Issuu on Google+

enem EN EM 2OOO Com basena leìtun da charge,do anigo da Constituìçâo,do depoimqto de A.J. e do fiecho do livro O cidadão de papel, rcdija um te lo em prosa, do típo dissenaivo-argumentatiq sobrc o tema: Irheitos da crwa e do ddotescenb: como entrenbí esse deaaíio nac,onal?

Redação

Ao d€aenvolvêr o tema proposto,procureutilizaros conheclmentos adquiíidose as reílexõesfeitas ao longodê suaformação. Selecione, organizee relacionê argumentos, Íatose opiniõesparadefêndero seu pontode vista,elâborando proposlasparaa soluçâo do problemadisculidoem seutexio.

Observações: ANGEU.Frlra de s- Pauio. 14 mãlo2000

"É deverda Íamítia,da socíedadee do Estado assegurar à ciança e ao adolesêente,com absollttaNioidade, o dircito à saúde, à alimentação,à cultura, à dìgnìdade,ao rcspeíto,à liberdade e à convívéncia íamilhr e comunitiátk,além de êolocá-losa salvo de ìodaíormade negligência,dìsciminação,exploação, crueldadee opressão". Fedealva do B€s l. AÍ1igo227,Consìilu çãoda República

[,,.] Esquinada AvenídaDesembaeadot Santos Neves con Rua José Teixeíta,na Praìa do Canlo,árca nobrc de Vitóia. A.J., 13anos,mondot aleCariaciêa, tênta ganhat algun trccado vendendobalas pa@ os motoristas. [...] "Venhopara a rua desde os 12 anos. Não gosto de trabalhataquí,mas não tem outrcjeiÌo.Quercsq mecânico." Vróriâ{ES),s dejunhod62000. A Gaz€ra,

Entqtdea a inÍâncíamatgiítâl sígnilica entenderpor que um menino vai para a rua e não à êscola. Esf é, êm essêt,cìa,a difercnçaente o garoto que eatá dentrodo cano, de vídrcÉtechactos,e aqueleque se aprcima do cafio Wra venderchiclete ou peclií esnola- E essaé a difercnçaentre um país desenvolüdo e um país de TerceircMundoG bêíioDtrFGrein.ooda&o*raod

tgéd. são Paulo:/irba,2o@.

. Lembre'sêde que a sìtuaçãode produçãodê seu texto rcquer o uso da modalidadeescÍtâ culta da língua. . Espêra-sêque o seu texlotenhamaìsdo que 15 (quin2e)linhas. . A reda€o deveÍá ser apíêsenladaa tinta, na cor pÍeta, e desenvolüdana folha píópíia. . Vocêpoderáutilizara últimaÍolhadêsÌeCadêrno de Qu€stôêspararascunho. Comentárlo: A pârtirdeumacharge,umartigoda Constituição, um tr€chodo livroO C/ìladãode Papeleumdepoimênto, o En€mpromoveum discussãosobrêos direitosda criança€ do adolescenle. Combasêem gênerostextuaìsdiÍerentes oferecidog pede"se comomollvação, umadissertaÇão commais de quinzelinhasna modalidade escritaculta. O tema em quesÌáofavoreceo texto argumentativo, poÌs possibilila ao parlicipante abordagêns como: contíoledâ natalidsdee plâôêjamentoÍamiliar,âssistência à maternidade,educaçãobásica de qualidade, exploraçãodo menor,prostitui{:ãoinÍantil,denire outrcs quê levema um dêbatecrítico em respeitoao arligo 227 da Conslituição.


enem QUESTOESOBJETIVAS poetasbrâsilêiros umdosgrandes da @Ferreira Gullar, poêmasobrc atualidade, é autorde "Bichourbano", a suarêlação comas pequenas e grandes cidades. Bicho urbano que prcfiro morcr em Pirapenas Se dìssq ou en outm qualqueÍpequenacidadedo país estou nonlÌnclo ainda que lá se possa de manhã lavaÍ o rcslo no orvalho e o pão Wesetveaquelebrarrco sabot de avorack-

comunidades. Esse íecursopode ser observadona relaçãodas metáÍoras: "o pão preseNeaquêlebranco"/ saborde alvoÍada. Resposta:lelraa

F

A naturczame assusta. Comseus matossombrìossuas águas suas aves que são como aparìções me assustaquasetanto quanto esseabismo abefto sob minhacabeça. GULIAB,F€ffêiÉ.Todapoés'a.Êiode !âneúorJoséOlympio Ed i to ía,1991

Emborânãooplêpor vivernumapequenacidade, o poetareconhecê êlementos de vaiornocotidiano daspequenas comunidades. Paraexpressar a relação do homemcom algunsdesseselementos,ele reconeà sinestega,construçãode linguagemem que se mesclamimpressõessensoíiaisdìvelsas. Assinale a opçãoem quesê observaesserecurso. a) "e o pão preserveaquelebranco/ saborde alvoíadal' quelásê possâde manbã/lavarorosto b)"ainda no orvalho" c) "4 natuf€zame assusta./ Com seus matos sombriossuaságuas" d) "suasav€sque são como aparições/ me assuslaquas€tantoquanto" e) "meassustaquasetantoquanto/ esseabismo /dó

^r.ôê

ô dâ â.t/ôlâê'i

Habilidade:

No processode íabricaçãode pâo,os padeiros, após prepararema massa ulilizandoÍermento biológico, separamumaporçãode massaem for ma de "bola"e a mergulham com num recipiente ág!4, aguardando que ela suba,comopodeser obseÍvadqrespeclivamente, em I e ll do esquema abaixo.Quandoisso acontece,a massaestá Prontaoarair ao forno,

ffi-ffi r

Umprofessorde esseprocediQuímicaexplicaria mêntoda seguintemaneira: A bolade massatorna-seíneno6densaque o li quidoe sobe.A alleraçãoda densidadedeve-se à íêrmenlaÉo,processoque podeser resumido pêla equação C6H,,O6 + 2C,H5OH + 2CO, + energia. glicosê álcoolcomum gás calbônico Considere as seguintêsafirmações. L A fermeotação dos caboidratosda massade pãoocoífêdê maneira espontâneae nãodepende da ei(isléncia de qualquer vivo. organismo ll. Duranlea fermentação, de gás ocorr€produção quesevaiacumulando carbónico, omcâvidâdes no intêriordamassa,o quefaza bolasubií lll.A Íermentação transforma a glicoseem álcool. Comoo álcooltem maioídensìdade do que a água,a bolade massasobe. Dêntreas afiímativas,apenas a) | está coÍreta. b) llestá correla. c) I ê ll eslãocorretas. d) ll e lll estãocoÍetas. ê) lll estácoÍêtâ.

Habilidade: Solução: O autorFerreiraGullarutilizoua sinêstesiacomorecurso literárioparâ êxprêssara relaçãodo homem corn elementosde valor no cotìdianode pequenas


enem Solução:

ffi

Frase| - Sendoo fermentobiológico, a fermenlação dos carboidratos da massaé devidaà açãode leveduras(microrganismos). Fraseil - O gás carbônicoproduzidodurantea feÍmentaçãoíica aprÌsionado no interiorde pequenas cavidadesna massa,aumentando seu volumee diminuindo suadensidade. Fraselll - O alcoole menosdensoque a agua. Densidâdê do álcool=0,9 g/cm3 Dênsidade da água= 1,0g/cm3 Respostâ:lelrab

H

utilizarem ffininaa nole,é muitocomumaspessoas vasilhames de barro(moringasou potesde cerâparaconsêívaráguaa uma micanão esmaltada) temperatuÍamenordo quê a do ambiênle.lsso ocorreporque

"Somosservosda Ieìpaa podemos setlwes.' "O que aprazao príncipetem Íorcade lei." Ulpiâno

As frasesanìeriorêssão de dois cidadãosda Roma Clássicaque viveram praticamenleno mesmoséculo,quandoocorreua transiçãoda Republica parao lmperio (Crcero) (Ulpiano,. Tendocomobaseessassentenças, considereas afiÍmações: L A diferênçanos significados da lei é apenas apatênte,umavez que os românosnão levâvamem consideração as normasjurídìcas. ll. Tantona Bepública comono lmpério,a leierao resulÌadode discussões entreos representanpêlopovoromano. tes escolhidos lìl.A lei republicana defÌniaque os direitosde um cidadãoacabavamquandocomeçavam os direìtosde outrocidadão. lVExisliâ,na épocaimperìal,LtmpoderacÌmada legìslação romana. EstãoCORRETAS, apenas: a ) le ll. c) lle lll. e ) llle lV b ) le llì . d)llelV

a) o baío Ísolaa águado ambiente,mantendo-a semprea umalemperaÌüra menorque a deÌe, comose Ìossetsopor. b) o barÍolempoderde"gelal'aáguapeiasuacomposição química. Na reação, a águaperdecalor. c) o bâío é poroso,permitindoque a águapasse atravésdele.Partedessaáguaevapora,tomandocalordamoringae do restanteda água, Habilidade: que são assimresfriadas. quea águase ded) o barroé poroso,permitindo positêna parlêde Íorada moringa.A águade foraseÍnpÍeesláa umatemperatuÍa maiorque a dê dêntÍo. e) a moringaé umaespéciede geladeiranatural, que dìmiliberandosubstâncias higroscópicas nuemnaiuralrnente a tef4peÌaiuÍa da âgua.

Solução:

Habilidade:

A questãonos remeteà Romaantigae tem como pretextoduas citaçõesde dois juristasromanosdo seculoI a.C.Na primerrac,laçáo.CÍceÍóalirmàque a obediência à lei garantêâ libêrdadedo cidadão;na segunda,outrojurista,Ulpiano,afkmaque a vontade do üíncipe (efi latim,"prìnceps',ou seja,o primeiro entreos cidadãos:o chefedo governo)tem forçade lêi.No prìmeirocaso,podemosdedüzkquea leieslá Sol acÍmado cidâdãoe queela é igualparatodos;no seA moringade baÍo é porosa,permitindoa passa- gundocaso.podemosdedutirquea açaodo principe gem da água paraa supeíícieexlernada moringa. estáacimada lei. feilassobreas duascÍÌaGotículasd'águaem conÌatocom o âr êvaporaram, Ao anâlisaras aÍirmativas o candidaio percebido que os itenst e deve ter absorvendo calorda morrngae da águaem seu inções, ll exlrapolam completamenie o signiÍicado de ambas; ietior,mantendo-as a umatempeíatura menorque a os itensll e IV as traduzemde formaadequada. do ambìente. Rêspo€ta:lelrac

78

Rêsposta:lêtrae


enem Emcertacidade,algumasde suasprincipais vias acres' 1êma designação'Ìadial" ou "perirnelral", cènÌando-se ao noÌe da vid uÍa rele-ència ao ponlocaÍdealcorÍespondente. As Íuas 1 e 2 estãoindrcadasno esquemaseguinte,em que não eslAoexplicitâdos os pontos cafdeas.

c) permetralnorte,radialoesle. d) radialsul,permeÍal norte. e) radialsul,permeiraloeste.

Solução: Os nomescorreiosdasvias1 e 2 podern,respeclivamente,seí: a) perimetÍal sui,ÍadÌallesÌe.

Sendoa via 1 a primêirâa seridentìÍicada em íelação aos pontoscardeais,a únicaa ternaÌivacorfêtaé a letraB. Apósposrconara via 1 no sLrlda bússola-a v ia 2 f lc a a o e s t e . Resposta:leÌrab

ï!]

Er ,r" ou leiturade urntexto,corre-seo Íiscode aÌrilluìrLrmsigniÍicado inadequado a umlermo "onu"r." ou expressão, e issopodelevara certosresultados ìnesperados, comose vê nosquâdrlnhos a seguir.

SOUSA À4aúricio de. Chr'.oBenio FÌo de Janerc:Ed. Globo,ro 335, nov/99

NessahisÌorinha, o efeitohumorísìico origrna-sede uma s tlração criada pela Íala da Rosinhano pfime ro quadrinho. queé: d) Olhao passarinhol

ll) Ouertjrarum Íelrato?

e) Ôuidadocorno Ílashl

c) SuabaíÍigaesláaparecendol

Solução: pe o íâtode ChrcoBentoenienderque Na lirinha,o humorse concretìzou no uso da Íala:"Olhao passarinho" popular"passarinho provocando Rosinhase reíeriaà expressão comoór9ãogeniialmascuiino um desenÌendimentoentreos dois. Resposta:leÌrad

79


enem O resqltadoda conversãodire{ade energrasolar é uma das váriasfoímasde energiaalternativa de que se dispõe.O aquecimento solaré obtido porLrmaplacaescuracobertaporvidro,pelaqual passaum Ìubo contendoágua.A água circula, conformemostraesteesquemâ,

H

Soluçáo: L Errada,pois,se o Íeservatório for bomconduloíde calor.a águadêntrodeleesftiarámaisrapidamente, o que sênaumaoesvanÌagem. ll. Cerla,poisunìavezquea radiaçáosolaré absorvida.a radiaçãoinfÍavermelha contidadentrodo coletof perdida. nãosêráL lll, Cêrta,poisas coresescurassão melhorêsabsor vedoresde radiaçãoluminosa. Resposta;letrâe

levantou dadossobre deseguros !frUma companhia Reseruatório d€águaÍfia a quente

Fo.1e.Adapradode PALZ,Wollgang.Eneryiasolat ê íantes aÍefralivás. H€Ín!s, 1981.

