Page 1


The Rose Traduções

Disponibilização: Eva e Liz Tradução: Claudinha Revisão Inicial: Ana Rosa, Elizangela e Maria Revisão Final: Leticia, Ely Santos e Swett Storm Leitura Final: Fabi Formatação: Eva Bold


Lauren Brooks se apaixonou por Cal Scott aos vinte um anos, aos vinte e dois ela se casou com ele e teve seu coração quebrado aos vinte e três, quando ele abandonou seu casamento. Aos vinte cinco anos, apesar de estar sozinha criando sua filha, Lauren finalmente seguiu sua vida. Até que, conhecendo os motivos do abandono de Cal, os muros cuidadosamente construídos colapsaram. O dia em que conheceu Chris, todos aqueles sentimentos que ela pensou trancar transbordaram. Você não pode se dar ao luxo de ceder aos desejos de seu coração novamente. O amor quase a quebrou uma vez, e sua filha não precisa de dois pais quebrados. Christopher Scott está apaixonado e recentemente comprometido com Jenna, que só o enxergava como um doente terminal. Finalmente, ele está se instalando na vida que sempre quis, fazendo planos que antes só se atreveu a sonhar. Até que uma mulher chamada Lauren aparece em sua porta. Ela é intrigante, bonita, e não importa o quanto ele tente, não consegue se afastar. Quanto mais se aproxima dela, mais seus planos tão sólidos como uma rocha colapsam. Tudo o que ele sabe é que Lauren é a peça que faltava do quebra-cabeça a ser resolvido. Para colocar todas as peças no lugar, ele deve seguir o seu coração, o que pode custar-lhe tudo...


Que merda eu estou fazendo aqui? É a mesma pergunta que me fiz milhares de vezes. Por dois anos, eu imaginei o que seria isso. Agora, eu só estou aterrorizada. Meu coração bate como um tambor. Estou confusa, com raiva, e com um sentimento de culpa que sobe em mim. Eu pensei que tivesse amadurecido, que não poderia me sentir assim, não mais. Agora eu me sinto como se eu fosse transportada no tempo, e tudo começa novamente. Eu estou no início de um jogo para o qual eu não tenho treinado ou esperado. "Posso fazer isso". Murmuro. Bem, se você apenas acreditar...


"Posso fazer isso." Digo a mim mesma, pela milionésima vez, exalando um sopro de esclarecimento. Meus nervos estão completamente abalados. Esqueça abalados, destroçados. "Isto é por Caylen". Digo a mim mesma, novamente examinando o meu reflexo no espelho do banheiro dos Scott. Ainda sou a mesma. Eu pareço a mesma, sou eu mesma, mas de pé, aqui, me sinto como outra pessoa. Jogo água fria no meu rosto, e suspiro para a menina olhando de volta para mim. Ela está sorrindo, mas não é real. É praticado, quase perfeito, e completamente artificial. Se eu pudesse apenas parecer contente e feliz, eu poderia realmente começar a ser contente e feliz. Pareço bem, ótima, digo para eu mesma. Infelizmente, sinto que estou sufocando. O banheiro é muito grande, mas eu juro que me sinto como se as paredes se fechassem sobre mim. Isso é tudo. Tenho tentado me convencer de que posso fazer isso por todo o dia. Estive neste banheiro durante 10 minutos, e eu sinto como se estivesse me afogando. Afogando rápido. Olho para o meu telefone e percebo quanto tempo passou. Não posso simplesmente me esconder aqui como um grande gato assustado. Minha filha está lá fora. Com eles. Bem, não eles - seu pai e seus avós. Avós que estão mimando-a desde o momento que a Sra. Scott surgiu para fora da casa e varreu-a e em seus braços antes que pudéssemos fazê-la subir os degraus. O olhar gélido que o Sr. Scott me deu derreteu completamente no momento em que colocou os olhos em Caylen. A sala de estar dos Scotts foi preenchida com tantos brinquedos e bichinhos de pelúcia que você pensaria que era a Toys R Us. Eles a adoram. Deveria estar emocionada. Realmente deveria.


Estou emocionada. De certa forma... Eu esperava que fosse estranho. Preparei-me para o fato de que eles poderiam não aceitar a filha de Cal. Não há constrangimento. Eles a adoram. Estou feliz, muito feliz por ela, mas eu tenho que admitir me sinto isolada. Ela se encaixa perfeitamente. Eu não. "Tudo está ótimo". Digo a mim mesma em voz alta, passando minhas mãos pelo meu cabelo, umedecendo os lábios, e praticando o meu sorriso falso mais uma vez. Tudo está ótimo, só que eu estou apaixonada por um homem que realmente não tem ideia de quem sou, e ele está prestes a se casar com outra mulher. Fora isso, as coisas estão apenas excelentes. Quando eu finalmente saio do banheiro, acho que metade dos brinquedos foram abertos. O Sr. Scott e Chris estão tentando montar uma casa de bonecas gigantesca enquanto a Sra. Scott está brincando com Caylen e o bicho de pelúcia que Chris comprou para ela. Isto se parece com algo que deve estar em um cartão Hallmark. Foi ele. Eu tenho que acreditar. Ou talvez eu só imaginei. Eu e minha maldita imaginação. Estou ficando louca. Era apenas uma questão de tempo antes de Cal me enlouquecer, e agora, finalmente aconteceu. Ainda assim, eu quero confiar. Quero dizer-lhes que eles podem passar algumas horas com Caylen enquanto eu volto para o meu quarto de hotel e grito. Talvez até mesmo tomar um drinque. Quem estou enganando? Este seria um tipo garrafa para a noite toda. Não, não! Pare! Estou velha demais para isso agora. Eu sou uma mãe. Basta sorrir e aguentar. Meus olhos derivam ao longo de Chris. Eu venho tentando evitar olhar para ele. Não estive aqui tanto tempo, mas disse a mim mesma que eu não deveria olhar para ele por mais de cinco segundos. Meus olhos não concordaram comigo antes. Eles ainda não obedecem. Eles seguem cada movimento dele, à espera de outro vislumbre do que eu vi antes. Cal.


Era ele. Tinha que ser. Ou talvez eu imaginei mesmo. Eu e minha imaginação maldita. Estou perdendo a cabeça. Era apenas uma questão de tempo antes que Cal me deixasse louca, e agora está finalmente acontecendo. "Está tudo bem, Lauren?" A voz da Sra. Scott lembra-me que eu não estou sentada sozinha, com meus próprios pensamentos, e que eu preciso interagir com as outras pessoas na sala e não agir como um zumbi bizarro. "Sim. Sim. Sua casa é bonita". Eu digo ansiosa. Um pouco ansiosa. Eu não vi qualquer outro cômodo da casa, além da sala de estar e o banheiro. Ugh, agora eles provavelmente acham que eu fui bisbilhotar a casa em vez de ir ao banheiro, que é onde eu disse que eu estava indo. Oh bem, eu me acomodei na confortável cadeira marrom e cruzei minhas mãos. Caylen fez seu caminho até Chris e o Sr. Scott, prestes a ser o Godzilla para a casa de bonecas que estão construindo. "Caylen deixe-os terminar." Eu rio. "Então você gosta de quebrar as coisas, hein?" Brinca Chris enquanto ele a pega e a joga no ar. Ela ri quando ele a levanta para cima e para baixo. Ele não é Cal. Ele não é Cal. Ele não é Cal... "Isso é mais difícil do que consertar um motor." murmura o Sr. Scott, olhando para as instruções da casa de bonecas como se estivessem escritos em um idioma diferente. "Lauren, você se importaria de me ajudar na cozinha?" A voz da Sra. Scott interrompe meu mantra. "Claro". Eu digo, levantando-me e a seguindo. Eu sinto que meu corpo está se movendo em câmera lenta. Chris me dá um sorriso tranquilizador, e meu coração salta praticamente fora do meu peito. Eu olho por cima do meu ombro e vejo ele e seu pai brincar com Caylen enquanto eu caminho para a cozinha. Sua cozinha é grande, separada da sala de jantar, mas o suficiente para que se encaixe uma mesa redonda e quatro grandes cadeiras facilmente. Há toneladas de espaço no balcão, pelo menos uma dúzia de armários, uma enorme geladeira branca, e um fogão duplo. Esta é


definitivamente uma cozinha fácil de se adaptar. Peço a Deus que ela não me peça para ajudá-la a cozinhar qualquer coisa. Faço o meu caminho até a pia e lavo as mãos depois dela. Olhando para fora da janela, vejo um cavalo a distância. Dois cavalos na verdade. "Você tem cavalos?" Pergunto surpresa. "Cavalos, vacas, apenas alguns porcos". Diz ela com um sorriso. Bem, duh! É uma fazenda. Os avós da minha filha tem uma fazenda real. "Você monta?" Pergunta ela, tirando três recipientes de plástico da geladeira. Ela tira as tampas deles, revelando presunto, peru, queijo e alface. "Na verdade não. Bem, não profissionalmente ou nada assim. Apenas aqui e ali, quando eu estava no colégio". Eu digo, nervosa. "Chris monta. Bem, ele costumava montar. Tenho certeza que ele poderia ensiná-la ou ajudá-la a assumir suas habilidades". Diz ela, e eu quase rio com o pensamento de Cal em um cavalo com um grande chapéu de vaqueiro. "Presunto está bem?" Ela interrompe meus pensamentos. "Ah, sim, está tudo bem." Ela me pediu para ajudar, mas ela está montando estes sanduíches como se ela tivesse trabalhado em um Subway antes. "A comida no zoológico é tão cara, e eu tenho feito meus sanduíches, eles são muito bons". Diz ela com uma piscadela, e eu rio, descamando a alface atribuída a mim. É estranho, mas estar aqui com ela me faz sentir mais calma. Não tão estranha, nervosa ou ansiosa. "Caylen ama o jardim zoológico. Ela está obcecada com animais". Eu digo a ela, pegando uma fatia de tomate e colocando um em cada pedaço de pão que ela colocou sobre o balcão. "Chris também. Você pensaria que uma vez que tivemos uma fazenda que seria suficiente para a sua obsessão animal, mas ele nos implorava para levá-lo o tempo todo." Ela me dá sacos ziplock para colocar os sanduíches.


"Quero agradecer a você por trazê-la aqui". Diz ela, inclinando-se sobre o balcão e voltando sua atenção para mim. Eu sorrio nervosamente e inquieta. "Está tudo bem." "Afinal, sei que você poderia ter... você teria todo o direito de fazer isto, só quero te agradecer por... obrigado, Lauren". Seu sorriso é sincero e uma pequena parte de mim quer abraçá-la. Ela tem esta aura maternal que só faz você apenas querer ser abraçado por ela. Dizer-lhe exatamente como você se sente. Se eu fosse lhe dizer como me sinto agora, eu diria: "Estou perdidamente apaixonada por seu filho, e daria qualquer coisa para fazê-lo lembrar de que ele estava apaixonado por mim." E perguntaria: "Como faço para parar-me de sentir desta forma?!" Mas não, é claro, mas eu poderia ver-me a abraçando algum dia, talvez. Se eu não estragar completamente as coisas. Após os sanduíches serem feitos, sucos, batatas fritas e frutas foram embaladas, nós fizemos o nosso caminho de volta para a sala onde não parecia se que a casa de bonecas houvesse feito qualquer progresso afinal. "Vocês, caras, guardem tudo." sua mãe diz quando entramos na sala de estar. "Você está pronta para o zoológico com os melhores animais do mundo?" Pergunta ele animadamente, levantando Caylen com ele. Não posso deixar de sorrir. Chris realmente parece animado. "Esperemos que pelo tempo de seu retorno, isto esteja acabado." Seu pai dá uma risadinha, e ele e Sra. Scott nos acompanham até a porta. "Se divirta pequena". Diz ela, beijando Caylen na bochecha. "Estou indo montar essa casa de bonecas nem que seja a última coisa que faça." O Sr. Scott promete, esfregando seu rosto. "Vou ligar para vocês uma vez que estivermos em nosso caminho de volta". Diz Chris enquanto descemos as escadas. "Tenham um grande momento". A Sra. Scott diz.


"Então, qual carro iremos usar?" Ele ajusta Caylen em seus braços. Ainda é surreal vê-lo segurando-a. Eles se encaixam, e é quase como se nunca houvesse perdido um dia de sua vida. "A cadeirinha está no meu, mas podemos mudá-la, se você quiser." "Você quer dirigir?" Ele pergunta. Eu odeio dirigir especialmente quando não estou familiarizada onde estou indo. "Na verdade não. Você quer dirigir meu carro?" Ofereço. Olho por cima para ele e vejo um sorriso expandindo em seu rosto. "Claro". Quando nós estamos caminhado para o carro, eu troco a bolsa com o almoço por Caylen com ele, desbloqueio as portas e começo a colocar Caylen em seu assento. "Posso tentar?" Ele pergunta. "Sim". Passo para trás, e após algumas tentativas para obter as alças ajustadas e presas, mas Caylen coopera, com a mão em sua boca e um sorriso no rosto. "Eu aprendo rápido." ele diz a ela, então sorri de volta para mim. Sorrio e ignoro as borboletas voando ao redor do meu estômago. Nós dois entramos no carro, e ele ajusta seu assento, muito. Tem sido um tempo desde que alguém com a sua altura se sentou no banco do motorista. "Você é muito baixa". Diz ele com uma risada, e sou pega de surpresa. Ele não só me chamou de baixa, mas muito baixa. Acho que Jenna tem pelo menos uns 13 cm a mais. "Uhm, sim". Digo, afivelando o cinto de segurança. Se as coisas não fossem estranhas antes, com certeza seriam agora. O sorriso brincalhão em seu rosto desapareceu. "Diz o gigante." Brinco para aliviar a tensão. Ele começa a rir, e eu participo. "Boa essa". Ele brinca. Olho para ele através do espelho lateral. Deixo escapar um suspiro baixinho. Quando o rádio liga, uma das minhas óperas italianas começou a tocar. Nunca escutei enquanto Cal e eu estávamos juntos, mas depois que Caylen nasceu, Angela me apresentou a algumas musicas, e elas foram surpreendentemente calmante. Era como se apenas um cantor de luto pudesse expressar a


dor que eu sentia, e Caylen sempre dormiu muito bem com elas. A partir do olhar no rosto de Chris, eu posso ver que ele é tudo menos confortável. "Posso colocar outra coisa se você não gostar disso". Falo um pouco envergonhada. "É uma espécie deprimente". Ele responde com uma risada nervosa quando se vira para a estrada e sai de sua garagem. Acho que quando você está realmente deprimido é calmante. "Bem por ai." Admito enquanto continuo a brincar. "O top 40 está bem?" Pergunto, voltando-me para o rádio. "Um pouco melhor". Diz ele, brincando. A viagem para o zoológico foi suave. Ele dirige como uma pessoa normal e não como um piloto da NASCAR em velocidade, o modo que Cal dirigia. Mas se tivéssemos Caylen quando Cal e eu estávamos juntos tenho certeza que ele não teria conduzido como um maníaco, possivelmente. O zoológico é realmente muito impressionante por ser em uma pequena cidade. Nós ficamos por duas horas antes de Caylen adormecer. Estes dois são realmente divertidos juntos. "Ela adormeceu antes mesmo de nós vermos os ursos". Diz ele com desapontamento genuíno. Eu ri. "Ela teve uma boa corrida. Vamos dar uma pausa para o almoço. Ela pode acordar em uma meia hora ou algo assim." eu asseguro-lhe. Nós fazemos o nosso caminho ao longo de uma área de piquenique, e eu retiro os sanduíches que sua mãe fez para nós. "Obrigado." Ele pega um da minha mão. Eu lhe entrego um lenço higiênico, e ele o usa, parecendo divertido. Eu realmente sou uma mãe agora. Eu desembrulho o meu próprio sanduíche e mordo-o. Meu paladar me faz morrer e ir para o céu. "Oh meu Deus." Eu gemo. Há um brilho em seus olhos. "Bom não é?" Diz ele, rasgando o seu próprio.


"Este pode ser o melhor sanduíche que eu já tive". Eu digo, mordendo de volta. "Minha mãe faz os melhores sanduíches." Ele diz, terminando o seu em tempo recorde. Agora eu sei por que sua mãe fez cinco para apenas nós três. Eu ri e entreguei-lhe outro. Ele sorri. Ele se parece com Cal, ele soa como Cal, mas... "Então, além vir ao jardim zoológico, o que mais você gostaria de fazer?" Pergunta ele entre mordidas, seus olhos verdes em mim e a borboleta solitária no meu estômago arruma um amigo. É como se nós estivéssemos em nosso primeiro encontro. Bem, exceto pelo nosso bebê de um ano de idade, estar dormindo entre nós em seu carrinho. Na verdade, eu sinto que estou me intrometendo no encontro da Caylen. Eu tomo um dos sucos que sua mãe embalou e bebo um gole "A maior parte do meu tempo gira em torno Caylen." Eu dou de ombros. "Mas quando eu consigo uma pausa e não uso para um cochilo, vou tentar fazer algum desenho." eu digo a ele, descansando minha cabeça em minha mão. "Desenho hein? Você é boa nisso?" Ele pergunta curioso. E agora eu estou tendo um déjà vu. "O que você quer dizer?" Eu brinco. Ele ri. "Bem que você está desenhando bonecos de palitinho?" pergunta ele, amassando o plástico dos seus sanduíches e os atira na lata de lixo nas proximidades. E ele acerta. "Impressionante". Eu brinco. "Esse é o meu talento, fazendo cestas no lixo." "Eu posso fazer um pouco mais do que bonecos de palitinhos." Eu rio. "E sobre você? Bolas no lixo realmente é seu talento?" Eu pergunto, fazendo uso da desculpa para realmente olhar para ele. Ele se parece com Cal, ele tem a sua voz, mas ele não necessariamente soa como ele. Esse cara, que veste um camiseta e calças de brim, brinca com as crianças, e brinca ao redor, é diferente. E hoje, ao contrário do dia em


que nos falamos em meu quarto de hotel, ele parece livre de cuidados, aliviado, e é refrescante. "Bem, eu toco guitarra", diz ele, inclinando-se sobre os cotovelos. "Mas você provavelmente já sabe disso." Quando ele passa a mão pelo seu cabelo bagunçado, eu me lembro de quando ele me deixava fazer isso. Espere o quê? "Você... toca guitarra?" Eu pergunto incrédula, ele levanta as sobrancelhas. "Sim... eu nunca... humm, Cal nunca...?" Pergunta ele, sem jeito. "Não!" "Eu costumava estar em uma banda". Ele diz com um encolher de ombros, e minha boca cai aberta. "Você está brincando?" Eu não posso acreditar nisso. Ele acena timidamente. "Nós tocamos em alguns shows aqui e ali, não é como se eu estivesse fazendo concertos ou qualquer coisa". Ele diz modestamente. "Você está em uma banda?" Estou completamente chocada. Ele sorri, em seguida, ele suspira. "Costumava estar". Acrescenta. "Bem, é um pouco difícil ficar numa banda quando você nunca sabe se você está disponível." Seu sorriso brincalhão diminui completamente. Eu aceno com minha cabeça e penso no fato de que cada momento que Cal estava comigo foi uma interrupção na vida dele. Eu não posso ajudar, mas me sinto um pouco culpada por isso. "Posso te fazer uma pergunta?" Ele se inclina para frente sobre a mesa. Eu mordo meu lábio. Normalmente, isso significa que há uma questão muito estranha por vir. "Claro". Eu digo me preparando. "Bem", ele diz, passando a mão pelo cabelo novamente. Cal fazia isso como um flerte; Eu acho que Chris faz isso quando ele está nervoso. "Você veio por dinheiro ou algo assim?"


Eu não posso ajudar, mas deixo escapar um suspiro divertido. "Uhm, não. Por que você acha isso?" Eu pergunto hesitante. "É só que, bem o carro que você está dirigindo não é exatamente um modelo básico e, em seguida, hum... o anel que você jogou em mim no outro dia parece muito caro, e Chicago não é exatamente o lugar mais barato para se viver, e você nunca menciona ter um emprego..." Diz ele, deixando escapar um riso nervoso e esfregando a parte de trás de sua cabeça. "Ah não. Bem..." Eu tento pensar em como explicar isso. "Você, uh, Cal fez um bom dinheiro trabalhando para os Crestfields." Eu vejo sua mão apertar em torno de sua bebida. "Você sabe exatamente o que eu fiz lá?" Pergunta ele com força. Eu sei que seu pai não tinha uma afeição óbvia por eles. Parece que a opinião de Chris sobre eles não deve ser muito melhor. "Eu não sei muito. Os detalhes de seu trabalho eram em sua maioria confidenciais". Eu digo, limpando a garganta. Agora eu me pergunto o que seu trabalho era. Eu não posso imaginá-lo sendo confiado a uma posição tão valiosa sabendo que ele poderia tornar-se Chris a qualquer momento. Ele deixa escapar um suspiro irritado e balança a cabeça. "A única coisa que me disse foi que você era um elo para Relações Públicas e Pesquisa e Desenvolvimento." eu digo com um encolher de ombros. Há outra rodada de silêncio. Eu pego na bolsa que a Sra. Scott embalou uma caixa de suco e entrego a ele. Ele sorri agradecido e o bebe. "Um tiro de Tequila seria um pouco melhor, mas o suco de uva deve funcionar muito bem." eu brinco. Ele balança a cabeça, abre e drena a pequena caixa. Eu tenho tentado me conter todo esse tempo, mas há tanta coisa que eu quero saber, e eu sei que ele quer saber sobre mim. Nós somos como dois estranhos educados com uma criança. Qualquer coisa muito pessoal estaria indo para o reino da intimidade, ou talvez esta seja minha própria paranoia. "Agora é a minha vez de fazer uma pergunta?" Eu digo baixinho, brincando com minha embalagem de sanduíche vazia.


"Vá em frente." "Você não se lembra de nada?" Eu pergunto, dobrando minhas mãos juntas. Sua cabeça se inclina um pouco para o lado. "Não apenas sobre mim ou o nós... minha vida com Cal, mas antes de mim...?" Eu pergunto, e estou esperando com a respiração suspensa. Se ele pudesse se lembrar de algo sobre nós, sobre mim, nossa vida juntos. É patético. Eu sei, mas ele me faria sentir algum consolo. Se Cal me amasse e ele é uma parte dele, ele deveria sentir alguma coisa. Mesmo se está trancado em outra parte de sua mente, ele deveria se lembrar de algo... Seus olhos travam nos meus, e por um segundo, ele olha para mim como Cal costumava olhar, com uma intensidade que tomou conta de mim, que costumava me consumir. Desta vez, ele me cospe para fora. "Eu sinto muito, Lauren, mas eu não me lembro de nada". Ele pede desculpas e olha fixamente para baixo da mesa. Eu tento fingir que as palavras não são uma faca no meu coração. Eu não posso fazer isso. Eu não posso chorar e sentir pena de mim cada vez que eu estou ao seu redor e as coisas não saem do meu jeito. Isto não é sobre mim ou sobre ele. É sobre Caylen. "Não, está tudo bem. Não é nada para se arrepender de novo." Eu esboço meu sorriso praticado no rosto. Eu realmente espero que ele compre. E aí? Mesmo que ele se lembrasse de algo, não importa de qualquer maneira. Ele tinha acabado de deixar o único fio de esperança a mais tempo pegar fogo, a faísca de uma chama que eu preciso bater para fora rapidamente. "Parece que vai chover". Ele murmura, e em primeiro lugar, eu acho que é uma tentativa de preencher o silêncio cada vez mais estranho que tem seguido esta discussão. Quando eu olho para o céu ensolarado anteriormente que está a ser obscurecido por nuvens escurecendo, eu sei que não é. "É, parece." Eu suspiro. Pelo menos a mãe natureza está nos fazendo um favor, livrando-nos do nosso pequeno passeio desconfortável. Nós pegamos nossas coisas e jogamos no lixo. Eu empurro o carrinho enquanto nós fazemos o nosso caminho para o estacionamento, terminando o que começou como uma boa viagem para o zoológico. Felizmente, Caylen dormiu antes de sua mamãe conseguir sugar todo o divertimento fora dele.


Quando eu tinha seis anos de idade, minha tia tinha vindo ficar conosco por alguns dias. Ela era horrível como cozinheira, mas sempre insistiu em fazê-lo. Ela me disse uma manhã que quando voltasse da escola ela teria o meu bolo favorito esperando por mim. Como uma criança de seis anos de idade, eu estava amarradão. Bolo era uma das minhas coisas favoritas. A quem estou enganando? Ainda é. Eu disse a todos os meus amigos sobre isso, pensei sobre isso o dia todo na escola, e quando cheguei em casa, eu corri direto para a cozinha. Lá estava sobre o balcão. Um bolo de duas camadas com crosta de glacê azul. A minha cor favorita. Ela estava tão animada para que eu experimentasse. Ela me cortou um pedaço enorme, mas antes que eu pudesse dar uma mordida, minha mãe mandou-a pegar algo fora da cozinha. No momento em que dei uma mordida, eu cuspi. Eu só posso imaginar a cara que eu devo ter feito. Eu disse à minha mãe o quão ruim era, e que eu não queria mais. Minha mãe sentou ao meu lado e disse-me que quando minha tia perguntasse se eu gostei, eu deveria dizer a ela que era muito bom. Eu estava confuso. Não era bom. Era horrível, e eu disse à minha mãe. Ela então me explicou que a minha tia trabalhou muito para fazer o bolo para mim, e eu iria fazê-la realmente triste se eu lhe dissesse que não gostei. Como uma criança de seis anos de idade, eu a lembrei que eu estaria mentindo e que ela me disse que mentir era errado. Ela me sentou no seu colo e disse que às vezes mentir estava bem se era por uma boa razão. Ela me disse que era apenas uma pequena mentira e faria minha tia feliz. Quando minha tia voltou para a cozinha e me perguntou como o bolo estava, eu disse a ela que era bom, e eu tinha acabado tudo. Ela estava feliz. Senti-me bem sobre fazê-la feliz mesmo que eu realmente não gostasse do bolo. Eu tinha dito a minha primeira mentira branca. Às vezes me pergunto, se eu tivesse dito a minha tia a verdade todos esses anos atrás, que ela não poderia cozinhar, ela teria realmente aprendido como fazê-lo, e não sendo completamente horrível?


Se uma mentira branca faz as pessoas se sentirem bem, mesmo se não é realmente útil, o que eu disse a Lauren tem de ser mentira negra. Eu não fiz isso para machucá-la, mas em última análise, para seu próprio bem. Eu disse a Lauren o que ela precisava ouvir. Aos 28 anos, eu já disse a minha primeira mentira negra. Uma mentira que fez exatamente o oposto do que fazer ela se sentir bem. Quando Lauren me perguntou se eu não lembrava nada, parecia que o tempo tinha congelado. Não seria bom para ela, para nós se eu dissesse a ela que eu tinha começado a me lembrar de coisas sobre a minha vida como Cal. Eu nem sei se são realmente memórias. Se me lembro de algo? Eu gostaria que ela tivesse me perguntado isso a última vez que a vi, então eu não teria que mentir, mas é claro que ela me perguntou hoje. Tecnicamente, eu não sei se estou me lembrando de algo. Poderia ser apenas uma imaginação fértil. Sonhos extremamente vívidos que não se parecem como qualquer outro sonho que eu já tive. A única maneira de realmente confirmar que eles não são sonhos é perguntar a ela, e eu não vou fazer isso. Não agora, pelo menos. Eu não quero fazer toda esta situação mais confusa do que já é. Isso seria apenas dar-lhe uma falsa esperança. Eu pensei ter visto a esperança nos olhos dela antes, e isso seria perigoso. Sua esperança é para eles, é esperança por Cal, e eu não posso dar isso a ela. Como uma pessoa que detém outro nas máquinas muito tempo depois dos médicos dizerem que ela se foi. Cal. Cal é um canalha egoísta. Nos últimos seis anos, eu nunca me lembrei de nada. Nem uma única coisa e agora, agora eu começo a lembrar. É ele. Eu sei que é. Ele está compartilhando, e se ele está decidido a fazê-lo, não é para meu benefício. É para o dele. Ele quer que eu diga a Lauren que estou me lembrando. Ele não a quer dando em cima deles, e eu não vou segurá-la refém desse cara, uma memória, uma esperança para um futuro que não existe. Eu quero ser seu amigo. Eu quero um relacionamento simples e amigável para nossa filha. Fiquei pensando na minha conversa com Dexter esta manhã.


"Basta voltar à sua vida, Chris. Cal não iria gostar se você se casasse com Jenna, Chris. Basta deixar tudo que você trabalhou para trás e fazer o que faz Cal feliz, Chris." Eu nunca pensei que Dexter seria o porta-voz de alguém. Eu sei que tem que haver algo no presente para ele, e isso é o que me assusta. Dexter não se preocupa com nada menos que seja de seu próprio interesse. E, geralmente, o que está no melhor interesse de um Crestfield está em oposição direta comigo. O que eram todos esses enigmas, sendo sugestão de Dexter e não de Cal para experimentar a sua vida? Afinal, o que isso quer dizer? Cal não iria gostar se eu quisesse Lauren, se eu mudasse de volta para Chicago? Se for esse o caso, ele é ainda mais egocêntrico e egoísta do que eu pensava. Eu já entrei no papel que ele deixou vazio, a única coisa boa que ele já fez. Eu não tive tanta diversão quanto eu tive hoje em um longo tempo. Eu não tinha ido ao zoológico em anos com tudo o que está acontecendo, e até o almoço, tudo estava indo muito bem. Por um tempo, o peso da situação se foi. Éramos normais, como todo mundo. Dois pais com sua menina, sem drama extra ou bagagem. Antes desta conversa com Lauren, colocamos tudo em pratos limpos. Nada além de honestidade e cooperação entre nós. Agora há uma mentira, uma mentira que mudou as coisas entre nós, que nos fez adversários em vez de estar na mesma equipe. Eu sei que é apenas paranoia. Eu só não estou acostumado a mentir para as pessoas. Como o inferno que as pessoas fazem tão facilmente? Eu só disse uma frase, e eu me sinto tão culpado. A pior parte é que ela não acha que estou mentindo. Eu me sentiria melhor se houvesse uma pitada de ceticismo, ou desconfiança, mas ela acredita em mim. Ela tomou tudo o que eu disse como verdade, e isso está me comendo. Ela agora está diferente. Algo em sua expressão mudou logo depois que eu disse a ela. Algo a deixou. Pode ser a mesma coisa que eu queria ver indo. Sua esperança, e a energia que derramou de mim no dia que eu falei com ela em seu quarto de hotel está escorrendo para dentro. Nós não dissemos uma palavra um ao outro desde que deixamos a mesa de piquenique. Ela não vai sequer olhar para mim agora. Antes, eu a pegava


roubando um olhar sobre mim de vez em quando, mas não mais. Eu não sei por que quase me fere ver que ela não faz mais. Você matou a sua esperança, idiota! Ela está de luto, seu estúpido! Essas palavras batem em meu cérebro. Um pensamento tão claro é falado para mim. "Você está bem, Chris?" Lauren pergunta. Eu noto que eu parei no meu caminho. Ela está mais do que alguns passos à minha frente, virando, seus olhos se estreitaram nos meus. "Sim, eu estou bem". Eu digo em voz alta e a alcançando. Essa é a segunda mentira. Estou longe de estar bem. Estou perdendo a cabeça, porque mesmo que o meu pensamento deve ser meu, eu estou começando a pensar que o único que deveria ser não era. O meu telefone começou a tocar. É o toque de texto que Jenna definiu para si mesma e meu coração fez uma batida dupla. Eu vejo que é apenas uma mensagem de uma palavra. "Ei". Mas é o suficiente para fazer a sensação que eu tinha se dissipar. Eu digito rapidamente em resposta. "Eu sinto sua falta." E guardo o meu telefone de volta no bolso. Lauren tira Caylen de seu carrinho de bebê. Uma mensagem chega novamente, e eu pego meu telefone. É apenas um rosto sorridente, mas isso me faz sorrir. Eu olho para cima e vejo Lauren terminando de colocar Caylen em seu assento. Ela caminha ao redor do carro, e seus olhos castanhos grandes olham diretamente nos meus. Eu posso ver as lágrimas em seus olhos, e eu começo a perguntar-lhe o que está errado, mas algo me para. Eu carrego o carrinho de criança no porta-malas. Quando eu fecho o carro, vejo que Lauren ficou no banco de trás. Deixei escapar um suspiro profundo. Eu não sei o que aconteceu, mas o que quer que fosse a afetou mais do que a mentira que eu disse a ela. Eu fiquei no banco do motorista, e ela me entregou as chaves do carro, seu olhar ficou no seu colo. "Está tudo bem?" Eu perguntei, olhando para ela no espelho retrovisor.


Ela balança a cabeça. "Caylen pode acordar. Eu vou sentar aqui caso ela acorde". Diz ela calmamente, os seus olhos não olham para cima nenhuma vez. "Ok". Eu digo e ligo o carro. Nada bem! Você é um idiota. Desta vez, eu sei que não é apenas um pensamento. Meu alerta de texto pisca novamente. Eu olho para trás, Lauren cujos olhos estão fechados, a cabeça encostada contra a janela. É o toque de Jenna. É isso que a está incomodando? É um trecho da canção favorita de Jenna... uma canção de amor. Eu coloco o meu telefone no modo de vibração e solto um suspiro profundo. Este vai ser um longo dia.


Eu sabia que era ela. Antes mesmo de ouvir o amável toque, eu poderia dizer pelo olhar em seu rosto. Como se tudo o que estivesse o incomodando derretesse no momento em que ela se fez presente. Não teria sido tão ruim se ele não parecesse tão feliz. Se ele não tivesse aquele sorriso que eu costumava ver quando Cal olhava para mim. Eu não vi esse sorriso em anos, e ele dá a ela por uma mensagem de texto estúpida. Ela não pode sequer vê-lo. Eu não fiquei louca. Realmente, não. Eu não estou nem mesmo irritada. Como ele poderia tão descaradamente alardear que ele a ama na minha frente? Eu lhe disse que ia tentar lidar com isso, mas esse tipo de coisa acontecendo não é uma parte do acordo. Ugh! Eu sei que eu estou sendo completamente ridícula, mas eu não posso fazer nada. Eu não quero nem estar perto dele neste momento. Foi assim que eu acabei no banco de trás do meu próprio carro. Eu não me sentia como uma idiota até Chris olhar para mim como se eu fosse uma aberração. Mas eu não me importo, é melhor assim. Se ele fosse Cal, eu já teria batido nele. Eu pensei que eu houvesse amadurecido sobre isso. Eu me sinto como se os últimos dois anos não houvessem acontecido e minhas emoções tomaram o controle do meu bom senso novamente. Isso é demais. Isso tudo vai ser demais. Eu vejo isso agora, e eu tenho que passar o dia inteiro com ele e sua família. E se ela aparecer? Eu nem sequer pensei em perguntar a ele sobre ela. E se ela vier para o jantar? Eu não serei capaz de administrar isso. Eu não vou ser capaz de lidar com ele escovando-se contra ela, ela passando as mãos pelos cabelos deles. Isso me faz querer vomitar só de pensar nisso. O que diabos eu estava pensando? Ouço Caylen bocejar e se movimentar em sua cadeirinha, e eu me lembro do motivo de estar aqui, e por isso que eu tenho que continuar. Por que não posso fazer birra e bater meus braços e pernas. Eu tomo a mãozinha na minha e suspiro. Eu flagro Chris me olhando pelo espelho


retrovisor. Ele rapidamente desvia o olhar quando ele vê que ele foi pego. Talvez ele não estivesse olhando para mim. Ele precisa olhar para o espelho para dirigir, mas uma vez que praticamente não há carros nesta estrada, eu acho que é seguro assumir que ele estava olhando para mim. Ele não me conhece. Eu tive essa revelação. Eu sou apenas uma mulher que ele teve uma filha. Nada mais. Ele não se lembra de uma única coisa sobre mim. Ele não sente nada por mim. Enquanto estávamos no zoológico, por um tempo, eu parei de pensar sobre a situação em que estamos. Fomos apenas nós. Foi legal. Ele é legal, ele é engraçado e divertido de se estar perto. Eu poderia imaginar as coisas que são fáceis com ele. Jenna se tornou fácil. Eu me tornei complicada, arrogante, egoísta e secreta. Não é difícil estar com alguém que é fácil. Eles provavelmente nunca brigam ou discutem. Chris não parece o tipo. Não é difícil amar alguém assim. Ele não desapareceu por dias em certos momentos; ele não usou o sexo para ferrar com a cabeça dela. Ela não tem que lidar com as mudanças de humor, atitudes condescendentes, ou passar por uma gravidez inteira sozinha. Mas ela ainda recebe o sorriso. Ela pega a parte mais fácil. As coisas nunca vão ser fáceis entre Chris ou Cal e eu, nossa história nunca vai ter o que eles têm. Eu suspiro e tento me concentrar em tudo ou nada, do que essa situação na minha mão. Eu começo a prestar atenção em como ele dirige, usando seu sinal de volta ao mudar de faixa, mesmo quando ninguém está atrás de nós, e fica dentro do Limite de velocidade. Quando chegarmos ao ponto de ele estar com Caylen sem mim, pelo menos eu não terei que me preocupar com a sua direção. Meu estômago apertou. Eventualmente será Chris e Caylen. Não, não Chris e Caylen. Isso está errado. Será Chris, Jenna, e Caylen. Sem Cal. Sem mim. Nós finalmente paramos em frente à residência dos Scott, e ele desliga o carro. "Eu acho que eu poderia pular o jantar." As palavras escapam da minha boca antes que meu cérebro possa filtrá-las. Olho para Chris e espero que ele pareça aliviado, mas ele não faz. Eu acho que ele parece


decepcionado, mas isso não pode ser. Por que quer uma mulher que seja um problema em torno dele? Ele já viu Caylen, eles tiveram um bom tempo. Você pensaria que ele estaria contente por eu querer ir. "Estou muito cansada". Eu explico. Bem, não cansada. Mais como emocionalmente esgotada. É muito mais difícil, do que eu pensei que seria, fingir ser indiferente e não mostrar amor por uma pessoa sentada algumas polegadas de você e ainda mais difícil quando você vê em primeira mão que ele ama alguém. Ele faz uma pausa de um minuto, em seguida, volta-se para mim, o braço descansando no outro lado do encosto de cabeça do carro. "Você vai ter que ser a única a dizer à minha mãe que você está cortando a visita com a neta que ela, provavelmente, tem esperando ansiosamente desde que saímos". Disse ele com uma inclinação de cabeça e um sorriso que me fez não querer estar no banco de trás. Fez tão bem, mas em circunstâncias completamente diferentes. Eu engoli o caroço na minha garganta e afastei os pensamentos que começam a vir à tona em minha mente. "Tenho certeza que ela vai entender, certo?" Eu não conheço essa mulher há muito tempo, mas eu acho que já sei a resposta para isso. Ele exibe um sorriso travesso e pega o telefone e dá para mim. "Hey, mel". Diz a voz através do telefone. "Olá Sra. Scott, é Lauren." Olho para Chris que está sorrindo. "Oh, Lauren, está tudo bem?" Pergunta ela, seu tom passando de alegre para preocupada. "Sim, Chris está bem aqui. Estamos do lado de fora, na verdade." Eu aviso. "Oh grande! Vá terminar a casa de bonecas, e eu já comecei a fazer o jantar. Você gosta de lasanha? Se não, eu posso fazer outra coisa". Diz ela, animada. "Eu estava indo realmente... Eu-eu..." E eu fraquejei. "Lasanha é o meu prato favorito." Eu suspiro e golpeio o braço de Chris, quando ele ri de mim. Chris gesticula para eu dar-lhe o telefone. Ele leva-o, e assim mesmo, minha tensão se foi.


"Mãe, você poderia vir e pegar Caylen?" Ele pergunta, e eu acho que ela concorda porque ele sai rapidamente. Eu observo a expressão dela quando ela me vê sentada no banco de trás, mas ela se recupera rapidamente e nos cumprimenta. "Vocês cansaram esse pequeno anjo?" Ela ri. "Nós tivemos uma tonelada de diversão". Diz Chris quando sai do carro. Eu faço o mesmo. "Este é um carro bonito." "Obrigado". Eu digo, passando os braços em volta de mim mesma enquanto eu ando atrás deles. "Nós estamos indo para liderar por esse caminho". Diz Chris, apontando para a parte de trás da casa. Eu olho para trás, para a Sra. Scott segurando Caylen. Ela me dá um aceno encorajador. Deixei escapar um suspiro profundo e mudando a direção. Vejo que ele está indo para o quintal, onde vi os cavalos de sua janela mais cedo. Eu me pergunto se sua mãe lhe disse algo. Quando chegamos ao portão em torno dela, ele para e se inclina sobre ele. Eu faço o mesmo. Os cavalos são lindos. Um é de cor caramelo com uma listra branca para baixo de suas costas e o outro um belo chocolate. "Este é Butterfinger e Reese’s pieces". Diz ele, apontando para cada um. Eu olho para ele para ver se ele está brincando, e ele ri. "Sério?" Pergunto. "Meus pais me deixaram nomeá-los, e quando eu era criança, eu era obcecado por doces." Ele pega algo do bolso. Ele estende a mão para mim e revela dois sacos pequenos de M & Ms. Eu rio. "Quando você era criança, huh?" Eu digo após jogar alguns em minha boca. Ele sorri para mim antes de despejar o saco inteiro em sua própria boca. "Eu costumava andar". Eu digo, jogando mais do meu peso no portão. Ele se vira e inclina as costas para o portão, então ele fica de frente para mim. "Sério?" Ele pergunta em um tom incrédulo. "Sim". Eu digo, terminando o meu saco de doces.


"É tão difícil de acreditar?" Pergunto-lhe em tom de brincadeira, e ele dá de ombros. "Não, nem um pouco". Diz ele, encobrindo sua surpresa, e eu faço uma carranca para ele. "Ei, eu vejo seu choque como você fez quando eu disse que eu toco guitarra." É apenas surpreendente que Cal tinha algo que poderia facilmente levá-lo e não usá-lo para sua vantagem. Eu quero dizer-lhe isso, mas pode ser um pouco inadequado no momento. Há uma brisa, mas o sol esta quente. Eu fecho meus olhos e desfruto do pequeno momento em que eu não me sinto sufocada pela ansiedade. Neste momento as coisas são apenas mais fáceis. "Você quer dar um passeio?" Ele pergunta. Meus olhos se abrem. "Agora?" Pergunto um pouco surpresa. "Sim. Ou seja, se você realmente sabe como". Diz ele, provocando. "Isso soa um pouco como um desafio." Cruzo os braços sobre o peito e ele encolhe os ombros um pouco. "Não é um desafio. Mais como um convite". Diz ele, estreitando os olhos nos meus e meu coração acelera. Ele está flertando comigo? Isso não pode ser. Se este fosse Cal, ele definitivamente estaria flertando, mas não é ele, então eu não posso ler muito dele. Ele está sendo amigável. Só porque ele está sendo bom para mim não significa que ele está flertando. Eu só queria que ele flertasse comigo, é por isso que eu preciso voltar para aquela casa onde eu não estou sozinha com ele, antes de eu fazer algo que vai tornar isso muito estranho o resto do dia. "Será que este convite tem uma data de validade?" Eu pergunto, meus olhos encontrando os seus brevemente. Ele sorri e balança a cabeça. "Nem um pouco". Diz ele, cruzando os braços sobre o peito e fechando a distância entre nós. Não tanto onde me sinta como se estivesse invadindo o meu espaço, mas o bastante para que meu coração pule na minha garganta. Deixei escapar uma respiração profunda, porque ele está tomando tudo em mim para manter meus hormônios e emoções amarradas em um pequeno pacote.


"Vou deixar para próxima, já que tenho andado em torno do zoo durante todo o dia". Eu digo levemente e desvio dele e caminho de volta para a casa. "Uhm, sobre mais cedo," disse ele, apressando o passo para caminhar ao meu lado. Ele caminhou ao meu lado assim o dia todo, mas agora ele está causando formigamentos em minha pele me fazendo sentir quente, mesmo que esteja fresco e úmido da chuva. "Sim?" Eu pergunto, mantendo meus olhos na grama molhada que está sendo esmagado sob os nossos pés. "Eu... Quando você me perguntou se eu não me lembrava de nada..." Meu coração quase para e eu também, bem em minha trilha. Eu me viro para encará-lo e olho para ele, esperando que minha expressão não esteja demonstrando como eu me sinto por dentro. Eu olho em seus olhos. Ele evita os meus por alguns segundos, então ele olha para eles brevemente. "Eu quero lembrar". Diz ele em voz baixa. Eu sinto que ele tem mais a dizer, mas eu gostaria que não porque isso, o que ele disse, é o suficiente para passar o resto do dia. "Eu quero que você se lembre." eu digo com muito entusiasmo e um sorriso tão grande que eu tenho que morder minhas bochechas para contê-lo. Vejo-o olhar para baixo, nervoso. Ok... desacelere. "Quer dizer, eu quero também, porque se você começar a se lembrar é uma coisa boa. Certo?" Eu digo, tentando tirar isso sobre nós ou sobre mim. "Depois que Cal partiu," diz ele, empurrando as mãos nos bolsos, "o que fez você não... Você não... eu-você..." ele se perde, e deixei escapar um suspiro profundo. "Obter um divórcio?" Eu digo, tentando ajudá-lo ao longo e ele concorda. Eu tento pensar a melhor coisa a se dizer. A única coisa que vai tornar menos desconfortável, que faria isso menos estranho, mas eu não sei como dizer isso de forma que não vá. Eu sempre tentei esconder


meus sentimentos de Cal, mesmo antes que as coisas começassem a dar errado. Quando nos conhecemos, eu não queria que ele soubesse o quanto eu gostava dele. Eu não queria que ele soubesse que eu estava começando a me apaixonar por ele, porque eu pensei que iria assustá-lo. É ridículo agora, porque ele sabia de tudo antes de mim, mesmo sobre mim. Com Chris, eu vou tomar um caminho diferente. Honestidade completa. Bem, quando se pode. "Porque eu o amava, e eu ainda tinha esperança." Meus olhos não deixaram seu peito. Eu tenho medo de olhar em seus olhos. Eu não quero ver o que está lá, mas eu gostaria que ele não vestisse o grande casaco cáqui ele está usando. Eu queria ver se o seu peito esta palpitante, para saber se o seu coração está batendo tão rápido quanto o meu agora. Ele está deslocando seu peso ao redor. Eu olho para ele e vejo seu olhar no chão, um frio passa através do ar e sinto um arrepio pela minha espinha e espero por sua resposta. Para dizer qualquer coisa. Eu o ouço soltar um suspiro longo e ele passa a mão pelo cabelo. "E agora?" Ele pergunta baixinho, e eu fecho meus olhos e penso cuidadosamente sobre como responder a ele. Eu levanto o meu olhar para encontrar o dele, e assim que eu vejo seus olhos, mesmo que eles não são aqueles cinza que estou acostumada, eu os amo da mesma forma. Eu olho para o céu e sinto-me mordendo meus lábios. Ugh. A verdade. Eu quero dizer a verdade, mas a verdade realmente poderia complicar as coisas entre nós e obscurecer a razão pela qual eu deveria estar aqui. Caylen. "Você não tem que responder a isso". Diz ele em voz baixa. Há calidez em sua voz, e quando sou corajosa o suficiente para olhar para ele, ele está com um sorriso simpático, que é pior do que se ele estivesse carrancudo para mim. Ele sente pena de mim. Ótimo. Isso é ótimo. Nós andamos para dentro da casa, e Chris imediatamente vai para a cozinha. Ele tem o apetite de um adolescente. Não me lembro de


alguma vez Cal comer tanto quanto Chris tem comido nas últimas horas. Não só ele comeu dois sanduíches, três Snickers, e um sorvete, ele comprou um saco de pipoca e ele comeu metade antes dele decidir guardar para mais tarde. Gostaria de saber se o pacote de seis de Cal tinha se transformado em um barril sob esse grande casaco cáqui. Como prometido, o Sr. Scott montou a casa de bonecas, e Caylen está fascinada por ela. Eu volto para a cadeira marrom, sentando perto, e ela quase me engole, mas é uma das coisas mais confortáveis que eu já estive sentada. O Sr. Scott se transformou em um jogador de futebol na faculdade, sua atenção entre ele e Caylen, que está batendo nele com uma boneca que comprou para ela. Eu acho que a exaustão emocional, eventualmente, se traduz em cansaço real, pois minhas pálpebras se sentem pesadas como tijolos. "Lauren." Eu olho para trás e vejo a Sra. Scott sorrindo para mim. "Você quer deitar-se antes do jantar?" "Oh, eu estou bem". Eu digo, um bocejo escapando da minha boca, e ela sorri com conhecimento de causa. "Mãe, alguma coisa está queimando". Diz Chris, reaparecendo. Os olhos da Sra. Scott aumentam. "Chris, mostre a Lauren onde fica seu quarto para que ela possa tirar um cochilo antes do jantar", diz ela, correndo para a cozinha. "Eu estou bem, realmente," eu digo, lutando contra outro bocejo da minha boca. Ele inclina a cabeça para o lado em descrença. "Ok, talvez apenas um pequeno cochilo." Eu me levanto da cadeira marrom confortável e me espreguiço. Olho para Caylen e o Sr. Scott. "Eu a tenho". Ele resmunga, apenas brevemente olhando para mim. Seu gelo foi derretido com Caylen, mas comigo, nem tanto. Isso é totalmente bom já que eu ainda não estou muito entusiasmada com ele também. Eu sigo Chris pelo corredor e subo as escadas, luz solar se derrama ao longo de toda a casa. Uma vez que subimos as escadas, ele aponta para um quarto mais à esquerda no corredor. "É o banheiro, no caso de você precisar dele. Esse é o quarto do meu pai." Ele aponta para outra porta depois do banheiro, e nós fazemos


uma curva acentuada à direita. Ele abre a porta e espera por mim para entrar. Eu envolvo meus braços em volta de mim e acho que volto na primeira noite que eu já pisei no apartamento de Cal. Então, eu tive em uma roupa que mal cobria minha bunda. Agora estou em um casacão e calças jeans de grandes dimensões onde você mal pode dizer que eu tenho um bumbum. O quarto de Chris é muito grande, surpreendentemente apenas um pouco menor do que o meu e de Cal... Meu quarto em nossa casa. Eu tento resistir ao impulso de bisbilhotar, procurando pistas sobre quem é essa pessoa ao meu lado. Minhas tentativas falham. Ele tem uma cama Queen-size com um edredom azul marinho cobrindo-o. A escrivaninha localizada no canto com um laptop sobre ela. E Pôsteres. Muitos deles que revestem as paredes, principalmente de bandas e algumas equipes esportivas. "Eu realmente não tenho feito muita decoração desde o colégio". Ele graceja. Ele está ali de pé com os braços cruzados sobre o peito, o contorno de seus músculos mostrando através de sua camiseta azul, o casaco cáqui fora. Eu olho para baixo rapidamente em seu estômago, mas não posso dizer se minha teoria anterior sobre seu estômago inchado exterior é correta. Vou até uma caixa na prateleira, pelo menos, trinta troféus. Basquetebol, hóquei, futebol todos em diferentes anos. Há duas fotos postadas perto deles. Um deles é dele e de seus pais, todos vestindo o uniforme dos Lions Jerseys, e outra dele por ele mesmo. Ele parece muito jovem. Seu cabelo é muito curto, e ele tem uma construção menor. Eu não posso deixar de sorrir. Eu nunca vi nenhuma foto dele jovem antes. Ele está de pé ao lado de uma menina sobre sua idade com o cabelo louro morango. Eles estão segurando o que parece ser um projeto de ciências. "Essa é a minha melhor amiga Lisa. Ela deve estar chegando para o jantar hoje à noite". Diz ele, e eu posso dizer que ele está atrás de mim, porque cada terminação nervosa no meu corpo, a partir de meu pescoço para baixo, desperta. "Quantos anos você tem nessa aqui?" Pergunto a ele, minha voz um pouco estridente.


"Dezessete". ele responde. Eu olho a minha direita e com o canto do meu olho eu vejo mais fotos em sua parede. "Posso?" Pergunto. Eu espero que ele não ache que é intrusivo, mas quem estou enganando? Eu posso fazê-lo enquanto ele está aqui e lidar com um pouco de constrangimento ou de embaraço através de suas coisas depois que ele me deixasse e potencialmente lidasse com ainda mais estranheza se ele me pegasse. "Sim". Diz ele em voz baixa. Vou até o ‘Muro de Christopher’. Há uma foto quando ele está com cerca de seis anos em seus equipamentos em uma pequena liga de futebol. Ele era adorável, seus cachos castanhos chocolate espiando por baixo de seu chapéu. Há um dele perto de um lago, onde ele parecia ter doze ou treze anos. Eu aposto que é a mesma garota da foto da feira de ciências, mas desta vez com um menino louro com olhos azuis penetrantes. "Quantos anos você tem aqui?" Pergunto. Ele está inclinando-se na cadeira atrás da mesa os olhos em mim, e eu sinto uma animação desconfortável por apenas um momento. "Treze. Essa é Lisa novamente e meu outro melhor amigo Aidan. Ele está fazendo uma turnê no Iraque. Ele tem sido um dos meus amigos mais próximos desde que se mudou daqui para Chicago na segunda série. Seu pai estava no exército, e eles sempre mudaram muito. Mas sua avó nunca saiu, e ele voltava para visitar a cada ano. Ela tem por volta de 80 e poucos agora. E ele obviamente não é tão magro." Ele ri e eu sorrio. "Vocês todos cresceram com o outro, hein?" Eu pergunto curiosa. "Sim, eu conheço Lisa desde a pré-escola. Eu conheci Aidan quando tinha cerca de sete. Lisa foi visitar seu pai no verão em que os pais de Aidan foram morar com sua avó. Quando ela voltou, era constrangedor. Foi praticamente uma briga sobre quem era o meu melhor amigo. Revelou-se que Aidan e Lisa tinham muito mais em comum do que eu com qualquer um deles. Eles gostavam de lutar. Eles tinham acessos de raiva se perdessem o jogo e, basicamente, se metiam em tantos problemas quanto possível. Quando eles descobriram que eles eram mais parecidos do que eu, eles combinaram votar sobre tudo, eram dois contra um, em seguida, a partir de então."


Eu sorri por ele ser tão aberto sobre o seu passado comigo. Isso não é definitivamente algo que eu estou acostumada. "Então vocês todos eram causadores de problemas políticos?" Eu pergunto com uma risadinha. Ele balança a cabeça. "Eles foram os causadores de problemas. Eu fui pego no meio." Ele ri. Há outra imagem dele e de seu pai, sentados na varanda. Ele com cerca de 19 anos, os mesmos olhos verdes, cabelo de chocolate mais longo, sua construção um pouco mais definida do que a última versão adolescente dele. Depois, há o infame concurso de comer torta com o pai. A claridade de um presente muito melhor, é claro. Eu começo a me afastar, mas antes de eu fazer, há uma última imagem que me chama a atenção. É ele e a loira que conheci no outro dia. Quem estou enganando? Eu sei o nome dela; ele está queimado em meu cérebro. Jenna. Ele está ao lado dela, vestido com um terno preto e uma gravata borboleta. Cal não seria pego nem morto em um laço e seu cabelo é, obviamente, penteado para trás. Ele parece quase sufocado no terno. Ele está sorrindo e talvez eu esteja apenas enciumada, mas esta imagem não é uma reminiscência de Cal ou de Chris ao meu lado... "O pai dela é um renomado doutor. Ele ganha um monte de prêmios, por isso muitas fotos em trajes desconfortáveis". Ele responde como se ele estivesse lendo minha mente ou talvez minha expressão. Eu acho que eu vi imagens suficientes por hoje. "Ela está vindo para o jantar hoje à noite?" Eu pergunto o pensamento quase me deixando tonta. Sua melhor amiga está chegando. Quem sabe quem mais eles convidaram. "Não é provável". Diz ele, apertando os lábios. Eu não posso imaginar que ela gostaria de sentar-se e partir o pão com a esposa do homem que ela está apaixonada assim como eu não quero vê-la. "Eu vou deixar você tirar o seu cochilo". Diz ele, deixando o quarto. Concordo com a cabeça antes de ele fechar a porta e solto um suspiro profundo. Eu olho para a cama mais uma vez antes de me sentar sobre ela. É realmente suave. Eu deixei minhas costas cair nela, olho para o teto, e me pergunto se este é o meu novo normal. Estou condenada a


tentar ser educada, não parecendo intrusiva e pisando em ovos, com medo de perguntar o que eu quero saber, ou medo de saber demais? Porque quanto mais eu o conheço, a culpada sou eu que quero mais do que tudo ver Cal. E Deus, eu tenho muito para me sentir culpada.


Estive prendendo a respiração por uma eternidade. É como se eu estivesse em uma montanha-russa durante todo o dia, meu estômago sobe e desce, meu coração acelera e desacelera. Quando estava na área dos cavalos, eu pretendia me desculpar com ela sobre a coisa do toque da Jenna. Para perguntar a ela o que eu poderia fazer para tornar as coisas mais fáceis para ela, mas estar lá com ela pela primeira vez, foi fácil. Eu não queria estragar isso. Eu queria que as coisas permanecessem como eram, mas parte de mim queria empurrar a fronteira invisível, a linha desenhada que está mantendo a distância adequada entre nós. Para ver o quão perto eu poderia chegar a ela sem ir em frente. Para estar mais perto dela. Para ver se ela percebeu que eu estava cruzando a linha. Eu acho que ela percebeu, e ela se afastou. Eu queria isso no início, parar a mentira que eu disse. Para tentar fazê-la se sentir melhor, e saiu pela culatra também. Eu não acho que fiz ela se sentir melhor em tudo, dizendo-lhe que eu queria lembrar, em seguida, pedir, bem, eu não tecnicamente perguntei. Eu queria, mas no fundo, eu tentei parar as palavras de sair. Mas ela sabia, e ela não tinha medo de responder. Eu estava com medo de ouvir a resposta, mas sua resposta foi tão alta quanto qualquer coisa que eu já ouvi, e foi aterrorizante. Eu queria respostas, mas não as que ela ia dar. Quero as respostas fáceis, aquelas que vão fazer isto menos complicado, as respostas que significa que eu não estou machucando ninguém. Todas as suas respostas não vão tornar as coisas fáceis. Elas só vão dar mais perguntas, as duras, e eu tenho o suficiente dessas. A coisa mais intrigante de tudo é como pareço perceber coisas sobre ela, coisas que eu normalmente não noto sobre outras mulheres tão rapidamente. Como ela agarra seu pulso quando está nervosa. Como olha para o céu quando está pensando. Como ela morde o lábio inferior quando está fascinada com alguma coisa. Como ela mordeu-o o tempo todo enquanto viu o muro de, praticamente, toda a minha vida.


