Issuu on Google+

CAMPANHA

25 NOVEMBRO 2010 ANO 97 - N.º 4835 FUNDADOR José Ferreira Lacerda DIRECTOR Rui Ribeiro

PREÇO: 0,80 euros (IVA incluído) SEMINÁRIO DIOCESANO – 2414-011 LEIRIA TEL. 244 821 100/1 • FAX 244 821 102 E-MAIL: jornal@omensageiro.com.pt WEB: www.omensageiro.com.pt

| Última

ECONOMY

Nº DE2703206MPC

DESTAQUE

28 DE NOVEMBRO – 24 DE DEZEMBRO

AS QUATRO SEMANAS DO

«ADVENTO» DO NATAL

Ir. João Batista, OSB

A história. O sentido. A catequese. Uma mensagem. Páginas 2 e 3

SOCIEDADE

CULTURA Dinâmica cultural na Marinha Grande | P. 5

Pela prevenção da produção de resíduos | P. 7

“Perspectivas III” revela premiados Valorlis oferece fraldas reutilizáveis e “Jazz à Marinha” traz concerto aos bebés do Hospital de Leiria com César Cardoso Quinteto Inauguração a 26 de Novembro na Marinha Grande | Última Ourém lembrou figura de Artur Oliveira Santos | P. 5 “Vidro” é tema e novidade da XXI “Acontece(u) no Museu” Feira de Artesanato e Gastronomia

ECLESIAL Eventos nos dias 8, 11 e 12 de Dezembro | P. 9

Festa da Padroeira e concerto a favor das obras do Seminário Visita Pastoral à Diocese | P. 9

D. António Marto em visita à paróquia de Albergaria dos Doze


2 DESTAQUE

O Mensageiro 25.Novembro.2010

EDITORIAL

Rui Ribeiro prui@iol.pt

Ao ritmo da fé

Um dos grandes perigos da vivência da fé está na tentação de desligar a fé da vida, tornando-a uma espécie de “à parte”, uma vida paralela à vida quotidiana. Esta tentação traduz-se num desfasamento entre o que se celebra e se crê e o que somos no dia-a-dia. Embora muitas vezes usada como desculpa, é comum a observação de que os cristãos “são uma coisa dentro da igreja e outra fora da mesma”. Mesmo com algum exagero, a expressão traduz, no entanto, a forma como entendemos a religião, a fé e a vida cristã. Apesar desta tentação ganhar muito terreno nas nossas vidas pessoais e comunitárias, ela não corresponde de forma alguma àquilo que a Igreja entende como verdadeira vida cristã. A Igreja preconiza, uma forma abrangente da vida de fé, ou seja, a fé é como “fermento que leveda a massa”, ou como “a semente de mostarda que sendo das mais pequenas se torna tão grande que O ciclo litúrgico as aves vêm pousar nos oferece uma seus ramos”. A fé não é oportunidade uma vida paralela, pelo única, para que contrário é a força da vida, é a verdade da vida. não vivamos Mais fé significa mais e de forma melhor vida. espartilhada e É neste sentido que desconexa, mas melhor podemos comde forma global e preender o Ano Litúrgico, como um todo que estabelece um ritmo celebrativo ao longo do ano, centra as atenções em momentos e acontecimentos específicos e assim ajuda à vivência do quotidiano. Neste contexto, o ciclo litúrgico oferece uma oportunidade única, para que não vivamos de forma espartilhada e desconexa, mas de forma global e como um todo. É, pois, importante perceber a organização e estrutura do Ano Litúrgico, não apenas em termos celebrativos, mas em termos da vivência da fé. Todos os anos há um começo, um desenvolvimento e um termo, que valem pela unidade que representam e trazem ao todo da expressão de fé. Conhecer esta estrutura é viver mais e melhor como crente. Esta semana iniciamos um novo ciclo litúrgico, uma nova caminhada espiritual que nos levará a acompanhar a vida, pessoa e mensagem de Jesus desde o seu nascimento até à sua glorificação, com o que isso significa também para nós e para a nossa fé. É, pois, importante desligarmonos do puro ritualismo, que nos levaria a repetir os mesmos gestos de forma cíclica e incessante, sem incidência na vida. Mais que uma questão de presépios e coroas do Advento, ou mesmo recordações estéreis, a Igreja propõe-nos um recomeço alegre e festivo, no redobrar da esperança de novos tempos e novos mundos. O Advento, marca este reencontro com a esperança. Reencontro mais que nunca actual para um país que vive no espectro da crise e da desmotivação. Nos tempos que atravessamos, o Advento faz sentido, mais que nunca, e pode ser um momento de viragem para as nossas vidas. O Mensageiro traz o tema às suas páginas, para que não seja esquecido, mas seja assumido hoje mais que nunca, pela actualidade com que se reveste.

AS QUATRO SEMANAS DO

«ADVENTO» DO NATAL Este fim-de-semana marca o início do tempo do Advento, um dos denominados “tempos fortes” do ano litúrgico. A sua história, no Rito Romano, começa no Século VI, no sentido de espera jubilosa do Natal, e a sua préhistória remonta às Gálias e à Espanha dos fins do Século IV, como preparação ascética para o Natal e a Epifania. No Século V o começo do Advento era na festa da Anunciação (18 de Dezembro - hoje, a Anunciação é comemorada a 25 de Março). Apenas no Século X o seu início passou a ser no Domingo, quatro semanas antes do Natal. O tempo litúrgico de preparação para o Natal começa no domingo mais próximo da festa de Santo André Apóstolo (30 de Novembro) e abarca os quatro domingos seguintes. O primeiro Domingo pode começar desde o dia 27 de Novembro - o Advento terá 28 dias - até ao dia 3 de Dezembro. A “feliz expectativa” do Advento assinala de forma clara que o tempo da festa não chegou; aliás, no início do Cristianismo a palavra “adventum” (“parusia”, em grego) utilizava-se para denominar não a primeira vinda de Jesus, mas a sua

vinda definitiva no fim dos tempos, como Senhor do Universo. Quem participar nas celebrações dos primeiros três Domingos do Advento notará que esta perspectiva continua a dominar, com destaque para os profetas e para João Baptista. No entanto, a partir do dia 17 de Dezembro, a preparação do Natal fixa-se nos antecedentes próximos do nascimento de Jesus e na figura da Virgem Maria, com as célebres antífonas do “Ó” na Liturgia das Horas ou as tradicionais “missas do Parto”, na ilha da Madeira. Essas quatro semanas são vividas como uma espera, que poderia ser classificada como “virtuosa”, não apenas definindo os dias, mas como um apelo à prática das virtudes. A chegada de um familiar, um nascimento de uma criança, o fim de um curso, o tempo da libertação de anos em cativeiro ou na prisão… são muitas as situações pessoais, familiares ou sociais que vivem na expectativa, na espera de momentos de felicidade. Em cada ano, o Advento mais não é do que experimentar essa “feliz expectativa”… Ao longo de quatro semanas, as que antecedem

o Dia de Natal, adiantam-se propostas para que chegue o momento sonhado, desejado, construído. Apesar desse Tempo ser muito peculiar nas Igrejas do Ocidente, o seu impulso original provavelmente veio das Igrejas Orientais, onde era comum, depois do Concílio Ecuménico de Éfeso em 431 dedicar sermões nos domingos anteriores ao Natal, ao tema da Anunciação. Em Ravena, na Itália (onde era grande a influência Oriental) São Pedro Crisóstomo fazia esses sermões. A primeira referência sobre o Advento é a do Bispo de Tours, França, chamado Perpétuo (461-490) que estabeleceu um jejum antes do Natal, que começava a 11 de Novembro (Dia de São Martinho de Tours). O Concílio de Tours (567) faz menção ao tempo do Advento, costume que se conhecia como a “Quaresma de São Martinho”. Este carácter ascético para a preparação do Natal devia-se à preparação dos catecúmenos para o Baptismo na festa da Epifania. Somente no final do século VII, em Roma, é acrescentado o aspecto escatológico do Advento, recordando a segunda vinda do Senhor e passou a

ser celebrado durante 5 Domingos. Um período de seis semanas foi adoptado pelas Igrejas de Milão e pelas Igrejas da Espanha. Na Itália somente aparece no século VI, quando foi reduzida, provavelmente pelo Papa São Leão Magno (590-604), para as quatro semanas antes do Natal. O Advento é hoje celebrado com sobriedade e com discreta alegria. Não se canta o Glória, para que na festa do Natal os fiéis se unam aos anjos e entoem este hino como algo novo, dando glória a Deus pela salvação que realiza no meio de nós. Pelo mesmo motivo, o directório litúrgico orienta que flores e instrumentos sejam usados com moderação, “para que não seja antecipada a plena alegria do Natal de Jesus”. As vestes litúrgicas (casula, estola, etc.) são de cor roxa, bem como o pano que recobre o ambão, como sinal de conversão em preparação para a festa do Natal, com excepção do terceiro domingo do Advento, Domingo da Alegria, cuja cor tradicionalmente usada é o rosa, para revelar a alegria da vinda do libertador que está próxima.

Papa explica sentido do Advento Segundo o Papa, “a verdadeira alegria é sentir que a nossa existência pessoal e comunitária é visitada e enchida por um grandes mistério, o mistério do amor de Deus”. Bento XVI salienta que “para nos alegrarmos precisamos não só de coisas, mas de amor e de verdade; precisamos de um Deus próximo de nós que aquece o nosso coração e responde às nossas

expectativas profundas”. “Este Deus manifestou-se em Jesus nascido da Virgem Maria. Portanto, o menino Jesus que colocamos na gruta ou no presépio é o centro de tudo, é o coração do mundo”, acrescenta. O Papa fala da importância do presépio, afirmando que “é para mim motivo de alegria saber que nas vossas famílias se mantém a tradição de fazer

o Presépio. Mas não basta repetir o gesto tradicional, por muito importante que seja”. “É preciso tentar viver, na realidade de todos os dias, o que o Presépio representa, ou seja, o amor de Cristo, a sua humildade e a sua pobreza”. Para Bento XVI, “o Presépio é uma escola de vida onde podemos aprender o segredo da verdadeira alegria”.


DESTAQUE 3

O Mensageiro

25.Novembro.2010

Campanha de Advento 2010 na diocese de Leiria-Fátima

O fogo da caridade: viver o Natal em Família Com o objectivo de “Reforçar a consciência das famílias como «Igreja doméstica»”, “Preparar o Natal como acolhimento de Jesus em família”, “Cultivar a espiritualidade da caridade em família” e “Desenvolver a dimensão da partilha com as Missões”, o Secretariado Diocesano da Catequese oferece um conjunto

de propostas para a vivência deste tempo do advento. As propostas dirigem-se à catequese, ás famílias e às diversas comunidades, de modo a que ninguém fique de fora. Na catequese, propõe-se que no momento final do encontro de catequese (cerca de 5 minutos), ou num outro momento oportuno no desenrolar da catequese, se realizem os seguintes passos: acender a vela da semana já com a palavradesafio colada; ler o texto bíblico da semana; apresentar a proposta para realizar em família e desafiar à sua realização. Nas famílias, propõe-se que cada criança e adolescente leve consigo uma folha com a proposta da tarefa a realizar em casa nessa semana. A proposta segue o seguinte esquema: texto bíblico (do Evangelho do Domingo); recortar a palavra-desafio e colá-

la na vela, depois acender a vela; rezar a oração (em família); desafio da semana. Nas comunidades, propõe-se que num momento oportuno da celebração dominical (por exemplo, no início da celebração, durante a homilia ou após a comunhão), se realizem os seguintes passos: breve introdução à palavra-desafio da semana a partir dos textos da liturgia; entrada da

vela da semana na igreja, já acesa e com a palavra-desafio da semana colada; rezar a oração proposta pelo Sr. Bispo na carta pastoral. Para o dia de Natal, propõe-se um breve momento de oração para o momento de conclusão do presépio em casa. Esta proposta é comum para crianças e adolescentes. Para o dia da Epifania, a proposta vai no sentido de valorizar

este dia com a entrega dos mealheiros missionários na celebração comunitária. No momento do ofertório, cada criança traz o seu mealheiro e coloca-o junto do presépio na igreja. Este ano, a partir da proposta da Carta Pastoral, a partilha destina-se às crianças do Gungo, na diocese do Sumbe, em Angola.

DESAFIOS Semana

Infância

Adolescência

Construir a Coroa de Advento. Caridade nos Pensamentos: pensar nas pessoas e rezar por elas.

Construir a Coroa de Advento. Caridade nos Pensamentos: pensar nas pessoas e encontrar qualidades.

Construir o mealheiro missionário. Caridade nas Palavras: dizer «obrigado», «por favor», «desculpa». Contar um momento em que pediu desculpa.

Construir o mealheiro missionário. Caridade nas Palavras: dizer «obrigado», «por favor», «desculpa». Escrever sobre o sentido do Natal.

Desenhar e escrever um postal de Natal e entregá-lo. Caridade nas Acções: boas acções.

Fazer um postal de Natal, a partir do texto da semana anterior, e entregá-lo. Caridade nas Acções: boas acções.

Construir o Presépio em casa. Caridade nas atitudes: atitude de serviço em casa.

Construir o Presépio em casa. Caridade nas atitudes: atitude de serviço em casa.

Natal

Momento de oração ao colocar o Menino Jesus no Presépio.

Epifania

Entrega do mealheiro missionário na Comunidade (Infância Missionária).

Mensagem de Advento/Natal do presidente da Conferência Episcopal Portuguesa

“Revisão mental ao conteúdo de algumas virtudes”

“Ide contar a João o que vedes e ouvis: os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são curados, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam, e a boa nova é anunciada aos pobres” (Mt 11, 3) Há períodos que, nos ritmos que a liturgia nos sugere, se revestem duma particular importância. O tempo do Advento, na sua ligação profunda com o Natal, é um desses momentos a que o programa Pastoral poderá dar uma indicação precisa.

Os tempos antigos recordam-nos como a caridade com os pobres acontecia espontaneamente. Se se batia às portas durante todo o ano, neste período havia a preocupação nas famílias, inculcada aos filhos, de que pelo Natal não faltasse nada aos mais necessitados. Poderia ser pouco, mas muito se partilhava, para dar alegria a quem convivia com necessidades. Se outrora a noite de Natal motivava para a partilha, a noite escura de muitas famílias na actualidade reclama um conjunto de atitudes para Viver a Palavra – testemunho de Cristo: “Ide contar a João o que vedes e ouvis: os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são curados, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam, e a boa nova é anunciada aos pobres”. Se é importante abrir os olhos para que a aurora do Natal da Vida aconteça em muitos lares, importa reinterpretar os nossos estilos

de vida em termos duma maior solidariedade efectiva. Isto pode significar uma revisão mental ao conteúdo de algumas virtudes, que, vividas, permitem a partilha e irá dar um novo brilho a muitos olhos tristes. Nesta quadra de Advento só quero enumerar quatro virtudes. Explicitar, semanalmente, uma delas pode criar uma mentalidade que ajudará a enfrentar os tempos difíceis. 1 – Temperança: nasce duma sensibilidade capaz de estabelecer uma justa ordem entre a satisfação pessoal através do que é necessário e do que é facultativo. Não estaremos presos a teias de coisas que consideramos imprescindíveis e não o são? 2 – Sobriedade: leva a considerar que o excesso pode ser prejudicial à saúde e, em muitos casos, tornase um insulto a quem não consegue o mínimo. Não haverá excessos ver-

dadeiramente prejudiciais e que controlados poderiam ser ajuda fraterna? 3 – Abstinência: vista como moderação no comer, estabelece uma ordem sadia com benefícios para uma qualidade de vida. Não encontraremos apegos desmesurados a gostos e prazeres que podem e devem ser evitados? 4 – Auto-domínio: controla as pressões que surgem de todo o lado e podem escravizar impondo hábitos e rotinas prejudiciais à vida familiar e pessoal. Não nos encontraremos presos a rotinas impensadas que nos tornam meros imitadores sem reflexão prévia capaz de justificar as atitudes? Caminhando nas exigências destas virtudes, não encontramos nelas um fim absoluto. Ajudam-nos a criar uma vida mais sóbria e a exercitar a partilha. Querendo “Viver a Palavra” concretizo este estilo de vida mais austero, nes-

te tempo e sempre, numa sugestão ousada. Cada um escolheria um dia, por semana, para efectuar jejum daquelas coisas que não são absolutamente necessárias (um café, menos tabaco, um bolo, uma refeição frugal, prendas de Natal menos caras e mais significativas…). Com estes comportamentos surge algo para partilhar e entregar na paróquia, numa caixa colocada para o efeito, e o pároco indicaria no dia da Sagrada Família, 26 de Dezembro, o total recebido. Metade desta quantia ficaria para os pobres da paróquia (Conferências Vicentinas ou outros) e outra metade seria entregue nos Serviços Centrais, que colocaria nas mãos da Caritas (que coordenaria e distribuiria a outras Instituições) para responder a solicitações de toda a Arquidiocese provindas sobretudo de paróquias com menos possibilidades. Tudo daria origem a um Fundo que não pretende substituir o Fundo de So-

lidariedade Social criado pela Conferência Episcopal Portuguesa. Esta iniciativa é destinada, particularmente, aos cristãos. Mas atrevo-me a pedir a estes que motivem outros para esta iniciativa. Será uma experiência de sensibilidade humana e de solidariedade cristã. Nesta mensagem de Advento/Natal procurei ser concreto. Gostaria que este novo modo de viver fosse apanágio dos cristãos. Aceitando-o poderemos partilhar e vivenciar o autêntico sentido da esmola. E aqui pode estar o Natal onde Cristo, a Palavra, se incarna para dar dignidade à vida de todos os homens. Comecemos esta quadra litúrgica de maior atenção aos carenciados com empenho e cultivemos uma cultura do dar para que a esperança renasça em muitos corações. Solenidade de Cristo–Rei, 21 de Novembro 2010 † Jorge Ortiga


