Page 1

DOCUMENTO

12 JANEIRO 2012 ANO 98 - N.º 4892 FUNDADOR: José Ferreira Lacerda DIRECTOR: Rui Ribeiro PREÇO: 0,80 euros (IVA incluído) SEMINÁRIO DIOCESANO – 2414-011 LEIRIA TEL. 244 821 100/1 • FAX 244 821 102 E-MAIL: jornal@omensageiro.com.pt WEB: www.omensageiro.com.pt

P. 8

FUNDADO EM 1914

DESTAQUE

TESTEMUNHAS DE CRISTO NO MUNDO: O CRISTÃO NA CIDADE

PROFESSOR E CRISTÃO: UM DUPLO DESAFIO? No presente ano pastoral, a Diocese é convidada a viver na perspectiva do testemunho, trazendo para a ribalta a relação entre a fé e a vida quotidiana, tema fulcral na teologia e na reflexão cristã. A escola é um dos espaços privilegiados dessa relação. No estado actual, a escola deve ser um lugar de debate público e sério. Professores, associações e governantes deverão sentar-se à mesa, de forma pacífica e sem tons contestatários, simplesmente com um único e mesmo desejo: encontrar no diálogo as melhores soluções, sem prejuízo de ninguém e com benefícios para todos. Elas existem. Só precisam de ser procuradas de forma apaixonada, mas sem paixões. Nesta edição, O Mensageiro dá conta de um encontro organizado pela vigararia de Leiria, que pretende abordar um assunto polémico: “Professor e cristão: um duplo desafio?”. A não perder. Páginas 2 e 3

CULTURA

SOCIEDADE

ECLESIAL

Na Marinha Grande | P. 4

Presidente do Instituto Politécnico de Leiria | P. 6

Duas novas valências inauguradas | P. 9

Em Porto de Mós | P. 5

Agrupamento de Escolas da Batalha | P. 7

Diocese mostra património religioso | P. 9

Na Igreja de S. Francisco, em Leiria | P. 5

Olhar sobre o vale da igreja de S. Agostinho | Últ.

Mensagem de fim-de-ano de D. António | P. 9

Alunos do Engenho cantam Janeiras no Dia de Reis Banda Recreativa promove uma vez por mês... “bandánima”

Nuno Mangas eleito para presidir à associação Politécnica

Lar e creche no Centro Social Paroquial da Freixianda

Antigos alunos ajudam estudantes: Visita “Do Românico ao Barroco” “Preparados para o Futuro?!” por terras de Aljubarrota e Juncal

Concerto coral de intercâmbio com A zona intervencionada pelo Polis Orfeão de Leiria e Orfeão Coelima no rio Lis poderia atrair turismo

“Equidade é os ricos darem mais para salvar a economia portuguesa”


2 DESTAQUE

O Mensageiro 12.Janeiro.2012

EDITORIAL EDITORIAL

prui@iol.pt

Deus vai à escola

A história do ensino está estritamente ligada à religião. Foi esta que cultivou e deu os primeiros passos na formação dos mais novos. As escolas, mais ainda, as universidades, cresceram e desenvolveram-se à sombra das ordens religiosas que durante séculos dominaram o ensino. O racionalismo, acompanhado de outras correntes filosóficas consequentes, como o liberalismo e o humanismo, acabaria por retirar à Igreja este papel e monopólio, abrindo as portas da escola. Apesar de tudo, os primeiros passos dados fora do mosteiros, continuam a ser dinamizados e construídos à semelhança do que ali se fazia. A escola pública desenhou-se segundo o esquema da escola monástica. Só o tempo foi permitindo um afastamento cada vez maior e possibilitou a criação de estruturas e programas próprios. Pouco a pouco, a Igreja foi sendo escorraçada para fora da escola e, com ela, a fé, e até Sem dó nem agravo, mesmo Deus. O prosem o menor cesso teve o seu ponreconhecimento de to crucial nos últimos gratidão, Deus foi anos com a discussão considerado o aluno acesa sobre a presenmau que, depois de ça dos crucifixos nas uma reprimenda, escolas. Sem dó nem é colocado fora da piedade, sem o mereconhecimento escola, expulso. nor de gratidão, eles foram retirados e Deus foi considerado o aluno mau que, depois de uma reprimenda, é colocado fora da escola, expulso. As consequências estão por determinar, pois que será preciso um arrojo de coragem para as definir e publicar. Mas elas não tardarão a fazer-se notar e vão já aparecendo pouco a pouco. A escola vai sendo cada vez mais questionada; os programas vão sendo cada mais duvidosos e no fim quem fica a perder são os alunos, os professores, as famílias, enfim toda a sociedade. No nosso caso português, as alterações que o acordo ortográfico trouxe, são geradoras da maior baralhada a que o ensino já assistiu. Há hoje crianças de 8 anos que aprenderam a escrever há 2 anos de uma forma e estão agora a dizer-lhes que aprenderam mal. E há crianças a sofrer com isto. No estado actual, a escola deve ser um lugar de debate público e sério. Professores, associações, governantes, deverão sentar-se à mesa de forma pacífica e sem tons contestatários, simplesmente com um único e mesmo desejo: encontrar no diálogo as melhores soluções, sem prejuízo de ninguém e com benefícios para todos. Elas existem. Só precisam ser procuradas de forma apaixonada mas sem paixões. Nesta edição O Mensageiro dá conta de um encontro organizado pela vigararia de Leiria e que pretende abordar um assunto polémico: “professor e cristão: um duplo desafio”. A não perder.

Testemunhas de Cristo no mundo DR

Rui Ribeiro

O cristão na cidade No presente ano pastoral a Diocese é convidada a viver na perspectiva do testemunho. O título da carta Pastoral de D.António é disso bem esclarecedor: “Testemunhas de Cristo no mundo”. A relação entre a fé e a vida quotidiana é tema fulcral na teologia e na reflexão cristã. E se a relação neste binómio nem sempre foi fácil, com cada uma das partes a tentar sobrepor-se à outra, a verdade é que todos estamos de acordo na necessidade de diálogo e complementaridade. Ou seja, o cristão nem pode ser tão etéreo e tão celestial que se esqueça do dia a dia, vivendo nas nuvens e num mundo que não é real; como também não pode ser tão “mundano” que se esqueça da sua vocação celeste, procurando construir um reino que não é deste mundo. O mote foi dado pelo próprio Jesus ao afirmar que seus discípulos devem estar no mundo, sem porém, serem do mundo. Estar aqui, viver aqui, empenhar-se na transformação do tempo presente, sem no entanto se fechar ou enclausurar na resignação de que nada ais pode fazer ou mudar. O cristão tem a sua pátria lá no alto, para lá das nuvens que, no entanto, vê e contempla com os pés na terra. Ao desafiar os diocesanos a serem “Testemunhas de Cristo no mundo”, D. António Marto tem consciência de que o desafio não é fácil e, na actual conjuntura, é até demasiado arriscado. De facto, o diálogo entre a fé o mundo parece estar cada vez

mais em risco, pois que um dos interlocutores não parece estar interessado em ouvir o outro. Não adianta dialogar se daí não surgir nada de novo. E há hoje uma convicção generalizada de que ouvir e seguir o parecer do outro significa estar-lhe submetido. Nada mais falso e errado. É assim que os cristãos em muitas situações se vêem obrigados a calar as suas convicções. Nem sempre se podem assumir na sua fé, pois que tal assunção acarreta o fardo da discriminação e do rótulo. Dai que muitas vezes se conviva lado a lado, no trabalho e no café, sem no entanto saberem que partilham a mesma fé e celebram a mesma eucaristia. Mas, por outro lado, também nenhum cristão se sente bem quando esconde o que é. Ou seja, ele sabe que a fé celebrada e vivida de forma pessoal e interior, requer por si mesmo ser anunciada e proclamada. Ele sente o desafio e a necessidade de proclamar bem alto, “a propósito e a despropósito”, a alegria que carrega consigo pelo facto de conhecer Jesus Cristo. Como os amigos de Eamús, os cristãos sentem “que lhes arde o coração” enquanto vão mergulhando no mar imenso da fé. E este ardor quer expandir-se, quer mostrar-se, será ainda maior quando for partilhado. Não pode haver dicotomia ou separação existencial entre estas duas realidades. A fé faz parte da realidade humana, abre para a profundidade e é desafio de perfeição na vivência da nossa realidade humana. É por isso que ela é,

ao mesmo tempo, exigente e libertadora. Hoje temos de viver a nossa vida num quadro civilizacional que separa comodamente a fé do concreto da vida, como se esta, a nossa realidade humana, nada tivesse a ver com a fé, que é relegada para uma zona intimista e socialmente irrelevante, expressão das inclinações religiosas de cada um. Para os cristãos, essa dicotomia é um caminho que afasta da verdade. A fé faz tanto parte da condição humana como qualquer outra realidade do mundo. No mundo de hoje exige-se, cada vez mais, uma verdadeira competência humana, a preparação para se ser homem com os outros homens. No definir o horizonte do amor e do serviço, a Palavra de Cristo é decisiva, desafiando para um amor generoso e absoluto, que pode ir até ao sacrifício de si mesmo, vencendo medos e egoísmos, percebendo que é no dar que se recebe. Esse desafio evangélico é importante para a definição do horizonte ético da nossa liberdade. Cada vez mais uma sociedade de rosto humano não pode ser só fruto da eficácia, mas também da prossecução de valores. Para ajudar a construir um mundo belo, não bastam programas, é precisa a utopia de um ideal, na vivência do amor familiar, no serviço do bem comum, no potenciar da solidariedade, que é o primeiro passo para a fraternidade. Tudo isto nos leva à meditação da importância

da missão dos cristãos na cidade. Eles exercerão a sua competência com sentido humano e fraterno, o modelo de cidade que querem edificar não se esgota no progresso material, pois ela só será verdadeiramente humana, se for fraterna. Também se aplica a esses construtores da cidade terrena, com sentido, generosidade e ideal, a frase do Evangelho em que Jesus diz que faltam obreiros para a messe, essa tarefa imensa de humanizar o mundo e a história. Também na nossa cidade faltam esses trabalhadores, dinamizados por um ideal. Assim se aguça na vida do crente esta dicotomia entre o que vive e o que pode mostrar que vive; entre o que sente e o que pode exprimir tal sentir; entre o que é e o que é chamado a ser. E nestas circunstâncias muitas vezes se sente só, sem saber para onde seguir e sem companheiros de viagem. Por isso o tema e o incentivo dados por D. António Marto para este ano pastoral revestem-se de especial importância até pela oportunidade do momento em que surgem. Para mais sentir esse estímulo D. António irá estar presente em encontros vicariais que, no geral, focarão a presença dos cristãos nos diferentes ambientes sócio-profissionais. A cada vigararia foi deixada a responsabilidade de escolher o referido meio, como lugar de especial atenção e acção ao longo do ano. Rui Ribeiro


DESTAQUE 3

O Mensageiro

12.Janeiro.2012ro.2011

Excerto da Carta Pastoral “Testemunhas de Cristo no Mundo” A presença e a missão do cristão no mundo nem sempre foi correctamente compreendida e equacionada. Não vai longe o tempo em que se olhava para o mundo com uma visão negativa que acentuava o desprezo ou menos apreço das realidades do mundo. É uma visão que tinha a sua origem numa espiritualidade intimista, desincarnada em que o mundo era considerado como “inimigo da alma”, como reino do mal e ocasião de pecado. Ainda hoje se nota o refúgio de muitos nas coisas ou tarefas da Igreja, onde se encontra mais protecção e menos riscos, deixando o mundo correr por sua própria conta e não se deixando contagiar por ele. Uma outra atitude, bastante espalhada, é o divórcio entre a fé professada na comunidade cristã e a vida quotidiana na família, na profissão, na escola, nas relações económicas, sociais e políticas. É a atitude de

quem vive pensando ou dizendo: “O que o Evangelho diz e propõe é belo, talvez demasiado belo... mas a vida concreta é completamente diferente”. Assim, fé e vida correm por vias paralelas: a vida privada e a vida secular, até chegar ao extremo de uma total mundanização dos critérios e valores vividos por muitos cristãos, completamente distantes do Evangelho de Jesus. Nas duas atitudes mencionadas não há pontes que permitam o diálogo ou encontro entre a fé e a cultura. Existe, antes, a rotura ou a indiferença total. Notamos ainda que está presente na sociedade, sobretudo na Europa, um certo laicismo agressivo e intolerante para com a presença dos cristãos e da Igreja na vida pública, social ou cultural. Manifesta uma clara hostilidade para com tudo o que é cristão e para com os próprios cristãos. Tem uma força intimidatória que leva muitos a

viverem uma fé envergonhada, clandestina, com complexos de inferioridade e certo medo. Outra tentação é fazer do cristianismo uma mera “religião civil” reduzindo-o a uma agência de moralidade pública em ordem à coesão social, a uma mera organização não governamental de solidariedade social ou instrumentalizando a Igreja em relação ao poder para fins mundanos. Assim, diluir-se-ia o específico, a novidade da fé cristã. A fé em Jesus Cristo Salvador não permite aos fiéis desertar do mundo que Deus confiou aos homens como dom e missão para o tornar casa comum e digna de todos. O Concílio Vaticano II clarificou a relação da Igreja e dos cristãos com o mundo em termos de encontro, diálogo, solidariedade, colaboração mútua e serviço à pessoa humana e à sociedade. Hoje é assente e pacífico que a Igreja não é nem quer ser nenhum po-

der mundano nem estar ao serviço de qualquer poder do mundo. “Todas as realidades humanas seculares, pessoais e sociais, ambientes e situações históricas, estruturas e instituições, são o lugar próprio do viver e do agir dos cristãos leigos. Estas realidades são destinatárias do amor de Deus; o empenho dos fiéis leigos deve corresponder a esta visão e qualificar-se como expressão da caridade evangélica” (CDSI n. 543). O actual momento de crise que atinge toda a nossa sociedade portuguesa reclama dos cristãos este forte empenho da caridade em todas as suas dimensões, seja de proximidade seja social e política, para construir uma sociedade toda ela solidária em que todos demos as mãos para fazer face aos problemas maiores do desemprego, da pobreza e da doença. † António Marto In “Testemunhas de Cristo no Mundo”, nº 1,2)

Professor e cristão: Um duplo desafio Com este tema, a Vigararia de Leiria convida todos os professores que desejem participar num encontro com o senhor Bispo D. António Marto. O encontro será no dia 20 de Janeiro (sexta-feira) com início às 21h30 no Auditório 1 da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais (ESECS). Leiria cresceu muitos nos últimos anos. Uma grande parte deste crescimento está ligado às mudanças operadas no campo da educação, concretamente o crescimento da comunidade escolar. Diariamente milhares de estudantes e professores percorrem as rua da cidade em direcção a uma das muitas escolas aqui fixadas. Desde o ensino básico ao superior, a comunidade escolar tem um peso marcante e bem visível na animação da cidade. Dentro dos muros da escola, misturam-se e convivem outros mundos, tão diferenciados quantas as esferas da vida humana privada e social. Na escola interligam-se culturas e também religiões muito diferentes. Tanto o aluno como o professor são chamados a viver de forma independente e universal, mas não podem de forma alguma esquecer o substracto da sua personalidade e da sua profissão. Não será o aluno melhor aluno se assumir as suas convicções? E não será o professor melhor professor se preencher os requisitos técnicos exigidos com uma escala axiológica mais comprometedora e concreta? E se ambos decidirem assumir-se, como está a escola preparada para os acolher? Estas e outras questões serão debatidas neste encontro aberto a todos os professores interessados. Para participar desde já procure no Facebook o evento “professor e cristão”.

Excerto da Carta a Diogneto

DR

O cristão aberto ao mundo, inserido na sociedade

Os cristãos não se distinguem dos demais... Os cristãos não se distinguem dos demais homens, nem pela terra, nem pela língua, nem pelos costumes. Nem, em parte alguma, habitam cidades peculiares, nem usam alguma língua distinta, nem vivem uma vida de natureza singular. Nem uma doutrina desta natureza deve a sua descoberta à invenção ou conjectura de homens de espírito irrequieto, nem defendem, como alguns, uma doutrina humana. Habitando cidades Gregas e Bárbaras, conforme coube em sorte a cada um, e seguindo os usos e costumes das regiões, no vestuário, no regime alimentar e no resto da vida, revelam unanimemente uma maravilhosa e paradoxal constituição no seu regime de vida político-social. Habitam pátrias próprias, mas como peregrinos. Participam de tudo, como cidadãos, e tudo sofrem como estrangeiros. Toda a terra estrangeira é para eles uma pátria e toda a pátria uma terra estrangeira. Casam como todos e geram filhos, mas não abandonam à violência os recém-nascidos. Servem-se da mesma mesa, mas não do mesmo leito. Encontram-se na carne, mas não vivem segundo a carne. Moram na terra e são regidos pelo céu. Obedecem às leis estabelecidas e superam as leis com as próprias vidas. Amam todos e por todos são perseguidos. Não são reconhecidos, mas são condenados à morte; são condenados à morte e ganham a vida. São pobres, mas enriquecem muita gente; de tudo carecem, mas em tudo abundam. São desonrados, e nas desonras são glorificados; injuriados, são também justificados. Insultados, bendizem; ultrajados, prestam as devidas honras. Fazendo o bem, são punidos como maus; fustigados, alegramse, como se recebessem a vida. São hostilizados pelos Judeus como estrangeiros; são perseguidos pelos Gregos, e os que os odeiam não sabem dizer a causa do ódio. Numa palavra, o que a alma é no corpo, isso são os cristãos no mundo. A alma está em todos os membros do corpo e os cristãos em todas as cidades do mundo. A alma habita no corpo, não é, contudo, do corpo; também os cristãos, se habitam no mundo, não são do mundo.