Depois que destruí meu quarto, minha mãe decorou-o sozinha, criando uma colagem de todas as imagens que ela encontrou. Eu acho que ela sabia que eu não o fiz. Lauren provavelmente nunca viu qualquer um destes. Cal não parecia ser do tipo sentimental, mostrando isso a ela, vendo a forma como suas expressões alteraram a cada foto, ela estava conhecendo pequenos pedaços de mim quando ela olhava para cada uma, mesmo que parecesse que ela ia vomitar quando ela viu a uma de Jenna e eu. Eu odeio ir para os banquetes e conferências do pai dela. Elas são todas chatas, e eu tenho certeza que ele não gosta de mim. Se ela dissesse a ele sobre isso, tenho certeza de que sua campanha para se livrar de Chris teria um monte de apoio por trás dele. Não que Jenna precise muito mais de um empurrão, mas ela mandou uma mensagem. Preciso ligar para ela. Eu desço as escadas e ouço risos e uma comoção. Lisa está aqui, e ela está segurando Caylen. Ao lado dela está meu outro melhor amigo Aidan. Ambos estão olhando para Caylen com espanto. "Scott, você tem uma garotinha fantástica. E é como se ela fosse seu gêmeo!" Diz ele. "Ei cara, o que você está fazendo aqui?" Pergunto animadamente. "Eu pensei que eu iria surpreendê-lo, mas você definitivamente nos superou." Lisa ri. "Você não é uma menina bonita?" diz Lisa, brincando com Caylen. "Vou levá-la enquanto vocês se cumprimentam." minha mãe diz, tomando Caylen de Lisa. "É tão bom ver você, Aidan". Diz ela, dando-lhe um tapinha antes que ela esgueire para fora na cozinha. "Chris, você é um pai. Sabe quando você me disse outra noite, eu realmente não acreditei, mas puta merda!" Lisa diz, empurrando-me no peito. "Sim, eu ouvi vocês começaram a derrubar tudo sem mim. Essa é a maneira de tratar um soldado voltando para casa?" Diz ele, me socando no braço. O duplo agrupamento já começou. "A mãe dela está aqui?" Aidan sussurra olhando ao redor. "Jenna está aqui?" Lisa ri.


"A mãe dela está lá em cima, tirando uma soneca, e Jenna, eu não falo com ela a cerca de uma semana, além de uma mensagem ocasional. Ela enviou uma hoje, de modo que é um bom sinal". Digo esperançoso. "Você não acha que a Rainha do gelo ainda vai se casar com você?" Aidan ri com descrença. "Ela ainda vai se casar com ele e apenas por sentimentos de culpa por toda a sua vida". Diz Lisa para Aidan. "Quer colocar dinheiro nisso?" Aidan retruca. "Diga o valor". E por um minuto, é como se eu não estivesse mesmo aqui. "Uh, esta é a minha vida que vocês estão apostando." eu os interrompo. Aiden se volta para a cozinha e grita: "Sra. Scott, o que você está cozinhando cheira deliciosamente!". "É o seu favorito. Lasanha". Ela chama de volta. "Eu mal posso esperar!" Diz ele, me ignorando completamente. "Espere. Você não vai ficar para o jantar." eu rio, mas falo sério. "Não posso esperar!" Ele diz, me ignorando completamente. "Espere. Você não vai ficar para o jantar". Rio. "Vocês sugaram minhas boas-vindas. Desde quando eu não posso ficar para o jantar?" Pergunta divertido. "Uma vez que há uma mulher aqui, ele não quer que você o envergonhe na frente dela". Diz Lisa, cutucando ele. "Esposa para ser exato, certo?" Aidan a cutuca antes de cruzar os braços. "Estou feliz que vocês acham que isso tão engraçado." Estou um pouco ofendido, mas espero isso deles mesmo. "É melhor rir do que chorar amigo". Diz ele, colocando o braço em volta de mim.


"Então, realmente, o que diabos está acontecendo?" Diz Aidan, brincando com os blocos do alfabeto da Caylen. "Lisa não lhe disse?" Eu suspiro. "Eu disse que ele não acredita em mim". Diz ela. "Ei, você já teve seu tête-à-tête com ele. Podemos obter algum tempo entre homens?" Aidan diz firmemente. "Você quer dizer tempo estúpido?" diz Lisa, revirando os olhos. "Então, essa garota está de joelhos e sua boca é..." Aidan começa excitadamente. "Eca eew eww! Eu estou indo!" Lisa diz nos deixando num acesso de raiva brincalhão. "Vamos para os fundos". Diz Aidan, e nós cortamos pela sala de jantar, direto para a varanda dos fundos, e sentamos nos degraus. "É bom que você tenha voltado. Estou feliz que você voltou para casa e seguro". Eu digo realmente. Aidan sempre foi o tipo de viver no limite, mas nunca para uma autoridade era mesmo com seu pai estar no exército. Nós nunca o vimos ser disciplinado o suficiente para se juntar ao exército, mas quando seu pai foi diagnosticado com lúpus, foi como Aidan passou por isso. "Não comece indo todo chorão em mim". Diz ele, tirando um pacote de goma de seus jeans. "Como foi lá?" Eu pergunto, pegando um pedaço de chiclete dele. Ainda é um cara de "Vermelhão". Eu nem sabia que ainda vendiam desses. "Estou em casa". Diz ele, um sorriso largo no rosto. "Os detalhes não são muito importantes certo?" Diz ele, descansando o cotovelo nos joelhos. "Além disso, enquanto eu não estou no fundo do poço, é como se estivesse flutuando nele". Diz ele, dando-me uma cotovelada. Eu suspiro. "Foda-se, você é pai, homem!" Seu entusiasmo é evidente, e eu suspiro, mas não posso deixar de sorrir.


"Como você se sente? Eu sei que você sempre quis ter filhos suficientes para encher um estádio". Diz ele, franzindo a testa para a idéia dele. Eu rio. "Não senti nada até que eu a vi. Agora é real, eu tenho essa pequena pessoa com o meu DNA e que eu sou responsável. " "Quando Lisa me disse, eu estava mais para "foda-se isso". Você precisa de um teste de paternidade. Mas é bastante óbvio que ela é sua. Como uma pequena versão feminina sua... é tipo assustador, na verdade". Brinca ele. Eu acho. "Sendo assim, isso é muito confuso homem". Diz ele com um suspiro. "Você acha." eu digo, pegando mais um pedaço de chiclete dele. "Realmente, todos os sinais estavam lá." Ele se levanta e se alonga. "Como peças de um quebra-cabeça, mas nenhuma caixa para guiá-lo." "Realmente, Dr. Grunnel". Eu digo, revirando os olhos para sua suposta perícia psiquiátrica. "Não é incomum se sentir afetado quando você volta para casa de um combate". Diz ele em tom sério. "Juntamente com todas as outras regalias gloriosas". Diz ele, seu tom voltando ao normal. "A coisa que eu não entendo é, pelo que tenho pesquisado, a causa é geralmente um evento traumático. Então, eu posso entender por que os soldados são de alto risco, mas nada me aconteceu para causar isso. É como se este indivíduo aparecesse do nada". Eu digo, ficando agora também. "Ou. Talvez você não se lembre." Aidan diz solenemente. O pensamento passou pela minha cabeça. Eu não sei se eu gostaria de lembrar algo tão traumático que iria causar a quebra da minha personalidade. "Se algo aconteceu, esse cara, Cal, sabe. Ele sabe um inferno de muito mais do que eu". Eu digo, notando a raiva em minha própria voz. "Isso é o que ele tem em você. Ele sabe tudo o que não fazer". Diz Aidan. Relembro minha conversa anterior com Dex e suas pseudo insinuações do dano que Cal pode fazer na minha vida.


"Eu preciso saber o que ele sabe". Eu digo quase para mim mesmo. "Se eu soubesse por que ele existe, seria capaz de lidar com isso, eu não precisaria dele." Eu digo com firmeza, e Aidan coloca ambas as mãos para cima. "Não vamos tão longe, eu não sou um psiquiatra ou qualquer coisa, mas o meu entendimento é que o alter ego têm um propósito ou uso, se não houvesse nenhuma necessidade para que ele não existisse". Aidan dá de ombros. "Eu não preciso desse cara." "Bem em algum lugar lá", ele aponta para a cabeça. "há uma discordância." diz ele, e eu esmago a minha mão. "Então... a mãe da criança". Diz ele, inclinando-se sobre o parapeito com um sorriso furtivo em seu rosto. É para isso que ele me trouxe aqui. "É por isso que você não vai ficar para o jantar." "Sua mãe fez a minha comida favorita em todo o mundo. Eu não tive uma refeição caseira em meses. Eu vou ficar para o jantar, acabamos de chegar a um acordo com isso agora." Ele ri. "Um a dez, onde ela está marcando?" Pergunta ele, de pé em frente a mim. Eu o empurro, e ele me empurra para trás. "Vamos lá!" Ele ri, e eu o prendo com um golpe, e em menos de um minuto, estamos lutando na varanda. "Ela tampouco é um ou dez. Você está se colocando muito em uma luta". Diz ele, sem fôlego. "Uau, estamos de volta aos 12 huh?" Eu ouço Lisa dizer, divertida. "Um ou dez". Diz Aidan novamente, agarrando meu pescoço apertado. Eu viro meu cotovelo no estômago dele, e ele me deixa ir. "Sua mãe disse para parar". Diz Lisa antes de rolar os olhos. "De quem é o Audi branco lá fora?" Ele pergunta, e eu suspiro. "Tem que ser da mãe de Caylen". Acrescenta Lisa com naturalidade. "Se ela for uma ‘um’, quem se importa com um carro como esse". Diz ele enquanto nos direcionamos para dentro da casa.


"Sra. Red, Chris diz que eu não posso ficar para o jantar". Diz ele com um gemido que me faz lembrar quando éramos crianças. "Claro, que você pode ficar. Chris, por que Aidan não seria capaz de ficar para o jantar? Eu fiz o seu favorito." minha mãe diz, franzindo a testa para mim. "Eu só... você sabe que este é o primeiro jantar de Lauren com a gente. Aidan pode ser muito a se lidar". Eu digo, tentando dar a minha mãe uma dica. "Mas Lisa vai ficar!" Aidan diz defensivamente. "Isso é porque eu não sou uma burra". Lisa brinca. "Sim, você é um animal de uma espécie completamente diferente". Diz ele. "Idiota!" Lisa empurra. "Minha mãe está bem aqui!" Eu digo, atirando-lhes um olhar para acabar a discussão. "Desculpe Sra. Red". Diz Aidan. "Eu também. Ele traz à tona o pior de mim". Diz Lisa culpada. "Acho que Lauren iria querer ficar e conhecer as pessoas importantes em sua vida." Minha mãe sorri para mim, e eu suspiro. "Aidan, por favor, tente estar no seu melhor comportamento." minha mãe diz, acariciando-o antes de voltar para sua panela. Todos nós fomos para sala e sentamos. "Sério Aidan. Não seja um idiota. Ela passou por muita coisa". Eu digo sério. "Ela está dirigindo um Audi. Duvido que ela já passou por tudo o que é muito ruim." Aidan ri. "Eu não estou brincando". Eu digo, mandando-lhe um aviso. "Podemos apenas assistir ao jogo?" Ele acena, e eu aumento o volume da TV. Eu relaxo contra o sofá e volto minha atenção para o jogo na televisão. Meu time perde por 18 pontos.


“Você vê as minhas malas na porta e a que estou segurando? Você não percebeu?!” Eu imediatamente sento e olho para trás. Ninguém está lá. Olho para Lisa, que está deitada no sofá oposto. "O quê?" Pergunto. Ela olha para mim confusa. "O quê?" Ela pergunta. "Você não acabou de dizer alguma coisa?" Ela balança a cabeça. Ok, eu sei que ela disse algo. Alguém fez. Talvez eu não tenha escutado nada. Eu resolvo voltar para meu lugar, mantendo meu olho nela. Lisa tem um monte de talentos, mas ventriloquismo não é um deles. Eu preciso dormir mais um pouco.

"Eu estou saindo, Cal. Foda-se você e suas mensagens!"

Que diabos foi isso?! Eu olho para trás sobre Lisa cuja atenção está em seu telefone. Eu olho atrás de mim, e ninguém está lá. Agora eu sei que não era ela, e eu sei cuja voz era. É Lauren. "Cara, você está bem?" Aidan me pergunta com uma sobrancelha levantada. "Você não ouviu isso?" Eu hesitei. "Ouvir o quê?" Aidan pergunta, sentando-se. Ele não ouviu. Significa que apenas eu ouvi. Como isso é possível? Era como se ele estivesse bem na minha frente. Levanto-me do sofá, faço o meu caminho para a sala e subo as escadas, e um momento depois, tudo borra em torno de mim. Estou em outro lugar, e eu me vejo.


Estou segurando Lauren. Ela está lutando contra mim quando eu a levo até um conjunto de escadas. Tão rápido como eu o vejo, ele foi embora, ou eu vi isso mesmo? É claro que eu vi. Estava acontecendo comigo! "Você está bem, filho?" Minha mãe está no topo da escada, olhando para mim com desconfiança. "Sim, eu pensei ter escutado Lauren me chamar". Resmungo. É a coisa mais próxima da verdade que eu poderia falar. Ela desce e dá um tapinha no meu ombro. "Parece que você acabou de ver um fantasma." Ela ri antes de fazer seu caminho por mim. Eu rio nervosamente. Não é um fantasma, mas parece que alguém está definitivamente tentando me assustar. É fácil assustar um buceta.


O cheiro da massa me acorda do meu sono. Eu inalo o cheiro do travesseiro que me enrolei. Tem cheiro de amaciante de roupa e uma pitada de algo mais. Seja o que for cheira fantástico. A cama de Chris tem o equilíbrio perfeito de firmeza e suavidade. Eu não sei quanto tempo eu estive dormindo, mas meu estômago rosna. Eu pensei que não seria capaz de dormir na casa de outra pessoa, mas essa teoria acabou por ser muito errada. Sento-me na cama, o sol não está mais iluminando o quarto. Eu retiro o meu telefone. São 17h15m. Vou para o banheiro que Chris me mostrou anteriormente. Meu rabo de cavalo está uma bagunça agora. Eu tiro a fivela, passar a mão pelo meu cabelo, e espirrar um pouco de água no meu rosto, tentando se livrar da aparência de quem acabou de acordar. Vou para as escadas e ouço Bubble Guppies, um dos programas favoritos do Caylen no sistema de som dos Scott. Ela já personalizou a casa dos Scott. Caylen está sentada no meio do chão em um grande cobertor rosa de biscoitos. O Sr. Scott está dormindo em um sofá marrom que coincide com a confortável poltrona marrom a qual sentei mais cedo, e em frente a ele esta a garota que estava no quadro de fotos, mas seus cabelos longos foram substituídos por um long bob assimétrico. Ela senta-se em linha reta quando me vê. "Oi!" Ela diz alegremente, sentando-se. "Oi." Eu me ajoelho ao lado de Caylen e a beijo na bochecha. "Você deve ser Lauren." Eu aperto a mão dela, mas ela me puxa para um abraço em seu lugar. "Lisa, certo?" Eu digo assim que ela me libera.


"Sim. Espero que a minha reputação não me siga!" Diz ela com uma cotovelada. "Uhm. Eu estava observando as fotos no quarto de Chris, e você estava em algumas. Nada mal!" Eu asseguro a ela com uma risada. "Bom." Ela cruza os braços sobre o peito. Eu percebo que ela me analisa. Afinal, eu sou a mulher que se casou com o alter ego do seu melhor amigo... Ou algo assim. "Sua filha é tão adorável". Diz ela, olhando para Caylen. "Obrigada." Nós ficamos paradas desajeitadamente por alguns segundos. "Chris e Aidan foram pegar alguma coisa na loja." Ela passa a mão pelos cabelos, e noto uma tatuagem bem acima de seu pulso. É uma palavra escrita em letra cursiva. "O destino." Ela aponta para ele, notando meu escrutínio. Ela então me mostra o lado oposto de seu pulso a palavra esperança. "Se você acredita em destino, é melhor ter esperança que ele não vá te ferrar de novo." Ela ri. "O destino não deve gostar muito de mim". Murmuro, e ela ri. "O destino não gosta da maioria das pessoas." Ela ri. "Se eu fosse você, eu não sei como lidaria com tudo isso. Quero dizer, eu estaria literalmente puxando meus cabelos, seus cabelos, qualquer um na vizinhança geral", diz ela, e eu gargalho com força. "Mas você está definitivamente fazendo a coisa madura. Eu digo a mim mesma que não sou muito madura. É por isso que eu trabalho com crianças." Brinca. "Oh. O que você faz?" Pergunto feliz por ser capaz de tirar os holofotes de cima de mim. "Eu sou uma professora pré-escolar". Diz ela com um sorriso. Estou um pouco surpresa. Ela está vestida com jeans baixos com uma camiseta no umbigo, uma faixa vermelha para baixo de seu bob assimétrico e um pequeno piercing no nariz. Ela se parece mais com uma atendente de uma estrela de rock do que uma professora, mas Caylen


está puxando suas calças e levantando os braços para ela buscá-la, então as crianças devem amá-la. "Oi bonita". Diz ela, pegando Caylen no colo. "Eu estou com ciúmes." eu gracejo. "As crianças me adoram." Ela encolhe os ombros. "O jantar está quase pronto." A Sra Scott chama da cozinha. O anteriormente dominado pelo sono, Sr. Scott, levanta. "Desculpe-me senhoras". Diz ele, roçando-nos com uma grande, quase encantador sorriso. O primeiro que eu vi dele desde que eu o conheci. "Eu posso levá-la,. Eu digo a Lisa. Ela acena-me. "Nós estamos bem". Diz ela com uma piscadela antes de seguir o Sr. Scott na sala de jantar. Eu vou pegar minha bolsa quando eu ouço a porta abrir. "Sempre em frente." Um cara alto mantém a porta aberta quando Chris entra segurando uma grande caixa branca. Uma vez que ele está no interior e puxa para baixo, vejo que é um cadeirão de bebê. "Você foi e comprou um cadeirão de bebê?" Eu rio. "Ela é a convidada de honra. Ela deve ter sua própria cadeira". Diz ele. "Você é Lauren?" O cara loiro me pergunta com um sorriso em sua voz. A maneira como ele diz, não tenho certeza se eu quero responder a pergunta. "Essa seria eu". Digo hesitante. Ele olha de volta para Christopher e ri. "Doze". Diz ele com os olhos itinerantes sobre o meu corpo. "Como?" Pergunto confusa. "Desculpe a sua explosão numérica. Um efeito colateral de seu estresse pós-traumático de combate". Diz Chris firmemente, e eu não tenho certeza se ele está brincando ou não.


"Ele está brincando." O cara loiro diz, vendo que eu não estou sorrindo em tudo. "Christopher pode ser tão rude". Ele brinca e me estende a mão. "Sou Aidan. Eu pensei que fosse o melhor amigo de Chris." Olho para Chris interrogativamente e vejo que ele está olhando muito duro para Aidan. "Prazer em conhecê-lo". Eu respondo. Ele é da altura de Chris e construído, mas ele tem um corte militar, embora grande o suficiente para mostrar a cor loira de seu cabelo. Ele tem olhos azuis da cor do oceano e seu sorriso revela dentes perfeitos. Eles com certeza sabem como crescer no Michigan. "Bem vindo ao lar!" Eu digo, percebendo Chris me disse mais cedo que ele estava servindo. "A melhor boas-vindas que eu tive durante todo o dia". Diz ele, o nosso aperto de mão ainda persistente. Esse cara esta realmente flertando comigo mesmo na frente do meu marido? Bem, eu não sei exatamente como eu deveria referir-me a Chris. Eu deixo sua mão, mas ele continua a sorrir para mim seus olhos diretamente nos meus. Eu cruzo meus braços em volta de mim. Este cara é real? "Você pode levar isso para a sala de jantar?" Diz Chris, empurrando a caixa da cadeira no peito de Aidan. "Claro parceiro". Diz Aidan com força e faz o seu caminho para a sala de jantar. "Não ligue para ele. Ele pode agir como um idiota em torno de uma bela mulher". Diz Chris. Um sorriso de uma milha de largura estende-se pelo meu rosto. Chris olha para seus pés, envergonhado talvez, tendo percebido o elogio. Ele acha que eu sou bonita. Chris pensa que eu sou bonita.


Isso me realiza pelo resto da noite. Isso me motiva a não importar tanto que seu melhor amigo, Aidan, olhe para mim como se eu estivesse vestindo um sutiã e calcinha fio dental, à direita na mesa, e que o Sr. Scott esteja ignorando a minha presença inteiramente. A Sra. Scott está tentando manter a conversa agradável durante o jantar e incontroverso, já que tem sido difícil visto que Lisa parece adorar falar sobre política, religião e cada coisa estranha neste meio. Eu me viro para ficar fora da briga, fingindo me manter ocupada com Caylen. A comida é deliciosa, de dar água na boca. A Sra. Scott faz cozinhar parecer tão fácil quanto respirar. A massa era de morrer, e eu estou mordendo o que restou do meu bolo de chocolate. Os meninos se impulsionaram em um debate sobre a próxima temporada de futebol. Lisa começa a parecer entediada. É bom vê-lo com eles. Despreocupado, leve, e não com uma nuvem escura pairando sobre ele. É bom vê-lo assim ‘Chris normal', sem vigiar seu comportamento, com medo de dizer a coisa errada. Ao vê-lo assim me lembro mais de Cal quando nos conhecemos. A Sra. Scott está começando a limpar a mesa e Lisa volta a sua atenção para mim. "Então, Lauren, como você e Cal se conheceram?" E a sala de jantar torna-se silenciosa. Exceto por Caylen, batendo seu prato com a colher. Meus olhos encontram Chris, e eles estão um pouco arregalados. Ele está mordendo o canto do lábio. Pensei que Lisa gostasse de mim, mas ela obviamente me odeia, depois de ter trazido um tema tão estranho, aquele que Chris e eu temos lidado de forma de tão cuidadosa. Ela só está jogando no meio da mesa para que todos possam ver. "Realmente, Lisa?" Chris diz firmemente. "O quê? Eu gostaria de saber. Você não gostaria de saber?" Ela pergunta inocentemente, olhando para Aidan, "Eu gostaria". Aidan entra na conversa. Eu me lembrei sobre o que Chris disse mais cedo que gostavam de jogar em dupla, quando eram pequenos. Parece que a tática enraizou neles. Eu espero por um dos Scott intervir e falarem que não é o caso, mas o Sr. Scott apenas senta-se calmamente com uma carranca no rosto e a Sra. Scott continua a limpar a mesa, não fazendo contato visual com ninguém. Eu realmente desejaria ter bebido o copo de vinho que ela me ofereceu mais cedo.


"Eu trabalhei em um clube popular, enquanto eu estava na faculdade, e nos encontramos lá". Eu digo com a respiração rápida. "Que tipo de clube?" Aidan diz em sua voz cheia de insinuações. "Não este tipo de clube". Eu digo com uma borda deliberada na minha voz. "Foi amor à primeira vista?" Lisa diz entusiasmada. "Vamos lá". Diz Chris, exasperado. "O quê? É romântico!" Lisa diz, com uma dica de insulto em sua voz, e eu me pergunto quantos copos de vinho ela bebeu. "Não são apenas coisas óbvias que todo mundo quer saber?" Pergunta ela, olhando ao redor da sala para alguém a concordar com ela. "Eu realmente prefiro não ouvir isso logo depois de comer." O Sr. Scott faz sons de nojo. Algo em mim começa a se elevar, pensando em como ele mentiu para mim, seu ódio por Cal, e como ele está praticamente fingindo que não existo desde que cheguei. "Não, não amor. Apenas luxúria, pura luxúria não adulterada". Eu digo com um sorriso apertado. A boca do Sr. Scott abriu um pouco. Quando meus olhos encontram o rosto de Chris ele está completamente vermelho. "Oh merda". Diz Aidan, cobrindo a boca e rindo. Eu não deveria ter dito isso. Eu não deveria ter o deixado ficar assim comigo, mas eu não poderia ajudá-lo. "Mas isso não é tudo que é o amor à primeira vista é? Apenas luxúria?" Lisa pergunta, completamente imperturbável como se ela estivesse prestes a transformar isso em um ponto de discussão. Ela deveria ser uma professora de filosofia em vez de uma professora préescolar. "Com este comentário, todo mundo tenha uma boa noite". Diz Chris bruscamente e levanta da mesa.


"Vamos, Chris, estamos apenas nos divertindo". Diz Aidan, levantando as mãos inocentemente. Ele não olha para ninguém, exceto para mim. "Pare de ser um bebê, Chris." Lisa ri. "Você está pronta, Lauren?" Chris pergunta, ignorando os gracejos de Aidan e Lisa. "Sim". Eu digo, sem saber o que está acontecendo, mas estou bastante contente de ser resgatada deste pesadelo. Eu levanto Caylen para fora da cadeira. "Onde vocês estão indo?" O Sr. Scott pergunta severamente. "Eu não gostaria de estragar mais o seu apetite, papai". Diz ele. Eu sorrio e rapidamente o sigo em direção à porta. "Obrigado pelo jantar, Sra. Scott." Eu digo um pouco sem jeito, pegando a bolsa de fraldas de Caylen e minha bolsa, grata por facilmente estar em meu alcance. "Eu posso levá-las de volta para o hotel". Seu pai diz a seguir-nos para fora da casa. Como o inferno isso está acontecendo. Eu tenho meu próprio carro, e eu vou dirigir sozinha antes que isso aconteça. "Sim, eu tenho certeza que Lauren adoraria isso desde que você foi um cara tão legal com ela desde que ela chegou aqui". Diz Chris sarcasticamente. O Sr. Scott olha para seus pés sentindo-se culpado. Eu sigo Chris, que está pisando com raiva em direção ao que eu estou supondo que seja a sua caminhonete. É um grande Suburban vermelho. Eu sorrio quando vejo a cadeirinha roxa instalada no banco traseiro. "Eu a peguei antes, quando eu comprei o cadeirão." Diz ele, olhando para mim, a raiva derretendo dele. "É bonita". Eu sorrio enquanto coloco Caylen em sua cadeirinha. Ela gosta. Poucos segundos depois, estamos prestes a sair quando a Sra. Scott aparece no lado do motorista do carro perto de Chris. "Eu queria dar um beijo de adeus em minha neta se estiver tudo bem". Diz ela com um sorriso no rosto, aparentemente não se


incomodando com o fiasco anterior. Eu sorrio para ela. Ela abre a porta e dá em Caylen um beijo em sua testa. "Vejo você em breve, Princesa". Ela diz para ela antes de dar-lhe um abraço o melhor que pude enquanto Caylen esta em sua cadeirinha. Ela, então, fecha a porta. "Fique seguro, está bem?" Diz ela, acariciando o topo da porta do carro. "Eu te amo, mamãe". Diz Chris, seu comportamento severo amaciando, e ela sorri. Ele puxa ré, e nós dirigimos em silêncio por um tempo. Eu quero perguntar como eu vou pegar meu carro, mas eu acho que ele vai nos trazer amanhã. Vai ser bom para deixar Caylen vê-lo novamente antes de ir. O céu tem uma bela cor roxa do sol que está se pondo, e a noite está tomando conta. Não tem nem três minutos desde que saímos, e Caylen adormeceu. Eu olho para Chris através do espelho retrovisor. Ele parece estar em uma profunda reflexão. Eu me pergunto se está puto sobre o comentário que fiz anteriormente. Eu podia senti-lo um pouco embaraçoso, mas eu realmente só queria calar seu pai. "Sinto muito sobre o que aconteceu". Eu digo olhando para ele. "Eu não deveria ter dito isso." Eu suspiro. "Eu tenho a tendência de falar primeiro e pensar depois." Ele não diz nada, mas eu vejo um pequeno sorriso em seu rosto. "Eu pensei que tivesse melhorado desde Caylen, mas cometi esse pequeno deslize". Eu digo, brincando com meus dedos. "Eu acho que você lidou com isso muito bem." Ele sorri, então ri. Eu rio também. "Você chutou o meu pai para o alto. A maioria das pessoas não é capaz de fazer isso". Diz ele, olhando para mim. "Você sabe, eu realmente não entendo por que ele tem tanta hostilidade com você. Isso me irrita porque de todos os envolvidos nisso, você é a pessoa mais inocente". Diz ele, com o rosto franzindo a testa. Ele está chateado com o pai por causa de mim. Parece errado que eu estou um pouco feliz por isso, mas a melhor parte de mim repreende minha alegria. "Eu não acho que sou eu, por assim dizer, ele está chateado com ele. Ele está com raiva de Cal. Estou associada a ele. Eu represento ou


sou um lembrete de que ele é real e do que ele fez. Ele não pode levar sobre Caylen, ele não vai levar sobre você, então eu sou seu bode expiatório". Eu justifico, sempre que eu falo sobre Cal com Chris eu me sinto culpada. Eu não sei por que, mas talvez Chris sinta-se da mesma forma que seu pai faz. Ele tem que sentir. Ele é simplesmente muito melhor em esconder isso. "É tão fácil para eles separar nós dois. Eu acho que eles estão fazendo um trabalho melhor do que eu". Ele diz enquanto faz o retorno que leva à Ritter Inn. "O que você quer dizer?" Eu pergunto curiosa. "Eu continuo tentando..." ele solta um suspiro. Ele olha para mim por um instante, e eu posso ler cada emoção em seu rosto. Frustração e um pouco triste. É quase refrescante ser capaz de dizer o que há de errado com ele tão facilmente. Eu era muito ignorante sobre o que Cal pensava ou sentia. "Seria fácil pensar sobre esse cara como outra pessoa. Certo?" Diz ele, e eu aceno. Eu pensei que era o que estávamos fazendo, mesmo se não estivéssemos isso torna as coisas muito menos complicadas para mim. "Meus pais, meus amigos, Jenna, bem, talvez não tanto Jenna... Eles nos separaram. Cal fez isso, eu fiz isso. Cal era casado com você, eu propus a Jenna." Ele suspira. "Mas Caylen desacredita tudo isso". Diz ele, olhando para mim por uma resposta. Eu não tenho certeza do que dizer. Agora nós puxamos para dentro da pequena área de estacionamento para o Ritter Inn. Chris desliga o carro, mas nenhum de nós se move para sair. "Como você está fazendo para nos separar?" Ele pergunta, e eu estou com medo de olhar para ele, mas eu faço. Nossos olhos se encontram, mas, está ficando escuro lá fora por isso parece com um filtro. "Você é tão diferente". Eu digo, forçando as palavras da minha garganta. "Eu não tive muito tempo para conhecer você, mas pensando no tempo que passei com Cal, houve momentos que... que ele me lembrou de você". Eu digo, e eu sinto meu coração batendo. "É como você estava hoje, pelo menos." Eu esclareço.


"Vê-lo nessas fotos, quando você era um menino, na escola, sua vida antes de mim, antes de Cal, estou adivinhando." Eu respiro fundo. Eu não chorarei. "Eu fui capaz de entender um pouco mais que a qualquer momento que Cal estava comigo até sua vida ser interrompida. Até você ter uma vida." Eu tomo uma respiração profunda. "Então, eu aprecio você não reagir como seu pai comigo." Eu sorrio e olho para longe dele. "Uhm, eu, eu acho que você deveria escutar algo". Diz ele. Ele manobra em sua cadeira e pega o telefone. Alguns segundo depois, o correio de voz afirma que ele tem uma mensagem guardada. No momento em que começa a tocar eu congelo, e ofego. Eu tenho que reagir. Eu quero mostrar a Chris que não estou afetada por isso, mas eu estou. Era Cal. Era ele, chateado ao máximo e agindo como um completo idiota. Mas é Cal. Meu Cal. Eu vou ficar doente. Após a euforia por escutar a sua voz, eu me sinto traída. Completamente e totalmente traída. Estou furiosa. Pela primeira vez, ele realmente confirma que manteve tudo isso de mim. Como ele não confiava em mim o suficiente para me contar sobre nada disso, como Dexter sabia o tempo todo. Eu estive pensando em Cal como uma vítima, mas ele não é a vítima que poderia ter feito isso direito a qualquer momento e não o fez e agora, agora, depois de tudo isso ele exige que Chris faça isso certo. Eu estou segurando o banco tão apertado que meus dedos se sentem quentes. Quando ele voltou, o pouco tempo que ele teve, ele não usou para conversar comigo, para me avisar sobre o que estava acontecendo, para me dizer que me amava. Ele usou para provocar Chris?! "Eu não coloquei para incomodá-la." Chris afirma calmamente, e eu aceno, mas não posso olhar para ele. Agora ele tem o rosto de Cal. E eu realmente quero dar um tapa naquele rosto agora. "Ele é um idiota, seu pai está certo. Um puto babaca." eu digo, com raiva batendo no painel. Eu sinto o minha garganta queimar. Eu olho


para trás para me certificar que Caylen ainda estava dormindo e não ouviu as palavras que saíram de minha boca. "Mas você o ama". Chris diz calmamente, olhando para o seu colo. Eu ri e limpei a única lágrima que escapou, e me sinto como uma completa idiota por ter que admitir isso. "Sim." Eu ri de mim mesma, porque sou uma piada, uma piada completa e absoluta. Eu começo a me sentir claustrofóbica no carro. Eu abri a minha janela para deixar ar fresco entrar. "Você está bem?" Chris pergunta, com crescente preocupação. Eu não fiquei bem por um longo tempo, mas não menos bem do que eu fiquei na semana passada. "Sim, eu estou bem". Eu digo, pensando que, se eu continuar dizendo o suficiente, talvez eu fique bem. Deixo escapar uma respiração profunda e coloco minhas mãos no meu colo. Olho para Chris, que está olhando para mim como um cachorrinho perdido. "Eu realmente estou, Chris. Obrigado por me deixar ouvir isso". Eu digo, e reboco meu sorriso falso no rosto e limpo a umidade dos meus olhos. Pego a bolsa de fraldas de Caylen no chão e abro a minha porta para sair. "Eu vou ajudá-la, Lauren". Diz ele saindo rapidamente da caminhonete. Estou um pouco surpresa com o quão rápido ele sai do carro. Não é um grande negócio. Estou acostumada a fazer malabarismos com Caylen e sua bolsa de fraldas, mas é bonito. Ele é muito melhor no sentido de tirar Caylen de sua cadeirinha do que colocá-la, mas ela está dormindo, de modo que o torna um pouco mais fácil. Eu caminho em direção à porta do hotel, mas ele pisa à frente de mim para abrir a porta. Isso também é bonito. "Sr. Scott!" Eu olho para trás, e Chris está surpreso. "Amanda, oi. Um pouco tarde para você estar trabalhando, não é?" Diz ele. Sua voz muda; É mais profunda e um pouco mais autoritária. Sua postura endireitou. A garota na recepção dá uma risadinha e gira as pontas dos cabelos. Ela não pode ter mais que dezessete anos e a


maneira como seu rosto se ruborizou, eu acho que ela tem uma queda. Não que eu vou culpá-la. "Não são nem mesmo 21h30m, e eu não sou uma criança". Diz ela com um encolher de ombros e um sorriso gracioso, e, pela primeira vez, ela percebe a mim e a criança que ele está segurando. "Oh meu Deus, ela é tão bonita". Diz ela, olhando para Caylen. Ela está dormindo e seu rosto descansando no ombro de Chris. Ele anda mais perto do balcão e se transforma onde ela pode ter uma visão melhor. "Ela é adorável", ela grita. "Ela é sua sobrinha?". Ela pergunta, tocando a mão de Caylen. Meu estômago cai. Claro, ela não acha que ela é sua filha. Ninguém sabe sobre ela ou eu. Eu sinto meu peito apertar, imaginando o que ele vai dizer. Se ele vai se sentir humilhado ou embaraçado. Eu não acho que eu vou ser capaz de aceitar isso. "Ela é minha filha". Ele responde orgulhosamente. Os olhos da menina arregalam, e eu solto a respiração que eu estava segurando. Eu não esperava que ele dissesse isso de maneira tão simples. "Oh." é tudo o que ela pode gerenciar e dizer. "Esta é sua mãe. Lauren". Diz ele, e ela olha para mim, sua boca aberta. Eu definitivamente não esperava que ele fosse acrescentar isso. "Oi". Ela diz quase um sussurro. "Nós nos conhecemos antes, quando eu fiz meu check-in." eu digo. Ela parece tão chocada quanto eu estou aliviada. De repente eu me sinto leve, e há uma alegria correndo por mim. Ele não tem feito nada, mas ouvi-lo dizer que se sente bem. Mesmo que eu não tenha certeza quem ela é para ele, ou se ela é importante em tudo. É bom não sermos um pequeno segredo sujo. "Certo. Quarto cinco". Diz ela, se recuperando de sua reação inicial. "Sim." Eu aceno. "Você precisa de alguma coisa?" Diz ela com firmeza. "Não, eu estou bem." Eu balanço minha cabeça e sigo em direção as escadas para o meu quarto.


"Boa noite, Amanda." Chris diz para ela e me segue para o meu quarto. "Vejo você, Sr. Scott." ela grita. É muito mais fácil desbloquear o quarto quando eu não estou fazendo malabarismos com Caylen. Eu abro a porta e acendo as luzes. "Esse quarto é maior do que o último". Diz ele, atrás de mim. Ele percebeu. O quarto que eu tinha a última vez que estive aqui era pequeno. "Foi apenas um extra de trinta dólares também". Eu digo, fechando a porta atrás de mim. Ele fica observando tudo. Há brinquedos espalhados, mas a cama está feita e o quarto arrumado, por outro lado. Ele se aproxima e senta-se no sofá. Ele cuidadosamente tira o casaco de Caylen para não acordá-la e, em seguida, os sapatos. "Você é muito bom nisso". Eu digo um pouco surpresa enquanto eu tiro meu próprio casaco e os sapatos. "Sério?" Pergunta ele, com um sorriso largo no rosto que me faz esquecer o que eu disse. "Eu nunca estive em torno de crianças pequenas assim". Diz ele honestamente. "Bem, você está indo muito bem". Digo-lhe, estabelecendo o espaço na cama para ela, e ele a deita, em seguida a beija na bochecha. São momentos como estes que fazem todo o drama que já passei hoje valer a pena. "Então, o seu primeiro dia completo como um pai. Como você se sente?" Eu brinco com ele. Ele enfia as mãos nos jeans e sorri. Ele ri. "Não é tão ruim." Ele aponta para o sofá. "Claro". eu digo. Ele se senta esticando suas longas pernas. Eu já deveria ter-lhe oferecido um assento. Ele está vestindo um par de botas Timberland marrom e calça jeans, sua grande jaqueta caqui está de volta. "Então. Sr. Scott?" Pergunto-o com curiosidade, lembrando-me da menina no térreo.


"Oh, Amanda. Ela é uma estudante na escola onde leciono". Diz ele simplesmente, e minha boca cai aberta. "Você é um professor?" Pergunto surpresa. "Bem. Um substituto". Ele diz modestamente. "Isso é ótimo. Então você tem seu bacharelado?" Pergunto a ele e ele concorda. Uau. Cal não têm qualquer relação ou interesse no ensino superior. "Então, Amanda era uma de suas alunas". Eu acho. "Sim, eu acho que ela pode ter uma queda por mim." Ele ri. Acha? Tenho certeza que ela e todas as outras garotas em sua escola. "Sim, eu acho que você quebrou seu coração quando você disse a ela que tinha uma filha." Eu ri, e ele dá de ombros. "Então, como é que vamos fazer isso?" Pergunta ele, ajustando sua posição, então ele está de frente para mim. Sua mudança de comportamento é tão abrupta que sou pega desprevenida. "Quero dizer com Caylen. Eu realmente quero estar envolvido. Meus pais a amam. Eu sei que nós vivemos muito longe, mas podemos fazer este trabalho certo?" Ele pergunta para minha segurança, e eu aceno. "Sim. Caylen tem realmente sido querida por vocês. O que eu puder fazer para tornar as coisas mais fáceis". Eu digo honestamente. E eu vejo a preocupação desaparecer de seu rosto. "Bom". Ele diz, com os olhos brilhando e faz com que meu estômago de cambalhotas.


"Você o quê?" Raven nem sequer tenta disfarçar a agudez na voz dela. "Vão ser só por três semanas. Não é um grande negócio". Eu digo calmamente escovando meu cabelo. A verdade é que eu estou longe de estar calma sobre isso. Estou nervosa, um pouco assustada e ansiosa. Mas eu não posso deixar Raven ver que não estou certa sobre isso. Quando eu falei com Chris sobre voltar por três semanas era tão fácil dizer sim, olhando para aqueles olhos verdes quentes. Eles são persuasivos e inebriantes. Ele tem uma maneira fácil de fazer o que ele quer com um sorriso tímido e olhos brilhantes. Eu teria dito a ele que eu usaria uma roupa de palhaço e saltos apenas por estar perto dele, e isso não 'parece complicado’, em seguida, ou como uma idéia idiota em tudo. Na época, não era mesmo um grande negócio, mas com tempo para analisar, eu começo a ver o problema. É um grande negócio, e é um grande negócio para Raven. Ela está batendo o pé, com os braços cruzados agora sobre seu peito enquanto ela está de pé no meu quarto. "Eu não gosto disso, Lauren. Eu realmente não gosto disso". Diz ela, balançando a cabeça. Eu não deveria ter dito nada, mas eu não quero me sentir como uma criança que tem que se esgueirar e se esconder, especialmente porque ela está olhando para mim como se eu estivesse prestes a ser castigada. "Não é para você gostar. Isto não é sobre você, Raven. Isto é sobre o que acho que é melhor para Caylen". Eu digo com firmeza. "Você acha que eu não quero o melhor para Caylen?" Ela pergunta incrédula. "Você não pensa que eu quero o que é melhor para ela?" Pergunto com sarcasmo velado.


"Eu acho que seu julgamento está um pouco nublado." E lá vai ela. "Eu acredito que você deveria segurar esse envolvimento dela com Cal..." "Chris. Seu nome é Chris." eu interrompo, e ela revira os olhos. "Envolvimento com Chris até que ele obtenha algum tipo de controle sobre seu estado mental." Eu sabia que isso ia acontecer. Ela caminha perto de mim para que eu possa ver seu rosto no espelho. "Ele não é perigoso, Raven. Eu não estou preocupada com ele machucá-la!" Eu digo intencionalmente. "E se ele machucar você?" Diz ela com firmeza, e deixei escapar um suspiro e olho para longe de seu olhar. "Eu não estou preocupada com isso também". Eu respondo. "Você não pode quebrar o que já está quebrado". Murmuro baixinho terminando minha trança e amarrando no final. Levanto-me, e ela agarra meu ombro. "Quase quebrada." Eu rolo meus olhos para ela e levanto para colocar meu tênis de ginástica. "Você não está quebrada ainda. Eu posso ver isso em seus olhos. Eu conheço você, Lauren. Você não perdeu a esperança." "O que há de tão ruim sobre eu ter um pouco de esperança, Raven? É uma coisa tão ruim?" Eu pergunto a ela, mas eu sei a resposta para isso. Eu só queria que alguém pudesse me fazer sentir um pouco melhor sobre isso. Raven solta um suspiro profundo, e eu sei que ela não vai ser a única a fazê-lo. Angela. Eu deveria ter dito a Angela primeiro. "Mel. Você já passou por tanta coisa com Cal... este homem. Ele fez você passar por tanta coisa". diz ela solenemente, mas talvez fosse melhor se ela gritasse. Qualquer coisa é melhor do que o seu melancolismo. Faz-me sentir patética.


"Você sabe, eu era uma grande defensora de vocês, mas ele é mercadoria danificada. Ele está apaixonado por outra mulher." Primeira facada no meu coração. "Você lhe deu o ok para seguir em frente." Segunda facada. "Você diz que ele não é Cal e se isso é verdade, ele não te ama dessa maneira." Girando a faca. Ela arrancou meu coração e está pisando nele. Ela pega a minha mão, como se fosse fazer suas palavras doerem menos. Eu mordo meu lábio, eu me recuso a chorar. Isso é algo que já sei e eu disse a mim mesma mil vezes. "Eu não quero ver você se machucar mais. Você precisa deixá-lo ir". Diz ela, ressaltando a última parte. Deixe-o ir. Ela não é a primeira a dizer isso. Não é como se eu não pensasse sobre isso. Ela está certa sobre cada única coisa que ela disse. Eu só gostaria que fosse tão fácil de fazer como as outras pessoas pensam que é. "Você disse que Chris quer ser uma parte de sua vida, e Mel, isso é ótimo. Mas só porque ele vai ser uma grande parte da vida de Caylen não significa que ele tem que ser uma grande parte da sua". Eu levo minha mão longe dela. "Vocês dois têm falado sobre o status do seu casamento, a obtenção de um di," Cortei-a quando lhe atirei um olhar de advertência. "Por favor, você pode simplesmente parar?!" Peço a ela e solto um suspiro profundo. Ela nunca sabe quando deve deixar ir. Ela continua indo e indo e cada afirmação parece um tijolo sendo colocado em meu peito. "Eu quero o que é melhor para você, Lauren. Você merece ser feliz". Ela diz baixinho antes de pegar Caylen e sair do quarto. Eu me jogo na cama. Eu estava indo para a academia, mas agora me sinto com vontade de rastejar debaixo das cobertas e dormir o dia inteiro, mas eu não vou. Eu poderia muito bem me preparar para isso. Eu disse a Raven primeiro, sobre ir para Madison, para que Caylen pudesse passar um tempo com os Scott e seu pai. Eu ainda tenho duas outras pessoas para contar. Eu


estou tão cansada de me defender e as minhas decisões sobre minha filha para as pessoas. No final do dia, qualquer decisão que eu tome, eu vou ter que lidar com as consequências. Bem, isso não é completamente verdade. Se eu realmente acabar quebrada eles vão ter que lidar com as consequências disso. Eu me esforço para sair da cama e me dirijo para a sala de estar. Raven está no sofá, lendo um livro, enquanto Caylen está no chão, brincando com seus brinquedos. Eu roubo um beijo rápido dela e antes de eu sair pela porta eu dobro para trás e beijo Raven na bochecha. Ela olha para mim surpresa. "Eu te amo. Eu entendo que você só quer o que é melhor para mim." Ela sorri calorosamente para mim e aperta meu ombro. "Eu só vou ficar fora cerca de uma hora". Eu digo enquanto eu caminho pela porta a fora.

Depois da academia, uma longa chuveirada, e comida chinesa, Raven e Caylen estão dormindo. São apenas 19h45m. Eu acho que nós cansamos a Raven. Caylen geralmente está dormindo a essa hora. Eu guardo o último de seus brinquedos espalhados por todo o chão, e meu coração pula quando ouço meu telefone soar. É o meu toque favorito. Seu toque. Eu rapidamente termino de colocar os brinquedos de Caylen na arca e desligo a televisão. Eu pego meu telefone, vou para meu quarto, e me jogo na minha cama. Eu não olho até que estou bem confortável. Como vocês estão? É muito errado que suas mensagens são algo que eu vejo como um avanço agora. Tem sido duas semanas desde que estávamos com ele. Ele me envia na parte da manhã e, geralmente, em torno das quatro. Começamos o Skype um dia depois que eu voltei para casa. Eu acho que ajudou a aliviar o constrangimento de toda a situação. Nunca por muito


tempo, apenas cerca de cinco a dez minutos. Geralmente ele está falando com Caylen e me perguntando sobre o seu dia. Falamos-nos através de Caylen. Mas os textos me deixam ansiosa mais do que o Skype. Eles são especificamente para mim. Bem, na verdade não. Coisas como estas me faz sentir patética. Ele não disse "como estão as minhas meninas", ou perguntou sobre mim em particular, mas ainda faz o meu dia. Eu penso sobre a conversa que tive com o Raven anteriormente. Ela está certa. Deus ela está certa. Ainda não posso afastar a sensação de formigamento atirando para cima do meu pescoço, ou a forma como o meu dia parece começar a ser melhor quando eu recebo esses textos simples. Como é que eu acabei assim? Eu sei que há muitas razões para não me sentir assim, por que eu não deveria me deixar sentir assim sobre eles, mas nenhuma dessas razões para os sentimentos que me envolvem como correntes. Correntes que não quero me livrar, mas que preciso me livrar. Eu tomo uma respiração profunda e rapidamente respondo: Caylen está ótima. :D Curto, direto e ao ponto. Bem, o rosto sorridente era deixá-lo saber que eu não estava sendo uma p... Eu quero perguntar-lhe como foi seu dia. O que ele fez, se ele pensou em mim, mas é claro que eu não pergunto nenhuma dessas coisas. Eu pego meu travesseiro e puxo para perto de mim. Eu penso sobre como Cal e eu costumávamos mandar mensagens quando estávamos juntos. Eles não eram como este, porém, Cal iria começar cordial o suficiente e terminar falando como ele era bom com a língua e todos os lugares que ele queria colocá-la. Não muito depois, ele estaria na minha porta para me mostrar. Então, quando as coisas ficaram ruins seus textos me fizeram querer quebrar o meu telefone para substituir seu rosto. Meu alerta de telefone acende novamente. É uma palavra. Bom. Eu rolo meus olhos. Eu me censuro por estar decepcionada. Eu não sei o que eu esperava que ele me dissesse, mas a monossílabas foram chatas com Cal, e com Chris, não é melhor, mas Chris só deve me enviar respostas de uma só palavra. Ele tem uma noiva que recebe as longas


respostas. Que recebe o sorriso quando ela envia textos à ele. Aqueles que não são para mim. Eu sou apenas sua esposa, depois de tudo. Uma pequena voz dentro de mim me diz que o título é emprestado. Eu me movo pela cama para encontrar o controle remoto para ligar a televisão. Quando Cal estava aqui nunca houve uma TV no nosso quarto. Ele dizia que o quarto era feito para duas coisas, dormir ou se colocar para dormir. Agora, a única coisa que me coloca para dormir normalmente é uma maratona de ‘Irmãos a obra’ ou uma temporada de Real Housewives. Eu assisto cerca de metade de um episódio antes de adormecer, e o alerta soa novamente. Eu agarro e um sorriso rasteja no meu rosto uma vez que eu vejo o que diz. Como vai você? Eu digito de volta o "pensando em você" e apago imediatamente. Ele quer saber como eu estou. Isso é um começo para nós. Um bom sinal, certo? Ou talvez ele esteja apenas sendo educado. Tive um bom dia. Nick Jr., academia, boa comida chinesa. O que mais uma garota pode pedir ;) Eu envio e acho que foi demais. Ugh. Eu sinto que eu estou na escola, analisando uma frase simples. Então, meu alerta dispara novamente. Um á dez. Quão boa foi à comida chinesa? Eu rio, lembrando o quanto ele comeu enquanto eu estava com ele pela última vez. Eu digito rapidamente: Tem certeza de que quer saber? UGH! boa assim Huh? RI MUITO. Sim. Boa assim. Nossa comida chinesa é uma merda aqui. Eu rolo sobre meu estômago e olho para o espelho vendo o sorriso bobo no rosto. Eu não vi esse sorriso em muito tempo. Percebo borboletas no estômago quando a mensagem se acende novamente. Você está ocupada?


Eu me pergunto por que ele pergunta isso? Ele provavelmente está prestes a ligar. Não, ele não vai me chamar. Ele sabe que Caylen dorme agora. Ou talvez não. Antes de ficar irremediavelmente otimista, eu decido evitar a decepção. Caylen dorme agora. Após alguns momentos, estou desapontada quando meu alerta não acende. Ele estava enviando mensagens tão rapidamente antes. Eu coloco minha cabeça no travesseiro e me sinto fazendo beicinho quando minha porta irrompe aberta. Eu quase salto fora da minha pele. "O que há, hun?" É Hillary. Claro que é. Ela se transporta através de portas fechadas como ninguém mais pode. "O que está errado? Parece que você perdeu seu melhor amigo." Ela ri antes de se jogar na minha cama à minha frente. "E, isso não pode ser verdade, já que estou aqui". Diz ela, me batendo na bunda. "Esperando Garret de novo?" Eu provoco. "Claro. Você sabe que preciso fazer meu cardio a noite." Ela ri. Hillary é uma das únicas mulheres que conheço que consegue encontrar um cara por onde passa. Eu tinha ido a minha academia durante quatro dias por semana, durante o ano passado e nunca vi Garett. O dia em que ela vai, ele acaba por ser um novo instrutor de fitness, alto, atraente, musculoso e atlético. Hillary avistou o momento em que ele entrou. "Deus, sua cama é tão incrível". Diz ela em um tom exagerado. "Ele vai ser demitido se eles pegarem vocês." eu ri. "Não seja aborrecedora, Lauren. Eu disse a você, eu poderia emprestar-lhe se você quiser". Diz ela, me cutucando. "Não, obrigado." Eu rolo meus olhos para ela. "Eu não posso acreditar que esta cama não está recebendo qualquer ação. Você deve nos emprestar isso". Ela diz, rolando em seu estômago e levantando sua bunda balançando no ar.


"Eca, Hillary Você é nojenta". Eu digo, tentando empurrá-la para fora da minha cama, e meu telefone toca. Meu coração salta uma batida quando eu vejo que é Chris. Ele está chamando! Olho para Hillary, que está me olhando com desconfiança. "Você vai atender?" Ela ri. Eu não posso responder, enquanto Hillary está aqui. Ela olha para mim com desconfiança. "Oh, eu tenho que ver quem está ligando para obter esse olhar no seu rosto". Ela brinca. Nós duas chegamos para o meu telefone, e ela chega a ele em primeiro lugar. Seu rosto ajusta imediatamente em uma carranca. "Oh, Lauren. NÃO!" diz ela. Eu salto para fora da cama para pegar o telefone, e ela esconde atrás das costas. "Hillary me dê meu telefone e um pouco de privacidade." Eu exijo. "Ele não está ainda com aquela garota?" Diz ela incisivamente. "Ele é o pai de Caylen. O que isso tem a ver com alguma coisa?" "Ele está chamando para conversar com você sobre Caylen?" Diz ela com sarcasmo. "Eu não sei por que eu não atendi ao telefone. Dê para mim." Eu agarro o braço dela e arranco o telefone da mão dela. E ele parou de tocar. "Não faça isso a si mesma, Lauren". Diz ela, lamentando-se. "Fazer o quê? O que estou fazendo?!" Eu digo, jogando minhas mãos para cima exasperada. Ela balança a cabeça e cruza os braços, assustadoramente semelhante à Raven nesta manhã. "Você sabe exatamente o que eu estou falando. O que aconteceu com seguir em frente, deixando o passado no passado? Basta ter um relacionamento por Caylen?" "Quem diz que eu não estou fazendo isso?!" Eu rio em descrença. Eu sei que eu não sou, mas eles não sabem que eu não sou. "Seu rosto diz tudo!" Eu não posso ser assim tão fácil de ler. "Hun. Não faça isso. Eu vejo isso indo tão mal, e você sabe se alguém conhece


desastre esperando para acontecer sou eu". Diz ela, apontando para si mesma. Eu rolo meus olhos. "Eu só quero ser sua amiga. Posso, pelo menos, ser sua amiga?" Eu digo na defensiva. Hillary suspira. "Amigos, Lauren. Sério? O que você vai fazer? ser sua madrinha em seu casamento depois que ele se divorciar de você e se casar com outra mulher?" Eu sinto minha respiração presa na minha garganta e Hillary olha para baixo a seus pés culpada. "Tudo bem, foi duro." Ela dá um passo em minha direção, e eu dou um passo atrás. Sinto lágrimas nos meus olhos, e minha mandíbula endurecer. "Você sabe o quê, Hillary, você fode um monte de caras, um lote inteiro de caras de merda. E você sabe o que eu penso? Eu acho que é estúpido e perigoso, e você merece o melhor!" Eu cuspo de volta para ela. Seus olhos limitam-se no meu. "Diga o que quiser, mas estou feliz com a minha vida. Eu sei exatamente o que eu quero dos homens que eu escolhi, para lidar com eles. Eu não tenho nenhuma agenda secreta ou expectativas irrealistas. Quando as coisas não dão certo para mim, eu não me quebro. Essa é a diferença entre nós. Se eu foder cinco caras hoje à noite, e eles não me chamarem, eu não dou a mínima. Eu não me abaterei. Não vai me imobilizar. Se isso der errado, você pode dizer a mesma coisa?" Ela caminha até a minha porta e se vira antes de sair. "E para sua informação, o que eu digo é porque eu me importo. Porque você é minha melhor amiga, não para ser uma cadela com você quando você está dizendo algo que eu não quero ouvir". Ela diz baixinho antes de sair do quarto e fechar a porta atrás dela. Sento-me na minha cama e olho para a chamada não atendida. O alerta de texto acende novamente, é Chris. De repente eu não me sinto tão animada como costumava ficar ao receber mensagens de texto.


