Page 1


editorial ao leitor

Para toda vida

P

Entrevista

Boa leitura, Nara Andrade.

p4 Padre Augusto Lívio fala da Semana Missionária, realizada como preparação para a JMJ/ Rio 2013

esquisas mostram que a amizade turbina carreiras, melhora a saúde e até prolonga a vida. No entanto, quem tem amigos verdadeiros sabe que não seria preciso realizar um estudo científico para descobrir a importância da amizade na nossa vida. Em comemoração ao Dia Internacional da Amizade, dia 20 de julho, DOMINGO traz nesta edição a história de uma amizade que resistiu ao tempo e à distância. Também conversamos com uma psicóloga que explicou a importância da companhia de amigos na vida das pessoas. Esta edição traz também um pouco do trabalho desenvolvido pelo Desafio Jovem, a entidade que busca a recuperação de dependentes químicos, que está sendo investigada pelo Ministério Público, após denúncia de falta de condições para funcionamento. O Grupo de Dança Diocecena, se destaca no Festival Internacional de Dança de Fortaleza (FENDAFOR), conquistando prêmios, e o reconhecimento que rendeu convites para se apresentar em diferentes estados brasileiros. Várias cidades do país estão realizando a Semana Missionária, que marca os preparativos para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ/Rio 2013). Em entrevista, padre Augusto Lívio fala da expectativa para os eventos.

p 13 p14

p6

Para toda a vida Psicóloga fala da importância da companhia de amigos para a saúde das pessoas

Desafio Jovem

Entidade que luta pela recuperação de dependentes químicos é investigada por Ministério Público

p9

Sua carreira Rafael Demetrius: Como abordar os clientes

Adoro comer

Colunista Davi Moura: Caldinho de canjiquinha e de feijão

• Edição – C&S Assessoria de Comunicação • Editor-geral – Wil­liam Rob­son • Editor – Nara Andrade • Dia­gra­ma­ção – Rick Waekmann • Projeto Gráfico – Augusto Paiva • Im­pres­são – Grá­fi­ca De Fa­to • Re­vi­são – Gilcileno Amorim e Stella Sâmia • Fotos – Carlos Costa, Marcos Garcia, Cezar Alves e Gildo Bento • In­fo­grá­fi­cos – Neto Silva Re­da­ção, pu­bli­ci­da­de e cor­res­pon­dên­cia Av. Rio Bran­co, 2203 – Mos­so­ró (RN) Fo­nes: (0xx84) 3323-8900/8909 Si­te: www.de­fa­to.com/do­min­go E-mail: re­da­cao@de­fa­to.com Do­min­go é uma pu­bli­ca­ção se­ma­nal do Jor­nal de Fa­to. Não po­de ser ven­di­da se­pa­ra­da­men­te.

2

Jornal de Fato | DOMINGO, 14 de julho de 2013


conto

josÉ NICodemos*

O milagre da roseira

(

Envie sugestões e críticas para o e-mail: aristida603@hotmail.com

)

A

ruazinha de casebres de palha de coqueiro parou naquele domingo, com a morte da vendedora de sururu. Fora encontrada morta boiando nas águas do rio João da Rocha, que levava à salina do mesmo nome. De nome Maria, era chamada de Mulatinha ali no seu pequeno mundo sempre cheirando a maresia. Rua da Tarrafa, indicação pelo meio de vida dos seus habitantes. Pescadores de tarrafa. Trazido numa rede, o corpo de Mulatinha foi depositado numa esteira de carnaúba no meio da sala, de cada lado da cabeça uma vela acesa dentro de pires velhos de beiços quebrados, forrados de areia. Parecia dormindo. Fez-se uma cota na vizinhança, para a mortalha imitando o hábito de Santa Teresinha. “Ficou ver a Santa” – diziam. Também, ainda em vida, Mulatinha, aos olhos dos moradores da ruazinha, era um rostinho parecido com o da Santa. Falavam. Conta a lenda que, à hora do enterro, uma roseira seca ao fundo do quintal da casa de Mulatinha de repente reverdeceu, cobrindo-se de perfumosas flores brancas. Milagre! Milagre! Queriam os habitantes da Rua da Tarrafa, todos com os olhos alagados. E quase não sai o enterro com o povo, dali e redondezas, contemplando a roseira, alguns ajoelhados, em prece. . A dúvida: se deviam colher aquelas

