Page 1


Carta do editor

Chegar na edição número 10 para uma revista independente é algo que deve ser comemorado, por isso estamos trazendo para você, leitor, uma edição totalmente festiva em que nos inspiramos nos elementos preciosos, como metais, minerais e geradores de riqueza para traduzir o sentimento de vitória que a HIGH PRECIOUS incorpora. Com uma entrevista exclusiva com o estilista Rodrigo Rosner, vamos conhecer mais sobre seu trabalho com pedrarias e metais, além de matérias sobre clássicos e elementos de vanguarda. Nossa edição é dividida em capítulos que separam o elemento que inspirou cada um dos sete editoriais da edição, fotografados por novos e já contínuos colaboradores da nossa revista. Se prepare para vivenciar uma edição de encher os olhos com um sentimento de preciosidade presente em cada página.

Get to the issue number 10 for an independent magazine is something that should be celebrated, so we are bringing to you, the reader, an issue totally festive. We will bring precious elements such as metals and minerals to translate the feeling of victory that incorporates this HIGH PRECIOUS. With an exclusive interview with the designer Rodrigo Rosner, we will know more about his work with precious stones and metals, as well as articles on classical and avant-garde elements. Our edition is divided into chapters that separate the element that inspired each one of the seven editorial issue, photographed by new and existing employees of our continual magazine. Get ready to this experience, this issue will fill your eyes with a feeling of preciousness present on each page. Jonathan Wolpert

ISSUE 10 5 Cidade sem Esmeraldas City without Emeralds 6 Emerald Eclipse 21 Prata - A supremacia do puro Sentimento Silver - Supremacy of Pure Feeling 22 Silver Linings 39 De China para o Mundo From China to the world 40 East to West 53 Qual é a música? What is the music? 54 Heterogeous 63 R. Rosner 64 Swimming in Rich Oil 81 Shine bright like a Diamond 82 Distant Glow 95 Museu Guggenheim A preciosidade do país basco - Guggenheim Museum - Bilbao The preciousness of Basque Country 96 Botânica


Jonathan Wolpert Editor-in-chief Ana Cuentro Head designer Ander Oliveira Fashion editor Olga Ferraz Translation Emannuel Alves Website Editor Victor Apolinario Assistant Editor

COLuMNISTS

Danilo Candido Jéssica Fantini Khalil Rodor Laércio Wolpert Tathianna Nunes Thiago Valença

CONTRIBUTORS

ABÁ MGT, Andreia Tavares, Angelica Erthal, Bruna Castanheira, Bruno Correa, Cesar Cortinove, Chágelado Estúdio, Edu Hyde, Estefania Calixto, FFW, Fabio Lamounier, Felipe Abe, Ford Models, George Krakowiack, Josefina Bietti, João Paulo Durão, João Policarpo, Julia Fuchs, Julia Lego, Juliana Martinelli, Karina Silva, Karla Holanda, Licídio Leão, Luiz Bicalho, Marta Antônia, Model Madness, Natascha Lux, Nestor Madenes, Paulo Filatier, Poliane Menezes, Rafaela Bosi, Raphael Ramos, Raphael Ribeiro, Renata Palhano, Renato Filho, Renato Mardonis, Rodrigo Toscani, Rodrigo Ladeira, Rodrigo Rosner, Stud1um, TEN, Taila Berwig, Thais Custódio, Theodoro Remigia, Vanessa Deleu, Vivian Pupin, Washington Rodrigues.

Covers

Fotografia: Julia Lego Styling: João Paulo Durão Make: Luiz Bicalho Hair: Theodoro Remigia Modelo: Rafaela Bosi (Ford Models)

Fotografia: Bruna Castanheira Produção e estilo: Cesar Cortinove (ABAMGT) Beleza: Paulo Filatier (ABAMGT) Assistente de beleza: João Policarpo

Contact

contato@magbrainstorm.com @magbrainstorm

MAG BRAINSTORM is a bilingual bimonthly magazine over digital arts, architecture, cinema, literature, fashion, music and audiovisual. Its forbidden the reproduction in whole or in part without prior permission of the editorial content. Signed articles and editorials are the sole responsibility of the authors and do not reflect the opinion of the magazine.

magbrainstorm.com

www.


Literatura É uma cidade repleta de verde, mas que não há esmeraldas nenhuma, não há riqueza nenhuma para população. A riqueza é desviada para outro caminho. Essa era a sensação da população americana em relação ao estado: manipulação e enganação. Essa espirito ainda permanece não só na América, mas no mundo. Por esse motivo, O Maravilhoso Mágico de Oz nunca envelhecerá. Mais atual é impossível.

CIDADE SEM ESMERALDAS City without Emeralds

Danilo Candido

O Maravilhoso Mágico de Oz (The Wonderful Wizard of Oz) é um conto infanto-juvenil de L. Frank Baum. É o primeiro de uma série de quatorze livros que mostra as aventuras de Dorothy Gale na fantástica Terra de Oz. Lançado em 1900, o livro não é apenas um conto infantil, mas uma metáfora sobre os acontecimentos da sociedade norte-americana no final do século XIX consequentes da nova moeda e do Movimento Populista. A história de Dorothy rumo a Cidades das Esmeraldas conduz o leitor a um conto atemporal sobre manipulação politica e econômica. O conto é sobre a pequena garota de 12 anos de idade, Dorothy Gale, que vive em uma fazenda no Kansas com sua tia Em e tio Henry, mas sempre sonhou com um lugar melhor. Depois de ser atingida inconsciente durante uma tempestade por uma janela que se soltou da casa, Dorothy percebe que ela, seu cachorro Totó e a casa foram transportados para a terra mágica de Oz. Onde, a Bruxa Boa do Norte, Glinda, aconselha Dorothy a seguir pela estrada de tijolos amarelos em direção à Cidade das Esmeraldas e encontrar o poderoso Mágico de Oz, que pode levá-la de volta para o Kansas. Durante sua jornada, ela encontra um Espantalho, um Homem de Lata e um Leão Covarde, que se juntam a ela, na esperança de receber aquilo que lhes faltam mais: cérebro, coração e coragem, respectivamente. Ao mesmo tempo em que tentam evitar a Bruxa Malvada do Oeste e sua tentativa de conseguir os sapatos de prata de Dorothy, que recebeu de sua irmã Glinda. Por maior que sejam suas qualidades literárias, o mais impressionante em O Maravilhoso Mágico de Oz é a leitura que pode ser feita a partir do contexto politico e econômico dos EUA no final do século XIX quando o governo adotou o estalãoouro como sistema monetário. O ouro estava escasso e o que existia estava nas mãos da indústria, assim, o Partido Populista defendia o uso da prata como forma de pagamento no mercado norte-americano. Assim, a estrada de tijolos amarelos é o estalão-ouro e os sapatos de prata de Dorothy – que pisam sobre a estrada – seria o movimento a favor do uso da prata. No livro, o contraste entre a industrialização do Leste e a ocupação e vida no campo do Oeste aparecem respectivamente em Oz e no Kansas. A simples e ingênua Dorothy – que representa o homem comum – é aconselhada a seguir o “caminho do ouro” até a Cidade das Esmeraldas. A esmeralda representa a esperança que as personagens carregam na trama. Entretanto, Dorothy descobre, ao chegar lá, que a Cidade é comandada pelo egoísta e cruel Mágico de Oz que engana toda a população. Essa cidade representa a enganosa riqueza proporcionada pela cédula verde da moeda americana. Então, cada personagem é uma alegoria dessa leitura: o Espantalho representa os agricultores do Oeste; o Homem de Lata, os trabalhadores industriais; e o Leão Covarde, os funcionários públicos. A Cidade das Esmeraldas é a metáfora do governo americano de promessas e melhorias a população, mas na verdade implantou um sistema monetário que beneficia apenas os magnatas e donos de indústrias. O Espantalho, o Homem de Lata e o Leão Covarde juntam-se a Dorothy em busca de melhorias motivadas pela esperança dada pelas Esmeraldas. Mas, recebem outra farsa, como um diploma (cérebro), uma condecoração (coração) e uma medalha (coragem), ou seja, são certificados que tem aquilo, mas na realidade eles não têm.

