Issuu on Google+

AGENDA

14 MARÇO 2013 ANO 99 - N.º 4951 FUNDADOR: José Ferreira Lacerda DIRECTOR: Rui Ribeiro PREÇO: 0,80 euros (IVA incluído) SEMINÁRIO DIOCESANO – 2414-011 LEIRIA TEL. 244 821 100/1 • FAX 244 821 102 E-MAIL: jornal@omensageiro.com.pt WEB: www.omensageiro.com.pt

FUNDADO EM 1914

DESTAQUE

SOCIEDADE

Campeão olímpico Carlos Lopes presente | P. 5

CULTURA

Catarina Moreira | P. 4

Ourém inaugura Centro de Marcha e Corrida

Professora do Orfeão de Leiria conquista competição internacional

IGREJA NAS MÃOS DO ESPÍRITO SANTO

Presidente executivo da EDP | P. 6

NERLEI exige presença de António Mexia em Leiria para explicar cortes de energia

Teatro Miguel Franco | P. 5

Leiria acolhe debate “Presente no Futuro Os Portugueses em 2030”

Assembleia da AIC | Últ.

Imprensa de inspiração cristã desafiada a reinventar-se ou a fechar

ECLESIAL

Seminário de Leiria | P. 11

“Felizes os que crêem sem ter visto” é mote para tempo de oração

Pedro Jerónimo

Pároco de Leiria sobre a Visita Pastoral | P. 9

Futebol: III Divisão | P. 15

Quatro equipas da Associação de Leiria descem aos distritais Juventude Vidigalense campeã nacional de corta-mato e marcha

Alksandra P.

Atletismo | P. 15

Publiphoto

DESPORTO

No momento em que nos preparamos para a eleição de um novo Papa, alguns movimentos, aparentemente contrários, podem causar admiração. Por um lado, afirmamos, com toda a força, que esta é uma escolha de Deus, que os Cardeais são iluminados pelo Espírito Santo. Por outro lado, lemos na Constituição Universi Dominici Gregis, do Beato João Paulo II, ligeiramente modificada por Bento XVI, toda uma série de cautelas para evitar manobras e compromissos. A eleição do Sumo Pontífice é uma escolha de Deus ou fruto de acordos humanos? Páginas 2 e 3

D. António Marto insistiu na necessidade de maior formação em ordem a uma fé adulta e madura


2 DESTAQUE

prui@iol.pt

EDITORIAL

Seja o que Deus quiser

Uma das expressões mais belas e ricas da nossa cultura popular, como muitas outras, está a perder espaço na nossa mentalidade pretensamente moderna. Refiro-me à expressão “seja o que Deus quiser” com que os nossos pais e avós terminavam, no passado, as suas reflexões e os seus propósitos futuros. A expressão traduzia o reconhecimento de absoluto da majestade e soberania de Deus, frente à nossa pequenez e ao nosso orgulho. A partir do momento em que nos consideramos invencíveis, senhores do universo, qual super-homem proclamado pelos anais da história, fomos abandonando a expressão até ao momento em que passou a considerar-se ridícula e alvo de alguma ironia. Sim, hoje temos o “nariz mais arrebitado”, achamo-nos inteligentes, cultos e emancipados, donos do nosso próprio destino. Deus morreu e por isso mesmo foi banido lentamente das nossas vidas. E desgraçadamente sentimo-nos também mais isolados, esquecidos e cada vez mais distantes da felicidade que desejamos. Ironia do destino: quanto mais sós, mais longe de sermos felizes, porque mais vazios, mais ocos e mais inseguros. E no entanto nunca como hoje nos consideramos verdadeiros conhecedores dos mistérios da vida e da natureza, como Ironia do se a ciência, a razão e a destino: quanto liberdade fossem as portas mais sós, mais que nos conduzissem à longe de sermos verdade total. Nunca como pensamos saber e dofelizes, porque hoje minar tudo. Engano nosso, mais vazios, pois que cada vez mais nos mais ocos e sentimos pequenos no mais inseguros. meio do universo que em cada dia aumenta as suas dimensões e limites. A perda desta consciência de criatura e de relatividade torna-nos incapazes de perceber também a acção de Deus em nós. E como o nosso Deus é essencialmente Amor, o que pressupões relação, acabamos por perder até a noção do próprio Deus. Nada de estranho quando os dados apresentam um aumento dos que se afirmam ateus, descrentes ou simplesmente dúbios em relação a Deus e até à espiritualidade. Nada de estranho quando estas afirmações se fazem em relação à divindade concreta que os cristãos afirmam. Pois se o Deus dos cristãos é relação, é amor, como pode o homem moderno tão ávido de isolamento e autonomia, reconhecê-Lo e aceitá-Lo? Por várias razões, pelo tempo litúrgico que atravessamos, pela situação algo nova que a Igreja vive actualmente, este é mais uma vez “o tempo favorável” para uma mudança de atitude, uma autêntica conversão de vida que deverá levar-nos a olhar mais para fora do ponto nevrálgico que somos nós próprios. A propósito do conclave a decorrer no Vaticano, nesta edição abordamos a questão de fundo que se relaciona com a acção de Deus na vida da Igreja, por meio do Espírito. Que o novo Papa seja aquele que Deus quiser!

Média e mediação

O Espírito que guia a Igreja Qualquer reflexão eclesiológica, isto é, sobre a Igreja de Cristo, concluirá sempre uma certeza que parece irrefutável para os cristãos: a Igreja de Cristo é conduzida e guiada pelo Espírito Santo. No momento concreto em que os cardeais estão a decidir a escolha de um novo Papa, esta certeza impõe-se como indiscutível e mais que nunca imperiosa. Mesmo que alguns comentadores falem do assunto com certo desdém e com ar de alguma incompreensão e até ridicularização, a verdade é que a fé cristã assenta na certeza de que será o Espírito Santo a escolher o novo Papa. Os que não percebem tal acção denotam total desconhecimento dos conteúdos da fé e os seus pronunciamentos podem, logo à partida, ser postos à parte. Claro que a acção do Espírito não é estendível da mesma forma que entendemos a actividade humana. Não age de forma directa (essa sim discutível e incompreensível para a nossa mente) mas a sua acção pautar-se-á, como sempre, pela discrição, e pela mediação. Neste pressuposto os média são incapazes de perceber esta acção, pois que avaliam qualquer actividade a partir do seu ponto de vista que é

essencialmente mediático e imediato. A linguagem da mediação, própria da acção do Espírito, torna-se por isso muito incompressível e é alvo de criticas injustas. Como actua o Espírito na Igreja? O que queremos dizer quando afirmamos o seu protagonismo? O Mensageiro procurou repostas e partilha-as com os seus leitores. O Espírito Santo na Igreja Apostólica Foi sob a orientação de Jesus que, após a sua morte e ressurreição, os discípulos permaneceram no Cenáculo, reunidos com Maria, a esperar: “Recebereis uma força, a do Espírito Santo que descerá sobre vós, e sereis minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra” (At 1,8). A promessa cumpriu-se, e no dia de Pentecostes deu-se a efusão do Espírito. O relato narrado por S. Lucas deixa patente, que se tratou de uma impulso novo que de alguma forma animou, encorajou e motivou os discípulos. Sem talvez perceberem bem como, os discípulos sentiram-se então transformados, e de frágeis, temerosos e até ignorantes, passaram a audazes, corajosos e determinados

pregadores do Evangelho. Com a coragem própria do Espírito, enfrentaram o mundo romano hostil para, com o poder da Palavra e dos sinais, cumprirem a sua missão de anunciar a Boa-Nova e expandir o Reino de Deus. No tempo dos apóstolos havia a plena consciência de que nem os representantes de Jerusalém nem os doze tinham o controle da Igreja. Era o Espírito que lhe assegurava a continuidade com Jesus, e era fonte de vitalidade da missão cristã. Assim a Igreja não existia para si mesma, mas para o mundo, para ser testemunha do que Deus fez por Jesus e através

DR

Rui Ribeiro

14.Março.2013

DR

EDITORIAL

O Mensageiro

dele. Para a fé cristã, o Espírito Santo não era um dom exclusivo feito à Igreja, mas ao mundo. Assim a Igreja espalhou-se e cresceu nos seus primórdios, através de toda a poderosa força evangelizadora e missionária provinda do dia de Pentecostes. O Espírito na Igreja dos mártires e santos Foi o mesmo Espírito que, na época das perseguições que se seguiram, suscitou e sustentou os mártires que assim se tornaram testemunhas fiéis de Jesus, frente às mais duras perseguições, desconcertando as


DESTAQUE 3

O Mensageiro 14.Março.2013

O Espírito na Igreja Conciliar Com as profundas mudanças causadas pela revolução industrial, pelas guerras e pelas conquistas da ciência e a técnica, era necessário que a Igreja respondesse aos apelos e desafios do homem moderno. Socorro sempre presente à Igreja de Cristo, o Espírito Santo suscitou a grande graça que foi o Concílio Ecuménico Vaticano II. Este concílio foi um momento de Renovação

Eleição do Sumo Pontífice

Escolha de Deus

ou fruto de acordos humanos?

DR

autoridades romanas com sua fé inabalável e gerando, com o derramamento do seu sangue, uma multidão de novos cristãos que, fundamentados na sua fé, viram cair o Império Romano. Foi o Espírito que, com o fim da era apostólica, inspirou os Padres da Igreja, a formularem o seu fundamento Teológico e Filosófico. As raízes do cristianismo eram então sistematizadas, organizadas e davam origem a uma estrutura cada vez mais complexa para a mentalidade e esquemas dos homens. Foi este Santo Espírito que, com o crescimento da Igreja e o seu desenvolvimento no mundo, suscitou novas formas de vida comunitária trazendo as marcas de uma vivência mais autêntica do Evangelho num tempo em que muitos estavam mais interessados no aproveitamento do poder temporal do que na construção do Reino de Deus. Entre estas novas e proféticas formas de vida podemos citar, as ordens monásticas, as ordens mendicantes e os reformadores católicos. Foram inúmeros os movimentos comunitários, sem dúvida, autênticos impulsos do Espírito à sua Igreja, pois que as suas propostas foram sempre de confronto e até de rompimento com a lógica do pensamento e da acção humana. É nesse “ser contra a corrente” normal que encontramos a certeza de que se trata de uma acção “sobre-natural” e “sobrehumana”. Por isso mesmo, só poderá ser entendida como acção do Espírito de Deus.

para a vida interior da Igreja e, ao mesmo tempo, de abertura para o mundo, não no sentido de moldar-se a ele, mas de aproximar-se da sua realidade e assim cumprir a sua missão de o evangelizar. Durante o Concílio, o Papa João XXIII compôs a famosa oração onde dizia: “Espírito Santo... presente na Igreja, derramai a plenitude de vossos dons sobre o Concílio Ecuménico... Renovai vossas maravilhas hoje como um novo Pentecostes.” É a partir desta oração e da própria graça do Concílio que colocamos o despertar de grandes graças no interior do Igreja. Após o Concílio foram surgindo movimentos e correntes espirituais de renovação que ainda hoje se fazem sentir e que no seu todo se fundamentam na acção salvífica de Deus por meio do Espírito Santo. A partir do Concílio Vaticano II, a afirmação segundo a qual a Igreja vive no Espírito e pelo Espírito, pois Ele, o Senhor da Vida, é quem dá Vida à Igreja, tornou-se cada vez mais uma convicção e afirmação. A reflexão evoluiu e foi desenvolvida na chamada Teologia da mediação. O Espírito activo na Igreja Ao longo da história do cristianismo a certeza da força actuante do Espírito, qual condutor da barca de Pedro, foi constante e raramente posta em questão. A história apresenta-nos um Espírito activo, fiel, renovando a Igreja para corresponder aos desafios de cada tempo, actualizando o imutável e único conteúdo da fé, Jesus Cristo, para

os homens de diferentes épocas, culturas, raças e nações. À medida que a Igreja se consolida em cada região, anunciando o Reino de Deus, toma características da cultura local sob a acção do Espírito que age no mundo através dos homens. Mediador por excelência, o Espírito requisita outros mediadores por meio dos quais desenvolve a acção de Deus. Ele não faz a história nem a conduz como se fosse uma força dominadora, capaz de imprimir a sua vontade a todos os factores históricos. Não é uma mão invisível que maneja todos os homens e os obriga a fazer a sua vontade. Pelo contrário, o Espírito respeita e promove a liberdade de todos, inclusive dos pecadores, deixando plena liberdade a todos os actores da história. Ele cria a Igreja como povo de Deus para ser luz do mundo que vai orientando a caminhada de todos, especialmente dos pobres. A Igreja obedece ao Espírito de Deus quando promove a libertação de todos procurando construir uma sociedade mais fraterna, mais justa, compassiva e misericordiosa. Mas, como a Igreja está no mundo e na história, ela pode igualmente ser ou já estar marcada pelo jogo do poder, da riqueza, reflexos da força dos dominadores. Então, em vez de emancipar-se deles, vai-lhes ao encontro. Entretanto, a história da Igreja mostra uma luta constante entre o Espírito e a carne, entre uma Igreja mais fiel ao Espírito do Senhor e sua operação e uma Igreja mais presa aos

condicionamentos circunstanciais de tempo, lugar e cultura. Sensibilidade para o tempo, os lugares, as culturas e pessoas situadas historicamente é uma exigência do Evangelho e da encarnação do Verbo. Aprisionamento aos condicionamentos leva a comunidade de fé a um desvirtuamento da sua identidade e da sua missão. Sensibilidade e escuta ao Espírito são exigências fundantes da Igreja. Espiritualismo, perda de pé da realidade e estruturação legalista podem levar a Igreja a não permanecer fiel. A Igreja do Espírito e do Senhor Ressuscitado precisa ser história e carisma, carisma e história, um buscando o outro, para que o mundo tenha esperança e creia. Perscrutar a história e analisar os altos e baixos que acompanharam a Igreja ao longo da sua travessia de dois mil anos, permite-nos perceber que só uma atitude que rompa com a lógica humana pode explicar todo este percurso. As vicissitudes do tempo e do espaço, próprias da natureza humana e material, só podem ser vencidas pela acção daquele que sendo-lhe superior “sopra onde quer” e, como o vento, “ouvimos a sua voz mas não sabemos de onde vem nem para onde vai”. É esse sopro algo misterioso, porque tem mesmo que ser, que por estes dias cremos se fará ouvir para que os cardeais auscultando-o no meio do silêncio que se impuseram de forma voluntária, serena e tranquila, possam eleger o novo Papa, sucessor de Pedro e timoneiro da barca que é a Igreja. Pe Rui Ribeiro

No momento em que nos preparamos para a eleição de um novo Papa, alguns movimentos, aparentemente contrários, podem causar admiração. Por um lado, afirmamos, com toda a força, que esta é uma escolha de Deus, que os Cardeais são iluminados pelo Espírito Santo e que quem for anunciado pelo Cardeal Protodiácono com o famoso “Habemus Papam”, após a sempre desejada fumaça branca, será, de facto, o eleito do Senhor. Por outro lado, lemos na Constituição Universi Dominici Gregis do Beato João Paulo II, ligeiramente modificada por Bento XVI, toda uma série de cautelas para evitar manobras e compromissos – como ocorreram em épocas passadas. Afinal, a Eleição do Sumo Pontífice é uma escolha de Deus ou é o fruto de acordos humanos? Há, na mente de muitos, um equívoco quanto à noção de inspiração: a Fé Católica nunca ensinou que a acção do Espírito Santo na eleição do Papa, bem como nas diversas escolhas que um fiel cristão faz na sua vida, fosse uma espécie de ditado, como se o Espírito Santo nos dissesse com detalhes o que fazer, com quem casar, em que tipo de congregação religiosa entrar, quem nomear, em quem votar, etc... A acção do Espírito Santo não pode ser oposta à diligência que devemos ter para chegar a uma conclusão, estudando o problema de seus vários ângulos, procurando o conselho dos mais experientes, sem jamais esmorecer na oração. A eleição do Papa não é diferente, e a Igreja nunca disse que fosse. Como as votações, a liturgia é intensa. Pouco antes do fim do pontificado do Papa Bento XVI, o então Secretário de Estado, hoje Camerlengo, com a aprovação do Papa, enviou a todas as comunidades contemplativas o pedido de oração pelo Conclave. Na semana passada, num dos dias não houve a Congregação Geral dos Cardeais da tarde – que tem também um momento de oração –, esta foi substituída pela adoração e Bênção do Santíssimo, com o cântico das Vésperas na Basílica de São Pedro. A preocupação é que Deus esteja sempre em primeiro lugar. Talvez a melhor maneira de mostrar esta síntese entre o Divino e o Humano – que atinge seu apogeu na Encarnação do Verbo –, difícil de entender para quem não tem a recta fé católica, está na leitura de um texto legal: a citada Constituição Universi Dominici Gregis que regula a eleição do Romano Pontífice, por um lado diz: «(...) não é meu intento proibir que, durante o período de Sé vacante, possa haver troca de ideias acerca da eleição» (nº 81). Por outro, regulamentando o próprio processo de votação, estabelece — como já previa a legislação anterior — que, se os cardeais não chegarem a um consenso até ao terceiro dia de votação, far-se-á por um dia «uma pausa de oração, de livre colóquio entre os votantes e de uma breve exortação espiritual...» (nº 74) — são previstas novas pausas com a mesma orientação, se necessárias. A oração e as várias instruções práticas, fruto da experiência de séculos, entrelaçam-se, numa harmonia que uma leitura honesta pode perceber; uma leitura de fé pode contemplar. A Igreja convoca os Cardeais Eleitores para estudar, analisar, rezar e votar, rezando até mesmo no momento de depositar o voto; convoca todo o povo cristão, que, em torno de seus pastores, reze sem cessar pela escolha do novo Papa. E acredita que no fim o resultado superará as meras conjecturas, pretensões, e desejos humanos. Cumpridos todos os pressupostos, despidos todos os esquemas humanos, o Espírito Santo terá ditado a sua escolha.