Conta a lenda que, à hora do enterro, uma roseira seca ao fundo do quintal da casa de Mulatinha de repente reverdeceu

rosas, milagrosas, para enfeitar o caixão, ou se elas deviam ficar ali na roseira, como sinal das bênçãos de Santa Teresinha. Ainda se pensou em consultar o padre, que seria chamado a testemunhar o milagre. Mas Dona Bastinha, com o respeito de todos, pela sua vida de oração e missas toda de manhã, logo resolveu a questão. – As rosas vão ser, sim, levadas com a minha menina, que foi para ela que Santa Teresinha mandou as rosas – sentenciou, ajoelhando-se ao pé do caixão, não sem antes beijar as mãos arroxeadas

da menina morta. E em todo o percurso do enterro, o pranto erguia ao céu as mãos postas. Em todas as bocas, trêmulas, “vivas” a Santa Teresinha. E contam, também, que depois do enterro, pelas cinco da tarde, embora não sendo a hora do florir das rosas, de novo a roseira se enfeitou delas, agora espalhando um perfume de santidade. Não havia dúvida nos corações daquela gente simples, à margem da vida – Mulatinha estava no céu, ao lado do Menino Jesus e de Santa Teresinha.

Jornal de Fato | DOMINGO, 14 de julho de 2013

3


entrevista

PadRe AUGUsTo LÍVIo

“O desejo de viver essa experiência aquece o coração dos nossos jovens brasileiros” Por Nara Andrade naraandrade@gmail.com

F

ormado em Teologia e Filosofia pelo Instituto Imaculada Conceição da Paraíba, no ano de 2006, o padre Augusto Lívio Nogueira de Morais, de 37 anos, é vice-reitor do Seminário de Santa Teresinha e assessor do Setor Diocesano de Juventude. Padre Augusto é o responsável, na Diocese de Mossoró, por animar e articular a juventude nas diversas paróquias para vivenciar a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que acontecerá no Rio de Janeiro (RJ), entre os dias 23 e 28 deste mês. Em entrevista à revista DOMINGO, o religioso falou sobre a expectativa da comunidade católica para a realização do evento no País. Segundo o sacerdote, a expectativa é maior porque o Brasil vai receber pela primeira vez o papa Francisco. Nas semanas que antecedem a JMJ/Rio 2013, municípios de todo o País estão promovendo semanas missionárias, pensadas dentro da programação oficial da JMJ, como preparação para o evento.

4

Jornal de Fato | DOMINGO, 14 de julho de 2013


entrevista DOMINGO – Entre os dias 23 e 28 deste mês, será realizada a Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro. Como está a expectativa da comunidade católica brasileira para o evento? AUGUSTO LÍVIO – É grande a expectativa, pois, além de ser o maior encontro de jovens católicos e cristãos do mundo em nosso País, também iremos receber pela primeira vez o papa Francisco, eleito no último conclave, em março. O desejo de viver essa experiência aquece o coração dos nossos jovens brasileiros. EXISTE uma estimativa do número de pessoas que participarão do evento? O COMITÊ Organizador Local (COL), no Rio de Janeiro, está trabalhando com o número de 2 milhões de pessoas para esses cinco dias da Jornada Mundial da Juventude (JMJ).

NA SEMANA que antecede a Jornada acontece em vários lugares do País a Semana Missionária. Qual o objetivo da programação? A SEMANA Missionária foi pensada dentro da programação oficial da JMJ, pois nos dias que antecedem a jornada, vários peregrinos são convidados a vir ao país-sede para viver experiências de espiritualidade, cultura e partilha com as comunidades locais. Nesse espírito, animados pela Conferência de Aparecida, a Igreja do Brasil pensou em fazer desses dias um tempo forte de missão, por meio do qual os jovens e adultos possam viver o mandato de Jesus “Ide e fazei discípulos entre todas as nações” (cf. Mt 28,19). TODAS as semanas missionárias seguem uma mesma programação, abordando um tema específico?

AS SEMANAS missionárias têm três diretrizes: favorecer aos jovens uma experiência de espiritualidade, de partilha cultural e de missão solidária. Seguindo essas diretrizes, cada paróquia organizou a sua programação a partir da sua realidade. O tema que orienta esses dias é o tema oficial da JMJ. QUANDO será a Semana Missionária de Mossoró? Todos os municípios da Diocese de Santa Luzia vão realizar semanas missionárias? EM NOSSA diocese, cada paróquia está procurando organizar, da melhor forma possível, a semana missionária a partir da sua realidade local. Por isso, algumas já começaram e outras estão começando nestes dias. Todas deverão estar terminando, no máximo, dia 21 de julho, pois em seguida estaremos todos na JMJ no Rio de Janeiro.