Ela não respondeu. Ela não atendeu seu telefone quando liguei também. Ela sempre responde de imediato sempre que eu mando um texto a ela. Normalmente perguntando sobre Caylen, ou para ver se o nosso horário no Skype está certo. Este era diferente embora. Desta vez eu queria falar com ela. Nós realmente não temos falado estas últimas duas semanas, uma vez que ela se foi. Bom, no Skype nós conversamos, mas é muito mais sobre Caylen. Ainda assim, eu vejo como ela é com Caylen, o quanto a ama. Eu observo o jeito que ela sorri como seu cabelo cai em seu rosto, a risadinha que ela dá. Mesmo que ela esteja geralmente com um rabo de cavalo, e em suéteres ou uma camiseta, ela é linda. Eu tento empurrar pensamentos como esse fora de minha cabeça. Toda vez que eles vêm, digo a mim mesma como é bonita a minha noiva, o quanto eu amo Jenna. Digo a mim mesmo que isto é apenas curiosidade ou paixão por Lauren, e é superficial, artificial e poderia estragar tudo se for mal interpretada, se interpreto de maneira errada. Lembro-me de que existe uma linha entre Lauren e eu. Que está lá por uma razão. Isso ainda não me impediu de mandar mensagens a ela, mesmo quando soube que Caylen estava dormindo. Ou chamá-la para ouvir a sua voz e eu não sei por que ou de onde isso está vindo, mas eu sei que precisa parar. Eu tenho que ver Jenna amanhã pela primeira vez desde que tudo isso aconteceu. Ela ficou em Lansing para a escola. Ela está chegando para o fim de semana. Ela me mandou um texto e quer me encontrar uma vez que ela estará de volta amanhã. Espero que vê-la vá limpar a minha cabeça de toda essa confusão e me levar de volta aos trilhos. Lauren não me ligou de volta. Eu sei que há uma abundância de razões pelo motivo. Talvez ela tenha adormecido, ou Caylen acordou, ou ela apenas não quer falar comigo. Eu deveria chamá-la de novo, só para ter certeza que ela está bem. Levanto-me e deixo escapar um suspiro


profundo. Eu não deveria chamá-la. Não temos nada a falar se não é sobre Caylen. Mas, realmente, temos tudo para falar desde que nós realmente não sabemos nada sobre o outro. Como pais, devemos conhecer uns aos outros. Devemos ser amigos. Ser amigo da mãe de minha filha está bem, perfeitamente aceitável. Yup, eu estou chamando. Eu bati o nome dela no meu telefone e ouvi o tom de toque novamente. Ele toca cerca de quatro vezes, e eu estou prestes a desligar quando ela atende. "Hey." Sua voz está um pouco acima de um sussurro e plana. Ela parece cansada ou triste, não é o que eu estava esperando pelo tom de nosso último texto. "Está tudo bem?" Eu pergunto em causa. "Sim, está tudo bem". Diz ela, deixando escapar um pequeno suspiro. "Comida chinesa não transformou seu estômago?" Eu decido brincar, e ela solta uma gargalhada. E me faz sorrir. "Eu odeio dizer, mas meu estômago é a parte mais satisfeita em mim". Ela brinca de volta. Ela é engraçada. "Caylen te cansou?" Eu pergunto, me sentindo um pouco mais relaxado desde que ela parece estar em melhor espírito. Sento na minha cama e descanso meu cotovelo no meu joelho. "Na verdade não. Minha tia Raven está aqui hoje. Eu fui capaz de ir a academia." diz ela, e eu posso dizer pelo seu tom de voz que algo está incomodando. "Então o que há de errado?" Eu pergunto a ela, e ela é tranquila. "O que faz você pensar que algo está errado?" Ela pergunta depois de um segundo, e dou de ombros, embora ela não pode vê-lo. "Não é preciso ser um gênio." Eu rio para diminuir a tensão. "Eu entrei numa briga com minha melhor amiga". Diz ela, hesitante.


"Uma das feias?" Eu acho. "Sim. Eu disse algo que eu realmente não deveria, e me sinto como uma enorme chutadora de cachorrinhos." Ela suspira e eu rio. "Você está rindo de mim?" Ela pergunta surpresa. "Chutadora de cachorrinhos?" Eu rio, e ela faz uma pausa e então ri. É fofo. "Oh sim. Desculpe-me. Às vezes eu derivo para as palavras código que eu treinei a usar em torno de Caylen. Antes dela, eu tinha a boca muito suja". Explica ela, sua voz é leve e quase volta para si mesma. "E 'Chutadora de cachorrinhos" uma palavra de código para?" Eu pergunto, deitando na minha cama. "Cadela." Ela ri. "Sério? Que outros códigos você tem?" Eu digo, encontrando-me muito interessado neste assunto. "Uhm. Bem, vamos ver poo, é claro, para merda. Boca inferior para c-buraco. Fraldas para Babaca. Frick para foder." Ela faz uma pausa na última parte e um momento de constrangimento desliza. "Bem chutadora de cachorrinhos é definitivamente o mais criativo." Eu provoco, e eu posso dizer que ela está sorrindo. "Você acha que pode fazer melhor?" Diz ela em tom desafiador. "Hmm, vamos ver. Lambe chão para beijar a bunda, esterco de árvore por merda, o danado clássico para caramba e para foda, frechetta." Eu recito. "Será que você veio com estes da sua cabeça, ou você secretamente tem uma lista ou algo assim?" Diz ela, em meio a risos. "Bem, vamos apenas dizer que desde que eu trabalho com estudantes do ensino médio e palavrões são malvistos, esta não é a primeira vez que eu tenho discutido palavras código." "Será que você veio com frechetta porque você ama a pizza?"


"É claro". eu digo. Deveria ser óbvio. "Você é um fã ferrenho!" "Será que sarcasticamente.

a

palavra

código

para

'guloseimas?"

Pergunto

"Sem comentários". Diz ela, cobrindo-se uma risada. Falamos sobre nossos alimentos favoritos. O dela é qualquer tipo de macarrão. Digo a ela que sou fácil. Bife e batatas. Ela me conta sobre suas melhores amigas, Angela e Hillary. Como ela sempre quis ir para a escola na cidade. Ela adora gatos, mas é alérgica a eles, e se ela tivesse que viver em qualquer outro lugar no mundo, seria Paris mesmo que ela nunca tenha ido. Eu digo a ela que quando era mais jovem eu queria ser um piloto. Ela acha irônico o fato de que eu tenho medo de altura. Eu brinco que é mais trágico do que irônico. Eu digo a ela como mesmo que Aidan pode ser um lambe chão, às vezes, ele é realmente um amigo leal. Nós falamos muito, mas evitamos o óbvio como sua vida com Cal, como eu conheci Jenna, como as coisas estão indo a partir daqui, mas é bom e é fácil, e eu nem sequer percebi duas horas se passaram até os textos de Aidan me perguntando por que eu não estou lá embaixo. Era para eu encontrá-lo para uma corrida. Eu não percebi o quão tarde era, e ela também não. Eu não quero sair do telefone. Ela não parece querer, mas é provavelmente uma boa idéia, já que são quase dez. Eu digo-lhe boa noite, e ela diz para não comer muito antes de dormir. Digo a ela que não como muito, e nós finalmente desligamos. Eu me sinto bem sobre a nossa conversa. Não há linhas cruzadas, e eu estou muito mais perto de ser seu amigo do que antes da conversa. Eu coloco meu short, tênis de ginástica, e parto para atender Aidan. Ele é como um velho quando se trata de estar na hora certa. "Parceiro que porra é essa? Você deveria me encontrar aqui há vinte minutos?" Diz ele, jogando os braços no ar. "Perdi a noção do tempo". Eu digo simplesmente. "E o que é esse sorriso bobo no rosto". Diz ele, me cutucando. Eu cutuco de volta.


"Pensando em como eu estou prestes a fazer o Capitão América comer poeira". Digo antes de decolar na frente dele. "Então você mente agora?" Ele grita atrás de mim. "Quem disse que nós estávamos correndo?" Eu grito de volta para ele acelerando minha velocidade e aprofundar a nossa distância. "Todo esse o treinamento e você está ainda mais lento do que sua avó!" Eu provoco. Quando chegamos a meio caminho da nossa marca, ambos paramos para recuperar o fôlego. "Então, você parece estar em um 'só tenho algum’ humor hoje". Ele brinca. Eu franzo a testa para ele. "Você se acertou com Jenna?" Ele adivinha. "Não, porém, ela está voltando para casa amanhã." eu informo. "Você se masturbou ou algo assim, então?" Ele ri. Eu aceno com ele. "Você estava atrasado descendo para nossa corrida. Você nunca está atrasado, e você tinha aquele sorriso apenas fodido em seu rosto." Ele ri. "Você é um idiota". Eu digo, sentando-me no chão. "Hey, às vezes a mão de um homem pode ser sua melhor amiga". Diz ele, se jogando ao meu lado. "Eu não estava me masturbando. Eu estava ao telefone e perdi a noção do tempo". Eu digo para calá-lo. Ele me dá um olhar incrédulo. "Eu estava conversando com Lauren." eu digo, e um sorriso maroto se espalha por seu rosto. "Quanto tempo maliciosamente.

vocês

estavam

no

telefone?"

Pergunta

ele

"Não por muito tempo." Eu dou de ombros. Ele me dá um olhar incrédulo. "Cerca de duas horas." eu finalmente admitir. "Porra cai fora!" Diz ele, me batendo na parte de trás. "Cara, a única razão de eu ficar no telefone com uma garota muito tempo, se eu não tiver fodido ainda será para melhorar minhas chances, ou ela é um inferno de uma conversa suja". Ele ri.


"Duas horas não é muito tempo." Eu dou de ombros. "Ok, você está certo. Vocês têm muito a falar. O que foi que você descobriu?" "Bem, nós realmente não falamos sobre um monte de coisas importantes. Pensei em guardar isso para quando ela estiver aqui, você sabe". Eu digo, pegando minha barra de chocolate e abrindo. "Espere. Então você estava no telefone duas horas apenas atirando a merda?" Ele diz com conhecimento de causa. "Eu não diria exatamente assim." eu explico hesitante, e ele começa a sacudir a cabeça, rindo. "O quê?" Eu digo quando ele se levanta. "Você gosta dela?" Pergunta ele, mas é mais como uma declaração. "Sim, ela é legal, e ela tem a minha filha." Eu defendo. "Você sabe do que eu estou falando." "Não é desse jeito. Eu quero ser seu amigo e os amigos devem ter algo para falar." "Você e eu somos amigos toda a nossa vida, e nunca falamos ao telefone assim". Diz ele quando começamos a caminhar de volta para a casa. "Awww, o quê? Você está ciumento?" Eu brinco, e ele ri. "Que tal você e Lisa? Vocês falam tanto tempo?" Pergunta ele, cruzando os braços, e a única resposta que tenho é aquele que vai reforçar o seu caso. "Eu não planejo falar com ela tanto tempo." eu admito. Quando começamos a acelerar nosso ritmo. "É melhor você observar a si mesmo, Scott." Ele ri enquanto ele corre à frente de mim. Nós acabamos correndo sobre duas milhas lá, e de volta. Aidan vence por quase uma metade de um quarteirão. Eu acho que eles ensinaram-lhe algo no exército. "Estou morrendo de fome". Diz ele, enquanto captura sua respiração.


"Eu também". Eu respondo andando o resto da distância entre nós, inalando ar tanto quanto eu posso. "Vamos pegar alguns hambúrgueres". Diz ele, pegando uma garrafa de água na minha varanda e engolindo-a. "Eu quero café da manhã." "Você sempre quer café da manhã, mas são quase onze da noite". Diz ele, lamentando-se como uma criança de quatro anos. "Podemos pegar alguns hambúrgueres, e posso deixá-lo chegar ao meu próximo plano de treino para a noite". Diz ele com uma piscadela. "Eu estou indo fritar algum bacon". Eu digo, dirigindo-me para a casa. "Dane-se. Jogue-me alguns ovos". ele cede, me seguindo. "Então, qual é o nome da atual?" Pergunto abrindo a porta. "Rachel, e o corpo é..." ele para no meio da frase, quando vemos Jenna sentada na mesa da cozinha com as mãos cruzadas. "Jenna." eu digo alegremente. "Achei que você tinha ido para uma corrida". Ela responde em voz baixa, um sorriso fraco em seu rosto. "Hey Aidan". Diz ela, lançando um rápido olhar em seu caminho. "O que há, Jenna?" Ele responde de volta secamente. Os dois realmente nunca se deram bem. Jenna acha que ele é um porco chauvinista. Aidan pensa que ela é tensa e chata, então nós nunca saímos muito. Eu olho para trás, e para Aidan. "Rain check no café da manhã". Eu digo, e ele balança a cabeça rapidamente, dirigindo-se a porta. Eu tranco e vejo que Jenna levantouse. Eu me inclino para trás contra a porta, e nós dois olhamos um para o outro por um par de segundos. Eu quero puxá-la para mim e abraçá-la, mas sua expressão é estoica, e não estou certo de como se aproximar dela. "Quando você voltou?" Eu pergunto a ela, hesitante. Procurando o anel no dedo dela, e eu não vejo lá. Meu coração cai.


"Essa tarde. Você quer sentar?" Ela pergunta, apontando para a cadeira em frente a ela. Concordo com a cabeça e puxo a cadeira em frente a ela. Ela está esfregando as mãos, e eu tenho uma chance e puxo a dela na minha. Ela solta um suspiro. "Onde está seu anel?" Eu pergunto-lhe em voz baixa. Seus olhos assistem minhas mãos abraçarem as dela. "Eu ainda tenho. Eu só não decidi onde colocá-la ainda". Ela responde e suas mãos escorregam fora da minha. "Então, como vão as coisas?" Pergunta ela seus olhos azuis me examinando. Quando minha mãe estava doente, eles eram as únicas coisas que me fizeram sentir melhor. Eles eram penetrantes e austeros. Ela não me permitiu chafurdar na autopiedade. Seu olhar pode ser intimidante, aquele que vai ser realmente útil para ela, uma vez que ela é advogada. Eu estou acostumado a isso, mas desta vez ele fez o cabelo na parte de trás do meu pescoço se levantar. Eu me remexo no lugar e tento escolher minhas palavras com cuidado. Eu não esperava vê-la esta noite. Eu pensei que eu teria tempo para me preparar, agora parece que todos os meus pensamentos estão atrapalhados e amontoados. Como se eu falasse agora, neste momento um único jargão fosse sair. Ela está esperando pela minha resposta. Tem sido, pelo menos, quase um minuto e seu olhar está cortando para dentro de mim. Eu sinto como se estivesse no banco das testemunhas. "Você me ouviu?" Ela pergunta, com irritação evidente em seu tom. "Bem..." Isso é tudo o que sai da minha boca, e ela morde o lábio. "Como foi a sua visita com..." Ela solta um suspiro profundo e sorri com força. "Sua filha." Ela obriga as palavras como se estivesse mastigando vidro quebrado. Ela se levanta e depois se afasta de mim e suaviza o cabelo com as mãos e ri nervosamente. "Eu tenho praticado como dizer isso, sem soar como uma cadela completa durante todo o dia." Eu ri, mas não para ela, mas porque eu não posso tirar a palavra chutadora de filhotinhos fora da minha cabeça. "Não é engraçado, Chris". Ela me traz de volta ao presente, os olhos baixos.


"Nós não temos que falar sobre isso agora". Eu digo, me aproximando dela. Ela não volta atrás neste momento. Eu coloco minhas mãos em sua cintura e, em seguida, ela se afasta. Eu coço a cabeça. "Não. É importante. Certo?" Diz ela incisivamente. "Sim." Eu aceno minha cabeça. "Eu sei, você está em êxtase. Eu sei o quanto você quer ter filhos." Ela diz a última parte em voz baixa. "Ela é o forro de prata em tudo isso." Eu dou de ombros, e ela não diz nada por um minuto. "Será que ela parece com você?" Ela pergunta, e ela se senta novamente. Sei que falar sobre isso não é fácil para ela, mas ela é boa em esconder o que ela sente quando ela quer. Ela quer que eu ache que ela está bem com isso, e realmente, se há alguma chance para nós ela tem que estar bem com Caylen. Por isso, me dá um pouco de esperança que ela esteja tentando. Eu retiro o meu telefone e percorro as imagens que Lauren enviou-me dela e escolho a minha favorita. Eu cautelosamente entrego o telefone para Jenna. Ela dá um pequeno suspiro antes de tomá-lo, e quando vê a imagem, ela fecha os olhos depois de apenas um segundo. Ela descansa a cabeça na palma da mão enquanto ela olha para a foto novamente antes que ela de o telefone de volta para mim. "Ela é linda". Diz ela calmamente. Eu levo o telefone para trás e penso sobre dizer obrigado ou não. "Ela se parece com você". Acrescenta com força, depois suspira. "Você pode me arrumar um pouco de água?" Ela sufoca. Abro a geladeira e pego uma garrafa de água e entrego a ela. Eu observo suas mãos tremendo um pouco. Ela pega a bebida e toma enquanto deixa escapar outro suspiro profundo. "Eu-eu quero que você a conheça. Quando estiver pronta". Eu digo hesitante. Seus olhos se arregalam. "Ainda não estou pronta". Ela responde rapidamente, em seguida, levanta a cabeça para cima.


"Elas não vivem em Chicago?" Ela pergunta, e eu aceno. Ela parece um pouco aliviada quando afirmo, mas assim como eu poderia obter tudo isso fora do caminho de uma só vez. "Ela vai voltar neste fim de semana." eu digo a ela, e o alívio que ela tinha alguns segundos atrás desapareceu. "Você vai buscá-la?" Ela diz que as palavras tão rápido que eu tenho que me lembrar de como responder a sua pergunta. "Não, Lauren vai trazê-la." Seus olhos estreitam-se imediatamente no meu. "Por quê? Por que você não pode simplesmente pegá-la e trazê-la aqui?" Ela pergunta sem rodeios. "Bem, ela tem apenas um ano de idade, e nunca ficou longe de Lauren muito tempo. Ela ainda está começando a nos conhecer". Eu digo como se fosse óbvio, e seus olhos se arregalam. "Quanto tempo elas vão estar aqui?" Pergunta ela bruscamente. "Apenas por duas ou três semanas". Eu digo rapidamente. Ela passa as mãos sobre o rosto. "Você já perguntou a ela sobre o divórcio?" Pergunta ela abruptamente. Eu sou pego de surpresa. Eu acho que não deveria ser. Eu sei que é algo, bem, uma das primeiras coisas, que provavelmente deveria ter falado com ela. Jenna definitivamente não vai gostar. É só que com tanta coisa acontecendo... "Eu vou". Eu digo com firmeza. "Isso significa que você não fez!" Diz ela, seu tom subindo. "Tem tanta coisa acontecendo." eu tento explicar. Eu posso ver sua raiva aumentar exponencialmente. "O que vem acontecendo para mantê-lo de fazer disso uma prioridade? Você já encontrou um novo médico?" Pergunta ela bruscamente, interrompendo-me, e eu só posso olhar para longe dela. "Eu estive procurando por um, mas acontece que Dra. Lyce é uma das melhores". Eu digo, ignorando seu olhar ardente.


"Você marcou uma consulta para vê-la?" Pergunta ela com raiva. Ela está em um rolo, e quando ela fica em um rolo ela não para. "Não, eu não sei se eu quero vê-la depois de tudo". "Então o que diabos você está fazendo?" Ela grita comigo. "Eu estou tentando descobrir tudo!" Eu grito de volta. "O que há para descobrir? Se você quiser um divórcio, você pede a ela por isso. Se você quer um novo médico, você encontra um." Suas mãos estão enroladas, e ela está tremendo. "Como você se atreve a porra me perguntar onde meu anel está, e você nem sequer pediu a sua "esposa" o divórcio?" Diz ela, me batendo no peito com o dedo pontuando cada palavra. Seus olhos estão arregalados e cheios de lágrimas de raiva, e eu percebo quão certa ela está. "Está tudo bem?" Minha mãe aparece no pé da cozinha em seu robe. Os olhos de Jenna limitam-se sobre mim "Me desculpe, eu estou falando tão alto Sra. Scott". Ela pede desculpas calmamente. "Está tudo bem Jenna, vocês precisam de alguma coisa?" Pergunta ela, olhando para mim, e eu sorrio com força. "Não. Chris estava indo para me acompanhar até meu carro agora". Diz ela, indo em direção à porta. "Tenha uma boa noite Sra. Scott". Diz ela antes de sair. Deixo escapar um suspiro. Minha mãe me olha com simpatia antes de eu seguir Jenna para fora. Ela já está em seu carro, os braços cruzados sobre o peito. Ela não está nele, o que significa que ela não acabou. Eu ando até ela e fico a um braço de distância do dela. "Você está certa. Eu só estou tentando fazer isso direito para todos." Está escuro lá fora, então não posso realmente ver sua expressão facial, mas se eu tivesse que adivinhar, diria que ela está revirando os olhos. "Você gosta que as coisas sejam fáceis, Chris. Você tenta fazer tudo fácil para todos, e isso simplesmente não vai ser uma situação em que as coisas serão assim". Diz ela, fechando o espaço entre nós. Eu a pego em meus braços e ela descansa a cabeça no meu peito.


"Eu vou pedir para ela. Eu só não quero jogar isso sobre ela. Ela sabe que isso vai acontecer. Eu só quero que nós cheguemos a um bom lugar com a gente e Caylen, e então nós podemos partir daí." "Não jogue isso nela!" Ela puxa para trás de mim e deixa escapar um profundo gemido frustrado. "Você disse que ela estava deixando o passado ir. Ela sabe que você está envolvido, você não pode se casar comigo enquanto você está casado com ela. Então ela quer deixar você ir ou ela está esperando por algo diferente. Você não pode deixá-la segurando isso, vai tornar tudo isso pior!" Ela diz freneticamente. "Você não pode deixar esse cara controlar sua vida. Comece a fazer suas próprias decisões." Ela é inflexível, e ela está certa. Enquanto sou casado com ela, Lauren, Cal ainda tem um seguro sobre mim. Suas ações ainda prevalecem. Eu vou ser seu amigo, e ela vai ver que podemos ser amigos e ter um relacionamento por Caylen. "Vou dizer a ela antes que ela volte para Chicago". Eu digo mais para mim mesmo, ignorando o aperto em meu peito e a crescente tensão na minha cabeça. "E eu acho que eu deveria conhecer Caylen enquanto elas estão aqui". Diz ela, olhando para mim com um pequeno sorriso esperançoso. Eu me sinto bem sobre isso e ignoro o sentimento que veio antes.


Me diga o que você quer…. Tudo…

Eu odeio esse sentimento. O nervosismo, a ansiedade que começa no estômago e se espalha em toda parte. Eu quero que vá embora. Eu quero sentir-me bem sobre tudo isso, mas algo está puxando meus pensamentos, sugerindo que eu estou prestes a cair no buraco do coelho. Tive outro sonho sobre Cal noite passada, foi na primeira noite, nós nunca havíamos dormido juntos. Tudo aconteceu como ele quis naquela noite, exceto depois que ele me perguntou o que eu queria, quando eu lhe disse tudo, ele me disse que eu não poderia tê-lo. Eu não poderia ter tudo e não deveria manter grandes esperanças. Eu acordei depois, antes que ele mesmo chegasse até a parte boa. Eu não tive qualquer parte boa... Eu não quero nem pensar em quanto tempo tem sido. O que eu estive pensando é a última vez que falei com Chris. Como nós conversamos por quase duas horas e passaram como minutos. Foi à primeira vez em que borboletas voaram em meu estômago, onde não havia nenhum nervosismo ou ansiedade. Ele falou comigo como um amigo. Eu não acho que Cal e eu já conversamos como amigos. Apenas amigos. Eu venho tentado não pensar em Cal desde que isso tudo aconteceu. Eu sei que focar nele é a coisa errada a se fazer, mas não posso ajudá-lo. Sinto falta dele, mas estou muito zangada com ele para deixar isso acontecer, pois ele nunca me contou a verdade. Então, novamente, essa coisa toda é bastante inacreditável. Se ele me dissesse quando nos conhecemos, eu provavelmente teria dirigido


para as montanhas, mas uma vez que me apaixonei por ele, não teria importância. Teria sido muito mais fácil se ele tivesse acabado por me dizer. Não teriam sido longas noites sem dormir, preocupada com ele, e sobre onde ele estava, porque eu teria sabido. Então, novamente, Chris nem sabia o que estava acontecendo. Gostaria de saber como tudo teria funcionado, mas não adianta pensar nisso agora. Dói muito. Você acha que seria mais difícil para eu não pensar nele quando estou perto de Chris, mas não é tão difícil. Ele e Cal são tão diferentes que é mais fácil acreditar quando eu posso ver a diferença. É quando eu não estou por perto de Chris que eu começo a analisar tudo. Pensando sobre o que significa quando ele não está por perto. Se algum dia ele vai voltar, se foi ele quem piscou para mim e me chamou de linda, se realmente aconteceu. Eu comecei a olhar as coisas sobre outra condição e ver quantas pessoas vivem isso todos os dias. Alguns têm até dez ou vinte alters. A palavra alter me faz encolher embora. Para condensar uma pessoa em um "alter", sua vida, suas esperanças e seus amores eu acho que é porque eu me apaixonei por um. Chris não falou comigo sobre se consultar com alguém sobre sua condição. Ele mencionou que ele não confiava em seu médico anterior, não que eu possa culpá-lo. Eu quero perguntar quando ele vai fazer isso, mas eu acho que desde que Cal não tentou ressurgir, não é sua prioridade no momento. Eu não sei nem se ele acha que deve ser a minha preocupação. É quando eu começo a pensar em coisas como esta que a ansiedade na boca do meu estômago começa e não vai desaparecer. Eu tento pensar que estas três semanas vão ser suaves, que Caylen e os Scott vão gastar muito tempo juntos e Chris e eu vamos ter uma melhor compreensão um do outro e tudo será sol e rosas, mas por alguma razão quando me aproximo de sua porta, eu não acho que vai ser tão fácil. Nessas três semanas, muitas perguntas serão respondidas. Isso pode não ser fácil. Nós vamos ter que chegar a soluções que não são simples para se chegar, mas para que isso funcione, nós vamos ter que enfrentá-las. São uma hora da tarde, e Chris, na verdade, foi chamado para o trabalho hoje. Ele me perguntou se eu queria que ele faltasse, mas eu não acho que era necessário. Ele deveria estar em casa logo de qualquer


maneira. O que eu não esperava que a Sra. Scott pedisse para vir assim que eu chegasse. Estou a meio caminho até que ela abre a porta com um largo sorriso no rosto. "Oi, princesa!" Diz ela enquanto ela corre para mim e leva Caylen dos meus braços. "Estou tão feliz que vocês chegaram com segurança, como foi na estrada?" Diz ela, dando-me um olhar rápido e um sorriso caloroso. Ela nunca deixa sua atenção longe de Caylen por muito tempo. Se fosse qualquer outra pessoa me ofenderia, mas com a Sra. Scott eu sei que ela age de uma boa forma. "Foi bem. Ela dormiu a maior parte do caminho". Eu digo, seguindo-a para dentro da casa. "Ela é uma boa menininha". Ela murmura a ela nos conduz até a cozinha. O cheiro de biscoitos de chocolate nos cumprimenta. "Eu cozinhei estes apenas para você". Diz ela para Caylen. Espero que eu possa pelo menos ter um. "Você não se importa, Lauren?" Pergunta ela, hesitante. "Só se eu puder ter um". Eu brinco, e ela ri. "Por favor, especialmente antes de Chris chegar em casa. Ele pode comer todo o lote por si mesmo". Diz ela enquanto ela dá a Caylen metade de um cookie e me entrega o prato. Como tudo o mais que é cozido por ela, eles são deliciosos. "Estou tão feliz que vocês estão aqui e eu tenho uma surpresa para mostrar a você." Ela tira Caylen do balcão e faz sinal para segui-la. Ela me leva a uma sala com uma porta fechada. "Eu espero que você goste dele". Diz ela antes de abrir. Quando isso acontece, ela revela o quarto de uma menina bem decorado. Há uma cama de tamanho completo com um belo edredom rosa e branco, cortinas combinando e nas paredes brancas decalques de flores cor de rosa. Há uma cômoda branca, e ao lado de uma estante repleta de livros infantis, e uma poltrona com um ursinho de pelúcia tão grande como eu. Ela coloca Caylen para baixo e ela imediatamente faz o seu caminho para o urso. Estou literalmente sem palavras. Eu não posso acreditar que ela fez tudo isso em duas semanas.


"Você gostou?" Pergunta ela com um sorriso nervoso, e eu sinto as lágrimas nos meus olhos. Eu pisco-as rapidamente. "Eu não posso acreditar que você fez tudo isso." Eu digo, enquanto encontro uma maneira de lidar isso. É o quarto de menina perfeito. Caylen tem um belo quarto de boas vindas, mas a atenção aos detalhes que Sra. Scott dedicou a uma menina que ela só conheceu uma vez, a minha menina, me permite saber, sem dúvida, que ela foi aceita em seus corações. "Isso significa que você gosta?" Ela ri. Eu concordo. "Espero que isso não seja muito inconveniente?" Pergunto ainda absorvendo tudo. "Bem, esse costumava ser o meu estúdio de artesanato. Sempre que eu faço artesanato eu normalmente acabo na sala de estar ou na mesa da cozinha de modo que realmente era apenas uma sala de armazenamento, e no momento que você me mostrou a foto de Caylen eu sabia que seria dela. Você realmente gosta?" Ela pergunta genuinamente. "Eu amo isso." Eu rio. Caylen está tentando alimentar o urso com seu cookie. "Oh, Caylen, você estará sujando todo ele." Eu suspiro, pegando o cookie de sua mão. "Você pode ter a bagunça que quiser. Isso tudo é para você e sua mãe". Diz ela, sentada ao lado Caylen que começou a puxar livros das prateleiras. Espere. O que ela acabou de dizer? "Desculpe-me?" Eu pergunto a ela, certificando-se de ouvi-la direita. "Bem, é por isso que eu comprei uma cama de tamanho normal." diz a Sra. Scott, não tirando os olhos Caylen. "Eu só estava pensando que seria um pouco tolo para você ficar no hotel por três semanas inteiras, para não mencionar o quão caro que é quando temos um espaço perfeitamente bom para você". Diz ela, e meu estômago se sente como se estivesse me jogando de um edifício alto. Minha boca está seca estou tentando usar minhas palavras. Eles devem sair, mas nenhuma sai. Ela não pode estar falando sério, eu não posso ficar aqui. Eu estou crescendo acostumada com o fato de que Chris não é Cal, e quando eu estou com ele, eu me lembro mais disso, mas ele ainda tem seu rosto e sua voz e eu não sei se eu posso levar isso 24/7.


"Eu realmente aprecio o pensamento, mas... Eu-eu não sei se isso seria uma grande idéia Sra. Scott." eu ri, passando minhas mãos pelo meu cabelo nervosamente. "É uma ótima ideia, não é Caylen?" Ela diz alegremente, e eu suspiro. Quando ela finalmente olha para mim, seu sorriso largo amolece. "Bem, de dia eu sou a única aqui, realmente. William está fora lidando com as coisas da fazenda, e Chris está ensinando ou no centro comunitário. Eu não vou ser muito de um incômodo para você, eu prometo". Diz ela, dando-me um sorriso assegurando. Eu ainda balanço a cabeça. "E uma vez que ela só vai estar aqui por três semanas, eu adoraria passar o máximo de tempo com ela quanto eu puder e a mesma coisa vale para Chris e William. Somos uma cidade pequena, mas eu me sentiria terrível em saber que vocês duas estão em um hotel, comendo fast food e junk food quando você pode jantar com a gente". Ela continua, e eu me pergunto se ela realmente não entende? Será que ela não percebe que eu estou apaixonada por seu filho? Que eu estou tentando realmente duro não estar apaixonada por ele, e estar em tal proximidade não ajuda tanto assim? "E o pensamento de quanta gasolina você e Chris vão gastar indo e voltando, simplesmente não parece lógico". Ela continua. É engraçado que seu argumento e a coisa lógica a fazer seriam ficar aqui. Se apenas lógica estivesse envolvida, não faria sentido, mas há tantas outras coisas além de lógica envolvida aqui. Minha mente está dizendo a declinar logicamente, ficar no Inn, e agradecê-la novamente para o quarto lindo que ela criou para Caylen. Mas a outra parte de mim, a parte emocional e esperançosa de mim diz para dizer obrigado e abraçá-la e fingir que não é um grande negócio. "São apenas por três semanas Lauren". Diz ela com um sorriso que me faz sentir como se fosse uma grande idéia e que tudo vai ficar bem. Em seguida, nervosa, o lado pessimista amargo de mim usa suas palavras contra ela. São apenas três semanas. Isso é tudo o que você recebe.


"O que Chris disse sobre isso?" Eu pergunto, começando a me abraçar. Se ele está bem com ele, então eu vou ficar, se ela hesita por um segundo sequer em sua resposta para o Ritter Inn que eu vou. "Chris acha que é uma idéia fantástica". Diz ela fluidamente levantando Caylen no ar. Fantástica ideia... Bem, parece que eu vou ficar.


"Você disse a ela o que?" Minha mãe sorri timidamente. Eu deveria saber que algo estava acontecendo quando eu a vi praticamente correr de casa quando eu cheguei. "Bem querido, quando você pensa sobre isso, não faz sentido ficar lá sozinha, quando poderia estar aqui com a gente". Ela explica de forma simples eu solto um suspiro profundo, segurando minha cabeça. Jenna vai me matar. Ela vai me matar. "Você não mencionou isso para mim quando nós terminamos o quarto de Caylen. Você nem sequer me perguntou, e você mentiu para ela quando disse que era a minha ideia?" Eu digo em voz alta, e ela suspira. "Eu não disse que era sua idéia. Eu disse que você achava que era uma idéia fantástica". Ela esclarece, começo a andar de um lado para outro. "Mãe, eu digo que não é uma boa idéia” com uma risada nervosa. "O que papai disse?" Eu sei que ele não poderia concordar com isso. "Seu pai ainda não sabe e não se preocupe com isso. Ele vai ver a lógica disso uma vez que eu explicá-lo. " Oh, ótimo. Papai não sabe. Isso está ficando bom. "Chris, o que há de errado com ela ficar aqui?" ela pergunta como se não entendesse. Eu realmente não tenho um problema com Lauren se hospedar aqui, e faz sentido ela ficar, mas eu tenho certeza que Jenna definitivamente não verá Lauren ficando aqui como uma decisão puramente lógica. "Mãe, Você se esqueceu sobre Jenna?" As coisas são bastante instáveis neste momento e eu estou apenas começando a ter de volta em


seu lado bom. "Isso não vai ajudar-me com ela em tudo". eu digo, olhando-a diretamente nos olhos. "Christopher, ela não vai ficar no mesmo quarto com você. Ela estará em um piso totalmente diferente. Caylen vai ser sua filha muito mais do que esta pequena visita. Jenna terá que ser capaz de confiar em você em torno da mãe dela em paz". Diz ela, e eu deixei escapar um gemido. Como ela pode não ver o lado de Jenna em tudo isso, ou ela não se importa? Não é como se a minha mãe pudesse ser tão unilateral... A menos. Eu me viro para olhá-la e examinar sua expressão. "Você não gosta de Jenna, mãe?" Eu pergunto-lhe verdadeiramente, e por um segundo sua expressão fica em branco. "Você não gosta dela." eu declaro em descrença, e ela balança a cabeça. "Eu não disse isso, querido." Ela afirma veementemente, mas apenas a partir desse olhar eu possa vê-lo. Ótimo. Minha mãe não gosta da mulher que eu quero me casar e nunca se preocupou em dizer nada sobre isso. "Independentemente se você gosta dela ou não, você tem que admitir que isso não seja justo com ela. Como é que eu vou explicar isso?" Eu pergunto a ela, e ela deixa escapar um ‘hunff’. "Culpe-me. Diga a ela que foi tudo idéia minha. Eu não vou permitir que minha única neta passe três semanas em um hotel quando ela poderia estar aqui comigo. Eu não vou permitir isso, Christopher". Ela diz com firmeza. "Ela vai pensar que você não gosta dela, e ela não pode pensar isso, especialmente agora mãe." Isso é ruim, muito ruim. "Querido, eu disse a Lauren que você traria seus pertences do carro, foi à razão pela qual eu vim para cá". Ela interrompe meus pensamentos e me entrega as chaves de Lauren. Eu vou ter que pensar em algo. Eu não posso dizer a Lauren ela tem que sair, e faz sentido que ela fique aqui. Jenna é racional. Vai ficar tudo bem. E tudo vai ficar bem. Minha mãe está certa. Após estas três semanas, Lauren não vai desaparecer. Haverá momentos em que estaremos juntos, sozinhos mesmo, e vai ser legal porque durante estas


três semanas, nós vamos ser amigos. Sinceramente, vou ser capaz de dizer a qualquer um que pergunte que ela é apenas minha amiga. Eu respiro fundo e recupero as duas malas de viagem e mochila do portamalas do carro de Lauren. Eu não posso ignorar o sentimento animado sabendo que elas vão estar aqui por quase um mês. Estou nervoso, e eu sei que haverá momentos difíceis que precisamos lidar, mas não vai ser tudo difícil, ruim, ou desconfortável. Tudo vai ser bom. "Tudo vai ser bom". Murmuro para mim mesmo entrando em casa pela cozinha. As coisas já estão melhorando. Minha mãe tem um prato de biscoitos de chocolate que esperam por mim. Eu faço o meu caminho para o quarto de Caylen e a vejo brincar com a casa de bonecas que meu pai e eu montamos juntos para ela. "Ei você aí". Eu digo, deixando as malas. Ela tem uma boneca em uma mão e um cookie na outra. Ela começa a rir. Eu pego ela. "Podemos compartilhar seu biscoito?" Eu pergunto a ela, e ela começa a colocá-lo na minha boca. Muito ruim é embebido com baba. "Hey." Eu viro e vejo Lauren em pé na porta. Ela está vestindo um suéter branco de grandes dimensões e calça jeans, o cabelo em um rabo de cavalo, e eu sinto a mesma emoção de quando a vi pela primeira vez, só que desta vez ela tem um sorriso largo e quente em seu rosto. Meu Deus, ela é linda. Mas assim é Jenna. Jenna é bonita, e você ama Jenna. "Como foi a viagem?" Eu pergunto-lhe me sentando na cadeira de balanço que minha mãe escolheu para o quarto. "Boa". Ela balança a cabeça, e seu sorriso largo muda. Ela olha rapidamente por cima do ombro e fecha a porta atrás dela. "Eu sei que sua mãe disse que você achava que isso era uma idéia fantástica, mas eu só queria ter certeza de que está realmente tudo bem com você?" Ela pergunta hesitante, sua mão segurando o pulso dela. Ela parece nervosa e mesmo que ela acabe de conhecer minha mãe, ela vê claramente que se tratava de um esquema da avó desesperada.


Ainda assim, o momento em que ela entrou na sala, enquanto eu estava segurando Caylen, meus sentimentos mudaram. "Eu não consigo pensar em nenhum outro lugar que eu prefira que vocês fiquem". Eu digo a ela, e seus olhos se arregalam um pouco e ela deixa escapar um suspiro. Talvez eu não devesse ter usado essas palavras exatas, mas é o que eu estava pensando, e simplesmente saiu. "Você gostou do quarto?" Eu digo rapidamente, querendo mudar de assunto. "Eu amo isso. Foi realmente doce de todos vocês". Diz ela timidamente. Eu não posso acreditar que eu a faço tímida, mas eu faço. Eu me pergunto se eu a faço se sentir tão nervosa quanto ela me faz. "Minha mãe escolheu tudo. Meu pai e eu colocamos tudo junto". Eu rio. "Seu pai está bem comigo ficando aqui?" Ela pergunta em voz baixa como se alguém fosse entrar no quarto fechado. "Ninguém pergunta a ele sobre qualquer coisa por aqui". Eu brinco, e ela ri inclinando a cabeça para trás mostrando suas grandes covinhas. Eu tento comandar meu coração a não acelerar. Há uma batida na porta que assusta. Eu acho que ela esqueceu que ela fechou. Ela abre, e minha mãe está lá com um sorriso nervoso. "O que foi mãe?" Pergunto. a expressão em seu rosto me preocupa. "Chris, eu posso roubar você por um momento?" Ela pergunta. Lauren me olha preocupada. "Ok". Eu digo com calma e dou a Lauren um sorriso tranquilizador. Eu libero Caylen para o ursinho de pelúcia que ela está batendo. Quando estou fora do quarto, ela fecha a porta atrás de mim. "Jenna apenas apareceu lá fora". Ela me informa nervosamente. Oh droga. "Você disse a ela para vir hoje?" Ela pergunta timidamente. Eu concordo. Eu disse-lhe para vir hoje, mas eu não achei que ela viesse agora. "Você disse a Lauren que Jenna estava vindo hoje?" Pergunta ela firmemente.


Não. Minha mãe deixa escapar um suspiro nervoso. "Chris, com tantas mulheres em sua vida, você vai ter que aprender a se comunicar um pouco melhor." Ela suspira. Não é um problema de comunicação, mais como um problema procrastinação. "Eu acho que você deve deixar Lauren saber que Jenna está prestes a chegar". Diz ela, apontando de volta para o quarto. Vou deixar Jenna entrar em casa. Ela balança a cabeça antes de me deixar em pé ao lado da porta, parecendo como um idiota. Eu sou um idiota. Eu deveria ter falado com Lauren sobre isso há algum tempo, mas não pode ser um grande negócio. Ela sabe sobre Jenna e que, eventualmente, ela vai ter que conhecer Caylen. Vai ficar tudo bem. Deixei escapar um suspiro profundo antes de entrar. Quando eu entro, ela desfaz a mala. Ela olha para mim com curiosidade. "O que foi?" Pergunta ela com conhecimento de causa. Eu preciso saber como eu me sinto. "Eu queria ter uma chance de falar com você sobre isso primeiro, mas... bem, Jenna está aqui para conhecer Caylen." eu digo e engulo o caroço na minha garganta. Ela deixa cair a camisa que ela estava dobrando, e posso dizer que sua respiração mudou. Ela não olha para mim. Ela mantém os olhos sobre a camisa que ela estava dobrando. Se eu não me sentisse como um idiota antes, eu definitivamente sentiria agora. Seu rosto está vermelho, e eu sei que não é de constrangimento ou talvez seja. A primeira vez que vi o rosto corado dessa cor, Cal era a causa. Desta vez eu não posso culpá-lo. Esta é estritamente por causa de mim. "Ela está aqui agora?" Sua frase é rápido, mas agitado. "Sim." Eu aceno. Os próximos segundos são mais do que estranhos. Tenho a sensação de que Lauren está queimando buracos na camisa que segura para a impedirem de queimar buracos na minha cara. Há um


estranho silêncio até Caylen começa a bater um de seus livros no chão. Isso parece tirar Lauren de seu transe. "Apenas me dê alguns minutos para limpá-la. ok." ela responde pegando Caylen e tomando o biscoito de chocolate encharcado de sua mão. Antes de sair pela porta eu volto para encará-la. "Obrigado Lauren." Ela olha para mim com um sorriso apertado e começa a limpar a boca de Caylen. Quando eu fecho a porta, deixo escapar uma respiração profunda e oro para que isso seja tão suave quanto possível. Não pode ser pior do que a última vez que elas se encontraram. Esperemos.


Eu sou uma idiota. Eu não posso acreditar que eu fui tão estúpida. Eu não sei por que. Provavelmente porque eu sou uma idiota, mas uma parte de mim pensou que as coisas estavam prestes a mudar. Inicialmente, eu pensei que nós ficarmos aqui era uma jogada de sua mãe procurando ter mais tempo com Caylen, mas quando ele disse que não havia nenhum lugar que ele preferia que nós ficássemos, eu pensei que houvesse uma chance. A chance de que talvez Chris pudesse me ver do jeito que Cal olhava. Agora eu sei que não há nenhuma chance disso acontecer. Eu não poderia mesmo desempacotar uma mala antes que a pouca ilusão desmoronasse ao meu redor. Eu deveria ter esperado por isso, eu realmente deveria. Como Raven disse, eu lhe disse que estava deixando o passado para trás, e ele está noivo de outra mulher, uma mulher que eventualmente teria que conhecer Caylen. Sua vida não parou de se mover. Eu ainda sou a menina tola que Cal deixou esperando por ele, e eu ainda estou esperando, a única esperando aparentemente. Jenna não vai ser a mulher estranha que eu vi uma vez, ela vai ser uma parte de tudo isso. Ela não está à espera de qualquer coisa desde que ela quer conhecer Caylen já, e se ela está se encontrando com Caylen, ela não tem intenção de ir a lugar nenhum. Em algum lugar dentro de mim, eu estava esperando que a loucura desta situação a fosse fazer correr em outra direção, mas aparentemente ela é tão estúpida como eu sou e será um longo trajeto. Como é que eu vou enfrentá-la? Como você é agradável e finge ser cordial com uma mulher que tem o homem que você está amando? Eu dei um monte de falsos sorrisos e fingidos, mas eu não sou uma atriz boa o suficiente para puxar isso para fora. Mas eu tenho que tentar, porque não há nenhuma maneira que eles estarão sozinhos levando Caylen a algum lugar.


Chame-me egoísta ou superprotetora, mas até que eu conheça esta mulher, isso não está acontecendo. O que significa que eu vou ter que ficar e conhecer esta mulher. "Poo! Poo! Poo!" Murmuro para mim mesmo. Caylen está alheia a tudo isso, graças a Deus. Eu limpei o rosto que estava manchado de chocolate e migalhas de cookies e a vesti com um pequeno macacão amarelo bonito. Ela parece adorável novamente. Eu a tenho pronta em menos de cinco minutos, mas eu estou colada à cama. Como é que eu vou lá e não deixo essa mulher ver que eu estou apaixonada por esse homem? Ela vai vê-lo. Chris é o único alheio, ou ele simplesmente não se importa. Eu pego Caylen e me lembro do por que estou aqui. Eu não estou aqui por mim, eu realmente não estou aqui por Chris ou mesmo Cal. Estou aqui para que minha filha tenha um relacionamento com seu pai que é tão normal quanto possível, e se ele quer essa mulher a mulher que ele planeja passar o resto de sua vida para conhecê-la... Quanto mais eu tento me convencer disso, mais eu estou sendo empurrada, mais profundo em um buraco negro. Eu sorrio para Caylen e a beijo na bochecha antes de abrir a porta. Posso ouvi-los na sala de jantar. Ela está falando sobre a faculdade. Ela diz algo sobre seu professor de direito, e eu engulo o caroço na minha garganta e pratico meu sorriso falso que parece se transformar em um sorriso débil quando entro na sala. Chris parece aliviado, como se alguém apenas levantasse o peso do mundo em seus ombros. Talvez ele tenha pensado que eu não estaria realmente vindo. A Sra Scott me dá um sorriso tranquilizador, e então eu vejo Jenna. Não há nenhum sorriso no rosto, mas seus olhos limita-se a mim e ela se senta ereta na cadeira. Seu olhar está sobre mim. Ela nem sequer tentou olhar para Caylen. Ela está me estudando, e ela não está nem mesmo tentando escondê-lo. O sorriso praticado que eu estava mostrando, caiu completamente. Estou realmente me esforçando para não cair em uma carranca desabrochada Nós somos completamente opostas, ela tem o cabelo loiro platinado caindo ordenadamente até os ombros e olhos azuis penetrantes. Seus cílios são longos e as sobrancelhas são da mesma cor que seu cabelo assim ela é definitivamente uma loira real. Ela tem um suéter de


cashmere cinza com um elaborado alfinete de ouro. Quando meus olhos pousam em sua mão lá está ele, o anel de noivado. Eu não sei se ela percebe onde meus olhos pousam, mas eu juro que seus lábios curvaram em um sorriso e o frio que estava em seus olhos desaparece quando ela se levanta. "Posso segurá-la?" Diz ela com doçura escorrendo de sua voz. Meus olhos saltam para Chris que parece um pouco surpreso. Minha resposta imediata é "o inferno não", mas graças a Deus meu filtro está funcionando. Infelizmente, eu estou congelada. A minha boca não se abre, e minhas pernas não se movem. "Está tudo bem, Lauren?" Chris pergunta, limpando a garganta. Eu finalmente consigo andar até Chris e entrego Caylen a ele. Ele a senta em seu colo que imediatamente começa a tentar chegar aos biscoitos no meio da mesa. Chris olha para Caylen com adoração. "Ela é definitivamente sua". Diz Jenna com uma risada e eu deixo escapar uma risada muito seca. Isso era para ser uma piada? "Olá. Eu sou Jenna". Diz ela, inclinando-se enquanto observa Caylen comer seu cookie. Eu quero vomitar. "Ela é linda, Chris". Diz ela, tocando uma de suas tranças, e eu me pergunto quanto tempo devo ficar aqui antes que ela reconheça que estou na sala. "Lauren, você sempre a veste tão adoravelmente". Diz a Sra. Scott, e eu tento forçar um sorriso, mas nenhum vem. "Você não acha, Jenna?" Diz ela, obviamente, tentando dar uma dica a Jenna. "É muito bonita". Diz ela sem rodeios, mantendo os olhos em Chris e Caylen, e eu sinto meu rosto começar a queimar. Ela está fazendo isso de propósito, não me reconhecendo. Da mesma forma que o Sr. Scott fez. Caylen está embalada com Chris eu não estou incluída. "Você sabe que Katie estava dizendo que nossas cores do casamento devem ser amarelas e brancas, mas eu pensei que era muito simples. Estou pensando em algo mais chique como taupe." Ela olha para mim. O rosto de Chris fica vermelho, e eu sinto minha garganta começar a queimar. "Eu acho que o amarelo é uma cor bonita". Diz a Sra. Scott, eu tento ignorar a crescente pressão em minha cabeça.


"Nós levamos Caylen para o zoológico a última vez que estiveram aqui. Ela ama os animais, assim como eu faço". Chris interrompe, tentando aliviar a tensão na sala. "É possível um bebê de um ano de idade, até mesmo saber o que está acontecendo no zoológico?" Ela pergunta em tom de brincadeira, mas sai condescendente para mim. Ela está realmente tentando me ofender? "Eu acho que todos nós tivemos um bom tempo". Eu digo. Eu não percebo o tom em minha voz até que suas cabeças empurram na minha direção. Chris parece nervoso, a Sra. Scott sorri para mim calorosamente, enquanto Jenna me dá um sorriso melancólico. "Eu não quis dizer nada". Diz ela, inocentemente, mas seu tom está longe de ser apologético. "Jenna não é realmente uma pessoa para crianças." Chris ri nervosamente, e ela lhe dá um olhar ofendido. "O que significa isso?" Pergunta ela bruscamente. "Eu só quis dizer que você não está realmente em torno de crianças." Ele joga as mãos em defesa. "Só porque eu não quero ter mil deles não significa que as crianças não gostam de mim". Diz ela, revirando os olhos para ele, e naquele momento está solidificado; Eu não gosto de Jenna. Sua atitude faz-me sentir muito melhor sobre o fato de que eu quero o meu marido; seu noivo. "Jenna vem de uma família de advogados." Chris interrompe, e eu sorrio fingindo estar interessada em saber quanto tempo vai demorar antes das migalhas do bolinho de Caylen e chocolate vão estar toda aquela bela camisa que Jenna está usando. A parte malvada de mim quer ver como ela reage, mas vendo como Chris está nervoso, eu decido dar-lhe uma pausa. "Você quer que eu a pegue?" Eu ofereço. "Ela está bem". Diz Jenna inflexivelmente. Ok.


"Uma das empresas da minha mãe é baseada em Chicago. Klaron e Franklin?" Ela pergunta como se eu tivesse ouvido falar dele. "Vou manter isso em mente, se eu alguma vez precisar de um." eu respondo, e ela abre a boca para dizer alguma coisa, mas Chris pega a mão dela e a aperta. E eu sinto como se meu coração afundasse. Não olhe afetada. Não olhe afetada. Isso deixa Jenna mais irritada com o gesto do que satisfeita com isso. Então ela olha para baixo em seu suéter de cashmere que agora tem uma grande mancha de chocolate acompanhada de baba e ela parece absolutamente enojada. "Oh, Caylen. Olha o que você fez". Eu digo em um tom falsa bronca. "Oh, eu tenho uma toalha." A Sra Scott vem com um pano molhado. "É apenas chocolate". Diz Chris, e ela corta os olhos para ele. Eu chego para Caylen, e desta vez ela não hesita em entregá-la para mim. "Aqui, deixe-me ajudar". Diz a Sra. Scott. "Não, não. Só vai borrar. É unicamente para lavagem a seco". Ela se encaixe. "Ela provavelmente não deveria comer isso de qualquer maneira. Não é ruim para seus dentes?" Pergunta ela com escárnio. "Acho que Lauren fez uma exceção, já que eu os fiz." A Sra. Scott sorri para mim. "Seu primeiro lote de biscoitos caseiros da avó é uma ocasião especial". Eu digo simplesmente e retribuo o sorriso da Sra. Scott. Ela está realmente me dando conselhos nutricionais sobre a minha filha? "Eu vou te dar uma de minhas camisas para vestir para o jantar". Diz Chris. "Na verdade, eu não vou ficar". Ela responde, e agradeço a Deus. Chris parece surpreso; eu, por outro lado, estou muito feliz. "Temos o jantar de angariação de fundos do meu pai". Diz ela calmamente. "Ah, eu esqueci sobre isso". Diz Chris culpado. Ela suspira. "Claro sim." "Lauren, você se importa se falamos lá fora um pouco?". Ela pergunta e tanto Chris quanto Sra. Scott olham tão chocados quanto eu.


"Claro". eu digo. "Vou levá-la." A Sra. Scott oferece, e eu entrego Caylen até ela. Chris olha Jenna, e ela sorri. "Não vou demorar muito". Diz ela antes de dar-lhe um rápido beijo nos lábios. Ela se vira para mim. "Pronta?" Ela pergunta, e eu contenho o suspiro enojado que está implorando para ser liberado. Eu não conheço Jenna, mas do que eu percebi sobre ela desde a breve vez em que eu estive em torno dela, é que ela gosta de estar no controle. Eu penso sobre Chris e me pergunto se ele é fácil de controlar. Ele e Cal são opostos quase exatos. Desde que Cal era completamente incontrolável Chris deve ser completamente controlável e o que ela faz para Chris nunca fodidamente conseguiria com Cal. "Eu vou direto ao ponto". Diz ela, me olhando diretamente nos olhos. Eu posso dizer que esta vai ser uma conversa divertida. "Chris é um homem simples. Isso é uma das coisas que eu amo sobre ele. Ele quer fazer o que é melhor para todos. Se ele está fazendo isso, ele está feliz o que me faz feliz". Diz ela com ironia. Em seguida, ela anda mais perto de mim. "As coisas podem ser fáceis entre nós ou elas podem ser difíceis. Chris quer que as coisas sejam fáceis, então eu gostaria que as coisas fossem muito fáceis". Diz ela, e eu posso ouvir a autoridade em sua voz, o que é ridículo porque Chris é um homem adulto, e ela definitivamente não tem qualquer autoridade sobre mim. "Bem, se elas são fáceis para você ou não, não é a minha preocupação, Jenna. Estou aqui por Caylen. Essa é a minha principal prioridade". Eu digo sem rodeios, e seus olhos se arregalam. Eu não acho que ela está acostumada a alguém sendo tão franco com ela é com todos os outros. "É engraçado você dizer isso porque eu tenho uma suspeita de que não é a única razão pela qual você está aqui". Diz ela, deslizando para baixo de seu poleiro no parapeito. "Eu acho que você quer meu noivo". Diz ela sem rodeios, e eu deixei escapar uma risada. A grande coisa a se dizer a Jenna é que esta conversa acabou, mas eu não estou me sentindo muito madura hoje.


"Você quer dizer o meu marido". Eu respondo de volta e o sorriso desaparece. "Veja. Eu não sei como o seu relacionamento com 'Cal' era. Eu realmente não me importo. Eu vou ser a esposa de Chris muito em breve, e eu realmente aprecio isso se você não tentar usar a sua filha como um peão". Diz ela. Minhas bochechas estão quentes e eu mordo meu lábio. Ela tem que estar atraindo-me, me querendo virar para fora e ser a mulher louca como da última vez. Então, ela pode mostrar Chris que eu sou uma lunática emocional. Eu não vou fazer isso, porém. "Eu não vou a lugar nenhum, Lauren. Chris é muito agradável para dizer isso para você, mas nós estávamos no amor antes de nós sabermos que você existia. Não é justo, mas eu estou aqui para ficar. Quanto mais cedo você chegar a um acordo com isso, melhor será para todos. Incluindo Caylen." "Bem, até que você seja sua esposa, eu acho que as conversas de parentalidade vão ficar entre Chris e eu. Obrigado, no entanto." eu digo, vestindo meu sorriso praticado como uma campeã. Naquele momento, o Sr. Scott sobe. Ele olha entre nós, obviamente, sentindo a tensão. "Senhoras". Diz ele, dando-me um aceno de cabeça. Eu não posso deixar de notar que Jenna recebe um sorriso real. "Sr. Scott, você pode chamar o Chris? Lauren, eu acho que já acabamos." Ela diz a última parte com desdém. "Eu vou fazer isso". Diz ele. Eu sigo o Sr. Scott para dentro da casa, olhando atrás de mim para ela antes de fechar a porta. "Está tudo bem?" Ele pergunta entre grunhidos, olhando para mim momentaneamente como ele olha para o seu correio. "Macio como pêssego". Eu digo com força. Ele sorri para mim antes de sair para dar a mensagem de Jenna e me deixa de pé na sala de estar. Ele é um idiota. Eu rapidamente dirijome para o banheiro, evitando a Sra. Scott e Chris, que eu ouço na cozinha e ainda está falando. Eu tento me impedir de caminhar pelo pequeno espaço, mas eu estou tentando trazer minha raiva para baixo. Eu não posso acreditar que Chris poderia se preocupar com alguém assim. Ela é uma vadia arrogante! Então ela teve a audácia de falar


assim comigo depois de não ter dito uma palavra para mim quando entrei na sala. E então ela se alegra em ser a noiva de Chris antes mesmo de estarmos divorciados. E pensar que eu teria que lidar com uma mulher assim para o resto da minha vida me faz querer gritar. Mesmo que Chris não queira estar comigo, ele pode encontrar alguém com uma atitude melhor do que ela. Sento-me na borda da banheira e ajusto o meu rabo de cavalo. Eu rio de mim mesma. Quem diabos sou eu para dizer a Chris que ele não pode ter sentimentos por uma cadela? Cal pode ser um puto a maior parte do tempo. Eu acho que Chris e eu temos mais em comum do que eu pensava.


