Page 1

extra www.novoextra.com.br

MACEIÓ - ALAGOAS ANO XIX - Nº 980 - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

ACERTO DE CONTAS Desembargador Washington Luiz quer mandato de volta e indenização por danos morais sofridos com afastamento P/2

R 3,00

SEGURANÇA ARMADA Lei Chico Tenório obriga bancos a ter seguranças armados 24 horas para proteger usuário de caixa eletrônico

P/2

OPOSIÇÃO QUER COLLOR NA DISPUTA COM RENAN FILHO nNa Assembleia, patriarcas vestem pijama para dar lugar a parentes nJoão Beltrão, Luiz Dantas e Albuquerque vão abrir espaço para os filhos

P/ 6 e 7

Prefeitura de Maceió ameaça anular contratos com empresas de ônibus MP entra na briga para adaptar catracas dos coletivos às pessoas obesas e cegas

P/10 e 11

ARAPIRACA LARGADA

PF deve investigar denúncias de improbidade na gestão de Rogério Teófilo

P/5


2

MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

“Jornalismo é oposição. O resto é armazém de secos e molhados”

Poder da toga

1

- Alguns membros do Tribunal de Justiça de Alagoas ainda não digeriram a fala do desembargador Washington Luiz ao reassumir o cargo após dois anos afastado do tribunal.

2

- Mais que um discurso de retorno à suas atividades, a fala de Washington Luiz soou como um desabafo contra os que se omitiram em ajudá-lo e os que colaboraram nas denúncias contra ele no CNJ.

3

- Com exceção de três desembargadores que estavam ausentes à sessão do último dia 3, o recado de Washington Luiz foi ouvido por todos os presentes, mas pelo menos em público, ninguém vestiu a carapuça.

4

- Ao lembrar que ficará no cargo por muito tempo ainda, o desembargador deu a entender que pode voltar a presidir o tribunal. E aí, seus adversários que se cuidem.

5

- Denunciado por improbidade administrativa, Washington Luiz acredita que o processo a que respondeu no CNJ atendeu a interesses escusos de adversários políticos apoiados por colegas de toga do próprio TJ-AL.

6

- Por trás das denúncias que o afastaram do cargo por dois anos estaria a briga pelo comando político do Sertão, que ele disputava com outras lideranças da Região.

7

- De volta ao poder, Washington Luiz deve retomar os contatos políticos e expurgar os que se colocaram em seu caminho, inclusive alguns togados com influência no Sertão.

Danos morais

Amigos de Washington Luiz confidenciaram à coluna que o desembargador já estaria consultando advogados em busca de reparação por danos morais e materiais decorrentes do processo que sofreu. Afastado das atividades em pleno exercício do mandato de presidente do TJ-AL, o desembargador pretende reaver o mandato interrompido e ser indenizado pelos prejuízos financeiros e morais. Durante os dois anos em que esteve afastado do tribunal, Washington Luiz recebia o salário de desembargador, sem as vantagens a que tem direito como auxílio-moradia, auxílio-alimentação, auxílio-saúde e outros penduricalhos que engordam a renda dos magistrados brasileiros.

(Millôr Fernandes)

Briga de cachorro grande

1 - Cobiçado pela oposição para disputar o governo do Estado, o senador Fernando Collor de Mello tem até o dia 15 de agosto para decidir se topa essa parada. 2 - Os partidos que o querem na disputa avaliam que Collor tem cacife para peitar Renan Filho de igual para igual, com chances reais de vitória. 3 - Além do carisma de Collor na Capital e no Interior, sua candidatura supriria o desejo de vários segmentos sociais que não desejam ver Alagoas sob o domínio hegemônico dos Calheiros. 4 - Com mais 4 anos de mandato pela frente como senador, Collor nada tem a perder, além do que pretende eleger o filho Fernando James deputado federal e reforçar sua base política para 2022. 5 – É esperar para ver e conferir.

Caminho de volta

Depois da volta de Washington Luiz, a expectativa agora é pelo retorno do juiz Léo Denisson, de Marechal Deodoro, denunciado por improbidade administrativa. Assim como o do desembargador, o processo contra o juiz deve ser arquivado por falta de provas. Entre outras denúncias, Washington Luiz e Léo Denisson foram acusados de atuar em benefício do então prefeito de Marechal Deodoro, Cristiano Matheus. Em comum, os três são amigos do ministro Humberto Martins, do STJ, que em agosto assumirá o cargo de corregedor nacional de Justiça no CNJ, para o biênio 2018-2020. Como diz o dito popular, é melhor ter amigo na praça que dinheiro em caixa.

COLUNA SURURU DA REDAÇÃO

Bondade

Prioridades O TJ-AL vai gastar R$ 2,3 milhões na construção de uma sede para abrigar a Turma Recursal de União dos Palmares. Enquanto isso, a única Turma Recursal de Maceió sofre com a falta de estrutura física para julgar milhares de recursos dos 12 Juizados Especiais da Capital. Vale lembrar que a unidade judiciária de Arapiraca, que atende o Agreste, não movimenta mais que 300 recursos, enquanto as demais comarcas do estado, juntas, não chegam a 100 processos.

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou na última terça-feira (10) o Projeto de Lei 10332/18, do Poder Executivo, que concede gratuidade da tarifa de energia elétrica a famílias de baixa renda no consumo mensal de até 70 kWh. Agora a proposta seguirá para o Senado. Alguém vai ter que pagar mais essa conta e certamente não serão os deputados, que fazem cortesia com o chapéu alheio.

Segurança armada Os bancos que operam em Alagoas serão obrigados a contratar seguranças armados para reduzir o índice de violência que atemoriza a população. No caso dos caixas eletrônicos a segurança terá que ser feita 24 horas por dia. É o que dispõe lei de autoria do deputado Chico Tenório, promulgada semana passada pela Assembleia Legislativa. Tenório, que já foi dono de empresa de segurança, hoje defende os interesses do setor, que congrega 19 empresas e emprega mais de 4 mil trabalhadores.

Zé bobão

Foi o senador Roberto Requião quem divulgou a informação falsa de que o juiz Sérgio Moro estava, domingo, em Portugal. Quem identificou o mentiroso foi o próprio Moro. A informação é do jornal Valor. E todos caíram no conto do Zé Bobão do Paraná.

O PT perdeu

Mandatos ameaçados O TRE-AL julgará dia 23 próximo recurso do prefeito Isnaldo Bulhões, de Santana do Ipanema, cassado por compra de votos junto com a vice Christiane Silva Bulhões Barros. Outro prefeito que está com o mandato pendurado na Justiça Eleitoral é Flávio Almeida, de Pão de Açúcar, também por crime eleitoral. Seu vice Clayton Farias está no pacote.

Na segunda-feira, o PT ainda festejava o sucesso do golpe do plantonista, com o argumento de que ele havia desmoralizado Sérgio Moro e a Lava Jato. Agora bateu o desespero. Disse o Estadão: “A cúpula do PT admitiu ter sido um ‘erro jurídico’ a ação dos três deputados petistas de pedir a soltura de Lula. Avaliam que, apesar do ganho político, o PT queimou uma etapa importante com a Justiça e pode perder o apoio do ministro Dias Toffoli”. (O Antagonista)

EDITORA NOVO EXTRA LTDA - CNPJ: 04246456/0001-97 Av. Aspirante Alberto Melo da Costa - Ed. Wall Street Empresarial Center, 796, sala 26 - Poço - MACEIÓ - AL - CEP: 57.000-580

EDITOR: Fernando Araújo CHEFE DE REDAÇÃO: Vera Alves

CONSELHO EDITORIAL

Luiz Carnaúba (presidente), Mendes de Barros, Maurício Moreira e José Arnaldo Lisboa

SERVIÇOS JURÍDICOS

Rodrigo Medeiros

ARTE Fábio Alberto - 98711-8478 REDAÇÃO - DISK DENÚNCIA

IMPRESSÃO Jornal do Commercio E-mail: contato@novoextra.com.br

As colunas e artigos assinados não expressam necessariamente a opinião deste jornal


MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

JORGE OLIVEIRA

Covil de delinquentes

Brasília - O governo do Temer está tão desmoralizado que parece natural a Polícia Federal entrar no Ministério do Trabalho e arrastar pela orelha o ministro Helton Yomura destituindo-o do cargo à força por ordem do ministro do STF, Edson Fachin. Ali, as investigações concluíram que o PTB montou uma máfia para vender registros sindicais a novos pelegos de olho no FAT – Fundo de Amparo ao Trabalhador – e negociar outras benesses que engordam a conta dos dirigentes dessas entidades que deveriam, em tese, defender o trabalhador, mas que na realidade viraram casas de delinquentes para extorquir dinheiro público. O PTB, chefiado pelo ex-deputado Roberto Jefferson, é o partido que escolhe o ministro. É também quem decide os cargos do segundo escalão de pessoas que vão trabalhar a soldo dos políticos filiados e seus parceiros meliantes. Entra ministro e sai ministro, os ratos continuam lá dentro devorando o que ainda resta de verba para os convênios trabalhistas. Nada mudou, pois a turma do Jefferson é a mesma, só mudam as caras e os métodos de ataque aos cofres. O governo, que está se desmilinguindo, para se manter no poder, submete-se aos interesses desses políticos mantendo lá dentro a quadrilha petebista. Nada mais surpreende a população nesse governo. Pendurado em processos que apuram desvio de dinheiro das empresas das Docas de Santos para suas campanhas, Temer – o presidente mais impopular do mundo – vai se mantendo no cargo a trancos e barrancos até que deixe o poder direto para a Papuda. Para não abreviar a chegada ao presídio, que fica a poucos quilômetros do Palácio do Planalto, aceita que desqualificados assumam ministérios para manter a base política no parlamento para se sustentar no cargo. O Ministério do Trabalho é um dos órgãos mais visados por deputados bandidos que alojam lá dentro auxiliares a serviço do crime. Um dos que passaram por lá foi o presidente do PDT, Carlos Lupi, que hoje comanda a campanha de Ciro Gomes à frente do partido. Este senhor deixou o ministério enxovalhado, acusado de desvio de dinheiro. Ainda tentou se sustentar no cargo curvando-se de forma vil e submissa, numa solenidade palaciana, para beijar em público a mão da Dilma, ato constrangedor que não evitou a sua demissão. Não faz muito tempo, Roberto Jefferson insistiu em nomear a sua filha Cristiane Brasil. Queria evidentemente transformar o ministério num segmento familiar, onde as coisas do órgão pudessem ser discutidas primeiro em casa e depois na repartição. Não colou. Descoberta pendurada em ações em processos trabalhistas e com suspeita de envolvimento com traficantes de drogas do Rio que a teriam ajudado a se eleger, Temer recuou, mas só depois que a ministra Cármen Lúcia, presidente do STF, impediu a posse dela no ministério.

arapiraca@yahoo.com Siga-me: @jorgearapiraca

Escárnio

No decorrer da semana, Temer anunciou o novo ministro do Trabalho. Trata-se do desembargador aposentado Caio Luiz de Almeida Vieira de Mello, sócio da mulher do ministro Gilmar Mendes, do STF. A indicação aconteceu quatro dias depois do afastamento do ministro Helton Yomura, feito por Edson Fachin, ministro do Supremo, que identificou a bandalheira lá dentro do órgão.

Raposa

Os chefes

Nessa nova investida no ministério, a Polícia Federal arrastou de lá de dentro não só o ministro como seus auxiliares mais diretos. O chefe de gabinete Julio de Souza Bernardes, por exemplo, foi direto para a cadeia assim como Jonas Antunes, o chefe de gabinete do deputado Nelson Marquezelli, em cujo apartamento foram encontrados 95 mil reais em dinheiro. A sujeira também bateu às portas do Palácio do Planalto, onde o ministro Carlos Marun foi citado na operação Registro Espúrio como envolvido com a organização criminosa que fraudava as cartas sindicais.

Vazio

O ministério ficou “acéfalo”, como disse na carta o ministro expurgado Helton Yomura a um governo também acéfalo. Para que os faxineiros não lotassem caminhões com o entulho humano que sobrou do MT, Temer mandou Eliseu Padilha, envolvido na Lava Jato, assumir a cadeira do ministro deposto, como se a presença do seu homem de confiança fosse impor alguma moralidade lá dentro.

Putrefação

O Ministério do Trabalho é o retrato, sem retoque, de um governo decomposto, retorcido pela bandalheira, que ainda se atreve em apresentar um candidato, Henrique Meirelles, para representá-lo nas eleições deste ano que estancou no 1% de aprovação, como se disputasse as eleições na congelada Sibéria. Temer padece de um mal que contamina muitos políticos brasileiros, aquele que sujou a biografia de vários deles com o desenrolar da Lava Jato: a corrupção. E esse mal, que contagiou todos os partidos no país, está grudado na biografia do presidente como carrapato, difícil de ser extirpado.

Desde de maio de 2016, quando assumiu a presidência, Temer entregou o Ministério do Trabalho ao PTB do ex-deputado Roberto Jefferson, preso e condenado no mensalão que levou a cúpula do PT para o presídio. De lá para cá os escândalos sucederam-se. O partido do Jefferson transformou o órgão em um balcão de negócios, o que já era de se esperar quando se coloca uma raposa para administrar um galinheiro.

O último

Percebe-se nesse governo que não existe critério para nomeações de ministros. O próprio MT foi oferecido a outras pessoas que declinaram do convite do presidente. Muitos que recusaram não querem passar à história como ministro do presidente mais impopular do mundo e nem queimar o filme integrando uma equipe que pode terminar os dias dentro de um presídio.

Adeus

Temer conta os dias para deixar o Palácio do Planalto. Mas antes de sair está deixando a sua marca de país arrasado. A inflação, por exemplo, já deu sinais de que pode fugir do controle. No mês de junho apresentou índices de quase 2% só comparáveis à de 1994. A Boeing comprou a Embraer, a fábrica de aviões brasileira, com o aval do governo, quando os brasileiros estavam entretidos com os jogos do Brasil. E ainda na euforia da Copa, Temer baixou uma medida provisória de incentivo à indústria automobilística de R$ 1,5 bilhão ao ano para pesquisas. Isso significa, entre outras coisas, que impostos subirão para compensar a dinheirama que vai para as fábricas de carros.

3


4

MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

GABRIEL MOUSINHO

A caminhada do governador

A

indefinição na apresentação de um candidato por parte da oposição está levando o governador Renan Filho a avaliar novas alianças, até mesmo com quem está do outro lado do muro. Na sua última aparição na cidade de Arapiraca, o governador não descartou o apoio do prefeito Rogério Teófilo, numa clara alusão de que é melhor prevenir do que remediar. Será que Renan Filho não está tão certo de sua reeleição, ou quer mesmo a unanimidade para ficar registrado na história? Mesmo sem adversário no momento, o governador não tira o pé do acelerador e aumenta a velocidade ocupando todos os espaços para garantir sua reeleição e a do seu pai que deseja como nunca permanecer no Senado Federal. Os próximos dias serão decisivos para se ter uma ideia de como ficará a eleição majoritária, onde as convenções partidárias darão o tom da disputa. Pelo sim, pelo não, Renan Filho não perde tempo e isso é muito importante para quem quer um segundo mandato. Os outros que se cuidem.

Falta pouco

O deputado Marx Beltrão tem reagido publicamente com o que ele acha que são fofocas sobre a renúncia da sua candidatura ao Senado. Mas ele mesmo sabe que as chances de se tornar senador desapareceram nas nuvens. O que o Marx deveria estar fazendo é recompor suas bases políticas e encarar de forma profissional a sua reeleição. No terreno da majoritária ele sabe que, a estas alturas, não tem vez.

Sem chances

Analistas políticos acham conversa fiada dizer que o ex-governador Téo Vilela poderia topar uma candidatura ao Senado ao lado de Rodrigo Cunha. Isso seria o racha de uma vez por todas com o PP do senador Benedito de Lira.

Passos largos

O deputado Rodrigo Cunha não perdeu tempo depois do recesso na Assembleia Legislativa. Ele tem visitado cidades do interior e aparecido ao lado de importantes prefeitos de alguns municípios, mas ainda não deu pistas em qual palanque majoritário irá aparecer.

Projeções

A disputa para o Senado será difícil, mas muita gente acredita que os dois senadores eleitos serão Benedito de Lira e Renan Calheiros. Tradicionais na política alagoana, os senadores mantêm bases sólidas na capital e no interior do estado.

Força no Sertão

Mesmo condenado pela Justiça Federal a 28 anos de prisão, o ex-deputado e ex-prefeito de Canapi, Celso Luiz, continua com o prestígio em alta. Basta ver os carrões na porta de sua casa durante a semana e até nos domingos e feriados. Celso controla eleitoralmente grande parte do Sertão e é cortejado pelas grandes lideranças políticas de Alagoas. Quanto ao processo ele está recorrendo em liberdade.

gabrielmousinho@bol.com.br

Lá e cá

O senador Fernando Collor reafirma sua candidatura à presidência da República, mas não se descuida da política local. Collor tem participado de visitas no interior e deixado em suspense o que fará a partir das convenções partidárias. Como sempre o ex-presidente pode surpreender. Seus adversários estão com a pulga atrás da orelha.

Sem conversa

Quem pergunta ao senador Benedito de Lira sobre seu candidato ao governo, ele entroncha a cara. Está tocando sua campanha ao Senado e tem confidenciado que o candidato será apresentado no tempo devido. Mas ninguém sabe quem irá topar o desafio.

Dando um tempo

Cismado

O deputado Ronaldo Lessa não tem tanta certeza de que será reeleito deputado federal. Amigos próximos do parlamentar dizem que ele anda meio cabisbaixo, indiferente, pensativo de que poderia ter disputado o Senado da República. Os mesmos amigos assinalam a Lessa que não aposte muito no apoio de Renan pai e Renan Filho.