MUITOS jovens da Diocese de Mossoró vão participar do evento? NA ÚLTIMA estimativa que fizemos, estamos contando aproximadamente 500 jovens, mas conheço pessoas que estão se organizando para ir ao Rio de Janeiro por conta própria, por isso acredito que teremos mais pessoas de nossa diocese na JMJ. O QUE representa para o País receber um evento desse porte, inclusive com a presença do papa Francisco? PARA o País, esse evento é uma oportunidade, em primeiro lugar, de estabelecer com a juventude um contato saudável que comunica valores e experiência de fé, o que permite estimular um saudável desenvolvimento de nossa juventude. Esse evento estimula também a dimensão solidária dos participantes, o que contribui com a formação de valores cidadãos. Oferece ao País a oportunidade de refletir sobre a importância da juventude para a promoção da vida e de sua dignidade desde a concepção até o seu declínio. O SENHOR já viveu a experiência de participar de alguma edição da JMJ? Como foi? SIM. Fui com um grupo de 45 jovens de nossa diocese para a JMJ de Madri, em 2011. Foi uma experiência fantástica. É difícil descrever com palavras, mas o que posso dizer é que vivemos em um ambiente de universalidade da Igreja, sentimos como é bom e belo ser cristão e testemunhar isso ao mundo. Jornal de Fato | DOMINGO, 14 de julho de 2013

5


Amizade

Para toda a

vida

Em comemoração ao Dia Internacional da Amizade, DOMINGO conversou com uma psicóloga sobre a importância da amizade para a vida das pessoas

)) Para as amigas Jemima e Ana, a vida não seria a mesma coisa se não tivessem se encontrado

6

Jornal de Fato | DOMINGO, 14 de julho de 2013


Amizade

A

migas desde o tempo da faculdade, elas sabem bem o significado da palavra amizade. Há oito anos, Jemima Moura e Ana Jóis se conheceram no início do curso de Letras da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). Elas contam que a empatia não foi instantânea; levou um tempo para as duas começarem a se conhecer e só depois se tornaram melhores amigas. “Como a turma no primeiro período era muito grande, a gente demorou a se aproximar, nos conhecíamos apenas de vista. Um dia nos encontramos no centro de convivência da faculdade e ela perguntou alguma coisa sobre a aula e eu respondi. Mas nossa amizade só começou mesmo no dia que terminamos uma prova bem tarde e não tinha mais ônibus; ela percebeu que eu estava preocupada sem saber como iria para casa, e mesmo tendo carona para ela, decidiu ligar para o pai dela vir buscá-la para poder me dar carona. Foi nesse dia que nossa amizade começou”, conta Ana Jóis. As amigas afirmam que a amizade foi começando naturalmente e quando perceberam já eram as melhores amigas.

Durante o período de faculdade, as amigas não se desgrudavam; sempre faziam os trabalhos juntas. Agora, alguns anos depois da formatura, devido à rotina corrida das duas, não se encontram mais com tanta freqüência, mas garantem que o elo entre as duas é tão forte que o tempo e a distância não foram suficientes para enfraquecer a amizade. “Somos tão ligadas que, mesmo que a gente passe muitos dias sem se falar, quando a gente se encontra parece que continuamos nos vendo todos os dias. Eu sei que posso contar com ela, seja qual for a situação, que posso confiar”, frisa Jemima Moura. Ana Jóis afirma que quando Jemima disse que ia casar, muita gente veio lhe perguntar se ela já tinha sido convidada para ser madrinha, e a resposta era simples: “Ela não precisa convidar. A gente nunca pensou na possibilidade de eu não ser a madrinha dela.” Perguntado às duas se havia algum momento da vida delas que seria diferente se não houvesse a companhia uma da outra, elas foram enfáticas e afirmaram que a vida das duas seria outra coi-

sa completamente diferente. “Não dá para falar de um único momento; ela me ajudou a ser quem eu sou hoje. A gente se encontrou no momento certo, para que pudéssemos crescer juntas como pessoa. É uma identificação de alma mesmo”, frisa Ana. Já Jemima conta que Ana é a amiga que sempre procurou, desde os tempos de infância, quando se sentia meio isolada, sem tantos amigos. “Quando encontrei Aninha, percebi que não precisava mais procurar novos amigos. Se eu não conhecesse mais ninguém, eu já tinha o essencial”, diz. E não é porque elas têm tanta afinidade que não brigam. Segundo as amigas, a amizade é tão forte e verdadeira que as duas têm intimidade para dizer quando não gostam de uma coisa que a outra fez ou disse. “A gente se critica, mas se aceita; não passa a mão nos defeitos da outra. Mesmo que a gente não concorde com algumas atitudes, a gente sempre tem uma a outra para juntar os cacos. A gente briga muito, mas nunca existiu uma briga que a gente pensou que a amizade vá acabar. É preciso ser humilde para re-

)) Jemima Moura: “Sabemos que podemos contar uma com a outra, seja qual for a circunstância”

