Page 1

MA

INF OR

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

jornalomestredasobras.com.br Ano 01 • nº 02 • Piracicaba/SP • Novembro/Dezembo de 2010

Nesta Edição: 15 formas de decorar com vermelho decoração. pag. 02

Evite desperdícios na hora da pintura casa&reforma. pag. 03

Irrigação do jardim paisagismo. pag. 04

Corrimão: um importante e obrigatório acessório arquitetura. pag. 05

Porque são tão importantes os EPI´S

Cidade Limpa

A importância do resgate da paisagem da cidade é fundamental para que Piracicaba seja vista como ela realmente é. utilidade pública. pag. 08

Apoio:

Crédito imobiliário da Caixa deve ultrapassar R$ 70 bilhões em 2010 Financiamentos atingem R$ 47,6 bilhões em setembro e já superam o valor aplicado em todo o ano passado. utilidade pública. pag. 09

Entrevista com o arquiteto João Chaddad pag 11

fique atento. pag. 07

Reservatório de 4 milhões de litros do Cecap já está em fase de construção

Plugues e Tomadas. Dúvidas frequentes

Com essa obra, cidade aumenta reservação de 68,775 para 72,525 milhões de litros de água

segurança do trabalho. pag. 06

Como acabar com as infiltrações em casa?

elétrica. pag. 10

Que cuidados tomar ao contratar a mão de obra para uma reforma ou construção? espaço do profissional. pag. 12

Datas Comemorativas 11 de Dezembro DIA DO ARQUITETO E DIA DO ENGENHEIRO 13 de Dezembro DIA DO PEDREIRO

A

região do bairro Cecap terá até o início do próximo ano, os problemas com abastecimento resolvidos. O Serviço Municipal de Água e Esgoto (Semae) está construindo o Reservatório do Cecap, com capacidade de 4 milhões de litros. O reservatório vai suprir a demanda, além do Cecap, dos bairros Eldorado, Parque Taquaral, São Francisco, Santa Rita, Perdizes, Residencial Bertolin e demais loteamentos. utilidade pública. pag. 08


Ano 01 - nº 02 - Piracicaba/SP - Novembro/Dezembro de 2010 02

DECORAÇÃO

www.jornalomestredasobras.com.br contato@jornalomestredasobras.com.br

15 formas de decorar com vermelho N

ão há volta a dar, o vermelho é uma cor cheia de personalidade e energias positivas. Em termos decorativos confere calor e aconchego, mas também pode ser romântico e sensual. Considerada a cor da ambição, pode ser muito ambicioso incorporar esta cor num qualquer ambiente. 1. O uso do vermelho pode servir para criar ambientes muito distintos: tanto pode ser jovem – combinando riscas vermelhas e brancas num quarto de adolescente, por exemplo; como pode ser elegante, ao ser conjugado com preto e motivos clássicos como os adamascados ou paisleys numa sala de jantar clássica. Por isso, antes de aplicar a cor vermelha dentro de portas, saiba que tipo de ambiente pretende conseguir com a utilização deste tom. 2. Familiarize-se com cada uma das tonalidades de vermelho existentes – desde os tons mais frescos como o vermelho-tijolo ou cereja, até aos mais quentes (escarlate ou bordeaux), haverá certamente algum que é perfeito para o seu espaço. 3. Visualmente, o vermelho combina com muitas cores: está naturalmente associado ao verde em termos de decoração natalícia; pode ser conjugado com azul e branco para reproduzir um ambiente de inspiração náutica; juntamente com o laranja e o castanho cria um visual muito aconchegante; com cinzento e marfim produz uma paleta contemporânea; com o bege e o amarelo para um look mais rústico. 4. Utilizar pequenos apontamentos de vermelho – vasos, esculturas, arte, passepartouts – num determinado espaço ajuda a defini-lo em vez de o sobrecarregar. Não se es-

Foto: www.casa.com.br/Deborah Roig

queça, mesmo em doses pequenas, o vermelho tem um impacto enorme. 5. Pintar as quatro paredes de um espaço em vermelho pode ser excessivo e, se este não for muito amplo, pode tornar a divisão mais pequena. Porém, se optar por pintar apenas uma parede, a coluna da lareira ou o espaço que acompanha as escadas até ao segundo andar, o efeito será igualmente sedutor, criando um novo ponto de interesse. 6. Se tiver estantes abertas, pinte a parede onde estão encostadas num bonito encarnado, que ficará simplesmente à espreita, sem ser demasiado pesado. 7. Venceu o medo e decidiu pintar uma divisão toda vermelha? Pense nesta sugestão: ao pintar as paredes, vá mais longe e pinte também os rodatetos. Assim, em vez de ter uma moldura branca a competir com uma cor tão forte, os olhos vão contemplar antes a restante decoração. 8. Se pintar estiver fora de questão, pode ainda incorporar o vermelho nas paredes de casa de outras formas criativas: utilizando autocolantes, stencils ou papel de parede. 9. A casa de banho é um excelente espaço para incluir o vermelho, quer através de azulejos, papel de parede, acessórios luxuosos como tapetes ou toalhas de banho encarnadas. 10. O vermelho é uma das cores de eleição do Feng Shui que o associa ao fogo, à ambição e ao sucesso profissional, ou seja, é uma cor perfeita para decorar um escritório. 11. A cozinha, com alguns azulejos vermelhos ou uma placa anti-salpicos encarnada dará um ar “picante” a este espaço de refeições. Se quiser ir mais longe, escolha armários

vermelhos ou então em dois tons, os de cima podem ser brancos e os de baixo vermelhos … mas atenção, esta cor parece aguçar o apetite! 12. A decoração com tecidos – colchas, mantas, almofadas, capas de sofá – em tons de vermelho liso ou com motivos encarnados é a forma mais simples de experimentar e adicionar esta cor a um espaço, sem ser exagerado. Ao escolher têxteis com padrões e motivos vermelhos, pode manter o resto do ambiente neutro, de forma a criar um contraste harmonioso. 13. Para um impacto mais “wow”, pondere a hipótese de um sofá vermelho, duas poltronas estofadas com um tecido encarnado,

um puff vermelho vivo ou então cadeiras de cozinha cor de cereja. Peças como estas serão o foco central de qualquer espaço, por isso, as tonalidades utilizadas no restante da decoração podem ser mais contidas. 14. Dê um toque de paixão à iluminação ao escolher abajours, candeeiros de teto ou lustres vermelhos… não precisará de mais nada para que esta decoração brilhe! 15. Pintar a porta de entrada num vermelho glossy é uma forma muito elegante de dar as boas vindas a quem chega e de “incendiar”, de uma vez por todas, o seu estilo decorativo. Fonte: http://eudecoro.com