Aliança reforçada

A propaganda paga sumiu dos intervalos da televisão e dos jornais da capital. Com isso governo e prefeituras podem destinar os recheados recursos em outras áreas que possam beneficiar a população. É uma exigência da legislação eleitoral.

Muito prático para o governador Renan Filho dizer que a saída de Marx Beltrão da disputa por uma vaga no Senado reforça a aliança política do seu grupo e dá mais força aos aliados. Já Marx justifica, depois de escanteado pelos Calheiros, que o trabalho coletivo está acima das motivações pessoais. Ah, bom!

Longe da mídia

Problema

Os candidatos às eleições de outubro também não poderão participar de solenidades públicas, nem de inaugurações. Estariam contrariando o que determina a lei. Quem insistir poderá ter a candidatura inviabilizada pela Justiça Eleitoral.

Confronto à vista

A estratégia da família Calheiros com vistas a 2022 é clara. Ao anunciar o nome de Luciano Barbosa para continuar vice de Renan Filho, pode-se deduzir que haverá, nos próximos anos, um embate entre ele e Fernando Collor que encerra o seu mandato de senador. É porque os Calheiros querem um nome que vá para o confronto, o que não seria a praia do ex-secretário do Gabinete Civil, Fábio Farias.

Saindo fogo

Para quem conhece Fernando Collor, ele adora um confronto, bater de frente com quem quer que seja, mesmo que seja com a família Calheiros. O que o ex-presidente projeta é renovar o seu mandato se não der em nada sua candidatura à presidência da República. É uma peleja que vai atrair o eleitorado alagoano.

Marx Beltrão, a partir de agora, vai ter mais dois problemas para resolver até as eleições. O primeiro que precisa justificar e pedir novamente o voto, desta vez para sua reeleição. O segundo é com a própria família, cujo irmão, Maikon Beltrão, já havia trabalhado e feito acordos para deputado federal, devendo consequentemente renunciar ao projeto.

Exagero

Algumas autoridades inconformadas com a decisão da justiça de que Lula permanecesse preso em Curitiba, exageraram nos comentários. Uma delas, do governo do Estado, taxou o juiz Sérgio Moro, como “Moro e sua quadrilha”, palavras inapropriadas para um personagem que exerce cargo público de relevância. O assunto sobre Lula é técnico, da Justiça, e a paixão de alguns deve ser deixada para outras oportunidades.

Desespero

Assessorias de alguns candidatos já colocam seus preferidos no rol dos mais votados, num evidente desespero da insignificância que eles possam merecer nas eleições de outubro. Com tanta patifaria feita por aí, muitos vão ter grande decepção nas urnas.


MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

Município na iminência de megaoperação da Polícia Federal

ARAPIRACA LARGADA

IRREGULARIDADES ENVOLVEM ROGÉRIO TEÓFILO, ANTÔNIO LENINE E ADONIRAN GUERRA DA REDAÇÃO

A

s graves denúncias contra a administração municipal de Arapiraca poderão desencadear uma megaoperação da Polícia Federal, que deve ser deflagrada a qualquer momento na Terra de Manoel André. Informações colhidas junto a uma fonte do Ministério Público Estadual garantem que promotores estão “debruçados” sobre denúncias contra o prefeito Rogério Teófilo (PSDB) e alguns dos seus secretários. Todos estão sendo investigadas e poderão ser alvos de uma operação federal com mandados de busca e apreensão. Na cidade há quem diga que o prefeito, juntamente com o secretário de Gestão, Antônio Lenine, e o ex-secretário do setor de licitações, Adoniran Guerra, estão de “cabeça quente”, com medo de acordarem às 5 horas da manhã com a PF na porta de casa. O trio vem sendo alvo de graves denúncias que já são de conhecimento público, a exemplo da farra na contratação de Oscips e funcionários fantasmas; compra de carteiras escolares que nunca chegaram às escolas e o famigerado calote numa empresa de auditoria, que chegou a receber parte do combinado através da conta de uma construtora pertencente ao secretário Antônio Lenine. E as denúncias relacionadas a corrupção e descaso com os cofres públicos não param de chegar às mãos do promotor Rogério Paranhos, responsável pela promotoria de Arapiraca, que vem sendo cobrado a dar respostas por parte da população, que após décadas sofre com o abandono da cidade abandonada e com obras que também estão sendo investigadas pela Controladoria Geral da União (CGU). A atual administração vem patinando em desmandos e escândalos com o dinheiro público, sem a interferência da Câmara Municipal, que tem na presidência a vereadora Graça Lisboa, fiel aliada do prefeito.

Adoniran Guerra, Rogério Teófilo e Antônio Lenine acumulam acusações de improbidade e podem ser investigados pela Polícia Federal

Biu e Arthur Lira pulam do barco A situação em Arapiraca anda tão complicada que o senador Benedito de Lira e o deputado federal Arthur Lira foram orientados pelos seus marqueteiros a se distanciarem do prefeito Rogério Teófilo, que atinge uma rejeição popular que margeia os 80%. Com medo de se contaminarem com a impopularidade do prefeito, Biu e Arthur resolveram se afastar da cidade, deixando toda a articulação política nas mãos do secretário Antônio Lenine, braço direito dos De Lira na Capital do Agreste. Fontes ligadas ao senador Benedito de Lira e ao deputado Arthur Lira relatam que a expectativa de pai e filho era conquistar Arapiraca para garantir a cereja do bolo da política alagoana. Hoje perceberam que, ao invés da cereja, carregam nas mãos um cacho de rolete de cana chupado, que não representará peso algum no coeficiente eleitoral das eleições de outubro próximo.

5


6

MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

“Quero Collor” vira discurso da oposição ao Governo

ELEIÇÕES 2018 Instagram

PARTIDOS SONHAM COM EMBATE ENTRE SENADOR E RENAN FILHO, EM NOME DE FERNANDO JAMES

ODILON RIOS Especial para o EXTRA

M

enos de 1 mês do prazo final para as convenções (limite é 5 de agosto), qual nome a oposição vai apresentar para enfrentar Renan Filho? Sem o PSDB, cujo presidente estadual Rui Palmeira, desistiu do embate, a coligação PSB, PSDC, PSC, PPL e Patriotas se movimenta para engordar os próprios correligionários. Existe um consenso: querem Fernando Collor (PTC) disputando o governo; Collor é candidato a presidente da República pelo seu partido apesar de a legenda insistir que não terá nomes ao Palácio do Planalto para que o partido não morra, em representação, na Câmara dos Deputados. Existe um consenso no grupo: ao manter a inviável candidatura presidencial, Collor prepara o “pulo do gato”: disputar o Palácio República dos Palmares. A coligação aposta no efeito-surpresa, como em 2006, quando Collor venceu Ronaldo Lessa, então governador, na disputa ao Senado. O ex-presidente da República apresentou o próprio nome no final de agosto daquele ano. Ganhou.

Collor e o filho Fernando James e respectivas esposas durante festejos juninos em São Miguel dos Campos

Apesar do prazo final para a realização das convenções ser em 5 de agosto, esta não é a data-limite. Porque até 15 de agosto os nomes têm de ser apresentados à Justiça Eleitoral. É quando quem é pode não ser. Porque o papel tem soberania, vale o que está escrito, não a charanga dos partidos no lançamento dos seus candidatos nas portas das sedes. Quem mexe a caneta ao preencher a ata da convenção tem o poder maior. E a oposição sonha alto: quer a rubrica de Collor como candidato ao governo, elevando o coro dos descontentes na disputa. Isso porque eles não fecharam acordo com Renan Filho. JHC MAIS FERNANDO JAMES Um deles é o deputado federal João Henrique Caldas (PSB), crítico contumaz de Re-

nan Filho e Rui Palmeira. Mais votado em 2014, recusou ficar em qualquer dos lados, mas não conseguiu construir um grupo político-partidário sólido o suficiente para assumir a terceira via eleitoral nestes 4 anos. O pai de JHC, João Caldas, que é presidente do PSC em Alagoas, vai disputar uma das vagas ao Senado, mesmo que as chances de ser votado em seu próprio grupo sejam mínimas. Célia Rocha, por exemplo, votará em Rodrigo Cunha (PSDB) e em Renan Calheiros (MDB) ao Senado. (ver mais detalhes nesta edição). Mas o grupo aposta que um candidato de porte nacional - Collor- agregue os diferentes interesses ao menos para a construção de uma bancada na Assembleia Legislativa e Câmara Federal. JHC é o nome no topo desta lista; existe outro um tanto escondido: Fernando James, filho de Collor, tratado pelo senador

como seu herdeiro na política e nos negócios, vide-se Organização Arnon de Mello. Lugar, aliás, onde Fernando James tem protagonismo menor por escolha dele mesmo. Collor deixaria o filho entrar em uma disputa a federal para, em seguida, perder? O que ele ganharia com isso? Por que, então, Collor não pode assumir o protagonismo da campanha disputando o governo para eleger o filho em Brasília? Collor começou a vida política como prefeito biônico de Maceió; virou deputado federal. Fernando James iniciou como vereador de Rio Largo, onde o avô, Arnon de Mello, nasceu em 19/09/1910. Disputou e perdeu a Prefeitura da cidade. Desistiu da política, mas foi chamado ao compromisso de assumir o espólio do pai e do avô e também do bisavô, Leopoldo, então ministro do Trabalho de Getúlio, em 1930.

Isso porque Arnon Neto, filho de Collor e irmão de Fernando James (que até fez um ensaio exibindo o título eleitoral tirado em Maceió nas redes sociais) é vice-presidente da Liga na América Latina da NBA, a poderosa liga de basquete americana. E permanece na atividade empresarial, ao menos ainda sem interesse de voltar a Alagoas para assumir os negócios da família. Assim, a futura coroa familiar passará para a cabeça de Fernando James. Existe, também, um futuro concreto, que não precisa de bola de cristal. Collor vai às urnas em 2022, na tentativa de se reeleger (pela 3ª vez) ao Senado. Daqui a quatro anos, Alagoas não vai apenas tremer ao assistir o Brasil entrar em campo na briga pelo hexa no Catar; vai também acompanhar um jovem Renan Filho, aos 43 anos, disputar a vaga de um idoso Collor, aos 73 anos. “O senador dará o voto em Renan Filho ao Governo, ajudará em sua eleição e correrá riscos daqui a quatro anos?”, pergunta um bem informado líder político “Collor sabe apanhar e sabe revidar” diz um dos seus próximos. Apanhar quer dizer: ele vai voltar a ver todo o seu passado e o seu presente, do impeachment à Lava Jato, desfilando na grande mídia nacional. Coisa que ainda não aconteceu porque o senador é apenas um traço nos maiores institutos de pesquisa do país. O traço pode virar muitos pontos em Alagoas. É o que a oposição quer: Collor e Renan Filho em lados diferentes, em 2018. Por enquanto, ninguém da coligação tem coragem de perguntar para a fera se ela quer agarrar a presa.


MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

7

Na Assembleia, patriarcas vestem pijama para dar lugar a parentes

ELEIÇÕES 2018 Instagram

JOÃO BELTRÃO E LUIZ DANTAS ANUNCIARAM QUE ESTÃO FORA DA DISPUTA; ANTÔNIO ALBUQUERQUE TAMBÉM DEVE SE APOSENTAR ODILON RIOS Especial para o EXTRA

F

amílias tradicionais da política alagoana se reúnem para discutir os últimos detalhes de quem vai apoiar quem na disputa local. Na ponta deste sistema estão os coordenadores destas famílias, espalhados do interior à capital. Eles arrebanham eleitores, alguns deles seguindo a velha prática do cabresto. Pelo WhatsApp orientam os próprios familiares e nem sempre obtêm o consenso. Não faz mal. Não faz mal porque as eleições deste ano são decisivas para a maioria dos nomes mais tradicionais na política alagoana. Na Assembleia Legislativa, por exemplo, haverá a troca de 6 por meia dúzia. A família Madeira, por exemplo, vai trocar Marquinhos, o filho, por Marcos, que busca a imunidade parlamentar que vai lhe garantir a blindagem na Justiça e a sobrevivência por mais tempo na política-eleitoral em Maragogi. Os Dantas também trocam de pele, mantendo o jeito de ser. Luiz, presidente da Casa, vai vestir o pijama e fazer a campanha do filho Paulo. Os Beltrão também assistirão à

Quem está de fora quer entrar x-prefeita de Estrela de E Alagoas e encrencada com ações na Justiça,

João Beltrão - com os filhos Maycon (E) e Marx - abre espaço na ALE para o sobrinho Yvan

aposentadoria de João para dar lugar ao sobrinho Yvan, filho de Joaquim, prefeito de Coruripe. Outro que discute se aposentar - ao menos na disputa à Assembleia - é Antônio Albuquerque (PTB). Ele deve disputar a vaga de federal e, no lugar dele, ficaria um dos filhos na Assembleia. Os Pessoa entraram no jogo do “muda para ficar tudo igual”. Severino fará campanha para o filho, Randerson, mas de olho na vitória de Célia Rocha, ex-prefeita de Arapiraca. Fabiana, esposa de Severino, tinha a vaga praticamente garantida no lugar do marido. Mas, abriu mão para ajudar Célia, que busca reconstruir os caminhos na política partidária. O que mais interessa, porém, são os votos de algumas destas famílias ao governo, ao Senado e deputado federal. São estes votos que garantem influência fora dos muros de Alagoas. É a busca para atrair espaços em Brasília, cavar emendas federais para celeiros de voto, ter a chance de um selfie com o presidente da República.

Por isso, a família Madeira - de Marquinhos e Marcão - fechou pela reeleição do senador Renan Calheiros (MDB) e o deputado federal Maurício Quintella (PRB), que busca o Senado. A federal, vão votar em Sérgio Toledo (PR), hoje deputado estadual. Também busca a reeleição do governador Renan Filho (MDB). Os Calheiros manterão Olavo na Assembleia, pedirão votos a Renan Calheiros e Maurício Quintella nas 2 vagas ao Senado. Ao governo, Renan Filho. Vaga de deputado federal ainda é segredo. Segredo porque a tendência era apoiar Isnaldo Bulhões (MDB) para chegar a Brasília. Porém, Marx Beltrão desistiu de sair ao Senado e espera acordo entre os Calheiros para que eles peçam voto a ele a deputado federal. Célia Rocha - fechada com a família Pessoa - vai pedir votos para Renan Calheiros ao Senado e para que o deputado estadual Rodrigo Cunha (PSDB) seja o segundo voto ao mesmo posto de Renan-pai. E fica com Renan Filho ao governo. A ex-prefeita é do PTC, que fechou coligação com PSB,

PSDC, PSC, PPL e Patriotas. Um guarda-chuva gigantesco, indo de Fernando Collor (PTC) a João Henrique Caldas (PSB). Rogério Teófilo, que tinha o apoio da família Pessoa, decidiu apoiar o filho, Moacir, na disputa a estadual. Federal acordou com Arthur Lira (PP); Senado, Benedito de Lira (PP) e Rodrigo Cunha; governo? Tendência é estar com Renan Filho (e risco de enfrentar o vice-governador Luciano Barbosa, do MDB, nas urnas de Arapiraca, em 2020). A família Beltrão, após desistência do deputado federal Marx na corrida ao Senado (ele disputa reeleição), está com Renan Calheiros ao Senado e tendência, na 2ª vaga, a escolher Maurício Quintella. Para o governo, Renan Filho. A família Dantas fechou, ao Senado, em Renan Calheiros e Maurício Quintella; federal? Tendência é apoiar Isnaldo Bulhões. Inácio Loiola, da família Damasceno Freitas, vota, ao Senado, em Renan Calheiros. O segundo voto deve ser para Maurício Quintella; deputado federal: tendência é fechar com Marx Beltrão; ao governo, em Renan Filho.

Ângela Garrote, do PP, também é candidata a Assembleia. Em Palmeira dos Índios, onde tem o filho, Toninho, vereador e acusado de assassinato, ela conta com os votos do prefeito Júlio Cezar. A federal, pedirá votos pela reeleição de Arthur Lira; ao Senado, fica com Benedito de Lira e Renan Calheiros e vota em Renan Filho ao governo. Abrahão Moura, ex-prefeito de Paripueira, virou um acumulador de prefeituras na região Norte: Paripueira, onde elegeu o sucessor, e Barra de Santo Antônio, que tem a esposa no comando do Executivo local. Faz campanha para a filha, Cibele, à Assembleia Legislativa; a federal, tendência é escolher Sérgio Toledo; ao Senado, Renan Calheiros e Maurício Quintella. Governo? Renan Filho. Os Canuto tentam se unir internamente. Acordaram apoiar o vereador tucano de Maceió, Eduardo (PSDB), a federal; Fátima Canuto (PRTB), mãe do prefeito de Pilar, Renato, sai a estadual; ao Senado, votam em Renan Calheiros e Maurício Quintela; ao governo, Renan Filho. Lula Cabeleira, ex-prefeito de Delmiro Gouveia e patriarca da família, busca eleger a filha, Ziane Costa, para a Assembleia; definiu Renan Calheiros. Ao governo, Renan Filho. Nome da família a deputado federal e a 2ª vaga ao Senado? Mistério!