4 CULTURA

O Mensageiro 25.Novembro.2010

na nossa estante

CINEMA Teatro Miguel Franco (Leiria) • FANTASIA LUSITANA | documentário | de João Canijo | 25 de Novembro, 21h30 Cine-Teatro de Monte Real • RESIDENT EVIL - RESSURREIÇÃO | drama | de Paul W. S. Anderson | c/ Milla Jovovich, Wentworth Miller, Ali Larter | 26 e 27 de Novembro, 21h30; dia 28, 15h30 Cine-Teatro Actor Álvaro (Vieira de Leiria) • DAYBREAKERS – O ÚLTIMO VAMPIRO | acção | de Michael e Peter Spierig | c/ Ethan Hawke, Willem Dafoe, Sam Neill | 28 de Novembro, 21h00 Cine-Teatro de Alcobaça • O APRENDIZ DE FEITICEIRO | aventura | de Jon Turteltaub | c/ Nicolas Cage, Jay Baruchel, Alfred Molina | 28 e 29 de Novembro, 21h30; dia 28, 17h00

MÚSICA | TEATRO | EVENTOS

Teatro José Lúcio da Silva - Leiria •”Maiorca” - dança (26/11, 21h30) •”As Histórias de Amélia” - infantil/juvenil (30/11, 15h00) Teatro Miguel Franco - Leiria •”Lenheiras de Cuca Macuca” - marionetas (28/11, 16h00) •”Estilhaços” - teatro (30/11, 22h00) Mercado Sant’Ana - Leiria •”Meia Marioneta” - eteliê (27/11, 14h00) Fórum Fnac - Leiria •”A Caruma, A caruma” - música (25/11, 21h30) Casa dos Pintores e Oficina de Arqueologia - Leiria • Visita guiada (26/11, 15h00 e 16h00) Santa Cataina da Serra •”Chícharo da Serra” - festival gastronómico e cultural (25~29/11) Casa-Museu João Soares - Cortes •”O Piolho Zarolho e o arco-íris da amizade” - livro (26/11, 14h30) Marinha Grande • 21ª Feira Nacional de Artesanato e gastronomia (26/11~5/12) Biblioteca Municipal - Marinha Grande •”Uma história de dedos” - hora do conto (marcação prévia) Museu do Vidro - Marinha Grande •”Meter as mãos no vidro” -infantil/juvenil (4ªs a 6ªs, 10h00 e14h30) •”Ateliê do vidrinho” - infantil/juvenil (~26/11) •”Ateliê de ferramentas e utensilios” - infantil/juvenil (30/11) •”Ateliê de jogos didácticos” - infantil/juvenil (30/11) Cine-teatro Actor Álvaro - Vieira de Leiria •”As criadas” - teatro (27/11, 21h30) Biblioteca Municipa - Batalha •”Hora do conto” (27/11, 4 e 11/12) Reguengo do Fetal - Batalha •”Ishizuca O Afinador de Sonhos” - musical para bebés (20/11, 17h00) Café Concerto - Pombal • Palco aberto (6ªs do mês, 23h00)

EXPOSIÇÕES

Teatro José Lúcio da Silva - Leiria •”Passe, cidadão!” - Centenário da República (~21/11) •”Gigantones” (~28/11) Teatro Miguel Franco - Leiria •”Pouco mais de 1/2 Dúzia de “Bonecos”” - Delphim Miranda (~28/11) Livraia Arquivo - Leiria • Ecultura - Filipe Curado (~9/12) Galeria fotográfica da Fnac - Leiria •”City Models” - fotgrafias de Masimino Mastrorillo (~20/11) Associação Célula e Membrana/a9)))) - Leiria •”SEYMOUR” - fotgrafia (~8/12) Museu Escolar - Marrazes •”A instrução na 1ª República” (~24/12) Agromuseu Municipal Dona Julinha - Ortigosa •”Sacas de retalhos à moda antiga” (3ªs~6ªs) Biblioteca Municipal - Marnha Grande •”Ver para Crer” - atelier de incentivo á leitura (23/11, 9h30 e 14h30) •”Ratatoing” - filme (24/11, 15h30) •”Os vizinhos da casa azul” - hora do conto (2ª a 6ª (10h00 e 14h30) Museu do Vidro - Marinha Grande •”Vilma libana-arta da gravura em vidro” (~30/11) Museu Joaquim Correia - Marinha Grande •”Retratos” (18 e 25/11) Galeria Mouzinho de Albuquerque - Batalha •”Infinitos” - fotografia de Jorge Ricardo (+~28/11) Museu Municipal - Ourém •”OUREMPUBLICA” - implantação da República em Ourém (~31/12) Paços do Concelho - Tomar • Fotografias de Cruz-Filipe (~31/12) Teatro-Cine - Pombal • Pintura - Óscar Almeida (~30/12)

Vinho do Alentejo – temas culturais Francisco Martins Ramos Edições Colibri

Canaviais - Memórias e Património de um bairro Eborense Maria Joaquina Fernandes Edições Colibri O bairro dos Canaviais, inicialmente designado bairro do Espinheiro, localiza-se na zona norte da cidade de Évora. O topónimo que lhe deu nome deriva da grande abundância de canas e foi utilizado como designação de propriedades localizadas na área onde o bairro nasceu. O primeiro núcleo urbano cresceu, de forma espontânea, nas imediações da propriedade conhecida por Quartéis da tapadinha, junto à azinhaga das Cinco Cepas, local onde foi construído o edifício sede da Sociedade Operária de Instrução e Recreio Educação do Povo, instituição emblemática criada, oficialmente, por um grupo de trabalhadores rurais, em 1921. A comunidade desenvolveu-se em estreita ligação com esta associação que se assumiu, desde logo, como o espaço de sociabilidade por excelência dos moradores das quintas desta zona da cidade, apesar de, em 1942, sido transformada em Casa do Povo de Évora.

Dentro de mim faz sul Ondjaki Caminho Dez anos depois, resolvi inventar esta pequena celebração, numa edição «especial» (digamos assim…), junto o primeiro livro e o mais recente. Ambos de poesia mas, sobretudo, ambos do mesmo universo de poesia. Que são portas que conduzem a um lado mas interno, não necessariamente mais ou menos literário que nas outras abordagens, mas talvez menos controlado. Racionalmente falando E é bom sentir essa expiração lenta – morosa. Que pode também ser a decisão de partilha com os meus leitores um lado… (como direi…?) mais cicatrizado de mim.

PUB

Dr. Rui Castela Médico Especialista - Doenças dos Olhos Operações - Contactologia

CONSULTAS ÀS TERÇAS E QUINTAS FEIRAS POR MARCAÇÃO Consultório - R. João de Deus, 17-1ºEsq. - Leiria

Telefones: 244 832 288 e 244 870 500

ANUNCIE

n’O MENSAGEIRO

telefone 244 821 100 e-mail jornal@omensageiro.com.pt

Francisco Ramos foi nomeado Professor Emérito da Universidade de Évora, catedrático de Antropologia, com obra científica notável nas áreas da Sociologia, Antropologia, Etnossociologia Portuguesa e Turismo, com muitos “filhos científicos”, isto é, mestres e doutores que orientou. E esse conhecimento profundo transparece nesta obra. Mas, o que é notável, esse conhecimento é transmitido ao leitor de forma simples e natural, como um pano de fundo que não se impõe. O que se impõe é a escrita escorreita de quem conta uma história e partilha com os seus amigos uma experiência vivida, iluminada pelo olhar de um observador atento e perspicaz e pelo estudo dedicado da realidade que retrata. Mas esse olhar, a que não falta o humor, sendo isento cujas palavras denunciam, sem remissão, o profundo amor pela sua terra. Amor que, como alentejano que sou por doação, partilho e, também por isso, este livro me encheu as medidas. Este é um livro de retratos, retratos da realidade alentejana a pretexto da sua relação cm o vinho, retratos de uma cultura no duplo sentido da palavra, o cultivo da terra para dela olhar o que, por obra e engenho do homem, vinificará e se instituirá como veículo mediador e, de alguma forma, estruturante da sua vida cultural.

Divulgação

Silves e o Algarve – Uma história da oposição à ditadura Maria João Raminhos Duarte Edições Colibri A evolução política do concelho de Silves e, de certo modo, do Algarve, desde 1926, os protagonistas, as resistências e as reacções na sociedade algarvia nos anos controversos que se seguiram ao golpe militar de 28 de Maio e a todo o processo que conduziu à instituição e afirmação do Estado Novo nesta província até ao fim da década de 50, constituem o “leitmotiv” deste estudo. Debruça-se particularmente sobre a oposição ao regime ditatorial no concelho de Silves no período entre 1926 e 1958. A cidade, caracterizada por um forte movimento operário ligado à indústria corticeira e pelo republicanismo “democrático” da sua elite local, destacou-se no Algarve, desde o primeiro momento, no combate à ditadura. Em Silves, houve opositores de todos os tipos. Neste âmbito foi feita a história das suas actividades e movimentos, biografados os seus protagonistas e identificadas as suas actividades e influência dentro e fora do concelho. Pretendeu-se, em suma, analisar e reflectir sobre o impacto da oposição ao Estado Novo e avaliar a intervenção dos silvenses no movimento oposicionista nacional, caracterizando a oposição no concelho de Silves e sua influência na resistência à ditadura.


CULTURA 5

O Mensageiro 25.Novembro.2010

Exposição de fotografia no Museu Joaquim Correia

Exposição de fotografia

Conhecidos os premiados “Perspectivas III” Premiados

DR

A exposição de fotografia do concurso “Perspectivas III” está patente no Museu Joaquim Correia, situado no Largo 5 de Outubro, Marinha Grande, até ao dia 30 de Novembro. A mostra foi inaugurada no dia 10, tendo sido divulgados os vencedores do concurso, seleccionados pelo Júri do concurso, constituído por um profissional da área da fotografia, um representante da Câmara Municipal da Marinha Grande e um responsável do ISDOM – Instituto Superior Dom Dinis. Trata-se de uma exposição de fotografias da autoria de 25 participantes na Maratona Fotográfica, que trata temas com a Identidade da

Cidade da Marinha Grande, Árvores do Pinhal do Rei, Ribeiro de S. Pedro, Identidade de S. Pedro de Moel, Arribas de S. Pedro de Moel, Fauna e Flora das Arribas Litorais, Pinheiros Serpentes, Paisagem Dunar, Biodiversidade do Rio Lis e Identidade Local da Praia da Vieira.

A mostra estará patente até ao dia 30 de Novembro, podendo ser visitada de segunda a sexta-feira das 9h30 às 12h00 e das 14h30 às 17h00. Esta iniciativa resultou de uma organização conjunta da Câmara da Marinha Grande com o ISDOM.

1º Classificado: Concorrente n.º 22 (painel “U”) – Tiago Manuel Matos Henriques 2º Classificado: Concorrente n.º 25 (painel “Y”) – António Manuel Sá Azevedo 3º Classificado: Concorrente n.º 26 (painel “Z”) – António Joaquim da Costa Marciano Menções honrosas: Concorrente n.º 17 (painel “P”) – Hugo Daniel Silva Borges; Concorrente n.º 11 (painel “J”) – Virgílio Manuel Rosário Cardal; Concorrente n.º 5 (painel “D”) – Diana Maria Pereira S. Neves.

No âmbito das comemorações do Dia Nacional do Mar (16 de Novembro), está patente ao público na Loja Ponto JA de Leiria do Instituto Português da Juventude (IPJ), até ao dia 30 de Novembro, uma exposição de fotografia subordinada ao tema “ Mar, um bem a preservar”. A mostra contempla 15 trabalhos fotográficos elaborados pelos jovens participantes nos workshops de fotografia organizados pelo IPJ de Leiria, que através de imagens a cores e a preto e branco apelam à reflexão sobre o tema exposto. Para mais informações os interessados deverão contactar a Loja Ponto JA do IPJ de Leiria, pessoalmente ou através do telefone 244 813 421 ou e-mail ipj.leiria@ipj.pt.

Na Casa-Museu João Soares

“O Piolho Zarolho e o Arco-Íris da Amizade” No dia 26 de Novembro, pelas14H30, no Auditório da Casa-Museu João Soares a autora Lurdes Breda, em colaboração com APPACDM de Coimbra – Unidade Funcional de Montemor-o-Velho apresenta o livro: “O Piolho Zarolho e o Arco-Íris da Amizade”, na CasaMuseu João Soares. Esta apresentação destina-se a pais, professores e educadores interessados na temática de inclusão de crianças com deficiência.

Nos Pousos

Festival de música

“Escrever Música no Computador”

“Jazz à Marinha” César Cardoso Quinteto 27 Novembro | 22h00 Galeria Municipal – Edifício dos Arcos (Jardim Stephens)| Marinha Grande César Cardoso – Saxofone Tenor; Bruno Santos – Guitarra; Filipe Melo – Piano; Demian Cabaud – Contrabaixo; Bruno Pedroso – Bateria

Sinopse Este projecto teve como base a criação de temas originais para esta mesma formação, temas que são representativos no jazz

Encontram-se abertas as Inscrições para a oficina de trabalho “Escrever Música no Computador” promovido pela SAMP, para os dias 6, 7 e 9 de Dezembro. A iniciativa será orientada pelos professores Bruno Homem, João Santos e Sérgio Ventura que vão utilizar um software de escrita musical que pode ser aplicado em aulas de instrumento, transcrições e/ou fichas de Formação Musical.

No Posto de Turismo de Leiria

DR

O “Jazz à Marinha” decorre até 27 de Novembro, com concertos na Marinha Grande. A organização é da Câmara Municipal da Marinha Grande e pela ADCA - Associação de Desenvolvimento e Cooperação Atlântida. A entrada é gratuita. A iniciativa está integrada nas comemorações do Centenário da República e traz alguns dos melhores músicos de Jazz em Portugal, desde o jazz contemporâneo e moderno ao jazz tradicional.

“Mar, um bem a preservar” no IPJ

moderno que se faz hoje em dia, com os quais foi gravado o primeiro disco chamado “Half Step”. Esta música composta na totalidade por César Cardoso tem influências nacionais e internacionais, desde Mark Turner, Joe Henderson, Tom

Harrell, Chris Cheek, Pedro Moreira, entre muitos outros. Teve o seu concerto de apresentação em 2009 no Teatro Miguel Franco (Leiria) passando pelo bar do Hot Clube de Portugal, entre outros.

Trabalhos escolares de Natal A galeria de exposições do Posto de Turismo de Leiria recebe de 15 de Dezembro a 03 de Janeiro, uma exposição alusiva ao Natal dos alunos do primeiro Ciclo do Agrupamento e Pré-escolar de Escolas D. Dinis. Esta exposição pode ser apreciada todos os dias, excepto a 25 e 26 de Dezembro e a 01 de Janeiro, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00, no Jardim Luís de Camões.

A Casa do Administrador recebeu, dia 13 de Novembro, mais uma edição do “Acontece no Museu”, desta feita dedicado à Implantação da República e a Artur Oliveira Santos, contando para isso com as intervenções de José Manuel Poças das Neves e de Sérgio Ribeiro. Com uma apresentação subordinada ao tema “Vila Nova de Ourém e a Implantação da República”, Poças das Neves centrou o seu discurso numa caracterização do concelho de Ourém nos finais

do séc. XIX, início do século XX, abordando algumas personagens políticas desta época, culminando com Artur Oliveira Santos e a sua ligação ao fenómeno religioso de Fátima. Sérgio Ribeiro proporcionou aos presentes a oportunidade de assistir a um “testemunho pessoal”, pois conviveu com o antigo administrador do concelho, “podendo falar dele como poucos nesta sala”. Comparando com outras figuras nacionais e internacionais que já teve opor-

tunidade de conhecer, Sérgio Ribeiro não tem dúvidas de que, “se tivesse que escolher uma, seria Artur Oliveira Santos”. A sessão contou também com a presença de alguns familiares, entre os quais Isabel Oliveira Santos, que agradeceu “a iniciativa da Câmara”, sublinhando que “o meu pai (Henrique Oliveira Santos), que lutou toda a vida para reabilitar o seu nome, ficaria muito orgulhoso com tudo o que estão a fazer pelo meu avô”. A terminar a sessão, Deo-

DR

“Acontece no Museu” em Ourém

linda Simões, presidente da Assembleia Municipal, reforçou a importância desta sessão, porque “permitiu conhecer melhor o oureense que tão maltratado tem sido”, concluindo que, “com a in-

vestigação de Poças das Neves, a familiaridade de Sérgio Ribeiro e os testemunhos dos próprios familiares, levamos connosco uma verdade mais segura”.


6 SOCIEDADE IPL defende maior aproximação dos indivíduos aos serviços Modernizar, desmaterializar, alterar comportamentos, motivar e inovar foram alguns do temas em destaque nas primeiras Jornadas de Modernização Administrativas organizadas no nosso país. Decorreram no Instituto Politécnico de Leiria (IPL), nos dias 11 e 12 de Novembro, contando com a presença DE diversas personalidades ligadas a áreas onde a modernização administrativa é fundamental. No geral, todos salientaram que as instituições necessitam de uma urgente racionalização, planeamento, controlo e reformulação dos seus serviços, possibilitando uma mudança da cultura organizacional. Mudança que se tem vindo a apresentar essencial nos dias de hoje. As jornadas terminaram com a suite “Arquitectura Organizacional, Social e Política”, que contou com a presença do professor madrileno José Maria Gassalla e Leilla Navarro, conhecido internacionalmente como o “viagra” empresarial. Uma apresentação invulgar, repleta de boa disposição, na qual a palavra de ordem foi a motivação aliada ao lema “Acertar é Humano”.