Expediente: Informativo mensal - Ano 01 - nº 02 - Piracicaba/SP - Novembro/Dezembro de 2010 - DISTRIBUIÇÃO GRATUITA e DIRIGIDA. Tiragem: 4.000 exemplares. Os anúncios, matérias e informações bem como opiniões e declarações contidas neste informativo são de responsabilidade única e exclusiva de seus autores, não sendo necessariamente coincidentes com as da Equipe Editorial. Criação, edição e Diagramação: Fábio Grecchi. Comercialização: Claudinei 19 8127-7575


Ano 01 - nº 02 - Piracicaba/SP - Novembro/Dezembro de 2010

CASA&REFORMA

www.jornalomestredasobras.com.br contato@jornalomestredasobras.com.br

Evite desperdícios na hora da pintura

O

rendimento varia de marca para marca, do tipo utilizado (PVA, acrílica, elástica, etc...) e da quantidade de demãos que serão necessárias para a cobertura perfeita da superfície. O melhor a fazer é consultar as instruções do fabricante contidas no produto e calcular a área a ser pintada (altura x largura) descontando-se os vãos, como portas e janelas. Alguns fabricantes informam uma fórmula básica para descobrir quantos galões de tinta serão necessários. Adote a equação abaixo para tintas, fundos e massas, sem esquecer que o consumo por metro quadrado pode variar em função da porosidade da superfície e da técnica a ser empregada.

Para evitar desperdícios deixe a pintura para a última etapa. A pintura é o último passo de uma obra ou reforma, portanto deve ser iniciada apenas quando não há mais nenhum serviço a ser executado. Isso evita a perda com retoques ou outras demãos se houver necessidade de fazer a mudança, por exemplo, de um ponto elétrico. Para quem for usar cores preparadas em misturadores é preciso aplicar no cálculo a margem de 10% a mais para não correr o risco de o produto acabar antes do fim da

pintura, pois será difícil obter novamente a mesma tonalidade. Esse problema não ocorre com as cores prontas. Fonte: www.construcaoereforma.com.br Foto: http://1.bp.blogspot.com

Pintando Metal

03

A durabilidade da pintura, depende de uma correta preparação e aplicação da tinta sobre o aço. As estruturas metálicas, que não receberam uma camada protetora de pintura, necessitam de um pré-acabamento, que as deixem em perfeitas condições para receberem a aplicação de tinta. Mesmo que elas tenham recebido uma aplicação de tinta de fundo, elas necessitarão de uma correta limpeza, para que haja a perfeita ancoragem da pintura final. • Preparar pincel ou trincha, uma vasilha com solvente de tinta, óleo para lavar o pincel, panos e forre o chão com jornais; • Limpar bem a área a ser pintada; • Lixar a superfície com lixa de ferro (uma mais grossa para começar, outra mais fina para terminar) até ficar sem ferrugem, sujeira incrustada ou rebarbas; • Aplicar uma demão de tinta protetora, zarcão; • Se o objeto ficar exposto ao tempo, como grades de janelas, portões, aplicar uma segunda demão de zarcão; • Passe a primeira demão de tinta a óleo na cor escolhida e espere secar bem (sem umidade ou poeira); • Segunda demão de tinta a óleo; • Secagem de acordo com as normas do fabricante. Fonte: www.construcaoereforma.com.br


Ano 01 - nº 02 - Piracicaba/SP - Novembro/Dezembro de 2010 04

PAISAGISMO

Irrigação do jardim

Q

uando se fala em irrigação de jardim, vem logo à cabeça um regador ou mangueira com esguicho. Nada impede que as plantas recebam a água por um desses meios, porém com muita paciência e tempo disponível. E mesmo existindo a maior boa vontade da parte de quem está regando, estes métodos tradicionais nem sempre irrigam na frequência e quantidades adequadas. Mas, para satisfazer as necessidades de plantas que dividem espaços de tamanhos e formas diferentes, sem gastar muito do seu tempo, foram desenvolvidos sistemas de irrigação automatizados. Esses sistemas contêm acessórios que variam em tamanho, constância e abrangência do fluxo de água. Há aqueles mais sofisticados,

com aspersores escamoteáveis que ficam escondidos e só aparecem quando em uso, e que podem inclusive ser controlados por computador. E outros, bem mais simples, encontrados com facilidade até em supermercados. Substituindo a mangueira comum por um sistema de irrigação subterrâneo, ou mesmo portátil, você estará proporcionando às plantas, água na freqüência e dosagem adequada. Neste caso, é importante escolher os modelos pela sua real necessidade em termos de irrigação, e não por conta da estética. Em síntese, tudo depende do tamanho do jardim, do tempo e dinheiro que você se dispõe a gastar. Se o seu jardim já estiver pronto não tem problema, a instalação do sistema fixo e subterrâneo é rápida e não danifica as plantas.