São feitasas seguintesafirmaçõêsquanìoaos materiaisulilizadosno aquecedorsolâí:

os carrosde determinada cidadee constatouque são roubados, em média,150carrospor ano. O númerode carrosroubadosda marcaX é o dobtodo númerode carrosroubadosdâ marcaY, porceícade e as marcasX eYjunlasrespondem 6070doscarrosroutìados, O númêroesperadode caríosroubadosda marcaYé a) 20

L o reseruâtório de águaquentedeveser metálico paraconduzirmêlhoÍo calor,

b) 30

ll. a coberturade vidro tem como Íunção reter melhoro calor,de íormasemelhanteao que ocoíe ern umaestufa.

d) 50

lll.aplacautÌlizada é escuraparaabsorvermelhor a energiaradiantedo Sol, aquecendoa água com maioreÍiciência.

c) 40

e) 60

Habilidade:

Dentreas afirmaçõesanleriores,pode-sedizer que,apenasestá(ão)CORRETA(S): al t. b)le ll. c) lì.

Solução: Sejam: x númerode caíos íoubadosda marcaX

d) lê lll.

y númerode carrosroubadosda marcaY

e ) l l e lll.

ïemosì

Habilidade:

x= 2y x + y = 0 , 6 1 5 0= 9 0 Resolvendo o sistema,temosx= 60 e y = 30

nêsposta:letrab


enem A labelasegLrnte reslrÍnealg!ns dadosimportantes sotìreos saÌélitesde Júpter

Cafìimedes

5 262

1 070 000

Calìsto

4 800

1 880 000

Ao observaÍos saléiles de Júpiterpelaprimeira vez.GalleuGalileiíez dìversasanolaçòese tiÍou inìporlanies conclusóes sobrea eslrutuíade nos' A figufaa seguirreprodlrz umaanoÌaso universo. a saìélites. de Galileu reíerenle Júpiler e seus çâo 1 23 4

o

C ..

o

De acordocom essaÍêpÍesenÌação e com os dapof 1, 2. 3 e 4 dosda labela, os pontosindicados correspondem. respectivamenle. al a) lo, Europa,Ganimedes e Calisto. b) Ganmedes,lo,Eurcpae Callslo. c) ELrropa, CaÌisloGanirnedes e io. 1oe Europa. d)Calìslo. Ganimedes. lo,ËuÍopae Ganìmedes. e)Calisto,

Habilidade: Dãdaunìasituacãoproble)Ììa.apresenlada cfi una linguagemcle determnìacla áreade conhecìmento. ì?la.ioììála com süa formulaçàoem oütrâslinguagensou vìce-veÉa.

Solução: De acordocom a 3ê lei de Kepler,o quadÉdodo pe' riodo de revoÌuçãode um planela em lor o do Sol é proporconal êo c!bo do Íaio médio de slra órbita.De' 2.P senvolvenoo âSequaçoes V = ;,V-{

úú erguaR

t'u' .Co'-oo'''"r,nacurìrdr,'cj 4Í' 4a' logo a Íe açào (F3 ( T:) rÌìantèm-sepaÍa !nì planeÌae seu salélte. Podanto,q!anto maioí o períodode revcluÇão,maiorseíá o faio médioda órbitado saiéliie. Resposta:leìrab lJndoVe IV R

da se eçãobrasrlelÍa de ÍuÌebolà altiludede La Pa?foi muiiocomentadaem ,1üA adaplaçãodos intêgranles 1995,pof ocasiãode um1oÍneìocorÌìopodeser ido no iexioa seguìr. A seleçâobrasileia embaícahoje para La Paz, capìlalda Balívia.sìluadaa 3 700 metrasde allilude, cnde dìsputaráÕ lorneio Inleramérìca.A adaptaçãodeveráocotrêÍ em um pnzo de 10 dias. apraxiìnadamente. O arganismahunano, em altìtudeselevadas,necessìlaclessetètnpopara se adaptar,evìtando-se,asstm, risca de ünì colapsacirculaÍório. Adâptadôdâ ,evLslâP/a.a/ e{j ção

1995 'ev

poíquea almosíerade La Paz,quandocomparada A adaplaQào da equipêloi necessáÍiapíincipalmenle a das cidadesbrâsileiías, apresenla: a) menorpressãoe rnenoÍconcenÍaçãode oxigênio de oxrgénio. b) rnaiorpressão e maÌorquantidade pÍessão c) rnaior e rnaroíconcenÍacãode gás carbônico. píessão d) menoÍ e maiortemperaluÍa lemperèlurê. e) rìdiorpres.ãoe Inêrìor

Habilidade: Analisa.fatoressocioeconômicos e amÌrientaisassociaclo5 ôo dcsenvoh,rmento. às .onJicòesde vidâ e sôúdede pôpulaçôeshumanas.por meìo da jnierpretaçáo d€ dif€renies indicãdores.

Solução: Em gfandes allitudes,como ern La Paz. o ar é rÌìais íarefeitoe. porÍé_roà p egsdoairìo.fêícâ ó rreno',^ quânliddoeoe ox,g;no d,spo.ve iè-nbe.ìé mêno-. Resposta: lêtraa

81


enem A eneÌgia lérmica llberadaem processosde Sêje partirCo esquemasão Í€itasas seguinÌesafirÍissão nuclear pode sêr utilizadana geÍação mações: l. â energialiberadana reaçãoé usadaparaÍerde vapor para prcduziÍ êneagiamecânicaque, vêr a água quê. como vaoora alta prêssào. poÌ sua vez,s€rá convêrtidaem energiaelétriacionaa turbina. ca, A seguiÍ está repÍesentado um èsquema ll. â tuóina, queadqujreumaenergiacinéticade básico de uma uainade energianucleãÍ. rotação,é acopÍadamêcanicamênte ao gerador paraproduçãode energiaelétíicâ. lll.aag.ra.dêpoisde passarpelalurbjna.e preaquêcidano condensador e bombeadade volla ao reatot, DenÍêas afirmações anleriores. somênteêsÌá(ão)

coRFETA(S):

a) L

b) lì.

c) lll.

d) ,ê ll.

e) lle lll

Habilidade:

Solução:

relaçãoao impactoambìental causaoopeta l. Ceíta,poisfica $com clârona Íiguraque é a liberação da poluiçãolérmicano processode refrigeração da energiâprovênierte que é cêpàz das prlhasnucleaíes usinanuclêarsáo Íêitasas seguinLes atiímaçóesj deÍerver a águae cuiovaporiráacionaras lurctnas. ,, o aumentona temperaìura reduz,na águado ll.Certa,poisconÍorme estáescítoê mosirãdo naíigurio, a quantidadede oxigênionela dissolvido, rado enunciado, atuóina entraráem rotâçâoquandoo que e essencialparaa vida aquáticae paÍaa vapoÍcteâguapassarpelatuóina e dali sefti produzjda decomposição da matériaoÍgânica. energaa eláíicaqueseráiransmitida pêloscabos. ll. o aumentoda temperatuÍa da águamodiíicao lll. Errada,poìs,ao passarpelocondênsador. o vapor metabolismo dos pêixes. dê águasofreliquefaçãoparaque depoiselâ possa lll.oaumenlona lemperalu.a ser bombeadade voltaoaraas oilhasnucleares. dd aguadtmnuio crescimento de bactériase dê aìgas,favore- Bêsposla:letrad cendoo desênvolvimento da vegetação. 130{ m.rceneiro desejaconsuas afúmativasantêriores,somente ffiUr ""1,i16o1 coRRETA(S): truirumaescadatrapêzoidâl com 5 degraus,de lorma a) L b) ll. c) lll. d) le ll e) ll e lll. q u e o ma is b a ix o e o ma is Habilidade: altotenhamlarguÍasrespectivamenteiguaisa 60 cm e a 30crn,conforme a figura: Os degrausserãoobtidoscortando-se umapeça linearde madeiÍacujo comprimento míniÍno,em cm, deveser: Solução: Frase| - O aumenlona tempêralurade um líquido diminuia solubilidade dos gasesnelecontidos(solubilidadeexotérmica). pecìlotermos Flasell Os peixesúo ânimâis (atemperâturado qtrpo vaÍiacom o âmbiente),portantoa mu, dançana temperatura dâ águaaiêtaseumetabolismo. Fraselll-O aumentoda Ìempêratura da águaíavorecê a proliferação de microrgânismos. Besposta:lekad

a2

a) 144

b) 180

Habilidade:

c)210

d)22s

e) 24O


enem

,:

,.,.i.l,

Solução:

reAs

Consideremos a seguintefigufa: 30 30

h

30

/z 15

30 30

z\

th

tl-

-tr\

Ulilizandosemelhança temos: de triângulos, x b 15 - = - - + x= 15 4h 4 y 2 h..3 0 15 4h ' 4 2 3 h4 5 ) z- -=1 5 4h 4 Comprimenlo mínimo: 2x + 2y + 22 + 30 + 150= 225 cm Resposla:letrad

sociedades modernas necessitam cadavez

maisde energia.Paraêntêndeímêlhora relação enlre desenvolvimênlo e consumode energia. procurou-serelacionaro Índice de DesenvolvamentoHumano(lDH)de váriospaísescom o consumode enetgianêssespaíses. O IDHé um indicador socialque considera a longevidade, o graude escolaridade, o PIB (Produio InternoBruto)per capltae o poderde comprada população.Suavariaçãoé de 0 a 1.Valofesdo IDH próximos de 1 indicâmmelhores condições devida. Têntando-se estabêlecer umarelaçãoentreo IDH e o consumode energiaper capilanos diversos paisês. no biênio1991-1992. oDteve-se estêgÍâfico,ondecadapontoisoladorepresenla um país, e a linhacheia,umacuryade aproximação.

i13ro esquemaa seguirmostía.em te.mosde po tência(enêrgia/lempo), aproximadamente, ofluxo de energia,a partkde umacertaquanlidadede combuslível vÍndado tanquede gagolina.em um carroviajandocomvelocidade constante. 0,1 o

1 2 3 4 5 6 7 3 I 10 coNunodese'lia peíúp b [EP/câp]la)' _ÌEP: ToneladãeqLivalêrie perróleo de

Fonle:GOLDEÍVBERG, J. Energia.neio anbehte e deservolvinenro são PaLlo: Edusp, 1998. DEGASoÌiNÁ I

O esquemamoslraque,naqueimada gasolina, no motorde combustão, uma parteconsiderável de suaenergiaé dissipada. Essaperdaé daordemde a)80%. b) 70%. c) 50%. d) 30%. e) 20%

Habilidade:

Solução: 71,0Kw 10O% 56,8Kw xYó \ = 80 '/" Resposta:letíaa

Combaseno gráÍico,é CORRETO afirmarque a) quantomaioro consumodeënetgiâpq capìta, menoré o lDH. b) os paísesondeo consufio de enetgiaper capita é menorque l TEPnãoapresenlam bonsíndices de desenvolvimento humano, paísescom c) existêm IDHêntrê0,1e 0,3comconsumode energiapler'captta superior a I TEP d)êxistempaisês com consumode êneígia per capÍtade1TÊPe de 5 TEPqueaprêsêntam apíoxrmadamente o mesmolDH,cêícâde0,7. e) os paísescom altosvaloresde IDH apresenlam um grandeconsumode enetgiaper capífa (acimade 7 TEP).

Habilidade:


enem Solução:

Soluçáo:

O griÍicomostraquealgunspâísescomo consumode A queslãoreíere-sê ao fenômenoda derivacontinena formaçãodoscontinenlês enetgiapêr capítadilercntetém o índicede desenvolvi- 1alque determinou e eslabelecêu o isolamenlo geográÍico populâções eniÍê meotohumanosemelhante, no caso0,7, origináÍias de um mesmoancêstral. ApesaÍdo aumenlodo consumode eneÍgianas soque maìsinteí- Resposla: letrad ciêdadesmodeínas,os indicadorês vêmno IDHsão:rendaper capita,saúdee educaçáo. quatrocâlendários apresentados a seguir Portanto,a eneÍgiaquè uma populaçãoutilizaé im- mos moslram a variedadena contagemdo lêmpoem poÍlanle,mas não é o principalíalor para o cálculo drvetsassociedades. desseindicador. * : - :l:t-- ! Resposla:letrad -oì-.ô0 I | ïì | I

|'"dÈs,üir'I hòiliïïturL'o

.