Quando eu saio na varanda para atender Jenna, ela imediatamente me puxa para ela e me beija nos lábios. É estranho porque ela tem sido compreensivelmente distante desde que Lauren chegou a minha porta. Eu não tive a chance de ver Lauren no meu caminho. Eu estou supondo que a conversa correu bem para Jenna estar em um bom humor. "Então, o que foi aquilo?" Eu pergunto, segurando sua cintura enquanto ela sorri para mim. "O beijo?" Ela ronrona. "Sua conversa privada com Lauren." Eu rio. "Eu apenas pensei que precisávamos esclarecer algumas coisas. Ter uma melhor compreensão uma da outra". Diz ela docemente, e eu posso sentir minha sobrancelha arquear. Eu conheço Jenna e até mesmo o jeito que ela agiu no sentido de Lauren na cozinha, eu só posso imaginar o que aconteceu do lado de fora, especialmente para ela estar em um bom humor. "O que você disse?" Eu pergunto a ela, hesitante. "Nada de mais. Basta ter certeza que ela está consciente do contexto de nosso relacionamento e onde ela se encaixa." Ela encolhe os ombros inocentemente. Ah não. "Jenna." eu digo, e a deixo ir, e ela franze a testa. "O que você disse?" Eu pergunto-lhe de novo, e ela revira os olhos. "O mais importante é o que ela disse". Ela retruca, e eu cubro meu rosto e suspiro. "Eu só quero que vocês se deem bem". Eu digo com frustração, porque eu sei que tudo o que foi dito não as tornou mais próximas.


"Olha, nós dois somos adultas. Nós nunca vamos ser amigas, e o que é importante é que ela sabe seu lugar". Diz ela. "Deixe-me adivinhar. Você colocou-a em seu lugar?" Eu gemo. "Eu precisei. Você não gosta de fazer as coisas difíceis, Chris, o que é bom. Nós nos equilibramos mutuamente. Isso é o que nos faz funcionar". Diz ela inocentemente. "Jenna, eu disse que ia lidar com isso!" Eu digo com raiva. "Ainda há muito mais para você lidar, Chris, mas nós dois sabemos como você é, e eu queria que ela soubesse o mais cedo possível, onde isso vai terminar". Diz ela, teimosa. "Essa é a coisa, isto não acaba! Ela está em nossas vidas permanentemente. Seria muito mais fácil de lidar com ela de forma amigável do que tê-la chateada e irritada. As coisas não têm que ser assim". Eu digo. "Eu não posso acreditar que você está com raiva de mim por fazer o que você deveria desde o início!" Ela zomba. "Você precisa ter a noção de todos nós sendo melhores amigos e ter jantares e passeios em conjunto, fora de sua cabeça. Isso nunca vai acontecer. Você se lembra de como nos conhecemos e por que ela está aqui?" Ela cospe para mim. "Eu não estou lhe pedindo para ser sua amiga. O que eu estou pedindo para você é ser cordial, educada, para não tratá-la como, como..." eu tropeço para encontrar a palavra certa. "Como se ela fosse a maldição da minha existência." Ela ri. "Sim, isso seria bom". Eu digo sarcasticamente. "Mas ela é". Diz ela sem rodeios, e eu deixo escapar um suspiro. "Ela só vai estar aqui por três semanas, Jenna. Eu realmente espero que você comece a tentar não vê-la dessa forma. Quando nós formos casados, não serão muitos, mas provavelmente haverá momentos em que você terá que falar com ela ou estar perto dela enquanto eu não estiver lá..." "Você quer dizer na cidade?" Pergunta ela, interrompendo-me. "O quê?" Pergunto.


"Você disse que ela só vai ficar aqui três semanas. Você quer dizer que na cidade?" Ela pergunta desconfiada, e eu olho para longe dela sabendo que está prestes a assumir a conversa na direção oposta do que eu queria. "Ela vai ficar aqui?" Jenna cospe as minhas palavras de volta para mim. Eu não deveria ter dito nada, mas eu não sabia se Lauren tinha mencionado isso. Estou tentando não adicionar mentiroso ao meu currículo, juntamente com o noivo mentalmente instável, mas as reações como esta, mesmo que compreensível, me faz querer mentir. "Você pensou que eu estaria bem com isso?" Ela pergunta-me com raiva. "Ela vai estar em um piso totalmente diferente da casa. Não faz sentido elas ficarem no hotel e pagar todo esse dinheiro indo e vindo". Eu digo, imitando o argumento de minha mãe. Eu posso dizer pelo olhar em seu rosto que ela não está comprando ele em tudo. "Por que diabos ela precisa ficar com você, Chris?" Ela dispara de volta com raiva. "Ela não está ficando apenas comigo. Meus pais estão aqui!" Isso não está funcionando em tudo. "Caylen é sua filha também! Ela não precisa ficar aqui? Não me diga que ela não confia em você com ela". Afirma ela, incrédula. "Ela é apenas um bebê, Jenna. Talvez ela não se sinta confortável deixando-a com as pessoas que ela acabou de conhecer". Eu digo um pouco irritado. "Você não é um estranho para ela". Diz ela com raiva. "Você não pode ser tão alheio. Ela é apaixonada por você, Christopher!" Diz ela, apontando o dedo no meu peito. "Não sou eu, Jenna! Cal, não é quem eu sou". Eu digo com raiva. Se eu preciso de alguém para conseguir isso, é ela. Se ela não entende como posso esperar que mais alguém entendesse? "Quem você acha que ela vê quando ela olha para você?!" diz ela bruscamente.


"Exatamente! Ela vai me conhecer, enquanto ela está aqui e ver que eu não sou ele". Eu grito de volta para ela, e ela parece surpreso. "Jenna, eu não quero discutir sobre isso toda vez que vejo você". Eu imploro, agarrando suas mãos, e ela as leva longe e as coloca em seus quadris. "Não haverá mais argumentos". Diz ela com calma, e eu sou pego de surpresa por sua mudança de humor. "Eu vou ter certeza que minha mãe elabore os papéis para o seu divórcio". Diz ela simplesmente. Meus olhos se arregalam. "Não, você não vai fazer isso. Eu não quero que seus pais saibam sobre isso!" "Christopher, eles já sabem. Aparentemente, quase todos na cidade sabem que você tem uma filha agora. Eu tive que explicar antes que descobrissem e chegassem a uma conclusão muito pior". Ela dá de ombros, e eu coço a cabeça. O que poderia ser pior do que isso? "O que eles disseram?" Pergunto com relutância. Ela sorri. "O que você acha que eles disseram?" Diz ela, deixando escapar um suspiro. Isso é fantástico. "Você já parou para pensar sobre como isso me faz parecer, Chris?" Ela pergunta, e eu olho para baixo, culpado. Eu não pensei. Tenho estado tão ocupado tentando descobrir tudo isso que não penso sobre o que as pessoas podem pensar dela. "Olha, eu não me importo com o que as pessoas pensam sobre mim, especialmente aqui. Eu só gostaria que você me considerasse a outra mulher envolvida nisso". Diz ela, olhando para mim com lágrimas nos olhos. Eu puxo-a para mim, e ela me deixa abraçá-la. Eu acaricio seu cabelo. "Eu quero que essa bagunça termine. Eu quero começar nossa vida juntos e ela acenar seu casamento na minha frente torna tudo isso mil vezes pior. Eu me sinto completamente ridícula usando meu anel enquanto ela tem o seu sobrenome". Ela choraminga. "Tudo vai dar certo. Eu prometo. Ok?" Eu passo para trás e inclino seu queixo para cima do meu e ela sorri para mim. Eu abraço-a com força. As últimas conversas que tivemos terminaram com ela chorando


em meus braços. Eu digo a mim mesmo novamente tudo estará se ajeitando, mas dessa vez sinto se fosse uma mentira. No final de três semanas, alguém vai se machucar. Como você machuca alguém da maneira mais gentil possível?

Depois da nossa briga, Jenna me fez sentir tão mal sobre Lauren ficar que concordei em ir para o jantar de angariação de fundos do parceiro de seu pai que eu esqueci. Não que eu esteja olhando para frente, mas eu estou esperando que eu possa me misturar com conhecidos ou esbarrar em alguém que pode falar sobre o jogo de ontem à noite. Quando eu disse a Lauren que eu ia ela não falou muito. Ela só me deu um pequeno sorriso e ficou observando o programa de TV que estava passando. Minha mãe reagiu mais do que Lauren, perguntando como eu poderia deixar a primeira noite de Caylen em casa, mas Lauren realmente pulou em minha defesa, dizendo que ela estaria dormindo em menos de meia hora depois de eu saísse. Meu pai desapareceu em sua caverna. Eu o ouvi e minha mãe discutindo sobre Lauren ficar com a gente. Eu não ficaria por aqui para bisbilhotar sobre os detalhes. Eu tive argumentos suficientes esta semana para durar uma vida. Eu só tenho três ternos. Um cinza que me faz sentir como se eu estivesse indo para um funeral, um azul que Jenna comprou, e me faz sentir como um vendedor de carros, e o preto que me faz sentir como se eu estivesse na máfia. Se eu tivesse que escolher entre eles, a máfia parece mais emocionante, mas eu agarro o que Jenna comprou. Eu tomo banho e coloco o terno com uma camisa branca por baixo e gravata preta. Eu olho para mim mesmo no espelho e sinto que estou vestido com roupas de outra pessoa. Eu não sei nada sobre moda ou o que é, mas eu não posso ajudar, mas sinto que algo está fora sobre o meu olhar. Jenna vai ter que me dar uma pausa nisso. Eu vou ao quarto


da minha mãe e a vejo dormindo. Eu ia pedir-lhe para me ajudar, mas ela teve um longo dia. Ela foi até mesmo mais cedo do que normalmente é se preparando para a chegada de Caylen. Eu desço as escadas e tudo está escuro, exceto pela luz que brilha por baixo da porta do quarto novo de Caylen. Eu posso ouvir música. Eu ando em direção à porta para bater, mas eu não bato. Lauren tem sido bastante tranquila desde a conversa com Jenna, não que eu a culpe. Ela não falou muito no jantar e parecia um pouco atordoada. Eu não sei o que elas disseram uma a outra, mas seja o que for a tornou reservada comigo. Eu acho que é uma coisa boa. Eu sei que há certa distância que devemos manter de qualquer maneira. Dirijo-me para fora de sua porta e caminho para o outro lado da cozinha a fim de sair pela porta traseira. "Chris". Ela chama em voz baixa. Eu me viro e vejo-a parada com uma camisa de grandes dimensões que engole seu pequeno corpo sobre calças de moletom cinza, ela está com óculos de leitura preto, mas ela ainda parece incrível. Eu afasto os pensamentos da minha cabeça. "Hey." eu respondo. Ela me olha com curiosidade, seus olhos me analisando, e eu percebo que eu estou vestido como um cruzamento entre um pinguim e um manobrista. "Eu não sabia que você usava óculos". Eu digo, tirando os holofotes de cima de mim. Ela leva-os fora assim que eu digo isso. Ela parece envergonhada. "Só para ler". Ela responde, fechando a porta atrás dela. "Um pouco de sede". Diz ela, apontando para a geladeira. "Ah, claro." eu digo, enquanto ela passa por mim em direção à geladeira. Eu vejo quando ela entra e pega o recipiente de suco de laranja. Eu não sei por que meus pés se sentem presos, porque eu estou tão fascinado com o que ela está fazendo, e por que eu não fui ainda. Estou dez minutos atrasado já. Depois que ela derrama sua bebida, ela fecha a geladeira e começa a voltar para seu quarto. "Tenha um bom tempo, Chris". Diz ela. É isso, ela nem sequer olhar para mim, e eu não sei por que eu me importo tanto, mas eu faço. "Lauren," eu chamo com um pouco mais de urgência do que eu pretendia. Ela se vira um pouco surpresa. Seus olhos caem sobre mim, e


ela sorri. "Eu não sei o que Jenna disse a você antes, mas em seu nome, peço desculpas." Ela balança a cabeça, mas não diz nada. Nós dois ficamos ali um pouco desconfortável. Não porque não há nada a ser dito. Eu acho que há muito a ser dito. Gostaria que ela dissesse alguma coisa, qualquer coisa. Eu gostaria que pudéssemos conversar como fizemos naquela noite. Mas pelo menos ela ainda está de pé aqui. Ela não entrou em seu quarto e fechou a porta na minha cara. Nossos olhos se encontram e meu coração acelera. "Você não fez nada de errado". Diz ela depois de alguns minutos, seu dedo correndo sobre o vidro em sua mão. "Como você a conheceu?" Ela pergunta seus olhos seguindo meu dedo. Vou até a pequena mesa e me sento. Eu deveria estar saindo, eu já estou atrasado, mas como eu não posso responder a sua pergunta. Talvez ele vá mostrar Jenna em uma luz melhor do que ela mostrou-se mais cedo. "Quando minha mãe ficou doente," Eu começo e solto um suspiro. Ainda é difícil falar. Ela caminha até mim e se senta ao meu lado. "Era como se a vida houvesse defecado em mim. Depois de tudo comigo e com minha condição, as contas médicas, o stress de tudo isso. E então minha mãe ficou doente." Ela balança a cabeça como se ela entende. Eu acho que ela teria alguma idéia. "Nossa casa era como um funeral. Minha mãe, ela é a única que mantinha nossa família junta. O pensamento de não tê-la matava meu pai e eu". Eu digo honestamente. "Ele era mais forte que eu, mas eu posso dizer que o machucava, e eu não sabia como lidar com isso. Eu não podia chorar, porque eu sentia-me vazio, perdido, completamente perdido. Ninguém poderia me trazer para fora do que eu só posso descrever como mal estar." "A única vez que eu saía de casa era para ver minha mãe no Hospital Universitário. Jenna vai para a faculdade lá na cidade." eu explico hesitante. Ela balança a cabeça, encorajando-me a ir em frente. Eu suspiro.


"Nós fomos para a faculdade juntos, mas nós realmente não conhecemos um ao outro, você sabe? Ela me viu e falou comigo, mas eu não lhe respondi. Acho que eu estava em transe ou algo assim e ela pensou que eu estava sendo rude então ela começou a gritar comigo". Eu explico. Lauren olha para mim, um pouco confusa. "Antes disso, eu parei de ver as pessoas. Eu estava em um nevoeiro que não conseguia me livrar, e eu comecei a rir dela. Eu não tinha rido em meses naquele ponto." Lauren acena com a cabeça, um pequeno sorriso em seu rosto. "Estou feliz que você tinha alguém lá para você". Ela diz baixinho. "Fomos amigos por um ano inteiro. Eu não poderia estar com ninguém enquanto minha mãe estava doente." Eu dou de ombros. "Quando vocês começaram a namorar?" Ela pergunta curiosa. "Cerca de cinco meses, uma vez que os médicos disseram que a minha mãe estava em remissão". Eu digo ainda odiando até mesmo dizer a palavra "câncer" em voz alta. "Jenna empurrou-me para não me sentir miserável. Voltei para a escola e terminei a minha licenciatura e comecei a trabalhar novamente. Se não fosse ela não me deixar sentir pena de mim mesmo, acreditando que o mundo estava acabando, eu não sei o que teria acontecido." eu digo honestamente. O olhar de Lauren volta em seu copo. "Jenna pode parecer diferente de como ela realmente é. Eu não sei o que ela disse lá fora, mas. Ela só se sente ameaçada..." Eu digo com um suspiro. Ela pega o copo e bebe a metade. "Você está animado sobre hoje à noite?" Diz ela, mudando de assunto. "Não. Eu odeio essas coisas". Eu admito. "Sua gravata". Ela diz baixinho, apontando para ele. Eu ri. "Eu me sinto como um manobrista." Há um sorriso, um pequeno, mas está lá. Eu vou levar.


"Está muito escura para o seu terno. Você tem outras cores?" Ela pergunta. "Sim, não muito, mas eu só peguei uma que combinava". Eu digo honestamente. Ela ri, e meu coração salta uma batida. "Eu posso ajudá-lo, se você quiser". Diz ela, hesitante. "Por favor!" Eu imploro. Ela solta uma risada leve. "Ok". ela ri. Eu subo as escadas, e ela me segue. Uma vez que entro no meu quarto, eu ligo a luz e caminhar até minha gaveta onde eu tenho cerca de sete ou oito gravatas que minha mãe comprou. Eu senti-a atrás de mim, e eu sai do caminho para que ela pudesse olhar elas. "Desculpe, mas você não tem muito com que trabalhar". Eu digo e ela sorri para mim. "Você tem outros ternos?" Ela pergunta. Ela realmente não deve gostar deste. Concordo com a cabeça e caminho até o armário e mostrolhe as outras opções. "Acho que o preto". Diz ela com um encolher de ombros. Ela volta à minha gaveta de gravata e pega uma vermelha. Minha mãe comprou para mim no Natal do ano passado. "Você tem certeza?" Pergunto cético. "Confie em mim". Diz ela com um sorriso. "Ok. Eu estarei de volta". Eu digo a ela. Vou para o banheiro e mudo para o terno preto e reapareço. Ela está sentada na minha cama inclinada sobre almofadas. Ela parece tão confortável, como se pertencesse a ele. "Na verdade, você tem outra camisa? A gola desta parece um pouco estranha". Diz ela com um sorriso. Eu rio, caminhe para o armário onde minhas camisas de colarinho estão, e ela está ao meu lado. Ela embaralha através deles e, em seguida, puxa uma fora e inspeciona-o. "Posso ver a gravata de novo?"


Eu entrego a ela. Ela coloca-o perto da camisa e dá um aceno de aprovação. "Ok". Eu digo com ceticismo. Eu começo a desabotoar a camisa, e há um momento em que eu me pergunto se eu deveria virar-me ou se ela vai sair do quarto. Ela não faz. Ela, na verdade, cruza os braços como se estivesse esperando por mim para mudar. Então eu faço. Ela olha ao redor do quarto. Ela não está olhando. Eu removo rapidamente a outra camisa e jogo a através da que ela escolheu. Ela está olhando para seus pés, mas eu pego-a olhando para mim antes de ela rapidamente desvia o olhar. Isso me faz sorrir. Eu tenho que morder a língua para detê-lo. Eu não sei o quão bem sucedido que eu sou. Depois que eu abotoo a camisa, eu jogo a gravata em volta da gola e do o nó. "Que tal agora?" Eu digo, fazendo o meu melhor GQ pose, e ela cai na gargalhada. "Você deu o nó errado". Diz ela andando em minha direção. O mais perto de mim, mais difícil pareço respirar, como a temperatura, de repente subiu. Ela mantém os olhos na minha gravata. Eu quero que ela olhe para mim, mas eu estou rezando para que ela não o faça. Essa linha entre nós, o que é suposta ser de larga espessura e largura está ficando apenas um pouco mais fina. Ela provavelmente fez isso para ele mil vezes, mas isso não explica por que suas bochechas estão vermelhas. Cada vez que seus dedos escovam contra o meu peito eu me sinto ansioso, calmo, nervoso e animado ao mesmo tempo. Está levando tudo em mim para manter meus braços em meus lados. Cada força de determinação que eu tenho está sendo empregado para acabar com o desejo de envolver meus braços ao redor de suas pequenas costas, puxá-la contra mim e beijar os lábios que estão pouco abertos, mas me implorando para prová-los. Isso não é bom...


Quando ela termina, ela pisa longe de mim, e eu deixo escapar um suspiro, esperemos que não um óbvio. Ela pega meu casaco e entrega para mim. "Para o efeito completo". Diz ela levemente. Eu rio para acalmar os nervos. Ela está deslocando seu peso para trás e para frente. Uma vez que eu olho no espelho, eu tenho que dizer que eu pareço muito melhor, mais confortável, e por um minuto, eu me pergunto se me pareço com ele. "Muito melhor". Diz ela, olhando para o meu reflexo no espelho. "Obrigado". Eu digo, e ela balança a cabeça enquanto sai. "Lauren". Ela se vira nos calcanhares de volta para mim. "Você fez muito isso para mim?" Ela parece surpresa e estou surpreso. Ela faz uma pausa e um sorriso recordativo se espalha por seu rosto. "Ele não me deixava em qualquer lugar perto de suas gravatas." Ela sorri antes de sair do quarto. Eu não posso deixar de sorrir para mim mesmo. Isso significa que é a primeira vez. Meu primeiro com Lauren, que Cal não teve.

A arrecadação de fundos é exatamente como eu pensei que seria... Chato, longos discursos, comida ruim, conversa maçante, piadas antigas. Eu quero rastejar para fora da minha roupa e me enforcar com a minha gravata. O terno foi um sucesso, pelo menos; Jenna até mesmo me cumprimentou nele. Meu estômago rosna porque minha mãe não me deixou comer seu bolo de carne desde que eu estava vindo aqui. E o prato principal de hoje à noite é salmão. O peixe é a única coisa que eu não gosto, especialmente quando se parece mal cozido.


"Você pode tentar olhar um pouco interessado". Jenna sussurra em meu ouvido. Dou-lhe um sorriso culpado. Este talvez seja o segundo, terceiro, discurso prolixo que tem sido dado nos últimos vinte minutos, e estou fazendo o meu melhor para não cair no sono. "Vá pegar um pouco de ar". Diz ela, dando-me um aperto no ombro antes de me beijar na bochecha. Eu evito olhar para o melhor amigo de seu pai. Ele está me dando olhares sujos toda a noite. Seu pai provavelmente lhe deu a tarefa de certificar-se de me sentir indesejável uma vez que ele não poderia estar aqui para fazê-lo sozinho. Levanto-me e faço meu caminho através da sala redonda de médio porte alugada. Eu olho para o meu telefone para verificar a hora. 21h20m Eu só estive aqui quarenta minutos, mas parecem horas. Essa coisa provavelmente vai durar até pelo menos 23h. Estou quase na porta quando uma das garçonetes quase esbarra em mim. Quando as coisas entram em foco eu não estou no mesmo salão de médio porte em uma angariação médica. Ainda há pessoas em todos os lugares, mas há uma banda ao vivo no palco e uma enorme bandeira que diz "Crestfield Cares" com balões prata e preto em todos os lugares. Está acontecendo de novo. Estou me lembrando, eu percebo. Ele faz o seu caminho para dentro de uma sala privada. É um grande escritório, com vista para o salão no andar de baixo. Dexter está lá, com uma bebida na mão. "Sobre que você quer falar, Dex?" Pergunta ele, divertindo-se, caminhando até a janela onde você pode ver para baixo ao longo de todo o piso. "Eu nunca pensei que veria você gostar desta, Cal. Tão apaixonado." Dexter diz presunçoso com um sorriso no rosto. "Eu não sou realmente um tipo 'apaixonado'". Cal brinca enquanto olha lá embaixo, para festa. Seu olhar imediatamente encontra Lauren. Ela está em um vestido cinza curto que se encaixa como uma luva, seu longo cabelo está puxado por cima do ombro. "Gosta do vestido? Eu o escolhi para hoje". Ele responde, os seus olhos itinerante sobre ela enquanto ela conversa com um grupo de mulheres. Ela olha para ele e ele pisca para ela, ela sopra-lhe um beijo.


"Eu nunca argumentei este fato." Ele ri. "Você tem bom gosto." Dexter acrescenta. "No entanto, eu estou começando a me preocupar que ela não seja apenas uma paixão mais". Diz ele com firmeza. "Isso é porque ela não é. Eu lhe disse Dex". Diz ele, sua irritação aparente. "Eu não acho que você quis dizer isso." Ele ri. "Você percorreu mais mulheres do que você tem luzes vermelhas." O tom de Dexter é brincalhão, mas sua expressão é severa. Cal se afasta da janela e se inclina contra ela, com os braços cruzados sobre o peito. "Eu estou pedindo-lhe para se casar comigo". Afirma sem rodeios. O rosto de Dexter está em branco. Ele está quieto enquanto caminha até a grande mesa no escritório e senta-se atrás dela. Ele cruza as mãos e solta um suspiro profundo. "Eu não posso permitir que você faça isso, Cal". Diz ele em voz baixa, e eu começo a rir. A resposta de Cal é nítida. "Eu acho que você precisa se lembrar com quem você está falando antes de dizer uma besteira como essa para mim." "Cal, o casamento é um animal totalmente diferente. Não é algo que você vai ser capaz de ocultar ou tomar de volta". Diz ele, olhando-me nos olhos. "Eu não sou estúpido. Eu sei como funciona um casamento. Eu estou fazendo isso. Eu a amo". ele diz simplesmente. Dexter balança a cabeça e leva um longo gole de sua bebida. "Eu vou precisar de você para me apoiar nisso. Eu quero que ele seja legítimo". diz ele a sério e Dexter ri. Ele caminha para mais perto dele, olhando-o diretamente nos olhos. "Estou falando sério Dexter". Diz ele incisivamente. "Então você está pensando em lhe dizer a verdade?" Contraria Dexter. Cal faz uma carranca para ele. "É claro que não." Ele ri ironicamente. "Você tem sido capaz de retirar alguma versão de um relacionamento sério. Estou muito bem impressionado. Devo dar-lhe isso. Mas um casamento, para ser capaz de fazer aquilo com a sua


condição, e sem lhe dizer a verdade, você teria que ser Houdini". Ele cospe amargamente, em pé de sua mesa e servindo-se de outra bebida. Cal anda em direção a ele. "Você está certo". Diz ele e lhe dá um tapinha nas costas. Cal vai até ele. "Ela é apenas meu brinquedo. Eu estou indo para jogar com ela agora". Ele diz sarcasticamente. "Não vamos nos preocupar com nada disso agora. É uma festa. Comer, beber e ser feliz!" Ele diz ruidosamente. Dexter faz uma carranca. "Talvez eu não vá me casar com ela. Você me conhece, sempre brincando, já que minha vida é uma grande piada de merda!" "Cal, você sabe que eu não quis dizer isso assim. Eu estou tentando manter as coisas justas." Dexter diz firmemente. "Por que você não para de jogar merda arbitraria por um minuto e sei que eu preciso disso!" Ele grita com ele. "Eu preciso dela". E eu mal posso acreditar, mas as expressões de Dexter mostram um toque de simpatia. Cal se afasta, e caminha para fora do escritório. Ele começa a abrir a porta, mas se vira antes. "Não vamos esquecer, aqui entre nós dois, eu sou um dos segredos de manutenção para você. Ele não. Não fique no meu lado ruim, Dex. Não é um bom lugar para estar". Avisa-o antes de bater a porta. Ele dirige por um longo corredor onde as pessoas estão bebendo e dançando. Parece uma eternidade antes que ele encontre Lauren, que está andando em torno da festa tentando parecer interessada, uma taça de champanhe quase vazia em sua mão. Ele desliza seus braços ao redor da cintura dela. Ela olha para ele, um sorriso sedutor no rosto. "Vamos". Diz ele, e ela ri e cruza seus braços em volta do pescoço dele. "Quantos copos de champanhe você já tomou?" Ele pergunta a ela e ela olha para cima como se ela estivesse pensando. "Adivinha". Diz ela, fazendo beicinho seus lábios para ele.


"Eu vou me divertir com você esta noite". Diz ele, levando-a para a saída. "Você se diverte comigo todas as noites". Ela brinca de volta, suas mãos correndo por cima de suas costas. Eles saem da festa onde uma dúzia de outras pessoas está à espera de seu carro para saírem. "Nós vamos ter o seu carro em apenas um momento, Sr. Scott." um dos manobristas diz com um olhar em seu caminho. Um momento depois, um Porsche preto puxa ao redor, e ele leva Lauren em direção a ela. Lauren agradece o manobrista quando ele abre a porta para ela. Eles dirigem por cerca de 15 minutos com Lauren cantando junto com o rádio. "Babe, eu vou ter que pagar para você ter aulas de canto ou algo assim. Este seu cantar vistoso não é sexy". Cal brinca e ela bate-lhe no peito. Poucos minutos depois, eles param em frente de um enorme lago. Ele sai do carro e vai para o lado de Lauren do carro para abrir a porta para ela. Ele pega a mão dela e a ajuda a sair do carro. "A frente do lago. Olhe para você, sendo todo romântico". Ela brinca, e ele ri. A música está tocando no carro apenas alto o suficiente para eles ouvirem. Ele deixa escapar uma respiração profunda, e eu sinto meu coração acelerar. "Você sempre quis uma vida diferente?" Ele pergunta a ela solenemente. "Às vezes. Não querem todos?" Diz ela, aconchegando-se mais perto dele. "Se você pudesse ter a vida exata que você sempre quis, o que você faria para obtê-lo?" Pergunta ele, e ela olha intrigada. "Você quer dizer como roubar um banco ou algo assim?" Brinca. "Não, não gosto disso." Ele ri. "E se as outras pessoas não gostam da vida que você escolheu". Ele pergunta.


"Desde quando você se importa com que as outras pessoas pensam?" Pergunta ela, olhando para ele com curiosidade. "Não é sobre mim. É sobre você". Diz ele em voz baixa. "É difícil responder a essa pergunta. Eu gosto da minha vida. Eu não sou rica ou famosa ou qualquer coisa, mas eu estou feliz". Diz ela a sério. Ela olha sobre o lago e seu olhar segue o dela. "Você me faz feliz". Diz ela calmamente pegando sua mão. Sinto um sorriso se espalhando pelo meu rosto. "Se as coisas ficarem difíceis, somente estar comigo te faria feliz?" Ele pergunta a ela e ela franze a testa. "Eu não estou aqui para os restaurantes caros e para montar em seus carros extravagantes". Brinca ela antes de beijá-lo na bochecha, e ele ri. "Se você perdesse seu emprego e se tornasse um vagabundo que tivesse que pedir dinheiro na esquina, eu ainda te amaria". Diz ela, apertando a mão dele. Ele ri. "Você viveria em uma caixa de papelão comigo?" "Não, mas eu tenho certeza que depois de me formar eu poderia pagar um lugar de dois quartos para nós". Ela brinca. "E se eu estivesse doente? Você cuidaria de mim?" Pergunta ele. “Você esta doente Cal?" Ela pergunta séria. "Não. Estas são apenas perguntas retóricas". Ele diz a ela, e lava o alívio sobre ela. "Eu seria a melhor enfermeira que você já teve". Diz ela. "Você iria socorrer-me se as coisas ficassem difíceis?" ele pergunta a ela, e ela começa a rir. "É este o seu modo de me dizer que vamos ter sexo duro e áspero sobre o capô de seu carro?" Ela ri. "Isso é tudo que você quer de mim, Senhorita Brooks? Estou profundamente ofendido." Ele ri e percebe que ela está um pouco bêbada demais para ter uma conversa como essa.


Ela desliza para fora do capô do carro e fica na frente dele. Está morno lá fora, a brisa da água sopra sobre seus cabelos. Ela sai de seus sapatos e chuta para longe dela, em seguida, chega debaixo de seu vestido e escorrega sua calcinha. Ela passeia de volta para o carro e sobe em cima de seu colo, leva o lenço do bolso e substitui-o com sua roupa de baixo. "Eu vou ter que descobrir que champanhe era esse". Diz ele quando ela desabotoa as calças... "Christopher." a voz de Jenna me tem de volta à realidade. Esta realidade, pelo menos. "Você está bem?" Pergunta ela, com a mão na minha bochecha. Eu concordo. "Eu estava aqui há muito tempo?" Eu pergunto, preocupado que eu estava aqui de pé como um zumbi não sei quanto tempo. "Por dez minutos", diz ela. "O que há de errado?" Pergunta ela, nervosa. "Eu pareço ter algo de errado?" Eu respondo. "Eu não teria perguntado se você parecesse bem". Diz ela, pegando a minha mão e me levando para o carro. Sinto-me culpado segurando a mão dela, as mesmas mãos que estavam apenas por todo corpo de Lauren, não literalmente, mas eu juro que eu ainda posso sentir o calor de sua pele. Nós entramos no carro. Eu sei que estou tranquilo. Há tantos pensamentos correndo pela minha cabeça. O que Cal disse a Dex sobre manter segredos para ele, eu gostaria de saber o que esses segredos eram. Com Dexter, que poderia variar de algo pequeno para algo grande. Eu tento esquecer as emoções que corriam através de mim quando estava com Lauren. Eu me senti como se fosse genuíno quando ele disse que precisava dela. Volto a pensar quando minha mãe estava doente e na queda que eu estava como me senti morto por dentro, como eu estava de luto. Agora, eu não posso ajudar, mas acho que parte disso foi porque ele perdeu Lauren. Nós dois estávamos de luto, perdidos e morrendo por dentro. Eu balanço esse pensamento, porém, porque isso o torna muito real. Isso me


faz vê-lo como uma pessoa e não um idiota egoísta, algo que não seja o vilão. Olho para Jenna, que eu vejo está me observando pelo retrovisor. "Você parece cansado". Ela diz baixinho e eu aceno de cabeça. "Será que ela ajudou-o a escolher o que você usava esta noite?" As palavras dela caem desajeitadamente no ar. "Sim". Eu admito, e ela deixa escapar um suspiro profundo, com as mãos segurando o volante com força. "Minha mãe estava dormindo..." Eu começo a explicar. "Parecia bom, mas não é você". Ela me interrompe. Eu afrouxo a gravata e tiro. Nós não dizemos muito mais o resto da viagem. Quando ela puxa na frente da minha casa, eu me inclino para beijá-la, e ela me dá um rápido beijo nos lábios antes de se afastar. "Para sua informação, eu não quero que ela escolha suas gravatas ou a sua camisa, o que você come ou o nome de nossas crianças futuras!" Diz ela, sua raiva aumentando a cada sílaba. "Você está certa. Sinto muito, Jenna." eu digo, e ela olha para longe de mim. "Deus, como você pôde ser tão insensível?" "Eu não acho que foi um grande negócio. Eu queria parecer bem na festa para você!" Minha desculpa soa patética, até mesmo para mim. "Você não é meu braço doce! Eu não teria me importado se você aparecesse vestindo listras e bolinhas. Nada do que você faz com ela jamais vai me fazer feliz a menos que você esteja me dizendo que ela está assinando os papéis do divórcio." Ela aperta o botão para destravar as portas, me deixa fazer minha saída. "Este é o último argumento que eu quero ter sobre ela, Chris. Eu estou falando tão sério". Ela diz assim que eu saio do carro. Eu não quero dizer que sinto muito, porque isso vai piorar as coisas, a melhor coisa que posso fazer é dar-lhe tempo.


Eu sei que eu estava errado. O que me faz sentir pior é que eu queria a ajuda de Lauren. Eu planejava falar com Jenna sobre o que eu me lembrei, mas isso é uma péssima idéia agora. Eu não posso falar com meus pais, e eu não confio em qualquer um dos médicos que eu já vi. Eu quero falar com Lauren sobre isso, mas isso não parece ser a melhor idéia. Eu decido mandar um texto para Lisa e pedir-lhe para me encontrar amanhã. Eu faço o meu caminho para a casa. Meu pai está à mesa com uma xícara de café e um jornal. "Como foi o jantar?" Ele pergunta, e eu deixo escapar um gemido. Eu decido verificar a geladeira para ver se há todas as sobras que se pode levar pelas escadas para comer antes de dormir. "Você quer se sentar, meu filho?" Diz ele em um tom que implica que eu não estou prestes a desfrutar desta conversa. Em contragosto eu me sento. "Tenho certeza de que você está ciente de sua mãe e eu ter discordado sobre a questão da Lauren ficar aqui". Diz ele em voz baixa, e eu aceno. Ouvi-os mais cedo; foi muito mais do que apenas um desentendimento. "Eu acho que é melhor se você estabelecer algum tipo de fronteiras entre os dois". Diz ele genuinamente, e eu tenho que parar de rir. Às vezes eu juro que ele pensa que eu sou uma criança. "Você não está falando sério, está?" Eu não estou tendo essa conversa com ele hoje à noite. "Eu estou muito sério, Chris. Quando você começou a terapia, os médicos disseram-nos sobre certas coisas que poderiam causar..." Ele suspira. "Causar o quê?" Pergunto-lhe mais forte. "Cal voltar". Diz ele sem rodeios. "A palavra oficial é o gatilho." Ele suspira, e eu sinto meu rosto endurecer. "Certas coisas que, por qualquer motivo, o leva a ressurgir." Ele deixa escapar um suspiro profundo. Eu balancei minha cabeça. Eu realmente preciso encontrar um médico o mais rápido possível, porque há tanta coisa que eu não sei


sobre isso. Desencadear. Eu acho que às vezes em que eu comecei a lembrar de coisas, quando ele estava no controle, e se perguntou o que as causou. A coisa boa é, não provocar-lhe para voltar. Apenas a lembrança. Eu olho para o meu pai e tento enterrar minha raiva e frustração com ele. Está ficando mais difícil e mais duro e eu não sei por quê. Eu tenho o perdoado por tudo o que aconteceu, mas quando ele começa a falar comigo, eu imediatamente me sinto amargo e eu odeio isso. Meu pai é meu melhor amigo, ou ele era. Agora é difícil de tolerar ele estar na minha presença por mais de um par de minutos. "Pai, se Lauren fosse um gatilho para Cal voltar, ele já teria." Eu levanto-me da mesa e sigo para as escadas. "Chris, eu não acho que você está levando isso a sério como você precisa". Diz ele com firmeza. Eu paro e me viro. "Eu acho que você está levando isso a sério o suficiente por nós dois". Eu digo, e ele está chocado. Estou chocado. É o que eu queria dizer, mas geralmente há um filtro entre as coisas que eu quero dizer e as coisas que digo. Eu subo as escadas. Eu deveria me sentir mal, ou culpado, mas não. Eu me sinto bem.


Antes de vir aqui, eu pensei que Chris era simples, atenuado, e transparente, um "o que você vê é o que obtém" tipo de cara. Não há motivos ou situações ocultas, e uma vez que ele não tem tudo isso, ele seria fácil de ler. Eu pensei isso até ontem. Não só ele é difícil de ler, mas seus sinais estão por todo o lugar. Um minuto, eu acho que ele quer que eu fique o mais longe possível dele. O próximo é como se ele não quisesse nem mesmo que eu saísse do quarto. A diferença com Cal era que ele só deixava ver o que ele queria que eu visse o que foi frustrante, mas mais fácil de lidar. Eu só tinha duas direções: para ir, a sua ou a minha. Chris não é bom em esconder qualquer uma de suas emoções; elas estão em todo o lugar, o envio de vários sinais em várias direções ao mesmo tempo. É tão confuso. Um minuto quando eu estou pronta para desistir dele, e Cal, ele faz algo que me faz querer manter o que poderia ser. Isso me dá esperança. Mas a realidade pesada é que ele não sabe o que ele quer. O que é bom e ruim, e eu estou confusa o suficiente por dez pessoas já. Sua confusão é algo que eu realmente não posso lidar. É muito fácil de ver, e muito difícil de descobrir. Após o desastre da apresentação com Jenna, eu estava pronta para desistir. Não por causa do que ela disse realmente me afetar, mas a pouca verdade em suas palavras continua rastejando em meus pensamentos. Eu tinha quase me convencido de que todo mundo estava certo, mas então ele me deixou arrumar sua gravata. Parece sossegadamente e estúpido que um pequeno momento poderia mudar minha maneira de pensar, mas ele fez. Ele me deu um pequeno raio de esperança. Ele me deixou entrar, Chris fez, e isso é realmente tudo o que eu precisava. Eu poderia aprender a amar Chris. Eu já amo Cal. Jenna nunca poderia amar Cal. Se ele voltasse, estaria correndo para as montanhas. Que o controle que ela gosta de empunhar, conversando com Chris como se ele fosse seu filho de seis anos de idade, nunca iria voar com Cal.


Ontem à noite eu comecei a fazer mais pesquisas sobre DID, e a integração é o objetivo para alguém com a sua condição. Isso significa que Cal e Chris vão ter que ser um, e se Cal estiver em qualquer lugar lá eu não vou desistir dele, especialmente para alguém como Jenna. O que vem pesando sobre mim é a promessa que fiz a Chris, sobre a doação de Cal e deixar o passado para trás, mas e sobre a minha promessa a Cal? Através da doença e saúde, até que 'a morte nos separe’, e até mesmo mais do que isso. A última noite que passei com ele, ele disse: "Não desista de mim". Não fazia sentido, então, mas faz agora. Eu gostaria de saber se Cal estava lutando por nós também. Que ele estava em algum lugar dentro de Chris, me ajudando, e mantendo a promessa que ele fez para mim. Talvez ele esteja. Talvez por isso Chris esteja tão singularmente confuso. Gostaria de saber se é como um campo de batalha em sua mente, com Cal lutando para sair. Eu não sei se Chris tem agendado para ver alguém. Estou pensando em falar com ele sobre isso hoje, porque eu estou pensando em ver alguém. Há muito mais que eu quero saber sobre esta condição. Eu preciso falar com alguém imparcial sobre o que eu estou sentindo, que tem uma compreensão de tudo isso. Eu nunca vi um terapeuta ou psiquiatra antes, mas eu não posso pensar em um melhor momento do que agora. Eu tenho tentado pensar na melhor maneira de abordar Chris sobre isso. Ontem à noite foi a minha primeira noite aqui, e eu não quero importuná-lo, mas ele teve cerca de três semanas para chegar a algo. Talvez ele tenha, mas ele não mencionou nada para mim. São 06h, e eu tenho ouvido movimento na cozinha nos últimos 30 minutos. Agora, o cheiro de bacon e ovos está persuadindo-me a sair do meu quarto. Caylen ainda estava dormindo. Eu pego minha escova de dente e faço um caminho mais curto para o banheiro. Eu escovo meus dentes e respingo água no meu rosto antes de ir para a cozinha. Café da manhã cheira delicioso, há música tocando e a casa parece viva para tão cedo. De volta para casa Estou acostumada a entrar em uma cozinha tranquila com cheiro de Febreeze. Eu entro na cozinha dos Scott e vejo Chris. Oh meu deus, ele está sem camisa! "Bom dia". Diz ele, seu tom otimista enquanto ele define duas placas na chapa com bacon, ovos e batatas ao lado de dois copos.


"Bom dia". Eu digo que cobrindo uma risada, vendo-o fazer um pouco de dança ao som da música que está tocando. Ele cora quando ele puxa um recipiente de suco fora da geladeira. Onde estão seus pais? Ele não deveria definitivamente estar na cozinha comigo sozinho sem uma camisa. "Você não se importa não é?" Ele pergunta genuinamente preocupado. Ele está brincando? Ele está falando sobre não ter uma camisa? "Uh..." eu digo silenciosamente. "A música. Eu não costumo escutar quando meus pais estão aqui." Ele pega o banco em frente a mim. É claro que ele não está falando sobre a camisa, ele não está chateado. Eu sou a única incomodada por ele não tê-la. Muito entediante. Ontem, eu fui capaz de dar uma espiada rápida quando ele mudou sua camisa, mas eu não consegui dar outra boa olhada em seguida. Agora estou na primeira fila no show. Eu não vou ser capaz de comer, ou pensar. Deus, o trabalho agrícola deve fazer um bom corpo. Cal sempre teve um grande corpo, esculpido e definido, mas eu acho que jogando esses fardos de feno e ensinando no ginásio levou-o ao máximo, porque ele está mais esculpido do que eu já vi. Eu localizo uma camiseta branca com uma grande mancha jogada atrás de uma das cadeiras o que explica a falta de sua camisa. "Eu gosto na verdade." Eu tomo um gole do meu suco, não há nenhuma maneira que eu possa engolir a comida agora. Seu prato tem cerca de três vezes mais alimentos que o meu. Como é que ele come tanto e mantém seu estômago tão bom de olhar? Eu tenho que parar de pensar tanto sobre seu estômago. "Onde estão seus pais?" Eu pergunto meu cérebro finalmente saindo da sua neblina induzida pelos feromônios. "Eles tinham que ir buscar alguns materiais esta manhã. Eles estarão de volta esta tarde". Ele responde entre mordidas. Eu finalmente pego uma salsicha e dou uma mordida. É muito bom. "Será que Caylen geralmente dorme neste horário?" Pergunta ele. "Nós estamos uma hora atrás, em Chicago. Ela vai acordar na próxima hora aproximadamente". Eu digo, mergulhando nos ovos do meu prato.


Eles são mais fáceis. Cal gostava de ovos mexidos... "Você cozinha muito?" Eu pergunto curiosamente, pensando de volta para a primeira vez que Cal me fez café da manhã. Foi tão bom como este, mas ele apenas deu de ombros antes de obter-me fora da minha mente. Pena que não vai acontecer hoje. "Minha mãe cozinha a maior parte do tempo". Ele responde com um sorriso divertido. É adorável; ele é adorável. Eu me pergunto se Jenna cozinha para ele. Ele limpa a garganta. "Quando minha mãe estava doente, eu comecei a cozinhar mais, uma vez que ela realmente não era capaz de fazer. E tornou-se terapêutico". Diz ele solenemente. Ainda é surreal que sua mãe estava doente há tão pouco tempo e encontra-se muito melhor. Mesmo que a nossa introdução fosse terrível, eu vim a pensar nela como uma mulher tão doce. Eu não posso ver alguém não gostar dela, uma vez que tem que conhecê-la. Acho que Cal ainda se importava com ela ou ele não teria se afastado para Chris retornar. Volto a pensar na conversa que tivemos sobre Jenna. A conversa que eu pedi. Ela havia me incomodando muito, perguntando como ela entrou como ela foi capaz de chegar ao seu coração. Agora eu sei que ele estava vulnerável. Foi assim, que ela atacou. Tenho certeza que não aconteceu exatamente dessa forma. Afinal, ela não é um lobo e Chris definitivamente não é uma ovelhinha, mas faz-me sentir melhor a olhar as coisas dessa forma. Eu não posso acreditar que eles só estão namorando há um par de meses embora. Mesmo que eles eram amigos antes disso, eu não podia ver-me casar com Steven tão logo eu tivesse saído com ele. "Você cozinha?" Ele pergunta, e eu suspiro com uma risada. "Não muito". Eu digo envergonhada. Eu ainda não aprendi a cozinhar. Depois de Cal sair, eu não comi muito, e depois que eu estava com alguns meses de Caylen, nada realmente ficou no meu estômago, sendo assim cozinhar era a última coisa que eu pensava. Uma vez que Caylen nasceu, a última coisa que importava era a aprendizagem.


"Você não gosta?" Pergunta ele genuinamente. Eu me pergunto se ele já conheceu uma mulher que apenas não sabia como. Bem Jenna não parece estar interessada em outra coisa senão interrogar e intimidar as pessoas. "Eu realmente não sei como". Eu admito. Ele inclina a cabeça para o lado como se ele estivesse tentando ver se estou brincando ou não. "Eu poderia lhe ensinar". Ele diz com um encolher de ombros, como se não fosse um grande negócio e será a coisa mais fácil do mundo. Eu tento entendê-lo como uma centena de outras vezes, e eu estou presa. Às vezes, quando ele olha para mim, eu posso ver alguma coisa lá. Outras vezes, eu me pergunto se esses sentimentos profundos para baixo são tudo da minha cabeça, e ele realmente só quer ser meu amigo. Como deprimente é isso? "Seria muito. Você não precisa," eu digo modestamente, balançando a cabeça. "Eu meio que preciso se eu quiser que Caylen coma mais do que ou fast food." Seu tom é jovial, e o sorriso que ele me dá desperta as borboletas adormecidas no meu estômago. Eu tento não ficar animada sobre tê-lo só para mim, mas eu estou. Imagino-o em nada, mas um avental e repreendo a mim mesma. "Eu estou advertindo-o, quando eu digo que eu não posso cozinhar, eu realmente não posso cozinhar. Eu queimei água antes, literalmente." Eu digo a ele, e ele cobre o rosto para esconder o riso e descrença. "Podemos começar com coisas fáceis". Ele me assegurou. "Ok, eu estou no jogo." Eu digo um pouco animada e termino meus ovos."Isso é muito bom". Eu digo. "Os ovos não são difíceis. O café da manhã é o mais fácil para começar. Podemos começar hoje à noite". Ele sugere, terminando o último pedaço de comida em seu prato. "Com o que nós começaríamos?" Eu pergunto curiosa. "Talvez água fervente". Ele brinca e eu rio. "Até o final das três semanas, você poderá jogar fora a sua cartela de menus". Diz ele, confiante.


Eu não sei sobre isso. Eu termino o resto da minha comida quando ele começa a limpar a cozinha. Não posso deixar de observá-lo, como ele se move em torno dela. De vez em quando, o pensamento rasteja em minha mente que ele está me tocando. Todo esse negócio com Chris é uma merda, mas esses pensamentos não ficam muito tempo. Eles dão-me a coragem de perguntar a ele o que eu pretendia. "Eu estive pensando em ver alguém." Eu limpo minha garganta, e ele se vira para me encarar, os olhos arregalados e boca definida em uma linha fina. Ele balança a cabeça e limpa a garganta. "Oh, isso é bom para você", diz ele, hesitante. "Isso seria bom para todos". Ele murmura baixinho enquanto ele começa a lavar a frigideira que foi deixada no fogão. Eu realmente não esperava essa reação. Ele parece um pouco irritado em seu próprio caminho. Eu nunca vi Chris com raiva antes, e é realmente difícil de dizer. Quando Cal estava com raiva, não havia nenhuma dúvida sobre isso. "Eu pensei que seria uma coisa boa. Ninguém entende como isso é para nós". Eu digo, brincando com o último pedaço de pão no meu prato. "O que você quer dizer?" Ele se vira para mim. Ele parece confuso. "Bem, eu só estava pensando que seria bom eu falar com um profissional sobre tudo... isto." Eu estou quase com medo de dizer o nome da doença em voz alta. Espero ele olhar irritado ou confuso, mas ele sorri e solta um suspiro como se ele estivesse aliviado. "Ah sim, se você acha que você precisa falar com alguém você deveria". Diz ele encorajadoramente. Bem, isso foi fácil. "E você? Eu sei que você não deixou em melhores condições seus médicos. Você já procurou ver mais alguém?" Eu pergunto, e ele se senta à mesa comigo. "Aidan. Meu amigo que você conheceu a última vez que você veio... Um amigo dele viu alguém que trata alguns dos soldados com problemas de sua unidade. Ele me deu o número. Eu ainda não liguei". ele admite.


"É um pouco assustador tudo isso, não é?" Eu pergunto a ele, e ele ri. "Eu sei que Cal é uma parte de mim". Diz ele em voz baixa. Ainda é estranho para eu ouvi-lo dizer o nome dele. Quando eu estava no colégio, tornou-se popular para se referir a si mesmo na terceira pessoa. Eu odiava isso, mas eu sei que isso não é uma moda passageira para Chris. "Mas eu estou tendo um momento difícil para entender realmente como ele é uma parte de mim. A parte mais assustadora é por isso." Ele olha para mim e seus olhos revelam o medo. Eu quero chegar do outro lado da mesa e segurar sua mão e deixá-lo saber que tudo ficará bem, mas eu não sei se isso seria apropriado. Passo a maior parte do meu tempo nestes dias me perguntando o que é apropriado para nós. "Sempre que houver qualquer coisa que você precise falar comigo. Mesmo que seja... desconfortável ou você ache que não seria fácil para mim", solto um suspiro. "eu estou aqui. Estamos nisso juntos." Espero que ele possa ver que eu sou genuína. Eu quero dizer isso. Seus olhos bloqueiam em mim pela primeira vez desde que eu o conheci. Eles não lançam ao redor ou olham para mim momentaneamente. Eles são profundos oceanos verdes claros, que me mostram sua alma. Ele está vulnerável e com medo. Eu nunca parei para pensar como isso poderia ser aterrorizante para ele. Para se ter uma parte de si mesmo assumindo o controle de que você não está ciente, medo, e não têm absolutamente nenhuma idéia porque... ou quando isso poderia acontecer novamente. Ele sorri, e eu espero o tenha ajudado. Eu não posso dizer se ele está sorrindo, porque ele se sente melhor ou para me fazer sentir melhor. "Às vezes eu sinto que esse cara é o bicho-papão ou algo assim". Ele ri. "Bem, eu não tenho medo dele". Digo-lhe despreocupadamente.


O resto do dia se passou sem problemas e sem intercorrências. Caylen e Chris assistiram desenhos animados juntos, enquanto eu tomava banho e limpava o nosso quarto. Chris foi chamado para ensinar hoje, então nas últimas três horas tem sido Caylen e eu na casa, sozinhas. Demora um pouco para se acostumar a estar nesta casa sem qualquer um que realmente vive aqui. Chris e a Sra. Scott me disseram para sentir-me em casa tantas vezes que perdi a conta. Quando eu cheguei, me lembrou de Raven, mas na realidade é muito maior. Há quatro quartos, dois banheiros e um sótão. Eu não vi um porão, eu não bisbilhotei. É reconfortante estar na casa que Cal cresceu. É um lugar que eu sempre quis conhecer. Eu não tenho certeza quando o Scotts estarão de volta a casa. Eu começo a ficar um pouco doida depois que eu coloquei Caylen para tirar seu cochilo. Acabei de terminar a edição do último manuscrito que eu tinha em minha fila. Eu liguei para Raven que me deu um pouco de gelo na chamada, principalmente perguntou sobre Caylen. Ela ainda não está emocionada que eu decidi ficar aqui algumas semanas. Ela provavelmente dirigiria em linha reta até aqui se eu lhe dissesse que estava hospedada em sua casa. Eu tentei chamar Angela, mas ela não me ligou de volta desde que eu tentei algumas horas atrás. Ela está até os joelhos no meio de escrever sua tese, e eu não quero mantê-la sobrecarregada com minha lista sempre crescente de dramas. Hillary aparece em meus pensamentos algumas vezes, mas eu empurro para fora. Eu ainda me sinto terrível com a forma como a nossa última conversa terminou. Ela estava certa. Eu não falei com ela pelo seu próprio bem, ou porque ela precisava ouvir isso. Eu fiz isso para ser uma cadela. Bem, não quis intencionalmente ser uma cadela, mas eu estava tão cansada dela me dizendo que é melhor para a minha vida ou a quão estúpida as decisões que tomei quando suas próprias decisões parecem completamente irracionais. Eu acabei no sofá da sala de estar dos Scott, assistindo uma maratona de ‘Irmãos a obra’ como eu faço quase todos os dias em casa, quando eu ouço uma batida na porta. É um pouco fraca, e eu percebo que está vindo da cozinha. Eu não estou realmente certa do que fazer. Eu não sei quem estaria aqui para os Scott, e eu realmente não tenho certeza de quem eles informaram sobre a natureza da minha estadia. Não seria divertido explicar tudo para alguém que eu não conheço. Eu tentei puxar discretamente a cortina para trás e ver uma


jovem mulher na calça azul-marinho e uma blusa rosa. Quando eu vejo seu rosto, eu percebo que é Lisa e abro a porta para que ela entre. "Ei! É tão bom ver você". Diz ela, dando-me um abraço. Depois de alguns segundos eu abraço-a de volta. Eu tenho que me acostumar com ela abraçando. Eu definitivamente não estou acostumada com ela desse jeito. Ela está vestida de forma mais conservadora do que eu imaginava o piercing no nariz foi removido, e a maquiagem dos olhos em tons leves drasticamente. "Eu pareço como uma professora real, agora, não é? Foi um visitação de pais hoje." Ela ri, lendo minha mente. Ela caminha até a mesa da cozinha e estatela-se em uma das cadeiras. "Como você está?" Ela pergunta procurando em sua bolsa e tirano um par de tênis vermelho Chuck Taylor e um par de meias. "Eu estou bem. Apenas aqui assistindo TV até que todo mundo chegue a casa". Eu digo. "Frescura". Diz ela depois que ela desliza para fora de seus velhos sapatos de senhora e coloca em suas meias, ela deixa escapar um suspiro de alívio. "Eles estão em Denton ainda, certo?" Ela se levanta da mesa e agarra um suco de maçã fora da geladeira. Ela se sente muito mais em casa do que eu provavelmente nunca sentirei. "Foram buscar fornecimentos, e Chris foi chamado para trabalhar hoje". eu digo a ela. "Caylen adormeceu?" Pergunta ela, puxando seu suéter sobre sua cabeça. Bem ali, na cozinha. Ela pega uma camiseta preta com algum tipo de emblema nele e coloca-o. "Sim". Eu digo, tentando evitar olhar para ela se trocando. Com o canto do meu olho, eu vejo-a tirar um par de jeans skinny branco. Se ela deslizar para fora da calça dela eu vou desmaiar. E ela faz, bem no meio da cozinha dos Scotts, na minha frente, praticamente uma estranha, ela mudou toda a roupa.