foto:www.hunterrega.com

www.jornalomestredasobras.com.br contato@jornalomestredasobras.com.br

10 razões para você

contratar um paisagista 1. Mais qualidade de vida: Segundo a Organização das Nacões Unidas, é preciso de pelo menos 16 m² de área verde por habitante para diminuir o estresse urbano e se ter qualidade de vida. 0 paisagista trará esse bem estar para sua casa ou empresa. 2. Contribuir para o meio ambiente: Apenas um exemplo: uma árvore de 15 ou 20 anos consegue absorver uma tonelada de C0². A função primordial do paisagismo é criar e valorizar áreas verdes. 3. Economia: Investir em um bom projeto de jardim pode representar no futuro menos dor de cabeça e gastos com desperdícios, retrabalhos, manutenção, calçadas quebradas, infiltrações, em função de erros na especificação de plantas, preparo de solo, entre outros. 4. Ideias criativas: 0 profissional pode não só atender aos seus pedidos (e dizer se são viáveis), mas também sugerir ideias novas, as quais você nem tinha imaginado. 5. Excelente terapia: 0 contato com a natureza e a prática de jardinagem são ótimos recursos para desacelerar, descansar a mente e só pensar em coisas boas. 6. Melhor aproveitamento da área: 0 que antes era um cantinho abandonado em uma

casa pode se tornar um espaço a mais para desfrutar, basta criar um recanto gostoso que as pessoas terão mais vontade de ficar nele. Seja uma pequena varanda ou sacada, o quintal dos fundos da casa ou o jardim de uma chácara. 7. Bonita por dentro e por fora: A área externa é o cartão de visitas de sua casa. 0 que adianta investir para deixá-la bonita só por dentro? 8. Menos estresse e mais tempo: Por que se preocupar em escolher e comprar plantas, vasos ou pisos? 0 profissional sabe harmonizar todos esses elementos e conhece os melhores fornecedores da área, podendo ainda supervisioná-los. 9. Impulsiona vendas: Na hora da venda, uma boa impressão conta muito. Um imóvel com paisagismo bem feito é mais valorizado e vende mais rápido, segundo pesquisa do Secovi.

(Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo)

10. Auxílio na construção: 0 paisagista pode participar desde a escolha do terreno e implantação da casa, analisando juntamente com o arquiteto a vegetação a ser preservada, a topografia do terreno e as modificações para a obra se encaixar no entorno. Fonte de pesquisa: Revista Exteriores e www.paisagismobrasil.com.br


Ano 01 - nº 02 - Piracicaba/SP - Novembro/Dezembro de 2010

ARQUITETURA

www.jornalomestredasobras.com.br contato@jornalomestredasobras.com.br

05

Corrimão: um importante e obrigatório acessório

O

corrimão é uma barra de superfície lisa e arredondada que acompanha as laterais das escadas e rampas. Tem como finalidade auxiliar aqueles que caminham pela escada ou rampa. É um apoio para o corpo, que traz mais equilíbrio e segurança ao subir e descer os desníveis. A atenção principal está nas crianças, mulheres grávidas, pessoas com criança de colo, idosos e portadores de necessidades especiais. Estas pessoas podem apresentar algumas dificuldades ao caminhar e em especial ao utilizarem as escadas e rampas. Portanto, é fundamental e obrigatória a presença de corrimãos, capazes de suportarem grandes cargas de peso, de maneira a auxiliar todos os perfis de usuários. Uso: A partir do desnível de dois degraus ou de uma inclinação de 40 centímetros, é importante ter um corrimão. Ergonomia: Deve ser contínuo por toda a sua extensão e livre de qualquer forma de obstrução. - Deve oferecer resistência a cargas pesadas em qualquer ponto de toda a extensão. - Formato confortável e fácil de ser agarrado; sem arestas vivas. - Formatos largos e sem a devida distância

Fonte:www.cliquearquitetura.com.br

da parede não apresentam segurança ao usuário. - Terminar preferencialmente junto à parede onde será fixado. - As extremidades não podem apresentar pontas. - Se ao lado da escada não houver uma parede é necessário longarinas ou balaustres para fechar o vão entre o piso e o corrimão. - A altura do corrimão pode variar entre 80 e 90 cm acima do nível do piso. - A largura do corrimão não pode exceder 6 cm. - A distância entre a parede (ou guardas) e o corrimão deve ser de no mínimo 4 cm. Corrimão Intermediário A cada, no máximo, 1,80 m de largura de escada ou rampa se faz necessário o uso de corrimão intermediário. Portanto, em escadas com mais de 2,20m é obrigatório a instalação de corrimão intermediário. E quando a largura da escada for menor que 1,10 m o uso de corrimão intermediário só será necessário para atender pessoas idosas e portadores de necessidades especiais, neste caso será permitido adotar uma passagem de 69 cm entre corrimãos. Exceção: escada de caráter monumental e

independente da largura, desde que não seja utilizada por um número grande de pessoas, pode ter somente corrimãos laterais. Como escolher: Como é um item obrigatório que deve seguir os cuidados e medidas estabelecidas pelas normas de segurança, a escolha se dá

pelas características estéticas. Ficando a critério do gosto pessoal, a melhor escolha está na harmonia entre o material e estilo do corrimão com o ambiente mais próximo onde será instalado, buscando uma composição agradável com o mobiliário e objetos decorativos que estão em volta. Foto:www.scx.hu


Ano 01 - nº 02 - Piracicaba/SP - Novembro/Dezembro de 2010 06

SEGURANÇA DO TRABALHO

www.jornalomestredasobras.com.br contato@jornalomestredasobras.com.br

Porque são tão importantes os EPI´S Todo Equipamento de Proteção Individual (EPI) só pode ser utilizado se possuir o Certificado de Aprovação (CA), expedido pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

O que é a CIPA?

A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) é um instrumento que os trabalhadores dispõem para tratar da prevenção de acidentes do trabalho, das condições do ambiente do trabalho e de todos os aspectos que afetam sua saúde e segurança. A CIPA é regulamentada pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) nos artigos 162 a 165 e pela Norma Regulamentadora 5 (NR-5), contida na portaria 3.214 de 08.06.78 baixada pelo Ministério do Trabalho. A constituição de órgãos dessa natureza dentro das empresas foi determinada pela ocorrência significativa e crescente de acidentes e doenças típicas do trabalho em todos os países que se industrializaram. A CIPA é composta de representantes do empregador e dos empregados, de acordo com o dimensionamento previsto, ressalvadas as alterações disciplinadas em atos normativos para setores econômicos específicos. No Brasil, esta participação, prevista na CLT, se restringe a CIPA, onde os trabalhadores formalmente ocupam metade de sua composição após eleições diretas e anuais.

respirador purificador de ar

óculos de proteção

protetor auricular

capacete

calçados de segurança

luvas

Para que serve? Proteger contra pó, poeira, névoas ou resíduos que possam irritar as vias aéreas ou o aparelho respiratório. Dica de uso: Avalie o formato, a fixação e adequação do aparelho ao rosto do trabalhador.

