Page 1

AS CRIANÇAS E A JUVENTUDE EM 1º LUGAR ! Site: www.drogamata.com.br

EDIÇÃO EXTRA - No 485 São Paulo Distribuição Gratuita

E-mail: jornalmb@terra.com.br E-mail: mutiraodrogamata@terra.com.br

Fundador: Mauro Borges SP Janeiro/2018

Professor José Renato Nalini, Sec. da Educação do Estado de SP

Rua Rio da Bagagem, 82 - Zona Leste: Mais de 4 Milhões de Habitantes - São Paulo - CEP 03531-060 - Tel: (11) 2653-1806

CAMPANHA DROGA MATA DE SÃO PAULO PARA O MUNDO *AS DROGAS SÓ LEVAM A TRÊS CAMINHOS: CADEIA, MANICÔMIO OU CEMITÉRIO.

*É MELHOR SER UM CARETA VIVO, DO QUE UM DROGADO MORTO.

*MAURO BORGES, AUTOR E COORDENADOR NACIONAL DA PREMIADA CAMPANHA DROGA MATA & ESPORTE SALVA

CRACK: VERDADES E MENTIRAS PÁGINA 4

VÍCIO EM INTERNET É TÃO GRAVE COMO AS DROGAS PÁGINA 5

VEJA NESTA EDIÇÃO PROGRAMA RECOMEÇO RECEBE MORADORES DA CRACOLÂNDIA PÁGINA 7

ISLÂNDIA: EXEMPLO PARA O MUNDO NO COMBATE ÀS DROGAS PÁGINAS 3

AS DROGAS E A RELAÇÃO COM A AIDS E A VIOLÊNCIA PÁGINA 2

NARGUILÉ É PIOR QUE O CIGARRO PÁGINA 6


Página 2

SP Janeiro/2018

GENTE QUE FAZ

CORONEL HELENA COMEMORA UM ANO NO COMANDO DA CASA MILITAR E DEFESA CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO “Socorrer pessoas, lidar diretamente com perdas, conviver com a morte, reduzir sofrimento, trazer a luz uma criança, deter quem ameaça inocentes, quem corrompe a vida, a juventude e compromete o futuro das nossas crianças por meio das drogas. Além de parar aquele que agride a mulher e que discrimina o diferente…nunca perder a humanidade, a delicadeza, a amizade, o sentido de família e solidariedade. Nunca esquecer que hierarquia das nossas funções nos diferencia mas a fragilidade da vida nos iguala”. Foram com essas palavras que a coronel Helena dos Santos Reis tomou posse do cargo de secretária da Casa Militar em 19/01/2017. A segunda mulher a comandar – a primeira foi a coronel Fátima Dutra em 2006 – a Casa Militar e a Coordenadoria Estadual

Foto: Arquivo / Gilberto Marques/A2img

Coronel Helena, durante assinatura de posse da Secretaria da Casa Militar e Coordenadoria Estadual do Governo de São Paulo, em 19/01/2017, está comemorando 1 ano de relevantes serviços prestados

de Defesa Civil substitui o coronel José Roberto. “A coronel Helena tem a Polícia Militar no DNA, é filha e irmã de militar. E com sua formação e experiência aliada a uma virtude exclusiva

DROGAS: COMO ENFRENTAR? Profa. Dra. Katia Varela Gomes

Como docente e pesquisadora de pós-graduação em Saúde Mental, no módulo “Uso e Abuso de Drogas”, pretendo contribuir com a discussão sobre as práticas em saúde mental, no que diz respeito à atenção ao usuário dependente de drogas. Atualmente, observamos muita preocupação das autoridades e da população em relação aos dependentes de crack. No entanto, em um momento de grande preocupação, algumas medidas são tomadas de forma inadequada, levando a tratar o problema de uma forma superficial e reducionista. Estou me referindo ao incentivo e divulgação da internação (e em alguns casos, a internação compulsória) como única possibilidade de intervenção para os dependentes desta substância. Ao tratar o problema como caso de polícia (exemplo da intervenção militar na “Cracolândia” em São Paulo) ou um problema para as clínicas de recuperação, que afastam a pessoa de seu convívio familiar e comunitário, estamos centralizando a questão apenas na droga – a “grande vilã ou lobo mau”, desconsiderando a complexidade do fenômeno. Nesta lógica, o usuário deve ser afastado de um ambiente “periculoso”. Mas, devemos considerar a questão de outra forma, a dependência às drogas (crack, álcool, cocaína, tabaco, etc.) é um sintoma, como a ponta de um iceberg, revelando outros problemas na vida de uma pessoa – dificuldades familiares, dificuldades/ausência de vínculos sociais, falta de projetos/ perspectiva de vida, etc. A impossibilidade em transformar essas situações poderão resultar no abuso/dependência de drogas, como forma de afastamento de uma realidade objetiva ou subjetiva insuportável. Portanto, não basta afastar a

pessoa de um ambiente considerado nocivo, pois é este ambiente que deverá ser transformado e enfrentado pelo sujeito. Essa é uma possibilidade de tratamento pela transformação do contexto e não afastamento de sua realidade. Para garantir essa condição, o Programa Nacional de Atenção Comunitária Integrada a usuários de álcool e outras drogas, do Ministério da Saúde, oferece serviços como CAPS ad, Unidades Básicas de Saúde, Consultórios de rua, Casas de Acolhimento que auxiliam na construção de uma rede de apoio e assistência ao usuário dependente de drogas. Os Centros de Atenção Psicossocial Álcool e outras drogas (CAPS AD) são centros de atendimento gratuitos à população que oferecem tratamento aos usuários abusivos e dependentes de álcool e outras drogas e aos seus familiares. O tratamento envolve: atendimento individual, atendimento em grupo, oficinas terapêuticas, visitas e atendimentos domiciliares, atendimento à família, atividades comunitárias. Para os casos de maior gravidade poderão ser oferecidos atendimento para desintoxicação. Ressaltamos que a principal função de um profissional da área da saúde mental é garantir a atenção digna e humana aos usuários de um serviço de saúde pública, garantindo seus direitos e possibilidades de escolha em sua vida. Para obter maiores informações sobre os CAPS ad próximo a sua residência, poderão consultar a Unidade Básica de Saúde próximo a sua residência ou entrar em contato com o CRATOD – Centro de Referência Álcool, Tabaco e outras drogas: http://www.saude.sp.gov. br/cratod-centro-de-referencia-de-alcool-tabaco-e-outras-drogas/

Kátia Varella Gomes é doutora em Psicologia Social, pesquisadora na área de dependência química, professora na graduação e pós-graduação da Universidade São Francisco e psicóloga no Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras drogas – CAPS ad.

de seu gênero, a sensibilidade feminina, a Coronel Helena com certeza fará uma grande gestão. Seja muito bem-vinda”, comemorou o governador Geraldo Alckmin durante o evento de posse.

Ela representa a ascensão da mulher na Polícia Militar. O primeiro corpo feminino da América Latina foi criado em 1955 no Estado de São Paulo. No começo, elas realizavam trabalhos in-

ternos, atendimento a mulheres, menores, idosos ou pessoas com deficiência. Mas rapidamente foram assumindo outras tarefas. Agora, participam do policiamento lado a lado com os homens

e são 12% da tropa. “Me sinto feliz mas ao mesmo tempo sei do tamanho da responsabilidade de assumir uma pasta como esta. Mas é uma oportunidade de ajudar pessoas, que é a essência do trabalho policial”, disse a coronel. Uma Carreira de Sucesso Nascida em São José do Rio Preto, Helena ingressou na Academia do Barro Branco em 1989. Após os quatro anos iniciais de formação, atuou até 1994 na região central da capital paulista. Em 1995, foi transferida para Catanduva e depois São José do Rio Preto, onde permaneceu desde então. Em 2014, foi chefe da 3ª Seção do Estado Maior. Promovida a coronel em março de 2015, Helena tornou-se responsável pelo curso de formação de Sargentos e, em maio do mesmo ano, comandante do Policiamento do Interior 5.