Um pagão culto, desejoso de conhecer melhor a nova religião que se espalhava pelas províncias do império romano, impressionado pela maneira como os cristãos desprezavam o mundo, a morte e os deuses pagãos, pelo amor com que se amavam, queria saber: que Deus era aquele em quem confiavam e que género de culto lhe prestavam; de onde vinha aquela raça nova e por que razões aparecera na história tão tarde. Foi para responder a estas e outras questões de igual importância que nasceu esta jóia da literatura cristã primitiva, o escrito que conhecemos como Epístola a Diogneto. “Jóia da antiguidade cristã”, “pérola da apologética do século II”, a carta a Diogneto, de autor anónimo, é um precioso fragmento da primitiva experiência cristã e do esforço de diálogo da Igreja com a cultura circunstante. Escrita provavelmente nos finais do século II, nela se encontram autênticas parcelas de ouro puro da sabedoria evangélica que conferem a este texto uma actualidade singular.


4 CULTURA

O Mensageiro 12.Janeiro.2012

Dia de Reis

As Janeiras do Engenho

Alunos do Engenho cantam Janeiras

CINEMAS Tearo José Lúcio da Silva (Leiria) • CAÇADORES DE DRAGÕES | Animação | de Guillaume Ivernel, Arthur Qwak | 18 de Janeiro, 11h00 • BERLENGA - A ILHA DO FAROL | Documentário | de Paulo César Fajardo | 18 de Janeiro, 21h30 Teatro Miguel Franco (Leria) • CARLOS | Drama/Thriller | de Olivier Assayas | c/ Edgar Ramirez, Fadi Abi SAMRA, Ahmad Kaabour e Chistoph Bach | 10 de Janeiro, 21h30 e 11 de Janeiro, 18h30 e 21h30 • ISTO NÃO É UM FILME | Drama | de Mojtaba Mirtahmasb, Jafar Panahi | 14, 15, 16 e 17 de Janeiro, 21h30 e 18 de Janeiro, 18h30 • BERLENGA - A ILHA DO FAROL | Documentário | de Paulo César Fajardo | 19 de Janeiro, 21 de Janeiro, 21h30 e 22 de Janeiro, 15h30

Os alunos da Escola do 1º ciclo do ensino básico do Engenho, freguesia da Marinha Grande, foram recebidos no salão nobre dos Paços do Concelho, no dia 6 de Janeiro, Dia de Reis, para cantarem as Janeiras ao executivo da Câmara Municipal da Marinha Grande. O grupo saudou o presidente e os vereadores, assinalando o Dia de Reis que, segundo a tradição cristã, seria aquele em que Jesus Cristo recém-nascido recebera a visita dos três Reis Magos, Gaspar, Belchior e Baltazar. Cantar as Janeiras é uma tradição portuguesa que consiste na reunião de grupos que se passeiam pelas ruas no início do ano, cantan-

EXPOSIÇÕES

Teatro José Lúcio da Silva - Leiria •”Tonekos” - uma porta aberta para a liberdade de um traço (13~31/01) Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira - Leiria •”Todas as noites acordam no dia” - pintura de João Pereira (~30/01) m|i|mo -Museu da Imagem em Movimento - Leiria •”Da suspensão do tempo e outros registos”-foto e escultutras (~29/01) •”Zona Letal, Espaço Vital” - arte contemporânea (21/01~14/04) Edifício Paços do Concelho - Leiria •”As invasões francesas” - painés e vídeo (~31/03) Fórum Fnac - Leria •”Um dia pergunto o teu nome” - fotografia de Cátia Alves (~20/02) Casa-Museu João Soares - Cortes •”A República” - colecção de António Pedro Vicente (~31/01) Museu Joaquim Correia - Marinha Grande •”Retratos” (3ªs~6ªs) •”Mulher, cavalo e árvore” - desenho de Carlos Reys (3ª~sábados) •”O 18 de Janeiro de 1934” - exposição temporária

do de porta em porta e desejando às pessoas um feliz ano novo. As crianças cantaram acompanhados à viola por Carlos Martins, músico do grupo “Caruma”, por quem foram ensaiadas e com quem têm estado a desenvolver alguns projectos, nomeadamente nas áreas da música e solidariedade. O presidente e a vereadora da educação agradeceram a presença dos alunos e seus docentes, desejando um excelente ano de 2012 para todos. Enalteceram o gesto da Escola e manifestaram os votos de felicidades para as crianças, que deverão fazer bem uso dos ensinamentos agora recebidos.

Teatro José Lúcio da Silva - Leiria • Orquestra de Jazz em Leiria com Vânia Fernandes (15/01, 21h30) • Cisco e a espiral do conhecimento - teatro (17/01, 14h30) Teatro Miguel Franco - Leiria •”Conversas Improvavéis” - Marcelo Rebelo de Sousa e Ricardo Araújo Pereira (13/01, 21h00) •”Olhos bonitos, quadrados feios” - teatro (14-01, 22h00) Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira - Leiria •”Eu visito a Biblioteca (16, 23 e 30/01, 10h00) •”Letras soltas - P” - bebeteca (19/01, 10h15 e 21/01, 16h00) • Hora do Conto (20 e 25/01, 10h30; 28/01, 16h00) m|i|mo - Muse da Imagem em Movimento - Leiria • Teatro de sombras e oficinas criativas (3ªs~6ªs) •”Momentos luminosos” - oficina (14 e 28/01, 15h00) •“Novas tecnológias” - tertúlia (14/01, 17h00) •”Às quartas, danças e outros m|i|mos (25/01, 15h30) Moinho de Papel - Leiria •“Viagem à Fábrica do papel (3ªs~6ªs, 10h00 e 14h30) •“Fazer farinha e transforma-lá em pão” (3ªs~6ªs, 10h00 e 14h30) •“Queres pintar? Vai ao moinho vai...” (3ªs~6ªs, 10h00 e 14h30) •“O saber de mão em mão” (3ªs~6ªs, 10h00 e 14h30) •“A dobrar a dobrar no moinho vais criar” (3ªs~6ªs, 10h00 e 14h30) •“O meu caderno” ((3ªs~6ªs, 10h00 e 14h30) Igreja de S. Francisco - Leiria • Concerto Coral com o Orfeão de Coellima (14/01, 18h00) Fnac - LeiriaShopping • Berço das Artes (15/01, 11h30) •”Libélula teatro” - teatro (15/01, 16h00) Município - Marinha Grande • 18 de Janeiro de 1934 - comemorações (13, 14, 17, 18 e 20/01) Biblioteca Municipal - Marinha Grande •”Os ratinhos do mar” - hora do conto (3ªs, 11h00 e 5ªs, 15h00) •”Tarzan 2” - filme (18/01, 15h30) Arquivo Municipal - Marinha Grande • Reconhecimento da importância do 18 de Janeiro (~31/01) CineTeatro Actor Álvaro - Vieira de Leiria •”O Inspector Impostor” - pelo Sport Operário Marinhense (14/1, 21h30)

DR

MÚSICA | TEATRO | EVENTOS

Com Vânia Fernandes

Orquestra de Jazz de Leiria O Teatro José Lúcio da Silva (TJLS), em Leiria, é palco no dia 15 de Janeiro, pelas 21h30, do concerto da Orquestra de Jazz de Leiria com Vânia Fernandes. A convidada, a cantora Vânia Fernandes, tem encantado Portugal e representou o país no Festival da Canção. Serão interpretados grandes clássicos que ficaram na história das bigs bands como o “Fly me to the moon”, “The lady is a tramp”, “They can`t take that away from me”, entre outros.

Para crianças e jovens em Leiria

Expressão dramática e teatro Estão abertas até 27 de Janeiro as inscrições para turmas de expressão dramática e teatro, dirigidas a crianças e jovens, pela Leirena Teatro-Associação Cultural. Estas oficinas decorrerão de Fevereiro a Junho, aos sábados, das 10h30 às 12h30, no m|i|mo- museu da imagem em movimento, e dirigem-se a crianças dos 6 aos 11 anos. Com o objectivo de criar uma companhia de teatro juvenil de Leiria, terá lugar igualmente um curso de teatro, no mesmo período, no Teatro Miguel Franco e na Biblioteca Afonso Lopes Vieira, às quintas-feiras, das 17h30 às 20h30, para a faixa etária dos 12 aos 18 anos. Pretende-se com estas iniciativas a educação de crianças e jovens para a arte, “explorando o corpo e a voz, mas sobretudo, o coração”.

Divulgação / Apoio

“As Janeiras” As boas festas Vos vimos dar Com alegria Sempre a cantar. Quem diremos nós que vivia Na casa Municipal É o presidente Álvaro figura principal. Viva o pessoal desta casa Que começa de manhãzinha Muita alegria para todos Nestas terras da Marinha. As boas festas Vos vimos dar Com alegria Sempre a cantar. Vimos pedir qualidade Para o nosso Engenho Fica lá a nossa Escola Onde trabalhamos com empenho. Agradecemos à professora Cidália todo o tempo e dedicação pois foi esta a sua escola Onde ainda está o seu coração. As boas festas Vos vimos dar Com alegria Sempre a cantar. O futuro está aqui Olhe para ele a valer Nossos direitos são muitos Para que os possa esquecer. E agora para despedida Diremos com nosso jeito Muita e muita saúde Bem cá do fundo do peito. As boas festas Vos vimos dar Com alegria Sempre a cantar.


CULTURA 5

O Mensageiro 12.Janeiro.2012

Banda Recreativa Portomosense promove

TE-ATO (Grupo-Teatro de Leiria) apresenta

A Banda Recreativa Portomosense (BRP), instituição que comemora este ano os 204 anos de vida, uma das mais antigas do País, quer mostrar que continua bem viva e com iniciativas inovadoras. Assim, está a promover mensalmente o “bandánima”, um conceito de espectáculo que junta conversa e música de diferentes géneros. A decorrer no CineTeatro de Porto de Mós, o evento conta com a entrevista a um convidado local, intervalada com momentos musicais a cargo de vários protagonistas. A “banda residente”, a “Fuasband” traz a música ligeira e moderna portuguesa entremeada

com grandes sucessos nacionais e internacionais de outros tempos. Além disso, em cada edição, um pequeno grupo de alunos da escola de música da BRP sobe ao palco para mostrar um pouco do que vai aprendendo nas aulas e há também, sempre, um convidado da área infanto-juvenil que é desafiado a apresentar perante o público os seus dotes de músico, cantor ou bailarino. Ocasionalmente, outros artistas locais são chamados a participar.

DR

Uma vez por mês… “bandánima”

Fado em destaque em Janeiro No próximo dia 15 de Janeiro, pelas 16h30, realiza-se aquela que é já a quarta edição deste

projecto. Em destaque, em termos musicais, vai estar o Fado, recentemente classificado como Património Imaterial da Humanidade. Zeca Vigário vai ter como convidado para a habitual conversa Mário Pragosa (na foto), presidente da Assembleia Municipal de Porto de Mós, médico especialista em patologia clínica, que

fez quase toda a carreira na instituição militar. Na animação musical, o Fado chegará pela voz da jovem Ana Carolina Pereira e pelo experiente Tozé Bento. Por parte da filarmónica, apresentar-se-á o quarteto instrumental composto por Catarina Gomes, Edgar Mulano, Nelson Amado e Pedro Moleano. Embora sendo um projecto essencialmente local, a organização pretende divulgar a iniciativa para cativar o público regional, especialmente dos concelhos vizinhos, “dada a qualidade dos temas em debate e da animação musical que é oferecida”. Luís Miguel Ferraz

Concerto promove intercâmbio entre instituições culturais A igreja de S. Francisco vai acolher o Coro do Orfeão de Leiria e o Orfeão Coelima para um concerto coral, que celebra o convívio e a troca de experiencias entre os dois grupos. O espectáculo resulta de um convite do Orfeão de Leiria Conservatório de Artes (OL CA), realizado no âmbito de um programa de intercâmbio cultural promovido pela instituição, e terá lugar às18h00, dia 14 de Janeiro. Neste espectáculo, que concilia música sacra e música ligeira no mesmo repertório, a direcção artística dos coros estará a cargo dos maestros Pedro Miguel e Francisco Ribeiro os quais

DR

Coral do Orfeão de Leiria e Orfeão Coelima

irão orientar o Coro do Orfeão de Leiria e o Orfeão Coelima, respectivamente. Fundado em 1963, o Orfeão Coelima conta no seu historial com actuações por todo o país, actuando regularmente com o seu grupo instrumental, com a Banda de Pevidém e a Orquestra de Sopros da Artave. O

grupo coral, que conta com a direcção do maestro Francisco Ribeiro desde 1972, apresenta um repertório bastante diversificado, pautado pela apresentação de obras de reconhecido valor artístico. O Coro do Orfeão de Leiria nasceu em 1946 da tradição dos coros de vozes

Teatro José Lúcio da Silva iniciou programação de 2012

Concerto de Ano Novo O Teatro José Lúcio da Silva recebeu na passada sexta feira, dia 6 de Janeiro, pelas 21h30, o “Concerto de Ano Novo - Johann Strauss & Mozart”, pela Strauss & Mozart Festival Orchestra. As mais célebres valsas e polcas interpretadas por esta orquestra foram acom-

panhadas pela elegância e ritmo de talentosos bailarinos que encantaram e deliciaram todos os espectadores. Este concerto contou com dois momentos distintos, no primeiro o público reviveu as mais conhecidas sinfonias de Mo-

zart, enquanto no segundo salientaram-se as elegantes valsas e animadas polcas, bem como as conhecidíssimas marchas de Johann Strauss. A Orquestra, em digressão por toda a Europa, é proveniente da Eslovénia, constituída por 50 músicos e 4 bailarinos.

masculinas, tendo atingido nos anos cinquenta grande repercussão nacional e internacional. A profissionalização integral da sua direcção coral, em 1988, permitiu melhorar a técnica vocal, adoptar um repertório sistematicamente mais erudito e contribuiu para uma maior qualidade interpretativa, trabalhando diferentes estilos de repertório, desde a música sacra da idade média até à música ligeira, repertório à capela e também coral-sinfónico. Actualmente, apresentam-se com conjuntos diferentes, misto, vozes masculinas, vozes femininas, em conjunto ou separadamente.

“dos pequenos GESTUS”

O TE-ATO (Grupo-Teatro de Leiria) apresenta, no próximo dia 15 de Janeiro, às 11h00, o espectáculo “dos pequenos GESTUS”, especialmente para a infância. A decorrer na sua sede, na Sala Jaime Salazar Sampaio, esta 96ª produção do grupo parte da infância porque “ela nos serviu de base para a sua concepção, e porque a partir dela qualquer idade é possível para o usufruir”. É uma peça feita de histórias breves, encontros e desencontros dos sentidos, das pessoas, das coisas e das situações. As histórias que nela se contam são o gesticular dos dias que ganham sentido quando trocados com alguém, porque ser feliz é imperativo de todos nós e para isso há que aprender a ler o outro como um amor soprado para dentro que se espalha pelo corpo. A encenação é de João Lázaro, que assina os textos com Nuno Gomes, sendo a interpretação de Ana Rita Santos e Miguel Sarreira.

Ajuda para a Casa do Professor de Leiria

Concerto de guitarra clássica por Pedro Rodrigues Neste tempo em que a partilha de ajudas cada vez faz mais sentido, vai realizar--se um concerto de guitarra clássica por Pedro Rodrigues, no dia 20 de Janeiro, pelas 21h30, no Teatro Miguel Franco. Promovido pela ASSP (Associação de Solidariedade Social dos Professores), a iniciativa tem o objectivo de contribuir para ajudar na construção da Casa do Professor de Leiria.

Pousos

Festival das Sopas A comissão organizadora das próximas festas do Senhor dos Aflitos vai organizar um festival de sopas, no dia 14 de Janeiro, a partir das 20h00, no salão paroquial da igreja dos Pousos. Tem um custo de 6 euros e incluiu sopa à descrição, broa e bebida.

