Page 1

ADVENTO 2012 Primeira Semana

29 NOVEMBRO 2012

VIGIAI...

ANO 99 - N.º 4936 FUNDADOR: José Ferreira Lacerda DIRECTOR: Rui Ribeiro PREÇO: 0,80 euros (IVA incluído) SEMINÁRIO DIOCESANO – 2414-011 LEIRIA TEL. 244 821 100/1 • FAX 244 821 102 E-MAIL: jornal@omensageiro.com.pt WEB: www.omensageiro.com.pt

FUNDADO EM 1914

DESTAQUE

ÁTRIO DOS GENTIOS A ACTUALIDADE DO EVANGELHO

Luca Baroncini

PÁGINAS 2 E 3

Praça de São Marcos, em Veneza (Itália)

Futebol feminino | P. 15

Atlético Ouriense termina com ciclo do 1.º de Dezembro que já não perdia há seis anos e meio

CULTURA

The Gift inclusivos | P. 4

Exposição de fotografia “Explode” no IP Leiria

Concerto em Leiria | P. 5

“Páginas de Patrícia Casalinho Música” e de campeã nacional solidariedade Orientação pedestre | P. 15

SOCIEDADE

ECLESIAL

Mudanças no Turismo | P. 6 Dia 2 de Dezembro no Centro Pastoral Paulo VI | P. 12

Governo defende Fátima acolhe Festival Nacional separação da da Canção Mensagem Entidade Regional Campanha de Natal da Cáritas | P. 12 Leiria-Fátima “10 Milhões de Estrelas - Um Gesto pela Paz” Projecto apresentado | P. 6 apresentada IP Leiria assume “um compromisso pela inclusão” youtube.com/CaritasPoruguesa

DESPORTO


2 DESTAQUE

O Mensageiro 29.Novembro.2012

EDITORIAL EDITORIAL

Rui Ribeiro prui@iol.pt

Um átrio para todos

Em ano de comemoração e evocação do Concílio Vaticano II, importa ir relembrando aspectos cruciais desse grande acontecimento da Igreja e ao mesmo tempo que fazemos memória actualizamos desafios com expressões concretas. Entre as muitas inovações que o Concílio Vaticano II trouxe para a Igreja, destaca-se a abertura ao diálogo com crentes e não crentes. Aliás todo o Concílio, desde o seu anúncio e convocação, até aos decretos finais se desenvolve à luz do diálogo e da abertura. Obra do Espírito Santo, não podia ser outra coisa nem ter outra expressão que não fosse esta atitude dialogante, precisamente num tempo em que se afirmavam autonomias e em seu nome se arquitectavam guerras. Também neste particular, o Concílio Vaticano II está ainda por realizar. Volvidos 50 anos, há ainda muitas expressões semíticas e por vezes autênticos atentados ao diálogo. A Igreja continua aberta ao diálogo, mas vai dizendo No espaço de que tal abertura exige um ano o Átrio reciprocidade e requer dos Gentios capacidade para abandoatitudes proselitistas. tornou-se num nar O diálogo não se faz em espaço de diálogo nome de cedências a incontornável para reivindicações, mas em quem se afirme nome da verdade. moderno e, no Bento XVI, padre caso dos católicos, conciliar, está embebido herdeiro do Concílio deste espírito dialogante que marcou todo o Concílio. Hoje, talvez mais que então, ele está numa posição privilegiada para pôr em prática muito do que ficou como intenção. São conhecidas as muitas intervenções e decisões já tomadas na busca desse diálogo inter-religioso, mas também extra-religioso. Por propostas sua, em andamento está a iniciativa que nesta edição evocamos e que leva o nome de Átrio dos Gentios. Expressão que, se para uns é feliz, para outros é provocatória e algo atrevida. São os que se sentem incomodados e preferem perder tempo a discutir contornos a mergulhar no desafio. No espaço de um ano o Átrio dos Gentios tornou-se num lugar de diálogo incontornável para quem se afirme moderno e, no caso dos católicos, herdeiro do Concílio. Destaca-se a aceitação que este espaço tem tido precisamente fora dos meandros habituais dos crentes. São precisamente os não crentes que se sentem tocados e convidados a entrar num átrio que lhes é dedicado e pensado em função de si mesmos. Os meios de comunicação social, para já, estão adormecidos, sentem-se certamente ultrapassados, já que gostariam de se afirmar como esse átrio. Por isso, pouco ou nada dizem de um acontecimento que é realidade. Na passada semana aconteceu em Portugal. O Átrio dos Gentios abriu as portas em Braga e Guimarães para discutir a vida como valor primeiro e fundamental. O Mensageiro aborda a questão neta edição, não tanto pelo que se fez naquelas cidades, mas para destacar a iniciativa que, saída do Vaticano, atravessa já muitas cidades e países.

dos Gentios Na linha do Vaticano II

A Igreja na sociedade No ano 2011, precisamente nos dias 24 e 25 de Março, o Pontifício Conselho da Cultura lançou em Paris a primeira pedra de um novo lugar simbólico para o diálogo da Igreja com o mundo e a sua presença no meio dos homens. Nascia o Átrio dos Gentios projectado para se ir construindo e estendendo ao mundo inteiro. O modelo depressa ganhou expressividade e impôs-se verdadeiramente como aquilo que se pretendia: plataforma de diálogo aberto e franco com os não crentes e com a sociedade civil no seu todo. Cristãos, membros de outras religiões, ateus, agnósticos, representantes do mundo da cultura, das artes e da ciência, “todas as pessoas” estão convidadas a partilharem a sua opinião acerca de um tema. Cada sessão do Átrio dos Gentios desenvolve-se à volta de um tema, diferente de país para país, de sessão para sessão. Em torno desse tema realiza-se uma série de palestras, encontros de pessoas, espectáculos. O clima e ambiente que se criam entre os participantes acaba por se tornar mais incómodo e mais pertinente do que muitas vezes as ideias desenvolvidas. “No átrio não há púlpitos, nem cátedras nem palcos; há liberdade para

as gentes, para os gentios que todos somos quando nos decidimos a sair dos espaços onde se tecem biografias confortáveis, para habitarmos um espaço onde as singularidades biográficas irredutíveis rimam com a aventura da fraternidade. No átrio dos gentios há chão para toda a gente poder enraizar a sua palavra e fazer ouvir o seu direito e o seu dever à autodeterminação de um projecto de vida e de um estilo de vida à altura do ser humano”, como definiu Isabel Varanda coordenadora do projecto português. A envergadura do evento acaba por gerar uma grande estrutura que não passa despercebida e tem gerado já muitas interrogações, curiosidades, inquietações. Lentamente o projecto, apadrinhado pelo Vaticano, impôs-se e é já uma referência internacional. Desde Março de 2011, em Paris, já passou por Florença, Assis, Bucareste, Tirana, Palermo, Barcelona, Estocolmo, Québec e EUA. O Átrio dos gentios teve a sua primeira edição em Portugal nos dias 16 e 17 de Novembro. O local escolhido foi Guimarães e Braga, respectivamente capital da cultura e capital da juventude, com o objectivo de provocar diálogo suscitar interrogações fundamentais

em torno do valor da vida Bento XVI escreveu uma mensagem aos participantes na qual aborda desde logo a temática do valor da vida. Nela o Papa começa por abordar a questão na prespectiva do dom. “A consciência da sacralidade da vida que nos foi confiada, não como algo de que se possa dispor livremente, mas como dom a guardar fielmente, pertence à herança moral da humanidade. Não somos produto casual da evolução, mas cada um de nós é fruto de um pensamento de Deus: somos amados por Ele”. Consciente da mentalidade moderna em que o homem se “quis subtrair ao olhar criador e redentor do Pai (cf. Gn 4, 14), fundando-se sobre si mesmo e não sobre o poder divino” o Papa apela para que se tornem a “abrir as janelas, olhar de novo a vastidão do mundo, o céu e a terra e aprender a usar tudo de modo justo”, para concluir que “o valor da vida só se torna evidente, se Deus existe”. E Bento XVI deixa o dessfio claro “seria bom se os não-crentes quisessem viver «como se Deus existisse». Ainda que não tenham a força para acreditar, deviam viver na base desta hipótese; caso contrário, o mundo não funciona. Há tantos problemas que devem ser resolvidos,

mas nunca o serão de todo, se Deus não for colocado no centro, se Deus não se tornar de novo visível no mundo e determinante na nossa vida. Aquele que se abre a Deus não se alheia do mundo e dos homens, mas encontra irmãos: em Deus caem os nossos muros de separação, somos todos irmãos, fazemos parte uns dos outros”. A sessão realizada em Portugal foi muito participada, talvez também muito ignorada pela comunicação social, e contou com seis painéis em volta do tema central do átrio, ‘O Valor da Vida’. No dia 17 o Átrio dos Gentios concluiu-se na Catedral de Braga lotada e ao som das palmas que acompanharam a apresentação da ‘Missa Brevis’ de João Gil, que também a interpreta integrado no grupo ‘Cantate’. O cardeal Gianfranco Ravasi, presidente do Conselho Pontifício da Cultura – organismo da Santa Sé que dinamiza este projecto – falou aos presentes para assinalar o “êxito estrondoso” do evento e manifestar a sua admiração pela cidade e as gentes de Braga e Guimarães.

Rui Ribeiro


DESTAQUE 3

O Mensageiro

29.Novembro.2012ro.2011

Entrevista

Ouvir as razões de quem não crê O presidente do Conselho Pontifício da Cultura, cardeal Gianfranco Ravasi, apresenta em entrevista à Agência ECCLESIA o projeto do ‘Átrio dos Gentios’.

O último Sínodo dos Bispos sobre a nova evangelização, fez referência ao átrio nas propostas

“O Átrio permanece aberto”

que entregou ao Papa. Este é um projecto para a conversão dos não crentes? Não, não. Diria antes que é muito semelhante ao ‘kerygma’, isto é, ao anúncio. Entendo que ambos, crentes e não crentes, não se reúnem no ‘Átrio dos Gentios’ para informar, simplesmente, porque a mensagem que têm é apresentada com ardor, é uma mensagem performativa. Não fazemos um congresso, apresentamos valores e eles, como tal, têm uma carga de convicções, os não crentes têm razões que nos fazem pensar, vividas com intensidade. É por isso que digo que não é evangelização, mas também não é um congresso temático, é um encontro de visões, de concepções. Nesse sentido, os cristãos também devem dar um testemunho caloroso. Na UNESCO, em Paris, Jean Vanier falou do Movimento Fé e Luz, que se ocupa de pessoas com deficiência. Ele não estava ali para convencer os outros, mas o seu testemunho impressionou os não crentes; não o escolhemos para convertê-los, mas para que vissem o valor do amor cristão em prática. É por isso que digo que não é um congresso. Quais foram os momentos do Átrio dos Gentios que mais destacaria, até ao momento? Eu diria que os mais curiosos foram em Assis e Estocolmo. Em Assis, veio falar comigo o presidente

da República da Itália, Giorgio Napolitano, que não é crente, mas é um homem muito nobre do ponto de vista moral e mesmo espiritual, devo dizer. Ali havia seis tendas diferentes, nas quais se debatiam vários temas, em diálogo com crentes e não crentes, como os jovens, o grito da Terra, a mística. Outro momento de sucesso, inesperado, foi em Estocolmo, na Academia do Prémio Nobel e depois num centro juvenil, o maior da Europa. Num ambiente fortemente laico, quase anticristão, diria, houve um interesse de tal ordem que fizemos 3 horas e 40 minutos de intervenções, sem intervalo, com transmissão televisiva. Como se vai desenvolver este átrio, no futuro? Há uma nova formulação, que está a suscitar muito interesse, ligada a categorias particulares: fizemos, por exemplo, átrios para crianças de famílias crentes e não crentes que foram um grande sucesso. Também já decorreram sessões para diplomatas e embaixadores e temos a intenção de promover um Átrio dos Gentios para jornalistas, para músicos, para o Cinema. Este será o futuro, para além das cidades.

O presidente do Conselho Pontifício da Cultura (CPC), organismo da Santa Sé, revelou à ECCLESIA a sua “surpresa” pela forma como decorreu em Guimarães e Braga o Átrio dos Gentios, projecto de diálogo entre crentes e não crentes. “Há duas dimensões que não esperava: por um lado a multiplicidade de intervenções e de temas; por outro, porque esta foi a primeira vez que o átrio se construiu, de forma grandiosa, exclusivamente pela diocese, numa arquitectura autónoma”, disse o cardeal Gianfranco Ravasi, no final do evento. Segundo este responsável, a sessão portuguesa do Átrio dos Gentios abrangeu “quase todo o horizonte da cultura, da humanidade, da sociedade, da espiritualidade contemporânea”. O cardeal italiano observou que o debate foi “transversal” porque o tema escolhido, ‘O Valor da Vida’, permitiu superar as divergências que muitas

DR

Este é um projecto que implica a capacidade de ouvir. Como tem sido recebido este desafio pela Igreja Católica, mais habituada a uma dinâmica do discurso do que da escuta? Este elemento a que se refere é, seguramente, o mais importante, porque a característica fundamental [do átrio] está numa palavra, que usamos quase como símbolo: o diálogo. A palavra, na sua origem grega, significa encontro de dois discursos: por isso, crentes e não crentes chegam com as suas razões, não é simplesmente para procurar um mínimo denominador comum. É antes a possibilidade de dizer com clareza, de forma elevada e também de forma popular, qual é a identidade de crentes e não crentes sobre os temas fundamentais da vida e, se quisermos, do mistério. A Igreja, neste caso, coloca-se numa posição de observadora das razões que transporta a própria razão. Acredito que esta seja uma forma de celebrar, de forma nova, o Concílio Vaticano II.

Fechadas as portas DR

Como nasceu a ideia de criar um «Átrio dos Gentios»? A fonte, o ponto de partida é a intervenção de Bento XVI nas saudações à Cúria Romana, no Natal de 2009. Nessa ocasião, o Papa falou da necessidade de constituir uma espécie de ‘átrio dos gentios’, onde pudessem entrar os que não acreditam mas se interrogam sobre a transcendência, os grandes valores, a humanidade e, eventualmente, sobre o Deus desconhecido.

vezes surgem entre crentes e não crentes sobre “o tema do mistério, do divino, do remoto”. “Todos somos seres vivos, com uma mesma consciência, liberdade, desejo de colocar perguntas, pelo que somos muito iguais”, precisou. Antes de deixar Portugal, D. Gianfranco Ravasi desafiou os católicos a terem “olhos abertos sobre o mundo”, com solidariedade e também na promoção da justiça, mesmo que isso exija “palavras duras”. O responsável falou ainda num país “particularmente vivo” do ponto de vista cultural e não apenas religioso. No sábado, a edição portuguesa do Átrio dos Gentios nas capitais europeias da cultura e juventude englobou seis debates sobre ‘estilo de vida e salvaguarda do universo’, para além de momentos culturais. O padre e poeta José Tolentino Mendonça defendeu, durante o evento, que a Igreja Católica tem

de assumir o “desafio” do diálogo para superar a “clandestinidade cultural” a que está a ser remetida. “Hoje, a Igreja está colocada perante o grande desafio do diálogo e de uma presença consistente, coerente, desafiadora, criadora no meio do mundo”, afirmou o director do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura. O bispo português D. Carlos Azevedo, delegado do CPC, alertou por sua vez para a necessidade de a Igreja Católica recuperar a capacidade de interpelar os artistas e criadores contemporâneos. “A cultura contemporânea pede que nos revistamos, que tenhamos uma linguagem, uma expressão que seja do nosso tempo”, observou. D. Jorge Ortiga, arcebispo local, disse que o átrio permanece “aberto” e está nas mãos de cada pessoa, para ajudar a recuperar a “esperança” que parece ter desaparecido da sociedade.