MACONHA: COMPROVADOS PREJUÍZOS *Escreveu: Paulo Roberto Campos

Praticamente todos os dias surgem notícias relativas ao agravamento do problema das drogas no Brasil. O número de dependentes cresce diariamente e, em muitos casos, tal dependência é gerada a partir do uso da maconha. Apesar de muitos “maconheiros”, e mesmo alguns que não experimentaram os efeitos da erva, contestarem os malefícios da cannabis, alegando que o “baseado é droga leve”, ela tem se revelado como porta de entrada para drogas ainda mais nocivas, como a cocaína, heroína, crack, oxi, etc. Neste sentido, abundam testemunhos de usuários que começaram pela maconha e encontram-se viciados em “drogas mais pesadas”, sem falar do gravíssimo problema do envolvimento com o narcotráfico. Sobre os preocupantes malefícios da maconha, uma matéria muito bem fundamentada, de autoria de

pesquisadores norte-americanos do “National Institute on Drug Abuse”, foi publicada no dia 5 de junho no “The New England Journal of Medicine” — revista da Sociedade Médica de Massachusetts (EUA), uma das mais prestigiosos do mundo. O estudo comprova os danos que causam o THC — sigla de tetra-hidrocanabinol, substância que se encontra nas folhas da cannabis. Entre diversos malefícios da maconha, os pesquisadores revelam que 9% dos usuários ficam dependentes, causando neles crises de abstinência e, em consequência, irritabilidade, insônia, instabilidade de humor e ansiedade. Segundo os mesmos pesquisadores, os “maconheiros” apresentam menos conexões entre neurônios em áreas específicas do cérebro, que controlam funções como aprendizado e memória; que o uso regular da maconha aumenta o risco de crises de ansiedade, depressão e psicoses, sobretudo em pessoas com vulnerabilidade genética; provoca inflamações das vias aéreas; danifica as artérias e predispõe ao infarto e ao derrame cerebral. Em razão do conhecimento real dos graves prejuízos provocados pela cannabis, torna-se incompreensível que ainda haja pessoas — até mesmo entre figuras que desejam aparecer como “moderninhas” e tidas no Brasil como intelectuais — que

defendam a descriminalização da droga e que ainda se autorize “Marchas pela legalização da maconha”.

*Paulo Roberto Campos é jornalista e colaborador da ABIM: Agência Boa Imprensa

CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL CAPS ÁLCOOL E DROGAS 24 HORAS O Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas III (CAPS AD 24 horas) é um serviço específico para o cuidado, atenção integral e continuada às pessoas com necessidades em decorrência do uso de álcool, crack e outras drogas. Seu público específico são os adultos, mas também podem atender crianças e adolescentes, desde que observadas as orientações do Estatuto da Criança e do Adolescente. Os CAPS AD 24 horas oferecem atendimento à população, realizam o acompanhamento clínico e a reinserção social dos usuários pelo acesso ao trabalho, lazer, exercício dos direitos civis e fortalecimento dos laços familiares e comunitários. Os CAPS também atendem aos usuários em seus momentos

de crise, podendo oferecer acolhimento noturno por um período curto de dias. O CAPS apoia usuários e famílias na busca de independência e responsabilidade para com seu tratamento. Os projetos desses serviços, muitas vezes, ultrapassam a própria estrutura física, em busca da rede de suporte social, que possam garantir o sucesso de suas ações, preocupando-se com a pessoa, sua história, sua cultura e sua vida cotidiana. Dispõe de equipe multiprofissional composta por médico psiquiatra, clínico geral, psicólogos, dentre outros. Informações sobre CAPS nos Postos de Saúde ou na Subprefeitura do seu bairro.

AIDS, DROGAS E VIOLÊNCIA Escreveu: *Jorge Schemes

Intimamente relacionado ao uso de drogas, estão os altos índices de violência, criminalidade, doenças sexualmente transmissíveis, Aids e o abuso sexual contra crianças e adolescentes, que na realidade deve ser classificado como violência e exploração sexual infanto-juvenil. Pois, “qualquer contato de natureza sexual entre uma criança ou adolescente e uma pessoa de maior idade, ainda que seja com aparente consentimento, é inapropriado em razão da própria idade e do nível de maturidade dessa criança

ou adolescente, que carecem de desenvolvimento emocional, intelectual e físico para que, de maneira consciente, possam permitir tal contato”. Sendo que a realidade destes fatos apresenta índices cada vez mais alarmantes, faz-se necessário a elaboração e implemen-tação de projetos de prevenção às drogas e a Aids na perspectiva da redução de danos. A Constituição Federal de 1988 no artigo 196 garante: “A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantindo mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doenças e de outros

agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para a sua promoção, proteção e recuperação”. É importante ressaltar que a escola como um segmento de grande abrangência social deve priorizar e intensificar seus trabalhos preventivos, considerando que a grande maioria dos alunos não contraiu alguma doença sexualmente transmissível ou foi infectado pelo vírus HIV, e que a grande maioria ainda não usou ou não usa drogas, mas que se algum vier a se contaminar ou usar, mereça uma abordagem baseada no respeito humano e na cida-

dania. È fundamental que a escola não discrimine o aluno com DST, HIV, Aids ou que seja usuário de drogas, mas que o respeite e oportunize as condições de procurar ajuda, tratamento e recuperação, convivendo dignamente no ambiente escolar. Assim, a implantação e implementação de projetos de educação preventiva às DSTs, AIDS e substâncias psicoativas são uma necessidade para todas as escolas, especialmente as da rede pública, que objetivam desenvolver uma educação para sujeitos deste tempo histórico.


Página 3

SP Janeiro/2018

PREVENÇÃO ÀS DROGAS É AÇÃO E NÃO SERMÃO. A ISLÂNDIA PROVA ISSO Com um programa simples e bem direcionado, a Islândia conseguiu reduzir de forma surpreendente e efetiva o consumo de álcool e drogas entre os jovens

Por: *Ronaldo Laranjeira Um país que, literalmente, “inverteu” um ditado: do vinho para água. Imagine a seguinte situação: em apenas duas décadas, a Islândia conseguiu fazer com que a juventude que mais bebia na Europa se tornasse a que adota o estilo de vida mais saudável no continente. E mais: com medidas relativamente simples, que podem ser replicadas ao redor do mundo. Parece brincadeira, mas não é. Em 1998, 42% dos adolescentes islandeses entre 15 e 16 anos afirmaram ter ficado alcoolizados no último mês – 23% também fumavam e 17% usavam maconha. Números preocupantes. Após as medidas adotadas no país, em 2016 esses índices caíram de forma impressionante: de 42% para 5%, de 23% para 3% e de 17% para 7%, respectivamente. COMO A ISLÂNDIA CONSEGUIU? Basicamente, a Islândia conseguiu realizar o que diversas nações estão tentando há décadas, na maioria dos casos sem sucesso. O que foi feito de diferente? Ouviram os jovens e identificaram suas necessidades, além de transformar a prevenção, que saiu do puro falatório e partiu para a ação. Tudo isso aconteceu graças ao início do programa Juventude na Islândia (Youth in Iceland), justamente em 1998. Anteriormente, dentre as principais ações realizadas pelo governo estava apenas

ensinar às crianças os impactos negativos provocados pelo uso de drogas. Os números mostram que, claramente, o que estava sendo feito não apresentava resultados positivos. Aí teve início esta iniciativa, que busca identificar questões como características familiares, hábitos, anseios e possíveis problemas emocionais dos jovens, dentre outras questões, por meio de questionários aplicados periodicamente aos adolescentes das escolas islandesas. A pesquisa identifica estas e outras variáveis, que integram informes repassados para cada distrito e escola pesquisada. O resultado? Ações específicas, segmen-