Acontece no m|i|mo

“Danças e outros...” Depois de sessões sempre esgotadas em 2011, terá tido início no dia 11 de Janeiro, pelas 15h30, no m|i|mo - museu da imagem em movimento, em Leiria, a primeira edição de 2012 de “Às quartas, danças e outros m|i|mos”. Esta actividade tem como principal vocação o encontro de pessoas que gostam de dançar acompanhadas. O chá é o pretexto e marca a hora do encontro, que se inicia com uma visita ao espaço do museu. Partindo de fotografias e filmes da colecção, propõe-se ainda uma conversa animada para activar memórias. Esta acção é da responsabilidade de Eunice Caetano, professora e animadora de danças do mundo.

Tertúlia com José Luís Jorge Tem lugar no próximo dia 14 de Janeiro, pelas 15h00, no mIiImo - museu da imagem em movimento, em Leiria, a tertúlia “Danúbio visto por um fotojornalista”, com José Luís Jorge. Esta conversa tem como base a viagem que o orador realizou, de 17 de Junho a 2 de Agosto último, ao longo do curso do Danúbio, de barco, de comboio e de autocarro, constatando a grande diversidade existente no que diz respeito à paisagem e à população.


6 SOCIEDADE

O Mensageiro 12.Janeiro.2012

Presidente do IPL eleito para liderar associação

“Diálogos com a Região” na Nerlei

Inscrição reverte para Loja Social

Nuno Mangas, presidente do Instituto Politécnico de Leiria, foi eleito para a direcção da Politécnica – Associação dos Politécnicos do Centro. Integram ainda aquela direcção os presidentes dos Institutos Politécnicos de Tomar, como vice-presidente, de Portalegre, como tesoureiro, e de Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Santarém e Viseu como vogais. Com sede em Castelo Branco, a Politécnica, criada em 2000, tem como objectivos promover a articulação de ciclos de estudos conferentes de grau, bem como outros cursos de formação; fomentar e realizar projectos conjuntos de investigação, desenvolvimento e inovação; promover a articulação e ou criação de unidades de investigação científica e desenvolvimento, comuns aos seus associados; impulsionar activamente a promoção internacional conjunta dos seus associados e respectivos projectos; realizar acções de divulgação conjuntas dos seus associados, visando a captação de estudantes estrangeiros; e constituir uma estrutura de defesa e afirmação do ensino superior politécnico, numa perspectiva de actuação nacional e internacional; A escolha de Nuno Mangas é, segundo o próprio, “uma enorme honra para o nosso Instituto, mas também uma grande responsabilidade e uma excelente oportunidade para elevar cada vez mais o ensino politécnico, dinamizá-lo e colocá-lo ao serviço do mercado e das empresas”.

No âmbito do ciclo de tertúlias “Diálogos com a Região”, a NERLEI – Associação Empresarial da Região de Leiria recebe no dia 18 de Janeiro, às 18h00, a sexta tertúlia subordinada ao tema “Os Desafios da Administração Local”. Nesta primeira tertúlia de 2012, Paulo Júlio, secretário de Estado da Administração Local e Reforma Administrativa e Armando Vieira, presidente da Associação Nacional de Juntas de Freguesia, abordarão este tema contribuindo para um maior e melhor esclarecimento sobre a reforma em curso e o seu impacto ao nível económico, social e administrativo, na procura das melhores soluções para a reorganização do território. Este ciclo de tertúlias é desenvolvido no âmbito do projecto Leiria Região de Excelência, assumindo-se como um espaço de reflexão sobre a região, no qual, as ideias apresentadas pelos convidados e por todos os presentes, com as suas interrogações e as suas convicções, contribuem para o surgimento de sugestões concretas para a qualificação da região, promovendo um novo olhar e uma nova forma de sentir este território. Estas Tertúlias terão uma periodicidade mensal, com temáticas que oportunamente serão divulgadas. O Leiria Região de Excelência é um projecto de desenvolvimento regional que está a ser promovido pela NERLEI, em conjunto com a ADLEI (Associação de Desenvolvimento de Leiria), a CIMPL (Comunidade Intermunicipal do Pinhal Litoral) e o IPL (Instituto Politécnico de Leiria).

A Câmara Municipal da Marinha Grande promove a realização do passeio solidário “Pense em si, Pense nos outros!”, da orla costeira às Pedras Negras, no dia 28 de Janeiro, pelas 14h30. O convite da autarquia desafia o participante a conhecer as maravilhas do património natural e construído de S. Pedro de Moel e de fazer esse passeio “com um propósito solidário”. Simbolicamente, a inscrição é feita através da entrega de donativos (em género) que posteriormente serão distribuídos pela Loja Social da Marinha Grande. Promovida pela Câmara Municipal da Marinha Grande com o apoio de diversas entidades de solidariedade social, “a Loja”, inaugurada a 17 de Outubro de 2010, está localizada no centro tradicional da cidade, na Rua Pereira Crespo, nº 25 – r/c Esq. Ali, pode conhecer a lenda do Penedo da Saudade, observar a paisagem costeira e a sua biodiversidade, visitar o Farol do Penedo da Saudade com a colaboração da Capitania do Porto da Nazaré e admirar o pinheiro-bravo serpente das Pedras Negras.

Nuno Mangas dirige Politécnica

Desafios da administração local

C

omo já foi referido na crónica anterior, Portugal não tomou imediatamente uma posição beligerante na Grande Guerra. A instabilidade política que se vivia também foi motivo que determinou algum recuo para assumir de imediato a participação de Portugal no conflito. A frágil República temia cometer erros que ditasse alguma queda de governo, tendo como consequência o regresso da Monarquia. A 15 de Julho de 1916, o governo inglês lança o convite a Portugal para integrar o conflito, sublinhando que seria imperioso que o CEP fosse acompanhado por capelães militares. Este facto levantava mais uma problemática porque estava instituída a separação entre a Igreja e o Estado Português, constituíndo na época, um ‘braço de forças’. A sugestão inglesa acabou por determinar o facto de o Estado efectuar um pedido especial à Igreja, solicitando-lhe um serviço que representava dar aos valores religiosos uma importância que as estâncias políticas não queriam reconhecer e assumir publicamente. Este facto movimentou a sociedade portuguesa, incluindo aqui a imprensa

para que se concretizasse um plano português que contemplasse os capelães nos grupos de militares. O texto que então saiu em O Mensageiro foi quase uma antevisão para combater a resistência governamental que viria a surgir contra a inclusão dos capelães.

O patriotismo dos primeiros capelães portugueses voluntários levou para a Flandres homens que partilharam as mesmas condições que os soldados, para além da sua função de assistir feridos e os esgotados psicológicamente com os dramas da guerra. que se mobilizou com a publicação de várias posições acerca da decisão do governo, como nos conta João Tiago Sousa:

«Muito cedo, porém, começou a esboçar-se no País uma forte reacção contra esta insólita atitude do Governo da chamada ‘União Sagrada’. A imprensa escrita pôs-se em campo, defendendo os direitos da consciência. A campanha que se levantou nos jornais católicos a favor da criação de um corpo de capelães que fossem exercer o seu ministério junto dos nossos soldados em operações de guerra, reacendeu a

esperança da criação futura de um corpo de capelães militares voluntários» (Sousa, 1998: 7). Sobre esta matéria, também o jornal O Mensageiro tinha tomado uma posição clara, na edição de 18 de Novembro de 1914. O periódico assumia uma posição que viria a antecipar a posição final do Governo face ao envio de capelães militares para o conflito mundial. O reconhecimento da fé e da religião no palco da guerra, como forma de auxílio, sobretudo de ordem moral para os soldados, foi um factor indispensável

«Os actos heróicos praticados durante a actual guerra são devidos na sua maior parte aos sentimentos religiosos que imperam nos seus autores. Já nos não referimos aos inúmeros sacerdotes que batalham em todos os exércitos e que soldados durante os combates, apenas terminados estes, sem descansar vão recolher os feridos, dar consolação aos moribundos e recitar sobre os cadáveres as orações da Igreja»1. Só em 30 de Novembro de 1916, com o decreto 2869, o governo português reconhece oficialmente o papel dos capelães militares na Grande Guerra, antecipando o que se iria passar em 1917, com a partida dos soldados portugueses para França.2 Foi desta forma que se alistaram os capelães militares para a Grande Guerra, com

Passeio solidário em S. Pedro de Moel

a sua categoria equiparada a alferes sem que pudessem auferir de qualquer vencimento, facto que provocou um mal-estar na opinião pública. Apenas foi oferecido alojamento e transportes aos padres que ousaram aceitar a missão voluntária de irem para uma frente de batalha, arriscando a sua própria vida numa guerra que não aceitavam, muito menos a promoveriam. No terreno, viriam a revelar-se outras dificuldades na missão dos capelães militares, tais como os entraves na divulgação dos locais e horários das orações ou eucaristias, para além da existência de um quadro de capelães militares reduzido e insuficiente para o número de soldados portugueses envolvidos na campanha. A 21 de Março de 1917, a dois meses da partida do Pe. José Lacerda para a Flandres, a situação tornou-se insustentável em França, até que o capelão Avelino de Figueiredo, redige um requerimento à secretaria da guerra:

«O comando do CEP e o seu Estado Maior reconhecem quanto é necessária a assistência religiosa e moral aos nossos soldados, quer

REFLEXÕES SOBRE O SÉCULO XX - 7

Joaquim Santos Jornalista

A necessidade dos capelães no palco da Grande Guerra no campo de batalha, quer nos hospitaes. Carecemos de capellães em todos os hospitaes e ambulâncias, na base de desembarque e em todas as formações da primeira linha»3. 1 - Veja-se o artigo «A Religião na guerra», O Mensageiro, 18 de Novembro de 1914, nº 7, pp 2-3. 2 - Decreto-Lei nº 2869, 30 de Novembro de 1916, Diário do Governo, nº 243, 1ª Série. 3 - Caixa 1243, requerimento do capelão Pe. Avelino de Figueiredo, Arquivo Histórico-Militar, 1ª divisão, 35ª secção.


SOCIEDADE 7

O Mensageiro 12.Janeiro.2012

Agrupamento de Escolas da Batalha

O auditório municipal da Batalha vai receber, no próximo dia 13 de Janeiro, a primeira fase da iniciativa “Preparados para o Futuro?!”, dirigida aos alunos dos 11.º e 12.º anos dos Cursos Científico-Humanísticos de Ciências e Tecnologias e de Ciências Sócio-Económicas do Agrupamento de Escolas da Batalha. Já na sua segunda edição, esta é uma iniciativa promovida por antigos alunos desta escola secundária, que têm já “um percurso ao nível da formação académica relevante, uma actividade profissional aliciante, exigente e geradora de mais valias tecnológicas, científicas, económicas, sociais e/ou ambientais, bem como investigadores, empregadores ou representantes de universidades, entidades empregadoras e empresas”. Neste dia de trabalho (10h30-17h30), cada orador convidado apresentará o seu percurso de formação académica e profissional, salientando a importância do eixo Escola – Universidade – Vida Activa. O seu testemunho sobre a relevância de um bom desempenho no ensino secundário, como garante de sucesso no ensino superior, a ligação entre a universidade e a investigação científica, os pontos fortes da sua formação académica e pessoal que potenciaram a sua entrada no mercado de trabalho, os factores condicionantes da sua escolha profissional e as características desejadas nos candidatos ao mercado de trabalho na perspectiva de uma entidade empregadora, pretendem fazer destas palestras “motivadoras de interesse e sensibilizadoras da exigência da conclusão do ensino secundário com uma boa média como condição essencial para uma vida profissional de sucesso e de contribuição efectiva para uma realização pessoal e profissional”. Em cada painel haverá um momento de debate

DR

“Preparados para o Futuro?!”

com os alunos e os professores que os acompanham, sendo também deixados pelos oradores alguns desafios de situações ou problemas práticos a serem resolvidos por parte dos alunos, individualmente ou de grupo, a apresentar posteriormente à comunidade educativa. Essa será a 2.ª fase da iniciativa, com a apresentação dos trabalhos realizados à comunidade, agendada

para o dia 4 de Maio de 2012, a partir das 21h00, também no auditório municipal da Batalha. Ajudar os alunos a vencer Segundo os coordenadores da iniciativa – Antero Mendes, Paulo Portugal, Cristina Escalhão, Célia Cadima e Vítor Correia –, o primeiro objectivo é “sensibilizar os alunos para uma aprendizagem

Palestras • “A Importância da Educação no contexto da Globalização”, por António Augusto Mendonça, professor do ISEG, presidente do CEDIN – Centro de Estudos de Economia Europeia e Internacional do ISEG e ex-ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações. • “Educação: Garantir o Futuro (o Vosso e o do País)”, por António Miguel Lino Morgado, professor da Universidade de Coimbra, investigador do IBILI e um dos fundadores da ISA – Intelligent Sensing Anywhere, SA. • “O percurso de um piloto na Força Aérea Portuguesa”, por César Filipe Pereira, tenente e piloto instrutor na Base Aérea n.º 1 em Sintra. • “Exemplos práticos de aplicação de investigação a situações concretas solicitadas pela comunidade”, por António Manuel Carriço Portugal, professor da Universidade de Coimbra e coordenador de projectos de investigação na área da Biologia Molecular no Centro de Ecologia Funcional desta universidade. • “Um percurso de vida no campo da Saúde”, por Patrícia Gomes, enfermeira na urgência geral do Hospital de Santo André, em Leiria; e “Uma nova vida para a borracha”, por Pedro Miguel Sousa Nascimento, proprietário e CEO da empresa PneuGreen – Recolha e Reciclagem de Pneus, Lda.

de qualidade, potenciadora do sucesso educativo, para a sua preparação para o prosseguimento de estudos de nível superior”. Nesta linha, pretende-se motivar os alunos “para a necessidade da promoção do rigor científico, do raciocínio e do espírito crítico” como forma de ajudar o seu “desenvolvimento pessoal e profissional após a conclusão do ensino secundário”. Entre outros objectivos específicos deste trabalho, referem-se: “envolver os alunos num projecto teórico-prático com vista à resolução de problemas de um quotidiano empresarial; consciencializar os alunos para as exigências de um desenvolvimento pessoal e profissional, na perspectiva de uma visão integradora da Ciência, da Tecnologia, da Sociedade e do Ambiente; contribuir para a formação de cidadãos activos e responsáveis; alargar e aprofundar o âmbito de intervenção na comunidade; estimular a criatividade, o espírito empreendedor e abertura à inovação; divulgar e apresentar de forma alargada à comunidade escolar e local dos trabalhos individuais e colectivos realizados no âmbito dos problemas colocados; desenvolver a capacidade de trabalho individual e cooperativo, promovendo dinâmicas de grupo na abordagem dos problemas colocados”. Esta actividade, proposta pelos grupos 430, 510 e 520, faz parte do Plano Anual de Actividades, no âmbito do Projecto ESCXEL que envolve este Agrupamento de Escolas, e conta com o apoio da Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra, do Instituto Superior de Economia e Gestão, da Força Aérea Portuguesa, da Câmara Municipal da Batalha, da ISA e da PneuGreen. Luís Miguel Ferraz

Organização da revista Invest

Marcelo Rebelo de Sousa e Ricardo Araújo Pereira em “Conversas Improváveis” A revista Invest, que se dedica a temáticas como desenvolvimento regional, política e negócios, vai realizar no dia 13 de Janeiro, pelas 21h00, a primeira sessão das “Conversas Improváveis”, uma sessão que será transmitida pela SIC. A publicação com sede em Leiria, vai juntar no Teatro Miguel Franco, um professor e político com um humorista, que irão debater temas actuais, alguns dos quais com temas de conversas que seriam mesmo improváveis. A conversa que será moderada por Anselmo Crespo e Bernardo Ferrão já tem lotação esgotada mas está assegurada transmissão num ecrân gigante, no interior do Mercado de Sant’Ana.

Evocar a revolta operária

Comemorações do 18 de Janeiro A Câmara Municipal da Marinha Grande organiza iniciativas que visam a comemoração do 18 de Janeiro de 1934, que terão lugar no dia 14 de Janeiro de 2012, pelas 16h00, no Museu Joaquim Correia, situado no Largo 5 de Outubro, na Marinha Grande. A 18 de Janeiro de 1934 ocorreu um levantamento revolucionário armado, na Marinha Grande, levado a cabo pelos operários vidreiros numa tentativa frustrada de acabar com as situações de perseguição, exploração e falta de trabalho que por várias vezes, nos últimos anos, os haviam atirado para a miséria e para a fome. Num País sob o regime salazarista, estes marinhenses lutaram contra as perseguições, desemprego e injustiças várias a que foram sujeitos durante décadas. Durante algumas horas, a Marinha Grande esteve nas suas mãos, até a revolta ser violentamente reprimida e os seus autores presos, muitos no Tarrafal. Na Marinha Grande foi erigido um monumento evocativo da revolta, do escultor marinhense Joaquim Correia, aquando do 50.º aniversário da revolta.

