Issuu on Google+


editorial ao leitor

Já é

carnaval...

É

p4 Entrevista

Realezas do Carnaval: entrevista com o Rei Momo e a Rainha

Carnaval e tudo para devido à grande folia do ano. Animação que, por sinal, exige cuidado redobrado com a vida e, sobretudo, com o próximo. Entra ano e sai ano e o Carnaval consta na lista de um dos períodos com maior incidência de mortes, sobretudo de jovens, por acidente de trânsito: uma combinação infeliz de embriaguez com direção. Para garantir um feriadão com tudo no controle, além dos cuidados com a vida, também preparamos nesta edição uma reportagem especial com dicas de alimentação para garantir um divertimento sem grandes contratempos com a saúde: água e comidas leves são as recomendações dos nutricionistas. Confira também uma dica de receita, uma salada simples e saudável. Se o feriadão é de folia para alguns, para parte dos jovens religiosos a época é de reclusão, de retiro espiritual. A comunidade Shalom realiza mais uma edição do Retiro Renascer, em Mossoró, durante os quatro dias. Para fechar o feriadão e também esta edição, a dica é a Boneca Maria Espaia Brasa, que sai na terça-feira de Carnaval levando alegria e garantindo a tradição. Quem apresenta toda essa programação são as realezas da folia, o Rei Momo e a Rainha do Carnaval.

p 12

Boa leitura, Higo Lima.

p14

p6

Religiosos aproveitam feriadão para retiro no Carnaval

Folia

Maria Espaia Brasa fecha programação do feriadão

p10

Coluna

Rafael Demetrius: Como evitar a inveja no ambiente de trabalho

Adoro comer

Colunista Davi Moura: Bolinho de feijoada: o queridinho das novelas

• Edição – C&S Assessoria de Comunicação • Editor-geral – Wil­liam Rob­son • Dia­gra­ma­ção – Ramon Ribeiro • Projeto Gráfico – Augusto Paiva • Im­pres­são – Grá­fi­ca De Fa­to • Re­vi­são – Gilcileno Amorim e Stella Sâmia • Fotos – Carlos Costa, Marcos Garcia, Cezar Alves e Gildo Bento • In­fo­grá­fi­cos – Neto Silva

Re­da­ção, pu­bli­ci­da­de e cor­res­pon­dên­cia Av. Rio Bran­co, 2203 – Mos­so­ró (RN) Fo­nes: (0xx84) 3323-8900/8909 Si­te: www.de­fa­to.com/do­min­go E-mail: re­da­cao@de­fa­to.com Do­min­go é uma pu­bli­ca­ção se­ma­nal do Jor­nal de Fa­to. Não po­de ser ven­di­da se­pa­ra­da­men­te.

2

Jornal de Fato | DOMINGO, 10 de fevereiro de 2013


conto

joSÉ NIcoDemoS*

Crise existencial (

Envie sugestões e críticas para o e-mail: aristida603@hotmail.com

)

U

ltimamente de uma das janelas do sobrado elegante dona Valéria, viúva ricaça, sem filhos, passava as tardes olhando a rua que vinha dar em frente à igreja, a mais movimentada da cidade. Antes, passava as tardes ao piano encimado pelo retrato do falecido, numa moldura de prata trabalhada, a executar partituras antigas. Os clássicos. Tivera a melhor educação formal do tempo para moças, era reconhecida pianista e lia os clássicos franceses no original. Depois da morte do marido, o senador Guerreiro, era ao piano, pelos fins de tarde, que matava as horas de solidão, senão quando casais amigos vinham trazer-lhe a visita. Gente culta, a conversa era quase sempre sobre a literatura dos gênios universais, em primeiro lugar os franceses. Sem mais, nem menos, enfadou-se do piano, das visitas elegantes, com a resolução de passar as tardes debruçada ao peitoril de uma das janelas do sobrado, sozinha, olhando longe, como quem busca um não sei quê perdido no tempo. E o piano, que lhe fora presente dos quinze anos, o fino do tempo, ficou esquecido na sua capa de veludo azul, e era como se o olhar do senador Guerreiro no retrato que o encimava fosse uma expressão de angústia. . Uma tarde de visita esperada, o casal Albuquerque, nome ilustre da tradição local, ao ser-lhe anunciada pela respon-

Depois, um enfado das elegâncias, sem sentido nenhum, como a própria vida. Via-lhes isto, agora, num sentimento amargo

sável das formalidades da casa, dona Valéria, num gesto brusco, mostrou que se retirasse do quarto – não estava disposta a receber, e não disse mais palavras. Espantada com o gesto inusitado, Joaninha obedeceu. Esmerando-se nas formalidades do ofício, Joaninha apresentou ao distinto casal o pretexto de que a patroa adormecera, havia pouco, por efeito de sedativos receitados pelo seu médico para uma enxaqueca repentina, como entendeu que fosse do seu dever. Dona Valéria amanhecera com a resolução de ficar o dia todo trancada ali no quarto, consigo mesma, uma crise existencial como nunca jamais experimentara por toda a sua vida. Ainda tentou ler algum Balzac, sua maior preferência literária, não teve ânimo. Um

sentimento de inutilidade da vida. Um não sei quê de profundamente mortal. De que servia viver se era, e mais nada, para morrer? E dali não saiu mais, até o último dia de sua vida. O piano, em silêncio mortal; as estantes de livros definitivamente fechadas por trás dos vidros agora cegos, dispensados da limpeza do costume. Depois, um enfado das elegâncias, sem sentido nenhum, como a própria vida. Via-lhes isto, agora, num sentimento amargo. E desde então, os olhares respeitosos passando pela rua que vinha dar em frente à igreja, já não se voltavam mais para a janela senhorial do velho sobrado, nem os ouvidos, indo e vindo, se apuravam mais na audição do piano antigo, símbolo da aristocracia do tempo.