tadas para os jovens de cada comunidade, com alternativas de lazer e esporte elaboradas para combater os fatores de risco, gatilhos sociais e psicológicos identificados no estudo, que possam levar os adolescentes a consumir drogas. A escolha dessas alternativas é baseada no conceito de que podem provocar um efeito parecido ao dos entorpecentes no cérebro, por meio da endorfina, afastando os jovens de seu consumo. Aqui está um dos grandes trunfos do programa: considerar o perfil dos adolescentes ao ser elaborado – ávidos por desafios e por experimentar novas sensações. Além disso, é uma população que passa por descobertas constantes,

períodos de ansiedade e angústia, que muitas vezes encontra nas drogas uma forma de enfrentar essas questões. Outra grande sacada do Juventude na Islândia é o fato de ser realizado a nível local, desde a pesquisa até sua aplicação, em um esforço conjunto entre governos municipais, escolas e as próprias comunidades. PREVENÇÃO COMEÇA EM CASA Tudo começa com os pais, considerados como o principal ponto de prevenção. O programa defende que eles, ao passarem mais tempo com os filhos, dão o suporte necessário que precisam e funcionam como fator preventivo, ajudando os jovens a enfrentar dificuldades, ao

mesmo tempo em que têm a possibilidade de acompanhá-los e identificar um possível consumo de drogas, por exemplo. Outro passo importante foi o aumento do vínculo entre as escolas e os pais, por meio de conselhos escolares e organizações com mães e pais, criados por lei em todos os centros de ensino. Além disso, o setor público passou a financiar mais atividades extraescolares, como esportivas ou culturais. Tais atividades podem variar de local para local, já que são definidas com base nos resultados obtidos durante a pesquisa. Ou seja: é utilizado o que funciona para a juventude daquela região. Outras medidas adotadas

foram o enrijecimento de leis antidrogas ou a determinação que prevê que crianças menores de 12 anos não podem andar sozinhas nas ruas depois das 20h e, no caso de adolescentes de 13 a 16 anos, após as 22h (com algumas exceções). RESULTADOS SURPREENDENTES Os resultados falam por si só: queda drástica no consumo de drogas e diminuição do risco de uso, adoção de um estilo de vida mais saudável e até a obtenção de melhores resultados acadêmicos por parte dos jovens. Tudo isso com medidas de certa forma simples, mas com uma diferença crucial: são políticas baseadas em evidências e não no famoso “acho que”, um fato que já citei inclusive nesta coluna e que defendo veementemente. Além disso, o programa se destaca por ser uma ação sustentada e atualizada constantemente, já que os questionários são reaplicados aos jovens periodicamente, o que faz com que as ações do Juventude na Islândia possam ser readequadas e permanecerem eficazes. Um exemplo prático da importância de abandonarmos de vez os achismos e utilizarmos dados confiáveis na tomada de decisões, principalmente de políticas públicas. A Islândia fez isso, e funciona. *RONALDO LARANJEIRA, psiquiatra, é coordenador do Programa Recomeço e professor da Unifesp (Universidade Federal de SP)

O VERÃO REQUER CUIDADOS. Chegou o verão. E, com ele, muito sol e calor, mas também os raios e trovoadas. Siga as orientações abaixo e compartilhe essas informações com seus amigos e familiares. São pequenos cuidados que podem salvar bem mais do que suas férias ou seu fim de semana. Podem salvar vidas.

Em caso de chuva:

1 Saia imediatamente do mar ou piscina.

2

Não se abrigue embaixo de árvores, guarda-sóis ou barracas.

3

Procure ajuda em um local seguro, como casas, edifícios ou estabelecimentos comerciais.

Crianças e idosos são as principais vítimas da desidratação. Em dias de calor:

1

Evite exposição ao sol entre 10h e 17h.

2

Beba cerca de 2 litros de água diariamente.

3

Consuma sucos e frutas que não sejam cítricos.

Raio pode matar. Se começar a chover, corra para se proteger.

Os sinais de desidratação são: Sonolência | Olhos fundos | Intervalos longos para urinar | Boca seca

Cadastre-se para receber SMS de alerta da Defesa Civil. Envie seu CEP pelo número 40199. É simples e gratuito!

A qualquer sinal de desidratação, procure o posto de saúde mais próximo e beba muita água.

Veja mais dicas de prevenção em www.defesacivil.sp.gov.br

www.saude.sp.gov.br

/DefesaCivilEstadual

Casa Militar

Secretaria da Saúde


Página 4

SP Janeiro/2018

A FUNÇÃO DO EDUCADOR NO COMBATE ÀS DROGAS As drogas são problemas que integram praticamente todas as sociedades contemporâneas, o resultado negativo decorrente a isso é de ordem social e econômica. Social, pois desestrutura a família e econômico por gerar diversos custos para o governo que na maioria das vezes mantém o tratamento. No Brasil, as drogas também financiam a violência e o crime. Grande parte dos usuários é jovem, muitos começam a usar geralmente na escola e em idade cada vez mais prematura. Nesse sentido, a base para o não ingresso dos jovens nesse mundo quase sempre sem volta está na família e na escola. A primeira deve dialogar, conhecer as amizades, esclarecer sobre o perigo das drogas, e ensinar valores humanos e valorização da saúde e da vida. A segunda pode promover palestras, depoimentos, visitas de policiais, médicos entre outros profissionais que estão diretamente envolvidos no processo de prevenção das drogas e tratamentos. No entanto, quem mais tem contato com o aluno são os professores, desse modo cabe a ele sempre que possível abrir momentos para discussões acerca do assunto, o tema não é de incumbência somente de determinadas disciplinas, mais sim de todas. O professor desenvolve um grande poder de influência, além de ser um formador de opinião, e é justamente nesse

contexto que insere o seu papel. Diante desse fator o educador pode implantar atividades vinculadas ao tema, muitos professores e também grande parte das direções pensam ou indagam sobre o conteúdo programático e o tempo gasto para concluí-los e que as pausas para as discussões sobre o tema podem prejudicar, esquecem que a palavra “educação” é bem mais abrangente, trata-se da formação do indivíduo como um todo de maneira que possa integrar a sociedade pronto para a vida. Se a função da escola é educar, por que não ensinar as nossas crianças, adolescentes e jovens sobre o risco que correm no uso de drogas? Em suma, o problema é bastante complexo e requer a participação efetiva dos pais e dos professores com respaldo dos donos de escola, no caso particular, e do poder público nas instituições públicas, uma coisa é certa, a base para o problema está na educação. *Eduardo de Freitas - Graduado em Geografia, Equipe Brasil Escola

As bebidas alcoólicas são as piores e mais destruidoras drogas liberadas no mundo O alcoolismo é a terceira doença que mais mata no mundo. As doenças em suas várias formas, causadas pelo uso abusivo do álcool, abrangem cerca de 30% da população mundial. No Brasil mais de 50% da população consome álcool eventualmente 30% frequentemente e 10% são totalmente dependentes . O uso entre adolescentes vêm aumentando ano a no, e a idade para iniciar num uso eventual tem diminuído; constata-se que as primeiras doses comecem por volta dos 12 anos de idade e se o uso for continuado podem decorrer, havendo a pré-disposição da pessoa ao longo dos anos, um ou mais dos vários malefícios ao lado.

Entre as mulheres, assim como a ascensão social e várias outras igualdades com os homens (embora no alcoolismo não se igualem) o número tem crescido. Entre

as adolescentes e principalmente mulheres grávidas o uso do álcool tem preocupado não só as instituições governamentais, mas muitas ONG’S foram fundadas com

o propósito de reverter na sociedade esse quadro e tornar acessíveis informações sobre os malefícios causados pelo uso abusivo do álcool.

