Issuu on Google+

Lins Filho

Poesia com pé e cabeça de sentir

Belém 2012


L. A.A. Lins Filho Poesia com pé e cabeça de sentir

Editora Letraloka Icoaraci – Belém – Pará


Todos os direitos reservados à Editora LetraLoka Ltda. Rua Manoel Barata, 1308 66812-020 – Belém - PA


Palavras construídas na forma imprecisa de momentos carregados de emoção. São chamadas poesias, e das mais diversas formas estéticas organizadas. Mas nunca deixando de ser algo emocional ou de uma matriz de um lugar distante da compreensão prática e tácita. Nesse trabalho transformo os vários momentos de personificações desses repentes onde a mão procura reproduzir essa paisagens inusitadas que se criam na minha mente. Estão divididos em nove momentos distintos com titulação apreendida pelo relampejo das coletâneas organizadas neles.


Sumário Escritos pRimeiros ................................................................................................................5 Escritos II ............................................................................................................................10 Escritos III -Vonlante Sangrenta ..........................................................................................15 Escritos IV -pEnso e VivO ..................................................................................................21 Escritos VI – músicalistas ...................................................................................................28 Escritos VII pikenos ............................................................................................................33 Escritos 8 .............................................................................................................................43 2009 .....................................................................................................................................50


5

Escritos pRimeiros


6

“sem titulo”

Os anjos falam com os olhos As flores com os aromas O Sol com o calor A lua com o Silêncio O mar com os gestos O Amor com o Coração... que usa os olhos Os Aromas, O calor, O silêncio, Os Gestos... ...diferentes linguagens de um mesmo símbolo.

“sem titulo” Carimbó é uma dança Carimbó é um tambor Meu jardim de muita planta Lá quem manda e o beija-flor O beija-flor é rei do vôo parado O carimbó manda quem faz o requebrado...


7

“sem titulo” Pra Conhecer o Céu Tem que saber andar na terra. Aprender a nadar no mar. Conhecer primeiro as coisas que são ao seu alcance Possíveis Compreendê-las no seu conceito, pois Todas as coisas têm origem Da mesma essência...

“sem titulo” desejo pelos teus desejos que desejam se realizar para te fazer mais feliz sonho pelos teus sonhos que sonham em ser reais pra te satisfazer amo pelo teu amor que namora o destino para continuar no teu coração


8

“sem titulo”

Nos caminhos do tempo resolve a cor do sentimento brilhar na noite que a lua é grande observo o brilho lunar que fala do coração dela coisas novas me deixa sorrindo com o peito cheio de saudade e a lua fala pra ela que o meu coração é dela minhas mãos são pra seus carinhos minha boca pra seu beijo minha canção pra seu sonho ser lindo quando lembra que tem um coração sonhador que pode gostar


9

a SauDade...

é quaNdo se tem na gente uma ventania incessante que esfria o peito no pensamento. quanDo a hora é um espaço flutuante sem rumo perDido na bússola é dor do nada, no nada corpo oLhos desalumiados mansos guardando a fúria do desejo fechada à chAve da saudade floR de lemBranças com cheiro da esperanÇa do "não me faltas" nunca mais ...


10

Escritos II


11

Somente aquele que tem as palavras, conquista o objeto. Sem a massa que transforma a opinião, e passivo da derrota e não voar sobre as montanhas...

“sem titulo”

Na fúria de um felino Me jogo ao teu colo Te peço em abraço Meu olhar de menino Corrente invisível Que me prende a ti Natureza da minha poesia...

“sem titulo”

Nada por dentro nem tão pouco em sua lembrança um deserto sentimental devastador um sorriso de hiena faminta o voo de um corvo assustado vazio, vazio, vazio é um coração sem amor


12

“sem titulo”

quando o tempo passar pelo teu corpo deixará marcas e roubará a beleza da tua juventude não restando nada da menina-linda em ti mas continuará tão bela como antes Pois acumulou toda riqueza que tens e espalhou para aqueles que passaram em tua vida não só os adjetivos do teu físico. fostes além dos olhos chegastes fundo ao coração de cada um por isso ainda que as imperfeições que o tempo tenha causado em tua pele não será o suficiente para vê-las com a clareza da futilidade terás a mesma beleza, o mesmo sorriso, o mesmo carinho e terá de mim a mesma beleza, o mesmo sorriso, e as mesmas caricias que no antes de agora.