4 CULTURA

O Mensageiro 29.Novembro.2012

Sónia Tavares e Nuno Gonçalves presentes na inauguração

EXPOSIÇÕES

Castelo - Leiria •”Habitantes e Habitats” - exposição permanente •”Korrodi e o restauro do Castelo de Leiria” - exposição permanente Teatro José Lúcio da Silva - Leiria •”Paisagem Interior” - escutura de Filipe Curado (~29/12) m|i|mo -Museu da Imagem em Movimento - Leiria •”Oficina do Olhar” - exposição permanente Casa-Museu João Soares - Cortes •”A República” - colecção de António Pedro Vicente (~30/11) Agromuseu Municipal Dona Julinha - Ortigosa •”Medidores de Azeite” (~31/12) Galeria Mouzinho de Albuquerque - Batalha • Pintura de Artur Franco (30/11~9/12)

MÚSICA | TEATRO | EVENTOS Teatro José Lúcio da Silva - Leiria •”A Naifa” - múscia (30/11, 21h30) Teatro Miguel Franco - Leiria •”Marionetas d’aldeia” - teatro (30/11, 15h00) M|i|mo - Museu da Imagem em Movimento - Leiria • Câmaras obscuras - oficina de construção (29/11, 10h00) • Técnicas alternativas de cianotipia - oficina (29/11, 14h30) Sala Jaime Salazar Sampaio - Leiria •”C10H14N2-NICOTINA” - teatro (9 e 30/12, 22h00) Casa-Museu João Soares - Cortes • Viva a vida (29/11, 15h00) Biblioteca Municipal - Batalha • A hora do conto (15/12, 16h00) Museu da Comunidade Concelhia - Batalha • Colecção de conversas (7/12, 21h00)

Primeiro volume destaca José Raposo Magalhães

CEPAE lança colecção de “Biografias Estremenhas”

O Centro do Património da Estremadura (CEPAE) vai lançar uma nova colecção de “Biografias Estremenhas”. Trata-se de uma colecção de bolso em formato A6 que visa recuperar o essencial da vida e da obra de personalidades estremenhas nascidas ainda no século XIX e que deixaram a sua marca no século seguinte. O primeiro volume é da autoria de António Maduro e tem por título “José Raposo Magalhães – Lavrador, Político, Filantropo”. José Raposo Magalhães foi uma personalidade que marcou a vida empresarial e a política da região. O lançamento da colecção está marcado para dia 1 de Dezembro, pelas 16h30, nas instalações do Museu do Vinho, em Alcobaça, no âmbito de um colóquio sobre a história da Adega do Olival Fechado. Segue-se um debate sobre o futuro do museu nacional do Vinho.

“Explode” é o tema da exposição de fotografia inclusiva dos The Gift que ficará patente na Biblioteca José Saramago, no Campus 2 do Instituto Politécnico de Leiria até dia 4 de Janeiro de 2013. Uma mostra que tem a particularidade de permitir que as pessoas cegas e com baixa visão possam partilhar as emoções vividas pelo grupo na experiência multi-sensorial dos festejos “Holi”, na Índia, por altura da criação do Trabalho “Explode”, através da disponibilização de audio-descrição

DR

Teatro Miguel Franco (Leiria) • PARA ROMA COM AMOR | Comédia/Romance | de Woody Allen | c/ Woody Allen, Penélope Cruz, Jesse Eisenberg, Roberto Benigni, Judy Davis, Ornella Muti, Alec Baldwin | 2 de Dezembro, 21h30, 3 de Dezembro, 21h30 e 4 de Dezembro, 18h30 e 21h30. • QUANDO UMA ÁRVORE CAI | Documentário | de Marshall Curry e Sam Cullman | 5 de Dezembro, 21h30. • GEBO E A SOMBRA | Drama | de Manoel de Oliveira | 10 de Dezembro, 21h30, 11 de Dezembro, 18h30 e 21h30.

Instituto Politécnico de Leiria recebe exposição de fotografia dos The Gift

e informação táctil. A exposição é constituída por 18 fotografias. Esta experiência multisensorial utiliza a técnica

“Soundpainting” onde a versão áudio das fotografias é feita através de Poesia, acompanhada de efeitos sonoros e música. Este

trabalho de adaptação é da responsabilidade de Josélia Neves, docente e investigadora do IPL, e a maior especialista portuguesa nesta área dos formatos inclusivos, que criou os formatos alternativos disponíveis na exposição. Uma mostra com inauguração marcada para 3 de Dezembro – Dia Internacional das Pessoas com Deficiência – pelas 21h00 e que contará com a presença de Sónia Tavares e Nuno Gonçalves dos The Gift.

Artista plástica trabalhou na FEIS

Erga Rehns doa peças ao Museu do Vidro O espólio do Museu do Vidro, na Marinha Grande está mais rico. Tudo porque a artista plástica Erga Rehns que trabalhou na FábricaEscola Irmãos Stephens (FEIS) entre 1986 e 1992, doou várias peças de sua autoria. Erga Rehns trabalhou com alguns dos grandes mestres vidreiros da fábrica, como é exemplo Joaquim Domingues, Ilídio Fortunato e António Esteves, na criação das suas esculturas e peças em cristal. Esta doação contempla

DR

CINEMAS

um total de cinco peças, nomeadamente, uma escultura em cristal transparente com base em pedra, com aproximadamente 52,5cm de altura; uma

escultura em cristal policromo, com forma cónica, aberta nos dois topos, com aproximadamente 30cm de altura e cerca de 25cm de diâmetro; uma escultura

em cristal policromo, com forma cilíndrica, aberta nos dois topos, com aproximadamente 38cm de altura (máxima); uma escultura em cristal policromo, com aplicação de “cordas” de cristal transparente, aberta nos dois topos, com aproximadamente 40cm de altura e por fim um em cristal policromo, com aproximadamente 37cm de diâmetro. Actualmente Erga vive em Wadi Run, na Jordânia, encontrando-se a preparar o seu regresso para Portugal no próximo ano.

Mais de meia centena de expositores presentes

Feira de Artesanato e Gastronomia inaugura a 30 de Novembro Na Marinha Grande começa amanhã a 23ª Feira Nacional de Artesanato e Gastronomia (FAG) e decorrerá até dia 9 de Dezembro, no Parque Municipal de Exposições, numa organização da Associação Social

Cultural e Desportiva de Casal Galego com o apoio da câmara municipal. Neste certame os visitantes encontram artesãos de Norte a Sul do país a trabalharem ao vivo peças genuínas e apresentando

as novas tendências. Além disso é possível apreciar a boa cozinha portuguesa. Este ano a FAG conta com a presença de mais de meia centena de expositores. A feira todos os dias apresentará um programa

de animação cultural diversificado, estando a inauguração marcada para as 18h00 desta Sexta-Feira.


CULTURA/SOCIEDADE 5

O Mensageiro 29.Novembro.2012

Mais uma página na história da solidariedade em Leiria

Decisão que põe em causa décadas de trabalho

“Páginas de Música” foi um sucesso

Presidentes de Junta discutiram proposta da UTRAT em Assembleia

Lobo. Grandes figuras do panorama mundial da música clássica de referência foram evocadas, como Wolgang A. Mozart, Johann Strauss, Giuseppe Verdi, Astor Paizzola, João Camacho ou Cole Porter. A excelente prestação do coro da orquestra do Norte, as vozes e representações do croata Boris Martinovich e da espanhola Margarita Guerra, traduziram-se em

momentos altos de uma noite solidária inesquecível. No evento, apresentado por Anselmo Crespo da SIC, Fernanda Roda, uma das impulsionadoras deste projecto “Páginas de Música”, divulgou as ajudas do ano anterior, apresentou uma associação criada para a dinamização solidária na nossa região e agradeceu a todos os patrocinadores

que tornaram possível esta iniciativa, tão precisa para tantas pessoas que passam por dificuldades neste tempo de crise. Num momento difícil da conjuntura nacional, saber que ainda existem empresários que ajudam de forma solidária, é um gesto que marca e valoriza a região de Leiria, eliminando mais assimetrias. Joaquim Santos

Jantar solidário da Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral (Leiria)

Utentes, famílias e muitos amigos viveram festa de Natal No dia 24 de Novembro, o salão de festas do restaurante O Casarão foi pequeno para as muitas pessoas que participaram no décimo jantar de Natal solidário da APPC (Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral - núcleo de Leiria). No início dos preparativos da época natalícia de 2012, mesmo com um tempo de grandes exigências e limitações orçamentais das empresas e famílias, este centro de reabilitação de Leiria que ajuda crianças que considera especiais, angariou algumas verbas que vão contribuir para o desenvolvimento da sua missão. Participaram neste evento de Natal da APPC, os utentes, famílias e outras pessoas solidárias, numa lógica de contributo para que a associação cum-

“Desapontamento” é a palavra que a NERLEI – Associação Empresarial da Região de Leiria usa para comentar a decisão do Conselho de Ministros em aprovar a extinção e separação do Pólo de Turismo Leiria/Fátima. Os concelhos de Leiria, Batalha, Marinha Grande, Pombal e Porto de Mós vão integrar a Região de Turismo do Centro e o concelho e Ourém e Fátima são integrados na Região de Turismo Lisboa e Vale do Tejo. Uma opção que segundo a NERLEI coloca “em causa décadas de trabalho de promoção turística conjunta”.

Município de Leiria disponibiliza juristas Bruno Coutinho

Na noite de 23 de Novembro, no Teatro José Lúcio da Silva, com o concerto “Páginas de Música” escreveu-se mais uma página na história da solidariedade a instituições sociais da nossa região. Este ano, com a sua segunda edição, o espectáculo veio conferir mais esperança à Caritas Diocesana de Leiria, ao Centro de Acolhimento “O Girassol”da Marinha Grande, Centro de Acolhimento de Leiria e à criada bolsa de estudo “Páginas de Música”, que pretende ajudar um estudante que frequente o ensino superior mas que não disponha de recursos financeiros suficientes. Mais do que escrever uma página na solidariedade da região também se ‘ouviram’ excelentes momentos musicais, pela Orquestra do Norte, sobre a direcção do maestro José

NERLEI desapontada com extinção do Turismo Leiria-Fátima

A maioria dos presidentes de junta do concelho de Leiria está contra a proposta de reforma administrativa apresentada pela Unidade Técnica para a Reorganização Administrativa do Território (UTRAT). Por isso, em reunião realizada no dia 20 de Novembro, na Câmara Municipal de Leiria ficou decidido realizar uma Assembleia Municipal Extraordinária, até dia 10 de Dezembro, no Teatro José Lúcio da Silva e aberta à população. Além disso, a câmara municipal disponibilizou os seus serviços jurídicos para que seja estudada “qual a melhor forma de manter o actual mapa administrativo das freguesias” adianta em comunicado a autarquia. Nesta reunião estiveram presentes representantes de 26 freguesias, das 29 que compõem o concelho. Raul Castro, presidente da Câmara manteve a posição de sempre ao defender que o actual mapa administrativo deve ser mantido. O autarca acredita que “ a proposta da UTRAT vai lesar os interesses dos munícipes, por haver menor proximidade dos centros de decisão e conduzirá, a médio prazo, ao desaparecimento de alguns serviços, nomeadamente centros de saúde, e, consequentemente, gerará mais desemprego”. A proposta da Unidade Técnica prevê a redução de 11 freguesias.

Vencedores conhecidos a 4 de Janeiro

ACILIS promove Concurso de Montras de Natal

pra os seus objectivos. Este tipo de iniciativas contribui ainda para sensibilizar a sociedade da problemática da paralisia cerebral, tornando-se importante porque existe a “necessidade de prevenção, habilitação e inclusão social”. A Associação

Portuguesa de Paralisia Cerebral (Leiria) foi fundada em 2000 por um grupo de pais de crianças especiais, que se constitui como dinamizador de outros pais com os mesmos problemas, no sentido de melhorar a qualidade de vida dos seus

filhos e famílias. O Natal de 2012 já se tornou especial para tantas crianças e adultos que estiveram neste jantar solidário.

Texto e foto: Joaquim Santos

A ACILIS – Associação Comercial e Industrial de Leiria, Batalha e Porto de Mós vai realizar de 10 a 17 de Dezembro o tradicional Concurso de Montras de Natal, subordinado ao tema “O Natal no Comércio” nos concelhos da sua área de actuação. O objectivo é fomentar o comércio e, ao mesmo tempo, embelezar as ruas comerciais destas três localidades. No final serão premiadas as três melhores montras. Para os associados da ACILIS a participação é gratuita e para os não associados é sujeita ao pagamento de uma taxa de cinco euros. A divulgação dos vencedores acontecerá, em cerimónia pública, a realizar na sede da ACILIS, em Leiria, no dia 4 de Janeiro. A associação, nesta época de Natal, lançou também o desafio aos comerciantes para colocarem uma árvore de Natal iluminada na rua, junto às portas das lojas e que a deixem a funcionar no interior do estabelecimento depois de encerrarem. Em comunicado a ACILIS considera que “uma forte adesão a esta iniciativa poderá trazer uma cor e brilho a Leiria como há muito não se vê”. Além disso, esta acção “poderá ajudar a atrair clientes ao comércio de rua e a colmatar o desinvestimento que se tem observado por parte da Câmara ao nível da decoração e iluminação de Natal”.