CRACK: VERDADES E MENTIRAS

O crack gera dependência logo na primeira experiência. Verdade ou mito? Mito. Apesar de ser absorvido quase totalmente pelo organismo, apenas o uso recorrente do crack causa dependência. Diferentemente de outras drogas, entretanto, o crack causa sensações intensas e desagradáveis quando seus efeitos passam, o que leva o usuário a repetir o uso. Esta repetição, junto com o efeito potente da droga, leva o usuário a ficar dependente de forma mais rápida. O crack só atinge a população de baixa renda. Verdade ou mito? Mito. O crack foi considerado inicialmente uma droga “de rua”. Por ser barata e inibir a fome, muitos moradores de rua e pessoas em situação de miséria recorrem à droga como medida paliativa. O contexto social do usuário também é um fator agravante - é mais comum uma pessoa se tornar usuária de crack quando o meio social facilita o acesso. Apesar disso, hoje o crack atinge todas as camadas sociais. O usuário corre mais risco de contrair DSTs/AIDS. Verdade ou mito? Verdade. Isso ocorre porque os usuários da droga costumam adotar comportamentos de risco, como praticar sexo sem proteção. Influenciados pela necessidade de consumir o crack, muitos usuários crônicos também recorrem à prostituição para conseguir a

droga. “Meu filho consome crack e eu penso em denunciar o traficante. Nesse caso, meu filho será penalizado também”. Verdade ou mito? Mito. A pessoa que denunciar o traficante tem sua identidade preservada pelas autoridades policiais, portanto, seu filho usuário não será exposto. Porém, apesar da lei de drogas prever que o uso de drogas não seja punido com restrição de liberdade, o porte de drogas continua sendo crime no Brasil. O médico é obrigado a notificar a polícia quando atende um usuário em situação de intoxicação aguda. Verdade ou mito? Mito. A legislação brasileira não obriga profissionais da

área médica a notificar a polícia sobre os atendimentos realizados a usuários de drogas em situação de intoxicação aguda. As autoridades policiais são chamadas apenas em casos extremos, em que o comportamento do paciente põe em risco sua própria integridade física ou a saúde de terceiros. O crack é um problema dos grandes centros urbanos. Verdade ou mito? Mito. O crack é amplamente consumido na região de São Paulo e avançou rapidamente para a maioria dos grandes centros urbanos de todo o país. Porém, já existem relatos de cidades do interior e mesmo de zonas rurais afetadas por problemas relacionados ao tráfico e consumo desta substância.

O crack sempre faz mal à saúde. Verdade ou mito? Verdade. O uso dessa droga compromete o comportamento como um todo. Por ser uma substância altamente estimulante, várias funções ficam comprometidas, mas as mais afetadas são a atenção e a concentração, a falta de sono, além de gerar quadros de alucinação e delírio. É possível se livrar do crack. Verdade ou mito? Verdade. É possível se recuperar da dependência do crack. O usuário deve procurar tratamento adequado e contar com apoio familiar, social e psicológico para superar a dependência química. O usuário de crack é sempre violento. Verdade ou mito? Mito. Usuários que já possuem uma tendência à agressividade podem ficar mais violentos quando estão na fase de “fissura” ou abstinência da droga. Apesar de haver sempre uma deterioração das relações sociais, especialmente no ambiente familiar, a violência não é uma conduta padrão. Usuárias de crack não podem amamentar. Verdade ou mito? Verdade. Mães usuárias de crack devem receber tratamento imediato com a suspensão do uso da droga e da amamentação durante o período necessário para eliminar as substâncias tóxicas do organismo. Após esse período, e sob supervisão médica, a

O crack é pior que a maconha e a cocaína. Verdade ou mito? Verdade. O crack e a maconha são drogas com efeitos diferentes. Uma vez que o crack deixa o indivíduo mais impulsivo e agitado, e gera dependência e fissura de forma intensa, ele termina tendo um impacto maior sobre a saúde e as outras instâncias da vida do indivíduo do que, em geral, se observa com a maconha. Em relação à cocaína, apesar de serem drogas com a mesma origem, o efeito do crack é mais potente do que a cocaína inalada. Por ser fumado, o crack é absorvido de forma mais rápida e passa quase que integralmente à corrente sanguínea e ao cérebro, o que potencializa sua ação no organismo.

EXPEDIENTE

PAI CHORA AO LER CARTA DO FILHO VICIADO QUE MORREU AOS 19 ANOS

Jornal MB Mais Brasil MB Mais Brasil Editora e Promoções Ltda.

Sempre informando com seriedade e imparcialidade os fatos que são notícia.

Com medo de ser rotulado de CARETA, filho acaba encontrando a morte nas drogas Esta é uma carta de ADEUS de um jovem de 19 anos. O caso é verídico, aconteceu em um hospital de São Paulo. PAI, como eu gostaria de voltar atrás e seguir os teus conselhos e orientações! A minha rebeldia só me causou dor e sofrimento. Hoje, neste frio leito hospitalar e esperando a morte chegar, quero te revelar o nome de quem está me levando para o cemitério. Não sei como você vai receber este relato, mas preciso reunir todas as forças enquanto é tempo. Sinto muito, papai, acho que este diálogo é o último que tenho com o senhor. Sinto muito mesmo.... Sabe pai, já passou da hora do senhor saber a verdade que nunca descon-

fiou. Vou ser breve e claro... e bastante objetivo. O tóxico é o grande responsável pelo meu sofrimento e pela minha morte. Travei conhecimento com meu assassino aos 15 anos de idade. É horrível, não, pai? Sabe como conheci essa desgraça? Foi através daqueles que eu considerava meus melhores amigos da escola e do bairro onde morávamos. Eu tentei recusar. Tentei mesmo, mas eles mexeram o com meu brio, dizendo que eu era CARETA... que eu não era homem... e etc. Não é preciso dizer mais nada, não é, pai? Como não queria ser tachado de CARETA, acabei entrando para o terrível mundo das drogas. No começo, foi o devaneio... depois veio a tortura... a escuridão. Não fazia nada sem que o tóxico estivesse presente. Em seguida, veio a falta de

ar... o medo... as alucinações. E, logo após a euforia do pico, novamente, eu me sentia mais gente que as outras pessoas. Então o tóxico, meu amigo inseparável, sorria de minha desgraça. Sabe, meu pai, quando a gente começa a usar drogas, acha que o mundo é ridículo e engraçado. Cheguei até a zombar de DEUS e a duvidar de Sua existência. Mas hoje, no leito de um hospital, reconheço que DEUS é mais importante que tudo no mundo e que, sem a Sua ajuda, não estaria,

agora, escrevendo esta carta. Pai, eu só estou com 19 anos; sei que não tenho a menor chance de viver. É muito tarde para mim! Mas ao senhor, meu pai, tenho um último pedido a fazer: mostre esta carta a todos os jovens que o senhor vier a conhecer. Diga-lhes que, em cada porta de escola... em cada cursinho de faculdade... em qualquer lugar, há sempre um grupo de falsos amigos e até namoradas(os), que irão lhes oferecer algum tipo de droga que poderá destruir também a saúde e a vida deles, como

Diretor Editorial: Mauro Borges Malta Filho Diretor Administrativo: Marcos Borges Malta

aconteceu comigo. Por favor, faça isso, meu pai, antes que seja tarde demais para eles. Perdoe-me, pai... já sofri demais. Perdoe-me, também, por fazê-lo sofrer com minhas loucuras e irresponsabi-lidade. ADEUS MEU PAI ! Algum tempo após escrever esta carta o jovem morreu.

Lembre-se Sempre:

JORNAL MB

*É MELHOR SER UM CARETA VIVO, DO QUE UM DROGADO MORTO

Zona Leste - São Paulo

*Mauro Borges - Autor da Campanha Droga Mata

amamentação está liberada. O crack também prejudica o feto. Verdade ou mito? Verdade. O crack prejudica o desenvolvimento do feto por alterar a saúde física da mãe e passar à corrente sanguínea do futuro bebê. Isso pode reduzir o fluxo de oxigênio para o feto, causar graves danos ao sistema nervoso central e alterações nos neurotransmissores cerebrais. Também há maior risco de aborto espontâneo, hemorragias, trabalho de parto prematuro, além de diversas malformações físicas e baixo peso ao nascer. Bebês de mães usuárias nascem já dependentes. Verdade ou mito? Mito. Bebês expostos ao crack durante o período fetal não são dependentes da droga. Não há comprovação científica de que eles desenvolvam abstinência na ausência do crack. Os sinais e sintomas que eles podem apresentar durante o período neonatal estão mais relacionados a alterações nas substâncias químicas do cérebro (neurotransmissores), que poderão ser ou não temporárias. Algumas pessoas têm predisposição genética para se tornar dependente do crack. Verdade ou mito? Verdade. Existe sim uma predisposição genética à dependência química. No entanto, não somente ao crack, mas a outras substâncias químicas, como o álcool, por exemplo. Fonte:Portal Brasil

CONSEG Vila Matilde

jornalmb@terra.com.br

Colabore com a Campanha Droga Mata. Tire algumas cópias desta carta e envie para alguns amigos e familiares.

