Page 1


editorial ao leitor

Gorduras: drogas para o cérebro

T

Boa leitura, Nara Andrade.

p4 Entrevista

Representante da AMICO fala do trabalho desenvolvido pela Associação.

odos sabem que alimentos fritos ou muito calóricos como sanduíches, pizzas, chocolates, refrigerantes, salgadinhos, quando ingeridos em excesso e com frequência, são bastante danosos à saúde, representando riscos de obesidade, doenças cardiovasculares e diabetes. No entanto, há quem não resista ao famoso trio hambúrguer, batata frita e refrigerante. Esse está entre os lanches preferidos, principalmente por jovens, inclusive crianças. No entanto, especialistas alertam para a necessidade de pisar no freio e fazer escolhas inteligentes, na hora que bate aquela vontade incontrolável de comer alimentos doces ou gordurosos. Estudos feitos com cobaias apontaram que as gorduras presentes nesses alimentos viciam tanto quanto drogas, pois provocam uma sensação de prazer, semelhante às sensações provocadas inclusive pelo sexo. DOMINGO conversou com a nutricionista Débora Lima, que explica como essas substâncias agem em nosso cérebro e traz opções de alimentos ricos da chamada gordura boa, ou seja, a gordura insaturada, que faze bem à saúde, prevenindo doenças cardiovasculares. Você também confere uma série de opções de trocas inteligentes, que ajudam a manter o foco na dieta e ganhar saúde. Nesta edição, você também confere um material sobre a produção de brinquedos sustentáveis. Tudo começou com uma brincadeira de pai e filho, num final de semana. Giorgio Mendes diz que está aproveitando o interesse do filho Victor de, 7 anos, para lhe ensinar sobre a importância de preservação do meio ambiente para que ele cresça com uma maior conscientização ambiental. Uma nova mania está fazendo a cabeça das mossoroenses. Depois que elas ouviram falar da campanha de doação de cabelos para a produção de perucas para pacientes em tratamento contra o câncer, decidiram desapegar do cabelão e doar parte para a Associação de Apoio a Portadores de Câncer de Mossoró (AAPCMR). A diretora da associação, Ana Clébea, explica que a entidade sempre recebeu cabelos e espera que com essa maior sensibilização, as mossoroenses doem cada vez mais. Ana Clébea diz também que empresárias de Mossoró estão organizando a Campanha Fio Solidário para conscientizar a população para a importância da doação. A associação que custeava a produção de perucas agora possui duas pacientes e voluntárias capacitadas para a produção de suas próprias perucas, o que vai ajudar ainda mais as pacientes, dando mais autoestima e alegria para a vida de cada beneficiada, durante o tratamento.

p 13 p14

p6

Gorduras:drogas para o cérebro Especialista afirma que alimentos gordurosos e com alto teor glicêmico viciam

Brinquedos sustentáveis

Pai passa para filho noções de conscientização ambiental através de brinquedos recicláveis

p9

Sua carreira

Rafael Demetrius: 10 dicas para ajudar a escolher sua carreira

Adoro comer Colunista Davi Moura: Waffles

• Edição – C&S Assessoria de Comunicação • Editor-geral – Wil­liam Rob­son • Editora – Nara Andrade • Dia­gra­ma­ção – Rick Waekmann • Projeto Gráfico – Augusto Paiva • Im­pres­são – Grá­fi­ca De Fa­to • Re­vi­são – Gilcileno Amorim e Stella Sâmia • Fotos – Carlos Costa, Marcos Garcia, Cezar Alves e Gildo Bento • In­fo­grá­fi­cos – Neto Silva Re­da­ção, pu­bli­ci­da­de e cor­res­pon­dên­cia Av. Rio Bran­co, 2203 – Mos­so­ró (RN) Fo­nes: (0xx84) 3323-8900/8909 Si­te: www.de­fa­to.com/do­min­go E-mail: re­da­cao@de­fa­to.com Do­min­go é uma pu­bli­ca­ção se­ma­nal do Jor­nal de Fa­to. Não po­de ser ven­di­da se­pa­ra­da­men­te.

2

Jornal de Fato | DOMINGO, 4 de maio de 2014


conto

josÉ NIcoDemos*

Igualdade na diferença

O

(

Envie sugestões e críticas para o e-mail: aristida603@hotmail.com

)

carnaval daquele ano prometia ser o melhor dos últimos anos, se não de todos os tempos. Era só no que se falava em toda a cidade, numa grande expectativa. Era o tempo dos grandes carnavais de rua, e o mais antigo folião da cidade, João Marcelo, queria resgatar Os tenentes, bloco carnavalesco do seu tempo de rapaz, havia muito acabado. Homem de posses, pois servia alto cargo na Companhia de Navegação Costeira, com embarcações a ela arrendadas, João Marcelo custearia tudo, ninguém se preocupasse com gastos de alfaiataria. Fazenda barata, nem pensar; coisa de primeira qualidade. E tudo no melhor alfaiate local. Era um homem vaidoso. Entrou a selecionar os foliões, ou os rapazes de porte físico correspondente a esse posto militar, altura acima da média, massa muscular vistosa, boa aparência, enfim, como era o antigo bloco dos Tenentes. E contratou o melhor compositor carnavalesco da cidade, Chico Pinheiro, a fim de fazer a marcha-enre-

Entrou a selecionar os foliões, ou os rapazes de porte físico correspondente a esse posto militar, altura acima da média, massa muscular vistosa, boa aparência, enfim, como era o antigo bloco dos Tenentes.