6 SOCIEDADE Projeto IPL (+) Inclusivo quer formar para mudar atitudes O Instituto Politécnico de Leiria (IP Leiria) apresentou no dia 27 de Novembro, em Leiria o IPL (+) Inclusivo, Trata-se de um projecto que pretende “transformar o IP Leiria numa instituição cada vez mais inclusiva, capaz de receber e integrar pessoas com necessidades especiais, e de mover mentalidades e potenciar atitudes inclusivas das pessoas que integram a comunidade do Instituto” adianta Josélia Neves, responsável pelo projecto. A acção baseia-se numa campanha de sensibilização, de informação e formação para a mudança de atitudes no que respeita às temáticas da inclusão/ exclusão, que atraiu já para esta causa o apoio da comunidade estudantil do Instituto e de personalidades como Boss AC, “padrinho” do Projeto, a jornalista Madalena Balsa, o grupo The Gift, Fernanda Freitas, a atleta Telma Fernandes e o atleta para-olímpico Armando Costa, entre outros. O Projeto IPL (+) Inclusivo, que tem por mote “Um compromisso pela inclusão”, reconhece os princípios de liberdade, igualdade e dignidade humana como valores supremos de uma sociedade pluralista, justa e solidária, e defende a inclusão total e incondicional de todas as pessoas em todos os contextos da vida humana. Para isso, pretende o processo de transformação da sociedade para atender à singularidade de cada um, naquilo que tem de único, defendendo uma cultura de diversidade, em todas as dimensões da vida em sociedade, e a começar no sistema educativo. Todos os envolvidos se comprometem assim a eliminar barreiras e a traçar o caminho com a acção, sendo um exemplo, seja trabalhando com pessoas com necessidades especiais, seja dando voz a quem não a tem, incentivando a mudança e respeitando a diferença. Boss AC criou o Hino do IPL (+) Inclusivo intitulado “Tu és mais forte”.

Famílias carenciadas vão ter almoço solidário

Natal na Batalha tem mais brilho Em altura de crise, um grupo de 80 comerciantes da Batalha, não quis deixar a vila sem brilho e cor no Natal, de 1 de Dezembro a 6 de Janeiro. Por isso, uniram esforços e com o apoio da autarquia e sob o slogan “O Natal na Batalha tem mais brilho” apresentaram um programa de actividades. Assim, além das tradicionais iluminações de Natal também estão previstas acções de animação de rua, momentos musicais, actividades para crianças, passeios de charrete e de pónei, diversas exposições de artes plásticas, de presépios e de árvores de Natal. Os dinamizadores acreditam que “as iniciativas previstas se assumam como um factor de atracção e de chamamento de potenciais compradores para a Vila”. Os mais desfavorecidos não foram esquecidos, estando agendado um almoço solidário para as famílias carenciadas do concelho.

29.Novembro.2012

Menos cinco milhões na Câmara da Batalha

Acção Social com grande destaque no Orçamento para 2013 O Orçamento e o Plano Plurianual de Investimento do Município da Batalha para 2013, no valor total de 10,8 milhões de euros foi aprovado com cinco votos a favor e uma abstenção. Deste total 7.175.783 € correspondem a despesa corrente e 3.806.531€ a despesa de capital. Em comunicado a câmara da Batalha adianta que comparativamente com 2012 se verifica “uma redução no orçamento de cinco milhões de euros”, o que é justificado com a “drástica

redução das receitas municipais e a exigência ao nível da consolidação das contas públicas”, bem como “os condicionalismos da actual conjuntura económica conjugados com a manutenção dos níveis do endividamento líquido, (Lei dos Compromissos e dos Pagamentos em Atraso)”. Nesse sentido, e para fazer face a esta redução orçamental António Lucas, presidente da autarquia defende que “o exercício de 2013 será de maximização dos fundos provenientes

do QREN que, registe-se, representam a maior rubrica da receita de capital e a mais importante fonte de financiamento externa do investimento público autárquico, com 59% das transferências de capital”. Um orçamento que aposta no Ordenamento do Território com 33,7 por cento do total de investimento a realizar; no Desporto Recreio e Lazer com 30,3 por cento e na Educação com 13,2 por cento. Em 2013 o município vai implementar o Progra-

ma V.O.A – “Ver e Ouvir para Aprender” que consiste no apoio da autarquia “ao diagnóstico, consultas e apoio na aquisição de óculos e próteses auditivas para crianças do 1º C.E.B. e que se constituirá como uma grande ajuda para as famílias mais carenciadas do concelho, atendendo aos custos habituais da aquisição de óculos e de aparelhos auditivos”, adianta no mesmo comunicado António Lucas.

Eleição decorreu a 15 de Novembro

Pedro Faria é o presidente do Conselho Geral do Instituto Politécnico de Leiria Pedro Faria foi eleito presidente do Conselho Geral do Instituto Politécnico de Leiria (IPL), no passado dia 15 de Novembro. Pedro Faria exercia o cargo de vicepresidente, liderando o Conselho provisoriamente depois do falecimento de José Ribeiro Vieira, anterior presidente deste órgão de gestão. O Conselho Geral do IPL é composto por 33 membros, representantes dos professores e investigadores do Instituto, representantes dos estudantes,

DR

Boss AC canta o hino”Tu és mais forte”

O Mensageiro

personalidades externas «de reconhecido mérito (…), com conhecimentos e experiência relevante»,

e um representante do pessoal não docente e não investigador do Instituto. Ao Conselho Geral com-

petem diversas funções, no âmbito da colaboração com a Presidência do Instituto, como a apresentação de propostas com vista à melhoria do funcionamento da instituição, aprovar as estratégias e linhas gerais a desenvolver, criar, transformar ou extinguir unidades orgânicas, aprovar os planos anuais de actividades, fixar as propinas devidas pelos estudantes, entre outras funções.

Governo defende separação

Na freguesia de Marrazes

Turismo Leiria-Fátima na agenda

O trânsito estará interrompido, na Rua da Palmeira, em Arrabalde da Ponte, no dia 4 de Dezembro, entre as 09h00 e as 17h00, excepto para residentes. Em comunicado a Câmara de Leiria explica que a interrupção se fica a dever “à realização de intervenções a cargo da EDP”. O itinerário alternativo deverá ser feito pela Rua José Oliveira Zúquete e pela Estrada dos Marinheiros.

A Assembleia-Geral da Entidade Regional Turismo de Leiria-Fátima considera que a decisão do governo de extinguir e dividir o Turismo Leiria-Fátima “prejudica grandemente o trabalho desenvolvido na promoção da região, com graves consequências económicas para o sector

Rua da Palmeira interdita ao trânsito no dia 4 Dezembro

empresarial”. Por isso a Assembleia deliberou, por unanimidade, manifestar o “seu profundo desagrado por terem sido ignorados todos os apelos da Turismo de Leiria-Fátima, das autarquias, de diversas entidades e empresários do sector para que a entidade não fosse

extinta e não fosse separada”. E ainda manifestar a “profunda preocupação por uma reorganização que não tem em consideração as especificidades turísticas de uma região com mais de cinco décadas de afirmada promoção internacional”. Por fim, AssembleiaGeral da Turismo de Leiria-

Fátima entende “prioritário e essencial” que se mantenham “unidos os actuais concelhos integrados na Turismo de Leiria-Fátima” e que as áreas metropolitanas de Lisboa e Porto “sejam separadas das novas entidades regionais”.


SOCIEDADE 7

O Mensageiro 29.Novembro.2012

Fundação Francisco Manuel dos Santos

CHLP lidera Registo Nacional de Artroplastias

Mais de centena e meia de profissionais ligados às áreas cirúrgicas, entre médicos, enfermeiros, anestesistas participaram nas I Jornadas Perioperatórias do Centro Hospitalar Leiria-Pombal (CHLP) que decorreram nos dias 15 e 16 de Novembro. Os especialistas realçaram as vantagens dos procedimentos minimamente invasivos e do trabalho das equipas multidisciplinares na melhoria da qualidade de vida dos utentes. Hélder Roque, presidente do Conselho de Administração do CHLP, salientou os temas que deram o mote às Jornadas, “Multidisciplinaridade, qualidade e eficiência”, afirmando que a “coesão e a multidisciplinaridade são objectivos comuns para a qualidade e eficiência”, e devem ser a base de trabalho de todos os profissionais. Também acerca do ensino, formação e investigação, o presidente do CHLP explica que “se queremos crescer, criar áreas de excelência e inovação, pólos de atracção

DR

Jornadas Perioperatórias discutem vantagens dos procedimentos evasivos

para novos profissionais e responder às necessidades, cada vez maiores e mais exigentes, dos nossos utentes, temos que investir em nós, no nosso próprio crescimento profissional”. “Este é, definitivamente, um hospital em movimento, dinâmico, forte, eficiente, e um motivo de orgulho para a região e para o País”, salientou. O primeiro painel das

Jornadas deu relevo à Ortopedia, com destaque para as artroplastias da anca e do joelho. O CHLP liderou, nos primeiros dois anos do Registo Nacional de Artroplastias, o ranking de artroplastias registadas, mantendo-se em primeiro lugar dos hospitais públicos pelo terceiro ano consecutivo. Este registo é “um controlo de qualidade fun-

damental, já que permite monitorizar o implante desde que é colocado até ser removido, e é um indicador de boas práticas que serve de guia para todos os hospitais”, explicou António Sá, destacando que o Hospital de Santo André (HSA), unidade do CHLP, é um hospital com alto volume de cirurgias, e é uma referência a nível nacional.

Reflecção sobre as novas tecnologias na educação

O Instituto Politécnico de Leiria (IP Leiria) recebe, no próximo dia 4 de Dezembro, uma reflexão sobre o papel das novas tecnologias da informação e comunicação (TIC) na educação e aprendizagem, uma conferência organizada pela Fundação Francisco Manuel dos Santos, no âmbito do ciclo de conferências “Questões chaves da educação”, e que visita também as cidades de Lisboa e Porto. “Quais as capacidades básicas a adquirir pelos alunos no uso das TIC? Aprende-se melhor com recurso às novas tecnologias? Os alunos têm melhores resultados? Pode o aluno “descobrir” conhecimentos por si mesmo com o auxílio das TIC?” estas são algumas das questões em cima da mesa, no encontro que se foca no papel do computador e da multimédia na sala de aula e na aprendizagem. A organização explica a pertinência do encontro pelo papel que as TIC têm tido desde que “entraram” nas escolas, e traz a Leiria três especialistas que analisarão se estaremos de facto a utilizar bem as TIC em prol da aprendizagem. Jeroen van Merriënboer, docente na Universidade de Maastricht, discutirá o modo de conceber e utilizar recursos tecnológicos para promover a aprendizagem, enquanto Secundino Correia, diretor pedagógico da CNOTINFOR, e João Paiva, docente na Universidade do Porto, abordarão as mais-valias das novas tecnologias para a aprendizagem, tanto por alunos com necessidades especiais, como por alunos do ensino básico e secundário na área das ciências. José Manuel Silva, vice-presidente do IP Leiria, destaca a actualidade do tema, uma vez que «as tecnologias de comunicação e informação, são cada vez mais presentes e indispensáveis no meio sala de aula, contribuindo para a educação dos estudantes em todos os graus de ensino, tal como fora desse meio, como em casa por exemplo». «Há por isso que debater todas estas questões, como usar da melhor forma as TIC, como as usar em contextos específicos de aprendizagem, como educar e sensibilizar os estudantes para as usar da melhor forma, entre outras», explica.

Revista Nature destaca projecto

Reconstituição da “Sala da Caçada” da Casa dos Repuxos de Conímbriga O trabalho de reconstrução virtual da “Sala da Caçada” na casa dos Repuxos, das ruínas de Conimbriga de Alexandrino Gonçalves, docente da Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG) do Instituto Politécnico de Leiria (IP Leiria) mereceu destaque na Revista Nature. Este projecto, pioneiro em Portugal, usa a tecnologia High Dynamic Range (HDR) para elaborar imagens que apresentam os artefactos existentes na referida sala, como sejam o

mosaico e os frescos pintados nas paredes, tal como eles seriam percepcionados pelos próprios habitantes romanos. Este projecto foi possível porque, além da geometria exacta da sala, foi igualmente replicado o método de iluminação usado pela civilização Romana no período em questão (século I d.C.), como as lamparinas de azeite, que foram usadas em testes reais e posteriormente simuladas no modelo virtual. O modelo criado por Alexandrino Gonçalves

foi testado com voluntários que foram confrontados, num ecrã HDR, com imagens do mesmo cenário, mas usando ora iluminação romana ora iluminação eléctrica (semelhante à percepção que um visitante tem nos dias de hoje), e os resultados mostraram que, entre os diferentes tipos de iluminação, “a forma de visualização é substancialmente diferente, a nossa atenção é “desviada” para diferentes locais da sala e inclusive há cores que são percepcionadas com tonali-

dades diferentes”, explica o docente da ESTG. “Dado que já há alguns anos que o enfoque da minha investigação se tem centrado na área da Realidade Virtual aplicada em contextos de Herança Cultural, decidi que, pela afinidade e gosto pessoal, iria manter esta temática na minha tese de Doutoramento», conta Alexandrino Gonçalves, daí que «juntando a componente histórica ao facto de, aquando do início dos trabalhos de doutoramento, o HDR ser uma

tecnologia muito recente e com um potencial enorme, a combinação entre recriações históricas e tecnologia parecia perfeita”. Quanto ao impacto que este trabalho inovador trará ao estudo das antigas civilizações, Alexandrino Gonçalves realça que, “para qualquer que seja a civilização retratada, aquando da recriação virtual de espaços de herança cultural, em museus por exemplo, deve ser sempre que possível usada a iluminação da época em causa, de forma

a podermos ter uma interpretação, seja religiosa, cultural ou arquitectónica, o mais aproximada possível daquela que os nossos antepassados tinham”, afirmando que esta possibilidade “poderá até alterar alguns dos fundamentos da nossa sociedade”. O reconhecimento da revista Nature “terá sido provavelmente o melhor epílogo que este trabalho de alguns anos poderia ter”, confessa o docente da ESTG.


8 ECLESIAL

O Mensageiro 29.Novembro.2012

Família há oito séculos

N

este périplo pela Ordem de Santa Clara ao longo dos seus 800 anos vida, iniciamos agora uma viagem até às Ilhas dos Açores onde Santa Clara resplandeceu de forma surpreendente. Neste arquipélago apenas com nove ilhas foram fundados quinze Mosteiros. Foram das primeiras missionárias que se fizeram ao largo enfrentando tempestades e mares para levarem a este maciço vulcânico a beleza da Altíssima Pobreza e a luz esplendorosa do Santo Evangelho. O arquipélago conservando a sua típica e pitoresca beleza natural, quase selvagem, e ainda intocada pelo homem e flora exuberante que, vaidosa, mostra todas as cores do arco-íris, com suas rotas solitárias, vilas pequenas e sossegadas, estradas desertas e pitorescas, constituiu espaço privilegiado para as filhas da Santa de Assis erguerem templos ao Autor de toda a beleza. Assim, por entre casas senhoriais, igrejas do século XVI ou

simples e pacatos povoados e numerosos moinhos de vento, elevam-se para o Céu os vetustos claustros das Irmãs Clarissas como presença viva do Altíssimo Omnipotente e bom Senhor no meio do Seu Povo. Aportaram, primeiro à ilha Terceira, onde levariam acabo a primeira fundação em Vila da Praia. No seu Livro “Saudades da Terra”, Gaspar Frutuoso referiu que, na Praia da ilha Terceira existiam três mosteiros de freiras, um deles chamado de Nossa Senhora da Luz. Este mosteiro, o primeiro que ali se edificou, foi visitado por D. António Prior do Crato. Foi mandado construir por Catarina de Cristo, que no mundo se chamava Catarina de Ornelas de Teve, filha do capitão Diogo de Teve Gusmão e de Dona Leonor Gonçalves de Ornelas. Nas casas de seus pais fundou este mosteiro, o primeiro que houve na ilha e foi ela a primeira que nele fez profissão, sendo depois abadessa da Comunidade. Ao tempo da sua inauguração, em 1512,

já nele viviam vinte e seis Religiosas. Visto que o mosteiro estava situado junto ao mar, com frequência era vítima de inundações, o que fez que toda a Comunidade se transferisse para uns terrenos adjacentes à ermida de S. Sebastião, onde edificaram novo mosteiro, e donde viriam a ser expulsas com o advento do liberalismo. Com a extinção das Ordens Religiosas, os serviços do Tribunal instalaram-se nas dependências do antigo Mosteiro da Luz. O ambiente político e caótico da época ficou bem retratado no incidente narrado por Francisco Ferreira Drumond nos seus “Anais da Ilha Terceira”: Em Julho de 1821 uma corja de fanáticos sitiou o parlatório (sala onde as Irmãs recebem as visitas e onde existe uma separação física) do mosteiro num atentado contra a vida do próprio Drumond, que lá se encontrava. Então as Irmãs comunicaram o sucedido ao juiz de fora que a toda a pressa se dirigiu em socorro do sitiado.

O DOM DA FÉ

nenhuma tentação possa extinguir o fogo da caridade que a vossa graça acendeu em nossos corações” (LH IV, 726). Ela sugere que a fé nasce da iluminação operada pela palavra de Deus e leva-nos a implorar a Deus que não nos deixe cair em nenhuma tentação que obscureça a fé e apague a caridade. Na vida estamos habituados a que os homens afirmem o seu poder, exerçam a sua capacidade de influência sobre os outros, procurem dominar e fazer valer a sua supremacia. Nós próprios não estamos isentos de agir deste modo nas diferentes situações da vida: na família, nos grupos, nas relações pessoais e na sociedade em geral. Gostamos de dominar e ter ascendência de qualquer modo sobre os outros. Para isso construímos o nosso próprio trono e nos sentamos nele. Cada um tem

o seu próprio reduto onde reina. O reino do mundo é assim. Não é assim o reino de Cristo. O seu poder não é feito de domínio mas de serviço, não de aparência mas de autenticidade e verdade, não de juízo severo sobre os outros mas de compreensão e misericórdia, não de condenação implacável dos erros e pecados mas de perdão e de convite a recomeçar e de tomar o reto caminho, não de exigir a atenção sobre si mas de acolher os outros e de os amar, não de horizontes curtos mas de visão alargada e infinita, não simplesmente material e temporal mas integralmente humano e espiritual. É um poder que se manifesta numa pessoa humana que é, ao mesmo tempo e inseparavelmente, divina. Por isso, Jesus responde a Pilatos que o seu reino não é deste mundo mas manifesta-se nele, es-

Pe Jorge Guarda

Vigário Geral da Diocese

Superar as próprias marcas http://padrejorgeguarda.cancaonova.pt

N

o passado Sábado a liturgia da Igreja ofereceu-me esta oração: “Senhor, que iluminastes as trevas da nossa ignorância com a luz da vossa Palavra, aumentai em nós a fé que nos destes, para que

DR

Nas ilhas vulcânicas

Um outro escritor refere que: nas últimas noites de 1831, em pleno período do regime liberal, cometeramse sobre as Religiosas os vilipêndios e as atrocidades morais que apenas baixos instintos e paixões podiam ditar, e tudo ficou impune a patentear o ambiente anárquico reinante, espezinhando todos os princípios basilares do Respeito, da Moral e da Justiça. Neste mesmo local de Vila da Praia foi fundado em 1534 ainda outro Mosteiro, chamado Mosteiro de Jesus. Ainda na mesma Ilha, Santa Clara começou a viver na cidade de Angra do Heroísmo a “Sempre Leal Cidade de Angra”, como nobremente a designou El-

rei D. João IV. Denominado Mosteiro de Nossa Senhora da Esperança foi o terceiro a ser construído em 1530, entre os nove Mosteiros outrora existentes na mesma Ilha Terceira. Nos séculos XVI esta Ilha começou a tornar-se importante como porto de escala para os galeões espanhóis, carregados de riquezas vindas do Novo Mundo. Com todo o ouro, diamantes, porcelanas, especiarias e sedas armazenadas no porto de Angra, a ilha tornou-se um dos alvos preferidos dos piratas e corsários, oriundos dos países inimigos da coroa espanhola, como a França, Flandres e Inglaterra. Francis Drake, em 1597, liderando uma

pecialmente onde vigora a verdade, a justiça e o amor (Jo 18, 36-37). Receber a luz da fé em Jesus Cristo e em Deus significa vislumbrar o invisível a partir do visível e para além dele, ultrapassar a opinião para captar a verdade na sua essência e clareza, aceitar o desafio da palavra de Deus e deixar-se conduzir por ela de modo a agir em conformidade na própria vida, admitir que a realidade é mais do que o natural e o racional, pois existe o sobrenatural e o divino, confiar no que não se vê nem se compreende de imediato, reconhecer a realidade dos milagres que acontecem por obra de Deus, isto é, os factos admiráveis, maravilhosos, extraordinários, inexplicáveis à luz dos conhecimentos simplesmente humanos. A fé abre ao homem um horizonte infinito, ilimitado, divino para a própria vida.

Por isso transforma-a. A fé em Deus é uma atitude imprescindível da vida, sem ela esta fica mais pobre e limitada. Pela fé, mediante a graça divina, o homem ultrapassa as próprias marcas dos seus limites, tem acesso ao impossível para ele mas possível para Deus. Com tal dom divino, supera a morte e recebe a vida eterna A fé cristã verdadeira ajuda a vencer a superstição, o medo e a desconfiança, pois vivemos a relação com Deus, que é senhor da nossa vida, nos ama e nos protege. Com ele nada tememos e confiamos que nada nem ninguém nos pode fazer mal. Esta fé permite-nos reinar, ou seja, ter um domínio suficiente sobre a nossa vida e sobre as relações com os outros e com o mundo. Jesus abriunos a este reino. A palavra de Deus diz-nos que Ele “nos ama e nos purificou

frota de cerca de cem barcos, tentou conquistar os galeões ancorados no porto de Angra. Eis então que as Irmãs Clarissas de mãos postas em oração diante da divina Eucaristia, como outrora a Santa Fundadora, defendem também elas a sua cidade, aquela cidade que as acolhe e que com tanta liberalidade e com elas partilha o pão de cada dia. São necessárias fortalezas para a defesa do território, mas a vitória não está no número dos cavalos nem a grandeza dos exércitos, nem o herói se salva pela sua valentia porque, se o Senhor não guardar a cidade em vão vigiam as sentinelas. Por isso, apesar das pedras do Mosteiro de Nossa Senhora da Esperança terem desabado como todos os outros, vítima de leis iníquas, o perfume daquelas vidas oferecidas a Deus permanece por toda a eternidade.

Irmãs Clarissas de Monte Real

dos nossos pecados e fez de nós um reino, sacerdotes para Deus e seu Pai” (Ap 1,4-5). Portanto, com Ele reinamos e temos confiança. Sem esta fé em Cristo tornamo-nos mais vulneráveis às situações adversas da vida, ainda que por vezes sejam somente de ordem psicológica, isto é, nos modos como as pensamos existem somente na nossa cabeça e não na realidade fora de nós. Pela fé em Cristo tornamo-nos vencedores em muitas das adversidades da vida quotidiana, vamos mais longe, aspiramos e trabalhamos pela santificação, pois queremos corresponder à graça divina de sermos semelhantes a Deus e participantes da sua vida. Os santos mostram-nos que é possível o homem superar as próprias marcas sempre que vive na fé em Deus e corresponde aos dons a à força que dele recebe.


DIOCESE 9

O Mensageiro 29.Novembro.2012

Visita Pastoral à Diocese Entrevista ao padre Luís Inácio João, pároco de Parceiros

Todos sentiram reforçados os laços de união com o seu Bispo

Como se preparou a comunidade para receber o Bispo? Não fomos excepção e até aproveitámos com a experiência das visitas já efectuadas na diocese. Recebido o anúncio com grande satisfação, interessava desde logo orientar as expectativas segundo o espírito e os objectivos delineados. A atitude crente tinha que dar primazia à disponibilidade interior sem a qual nada é profundo nem verdadeiro, e o aspecto organizativo reclamava uma programação realista e eficaz. Deste modo, promoveu-se a oração pessoal, familiar e comunitária, em torno da Palavra de Deus, que continua a falar ao seu povo, deu-se início ao processo de proposta do programa, com a intervenção directa do Conselho Pastoral Paroquial, e após

a sua aprovação desencadeou-se a etapa decisiva de divulgação e convite de casa em casa. Qual foi o critério na elaboração do programa? Delineados os objectivos, bastava e urgia reunir os meios e estabelecer os momentos. Sendo para a comunidade paroquial em todas as suas dimensões, a visita não deixaria de ser um acontecimento eclesial e social e não podia reduzirse a um facto burocrático ou só celebrativo. D. António anunciara-se com a intenção de aprofundar o conhecimento, a estima e a ajuda recíproca e havia recordado muito recentemente a toda a diocese que a Igreja, em cada um dos seus membros e comunidades, deve estar e participar na vida social comum, com toda a sua identidade. O programa teria mesmo que ser inclusivo nas várias expressões de celebração e encontro festivo, para expressar a unidade na mesma fé, a tenção a todos, privilegiando os mais necessitados, e a abertura a toda a comunidade humana. Obedecendo a imperativos de tempo e ritmos, programaram-se actos significativos com crianças, adolescentes, jovens e adultos, grandes celebrações na igreja paroquial e na igreja de Pernelhas, uma assembleia paroquial de serviços e movimentos, e encontros específicos com a catequese e os casais. Também se planearam expressões de apreço pelas boas iniciativas da sociedade civil, simbolizadas nas associações culturais e recreativas. Finalmente, reconhecendo e afirmando a pertença e o compromisso com a sociedade, que se constrói na diversidade solidária das cooperações, deu-se o devido realce à Junta de Freguesia que correspondeu com uma honrosa presença e fez questão de homenagear o Senhor Bispo na sua sede.

os corações de par em par ao Senhor Jesus Cristo.

LMFerraz l GIC Leiria-Fátima

Que pensa desta iniciativa do Bispo diocesano de fazer uma visita pastoral a todas as paróquias? A Carta de Anúncio não deixa equívocos. O nosso Bispo inscreve o seu acto de visita na identificação com a atitude de Jesus Cristo. Incarnando no meio dos homens a imensa solicitude de Deus, o Bom Pastor percorreu os caminhos humanos a anunciar a Boa Nova, chamou cada um a segui-lo, deu a todos a missão de anunciarem o que receberam e encarregou Pedro e os Apóstolos de velarem pela verdade e unidade, fazendo mais discípulos e confirmandoos na fé. Hoje, tal como na Igreja nascente, a visita do Bispo, que preside à Igreja local (diocese), visibiliza e fortifica a unidade eclesial, e incentiva a renovação e vitalidade das comunidades. Como D. António explicita, é o pai que se encontra com os filhos para os iluminar e encorajar, para promover a unidade e a comunhão em Cristo e na Igreja, e dar um novo impulso missionário.

De forma geral, como decorreu a visita? A presença cordial e afável do Senhor D. António cativou e deu a todos um testemunho de efectiva proximidade humana e espiritual. Na recíproca retribuição todos sentiram reforçados os laços de união com o seu Bispo e o sentido de pertença à Igreja e a força do compromisso na sua missão. Mesmo assim, e porque nada se consegue na perfeição, reconhece-se que um programa menos sobrecarregado teria possibilitado mais e melhores espaços para diálogo, sem a pressão da hora e algum inevitável cansaço de quem desejava estar atento a todos. Houve algum momento especial que queira destacar? O grande momento foi a Eucaristia dominical para toda a paróquia, que foi ao mesmo tempo de celebração do sacramento do Crisma para alguns jovens, mas destacaram-se também o encontro específico com os doentes, que

receberam a Santa Unção, expressão clara da atenção preferencial pelos mais necessitados, e as ocasiões de contacto pessoal em aproximação simples e amiga que a todos ia tocando. Qual a principal mensagem ou marca deixada por D. António Marto? D. António pretendia e conseguiu exprimir e reforçar uma proximidade que ajude a comunhão e o empenho de todos como pedras vivas da Igreja e testemunhas do Evangelho no mundo. Ele próprio sintetizou os pontos fundamentais da vivência cristã que requerem, como sublinhou ao apontar o primeiro, um esforço constante e actualizado de formação. Deste modo, no amor à Eucaristia e na fidelidade constante à sua celebração dominical, no dia da Ressureição do Senhor Jesus Cristo, os cristãos amarão a Igreja e descobrirão cada vez mais a sua condição e dignidade de seus membros activos, comprometidos na sua vida e missão. Acima de tudo, fica o apelo fundamental de abrir

Quais as expectativas criadas a partir da Visita Pastoral? Foi já definida alguma prioridade pastoral ou tomada alguma decisão em ordem à renovação da dinâmica paroquial? A visita pastoral não é a entrega de um determinado programa mas contributo precioso para que se criem as condições essenciais à

sua confecção na comunidade, de modo adequado e consistente. A renovação da comunhão, da esperança e do compromisso é condição propícia e incentivo a um trabalho transformador, a partir de dentro, para possibilitar a acção do Espírito. Não obstante, esta renovação que teve início na própria preparação, designadamente pela oração e partilha nos grupos que se constituíram, e recebeu particular incentivo com o desenrolar da visita, nunca dispensa o esforço ponderado de planeamento amadurecido a que todos serão chamados, começando naturalmente pelos principais órgãos de serviço e pelos movimentos mais significativos da comunidade paroquial. Continuaremos a implementar esta acção primordial e a pedir a força do Espírito Santo para que o discernimento a participação comum se torne cada vez mais consciente e efectiva.

Visita Pastoral 13 a 16 de Dezembro

Barreira 13 de Dezembro (Quinta-feira) 18h30 - Recepção e boas vindas, no adro da igreja. 19h00 - Celebração da Eucaristia. 20h30 - Jantar com o Conselho Económico e o Conselho Pastoral. 21h30 - Assembleia Paroquial. 14 de Dezembro (Sexta-feira) 16h00 - Celebração da Santa Unção no Centro de Dia (ADESBA). 18h00 - Visita à capela da Mourã. 18h30 - Visita à capela do Casal da Cortiça. 19h00 - Visita e celebração da Eucaristia na capela do Sobral. 20h00 - Jantar com as direcções das associações. 21h00 - Encontro com as direcções das associações e autarcas. 15 de Dezembro (Sábado) 11h30 - Encontro com o grupo de jovens (inclui almoço). 15h30 – Encontro com a catequese: infância (1º ao 5º ano). 16h30 - Encontro com a catequese: adolescência (6º ao 9º ano). 17h30 - Encontro com os crismandos (10º ano). 19h30 - Celebração da Eucaistia no Telheiro. 20h30 - Jantar com os jubilados (jubileus matrimoniais). 21h30 - Encontro com casais. 16 de Dezembro (Domingo) 11h00 - Celebração da missa. 12h30 - Almoço partilhado para toda a paróquia.


10 ECLESIAL

O Mensageiro 29.Novembro.2012

Leituras | I Domingo do Advento

JANELA SOBRE A MISSÃO

(2-12-2012

Antífona de Entrada: Salmo 24, 1-3 Leitura I: Jer 33, 14-16 Salmo Responsorial: Salmo 24 (25), 4bc-5ab.8-9.10.14 (R. 1b). Leitura II: 1 Tes 3, 12-4, 2 Aclamação ao Evangelho: Aleluia Salmo 84, 8 Refrão: Aleluia. Repete-se. Mostrai-nos, Senhor, a vossa misericórdia e dai-nos a vossa salvação. Refrão. Evangelho: Lc 21, 25-28.34-36 Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas e, na terra, angústia entre as nações, aterradas com o rugido e a agitação do mar. Os homens morrerão de pavor, na expectativa do que vai suceder ao universo, pois as forças celestes serão abaladas. Então, hão-de ver o Filho do homem vir numa nuvem, com grande poder e glória. Quando estas coisas começarem a acontecer, erguei-vos e levantai a cabeça, porque a vossa libertação está próxima. Tende cuidado convosco, não suceda que os vossos corações se tornem pesados pela intemperança, a embriaguez e as preocupações da vida, e esse dia não vos surpreenda subitamente como uma armadilha, pois ele atingirá todos os que habitam a face da terra. Portanto, vigiai e orai em todo o tempo, para que possais livrar-vos de tudo o que vai acontecer e comparecer diante do Filho do homem». Palavra da salvação.

Pe. Vitor Mira

vitormira67@gmail.com

Visitas, Baptismos e Tempestades (continuação)

T

udo corria segundo o previsto com a realização das actividades programadas. No domin-

go, durante a missa estava um calor sufocante e adivinhava-se a vinda de chuva, o que veio a acontecer. Mas começou a cair com uma tal intensidade que os que ainda não tinham saído acabaram por ficar na capela pois não dava mesmo para sair, ainda para mais com aquele piso inclinado e agora escorregadio, era mesmo melhor não arriscar. À chuva intensa associou-se um forte vento que fazia abanar a estrutura do telhado da capela em que nos encontrávamos abrigados. A determinado momento veio o grito: a casa do padre “destampou”, isto é, ficou sem tampa, as frágeis chapas de zinco, até ali presas por grossas canas de bambu e cordas, voaram todas. Então foi correr para

tirar tudo o mais rápido possível: pastas com livros, folhas e documentos, mochilas, colchões e outras bagagens tudo a ficar encharcado debaixo daquela forte chuva. Entretanto, o barro das paredes da casa de pau a pique também se ia soltando e caindo em cima dos nossos equipamentos. Com a rapidez possível tirámos tudo para outras casas que ainda resistiam, enquanto a outras acontecia o mesmo que à “minha”. No meio daquela aflição graças a Deus ninguém caiu, o que foi quase milagre tendo em conta as danças desequilibradas que íamos fazendo.

muitos sítios. Essas festas precisam de uma preparação para que tudo aconteça da melhor maneira. Mas também (e sobretudo) no plano espiritual o Natal é uma época importantíssima porque é o sinal do Amor de Deus, que se fez um de nós. Mas esta presença não apareceu de repente, foi sendo preparada ao longo dos muitos anos de existência do Povo de Deus. Os grandes arautos da salvação de Deus eram os profetas, um dos quais escutamos neste Domingo a dizer: “Farei nascer para David um rebento justo, que há-de exercer o direito e a justiça.” Claro que não era ele próprio a fazer nascer esse descendente de David, os profetas falam sempre em nome de Deus, as suas palavras são as palavras de Deus: o próprio Jeremias dizia que não sabia falar. Este descendente, este salvador, seria recto e justo: dois valores que muitos dos chefes no tempo de Jeremias não tinham. O povo humilde sentia essa falta, e porque esses chefes eram representantes de Deus o povo ficava paralisado. Hoje os homens tam-

bém vivem como que paralisados, inertes: desde que cada um tenha aquilo que quer os outros não contam. Os “sinais” catastróficos apresentados no Evangelho não são um quadro do “fim do mundo”; são imagens utilizadas pelos profetas para falar do “dia do Senhor”, isto é, o dia em que Jahwéh vai intervir na história para libertar definitivamente o seu Povo da escravidão, inaugurando uma era de vida, de fecundidade e de paz sem fim. O quadro destina-se, portanto, não a amedrontar, mas a abrir os corações à esperança: o Salvador já chegou temos então razões de sobra para lutar pelo crescimento do homem. O Advento, sendo um tempo de expectativa, não deixa de ser vivido já com a certeza de que Jesus já está entre nós e por isso S. Paulo nos repete as palavras que originariamente dirigiu aos tessalonicenses: “O senhor vos conceda aumento e abundância de caridade uns para com os outros, e para com todos.” Este apelo à caridade diária faz-nos lembrar que o tempo de paz e amor não é exclusivo do Natal, mas tem de ser vivi-

Passada a tempestade, ainda comemos o almoço de galinha com arroz na casa de um professor. Depois de ponderada a situação e após o diálogo com os catequistas, achámos por bem antecipar o regresso ao Sumbe para o mais depressa possível pudéssemos “socorrer” o que estava molhado e se podia estragar. Mais uma vez aquele simpático povo nos ajudou a levar tudo para o jipe. Por agora é tudo. Despedimo-nos com um abraço para todos vós na certeza de que nos lembramos e rezamos uns pelos outros. Cumprimentos da equipa. Estamos Juntos.

Cânticos |Imaculada Conceição (8/12/2012) INÍCIO Alegrai-Vos ó Virgem Maria - Lau 1074

AO SABOR DA PALAVRA

SALMO RESPONSORIAL Cantai ao Senhor um cântico novo (III) - Lau 201 APRESENTAÇÃO DOS DONS Ditosa Virgem sois vós - Lau 920 Ó Santissíma- Lau 939 COMUNHÃO Felizes as entranhas - Lau 924 PÓS-COMUNHÃO A minha alma glorifica o Senhor (I) - Lau 104 Avé Maria cheia de graça- Lau 901 FINAL Desde toda a eternidade (Virgem Santa) - Lau 919 Senhora nós louvamos - Lau 961

2º Domingo do Advento

Pe. Francisco Pereira pe.francisco@mac.com

1º Domingo do Advento 2 de Dezembro de 2012

Advento

Ano C (9/12/2012) INÍCIO Um povo que caminha - Lau 834 SALMO RESPONSORIAL O Senhor fez maravilhas - Lau 599 APRESENTAÇÃO DOS DONS Ao nosso encontro vieste/Palavra de amor - Lau 157 Escuta Israel - Lau 342 COMUNHÃO A minha alma tem sede de Vós - Lau 105 PÓS-COMUNHÃO Levanta-te Jerusalém eis a tua luz - Lau 470 Uma voz clama no deserto - Lau 837 FINAL Irmãos convertei - Lau 441

I

niciamos neste domingo o Advento, que é um tempo de expectativa para a chegada do Salvador. Já todos estamos à espera do Natal: é o próprio ambiente que nos rodeia que nos vai lembrando dessa realidade: os enfeites das montras das lojas, a iluminação nas ruas, a publicidade que vai aumentando. Todos começam a fazer os preparativos para esta festa: são as festas de Natal nas escolas, nas fábricas, nas catequeses, em

do em cada dia. O advento é por isso um tempo de alerta porque o Senhor nos anuncia neste domingo que a nossa libertação está próxima. Mas é preciso vigiar e orar sempre, para não sermos apanhados desprevenidos. Estamos livres, do pecado e da morte, pela encarnação de Cristo, mas essa condição tem de ser aperfeiçoada e aprofundada, porque corremos o risco de não saber o que é essa liberdade, se nos deixamos conduzir pelos outros, e sobretudo se nos deixamos conduzir por quem não tem a preocupação do nosso cuidado mas do seu próprio cuidado. É preciso “estar atento” à salvação que nos é oferecida como dom, e aceitá-la. Jesus vem; mas é necessário reconhecê-lo nos sinais da história, no rosto dos irmãos, nos apelos dos que sofrem e que buscam a libertação. É preciso, também, ter a vontade e a liberdade de acolher o dom de Jesus, deixar que ele nos transforme o coração e se faça vida nos nossos gestos e palavras.


DIOCESE 11

O Mensageiro 29.Novembro.2012

Breves

Actividades do MCC

“Encontro de Vida” Teve lugar no dia 24 de Novembro, no Seminário Diocesano, o 2º Encontro de Vida, realizado na Diocese de Leiria-Fátima, no âmbito das actividades propostas pelo Secretariado Nacional do Movimento dos Cursos de Cristandade (MCC). A equipa foi liderada pelo actual presidente do Secretariado Nacional do Movimento Saul Quintas, que se fez acompanhar de outro elemento do SN, Maria do Rosário. A direcção espiritual coube ao padre Alcides Neves. Este Encontro contou com a participação de 64

cursistas que, aproveitando para fazer uma pausa na habitual rotina, se disponibilizaram para durante um dia em que a chuva não deu tréguas, partilhar momentos de valorização pessoal e espiritual, convívio, etc… Com três Rolhos a marcarem os momentos altos desta actividade, podemos concluir no que versava o tema do Bom Pastor, que também hoje mais do que nunca devemos ser nos nossos ambientes ovelhas obedientes mas também pastores atentos aos que nos rodeiam e que precisam da nossa ajuda. No Rolho O Reino de Deus

Acção de formação no Seminário e as Bem-Aventuranças hoje, concluímos a sua importância e a importância de as termos sempre presentes nas nossas atitudes, comportamentos e decisões que diariamente temos que tomar. De salientar neste tema a forma fantástica como todos os presentes se renderam às novas tecnologias enquanto assistiam à passagem sequencial de maravilhosa imagens que acompanhavam a intervenção clara, frontal e contagiante do padre Alcides Neves. O rolho do Pescador de Homens, da parte da tarde, veio fechar com cha-

ve de ouro este encontro, levando todos os presentes a reflectirem sobre a sua missão enquanto cursilhistas e evangelizadores dos ambientes, de serem também pescadores de Homens nesses ambientes, alguns tão descristianizados e sedentos de uma Fé autêntica que mova e remova. A avaliar pelos testemunhos no final de todos quantos estiveram presentes, foi mais uma actividade do secretariado diocesano do MCC que resultou num êxito.

P’lo Secretariado Diocesano do MCC de Leiria-Fátima

Um convite do Serviço Diocesano da Pastoral Juvenil

Passar o ano radicalmente... diferente! “Se és daqueles a quem os “réveillons” não “assistem”… se és dos que fogem dos lugares comuns e do “sempre-a-mesmacoisa”… se és dos que dão mais importância à amizade, à solidariedade e ao sentido em todos os momentos importantes da vida… lê e vem connosco”. Assim abre o convite que o Serviço Diocesano

da Pastoral Juvenil (SDPJ) de Leiria-Fátima está a fazer aos jovens diocesanos que desejem uma experiência de passagem de ano diferente das que habitualmente se oferecem. O local será a casa das Irmãs Clarissas de Monte Real e o programa incluirá o jantar, às 20h30, a Missa de “acção de graças pelo ano que passou e pelo bom sucesso do

que chega”, às 23h00, e o convívio, após as 00h00 do novo ano, com chá, café, bolo e champanhe. Tudo isto pelo preço de 10 euros por pessoa, que terá ainda um destino solidário, para o Mosteiro que esta comunidade religiosa está a construir em Timor. Os interessados poderão participar sozinhos ou em grupo, decorrendo as inscrições

até ao dia 21 de Dezembro, disponíveis na página do SDPJ ou para o email geral@sdpjleiria.com. Apesar do número ser limitado para o jantar e convívio, a participação da eucaristia será aberta a todos os que queiram aparecer no momento.

GIC de Leiria-Fátima

Casa de Retiros do Seminário Diocesano de Leiria

Tempo de oração e silêncio No afã de prepararmos tudo para que a festa de Natal corra da melhor forma, acabamos por, mesmo em tempos de crise, correr demais, e pararmos muito pouco para contemplar a beleza do mistério que celebramos no Natal. Afinal é nesta época que tornamos presente, nas nossas vidas, o início da revelação de Deus no meio de nós. Quem é que fica indiferente perante o Rei do Universo que desce à terra na frágil condição do bebé, “envolto em panos e colocado numa manjedoura, porque não havia lugar

para ele na pousada”? Esta é uma possibilidade que a casa de retiros de São José, do Seminário de Leiria, nos oferece para nos embebermos do Amor de Deus assim manifestado. É um convite a deixarmo-nos cativar pela ternura do Menino Deus que se nos oferece gratuitamente e na totalidade do seu ser. É um momento único para mergulharmos no Amor Infinito de Deus que se fez um de nós, a fim de nos conduzir ao Pai. É um verdadeiro milagre de Amor que acontece perante os nossos corações e que

nos envolve de tal maneira que nos torna participantes activos, através da forma como respondemos aos apelos deste Menino Deus que estende os seus bracitos para cada um de nós. Se tivermos oportunidade, não deixemos de contemplar o Mistério da Vida que Deus, no seu Amor infinito por nós, quer revelar-nos a partir do nascimento do Seu Único Filho, “em quem pôs todo o seu enlevo”. Este tempo de oração e silêncio vai realizar-se nos próximos dias 28, 29 e 30 de Dezembro; será orientado pelo Padre Manuel Afonso,

Director Espiritual do Seminário Maior de Braga e Superior da Comunidade Shalom de Braga. Começa com o jantar de Sexta, às 20h00, e termina com o almoço de Domingo. A inscrição é 10 euros; o alojamento em quarto individual: 60 euros; em quarto duplo: 50 euros, por pessoa. As inscrições terminam no dia 22 de Dezembro. Para mais informações e inscrições: http: //www.leiria-atima.pt/ seminario.

Carolina Ângelo

“Poupar e Empreender” A Cáritas Diocesana de Leiria-Fátima irá promover uma acção de formação, intitulada “Poupar e Empreender”, no próximo dia 3 de Dezembro, no Seminário de Leiria. Destinada ao público em geral, esta formação conta com a parceria da Cáritas Portuguesa e do Banco Espírito Santo, funcionando no horário das 9h30 às 13h00 e das 14h00 às 16h00. Entre os temas a abordar, estarão os “conceitos financeiros de base” e as noções de “orçamento familiar (poupar)” e “microcrédito (empreender)”. O programa inclui ainda o debate de casos práticos e dinâmica de “consultórios” sobre as questões apresentadas. As inscrições são limitadas a 40 participantes, podendo ser feitas na página da Cáritas de Leiria.

Reflexão sobre “O Vaticano II” em Porto de Mós

Encontro Vicarial

Uma das propostas de D. António Marto para este ano, enunciada na sua Nota Pastoral “O Tesouro da Fé, Dom para Todos” (n. 5.3), são os “encontros vicariais para os principais agentes pastorais sobre o Concílio Vaticano II: «A graça e as graças do Concílio para a renovação da fé e da Igreja», com a presença do Bispo diocesano”. A primeira vigararia a realizar este encontro será a de Porto de Mós, no próximo dia 5 de Dezembro, às 21h00, na paróquia de Mira de Aire. Aberto a todos os fiéis que queiram participar, os principais destinatários desta acção são as pessoas mais empenhadas na acção pastoral paroquial, como os membros dos conselhos pastorais e para os assuntos económicos, catequistas e orientadores de grupos de jovens, ministros extraordinários da comunhão, animadores da liturgia e da acção sócio-caritativa, etc. Os principais objectivos do encontro serão “dar a conhecer o acontecimento de graça divina que foi o Concílio Vaticano II e os frutos de renovação que produziu na Igreja” e ainda “apresentar as principais iniciativas que surgiram nas vigararias como fruto da caminhada pastoral diocesana nos últimos anos”. Para tal, estão previstos momentos de oração e meditação, a apresentação de um documentário sobre o Concílio, a comunicação do padre Adelino Guarda sobre o tema “A graça e as graças do Concílio para a renovação da fé e da Igreja”, a partilha de experiências da vivência pastoral dos últimos anos nas várias paróquias da vigararia, o diálogo com Bispo diocesano e um espaço de convívio entre todos. Na agenda pastoral diocesana serão indicadas as datas futuras, estando já previstas as seguintes, sempre às 21h00: 4 de Janeiro (Vig. Monte Real) em Monte Real; 9 de Janeiro (Vig. Milagres) em Santa Eufémia; 6 de Fevereiro (Vig. Marinha Grande); 6 de Março (Vig. Fátima) em Fátima; 20 de Março (Vig. Colmeias) em Espite; 22 de Março (Vig. Batalha); 19 de Abril (Vig. Ourém). 24 de Abril (Vig. Leiria).

GIC de Leiria-Fátima


12 DIOCESE

O Mensageiro 29.Novembro.2012

“10 Milhões de Estrelas - Um Gesto pela Paz”

Fátima acolheu evento

Dia da Família Dominicana juntou 150 participantes Cerca de 150 pessoas vieram de todo o país para a comemoração do Dia Mundial da Família Dominicana, no passado dia 10 de Novembro, em Fátima. Esta efeméride reuniu nos espaços do Convento de Nossa Senhora do Rosário, em Fátima, cerca de centena e meia de pessoas, vindas de variadíssimos lugares do país, e que se reclamam da ligação a S. Domingos nas várias entidades ou ramos que procederam deste santo: monjas, frades, leigos, irmãs de vida activa, institutos seculares e movimento juvenil dominicano. Nesse dia, coincidiram naquele espaço várias actividades já anteriormente planeadas, como um encontro dos jovens e adolescentes ligados à Pastoral Juvenil da Família Dominicana e uma acção de formação para leigos dominicanos das fraternidades. Mas todos se uniram, com muitas irmãs, frades e outros amigos, na celebração da Eucaristia, presidida pelo P. Provincial, frei José Nunes, e na partilha do almoço, como sempre muito abundante e com alegre convivência. Da parte da tarde, houve ainda um Festival Musical da Pregação, animado por três grupos de jovens, oriundos de S. Domingos de Benfica, Fátima e Pinheiro da Bemposta. Aliás, já vários destes jovens haviam animado liturgicamente a Eucaristia. Foi também evocada a memória de frei Carlos Furtado, tantos anos dinamizador da pastoral juvenil. Tal como a família, simplesmente ‘família’, também a Família Dominicana corre riscos que a podem enfraquecer. Tal não acontecerá se cada entidade ou ramo for fiel a si mesmo e estiver bem ligado ao tronco, S. Domingos de Gusmão. Aproveitamos para informar o programa da Pastoral Juvenil da Família Dominicana previsto para este ano de 2012-2013, com actividades a decorrer em Fátima: 11 a 13 de Janeiro – Encontro de Adolescentes 15 a 17 de Fevereiro – Quaresma Jovem 1 a 3 de Março – Encontro de Jovens 5 a 7 de Abril – Encontro Nacional MJD 26 de Maio – Encontro Nacional do Encerramento de Actividades.

Fr. Gil Filipe, op.

Campanha Nacional da Cáritas Foi “simbolicamente” aberta, no passado dia 18 de Novembro, no Santuário de Fátima, mais uma campanha de Natal da Cáritas Portuguesa, intitulada “10 milhões de Estrelas, um gesto pela Paz”. Segundo um comunicado da Sala de Imprensa do Santuário, “o Núncio Apostólico em Portugal, D. Rino Passigato, que presidiu à celebração, acendeu uma pe-

quena vela no círio pascal e, com ela, repartiu a luz com cada uma das outras velas que seriam depois levadas por representantes das várias Cáritas diocesanas, “como sinal de compromisso, empenho e oração pelos bons frutos da 10.ª edição da campanha solidária de Natal”. “Assim como milhões de pequenas velas acesas, somando-se umas às outras, produzem uma

luz capaz de iluminar um grande espaço, do mesmo modo a fé de muitos, vivida e testemunhada em conjunto, irradia uma grande luz, a Luz que é o próprio Cristo, a Luz do mundo”, destacou D. Rino Passigato. Em declarações aos jornalistas, na ocasião, o presidente da Cáritas Portuguesa, Eugénio da Fonseca, referiu que “mais de 45 mil famílias e 128 mil pessoas” foram aju-

dadas por esta instituição neste ano, “um número que representa um aumento de 45% nos atendimentos às famílias e 70% nos atendimentos às pessoas, face ao ano anterior, o que significa que as famílias que se dirigiram às caritas diocesanas durante 2012 foram mais numerosas”. GIC de Leiria-Fátima

No Centro Pastoral Paulo VI

Festival Nacional da Canção Mensagem No próximo dia 1 de Dezembro realiza-se o IX Festival Nacional Jovem da Canção Mensagem, no auditório Paulo VI, em Fátima. O Tema do festival é “Alegrai-vos sempre no Senhor” (Fil 4,4) “Ide e fazei discípulos de todos os povos” (Mt 28,19). Para este festival concorrem 13 dioceses que se apresentarão com um simples videoclip (apresentando o grupo) e uma música original, subirão ao palco. As dioceses participantes são Viseu, Algarve, LeiriaFátima, Funchal, Lamego, Coimbra, Lisboa, Viana do Castelo, Setúbal, Bragança, Vila Real, Porto, Aveiro. O director, Padre Eduardo Novo, diz que este “é um momento feliz de união através da música, uma das artes tão apreciadas pelos

jovens, e que, neste ano da fé, faz todo o sentido mostrar a alegria deste Senhor em quem acreditamos. Além disso este ano o festival tem como 1º prémio, não um valor monetário mas sim, uma valorização de fé: “O grupo vencedor receberá a caixa que designámos “A Bela Fé”, que contém um vale

de uma estadia de um fim-de-semana, para todo o grupo, numa casa de retiro (já pré-definida), com direito a pequeno-almoço e uma experiência de “SPA espiritual.Trata-se assim de uma forma de proporcionar ao grupo vencedor uma nova experiência de fé e uma aproximação à relação com Deus”.

O Festival tem o objectivo de dinamizar a pastoral dos jovens; incentivar a criação poético-musical partindo dos valores da cidadania e humano-cristãos; promover a canção mensagem como forma de linguagem musical e evangelizadora; possibilitar a comunicação, o convívio entre os jovens de cada Diocese, Grupos de Jovens, Movimentos Eclesiais em Portugal, no âmbito do Conselho Nacional da Pastoral Juvenil. Além disso, neste festival 2012, estará presente o incentivo à participação nas JMJ Rio 2013 e a formação nos workshops organizados pela pastoral juvenil de Coimbra. P’la organização

“Bênção do Caloiro” em Leiria

Mais de 700 caloiros abençoados Mais de 700 caloiros participaram, no passado dia 20 de Novembro, na celebração organizada pelo Centro de Apoio ao Ensino Superior (CAES) da diocese de Leiria-Fátima, para assinalar o início de mais um ano lectivo. Conhecida como “Bênção do Caloiro”, esta é uma ocasião propícia para acolher os novos estudantes que entraram este

ano nas instituições de ensino superior de Leiria. Depois do desfile desde o largo dos Paços do Concelho, a concentração na Sé de Leiria foi também “concentração atenta no ambiente celebrativo”, conta o padre Gonçalo Dinis, director do CAES e pároco da Sé, que presidiu à Eucaristia. “A bênção correu muito bem e, apesar da

chuva dessa noite, contou com mais participantes do que no ano passado”, revela. Na homilia, o presidente da celebração desejou aos caloiros que a sua experiência no ensino superior fosse “um tempo de diversão, de estudo e de crescimento espiritual”. E sobre a diversão, especificou que “deverão procurar sempre que seja inclusiva,

sem discriminações e sem colocar ninguém à margem, para a construção de um verdadeiro espírito de comunidade académica”. Apesar da peculiaridade da celebração, que permite, por exemplo, que os caloiros venham vestidos de pijama, “pretende-se que seja um momento sério de oração a Deus, para que acompanhe com

a sua bênção o crescimento humano e espiritual dos novos alunos”, sublinhou o padre Gonçalo, confirmando que “se viveu, de facto, um ambiente de silêncio, fé e celebração”. Em declarações ao GIC de LeiriaFátima, o director do CAES considerou que esta é uma

iniciativa importante para a integração dos alunos que anualmente chegam à cidade do Lis, “mostrando-lhes que também a comunidade cristã os acolhe e está disponível para os ajudar no seu percurso dos próximos anos”. GIC de Leiria-Fátima


OPINIÃO 13

O Mensageiro 29.Novembro.2012

através do desbridamento mecânico e aplicação de tópicos. Deve ser feito um exame micológico cultural, que permite identificar o agente e assim adequar o tratamento indicado para o tipo de fungo presente, sendo que a sua prevalência distribui-se pelos seguintes fungos: dermatófitos - tinea unguium (80 a 90%); leveduras - candidíase ungueal (5 a 17%); e filamentosos não dermatófitos - micoses ungueais (2 a 12%). A sua apresentação também varia de acordo com o agente, podendo surgir uma onicomicose subungueal distal e lateral, subungueal proximal, superficial branca ou distrófica proximal/total.

OPINIÃO Renato Assunção*

Mais uma unha menos um pé pessoa com Diabetes pode vir a desenvolver uma série de complicações, nomeadamente a nível do pé. É possível preveni-las através de um controlo rigoroso da hiperglicemia e outros fatores concomitantes (HTA, Dislipidémia, etc.). O Pé Diabético está entre as complicações mais onerosas da Diabetes. O aumento da prevalência da Diabetes em todo o mundo trouxe com ela um aumento no número de amputações de membros inferiores realizadas como resultado da doença. Relatórios epidemiológicos indicam que mais de um milhão de amputações são realizadas a cada ano em pessoas com Diabetes. Só em Portugal o número de amputações por Diabetes foi de 1620, no ano de 2010. Apesar de ser uma das complicações mais graves da Diabetes, as complicações do pé podem ser eficazmente prevenidas. Ao implementar uma estratégia de intervenção que combina a prevenção, o tratamento multidisci-

OPINIÃO José Carvalho*

É necessário “um homem”!

D

izer que Portugal está em crise é uma das evidências, quase banalidades, que se ouve a toda a hora e instante. Dizer que a crise económico-financeira sufoca esta Nação também não é novidade para ninguém. Contudo, a mais grave crise que Portugal enfrenta e que arrasta todas as outras - e que poucos a observam e menos ainda aqueles que a analisam - tem a ver com

DR

A

plinar das úlceras dos pés, uma vigilância rigorosa e a educação da pessoa com Diabetes, é possível reduzir a taxa de amputações em até 85%. Um dos problemas mais frequentes no Pé Diabético é a Onicomicose. A Onicomicose é uma infeção provocada por fungos, que se localiza nas unhas das mãos e dos pés e que afeta principalmente o dedo grande do pé. Devido à onicomicose, a unha sofre uma progressiva descoloração, deformação e espes-

samento. A prevalência de onicomicose em pessoas com diabetes ascende aos 35%, comparando com os 2 a 13% da população em geral. E isto porque existem um conjunto de fatores que desencadeiam este problema, como idade superior a 60 anos, doença vascular periférica, problemas do sistema imunitário, lesão e traumatismo da unha, ausência de sensibilidade protetora, sapatos apertados e meias húmidas. A ausência de dor e de desconforto fazem com que

subvalorizem o problema. A consequência de não tratar uma onicomicose, pode levar a uma infeção secundária, desencadeada pela erosão da unha nos tecidos subjacentes que permitem a entrada de bactérias, desenvolvendo úlceras, infeções profundas, inclusive no osso, dada a proximidade do leito da unha com o mesmo. Sabendo que 60% das amputações dos membros inferiores nos diabéticos são precedidas por uma úlcera, uma unha infetada

a mais pode significar um pé a menos. Perante este problema a pessoa com Diabetes deve procurar uma consulta no âmbito da podologia, que dê resposta à necessidade de tratamento local e eventualmente sistémico (comprimidos), dependendo do envolvimento ungueal. Neste sentido, o Enfermeiro consiste num elemento chave quer na prevenção, através da educação sobre os cuidados a ter com os pés, quer no tratamento local,

a crise moral e de valores. Vivemos numa crise de falta de elites competentes e em quem se possa confiar. Vivemos uma crise de lideranças capazes de servirem de exemplo. Vivemos numa crise moral e de valores que ameaça tudo subverter! Dito isto, e à semelhança do que se passou noutros momentos da nossa secular História Pátria, está na hora de mudar de rumo! Assim, precisamos de «um Homem» com valor que, através do seu exemplo e da sua determinação, contribua para pôr cobro a esta crise de valores e inverta o rumo. É no tempo de grandes dificuldades que se vêem os Homens com coragem e audácia para alterar os acontecimentos. Ao longo

da secular História nacional foi sempre assim. Olhemos para vários dos nossos mais ilustres antepassados. O exemplo de Nuno Álvares Pereira, o Santo Condestável, São Nuno de Santa Maria, cuja solenidade litúrgica se assinalou no dia 6 de Novembro, e o Mestre de Avis que, contra tudo e contra todos, venceram e conseguiram colocar este País no caminho da Glória! Muitos pedidos e exigências têm sido formulados a todos e a cada um de nós. A «esse Homem», maior a exigência e espírito de sacrifício que lhe são e serão pedidos. Neste momento, e muito sinceramente, o pedido que eu faço, e em nome de muitos portugueses, é este:

que «um Homem» assuma a responsabilidade de Filho desta Terra de Santa Maria. Não por mim e pela minha Família. Mas é Portugal que o pede e exige! É comum dizer-se que todo o Homem tem a sua hora! A «deste Homem» é esta! Contacto com muitas pessoas por dia, não só porque sou professor, mas também porque ando a pé nas ruas e de transportes públicos, e fico impressionado com o contraste existente entre a opinião das pessoas que falam comigo e aquela que todos os dias é «tagarelada» por comentadores do regime que, sendo vários, dizem (quase) todos o mesmo. Assim, permita-me, por favor, que lhe diga: muitos Portugueses conseguem

manter uma opinião independente e desassombrada sobre a situação nacional e anseiam por uma alternativa que os represente e mobilize. Eu costumo dizer que quem sabe, faz. Quem não sabe, fala. E o melhor que pode fazer quem nada sabe fazer é falar e falar muito: enquanto fala não faz nem trabalha. Num País de retóricos, como o nosso nos dias de hoje, é indispensável «um Homem» que actue e que não se limite a falar enquanto o povo trabalha. O bem-estar colectivo só ficará devidamente assegurado, tenho a certeza disso, se tivermos «um Homem» de confiança a governar a Nação e que ponha acima dos seus cálculos eleitoralistas o in-

FONTES: Magagnin, C. (2010). Perfil de suscetibilidade a antifúngicos de dermatófitos isolados de pacientes com insuficiência renal crónica. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Araújo, A. et al. (2003). Onicomicoses por fungos emergentes: análise clinica, diagnóstico laboratorial e revisão. Anais Brasileiros de Dermatologia, 78(4). Pollak, R. (2003). How to treat onychomycosis in diabetic patients. Podiatry Today, 6(3). Observatório Nacional de Diabetes. (2011). Diabetes: factos e números 2011, Relatório Anual. Portugal. International Working Group on the Diabetic Foot. (2011). Diretivas práticas sobre o tratamento e a prevenção do pé diabético. *Enfermeiro - Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo, CHUC EPE

teresse nacional e o futuro de Portugal. Um homem de convicções. Uma pessoa sem convicções pode ser tudo, tudo menos um Homem em quem se pode confiar! Assim, precisamos de um «Homem» que tenha convicções. Sabemos que a luta que temos pela frente não será fácil, mas acreditemos que a vitória estará do nosso lado. E se no início não existir a força do número, existirá, pelo menos, a força da razão e da consciência do dever cumprido em prol da Pátria! E isso basta! Como costumo dizer aos meus alunos: nós fazemos os possíveis, Deus fará os impossíveis.

*Professor e Investigador de História


14 INSTITUCIONAL

O Mensageiro 29.Novembro.2012

CARTÓRIO NOTARIAL DE MANUEL FONTOURA CARNEIRO PORTO DE MÓS Certifico para fins de publicação, que por escritura de justificação celebrada neste Cartório Notarial, no dia vinte c um de novembro de dois mil e doze, exarada a folhas cinquenta e nove do livro de Notas para Escrituras Diversas Duzentos e Setenta e Cinco A: ANTÓNIO DOMINGOS MARQUES e cônjuge MARIA DE JESUS CARREIRA, casados sob o regime da comunhão geral de bens, naturais da freguesia de Santa Catarina da Serra, concelho de Leiria, lá residentes na Rua José Alves, 10, Cercal, Nifs: 168 258 021 e 169 798 860, declararam: Que, com exclusão de outrem, são donos e legítimos possuidores dos seguintes bens: UM: Prédio rústico sito em Vale Pinheiro, freguesia de Caranguejeira, concelho de Leiria, composto de pinhal, com a área de cinco mil oitocentos e oitenta metros quadrados, a confrontar do norte com caminho, do sul com regato, do nascente com José da Silva e do poente com Manuel Carreira, não descrito na Segunda Conservatória de Registo Predial de Leiria, inscrito na matriz sob o artigo 585, com o valor patrimonial IMT de € 622,03. DOIS: Prédio rústico sito em João Barreiro, freguesia de Santa Catarina da Serra, concelho de Leiria, composto de terra de cultura com oliveiras, com a área de mil quatrocentos e sessenta metros quadrados, a confrontar do norte com António Bernardo Alves, do sul com José Rodrigues Manso, do nascente com Joaquim Francisco Gordo e do poente com caminho, não descrito na Segunda Conservatória de Registo Predial de Leiria, inscrito na matriz sob o artigo 4957, com o valor patrimonial IMT de € 326,27. Que adquiriram o bem relacionado sob a verba UM por doação verbal de Maria de Jesus, viúva, residente em Cercal, Santa Catarina da Serra, Leiria, doação essa que teve lugar no ano de mil novecentos e setenta e sete, já no seu estado de casados. Que adquiriram o bem relacionado sob a verba DUAS por doação verbal de Francisco Domingos e esposa Emitia de Jesus, residentes em Pinheiria, Santa Catarina da Serra, Leiria, doação essa que teve lugar no ano de mil novecentos e sessenta e sete, já no seu estado de casados. Que, não obstante não terem título formal de aquisição dos prédios relacionados sob as verbas UM e DOIS, foram eles que sempre os possuíram, desde aquelas datas até hoje, logo há mais de vinte anos, em nome próprio, pagaram os respectivos impostos, gozaram todas as utilidades por eles proporcionadas, cultivaram-nos, colheram os seus frutos sempre com o ânimo de quem exerce direito próprio, sendo reconhecidos corno seus donos por toda a gente, fazendo-o ostensivamente, e sem oposição de quem quer que seja, posse essa de boa-fé, por ignorarem lesar direito alheio, pacífica, porque sem violência, contínua e pública, por ser exercida sem interrupção e de modo a ser conhecida pelos interessados. Tais factos integram a figura jurídica da usucapião, que os justificantes invocam, como causa de aquisição dos prédios relacionados sob as verbas UM e DOIS, por não poderem comprovar a sua aquisição pelos meios extrajudiciais normais. Porto de Mós, vinte e -um de novembro de dois mil e doze. A colaboradora com delegação de poderes, (Ana Paula Mendes)

pub

Telemóvel: 917 511 889 Telefone: 244 828 450 Fax: 244 828 580 Rua Machado Santos, n.º 33 2410-128 LEIRIA

Ficha de Assinatura Assinaturas normal/benfeitor: 20/40 Euros (Nacional), 30/60 euros (Europa) e 40/60 (Resto do Mundo) Nome: ___________________________________________ ____________________________________________ Rua: _____________________________________________ _______________ N.º _______________ Localidade: ____________________________ C. Postal: _____ - ____________________ Telf.: _______________________________ E-mail:___________________________@_______________ Enviar esta ficha, recortada ou fotocopiada, para: O Mensageiro - Lg. Padre Carvalho - 2414-011 LEIRIA ou forneça-nos os seus dados através do endereço de correio electrónico jornal@omensageiro.com.pt FARMÁCIAS DE SERVIÇO Baptista (29), Central (30), Godinho Tomáz (1), Higiene (2), Antunes (3), Lis (4), Oliveira (5) e Sanches (6). TELEFONES ÚTEIS Bombeiros Municipais - 244 832 122 | Bomb. Vol. Leiria (Ger.) - 244 882 015 | Bomb. Vol. Leiria (Urg.) - 244 881 120 | Bomb. Volunt. Batalha - 244 765 411 | Bomb. Volunt. P. Mós - 244 491 115 | Bomb. Volunt. Juncal

Registo no ICS N.º 100494 Semanário - Sai à 5ª Feira Tiragem média - 3.000

Telefones: BARREIROS (sede): 244 840 677 JUNCAL: 244 470 610 Fernando - 919 890 630

F. Costa Pereira Médico Especialista Doenças da boca e dentes

Rua João de Deus, 25- 1º Dt. - LEIRIA CONSULTAS COM HORA MARCADA 2ª, 4ª e 5ª: 11h-13h e 15h-19h, 3ª: 10h-13h e 15h-19h, Sábados: 9h30-15h Tel. 244 832406

CEDILE Telefone 244 850 690 ECOGRAFIA / DOPPLER / ECOCARDIOGRAFIA TAC / MAMOGRAFIA / RX / OSTEODENSITOMETRIA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA ARTICULAR Telefone +351244850690 / Fax 244850698 Largo Cândido dos Reis, Nº 11 / 12 • 2400-112 LEIRIA

- 244 470 115 | Bomb. Volunt Ourém - 249 540 500 | Bomb. V. M.te Redondo - 244 685 800 | Bomb. Volunt. Ortigosa - 244 613 700 | Bomb. Volunt. Maceira - 244 777 100 | Bomb. Vol. Marinha - 244 575 112 | Bom. Volunt. Vieira - 244 699 080 | Bom. Voltun. Pombal - 236 212 122 | Brigada de Trânsito - 244 832 473 | Câmara M. de Leiria - 244 839 500 | Câmara Eclesiástica - 244 832 539 | CENEL (Avarias) - 800 246 246 | C. Saúde A. Sampaio - 244 817 820 | C. Saúde Gorjão Henriques - 244 816 400 | C. P. (Est. de Leiria) - 244 882 027 | Cruz Vermelha - Leiria - 244 823 725 | Farmácia Avenida - 244 833 168 | Farmácia Baptista

- 244 832 320 | Farmácia Central - 244 817 980 | Farmácia Coelho - 244 832 432 | Farmácia Higiene - 244 833 140 | Farmácia Lino - 244 832 465 | Farmácia Oliveira - 244 822 757 | Farmácia Sanches - 244 892 500 | Governo Civil - 244 830 900 | Guarda N. Republicana - 244 824 300 | Hospital de S.to André - 244 817 000 | Hospital S. Francisco - 244 819 300 | Polícia Judiciária - 244 815 202 | Polícia S. Pública - 244 859 859 | Polidiagnóstico - 244 828 455 | Rádio Táxis - 244 815 900 | Rádio Alerta - 244 882 247 | Rodoviária do Tejo - 244 811 507 | Teatro JLS (Cinema) - 244 823 600

Fundador José Ferreira Lacerda Director Rui Ribeiro (TE416) Redacção Joaquim Santos (CP7731), Ana Vala (CP8867). Paginação O Mensageiro Colaboradores Ambrósio Ferreira, Américo Oliveira, André Batista (Pe.), Ângela Duarte, Carlos Alberto Vieira, Carlos Cabecinhas (Pe.), Cláudia Mirra, José Casimiro Antunes, Francisco Pereira (Pe.), João Filipe Matias (CO798), Joaquim J. Ruivo, Jorge Guarda (Pe.), José António C. Santos, Júlia Moniz, Maria de Fátima Sismeiro, Orlando Fernandes, Pedro Jerónimo (CO1060), Saúl António Gomes, Vítor Mira (Pe.). Administração / Publicidade André Antunes Batista (Pe.). Propriedade/Sede (Editor) Seminário Diocesano de Leiria - Largo Padre Carvalho - 2414-011 LEIRIA - Reitor: Armindo Janeiro (Pe.) Contribuinte 500 845 719 Contactos Tel.: 244 821 100/1 - Fax: 244 821 102 - Email: jornal@omensageiro.com.pt - Web: www.omensageiro.com.pt Depósito Legal 2906831/09 Impressão e Expedição Empresa do Diário do Minho, Lda - Tel: 253 303 170 - Fax: 253 303 171

Tabela de Assinaturas para 2012 Destino Nacional Europa Resto do Mundo

Normal Benfeitor 20 euros 40 euros 30 euros 60 euros 40 euros

Preço avulso - 0,80 euros


DESPORTO 15

O Mensageiro 29.Novembro.2012

10.ª Jornada 25 de Novembro Beira-Mar x V. Guimarães (2-2) Benfica x Olhanense (2-0) V. Setúbal x Rio Ave (3-5) Nacional x Estoril (1-0) Académica x Gil Vicente (2-2) Sp. Braga x Porto (0-2) Moreirense x Sporting (2-2) P. Ferreira x Marítimo . Realizado após fecho de edição 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º

Equipa Porto Benfica Sp. Braga Rio Ave P. Ferreira Estoril V. Guimarães V. Setúbal Nacional Sporting Olhanense Gil Vicente Académica Marítimo Moreirense Beira-Mar

J 10 10 10 10 9 10 10 10 10 10 10 10 10 9 10 10

V 8 8 5 5 3 3 3 2 3 2 2 2 2 2 1 1

E 2 2 2 2 5 3 3 5 2 5 4 4 4 3 4 4

D 0 0 3 3 1 4 4 3 5 3 4 4 4 4 5 5

Pts 26 26 17 17 14 12 12 11 11 11 10 10 10 9 7 7

11.ª Jornada 9 de Dezembro

Estoril x V. Setúbal . Dia 7, 20h15, SportTv1 Portox Moreirense . Dia 8, 20h30, SportTv1 Gil Vicente x Beira-Mar . 16h00 Rio Ave x Paços de Ferreira . 16h00 Marítimo x Nacional . 16h00 V. Guimarães x Olhanense . 20h15, SportTv1 Académica x Sp. Braga . Dia 10, 18h15, SportTv Sporting x Benfica . Dia 10, 20h15, SportTv1

liga portuguesa de futebol profissional

II Liga 14.ª Jornada 25 de Novembro Benfica B x Sp. Covilhã (2-1) Feirense x Marítimo B (1-0) Tondela x Penafiel (2-0) Santa Clara x Arouca (4-0) Porto B x Trofense (1-0) Sp. Braga x Atlético (0-1) Belenenses x Sporting B . Adiado Naval x Portimonense (1-1) D. Aves x Leixões (0-0) Freamunde x V. Guimarães B (1-1) U. Madeira x Oliveirense (2-1) 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º 17.º 18.º 19.º 20.º 21.º 22.º

Equipa Sporting B Belenenses Benfica B Arouca D. Aves Oliveirense Tondela Leixões Marítimo B U. Madeira Portimonense Penafiel Santa Clara Atlético Porto B Naval V. Guimarães B Trofense Feirense Sp. Covilhã Sp. Braga B Freamunde

J 13 13 14 14 15 14 14 15 15 14 15 15 14 14 15 15 14 14 14 14 14 15

V 10 9 7 7 6 6 6 5 7 5 5 6 5 6 4 4 3 3 4 2 1 1

E D 2 1 2 2 4 3 4 3 6 3 5 3 4 4 7 3 0 8 5 4 5 5 2 7 4 5 0 8 6 5 5 6 6 5 5 6 2 8 6 6 6 7 4 10

Pts 32 29 25 25 24 23 22 22 21 20 20 20 19 18 18 17 15 14 14 12 9 7

15.ª Jornada 28 de Novembro Leixões x Portimonense (3-1) . Jogo antecipado (dia 18) Marítimo B x Naval (2-3) . Jogo antecipado (dia 18) Penafiel x D. Aves (0-1) . Jogo antecipado (dia 18) Freamunde x Porto B (0-3) . Jogo antecipado (dia 18) Trofense x Santa Clara . 15h00 Arouca x Sp. Braga B . 15h00 Atlético x Benfica B . 15h00 Sp. Covilhã x U. Madeira . 15h00 Oliveirense x Belenenses . 15h00 V. Guimarães B xTondela . 16h00 Sporting B x Feirense . 16h00

CNAL vence distrital

FUTEBOL – A vitória nos campeonatos nacionais absolutos de orientação pedestre valeu a Patrícia Casalinho (Clube de Orientação do Centro) o título de campeã. Destaque ainda para a presença no pódio de Magalie Mendes (3.º lugar), sua colega de equipa. Colectivamente o COC sagrou-se vice-campeão nacional em ambos os sectores, porém, “devido a um erro técnico, o campeonato masculino foi anulado”, avança o clube no seu site oficial (coc.pt).

NATAÇÃO – O Clube de Natação de Alcobaça (CNAL) venceu o campeonato distrital de pista coberta (Caldas da Rainha, 24 e 25 de Novembro), no sector masculino, com um total de 13 medalhas (sete de ouro, cinco de prata e uma de bronze). Seguiram-se-lhe, no pódio, o Desportivo Náutico da Marinha Grande (8: seis de ouro e duas de prata) e Os Pimpões (9: cinco de ouro, duas de prata e duas de bronze). Individualmente, destaque para Miguel Monteiro Diogo (CNAL) e Carolina Matos (Benedita S.C.N.), que conquistaram seis e cinco medalhas, respectivamente, tornando-se os mais medalhados do campeonato, nos dois sectores.

Caldas resiste FUTEBOL – Desbloqueado o caso que envolvia a utilização irregular de um atleta do Operário (Açores) na 2.ª eliminatória da Taça de Portugal, o Caldas

Atlético Ouriense terminou com o domínio do 1.º de Dezembro

FUTEBOL – Festa em Ourém, após a vitória (1-0) do Clube Atlético Ouriense frente à Sociedade União 1.º de Dezembro. E o motivo não era para menos: as hendecampeãs nacionais – desde 2001/02 – já não perdiam há seis anos e meio. É preciso recuar até 14 de Maio de 2006 para encontrar aquela que era, até ao último domingo (25 de Novembro), a última derrota das atletas do 1.º de Dezembro no campeonato nacional. Na altura, também foi fora de portas e pela margem mínima (2-3). Seguiram-se, de então para cá, 140 jogos consecutivos segue em frente na prova. Segue-se agora a recepção ao Coimbrões (2 de Dezembro, 15h00), referente à 3.ª eliminatória. Em caso de vitória, seguir-se-á uma deslocação ao reduto do D. Aves (4.ª).

Campeonato Nacional feminino 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º

Equipa 1.º Dezembro Atl. Ouriense Albergaria Boavista Vilaverdense F. Laura Santos Leixões Cesarense E.F.F. Setúbal Fut. Benfica

J 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10

V 8 7 5 5 3 4 3 1 2 1

E 1 1 3 2 4 0 1 5 2 1

D 1 2 2 3 3 6 5 3 6 8

Europeu à vista

associação de futebol de leiria

II Divisão B sul

III Divisão D

III Divisão E

HONRA

Equipa Sertanense Farense Mafra Oriental Fátima U. Leiria SAD Quarteirense Torreense 1.º Dezembro Pinhalnovense Carregado Casa Pia Louletano Fut. Benfica Oeiras Ribeira Brava

J 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9

V 6 5 5 5 5 3 3 3 2 3 3 1 1 1 1 1

E 1 4 3 2 0 4 4 3 5 2 2 6 4 4 3 1

D 2 0 1 2 4 2 2 3 2 4 4 2 4 4 5 7

Pts 19 19 18 17 15 13 13 12 11 11 11 9 7 7 6 4

10.ª Jornada 16 de Dezembro U. Leiria SAD x Fut. Benfica .Todos os jogos às 15h00 Ribeira Brava x Pinhalnovense Casa Pia x Oeiras Loulateno x Torreense Sertanense x Farense Fátima x Quarteirense Mafra x Carregado Oriental x 1.º Dezembro

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º

Equipa Sourense Sp. Pombal Sernache Caldas Ol. Hospital Alcanenense Penelenense Alcobaça Marinhense Beneditense Torres Novas Mortágua

J 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9

V 5 6 6 5 5 5 4 2 2 2 2 0

E 4 1 1 3 1 0 1 3 2 1 1 2

D 0 2 2 1 3 4 4 4 5 6 6 7

Pts 19 19 19 18 16 15 13 9 8 7 7 2

10.ª Jornada 9 de Dezembro Penelense x Ol. Hospital .Todos os jogos às 15h00 Mortágua x Sp. Pombal Beneditense x T orres Novas Caldas x Alcanenense Alcobaça x Sernache Sourense x Marinhense

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º

Equipa Sacavenense Lourinhanense Sintrense Eléctrico U. Tires Barreirense Fabril Barreiro Real Pêro Pinheiro Amora Peniche Cartaxo

J 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9

V 6 5 4 4 4 4 3 3 3 2 1 0

E 2 3 3 3 3 3 4 2 2 3 1 1

D 1 1 2 2 2 2 2 4 4 4 7 8

Pts 20 18 15 15 15 15 13 11 11 9 4 1

10.ª Jornada 9 de Dezembro Sacavenense x Barreirense .Todos os jogos às 15h00 Peniche x Cartaxo Amora x Lourinhanense Fabril Barreiro x U. Tires Sintrense x Pêro Pinheiro Eléctrico x Real

para o Europeu de CortaMato (Budapeste, 9 de Dezembro). A atleta, de Sub-23, junta-se a nomes consagrados da modalidade, como Dulce Félix ou Sara Moreira (ambas do Maratona C.P.).

ATLETISMO – Marta Martins (Juventude Vidigalense) está na lista de 13 atletas pré-seleccionados pela Federação Portuguesa de Atletismo

federação portuguesa de futebol

9.ª Jornada 25 de Novembro Cartaxo x Barreirense (1-2) Lourinhanense x Peniche (4-1) U. Tires x Amora (2-0) Pêro Pinheiro x Fabril Barreiro (2-1) Real x Sintrense (1-0) Sacavenense x Eléctrico (1-1)

Pts 25 22 18 17 13 12 10 8 8 4

sem derrotas, que valeram 11 títulos nacionais consecutivos à equipa de Sintra – 12 em todo o palmarés. “O segredo foi manter a nossa identidade e aquilo em que vamos trabalhando já ao longo de três anos. Foi não adaptar a estratégia pe-

federação portuguesa de futebol

9.ª Jornada 25 de Novembro Sp. Pombal x Ol. Hospital (3-2) Torres Novas x Mortágua (2-1) Alcanenense x Beneditense (1-0) Sernache x Caldas (1-1) Marinhense x Alcobaça (3-2) Penelense x Sourense (1-1)

rante um adversário que é um chamado ‘monstro do futebol feminino português’, acreditando na nossa competência e no trabalho que desenvolvemos durante a semana”, explicou o treinador do Ouriense, Gonçalo Viana, à agência Lusa. Com esta vitória, referente à primeira jornada da segunda volta, a equipa de Ourém redime-se do resultado alcançado no primeiro jogo do campeonato, quando perdeu por 1-2. Por fim, e não menos importante, recordamos a autora do golo histórico, Flávia Fartaria (75’). Pedro Jerónimo

federação portuguesa de futebol

federação portuguesa de futebol

9.ª Jornada 25 de Novembro Ribeira Brava x U. Leiria SAD (3-4) Casa Pia x Futebol Benfica (0-0) Louletano x Pinhalnovense (0-2) Sertanense x Oeiras (1-0) Fátima x Torreense (1-2) Mafra x Farense (1-1) 1.º Dezembro x Quarteirense (0-1) Oriental x Carregado (5-1) 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º

Vitória às hendecampeãs

associação de futebol de leiria

TAÇA DISTRITO

9.ª Jornada 18 de Novembro Avelarense x Alvaiázere (2-1) Portomosense x Nazarenos (2-0) Bombarralense x GRAP/Pousos (1-4) Meirinhas x Figueiró dos Vinhos (1-0) Pousaflores x Guiense (2-1) Pataiense x Marrazes (0-3) Pelariga x Atouguiense (2-1) Lisboa e Marinha x Vieirense (3-0) 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º

Equipa GRAP/Pousos Marrazes Pelariga Pousaflores Portomosense Guiense Fig.Vinhos Lisboa Marinha Meirinhas Pataiense Atouguiense Nazarenos Avalarense Vieirense Alvaiázere Bombarralense

J 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9 9

V 7 6 6 5 5 5 5 4 3 3 3 3 3 2 1 0

E 1 2 1 3 1 1 0 1 3 2 1 1 0 2 2 1

D 1 1 2 1 3 3 4 4 3 4 5 5 6 5 6 8

1.ª Eliminatória 25 de Novembro U. Leiria x Mata Mourisquense (5-0) Alb. dos Doze x Pousaflores (3-1, após prolongamento) Portomosense x Alvaiázere (3-1) Moita do Boi x Marrazes (1-2) Guiense x Figueiró dos Vinhos (4-1) Ranha x Pelariga . Adiado Alegre e Unido x Pataiense (1-2) GRAP/Pousos x Lisboa e Marinha (4-2) Ansião x Bombarralense (3-1) Alqueidão da Serra x Boavista (5-1) Pedroguense x Atouguiense (1-2) Vieirense x Meirinhas (2-1, após prolongamento) Nadadouro x Santo Amaro (5-1) Outeirense x Nazarenos (3-1) Unidos x Os Vidreiros (3-1) Motor Clube x Avelarene (1-3)

Pts 22 20 19 18 16 16 15 13 12 11 10 10 9 8 5 1

10.ª Jornada 2 de Dezembro Alvaiázere x Lisboa e Marinha .Todos os jogos às 15h00 GRAP/Pousos x Pelariga Figueiró dos Vinhos x Pousaflores Guiense x Pataiense Nazarenos x Bombarralense Atouguiense x Meirinhas Marrazes x Avelarense Vieirense x Portomosense

Pedro Jerónimo/Arquivo

I Liga

Patrícia Casalinho campeã

DR/Atlético Ouriense

liga portuguesa de futebol profissional


ÚLTIMA 29NOVEMBRO2012

Para conhecermos os amigos é necessário passar pelo sucesso e pela desgraça. No sucesso, verificamos a quantidade e, na desgraça, a qualidade. Confúcio, filósofo chinês [551 a.C. - 479 a.C.]

Óscar vai ser entregue no dia 1 de Dezembro, em Guimarães, Capital Europeia da Cultura

José Travaços Santos é referência mundial do folclore

O distrito de Leiria, mais propriamente a Estremadura que José Travaços Santos continua a defender, depois da reorganização administrativa de 1936 que nos colocou na Beira Litoral, está de parabéns pela distinção que esta figura do folclore português irá receber no próximo dia 1 de Dezembro, no programa oficial da Capital Europeia da Cultura, em Guimarães. José Travaços Santos, um ícone da etnografia da região, estudioso há cinquenta anos pelas suas origens, características, costumes e tradições do povo, é uma das incontornáveis referências de Portugal na defesa e divulgação da memória do País, muitas vezes recuperando nas suas investigações, modas, letras, jogos, conhecimentos populares, que se perderiam irremediavelmente. Sempre ligado, desde a sua fundação, ao Rancho Rosas do Lena, foi com o mestre António Pereira

Filarmónica do Arrabal

Homenagem a Maria Rodrigues A direcção da Filarmónica do Arrabal, realiza no próximo dia 1 de Dezembro, um concerto de homenagem a Maria Cecília Rodrigues, presidente da direcção, que faleceu há um ano. O concerto terá lugar no Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria, a partir das 21h30. No dia 2 de Dezembro será celebrada uma missa pelas 11h15, na Igreja Paroquial do Arrabal, seguido de romagem ao cemitério.

Marques, que encetou buscas em Porto de Mós, Batalha e Leiria, recolhendo muitos dados que hoje estão salvaguardados e são património regional. Desta forma, a U.I.G.F. - União Internacional das Federações dos Grupos de Folclore, instituiu a José Travaços Santos o Óscar Mundial do Folclore, homenageando um rico percurso dedicado às tradições estremenhas, juntando a ele mais doze personalidades homenageadas, duas das quais portugueses (António Lopes Pires e Manuel de Oliveira Martins, este último a título póstumo). Outros valores de defesa dos valores etnográficos dos seus países irão ser homenageados, vindos da Espanha, França, Itália, Croácia, Grécia, Chipre, Bulgária, Ucrânia e Lituânia. José Travaços Santos, de 81 anos de idade, ganha uma maior projecção nacional e mundial, ficando oficialmente reconhecido como arauto dos folclo-

re português, de forma generosa e voluntariosa, contribuindo para o seu conhecimento e engrandecimento. Desde sempre esteve ligado ao folclore e à defesa dos valores da nossa região, divulgando as suas investigações também nas colaborações que teve na comunicação social de Leiria, ao divulgar elementos

populares e a história deste território da Estremadura. Entre outros órgãos de comunicação, foi colaborador durante muitos anos do jornal O Mensageiro, no tempo do Pe. José Ferreira de Lacerda, por quem tinha muita estima e admiração pela sua característica de homem de valor e defesa de causas, como o restau-

ro da Diocese de Leiria. Continuou a escrever no tempo de direcção do Pe. António Francisco Pereira, João Vieira Trindade e de Manuel Matias Crespo. O folclore português ganha mais visibilidade e a região de Leiria obtém mérito por tamanha vocação de José Travaços Santos à etnografia e às raízes po-

Jovem talento revelado no Festival Música em Leiria

pulares do povo, tão bem descritas e documentadas por este vulto que se dedicou de alma e corpo à antiga Estremadura, pelos vistos, tão actual. Porque uma das afirmações que confidenciou ao O Mensageiro, é que o povo de Leiria “não é beirão, nunca fomos beirões”. Texto e foto: Joaquim Santos

Lourenzo Soules venceu de forma destacada Concurso Internacional de Música de Genebra O 67º Concurso Internacional de Música de Genebra ficou marcado pela vitória do pianista Lourenzo Soules, jovem revelação do Festival Música em Leiria de 2006. já na altura, com apenas 14 anos, o jovem ofereceu a Leiria um recital de piano, que deixava antever

um futuro brilhante. Miguel Sobral Cid, director artístico do FML, congratula-se com esta distinção que “mostra bem a atenção que o Festival Música em Leiria tem dado aos jovens artistas de particular talento, que se revelam grandes artistas ao longo

da sua carreira”. O Concurso Internacional de Música de Genebra decorreu de 2 a 15 de Novembro, e, segundo a organização, contou com mais de 170 candidaturas de 30 diferentes nacionalidades. A selecção levou a que apenas 33 dos can-

didatos, de 12 países, estivessem presentes em Genebra para o concurso. O júri é composto por nove pianistas do Japão, Rússia, Austrália, GrãBretanha, Canadá, Estados Unidos da América, Áustria, Suíça e França, encabeçados por Bernard Lanskey.

4636#OIMensageiro#29NOV  

"Átrio dos Gentios: A actualidade do Evangelho" em destaque.