Jornalista Responsável: Mauro Borges (MTB 40.680/SP) Relações Públicas: Lúcia de Fátima Santos Malta Repórter: Márcio Borges Malta Redação: Lúcia Borges Bueno

Rua Rio da Bagagem, 82 Vila Matilde - São Paulo CEP 03531-060

 (11) 2653-1806 ESTE JORNAL NÃO SE RESPONSABILIZA POR MATÉRIAS ASSINADAS OU POR PUBLICIDADE PAGA

Filiado à Associação dos Jornais da Zona Leste/SP _ AJORLESTE Impressão:

S/A O Estado de S. Paulo


Página 5

SP Janeiro/2018

TABACO CONHEÇA ALGUNS PROBLEMAS QUE O CIGARRO PODE CAUSAR EM SUA VIDA - A fumaça do cigarro possui 4.720 substâncias tóxicas, como monóxido de carbono,alcatrão e nicotina. Algumas dessas substâncias são reconhecidamente cancerígenas. - A nicotina promove o aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial, aumentando a chance de doenças do coração e doenças vasculares. - Crianças que convivem com fumantes têm mais asma, pneumonia, sinusite e alergia. - Em gestantes, fumar causa partos prematuros, aborto espontâneo e o nascimento de crianças de baixo peso. - Fumar causa impotência sexual. - Ao fumar, você inala arsênico e naftalina, também usados como veneno de ratos e baratas. - Fumar causa câncer de laringe, câncer de pulmão,

câncer de boca e perda dos dentes. - O cigarro associado ao uso de anticoncepcional tem 10 vezes maior risco de ocasionar infarto. - O uso do tabaco obstrui as artérias e dificulta a circulação do sangue, levando à morte por enfisema e câncer de pulmão. Dicas para parar de fumar: - É importante se conscientizar de que deseja parar de fumar, porque o cigarro faz mal a sua saúde e a das pessoas com as quais você convive. - Reduza o consumo de cigarros durante a semana, observando aqueles que podem ser eliminados, como o cigarros após o café, assistindo televisão ou antes de dormir. - Marque um dia para parar de fumar definitivamente. - No dia marcado, jogue fora o cigarro, o cinzeiro e o is-

queiro. - Cada vez que tiver vontade de fumar, tome um ou dois copos de água gelada,e use o cravo, a canela, o gengibre e a cenoura para mastigar nos momentos difíceis. - Faça exercícios de respiração: inspire profundamente, segure contanto até 5, solte o ar lentamente pela boca. - Escove os dentes logo após as refeições para bloquear a vontade de fumar - Pratique qualquer atividade física, como caminhar todos os dias por trinta minutos. - Enfrente cada dia como se fosse o primeiro e siga em frente. Você vai vencer! Sem o cigarro seu dia a dia fica mais agradável, você sente melhor o sabor dos alimentos e sua saúde ganha muitos anos. Quem não fuma aproveita mais a vida! Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia - www.cardiol.br

A AMEAÇA DO FUMO NO SÉCULO 21 A Organização Mundial da Saúde prevê que em 2030 o tabaco será o líder causador de mortes e doenças, matando mais de 10

milhões de pessoas anualmente, mais do que o vírus HIV, tuberculose, acidentes automobilísticos, suicídios e homicídios. Atualmente, o cigarro já

é responsável por 25 doenças ou grupos de doenças. A cada ano, causa 3,5 milhões de mortes, o que corresponde a 10 mil por dia.

USO ABUSIVO DO CELULAR E DO COMPUTADOR VICIA TANTO COMO DROGAS E ÁLCOOL

VOCÊ É VOCÊ SABIA QUE MAIS DE 50% DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO VICIADO EM INTERNET? SÃO CAUSADOS PELO USO INDEVIDO DO CELULAR? Checar WhatsApp, mandar um SMS, atender uma ligação ou atualizar o status das redes sociais pode parecer inofensivo, mas além da multa de R$ 85 reais e a perda de 4 pontos na carteira os motoristas ainda podem se envolver em acidentes fatais e prejudicar também a vida de terceiros. De acordo com pesquisas sobre o tema, checar o celular enquanto dirige aumenta em até 400% o risco de acidentes de trânsito. O uso do aparelho de telefonia móvel tira o foco da atenção dos motoristas e compromete a capacidade perceptiva das pessoas aumentando as chances de colisão. Para se ter uma ideia, usar celular enquanto dirige é tão ruim quanto guiar sob efeito de drogas e álcool. Se você ainda não acha que os celulares podem ser prejudiciais para a saúde no trânsito aqui vão 7 motivos para não usar o aparelho enquanto dirige: 1.Médicos, físicos e especialistas garantem que é impossível realizar diversas tarefas ao mesmo tempo. A capacidade cerebral hu-

mana limita-se a executar uma tarefa por vez, já que dirigir exige foco, atenção e nenhuma distração, devido a necessidade de raciocínio rápido e reflexos imediatos, dirigir falando ao celular se torna inadmissível. 2- As grandes empresas automotivas, cientes do alto risco de acidentes causados pelo uso indevido do celular, estão promovendo campanhas educativas para que os motoristas não desviem a atenção da estrada e respeitem as leis de segurança do trânsito. 3- Estudos apontam que

1 em cada 3 acidentes que acontecem no Brasil são devido ao uso incorreto do aparelho celular, ou seja, a melhor prevenção é o bom senso. Jamais deve-se admitir ao condutores falar ao telefone ou checar mensagens enquanto dirige. 4- Para se ter uma noção real das estatísticas, os acidentes causados por pessoas que trocam mensagens pelo celular no trânsito já ultrapassam os acidentes ocasionados pelo uso excessivo de álcool.Clique e conheça o pacote com 389 checklists de segurança do trabalho

5- Existem hoje diversas ações para conscientizar os motoristas dos riscos do uso de celular ao volante, uma delas é a criação de aplicativos que bloqueiam as funções do aparelho móvel enquanto o condutor estiver com o veículo em movimento. Ao liberar o aplicativo, o motorista recebe então uma mensagem com as ligações recebidas para retornar. 6- Seja consciente! Ao usar o celular o motorista perde a visão 360 graus possibilitada pelos retrovisores e vidros dianteiros, ficando com a visão limitada, o que pode aumentar drasticamente o número de colisão com outros veículos, muretas, postes e etc; 7- Pense nos outros! Os acidentes de trânsito geralmente envolvem terceiros. A irresponsabilidade de não cumprir com a lei pode acabar prejudicando pessoas que não tem nada a ver com a sua negligência ao volante. Agora que você já sabe de todas as consequências que essa imprudência pode ocasionar é importante estar atento e respeitar a lei! (DDS Online)

Se todas as vezes que alguém fala que você é viciado em internet a sua resposta é “Pelo menos eu não bebo ou uso drogas”, é melhor começar a pensar em outro argumento. Cientistas chineses publicaram um estudo inédito feito a partir de exames de ressonância magnética que mostra os efeitos do cérebro em quem não consegue ficar offline – e os resultados são surpreendentes. A grande novidade é que o vício na rede foi comparado pela primeira vez com o abuso de outras coisas, como drogas e álcool. Algumas anormalidades no cérebro de quem é viciado em internet foram encontradas em comparação com pessoas em tratamento para parar de beber ou usar substâncias ilícitas, como maconha

ou cocaína. De acordo com o The Independent, fibras da substância branca (componente do nosso sistema nervoso) estavam sem o pareamento correto em processos emocionais como tomada de decisões, foco e cognição, que são prejudicados pelo vício. O estudo ainda sugere que a manutenção desse ponto do cérebro pode ser a chave para um tratamento, mas ainda não é possível explicar se as mudanças são causa ou consequência dos vícios. Os voluntários foram 17 adolescentes que passam horas conectados, não conseguem controlar o horário e até perdem compromissos por conta do PC. O maior culpado pelo vício, segundo os cientistas, ainda são os video games.