do, a modo dos velhos carnavais de Os tenentes. João Marcelo encontrou num dos contínuos da sua empresa, Zé Victor, o tipo ideal para a comissão de frente, e fez-lhe o convite, de pronto recusado. Sujeito positivo – gostava de carnaval, mas não para divertir os outros; se pudesse, brincava carnaval a seu modo. Dinheiro no bolso Não sendo assim, preferia ficar de fora. Brinca carnaval quem pode Da sua mesa de trabalho, ouvindo a conversa, o contador Bessa – “Pois eu, Zé Victor, posso brincar carnaval como

quiser, e onde quiser, mas não brinco porque não gosto”. Houve um entrelaçamento de vagos olhares, num silêncio de palavras. As palavras do contador Bessa ficaram tinindo nos ouvidos de Zé Victor, provocando uma reflexão. Zé Victor tinha desgosto de não poder brincar carnaval como era do seu gosto. Dinheiro no bolso para o que quisesse, sem ser pesado a ninguém. Divertindo-se, e não aos outros. E pesando e medindo as palavras do contador, pôde sentir que era muito pequena a causa da sua frustração: Eram diferentemente iguais.

Jornal de Fato | DOMINGO, 4 de maio de 2014

3


entrevista

JOSÉ MADSON VIDAL

Por Nara Andrade naraandrade@gmail.com

C

riada em 2004 com o objetivo de ajudar pacientes cardiopatas do Rio Grande do Norte, a Associação Amigos do Coração da Criança (AMICO) realiza, anualmente, cerca de mil atendimentos. DOMINGO conversou com o diretor presidente da entidade, José Madson Vidal da Costa, de 49 anos. José Madson é natural de Marcelino Vieira, município

4

Jornal de Fato | DOMINGO, 4 de maio de 2014

‘Muitas crianças morrem por falta de diagnóstico’ situado no Alto Oeste potiguar, é formado em Medicina pela Universidade Federal do RN (UFRN). Ele fala a seguir sobre o trabalho realizado pela AMICO, os desafios enfrentados no dia a dia, sobre os atendimentos, e o aparato que a associação dispõe para ajudar jovens cardiopatas de 0 a 18 anos atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).


entrevista DOMINGO – O que é AMICO e quando foi fundada? MADSON VIDAL – A AMICO é a ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO CORAÇÃO DA CRIANÇA, fundada em 28/10/2004 e registrada em cartório em 31/03/2006. É uma entidade sem fins lucrativos que trabalha com crianças portadoras de cardiopatias, foi criada por profissionais cardiologistas e sua equipe, que observaram no cotidiano as dificuldades enfrentadas pelas crianças e seus familiares nos hospitais, considerando que são em sua grande maioria desprovidas dos mínimos sociais, o que implica em muitos casos no insucesso da recuperação desses pacientes. Muitas dessas crianças moram no interior do Estado, os pais geralmente dependem da agricultura para sustento da família – que na maioria dos casos é numerosa – tornando-se difícil dar continuidade ao tratamento de saúde. QUAL o trabalho desenvolvido pela AMICO? ATENDIMENTO multiprofissional (assistente social, psicóloga, médicos, enfermeira e técnicas de enfermagem, odontologia, dentre outras especialidades de acordo com a necessidade). A equipe realiza orientações às famílias no pré e pós-operatório das cirurgias cardíacas ou exames, viabiliza ações como: consultas com outras especialidades médicas; exames; encaminhamentos aos diversos serviços especializados de saúde; distribuição de medicamentos e fraldas descartáveis; doação de roupas; leites e suplemento alimentar; dentre outros. Em 2011, foi inaugurada a Casa de Apoio da AMICO, possibilitando a ampliação do atendimento já existente, bem como a acomodação dos pacientes e seu acompanhante no período de diagnóstico, pré e pós-cirúrgico, bem como em todas as ocasiões em que forem necessárias a permanência do paciente na Capital. QUAL o público alvo do trabalho desenvolvido pela Associação? O que fazer para ser beneficiado pela AMICO? PACIENTES cardiopatas atendidos pelo Sistema Único de Saúde – SUS de 0 a 18 anos residentes no Rio Grande do Norte. ONDE a AMICO funciona e qual o aparato que possui para realizar os atendimentos? A SEDE encontra-se na Av. Amin-

tas Barros, 2935 – Lagoa Nova – Natal/RN. Possuímos uma estrutura física onde é possível acomodar até 9 pacientes com 9 acompanhantes. A casa dispõe de um consultório médico onde é possível realizar atendimentos individuais pelo Serviço Social, Psicologia, Médicos e Enfermagem (administração das medicações, verificação dos sinais vitais, troca de curativos e orientações diversas). Os atendimentos médicos são realizados em sua maioria no hospital. A psicologia e serviço social também realizam acompanhamentos às famílias no hospital. Qual a abrangência do atendimento? ATENDIMENTO médico com a equipe de cardiologistas e equipe multiprofissional, viabilização de exames, consultas e cirurgia cardíaca. QUANTAS pessoas foram ajudadas desde a fundação da entidade? A ENTIDADE realiza por ano mais de 1.000 atendimentos (compreendem os atendimentos médicos com cardiologista, pediatra, oftalmologista, neurologista; serviço social; psicologia; enfermagem; odontologia; fisioterapia; fonoaudiologia, dentre outras especialidades).