Município de Ourém

Aposta na defesa da floresta A Comissão Municipal de Defesa da Floresta reuniu-se em Ourém, no dia 18 de Novembro, tendo como principal ponto na ordem de trabalhos, a aprovação de diversos documentos relacionados com o Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios. Destaque para a aprovação de declarações de conformidade necessárias às candidaturas ao programa PRODER, no valor de 764.103 euros, para a implementação do sistema de mosaicos de parcelas de gestão de combustível, que permitem a prevenção de incêndios, reduzem a probabilidade da sua propagação e facilitam o seu combate/intervenção, num total de 794 hectares, espalhados pelas diversas freguesias. Lembre-se que a freguesia de Seiça já tem este sistema instalado, com 25 hectares criados. Nesta reunião foi também aprovada a actualização da carta de perigosidade do Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios. Foi também apresentado o ponto de situação relativamente ao número de incêndios ocorridos em 2011, contabilizando-se um total de 123 ocorrências, que correspondem a 26,4 hectares de área ardida. De salientar o tempo de resposta aos mesmos que, na sua maioria, foi inferior a cinco minutos. Sobre este último ponto, José Manuel Alho, presidente desta Comissão, propôs a aprovação de um voto de reconhecimento pelo empenho de todas as entidades envolvidas na prevenção e combate aos incêndios, “que permitiram a obtenção de resultados muito tranquilizadores”, decisão que foi acolhida favoravelmente por todos os presentes.

Colégio Chi-Coração

Atenção ao Comércio tradicional Atento às necessidades das famílias, em particular dos profissionais do comércio tradicional, trabalhadores estudantes e profissionais liberais, o Colégio Infantil Chi-Coração decidiu alargar o horário de funcionamento, passando a estar aberto à sexta-feira à noite e ao sábado, entre as 08h00 e as 19h30. O novo serviço pretende ajudar os comerciantes e seus colaboradores a encontrarem um espaço agradável e qualificado para deixar os filhos, sobretudo nesta época do ano em que as medidas de revitalização do comércio tradicional implicam o alargamento dos horários. Localizado na Quinta da Matinha, Leiria, o colégio tem as valências de creche, jardim de infância e ATL e está a funcionar há um ano com nova gerência e tem apostado em ofertas inovadoras como a “Noite dos Pais”, que permite aos pais deixarem os filhos no colégio por uma noite, para poderem desfrutar de uma noite especial a dois.

25.Novembro.2010

Missa memorial e mensagem

ACILIS comemora Dia do Comerciante Para assinalar o Dia do Comerciante, foi celebrada, no dia 16 de Novembro, uma missa na Sé de Leiria em memória dos comerciantes já falecidos, a pedido da ACILIS. Agradecendo a presença de quem participou nesta celebração, a Direcção da ACILIS deixa a seguinte mensagem: Prestando uma homenagem aos comerciantes que já partiram, estamos também a honrar a nossa classe que hoje desenvolve a economia local. É com gosto que a

DR

Jornadas de Modernização Administrativas

O Mensageiro

ACILIS em Leiria, Batalha e Porto de Mós conta com a adesão dos comerciantes e presta os serviços diários aos seus associados.

Além deste trabalho diário, pretende a ACILIS continuar de forma aberta, clara e colaborante, a relacionarse com as forças Religiosas,

Políticas, de Segurança, etc., e representando todos, mesmo os não associados, com o objectivo de “ir mais longe” na justiça social, cidadania e na economia. Às entidades pedimos que sejam exigentes connosco. Aos comerciantes deixamos o nosso apelo: Sejamos mais e com isso mais fortes. Aos cidadãos, obrigado pelo movimento diário de Porto de Mós da Batalha e de Leiria, o comércio existe para servir! A Direcção da ACILIS

Comércio aberto até à meia-noite

Shop On regressa dia 4 de Dezembro

Um banco e uma clínica de prestação de cuidados médicos abertos até à meianoite, são duas das novidades que a segunda edição do Shop On terá já no próximo dia 4 de Dezembro, projecto que pretende valorizar o co-

mércio de rua local e atrair novos públicos à cidade. Já com 108 lojas aderentes, dos mais diversos sectores – acessórios de moda, automóveis, brinquedos, restauração, decoração e artigos para o lar, estética, electrodomésticos, floristas, fotografia, lingerie, livrarias, ópticas, ourivesarias, alojamento, perfumarias, pronto-a-vestir, sapatarias, talhos – esta edição vai contar também com surpresas proporcionadas pelos comerciantes, já que a ACILIS apelou a todos os participantes que além de um atendimento

personalizado que certamente marca a diferença na fidelização do consumidor ao comércio de rua, promovam também outro tipo de acções, como montras-vivas, tapetes vermelhos, decoração natalícia, lojistas com indumentária evocativa do Natal, pinturas faciais, dj’s, oferta de brindes, descontos, promoção de produtos, degustações, Pai-Natal da loja, entre outras. Relativamente à animação de rua, a principal atracção será um desfile de Pais-Natais em bicicleta, promovido pelo Clube BTT do S.C. Leiria-Marrazes, mas aberto à população

em geral. A concentração será feita no Largo do Papa a partir das 18h30. Coros natalícios, dança, charrete, modelagem de balões, música, tunos e cuspidores de fogo, são algumas das animações que neste dia irão estar nas ruas onde existirem lojas aderentes a partir das 20h00. O Shop On é uma parceria da ACILIS e da Câmara Municipal de Leiria, contando ainda com o apoio da Offsetlis, Jornal de Leiria, Junta de Freguesia de Leiria, 94Fm, Escola Profissional de Leiria e PSP.

Bombeiros Voluntários da Ortigosa homenageados na Argentina

Candidatura aberta ao MODCOM

Foi durante a Sessão Ordinária nº 16, do dia 10 de Novembro de 2010, do conceituado Honorable Concejo Deliberante de General San Martin, em Buenos Aires, Argentina, que foram homenageados os bombeiros portugueses presentes no primeiro «Curso Internacional de Estruturas Colapsadas», que se realizou naquele país, no início de Novembro. Os bombeiros portugueses homenageados foram o Comandante Instrutor José Oliveira, dos Bombeiros Voluntários de Ortigosa, o Prof. Instrutor Frederico António, dos Bombeiros Municipais de Leiria, e o Prof. Instrutor Alexandre Santos, dos Bombeiros Municipais de Figueira da Foz, de um total de seis distinções e reconhecimentos feitos pelo Presidente deste Conselho, Sr. Juan Callenguer. O Curso Internacional de Estruturas Colapsadas foi organizado pelos Bombeiros Voluntários de Villa Ballester, Argentina, e conta com instrutores de Portugal, México e Chile, estando reconhecido pelas Nações Unidas, no âmbito da sua responsabilidade internacional de operações de resgate e salvamento.

Encontra-se aberta, desde o passado dia 22, a 6.ª fase de candidaturas ao Sistema de Incentivos à Modernização do Comércio – MODCOM. Com uma dotação de 10 milhões de euros, esta nova fase destina-se a candidaturas aprovadas não seleccionadas nas fases anteriores. O incentivo financeiro a micro, pequenas e médias empresas contempla apoios a três tipos de acções: Acção A – Lojas individuais e conjuntos de modernização comercial; Acção B – Lojas em rede, ou seja, empresas que pretendam, por exemplo, adoptar uma insígnia comum ainda que a propriedade seja individual, que utilizem a mesma plataforma informática ou que se abasteçam na mesma central de compras; Acção C – Estruturas associativas do sector do comércio, com vista à promoção dos centros urbanos. Os projectos de investimento contarão com uma taxa de incentivo a fundo perdido de 45% das despesas no caso das lojas individuais, de 50% nos projectos empresariais integrados e de 60% para as associações comerciais. Nas cinco fases anteriores do MODCOM o Governo disponibilizou um total de 134 milhões de euros a fundo perdido para a revitalização do comércio tradicional, tendo sido seleccionados cerca de 4.600 projectos empresariais e associativos. Os postos de trabalho resultantes deste investimento foram mais de 7.000 mil.

10 milhões de euros para o comércio tradicional


SOCIEDADE 7

O Mensageiro 25.Novembro.2010

Semana Europeia da Prevenção da Produção de Resíduos

V edição do Fórum do Associativismo

Bebés do HSA recebem fraldas reutilizáveis

Batalha debate “as associações e o seu espaço na sociedade”

A Valorlis vai oferecer kits de fraldas reutilizáveis aos bebés do Serviço de Obstetrícia do Hospital de Santo André (HSA), em Leiria. O Projecto Fraldinhas está integrado na Semana Europeia da Prevenção da Produção de Resíduos (European Week for Waste Reduction ), a que a empresa aderiu em conjunto com as restantes empresas do grupo EGF, e surge da necessidade de sensibilizar a população para a quantidade de resíduos provenientes de fraldas descartáveis, que estão a aumentar todos os anos, a um ritmo acelerado. Miguel Aranda da Silva, administrador-delegado da Valorlis, refere que «a adesão à Europeia da Prevenção da Produção de Resíduos é, este ano, comum a todos os Sistemas EGF, e as iniciativas a desenvolver serão replicadas um pouco por todo o País, o que permitirá fazer chegar esta mensagem a mais pessoas». «No caso da Valorlis, estamos a preparar algumas iniciativas originais, e contamos, no caso do Projecto Fraldinhas, com o apoio também da Câma-

Santa Catarina da Serra

ra Municipal de Leiria que nos acompanhará na visita ao Serviço de Obstetrícia do HSA», acrescenta. Numa iniciativa nacional que tem como parceira a Quercus, durante a Semana Europeia da Prevenção da Produção de Resíduos, que se realiza de 20 a 28 de Novembro, os bebés nascidos na área de intervenção dos Sistemas EGF vão receber kits com fraldas reutilizáveis, que os pais vão poder conhecer e experimentar, enquanto alternativa às fraldas descartáveis. Integram esta iniciativa 24 hospitais públicos, de Norte a Sul do País, abrangendo 1800 bebés. As fraldas reutilizáveis inspiram-se nas tradicionais fraldas de pano, mas são adaptadas às novas gerações e às novas tecnologias. São laváveis, amigas do ambiente, económicas e saudáveis, podendo, inclusivamente, ajudar a prevenir algumas alergias. O uso de fraldas reutilizáveis é uma das medidas previstas no Plano de Prevenção de Resíduos Urbanos (PPRU), que visa reduzir a quantidade de

resíduos de fraldas produzidos, actualmente cerca de uma tonelada por bebé, e que são encaminhados para aterro sanitário, 74%, e para incineração, 26%. Na Valorlis são processados 800 kg de resíduos de fraldas por hora. Durante a Semana Europeia da Prevenção da Produção de Resíduos serão ainda realizadas três acções de compostagem doméstica, prática essencial para a redução da deposição de resíduos em aterro, já que permite a reutilização de resíduos domésticos para a produção do composto. Estas acções decorrerão na Junta de Freguesia de Fátima, no dia 25 de Novembro, às 19h30, na Biblioteca Municipal de Pombal, dia 26 de Novembro, às 21h30, e na Valorlis, em Parceiros, no dia 27 de Novembro, às 14h30. Miguel Aranda da Silva explica que «a Compostagem Doméstica é um dos projectos de maior sucesso da Valorlis, e que tem como objectivo, precisamente, a redu-

ção da produção de resíduos a enviar para o aterro», daí que «fazia todo o sentido incluí-lo nesta semana, ideia que foi bem recebida pela organização portuguesa». A Semana Europeia da Prevenção da Produção de Resíduos tem como objectivos alertar e consciencializar toda a sociedade, organismos e associações, públicas e privadas, e cidadãos em geral, para a problemática dos resíduos e das suas implicações, nas várias vertentes, ambiental, de saúde pública e de gestão de recursos naturais. Todas as informações sobre esta iniciativa poderão ser consultadas em www.ewwr.eu/ pt-pt e www.egf.pt.

“O Chícharo da Serra”

Marinha Grande comparticipa despesas

Incentivo à natalidade A Câmara da Marinha Grande deliberou atribuir um subsídio para o incentivo à natalidade a 17 famílias que apresentaram a sua candidatura para o efeito, no terceiro trimestre de 2010. A medida tem em conta que a família constitui, no actual contexto socioeconómico, um espaço privilegiado de realização pessoal e de reforço da solidariedade intergeracional. É vista como uma forma de contrariar o actual decréscimo da taxa da natalidade, uma vez que o envelhecimento populacional tem provocado uma forte distorção na pirâmide geracional. Por outro lado, o facto do subsídio ter que ser dispendido no comércio local, fomentando a economia do concelho, constituiu-se como uma mais-valia, uma vez que impulsionará os hábitos de consumo no mesmo. O incentivo à natali-

dade efectua-se através da atribuição de um subsídio, divido em duas prestações, por ocasião do nascimento de cada criança, desde 1 de Julho de 2010 a 30 de Junho de 2013. São beneficiários os indivíduos isolados ou inseridos em agregados familiares, residentes ou recenseados no Município. Podem requerer o incentivo os progenitores em conjunto ou apenas um dos progenitores. São condições de atribuição do incentivo que a criança se encontre registada como natural do concelho; que o requerente resida no concelho há três anos consecutivos e estejam aí recenseados nos seis meses anteriores à data da candidatura; que a criança resida com o(s) requerente(s); e que o(s) requerente(s) não possua(m) dívidas para com o Município. O valor do subsídio varia entre 500 e 700 euros

por cada criança. No caso dos progenitores estarem juntos, casados ou em união de facto, o valor de 700 euros (duas prestações de 350 euros) contempla agregados familiares com rendimentos iguais ou inferiores a dois salários mínimos nacionais (SMN). Os 500 euros (duas prestações de 250 euros) destinam-se a agregados familiares com rendimentos superiores a dois SMN. Se o subsídio for pedido por um dos progenitores (tratando-se de um elemento isolado), é atribuído o valor de 700 euros (duas prestações de 350 euros) para agregados familiares com rendimentos iguais ou inferiores a um SMN. O valor de 500 euros (duas prestações de 250 euros) destina-se a agregados familiares com rendimentos superiores a um SMN. São elegíveis todas as

Com o objectivo de dar continuidade ao debate em torno da temática do associativismo, o Município da Batalha, através do Museu da Comunidade Concelhia, e o Centro Recreativa da Rebolaria, que comemora em 2010 meio século de existência, organizam o V Fórum do Associativismo do Concelho da Batalha, subordinado ao tema “As associações e o seu espaço na sociedade”. A iniciativa decorre no dia 27 de Novembro, sábado, a partir das 14h00, nas instalações daquela colectividade. A importância das associações no desenvolvimento territorial como espaços de cidadania, de formação, de convívio e de preservação de memórias, constitui o cerne de um fórum que pretende, uma vez mais, preencher-se de experiências motivadores e de reconhecido sucesso, dando lugar à partilha de ideias. No evento serão ainda assinados os protocolos de Apoio Municipal ao Associativismo, em áreas como o Desporto, as Actividades Regulares e os projectos de Investimento. Programa 14:00 – Recepção dos participantes 14:30 – Sessão de Abertura 14:40 – PAINEL I: Movimento Associativo - que espaço a ocupar na sociedade actual? • O exemplo do Sport Club Operário de Cem Soldos - Tomar. Orador: Luís Ferreira, da Organização do Festival “Bons Sons” • O exemplo do Atlético Clube de Vermoil. Orador: Luís Leitão – Presidente da Assembleia Geral 16:45 – PAINEL II: Centro Recreativo da Rebolaria – 50 Anos de Associativismo ao Serviço da População. Orador: José Travaços dos Santos 17:15 – Assinatura dos Protocolos de Apoio Municipal ao Associativismo 17:30 – Convívio com animação musical pelo Grupo “Sons do Lena”, da Batalha

despesas realizadas em artigos de puericultura, designadamente vestuário, roupa de cama, produtos alimentares, higiene / saúde / conforto, mobiliário, carrinhos de passeio, carrinhos auto, entre outros produtos destinados ao bebé, desde que realizadas em estabelecimento comercial do concelho. Após a recepção de decisão da aprovação da candidatura, que deverá ser entregue na Divisão de Acção Social, Educação e Desporto da Câmara Municipal, o requerente deverá apresentar os documentos comprovativos da despesa. O Regulamento de Incentivo à Natalidade e Apoio à Família no Concelho da Marinha Grande e o respectivo formulário de candidatura estão disponíveis para consulta e “download” em www.cmmgrande.pt.

A Freguesia de Santa Catarina da Serra organiza a 5ª edição do Festival Gastronómico e Cultural “O Chícharo da Serra”, de 25 a 29 de Novembro, no Complexo Desportivo da União Desportiva da Serra, em Santa Catarina da Serra, Concelho de Leiria. Este festival assume-se, ano após ano, como um certame regional assente numa matriz de valores que lhe conferem bases de consolidação e de promoção, colocando a região e a freguesia de Santa Catarina da Serra no calendário do roteiro turístico. Este é um evento associativo, organizado por todas as associações da freguesia de Santa Catarina da Serra, a cargo da ForSerra - Associação Desenvolvimento e Gestão Património de Santa Catarina da Serra.

Marinha Grande

Iluminação de Natal A iluminação de Natal no concelho da Marinha Grande vai estar ligada de 1 de Dezembro de 2010 a 6 de Janeiro de 2011. Para isso, a Câmara Municipal deliberou atribuir um apoio financeiro de 25 mil euros à ACIMG – Associação Comercial e Industrial da Marinha Grande, para apoio às despesas com o aluguer dos sistemas de iluminação. Esta iniciativa visa dar algum colorido e significado ao Natal da população, dos comerciantes e dos clientes do comércio tradicional do concelho. A iluminação de Natal será ligada no dia 1 de Dezembro de 2010 e desligada a 6 e Janeiro de 2011. As luzes estarão acesas das 17h00 às 02h00, durante a semana, e das 17h00 às 04h00, ao fim-de-semana. A realização da iluminação de Natal envolve custos avultados, que a ACIMG assume não ter condições para suportar.