Está é a melhor amiga de Chris. "Então, como vão as coisas?" Ela pergunta, uma vez que ela está totalmente vestida. "Bem." Eu aceno, não elaborando mais. Eu não tenho certeza de tudo que Chris compartilhou com ela, mas eu não vou entrar em detalhes. Ela parece refrescante e tranquila, mas a façanha dela no último jantar que tivemos me faz pensar duas vezes. Ainda assim, ela continua olhando para mim como se ela esperasse que eu dissesse mais. "Os Scotts são muito legais." Bem, isso é parcialmente verdade. Sra Scott é muito boa. "Sim eles são legais. Eles são como minha segunda família. Eles estão acostumados comigo, como você provavelmente pode ver. Você vai se acostumar comigo também". Brinca ela, tomando um gole de seu suco de maçã. "O que é esse nome em sua camisa?" Eu pergunto, na esperança de mudar de assunto. "Ardeby´s. É o bar que eu trabalho. É muito popular. Bem para Madison, é muito popular. Eu estou indo para lá depois que eu sair daqui. Você deve vir antes de sair. Quanto tempo você vai ficar?" Pergunta ela, animada. "O plano é ficar por três semanas." "É a coisa mais emocionante acontecendo aqui, mas a comida é uma porcaria! Eu tenho tentado levar Chris para tocar um set desde o ano passado". Diz ela, pegando sua bolsa de maquiagem. Esqueci-me que Chris disse que tocava violão. "Ele é bom?" Pergunto com curiosidade, e ela sorri para mim. "Você nunca o ouviu tocar... Bem, Cal toca?" Ela corrige a si mesma. "Não. Nunca". Eu digo, e por algum motivo, eu me sinto envergonhada. Eu sei que não deveria, mas sabendo que há esta grande parte de sua vida que não sei nada, ainda soa como um chute na bunda para mim.


"Siga-me ao banheiro, docinho. Preciso consertar isso bem rápido". Diz ela enquanto ela dirige para fora da cozinha. "Chris é realmente bom, e eu não estou dizendo isso só porque ele é meu melhor amigo. Se ele fosse ruim, eu diria a você". Brinca ela enquanto sigo-a até o banheiro. Eu me inclino na porta. "Isso é bem legal." "Ele estava em uma banda por um tempo até que ele começou a atuar como merda. Bem, nós pensamos que ele estava apenas sendo um idiota, mas agora eu acho que foi a sua condição". Diz ela, aplicando um batom vermelho-rubi sobre os lábios finos cor de rosa. "Hey, como é o Cal?" Ela pergunta como se fosse a coisa mais natural do mundo. Sou pega um pouco de surpresa pela pergunta. Eu não deveria ser, já que ela praticamente exibiu seu corpo nu na minha frente como se nós fossemos amigas há anos. "Eu-eu realmente não me sinto confortável falando sobre Cal". Eu digo honestamente. Eu não sei por que, mas parece estranho. Ela se vira e franze a testa para mim, então balança sua mão. "Vamos. Eu vou ser a sua nova melhor amiga e tudo. Tenho certeza de que você precisa de alguém para conversar sobre tudo isso. Eu não julgo. Deixe sair, Docinho." Ela ri, e isso me faz rir. "Eu acho que eu o conheci antes". Diz ela casualmente, mas choca o inferno fora de mim. "Eu nunca disse nada para Chris. Eu meio que pensei que era uma piada, ele passando por uma fase ou algo assim". Diz ela mais pra si mesma. "Quando?" Eu pergunto, tentando conter meu interesse. "Foi anos atrás. Nós estávamos na escola". Diz ela simplesmente. "Você sabe. Sua condição, dizem eles, ou eu quero dizer quando eu pesquisei, eles dizem que podem vir de algo realmente ruim acontecendo com a pessoa". Diz ela, e sua expressão jovial despreocupada cai, seu tom mais solene. "Sim." Eu suspiro bem. Eu li sobre a maioria das condições decorrentes de abusos terríveis. "Ou um evento traumático". Acrescento e ela concorda.


"Se Chris começar a terapia, ele vai começar a se lembrar de coisas, certo? Ele vai se lembrar de tudo o que fez isto acontecer?" Pergunta ela, olhando para mim timidamente. "Eu acho que esse é o objetivo." Eu realmente não parei para pensar sobre o que causou tudo isso. "Você realmente acha que é o melhor, se ele está bem e fazendo bem? Quem iria querer se lembrar de algo terrível". Ela diz com um encolher de ombros. "E se ele faz mais mal do que bem?" Seus olhos estão definidos em minha agora. "Bem, não é exatamente para mim. Eu apenas. Eu quero que ele esteja inteiro. Para Caylen". Afirmo a ela, e ela sorri com força, sua expressão se anima. Ela volta para terminar seu delineador. "Você disse que conheceu com Cal antes". Eu digo trazendo o assunto de volta. Ela ri. "Sim. Foi no verão antes de nosso último ano". Diz ela em breve. É engraçado porque esta menina parece elaborar sobre tudo, mas com este assunto, ela é curta. "Você o conhece muito melhor do que eu. Como ele era com você?" Ela pergunta. Eu giro as pontas do meu cabelo e penso muito antes de responder. Eu não sei se eu deveria confiar em Lisa. Confiar nas pessoas não tem sido tão grande para mim, talvez se eu lhe disser mais sobre Cal ela vai me dizer o que ela sabe. "Eu vou te dizer se você fizer primeiro." Eu a questiono. Ela se vira para mim e descansa a mão dela contra a vaidade e acenos. "Ok, isso foi apenas uma vez. Bem, pelo menos, que eu saiba com certeza. Ele chamou a si mesmo Cal. Ele tentou dormir comigo." Ela ri, e meu sorriso cai imediatamente. "Ah não. Confie em mim, não houve nada. Chris e eu somos como irmãos. Que foi exatamente algo tão fora do personagem para ele, mas ele não era como Chris. Quero dizer, ele era, mas ele não era. Ele era esta versão arrogante e agressiva de "Eu não dou a mínima" de Chris. O que era sexy, mas ele tinha o rosto de Chris. Não me interprete mal, eu sei que Chris é quente, mas foi muito estranho. E quando ele começou a me dizer que ele não era Chris, que


seu nome era Cal, eu pensei que ele estivesse alto ou algo assim." Eu não posso ajudar, mas ri da última parte. "Se ele tivesse tentado um pouco mais, eu acho que poderia ter tido um pouco de diversão embora." Ela ri e eu sorrio nervosamente. "Não este tipo de diversão". Ela me assegurou rapidamente. "Nós teríamos causado um monte de problemas. Um Chris durão, Aidan, e eu. Esta cidade não estaria pronta para nós". Diz ela, dando os últimos retoques em sua maquiagem. Ela definitivamente passou de recatada professora pré-escolar para bartender roqueira em menos de 10 minutos. "Chris tem sido sempre a âncora moral entre Aidan e eu". Acrescenta ela, fechando a bolsa de maquiagem. Ela a coloca debaixo de um braço e, em seguida, o outro encaixa com o meu, me puxando do banheiro enquanto ela me leva para a sala, mas ela para quando o quarto de Caylen chama sua atenção. "Oh meu Deus! Isto é estranhamente adorável". Ela sussurra os olhos analisando, e ela observa as minhas malas. "Você vai ficar aqui?" Ela pergunta incrédula. Eu concordo. Um sorriso culpado e amplo se espalha por seu rosto antes dela cair na gargalhada. Eu a calo o melhor que posso e empurro-a saindo do quarto do meu bebê dormindo. "Não brinca. Aposto que Jenna explodiu sobre isso". "Ela e eu não tivemos o melhor começo". Murmuro. "Será que a bruxa tentou bater-lhe com sua vassoura?" Ela ri, e eu tento esconder o meu sorriso. "Não simule para mim. Eu não posso suportá-la, e o sentimento é mútuo". Diz ela, entrando na sala e sentado no sofá. "Por que Jenna não gosta de você?" Eu pergunto, mas eu acho que sei a resposta para isso. Lisa é tão contundente como ela é e o oposto de ser conservadora. Ela é uma garota muito atraente. Eu não posso culpála por sentir-se desconfortável sobre sua amizade. "Ela acha que sou secretamente apaixonada por Chris. Ou que eu quero ferrar com ela, o que é completamente ridículo." "Ela tentou nos impedir de sermos amigos. Queixando-se e lamentando-se com Chris depois que eles se tornaram oficiais. Estou contente por Chris manter suas bolas neste momento e se firmar contra


ela, ou eu teria que chutar ambas as suas bundas". Ela bufa. "Se ela apenas soubesse... Chris e eu seríamos como um episódio ruim de Jerry Springer". Ela murmura. Não são todos os episódios ruins? "Então, sua vez". Diz ela, gritando. Seu entusiasmo é contagiante. Ela me puxa para baixo no sofá da sala ao lado dela. Deixei escapar um suspiro. Eu posso sentir-me corar. "Cal. Eu tenho tentado não pensar sobre ele." Eu suspiro, e ela me dá um tapinha no joelho. "Eu não entendo como você faz isso. Quero dizer, eu meio que posso porque o cara que eu conheci agiu de maneira tão diferente, é difícil pensar neles como a mesma pessoa." "Por que você nunca disse a Chris sobre Cal? Ou o mencionou?" Eu pergunto a ela, e ela dá de ombros. "Foi apenas uma daquelas coisas superembaraçosas. Eu tinha apenas dezessete anos e na época eu não sabia que ele realmente não sabia o que diabos ele estava fazendo. O conjunto de tentativa de obter sexo fez tudo estranho naquele momento, e no dia seguinte ele estava de volta para si mesmo como se nada tivesse acontecido. Eu pensei que ele apenas estivesse envergonhado de ter sido rejeitado por mim." Ela ri da última parte. "E agora?" Eu pergunto a ela, e seus olhos se arregalam. "Você não pode dizer-lhe Lauren!" Diz ela com urgência, e eu sou um pouco pega de surpresa. "Eu-eu não vou". Eu digo a ela. Eu não acho que é o meu lugar, mas eu não posso ajudar, mas pergunto por que ela não iria querer saber depois de tudo o que aconteceu. "Bom". Diz ela em tom aliviado. Só então o Sr. e a Sra. Scott entram pela porta com as sacolas nas mãos. Nós duas levantamos para ajudálos. Lisa e eu nunca conseguimos terminar a nossa conversa, e ela parece não ter incomodado em tudo... É só eu que me incomodo mais do que deveria.


O trabalho voou rápido. Eu odiei deixar Lauren e Caylen em casa sozinhas, mas ela me prometeu que estariam bem. Eu acho que realmente tem sido apenas elas até agora. Eu pedi para Lisa passar por lá quando ela estivesse fora do trabalho para checá-las. Jenna e Lisa se odeiam, mas eu posso ver Lauren ficar mais próxima de uma forma melhor. Lauren é muito tranquila e não explodiu quando Lisa cuspiu tudo sobre como ela e Cal se conheceram. Além de verificar elas, eu queria falar com Lisa sobre tudo o que está acontecendo comigo. Foi uma jogada entre ela e Aidan, mas Lisa é mais compreensiva. Quando se trata de minha condição, Aidan pensa que tirando sarro dela como se fosse uma grande brincadeira irá ajudar. Isso não acontece. Lisa seria mais adulta sobre tudo o que ele faria, eu espero. Quando eu dirijo até casa, vejo que meus pais já retornaram e o carro de Lisa está estacionado ao lado deles. Eu entro na cozinha e vejo Caylen em seu cadeirão, enquanto minha mãe pica legumes. "Ei, querido, como foi o trabalho?" Pergunta ela alegremente. Eu não a vi tão feliz faz um tempo tão longo, e eu sei que Caylen é a razão. "Bom". eu digo alegremente. Vou até Caylen e beijo-a na bochecha. "Como é que ela está?" Eu pergunto, roubando uma das cenouras de Caylen. Minha mãe me dá um olhar de desaprovação. "Como um pequeno anjo perfeito, é claro". Diz ela, substituindo a cenoura que tirei do prato de Caylen mesmo ela tendo pelo menos mais cinco pedaços em seu prato. "Lauren e Lisa estão na sala de estar". Diz ela quando eu caminho para dentro. Lauren está sentada na poltrona marrom. Ironicamente, é a favorita do meu pai. Ela sorri quando me vê e meu coração acelera. "O que se passa?" diz Lisa, seu tom está entre cantar e censurar.


Lauren dá uma risadinha. "Ei." "Como vão as coisas hoje? Lisa não tem arrastado você em qualquer problema?" Eu pergunto, sentando no sofá ao lado de Lisa e em frente à Lauren. "Oh, por favor. Se eu estivesse à procura de problemas, nós iríamos embora". Diz Lisa, me batendo com uma pequena almofada do sofá. "Então... Lauren e eu estivemos conversando." ela começa, e Lauren acena com a cabeça inocentemente. Talvez avisando Lisa sobre ser uma má idéia. "Lauren realmente gostaria de ouvi-lo tocar e desde que você tem prometido tocar no Ardeby desde sempre, todos nós poderíamos fazer uma noite fora. Sábado é a noite de microfone aberto". Diz ela animadamente, e eu mostro uma carranca para ela. "Eu nunca prometi que iria tocar no Ardebys, e neste sábado? Eu não peguei numa guitarra em quase um ano. Isso não está acontecendo". eu digo com firmeza. Lisa lançou o nome de Lauren no presente, mas eu sei que isso é tudo dela a partir do olhar estranho no rosto de Lauren. "Pare de ser um bebê. Seria ótimo, e o Ardebys é o único lugar na cidade que se tem todo o divertimento. Lauren não tem saído desde que ela se prendeu na Mommyville. Ela poderia sair um pouco". ela continua. Vejo Lauren mudar desconfortavelmente em seu assento. "Você não vai se atrasar para o trabalho?" Eu lembro-a. E ela solta um bufo derrotado. "Essa conversa não acabou, senhor". Diz ela, levantando-se com a bolsa no ombro e saindo pela porta. Ela se vira. "Você não precisa falar comigo sobre alguma coisa?" Diz ela, lembrando-se de sua outra razão para estar aqui. Sim. "Eu vou levá-la para o seu carro." eu digo a contragosto. Lauren nos sorri, divertida. Ela provavelmente pensa que nós temos seis anos de idade.


"Volto já". Eu digo, empurrando o meu peso fora do sofá e seguindo Lisa para fora. "Tarde, Sra. Scott". Diz ela com a minha mãe quando passamos pela cozinha e saímos pela porta. "Adeus, Lisa." minha mãe diz antes de estarmos fora da porta. "Então, o que está acontecendo, Chuck?" Lisa diz enquanto nós andamos em direção ao seu carro. "Por que fez isso lá dentro, Lisa?" Eu pergunto a ela, irritado. Ela revira os olhos. "O que foi que eu fiz?" Ela pergunta como se não tivesse nenhuma pista. "Colocando-me contra a parede, na frente de Lauren. Você sabe que eu não toco mais." Ela acena-me indiferente. "Cresça Chris. Realmente, o que há? 12 anos de idade com uma paixão?" Diz ela, zombando de mim. "Esqueça. Eu vou falar com você mais tarde". Eu digo com raiva, afastando-me dela. "Ugh, Chris, vamos lá. Eu não acho que foi um grande negócio. Você costumava adorar tocar. Ela quer ouvi-lo tocar. Nós poderemos ter algumas bebidas e uma noite fora. A maioria das pessoas no Ardebys estão tão bêbadas aos sábados que você poderia tocar um gato morrendo, e eles bateriam palmas a música". Diz ela, bloqueando meu caminho. Eu franzo a testa para ela. "Vamos. Você queria falar comigo sobre alguma coisa. O que é?" Diz ela com sinceridade. "Você pode ser a Lisa normal e não a Lisa louca." Eu adverti-a, e ela sorriu. "Lisa normal esta aqui". Diz ela, revirando os olhos. "Ok. Vamos entrar em seu carro."


Uma vez que estamos lá, ela olha para mim com expectativa. Eu não estou nervoso. Lisa não me deixa nervoso. Ela é uma das pessoas menos julgadoras que eu conheço, mas admitir em voz alta o que está acontecendo comigo ainda é assustador. É a mesma razão pela qual eu não tenho chamado o médico sugerido por Aidan. Eu tenho que fazê-lo eventualmente. Se Lauren começar a falar com um terapeuta antes de mim, realmente vai parecer que eu não estou levando isso a sério, e eu estou. É só que parece como um grande passo, confiar em alguém com o meu bem-estar mental. As coisas não correram tão bem da última vez, mas esta é Lisa, minha melhor amiga desde a pré-escola. Nós não temos segredos. "Eu comecei a lembrar de coisas". Eu digo. Eu olho para ela e, em vez de seu sorriso tranquilizador normal, sua expressão é tensa. "Lembrar-se de que, exatamente?" Ela pergunta em voz baixa e faço uma careta. "Porque você está tão nervosa? Você está me deixando nervoso." Eu rio, e ela balança a cabeça, cobrindo o rosto. "Desculpa. Ok, vá em frente". Diz ela, e seu sorriso tranquilizador está lá. "Coisas sobre Cal e Lauren." Eu admito, e seu sorriso se alarga. "Tudo certo?" Diz ela sugestivamente. Eu franzo a testa para ela. "Quero dizer, gosto de como vocês se conheceram, quando você se casou. Obtenha sua mente fora da sarjeta, Chris". Diz ela a última parte provocando. "Não. Eles não parecem como um marco ou qualquer coisa. Bem, eu acho que foi a primeira vez que ele disse a ela que a amava". "Awww". Lisa desmaia, e eu tento ignorá-la. Eu digo a ela sobre as partes que vi e sobre a lembrança que tive na noite passada. Ela ouve com atenção e não interrompe. Ela está calma até que eu observo-a e espero por sua reação.


"Como você sabe que o que você está vendo é real?" Ela pergunta. Essa é a pergunta de milhões de dólares. É uma sensação real. Tão real que quando estou acordado, é difícil dizer a diferença, mas eu realmente não sei. "Só há uma maneira de saber". Diz ela, e eu sei o que ela vai dizer antes mesmo que ela diga. "Você tem que perguntar a Lauren". Diz ela de qualquer maneira. "Eu não acho que é uma boa idéia". Eu digo com um suspiro. "Eu não quero confundi-la ou enviar sinais mistos". Eu admito. "Oh, mas dando-lhe aulas de culinária e falando no telefone com ela por horas definitivamente não está fazendo isso." Ela ri sarcasticamente. "Ela te disse isso?" Eu pergunto surpreso. "Ela me contou sobre a coisa de cozinhar. Seu outro melhor amigo me contou sobre as conversas de uma hora". Ela ri. Aidan é a porra uma menina fofoqueira. "Você não acha que eu deveria ensiná-la a cozinhar?" Pergunto. Ela balança a cabeça. "Chris, você está perdendo o ponto. Eu acho que você deve fazer o que você sente. Se estas coisas estão fazendo você se sentir bem, faça-as". Diz ela com entusiasmo. Seria um ótimo conselho, mas quando se trata de agir sobre as coisas, Lisa não é definitivamente a pessoa a pedir conselhos. Ela faz tudo o que ela quer e raramente pensa sobre as consequências. "Eu não quero enviar-lhe uma mensagem errada". Eu digo com firmeza. "Que mensagem você está tentando enviar, Chris? Porque para ser honesta, eu não acho que você sabe". Ela ri. "Agora sai do meu carro antes de eu realmente me atrasar". Diz ela. "É isso aí. Nenhum conselho sábio, não há palavras de incentivo?" Eu pergunto decepcionado. Ela faz uma pausa por um momento e olha para cima como se ela estivesse em uma profunda reflexão. "Cheese burgers bacon". Diz ela, e eu olho para ela confuso.


"O que?" "Você bate duas refeições fora em uma, bacon no grupo do café da manhã e hambúrgueres no grupo do almoço." Eu balanço minha cabeça para ela e saio de seu carro.

Lisa diz que sou confuso, e eu estou. Eu nunca estive tão confuso em toda a minha vida. É como se eu estivesse sendo puxado em duas direções diferentes, o meu pensamento que luta um contra o outro. Minha mente está mudando constantemente. Passei o resto do dia descarregando os suprimentos que meus pais trouxeram de Denton, com meu pai. Nós acabamos trabalhando durante o jantar, silenciosamente frustrados um com o outro. No momento em que tudo terminou minha mãe e Lauren já tinham comido o jantar. Minha mãe está em seu quarto, cansada do dia, e Lauren e Caylen no quarto delas. Tomo banho e desço para jantar e meu pai já está quase terminando sua comida. Nós dois nos sentamos, comemos calmamente, sem muita conversa acontecendo entre nós, em tudo. Gostaria de saber se este vai ser o nosso novo normal. Espero que não. Eu amo meu pai, e ao mesmo tempo, ele era meu melhor amigo. Mas cada vez mais, sinto profundamente esta semente de ressentimento e desprezo crescente em direção a ele. Eu pensei que fosse sobre o fato de que ele manteve o segredo de mim sobre a minha condição, mas eu ainda não fui capaz de descobrir. Eu perdoei a minha mãe, mas é como se uma barreira me mantém de fazer o mesmo com ele, e as sugestões e conselhos que ele continua tentando dar sobre Lauren apenas pioram as coisas. Ele se levanta da mesa e lava o prato. Ele olha para mim como se ele fosse dizer alguma coisa, mas ele não faz. Eu quero falar com ele, mas eu não, porque o que eu estou prestes a fazer eu sei que ele não aprovaria. Depois que ele saiu da sala, eu limpo minha área e procuro na geladeira. Há carne moída, ovos e bacon, alface, tomate e queijo. Eu tomo


todos os itens fora e coloco-os em cima do balcão. O único conselho que demorou de Lisa é o prato para a nossa primeira aula de cozinha, e se as coisas correrem bem, eu vou dizer a Lauren que eu comecei a lembrarme de algumas coisas. Pelo menos eu acho que estou começando a me lembrar. Eu estou indo para tentar minimizar o aspecto romântico do que eu me lembro, tanto quanto eu posso. Eu quero ser seu amigo, porque ser seu amigo está bem. Se eu sou seu amigo, eu posso estar lá da maneira como ela precisa de mim para ser. Ser seu amigo não vai machucar Jenna, e se eu sou seu amigo, os impulsos que eu tenho de estar perto dela, vê-la, ouvir a voz dela, não me farão sentir tão culpado. Lauren e eu seremos amigos. Assim como Lisa e eu somos amigos. Jenna não gosta do fato de que Lisa e eu somos amigos, mas é algo que ela teve que lidar. Eu retiro o meu telefone e envio um texto para ver se ela está acordada. Espero que ela esteja ou eu vou me sentir como um idiota com todo este material colocado para fora. Se ela não vier, eu vou fazer um hambúrguer e levá-lo para o almoço de amanhã. Eu ligo o rádio na cozinha, mas baixo o suficiente para que ele não perturbe ninguém na casa ou acorde Caylen. Meu alerta do telefone acende-se dizendo que ela está. Eu envio uma mensagem para ver se ela está pronta para sua aula de culinária. Alguns minutos se passam e ela caminha até a cozinha, um sorriso curioso no rosto. Seu cabelo está alto em um coque bagunçado, e ela tem em um top rosa e calças de pijama de flanela rosa e preto. Ela parece quase como se fosse uma adolescente. Seu rosto ainda jovem e vibrante. Ela poderia facilmente passar por um sênior na minha escola, e ela tem... Eu não sei quantos anos ela tem. "Hey". Diz ela, caminhando na minha direção. Ela olhos os ingredientes sobre a mesa e solta uma gargalhada. "Rocambole de carne?" Ela pergunta animadamente, e eu coço a cabeça. Ok, isso vai ser mais difícil do que eu pensava. "Não. Cheese burgers com bacon". Eu digo nervoso. "Eu só estava brincando". Diz ela, piscando-me um largo sorriso que faz meu coração acelerar.


O sorriso de Lisa não faz o seu coração acelerar como este sorriso faz. "Você quase me deu um ataque cardíaco". Eu digo, dando-lhe uma cotovelada brincalhona com meu cotovelo. Eu ignoro a sensação de calor que atira através do meu corpo no momento em que eu toco dela. Percebo seu resplendor pelo seu rosto, mas sua expressão não muda. "Ok, vamos começar pela lavagem das mãos". Eu digo rapidamente me distraindo a partir daquele momento. Eu ligo a água e entrego-a o sabão depois de espremer algum por mim mesmo. Nós dois esfregamos muito rapidamente e de cabeça para o balcão onde os ingredientes estão. "Agora, isso pode parecer estúpido, mas lembre-se que eu sou uma novata". Diz ela, nervosa. Eu me inclino sobre o balcão. "Não há perguntas estúpidas." eu asseguro e ela deixa escapar um riso nervoso. "Para quê são os ovos?" Ela pergunta timidamente, e eu tento esconder o meu sorriso. "Serve como cola para dar liga a carne". Eu digo a ela, colocando metade da carne moída em sua tigela e a outra metade na minha. "Nós temos que usar ovos nela?" "Uhum. Você não tem, a menos que você esteja adicionando migalhas de pão". Eu explico, e ela franze a testa. "Ok. Sem ovos." Eu rio. Pego a caixa de ovos e coloco-os de volta na geladeira. "Esta vai ser a sua simples atividade, Hambúrguer de vinte minutos, ok?" Eu digo a ela, brincando, e ela concorda. "Quando você começar a melhorar, você pode adicionar mais coisas, uma vez que você estiver familiarizada com diferentes temperos e tudo isso, mas tente mantê-lo simples." "Eu gosto simples". Ela exclama. "Sal e pimenta. Eu gosto de cebolas, e você está pronto para ir".


"Parece bom". Diz ela, aparentemente interessada. Eu tomo uma metade de uma cebola que eu já havia cortado e despejo um pouco na minha vasilha da carne. "Cebolas?" Pergunto. Ela balança a cabeça me dando o sim. "Então, você basicamente vai levar a carne e moldar em um círculo, como um hambúrguer parece. Eu vou mostrar-lhe com o meu". Eu digo a ela, e eu começo a moldar a carne conforme ela vê as minhas mãos atentamente. "Agora você tenta". Eu digo a ela. Ela pega a carne e começa a darlhe forma. "A minha não parece tão interessante quanto a sua." Ela faz beicinho. Sua almofadinha está rachada em todos os lados. "Em vez de apenas quebrá-lo, pressione para baixo no meio e pelos lados". Eu digo a ela. Ela dá mais um punhado de carne e começa a moldá-lo e parece exatamente o mesmo que o último. "Eu te disse, eu sou muito ruim nisso". Diz ela decepcionada. Eu tomo um pedaço da minha carne moída e mostrar a ela como eu fiz isso de novo mais lentamente. Ela inclina a cabeça olhando para mim de novo, e depois de um minuto, ela pega sua estranhamente em forma de hambúrguer, acrescentando mais carne com ele e tenta novamente. É demais. Eu finalmente tomo suas mãos e mostro a ela. Ela faz uma pausa quando eu faço, nós dois fazemos, mas seu riso quebra a tensão que está crescendo entre nós. Isso é definitivamente uma risada amiga. Ela consegue, finalmente, fazer dois hambúrgueres muito perfeitos. "Espetacular". Eu digo, e ela pega um pequeno arco. "Então a única coisa próxima é o tempero deles". Eu digo a ela, que concorda. "É realmente só algumas pitadas de sal e pimenta em cada lado." Eu demonstro nos meus e, em seguida, ela pega a taça de sal e pimenta que eu medi antes e ela faz o mesmo, imitando o número de pitadas que eu usei. Eu não posso deixar de sorrir.


"Agora você pode fritar estes no fogão ou cozinhá-los no forno. Eu acho que para começar, o cozimento é provavelmente mais fácil para você". Eu digo a ela, agarrando a bandeja de cozimento. "Você coloca óleo no fundo da bandeja." Eu pego uma lata de spray de cozinha. "Para que ele não grude, você poderia usar manteiga, se você não tiver isso." Ela balança a cabeça, e eu coloco os hambúrgueres na forma e no forno. "Você configura-o para 250 graus, e está feito". "Para que serve a segunda bandeja?" Ela pergunta. Eu entrego-a o papel alumínio. "Faça isso do jeito que eu fiz." Ela alinha a bandeja com a folha e então eu lhe entrego o pedaço de bacon. "Você pode cortar oito pedaços e colocá-los na bandeja". Eu digo. Quando ela começa a arrancar o bacon ela faz uma cara de nojo, e eu rio. "Tudo bem". Diz ela, quando ela fez. Eu levo a bandeja e a coloco no forno. "Dependendo de quão fino o bacon é, você terá que ficar de olho nele para que ele não queime, mas desde que o bacon seja bem grosso, você pode cozinhar aproximadamente ao mesmo tempo em que os hambúrgueres". Eu digo a ela. Ela balança a cabeça e então sorri. "Isso não foi ruim". Diz ela, animada. "Você é natural". Eu digo em tom de brincadeira. "Eu não iria tão longe, e eu tive sua ajuda". Diz ela com modéstia. "Nós não terminamos ainda. Você realmente tem que prová-lo". Eu lembro-a. Nós dois sentamos à mesa da cozinha e esperamos a comida terminar de cozinhar. "Eu aprecio isso. Eu sei que você trabalhou com seu pai no início da manhã. Você deveria estar dormindo agora". Diz ela, remexendo com os cordões de suas calças de pijama. "Eu estou acostumado a acordar cedo. Eu não me importo". Eu digo a ela enquanto meus olhos gradualmente derivam para o seu peito. Eu imediatamente desvio o olhar. Ela não está vestida com nada revelador, mas esta é a menor quantidade de roupas que eu a vi vestida. Bem, na minha frente. Penso nas lembranças que tenho tido. Estou tentando


pensar na melhor maneira de começar essa conversa, com qual delas, e o quanto deixar de fora. "Eu queria te perguntar uma coisa". Eu digo, tentando esconder o nervosismo em minha voz. Seu foco muda de suas calças de pijama para mim. "Na verdade, eu queria te dizer uma coisa e te perguntar outra." eu digo, limpando a garganta, meus nervos vencendo. "Eu-eu acho que eu poderia ter lembrado alguma coisa, uma das memórias de Cal." Seus olhos se arregalaram, ela imediatamente parece mais vibrante e alerta. O som de seu nome faz isso com ela. Eu repenso a idéia de dizer a ela. No início eu não queria que ela se agarrasse a algo que está muito longe. Para soprar as chamas que precisam ser postas para fora, mas desta vez eu sinto, bem, eu acho que estou irritado, mas isso não faria sentido. Eu não tenho nenhuma razão para estar irritado... a menos que eu estivesse com ciúmes. "O que você lembra?" Pergunta ela, tirando-me dos meus pensamentos. Eu olho em seus olhos, e vejo a esperança neles. Há uma diferença nela. "Não muito. Apenas Cal ou eu conversando com Dexter". Eu digo, e eu a vejo drenar a esperança de sua expressão. Ela olha para seu colo e retorna para mim, aparentemente tentando esconder seu desapontamento. Uma parte de mim se sente como um idiota, a outra parte de mim está aliviada. "Isso é ótimo". Diz ela, um pequeno sorriso em seu rosto. "O que aconteceu?" Ela pergunta. "Eles tiveram uma discussão." Eu sei que sua próxima pergunta vai fazer-me dizer a verdade. Devo dar-lhe um pouco de sua esperança de volta ou deixar as coisas para fora e possivelmente arruinar sua noite? Eu não quero estragar sua noite, mas eu não quero ver seus olhos se iluminarem com essa novamente. Bem, eu quero, apenas não para ele. Agora não há nenhuma dúvida sobre isso. Eu sou ciumento, uma das piores coisas que eu já senti.


"Sobre o quê?" Digo a verdade ou uma mentira? Eu tento pesar os benefícios de ambos, mas é difícil pensar claramente quando seus olhos castanhos estão olhando para o meu, tentando lê-los, possivelmente procurando, ainda olhando para ele. "Sobre você". A verdade vence. Eu não posso mentir para ela quando ela está olhando para mim assim. Eu já estou escondendo coisas. Se ela me perguntar algo diretamente, eu vou lhe contar a verdade. Eu não quero que ela minta para mim, então eu não vou mentir para ela. Mentiras e omissões são o que nos levou a isso, e é assustador o quão fácil é cada vez que eu quero fazer o mesmo. Ela parece surpresa. "O que eles estavam discutindo sobre mim?" Ela pergunta, um pouco confusa. Eu poderia muito bem apenas deixar. "Dexter não queria que ele se casasse com você." Ela está tranquila depois que digo isso. Ela ri para si mesma e descansa sua cabeça em sua mão. "Isso não é surpreendente. Parece que a maioria das pessoas não quis". Diz ela com tristeza. "Bem Cal foi muito inflexível, ele não deu a mínima para o que Dexter pensava." As palavras saem da minha boca tão rápido que eu nem sequer percebo o que eu disse até mais tarde, mas fazem Lauren sorrir. Parece que ela se sente melhor. "Ele não dava a mínima para o que a maioria das pessoas pensava". Ela murmura. Ela gosta disso nele. Eu meio que invejo isso. A inveja de que ela goste dele, e eu nunca fui capaz de me sentir assim. Eu ligo para o que as pessoas pensam e, especialmente, as pessoas que amam e se preocupam, às vezes é uma falha. "A coisa é que eu ainda não sei se o que eu via era real ou um sonho." eu digo, me lembrando de por que eu mesmo trouxe a ela em primeiro lugar.


"Claro, eu quero dizer, como você poderia?" Diz ela, a matéria com naturalidade. "Esta conversa foi em algum tipo de evento. Eu me lembro de ter visto uma bandeira no fundo. Dizia ‘Crestfield Cares’. Havia balões cinza e pretos". Eu digo hesitante. Ela senta-se e começa a pensar e balança a cabeça. "Eu não sei, pode ter sido. Fomos para tantos eventos para a sua empresa. Alguns eu nem sequer fui". Diz ela em tom de desculpa. Eu acho que eu vou ter que ser mais específico. Deixo escapar um suspiro. "Você estava lá." Eu admito, e ela se anima um pouco. "O resto era nebuloso." Eu camuflo a verdade. "Mas eu me lembro que você estava com um vestido cinza, e ele dirigiu para algum lugar perto da água depois da festa." Depois de alguns segundos seus olhos se iluminam em reconhecimento, e ela sorri. Eu posso dizer que ela está lutando contra um sorriso largo. "Sim. Eu me lembro daquela noite". Diz ela com um sorriso. "Foi uma festa da empresa, ele me levou um par de semanas antes que ele propôs." Seu sorriso se transforma em um sorriso largo, em seguida, ela começa a corar. Yup, ela se lembra daquela noite. "Você não se lembra de mais alguma coisa?" Pergunta ela, olhando para mim, sua expressão um cruzamento entre suspeita e alegria. "Foi tudo muito nebuloso". Eu digo com um encolher de ombros. Levanto-me da mesa para verificar os hambúrgueres. Eu abro o forno e inclino-me para que o calor possa atingir meu rosto, uma desculpa para o meu próprio rosto mudando de cor. Os hambúrgueres e bacon estão quase prontos. Eu a chamo para vir olhar. Ela está ao meu lado, um sorriso realizado no rosto. "Cheira muito bem". Diz ela alegremente. "High Five". Diz ela erguendo a mão, e eu rio e dou um tapa na mão dela. Lauren e eu somos amigos. Não há nada mais amigável do que um "High Five".


Mesmo depois de saber que eu estou começando a lembrar, e eu tenho certeza que ela tem uma suspeita de que eu me lembro de mais do que eu estou dizendo. Ela está bem. Ela ainda conhece a nossa linha. Ela não olha para mim ansiosamente desejando que eu dissesse a ela que eu a amo, ou eu quero estar com ela. Eu estava errado. Ela não queria ouvir isso de mim em tudo. Estou feliz. Eu deveria estar feliz. Digo a mim mesmo que eu estou feliz. Não me incomoda em nada que, talvez, ela esteja começando a distinguir que Cal e eu somos diferentes. É o que eu queria, afinal. É uma coisa boa. Isso é o que eu digo a mim mesmo. Mesmo que eu me sinta um lixo.

Eu não sei por que estou na casa de Jenna. Parecia uma boa idéia na época. Depois de cozinhar com Lauren, eu senti como se eu precisasse vê-la. Eu sabia que era tarde, e ela tem que dirigir de volta para a faculdade pela manhã. Eu preciso de algo para me lembrar de por que eu não deveria estar me sentindo como eu estou agora. Por que eu me sinto fora de equilíbrio, vazio, e confuso. Jenna é a mulher que eu conheci nos últimos dois anos, que esteve lá para mim através de alguns dos momentos mais difíceis da minha vida, a mulher que eu quero me casar. Desde que tudo isso aconteceu, tudo o que fizemos é discutir ou ela lançar seus ultimatos sobre mim. Eu preciso sentir o que eu sei que nós temos. Para lembrar, porque tantos pensamentos estão sendo empurrados na minha cabeça, é como se nossas memórias estão empurrando todo o resto. Preciso delas para voltar ao pelotão da frente.


"Eu posso ir se você quiser que eu vá. Eu sei que você tem muito que fazer amanhã." Eu estou sentado no sofá branco e marrom de couro, em sua sala de estar. A casa de Jenna foi decorada exatamente como uma revista de decoração, literalmente. As paredes são de cor bege com mobiliário de couro marrom. É moderno, chique. Isso é o que me diz Jenna. É limpo, apenas seus livros, notebooks e laptops na mesa de café. "Não, eu estou feliz por você estar aqui." Ela cobre o bocejo tentando escapar de sua boca. "Você está cansada, são quase 23h, posso voltar depois." Eu digo a ela, saindo do sofá e beijando-a no topo da cabeça. Ela franze a testa. "Não, está tudo bem". Diz ela, puxando-me de volta para baixo no sofá. "O que há de errado?" Ela ajusta sua posição sentada para que ela possa olhar diretamente para mim. "Nada está errado. Eu só sinto falta de você". Eu digo, puxando-a no meu colo. Ela cheira bem, como sempre. Seus cabelos estão caídos, mas não perfeitamente retos e no lugar, como habitual. Eu gosto dele assim. Passo a mão pelos cabelos, e ela deixa escapar um suave murmúrio. "Isso é bom". Diz ela enquanto meus dedos se arrastam para baixo, em suas costas. "Estou muito feliz por você estar aqui". Ela ronrona antes de mudar sua posição. Ela tem um roupão azul claro que ela começa a tirar revelando uma camiseta da faculdade de grandes dimensões e shorts por baixo. "Eu tenho vontade de falar com você sobre algo". Diz ela, seus lábios beijando meu pescoço. "O quê?" Eu pergunto enquanto minhas mãos rastejam debaixo de sua camisa para tirar seu sutiã. "Eu acho que você deveria se mudar para cá". Ela sussurra, e eu endureço. Ela se inclina para trás para ver o meu rosto. "Eu pensei que tínhamos concordado em esperar até depois que nos casarmos e encontrar uma casa". Eu lembro-a.


"Eu sei, mas depois de tudo o que aconteceu, parece um pouco bobo. Eu pensei que você vir aqui mostra que você concordou comigo sobre toda essa espera". Diz ela na defensiva. "Eu não acho que este é o momento certo". Eu digo, e ela desliza para fora do meu colo. "Por que ainda estamos esperando, Chris?" Ela me pergunta, com raiva amarrando seu roupão. "Porque é isso que nós concordamos em fazer." "Antes de tudo isso sair, isso é o que nós concordamos em fazer. Não faz sentido agora!" Diz ela bruscamente. Eu deveria saber que isso ia vir para cima. "O que Cal e Lauren fizeram não tem nada a ver comigo." Assim que as palavras deixam minha boca, Jenna atira adagas para mim com os olhos. "Eu não posso acreditar que você acabou de dizer isso". Diz ela em um rosnado baixo. "Nós não podemos até mesmo casar até que você se divorcie!" Ela começa a aumentar os gritos. "Nós estivemos esperando por tudo. Esperando para morar juntos, esperando para ter relações sexuais, esperando, esperando e esperando! E agora você está esperando para pedir a sua esposa a porra de um divórcio." Levanto-me do sofá e começo a caminhar até a porta. "Eu quero que nós façamos as coisas da maneira certa, Jenna. Nós já esperamos tanto tempo. Esperar até que estejamos oficiais é importante para mim. Isso é como meus pais fizeram isso. É assim que eu quero fazer isso". Eu digo a ela com firmeza. "Você sabe quando falou pela primeira vez sobre isso, eu pensei que era bonito. Eu pensei que fazia sentido que seria especial, nós fazendo tudo da maneira tradicional, mesmo se fosse um pouco antigo, mas agora é simplesmente estúpido. Você já foi casado, você tem um bebê! Essa espera é besteira!" Ela ruge. "Ninguém espera para ter relações sexuais e ir morar juntos mais". Ela continua.


"Você tem razão, eles não. E a maioria das pessoas nem sequer esperam três anos antes de se divorciarem". Eu atiro de volta para ela. Seus olhos se limitam nos meus. Eu sinto que minha cabeça começa a doer. Eu começo a esfregar minhas têmporas. "Eu não estou tomando um não como resposta. Ou você se muda para cá até o final da semana ou nós terminamos!" "Então terminamos". Eu digo simplesmente. Os olhos de Jenna ampliam-se e sua boca cai. "O quê?" Ela pergunta surpresa. "Eu disse que não vou morar com você. Eu não estou transando com você, e nós vamos fazer o que combinamos ou... terminaremos." Minha voz é baixa e rouca. Eu não a reconheço, mas as palavras são exatamente o que eu queria dizer, mas elas não deveriam sair. O rosto de Jenna está vermelho e ela parece sem palavras. Desde que eu a conheço, ela nunca ficou sem palavras. Eu volto e coloco meu dedo em seu queixo, e levanto-o para que ela possa olhar diretamente para mim. "As regras estão prestes a mudar". Eu digo, e ela parece confusa quando sua boca se separa. Eu trago sua boca na minha aproximando nossos lábios para beijá-la. Acho que ela está indo para arrebatar, mas ela não faz. "Bons sonhos, Jenna". eu digo, me virando e saindo pela porta. Quando eu estou na minha caminhonete finalmente me atinge o que aconteceu. Espero Jenna correr para fora na varanda gritando ou enchendo o meu celular com obscenidades, mas nada. Eu não posso acreditar no que aconteceu, que eu acabei de dizer essas coisas para Jenna e ela não disse nada. Eu estou envergonhado. Eu deveria me sentir envergonhado. Era aterrorizante, mas emocionante. A pior parte foi... Sentir-me bem.


Eu quero ser feliz. Isso é tudo que eu sempre quis realmente. Eu acho que é realmente tudo o que alguém quer da vida é ser feliz. O que nos faz feliz? Bem, isso é diferente para todos. Para alguns de nós é dinheiro, outros é a fama, alguns precisam de uma criança, enquanto outros encontram satisfação em suas carreiras. No final, todos nós estamos procurando o que nos fará dormir bem à noite, nos dar a paz, mesmo quando tudo não seja perfeito. Quando eu era jovem, eu sonhei com algumas dessas coisas. Quem não quer ser rico ou famoso, até você perceber todos os problemas que vêm com eles? Eu nunca percebi os problemas que viriam com Cal. Agora, quando eu olho para Chris, eu me pergunto se ele está feliz. Eu não posso dizer. Quanto mais eu conheço Chris, mais difícil de lê-lo. No início, eu pensei que ele era um livro aberto, mas que não faz sentido em tudo. Ele é muito mais complicado do que parece. Sua confusão e frustração têm um nome e uma vida própria. Quanto mais tempo eu passo com Chris, mais eu realmente começo a gostar dele e não apenas porque ele se parece com Cal e soa como ele, que é o que eu pensei que era originalmente. Eu realmente gosto da pessoa que ele é, o que eu estou começando a conhecer. Quando eu estava com Cal sempre vi algo gentil e quente nele, quando ele me deixava entrar. Estou começando a pensar que era Chris. Eu quero baixar minha guarda com ele, eu realmente quero, mas eu estou com medo. Parece bobo e infantil, mas estar apaixonada por Cal parece muito diferente de deixar-me ter sentimentos por Chris. Tão selvagem e imprevisível como Cal era, eu conhecia Cal. Pelo menos foi o que eu achei. Eu estava confortável no turbilhão que foi a nossa vida juntos. Chris é uma história totalmente diferente. Apaixonar-se por ele é perigoso, e persegui-lo vem com um monte de risco. A rejeição dele é


mais do que isso, porque se ele não pode me amar ou me desejar não há nenhuma esperança para Cal e eu, eles são um só. Às vezes eu o pego olhando para mim de uma forma que me faz pensar que poderia sentir algo por mim, mas eu acho que ele não quer. Ele quer ser meu amigo, e o pensamento me faz estremecer. Eu nunca realmente poderei ser sua amiga. Como você pode ser amigo de alguém que você gostaria que te amasse? Como você pode fingir que seus sentimentos não existem ou não importam? Eu não sou tão forte. Se eu constatar que Cal nunca retornará e ele está flutuando em algum tipo de prisão mental... Como poderia Chris me deixar entrar se ele deixa Cal de fora? Se ele nunca deixar-me entrar, eu vou ser cordial, vou ser simpática, eu vou ser a melhor agregada que posso, mas eu não posso ser sua amiga, pelo menos não agora. No momento em que eu partir, eu vou saber se Chris vai me deixar entrar. Este é o nosso momento. Eu vou fazer o meu melhor para manter a minha armadura e me guardar ao tentar chegar o mais perto que puder. É assustador, aterrorizante realmente, mas é um risco que eu tenho que tomar. É isso que eu continuo dizendo. Isso é o que o meu coração está me dizendo, pelo menos. Minha mente está me dizendo para mover a foda e rápido. Meu coração e mente nunca chegaram a um acordo sobre qualquer coisa, mas parece que o que costumava ser uma frequente briga tornou-se uma completa batalha desde a minha chegada aqui. Olho para o relógio. São 05h30h, mas em Chicago seriam 06h30m. Eu já sinto o cheiro do café da manhã que a Sra. Scott está cozinhando. Caylen ainda está dormindo e continuará por pelo menos mais uma hora. Ela geralmente me dá tempo suficiente para tomar café da manhã e uma chuveirada. Eu deslizo em meu robe e pego minha escova de dente para refrescar-me. A Sra. Scott me disse que eu poderia deixar uma no suporte extra, mas eu não me sinto confortável fazendo isso, então eu irei e voltarei com ela. Abro a porta e sigo para o banheiro, mas paro quando eu escuto sussurros abafados. Eu espio na sala de estar e vejo Jenna e Sr. Scott falando. Eu começo a virar-me e voltar para o meu quarto, mas algo me diz para ficar onde estou.


"Ele disse para você na noite passada?" O Sr. Scott pergunta com seu tom calmo e preocupado. "Chris nunca falou comigo desse jeito". Diz Jenna seu tom mais alto do que o do Sr. Scott. "Eu estava preocupado que isso iria acontecer com Lauren ficando aqui". Diz ele amargamente, e eu sinto meu coração acelerar. O que aconteceu? "Eu não posso dizer com certeza que ele é Cal porque eu nunca o encontrei, mas do jeito que você o descreveu... Chris nunca se comportaria como ontem". Diz ela, e meu coração está agora batendo a mil milhas por minuto. "Se Cal está de volta, a única coisa boa é que Lauren está aqui". Diz ele timidamente. "Ele não vai partir com ela aqui. Eu vou ter que falar com ela". Ele continua, e eu na ponta dos pés retorno para o meu quarto e fecho a porta. Meus pensamentos estão por todo o lugar. Cal não pode estar de volta. Ele não estaria de volta e não viria para mim. O que diabos está acontecendo, e o que o Sr. Scott tem para me dizer se for ele? Eu não vou falar com ele, e se Cal está de volta por que diabos ele iria para casa de Jenna? Eu sinto tantas emoções diferentes agora, ansiedade, irritação e opressão... Bem, não, não, eu não vou me permitir sentir animação. Eu não sou capaz de pensar muito antes de haver uma batida na porta. Eu tento corrigir meu comportamento e acalmar meu coração disparado. Eles nem sequer sabem se Cal está aqui. Ele bate de novo. Eu sei que é o Sr. Scott. Eu abro a porta de forma que ele mal pode ver por dentro. "Bom dia". Eu digo fingindo um bocejo. Ele balança a cabeça, fazendo uma careta ainda em seu rosto. "Bom dia". Ele responde, e há uma pausa constrangedora. "Está tudo bem?" Pergunto-lhe rapidamente. "Eu estava esperando que eu pudesse falar com você". Diz ele, tentando mudar seu tom de desdém ao agradável. Sua tentativa é péssima. "Agora?"


"Se isso não for um problema". Diz ele, com um pouco de sarcasmo na sua voz. "Bem, Caylen agora está dormindo". Eu respondo. "Gwen começou a preparar o café da manhã. Ela subiu por um momento. Podemos conversar quando ela estiver de volta?" Ele pergunta, e eu deixo escapar um pequeno suspiro. Eu não quero falar com o Sr. Scott, especialmente sobre Cal. Eu não quero falar com ele sobre qualquer coisa. Eu nem sei por que ele iria querer falar comigo. Ele mal disse dez palavras para mim desde que eu cheguei. Eu me sentiria melhor se a senhora Scott estivesse envolvida, mas seria rude se eu negasse, enquanto sou uma hóspede em sua casa. "É importante?" "Sim". Ele responde imediatamente, e eu aceno. "Claro". Eu digo em breve. "Obrigado". Diz ele, deixando minha porta. Eu sei de uma coisa, É melhor Jenna ter ido embora. Eles perderam suas mentes, se acham que eu estou falando com eles tudo sobre Cal. Isso seria como saltar em um tanque de tubarões com peixe cru atado ao meu redor. Eu espero um segundo antes de ir ao banheiro para escovar os dentes e jogar água no meu rosto. Por que ele quer falar comigo, de repente, por que ele não falou com Chris... Se ele for Cal, eu tenho certeza que ele não quer um sermão, ele não vai falar com ele, mas se ele fosse Cal, não iria se esconder. Ele não tem absolutamente nenhuma razão isso. Eu respiro fundo e caminho para fora e vejo a Sra. Scott descendo as escadas. "Bom dia, Lauren". Diz ela alegremente. Ela não tem nenhuma preocupação nesse momento. Nenhum sinal de aflição ou ansiedade em seu rosto, ao contrário do Sr. Scott. "Bom dia". eu respondo. "Caylen ainda está dormindo?" Pergunta ela, indo em direção ao quarto. Ela aponta antes de entrar, um largo sorriso no rosto. Ela ainda se parece com uma criança na manhã de Natal, quando fala sobre Caylen.


"Eu não penso assim. Você pode olhar sobre ela, no entanto." Quando ela entra no quarto, eu sigo-a. "Ela é um anjinho". Ela me diz enquanto a admira. Seu entusiasmo mal é contido. "Mas não se preocupe, eu vou deixá-la dormir." ela termina. "Como você está nesta manhã, quer um pouco de café ou chá?" Ela pergunta ao deixamos o quarto juntas. "Não, eu estou bem". Eu digo, seguindo-a. Assim que chegamos à cozinha, o Sr. Scott não está à vista. A julgar por seu bom humor, a Sra. Scott não deve ter nenhuma ideia do que está acontecendo. "Eles terão horas de leitura infantil na biblioteca hoje, Dr. Seuss, contos de fadas, esse tipo de coisa. Você se importaria se eu levasse Caylen?" Ela pergunta timidamente. Só me leva um segundo para pensar sobre isso. Sra. Scott absolutamente adora Caylen, e me sinto muito segura deixando as duas sozinhas juntas. "Claro que não". Eu respondo com um sorriso. "Ótimo! Será apenas uma hora e meia, e nós viremos direto para casa". Ela me garante verificando algo no forno. Tem um cheiro delicioso. O Sr. Scott volta a casa pela porta da cozinha e beija a Sra. Scott na bochecha. "Querido". ela responde docemente. Ele lhe dá um sorriso que me faz lembrar que ele não é um bastardo para todos, somente comigo... e Cal, aparentemente. "Lauren, você poderia sair comigo por um momento?" Ele pergunta. A Sra Scott olha para ele estranhamente. Esta é a primeira vez que ele falou comigo diretamente desde que eu estive aqui. "Está tudo bem, William?" Ela pergunta um pouco desconfiada. "Está tudo bem. Lauren está aqui há pouco tempo, e ela e eu realmente não tivemos a oportunidade de conhecer um ao outro. Eu pensei em mostrar-lhe ao redor da fazenda". Ele reafirma a sua esposa. Ela olha para mim, e eu concilio o máximo que consigo em um sorriso. "Vou pegar um casaco." eu digo, virando-me para sair do quarto. Eu não sabia que ele ia querer falar comigo sozinha. Presumi que ele estava esperando a Sra. Scott. Eu passo por cima de Caylen, que ainda está


dormindo e pego meu casaco. Ao me aproximar da cozinha, eu posso ouvir a Sra. Scott dizer algo para ele. Eu não tenho certeza do que. Ela para assim que eu me aproximo. "Vamos, Lauren?" Ele abre a porta para eu sair. Eu tento agir como se eu não estivesse prestes a entrar na cova do leão. Dependendo de como essa conversa se desenrolar, este poderá muito bem ser o último dia que eu fico nesta casa, porque se ele disser algo inadequado ou desrespeitoso para mim, eu vou deixá-lo saber. Eu sorrio para o Sr. Scott antes de sair, e ele me dá um sorriso nervoso. Há uma tensão estranha no ar conforme o Sr. Scott anda atrás de mim. Uma vez que estamos fora da varanda começo a me perguntar onde estamos indo. Meus olhos rapidamente roçam o lote. Sem carros extras, o que significa que Jenna desapareceu. O carro de Chris se foi também. Se ele pegou uma aula mais cedo faria sentido, nada realmente fora do comum. "Então você está realmente me levando a um passeio ou quer falar comigo sobre Cal?" Pergunto-lhe. Ele para de andar e deixa escapar um suspiro exasperado. "Vamos por aqui". Diz ele, apontando para a área dos cavalos antes de responder a minha pergunta. Nós começamos a caminhar em direção a ela, a tensão crescente a cada passo. Quando chegamos ao portão, ele se vira para mim e ri. "Acho que você ouviu Jenna e eu conversando esta manhã". Ele pergunta e eu aceno. "Quanto você ouviu?" Ele pergunta. "O suficiente para saber que você pensa que Cal está de volta." "Eu não acho que Cal está de volta. Jenna acredita, e ela não está inteiramente certa". Diz ele, deixando escapar uma respiração superficial. "Eu acho que se Cal estivesse de volta todos vocês teriam ido embora". Afirma corajosamente. Eu balancei minha cabeça. Eu realmente não sei o que esse homem pensa de mim, mas não pode ser muito para ele acreditar que, se Cal ressurgisse, eu decolaria com ele sem perguntas, sem saber sobre sua condição. Eu sinto meus olhos rolarem.


"Eu disse a Gwen e Chris que eu não acho uma boa idéia você ficar aqui". Diz ele. Bem, essa é a notícia do século. "Desde que você apareceu por aqui, tudo o que estava no lugar e que era bom para a nossa família começou a desmoronar." Ele está falando comigo, mas não se preocupa em olhar em minha direção. "Isso é porque você escolheu deixar o seu filho viver uma mentira". Eu digo. "Eu quero o que é melhor para o meu filho". Diz ele, agora voltando sua atenção para mim. "Eu acho que você quer o que é melhor para si mesmo." Afirmo claramente e ele ri, como se eu estivesse brincando. "Cal voltando, existente, ressurgindo, o que você quiser chamá-lo, irá destruir a nossa família." Eu já ouvi tudo isso antes. O Sr. Scott considera Cal o anticristo. "Isso pode não importar para você, mas, eventualmente, ele vai destruir a sua família". Diz ele, dando um passo em minha direção. Eu mantenho meus olhos nos dele. Eu quero que ele saiba que seu pequeno discurso só serve para me irritar. Suas palavras não me afetam, assustam, ou me intimidam. "Você entende que, para que Chris esteja bem, ele e Cal tem que se integrar. Há uma razão para ele existir, e ele não irá embora!" Eu digo com ousadia, embora eu não estou inteiramente certo de mim mesmo. O Sr. Scott zomba. "Cal não vai se integrar, ele quer assumir! Eu pensei que você houvesse descoberto isso. Você foi casada com ele depois de tudo! Esse é o problema real. Ele é a raiva de Christopher, sua impulsividade, sua amargura e raiva". Ele afirma com escárnio. Eu balancei minha cabeça furiosamente "Isso não é tudo que Cal é!" Eu cuspo de volta. "Oh, menina, acorda! A bondade que você viu em Cal era Christopher. Eu achei que você ia reconhecer isso por agora. Se Cal voltar, ele irá assumir, e a bondade e autocontrole, que ele conseguiu expor, tudo o que é Chris sumirá! Ele vai ser como um tornado,


destruindo tudo e todos em seu caminho. Ele não pode ajudar, essa é a sua razão de ser". Continua ele amargamente, e eu começo a pensar que o Sr. Antipsicologia tem conversado com o médico de Chris mais do que ele. "Como você sabe o que sua razão de existir é? Por que você o odeia tanto?" A suspeita e amargura no meu tom é descontrolado aparentemente. Tem que haver mais do que ele está dizendo. Por que ele acha que Cal iria destruir sua família? Eu sei que Cal se afastou para Chris voltar quando sua mãe estava doente. "Ou, talvez a melhor pergunta seja por que Cal odeia você?" Eu pergunto a ele com raiva, e por um momento ele parece surpreso. "As coisas nunca são a preto e branco. Cal só vê em preto e branco não compreende quaisquer zonas cinzentas". ele responde, e eu olho para ele estranhamente. Eu não esperava esse tipo de resposta dele "O que isso quer dizer?" Agora eu estou confusa. "Se Cal não está de volta, por que Chris está começando a ter essas explosões?" Diz ele rapidamente. "O que você quer dizer com 'explosões'?" Eu o interrompo. "Onde ele começa a dizer coisas que são completamente fora do seu caráter". Diz ele, falando por cima de mim. "Só porque ele disse algo que possa ter chateado Jenna não significa que ele é o Cal". Eu digo, rindo do ridículo de sua hipótese. "Se ele ainda é o Chris. Eu acho que seria melhor você ir para o Ritter Inn. Eu vou pagar por isso". Diz ele, seu tom de voz um pouco menos acentuado, mas suas palavras ainda cortantes. Eu balanço minha cabeça. "Não". Eu digo o mais friamente como eu posso. Ele geme e cruza os braços, como se ele estivesse pensando por um minuto. Ele não deve ser capaz de chegar a qualquer coisa para dizer, porque ele começa a se afastar, mas para e se vira de costas para mim. "Você não é boa para ele, Lauren". Diz ele, em tom baixo, quase um grunhido antes de ele começar a se afastar novamente. Eu estou tão brava. Eu quero bater em alguma coisa.