QUAL a porcentagem de crianças que precisam de assistência cardiológica e não são atendidas? O BRASIL de uma maneira geral só trata em torno de 30% das crianças que nascem com problemas de cardiopatias congênitas, em decorrência de um sistema de saúde extremamente deficiente. A situação é pior na região Norte e Nordeste. Quando as crianças cardiopatas são tratadas adequadamente, 90% delas alcançam a vida adulta com boa qualidade. No RN, muitas crianças morrem ainda no período neonatal ou na primeira infância por falta de diagnóstico ou diagnósticos tardios que impedem a cura. E muitas outras em função das péssimas condições de saúde vão viver muito mal. O QUE é necessário fazer para atender toda a demanda de Mossoró e do RN de crianças com problemas cardíacos? UM SISTEMA de saúde que funcione plenamente, como foi estabelecido na Constituição. E ai, inclui gestão capacitada, financiamento adequado, combate e punição à corrupção no SUS. E gestores que gostem de gente.

Jornal de Fato | DOMINGO, 4 de maio de 2014

5


Vício

Gorduras: drogas para o cérebro 6

Jornal de Fato | DOMINGO, 4 de maio de 2014

Nutricionista explica ação das gorduras e doces no cérebro, que viciam tanto quanto drogas


Vício

S

e você é uma daquelas pessoas fãs do famoso trio refrigerante, sanduíche e batata frita, fique atento ao alerta feito por nutricionistas. Segundo especialistas, alimentos gordurosos e com altos índices glicêmicos viciam tanto quanto drogas. Pesquisas apontam que os mecanismos do corpo que provocam vício em drogas são os mesmos que geram a compulsão por comer alimentos calóricos. DOMINGO conversou com a nutricionista da Hapclínica Mossoró, Débora Lima, sobre os efeitos desses alimentos em nosso organismo. A especialista, além de chamar atenção para o risco da ingestão de alimentos super calóricos, afirmou que nosso corpo precisa ingerir a chamada gordura boa, encontradas em alimentos descritos a seguir. Débora Lima explica a necessidade que algumas pessoas têm de comer alimentos gordurosos, como sanduíches, pizzas, chocolates etc. Ela fala que alimentos com alto teor de açúcar e gordura viciam, porque mexem com o cérebro da mesma forma que as drogas. “É comum sentir essa necessidade, pois são alimentos ricos em gordura e açúcar e o consumo excessivo desses alimentos pode alterar a forma como o cérebro responde aos alimentos de uma forma que perpetua ainda mais o consumo”, enfatiza. No entanto, a especialista ressalta que é importante evitar a ingestão desses

)) Doces também provocam compulsão

)) Débora Lima, nutricionista da Hapclínica Mossoró alimentos, dando preferência a alimentos mais saudáveis. A médica lembra que mesmo as pessoas que estão fazendo dietas, precisam ingerir alguma quantidade de gordura, as chamadas gorduras boas, como queijos brancos, azeite, castanhas e abacate. “Esses alimentos são importantes porque são ricos em gorduras chamadas insaturadas que ajudam a prevenir doenças cardiovasculares”, afirma. É comum entre pessoas que passaram por um processo de reeducação alimentar, quando ingerem alimentos com altos teores de gordura e açúcar apresentarem quadros de diarreia, dores abdominais, enjoos e até vômitos. A nutricionista explica que isso acontece porque os alimentos gordurosos são de digestão lenta e difícil. “Quando ingeridos por pessoas que passaram por um processo de mudança de hábitos alimentares e acostumaram o corpo a ingerir alimentos menos calóricos, ricos em fibras e gorduras insaturadas, ou seja uma dieta mais equilibrada e saudável, esses alimentos chegam ao intestino mal digeridos e a gordura mal preparada, o que acaba provocando a diarreia e outros problemas”, comenta. Porém, se mesmo que você esteja mudando os hábitos, adotando uma dieta equilibrada, preferindo ingerir alimentos saudáveis, ainda sinta aquela vontade incontrolável de comer algo doce ou gorduroso, a nutricionista aponta algumas opções de alimentos que irão saciar essa vontade e lhe ajudar a não perder o foco, mantendo-se firme na sua dieta. “Nesses momentos é importante procurar comer alimentos saudáveis como as frutas, que são ótimas opções de doces e alimentos com gordura boa como por

exemplo, abacate, peixes, castanhas, nozes, entre outros”, conclui. Pesquisa O estudo realizado pelo Scripps Research Institute, no Estado americano da Flórida, e publicado no jornal Nature Neuroscience, concluiu que assim como o vício em drogas como cocaína, a compulsão por comidas gordurosas, como doces e frituras, é extremamente difícil de ser combatida. De acordo com informações do Portal BBC Brasil, a pesquisa feita com cobaias, mostrou que partes do cérebro que lidam com o prazer deterioram-se gradualmente na medida em que o consumo desses alimentos hiper calóricos vai aumentando. Ou seja, essas regiões do cérebro vão respondendo cada vez menos aos estímulos, o que fez com que as cobaias comessem cada vez mais, tornando-se obesas. O mesmo teste foi realizado com heroína e cocaína, e os ratos responderam da mesma forma. Depois de analisar o resultado da pesquisa com os ratos, os pesquisadores estudaram os mecanismos que provocam a compulsão. E o estudo aponta que o receptor D2 responde à dopamina, um neurotransmissor que está relacionado à percepção de prazer – como o provocado por comida, sexo ou drogas. Quando há excesso no consumo de drogas como cocaína, por exemplo, o cérebro é "inundado" com dopamina, aumentando a sensação de prazer. Um processo semelhante acontece com dietas gordurosas. Com o tempo, no entanto, o cérebro recebe menos dopamina, o que provoca uma compulsão ainda maior na ingestão desses alimentos.