Para que servem? Proteger os olhos do profissional contra o impacto de partículas e objetos. Dica de uso: Os óculos devem estar bem adaptados ao rosto do trabalhador. Pode-se também utilizar óculos de grau com lentes endurecidas.

Para que serve? Proteger os ouvidos e seus órgãos internos de ruídos que possam agredir, irritar ou prejudicar a saúde do trabalhador. Dica de uso: É muito importante que o protetor esteja bem limpo para evitar infecções, principalmente no caso de protetores de uso interno.

objetivos:

O objetivo básico da CIPA é fazer com que empregadores e empregados trabalhem conjuntamente na tarefa de prevenir acidentes e melhorar a qualidade do ambiente de trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção da saúde do trabalhador. A CIPA também tem por atribuição identificar os riscos do processo de trabalho e elaborar o mapa de risco, com a participação do maior número de trabalhadores e com a assessoria do SESMT.

Para que serve? Proteger a cabeça do trabalhador contra impactos de objetos sobre o crânio. Existem capacetes com aba total e com aba frontal. O tamanho é único e a regulagem é através da sua tira. Dica de uso: Conferir com atenção se o capacete está bem ajustado na cabeça para que não saia do lugar, não caia e não provoque dores de cabeça nem desconforto.

Para que servem? Proteger os pés do trabalhador contra ferimentos, escoriações e queda de objetos. Dica de uso: É preciso que sejam adequados e se adaptem aos pés de forma correta, conferindo inclusive a numeração. Deve-se experimentar o calçado antes e limpá-lo com regularidade para evitar possíveis problemas de pele.

Para que servem? Proteger as mãos na utilização e aplicação de todos os produtos. Dica de uso: Devem ser utilizadas luvas de tamanho adequado. Como todos os outros EPIs, é necessário que se faça higiene adequada. Fonte para EPI´S: www.construcaoereforma.com.br Fonte para CIPA: www.cipa.uem.br Fotos: Google


Ano 01 - nº 02 - Piracicaba/SP - Novembro/Dezembro de 2010

FIQUE ATENTO

www.jornalomestredasobras.com.br contato@jornalomestredasobras.com.br

07

Como acabar com as infiltrações em casa? Num país como o nosso, com um clima úmido na maior parte das cidades, a umidade que entra nas casas é um problema bastante frequente. Há situações em que as pessoas passam toda a vida enfrentando umidade nas paredes, nas lajes, nos telhados etc. Mas enfim, como acabar com o problema?

P

rimeiramente devemos separar os ti- impermeabilização. Muito frequentemente o pos de infiltração, pois dependendo de local do teto em que a mancha aparece não é onde vem a água, as atitudes a serem exatamente o mesmo ponto pelo qual a água tomadas são diferentes. está infiltrando na cobertura. A água pode Quando a infiltração vem do telhado, circular pela laje, e é comum encontrar enchinormalmente o problema é alguma telha que- mentos, tubulações e outras instalações que brada ou mal encaixada, o que abre espaço dificultam ainda mais a localização do ponpara a água entrar. Além disso, esta infiltra- to de infiltração. O mais adequado a fazer ção pode ser devida a algum problema nas nessa situação é remover o revestimento da calhas – ruptura ou entupimento – e assim a cobertura e a manta antiga e refazer a imperágua que não pode percorrer o seu caminho meabilização por completo. É necessária uma natural acaba adentrando em sua residência. substituição da manta asfáltica, da proteção Estes são os tipos de infiltração teoricamen- térmica e mecânica e do revestimento supete mais fáceis de serem combatidos. Uma rior. Nesse momento, você pode aproveitar revisão no telhado, a substituição de telhas para mudar a cara da sua cobertura, consquebradas, o conserto truindo um jardim, ou o simples desenespelhos d’água etc. Além das infiltratupimento das calhas ções que vêm de cima resolvem o problema. Na hora de construir a sua (telhado e laje) há as Caso a sua casa esteja casa, preste bastante atenção à infiltrações que vêm em construção, manumidade que vem do solo tas específicas para tede baixo. Na hora de lhados podem ser coconstruir a sua casa, locadas sob as telhas. preste bastante atenAlém de auxiliar no ção à umidade que isolamento térmico, elas protegem o interior vem do solo. Quando a casa é apoiada diredas residências da água: se o líquido vencer tamente no solo, corre-se o risco de parte da primeiro obstáculo – as telhas – a manta está umidade existente sob a casa, adentrar no lá para direcionar a água para fora da casa. piso e nas paredes por um fenômeno chamaO segundo tipo de infiltração é referente do capilaridade. Para evitar essa umidade são a problemas em lajes de coberturas. Se a sua necessários alguns cuidados: -casa tem apenas uma laje impermeabilizada 1. Impermeabilização das fundações com sem telhas, ou se você mora em um aparta- produtos especializados. Em geral são apli-mento de cobertura, possivelmente você já cadas tintas de base asfáltica nos baldrames ,viu alguma infiltração proveniente de laje. (vigas que ligam os blocos de fundação), aliEssa umidade, que aparece mais nos períodos cerces e blocos de fundação, evitando que a de chuva, pode ir desde uma pequena man- umidade da parte mais profunda do solo atracha escura no teto, até uma verdadeira gotei- vesse a fundação e ente na casa. ra, e é mais difícil de ser sanada. 2. Se a fundação é do tipo radier (que fica A questão, é que neste caso, o que prova- apoiada diretamente no terreno) ou se o convelmente está ocorrendo é um problema de trapiso é feito diretamente sobre o terreno,