SNo

mapa,é apresenìada geogrâÌtca a distÍibuição grande ponê que de avesde e nãovoam

*,"*i$,uo^''o ìfi!fl.,n., Fg:i:iliri9 &s.ado@ccrô i. alba*ê1luir ii

bè,iao-eft

c.reiiá@iúr.i!FeíeÌèftq!{ú',

| d0vãorìÉne vsá : tu@.ôffi i4e2d.c :8,òrã

,

:ãc,mo!áúÈ,. :6.|!ìsHddì

Fdte: Ádaptâdo de Época oe 55, 7 de tunho de I 999.

Há evidênciâsmosÌrandoque essas aves,que podemser origináriâsdê um mesmoancestral, selam.portanto,pârentês. que,de Considerando Íato.lal parentescoocoría,uma explicaçáopossívêl para a separaçãogeográíicadessas aves, comomosiradano mapa,poderiaseÍ: a) a grandealividadêvulcânica,ocorfidahá milhõesde anos,eliminouêssasavesdo Hemis, iério Noí1e. b) na origemda vida,essasavesêlam capazes de voar,o que pêtmitiuquê aÍavessassem as águasoceânicas, várioscontinentes. ocupando c) o ser humano,em seusdêslocamentos, Íansportouessas aves assimque elas surgkam pêlosdiÍerentescon, na Terra,distritìuindo-as tinenles. d) o aÍastamento dasmassascontinentaìs, Íorma, das pela ruptuíade um continênteúnico,dis, persouêssasavêsquê habitavamambientes aojacenÌes. e) a existência de pêríodosglâciaismuitorigorosos,no HemisÍério Norle,provocouumgradativo deslocamento dessasavespatao Sul,mais quente.

Habilidade: .-.]

84

Combasenas informaçõês podeapresêntadas, se afirmarque a)o íinaldo milênio, 1999/2000, é um Íatorcornumàs diferenlesculturase tradiçõês. b) emborao calendáÍiocrislãosejahojeadotado em àmbitointernacional, cada cultuÍaregisÍa seuseventosmarcanles píoprio. em calendáíio c) o calendário por cristãofoiadotadounirercalmente que,sendosolar,é maisprecisoqueos demais. d) a religiãonãoíoideterminante na dêíinìção dos calendários. ê) o calêndáriocristãotornoìl-sêdominantepor suaantìgüÌdade.

Habilidade:

Soluçáo: A questãoapresenta pequenos comoeslímuloquatro quadroscominformaÇões sobrequaìrodifêrenies calôndáriosque vigoramno mundoatuâ|.Õs candidalos deveÍãoanatisarac diferênlesinforrìacoesoue conslamde cadaquadroe responderao quese pede (encontrara únicaafirmativacoÍêta. enlrecincoalt€rnaiivas). queocorA aÌternaliva A é incorreta: o "finaldomilênio" reuna transição de 1999/2000 Íazsentidoapenaspaía o ca'endário ocidental, ou grêgoano( eslabelecido peloPapâGregórioXlll, em 1582),queconsidera como seuinicioo inícioda eracÍiíã (anoI d-C.). A altêÍnativa B é a correÌa:o calendário ocidêntalé a rêfêrénciainternacional conlemooTàneâ, mas outros calendários aindasão utilizados. sobrêtudoem relade datasreligosas. ção à comemoração


enem A alternaliva C é incorrêlainãoexislenenhumainlor_ 1@A Íiguraa seguirmostraum êclipsesolaÍno ins_ em cincodiferenles tanteem que é ÍolograÍado maÇãoquesuporlea aliímativade queumcalêndário que preciso de os calendários de basesolaré mais pontosdo planetâ. baselunar. somosinformadospelos A alteínalÌvaD é Ìncorreta: quadrosde que três dos calendáriosapresentados livêrarndalasou eventosíeligiososcomoo seu íundamenloinicial. E é incorfêtâ:o maisantigodos calen_ A alternativa dáriosé o judaico,quê remontaà origembíblicada criaçãodo mundo. nêsposla:leÌrab TíêsdessasÍotografias eslãoaquirêproduzÌdas: mo'

sem nacionalismo, [...] ffi'Precisa-se nacionais

vidos pêlo presente nas eslalando naquele cto Ptecisa maduÊm!1...1. racialquesò às l@dtçòes se gentes com bastantemeiguiceno sentimenta, baslan@forçana petdìia. bdslanlepàcìínciàna entusìasmoe sobíetuclo,oh! sobretudobastante vergonhana cata! [...] EnÍim: üecisa-se brcsileiros!Assim está escito no anúncio vistoso de cores desespeíadas pintado sobre o coÍpo do nosso Btasì|. camaÊdas." (loÌnalÁ Notrê.SãoPaulo1811211925 apud:OPES, Íetê Potro An@M.Màtio de Andíacle:Góais e cannhos sãÕPãllo DuasCidades.1972)

unu

respôctlvarnenAs Íotospoderiamcorrespondêr, Ìe, aosponÌos: a )lll, V ê ll. b ) lì ,lì l e V c) lÌ, lV e lll. d ) l, lle lll. e ) l, lle V

No lrechoacima,À/áÍiode Andradedá Íormaa um dos itensdo ideáriomodernisia,que é o de Íirmaí a íeição dê uma lÍngua mais autêntica, "brasileira", numâvafianlede linao expressaÊse pela(o): guagempopularÌdentiÍicada a) escolhadê paìavrascomocio,peiìaria,\eígoÍìhab) empregoda ponluaçáo. c) Íepeliçãodo adjetivobastante. d) concoídânciaempíegadaem Assimestáescrito. precisa-se gentes. e) escolha deconstruçãodoìpo

Solução:

gentes"é uma íormade exA êstrutura"precisa-se prêssãopopuJar, recriadade acordocom o ìdeário dos modernistas.

a um observadorpróxi A primeirafoto corresponde mo ao eclipsetotal,mas comoele aindaé capazde enxergarumapequenaporçãodo Sol à sua esqueÊ da, ele dêvêÍìcaína posiçãolll. A segundafoìo coíespondea uÍn observadormals afastadoda regiãodo ecÌipsetoÌaldo Sol,sêndocapazde enxergãrumagrandepoÍçãodêleà suadiíei ta, portantoeledêveocupara posiçãoV A terceirafoto correspondea um observadormais alastadoda regiãodo eclipsetotaldo Sol,sendocapaz de enxergarumagíandeporçãodele à sua esquêrda,porlantoelg deveocupara posição,'.

Rêsposta:lêÍa e

Resposta:lêtraa

Solução:


enem m

"Poetica",de ManuelBandeira,é quase um maniÍestodo movimentomodernistabrasileìrode 1922.No poema,o autorêlaboracrílicase proposlasque repíesentam o pensamentoeslético predominante na época.

Poéllca Estou íatto do liisno comedido Do liismo bem comportado Do liíi,mo ÍuncionáÍiopúblícocom livío de ponto expeclienteprotocoloe [manifestaçõesde apreçoao Sr.diretor. Estou fafto do lìrismoque páÊ e vaí averiguarno dicionáio o [cunho vemáêulode um vocábulo Abaixo os putistas Ouercantes o lirismo dos loucos O lilsmo dos bêbedos O liíismo dífícíle pungentedos bêbedos O liíismo dos clownsde Shakespeare - Nãoqueíonais sabetdo liigmoquenãoé libeìIaçãa

E CORRETO aÍirmaroue.no séculoXX: a)M>l+E+N b)N+l>l\il+E c)N+E>lV+l

d)M+N<E+l e)N<l\,4-l+E

Habilidade:

Solução: O cÍescimentodemográfico de um paísé calculâdo pela natalidademenosa mortaíidademais os imigrantesê menosos ernigranies. pelaalla naNo Brasil,o séculoXX Íoi caracterizado quejuntamentê talidade como númerode imigrantes, píincipalmente no iníciodesseséculo,Íoíamma@íes do que a taxa de morlâlidâclêe a emigíação,ÍavoreCendoum aumenÌoconsìdeíável da popuìação absopeííodo. lulabrasileÍano referido Rêsposla:lêtrab

(BANDEIBAÍ'/anu€1, Poesi,Conpletae Prcsa. k

FiodeJanero. À9ülar1e7a) mO gráficoa seguirrepresenta o íluxo(quanìidade de água em moviínento) de um rio, em lrês podemos aÌirmar Combasena leilurado poema, regiões que o poeta: distintas,apósceflotempode chuva. CORRETAMENTE a) clilbâ o liÍismoloucodo ílovimênlomodernista, b) cíilicatodoe qualqueÍlirismona litêÍatura. c) propõêo relornoao lirismodo movimento clássico. a{ :l propõê d) o retornoao lirismodo movimenloromãntico. e) propõea crÍaçãode Lrmnovolirismo.

Habllidade: Íempod€poisquea ôula começã(íüt.)

Comparando-se, nâs três regiõês,a interceptada água da chuvapêlacoberturavegetâ|,é ção CORRETO afjrmarquetal inÌerceptação

Solução: em "Poética", de ÌúanuelBandeira, declaO eu-lírico, ra. nos pnmeirosversosdo l€xlo,o sêu anseiopot cÍìarum novolirismo.Essaidéiaestáapresenlada na alÌernativa E;as oulrasalteÍnativas ultíapassam o poemaaprêsênlado. Rêspogta:letrae f,glrAo longodo seculoXX,a taxade variaçàona populaçãodo Brasilfoisempreposjtiva (crescimento). EssaÌaxalêvaemconsideração o númerodenascimentos(N),o númerode mortes(l\4),o deemigÍantes (E)e o de imigranles(l) por unidadedê tempo.

86

a) é maiorno ambi€nl€naturalpreservado. b) independe e dolipodevegetação. da densidade c) é menornasregiõesde floreslas. d) aumeniaquandoaumêntâo graude inleÍvençáo humana, ê) diminuià medidaqueaumêntaa densìdade da vegetação.

Habilidade:


enem Soluçáo: Numa vegetal a áreaond€a cobertura é prêsêrvada,

mente.oaraosoontoscardeais: a) norte/sul. d)o€ste/leste. b)sul/none, €) oeste/oeste. c) lesle/oeste.

inierceplação da águada chuvaé maior,favgrecendo a infiltÍaçào. e a dÍenagêmsubteíâneaé maioí. qu€,na floresta A leiturado gráficopeímiteidentificar natuíal,o têmpodepoisque a chuvacomeçaé maror quanìoSubtêÍânêo. no escoamênto, tantosup€rficial ReaDosla:l€traa

Habilldade:

No cicloda águâ,usadopârâproduzirêlêlricidapeloSol, de,a águâde lagose oceânos,irradiâda nuvens evapora-sê dandoorigema e sê precipita comochuva,É €ntãorepresada, corredê alto â baíxoe movetuíbinasdê uma usina,acionando geíadoíes.A eletricidadgproduzidaé lransmítida : atÉvés de caboso Íios e é utilizadaem moÌorese oulrosaparelhoselétícos. Assim,paía que o ciclo sejâ apÍoveìtâdonâ geraçãode energia elétrica, constrói-se umabâíÍagemparaíepíesara áqua. Entreos possíveisimpaclosâmbientaiscausados por essaconslruQáo, devêmserdeslacados: a) aumentodo níveldosocêanose chuvaãcada. b) chuva ácidae eíeitoestula. c) alagamentose intensaícaeãodo eleito estuÍa. d) dagameÍÍose desequilíbíoda taunae da llora. e) alteraçãodo curso nâturaldos rios e poluição atmosléÍica.

Habilidade:

Solução: A produçãode eneÍglaêlétíicanas usinashidrelélricas dependede grandesquântidadesde águaque devem ser acumuladas,ocúpandoenormese)densóêsde tería quandicum íio é íepresado.Talacúmuloatingediretamêntea Íaunaê a flora da rêgìão,sêndo motivode prêocupação paÉ os ambìentalistas. ResDosla:letrad

ffi"casa

que nãoenlra9ol,entmmédlco."Esse

antigoditadoreÍorçaa importânciade, ao construirmoscasas,darmosorientaçòesadequadas aosdormitórios, de formaa ga€ntir o máximodê coníortolérmicoe sâlubridadê. Assim, controntandocasas construídasem Lisboa {ao norte do Trópicodê Câncèr)ê em para CuÍiliba(ao sul do Trópicodê Capricórnio),

Solução: A quêsláo reisre-seàs mudançasda posiçãodo Sol ao longodo ano,ZÊNITE. Comosó ocoíreZÊNFE na zonaintgrtroDical, e Lisboa esiá localizadana zonalemperadado norte,o idêal é direcionar as iânelase os quartosparao sul,ondê a intensidade solará maioÍ.No casode Curhiba,na zonatemperadado sul, a melhorposiçãodas janelas e quartosé parao norte. O opostodessas posiçóesé, rcspectjvamenie,norte e sul.alleínativaA. Respogla: letra a

oesela compÍarum carro cujo píeço à @tao vista,com todosos descontospossíveis,é de R$ 21 000,00.e essevaloÍnãosêráreajustado nosproxtmos mesês. quepodemseraplicados El€temR$20 000,00, a umâlaÌa de de 2%ao mês,e compostos es€olh€ aplicado alé dêixar todo o s€u dinheiro 'uros queo monlante atinjao valordocaríoParater o carro,Joáodeveráesperar: a) doismeses, e teráa quantia exata. quantia b)trêsmeses, € 1êráa exata. c) íês meses, e aindasobÍarão, aproximadâmênte,R$225,00. d) qualromeseg, e t€íáa quantia exâta. quatro €) meses,I aindasobrarão, aproximadamenle,RS430,00.