The Wonderful Wizard of Oz is a juvenile tale of L. Frank Baum. It is the first in a series of fourteen books that follows the adventures of Dorothy Gale in the fantastic land of Oz. Launched in 1900, the book is not just a fairy tale, but a metaphor for the events of American society in the late nineteenth century consequent of the new currency and the Populist Movement. The story of Dorothy toward the Emerald City leads the reader to a timeless tale about political and economic manipulation. The tale is about a little girl of 12 years old, Dorothy Gale who lives on a farm in Kansas with her Aunt Em and Uncle Henry, but always dreamed of a better place. After being struck unconscious during a storm by a window that broke from the house, Dorothy realizes that she, her dog Toto and the house were transported to the magical land of Oz. Where the Good Witch of the North, Glinda, advises Dorothy to follow the yellow brick road towards the Emerald City and find the powerful Wizard of Oz, who can take her back to Kansas. During her journey, she meets a Scarecrow, Tin Man one, and a Cowardly Lion, who join her, hoping to receive what they lack most: brain, heart and courage, respectively. While trying to avoid the Wicked Witch of the West and her attempt to get Dorothy’s silver shoes, received by her sister Glinda. Bigger than their literary qualities, the most impressive in The Wonderful Wizard of Oz is the reading that can be made from the economic and political context of the U.S. in the late nineteenth century when the government adopted the gold standard as a monetary system. The gold was scarce and what there was in the hands of the industry, thus, the Populist Party advocated the use of silver as payment in U.S. market. Thus, the yellow brick road is the gold standard and the silver shoes Dorothy - who step on the road - would be the movement in favor of the use of silver. In the book, the contrast between the industrialization of Eastern and occupation and country life appear respectively in West Oz and Kansas. The simple and naive Dorothy - representing the common man - is advised to follow the “path of gold” to the Emerald City. The emerald is the hope that the characters carry the plot. However, Dorothy discovers, upon arriving there, the city is controlled by selfish and cruel Wizard of Oz who deceives the whole population. This city is the wealth provided by the misleading ballot green greenback. Then, each character is an allegory of this reading: the Scarecrow represents the farmers of the West, the Tin Man, industrial workers, and the Cowardly Lion, public officials. The Emerald City is the metaphor of the American government and promises improvements population, but actually implemented a monetary system that benefits only the moguls and owners of industries. The Scarecrow, the Tin Man and the Cowardly Lion join Dorothy in search of improvements motivated by the hope given by Emeralds. But given another scam, like a diploma (brain), a decoration (heart) and medal (courage), ie they are certificates that have it, but in reality they have not. It is a city full of green, but there is no emeralds, there is no wealth for the population. The wealth is diverted to another path. That was the feeling of the American population in relation to the state: manipulation and deception. This spirit still remains not only in America but in the world. For this reason, The Wonderful Wizard of Oz never grow old. More current is impossible. 5


EMERALD

ECLIPSE

Fotografia e arte FELIPE ABE Styling GEORGE KRAKOWIAK Beleza EDU HYDE Modelo JULIA FUCHS

Vestido GIG


Camisa Faven, quimono e bermuda MaracujĂĄ, anĂŠis Delicatessen e sapatos Luana Jardim


Calça, camisa e chemisier, Faven, sapatos Luana Jardim, brincos Topshop

Look total AndrĂŠia Marques Sapato Santa Lola


Blusa Printing, saia Coven, anĂŠis e pulseira Delicatessen e brincos Topshop


Blusa Lucas Magalhães, saia Maracujá, cinto e clutch Adô, sapatos Luana Jardim

Blusa acervo Saia GIG


Blusa Faven, quimono Graça Ottoni, short Essenciale e anÊis Delicatessen


Blusa Coven, saia Gra莽a Ottoni, Colares Mary Design, bolsas Ad么 e sapatos Luana Jardim

Trench Coat Spezzato


Vestido Coven


Blusa acervo Saia GIG


Casaco Animale


Blusa gola rolĂŞ Toli


Camisa Tigresse, saia Apartamento 03


Moda

“Do not tell me the moon is shining, show me your reflection in a shard of glass.” Anton Chekhov