4 CULTURA

O Mensageiro 14.Março.2013

Catarina Moreira cria coreografia “Atmosphere”, apresentada na Gala inaugural

Cine-Teatro (Monte Real) • BRAVE-O INDOMÁVEL | Animação | de Mark Sndrews, Brenda Chapman, Steve Purcell | 15 de Março, 11h00.

EXPOSIÇÕES

Castelo - Leiria •”Habitantes e habitats” - pré e proto-história na bacia do Lis •”Korrodi e o restauro do Castelo de Leiria” - exposição permanente Teatro José Lúcio da Silva - Leiria •”Entre o dia e o sonho” - desenhos de Carlos Roxo (~2/04) Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira - Leiria •”Troca 2013” (~28/03) •”Viagem no tempo: a magia do pano batique na China” (~30/03) m|i|mo -Museu da Imagem em Movimento - Leiria •”Paralelo 30” (~30/03) •”Maratona Fotográfica” (~06/04) •”(RE)CONHECER Leiria” (~15/06) •”Oficina do olhar” - exposição permanente Edifício Banco de Portugal - Leiria •”Made in Japan” - escultura, gravura e pintura (~23/03) Casa-Museu João Soares - Cortes •”A República” - colecção de António Pedro Vicente (~31/03)

MÚSICA | TEATRO | EVENTOS

Teatro José Lúcio da Silva - Leiria •”Cinderela on ice” - teatro (14/3, 10h30 e 15h; 15/03, 10h30, 15h, 21h30) •”Os Reis da Comédia” teatro (28/03, 21h30) •”Teatro de portas abertas” - dia mundial do teatro (30/3, 9h30~21h30) Teatro Miguel Franco - Leiria •”Cidadania activa, fé comprometida” (20/03, 9h30~17h30) Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira - Leiria •”A árvore das tocas” - bebetaca (14/03, 10h15; 16/03, 16h00) • Férias da Páscoa - eu conto um conto (19 e 26/03, 14h30) •”Histórias com coelhos” - conto (22 e 27/03, 10h30 e 14h30) • História surpresa para pais e filhos - contos e cantigas (23/03, 16h) m|i|mo - museu da imagem em movimento - Leiria •”Malas com histórias” - oficinas (22/03, 10h; 16/03, 15h30) •”Luz da Primavera” - oficinas (15/03, 15h00 e 18h00; 23/03, 15h30) •”Perturbações do comportamento” - workshop (16/03, 9h30~18h00) •”(Re)Conhecer Leiria” - tertúlia (16/03, 17h00) • Workshop de revelação - formação (23 e 24/03, 9h30~18h00) • Workshop in vivo - formação (30/03, 9h00~18h00) Mercado de Sant’Ana - Leiria •”Dolce Vida trespassa-se” - teatro (27/03, 18h00) Arquivo Livraria - Leiria • Clube de Leitura Arquivinho (16/03, 15h00) Sala Jaime Salazar Sampaio - Leiria •”Partidas” - teatro (17 e 24/3, 11h00) Biblioteca - Batalha •”O fio da Memória: O Conto” - concurso literário (~28/03) Museu Com. Concelhia - Batalha •”Páscoa no Museu” - animação das férias escolares (18~22/03) Pavilhão Multiusos - Batalha • Maratona do Centro 2013 (17/03) • II Festival de Sopas (23/03, 20h00) Pia do Urso - São Mamede • Aniversário do Centro BTT da Batalha (24/03, 9h00) Associação Nascente de Luz - Maceira • Curso Internacional de Permacultura” (16~29/03)

Professora do orfeão de Leiria conquista competição internacional TanzOlymp O TanzOlymp – maior festival juvenil de dança do mundo que decorreu entre os dias 17 e 21 de Fevereiro em Berlim distinguiu o trabalho coreográfico de Catarina Moreira, ex-aluna e actual professora da Escola de Dança do Orfeão de Leiria Conservatório de Artes (OL CA) e da Escola de Dança do Conservatório Nacional (EDCN). As coreografias de Catarina Moreira foram interpretadas por alunos da EDCN, todos medalhados, premiando assim o seu trabalho ao mais alto nível, sendo que foi ainda convidada especial na Gala inaugural, para a qual criou e apresentou a coreografia “Atmosphere”. A popularidade deste festival é evidente no crescente número de participações ao longo das suas 10 edições, sendo que este ano contou com a participação

DR

Teatro Miguel Franco (Leiria) • A VIDA DE PI | Drama | de Ang Lee | c/ Sura J Sharma, Irafan Khan, Adil Hussain, Gérard Depardieu | 20 de Março, 18h30 e 21h30, 22 de Março, 21h30, 23 de Março, 21h30, 24 de Março, 21h30 e 25 de Março, 21h30. • A ORIGEM DOS GUARDIÕES | Animação | de Peter Ramsey | 25 de Março, 11h00 e 14h30. • MUITOS DIAS TEM O MÊS | Documentário | de Margarida Leitão | 28 de Março, 18h30 e 21h30, 29 de Março, 21h30 e 30 de março, 21h30.

de mais de mil jovens bailarinos, provenientes de 40 países de todo o mundo. Henrique Pinto, presidente do OL CA, expressa o orgulho da instituição por mais uma vitória da professora da Escola de Dança do OL CA, “que tem feito um trabalho brilhante com alunos de várias idades, com grande humildade e dedicação, e que é, ainda para mais, uma aluna desta casa, formada na nossa escola”. “A Catarina Moreira

é um exemplo do sucesso que os nossos alunos têm alcançado mundo fora, na dança e na música, conquistando plateias e jurados, e ensinando outros para que evoluam também nas suas carreiras, e é, talvez, a coreografa portuguesa mais premiada internacionalmente, directamente ou através dos seus alunos”, acrescenta. Na categoria Contemporâneo Juvenis, Ana Teresa Pereira ganhou a medalha

de Ouro com as coreografias “Saia Lusa” e “Ténue II”; Rui Guiomar arrebatou também o ouro com “Todos os Ais São Meus” e “Absoluto”; Rita Correia dançou “Branco na Sombra” e “Na calma te vejo” e levou a Prata para casa; Daniel Cascão também foi medalhado com Prata, com as coreografias “Cordas II” e “Ténue I”. Marta Pereira levou o Bronze, com “Cordas I” e “Esquiço”; também Hugo R levou o Bronze com “Box” e “Fôlego”. Na categoria Profissional Contemporâneo Profissional, Aníbal Santos, foi agraciado com Prata, dançando “Porto que sinto” e “Agitude”. Por ter já sido premiada no concurso enquanto coreógrafa, Catarina Moreira foi convidada a integrar a Gala com uma coreografia que criou especialmente para a ocasião, “Atmosphere”, interpretada pela EDCN.

Projecto ajuda séniores a ficarem longe do isolamento

Conservatório Sénior do Orfeão de Leiria comemora 25 anos O Conservatório Sénior do Orfeão de Leiria (CSOL) Conservatório de Artes (OL CA) assinalou, no dia 11 de Março, o seu 5º aniversário sob o mote “A Arte de Viver – Viver com Arte”. Na última Segunda-feira teve lugar uma sessão evocativa desta data que reuniu alunos e amigos do Conservatório para cantar e dançar, proporcionando a todos uma tarde replecta de alegria, música e animação. O projecto tem ajudado a preencher a vida de muitos séniores que já estão na reforma, mas que estão à procura de desafios intelectuais, um espaço de valorização para o qual po-

DR

CINEMAS

dem contribuir, enquanto membros activos de um grupo coeso. Desta forma e segundo Adelaide Pinho, responsável pelo CSOL é proporcionado a estes séniores “oportunidades

de aprendizagem, envolvimento cultural e de lazer, através de uma participação activa em actividades ligadas à música, à dança e à tecnologia, que contribuimos para a melhoria da sua

qualidade de vida e para o combate ao isolamento e à exclusão social”. O CSOL conta, na área da Música, com o Coro Sénior, as classes de História da Música, Formação Musical e Instrumento (acordeão, órgão electrónico, flauta de bisel e piano, este no âmbito do projecto inovador seniores@piano) e, na área da Dança, com classes de Danças do Mundo e Dança Jazz. Existe ainda a classe de Pilates, especificamente desenvolvida para as necessidades desta altura da vida – estas três classes inserem-se no projecto “Séniores em Movimento”.


CULTURA 5

O Mensageiro 14.Março.2013

Na presença do atleta olímpico Carlos Lopes

Em Fátima

O Centro de Marcha e Corrida de Ourém será inaugurado no dia 17 de Março, pelas 10h00. O Centro está instalado na actual Loja Ponto Já, no Parque Linear de Ourém e é um projecto inserido no Programa Nacional de Marcha e Corrida promovido pelo Instituto do Desporto, Federação Portuguesa de Atletismo e Faculdade de Desporto da Universidade do Porto. O objectivo é promover e incentivar a prática regular da marcha e corrida, combatendo o se-

A Liga dos Amigos do Museu de Arte Sacra e Etnologia (LAMASE), em Fátima promoverá esta Sexta-feira, pelas 21h30, no próprio museu uma iniciativa intitulada “Cinema no Museu”. Este evento tem por objectivo trazer várias personalidades ligadas ao cinema ou não, desafiando-os a escolherem um filme para depois comentarem e proporcionarem momentos de partilha sobre os vários aspectos cinematográficos. Nesta sessão o convidado será Jorge Perfeito, natural de Fátima, advogado, desde sempre apaixonado pela sétima arte. O filme por ele escolhido foi “Citizen Kane / O Mundo a Seus Pés” (1941) de Orson Wells. Foi a sua primeira longa-metragem, considerado um rapaz prodígio, e que havia angariado fama com as suas peças de teatro e narrações radiofónicas. Marcou sua época devido às inovações, sobretudo nas técnicas narrativas e nos enquadramentos cinematográficos. O filme começa com o protagonista já morto, mudando-se a cronologia dos factos. A cenografia mostra pela primeira vez o tecto dos ambientes. A participação é gratuita para os sócios da Liga. Para o público em geral a entrada custa “três actores”.

Liga dos Amigos do Museu de Arte Sacra e Etnologia organiza “Cinema no Museu”

Município de Ourém inaugura Centro de Marcha e Corrida

DR

dentarismo na população do Concelho de Ourém. No acto inaugural estará presente o atleta olímpico Carlos Lopes, seguindo-se a realização de uma aula de aquecimento de body combat/pump , depois uma caminhada pela ecopista, com uma aula de relaxamento a finalizar o programa. Os participantes deverão trazer equipamento desportivo e participar activamente até porque é gratuito.

Igreja de São Pedro recebe concerto de música

Orfeão de Leiria assinala a Páscoa com dois espectáculos especiais Nos dias 14 e 15 de Março o Orfeão de Leiria Conservatório de Artes (OL CA) vai realizar dois concertos para assinalar a Páscoa. Como já é tradição estes concertos também permitirão dar a conhecer “a qualidade dos alunos

da Instituição e a diversidade musical e artística da Escola de Música”, como assinalam uma época “que é especial para muitas pessoas” adianta a administração do Orfeão de Leiria Conservatório de Artes em comunicado.

Esta Quinta-feira o concerto com início marcado para as 21h00, no Auditório José Neto, no OL CA contará com a actuação da Orquestra de Sopros e dos alunos dos cursos profissionais do OL CA. No dia 15, às 21h00, as classes

instrumentais, as classes de conjunto e os coros do Orfeão assinalam a Páscoa com um espectáculo na Igreja de São Pedro, junto ao Castelo de Leiria.

No Teatro Miguel Franco

“Presente no futuro - Os Portugueses em 2030” é o tema do debate que terá lugar esta Quinta-feira, no Teatro Miguel Franco, em Leiria, entre as 18h00 e as 20h00. Maria João Valente Rosa, demógrafa e professora da Universidade Nova de Lisboa fará uma intervenção acerca do estudo “Projeções 2030”, bem como a exibição do vídeo infográfico “Os países podem morrer de velhos?”

DR

“Presente no Futuro - Os Portugueses em 2030” é tema de debate

Segue-se um painel de debate, intitulado “Portugal pode morrer de velho?”, que contará com a participação de Helena Vasconce-

los, Directora do Serviço de Gastroenterologia do Hospital de Santo André; Hugo Menino Aguiar, presidente da Associação Fazer Avançar

e colaborador da Google, e João Miguel Tavares, jornalista e director adjunto da revista Time Out. Este debate será moderado por José Manuel Silva,VicePresidente do Instituto Politécnico de Leiria. Um debate que tem uma organização conjunta da Fundação Francisco Manuel dos Santos, Instituto Politécnico de Leiria e Câmara Municipal de Leiria.

Nos dias 14, 15 e 16 de Março

Cinderela On Ice no Teatro José Lúcio da Silva O espectáculo “Cinderela On Ice”, vai transformar o palco do Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria, numa pista de gelo, esta Quinta, Sexta-feira e Sábado. Numa viagem alucinante ao mundo da fantasia, onde os sonhos se podem tornar realidade, esta peça conta a história de uma dócil e formosa donzela, que vivia com a sua detestável madrasta e duas mesquinhas meias-irmãs. Para dia 14 estão marcadas duas sessões às 10h30 e às 15h00, no dia 15 estão programadas três sessões, às 10h30, 15h00 e 21h30 e, no dia 16 haverá apenas uma sessão às 17h00. O preço do bilhete é de 8 euros para as escolas. Para o público em geral os bilhetes custam 15 euros para a 1ª plateia; 12,50 euros para a 2ª Plateia e 10 euros para os 1º e 2º balcões. Há ainda disponíveis packs família.