Jornal de Fato | DOMINGO, 10 de fevereiro de 2013

3


entrevista

PoLIaNa CampeLLo

‘Toda adolescente tem o sonho de ser a Globeleza’

A

alegria do Carnaval está justamente nas fantasias que animam e propiciam os foliões à boa ilusão de ser tudo o que querem. O bonzinho faz pouco esforço e vira monstros, guerrilheiros; e ainda tem espaço para as princesas, justiceiros e afins. Nessa gama do faz de conta, tudo é conduzido pela realeza do Carnaval. O Rei Momo e a Rainha abrem alas para a felicidade. Conversamos aqui com Poliana Jutic Campello, que realizou o sonho e se tornou, aos 38 anos, pela primeira vez, a rainha de um Carnaval. Casada, a rainha recebeu todo o apoio da família, se preparou, ganhou o título e, garante, “minha filha será a próxima”. DOMINGO – Rainha, por que você decidiu participar do concurso? POLIANA CAMPELLO – Toda adolescente tem o sonho de ser a Globeleza (modelo que faz as chamadas da cobertura especial do Carnaval pela Rede Globo de Televisão), no entanto não tive muitas oportunidades na infância e o tempo foi passando e o sonho sendo adiado. Daí, esse ano consultei o meu marido e ele deu total incentivo, por isso resolvi participar. COMO ele reagiu quando disse que queria participar? AH, ele foi o maior incentivador. Contei para ele e para os meus filhos e todos ficaram muito entusiasmado. Isso é bom porque é ótimo ter essa força dentro de casa, ajuda a gente. VOCÊ fez alguma preparação especial para a disputa deste ano? FIZ sim porque sabia que o páreo seria dos grandes. Eu já fazia academia há muito tempo, mas quando decidi participar, daí intensifiquei a maratona de malhação, principalmente para perder a gordurinha localizada e reforçar a definição. O Carnaval também precisa que a gente esteja da cor do verão, né? Por isso peguei muito bronze na pele pra entrar no clima. E AÍ, depois de eleita, tá gostando do posto de Rainha do Carnaval de Mossoró? ESTOU adorando tudo isso porque as pessoas têm muito carinho para gente. Onde eu chego todo mundo abraça, dá força, deseja sucesso. E tem um detalhe, é muita, mas muita foto mesmo, sabe? E VOCÊS estão participando de toda a programação? ESTAMOS procurando ir a todos os eventos, alguns, devido a compatibilidade de horários, a gente não tem como ir, mas nos esforçamos para dar atenção a todos os eventos.

4

Jornal de Fato | DOMINGO, 10 de fevereiro de 2013


entrevista

DeILSoN JoaQUIm P. Da CRUZ

‘Fiz grande esforço para ganhar mais peso’

C

onversamos também aqui com Deilson Joaquim Pereira da Cruz, um veterano no cargo de Rei Momo. Com apenas 19 anos, ele retorna ao posto e afirma que repassará a coroa no próximo ano e, logo depois pretende voltar a ocupar o cargo. Estudante universitário de Fisioterapia, ele apostou na fantasia e na coreografia para vencer os concorrentes. DOMINGO – VOCÊ é muito jovem e essa já é a segunda vez que vence o concurso, como foi que surgiu o interesse em participar? DEILSON JOAQUIM – EU sou muito envolvido e próximo do pessoal do teatro, daí todos os meus amigos sempre deram muito incentivo e aconselhavam que eu participasse do concurso. Quando eu tinha 16 anos, segui o conselho e acabei vencendo pela primeira vez. Devo isso ao incentivo deles, né? Que sempre confiaram em mim. VOCÊ fez algum tipo de preparo especial para concorrer? OLHA, da primeira vez, como eu sabia que o Rei Momo tem que ser um pouquinho mais gordo, eu fiz um grande esforço para ganhar mais peso do que o que eu tinha. Só para você ter uma ideia, eu pesava pouco mais de 70 quilos e venci o concurso pesando 86 quilos. MAS você ainda mantém esse peso devido ao concurso? NÃO, não mais. Atualmente, eu retornei para 69 quilos. O concurso, obviamente, leva em conta esse aspecto, mas também tem outras características que são igualmente importantes. COMO o que, por exemplo? AH, o figurino, a coreografia… Para este ano, eu dei mais atenção ao figurino levando para disputa algo mais luxuoso, com uma roupa mais volumosa feita à base de renda, um paetê especial, e muitas pedrarias, que dão o toque especial à roupa. Também preparei com muitos detalhes uma coroa mais decorativa. QUAL a diferença desse ano para a primeira vez que você venceu o concurso de Rei Momo? SEMPRE tem diferenças porque cada ano é um ano com novos concorrente e a programação também. Mas para este ano eu procurei mudar e dar mais dinamismo à coreografia.

Jornal de Fato | DOMINGO, 10 de fevereiro de 2013

5


Religião

Sem folia,

momento de fé

O feriadão prolongado é momento de devoção e fé para os religiosos que aproveitam a época para retiro religioso

D

entro da programação do Carnaval, nem tudo é folia. Boa parte dos religiosos mais fervorosos aproveita o feriadão prolongado para se dedicarem à oração e momentos mais espirituais. Neste Carnaval, a Comunidade Católica Shalom, por exemplo, traz mais uma novidade para o Renascer, retiro de Carnaval promovido pela instituição, que se iniciou ontem, sábado, 9, com o já tradicional baile de máscaras. Tratase do sorteio de uma viagem para ir à Jornada Mundial da Juventude inteiramente grátis. Para participar do sorteio, o religioso fazia a inscrição no retiro de Carnaval inteiramente grátis e para ser contemplado se faz necessário que o sorteado esteja presente na hora do sorteio. 6

Com entrada gratuita, o Renascer oferece uma programação que reúne conteúdo formativo (cursos temáticos oferecidos na parte da tarde), oracional (manhãs de louvor, pregação e adoração ao Santíssimo Sacramento) e de entretenimento (shows de música católica), com programação para hoje, domingo, segunda e terça de Carnaval às 8h. O Renascer é aberto para todos os públicos: pessoas que já participam da Igreja (nas paróquias, nos demais movimentos e/ou grupos de oração) e aquelas que ainda não. Com o objetivo de garantir que toda a família possa participar do Renascer, a Comunidade Católica Shalom preparou também o Renascer Kids, um encontro totalmente adaptado para a criançada com muita música, teatro de fantoches,

Jornal de Fato | DOMINGO, 10 de fevereiro de 2013

brincadeiras e toda uma programação lúdica adaptada às necessidades das crianças conforme suas faixas etárias e que acontece paralelamente ao evento. A abertura foi no ginásio do Colégio Maria Auxiliadora, localizado na Avenida Hermes da Fonseca, ao lado da Comunidade Católica Shalom.

# Serviços Evento: Renascer 2013 Quando: De 9 a 12/02 Onde: Gin. do Colégio Maria Auxiliadora Sábado, às 19h (baile de máscaras) Domingo, segunda e terça a partir das 8h, durante todo o dia Entrada Franca


Alimentação

Carnaval

saudável

Para evitar contratempo durante o feriadão prolongado de Carnaval, especialistas dão dicas de alimentos que ajudam a manter a saúde e a energia em dias

Jornal de Fato | DOMINGO, 10 de fevereiro de 2013

7


Alimentação

É

Carnaval e a maratona para manter a alegria nos quatro dias de folia exige atenção e cuidado especial com a alimentação com intuito de garantir uma diversão saudável e sem espaço para contratempo com a saúde. Além daquela dedicação com a fantasia e com a bebida, é de extrema importância também incluir na listagem os itens cruciais para a alimentação e, nunca esquecer água, muita água. Aos que vão brincar Carnaval na região praieira, ou mesmo em qualquer outro lugar exposto ao sol, o líquido é importante para manter a hidratação. O líquido também é um item importante para os que vão exagerar na bebida alcoólica, pelo menos essa é a recomendação dos especialistas. A nutricionista Kaline Melo explica que, durante o Carnaval, em que suamos bastante, esquecemos de beber água e ainda consumimos bebidas alcoólicas. Portanto, não deixe de carregar com você uma garrafinha de água, água de coco ou suco natural de fruta para lembrar-se da hidratação e de intercalar com a bebida alcoólica. Mas atenção! As águas saborizadas e os refrigerantes não são boas opções, pois contêm açúcar e uma quantidade alta de sódio. Já para a alimentação, a dica é re-

forçar as comidas leves e com muitos carboidratos. “Antes de sair para a festa prefira uma alimentação leve e com boas fontes de carboidratos, como: pão, arroz, macarrão, biscoitos (de preferência integrais) combinados a frango ou peixe e a legumes e verduras. Antes do bloco, o carboidrato garante energia de sobra!”, recomenda a nutricionista. Ainda que se empolguem na folia, é importante criar uma rotina para alimentação, de forma a evitar beber de estômago vazio ou, na pior das hipóteses, exagerar na diversão e esquecer de comer corriqueiramente. O recomendado pelos nutricionistas é que, durante a folia, cada folião procure se alimentar a cada três horas. “Pode ser um lanchinho com barrinhas de cereais, frutas (até mesmo as desidratadas). Sempre tenha em mãos algo leve e que possa ser usado como um pequeno lanche”, recomenda Melo. E, na lista dos alimentos leves, logo, se entende que é preciso anular, banir da alimentação outros tipos de alimentos como, por exemplo, gorduras. Alimentos fritos, com recheios ou molhos, queijos amarelos, devem ser evitados, além daqueles pratos que têm grande quantidade de gordura, a exemplo de dobradinha,

feijoada e churrasco. São alimentos mais difíceis de digerir e podem comprometer o bem-estar do folião e ainda correr o risco de acrescentar uns quilinhos na balança. Com essas dicas na ponta do lápis – e o mais importante é segui-las – pode se considerar pronto para uma grande folia. É o que o grupo de amigos do professor Carlos Nascimento Linhares está fazendo. Com uma residência no município de Tibau – reduto de muitos mossoroenses neste período – ele contratou uma doméstica para organizar a alimentação. “É uma turma de quase 10 pessoas entre membros da família e amigos. A primeira coisa que fizemos foi organizar com Neidinha (a doméstica contratada) a lista de alimentação que vamos precisar para estes quatro dias com todo mundo”, diz ele, explicando, e consciente que “dificilmente a gente vai ficar parando para se preocupar com isso porque a folia do povo é grande, por isso é mais negócio a gente dividir e pagar uma pessoa”, explica. Outro aspecto importante para garantir uma boa diversão é também reservar um tempinho considerável para o sono. Dormir bem, tranquilo e dentro de uma quantidade de horas suficien-

Soro caseiro Para manter a hidratação, soro caseiro é uma boa receita. 1 copo de água filtrada ou fervida; 1 colher de chá de sal; 3 colheres de chá de açúcar.

8

Jornal de Fato | DOMINGO, 10 de fevereiro de 2013

)) Kaline Melo

Nutricionista: "Antes de sair para a festa prefira uma alimentação leve e com boas fontes de carboidratos"


Alimentação te para cada realidade, é uma boa forma de garantir o armazenamento de energias. “O sono é um grande reestabilizador. Tudo que o folião brincou e perdeu de energia na folia, é recuperado com o sono. A hidratação, adicionada de uma boa alimentação e um repouso pontual garantirá, sim, um carnaval feliz e saudável”, complementa o médico Emerson Dutra, clínico-geral. Todas essas dicas são oportunas para evitar que o folião caia em armadilhas durante a brincadeira. Para não cair na armadilha da má alimentação e ter de parar a brincadeira por causa de uma infecção intestinal, uma desidratação e até uma ressaca, algumas recomendações simples podem ajudar. Nesta época, os foliões perdem bastante líquido e gastam energia por causa da alta temperatura e da movimentação em bailes e na avenida sambando. Por conta disso, a regra básica é manter o corpo hidratado com sucos de frutas, água de coco ou água, pois além de estarmos ingerindo líquidos estarão suprindo a falta de minerais. Dê preferência aos sucos no lugar dos refrigerantes. Para aqueles que gostam de uma cervejinha, o ideal é intercalar um suco ou uma garrafinha de água entre uma latinha e outra.

Acerte na alimentação Hidratação

Não deixe de carregar com você uma garrafinha de água, água de coco ou suco natural de fruta para lembrar-se da hidratação e de intercalar com a bebida alcoólica.

Alimentação leve

Antes de sair para a festa prefira uma alimentação leve e com boas fontes de carboidratos, como: pão, arroz, macarrão, biscoitos (de preferência integrais) combinados a frango ou peixe e a legumes e verduras.

Não Beba de estômago vazio

Não fique mais de 3 horas sem se alimentar. Faça lanches rápidos.

Evite alimentos gordurosos

Alimentos fritos, com recheios ou molhos, queijos amarelos, devem ser evitados, além daqueles pratos que têm grande quantidade de gordura estão banidos.

!

Ainda que se empolguem na folia, é importante criar uma rotina para alimentação, de forma a evitar beber de estômago vazio ou, na pior das hipóteses, exagerar na diversão e esquecer de comer corriqueiramente

Salada Ingredientes 1/2 xícara de chá de Amora fresca 1/4 xícara de chá de Vinagre 1/2 xícara de chá de Azeite de oliva Sal a gosto 1 colher de sopa de Mel de abelha 50 gramas de Copa Prezato cortada em fatias 1/2 maço de Rúcula 1 Caqui chocolate cortado em leques 2 Palmitos cortados em 4 Preparo 01 - Em cada prato, espalhe fatias de copa e acomode harmoniosamente as folhas de rúcula e reserve. 02 - Em uma grelha bem quente, doure as fatias de caqui e o palmito até ficar com as marquinhas da grelha, em seguida coloque-os na salada. 03 - Regue o molho e sirva em seguida.

Jornal de Fato | DOMINGO, 10 de fevereiro de 2013

9


Despedida

Carnaval da

Maria

A boneca Maria Espaia Brasa fecha a programação do feriado de Carnaval, na terça-feira, levando multidões pelas ruas do santo Antônio

A

folia em Mossoró começou cedo, bem antes do feriadão de Carnaval e a alegria está garantida até os últimos momentos desta terça-feira. Isso porque uma das mais tradicionais agremiações carnavalesca ganha a rua na 10

próxima terça-feira, dia 12 de fevereiro, feriado de Carnaval, com expectativa de, novamente, arrastar uma multidão atrás da boneca Maria Espaia Brasa. A boneca gigante percorre as ruas do bairro Santo Antônio. Criada há 12

Jornal de Fato | DOMINGO, 10 de fevereiro de 2013

anos, a boneca Maria Espaia Brasa surgiu da iniciativa de outras bonecas antecessoras como a Mamãe Dolores e a Maria Manda Brasa, que alegravam as ruas de Mossoró nos antigos carnavais entre 1965 e 1971.


Despedida A atriz Tony Silva é uma das fundadoras da boneca e destaca que a história da agremiação foi crescendo ano após ano. "Em 2010, por exemplo, tivemos uma das maiores manifestações carnavalescas que já vi na cidade", relembra ela. A concentração para a saída da boneca será na Rua Melo Franco, 1398, no bairro Santo Antônio, a partir das 17h. O evento será animado pelas bandas Samba Nobre e Só Papo Musical. A cada ano, o bloco ganha as ruas tematizando, na grande maioria das vezes em homenagem a personalidades da festa carnavalesca de Mossoró. “Durante o percurso, são reverenciados grandes ícones da história do Carnaval mossoroense, como as escolas de sambas, troças e personagens importantes dessa história”, detalha a atriz. No ano passado, por exemplo, dona Tiluca foi a grande dama da festa. Ela foi a primeira mulher a colocar o maracatu nas ruas da cidade de Mossoró. Depois de sair da Rua Melo Franco, o percurso segue até a rua Prudente de Morais, de onde irá dobrar na rua Juvenal Lamartine, pega a Rua Crokat de Sá e retorna para o ponto inicial.

A boneca é uma das iniciativas particulares que mantém viva a tradição do carnaval de Mossoró, quase todo marcado por atrações espalhadas nos bairros da cidade. “A prefeitura de Mossoró dá um incentivo, mas quem mantém viva a alma do nosso carnaval é a população. Vamos trabalhar para fortalecer o nosso carnaval nos bairros com a proposta de uma agenda durante todo o ano com cursos e oficinas”, disse a prefeita Cláudia Regina em visita às agremiações na semana que antecedeu o feriadão.

!

A boneca é uma das iniciativas particulares que mantém viva a tradição do carnaval de Mossoró

PROGRAMAÇÃO

- Zé da Porteira 10/02, às 17h Rua Afonso Pena (Bom Jardim) - Maria Espaia Brasa 12/02, às 17h Rua Melo Franco (Santo Antônio) - Sapo da Lagoa 12/02, às 15h R. Olavo Bilac, 393 (Ilha de Santa Luzia) - CarnaCocota 12/02, às 15h R. Antônio Rodrigues do Monte, 01 (Redenção) - Carnabuco 13/02, às 19h Praça Cícero Dias (Teatro Dix-huit)

Jornal de Fato | DOMINGO, 10 de fevereiro de 2013

11


sua carreira

RafaeL DemeTRIUS Como agem os invejosos

Como evitar a inveja no ambiente de trabalho

T x

ema polêmico, mas presente em todas as empresas, a inveja corrói relacionamentos, destrói amizades e causa percas significativas de produtividade. Em seu significado literal, inveja significa ódio pela prosperidade ou alegria de outra pessoa, além de também ser definida como o desejo de possuir alguma coisa que o outro tem. Mas há uma ainda mais incisiva, que compara o ciúme, a cobiça e a inveja: Ciúme é querer manter o que se tem, cobiça é querer o que não se tem; inveja é não querer que o outro tenha. A inveja é um sentimento delicado, pouco assumido, e que convive cotidianamente no ambiente de trabalho, apesar de poucos confessarem que a sentem. Nas empresas, a cada oportunidade de crescimento, promoção ou bom desempenho, a concorrência se acirra, e coloca-se à prova a capacidade de cada um de rejeitar ou abrigar a inveja. Mas e você? Como lida com esse sentimento? Como lida com esse assunto tão delicado que ninguém assume e faz questão de rejeitá-lo? Saiba na coluna de hoje como evitar a inveja no ambiente de trabalho e melhorar o clima de sua empresa. Inveja no Trabalho

No cristianismo, esse sentimento está entre os sete pecados capitais, pois o invejoso seria a pessoa que ignora suas próprias bênçãos cobiçando o que é do próximo. Na história, inclusive, muitas conspirações e mortes foram motivadas pela inveja. José do Egito, por exemplo, foi vendido pelos irmãos por ser o filho preferido de Jacó. Personagens invejosos também estão presentes no cinema e nas telenovelas. Ficção ou realidade, o fato é que a inveja está em todos ambientes, inclusive no dia a dia do mundo corporativo. No mercado de trabalho, o colega invejoso pode contaminar o ambiente, desmotivar as pessoas e dificultar a convivência em equipe.

Não é tarefa tão simples saber quem são as pessoas invejosas dentro da empresa. Inicialmente elas agem de forma muito sutil. Na frente parecem bons amigos, mas ao dar as costas falam mal dos colegas. Os invejosos não perdem oportunidade para diminuir o trabalho do colega. Eles não elogiam e nem parabenizam o outro por alguma conquista, mas quando elogiam não são sinceros. Além disso, não poupam esforços para alfinetar o colega. Se ele ainda não chegou, ele, sutilmente, pergunta ao chefe onde a pessoa está e por qual razão está fora do local de trabalho querendo passar a impressão de que o colega é atrasado, enquanto ele é pontual e assíduo. Proteja-se

Nenhum ambiente de trabalho está imune aos profissionais que, motivados pela inveja, sabotam seus colegas de trabalho. Para se proteger dessas pessoas, o primeiro passo é procurar não alimentar o sentimento dessas pessoas. Quem dá muita atenção às fofocas e às atitudes do invejoso está de certa forma contribuindo para que o problema cresça. Além disso, é recomendado evitar a superexposição. Compartilhar projetos pessoais e profissionais, falar demais sobre a vida íntima e não guardar segredos são alguns fatores que podem ajudar o invejoso a criar obstáculos contra a pessoa dentro da empresa. O papel do líder

Uma dose de competitividade no ambiente de trabalho é até saudável. Mas, para que ela tenha efeito positivo na empresa, o líder ou o chefe precisa gerenciar os conflitos entre seus colaboradores. Percebendo que há invejosos que estão prejudicando o clima dentro do grupo, ele precisa intervir e buscar uma mudança de postura dentro da equipe. Já vi casos em que o chefe faz vista grossa para esse tipo de situação, o que considero errado. O verdadeiro líder é atento a sua equipe e buscar intermediar conflitos, buscando o bem-estar de todos. Evite

Evite participar de “rodinhas” de fofocas, caso alguém venha falar de outro colega a você, sutilmente retire-se do local arranjando uma desculpa qualquer, como com muito trabalho e ter de terminar em tempo hábil. Caso alguém peça sua opinião sobre algum colega de trabalho, diga que não se sente em condições para avaliar e mude logo de assunto. Admire

Tipos de Invejosos

Pessoas com esse perfil podem se comportar de diferentes formas. Há invejosos que são mais contidos. São aqueles que invejam a prosperidade alheia, mas não fazem nada que possa atrapalhar terceiros. Contudo, o tipo mais comum e altamente prejudicial para a empresa é o invejoso que faz de tudo para prejudicar o colega invejado. É aquele que faz fofoca, intrigas e cria um clima ruim com a intenção de ‘puxar o tapete’ do outro.

12

Jornal de Fato | DOMINGO, 10 de fevereiro de 2013

Admire colegas isso é normal! Quando admiramos alguém é comum ficarmos felizes com o sucesso desta pessoa, com suas conquistas e realizações. O fato de não ter ainda aqueles resultados extraordinários daquela pessoa que admira não quer dizer que nunca terá. Assim começamos a enxergar as qualidades e competências que fizeram do admirado uma pessoa de sucesso e podemos tomá-lo como modelo para realizarmos nossas próprias conquistas. Essa é grande a diferença e a chave para curar maus pensamentos e a inveja alheia.


artigo

PeDRo FeRNaNDeS De O. NeTo *

Ler Dora Ferreira da Silva

A

cho que o papel do poeta é parecido com o daqueles que levam a tocha na Olimpíada. Mesmo que o mundo esteja dessacralizado, temos que acreditar que a vida é forte, transforma-se e cria novas saídas. Penso na imagem de uma flor brotando nos interstícios de uma pedra. Acredito nas diversas manifestações do divino, no anima mundi. Temos que viver este não-ser, esta noite, esta dor como uma passagem. A fidelidade de cada um a si mesmo é o que se pede. Dar o pouco que se tem, ser fiel à sua voz interior, é o que se pede aos poetas na tentativa de suprir essa carência dos deuses.” Esta fala é um recorte de uma entrevista que Dora Ferreira da Silva concedeu ao poeta Donizete Galvão e que fui publicada na edição de maio de 1999, da Revista Cult. Ele é simbólico não porque é dito por Dora, mas porque é dito por uma poeta que teve, dos 87 anos que viveu, mais de 50 deles dedicados à poesia. Autora de mais de uma dezena de livros de poesia e ricos ensaios, ela autora de uma voz única na literatura brasileira e, por esta razão, está ao lado de grandes nomes, como o do amigo de correspondências Carlos Drummond de Andrade, poeta que, na sua grandeza é matéria única de comparação na nossa cena literária. Além de poeta e ensaísta, foi tradutora, devendo, nós os leitores brasileiros, o contato direto com nomes com Rilke, T. S. Eliot, D. H. Lawrence, Hölderlin e Jung. A quem, de imediato se interessar pelo trabalho da poeta, deve buscar urgente Poesia reunida, livro editado ainda em 1999, com seus principais trabalhos; na antologia estão Andanças, seu livro de estreia e há muito que carece de uma reedição, Uma via de ver as coisas, Menina seu mundo, Jardins (esconderijos), Retratos da origem, Talhamar, Poemas da estrangeira e Poemas em fuga. O trabalho de Dora reitera o papel do poeta no mundo de hoje em que não raro se pergunta “poesia, para quê?”. Aliás, essa pergunta tem rondado as várias en-

(

trevistas que os aparelhos midiáticos têm conduzido junto a poetas. O poeta Salgado Maranhão, por exemplo, já terá dito certa vez diante dessa comum indagação que, num mundo em que as pessoas só pensam nas coisas materiais e estão presas às necessidades urgentes, duas coisas que não nos completa como indivíduos, a poesia nos empurra para uma dimensão além da sobrevivência básica. Noutra esfera, pensando no trabalho poético de Dora, podemos melhorar esse entendimento dizendo que, um mundo incapaz do encantamento e em que nada mais surpreende a humanidade, a poesia é quase que um ato de fé obrigatório que nos proporciona um encontro com nós mesmos e nos legitima a não cair na barbárie. No começo de tudo, quando a palavra e o mundo estavam fundidos, a poesia estava na matéria do gesto, no pulso do corpo em êxtase, no lugar do divino, numa dimensão, por isso, dada a poucos. Todo poeta, é por essa razão primordial, alguém capaz de ler o mundo sob um ângulo muito particular e o seu exercício escritural nunca poderá está reduzido ao simples movimento da letra que desdobra uma após outra no espaço do papel. Há no gesto poético uma indagação sobre o mundo e sobre a existência. O universo redescoberto e redesenhado pela caligrafia do poeta nunca será uma estrutura opaca, um efeito, uma mancha dispersa presa no papel. A verdadeira poesia tem pulso próprio para saltar da superfície lisa da folha e ser matéria pulsante, suspensa, atmosfera capaz de atuar no desempenho do corpo humano, pela lágrima, pelo riso, pelo gozo, gestos que promovem no homem o encontro com a matéria da qual somos constituídos – a linguagem e a capacidade de organização simbólica do mundo. É nesse instante que ganha, a palavra, seu real lugar no complexo sistema a que pertence e se ilumina a ponto de refundar o sujeito e o ser. O poeta enquanto feitor do poema, instante em que primeiro se prime em suas fronteiras as possibilidades da po-

Envie artigos para esta seção pelo e-mail: redacao@defato.com

)

esia, é somente aquele capaz de conviver no limiar de uma epifania constante que lhe permita está cercado do tempo primordial; epifania que é um fenômeno do espírito e diz uma maneira de estar locado e simultaneamente deslocado. Um pulso de iluminação. Não há, para isso, leis próprias, fórmulas prontas de se ensinar. Há para isso a necessidade do poeta ser feito pela vivência da palavra e seu denso universo fulgurativo. A busca do poeta que é feita pelo dorso da palavra é a de se reaproximar do estágio genesíaco do universo e os únicos guias nessa empreitada são ele próprio e sua vontade de experimentarem-se pela boca dos seus antepassados, aqueles que fundaram e ultrapassaram a esfera do tempo comum e se fizeram eles mesmos tempo. Não é que o poeta tenha um mundo alheio ao mundo empírico, mas uma possibilidade que este e é outro mundo. É esse lugar onde está hospedada a obra de Dora Ferreira da Silva; no poema, para ela, é o espaço para o constante estágio de epifania entre este nosso estar no mundo e no lugar genesíaco. Sua poesia parte das dissonâncias existenciais, e só este instante já é de natureza poética, para ultrapassá-las e alcançar um instante único na extensa rede de vozes dos seus antepassados. Alimenta-se de um teor estético e renova o diálogo esquecido pelos estetas da forma, o que não quer dizer que esse trabalho de elaboração esteja ausente na sua obra; do contrário, talvez até esteja mais que em outros, porque a poesia de Dora se guia pela experimentação e refiguração do simbólico que ora se manifesta no poema através da composição linguística, ora através do corpo estrutural do texto. Sente-se, que sua poesia é resultada de muito estudo e talvez por isso consiga cumprir o seu papel no universo da linguagem e fora dele: que é o de promover o reencontro do sujeito com outros lugares e a partir daí seja encorajado pela descoberta do universo primordial reencontrado por Dora.

* Pedro Fernandes de O. Neto aluno do Doutorado em Literatura Comparada (PPGeL/UFRN); autor de “Retratos para a construção do feminino na prosa de José Saramago” (Editora Appris, 2012 Jornal de Fato | DOMINGO, 10 de fevereiro de 2013

13


adoro comer

DaVI moURa

Baile de Máscaras de Marilene Paiva Já em clima de Carnaval, começamos a comemorar na semana passada. As portas do Requinte Buffet foram abertas para convidados, que, além de estarem todos a caráter, relembrando os antigos bailes carnavalescos, foram animados por uma bandinha que tocava marchinhas de Carnaval e pela banda Harmony Baile, com a voz marcante de Dayanne Nunes. Dentre os itens disponíveis no cardápio, escolhemos o frango aos 4 queijos com torradinha. As outras opções variavam entre os famosos salgadinhos e um filé com fritas, super popular nos quatro cantos de Mossoró. D. Socorro gentilmente nos mandou uma tábua de frios e um patêzinho show, só pra fechar a noite bem. Maravilha!

2

1

Cozinha sustentável

3

Dicas de drinks

Adoro Beber CaRNaVaL Voltamos com a sessão Adoro Beber, desta vez liderada pelo colunista Daniel Praxedes. Confira as dicas de hoje: Ele chegou. E em grande estilo. O ano, sem dúvida alguma, só começa depois desta época deliciosa, cheia de energia positiva, perfeita para descansar e, claro, tomar todas ao lado das pessoas que te agradam. Não tem erro, o Carnaval é só diversão. É ele o responsável por você sair da rotina, curtir as festas e aproveitar os quatro dias agitados. Vamos ao que interessa? Bebida! Selecionamos algumas dicas importantes para você que quer aproveitar cada minuto em grande estilo, sem passar vexame por ter abusado da bebida alcoólica e como curar a ressaca no dia seguinte. Afinal, não é qualquer um que aguenta o pique de quatro dias de festa. - Nunca esqueça: alimente-se antes de beber. Com uma alimentação saudável, recheada de nutrientes, você nem precisa ter medo de sentir enjoo, dores de cabeça, sintomas e, o principal, situações desagradáveis. - Hidrate-se! Trocar a água pelo álcool é o maior erro praticado por algumas pessoas. É necessário se hidratar com água, sucos etc. Pegue leve! Recupere o que foi perdido. Uma dica é: para cada dose de álcool, uma dose de água. - O terceiro maior erro é: misturar vários tipos de bebidas. Nunca faça isso. Não misture vários tipos de bebidas alcoólicas, principalmente aquelas que têm um alto teor de álcool como vodka e uísque. E se mesmo assim a amiga ressaca veio, anote as seguintes dicas: - O melhor a fazer? Repousar! Ingerir bastante líquido, de preferência água ou chás de erva cidreira ou doce. Também se deve fazer uma reposição moderada de açúcar com frutas como melão e melancia. - Sucos curam a ressaca, principalmente a banana. O potássio é um dos que mais são eliminados no processo, por isso é de suma importância que as pessoas com ressaca comam alimentos ricos nesse nutriente. - Não se engane: café não ajuda a curar a ressaca.

O Adoro Comer tem o prazer de receber a sua mais nova colunista: a Aylana Paula! Ela ficará responsável pela sessão Cozinha Sustentável. A loira vai explicar Gastronomia de uma forma sustentável, prática e, claro, deliciosa de produzir. É tanto problema ambiental que o homem tem se preocupado em criar soluções para satisfazer as necessidades da nossa geração atual sem que as futuras sejam comprometidas, já que alguns recursos não são renováveis. Ou seja: aquela velha história de preservar agora pra durar mais pra frente. E mesmo que você não queira ter filhos, não custa nada ser solidário. Junte-se à causa, economize e, consequentemente, ajude a construir um futuro melhor.

Há quem curta um carnaval com drinks mais elaborados. Se você é dessa turma, confira as dicas de hoje. São 3 drinks excelentes e fáceis para bombar neste feriadão. Detalhe: todos do site MeuDrink.com. Com moderação, sempre! Confira:

Drink divorce

Super resfrescante, esse drink é pros dias quentes de verão que estão por vir. O suco de abacaxi super tropical, misturado com a menta, forma um drink perfeito pra sentar em frente a uma piscina e aproveitar o solzão. - Ingredientes 1 copo (100 ml) suco de abacaxi / 1 copo (100 ml) de menta / 1 lata de leite condensado / 1 copo (100 ml) de cachaça - Como Fazer Bata tudo no liquidificador, e se preferir acrescente gelo picado Pra quem não gosta de cachaça, sugiro a vodka, mas que tal experimentar a original antes?

Milk Punch

Mais um drink com whisky pra quebrar todos os preconceitos que envolvem essa tão valorizada e adorada bebida. Milk Punch é uma mistura exótica, porém, deliciosa que vai te surpreender. Só tenha um cuidado, é viciante! - Ingredientes 2 doses de Whisky / 1 dose de Açúcar / 1 xícara de Leite / 2 pitadas de Noz Moscada - Como Fazer Bata tudo em uma coqueteleira com gelo. Sirva em um copo alto. Salpique com noz moscada, mas não mais que duas pitadas. Use um bourbon, mas se não tiver, qualquer whisky vai ficar bom. Coloque menos leite e inclua um pouco de leite condensado.

Anotou? Agora é só curtir o carnaval da melhor maneira possível. Ah, e não esqueça: Dirigir alcoolizado é perigoso para quem guia e para quem transita. Bom carnaval!

Aproveite e acesse o http://blogadorocomer.blogspot.com para conferir esta e outras delícias! 14

Jornal de Fato | DOMINGO, 10 de fevereiro de 2013


adoro comer

Bolinho de feijoada: o queridinho das novelas Sugestão do iG Comida

INGReDIeNTeS • 2 litros de água • ½ kg de feijão preto • 100 g de carne-seca dessalgada cortada em cubinhos • 100 g de lombo defumado cortado em cubinhos • 100 g de costelinha defumada • 1 linguiça calabresa em cubos • 1 paio cortado em cubos • 3 folhas de louro • 2 colheres de sopa de azeite • 3 dentes de alho • 200 g de farinha de mandioca fina • 1 colher de sopa de polvilho azedo • 2 maços de couve cortada fininha • 250 g de bacon em cubinhos para refogar a couve • 2 dentes de alho para refogar a couve

MODO DE PREPARO • Em uma panela de pressão, coloque 2 litros de água, o feijão, as carnes e as folhas de louro. Cozinhe por aproximadamente uma hora (marque o tempo após o inicio da pressão). Em um liquidificador, bata o feijão cozido com o caldo de carnes. Em uma panela grande, aqueça o azeite, doure o alho e refogue o feijão batido. Verifique o sal. Acrescente aos poucos a farinha de mandioca sem parar de mexer até engrossar e soltar da panela. Retire do forno e deixe esfriar. Adicione o polvilho e misture até ficar uma massa homogênea. Reserve. Em uma frigideira o bacon com o alho, junte a couve e refogue por 2 minutos. Abra pequenas porções de massa na mão. Coloque uma colher de chá de couve refogada, faça bolinhos e achate. Passe na farinha para empanar e frite em óleo quente. Em uma travessa, coloque os bolinhos acompanhados de gomos de laranja, torresmo e uma batidinha de limão. • Azeite quanto baste • Farinha de rosca para empanar • Óleo para fritar quanto baste • Gomos de laranja, torresmo e batida de limão para acompanhar

Jornal de Fato | DOMINGO, 10 de fevereiro de 2013

15



Revista de Domingo