Habllidade:


enem Solução: O monianÌe(4,4) de umaaplicaçãoa luroscompostos e dadopor lV = C . (1 + i)r. ÍC >Capltainìcìa OndeÍ i + Taxadejuros(naÍormadecimal) I T + Ternpode aplioaÇão

No problemadado.em Íés meses,o montanÌeserá = 20 000(1 + 0,A4'= 21 224,16 iguaÌa: l\,'l Logo,Joâodeveráesperartfês mesese lhesobrarão R$225,00, aproximadarnente. Fêsposta:letrac

porregião iabelaseguinte apresenta algumasdasprincipaìs câr.rsâs de morlêsno Brasl. disiribuídas -26,;A

t

785

7

I

D9

I

9

643

7 FÒnle:lün slér o da Saúde. 1996

Sãoconhecidas arndaas seguinÌesinÍoÍmações sobíeas câusasde óbitos: . A díiculdadena obtênçàode iníoÍmações. a faltade notríicação e o acessopÍecárioaos servçosde saúdesãoíatoresrelevanles na conÌabilização dosótìiÌosporcausasmaldeÍnidas. . O aumentoda esperançade vida faz com que haiâ cadavez mâispessoascom maioreschancesde desenvol,/êr a gumI po de cânceÍ. . As mortespor doencasdo aparelhoiespiratório estâoeshêÌamenteâssociadas à poìLrição nosgrandes cenÍos uíb'anos. . Os acidentesde lrânsrloe os assassinatos repíesenlam a quaseÌotalidad-o ex das mortespor caLrsas lelnas. . A regìãoNorteé a únicaque apresenta lodasas laxaspor 10 000 hablantesabâixoda taxâmédiabÍas elT a.

Levando essâsiniorrnacões socai,econômrco emconsideração e o panorama e ambienÌaldo Brasil,pode-se concluirqueas regióesK, X, W Y e Z da Ìabelandicam,FESPËCTIVAMENTE, as regòes: a) Sul,NorÌe,Nordeste,SLrdesle e Cenirc-Oeste. b) CenÍo-Oeste,Sudesie.NoÍie,Nordestee Sul. c) Centro-Oesie. Nordesle.Nor1e,Suìe Sudeste. d)Node,NoÍdesle. Sul,CenlÍoOesÌee Sudeste e) Norìe,SudesÌe,Cenlr'oOesle.Nordestee Sul.

Habilidade: Analisarlaioressoc'oeconônricos e ambieniaisasçociados de vidâ € sãúded€ ao d,:senvolvrmenio. as condLções por iDdicadores. humanas. rneio da ìnterpretaçào de diÌcÌentes ìropulações

Soluçáo: Re acronando os dadosda tabeÌacom as inÍormaqôes sobreâs causasdosóbilos,conclüi-se: . As neopiasias são maisíÍeqüentesnas regiôesSul e SudesÌe. . As doençasrespiratóÍias sãofÍeqúentêsno Sul e no SudesÌe. à rcgiãoNorle. ' A regiâoW coÍresponde Besposta:Ìetrac

88


enem gráficoa sêguir reprêsentaa evoluçãoda quanlidadede oxigèniona âtmosÍêíano curso dos iemposgeológicos. O númêro100 sugÊr€a quantidadeatualde oxigêniona atmosfera,e os demaisvaloresindicamdiferentesporcentagens dessaquânlidade.

Décadasdê 50êd€ô0

60êde70

70ed€80

v@w

Fonte Adaptadode SANTOS,FìeglnaBega. lvlìgrações na Basil SáaPauo:Scp one,1994.

Analisando-se os mapas,pode'seaÍirmarqueessa mudânçaocorreucom

Í. ã gl

t

e

que rÍìgrEìram a) Íabalhadores íuíaisnordestinos. paÉ São Paulonas décadasde 50 e de 60, hânstormando-se em opeÉriosdo setoíindusIflat.

De acordocomo gráficoé CORRETO aíirmaÍque a) as primeirasformasde vida surgiramna ausênciade O,. b) a atmosÍeraprimitivaapresentava17ode teor de oxigênio. c) apóso iníciodafotossínlese, o teordeoxigênio na almosferamanlém-seestável. d) desdê o PrécambÍiano, a atmosíeíamantém os mêsmosnívêisde têordê oxigênio. e) na escâlaevolutivadâ úda. quandosuígiÍam os anííbios.o teoí dê oxigênioâìmosÍéÍicoiá se havìaestabilizado.

quemigíaramparao Cen' b) âgricultofes sLrlÌstas, ìro"O€stena décadadê 60, transformando-se em emprêsáÍios da mìneÍação. quemigÍaíam c) l'abalhadoÍes ruÍaisnoÍdeslinos, para a Amazôniana décadade 60, kansfoÊ mando'seem grândespropíietários de Ìeías. d) moradores daspeíiferiasdasgrandescidades, quemigraram paíao interiordopaísna década de 70 alraídospêlâsoportunidades de emprego oas íeservasextrativstas. e) pêquenosproprietáÍiosrurais nordesünosque, na décadade 70, migraramparaSão Paulopaía trabalharcoÍÍìotúias-ÍÍiasrìacolheitade caÍe,

Habllidade:

Habilidade:

Soluçáo: A mobilidadepopulacional no Brasìlvem sofrendo mudançasna u,limameladedo seculoXX e no rnìcio Solução: do séculoxxl. Duranteâs décadasde 50 e 60,o principalmovimengráíico permite que A análisedo concluir a vidâ se que,devido to íoi de lrabalhadores ruraisnordestinos originouem um ambientedespfovido de oxigênio. péssimacondiçãode vida,mìgraram à direçãoao em Apóso surgimento dosorganismos Íolossintelizantes, êSiadode São Palrlo.pri.ìcrpa.mente paía a regrão o oxigêniogíaduâlmente se acumulouna atmosf€ra, meiropolitana de São Paulo,alraídospela grande peÍmitindoo sucessodos seresaeróbicos. ofertade empregosoriundosdo forteprocessode industrializâção Resposta:letraa e urbanização do Sudesiebrasileiro. Nofinaldo séculoXX e iníciodo séculoXXl,a região humanos, repÍesentados m€tropolilana deixade ser atrativa,e as cidadesméffiO" lr"o" migralórios nos ínapassêguintes,rnaisdo qu€ um dêsloca- dias do interioroaulislae oulrosesladosoassama mêntoespaciâlpodemsignifrcaruma mudança exercero maiorpoderde atraçãopopulacional. de condiçãosocial. Feapo6ta:letraa

89


enem ffio

textosêguinteÍoi êxtraídode uma cíônicade

tVachadode Assi6e reíere-seao trabalhode um

Assim,é razoávelsuporque o autordo textoÌenha queridoafirmêÍque o toquedê sinosacompanhava todosos Íalosmarcanlesda hislóriaimperialpor ser um coslumeda épocae não poÍ seí umaexpÍessão de alegdaou vontadepessoaldo sineÍo.

escravo, Um dìa começoua guefta do Paraguaie durou cinco anos, Joáo rcpbava e dobrava,dobÍava e repicavapelos monos e pelas viÍórias.Quando Resposta:letrad se clecrcIouo venlrc livre dos esctavos,João è que rcptcou.Auando se íez a àboliçãocomple- 4 garraÍade vidrc e uma lata de alumínjo' ta,quemrepìcoufoi Joáo.um clìapíoclamou-sr -!9J uína cadaumaconÌendo330 mL de reÍrigerante' são a Repúbfica. Joãorepicoupor ela, repicaÍíapelo mantidasem um íefrigerador pelomesmolongo lmpéio,se o lmpétiorctaÍnasse. peÍÍodode tempo.Ao reliráìasdo refrigerador rvrAcHADo, ass6deorÕnica a mone doescrâvo João, sobre com as mãosdesprolegidas, 1s97. t€m-sea sensação quea lataestámaisfriaqle â qaíaía de A leiÌuradotextopêrmiteaíirmarquêosineiro João E coRRETo aÍiímarque a) poÍ sêÍ escravo,locâvaos srnos,ás escondia) a lataêstá realmenlemaistÍja, pois a capacidadas, quandooconìamfatos ligadosà Abolìção. dê caloríÍica da garrafaé maiorquêa da lala b) não poderiatocar os sinos pêlo relornodo lmpério,vistoque €ra escravo. b) a lata está dê fato menosÍia que a garraÌa, poiso vidropossuicondutividade menorque o prociamada pec) tocouos sinospêlaRopública, quêvieramlibertá-lo. alumínio. los abolicionistas d) tocavaos sinosquandoocorriamfatosmarcanc) a garrafae a lataestãoà m€smâtemperatura, tes porqueeÍa coslumeíazêìo. possuema mêsmacondutividade térmica,e a sensaçãodêve-seà diÍerençânos caloresese) tocouos sinospeloretornodo lmpério,comepecíÍicosmoíandoa voltada Píincêsalsabel. d) a gaííafae a lataeslão à mesmatemperatura,e Habilidade: a sensâçãoé devidaao Íalode a condutividade térmicado alumínioser maioÍquêa do vidro. e) a gârrafae a lataeslãoà mêsmatemperatura, e a sensação é devidaao falode a condulividade térmicado vidroser maiorquea do alumínio.

M

Solução: O candidalodevelere jnterprêtaÍ um pêquênoexcerto de umlextoliteráriolMachadode Assis)e escolher que traduz,da lormamaisadequada,o a alternativa lrâbalhode um escravosinearodê igíejâ,descrjÌopelo âulor. O texionosapresenta, dê Íofmarepelitiva, o lrabalho do sineiroem diversosmom€ntosda hislóriafinaldo lmpério:a Guerrado Paraglai,a proclamação das leisabolìcionistas e a ouêdada monarouia. Em duas únicasocasiõ€s,o âutot nos dá entender queos toquesdossinosfizeramsenlidoparaoescravo: na proclamação da Lêi do ventrelivree na abolicompleta demaisocasióes, da êscravaturà:nas o ção píelexlo Íepiquedos sinoslinhacomo oúras razões extêrnasao escravo,Na mlrdânçado regimepolítico, por exemplo,João repicariaos sinos qualquerque fosseo novoregime,c€rlamenleporestarsocialmente à marqemdosaconlecimenlos. ôíì

Habilidade:

Solução: Umavez que a lalâ de alumínioê â garraíade vidro por longotempo,iodos êstãodentrodo reírigerador êstãoem equilíbrio térmicoentre6ie, portanto,têma mesmaleínperatura. Umavez que o alumínioé melhor conduloíde calordo que o vidío,ocoírêiíanslerênciâ de ênêrgìâtérmica da máo para â lata com maisÍacilidade, causandoa sensaçãode queelâestá maisíria. R€gposta:letrad


enem parao Mas vocêsnão se lembramde nada,pô! Vaíveí nem tsss.o erogruma dasNacóes Unroas Dêsenvolvimêntoêlaborou o"RelatóriodoDesen-sabemo oue é vaca.Nemo oue é leile, Estouíalando volvimênto Humano", do qualioiexlraídoo trecho issa potque agora mesmopeguei un pacote de leite leite em pacote, imagína, Tereza!- na potta dos a sêgurr_ fundos ê estavae6c to que é pasterizado,oupasteuNos últimosanosda décadade 90, o quintoda izaclo, seí Iá, tem vitamina,é garanüdopela embtopopulação mundiaìquevivenos paísesde renda matologìa,foì enrhuecidoe o escambau. maiselevadatinha: Será que isso é nesmo leite? No dicionáriadìz que . 86%do PIBmundial,enquantoo quintode mêleite é outra coisa: Líquido branco, contendo água, nor renda,apenas1%; ptoteína, açúcar e sais mínetais'. Um alimento pta . 82% das exportaçõesmundiaís,enquantoo ninguémbotaÍ deíeito.O ser hunano o usa há maís quintode menorrenda,apenasl%; de 5.000anos.É o únicoalmento só alìmento.A car . 74%das linhastelefônicas rnundiais, enquanto ne servepro animalandar,a fruta servepra fazerouta ftuta, o ovo serve pra fazet outrc galìnha [...] O o quìntode mênorrenda,apenas1,5%; . 93,3%das conexõescom a Inlernel,enquanto leíte é só leite.Ou tona ou bota fora. Esseaquì examinandobem, é só pn botar fora.Tem o quÌntode mênorrenda,apenas0,2%. chumbo,tem benzina, Ìem mais água do que leite, popLrlação mun- tem seÍragem, A distància darendadoquinìoda sou capaz dejutat que nem vaca tem dialquevivenospaísesmaispobres queerade trás desse negócío. PoÍ 30 para1, êm 1960- passoupara60 para'1,em Depois o pessoal ainda acha estranho que os me1990,e chegoua 74 pâra1, êm 1997. ninos não gostem de leìte.Mas, como não gostam? Deacordocomessêlrechodo rêlatóíio, o cenário Não gostamcomo?Nunca tonaftm! Múúúúúúú! do desenvolvimento humanomundial,nasúllimas FEFNANDES, Mttôr O Esladode S.Páulo,22de agostode 19sg pelâ décadas,foÌcaracterizâdo cíílicado autoré dirigida: BA a) diminuìção da dispaÍidadê entÍeas naçòes. pelas novasgerações, a)ao desconhecimento, b) diíninuição da marginalização de paísêspobresgado da importância leìleìroparaa êconodo mia nacional. c) inclusãoprogrêssiva dê paísesnosistemaproprodução b) àdiminuiçãoda de leiieapóso desendutivo. que têm substituído volvimento de tecnologias d) crescenteconcênttação de íenda,recursose os produtosnatuíaispoí produlosartiíicÌais. riquezac) à artificialização abusivade alimentostradicioe) dislribuição eqüìlativados resultadosdas inonais,comperdade critéÍioparajulgarsuaquavaçõestecnológicas. lidadee sabor. d) à permanência a parlir de hábitosalimentares Habilidade: rêvolução de da agíícolae da domesticação animaisinÍciadahá 5 000anos. e) à importância dada ao pacolede leitepara a conseÍvaçãode um produtoperecívele que necêssita de aperleiçoamenlo lêcnológico.

@er

Solução: O trechomostraclaramenÌeque, no íinal do século provocou XX.o processo a maior de GLOBALIZAÇÃO desigualdadê socioeconômica do mundo. O avançoda tecnologìa mundialnãoconseguiudimìgÍande nuiÍa desiguatdade entÍeos paísesíicose os paísespobrês.Os produtosdo mundomodernoestão concênlrados nospaísesquelêm tecnologia. RêsDosta:lelrad O autor do texÌo abaixocritica. ainda oue em linguagêmmêtafóÍica.a sociealadecontemporânea em relaçáoaos seus hábilos alimentarês. Vocêsque tèm naìs de 15anos,se lembramquando a gente compíavaleite em qarrcÍa, na leiteia da esquína?[...]

H

Habilidade:

Solução: O autor cíiticaa falta de criÌérìosadequadospara julgaro saboÍ e a qualidadedos alimenlosquando menciona, de íormairônica,as inÍormaÇões contidas nasembalagens do lêitê.MillôrFernandes uÌilizauma paraquêsÌionaí linguagem ìnteressante a artificializaabusiva dosalìmêntos lradicionaìs. ção Resposta:lêtrac

91


enem @A

palavraembromalologia usâdapeloautoré a) um lermo ciêntííicoque significaestudodos Dtomatos, b) umâcomposição do termode gíria"embroma(ênqanaçào) que é o com bÍomalologrâ. çào" estudodosalimenlos. c) umâ junçãodo terínodê gíria"embromação' (enganação) com lâcloiogia,que é o estudo paraleitê. das €mbalâgens d) um neologismo da quÍmicao€ânicaquesignifica a lécnicâde reiirârbromatos doslalicÍnios. que e) umacoÍuplelade leímo da agropecuáíia signiÍicaa ordenhamecânica.

Habilidade:

Solução:

Habilidade:

Solução: A explicação1 é verdadeirae justiÍicadapela Íeação: 2NOo+O,rq) + 2NO,lq) A explicação2 é verdadeiraê justifÍcadapelâcombÌrstãoincomplêta doscombuslÍveis e quanlomaioro número deveículos emcrrculaçào. maror seÍaa €missãodêstepoluenle. A explicação4 é íncoíeta, pois o ozônio medido não provém da estratosferae sim da reação: Nor(or + O,tq)+ NO(s) +O3(e) Resposta:leÍa a

podêsêr divididaem duas: jglJOs lexlosâbaixorelacionam.se A palavraembromatologia a momenlosdisque sìgnilicamna c!membromaçãoe bromatologaa tintosda nossâhislóriaposiçãodo ìexloenganaÇão no êstudodosalimentos. A íntegÊçáo rcgianal é un instrumentoíundaRêsDosta:lelrab nental paÊ que um número cada vez maior de paisespossa melhorara sua ínserçãonum munàsvariaçôês dascon' @o gráíicoabaixoreÍere-se do globalizado,já que elevao seu nível de concentrações de poluentesna atmosÍeía,no decorpetitìvidade.âumentaas trccas conerciais peF rer de um dia ú'til,em um grandecentíourbanomite o aumentoda produtividade,cia condiçõês para um maiot crescimentoeconômícoe favorece o aprofundanentodos proce'sos democrátÌeos. A inÍeEdçãoregìonàle d glot)elizàüasurqefi assim comoptucesìoscomplementarcs e vantajosos, DelaÊçáo de A.rto- Vlll Cimêiíã lbe.aAme.iena,

PorÌo.

Portuqal,l7 ê 18 de oulubrod€ 1998

AdapradodêNoVA s, veE. ozónio:atiadoou ininigo. SãoPâulo:ScipDnê,1994.

As seguinlesexplicaçóes Íoramdadaspâíâessas variaçô€s: L A concenlração de NOdimÌnui,e a de NO2aumentaem razãoda conversão de NOem NOr. ll. A concentração de monóxidode carbonono ar estáligadaà maioíou à menorinÌensidade de tráfegolll.Os veículosemitemóxidosde nitrogênio apenâs noshoráriosdê picode Íáfego do período da manhã. pêrtedo 07ôlVNos hoíáÍiosde maloíinsolaçáo, nio da estratosferâ diÍunde-sepa€ camadas maisbaixasda atmosÍera. Dessasexplicações, sãoplausíveis SOMENTE: a) le ll. c) ll ê lll. e) llle lV b) le lll. d)llelV

Um consìdeÊvelnumercde mercadotiàspassou d set produzidono BÊsì|. substítuìndoo que nào era possívelou era muitocarc importaí Foi assim que a criseeconômìcamundkl e o encarccinenlo das ìnponaúes levaramo gotreno Uarga9a Ciar as basespara o crescìmentoindustial brasileirc. POMAR,Wlâdimir,Era yâ,gas a nodenização cansetvadora

É CORReÍOaÍirmarqueas politicaseconômicas mencionadas nostextossáo a) opostas,pois, no primeirotexto, o cenìro das preocupaçõês são as expoÍlâÇões e, no sêgundo,as importações. b) semelhanles, umavezqueambosdemonslram umalendënciaprotecÌonista. c) diferentes,porque,paÍa o pdmeirote)do,a questão centralé a integraçàorêgionale, paía o segundo,a política desubslituição de importações. porque d) semelhantes, consideram a inlegração regÌonalnecessáÍiaao desenvolvimento econômico.


enem ê) oposias,pois,parao prirneifotexto.a globâÌizaçãoimpedeo aprofundamento democÍáÌico e. pârao segundo,a globalização é geradora da criseeconômìca.

Combasenoesquêma, umêclassede alunosptocurouidentiÍicar a possívêlexistência de competÈ entreessasavêse concluiuque çãoalimentar a) não há competiçãoentre os qualrotipos dê avesporquenemtodasolasse alimentamnos mesmoslocats.

Habilidade:

b) não há competiçãoapenasentreas avesdos tipos l, 2 e 4 porqueretiramalimentosde locaisexclusivos.

Solução:

c) há competiçãoporquea ave do tipo 3 se aliDoisiexlos,reÍerentosa momentosdistintosda hismentaem todosos lugaíesê, portanto,comtóriamundial,Íâzemmênoãoao crescimênto da ecopetêcomiodasas demais. nomia.O primeiroreíote-sêao crescimênto da economia,propoícionado pelaintegração regionalepeta d) há competição apenasentreas aves2 e 4 por, globalizâção; o sêgundodiz respeitoao crescimenÌo queíetaram gíande quantidade de alimentos de econômimpropoícionado pe'adificuldade de se conum mesmo tocât. proclutos segurÍem em ummomenlodecrise mundial. ou seja,em um momenlodê poucaou nenhumaine) não sê pode aíirmarse há competiçãoentre legraçãode mercêdos. Semmuitadificuldade, o cânas avesque se alimentamêm uÍìa mesmaredidatopercebeque os têxtosreÍerem-se a polílicas giãosem conhecer qLre os tiposde alimenÌo econômicas diÍerentes. Não há indÍciosparaatÍmar consomem, que sejamsemelhantos (allernativas B e D), ou so, jam opostas(alternâtivas A e E). Habilidade: ResDosta:letrac

@O

sêguintêrepresênta os diversos

""qu"r" meios em que se alimentamaves,de diferentês quefazemninhona mesmaregião. espécies,

Solução: A coÍnpetição peloalimentosomenleocorrese duas ou maisespéciesexplorarem a mesmaíonlede ali" mentoe compartÌlhafem o mesmohábitat. Resposta:letrae !

O Íêíro pode ser obtido a paÍtir da hematita,minódo Íico em óxido de ÍêÍÍo, pela Íeaçãocom carvãoe oxigênio.a tabelaa seguiÍ apresenradados dâ análisede minéÍio de ÍeÌro (hemâtita)obtido de várias regióes da Serra de Caraiás.

Fonte:ABREU, S F.Âeculsosniheratsdo Btâsit,v 2 sáo pauro:EdusD. 1973

processodê produçãodo Íerro,dependendo do minérioutjlizado,Íorma-semaisot menosSO' um gâs que contÍibuipaíao aumentoda acidezda chLtva. ConsideÍando esseimpaCtoambientale a quanli_ dadede íerroproduzida,pode-seafirmarque serìamajsconveniente o processamento do minérioda(s) região(ões) a) r, apenas. b)2,apenas c) 3, apenas. d) 1 e 3, apenas e )2 e 3 , a pe n a s .

93


eneÍn Habílidade: \a Õ b' r ' n. ; o pf od u k - d e m n r? ,r" r,e .l p i n s u r o, €nergétìcos. jdeot'{icaÍ etâpas. calculôì rendimen ,o \. t ax d<? . r ì d, c , :q.. a n d l ,s ô ìi mp l | (d L o L .s o ,rd ì-. econômicas e ambientaÈ.

Solrrção:

il

De âcordo com a labela. os leores de enxoíÍe ras regióes 1 e 2 são semelhantese Ínuito maioÍes que o (eo dessêele'Íìen',rna 'êg ão 3.logo.o nrocessa Te_io do rinê||o dc Íe o dessa'eg.áoía Í,aÍdÍre nor InìpacÌoamllrenÌal. Resposta: letía c

Um apostaalortem três opçóes parâ panicipaÍ de ceíta modalidadedejogo, que consisleno sortêio âleatóriode um númerodentredez. ' 1gopção:comprartrês Dúmerospara um único sorÌeto. . 23opção: comprar dois númerospara um soíteio e um númeropaÍa um segundosorteio, . 3s opção: compÍar um número pãra cada sor' teio, num total de três sorteios.

39,lse X, Y Z representam as probabildades de o apostadorganhar algum prêmio, escolhendo, respeclivÂme^,e. a 1 .2' ou a 3' op\ões.é CORREïOarirnarque: a)X<Y <Z d)x=Y>2. 38.lNo processoclepíoduçãodoÍeÍo, a sílicaé rernob ) X = Y = Z e)X>Y > Z. vrdado mlnérìopor reaçãocom calcário(CaCO3). c )X > Y = 7 , Sabe-se,leoíicamenleícálculoeslequioìné1rjco), qre sáo'ece5s3'rosl00gde.drcd|o pâ'Ì redgr com 60 g de sÍlica. DessaÍorrna,pode-sepreverque.paraa Temoção de toda a síl câ píesenÌeem 200 toneladasílo nìinér o na reg ão 1. a rnassade calcáricnecessãfla é. aproximadanìenle.er,t ioneiadas ìEuala

a)19 l r )3 ,2

Hatrilidade: IÌ€coÌrheccro carát€raleatóÍìode fenòmenosnaturaisou nâo È rtilizarem sìiuaçóes-probkÌìÌìa processosrie conròge)Ì,representaçãôde treqüàrciâsreÌâiÌvâs,.ojìsiÌt|c.aode espâçosâmosnaìs-dish-ibrrição ,ì" , " aLJlo r,obdb]ddde..

d) 6.4 e)8,0

Solução: Temos:

Habilidade: Na oblenéo e produçao d€ miìleriaise de iÌìslunos ene'géticosidentìlicaÌetapas-caìcularrendinì€n iôs. tariase inclices,e alraìisarìmplicaçõessociais. ecoÌrôÌnicas e ãmbieDÌais.