No salão paroquial de Pousos

Exposição “A Vida de Jesus” “A Vida de Jesus” é o tema da exposição de pintura de Carlos Alberto Santos que se encontra patente no Salão paroquial de Pousos até ao final deste mês de Março. Uma mostra composta por 124 quadros e que foi “gentilmente”cedida pelo Museu Maria Fontainha, em Além do Rio, Gafanhão, em Castro D’ Aire. A exposição está de portas abertas ao Sábado e Domingo entre as 14h30 e as 18h30 e a entrada custa um euro. Uma verba que reverte a favor das obras da nova igreja dos Pousos. No mesmo local os visitantes podem apreciar o livro “A Vida de Jesus” que retrata a exposição que está patente no salão paroquial e que é da autoria de Raul Correia e que conta com as ilustrações do próprio Carlos Alberto Santos.


6 SOCIEDADE

No concelho da Batalha as 11 escolas do 1º Ciclo do Ensino Básico vão receber a nova campanha promovida pelo município e pela SUMA – empresa responsável pela gestão integrada dos resíduos no concelho. O objectivo principal é reforçar a importância da valorização dos resíduos recicláveis e aumentar os níveis de deposição selectiva no concelho. Denominada “Produzido com Lixo” esta iniciativa termina no dia 15 de Março e teve como missão alertar para a quantidade de lixo produzida diariamente por cada cidadão e para a enorme parcela, cerca de 70 por cento, que apesar de ter condições para integrar o processo de reciclagem, não é encaminhada para esse fim. “Com a sua participação o lixo ganha vida!” é outro dos motes desta acção, que exortou para a importância do papel que cada um de nós desempenha no início do processo de reciclagem.

Em Ourém

Salão da Capela de Alqueidão acolhe almoço dos Chícharos A 5ª Edição do Almoço de Chícharos terá lugar no dia 17 de Março, pelas 13h00, no Salão da capela do Alqueidão, em Ourém, numa organização da Orquestra Típica de Ourém, da Academia de Música Banda de Ourém (AMBO). O objectivo é a angariação de fundos para a AMBO, sendo que o Chícharo é a iguaria eleita para os participantes degustarem. Na última edição a organização contou com a presença de quase três centenas de pessoas. Os interessados em participar devem fazer a inscrição previa através do telemóvel 916 118 795 ou 967 084 535, sendo o valor por pessoa de 10 euros.

No Colégio São Miguel em Fátima

“Encontro Funtástico” para alunos do 9º ano

Até dia 18 de Março estão a decorrer as inscrições para o “Encontro Funtástico” para alunos do 9º ano de escolaridade e que frequentam o Colégio de São Miguel e não só. Este encontro que decorrerá nos dias 22 e 23 de Março tem por objectivo ocupar os tempos livres dos jovens de “uma forma mais enriquecedora e divertida” informa a administração do Colégio em comunicado. Este Encontro é no fundo um convite aos alunos para passarem dois dias e uma noite no Colégio, onde haverá sempre actividades desportivas, jogos diversos, piscina, expressão físico-motora, expressão plástica, cinema, karaoke para fazer. Além disso estão preparadas muitas surpresas. O valor da inscrição é de 10 euros e inclui as refeições destes dias.

Cortes que se arrastam há mais de 10 anos

NERLEI exige presença de António Mexia para explicar cortes de energia A NERLEI - Associação Empresarial da Região de Leiria enviou uma carta a António Mexia, presidente executivo da EDP onde exige que ele próprio se desloque a Leiria para explicar aos empresários da região os constantes cortes de energia que se verificam e que causam milhares de prejuízos às empresas. Na carta a NERLEI recorda que o distrito de Leiria é “um dos que mais contribui para a riqueza deste país”. No mesmo documento é pedido que António Mexia explique “aos empresários, que se esforçam por ter empresas de sucesso que possam cumprir os seus compromissos e pagar as suas contas ao fim do mês, o porquê de continuarem a sofrer prejuízos enormes sempre que temos um dia com um pouco mais de

DR

“Produzido com Lixo” chega à Batalha

14.Março.2013

vento ou chuva, situação que se arrasta há mais de uma década”. E mais uma vez a situação repetiu-se no passado dia 7 de Março, quando um pouco de vento e chuva mais fortes deixaram várias empresas sem luz e com a produção parada. Nesta carta a NERLEI considera que “De forma inaceitável, a EDP Distribuição continua a justi-

ficar estas situações com as condições climatéricas. Mas, todos sabemos que temos de viver com essas condições climatéricas e, se as infra-estruturas de distribuição de energia eléctrica no distrito de Leiria não são as adequadas para “aguentar” dias de Inverno mais rigoroso, é urgente que sejam feitos os investimentos necessários para que tal se venha a verifica”.

O Relatório de Qualidade de Serviço do Sector Eléctrico 2011, publicado em Setembro último, da ERSE (Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos) confirma que “o distrito de Leiria apresenta o maior TIEPI (Tempo de Interrupção Equivalente da Potência Instalada) no ano de 2011”. Dados que vêm comprovar as muitas queixas que a NERLEI sempre recebeu dos empresários e a postura de constante alerta para estes problemas que a Associação tem tido para com a EDP Distribuição, nos últimos anos. A este facto acresce que os indicadores deste relatório não consideram as interrupções de curta duração, ou seja, aquelas inferiores a três minutos, que são das mais problemáticas para as empresas do distrito.

Ourém

Casal dos Bernardos inicia obras do novo Centro Social Em Ourém vão ter início as obras do novo Centro Social de Casal dos Bernardos, uma obra há muito aguardada pela população e que proporcionará uma resposta mais social a todos os que mais necessitam. A cerimónia para assinalar este momento, teve início com o descerrar da placa que assinala o início das obras e a bênção do edifício pelo Padre Segunda Julieta Miguel. Georgina Pereira, presidente do Centro Social de Casal dos Bernardos manifestou uma “Grande alegria por dar início às obras” e frisou que ainda “falta financiamento para o recheio do Centro Social” por isso juntamente com o presidente da Junta de freguesia de casal dos Bernardos, Sérgio Fernandes

DR

Uma campanha de sensibilização

O Mensageiro

apelou “ao apoio de todos para reunir o montante necessário para a totalidade da obra”. O Presidente da Câmara Municipal de Ourém, Paulo Fonseca, mostrou-se

satisfeito com o início desta obra que “tem um significado especial por ser de carácter social”. Todavia, reforçou que “é necessário montar uma rede de apoios sociais que não se limitem

às infra-estruturas físicas, mas que seja feita por pessoas que dinamizem os espaços e disponibilizem estas respostas sociais para quem mais precisa”.


SOCIEDADE 7

O Mensageiro 14.Março.2013

Por motivos de segurança

Hotelaria e restauração em destaque

Substituídas as árvores em risco de queda

A Acilis – Associação Comercial e Industrial de Leiria, Batalha e Porto de Mós vai iniciar um curso financiado de “Hotelaria e Restauração”, no próximo dia 18 de Março. Uma acção de formação dirigida a adultos desempregados ou empregados, desde que estejam inscritos no centro de Emprego. Para puder frequentar a formação o proponente tem que ter, no mínimo, o 6º ano de escolaridade. No dia 18 de Março a temática em estudo incidirá sobre “Preparação e Conservação de vegetais”, a 10 de Abril a formação abordará a “Confecção de sopas, cremes, caldos e consomes” e depois a 8 de Maio falarão sobre a “Preparação e Conservação de peixe e marisco”.

Ciclo de oficinas inclusivas em Março e Abril

Instituto Politécnico de Leiria ensina linguagem gestual Joaquim Santos

A Câmara Municipal de Leiria, nos últimos dias, tem vindo a proceder ao abate de árvores em vários locais da cidade por dois motivos: primeiro, porque há árvores em fim de vida, segundo, porque há árvores que estão a colocar em causa a segurança de pessoas e bens. A última intervenção está agendada para este Sábado, em que serão eliminadas árvores que estão em risco de cair na Rua D. João Soares. Em comunicado a autarquia explica que “os passeios serão requalificados e definidos os locais onde ficarão as novas árvores”. O Município adianta ainda que existe um projecto de intervenção para esta zona que contempla “a construção de uma ciclovia bidirecional ao longo do lado esquerdo da via, no sentido descendente, e de uma rotunda no entroncamento com a Rua Dr. Afonso Lopes Vieira”. Para que se possa proceder a estes trabalhos com

Acilis promove formação profissional financiada

segurança há alterações de trânsito a registar. Assim no dia 16 de Março a circulação automóvel estará interdita na Rua Dr. João Soares, no sentido Rotunda D. Dinis/ Largo do Município, entre as 8h00 e as 18h00 e no cruzamento do Largo do Município (sentido Largo

do Município/Rotunda D. Dinis), será impedido o trânsito que seguir para a Rua Dr. João Soares. Deverá também proceder-se ao corte de trânsito no ramo de saída da Rotunda D. Dinis para a Rua Dr. João Soares. Será ainda necessário proceder ao desvio do trânsito

com sentido Avenida da Comunidade Europeia/Rua Dr. João Soares (via perpendicular), sendo obrigado a virar à esquerda no entroncamento com a Rua Dr. João Soares.

Tendo por base o IPL(+)Inclusivo, projecto exclusivo e inédito do Instituto Politécnico de Leiria (IPL) têm sido desenvolvidos um conjunto de workshops neste mês de Março e que se vão estender pelo mês de Abril cujo objectivo é ensinar de forma inclusiva. No dia 23 de Março terá lugar um workshop intitulado “Introdução à língua gestual”, na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais (ESECS). No dia 6 de Abril falar-se-á de “Criação de ilustrações tácteis”, na Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha; “Introdução à acessibilidade na web”, no dia 13 de Abril, na ESECS; e, no dia 27 de Abril, também na ESECS, decorre o workshop de “Introdução ao software GRID” (que permite a pessoas com disfunções motoras, cognitivas ou sensoriais, utilizar o computador).

Paulo Fonseca quer debater protecção civil

O objectivo é dar conhecer a escola aos estudantes e familiares

Escola Superior de Tecnologia e Gestão está de portas abertas posições, transformando a escola num infindável campo de descoberta, conhecimento e saber. As portas da ESTG estarão abertas durante estes três dias a todos os alunos do ensino secundário, aos agentes de acção educativa e à comunidade civil e empresarial do distrito de Leiria e concelhos limítrofes. No dia 16, sábado, das 10h00 às 18h00. No dia 14 de Março, pelas 16h30, terá ainda lugar uma visita institucional, dirigida essencialmente à comunidade empresarial da região, que dará a conhecer aos empresários as áreas em que a ESTG pode colaborar com as empresas.

O Centro Municipal de Protecção Civil de Ourém já foi apresentado publicamente, precisamente, no Dia Internacional da Protecção Civil, assinalado a 1 de Março. O presidente da Câmara Municipal de Ourém, Paulo Fonseca aproveitou o momento para desejar que “este fosse mais um momento para convergir esforços e atitudes que consolidem a actuação da Protecção Civil”. Acrescentando que “independentemente do sucesso nas operações de resposta às catástrofes que recentemente atingiram o Concelho de Ourém, foi possível detectar fragilidades, não a nível local mas nacional, que obrigam à realização de um balanço que apure as principais necessidades e defina estratégias para o futuro.”.

Vencedores frequentam escolas do IPL

Projectos do IPL com Passaporte de Empreendedorismo

Este ano há cinco projectos de estudantes do Instituto Politécnico de Leiria (IPL) que conquistaram bolsas do Passaporte de Empreendedorismo, uma iniciativa do Programa Estratégico para o Empreendedorismo e a Inovação do Conselho Nacional para o Empreendedorismo e a Inovação e do Ministério da Economia e do Emprego. O objectivo deste programa é promover e potenciar uma sociedade mais empreendedora. DR

A Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG) de Leiria continua de portas abertas para dar seguimento à actividade do “Dia Aberto” que termina no dia 16 de Março e que deverá receber a visita dos alunos de 30 escolas do distrito. Este ano o Dia Aberto estende-se ao Sábado para permitir que haja “uma maior aproximação à comunidade e para facilitar a visita à escola às famílias que têm ali estudantes”. A organização espera a visita de duas mil pessoas Os visitantes são convidados a conhecer, experimentar e explorar a ESTG, através de experiências laboratoriais, jogos e ex-

Centro Municipal de Protecção Civil em funcionamento


8 ECLESIAL

O Mensageiro 14.Março.2013

Família há oito séculos

Verdadeiramente grande D

ecorria o ano da graça do Senhor de 1994. A Ordem de Santa Clara de Assis estava a celebrar os 750 anos da morte da sua Fundadora. Se este acontecimento era momento de graça uma outra graça aconteceria nesse mesmo ano: a fundação do Mosteiro Mater Ecclesiae (Mãe da Igreja), fundado a 13 de Maio. Nasceu da ideia de João Paulo II de criar uma comunidade monástica de religiosas contemplativas dentro dos muros do Vaticano, para acompanhar, com a sua oração, a actividade do Papa e dos seus colaboradores na Cúria Romana. E, as primeiras religiosas a habitá-lo são as Clarissas por um período de cinco anos seguindo-se outras Comunidades femininas de outras Ordens Religiosas (Carmelitas, Beneditinas …). João Paulo II percebeu que no movimento crescente das inumeráveis actividades pastorais e encontros diplomáticos faltava uma presença orante, mãos pos-

tas em contínua oração que juntamente com O Espírito Santo desse maior peso e fecundidade ao esforço e acção do Vigário de Cristo. Durante a sua vida santa Clara sempre alimentou um grande e respeitoso e amor pela Igreja e pelo Sucessor de Pedro. Conheceu pessoalmente quatro dos seis Papas que durante a sua vida governaram a barca de Pedro. Nunca pisou o chão de Roma nem o pavimento dos palácios pontifícios. Clara nunca visitou os Papas mas os Papas visitaram Clara. No seu pequenino mosteiro de S. Damião teve a alegria da visita de vários Papas que pessoalmente ou por carta recomendavam as suas intenções e necessidades da Igreja à oração da Virgem pobre e humilde de Assis. Passaram-se oito séculos e essa mesma confiança e carinho continuam vivos nos Sucessores de Pedro. Em 2007 Bento XVI ao dirigirse às Clarissas do Mosteiro “Imaculada Conceição” de