13

“sem titulo” Passarinho Negro Passarinho negro da noite que cai tua pena e teu canto é demais por favor!!! sob a luz da lua voa e diz ao meu amor Que eu quero-a demais Que eu quero-a demais Só ela me trás paz


14

“O livro”

Completamente envolvido Pela beleza de tua estampa Magnetiza minhas mãos A querer tocar-te Sentir teus relevos de atrativos sinuosos Carinhosamente curioso Descobrindo em cada toque A primeira sensação de um começo saber De forma suave abro-te segurando Nas tuas abas com serenidade Correndo meus dedos levemente Por toda extensão Com a voracidade contida Descobrir tua palavra escondida Para traduzir minha ânsia de conhecimento Em sabedoria Meu Livro, mas desejado...


15

Escritos III -Vonlante Sangrenta


16

Quem não bebe cachaça, nesse mundo azul De borboletas coloridas, e rifles quentes...

“sem titulo” Um sonho no mundo noturno É da lua de prata nos braços Do caboclo das fitas amarelas... Sem armas nos versos Deixa o raio alcançar as cercas do peito Iluminando o jardim escuro E fortalecendo o desejo da flor vermelha No beijo voador do colibri dourado Deixando a vida correr no tempo E o som do carinho molhar o peito das pétalas Como orvalho de amanhecer


17

“RAPUNZEL”

Se no cangaço que ando Encontrasse uma flor Tão bela como tu Desarmaria minha volante Guardaria meu gibão de couro Minha arma assassina Meu passado de coragem seria historia de repentista E passaria a vida a te escrever Te falar, o quanto consegues fazer o mundo mais belo Teu desejo de olhar É flor de mandacaru sob o sol amarelo Saberia que minha vinda a esse sertão Não seria para matar pessoas E sim pra morrer de te amar....


18

“sem titulo”

No meu sertão Caminho seco por justiça Vitória parca nesse cangaço Andando com minha volante Perdido nesse sertão-espaço De secas pessoas valentes Solitários mandacarus De flores tão belas Como a flor quente do sol Que amarela nossa paisagem....

“sem titulo”

Palavras que se floram um dia Quando queria florar de nos Mas não flor-possivel Dizer... Agora brinco no jardim Com minhas canções.


19

“sem titulo”

Meu Cata-vento Ficou sem o sopro da natureza Que lhe faz viver No seu giro pelo mundo Virou natureza-morta Uma pintura no universo vivo Sem razão do nome Sem motivo de sua origem O silêncio inquietante A espera da reflexão Da sua metade Que não quer ser Menos que ventania Sem perceber que o carinho leve Fará o amor durar Se virar Suave Brisa...

“sem titulo Serrados Dentro só escuridão Tuas coisas, teus pensamentos Imagem, Imaginação Perfil de ti mesma.


20

“sem titulo”

desembarcaNdo no porTo de taMandaré A pRaia me recebe com seu beijo molhado acaRinhando e fazendo piKena minha saudade gigante que anDa em sandálias de aço-couro aGora descalço, faço marcas na areia em frente a igreja de são Pedro de onde se vê o sol mergulhando no mar azul da reza, da pesca, da saudade estou no meu segundo Lar


21

Escritos IV -pEnso e VivO


22

“sem titulo”

Aprendendo com as flores que toda beleza tem um significado, todo lugar existe uma razão e tudo faz parte de um livro imensamente belo. Meu desanuviar é olhar pra ela. Tão bela é profundamente necessária para os seres!!!

“a SauDade...”

é quaNdo se tem na gente uma ventania incessante que esfria o peito no pensamento. quanDo a hora é um espaço flutuante sem rumo perDido na bússola é dor do nada, no nada corpo oLhos desalumiados mansos guardando a fúria do desejo fechada à chAve da saudade floR de lemBranças com cheiro da esperanÇa do "não me faltas" nunca mais ...