Jornal de Fato | DOMINGO, 4 de maio de 2014

7


Vício

Faça trocas inteligentes Doces Troque uma mousse de chocolate (1 porção de 70 g = 220 calorias) por uma pera cozida com calda de vinho e adoçante (1 unidade de 160 g = 115 calorias). Sem gorduras ou açúcares, esta substituição contém as vitaminas da pera e uma aparência e um sabor absolutamente irresistíveis. Troque uma torta de maçã (1 fatia de 100 g = 296 calorias) por um sagu de frutas (1 porção de 50 g = 60 calorias). Em vez da torta bastante calórica e pouco nutritiva, o sagu com frutas é uma opção que dá energia, mas sem exagero.

Troque a farofa de linguiça (1 col. (sopa) de 15 g = 54 calorias) por uma farofa de frango com legumes e verduras (1 col. (sopa) de 15 g = 37 calorias). Os legumes e as verduras enriquecem a farofa com nutrientes muito importantes ao organismo. Troque uma concha de feijoada (1 concha de 160 g = 347 calorias) por uma concha de feijão simples (160 g = 191 calorias). Se não der para passar sem feijoada, acrescente couve e rodelas de laranja. Ricos em fibras, ajudam na digestão e na diminuição da absorção de gorduras. Aperitivos

Troque um sorvete de massa (1 bola de 40 g = 78 calorias) por um picolé de frutas (1 unidade de 58 g = 60 calorias). O picolé, apesar de ter açúcares, está livre de gordura, inclusive as transversas, que são prejudiciais à saúde.

Troque um quibe frito (1 unidade de 100 g = 250 calorias) pelo quibe assado (1 quadrado de 100 g = 190 calorias). É obrigação de todos evitar a gordura da fritura, que favorece o mau colesterol, deixa a digestão lenta e os alimentos mais calóricos.

Troque um pudim de leite condensado (1 porção de 60 g = 135 calorias) por uma 1 taça de frutas 80 g = 86 calorias). Com essa substituição, há um aumento da quantidade de fibras, vitaminas e minerais e redução principalmente do açúcar.

Troque, urgente, um pastel médio de queijo (1 unidade = 170 calorias) por um pastel vegetariano assado (1 unidade = 100 calorias). Reduz a quantidade de gordura e, com os legumes, aumenta quantidade de fibras, vitaminas e minerais.

Salgados

Troque um coxinha de frango (1 média de 25 g= 110 calorias) por uma empada de palmito (uma, média, de 20 g = 47 calorias). Retirada da gordura da fritura do seu cardápio

Troque um bife à milanesa (1 porção de 130 g = 375 calorias) por um filé grelhado com molho de champignon (1 porção de 130 g = 240 calorias). A carne vermelha é conservada e o óleo eliminado. E, ainda, a alternativa tem o atrativo do molho saboroso.

Laticínios

Troque Nhoque à bolonhesa (1 escumadeira de 100 g = 240 calorias) por uma lasanha de frango com vegetais de 150 g = 205 calorias. O carboidrato e a proteína do molho podem ser trocados por um prato com vitaminas e bem mais leve.

Troque os queijos amarelos tipo Parmesão ou Gouda (1 fatia média de 30 g = 120 calorias) por queijo Minas Frescal tipo ricota ou cottage (1 fatia média de 30 g = 40 calorias). Os queijos amarelos trazem em sua composição grande quantidade de gordura animal (já que são derivados do leite) e mais calorias.

Troque 1 colher (sopa) de salada de batata com maionese (40 g = 65 calorias) por 1 pires de salada mista de folhas = 15 calorias. A combinação calórica e pobre em vitaminas pode dar lugar a uma salada bem variada e fonte de ferro, fibras e muito nutritiva.

Troque a manteiga (1 colher (sopa) = 234 calorias) por requeijão light (1 col. (sopa) = 87 calorias). Além da redução de gordura, aumenta-se a quantidade de cálcio, tão importante para o fortalecimento dos ossos.

Troque um strogonoff (1 porção de 140 g = 237 calorias) por um strogonoff sem creme de leite de 100 g = 100 calorias. A substituição favorece a redução da quantidade de gordura saturada na preparação.

Troque o leite integral (1 copo de 200 ml = 122 calorias) por leite desnatado (1 copo de 200 ml = 77 calorias). O leite integral tem 6 g de gordura em cada copo e o desnatado é zero gordura. E ainda conserva o teor de cálcio, importante para os ossos.

Troque uma panqueca de carne (1 unidade = 261 calorias) por uma panqueca de queijo minas fresco (137 calorias). Ganha-se com a diminuição de gordura e, se a opção for feita com vegetais, há um consumo maior de fibras, vitaminas e minerais.

Frutas

Troque a pizza 4 queijos (1 fatia = 410 calorias) pela pizza de escarola com queijo branco (1 fatia = 264 calorias). Redução principalmente de gordura e aumento das fibras alimentares, vitaminas e minerais. Troque um cheeseburguer = 304 calorias por um sanduíche de peito de peru com cream cheese = 264 calorias. Eliminação de gorduras saturadas, que aumentam o colesterol e causam vários problemas de saúde. Troque o arroz branco (1 colher de servir, de 45 g = 73 calorias) por arroz integral (1 colher de servir, de 45 g = 120 calorias). O arroz integral mantém suas fibras, vitaminas e minerais. Essa diferença em calorias vem de nutrientes muito benéficos à saúde. Troque uma lasanha com presunto, queijo e molho branco (1 porção média de 150 g = 254 calorias) por uma lasanha com peito de peru, queijo minas e molho ao sugo (1 porção média de 150 g = 108 calorias). Só a troca de molhos elimina a gordura e adiciona ao prato o tomate, rico em licopeno, substância que exerce uma ação antioxidante.