Ao largo da Marinha Grande

Força Aérea resgata pescador Um EH-101 efectuou o resgate de um tripulante de 29 anos de idade e nacionalidade espanhola, que se encontrava no pesqueiro GURE LEIRE, a cerca de 75kms a oeste da Marinha Grande. O EH-101 descolou da Base Aérea Nº6 (BA6), Montijo, pelas 18H20, atingindo a zona de operações 40 minutos depois. No local, o recuperador-salvador desceu para o navio de pequena dimensão, com cerca de 20 metros de comprimentos, e aprontou o tripulante para que este fosse evacuado em segurança para o helicóptero. A bordo, o tripulante, que terá sofrido uma intoxicação por ingestão acidental de substância perigosa, recebeu assistência médica até ser transferido para uma ambulância do INEM que aguardava no Aeródromo de Figo Maduro. A missão terminou às 20H20 quando o EH-101 aterrou na BA6. Esta foi a 184ª vida salva pela Esquadra 751, desde Janeiro do ano passado.


8 ECLESIAL

O Mensageiro 12.Janeiro.2012

Família há oito Séculos

CAMINHO... COM A

CARTA PASTORAL 13

3. Vasto mundo, minha paróquia 3.4. Servir o Reino de Deus nos “ambientes da vida social” A sociedade, nas várias expressões e articulações, é o campo onde o Senhor chama cada cristão a trabalhar com os dons e tarefas próprios. Não há nenhum ambiente da vida social em que não seja pedido ao cristão ser sal e luz. A luz, a verdade e a força de renovação do Evangelho requerem ser testemunhadas nos lugares em que os homens e mulheres nascem, crescem, vivem, convivem, trabalham, se alegram, sofrem e morrem: na família, no mundo da escola e do trabalho; na economia, na política e na administração da justiça; no mundo da assistência, das antigas e novas pobrezas, no mundo da saúde; enfim, em todo o lugar ou ambiente onde se desenvolve a vida das pessoas. Este é o contexto mais imediato e quotidiano em que se torna necessário o testemunho de cristãos verdadeiros, de pessoas de coração grande e generoso e de mente esclarecida que mostrem e tornem eficaz a força transformadora do Evangelho nas actividades em que estão empenhados e na vida e no ambiente concreto em que trabalham. Este desafio deverá levar as paróquias, os grupos e movimentos, as associações e comunidades a interrogarem-se sobre a qualidade da sua fé: qual o tipo de fé em que estão a educar os seus membros? Para uma fé intimista e ritualista ou para uma fé existencial e encarnada na vida concreta, capaz de transformar os ambientes? Iremos promover durante este ano pastoral, a nível vicarial ou diocesano, encontros de cristãos de um ou outro sector socio-profissional, para mostrar como é possível estarem presentes nas mais diversas realidades seculares levando aí os valores do Evangelho. Será ocasião para analisar a situação actual e para ver que oportunidades, desafios e exigências apresenta; quais os passos a dar e as propostas a lançar.

Para reflexão... s “ambientes da vida social”

ia o de Deus no munidade/paróqu 3.4. Servir o rein bros da nossa co l em cia m en os ist ex ar uc ra uma fé • Estamos a ed ritualista ou pa os e a ar ist rm fo tim in ns tra fé para uma capaz de vida concreta, e encarnada na ambientes?

Luz do mundo Não se pode esconder uma cidade situada no alto dum monte nem se acende uma lâmpada para a colocar debaixo do alqueire. Na verdade quem poderá esconder essa cidade edificada no alto do monte ou apagar a lâmpada que o Espírito de Deus continuamente alimenta com o azeite da Sua presença viva e vivificadora? Clara foi e continua a ser, nas suas Irmãs, essa cidade, esse candelabro na casa de Deus. Na Bula de Canonização, o Papa Alexandre IV escrevia: Clara foi o alto candelabro de santidade que resplandece vigorosamente na casa do Senhor. Como era grande a força desta luz e como era forte a claridade do seu brilho. Uma luz que nem os espaços nem o peso dos séculos extinguiu. Uma luz sem fronteiras que irradia a sua claridade em todas as direcções e brilha resplandecente, na Igreja, na diversidade e riqueza de povos, línguas, raças e culturas. O Evangelho de Cristo é para todos. Deus não faz acepção de pessoas. Também o ideal evangélico que Santa Clara viveu e transmitiu às suas Irmãs é sempre actual e não escolhe a cor da pele. Todos são bem-vindos à grande Família da Ordem de Santa Clara. Em 1209 S. Francisco inicia a sua Ordem, com apenas onze discípulos, a quem chamou Irmãos Menores. Na verdade, como afirma S. Paulo: Um é o que planta, outro o que rega mas é Deus quem faz

crescer. E assim aconteceu. A chama viva do Evangelho, que o jovem Francisco reavivou em Assis, rapidamente se expandiu e cresceu. Na Solenidade de Pentecostes de 1217 Francisco reuniu os seus Irmãos em Capítulo, o chamado “Capítulo das Esteiras”, em Santa Maria dos Anjos. Afirma o cronista que seriam cinco mil frades. Ficando S. Damião tão perto da igrejinha de Santa Maria dos Anjos não duvidamos que o mosteiro seria passagem obrigatória. Todos desejam conhecer e falar com uma das colunas da Família nascente e a mais fiel discípula do Pai Francisco. Assim, ao partirem para a missão de anunciadores do santo Evangelho e arautos do grande Rei, se falavam de Francisco também falavam da vida e santidade de Clara e de suas Irmãs. Não só, mas também, graças a estes primeiros Irmãos, os mosteiros rapidamente floresceram na Itália e por toda a Europa. Em Clara e suas Irmãs, bem cedo nasceu o impulso missionário, através da oração e fundação de mosteiros em terras de missão. É muito provável que os mosteiros na Síria, Líbano e Palestina, tenham sido fundados ainda em vida de Clara de Assis. Um caminho se abre no deserto, caminho árido, tingido de sangue que conduz as filhas de Santa Clara à palma do DR

[COLUNA SEMANAL]

martírio. Pequenas “flores brancas” que semeiam de esperança a aridez do deserto. Se Clara não colheu a palma do martírio, como tanto desejava, deixou em herança essa glória a mais de duas centenas de filhas suas. Em 1257, apenas quatro anos após a sua morte, todas as Irmãs do mosteiro de Antioquia foram degoladas por ordem de Melek Saher Bibars. E em 1289, quando Tripoli, no Líbano, caiu nas mãos do Sultão do Egipto, Melek El-Mansur, todas as Religiosas dum mosteiro foram assassinadas, mártires da fé e da castidade. Dois anos mais tarde em Ptolemaida, sob a espada dos sarracenos, alcançariam a mesma glória setenta Clarissas que, a exemplo da sua Abadessa, para salvarem o tesouro da sua virgindade, mutilaram horrivelmente o rosto. Entraram assim na sala do festim das núpcias do Cor-

deiro com as vestes tingidas de sangue mas adornadas com o lírio da perpétua virgindade que ciosamente guardaram para o Esposo. Sangue de mártires, semente de cristãos. Foi assim desde há 2000 anos. Foi assim há oito séculos, foi assim ontem e assim é hoje. A história repete-se. Mas quem poderá ocultar a luz do candelabro? A lâmpada que Deus acende com o Seu “Faça-se” nada nem ninguém a poderá extinguir. Nem a espada nem as perseguições poderão ocultar o brilho da luz do amor divino que, sem cessar, resplandece no coração de tantas virgens que derramaram o seu sangue por Cristo. Fiéis na vida, fidelíssimas na morte. E a luz continua a brilhar para nós. Cristo deu-nos o exemplo para que sigamos os Seus passos. Irmãs Clarissas de Monte Real

Encontro nacional de reitores de santuários

Arte e Património ao Serviço da Evangelização O Santuário de Fátima acolheu, nos dias 9 e 10 do corrente mês, o VI encontro nacional de reitores de santuários, durante o qual foram apresentados projectos relativos a um livro sobre os Santuários de Portugal e à revista «Itinerante». Com o tema central «Santuários - Arte e Património ao serviço da Evan-

gelização», este encontro teve uma conferência sobre «O Património Cultural dos Santuários no Dealbar do Terceiro Milénio» por José Falcão, director do Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja, e outra sobre «Bens Culturais da Igreja: Memórias Vivas de Fé» por Sandra Costa Saldanha, directora

do Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja, refere um comunicado enviado à Agência ECCLESIA. Do programa constou ainda a apresentação do projecto da “Revista Itinerante”, um plenário, e bem assim a eleição dos novos Corpos Sociais da Associação. Redigiram-se

depois as conclusões e organizou-se um docmento com a programação do VII Encontro. O encontro terminou com a Eucaristia na Capelinha das Aparições, presidida por D. Jorge Ortiga, presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana.


DIOCESE 9

O Mensageiro 12.Janeiro.2012

Duas novas valências inauguradas: lar e creche

O Centro Social e Paroquial da Freixianda apresentou à população as suas duas novas valências: lar e creche. Um investimento, de mais de 1,6 milhões de euros, comparticipado pelo Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais (PARES), pelo Município de Ourém e por parceiros desta IPSS. Actualmente o Centro Social e Paroquial da Freixianda acolhe 42 idosos em lar, 34 em centro de dia, 30 em serviço de apoio domiciliário e tem capacidade para 45 crianças até aos três anos de idade em creche, “tendo ainda algumas vagas por preencher”. Segundo o vice-presidente da direcção, Simões Marques, o mesmo não se passa com o lar que “conta já com uma longa lista de espera”. Para além destas respostas sociais, esta instituição presta ainda serviço na Componente de Apoio à Família e ATL e serve refeições escolares ao 1º ciclo. Após a cerimónia oficial de inauguração destas duas novas valências, o Vigário Geral da Diocese Leiria-

DR

Centro Social Paroquial da Freixianda

Fátima, Pe Jorge Guarda, benzeu as instalações renovadas deste equipamento social. Presente naquele que considerou como “dia de grande festa para o concelho de Ourém”, Paulo Fonseca, presidente da Câmara Municipal de Ourém, destacou “a equipa capaz de se entregar à sua profissão e aos outros” elogiando também o trabalho da direcção “em todo o processo”. Na resposta a alguns pedidos elencados pela direcção e também pela Junta de Freguesia, no que diz respeito ao reforço da

comparticipação do Município nesta obra, o autarca manifestou “total disponibilidade para encontrar soluções para os problemas”, avançando que está a ser criado um “pacote de ajudas para as IPSS´s”, dando cumprimento à prioridade de se construir um concelho de Excelência Social.. Mas, Paulo Fonseca sublinhou a necessidade de criação de economias de escala e trabalho conjunto afirmando que “uma IPSS não é uma ilha, tem de funcionar em rede”, dizendo não perceber “porque é que cada instituição tem uma lavan-

daria. Temos de começar a perceber que dois valemos mais do que um”. Esta opinião foi partilhada por Paula Morais, da Unidade de Desenvolvimento Social do Centro Distrital de Segurança Social de Santarém que, tendo em conta a conjuntura atual, afirmou a necessidade de “repensar a forma de trabalho de modo a rentabilizar os nossos recursos”. A cerimónia terminou com uma visita às instalações e um lanche onde participaram os utentes e respectivas famílias.

Diocese mostra património religioso

Visita “Do Românico ao Barroco” No âmbito da iniciativa “Fé e Arte, um diálogo de séculos”, organizada pelo Departamento do Património Cultural da Diocese de Leiria-Fátima, irá realizar-se no próximo sábado, dia 21 de Janeiro, a terceira visita guiada ao património religioso da diocese.

Sob o título “Do Românico ao Barroco”, visitarse-ão em Aljubarrota os notáveis templos religiosos que são a Igreja Paroquial de Nossa Senhora dos Prazeres e Capela de S. João Batista e no Juncal visitar-se-á a Igreja Paroquial. Sónia Vazão e Filomena Martins serão as

orientadoras das visitas. Esta iniciativa tem alcançado um notável êxito pelo seu interesse, bem como pelo número de participantes, somando já perto de três centenas. A participação é livre e gratuita, excepto para aqueles que desejarem participar

na viagem em autocarro, tendo que marcar previamente através do E-mail coelhomartins@iol.pt ou do telemóvel 962 540 255. O custo do bilhete será de 7,5euros por pessoa; as reservas deverão ser feitas através do telefone 962 540 255 ou 244 837 291.

Paróquia da Marinha Grande

Baptismo de crianças da catequese Oito crianças que frequentam a catequese na Marinha Grande, algumas no terceiro ano e outras no grupo especial de catequese para quem entrou mais tardiamente, receberam o sacramento do Baptismo no passado dia 8, Domingo da Epifania.

Acompanhadas pelos pais e outros familiares, foram nesse dia integradas plenamente na comunidade cristã, que as acolheu com carinho, na celebração da Eucaristia dominical, e viveu com elas a alegria do dom recebido de Deus. Depois de os seus pais

terem dado explicitamente o seu acordo, as crianças fizeram publicamente a afirmação da sua fé, e acompanhadas por eles junto da fonte baptismal receberam o sacramento da Vida nova. Num gesto que tornou mais visível o seu compro-

misso cristão, elas próprias acenderam a sua vela do Baptismo no Círio Pascal, que o celebrante, padre Armindo Castelão Ferreira, aproximou delas, tendo conjuntamente com os seus pais assumido o compromisso de manterem viva a luz de Cristo recebida.

Homilia de fim-de-ano de D. António Marto

“Equidade é os ricos darem mais para salvar a economia portuguesa” O Bispo de Leiria-Fátima, D. António Marto, considera que a equidade consiste em pedir a quem tem maiores possibilidades financeiras, que faça mais pelo restabelecimento das contas públicas, embora todos os portugueses estejam obrigados a esse objectivo. “Quem tem mais tem o dever de dar mais. Isto chama-se equidade. Os mais ricos devem contribuir mais para curar a economia do nosso país doente. Mas ninguém é tão pobre que não possa oferecer algo para salvar a barca comum”, afirmou na missa a que presidiu em Fátima, no último dia de 2011, segundo homilia publicada no site da diocese. O esforço para a superação das dificuldades deve passar pela “qualidade do trabalho, escolhas de sobriedade, aceitação de sacrifícios, em nome da solidariedade, proximidade e partilha com os mais frágeis e carenciados”, apontou o responsável, acrescentando que os “gestos de solidariedade são sinais de esperança em tempo de crise”. “Sentimos que estamos todos na mesma barca. Sem o contributo pessoal de cada um, a barca corre o risco de se afundar. Cada um deve fazer a sua parte para que a esperança vença o medo, tanto a nível pessoal como colectivo. Desta emergência grave só sairemos todos juntos e solidários”, declarou. D. António Marto recusa “pessimismos” e “catastrofismos”, assim como “ilusões” e “falsas seguranças que escondam as dificuldades do momento”, sublinhando que este é o “tempo de encorajamento e de empenho, em que cada um possa dar algo para que a esperança não morra e a paixão pelo que é possível não seja abandonada”. “Não basta a lei dos mercados. A humanidade não foi criada para servir os mercados; estes é que foram criados para servir a humanidade. Se este princípio for respeitado, a esperança vencerá o medo”, realçou o prelado, que tem assento no Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa. Os “desejos”, “inquietações” e “virtudes cívicas” dos portugueses precisam de um “fogo da fé, da esperança e da caridade” que as alimente e “impeça a sua decadência”, ao mesmo tempo que lhes oferece “um horizonte mais amplo”, referiu o bispo de Leiria-Fátima, que fez um balanço da actividade da Igreja em 2011. A nível mundial D. António Marto referiu que o Papa “realçou o significado das Jornadas Mundiais da Juventude em Madrid, o encontro inter-religioso em Assis” e a “proclamação do Ano da Fé”, de 11 de Outubro de 2012 a Novembro de 2013, em comemoração dos 50 anos da abertura do Concílio Vaticano II (1962-1965). O prelado salientou também “a memorável festa da beatificação do Papa João Paulo II” e, a nível nacional, a continuação da reflexão sobre “‘Repensar a pastoral da Igreja em Portugal’ que mobilizou milhares de fiéis”. Referindo-se à sua diocese D. António Marto destacou o tema “chamados à caridade”, que considera “o modo mais belo de dizer quem é Deus e o que Ele espera” da humanidade. “Foi algo que tocou fundo o coração de numerosos homens e mulheres comprometidos, generosa e alegremente, no testemunho da caridade de proximidade, de doação, partilha e apoio junto de quem sofre ou é carenciado”, assinalou na homilia do final do ano de 2011, que tinha como tema: “Abrir caminhos de confiança em tempo de dificuldades”.


