Page 1

CITY ALIVE |

JOテグ ROMA

PUC- Rio | Departamento de Artes & Design Projeto de Comunicaテァテ」o Visual DSG 1031 Profs.: Bebeth e Barbara 2015.1


05

QUE TETMÁTICA/ ÁREA SEU PROJETO IRÁ ABORDAR? City Alive (Cidade Viva) – observação poética das diversas nuances da cidade como organismo vivo; assim como seus paralelos com a natureza e com os seres vivos que nela coabitam.

QUAL A ÁREA DE ATUAÇÃO DO PROJETO? Editorial – elaboração de projeto de livro que reúna esses trabalhos e seus desdobramentos.


06

QUE OPORTUNIDADE DE PROJETO VOCÊ IDENTIFICOU A RESPEITO DESTA TEMÁTICA OU ÁREA DE ATUAÇÃO?

O projeto parte de uma reflexão sobre os limites entre o natural e o artificial ao passo que exibe nuances orgânicas do cotidiano de cidades. Tal dualismo crescente dentro do campo das artes é reflexo de sociedades que pensam cada vez mais nas ações e reações entre ambiente e quem os habita. Durante um intercâmbio acadêmico de três meses na Inglaterra, tive oportunidade de observar e documentar evidências de diferentes cidades (Londres, Paris, Amsterdam, Roma). Esses materiais englobam fotografias, vídeos, áudios, ilustrações e trabalhos com mídias mistas.


07

QUAL O OBJETIVO DO SEU PROJETO?

O objetivo do projeto é que o livro auxilie na reverberação das reflexões propostas pelos trabalhos, potencializando-os através da comunicação visual, e da escolha de suportes e materiais. O projeto também contribuirá para a consolidação de uma narrativa concisa e peças gráficas auxiliares (catálogo, material de divulgação, sinalização, entre outros).


08

QUAL É A RELEVÂNCIA DESTE PROJETO? O QUE JUSTIFICA A SUA REALIZAÇÃO? Inicialmente, o escopo seria a realização de um projeto expográfico por acreditar que o mercado expográfico seja um nicho em ascensão dentro do design gráfico no Rio de Janeiro. Entretando, com o início das experimentações gráficas, me deparei com o fato de a identidade da exposição exigir uma linguagem mais simples, que não briguasse com os trabalhos. Devido ao grande envolvimento que tive com essas experimentações, e ao grande leque de possibilidades de aprendizados, testes, erros e acertos que elas me proporcionariam, optei por uma mudança na proposta inicial. Acredito que a elaboração de um livro combilando essas experimentações, observações e trabalhos possa empoderar ainda mais o discurso conceitual, e alcançar mais facilmente a reflexão desejada.


09

PARA QUAL TIPO DE PÚBLICO SEU PROJETO ESTÁ DIRECIONADO? O projeto se destina principalmente a um público interessado por arte contemporânea, fotografia, arquitetura e design. Haverá um enfoque maior para um público jovem que frequenta espaços alternativos de arte, visto que o projeto não será desenvolvido com parâmetros de um museu de grande porte.


10

VOCÊ POSSUI CONDIÇÕES ESPECIAIS QUE VIABILIZE ESSE PROJETO? Considero que o contato próximo com o público alvo possa ser um facilitador. Por frequentar lugares comuns a esse público, eventuais feedbacks e colaborações podem ser mais facilmente viabilizados. Além disso, acredito que o fato de já possuir o conteúdo quase todo pronto, me permitirá despender mais tempo para o desenvolvimento da parte gráfica propriamente dita, investindo no processo e em diferentes experimentações.


11

QUAL A SUA PROPOSTA DE PROJETO? City Alive (Cidade Viva) é um projeto editorial que apresenta diferentes recortes da cidade como entidade participante da vida urbana, e não apenas cenário desse processo. O material nela exibido fora coletado entre 2014 e 2015 em diferentes cidades como Londres, Paris, Roma, Amsterdam, Rio, entre outras. A proposta é desenvolver todo o projeto editorial, para que se potencialize o discurso conceitual dos trabalhos, fazendo uso das plataformas e materiais mais apropriados. Também caberá ao projeto estruturar os possíveis desdobramentos e ações necessárias para sua divulgação e realização.


REFERÊNCIAS CONCEITUAIS:

ANTONY GORMLEY AT TED 2012: SCULPTED SPACE, WITHIN AND WITHOUT

“Se mentes vivem em corpos, se corpos vivem em roupas e em cômodos, e em prédios, e em cidades, será que eles também têm uma pele final, e essa pele é perceptível? “

MARX AND ENGELS, ‘THE HOLY FAMILY’ (1844)

“If humans are shaped by their environment, then this environment has to be made human”

THE SCIENCE OF THE ARTIFICIAL – HERBERT SIMON

“O Artificial como o que foi concebido pelo ser humano, o resultado de uma ação humana; e o Natural como um produto da natureza”

12


13

DISPOSITIVO E IMAGEM NA ARTE CONTEMPORÂNEA - VICTA DE CARVALHO

Cada vez mais, a arte vem construindo dispositivos que privilegiam a imagem como o lugar das experiências, no qual o observador é convocado a participar de modo a evidenciar que não há obra independente de uma experiência. Não se trata, no entanto, de pensar em uma “experiência vivida”, passada, mas da experiência como um devir que é também imagem e que se dá no processo de interação entre dispositivo e observador.

OS NOVOS MUSEUS DO RIO - REVISTA PORTFOLIO EAV

“Um passeio virtual pelos centros culturais cariocas que, nos próximos anos, prometem transformar exposições de arte em percursos interativos repletos de experiências sensoriais.”


CLIMA DO PROJETO:

Para a definição do clima visual do projeto, foram elencados três parâmetros principais da personagem Cidade e consequentemente do projeto editorial:

14


15

DISSONANTE - a cidade é desarmônica, caótica e múltipla. de tudo, de todos, para todos.

ESPONTÂNEA - franque sa material ao artifício do ho mem. híbrida e indecisa en tre o artificial e natural. PRESENTE - mais que ambiente, a cidade é viva, ativa e presente;


16

CONTEÚDO:

O conteúdo da publicação cotempla mídias de diferentes formatos, comov

FOTOS + VÍDEOS + ÁUDIOS + DESENHOS + COLAGENS + RESQUÍCIOS + ...

& COLA

S TEXTO IVOS T A R O B


17


18

Para auxiliar na reverberação das reflexões propostas, foi pensada uma estrutura narrativa para a publicação. Essa será dividida em:


19

Pele 1 _ detalhes da cobertura, crosta sobreposta. Boca 2 _ a cidade fala, conversa e interage. Dejeto 3 _ o que fica para trĂĄs, resto, excreto, vestĂ­gios e evidĂŞncias. Organismo 4 _ cidade monstro, ogranimos vivo escondido.


M IL

SI

ES AR

:

20

Experimentação com meterais inusitados de Alainle Quernec


21 Livros Objeto de Jake Tilson

para rojetados não p o ã s e u q s Livro s sim em massa, ma nam uma produção eradas. Funcio m u n s a ic n ú s peça rão de fogem ao pad como “box” e ver o, podendo ha d a rn e d a c n e livro s, acessórios, to je b o , s a lt o s páginas entre outros.


22

SIMILA

RES:

Autor desconhecido, trabalho de desenhos tipogrรกficos encontrados em paisagens da cidade.

รฃo soPublicaรง entos m bre casa s nas co fi tipogrรก . cidades


23

Livro por Elias Redstone sobre a arquitetura na fotografia contempor창nea.


REFRÊNCIAS EDITORIAIS:

24

Seleç visua acter proje dade

imentação_ _ tipogr diagramação fluída mento com os conc riormente dentro do


25

ção de referênciais ais por conterem carrísticas comuns ao eto, como multiplicie de técnicas, exper-

ráfica e de materais, a, além de uma alinhaceitos elencados anteo clima do projeto.


GERAÇÃO DE ALTERNATIVAS

26

tudos Foi durante os es ara o de assinatura p i pelo projeto que opte s do editorial ao invé por expográfico. Isso abalhar acreditar que tr ação com a represent de visual da cidade ria mais maneira geral, se que interessante do uma construir apenas uma assinatura para deve ser exposição que ara que mais discreta p bre os a ênfase fique so trabalhos.


27

Nesses estudos busquei representar a heterogindade da cidade, mas que tambĂŠm ĂŠ, ao mesmo tempo forte, imponente, poderosa.


GERAÇÃO DE ALTERNATIVAS:

28


29


EXPERIMENTAÇÕES:

A cidade é revestida por diversas camadas. Os rasgos esquecidos nos muros, as sobreposições e as informações que já deixarama de ser.

RASGOS

30


31


EXPERIMENTAÇÕES:

Utilização da ferramento do google translate com imagem para ler a cidade.

32


33

GOOGLE TRANSLATE

foram feitos Além disso, também do resultado testes com a projeção , como em monitores antigos recurso visual.


34

CONCRETO

EXPERIMENTAÇÕES:


35 O concreto é substrato primário da cidade. Foram realizados testes com tranferência de xerox e texto, como uma possível ferramenta além de um possível material para acabamento (capa ou embalagem, por exemlo)


EXPERIMENTAÇÕES:

Cobertura característica da cidade. com a utilização de um rolinho, venho experimentando texturas e tipografias.

36


37

TIPOGRAFIA ASFALTO


EXPERIMENTAÇÕES:

38


39

A cidade monstro ĂŠ distorcida, revirada. Esses sĂŁo alguns experimentos utilizando a tecnica de colagem com papel, tecido, e cabelo para reverberar essa cidade viva.

COLAGENS


TRATAMENTO DE IMAGEM

Devido ao grande número de experimentações em diferentes plataformas, foi preciso buscar um tratamento gráfico para as imagens que unificasse toda essa gama de conteúdo. Por isso, optou-se pelo Bitmap - Diffusion Dither, que seria uma forma de unificar a linguagem visual.

40


41

Além disso, o uso de apenas preto e branco dialoga com a estética da cidade e barateia os custos de produção


GRID & LAYOUT:

Inicialmente o formato adotado para os estudos era de 20x24 cm. Após perquisas mais aprofundadas sobre aproveitamento de papel e produção gráfica, foi realizado o ajuste para o formato de 30 x 41 cm (aberto). Nesse sentido, se poderia ter uma maior área de impressão, e um melhor aproveitamento do papel, o que também baratearia os custos de produção.

ESTUDOS DE SPREAD E PÁGINA MESTRE

42


43


44

GRID & LAYOUT: ESTUDOS IMPRESSOS EM TAMANHO REAL


45


TIPOGRAFIA: Para compor o sistema tipográfico de City Alive, buscou-se uma tipografia que já fosse presente no universo da cidade, mas ao mesmo tempo, pudesse ser adaptável a diferentes nuances. Utilizou-se a família Helvetica Neue.

DETALHE DOS ESTILOS DE TEXTO E ABERTURA DE CAPÍTULO

46


47

DETALHE DOS ESTILOS DE LEGENDA


PÁGINAS MESTRE:

48

Como resultado dos estudos chegou-se às seguintes páginas mestres:

PRINCIPAIS PÁGINAS MESTRES

O layout foi pensado para que pudesse reverberar as imagens, e permitisse um dinamismo entre os conteúdos, uma vez que eles eram de naturezas distintas. Como solução, optou-se pela utilização de paginação e legendas soltas.


49


EXEMPLOS DE LAYOUTS APLICADOS ÀS MESTRES:

50


51


EXEMPLOS DE LAYOUTS APLICADOS ÀS MESTRES:

52


53


ENTRADAS DE CAPÍTULO:

FOTO QUE REPRESENTE CONCEITUALMENTE O CAP.

O projeto gráfico propõe drásticas entradas de capítulo. Apenas nelas entrariam o conteúdo textual conceitual, ainda para manter o foco nas imagens e exacerber a gradiosidade da cidade.

54


55

PAGINAÇÃO GRITANTE

POUCO CONTEÚDO, PORÉM PRESENTE

HIFENIZADO NÃO JUSTIFICADO. COMO A CIDADE.


ENTRADAS DE CAPÍTULO:

Além disso, as entradas de capítulo também seriam o único momento de entrada de cor no projeto. E isso aconteceria por meio da inserção de um papel de uma outra cor, mas ainda com impressao p&b.

PÁGINA MESTRE E LAYOUT APLICADO

56


57


CORES E MATERIAS:

As decisões em cima das escolhas de material e cores foram pautadas em referências visuais do contexto urbano. Inicialmente se estudou a possibilidade de papel jornal, mas que foi descartado devido à reduzida gramatura que prejudica a impressão e leitura. Como solução, foi escolhido o Colorplus Roma 120 gr para compor o miolo, cuja coloração se aproxima com o do jornal.

AMOSTRAS DE PAPÉIS

58


59 Para as entradas de capítulo, optou-se pelo Colorplus Amsterdan, 120 gr, da mesma linha do anterior. Para a capa, Colorplus Roma 180 gr.

ENCADERNAÇÃO E ACABAMENTOS Encadernação canoa costurada à mão com 3 furos, utilzando linha encerada de cor equivalente ao papel Amsterdan.


60

CAPA:

Durante a diagramaรงao, diversas alternativas foram criadas para a capa, sempre buscando algo que reverberasse os conceitos ESPONTร‚NEA, DISSONANTE e PRESENTE.

ESTUDOS DE ARTE E LAYOUT DE CAPA


61

Para a peça final, foi criada uma composição utilizando elementos tipográficos retirados de fotografias da cidade, de letrasets, e informações sobre a publicação.

ARTE FINAL DA CAPA


DIVULGAÇÃO:

Também fora desenvolvida a linguagem fotográfica para o material de divulgação de City Alive. Fotografias que evidenciem texturas urbanas, dialoguem com a gama cromática da publicação, e dispertem curiosidade com certa ironia.

FOTOGRAFIA PARA DIVULGAÇÃO

62


63


ORÇAMENTO E DESTRIBUIÇÃO:

Para a exposição foi produzida uma primeira tiragem de 40 exemplares postos para venda. Os papéis foram fornecidos pela Diplomata Papeis, a impressão foi realizada pelo Trio Studio. Encadernação e costura foram realizados manualmente.

VARIAÇÕES DE ORÇAMENTO

64


65

Já para a destribuição e venda dos produtos, foram pesquisadas as principais feiras de arte impressa para que o trabalho possa ser veículado, como Feira Plano, Pão de Forma, Flip, entre outras.


PRODUTO FINAL:

66


67


PRODUTO FINAL:

68


69


CITY ALIVE JOテグ ROMA

City Alive - Relatório do Processo  

Versão digital

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you