Troque uma banana nanica (uma, média, de 80 g= 75 calorias) por uma laranja (1, média, de 100 g = 45 calorias). A banana também é excelente e é fonte de potássio, mas a laranja é rica em fibras, vitamina C, antioxidantes e favorece a absorção de ferro da dieta. Pães e bolos Troque um pão francês ( cada um = 135 calorias) por uma fatia de pão de centeio integral (1 fatia = 58 calorias). Aumento da quantidade de fibras, importantes para o funcionamento intestinal e para a saciedade. Troque um pão de queijo (um médio de 20 g = 86 calorias) por uma esfiha de ricota (1, média, de 70 g = 107 calorias). Além de saciar a fome por mais tempo, porque a porção é maior, tem mais proteína e cálcio. Bebidas Troque um refrigerante tradicional (lata de 350 ml = 140 calorias) por um suco de laranja (1 copo de 200 ml = 128 calorias). Apesar da baixa diferença calórica, o suco oferece vitamina C e fibras, para melhorar o funcionamento do intestino. E o refrigerante é composto apenas de calorias vazias (que roubam nutrientes do corpo para formar um todo digerível). Fonte: Revista Dieta Já.

8

Jornal de Fato | DOMINGO, 4 de maio de 2014


Meio ambiente )) Elefantes foi

produzido por Giorgio Mendes e seu filho

Brinquedos sustentáveis Giorgio Mendes passa para o filho Victor, de apenas 7 anos, importantes lições de conscientização ambiental, através da produção de brinquedos feitos com material reciclável

)) Vitor mostra o crocodilo feito por ele com a ajuda de seu pai

)) Produção do dente de garrafa pet

foi ideia de Victor para presentear sua dentista Jornal de Fato | DOMINGO, 4 de maio de 2014

9


Meio ambiente

E

m dias em que os brinquedos eletrônicos, como vídeo games e tablets de última geração, cada vez mais elaborados roubam a cena, sendo a preferência da maioria das crianças, o pedido do pequeno Victor, de apenas 7 anos, chamou a atenção do servidor público Giorgio Mendes Ribeiro. Ele conta que em um fim de semana, há mais ou menos um mês, seu filho disse que queria brincar de fazer arte. Surpreso, Giorgio perguntou ao menino o que ele gostaria de fazer e o filho prontamente respondeu que queria fazer um barco de garrafa pet, igual ao que ele tinha visto no programa de televisão, Art Attack, exibido em um canal fechado. Para atender ao filho, Giorgio fez junto com ele o barco e Victor ficou todo satisfeito com seu brinquedo novo. No entanto, o que Giorgio não imaginava era que a brincadeira iria animar tanto o filho, a ponto dele todo final de semana pedir para que o pai faça com ele um novo brinquedo utilizando materiais recicláveis, como garrafas de refrigerante, caixas de leite, potes de iogurte e de sorvete e por aí vai. “Ele pediu para fazer o barco e eu o ajudei, mas agora todo final de semana ele quer um brinquedo diferente. Acho bom porque, além de ficar mais tempo com ele, e perceber que ele está despertando para essa questão de conscientização ambiental, ainda acabo economizando, porque agora ele não fica mais pedindo para eu comprar brinquedos novos toda semana”, comenta. O pai explica que Victor está gostando de ter brinquedos diferentes da maioria dos seus coleguinhas da escola, prin-

)) Giorgio Mendes 10

)) Embalagens de presente produzidas com garrafas pet pela esposa de Giorgio cipalmente pelo fato dele mesmo estar produzindo o brinquedo. Com o interesse do filho, o pai começou a juntar o material para a produção dos brinquedos, e a sua esposa, mãe de Vitor, Magda Oliveira, começou a reclamar que eles estavam entulhando muita coisa e bagunçando a casa. “Como a gente mora em um apartamento pequeno, comecei a não gostar de ter sempre um saco de garrafas no canto da sala”, confirma. Porém, Giorgio conta que aos poucos a esposa que sempre teve muita habilidade na realização de trabalhos manuais, começou a perceber que o material também servia para a produção de embalagens para presente. “Ela já fez uma porção de caixinhas e já recebeu até o convite para ministrar uma oficina para um grupo de mulheres de uma igreja. Agora a família toda está engajada nessa questão de preservação do meio ambiente”, frisa. A consciência ambiental já é um tema bastante apreciado pelo servidor público Giorgio Mendes. Ele é o idealizador e coordenador do Projeto Horta Didática, desenvolvido com os estudantes da Escola Estadual Francisca Martins de Souza, que funciona dentro das dependências da Universidade Federal Rural do SemiÁrido (UFERSA), onde ele trabalha. Giorgio afirma que continua produzindo os brinquedos com o filho, que além do barco, já pediu, um avião, um elefante, um jacaré, um trator e muitos outros. “Por último, Victor, que está fazendo tratamento odontológico, teve a ideia de fazer um dente para dar de presente para a sua odontopediatra”, lembra. A produção dos brinquedos que iniciou como uma forma de se distrair com o filho já chamou a atenção de várias