através de um lastro ou piso armado, devem-se proteger também estas áreas da umidade que vem do solo. Deve-se sempre pensar em como deixar a umidade o mais longe possível de seu piso. Uma atitude que é sempre adequada é a de criar um “espaço” entre a terra propriamente dita e o lastro ou contrapiso. Para isso é recomendada uma camada de brita (pedras de construção) sob o piso: a umidade não sobe através das pedras. Também é possível aplicar mantas ou barreiras de material plástico sob o piso, na etapa de construção para garantir ainda mais esse isolamento. 3. Se a sua casa já está construída e você começa a enxergar uma umidade aparecendo nas paredes ou no piso, provavelmente o mais

correto é quebrar a base das paredes até a fundação e aplicar produtos impermeabilizantes sob o piso e nas bases das paredes. Esse tipo de solução pode variar muito em função da verdadeira origem do problema, portanto é sempre importante procurar o aconselhamento de um profissional no momento de tomar medidas corretivas. No mercado há diversos materiais específicos para cada tipo de infiltração. Consulte sempre um especialista, um bom vendedor ou um aplicador experiente. É sempre difícil conter a água, mas com o produto e a técnica certa, você poderá vencer essa batalha! Fonte: casaeimoveis.uol.com.br Rafel Hupsel - Folhapress

Além das infiltrações que vêm de cima (telhado e laje) há as infiltrações que vêm de baixo. Na hora de construir a sua casa, preste bastante atenção à umidade do solo


Ano 01 - nº 02 - Piracicaba/SP - Novembro/Dezembro de 2010 08

UTILIDADE PÚBLICA

www.jornalomestredasobras.com.br contato@jornalomestredasobras.com.br

Reservatório de 4 milhões de litros do Cecap já está em fase de construção Com essa obra, cidade aumenta reservação de 68,775 para 72,525 milhões de litros de água

A

região do bairro Cecap terá até o início do próximo ano, os problemas com abastecimento resolvidos. O Serviço Municipal de Água e Esgoto (Semae) está construindo o Reservatório do Cecap, com capacidade de 4 milhões de litros. O reservatório vai suprir a demanda, além do Cecap, dos bairros Eldorado, Parque Taquaral, São Francisco, Santa Rita, Perdizes, Residencial Bertolin e demais loteamentos. “É um dos investimentos mais importantes, considerando que o reservatório será o pulmão dessa região, capaz de abastecê-la por 10, 15 anos”, destaca Vlamir Augusto Schiavuzzo, presidente da autarquia. Com 4 milhões de litros de água a mais nessa região, serão contemplados cerca de 25 mil habitantes, incluindo os investimentos comerciais futuros, no entorno da Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep), e o Hospital Regional. O investimento é de cerca de R$ 2 milhões e as

obras iniciaram em julho. O novo reservatório é semi-enterrado e proporciona a cidade um avanço na capacidade de reservação, de 68,775 milhões para 72,525 milhões de litros de água. Esse reservatório garante o fornecimento de água uniforme para os diversos bairros e loteamentos da região do Cecap, acabando com os problemas de abastecimento em horário de pico e final de semana, quando o aumento de consumidores, principalmente nas chácaras, é maior. “O Semae trabalha para melhorar sempre a qualidade dos serviços oferecidos à população, atendendo as necessidades dos consumidores com investimentos como o do novo Reservatório do Cecap”, enfatiza Schiavuzzo. Fonte: ASSESSORIA DE IMPRENSA Serviço Municipal de Água e Esgoto de Piracicaba (Semae) Jornalista: Eliana Teixeira –MTB 29.685 e-mail: eliteixeira@semaepiracicaba.org.br ou imprensa@semaepiracicaba.org.br

Cidade Limpa: prazo para adequação termina em 31 de março

P

ara ter uma cidade mais bonita, com menos poluição visual, a Prefeitura de Piracicaba elaborou e a Câmara Municipal aprovou a Lei nº6468/09 popularmente conhecida como Cidade Limpa. Com a aprovação da Lei, em 2009, a cidade pode ser vista como ela é, respeitando o espaço urbano, o patrimônio histórico e a integridade das construções.

Com a Lei, todo o proprietário de comércio, serviço e indústria deve adequar seus anúncios indicativos (fachadas) às dimensões propostas. Além do letreiro das lojas, das clínicas e das fábricas, a Lei também versa sobre anúncios publicitários (outdoors), imobiliários, sonoros e os panfletos distribuídos nas ruas. O prazo inicial para se adequar à lei era de

2 de dezembro de 2010, mas este foi prorrogado até 31 de março de 2011. É importante a adequação à lei, já que a multa é alta e será reaplicada caso a regra não seja cumprida. Não durma no ponto, não deixe para a última hora. Acesse as informações que necessita no site: www.piracicaba.sp.gov.br e colabore para que Piracicaba seja cada vez mais bonita. Fonte: Assessoria de Imprensa Prefeitura de Piracicaba