Página 6

SP Janeiro/2018

AS DROGAS E SEUS EFEITOS Drogas que diminuem a atividade mental

SUBSTÂNCIA Ansiolíticos ou tranqüilizantes

ORIGEM

CONHECIDAS COMO

POSSÍVEIS EFEITOS

Sedativos, calmantes. Substâncias sintéticas

Valium, Lexotan, Diazepan,

produzidas em laboratório.

Dienpax, Librium, Lorax,

Alívio da tensão e da ansiedade, relaxamento muscular, sonolência, fala pastosa, descoordenação dos movimentos, falta de ar. Em altas doses podem causar queda da pressão arterial. Quando usadas com álcool, aumentam os seus efeitos, podendo levar ao estado de coma. Em grávidas podem causar mal formação fetal.

Rohypnol, Dalmadorm.

Em pequenas doses: desinibição, euforia, perda da capacidade crítica; Em doses maiores: sensação de anestesia, sonolência, sedação. O uso excessivo pode provocar náuseas, vômitos, tremores, suor abundante, dor de cabeça, tontura, liberação da agressividade, diminuição da atenção, da capacidade de concentração, bem como dos reflexos, o que aumenta o risco de acidentes. O uso prolongado pode ocasionar doenças graves como, por exemplo, cirrose no fígado e atrofia (diminuição) cerebral.

Obtido a partir de cana-de-açúcar,

Álcool etílico

Inalantes ou solventes

Narcóticos (ópio e seus derivados: heroína, morfina e codeína)

cereais ou frutas, através de um pro-

Álcool, “birita”, “mé”, “mel”,

cesso de fermentação ou destilação.

”pinga”, “cerva”.

Cola de sapateiro, esmalte, Substâncias

benzina, lança-perfume, “loló”, gaso-

químicas.

lina, acetona, éter, tíner, aguarrás e tintas. Heroína, morfina e codeína

Extraídos da papoula ou

(xaropes de tosse, Belacodid,

produtos sintéticos

Tylex, Elixir paregórico, Algafan).

obtidos em laboratório.

Dolantina, Meperidina

Euforia, sonolência, diminuição da fome, alucinações, tosse, coriza, náuseas e vômitos, dores musculares, visão dupla, fala enrolada, movimentos desordenados e confusão mental. Em altas doses, pode haver queda da pressão arterial, diminuição da respiração e dos batimentos do coração, podendo levar à morte. O uso continuado pode causar problemas nos rins e destruição dos neurônios (células do sistema nervoso), podendo levar à atrofia cerebral. O uso prolongado está freqüentemente associado a tentativas de suicídio. Sonolência, estado de torpor, alívio da dor, sedativo da tosse. Sensação de leveza e prazer. Pupilas contraídas. Pode haver queda da pressão arterial, diminuição da respiração e dos batimentos do coração, podendo levar à morte. Na abstinência (interrupção do uso): bocejos, lacrimejamento, coriza, suor abundante, dores musculares e abdominais. Febre, pupilas dilatadas e pressão arterial alta.

e Demerol.

Drogas que aumentam a atividade mental SUBSTÂNCIA

Anfetaminas

ORIGEM

Substâncias sintéticas obtidas em laboratório.

CONHECIDAS COMO Metanfetamina, “ice”, “bolinha”, “rebite”, “boleta”. Moderex, Hipofagin, Inibex, Desobesi, Reactivan, Pervertin, Preludin.

Substância extraída da Cocaína

folha de coca, planta encontrada na América do Sul.

Tabaco (nicotina)

Extraído da folha do fumo.

POSSÍVEIS EFEITOS

“Pó”, “brilho”, “crack”, “merla”, pasta base.

Cigarro, charuto e fumo.

Estimulam atividade física e mental, causando inibição do sono e diminuição do cansaço e da fome. Podem causar taquicardia (aumento dos batimentos do coração), aumento da pressão sangüínea, insônia, ansiedade e agressividade. Em doses altas podem aparecer distúrbios psicológicos graves como paranóia (sensação de ser perseguido) e alucinações. Alguns casos evoluem para complicações cardíacas e circulatórias (derrame cerebral e infarto do miocárdio), convulsões e coma. O uso prolongado pode levar à destruição de tecido cerebral. Sensação de poder, excitação e euforia. Estimulam a atividade física e mental, causando inibição do sono e diminuição do cansaço e da fome. O usuário vê o mundo mais brilhante, com mais intensidade. Pode causar taquicardia, febre, pupilas dilatadas, suor excessivo e aumento da pressão sangüínea. Pode aparecer insônia, ansiedade, paranóia, sensação de medo ou pânico. Pode haver irritabilidade e liberação da agressividade. Em alguns casos podem aparecer complicações cardíacas, circulatórias e cerebrais (derrame cerebral e infarto do miocárdio). O uso prolongado pode levar à destruição de tecido cerebral. Estimulante, sensação de prazer. Reduz o apetite, podendo levar a estados crônicos de anemia. O uso prolongado causa problemas circulatórios, cardíacos e pulmonares. O hábito de fumar está freqüentemente associado a câncer de pulmão, bexiga e próstata, entre outros. Aumenta o risco de aborto e de parto prematuro. Mulheres que fumam durante a gravidez têm, em geral, filhos com peso abaixo do normal.

Drogas que produzem distorções da percepção SUBSTÂNCIA

ORIGEM

CONHECIDAS COMO

Maconha

Substância extraída da

Maconha, haxixe, “baseado”,

(Tetraidrocanabinol)

planta Cannabis sativa.

“fininho”, “marrom”.

Substâncias extraídas de Alucinógenos

plantas ou produzidas em laboratório.

Ecstasy

Substância sintética do tipo anfet-

(metileno-dióximetanfetam-

amina, que produz alucinações.

ina)

POSSÍVEIS EFEITOS Excitação seguida de relaxamento, euforia, problemas com o tempo e o espaço, falar em demasia e fome intensa. Palidez, taquicardia, olhos avermelhados, pupilas dilatadas e boca seca, prejuízo da atenção e da memória para fatos recentes; algumas pessoas podem apresentar alucinações sobretudo visuais; diminuição dos reflexos, aumentando o risco de acidentes. Em altas doses pode haver ansiedade intensa; pânico; quadros psicológicos graves (paranóia). O uso contínuo prolongado pode levar a uma síndrome amotivacional (desânimo generalizado).

LSD (ácido lisérgico,”ácido”, “selo”, “microponto”), psilocibina (extraída de cogumelos) e mescalina (extraída de cactos).

MDMA, “êxtase”, “pílula do amor”.