8

MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

MP investiga funcionários ‘fantasmas’ na administração de Pilar

APÓS DENÚNCIA CASO FOI DIVULGADO PELO EXTRA NA SEMANA PASSADA

BRUNO FERNANDES Estagiário sob supervisão da Redação

O

Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE-AL) resolveu instaurar inquérito para investigar a existência de funcionários ‘fantasmas’ no quadro da administração pública do município do Pilar. O caso veio à tona após o EXTRA publicar a denúncia na última semana. De acordo com a representação impetrada por uma empregada doméstica, o ex-patrão e vereador Paulo Cavalcante Soares, conhecido como Paulinho Bugarim (PSC), estaria usando seu nome para receber dinheiro da Prefeitura de Pilar. Segundo documento enviado ao MPE em 22 de maio deste ano, e que teve a

investigação iniciada na última quarta-feira, 12, a empregada doméstica Viviane Rogéria Ferreira da Silva trabalhou na casa do vereador recebendo 500 reais/mês durante 1 ano e 9 meses, mas não sabia que o dinheiro pago a ela correspondia a 50% do valor recebido como servidora comissionada do município. “Não havia assinatura da Carteira de Trabalho, até porque não se pagava nem o mínimo legal. O Sr. Paulo solicitou a entrega de alguns documentos dizendo que iria realizar os meus recolhimentos previdenciários supostamente como autônoma”, explica a servidora fantasma sobre o início da fraude supostamente planejada pelo antigo patrão. De acordo com Viviane Rogéria, durante um serviço de limpeza habitual na casa do vereador, teria descober- Paulinho Bugarim foi denunciado ao MP pela ex-empregada doméstica to vários documentos em seu nome, entre eles uma tampouco, afirma, traba- buscaremos a punição adeportaria de nomeação como lhou no referido órgão mu- quada para quem cometeu a assistente de diretoria da nicipal. Apenas foi domésti- fraude, conforme o que preSecretaria de Administra- ca na casa do senhor Paulo coniza a lei”, enfatiza o proção do Pilar. Bugarim, à época chefe de motor Sílvio Azevedo. “A senhora que se diz vi- Gabinete do prefeito e que Procurado pelo EXTRA, timada alega nunca ter re- no momento ocupa uma o vereador afirmou que as cebido o valor registrado no das cadeiras na Câmara de acusações não passam de contracheque em seu nome, Vereadores. Se confirmado, “politicagem” feita pelo atu-

al prefeito, Renato Filho (PSDB), e que nunca teve funcionários trabalhando para ele na prefeitura. Em nota, o prefeito declarou estar ciente do caso e que já está tomando as providências cabíveis. O promotor solicitou o comparecimento da representante e do representado para oitiva, além de solicitar ao procurador-geral de Justiça, Alfredo Gaspar de Mendonça, que designe membros do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público para atuarem conjuntamente com a Promotoria de Justiça do Pilar. Ainda segundo o promotor, o assunto é de interesse difuso e de relevante valor social e “exige que se colha mais informações e dados para que as medidas administrativas e judiciais cabíveis sejam adotadas”. No decorrer da investigação, o Ministério Público também deve se pronunciar sobre a denúncia de que o investigado reparte os salários de servidores da Câmara do Pilar indicados por ele. As denúncias fazem parte de uma investigação que pode resultar na cassação e prisão de mais um político alagoano.


MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

9

Famílias lutam há décadas por fazendas

JUSTIÇA LENTA PROCESSOS ENVOLVEM EX-SECRETÁRIO ÁLVARO VASCONCELOS JOSÉ FERNANDO MARTINS josefernandomartins@gmail.com

D

uas famílias cobram mais celeridade da Justiça para resolver imbróglios quanto a posse de terras em fazendas localizadas no Benedito Bentes, em Maceió. Para se ter uma ideia, um dos processos já é considerado balzaquiano, uma vez que tramita no Judiciário alagoano desde 1984. O outro, embora mais recente, de 2006, também sofre com a falta de definição. Ambos casos envolvem o exsecretário estadual da Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura (Seagri), Álvaro Vasconcelos. Se por um lado, o ex-secretário afirma ter documentos que comprovam sua legalidade de reivindicar as terras, do outro famílias o acusam de “negociar com gente que já morreu” e de “usar influência política para ganhar na Justiça”. O drama mais antigo é dos herdeiros do agricultor Antônio Cândido, falecido 2001 aos 81 anos, que levou Álvaro Vasconcelos à Justiça. A disputa judicial é pela demarcação da Fazenda Duas Bocas, na qual o exsecretário teria se apropriado ilegalmente de parte das terras. Em setembro do ano passado, o EXTRA noticiou que o juiz responsável pelo processo, Ayrton de Luna Tenório, teria nomeado a perita Gabriella Paiva de Andrade para, enfim, demarcar os limites da fazenda. A perita, conforme os autos do processo na ocasião, tinha 60 dias para fazer um levantamento topográfico das terras e apre-

sentar laudo pericial com a nova linha demarcatória. O prazo começaria a valer assim que Gabriella Andrade fosse intimada e aceitasse a realização do laudo. Nove meses depois, familiares de Antônio Cândido aguardam a conclusão da perícia e uma posição da Justiça. Porém, foi só em março deste ano que a perita nomeada foi intimada para apresentação de proposta de honorários. Vale salientar que, ao longo dos últimos 30 anos, esse processo passou pelo crivo dos juízes Nelma Padilha, desembargadora aposentada falecida, Danilo Acioly (falecido), Antônio Emanuel Dória, Ivan Brito, Marcelo Tadeu e por último, Ayrton de Luna Tenório. No Tribunal de Justiça, a ação foi analisada pelos desembargadores Adalberto Correia de Lima (falecido), Estácio Gama de Lima (aposentado), James Magalhães (falecido), José Fernandes de Holanda Ferreira (aposentado) e Antônio Sapucaia (também aposentado). Depois da apelação dos herdeiros, o processo foi parar nas gavetas dos magistrados. Em maio de 2009, o escândalo veio a público durante a primeira audiência pública do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em Maceió,

Lídia e Luciane Araújo: mãe e filha querem indenização

quando o descaso foi denunciado ao ministro Gilson Dipp, então corregedor Nacional de Justiça. Segundo o Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ-AL), o processo em questão continua aguardando a realização de uma perícia. “Já houve a manifestação das partes, que apresentaram seus assistentes técnicos. De acordo com a assessoria da 4ª Vara Cível da Capital, o processo é antigo porque já havia sido encerrado, mas houve uma outra decisão que anulou sua sentença. Com isso, o processo voltou a tramitar”, informou a assessoria de comunicação. PERDAS E DANOS MORAIS A aposentada Lídia Araújo, 73, luta para honrar a memória do marido Vitor Roberto Araújo, que, segun-

do ela, morreu de desgosto com o processo que enfrentou devido um arrendamento da Fazenda Brejo Grande. Após arrendarem a terra de uma amiga da família, Lídia e o marido viram a paz e o sossego do campo se tornarem tristeza, medo e ansiedade. Conforme conta a aposentada, a propriedade rural pertence a vários herdeiros e uma parte foi arrendada ao marido com contrato em vigor até 2016. Mas, em 2006, ele foi obrigado a sair do imóvel por decisão liminar do juiz Pedro Jorge Melro Cansanção. No entanto, a decisão não poderia ser acatada uma vez que o juiz é primo da esposa de Álvaro Vasconcelos. Após conceder liminar, Cansanção reconheceu o grau de parentesco com o autor da ação e averbou-se suspeito, mas mesmo assim não revogou sua desastrosa decisão.

Em 2011, o juiz da 13ª Vara da Capital, Gustavo Souza Lima, derrubou liminar que concedia a Álvaro Vasconcelos a posse da fazenda e determinou reintegração imediata ao arrendatário. Voltaram para a terra, mas os problemas continuaram, mas desta vez em forma de ameaças. “Já queimaram casas, destruíram o que meus pais construíram em décadas. E Álvaro Vasconcelos alega ter comprado o local de uma pessoa que morreu em 1977, que nem tinha herdeiros. A irmã da antiga proprietária, amiga da família, também não fez nenhum negócio com ele”, desabafou Luciane Araújo, 55, filha de Lídia e Vítor. Agora, aguardam uma posição do juiz Gustavo Souza Lima sobre o futuro da fazenda. “Queremos indenização de danos morais e perdas materiais. Meu pai teve sequelas com tudo o que passou. Minha mãe sofre ao falar sobre o assunto. Quando foram despejados, os dois tiveram que deixar tudo para trás. Não puderam levar nada. Só restaram os prejuízos”, alegou. Luciane. Em abril deste ano, Lídia Araújo lavrou boletim de ocorrência. Segundo o documento, Álvaro Vasconcelos teria contratado um topógrafo para medir o terreno sem o consentimento da Justiça. OUTRO LADO Procurado pelo EXTRA, o ex-secretário Álvaro Vasconcelos informou que, devido viagem, só poderia se posicionar na próxima semana.


10

MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

Rui Palmeira ameaça anular contratos com empresas

TRANSPORTE URBANO PREFEITO DECRETA INTERVENÇÃO PARCIAL PARA SABER VALOR REAL DA ARRECADAÇÃO VERA ALVES veralvess@gmail.com

D

evedoras de quase R$ 21 milhões à Prefeitura de Maceió, as quatro empresas exploradoras do transporte urbano da capital estão ameaçadas de perderem os contratos assinados há quase três anos. A definição sobre se continuarão ou não explorando os serviços deve se dar em janeiro do próximo ano, quando terminam os 180 dias de intervenção parcial decretada na terça, 10, pelo prefeito Rui Palmeira (PSDB). O decreto da intervenção – nº 8598, publicado na quarta no Diário Oficial do Município – deixa claro a motivação econômica que levou a prefeitura a atender, em parte, o que Ministério Público Estadual e Ministério Público de Contas pediram em maio último por meio de recomendação conjunta na qual enumeraram as diversas irregularidades no sistema de transporte público de Maceió. O que o Município cobra da Viação Cidade de Maceió Ltda, Empresa São Francisco Ltda, Auto Viação Veleiro Ltda e Real Transportes Ur-

banos Ltda é a formação do Consórcio Operacional para gestão do Sistema de Bilhetagem Eletrônica (SBE), que deveria ter sido implementado 15 dias após a assinatura dos contratos, realizada em 22 de dezembro de 2015. Dois anos e meio se passaram e as quatro empresas – que há décadas já operavam o sistema e foram também as únicas participantes da licitação – não formaram o consórcio sob a alegação de problemas financeiros motivados pela constante queda de usuários. A questão é que o SBE daria à Prefeitura condições reais de saber quanto cada empresa fatura com o transporte de passageiros. A implementação do sistema foi uma das condições impostas na licitação e integra o Projeto Básico que não é cumprido pelas empresas. Real, São Francisco, Veleiro e Cidade de Maceió também deixaram de cumprir com a cláusula financeira relativa ao pagamento das outorgas dos contratos que somam R$ 3,4 bilhões. Em maio, levantamento realizado pelo EXTRA revelou que o débito chegava a quase R$ 21 milhões que as empresas deveriam ter começado a pagar em janeiro último, mas não o fizeram. Pagaram apenas os 20% da outorga quando da assinatura dos contratos. O contrato mais alto é o da Real: R$ 1 bilhão e 460 mil. São valores estimados de faturamento ao longo dos 15 anos de concessão das linhas do Lote 400 que arrematou. A outorga foi estabelecida em R$ 8,1 milhões, sendo que hoje a empresa deve R$ 6,5 milhões à pre-

Transporte urbano tem contrato bilionário descumprido por empresas

feitura. A São Francisco tem contrato de R$ 714 milhões. Dos R$ 8 milhões de outorga como exploradora das linhas que compõem o Lote 200, está devendo R$ 6,4 milhões. A Cidade de Maceió, cujo contrato é de R$ 783 milhões, deve R$ 4,6 milhões do total de R$ 5,6 milhões de outorga pela exploração das linhas do Lote 100. Com o menor contrato – R$ 452,5 milhões – a Veleiro deve hoje para a Prefeitura de Maceió R$ 3,5 milhões referentes a 80% dos R$ 4,4 milhões de outorga pela exploração das linhas que compõem o Lote 300 oferecido na licitação. Os números oficiais deste débito, contudo, estão sendo levantados pela Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) que, de acordo com o decreto de terça-feira, tem 10 dias para realizar o levantamen-

to.

Em igual prazo a SMTT terá de dizer quanto a Prefeitura deve para as quatro empresas por conta das gratuidades e abatimentos estabelecidos em três leis municipais – 4.635/1997, 6.384/2015 e 6.663/2017. As duas primeiras tratam dos benefícios a portadores de deficiência e doenças crônicas, enquanto a terceira versa sobre a implantação da meia passagem aos domingos para usuários que utilizam o Cartão Bem Legal. As empresas foram procuradas pelo EXTRA para se posicionarem acerca da intervenção e se limitaram, até o momento, à divulgação da seguinte nota por meio de sua assessoria de imprensa: “A Transpal já solicitou uma reunião com o presidente da agência reguladora para compreender melhor a publicação do decreto. A intervenção será importante para

que o município possa compreender os impactos que a perda de passageiro está gerando e o desequilíbrio econômico financeiro que as empresas passam”. A Transpal é a Associação dos Transportadores de Passageiros do Estado de Alagoas, entidade criada em 1971 reunindo as empresas de transporte coletivo que operam em todo o estado. As quatro empresas que operam na capital também estão reunidas no Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros do Município de Maceió (Sinturb Maceió) que hoje enfrenta uma disputa política pelo comando da entidade.

M

Usuário fica na mesma

A

intervenção parcial de 180 dias decretada pela Prefeitura em nada muda a rotina dos usuários do transporte urbano da capital. Em nenhum momento ele faz referência às deficiências do setor, também abordadas pelo EXTRA na reportagem Raio-X do Transporte Urbano pelos Olhos do Maceioense, publicada na edição 956 (19 a 25 de janeiro de 2018). Veículos em péssimo estado de conservação, superlotação e imprudência dos motoristas com riscos à segurança dos usuários, são alguns dos problemas relatados por quem não dispõe de outra alternativa a não ser fazer uso do transporte coletivo.


MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

11

MP entra na briga para retirar catracas altas

MOBILIDADE URBANA ÓRGÃO PEDE ADEQUAÇÃO DE CATRACAS PARA PESSOAS CEGAS E OBESAS BRUNO FERNANDES Estagiário sob supervisão da Redação

O

Ministério Público Estadual de Alagoas (MPE-AL) resolveu entrar na briga para que não seja feita apenas a retirada das catracas altas nos coletivos da capital, o que não foi feito mesmo após a promulgação da Lei 6.752/2018 no dia 24 de maio e da notificação enviada em 18 de junho pela Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) às empresas. O MP quer também a adaptação das mesmas. A ação civil de autoria do promotor de Justiça de Direitos Humanos Jomar Amorim de Morais ajuizada no dia 5 de julho na 11ª Vara Cível da Capital e registrada no número 080112776.2018.8.02.0001, contra o Município de Maceió solicita que seja cumprida a obrigação de fazer as empresas de ônibus urbano da capital adequarem as catracas não só para a maioria, mas também para uma pequena parcela da população. Desde a implantação dos equipamentos, em 2017, a insatisfação dos passageiros é geral, principalmente pela dificuldade que muita

gente tem ao passar pelas catracas. Os empresários defendem os equipamentos, dizendo que eles são necessários para a segurança nos veículos. O projeto chegou a ser vetado pelo prefeito Rui Palmeira (PSDB), mas o veto foi derrubado pelos vereadores. De acordo com o promotor, as queixas também partem de portadores de deficiência visual, que embora possuam lugares preferenciais na parte da frente do ônibus, nem sempre encontram vaga pois só existem duas. “A instauração foi motivada pela notícia encaminhada pela Associação dos Cegos de Alagoas (ACAL), inicialmente perante a Procuradoria da República em Alagoas e posteriormente ao Ministério Público Estadual, na qual afirma as dificuldades encontradas pelos deficientes visuais ocasionadas pela instalação de catracas duplas na frota de ônibus urbano da capital alagoana, além do pequeno espaço existente para passar uma pessoa que não seja magra”, explicou o promotor sobre a motivação da ação. Ainda segundo Jomar Amorim, durante a instrução do procedimento administrativo que deu origem à ação, além dos deficientes visuais, foi constatado que pessoas com crianças de colo, portando sacolas ou obesas encontram severas dificuldades para entrar no transporte motivadas pela total inadequação de catracas dupla ou tradicional. Além de serem incômodas e não possuírem condições que garantam a acessibilidade de pessoas com deficiência ou com mobili-

Bruno Fernandes

Empresas terão mais 30 dias para se adequar às normas

Veículos da Veleiro e da Cidade de Maceió estão sendo modificados

dade reduzida, as catracas duplas vão contra o estado Democrático de Direito brasileiro, que entre os alicerces, está a preservação da dignidade da pessoa, conforme o art. 1° da Constituição da República. NOVO PRAZO Mesmo um mês após a promulgação da lei, as empresas de ônibus solicitaram um novo prazo perante a Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) para que o processo de modificação seja concluído. A SMTT definiu as normas como tamanhos e proporções que as catracas terão que ter. A regulamentação foi publicada no Diário Oficial do Município (DOM), de quinta-feira, 12. Agora, as borboletas terão que seguir as diretrizes da Associação Brasileira de Normas Técnicas, sobretudo a NBR 15570, e o item 38.5.9 da NBR 15570, que dispõe da possibilidade de instalar dispositivos que evitem a evasão de passageiros, porém sem constituir risco potencial aos usuários. Algumas empresas, a exemplo da Veleiro e da Cidade de Maceió, iniciaram a retirada das catracas duplas antes mesmo da publicação no DOM das especificações que estes equipamentos terão que ter. Como justificativa para não cumprimento do prazo estabelecido anteriormente, o sindicato alegou dificuldades financeiras, visto que para realizar a modificação, os veículos precisariam ficar parados nas garagens das empresas causando perda de receita.