PRATA – A SUPREMACIA DO PURO SENTIMENTO

In Latin the word Argentum derives from a Sanskrit word denoting white and bright. This metal associated with the moon, Divine Wisdom, and mark of purity and purification seconds beliefs Russian; Silver is unique symbol associated with femininity, and excels candor of this way. The clarity of this element was sufficiently inspiring to name a great time in Russian literature: The Silver Age. Begun in the late nineteenth century, poetry rose again in literary pedestal, above the lines of Anton Chekhov granting a new image to the genre. A purity of the form and lyricism that could be equated to the delicacy of women in their rawest gestures, or the brilliance of his strained silver adornments. Came into vogue during this period Russian artistic, The Supremacy of Pure Feeling (Супрематизм), centered on the shortest way between feeling and expression through art. Either through a metric poetry, or paintings and geometric minimal, the feeling was sought for that the substance by means of a plastic sensitivity, could be properly reproduced. Soon, silver not even a literal way - showed its supremacy being rooted in the purity of Russian artistic productions. However, the passivity of the silvery moon is not the only feature that can be set. Contrary to gold - representing the male - silver has its culmination in the Greek goddess Artemis, twin sister of Apollo, the god of the Sun according to mythology, Artemis to have a single application granted by his father Zeus on his birthday, asked to move freely in the woods, accompanied by wild animals, and a dispensation from the obligation of marriage. One of the few virgin goddesses, and a symbol of the freedom and autonomy of women. Leaving the Greek legends and Russian literature, dived at the height of exploration of the Gold Cycle in Minas Gerais in the eighteenth century, where some Jesuits to adorn the churches of Vila Rica - Current Ouro Preto - exchanged equally 1 kg of gold per 1 kg Silver with the rebels of Cisplatin and Argentina. This exchange somewhat uneven, happened due to the large amount of gold and silver shortages in Brazil. Even today this exchange is completely inconceivable, silver was essential for making the tabernacle and other objects of Catholic culture. Treating fashion as artistic expression, and the woman as an essential means to display and add this expression. We have, perhaps, a need to turn to the moon, exchange gold clothing excessive current, and get into simpler forms supremacy a feeling that expresses the essence of direct mode of each. Replace the “gold” for silver to a better aesthetic and personal ornament may indeed be something to be done consistently. Be that woman, sensitive and morning and / or independent firm. Only. It is necessary to think carefully in the translation of sentiment, so understood, may be exposed. And there are no obstacles for women, lunar goddesses, can put up with her femininity, and circular unaccompanied at night.

Silver - Supremacy of Pure Feeling

Khalil Rodor

“Não me diga que a Lua está brilhando; mostre-me seu reflexo num caco de vidro.” Anton Tchekhov Em latim a palavra Argentum deriva de um vocábulo sânscrito que denota branco e brilhante. Esse metal associado à lua, Sabedoria Divina, e marca de pureza e purificação segundo crenças russas; a Prata é símbolo singular associado à feminilidade, e a exímia candura dessa forma. A limpidez desse elemento foi suficientemente inspiradora para dar nome a um grande momento da literatura russa: A Era de Prata. Iniciada no fim do século XIX, a poesia novamente subia no pedestal literário, sobretudo as linhas de Anton Tchekhov, que concede uma nova imagem ao gênero. Uma pureza de forma e lirismo que poderia ser equiparada à delicadeza da mulher em seus gestos mais crus, ou ao brilho coado de seus adornos prateados. Entrava em voga nesse período artístico russo, A Supremacia do Puro Sentimento (Супрематизм), centrado na maneira mais curta entre o sentimento e a sua expressão por meio da arte. Fosse através de uma métrica poética, ou de pinturas minimalistas e geométricas; o sentimento era a essência procurada para que por meio de uma sensibilidade plástica, pudesse ser devidamente transcrito. Logo, a prata - mesmo não de um modo literal - demonstrava sua supremacia sendo arraigada na pureza das produções artísticas russas. Porém, a passividade da lua prateada não é a única característica com que se pode definir. Contrária ao ouro – que representa o masculino – a prata tem seu ponto culminante na deusa grega Artemis, irmã gêmea de Apolo, o deus do Sol. Segundo a Mitologia, Artemis ao ter um único pedido concedido por seu pai Zeus em seu aniversário, pedira para circular livremente nas matas, acompanhada de animais selvagens, e uma dispensa da obrigação do casamento. Uma das poucas deusas virgens , e símbolo maior da liberdade e autonomia feminina. Saindo das lendas gregas e da literatura russa, mergulhamos no auge da exploração do Ciclo do Ouro nas Minas Gerais do século XVIII, onde alguns jesuítas para ornar as igrejas de Vila Rica – atual Ouro Preto - trocavam igualitariamente 1 kg de ouro, por 1 kg de prata com os revoltosos da Cisplatina e Argentina. Essa troca um tanto desigual, acontecia devido à grande quantidade de ouro, e a escassez de prata no Brasil. Mesmo que atualmente esse câmbio seja completamente inconcebível, a prata era elemento essencial para confecção do tabernáculo e outros objetos da cultura católica. Tratando a moda como manifestação artística, e a mulher como meio essencial para exposição e complemento dessa expressão. Temos, talvez, uma necessidade de virar para a lua, trocar o ouro excessivo do vestuário atual, e buscar em formas mais simples a supremacia de um sentimento que exprima de modo direto a essência de cada um. Trocar o “ouro” pela prata a fim de um melhor ornamento estético e pessoal pode sim ser algo coerente para ser feito. Seja essa mulher, sensível e alva e/ou independente, firme. Única. É necessário pensar com cautela na tradução do sentimento, para que compreendido, possa ser exposto. E que não haja obstáculos para que as mulheres, deusas lunares, possam revestirse com sua feminilidade, e circular desacompanhadas, à noite.

Fotos: Reprodução/Divulgação 21


TOP ANÉIS E BRINCO RENATA PALHANO


SILVER LININGS Photo Jonathan Wolpert (Abá) Styling Nestor Mádenes (S7YLING) Produção de Moda Natascha Lux (S7YLING) Beleza Raphael Ramos (STUD1UM BELEZA) Modelo Karina Silva (Madness) Locação STUD1UM Agradecimento Renato Filho Victor Hugo Ellus Dona Santa Luciana Ribeiro Francis Fernandes Renata Palhano Studio Tmls Tufi Duek