"Bom para quem?" Eu pergunto a ele sarcasticamente. A única pessoa que dou a impressão de não ser boa é ele e seu delírio que ele quer que sua família resida. Ele se vira e dá-me um olhar que envia um frio na espinha. "Qualquer um deles". Declara ele antes de pisar com raiva em seu caminhão. Ele vai embora, deixando-me do lado de fora, sozinha. Volto para casa, repetindo tudo o que ele disse. Algo não está certo. Eu estou começando a pensar que há outra razão para ele não querer que Cal retorne. Se ele sabe tanto sobre esta condição como eu acredito, com base nessa conversa, ele tem que saber que a integração é o objetivo. Por que ele não quer isso? Eu tento controlar essa adrenalina, raiva e confusão em mim antes de voltar para casa. Estávamos longe o suficiente para ninguém perceber que estávamos gritando um com o outro. Ele não trouxe a Sra. Scott, e eu não sei o que o ele disse sobre mim, mas eu não quero preocupá-la. Ela é uma mulher tão doce, e se ela souber o que aconteceu, eu sei que poderia, e não há nenhuma necessidade porque independentemente do que seu marido parece pensar, ele não vai me intimidar ou me afastar. Eu não estou indo a lugar nenhum.


Não tinha dormido bem há semanas. Pela primeira vez em muito tempo, eu não acordei antes do meu alarme. Quando ele começa a tocar Eu bato o botão de soneca para baixo, eu sabia que eu estava acordado até tarde na noite passada. Depois de cozinhar com Lauren eu fui para Jenna e... Eu realmente não me lembro do que aconteceu depois disso. Eu deveria me sentir nervoso ou preocupado com isso, mas não. Eu sei que eu não apaguei porque eu me lembro de beijá-la e dirigir para casa e ir para a cama. Sento-me na minha cama e penso, eu me lembro de ir à sua casa, à beira de fazer amor, e começamos a discutir sobre algo, mas eu não tenho certeza do quê. Todo o resto é quase um borrão. Eu não sei como o argumento terminou, mas eu me sinto bem sobre isso. Temos de ter feito porque me sinto bem. Não, eu me sinto ótimo. Não cansado, ou estressado. Apenas bom. Eu pego meu telefone e procuro o nome de Jenna e mando uma mensagem a ela. Bom dia linda. Eu pego minhas roupas, dirijo-me ao banheiro, e salto no chuveiro. Eu só tenho uma aula hoje. A coisa boa sobre substituir é que mesmo se você tiver uma classe ou quatro, você ainda recebe a mesma taxa diária. Depois que eu troco de roupa, eu vou para a cozinha. Eu já posso sentir o cheiro de presunto e ovos. Eu caminho pela cozinha, onde eu vejo Lauren e minha mãe na mesa e Caylen em seu cadeirão. "Bom dia, destruidora". eu digo, dando um beijo na testa de Caylen. É o apelido que eu dei a ela já que ela destrói tudo em torno da casa, mas ela é bonita o suficiente para sair bem com isso. Minha mãe coloca um jarro de suco de laranja sobre a mesa, e eu agarro-a e dou-lhe um abraço e um beijo. "Alguém está de bom humor". Diz ela, feliz.


"O que há Lauren? Queria ajudar a mãe com café da manhã hoje?" Eu pergunto de brincadeira antes de me sentar na cadeira em frente a ela. Eu sorrio para ela, olhando aqueles grandes olhos castanhos. Eu pego um prato e começo a enchê-lo com ovos. Estou faminto. Lauren ainda está olhando para mim, e não da forma como ela normalmente faz quando outras pessoas estão ao redor. Não são rápidos olhares ou sorrisos tímidos. Hoje é como se ela estivesse me examinando. Isso me faz mudar no meu lugar porque é meio estranho, e ela não respondeu minha pergunta. Tenho ainda shampoo no meu cabelo ou algo assim? Nah, minha mãe teria dito alguma coisa. Talvez eu esteja excepcionalmente bem hoje, já que eu me sinto excepcionalmente bem. "Lauren me disse que você foi um grande professor." minha mãe brinca comigo quando se junta a nós na mesa. Ela inclina a cabeça e Lauren finalmente para de olhar para mim e faz o mesmo, enquanto minha mãe diz sua oração padrão. Quando ela acaba, Lauren começa a examinar-me novamente. Dois podem jogar esse jogo, então eu começo a olhar para ela diretamente nos olhos. Eu esperava que ela desviasse o olhar, mas ela não faz. Se ela quer manter aqueles belos olhos em mim, ela é mais do que bem-vinda. Minha mãe está falando sobre algo, mas eu realmente não escuto. Lauren não está escutando também. Eu acho que nós estamos tendo um concurso de encarar. "Tem alguém ouvindo?" Minha mãe dá uma risada, eu acho que ela percebeu o que está acontecendo. Eu rio, mas Lauren não. Seus olhos me encaram novamente antes dela se virar para a minha mãe e sorri. Ela é louca por mim ou algo assim? "Eu disse que estava levando Caylen para a biblioteca para a hora da história hoje". Minha mãe diz. "Oh, legal. Lembro-me o quanto eu amava a hora da história". eu digo mastigando um bocado de ovos. "Eu também. Sei que ela é um pouco jovem, mas eu pensei que seria bom para nós fazermos algo juntas". Minha mãe diz alegremente. Eu juro que ela se apaixonou com Caylen. "Isso é legal, mãe". Eu digo, e ela sorri com orgulho.


"Então, o que você está fazendo hoje, Lauren?" Eu pergunto a ela, esperando que qualquer humor que ela esteja vá mudar. Eu não tenho visto ela assim desde que nos conhecemos. "Eu não tenho certeza". Diz ela, hesitante. "Você quer fazer algo mais tarde?" Eu pergunto, e seus olhos se arregalam de surpresa. "Não é como um encontro ou qualquer coisa. Simplesmente sair". Eu digo com uma risada. "Eu acho que seria ótimo para você sair de casa, Lauren, e começar a ver algumas pessoas de Madison." Minha mãe diz tagarelando. Eu amo a minha mãe. "Uh, Eu. Sim". Ela finalmente consegue sair dessa. Eu ri. Se eu não soubesse melhor, eu pensaria que ela estava nervosa. Nada como ela estava ontem. Eu gosto que eu a deixo nervosa. "Legal. Lisa estará trabalhando esta noite no Ardeby´s. Vou ligar para Aidan, até mesmo arrastar Jenna de sua caverna de estudos". Eu digo, derrubando um copo de meu suco de laranja. "Você vai tocar?" Pergunta ela, seu olhar de volta para mim. Isso me pega desprevenido. Eu dou de ombros. Quem sabe? "Talvez eu vá surpreendê-la." Eu pisco e sua voz pega. Talvez a piscadela fosse demais. Tipo glamour. Cruzando a linha, amigo. Eu nunca fui muito um piscador de qualquer maneira. Eu nem tenho certeza porque eu fiz isso. "Lauren, você está bem?" Minha mãe pergunta a ela. Eu observo seu rosto é meio desprovido de todas as cores. "Sim, você está pálida". Eu digo um pouco preocupado, e meu alerta de telefone se acende. É uma mensagem de texto de Jenna. Você está falando fodidamente sério? Eu começo a mandar um texto de volta, perguntando o que ela quer dizer ou o qual é o seu problema, mas eu não faço. Eu não vou deixar ninguém estragar meu humor hoje. Eu vou passar em sua casa depois


do trabalho e ver o que há de errado com ela. Talvez a nossa briga não tenha terminado tão bem quanto eu pensei. "Eu estou saindo, senhoras." Eu lhes digo, levantando-me da mesa. Por alguma razão, Lauren se levanta comigo. Olho para minha mãe que olha entre nós. Então meu pai entra. Ele me dá o mesmo olhar estranho que Lauren foi me dando toda a manhã. "Por que vocês estão me olhando desse jeito?" Eu pergunto, incapaz de ignorar seus olhares enigmáticos. "Assim como?" Meu pai pergunta hesitante. "Como se eu fosse um projeto de ciências." Agora eu estou irritado. "Ninguém está olhando assim, filho." minha mãe interrompe. "Você não, mas o pai sim. Lauren também". Eu digo, olhando para ela. "Você vê algo que deseja compartilhar, Lauren?" Meu pai pergunta a ela, e eu me questiono, desde quando Lauren e meu pai começaram a se falar? "O que está acontecendo?" Eu pergunto, exasperado. "Não é nada. Eu pensei que era, mas, não é nada. Sinto muito, Chris". Diz Lauren antes de se levantar da mesa, mas não antes que ela atirar ao meu pai um olhar zangado. Ele suspira antes de se sentar à mesa. Olho para minha mãe, que parece tão sem noção como eu. "Zona Crepuscular". Murmuro para mim mesmo antes de sair de casa. Quando estou fora eu olho em volta e algo está faltando. Onde está o meu carro? Eles estavam tão estranhos hoje. Lauren e meu pai. E o meu carro. Ele estava estacionado na estrada em vez de atrás da casa. Lembro-me de estacionar onde eu sempre faço. Eu acordei realmente em um bom humor e isso sugou a merda direito para fora de mim, também estranhamente familiar. "Nem vontade de sair mais eu tenho, para ser honesto". Eu digo para Aidan que está sentado na minha cama atirando uma bola de futebol antiga para cima e para baixo.


"Bem, foda-se, porque nós estamos saindo. Eu tenho minha boa camisa, e eu estou pronto para ficar bêbado. Estamos fazendo isso. Hoje à noite!" Diz ele com firmeza. Eu não posso voltar atrás de qualquer maneira. Lauren está se vestindo no térreo. Eu não falei com ela desde o café da manhã, exceto por meio de mensagens. Eu ainda não falei com Jenna, mas eu sei que ela está estudando e ela vai ficar puta. Eu ainda não sei sobre o que seu texto era esta manhã, eu tenho certeza que vou conseguir uma bronca sobre isso quando eu falar com ela. "Seu humor está uma merda, cara. O que aconteceu com o Chris desta manhã? Você foi bombeado. Agora você é como uma garota que acabou de ser chutada". Diz ele irritado. "Ok, más notícias". Diz Lisa se intrometendo no meu quarto. "O que você é? Snookie?" Diz Aidan, rindo no quão alto o cabelo dela está cheio em sua cabeça. "Você pode se foder". Diz ela com ironia, voltando sua atenção para mim. "Eu fui suspensa do Aderby." Ela suspira. "O quê?" Eu pergunto-lhe, não com incredulidade, mas irritação. Esta não é a primeira vez que isso acontece. "Portanto, não podemos ir hoje à noite". Diz ela com um encolher de ombros. "Ugh foda-se. Você não pode ir, mas ainda estamos indo! "Aidan fala. "Eu nem sequer me apeteço a ir de qualquer maneira". Eu admito. "Só porque não podemos ir para lá, não significa que não podemos ir para outro lugar". Acrescenta ela alegremente. "Não, nós não estamos indo em qualquer outro lugar. Nós vamos ao Aderby´s". Aidan intervém. "Você sabe, não vamos para o Rink há muito tempo. Seria super divertido!" Ela diz com entusiasmo, ignorando Aidan.


"Eles têm apenas cerveja choca no Rink." Aidan geme. "Eu vou precisar de você para participar dos alcoólicos anônimos." Lisa cospe a Aidan. "Talvez devêssemos adiar isso. Eu nem sequer falei com Jenna hoje." Eu suspiro. "Chris, tire essa vara deprimente da sua bunda. Isso tudo foi idéia sua. Você pode ficar aqui se quiser, mas Lauren, o senhor ‘Preciso de uma bebida’ aqui, e eu vamos sair". Diz Lisa, cruzando os braços sobre o peito. "Sim, cara, ainda não temos celebrado desde que eu cheguei..." a sentença de Aidan some, e há uma pequena batida. É Lauren, de pé na porta. Ela tem um suéter preto com um ombro de fora. Seu cabelo não está reto como geralmente, ao invés, ele cai em ondas longas. A partir do momento em que a vi, eu pensei que ela era bonita, mas esta é a primeira vez que eu achei que ela é sexy. "Hey". Diz ela, empurrando seu cabelo atrás da orelha. "Você está quente!" Lisa diz entusiasmada. "Eu acho que você deve ficar se você está cansado, Chris". Aidan diz com entusiasmo. "Eu posso lidar com as senhoras hoje à noite. Hey." Diz ele, levantando-se da minha cama. O sorriso de Lauren cai. "Você não vai?" Ela parece desapontado. "Não, eu vou". Eu digo rapidamente. "Tenho certeza que você vai agora". Murmura Aidan, e eu o cutuco. "É só que há uma mudança de planos. Nós estamos indo patinar." Lisa diz animada, mas Lauren parece muito cética. "Oh. Eu vou mudar de roupa". Diz ela, envolvendo os braços em torno de si mesma como se ela de repente se sentisse desconfortável. "Não, não você está bem. Eu não vou mudar". Diz Lisa, em uma espécie de vestido.


"Além disso, se formos pegar Jenna precisamos sair agora. A pista não vai ficar aberta até tão tarde como o bar". Diz Lisa olhando para o relógio. "Quem está dirigindo?" Lisa pergunta. "Eu voto em Lauren. Eu não estive no novo Audi!" Aidan diz rapidamente. "Nós não estamos todos indo em um Audi." Eu lembro-o. "Bem, eu poderia dirigir com Lauren, e vocês podem ir pegar Jenna e nos encontrar lá". Diz Lisa simplesmente. "Eu não estou dirigindo com eles". Aidan conjectura, e eu faço uma carranca para ele. "Excelente, dirige conosco então." Lisa revira os olhos. "Todos nós podemos apenas tomar o meu caminhão." Eu sugiro, mas Lauren não parecia animada com a minha sugestão também. "Não, está tudo bem. Eu posso dirigir e você pode ir buscar Jenna. Provavelmente vai funcionar melhor assim." ela diz baixinho. "Ótimo, está resolvido. Vamos". Grita Lisa com os braços dados com Lauren, puxando-a para fora do quarto. Aidan rapidamente segue-as com um sorriso largo. Claro que Lauren não ia querer andar com Jenna. Eu pego minhas chaves e carteira e mando um texto para Jenna que estou no meu caminho para a casa dela. Eu quero pensar que esta noite vai ter toneladas de diversão, mas eu tenho um sentimento que poderia ser um desastre. O que diabos eu estava pensando esta manhã?

Eu toquei a campainha quase cinco vezes antes de Jenna vir à janela me espreitar por trás das cortinas. Eu posso ver que ela já está de cara feia.


Oh isso vai ser ótimo. Um segundo depois, ela arranca a porta aberta. Ela está lá, com os braços cruzados sobre o peito. "O que há de errado?" Eu pergunto, com um suspiro. "Você está falando sério? Você não pode estar falando sério agora?" Diz ela condescendente. Eu inclino minha cabeça para trás e tomo uma respiração profunda. "Posso entrar?" Faço um gesto em direção à porta. "Então você pode me insultar e ser um babaca completo como ontem? Quem é você, Chris?" Ela cospe rapidamente. "O quê? O que você está falando?" Eu estou completamente confuso. "Oh, deixe-me adivinhar. Você não se lembra". Diz ela com sarcasmo. "Não, eu me lembro... Lembro-me de estar aqui ontem. As coisas estavam indo bem, e nós discutimos sobre algo, então eu saí. Lembro-me da gente se beijando, tudo estava bem certo?" Pergunto eu esperançosamente. Aparentemente, as coisas não estavam bem em tudo. Ela começa a rir. "Não. Não, as coisas não estavam bem. As coisas não estão boas em tudo, Chris. Você foi malvado e extremamente desrespeitoso. Eu nem sequer pensei que fosse você mesmo em tudo. Você precisa de ajuda, Chris, e você precisa rapidamente". Diz ela bruscamente, voltando para casa e tentando fechar a porta. Eu prendo meu pé nela para impedi-la. "Chega para trás. O que está acontecendo? O que aconteceu?" Eu pergunto, e ela revira os olhos. "Seu pai não falou com você hoje?" Ela pergunta, e eu balanço minha cabeça. "Claro que não. Seus pais são capacitadores, habilitadores completos e absolutos". Ela diz para si mesma. "Do que você está falando?" "Eu acho que eu conheci Cal ontem". Diz ela incisivamente.


"O quê?!" eu pergunto incrédulo. "Isso não é possível." Ele se foi. "É muito possível! Eu vi você mudar, direto, na frente dos meus olhos". Diz ela com firmeza. "Não. Lembro-me de estar aqui, falando com você. Nós estávamos no sofá, e nós discutimos sobre algo." eu digo, tentando conectar meus pensamentos juntos. "Bem, ou ele me disse que não estava se mudando e basicamente mandou eu me foder ou você fez. Diga-me você. Quem foi?" Pergunta ela com raiva e minha boca cai aberta. Não há nenhuma maneira que eu iria dizer a Jenna ir se foder. Eu nunca disse a ninguém para ir se foder. "Espere. Morar juntos? Eu percebo o que ela acabou de dizer." De onde que veio isso?" Pergunto. "Nós não estamos tendo essa conversa de novo". Diz ela, indo a sua casa. Ela deixa a porta aberta para que eu a siga. Eu sento-me no sofá e descanso minha cabeça em minhas mãos. "Eu me senti diferente esta manhã. Eu me senti livre, mas bem. Eu nunca me senti assim antes". Eu digo em voz alta, mas eu não sei mesmo se Jenna está escutando. "Você falou com meu pai sobre isso?" Eu pergunto a ela, olhando para cima. Ela está parada na minha frente, as mãos nos quadris, a raiva ainda irradiando dela. Ela não parece simpática ou preocupada. Ela olha com raiva. Eu não posso culpá-la, realmente. "Eu fui esta manhã antes de eu dirigir até a faculdade. Eu não conseguia nem dormir. Eu estava tão louca, que não cochilei até depois que você saiu e percebi que era provavelmente ele. Eu estava tão chocada". diz ela, tensa. Eu posso imaginar. Em seguida, tudo se encaixa. É por isso que meu pai e Lauren estavam olhando para mim como se eu tivesse chifres que crescem fora da minha cabeça esta manhã. Meu pai deve ter falado com Lauren. Deixei escapar um gemido. Eu não posso imaginar o quão difícil era para ela pensar que eu era Cal em seguida, percebendo que eu não era. "Eu não tive um blecaute. Eu não diria que é isso porque eu não me lembro o que acontece quando eu apago. Lembro-me de estar aqui ontem


e falando com você e ir para casa, é só que... tudo é obscuro." Eu admito a ela. Ela vem e senta-se ao meu lado. "Você tem que obter alguma ajuda, Chris. Não mais se distanciar. Eu sei que você tem uma condição e tudo isso aconteceu, mas é diferente quando ele está bem na sua cara. Que o cara é um babaca. Se eu soubesse que era ele, eu teria dado uma joelhada na virilha dele". Diz ela, e eu deixo escapar uma risada. A única coisa é que eu não tenho certeza se era ele. É provável que fosse, mas ontem foi diferente do que o que aconteceu no passado. "Eu vou marcar um consulta amanhã. Eu prometo". Eu digo a ela, sentindo a raiva começando a diminuir lentamente. "Você precisa. Isso é muito estressante para nós lidarmos com ou sem qualquer ajuda profissional. Você tem que aprender a controlá-lo e mantê-lo afastado. Fodasse a integração ou o que os especialistas dizem que é suposto ser. Ele precisa ir". diz ela com firmeza. Concordo com a cabeça, não é algo que eu não tenha ouvido falar do meu pai mil vezes. "Obrigado por não me chutar na virilha," Eu brinco, pegando sua mão na minha. Ela aperta de volta. Ela não sorri, mas sua carranca não está lá também. Lembro-me de repente a razão de estar aqui em primeiro lugar. "Vamos fazer algo divertido hoje à noite." eu digo a ela, animado. Tudo o que está acontecendo entre nós, discutindo, brigando, e stress ou uma combinação de todos os três no mês passado. Nós não temos nos divertido a uma eternidade. "Como o quê?" Ela pergunta, curiosa. "Patinação. Quando foi a última vez que você esteve no Rink?" Eu pergunto a ela, e ela dá de ombros com um pequeno sorriso em seu rosto. "Provavelmente, desde que eu tinha quatorze anos". Ela ri. "Vá se vestir. Vamos". Eu digo com entusiasmo. "Agora? São quase nove". Diz ela, hesitante.


"Vamos Jenna. Não tem que ser muito tempo. Uma hora, hora e meia". Insisto. Ela está pensando. "Contanto que estejamos de volta antes das 23h." Ela ri, levantando-se e indo para seu quarto. "Dê-me dez minutos para me trocar". Ela admite com um sorriso. Enquanto ela se veste, eu tento empurrar o fato de que Cal mandou a minha noiva se foder fora da minha mente. Se é que foi Cal.


Eu pensei que era ele. Juro por Deus que eu pensei. Ele parecia diferente. Eu realmente não acho que era ele. Quando ele piscou para mim, eu quase desmaiei, mas depois desapareceu. Ele tem sorte que ele se foi porque no momento em que ele mencionou Jenna, eu tive que me impedir de saltar sobre a mesa e bater a merda fora dele. Eu estou feliz que eu não fiz isso porque um ou dois minutos mais tarde, eu percebi que não era Cal. Este foi o mais próximo que Chris tinha agido como Cal. Se eu não estivesse confusa antes, eu com certeza estou agora. Eu estava realmente esperando que estivéssemos indo para um bar, mas uma vez que Lisa está suspensa nós terminamos em um ringue de patinação. Eu não estou olhando a frente com tudo isso. Quando vejo Jenna e Chris andarem de mãos dadas, eu quero vomitar. Quando ela nos vê no caixa esperando por nossos patins, seu sorriso rapidamente desaparece e é substituído por uma carranca. Isso vai ser muito divertido. A pior parte disso, eu não tenho nenhuma idéia de como andar de patins. Então, eu vou acabar em uma mesa comendo salsicha empanada, pipoca e bebendo cerveja barata, porque vamos ser sinceros, eu definitivamente preciso de uma bebida. Eu poderia realmente usar uma bebida forte, mas eu tenho uma sensação de que não vai ter um licor tão forte quanto eu preciso hoje à noite. "Você fez os caras encomendarem os nossos patins já?" Chris pergunta com um sorriso nervoso no rosto enquanto ele percebe a careta de Jenna. "Nós pedimos o seu. Eu não sabia o tamanho de Jenna". Diz Aidan com um encolher de ombros. "O que há Jenna?" O comprimento de Aidan é apenas um murmúrio.


"Ei, Jenna, feliz que você pode vir esta noite." Lisa parece mais entusiasmada, mas sai mais como sarcasmo. Como Chris acabou noivo de alguém que nem de seus melhores amigos podem tolerar? "Chris não me disse que vocês estariam aqui". Diz ela, com um sorriso tenso em seu rosto antes de atirar punhais para Chris. "Oh não, ele não disse, hein?" Lisa diz conscientemente quando entrega à Chris os seus patins. "Bem, você meninas parecem terrivelmente vestidas para estar em um ringue de patinação." Jenna diz a Lisa, mas se vira para olhar para mim com desdém. "Nós todos não podemos nos vestir como alguém vaid..." "Nós estávamos indo inicialmente para Aderby´s". Chris rapidamente interrompe. "Por que vocês não vão pegar uma mesa?" Diz Chris, apontando para mim e Lisa. "Essa é uma ótima idéia". Diz Lisa, e ela e eu fazemos o nosso caminho para encontrar uma mesa grande o suficiente para nós para que todos possam sentar-se. "Você apenas não quer bater na cara dela?" Brinca Lisa, e eu deixo escapar um suspiro frustrado. Olho para eles. Ela parece que está lhe dando uma bronca. "Acho que ele não lhe disse que se encontrariam conosco". Brinca Lisa, olhando em sua direção. Isso só faz tudo isso ainda mais estranho. Eu me sinto boba. Eu não me produzo há tanto tempo. Realmente, não nem é mesmo como eu costumava me vestir-me com Cal, mas eu ainda me sinto espalhafatosa. Metade das pessoas aqui parecem ser estudantes secundaristas, e eu não posso nem andar de patins. "Isto vai ser divertido, Lauren. Nós vamos ter uma explosão." Lisa, obviamente, leu o meu humor. Eu tento fixar um sorriso falso. "Bem, vamos chegar lá, então". Ela canta, colocando seus patins. Eu afrouxo os meus antes de colocá-los em meus pés. Aidan já colocou seu em patins e deslizou até nós como um profissional. "Eu ainda faço isso". Diz ele, inclinando-se sobre a mesa.


"Então, quem quer ser o primeiro?" Diz ele, estendendo a mão para ambas Lisa e eu. Lisa bufa. "Você sabe que eu patino sozinha". diz ela, dando a língua para ele antes de fazer seu caminho até o chão. Eu não posso ajudar, mas franzo a testa. Eu planejava ter ela como minha muleta ao patinar como um bebê ao longo desta noite, a pequena patinação que eu planejava fazer. O jeito que ela está se movendo ao redor da pista, eu não acho que isso está acontecendo. "Ok, é só você e eu, Lauren." Ele estende uma mão em minha direção. Eu balancei minha cabeça. "Não, eu só vou sentar aqui e pedir algo para comer". Eu digo timidamente. "Comer em um ringue de patinação. Nah, confie em mim, você não quer fazer isso." Seu rosto se alarga diante de mim piscando um sorriso Colgate. "Comida ruim?" Eu pergunto, e ele concorda. "Vamos lá, vamos quebrar a perna". Diz ele, apontando a cabeça para o pista principal de patinação. Deixo escapar uma risadinha. "Eu poderia realmente quebrar minha perna lá fora". Eu digo timidamente. Ele me olha com ceticismo, seus, olhos azul oceano claro se estreitaram nos meus enquanto realização caia em seu rosto. "Você não sabe patinar?" Pergunta ele, cobrindo-se uma risada. Eu desvio o olhar embaraçada. "Por que você não disse nada? Poderíamos ter ido a outro lugar?" Pergunta ele em sinceridade, e dou de ombros. "Eu sou uma espécie de ‘siga o fluxo’. Eu não queria ser desmancha prazeres." Eu dou de ombros. "Você não é uma ‘siga o fluxo’". Diz ele, sentado na minha frente. Olho para Chris e Jenna que ainda parecem estar tendo algum tipo de discussão. "Se qualquer coisa, Lisa é a ‘siga o fluxo’." Ele divertidamente cutuca meu braço, e eu rio. Ele é diferente do que eu pensei que fosse.


Eu não sei se ele tinha bebido naquela noite que o conheci, mas ele parecia como um completo cão no cio do jeito que ele estava olhando para mim naquela noite. Não é que ele não olhou para o meu decote esta noite, mas não mais do que a maioria dos caras. "Vamos. Eu vou mostrar-lhe como". Diz ele, pegando a minha mão e me ajudando a levantar da mesa. "Eu não sei. Todo mundo lá fora, parece que eles sabem o que estão fazendo. Eu estou indo só para estar no caminho". Eu digo hesitante, correndo meu caminho de volta para a mesa. "Todo mundo tem que aprender em algum ponto. Reconheço que, a maioria das pessoas aprende quando é criança, mas vamos fazer uma exceção já que você é quente". Diz ele, brincando, mas eu sinto-me corar com o elogio, mesmo que rolando meus olhos. Eu me levanto e firmo meu equilíbrio. Eu tento andar nos patins, mas acabo pegando no braço dele para não cair de bunda. "Eu tenho você". Diz ele, envolvendo um de seus braços atrás das minhas costas para que não nos leve um ano para chegar ao chão. Levanos um minuto, mas finalmente fazemos. Há uma boa quantidade de pessoas que patinam. Ninguém mais parece que nunca fez isso antes. Aidan solta minha cintura e está na minha frente e estende as mãos. "Segure minhas mãos, e aja como se você estivesse andando... sobre rodas". Acrescenta ele, e eu dou um pequeno passo na direção dele. Eu imediatamente quase caio novamente, e ele me agarra. Ele ri. "Meio que deslizando lado a lado enquanto você está andando". diz ele, e tentamos novamente. Eu fico um pouco mais antes de rebentar a minha bunda. "Ou você poderia apenas se segurar em mim". Diz ele depois que eu pego seu braço e seguro com toda a minha força.


Eu não devia ter vindo. Eu definitivamente não deveria ter trazido Jenna esta noite. Ela não estava feliz quando ela percebeu que Aidan e Lisa estavam aqui. Ela ficou furiosa quando viu Lauren. Possivelmente, eu deveria ter dito a ela algo ou mencionado que isso era algo já planejado por todos nós, mas se eu falasse, ela não viria. Eu queria que ela viesse para que pudéssemos ter um pouco de diversão, esquecermos sobre todas as questões que estamos tendo, e apenas desfrutar um do outro. Nenhum de nós está fazendo isso, mas, aparentemente, todo mundo está tendo um tempo fantástico. Lisa sempre amou patinar tanto quanto pudesse ser a única na pista, e ela se divertisse. Ela é realmente uma boa patinadora e uma espécie de exibida, mas o que está me incomodando é quanta diversão Aidan e Lauren estão tendo. Juntos. Isso começou a ser apenas irritante. Aparentemente, Lauren não sabe como andar de patins, e Aidan soa como um professor, porque pela última meia hora ou algo assim ela teve que se agarrar a ele ao redor da pista. Eles estão falando e eles estão rindo tanto que Lisa abandonou seu desempenho solo para se juntar à diversão. É bom que eles estejam se divertindo. É irritante vê-los juntos, mas eu não consigo parar de assistir qualquer um deles. "Whoa!" Lisa diz quando eu quase bato nela. Felizmente nós dois somos muito bons e conseguimos não enfrentar o gelo. "Chris! Que diabos". Diz ela com raiva, uma vez que ela está estável em seus patins novamente. "Desculpe Lisa. Eu realmente não te vi". Eu peço desculpas. Eu realmente não estava prestando atenção.


"Tenho certeza que você não fez, vendo o quão duro você esteve olhando Aidan e Lauren desde que você veio pra pista". Diz ela com conhecimento de causa. "Vamos. Vamos ter uma pequena conversa, amigo." Ela cruza seus braços comigo, e nós patinamos fora para a mesa. Jenna invadiu a sala de arcada depois que ela terminou explodindo em mim. "Eu não estou encarando." Não é mais que uma mentira. "Mas eles têm patinado por quase uma hora e ele não está sequer começando a trazê-la para onde ela possa andar de patins sem segurá-lo." eu digo na defensiva, e Lisa balança a cabeça. "Se eu não soubesse melhor, eu pensaria que você está com ciúmes." Ela ri. "Ciúmes? Por que eu estaria com ciúmes?" "Claro, seria completamente ridículo se você estivesse com ciúmes. Não é como se lá no fundo, você nutrisse sentimentos por essa mulher". Diz ela com sarcasmo, e eu paro. Ela faz o mesmo. Eu franzo a testa para ela. Ela se inclina para frente e suspira. "Chris, está tudo bem se você tem sentimentos por ela. Eu acho que seria estranho se você não o tivesse. Sim 'Cal' é o único que conheceu e amava, mas no final do dia, Cal é parte de você". Diz ela, me olhando diretamente nos olhos. "Você precisa ser honesto consigo mesmo. Seus sentimentos são seus sentimentos". Diz ela com sinceridade. "Não é exatamente assim". Eu digo com confiança, mas hoje em dia estou começando a sentir que ela poderia estar certa. "Oh, por favor, Chris. Ela não está aqui nem há duas semanas, mas a maneira como você olha para esta menina, não é como se você acabasse de conhecê-la. É algo mais profundo do que isso". Diz ela com firmeza. "Eu amo Jenna." Afirmo claramente. "E Lauren?" Ela pergunta sem rodeios. "E-eu não vou mentir e dizer que eu não sinto nada". Eu digo honestamente. Olho para ela com Aidan, como ela ri, e a covinha na


bochecha dela quando ela sorri, a forma como o meu coração acelera quando ela está perto de mim, mas é confuso. Eu realmente não conheço, mas... "Eu não posso acreditar que ninguém sugeriu isso. Que você não tenha sequer considerado, mas talvez você deva colocar as coisas em espera com Jenna até que você entenda tudo isso". "Eu-eu não posso fazer isso. Jenna, ela está comigo através da coisa com a minha mãe. Ela me conhece. Ela me ama". Eu digo para ela e para mim. "Eu sei que Cal ama Lauren. Não era apenas uma coisa física como eu pensava, mas Cal ama. Esses são os sentimentos dele". Eu digo, evitando o olhar conhecedor de Lisa. "Bem, Cal não foi o único a olhar para Lauren a noite toda." Diz ela com sarcasmo. "Eu sei que você quer ser justo com Jenna, mas isso, como você está se sentindo agora. Isso não é justo para você, para ela, ou Lauren em questão." Eu deixo cair a minha cabeça. "Confie em mim, não é divertido estar apaixonada por um homem que é apaixonado por outra pessoa". Diz ela solenemente. Eu estou a ponto de perguntar o que ela quer dizer quando vejo Jenna caminhando em direção à mesa. Ela está abandonando seus patins. Ela se senta não olhando para qualquer um de nós ou dizendo nada. Após um momento de silêncio constrangedor, ela bufa. "Quanto tempo mais vamos estar aqui? São quase 22h30m. Eu tenho aula amanhã". Eu suspiro. "Vou ver se Lauren e Aidan estão prontos para ir". Diz Lisa. "Bem, na verdade, eles parecem que estão se divertindo". Diz ela levemente. Lisa olha para mim quando eu me viro e os vejo. Eles estão se divertindo... Muita diversão. Lisa suspira e se levanta. "Bem, Chris e eu dirigimos juntos. Não há realmente nenhuma razão para que eles saiam apenas por minha causa." diz Jenna


inocentemente. "Vamos, Chris, vamos deixá-los". Diz ela, de pé, pegando a minha mão. Lisa olha para nós sem jeito. "Eu realmente não estou pronto para ir." As palavras saem da minha boca antes que eu possa pará-las. "Você não está pronto para ir?" Pergunta ela bruscamente. "Certo. Porque você está se divertindo muito". Diz ela com sarcasmo. "Eu acho que eles estão prontos também". Lisa interrompe. "Eu estou indo buscá-los". Diz ela, e ela patina para longe. Jenna solta um suspiro profundo e coloca sua cabeça em suas mãos. "Você acha que eu sou estúpida, Chris?" Ela diz baixinho. "Não, eu não acho que você é estúpida". Eu digo honestamente. "Você está realmente, realmente me empurrando". Diz ela com firmeza. "Por que você me trouxe aqui se você estava indo só para encará-los a noite toda". Diz ela com raiva. "Eu quis vir aqui para ter um bom tempo com você, e desde que chegamos aqui você agiu como se não quisesse estar aqui". Eu protesto. "Eu não quero estar aqui com eles! Eu pensei que isto iria dar-nos a oportunidade de passar algum tempo juntos. Você não me disse que isto ia ser uma grande viagem de campo com sua esposa a reboque". Ela cospe em mim. "Eles estão vindo mais você pode, ‘por favor’, ser agradável?" Quando eles chegam à mesa, Lisa mostra uma espécie de carranca nervosa. Lauren e Aidan são todos sorrisos, e estão rindo enquanto eles caem em seus assentos. "Vocês estão prontos para ir já?" Aidan pergunta recuperando o fôlego. "Eles estarão fechando em pouco tempo de qualquer maneira". Eu respondo brevemente. Eu não tenho certeza por que estou irritado com Aidan. Bem, não, eu sei por que, mas eu não quero soar assim. "Eu disse a Chris que, se vocês não estavam prontos para ir, vocês não tem que ir. Por alguma razão Chris está confundindo Caylen com Lauren e pensa que ela precisa de babá". Diz Jenna, acrescentando uma


risada. A estranheza se estabelece logo que ela diz isso. Eu vejo os olhos de Lauren aproximar de Jenna. "Bem, eu sou uma grande babá, eu acho". Brinca Aidan, jogando o braço em torno do ombro de Lauren. Ela sorri para ele. Ela sorri para ele! Ela não mantém uma polegada de distância ou fica desconfortável ou atira-me um olhar pedindo ajuda. Ela apenas sorri. Eu posso sentir meu rosto aquecendo. "Estou faminta. Querem comer alguma coisa?" Lisa interrompe. "A comida é ruim aqui?" Lauren ri. "Terrível". Diz Aidan, transformando seu corpo em sua direção. "Eu não sabia que você não sabia andar de patins, Lauren." Eu pergunto. Ela encolhe os ombros. Ele recebe um largo sorriso, mas eu recebo um encolher de ombros, indiferente? "Sim, eu não queria estragar a noite de ninguém dizendo alguma coisa." Ela ri. Eu posso sentir Jenna mudando em seu assento. "Chris, vamos embora ou eu preciso chamar um táxi?" Ela me pergunta bruscamente. Vejo Lauren deixar escapar um suspiro profundo. Eu estou tentando segurar o meu próprio. "Oh, Chris, eu queria te perguntar. Você poderia dar uma olhada no meu carro? Ele estava fazendo esse som estranho de tique-taque enquanto eu dirigia para a sua casa". Lisa pede abruptamente. "Sim. Claro Lisa". Eu digo perguntando por que ela ia falar disso agora com todo o tempo para me perguntar. "Ótimo. Que tal eu apenas conduzir o seu carro para casa? Posso deixar Jenna em casa e voltar amanhã e pegar o meu". Diz ela e eu não posso ajudar, mas sinto-me sorrir. "Sim, isso seria legal". Eu digo tentando conter meu sorriso. Lisa definitivamente ganha o prêmio de melhor amiga da noite. "Vamos, Lauren. Eu vou ajudá-la a tirar os seus patins". Diz Aidan, levantando-se e Lauren pega sua mão para levantar-se. Acho que o meu olho, literalmente, se contorce quando eles vão para o balcão juntos.


"Veja, tudo funciona." diz Lisa alegremente. Eu posso ver Jenna olhando para mim como se quisesse arrancar minha cabeça fora. "Eu estou indo tirar meus patins." Lisa me deixa na mesa sozinho com Jenna. "Eu nem sei por que estou aqui, Chris". Diz ela calmamente. Espero que seu tom de voz seja mortal e rancoroso, mas é apenas tranquilo, e isso me faz sentir envergonhado. "Porque eu queria que você saísse e se divertisse. As coisas simplesmente não parecem estar indo do meu jeito. Nada foi trabalhado para fora como eu gostaria, Jenna. Estou tentando. Se você pudesse apenas me encontrar no meio do caminho." Eu tomo sua mão na minha, e ela arranca afastando-se. "Boa noite, Chris". Diz ela, correndo seu caminho para o outro lado da mesa e deixando-me sozinho para pensar sobre o desastre que esta noite acabou por ser.

Eu nunca imaginei que as coisas aconteceriam dessa forma, esta manhã. Eu estava otimista, um pouco confiante de que hoje ia ser um grande dia. Ele acabou por ser qualquer coisa, menos grande. Lauren e eu quase não dissemos cinco palavras um para o outro. Isso graças a Aidan que tem agido como uma criança de cinco anos de idade e Lauren sendo seu brinquedo favorito, fazendo perguntas, brincando com ela, olhando-a nos olhos e não no peito como ele normalmente faz com as meninas. Se eu não soubesse melhor, eu poderia pensar que ele realmente gostava dela, mas é Aidan. Ele não gosta de meninas. Ele gosta do que ele pode fazer para elas, e eu o mataria antes que ele tivesse Lauren fazendo o que ele gosta. Eu venho tentando manter a compostura, porque ele é meu melhor amigo, e ele gosta de jogar jogos mentais. Ele provavelmente está fazendo isso apenas para parafusar comigo, e se ele está fazendo isso apenas por esse motivo isso me irrita ainda mais. Ele não pode envolver Lauren em seus pequenos concursos de mijo.


Nós fomos para um hambúrguer comum após a pista, e eu poderia muito bem não estar aqui, pela maneira como ele está agindo e sobre como ele está tentando impressioná-la. Ela está sendo educada, sorrindo, acenando e rindo quando ele faz piadas, mas de vez em quando eu vejo-a olhar para mim. Se eu não soubesse melhor, eu diria que ela estava tentando me fazer ciúmes. Então, novamente, eu poderia estar exagerando. É como minhas emoções estão na borda. Gostaria de saber se esta é a forma como as meninas com TPM se sentem? "Ok, eu tenho que ir ao banheiro, mas quando eu voltar, eu vou te dizer como esse perdedor quebrou meu pulso quando éramos crianças". Diz Aidan com entusiasmo enquanto ele salta para fora do seu assento e vai para o banheiro, deixando Lauren e eu sozinhos na mesa. Eu estou escolhendo a minha comida. Eu ainda tenho metade de um sanduíche de frango e um punhado de batatas fritas no meu prato. Eu não quero nada disso. "Aidan tem muito caráter." Ela ri, e eu faço o meu melhor para reunir um sorriso. Um silêncio constrangedor em conjunto, o primeiro desde o dia em que levamos Caylen para o zoológico. Na verdade, isso é diferente. É mais como tensão. "Ele fez algo certo". Eu digo, soando mais amargo do que eu queria. "Você está bem?" Pergunta ela, rasgando uma fritada francesa ao meio. "Sim, por que você pergunta?" Eu digo secamente. É a primeira vez que ela me perguntou algo desde que chegamos aqui. "Bem, você mal comeu algo de sua comida..." diz ela, apontando para o meu prato. Eu dou de ombros. Eu sei que eu estou agindo como uma criança de seis anos de idade, mas não posso ajudar. "É a primeira vez desde que já comemos juntos que meu prato tem menos comida nele que o seu." Ela ri, e eu ignoro como seu sorriso me faz não querer ficar bravo com ela. "Não estou com humor pra comer, realmente." murmuro, empurrando meu prato de volta e encostando-me no meu lugar. "Aidan é solteiro?"


Eu sinto uma onda de raiva correr através de mim. Ela está brincando? Ela seriamente não me perguntou isso. "Por quê?" Eu estalo. Ela olha chocada. Eu me choco. "Eu apenas pensei que ele e minha melhor amiga Hillary se dariam muito bem". Diz ela, apreensiva. Assim que ela diz isso, meu estômago descarrega, e meu peito se sente mais leve. "Oh". eu digo silenciosamente. Ela sorri para mim, e ele se transforma em um sorriso de pleno direito, e só assim, a tensão se foi. Agora que a tensão desapareceu. Aproveito a oportunidade para olhar para ela, a forma dos lábios, como seus grandes olhos castanhos sorriem para mim, e é como se algo no ar mudasse. "Você sabe. Cal e eu tivemos nosso primeiro encontro em um lugar como este". Diz ela, com os olhos ainda nos meus. Eu posso sentir meu coração acelerar. "Tínhamos apenas pulado de um bungee jumping, acredite ou não." Ela ri, olhando em volta do restaurante. "Você sabe, no momento, eu pensei que estava fora do personagem para ele gostar de lugares como aquele, quando eu o conheci." Sua risada se transforma em um sorriso. "Ele conhecia todos os restaurantes cinco estrelas e chefs privados, ele era assim, mas de vez em quando, nós íamos a lugares como este". Diz ela, seus olhos não deixando os meus. "Lembro-me como se fosse ontem. Ele sentou perto de mim, tipo como você está agora, e ele sorriu para mim como se ele pudesse ler todos os meus pensamentos. Parece que foi a uma eternidade". Diz ela, balançando a cabeça e, em seguida, seus olhos encontram os meus novamente. "Nós estávamos em uma mesa igual a esta." Ela deixa escapar um suspiro leve, levemente e ela morde o lábio inferior. Ela se levanta, e agora ela está sentada ao meu lado, apenas algumas polegadas entre nós, tão perto que posso sentir o cheiro do perfume que ela está usando. Eu posso ouvir sua respiração instável, e meu coração começa a correr a mil milhas por minuto. É como se tudo ao nosso redor desapareceu e somos apenas nós. Ela e Eu.


"Eu queria que ele me beijasse". Diz ela quase sem fôlego, ela tomou cada pingo de ar quando ela acabou de falar. Seus olhos estão sobre os meus, grande e brilhante, com os lábios entreabertos. Ela quer que eu a beije. É como se ela estivesse em silêncio me implorando por isso. Ela não disse, mas não precisava, porque eu posso sentir isso. Eu quero beijá-la mais do que eu já quis beijar alguém. Eu preciso beijá-la. Eu nunca senti que precisava fazer mais nada na minha vida... Mas será que ela quer que eu a beije? É o impulso que eu estou sentindo de mim, ou dele. Se eu fizer isso, não haverá como voltar atrás. Essa linha que temos entre nós irá embora. Vai mudar tudo. Depois de tudo o que aconteceu com Cal, possivelmente, estar fora ontem, tudo é muito escuro. Eu não posso tomar uma decisão como esta agora. Terão muitas consequências. "Aidan vai estar de volta a qualquer minuto". Eu digo, quebrando nosso transe. Eu vejo sua expressão quebrar, a decepção é palpável. Seu resplendoroso rosto enrubesce como se estivesse envergonhado. Ela olha para longe de mim e rapidamente se levanta e volta para seu assento. Eu me sinto como um idiota. Eu provavelmente sou um idiota. A porra de um perdedor. Um confuso idiota. Aidan retorna a mesa logo. Ele entra em uma de suas histórias malucas, mas percebe que ninguém está rindo. Ele franze a testa olhando para nós dois. "Eu perdi alguma coisa?" Ele pergunta intrigado. Lauren não está falando mais, não mais sorrindo, rindo ou ela parece que nem mesmo está lá. Isto é o que eu queria certo? "Você não perdeu nada. Estou cansada". Diz ela, reunindo tanto de um sorriso como ela pode. Nós saímos. O passeio de carro é silencioso e estranho, mesmo Aidan não pode aliviar o clima. Quando puxa na frente da minha casa ela sorri para Aidan.


"Obrigado por tudo esta noite. Eu me diverti." ela tenta o seu melhor para aparecer alegre, parece que ela está à beira das lágrimas, mas nenhuma aparece. Ela é forte. Você é tão fraco. "Não há problema". Diz Aidan. Ela nem sequer olha para mim. "Aqui estão às chaves, Lauren." eu digo a ela. Ela está no banco traseiro de seu próprio carro. Eu estou implorando-lhe para olhar para mim, para me deixar saber que ela está bem, que vamos ficar bem. Seja o que for que nós somos. Mas ela não olha para mim, não apenas uma vez, e ela não fez desde o restaurante. Ela pega as chaves da minha mão, mantendo os olhos em seu colo, e rapidamente sai do carro. Quando ela sai do carro e está em casa, Aidan olha para mim com um olhar zangado. "Que porra que você fez com ela?" "Eu não sei". murmuro. Isso é uma mentira. Acho que a quebrei.


Eu nunca estive mais envergonhada em toda a minha vida. Eu pensei que eu estava lendo ele, estava certa, mas foi obviamente errado. Eu pensei que ele só precisava de um empurrão direito, para eu lhe dar o sinal certo. Eu me sinto tão estúpida, desesperada, e completamente confusa. Toda a noite na pista de patinação, ele me observava. Vi-o não apenas olhando, mas olhando completamente para Aidan e eu. Eu pensei que ele estivesse com ciúmes. Quando ele acabou retornando comigo e Aidan, em vez de Jenna, eu pensei que era um sinal. Para ter a minha chance. Foi tão estressante no restaurante. Aidan foi ótimo, contando piadas e histórias antigas sobre ele e Chris. Ele acabou por não ser um idiota total, cão no cio, como eu pensei. Fiquei lisonjeada com toda a atenção que ele me deu e um pouco surpresa que ele ignorou a carranca de Chris. Enquanto eu observava Aiden rir e brincar e ter um grande momento, Chris sentou-se aborrecido, cismado, e irritado... Achei que ele estivesse, mas eu estava completamente errada. Quando Aidan deixou a mesa, eu não poderia apenas sentar lá. Ele estava sentado lá desleixadamente em seu assento, franzindo a testa para cima, seu cabelo bagunçado, mas incrivelmente sexy, seus olhos verdes um pouco mais escuros do que eu tinha visto. Eu tento não olhar para Chris. Eu venho tentando não olhar para ele dessa forma, mas ele é tão malditamente bonito, e ele já foi meu. Eu não poderia fazer nada. Eu tentei me conter, mas eu não podia, e por um momento, eu pensei que ele não iria parar a si mesmo também. Eu acreditava que ele só precisasse de um empurrão. Levou tudo em mim para me sentar ao lado dele e não subir em cima dele, ali mesmo no restaurante, mas não o fiz. Eu fiz tudo que podia fazer para que ele me beijasse. Talvez eu tenha feito tudo errado, ou eu fiz tudo certo, e isso não importa. Ele só não queria. Eu pensei que ele estivesse me dando sinais, mas talvez eu tenha imaginado tudo isso e eu só vi o que tão desesperadamente queria ver.


Eu sinto que eu estou perdendo minha mente. Agora estou com vergonha de sequer olhar para ele. Eu mal quero olhar para mim mesma no espelho. Ele apenas confirmou que ele não me quer. Eu era estritamente de Cal. Chris simplesmente não me vê desse jeito, e isso dói muito mais do que eu poderia pensar. Tenho apenas duas semanas para partir. Isso é tudo que eu tenho que passar. Ontem à noite, eu senti um pedaço de mim quebrando, e eu não posso deixar isso acontecer. Eu não posso passar por aquilo que eu passei com Cal, por dois anos, acontecer novamente. Eu sou uma mãe agora. Se Cal não me quebrou, eu não vou deixar Chris me quebrar. Eu acho que é hora de deixar ir. A coisa mais importante é Caylen ter uma família tão normal quanto à unidade disfuncional que podemos ser. Não haverá mais complicações no meu fim. Eu não vou deixar. Se Chris quer ser confundido, ele pode fazer isso por conta própria, ou talvez ele não seja confuso e eu apenas não sou o que ele quer, e ele não quer ferir meus sentimentos. Seja o que for não importa agora.


As coisas estão ótimas. Caylen se adaptou a minha família como se ela estivesse sempre por aqui. Meu pai e eu estamos de volta as boas graças. A raiva e amargura que tomou conta de mim quando eu olhava para ele se foi, e a coisa mais surpreendente é que Jenna e eu estamos em boas condições também. Não mais olhares irritados ou comentários condescendentes. Eu posso tocá-la sem ela pular longe de mim, e nós temos sido capazes de passar um tempo juntos sem uma briga. O rebocador constante de guerra acontecendo dentro de mim acabou. O que quer que estivesse acontecendo, as explosões que vieram sem eu ser capaz de detê-las, sumiram. As mudanças de humor não voltaram mais, e eu sinto-me eu novamente. Tudo é perfeito, eu deveria estar exultante. Eu deveria estar feliz. Eu não estou. Lauren mudou. As coisas mudaram entre nós. Desde aquela noite estúpida no restaurante, nada mais foi o mesmo. Eu não deveria querer que fossem diferentes. Estamos cordiais, que é tudo que eu deveria querer, mas eu quero mais. Não é como se nós estivéssemos mal. Quando eu a vejo de manhã, ela fala. No jantar, ela é cordial comigo como ela é com todos os outros. Quando eu vou buscar Caylen para darlhe uma pausa, ela consegue sorrir, mas parece forçado. Ela está diferente. Quase como uma casca de si mesma. Nossas aulas de culinária pararam. A primeira noite eu bati na sua porta após o jantar, ela disse que estava cansada, e nós adiamos. A segunda noite eu bati na sua porta, ela disse que não se sentia bem. A terceira noite, ela atendeu a porta e evitou meus olhos. Ela evitou olhar para mim completamente. Ela mal olha para mim agora. Ela disse que falou com minha mãe sobre a doação de suas aulas para que ela não fosse um incômodo para mim.


Ela nunca foi um incômodo. Eu queria ensiná-la, porque eu queria passar mais tempo com ela, para conhecê-la, e para ela me conhecer. Parecia uma causa perdida para discutir, e como eu posso discutir? Eu sei por que ela está puxando para trás. Eu odeio que é tão fácil para ela. Não tem sido nada fácil para mim. Eu entendo que é o que ela precisa fazer. Deixei claro que há uma linha a não ser cruzada, e ela obviamente não vai sequer chegar perto dela agora. É egoísta da minha parte querer andar na linha, e querer que ela caminhe por ela também, mas eu não posso ajudá-la. Eu procuro desculpas para estar perto dela, mas não dura muito tempo. Ela geralmente encontra uma razão para sair da sala rapidamente depois que eu entro. Eu tenho ciúmes do tempo que ela gasta com a minha mãe, onde ela realmente sorri e olha como se o peso do mundo não estivesse em seus ombros. Ela é diferente com todos os outros. É apenas comigo que parece que uma parte dela está em falta. Eu deveria deixar as coisas como estão, mas eu me sinto fora de equilíbrio, como se algo houvesse perdido em mim. Eu finalmente agendei uma consulta com o médico amigo de Aidan. Está marcado para o próximo mês, mas eu estou na lista de espera se ocorrer um cancelamento. Pena que o médico se localiza em Chicago por isso, se algo se abrir, não vai ser fácil para chegar lá. Jenna está feliz que eu fiz um compromisso. Eu não falei com Lauren sobre isso. Eu tenho certeza que ela lavou as mãos de mim, mas eu sabia que era algo que ela queria que eu fizesse. Eu sei que é algo que eu preciso fazer, porque eu realmente preciso de alguém para me dizer por que eu roubo olhares de uma menina que eu não conheço há muito tempo. Por que esses sentimentos estão aqui, e quando eles vão embora. Porque, no fundo, eu não acho que eu quero que eles desapareçam. Eu não tive mais nenhuma memória na semana passada. Meu pai poderia estar certo. Lauren poderia ser um gatilho, a razão de Cal me mostrar vislumbres da minha outra vida. Foi estranho. Foi assustador, mas eu nunca me senti melhor. "Querido, está tudo bem?" Minha mãe pergunta quando nós nos sentamos na sala, assistindo seu show favorito enquanto Caylen brinca com seus brinquedos. Tivemos o jantar, e Lauren foi embora para seu quarto. Eu não tenho certeza do que ela está fazendo lá dentro. Não há uma TV ou qualquer coisa. Eu acho que ela poderia estar em seu laptop.


Eu me pergunto se eu não estivesse aqui, ela estaria aqui com a minha mãe e Caylen. Eu sei a resposta para isso, no entanto. Ela estaria aqui se eu não estivesse. "Sim, apenas tem sido um longo dia." eu digo com um suspiro. "Acho que Lauren e eu estaremos experimentando esta receita". Diz ela, gravando o show e voltando-se para mim. "Como ela está?" Eu pergunto a ela casualmente. "Ela está indo muito bem. Ela não é uma cozinheira tão ruim como ela se fez parecer." Minha mãe ri. "Eu realmente não queria dizer sobre a culinária, mãe?" Eu digo hesitante. "Talvez você devesse perguntar a ela, Chris". Diz ela simplesmente. "Não é tão fácil. Ela realmente não quer estar perto de mim". Eu admito. "Por que isso?" Minha mãe pergunta genuinamente. Porque você suga a vida. Você é um idiota alheio. Uma vagina gigante. "Ela provavelmente pensa que as coisas estão melhores assim". Eu digo em voz baixa. Minha mãe muda a TV para Nick Jr. e vem sentar-se ao meu lado no sofá. "Como você se sente sobre isso?" Seus olhos verdes parecem ver através de mim. Ela coloca sua mão sobre a minha, e eu digo o que eu queria dizer desde aquela noite que a empurrei para longe. "Terrível". eu admito. "Filho, eu sei que você está em uma situação muito difícil. Tem certeza de que não quer falar com o Dra. Lyce? Eu sei que você não está afeiçoado, por ela manter sua condição de você, mas ela é uma médica muito boa." minha mãe diz, e eu rolo meus olhos. "Não. Eu não estou lidando mais com ela". Eu digo com firmeza, e ela concorda.