12

MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

Servidores organizam protesto contra privatização

ELETROBRAS CÂMARA DOS DEPUTADOS APROVA LEILÃO DA CEAL JOSÉ FERNANDO MARTINS josefernandomartins@gmail.com

S

ervidores da Eletrobras de todo país vão realizar uma manifestação na próxima terça-feira, 17, contra a privatização de distribuidoras de energia. O protesto é uma reação à aprovação pelos deputados federais do projeto que viabiliza o leilão de seis unidades da Eletrobras, entre elas a de Alagoas. Após ter passado pela Câmara Federal no último dia 10, a proposta segue para o Senado. Em fevereiro, a Eletrobras determinou a venda de cada distribuidora pelo valor simbólico de R$ 50 mil, preço de um carro popular, assumindo as dívidas das seis empresas. A Eletrobras alega que o leilão é vantajoso, porque a ineficiência das empresas tornou a concessão inviável do ponto de vista jurídico e econômico. O projeto para a privatização caminhou a passos largos na era Michel Temer (MDB). Na última terça-feira, o governo ainda tentou convencer os senadores a aprovarem um requerimento de urgência para votá-lo no mesmo dia no plenário. No entanto, diante da resistência de senadores do Norte e do Nordeste, além da falta consenso geral, acabou desistindo. A votação, então, ficou para o mês de agosto. As seis distribuidoras que estão prestes a serem privatizadas são: Amazonas Energia; Centrais Elétricas de Rondônia (Ceron); Companhia de Eletricidade do Acre (Eletroacre); Companhia Energética de Alagoas (Ceal); Companhia de Energia do Piauí (Cepisa); e Boa Vista Energia, que atende Roraima. Após a conclusão da votação do projeto de lei sobre as distribuidoras da Eletrobras, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia

(DEM-RJ), anunciou que o projeto de privatização da estatal de energia elétrica como um todo não será votado neste ano. No dia 27 de junho, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski determinou a suspensão da privatização da Ceal. O ministro atendeu a um pedido liminar feito pelo Estado de Alagoas, por meio de sua procuradoria local. “Defiro a liminar para suspender a realização do leilão de privatização da Ceal, até ulterior deliberação. Para conceder a cautelar levo em conta a iminência do recesso do Supremo Tribunal Federal, bem como a do leilão de privatização. Por outro lado, ressalto que não há perigo de irreversibilidade dos efeitos da decisão”, decidiu o ministro. Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas no Estado de Alagoas (Urbanitários), Nestor Silva Powell, a liminar proferida por Lewandowski impede a privatização da Ceal até que o governo estadual chegue a um acordo do valor da dívida que o governo federal tem com Alagoas pelo processo de federalização da companhia. Em janeiro, membros do Urbanitários entregaram um dossiê a um possível comprador da Ceal, a empresa Energisa. O dossiê tinha como base duas ações populares que tramitam na Justiça alagoana contra a Eletrobras. “Uma das ações, originária na década de 90, trata da federalização da antiga Companhia Energética de Alagoas. É do governo de Alagoas que cobra uma dívida de R$ 2 milhões. Já a segunda diz respeito ao Plano Bresser, cuja dívida foi calculada pela justiça em mais de R$ 1,8 bilhão”, informou Powell, na ocasião.

Eletricitários de todo o país organizam novos protestos contra privatização

Presidente do Urbanitários, Nestor Powell entregou dossiê sobre a Ceal

O projeto aprovado

O

texto aprovado esta semana na Câmara, que é o substitutivo do relator, deputado Júlio Lopes (PP-RJ), diz que “a rigor, as companhias já poderiam ser leiloadas, pois estão sem contratos de concessão vigentes, hoje fornecem energia a ‘regime precário’, e a Lei 13.360/16 já previu o modelo de privatização e a outorga, pelo prazo de 30 anos, das concessões não prorrogadas”. A intenção do projeto é resolver pendências jurídicas

que poderiam afastar investidores do leilão e proporcionar atratividade para as empresas, que enfrentam uma série de problemas financeiros e operacionais. Elas estariam entre as de pior desempenho do País, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Porém, a Agência Sportlight de Jornalismo Investigativo apurou que, em busca de uma mobilização da opinião pública e formação de ambiente favorável para sua privatização, a Eletrobras traçou como estratégia a divulgação de um cenário de mazelas e problemas da estatal. Esse movimento, segun-

do a apuração do repórter Lúcio de Castro, começou em 20 de setembro de 2017, quando a empresa assinou, sem licitação, contrato com a RP Brasil Comunicações, do grupo FSB Comunicação. Ou seja, a atual gestão da Eletrobras teria pagado quase R$ 2 milhões para que falassem mal da própria empresa. A agência de comunicação teria acionado os chamados formadores de opinião, comentaristas econômicos, colunistas e repórteres em geral para mostrar um cenário que tornasse urgente a privatização, acelerada pela pressa do governo de Michel Temer em concretizar o negócio.


MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

13

Projeto de lei está parado na Câmara por “falta de interesse”

EQUIDADE DE GÊNERO

IGREJA REAGE A ARTIGO SOBRE ABORTO; FEMINISTAS TEMEM PERDER DIA DA MULHER

SOFIA SEPRENY s.sepreny@gmail.com

Feministas não apoiam projeto

O

assunto não é novidade, tampouco ultrapassado. Mas parece que o progresso continua lento quando se trata de igualdade de gênero. Um projeto de lei apresentado em 2016 pelo deputado federal e delegado Edson Moreira (PR -MG), com o propósito de promover um Pacto Federativo de Igualdade entre Homens e Mulheres, e fixar março como o mês dedicado à promoção da equidade de gênero (março lilás) está parado há dois anos na Câmara dos Deputados. Em Alagoas, onde os costumes são pautados pela ordem patriarcal, pelo machismo, pela misoginia e pelas práticas sexistas e homofóbicas, a violência, principalmente contra as mulheres, população negra e LGBT, tem altos números. Segundo o Atlas da Violência do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) de 2017 por exemplo, o homicídio de mulheres em Alagoas se encontra na 7º colocação com um decréscimo de 12,6 casos entre os anos de 2006 a 2016. Dentre os princípios básicos do PL 4828/2016 estão a igualdade de oportunidades; igualdade de tratamento; equidade e o respeito à dignidade da pessoa humana. Segundo a Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF), onde o processo está parado desde julho de 2016, o presidente da comissão ainda não designou um relator por falta de iniciativa dos agentes da matéria envolvidos. “Quando há um interesse, existe pressão tanto dos agentes externos, quanto dos agentes internos, da bancada feminina por exemplo. Como temos muito projetos para serem analisados, aqueles que acabam tendo mais pressão são considerados de maneira mais célere”, afirmou Rubens Carneiro, secretário da CSSF.

A

pesar do projeto ter como intuito a equidade de gênero e valorização da mulher, a coordenadora estadual do Movimento de Mulheres Olga Benário, Lenilda Luna, acredita que a igualdade não vai ser alcançada por nenhum decreto. “É necessário encarar que a desigualdade existe e é preciso formular leis e projetos para elevar a condição da mulher. O mês de março é da mulher, essa proposta vai transformar no mês da igualdade. Deixa de ser a luta feminina”, afirma. Ela diz, ainda, que a igualdade entre mulheres e homens não é passível de resolução através de uma lei: “Este PL trata como se fosse possível resolver essas questões com uma lei. Por trás disso, a implantação do mês lilás liquida o Dia Internacional da Mulher, o mês da mulher”. Ainda segundo o secretário, uma das possibilidades de paralisação do projeto seria o tema do aborto, que é polêmico, dificultando a designação de um relator. “Muitas vezes ninguém quer mexer”, finaliza Carneiro. Já o chefe de Gabinete do deputado autor do projeto afirmou que o PL está parado pois alguns parlamentares que estavam conversando sobre a aprovação do parecer estão temerosos por conta da questão do aborto inserido no projeto. “Ninguém está querendo pegar a relatoria dele; enquanto não há interesse de alguém querer relatar o projeto, ele fica parado”, diz Augusto Pinho. A questão do aborto à qual Augusto se refere está no Art. 10, inciso VI que diz: “Garantir o direito à proteção da saúde, incentivando

a revisão de protocolos de acordo a fim de que seja respeitada a diversidade sexual e, conferir especial atenção aos direitos sexuais e reprodutivos, principalmente nos locais de baixo IDH (Índice de Desenvolvimento Humano)”. O chefe de Gabinete esclarece ainda que ao criar o projeto de lei, líderes religiosos solicitam a sustação do PL. “Inclusive quando esse projeto foi apresentado a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) fez uma solicitação para que o projeto fosse retirado da pauta. Então há interferência inclusive da igreja, principalmente da igreja católica para a morosidade do processo”, relata Pinho. Além disso ele afirmou que é um projeto completo, feito por várias mãos e em parceria com o Ministério Público.

A coordenadora diz ainda que a mudança começaria a partir de implantações efetivas de políticas públicas. “Temos que enfrentar os altos índices de violência com a implantação efetiva da patrulha da mulher, da rede de proteção garantida na Lei Maria da Penha e com o funcionamento da Delegacia da Mulher 24 horas. Mais importante do que a lei é o reconhecimento da causa”, finaliza. A conselheira do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Mulher (Cedim), Amanda Balbino, compartilha da mesma ideia e reitera: “É importante entender que um PL pode até proporcionar medidas e ações, inclusive no sentido da amplitude do debate sobre gênero. Porém um Pacto federativo como esse não tem aplicabilidade, no sentido de mudança, porque não existe base normativa e nem regulativa antecedente a ela”.


14

MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

Erro coloca Coité do Nóia na lista de cidades ameaçadas

POLIOMIELITE

MUNICÍPIOS COM MENOS DE 50% DE COBERTURA VACINAL TERÃO QUE SE EXPLICAR AO MPF

MARIA SALÉSIA sallesia@hotmail.com

O

alerta do Ministério da Saúde (MS) de que 312 municípios brasileiros estão com coberturas vacinais abaixo de 50% para a poliomielite chamou a atenção e acende o sinal de alerta para uma doença que há décadas estava erradicada no Brasil. Em Alagoas, as atenções foram voltadas para Coité do Nóia, município do Agreste alagoano com pouco mais de 10 mil habitantes e que foi o único do estado a aparecer na lista com cobertura vacinal de apenas 39,89%. A coordenação de imunização do município contesta os números e garante que houve um problema na inserção dos dados no sistema e que mais de 95% das crianças com menos de 1 ano foram vacinadas. No entanto, o Ministério Público Federal cobra providên- Amanda Costa garante que Coité do Nóia cumpriu meta cias das cidades sob risco de retorno da pólio. De acordo a assessoria de comunicação e informação da Procuradoria Federal dos que se tenha que aplicar mais de uma vaciFederal foi atuar rapidamente para enfrenDireitos do Cidadão (PFDC) do MPF, foi na por vez, exceto se houver recomendação tar a situação. Em uma segunda etapa serão encaminhado ofício à prefeitura desses 312 médica em contrário. investigadas as responsabilidades”, disse. municípios solicitando a adoção de medidas Outro pedido é que seja realizada a para enfrentamento ao problema. Em rela- implantação do SI-PNI no município, bem ERRADICADAS ção ao caso de Coité do Nóia, que segundo o como o treinamento adequado dos serviEmbora a poliomielite, popularmensecretário municipal de saúde do município, dores responsáveis pela utilização do refete chamada de paralisia infantil, esteja os números do Ministério estão incompletos, rido sistema, a fim de que as informações erradicada no Brasil, periodicamente a pois ocorreu um problema no sistema que in- nominalmente identificadas da cobertura coordenação do Programa Nacional de viabilizou a transmissão de dados, mas está vacinal cheguem regularmente ao MinistéImunização do Ministério da Saúde (PNI) sendo corrigido e atualizado no sistema de rio da Saúde. Adotar medidas para que os emite notas técnicas para estados e muniinformação Programa Nacional de Imuni- profissionais da atenção básica (PSF/ESF), cípios sobre o monitoramento e avaliação zação - PNI/MS, a Procuradoria disse que é inclusive os agentes comunitários de saúde, das coberturas vacinais. Em Alagoas não possível que o fato tenha ocorrido. Inclusive, façam busca ativa das crianças de sua área é diferente. Segundo a assessora do PNI o próprio Ministério da Saúde alertou sobre de abrangência que não estejam com a caem Alagoas, Denise Castro, não há motivo a possibilidade de que exista problema na derneta de vacinação em dia foi outra recopara pânico, mas é motivo de alerta. alimentação dos sistemas de informação. mendação. A advertência vai além a ponto Outra preocupação é com o sarampo Reforçando a recomendação, a Procu- de pedir que as escolas desse município seque embora esteja erradicado no País desradoria Federal dos Direitos do Cidadão jam orientadas, a verificarem, no momento de 2015, voltou a ser uma ameaça desde também oficiou o Ministério da Saúde para da matrícula, a caderneta de vacinação do o final do primeiro semestre deste ano, a adoção de providências necessárias para aluno, informando as autoridades sanitáquando foram notificados casos em veneque o Departamento de Informática do SUS rias e a respectiva família em caso de falta zuelanos que migraram para Roraima, no (DataSUS) dê prioridade à atualização e ma- das vacinas obrigatórias. Norte do Brasil. Em Alagoas, para evitar nutenção dos dados referentes ao sistema de O MPF advertiu ainda que o descumpria reintrodução da doença, que não registra informação do Programa Nacional de Imuni- mento das competências e obrigações no que casos desde 1999, a Secretaria de Estado zação (PNI). se refere ao direito à saúde e aos direitos de da Saúde (Sesau) vai vacinar os trabalhaA ferramenta é fundamental para ga- crianças e adolescentes pode caracterizar dores do trade turístico, pois o vírus pode rantir a eficiência no monitoramento da ato de improbidade administrativa, previsentrar no território alagoano por meio de cobertura vacinal no Brasil. O órgão reco- to no art. 11, II, da Lei 8.429/1992, estando turistas que visitem Alagoas. mendou que seja ampliado, o quanto pos- as autoridades que o praticarem incursas Em relação ao caso da baixa vacinação sível e da forma mais adequada, o horário nas penas do art. 12, III, do mesmo diploma em Coite do Nóia, Denise Castro disse que de funcionamento das salas de vacina, a fim legislativo. na quarta-feira, 11, uma equipe do PNI do de possibilitar que os pais/responsáveis, que Ao ser questionado se faltou empenho e Estado foi até o município e constatou que trabalham em tempo integral, possam va- fiscalização para a baixa cobertura, o órgão os números apresentados estavam equivocinar seus filhos fora do horário comercial. explicou que ainda não há informações deficados. No monitoramento, foi possível veriAlém do que seja observado, rigorosamente, nitivas sobre o que ocasionou o problema. “A ficar que este ano 100% das crianças de 0 a o Calendário Nacional de Vacinação, ainda preocupação imediata do Ministério Público 3 anos do município foram vacinadas.

SEM RISCO DA PÓLIO VOLTAR

A

divulgação dos 312 municípios brasileiros pelo Ministério da Saúde com baixo índice de vacinação contra a poliomielite deu um susto na população que teme pela volta da doença. Pelo menos em Coité do Nóia, único de Alagoas incluso, as autoridades competentes tranquilizaram afirmando que o risco por lá não existe. Segundo a coordenadora de Imunização de Coité do Nóia, Amanda Costa, houve um problema na inserção dos dados no sistema, o que teria motivado o número abaixo da meta. Inclusive, foi realizado um inquérito vacinal para comparar os dados e detectaram que o número não era real. De imediato foi emitida nota de esclarecimento e para dar sustentabilidade de que não existe criança sem vacinação, a equipe solicitou visita de uma equipe do Estado no município, pedindo ainda que seja emitida nota da comprovação. A coordenadora esclareceu que o próprio Ministério enviou documento reconhecendo que alguns municípios ainda não haviam conseguido transferir os dados de vacinação referentes ao ano de 2017. “Informamos que a base de dados nacional continuará aberta para recebimento da transferência dos dados de vacinação de 2017, de todos os municípios, até posterior comunicado sobre o fechamento da base nacional”, diz a nota. A vacina da poliomielite é administrada em crianças de até cinco anos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) por meio do Programa Nacional de Imunização (PNI). Porém, em Alagoas, a cobertura de vacinação contra a poliomielite no ano passado foi de 80,32%, não atingindo a meta preconizada. Este ano, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Sarampo será realizada no período de 6 a 31 de agosto, tendo como dia “D” em 18 de agosto. Além de imunizar contra o sarampo, a vacina tríplice viral ainda protege contra a caxumba e rubéola.


MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

15

Visão Mundial realiza ações de conscientização

28 ANOS DO ECA ONG PROMOVE ATOS PÚBLICOS, PALESTRAS, OFICINAS E RODA DE DIÁLOGO EM QUATRO ESTADOS ASSESSORIA

O

Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) completa 28 anos nesta sexta-feira (13). Em 1990, a lei foi estabelecida com uma série de normas que regulamenta os direitos das crianças e adolescentes. A ONG Visão Mundial, organização não governamental humanitária especializada na infância, foi uma das instituições que ajudou a construir o regulamento. Com o objetivo de conscientizar a comunidade escolar e a família sobre o tema, a Visão Mundial vai promover ações em Recife (RJ), Rio de Janeiro, Salvador (BA) e Inhapi e Canapi, ambas em Alagoas. A assessora de proteção à infância da Visão Mundial, Karina Lira, afirma que o Estatuto da Criança e do Adolescente deve ser lembrado para que a garantia dos direitos deles aconteça na prática. “O Estatuto da criança e do Adolescente é o principal marco legal brasileiro para qualquer organização que trabalha pelo bem estar da infância. Enquanto houver crianças e adolescentes que estão fora da escola, sofrendo maus tratos ou sendo mortas em detrimento da violência, precisaremos relembrar a sociedade e pres-

Atividades como as desenvolvidas pela Visão Mundial no ano passado voltam a marcar aniversário do ECA

sionar os governos para que de fato essa política seja efetivada”. A Visão Mundial fez parte da construção e consolidação do Estatuto, tendo um papel decisivo na criação do ECA desde as primeiras discussões com vários segmentos da sociedade até grupos religiosos. A atuação da ONG aconteceu por meio do Fórum Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente que reúne as organizações da sociedade civil que atuam na área da infância. AÇÕES Alagoas Atividades com vídeos e oficinas para crianças e adolescentes de 15 escolas e creches nos municípios de Inhapi e Canapi. - Canapi Escola Municipal João Paulo II Data:12/7 Horário: 9h às 16h30 Endereço: Povoado Fumaça, S/Nº, Zona Rural Escola municipal Ananete Cavalcante Data: 13/7 Horário: 9h às 16h30 Endereço: Povoado Forquilha, S/Nº, Zona Rural Sede Serrana Data: 14/7 Horário: 9h Endereço: Rua Projetada, S/Nº, Mutirão Escola João Batista Figueiredo Data: 16/7 Horário: 9h às 16h30

Endereço: Povoado Areias, S/Nº, Zona Rural Escola Municipal São Judas Tadeu Data: 19/7 Horário: 9h às 16h30 Endereço: Povoado Capoeira do Bezerra, S/Nº Creche Casulo Menino Jesus Data: 23/7 Horário: 9h Endereço: Rua Projetada, S/Nº, Centro Escola Municipal de Santa Cruz Data: 23/7 Horário: 14h30 Endereço: Povoado Santa Cruz, S/ Nº, Zona Rural E.M. Almirante Benjamim Sodré Data: 24/7 Horário: 9h Endereço: Povoado Cova do Casado, S/Nº, Zona Rural E. M. Presidente Médici Data: 28/7 Horário: 9h Endereço: Povoado Lagoa do Couro, S/Nº, Zona Rural - Inhapi E. M. Luiz Celso Brandão Data: 21, 24 e 25/7 Horário: 8h30 Endereço: Rua Avenida Luiz Ribeiro Malta, S/Nº E. M. Senador Rui Palmeira Data: 19 e 20/7 Horário: 9h às 16h30 Endereço: Povoado Promissão, S/ Nº, Zona Rural E. M. Maria Silva Brandão Data: 24 e 25/7 Horário: 9h às 16h30 Endereço: Povoado Leobino, S/Nº, Zona Rural E. M. Nossa Senhora do Rosário Data: 26 e 27/7

Horário: 9h às 16h30 Endereço: Rua Vereador Cícero Manoel Barbosa, 369, Centro E. Indígena Estadual Anselmo Bispo de Souza Data: 26 e 27/7 Horário: 9h às 16h30 Endereço: Aldeia Roçado, S/Nº, Zona Rural Pernambuco Pesquisas de percepção, rodas de diálogo e palestras sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente em seis escolas públicas de Recife com o propósito de alcançar a comunidade escolar. Escola Vale das pedreiras Data: 02 e 03/8 Horário: 09h às 16h Endereço: Rua Pérola, SN - Vale das Pedreiras Escola Rotary de Nova Descoberta Data: 13/8 Horário: 09h às 16h Endereço: Av. Ver. Otacílio Azevedo, s/n Escola Municipal São Cristovão Data: 14 e 15/8 Horário: 09h às 16h Endereço: R. Cassiterita, 395 Brejo da Guabiraba Escola Erundina Negreiros de Araújo Data: 16/8 Horário: 09h às 16h Endereço: Rua Erundina N. de Araújo, SN - Corrego do Jenipapo Escola Pedro Alcântara Data: 17 de agosto Horário: 09h às 16h Endereço: Subida 3 Morros, 43 Córrego do Jenipapo Escola Tomé Gibson Data: 21 de agosto Horário: 09h às 16h Endereço: Av. Ver. Otacílio Azevedo, s/n - Guabiraba

Rio de Janeiro Com o objetivo de conscientizar profissionais da área de saúde e orientadores educacionais de escolas municipais de Nova Iguaçu, a Visão Mundial irá realizar uma palestra com o tema “Derrubando os mitos sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente” nesta quinta-feira (12), das 08h às 13h, na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, na Rodovia BR 465, Km 07, s/n - Zona Rural, Seropédica. Na sexta-feira (13), das 09h às 13h, a equipe da Visão Mundial irá apoiar o seminário sobre os avanços e desafios na garantia de direitos de crianças e adolescentes promovido pelo Comitê de Proteção Integral a Crianças e adolescentes no auditório do Centro Administrativo São Sebastião, localizado na Rua Afonso Cavancanti, 455. Bahia Nesta sexta-feira (13), das 8h30 às 12h, a Visão Mundial vai realizar uma caminhada na Praça Castro Alves, localizada na Praça 2 de Julho, S/n , no bairro de Campo Grande,c em Salvador, com o tema “Diga Não a Erotização Infantil”. No mesmo dia, crianças e adolescentes da Escola Comunitária Luisa Mahin irão realizar um ato público das 09h às 15h sobre o ECA no Conjunto Santa Maria, na quadra 05, n° 18. Na quarta-feira, às 10h, a Visão Mundial irá inaugurar a Sala do Saber, espaço com computadores e ferramentas de jogos off-line na Escola União Comunitária, na Rua da Comunidade, nº 03, Vila Rui Barbosa.

Sobre a visão mundial A Visão Mundial Brasil integra a parceria World Vision International, que está presente em cerca de 100 países. No País, a Visão Mundial atua desde 1975 em 10 estados, beneficiando 2,7 milhões de pessoas com projetos nas áreas de educação, saúde/proteção da infância, desenvolvimento econômico e promoção da cidadania. Seus projetos e programas têm como prioridade as crianças e adolescentes que vivem em comunidades empobrecidas e em situação de vulnerabilidade. Nesses 42 anos de atuação no Brasil, a Visão Mundial se consolida como uma organização comprometida com a superação da pobreza e da exclusão social.


16

MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018


MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

17


18

MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

Graciliano Ramos: Angústia/depressão

SAÚDE MENTAL

“Impossível trabalhar. (...) ... os dedos encontram no teclado uma resistência (...). Tento vencer a obsessão, capricho em não usar a borracha... (...). A noite fecho as portas, sento-me à mesa da sala de jantar, a munheca emperrada, o pensamento vadio longe do artigo que me pediram para o jornal”

arnaldosanttos.psicologo@gmail.com

(Graciliano Ramos, do livro Angústia)

Depressão: ego pobre e vazio

Sigmund Freud abandonou a cientificidade da medicina e criou um campo do conhecimento baseado no comportamento humano, criando a Psicanálise. Em 1917 escreveu sobre o que hoje é denominado de depressão no livro “Luto e melancolia”. Segundo ele, a melancolia era/é uma forma de luto e que ocorre com uma sensação de perda da libido, ou seja, energia de que uma pessoa precisa para poder viver bem consigo mesma, que envolve, entre outras coisas, o ego, que, segundo Freud, na melancolia/depressão, é pobre e vazio. A pessoa depressiva não visualiza nenhuma forma de reverter o sofrimento psíquico, embora haja alternativas.

Narcisista: ego “rico” e “cheio”

Enquanto a depressão caracteriza-se pela baixa autoestima (aguda), no narcisista o ego está sempre de “alto astral”, mas é um estado fantasioso. Nele pode estar inserida a prepotência, onipotência e até onisciência. A ilusão de que tudo e todos estão à disposição, faz do narcisista uma pessoa fora da realidade, e ai daquele que não concordar com suas ideias e com seu estilo de vida porque ele apresenta, também, uma personalidade vingativa. O principal objetivo do narcisista é encontrar pessoas que endossem seu ego “rico” e “cheio”, apenas de fantasias megalomaníacas em que tudo e todos estão a seu dispor.

Narcisista: ego “rico” e “cheio” II

Entre as principais características do narcisista estão: baixa tolerância a frustrações, tem dificuldade em ver a diferença entre verdade e mentira (a mitomania é outra característica); o real e o ilusório, além de sentimentos persecutórios.

Direitos: transtorno mental

Narcisista: ego “rico” e “cheio” III

Também apresenta comportamentos infantis (origens de seu comportamento) em que o(a) outro(a) não existe ou ele faz de conta que não existe. O que prevalece é: “Eu sou demais”. Eu, eu e eu. O narcisista tem uma relação muito estrita com quem o elogia, mas elogia tudo que ele faz ou pensa. Ou seja, tem necessidade vital de reconhecimento, de ser aceito, amado, valorizado. Quando isso não acontece desaba emocionalmente. Boa parte da personalidade é psicótica, ou seja, negação da realidade. Ele se considera o centro do universo. Mas também há uma parte sadia que pode ser instigada para que possa viver bem consigo mesmo e com os outros.

Tratamentos: depressão e narcisista

Enquanto na depressão o processo de tratamento embora seja doloroso é possível porque a pessoa, primeiro, aceita ou se conscientiza de que está sofrendo – o que não fácil - e com isso se submete ao processo psicoterapêutico; no Transtorno Narcisista há uma resistência em reconhecer o problema, além de ser quase impossível ela se submeter a um tratamento psicoterápico.

Tratamentos: depressão e narcisista II

Na depressão (dependendo do grau em que a pessoa está submetida) é necessário ministrar medicamento pelo psiquiatra, principalmente quando o processo está agudo em que a pessoa deprimida encontra-se com as taxas de serotonina, dopamina e noradrenalina baixas. Mas somente a medicação não é suficiente; é imprescindível que a pessoa se submeta a um processo, também, psicoterápico.

De acordo com o que expressa o artigo 2º da Lei 10.216, de 6 de abril de 2001, que dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas que apresentam algum transtorno mental, nos “atendimentos em saúde mental, de qualquer natureza, a pessoa e seus familiares ou responsáveis serão formalmente cientificados dos direitos enumerados no parágrafo único deste artigo. Parágrafo único. São direitos da pessoa portadora de transtorno mental: I - ter acesso ao melhor tratamento do sistema de saúde, consentâneo às suas necessidades; II - ser tratada com humanidade e respeito e no interesse exclusivo de beneficiar sua saúde, visando alcançar sua recuperação pela inserção na família, no trabalho e na comunidade; III - ser protegida contra qualquer forma de abuso e exploração; IV - ter garantia de sigilo nas informações prestadas; V - ter direito à presença médica, em qualquer tempo, para esclarecer a necessidade ou não de sua hospitalização involuntária; VI - ter livre acesso aos meios de comunicação disponíveis; VII - receber o maior número de informações a respeito de sua doença e de seu tratamento; VIII - ser tratada em ambiente terapêutico pelos meios menos invasivos possíveis; IX - ser tratada, preferencialmente, em serviços comunitários de saúde mental.”

Direitos: transtorno mental II

Apesar de todos “esses direitos”, a prática está longe dessa realidade. As pessoas que têm um familiar com algum problema mental muitas vezes lutam bastante para encontrar tratamento adequado. Portanto, é necessário salientar que os governos, federal, estadual e municipal, estão longe de oferecer um serviço adequado a quem apresenta um transtorno. Os próprios profissionais da saúde, seja em qualquer esfera, hospitalar ou ambulatorial, também apresentam deficiência no sentido de saber lidar com uma pessoa que apresenta algum tipo de transtorno.

Qualquer pessoa

O número de Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e de hospitais (embora o ideal é que não existam hospitais e sim ações que possam amenizar o surgimento dos transtornos mentais, o que não é fácil) ainda é reduzido no estado e no município. É necessário que as autoridades possam enxergar que o número de pessoas que apresentam algum tipo de transtorno mental está crescendo a cada dia, ou seja, se no mundo o índice de depressão (e suas inúmeras consequências estão aumentando, inclusive o suicídio) é de 5% da população, no Brasil esse índice chega a 9%. Ninguém, mas ninguém mesmo, está isento de um dia ter um descontrole emocional e até um transtorno mental. Cada pessoa reage a uma situação de adversidade, diferente. Algumas podem desenvolver um transtorno, outras não. Mas qualquer pessoa pode desencadear um transtorno, daí a importância de que se enxergue a questão como sendo de saúde pública. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2020 a depressão e outros transtornos mentais serão as principais causas de afastamento no trabalho, o que implica em menos produtividade para o País e uma série de problemas para a família, amigos e colegas que convivem com a pessoa. Arnaldo Santtos é Psicólogo Clínico CRP-15/4.132. Atendimento virtual pelo site: vittude.com. Consultório: Rua José de Alencar, 129, Farol (atrás da Casa da Indústria), Maceió-Alagoas. E-mail: arnaldosanttos@uol.com.br//arnaldosanttos.psicologo@gmail.com Telefone: 9.9351-5851.


MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

Para refletir: O STF vai sepultar a Lava Jato e enterrar o juiz Sérgio Moro. Quem viver verá.

19

PEDRO OLIVEIRA pedrooliveiramcz@gmail.com

A política matou meus sonhos

P

olítica deve ser discutida e tem que ser discutida, mas em nível recomendável e respeitoso. A “paixão” política até pode ser admitida, mas jamais levada ao ódio, que tira toda a sua virtude. Estudei muito política, fiz sacrifícios e sacrifiquei minha família, quase dois anos fora fazendo meu curso na Universidade de Brasília (UnB). Tive os melhores mestres entre brasileiros e alguns estrangeiros. Ao ser diplomado em 1989 ainda sonhava com o quanto poderia colaborar com a ciência, com meu estado, com meu país. Fui aos poucos me desencantando até que vi esse sonho morrer. Fui um tolo, me especializei em Relações Executivo-Legislativo (pasmem). Não serviu para nada. A própria política matou meus sonhos. (Texto originalmente publicado em minhas redes sociais).

De braço com o crime Em abril deste ano o juiz Sérgio Moro barrou a visita de nove governadores ao ex-presidente Lula, preso político na carceragem da Polícia Federal de Curitiba, acusado e condenado por vários crimes de corrupção. Naquela ocasião a “presidenta” nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, que acompanhou a comitiva até a PF, protestou contra a proibição do magistrado. “Infelizmente, infelizmente, não conseguimos, pois teve uma decisão judicial que contraria a lei”, disse. O governador do Maranhão e ex-juiz federal Flávio Dino (PCdoB) ensinou que “entre as regras da carceragem e a Lei de Execução Penal, todos sabemos que a lei tem primazia. E o artigo 41 da lei diz que o preso tem direito a visita do cônjuge, da companheira, de parentes e amigos”. Sem poder visitá-lo, a comitiva deixou uma carta para o ex-presidente Lula. Além de Flávio Dino e Gleisi, compareceram à superintendência os governadores Camilo Santana (Ceará), Renan Filho (Alagoas), Ricardo Coutinho (Paraíba), Rui Costa (Bahia), Tião Viana (Acre), Paulo Câmara (Pernambuco), Valdez Gois (Amapá) e Wellington Dias (Piauí), bem como os senadores Lindbergh Farias (PT -RJ) e Roberto Requião (MDB-PR). Expostos a um vexame nacional voltaram “com os rabos entre as pernas” para seus estados. Agora quando do conturbado episódio do “prende e solta do ex-presidente” os mesmos governadores, que guardaram imensa mágoa do juiz chefe da Operação Lava Jato, por tê-los expostos ao ridículo nacional, voltam pateticamente à cena com uma nota oficial pífia, tendenciosa e ridícula na qual condenam o comportamento de Sérgio Moro de barrar o cumprimento da decisão do desembargador Rogério Favreto, superior hierarquicamente a ele, para soltar o ex-presidente acusando ainda o Judiciário de “agir parcialmente”.

Afronta ao povo

A descabida nota de solidariedade ao ex-presidente condenado por corrupção, em segunda instância mostra claramente a tendenciosa intenção e o despreparo de quem a redigiu e de quem a assinou. Vejamos alguns trechos: “Na manhã de hoje, o povo brasileiro recebia a auspiciosa noticia da libertação do Presidente Lula. O Desembargador competente para apreciar liminares durante o plantão reconduzia o Brasil à senda da legalidade democrática e respondia às aspirações nacionais de reconstitucionalização do país”. “Lula, como todos os brasileiros, não pode ser beneficiado por privilégios ilegais. Mas também não pode ser perseguido, como evidentemente tem sido. Apenas a aplicação imparcial das leis que dispõem sobre a liberdade e as condições de elegibilidade podem dar lugar a eleições legitimas em 2018”. A meu ver se solidarizar com um presidiário condenado e cumprindo pena em razão de crimes de corrupção contra o erário brasileiro é também se aliar e defender aos crimes por ele cometido. Alguns desses governadores estão concorrendo à reeleição e correm o risco previsível de que os eleitores os identifiquem como aliados das condenáveis práticas politicas que destruíram a dignidade brasileira.

As agruras de Rogério

O prefeito de Arapiraca tinha tudo para fazer uma boa administração e dar mais um salto na sua escalada política, inclusive com reflexos nas eleições deste ano. Chegou acreditado e representando a esperança do povo, mesmo os que nele não votaram, em dias de resultados positivos para o maior município do interior alagoano. Não demorou pra começar a decepcionar. “Enfiou os pés pelas mãos”, como diz o matuto, se “encastelou”, rompeu com aliados importantes para sua eleição e preferiu, pela arrogância ou despreparo desfilar no “bloco do eu sozinho”. Hoje não apenas as importantes forças politicas da região estão contra o prefeito de Arapiraca, mas essa insatisfação ganha as ruas e toma conta da opinião pública. Pode estar cavando a sua própria sepultura política.

Não apenas eleição

O deputado Severino Pessoa, hoje a maior força eleitoral de Arapiraca, está em plenas articulações para fortalecer seu grupo. Buscará um mandato na Câmara Federal e monta palanque para mostrar competitivas candidaturas do seu entorno para a Assembleia Legislativa. Mas não cuida apenas de eleições. Também aposta em um processo de impedimento do prefeito, alvo de investigações por denúncias de improbidade. Sua mulher, Fabiana Pessoa, atual vice-prefeita, assumiria o comando da administração municipal.