CASACO FRANCIS FERNANDES BRINCO RENATA PALHANO SAPATO STUDIO TMLS


VESTIDO VICTOR HUGO BRINCO RENATA PALHANO COLAR STUDIO TMLS


BLUSA TUFI DUEK JAQUETA ELLUS BRINCO RENATA PALHANO BRACELETES ACERVO S7YLING


CASACO ELLUS BRINCO E ANEL RENATA PALHANO


BLUSA TUFI DUEK JAQUETA ELLUS BRINCO RENATA PALHANO BRACELETES ACERVO S7YLING


CAMISA PEDRO LOURENÇO PARA DONA SANTA CALÇA ELLUS BRINCO RENATA PALHANO COLAR ACERVO S7YLING


VESTIDO PEDRO LOURENÇO PARA DONA SANTA BRINCO RENATA PALHANO COLAR ACERVO S7YLING SANDÁLIA STUDIO TMLS


VESTIDO TUFI DUEK BRINCO RENATA PALHANO BRACELETE ACERVO S7YLING SANDÁLIA STUDIO TMLS


ARTE

Da China para o mundo From China to the world

Thiago Valença

Mesmo antes das pinturas rupestres (dos egípcios) modelando vasos que até hoje chamam a atenção pela beleza e técnica empírica que os artesãos possuíam naquele período da história. Com o passar dos séculos, as técnicas foram aperfeiçoadas, e na dinastia Han (206 a.C. - 220 d.C.) que tem início uma tradição contínua de fabricação de cerâmica cozida e vitrificada para uso em túmulos. Durante dinastias posteriores, a arte chinesa de produzir e desenhar em vasos teve seu apogeu na Dinastia Ming. Em meados do Século XIV subia ao Império Chinês a Dinastia Ming (1368-1644), uma das dinastias mais expressivas que já governaram a China. Na qual a população foi testemunha do grande desenvolvimento cultural, arquitetônico, artístico e econômico que aconteceu naquela época. Nesse período foram construídas obras importantes, que conhecemos até os dias de hoje, como a Muralha da China, a Cidade Proibida e a reconstrução do Grande Canal.  Foi nesse período de ascensão chinesa, que as artes tiveram um papel fundamental na propagação da cultura chinesa, tanto na arquitetura, com os Pagodes (edifícios com cobertas peculiares, comum em alguns outros países do oriente) e na pintura e escultura como nos famosos Vasos Chineses.   Os Vasos Ming tiveram um expressivo reconhecimento artístico, correspondente ao espírito de época do lugar e até hoje são vistos como obras primas que chegaram a influenciar diversos tipos de arte ao redor do mundo e em diferentes épocas da humanidade. O pigmento azul sobre a cerâmica ou porcelanato, tão usado naquele período virou marca registrada de uma civilização, e até hoje representa muito da tradição e da história da China no seu período áureo. A produção de vasos originais chineses que correspondiam as suas dinastias específicas acabou no fim da Dinastia Qing (1644-1911), que tiveram como marcas registradas a cor verde, posteriormente o rosa e a mistura de várias cores. O que foi produzido após o Século XVIII tem sido visto apenas como pastiche de tudo que já foi feito ao longo dos séculos anteriores, portanto, sem grande valor artístico. Os vasos que foram produzidos na dinastia Ming e Qing são extremamente valiosos, e a depender de seu nível histórico e nível de acabamento, podem chegar a valer milhões de dólares nos leilões de colecionadores. A produção de vasos chineses gerou muitos frutos. A pigmentação azul sobre cerâmica e porcelana teve influência direta sobre diversos tipo de arte, como, por exemplo a azulejaria. Tipo de arte que utiliza peças cerâmicas esmaltadas em um dos lados e com desenhos de diversos, muitas vezes com a pigmentação azul, muito usado desde a colonização do Brasil, passando pelo movimento modernista com Cândido Portinari e  Athos Bulcão e seus fantásticos painéis de azulejo (presente em muitas obras de Niemeyer), e chegando até os dias de hoje.   A arte contemporânea está aberta a diversos segmentos artísticos, misturas, estilos, e felizmente, ainda temos muitas possibilidades de uso de painéis de azulejo, mosaico, cerâmica, ladrilhos hidráulicos e tantos outros descendentes do modelo de arte vindo do oriente, pigmentações e “patterns” (desenhos repetidos que formam mosaicos). Além disso, a China continua contribuindo intensamente com a arte, como é o caso do arquiteto Wang Shu, vencedor do prêmio Pritzker 2012 (Nobel da Arquitetura) e do designer, artista plástico e ativista político Ai Wei Wei, que foi assessor artístico das Olimpíadas

de Pequim e tem o seu trabalho reconhecido no mundo inteiro. Por sinal, Wei Wei, fez algumas releituras de vasos chineses de uma maneira totalmente inusitada, como é o caso do vaso da Coca-cola, fazendo uma uma releitura de toda a tradição em cerâmica que a China tem, atrelada ao maior simbolo capitalista, resultando numa obra bastante curiosa. Even before the cave paintings of the Egyptians in the heyday of the Egyptian Empire, the Chinese were already working with ceramics, making drawings and modeling vessels that still notable for beauty and empirical technique that craftsmen possessed at that period of history. Over the centuries, the techniques have been perfected, and the Han Dynasty (206 BC - 220 AD) who begins a continuous tradition of ceramic and glazed baked for use in tombs. During later dynasties, the Chinese art of producing and designing in pots had its heyday in the Ming Dynasty. In the mid-fourteenth century climbed the Empire Chinese Ming Dynasty (1368-1644), one of the most significant dynasties that have ruled China. In which the population has witnessed the great cultural, architectural, artistic and economic what happened back then. In this period important works were built, until we know today as the Great Wall, the Forbidden City and the rebuilding of the Grand Canal. It was in this period of China’s rise, the arts played a major role in the spread of Chinese culture, both in architecture, with Pagodas (buildings covered with peculiar, common in some other countries of the east) and painting and sculpture as in the famous vases Chinese. The Ming vases had a significant artistic recognition, corresponding to the spirit of the time and place today are seen as masterpieces that they influenced many types of art around the world and at different times of humanity. The blue pigment on ceramic or porcelain tiles, as used in that period has become a trademark of a civilization, and even today represents much of the tradition and history of China in its heyday. The original production of Chinese vessels that met their specific dynasties is over in the late Qing Dynasty (1644-1911), which had the trademark green color, then pink and mixture of various colors. What was produced after the eighteenth century has been seen only as a pastiche of everything that has been done over the previous centuries, so no great artistic value. The vessels that were produced in the Ming and Qing dynasties are extremely valuable, and depend on their history and level of finish, can be worth millions of dollars in auctions for collectors. The production of Chinese vases produced much fruit. The blue pigment on pottery and porcelain had a direct influence on various types of art, such as the tiles. Type of art that uses ceramic enamel on one side and with various designs, often with a blue pigment, widely used since the colonization of Brazil, through the modernist movement with Candido Portinari and Athos and its fantastic tile panels ( present in many works of Niemeyer), and reaching the present day. Contemporary art is open to many artistic segments, blends, styles, and thankfully, we still have plenty of use of tile panels, moisaico, ceramics, tiles and many other descendants hydraulic model of art from the east, pigmentations and “patterns “(repeated drawings that form mosaics). Moreover, China continues to contribute strongly to the art, such as the architect Wang Shu, winner of the 2012 Pritzker Prize (Nobel of Architecture) and the designer, artist and political activist Ai Wei Wei, who was artistic adviser to the Olympics Beijing and have your work recognized worldwide. Incidentally, Wei Wei, did some readings of Chinese vases in a totally unusual, as is the case of the pot of Coca-Cola, a retelling of making a whole tradition in ceramics that China has pegged the greatest symbol capitalist resulting 39 in a very curious work.