8 ECLESIAL

O Mensageiro 25.Novembro.2010

[COLUNA SEMANAL]

CAMINHO... COM A

CARTA PASTORAL

Descobrir o silêncio no meio dos ruídos

DR

7

2. DE DEUS-AMOR AO AMOR DO PRÓXIMO A beleza e a riqueza da caridade cristã só se compreendem plenamente a partir do mistério de Deus-Amor que se torna visível e próximo nas palavras e nos gestos de Jesus para contagiar os nossos corações e os nossos dias. O que os Apóstolos viram e tocaram era o amor de Deus descido à terra: Jesus. E foi de tal modo extraordinário que, para dizer ao mundo este novo amor, viram-se obrigados a encontrar uma palavra grega então raramente usada: ágape, isto é, caridade. Este vocábulo passou então a designar o próprio Deus (Deus é Amor); o amor gratuito, terno, compassivo e misericordioso de Deus aos homens; o amor do homem a Deus e o amor do homem para com o seu semelhante. Assim, vamos contemplar esta beleza da caridade em três passagens do Evangelho, que formam um tríptico sobre o mesmo tema.

2.1. O Ícone do Lava-Pés (Jo 13, 1-17): Como eu vos fiz, fazei vós também É um texto característico da Quinta-Feira Santa. Pertence ao discurso do adeus de Jesus, na Última Ceia, em que Ele nos deixou o seu testamento. “... Amou-os até ao fim” A frase de abertura ilumina e dá sentido a todas as palavras e gestos de Jesus na Última Ceia: “Jesus, sabendo que chegara a sua hora de passar deste mundo ao Pai, tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até ao fim”. Com estas palavras tão solenes, o evangelista introduz-nos na “hora” da morte e ressurreição de Jesus, como expressão máxima e total do seu amor. É neste contexto que devemos captar o significado e o alcance do lava-pés. “Compreendestes o que eu vos fiz?” Estamos diante de um gesto simbólico e profético, “subversivo” e provocador. É o próprio Jesus que o explica: Ele assume a forma de servo (o Servo dos servos) invertendo a relação normal entre o Mestre e os discípulos. Neste gesto resume todo o seu mistério, o essencial da sua vida, da sua missão e paixão. Toda a sua vida foi um serviço de doação e entrega de amor e por amor até ao fim. Além disso, neste episódio contemplamos a revelação desconcertante de um Deus ao serviço do homem por amor. Sim, Deus inclina-se e ajoelha-se aos pés do homem, em atitude humilde, inclusive diante do seu inimigo que é Judas. As mãos de Jesus são a extensão das mãos do Pai que nos lava no seu Amor para nos purificar do egoísmo e nos tornar participantes da sua comunhão de vida e do seu próprio amor: “Se não te lavar os pés, não terás parte comigo”. “Como eu vos fiz, fazei vós também.” Da relação entre o Mestre e os discípulos, Jesus passa à relação entre os próprios discípulos: “Dei-vos o exemplo: como eu vos fiz, fazei vós também...Também vós deveis lavar os pés uns aos outros”. Em concreto, significa estar ao serviço uns dos outros sem reservas e sem desejos de poder; a nossa disponibilidade para os outros em atitude de doação, aprendendo pouco a pouco o modo de ser e viver de Jesus. O lava-pés faz-nos sentir amados e capazes de amar! “Dou-vos um mandamento novo...” Compreendemos assim as palavras que Jesus dirige, de seguida, aos discípulos e a todos nós: “Dou-vos um mandamento novo, que vos ameis uns aos outros. Como eu vos amei, amai-vos também vós uns aos outros. Nisto reconhecerão que sois meus discípulos” (Jo 13, 34). O “mandamento novo” não consiste numa norma nova e difícil. A novidade é o dom que nos introduz no próprio amor de Cristo que se torna o fundamento e a fonte permanente do amor recíproco. Este passa a ser o sinal distintivo da identidade do cristão e da comunidade cristã. “O amor em abstracto nunca terá força no mundo se não lança as suas raízes em comunidades concretas, construídas sobre o amor fraterno” (Bento XVI). Deste modo, Jesus funda a Igreja no Amor, constitui-a comunidade de amor e serviço, traça a sua missão no mundo e indica o sinal da credibilidade cristã.

Proposta para reflexão... do próximo

or ao amor el da fé cristã Capítulo 2 - De Deus-Am idade é um sinal credív un com ssa no A • s Pé sinais em que a 2.1 - O ícone do Lavaos e valorizamos nela os am fic nti Ide • ? de ida pela prática da car e de ser viço”? o “comunidade de amor Igreja se manifesta com

“Acredito que Deus nos chama”

Tem o curso de Engenharia do Ambiente e começou logo a trabalhar após a conclusão deste na Universidade de Aveiro, mas “já tinha descoberto o rosto de Deus” antes da Engenharia do Ambiente. João Santos nasceu no seio de uma família católica e, desde cedo - ainda andava na Escola Primária -, já colocava a hipótese de ser padre. “Porém, a ideia depressa sumiu com o confronto de outras «profissões» que pareciam interessantes” – disse. A Engenharia do Ambiente foi uma fase do seu percurso formativo e de “um contexto que gostava: operacionalização de meios para a protecção do ambiente” – declarou. O ambiente universitário não se resumiu apenas às aulas. O convívio cristão no Centro Universitário Fé e Cultura daquela cidade “foi marcante”. Natural da paróquia de Canedo, Santa Maria da Feira (diocese do Porto), João Santos sempre esteve ligado à actividade pastoral na paróquia. No entanto – reconhece – que não sabe “se estaria no Seminário” se fosse estudar para outra cidade diferente. “Deus esteve sempre presente na minha vida, mesmo no meu percurso de formação académica”. E acrescenta: “acredito que Deus nos chama”. No meio do chamamento existem ruídos “que tapam os ouvidos”. João Santos – citando um colega – diz que o ruído é “o som que ninguém quer” porque “Deus é uma voz que se manifesta, mas manifestase no silêncio”. Quando o ruído existe “deixa de haver silêncio e Deus não se pode escutar”. Com 29 anos – nasceu a 23 de Fevereiro de 1981 – este seminarista vive e sente os momentos de silêncio na sua vida. “Eles foram surgindo, mais do que sendo eu a descobri-

los foram os momentos de silêncio que me foram encontrando” e “fui conhecendo melhor o rosto de Deus”. O ar sério – apesar da luminosidade do seu olhar – do João Santos contrasta com a alegria expansiva do Pedro Barros. São colegas de curso (ambos frequentam o 3 ano de Teologia) e entraram no Seminário após uma licenciatura. No meio de uma gargalhada, Pedro confessa que “não é sempre assim” (e continua a rir…). “O sorriso de Deus também passa por estes momentos” porque “uma caminhada não se faz meditabundo”. O sorriso é o que caracteriza a “essência de qualquer um de nós”. E pergunta: “Quem não quer ter um sorriso? Quem não quer dar um sorriso?” Na sua caminhada vocacional – com etapas de voluntariado missionário – o seminarista aveirense explica que no continente africano (Moçambique e Angola) também descobriu o sentido do sorrir. “O meu percurso vocacional começou muito por aí, a minha primeira experiência é, de facto marcada, pela essência do sorriso”. Descobriu no rosto do outro uma “nova forma de olhar a vida”. E acrescenta: “o sorriso é uma das marcas em África” e “trouxe este sorriso de África”. Pemba e Namaacha (Moçambique) e Luanda e Lwena (Angola) deixaram marcas na personalidade do seminarista de Santa Joana Princesa. A nostalgia daquele continente está patente na voz do Pedro. Carimbos do solo africano: “Tenho necessidade também de, às vezes, ir procurá-lo [sorriso] em África. Há um «bichinho» que marca” e “que ajuda a crescer, a crescer e a crescer…” É o mais novo de três irmãos. Os raios solares de Outono passam entre a pouca folhagem e iluminam as palavras do Vítor

Cardoso. Com uma experiência no Movimento dos Focolares, este seminarista concorda com a expressão: Os focolarinos são os «apóstolos do sorriso»: “exactamente… exactamente, os focolarinos têm a característica do sorriso”. E salienta: “Acreditamos num Deus amor”. O encontro com o Movimento dos Focolares levou-o a “fazer uma opção radical”. No ano de 2005 após ter concluído os estudos secundários chega o momento de “me lançar nesta aventura”. Faz um curso intensivo de italiano, em Roma. Regressa a Portugal e entrega “a carta de despedida na empresa”. Abandonou tudo, “nesta radicalidade”. As reacções dos colegas da empresa onde o Vítor Cardoso trabalhava foram diversas. “Alguns tiveram uma sensação estranha - não foi a questão de rir -, mas tentaram por tudo para eu abandonar esta ideia” – declarou o seminarista da Gafanha de Nossa Senhora do Carmo. Por sua vez, o director da empresa aceitou “muito bem e apoiou-me”. Até o dispensou dos dois meses que as normas laborais exigem no caso de despedimento por livre iniciativa. Um mês de mudanças totais e “decisivo”. Deixou a empresa e teve de contar a novidade em casa. “Propriamente, a família não sabia de nada”. Não escondeu o «segredo», mas – apesar de verem “o acompanhamento que estava a fazer a nível do Movimento dos Focolares – não sabiam da nova etapa. A partida foi “difícil”. No entanto – realça logo o Vítor Cardoso – o Evangelho diz: “quem deixa pai e mãe recebe cem vezes mais”. Não foi apenas essa a razão. “Deixava cá algo que foi construído em 33 anos”.


DIOCESE 9

O Mensageiro

25.Novembro.2010

Eventos a favor do Seminário

Visita Pastoral à Diocese

Festa da Padroeira e Concerto Festa do Seminário e bênção dos espaços renovados Convidamos todos os que se ocupam das vocações sacerdotais pela oração, testemunho e partilha, e quantos nos ajudaram a executar a primeira fase das obras no edifício do Seminário, para a festa da nossa Padroeira – a Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria – que se vai realizar na tarde do dia 8 de Dezembro, com início às 15h30, na igreja do Seminário. Do programa consta: - Eucaristia, presidida por D. António Marto, na qual farão a admissão às Ordens Sacras quatro alunos do nosso Seminário: Patrício Oliveira, Miguel Alves, Fábio Bernardino e Tiago Silva; - Bênção e visita aos

espaços renovados do edifício do Seminário – mandado construir por D. João Pereira Venâncio, entre os anos 1962 e 1965 –, e que se destinam à Comunidade do Seminário e à Casa de Retiros; - Inauguração de uma exposição de Presépios, evocativa do Natal do Senhor e da missão específica de uma casa de retiros: ser espaço de escuta e meditação da Palavra de Deus para que, como em Maria, também ela possa incarnar em nossas vidas e dar muito fruto. Concerto “CANÇÕES DE ESPERANÇA “ Por iniciativa de João Junqueira, antigo aluno do Seminário de Leiria, apoiada e assumida pela Associação de Antigos

Alunos do Seminário, irão realizar-se, no Centro Pastoral Paulo VI, em Fátima, nos dias 11 e 12 de Dezembro, dois espectáculos a favor das obras no edifício do Seminário Diocesano. É uma forma generosa e ousada de mostrar o quanto estão agradecidos pelo muito que receberam do Seminário. Mas esta gratidão não é, não deve nem pode ser só deles: é antes de toda a Diocese, pois ali se formaram e continuam a formar os que a servem a tempo inteiro, e ali estão alojados os serviços que dinamizam a comunidade diocesana, nos seus diferentes níveis de acção. Com este espectáculo, a apresentar no Sábado, às 21h00, e no Domingo, às 17h00, João Junqueira, acompanhado por 25 mú-

25 a 28 de Novembro sicos profissionais, mais alguns amigos, oferece duas horas de música de mensagem cristã, “provocadora e inquietante (…), e com sabor a um Natal de Jesus, tão arredado das preocupações dos homens de hoje”. Vamos, pois, encher a sala no Sábado e no Domingo. Não será difícil, se em todas as comunidades houver interesse em ajudar esta Instituição que tanto tem dado e continua a dar à vida da Diocese. A divulgação deste evento está a ser feita nas paróquias, movimentos e serviços diocesanos, e pela imprensa escrita e radiofónica; os bilhetes, ao preço de 12,50 €, podem também ser adquirir-se na portaria do Seminário. Padre Manuel Armindo Janeiro (Reitor)

Grupo de Acólitos do Santuário

Celebração dos 25 anos de existência

25 de Novembro (quinta-feira) 14h30 – Visita à igreja da Gracieira 15h00- Visita ao colégio 15h30 - Visita à loja Social 16h00 – Celebração da Eucaristia na igreja paroquial para as pessoas com mais de 60 anos. Concelebram os padres da Vigararia. Depois da missa haverá convívio. As pessoas devem trazer lanche para partilhar 17h30 – Reunião com os sacerdotes da Vigararia 19h30 – Jantar convívio com os membros da Assembleia Paroquial no refeitório do colégio 21h00 – Assembleia Paroquial no salão da igreja 26 de Novembro (sexta-feira) 14h30 – Visita à igreja de Ruge Água 15h00 – Visita ao Lar Casa do Povo 16h00 – Visita ao lar de São Pedro 17h00 – Visita guiada pelos lugares da paróquia. 18h00 - Visita à família de acolhimento (Cartaria) 19h30 – Jantar 21h00 – Reunião com os pais das crianças da catequese. Será no Centro Cultural Pe Petronilho. 27 de Novembro (sábado) 15h00 – Encontro com as crianças da catequese do 1º ao 6º ano 15h45 – Encontro com os adolescentes da catequese do 7º ao 10º ano 16h30 – Lanche 17h00 – Encontro com os crismandos 19h00 – Jantar 20h30 – Vigília de Oração e Sarau Musical para toda a paróquia na igreja. 28 de Novembro (domingo) 11h00 – Missa de encerramento na igreja paroquial com a administração do sacramento da Confirmação

Confraria de Nª. Sª. da Encarnação

Espectáculo na Igreja do Santuário

César Vicente

O Grupo de Acólitos do Santuário de Fátima (GASF) comemorou 25 anos de existência, no dia 14 de Novembro. Fundado em 1985, o GASF é constituído actualmente por 37 acólitos, com idades entre os 10 anos e os 40 anos. As comemorações das bodas de prata constaram da participação na missa, seguida de um almoço festivo, na Casa de Nossa Senhora do Carmo. A festa continuou durante a tarde com uma sessão comemorativa, no Salão de Nossa Senhora do Carmo, com o canto dos parabéns e com a partilha do bolo de aniversário. Encerrou com a fotografia de grupo. Cerca de cem pessoas participaram nas comemorações: os actuais acólitos do Santuário e os seus familiares, os antigos acólitos e os seus familiares directos, capelães e outras pessoas que têm acompanhado e ajudado os acólitos a melhor realizarem o seu trabalho. Na sessão comemorativa dos 25 anos do GASF esteve presente Mons. Luciano Guerra. Reitor do Santuário de Fátima entre 1973 e Setembro 2008, Mons. Guerra lembrou a criação do grupo. Depois, tomou da palavra o Padre Pinho, responsável

Albergaria dos Doze

pelo grupo durante alguns anos. Seguiram-se vários testemunhos de antigos e actuais acólitos e a projecção de fotografias que ilustram diversos momentos marcantes dos 25 anos de existência do grupo. A sessão terminou com uma palavra do actual Reitor do Santuário, Padre Virgílio Antunes. Assim como na homilia com se que iniciou esta jornada, o Reitor sublinhou a importância do Grupo de Acólitos para o Santuário. Na missa, no final da homilia, dirigindo-se directamente ao grupo, saudou-o com as seguintes palavras: “Caros amigos, acólitos actuais ou nestes últimos 25 anos! Pertencer a este grupo

foi e é um sinal da bondade de Deus para cada um de vós. Fostes chamados a uma relação de maior e mais próxima amizade com Ele, presente de um modo sacramental e real na Eucaristia, em que exerceis o vosso ministério. O mesmo Jesus que vos convidou, espera uma resposta decidida e alegre da vossa parte”. “Procurai aproveitar bem a vossa juventude e vivei-a com entusiasmo e com ideais grandes; aprofundai a vossa fé e comprometeivos a amar o Senhor com a vossa oração e a vossa a vida. Procurai dar sempre bom testemunho de Cristo junto dos vossos colegas e amigos, pois, sabendo que sois acólitos, eles esperam

de vós palavras e atitudes condizentes”, exortou o Reitor, que rezou “que o Beato Francisco Marto, patrono dos acólitos portugueses vos proteja e interceda por vós junto de Deus.” Vive-se o presente, recordou-se o passado e prepara-se o futuro do GASF, sempre com novos desafios. Para o director do SEPALI, o Padre Carlos Cabecinhas, é ponto assente que a grande aposta para este grupo de voluntários ao serviço de Nossa Senhora e do Santuário de Fátima passa pela formação. “Vamos tentar dar novo alento à formação, com um programa próprio”, refere o sacerdote.