-

-8928^^^ 10 10

Na região1:0 979áde SiO"

100

probabiidade de não ganhar 9 I 10 r0

Solução:

9 T0

271 1000

100ton minérìo._..-

0,97lon SiO,

orobabiidade de não ganhar Logo,x>y>2.

200tonnlinéro.

nr

Resposla: eÍa e

= 1 94 ion SiO, ,' =1q9-W-'_9f I to".aor

100 to De acordocoma propoÍcãoíornecida: 100g CaCO3reagerncom 609S O: Eniãol 100 ton CaCO3 _.__,,, _ 60 Ìon SiO, '1,94lon SiO:

lÏgfq '=fTbl!4960 . tossìÕ?

= 3,23lonCaCOr

pedea rnassade calcátio Umavezque o enunciado aproxmadamenle, B. a melhorresposta é a âllernativa Resposta:leÍa b

94

10

4o,lEscolhendo a 2a opção, a píobabiljdade de o apostadornão ganhar erÍì qualquerdos soÍteios e rguala a) 90% d)70% b) 319.: e)65"; c) 72,q"

Habilidade: ReconÌ1ecero caÌá€r aìeiìlório de ferìômenosnaturèisou não € uiìlìzarem sit!.rações pÌobbmã processosdecoulãgem.Ìepreseniação de freqúénciasrelativ.*. drJrribui(áô íÍu(;,o de,.pàço"o1 "no.na6. e câculo dc pÌobabi[dadc-ç.


gnem a) | 000 b) 22 000 c) 33 000

Soluçào: A probabilidade de nãoganharé 8 9 7 2 _=- - = / l ' Á 1 0 10 10 0 Bêspostã:leÌrac Um boâto tem um público-alvoe alaslra-secom alêterminada rapidez.Emgeral,essarapidezéaliretamênteproporcionalao númerodê pessoasdesse públlco que conhêcemo boalo e diretamenle píoporcionaltambémâo númerode pessoasque não o conhecem.Em oulras palavías.sendo R a râpidezde propâgação.P o público-âlvoe x o númêrode pessoasque conhecêmo boãto,tem-se: R(x)= k. x . (P * x),ondek é umaconstantepositiva característicaclo boato. -'d-{lO gráficocartesianoque MELHORrepresenÌa a ÍunçãoR(x) paÍax reai,é:

d) 38 000 e) 44 000

Habilidade: Em !Ìm g'iáfìco .ã!ìesia.o de 1,aÌiáveì socioeconômi, ca ou ìécnico-cienríficâ-icientifi.ar e aÌralisarvaiores dr. rariovcr-. r,en ar+. de cÌesLimcnroolr dcc?dscrÌno e iaxas de vãriâção.

Solução: Públco'ê vo = 44 000 Enlào,F (x) = kx':+44 000kx O núnìerode pessoaspara o qual a râpidezde propagâÇãoé rnáxirnâcoÍesponde à absc ssa do vérlice, que é dadapor:

",

= 1l ggg!=zzooo

2( k) Fesposta:letrab

'..$.)LJmaempresade transpotearrnâzenaseu com, bLrslíveern um reservalório crlíndricoenterrado horzonlalrnenie. Seu conteúdoé meddo coírì urÌìa vara graduâda em vrnte inlervalos, de Ínodo que a distânc a enÌre duas graduâÇõês consecuiÌvâs represe!ìlasempre o

" i ' [ " l ' ' Ï,I A iluslração que MELHORrepfesenlaa disÌribui' ção das gradlraçõêsna vara é

Habilidade: ÈrÍ \r n çanco.díleìrano

õ, vô dv! l soí'(rJr or4.Ìrl

ca ou técnico-científìca, ideììti{icare analisarvàlores dâsvariáveis,ÌntervaÌos d€ crescimcnto ou decÉ.sci' mo e tôxas de variaçáo.

Solução: Temos: R ( x) =kx( P- x) R (x) = kx: + kPx Comk > 0, sabemosquese traiade Llmarcode paÍábolacomconcavidade volladaparabaixo Rêsposla:letfae 42)rConside,ando o ÊìodeÌo descnloanre o_-nenle. re o público-aivo é de 44 000pessoas, enlàoa máxÌ, mârapidez depropagação ocoíreíáquandoo boato forcoìhecdoporunlr;írero depessods rg,dld

ït

tl

Habilidade: planas Dìiìnte.Ìa divefsiílôdede formasgeométricas c espaciâls.presentesna natlLreraou imaginadas, câracterizá-lds pof me;o de pÌopri€dades. Ì€iacioììar seus €len]üntos,calcularcomprimentos.áreas olr voluììes,e utìlÌzaÌo conhecimeniogeoméìÌicopâïa l€itura,compÌeensáo e açáosobÍea reaÌìdade.

Soluçáo: Tendo ern visiâ quê a seção ÌÍansveísaldo reseÍva'ó o e ,-ì cìcLlo âs Or"tá.c'3se-, e o: narLaqoes aumenlaÍn.As grâduaçõessão simétrÌcasem feiação ao diâmelÍohoizonlaldocírcuìo.Dessemodo,a ilustraôãocorrela é a de letra A, Rèsposìa: lelra a

95


enem Er ,rr €xisteum galpãoque precisa fO "rp,""", ser divididoem lrês deoGitose um /Ìal/de entrada de 20m'?,conlormea figuraseguinle.Os depósitosl, ll e lll serãoconstruídospara o armazenamento 90, 60 e 120 doi respectivamenle, lardosde igualvolume,e suasáreasdevemset proporcionais a essascapacidades.

T I I

conÍnenteafrìcano há muitotempodesafiaos geólogospoque todaa suametademeíìdionaLa que íica ao sul, ergue-sea mais de 1 0OOmetos sobre o níveldo naÍ [...] Uma equipede pesquí sadorcs apresentouuma solução desse desaÍío sugeindo a existênciade um esguicho de lava subtenânea empuftando o planalto africano de oatxopara êtma, Adapiadade BevistaSupeinioressârlé,São Paulo:Abri , novembro de 1998,P.12

l0 ítl

ConsideÍando a Íofmaçãodo íelevoterrestre.é CORRETOâfirmâr,com bas€ no texlo. que a soluçãoproposlaé r_i'm+

A largurado depósitolll deverser, êm metfos, r gua la a )1 hl2 c) 3 d )4

ê)s Habilidade:

porqueâs Íormasdo reÌevoterresa) improvável, tre nãose modiÍicamhá milhõêsde anos. poisas forçasexternas, b) poucofundamentada, como as chuvâsê o venìo,são as principais pelasíormasde relevo. responsáveis c) plausível,pois as lormâs do relevoresultaín da açãode forçasinternase externas,sendo rmportante avaliaros movamentos maisproÍundos no interioÍ dâ Terra. d)plausível,pois â mesmajustiíicâtiva Íoi comprovadanasdemaìsregiõesda África.

Solução:

po.queos movirnsnlos e) injLrsrificável. maisproÍundosno interiorda Terranão interÍerem nos geográíicos que acidenÌes apârecemna sua suPêrfície.

Seiamas áreasdos depósilosl, lle lll, representadascomoA, A e ALr.Respectivamenle, temos Habilidade: = A , + A, + A, 1 1 . 1 0-20=90m'?

& = 4=l t=ç1 " o n "1"n1"1 90

60

t20

Então, A = 90k,A, = 60Ke A, = 120k 90k+ 60k + 120k= 90 27Ok= 9O

A laroura deve ser { = 4 metros " 10

As íormasdo rêlêvoÌêÍresÍesão rêsultantes da ação constanledas foÍçâstectônicas, ag forçasinleínase podo as ÍoÍçâsexlernas.Nãose caracteíizaÍ urnauni dadegeológicasem levarem considêração os agentes internosformadorês do rêlevonosúltimosmilhões de anos, como no caso citâdo,a ÁÍricâ meÍìdional.

Resposla:letrad

Rgsposta: letra c

r.=1 3

L o o oA. , = 1 2 0 .] = 40

96

Solução:


enem charges,quaon" @Em muitosjornais,enconlramos nhos,alustrações, inspirados nosÍalosnoticiados Vejaum exêmploi

ê) "Trago-te flores,- rêstosarrancados Da têtÍaqu€ nosviu passar E ora mortosnosdeixae separadosl' ASSIS rvachadode. ObÉ .ompleta.Fìiod€ Janero: Nova Aguilãr,1986

DêmarcâçâoclasÌerras indígenas

rcio,228193 JornaldoCoÍnmê

Solução:

A charge mosÌía uma série de sepullurasrecémO lextoque se reÍêrea umasituâçãosemelhante cavadas,como sê a cada índiocoubêsseapenaso à que inspirouâ chafgeé: espaçode uma sepultura,no momenloêm que as lerrasindígenasvierema ser demaícadas. a) "Descansemo meu leito solitário Apenaso poemaque constada alternativaB, um exNa florestados homensesquecida, cefto dè Morte e Vida Severina,de João Cabral de À sombíade umacíuz,e êscrevamnela lúêlo Neto,tÍaduz dè formaadêquadaa charge:o - Foipoêta sonhou- ê amounavidal' poema refere-seos poucospalmosdè tefraque caAZEVEDO,Álvarosdê. Poêslâsescolridás Fio de Janero/ Brasila:JoséAgular/lNL,1971 beriâmaos pobrestrâbalhadores ruraisnordestinos. demais poemas quêlâlamdê As alternâtivas contêm b) "Essacovaem queestás sepulturae da mone sem, confudo,denunciaremas Compalmosmedida, quê eslãoprcsentesna recondaçõês sociopolílicas é a conlâmênoÍ íormaagráriaê na dêmarcação dasteÍas dos índios quetiÉsìêêm vidabrasilêiros. É de bomtamanho, NemlaÍgonemÍundo, Resposta:letrab E a padequete cabe destelatifúndiol' dos gÍandespíoblemasdas regôes uÌbanas MELONÉÍO. JoãoCabíalde Mo.te e VtdaSêw|ina e outtos ÍrJUm é o acúmulode lixosólidoe sua disposição. Há poenas en w afta de Ja.êib: Sâbiá.1967 ^o pâraê disposição váriosprocessos do lixo,dentre c)"[,4ediréamedida eleso aterrosanitário, o depósitoa cóuabertoê a mede incineração. Cadaum delesapresentavantagêns A lefia, medodo homêm,a lavra; e desvantagens. lavra Considereas sêguintesvantagensde métodos durocampo.muitocerco,váia váízeal' dê disposição do laxo: CHAMIE.Máno.&ít8do m t'orâ dâ asculâs.São Paulo: S !m m u Ín s,1978

d) "Voucontarparavocês um câsoquesLlcedeu na ParaÍbado NoÍle com um nomemquese chamavâ PedroJoão Boa-Morte, lavíadorde Chapadìnha: lalvezlenhamorteboa porquevidaêlê nãotinhal' GULLAR,F€rreila.IodápoésÍa.Fio d€ Jãneib:Civilzaçáo BÌasit€ira, 1983

l. diminuição do coniatohumanodireìocom o lixo; ll. produçãode aduboparaagriculturâ; lll.baixocustooperacìonal do processo; lV reduçãodo volumêde lixo. A relaçãoCORBEÌA enlre cada um dos píocessosparaa disposiçãodo lixoe as vanlagens apontadas é:

97


ggìeÉlt ''r" "' " r" r : :Álint{r',.rÍtèir6sikiâ:.- ..i ''lil.ii'l'':'''.:,ii- . ' ' ' ' ' . ' . . I nlÍ J r**i r'

L A Í uoretacão da águaé irnportarteparaa ma' pofémnãopode nutencão do esmaliedentárro, seTexcessva. ll. Os iencóisíeáÌicosciladosconlêmcornposlos de flúor.ernconcenÌrações às exrssuperÌores tentesna águatÍalâda. queâdqur ramÍluorose podemÌer lll.Aspessoas ulilizadoor.rÌfas fontesde ílúor além dâ água públÌco,como,por exemplo, de abaslecìmenio cremesdênlaise vitaminascomílúor.