Jornal de Fato | DOMINGO, 14 de julho de 2013

7


Amizade conhecer o erro e pedir perdão”, ressalta Jemima. IMPORTÂNCIA DA AMIZADE DOMINGO conversou com a psicóloga Ana Laura Câmara Marques, da Hapclínica Mossoró, para saber qual o benefício que a companhia de amigos tem na vida das pessoas. Segundo a psicóloga, a amizade é essencial na vida das pessoas, já que o ser humano é de uma natureza extremamente social, nasce para viver em sociedade. E é em sociedade que ele aprende a ser um humano de fato, é a vida em sociedade (humana) que o diferencia dos demais animais. É na amizade que as pessoas encontram algo para se basear e construir seu modo de pensar e agir. A depressão e outros distúrbios psicológicos afetam cada vez mais um número maior de pessoas, e a especialista afirma que de certa forma a ausência de relações sociais pode ser um dos fatores desencadeantes de um distúrbio (não a causa), já que sentimentos de isolamento podem ser devastadores na autoestima e, de certo modo, no sentido da vida. “A falta de amizade, de certo modo, tem relação com a depressão e outros distúrbios psicológicos, já que ter amigos eleva a autoestima”, explica Ana Laura. Ainda de acordo com a psicóloga, o advento da internet pode ser uma ‘faca de dois gumes’, já que, ao mesmo tempo que é favorável na rapidez da disseminação de informação (comunicação), também pode ser um risco, já que tudo que se dissemina pode não ser positivo socialmente. “A internet facilita marcar um encontro entre antigos amigos de escola, de forma rápida e prática, mas pode ser a ‘desculpa’ (ou, pode-se ler: preguiça) para não ir à casa de um vizinho conversar, saber das novidades, já que o ‘colega’ Facebook nos mantém informado de tudo que ocorre de mais ‘importante’ na vida de todos. Cada vez mais difunde os amigos virtuais, que não mantêm contatos no mundo real. Em alguns casos, os amigos virtuais se tornam reais, mas ocorre também o inverso, onde os amigos reais passam a se falar apenas pela internet”, comenta. Para Ana Laura, se a internet é positiva ou negativa na questão da amizade, ainda há muito a ser discutido; o que pode ser afirmado é que ela vem interferindo no modo de se relacionar, afinal ela tem o poder de aproximar quem está longe e distanciar quem está perto, ou seja, a internet tornou a distância física uma questão relativa.

8

)) Como símbolo da amizade, amigas têm tornozeleiras iguais

1 Companhia de amigos reduz bastante • O risco de depressão

• Estresse

• Ansiedade

• Sintomas degenerativos de doenças graves, como Alzheimer

2Por que isso acontece? Família e amigos estimulam a comer melhor, beber e fumar menos, exercitar-se mais e procurar médicos com mais frequência. Além disso, o círculo social eleva a autoestima, melhora o bemestar e reforça os mecanismos de defesa em tempos difíceis. A presença de um amigo diminui o estresse psicológico na hora de resolver questões que requeriam maior habilidade mental.

Jornal de Fato | DOMINGO, 14 de julho de 2013

Frase "Amizade é quando você encontra uma pessoa que olha na mesma direção que você, compartilha a vida contigo e te respeita como você é. Uma pessoa com a qual você não precisa ter segredos e que goste até dos seus defeitos. Basicamente, é aquela pessoa com quem você quer compartilhar os bons momentos e os maus, também." RENATO RUSSO


Investigação

Desafio Jovem Entidade que luta pela recuperação de dependentes químicos é investigada por Ministério Público

)) Desafio Jovem funciona

em um sítio no Distrito Industrial de Mossoró

F

uncionando desde 2005, em Mossoró, pela iniciativa de Laudelino Martins de Oliveira Neto, o Centro de Reabilitação para Dependentes Químicos Desafio Jovem, está sendo investigado pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), através da Promotoria de Justiça da Saúde da Comarca de Mossoró. O inquérito civil para investigar o funcionamento do Desafio Jovem foi aberto após denúncias de que a entidade terapêutica não teria condições de funcionamento. Segundo a denúncia, o centro de reabilitação funciona em um local que se encontra em péssimas condições, com instalações físicas inapropriadas, ausência de segurança, falta de higie-

ne e de manutenção. Além de não dispor de uma equipe técnica sem orientação nutricional, psicológica ou médica. De acordo com informações repassadas pelo Ministério Público, o 1º promotor de Justiça, Flávio Côrte, está aguardando relatórios sobre as condições do prédio onde funciona o Centro de Reabilitação e, consequentemente, do serviço prestado no local. Os relatórios serão produzidos com base nas fiscalizações solicitadas a órgãos como: Vigilância Sanitária Municipal, Corpo de Bombeiros, Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA), Secretaria de Ação Social do Município, Conselho Tutelar e Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente e devem ser entregues

nos próximos dias. DOMINGO tentou contato com o promotor Flávio Côrte para saber o que deve acontecer com a instituição, caso seja confirmada a falta de condições de funcionamento. No entanto, foi informada, pela assessoria de imprensa do Ministério Público, que o promotor estaria viajando. Desafio Jovem A reportagem da Revista DOMINGO também procurou o coordenador do Centro de Reabilitação, Laudelino Martins, para conversar sobre a situação da entidade terapêutica. Laudelino afirma que decidiu iniciar o trabalho com dependentes químicos depois que se afastou do vício. “Eu fui usuário de drogas e com a