Foto: Divulgação Semae


Ano 01 - nº 02 - Piracicaba/SP - Novembro/Dezembro de 2010

A

UTILIDADE PÚBLICA

www.jornalomestredasobras.com.br contato@jornalomestredasobras.com.br

09

Crédito imobiliário da Caixa deve ultrapassar R$ 70 bilhões em 2010 Financiamentos atingem R$ 47,6 bilhões em setembro e já superam o valor aplicado em todo o ano passado Caixa Econômica Federal acaba de bater mais um recorde em financiamento habitacional. Balanço do banco do último dia 3 de setembro mostra que o valor aplicado em habitação em 2010 (R$ 47,6 bilhões) já é maior que o montante atingido em todo o ano passado - R$ 47,05 bilhões. Se a comparação for com o mesmo período de 2009 – quando a CAIXA emprestou R$ 25,2 bilhões – o crescimento chega a 87,6%. O total aplicado até setembro também representa mais do que o dobro do valor emprestado para habitação em 2008 (R$ 23,3 bi), um crescimento de 103%. O balanço também mostra que o número de contratos de 2010 (778.717) já representa 86,2% do total atingido em 2009 (896.762). Atualmente, o banco empresta por dia mais de R$ 278,5 milhões para a casa própria, com mais de 4,5 mil contratos assinados. Para a presidenta do banco, Maria Fernanda Ramos Coelho, “mantido o ritmo atual de contratações, o crédito imobiliário da CAIXA deve atingir R$ 70 bilhões até o fim do ano. O volume registrado até agora, por si só, já é um resultado a ser comemorado. O mais importante é que não se trata de acontecimento sazonal ou isolado, mas, sim, de um ciclo virtuoso sustentável”, afirmou. Na região de abrangência da Superintendência Regional Piracicaba, que engloba 45 municípios, o recorde dos financiamentos habitacionais da CAIXA é ainda mais expressivo. Em 2010 já foram contratados R$912,2 milhões, um valor R$124,7 milhões (16%) maior que o resultado contabilizado durante todo o ano de 2009, quando foram contratados R$787,5 milhões. Se a comparação for com o mesmo período de 2009, quando a CAIXA emprestou 429,8 milhões na região, o

Foto: acervo o mestre das obras

crescimento chega a 112%, ou seja, mais que o jurídica (alienação fiduciária, lei do incontrodobro do resultado. verso, patrimônio de afetação), respeito à lei Na região o total já aplicado em crédito de responsabilidade fiscal por meio da opção habitacional em 2010 representa 2,4 vezes o pelo subsídio explícito e focado na família e valor contratado durante todo o ano de 2008 não no imóvel, maior transparência na relação (R$380,5 milhões). Em quantidade de famí- entre credores e devedores e regulação focada lias atendidas os fina qualidade e segunanciamentos habita“No âmbito da Superintendência Regional rança dos créditos”. cionais da CAIXA na Piracicaba os resultados de janeiro a agosto Em termos maregião de Piracicaba de 2010 já são 16% maiores que o registrado croeconômicos, sejá atingem 16.990 em durante todo o ano de 2009” gundo ele, essa mes2010, ou seja, 1.151 a ma expansão trouxe mais que todos os beneficiados durante o ano ainda a melhoria dos processos operacionais, passado (15.839). Se a comparação for com o como, por exemplo, a redução da taxa de juros mesmo período de 2009, o crescimento em e o crescimento da renda e do emprego”, conquantidade chega a 63%. cluiu Hereda. A média diária de contratação habitacional da CAIXA na região é de R$5,36 milhões, Programa Minha Casa Minha Vida – com a assinatura de 100 contratos por dia útil. PMCMV Considerando os números registrados até Desde a criação do programa, em abril de o momento, o Superintendente Regional da 2009, foram contratadas 630.886 mil unidaCAIXA, Isaac Samuel dos Reis, prevê que des habitacionais no valor de R$ 35,85 bi“até o final do ano fecharemos o balanço com lhões. As propostas de empreendimentos que mais de R$1,3 bi em crédito habitacional, o estão em análise pelo banco chegam a 418.860 que representa mais de 18 vezes a contratação moradias, que, somadas às já contratadas, perde 2003, por exemplo, demonstrando o ex- fazem 1.044.276 unidades. Considerando apepressivo crescimento registrado ano a ano na nas 2010, o número de contratos corresponde região”. a 355.358 moradias no valor de R$ 21,8 biDo valor total aplicado pela CAIXA no lhões. Brasil, R$ 21,4 bilhões tiveram como fonte de recursos a caderneta de poupança e R$ 20,7 Números de São Paulo bilhões são do Fundo de Garantia do Tempo No Estado de São Paulo, o montante finande Serviços - FGTS. O restante vem de outras ciado pela Caixa em 2010 para a casa própria fontes. já chegou a R$ 12,8 bilhões, dos quais R$ 8,15 Conforme ressaltou o vice-presidente da bilhões foram investidos no programa MCMV. Caixa, Jorge Hereda, “a forte expansão do 170.132 famílias paulistas foram beneficiadas setor imobiliário, iniciada principalmente ao todo, sendo 125.103 pelo MCMV. Os emem 2004, foi construída sob uma base sólida. préstimos no período de janeiro a 03.09.2010 Em termos microeconômicos, isso ocorreu, superaram todo o volume registrado no ano por exemplo, com as melhorias da segurança de 2009, que foi de R$ 12,1 bilhões. Mantido

esse ritmo até o final do ano, a expectativa em torno do volume habitacional da Caixa em São Paulo superará os R$ 18 bilhões.

Minha Casa, Minha Vida na região Desde o lançamento do programa Minha Casa, Minha Vida foram beneficiadas 14.848 famílias no âmbito da Superintendência Regional Piracicaba da CAIXA, no valor total de R$876,8 milhões. Considerando apenas 2010, o número de contratos corresponde a 9.858 moradias no valor de R$546,5 milhões.

Simulador Habitacional O interesse das pessoas em adquirir um imóvel próprio pode ser verificado pelos números registrados no simulador habitacional da CAIXA na internet, disponível em www. caixa.gov.br. Para se ter uma ideia, em agosto/2010 foram mais de 17,7 milhões de simulações, em 4,4 milhões de acessos, números 5% e 10% maiores do que em julho de 2010, respectivamente. Fonte: Assessoria de Imprensa - Caixa Econômica Federal


Ano 01 - nº 02 - Piracicaba/SP - Novembro/Dezembro de 2010 10

ELÉTRICA

www.jornalomestredasobras.com.br contato@jornalomestredasobras.com.br

Padrão para Plugues e Tomadas: mais segurança para o consumidor. A maior mudança para os consumidores, são os aparelhos como geladeira, máquina de lavar roupa e micro-ondas

H

oje, no Brasil, existem mais de dez modelos de plugues diferentes e quantidade semelhante de tomadas, gerando uma situação de risco de choque elétrico ao usuário, sobrecarga na instalação elétrica e desperdício de energia, através da dissipação de calor. Padrão é sinônimo de segurança, porém não existe no mundo um padrão único. Cada país desenvolveu o seu próprio, e o estabelecido na Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT foi desenvolvido, considerando a conectividade com os plugues hoje existentes. O modelo definido é conectável com 80% dos aparelhos elétricos atuais. No formato atual, no momento do encaixe do plugue na tomada, o usuário entra em contato com os pinos do plugue, que estão em contato com a parte viva da tomada, o que acarreta o risco de tomar choques elétricos. Com a tomada padrão, os consumidores, principalmente as crianças, não correrão mais o risco de choques elétricos, além de promover a adaptação de voltagens diferentes que existem, hoje, em nosso país e ajudar a combater o desperdício de energia.

