Page 1

Comunicado de  Imprensa     Novo  estudo  revela  níveis  alarmantes  de  exploração  ilegal  e   insustentável  de  madeira  em  Moçambique:     ONGs  exigem  acção  urgente     Um   novo   estudo   da   Universidade   Eduardo   Mondlane,   publicado   esta   segunda   feira   dia   24   de   Fevereiro,   (disponível   em   http://www.fao.org/forestry/eu-­‐flegt/85805/en/)   revela   níveis   chocantes   de   ilegalidades   e   insustentabilidade   da   exploração   de   madeira   em   Moçambique.   O   estudo   conclui   que   mais   de   dois   terços   de   toda   a   exploração   madeireira   actual   é   ilegal,   e   que   os   níveis   de   exploração   sustentável   estão   a   ser   barbaramente   excedidos.   O   relatório   mostra   também   que   a   exploração  madeireira  ilegal  está  a  piorar  a  cada  ano,  e  aumentou  em  88  por  cento  desde  2007.   No   mesmo   relatório   estima-­‐se   que   em   2012,   tenham   sido   cortados   900,000   metros   cúbicos   para   consumo   doméstico   e   mercados   internacionais,   excedendo   massivamente   os   320,000   metros   cúbicos   de   corte   licenciado   para   esse   mesmo   ano.   Mesmo   dentro   dos   volumes   legalmente   licenciados,  o  relatório  documenta  violações  generalizadas  dos  regulamentos  florestais,  tais  como  o   corte  de  árvores  subdimensionadas  e  o  corte  fora  das  áreas  licenciadas.   Os   dados   oficiais   recolhidos   para   o   relatório   também   indiciam   a   existência   de   exportação   ilegal   generalizada  de  madeira,  patente  na  brutal  discrepância  entre  o  que  as  autoridades  moçambicanas   registaram   como   legalmente   exportado,   e   os   registros   dos   países   importadores   de   madeira   de   Moçambique.   As   conclusões   do   relatório   apontam   para   graves   falhas   do   governo   moçambicano   em   resolver   problemas,   que   já   são   conhecidos   há   muitos   anos.   Sam   Lawson,   especialista   florestal   independente,   que  apoiou  a  UEM  com  o  estudo,  disse  no  seminário  de  actores  relevantes  ao  sector  florestal,  que   teve   lugar   a   6   de   Setembro   passado   em   Maputo   que,   enquanto   outros   países   com   problemas   de   exploração   ilegal   de   madeira   tomaram   medidas   nos   últimos   anos,   Moçambique   não   o   fez.   Entrevistado   por   ONGs,   ele   descreveu   a   abordagem   actual   do   governo   para   resolver   os   problemas   de   governação   florestal   como   "a   reorganizar   cadeiras   num   navio   a   afundar-­‐se".   O   estudo   da   UEM   estima  que  apenas  3  por  cento  de  toda  madeira  ilegal  no  país  está  a  ser  apreendida.   Além   de   destruir   as   nossas   florestas,   esta   exploração   desenfreada   e   ilegal   está   a   privar   o   país   de   receitas   muito   necessárias.   Lawson   estima   ainda   que   250   milhões   de   USD   em   madeira   ilegal   são   cortados  anualmente  em  Moçambique.   A   pessoa   responsável   pela   gestão   das   florestas   do   país   nos   últimos   3   anos   é   o   actual   Ministro   da   Agricultura,  José  Pacheco,  um  dos  três  possíveis  candidatos  da  Frelimo  às  eleições  presidenciais  de   Outubro   próximo.   Em   2012,   o   executivo   de   uma   empresa   envolvida   no   contrabando   de   madeira   ilegal   para   a   China   contou   a   investigadores   disfarçados   da   sua   estreita   relação   com   o   Ministro1.   Pacheco  nega  alegações  de  corrupção.   Grupos   da   sociedade   civil   moçambicana   uniram-­‐se   para   exigir   do   governo   que   tome   medidas   urgentes  para  resolver  o  problema,  seguindo-­‐se  as  recomendações  contidas  no  relatório  da  UEM.  As                                                                                                                           1

 Environmental  Investigation  Agency,  'First  Class  Connections:  Log  Smuggling,  Illegal  logging  and   Corruption  in  Mozambique',  February  2013  -­‐  http://www.eia-­‐international.org/wp-­‐content/uploads/EIA-­‐First-­‐ Class-­‐Connections.pdf    


recomendações, que   foram   desenvolvidas   com   a   participação   do   governo,   do   sector   privado   e   de   organizações  não  governamentais,  incluem:     1. Uma  moratória  sobre  novas  licenças  de  corte,     2. Transparência  e  acesso  às  informações  governamentais  relevantes  ao  sector  florestal,     3. A   criação   de   uma   agência   de   aplicação   da   lei   florestal   e   monitoramento   independente   da   sociedade  civil  do  sector  florestal.   “O  governo  não  pode  continuar   a  negar  ou   por   outra   ignorar  o   problema   nem   a   dimensão   assustadora   do   mesmo.  Há   anos   que   a   sociedade   civil   vem   pedindo   uma   acção  urgente,   antes   que  as  florestas  de  Moçambique  deixem   de   existir.   Vários   estudos   foram   produzidos,   todos,   tanto   nacionais   como   internacionais   chegam  às   mesmas   conclusões,   como   tal   não   conseguimos   compreender  a  falta  de  acção  do  nosso  governo”,  disse  Anabela  Lemos,  da  Justiça  Ambiental,  uma    organização  ambientalista  moçambicana. Maputo,  26  de  Fevereiro,  2014       Organizações  Assinantes  do  Comunicado:  

ADECRU -­‐  Acção  Académica  Para  o  Desenvolvimento  das  Comunidades  Rurais  

AAAJC -­‐  Associação  de  Ajuda  e  Assistência  Jurídica  às  Comunidades  Rurais    

Associação Kutsemba  –  Matutuine  

FONGA -­‐  Fórum  da  ONGs  de  Gaza    

JA! Justiça  Ambiental  /FOEMoçambique  

LDH -­‐  Liga  dos  Direitos  Humanos    

LIVANINGO

ORAM Sede  -­‐  Organização  Rural  de  Ajuda  Mutua    

Plataforma para  Mudanças  Climáticas  em  Moçambique  

SEKELEKANI -­‐  Comunicação  para  o  Desenvolvimento  

Visão Juvenil  Moçambique  

Comunicado de Imprensa: Estudo da UEM sobre Exploração Ilegal de Madeira em Moçambique  

Novo estudo da UEM revela níveis alarmantes de exploração ilegal e insustentável de madeira em Moçambique.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you