EAST TO WEST produção e estilo CESAR CORTINOVE (ABAMGT) beleza PAULO FILATIER (ABAMGT) assistente de beleza JOÃO POLICARPO foto BRUNA CASTANHEIRA Agradecimetos: Kioko Watanabe Obis Erico Marmiroli - Fundação Japão São Paulo

Colar ouro com pingente PATRICIA CENTURION Vestido estampado LINO VILLAVENTURA


blusa preta seda com estampa NEON shorts alfaiataria preto ELLUS pulseiras preta e branca NEON meia lurex dourada BRECHÓ MINHA AVÓ TINHA Sapatos oxford vermelho camurça VIRGÍNIA BARROS para RONALDO FRAGA


Máscara GUSTAVO COSTA Vestido preto veludo CAMPOS GLORIA COELHO Vestido VITORINO para ADOM colar com placas geométricas TURPIN Calça acervo braceletes prata TURPIN Sapatos STUDIO TMLS


Vestido TSU para ADOM kimono estampado LINO Calรงa VILLAVENTURA SIANINHA colar prata escamaTMLS TVZ Sapatos STUDIO


Blazer armadura veludo preto VITOR ZERBINATO Faixa preta e dourada usada como tiara CHRISTINE YUFON Camisa barroco preta e dourada STUDIO 21


Terรงo SABRINA CARVALHO para STTDIO TMLS Kimono estampado LINO VILLAVENTURA Sapatos STUDIO TMLS colar prata escamas TVZ Conjunto SIANINHA


Faixa usada como tiara CHRISTINE YUFON Camisa barroco preta e dourada STUDIO 21 Blazer armadura veludo preto VITOR ZERBINATO Calรงa preta couro GLORIA COELHO Clutch couro preta tela dourada LE POSTICHE Anel octogonal preto com pedra NADIA GIMENES


Blusa preta com decote NEON colar couro com pingente cobre drag達o e colar usado como tiara CHRISTINE YUFON


Casaco MELK Z-DA Calçabordado CARINA DUEK para ADOM Xale com mini pérolas APARTAMENTO 03


Kaftan MELK Z-DA Blusa prata matelassê COELHO CasacoGLORIA e calça SIANINHA Brincos prata CHRISTOPHER ALEXANDER para CHOIX Sapatos STUDIO TMLS


vestido estampado LINO VILLAVENTURA colar ouro com pingente PATRICIA CENTURION Brincos CHRISTOPHER ALEXANDER


Obi KIOKO WATANABE brinco CHRISTINE YUFO


MÚSICA

“Do not tell me the moon is shining, show me your reflection in a shard of glass.” Anton Chekhov

QUAL É A MÚSICA?

In Latin the word Argentum derives from a Sanskrit word denoting white and bright. This metal associated with the moon, Divine Wisdom, and mark of purity and purification seconds beliefs Russian; Silver is unique symbol associated with femininity, and excels candor of this way. The clarity of this element was sufficiently inspiring to name a great time in Russian literature: The Silver Age. Begun in the late nineteenth century, poetry rose again in literary pedestal, above the lines of Anton Chekhov granting a new image to the genre. A purity of the form and lyricism that could be equated to the delicacy of women in their rawest gestures, or the brilliance of his strained silver adornments. Came into vogue during this period Russian artistic, The Supremacy of Pure Feeling (Супрематизм), centered on the shortest way between feeling and expression through art. Either through a metric poetry, or paintings and geometric minimal, the feeling was sought for that the substance by means of a plastic sensitivity, could be properly reproduced. Soon, silver not even a literal way - showed its supremacy being rooted in the purity of Russian artistic productions. However, the passivity of the silvery moon is not the only feature that can be set. Contrary to gold - representing the male - silver has its culmination in the Greek goddess Artemis, twin sister of Apollo, the god of the Sun according to mythology, Artemis to have a single application granted by his father Zeus on his birthday, asked to move freely in the woods, accompanied by wild animals, and a dispensation from the obligation of marriage. One of the few virgin goddesses, and a symbol of the freedom and autonomy of women. Leaving the Greek legends and Russian literature, dived at the height of exploration of the Gold Cycle in Minas Gerais in the eighteenth century, where some Jesuits to adorn the churches of Vila Rica - Current Ouro Preto - exchanged equally 1 kg of gold per 1 kg Silver with the rebels of Cisplatin and Argentina. This exchange somewhat uneven, happened due to the large amount of gold and silver shortages in Brazil. Even today this exchange is completely inconceivable, silver was essential for making the tabernacle and other objects of Catholic culture. Treating fashion as artistic expression, and the woman as an essential means to display and add this expression. We have, perhaps, a need to turn to the moon, exchange gold clothing excessive current, and get into simpler forms supremacy a feeling that expresses the essence of direct mode of each. Replace the “gold” for silver to a better aesthetic and personal ornament may indeed be something to be done consistently. Be that woman, sensitive and morning and / or independent firm. Only. It is necessary to think carefully in the translation of sentiment, so understood, may be exposed. And there are no obstacles for women, lunar goddesses, can put up with her femininity, and circular unaccompanied at night.

What is the music? Tathianna Nunes

Foto: Reprodução/Divulgação

Quando a banda americana The Strokes caiu como uma bomba pop com Last Nite quem poderia imaginar que um pouco mais de dez anos depois o grupo iria se aventurar no tecnobrega? Pois é... preciso calibrar minha bola de cristal porque esta passou batida. Batizada de One Way Trigger, o “treme-treme” dos indierockers nova-iorquinos tem direito a falsete e sintetizadores e chega a lembrar até A-Ha. Engraçado é que ‘tecno” é tão anos 80 e brega é tão eternamente “ano passado”, mas a edição desses estilos tem produzido as grandes surpresas na música atualmente. O quarteto paraense Gang do Eletro saiu da laje da periferia de Belém e ressuscitou o neon direto do túnel do tempo. Os puristas musicais tiveram que “engolir” os beats da aparelhagem que foram escalados até para a edição brasileira do Sónar 2012 – festival de primeira classe de DNA vanguardista e experimental. Sabiam que até o beatle Sir Paul McCartney caiu nas graças do ritmo e cogita compor um tecnobrega? Pelo menos esse é um dos boatos que circulam por aí. Qual é a magia desta melodia? Estaria neste som o caminho da música do futuro? Acredito fielmente no universo resultante de inúmeras possibilidades da edição. O tecnobrega é um grande trabalho editorial de samples. Saindo do Brasil e indo até a Alemanha, referência de música experimental eletrônica, encontro a figura do DJ Búlgaro Kosta Kostov, mestre em editar sons do Bálcãs e misturar com dub, tecno, house... Pergunto: qual o som do futuro? Kostov não vislumbra nenhuma novidade sonora nos próximos anos. Os ouvidos do músico não escutam nenhum zumbido marcante como “foi o dubstep que veio do reggae, mas talvez da cooperação entre Djs e produtores de diferentes continentes apareça um novo vício musical”, conclui. Pegando a conexão de volta ao Brasil, fui atrás de Chico Dub, curador do Festival Novas Frequências e idealizador da série de coletâneas Hy Brazil. Lanço o mesmo questionamento: Como será o som daqui a 5 anos? “Acho que quem responder essa pergunta de forma objetiva, tipo pá-pum, estará dando um chutão daqueles... É simplesmente impossível fazer qualquer tipo de previsão, já que tudo hoje em dia é extremamente horizontal. Falando especificamente de Brasil (e relacionado à cenas), o que eu acho que vai acontecer é um boom envolvendo produção, divulgação, apoio, estrutura e eventos ligados a tríade experimental/ vanguarda/ novas tendências.” As pessoas estão escutando mais música do que nunca, e mais musica diferente do que nunca. A música nunca foi tão facilmente portátil como é hoje e nunca circulou tanto. Por isso, estamos vivendo o melhor momento para os fãs de música, em um cenário que é impraticável prever a música do futuro, mas promissor de infinitas possibilidades sonoras.