No próximo dia 4 de Dezembro, pelas 15h00, na Igreja do Santuário de Nossa Senhora da Encarnação, terá lugar um espectáculo, a efectivar pelo Grupo Coral «Schola Cantorum Pastorinhos de Fátima», o qual é composto por crianças. Convidam-se todos os paroquianos a assistir, trazendo consigo as crianças, que irão gostar. A entrada é livre. A Direcção

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE LEIRIA

CONVOCATÓRIA

Nos termos do nº. 1 do Artº. 30º. do Compromisso, convoco os Irmãos da Irmandade da Santa Casa da Misericórdia de Leiria, para a Assembleia Geral Ordinária, a realizar no dia 27 de Novembro de 2010, às 14h30, no Lar Nossa Senhora da Encarnação, em Leiria, com a seguinte: Ordem de Trabalhos; 1 – Apreciação e votação do Plano de Actividades e do Orçamento para o ano de 2011. 2 – Informações. Se à hora marcada não estiver presente a maioria dos Irmãos, a Assembleia Geral funcionará, meia hora depois, desde que estejam presentes, pelo menos, 15 Irmãos, de acordo com o nº. 2 do Art.º 28º. do Compromisso. Deve trazer o cartão de Irmão Leiria, 28 de Outubro de 2010O Presidente da Assembleia Geral, António Martins Ribeiro


10 ECLESIAL

O Mensageiro 25.Novembro.2010

Leituras | I Domingo do Advento

(28/11/10)

Antífona de Entrada: Salmo 24, 1-3 Leitura I: Is 2, 1-5 Salmo Responsorial: Salmo 121 (122), 1-2.4-5.6-7.8-9 (R. cf. 1) Refrão: Vamos com alegria para a casa do Senhor. Repete-se Leitura II: Rom 13, 11-14 Aclamação ao Evangelho: Salmo 84, 8 Refrão: Aleluia. Repete-se; Mostrai-nos, Senhor, a vossa misericórdia e dai-nos a vossa salvação. Refrão EVANGELHO: Mt 24, 37-44 Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Como aconteceu nos dias de Noé, assim sucederá na vinda do Filho do homem. Nos dias que precederam o dilúvio, comiam e bebiam, casavam e davam em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca; e não deram por nada, até que veio o dilúvio, que a todos levou. Assim será também na vinda do Filho do homem. Então, de dois que estiverem no campo, um será tomado e outro deixado; de duas mulheres que estiverem a moer com a mó, uma será tomada e outra deixada. Portanto, vigiai, porque não sabeis em que dia virá o vosso Senhor. Compreendei isto: se o dono da casa soubesse a que horas da noite viria o ladrão, estaria vigilante e não deixaria arrombar a sua casa. Por isso, estai vós também preparados, porque na hora em que menos pensais, virá o Filho do homem. Palavra da salvação.

Cânticos | II Domingo do Advento (05/12/10) INÍCIO: Preparai os caminhos do Senhor – Lau 681 Abri as portas – Lau 128 SALMO RESPONSORIAL: Nos dias do Senhor – Lau 527

Comunidades da Bajouca e Tortosendo

Projectos Missionários em Marcha Comunidades da Bajouca e Tortosendo unem-se para dar melhores condições de vida em Moçambique, Timor, Haiti e Angola No passado dia 13 de Novembro a Celebração Eucarística, do sábado à noite, teve um brilho especial. Aconteceu, depois de um convívio que se desenrolou no olival em frente à Igreja Paroquial e que trouxe até nós elementos das comunidades paroquiais de Tortosendo, Covilhã, Unhais da Serra, Cortes, Peso, Coutada, Barco e Vales do Rio, da diocese da Guarda ligadas à comunidade da Bajouca, da diocese de Leiria-Fátima, na concretização de diversos projectos missionários já realizados e a outro que já está em curso, dinamizados pelos amigos do Verbo Divino tendo à cabeça o incansável P.e Soares. A celebração, presidida pelo nosso pároco, foi concelebrada pelo Sr. P.e Soares que, na homilia, começou por se referir à carta de S. Paulo aos Tessalonicenses, lida na segunda leitura, quando diz “não quisemos ser fardo para vós, antes quisemos ser exemplo para

vós”. E é este o exemplo a que as nossas comunidades de hoje são chamadas a testemunhar, disse. Referindo-se ao evangelho da liturgia da missa vespertina salientou que “ os templos exteriores caem, mas é nos nossos templos interiores que Deus realiza o Seu Reino.” De seguida chamou as duas irmãs da congregação de S. José de Cluny, presentes na celebração, irmã Rosa e irmã Laura, ambas da Bajouca parqa as apresentar à comunidade e dizer: “Nós não vivemos numa ilha isolada. Damos testemunho em muitas partes do mundo: só em Timor temos três elementos da nossa comunidade… somos sempre enviados pela comunidade que nos gerou, que nos ensinou a partilhar e exemplo disso foram os diversos projectos missionários que já levámos a cabo: água em Moçambique, casas para famílias de leprosos em Liquiçá, Timor e alimentação de crianças de duas escolas no Haiti.” No final da celebração foram lidas duas cartas, uma vinda do Haiti onde se dá conta que com os dez

mil euros recebidos, fruto das diversas iniciativas missionárias realizadas nas comunidades acima referidas, foi possível garantir a alimentação, durante um ano, a cerca de 500 crianças de duas escolas orientadas pelas irmãs de S. José de Cluny, bem como a compra de equipamento para as cozinhas das mesmas escolas. A outra vinda da Superiora das irmãs em Portugal a qual agradecia a generosidade da nossa comunidade e das outras comunidades participantes nos diversos projectos. De seguida o P.e Soares entregou, num ramo de flores, mais um cheque de três mil euros paro o projecto do Haiti. “Num ramo de flores porque queremos simbolizar a alegria que este dinheiro vai dar a muitas crianças.” Foram portadoras desse cheque as irmãs Rosa e Laura da mesma congregação das irmãs que trabalham no Haiti. Este cheque tal como o anterior, de dez mil euros, chegará ao Haiti através da casa – mãe em França. De seguida o P.e Soares anunciou o novo projecto: “ Meninos da

Rua em Luanda” Centro de Acolhimento Arnaldo Janssen. De salientar que os projectos anteriores tiveram como metas: a captação de água potável e a construção de uma horta comunitária, na missão de Chalaua, em Moçambique, para a qual as comunidades referidas contribuíram com 5 mil euros; A construção de oito casas em Liquiçá, Timor Leste, para doentes de lepra e respectivas famílias, no valor 11.582 dólares. Para o projecto do Haiti já tinham sido enviados anteriormente dez mil euros. No total e ao longo dos últimos quatro anos, estas comunidades já contribuíram com quase 30 mil euros para os projectos referidos! “Por tudo isto celebrámos a Eucaristia como acção de graças pela generosidade que Deus depositou nos nossos corações”, terminou o padre Sares convidando a assembleia a juntar-se a ele e cantar: Louvado Sejas, ò Meu Senhor”. fepe

o seu tempo, nada acontece de repente, nem nós podemos carregar na tecla de “avanço rápido”, é preciso um certo exercício de paciência para apreciar devidamente esta mudança. Lentamente se começam a perceber as coisas que nos rodeiam, as cores começam a brilhar, primeiro com tons vermelhos que se vão avivando até chegar à clara luz do dia. Mas apesar disso dá-se um momento em que tudo surge como de repente, quase sem estarmos preparados porque não o esperamos nesse momento. É o que os diz a liturgia deste 1º Domingo do Advento. São Paulo diz que o dia está próximo, Isaías exortanos a caminharmos à luz do Senhor e Jesus pede que estejamos preparados. O Sol nasceu com o nosso Baptismo e continua a trazer-nos sempre cada vez novas maravilhas, à medida que o tempo vai decorrendo Ele vai-se mostrando cada vez mais, iluminando também cada

vez melhor a nossa vida. É por isso que temos de agir de acordo com esta Luz que temos em nós, que nos permite estar prevenidos para a chegada do ladrão, que vem de noite: o pecado na linguagem de S. Paulo. Para a luta contra este ladrão, o verdadeiro inimigo, que está dentro de nós, não são precisas lanças nem espadas, metralhadoras ou mísseis. Jesus Cristo é a nossa única arma, pois só caminhando com Ele chegamos à luz. Mas devemos conhecer este inimigo para o tornar inofensivo, para que não nos apanhe desprevenidos. No princípio deste ano a liturgia exorta-nos a iniciar uma nova vida, não por medo do fim das coisas e do que esse fim nos pode trazer, mas porque grandes coisas nos esperam, novas maravilhas. E assim o velho é transformado em novo, o que não presta é transformado em coisas úteis. Mas não basta que o dia nasça, se temos uma venda à frente dos olhos, não vemos a luz por mais

que ela brilhe, não vemos o caminho por onde vamos, não vemos como o mundo é maravilhoso e assim haverá razões para dizer como Saramago no seu “manual da cegueira”: “Estamos cegos, Cegos que vêm, Cegos que vendo, não vêm”. O mundo em que vivemos, neste início de milénio está cheiro de desafios à humanidade. Ainda ontem apareciam notícias de uma coisa maravilhosa mas ao mesmo tempo terrível: a clonagem de um ser humano. Este é mais um sinal dos tempos que vivemos, cheios de luz mas ao mesmo tempo cheios de sombras. Por isso é necessário abrir os olhos para o mundo que nos rodeia e fazer algo, não fiquemos adormecidos, não percamos o que a vida tem para nos dar, para darmos algo à vida, nem que seja um copo de água. A aurora não é o dia mas o seu princípio.

APRESENTAÇÃO DOS DONS: Só no Espírito de Deus – Lau 625 COMUNHÃO: Senhor eu creio que sois Cristo – Lau 716 Recebestes um Espírito – Lau 759

AO SABOR DA PALAVRA

PÓS-COMUNHÃO: Lavanta-te Jerusalém – Lau 470 FINAL: Uma voz clama no deserto – Lau 837 Irmãos convertei – Lau 441

Cânticos | Solenidade Imaculada Conceição (08/12/10) INÍCIO: Salvé ó Virgem Maria – Lau 953 Salvé Mãe Imaculada – Lau 952

Pe. Francisco Pereira pe.francisco@mac.com

A Aurora

I Domingo do Advento

SALMO RESPONSORIAL: Cantai ao Senhor – Lau 201 APRESENTAÇÃO DOS DONS: Avé Maria – Lau 901 COMUNHÃO: O trigo que Deus semeou – Lau 618 O pão que comemos – Lau 570 PÓS-COMUNHÃO: A minha alma canta jubilosa – Lau 890 FINAL: Desde toda a eternidade – Lau 919 Tu és a glória de Jerusalém – Lau 968

Um dos mais bonitos espectáculos que a natureza nos dá é o nascimento do Sol. Quem já teve a oportunidade de observar um destes espectáculos diários certamente se apercebeu da sua beleza, quando a escuridão da noite se vai diluindo, como que numa luta entre a luz que teima em brilhar, e as trevas que pretendem continuar. Claro que tudo demora


IGREJA EM PORTUGAL 11

O Mensageiro

25.Novembro.2010

“Abrir o coração a Cristo” em Fátima

Cursilho Nacional de Homens e Mulheres Vai decorrer em Fátima, de 1 a 4 de Dezembro, integrando as Comemorações dos 50 Anos do Movimento dos Cursilhos de Cristandade em Portugal, um Cursilho de Homens e um Cursilho de Senhoras, provenientes das diversas dioceses do país que, durante aqueles dias irão abrir o seu coração a Cristo e viver a experiência de um encontro pessoal com Ele. É importante que todos os que se orgulham de ser cursilhistas, e se orgulham de ter vivido a experiência do cursilho, se desloquem a Fátima, nomeadamente no dia 3 à noite e no dia 4 a partir das 16h00 na Igreja da SSma Trindade, para participarem naquele que será o ponto alto das comemorações que têm vindo a decorrer ao longo deste ano. Que os cerca de 100 homens e mulheres que

estão a viver esta experiência, possam sentir no dia 4 de Dezembro, na numerosa assistência que virá de todas as dioceses do país e que irá encher de calor humano a Igreja da SSma Trindade, a alegria de ser cursilhista. Em Nota Pastoral que resultou da última Conferência Episcopal, e concretamente no que toca aos 50 Anos do Movimento dos Cursilhos de Cristandade em Portugal, é relevante a importância que o movimento continua a ter para a Igreja, assim como é evidente que a Igreja conta com o movimento para as tarefas que hoje urge desenvolver no contexto da nova evangelização. Diz a Nota Pastoral que: «… o Movimento dos Cursos de Cristandade foi actividade apostólica de grande êxito na Igreja no nosso país.»; realça a «…

experiência evangelizadora de que dão testemunho os cursilhistas ao longo de 50 anos, quer das pessoas, quer, através destas, dos ambientes sociais.». A terminar diz a Nota Pastoral: « Conhecemos o espírito cristão e a generosidade apostólica de muitos responsáveis do Movimento dos Cursos de Cristandade. Todos nós lhes estamos agradecidos e continuamos a esperar a sua colaboração, nunca negada e, agora, mais premente, nesta tarefa evangelizadora, em que estamos comummente empenhados numa hora inadiável de renovação pastoral.» É por isso grande a nossa responsabilidade perante a Igreja e diante de Cristo. A responsabilidade de, sendo assumidamente cristãos convictos, termos um papel importante, na colaboração com as estruturas diocesa-

nas, no acompanhamento e inserção eclesial de novos cristãos e na sua perseverança, no encontro e no diálogo com todos os que vivem nas trevas, desconhecendo a maravilha que é o amor de Cristo. A ti, que viveste a Graça de ires a um Cursilho de Cristandade, não deixes de estar em Fátima nestes dias. A tua força, o teu entusiasmo, a tua alegria, será o melhor acolhimento que estes novos Homens e Mulheres poderão receber. A Eucaristia de Encerramento, pelas 14h30 será presidida por D. Rino Passigato, Núncio Apostólico da Santa Sé em Portugal. Ao Encerramento pelas 16h00, digna-se presidir D. António Carrilho, Bispo da Diocese do Funchal e Presidente da Comissão Episcopal do Laicado e Família. Como Cristo, também nós contamos contigo.

I Congresso do Sector Solidário

Portugal precisa de um rumo solidário Clarificar a identidade e o papel das Instituições de Solidariedade Social e traçar uma linha de orientação comum para o futuro daquelas organizações é o objectivo do I Congresso do Sector Solidário, que está previsto para o próximo ano. A organização do evento, que terá como tema “Rumo Solidário Para Portugal”, estará a cargo da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), liderada pelo padre Lino Maia. De acordo com o sacerdote, o Sector Solidário tem dado sinais claros de que é fundamental para o país e, antes de mais, é preciso enquadrá-lo da melhor maneira possível. “O que é que ele representa, de que enquadramento legal precisa, o contributo que ele pode dar para a economia nacional, são questões em aberto”, explica à Agência ECCLESIA o presidente da CNIS, que antevê a iniciativa como “um bom momento de reflexão e um sinal para o país”. No entender da CNIS, é urgente que o Estado, sobretudo através da sua acção legislativa, reconheça a importância que as insti-

DIOCESE Começar o Advento

Recolecção para Catequistas Como anunciámos na semana passada, o Serviço Diocesano de Catequese propõe uma manhã de reflexão e oração para os catequistas da Diocese de Leiria-Fátima, pelo início do Advento. Este momento de reflexão será no sábado, dia 27 de Novembro, das 9h30 às 12h30, no Seminário de Leiria. Esta recolecção será orientada pelo padre José Lopes Baptista, e será uma oportunidade para começar o Advento com um espaço de formação espiritual, procurando aprofundar, na reflexão e na oração, a riqueza espiritual deste tempo de preparação para a celebração do Natal. Para participar, basta comunicar até ao dia 25 de Novembro para o Serviço Diocesano de Catequese pelo telefone 244 825 168, ou por correio electrónico: catequeseleiria@gmail.com.

Oração para jovens

Encontros Shemá na diocese Os “Encontros Shemá” são encontros de oração inspirados nas orações de Taizé. Pelo ambiente que se estabelece, que privilegia o canto e a oração meditada, os “encontros Shemá” têm como principais destinatários os jovens. Por isso não admira que sejam eles a acorrerem em massa a esta actividade. Para além da oração meditada e acompanhada por cânticos juvenis, em cada um dos encontros há um gesto que o marca e que é sempre diferente de encontro para encontro. Invariavelmente, também existe espaço para os participantes conviverem. Após cada “encontro Shemá”, é distribuído um chá e bolos por todos os presentes, proporcionando, desta forma, a troca de experiências. O convite é dirigido a todos os jovens, de modo especial aos que integram grupos paroquiais. Os encontros serão no Seminário de Leiria (entrada pelo lado da igreja) e terão início às 21h30 e ocorrem nas seguintes data: 29 de Outubro, 26 de Novembro, 17 de Dezembro, 28 de Janeiro, 25 de Fevereiro, 25 de Março, 29 de Abril e 27 de Maio.

Operação 2010

“Dez Milhões de Estrelas - um Gesto pela Paz”

tuições de solidariedade social têm para o país. Segundo o padre Lino Maia, este Orçamento de Estado para 2011, que prevê a eliminação de isenção do IVA para as organizações solidárias que efectuem obras, vem demonstrar que há ainda um longo caminho a percorrer, nesta matéria. “O Sector Solidário tem estado alocado a diplomas um pouco descontextualizados entre si, porque só recentemente é que se tomou consciência da sua dimensão e do seu impacto na sociedade” lamenta aquele responsável, para

quem importa não cortar as pernas às instituições. “Estamos em diálogo permanente com os vários partidos políticos para que haja, de facto, um novo enquadramento legal que permita pôr em marcha um serviço não geral mas especial, que as isente do IVA ou, pelo menos, o coloque a uma taxa muito inferior”, revela ainda. O anúncio da realização do I Congresso do Sector Solidário foi o principal destaque da Assembleia-geral da CNIS, que se realizou em Fátima no dia 13 de Novembro.

Naquela reunião, destaque ainda para a apresentação do projecto RESPOSTA – Responsabilidade Social e Promoção da Cidadania Activa. Um trabalho que, no contexto do próximo Ano Europeu do Voluntariado, pretende fomentar e desenvolver a colaboração voluntária nas instituições. “O voluntariado nas instituições ainda não é tão expressivo como poderia ser, por isso vamos lançar um projecto de captação e de apoio ao voluntariado, para que ele exerça a sua actividade de forma plena”.