Renan e Maurício

Com a saída do ex-ministro Marx Beltrão do páreo, após resistência direta e explícita, muda o quadro na disputa para o Senado Federal. Cresce a candidatura do deputado Maurício Quintella, que está entre os primeiros avaliados na capital e interior. Bem articulado, com o maior volume de benefícios para os municípios entre a bancada alagoana em Brasília, colhe frutos importantes e segue em frente na busca pelo mandato de senador. Enquanto isso vai deixando para trás o senador Benedito de Lira e o novato Rodrigo Cunha (ambos estacionaram nas avaliações) . É possível que já nas próximas pesquisas seja acentuado o distanciamento do hoje imbatível Renan Calheiros e de Maurício Quintella rumo à vitória eleitoral.

Rui Palmeira, o melhor

Não me surpreendo com o prefeito Rui Palmeira porque o conheço desde menino, praticamente o vi nascer. Tenho uma relação de irmandade com seus pais. O acompanho a cada eleição que participou. A primeira vez votei pelo carinho, pela certeza de um bom politico de origem e formação. Daí por diante valeu sua competência, seriedade e compromisso com o interesse público. Não se apega ao poder. Deu um exemplo de grandeza ao abrir mão de uma candidatura ao governo, com amplas chances de vitória e optando permanecer administrando Maceió. Decidiu que não era seu tempo e esse tempo é ele que faz, jamais seria pautado por outros interesses ou pela vaidade nem sempre responsável de muitos. Tem planos grandes e realizáveis para implantar na capital, precisa, sim, sacudir a sua jovem equipe e destravar setores da administração que atrapalham mais do que ajudam. Por fim peço para anotar: ao final de seu mandato será um dos maiores prefeitos da história de Maceió.


20

MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

À beira do precípicio

D

esde o início deste ano venho afirmando que o crescimento do PIB brasileiro ao contrário do que bancos, consultorias famosas e governo sustentavam (irreais 3%), mal alcançaria 1,5% nos mantendo neste eterno voo de galinha que a todos infelicita. Esta semana, eles deram É ampla e geral a impunidade. O Su- meia volta na proposta irreal e, finalpremo (Ah! o Supre- mente, estimaram mo...) não julga os o crescimento para 2018 em...1,5%! É o políticos com foro que dá em se acreprivilegiado, e o ditar apenas nas ‘trio ternura’ solta fórmulas economémeliantes às pencas, tricas e desconsiderar outras variáveis como se fossemos sociais que saltam à uma republiqueta vista até dos mais de bananas (ou so- leigos (ou será que simplesmente fizemos?). ram o tradicional “engana bobo” para ganhar mais alguns bilhões no nosso suspeitíssimo mercado de capitais?). Nos últimos 38 anos, a renda per capita no Brasil cresceu míseros

0,8% ao ano. O pior desempenho dentre os países da América Latina, por exemplo. E o PIB neste longo período avançou cruéis cerca de 1,6% ao ano (apenas para assegurar emprego para os jovens que chegam ao mercado de trabalho, o índice deveria ser no mínimo, uma vez e meia maior que o ultrajante indicador aqui anotado. Ficando claro: número que não gera crescimento real da economia, somente possível, a partir de 3.5% a.a. Para fechar esta fase negra por que passa o país após sua “democratização” – entre aspas mesmos – 2018 fechará o pior quinquênio do último século (a ex-presidenta - sic! - é mesmo uma recordista. De tragédias para o brasileiro) O gigante desemprego sem perspectiva de melhora, a renda real do trabalhador em seu pior momento, 62% da nação endividada, a reforma da previdência não resolvida, situação fiscal gravíssima, a economia em longa desaceleração, quase mesmo em depressão (fenômeno muito pior que a inflação). São pequena parte da crua realidade deste país.

Economista

ELIAS FRAGOSO

Do front político não se deve esperar nada em termos de mudanças. Os conchavos partidários para a próxima eleição têm fito único: manter o “status quo” atual de roubalheira e corrupção generalizada que, aliás, continuam à solta. O conluio criminoso entre políticos corruptos, burocratas dos três poderes enquistados em cargos estatais operando a favor dos “padrinhos” e empresários inescrupulosos, tem foco único: continuar a pilhagem das últimas ruínas deste país. Nunca na história recente do Brasil se viu tal enormidade de despautérios. É ampla e geral a impunidade. O Supremo (Ah! o Supremo...) não julga os políticos com foro privilegiado, e o “trio ternura” solta meliantes às pencas, como se fossemos uma republiqueta de bananas (ou somos?). A PGR reduziu ao mínimo a liberação dos processos dos verdadeiros e poderosos barões políticos da corrupção, aqueles que nas mais altas posições do poder se lambuzaram no pânta-

no da corrupção e agora se preparam para apresentar-se ao eleitor como arautos das mudanças e da moralidade administrativa. É de chorar. O país pode evoluir rapidamente para uma aberrante criminalidade (o crime organizado já tomou conta de alguns estados e está financiando candidatos, muito mais que desde sempre), forte desarticulação social (antessala de mais violência) e, perigoso desequilíbrio macro e micro econômico provocado pelo desarranjo das contas do governo e da enorme pressão sobre a renda da população, que levará anos para ser consertado, Não se divisa tentativa de se pactuar saídas para este enorme imbróglio em que os poderosos deste país envolveram a Nação. A aversão dos políticos por um pacto que aponte saídas que fere de morte seus interesses é patente. A quase nenhuma reação da sociedade a esta pantomina - onde só ela perde – é péssimo sinal, que pode levar a impasse de proporções cataclísmicas.

Confabulações eleitoreiras

L

i, outro dia, que um político aqui da terrinha teria dito que por enquanto nada estava acertado ainda para as eleições próximas. Segundo tal político, candidato a qualquer coiTem-se hoje em dia um crescimento dos sa, esse período antecede as votos brancos e nulos. que convenções parTal anomalia é resul- tidárias é só de tante da indecisão dos conversas, negapartidos em indicar os ças, promessas seus candidatos efe- e ouvida de pronada de tivos; mas também é postas, compromissos, da descrença nas boas enfim, hora de intenções dos candi- lorotar para ver datos, quase todos já o que sai dessa cesta, que mais bem conhecidos do parece caixa de eleitor. Pandora. Tendo a concordar com o sujeito, por mais que isso me desagrade. Ele tem razão afinal, pois política em nosso País

e feita assim mesmo. Os partidos, sem exceções, deixam para definir seus candidatos, suas alianças, sempre na última hora. Até lá – no nosso caso 5 de agosto – nada se acerta verdadeiramente, deixando-se para as últimas horas a escolha dos efetivos candidatos e a composição de coligações. Parece bom isso, mas não é. Poder-se-ia dizer que a demora resulta da reflexão profunda sobre as propostas republicanas dos partidos e candidatos; o cuidado de se aliançar com outras siglas partidárias que tenham a mesma preocupação de um governo limpo e voltado para o povo. Isso seria realmente bom. Todavia, o que se pode efetivamente extrair das conversas dos partidos e seus candidatos é que todos estão negociando seus próprios interesses na patranha. E nesse caso, ajuntam deus e o diabo, pois o importante, como já se disse, é ganhar as eleições seja qual modo

CLÁUDIO VIEIRA Advogado e escritor, membro da Academia Maceioense de Letras

for. Apagam-se, então, as ofensas morais; minimizam-se momentaneamente as inimizades; “abraços de ursos” são distribuídos; exagerados são os elogios; o corrupto torna-se de exemplar honestidade; as mútuas acusações são esquecidas; um desfile ostensivo de hipocrisias, tudo para enganar o eleitor e engordar as urnas. Tem-se hoje em dia um crescimento dos votos brancos e nulos. Tal anomalia é resultante da indecisão dos partidos em indicar os seus candidatos efetivos; mas também é da descrença nas boas intenções dos candidatos, quase todos já bem conhecidos do eleitor. Os eleitores, intuindo ou em intelectiva cognição, recusam o voto a

candidatos de perfil rapinante, ladravazes; em consequência disso, desconfiam até mesmo daqueles sobre os quais não pesam (ainda?) acusações que esgotam as capitulações do código penal brasileiro. A atitude é vista com bom grado pelos candidatos. A recusa do voto, o voto branco ou nulo, só beneficia aqueles que já estão empoleirados no poder. Daí surge inquietante pergunta, cuja singeleza representa a perplexidade com que vemos o próximo pleito eleitoral: o que fazer? Não há uma receita que garanta a resposta, a não ser que devemos ser estritamente críticos com as candidaturas que nos serão impostas.


MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

JORGE MORAES

ALARI ROMARIZ TORRES Aposentada da Assembleia Legislativa

Jornalista

A armação que não deu certo

Q

uando os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba, apressadamente solicitaram a retirada da pauta no Supremo Tribunal Federal, já ao apagar da luzes, ou seja, antes do recesso da justiça, o pedido para tirar da cadeia o dito cujo, muita gente ficou, naquela oportunidade, sem entender muito o que estava acontecendo. Depois disso, foi explicado que o pedido estava sendo feito para que os defensores do ex-presidente preso, primeiro, tentassem a liberdade via Tribunal Superior Eleitoral. Depois, caso não conseguissem, eles ainda teriam, assim, o último caminho a seguir, que seria o STF. No entanto, depois da palhaçada do desembargador Esquece o paspalhão Faque foi filiado ao Partido Rogério vreto, do Tridos Trabalhadores por bunal Regio19 anos, é amigo íntimo nal Federal da 4ª Região, do ex-presidente, pois circula nas redes sociais quando assumiu o plantão uma foto dele beijando no TRF-4, o o rosto do Lula, com um que terminou largo sorriso de satisfa- ocorrendo no ção, observado de perto último final pelo petista Dias Toffoli, de semana, provaministro do Supremo Tri- ficou do, então, que bunal Federal tudo não passou de uma armação dos advogados de defesa, em combinação com o paspalhão que, mais cedo ou mais tarde, mandaria soltar o ex-presidente. Como principal e única alegação, o desembargador petista afirmou que estava agindo daquela maneira para oferecer ao ex-presidente preso o direito de fazer campanha como os outros candidatos. Esquece o paspalhão que foi filiado ao Partido dos Trabalhadores por 19 anos, é amigo íntimo do ex-presidente, pois circula nas redes sociais uma foto dele beijando o rosto do Lula, com um largo sorriso de satisfação, observado

de perto pelo petista Dias Toffoli, ministro do Supremo Tribunal Federal, e foi indicado como ministro do TRF-4 pela ex-presidente Dilma Rousseff, o seu único argumento para mandar soltar não é argumento, é leviandade. Na verdade Favreto é uma marionete nas mãos dos dirigentes do PT. Além dessa palhaçada do fantoche travestido de desembargador, é ouvir comentários de algumas pessoas, com o argumento de que decisão da justiça não se discute e que Lula deveria ter sido solto pela Polícia Federal, é saber que essas pessoas, provavelmente a serviço dos petistas, sabem que o desembargadorzinho não tinha essa autoridade para mandar livrar da cadeia, ou seja, colocar na rua, o ex-presidente já condenado em segunda instância, e que, provavelmente, não poderá ser candidato nas próximas eleições, já que é considerado ficha suja. Para esses “comentaristas políticos de plantão” é bom lembrar que o Lula foi condenado e mandado para a cadeia pelo pleno de um tribunal; que o caso teve um relator - o desembargador João Pedro Gebran Neto -, uma votação unânime, e que a matéria também já foi analisada pelo STF - tendo como relator o ministro Edson Facchin - mantendo a decisão do TRF-4, de Porto Alegre. Como obedecer uma decisão de justiça? Na verdade, foi a decisão de um desembargador totalmente comprometido com as causas petistas e que jamais poderia ter tomado uma decisão como aquela. Tenho vergonha quando ouço certos comentários. Ainda bem que a justiça brasileira tem homens como o juiz Sérgio Moro, que mesmo no gozo de suas férias, conseguiu mobilizar os desembargadores João Pedro Gebran Neto, e o presidente do TRF-4, Carlos Eduardo Thompson Flores, e manter na cadeia esse ladrão do Lula e colocar água na cerveja da festa petista e apagar a churrasqueira preparada dois dias antes da decisão do desembargador fantoche, paspalhão, desavergonhado, leviano e cínico.

21

Lula vai, Lula vem

A

ssustada, aterrorizada, completamente perdida. É assim que me sinto nas atuais circunstâncias em que se encontra o Brasil. Primeiro, a euforia da Copa. O país inteiro se mobiliza na esperança de que vinte e poucos jogadores sejam campeões. Para tristeza de todos, os meninos preparados por Tite foram para a Rússia mascarados, vaidosos e nada fizeram. Um monte de dinheiro jogado fora: famílias de jogadores e até cabelereiro foram para lá torcer pelo Brasil. No fim de tudo, uma grande decepção. Enquanto durava a Copa do Mundo, políticos tramavam novas jogadas para soltar o Lula. Passada a tristeza, vêm notícias espalhafatosas: “Lula vai ser solto! Lula continua preso!”. E não sabíamos em quem acreditar. Foi o dia inteiro de juízes e desemMas os petistas não de- bargadores lutasistem de soltar o Lula rem para que a Polícia Federal para que seja candidato soltasse o pernas próximas eleições. nambucano. Festas comeSinceramente, não sei çaram a se orgase o paciente terá saúde nizar pelo país suficiente para superar todo. O MST ameaçava pular, tanta pressão. Dizem cantar, dançar. que é diabético, hiper- A TV dava notítenso, ouvindo notícias cias de meia em alarmantes o dia todo e meia hora. Esquerda e direita o pior, está em abstinên- emitiam opinicia de álcool. ões contraditórias. O insucesso da Copa deu lugar à situação do Lula. Espanto-me ao ler e ouvir opiniões de juristas famosos analisando a atitude de colegas de maneiras completamente diferentes. “O desembargador do TRF4 está certo. O Moro será punido. Pode isso, não pode aquilo.” E o povo atônito nada entendeu. Fico imaginando a cabeça do presidente emérito do PT: deve ter tomado banho, preparado o discurso, aguardado uma boa dose de uísque. Outra ligação: não vai sair mais, houve nova determinação. E o coitado, encarcerado entre quatro paredes, volta a ficar triste. Termina o domingo e o Lula não sai da prisão. A internet borbulha com ví-

deos de políticos, juristas, analistas, de esquerda e de direita. Mais uma vez, o povo brasileiro não sabe em quem acreditar. Tudo isto está acontecendo num país sem rumo, governado por um homem fraco, atemorizado, que perdeu as rédeas do governo. Nomeia ministros do PT pra agradar a esquerda, tenta fazer de seu principal assessor um possível candidato à Presidência da República, mas a vítima não consegue agradar à população. Os escândalos se sucedem e ele, o presidente deixou até de pintar os cabelos. Mas os petistas não desistem de soltar o Lula para que seja candidato nas próximas eleições. Sinceramente, não sei se o paciente terá saúde suficiente para superar tanta pressão. Dizem que é diabético, hipertenso, ouvindo notícias alarmantes o dia todo e o pior, está em abstinência de álcool. Os outros candidatos, em campanha, se aproveitam da situação para gravar vídeos, fazer discursos, conquistar os eleitores. Poucos decolam, alguns são agredidos nas ruas e ninguém entende absolutamente nada. Enquanto isso, a corrupção continua de Norte a Sul do Brasil. Vivemos numa roda viva de escândalos! Diariamente a imprensa comenta que políticos desse ou daquele estado receberam propinas. Em Alagoas, tudo corre normalmente e o pior dos Poderes é o Legislativo, cujo crime maior é pagar salários dobrados a novecentos comissionados, em evidente uso indevido do dinheiro público. As eleições vêm aí e não houve mudança no tipo de campanha. Abertamente, carros trafegam mostrando nomes de futuros candidatos em adesivos nos vidros, políticos possuidores de mandato distribuem dinheiro, ambulâncias e tratores às Prefeituras, fruto de verbas públicas. E Lula continua preso, mas os petistas estão em plena campanha para a Presidência da República. Se o torneiro mecânico sobreviverá até outubro, não sabemos. Como ele é nordestino, pode ser que resista. O nordestino é um forte! Ninguém entende nada, o povo está confuso, o país dividido, os juristas não se entendem e não sei qual será o fim da novela do Lula. Só Deus sabe!


22

MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

“Despois d’eu munta iagua”

A

história, é sabido, se repete com a assiduidade impressionante que a mantém em cena. Faz cerca de três séculos, Luiz XV, rei de França, por consequência Haverá um embarque de confusões adna próxima eleição ministrativas no cabendo aos eleitores Reino, previu o futuro de seu país a escolha dos sobre- com uma frase que viventes. Todavia, se tornou símboeleitores, toda aten- lo de seu governo, concebida: ção é pouca tendo-se assim ”Aprés moi le déa certeza de que toda luge”, no portuBB, ou seja: todo ex- guês; “Depois de mim o dilúvio”. cremento flutua. Uma mulher, mais conhecida como Madame Pompadour, prestou-lhe assessoria qualificada no preparo dos malefícios que levaram o povo francês à execução do movimento revolucionário que derrubou

a Bastilha, guilhotinou o filho que o sucedeu, o rei Luiz XVI, alcunhado de “ le roi soleil”, cujos raios iluminaram os revolucionários na criação de um governo democrático com fundamentos na Liberdade, Igualdade e Fraternidade. Tratando-se de uma sucessão de Luizes com a previsão de um dilúvio, necessário se faz compulsar a Bíblia para, na companhia de Noé, procurar saber a diferença entre os embarcados na sua Arca e os que talvez não sobrevivam às águas do sacerdote nordestino, sabendo-se que no dilúvio bíblico a ordem era para embarcar os decentes e afogar os pecadores, bem ao contrário das águas dos Luizes ou Lulas que só afogam os decentes e fortalecem os desqualificados embarcados na Arca do Inácio, que perdeu a viagem pela falta, apenas, de um

A leitora

D

esnecessário enfatizar ou pregar as vantagens da leitura. Estas são, há muito, sentidas e usufruídas por quem tem esse saudável hábito. Seus benefícios vão desde a simples atualizaNesses tempos onde ção dos fatos cotipredominam os dianos, aos estudos vernizes intelectuais, acadêmico servinem que os leitores se do até mesmo para arejamento cemostram apressados, orebral, mormente impacientes e volá- nesses dias em que teis, é gratificante a liquidez e a rapidez com que nossa encontrar alguém que se declara fiel e sociedade se move torna-se assustaassíduo leitor deste dora. semanário. Essa rapidez e pressa do homem moderno tem ferido de morte o hábito da leitura con-

MENDES DE BARROS Advogado

dedinho de sorte. Por força do Criador as águas estão subindo o nível e, queira Ele, como na Bíblia, afogue os imprestáveis que estão destruindo o país e embarque na Arca da Salvação do Brasil as urnas de outubro aqueles que não estejam comprometidos com a gatunagem que ameaça nossa pátria. Os últimos acontecimentos envolvendo integrantes do Poder Judiciário são extremamente preocupantes. Haverá um embarque na próxima eleição cabendo aos eleitores a escolha dos sobreviventes. Todavia, eleitores, toda atenção é pouca tendo-se a certeza de que toda BB, ou seja: todo excremento flutua. E tem mais “carrego” no ho-

rizonte quando se anuncia uma provável chapa de candidatos à presidência da República com Fernando Henrique Cardoso e Nelson Jobim para vice-presidente. O primeiro foi quem iniciou a vulgarização da compra de votos parlamentares na aprovação da reeleição dos mandatos executivos e, com o resultado, o divino preso declarou a existência de 300 picaretas no Congresso, ao tempo em que o segundo, ministro do Supremo Tribunal Federal, na presidência da Corte, declarou haver fraudado a Constituição incluindo texto que não havia sido aprovado pela Assembleia Constituinte, permanecendo no cargo. Cuida-te Brasil.