55


heterogeneous

Photographer Bruno Correa Model Taila Berwig Beauty Washington Rodrigues Concept Raphael Ribeiro Retouching Poliane Menezes


Entrevista

R. ROSNER Andreia Tavares

A relação entre pedras preciosas e roupa não é de agora. Nos tempos mais remotos, por meio de joias aplicadas ou bordados feitos com pedraria, mulheres e homens das famílias mais privilegiadas ostentavam sem pudor o seu poder, a sua riqueza e o seu estatuto social. As joias carregavam (e carregam até hoje) importantes histórias de família, junto com um poderoso significado – pedras que oferecem proteção contra o mau olhado e que prometem trazer riqueza ou saúde. No cenário de moda nacional, o designer Rodrigo Rosner é especialista em utilizar nas suas criações pedras semipreciosas e cristais. Para ele, a regra é clara. “Joia é para usar, não é para ficar guardada no cofre”, diz. As pedras e cristais que usa adornam vestidos e outras peças e, muitas vezes, têm uma ação transformadora em um tecido. “Eu adoro bordar e acho que bordar com pedra é uma maneira de qualificar o tecido, de poder pegar um tecido tradicional e modifica-lo através do bordado com as pedras. Seja cobrindo ele todo ou fazendo algum desenho como se você estivesse criando uma estampa”, explica sobre o seu trabalho. Quanto à escolha de uma determinada pedra para adornar ou estampar um tecido, a opção é feita pela cor e não tanto pelo significado, como se fazia em tempos de outrora. “Tem gente que adora rubi porque protege, esmeralda porque tira mau olhado, mas eu sou visual, não tenho essa superstição nessa hora”, acrescenta Rodrigo. Na verdade, a pedra pode até estabelecer a cor do vestido: “Às vezes eu faço o caminho contrário e crio a partir de alguma joia que a cliente tem e quer usar”, diz. Para o designer, o segredo está em misturar vários materiais e cores. “Eu gosto muito de misturar e apresentar um leque de opções. Usar um mix de materiais: pedra, cristal, paetê, plástico, cristal com pedra semipreciosa”, explica. “Gosto de misturar cores também, tipo vermelho ou rosa. Acho meio cafona quando você faz o vestido da cor da pedra, fica meio óbvio. Adoro vestido vermelho com esmeralda”. De origem húngara e judaica, Rodrigo é amante das pedras tradicionais, como safiras e rubis, mas as suas cores de preferência são os tons arroxeados. “Eu adoro todos os violáceos e os rosas, mas tem tanta pedra diferente. Antigamente, estava estipulado que turmalina era verde, hoje em dia tem topázio verde, azul, rosa. Mas basicamente uma safira boa, um rubi bom, é eterno. Eu gosto muito das pedras tradicionais, tem uma que eu gosto muito que é tanzanita que é um roxo bem fechado, quase um violeta. E gosto de joias grandes, que se veja bem a pedra: um brincão ou um anel. Eu gosto de brilho! Gosto de joias e pedras lapidadas”, diz. Enquanto a sua escolha não se prende ao significado da pedra, Rodrigo não nega, no entanto, a importância das histórias que as joias carregam. “As peças muitas vezes são herdadas e carregam muita história da família. Quando você tem uma ocasião especial, é importante ter um pouco da sua história, é enriquecedor. As pessoas podem não saber, mas você sabe”, explica. Já em seu cofre, Rodrigo guarda uma peça pela qual nutre um carinho especial: “Tenho uma joia que a minha mãe deu para o meu pai quando eles ficaram noivos, um par de abotoaduras e prendedor de gravata de ouro amarelo fosco com ametista que eu adoro e uso sempre”. Andreia Tavares é repórter do portal FFW (ffw.com.br)

Foto: Ricardo Toscani 65


SWIMMING IN RICH OIL Photo Renato Filho (STUD1UM) Styling Nestor Mádenes (S7YLING) Produção de Moda Natascha Lux (S7YLING) Beleza Láercio Az (STUD1UM Beleza) Modelo Marta Mi (Amazing) Direção de Arte Lucídio Leão (Reserva)