Jornal de Fato | DOMINGO, 14 de julho de 2013

9


Investigação ajuda de um projeto como esse consegui me afastar do vício, então quando voltei para Mossoró decidi realizar esse trabalho para ajudar as pessoas que estão passando pela situação que eu passei”, comenta. Sobre a denúncia e as investigações em relação à falta de condições de funcionamento da entidade, Laudelino afirma que ficou sabendo ao ser procurado pela equipe do Jornal DE FATO. “Eu não estava sabendo de nada, ainda não fomos comunicados oficialmente. Estou surpreso, porque sempre recebemos pessoas encaminhadas pela prefeitura, pela justiça, pelo conselho tutelar, para se tratarem aqui no Centro. Na hora de ajudar, ninguém aparece, só querem criticar o nosso trabalho feito sem o apoio de ninguém”, ressalta. Convidada pelo coordenador do centro de reabilitação, a revista DOMINGO foi até o sítio onde o Desafio Jovem funciona, próximo ao Distrito Industrial de Mossoró. A reportagem conversou com alguns dos internos que disseram que as informações repassadas na denúncia feita ao Ministério Público não condizem com a realidade do local. A rotina dos 14 homens que atualmente estão em tratamento no Desafio Jovem é composta basicamente por terapia ocupacional e por estudos da bíblia. “A gente divide todas as tarefas de manutenção da casa e do sítio. Um cozinha, outro lava a roupa, alguém limpa a casa. Entre as tarefas está também o cuidado com as plantas, a horta e com os animais. A gente acredita que para vencer o vício é preciso manter a mente ocupada”, comenta o interno M.S.F,

)) Tarefas de manutenção do sítio, como cuidar dos animais, funcionam como terapia ocupacional que preferiu ter sua identidade preservada. No local, além de pessoas de Mossoró, têm internos vindos de Alxandria, Caicó, Natal, Severiano Melo, Pau dos Ferros e Baraúna.

“A gente fica preocupado com esse tipo de notícia, porque é muito negativo para a entidade. As poucas pessoas que fazem doações podem desistir de nos ajudar, vendo que a gente está sendo investigado”, frisa Laudelino.

# Rotina do desafio jovem 6h - Acordar

12h - Descanso

6h30 - Devocional (Estudar a palavra de Deus com uma mensagem para o dia)

14h - Lanche.

7h30 - Café da manhã. 8h – Terapia (limpeza da casa, limpeza do terreno, fazer refeições, limpar cozinha, cuidar dos animais, cuidar das plantas, lavar roupas e outros) 10h50 - Encerrar, banho e TV

)) Laudelino Martins é o coordenador da entidade terapêutica 10

11h30 - Almoço

Jornal de Fato | DOMINGO, 14 de julho de 2013

14h30 - Programação da casa ou terapia. 16 - Encerrar, banho e TV 18h - Jantar 19h - Programação da casa ou livre 21h - Lanche e dormir.


Reconhecimento

Selvagem )) Diocecena durante

apresentação da coreografia Selvagem no Fendafor

Com coreografia inspirada nas tribos africanas, grupo de dança Diocecena se destaca em Festival Internacional de Dança de Fortaleza

O

Grupo de Dança Diocecena, do Colégio Diocesano Santa Luzia (CSDL), foi um dos destaques da 14ª edição da Feira Itinerante de Dança de Fortaleza (FENDAFOR). Além de ter ficado entre os finalistas de várias categorias, o Diocecena conquistou o 1º lugar da Categoria Livre Adulto, com a Coreografia Selvagens, inspirada nas

tribos africanas. Essa é a segunda vez que o Diocecena participa do festival. Além da coreografia assinada por Roberta Schumara, coreógrafa do grupo, merecem destaque o figurino produzido por artista Marcos Leonardo e a maquiagem criada pelos próprios integrantes do grupo. Segundo a professora e coreógrafa do

grupo de dança, Roberta Schumara, além do 1º lugar na categoria Livre Adulto, a coreografia Selvagens rendeu ao grupo o prêmio de melhor grupo do festival, e indicações ao prêmio de melhor coreografia, e ainda convites para se apresentar em outros estados do país, como Minas Gerais e Goiás. “A gente está estudando as propostas, já que precisamos primeiro correr atrás de patrocínio para podermos viajar com o grupo”, comenta a coreógrafa. Roberta Schumara afirma que o grupo foi para o festival acima de tudo para mostrar o seu trabalho, mas que voltou