ISAAC SANDES DIAS

Promotor de Justiça

sistente. Os jovens exigem, a cada dia, informações compactas breves e descartáveis. Raros são os casos daqueles que atualmente se voltam para a leitura mais profunda. A maioria prefere surfar na superfície dos parcos duzentos e oitenta caracteres do Twitter, não demonstrando qualquer paciência para a digestão de um texto mais encorpado. Assim, a cada dia, vai se tornando distante e raro o hábito da leitura de textos um pouco mais longos ou obras volumosas. O mesmo acontece com a leitura de jornais, sejam eles diários ou semanais. As notícias ligeiras são alcançadas e devoradas pela rapidez da internet, os artigos de fundo, de natureza opinativa ou de cunho literário são, na maioria das vezes, lidos aos saltos ou mesmo ignorados pelo grande público. Em meio a tais constatações, um

fato me chamou a atenção e causou admiração. O vigor intelectual e curiosidade juvenil de uma leitora assídua deste semanário. Nesses tempos onde predominam os vernizes intelectuais, em que os leitores se mostram apressados, impacientes e voláteis, é gratificante encontrar alguém que se declara fiel e assíduo leitor deste semanário. Alguém poderia dizer: é muito comum, ainda que nos dias de hoje, a existência de leitores cativos de determinados de semanários. Concordo com tal assertiva, realmente ainda existem esses raros leitores, mas o que quero dizer é que a leitora da qual estou falando torna esse fato não apenas raro, mas excepcional e digno de uma notação exemplar.

O que distingue a leitora da qual estou falando é o fato de, possuir ela, uma lucidez intelectual impressionante, ser curiosa como uma criança que começa a descobrir o mundo, possuir uma alegria leve e contagiante e de, principalmente contar com noventa e três anos de idade. Por tudo isso, estão de parabéns tanto este semanário quanto seus leitores, aqui representados, talvez, pela leitora mais longeva de um semanário, que, do seu quase século de idade, atende sem qualquer dificuldade pelo nome de Edla Quirino, a quem quero prestar minha singela homenagem pelo que representa de exemplo para todos nós, quer seja por sua lucidez e por sua jovial atualidade, como pelo bom humor e alegria de viver.


MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

Dívidas e Previdência

O

dinheiro da previdência privada poderá ser usado para encerrar cobranças de dívidas tributárias. É o que garante uma portaria publicada no Diário Oficial da União. Pelo texto, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGN) só pode encerrar as cobranças de dívidas tanto tributárias quanto da previdência de pessoas ou de empresas após tentar bloquear valores de previdência privada e consórcios.

ECONOMIA EM PAUTA

Bruno Fernandes – contato@obrunofernandes.maceio.br e fundos de ações.

Aposentadoria maior

Troca de aparelhos

A TIM lançou um programa de fidelidade que garante a troca de smartphones após um ano com descontos no novo aparelho. A novidade permitirá que os assinantes atualizem seus smartphones todo ano. O cliente poderá usar o celular usado como parte de pagamento do modelo novo como garantia de recompra a partir do 12°até o 18° mês de utilização. Entre os aparelhos contemplados estão o iPhone X, o Samsung

23

Galaxy S8 Plus e Motorola Z2 Force, entre outros.

Investimento arriscado

Com a taxa básica de juros, a Selic, no menor patamar histórico e inflação influenciada pela greve dos caminhoneiros, é necessário ter cautela ao decidir onde guardar os seus recursos. A poupança e os fundos de investimentos tendem a ter rentabilidade mais baixa neste cenário, sendo necessário assumir algum risco. Neste caso, especialistas aconselham a Bolsa de Valores que foi beneficiada pela queda de juros, o tesouro com títulos indexados à inflação

O maior desejo do segurado do INSS é ganhar uma aposentadoria que não diminua tanto a sua renda. Para quem está de olho na renda integral, há alguns caminhos. Um deles é pedir a aposentadoria por idade com um número maior de contribuições. Esse benefício é concedido com 15 anos de recolhimentos ao INSS para quem completa 60 anos (mulher) ou 65 anos (homem). O cálculo da renda mensal desse benefício parte de 70% da média salarial do trabalhador, com acréscimo de 1% a cada ano de contribuição. Ao atingir os 15 anos mínimos, a renda inicial será de 85% sobre a média e, com 30 anos de INSS, é possível receber 100%, sem nenhum desconto sobre a renda.


24

MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

JUNQUEIRO COMEMORA 71 anos de emancipação Município prospera em meio a dificuldades

O município de Junqueiro comemorou seus 71 anos de emancipação política em grande estilo. A solenidade realizada no dia 9 de julho foi marcada com entrega de veículos, equipamentos e inaugurações. Agora a população conta com um novo Mercado Público Municipal todo reformado, ambulância para o transporte de pacientes, dois tratores, caminhão compactador de lixo, veículo para o controle de endemias e uma escola toda reformada e ampliada. Segundo o prefeito Carlos Augusto, a colaboração de cada cidadão, de cada secretário e de todos os ex-gestores foram cruciais para que Junqueiro evoluísse cada vez mais. “Todos têm sua parte na colaboração; hoje nossa cidade inaugura diversas obras para os nossos munícipes, uma iluminação de tecnologia LED em toda orla, trazendo mais segurança para nossa cidade. E todos são importantes demais nessas conquistas”. O prefeito agradeceu ao senador Benedito de Lira, ao deputado federal Arthur Lira e à deputada estadual Jó Pereira pelas emendas parlamentares e projetos que beneficiaram o município com obras, projetos e veículos. Destacou também o apoio do governador Renan Filho, que contemplou o município com obras de pavimentação em um trecho de 6,5 km, que está em fase final, através do Pró-Estrada. Além disso, o prefeito anunciou a compra de quatro ambulâncias com recursos próprios, já faturadas mas que não chegaram a tempo para a festa de aniversário da emancipação. O vice-prefeito Zé Tavares também comemorou a importância do dia e as conquistas. “Um dia de muita felicidade, de conquistas, entregamos uma escola para o povoado de São Benedito toda reformada e ampliada, diversos veículos para uso no município, que ajudarão na agricultura familiar e na saúde da população. Junqueiro cresce e se desenvolve graças à participação de toda nossa gente”. Estiveram presentes à solenidade vereadores, professores, secretários, funcionários públicos e grande parte da população junqueirense.


MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

25


26

MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

Hospital da Mulher vai ser gerido por empresa privada

POLÊMICA Bruno Fernandes

SINDICATO DA UNCISAL REPUDIA DECISÃO E DIZ QUE FERE O DIREITO AO CONCURSO PÚBLICO MARIA SALÉSIA sallesia@hotmail.com

A

portaria nº 2.596, baixada pelo secretário interino de Saúde de Alagoas, Paulo Luiz Teixeira Cavalcante, no último dia 29, dia em que as repartições públicas não funcionaram por conta do feriado de Floriano Peixoto, autorizando o repasse da administração do Hospital da Mulher para uma organização social (OS) tem causado polêmica. A indignação é tanta que levou o Sindicato dos Servidores Públicos da Uncisal (Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas) a emitir nota de repúdio. O documento aponta que a decisão fere frontalmente o direito a concurso público e conclama servidores, alunos e a sociedade alagoana a repudiar e denunciar a decisão. Bruna Omena, membro da diretoria do sindicato da categoria, esclareceu que o Hospital da Mulher é patrimônio da Uncisal, construído nas dependências da Universidade e com dinheiro público do estado de Alagoas. Porém, segundo ela, o conselho universitário da Uncisal e a Se-

Hospital da Mulher em Maceió ainda não foi inaugurado, mas polêmica de quem vai gerir serviços continua

sau (Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas) autorizaram que o patrimônio passe a ser administrado por uma organização social, ou seja, uma empresa privada. Com isso, os funcionários que irão atuar no referido hospital vão ser contratados por processo seletivo de contratação e avaliação curricular. “Não vai ser por concurso público. Os funcionários serão contratados e assim não serão funcionários públicos e nem terão estabilidade”, protestou Omena. A sindicalista reclamou, ainda, que há outro agravante, pois o concurso da Uncisal que tem o cadastro de reserva que aguarda há muito tempo e servidores do quadro de edital dentro das vagas do mesmo que

esperam serem nomeados serão prejudicados. É que dependem da tabela de lotação genérica que está “presa na Seplag precisando da autorização do secretário de Planejamento e do governador para ser encaminhada à Assembleia Legislativa e aí ser aprovada,” cobrou. Ela

A previsão é que o Hospital da Mulher seja inaugurado ainda neste mês de julho. Irá prestar serviço às gestantes de baixo risco, bebês lactentes e RNs (recém-nascidos)

questiona ainda que a pauta do Hospital da Mulher passou no Conselho Universitário (Consu), porém não foi divulgado na comunidade acadêmica, no Conselho Estadual de saúde, nem no sindicato da categoria, “que têm cadeira no conselho universitário”. A previsão é que o Hospital da Mulher seja inaugurado ainda neste mês de julho. Irá prestar serviço às gestantes de baixo risco, bebês lactentes e RNs (recém-nascidos). Já as de alto risco que tiverem qualquer intercorrência continuarão com atendimento na Maternidade Santa Mônica, em Maceió. EXTRA ALERTOU Na edição 978 o EXTRA

trouxe reportagem em que mostrava que os aprovados do concurso da Uncisal temiam não ser convocados. Segundo os aprovados no certame realizado em 2014, diversas áreas da saúde estão carentes de novos servidores, porém a nomeação para preencher as vagas parece cada vez mais distante. E como se não bastasse, reclamaram, estão contratando e assim desconsideram a existência do cadastro de reserva do concurso que é válido até 2019, como registrado no Diário Oficial do Estado de Alagoas, do dia 19 de junho de 2017. Na mesma edição, a Secretaria do Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio de Alagoas alegou que não há nenhuma lista “presa” dentro da pasta. Na ocasião, afirmou que apenas a Uncisal poderia esclarecer tais questões. A assessoria da Universidade, através de sua assessoria, declarou que possui compromisso com a reserva técnica do concurso público realizado em 2014 e que o recadastramento dos servidores estaduais e o redimensionamento das necessidades das unidades assistenciais da Uncisal iriam subsidiar as nomeações feitas pela Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio. Disse, ainda, que “quando o redimensionamento for concluído, ele será encaminhado para o governo, que, por sua vez, encaminha para Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE). Com a aprovação da Assembleia, os aprovados poderão ser nomeados”. Assim esperam os aprovados!


MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

Rota difícil à frente

D

estrinchar tudo o que o governo federal anunciou no último dia 5 sobre o programa Rota 2030 tomaria o espaço de algumas destas colunas. Então a intenção é comentar certos pontos e, em especial, a validade de decisões que ainda passarão pelo crivo do Congresso, até novembro próximo, para se tornarem lei. Primeiramente, em um país com baixa cultura de planejamento e alto grau de imprevisibilidade qualquer plano de 15 anos – dividido em três quinquênios – já se pode considerar conquista importante. Vários países incentivam pesquisa e desenvolvimento (P&D) no próprio território. Pode ser feito de forma eficiente ou não, dependendo de como se montam estratégias. O Brasil cometeu erros no Inovar-Auto, mas também aprendeu como evitá-los. O Rota 2030, de fato, atrasou seis meses por ser complexo e ter levado a um conflito entre ministérios (Indústria e Fazenda). Perdeu-se muito tempo em discussões se R$ 1,5 bilhão por ano de incentivos para P&D era um valor incompatível com a atual penúria fiscal

do País. Bem, o Brasil concede cerca de R$ 300 bilhões ao ano em subsídios variados, inclusive à agricultura... Para conseguir compensar aquele valor em P&D, o conjunto das fabricantes de veículos deve comprovar ter investido montante 233% superior, ou seja, R$ 5 bilhões por ano aqui. Alternativa seria aplicar esse dinheiro no exterior e assim criar empregos em outros lugares. Indústria automobilística na maioria dos países é incentivada – ou até disputada como ocorreu com marcas japonesas em estados americanos – de forma clara ou velada em razão da longa cadeia produtiva e qualidade dos empregos. Entretanto, no Brasil há uma situação curiosa. Essa indústria representa 4% do PIB do País, mas recolhe em torno de 10% dos impostos pertinentes: carga fiscal sobre automóveis é a maior do mundo. Empresas de autopeças também receberão suporte fiscal para investir em tecnologia. Criaram-se ainda incentivos específicos ao conjunto da indústria para campos de atuação considerados estratégicos e que não podem mais ser

27

FERNANDO CALMON

FERNANDO CALMON fernando@calmon.jor.br negligenciados. Entre eles, conectividade, carros autônomos, inteligência artificial e manufatura avançada. Há vários pontos positivos no Rota 2030. Exige redução compulsória de consumo de combustível: ganho estimado de 11% a cada cinco anos. Nenhuma marca escapa, tendo ou não fábrica no Brasil. Foram criadas duas faixas de economia adicional, com até 1% de desconto do IPI em cada etapa, para modelos, individualmente, que conseguirem superar o mínimo. Isso ocorre porque a tecnologia fica mais cara para avançar em eficiência energética. Automóveis nacionais e importados (especificamente da China) também terão um cronograma para melhorar segurança passiva e ativa em prazos compatíveis para absorção de parte dos aumentos de custos. Ao longo

dos 15 anos espera-se que o mercado cresça para o aumento de produção gerar escala suficiente. Para tanto, é necessário alcançar o patamar de quatro a cinco milhões de unidades vendidas anualmente. Em 2018, porém, as previsões estão menos otimistas. Com os problemas gerados pela greve dos caminhoneiros e o estresse político, o crescimento de 15% ou mais vem sendo revisado. Fenabrave rebaixou os números mais otimistas esperados pelas concessionárias, enquanto a Anfavea desistiu de reestimar para cima o crescimento de vendas de 11% sobre 2017. Agora se prevê que 2,5 milhões de veículos leves e pesados, ou algo muito pouco acima desse nível, ganharão as ruas este ano. Rota difícil à frente.

ALTA RODA n HYUNDAI ainda não tem

acerto final do plano de produtos até 2022. Depende de eventual acordo com Grupo CAOA (talvez renovação do contrato de importações por prazo menor, a cada dois anos e não 10 anos) e da provável fábrica na Argentina para picape compacta. Mas, segunda geração do HB20 poderá chegar em 2019, ao se completar o ciclo de sete anos da primeira geração. n CHEVROLET Spin virou

seu ciclo de vida de seis anos com mudanças estilísticas que amenizam bastante sua forma exageradamente rústica. Capô mais baixo (com nove vincos), grade e faróis redesenhados, tampa e lanternas traseiras em harmonia, além de rodas de 16 pol. e a retirada (já não era sem tempo) do estepe externo, deram equilíbrio ao conjunto. Versão aventureira Activ passou a oferecer sete lugares.

n INTERIOR do Spin 2019

também evoluiu. Banco intermediário agora é corrediço e, bipartido, permite não só melhorar o acesso à terceira fileira como flexibilizar a utilização entre mais espaço para as pernas dos passageiros e maior volume de bagagem (até 756 litros). Novos bancos dianteiros e quadro de instrumentos refinaram a vida a bordo.

n DIRIGIBILIDADE também

melhorou no único monovolume tradicional que restou no mercado brasileiro com presença significativa (Fit vende mais, porém é meio-termo entre hatch e monovolume). Suspensão bem acertada e respostas mais suaves do câmbio automático completam a renovação do Spin. Preços vão de R$ 63.900 e a R$ 83.490.