A mudança não é drástica, uma vez que a maioria dos plugues de dois pinos comercializados em aparelhos eletroeletrônicos, fabricados no Brasil nos últimos anos, já se encontra adequada ao novo padrão, mostrando que o mesmo é totalmente compatível com a tomada atual. A maior mudança para os consumidores, são os aparelhos como geladeira, máquina de lavar roupa e micro-ondas, que necessitam de incorporação do condutor-terra, apresentarão o plugue de três pinos. Para esses casos, o consumidor terá que trocar a sua tomada. Nos demais, a troca da tomada será feita à medida que o consumidor julgar necessário, uma vez que o plugue padrão de dois pinos é compatível com a tomada atual. Isso quer dizer que aquele fiozinho da geladeira e de vários outros eletrodomésticos, que a grande maioria das pessoas nem sabe para o que serve, tem a mesma função do chamado “3° pino” dos plugues e tomadas do padrão brasileiro, ou seja, aterrar o equipamento. Só que, como as construções não ofereciam aterramento, o fio ficava sem função. Agora, o fio desaparece e o aterramento será feito através do plugue e da tomada com 3 pinos.

3 bons motivos pra você correr pra Condelux! Ótimos

Preços

Rapidez

na entrega

Plugue de dois pinos (2P) existente hoje nos aparelhos, já atende ao novo padrão

atendimento

A Condelux tem as melhores soluções em materiais elétricos para sua empresa ou residência

Interruptores

Interfonia

Tomadas

Ventiladores

Fios e cabos

Fonte: www.inmetro.gov.br / Fotos: Google

As tomadas são aprofundadas, de forma a evitar que o consumidor tenha contato com qualquer parte energizada durante o uso

Excelência no

Rua Alferes José Caetano, 1790 - Centro - Piracicaba/SP 19 3434.3276 - condelux@condelux.com.br

www.condelux.com.br ww

Plugue que possue terra (2P + T)

Os modelos antigos não são padronizados, assim há vários tipos diferentes de plugues e tomadas no mercado, o que faz com que os consumidores tenham que recorrer a adaptadores, que são problemáticos.

Eletrodutos


Ano 01 - nº 02 - Piracicaba/SP - Novembro/Dezembro de 2010

ENTREVISTA

www.jornalomestredasobras.com.br contato@jornalomestredasobras.com.br

11

João Chaddad: ícone da arquitetura Piracicabana

A

rquiteto formado pela Universidade Mackenzie, foi membro da Comissão para Julgamento do Plano Diretor de Piracicaba. Atuou como professor da escola de Engenharia de Piracicaba no período de 72 e 77 e, em 2001, como professor na Universidade Metodista de Piracicaba. Foi presidente da Associação de Engenheiros e Arquitetos de Piracicaba no período de 69/70. Na vida pública, foi Secretário de Obras em 1972 e em 94/96, Secretário de Trânsito e Transportes em 1993, Secretário de Governo de 97 a 2000, Secretário de Defesa do Meio Ambiente, cumulativamente, em 1998, Secretário da Ação Cultural, cumulativamente em 1997 e vice-prefeito do Município de Piracicaba, no período de 1997 a 2000. Chaddad ainda foi gerente do projeto “Piracicaba 2010” “Setor de uso do solo”, membro do grupo de trabalho do anel viário da ONG “PIRACICABA 2010” e membro do Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Piracicaba em 2001, além de ter planejado diversas edificações em Piracicaba.

1 – O Mestre das Obras: Há quanto tempo está à frente da presidência do Ipplap (Instituto de Pesquisas e Planejamentos de Piracicaba)? Quais são os principais desafios encontrados no dia-a-dia? João Chaddad: Fui convidado para ser presidente talvez pela minha formação de arquiteto e urbanista e aqui estou desde 2005. O maior desafio foi a execução, aprovação e revisões do plano diretor de desenvolvimento ordenado e sustentável de Piracicaba. Os desafios são diversos – a mobilidade, (sistema viário, educação no transito, ciclovias) loteamentos irregulares e clandestinos, projeto Beira Rio, projetos especiais de arquitetura. 2 – MO: Quais foram seus principais projetos arquitetônicos na cidade de Piracicaba? Qual o de maior destaque, ou o mais querido na sua concepção? JC: Como arquiteto projetei centenas de residências, 13 edifícios, 5 clubes de campo, igreja da Vila, loteamentos - Nova Piracicaba, Engenho Central, Santa Rita, Santa Rosa realizei projetos em quase todas formas geométricas (pirâmides, cilindros, triangulares, esferas, cubos, parábolas) em Piracicaba e região os mais originais foram: igreja da Vila,

residência cilíndrica de Maks Weiser, edifício Palladium, e uma grande pirâmide em Tatuí. 3 – MO: O projeto da nova biblioteca é de sua autoria. O que representa para sua carreira e para o povo piracicabano este projeto? Qual o ponto de partida para criação de uma edificação tão complexa? JC: A biblioteca é um projeto do Ipplap sob nossa coordenação foi produto de muitas pesquisas da nossa equipe no mundo todo. Acho que a fachada não tem igual no planeta. A iluminação e ventilação natural é ponto forte do projeto. A biblioteca foi o grande sonho do prefeito e o meu era oferecer a ele esse projeto. 4 – MO: Como você vê o crescimento da cidade de Piracicaba no que diz respeito ao perímetro urbano, vazios urbanos e loteamentos? JC: Na teoria seria bom que as cidades não crescessem para facilitar um controle ordenado. No entanto, ninguém consegue impedir o seu crescimento tanto na vertical como na horizontal. O estatuto da cidade, uma espécie de cartilha a nível federal para orientar as prefeituras a fazer o seu plano

diretor de desenvolvimento ordenado e sustentável. Piracicaba fez seu plano diretor, isto é, fornece diretrizes aos empreendedores que devem seguir a risca o macro zoneamento que estabelece 2 parâmetros importantes aos profissionais: existência ou não de infra-estrutura e não agressão ao meio ambiente e a Semob analisa com muito critério os projetos apresentados. Durante dezenas de anos atrás surgiram muitos loteamentos irregulares e clandestinos que a atual administração procura regularizar, mas está sendo difícil por grande gama de motivos.