"Eu não tenho as respostas que você precisa. Eu não posso explicar o que você está sentindo e por quê." Ela suspira. "Mas eu não acho que seria sábio tomar uma decisão de mudança de vida se você está se sentindo tão em conflito sobre isso." minha mãe diz calmamente. "O que você quer dizer?" Eu pergunto-lhe. Ela está dizendo o que eu acho que ela está dizendo? "Talvez você e Jenna devessem dar um tempo." minha mãe diz, olhando para mim com cautela. "Eu-eu não posso fazer isso. Jenna não vai levar como uma pausa, especialmente depois que eu propus a ela." "Christopher, quando você se casa com alguém, não deve haver nenhuma dúvida ou segunda escolha". Minha mãe diz, sua voz em tom suave. "Quando me casei com seu pai, eu soube que eu poderia passar o resto da minha vida com ele e não pensar duas vezes. Não havia outra pessoa que eu queria ou me imaginei estar". Diz ela, um sorriso caloroso se espalhando por todo o rosto. Depois de todos esses anos, ela ainda o ama. "Se você não pode dizer isso, não é um grande problema", diz ela com firmeza. "Eu sei que Jenna estava lá para você, que ela foi uma grande amiga para você enquanto eu estava doente. Eu a amo por isso e foi um prazer que você teve alguém que foi capaz de puxá-lo para fora de sua depressão e ajudá-lo a enfrentar as coisas". Eu posso ouvir o "mas" chegando. "... Mas não havia tanta coisa acontecendo naquele momento, e você estava apenas recostando-se em sua vida que tinha sido interrompida com tanta frequência. Eu sei que você a ama." Ela pega a minha mão. "Você está apaixonado por ela, querido? Você está com Jenna, neste momento, porque você a ama e não pode imaginar não tê-la em sua vida?" Eu começo a pensar sobre o que ela acabou de dizer. Eu amo Jenna, eu faço. Eu sou apaixonado por ela... Eu posso sentir meu coração batendo com cada palavra que ela diz. Eu realmente nunca pensei sobre estar apaixonado por uma pessoa. Filmes romantizam tudo. Eles fazem estar apaixonado parecer algo revestido de açúcar, uma montanha russa, surreal. Eu acho que o amor é o sacrifício. O verdadeiro amor é estar com alguém através dos tempos difíceis, por doença, através


da pobreza. Meus pais enfrentaram tudo isso. Eu sei que eles se amam. Eu sei que eu poderia fazer isso com Jenna. Eu sei que Jenna faria isso por mim. Ainda há momentos como agora, quando minha mãe fala sobre meu pai e seus olhos se iluminam. Os momentos que eles estão juntos quando ninguém está olhando, quando ações não são para mostrar, que eu acho que talvez estar apaixonado não é um conto de fadas... E quando Cal olha para Lauren, quando eu olho para Lauren. De repente, meu coração começa a bater em meus ouvidos. Eu me sinto nervoso, minha pele quente, e torna-se mais difícil de respirar. Tal como se o meu corpo se esquecesse. Meu peito está ficando cada vez mais apertado. "Christopher, você está bem?" Minha visão está ficando embaçada. "Eu-eu não consigo respirar", eu boto pra fora. "Meu peito". Eu digo, levantando-me tentando recuperar o fôlego, mas ele não está funcionando. Eu vejo os olhos de minha mãe se arregalar de horror. "William! William!" Seus gritos se tornam mais estridentes eu ouço passos que saem do quarto. Meu corpo inteiro está tremendo. É cada vez mais difícil respirar. "Eu estou chamando 911." eu ouço alguém dizer, mas tudo está começando a soar abafado. Eu não sei quem diz o quê. Depois. Eu sinto uma mão quente no meu braço e me empurram de volta no sofá. "Acho que ele está tendo um ataque cardíaco". Diz uma voz. "Ele não está tendo um ataque cardíaco". Diz outra voz. Um momento depois, alguém está sentado em cima de quentes mãos apertam meu queixo e levantam minha cabeça para É Lauren, sentando-se em cima de mim, no meu colo. Suas mãos tremendo ela está segurando minha cabeça nelas e fazendo-me para ela.

mim, cima. estão olhar

"Chris, você tem que respirar", diz ela, sua voz é trêmula, mas firme. "Está tudo bem. Você apenas tem que respirar". Ela diz


novamente, eu aceno enquanto eu tento fazer o que ela diz. Minha mãe tem Caylen em seus braços, mas ainda está no telefone. "Respire fundo, Chris. Tudo está bem". Diz ela, acariciando minha cabeça, segurando meu rosto perto de seu peito. Meu peito desaperta e ar está começando a encher meus pulmões novamente. Eu sinto que minha temperatura resfria, o meu coração não corre tão rápido. "Vai ficar tudo bem. Respire pelo nariz agora". Diz ela, continuando a acariciar minha cabeça. Sua voz não é trêmula mais, ao invés, é calma, doce como uma canção de ninar, todos os meus sentidos lentamente voltam ao normal. "O que aconteceu?" Minha mãe diz freneticamente. Eu olho para ela, sua cor quase desapareceu de seu rosto. Ela está tremendo com Caylen em uma mão e um telefone na outra. "Oh, sim senhora, não importa. Está tudo bem. Ele vai ficar bem". Diz ela ao telefone. "Ele só teve um ataque de pânico". Lauren disse, ainda segurandome perto dela. Eu observo meus braços em torno de suas costas. Eu nem me lembro de colocá-los lá, mas parece natural, e eu ainda não vou a deixar ir. "Minha amiga costumava tê-los". Diz ela calmamente. Sinto-a inclinar-se para trás de mim. Eu solto meu aperto em volta da cintura. Estou com vergonha de olhar para ela. Ela levanta meu queixo para cima, de modo que eu tenho que olhar para ela, e ela sorri. O sorriso mais doce que eu já vi dela, o sorriso mais lindo que eu já vi na minha vida. Ela é como um anjo. "Você me salvou." eu digo a ela, olhando para aqueles olhos castanhos grandes. Eu não sabia o quanto eu perdi vê-los até agora. Ela balança a cabeça. "Você não estava morrendo." Ela ri. "Eu quase morri!" Minha mãe diz, deixando escapar um suspiro de alívio. Ela segura uma mão ao peito. "O que está acontecendo?" A voz do meu pai é nítida e com raiva, e a atenção de todos na sala vai para ele. Lauren imediatamente desliza do meu colo.


"Chris, ele tinha algum tipo de ataque de pânico". Minha mãe explica. "Eu pensei que fosse um ataque cardíaco". Eu explico, sentindo falta do calor do corpo de Lauren. Meu pai faz uma carranca. Lauren retorna com um copo de água. Eu tomo dela. "Obrigado". Eu digo com gratidão. "Não há problema". Diz ela simplesmente, um pequeno sorriso em seu rosto. Ela está olhando para mim de novo. "Eu realmente pensei que ele estava morrendo". Minha mãe diz, com a voz engasgada. Lauren pega Caylen dos braços da minha mãe, e assim que ela faz, ela corre e me abraça. "Eu sinto muito, mãe". Eu digo. Ela parece mais com medo do que eu. "Não faça isso de novo". Diz ela com firmeza, e eu rio depois ela me beija na cabeça como se eu tivesse cinco. "Obrigado, Lauren". Diz ela, em seguida, vai até ela e aperta-a com força. "Eu estava tão assustada, William". Diz ela, aliviada depois bate no ombro do meu pai. "Por que você demorou tanto?" Pergunta ela, irritada. "Eu vim o mais rápido que pude". Diz ele defensivamente. Primeiro DID, e agora ataques de pânico? Que bom partido eu sou, mas pelo menos foi melhor do que um apagão. "O que aconteceu?" Meu pai pergunta rispidamente. "Ele só saiu do nada. Nós estávamos conversando, e ele empalideceu. Ele estava tremendo e, em seguida, dizendo que ele não conseguia respirar." minha mãe responde por mim. Lauren me olha um pouco desconfiada. "O que vocês estavam conversando?" Meu pai pergunta. "Nada em particular." minha mãe responde novamente.


"Graças a Deus Lauren estava aqui. Isso teria sido outra conta médica que não precisamos". Eu digo, levantando do sofá para esticar minhas pernas. "Sim, graças a Deus." meu pai murmura antes de sair da sala. Agora eu sinto o calor no meu rosto e tudo começa a diluir para fora em torno de mim, e eu já não estou na casa dos meus pais, mas em um pequeno apartamento com caixas de todos os tipos empilhadas. "Graças a Deus essa é a última caixa. Eu não acho que muitas roupas poderiam caber neste apartamento". Lauren diz, se jogando em um pequeno sofá branco em um pequeno apartamento. Seu cabelo alto em um rabo de cavalo, e ela está usando uma minúscula camiseta branca, revelando seu estômago enquanto seu moletom circula baixo em sua cintura. "Bem, o closet de todos não pode ser tão grande como uma maldita sala de estar, Sr. Scott". Ela brinca, andando em minha direção. Ele puxá-a pela mão, para sentar no colo dele. "O seu vai ser agora". Ele retruca quando os lábios encontram seu pescoço. "Ele vai." Ela ri, balançando em seu colo. "Não acorde o monstro a menos que você queira que ele saia para brincar". Diz ele em seu ouvido. "Talvez eu queira que ele saia para brincar". Diz ela sedutoramente, as mãos esfregando contra sua virilha, num segundo ele rolou para cima dela no sofá. "Eu estava brincando!" Ela ri na cara dele, e ele faz cócegas até que ela fica vermelha. "Pare. Cal. Por favor". Diz ela entre acessos de riso. Ele parar e beija-a no pescoço, e ela envolve seus braços em volta do seu pescoço. "Sempre será assim perfeito?" Pergunta ela com sinceridade. "Vai ser ainda melhor". Diz ele com confiança, e ela morde o lábio e suspira. "Eu não posso acreditar que no próximo mês estaremos casados". Ela grita, em seguida, sua expressão cai. "Tem certeza que você realmente quer se casar comigo? Para estar comigo e só comigo para o


resto de sua vida inteira? Quando eu estiver velha, enrugada, e cinza e meus seios baterem no chão?" Pergunta ela, com os olhos brilhando. "Eu não me inscrevi para peitos flácidos". Diz ele com uma careta, balançando a cabeça. Ela franze a testa para ele, e então ele dá um sorriso. Ela o empurra. "Eu não tenho um segundo pensamento desde o momento em que você disse sim". Diz ele com certeza. "Você vê algo de bom em mim. Você olha para mim como se eu não fosse um problema ou um vilão". Diz ele, esfregando a pele de costas, e ela parece incomodada. "Quem iria olhar para você assim? As pessoas que trabalham para você?" Ela adivinha. "Não, isso não importa. O importante é você não fazer". Ele diz com um encolher de ombros. "Eu nunca poderia olhar para você assim". Ela promete com um sorriso tão largo, ambas as suas covinhas são exibidas para ele. "O que você vê quando você olha para mim?" Ela pergunta em voz baixa. "Alguém amável, leal, carinhosa, que quer dar tanto amor quanto recebe". Diz ele olhando-a nos olhos. "Então, minha aparência não importa em tudo?" Brinca. "Oh não, ela importa. Você está quente como o inferno". Ele responde, dando a bunda um aperto, e ela ri. "Eu nunca vou olhar para você como eles", diz ela calmamente. "Você nunca vai ser meu vilão. Você sempre será meu príncipe encantado". Diz ela tranquilizadora, exatamente como ela fez, sentada no meu colo no meio de um ataque de pânico. "Você promete?" Pergunta ele, seu tom quase vulnerável. "Eu prometo". Diz ela antes de beijá-lo.


Eles dizem que experiências de quase morte tendem a acordá-lo e fazê-lo ver as coisas sob uma luz diferente. Eu necessariamente não chamaria um ataque de pânico como uma experiência de quase morte, mas me acordou. Eu senti como se estivesse sonâmbulo durante a última semana e meia, respirando, mas não vivo, ouvindo, mas não escutando, e agora eu quero ver, eu quero ouvir, eu quero sentir. Eu nunca iria de boa vontade querer um ataque de pânico, mas eu vou preferir um do quê um apagão qualquer dia. Gostaria de saber onde ele está se Cal desistiu. Eu acho que um ataque de pânico seria a sua abertura para escapar por entre o sinal de problema, mas não o fez... e meu corpo quase fechou porque ele não o fez, mas eu estou ignorando esse fato. Voltei a partir dele. Voltei a partir dele por causa de Lauren. Seu sorriso me acordou para fora da sobremesa emocional que eu estava. Seu toque me trouxe de volta, sua voz calma, deixando-me saber que tudo ficaria bem. Ela era o que estava faltando, não a casca dela, mas a verdadeira ela. Eu sentia falta dela e sentir sua falta me fez perceber que uma parte de mim estava faltando. A coisa é, a parte de mim que estava faltando poderia ser a parte de mim que eu quero que suma... No momento depois de senti-la abrir-se para mim de novo, nem mesmo minutos mais tarde, eu tive outra memória que veio com força total. Agora eu sei que ela é um gatilho. Isso é algo que meu pai está certo, mas eu não estou tão certo de que é uma coisa ruim. O que eu preciso saber agora é o que fazer sobre isso. Ela é forte, mas frágil. Ela coloca uma casca dura em torno de si mesma, mas ela está vulnerável, e eu sei que minhas ações afetam a ela mais do que ninguém. Bem quase qualquer um, e esse é o problema. O que me assusta mais do que qualquer coisa é que as lembranças que me fazem sentir mais perto dela me faz parecer mais perto dele. Esta ligação que vejo entre eles é entre ela e ele. Cal. Ela o ama, e eu acho que além Caylen, mais do que ninguém. Como posso competir com isso? Como poderia olhar para mim e não querer que eu fosse ele, mas hoje, eu não vou me preocupar com isso. Se eles tinham memórias, então temos de fazer as nossas próprias. Isso é o que eu venho dizendo a mim mesmo enquanto estou na sua porta com essa caixa na minha mão. Eu me sinto como um verme. Eu coloco a caixa no chão, meus nervos recebendo o melhor de mim. Se ela me colocar para


baixo, vou levar alguns dias para me recuperar, mas, novamente talvez eu precise ser derrubado. Eu não falei com Jenna, hoje, e eu sei que eu preciso, mas agora eu estou tentando resolver uma coisa de cada vez. Eu decidi fazê-lo apenas. Eu bato na sua porta, então eu acho que por isso que eu não apenas enviei-lhe um texto. É tranquilo no seu quarto, sem som de música ou falatório. São 9h30m, então ela poderia dormir. Antes que eu possa analisar demais, ela abre a porta e me olha com curiosidade. O engraçado é que ela tem uma camiseta branca e casaco como na última memória que eu tinha dela, mas desta vez o suéter branco está cobrindoa. "Como está se sentindo?" Pergunta ela, olhando para mim e não olhando por mim. Eu não posso explicar o quão bom que me sinto. "Eu estou bem, muito bem, na verdade." eu digo honestamente, e um sorriso se espalha por seu rosto. "Eu-eu trouxe algo como forma de agradecimento". Eu digo, e ela me olha com curiosidade. "Sério?" Ela pergunta excitação rastejando em sua voz. Ela está animada. "Sim". Eu digo minha própria excitação crescendo. "Você não tem que fazer isso". Diz ela, quase lembrando a si mesma que não deveria. "Eu queria". Eu digo com sinceridade. "Se você quiser jogar em um casaco. Eu quero mostrar-lhe lá fora. Eu vou dizer a minha mãe para olhar Caylen." eu explico. Ela olha para mim com desconfiança, com um brilho nos olhos. "Uhm. Ok. Apenas me dê um minuto." Ela diz, e eu aceno. Eu subo e digo à minha mãe para olhar Caylen, e ela concorda. Eu pego a caixa e encontro Lauren na volta para seu quarto. "Para mim?" Ela adivinha seus olhos brilhando, e eu aceno. Faço um gesto para ela vir comigo. Uma vez que estamos fora, eu posso dizer que ela está ansiosa. A caixa é muito grande então eu seguro para ela.


"Posso abri-lo agora?" Pergunta ela com entusiasmo. Eu aceno, e ela levanta rapidamente a parte de cima revelando um par de novos patins brancos e ela começa a rir. "Você não deveria". Diz ela, pegando-os e examinando de perto. "Você não gosta deles?" Eu digo, tentando esconder a minha decepção, e ela rapidamente balança a cabeça. "Não, eles são lindos. É só que, bem, você me viu na pista. É a única coisa em que eu sou pior à estar cozinhando." Ela ri. "Minha mãe diz que você está ficando cada vez melhor no que faz." eu asseguro-lhe, e ela dá de ombros. "Você vai para experimentá-los?" Eu pergunto a ela, e ela parece um pouco cética. "Eu estava tão ruim nessa última vez". Diz ela, nervosa, enfiando um pedaço de cabelo solto atrás da orelha. "Aidan apenas é ruim como professor." eu provoco-a. Ela me olha com ceticismo, mas depois aceita. Ela se senta na varanda, tira os sapatos e, cuidadosamente, coloca ambos os patins. "Ok, me dê suas mãos". Eu digo, e ela lentamente coloca-as para fora. Eu levo-as e puxo-a para mim. Exceto que é um pouco rápido demais, e seu peito bate em meu. Ela olha para mim se desculpando. "Desculpe, eu disse que sou péssima". Diz ela calmamente. Olhando para ela, eu tenho que lutar contra a vontade de beijá-la. É difícil, mas eu faço. Eu mostro-lhe como parar com a quebra nos patins, e como é melhor se ela tentar deslizar seus pés do que andar quebrando como ela estava com Aidan. Após cerca de meia hora, ela está confiante o suficiente para tentar, sem segurar minha mão, e quando ela patina alguns passos, sozinha, você pensaria que ela ganhou na loteria. "Eu não posso acreditar!" Ela grita enquanto ela cuidadosamente se vira e começa a patinar na minha direção. Ela não é tão rápida, mas seus movimentos são muito mais fluidos do que antes. "Você é um professor muito melhor do que Aidan foi". Ela brinca uma vez que ela faz o seu caminho para mim.


"Em sua defesa, acho que ele gostava de você cair em cima dele". Eu digo a ela, e ela olha para longe de mim timidamente. Ela limpa a garganta e passa a mão pelo cabelo. "Você pode me ajudar até as escadas." Ela ri, estendendo-me a mão. Eu rio e levo-a. Sua mão se sente tão pequena na minha, mas nós nos encaixamos. Ela se senta na escada e começa a desamarrar seus patins. "Sobre aquela noite..." ela diz baixinho, e eu sinto meu estômago cair. "Eu sinto muito que eu fiz aquilo". Diz ela olhando para seus patins. "Você não me deve um pedido de desculpas." eu digo a ela. "Não. Eu deveria. Eu não estava pensando". Ela diz baixinho. "Eu estava, mas não com o meu cérebro." Ela ri. "É só isso é muito mais difícil para mim do que eu pensei que fosse", ela continua. "Eu acho que estou indo muito bem. Deus, se isso fosse há três anos." Ela ri, balançando a cabeça. "Ainda não é uma desculpa para a posição em que eu o coloquei. Eu sei que você quer que sejamos amigos e eu não acho que no começo eu poderia ficar bem com isso", diz ela, olhando para mim. "Mas ontem, quando teve o seu ataque de pânico, ocorreu-me o quanto eu preciso de você. E, mesmo que não fosse um risco de vida, eu percebi que eu preciso de você na minha vida". Diz ela, seus olhos nos meus, a sinceridade em sua voz envia um frio pela minha espinha. "E não apenas para Caylen", diz ela rapidamente. "Então, se tem que ser como um amigo, eu posso aprender a fazer isso. Pode haver momentos aqui e ali, onde eu vou precisar de um pouco de espaço para me lembrar de que eu sou sua amiga." Ela ri. "Mas eu posso fazer isso. Eu não quero perder isso. Eu gosto de conhecer você. É muito difícil às vezes para mim, porque quanto mais eu o conheço, mais eu..." Ela para si mesma e me dá um sorriso fraco. "O quê?" Eu pergunto a ela, andando mais perto dela. Eu só preciso dela para dizer isso. Eu olho nos olhos dela, meu coração batendo rápido, e ela olha para mim como se estivesse contemplando. Se ela gostaria apenas de dizer isso. "Chris." Dirigimo-nos a ver o meu pai se aproximando de nós. "Obrigado pelos patins foi realmente gentil de sua parte". Lauren diz baixinho antes de olhar para o meu pai.


"Sr. Scott". Diz ela, o cumprimentando antes de ir para a casa. Uma vez que ela está dentro, o olhar duro do meu pai se vira para mim. "O que foi aquilo?" Ele pergunta e encolhe os ombros. "Nós fomos patinar e Lauren não sabia como, então eu pensei em ensiná-la". Eu digo simplesmente. "Você acha que é uma boa idéia?" Ele pergunta com sarcasmo. "Eu não vejo nada de errado com isso, e isso é o que importa". Eu digo antes de subir as escadas. "Chris..." Minha visão começa a diluir-se novamente, e eu me vejo descer as escadas de minha casa tempestivamente. Meu rosto está vermelho, não há lágrimas nos meus olhos, e eu pareço furioso. Meu pai voa para fora da casa atrás de mim. "Chris. Apenas deixe-me explicar. Por favor". Ele grita tentando me alcançar. "Foda-se, não fale comigo. Você fique bem longe de mim!" Grito de volta para ele. "Todos estes anos todas as mentiras. Seu código moral, suas regras e palestras, e você é um mentiroso. A merda de um hipócrita." Eu continuo a gritar com ele. Meu pai parece que viu um fantasma quando eu olho para ele. "Eu odeio você!" Eu rosno para ele. "Você não quer dizer isso, filho. Você esta bravo. Você está chateado". Meu pai gagueja, e me viro para ir embora, mas paro e viro. Em uma fração de segundo a minha raiva se dissipa e um sorriso maroto se espalha pelo meu rosto. "Gostaria de agradecer a você. Pai. Você acabou de criar o maior problema de sua vida". Eu digo com um sorriso malicioso no rosto. É ele. Meu pai olha de volta para mim, de queixo caído. Ele está congelado no lugar. Eu não acho que ele percebe que eu pulei em sua caminhonete até que eu puxo para fora. Ele está me chamando, correndo atrás da caminhonete, e eu o lanço fora da janela. "Christopher!" Meu pai diz, e eu percebo que estou de volta ao presente. Eu tento entender o que aconteceu com meus pensamentos.


Isso deve ter sido há anos a partir do corte de cabelo que eu tinha, e da forma como o meu pai parecia, eu ainda estava no colégio. Eu acho que no início da memória, era eu, mas no final, era Cal. "O que há de errado, meu filho?" Ele pergunta, olhando para mim com cuidado. "Eu-eu acho que eu acabei de me lembrar de algo sobre nós. Você se lembra de nós termos uma grande briga aqui fora?" Pergunto-lhe, e ele recua um pouco, em seguida, franze a testa. "Nós tivemos algumas divergências". Diz ele, sem rodeios. "Esta foi realmente ruim, e eu levei a sua caminhonete". Eu digo meu tom nitido. "Foi só isso?" Ele pergunta, olhando-me com desconfiança. "Eu não sei. Acabei de me lembrar dela. Bem aqui. Você se lembra do que estava acontecendo?" Pergunto-lhe novamente. "Eu não me lembro de nada parecido com isso". Diz ele estoicamente. "Você não lembra?" Pergunto-lhe novamente. "Não. Nada como isso com você". Diz ele novamente. "Eu acho que nós dois precisamos dormir um pouco". Diz ele, me dando tapinhas no ombro antes de se virar para ir para casa. sta é a primeira lembrança que eu tinha que não envolve Lauren, e a única pessoa que eu posso confirmá-la, que eu costumava confiar, definitivamente mentiu para mim. Por quê? Um segredo. Pense, pense, pense seu estúpido. Não demore muito. Há muito mais por vir... Eu tento ignorar a voz sarcástica na minha cabeça e o riso condescendente que o acompanha. Acho que as coisas acabaram muito pior e um inferno de muito mais complicadas.


Eu queria dizer a ele que eu gosto dele, tão juvenil quanto parece. Eu senti que precisava ser dito. Se houve um tempo para fazer isso, era esse então, mas, obviamente a hora certa com Chris foi completamente afastada. Seus sinais são tão misturados que me deixa louca. Acho que ele está tão confuso quanto eu. Em seguida, outras vezes é como se ele sabe exatamente o que ele quer. A maneira como ele olha para mim mudou, e eu não tenho certeza se é uma coisa boa ou não. Quando ele costumava olhar para mim, ele parecia curioso, confuso e nervoso. Agora, quando ele olha para mim, o nervosismo basicamente se foi, a confusão ainda está lá, mas há um interesse, e outra coisa que eu não posso colocar o meu dedo. Eu só vou ficar aqui mais uma semana, e o tempo parece ir tão rápido. Caylen tem crescido tão perto de Chris e sua família. Eu estou quase me perguntando como ela vai fazer quando acordar e não vê-los todos os dias. Mesmo o Sr. Scott, apesar de ainda não crescer algo mais morno em minha direção. Na verdade, eu acho que ele pode até mesmo ser mais frio. Eu não sei por que ele me odeia tanto. No início, eu pensei que ele estava apenas irritado e chateado por mim. Minha presença lembrou-lhe que sua família não era perfeita. Mas às vezes, quando eu o pego olhando para mim, acho que ele me odeia. A coisa é ele não é assim com qualquer outra pessoa. Não Aiden, não Lisa, ou até mesmo os operadores de telemarketing que chamam a casa, e se ele me odeia apenas por causa de minha associação com Cal, posso imaginar como ele o tratou. Ele é uma das únicas reservas que tive sobre o que eu estive planejando ou contemplando. Contemplando é provavelmente a melhor palavra. Na verdade isso é uma distorção. Jenna é a outra. Eu não tive que lidar com ela desde a desastrosa noite na pista de patinação, mas ela é como um vírus dormente, você sabe que vai aparecer a qualquer momento. Lembro-me que as minhas decisões não podem se concentrar


no que Jenna vai pensar ou como ela afetará a si, mas o que é melhor para Caylen porque esse é meu trabalho, para ver a saúde e o bem-estar da minha filha. Jenna não está preocupada com isso. A questão é, se o sapato estivesse no outro pé, e eu estivesse noiva de Cal todos esses anos e ela aparecesse dizendo que ela estava apaixonada por Chris e teve uma filha com ele, eu teria me afastado. Eu não iria segurá-lo e pedir-lhe para abandonar seu filho e manter a vida que tinha, mas sem ter uma criança, talvez eu não houvesse entendido, e jogasse o jogo que ela está jogando. Bem, nada disso é um jogo, mas às vezes eu sinto que todos estão em um tabuleiro de xadrez, peças com sua própria agenda em movimento. Temos todos eles, mesmo Chris. Eu simplesmente não consigo descobrir qual é a dele. Se isso é um jogo de xadrez, eu acho que o movimento que eu estou prestes a fazer seria grande. Eu tenho um monte de pensamentos. Isso é tudo que eu realmente tive tempo de fazer aqui, pensar, o que é bom, mas também pode deixar uma pessoa louca. Tudo começou apenas como um pensamento, como seria bom não ter que dirigir e voltar toda semana ou mês para trazer Caylen para ver sua família. Especialmente com aluguel tão barato aqui. Então eu realmente procurei uma casa pequena bonita de dois quartos para alugar. Os pais de Lisa estão alugando-a por menos de 600 dólares por mês, e fica apenas dez minutos de distância dos Scott. Acontece que a casa pequena bonita de dois quartos poderia vir com a opção de comprar e por menos de 70mil. O que tornaria mais barato para comprar. Só não faria sentido não o fazer. Especialmente com Lisa me dizendo que a escola que ela trabalha estava pesquisando sobre contratar um professor de artes no próximo ano. O salário não seria extraordinário, mas os dividendos de ações, a partir de quando Cal trabalhou na Crestfield Corp, mantém minha conta bancária acolchoada. Tudo o que preciso fazer é preencher alguns prérequisitos de ensino e eu poderia candidatar-me a minha licença de ensino. Desde que eu tive Caylen, o pensamento de ensinar alunos do ensino fundamental não é tão assustador como eu pensei que seria. Mas estou me precipitando. Eu não assinei nada ou fiz uma oferta verbal séria, eu só manifestarei interesse. Eu quero falar com Chris sobre isso antes de fazer qualquer coisa. Embora, eu não possa vê-lo ser contra a idéia. Eu sei que a senhora Scott iria amar porque qualquer coisa que lhe dê mais acesso a Caylen a deixaria em êxtase, mesmo Haven não ficaria


muito chateada. Ela não poderia desde que eu só estaria cerca de uma hora e meia de distância dela, contra as quatro a cinco horas que fazemos agora. Quem não vai ficar feliz? Meus amigos, Hillary e Angela. Mas Hillary sequer fala comigo agora de qualquer maneira, e Angela está prestes a completar seu mestrado. Ela vai ter tanta coisa acontecendo e, ao final do dia, eu tenho que pensar no que é melhor para Caylen, que é estar mais perto de seu pai. Além disso, eu ainda manteria o apartamento em Chicago. É pago eu adoro aquele lugar. Ou eu poderia alugá-lo. Espaço no nosso edifício é cobiçado, e eu poderia checar com Helen para ter seu corretor de imóveis colocando-o no mercado... mesmo que ela não tenha respondido nenhuma das minhas ligações desde que essa coisa toda aconteceu. Não estou sendo precipitada novamente. Esta noite, porém, pretendo falar com Chris sobre tudo isso e espero que ele pense que é uma ótima idéia. Tudo vai ser fabuloso. Ah Merda! Eu quase desmaio quando eu vejo o Kia azul estacionado ao lado da caminhonete do Sr. Scott. Eu tento dizer a mim mesma que não pode ser dela até que eu saio e vejo a placa meb4u, e eu sei que é Hillary. Que diabos ela está fazendo aqui? Eu sinto meu estômago dar um nó enquanto caminho até a varanda dos fundos para a entrada da cozinha e ouço a tagarelice. Eu ando para ver Hillary e Raven sentadas lado a lado ali na mesa da cozinha dos Scott com a Sra. Scott servindo-lhes limonada "Olha quem está aqui!" Exclama a minha tia Haven, seus olhos se estreitaram nos meus. Ok algumas coisas. Desde que cheguei aqui, eu realmente não tenho falado com Raven. Após os primeiros dias, ela estava tão negativa sobre tudo, que eu recorri ao envio de atualizações de texto diárias, mas o olhar que ela está me dando não é um de uma tia amorosa, e Hillary, bem, isso não precisa de explicação. "O que vocês estão fazendo aqui?" Eu pergunto, tentando soar entusiasmada e não tão chocada e fora da minha mente. "Bem, você não iria responder aos meus telefonemas, querida sobrinha, e depois de tantos textos, eu tive que vir aqui e certificar-me que você não foi picada em mil pedaçinhos". Diz ela, brincando, mas


conhecendo Raven, é provavelmente o que ela pensava. Ela assiste muito Lifetime e Forensic Files. "Eu disse a ela que você estava inteira." Sra. Scott sorri com força. "Eu só estou aqui para ver Caylen." Hillary diz categoricamente. Ela ainda está louca. Ótimo. Isso será divertido. "Uhm. Chris está aqui?" Pergunto a Sra. Scott. Deus, por favor, não o deixe entrar aqui neste desastre sem um aviso. "Não, ainda não". Diz a Sra. Scott, dando-me um sorriso assegurando e me guiando até a mesa para me sentar. "É tão bom conhecer a sua família, Lauren. Temos nos conhecido maravilhosamente bem". Ela me garante, possivelmente, lendo o olhar preocupado no meu rosto, especialmente quando Lisa desliza para a sala. "Então, como foi?" Ela me pergunta animadamente. Oh Deus. Não, Lisa não diga nada. "O que foi?" Eu digo com força tentando dar-lhe a dica este não é um assunto que eu quero ter com Hillary e Raven sentadas aqui. "Oh. Não se preocupe. Lisa explicou-nos rapidamente sobre a casa que você estava procurando para alugar de seus pais e sua idéia de possivelmente voltar para a lecionar". Diz Hillary com falso entusiasmo. "Eu acho que é uma idéia tão maravilhosa." Sra. Scott cantarola genuinamente. "Eu teria gostado de saber quando essa decisão foi tomada". Diz Raven, cruzando os braços sobre o peito. Deus, Lisa! Que porra é essa! "Nada está escrito em pedra. Foi apenas algo que eu estava pensando. Eu estava esperando ter uma chance de falar com Chris sobre isso. Eu não tomei qualquer decisão ainda". Eu digo, pegando o copo na minha frente e tomando-o. Eu não me importo de quem é. "Onde está Caylen?" Eu estou à procura de qualquer desculpa para ficar longe dos olhares mordazes que estão queimando em mim por minhas adoráveis convidadas surpresa.


"Ela simplesmente adormeceu. Nós realmente sentimos falta dela. Sentimos tanta falta de vocês". Haven diz, a sua expressão em causa. Eu ouço a dor em sua voz, e minha culpa me faz desviar o olhar. "Eu senti a de vocês também". Eu digo com sinceridade. Eu tenho, é só que eu não queria falar com elas até que eu tivesse tudo resolvido porque, Deus sabe que elas vão tentar resolvê-las para mim. "Lisa por que não dar-lhes um pouco de privacidade." Sra. Scott pode sentir que este encontro está prestes a chegar a um ponto crítico. Quando ouvimos a porta silenciosamente fechar, o sorriso tenso no rosto de Raven desaparece. "Eu não posso acreditar que vocês apareceram aqui assim, sem me perguntar." eu digo em um tom abafado. "Oh, por favor, Lauren. Você é a única errada sobre isso!" Hillary diz defensivamente. "Como você pode considerar morar aqui, mesmo sem falar comigo?" Haven acrescenta. "Desde quando você deixa estranhos ajudarem você a tomar decisões marcantes na sua vida? Aquela garota, Lisa, é sua nova melhor amiga?" Hillary continua. "Parem! Ninguém está me ajudando a tomar uma decisão nenhuma. Nem Lisa, nem os Scott, ninguém além de mim. Esta é a minha vida". Eu digo-lhes com raiva. "Eu não sei nem se eu estou indo realmente fazer isso". Eu lhes digo, abaixando minha voz, notando como aumentou ao longo desta curta conversa. "Tudo está se movendo tão rápido, Lauren. Você nem sequer esteve aqui por um mês e você está pensando em se mudar". Haven diz em um tom mais abafado de seu próprio. "Os jogos na cama de Chris devem estar seriamente fora do fodido tabuleiro." A risada de Hillary zomba de mim. "Oh meu Deus." eu digo, cobrindo meu rosto por vergonha e raiva.


"Oi." Quando eu ouço sua voz, eu quero rastejar debaixo da mesa. Quanto ele ouviu? Ele escolheu o pior momento absoluto para aparecer. "Estamos interrompendo?" Quando eu ouço sua voz Eu quero vomitar. Agora não. Agora não. Eu me viro para ver Chris olhando desajeitadamente enquanto Jenna está ao lado dele, a mesma carranca em seu rosto que eu já me acostumei. "Uhm. Esta é a minha tia Raven, e minha melhor amiga Hillary. Elas vieram para me checar." Eu sorrio fracamente. Olho para Haven que parece estar examinando Chris. Ambas estão olhando para ele, provavelmente, tentando ver se ele é realmente Cal. É a mesma coisa que eu fiz as primeiras vezes que estive em torno dele. Chris anda até elas hesitante e estende a mão. Hillary apenas olha para ele antes de dar-lhe um pequeno sorriso. Ele descobre que seu aperto de mão não é bem-vindo por lá e se move sobre a Raven, que depois de alguns segundos, hesitante o cumprimenta. "Prazer em conhecê-lo". Diz Raven, desajeitadamente apertando a mão dele. "Eu sou Jenna, noiva de Chris..." e eu quero morrer aqui. Eu cubro meu rosto com as mãos. Há um silêncio constrangedor, e eu ouço Hillary rir. "Oh, Lauren." Eu ouço Haven murmurar baixinho. Está certo. Oh, Lauren.

Pense no dia mais estranho em sua vida. Agora vamos multiplicar por 100. Ainda que você não seja suscetível de atingir o nível de desconforto que eu experimentei hoje. Como se não fosse ruim o suficiente para Chris entrar em meio à conversa sobre como ele é bom na cama, de todos os dias, Jenna decide vir visitar. Para coroar esta noite


ridícula, eu me sento aqui, rodeada por toda minha amorosa e não tão amorosa família e amigos. A turma toda está aqui de fato. Hillary, Raven, Chris, Jenna, a Sra. Scott, Lisa, e Aidan. A coisa boa é que a Sra. Scott não trouxe qualquer vinho. Por mais que eu adorasse um copo, eu não acho que beber vai fazer esta situação melhor para qualquer um, uma vez que realmente define. Todos têm sido bastante tranquilos até agora. O único momento embaraçoso foi quando ambas Haven e a Sra. Scott pegaram Caylen, e ela estendeu a mão para a Sra. Scott. Raven tinha uma expressão muito chateada em seu rosto desde que aconteceu, mesmo quando a Sra. Scott tentou dar Caylen de volta para Raven. Ela recusou-se a esse ponto, seus sentimentos feridos, e, claro, eu sou a culpada por isso. Oh, e então o momento glorioso quando a Sra. Scott começou a orar sobre a comida, e Hillary anunciou a sua preferência por não participar em vez de apenas manter a boca fechada. Exceto esses dois pequenos momentos, tudo tem sido desajeitadamente maravilhoso. A coisa boa em tudo isso é que a comida da Sra. Scott é tão deliciosa que uma vez que todos começam a comer, o clima clareia um pouco. Jenna ainda joga raiva encarada sobre meu caminho, mas eu já me acostumei a isso. "Que diabos é o seu problema?" Hillary sussurra em meu ouvido. Ela não está acostumada a isso. "Basta deixá-lo ir". Eu murmuro baixinho. "Esta caçarola é absolutamente deliciosa". Haven entusiasmo. Ela está quase terminando com a sua comida.

diz

com

"Oh, muito obrigado. Eu posso lhe dar a receita". A Sra. Scott diz alegremente. "Haven não é muito boa cozinheira." Eu rio, e ela me cutuca no estômago. "Eu cozinho. Eu cozinho muito bem". Diz ela na defensiva, e eu olho para ela como se ela tivesse um chifre saindo de sua cabeça. Talvez este seja um novo desenvolvimento. "Obrigada por ser tão flexível para nós no último minuto". Diz ela, olhando para ambos os Scotts. "De modo nenhum. Somos como uma família agora". Diz a Sra. Scott calorosamente. Eu não posso deixar de notar Jenna revirar os olhos.


"Assim. Como tem se ajustado a paternidade Ca-Christopher?" diz ela, rapidamente se corrigindo. Aidan dá risadinhas, e eu vejo Lisa cutucá-lo. "É diferente, mas, felizmente, Lauren e minha família tornaram mais fácil do que eu pensei que seria. Todo mundo tem sido de grande ajuda, e é claro que ela é muito fácil pra se apaixonar." Quando os olhos de Chris encontram os meus, meu coração quase salta para fora do meu peito. Eu tenho que estar lendo isso errado. "Eu me ajustei muito rapidamente a ser um tio." Aidan fala, suscitando o riso ao redor da mesa. Eu até sorrio para isso. Ele até comprou-lhe uma camisa do tamanho da criança, de seu time de futebol favorito e tinha-me colocando sobre ela, o que só acontece de ser rival a equipe favorita de Chris. "Nós todos fomos tomados por ela. Eu não sei o que vamos fazer quando ela se for". A Sra. Scott diz com tristeza. "Eu entendo completamente. Eu sinto falta dela aos bocados". Haven diz, olhando-me. "Como você planeja trabalhar fora do horário de visita se Lauren decidir que se mudar para cá não for a melhor ideia?" Haven deixa escapar, e eu filmo seu olhar chocado. "Você está pensando em se mudar para cá, Lauren?" Chris pergunta, a excitação em sua voz aparente. Os olhos de Jenna olham como se estivessem prestes a saltar direto para fora de sua cabeça e rolar sobre a mesa. "É apenas uma idéia que eu tenho pensado. Eu queria falar com você sobre isso". Eu digo em voz baixa. "Você não acha que você deve levar mais tempo para pensar sobre como fazer um movimento como esse?" O Sr. Scott interfere. "Eu concordo". Diz Jenna acentuadamente. Chris atira-lhe um olhar de advertência. Eu sinto minha paciência desgastando cada vez mais a cada minuto.


"Todas essas conversas secretas e privadas estão realmente me pegando, Chris. Você não acha que isso é algo que você deveria ter mencionado para mim?" Diz ela bruscamente, voltando-se para Chris. "Você está escutando, Jenna? Ela não falou comigo sobre isso". Diz Chris defensivamente. "Pessoal! Eu acho que todos nós devemos nos acalmar e terminar o jantar. Mais tarde, Chris e Lauren irão conversar sobre isso, mas até então, não há nenhuma razão para alguém ficar chateado". Sra. Scott defende. "Não, isso não é apenas algo para eles conversarem. Serei a esposa de Chris. Isso me envolve!" Diz ela incisivamente a Sra. Scott. "Você entende isso, Lauren. Vocês dois acabaram. Você deve começar a agir como tal. Não há mais conversas entre você e Chris. Qualquer coisa que você diga a ele precisa ser dito para mim também." Seu tom é ácido. "Jenna, este não é o momento". Chris interrompe. "Você está brincando?" Eu pergunto a ela em descrença. "Não, eu não estou brincando, e uma vez que estamos no assunto, quando você assinará os papéis do divórcio?" "Os papéis do divórcio?" Eu pergunto, sentindo meu coração na minha garganta. Ela chicoteia sobre Chris que olha para baixo com culpa. Todos na mesa estão completamente silenciosos. "Você não lhe deu os papéis ainda?" Jenna questiona Chris incisivamente. Ele vai me dar papéis do divórcio? É por isso que ele tem sido tão bom para mim? Ele está me passando manteiga até obter-me a assinar os papéis do divórcio? "Este não é o momento, Jenna." diz Chris, sua voz severa. Eu olho para ele e seus olhos evitam os meus. "Não, é exatamente o momento!" Ela grita. "Cale-a ou eu estou indo fazer isso!" Eu ouvi Hillary dizer acentuadamente.


Eu estou congelada, como se eu estivesse em um sonho e tudo estå indo em câmara lenta.


Parece que o vento a nocauteou. Toda a cor sumiu do rosto de Lauren, mas desta vez os olhos não deixam os meus. Ela parece envergonhada, magoada, e acima de tudo, traída, e é isso que me dói mais. "Quem diabos é você para me ameaçar?" Eu ouço Jenna guinchar. "... E você vai deixar esse lixo me ameaçar assim?" Eu sinto um empurrão no meu ombro. "Lixo?!" Dirijo-me a ver a água vindo em nossa direção. A melhor amiga de Lauren apenas jogou água no rosto de Jenna. "Whoa!" Diz Aidan. Jenna está prestes a devolver o favor, mas a amiga de Lauren quase pulou sobre a mesa pronta para lutar. Eu rapidamente pego Jenna e arrasto ela porta a fora. É hora de deixar essa comoção para trás. "O que foi isso aí?" Eu digo, mal conseguindo conter minha raiva. "Você está gritando comigo? Depois que eu basicamente fui atacada?" Ela grita. "Você meio que mereceu." Sua boca cai aberta. "Por que você provocou isso lá dentro?" Eu pergunto a ela, e ela me olha com descrença. "Porque deveria ter sido levantado!" Ela grita de volta para mim. "Você fez isso intencionalmente.

para

envergonhá-la,

machucá-la".

Eu

digo

"Esta não é minha culpa, Chris. Se você dissesse a ela quando devia, era suposto que isso não acontecesse! Como você acha que isso me faz sentir sabendo que você não fez isso?"


"Você não tem que agir assim, Jenna. Mal posso reconhecer quem você é mais". Eu digo honestamente. Sua carranca endurece. "Você não reconhece quem eu sou?" Ela responde com um riso sem alegria. "Se isso não é a declaração mais irônica do ano, eu não sei o que você é!" E, com isso ela tempestivamente vai para seu carro. Ela foi muito tempestiva estes dias. Tal como o meu próprio furacão pessoal. Eu tenho muitos desses na minha vida agora. Eu estou ficando cansado de limpar o resultado final. Meu pai aparece na varanda, com o rosto vermelho, e ele parece perturbado. "Onde está Jenna?" Pergunta ele, exasperado. "Partiu". Eu digo, deixando escapar um suspiro profundo. "Você simplesmente deixou-a sair?" Agora, meu pai parece com raiva de mim, e para dizer a verdade, eu não quero ouvir isso agora. "O que eu deveria fazer? Ela estava errada lá. Ela não deveria ter falado com Lauren ou com a mãe desse jeito". Eu digo-lhe, e ele geme. "Esta menina tem sido nada além de problemas desde o dia em que ela chegou aqui. Ela e sua família louca". "Oh, isso é bom pai, realmente". Eu cuspo de volta. "Porque nós somos a família de imagem perfeita." eu digo sarcasticamente e passo por ele. Quando ele agarra meu ombro, eu arrebato longe dele e volto para a casa. A cozinha está vazia além de minha mãe, limpando o rescaldo do que acabou de acontecer. Ela olha para mim, exausta e arrependida. "Eu sinto muito, mãe". Eu peço desculpas, e ela dá de ombros. "Não é culpa sua, Chris. Coisas como esta são de se esperar, eu acho. Estamos todos conhecendo as personalidades um dos outros. Vai ficar melhor". Diz ela, dando-me um aperto reconfortante antes dela terminar de varrer o chão. Entro na sala e vejo a amiga de Lauren, Hillary, sentada no sofá ao lado de Lisa e Aidan sentado em frente a ela. "Ela é uma puta". Ela jorra com raiva, as pernas cruzadas e os braços da mesma maneira. Ela ainda está furiosa. Seu cabelo é loiro nas raízes, mas se transforma num tom claro de vermelho. Ela está usando botas de couro até os joelhos e uma jaqueta de couro branco. Parece que ela ainda quer lutar. Se ela não estivesse tão chateada, eu tenho certeza


que ela seria uma menina bonita. Ela e Lauren parecem diferentes. Ela realmente faz-me lembrar de uma versão mais cabeça quente de Lisa. Ela olha para mim quando ela me vê entrar na sala e revira os olhos. "Olha, eu sinto muito por desrespeitar a sua casa com aquela cena. Eu disse a sua mãe, então agora eu estou lhe dizendo. Para isso, eu peço desculpas", diz ela, jogando as mãos para cima. "Mas eu não vou deixar ninguém falar com a minha melhor amiga dessa forma, especialmente quando ela está realmente tentando ser legal. Eu não sei se você já viu Lauren chateada, mas ela pode ir lá rápido. Ela estava realmente tentando lá". ela afirma. "Há quanto tempo vocês são amigas?" Lisa pergunta com cautela. "Desde a faculdade. Nós não estamos nas melhores condições no momento, mas eu serei amaldiçoada se eu deixar alguém falar com ela assim." Ela então volta sua atenção para mim. "No começo eu pensei que você estivesse mentindo. Eu não sabia se devia acreditar em tudo isso ou não, mas agora eu sei que você não é Cal". Diz ela, olhando para mim com amargura. Eu suspiro. "Por que isso?" Pergunto. "Cal nunca deixaria ninguém falar com Lauren assim". Diz ela antes de se levantar e passar por mim. Eu acho que esta é a primeira vez na minha vida eu estou envergonhado de ser eu mesmo. "Cara, eu acho que estou apaixonado". Diz Aidan, seguindo-a. "Chris. Desculpe-me. Eu pedi que Lauren me desculpasse. Se eu não tocasse no assunto isso nunca teria acontecido". Diz Lisa, caminhando até mim. "Isso ia acontecer mais cedo ou mais tarde." Eu suspiro. "O que Jenna disse?" Ela pergunta. "Ela está chateada e foi embora." Eu dou de ombros com um suspiro. "Você não foi atrás dela?" Ela soa surpresa. "Não. Você acha que eu deveria ir?" Pergunto tão surpreso.


"Não. Estou apenas surpresa que você não foi." Ela encolhe os ombros. "Onde está Lauren?" Pergunto. "Em seu quarto com a tia. Acho que ela está tentando fazer com que Lauren volte com elas". Sussurra Lisa. "Hoje?" Pergunto. "Quero dizer, você poderia culpá-la após o desastre que aconteceu ali?" Eu concordo. Ela está certa. "Quão sério estava Lauren sobre ficar aqui?" Eu pergunto. "Ela parecia estar considerando seriamente isso. Eu não sei agora..." ela silencia conforme a tia de Lauren, Haven sai do quarto. Ela não parece feliz. "Christopher. Posso falar com você?" Diz ela, olhando para mim. Ela tem a mesma altura da minha mãe, mas a expressão no rosto dela não poderia ser mais intimidante. "Claro". eu digo. Lisa sorri com força desculpando-se. "Vou ser franca aqui. Tentei convencer minha sobrinha que ela deveria voltar para casa com a gente." "Eu entendo". Eu digo, balançando a cabeça. "Ela se recusou. Eu não estou surpresa. Estou chateada, mas não surpresa. Ela ainda é extremamente teimosa. Mas é claro que você sabe disso." Ela olha para mim. "Ou talvez você não saiba." Ela suspira, esfregando a cabeça. "Eu quero que minha Lauren volte para casa inteira, Christopher. Eu não sou geralmente uma pessoa dura, mas eu quero impressionar você para a importância de o que eu estou dizendo a você." "Eu entendo." digo-lhe verdadeiramente. "Eu não acho que você entenda. A maioria das pessoas não quer machucar ninguém, simplesmente acontece. Ela passou por tanta coisa. Se você está confuso sobre tudo isso, se você está no amor com essa


outra garota, apenas deixe-a ir. Não brinque com ela, não dê corda. Nós vamos ser parentes por pelo menos mais 17 anos, até mais do que isso. Você não quer estar no meu lado mau." E com isso, ela me deixa de pé na sala sozinho.


Elas se foram. Não foi fácil levá-las a sair sem mim, mas eu fiz isso. A única razão que eu ficarei neste momento é por prometer a Sra. Scott. Prometi a mim mesmo que eu iria ficar até que eu obtenha algum tipo de encerramento. Quanto mais perto chega o momento de ir mais parece que eu estou dizendo adeus, adeus ao meu passado, para o homem que eu amo. Houve casos ao longo do caminho, onde eu pensei que eu poderia obter o meu final feliz depois de tudo. Mas, logo que eles vem, algo terrível acontece, e eu sinto meu final feliz sendo arrebatado. Mas este foi o verdadeiro encerramento: os papéis do divórcio. Ele tinha os papéis do divórcio todo esse tempo. Todas as vezes que riamos e brincávamos e passávamos o tempo juntos, ele provavelmente estava pensando como ele me faria assinar os papéis para fazer uma ruptura limpa. Eu gostaria que ele tivesse mencionado isso para mim antes. Talvez eu não tivesse sido tão cega em frente e verso, tão envergonhada na frente de seus amigos e minha família. Eu sei que não há uma boa maneira de dizer "hey Eu quero o divórcio", mas, tão terrível como poderia ter sido, teria sido muito melhor vindo dele do que Jenna. Eu não entendo por que ele está com ela. Eu não vou mentir, ela é uma garota bonita quando ela não está franzindo a testa. Tenho certeza que ela poderia ser considerada bonita, mas sua atitude é absolutamente repugnante. Então, novamente, ela me odeia. Eu realmente não posso culpá-la, mas se os papéis fossem invertidos, eu nunca tratei alguém como ela me tratou. Tem que haver algo doce e gentil com ela lá... mas quem sou eu para julgar? Muita gente não entendia por que Cal e eu estávamos juntos. Eles falharam em ver o bom nele, até mesmo seu próprio pai. Felizmente, eu não tenho sido capaz de ficar obcecada sobre o que aconteceu hoje. Caylen esteve chorando a noite toda. Ela tem um dente nascendo. Eu andei com ela, dei-lhe leite morno e pomada para dor para bebês, mas tem sido inútil. Está começando a ser um pequeno zumbido nos


meus ouvidos a partir do choro, mas eu prefiro não ouvir meus próprios pensamentos agora. "Eu sei baby. Eu sei." eu digo, andando pelo quarto, saltando-lhe para cima e para baixo novamente. Eu ouço uma batida na porta. É provavelmente a senhora Scott entrando novamente para oferecer a sua ajuda. Ela já fez isso várias vezes, e eu disse que ela precisa descansar. Ela se levanta tão cedo de manhã para a fazenda e eu não tenho qualquer lugar para estar. Eu abro a porta e vejo Chris parado lá em vez disso. Eu não falei com ele desde o jantar, mais cedo hoje. Eu não queria falar com ele. Eu não estou exatamente pronta para falar com ele. "Eu mandei uma mensagem para você. Você não respondeu". Diz ele timidamente. "Meio difícil de ouvir um alerta com um bebê gritando." faço piada, mas meu tom é seco. "O que há de errado com ela?" Pergunta ele, estendendo a mão para ela. "Ela está com um dentinho nascendo". Eu digo, de bom grado entregando-a. "Aww vamos lá, grande Cay, um dente não é nada". Diz ele à ela. É um apelido que ele deu a ela. Ele salta de cima a baixo, abraça-a perto dele, e faz caretas para ela, mas o choro continua e continua. "Ela está bem? Devemos levá-la ao médico?" Depois de cinco minutos, ele está preocupado. Huh, ele é um amador. "Ela está bem, ela não tem febre, suas gengivas estão apenas irritadas, e ela está lutando contra o sono". Eu digo sem rodeios. A verdade é que eu estaria tão preocupado como ele estava, se eu não a levasse ao pronto-socorro a primeira vez que um de seus dentes nasceu. Ele parece aliviado ao ouvir isso. Em seguida, ele olha de volta para mim. "Eu meio que queria falar com você sobre mais cedo". Diz ele, ainda tenta confortá-la.


"Este não é realmente o melhor momento". Eu digo, feliz por ter uma desculpa. Ele é um cara, e tenho certeza que suas orelhas só vão levar minutos antes que tenha que se desculpar e sair do quarto. "Se eu a fizer parar de chorar, você vai falar comigo?" Ele pergunta com toda a seriedade. Isso não vai acontecer. "Claro". Eu digo com um riso incrédulo. Ele balança a cabeça e me entrega ela. "Estarei de volta em cinco minutos". Diz ele e desliza para fora do quarto. Se ele vier aqui com fantoches ou algo assim, vai ser completamente adorável, mas não vai ajudar um pouco. Eu continuo a caminhar Caylen ao redor, ela chorando no nível que já me acostumei. Em breve, Chris está de volta, desta vez com uma bela guitarra preta na mão. Eu posso sentir meus olhos se arregalam. Ele sorri timidamente. "Eu não tenho feito isso há algum tempo". Diz ele, nervoso. "Posso sentar aqui". Ele pergunta, apontando para a cama. Concordo com a cabeça, sentindo meu estômago começar a dar um nó. Ele se senta na cama e dedilha alguns acordes. Deus, ele parece tão malditamente sexy, e ele nem sequer tocou uma música. Eu não deveria pensar que ele é sexy. Eu deveria estar louca e irritada com a forma como ele estava errado para esconder o fato de que ele me queria assinando aqueles papéis. Ele respira fundo e começa a tocar um pouco de forma mais fluida, e eu reconheço que ele está tocando London Bridges, mas uma versão mais lenta. É lindo. Eu assisto suas mãos e como ele olha para o instrumento tão atentamente. Estou tão perdida em vê-lo tocar, que eu nem sequer percebo que Caylen parou de chorar. Uma vez que ele terminou a música, ele vai para outra canção. Leva-me um minuto, então eu percebo que é uma música que está na minha lista de reprodução no iPod para Caylen. Oh, Mr. Sun. Fofa. Ele toca rápido, e então ele desacelera o ritmo e começa a cantar.


E, oh meu Deus, ele pode cantar, e não como karaokê médio, mas como se ele estivesse em um desses shows de talentos, todos os adolescentes estariam chorando depois que ele acabasse. O engraçado é que ele começou nervoso e um pouco inseguro de si mesmo, mas conforme continua tocando o nervosismo se derrete, e ele está completamente confiante no que ele está fazendo. Ele é bom, e ele sabe disso. Ele olha para mim algumas vezes com um pequeno sorriso. Ele toca como se fosse uma terapia para ele. Caylen começou dormir assim que eu coloco-a na cama. Sento-me na minha cadeira de balanço para vê-lo e ouvir. Eu fecho meus olhos, sentindo todo o estresse de hoje derreter fora de mim. Sua voz é como uma mistura entre Ed Sheeran e Connor Maynard. Eu não posso acreditar que eu nunca o ouvi cantar antes disso. Se fosse Cal, eu saberia com certeza que ele estava tentando me seduzir, mas este é Chris, e eu não sei se ele percebe como me afeta, mas se ele tocar mais uma música, eu puxo-o para fora deste quarto e serei presa por agressão sexual. "Lauren." Sua voz, normal, me acorda do meu transe. "Eu não posso acreditar que depois de todos esses anos, e eu acabei de ouvir você cantar". Eu digo em voz baixa. "Isso é porque você não estava comigo todos esses anos". Diz ele, um sorriso divertido no rosto. Eu corro minhas mãos pelo meu cabelo. Eu realmente não sei o que dizer sobre isso, mas o brilho em seus olhos faz minha pele esquentar. "Eu-eu queria falar com você sobre isso mais cedo". Diz ele, limpando a garganta. Ele não pode me mostrar esses papéis do divórcio agora. Seria muito cruel, não depois que ele fez isso. "Jenna tinha-lhes elaborado... Ela deu a mim, e eu lhe disse que iria falar com você sobre eles". Diz ele, e eu não posso mais olhar para ele. Eu olho para Caylen. Eu mantenho meu foco sobre ela, que é o que tudo isto é suposto ser sobre qualquer maneira. "Está tudo bem, Chris." eu digo com toda a força no meu corpo como eu olhar para Caylen. Eu não posso olhar para ele e dizer isto. "Se é isso que você quer". Eu digo, tentando forçar as palavras sem a minha voz embargada.


"Eu não iria dar-lhes a você". Diz ele, concentrando seus olhos verdes sobre os meus, e eu sinto meu coração parar. "O quê?" Eu pergunto a ele, confusa. Eu estou tentando lê-lo, mas sua expressão não me diz nada. Nem uma única coisa. "Eu só quero retardar as coisas um pouco. Realmente pensar sobre o futuro. Eu quero ter certeza que eu não estou tomando a decisão errada". Diz ele simplesmente, mas suas palavras não são nada simples. Ele está dizendo o que eu acho que ele está dizendo? "O que quer dizer, Chris?" Eu pergunto, ouvindo o nervosismo em minha voz. "Eu só não quero mais me mover tão rápido. Há um monte de coisas que eu preciso descobrir." Grande, ele está confuso e isso nos deixa em um limbo, mas eu vou aceitar. "O médico que marquei para ver tem um encaixe amanhã". Diz ele, mudando de assunto. Eu quero ficar sobre este assunto, mas ele ver um médico é realmente uma boa notícia. "Isso é ótimo, Chris." eu digo, e ele concorda. "Ela fica em Chicago". Diz ele. "Estou um pouco nervoso sobre isso". Admite-o, sentando-se na cama. "Você quer que eu vá com você?" Pergunto-lhe. Por favor, deixe-o dizer sim. "Por favor". Ele diz simplesmente. "Ok". eu respondo. É tudo que eu consigo dizer por que meus pensamentos estão correndo, as emoções estão em sobrecarga, e meu corpo... Não vamos nem ir para lá. "Vou falar com minha mãe sobre cuidar de Caylen. Meu compromisso é às 15h. Eu acho que devemos ir por volta das 10h30m." diz ele, de pé da cama e caminhando em direção à porta, aumentando o espaço entre nós. O espaço é bom. Espaço me faz sentir menos propensa a fazer algo estúpido.