10 ECLESIAL

O Mensageiro 12.Janeiro.2012

(15/01/2012)

Antífona de Entrada: Salmo 65, 4 Leitura I: 1 Sam 3, 3b-10.19 Salmo Responsorial: Salmo 39 (40), 2.4ab.7-8a.8b-9.10-11 (R. 8a.9a); Refrão: Eu venho, Senhor, para fazer a vossa vontade. Repete-se Leitura II: 1 Cor 6, 13c-15a.17-20 Aclamação ao Evangelho: cf. Jo 1, 41.17b; Refrão: Aleluia. Repete-se; Encontramos o Messias, que é Jesus Cristo. Por Ele nos veio a graça e a verdade. Refrão Evangelho: Jo 1, 35-42

Cânticos | III Domingo Tempo Comum Conversão de S. Paulo | Oitavário de oração pela unidade dos cristãos

(22/01/2012) INÍCIO: Cantai ao Senhor um cântico novo - Lau 204 Senhor tu nos chamastes - Lau 782 SALMO RESPONSORIAL: Ensinai-me, Senhor, os caminhos da vida - Lau 331 APRESENTAÇÃO DOS DONS: Tu que nas margens do lago - Lau 827 Tomai, Senhor, e recebei - Lau 821 COMUNHÃO: Caminhando Jesus junto ao mar da Galileia - Lau 192 Não fostes vós que me escolhete - Lau 512 PÓS-COMUNHÃO: Tudo posso naquele que me conforta - Lau 830 Vós me seduzistes Senhor - Lau 877 FINAL: Cantarei ao Senhor por tudo - Lau 211 Anunciaremos Teu reino Senhor - Lau 153

leia, assine, divulgue, anuncie! O MENSAGEIRO

AO SABOR DA PALAVRA

Pe. Francisco Pereira pe.francisco@mac.com

2º Domingo do Tempo Comum 15 de Janeiro de 2012

Princípio

Estamos no início do tempo comum, durante o qual vamos escutando na liturgia o desenvolvimento da Missão de Jesus Cristo, na implantação do reino de Deus. A primeira leitura apresenta-nos a história do chamamento de Samuel. O autor desta reflexão deixa claro que o chamamento é sempre uma iniciativa de Deus, o qual vem ao encontro do homem e chama-o pelo nome. Deus dirige-se a Samuel durante a noite. É o momento do silêncio, da tranquilidade e da calma, quando a algazarra, o barulho e a confusão se calaram. A voz de Deus torna-se mais facilmente perceptível no silêncio, quando o coração e a mente do homem aban-

Inauguração da “Ondjoyetu” Os dias 7 e 8 de Janeiro, no Sumbe, foram cheios, intensos, inesquecíveis. Sábado, 7, foi o dia da inauguração da segunda fase da casa da missão da diocese de Leiria-Fátima no Sumbe. O programa teve início com a celebração da eucaristia na igreja paroquial da Pedra Um, tendo sido presidida por D. António Marto. Concelebraram o bispo da diocese, D. Benedito Roberto, e o arcebispo emérito de Lubango, D. Zacarias Kamwenho, que também foi bispo de Sumbe entre 1975 e 1995, os padres Vítor e David e ainda vários padres angolanos. Estavam ainda presentes diversos convidados, autoridades locais e várias centenas de fiéis. Ainda antes da missa, D. António foi esperado perto da igreja por várias dezenas de pessoas que, bem ao jeito africano, o acolheram com cânticos, danças e palmas, exprimindo assim a sua alegria por tão considerada visita. No início da celebração D. Benedito dirigiu algumas palavras de boas vindas a D. António e manifestou a sua alegria e dos seus diocesanos por esta presença. A missa foi animada por um grupo coral muito bem preparado que ajudou a fazer daquela celebração um verdadeiro momento de festa. Na sua homilia

donaram a preocupação com os problemas do dia a dia e estão mais livres e disponíveis para escutar os apelos e os desafios de Deus. Nesta descoberta não estamos sós, assim como Eli ajudou Samuel a perceber o chamamento de Deus, hoje os irmãos que nos rodeiam têm um papel decisivo na descoberta da vontade de deus. Foi também isso que fez João Baptista ao apontar Jesus como o Cordeiro de Deus, o Messias que ele anunciava. Ao homem é pedido que se coloque numa atitude de total disponibilidade para escutar a voz e os desafios de Deus. Por isso ser cristão é mais do que a simples pertença jurídica a uma instituição chamada “Igreja”, ou

DR

Leituras | II Domingo do Tempo Comum

o bispo de Leiria-Fátima sublinhou a importância da missão como expressão da solidariedade de muita gente e concretização de um sonho que permite realizar o trabalho missionário no Gungo. Após a missa os convidados dirigiram-se para a Ondjoyetu, tendo-se então procedido à inauguração e bênção da nova parte da casa, concluída em pouco mais de três meses. Seguiuse o almoço servido no pátio da casa. Durante a tarde ainda houve um momento de diversão com danças executadas por jovens do bairro da Pedra Um. É de sublinhar a presença de cerca de duas dezenas de pessoas do Gungo (que fica a mais de 100 km.) que desta forma representaram a comunidade neste acto e também colaboraram para a realização da festa. O domingo, 8, foi o chamado “dia da geminação”. A missa teve lugar na igreja catedral do Sumbe, estando o templo repleto de fiéis.

Presidiu à celebração D. Benedito Roberto, tendo concelebrado novamente D. Zacarias, D. António Marto e alguns padres. Esta celebração teve particular importância pelo facto de estarem presentes os dois bispos das dioceses geminadas na igreja mãe de uma delas. Nas palavras que proferiu, D. Benedito manifestou a sua satisfação pelos caminhos que a geminação tem seguido, valorizou a presença da equipa missionária da diocese de Leiria-Fátima na sua diocese e lançou o desafio de se darem mais alguns passos no aprofundamento da relação entre estas duas dioceses irmãs. D. António Marto fez a homilia. Nela apresentouse como peregrino e missionário que veio a terras de Angola para partilhar a sua fé e também acolher o testemunho da mesma fé desta igreja irmã. Destacou a disponibilidade e testemunho cristão dos que se dedicam à missão

bem como a opção pelo trabalho no Gungo pelo facto daquela ser uma comunidade profundamente carente e necessitada. Estabeleceu ainda a ligação com a celebração litúrgica do dia – a Epifania – para falar da universalidade da fé e de como ela pode congregar os povos das diversas raças e culturas; terminou fazendo uma referência a Maria como aquela que nos dá o seu Filho Jesus, a mesma mulher que apareceu em Fátima, santuário e lugar sagrado de que é bispo. Como é timbre das celebrações africanas, esta foi vivida como uma verdadeira festa em que nem se deu conta das mais de duas horas que durou a missa. Também este grupo coral estava muito bem preparado e executou cânticos de forma muito viva e participativa. Ao final da tarde D. António presidiu à celebração das Vésperas na igreja catedral. Padre Vítor Mira

recepção de determinados sacramentos, ou militância em certos movimentos eclesiais e observância de certas regras de comportamento dito “cristão”… André chama o seu irmão Simão Pedro. O encontro com Jesus nunca é um caminho fechado, pessoal e sem consequências comunitárias. É um caminho que tem de levar-me ao encontro dos irmãos. Quem experimenta a vida e a liberdade que Cristo oferece, não pode calar essa descoberta; mas deve sentir a necessidade de a partilhar com os outros, a fim de que também eles possam encontrar o verdadeiro sentido para a sua existência. Na segunda leitura, Paulo convida os cristãos de Corinto a viverem de forma

coerente com o chamamento que Deus lhes fez. A questão fundamental, para Paulo, é esta: pelo Baptismo, o cristão torna-se membro de Cristo e forma com ele um único corpo. A partir desse momento, os pensamentos, as palavras, as atitudes do cristão devem ser os de Cristo e devem testemunhar, diante do mundo, o próprio Cristo. No “corpo” do cristão manifesta-se, portanto, a realidade do “corpo” de Cristo. Por outro lado, o cristão torna-se também Templo do Espírito. Para os judeus, o “templo” de Jerusalém era o lugar onde Deus residia no mundo e se manifestava ao seu Povo… Dizer que os cristãos são “Templo do Espírito” significa que eles são

agora o lugar onde reside e se manifesta a vida de Deus. No Baptismo, o cristão recebe o Espírito de Deus; e é esse Espírito que vai, a partir desse instante, conduzi-lo pelos caminhos da vida, inspirar os seus pensamentos, condicionar as suas acções e comportamentos. Uma certa mentalidade actual considera que só nos realizaremos plenamente se pudermos fazer tudo o que nos apetecer… Contudo, o cristão tem de ter consciência de que “nem tudo lhe convém”. Aliás, certas opções contrárias aos valores do Evangelho não conduzem à liberdade, mas à dependência e à escravidão. Que neste novo ano seja esta a nossa preocupação.


PORTUGAL 11

O Mensageiro 12.Janeiro.2012

Diocese de Lamego

A tomada de posse do Sr. D. António José da Rocha Couto, que o Santo Padre Bento XVI nomeou, no passado dia 19 de Novembro de 2011, como Bispo de Lamego terá lugar no próximo dia 29 de Janeiro. A preparar esse evento, o Secretariado Diocesano da Pastoral Juvenil da Diocese de Lamego promove uma vigília de oração, que terá lugar no dia 21 de Janeiro, com início previsto pelas 21h00, na Igreja Catedral. No dia 28 de Janeiro, véspera da tomada de posse, pelas 21h00, o Centro Paroquial de Almacave será

o palco de um concerto de Rão Kyao. No dia 29 de Janeiro, o Sr. D. António Couto será recebido à entrada de Lamego, junto do Seminário Maior, pelo Sr. D. Jacinto Botelho e pelo Sr. Eng. Francisco Lopes, Presidente da Câmara Municipal de Lamego. Em seguida, dirigir-se-á para a Igreja Catedral, onde será saudado pelo Sr. Cón. Delfim de Almeida, Deão do Cabido da Igreja Catedral, pelo Sr. Presidente da Câmara de Lamego e pelos demais fiéis da Diocese. A paramentação dos

Srs. Bispos que marcarem presença será na Sacristia da Igreja Catedral. A paramentação dos sacerdotes será no Salão dos Claustros (ao qual se acede pela porta lateral da Sé). Pelas 16h00 terá início a Procissão de entrada, que começará nos Claustros da Igreja Catedral. Depois do Solene Pontifical de tomada de posse, terá lugar, no Seminário Maior, o jantar onde participarão os Srs. Bispos, sacerdotes e demais convidados. Mons. Joaquim Dias Rebelo, Vigário Geral da Diocese da Lamego

DR

Tomada de posse de D. António José da Rocha Couto

D. António José da Rocha Couto

ACR organiza encontro Nacional

“Economia de todos e para todos” A Acção Católica Rural (ACR) realizou o Curso Nacional de Animadores na Casa Diocesana de N. Sr.ª do Socorro, em Albergaria-a-Velha, nos dias 7 e 8 de Janeiro de 2012 com o tema: Economia de Todos e para Todos. Participaram cerca de 70 Militantes e Simpatizantes, das várias dioceses onde o movimento está implantado, sendo este momento um importante apoio ao trabalho dos animadores e futuros animadores das equipas e grupos de acção. O Seminário iniciou com um momento de oração, centrado naquela que é a missão desta actividade, formar os animadores de grupos. O animador é testemunha, «é alguém que vive, primeiro, o caminho que propõe». É essencial que cada um saiba o que tem para dar e para receber; é preciso haver disponibilidade para caminhar. Os trabalhos foram orientados pelo Doutor Rogério Roque Amaro, Professor Associado do Departamento de Economia do ISCTE (Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa, do Instituto

Universitário de Lisboa), doutorado em “Análise e Planificação do Desenvolvimento”. As suas linhas de investigação e de ensino assentam em: Economia do Desenvolvimento, Desenvolvimento Local, Economia do Território, Economia do Ambiente e Economia Social e Solidária. Perante as realidades actuais, falou das várias formas de economia, dando particular destaque à Economia Solidária. A Economia Solidária visa o bem comum, orientando-se pelo princípio eclesial: «viviam unidos e colocavam tudo em comum» (Act 2, 44). As principais características desta economia são: uma solidariedade sistémica (social, cultura, ambiental) e uma economia democrática e de qualidade. Na sociedade actual, tendo a crise como pano de fundo,

as pessoas estão desprotegidas e inseguras, jovens e adultos têm dificuldade em encontrar emprego. Perante este panorama, todos precisam dar e receber ajuda, e a Economia Solidária assume particular relevância. O mais importante num país deve ser a Economia Solidária, pois vai muito para além do problema económico, vai em busca da importância da pessoa. Não é por a solidariedade ser realizada de forma voluntária que tem ou pode ter menor qualidade. Para além de defender que a Economia Solidária deve ter qualidade, Roque Amaro acredita que «a economia solidária é a economia do futuro.» A terminar o Curso, sob o tema Acolher o Outro, orientado por Gastão Veloso, os participantes reflectiram sobre como criar novos caminhos, de modo

a formar uma sociedade mais justa e solidária. Existem três tipos de dar: “dar para receber” (Mercado), “dar por dever” (Estado) e “dar-se” (dádiva, Amor). O valor da dádiva só existe se houver relação com o outro. Neste momento de grandes desafios e oportunidades, a ACR manifesta a sua preocupação com o bem comum, querendo estar ainda mais próxima daqueles que necessitam. A ACR assume a sua missão interventiva no meio, sendo este Curso um verdadeiro «ginásio de santidade», contribuindo para a formação daqueles que comunicam a mensagem de Cristo que a ACR transporta aos seus grupos, que se encontram em formação e em crescimento. Estar «atento e vigilante» resume aquilo que é o Método de Revisão de Vida (VER-JULGAR-AGIR). Entrar em acção é continuar a contribuir para este Crescer e Recriar o Futuro na Esperança. A Direcção Nacional

BREVES «Faça o país o que fizeram estes bravos pescadores e não se afundará»

Pároco de Caxinas diz que ida a Fátima é «expressão da fé viva» Os seis pescadores de Caxinas salvos em Dezembro depois de 60 horas em alto mar, foram, no dia 7 de Janeiro, considerados exemplo pelo padre Manuel Santos José, durante uma celebração eucarística no Santuário de Fátima. “Faça o país o que fizeram estes bravos pescadores e o país não se afundará” referiu um dos capelães do santuário na homilia enviada à Agência ECCLESIA, durante a missa em que participaram os seis pescadores resgatados e centenas de amigos e familiares que os acompanharam à Cova da Iria. A devoção afirmada pelos homens resgatados é “uma grande parábola para o nosso país mergulhado em crise económica, financeira e de valores, tomado pelo medo, pânico”. Os homens de Caxinas levaram “uma arma poderosa, capaz de vencer todas as batalhas” e nela encontraram “força” para se manterem “unidos” e para viverem as “horas amargas em admirável espírito de solidariedade e de fraternidade: um por todos e todos por um”, apontou o sacerdote referindo o terço que juntou os homens em oração durante os dias em que estiveram no mar. Antes da celebração da eucaristia, os seis pescadores foram junto da imagem de Nossa Senhora, na Capelinha das Aparições, e ofereceram o terço, que permaneceu durante a celebração em cima do altar, num gesto que foi saudado pelos presentes com uma salva de palmas. Para o padre Domingos Araújo, pároco de Caxinas, localidade de Vila do Conde, a viagem a Fátima é expressão “da fé viva dos pescadores”. “Os que estavam em terra já todos tínhamos perdido a esperança, mas eles confiantes em Maria e em Deus, não desanimaram, e viram o terço como uma arma, uma bóia de salvação”, afirma o sacerdote em declarações à Agência ECLESIA. Segundo o pároco milhares de pessoas acompanharam os seis pescadores que “atribuindo a graça de se salvarem a Nossa Senhora, quiseram vir a Fátima entregar o terço pelo qual tantas vezes rezaram”. “Nestes dias muitos me confidenciavam que não podendo vir, estavam aqui de coração”, refere o sacerdote apontando que a “tónica da alegria está patente hoje” nos rostos de quem se deslocou a Fátima mas também dos que ficaram em Caxinas.

Site Cristo Jovem retoma revista digital

«Godzine»

A equipa do site Cristo Jovem retomou este mês, Janeiro, o projecto ‘Godzine’, revista digital para jovens e agentes da Pastoral Juvenil publicada bimestralmente na internet, incluindo novas secções e dando mais atenção aos leitores brasileiros. Entre as novidades estão as secções ‘YouCat’, dedicada ao catecismo jovem da Igreja Católica, ‘Parábolas’ e ‘Dialetos da Palavra’, que se somam às que transitaram da fase anterior, como “5 minutos com o Mestre”, “Folha dos Santos” e “Juventude que acredita”, anuncia uma nota enviada à Agência ECCLESIA. A “aposta forte” na ligação aos jovens brasileiros passa pela criação de um espaço “com conteúdos informais e descontraídos sobre a realidade da igreja e da pastoral juvenil no Brasil”, acrescenta o comunicado. A próxima Jornada Mundial da Juventude, que vai decorrer no Rio de Janeiro em 2013, também vai estar em destaque na publicação.