Sensibilizar e educar os valores da justiça, da solidariedade e da paz, constitui o objectivo da operação “Dez Milhões de Estrelas – um gesto pela Paz”, que a Caritas leva, pelo 8º Ano consecutivo, aos portugueses neste natal, independentemente das convicções e situações individuais. “Dez Milhões de Estrelas – um gesto pela Paz” servese da simbologia da luz para dar visibilidade à esperança universal, evocada na noite de Natal, de um mundo mais justo e solidário. No contexto desta quadra festiva, as famílias são convidadas a fazer brilhar, na noite de natal, nas suas casas, a chama de uma vela, instrumento ao serviço da partilha de bens para com os mais pobres. Adquiri-la constitui um gesto de descentramento individual, mas também uma forma de ajudar numa causa social de âmbito internacional, (neste ano, 35% serão aplicados no apoio a um projecto de ajuda a crianças em risco em S. Tomé e Príncipe) e de colaborar na ajuda aos mais desamparados e desprotegidos, através da Caritas de cada diocese (65% reverterão para a acção social da Caritas). As velas custam 1 euro cada e já estão disponíveis na Caritas (antiga tipografia da gráfica).


12 IGREJA NO MUNDO

O Mensageiro 25.Novembro.2010

Divulgação

Auto-retrato do Papa é best-seller anunciado

O livro “Luz do Mundo - O Papa, a Igreja e os Sinais dos Tempos”, que resulta de uma entrevista entre Bento XVI e o jornalista alemão Peter Seewald, foi apresentado esta Terça-feira no Vaticano. Bento XVI dá-se a conhecer pelas suas próprias palavras e várias passagens (ver notícias relacionadas) foram já divulgadas por agências de notícias e pelo próprio jornal do Vaticano, «L’Osservatore Romano», merecendo grande destaque na imprensa mundial. Peter Seewald assegura que Bento XVI não fugiu a nenhuma das 90 perguntas nem “modificou as palavras pronunciadas”, propondo apenas “pequenas correcções” na transcrição final. O resultado é, para o autor, um diálogo franco e directo sobre os mais variados temas, desde as questões fundamentais para a Igreja e sociedade em geral aos seus filmes preferidos ou os Santos da sua devoção. O Papa confessa que depois da sua eleição, em Abril de 2005, esperava encontrar “paz e tranquilidade”, lembrando assim os sentimentos que surgiram naquela altura. A reflexão inicia o livro, com 18 capítulos, numa secção intitulada “Os Papas não caem do céu”, com Bento XVI a afirmar que estava “seguríssimo” de que não seria ele o escolhido para suceder a João Paulo II. Quanto às primeiras palavras proferidas, quando se apresentou como “trabalhador na vinha do Senhor”, o Papa diz que sempre “trabalhou em equipa”, como um de muitos operários, e que o líder da Igreja Católica “não é um monarca absoluto, que toma decisões sozinho e faz tudo por si próprio”. Bento XVI fala num “fio condutor” na sua vida: “O Cristianismo dá alegria, alarga os horizontes. Em definitivo, uma existência vivida sempre e apenas «contra» seria insuportável”. “Temos sobretudo de procurar que as pessoas não percam Deus de vista. Temos de procurar que elas reconheçam o tesouro que possuem. Temos de procurar que, depois, elas próprias, a partir da força da sua própria fé, entrem no

DR

«Luz do Mundo» apresentado no Vaticano

confronto com o secularismo e consigam concretizar a separação dos espíritos. Este enorme processo é a verdadeira, a grande missão deste tempo”, afirma. O Papa fala de “forças de destruição” na sociedade actual e pede atenção quando se trata de avaliar a sua missão, mostrando-se preparado para as críticas: “Se recebesse apenas consensos, teria de perguntar-se se estaria a anunciar verdadeiramente o Evangelho”. “Pobre mendigo diante de Deus”, Bento XVI diz que, perante a modernidade, é necessária uma “grande luta espiritual” para afastar e distinguir “aquilo que se está a tornar uma contra-religião”. A Igreja, observa, não é um “aparelho”, pronta para “fazer de tudo”, mas um “organismo vivo, que vem do próprio Cristo”, apesar dos seus limites. Bento XVI convida a falar do “mundo melhor” para lá da vida material, professado pela fé cristã, e PUB

não apenas em “respostas concretas para o hoje, soluções para as tribulações quotidianas”. O Papa diz que os temas da eternidade são como “pão duro” para a humanidade de hoje, pelo que os cristãos têm de “encontrar palavras e modos novos para permitir ao homem destruir o muro do som do finito”. Num excerto da obra, Bento XVI afirma que pode haver casos pontuais, “justificados”, em que admite o caso do preservativo. O Vaticano veio já a público desmentir algumas “interpretações” dadas a estas palavras e, em comunicado do seu porta-voz, padre Federico Lombardi, sublinha que “o Papa não justifica moralmente o exercício desordenado da sexualidade, mas defende que o uso do preservativo para diminuir o perigo de contágio é «um primeiro acto de responsabilidade», «um primeiro passo na estrada para uma sexualidade mais humana», mais do que

o não fazer uso do mesmo expondo o outro a um risco de vida”. A conversa entre Bento XVI e Seewald - que já por duas vezes tinha entrevistado Joseph Ratzinger, ainda cardeal – decorreu na residência pontifícia de Castel Gandolfo, perto de Roma, entre os dias 26 e 31 de Julho. As duas anteriores entrevistas a Seewald tornaram-se os «best-sellers» “Deus e o mundo” (2001) e “O Sal da Terra” (1997). O livro estará disponível em Portugal no final de Novembro.

Nova Evangelização Encontros para adolescentes, jovens e adultos

Segundas e Quintas-feiras, 21h00 Até 6 de Dezembro Salão Paroquial (junto à igreja dos Marrazes, Leiria)


OPINIÃO 13

O Mensageiro 25.Novembro.2010

TESTEMUNHAS DO AMOR

Pe. Jorge Guarda

Vigário Geral da Diocese

Padre Cândido Pedrosa

H

oje quero falar de um amigo, o padre Cândido Pedrosa, da diocese de Braga (1945-2009). Um grupo de casais promoveu a edição do livro “Palavras de vida... gestos de amor” em sua memória. Nele regista um leque abundante de testemunhos de pessoas que beneficiaram do amor e da relação com ele quer na sua vida pessoal quer no ministério sacerdotal. Vou salientar três modos de amar que nele se evidenciaram: a relação, a doação e o serviço. Primeiro, o amor como relação de afecto, atenção e ajuda aos outros. Os sobrinhos testemunham a sua presença na família: “Aproveitávamos a tempo para dialogar com ele, escutando as suas palavras sábias, para

COMENTÁRIO

Orlando Fernandes Jornalista

O principal culpado

D

e um momento para o outro Teixeira do Santos passou a ser o alvo a abater. Especialmente para o PS. Especialmente para o PS. Basta escutar o que dizem alguns deputados do PS, numa surdina audível. Ou o que insinua An-

partilhar alegrias e tristezas, sucessos e insucessos, para comungar as suas ideias e opiniões, para beber com sofreguidão o exemplo de um homem simples, mas de enorme riqueza interior. Ele ficava contente com o sucesso e conquista de todos, mas quando era necessário chamar a atenção para aspectos que considerava menos positivos, fazia-o com desassombro, espírito de verdade e coragem”. Um sacerdote sublinha o valor da sua relação de amizade: “As conversas com ele nunca eram banais. Respirava espiritualidade e acção pastoral em toda a sua pessoa”. Aponta o seu jeito para cativar os jovens para seguirem Jesus: “Sim, o jeito é, sobretudo, o testemunho...”. E também o seu gosto pelas pessoas e o “carinho especial pelos idosos e pelas crianças”. Era igualmente “muito amigo dos padres, a quem chamava pelo nome”. Outro modo de amar foi a doação incondicional de si mesmo e dos seus bens. Uma testemunha diz que este padre “viveu para as suas comunidades, doou-se por inteiro aos outros, gastou todos os segundos que Deus lhe deu a amar”. Outra pessoa declara que ele “usava a sua sensibilidade e bondade para compreender e fazer os outros felizes, sem nunca se apresentar como autor ou protagonista da acção”. Ele próprio con-

fessa a comunhão de bens que viveu, “ao ponto de não amealhar, mas partilhar, sem nunca me faltar nada para uma vida digna, mas simples e sóbria em todos os aspectos”. Na doença, via e amava a presença de Jesus crucificado a quem dizia: “És tu, Senhor, o meu único bem”. Um médico, que o acompanhou, atesta que ele “viveu a sua doença com a mesma dignidade que viveu na sua vida”. O serviço generoso foi outro dos seus modos de viver o amor. Fê-lo nas várias missões que assumiu: formador e director espiritual no Seminário, pároco, professor de educação moral e religiosa, presidente da Confraria do Bom Jesus e do Conselho de Administração dos Hotéis do Bom Jesus, responsável dos sacerdotes ligados ao movimento dos focolares, conselheiro espiritual de equipas de casais... Sabia cativar pessoas, propor-lhes tarefas e trabalhar com elas, valorizando-as e incentivando-as nas responsabilidades que assumiam. Acolhia e valorizava também os vários movimentos eclesiais de apostolado e espiritualidade, como testemunha uma pessoa de uma das novas comunidades: “Granjeámos a simpatia e a aceitação por parte do padre Cândido, que sempre nos considerou como forças vivas da paróquia, dando-nos todo o apoio, celebrando connosco

e connosco partilhando as suas alegrias, os seus sofrimentos, a sua vida...”. Um paroquiano resume assim o legado de amor do seu pároco: “Além da importante obra material, deixa um testemunho eloquente de amor a Deus no amor a todos e a cada um, um estilo de vida centrado na comunhão e adaptado aos sinais dos tempos”. Um amigo salienta o seu agir pastoral: “Com o timbre mariano, sabia criar espaços para todos os seus paroquianos, e quem o conhecia de perto ficava sensibilizado pelo modo como ele convidava as pessoas para caminharem juntos na construção do reino de Deus”. E resume nestas palavras o jeito de amar do padre Cândido: “Ele não passava por cima, superficialmente, das dores e imprevistos que podem investir a vida humana. Mas sempre sabia indicar horizontes de esperança, pois ele partilhava, na escuta e na oração, o caminho humano e espiritual de cada um. Jamais desvinculava o bem espiritual de cada pessoa, da sua própria história, projectos e necessidades. Homem eucarístico, homem da Palavra e homem fraterno. Nesta tríplice comunhão de vida alimentava pessoas, comunidades e instituições”.

tónio Vitorino, quando referiu que o Governo andou demasiado tempo distraído com o avolumar da dívida pública. Ou o eloquente grau deste PS, Vital Moreira. Sócrates está, claro, isento de culpas, pelo menos por agora. Embora já comecem a ser lançados os primeiros candidatos à sua sucessão. O PS move-se e, como sempre, isso é motivo de preocupação. Não deixa de ser, no entanto, curioso como o ministro Teixeira dos Santos se transformou por milagre no inimigo público nº 1 do PS. Engano: o máximo que pode ser é o inimigo público nº 2, porque o nº 1 é José Sócrates que já deixou de ser o homem imaculado do partido. Pronto a ser substituído, portanto. Sabe-se que o que aflige os ilustres do PS não é que o ministro tenha sido bom ou mau a controlar o défice e os desvarios do partido no Governo e

desbaratar os dinheiros públicos. O problema é mais profundo. Diríamos mesmo ideológicos: o PS pode perder as eleições e centenas de “boys” e amigalhaços podem perder o seu naco de poder e de remuneração devido a esse serviço à causa partidária. Há algum tempo, um conhecedor dos meandros da finança nacional diziame que Portugal tinha um problema grave em termos internacionais: Teixeira dos Santos não era um ministro simpático, que vendesse uma imagem moderna e de confiança do País. E acrescenta outra razão para Portugal, há um ano, ter sido desconsiderado face à Irlanda, então vista como exemplo de reformas radicais para controlar o défice (com os resultados desastrosos que se conhecem): não temos uma política eficaz de relações públicas no mundo que

importa, o financeiro. E, em RP, os irlandeses batiam-nos aos pontos. Dava um outro dado: não tinha sido por acaso que o “Financial Times”, quando analisou a acção dos ministros das Finanças da UE, tinha colocado Teixeira dos Santos nos últimos lugares. Ou seja, vivemos num mundo em que não é só a política que está refém da imagem: as finanças também estão. E, claramente, Teixeira dos Santos não tem a imagem de um vendedor de Portugal ao mundo financeiro. Compraria chocolates a Teixeira do Santos se este lhe aparecesse à porta? Talvez não. Mas o certo é que ele foi, durante muito tempo, o suporte de credibilidade de José Sócrates no Governo. Ainda hoje, quando se olha para o elenco governativo, quem se pode destacar pela positiva? Pois é. É por isso, com medo

PUB

Ficha de Assinatura Assinaturas normal/benfeitor: 20/40 Euros (Nacional), 30/60 euros (Europa) e 40/60 (Resto do Mundo) Nome: ___________________________________________ ____________________________________________ Rua: _____________________________________________ _______________ N.º _______________ Localidade: ____________________________ C. Postal: _____ - ____________________ Telf.: _______________________________ E-mail:___________________________@_______________ Enviar esta ficha, recortada ou fotocopiada, para: O Mensageiro - Lg. Padre Carvalho - 2414-011 LEIRIA ou forneça-nos os seus dados através do endereço de correio electrónico jornal@omensageiro.com.pt

das eleições, que os socialistas viram as baterias para o ministro das Finanças. Acham que com outro titular da pasta, tudo se poderia compor. O drama de Teixeira dos Santos é o deste Governo: está cansado de governar. O que o PS não entende é que o seu drama, e o do PS, não são neste momento a presença de Teixeira dos Santos no Governo ou uma remodelação após a aprovação do OE. É sim o de mostrar aos portugueses que pode ter uma solução para o conflito cada vez mais evidente entre as exigências dos mercados e as dos cidadãos que se confrontarão com uma austeridade severa. O que levanta outra questão, central para o futuro das democracias ocidentais: com esta fragilidade dos Estados face aos mercados, estes têm o poder de exigir poderes fortes. Ou seja, a democracia como

a conhecemos, poderá ser o elo mais fraco para quem empresta dinheiro. Especialmente face a governos fortes que eliminem qualquer contestação. O crescimento vai ser uma miragem nos próximos anos e é para essa batalha que o PS (e o PSD) se deveriam preparar, em vez de se entreterem em guerrilhas parvas sobre quem poderá colocar “boys” no aparelho de Estado e nas empresas que domina. O inimigo público nº 1 do PS não é Teixeira dos Santos, mesmo com todos os erros que acumulou ao longo dos anos nas Finanças. O seu inimigo é a incapacidade para ver quem é o inimigo principal. E ele é a sua incapacidade para perceber o que vai estar em causa em Portugal e no seu sistema político nos próximos anos.


14 INSTITUCIONAL Cartório Notarial de Leiria A cargo do Notário Pedro Tavares Certifico para Escrituras Diversas nº 197-A de folhas quarenta e sete a folhas quarenta e oito verso se encontra exarada uma escritura de justificação Notarial no dia dezassete de Novembro de 2010. Outorgada por Manuel de Jesus Francisco e mulher Maria de Lurdes Mota dos Santos, casados no regime da comunhão geral, naturais de Milagres, Leiria, residentes em Bidoeira de Cima, Leiria, nif 136 907 172 e 136 907 180; Disseram os primeiros: Que são donos e legítimos possuidores dos seguintes imóveis, a que atribuem iguais valores aos patrimoniais: um: Prédio rústico, composto por pinhal, com quatrocentos e cinquenta metros quadrados, que confronta a norte com Manuel da Silva, sul Luís da Silva Rei, nascente caminho e poente Manuel da Silva Rei, sito em Cavaditas na freguesia de Bidoeira de Cima, do concelho de Leiria, não descrito na Conservatória, inscrito na matriz sob o artigo 6098 de Milagres, com o valor patrimonial tributário de 75,16€; dois: Prédio rústico, composto por pinhal, com duzentos e noventa metros quadrados, que confronta a norte com Joaquina de Jesus Oliveira, sul Manuel de Oliveira, nascente Manuel de Oliveira e poente Manuel Francisco Luís, sito em Cavaditas na freguesia de Bidoeira de Cima do concelho de Leiria, não descrito na Conservatória, inscrito na matriz sob o artigo 6099 de Milagres, com o valor patrimonial tributário de 35,37€; Que os referidos prédios vieram à sua posse por doação meramente verbal que lhes foi feita por volta do ano de mil novecentos e setenta e quatro por José Francisco e mulher Joaquina de Jesus, pais dele, residentes que foram em Bidoeira de Cima, Leiria. Que, assim, vêm possuindo esses prédios como seus, há mais de vinte anos, como proprietários e na convicção de o serem, plantando, cortando e vendendo árvores, cumprindo as obrigações fiscais a eles relativas, posse que vêm exercendo ininterrupta e ostensivamente, com conhecimento de toda a gente e sem oposição de quem quer que seja, assim de modo pacífico, contínuo, público e de boa fé, pelo que adquiriram por usucapião a propriedade sobre os indicados imóveis. Que dada a forma de aquisição originária não têm documentos que a comprovem. Que para suprir ta título vêm pela presente escritura prestar estas declarações de justificação com o fim de obter no registo predial a primeira inscrição de aquisição dos referidos prédios. Vai conforme a original na parte fotocopiada não havendo na parte omitida nada que amplie restrinja, modifique ou condicione a parte fotocopiada. Leiria dezassete de Novembro de dois mil e dez. A Funcionária, (Leonor Pereira)