Albano Lacial afirmava: “Eis, portanto, caras Irmãs, aquilo que o Papa espera de vós: que sejais tochas ardentes de amor, mãos unidas que vigiam em oração incessante, distanciadas totalmente do mundo, para amparar o ministério daquele que Jesus chamou para guiar a sua Igreja. E, agora com a sua decisão em passar os seus últimos dias de peregrino no silêncio do Mosteiro Mater Ecclesiae reforça e reafirma a importância da vida claustral e contemplativa na Igreja e na humanidade como ele próprio expressou: No nosso mundo tantas vezes demasiado agitado, as comunidades monásticas, verdadeiros oásis do espírito, lembram-nos em particular a necessidade do silêncio nas nossas vidas, para realizar em nós uma autêntica harmonia espiritual e desta forma voltar o nosso olhar para Deus. Neste momento não são apenas palavras mas sim uma realidade con-

creta. Também este grande homem, homem de Deus, após uma fecunda acção de Pastor da Igreja universal, se deixa seduzir pela beleza da vida silenciosa de clausura mostrando-nos agora o que na vida de um cristão é verdadeiramente essencial, importante e prioritário. Num mundo vergado ao activismo mais produtivista ele abdica do óbvio poder da acção deixando-a humildemente ao sucessor, e às suas redobradas forças, para escolher o mais difícil: confiar inteiramente na força da oração contemplativa. E o que é a oração? Nada, a inutilidade perfeita, dirá o mundo. Tudo. Responde o Papa, guiado pela sua própria razão iluminada pela força da sua fé inquebrantável. Porque sabe e não duvida que essa mesma força moverá montanhas. Pedi e obtereis. Batei e abrir-se-vos-á. Disse o mestre. E Bento XVI que podia limitar-se a pregar brilhantemente essa doutrina mostra-nos como se faz

quando se acredita, como ele, que a barca da Igreja, não é dele, “não é nossa” mas pertence ao próprio Cristo que nunca a abandona (Graça Franco). Eis na verdade um homem verdadeiramente grande na sua humildade e clarividências das coisas do espírito. Verdadeiramente grande na sua humildade, doação, simplicidade, sabedoria humana e espiritual. Grande em toda a sua vida. Grande no momento da sua eleição. Grande no desempenho do seu ministério. Verdadeiramente grande na sua retirada. É certo que alguns lançam poeira para o ar, uns poucos teimam lavar a roupa suja na fonte pública. Pretendem assim tapar o sol com a peneira, como diz o ditado, mas apenas fazem uma pequena sombra sobre si mesmos. A Igreja de Cristo ficará agora mais firme porque no silêncio do claustro do Mosteiro Mater Ecclesiae estão duas mãos firmes e unidas

em oração, como ele disse nas suas últimas palavras como Sumo Pontífice: Continuarei disponível para rezar pela Igreja e pelo mundo. Assim a partir de agora, o ministério de Bento XVI fica escondido aos nossos olhos, mas – talvez por isso mesmo – abraça uma missão ainda mais importante do que aquela que cumpriu magistralmente nestes oito anos. Ou seja, que o “descanso” e a “segurança” que eu tinha em saber que Bento XVI era o Papa, agora essa certeza continua porque, como ele disse, permanece na Cruz, junto do Senhor crucificado, a interceder por mim e por todos, e pelos destinos da Igreja e da humanidade (Aura Miguel). Ressoem sempre no nosso coração de cristãos as palavras deste grande Papa: Obrigado pelo vosso amor e o vosso apoio! Possais viver sempre na alegria que se experimenta quando se põe Cristo no centro da vida. Irmãs Clarissas de Monte Real

DOM DA FÉ

atribuído a todos os bispos, sendo depois reservado ao bispo de Roma. “Vigário de Cristo”, título originariamente dado a todos os bispos, a partir do século XIII, designa somente o Papa e significa aquele que atua em nome ou por mandato de Cristo. “Santo Padre” tem praticamente o mesmo significado de “Papa”, “pai” com o adjetivo “santo” para significar a caraterística sagrada da figura e da missão. “Soberano Pontífice”, “Sumo Pontífice” ou “Pontífice romano” é a adoção de um título dos imperadores romanos, enquanto chefes dos sacerdotes na religião romana; desde o século VI, é dado somente ao Papa. “Pastor universal” adota a imagem bíblica que o próprio Jesus usou para se referir a si próprio como “o bom pastor” para exprimir a liderança espiritual em relação aos homens e em especial à Igreja. O título mais significativo e aquele que parece foi o preferido de Bento XVI é o de sucessor do apóstolo São Pedro. A este, após a sua profissão de fé,

Cristo constituiu-o como “pedra” ou alicerce sobre a qual construiu a sua Igreja. Desde o início, ele aparece como porta-voz de todos os apóstolos e seu líder. Cristo confiou-lhe a missão de “confirmar” os irmãos na fé. É ele quem aparece à frente da Igreja nascente e conduz a assembleia dos principais responsáveis reunidos em Jerusalém para abordar questões decisivas para a expansão do Evangelho. Concebendo o seu ministério como “petrino”, Bento XVI reaproxima-se da origem histórica e teológica da missão do Papa, assumindo também características mais evangélicas. Na verdade, a figura e o ministério do Papa, devido a múltiplos factores históricos e teológicos, foram assumindo novos traços até atingirem o seu máximo no Concílio Vaticano I (1970) com a definição dogmática da infalibilidade Pontifícia. Toda a autoridade da Igreja se concentrava no Papa e dele se esperava a resolução de qualquer dúvida ou disputa. Daí o ditado latino: “Roma locuta causa finita”, o

Papa falou, não se fala mais no assunto. Daí também a pompa com que os Papas se apresentavam. No Concílio Vaticano II, tendo ido às fontes bíblicas e primitivas da fé cristã, também o ministério do Papa sofreu algumas alterações. A sua imagem desfezse de alguma pompa: Paulo VI deixou de usar a “tiara”, símbolo do poder espiritual e temporal, e a sedia gestatória, em que o Papa era levado aos ombros de alguns homens. A mudança foi também no sentido de um maior envolvimento dos bispos na corresponsabilidade pela Igreja sob a liderança do Bispo de Roma e em unidade e comunhão com ele. Os Papas que se seguiram contribuíram, cada um a seu modo, e com a sensibilidade e talentos pessoas, para os aproximar mais do comum dos fiéis. João Paulo I, com a simplicidade da sua linguagem para se fazer entender por todos. João Paulo II, com as viagens para se aproximar de todo o mundo, as suas práticas desportivas e o modo como

enfrentou a doença e a velhice até à morte, que o tornaram mais semelhante ao comum dos homens. Por fim, Bento XVI com a simplicidade e humildade como se aproximava das pessoas, a sua ousadia de continuar a escrever como teólogo e a falar como professor e a sua renúncia ao ministério petrino, reconhecendo as suas debilidades. Assim mostrou o ministério de Papa no seu lado mais humano, menos sacralizado, sem deixar de o viver com elevação e coerência a partir da fé e da consciência de o exercer em nome de Cristo e procurando o mais possível a sua união com Ele. Em todo este caminho resulta uma visão e um exercício do papado mais próximo do espírito evangélico e do modo como o apóstolo Pedro exerceu a missão que Cristo lhe confiou. Mais do que poder, o ministério petrino é um serviço de pastor, de mestre, de sacerdote e também de autoridade para o bem de toda a Igreja e da humanidade. No caminho percorrido, a

figura e o ministério do Papa aproximaram-se mais do cumprimento das palavras de Jesus, quando ensinou aos apóstolos: «Sabeis que os chefes das nações as governam como seus senhores, e que os grandes exercem sobre elas o seu poder. Não seja assim entre vós. Pelo contrário, quem entre vós quiser fazer-se grande, seja o vosso servo; e quem no meio de vós quiser ser o primeiro, seja vosso servo. Também o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida para resgatar a multidão.» (Mt 20, 25-28). O que se espera do novo Papa é que continue a incarnar estas palavras de Jesus, exercendo a missão em que é investido como serviço à fé dos cristãos e a sua proposta aos homens e mulheres de hoje como um dom de Deus para que tenham alegria, vida em abundância e esperança no seu futuro.

Pe Jorge Guarda

Vigário Geral da Diocese

O sucessor de São Pedro http://padrejorgeguarda.cancaonova.pt

O

Papa é conhecido por vários títulos que exprimem a sua missão na Igreja e traduzem diferentes significados ou perspectivas de compreensão. A palavra “Papa”, de origem grega, significa “pai”: manifesta a paternidade espiritual que o Bispo de Roma exerce em relação aos fiéis e também a autoridade sobre a Igreja. Inicialmente era um nome


DIOCESE 9

O Mensageiro 14.Março.2012

Visita Pastoral à Diocese Entrevista ao Padre Gonçalo Corrêa Mendes Teixeira Diniz, pároco de Leiria

D. António insistiu na necessidade de maior formação em ordem a uma fé adulta e madura celebração da eucaristia no estabelecimento prisional. Pessoalmente, já tinha tido uma experiência parecida no caso da Prisão Escola, no âmbito da visita pastoral à Paróquia da Cruz da Areia. Mas, neste caso, mesmo em circunstâncias e num contexto bem diferentes, foi também um momento muito significativo e emocionante. Por fim, menciono ainda a Eucaristia de encerramento e o almoço convívio que se seguiu e que foram emocionantes pela participação da comunidade e momentos fortes de vivência e celebração da fé, em Igreja.

Que pensa desta iniciativa do Bispo diocesano de fazer uma visita pastoral a todas as paróquias? Ao terminar a visita pastoral à paróquia de Leiria, o Sr. Bispo concluiu a visita a todas as paróquias da Diocese. Pelo facto da Sé ser, ao mesmo tempo, a sede do Bispo diocesano e a igreja paroquial da cidade, fez todo o sentido que esta fosse a última paróquia a ser visitada. Penso que, depois destas visitas, e sem esquecer que ainda falta a visita aos Serviços diocesanos e às comunidades religiosas, o Sr. Bispo tem um conhecimento mais profundo da diocese, das suas riquezas e pobrezas, das suas possibilidades e limites. Para o povo de Deus, clero e leigos, a visita pastoral constituiu a ocasião para uma renovação na fé, numa comunhão eclesial mais profunda. Como se preparou a comunidade para receber o Bispo? Para além da preparação de carácter organizativo, apostou-se bastante na constituição dos grupos de leitura orante da Palavra de Deus (lectio divina), que envolveram mais de 200 pessoas. Nas últimas semanas também, nos vários grupos e instituições da paróquia ou a ela ligadas, a dinâmica vivida centrou-se muito na preparação catequética e espiritual da visita. Qual foi o critério na elaboração do programa? A preocupação principal do Conselho Pastoral

Paroquial foi que esta visita pudesse envolver as várias faixas etárias e os diversos centros de culto, de modo que a grande diversidade que caracteriza esta paróquia, estivesse espelhada no próprio programa. Além disso, havia o desejo que a visita pastoral fosse também um acontecimento aberto à cidade e às várias realidades que a compõem. Nesse sentido, apostou-se bastante na divulgação, convidaram-se muitas instituições para a sessão de acolhimento ao Sr. Bispo, preparou-se um encontro destinado ao mundo do comércio, já que é a realidade socioe-

conómica mais marcante da cidade, etc. As visitas à Junta de Freguesia e, sobretudo, à Câmara Municipal, transcenderam um pouco a dimensão territorial da paróquia, uma vez que estas entidades têm uma tutela mais abrangente que o espaço da paróquia. Mas, uma vez que as suas sedes se situam no território da paróquia e que esta era a última a ser visitada, foi o próprio D. António que achou por bem que fossem inseridas no programa, o que foi muito positivo, pelos laços de cooperação que se desenvolveram, no respeito da especificidade de cada instituição.

Qual a principal mensagem ou marca deixada por D. António Marto? O Sr. Bispo insistiu bastante na necessidade que os cristãos têm de formação em ordem a uma fé adulta e madura, que possa ser vivida no meio dos desafios próprios do nosso tempo. Outro ponto que ressaltou foi a importância de desenvolver um espírito de comunhão eclesial visível que nos una cada vez mais, para que, no meio da cidade, não apareçamos como uma Igreja desgarrada, mas unida e como sinal forte de comunhão.

De forma geral, como decorreu a visita? Penso que correu tudo bastante bem. A adesão das pessoas foi muito significativa e até surpreendente, pela positiva. Houve algum momen-

to especial que queira destacar? Não me parece justo, ressaltar nenhum momento, pois estaria, porventura a desvalorizar os outros. Menciono apenas um, precisamente porque não teve visibilidade: a

Quais as expectativas criadas a partir da Visita Pastoral? Foi já definida alguma prioridade pastoral ou tomada alguma decisão em ordem à renovação da dinâmica paroquial? Penso que as expectativas são muitas, mas, por agora, prefiro não me alongar sobre elas. Cabe ao Conselho Pastoral, que se reunirá brevemente, fazer uma avaliação da visita, identificar os pontos mais significativos e delinear algumas linhas orientadoras para o futuro desta comunidade paroquial.


10 ECLESIAL

O Mensageiro 14.Março.2013

Leituras | V Domingo da Quaresma Janela sobre a Missão Ano C (17/03/2013 Antífona de Entrada: Salmo 42, 1-2 Leitura I: Is 43, 16-21 Salmo Responsorial: Salmo 125 (126), 1-6 (R. 3) Refrão: Grandes maravilhas fez por nós o Senhor. Repete-se Leitura II: Filip 3, 8-14 Aclamação antes do Evangelho: Refrão: Glória a Vós, Jesus Cristo, Palavra do Pai. Repete-se. Convertei-vos a Mim de todo o coração, diz o Senhor; porque sou benigno e misericordioso. Refrão. Evangelho: Jo 8, 1-11 Naquele tempo, Jesus foi para o monte das Oliveiras. Mas de manhã cedo, apareceu outra vez no templo e todo o povo se aproximou d’Ele. Então sentou-Se e começou a ensinar. Os escribas e os fariseus apresentaram a Jesus uma mulher surpreendida em adultério, colocaram-na no meio dos presentes e disseram a Jesus: «Mestre, esta mulher foi surpreendida em flagrante adultério. Na Lei, Moisés mandou-nos apedrejar tais mulheres. Tu que dizes?». Falavam assim para Lhe armarem uma cilada e terem pretexto para O acusar. Mas Jesus inclinou-Se e começou a escrever com o dedo no chão. Como persistiam em interrogá-l’O, ergueu-Se e disse-lhes: «Quem de entre vós estiver sem pecado atire a primeira pedra». Inclinou-Se novamente e continuou a escrever no chão. Eles, porém, quando ouviram tais palavras, foram saindo um após outro, a começar pelos mais velhos, e ficou só Jesus e a mulher, que estava no meio. Jesus ergueu-Se e disselhe: «Mulher, onde estão eles? Ninguém te condenou?». Ela respondeu: «Ninguém, Senhor». Disse então Jesus: «Nem Eu te condeno. Vai e não tornes a pecar». Palavra da salvação.

Primeira experiência em terras de missão P

rimeira experiência em Terras de Missão Hoje é o primeiro comentário que escrevo no blog deste grupo que já há alguns anos faz parte do meu coração. Desde que cheguei a Angola já vivi muitas coisas, mas sem dúvida o contacto com o povo do Gungo foi o ponto alto da minha curta experiência. O meu primeiro contacto aconteceu na Jamba Kalumga no dia 10 de Fevereiro. Este é um bairro pouco visitado pela equipa missionária e o bairro menos cristão, pelo que esperava pouco acolhimento, no entanto, várias pessoas doutros centros deslocaram-se ali (varias horas a pé), pois

Cânticos |Domingo de Ramos

AO SABOR DA PALAVRA

Ano C (24/03/2013) INÍCIO Abri as portas - Lau 128 Bendito bendito o que vem - Lau 176 SALMO RESPONSORIAL Meu Deus meu Deus - Lau 496 APRESENTAÇÃO DOS DONS Deus amou de tal modo o mundo - Lau 274 Jesus Cristo amou-nos - Lau 1050 COMUNHÃO Comungando o Teu Corpo - Lau 231 O meu alimento/O Filho do Homem - Lau 562 PÓS-COMUNHÃO Tudo posso naquele que me conforta - Lau 830 O Senhor salvou-me - Lau 609 FINAL És Senhor minha força - Lau 341 Vitória tu reinarás - Lau 874 Salvé ó Cruz - Lau 732

MISSAS DOMINICAIS

Sábado 19h00 – Sé 19h30 – Franciscanos Domingo 08h30 – Espírito Santo 09h00 – Franciscanos 09h45 – Paulo VI 10h00 - S. Francisco 10h30 – Franciscanos 10h00 – S. Romão 11h00 – S. Agostinho 11h00 – Hospital 11h30 – Cruz da Areia 11h30 – Seminário e Sé 18h30 – Sé 19h30 – Franciscanos 21h30 – Sª Encarnação

Pe. Francisco Pereira pe.francisco@mac.com

5º Domingo da Quaresma 17 de Março de 2013

Um brilho novo

V

amos, neste fim de semana em peregrinação ao Santuário de Fátima. Vamos juntar-nos, de todas as paróquias, de todos os cantos da diocese para celebrar a nossa fé no Senhor. Vamos encontrarnos sob o regaço da Mãe do Céu. A ela queremos confiar todas as gerações: as crianças, os adolescentes,

sabiam que a equipa ia lá. Fui recebida entre cânticos e aplausos. Senti que, mesmo sem me conhecerem, o facto de eu estar ali já era importante. Durante o Dia tivemos a Celebração da Eucaristia, seguida do almoço

onde provei pela primeira vez funje (só provei, porque não consegui comer). Durante a tarde estive na parte da Saúde com a Inês Figueiredo, e pude observar de perto as necessidades deste povo nessa área. Já

noite escura, regressamos ao Sumbe cansados mas com o coração cheio da alegria. Xauééééééé Estamos juntos

os jovens e adultos, os que sofrem, todas as vocações que estão a germinar, todos os corações nos quais o Senhor fala silenciosamente chamando ao dom de Si para o serviço de Deus e aos irmãos. S. Paulo diz que para Ele tudo é lixo comparado com Jesus. Só no encontro, diário e pessoal com Cristo é que a vida ganha sentido. É que vale a pena aquilo que fazemos. Assim a ida a Fátima ganha um novo sentido: não vamos porque é hábito, porque é uma festa ou uma romaria. Vamos à procura da luz que possa iluminar o nosso caminho. Brilhe para todos a luz que há em nós. Mas que luz é essa? Isaías lembra-nos que o Senhor abriu um caminho de salvação, apagando o exército do faraó como um pavio. Agora ele abre-nos um novo caminho, um caminho no meio do deserto da indiferença e do relativismo dos homens. Não nos podemos contentar com as histórias do passado, com as glórias de Deus e dos cristãos. Não podemos continuar a fazer apenas o que os antigos

faziam. Jesus faz essa distinção no Evangelho deste domingo: o pecado é uma realidade comum a todas as pessoas, ninguém está livre disso, ninguém se pode julgar acima dessa realidade. E porque todos somos pecadores todos precisamos de nos converter, de continuar a alimentar a luz que nos foi dada pelo baptismo. Esta nova luz tem de ser sinal da vida, da nossa vida, concreta, de cada dia. Não é a lei que nos guia. Isso diz Jesus e também S. Paulo. Apesar de a Lei ser cada vez mais o critério de acção dos homens, por isso é que vão surgindo cada vez mais leis, para regular toda a nossa vida, os homens vão-se afastando uns dos outros. Jesus vem transformar a Lei, dando-lhe um novo sentido: a lei tem de nascer do coração de cada homem, não pode ser uma estrutura vinda do exterior. Os homens que queriam apedrejar a mulher acabaram por se ir embora quando interrogaram a sua própria consciência. Quem sabe se

eles não teriam também responsabilidade no seu pecado. Jesus olha-nos nos olhos, mas não é para nos acusar nem para nos castigar, mas sim para nos perdoar, para nos reconciliar com Ele: “vai e não tornes a pecar”. Continua a deixar-nos livres para escolhermos o nosso próprio caminho, mas dá-nos também o conhecimento das possibilidades que temos. A conversão nunca acontece por medo, mas por amor. E a única resposta que honestamente podemos dar é o nosso esforço para a nossa transformação. Não nos podemos sentar à sombra da bananeira julgando que já temos tudo, que já não precisamos de mais nada. Cada dia somos desafiados a dar uma resposta aos que estão à nossa volta. Essa resposta é a luz que levamos para os outros, forte ou fraca não importa. Até os pirilampos iluminam o mundo.

Joana Matias


DIOCESE 11

O Mensageiro 14.Março.2013

“Felizes os que crêem sem ter visto!”

“Fé e arte, um diálogo de séculos!”

Tempo de oração e silêncio na Casa de Retiros No final da primeira semana da Páscoa, dias 5, 6 e 7 de Abril, e no contexto do Ano da Fé, a Casa de Retiros São José do Seminário Diocesano de Leiria, dando continuidade à iniciativa lançada no ano passado, propõe a todos os interessados, um tempo de oração e silêncio que será orientado pelo Padre Jeremias Vechina, da Ordem dos Carmelitas Descalços. Esta proposta tem como principal objectivo oferecer

a todos os participantes um ambiente propício para que possam contemplar a suprema revelação do amor de Deus Pai no mistério da Paixão, Morte e Ressurreição de seu Filho Unigénito e, agradecidos, meditar no seu projecto de salvação, oferecido a todos pela mediação da Igreja na força do Espírito Santo. Inspirados na tradição eclesial dos primeiros séculos, pretende-se revisitar e acolher de forma mais intensa a beleza

sempre nova do mistério pascal para, depois da feliz experiência do encontro pessoal com o Ressuscitado - como Tomé no Cenáculo -, renovar a confissão da fé, por palavras e por obras, e empreender o caminho de uma vida nova no serviço dos irmãos. O programa tem início com o jantar de Sexta-Feira, às 20h00, e termina com o almoço de Domingo. A inscrição são 10 euros, o alojamento em quarto individual são 60 euros e em

Visitas ao património religioso

quarto duplo 50 euros, por pessoa. As inscrições terminam no dia 2 de Abril. Para mais informações e inscrições: h t t p : / / w w w. l e i r i a fatima.pt/seminario; seminário@leiriafatima.pt; 244832760 ou directamente no Seminário diocesano de Leiria.

P. Manuel Armindo Pereira Janeiro (reitor)

Depois de, no passado mês de Fevereiro, se ter realizado mais uma série de visitas ao património religioso na diocese de Leiria-Fátima que contemplou a igreja da Maceira e a explicação da intervenção que ali vai ser feita, bem como a igreja da Marinha Grande, visitou-se, ainda, o Museu Joaquim Correia, curiosamente uma semana após a morte do escultor, e onde estão expostos muitos modelos das suas obras, nomeadamente de carácter religioso, no próximo sábado, dia 16 de Março, realizar-se-á mais uma série de visitas ao património religioso edificado. Desta vez, as visitas decorrerão em templos muito recentes: um completamente novo, o da Cruz da Areia e dois outros “ajustados” aos já existentes: Pousos e Parceiros. A visita começará precisamente na recentemente inaugurada igreja dos Pousos como, habitualmente, pelas 14h. 45m, seguindo-se a Cruz da Areia e Parceiros. À semelhança dos percursos anteriores, visitaremos templos construídos sob a influência da reforma do II Concílio do Vaticano. Dado que se trata de igrejas muito próximas de Leiria, desta vez não disporemos de autocarro, como habitualmente. Filomena Silva Martins

Um evento a repetir na Diocese

Cáritas acolhe Feira Solidária No passado dia 9 de Março a Cáritas Diocesana de Leiria realizou a Feira Solidária, nas suas instalações. Segundo informação enviada ao jornal O Mensageiro, o evento contou com certa de 200 pessoas que aderiram a esta iniciativa que pretendeu, “por um lado, combater o consumismo e o desperdício, por outro, angariar fundos para reforçar a ajuda financeira que é dada diariamente”,

refere Nelson Costa do Departamento da Acção Social. Os visitantes puderam

comprar artigos em segunda mão e ainda tinham à sua disposição o bar solidário, onde foram vendidas

Na paróquia da Maceira

Jovens encenam Via-Sacra filhós e café da avó. Num total foram angariados cerca de mil euros. Nelson Costa refere ainda que “Tendo em conta as manifestações de agrado por esta iniciativa, a Cáritas Diocesana de Leiria irá repetir a Feira Solidária” e ainda agradece em nome da Cáritas Diocesana “a todos aqueles que nos visitaram e aos nossos voluntários que tornaram a feira possível”.

Ana Vala

“Expressão da Beleza da Fé”

Encontro Nacional de catequese Como tem sido habitual, o Secretariado Nacional da Educação Cristã promove o encontro dos membros dos secretariados de catequese de todo o país para um tempo de reflexão e partilha. Sendo um ano em cada diocese, este é o ano de Leiria-Fátima acolher o 52º Encontro Nacional dos Secretariados de Catequese, que se realizará de 19 a 22 de Março, no Seminário de Leiria, com o tema “Expressões da Beleza da Fé”. Segundo informações do Secretariado Diocesano de Catequese “o tema será

aprofundado com as conferências do padre Tolentino Mendonça, num estudo bíblico-teológico sobre a beleza da fé; do padre Carlos Cabecinhas sobre a liturgia como espaço de celebração da beleza de Deus; do padre Vítor Coutinho, na perspectiva moral, sobre a vida como expressão da beleza de Deus; e, na espiritualidade, o padre Emanuel Matos Silva, abordará a questão de rezar a beleza de Deus.” Convite aos catequistas Para além do espaço de reflexão, o Encontro é

também uma oportunidade para a oração, celebração, partilha, convívio e conhecimento da Diocese que acolhe o Encontro. Neste sentido, uma das tardes do Encontro será passada no Santuário de Fátima onde haverá também tempo para a oração em conjunto na Capelinha. Será na quartafeira, dia 20 de Março, com a participação no Rosário, às 18h30, presidido pelo Sr. D. Manuel Pelino, e a celebração da Eucaristia, também na Capelinha, às 19h15, presidida pelo Sr. D. Anacleto Oliveira. No

dia seguinte, quinta-feira, dia 21 de Março, o grupo participará na celebração da Eucaristia na Sé de Leiria, às 19h15, presidida pelo Sr. D. António Marto. Para estes momentos, na Capelinha das Aparições e na Sé de Leiria, convidamse todos os catequistas que se queiram associar a estar presentes.

Ana Vala c/ Secretariado Diocesano da Catequese

A pastoral juvenil da paróquia da Maceira vai realizar uma Via-Sacra encenada, no próximo dia 29 de Março, Sexta-Feira Santa, às 21h00. Começando no largo da capela na Maceira Liz e com percurso por várias ruas daquele lugar, esta será, certamente, uma ocasião de meditação pessoal e comunitária, tal como aconteceu já no ano passado. GIC de Leiria-Fátima

“Um serão cheio de enriquecimentos”

Encontro vicarial de Fátima A vigararia de Fátima viveu, no passado dia 6 de Março, “um serão cheio de enriquecimentos formativos, que se prolongou por mais de 2 horas”. Quem o afirma é o vigário, padre Rui Marto, a propósito do encontro que juntou cerca de 250 pessoas das paróquias de Atouguia, Fátima, Santa Catarina e São Mamede. Esta assembleia vicarial foi presidida pelo Bispo diocesano, D. António Marto, que “ajudou a compreender a vida da Igreja, desde os seus inícios, concretamente, com as resoluções do primeiro Concílio de Jerusalém”. Ainda sobre esta temática, “pudemos ver um documentário sobre o Concílio Vaticano II e o padre Adelino Guarda ajudou-nos a compreender e a viver as graças do mesmo Vaticano II”, conta o padre Rui Marto. Como tem sido habitual nestes encontros vicariais, fez-se também a análise à caminhada de cada paróquia nos últimos sete anos, em que vigorou um plano pastoral comum em toda a Diocese. “O Senhor D. António lançou-nos algum trabalho de casa para realizar”, adianta o vigário de Fátima, dada a insistência do Bispo diocesano em que esta análise do caminho feito seja rigorosa e identifique em concreto o que de positivo se realizou, bem como o que falta ainda fazer para melhor a resposta pastoral de cada comunidade. No final do encontro, “graças à partilha de muitos, pudemos saborear umas guloseimas, bolos, etc., num agradável convívio fraterno entre todos”, remata o padre Rui Marto. GIC de Leiria-Fátima


12 MUNDO/PORTUGAL

Mundo “Soluções que favoreçam a coesão social”

O Mensageiro 14.Março.2013

Portugal Igreja Católica quer agilizar criação de serviços diocesanos

Delegados reunidos com presidência da EU

Pastoral do Turismo

Um grupo de dez representantes das Igrejas cristãs da Europa defendeu perante a presidência irlandesa da UE a necessidade de basear a estratégia de combate à crise económica na dimensão social. Num encontro em Dublin com o primeiro-ministro irlandês, Enda Kenny, a comitiva liderada pelo padre Patrick Daly, secretário-geral da Comissão dos Episcopados Católicos da União Europeia, “questionou o sentido de discutir medidas de austeridade sem incluir na reflexão soluções que favoreçam a coesão social”. De acordo com o comunicado final do evento, enviado à Agência ECCLESIA, os representantes das Igrejas cristãs do Velho Continente sustentam que “a busca do progresso económico tem de ser complementada por uma luta contra a pobreza estrutural e a desigualdade”. Organizada pelo Conselho Irlandês de Igrejas, a reunião decorreu no edifício do governo da Irlanda, em ambiente de grande “cordialidade” e permitiu ao comité conjunto formado pela COMECE e pela Conferência das Igrejas Europeias (CEC) continuar com a sua tradição de diálogo com os responsáveis políticos europeus. Os delegados deram conta das consequências sociais que a “grave crise económica” tem provocado nos diversos países da União Europeia, com especial atenção para as paróquias, que têm sido “uma preocupação chave” das Igrejas, “a nível local, regional e nacional”. No entender dos bispos, arcebispos e leigos que estiveram presentes na reunião, sobretudo os directamente envolvidos na realidade da Irlanda, a austeridade que tem sido posta em prática pode pôr em causa o futuro das camadas mais vulneráveis da sociedade e das novas gerações. A presidência irlandesa da União Europeia iniciou o seu trabalho em Janeiro deste ano, com o objectivo de contribuir para o crescimento económico e para a criação de emprego nas 27 nações que compõem actualmente a UE.

A Obra Nacional da Pastoral do Turismo (ONPT), reunida no passado dia 11 de Março, em Fátima, definiu como “prioritária” a constituição de serviços dedicados a esta área em todas as dioceses do país. Em comunicado enviado à Agência ECCLESIA, o director daquele organismo católico, padre Carlos Godinho, considera esta medida “determinante” para o sucesso da “missão da Obra Nacional”, que pretende contribuir para a divulgação e valorização do património religioso português. Para dar seguimento à

Cardeais enviam mensagem de condolências

Presidente da Venezuela

Os cardeais da Igreja Católica reunidos no Vaticano aprovaram e enviaram uma mensagem de condolências pela morte do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, falecido na terça-feira aos 59 anos. O porta-voz do Vaticano revelou, em conferência de imprensa, que o texto é assinado pelo decano, presidente, do Colégio Cardinalício, D. Angelo Sodano, num momento em que a Igreja Católica se prepara para a eleição de um novo Papa, após a renúncia de Bento XVI. O conteúdo da mensagem não foi divulgado. Os cinco bispos auxiliares e o vigário geral da arquidiocese, que assinam a mensagem, pedem ao Governo para salvaguardar a ordem pública e apelam às forças políticas que promovam “a calma e a harmonia da população”, evitando a “violência”. O cardeal Jorge Urosa Savino, arcebispo de Caracas, vai presidir a uma missa exequial em Roma, dado que se encontra no Vaticano para participar no Conclave que vai eleger o sucessor de Bento XVI, adianta o texto.

implantação dos referidos serviços diocesanos, a ONPT vai promover em Abril um encontro “com todos os delegados diocesanos dos Secretariados da Mobilidade Humana, serviço em que se insere a Pastoral do Turismo”. O sacerdote adianta ainda que “está a ser elaborada uma nota pastoral, sobre Pastoral do Turismo, pedida pelo Presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana” e arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga. Este documento será “posteriormente” enviado

para a Conferência Episcopal Portuguesa, para ser debatido. No plano das iniciativas que envolvem a ONPT, criada há pouco mais de três meses, a direcção considerou a presença do organismo na recente Bolsa de Turismo de Lisboa, entre 27 de Fevereiro e 3 de Março, como “francamente positiva, pesem embora alguns acertos, que se consideraram necessários, em ordem à participação em eventos futuros”. Quando à próxima iniciativa em agenda, as Jornadas Nacionais de Pastoral

do Turismo, que estavam inicialmente previstas para 27 e 28 de Setembro, foram remarcadas para 15 e 16 de Novembro, “mantendo-se o Santuário de Fátima como local da sua realização”. De acordo com o padre Carlos Godinho, esta revisão prendeu-se fundamentalmente com a necessidade de facilitar a participação, neste evento, do maior número possível de agentes turísticos, realizando-o, para isso, na época baixa da actividade turística”.

Crise económica e social dificulta fidelidade ao cristianismo

CPM peregrina a Fátima Monsenhor Feytor Pinto, coordenador da Igreja Católica para a saúde, considera que “uma família em crise económico-social fica em grande em rutura” e experimenta “grande dificuldade em ser fiel aos valores do Evangelho”. O sacerdote foi um dos intervenientes na 43.ª peregrinação nacional dos Centros de Preparação para o Matrimónio (CPM), que sábado e domingo reflectiu no Santuário de Fátima sobre o tema “Concílio Vaticano II – referências para a Família”.

O Estado tem a responsabilidade de apoiar os agregados familiares, pelo que se impõe uma “política de família indiscutível”, frisou o responsável ao referir-se às posições tomadas no Concílio (1962-1965) em relação à família, instituição que vive hoje uma “grande crise”. O coordenador da Comissão Nacional da Pastoral da Saúde observa que “nunca como hoje, perante os inúmeros modelos de família que a sociedade oferece, a Igreja tem de dar atenção à Pastoral Familiar,

seguindo as linhas do Concílio”. No entender do sacerdote os textos do Vaticano II sobre o assunto têm uma “oportunidade extraordinária”, meio século depois de terem sido redigidos, como sucede com o enunciado onde se aconselha aos bispos que “tenham em atenção a família” porque ela é “o berço, o fundamento e o esteio da sociedade”. De acordo com o Concílio “a família tem as características da Igreja doméstica”, que são “a referência permanente a Jesus

Cristo”, a “dignidade e liberdade” dos seres humanos, “o grande mandamento do amor” e a “procura da felicidade”. Para Paulo Henriques, director nacional dos Centros de Preparação para o Matrimónio, o encontro anual constitui uma oportunidade para dar formação aos casais que ministram os cursos obrigatórios para os noivos que pretendem receber o sacramento: “Temos de estar actualizados”.

Férias da Páscoa em Coimbra

Aproximar os jovens dos idosos Uma “oficina do brinquedo” e um “encontro para partilha de saberes” são duas propostas que a Cáritas Diocesana de Coimbra está a preparar para promover o convívio entre jovens e idosos durante as férias da Páscoa. Em comunicado enviado à Agência ECCLESIA, a

organização católica explica que as iniciativas resultam de uma “parceria” desenvolvida com o Lar e Centro de Dia da Santa Casa da Misericórdia de Ansião, “iniciada em 2012 por altura da comemoração do Ano Europeu do Envelhecimento Activo e da Solidariedade Intergeracional”.

Para além de assegurar a transmissão aos mais novos de conhecimentos e experiências de vida “que de outra forma se perderiam”, a Cáritas conimbricense quer reforçar “laços de afectividade entre gerações distantes no tempo” e aproximar os jovens dos idosos, nomeadamente dentro do

contexto familiar. Através das duas actividades, será possível “fazer a recolha e o registo das brincadeiras e dos brinquedos de outros tempos, para posteriormente se proceder à construção de pequenas réplicas”, adianta ainda o mesmo organismo.


OPINIÃO 13

O Mensageiro 14.Março.2013

OPINIÃO

João César das Neves Economista

A crise terrível

A

Igreja passa por uma crise terrível. Por isso o Papa renunciou. Esse gesto revolucionário abre uma oportunidade para repensar tudo a fundo.” Estas são, em resumo, as três teses básicas que, no simplismo habitual, a comunicação social tem divulgado sobre este tema. Como de costume, a imprensa produz hipóteses, elabora raciocínios e outorga conclusões, sempre com pouca preocupação pela realidade. Por isso é tantas vezes apanhada de surpresa. O seu permanente sobressalto previne-nos

OPINIÃO

Adriano Moreira Professor

O sentido da responsabilidade

O

sentido da responsabilidade não se confunde com a culpa, mas dela é dificilmente separável quando o poder de condicionar o futuro das comunidades é assumido. Na crise em movimento não estabilizado em que vivemos, a hesitação entre impor uma governação autoritária, que foi no passado uma opção frequente, uma intervenção reguladora em nome de princípios éticos, e uma adoção da liberdade

para não levar a sério o que os media dizem sobre uma instituição que os ultrapassa espantosamente. Estas teses chegam para mostrar isto. A suposta “crise terrível” nunca passou de uma invenção de comentadores exaltados. Por acaso a Igreja passa por uma fase particularmente feliz da sua longa história. Uma sequência de papas santos e brilhantes, unidade do clero à volta do magistério, ausência de perseguições abertas nas democracias e enorme aumento de fiéis têm sido raros nos séculos anteriores. Além disso, o vasto e profundo processo de reforma criado pelo último Concílio, sem par em qualquer instituição mundial, torna a Igreja mais ágil, sólida e diligente. São exactamente estes aspectos, constatáveis numa análise sociológica séria, que levam muitos adversários assustados a apregoar a tese da “crise terrível”. O sucesso estrondoso das múltiplas iniciativas de João Paulo

II, que manteve o mundo suspenso durante 27 anos, foi continuado pelo sucesso também espantoso das iniciativas de Bento XVI. Com estilo totalmente diferente, ficou provado que a causa não era o inimitável génio pessoal do papa polaco, mas uma força muito mais poderosa que alimenta todos os papas, por serem papas. Até o escândalo de pedofilia, prova central da tese da “crise terrível”, foi mal compreendido. Primeiro porque ao lançar a campanha, os jornais, hostis ou simplesmente oportunistas, fizeram um favor precioso à Igreja, eliminando do seu seio alguns criminosos horríveis. Depois, o truque de suscitar ao mesmo tempo casos muito antigos, de locais muito longínquos, pode impressionar algum tempo, mas acaba por falhar. Qual é o interesse em fazer manchetes de acontecimentos de há 40 anos? Só face à Igreja é que os jornais chamam notícias a coisas acontecidas antes

de ter nascido o jornalista que as relata. Hoje, fazendo uma devassa à vida de qualquer clérigo, os jornais prestam um excelente serviço à Igreja, mas maçam os leitores. O que assusta é só atenderem aos poucos casos de pedofilia dentro da Igreja, sem ligar aos de fora, que são a esmagadora maioria. O outro caso que se diz motivar a renúncia do Papa prova também o oposto do que dizem. Um punhado de criminosos, aliás mais louvados que censurados, entrou na intimidade da Santa Sé sem conseguir encontrar nada de realmente demolidor. Que outro dirigente ou organização, política ou económica (incluindo a administração e a redacção de jornais e televisões), sofrendo uma fuga de informação privada com tal vastidão e detalhe, sairia tão bem quanto o Papa e a Cúria? Qualquer inspecção aos papéis privados de governos e empresas conseguiria provar tão pouco? Se se olhassem ao espelho, aqueles que comentam com

ar severo o caso deveriam admitir que, apesar dos pecadilhos revelados, as fugas demonstram antes a virtude da Igreja. A «crise terrível» afinal é outra. De facto o mundo passa por uma crise terrível. Bento XVI sempre esteve consciente dos verdadeiros dramas, e nunca se distraiu com pormenores secundários, como as tricas que ocupam os comentadores. Consciente da missão central que lhe compete, salvar a humanidade neste momento tão difícil, achou que se deveria dedicar à tarefa fundamental, a oração diante de Deus, entregando a alguém mais jovem a condução dos assuntos operacionais. O gesto profético de Bento XVI dá a oportunidade à Igreja, não de repensar tudo, como dizem os estranhos, mas de serenamente retomar a função que lhe compete. Essa não precisa de ser repensada pois foilhe entregue há muitos anos, junto a um lago.

de mercado, parece tudo orientar-se, no que respeita à terapia europeia, para o último paradigma. Mas é uma escolha que, em vista do desalinhamento entre o sentimento e vontade da sacrificada sociedade civil, a autoridade invocada por governantes muitas vezes nunca eleitos no regime democrático que servem, e o condicionamento internacional em que os europeus se encontram, tem acontecido uma forte discordância com os programas anunciados e que orientam as eleições dos países atingidos pela fronteira da pobreza, e a lidar de regra com a vaga de imprevistos que acompanha sempre as responsabilidades governamentais. Para não lembrar autores mais radicais, que esperam conseguir com a diminuição de salários, subsídios e pensões as perdas que o sistema financeiro provocou e sofreu com as práticas imaginativas que outros, em regra desconhecidos, praticaram, recordese um divulgado trecho de F. A. Hayek, Prémio Nobel

da Economia, por vezes apresentado como, além de filósofo, um profeta da evolução. É de resto um dos mestres venerado e citado pelo The Heritage Foundation, que se intitula doutrinador da Leadership For America. O seu tema, talvez principal, foi “compreender a mente humana, os mercados que esta criou, e a maneira como os mercados fizeram dos homens e sociedade o que são”. É seguramente uma adesão geral à importância determinante do mercado, mas tem de sublinhar-se que no seu The Constitution of Liberty insiste em que não pode separar-se a liberdade da responsabilidade, tendo humildemente presente, enquanto populariza o mercado livre e condena o totalitarismo socialista, que o saber é sempre limitado, e quando isto é esquecido o desastre não anda longe, o que se destina a advertir as tentativas de orientar a economia absolvendo-se da responsabilidade correspondente. Nesta situação de crise mundial, o

presidente da The Heritage Foundation, Edwin J. Feulner, longe do Estado social de que necessitamos, chama especialmente a atenção para este trecho do The Constitution of Liberty: “É parte da natureza comum dos homens (e talvez ainda mais das mulheres) e uma das principais condições da sua felicidade que façam do bem-estar dos seus o seu principal objetivo... Por opinião comum a nossa principal preocupação a este respeito serve, evidentemente, o bem-estar da nossa família. Mas nós também mostramos o nosso apreço e aprovação dos outros fazendo deles nossos amigos, e nossos os seus objetivos. Escolher os nossos parceiros e geralmente aqueles cujas necessidades consideramos preocupações nossas é uma parte essencial da liberdade e da conceção moral de uma sociedade livre.” A serenidade com que anda atacado o Estado social, sobretudo quando a política deriva de uma adesão ao credo do mercado, talvez não tenha sempre

em conta o sentido de responsabilidade que não deixa de ser lembrado por tão convicto doutrinador, nem sempre recordado quando se defende a suficiência de uma ética empresarial que acompanhe e oriente o empreendorismo económico e financeiro. Acompanhamos, por doutrina, os que defendem a principiologia do Estado social, e temos de respeitar os que doutrinam e praticam, mesmo no exercício do poder, a lógica do mercado. Com a limitação de concederem à socie- dade civil a exigência da respon- sabilidade objetiva pelos conceitos e decisões que vêm integrados no consequencialismo das opções. O conflito crescente entre a sociedade civil, o poder legitimamente eleito e a fria conjuntura internacional não tem sido suficientemente acompanhada pela res- ponsabilidade assumida do consequencialismo. Um facto que não apoia a tranquilidade social.

In DN Opinião (11-03-2013)

In DN Opinião (12-03-2013)

RESSONÂNCIAS

Pedro Jerónimo Jornalista

Converte-te!

É

daquelas palavras que já ouvi tantas vezes e que ultimamente não me sai da cabeça. Pela Quaresma, mas também pelo que se vai sabendo da vida da Igreja. Do Vaticano à local. É frequente cair no esquecimento que ela é feita de homens. Daí os “escândalos” e incredulidades, perante casos de pedofilia, de fugas de informação, de “jogos de poder” e/ou de outras atitudes que nada têm a ver com o Evangelho. Um cristão (a sério), não se escandaliza com nada e muito menos julga, pois sabe que Deus Caritas Est (Deus é Amor). A Nova Evangelização é de facto necessária, pois visa aqueles que estão dentro da própria Igreja. É preciso que se vejam sinais. De amor e de unidade. Só assim Deus poderá chegar a toda a sociedade, cada vez mais afastada d’Ele. E porquê? Porque não se dão esses sinais. Porque o que passa, o que se vê, é precisamente o oposto. Há dois mil anos, Pilatos soltou Barrabás, o “justiceiro” aclamado pelo povo, em detrimento de Cristo. Passado todo este tempo, as coisas não mudaram muito: a revolução tem suplantado o perdão. “Há muitas pessoas cuja vida depende da tua conversão.” Recordo estas palavras, ouvidas há muito tempo. “É mesmo isto!”, penso. Se ela não acontecer, os julgamentos e as condenações serão os únicos sinais que vão passar. E isso não converte ninguém. Isso não é sinal de amor. Isso não é ser Igreja.


14 INSTITUCIONAL

O Mensageiro 14.Março.2013

CARTÓRIO NOTARIAL DA BATALHA Notária: Sónia Mansa Pires Vala Certifico, para fins de publicação, que por escritura lavrada hoje, exarada de folhas dezasseis a folhas dezassete verso, do Livro Cento e Oitenta e Sete - B, deste Cartório. Mónica Cristina de Jesus Manso Francisco, NIF 208 968 474 e marido Cristóvão Manuel Antunes Francisco, NIF 211 672 190, casados sob o regime da comunhão de adquiridos, ambos naturais da freguesia de Caranguejeira, concelho de Leiria, onde residem na Rua do Carrasquinha, n°11, Caranguejeira, declaram que com exclusão de outrem, a outorgante mulher é dona e legítima possuidora dos seguintes prédios, sitos na freguesia de Barreira, concelho de Leiria: Um - rústico, composto de pinhal, com a área de cinco mil e quinhentos metros quadrados, sito em Encosta do Ôco, a confrontar de norte com Manuel Rodrigues Romeiro, de sul com Mitra de Leiria, de nascente com ribeiro e de poente com serventia, descrito na Primeira Conservatória do Registo Predial de Leiria sob o número dois mil seiscentos e setenta e sete/Barreira, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 319, com o valor patrimonial para efeitos de e 19,86; Dois - rústico, composto de pinhal, com a área _de quatro mil e quatrocentos metros quadrados, sito em Encosta do Ôca, a confrontar de norte com Domingos Gonçalves da Costa, de sul com Manuel Rodrigues Romeiro, de nascente com ribeiro e de poente com serventia, descrito na Primeira Conservatória do Registo Predial de Leiria sob o número novecentos e noventa e dois/Barreira, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 321, com o valor patrimonial de €19,86. Que a aquisição de ambos os prédios se mostra registada a favor de Maria Clementina Marques Gonçalves Rocha, casada com Manuel Chalabardo Rocha, residente em Telheiro, Barreira Leiria, pela apresentação catorze, e treze de Dezembro de mil novecentos e sessenta e cinco. Que os mencionados prédio vieram à posse a primeira outorgante mulher no ano de mil novecentos e noventa, no estado de solteira, por compra verbal a Maria Otília Gonçalves da Rocha, a qual por sua vez, os havia adquirido por doação verbal de seus pais Maria Clementina Marques Gonçalves Rocha e Manuela Chalabardo Rocha, todos já falecidos, contudo, tendo as referidas transmissões sido meramente verbais não é possível obter títulos formais que as comprovem; Que em consequência daquela compra verbal, possui os identificados prédios em nome próprio há mais de vinte anos sem a menos oposição de quem quer que seja desde o seu inicio, posse que sempre exerceu sem interrupção e ostensivamente cm o conhecimento de toda a gente e a prática reiterada dos actos habituais de um proprietário pleno, com o amanho da terra, recolha de frutos, conservação e defesa da propriedade, pagamento das contribuições e demais encargos, pelo que, sendo um aposse pacífica, contínua, pública e de boa fé durante aquele período de tempo, adquirido os prédios por usucapião. Batalha, um de Março de dois mil e treze. A funcionária cm delegação de poderes, (Lucília Maria Ferreira dos Santos Fernandes)

F. Costa Pereira Médico Especialista Doenças da boca e dentes

Rua João de Deus, 25- 1º Dt. - LEIRIA CONSULTAS COM HORA MARCADA 2ª, 4ª e 5ª: 11h-13h e 15h-19h, 3ª: 10h-13h e 15h-19h, Sábados: 9h30-15h Tel. 244 832406

Dr. Rui Castela Médico Especialista - Doenças dos Olhos Operações - Contactologia

CONSULTAS ÀS TERÇAS E QUINTAS FEIRAS POR MARCAÇÃO Consultório - R. João de Deus, 17-1ºEsq. - Leiria

Telefones: 244 832 288 e 244 870 500 FARMÁCIAS DE SERVIÇO

Higiene (14), Antunes (15), Lis (16), Oliveira (17), Sanches (18), Tomáz (19), Maio (20) e Vida (21). TELEFONES ÚTEIS Bombeiros Municipais - 244 832 122 | Bomb. Vol. Leiria (Ger.) - 244 882 015 | Bomb. Vol. Leiria (Urg.)

Registo no ICS N.º 100494 Semanário - Sai à 5ª Feira Tiragem média - 3.000

...(NOVO) TEMPO DOS PORQUÊS...

Vítor Faria Sociólogo

Escola e Família, a comunidade humana Na minha crónica anterior n’O Mensageiro, questionei por que serão a dimensão e a complexidade dos contextos de ensino e de aprendizagem realidades fundamentais para se

perceber a indispensável articulação virtuosa, ou simbiose, entre a família e a escola, tendo em vista a melhoria contínua e a eficácia da socialização de cada ser humano. Antes de ensaiar aqui uma resposta psicossociológica para aquela questão, quero ressalvar que devemos entender os termos «família» e «escola» quer no sentido restrito, quer no sentido lato. Ou seja, trata-se não só de encarar cada família e cada escola em particular, com as suas idiossincrasias e peculiaridades próprias, mas também de percepcionar o tipo de agrupamento psicossociocultural a que se convencionou apelidar «família» e «escola», enquanto “células” ou “órgãos” de um “corpo” que é qualquer comunidade ou sociedade humana, seja qual for o

AVISO N.º 20/2013 Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística ALTERAÇÃO À LICENÇA DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO ABERTURA DE PROCEDIMENTO DE CONSULTA PÚBLICA PROCESSO DE LOTEAMENTO N.º 12/97 Lino Dias Pereira, Vereador do Pelouro do Ordenamento do Território, Urbanismo e Obras Municipais, no uso da competência delegada (Edital n.º 18/2012) torna público, nos termos da alínea d) do n.º 1, do artigo 70.º do Código do Procedimento Administrativo (C.P.A.), conjugado com o disposto no n.º 5 do artigo 7.º do Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de dezembro, na redação que lhe foi dada pelo Decreto-Lei n.º 26/2010, de 30 de março, e do disposto no artigo 77.º do Decreto-Lei n.º 380/99, de 22 de setembro, alterado, e da deliberação do executivo datada de 22/01/2013, que se submete a discussão pública o pedido de alteraç��o à licença de operação de loteamento, cuja apreciação decorre na Câmara ao abrigo do processo n.º 12/97. A alteração consiste em redefinir as áreas de cedência ao domínio público, diminuindo a área cedida para espaços verdes e passeio, designadamente 713,70 m2 localizados a tardoz dos Lotes 62 a 74, passando a mesma a integrar o domínio privado do município. O período de discussão pública decorre pelo prazo de quinze dias úteis, contados a partir do oitavo dia útil seguinte à data da respetiva publicação em jornal, em Diário da República, e no sítio do Município de Leiria na Internet, podendo no decorrer deste período, os interessados vir a pronunciar-se por escrito sobre a alteração pretendida, mediante requerimento dirigido ao Ex.mo Presidente da Câmara Municipal de Leiria, a remeter ou entregar no Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística, deste Município, onde se encontra patente o respetivo processo, para eventual consulta, todos os dias úteis entre as 09:00 horas e as 16:30 horas. E para constar, se lavrou o presente Aviso e outros de igual teor, que vão ser afixados no edifício-sede do Município e da respetiva Freguesia, bem como de anúncio a publicar em dois jornais locais, em diário da república, e no sítio do Município de Leiria na Internet. Município de Leiria, 20 de fevereiro de 2013 POR DELEGAÇÃO DO PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL O VEREADOR, (Lino Dias Pereira)

- 244 881 120 | Bomb. Volunt. Batalha - 244 765 411 | Bomb. Volunt. P. Mós - 244 491 115 | Bomb. Volunt. Juncal - 244 470 115 | Bomb. Volunt Ourém - 249 540 500 | Bomb. V. M.te Redondo - 244 685 800 | Bomb. Volunt. Ortigosa - 244 613 700 | Bomb. Volunt. Maceira - 244 777 100 | Bomb. Vol. Marinha - 244 575 112 | Bom. Volunt. Vieira - 244 699 080 | Bom. Voltun. Pombal - 236 212 122 | Brigada de Trânsito - 244 832 473 | Câmara M. de Leiria - 244 839 500 |

tempo e o espaço em que existam como tal. Podemos até entender, numa perspectiva familiar, todo o agrupamento e contexto humanos não formais, isto é, não sujeitos a normativos internos escritos, mas essencialmente tácitos e gerais (diplomas legais e códigos formalmente elaborados, executados, supervisionados e judicialmente fiscalizados e sancionados pelos vários órgãos de soberania e suas extensões em cada estado-nação). No mesmo sentido, podemos considerar, numa perspectiva escolarizada (referente a processos de ensino e aprendizagem de normas, modelos e padrões de comportamento em micro, meso e macro contextos) de qualquer agrupamento e contexto humanos formais, regulados por normativos internos próprios, mas, obviamente, também por diplomas legais e códigos gerais e específicos, como por exemplo a constituição da república ou o código penal. Por conseguinte, será lícito afirmar que ao sairmos de nossas casas entramos no domínio (escolarizado) das organizações formais: espaços públicos urbani-

Câmara Eclesiástica - 244 832 539 | CENEL (Avarias) - 800 246 246 | C. Saúde A. Sampaio - 244 817 820 | C. Saúde Gorjão Henriques - 244 816 400 | C. P. (Est. de Leiria) - 244 882 027 | Cruz Vermelha - Leiria - 244 823 725 | Farmácia Avenida - 244 833 168 | Farmácia Baptista - 244 832 320 | Farmácia Central - 244 817 980 | Farmácia Coelho - 244 832 432 | Farmácia Higiene - 244 833 140 | Farmácia Lino - 244 832 465 | Farmácia Oliveira - 244 822 757 | Farmácia

zados; transportes; organizações de trabalho; escolas propriamente ditas; cafés, restaurantes e similares; empresas comerciais, de serviços, de lazer, entre muitas outras. Em suma, o local onde habitamos, trabalhamos, estudamos e/ou convivemos é resultado de múltiplas actividades antroponómicas informais (que asseguram a sobrevivência e a socialização básica e secundária de cada um de nós) e económicas formalmente organizadas, em que foi e continua a ser necessário educar/ensinar/formar/ e (re)aprender saberes teóricos e práticos: saber fazer, saber usar, saber estar, saber ser, saber saber… Afinal, quanto mais pequeno e simples for um agrupamento ou contexto humano, melhor será a qualidade e eficácia da nossa socialização? Parece que sim. Mas… Para ilustrar esta temática, escolhi mais dois trabalhos: “Vida e sonho” é o título da incursão poética; “Heterónimos” foi termo escolhido para tentar dar sentido ao desenho. Bem hajam… porque a vida é o melhor que temos.

Sanches - 244 892 500 | Governo Civil - 244 830 900 | Guarda N. Republicana - 244 824 300 | Hospital de S.to André - 244 817 000 | Hospital S. Francisco - 244 819 300 | Polícia Judiciária - 244 815 202 | Polícia S. Pública - 244 859 859 | Polidiagnóstico - 244 828 455 | Rádio Táxis - 244 815 900 | Rádio Alerta - 244 882 247 | Rodoviária do Tejo - 244 811 507 | Teatro JLS (Cinema) - 244 823 600

Fundador José Ferreira Lacerda Director Rui Ribeiro (TE416) Redacção Pedro Jerónimo, Joaquim Santos (CP7731), Ana Vala (CP8867). Paginação O Mensageiro Colaboradores Ambrósio Ferreira, Américo Oliveira, André Batista (Pe.), Ângela Duarte, Carlos Alberto Vieira, Carlos Cabecinhas (Pe.), Cláudia Mirra, José Casimiro Antunes, Francisco Pereira (Pe.), João Filipe Matias (CO798), Joaquim J. Ruivo, Jorge Guarda (Pe.), José António C. Santos, Júlia Moniz, Maria de Fátima Sismeiro, Orlando Fernandes, Saúl António Gomes, Vítor Mira (Pe.). Administração / Publicidade André Antunes Batista (Pe.). Propriedade/Sede (Editor) Seminário Diocesano de Leiria - Largo Padre Carvalho - 2414-011 LEIRIA - Reitor: Armindo Janeiro (Pe.) Contribuinte 500 845 719 Contactos Tel.: 244 821 100/1 - Fax: 244 821 102 - Email: jornal@omensageiro.com.pt - Web: www.omensageiro.com.pt Depósito Legal 2906831/09 Impressão e Expedição Empresa do Diário do Minho, Lda - Tel: 253 303 170 - Fax: 253 303 171

Tabela de Assinaturas para 2013 Destino Nacional Europa Resto do Mundo

Normal Benfeitor 20 euros 40 euros 30 euros 60 euros 40 euros

Preço avulso - 0,80 euros


DESPORTO 15

O Mensageiro 14.Março.2013

Quatro descidas confirmadas

I Liga

II Liga

22.ª Jornada 10 de Março Porto x Estoril (2-0) Sp. Braga x Marítimo (2-0) Académica x Sporting (1-1) Nacional x Rio Ave (1-1) Moreirense x Olhanense (1-1) P. Ferreira x Beira-Mar (1-1) Benfica x Gil Vicente (5-0) V. Setúbal x V. Guimarães (2-3)

31.ª Jornada 10 de Março Portimonense x Belenenses (1-2) Marítimo B x Trofense (3-0) Sp. Covilhã x Porto B (1-2) Leixões x Arouca (1-0) D. Aves x U. Madeira (1-1) V. Guimarães B x Benfica B (0-2) Tondela x Feirense (1-2) Atlético x Freamunde (2-2) Oliveirense x Sp. Braga B (2-1) Penafiel x Naval (2-1) Sporting B x Santa Clara (1-3)

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º

Equipa Benfica Porto Sp. Braga P. Ferreira V. Guimarães Rio Ave Marítimo Estoril Nacional Sporting V. Setúbal Académica Gil Vicente Olhanense Moreirense Beira-Mar

J 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22

V 18 17 12 10 8 8 7 8 7 5 6 4 4 3 3 3

E 4 5 4 9 6 6 8 4 6 9 5 9 7 9 8 7

D 0 0 6 3 8 8 7 10 9 8 11 9 11 10 11 12

Pts 58 56 40 39 30 30 29 28 27 24 23 21 19 18 17 16

23.ª Jornada 17 de Março Gil Vicente x Sp. Braga . Dia 15, 20h00, SportTv1 Olhanense x P. Ferreira . Dia 16, 17h00, SportTv1 Sporting x V. Setúbal . Dia 16, 19h15, SportTv1 Rio Ave x Moreirense . 16h00 Estoril x Académica . 16h00 Beira-Mar x Nacional . 16h00 Marítimo x Porto . 18h00, SportTv1 V. Guimarães x Benfica . 20h30, SportTv1 federação portuguesa de futebol

II Divisão B sul 23.ª Jornada 10 de Março Oriental x Ribeira Brava (2-0) Casa Pia x U. Leiria SAD (1-1) Louletano x Fut. Benfica (2-0) Sertanense x Pinhalnovense (0-1) Fátima x Oeiras (1-0) Mafra x Torreense (2-3) 1.º Dezembro x Farense (2-0) Carregado x Quarteirense (2-2) 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º

Equipa Mafra Farense U. Leiria SAD Torreense Sertanense Oriental 1.º Dezembro Fátima Casa Pia Louletano Quarteirense Pinhalnovense Carregado Fut. Benfica Oeiras Ribeira Brava

J 23 23 23 23 23 23 23 23 23 23 23 23 23 23 23 23

V 15 13 12 12 11 11 9 10 6 7 5 6 5 6 3 2

E 4 7 6 5 5 3 9 2 11 7 11 7 8 5 8 4

D 4 3 5 6 7 9 5 11 6 9 7 10 10 12 12 17

Pts 49 46 42 41 38 36 36 32 29 28 26 25 23 23 17 10

24.ª Jornada 17 de Março U. Leiria SAD x Ribeira Brava .Todos os jogos às 15h00 Fut. Benfica x Casa Pia Pinhalnovense x Louletano Oeiras x Sertanense Torreense x Fátima Farense x Mafra Quarteirense x 1.º Dezembro Carregado x Oriental federação portuguesa de futebol

Campeonato Nacional feminino 1.ª Jornada - Apur. Campeão 17 de Março Vilaverdense x Albergaria .Todos os jogos às 15h00 Atl. Ouriense x 1.º Dezembro 1.º 2.º 3.º 4.º

Equipa Atl. Ouriense Albergaria 1.º Dezembro Vilaverdense

J 0 0 0 0

V 0 0 0 0

E 0 0 0 0

D 0 0 0 0

Pts 21 20 20 16

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º 17.º 18.º 19.º 20.º 21.º 22.º

Equipa Belenenses Arouca Sporting B Leixões Santa Clara Oliveirense Porto B D. Aves Penafiel Benfica B U. Madeira Portimonense Tondela Naval Feirense Atlético Marítimo B Sp. Braga B Trofense Sp. Covilhã V. Guimarães B Freamunde

J 31 31 31 31 31 31 31 31 31 31 31 31 31 31 31 31 31 30 31 31 30 31

V 23 15 13 13 13 13 12 11 13 12 10 12 12 9 9 9 10 7 6 5 4 4

E 6 8 12 11 10 10 11 13 7 9 14 8 8 12 9 7 4 10 10 11 11 9

D 2 8 6 7 8 8 8 7 11 10 7 11 11 10 13 15 17 13 15 15 15 18

Pts 75 53 51 50 49 49 47 46 46 45 44 44 44 39 36 34 34 29 28 26 23 21

32.ª Jornada 17 de Março Feirense x V. Guimarães . Dia 16, 11h30, SportTv1 Porto B x Atlético . Dia 16, 16h00, Porto Canal Tondela x D. Aves . 11h15, SportTv1 Freamunde x Marítimo B . 15h00 Trofense x Arouca . 15h00 Belenenses x Leixões . 15h00 U. Madeira x Portimonense . 16h00 Naval x Oliveirense . 16h00 Benfica B x Penafiel . 16h00, Benfica TV Sp. Braga B x Sporting B . 17h00 Santa Clara x Sp. Covilhã . 17h00

associação de futebol de leiria

HONRA 21.ª Jornada 10 de Março Vieirense x Nazarenos (2-0) Lisboa e Marinha x Atouguiense (3-4) Portomosense x Fig.Vinhos (2-0) Pelariga x Marrazes (1-1) Avelarense x Pousaflores (0-1) Alvaiázere x GRAP/Pousos (0-0) Bombarralense x Guiense (1-1) Meirinhas x Pataiense (2-3) 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º

Equipa Portomosense Marrazes Pelariga GRAP/Pousos Pousaflores Fig.Vinhos Guiense Pataiense Meirinhas Nazarenos Atouguiense Vieirense Lisboa Marinha Avelarense Bombarralense Alvaiázere

J 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21 21

V 14 13 12 11 11 10 9 8 8 8 8 6 6 4 2 2

E 3 5 5 5 3 5 7 7 7 4 2 6 4 1 5 3

D 4 3 4 5 7 6 5 6 6 9 11 9 11 16 14 16

Pts 45 44 41 38 36 35 34 31 31 28 26 24 22 13 11 9

22.ª Jornada 17 de Março Vieirense x Avelarense .Todos os jogos às 15h00 Nazarenos x Alvaiázere Atouguiense x Portomosense Marrazes x Meirinhas Guiense x Pelariga GRAP/Pousos x Lisboa e Marnha Pataiense x Pousaflores Fig.Vinhos x Bombarralense

FUTEBOL – Terminada a fase regular da III Divisão, apenas o Caldas e o Sp. Pombal podem aspirar a um lugar no futuro Campeonato Nacional de Seniores (actual II Divisão “B”) na próxima época. Para já, fogem à descida aos distritais, desfecho que não conseguiram Marinhense, Beneditense, Alcobaça e Peniche. No arranque da época já todas as equipas das sete séries da III Divisão sabiam que quem não ficasse nos dois primeiros lugares, desceria aos distritais.

No caso das equipas da Associação de Futebol de Leiria (AFL), Caldas e Sp. Pombal transitam para a fase final – com metade dos pontos conquistados, arredondados por excesso – onde vão tentar ficar nos dois lugares de subida. Caso contrário, também elas vão disputar a Divisão de Honra da AFL em 2013/14. Perante este cenário, perspectiva-se que na próxima época o principal campeonato de futebol de 11 do distrito de Leiria seja um dos mais competitivos de sempre.

federação portuguesa de futebol

federação portuguesa de futebol

III Divisão D

III Divisão E

22.ª Jornada 10 de Março Mortágua x Ol. Hospital (1-2) Beneditense x Sp. Pombal (2-1) Caldas x Torres Novas (2-1) Alcobaça x Alcanenense (1-4) Sourense x Sernache (2-1) Penelense x Marinhense (3-2) 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º

Equipa Caldas Sourense Ol. Hospital Sp. Pombal Sernache Alcanenense Torres Novas Marinhense Penelense Beneditense Alcobaça Mortágua

J 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22

V 13 12 12 11 10 10 8 7 7 7 4 3

E 6 7 6 5 4 3 5 5 4 3 5 3

D 3 3 4 6 8 9 9 10 11 11 13 16

Pts 45 43 42 38 34 33 29 26 25 24 17 12

22.ª Jornada 10 de Março Peniche x Barreirense (0-1) Amora x Cartacho (2-3) Fabril Barreiro x Lourinhanense (3-3) Sintrense x U. Tires (2-1) Eléctrico x Pêro Pinheiro (1-2) Sacavenense x Real (2-0) 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º

Equipa Sintrense Fabril Barreirense Eléctrico Sacavenense Lourinhanense Pêro Pinheiro Real Amora U. Tires Peniche Cartaxo

J 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22

V 11 11 10 10 11 9 9 8 7 6 6 1

E D Pts 7 4 40 7 4 40 6 6 36 6 6 36 3 8 36 7 6 34 7 6 34 6 8 30 5 10 26 7 9 25 3 13 21 2 19 5

Campeões de corta-marto e marcha ATLETISMO – Três títulos nacionais em provas de corta-mato e marcha, do escalão de juvenis ao de veteranos. É este o saldo da Juventude Vidigalense (JV) em provas nacionais, nos primeiros dias de Março. Luís Silva foi o primeiro a subir ao lugar mais alto do pódio, no decorrer do Campeonato Nacional de Veteranos de Pista Coberta (Pombal, 3 de Março). O desempenho nos 3000 metros em marcha valeu-lhe o título (Vet40), ficando inclusivamente a escassos 13 centésimos do recorde do mundo (12.25:80).

Quem também conquistou o título foi Marta Martins, no Campeonato Nacional de Corta-mato Curto (Coimbra, 2 de Março). A atleta da JV concluiu os 4000 metros em 12,35 minutos, ocupando o 7.º lugar da geral. Destaque ainda para o título nacional de cortamato da equipa juvenil do clube leiriense e o 3.º lugar em juniores (Torres Vedras, 10 de Março). Luísa Condeço (JV) foi a melhor leiriense em prova, ao conquistar o 2.º lugar no escalão de juvenis.

DR/JV

liga portuguesa de futebol profissional

liga portuguesa de futebol profissional

Campeãs nacionais de corta-mato no escalão de juvenis

Marta Martins no Troféu Ibérico associação de futebol de leiria

associação de futebol de leiria

I Divisão norte 12.ª Jornada 10 de Março Ranha x Ansião (0-3) Alb. Doze x Alegre e Unido (1-0) Mata Mourisquense x Ilha (1-2) Caseirinhos x Moita do Boi (1-4) Motor Clube x Pedroguense (2-1) 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º

Equipa Moita do Boi Ansião Alb. Doze Mata Mourisq. Motor Clube Alegre e Unido Ranha Ilha Pedroguense Caseirinhos

J 12 12 11 12 11 12 12 12 12 12

V 11 7 6 5 6 4 4 4 2 0

E D 1 0 4 1 2 3 4 3 1 4 2 6 2 6 2 6 2 8 0 12

Pts 34 25 20 19 19 14 14 14 8 0

13.ª Jornada 17 de Março Ilha x Ranha .Todos os jogos às 15h00 Anisão x Albergaria dos Doze Pedroguense x Alegre e Unido Moita do Boi x Mata Mourisquense Motor Clube x Caseirinhos

I Divisão sul 12.ª Jornada 10 de Março Boavista x Alfeizerense (4-0) Alqueidão da Serra x Santo Amaro (2-0) Maceirinha x Outeirense (2-3) Nadadouro x U. Leiria (1-3) Os Vidreiros x Unidos (1-1) 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º

Equipa U. Leiria Alq. Serra Outeirense Unidos Boavista Santo Amaro Maceirinha Nadadouro Os Vidreiros Alfeizerense

J 12 12 12 12 12 12 11 12 12 11

V 11 9 8 7 4 4 4 2 2 0

E D 1 0 2 1 2 2 1 4 3 5 1 7 0 7 3 7 3 7 0 11

Pts 34 29 26 22 15 13 12 9 9 0

13.ª Jornada 17 de Março Outeirense x Boavista .Todos os jogos às 15h00 Alfeizerense x Alqueidão da Serra Unidos x Santo Amaro U. Leiria x Maceirinha Os Vidreiros x Nadadouro

ATLETISMO – A campeã nacional juvenil de corta-mato, Marta Martins (Juventude Vidigalense) integra a lista de 10 convocados pela Federação Portuguesa de Atletismo para o Troféu Ibérico de 10.000 metros (Mataró, Espanha, 6 de Abril).

Finais da Taça Distrito de Leiria FUTSAL – A Taça Distrito de Leiria decide-se no próximo fim-de-semana, em vários escalões. O primeiro é o de juniores masculinos, com a final a colocar frente-a-frente o Núcleo Sportinguista de Leiria e o Atlético Clube de Leiria. O jogo está agendado para o Pavilhão dos Barreiros, dia 16 de Março, 17h00. Segue-se o de juvenis masculinos, com o C.C.R.D. Burinhosa x Casa do Benfica das Caldas da Rainha, dia 17, 15h00, no Pavilhão do Casal Velho. No mesmo dia e local, mas pelas 17h30, será a vez dos seniores femininos, um jogo em que se defrontam C.R. Golpilheira e A.D.C Vidais.


ÚLTIMA 14MARÇO2013

O homem não tem poder sobre nada enquanto tem medo da morte. E quem não tem medo da morte possui tudo. Lev Tolstoi, escritor russo [n.1828 - f.1910]

O mIiImo - museu da imagem em movimento, em Leiria acolherá no dia 16 de Março, pelas 14h00 a primeira edição do Leiria Film Fest`13, com a projecção das melhores curtas nacionais e internacionais seleccionadas pelo júri. As melhores curtas internacionais e nacionais recebidas entre 1 de Novembro de 2012 e 31 de Janeiro de 2013, serão premiadas nas categorias de curta de ficção, de curta documental e de videoclip. O Leiria Film Fest`13 é uma organização da Comunidade de Cinema de Leiria e tem o apoio do mIiImo - museu da imagem em movimento. A entrada é livre.

“III Saca-rolhas” O Teatro Miguel Franco receberá no dia 15 de Março, pelas 21h30, o III Saca-Rolhas, Festival de Tunas Mistas da Tuna Académica do Instituto Superior de Línguas e Administração de Leiria (ISLA). Os organizadores justificam o nome do festival pelo facto de “um saca-rolhas ser uma ferramenta que permite retirar a rolha de uma garrafa sem destruir nenhum dos objectos e permitindo a sua reutilização, num engenho onde se conjuga a técnica e a estética”. Além disso consideram que é precisamente este o “espírito que move a tuna, na criação musical e nas suas vivências académicas e tunantes”. Os bilhetes custam 3,5 euros.

Jazz Impressions O Duo Jazz Impressions actuará a 19 de Março – Dia do pai, no Teatro Miguel Franco, em Leiria, a partir das 21h30. Um concerto que promete levar o público numa viagem através de uma música harmoniosa e purificadora, na linguagem universal do jazz, tendo como musa inspiradora a cidade de Paris. O preço do bilhete é de cinco Euros, sendo que o produto de bilheteira reverterá a favor das causas humanitárias desenvolvidas pelo Rotary Club de Leiria.

Desafios para a imprensa da Igreja No ano em que se vai comemora meio século da proclamação de São Bento Padroeiro da Europa, o Santuário de São Bento da Porta Aberta (arquidiocese de Braga) acolhe o 9.º Congresso da AIC – Associação de Imprensa de Inspiração Cristã. Será em 2014 e não em 2013, como inicialmente previsto. Esta é uma proposta que resulta da Assembleia-geral da AIC (Fátima, 8 de Março), que aprovou a alteração da periodicidade dos congressos, que passam a realizarse de três em três anos – o último foi em Leiria, em 2011. O encontro, que reuniu cerca de 40 associados, servia essencialmente para aprovar as contas referentes a 2012 e programar o próximo congresso. Porém, acabaram por ser as palavras do presidente da assembleia-geral a ecoar na sala. Para o cónego João Aguiar Campos as publicações devem considerar três pontos estratégicos: os públicos, as competências e os conteúdos. Um “desafio” e um “problema grave”. É assim que o presidente da assembleia-geral da AIC considera o público dos média de inspiração cristã. E o principal motivo é por estar “envelhecido”. Para que seja renovado, é preciso que se desenvolvam competências e

conteúdos. “Não se faz jornalismo católico sem jornalistas católicos”, começou por sublinhar, acrescentando que “é preciso encontrar jornalistas profissionais que sejam crentes, para não fazerem nem um jornalismo de nojo, nem um jornalismo beato”. Para o também director do Secretariado Nacional das Comunicações Sociais da Igreja, o jornalista católico deve ser essencialmente uma “testemunha. “O conteúdo deve ser firme e a linguagem educada”, referiu, acrescentando que “explicar e perceber é a nossa obrigação”. Para João Aguiar Campos as publicações impressas só conseguirão subsistir se forem capazes de “diversificar” conteúdos e “linguagens” e se “aprenderem a migrar progressivamente para outras plataformas”. Ainda o reinventar e/ou fechar Depois de no último congresso da associação se ter falado em fechar ou reinventar jornais, João Aguiar Campos aponta a possibilidade de “fusão de títulos”, se duas ou mais publicações não forem capazes de “suportar os seus próprios meios”. Porém, sublinha que são necessários estudos prévios de mercado, para se conhece-

Pedro Jerónimo

Film Fest’13

Assembleia-geral da AIC anuncia mudanças e aponta caminhos

Cón. João Aguiar Campos rem o público a sustentabilidade dos projectos. “Não vamos a lado nenhum se não soubermos onde vai o nosso público”, referiu. Recuperando uma frase de especialistas em marketing, acrescentou que “uma marca não morre, é assassinada”. Num período em que algumas publicações locais e regionais vão fechando, algumas delas centenárias, o presidente da assembleiageral da AIC alertou ainda para a necessidade de uma reflexão séria sobre o futuro das publicações e os processos de decisões. Precisamente pela sensibilidade que este tipo de decisões requer, apelou ainda à AIC que assuma, cada vez mais, o papel de mediadora. Pedro Jerónimo

Voz das Misericórdias: Um exemplo contra-corrente “Tentámos uma estratégia nova de marketing, que tem dado algum resultado”, avança Paulo Moreira, director do mensário Voz das Misericórdias. A melhoria da rede de colaboradores e a renovação gráfica do jornal completam a lista de medidas adoptadas desde o 8.º Congresso da AIC (Leiria, 11 e 12 de Novembro de 2011). “O conjunto destes três factores têm-nos permitido ultrapassar esta fase [de crise] com algumas dificuldades mas também com alguma esperança”, refere. E os motivos não são para menos. De 2011 para 2012 o volume de publicidade apenas reduziu em 50 euros, sendo que os dois primeiros meses de 2013 deixam boas perspectivas. “Posso dizer-lhe que neste momento já tenho o volume de publicidade do ano passado”, adianta Paulo Faria. Esta é uma publicação muito específica entre o universo das de inspiração cristã. O seu público é sobretudo aquele que se relaciona com a União das Misericórdias Portuguesas. Um factor determinante também para definir os principais anunciantes. “O jornal é distribuído fundamentalmente pelas 400 misericórdias. Quem faz publicidade é alguém que tem algum produto para vender às misericórdias”, conclui.

Pedro Jerónimo

Em Leiria

Após o 8.º Congresso da AIC

Sinais de esperança

Reinventar ou fechar? A questão mantém-se, cerca de ano e meio após o último congresso da AIC. A aposta de alguns dos associados tem sido na reinvenção, num contexto de crise económica. É o que dizem os responsáveis e jornalistas de algumas publicações com quem falámos, após a assembleia-geral da associação (ver texto, ao lado). “A opção de fechar nunca esteve em cima da mesa”, começou por referir Pedro Conceição, jornalista do semanário A Defesa e director do mensário O Montemorense (ambos da diocese de Évora). Nas duas publicações procurou-se a reinvenção, que se centrou sobretudo na rentabilização das novas ferramentas de comunicação, como é o caso da rede social Facebook. “Conseguimos acima de tudo estar presentes onde as pessoas estão presentes”, sublinha. Quanto aos quinzenários Alvorada e A Voz do Mar (ambos da diocese de Lisboa), registaram uma “diminuição acentuada” de receitas provenientes de assinaturas e de publicidade, avança Paulo Ribeiro, jornalista em ambos – com sede na Lourinhã e Peniche, respectivamente. “Tínhamos estado sempre a crescer, do ponto de vista de vendas, mas devido à crise económica houve partes da sociedade que optaram por cortar naquilo que era possível e cortaram no jornal”, acrescenta. O comércio tradicional tem sido um dos afectados e por isso a solução tem passado por “renegociar os contractos”, procurando baixar o valor pago pelos anunciantes, garantindo, porém, a fidelidade dos mesmos. Falamos de publicações que são frequentemente dirigidas e administradas por pessoas que acumulam outras funções. É o caso dos padres, que têm as respectivas paróquias e actividades pastorais. “O jornal deveria implicar uma outra visão, outra acção que muitas vezes é difícil de ser implementada”, sublinha Paulo Ribeiro. Embora não ocupe funções administrativas, o jornalista considera que apostando em profissionais “das vendas” e “do marketing para os dois jornais”, seria possível aliviar o impacto da crise. Ainda assim, considera “extraordinário” o facto de ambos terem publicidade, que não é procurada por eles, mas que vai ao seu encontro. PJ


4951#OMensageiro#14MAR