23

“sem titulo”

Nos caminhos do tempo resolve a cor do sentimento brilhar na noite que lua é grande observo o brilho lunar que fala do coração dela coisas novas me deixa sorrindo com o peito cheio de saudade e a lua fala pra ela que o meu coração é dela minhas mãos são pra seus carinhos minha boca pra seu beijo minha canção pra seu sonho ser lindo quando lembra que tem um coração sonhador que pode gostar


24

“sem titulo”

Meu uNiverso é uma ciranda musical Água puRa, fica em mim PuriFica-me poesia liQuida no Corpo Encontro raro. A moça da noite Com o caboclo de fitas amarelas Luar da manhã Na chapa de um raio X O ecliPse O beijo de amor Da lua de prata No sol de ouro Tudo Som Som de tuDo Todo mar esta dentro de mim


25

“sem titulo”

Somos nuvens que se chocam Carregadas de líquido E trovões eletrificados de desejos Céu cinzento que por dentro Corre calor e sensações Olhares da natureza animal Desanuvia a nuvem branca De nossas diferenças instintos incontroláveis Meu e teu Nesse vento forte Que traz o odor Do Cio...

“sem titulo” Todo dia o camiNho é o mesmo Cadeira de madEira, embalando pensamentos Uma chuva de prateleiras retReti de casaMento coUsas de Machado Tão antiGas E nem lembRo poRque começei


26

“sem titulo”

"nem ouro nem prata Minha ambição é imaterial Meu coração é unilateral Corre com sangue e não metal Toda minha fala sai dos olhos Eu escuto e observo Não sou mais E nem menos que as outras pessoas Só quero o que nasceu pra ser meu “E pro que eu nasci pra ser”


27

“Hepatite”

A vida para em repousa Segue deitada pelas horas do dia Num descanso manso Sem a cantoria normal do dia-a-dia Uma ladainha de reza pra nossa senhora dos remédios Sem apetite pra carne suculenta Sem vontade de passear pela cozinha De mal com o prato e o copo Água apenas sem sal sem açúcar Simples como a vida do hepático Poeta sem fala nem papel Apenas um corpo deitado Vendo o tempo passar


28

Escritos VI – músicalistas


29

“Fortaleza branca�

Fortaleza branca Na noite em que tu nos guardou Jasmim branca flor de jasmim Teu cheiro em mim lembra amor...

Lembra do beijo nos olhos que te dava Lembro do teu olhar quando deitava...

Fortaleza branca Na noite em que tu nos guardou Jasmim branca flor de jardim Teu cheiro em mim lembra amor..

Lembro do beijo nos olhos que me dava Lembra do meu olhar quando te amava...


30

Roda de carimbó(carimbo)

É desse canto Que faz calor qui só Qui eu vejo a minha flor Pé sem descanso Saia rodando feito disco voador Roda menina, sozinha, Da linha moderna, Do jeito saçi.... Enfeita, Um lindo bordado Tua saia rodada Com patchulis.... Tem mão de galho E um tronco tri cortado Lembra uma mulher Tambor se espalhando No espaço O zum-zum não é xibé Roda menina, sozinha, Da linha moderna, Do jeito saci.... Enfeita, Um lindo bordado Tua saia rodada com patchulis....


31

“sem titulo” Tu vens pro norte Pra dançar Um carimbó de arrepiar Meu cata-vento quer girar Não te demore Pra soprar fuuu, fuuu, fuuu, fuuu Girará, girará Giro de cores no salão Do semba a palma de mão Menina, agora vai girar sarandeia, sarandeia uou uou uou, uou sarandeo, sarandeo


32

"Lundu do amar"

O olhar Laço invisível de apego Propõem um desejo de amar Cadinho que tem em peito Chumaço de afeto só meu Lundu sem passo é o olhar Lundu sem canto é o olhar

O cheiro De tão sensível, afago Fez os teus olhinhos cerrarem Suspiros me mostram agrados “Te gosto” por tu me gostares Tão caloroso cheiro Um “respiroso” cheiro

O beijo É rosa crível, do desejo Quando simples e terno vem Dado de amor verdadeiro Torna-se eterno bem Inesquecível beijo Imprescindível beijo


33


34

Escritos VII pikenos


35

“sem titulo”

Esperando um som, Uma luz, Uma gota de chuva Pra cair no teu rosto Como lágrima triste pra nos dois Te quero bem

“Sol” Brilha teu ouro no planeta azul A luz anos-luz atemporal Mostrando; aos meus olhos a vida dos seres, Para os seres os caminhos da natureza E a natureza todas as suas cores Fazendo da bola celestial O mundo de perto mais colorido


36

"resoluta"

Todo mundo vê problemas Voando no tempo E não resolve Porque não sente o cheiro das flores da solução Mas se morar no jardim da imaginação E tua vida corre solta

“sem titulo”

Nada que diga É mais que do que sinto. Nada que sinto É mais do que sei. Apenas gosto de você.