5 – MO: Qual dica você daria para quem pretende se ingressar na profissão de arquiteto? JC: O arquiteto é sinônimo de criador ou transformador, assim sendo tem que ter sensibilidade, tem que ter vocação para as artes em geral, principalmente o desenho para poder mostrar ao cliente como vai ficar a obra no futuro, tem que ter conhecimento de sociologia, psicologia, história da arte e teoria das cores. O ideal na execução de uma obra é que participe dois profissionais, o arquiteto como autor do projeto e o engenheiro civil como responsável técnico.


Ano 01 - nº 02 - Piracicaba/SP - Novembro/Dezembro de 2010 12

ESPAÇO DO PROFISSIONAL

www.jornalomestredasobras.com.br contato@jornalomestredasobras.com.br

Que cuidados tomar ao contratar a mão de obra para uma reforma ou construção?

S

e você pensa em fazer sua obra diretamente com um empreiteiro, sem o gerenciamento ou acompanhamento de um profissional da área, como um engenheiro ou arquiteto, existem alguns cuidados que devem ser tomados. 1. Busque referências – Quem te indicou o trabalhador? Se não há referência nenhuma, desconfie. Existem muitos “faz-tudo” no mercado que na verdade não fazem nada. 2. Tenha um projeto – Claro que a necessidade do projeto varia muito em relação ao tamanho da obra. A recomendação é sempre ter um projeto em mãos. Sem contar que o resultado final tende a ser muito melhor se pensado com cuidado no papel antes! 3. Reveja se tudo está contemplado - Pense cuidadosamente se todos os pormenores que deseja estão no projeto e no acerto que fez com o encarregado da obra. Preste especial atenção a todos os pontos elétricos, som, alarme, hidráulica e outros. 4. Combine prazos – É importante muita clareza nesse aspecto. Se prepare intimamente para atrasos, pois infelizmente eles são comuns, para que não atrapalhem muito seus planos de ocupação. 5. Faça um contrato – A complexidade desse contrato varia conforme a complexidade da obra. Prazos, forma de pagamento, descrição das atividades a serem realizadas, multa (se for o caso) e forma de pagamento. Deixe sempre ao menos uma parcela para ser paga só depois

da entrega e aceite da obra. Anexe o projeto ao contrato, assim você terá tudo ainda mais claro numa eventual confrontação. 6. Relação de material – Se o seu encarregado da obra não for comprar os materiais, veja com ele uma extensa lista do que tem de ser encomendado. Combine datas de encomendas e um prazo. Se o encarregado aparecer com uma lista de material pequena, o inquira profundamente cobre as próximas etapas, para verificar se realmente não são necessários mais itens. Em geral sempre há mais compras a serem feitas, e quanto maiores são as compras, maior seu poder de barganha e menos trabalho no dia a dia da obra. 7. Proteções, entulhos, fretes e outros – Essas questões costumam ser esquecidas, ou deixadas para serem conversadas apenas durante a obra. Quem vai pagar a caçamba? Quem vai pedir a troca? Ela pode ficar estacionada na frente da obra? O encarregado vai colocar as proteções no piso depois de realizá-lo? De que tipo? 8. Seguro de obra - Verifique, caso a obra não tenha um vigia e seja vulnerável a assaltos, se não vale a pena fazer um seguro para proteger o seu material. Há momentos, dependendo da obra, que há um valor alto em material estacionado. Um assalto pode atrapalhar todo o seu orçamento e ainda gerar grande mal estar na obra, desconfianças entre os trabalhadores e cliente, e assim por diante. Geralmente vale a pena fazer um seguro se sua obra tem um porte médio.

9. Entenda a metodologia - Pergunte até entender tudo, essa é uma forma de torná-lo mais capaz de controlar o andamento dos trabalhos posteriormente. Essa conversa também será positiva para o encarregado, já que o obrigará a raciocinar sobre todo o processo do trabalho. 10. Acompanhe o trabalho – Faça um acompanhamento de perto durante a obra, mas não “sufoque” o trabalhador. Tente dar espaço para ele fazer seu trabalho. Elogie sempre que for pertinente e caso a obra esteja atrasada exija firmemente resultados. 11. Faça um recebimento de obra Quando o trabalho terminar faça um recebimento formal da obra com o encarregado. Esse recebimento, também conhecido como aceite de obra. Veja todos os pormenores, cheque se todos os pontos elétricos, hidráulicos e demais sistemas funcionam corretamente. Depois desse recebimento, acerte a parcela de retenção conforme o contrato. Caso esteja satisfeito, dependendo do tamanho da

Sérgio - Pintor 19.8133.1336

residencial, comercial e industrial

"Com referências"

obra, uma caixinha é sempre uma boa opção e é mais fácil que o trabalhador volte para resolver qualquer probleminha com essa demonstração de generosidade e satisfação. A postura com que você acompanha esse processo é muitas vezes fundamental e pode fazer a diferença entre ver o seu sonho ser erguido ou ver tudo se transformar num pesadelo. Caso os problemas estejam incomodando ao ponto de você estar infeliz, está na hora de chamar um profissional da área para interceder.

Foto e fonte: www.casaeimoveis.uol.com.br

Faça um acompanhamento de perto durante a obra, mas não "sufoque" o trabalhador

O Mestre das Obras - Nov/Dez 2010  

Jornal dirigido ao ramo da construção civil

Advertisement