CARTÓRIO NOTARIAL DA BATALHA Notária: Sónia Marisa Pires Vala Certifico, para fins de publicação, que por escritura lavrada hoje, exarada de folhas nove a folhas dez, do Livro cento e Sessenta e Nove – B, deste Cartório. Manuel Oliveira dos Reis, NIF 154 407 992, casado com Deolinda Ferreira da Silva Reis, NIF 154 407 984, sob o regime da comunhão geral, naturais, ele da freguesia de Nossa Senhora das Misericórdias, concelho de Ourém, e ela da freguesia de Boa Vista, concelho de Leiria, onde residem na Rua N. Senhora das Dores, nº 54, declaram que, com exclusão de outrem, são donos e legítimos possuidores do prédio rústico, composto de pinhal atravessado por caminho, com a área de trezentos e noventa metros quadrados, sito em Outeiro da Rosa, freguesia de Boa Vista, concelho de Leiria, a confrontar de norte com Herdeiros de José Francisco Barbeiro, de sul com Manuel Antunes Faria, de nascente com José Severino e de poente com José Francisco, não descrito na Segunda Conservatória do Registo Predial de Leiria, inscrito na matriz sob o artigo 21, com o valor patrimonial de €1,39. Que, a sua representada adquiriu o identificado prédio, no ano de mil novecentos e cinquenta e quatro, ainda no estado de solteira, por doação verbal de Emília Ferreira e marido, Joaquim Antunes da Silva, seus pais, residentes que foram em Boa Vista, Leiria, não dispondo os justificantes de qualquer titulo formal para o registar na Conservatória. Que em consequência daquela doação verbal, estão na posse do identificado prédio, em nome próprio, há mais de vinte anos, sem a menor oposição de quem quer que seja desde o seu inicio, posse que sempre exerceram sem interrupção e ostensivamente com o conhecimento de toda a gente e a prática reiterada dos actos habituais de um proprietário pleno, com o amanho da terra, recolha de frutos conservação e defesa da propriedade, pagamento das contribuições e demais encargos, pelo que, sendo uma posse pacífica, contínua, pública e de boa fé durante aquele período de tempo, adquiriram o identificado prédio por usucapião. Batalha, dezassete de Novembro de dois mil e dez. A funcionária com delegação de poderes, (Assinatura ilegível)

F. Costa Pereira Médico Especialista Doenças da boca e dentes

O Mensageiro 25.Novembro.2010

EDITAL N.º 143/10 PROCESSO DE LOTEAMENTO N.º 40/79 Lino Dias Pereira, Vereador do Pelouro de Ordenamento do Território e Urbanismo da Câmara Municipal de Leiria, torna público aos proprietários dos lotes constantes do alvará de loteamento n.º 343, emitido em 1980/06/06, para efeitos do disposto no n.º 3 do artigo 27.º do Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, na redacção que lhe foi dada pelo Decreto-Lei n.º 26/2010, de 30 de Junho, conjugado com o previsto no art.º 17.º do Regulamento de Operações Urbanísticas do Município de Leiria, que em 2010/04/28 deu entrada, nesta Câmara, um pedido referente à alteração às especificações constantes da licença do loteamento sito em Rua dos Vasos, Quinta dos Vasos, na localidade de Cruz d’Areia, freguesia de Leiria, deste concelho, cujo licenciamento decorre os seus trâmites em sede do processo n.º 40/79. O pedido é apresentado por Francisco Maria Cardoso, incide sobre o lote n.º 2, descrito na Conservatória do Registo Predial de Leiria sob o n.º 112 e inscrito na matriz rústica sob o artigo 5 (parte) da freguesia de Leiria, e consta, na generalidade, das seguintes alterações: • Área máxima de implantação de 115m²; • Alteração do uso do rés-do-chão de comércio para habitação; • Construção de cave para parqueamento automóvel; • Profundidade máxima de 1.30m, para os corpos balançados do lado norte, a partir do limite da área máxima de implantação; • Profundidade máxima de 1.80m, para os corpos balançados do lado sul, a partir do limite da área máxima de implantação; • A redução da distância da habitação ao eixo da Rua dos Vasos de 8,00m para 7,50m; • Construção de sótão para o uso exclusivo de arrecadação, das fracções, utilizando somente a zona vazada criada pela pendente da cobertura, sendo a mesma caracterizada, por um pé direito máximo de 2.50. Todos os proprietários dos lotes inseridos no referido loteamento, dispõem do prazo de dez dias, contados a partir do primeiro dia útil seguinte ao da publicitação deste edital, para se pronunciarem por escrito sobre a alteração pretendida, caso assim o entendam. Para eventual consulta, informa-se que o respectivo processo se encontra patente na Secção de Apoio Administrativo ao Departamento de Operações Urbanísticas, sito na Rua da Cooperativa, S. Romão, freguesia de Pousos, todos os dias úteis entre as 09:00 horas e as 15: 30 horas. Leiria, 15 de Novembro de 2010 POR DELEGAÇÃO DO PRESIDENTE DA CÂMARA O VEREADOR, (LINO DIAS PEREIRA)

Cartório Notarial de Leiria A cargo do Notário Pedro Tavares Certifico, para fins de publicação, que neste Cartório e no Livro de Notas para Escrituras Diversas nº 197-A de folhas cento e sete a folhas cento e oito verso se encontra exarada uma Escritura de Justificação Notarial no dia dezanove de Novembro de 2010. Outorgada por Manuel de Jesus Francisco e mulher Deolinda da Natividade Vieira Pedro, casados no regime da comunhão de adquiridos, naturais de Souto da Carpalhosa, Leiria e Bidoeira de Cima, Leiria, residentes na Rua da Cavada nº 112, Mata da Bidoeira, Bidoeira de Cima, Leiria, nif 180 103 270 e 131 330 438. Disseram os primeiros: Que, com exclusão de outrem, ele é dono e legítimo possuidor dos seguintes imóveis: Um: prédio rústico, composto por terra de semeadura com área de mil duzentos e dez metros quadrados, a confrontar do norte, nascente e poente com Manuel Francisco e sul Silvino Cordeiro, sito em Cavadas, na freguesia de Bidoeira de Cima do concelho de Leiria, não descrito na Segunda Conservatória do Registo Predial deste concelho, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 11.463 de Milagres, com o valor patrimonial tributário de 726€, igual ao atribuído; Dois: prédio rústico, composto por terra de semeadura, com a área de mil e nove metros quadrados, a confrontar do norte com Manuel Arlindo da Silva Gaspar, sul Gracinda de Jesus Costa, nascente António Cordeiro da Costa e poente Agostinho da Costa, sito em Vale do Tejo, Mata da Bidoeira, na freguesia de Bidoeira de Cima do concelho de Leiria, não descrito na Segunda Conservatória do Registo Predial deste concelho, inscrito na respectiva matriz sob o artigo 11.728 de Milagres, com o valor patrimonial tributário de 1030€, igual ao atribuído. Que os referidos prédios vieram à posse dele por doação meramente verbal que lhe foi feita a ele por volta do ano de mil novecentos e setenta e seis pelos pais Joaquim Francisco e Emília de Jesus, residentes que foram em Jã da Rua, Souto da Carpalhosa, Leiria. Que, assim, ele vem possuindo esses prédios como seus, há mais de vinte anos, como proprietário e na convicção de o ser, cultivando-os e colhendo os seus frutos, cumprindo as obrigações fiscais a eles relativas, posse que vem exercendo ininterrupta e ostensivamente, com conhecimento de toda a gente e sem oposição de quem quer que seja, assim de modo pacífico, contínuo, público e de boa fé, pelo que adquiriu por usucapião a propriedade sobre os indicados imóveis. Que dada a forma de aquisição originária não tem documentos que a comprovem. Que para suprir tal titulo vêm pela presente escritura prestar estas declarações de justificação com o fim de obter no registo predial a primeira inscrição de aquisição dos referidos prédios. Vai conforme ao original na parte fotocopiada não havendo na parte omitida nada que amplie restrinja, modifique ou condicione a parte fotocopiada. Leiria dezanove de Novembro de dois mil e dez. A Funcionária, (Leonor Pereira)

Divulgação

Tribunal Judicial de Leiria 4º Juízo Cível 2ª Publicação ANÚNCIO Processo: 5820/08.5TBLRA Acção de Processo Sumário N/ Referência; 5638530 Data: 25-10-2010 Autor: Santa Casa da Misericórdia de Leiria Réu: João António Garcia Rodrigues Nos autos acima identificados, correm éditos de 30 dias, contados da data da segunda e última publicação do anúncio, citando: Réu: João António Garcia Rodrigues, NIF – 184834570, BI – 7426429, domicílio: Rua Damião de Góis, N.º 14, 2400-128 Leiria com última residência conhecida na morada indicada para, no prazo de 20 dias, decorrido que seja o dos éditos, contestar, querendo, a acção, com a cominação de que a falta de contestação importa a confissão dos factos articulados pela autora e que em substância o pedido consiste, no pagamento à autora, de mensalidades de serviços prestados e despesas suportadas, no montante de € 17.588,96 (dezassete mil quinhentos e oitenta e oito euros e noventa e seis cêntimos), acrescidas dos respectivos juros, tudo como melhor consta do duplicado da petição inicial que se encontra nesta Secretaria, à disposição do citando. O prazo acima indicado suspende-se, no entanto, nas férias judiciais. Fica advertido de que é obrigatória a constituição de mandatário judicial. O Juiz de Direito, (Dr. José Carlos Saraiva) O Oficial da Justiça, (Margarida Moderno) O MENSAGEIRO • Edição 4835 • 25/11/10

Rua João de Deus, 25- 1º Dt. - LEIRIA CONSULTAS COM HORA MARCADA 2ª, 4ª e 5ª: 11h-13h e 15h-19h, 3ª: 10h-13h e 15h-19h, Sábados: 9h30-15h Tel. 244 832406

JOGOS | N.º 46/2010 (Confirme em www.jogossantacasa.pt) Euromilhões: 12, 15, 32, 36, 45 + 7, 9 Totoloto: 10, 21, 22, 26, 36, 42 + 18 Loto2: 3, 4, 5, 25, 27, 46 + 42 Joker: 6 1 3 1 5 7 4 Totobola: 212 121 X1X 2211 FÁRMÁCIAS DE SERVIÇO Sanches (18), Tomaz (19), Avenida (20), Baptista (21), Central (22), Godinho Tomaz (23), Higiene (24) e Antunes (25).

Registo no ICS N.º 100494 Semanário - Sai à 5ª Feira Tiragem média - 3.000

TELEFONES ÚTEIS

Bombeiros Municipais - 244 832 122 | Bomb. Vol. Leiria (Ger.) - 244 882 015 | Bomb. Vol. Leiria (Urg.) - 244 881 120 | Bomb. Volunt. Batalha - 244 765 411 | Bomb. Volunt. P. Mós - 244 491 115 | Bomb. Volunt. Juncal - 244 470 115 | Bomb. Volunt Ourém - 249 540 500 | Bomb. V. M.te Redondo - 244 685 800 | Bomb. Volunt. Ortigosa - 244 613 700 | Bomb. Volunt. Maceira - 244 777 100 | Bomb. Vol. Marinha - 244 575 112 | Bom. Volunt. Vieira - 244 699 080 | Bom. Voltun. Pombal - 236 212 122 | Brigada de Trânsito - 244 832 473 | Câmara M. de Leiria - 244 839 500 | Câmara Eclesiástica - 244 832 539 | CENEL (Avarias) - 800 246 246 | C. Saúde A. Sampaio - 244 817 820 | C. Saúde Gorjão Henriques - 244 816 400 | C. P. (Est. de Leiria) - 244 882 027 | Cruz Vermelha - Leiria

- 244 823 725 | Farmácia Avenida - 244 833 168 | Farmácia Baptista - 244 832 320 | Farmácia Central - 244 817 980 | Farmácia Coelho - 244 832 432 | Farmácia Higiene - 244 833 140 | Farmácia Lino - 244 832 465 | Farmácia Oliveira - 244 822 757 | Farmácia Sanches - 244 892 500 | Governo Civil - 244 830 900 | Guarda N. Republicana - 244 824 300 | Hospital de S.to André - 244 817 000 | Hospital S. Francisco - 244 819 300 | Polícia Judiciária - 244 815 202 | Polícia S. Pública - 244 859 859 | Polidiagnóstico - 244 828 455 | Rádio Táxis - 244 815 900 | Rádio Alerta - 244 882 247 | Rodoviária do Tejo - 244 811 507 | Teatro JLS (Cinema) - 244 823 600

Fundador José Ferreira Lacerda Director Rui Ribeiro (TE416) Redacção Luís Miguel Ferraz (CP5023), Pedro Jerónimo (CP7104), Joaquim Santos (CP7731), Ana Vala (CP8867). Paginação O Mensageiro Colaboradores Ambrósio Ferreira, Américo Oliveira, Ângela Duarte, Carlos Alberto Vieira, Carlos Cabecinhas (Pe.), José Casimiro Antunes, Francisco Pereira (Pe.), D. João Alves, João Filipe Matias (CO798), Joaquim J. Ruivo, Jorge Guarda (Pe.), José António C. Santos, Júlia Moniz, Maria de Fátima Sismeiro, Orlando Fernandes, Paulo Adriano Santos, Pedro Miguel Viva (Pe.), Saúl António Gomes, Sérgio Carvalho, Verónica Ferreirinho, Vítor Mira (Pe.). Administração / Publicidade Pedro Viva (Pe.). Propriedade/Sede (Editor) Seminário Diocesano de Leiria - Largo Padre Carvalho - 2414-011 LEIRIA - Reitor: Armindo Janeiro (Pe.) Contribuinte 500 845 719 Contactos Tel.: 244 821 100/1 - Fax: 244 821 102 - Email: jornal@omensageiro.com.pt - Web: www.omensageiro.com.pt Impressão e Expedição CORAZE - Oliveira de Azeméis - Tel: 256 600 580 / Fax: 256 600 589 - E-mail: grafica@coraze.com Depósito Legal 2906831/09

Tabela de Assinaturas para 2010 Destino Nacional Europa Resto do Mundo

Normal Benfeitor 20 euros 40 euros 30 euros 60 euros 40 euros

Preço avulso - 0,80 euros


DESPORTO 15

O Mensageiro 25.Novembro.2010

Triatlo | CDP e COP distinguem João Pedro Silva

FOTOJORNALISMOS

Atleta do ano

Prova superada! Quatro jogos, quatro vitórias na Challenge Cup e um lugar nos 1/16 final. O feito é da equipa de seniores femininos da Juve Lis, que na terceira ronda conseguiu uma dupla vitória (31-14 e 33-22), em Leiria, frente à Stopinu N.H.K. Foto: Pedro Jerónimo/Arquivo

Que grande galo! A U. Leiria não foi além de um empate (1-1) na recepção ao Gil Vicente (II Liga), depois da derrota (2-3) em Barcelos. Contas feitas às duas mãos, a equipa da cidade do lis diz adeus à Taça da Liga, tal como fizera à Taça de Portugal, também em casa, frente à U. Madeira (II Divisão). Foto: João Filipe Matias

com vista a uma consolidação da posição que ocupo no ranking [5.º lugar] de qualificação olímpica é a próxima meta”, finalizou. Depois da distinção de Jovem Promessa, pelo CDP em 2006, foi agora a vez de João Pedro Silva, 21 anos, ser eleito Atleta do Ano, na companhia de Telma Monteiro (judo). Recorde-se que Fernando Pimenta (canoagem), João Pina (judo), Pedro Torres (equestre) e Pedro Leal (râguebi) eram os restantes candidatos à distinção. O reconhecimento ao jovem da Benedita foi feito no decorrer da 15.ª Gala do Desporto, promovida pelo CDP no dia 16 de Novembro, e que distinguiu ainda a Selecção Nacional de Sub-23 de Canoagem (Equipa), Joana Vasconcelos (Jovem Promessa) e Tomaz Morais (Treinador). Ainda no decorrer da mesma, e sob o mote “Cem Desportistas, Cem Anos da República”, foram ainda homenageadas algumas personalidades ligadas ao desporto, como o ex-futebolista Eusébio, a ex-maratonista Rosa Mota illips Paul Ph

Duplamente o melhor do ano. Depois do reconhecimento do Comité Olímpico de Portugal (COP), foi agora a vez da Confederação do Desporto de Portugal (CDP) de distinguir João Pedro Silva, natural da Benedita, Alcobaça. Um ano em cheio para o triatleta que representa o Clube Olímpico de Oeiras. Campeão europeu de Sub-23, vencedor da Taça do Mundo de Monterrey e 5.º lugar no ranking mundial são alguns dos feitos de João Pedro Silva, em 2009/10. “O balanço da época é extremamente positivo, devo confessar que foi um ano em grande em termos de resultados”, começou por comentar. Relativamente aos reconhecimentos do COP e da CDP, o atleta encara-os como “um reconhecimento de que o que está a ser feito está a ser bem feito, e claro, dá uma motivação extra e um não querer desiludir quem confia em nós, é um incentivo para procurar ser melhor”. Após uma época em cheio, culminar de um percurso em crescendo, já se fala nos próximos Jogos Olímpicos. “Londres 2012 é uma meta muito distante, só consigo viver com objectivos a mais curto prazo, portanto melhorar

Natação | Leiria

Futebol | Leiria

Futebol | Fátima

Quarenta e dois títulos. O feito é do Bairro dos Anjos (BA) – equipas feminina e masculina – no Campeonato Distrital de Piscina Curta (juvenis, juniores e seniores), que decorreu em Leiria, nos dias 21 e 22 de Novembro. O clube leiriense não deu hipóteses, vencendo inclusivamente todas as provas de estafetas. Destaque para Sara Cruz (BA), que venceu as seis provas que nadou, e César Faria (BA), que conquistou cinco títulos – foi ainda o mais medalhado (10) do campeonato, exequo com o colega de equipa João Paulo Ribeiro. Quanto ao pódio colectivo, ficou completo com o Clube de Natação de Alcobaça (22 títulos distritais) e “Os Pimpões” (18), das Caldas da Rainha.