JAQUETA ELLUS CALÇA DONA SANTA COLAR ACERVO S7YLING BOTA STUDIO TMLS


Top Zara Colete Ganga Salsa Blus達o Salsa Boxers Intimissimi


JAQUETA E CALÇA ELLUS VESTIDO DIANE VON FÜRSTENBERG PARA DONA SANTA COLAR ACERVO STUD1UM ANEL TUFI DUEK


BLUSA ELLUS SAIA E CALÇA PAT PATS PARA DONA SANTA CINTO TUFI DUEK SANDÁLIA STUDIO TMLS


VESTIDO TUFI DUEK SAIA PLISSADA ACERVO S7YLING ESTOLA VICTOR HUGO ANEL E SANDÁLIA TUFI DUEK


CASACO TUFI DUEK SAIA NOEMI RENDAS TERÇO STUDIO TMLS


CASACO DONA SANTA SAIA FRANCIS FERNANDES MEIAS ACERVO S7YLING BOTA STUDIO TMLS


VOILLETE ACERVO STUD1UM


CASACO VICTOR HUGO TWIN SET ELLUS VESTIDO DONA SANTA


Cinema

The visual composition is really importante to the movies? Or it becomes something negligible, since the narrative is well constructed? Understanding the film message more than simply capturing the content of the script is realize that even the small details are there for a reason. As in dreams, the film is filled with elements brought from psychic universe and reveals a multitude of possibilities through their signs and symbols. The props carry a baggage of associations that the viewer perhaps couldn’t assimilate only by the narrative. After all, aesthetics reinforces the script and permeates the storyline with elements that bring the essence of what we see. If the director aims to show wealth and ostentation, is there something more effective than putting a figure covered in jewels? Well, the precious stones are inserted in the range of objects that contain some narrative purpose. Among them the great record appearances are adorned by diamonds. Do not think it is coincidence that one of the muses on now days has a hit entitled “Shine bright like a diamond.” A brief look at the history of the film clarifies that the reference to the exuberance of the diamond made by Rihanna goes well beyond the musical context. The truth is that the exaltation of the crystal always took over the screen and his appearances yielded classic films, almost always accompanied by the most famous divas of cinema. Still have questions? Marilyn Monroe in Gentlemen Prefer Blondes, Audrey Hepburn in Breakfast at Tiffany, Liz Taylor in Cleopatra, Grace Kelly in To Catch a Thief and Catherine Denouve in Place Vendôme. In the end, more than a simple aesthetic whim, the diamond represents the ambition of the people. Certain directors abuse exposure in diamond, which seems to intend to steal a little of its luster to succeed. Everything revolves around the jewelry and they end up being the main attraction of the film. Men Prefer Blondes and Tiffany’s are good examples. In both the characters are real fond of jewelry and live in seeking to obtain them. The whole narrative leads us to the question of greed. In the first case, Marilyn Monroe’s character longs to find a rich husband and achieve the largest number of jewels as she can. While in Breakfast at Tiffany’s, Audrey Hepburn is a prostitute (is not very clear) that drinks coffee all day enjoying the diamonds in the window of Tiffany’s store and also dreams of marrying a millionaire. The reality is that in the two movies, jewelry and all the fascination surrounding them, act as tracks for the narrative below. Overall, the use of which makes us reflect on the importance wealth and to what extent the desire for material goods is healthy. The visual and content are more intertwined than we can imagine. It is wrong to think that when they care about the aesthetic elaboration, the production is doomed to utter futility. There is indeed a reason to choose each detail the physical space as well. After all, the film comes to decipher what is before our eyes, and so it would make sense neglect imagery constructed by director.

Shine bright like a Diamond Jessica Fantini

A composição visual é fundamental ao cinema? Ou passa a ser algo insignificante, desde que a narrativa seja bem construída? Entender a mensagem fílmica, mais do que simplesmente captar o conteúdo do roteiro, é perceber que até os pequenos detalhes estão ali por algum motivo. Assim como nos sonhos, o filme está repleto de elementos trazidos do universo psíquico e revela uma imensidão de possibilidades através de seus signos e símbolos. Os objetos de cena carregam uma bagagem de associações que o espectador talvez nem assimilasse apenas pela narrativa. Afinal, a estética reforça o roteiro e permeia o enredo com elementos que trazem a essência do que está sendo visto. Se o diretor tem o intuito de mostrar riqueza e ostentação, existe algo mais eficaz do que colocar uma figura coberta de joias? Pois bem, as pedras preciosas estão inseridas na gama de objetos que contêm algum proposito narrativo. Dentre elas o grande recorde de aparições são as adornadas por diamantes. Não pense que é por acaso que uma das musas da atualidade tem um hit intitulado “Shine bright like a Diamond”. Uma breve olhada na história do cinema esclarece que a alusão à exuberância do diamante feita por Rihanna vai bem além do contexto musical. A verdade é que a exaltação ao cristal sempre tomou conta das telinhas e suas aparições renderam filmes clássicos, quase sempre acompanhados das mais famosas divas do cinema. Ainda tem dúvidas? Marilyn Monroe em Os homens preferem as loiras, Audrey Hepburn em Bonequinha de luxo, Liz Taylor em Cleópatra, Grace Kelly em Ladrão de casaca e Catherine Deneuve em Place Vendôme. No fim das contas, mais do que um simples capricho estético, o diamante representa a ambição que há nas pessoas. Certos diretores abusam na exposição de diamantes, parece até que intencionam roubar um pouco do seu brilho para alcançar o sucesso. Tudo gira em torno das joias e elas acabam sendo o principal atrativo do filme. Os homens preferem as loiras e Bonequinha de Luxo são bons exemplos disso. Em ambos, as personagens são verdadeiras aficionadas por joias e vivem na busca de obtê-las. Toda a narrativa nos remete a questão da cobiça. No primeiro caso, a personagem de Marilyn Monroe anseia encontrar um marido rico e conseguir o maior número de joias que puder. Enquanto que em Bonequinha de luxo, Audrey Hepburn é uma prostituta (não fica muito claro) que toma café todos os dias apreciando os diamantes na vitrine da Tiffany, loja conceituada de joias, e também sonha em casar com um milionário. A realidade é que nos dois filmes, as joias e todo o fascínio que as rodeiam, funcionam como trilhas para a narrativa seguir. Além de tudo, o uso delas nos faz refletir sobre a importância da riqueza e até que ponto o desejo pelos bens materiais é saudável. O visual e o conteúdo estão mais interligados do que podemos imaginar. É errado pensar que ao prezar pela elaboração estética, a produção está condenada a total futilidade. Existe, de fato, uma razão para escolher cada detalhe do espaço físico também. Afinal de contas, o filme se trata de decifrar aquilo que está diante dos nossos olhos, e por isso não faria sentido negligenciar o conjunto imagético construído pelo realizador.

Fotos: Reprodução/Divulgação 81


DISTANT GLOW PH. Josefina Bietti (ABAMGT) Produção e styling Cesar Cortinove (ABAMGT) Beleza: Renato Mardonis (ABAMGT) Modelo: Thais Custódio (agência TEN) Assistente de beleza: Juliana Martinelli Manicure: Estefania Calixto


Coroa triangular com cristais MARCO APOLLONIO Vestido de tule ilusion com aplicações VITOR ZERBINATO


Vestido de algodão bicolor com aplicação paetés Louis Vuitton Meia calça bordada Triffil Sandálias cobre em verniz Louis Vuitton Pulseiras resina com cristais Louis Vuitton


Colete de lã com detalhes em couro usado como vestido Gloria Coelho Bracelete couro com laço Turpin Hot Pants preta de alfaiataria Ellus


Colete de pelos preto e branco usado como vestido Morena Rosa Brinco cara de tigre com strass Lulu Souto Braceletes pretos com cara de tigre Duza Coleira prata Gabriela Pires SandĂĄlias Christian Louboutin