:.:ii$..ãP:,.1.,ï.g;.ií,;:ip,Ec,.,,,ffÌ,f.9íi,ri,ir, a)

lll

I

b)

l

c)

1l

iV

I

cl) .r

,l

i

ill

ll

lV I

r

rv

Ëiatrilidade: Anâìisaf,.ie foÌÌÌ1aqualitalìvô ou quaniitaiìva. -rliua cò€s problcma reíeÍentes a perhÌÍbaçoes ambien iais. id€rtií;caììdo tontir, iÍônslroÍte e desii.o dos ìo up. r c . . . ô r t . r. ..1 ô-.,à . r' " 1 -i u Ì" !u ú : p . . ver €leitcisnos ecossìstêÌÌlase no ,.istemâprodutivo , n " ot , i t . , r E . lc .r.' c .uì ^ ì,,o td ,a ' rã ,.{ .n b .e r rc o . ' c o, l" ' n L "1. 'u

/+ ò.i Fooe-!e0I tTnS tque apenás

aJ I e coÍeÌa. b) ll é cofrela. c) lll e coríeÌa. d) | e lìl são coíeias. e) lle lil são ccrÍeias.

Flabilidade:

Soluçáo; sem dúvda, o processode uflranlzação mundialaurr]enlao consLrmoperaapiia e. conseqúenlemenle,a produçâode ixo. A dÌsposçáo do llxo em depósiloâ céu aberio é rna s baraÌa,porérììoÍerecea grandeposslbìlidâdeda d Íu' são de doenças e conlaminaçãodo meio ambiente, íalo q.e e bd-znle'e-r' o quandoae ,llr1do pro. cessode aierrosanilário. ,\ o Iì, Oaisêsü'.1,,ã'ìo p'Oce-goOê :ì..nêri. 40 Oue. aìémde Íeduziro volumeaiolxo, evitaa coniâmina ção do lençolÍreáiico,porérné de elevadocusto. Resposta: eÍa ìl i

: i

i

' . I

'

Nô Brasì|,mais íie ê6 mjlhõesde pessaasbeneíìciamse hoje do abastecimentode águafluaretada.medìda aLtevem reduzinda, em cercade 50"Á, a incìdència de cáríes. Acaffe, enlretanto, que pro ssiolrâ/s da sárlde muìtes vezes prescrevem flúor aral au complexas \i miô(O! aat l\:o. pd d c ur\ dc cU qFs/,nrFs/e. \'àt1doà ngcsrqô ê\dgâtàdè d;t "bb:t 'of.à. t) 'n(s no acane com c usa abusìvode algumasfiìarcas de água mìneral ,7ue contêm f|úor. A excesso de llúor frJarase- tôs Centespade acasìonalclesdeet'eìtas esÍéticos âté defeitos esttuíuiais graves. Fotam Íegìslrados casos de fluarose Íanta en ciCades cam iigua Íluaretada pelos poderes públicas como em outras.abâslecidaspot lençóìs írcáttcosque natu rahnen te contên f|úot. AdspirdÕrrâ F.n isì. d"4ssociaçàÒ Pàulista,Jectútgiòes DêrÌfras APCD v.53. n 1. ìar.Íe\4 1999

Com bâse nesseÌexto,são Íe tas âs seguntes aÍ rrnacões:

Conìrreendef o sLgrì1ìcadoe a ìmporiância da água e de selÌ ciclo para a nìaìruiençaocja vjda, em sua rcÌa' . ;o con . . J ço - -o 'od..bi .rr .. {Lpr ,lo q,. | ' iiïìcaÌ variãÇÕesde temperatura e mlidanças de lase crn pioc€ssosnaturaise de ìnia1encão humana.

Solução: L

O f Lroreioacrescdo à água, ÍecoÍìhecidamente, dirÍìinu a ocorrénca de cáries. ì1. Não há dadosque sustenÌemâ afiÍmaçãode que a concenÍação de fiúor nos lençós ÍreáÌicoscilados é maior do que na água iraÌada. lll. De fato, pode ter havido, em pessoas co.n liuorose,a ingesÌãode Ílúor adicionaipíesenteern cè.iob. efle . d9 ìlãij é erg-nASv,iâírinà.. Besposta: letra d 49.lDeÌermìnadaEstaçãotrala cerca de 30 000 lÌÍos de água por segundo.Para evitar riscos de fluorose a concentraqãornáximade fluoretosnessâ água não deveexcederâ cercade 1,5m lìgrama poI | ,u "le dglrJ.À q dnliddoÈÍrii ra dês-" ê"peciequímca que pode ser !Íilizadacom seguranca, no volume de água iraiada em uma hora. nessâ Eslâcão,ó: a) 1,5 kg d) 124 kg b)4,5 kg e) 162 kg c) 96 kg

llatrilidade: CcÌÌpreenderosjgnjficado€ a importânciadaáguae .te seucicÌopa|a a nanuiençãoda vida,em slÌarelacão com condjçõessocioambienlais.saben.ìoquaniiiì.nÌ vaiiâçóes de iemperatura e mudançasde lase em processosnaturaise de int€rv-ençâohumana.


enem Solução:

Ent:io,em umahora(3.600s):

Na concenÍaçãomâima de fluoretos{F ), temosa cadasêgundo: 1L 1,5mg F-x 30.103L t=45 - 103mg F ou45 g Fa cada1 s.

45gF_1s x ____ 3.600s g F ou 162kg F x = 162.000

ffiO

Rêsposta: lêtrae

esquema ilustra o processo dêoblenção doáìcooletílicoa partiídacara-de-açucar.

Cana-de-âçúcâr (1 ronelada)

Em 1996,loramproduzidos no Brasil12 bilhóesde litrosde álcool.A quantidadede canade-açúcar, que tevede ser colhidapara esse fim Íoaaproximadamente toneladas, c ) 1 , 7x 1 0 ' a) 1,7x 103 b) 1,2x |0' d ) 1 , 2x 1 0 ' ' e) 7,0x 10''

Habilidade:

Solução: De acordocom o êsquema,temos: 1 Ì de cana_ 70 L de etanol x 12 . 10eL dê etanol eo o processode exploÍação l$rPaía compÍeender é fundamenconsumodos rêcursospetrclíleros, tal conhecera gènêsee o processode formação do petróleodescritosno textoa seguir. O petroleoé um combustívellóssil, originadopíovavelmentede rcstosde vídaaquáticaacumulados no ílmdodos@eandspimttiros e cobêrloapot sedimentos.O tempoe a Wessãodosedinìentosobre o naterial depositadono Íundodo mar transformanm esseetegtosem massasviscoaasde colorajazidâêde petróleo. ção negradenominadas

1t o n. 1 2 . 1 0 ' y ' = 0,17x 1o'gt d€ canâ 70/ x = 1,7. 103t de cânâ Resposta:letraa c) a odÍaçãoe o aproveihÍnento do petíóleosãoalipo,uernes üdadesnão úda sra oíiQêmnatural. d) o petróleoá um recursoenergéticodistribuído homogenoamenie, em todasas regiões,indêpendentem€nte da suaorigem. e) o petróleoé um recuÍsonão renovávela curlo prazo,explo€doem áreasconlinêntais de origemmaÍinhaou em áreassubmaíinas.

Habilidade:

Adâplãdo deTUNDlSl.Usósdé énê49,á Ediloa,1991 SãoPauloÌAluâl

Âs inÍormaçõesdo texto permitemaíirmarque a) o pet.óleoé um íêcuÉoenê€éticorenovável a curloprazo,êm razãode suâconslaôtêformaçãogeológicâ. b) a exploÍaçãode petróleoé reâlizadaapênas em áreasmarinhas-

Solução: as conA simplesanálisedo têxtopermiteidentiÍicar paraa fordiçõesambiêntais e o temponecessários maçãodo pêtróleo. Rêsposta:letrae


enem O textoa seguir,de John Locke(1632-1704), revela Solução: êlgumascaracterísticas de !ma determinada coÍênEsta questãosolicilado candidatoescolhera altertê de pensamento, nativaque, no planopolítico,e iustificadapelolexto Se o homemno estadode naturezaé tão liwe, conde John Locke.As allernativas A, B, C e E náo enloÌme dissemos.se é senhot dbsoluloda suà ptòpìia contramjustiÍicativa no texlo lockêano;a altêrnatìva pessoâ e posses, iguàl ào fidior e à ninguèmsujeìD, quesê refereà origêmdo govêrnocomoumaproteçãoà vida,à propíiedade to, pot que abriá ele mão dessa liberdade,por que e aos direilos,é a ma,s abandonaíáo seu impérìoe 6ujeìtat-se-áao domínio adequadaao sentidogeraldo texto. e contrclede qualqueroutropoden ResposÌâ:lelrad Ao que e obvio rcsponderque. embordno estadode * naturezatenhatatdircito.a utitizacãoctopss7p6s 'ffi Anali"andoo lêxto.podemosconcluirquese trata 0e um pensamento muiloncerla e esla constanlemenle e^posloà invaa) do liberal;smo. sãode terceircsporque,sendo todos senhorcstanto b) do socialismoutópico quantoele, toclohomemigual aele e, na maiorparte, c) do absolutismo monárquico poucoobsêwadôÍes da eqúidadee dajustìça,o prod) do sociaìismocientílico. veìtoda propriedadequepossuinesseestadoé muito e) do anarquismo. insegurce muitoaftiscado.Estascircunstânciaêobrígam-noa abandonârumacondiçãoquo,emboralivre,. Habilidade: está cheia de temorese perìgosconstantes;e não é ] .,..",,,.,.,...,-:..".,_" sem razãogue pÍocura de boa vontadejuntaíse êm sociedadecom outrcsque estãoj1áunidos,ou pretendem unirse, paÊ a mútua can,eÍvação da vida, da líbetdadee dos bensa que chamode prcpiedade.

M

Os Pêrsadores. SáoPaulo:NovaCullu€1,1991.

Solução:

porítico, podemos devista cons'.".", , fftJ:"n:,,:ïjïï:rïï#":ïÏj:: WDo ponto " textocomoumatentativade justiÍica.:

:.'ij:;

que.na i dezessete. Da lêiturado textodeDreende_se os homens,mêsmogozandode litìêÊ a) a existência do govêrnocomoum poderoriun- vìsáolockeana, juntar"seem sociedadeno esladonâtutal,preíerem do da natureza.

propÍìêdade b)aoÍisem dosovêrno como umâ ff:ffi:ïff"1ïiï:ïïijllïïjl,ïïlliï1,ïl: oo rer.

c) o absolutismo monárquico como uma imposição da oaturezahumâna.

o que no estadonatu'alerainseguíoe arriscado, A queslão53, que implíoaa evocaçãode conhecimenÌohisi(iíicoanlerior,perguntaa qualcorreniedo

proteção d)ao,isêm dosove,no como uma àv, [ï:"jil"::ï:jTl dâ, aos bense aosdireitos.

e) o poderdos governantes, colocandoa libêrdapropriedadê. de individual acimada

Habilidade:

100

ï.'ïlïli"ï"1i.ïi'jï""";ï#-

ralìsmo.O liberalìsmo surge,primeiro,na Inglaterra e, depois,difunde-seno continenteeuropeucomoa prÍncipalcorrentede pensamento buÍguésêm oposi(o ao "Antigo regime" absolutismo). ção Respostâ:letraa O suco exlraídodo repolhoroxo podê sêr utilizado comojndicadordo carátêrácido(pH entre0 e 7) ou básico(pHenlre7 e 14)de diÍêíentessoluçõês.l\,,listurando-seum poucode sucodê repolhoe da solução,a mìsturapassaa apresentardiíerentescores,


enem segundosua nalurezaácidaou bás ca, de acordo "Ì-5.ìutltizanao-se o inolcador citadoem sucosde abacaxi pode-se e de lirnão, esperarcomoresultado coma escalaseguinÌe. as cores: p N 123456189r Q 1 1

a) rosaou arnareo. b)vermelho ou Íoxo. c) veÍdeoLrvermelho, d) Íosaou veímelho.

12 13 14

AlgumâssoiuçõesÍoramlestadascorr]esse Indica' dor.produzindo os seguìnles resullados:

I

Habilidade:

Amoníaco

Dada uma disfibuiçãoestatísiica de variáv€lsocial, econômica,Íísica.químicôoÌÌ biológicã.tradwir e inìerpÌetarac r.ìÍor_,ôço€s di'nonrvpis.ou rpo.qani. záìas,objeiivandointèrpolações oÌr extrapolações.

ll Leitede mâgnésia Vermelho LeiÌeclevaca

FÌosa

'V

Solução:

_qliDe acordo com esses reslrilados,as soluções l. ll llle lV tém.RESPECÌIVAMENTE, carater a) ácido/básico/básico/ácrdo. b) ácìdolbásico/ácido/básLco. c) básico/áciColbásico/ácrdo d) ácido/ácìdo/básico/báslco. e) basìco/báslco/ácrdo/ácjdo.