12 MUNDO

BREVES Santa Sé tem relações diplomáticas com 179 Estados

Presença nas organizações internacionais foi reforçada em 2011 A Santa Sé mantém actualmente relações diplomáticas com 179 Estados, incluindo Portugal, somando-se ainda a União Europeia, a Ordem Soberana de Malta e a Organização para a Libertação da Palestina, revelou hoje o Serviço de Informação do Vaticano. Os dados foram divulgados por ocasião do encontro anual entre Bento XVI e os embaixadores acreditados junto da Santa Sé, no qual o Papa manifestou a sua “alegria” pelo estabelecimento de relações diplomáticas com a Malásia, no último ano. “Sinais da cooperação entre a Igreja Católica e os Estados são os acordos que foram assinados, em 2011, com o Azerbaijão, Montenegro e Moçambique. O primeiro já foi ratificado; espero que em breve ocorra o mesmo com os outros dois, e cheguem a bom termo aqueles que estão em fase de negociação”, disse ainda. Em relação às organizações internacionais, revela o Serviço de Informação do Vaticano, a Santa Sé está presente na ONU como “Estado observador” e é membro de sete organizações ou agências do sistema das Nações Unidas, sendo observador noutros oito e membro ou observador em cinco organizações regionais. Segundo Bento XVI, “a Santa Sé deseja estabelecer um diálogo profícuo com as Organizações internacionais e regionais”, sublinhando “o facto de os países membros da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) terem acolhido a nomeação de um Núncio Apostólico, embaixador da Santa Sé”. “Não posso deixar de mencionar que a Santa Sé reforçou a sua longa colaboração com a Organização Internacional para as Migrações ao tornar-se membro pleno da mesma, no passado mês de Dezembro”, prosseguiu. O Papa considera que esta adesão demonstra o compromisso da Santa Sé e da Igreja Católica “ao lado da comunidade internacional, na busca de soluções adequadas para este fenómeno [migrações] que se reveste de muitos aspectos, desde a protecção da dignidade das pessoas até à solicitude pelo bem comum das comunidades que os recebem e daquelas donde provêm”.

Bispos europeus e americanos debatem

Efeitos da «primavera árabe» Os bispos europeus e americanos que prestam apoio aos cristãos na Terra Santa encontram-se dia 8 de Janeiro, em Jerusalém, para debater os efeitos da “primavera árabe” nas relações entre israelitas e palestinianos. Em comunicado enviado à Agência ECCLESIA, o Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE) realça que as mudanças políticas e sociais que se verificaram em países como a Síria ou o Egipto trouxeram “aspectos positivos e negativos” para as comunidades cristãs do Médio Oriente, que vivem momentos de “grande incerteza”, uma vez que o conflito armado entre Israel e Palestina ainda não tem fim à vista. O programa do encontro contempla a apresentação de diversas reflexões sobre o tema da “primavera árabe”, reuniões com os bispos católicos da região e audiências com o arcebispo Antonio Franco, núncio apostólico (embaixador da Santa Sé) em Jerusalém e Palestina, e o Patriarca latino de Jerusalém, D. Fouad Twal.

O Mensageiro 12.Janeiro.2012

Indicações pastorais para o Ano da Fé

“O encontro com Jesus Cristo e a beleza da fé nele” A Congregação para a Doutrina da Fé (CDF), organismo da Santa Sé, publicou uma nota com “indicações pastorais” para a celebração do Ano da Fé convocado por Bento XVI. A iniciativa, com início marcado para 11 de Outubro de 2012, assinala o 50.º aniversário da abertura do Concílio Vaticano II (19621965) e 10.º ano da promulgação do Catecismo da Igreja Católica, pelo beato João Paulo II (11 de Outubro de 1992). “O Ano da Fé será uma ocasião privilegiada para promover o conhecimento e a difusão dos conteúdos do Concílio Vaticano II e do Catecismo da Igreja Católica”, assinala o documento. A celebração, que se prolonga até 24 de Novembro de 2013, domingo de Cristo-Rei, será feita a quatro níveis, de acordo com a Santa Sé: em toda a Igreja; Conferências Episcopais; dioceses; paróquias, comunidades, associações e

movimentos. O principal evento eclesial no começo do «Ano da Fé» será a XIII Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos dedicada à Nova Evangelização para a transmissão da fé cristã, em que o Papa irá presidir à celebração solene de inauguração, a 11 de Outubro, recordando tais comemorações. No que se refere à celebração em toda a Igreja, o documento sugere a promoção de iniciativas ecuménicas para “invocar e favorecer o restabelecimento da unidade entre todos os cristãos” e também o aprofundamento “dos principais Documentos do Concílio Vaticano II e o estudo do Catecismo da Igreja Católica”. Às Conferências Episcopais pede-se que cuidem da qualidade da formação catequética eclesial e promovam uma “verificação dos catecismos locais” para que haja uma “plena conformidade ao Catecismo

da Igreja Católica”. Cada bispo “poderá dedicar uma carta pastoral ao tema da fé”, assinala o documento. A CDF apela à utilização das linguagens da comunicação e da arte, com “transmissões televisivas ou radiofónicas, filmes e publicações, a nível popular e acessíveis a um público amplo, sobre o tema da fé, dos seus princípios e conteúdos, bem como sobre o significado eclesial do Concílio Vaticano II”. A nível diocesano, propõe-se o “diálogo criativo entre a fé e a razão, através de simpósios, encontros e jornadas de estudo, nomeadamente nas Universidades Católicas” e a promoção de “celebrações penitenciais”, com especial atenção aos “pecados contra a fé”. A CDF afirma ser “oportuno” que cada diocese organize “uma jornada sobre o Catecismo da Igreja Católica, convidando especialmente os sacerdotes,

as pessoas consagradas e os catequistas”. Quanto às paróquias, comunidades, associações e movimentos, o documento indica que “a proposta central continua a ser a celebração da fé na liturgia, em especial na Eucaristia”. O Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização constituirá uma Secretaria para o Ano da Fé, também com presença na Internet, visando “coordenar as várias iniciativas promovidas pelos diferentes Dicastérios da Santa Sé e todo o tipo de acontecimentos relevantes para a Igreja universal”. A Santa Sé assinala em comunicado que com a “promulgação deste ano, o Santo Padre pretende colocar no centro da atenção eclesial aquilo que, desde o início do seu pontificado, tem mais a peito: o encontro com Jesus Cristo e a beleza da fé nele”.

Encontro anual com os membros do corpo diplomático

Papa apela ao «fim do derramamento de sangue» Bento XVI apelou, no dia 9 de Janeiro no Vaticano, ao fim do “derramamento de sangue” na Síria, manifestando “grande preocupação” pelas populações dos países que sofrem “tensões e violência”. O Papa falava durante o encontro anual com os membros do corpo diplomático acreditados junto da Santa Sé, durante o qual pediu um “diálogo frutuoso” entre os “actores políticos” na Síria, “favorecido pela presença de observadores independentes”. A ONU calcula que cerca de 5000 sírios tenham morrido desde o início da repressão ao movimento de contestação contra o presi-

dente Bashar Al Assad, em meados de Março de 2011. Bento XVI aludiu ainda às “tensões” entre palestinos e israelitas, considerando que as mesmas se “repercutem no equilíbrio de todo o Médio Oriente”. O discurso papal falou, por outro lado, das manifestações no “Norte de África e Médio Oriente”, a chamada ‘primavera árabe’, destacando o “vasto movimento de reivindicação de reformas e de participação mais activa na vida política e social”. Papa observou que, apesar do “optimismo inicial”, hoje é necessário reconhecer “as dificuldades deste momento de transição e

mudança”, frisando que “a atenção às exigências dos cidadãos e a necessária solidariedade social” não se transformem em “meros instrumentos para conservar ou conquistar o poder”. Neste sentido, convidou a comunidade internacional a “dialogar com os atores dos processos em andamento”, para que se promova a construção de “sociedades estáveis e reconciliadas, que se opõem a qualquer discriminação injusta, em particular de ordem religiosa”. Bento XVI disse também seguir com “atenção” a situação no Iraque, “deplorando os atentados que

causaram recentemente a perda de inúmeras vidas humanas”. Em relação a África, o Papa desejou a abertura de “um caminho de justiça, paz e reconciliação, no qual os membros de todas as etnias e religiões sejam respeitados”. Bento XVI saudou a independência do Sudão do Sul, em Julho de 2011, feita de forma “pacífica”, mas lamentou as “tensões e confrontos dos últimos meses”, desejando que “as populações do Sudão e do Sudão do Sul alcancem um período de paz, liberdade e desenvolvimento”.


OPINIÃO 13

O Mensageiro 12.Janeiro.2012

O

s inícios do século XX ficaram marcados por uma luta terrível contra um dos valores civilizacionais mais importantes, a liberdade. O século XX termina no meio de uma luta terrível contra outro valor civilizacional essencial, a família. Em menos de cem anos, dois dos fundamentos mais preciosos da civilização foram fortemente atacados. A primeira dessas lutas, pela liberdade, teve o seu auge em meados do século e foi já, em grande medida, ganha. A outra, pela família, é a actual, ainda em pleno fragor com resultado incerto. O que está em causa, como antes, é a sobrevivência da sociedade livre e equilibrada. No princípio do século, as ideologias comunista e fascista, na frescura da sua novidade, apregoavam uma alternativa original para o falhado sistema político de então. Nazis e marxistas, desprezando a liberdade, defendiam o poder do Fuhrer, do Duce e a ditadura do proletariado. Inspiradas na pureza da raça ou na superioridade dos operários, as novidades tinham em comum desprezar as “democracias” velhas e obsoletas e apregoar o totalitarismo como a salvação. Hoje é difícil compre-

ANÁLISE POLÍTICA

Orlando Fernandes Jornalista

A vida mais díficil

ender como essas ideias, entretanto derrotadas, foram atraentes e credíveis durante tanto tempo. É difícil aceitar que a democracia, que conhecemos flexível e dinâmica, pudesse aparecer incapaz e desorientada aos nossos avós. Mas assim como não percebemos como é que tantas comunidades civilizadas cederam aos ataques à liberdade, daqui a umas décadas também será difícil compreender a forma como agora deixamos destruir a família. Considerar as terríveis tentações políticas antigas ajuda-nos a resistir às seduções que agora nos dominam. Aliás, a semelhança e o paralelo entre os dois combates é notável. A primeira semelhança está na dissimulação. Se virmos bem, ninguém hoje ataca a família. O que atacam é a opressão da mulher, a prisão cultural do matrimónio, o desprezo pela homossexualidade, os problemas do fosso das gerações. A solução proposta para esses dramas é o abandono da família chamada “tradicional”, e a promoção de novas variantes familiares. Do mesmo modo, os comunistas e os nazis não atacavam a liberdade. O que eles queriam era acabar com

a opressão dos operários, a rigidez social antiquada, o desprezo pela raça ariana, os problemas da desordem social. A solução para esses dramas era o abandono da democracia chamada “tradicional” e a promoção de novas variantes sociais. Muitos acreditaram nisso. Era indiscutível então que quer comunistas quer fascistas tinham razão em muitas das suas críticas. Mas isso não tornava bons os sistemas extremistas que defendiam. Também hoje, os problemas familiares são vários. E devemos preocupar-nos com eles e, sobretudo, com os muitos que sofrem em famílias destroçadas. Mas isso não quer dizer que se rejeite a família só porque algumas têm problemas. Não faz sentido, por exemplo, que, para mostrarmos o nosso carinho e apoio pelos cegos, tenhamos de dizer que a visão é coisa má. Os argumentos e os métodos usados antes contra a democracia também são semelhantes aos que hoje se utilizam contra a família. Até a inspiração filosófica é equivalente. Marxistas e hitlerianos consideravamse defensores da verdadeira natureza humana, libertando-a dos tabus, complexos e invenções de milénios

de degradação. Diziam eles que a força e a violência eram naturais ao homem, enquanto o artificialismo dos sistemas democráticos era evidente. Os que hoje defendem o amor livre, o divórcio, as uniões de facto e a homossexualidade também se arrogam a representação da natureza, contra a artificial “família tradicional”. A família, que existe desde que o mundo é mundo, não lhes parece ser natural. Quem defende a fidelidade conjugal, o pudor ou a castidade é desprezado como ingénuo e sonhador. Exactamente como os defensores da democracia eram desprezados pelo realismo totalitário do princípio do século. Hoje muitos pensam que, nos hábitos sexuais, a raça humana é semelhante aos cães. Hitler e Lenine pensavam o mesmo. Quanto aos métodos usados, é difícil ser mais semelhante. Os meios de comunicação social têm papel privilegiado no combate contra a família, tal como com Goebbels e Estaline contra a liberdade. Telenovelas, revistas juvenis, publicidade, reportagens e opinião jornalística, filmes e séries apresentam com toda a normalidade o descontrolo sem freio do prazer sexual e recomendam-

no como forma de vida. Na televisão, o corrente são as “famílias alternativas”; a família normal só aparece como curiosidade exótica. Se muitos apostam nas campanhas de intoxicação da opinião pública contra a família, outros preferem os mecanismos legais. Também, para matar a democracia, Hitler usou as eleições democráticas e Lenine os movimentos populares. Hoje utiliza-se o “planeamento familiar” para atacar a família, usa-se a “educação sexual” para distorcer os hábitos dos jovens, empregam-se as instituições de saúde para destruir a vida dos nascituros e os direitos humanos para legalizar o aborto. A ironia perversa não podia ser mais semelhante. O resultado das duas lutas começa também a parecer-se. Os ataques à liberdade criaram o pior morticínio de toda a História, a II Guerra Mundial, e o confronto mais estúpido de todos os tempos, a guerra fria. A luta contra a família ainda está longe do seu termo. Mas já há muitos que comparam as mortes de crianças inocentes nos abortos com o Holocausto e o Gulag. E, por outro lado, tal como o totalitarismo mos-

A

Os diferentes governos sempre tiveram medo do impacto eleitoral numa verdadeira reforma. Mesmo a última mexida, no Executivo de José Sócrates, tinha tantas excepções que acabou por ter um impacto quase nulo. Por isto, todos foram coniventes com um dos principais bloqueios da sociedade portuguesa. Com um mercado de arrendamento disfuncional, muitas famílias foram empurradas para a compra de casa própria, ficando desde muito novas endividadas para a vida. Além disto, a sua mobilidade geográfica também ficou limitada. Aceitar um emprego noutra cidade é muitas vezes um problema

porque é necessário vender a casa, o que nem sempre é fácil ou rápido. Portanto, para que Portugal seja mais flexível, produtivo e competitivo é necessário desatar este nó. A ´troika´ percebeu isso e, assim, a reforma está incluída no memorando. O Governo de Pedro Passos Coelho está a cumprir mais uma exigência da ´troika´, embora seguindo um caminho diferente, a ministra Assunção Cristas apresentou as linhas gerais das mudanças. É cedo para fazer uma avaliação definitiva, até porque a lei ainda não é comedida, mas as primeiras notícias são positivas. Há duas questões que

tentam ser resolvidas. Primeiro, acabar com as rendas congeladas. Segundo, agilizar os processos de despejos dos inquilinos que não pagam as rendas. As intenções são boas mas há alguns riscos que podem sabotar a eficiência das alterações. Desde logo, o perigo das hesitações em demasia. Ou seja, ao princípio genérico correcto é aplicado tantas excepções que viram a regra. Há que ter em conta as implicações sociais de uma subida brusca dos valores das rendas, nomeadamente nos grupos mais desfavorecidos. No entanto, isto não deve ser impeditivo de acabar com a maioria das

reforma do mercado do arrendamento é uma promessa antiga de vários governos que foi sendo sucessivamente adiada. Os políticos sempre tiveram medo de abrir a caixa de Pandora. É um assunto transversal à sociedade portuguesa que não deixa ninguém indiferente. De um lado, os proprietários que se queixam de décadas e décadas de rendas baixas e congeladas que são insuficientes para garantir a manutenção das casas. Do outro lado, os inquilinos que afirmam não conseguir pagar valores mais altos, nomeadamente as pessoas mais velhas e as famílias mais pobres.

RECORTES

João César das Neves Economista

Holocausto da família*

trou o valor da liberdade, também a instabilidade e o sofrimento causado pelas uniões de facto, casais homossexuais, mães de aluguer e aborto livre mostram à evidência a sabedoria e o equilíbrio da família tradicional. É muito difícil encontrar hoje defensores da família, tal como no início do século havia poucos combatentes da liberdade. O que há agora são muitos paladinos da democracia. Foi sempre muito fácil combater na guerra que já está ganha. * In DN (31/01/00)

rendas congeladas. Depois, e talvez mais difícil, conseguir um mecanismo que garanta um sistema eficiente e justo de despejos. E aqui o perigo está em os conflitos acabaram nos tribunais habituais. Até agora isso tem sido sinónimo de lentidão para lá do aceitável e não há razões para acreditar em mudanças súbitas. A reforma do mercado de arrendamento é bemvinda, desde que seja bem-feita e isso vai exigir determinação política. Caso contrário, será mais uma oportunidade perdida.