“sem titulo”

Claramente pétalas Novamente flores Divinamente no bouquet Apaixonadamente ofereço-te De clara mente meu coração Para sempre e sempre Eu.


37

“sem titulo”

Tamandaré Beira do mar Caminho com cheiro da saudade Minha outra terra No mesmo coração Volta fazer parte da paisagem Daquele mundo que não sai da minha memória

“sem titulo”

A beleza de uma historia Está nas palavras que a escreveram. A beleza do desejo, Está na intensidade E nos mistério de não controlá-lo

“sem titulo”

MininaVerde. cora cora no coral Canta, canta no Quintal Fala, fala no fOr All Beija, beija o beija-flor-real Te ver de novo, novo Dançando um carimbó e cantando no lual


38

"Os hiNdus"

O minDinho pra um aNo do sorriso e olhar O anelar pra dois anos dos abraços e dos cheiros O méDio pra três anos do calor e do desejo O iNdicador pra quatro anos do amor conversado Todos! e o circulo fechou E recomeça o sorriso e o olhar

“JustiÇa do Brasil” O Brasileiro vive a tutela de duas Leis A lei da constituição E a lei do cão

“sem titulo”

A felicidade Está num lugar secreto Que o mar esconde E que em cada nascer do sol Reaparece o caminho Em um mapa da nossa memória... Cultive cada pôr-do-sol Dentro de você Com a mesma alegria do nascer.


39

“sem titulo”

Um rituaL onde começa e termina em palavras iNício e fim nuM sempRe ioiô Entre esses Os láBios em silêncio molham-se Com o sabOr das frAses ditas E daS prÓximas... eNtre olhares e caRinhos contiNuamos o caminho

"quaSe iN-sonha"

esSa madrUgada é foDa Me fez esCritor, tocador e pensador Nessa noite o calOr é peso na peLe Me faZ suar, abaNar e pensar eM água Na água do banho imagino a encantada falanDo as coisaS de sempre ImprevisíVel como a noite, insupOrtável como o cAlor E renoVadora como a áGua...


40

“sem titulo”

noSso ponto final Está no campo das duvidas No céu nublado do silêNcio No dois mares estático de nos Mas corro nos campos pulando as cercas Eu voo com a ventania que dissolve esse cinza E revolto o mar aZul com a lua cheia Pra viver de vírgulas e vírGulas contigo No luNário perPetuo teu e meU

“sem titulo!”

No céu aBaixo As frases brilhaM com palaVras fortes Grandes e peQuenas Formando uma poesia Que no fim se rePete as fraSes Molhando as letRas que dEslizam no papel Como as láGrimas nos olhoS de um piNtor apaiXonado


41

“No México”

Hoje escrevo meu sonho Debaixo do vestido negro da noite Que a santa Muerte Desse povo me fez admirar Da salsa que dança em minha boca Picando os tacos do café Saboreado ardente ao som das bandas Gosto não entendido Sem historia pra nos explicar Lembra várias cidades a cada rua que passo Várias idades a cada passeio...


42

“sem titulo”

Meu sozinho Sentimento corre atrás Da fruta que sou bichinho De um sabor centenas doce Demais

Morde boca! Suga feliz Escorre e pinga Corta o vento Até o chão

Mostra esse animal Cheio de instinto De pureza irracional Que o mundo do amor Fez um ser voraz.


43

“sem titulo”

Não sei se tem palavra que toca Cura ou arranha você Acho que não vem de mim Nem da roseira Nem da pedreira Água desconhecida Em um lago que cresci me banhando

“sem titulo”

Meu pecado é meu domínio Meu pecado é tua palavra Meu desejo é mais que um olhar É pensamento unido ao corpo Entre a rosa meu beijo perfumado Na vontade de me lançar nesse jardim Renovado de futuro


44

Escritos 8


45

“sem titulo”

seliNho doce quando voa o sorriso de aNjo Da aberta janelinha do céu deixando a terra lilás de emoção abraçando com calor o corpo matando esse frio solitário que a noite por vezes trás pra mim por nada desistir de dormi na esperança quem sonha é feliz

“sem titulo”

Não! Pra mão que se esquece de mim quando o caminho é fácil Não, pro pão dado de migalha Não, pro são que nunca milagre fez Depois que o tempo alegre passou Volta pro aquário pequeno do mundo Da segunda cara


46

“Páscoa ”

Vem doMingo santo com a alegria triste da morte que te trouxe maiS vida traga o sagrado segredo da alegria pra minha caminhada que longe da cruZ ainda me sinto preso e crucificado quero caminhar no mar verde e teR a PaZcoa embrulhada pra presente

“sem titulo” doMingo de Páscoa chocolates e doces da manhã alegria da vida ressurgida meu carinhovo pra ti...