Jornal de Fato | DOMINGO, 14 de julho de 2013

11


Reconhecimento

com o sentimento de dever cumprido, e muito grato a todos pelo reconhecimento. “Estamos imensamente felizes com o resultado, pois é fruto de talento, esforço e dedicação. Apesar de todos esses prêmios, o mais gratificante é saber que superamos os nossos próprios limites e vencemos barreiras”, ressalta. O Diocecena conta com 70 integrantes, dos 12 aos 20 anos. No entanto, 22 bailarinos participaram do festival. O grupo também se destacou na categoria solo moderno/contemporâneo, conquistando o 2º lugar com a coreografia Se eu quiser falar com Deus, da bailarina Ana Caroline. Outro prêmio foi o 2º lugar na categoria trio moderno/contemporâneo adulto, com a coreografia Lembranças, dos bailarinos Ana Caroline, Renata Soraia e Fabiana Felix. Já a coreografia Espumas ao Vento, na categoria moderno/contemporâneo juvenil levou o 3º lugar. Uma das integrantes mais antigas do grupo é a bailarina Letícia Néo, de 16 anos, que já dança há sete anos, e pretende continuar dançando, inclusive profissionalmente. Festival Itinerante O Fendafor foi criado em 2000 pela professora e coreógrafa Janne Ruth, juntamente com outras três Professoras cearenses. O Festival é realizado pela Instituição Grupo Bailarinos de Cristo Amor e Doações – BCAD fundada em 1994 também por Janne Ruth, que há mais de três décadas trabalha com dança, em sua companhia homônima que completa 22 anos de estrada, 43 tournées nacionais e seis internacionais, com a Escola de Ballet Janne Ruth que tem como direção artística sua filha Atenita Kaira e com a ONG citada acima que é referência no Brasil e em outros países do mundo, protagonista de mais de 240 prêmios. O Festival tem palcos para todos os ritmos, seja amador ou profissional de qualquer modalidade e categoria e orgulha-se de receber grupos principiantes. A proposta do festival é refletir sobre a Dança através do exercício teórico e prático, as relações entre formação continuada, formação acadêmica e formação informal, tendo como cenário a experiência intercultural de intercâmbio envolvendo professores, pesquisadores e estudiosos do Brasil e do exterior. Ressaltando a Dança como área de conhecimento, comparando o ensino e a forma12

)) Coreógrafa Roberta Schumara exibe ção de professores e bailarinos. Explicitando a relação entre criar, executar e observar como meta para apreciação da

dança, discutindo o uso de diversos recursos metodológicos como estratégia para ensino da dança.

)) Maquiagem e figurino também são destaques na apresentação

Jornal de Fato | DOMINGO, 14 de julho de 2013


sua carreira

Rafael DemeTRIUs

Como abordar os clientes

A

abordagem ou recepção do consumidor é primeiro momento de interação do cliente com a empresa. É a oportunidade de ouro que a empresa tem para causar uma ótima primeira impressão. É hora em que ficam frente a frente vendedor e comprador, e qualquer deslize nesse primeiro contato poderá colocar a perder uma ótima oportunidade de negócio. Essa interação entre o cliente e a empresa é chamada de momento de verdade. Momento de verdade é todo e qualquer episódio no qual o cliente entra em contato com a empresa e obtém uma impressão de seus serviços. Essa impressão pode ser positiva ou negativa dependendo da imagem que o cliente terá de você e de sua empresa. A abordagem é um momento tão delicado e importante no atendimento, que separamos nossa coluna de hoje apenas para ajudar você atendente ou vendedor a fazê-la da forma adequada. Esteja de olhos bem abertos às dicas desta semana e coloque-as em prática no seu dia a dia. x

Cuide da aparência – Tenha uma aparência de sucesso. Vista-se bem e use roupas que combinem com seu ramo de negócio. Aparente a realidade de seu cliente. Não adianta se vestir socialmente para vender produtos de praia, nem se vestir de forma casual para trabalhar em um banco. Verifique se a empresa disponibiliza fardamento. Mantenha-o limpo e bem engomado. Procure usar o crachá de identificação, e tenha sempre seu cartão de visitas à mão. Cuidado com os excessos de maquiagem para as mulheres e barba sempre feita para os homens. Tenha ainda cuidado com o cabelo, que deverá estar sempre limpo, arrumado e penteado. Postura de campeão – Tenha uma postura de vencedor. Alegre, disposto, feliz por ter um trabalho que mantém a sua casa e sua família. Seja sempre acessível, não se esconda na loja, fique sempre em um lugar visível aos olhos do cliente. Procure receber o seu cliente na porta da empresa, muitas vezes ele andou quilômetros para visitá-lo, nada mais justo que dar pequenos passos para recepcioná-lo. O Sorriso e a postura corporal representam mais que palavras. Por isso, use gestos simples, agradáveis, educados e sinceros.