14 INSTITUCONAL

O Mensageiro 12.Janeiro.2012

EDITAL N.º 3/2012 Raul Miguel de Castro, Presidente da Câmara Municipal de Leiria, torna público, nos termos do disposto no artigo 91.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, na redacção dada pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro, o teor da deliberação tomada pela Câmara Municipal, em sua reunião de 13 de Dezembro de 2011, a qual se transcreve: «Desafectação do domínio público municipal para o domínio privado do Município de parcelas de terreno destinadas à constituição do direito de superfície para a construção do Novo Terminal Rodoviário de Leiria 1. Deliberação | É consensual que o actual terminal de transportes da cidade, localizado na Avenida Heróis de Angola, zona urbana da cidade que se considera como um dos principais núcleos comerciais e tendencialmente vocacionada para a vivência urbana, onde a acessibilidade deve ser privilegiada e se verifica que as suas características físicas não se mostram compatíveis com o dinamismo e volume de tráfego inerente a um Terminal de Transportes. 2. Neste sentido, visando a melhoria contínua das condições de deslocação, a diminuição dos impactes no ambiente e o aumento da qualidade de vida dos cidadãos, desde à muito que tem sido debatida, torna-se necessário criar condições para a relocalização do terminal de transportes rodoviários da cidade de Leiria. Deste modo e considerando: i. a necessidade de prosseguir estratégias e encontrar soluções que permitam a compatibilidade entre uma mobilidade urbana ambientalmente sustentável e integrada com o desenvolvimento socioeconómico e territorial da Cidade;

PUB

ii. a articulação dos transportes colectivos e individuais, de forma coerente, com a rede viária, o tráfego automóvel (individual e colectivo, particular e público), a circulação pedonal, as pistas cicláveis e o estacionamento; iii. a necessidade de permitir, de uma forma equilibrada, a conjugação dos objectivos de preservação e requalificação do património histórico e ambiental, com as necessidades de deslocação de pessoas e bens, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos. Propõe-se que a parcela de terreno com a área de 7.880m2, propriedade do Município de Leiria e afecta ao seu domínio público, sita na freguesia e concelho de Leiria, a confrontar do norte com Avenida Bernardo Pimenta, do sul com Avenida 25 de Abril, do nascente com Rotunda do Estádio e do poente com Município de Leiria, devidamente assinalada em planta que constitui o Anexo I à presente deliberação, seja desafectada do domínio público e passe integrar o domínio privado do Município, tendo em vista a sua posterior oneração através da constituição de um direito de superfície oneroso a favor de “Rodoviária do Tejo, SA”, para a construção do Terminal Rodoviário de Leiria. Para o efeito e em cumprimento do disposto nos n.os 2 e 3 do artigo 53.º do Código do Procedimento Administrativo, propõe-se que a deliberação a tomar sobre este assunto, seja sujeita a discussão pública, durante o período de 15 dias úteis, contados a partir da data da sua última publicação, com vista à apresentação de quaisquer reclamações e ou sugestões. Após a discussão pública, o processo deverá ser objecto de nova deliberação a tomar pela Câmara Municipal, para que aprove a proposta que ora se irá manifestar e a submeta a deliberação da Assembleia Municipal. A Câmara Municipal, depois de analisar o assunto e concordando

com a proposta do Senhor Presidente da Câmara Municipal, deliberou por maioria, com os votos de abstenção da Senhora Vereadora Neusa Magalhães, Filipa Alves e Gastão Neves e o voto contra do Senhor Vereador Carlos Vitorino, eleitos pelo Partido Social-Democrata, e o voto contra da Senhora Vereadora Blandina Oliveira, eleita pelo Partido Socialista, nos termos e ao abrigo do disposto na alínea a) do n.º 6 do artigo 64.º e na alínea b) do n.º 4 do artigo 53.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, manifestar a intenção de propor à Assembleia Municipal a desafectação do domínio público municipal para o domínio privado do Município de Leiria da parcela de terreno com a área de 7.880m2, sita na freguesia e concelho de Leiria, a confrontar do norte com Avenida Bernardo Pimenta, do sul com Avenida 25 de Abril, do nascente com Rotunda do Estádio e do poente com Município de Leiria, devidamente assinalada em planta que constitui o Anexo J à presente deliberação e que dela faz parte integrante, destinada à constituição de um direito de superfície oneroso a favor de “Rodoviária do Tejo, SA”, para a construção do Terminal Rodoviário de Leiria. Mais deliberou que à presente deliberação seja dada publicidade nos termos do disposto no artigo 91.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, na redacção dada pela Lei n.º 5A/2002, de 11 de Janeiro. Por último, para efeitos do disposto nos n.os 2 e 3 do artigo 53.º do Código do Procedimento Administrativo, deliberou conceder o prazo de 15 dias úteis, contados a partir da data da última publicação, para apresentação de quaisquer reclamações e ou sugestões.» Para constar se lavrou o presente edital e outros de igual teor que vão ser afixados nos lugares de estilo e publicados nos jornais regionais e editados na área do Município de Leiria. Leiria, 02 de Janeiro de 2012. O Presidente da Câmara Municipal, (Raul Castro)

CARTÓRIO NOTARIAL DA BATALHA Notária: Sónia Marisa Pires Vala Certifico, para fins de publicação, que por escritura lavrada hoje, exarada de folhas noventa a folhas noventa e uma verso, do Livro Cento e Setenta e Oito – B, deste Cartório. Pedro Rodrigues Manso, NIF 103 081 216, viúvo, natural da freguesia de Caranguejeira, concelho de Leiria onde reside no lugar de Casal Vermelho, declara que, com exclusão de outrem é dono e legítimo possuidor do prédio rústico, composto de terra de semeadura, com a área de mil setecentos e dezasseis metros quadrados, sito em Fazenda, freguesia de Parceiros, concelho de Leiria, a confrontar de norte com António Pereira Estrela, de sul e de nascente com Rua Vale dos Poços e de poente com Maria Trindade da Costa, não descrito na Segunda Conservatória do Registo Predial de Leiria, inscrito na matriz predial rústica sob o artigo 2.255, com o valor patrimonial de €960,96. Que, adquiriu o identificado prédio no ano de mil novecentos e oitenta e nove, no estado de casado cm Maia Trindade Costa, mas dela separado judicialmente de pessoas e bens, por compra verbal a Fernando Pereira da Silva Ferreira e mulher Maria Fernanda Carvalho da Silva Pereira, residentes em Parceiros, Leiria, não dispondo o justificante de qualquer título formal para o registar na Conservatória, mas desde logo entrou na posse e fruição do mesmo. Que em consequência daquela compra verbal, possui o identificado prédio em nome próprio já há mais de vinte anos sem a menor oposição de quem quer que seja desde o seu inicio, posse que sempre exerceu sem interrupção e ostensivamente com o conhecimento de toda agente e a prática reiterada dos actos habituais de um proprietário pleno, com o amanho da terra, recolha de frutos, conservação e defesa da propriedade, pagamento das contribuições e demais encargos, pelo que, sendo uma posse pacífica, continua, pública e de boa fé durante aquele período de tempo, adquiriu o referido prédio por usucapião. Batalha, vinte e oito de Dezembro de dois mil e onze. A funcionária com delegação de poderes, (Lucília Maria Ferreira dos Santos Fernandes)

CARTÓRIO NOTARIAL DA BATALHA Notária: Sónia Marisa Pires Vala Certifico, para fins de publicação, que por escritura lavrada hoje, exarada de folhas noventa e quatro a folhas noventa e cinco verso, do Livro Cento e Setenta e Oito – B, deste Cartório. Manuel Pereira Mónico, NIF 119 893 932 e mulher Maria Clarinda da Silva Rodrigues Sobreiro Mónico, NIF 119 893 924, casados sob o regime da comunhão geral de bens, ambos naturais da freguesia de Caranguejeira, concelho de Leiria, onde residem na Rua do Comércio, nº26, no lugar sede, declaram que, com exclusão de outrém são donos e legítimos possuidores do prédio rústico, composto de pinhal e mato, com a área de novecentos e cinquenta e oito metros quadrados, sito em Canhestro, freguesia de Pousos, concelho de Leiria, a confrontar de norte e de sul com Acácio Faria Lopes, de nascente com António Roda dos Santos e outros e de poente com Imopolis – Fundo de Investimento Imobiliário, não descrito na Segunda Conservatória do Registo Predial de Leiria, inscrito na matriz predial rústica sob o artigo 5.396, com o valor patrimonial de €292,60. Que, adquiriram o identificado prédio no ano de mil novecentos e oitenta e nove, por compra verbal a Pedro Rodrigues Manso, separado, residente no Casal Vermelho, Caranguejeira, Leiria, não dispondo os justificantes de qualquer título formal para o registar na Conservatória, mas desde logo entraram na posse e fruição do mesmo. Que em consequência daquela compra verbal, possuem o identificado prédio em nome próprio há mais de vinte anos sem a menor oposição de quem quer que seja desde o seu inicio, posse que sempre exerceram sem interrupção e ostensivamente com o conhecimento de toda a gente e a prática reiterada dos actos habituais de um proprietário pleno, com o amanho da terra, recolha de frutos conservação e defesa da propriedade, pagamento das contribuições e demais encargos, pelo que, sendo uma posse pacifica, continua, publica e de boa fé durante aquele período de tempo, adquiriram o referido prédio por usucapião. Batalha, vinte e oito de Dezembro de dois mil e onze. A funcionária com delação de poderes, (Lucília Maria Ferreira dos Santos Fernandes)

Dr. Rui Castela Médico Especialista - Doenças dos Olhos Operações - Contactologia

CONSULTAS ÀS TERÇAS E QUINTAS FEIRAS POR MARCAÇÃO Consultório - R. João de Deus, 17-1ºEsq. - Leiria

Telefones: 244 832 288 e 244 870 500

FARMÁCIAS DE SERVIÇO Antunes (12), Lis (13), Oliveira (14), Sanches (15), Tomáz (16), Avenida (17), Baptista (18) e Central (19).

TELEFONES ÚTEIS

Bombeiros Municipais - 244 832 122 | Bomb. Vol. Leiria (Ger.) - 244 882 015 | Bomb. Vol. Leiria (Urg.) - 244 881 120 | Bomb. Volunt. Batalha - 244 765 411 | Bomb. Volunt. P. Mós - 244 491 115 | Bomb. Volunt. Juncal

Registo no ICS N.º 100494 Semanário - Sai à 5ª Feira Tiragem média - 3.000

- 244 470 115 | Bomb. Volunt Ourém - 249 540 500 | Bomb. V. M.te Redondo - 244 685 800 | Bomb. Volunt. Ortigosa - 244 613 700 | Bomb. Volunt. Maceira - 244 777 100 | Bomb. Vol. Marinha - 244 575 112 | Bom. Volunt. Vieira - 244 699 080 | Bom. Voltun. Pombal - 236 212 122 | Brigada de Trânsito - 244 832 473 | Câmara M. de Leiria - 244 839 500 | Câmara Eclesiástica - 244 832 539 | CENEL (Avarias) - 800 246 246 | C. Saúde A. Sampaio - 244 817 820 | C. Saúde Gorjão Henriques - 244 816 400 | C. P. (Est. de Leiria) - 244 882 027 | Cruz Vermelha - Leiria - 244 823 725 | Farmácia Avenida - 244 833 168 | Farmácia Baptista

F. Costa Pereira Médico Especialista Doenças da boca e dentes

Rua João de Deus, 25- 1º Dt. - LEIRIA CONSULTAS COM HORA MARCADA 2ª, 4ª e 5ª: 11h-13h e 15h-19h, 3ª: 10h-13h e 15h-19h, Sábados: 9h30-15h Tel. 244 832406

- 244 832 320 | Farmácia Central - 244 817 980 | Farmácia Coelho - 244 832 432 | Farmácia Higiene - 244 833 140 | Farmácia Lino - 244 832 465 | Farmácia Oliveira - 244 822 757 | Farmácia Sanches - 244 892 500 | Governo Civil - 244 830 900 | Guarda N. Republicana - 244 824 300 | Hospital de S.to André - 244 817 000 | Hospital S. Francisco - 244 819 300 | Polícia Judiciária - 244 815 202 | Polícia S. Pública - 244 859 859 | Polidiagnóstico - 244 828 455 | Rádio Táxis - 244 815 900 | Rádio Alerta - 244 882 247 | Rodoviária do Tejo - 244 811 507 | Teatro JLS (Cinema) - 244 823 600

Fundador José Ferreira Lacerda Director Rui Ribeiro (TE416) Redacção Luís Miguel Ferraz (CP5023), Joaquim Santos (CP7731), Ana Vala (CP8867). Paginação O Mensageiro Colaboradores Ambrósio Ferreira, Américo Oliveira, André Batista (Pe.), Ângela Duarte, Carlos Alberto Vieira, Carlos Cabecinhas (Pe.), José Casimiro Antunes, Francisco Pereira (Pe.), D. João Alves, João Filipe Matias (CO798), Joaquim J. Ruivo, Jorge Guarda (Pe.), José António C. Santos, Júlia Moniz, Maria de Fátima Sismeiro, Orlando Fernandes, Paulo Adriano Santos, Pedro Jerónimo (CO1060), Pedro Miguel Viva (Pe.), Saúl António Gomes, Sérgio Carvalho, Verónica Ferreirinho, Vítor Mira (Pe.). Administração / Publicidade André Antunes Batista (Pe.). Propriedade/Sede (Editor) Seminário Diocesano de Leiria - Largo Padre Carvalho - 2414-011 LEIRIA - Reitor: Armindo Janeiro (Pe.) Contribuinte 500 845 719 Contactos Tel.: 244 821 100/1 - Fax: 244 821 102 - Email: jornal@omensageiro.com.pt - Web: www.omensageiro.com.pt Impressão e Expedição Empresa do Diário do Minho, Lda - Tel: 253 303 170 - Fax: 253 303 171 Depósito Legal 2906831/09

Tabela de Assinaturas para 2011 Destino Nacional Europa Resto do Mundo

Normal Benfeitor 20 euros 40 euros 30 euros 60 euros 40 euros

Preço avulso - 0,80 euros


DESPORTO 15

O Mensageiro 12.Janeiro.2012

Futsal | Estágio da selecção nacional

FOTOJORNALISMOS

E D Pts 3 0 36 4 0 34 4 2 28 4 2 28 4 3 25 3 6 18 2 7 17 4 6 16 3 7 15 6 5 15 5 6 14 5 6 14 5 6 14 2 8 14 0 10 12 2 10 8

P. Ferreira x Marítimo (dia 13, 20h15, Sport Tv1) Feirense x Gil Vicente (dia 14, 16h00) Benfica x V. Setúbal (dia 14, 18h30, Sport Tv1) Porto x Rio Ave (dia 14, 20h30,TVI) Nacional x U. Leiria (16h00) Olhanense x Beira-Mar (16h00) Académica x V. Guimarães (18h00, Sport Tv1) Sp. Braga x Sporting (20h15, Sport Tv1)

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º

V 7 7 7 6 6 5 5 5 5 4 3 4 3 3 3 3

E 5 3 2 5 5 5 5 4 3 5 8 4 6 5 4 3

D 2 4 5 3 3 4 4 5 6 5 3 6 5 6 7 8

Pts 26 24 23 23 23 20 20 19 18 17 17 16 15 14 13 12

Arouca x Estoril (dia 14, 11h15, Sport Tv1) Santa Clara x Naval (dia 14, 15h00) Portimonense x U. Madeira (dia 14, 15h00) Sp Covilhã x Moreirense (15h00, Sport Tv1) Leixões x Belenenses (15h00) D. Aves x Trofense (15h00) Penafiel x Freamunde (15h30) Atlético x Oliveirense (dia 16, 15h00) associação de futebol de leiria

I Divisão

I Divisão

Equipa Moita do Boi Pelariga Pousaflores Alegre e Unido Boavista Motor Clube Mata Mourisq. Ranha Cast. Pêra Caseirinhos Arcuda Ilha

J 10 10 10 9 10 10 10 10 10 10 9 10

V 8 7 7 6 6 5 3 3 3 2 1 1

E 1 2 1 0 0 1 4 1 0 0 2 2

D 1 1 2 3 4 4 3 6 7 8 6 7

10.ª J.08.01.12

Alegre e Unido x Ranha (4-1) Boavista x Mata Mourisquense (1-0) Moita do Boi x Arcuda (5-1) Castanheira de Pêra x Pelariga (0-5) Pousaflores x Caseirinhos (7-2) Ilha x Motor Clube (0-2) 25 23 22 18 18 16 13 10 9 6 5 5