O sorteio dos 1/8 final da Taça Distrito da Associação de Futebol de Leiria ditou os seguintes jogos: A.D. Figueiró dos Vinhos x A.D. Portomosense, R. Pedroguense x U.R.D. Juncalense, G.D. ‘Os Nazarenos’ x G.D. Guiense, G. Alegre Unido x C.C. Ansião, G.D. ‘Os Vidreiros’ x A.C. Avelarense, Castanheira de Pêra x S.C.L. Marrazes, U. Matamourisquense x GRAP/Pousos e S.L. Marinha x G.D. Alvaiázere. A eliminatória está agendada para o dia 8 de Dezembro.

Sai Diamantino Miranda, entra João Sousa. Na sequência dos maus resultados que levaram o C.D. Fátima aos últimos lugares da II Liga, a direcção do clube do município de Ourém decidiu proceder a alterações na equipa técnica. Diamantino Miranda, que tinha chegado no início da época proveniente dos juniores do Benfica, dá assim lugar a João Sousa, 50 anos, natural de Évora, que já treinou o Caldas (1999/00 e 2007/2008), Portomosense (2000-2005), Rio Maior (2005-2007), Pinhalnovense (2008/ 09) e Carregado (2009/10).

Bairro dos Anjos domina

Desiquilibrado Num dos jogos mais apelativos do (passado) fim-desemana desportivo, o S.C.L. Marrazes recebeu e perdeu (0-5) com o S.L. Benfica, num jogo a contar para o campeonato nacional de juvenis masculinos. Foto: Pedro Jerónimo

ou o jornalista Artur Agostinho – lista completa em www.cdp.pt. Pedro Jerónimo pj@omensageiro.com.pt

Taça Distrito

Sousa é novo treinador

liga zon sagres

I LIGA

liga orangina

zona centro

II LIGA 11.ª Jornada (14.11) Rio Ave x P. Ferreira (3-1),

Nacional x Marítimo (0-0),V. Guimarães x Sp. Braga (2-1), U. Leiria x V. Setúbal (1-0), Académica x Sporting (1-2), Porto x Portimonense (2-0), Olhanense x Beira-Mar (1-1), Benfica x Naval (4-0) Equipa J V E D Pts 1.º Porto 11 10 1 0 31 2.º Benfica 11 7 0 4 21 3.º V. Guimarães 11 6 3 2 21 4.º Sporting 11 5 3 3 18 5.º Nacional 11 5 2 4 17 6.º Académica 11 4 3 4 15 7.º Olhanense 11 3 6 2 15 8.º Beira-Mar 11 3 6 2 15 9.º U. Leiria 11 4 3 4 15 10.º Sp. Braga 11 4 2 5 14 11.º V. Setúbal 11 3 4 4 13 12.º P. Ferreira 11 2 5 4 11 13.º Rio Ave 11 2 4 5 10 14.º Marítimo 11 1 6 4 9 15.º Portimonense 11 2 2 7 8 16.º Naval 11 1 2 8 5

II DIVISÃO

série d

III DIVISÃO

8.ª Jornada (14.11) Arouca x Fátima (3-0), Santa Clara

8.ª Jornada (14.11) Pampilhosa x U. Serra (0-1),

8.ª Jornada (14.11) Ol. Bairro x B.C. Branco (1-0),

x Gil Vicente (3-1), Feirense x Oliveirense (2-3), Sp. Covilhã x Moreirense (2-1), D. Aves x Penafiel (0-1), Trofense x Estoril (2-1), Freamunde x Belenenses (2-2), Leixões x Varzim (3-4)

Cesarense x Esmoriz (0-0), Sp. Espinho x Eléctrico (1-0), Al. Lordelo x Padroense (3-1), Tondela x Gondomar (1-0), Tourizense x Coimbrões (2-2), Anadia x Sertanense (0-0), Boavista x Sp. Pombal (3-0) Equipa J V E D Pts 1.º Tondela 8 6 1 1 19 2.º Sertanense 8 5 1 2 16 3.º Boavista 8 4 3 1 15 4.º Padroense 8 4 3 1 15 5.º U. Serra 8 3 3 2 12 6.º Gondomar 8 2 5 1 11 7.º Al. Lordelo 8 3 2 3 11 8.º Tourizense 8 3 1 4 10 9.º Coimbrões 8 2 4 2 10 10.º Anadia 8 2 4 2 10 11.º Esmoriz 8 2 3 3 9 12.º Pampilhosa 8 2 2 4 8 13.º Sp. Pombal 8 2 1 5 7 14.º Sp. Espinho 8 1 4 3 7 15.º Cesarense 8 1 3 4 6 16.º Eléctrico 8 1 2 5 5

Sourense x Nogueirense (2-0), Monsanto x Ac.Viseu (4-1), At. Riachense x Gândara (8-0), Tocha x Ág. Moradal (1-0), Marinhense x V. Mocidade (4-0)

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º 13.º 14.º 15.º 16.º

Equipa Gil Vicente Trofense Penafiel Arouca Estoril Feirense Santa Clara Sp. Covilhã Leixões Oliveirense Moreirense D. Aves Varzim Fátima Freamunde Belenenses

J V E D Pts 8 4 3 1 15 8 4 3 1 15 8 4 2 2 14 8 3 4 1 13 8 3 3 2 12 8 3 3 2 12 8 3 2 3 11 8 3 1 4 10 8 2 4 2 10 8 2 4 2 10 8 3 1 4 10 8 3 1 4 10 8 1 5 2 8 8 2 1 5 7 8 1 4 3 7 8 1 4 3 7

12.ª Jornada (28.11) V. Setúbal x Académica (26.11),

9.ª Jornada (28.11) Varzim x Feirense, Penafiel x

9.ª Jornada (28.11) Pampilhosa x Cesarense, Esmoriz

Marítimo x V. Guimarães (27.11), Sp. Braga x Nacional, P. Ferreira x Olhanense (27.11), Naval x Rio Ave, Beira-Mar x Benfica, Portimonense x U. Leiria, Sporting x Porto (27.11)

Arouca, Fátima x Freamunde, Estoril x Leixões,D. Aves x Trofense, Moreirense x Gil Vicente, Oliveirense x Santa Clara, Belenenses x Sp. Covilhã

x Sp. Espinho, Eléctrico x Al. Lordelo, Padroense x Tondela, Gondomar x Tourizense, Coimbrões x Anadia, Sertanense x Boavista, U. Serra x Sp. Pombal

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º

Equipa Monsanto Ol. Bairro Nogueirense At. Riachense Marinhense Ac.Viseu Sourense B.C. Branco U. Tocha Ág. Moradal V. Mocidade Gândara

J V E D Pts 8 7 0 1 21 8 5 1 2 16 8 4 3 1 15 8 4 2 2 14 8 4 1 3 13 8 4 1 3 13 8 4 0 4 12 8 3 3 2 12 8 3 0 5 9 8 2 1 5 7 8 2 0 6 6 8 0 0 8 0

9.ª Jornada (28.11) Ol. Bairro x Sourense,

Nogueirense x Monsanto, Ac.Viseu x At. Riachense, Gândara x U. Tocha, Ág. Moradal x Marinhense, B.C. Branco x V. Mocidade

série e

III DIVISÃO 8.ª Jornada (14.11) Bombarralense x 1.º Dezembro

(1-0), Sintrense x Peniche (2-3), Tojal x Oeiras (3-0), Malveira x Crato (1-1), Alcochetense x Sacavenense (2-0), Odivelas x Caldas (0-2)

1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 10.º 11.º 12.º

Equipa Caldas 1.º Dezembro Alcochetense Crato Sacavenense Sintrense Odivelas Bombarralense Tojal Oeiras Peniche Malveira

J V E D Pts 8 5 2 1 17 8 5 1 2 16 8 3 3 2 12 8 3 3 2 12 8 3 2 3 11 8 3 2 3 11 8 3 1 4 10 8 3 1 4 10 8 3 0 5 9 8 2 3 3 9 8 3 0 5 9 8 1 3 4 4

9.ª Jornada (28.11) Bombarralense x Sintrense,

Peniche x Tojal, Oeiras x Malveira, Crato x Alcochetense, Sacavenense x Odivelas, 1.º Dezembro x Caldas

associação de futebol de leiria

HONRA 8.ª Jornada (21.11) Marinha x Alcobaça (2-3), Fig.

Vinhos x Alq. Serra (1-1), Pedroguense x GRAP/Pousos (2-2), Alvaiázere x Biblioteca (2-2), Gaeirense x Marrazes (0-2), Nazarenos x Guiense (3-0), Pataiense x Beneditense (1-1), Portomosense x Ansião (2-0) Equipa J V E D Pts 1.º Alcobaça 8 5 2 1 17 2.º Portomosense 8 5 0 3 15 3.º Beneditense 8 4 3 1 15 4.º Nazarenos 8 4 3 1 15 5.º Alvaiázere 8 4 2 2 14 6.º Marrazes 8 4 2 2 14 7.º Alq. Serra 8 3 4 1 13 8.º Guiense 8 3 3 2 12 9.º Pataiense 8 3 2 3 11 10.º Pedroguense 8 2 4 2 10 11.º Fig.Vinhos 8 2 3 3 9 12.º Ansião 8 2 1 5 7 13.º Marinha 8 2 1 5 7 14.º GRAP/Pousos 8 2 1 5 7 15.º Biblioteca 8 1 3 4 6 16.º Gaeirense 8 1 0 7 3 9.ª Jornada (28.11) Marinha x Fig.Vinhos, Alq.

Serra x Pedroguense, GRAP/Pousos x Alvaiázere, Biblioteca x Gaeirense, Marrazes x Nazarenos, Guiense x Pataiense, Beneditense x Portomosense, Alcobaça x Ansião


ÚLTIMA 25NOVEMBRO2010

Os lugares mais quentes do Inferno estão reservados para aqueles que, em tempos de crise moral, mantêm a sua neutralidade. Dante Alighieri, escritor e político italiano [1265-1321)

Inauguração a 26 de Novembro

“Vidro” é tema e novidade da FAG 2010

Espírito empreendedor da organização Já a Cidália Ferreira, vereadora da cultura, confessou que “é um orgulho para a Câmara Municipal da Marinha Grande poder associar-se a uma realização que é um caso exemplar de boas práticas associativas, pela mobilização de pessoas, de vontades, de saberes e capacidade de execução”. Este projecto visa “garantir não só um projecto de animação cultural e gastronómico, mas acima de tudo criar na FAG um verdadeiro palco daquilo que são potencialidades do desenvolvimento local e nacional”.

Cidália Ferreira destacou “o empenho e tanto trabalho com que a Associação de Casal Galego lhe tem dedicado ao longo destes anos e tudo o que tem feito para melhorar e dignificar o nosso concelho, assim como divulgá-lo culturalmente da melhor forma”. Além disso, “a FAG representa uma montra onde são promovidos, exibidos e dinamizados exemplos da nossa identidade cultural e, nessa medida, o certame representa um momento importante de afirmação do Município”. Também as cidades geminadas com a Marinha Grande foram convidadas pelo nosso Município a estar representadas na FAG. “O objectivo é promover o intercâmbio cultural entre os vários locais e regiões e fortalecer os laços de união que estiveram subjacentes à geminação”, esclareceu. Este ano, sublinha-se a participação dos municípios de Fundão, Montemoro-Novo, Oeiras, Oliveira de Azeméis e Salvaterra de Magos. Por fim, a vereadora advertiu que “a FAG é o reflexo da actividade dos seus dinamizadores. A actual Associação Social, Cultural e Desportiva de Casal Galego, liderada por uma nova direcção que felicito, continua a denotar o espírito empreendedor exemplar”. Novidades na FAG Pela primeira vez a FAG dá enfoque a uma temática, que se centra no vidro, exibe a 1ª Mostra de Artes Decorativas da Marinha Grande e aposta numa animação cultural mais diversificada e a pensar no público jovem. A comissão executiva da 21.ª FAG decidiu dar uma nova dinâmica ao certame, atribuindo-lhe um tema que esteve na génese do desenvolvimento da cidade e hoje pelos mais diversos motivos se encontra quase

em vias de extinção. Será demonstrado trabalho ao vivo de alguns ofícios ligados ao vidro. Após análise das candidaturas recebidas para participação na FAG, a organização constatou que a sua maioria provinham de artesãos marinhenses, criadores de artes decorativas nas mais diversas vertentes. Como já há alguns anos se tem vindo a candidatar um número elevado de artesãos da arte decorativa, será apresentada este ano a 1ª Mostra de Artes Decorativas da Marinha Grande, tendo como finalidade dar oportunidade a todos os artesãos marinhenses que se candidataram à FAG 2010, inovando no formato da exposição. Outra novidade é a aposta na animação cultural que vai ao encontro dos público jovem, com destaque para o grupo musical “”A Caruma”, “Banda Grad’ House”, “Men in Transit”, entre outros, que irão juntar-se a Tunas Académicas, Orquestras, grupos de folclore e etnográficos, etc. A FAG 2010 está patente numa área coberta de cerca de 6000 m2. Apresenta o trabalho de mais de 70 artesãos, 20 produtos regionais e cinco restaurantes. A área de artesanato estará aberta ao público

de segunda a sexta-feira, das 18h00 às 24h00 e aos fins-de-semana e feriado, das 12h00 às 24h00. A área de gastronomia abre de segunda a sexta-feira, das 12h00 às 17h00 e das 18h00 às 24h00, e aos finsde-semana e feriados, das 12h00 às 22h00. Câmara da Marinha Grande, Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), Juntas de Freguesia de Marinha Grande, Moita e Vieira de Leiria, Governo Civil de Leiria e Turismo de Leiria / Fátima são algumas das entidades que apoiam a organização do certame.

Sexta-Feira – 26 de Novembro 21h30 – Grupo de Danças e Cantares de S. Romão – Leiria Sábado – 27 de Novembro Dia das Cidades Geminadas com a Marinha Grande 18h00 – Rancho Folclórico de Cabrela – Montemor – O- Novo 19h00 – Banda de Oeiras 21h00 – Grupo de Concertinas de Oliveira de Azeméis 21h00 – SAXO “À Luz da Lua” (Área de Gastronomia) Domingo – 28 de Novembro 08h00 – Abertura do secretariado para a 2.ª Prova de Resistência BTT, que começa às 09h30 no Parque Municipal de Exposições 16h30 – Grupo do Centro de Convívio da Associação Social Cultural e Desportiva de Casal Galego 19h30 – Rancho Folclórico de Picassinos 20h30 – Rancho de Danças e Cantares da Sociedade Filarmónica de Cabanas de Viriato 21h00 – SAXO “À Luz da Lua” (Área da Gastronomia) 21h30 – BIG-BAND da Marinha Grande Segunda-Feira – 29 de Novembro 21h30 – Grupo de Musica Popular Portuguesa “Salta-Pocinhas” Terça-Feira – 30 de Novembro 21h30 – Festival de Tunas: A_marTuna – Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar de Peniche, Tages – Escola Superior de Gestão e Tecnologia de Santarém, Tunistica – Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril e VETtuna – Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Técnica de Lisboa Quarta – Feira – 1 de Dezembro 18h30 – Grupo de Cantares da ASURPI 19h30 – Grupo Pinhal Del Rei 21h30 – Deolinda Bernardo e Adventino Duarte Quinta – Feira – 2 de Dezembro 21h30 – Noite de Fados Sexta – Feira – 3 de Dezembro 22h00 – Banda Grad’ House Sábado – 4 de Dezembro 20h00 – Grupo Musical Men In Transit 21h00 – SAXO “À Luz da Lua” (Área da Gastronomia) 22h00 – Banda “A Caruma” Domingo – 5 de Dezembro 20h30 – Encontro de Orquestras Ligeiras

Horários da FAG Área de Artesanato Dia 26 Novembro: das 18h00 às 24h00; De Segunda a Sexta: das 18h00 às 24h00; Sábados/Domingos/Feriados: das 12h00 às 24h00; Dia 5 Dezembro: das 12h00 às 22h00. Área de Gastronomia Dia 26 Novembro: das 18h00 às 24h00; De Segunda a Sexta: das 12h00 às 17h00 e das 18h00 às 24h00; Sábados/Domingos/Feriados: das 12h00 às 24h00; Dia 05 Dezembro: das 12h00 às 22h00; Entrada livre aos almoços nos dias úteis.

Divulgação

LMFerraz

A FAG 2010 – XXI Feira Nacional de Artesanato e Gastronomia da Marinha Grande decorre de 26 de Novembro a 5 de Dezembro, no Parque Municipal de Exposições da Marinha Grande. Na apresentação do certame – 15 de Novembro, no Auditório da Biblioteca Municipal – Liliana Prior, da direcção da Associação Social, Cultural e Desportiva de Casal Galego, entidade organizadora, salientou que “no tesouro valioso da cultura de um povo, o artesanato e a gastronomia portuguesa conservam ainda a simplicidade e a autenticidade dos tempos ancestrais”. O certame visa “preservar e valorizar este património cultural que nos identifica”, que se constitui como “um espaço de encontro e reencontro de tradições seculares, reflectidas na criatividade das peças manufacturadas e nos sabores das melhores iguarias”. Mais uma vez, “o evento conta com os artesãos a trabalhar ao vivo peças genuínas, sendo possível apreciar a sua perícia”. Na área da gastronomia “os restaurantes dão a provar o melhor da gastronomia tradicional”. Nos produtos regionais, “exibem-se queijos, doces, enchidos, a tradicional poncha da madeira, entre outros”. A diversão e o convívio também estão garantidos, com um rico programa de animação, baseado nas mais tradicionais e populares sonoridades locais e nacionais”, continuou.

Programa


4835#OMENSAGEIRO#25NOV