Fuja do “posso ajudar” – Fuja do convencional, não aborde o cliente com palavras negativas dos tipos “pois não”, “posso ajudar”. Saiba que quem precisa de ajuda, procura a polícia, bombeiros, hospital etc.. Cumprimente o cliente com um caloroso “bom dia, boa tarde ou boa noite”, e diga: “Seja bem-vindo a...” Apresente-se, diga seu nome e função, entregue seu cartão de visitas se for o caso, e pergunte o nome do cliente. Se a sua empresa disponibilizar, ofereça água, café e similares. O próximo passo é iniciar o diagnóstico, que será o tema que abordaremos no próximo domingo, 21, e que mostrará como identificar o que o cliente deseja comprar. Esteja em harmonia – Demonstre harmonia, melodia e ritmo. Como em uma música, na venda tudo tem de estar em sincronia. Sua aparência precisa estar em harmonia com o que está falando e vendendo. Você deve escolher as palavras certas para dizer ao cliente (isso é melodia). E o ritmo da abordagem é o que dará o tom da venda – não acelere demais nem seja lento na frente dele, procure andar no ritmo do cliente. Não seja um “vendedor chiclete” que anda “pregado” ao cliente durante todo o atendimento. Não é preciso ficar tocando no cliente, dando tapinhas, abraços ou empurrando-o para dentro da loja. Lembre-se de que algumas pessoas odeiam ser tocadas. Muitas vezes, um sorriso agradável com um movimento de corpo gera mais resultado que um aperto de mão. Você é a sua marca – O cuidado com a aparência e a maneira como você aborda o cliente são essenciais. Aos olhos de seus clientes, você deve ser uma pessoa atualizada e conhecedora do seu ramo de trabalho. Além do cuidado com a aparência física, o seu marketing pessoal deve ser estendido ao mundo virtual, por isso, cuidado com o que você revela na Internet. Quem confiaria, por exemplo, no serviço de um médico que coloca fotos no Facebook em que está passando mal de tão embriagado? Cuide da sua imagem, e de como as pessoas falam de você, ela é a sua melhor marca. Acompanhe seu cliente – Pergunte ao cliente se ele foi bem atendido por você, e se gostou do seu produto/serviço. Isso dará ao cliente a confiança para continuar comprando com você. Se a experiência foi agradável, exponha publicamente as respostas positivas. Se for ruim, também aprenda com as críticas, assim você identificará pontos de melhoria e aperfeiçoará seu trabalho. Encare os erros como oportunidades de aprendizado. Toda ação gera um resultado, que às vezes é ruim e muitas vezes até desagradável, mas não encare isso como o fim do mundo, sim como uma chance de melhorar sua forma de atender. Decisão – Agora é com você. Escolha entre recepcionar profissionalmente ou de forma amadora os seus clientes. Essa decisão fará toda a diferença para a sua imagem e a de sua empresa.

Jornal de Fato | DOMINGO, 14 de julho de 2013

13


adoro comer

DaVI moURa

Festival de Fondue de Martins No último final de semana, eu e uma turminha fomos a Martins, para participar do 13.º Festival de Fondue. Tradicional nas terras potiguares, é sempre marcado por uma solenidade na qual várias pessoas são homenageadas, assim como a equipe de funcionários da rede Sabino Palace. Primeiro tivemos um “aquecimento” para o festival. Saímos de Mossoró por volta das 14h da tarde. A demora toda foi para que pudéssemos almoçar antes de sair. Meus companheiros de viagem foram Assis (pra variar), Lílian França (assessora da Rede Sabino) e Anne Talyne (que também trabalha na Elevare, agência do Sabino). A escolha das companhias não foi à toa: eu e as meninas somos amigos de longa data, então é sempre bom encontrar um tempinho assim para pôr as novidades em dia. De Mossoró a Martins, a distância é de 140km. A pista está boa, com poucos buracos aqui e ali. A aventura mesmo foi para subir a serra, já que a pista é estreita e as curvas extremamente perigosas. O clima já foi melhorando na medida em que saíamos de Mossoró. O clima em Martins chegou a 18º à noite, perfeito para provar as delícias do fondue em ritmo sulista. O Hotel Serrano é uma fofura. A cidade é pequena e ele fica bem no alto da cidade. O local é coberto de muito verde, favorecido pelo clima. Quando chegamos, fomos logo atrás dos quartos, para nos desfazer das malas e colocar roupas de banho: a piscina era o destino! Algo bonitinho sobre o hotel: os quartos têm nomes de vegetais. Nós ficamos no “azeitona” e as meninas ficaram no “cereja”. Outro ponto interessante: tudo muito limpinho, sem nenhum papelzinho no chão ou folhinha seca jogada. Adorei a limpeza e a organização! Apesar de não ser gigantesco, o hotel tem recantos a serem explorados. A piscina superlimpa e convidativa, se não fosse por sua temperatura geladíssima – o que nos fez desistir de tomar banho por lá. Resolvemos ficar tranquilos conversando em um dos espaços/chalés com cadeirinhas. Ou seja: você junta uma turma legal e fica de boa por lá, só aproveitando.

voltarmos ao salão principal do restaurante, para o festival.