Jornal de Fato | DOMINGO, 4 de maio de 2014

pessoas que acompanham o trabalho pelas postagens de Giorgio nas redes sociais. “Sempre que terminamos um novo brinquedo postamos a foto com o objetivo de compartilhar com nossos amigos, no entanto, algumas pessoas já começaram a cobrar ideias de brinquedos para meninas, já que produzimos até agora só brinquedos masculinos por ser justamente só para Vitor. Com os pedidos, decidi criar umas cadeirinhas e uma mesa, e um conjunto de xícaras, como ideia de brinquedos para meninas”, afirma. Apesar de não estar criando os brinquedos com intenção de comercializar ou algo parecido, Giorgio fala que se alguém ficar interessado em aprender a fazer as peças ele pode considerar a possibilidade de ministrar oficinas educativas, mas isso não fazia parte de seus planos. Com a produção dos brinquedos, Giorgio teve a ideia de juntar alguns bolsistas da Ufersa para aprender e produzir peças que podem ser doadas para crianças de comunidades carentes da zona rural de Mossoró, ou no Dia das Crianças ou no Natal. “A melhor coisa disso tudo é conseguir passar esses ensinamentos sobre consciência ambiental, a importância de preservação do planeta, e a necessidade de reciclar diminuindo a produção de lixo, já que a gente sabe que essas embalagens plásticas levam anos para serem decompostas. E eu procuro mesmo está sempre passado a importância disso para o meu filho, inclusive levando ele para as aulas práticas na Horta Didática, para que ele entenda a necessidade de consumir alimentos saudáveis, sem a utilização de agrotóxicos, já que o uso desses produtos fazem mal para a saúde, e poluem os solos e as águas”, ressalta.


Campanha

Fio solidário Mossoroenses entraram na onda e estão doando parte de seus cabelos para produção de perucas para pacientes em tratamento contra o câncer

D

urante boa parte de sua vida, a assistente administrativa Geciana Nogueira Carvalho, de 24 anos, manteve os cabelos longos. Ela conta que sempre foi muito apegada às madeixas e tinha muito ciúme e nem chegava a pensar em cortar. Até que um dia viu uma reportagem em um dos telejornais de uma conhecida rede de TV aberta, sobre uma campanha de doação de cabelos para a produção de perucas destinadas a pacientes em tratamento contra o câncer. Ao ver a matéria e a situação enfrentadas por aquelas pessoas, Geciana Nogueira diz que ficou sensibilizada.

“Eu me coloquei no lugar daquelas pessoas e me senti triste, ao me imaginar sem meus cabelos que eu tanto gosto. Pode ser algo pequeno, mas o cabelo é um dos pontos mais marcantes da vaidade feminina e isso me motivou a ajudar de alguma forma. Pensei: cabelo cresce. Então decidi doar”, comenta. A voluntária afirma que mesmo sabendo da importância do seu gesto, não foi fácil para ela cortar os cabelos. Mas, se manteve firme na decisão, com o intuito de ajudar pacientes, e servindo de exemplo para outras pessoas, encorajando as amigas a fazer o mesmo. E deu certo. Depois que ela doou, outras ami-

gas decidiram cortar e doar seus cabelos. Apesar de ainda não estar desenvolvendo nesse sentido, a Associação de Apoio a Portadores de Câncer de Mossoró e Região (AAPCMR) sempre recebe doações de cabelos, que chegam tanto na unidade adulto, como na unidade infantil. Ana Clébea, diretora da Associação, explica que durante um bom tempo os cabelos doados eram encaminhados para a produção de perucas, mas que isso representava um alto custo para a entidade, por ser um processo muito caro. As perucas adquiridas pela associação são emprestadas a pacientes durante o período de tratamento e devolvidas quando recuperavam seus próprios cabelos. “Por ser muito caro, esse projeto de confecção de perucas ficou parado por um tempo, mas agora será retomado, já que duas das nossas pacientes e voluntárias aprenderam a técnica e vamos

Jornal de Fato | DOMINGO, 4 de maio de 2014

11


Campanha produzir as perucas na própria associação, com os cabelos doados pela população de Mossoró”, explica Ana Clébea. A diretora da AAPCMR afirma que, além das doações, as próprias pacientes quando iniciam o tratamento e são orientadas por seus médicos a cortar os cabelos, decidem cortar e utilizar seus próprios fios na produção de sua peruca, apesar de que em alguns casos é necessário utilizar mais cabelos para o preenchimento da peça. A funcionária da associação, responsável pela parte de recebimento das doações de cabelos, Raimunda Bezerra, lembra que antes a entidade pagava mais de R$ 600,00 pela produção de cada peruca. Ana Clébea fala que, além dessas doações que já vêm acontecendo, empresárias de Mossoró estão organizando uma campanha denominada “Fio Solidário”, para sensibilizar um número maior de pessoas a repetirem esses gestos tão importantes para ajudar pacientes em tratamento, levando para elas mais autoestima e beleza para suas vidas. DOMINGO conversou com uma dona de casa, que está passando por um tratamento de combate ao câncer de mama, descoberto no final do ano passado. Ela conta que seu cabelo começou a cair logo após a primeira sessão de quimioterapia. “Eu fiz a primeira sessão alguns dias antes do Natal do ano passado e a médica me incentivou a cortar os cabelos antes que eles começassem a cair, mas decidi esperar. No dia 23 de dezembro, meu cabelo já estava caindo muito então eu decidi cortar mais curto acima do ombro, para tentar disfarçar as falhas e decidi que não lavaria até o dia 30 de dezembro, quando eu faria a segunda sessão da quimioterapia. No jantar de Natal da família, todos me elogiaram dizendo ter gostado do meu novo corte, mas a perda dos cabelos era inevitável, mesmo sem lavar ou pentear, os fios começaram a cair cada fez em maior quantidade. Então resolvi passar a máquina. Minha família me apoiou muito nesse momento. Ganhei vários lenços bonitos que eu pretendo continuar usando mesmo depois do tratamento, para enfeitar meus cabelos novos”, relata. A dona de casa diz também que, depois de muito relutar, decidiu comprar uma peruca, uma sintética, por ser mais barata, já que os custos com o tratamento estão muito altos. E a primeira vez que usou ficou meio tímida, mas todos da família voltaram a lhe apoiar e ela se sentiu mais confiante e está até gostando do visual novo. “Querendo ou não, apesar da gente 12