Tânto o âbacaxrcomo o limão são ÍíLrlasciÌíìcas;assrrn.seLrssucos apresêntarncaíáÌeÍ ác do. Para ambos, espefarn-secomo íêsu tadc cores assoctadas ao caíáteíácldo(pHeniíe 0 e 7)t veÍmelhoe rosa. Resposta: letía d '-5õrìô quadnnho publicado na rcvìsta NeÁ,sweek (2319,/1991 ) iUslrâ o desespero dos cartógrafos parâ desenhaao novo mapa-múndidiante das constantesmucjânçasde ÍíonÌelÍas.

Habilidade: Dada uma djslÌibuiçãoestôtísiica de variávelsocialeconômica,físìca.químicaou biológica.tÌ"duzir e in!pmreÍ.,rds rnformdço€s di<ponivpi(.ou Ìcorgônizálas.objehvandoinÌerpolaçóes ou exhapolâçôes.

PEÌER

f"ì

Soluçáo: Ph 012

+ 3 45678910

11 12 13 1 4

Associandoa escala pH coma labelade materiais, lemos:

Yt4"

I Amoniaco

verdê

11-13

bá9ico

ll Leitêde magnesta

Lêvandoem considefação o contexioda época em que a chargêíoi pub|cada,dentreas írases sêgurntes, a que MELHORcompleta o texloda tala,píopondooulracorreçãono rnapa,é

âzul

9-11

básico

já nãoÍazparteda Europa". a) "AAlbânia

lll Vinâgre

vermelho

lV Loìtedê Resposta:leÌrae

ácido

b) "O n"me'ode pase" so estâdrri_undo .) Cuba,ànaoÍal parledoTercero /uôdo.

rosa

ácÌdo

dì 'O KasJqLrslào âcaboude oeclaraÍi_depeadência". e) Vâmos1erde dividira Alemanhanovamente".

101


enem Habilidade:

Solução:

Solução: o quea graNo poema,OswalddeAndradeesclarece máticanormâtizou sobrea próclise:não se usa pronomeoblíquono iníciode Ííase.Talregrafoiconfhma' da por Cêgalla,no têxtoseguinte.Apesarde a regía poisconsideram que,em êxistir,os doisa relalivizam, situaçõesinformais, na oralidade, é comumo uso dê pronomes ob,íquosno iníciode pêríodos. Rêsposla:lelrâê

de A chargefoi publicada êm 1991,durantêo processo cdse do mundhl desintegrâção dâ URSS.A socialismo na @O no hnal do século XX íavoreceuuma modrÍicaçião principalmenle no LêstêEuÍopeu,entreos carlogratia, principais: o Íim da LjniãoSoviética e a indêpêndência dasrepúblicas, ênlreelaso Kasaquistão. A Albâniaâindafaz partê da Euíopa,ê ocorreuem 1989a rêuni{icação da Alemanha. Resoosta: letrad

I ffio

álononoiníciodasÍrasesé ,ro do pronome

destacadopor um poeiae pof um gramáticonos t€xtosseguintes. PÌonominai9 Dê-meum cìgâíío Diz a gramática Do prcfessore do aluno E do mulatogabido Mas o bom negrc e o bom bnnco da NaçãoBíasileìn Dizemtodos os clias Deixa dissoôamarada Me dá um cigato

Brasil,em 1997,comcercade 160X 106habÈ tantes.aprêsentou um consumode energiada or' demdê 250000TEP(tonelada equivalente de pêtróleo),proveniente íontesprimárias. dê divercas O grupocom rendaÍamiliardê maisde vintêsaláriosmínimosrepresenta 5% da populaçãobrasileiraê utilizâcercade 107oda energiatotalconsumidano país. o grupocom rendafamiliarde até três salários míniÍos represênla50'. da populaÇão e consome 30%do totaldê energia. pode-seconcluir Combasenessasinformagões, que o consumomédiode enerciaparaum indavi_ duo do gÍupode rendasupefloré x vezesmaior do que paraum indivíduo do grupode rendainÍe_ rior.O valorâproximado dê x é d) 10,5 e) 12,7 aì 2,1 b) 3,3 c) 6,3

Habilidade:

de lori@.SãoPaulo: ANDFÁDE, Oswddde.Se/eção NôvâCullurâ|, 19a8.

Iniciara íÉse compÍonomêáoÍìo só é lícitonaconveísaquândo despÌeocupada, ounalínguaêscritâ çãohmiliâr, peconagens falados se des€jareproduzira [...]. gênálica cla|íngua Novissima CEGALLA, Domingos PaêchÒàl. poflugrésá. SãoPalloiNâaonâ|,1980

dadapelosautoresso' Comparando a explicação pode-se afirmarque amtìos bre êssâ Íegra, â) condenamessar€grag.amatical. sabem b) âcreditamque apenasos esclarêcidos êssaregta, c) criticama pÍesênçade regrasnâ gramálica. d) aÍirmamque náohá regrasparausode prono^ mes. ê) €lalivizamessar€gragramatìcal.

Habilidade:

Soluçáo: . ParaumarendaÍamiliarmaiordo que 20 salários, 1êmos: . PoÍcentagem da população lotal(P)= 0,05P . Porcentagem da energiatotal(E)= 0,10E . Parauma íendâÍamiliarmenordo que 3 salários,temosi . Porcentag€m da população total(P)= 0,50P . Porcentag€m da energiatotal(E)= 0,30E . Consumodos Indivíduoscom íenda superioí= 0 , 1 0E ^Ê 035P='F . Consumodos indivíduoscom renda inferior= 0,30E ^^E

os op= "' ' u

E Temosque 2 Ê

Besposla:leka b

E

F


gneÍn As históriasem quadrinhos,porvezes,utìlizam ânimaiscomopeÍsonagens e a eiesaÌribuemcomportamento humano.O galo GarÍieldé exemplodessefato. nomesda pinru'aïrndrê..f delêoseVan Gogh,pintorholandêsndscoo ên 1853.ê um dosprincipais gurnÌequaoro:

DAVIS.Jim Càder.oVldâ e Atte Johâlda Pava,Fôftaezà.

O 3qquadÍinho sugêÍequêGarfield: a) desconhece tudosobrearte,poÍ ìssoÍaz a sugesÌão. b) acÍeditaquetodopinloÍdevêfazeralgodiÍeíenÌec) defendêque paraser pintora pessoalêm de soÍÍer. d) conhecea hisÌóíiade um plntorfamosoe faz usoda ironia. e) actedilaqueseu donotênhatendênciaartísticae. por isso,íaz a sugeslão.

Habilidade:

Solução: A quesÌãoexigea assocìação enlreVanGogh,pintorholandês,e a ìntençãodo personagem em pralicara pin' luía.Ao proterr a frase:"CorÌeumaorelha",GarÍreld moslraquetemconhecìmento da hisìóriade vidado pinÌor e ironizâo íaÌode seudononãoter o dompaÍaa pintLrra. RêsDosta:lelrad lffiJ Umcleterminado município, representado nap anta seguinte,divididoernregiõesde A a l, com altìludêsde ìeíenos indicadasporcurvasde nível, p.ecisa de.idr pelalocaizaçàodesidsobÍds: 1. instaaçãode um parqueindustíial. 2, insÌalaçãode uma iorrê de Ìransmìssão e recepção.

Considerando impactoambiental e adequação, as regiõesondedeveriam seÍ,de preÍerência, ìnstaìadasindústriase toÍe, são,respectivamênlê: a )E e G . c) le E. b )He A . d) Bel.

Soluçáo:

ffi vegetação m RiosËlcldade m Bodovia

A interpreiação do mapaem cuívasdê nível(l\,,lAPA ïOPOGRÁFICO)permiteconciuirque o local ideal pâÍaa indúsÌria é a regiãol, poislocaliza-se ajusante da cidadeê próximoda rodovia,faciÌitândo o escoame_Ìoda produção. A to_rede l'a1sÍrissâo é na regiãoË. a Noroesteda cidade,em um pontode maior altìlude,ÍaciliÌando o sinal. Resposta:letrac

103


enem dascaa seguirâlgumâs ffiEncontram-sedescritas

Solução:

racterísticas das águasque servemtrês diferentes Íêgiões.

O cicloda águasoÍreváriaslnÍ,uências negatÌvâs da antópica. 6ção A uíbanizaçào. â industriahzaçào eê Regiãol: Qualidadeda ágì]apoucocomprome- irrigaçâosão os principaisfatoresque vêm aÍelando casosrsoÌida por caígaspoluidoras, a quantidâdê e a qualidade da águapotávelessencjal lados de mananciaiscompromelidos à vidanaTerra. por lançâmênlode esgolos;assorea' NâscaractêÌíslicas das Íêgiõesda quêstão.a regiáo mentode algunsmananciais. lll rêtrataa grandee irracionalutil;zação do recurso poÍ cargâs Regiãolli Qualidadecompromêtidâ pâra hídrico a uÍbanizaçáo, indústriae lambémpaÍa poluidorasurbanase industriais; área a irrigação. sujeitaa inundâções; exportaçãode cargapoluidoraparaouÌrasunidades Resposta:letrad hidrográÍica6, 'mÕ meÌabolismo dos caboidratosé íundamental Rêgiãolll:Qualidadecompromeiidapor cargas parao ser humano,poisa partirdessescompospoluidorasdomésticase induslriaise tos orgànicosobÌem-segrândêpârtèda energia porìançamenÌo de esgotos;probiemas paraas funçõesvitais.Porouiro lado,desequilÊ isoladosdê inundação;uso da água briosnessepíocessopodemprovocarhipeÍglice" paÍaìrrigação. maaou diabetes. pode-se De acordocom essas caracteríslicas, O caminhodo açúcarno organlsmo inicia-secom conclurrque quê.chegandoao ina ingestãode caÍboidralos a)a região| é de alta d€nsidadepopulacional, testino,soÍrema açãode enzimas,"quebÍandocompoucaou nenhumaestaçãodetratamento se' em moléculasmeno@s(glicose,porexemplo) de esgolo, queserãoabsoÍvidas, b) nâ regiãoI ocorremtanloâtívidadesagrícolas A ìnsulina,hormônioproduzidono pâncrêas,é como industíiais,com práticasagrícoíasque responsável porÍacililara enlradada glicosenas estâoevitandoa erosãodo 6010. células.Sê umapessoaproduzpoucainsulina, ou c)a regiãoll iem predominância de atìvidadê se suaacãoesÌádiminu:da. dificilmente a g icose agrícola,muitaspaglagense parquêiodustrial podeentíarna célulaê ser consumida. inexpressivo. podêseconcluiÍque: Combasênessasinformações, d) na Íêgiâolll ocorremtânloatividades agrícolas

M

comoindustriais, com poucâou nenhumaestação de Ìratamentode esgotos.

a) o papel realizadopelasenzimaspode ser diÍe. pelohormônioinsu'ina. tamentesubslìtuído

e) a regiãolllé de intensaconcentração industrÌal e úrbana,com solo impermeabilÌzado e com âmplolratamenlode esgotos.

b) â insulinâproduzidâ pelopâncíêastem um papelênzimãtico de açúcar. sobíeas moléculas

Habilidade:

c) o êcúmulode glicoseno sangueé provocado peloaumentoda açáoda insulina. levandoo indivíduoa um quadroclínicode hiperglicemia. d) a diminuiçáo da insulinacúculanteprovocaum acúmulode glìcoseno sanguê. papelda insulina e) o principal é manleroníveldè glicosesuíicienteínêntê alto.evitando.assim. um quadroclínicodê diabêtes.

104


enem Habilidade:

Solução: A análisêdas iniormações do ie)dopermìtea idêntiÍicação da alternativa correta. ResDosta:Ietrad

ffiOs

H

granoe esgotos doméslicos constituem ameaça aosêcosststemas poisdêtesdede Ìagosoureprêsas,

corremgravesdesequilíbrios ambientais. Considere o graficoa seguir,no qual,no intervalode iempoentre ti e t3,observou-se a estabilidade em ecossistema de lago,modificado a parti.de t3pelomaiordespejode esgolo.

que esláde acordocomo griáÍico. Assinalea interpretação pelooxigênioJêvaà muliiplicação a) Êntrêtse 16,a competição de peixes,bactériase oütrospÍodutoíês. b) A partirde t3,a decomposìção peladiminuição do êsgotoe impossibilitada do oxigêniodisponívêt. c) A padirdê tô,a moÍtandade de peixesdecorreda diminuição da população dê produtores. d) A mortandade de peixes,a partìrde t6,é devidaà insuÍiciência de oxigêniona água. e) A partirde t3,a produçãoprimáriaaumênÌadêvidoà diminuição dos consumidorês.

Habilidade:

Sol uçao: A análisedo gÍáficopermiierelacionaromaiordêspejode esgotodomésticonoambienteaquáticoquedetêrmina a quedado leor de oxigêniolÍvrena águae, conseqüenÌemen1e, o aumentoda mortalidadê de pêixês. RêsoosÌa:lelrad

105


Enem 2000