Efeitos semelhantes aos da maconha, porém mais intensos. Alucinações delírios, percepção deformada de sons, imagens e do tato. Podem ocorrer “más viagens”, com ansiedade, pânico ou delírios. Sensação de bem-estar, plenitude e leveza. Aguçamento dos sentidos. Aumento da disposição e resistência física, podendo levar à exaustão. Alucinações, percepção distorcida de sons e imagens. Aumento de temperatura e desidratação, podendo levar à morte. Com o uso repetido, tendem a desaparecer as sensações agradáveis, que podem ser substituídas por ansiedade, sensação de medo, pânico e delírios. Fonte: SENAD Secretaria Nacional Antidrogas

ALERTA: NARGUILÉ PREJUDICA A SAÚDE TANTO QUANTO O CIGARRO Consumir uma rodada no cachimbo é equivalente a fumar 100 cigarros, alerta a Secretaria de Estado da Saúde O narguilé, também conhecido como cachimbo d’água, uma tradição árabe, virou moda entre os jovens e adultos brasileiros. Mas assim como o cigarro, também oferece riscos para a saúde. A Secretaria da Saúde alerta que, além da dependência, o narguilé pode causar câncer, doenças cardiovasculares e doenças precoces. De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), os tabacos usados

no cachimbo, que têm diversas essências, apresentam quatro vezes mais nicotina, 11 vezes mais monóxido de carbono e 100 vezes mais alcatrão do que o cigarro comum. Além disso, consumir uma rodada no cachimbo equivale a fumar 100 cigarros. O carvão usado para acender o narguilé também é inalado e é prejudicial à saúde. Outro fator de risco é a transmissão de doenças contagiosas já que as pitei-

ras por onde se fuma são compartilhadas por várias pessoas ao mesmo tempo, o que leva a um alto risco de herpes labial e até doenças mais graves, como tuberculose e hepatite C. Para saber mais sobre os riscos do narguilé, a Secretaria da Saúde disponibiliza um o podcast da sobre o tema, acesse: https:// soundcloud.com/spsaude/ narguile-pode-causar-dependencia-e-cancer


Página 7

SP Janeiro/2018

DISQUE RECOMEÇO TRATAMENTO PARA DEPENDÊNCIA QUÍMICA

0800-2272863

ATENDIMENTO DAS 8H ÀS 18H

Fotos: Luis Blanco/ A2img

O Programa Recomeço é uma iniciativa do governo do Estado de São Paulo para ajudar os dependentes químicos, principalmente os usuários de crack, oferecendo tratamento e acompanhamento multiprofissional ao paciente e aos seus familiares. As ações são coordenadas entre as Secretarias Estaduais da Saúde, da Justiça e Defesa da Cidadania e do Desenvolvimento Social e facilitam o acesso ao tratamento médico e apoio social e, quando necessário, a internação dos dependentes em centro de referência, incluindo comunidades terapêuticas e moradias assistidas. O trabalho também é integrado com o Poder Judiciário, com a participação do Ministério Público, da Defensoria Pública e da Ordem dos Advogados do Brasil, que acompanham os trabalhos e os casos que precisam do apoio ou interveniência destes organismos.No enfrentamen-

to da epidemia de crack, é papel do governo do Estado garantir a promoção dos direitos humanos, oferecendo atendimento especializado. Desta forma, é possível recuperar sua integridade, fortalecer os laços familiares e trazê-lo de volta ao convívio e às atividades sociais.Somente na região central da cidade de São Paulo, três serviços integrados de saúde dão suporte, atendimento, acolhimento e tratamento aos dependentes químicos. São eles:Cratod: É um equipamento de saúde que oferece pronto atendimento de urgência 24h, com serviços de desintoxicação e avaliação médica. Oferta, ainda, tratamento ambulatorial intensivo, semi-intensivo e não intensivo para dependentes químicos. Como Centro de Referência, proporciona capacitação profissional para agentes das áreas da saúde e assistência social. Atualmente, o equipamento é a principal por-

ta de entrada do Programa Recomeço na Capital. Unidade Recomeço: Instalada na rua Helvétia, a unidade oferece: Centro de Convivência, enfermaria de desintoxicação com 21 leitos e 37 vagas para moradia assistida. No Centro de Convivência são promovidas atividades como jogos interativos e grupos terapêuticos, assim como serviços voltados a cuidados pessoais. O Centro é composto por academia, laboratório de áudio, vídeo e teatro, cozinha experimental com refeitório e banheiros.Tenda Recomeço: Posicionada na esquina das ruas Helvetia e Dino Bueno, conta com equipe formada por profissionais de enfermagem, assistência social e conselheiros de dependência química, que atuam na abordagem aos usuários de drogas com o objetivo de oferecer serviços de cuidados e mobilizá-los para aderir ao tratamento de saúde.

Sua estrutrura é composta por um container-consultório, dois containers de apoio à equipe, um banheiro para equipe e um banheiro aberto aos usuários. Além disso, o programa possui 3.327 vagas para o atendimento de dependentes químicos em todo o Estado, divididos entre leitos de internação, desintoxicação, observação, comunidades terapêuticas, casas de passagem e vagas de república.Ainda para o atendimento integral de saúde, o programa possui o Hospital Recomeço, instalado em Botucatu, o primeiro hospital público do Estado destinado ao tratamento e reabilitação de dependentes químicos, especialmente de crack. A clínica é dividida em sete blocos que, juntos, contam com 66 leitos voltados ao processo de desintoxicação dos dependentes. O centro de reabilitação conta ainda com quadra poliesportiva coberta, espaço para ginástica e

Foi na Unidade Recomeço que Ezaú conseguiu a oportunidade de mudar de vida piscina. Além do atendimento clínico, os pacientes internados na unidade também recebem acompanhamento com uma equipe multiprofissional, formada por psiquiatras, psicólogos, assistentes sociais e educadores físicos, entre outros. O programa também possui o

Recomeço Família que, por meio de entidades e profissionais especializados articulados pelos CICs – Centro de Integração da Cidadania, as famílias possam receber orientação e apoio em como proceder e colaborar na recuperação e reinserção do dependente.

PRESÍDIO DO CARANDIRU / SP 15/12/1999: O DIA EM QUE UMA DAS MAIORES CADEIAS DO MUNDO PAROU PARA RECEBER A CAMPANHA DROGA MATA. CERCA DE 5 MIL PRESOS E MAIS DE 2 MIL FAMILARES DOS DETENTOS APOIARAM E APLAUDIRAM ESTE MUTIRÃO PELA PAZ, VIDA E SAÚDE.

Fotos: Mauro Borges Filho

Depois de muitos anos tentando penetrar nas muralhas do tristemente famoso presídio do Carandiru, campeão de mortes, fugas, rebeliões e tentativas de fugas, que em 2 de outubro de 1992, culminou com o massacre do Carandiru, onde, segundo fontes oficiais, foram mortos 111 presos, finalmente Mauro Borges, autor e coordenador nacional da premiada campanha Droga Mata, em 15 de dezembro de 1.999, com o apoio de seus dois grandes amigos do tempo que serviu o Exército Brasileiro, em 1971, o Cabo Demóstenes e do negrão Drumond, da Vila Dalila, que na época eram funcionários muito respeitados pela população carcerária do Carandiru, como também com o importante apoio e autorização do saudoso governador Mário Covas e do então vice-governador Geraldo Alckmin, acabou conseguindo falar com um grupo de cerca de 40 presos que mandavam no Carandiru, expondo a eles a sua firme disposição de promover um evento educativo naquele presídio, que visava pregar a paz nas cadeias e na sociedade, através do seu projeto contra as drogas e a violência no Brasil - Campanha Droga Mata - quando, ao final de sua explicação, acabou conquistando também autorização e o total apoio da população carcerária do Carandiru, cujo evento foi realizado com grande sucesso e num clima de muita

paz e alegria, tendo sido alvo de cobertura jornalística pela Rede Globo de Televisão, Rede Record, Folha de SP, jornal Agora, dentre muitos outros veículos de comunicação. Mais de 10 grupos de Rappers compostos pelos próprios presos do Caran-diru tiveram a rara oportunidade de se apresentarem num palco profissional, montado pelo comunicador Mauro Borges, por onde desfilaram também o famoso sambista e cantor Tobias da Vai-Vai, a então Rainha do Carandiru: Rita Cadilac, além do querido bispo Marcelo Crivella, da Igreja Universal do Reino de Deus, dentre outros. Durante a sua fala para os presos e seus familiares o jornalista e festeiro da periferias Mauro Borges bateu forte no seu discurso improvisado, dizendo entre outras coisas, o seguinte: ”Aqui (no Carandiru) só cumprem pena os peixes pequenos: manjubinhas ou bagrinhos. Os grandes tubarões das drogas e do crime organizado estão do lado de fora dessas muralhas e vivem impunemente, como verdadeiros Marajás. São maus políticos, policiais, juízes, grandes empresários, enfim, são autoridades dos mais variados poderes e escalões, que vivem disfarçados de gente fina e séria, são donos de grandes fortunas, conquistadas na base da corrupção e do crime, enfim, são bandidos do colarinho branco que enriqueceram as custas da