se preocupar com o tratamento, com as dores, com o medo, a perda do cabelo por menor que pareça, é muito difícil, porque toda mulher gosta de pentear os cabelos, de arrumar, de usar um enfeite, e eu sempre fui muito vaidosa, então foi um choque me olhar no espelho sem cabelo. E foi um prazer me sentir bonita de novo

com a peruca. Mas, o mais importante para enfrentar o tratamento, com cabelo ou sem cabelo, é o apoio da família, lutar para enfrentar tudo com coragem e não se abater nunca, apesar dos momentos de medo e dificuldade, comuns nesse tratamento, temos sempre que pensar positivo e nunca desistir”, conclui.

)) Geciana Nogueira, com os cabelos grandes e com o novo corte depois da doação

Jornal de Fato | DOMINGO, 4 de maio de 2014


sua carreira

Rafael DemeTRIUs

10 dicas para ajudar a escolher sua carreira

Q

uando chega a hora de decidir por qual caminho levaremos nossa carreira, uma porção de x dúvidas pode surgir e, ao contrário do que muitos pensam, esse momento não é apenas para os recém-formados do ensino médio. Escolher qual é a carreira que vai lhe acompanhar é tarefa de gente grande e não tem idade predefinida. Se você não sabe muito bem por onde começar, aí vão 10 dicas que podem facilitar a sua escolha: 1 Cuidado com os testes vocacionais Os testes vocacionais podem ser um excelente ponto de partida, porém não devem ser fator decisivo na escolha. Lembre-se que esses testes são padronizados, mas pessoas não. Portanto, não se prenda aos resultados; use-os como direcionadores, mas nunca como principal ponto de decisão. 2 Informe-se Leia, vá a palestras, eventos, veja vídeos, sugue toda informação que puder sobre suas possíveis opções. Informarse de todos os aspectos relevantes sobre sua futura carreira é um passo importante para auxiliá-lo em sua escolha. 3 Nem tudo é definitivo Não se preocupe e muito menos se pressione com a famosa frase: essa é uma escolha para a vida toda. Definitivamente, não é! Se em algum momento você notar que a profissão que escolheu não é a que te faz brilhar os olhos e decidir seguir para outro rumo, siga! É perfeitamente comum perceber apenas depois de ingressar no mercado de trabalho que aquela não era a sua área dos sonhos, então, por que se prender a algo que não te faz feliz? 4 Curso x Mercado de Trabalho Não se impressione com tudo que é dito em cursos de especialização, técnicos e até mesmo em graduações, as vivências do mercado de trabalho são bem diferentes das passadas em sala de aula. Converse com profissionais que já trabalham na área e conhecem as práticas do mercado para tirar suas dúvidas, te apresentar rotinas e que te auxilie a descobrir os pontos positivos e negativos da tal profissão.

5 Impacto financeiro Sabemos que o retorno financeiro é um dos pontos de maior relevância na escolha de uma carreira, porém não pode ser o fator de maior peso na balança. Nem sempre o que te dá prazer profissionalmente pode rechear sua conta bancária. Porém, digo com certeza: o que é feito com gosto e paixão gera melhores resultados pessoais e profissionais e os cifrões são consequência! 6 Diálogo com os pais Converse com seus pais, tios, avós, ou quem quer que lhe dê apoio e segurança. Abrir seus pensamentos e anseios com quem te conhece bem pode ser uma boa opção para abrir leques de possibilidades e acertar na escolha. 7 Projeto de vida Sua carreira não diz somente a respeito de quem você é no trabalho; ela será seu projeto de vida. O que você vai fazer? Como vai fazer? Para quê e para quem vai fazer? Com quem vai compartilhar suas ações? Todas essas perguntas e outras mais farão parte do projeto que traçará a partir de agora. 8 Disciplina Para tudo que deseja ser bem-sucedido exige-se esforço e disciplina. Esteja ciente que estabelecer rotinas e até mesmo algumas regras serão importantes para chegar ao patamar que deseja. 9 Curso técnico Se você já imagina o que deseja seguir mas ainda está cercado por algumas dúvidas, optar em fazer um curso técnico antes da graduação pode ser uma solução. Busque cursos que se assemelham com a possível área escolhida, as disciplinas e o dia a dia vão mostrar aos poucos se é realmente o que você espera. 10 Passo a passo Relacione todas as profissões que existem na sua família. Relacione as profissões que você um dia pensou em escolher. Analise quais foram os interesses que levaram você a escolher cada uma delas. Escreva quais são os fatores que mais pesam na sua escolha profissional: influência da família, mercado de trabalho, questão financeira etc.. Escreva de um lado as atividades que lhe dão prazer e do outro as que você tem que fazer por obrigação. Relacione as características pessoais que você tem que ajudam no seu relacionamento interpessoal, como: disposição, bom humor... Escreva as suas habilidades com as quais você tem facilidade e gosta de executar: inglês, cálculo, computação. Converse com profissionais da área que você escolheu para conhecer a rotina de trabalho da profissão. Planeje metas do que você deseja alcançar com a sua profissão.