47

“sem titulo”

desejo pelos teus desejos que desejam se realizar para te fazer mais feliz sonho pelos teus sonhos que sonham em ser reais pra te satisfazer amo pelo teu amor que namora o destino para continuar no teu coração

“Pé de poeSia”

vai no pé, tá no pé unha, carne, dedão calo, nó e chulé caminhado criança, adulto e velho de estradas vivendo molhado, cansado fino de mulher no couro, no ouro, borracha da sandália relaxa na água que o stress é na cabeça


48

“sem titulo”

Queria uma poesia hoje mas não trouxeram nada nenhum sentimento foi falante acho que não quis escutar ou a tinta da caneta estava muito fraca e o papel amassado em cola só queria algo que pudesse dizer o que sinto hoJe algo de amoção pura

“sem titulo”

carinhos retornando devagar o vento trás na brisa a flor e suas pétalas com pingos de lembranças do distante reino mágico da dança com seus gestos sinuosos num baile fascinante pensamentos de desejos exalam todo presente é um sorriso ao céu azul do futuro....


49

"meninasemente"

gera, gera felicidade alegria do muNdu um grão de luZ no carrossel do temPo a semente du amoR trazendo vida e alegria pelo tempo que germina até ser no futuro outra geração da linDa menina

“sem titulo”

uma roda de ciranda dentro de uma caixinha como a bailarina que dança rodopios para alcançar o céu da emoção a bailarina não tem medo de dançar quando abrem sua caixa ...


50

“sem titulo”

tua caixinha de guardados tão misteriosa vem com a lua vem num canto, um tambor de carimbó um céu de estrelas veRdes miNhas favoritas alogioS de frutas das flores coloridas na minha boCa só escuta em silêncio o meu noVo sabor...


51

2009


52

"uMa canção"

Na janelinha do céu de noite apareceu um anjo cheio de cor falou do seu lugar seu jeito simples de ser carrega seu calor sua fala e seu olhar o tempo só me mostrou nos braços que estou de um anjo lindo de cor a cor do coração


53

“sem titulo”

de caminho e carinho me faço uma parte em sua parte me laço aos braços de suas frases entrego um prato de emoção coisas que não se explicam e o silêncio é tão resposta quanto o som da voz de cadinho em cadinho a gente se descobre mais perto mesuras de cautela de um coraçãozinho apaixonante cheio de tanta beleza uma rara pedra preciosa brilho lunar nas madrugadas quando preciso de luZ e ela de mim!


54

" diA XII" o amoR é uma frase pausada e interminável! o aMor é o mesmo caRinho em doses diferentes! o aMor é a calma agonizante de conter tanta felicidade! o amoR é um frasco de perfume com cheiro de saudade! o amor é silêncio confortaNte de mãos dadas! o Amor é caminho cego! o aMor é um mundo de borboletinhas na barriga! o amor é mão gelada! o amor é suspiro, virgulando a conveRsa! o amor é medo! o amOr é COR! o amor é sem face! o amor é olhar brilhantes! o amor é dia bonito! o amor é bom dia vida, boa tarde vida e boa noite vida! o amor é estraNho no ninho! o amor é o oposto do universo meu! o amor é o par perfeito! o amor é o céu dos sentimentos! o amor é cidade vazia! o amor é uma sinfonia com duas notinhas! o amor é calor! o amor é algodão doce, arraial, são joão e lua! o amor é a paZ! o amor é um começar a cada dia! o amor é beijo suavemente intenso! o AMOR é por cima, baixo, frente, lado etctRás, etc...!!!


55

No tempo existe Muito mais coisas que hoRas e miNutos um relógio não contem dentro de seu círculo tudo que um tempo realmente é um espaço de historia e opções um carnaval de sentiMentos naqueles em que ele foi domador, carrasco e herói ele me acalma e ele me destrói mas dele não há lança de dragão que o perfure mortalmente. impossível matar o que nasce a cada momento eterno!


Projeto livro poesias