15/12/1999: Foram os próprios presos que ajudaram a montar e a desmontar todo o equipamento do Mutirão Droga Mata, além de pintarem o desenho da campanha nos muros do presídio e colarem adesivos por todo o Carandiru, onde não foi roubado nenhum prego sequer, comprovando a força e a credibilidade da campanha. dor e do sofrimento do povo brasileiro”. No término de sua fala, Mauro Borges foi muito aplaudido pelos presos e seus familiares, pelo seu discurso corajoso e agressivo contra as poderosas quadrilhas que infestam as mais altas esferas dos poderes públicos ou privados de nosso país, conforme tem sido fartamente noticiado diariamente pela imprensa de todo o Brasil. CONHEÇA UM POUCO DA HISTÓRIA DA CAMPANHA DROGA MATA O fato de ter um irmão 2 anos mais velho, hoje com 63 anos de idade, viciado numa das piores e mais destruidoras do mundo, que é o álcool, que

depois de trabalhar registrado em grandes empresas por mais de 20 anos, perdeu tudo, transformando-se, há 30 anos, numa pessoa agressiva, doente e muito problemática, alcoólatra crônico, que se recusa a aceitar ajuda ou seguir qualquer tratamento médico, levou seu irmão mais novo, Mauro Borges, a criar, em 1993, uma das maiores e mais agressivas campanhas educativas contra as drogas proibidas ou liberadas já feitas no Brasil, intitulada “Droga Mata” cujo principal objetivo é orientar os pais e as crianças de hoje, para se evitar ter que punir os jovens e os adultos de amanhã, sempre

FILHO JUNTA DINHEIRO PARA COMPRAR A ATENÇÃO DO PAI

U

m menino, com voz tímida e olhos de admiração, pergunta ao pai, quando este retorna do trabalho: - Papai, quanto o senhor ganha por hora? O pai, num gesto severo, responde: - Escuta aqui, meu filho, isto nem a sua mãe sabe! Não amole, estou cansado! Mas o filho insiste: - Mas papai, por favor, diga quanto o senhor ganha por hora.

A reação do pai foi menos severa e respondeu: - Sete reais por hora. - Então, papai, o senhor poderia me emprestar um real? O pai cheio de ira e tratando o filho com brutalidade, respondeu: - Então era essa a razão de querer saber quanto eu ganho? Vá dormir e não me amole mais, menino aproveitador! Já era noite, quando o pai começou a pensar no

que havia acontecido e sentiu-se culpado. Talvez, quem sabe, o filho precisasse comprar algo. Querendo descarregar sua consciência doída, foi até o quarto do menino e, em voz baixa, perguntou: - Filho, está dormindo? - Não, papai! - respondeu sonolento o garoto. - Olha, aqui está o dinheiro que me pediu; um real. - Muito obrigado, papai! - disse o menino levantando-se e retirando

mais seis reais de uma caixinha que estava sob a cama. - Agora já completei, papai! Tenho sete reais. Poderia me vender uma hora do seu tempo?

MORAL DA HISTÓRIA: Dê amor e atenção para seu filho(a) antes que seja tarde demais, ou, que ele(a) acabe sendo “adotado(a)” por um traficante. CAMPANHA DROGA MATA.

Mauro Borges, que se orgulha de promover festas e shows populares há mais de 30 anos pelas periferias de São Paulo, não se cansa de dizer que o evento do Carandiru, que contou com total apoio dos presos, foi o mais tranquilo e bem organizado em seus mais de 30 anos de sucesso, como festeiro das periferias de São Paulo alertando a todos para o fato de que a verdadeira felicidade poderá ser encontrada em muitos lugares, mas, com certeza, jamais, será encontrada no falso, ilusório e mortal mundo das drogas, sejam elas proibidas ou liberadas, como o cigarro comum e as bebidas alcoólicas em geral. A campanha possui 2 slogans: “É melhor ser um careta vivo, do que um drogado morto” e “As drogas só levam à 3 caminhos: cadeia, manicômio ou cemitério”. Mauro Borges costuma dizer em suas palestras, shows ou reuniões com amigos e familiares que o drama vivido com

grave vício de seu irmão mais velho, há mais de 30 anos, fez com que ele acabasse descobrindo que no Brasil é mais fácil alguém ganhar sozinho na loteria do que conseguir internação e tratamento médico gratuito e especializado para drogados ou alcoólatras em geral. Investir pesado na prevenção e na informação, como poderosas armas contra as drogas, tem sido, nos últimos 30 anos, um dos principais objetivos da campanha Droga Mata. Contato: mutiraodrogamata@terra. com.br, ou telefone: (11) 2653-1806 www. drogamata.com.br


Página 8

SP Janeiro/2018

*É melhor ser um

CAMPANHA DROGA MATA DO BRASIL PARA O MUNDO

*Este projeto “Droga Mata” faz parte do Calendário Oficial da Cidade de São Paulo e da SEME: Secretaria Municipal de Esportes/SP.

careta vivo, do que um drogado morto

O POVO E AS MAIORES PERSONALIDADES ESTÃO APOIANDO O MUTIRÃO MB CONTRA AS DROGAS E A VIOLÊNCIA NO BRASIL

O Rei Roberto Carlos

Zezé di Camargo & Luciano

Wesley Safadão: Astro do Forró Eletrônico

Claudia Leitte

Chitãozinho e Xororó

Cantora Ludmilla e Mauro Borges, autor da Campanha

Ricardo Barros Ministro da Saúde do Brasil

Rei Pelé: O Atleta do Século

Xuxa Meneghel, cantora e apresentadora da TV Record

Cel PM Nivaldo Cesar Restivo, Dr. Yosseff Abou Chain Delegado-geral da Polícia Civil/SP Comandante Geral da PM/SP

REALIZAÇÃO:

A VOZ FORTE DA ZONA LESTE - SP

 (11) 2653-1806 E-mail: jornalmb@terra.com.br Site: www.drogamata.com.br

*Vizinhos unidos, bandidos falidos.

Ivete Sangalo

Victor & Leo

Neymar JR

Luan Santana Cantor e compositor

Michel Teló: Explosão de sucesso no Brasil e no exterior

Mágino Alves, Secretário da Segurança Pública /SP

Geraldo Alckmin, Governador do Estado de São Paulo

MUTIRÕES DROGA MATA EM 2018

APOIO:

SÃO PAULO: CENTRO, ZONA NORTE, ZONA SUL, ZONA OESTE – ZONA LESTE – GUARULHOS – TAUBATÉ – SÃO JOSÉ DOS CAMPOS – DIADEMA – CAMPINAS – SÃO CAETANO DO SUL – SANTOS – MOGI DAS CRUZES – SÃO BERNARDO DO CAMPO – SOROCABA – SANTO ANDRÉ – RIBEIRÃO PRETO. DENTRE OUTROS BAIRROS E CIDADES. AGUARDEM!

MINISTÉRIO DA SAÚDE PREFEITURA DE SÃO PAULO

*CAMPANHA DEVIDAMENTE AUTORIZADA PELO CONSELHO ESTADUAL DE ENTORPECENTES - CONEN-SP - DESDE 10/08/1993

* MAURO BORGES, AUTOR E COORDENADOR NACIONAL DA PREMIADA CAMPANHA DROGA MATA & ESPORTE SALVA

Jornal MB Mais Brasil  

Droga Mata / Janeiro/2018

Jornal MB Mais Brasil  

Droga Mata / Janeiro/2018

Advertisement