Jornal de Fato | DOMINGO, 4 de maio de 2014

13


adoro comer

DaVI moURa

Chegam ao Brasil os vinhos Château Lafitte e La Grange Clinet importados por La Pastina

2

No Vila Galé Cumbuco: a refeição que mais adoro é justamente o café da manhã. Acordamos cedo e partimos ao restaurante que servia o breakfast. Neste dia comi bastante, mas tudo bem balanceado e saudável. Brinquei no Instagram, pois colocava o número de “rounds” que meu café tinha! Terminei no #Round5, com um docinho de leve pra matar quem me matava.

Os tradicionais vinhos Château Lafitte e La Grange Clinet passam a ser importados para o Brasil pela La Pastina neste ano. Château Lafitte, encostas vinificado e engarrafado no campo que leva o mesmo nome, localizado em Camblanes, na França, existe desde 1763. Extraído de videiras plantadas em 1984, La Grange Clinet, vem das encostas Première Côtes de Bourdeaux, na vila de Saint Caprais, 15km ao sul de Bordeaux. A La Pastina Vinhos traz com exclusividade para o Brasil uma seleção de mais de 170 rótulos de algumas das mais representativas vinícolas do mundo, como Emiliana e Gianni Gagliardo, além das marcas J.P. Chenet, Cella, Vivi, Cantine Due Palme e Chakana. SAC 0800 721 8881 – www.lapastina.com.

1

- Round 1: comecei com frutas. Mamão primeiro, pois regula superbem o meu intestino; manga, pois é uma das minhas frutas preferidas; goiaba, que enche bem; e algumas uvas, pra dar uma bossa ao look do prato! - Round 2: tigelinha de cereais sem açúcar, granola light, iogurte desnatado e uma colher de geleia de acerola pra dar um docinho à composição; - Round 3: escolhi uma fatia mais grossa de pão para montar minha torrada mágica. Comecei com blanquets de peru, forrei com ovo e, por cima, um pedacinho de queijo ricota;

Sabor e Saúde, comida light em Mossoró A ideia foi dos nutricionistas Romero Oliveira e Érica Lorenna, que elaboraram o conceito de servir comida gostosa com algumas pequenas alterações para torná-la mais saudável. Ouvi muitas recomendações sobre o local e marquei com a Érica para nos receber, que nos deixou bem à vontade para escolher outros pratos para fazer na hora. Alguns deles: - Panqueca de frango: esqueça aquelas panquecas mergulhadas no molho. Não funciona desse jeito quando elas são mais leves. E, sinceramente, nem precisa. O molhinho dessa aqui é bem leve, o seu recheio é generoso e o sabor é acentuado com algumas ervas. O frango é bem servido e a massa é macia. Gostei! - Fondue com frutas: o fondue é feito com chocolate meio amargo – que é mais saudável pela menor quantidade de açúcar e gordura. Por baixo há várias frutas como maçã e uva. Servido na caneca, é uma boa opção de sobremesa. - Panqueca de chocolate com banana: nem preciso dizer que amo banana e acho a comida mais versátil do mundo, pois combina com doces e salgados sem perder suas características. A massa também é macia e o chocolate é o meio amargo. Deliciosa!

O café da manhã do Vila Galé

- Round 4: tapioca de calabresa! Amo tapioca, amo calabresa!

4

- Round 5: já estava bem amojadinho de comer, mas resolvi dar um rolé para descobrir coisinhas. Achei uma ilha com panquecas e waffles e várias opções de cobertura. Fui direto pra de chocolate. Os médicos indicam reduzir o consumo de chocolate pra quem tem gastrite, mas arrisquei um pouquinho. Delicioso! Faço quem nem Igor Xavier: “Às vezes eu acordo e, antes de abrir os olhos, penso ‘-Estou no Vila Galé’? Quando a resposta é ‘não’, logo acho que não vale nem a pena acordar!”. De fato, é mais ou menos isso. Hahaha! Quero voltar! Serviço: Resort Vila Galé Cumbuco - Rua Lagoa das Rosas, 5, Cumbuco, Caucaia (CE), 61600-000 | Telefone: (85) 3486-4430

Resumindo: comida gostosa, com cara de gorda, mas espírito de magra. Dá para comer sem pena! Visite: R. Ferreira Itajubá, 87, Santo Antônio. Pertinho do Cacim e da Clínica Dr. Flaubert. | Telefone: (84) 8892-0680

Aproveite e acesse o http://blogadorocomer.blogspot.com para conferir esta e outras delícias! 14

Jornal de Fato | DOMINGO, 4 de maio de 2014


adoro adoro comer comer

Waffles Fonte: Tudo Gostoso

INgReDIeNTes • 2 ovos • 1 xícara de chá de leite • 2 colheres de sopa de açúcar • 1 colher de chá de sal • 2 xícaras de chá de farinha de trigo • 1 colher (sobremesa) de fermento em pó • 150 g de manteiga ou margarina • 1 colher (café) de essência de baunilha

MODO DE faZeR • Bata tudo no liquidificador. Se por acaso ficar mole demais acrescente um pouco mais de farinha; • Em geral, no máximo mais 1/2 xícara por conta da diferença de textura entre as marcas disponíveis no mercado; • Depois coloque o conteúdo do liquidificador numa frigideira, utilize uma concha como medida; • Se tiver máquina de waffle também pode utilizar essa massa.

Jornal de Fato | DOMINGO, 4 de maio de 2014

15


Revista de Domingo nº 654  

Revista semanal do Jornal de Fato

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you