Vestido cetim de seda preto e branco Helmut Lang para Esencial Gargantilha macramĂŞ preto com flores de acrĂ­lico Opto design Carteira de verniz Dior


Vestido estampado santorini vazado Alphorria Cult Cinto couro com fivela grafica preta e branca Alphorria cult Meia quadriculada preta e branca Brech贸 Minha Av贸 Tinha Brincos acr铆lico preto e branco Marco Apollonio Pulseiras resina preta Acervo Pessoal Colar com pedras verdes Lulu Souto


Broche de borboleta com strass usado como presilha de cabelo Duza Anel redondo com strass e pedra e anel pequeno pedra oval com strass Nadia Gimenes Anel ouro rosĂŠ Gabriela Pires Colar ouro com placas pedras e corrente Gabriela Pires Pulseira ouro rosĂŠ com pedras e correntes Gabriela Pires Brinco pedra verde e cristais Gabriela Pires


Vestido mostarda e prata Top shop Pulseira grafite com pedras verdes Gabriela Pires Anel revestido ouro com pedra verde Flavia Baldi


Vestido preto de veludo manga longa GLORIA COELHO Pelerine de veludo com aplicações GLORIA COELHO Anel prata redondo com pedra preta ônix DUZA Sapatos com spike CHRISTIAN LOUBOUTIN


Vestido de seda marinho SANDRA NAKAYAMA para ESENCIAL Scarpin preto verniz CHRISTIAN LOUBOUTIN


Colar correntes douradas com pérolas GABRIELA PIRES Colar irregular com bolinhas pratas OPTO design Colar com amarrações de correntes e flor OPTO design Colar pérolas esverdeadas e correntes prateadas OPTO design Óculos pretos PRADA Luvas couro FORUM

Anel prata com pedra ônix preta DUZA Bracelete preto com cara de tigre DUZA Bolsa preta couro sweet charity CHRISTIAN LOUBOUTIN Calça preta couro GLORIA COELHO Scarpin preto com spike Vestido de tweed roxo e preto TOPSHOP


arquitetura

Museu Guggenheim - Bilbao A preciosidade do País Basco Guggenheim Museum - Bilbao The preciousness of Basque Country Laércio Wolpert

Ver se aproximando do seu campo de visão o Museu Guggenheim, realmente é uma emoção única. Quando tive finalmente esse prazer, o dia estava nublado, porém nas frestas, entre as nuvens, alguns raios de Sol ainda insistiam em bater na sua estrutura de chapas de titânio, costuradas como escamas de peixe, recobrindo quase toda a sua fachada, e ele ficava maior e maior. Imponente, misterioso, instigante e belo. A minha impressão era estar admirando um castelo de ouro de um mundo bem distante. E na verdade para um arquiteto que só estava acostumado a vê-lo em livros e revistas, o Museu realmente possuía uma aura mítica. Obra-prima do arquiteto Frank Gehry, poucas vezes houve obra tão importante para todo um processo de revitalização de uma cidade, assim como foi - e é - o Museu Guggenheim instalado na cidade de Bilbao. Sem querer ser muito romântico - pois realmente houve um planejamento elaborado para o ressurgimento e florescimento de Bilbao - arrisco dizer que essa atmosfera mágica que eu citei no início, realmente tenha contagiado toda a cidade, que agora é cheia de vida, beleza e vibração urbana no melhor estilo europeu. Ele foi um marco que conseguiu destacar de forma internacional um município: outrora fundamentado na indústria, não bem quisto pelos seus jovens e parte não integrante do mapa turístico Vasco. Termino por aqui dizendo em bom Basco: Gero arte!

See approaching to your field of view the Guggenheim Museum, actually is a unique emotion. When I finally had this pleasure, the day was cloudy, but in the gaps between the clouds, rays of sun still insisted on hitting the structure of titanium sheets, sewn as fish scales, covering almost the entire façade, and he grew larger and greater. Imposing, mysterious, intriguing and beautiful. My impression was being admiring a castle of gold from a far away world. And in fact for an architect who was just used to see it in books and magazines, the Museum actually possessed a mythical aura. Masterpiece of the architect Frank Gehry, was rarely existed a work as important for a process of revitalization of a city, as well as was - and is - the Guggenheim Museum installed in the city of Bilbao. Unconsciously being very romantic - because there was a really elaborate planning the revival and flowering of Bilbao - I dare say that this atmosphere magic that I quoted at the beginning, actually has spread throughout the city, which is now full of life, beauty and urban vibe in the best European style. He was a milestone that could highlight the international way a county: formerly based on industry, not well liked by his youth and the not part of the tourist map Vasco. I conclude by saying here in good Basque: Gero art! Fotos: Reprodução/Divulgação 95


BOTÂNICA

Fotografia Julia Lego Styling João Paulo Durão Make Luiz Bicalho Hair Theodoro Remigia Modelo Rafaela Bosi (Ford Models)


Vestido e Chemise – Nana Kokaev Saia de couro – Patrícia Motta Anéis de flor mão esquerda – Mary Design Anéis corrente mão direita – Raquel Braga Earcuffs – Mary Design Colar usado como tiara – Mary Design Faixa – Tidda


Vestido – Vivaz Camisa amarrada cinturae–calcinha Nana Kokaev Maxi casaco de tricônacolorido de crochê VANESSA MONTORO Brincosdourados – Camaleoa Brincos com pedras resina MARCO APOLLONIO


Vestido – Fátima Scofield Guirlanda de couro – Camaleoa Brincos – Aramez Anéis mão direita e Cinto – Raquel Braga Anéis mão esquerda – Mary Design Coturno – Acervo


Maxi casaco tric么 colorido VANESSA MONTORO Brincos dourados com pedras de resina MARCO APOLLONIO


Vestido – Kalandra Camisa de couro – Patrícia Motta Earcuffs – Mary Design


Kaftan colorido LANVIN acervo pessoal Colares, brincos e pulseira CHRISTINE YUFON


Vestido – Mabel Magalhães Casaco de tricô – Cecíliia Prado na GoodMood Store Brincos – Camaleoa


Vestido - Llas Colar usado como tiara – Mary Design Anéis e brincos – Mary Design Bracelete – Aramez


Body estampado ADRIANA DEGREAS Colar usado como tiara de madeira e colar CHRISTINE YUFON


Vestido bordado floral – Bárbara Bela Vestido de couro – Camaleoa Camisa – Nana Kokaev Bib – Camaleoa Brincos – Camaleoa Anel indicador flor – Mary Design Anel correntes mão direita – Mary Design Anel duplo com strass – Raquel Braga Coroa de couro – Camaleoa


issue10

BRAINSTORM 10