Depois de descansarmos um pouco, todo mundo se arrumou, ficou bonitinho e pronto para o evento. Pegamos o cantinho da mesa e dominamos logo nosso espaço. Assim que chegamos, tudo já estava arrumadinho e posicionado, incluindo o local de se colocar a chapa para o fondue. Pouco tempo depois começaram as solenidades e um garçom começou a preparar o fogo. Uma estratégia interessante para iniciar a comilança enquanto a solenidade estava acontecendo, foi disponibilizar uma mesa com vários frios. Geralmente esses eventos demoram um pouquinho e a fome acaba batendo antes dos discursos terminarem. Nesse caso o pessoal foi bastante inteligente. Ponto positivo. Após os frios, o primeiro fondue servido foi o de queijo. Espetávamos o garfinho no pão e afundávamos no queijo, cobrindo-o inteiro. Só cuidado para não queimar a boca! Logo após foram servidas as carnes. De cara, duas diferenças do fondue do sul: a primeira é que os cortes de carne são acompanhados por arroz, para quem quiser. A segunda é que há opção de camarão, fazendo jus ao nosso privilégio de comprar esta iguaria facilmente por aqui. E aqui o processo é assim: escolhe-se a carne de sua preferência e a coloca na chapa para ir se preparando. O fazer a própria comida é a graça desta etapa, só deve-se tomar cuidado para não queimar nada. Após muitas taças de vinho, ficava difícil distinguir o quente do frio. Tome cuidado para não fazer o que fiz: queimar a língua várias vezes e só sentir no outro dia. Por último, o de chocolate, acompanhado por leite condensado para quem quisesse. Eram kiwis, bananas, morangos, uvas, tudo prontinho para fazer a festa e coroar a noite glutona. E aí? Deu vontade? O Festival de Fondue ainda vai até o final de agosto, dá tempo de se programar para curtir um fds friozinho e comendo bem.

Pedimos o cardápio e a escolhida foi a caipirinha. Barata, bem feita e bem gelada, foi uma pedida excelente, mesmo com o clima agradável. A primeira escolha de petisquinho foi o queijo à milanesa. Mais uma fez fui surpreendido por uma porção imensa, que deu tranquilamente para quatro pessoas, além do precinho lá embaixo. Excelente escolha pra acompanhar a caipira. Os meninos já estavam satisfeitos, mas eu e Anne fomos dispostos e escolhemos um segundo prato, a macaxeira frita, também fácil e prático para comer rapidinho e sem encher muito a barriga. Retornamos aos quartos por volta das 19h, para dar um cochilo rápido antes de

Aproveite e acesse o http://blogadorocomer.blogspot.com para conferir esta e outras delícias! 14

Jornal de Fato | DOMINGO,14 de julho de 2013


adoro adoro comer comer

Caldinho de canjiquinha e de feijão da chef paulista Elzinha Nunes, do Dona Lucinha

INGRedIeNTes Caldinho de Canjiquinha – rende 10 caldinhos • 2 xícaras das de chá de canjiquinha cozida em água • 1 cebola média ralada • 5 dentes de alho amassados • 1 colher (sobremesa) de urucum • Sal a gosto • Alho crocante para decoração • Pimenta a gosto

MODO DE PREPARO • Cozinhe a canjiquinha em água pura. Quando estiver macia, reserve; • Refogue um fio de azeite, não deixe que queime. Coloque a cebola e o alho; • Frite rapidamente, coloque o urucum e em seguida a canjiquinha; • Acrescente água quanto baste, deixe ferver e pegar gosto; • Sirva nos copinhos com alho crocante por cima.

INGRedIeNTes Caldinho de Feijão – rende 10 porções • 2 xícaras das de chá de feijão cozido (sobra) • 100g de bacon em tiras • 1 cebola média ralada • 5 dentes de alho amassados • Sal a gosto • 1 folha de louro • Cheiro verde a gosto • Pimenta a gosto

MODO DE PREPARO • Bata o feijão, a cebola e o alho no liquidificador e reserve; • Frite o bacon em cubinhos bem picados; • Refogue o feijão sobre este bacon aproveitando sua gordura; • Acerte o sal, coloque a folha de louro e pimenta a gosto. • Sirva com cheiro verde.

Jornal de Fato | DOMINGO, 14 de julho de 2013

15


Revista de Domingo nº 612  

Revista semanal do Jornal de Fato

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you