"Ótimo." Eu sinto um sorriso espalhar-se pelo meu rosto. Ele pega sua guitarra e fica na porta como se ele não quisesse sair, nossos olhos fixos um no outro. "Boa noite, Lauren." ele finalmente diz. "Boa noite, Chris." eu respondo, e ele fecha a porta atrás de si. Deixei escapar uma respiração profunda, mesmo que essa conversa quase tenha levado-a completamente. Eu realmente não sei onde eu fico com ele. Eu não sei o que tudo isso significa, mas eu sinto a flama única da esperança pegar fogo sobre o certo agora, e eu não quero pensar em nada que vai colocá-lo para fora.


Nós finalmente fomos para Chicago, minha casa longe de casa, de alguma forma estranha. O GPS diz que estamos a 10 minutos do consultório do médico. Eu estou fazendo isso. Eu vou dizer a um completo estranho meus mais profundos segredos mais escuros, só que eu não sei o que qualquer um deles é. Só a minha mãe sabe o que estou fazendo. Eu não disse Aidan, Lisa, Jenna ou meu pai. É algo que eu queria fazer sozinho, sem quaisquer más vibrações. Minha confiança em médicos ainda está massacrada pela minha última experiência, mas esta é uma ardósia limpa. Ela não me conhece, Cal, meus pais, ou a minha afiliação com os Crestfields, para que ela não tenha nenhum compromisso. Lauren se ofereceu para dirigir, mas senti que dirigir ajudaria a acalmar meus nervos, e eu estou mais nervoso sobre isso do que pensei. Eu não sei o que esperar ou o que vai acontecer. Eu odeio colocar tanta confiança nas mãos de outra pessoa, deixar alguém manipular os meus pensamentos, brincar com meu cérebro essencialmente. Uma parte de mim quer é esquecer a coisa toda. Eu tenho feito muito bem até agora, e meu pai sempre disse que se algo não está quebrado, não vá tentar corrigi-lo. A coisa é, eu acho que estou quebrado, quase, pelo menos. Funcional, como um carro que pode chegar onde você precisa ser, mas você nunca sabe quando aquele som tinindo vai causar um colapso completo. Eu não posso ser como um veículo confiável. Eu sou um pai, e Lauren depende de mim. Olho para ela. Ela tem sido muito tranquila. Ela dormiu a maior parte do caminho e acabou de acordar um par de minutos atrás. "Nós estamos na sua área." Eu brinco feliz que ela está acordada. Falar libera um pouco da minha energia nervosa. "Sim. A grande cidade." Um sorriso largo se espalha por seu rosto quando entramos no centro. Seu rosto se iluminou.


Ela adora esse lugar. Ela sente falta disso... "Eu só estive aqui uma vez, para uma viagem de campo do ensino fundamental". Eu digo, e em seguida, percebo o quão ridículo isso soa. "Bem, o que me lembro". acrescento calmamente. Eu acho que é uma das razões que eu estou vendo essa mulher. "Bem, se ela está neste distrito, está indo muito bem". Lauren responde. "Vamos esperar que signifique que ela saiba o que está fazendo." Eu deixo escapar uma risada nervosa. "Tudo vai ficar bem." Seu sorriso é reconfortante, apesar de eu perceber o suspiro. Quando chegamos ao edifício, leva-nos mais dez minutos para encontrar estacionamento. Eu queria continuar procurando, mas acabamos em um estacionamento que nos custou vinte e cinco dólares por três horas. Que assalto! Lauren nem sequer pestanejou. Eu mostro a Lauren o endereço, e ela confirma que estamos estacionados três quarteirões do prédio. Nós fazemos o nosso caminho para baixo da rua movimentada, eu absorvo tudo. Há tantas pessoas, homens, mulheres, velhos, jovens, todas as nacionalidades e etnias diferentes. Há três rapazes que dançam na frente de um restaurante de fast food e as pessoas colocam dinheiro em um balde na frente deles. No outro bloco, há um homem vestido em um terno e gravata dizendo às pessoas que estão indo para o inferno, literalmente, todo mundo está indo para o inferno de acordo com esse cara. Lauren olha para mim, divertida com a minha perplexidade. Quando ela desliza sua mão na minha, estou surpreso, mas eu não hesito em dar-lhe um aperto suave. Estou espantado com a forma como sua mão parece se encaixar perfeitamente na minha, como se fosse concebida especificamente para mim. Ela rapidamente me puxa pelo meio da multidão e nós fazemos o nosso caminho para o alto edifício dourado e preto com o endereço na frente. Uma vez que entramos, a atmosfera é calma, um grande contraste da agitação lá fora. "Deve haver um diretório perto do elevador". Diz Lauren, soltando minha mão. Eu gostaria que ela não tivesse, mas eu me lembro que eu sou um homem adulto e não um menino assustado. Nós chegamos ao elevador, e com certeza, o nome da clínica está no diretório. Ainda bem


que ela é única no 5º andar. A viagem de elevador vai mais rápido do que eu quero. "Vai ficar tudo bem, Chris." ela me garante novamente. Eu devo demonstrar tanto nervosismo quanto eu sinto. Pelo menos nós somos as únicas pessoas no elevador. Quando as portas se abrem, há grandes letras em relevo com o nome da clinica em exposição. Nós caminhamos através da porta e seguimos para o balcão da recepcionista. "Boa tarde, bem-vindo ao New Horizons." A recepcionista parece alegre e entusiasmada, mas profissional. "Oi. Eu tenho uma consulta com Drª. Clemons as três horas". Eu digo, limpando a garganta. "Excelente. Seu nome, por favor?" "Christopher Scott." Estou tocando os dedos sobre a mesa. "A Dra. Clemons geralmente tem reservado meses de antecedência. Você realmente teve sorte de pegar um cancelamento". Diz ela com um sorriso brilhante, e eu sorrio também. Eles devem ter contratado esta garota por sua voz, porque eu me sinto um pouco melhor. Lauren toca meu ombro e sorri antes de ir para o que parece ser a sala de espera. A recepcionista me tira o ID e seguro de cartão. Olho para Lauren e vejo-a folheando uma revista. Ela está sentada com as pernas cruzadas, mas uma perna balança para frente para trás. Eu não sou o único nervoso. "Ok, Christopher, há um par de formulários. Os primeiros são o acordo de confidencialidade padrão, formulário HIPPA (Healthcare Information Portability and Privacy Act), e autorização para faturar o seu seguro. Quando tudo estiver pronto, você será direcionado para uma tela de avaliação. Algumas das perguntas podem não se aplicar a sua visita, e você pode se sentir livre para não respondê-las". Explica ela, entregandome um iPad e um estilete. "Legal". Eu digo um pouco impressionado. "A Drª. Clemons será alertada uma vez que tudo estiver completo, e ela estará bem com você. Se existe alguma coisa que você precise, por favor, não hesite em perguntar. Se você se sentir mais confortável em um ambiente privado, temos uma sala de consumo que está disponível". Ela oferece.


"Não, eu estou bem". Eu digo com gratidão, e eu faço o meu caminho para um assento perto de Lauren. "IPad?" Ela brinca. "Extravagante". Eu rio, sentindo-me um pouco mais à vontade. Eu percorro a papelada e assino. Tudo começa bem o suficiente até eu chegar ao questionário de saúde. Foi quando minha cabeça começou a doer. 1. Você tem tonturas frequentes? 2. Você tem sentimentos obsessivos para se comunicar, mas têm medo de fazê-lo? 8. Você tem frequentes ataques de pânico? 42. Você se sente isolado, mesmo em reuniões sociais? 79. Você tem aparentemente inabalável vícios (drogas, tabaco, comida ou sexo?) 104. Você parecia ouvir vozes quando ninguém está por perto? 136. Você tem sentimentos compulsivos para se comunicar, mas têm medo de fazê-lo? Até o momento eu estou acabado, eu estou esperando para ver: Seus resultados estão dentro, e você é um batmerda de flash louco em toda a cena. Deixei escapar um suspiro profundo e passo minhas mãos no meu rosto. "Foi tão ruim assim?" Lauren pergunta com um sorriso. "Pior ainda." Eu brinco. Depois de responder a todas estas perguntas, o médico deve ter um plano cheio de tratamentos todo configurado uma vez que ela me chamar de volta lá. "Será que as perguntas parecem relevantes?" Ela pergunta curiosa. Essa é a parte ruim. "Quase todas elas." Eu aceno de cabeça antes de me levantar e devolver o iPad para a secretária. "Drª. Clemons estará com você". Diz ela, levando-o de mim.


‘Estar comigo’ se transformou em quase quarenta minutos. Eu não tinha percebido como estava com fome até que meu estômago começa a rosnar. Eu deixei todos os meus doces no carro. "Você quer que eu compre alguma coisa?" Lauren pergunta, ao ouvir o rugido monstruoso que acabou de fazer. "Não. Espero que isto acabe logo". Eu digo, embora o otimismo que eu tinha no início da visita esteja desaparecendo rapidamente. "Senhor. Scott, a Drª. Clemons irá vê-lo agora". A recepcionista me chama. Eu olho para Lauren, e ela dá um tapinha na minha perna antes que eu levante. Uma vez que eu estou de pé, eu vejo uma porta perto do balcão da recepção está aberta. Em pé na porta eu vejo uma mulher mais velha, com uma longa trança no cabelo dela, vestindo um jaleco branco e saia longa cinza. "Drª. Clemons?" Eu pergunto para ter certeza. "Esta seria eu!" Ela parece ser calorosa e agradável, como a recepcionista. "Obrigado por ser paciente. Peço desculpas pela espera. Por aqui". diz ela, apontando para seu escritório. Eu olho para trás para Lauren que tem um largo sorriso no rosto e está me dando dois polegares para cima como se eu estivesse prestes a servir de bastão em um jogo com as estrelas do basebol. Quando entramos no escritório, os meus nervos aliviam um pouco. A atmosfera no interior de seu escritório é muito diferente do que a área de espera. A sala de espera era fresca e moderna, mas seu escritório parece acolhedor e simpático. Bem, tanto quanto um escritório poderia ser. As paredes são curtidas com cadeiras marrons, dois na frente de sua mesa e para a direita é o sofá proverbial que você vê nos filmes. A parede atrás de sua mesa tem os graus obrigatórios de suspensão, mas seu escritório não é esnobe ou imponente. É confortável e acolhedor. "Você pode ter um assento aqui". Diz ela, apontando para uma das cadeiras na frente de sua mesa. Eu acho que não é hora de deitar no sofá e dizer a ela o fodido que sou. "Você está confortável? Gostaria algo para beber? Café? Água?" Pergunta ela e meus olhos se dirigem para a bacia de doces sobre a mesa.


"Eu só vou ter um desses". Eu digo, pegando quatro mini snickers do prato. "Eles são viciantes, não são?" Ela ri colocando um par de óculos escuros quadrados. "Bem, eu gostaria de começar por dizer que qualquer coisa que você disser para mim nesta sala será estritamente confidencial. A não ser que você me peça para falar com alguém em seu nome. Também irei gravar todas as sessões no caso de precisar voltar até eles mais tarde". Ela afirma. "Eu entendo". eu digo, empurrando minhas mãos no bolso do casaco. "Você já trabalhou com muitos pacientes com a minha condição?" Eu pergunto, olhando a foto dela e dois meninos. "Sim. Você está em boas mãos". Diz ela, tranquilizadora. "Em seu questionário, você indicou que andou se consultando com a Drª. Lyce. Ela é bastante conhecida. há alguma razão para você decidir terminar o seu relacionamento com ela?" "O conflito de interesse." Eu dou de ombros. "Eu gostaria de começar com uma ardósia limpa. Eu não a vejo pelo TDP, então eu gostaria de começar da mesma forma que faria com qualquer novo paciente." Meus nervos estão começando a tirar o melhor de mim. "Compreendo. Bem, existem alguns testes diferentes que eu gostaria que nós completássemos". Ela começa. "Que tipo de testes?" "Bem, o primeiro é chamado de Transtornos dissociativos Entrevista Programada. DDIS (Dissociative Disorders Interview Schedule), resumidamente. Eles são testes onde eu faço-lhe uma série de perguntas, algumas das quais estava na avaliação de saúde que você respondeu hoje. Então, a Escala de Experiência Dissossiativa, ou DES (Dissociative Experiences Scale), me ajuda mostrando a possibilidade de que você pode ter outra doença que poderia ter sido diagnosticada. Ele também me dá uma idéia do nível de dissociação que você está tendo. " "Nós vamos fazer todos eles hoje?" Eu pergunto, sentindo-se um pouco sobrecarregado.


"Nós podemos. No entanto, com base no questionário, parece que o nosso tempo pode ser mais bem gasto discutindo algumas das preocupações que você tem em geral. Eu poderia agendar esses testes na próxima semana." "Sim, eu realmente não acho que haja qualquer possibilidade, porque eu estou diagnosticado." Eu digo honestamente "O principal motivo para estar aqui é..." Eu paro, tentando escolher as palavras com cuidado. "E lembre-se, Christopher, eu estou aqui para ser a sua placa de som. Eu não tenho uma agenda ou noções pré-concebidas. Estou aqui para ajudá-lo a resolver as coisas da maneira mais objetiva. Eu gostaria que você fosse capaz de falar livremente e com sinceridade." Ela se inclina para frente em sua mesa, me dando toda sua atenção e um sorriso caloroso. Eu concordo. "Como foi que você descobriu sobre sua condição?" Pergunta ela, tirando um bloco de notas de couro. Isso vai ser divertido... Eu respiro fundo e digo a ela como Lauren apareceu na minha porta e como o mundo desabou. Estou um pouco hesitante no início, mas conforme continuo, eu me sinto melhor tirando tudo do meu peito, e eu sou capaz de falar mais livremente. Eu digo a ela sobre as memórias que tive, como às vezes eu tenho pensamentos que não se parecem realmente como os meus, e meu ataque de pânico. Ela ouve atentamente fazendo contato visual frequente enquanto rabisca a distancia em seu bloco de notas. "... Eu me sinto perdido e confuso. Antes de tudo isso acontecer eu achava que sabia o que eu queria na vida. Eu sabia o que eu queria fazer, que eu queria me casar, agora eu não sei de nada". Murmuro. "Seus sentimentos são completamente normais. Sua vida mudou significativamente em um período muito curto de tempo. Essas mudanças seriam estressantes para qualquer um. Você se tornou ciente de que você é um pai, você se tornou noivo, o conhecimento de sua doença... Eu estou surpresa que a pressão que você já suportou não causou seu alter a vir à tona." Ela diz a última parte impressionada. "Além disso, o fato de que Cal estendeu a mão para você, alters geralmente preferem ficar escondido". Diz ela, ainda rabiscando em seu caderno.


"Você disse que quando você acreditava que seus interruptores eram apagões, que tinha dores de cabeça. Você mencionou que quando você descobriu que seus pais estavam escondendo sua condição de você que você sentiu um chegando?" Ela pergunta, mas parece mais como uma declaração. "Sim". Eu confirmo. "Entretanto, não houve perda de tempo, ou apagão naquela época?" "Não." "A última vez que teve um interruptor que você se lembra, pelo menos, foi o dia antes de Lauren chegar?" Ela pergunta, e eu aceno. "E as memórias começaram quando ela chegou. Lauren, eu quero dizer?" Ela pergunta, e eu aceno novamente. "Isso quer dizer alguma coisa?" Eu pergunto a ela, sentindo-me um pouco ansioso. "Possivelmente? Como você se sente sobre Lauren?" Isso foi um pouco brusco. Eu não estava realmente pronto para essa pergunta. "Uhm." Sinto-me começando a inquietar-me na minha cadeira. "Lembre-se, Chris, que você pode falar livremente aqui. Não há necessidade de se sentir nervoso. Nossa sessão só será benéfica se você for completamente honesto". Diz ela, cruzando as mãos. "Eu nunca senti o que eu sinto por ela antes. É como se nós tivéssemos uma ligação, mas isso seria uma loucura, porque eu não a conheço muito. Eu não a conheço como eu conheço Jenna. Eu sinto que eu não deveria me sentir assim, e eu estou com medo de que os sentimentos não sejam meus." É bom dizer isso em voz alta. "Acho que uma das coisas mais difíceis para os doentes que dissociam é perceber que seus alters..." "Alter." Eu digo. Deus, que haja apenas um. "Alter, é uma parte de você. Você compartilha os mesmos sentimentos que ele. Cal foi criado por uma razão. O meu trabalho será ajudá-lo a descobrir essa razão. Nosso objetivo é integrar essa parte de


sua personalidade, a porção criada para ajudá-lo a lidar com isso, de volta ao rebanho por assim dizer, tornando-o mais uma vez inteiro." Sua voz é suave e calmante, mas a palavra ‘integrar’ faz minha pele rastejar. "Eu não quero integrar-me com ele. Eu quero que ele se vá". Eu digo em voz baixa como se Lauren pudesse me ouvir. Quando as palavras deixam minha boca eu sinto uma onda de alívio. Então, eu vejo o rosto de Lauren em minha mente, e eu sinto uma enorme quantidade de culpa. "É normal você se sentir em desacordo com o seu alter. No entanto, ele é uma parte de você. Eu só posso compará-lo a cortar seu próprio pé." "Eu pegaria uma prótese." Ela sorri. "Bem, você parece se dar bem com Lauren, e você tem uma menina que você tomou muito bem, você indicou. Ele não pode ser de todo ruim". Diz ela, e eu rolo meus olhos. Foi pura sorte ele não engravidar alguma psico dominada de DST. "Um dos meus conhecidos, que me conheceram como Cal, diz que ele não gosta da minha noiva. Se nós somos um, como ele poderia odiar alguém que eu amo." Eu me oponho. "Pelo que parece Cal pode ser a parte de sua personalidade que é desinibida, não editada, que faz e diz as coisas que você não pode. Ele é a personificação das emoções que você esconde. Se há uma parte de você que não gosta de coisas sobre ela, não é incomum que seus sentimentos fossem ampliados". Diz ela, fechando o caderno de couro e tirando outro bloco. Eu olho para o relógio no escritório e ver que a nossa sessão acabou. Ela escreve sobre o papel rasga-o e entrega-o para mim. "Medicação?" Pergunto. "Não. Não há qualquer medicação especificamente para DID, mas alguns tratam os sintomas que poderiam causar, como depressão, insônia, padecimentos físicos às vezes, fora o seu ataque de pânico, parece que você não está sofrendo de qualquer coisa que me preocupe. Isto é apenas um pouco de dever de casa."


Eu tomo o pedaço de papel e leio. Encontre três coisas que você gosta sobre Cal. Ela está falando sério? "É muito importante que você chegue a um acordo com o fato de que ele é uma parte de você e que você abrace essa parte de si mesmo. Ele não é seu inimigo". Diz ela, levantando de seu assento. Ele não é exatamente o meu amigo também. "Você está em vantagem. Você tem uma fonte direta para alcançálo". Diz ela, enquanto caminhamos em direção a porta. Essa é a minha preocupação, eu não quero alcançá-lo ou me conectar com ele ou entendê-lo. Eu quero que ele desapareça. Eu quero que ele se vá, como se ele nunca tivesse existido.


Chris disse que tudo correu bem na sua sessão com a médica, mas eu não posso deixar de notar que o humor dele mudou. Ele estava nervoso antes, mas agora é quase como se ele estivesse irritado. Eu não sei o que a médica disse a ele, mas o que ela disse, ele não gostou muito. Eu posso dizer que ele está tentando escondê-lo, mas, pela primeira vez, ele é muito transparente. Ele está quieto no nosso caminho de volta para o carro. Eu quero perguntar a ele o que aconteceu e conseguir mais do que uma resposta descartável como "tudo correu bem." Eu pagaria qualquer coisa para saber o que se passou lá dentro, e desde que ele não parece querer compartilhar, eu decido não empurrar ainda mais. É absolutamente lindo ao ar livre, excepcionalmente quente para um dia de abril em Chicago e muitas pessoas estão na rua tirando proveito disso. Eu começo a relembrar os finais da noite, quando Cal e eu gostávamos de caminhar ao redor do centro, enquanto era tranquilo. Eu afastei a memória tão rápido quanto eu pude. Eu não posso pensar em Cal. Eu tento manter todas as minhas memórias de Cal e eu trancadas, porque pensar nele vai me consumir. É como uma ladeira escorregadia, uma coisa leva a outra. Em primeiro lugar é algo que costumávamos fazer juntos, logo eu estou pensando sobre a maneira como ele costumava sorrir, a maneira como ele riu, como se sentia quando ele me abraçou. E, quando eu penso sobre como me sentia ao estar em seus braços, eu me lembro de outros toques, e meu corpo torna-se vivo com a memória dele. Às vezes eu consigo dormir durante essas instâncias, e acordo sentindo-me um pouco satisfeita. Outras vezes, eu preciso de um chuveiro frio. Agora eu estou andando ao lado de Chris e nenhuma dessas opções está disponível para mim. Desejo que Chris apenas dissesse alguma coisa. Quando ele e eu estamos juntos e não há silêncio, quando as coisas começam a ficar estranhas entre nós, é quando eu penso mais sobre Cal.


Ele não está dizendo nada, mas posso dizer que há um milhão de pensamentos passando por sua cabeça. Ainda assim, ele está observando tudo ao seu redor. O barulho, as luzes, a energia da cidade, me fazem sentir viva. Eu não tenho certeza se isso faz a Chris. Ele está atento, mas eu não tenho certeza se o excita. Quando nós retornamos para o carro, eu começo a perguntar-lhe se ele quer que eu dirija. Eu tenho que admitir que a sua condução me assustou um pouco, uma vez que atingimos o centro. É ridiculamente evidente que ele não está acostumado a dirigir em uma área tão congestionada, mas ele nem sequer hesita em entrar de volta no assento do motorista. "Eu tenho outra consulta com a Drª. Clemons na próxima semana". Diz ele, antes de ligar o carro. "Isso é bom. Você se sente confortável com ela?" Eu pergunto contente que ele está finalmente se abrindo sobre a sua consulta. "Para um estranho, eu acho." Ele ri olhando para seu colo. "Ela quer fazer alguns testes no nosso próximo compromisso". Continua ele. "Que tipo de testes?" "Para confirmar que eu realmente tenho DID. Vai entender né?" Ele sorri, e eu não posso ajudar, mas rio com isso. "O outro é para testar meu nível de dissociação. Eu acho". ele continua. É por isso que ele deveria ter perguntado se eu entraria e falaria com ela. Depois de me ouvir, não haveria qualquer teste necessário. Posso testemunhar o fato de que seu nível é bastante elevado. Ele suspira. "Ela me deu algum trabalho de casa". Diz ele sarcasticamente, tirando um pedaço de papel do bolso. Ele olha para ele e entrega para mim. Eu desdobro-o e tenho que morder meu rosto para manter o sorriso de se espalhar por todo o meu rosto. Então é por isso que ele está de mau humor. "Isso não é tão ruim". Eu digo, e ele franze a testa. Bem, é claro que é ruim. Ele não quer gostar de Cal.


"Ela quer que eu me conecte com ele." Mais uma vez com o sarcasmo. Eu acho que é melhor do que fazendo beicinho. "Isso é uma coisa tão ruim?" Ele olha para mim, completamente perplexo. É engraçado que Chris nunca disse como ele se sentia em relação a Cal. Quer dizer, eu sei que ele não está feliz com ele, mas eu nunca tive a impressão de que ele tem o mesmo desdém para ele como seu pai. De alguma forma eu pensei que ele iria chegar a termos com o fato de que Cal é dele, mas da maneira como ele está agindo, agora talvez ele não pense de Cal como a si mesmo. "Não. É incrível". Diz ele ainda mais sarcástico do que antes. Eu me sinto crescendo defensiva, e eu estou realmente tentando não ser. Nós dois nos sentamos em silêncio o embaraço enche o carro. "Bem, você vai fazer isso?" Eu pergunto tentando muito duro para conter o meu agravamento. "Eu meio que tenho". Ele soa amargo. Neste momento eu percebo o quanto eu me filtro quando se trata de Chris. Eu tenho feito isso desde que eu o conheço. Após nossa apresentação desastrosa eu venho tentando manter minhas explosões emocionais trancadas. Mas, na realidade, a minha língua torna-se bastante acentuada quando estou chateada. Graças a Cal eu costumo dizer coisas sem pensar sobre elas. Eu tentei ser pré-Cal Lauren. Eu queria que ele visse que eu não sou psicótica. Talvez na parte de trás da minha cabeça Eu meio que lhe mostrei o que eu imaginei que ele queria que eu fosse. Eu não tenho sido desonesta sobre quem eu sou, mas ele certamente não me viu em minha glória, o que é comprovado desde que sua noiva está inteira... eu não vou mesmo ir lá, mas o que ele acabou de dizer algo estala em mim e a corda apertada que está me segurando de deixar a antiga Lauren, Lauren de Cal emerge sobre sua cabeça. Eu não sei se é a cidade, o fato de que eu estou com fome e cansada de ficar sentada em uma sala de espera durante três horas ou o fato de que o que ele disse é tão fora do caráter do homem que eu conhecia, mas as luvas infantis estão saindo. "Você não precisa fazer nada, Chris." Ele é pego de surpresa pela franqueza da minha declaração. "Você sempre tem uma escolha na vida. Você não tem que fazer o dever de casa se você não quiser. Você poderia


amassar o papel e jogá-lo para fora da janela agora. Você poderia voltar e dizer a ela que você não está indo para fazê-lo; você pode andar longe desta médica e nunca olhar para trás". Eu digo olhando-o diretamente nos olhos. Eu espero que ele de algum tipo de resposta, mas não, ele simplesmente encolhe os ombros e ri. Agora estou chateada. "Você quer algo para comer antes ir para a estrada ou esperar até chegarmos em casa?" Ele pergunta como um bocejo tranquilo escapa de sua boca. No momento seguinte, ele descansa a cabeça contra seus braços enquanto eles drapejam sobre o volante. Seus sonolentos olhos verdes olham para baixo e um pequeno sorriso se espalha por seu rosto; e, assim mesmo, minha raiva desaparece. Ele não quer debater, lutar ou me irritar ele só quer a paz, e eu sinto uma calma quente se espalhar pelo meu corpo. "Eu posso esperar". Eu digo. É engraçado, o quão ridículo que eu posso ser. Eu estava com raiva de nada realmente. "Mas você parece cansado. Tem certeza de que está pronto para a viagem de volta sem descanso? " Pergunto-lhe. "Eu estou bem". Diz ele bocejando de novo e eu rio alto desta vez. "Eu tenho uma idéia, e você não está sob nenhuma obrigação de dizer sim, se você não quiser". Eu começo com um aviso. Ele me olha com apreensão, mas posso dizer que eu já despertei seu interesse. "Nossa... Minha casa fica a menos de quinze minutos." eu continuo. Seu rosto permanece impassível, e eu levo isso como um bom presságio. "Nós poderíamos pedir comida e obter um par de horas de sono antes de bater a estrada novamente." eu acabo com ele dando meu sorriso mais inocente. "Você pode até ser capaz de bater o seu dever de casa em um dia". Eu digo-lhe dar um empurrãozinho. "Por que não?" Ele diz simplesmente. Isso foi mais fácil do que eu pensei. Às vezes ele me surpreende.


Eu só estive em Chicago uma vez, na escola para uma viagem da classe de ciências antes de tudo isso acontecer, que eu me lembre. Então, foi um pouco estranho eu ser capaz de dirigir até a casa de Lauren sem sentido. Eu queria pensar que foi apenas um acaso, mas honestamente, foi mais como se eu estivesse no piloto automático. A visita com a médica realmente me drenou, e eu apenas dirigi sem pensar. Lauren me diz para parar em frente ao prédio 304. Eu faço o que ela pede, e quando eu olho para ele estou surpreso. Há pelo menos trinta andares, e que mais parece um hotel caro do que um prédio de apartamentos. "É esse?" Eu tenho certeza que ela tem notado a minha apreensão, ela me dá um aceno e um sorriso bonito. "Onde posso estacionar?" Pergunto. Mas antes que ela possa responder há um cara em um terno perto da minha porta. "Ele vai estacioná-lo". Diz ela e gesticula para abaixar a janela. "Oi James, você pode levá-lo, por favor." Lauren responde. "É claro Sra. Scott." "Boa noite, senhor". Diz ele ao abrir a minha porta. "Como você está?" Eu realmente não estou certo de como agir. "Maravilhoso e você?" Diz ele, "Ótimo". Eu respondo olhando para Lauren em descrença. "Você pode sair, ele está em boas mãos". O tom de Lauren é brincalhão e eu observo o homem está retornando seu sorriso. Eu me sinto deixado de fora da brincadeira. "Você precisa de alguma ajuda lá em cima". Ele pergunta.


"Eu tenho tudo sobre controle". digo a James quando eu saio do carro. "Tenha uma ótima noite James". Ela diz enquanto caminhamos para a entrada do edifício. "E quanto às chaves?" Pergunto. "Eles vão enviá-las para cima". ela está se divertindo com a minha incerteza. Eu sigo-a para dentro do prédio e nós vamos para o elevador. Isso não pode ser um prédio de apartamentos. Eu sinto que eu deveria estar pagando algo por entrar. "Isto é bonito". Eu sussurro sentindo como se eu estivesse em um museu. "Você tem bom gosto". E ela pisca para mim quando o elevador se fecha. "Eu escolhi este lugar?" Eu não posso acreditar que eu iria escolher um lugar como este. Quando ela aperta o botão para o trigésimo andar eu puxo uma respiração profunda. Eu acho que eu poderia estar doente. "Você esteve aqui há alguns meses antes de nos conhecermos". Ela sorri para mim. É um pouco estranho como ela não está dizendo Cal, mas eu. Enquanto o elevador faz o seu caminho eu coloco uma das minhas mãos na parede e puxo mais algumas respirações profundas. "Você está bem?" Pergunta ela, nervosa, e eu aceno com a cabeça. "Sim, eu apenas não gosto de altura". Eu digo engolir a sensação de mal estar no estômago. Seus olhos se arregalam em surpresa. "Eu esqueci que você tem medo de altura?" Diz ela cobrindo uma risada. "Eu não diria necessariamente medo, mais como eu odeio elas". Eu digo, com uma risada. Mas, se formos mais alto acho que eu vou vomitar. "Bem, eu posso precisar de cortinas ou alguma coisa, então". Diz ela saindo do elevador, uma vez que ele para. "Por quê?" "Você vai ver". Diz ela com uma leve risada. Quando ela abre a porta para o apartamento meu queixo bate no chão enquanto ela liga as luzes.


"É isso". Diz ela enquanto ela fecha a porta atrás dela. Ela está me assistindo à espera de uma resposta. Se eu não me sentia como se tivesse entrado na vida de outra pessoa antes, eu definitivamente sentia agora. Tudo neste lugar grita caro. Por um lado é enorme e eu mesmo sei que espaço é igual a dinheiro na cidade. Há uma televisão de setenta polegadas, e mobiliário de couro que parece importado, uma cozinha onde tudo é de aço inoxidável e moderno. Parece um show room ou apartamento de solteiro, exceto para os jogos e brinquedos espalhados... "Eu estou chateada! Deixe-me em paz Cal!" Lauren diz arrebatando longe de mim, mas eu agarro-a e empurro-a contra a janela nossos corpos pressionados uns contra os outros. "Eu não acho que isso é o que você quer". Eu digo como as minhas mãos ir por baixo de seu vestido e os meus dedos deslizando dentro dela. Ela geme como eu. "Agora eu sei que não é o que você quer". Eu sussurro para ela. Ela chega por baixo para mover a minha mão, mas eu simplesmente a afasto com a outra mão e vou mais fundo dentro dela. Depois de um minuto ela cede espalhando suas coxas. "Eu não vi você em duas semanas. Você dá-me nojo! Eu não estou fodendo você esta noite". Ela diz com amargura entre gemidos suaves. "Não é um problema. Vou foder você". "O que você acha?" Sua voz me puxa para fora do que eu não sei como chamá-lo, um transe, fantasia ou merda! Eu olho para ela tentando manter minha expressão calma e não afetada pelo o que eu acabei de ver. Eu olho para a janela no lugar exato onde eu/ele a abraçou. Tem sido um tempo desde que eu vi as coisas desta maneira. Recentemente, a maneira que eu vejo as coisas, estas memórias são como de segunda mão como se eu estivesse vendo, desta vez, foi como se eu estivesse lá... Fazendo essas coisas. "Posso pegar um copo de água ou algo assim?" Pergunto a minha voz está trêmula. Ela me olha com curiosidade por um minuto, mas então ela assente.


"Claro". Ela diz fazendo seu caminho para a cozinha. Tento esquecer o que eu acabei de ver, o quão quente a pele dela era, quão boa ela cheirava e se sentia. "Gatinhos, vovó, Bob esponja, ratos, matemática." murmuro tentando pensar em cada distração que puder. Quando olho para cima e a vejo indo em direção ao lugar que eu estava de pé em junto à janela, o lugar que a vi presa contra mim, e faço um caminho mais curto para o sofá. Ela parece um pouco pega de surpresa parando no meio do caminho. "Você está bem?" Pergunta um pouco nervosa. "Eu estou bem". Eu digo dobrando minhas mãos juntas. Ela sorri com força e me entrega o copo de água. Eu termino em tempo recorde. "Isso deve ser estranho hein?" Pergunta com voz leve, mas um pouco instável. Ela não tem idéia, mas, novamente talvez ela tenha. "Um pouco." Eu respondo segurando o vidro mais apertado na minha mão. "Eu acho que preciso lhe mostrar tudo". Ela sorri e arruma uma mecha de cabelo em seu rosto. "Legal". eu digo. "Bem, isso é bastante autoexplicativo". Ela aponta para a sala de estar e área de cozinha. "Há um banheiro bem ali". Ela aponta para o que eu pensei que fosse um armário no canto mais distante. Ela lidera as escadas e eu sigoa. Sua bunda esta diretamente ao nível dos olhos agora, e eu tento não olhar para ela. Conforme a sigo, cada movimento que eu vejo, me mantém lutando contra o impulso de agarrá-la. O que diabos está errado comigo? Graças a Deus terminamos de subir as escadas, então eu não estou mais diretamente atrás dela. Nós caminhamos pelo corredor para a direita e ela abre a porta. "Quarto de Caylen". Diz ela. Ela fica de lado para eu entrar. Eu faço, mas apenas metade do caminho. É rosa. Há uma cadeira de balanço e


uma estante cheia com livros de crianças e estrelas brilhantes na parede e teto. "Bonito." Eu rio e ela sorri também. A próxima parada é um lavabo e, em seguida, ela para na frente de duas portas. Ela hesita, e solta um suspiro, em seguida, abre as portas. "Este é o meu quarto". Ela diz baixinho. Ela fica de lado para que eu entre. É realmente grande, maior do que o meu. Há janelas do chão ao teto que reveste todo o lado esquerdo e uma porta para uma varanda. No centro do quarto tem uma cama gigantesca. Eu reconheço o ventilador de teto negro do que... sonho ou talvez não tanto um sonho. No lado direito do quarto eu vejo portas duplas eu imagino ser o closet e uma única porta que eu assumo ser o banheiro. "Este lugar é muito agradável." Eu admito enchendo minhas mãos no meu bolso. "Sim, obrigado". Ela dá um sorriso depois balança a cabeça. "Você escolheu tudo neste apartamento, bem... inclusive eu". Ela ri, em seguida, sua expressão quebra. "Péssima piada, realmente uma piada de mau gosto". Diz ela cobrindo o rosto. "Não, não foi assim tão má, trabalhe talvez em sua liberação um pouco". Eu brinco tocando suas mãos e movendo-as de cobrir seu rosto. Nunca esconda essa cara bonita de mim novamente. O momento é breve, mas eu só a vi, sentando-se numa mesa em um restaurante as mãos sobre o rosto apenas como elas estavam agora, mas era ele a removê-los. "Você vai me deixar ir?" Ela sussurra, e eu me pergunto quanto tempo eu estava segurando as suas mãos. "Sinto muito". Eu digo me sentindo como um idiota afastando-me dela. "O que aconteceu Chris?" Pergunta ela, apreensiva. "Nada, eu apenas..." eu tropeço sobre minhas palavras, mas ela obviamente não está comprando. Ela só suspira um pouco.


"Eu vou pedir comida? Chinesa está bom?" Ela pergunta se deslocando a partir do espaço que acabamos de compartilhar na porta. "Sim, isso é ótimo". Antes que eu possa mesmo terminar a minha declaração ela está descendo as escadas. Ugh, isso não era estranho em tudo. Esta viagem era para me ajudar a encontrar algo que eu gosto sobre ele até agora ela está me fazendo fazer o oposto, eu sei que é ele fazendo isso, arruinando tudo, jogando pedaços de memórias para mim no momento mais estranho possível. Não há necessidade de interferir. Você está fodendo isso tudo por si só. Aí está novamente! Eu fecho a porta atrás de mim e caminho ao longo do desnecessariamente grande espelho e olho para ele. "Você é um idiota!" Eu digo para ele. "E eu mal posso esperar para me livrar de você!" Essa linguagem, Chris. Desculpe te dizer, mas o espelho não vai falar de volta. Não temos alucinações. "Vá embora. Agora mesmo!" Minha raiva consegue o melhor de mim. Mas nós não tivemos nenhum divertimento ainda. "Isso é divertido para você? Fazendo-me falar comigo mesmo, me deixando louco, destruindo a vida Lauren é divertido para você?" "Chris com quem você está falando?" Lauren diz com sua voz ligeiramente levantada. Quanto ela ouviu? Eu realmente estou ficando louco. "Os meus pais". Eu digo puxando meu telefone do meu bolso. "Eu estava deixando que eles saibam que estávamos fazendo uma pausa antes de voltar". Eu digo rapidamente. Ela me olha com ceticismo, mas poucos segundos depois, sua expressão preocupada desaparece. Ela me diz que a comida vai estar aqui em meia hora, mas antes que ela vá embora, ela pergunta se eu gostaria que ela fechasse a porta. Ela acha que eu sou louco. Digo a ela


que vou descer em um minuto, depois sigo para o banheiro. Ela sรณ olha para mim e vai embora. Ela sabe que eu estou louco. Grande ideia vir aqui.


Alguma coisa está acontecendo com ele. Eu não sei o que é, mas ele parece nervoso e um pouco tímido. Eu estava indo para o quarto para perguntar que tipo de comida chinesa ele queria e ouvi-o falar, ou melhor, discutindo. Eu não ouvi exatamente o que estava acontecendo, mas tudo que sei foi que ele estava lívido. Eu nunca o vi com essa raiva antes. Ele disse que estava conversando com seus pais, mas eu simplesmente não vejo como isso poderia ser o caso, a menos que ele apenas tenha desligado na cara deles, logo que cheguei no quarto. Eu me pergunto se era uma boa idéia vir aqui, trazendo-o para a casa e deixá-lo ver a nossa vida. Ele tinha acabado de ver a sua médica talvez isso tenha sido muito, muito cedo, mas ele parecia tão cansado no carro. Agora ele não parece cansado, ele parece aborrecido, talvez até um pouco paranoico. Seu apetite está normal, uma vez que ele já comeu dois pratos de comida chinesa, mas ele tem estado tão quieto que eu realmente não sei o que fazer com ele. Sem piadas, sem histórias curtas Ele parece que está em uma profunda reflexão e está fazendo com que a tensão no ar fique pesada. "Como você gosta da comida?" Eu pergunto a ele, embora ele tenha devorado. Eu quero que ele diga alguma coisa, para quebrar o que quer que ele esteja no devaneio. É quase como se ele estivesse revertido para o homem que apareceu no meu quarto de hotel depois que explodi em sua varanda frontal. Eu definitivamente não quero que a gente volte para lá. "É mesmo bom. Estou satisfeito agora". Diz ele, lavando a sua comida com o copo de refrigerante de laranja. "Estou feliz que você gostou". Eu digo começando a limpar a mesa. "Eu não preciso de um cochilo se você quiser apenas pegar a estrada em alguns minutos". Diz ele em pé e fazendo um alongamento. Eu olho para ele surpresa quando eu jogo fora os recipientes usados. Normalmente, após a maioria das pessoas comem tanto quanto ele fez,


especialmente comida chinesa, eles podem dormir por um tempo. Agora ele está pronto para pegar a estrada? Uma vez que eu me viro em retorno a ele e tenho que admitir que ele parece em alerta, a ansiedade e olhar preocupado que estavam em seu rosto desapareceram. Talvez seja apenas estar aqui é o que o torna desconfortável. Eu tento fingir que não me incomoda. Cal e eu tínhamos um monte de lutas e tempos difíceis em casa, mas tempos bons também. A idéia de que estar aqui faz Chris tão angustiado, não é nada bom e eu me pergunto se ele não vai encontrar nada de bom sobre Cal. "O que você fez com as coisas dele?" Ele pergunta caminhando ao meu lado para jogar fora seu próprio prato. Eu gostaria que ele não ficasse tão perto de mim. Na verdade, eu gostaria que ele fosse ficar muito mais perto, mas eu estou tentando ignorar o fato de que sempre que ele está perto de mim o meu corpo torna-se vivo. Cada nervo do meu corpo acorda e implora para ser tocado. Estou aprendendo a ajustá-los, a cada dia fica um pouco mais fácil. Mas hoje é um pouco mais difícil. Especialmente quando ele está de pé tão perto olhando para mim na sala onde ele fez tantas coisas que o meu corpo se lembra e sente falta. Pare com isso Lauren! "O que você disse?" Pergunto. Eu estou tão presa em meus próprios pensamentos não me lembro do que ele me perguntou. "Suas coisas, quando eu olhei em torno das escadas. Eu não fui ao seu armário ou qualquer coisa, mas parece que é só você e Caylen que vivem aqui. Você ainda tem as coisas dele?" Pergunta ele enfiando as mãos no bolso. Oh, isso é o que ele estava dizendo. "Estão no depósito". Eu digo dando um pequeno passo para longe dele, polegadas são boas entre Chris e eu. O mais perto que eu estou, parece que a energia dele me faz querer fazer coisas malucas como pegar seu rosto em minhas mãos, beijar seus lábios e sentir todo o corpo que eu perdi a muito tempo. "Posso vê-las?" Pergunta ele, interrompendo uma linha de pensamento que eu não deveria ter, um que deixa me corada e ofegante. "Isso poderia ajudar com a lição de casa". Ele responde obviamente notando a surpresa em meu rosto.


"Claro. Eu não sei por que eu não te perguntei antes." Eu admito, com uma risada nervosa. Ele me dá um sorriso que me faz derreter. Chris tem uma maneira de me fazer sentir que tudo vai ficar bem com o gesto mais simples. Eu pego minhas chaves, um cortador de caixa, e mais fita de fora da gaveta da cozinha, antes de passar pela porta. Ele me segue fora do nosso apartamento. Quando estamos no elevador e a porta está fechada eu o vejo engolir e fechar os olhos. Eu apertei 15º, em seguida, o nível do porão. Se ele for direto para baixo Eu não estou totalmente certa de que ele não vai vomitar. "Você está bem?" Eu roubo um olhar enquanto eu tento encobrir o meu sorriso. "Sim". Diz ele com firmeza, as mãos cruzadas. Felizmente para Chris o passeio é mais rápido e a porta abre-se para um corredor que leva para a nossa área de armazenamento. "Este é um belo porão" Chris comenta me seguindo, ele não perde nada. Eu disse a mesma coisa quando eu vi. Parece mais um espaço de escritório do tipo grande do que uma área de armazenamento, mas eu acho que este não é um prédio de apartamentos comuns afinal. Quando chegamos à porta do nosso espaço deixei escapar um pequeno suspiro. A última vez que estive aqui eu estava colocando de lado as coisas de Cal. Eu nunca imaginei que quando eu voltasse para levá-los seria nestas condições. "Seria mais fácil se você ficasse, mas se você não quiser eu entendo". Seus olhos simpáticos e sua voz quente. Eu emplastro meu sorriso ensaiado, eu não tenho usado já a algum tempo espero que ainda seja eficaz. "Não, tudo bem, e há um monte de coisas". Eu digo com um riso abrindo a porta. Existem, pelo menos, vinte caixas aqui. "Uau". Ele diz quando pisamos dentro. Cruzo os braços sobre mim mesma. "Lá estão as roupas que ele usava para o trabalho e sapatos, roupa interior." Eu me viro para a outra parede. "Essas são as suas coisas mais casuais, você provavelmente se sentiria mais confortável nelas". Eu digo. Comecei referindo-me a ele e Cal como a mesma pessoa quando chegamos aqui, é o que eu tenho vontade de fazer por tanto tempo, mas


desde que ele começou a agir estranho eu pensei que poderia ser melhor se eu parasse. "Tem um monte de coisas". Diz ele apoiando as mãos na cabeça e soltando um suspiro oprimido. "Ele gostava de ter um monte de coisas". Eu ri, balançando a cabeça. "Podemos começar por aqui?" Ele pergunta apontando para caixas de coisas que eu não acho que são o seu gosto em tudo. "Claro". Eu digo com um encolher de ombros. Ele começa a puxar para baixo, caixas das linhas superiores. Ele abre a primeira caixa e revela uma variedade de camisas de botão de Cal, mais de duas centenas de dólares uma camisa. Eu vejo em seu rosto uma carranca quando passa por uma infindável variedade delas. Ele abre outra caixa que revelam seus blazers, e coletes. Caixa três está cheia de infinitas gravatas. "O que você acha?" Eu pergunto silenciosamente observando-o enquanto ele pega através de cada um. Ele olha para mim como se ele esquecesse que eu estava aqui. Ele balança a cabeça. Quando ele retorna para uma posição ereta ele suspira. "Nada disso é realmente eu." ele encolhe os ombros. Ele vai para uma caixa menor dobrada dentro de uma maior, puxando para fora. Eu já sei o que ela contém os relógios de Cal. Quando Chris abre a caixa seus olhos se arregalam. Ele pega um e olha para ele, então para mim. "Rolex, Cartier, devem ter uns vinte desses". Diz ele, incrédulo. "Ele gostava de relógios." Eu dou de ombros com uma risada. Chris não está achando isso engraçado. "Há dinheiro suficiente na caixa para comprar um carro para alguém". Diz ele com desdém. "Acho que ele só come caviar e escargot". Ele brinca e eu me sinto um pouco ofendida. "Uhm, não." eu digo dobrando meus braços. "É apenas um pouco pretensioso". Ele ri coçando a cabeça e sinto minhas defesas subirem.


"Ele gosta de coisas agradáveis, mas ele está longe de ser um esnobe se é isso que você está se referindo". "É difícil dizer, olhando nessas caixas. Eu pensei que eu iria me reconhecer em algum lugar em tudo isso. Até agora eu não estou vendo nada. Este edifício, com as roupas, todas essas coisas simplesmente não sou eu". Diz ele me olhando quando ele puxa outra caixa da pilha. Suas palavras atingiram um nervo e eu sinto-me mordendo meu lábio. Eu começo a pensar que, se o seu gosto é tão diferente de Cal que eu provavelmente não sou o que 'ele' quer. "A escola faz uma campanha de roupa a cada ano. Vendendo este material poderia trazer um monte de dinheiro para a arrecadação de fundos ". Diz ele, e ouço a minha respiração parar. "Você quer vender, tudo isso?" Pergunto abruptamente. Seu olhar cruza com o meu. "Quero dizer, se estiver tudo bem com você. Eu só acho que a maior parte disso é desnecessária, ele definitivamente não faz meu estilo." Eu engulo o caroço na minha garganta. Ele quer vender. Tudo. Meu rosto está ficando quente e meu batimento cardíaco acelera. Fodasse a lição de casa e a visita ao médico. Eu pensei que isso seria um progresso. Ver o seu médico e vir aqui, de alguma forma se conectar com Cal, que essas coisas iriam ajudá-lo a não odiar essa parte de si mesmo. Mas, depois de tudo o que aconteceu eu estou começando a pensar que ele não veio aqui para se conectar com Cal. Ele veio aqui para varrê-lo para debaixo do tapete, amarrar as pontas soltas. A próxima vez que ele vier, ele provavelmente irá vender o apartamento e finalizar as contas. "Eu vou voltar lá para cima". Eu digo tão regularmente quanto eu posso.


"Lauren, você não está com raiva está?" Ele pergunta colocando para baixo a caixa e travando os olhos com os meus. É claro que eu estou com raiva, mas eu não posso dizer isso. Eu rompo com seu olhar e reafixo meu sorriso falso. "Eu não estou chateada. É tudo seu. Você pode fazer o que quiser com isso". Eu digo, tentando neutralizar a amargura na minha voz enquanto caminho para a saída. "Trigésimo andar, suíte B". Digo a ele antes de sair do depósito. Seguindo para o elevador, uma única lágrima cai. Eu não sei por que estou tão chateada. São suas coisas para vender. O que ele está fazendo não é errado. Não são nem mesmo as minhas coisas, e se ele quer usá-lo para a caridade, pelo amor de Deus, está tudo bem. Ainda assim sinto como um punhal no meu coração. Só mais um importante lembrete de que ele não é Cal ele é Chris e Chris odeia Cal. "Ei, espere, Lauren." ele chama atrás de mim. Eu paro, mas eu não posso encará-lo. "Eu sinto muito". diz ele. Eu posso ouvir sua sinceridade. "Eu realmente aprecio você vir aqui comigo. Não apenas aqui, mas para Chicago e ver o meu médico. Eu sei que nada disso é fácil para você". Ele diz e eu sinto-o em pé logo atrás de mim. Eu fecho meus olhos e desejo seus braços envolvendo-me, que ele me puxasse para perto dele e me dissesse que tudo vai ficar bem, mas eu sei que não vai acontecer. Quando entro no elevador me viro para encará-lo. "Eu sei Chris." eu digo tomando uma respiração profunda. Quando a porta se fecha, eu deixo outra lágrima cair.

Quando ele volta eu estou sentada no sofá, com a TV ligada em um canal aleatório. Eu não estou nem prestando atenção. É só por distração. Ele ficou lá em baixo por cerca de vinte minutos a mais depois que eu saí, provavelmente organizando o que precisa ir primeiro.


Ele se desculpou, o que é ótimo, mas isso não ajuda. Na verdade só torna pior. Não há quase nada pior no mundo do que alguém sentindo pena de mim. Eu não quero sua piedade. Sua piedade significa que ele acredita que eu estou precisando dele, que a minha situação é uma causa perdida completa. Huh, talvez seja, e se alguém mais sabe esse seria Chris. "Eu falei com sua mãe e deixei-a saber, que vamos retornar mais tarde do que pensávamos". Digo a ele quando ele entra na sala. "Caylen está bem?" Ele pergunta e eu aceno. "Sua mãe disse que ela apenas dormiu." Eu sinto a mudança no sofá com seu peso enquanto ele se senta ao meu lado. Eu não olho para ele. Eu não posso, às vezes é apenas melhor que eu não faça. "Isso é bom". Ele responde, mas eu quero questionar-lhe se ele perguntou sobre ela quando ele supostamente foi falar com seus pais, mas eu não faço. Nós dois nos sentamos em silêncio e depois de um minuto, ele sai do sofá. Ele caminha até a nossa mesa de centro e pega uma das fotos e a examina. Eu volto minha atenção para ‘Irmãos a obra’, embora eu tenha visto o episódio uma centena de vezes. "Eu já vi esta imagem antes". Diz ele e senta-se de volta ao meu lado. Olho para a imagem de Caylen quando ela tinha apenas alguns meses de idade. "Onde você viu isso?" Eu pergunto com curiosidade. Ele não diz nada durante alguns segundos olhando atentamente. "Eu não sei". Ele murmura continuando a olhar a foto como se fosse um quebra-cabeças. Depois de alguns momentos eu viro-me para ele. "Cal voltou na noite do aniversário de Caylen". Eu digo-lhe em voz baixa. Eu acho que voltou a noite, quando eu ouvi a voz dele e como ele transformou o pequeno mundo que eu tinha vindo a construir de cabeça para baixo. "Talvez você a tenha visto, então." eu ofereço ao perceber quanto esforço ele está colocando em olhando para a foto. "Meu último blecaute". Diz ele balançando a cabeça.


"Ele não falou com você?" Ele pergunta, confusão evidente em seu rosto. Eu balanço minha cabeça. "Não, ele não falou comigo. Eu o ouvi falar com Caylen pela babá eletrônica. Ele deu-lhe uma pulseira. Talvez você tenha visto enquanto estava aqui". Eu ofereço novamente. Ele balança a cabeça. "Não se eu tivesse visto isso, então eu me lembraria de tudo. Minhas memórias são realmente vivas". Diz ele. Isso é uma surpresa para mim desde que ele disse que só vê pedaços de coisas. "Mas eu pens..." Estou prestes a perguntar quando ele estala os dedos e uma realização amanhece em seu rosto. "O escritório da minha médica". Diz ele animadamente. Eu olho para ele estranhamente. "A médica tem uma imagem de Caylen em seu escritório?" Pergunto a ele com ceticismo. "Não é a que eu fui hoje. A Drª. Lyce. Eu não a vejo a muito tempo, eu parei porque... bem, é uma longa história, mas foi lá que eu vi isso". Diz ele com entusiasmo. Eu acho que qualquer mistério que ele pode resolver lhe faz bem quando sua vida parece estar fora de controle. Mas isso não faz sentido. Os Scott disseram que não sabiam sobre Caylen a menos que eles estivessem mentindo. "Isso não pode estar certo, Chris. Seus pais disseram que não sabiam sobre Caylen. Eles sabiam sobre mim, mas não sobre Caylen". Eu digo balançando a cabeça. Se eles mentiram sobre isso, e eles sabiam sobre Caylen o tempo todo eu nunca poderia perdoá-los. Ele olha para mim percebendo a mesma coisa. Seu sorriso desaparece completamente de seu rosto e ele fica mais para trás no sofá. "Você tem certeza de que era esta imagem e não outra menina?" Pergunto-lhe sentindo um nó começando a se formar no meu estômago. Tenho fé em Deus que ele está errado. Eu realmente gostei da Sra. Scott, mas se ela sabia da existência de Caylen e se ela manteve Chris de conhecê-la e mentiu sobre isso, não haverá como voltar atrás. Eu realmente não posso imaginar a Sra. Scott ser capaz de manter-se de


Caylen. Mas que outra explicação poderia haver a respeito de porque um de seus médicos tem essa imagem. "Eu sei que isso é o que eu vi". Diz ele colocando a imagem para baixo e sua cabeça em suas mãos. "Como eles podem fazer isso? Como eles poderiam mentir sobre algo assim". Diz ele com raiva penetrando sua voz. "Se eles tivessem, aquela foto tinha que vir de algum lugar. Eu não dei a eles. As únicas pessoas que tem essa foto seriam Raven, Hillary, Angela, Helen, Michael e Raven." eu digo em voz alta para mim mesmo. "Quem é Michael?" Ele pergunta a cabeça estalando ao olhar para mim. "Apenas um amigo". Eu digo rapidamente. "Eu acho que Helen poderia ter dado a Dexter que deu a sua médica, sem seus pais saberem possivelmente". Eu digo tentando entender essa coisa fora. "Helen é o primeiro nome da Drª. Lyce." Chris diz, e eu faço uma careta. "O quê?" "Drª. Lyce. Seu primeiro nome é Helen, eu acho." Você está brincando comigo? Não. De jeito nenhum. Eu pulei para fora do sofá e peguei meu iPad da minha bolsa. "Lauren o que há de errado?" Chris continua me fazendo perguntas, mas minhas mãos estão tremendo, eu estou tão tensa. Eu rapidamente abri o meu álbum de fotos e percorri até uma foto de Helen e mostrei a ele. "Sim, é a Drª. Lyce". Diz ele, hesitante e eu bato o Ipad no sofá. "Inacreditável! Fodidamente inacreditável!" Eu estou a andar no chão e enxergando isto. Helen era sua médica, minha amiga Helen. Helen, que estava na minha frente quando eu descobri sobre ele e fingiu não ter idéia do que estava acontecendo. Eu cubro meu rosto com as mãos. Sinto-me mal, o sentimento de traição lavando sobre mim. Todo


esse tempo eu pensei que tinha um aliado, de que ela era tão ignorante como eu era. Helen nunca foi tão esquecida quanto eu. Como ela pôde fazer isso comigo e Caylen? Eu sinto lágrimas de raiva, forçando seu caminho para fora dos meus olhos. Chris fica em pé na minha frente confuso. "Ela era minha amiga!" Eu digo com raiva. Raiva de mim mesmo por ser tão estúpida. "Ela sabia o tempo todo. Ela era a porra da sua médica?" Eu sinto que estou ficando mais e mais furiosa quanto mais eu penso sobre isso. Volto a pensar em Cal dizendo como manipuladora ela era e como ela não era confiável. Ele é um pau e ela é uma boceta mentirosa. Eu relembro nossa primeira conversa; ela provavelmente estava me analisando, vendo se eu poderia lidar psicologicamente com todas as besteiras que eles me fizeram passar. Enquanto eu estava arrancando meus cabelos fora após Cal me deixar, de pagar milhares de dólares em detetives particulares, ela fingia ser ignorante. Sorrindo na minha cara e me confortando quando ela sabia o tempo todo o que estava acontecendo. Eu não posso ficar sentada mais aqui. Pego minha bolsa e as chaves e vou em direção à porta. "Onde você está indo?" