Page 1

QUARESMA

7 FEVEREIRO 2013 ANO 99 - N.º 4946 FUNDADOR: José Ferreira Lacerda DIRECTOR: Rui Ribeiro PREÇO: 0,80 euros (IVA incluído) SEMINÁRIO DIOCESANO – 2414-011 LEIRIA TEL. 244 821 100/1 • FAX 244 821 102 E-MAIL: jornal@omensageiro.com.pt WEB: www.omensageiro.com.pt

FUNDADO EM 1914

DESTAQUE

CULTURA

A partir de 1 de Março | P. 4

1ª Bienal Criatividade Jovem Leiria 2013 abre inscrições Período experimental é de seis meses| P. 4

“VAI E FAZ TU O MESMO” Cumpre-se em 2013 o ciclo de três anos em que se refletiu sobre a Parábola do Bom Samaritano (Lc 10,29-37). Neste, Bento XVI apresenta-nos a proposta de Jesus “vai e faz tu o mesmo”. É precisamente o mote para o XXI Dia Mundial do Doente. Páginas 2 e 3

Ansião recebe projecto-piloto do “Quiosque do Cidadão”

Henrique Pinto no Órfeão há 30 anos| P. 5

Criação do Festival Música em Leiria é um marco na história da região SOCIEDADE

Direcção Regional de Cultura já tem conhecimento|P. 6

Queda de árvore junto ao Castelo de Leiria revela esqueleto humano

Sistema liga 430 instituições de saúde nacionais | P. 7

Centro Hospitalar Leiria-Pombal adere à Plataforma de Dados de Saúde Inscrições terminam a 12 de Fevereiro| P. 7

Município de Ourém recruta professores ECLESIAL

Centro de Formação e Cultura| P. 11

Início do segundo semestre Pároco dos Pousos sobre a Visita Pastoral | P. 9

DR

LMFerraz/GIC Leiria-Fátima

D. António lança desafios à paróquia


2 DESTAQUE

Rui Ribeiro prui@iol.pt

7.Fevereiro.2013

Retiro de doentes, promovido pelo Movimento da Mensagem de Fátima, nos Valinhos, em 2012

EDITORIAL

Uma solicitude concreta

A fé sempre esteve muito relacionada com a doença. Na maioria dos casos procurou-se nela uma forma de suplantar a doença, ou evita-lá até, na maioria dos casos. E quando a doença parece ganhar terreno e ser invencível, logo crescem as dúvidas e as crises de fé. Noutras situações a fé foi procurada como uma certa sublimação para “aguentar” a situação doente. Nesse sentido era muito comum ouvir a expressão “é a minha cruz” como se de um fardo se tratasse e do qual nada nos poderia libertar. Ora a fé não tem que ver com a libertação do sofrimento e muito menos com a sua sublimação. A fé tem que ver com uma relação interpessoal. Trata da relação com Deus. E tal como a amizade que pudemos ter com uma pessoa rica não nos resolve os problemas financeiros, assim a amizade que temos com Deus não tem que forçosamente ser um antídoto contra a doença. Mas ao ser uma relação de amor com Deus, a fé acaba por ser uma força no momento da doença. Porque quem se sabe amado e quem Trata-se, afinal, ama verdadeiramente, de uma solicitude sente que nada nem o pode sepaconcreta para com o ninguém rar desse amor “nem a irmão doente, trata- morte nem a vida, nem se de uma marca a altura nem a profundistintiva do cristão didade”. que na sua relação Celebrar o dia do dointima com Deus ente, torna-se assim um descobre a urgência e momento de profissão o desafio da relação de fé e acaba por ser exconcreta com o irmão pressão de fé. Todos os necessitado. anos esta é uma ocasião para trazer à discussão pública uma série de temas e assuntos relacionados com os doentes e com a doença, mas no fim fica sempre a dúvida sobre o que realmente procuramos com esta celebração. Na sua mensagem para a celebração que ocorre neste ano de 2013, Bento XVI parece querer orientar os crentes para o verdadeiro espírito da celebração ao afirmar “o Senhor indica qual é a atitude que cada um dos seus discípulos deve ter para com os outros, particularmente se necessitados de cuidados. Trata-se, por conseguinte, de auferir do amor infinito de Deus, através de um intenso relacionamento com Ele na oração, a força para viver diariamente uma solicitude concreta, como o Bom Samaritano, por quem está ferido no corpo e no espírito, por quem pede ajuda, ainda que desconhecido e sem recursos”. Trata-se, afinal, de uma solicitude concreta para com o irmão doente, trata-se de uma marca distintiva do cristão que na sua relação íntima com Deus descobre a urgência e o desafio da relação concreta com o irmão necessitado. Celebrar o dia do doente é, pois, celebrar a fé e afastar-se das ideias miraculosas com que ainda entendemos muitas vezes a mesma fé. O Mensageiro evoca a efeméride e deixa aos leitores este desafio para que vamos mais longe e apontemos mais no âmago da celebração.

XXI Dia Mundial do Doente

“Vai e faz tu o mesmo” DR

EDITORIAL

O Mensageiro

Cumpre-se neste ano de 2013 o ciclo de três anos em que se refletiu sobre a parábola do Bom Samaritano (Lc 10,29-37). Neste terceiro ano, o papa Bento XVI, apresenta-nos a proposta de Jesus “vai e faz tu o mesmo”. Põe-se a questão: agimos com os nossos doentes, na comunidade paroquial ou hospitalar, como agiu o Bom Samaritano, fazendo-se próximo e tendo prestado os cuidados indispensáveis à recuperação do homem caído na estrada de Jericó? A Comissão Nacional da Pastoral da Saúde em Portugal, interpela-nos à urgência de cuidarmos do nosso próximo: na comunidade cristã é urgente fazer o mesmo. Na actual crise económico-social multiplicam-se as pessoas em dificuldade. Aumenta o número de pessoas idosas, há novas doenças que invadem as famílias, também não faltam deficientes, a par de migrantes, de desempregados, de crianças ao abandono. É preciso levar as comunidades cristãs “a fazer o mesmo” que foi feito pelo samaritano. A celebração O Dia Mundial do Doente, celebração instituída por João Paulo II em 1992, é assinalada anualmente pela Igreja Católica a 11 de Fevereiro, na festa litúrgica de Nossa Senhora de Lourdes, data que marca as aparições a Bernardette Soubirous, em 1858. Sobre o significado da data, Bento XVI recordou as palavras do Papa João Paulo II quando instituiu a data, em 1992: “um momento forte de oração, de partilha, de oferta do sofrimento pelo bem da Igreja e de apelo diri-

gido a todos para reconhecerem na face do irmão enfermo a Santa Face de Cristo que, sofrendo, morrendo e ressuscitando, operou a salvação da humanidade” (João Paulo II, Carta de instituição do Dia Mundial do Doente, 13 de Maio de 1992, 3). Este anos as celebrações concentram-se no Santuário de Altoetting, Alemanha. No programa previsto para a iniciativa, na Baviera, destaque para a realização de um Congresso Internacional Científico intitulado “Fazer bem a quem sofre”, que terá lugar nos dias 7 e 8 de Fevereiro na Universidade Católica de Eichstätt-Ingolstadt. Para D. Jean-Marie Mupendawatu, secretário do Conselho Pontifício da Pastoral para os Agentes de Saúde, este congresso será dedicado ao debate e partilha de argumentos de caráter “teológico-ético” e contará com a participação de agentes e responsáveis do sector vindos de toda a Europa. O Papa vai conceder “indulgência plenária” a todos os fiéis que vão participar nas celebrações, entre 7 e 11, no Santuário de Altoetting, Alemanha. A indulgência plenária irá abranger todos aqueles que, “com espírito de fé e alma misericordiosa”, a exemplo do Bom Samaritano, “se colocam ao serviço dos seus irmãos que estão a sofrer” e aqueles que “estando doentes, oferecem a sua dor como testemunho de fé”. O que fazer nas comunidades cristãs? Ver as pessoas que precisam de especial ajuda em saúde e apoio material ou espiritual: organizar um ficheiro com as pessoas a quem aju-

dar. Aproximar-se indo ao encontro destas pessoas: a criação de um grupo de voluntários/visitadores a quem são atribuídas as pessoas a ajudar; fazer-se próximo é uma forma dinâmica de ir ao encontro de quem não tem ninguém. Cuidar é a melhor forma de recuperar a pessoa que foi batida pela adversidade; o cuidado pode ser na área da saúde, mas também no campo social ou mesmo na vida espiritual; o necessário é proporcionar subsídios que permitam dar resposta aos problemas. Continuar os cuidados é indispensável, uma vez que ninguém resolve os problemas com um simples encontro; é frequente, hoje, o que se chama “toca e foge”; é necessário dar continuidade à ação sanadora que se iniciou, para que a pessoa receba a paz de que precisa. Todo este trabalho deve estar estruturado nas paróquias e nos hospitais. São pessoas concretas aquelas que precisam de ajuda. “Vai e faz tu o mesmo” foi o que Jesus sugeriu ao doutor da lei, depois de lhe contar a história do samaritano. Em Pastoral da Saúde esta história é fundamental. João Paulo II concretizou-a na carta apostólica Salvifici Doloris e Bento XVI refere-a na encíclica Deus é Amor. Não é por acaso. O desafio foi lançado e os responsáveis das comunidades cristãs têm de aceitar levar a cabo esta missão integral: cuidar do corpo e do espírito de cada pessoa é essencial na comunidade.

Rui Ribeiro


DESTAQUE 3

O Mensageiro 7.Fevereiro.2013

Mensagem de Bento XVI para o Dia Mundial do Doente

Celebrações em Fátima

Papa desafia-nos a cultivar a proximidade

Programa 14h00 – Rosário, na Capelinha; 15h00 – Palestra aos doentes, na Basílica da Santíssima Trindade; 15h30 – Preparação da unção dos doentes; 16h15 – Missa, com unção dos doentes, na Basílica da Santíssima Trindade.

Luís Oliveira/Santuário de Fátima

Na mensagem que escreveu para a celebração do 21.º Dia Mundial do Doente o Santo Padre convida as pessoas a deixarem-se interrogar pela figura do Bom Samaritano, que desafia a uma atitude de “proximidade” e que representa “o amor profundo de Deus por todo o ser humano”. Bento XVI sublinha que o Ano da Fé, a decorrer na Igreja Católica até Novembro, “constitui uma ocasião propícia para intensificar o serviço da caridade nas comunidades eclesiais”. O Santo Padre recorreu à figura do Bom Samaritano para lembrar o que o Senhor quer de seus filhos: que saibam cuidar uns dos outros, com especial atenção aos que mais necessitam. “Trata-se, por conseguinte, de auferir do amor infinito de Deus, através de um intenso relacionamento com Ele na oração, a força para viver diariamente uma solicitude concreta, como o Bom Samaritano, por quem está ferido no corpo e no espírito, por quem pede ajuda, ainda que desconhecido e sem recursos”. Essa atitude, segundo o Pontífice, não é só para os agentes de pastorais, mas também para o próprio doente, que pode viver a sua condição em uma perspectiva de fé. E para mostrar gestos concretos desta ação solidária, Bento XVI citou o exemplo de algumas figuras, em meio a várias outras na história da Igreja, que ajudaram as pessoas doentes a valorizar o sofrimento no plano humano e es-

No dia 11 de Fevereiro (segunda-feira), memória litúrgica de Nossa Senhora de Lourdes, celebrar-se-á no Santuário de Fátima o Dia Mundial do Doente.

piritual: Santa Teresa do Menino Jesus e da Santa Face, Venerável Luís Novarese, Raul Follereau, Beata Teresa de Calcutá, Santa Ana Schäffer, de Mindelstetten e a Bem-aventurada Virgem Maria. Por fim, o Papa agradeceu a todos os envolvidos nos cuidados com os doentes, como as instituições de saúde católicas, a sociedade civil e comunidades cristãs e encorajou-os a persistirem nesse trabalho. “Possa crescer em todos a consciência de que, «ao aceitar amorosa e generosamente toda a vida humana, sobretudo se frágil e doente, a Igreja vive hoje um momento fundamental da sua missão” (João Paulo II, Exort. ap. pós-sinodal Christifideles laici, 38)”. Excertos da mensagem “Para vos acompanhar na peregrinação espiritual que nos leva

de Lourdes, lugar e símbolo de esperança e de graça, ao Santuário de Altötting, desejo propor à vossa reflexão a figura emblemática do Bom Samaritano (cf. Lc 10, 25-37). A parábola evangélica narrada por São Lucas faz parte duma série de imagens e narrações tomadas da vida diária, pelas quais Jesus quer fazer compreender o amor profundo de Deus por cada ser humano, especialmente quando se encontra na doença e no sofrimento. Ao mesmo tempo, porém, com as palavras finais da parábola do Bom Samaritano – «Vai e faz tu também o mesmo» (Lc 10, 37) –, o Senhor indica qual é a atitude que cada um dos seus discípulos deve ter para com os outros, particularmente se necessitados de cuidados. Trata-se, por conseguinte, de auferir do amor infinito de Deus, através de um intenso relacionamento com Ele na oração, a

força para viver diariamente uma solicitude concreta, como o Bom Samaritano, por quem está ferido no corpo e no espírito, por quem pede ajuda, ainda que desconhecido e sem recursos. Isto vale não só para os agentes pastorais e sanitários, mas para todos, incluindo o próprio enfermo, que pode viver a sua condição numa perspectiva de fé: «Não é o evitar o sofrimento, a fuga diante da dor que cura o homem, mas a capacidade de aceitar a tribulação e nela amadurecer, de encontrar o seu sentido através da união com Cristo, que sofreu com infinito amor» (Enc. Spe Salvi 37). Diversos Padres da Igreja viram, na figura do Bom Samaritano, o próprio Jesus e, no homem que caiu nas mãos dos salteadores, Adão, a humanidade extraviada e ferida pelo seu pecado (cf. Orígenes, Homilia so-

bre o Evangelho de Lucas XXXIV, 1-9; Ambrósio, Comentário ao Evangelho de São Lucas, 71-84; Agostinho, Sermão 171). Jesus é o Filho de Deus, Aquele que torna presente o amor do Pai: amor fiel, eterno, sem barreiras nem fronteiras; mas é também Aquele que «Se despoja» da sua «veste divina», que baixa da sua «condição» divina para assumir forma humana (cf. Flp 2, 6-8) e aproximar-Se do sofrimento do homem até ao ponto de descer à mansão dos mortos, como dizemos no Credo, levando esperança e luz. Ele não Se vale da sua igualdade com Deus, do seu ser Deus (cf. Flp 2, 6), mas inclina-Se, cheio de misericórdia, sobre o abismo do sofrimento humano, para nele derramar o óleo da consolação e o vinho da esperança”…

Origem e ponto de partida da Pastoral da Saúde A Pastoral da Saúde é, desde 1985 e por vontade expressa do Santo Padre o Papa João Paulo II, uma das formas de pastoral especializada. De facto a 11 de Fevereiro de 1985, pelo “Motu Próprio” “Dolentium Hominum” o Santo Padre instituiu a Comissão Pontifícia para o Apostolado dos Profissionais da Saúde, anos depois convertida em Conselho Pontifício para a Pastoral da Saúde. A 13 de Maio de 1981, ocorreu na Praça de São Pedro o atentado contra o Papa Karol Wojtyla que estava a ser muito incómodo para muitos dos senhores do mundo. Daí, até a um atentado para lhe dar a morte foi um passo. Recolhido de imediato na Clínica Gemelli, ali permaneceu alguns meses até à sua plena

recuperação. Foi um tempo de reflexão e de oração. Quando o Papa deixou a clínica, quis oferecer ao mundo um documento notável sobre o sofrimento humano, a Encíclica Salvifici Doloris. Assinada a 11 de Fevereiro de 1984, constitui a carta magna de uma pastoral diferente. Se é certo que “o sofrimento humano suscita compaixão, inspira também respeito e, a seu modo, intimida” diz o Papa. É por isso que se torna urgente reflectir sobre o mundo do sofrimento e encontrar os caminhos para superá-lo e descobrir para ele um sentido mais profundo. “A medicina, enquanto ciência e, conjuntamente como arte de curar, revela no vasto terreno dos sofrimentos do

homem o seu sector mais conhecido”. E o Papa continua falando da importância da terapia que permite vencer alguns dos problemas humanos. Para além do sofrimento físico, é indispensável acompanhar o ser humano no seu todo, para este poder vencer os sofrimentos psicológicos, morais, sociais e até espirituais. O que está em questão é a saúde integral de cada pessoa. Talvez por isso, nesta carta encíclica comece a desenhar-se o que um ano mais tarde o Papa vai chamar “Pastoral da Saúde”. Se a Pastoral é a acção organizada da Igreja, através da qual se torna presente, aqui e agora a acção salvífica de Cristo, então em Jesus Cristo todo o sofrimento é vencido pelo amor, e esta acção salvífica

de Deus opera-se pelo dar mais saúde a cada pessoa na circunstância concreta em que está a viver. A encíclica termina com uma interpretação maravilhosa da parábola do Bom Samaritano em que este estrangeiro faz tudo para dar saúde e mais qualidade de vida ao homem caído na estrada de Jericó . Curiosamente, nos últimos discursos do Papa sobre a Pastoral da Saúde, este insiste muito em que os Profissionais de Saúde (médicos, enfermeiros, voluntários e outros) se devem tornar “bons samaritanos” na generosidade com que assistem e acompanham todos os que deles necessitam. In pastoraldasaude.pt


4 CULTURA

O Mensageiro 7.Fevereiro.2013

Inscrições começam a 1 de Março

EXPOSIÇÕES

Castelo - Leiria •”Korrodi e o restauro do Castelo de Leiria” - exposição permanente Teatro José Lúcio da Silva - Leiria •”Ontem, hoje” - pintura de Costa Santos (7/02~3/03) m|i|mo -Museu da Imagem em Movimento - Leiria •”(RE)CONHECER Leiria” (~15/06) Edifício Banco de Portugal - Leiria •”Made in Japan” - escultura, gravura e pintura (2/02~23/03) Mercado de Sant’Ana - Leiria •”Leirimodel” - miniaturas (9 e 10/02, 10h00~19h00) Casa-Museu João Soares - Cortes •”A República” - colecção de António Pedro Vicente (~28/02)

MÚSICA | TEATRO | EVENTOS

Ruas da Cidade - Leiria • Desfile de Carnaval das Escolas da Cidade de Leiria (8/02, 10h~12h) Teatro José Lúcio da Silva - Leiria •”Xana toc toc” música (3/02, 15h00~17h00) •”Preocupo-me, logo existo” - teatro (7/02, 21h30) • Concerto solidário a favor da OÁSIS (9/02, 21h30) •”Primeiro” - música de Miguel Angelo (14/02, 22h00) •”Katia Guerreiro” - música (21/02, 21h30) •”A Bela Adormecida” - dança (28/02, 21h30) Teatro Miguel Franco - Leiria •”Corre mãe! Corre!” - teatro (2/02, 21h30) •”Emmy Curl” - música (8/02, 21h30) •”Fados e outros cantos do Tejo” - concerto p/ bebés (10/2, 10h30 e 11h45) • Tributo a editores - música (16/02, 22h00) Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira - Leiria •”Lisboa trágica - três contos trágicos” - livro (2/02, 15h30) • Histórias com pinguins - hora do conto (8,13,22 e 27/2, 10h30 e 14h30) • Histórias com máscaras - conto (8, 13, 22 e 27/02, 10h30 e 14h30) •”Lugar literário” - livro de Cristina Nobre (8/02, 15h00) •”O que a doença diz de mim” - livro de Alain Jézéquel (12/02, 18h30) •”A árvore das tocas” - Bebeteca (14/02, 10h15 e 16/02, 16h00) •”Contos e cantigas - contar e encantar” (23/02, 16h00) m|i|mo - museu da imagem em movimento - Leiria •”A Roda da Vida” - oficina (~31/01) •”Da escola ao museu-práticas pedagógicas inovadoras” (2,9,16/2, 14h) •”(Re)Conhecer Leiria” - tertúlias (16/02, 15h00) Moinho de Papel - Leiria •”As máscaras e mascarilhas dos reis e das rainhas” (5 e 7/02, 14h e 6 e 8/02, 9h30) • No coração do Moinho - Dia de S. Valentim (14/02, 10h e 14h30) Sala Jaime Salazar Sampaio - Leiria •”Chão de enredos” - evocação a Miguel Torga (2, 15 e 16/02, 22h00) •”Tranparências” - poemas ditos/cantados por Luís Raposo (23/2, 22h) Espaço o Nariz - Leiria •”Panza de la Mancha” - teatro (7/02, 22h009 • Baile de Carnaval (11/02, 22h00) •”Escurial” - teatro (21/02, 22h00) Ateneu Desportivo - Leiria • Música e poesia (23/02, 21h30)

A partir do dia 1 e até 31 de Março estarão abertas as inscrições para a 1ª Bienal Criatividade Jovem Leiria 2013. Trata-se de um programa de apoio e divulgação de jovens criadores naturais ou residentes no concelho de Leiria. Uma iniciativa dedicada a estudantes do ensino secundário do 10º ao 12º ano, nas áreas da fotografia, escultura e pintura, literatura, artes performativas, música e vídeo. A 1ª Bienal é organizada pela Câmara Municipal de Leiria, ECO – Associação Cultural, FADE IN – Associação de Acção Cultural, Associação Fazer Avançar e Metamorfose, com o objectivo de ser uma montra de divulgação e promoção dos trabalhos de jovens em início de carreira. Dos inscritos serão seleccionados até cinco finalistas de cada área que apresentarão os seus trabalhos sob a forma de mostra que decorrerá no próximo

DR

Teatro Miguel Franco (Leiria) • AS VOLTAS DA VIDA | Drama | de Robert Lorenz | c/ Clint Eastwood, Amy Adams, John Goodman, Robert Patrick, Justin Timberlake | 4 de Fevereiro, 21h30, 5 de Fevereiro, 21h30 e 6 de Fevereiro, 18h30 e 21h30. • HOLY MOTORS | Acção/Drama/Ficção Científica | de Leos Carax | c/ Denis Lavant, Edith Scob, Eva Mendes, Kylie Minogue, Michel Piccoli, Leos Carax | 11 de Fevereiro, 21h30, 12 de Fevereiro, 21h30, 13 de Fevereiro, 18h30 e 21h30, 15 de Fevereiro, 21h30. • UMA VIDA MELHOR | Drama | de Cédric Kahn | c/ Guillaume Canet, Leila Bekhti, Slimane Khettabi | 18 de Fevereiro, 21h30, 19 de Fevereiro, 21h30 e 20 de Fevereiro, 18h30 e 21h30. • CÉSAR DEVE MORRER | Drama | de Paolo Taviani, Vittorio Taviani | c/ Cosimo Rega, Salvatore Striano, Giovanni Arcuri | 22 de Fevereiro, 21h30, 23 de Fevereiro, 21h30, 24 de Fevereiro, 21h30, 25 de Fevereiro, 21h30, 26 de Fevereiro, 21h30 e 27 de Fevereiro, 18h30.

1ª Bienal Criatividade Jovem Leiria 2013

mês de Maio, no centro Cultural Mercado Sant’Ana, no Espaço + Jovem, no Pátio do Mercado e ainda no Teatro Miguel Franco. Os trabalhos do concurso de fotografia estarão em exposição de 4 a 31 de Maio, sendo a apresentação pública e entrega de prémios no dia 4 de Maio. Ao nível da pintura e

da escultura, as exposições estarão patentes de 4 a 31 de Maio, com a apresentação pública e entrega de prémios a 11 de Maio. O concurso de literatura tem apresentação pública, em formato de tertúlia e entrega de prémios a 10 de Maio, e o da música tem a apresentação pública através de um espectáculo

e entrega de prémios a 18 de Maio. As artes performativas têm a apresentação pública também por meio de espectáculo e entrega de prémios no dia 25 de Maio e, por último, o concurso de vídeo terá a apresentação pública pelo método anterior e entrega de prémios a 31 de Maio.

Período experimental é de seis meses

Ansião recebe projecto-piloto dO “Quiosque do Cidadão” O município de Ansião vai receber, por um período de seis meses, um dos sete projectos-piloto de Quiosque do Cidadão. O objectivo é melhorar a relação entre a Administração Pública e os cidadãos, proporcionando, proporcionando maior qualidade de vida aos utilizadores, através de ferramentas de aprendizagem, comunicação e resolução de situações, com recurso a soluções tecnológicas avançadas. Pretende-se tornar o Quiosque do Cidadão numa referência nacional no atendimento ao cidadão e na simplificação administrativa, contribuindo para a racionalização de recursos e a equidade social, pela promoção de igualdade no

DR

CINEMAS

acesso à Administração Pública e seus serviços. De acordo com o Governo, a aposta neste tipo de quiosques é o primeiro passo numa estratégia mais ampla que procura, durante 2013, multiplicar

a disponibilização de serviços públicos online em smartphones, serviços digitais de televisão por cabo ou na rede multibanco. O Quiosque do Cidadão será instalado à entrada do edifício dos Paços do

Município, com acompanhamento directo pelas colaboradoras do Serviço de Atendimento Avançado já existente. O Quiosque do Cidadão permitirá realizar todas as tarefas relacionadas com a Segurança Social Direta, fazer o pedido de Cartão europeu de seguro de doença, o pedido de Registo Criminal, a obtenção do comprovativo de imposto único automóvel, o pagamento do IVA ou do Imposto Único de Circulação, a obtenção de comprovativo de IRS, a alteração de morada, a marcação de consultas médicas, a emissão de certidão permanente dos registos predial, civil ou comercial.


CULTURA 5

O Mensageiro 7.Fevereiro.2013

Paixão pelas artes e associativismo marca os 30 anos de Henrique Pinto no Orfeão de Leiria

No mIiImo até dia 31 de Março

nasceram as três escolas actuais, oficializadas – e ainda promover a infra-estruturação indispensável, chegando assim ao património actual, nomeadamente com o edifício sede. Nesta altura o OL CA tinha o teatro, “que tinha uma franca pujança graças a esse enorme precursor do pós-modernismo, o “Quiné”, como actor e encenador, um mago na diversidade de influências, do realismo e depois do neorrealismo a Brecht, Piscator ou Stanislavsky”, conta Henrique Pinto “Não tenho pejo em dizer que tudo o que cresceu depois, nas associações como nas autarquias, bebeu um pouco do que florescia no Orfeão”, realça o presidente do OL CA, “e no Orfeão da minha gestão

sempre se fez muito com muito pouco”. Em 30 anos muito de bom e de menos bom se passou, mas Henrique Pinto não esquece quando “Paul Griffiths ter escrito no New York Times e colocar o Festival Música em Leiria entre os cinco melhores da Europa, de par com Bergen e Salzburgo, e os nossos antigos alunos espalhados por universidades estrangeiras, de Espanha, França, Inglaterra, EUA, etc., muitos deles com grande sucesso nacional e internacional”, Quanto aos pontos “menos altos” da história do OLCA, Henrique Pinto salienta «a gravíssima situação para o ensino artístico deixada pela ministra Isabel Alçada – os contratos vigentes com o Estado, o maior cliente de serviços

em áreas que não cobre a mais que 1% [não são subsídios] não foram respeitados, houve um corte de 25% no seu decurso, quando nós tivemos de pagar a quase 100 trabalhadores com contratação colectiva – e continuada pelo silêncio do ministro Nuno Crato, sem respeito pelos prazos processuais». «Esta situação foi altamente perturbadora da nossa saúde institucional, propiciadora de momentos mais dolorosos, chegámos a ter ordenados com algum atraso, mas fizemos o downsizing apropriado, e com inteligência e vontade tudo se recompôs, não temos dívidas”, salienta. No balanço dos 30 anos, o presidente do OL CA acredita que “todos os objectivos desenhados foram atingidos e, mesmo se grandiosos, praticamente sem recursos”.. Não pretendendo recandidatar-se à direcção do Orfeão, embora deseje “continuar a ajudar no que puder e for desejável”, Henrique Pinto quer ainda “explorar profissionalmente outros “campos”, no sentido de Bordieu, em Portugal, e no mundo como Rotary International”.

Em Leiria, no José Lúcio da Silva O Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria acolhe a partir desta Quinta-feira e até dia 3 de Março a exposição de pintura “Ontem, Hoje” da autoria de Costa Santos. As telas apresentam a natureza com toda a sua força; o mar com todo o seu esplendor, o xisto e as aldeias que lhe são fiéis, são temas que lhe saltam da alma, com amor. José António da Costa

Santos nasceu em Lisboa, a 26 de Novembro de 1943, mas foi em Coimbra que fez os seus estudos e iniciou a profissão com que sonhara, ser jornalista, actividade que exerceu durante 40 anos, enfatizando aqui a sua passagem pelas redacções de A Capital, O Tempo, Globo e A Bola. A pintura, uma paixão “adormecida”, é, em 2003, transposta para a tela, resultado das

DR

Exposição de pintura de Costa Santos

belas imagens captadas, nas inúmeras viagens realizadas, ao longo do percurso efectuado no âmbito da sua profissão. A Natureza, com toda a sua força; o mar com todo o seu esplendor,

o xisto e as aldeias que lhe são fiéis, são temas que lhe saltam da alma, com amor. Uma exposição para ver, diariamente das 18h00 às 22h00.

O mIiImo – museu da imagem e movimento de Leiria acolhe até dia 31 de Março a exposição das fotografias vencedoras da “2ª Maratona Fotográfica FNAC LeiriaShopping”. Um evento realizado a 9 Junho de 2012 em vários pontos emblemáticos da cidade de Leiria, num ambiente convivial entre concorrentes fotógrafos amadores e profissionais.

Até 23 de Fevereiro

Ciclo de cinema chinês no mIiImo em Leiria O mIiImo - museu da imagem em movimento apresenta até dia 23 de Fevereiro, na Cerca do Castelo de Leiria um Ciclo de Cinema Chinês, onde os espectadores são convidados a viajar através da imagem. Este Ciclo de Cinema surge no âmbito do VIII Fórum Internacional de Sinologia subordinado ao tema “China: Viajar no Tempo e no Espaço”, que se realizará em Leiria, nos dias 21, 22 e 23 de Fevereiro, por iniciativa do Instituto Português de Sinologia, Município de Leiria e Instituto Politécnico de Leiria. No dia 9 de Fevereiro será exibido “Mulheres Jasmim” baseado no romance de Su Tong e realizado por Hou Yong, pelas 15h00 e conta-nos a história de amor de três gerações de mulheres da mesma família.

No dia 12 de Fevereiro, na Biblioteca Municipal

Apresentação do livro “O que a doença diz de mim”

A sala polivalente da Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira, em Leiria é o palco escolhido para a apresentação, no dia 12 de Fevereiro, pelas 18h30, do livro “O que a doença diz de mim”, da autoria de Alain Jézéquel. A partir de uma nova abordagem que vê na doença uma resposta precisa do cérebro a um momento stressante de (des) adaptação, esta obra aborda a Terapia SimBiológica, que responde a muitas perguntas que inquietam o ser humano, a partir do estudo de nove situações clínicas. Alain Jézéquel é diplomado em áreas como a Naturopatia, Anatomia, Medicina Aromática, Acunpuntura, Psicoterapia e Psico-Relaxologia. Iniciou os seus estudos na Universidade de Nantes, em França. Desempenhou a função de docente no Liceu Pasteur, em São Paulo, Brasil, tendo ocupado posteriormente o cargo de conselheiro pedagógico da Alliance Française, em Portugal.

Miguel Angelo em Leiria

Dia dos Namorados assinalado com música Para assinalar o Dia dos Namorados, no dia 14 de Fevereiro, pelas 22h00, o Teatro José Lúcio da Silva, apresenta Miguel Angelo, ex-vocalista dos Delfins, na sua digressão “Primeiro”. O músico, agora a solo, convida todos os namorados, novos e eternos, para uma noite preciosa de canções de amor, esperança e optimismo. DR

Em 1983 e por fruto de um “namoro”, Henrique Pinto entrou para a direcção do orfeão de Leiria. E parece que o “namoro” correu bem porque, 30 anos depois, o médico e amante de música e de livros continua à frente desta instituição. A data foi comemorada a 30 de Janeiro e marca a história da Instituição, e da região, nomeadamente pela criação daquele que é hoje o mais antigo festival de música português a realizar-se de forma ininterrupta: o Festival Música em Leiria. Henrique Pinto recorda que “Assisti aos momentos altos do teatro com o “Quiné” e à construção do auditório do Orfeão Velho”. Na sua primeira reunião de direcção, em 30 de Janeiro de 1983, Henrique Pinto propôs-se realizar um programa mínimo (para além da gestão do já existente), que consistia em “promover um grande acontecimento cultural de referência, susceptível de se constituir como farol dos imaginários, referência para a produção cultural, e aparece assim o Festival Música em Leiria”. Além disso, propunha-se promover o ensino artístico como forma de desenvolvimento cultural e social – e assim

DR

Criação do Festival Música em Leiria é um marco na história da região

Fotografias da “Maratona Fotográfica FNAC” em exposição


6 CULTURA/SOCIEDADE

No distrito de Leiria está tudo a postos para receber mais uns dias de folia e deixar entrar a animação do Carnaval. Em Leiria as máscaras e mascarilhas dos reis e rainhas prometem muita animação e brincadeira no Museu do Moinho do Papel, nesta Sexta-feira, às 09h30 e às 12h00. Isto porque os visitantes vão ser recebidos por damas da corte que com eles vão construir e decorar uma máscara de pasta de papel, sob o tema dos reis e das rainhas. Ainda em Leiria o VIII Carnaval Inter Lares realizarse-á esta Sexta-feira a partir das 14h00, na danceteria Galla Dance, no Alto Vieiro, Leiria. Na Marinha Grande está agendado para esta Sextafeira, o desfile de Carnaval com as crianças dos jardinsde-infância e escolas do 1º ciclo do ensino básico do concelho. Promovido pela câmara municipal contará com a participação de quase mil crianças e terá início pelas 09h30, no Parque da Cerca. Caso chova o desfile decorrerá nos Pavilhões do Parque Municipal da Marinha Grande. Em Porto de Mós a “Grande Elenco Associação Cultural” está a organizar mais um Carnaval, em Serro Ventoso e está prometida muita folia. Na terça-feira de Carnaval a Rua Principal de Serro Ventoso será o palco, a partir das 15h00, para o desfile de carros alegóricos e de grupos de foliões. Na Batalha as associações e escolas do concelho realizam no Domingo de Carnaval o desfile carnavalesco onde a irreverência e a originalidade vão marcar presença. O desfile contará com a presença de 400 foliões e percorrerá, a partir das 15h00, as principais ruas da Batalha. A concentração acontecerá junto ao Pavilhão Multiusos e haverá prémios para os melhores conjuntos e carros alegóricos. Em Óbidos, esta Quinta e Sexta-feira realizam-se os desfiles e festas de Carnaval das escolas de Óbidos. No dia 7, as crianças do Jardim-de-Infância do Arelho e os primeiros anos do Complexo Escolar dos Arcos vão realizar um desfile de Carnaval pelas ruas de Óbidos, com uma pequena apresentação na Praça de Santa Maria. O desfile terá início por volta das 10h15, na Porta da Vila. O tema, este ano, na sequência de uma exploração e pesquisa da história de Óbidos, será a Plebe, e as crianças e adultos representarão essa realidade na Idade Média. Nas piscinas municipais terá lugar de 8 a 12 de Fevereiro o “AquaCarnaval”, um festival de aulas de natação com muitas brincadeiras carnavalescas à mistura. Em Pombal o desfile de Carnaval das escolas e instituições do concelho está marcado para Sexta-feira, a partir das 10h00 que contará com a participação de 1380 figurantes. O desfile vai partir da Rotunda do Bombeiro, na Avenida Heróis do Ultramar, descendo a Avenida até ao Largo 25 de Abril, Largo do Cardal e terminando no Largo da Biblioteca Municipal. Em Alcobaça a 4.ª edição do Folia & Algazarra decorre, de 7 a 13 de Fevereiro, numa tenda colocada no coração de Alcobaça, frente ao Mosteiro, que promete juntar milhares de foliões de todas as idades. Este ano, o tema é dedicado ao AMOR. O desafio, lançado pela Autarquia, é inspirar os foliões a criarem fantasias baseadas no tema. A tenda conta com 12 bares espalhados pelo recinto, com a presença de vários dj’s e dos residentes Engenheiros do Samba. Haverá também, como é habitual, um concurso de máscaras que premeia os melhores mascarados que passarem pela tenda com prémios em vales no comércio local. No dia 7, entre as 14h00 e as 20h00 terá lugar o baile de Carnaval aberto a toda a população sénior. Na Sexta-feira o desfile infantil começa às 10h00.

Direcção Regional de Cultura do Centro já tem conhecimento

Queda de árvore junto ao Castelo de Leiria revela esqueleto humano Um esqueleto humano ficou a descoberto, após a queda de uma árvore de grande dimensão, junto da colegiada da Igreja de Nossa Senhora da Pena, no Castelo de Leiria, por causa do temporal do dia 19 de Janeiro. Em comunicado a Câmara Municipal de Leiria adianta que o esqueleto se encontrava “ em posição vertical, preso nas raízes da árvore”. A equipa de arqueologia do Município de Leiria efectuou uma observação cuidada das raízes e dos perfis da abertura, com cerca de três metros de diâmetro, provocados pela queda da árvore,

Região de Leiria

Carnaval anima distritos de Leiria

7.Fevereiro.2013

e constatou a “presença de vestígios de um indivíduo adulto, enterrado deitado de costas e segundo os ritos canónicos cristãos” acrescanta. Foram ainda recolhidos pregos em ferro,

tachas de bronze e botões em osso, possivelmente associados ao enterramento. As condições do achado, nomeadamente a verticalidade dos ossos, o seu deslocamento e posterior

reposicionamento, revelaram a destruição do contexto de enterramento do indivíduo, condicionando a realização de um processo de escavação arqueológica convencional. O Município de Leiria comunicou à Direcção Regional de Cultura do Centro a descoberta do achado, bem como as características insólitas do mesmo. Tendo em conta que os ossos visíveis se encontravam expostos, em risco de queda e sujeitos a forte precipitação, optou-se por efectuar um levantamento de emergência.

Percurso inclui 25 pontos de interesse

Leiria relembra os “seus” poetas A cidade de Leiria será, no sábado, dia 9, palco para mais uma edição da Rota dos Escritores. O ponto de encontro dos participantes está marcado para as 15h00 junto ao Centro Cívico, na Rua Direita. Francisco Rodrigues Lobo, Acácio Paiva e

Afonso Lopes Vieira, que nasceram em Leiria e, Eça de Queiroz e Miguel Torga, que viveram na cidade, são agora carinhosamente relembrados pelo Município, que quer partilhar a vida e obra destes homens que tiveram também um papel muito importante na

divulgação de Leiria através da sua obra literária. O percurso, que inclui 25 pontos de interesse, tem a duração de cerca de duas horas e será acompanhado por Miguel Narciso, técnico da Autarquia.

Orfeão de Leiria oferece uma brisa de sons

Com o Gamelão O m|i|mo – museu da imagem em movimento de Leiria será o palco, este Sábado, para mais uma apresentação do Gamelão de Porcelana e Cristal, no que promete ser um concerto único e original. Um concerto com início marcado para as 17h00 e que “Será certamente uma brisa de sons, e um vendaval de emoções o que nos espera no concerto de sábado», realça Joaquim Branco, director pedagógico da EMOL. «Vamos poder juntar a sonoridade única do Gamelão de Por-

m|i|mo

Folia começa na sexta-feira

O Mensageiro

celana e Cristal aos sons característicos dos sopros, proporcionando momentos muito originais», explica. Neste concerto actuarão alunos e professores dos Cursos Profissionais de Sopro e Percussão, e do grupo de madeiras da EMOL. O Gamelão de Porcelana e Cristal está instalado no

m|i|mo, e todos poderão conhecê-lo através de inúmeras actividades, como concertos e workshops para famílias, escolas, etc. É um projecto de investigação artística realizado pela Companhia de Música Teatral, que pretende catalisar novas práticas performativas e explorar um

território interdisciplinar, que permita gerar e testar ideias ao nível da composição musical, da escultura, da criação de novos instrumentos, da pedagogia, da comunicação interpessoal, dos materiais, da acústica e do design. Os bilhetes custam dois euros.


SOCIEDADE 7

O Mensageiro 7.Fevereiro.2013

Sistema liga 430 instituições de saúde nacionais

Efeitos do temporal ainda se fazem sentir

Centro Hospitalar Leiria-Pombal adere à Plataforma de Dados da Saúde

restrito e auditável. Com esta partilha de dados o atendimento do doente “será mais rápido e mais seguro” adianta a administração do Centro Hospitalar em comunicado. No mesmo documento é explicado que este sistema permite “optimizar procedimentos

e gerir recursos evitando, por exemplo, a repetição de exames na mesma altura em instituições diferentes”. Outra vantagem da integração é a estandardização de conteúdos e documentos e, consequentemente, de registos, adoptando uma “linguagem” universal no

que toca ao atendimento dos utentes. A integração de todas as instituições do SNS estará completa até ao final de Fevereiro de 2013, e estimase que, até ao fim do ano, estejam registados cerca de dois milhões de cidadãos no Portal do Utente.

Inscrições até 8 de Fevereiro

Estágios na Administração Pública ções adequadas às suas qualificações em contexto real de trabalho, oferecendo a oportunidade aos jovens de adquirirem simultaneamente as competências de que necessitam e experiência profissional. Podem candidatar-se os jovens licenciados com idade até 30 anos à procura do primeiro emprego ou desempregados à procura de novo emprego. Mais informações na página da Internet do Instituto Português da Juventude.

DR

Termina no dia 8 de Fevereiro o prazo de inscrições para o Programa de Estágios Profissionais na Administração Pública (PEPAC). Trata-se de um Estágio formativo em funções da carreira técnica superior e de Acordo com interesse e disponibilidades dos serviços da Administração Pública. Estes estágios permitem promover a integração dos estagiários no mercado de trabalho, possibilitando-lhes o exercício de fun-

Rede já conta com mais de mil inscritos

Passaporte Alumni oferece vantagens aos antigos alunos do IP Leiria Os antigos alunos do Instituto Politécnico de Leiria (IPL) vão ter acesso ao novo Passaporte Alumni que permitirá usufruir de condições especiais, no âmbito de protocolos, acesso a instalações, eventos, cursos e outras iniciativas promovidas pelo IPL. Este passaporte está interligado

No distrito de Leiria duas semanas após o temporal do dia 19 de Janeiro, ainda há dezenas de empresas que estão sem telefone e internet. Jorge Santos, presidente da Nerlei – Associação Empresarial da Região de Leiria diz que a situação “é pré-histórica”. O presidente já enviou informação sobre os casos que se verificam nos concelhos de Leiria, Marinha Grande, Pombal e Porto de Mós ao presidente do Conselho de Administração da Portugal Telecom, Zeinal Bava e ao ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira. Até porque esta é uma situação grave, pois se as empresas não têm comunicações, como é que recebem encomendas, questiona Jorge Santos.

Para 2013

DR

O Centro Hospital Leiria-Pombal (CHLP) já aderiu à Plataforma de Dados de Saúde (PDS). A Plataforma de Dados da Saúde é uma plataforma Web que disponibiliza um sistema central de registo e partilha de informação clínica, devidamente aprovada pela Comissão Nacional de Protecção de Dados, e que integra e disponibiliza informação de instituições de norte a sul do País. É um mecanismo que permite o conhecimento completo do utente, disponibilizando o acesso a informação dos utentes aos profissionais de saúde, sempre numa plataforma segura e confidencial, em que o acesso é

Dezenas de empresas de Leiria ainda sem telefone e internet

com a Rede IPLeiri@lumni que pretende reunir a comunidade do IPL, reforçando laços de proximidade entre a instituição e os seus antigos estudantes, e continua a crescer e a acolher cada vez mais antigos estudantes que passaram pelas diversas escolas do Instituto.

A rede tem por mote “Se foi estudante do IP Leiria, não desligue!” e já reúne mais de mil antigos estudantes. Graça Seco, uma das responsáveis pela Rede IPLeiria@alumni, explica que esta “é especialmente importante não só para recuperar contactos e retomar

relações, mas também, enquanto plataforma de mediação, para as empresas encontrarem profissionais com o perfil que pretendem, ou mesmo para que os antigos estudantes possam partilhar entre si oportunidades ou ideias de negócio”.

FERLEI elege órgãos sociais A FERLEI - Federação Regional de Associações de Pais e Encarregados de Educação de Leiria elegeu novos corpos sociais para 2013. Maria José Pereira Alves Coutinho ocupa o cargo de presidente do Conselho Executivo e o cargo de vice-presidente é ocupado por Rui Manuel Ferreira da Silva. No Conselho Fiscal assume o lugar de presidente Paulo José dos Santos Faria, e que terá como vogais Filomena Maria Espírito Santo Coelho Reis e Natércia Gonçalves Lopes Mendes. A Assembleia-Geral será presidida por Susana Cristina da Cruz Saraiva Coutinho.

Inscrições terminam a 12 de Fevereiro

Município de Ourém recruta professores voluntários No concelho de Ourém estão abertas inscrições para professores motivados para a realização de trabalho voluntário com crianças entre os sete aos dez anos, ao abrigo do projecto “Tempo para ensinar… Tempo para Aprender” que tem como objectivo favorecer o sucesso escolar na aquisição de competências ao nível de leitura e escrita, em crianças do 1º Ciclo do Ensino Básico que revelam dificuldades de aprendizagem e cujas famílias não possuem recursos para responder a estas necessidades. As competências pretendidas para o desempenho destas funções são: interesse e motivação para projectos de voluntariado com crianças, capacidade de adaptação a novas estratégias de aprendizagem, receptividade e criatividade, facilidade no relacionamento com crianças do primeiro ciclo, atitude persistente e vontade de participar numa experiência recompensadora. As inscrições devem ser realizadas através de formulário próprio disponibilizado na página da Internet da Câmara Municipal de Ourém até 12 de Fevereiro.

260 empresas pedem insolvênvia em Santarém

31 mil desempregados

No distrito de Santarém há quase 31 mil desempregados. Um número que resulta do facto de mais de 260 empresas terem entrado em insolvência no ano de 2012, indicam os dados divulgados pela União dos Sindicatos de Santarém. Ainda segundo a mesma fonte Santarém, Tomar e Benavente são os concelhos onde o encerramento de empresas é mais preocupante, afectando, sobretudo, as indústrias metalúrgicas e gráficas e pequenas e micró empresas de construção civil.


8 ECLESIAL

O Mensageiro 7.Fevereiro.2013

Família há oito séculos

Nos Montes Hermínios O

Criador confiara a lavragem da terra plana à mão débil do homem, mas o coração das Beiras, aquelas paragens duras, quis o Senhor do mundo lavrá-las por Sua mão. Devem ter sido feias terras dos Hermínios; mas Deus veio, logo elas abrandaram, impregnando-se da luz suave (Nuno de Montemor). Foi por isso que as Terras das Beira atraíram o olhar resplandecente de beleza da Princesa dos Pobres – Clara de Assis. Também ela quis que as cumeadas vestidas de branco dos Montes Hermínios fossem povoadas por inumeráveis templos, onde as suas Irmãs, de mãos postas, oferecessem um perene louvor Àquele de Quem nasce toda a beleza. E assim, as terras e penedias da Serra da Estrela curvam-se sob a Luz suave que se expande de JesusEucaristia que aquelas virgens ciosamente adoram nos seus mosteiros.

DOM DA FÉ

Pe Jorge Guarda

Vigário Geral da Diocese

O rosto da Fé http://padrejorgeguarda.cancaonova.pt

A

fé é a relação pessoal e comunitária entre o homem e Deus que nos salva. Se os seus conteúdos são sempre os mesmos, pois derivam da revelação divina, já a maneira de a viver pode mudar com as situações da vida e as culturas. O grande teólogo Karl Rahner, numa conferência aos sacerdotes alemães,

Após a fundação do Mosteiro na cidade da Guarda em 1344, surge o segundo Mosteiro em Sernancelhe em 1520. A seguir ergue-se o mosteiro de Santa Clara em Trancoso. Foi mandado construir pelo Dr. Cristóvão Mendes de Carvalho, fidalgo da casa de D. João III e seu desembargador do paço e pela esposa D. Beatriz Correia. Em 1540, dá início à vida claustral um grupo de Irmãs provenientes do Mosteiro de Santa Clara, do Porto. Entre elas, a Madre Guiomar de Mesquita, que seria a primeira Abadessa. Recebeu inúmeras doações, quer do seu fundador, quer do próprio rei D. João III que, por alvará, autorizou o mosteiro a possuir bens de raiz. Contudo, em 1568, as Irmãs começaram a observar a Primeira Regra de Santa Clara, vivendo a Altíssima Pobreza sem rendas nem dotes. Jesus Pobre e Crucificado era para elas a

única razão de existir. O Pai das Misericórdias providenciava-lhes o pão de cada dia. Face ao crescente número de jovens que desejavam viver de forma radical o santo Evangelho, o edifício foi ampliado em 1618. Entre muitas outras Irmãs que aqui ofereceram as suas vidas pela causa do Reino e pela humanidade mencionamos a Madre Francisca da Conceição, de família nobre, que morreu em odor de santidade. Deixou atrás de si uma aura tão grande que, em meados do século XVIII, se publica a obra «Vida e Milagres da Madre Francisca da Conceição», da autoria do Dr. Manuel Saraiva da Costa. A sua fama era tal, que o Marquês das Minas a visitaria em 1704, quando, com os seus exércitos, passou por Trancoso. Com as Leis do Liberalismo os seus bens foram incorporados nos Próprios da Fazenda Nacional. Em 1864, foi extinto por Decreto. A

última religiosa do Mosteiro faleceu em 1894. Ainda nesse século XVI, Francisco de Sousa e sua mulher, D. Antónia de Teive fundaram o Mosteiro da Madre de Deus em Vinhó, numa das quintas que possuíam naquela localidade. Em 1573, foram concluídas as obras, e nele se formou a Comunidade. Foi sua primeira Abadessa uma sobrinha dos fundadores. Ao longo de séculos foi espaço de louvor e adoração a Jesus Eucaristia que sem cessar espargia os raios da tal luz suave que, nos picos do frio e tempestuoso Inverno, quebrava o gelo dos corações humanos. Com a morte da última religiosa em 1869 e a extinção definitiva do Mosteiro da Madre de Deus foi destinado a diversos fins. O templo tornou-se a sede da paróquia de Vinhó, parte das suas dependências foram cedidas para a instalação de uma escola primária e o

espaço da cerca foi vendido a particulares. Eu te exorto: não desanimes no caminho, corre veloz, com passo leve e sem tropeçar; que nem a teus pés o pó se apegue; avança segura, alegre e jovial, no caminho da felicidade, a que te chamou o Espírito Santo (Carta de S. Clara). Fiéis a esta exortação da Santa Fundadora as Irmãs Clarissas avançam sem desânimo na irradiação do Santo Evangelho e da Altíssima Pobreza. Assim, em 1580, nasce um novo Mosteiro em S. Vicente da Beira. Em 1575, junto às margens do Tejo, em Vialonga, surge o Mosteiro de Nossa Senhora dos Poderes. Terá sido primeiramente um recolhimento de terceiras franciscanas. Mas pouco tempo depois as Irmãs optam pela Regra de Santa Clara. Em 1596 Luís de Figueiredo Falcão manda erguer em Pinhel o Mosteiro de

São Luís. Sete anos mais tarde, do Mosteiro de Santa Clara da Guarda, chega o primeiro grupo de Irmãs. Em 1797, o Bispo da Guarda D. Bernardo Beltrão elevou o templo a catedral, que se manteve como sede de bispado até ao ano de 1881. Depois da proclamação da República, em 1910, o edifício conventual foi repartido por distintas entidades e os seus espaços foram adaptados para receberem um teatro, o tribunal e outras repartições públicas. O espaço da cerca foi transformado num jardim público. Neste caminhar da história humana, somos surpreendidos com o fazer e o refazer do nosso Deus que, segundo o Seu querer, faz surgir oásis no deserto e lírios na estepe.

em 1962, cujo conteúdo vale igualmente 50 anos depois, afirma que “cada época e cada particular deve realizar a sua própria fé de maneira distinta de como o fizeram os seus pais, para poder praticar deveras a antiga fé de seu pais”. É que a fé não é somente uma graça divina, “é também uma tarefa que devemos cumprir”. Que fé devemos viver hoje? Qual o rosto com que se deve manifestar? Para o teólogo, na mencionada conferência, ela deve apresentar as seguintes características: ser fraterna, consciente de estar em risco, simples e transcendente. Vejamos de forma mais explícita cada uma destas caraterísticas. 1) Deverá ser uma fé fraterna, que me leve a ver cada homem como irmão, tanto o crente como o que pensa não ter fé e mesmo o que verdadeiramente não crê. Esta dimensão abarca a relação com a Igreja, pois “há uma relação essencial entre fé cristã e Igreja – essa

multidão dos crentes de que Deus se serve para comunicar a sua Mensagem e para chamar cada pessoa à fé. A fé pressupõe a comunidade e cria-a”. Esta fé fraterna aproxima-me de cada homem, torna-me capaz de valorizar a fé que há nele, de dar testemunho da minha crença com humidade e a com-padecer com ele a necessidade da fé e a sua busca. Leva-me ainda a pedir para cada homem a graça da fé e de saber aproximar-me do “lugar” onde ele se encontra, para partir daí com ele na peregrinação para Cristo. O ponto de partida será a busca de sentido do mundo de hoje. 2) Hoje, a nossa fé é posta em perigo nas circunstâncias atuais e nas vicissitudes da vida, pelo que não somos nós quem a defende, somente Deus o pode fazer por nós. Há força e fraqueza na fé. A segurança e firmeza da fé não excluem a possibilidade da dúvida nem o risco de a perder. “O que hoje está em risco não são afirmações

particulares, mas a própria fé, a possibilidade de crer, a capacidade de poder ter uma convicção firme durante toda a vida. Quantas coisas ameaçam hoje a fé na sua totalidade!” Não podemos buscar falsas explicações tranquilizadoras para os nossos medos e vazios. Como os não crentes, também nós temos que enfrentar interrogações e angústias para as quais não temos respostas imediatas. É por esse doloroso caminho que chegamos à convicção de que nem nós nem o mundo somos Deus. Ele “é o Mistério inacessível ao qual o homem deve entregar-se. E quando alguém chega a compreender que este Mistério se nos comunica, cessa essa situação radical (de vazio e de angústia) e começa o Cristianismo”. É por esta fé que Deus nos salva. 3) Outro desafio hoje é o de viver uma fé simples, centrada em Deus, que se revela a nós e na nossa vida concreta. “A fé cristã, para poder responder às autên-

ticas questões atuais, deve aparecer como a única, simples e total resposta de Deus à única e total pergunta que formula o homem concreto”. Deveria tornar-se claro para cada cristão que o essencial da sua fé consiste em reconhecer que o Mistério de Deus é a raiz da nossa existência e aceitar amorosamente a aproximação a este Mistério. 4) O dom oferecido ao cristão é uma fé transcendente, que, por um lado, respeita o Mistério e a inefabilidade de Deus mas, por outro, vislumbra a Sua presença e a sua graça na nossa própria existência. Uma fé assim leva-nos a perceber que, no mundo atual, “vivemos entre homens que são pagãos, é certo, mas que estão tocados pela graça, ainda que não se tenham encontrado a si próprios. Isto ampliará a nossa fé. O pequeno rebanho de Deus não vive entre ferozes lobos, mas entre ovelhas que, talvez estejam desviadas, talvez não tenham ainda encon-

trado a casa paterna, porém somente por fora parecem lobos. Por dentro, desde há tempo que a graça de Deus as transformou ou pode transformá-las em mansas criaturas de Deus, ainda que nem elas próprios o saibam”. Se quiséssemos atualizar a descrição que faz Rahner teríamos que acrescentar um novo dado: o da emoção. A fé é fonte de emoções, exprime-se através delas. Os homens de hoje precisam de fazer a experiência da fé. Somente quando a vivenciam a reconhecem e abraçam. Por isso, se valorizam hoje muito as dimensões simbólica, estética, emotiva e experiencial. É a pessoa toda, corpo e alma, que precisa de ser envolvida na graça da fé. E é todo o seu ser que mediante ela é salvo por Deus.

Irmãs Clarissas de Monte Real

Este artigo pode ser encontrado também no meu blog, no seguinte endereço: http://padrejor geguarda.cancaonova.pt


DIOCESE 9

O Mensageiro 7.Fevereiro.2012

Visita Pastoral à Diocese

Visita Pastoral

Entrevista ao Padre Davide Vieira Gonçalves, pároco de Pousos

D. António lança desafios à comunidade

Houve algum momento especial que queira destacar? Não houve um, mas vários momentos especiais. O encontro com jovens e adultos da OASIS foi marcante; a ida a casa dos doentes acamados, os

9 de Fevereiro (Sábado) 10h30 - Encontro com crianças (1º ao 3º ano) - Quinta da Matinha 12h00 - Encontro com crianças (4º ao 6º ano) - Pinheiros 15h30 - Crismandos - Marrazes 18h30 - Comunidade do Bairro das Almuínhas: Eucaristia 20h00 - Refeição partilhada com as Associações Culturais e Recreativas - sede da Filarmónica 10 de Fevereiro (Domingo) 11h00 - Comunidade da Quinta da Matinha: Eucaristia 12h30 - Almoço partilhado, convívio e diálogo - Quinta da Matinha 15h00 - Eucaristia com administração da Unção dos doentes aos maiores de 75 anos e doentes. Lanche e diálogo: idosos, doentes e voluntários - salão paroquial

encontros com os grupos da catequese; o diálogo com alguns empresários e trabalhadores; a dedicação da nova igreja…

aparecendo “como turista” mas “como peregrino”, no dizer e no fazer. Foi à paróquia por causa e por amor a Cristo;

Qual a principal mensagem ou marca deixada por D. António Marto? O senhor D António Marto prima pela simpatia e empatia. Não deixa ninguém indiferente. Gosta de saudar e cumprimentar toda a gente. Revelou-se como evangelizador, não

Quais as expectativas criadas a partir da Visita Pastoral? Foi já definida alguma prioridade pastoral ou tomada alguma decisão em ordem à renovação da dinâmica paroquial? Uma visita pastoral é um acontecimento com um antes, durante e depois. Foi um tempo do relógio (cronos), durante 5 dias e um tempo da graça (Kairos), que se deseja como quando cai a boa chuva. Quando alguém sopra nas cinzas descobre algum lume da fé. O senhor bispo soprou e lançou desafios à comunidade paroquial. A fé tem de ser fé acreditada, celebrada e vivida. É preciso dar mais atenção à prática dos sacramentos; nomeadamente a Eucaristia e matrimónio. A paróquia tem uma nova igreja e, doravante, os cristãos são desafiados a viver uma vida nova, para que a igreja se renove sempre em Cristo Jesus.

14 de Fevereiro (Quinta-feira) 16h00 - Escola de Formação Social 18h00 - Encontro com a autarquia local 19h30 - Comunidade da Gândara dos Olivais: Eucaristia 20h30 - Refeição partilhada, convívio e diálogo 21h30 - Encontro com casais - Capela da Gândara dos Olivais (há serviço de baby sitting) 15 de Fevereiro (Sexta-feira) 10h00 - Escola Secundária da Gândara dos Olivais 16h00 - Centro de Saúde: profissionais de saúde 18h00 - Bombeiros Voluntários - diálogo na sede 19h30 - Comunidade do Janardo: Eucaristia 20h30 - Refeição patilhada, convívio e diálogo 21h30 - Encontro com empresários - sede da Filarmónica 16 de Fevereiro (Sábado) 16h30 - Encontro com adolescentes (7º ao 9º ano) - Q. da Matinha 18h00 - Encontro com jovens - Quinta da Matinha 19h30 - Comunidade dos Marinheiros - Eucaristia 20h30 - Refeição partilhada, convívio e diálogo 21h30 - Encontro com professores e educadores - sede da Filarmónica 17 de Fevereiro (Domingo) 14h45 - A filarmónica acolhe o Senhor Bispo - Marrazes 15h00 - Eucaristia na igreja paroquial e convívio no salão paroquial 17h00 - Comunidade dos Marinheiros - Eucaristia 20h30 - Lanche com os Ministros da Palavra - casa paroquial

DR

Como se preparou a comunidade para receber o Bispo? A comunidade foi preparada através da informação, da sensibilização e da oração. Fez-se a distribuição da carta do senhor bispo, foram colocados painéis no exterior, promoveu-se a criação de grupos para a lectio divina.

De forma geral, como decorreu a visita? A visita pastoral correu muito bem. As pessoas foram calorosas no acolhimento e o sr bispo manifestou agrado e deu “mil parabéns” aos pousenses.

7 de Fevereiro (Quinta-feira) 18h30 - Acolhimento ao Senhor Bispo: Igreja paroquial 19h30 - Comunidade dos Marrazes: Eucaristia 20h30 - Refeição partilhada, convívio e diálogo 21h30 - Encontro com Conselho Pastoral, Conselho para os Assuntos Económicos, Comissão da Igreja e Capelas, Movimentos, Serviços e Grupos Apostólicos da paróquia - salão paroquial 8 de Fevereiro (Sexta-feira) 15h00 - Escla EB 1, 2, 3 - Marrazes 17h00 - Visita ao Museu Escolar 19h30 - Comunidade dos Pinheiros: Eucaristia 20h30 - Refeição partilhada, convívio e diálogo - salão dos Pinheiros 21h30 - Encontro paroquial dos catequistas e diálogo - Pinheiros

Fotos: LMFerraz/GIC Leiria-Fátima

Que pensa desta iniciativa do Bispo diocesano de fazer uma visita pastoral a todas as paróquias? É uma iniciativa interessante e importante. É o modo mais directo de conhecimento da diocese toda. Ver, estar nos lugares, sentir, tocar, ouvir as pessoas induz a uma verdade mais autêntica. A visita pastoral faz-se para se cumprir uma missão e por causa da evangelização. Uma visita pastoral enriquece os visitados e o visitador.

Qual foi o critério na elaboração do programa? Elaborar um programa é sempre complexo. É preciso fazer escolhas, pois, não é possível ir a todo o lado. Foi mais complicado ainda, numa paróquia grande como esta. A visita pastoral coincidiu com a bênção e dedicação da nova igreja paroquial. Foi o momento alto e ápice da visita; o senhor bispo tinha de se encontrar com os amiguitos/as da catequese; devia visitar e animar os doentes; devia ir ao encontro dos empresários e operários; devia estar com os mais velhos e visitar o lar para idosos; devia encontrar-se com os membros dos movimentos e grupos eclesiais.

Marrazes


10 ECLESIAL

O Mensageiro 7.Fevereiro.2013

Ano C (10/02/2013 Antífona de Entrada: Salmo 94, 6-7 Leitura I: Is 6, 1-2a.3-8 Salmo Responsorial: Salmo 137 (138), 1-2a.2bc-3.4-5.7c8 (R. 1c) Leitura II: 1Cor 15, 1-11 Aclamação ao Evangelho: Aleluia Mt 4, 19 Refrão: Aleluia. Repete-se. Vinde comigo, diz o Senhor, e farei de vós pescadores de homens. Refrão. Evangelho: Lc 4, 21-30 Naquele tempo, estava a multidão aglomerada em volta de Jesus, para ouvir a palavra de Deus. Ele encontrava-Se na margem do lago de Genesaré e viu dois barcos estacionados no lago. Os pescadores tinham deixado os barcos e estavam a lavar as redes. Jesus subiu para um barco, que era de Simão, e pediu-lhe que se afastasse um pouco da terra. Depois sentou-Se e do barco pôs-Se a ensinar a multidão. Quando acabou de falar, disse a Simão: «Faz-te ao largo e lançai as redes para a pesca». Respondeu-Lhe Simão: «Mestre, andámos na faina toda a noite e não apanhámos nada. Mas, já que o dizes, lançarei as redes». Eles assim fizeram e apanharam tão grande quantidade de peixes que as redes começavam a romper-se. Fizeram sinal aos companheiros que estavam no outro barco, para os virem ajudar; eles vieram e encheram ambos os barcos, de tal modo que quase se afundavam. Ao ver o sucedido, Simão Pedro lançou-se aos pés de Jesus e disse-Lhe: «Senhor, afasta-Te de mim, que sou um homem pecador». Na verdade, o temor tinha-se apoderado dele e de todos os seus companheiros, por causa da pesca realizada. Isto mesmo sucedeu a Tiago e a João, filhos de Zebedeu, que eram companheiros de Simão. Jesus disse a Simão: «Não temas. Daqui em diante serás pescador de homens». Tendo conduzido os barcos para terra, eles deixaram tudo e seguiram Jesus. Palavra da salvação.

JANELA SOBRE A MISSÃO

Pe. Vitor Mira

vitormira67@gmail.com

Visitas de Leiria DR

Leituras | V Domingo do Tempo Comum

N

o dia 16 de Janeiro tivemos visitas no Ondjoyetu, o que nos deu muita alegria. Passaram por cá e almoçaram connosco 9 trabalhadores da empresa ESTPOR, delegação da EST de Leiria. Todos eles são da zona de Leiria e por isso nossos conterrâneos.

AO SABOR DA PALAVRA

Cânticos |VI Domingo do Tempo Comum Ano C (17/02/2013) INÍCIO Eu confio, Senhor - Lau 211 SALMO RESPONSORIAL Feliz o homem que pôs a sua esperança - Lau 391 APRESENTAÇÃO DOS DONS Meu Senhor eu vos amo - Lau 498 COMUNHÃO Bem-aventurados - Lau 1128 O Senhor ressuscitou verdadeiramente - Lau 608 PÓS-COMUNHÃO Quem confiar no Senhor - Lau 706 FINAL Quem me seguir - Lau 708 Confiarei no meu Deus - Lau 236

leia, assine, divulgue, anuncie!

O MENSAGEIRO

Pe. Francisco Pereira pe.francisco@mac.com

5º Domingo do Tempo Comum 10 de Fevereiro de 2013

Pregadores ou pescadores

C

Certamente a maioria dos leitores já foi convidado a fazer um discurso, a dizer umas palavras numa festa. Todos sabemos que a nossa primeira reacção quando somos convidados a falar em público é rejeitar a ideia. Dizer que não sabemos o que havemos de dizer. Quando falamos para várias pessoas ficamos mais expostos, sabemos que nem todos interpretam

Estavam de passagem pelo Sumbe de Luanda para Benguela. Como traziam uma encomenda para nós, foi um bom ensejo para virem conhecer a Ondjoyetu (nossa casa) e partilharmos com eles um bom almoço. Se é com muito gosto recebermos todas as visitas, estas ainda foi com mais razão porque fazem parte de uma empresa que

muito tem ajudado a nossa missão e por isso os sentimos ainda mais da nossa família. Um bocadinho de cada um deles também está nesta casa e connosco. Sabemos que vieram como profissionais para realizar o seu trabalho ao serviço da empresa a que pertencem. Desejamos a estes nossos amigos muita força e coragem para não desisti-

rem dos objectivos que os trouxeram a estas terras. Muita coragem também para as suas famílias para suportarem as saudades. Ficam duas fotografias, uma do almoço (almoçámos fora… porque não cabíamos todos na sala) e outra no pátio da nossa casa Um abraço para todos.

o que dizemos da mesma maneira e tememos que nem toda a gente entenda o que dizemos. Na nossa relação com Deus é também assim que acontece. Ele convida-nos a anunciar a sua palavra, a espalhar pelo mundo a sua mensagem. É esta a pergunta que ele faz a Isaías: “Quem hei-de enviar? Quem irá em vez de nós?” Ainda hoje Ele continua a perguntar a cada homem quem pode ir por esse mundo fora ser a boca de Deus para anunciar a sua bondade. Deus continua a chamar os homens para pregarem a sua palavra, para serem pescadores de homens, como disse Jesus a Pedro, apesar de ele antes lhe ter dito: “Senhor, afastate de mim, que eu sou um homem pecador.” Porque Pedro reconheceu que ele não merecia a tenção que Jesus teve para com eles, ao encher-lhes as redes, vazias depois de uma noite no lago em que não conseguiram apanhar um único peixe. mas confiaram em Jesus que, depois da sua pregação em cima da barca de Pedro, lhes mandou que avançassem para o meio do lago e lançassem de novo

as redes. Ainda hoje Jesus nos continua a fazer este apelo: para não desistirmos de trabalhar pelo seu reino, por mais árida que seja a tarefa, por mais infrutífera que seja a labuta. Ser cristão é estar no mesmo barco que Jesus, e escutar a sua voz que nos comanda a ser pescadores de homens, continuando assim a obra libertadora de Jesus em favor do homem. Porque a conversão dos homens não se faz pelos nossos lindos olhos mas sim pela graça de Deus. Como diz S. Paulo que lembra aos cristãos de Corinto (uma das cidades mais desenvolvidas da época, com tudo o que isso tem de bom e de mau) a Boa Nova que ele lhes tinha anunciado. Mas no fim acrescenta que não foi ele o autor do trabalho, apesar de não ter desistido, de ter lutado sempre pela verdade. Mas quem opera verdadeiramente no coração dos homens é a graça de Deus. Todos somos chamados a ser mensageiros de Deus, uns de uma forma mais empenhada, outros de uma forma mais comum. Mas

é necessário que surjam mais jovens com coragem de aceitar o pedido de Deus para lançarem as redes num mar onde não pescam nada, porque é o próprio Jesus que faz com que os peixes se sintam atraídos por redes mais libertadoras que certas asas. Quanto mais acreditarmos que é Ele que atrai as pessoas, mais capazes somos de as ajudar a descobrir a essência do Evangelho: Que Cristo morreu por nós. A ressurreição de Cristo é um facto real, mas ao mesmo tempo sobrenatural e meta-histórico, algo que ultrapassa completamente as categorias humanas de espaço e de tempo, a fim de entrar na órbita da fé. É algo que a ciência histórica não pode demonstrar, porque corresponde a uma experiência de fé. O que, historicamente, podemos comprovar, é a incrível transformação dos discípulos que, de homens cheios de medo, de frustração e de cobardia, se converteram em arautos destemidos de Jesus, vivo e ressuscitado.


DIOCESE 11

O Mensageiro 7.Fevereiro.2013

No Seminário Diocesano de Leiria

“Em busca do Tesouro da Fé”

Formação para o nosso tempo! Precisamos de formação porque os tempos que vivemos são exigentes, quer para discernir a realidade envolvente, quer para assumir, sem medos nem resignação, a nossa condição de crentes e ousar partilhar com os nossos concidadãos a esperança que nos habita! Contudo, a formação cristã não se esgota na aquisição de competências para o exercício de ministérios eclesiais nem na adequada preparação para enfrentar os desafios da hora presente! Ela cumpre estes dois objectivos, sem dúvida, mas vai mais longe e mais fundo, pois nos faz peregrinos e discípulos d’Aquele que deu a vida por nós e nos quer seus colaboradores na construção do seu Reino. Esta é a beleza da nossa fé e a grandeza da nossa missão! Como não haveríamos nós de nos preparar, o melhor que soubermos e pudermos, para desempenharmos as tarefas que Ele nos quiser confiar? Neste sentido gastaria de recordar a todos os interessados, as propos-

tas de formação que, este Semestre e no Seminário Diocesano de Leiria, serão oferecidas pelo Centro de Formação e Cultura e pela Escola Razões da Esperança. Elas são também uma forma de responder aos desafios do Ano da Fé, instituído por Bento XVI, e assumido pelo nosso Bispo no programa pastoral deste ano. No Centro de Formação e Cultura, com ritmo semanal, teremos os seguintes cursos: Introdução ao Mistério de Deus. O coração da fé cristã e da teologia é o Deus Trinitário. Disciplina do Curso Geral de Teologia, com 15 sessões; decorre às quintas-feiras, das 19h1520h45. Começa a 14 de Fevereiro e será leccionada pelo Dr. José Augusto Rodrigues. Introdução à Liturgia. Disciplina do Curso Geral de Teologia, com 15 sessões, decorre às quintasfeiras, das 21h00-22h30 e pretende ocupar-se da “fé celebrada”, qual dimensão constitutiva da vivência crente. Começa a 14 de Fevereiro e será leccionada

pelo Doutor Carlos Cabecinhas. O Dinamismo Missionário da Fé: curso de Formação Complementar, com 15 sessões, enquadrado no Ano da Fé; decorre às segundas-feiras, das 19h15-20h45. Começa a 18 de Fevereiro e será leccionado pelo Dr. Darci Vilarinho, missionário da Consolata e director da revista Fátima Missionária. Fé, Religião e Comunidade. A evolução dos paradigmas e a força estabilizadora das fórmulas: curso de Formação Complementar, com 15 sessões, enquadrado no Ano da Fé; decorre às segundas-feiras, das 21h00-22h30. Começa a 18 de Fevereiro e será leccionado pelo Doutor Augusto Pascoal. Na Escola Razões da Esperança, com um ritmo quinzenal, às terças-feiras, das 21h00-23h00, para além dos cursos específicos da segunda hora, teremos, em 9 sessões, duas propostas na primeira hora; começam no dia 5 de Fevereiro: A Fé: dom e dádiva. A fé é dom divino e resposta humana que deve tornar-se

Campanha da catequese dádiva. Curso complementar, enquadrado no Ano da Fé, será leccionado por D. Augusto César, bispo emérito de Portalegre-Castelo Branco. Deus e o Homem. Disciplina do curso básico Razões da Esperança, na qual se procura compreender melhor os motivos da relação tormentosa entre o homem e Deus nos últimos séculos, e perspectivar o seu futuro. Será leccionada pelo P. Manuel Armindo P. Janeiro. Com as palavras de Bento XVI, na carta Apostólica Porta Fidei, pela qual anunciou o Ano da Fé, renovamos o nosso convite a todos os interessados: “descobrir novamente os conteúdos da fé professada, celebrada, vivida e rezada, e reflectir o próprio acto com que se crê, é um compromisso que cada crente deve assumir, sobretudo neste ano” (n. 9)

Pelo Centro de Formação e Cultura (P. Manuel Armindo Pereira Janeiro)

Fé e arte, um diálogo de séculos!

Visita ao património religioso edificado na diocese de Leiria-Fátima No passado dia 19 de Janeiro, apesar do temporal que se abateu sobre a nossa região, realizou-se mais uma visita ao património religioso edificado na diocese de Leiria-Fátima. Do Colégio de São Miguel, em Fátima, onde visitámos a sua capela, passando pela capela das Irmãs de São José de Cluny, e igreja dos Padres Dominicanos terminando na antiga igreja dos Padres Monfortinos. A visita, orientada pelo Doutor Marco Daniel Duarte, especialista em história da arte, deu-nos oportunidade de visitar templos construídos sob a influência da

reforma conciliar e permitiu-nos ver e compreender os esforços empreendidos por arquitectos e outros artistas na concretização dos princípios orientadores do II Concílio do Vaticano sobre os edifícios sagrados. No próximo dia 16 de Fevereiro, será feito novo percurso que nos levará à Igreja Paroquial da Maceira, imóvel de interesse público, e ao Museu Joaquim Correia e Igreja Paroquial da Marinha Grande. A visita ao primeiro templo será orientada pelo Dr. Luciano Cristino e a apresentação do projecto de intervenção, de que este vai ser alvo, pelo

arquitecto Humberto Dias que também orientará as visitas na Marinha Grande. À semelhança dos últimos percursos, havendo um número mínimo de interessados, teremos um autocarro disponível, mediante marcação e pagamento prévios, através do e-mail coelhomartins@iol.pt ou do telemóvel 962 540 255. O ponto de partida será no Seminário de Leiria, às 14h15. Quem for em transporte próprio, deverá estar junto da igreja da Maceira às 14h45. Entretanto, o Departamento do património Cultural tem já preparada uma

visita a Marrocos, de 11 a 17 de Junho p.f., que denominou “Por mares dantes navegados” propondo uma viagem aos inícios da Evangelização Portuguesa e, por outro lado, à descoberta de outra realidade religiosa, o Islamismo que deu forma a uma distinta tradição arquitectónica, com princípios e formas de expressão próprios. O programa pode ser solicitado através dos contactos acima referidos ou no Seminário Diocesano.

Pelo Departamento do Património Cultural Filomena Silva Martins

À semelhança do que tem acontecido nos últimos anos, o Serviço Diocesano da Catequese (SDC) de Leiria-Fátima preparou uma campanha para ajudar as crianças e adolescentes da catequese, bem como os seus familiares, a viverem mais profundamente o tempo da Quaresma. Seguindo a temática proposta pelo Bispo diocesano para este ano e no âmbito do Ano da Fé que a Igreja está a viver, a campanha terá como mote “Em busca do Tesouro da Fé”. Pretende-se, sobretudo, proporcionar uma caminhada ao ritmo da liturgia deste tempo, “fazendo uma experiência de encontro com o Deus revelado em Jesus Cristo”, refere o padre José Henrique, director do SDC. Assim, para cada semana é proposta uma pista para a catequese da infância e outra para a catequese da adolescência. Para além de alguns dos versículos do Evangelho de cada domingo, há uma breve reflexão e um desafio, para que se perceba qual a “jóia” a guardar no tesouro que cada um deve descobrir e construir. Estas propostas estão direccionadas para uma vivência quaresmal em família, mas podem também ser aproveitadas para o trabalho nos encontros de catequese e nas celebrações comunitárias. Os materiais estão disponíveis na página do SDC, tanto em formato PDF, como numa versão editável, permitindo a adaptação do texto a quem desejar fazê-lo.

“Partilha o Tesouro da Fé”

Guião para o retiro popular É uma das propostas da programação pastoral anual a que D. António Marto tem dado maior relevo. O “Retiro Popular”, a realizar por toda a Diocese durante a Quaresma, é apresentado pelo Prelado como “um dos meios para a revitalização da graça da fé em Cristo em cada um dos fiéis”, como lembrava na sua nota pastoral para o ano de 2012-2013, “O Tesouro da Fé, Dom para todos”. Na mesma linha temática, dentro do proposto pela Igreja para este Ano da Fé, o guião do retiro popular para a Quaresma de 2013 recebeu o título “Partilhar o Tesouro da Fé”, apresentando seis capítulos, na forma de leitura orante da Palavra de Deus (Lectio Divina), para outras tantas sessões. Este será um “exercício de escuta de Deus, que nos fala à mente e ao coração, nos ilumina, nos toca com o Seu amor e nos concede, mediante o Espírito Santo, o dom de uma fé mais firme e a capacidade de O acolher e a Ele aderir livremente”, escreve o Bispo diocesano na apresentação deste caderno. Um caminho de meditação e oração que o cristão deve procurar sempre e, ainda com maior intensidade, no tempo quaresmal, tempo propício “para nos despertar do estado de ‘anestesia espiritual’ em que por vezes caímos: despertar no íntimo do coração o desejo de Deus, tantas vezes esquecido; renunciar aos ídolos sedutores mas alienantes; alcançar um maior conhecimento da misericórdia infinita do Senhor; exercitar mais intensamente a caridade fraterna”, recorda D. António Marto. Assim, o convite estende-se a todos os fiéis, em grupo, família ou mesmo pessoalmente. No próprio guião estão todas as orientações práticas sobre onde, quando e como organizar os encontros, bem como cada passo a percorrer em cada um deles. O importante é que se aproveitem os textos e sugestões para uma experiência de retiro, “sob o fogo do Espírito que infunde a luz e o calor da fé nos nossos corações e nos leva a partilhá-la com os outros nas estradas da vida!”, conclui o Bispo. GIC de Leiria-Fátima


12 MUNDO/PORTUGAL

“Jornada pela Vida” No passado dia 3 de Fevereiro Bento XVI reuniu-se à “Jornada pela Vida” que a Igreja Católica na Itália promove anualmente no primeiro domingo de Fevereiro, pedindo mais apoio às famílias para sair da crise. “Associo-me aos bispos italianos, que na sua mensagem convidam a investir na vida e na família, também como resposta eficaz à actual crise”, disse, após a recitação da oração do Angelus, a milhares de peregrinos reunidos na Praça de São Pedro. O Papa saudou o Movimento pela Vida e deixou votos de sucesso à iniciativa denominada “Um de nós”, para que “a Europa seja sempre um lugar onde cada ser humano seja tutelado na sua dignidade”. Em francês, Bento XVI pediu orações por todos os religiosos e religiosas da Igreja Católica, convidando os jovens a “ouvir o chamamento do Senhor e responderlhe com confiança e generosidade”. O Papa saudou também os peregrinos de língua alemã e sublinhou a importância de apresentar a mensagem cristã num mundo que quer “empurrar Deus” para longe e se contenta com “respostas fáceis”. O encontro dominical iniciou-se com uma catequese de Bento XVI sobre um episódio do Evangelho em que se relata o regresso de Jesus à Sinagoga de Nazaré, localidade onde cresceu, onde foi rejeitado pelas pessoas que o conheciam. “Jesus não veio para procurar o consenso dos homens, mas para “dar testemunho da verdade”. O verdadeiro profeta não obedece a ninguém senão Deus e coloca-se ao serviço da verdade, pronto a pagar com a sua vida”, explicou.

Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos

Responsável da Santa Sé alerta sobre celebrações litúrgicas O subsecretário da Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos disse à ECCLESIA que as celebrações das comunidades católicas têm de ser mais do que manifestações de “emoção” e deve levar a uma “transformação da vida”. O responsável da Santa Sé admite que alguns movimentos dentro da Igreja sublinham a dimensão da emotividade, esquecida por outros, convidando-os a aprender com a tradição “plurissecular” a “irradiação do ato de fé sobre a razão humana, o conhecimento, e sobre a vontade, a transformação da vida que se ordena para Deus”. Num mundo de imagens, destaca monsenhor Grenesche, é preciso recuperar a dimensão da contemplação face à “sucessão de impressões” que marca as sociedades contemporâneas. Relativamente à ‘Sacrosanctum Concilium’, primeira constituição aprovada pelo Vaticano II (1962-1965), o especialista espanhol sublinha que os 50 anos que passaram sobre o Concílio são como “uma gota de água num grande mar” na vida da Igreja, sendo ainda necessário assimilar a novidade “teológica” que o encontro mundial de bispos trouxe à Liturgia. “O principal é pôr em evidência a acção de Deus, que se destina a que os homens entrem em diálogo com Ele”, explicou. Para que exista esse diálogo, acrescentou, é preciso “facilitar o acesso dos fiéis” ao que é celebrado, para que possam “expressar-se de modo mais completo, mais rico”.

Portugal Missionários da Boa Nova homenageiam João Paulo II

Musical “Alegria” desafia jovens a serem mensageiros Os Jovens Missionários da Boa Nova estão a percorrer diversas paróquias da região centro e norte do país para apresentarem o musical “Alegria”, incentivando os mais novos a serem mensageiros do Evangelho. Em comunicado enviado à Agência ECCLESIA, Paulo Costa, professor de Educação Moral e Religiosa no Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas, na Diocese do Porto, um dos espaços que já acolheu a iniciativa, realça que o evento permitiu aos alunos e respectivas famílias viverem “momentos muito intensos, afectivos e interpelantes”. “Durante mais de uma hora, a cor, a música, a dança e, sobretudo, a Palavra e as palavras, envolveram todos os presentes numa dinâmica celebrativa da fé em Jesus Cristo, caminho, verdade e vida”, conta o docente.

Desde Novembro último que os Jovens Missionários da Boa Nova, ligados à congregação religiosa com o mesmo nome, estão a levar o espectáculo às comunidades católicas, com o objectivo de “responder ao apelo do Papa Bento XVI que, na sua mensagem para o Dia Mundial da Juventude deste ano”, que “desafia os jovens a serem Missionários da Alegria”.

Liderado pelo padre Francisco de Jesus, o grupo procura incentivar crianças, adolescentes, jovens e adultos a “anunciarem e testemunharem Cristo e a sua mensagem de esperança, para a verdadeira realização da humanidade”. A temática do musical, “alegria”, vai ao encontro do que significa “boa nova”, a “feliz notícia” que a partir do Novo Testamen-

to ganhou um novo rosto, Jesus Cristo. Integrado no Ano da Fé que a Igreja Católica está a promover, o evento vai também passar pelo Coliseu do Porto, dia 24 de Março, às 16h00. Em conferência de imprensa, disponibilizada através da internet, o departamento da pastoral juvenil dos missionários da Boa Nova explicou que pretende prestar “homenagem ao beato João Paulo II”, que a 23 de Março de 1986, em Roma, promoveu a primeira jornada mundial da juventude. O projecto da Igreja Católica mobiliza actualmente milhões de jovens de todo o mundo e vai realizar-se este ano na cidade do Rio de Janeiro, Brasil, entre 23 e 28 de Julho.

Obra Nacional da Pastoral do Turismo ultima preparativos

Igreja na Feira Internacional em Lisboa A Obra Nacional da Pastoral do Turismo (ONPT) reuniu-se em Lisboa para ultimar os preparativos da participação na BTL - Feira Internacional de Turismo, que decorre na capital a partir de 27 de Fevereiro. O espaço, concebido por uma arquitecta, vai expor folhetos e publicações, bem como um filme de apresentação das entidades da Igreja Católica presentes na exposição, a ONPT, o Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja, alguns santuários, como o de Fátima, e o Comissariado da Terra Santa em Portugal, revelou à Agência ECCLESIA o director da Obra Nacional.

O padre Carlos Godinho adiantou que está a ser ponderada a realização de “actividades de carácter cultural” para promover o trabalho de pessoas e grupos, que estão a ser contactadas para o efeito. O pároco do Luso, uma das mais conhecidas estâncias termais de Portugal, frisou que “a preocupação turística não pode dissociar-se da preocupação pastoral, que será a grande marca da presença da Igreja Católica na BTL”. O orçamento da participação no evento que decorre até 3 de Março na Feira Internacional de Lisboa está estimado entre os quatro e cinco mil euros,

montante a ser pago pelos organismos envolvidos na exposição. O sacerdote enviou em Janeiro uma carta aos bispos das 20 dioceses territoriais de Portugal com vista ao levantamento dos serviços da Pastoral do Turismo actualmente disponíveis. A Diocese do Algarve estruturou recentemente esse departamento, que também existe na Arquidiocese de Évora, onde está inserido na Comissão Episcopal da Pastoral Social da Mobilidade Humana, solução que, segundo o sacerdote, deverá ser a mais seguida nas Igrejas locais. O plano de actividades para 2013 passa pela criação

DR

Bento XVI associa-se aos Bispos Italianos

7.Fevereiro.2013

jpjuvenil boa nova

Mundo

O Mensageiro

e consolidação da Pastoral do Turismo nas dioceses, objectivo prioritário para a ONPT, além da preparação e avaliação da participação na BTL e a organização das Jornadas Nacionais, a 27 e 28 de Setembro, em Fátima, afirmou o padre Carlos Godinho.


OPINIÃO 13

O Mensageiro 7.Fevereiro.2013

OPINIÃO

João César das Neves Economista

Estão a ver o filme?

F

ala-se da crise há anos. Ouvem-se muitas teorias, protestos, fúrias e desânimos, mas no essencial ainda permanece enorme ilusão. As reacções ao recente estudo do FMI mostram acima de tudo profundo irrealismo face à real situação do país. O texto Rethinking The State-Selected Expenditure Reform Options, pretende

OPINIÃO

Adriano Moreira Professor

A crise das informações

P

rovavelmente todas as mudanças a que se assiste nos serviços de informações estaduais ficarão relacionadas na sua história ao fenómeno que guarda o nome de Wikileaks, mas sobretudo no que diz respeito

“reformar a despesa em Portugal, perante a questão de fundo da dimensão e funções do Estado” (p. 6). Chegámos finalmente a questão decisiva. Após ano e meio de medidas pontuais de emergência, tocamos nas reformas estruturais, discutidas há décadas e sempre adiadas. Perante um contributo tão importante para o nosso problema essencial, a grande maioria das reacções foi extravagante. É caso para perguntar se esses comentadores têm andado por cá ultimamente. Todos sabemos que o país está na “unidade de cuidados intensivos”, ligado à máquina da ajuda externa para sobreviver. Todos concordamos que temos uma crise grave e fundamental, que exige medidas profundas. Mas, logo a seguir a este consenso, grande quantidade dos

analistas envereda por uma ilusão cómoda, para evitar enfrentar a realidade. Muita gente está plenamente convencida que a crise se deve a um punhado de maus (corruptos, incompetentes, esbanjadores) e, pior, que basta eliminá-los para tudo ficar normal. Nas actuais circunstâncias esta fantasia é irresponsabilidade criminosa. Num momento tão decisivo e doloroso, acreditar em tolices dessas só aumenta o sofrimento de tantos, prejudicando a ur- gente solução do problema. Portugal tem uma dívida nacional externa bruta total quase duas vezes e meia superior ao produto e dívida pública bem acima do que produzimos. Não há corrupções, incompetências e desperdícios que cheguem para justificar uma coisa destas. Quem fez isso não foram os ricos, políticos, ladrões.

Tem de ser a vida comum e os hábitos dos cidadãos honestos a gerá-lo. Muitos nos lembramos como estávamos há 20 anos, e como tudo melhorou tão depressa. Muito disso foi mérito e crescimento sólido, mas a euforia empolou e foi-se para lá do razoável. Agora a situação nacional não se resolve só eliminando gorduras. É preciso cirurgia profunda e estrutural. Não é sina nacional, até porque vimos igual noutras zonas. Mas tem de ser feito. A maioria das críticas olha, não para a situação nacional, mas para os interesses afectados. Falam então em “direitos adquiridos”, sem notar que esse é outro nome da doença. Existem direitos básicos que o país tem de garantir a todos. Nesses não se pode tocar, nem ninguém quer que se toque. Mas grande parte dos supostos

direitos não foram de todo adquiridos, mas atribuídos irresponsavelmente com dinheiro alemão. Foi bom recebê-los e custa a deixar, mas não há alternativa. Se quisermos um dia lá chegar de forma sustentável. Cortar 4000 milhões de euros de forma permanente à despesa pública não é a solução. Apenas o primeiro passo para Portugal voltar a ser um país sério. Temos de viver com as nossas possibilidades. Durante uns tempos até um pouco abaixo, para aliviar as dívidas de se ter vivido demasiado tempo acima delas. A correcção não é o fim do mundo: pouco mais de 5% da despesa total prevista no Orçamento para 2013. Pode-se negar, insultar, protestar, mas a aritmética não se comove. Isto não é novidade. Aliás todos o dizem há décadas. Perdemos a conta aos

relatórios, estudos, programas de Governo e discursos de Estado em que foi repetida a necessidade de reformas estruturais. Esse é outro consenso. Quando uma das instituições mais experientes e reputadas neste tipo de reformas analisa a situação e sugere medidas concretas, será razoável tratar isso como um disparate? Uma imposição externa? Uma aleivosia? Será que não estão a ver o filme? Perante o estudo do FMI há duas atitudes razoáveis. Pode-se aceitar e também é sensato discordar. Afinal é só um estudo técnico externo, nem sequer um programa político. Mas quem recusa tem de apresentar cortes alternativos de valor equivalente. Senão diz só uma tolice ociosa de quem não está a ver o filme. In DN 21/01/2013

à diplomacia internacional, ao resguardo das suas práticas, e inevitavelmente à gestão nunca bem resolvida do regime do segredo de Estado. Tudo porque o segredo diplomático é parcela fundamental desta problemática, e uma longa experiência, baseada em numerosa doutrina, apoia a defesa do segredo diplomático. Por isso, não é sequer necessário lembrar que Maquiavel, cujo nome deu cobertura a uma meditação numerosa sobre o maquiavelismo, deixou clara a convicção de que a dissimulação, o engano, a falta de lealdade apoiam a eficácia do principal vencedor, porque homem tão mais defensor da virtude na vida pública, como foi Tocqueville, terá deixado dito que “a política externa não exige o uso de quase nenhuma das qualidades que são próprias da

democracia, e obriga pelo contrário ao afinamento de quase todas as que lhe faltam”. É certo que o desenvolvimento da diplomacia coletiva, que multiplica os encontros plurais dos mais altos representantes dos poderes políticos, sob a vigilância e atenta anotação das intervenções e conclusões pelos meios de comunicação social, altera inevitavelmente o conceito da reserva diplomática. Mas não alterou a necessidade, sentida pelos maiores responsáveis e seus representantes, do uso da política furtiva que é coberta tradicionalmente pelo segredo diplomático. O professor Petiteville (Grenoble), que recentemente se debruçou sobre esta questão, lembrou, entre mais exemplos: a crise de Cuba de outubro de 1962, dominada pela insta-

lação dos misseis soviéticos em Cuba, teve uma solução, negociada entre Kennedy e o embaixador soviético nos EUA, em completo segredo, salvando previsivelmente a paz mundial. Com um precedente famoso, que o mesmo autor cita, que foi o facto de o Presidente Wilson, depois de proferir a histórica enumeração dos 14 Pontos a que devia obedecer a paz da Sociedade das Nações, e que incluíam o fim da diplomacia secreta, logo se reuniu secretamente com Clemenceau, Lloyd George, e Orlando, para negociar o Tratado Final sem intervenção das restantes delegações. Exemplos que chegam para evidenciar os efeitos diretos, e colaterais, que o fenómeno Wikileaks desvendou, nem todos na categoria de desastres para as negociações diplomáticas, mas com desastres

suficientes para repensar o regime da quadratura do círculo que é preservar o segredo diplomático ou de Estado, repudiar as políticas furtivas, e cultivar as virtudes diplomáticas que exigem manter uma opinião pública interessada com autenticidade e em tempo útil. Vai exigir distância, experiência, e serenidade, para definir procedimentos que correspondam ao que pode chamar-se respeitabilidade governativa, uma das circunstâncias mais ligada ao valor da confiança. Uma confiança que neste caso se traduz em não admitir falhas no respeito pelo interesse público que guia os responsáveis pelas negociações, e que não envolve apenas os aleatórios titulares do poder de governar, tem que ver com a autoridade reconhecida do corpo diplomático e dos serviços

de informações. Entre os interesses que exigem a intocabilidade desse valor da confiança, que não se pode considerar suficientemente presente nas estruturas políticas ocidentais, estão os que dizem respeito à segurança nacional, que abrange não só os clássicos aspetos militares, também considera a fronteira dos interesses, hoje cada vez mais volátil e global. Já foi salientado que os meios de comunicação social, e não apenas estes, também os responsáveis pela história do presente, são beneficiados, e com eles a opinião pública, pela abertura do acesso à informação. Mas tudo exige um limite, e o interesse público parece dever ser esse limite. In DN 5/02/2013

7 de Outubro de 1914 7 de Outubro de 2012

98 ANOS


14 OPINIÃO / INSTITUCIONAL ...(NOVO) TEMPO DOS PORQUÊS...

Vítor Faria Sociólogo

Escola e Família, uma relação difícil

O Mensageiro 7.Fevereiro.2013

C

omeço por saudar todos os leitores d’O Mensageiro, pois esta é a minha estreia absoluta neste prestigiado semanário. Pensei em oferecer-vos uma das minhas modestas incursões no campo das artes literário-visuais, com o duplo trabalho “…Eu e TU”. Duplo, por tratar-se de uma simbiose entre a poesia e o desenho, numa conjugação de estilos ao sabor da liberdade criativa e da imaginação natural em momentos de inspiração. E porquê esta forma pouco ortodoxa de comunicar na imprensa escrita? A resposta surge, caro(a) leitor(a), numa outra questão perfeitamente natural: por que não? Dito isto, porquê começar precisamente estas crónicas com o binómio escola/família? A escola é, por excelência, um contexto dinâmico e

interativo de ensino e de aprendizagem, tal como a família o é pela sua essência, em perene articulação entre si, tal como se fossem duas faces da mesma medalha, entendida esta como a sociedade humana. Está assim dado o mote para o arranque do “…(novo) tempo dos porquês…,” com encontro marcado todas as semanas, se as contingências do tempo e do espaço não o impedirem, nem a saúde o condicionar. Se tal acontecer, posso sempre deixar-vos um simples e singelo desenho, com ou sem palavras. Bem hajam… porque a vida é o melhor que temos!

PUB

PUB

Dr. Rui Castela Médico Especialista - Doenças dos Olhos Operações - Contactologia

CONSULTAS ÀS TERÇAS E QUINTAS FEIRAS POR MARCAÇÃO Consultório - R. João de Deus, 17-1ºEsq. - Leiria

Telefones: 244 832 288 e 244 870 500

Divulgação

F. Costa Pereira Médico Especialista Doenças da boca e dentes

Rua João de Deus, 25- 1º Dt. - LEIRIA CONSULTAS COM HORA MARCADA 2ª, 4ª e 5ª: 11h-13h e 15h-19h, 3ª: 10h-13h e 15h-19h, Sábados: 9h30-15h Tel. 244 832406

Ficha de Assinatura Assinaturas normal/benfeitor: 20/40 Euros (Nacional), 30/60 euros (Europa) e 40/60 (Resto do Mundo) Nome: ___________________________________________ ____________________________________________ Rua: _____________________________________________ _______________ N.º _______________ Localidade: ____________________________ C. Postal: _____ - ____________________ Telf.: _______________________________ E-mail:___________________________@_______________ Enviar esta ficha, recortada ou fotocopiada, para: O Mensageiro - Lg. Padre Carvalho - 2414-011 LEIRIA ou forneça-nos os seus dados através do endereço de correio electrónico jornal@omensageiro.com.pt

Telefone +351244850690 / Fax 244850698 Largo Cândido dos Reis, Nº 11 / 12 • 2400-112 LEIRIA

Registo no ICS N.º 100494 Semanário - Sai à 5ª Feira Tiragem média - 3.000

FARMÁCIAS DE SERVIÇO Higiene (7), Antunes (8), Lis (9), Oliveira (10), Sanches (11), Tomáz (12), Maio (13) e Avenida (14). TELEFONES ÚTEIS Bombeiros Municipais - 244 832 122 | Bomb. Vol. Leiria (Ger.) - 244 882 015 | Bomb. Vol. Leiria (Urg.) - 244 881 120 | Bomb. Volunt. Batalha - 244 765 411 | Bomb. Volunt. P. Mós - 244 491 115 | Bomb. Volunt. Juncal - 244 470 115 | Bomb. Volunt Ourém - 249 540 500 | Bomb. V. M.te Redondo - 244 685 800 | Bomb. Volunt. Ortigosa - 244 613 700 | Bomb. Volunt. Maceira - 244 777 100 | Bomb. Vol. Marinha - 244 575 112 | Bom. Volunt. Vieira - 244 699 080 | Bom. Voltun. Pombal - 236 212 122 | Brigada de Trânsito - 244 832 473 | Câmara M. de Leiria - 244 839

500 | Câmara Eclesiástica - 244 832 539 | CENEL (Avarias) - 800 246 246 | C. Saúde A. Sampaio - 244 817 820 | C. Saúde Gorjão Henriques - 244 816 400 | C. P. (Est. de Leiria) - 244 882 027 | Cruz Vermelha - Leiria - 244 823 725 | Farmácia Avenida - 244 833 168 | Farmácia Baptista - 244 832 320 | Farmácia Central - 244 817 980 | Farmácia Coelho - 244 832 432 | Farmácia Higiene - 244 833 140 | Farmácia Lino - 244 832 465 | Farmácia Oliveira - 244 822 757 | Farmácia Sanches - 244 892 500 | Governo Civil - 244 830 900 | Guarda N. Republicana - 244 824 300 | Hospital de S.to André - 244 817 000 | Hospital S. Francisco - 244 819 300 | Polícia Judiciária - 244 815 202 | Polícia S. Pública - 244 859 859 | Polidiagnóstico - 244 828 455 | Rádio Táxis - 244 815 900 | Rádio Alerta - 244 882 247 | Rodoviária do Tejo - 244 811 507 | Teatro JLS (Cinema) - 244 823 600

Fundador José Ferreira Lacerda Director Rui Ribeiro (TE416) Redacção Joaquim Santos (CP7731), Ana Vala (CP8867). Paginação O Mensageiro Colaboradores Ambrósio Ferreira, Américo Oliveira, André Batista (Pe.), Ângela Duarte, Carlos Alberto Vieira, Carlos Cabecinhas (Pe.), Cláudia Mirra, José Casimiro Antunes, Francisco Pereira (Pe.), João Filipe Matias (CO798), Joaquim J. Ruivo, Jorge Guarda (Pe.), José António C. Santos, Júlia Moniz, Maria de Fátima Sismeiro, Orlando Fernandes, Pedro Jerónimo (CO1060), Saúl António Gomes, Vítor Mira (Pe.). Administração / Publicidade André Antunes Batista (Pe.). Propriedade/Sede (Editor) Seminário Diocesano de Leiria - Largo Padre Carvalho - 2414-011 LEIRIA - Reitor: Armindo Janeiro (Pe.) Contribuinte 500 845 719 Contactos Tel.: 244 821 100/1 - Fax: 244 821 102 - Email: jornal@omensageiro.com.pt - Web: www.omensageiro.com.pt Depósito Legal 2906831/09 Impressão e Expedição Empresa do Diário do Minho, Lda - Tel: 253 303 170 - Fax: 253 303 171

Tabela de Assinaturas para 2013 Destino Nacional Europa Resto do Mundo

Normal Benfeitor 20 euros 40 euros 30 euros 60 euros 40 euros

Preço avulso - 0,80 euros


DESPORTO 15

O Mensageiro 7.Fevereiro.2013

I Liga

II Liga

17.ª Jornada 3 de Fevereiro Rio Ave x Sporting (2-1) Vitória de Guimarães x Porto (0-4) Gil Vicente x Marítimo (4-2) Olhanense x Académica (0-0) Nacional x Moreirense (1-2) Beira-Mar x Sp. Braga (3-3) Benfica x Vitória de Setúbal (3-0) Paços de Ferreira x Estoril (1-0)

26.ª Jornada 3 de Fevereiro Freamunde x Leixões (0-2) Naval x Belenenses (0-0) Marítimo B x Sporting B (0-0) Atlético x Sp. Covilhã (0-0) Sp. Braga x Tondela (0-3) Feirense x Portimonense (3-3) Trofense x Penafiel (1-0) Arouca x V. Guimarães B (3-0) Porto B x Oliveirense (3-1) Santa Clara x D. Aves (2-2) Benfica B x U. Madeira (4-1)

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º

Equipa Porto Benfica P. Ferreira Sp. Braga Rio Ave V. Guimarães Académica Estoril Sporting Marítimo Gil Vicente Nacional Olhanense Beira-Mar V. Setúbal Moreirense

J 17 17 17 17 17 17 17 17 17 17 17 17 17 17 17 17

V 14 14 8 9 7 5 4 5 4 4 4 5 3 3 3 2

E D 3 0 3 0 7 2 3 5 4 6 6 6 8 5 4 8 7 6 7 6 6 7 3 9 7 7 6 8 5 9 5 10

Pts 45 45 31 30 25 21 20 19 19 19 18 18 16 15 14 11

18.ª Jornada 10 de Fevereiro Estoril x V. Guimarães . Dia 9, 20h15, SportTv1 Académica x Rio Ave . 16h00 Sporting x Marítimo . 16h00, SportTv1 Moreirense x Beira-Mar . 16h00 V. Setúbal x Gil Vicente . 16h00 Nacional x Benfica . 18h00, SportTv1 Porto x Olhanense . 20h15, SportTv1 Sp. Braga x Paços de Ferreira . Dia 11, 20h00, SportTv1 federação portuguesa de futebol

II Divisão B sul 18.ª Jornada 3 de Fevereiro Louletano x Sertanense (3-1) Casa Pia x Fátima (0-2) Futebol Benfica x Carregado (1-0) Pinhalnovense x Quarteirense (1-1) Oeiras x Farense (0-0) Torreense x Oriental (1-0) Ribeira Brava x Mafra (1-2) U. Leiria SAD x 1.º Dezembro (0-1) 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º

Equipa Mafra Farense Torreense U. Leiria SAD Sertanense Oriental Fátima 1.º Dezembro Casa Pia Carregado Quarteirense Louletano Fut. Benfica Oeiras Pinhalnovense Ribeira Brava

J 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18

V 13 10 10 10 9 9 8 5 4 5 4 4 5 3 3 2

E 3 6 4 4 3 2 2 8 10 5 7 7 4 7 5 3

D 2 2 4 4 6 7 8 5 4 8 7 7 9 8 10 13

Pts 42 36 34 34 30 29 26 23 22 20 19 19 19 16 14 9

19.ª Jornada 10 de Fevereiro Oriental x Louletano .Todos os jogos às 15h00 Sertanense x Casa Pia Fátima x Ribeira Brava Mafra x U. Leiria SAD 1.º Dezembro x Fut. Benfica Carregado x Pinhalnovense Quarteirense x Oeiras Farense x Torreense

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º 17.º 18.º 19.º 20.º 21.º 22.º

Equipa Belenenses Sporting B Arouca Tondela D. Aves Leixões Benfica B Porto B Oliveirense Santa Cara Portimonense U. Madeira Penafiel Naval Atlético Feirense Marítimo B Sp. Covilhã Sp. Braga B V. Guimarães B Trofense Freamunde

J 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26

V 18 12 13 11 10 10 10 9 9 9 10 8 10 8 9 8 8 5 5 4 5 4

III Divisão D

E 6 10 6 8 11 10 8 11 10 10 7 12 6 10 4 7 3 9 10 10 7 7

D 2 4 7 7 5 6 8 6 7 7 9 6 10 8 13 11 15 12 11 12 14 15

Pts 60 46 45 41 41 40 38 38 37 37 37 36 36 34 31 31 27 24 23 22 22 19

27.ª Jornada 10 de Fevereiro Belenenenses x Porto B . Dia 9, 18h00, SportTv1 Tondela x Benfica B . 11h15, SportTv1 Leixões x Santa Clara . 15h00 V. Guimarães B x Trofense . 15h00 Sporting B x Arouca . 15h00 Sp. Covilhã x Marítmo B . 15h00 Oliveirense x Atlético . 15h00 D. Aves x Feirense . 15h00 Penafiel x Freamunde . 15h30 Portimonense x Sp. Braga B . 16h00 U. Madeira x Naval . 16h00

associação de futebol de leiria

HONRA 17.ª Jornada 3 de Fevereiro GRAP/Pousos x Atouguiense (2-1) Vieirense x Guiense (1-1) Portomosense x Pousaflores (2-0) Avelarense x Pelariga (2-3) Lisboa e Marinha x Pataiense (1-5) Nazarenos x Figueiró dos Vinhos (3-1) Bombarralense x Meirinhas (1-1) Alvaiázere x Marrazes (0-4) 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º

Equipa Marrazes Pousaflores Pelariga Fig.Vinhos Portomosense Guiense GRAP/Pousos Pataiense Meirinhas Lisboa Marinha Atouguiense Nazarenos Vieirense Avelarense Alvaiázere Bombarralense

J 16 16 16 16 16 16 16 16 16 16 16 16 16 16 16 16

V 10 10 10 9 9 8 8 6 5 6 6 5 3 4 2 1

E D Pts 4 2 34 3 3 33 3 3 33 3 4 30 3 4 30 4 4 28 4 4 28 5 5 23 6 5 21 2 8 20 2 8 20 4 7 19 4 9 13 1 11 13 2 12 8 2 13 5

18.ª Jornada 17 de Fevereiro GRAP/Pousos x Avelarense .Todos os jogos às 15h00 Figueiró dos Vinhos x Vieirense Guiense x Alvaiázere Pataiense x Portomosense Meirinhas x Pelariga Atouguiense x Nazarenos Marrazes x Lisboa e Marinha Pousaflores x Bombarralense

17.ª Jornada 3 de Fevereiro Penelense x Torres Novas (0-3) Alcanenense x Sp. Pombal (0-0) Sernache x Ol. Hospital (2-3) Marinhense x Mortágua (1-0) Sourense x Beneditense (1-2) Alcobaça x Caldas (1-1) 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º

Equipa Caldas Sp. Pombal Ol. Hospital Sernache Sourense Alcanenense Marinhense Torres Novas Penelense Alcobaça Beneditense Mortágua

J 17 17 17 17 17 16 17 17 16 17 17 17

V 9 10 10 8 7 7 6 6 5 4 3 2

E D Pts 6 2 33 3 4 33 3 4 33 4 5 28 7 3 28 2 7 23 5 6 23 4 7 22 3 8 18 5 8 17 3 11 12 3 12 9

18.ª Jornada 10 de Fevereiro Sp. Pombal x Torres Novas .Todos os jogos às 15h00 Ol. Hospital x Alcanenense Mortágua x Sernache Beneditense x Marinhense Caldas x Sourense Alcobaça x Penelense federação portuguesa de futebol

III Divisão E 17.ª Jornada 3 de Fevereiro Pêro Pinheiro x Barreirense (1-2) Sacavenense x Lourinhanense (1-1) U. Tires x Cartaxo (0-0) Real x Peniche (2-0) Eléctrico x Amora (2-1) Sintrense x Fabril Barreiro (0-1) 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º

Equipa Sintrense Eléctrico Sacavenense Fabril Barreiro Real Pêro Pinheiro Barreirense Lourinhanense U. Tires Amora Peniche Cartaxo

J 17 17 17 17 17 17 17 17 17 17 17 17

V 9 9 9 8 8 7 6 6 5 6 5 0

E D Pts 4 4 31 4 4 31 3 5 30 5 4 29 4 5 28 4 6 25 6 5 24 5 6 23 6 6 21 3 8 21 2 10 17 2 15 2

17.ª Jornada 10 de Fevereiro Cartaxo x Lourinhanense .Todos os jogos às 15h00 Barreirense x U. Tires Peniche x Pêro Pinheiro Amora x Real Fabril do Barreiro x Eléctrico Sintrense x Sacavenense

FUTEBOL – Quarenta anos depois do primeiro encontro entre equipas seniores, num amigável que marcou a inauguração do Parque do Jogos do Sport Clube Leiria e Marrazes (SCLM), União Desportiva de Leiria (UDL) e SCLM voltam a encontrarse. Assim quis o sorteio dos 1/8 final da Taça Distrito da Associação de Futebol de Leiria, que determinou o dérbi. O Estádio Dr. Magalhães Pessoa será o palco do jogo, dia 9 de Fevereiro, 15h00. “Vão estar em confronto as duas melhores equipas do concelho e esperemos que isso se traduza numa festa de civismo e desportivismo”, sublinhou o presidente da UDL, Mário Cruz, em declarações ao Diário de Leiria. Embora a prioridade seja o campeonato, onde a equipa leiriense está bem encaminhada para a tão desejada subida de divisão, “a Taça Distrital também é importante e gostaríamos de a ganhar”.

Bênção CICLISMO – O Santuário de Fátima volta a acolher a tradicional Bênção do Ciclista, este ano agendada para o dia 10 de Fevereiro, a partir das 10h30 (Parque N.º 12). Pelas 12h00 será celebrada a Santa Missa, presidida por D. Serafim, Bispo Emérito de Leiria-Fátima.

associação de futebol de leiria

associação de futebol de leiria

I Divisão norte

I Divisão norte

8.ª Jornada 3 de Fevereiro Ranha x Mata Mourisquense (1-2) Albergaria dos Doze x Caseirinhos (5-0) Alegre e Unido x Motor Clube (1-3) Ansião x Moita do Boi (2-2) Ilha x Pedroguense (0-5)

8.ª Jornada 3 de Fevereiro Boavista x Maceirinha (0-1) Alqueidão da Serra x Nadadouro (1-1) Santo Amaro x Os Vidreiros (5-1) Alfeizerense x U. Leiria (0-6) Outeirense x Unidos (0-1)

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º

Equipa Moita do Boi Ansião Mata Mourisq. Motor Clube Alb. Doze Ranha Pedroguense Ilha Alegre e Unido Caseirinhos

J 7 8 8 6 6 7 8 7 7 8

V 6 4 3 4 3 3 2 2 1 0

E 1 4 4 0 2 1 1 1 2 0

D 0 0 1 2 1 3 5 4 4 8

Pts 19 16 13 12 11 10 7 7 5 0

9.ª Jornada 17 de Fevereiro Pedroguense x Ranha .Todos os jogos às 15h00 Mata Mourisquense x Albergaria dos Doze Caseirinhos x Alegre e Unido Motor Clube x Ansião Moita do Boi x Ilha

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º

Equipa U. Leiria Unidos Alq. Serra Boavista Outeirense Maceirinha Santo Amaro Nadadouro Os Vidreiros Alfeizerense

J 8 8 8 8 6 7 7 8 8 6

V 8 6 5 3 3 3 2 1 1 0

E 0 0 2 2 1 0 0 3 2 0

D 0 2 1 3 2 4 5 4 5 6

Pts 24 18 17 11 10 9 6 6 5 0

9.ª Jornada 17 de Fevereiro Maceirinha x Alq. Serra .Todos os jogos às 15h00 Nadadouro x Santo Amaro U. Leiria x Outeirense Unidos x Boavista Os Vidreiros x Alfeizerense

Dérbi na Taça com Marrazes e Leiria

Primeiro encontro entre as duas equipas, na inauguração do Parque de Jogos do Marrazes (8 de Dezembro de 1969) Da parte do SCLM tratase de “um jogo especial, entre velhos rivais”, sublinha o presidente do clube, Paulo Rabaça. “Espero acima de tudo que seja uma festa porque o futebol precisa disso e não de guerras”, acrescentou. Apesar do clube ser o actual detentor do troféu, Paulo Rabaça não assume o favoritismo, con-

siderando mesmo que as possibilidades são iguais para ambas as equipas. Quanto aos restantes jogos da prova, são o Portomosense x GRAP/Pousos, Pousaflores x Pelariga, Outeirense x Avalarense, Guiense x Ansião, Vieirense x Alqueidão da Serra, Pataiense x Unidos e Atouguiense x Nadadouro. PJ

Um título nacional e mais oito pódios ATLETISMO – Uma medalha de ouro, outra de prata e sete de bronze. É este o saldo da Juventude Vidigalense no Campeonato Nacional de Esperanças (Pombal, 2e 3 de Fevereiro). O principal destaque vai para Marta Martins, que se sagrou campeã nacional nos 3.000 metros planos, tendo somado ainda o 3.º lugar nos 1.500 metros planos. Igualmente em destaque esteve Miguel Marques, 2.º lugar no salto em comprimento; Adriano Lopes, 3.º no lançamento do peso; e Ricardo Mendes, 3.º no triplo-salto. As estafetas 4x200 metros planos do clube leiriense também subiram ao pódio, 3.º lugar, tanto em masculinos (Marco Rodrigues, João Moniz, Dyllan Pedro e Giziel Lima) como em femininos (Débora Clemente, Sara Martins, Jéssica Viegas e Tatiana Rosário).

DR

federação portuguesa de futebol

sclmarrazes.pt

liga portuguesa de futebol profissional

liga portuguesa de futebol profissional

Marta Martins (n.º 308) sagrou-se campeã nacional nos 3.000 metros planos Colectivamente a JV terminou no 3.º lugar, em ambos os escalões, repetindo assim os feitos de 2006 e 2012. Já o Grupo de Atletimo de Fátima, foi 4.º em masculinos, sector onde viu Samuel Remédios sagrar-se campeão nacional no salto em comprimento. Quanto às vitórias colectivas foram, mais uma vez, disputadas e repartidas por Sporting (femininos) e Benfica (masculinos).


ÚLTIMA 7 F E V E R E I R O 2 0 1 3

Não é o evitar o sofrimento, a fuga diante da dor, que cura o homem; mas a capacidade de aceitar a tribulação e nela amadurecer, de encontrar o seu sentido através da união com Cristo Encíclica Spe Salvi, nº 37

Encontro anual dos Cursilhos de Cristandade Decorreu no passado domingo, em Pataias, a Ultreia Diocesana do Movimento dos Cursilhos de Cristandade. Foram muitos os cursilhistas que, oriundos das diversas paróquias da diocese, corresponderam ao convite de participar neste encontro anual, sempre muito vivido e convivido, este ano centralizado na Fé. Depois da eucaristia, presidida pelo Director Espiritual do movimento na diocese, Pe. Alcides Neves em representação também do senhor Bispo, D. António Marto que, por outro compromisso de agenda, não pode estar presente, deu-se início à Ultreia com Joaquim Marques a falar sobre o tema da Fé. Numa intervenção em que não foi fácil conter a emoção, começou por um excerto do capítulo 2 da carta de S. Tiago, «de que servirá alguém dizer que tem Fé se não tiver obras?», e deu a todos um autêntico testemunho de

fé cristã na disponibilidade para a entrega ao próximo, mesmo quando as adversidades da vida nos impõem limitações. Acreditar sem hesitações que Cristo sempre nos estende a mão nos momentos difíceis e nos leva a percorrer caminhos que seriam impossíveis de fazer sem Fé e sem Perseverança, são a base central do seu rico e tocante testemunho de vida. Das ressonâncias dadas ao tema apresentado, todos testemunhos ricos de vivências pessoais e comunitárias, sempre alicerçadas no amor de Cristo e na preciosa ajuda que constituiu para todos a experiência de terem vivido um cursilho, destacam-se algumas mensagens como: «A Fé tem que se ser feliz e só se alimenta na felicidade»; «A palmada que levamos à nascença é o primeiro sinal de que a vida não vai ser fácil, mas é também o primeiro impulso para o caminho a seguir»; «A Fé dá-nos a força que

nos leva a aceitar desafios e a acreditar…»; «A Fé reforçada no póscursilho, foi uma ajuda fundamental para ultrapassar barreiras, vencer adversidades, e encontrar as palavras certas para testemunhar o amor de Cristo aos que nos estão próximos mas distantes de Deus»; «Os desafios da vida, transformam-nos, ensinando-nos a viver felizes mesmo nas diferenças, e a Fé, ensina-nos a aceitar tudo com um incondicional amor por tudo o que o Senhor nos dá, mesmo que por vezes não seja o que esperamos receber». Foram momentos de grande profundidade e partilha que se viveram nesta ultreia, que contou também com a presença de alguns sacerdotes da diocese, sendo que se destacou a intervenção do Pe. João Pina Pedro, deixando a mensagem de que «O MCC leva as pessoas a fazerem a experiência sensível da Graça de Deus, provoca um encontro vivo com

DR

“A Fé vivida é a Fé rezada”

Jesus Cristo. Evangelizar não é catequizar, é ser testemunho. A pessoa só é evangelizada se alguém lhe mostrar Jesus.» Também o Pároco de Pataias, Pe. Virgílio Francisco deixou a todos a mensagem de que «A Fé vivida é a Fé rezada». A terminar, e antes do convívio final, o Pe. Alcides Neves, salientou a importância da participação na ultreia diocesana, referindo que esta «é sempre uma oportunidade de perseverar na caminhada e viver o espírito do cursilho e para espevitar o fermento que somos. A Fé é a adesão

a Jesus, a Cristo» Foi assim muito positivo este encontro, sentimento traduzido nas palavras de Manuel Duarte, presidente do Secretariado Diocesano, que, na sua intervenção, deixou o desafio de que «saibamos todos levar daqui uma mensagem de Fé, sobretudo para os que não puderam aqui estar, para os que andam mais afastados, desmotivados, desiludidos, conscientes que, a verdadeira fé está associada à humildade; aquele que a possui deposita mais confiança em Deus do que em si próprio, por saber que, simples instrumento

da vontade divina, nada pode sem Deus. A mais simples definição de fé é uma confiança que nasce do coração.» A todos os que participaram, o secretariado diocesano agradece, esperando que esta ultreia diocesana, tenha sido mais um passo, para a afirmação do MCC na diocese como um caminho para a evangelização dos ambientes mais descristianizados, enquanto portador da mensagem do amor de Cristo.

de idade - e o ensino vocacional, destinado a alunos com idade superior a seis anos que revelem aptidões específicas, com vista ao seu posterior ingresso por uma via profissionalizante na área da dança. Sendo a única escola de ensino vocacional de Dança do concelho de Leiria reconhecida pelo Ministério de Educação, a EDOL apresenta um projecto educativo inovador, contemplando uma formação técnica e artística de qualidade que abrange diversas áreas da dança: Técnica de Dança Clássica, Dança Contemporânea, Expressão Criativa,

Composição Coreográfica, Práticas Complementares de Dança e Música. Tem desenvolvido diversas actividades e projectos no sentido de promover campanhas de sensibiliza-

ção junto das escolas, da comunidade leiriense, dos dirigentes locais, não só no contexto sócio cultural em que a escola se insere, mas indo para além das fronteiras desta cidade.

Pelo Movimento CC

Escola de Dança do Órfeão de Leiria e actor João Ricardo

Bailado volta a Leiria O bailado “Gira a palavra gira” volta a Leiria com a Escola de Dança do Orfeão de Leiria Conservatório de Artes (EDOL) e o actor João Ricardo, no papel de narrador, num espectáculo no próximo dia 16 de Fevereiro, pelas 21h30, no Teatro José Lúcio da Silva. Este evento destina-se a maiores de três anos, e os bilhetes estão à venda no Teatro José Lúcio da Silva. O bailado é baseado no conto “Chuva Distante” da obra do autor australiano Shaun Tan, vencedor do Indie Award, do World Fantasy Award e do melhor livro do Festival de Angou-

lême, “Contos dos Subúrbios”, uma antologia de 15 contos ilustrados. «Como quem escreve um poema, a dança ganha outras formas de poesia», conta Ana Manzoni, directora pedagógica da EDOL. A coreografia deste bailado é da autoria dos professores da EDOL e será interpretada por “bailarinos” dos 4 aos 17 anos. Ana Manzoni deixa o convite a todos, prometendo «um espectáculo cheio de surpresas, para toda a família!». Criada em 1977, a Escola de Dança do Orfeão de Leiria (EDOL) começou

por abarcar, de início e até 1999, cursos livres em classes de Técnica de Dança Clássica, seguindo o método da Royal Academy of Dance, do Reino Unido. Só no ano 1999/2000, sob a Direcção de Ana Manzoni, a EDOL ampliaria as suas actividades de forma a abranger o ensino artístico vocacional. Estavam então criadas as condições para a existência de um quadro de opções mais alargado, podendo os alunos interessados escolher entre a frequência dos cursos livres, enquanto complemento da formação geral - destinado a crianças com mais de quatro anos

4946#OMensageiro#7FEV  

Dia Mundial do Doente em destaque.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you