28

MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

JOSÉ ARNALDO LISBOA MARTINS Engenheiro Civil e diretor da empresa de pesquisas Dica’s lisboamartins@gmail.com

Aprendam a jogar futebol

N

ós já tivemos 21 Copas do Mundo e já ganhamos 5 delas. Já tivemos muitas decepções, não por ter perdido, mas por causa dos nossos técnicos e nossos jogadores que só pensam em dinheiro e na fama. Nesta Copa do Mundo que acaba no próximo doO Brasil já foi bom de bola, mas os outros paí- mingo, tivemos decepses já aprenderam a fazer grandes ções, como já titudo que os jogadores do vemos nas Copas Brasil fazem. Inclusive anteriores. Nas estão fazendo melhor do que já aconteceque os brasileiros, como ram, os leitores meus artigos ficou provado nos empa- dos devem ter lido tes e na derrota final. alguns textos nos quais eu falei sobre Copas já perdidas, como aquela quando critiquei as “frescuras do Dunga”, um grande incompetente

em futebol. Lembram-se quando eu falei no tal do Felipão, tido por muitos como “o deus de todos os técnicos”. Vocês devem estar lembrados que eu critiquei os nossos jogadores, verdadeiros mercenários, sem nenhum patriotismo e que só pensam nos dólares que ganham. Recentemente, antes da humilhante derrota que tivemos contra a Bélgica, eu escrevi o artigo com o título “Os nossos deuses do futebol”, sobre o que poderia acontecer com a nossa seleção endinheirada. Estão lembrados? Pois bem! Aconteceu o que eu falei, uns 30 dias antes da humilhante derrota contra a Bélgica. Por que eu não estava confiando na nossa seleção? Primeiro porque começaram a dizer que o Tite era o melhor técnico do mundo, com mais de 20 vitórias conquistadas, embora

fossem vitórias contra times fracos. Para o Galvão e seus bajuladores, o Tite era o maior, o mais espetacular e o deus do futebol. Com tantos jogadores espalhados pelo mundo inteiro, como o Neymar e os que foram convocados pelo Tite, diziam que ninguém ganharia do Brasil. Nas entrevistas, o Tite gostava de falar em filosofia e em psicologia. Com o dinheiro fácil da CBF, fretaram jatinhos para levarem todas as esposas dos jogadores para melhores hotéis da Rússia. O dinheiro da CBF que se danasse. Como fazem muitos técnicos, não deixaram que o povo visse os treinos da seleção, como se os adversários já soubessem quantos chutes iriam dar, quantas cabeçadas e quantos dribles eles dariam. Ora, o Brasil já foi bom de bola, mas os outros países já aprenderam a fazer tudo que

os jogadores do Brasil fazem. Inclusive estão fazendo melhor do que os brasileiros, como ficou provado nos empates e na derrota final. Faltou a humildade do Tite, dos jogadores cheio de grana e dos demais brasileiros que foram na onda do Tite. Lembrem-se que no fim do meu artigo eu disse: humildade, humildade e humildade. Mas, ela faltou a todo mundo. Agora, já estão falando na futura Copa de 2022 e quem deve ser o técnico do Brasil, pois Tite já foi convidado pala CBF. Já vi que o Brasil não se emenda com os fracassos. Não se lembraram que agora nós somos os reis da corrupção, das propinas e dos ministros do STF, como Gilmar Mendes, que mandam soltar os presos condenados a mais de 20 anos. Vamos Brasil, aprenda a jogar futebol como as outras seleções fizeram!


MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

29

ABCDO INTERIOR robertobaiabarros@hotmail.com da comunicação.

Repudiou

Agressão covarde

A

quem interessa prejudicar a pré-candidatura de Severino Pessoa para deputado federal, ao ponto de usar um fake para “denunciar” que ele foi flagrado desviando água para sua residência em Arapiraca? Quem pode responder por esse crime absurdo é a Polícia Federal, que criou essa semana um grupo para investigar e prender elementos inescrupulosos que cometem esse tipo de delito para atacar cidadãos com ou sem mandato eletivo.

Usam aplicativo

É preciso, com urgência, que a PF volte suas as atenções para grupos de WhatsApp, onde esse tipo de crime desafia as autoridades. O deputado estadual Severino Pessoa e sua esposa, a vice-prefeita Fabiana Pessoa, foram vítimas dessa “onda” que teve como objetivo agredir e atingir a honra com mentiras.

Site desmentiu

Para se ter ideia do grau de periculosidade de certos elementos, circulou em alguns grupos uma chamada de uma “matéria” que seria do site 7Segundos, afirmando que o deputado e a vice-prefeita de Arapiraca, Fabiana Pessoa, foram flagrados desviando água. Uma mentira covarde. O próprio site tratou de desmentir a autoria.

Alô Polícia Federal

Em Arapiraca é de domínio público que a família Pessoa rompeu politicamente com o atual prefeito Rogério Teófilo e a suspeita é que, sem o conhecimento do gestor, algum psicopata tenha planejado tal crime, contando com comparsas para disseminar a mentira nos grupos do aplicativo. Com a palavra a Polícia Federal. Só a PF tem força para combater esses malfeitores.

Emitiu nota

O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Radiodifusão no Estado de Alagoas (Sindirádio) emitiu nota de repúdio em pelo menos dois casos envolvendo integrantes da categoria em Arapiraca e considerados como “coronelismo” pela entidade. O relato mais recente foi do radialista Isve Cavalcante, que desabafou afirmando que a gestão municipal “pediu sua cabeça” por estar “falando demais”.

Em um trecho da nota, o Sindirádio repudiou a atitude antidemocrática do prefeito de Arapiraca, Rogério Teófilo, que devido às cobranças e críticas sofridas sobre sua administração por parte de profissionais da imprensa local, resolveu se vingar daqueles, com ameaças e cancelar os contratos com as empresas de radiodifusão, pedindo a demissão de profissionais renomados por abordarem em seus horários da programação assuntos relativos à sua má administração.

Papel dos comunicadores

Em outro trecho o Sindirádio afirma: “Temos a plena consciência que a imprensa não tem o direito de fabricar fatos ou notas para servir como conteúdo a seu favor, preservando inclusive a integridade moral e intelectual dos profissionais, no entanto se a administração do prefeito não é satisfatória, é natural que a população que o elegeu faça reclamações e cobranças. Este é o papel dos comunicadores em geral: servir como porta vozes da população do município”. De igual modo, a Câmara de Vereadores deve fiscalizar a gestão, que é sustentada com recursos públicos. E como bons guardiões da sociedade, cumprimos nosso papel de utilidade pública através

Guarda municipal

Mesmo com as dificuldades enfrentadas pelo município, a Prefeitura de Palmeira dos Índios tem superado alguns desafios. E por isso, o governo municipal convocou na quarta-feira (11), às 15h, no Salão Nobre da prefeitura, mais 30 concursados da Guarda Municipal, aprovados em concurso público em 2014 mas que ainda não tinham sido chamados para assumir as funções. Esta já é a terceira convocação dos guardas e mais um compromisso de campanha do prefeito Júlio Cezar que se cumpre.

Segurança

Os novos guardas terão o importante papel de contribuir com a segurança pública da cidade. Eles se juntam a outros 19 guardas municipais, já nomeados, e, juntos com o coordenador da Guarda, formam um contingente de 50 agentes. Eles poderão auxiliar a Polícia Militar e criar uma cultura de segurança no município.

Crise em Arapiraca

Antes considerada uma locomotiva do desenvolvimento, a cidade de Arapiraca registra uma retração na atividade do setor da construção civil. Os dados mais recentes do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, mostram que Arapiraca teve uma queda de 7,38% na geração de novas oportunidades de mão-de-obra.

PELO INTERIOR ... Reunindo amigos, correligionários e lideranças, a ex-prefeita de Arapiraca, Célia Rocha, oficializou sua pré-candidatura a deputada estadual pelo PTC, partido que preside em Alagoas. ... O evento, realizado em um espaço de festas no Centro de Arapiraca, contou com a presença do deputado Severino Pessoa, que é pré-candidato a deputado federal. Na ocasião, Célia anunciou seu apoio ao parlamentar. ... Durante sua fala, Severino agradeceu a parceria e destacou o trabalho desenvolvido pela ex-prefeita em Arapiraca. “A gente tem que andar juntos, pensando em uma cidade, uma região forte. Tenho certeza que nosso município e o Agreste darão uma linda vitória a Célia”, falou. ... Já Célia Rocha usou da palavra para agradecer a presença dos amigos e anunciar oficialmente sua pré-candidatura. ... “As pessoas precisam acreditar na política, precisam participar. Eu faço tudo com amor e é por isso que coloco meu

nome a disposição do partido. Quero fazer diferente, trabalhar com afinco pelo povo e pela nossa região”, afirmou. ... Nessa semana, o PTC e outros cinco partidos PSB, PSC, PSDC, PPL e Patriotas lançaram a coligação “A nova frente em Alagoas”, que contemplará as disputas para Assembleia Legislativa e Câmara Federal. Célia Rocha também esteve no evento, ressaltando a importância de uma junção de forças para Alagoas (Com Live Comunicação). ... A Prefeitura de Arapiraca, por meio da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminfra) e SMTT, começou quarta-feira (11) com serviços de terraplanagem na estrada que liga o Sítio Breu ao Povoado Canaã. ... O acesso pela estrada vicinal estava difícil, uma vez que há trechos muito úmidos e até com alagamentos na altura do Conjunto Residencial Luar do Cavaco. No entanto, a patrol com o trabalho de nivelamento da via está deixando a estrada em condições favoráveis de trafegabilidade.

... “Mesmo seguindo a programação estabelecida no cronograma das ações de terraplanagem nem sempre podemos adiantar a máquina para outra localidade. De toda forma, estamos trabalhando para beneficiar todas as comunidades que precisam desse serviço”, explicou Daniel Oliveira. ... A Polícia Militar de Alagoas, através do 3º BPM de Arapiraca, conseguiu interceptar um suspeito de receptação de baterias de gel, roubadas da Petrobras em São Miguel dos Campos. É a terceira carga roubada do gênero recuperada pela PM de Alagoas nos últimos 15 dias. ... O local do flagrante fica no bairro Canafístula, em Arapiraca, e a apreensão ocorreu no início da noite de terça (10). ... Aos nossos leitores desejamos um excelente final de semana, repleto de saúde e paz. Quanto aos desafetos que detestam o que este colunista escreve, que continuem nos quintos dos infernos. Cambada de facínoras. É isso. Até a próxima edição. Fui!!!


30

MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

MEIO AMBIENTE

Sofia Sepreny da Costa s.sepreny@gmail.com

Orgânicos Aplicativo água e esgoto

Um novo aplicativo desenvolvido pela Agência Nacional de Águas (ANA) permite que qualquer pessoa com um dispositivo móvel conheça em detalhes a situação da coleta e do tratamento dos esgotos, do sistema produtor de água e do manancial que abastece sua cidade: o aplicativo atlas Água e Esgoto. Para facilitar a navegação, quando o GPS do aparelho estiver ativado o app disponibiliza, a partir de um clique na guia “Visão Nacional”, a opção de acesso direto aos dados da cidade onde o usuário se encontra. Sobre a situação dos esgotos, o aplicativo apresenta dados municipais das populações atendidas com coleta e tratamento de esgotos, somente com coleta, sem nenhum dos dois serviços e por fossas sépticas, além da carga de esgotos gerada e a remanescente após o tratamento. Além disso, a ferramenta mostra qual é a capacidade de diluição do principal corpo d’água receptor de esgotos daquele município e o desenho do sistema atual de coleta e tratamento de esgotos da localidade, além das alternativas técnicas e investimentos necessários para assegurar a adequada coleta e tratamento de esgotos em cada município até 2035. Para o Nordeste, também está disponível o nível atual dos cerca de 500 reservatórios que a Agência Nacional de Águas monitora.

Água x agrotóxico

A poluição hídrica causada por práticas agrícolas insustentáveis, marcadas pelo abuso de agrotóxicos, fertilizantes e outros produtos agroquímicos que escoam para rios, lagos e reservas subterrâneas, é um problema crescente em todo o mundo e frequentemente subestimado por formuladores de políticas e agricultores. O alerta vem de um relatório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e do Instituto Internacional de Gestão da Água divulgado na mesma semana em que a comissão especial da Câmara aprovou o projeto que flexibiliza a Lei dos Agrotóxicos no Brasil, chamado por opositores de “PL do veneno”.

Um projeto de lei que restringe a venda de produtos orgânicos foi encaminhado à Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados na última semana. O PL 4.576/16, que aguarda o parecer do relator da comissão, é criticado por prejudicar a venda direta de orgânicos. A proposta é do deputado Edinho Bez (PMDB-SC) e limita a comercialização de produtos orgânicos a propriedades particulares e feiras livres ou permanentes em espaços públicos, alterando a Lei 10.831, em vigor desde 2003. Na prática o PL retira a permissão de produtores comercializarem, por exemplo, com governos que fazem a compra de alimentos orgânicos para o fornecimento da merenda escolar. O projeto foi aprovado no mês passado pela Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (Capadr).

Tartarugas

Outras duas tartarugas marinhas foram encontradas mortas por banhistas na terça-feira, 3, nas praias de Maceió. Uma em Jacarecica e outra na Pajuçara. Segundo biólogos do Instituto Biota de Conservação os dois animais eram da espécie oliva, machos, com cerca de 67 cm de casco. O órgão informou ainda que no último mês de junho 157 tartarugas foram encontradas mortas em Alagoas. Em maio o número havia sido ainda maior, 191 animais. Os registros apontam crescimento de desovas de tartarugas em praias alagoanas. Foram 40 no mês de junho, contra apenas 10 em maio. As causas das mortes dos dois animais ainda são desconhecidas.

Produção agrícola Cerrado “PL do veneno”

Caso o Projeto de Lei 6922/2002, aprovado há quinze dias por uma comissão especial da Câmara dos Deputados, virar a nova lei de agrotóxicos, o Brasil estará na contramão das decisões recentes de países da União Europeia. O projeto dá mais poderes ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) para realizar a avaliação toxicológica das substâncias e aprovação do seu uso, diminuindo as competências de controle e fiscalização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) no processo.

O Cerrado, segundo maior bioma natural do País, apresentou melhoras na taxa de desmatamento nos últimos dois anos em dados divulgados pelo Ministério do Meio Ambiente. O estudo faz parte do monitoramento feito por satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Na comparação de 2016 com o ano anterior, a redução foi de 43%. Apesar do recuo, a perda da cobertura vegetal na região chega a 51%. A área devastada em 2017 era de 7.408 quilômetros quadrados, um tamanho 38% menor do que o registrado em 2015, quando a extensão era de 11.881 quilômetros quadrados.

Segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) a produção agrícola mundial deve crescer 20% em dez anos. O aumento será ainda maior nas regiões em desenvolvimento, como a África Subsaariana, Ásia Meridional e Oriental, Meio Oriente e Norte da África. A projeção está no estudo Perspectiva Agrícola da OCDE-FAO 20182027, divulgado na última terça-feira, 3. De acordo com o relatório, a produção agrícola global cresceu de forma constante, conseguindo atingir níveis recordes, em 2017, no caso de tipos específicos de cereais, carne, lácteos e peixes. Porém a manutenção deste cenário envolve o incentivo do comércio agrícola, fundamentado em políticas específicas para o setor.


MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

30 ANOS DE ELEIÇÕES EM ALAGOAS

1992 FATOS IMPORTANTES NO PRIMEIRO TURNO DAS ELEIÇÕES EM MACEIÓ

1) A eleição foi marcada por denúncias de fraudes e muitos recursos das coligações contra o resultado do primeiro turno das Eleições. 2) O Vereador Ronaldo Lessa (PSB) foi o primeiro colocado com uma votação de 51.430 votos e sua vice foi a professora da Ufal Heloísa Helena (PT). O impeachment de Collor foi fator preponderante para a vitória de Lessa. Ele incorporou o anti-Collor no processo eleitoral e mostrou durante a campanha que entre os três candidatos, o único ao longo da história que nunca esteve com o Collor foi ele. 3) O deputado estadual José Bernardes (PFL) foi o segundo colocado, com uma votação de 49.430 votos e seu vice foi o vereador Ardeval Viana (PSC). Apesar do apoio do prefeito Pedro Vieira (PSC), que era bem avaliado pela população, a pecha de ser o candidato do presidente Collor e o desgaste do governador Geraldo Bulhões foram fatores determinantes para a sua derrota. 4) O senador Teotonio Vilela Filho (PSDB) foi o

CONTEXTO HISTÓRICO Na Eleição Municipal de 1992, em Maceió, tínhamos à frente do Governo do Estado, Geraldo Bulhões (PSC) e do Município de Maceió, Pedro Vieira (PSC).

terceiro colocado com uma votação de 47.341 votos e seu vice foi o vereador Marcos Vasconcelos (PMDB). Apesar da sua excelente votação, ele como candidato também de oposição, não conseguiu incorporar como o candidato anti-Collor e esse fator fez ele não chegar no segundo turno das eleições. FATOS IMPORTANTES NO SEGUNDO TURNO DAS ELEIÇÕES EM MACEIÓ

1) Com a morosidade do TRE e TSE em julgar os vários recursos das coligações contra o resultado do primeiro turno das Eleições, fez a eleição do segundo turno que seria no dia 15 de novembro de 1992 serem remarcadas para 10 de janeiro de 1993. 2) No dia primeiro de janeiro de 1993, seria empossado o novo prefeito de Maceió, porém com o adiamento do segundo turno das eleições para 10 de janeiro de 1993, a presidenta da Câmara dos Vereadores, vereadora Rita Correia (PMDB), assume interinamente a Prefeitura. 3) O vereador Ronaldo Lessa (PSB) foi o primeiro colocado com uma votação de 97.770 votos. Com o sentimento de oposição

que nutria o eleitorado de Maceió, como o candidato que incorporou o antiCollor e a união de toda a oposição, foram fatores decisivos para a sua consagradora vitória. 4) O deputado estadual José Bernardes

(PFL) foi o segundo colocado com uma votação de 50.241 votos. A pecha de ser o candidato de Collor, abandonado por quase todos que o apoiaram no primeiro turno e o desgaste do governador Geraldo Bulhões, foram fatores

MARCELO BASTOS

Analista político

31


32

MACEIÓ, ALAGOAS - 13 A 19 DE JULHO DE 2018

Edição 980  

13 a 19 de julho de 2018

Edição 980  

13 a 19 de julho de 2018

Advertisement