Motor Clube x Pousaflores (todos às 15h00) Caseirinhos x Alegre e Unido Ranha x Boavista Mata Mourisquense x Moita do Boi Arcuda x Castanheira de Pêra Pelariga x Ilha

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º

11.ª J.15.01.12

10.ª J.08.01.12 11.ª J.15.01.12

J 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14

associação de futebol de leiria

NORTE

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º

Equipa Estoril Moreirense Leixões D. Aves Atlético Oliveirense Naval Sp. Covilhã Santa Clara Penafiel Arouca Trofense Freamunde Belenenses U. Madeira Portimonense

SUL

Lisboa e Marinha x Unidos (3-2) Nadadouro x Os Vidreiros (1-2) Santo Amaro x Juncalense (2-1) Praia da Vieiria x Gaeirense (2-2) Outeirense x Maceirinha (3-1) Folgou: Pilado Equipa J V Lisboa Marinha 9 9 Outeirense 9 6 Gaeirense 9 5 Juncalense 9 5 Pilado 9 5 Praia da Vieira 9 4 Os Vidreiros 9 4 Maceirinha 9 2 Santo Amaro 9 2 Unidos 10 1 Nadadouro 9 1

E 0 2 2 0 0 1 1 2 2 1 1

Os Vidreiros x Lisboa e Marinha Juncalense x Nadadouro Gaeirense x Santo Amaro Maceirinha x Praia da Vieira Pilado x Outeirense Folga: Unidos

D 0 1 2 4 4 4 4 5 5 8 7

Pts 27 20 17 15 15 13 13 8 8 4 4

federação portuguesa de futebol

federação portuguesa de futebol

II Divisão B

III Divisão

SUL

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º

Moura x Reguengos (0-3) Monsanto x Louletano (1-2) Carregado x Fátima (3-1) Sertanense x Pinhalnovense (4-2) Torreense x Juv. Évora (2-1) Tourizense x Mafra (1-0) Oriental x Caldas (5-0) 1.º Dezembro x Vendas Novas (1-1) Equipa Oriental Torreense Carregado Pinhalnovense Fátima Vendas Novas Louletano Sertanense Mafra 1.º Dezembro Moura Tourizense Reguengos Monsanto Juv. Évora Caldas

J 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 13

V 9 8 7 8 7 7 6 6 4 4 4 3 3 2 3 2

E 3 4 4 1 3 3 4 3 7 4 3 5 4 6 2 2

D 2 2 3 5 4 4 4 5 3 6 7 6 7 6 9 9

Reguengos x Monsanto (todos às 15h00) Louletano x Carregado Fátima x Sertanense Pinhalnovense x Torreense Juv. Évora x Tourizense Mafra x Oriental Caldas x 1.º Dezembro Vendas Novas x Moura

principal. E manteremos esta postura [de pensar jogo a jogo] nos quartosde-final, na meia-final e na final, onde queremos estar. O nosso foco tem de estar no encontro de estreia, esse sim será fundamental. Colocar já o jogo final no cenário não é a minha forma de encarar as coisas”, comentou Jorge Braz, ao site da Federação Portuguesa de Futebol (fpf.pt). PJ

Pts 30 28 25 25 24 24 22 21 19 16 15 14 13 12 11 8

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º

associação de futebol de leiria

Marinhense x Sp. Pombal (3-0) Beneditense x Peniche (0-0) Riachense x B.C. Branco (0-3) Sourense x Tocha (0-0) Pampilhosa x Alcobaça (1-0) Folgou: Bombarralense Equipa B.C. Branco Pampilhosa Sp. Pombal Tocha Sourense Beneditense Marinhense Peniche Alcobaça Bombarralense Riachense

J 12 12 12 12 12 12 12 12 12 11 12

V 6 7 6 5 4 3 5 3 2 0 0

E 4 1 3 4 6 8 2 6 5 6 3

B.C. Branco x Peniche Tocha x Riachense Marinhense x Sourense Alcobaça x Sp. Pombal Bombarralense x Pampilhosa Folga: Beneditense

D 2 4 3 3 2 1 5 3 4 5 9

Pts 22 22 21 19 18 17 17 15 11 6 3

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º

Portugal com “jornada” dupla

Avelarense x Vieirense (2-1) Meirinhas x Marrazes (3-4) Atouguiense x Fig.Vinhos (2-1) GRAP/Pousos x Ansião (2-0) Portomosense x Alq. Serra (2-3) Nazarenos x Pedroguense (3-0) Guiense x Biblioteca (4-1) Alvaiázere x Pataiense (1-1) Equipa Alq. Serra Guiense Portomosense Nazarenos GRAP/Pousso Pataiense Atouguiense Marrazes Alvaiázere Vieirense Avelarense Fig.Vinhos Meirinhas Biblioteca Ansião Pedroguense

J 12 12 12 12 12 12 12 12 12 12 12 12 12 12 12 12

V 10 8 7 6 7 6 6 4 4 3 3 3 2 1 1 1

E D 1 1 2 2 2 3 4 2 1 4 4 2 3 3 4 4 3 5 5 4 3 6 3 6 5 5 5 6 2 9 1 10

Biblioteca x Alvaiázere (todos às 15h00) Alq. Serra x GRAP/Pousos Fig.Vinhos x Nazarenos Meirinhas x Atouguiense Marrazes x Pataiense Pedroguense x Avelarense Vieirense x Portomosense Ansião x Guiense

Guarda-redes convocados: João Benedito (Sporting), Bebé (Benfica) e André Sousa (Académica; exInstituto D. João V, Pombal). Restantes atletas: Arnaldo Pereira, Bruno Coelho, Gonçalo, Joel Queirós, Marinho e Ricardinho (todos do Benfica), Cardinal (CSKA Moscovo, Rússia), Ricardo Fernandes (Freixieiro), João Matos, Paulinho e Pedro Cary (todos do Sporting).

Futebol | Leiria

HONRA

série D

12.ª JOR. 08.01.12

V 11 10 8 8 7 5 5 4 4 3 3 3 3 4 4 2

Ricardinho (n.º 10), o melhor atleta do mundo, é um dos 14 convocados para o Europeu

13.ª JOR. 15.01.12

J 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14

Rumo à final É uma das selecções favoritas ao título, porém, o técnico nacional prefere começar por pensar na fase de grupos e nos adversários que lhe couberam em sorte. “Portugal assume, antes de mais, grandes preocupações para o jogo com o Azerbaijão, no imediato, e depois para a partida com a Sérvia. Esse é o nosso foco

13.ª J. 08.01.12

Equipa Benfica Porto Sporting Sp. Braga Marítimo Académica V. Guimarães Beira-Mar Nacional Gil Vicente Feirense V. Setúbal Olhanense Rio Ave U. Leiria P. Ferreira

lhão da Burinhosa, frente à equipa local. A segunda fase de preparação será ainda em Portugal, mais concretamente em Porto Salvo (22 a 28 de Janeiro). A partida para a Croácia está agendada para o dia 29. Recorde-se que Portugal é a actual vice-campeã, tendo perdido (2-4) na final do Euro 2010 (Hungria), frente à Espanha.

14.ª J. 15.01.12

U. Madeira x Atlético (1-1) Estoril x Leixões (1-1) Freamunde x D. Aves (1-2) Oliveirense x Penafiel (2-2) Trofense x Portimonense (3-1) Belenenses x Sp. Covilhã (0-0) Naval x Arouca (0-0) Moreirense x Santa Clara (2-0)

14.ª JOR. 08.01.12

Beira-Mar x Sp. Braga (1-2) Marítimo x Olhanense (2-1) Sporting x Porto (0-0) Rio Ave x P. Ferreira (1-0) V. Setúbal x Académica (1-1) U. Leiria x Benfica (0-4) Gil Vicente x Nacional (0-3) V. Guimarães x Feirense (1-0)

14.ª JOR. 08.01.12

II LIGA

15.ª JOR. 15.01.12

14.ª JOR. 08.01.12 15.ª JOR. 15.01.12

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º

I LIGA

15.ª JOR. 15.01.12

liga portuguesa de futebol profissional

liga portuguesa de futebol profissional

Repetir a presença na final do Campeonato da Europa (31 de Janeiro a 11 de Fevereiro, Zagreb e Split, na Croácia) é o objectivo da actual vice-campeã. À selecção nacional não faltam argumentos, desde logo por ter os melhores atletas do planeta. Ricardinho é o ‘cabeça de cartaz’, entre um colectivo que irá começar a sua preparação no município de Leiria (16 a 21 de Janeiro). Tudo começa em Monte Real, dia 16, 12h00, com a concentração no Palace Hotel. Segue-se o Souto da Carpalhosa, onde os comandados pelo seleccionador nacional Jorge Braz têm agendados treinos diários (10h00 e 17h00). O Pavilhão Municipal é o cenário escolhido. Haverá ainda lugar a um jogo treino, dia 20, 19h00, no Pavi-

DR/FPF

Euro passa em Leiria

Três vitórias caseiras depois, a derrota. O Benfica foi melhor que a União, na estreia do “leiriense” Ogu. Foto: João Filipe Matias

Pts 31 26 23 22 22 22 21 16 15 14 12 12 11 8 5 4

O “desporto rei” está de regresso ao Estádio Dr. Magalhães Pessoa, Leiria, com dois jogos amigáveis entre as selecções nacionais de Sub-20 – masculinos – de Portugal e Eslováquia. No primeiro, realizado dia 10, registou-se um empate (11). O segundo está agendado para o dia 12, 17h00.

Andebol | Leiria

Vitórias na estreia Colégio João de Barros (Pombal) e Juve Lis (Leiria) iniciaram da melhor forma a fase final do campeonato nacional da 1ª divisão – seniores femininos – ao vencerem, respectivamente, JAC – Alcanena (37-17) e Maiastars “B” (21-17). Na 2ª jornada, agendada para o dia 14, destaque para o Colégio João de Barros x C.A. Leça (17h00, Pavilhão das Meirinhas) e o JAC x Juve Lis.


ÚLTIMA 12JANEIRO2012

As viagens são, na juventude, uma parte da educação e, na velhice, uma parte da experiência. Francis Bacon, filósofo [1561-1626]

Olhar sobre o imenso vale da igreja de Santo Agostinho

O rio Lis poderia atrair turismo Imediação da igreja de Santo Agostinho, Leiria, tarde de segunda-feira, 9 de Janeiro de 2012. Com excepção do frio, parecia um dia de Verão, a julgar pela vida dos transeuntes na beira do rio Lis, onde o sol dava um brilho e cor especiais à paisagem. O Inverno que atravessamos vai-nos prendar com muito sol neste mês de Janeiro, um belo motivo para sair de casa e desfrutar da rua. E a beira-rio é sempre uma zona encantadora para se passarem momentos de lazer nesta cidade. Entre a ponte dos Caniços e a reformulada ponte de São Romão, passando pela ponte do Balcão, até às traseiras da imponente igreja de Santo Agostinho, no espaço recriado e intervencionado pelo programa Polis, transformaram-se espaços históricos como o museu da antiga fábrica do papel, efectuaram-se melhoramentos nas zonas confrontantes do rio com os passeios, nasceram jardins e pontes pedonais. Crianças e idosos desfrutavam desta tarde solarenga de Janeiro... os patos a nadarem no rio, as noras em constante movimento pela força das águas, ao lado do lódão-bastardo e dos plátanos, com a Senhora da Encarnação à espreita para o imenso vale. Lia-se nos bancos do jardim, avós brincavam com os netos, namorava-se, andava-se de bicicleta, passeavamse os cães e praticava-se desporto. Tanta actividade para esta tarde, incluindo

também o recolhimento para os momentos de oração que alguns aproveitam para fazer no templo que evoca Santo Agostinho. Nas imediações, algum comércio desenvolve as suas actividades, ladeado de edifícios em ruínas, no final da encosta da Senhora da Encarnação. O largo que evoca os combatentes da Grande Guerra canaliza o trânsito das avenidas Marquês de Pombal e Senhora de Fátima, fazendo com que flua para o centro de Leiria ou para as suas imediações, e afastando-o da calma desta beira-rio dos Caniços a Santo Agostinho. Misturando-se com o som dos passarinhos que povoam as árvores deste curso de água, outrora navegável e que servia de subsistência para muitas famílias leirienses, ouvem-se outros sons de felicidade. A corrida e os sorrisos estridentes das crianças são prenúncio para tornar esta e outras zonas do percurso do Lis em locais que pode-

riam ser dotados de muito mais do que bares criados para atrair frequentadores de café. Com as conclusões dos trabalhos da Polis em 2004, alguns atractivos turísticos existem, mas faltou um programa que capte mais turistas, que faça do rio um motivo de visita e de lazer. Talvez pudesse ajudar para evitar a anunciada falência técnica da Entidade de Turismo de Leiria-Fátima.. O turismo desta região não pode ser apenas constituído por praias, grutas, termas, monumentos classificados ou destinos religiosos. A natureza, o seu verde e todos os restantes elementos que a constituem, mesmo intervencionadas pelo homem, são um dos principais atractivos para concentrar massas de visitantes nas cidades, para além do comércio e ofertas culturais. Algo ficou por fazer nesta cidade, despovoada de transeuntes do exterior. Em Leiria e nas restan-

tes cidades de Portugal, o clima até é bem favorável ao turismo. Se temos condições climatéricas, paisagem e alternativas culturais, já para não falar do Castelo que é o ex-líbris da cidade, quando será criado um roteiro turístico de Leiria, que valorize e concentre os visitantes no interior da cidade? Num percurso de sensívelmente quatro quilómetros de beira-rio, existem muitos atractivos de grande interesse e outros poderão ser criados. De São Romão ao Arrabalde da Ponte, o rio Lis e todos os elementos que o constituem, integrados num plano turístico eficiente, podem captar mais esse turismo. Logo, mais investimento e consumo para a região, fomentando a economia local. Assim, um novo postal da cidade de Leiria poderia ser produzido para a posterioridade.

Texto e fotos: Joaquim Santos

Adlei faz “lembranças” ao presidente da Câmara

Recordatória de prioridades

A direção da ADLEI – Associação para o Desenvolvimento de Leiria apresentou a Raul Castro, presidente da Câmara Municipal, em reunião do dia 6 de Janeiro, um conjunto de “lembranças” que são para a instituição “o enunciado das necessidades prioritárias da população”. E são elas: “1.Criar um sistema de tele-assistência para as pessoas idosas; 2. Manter a exigência do reforço de segurança de proximidade por agentes policiais nas zonas críticas da cidade; 3. Promover a participação dos jovens com a constituição de um Conselho Municipal da Juventude; 4.Concluir e aprovar o Plano de Pormenor do Centro Histórico e desenvolver um programa de Reabilitação do Centro Histórico com iniciativas calendarizadas para os próximos anos; 5.Criar as condições para a instalação da Loja do Cidadão no centro da cidade; 6.Monitorizar o estacionamento no centro da cidade – manutenção regular dos parquímetros e diminuir o preço do estacionamento; 7.Reestruturar a rede de transportes públicos locais de forma a tornar Leiria um concelho mais acessível e com maior mobilidade e amigo do Ambiente; 8.Assumir uma maior intervenção e liderança da manutenção da linha do Oeste de passageiros, da sua modernização e melhorar a ligação à cidade através dos transportes rodoviários; 9.Avaliar o impacto da construção de um sistema de acesso mecânico ao Castelo de Leiria; 10.Controlar os sistemas de recolha e tratamento adequado de todos os efluentes agro-industriais e dar imediata prioridade à despoluição suinícola; 11.Melhorar a qualidade das atividades de enriquecimento curricular no 1ºciclo; 12. Melhorar a utilização das infra-estruturas culturais e desportivas e potenciar o seu aproveitamento pelas freguesias.”

Raul Castro recebeu secretário de Estado

Câmara de Leiria “pede” dois lotes de terreno ao Governo O secretário de Estado da Administração Patrimonial e Equipamento do Ministério da Justiça, Fernando Santo, foi recebido no dia 4 de Janeiro na Câmara Municipal de Leiria, onde participou numa reunião de trabalho com o presidente e os vereadores da autarquia. Durante o encontro, Raul Castro pediu ao secretário de Estado a cedência de duas parcelas de terrenos do Estabelecimento Prisional de Leiria: uma para o Município fazer um centro educativo e um parque de lazer e outra para o Instituto Politécnico de Leiria eventualmente construir mais residências para estudantes. A resposta foi que a área solicitada era “considerada excessiva”, pelo que o executivo leiriense ficou de remeter uma nova proposta ao governante. Após a reunião, o presidente do Município acompanhou Fernando Santo numa visita aos diversos serviços do Ministério da Justiça situados nesta cidade.

4892#OMENSAGEIRO#12JAN  

O Mensageiro (O Mais Antigo Semanário do Distrito de Leiria): Edição de 12 de Janeiro de 2012 (N.º 4892).

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you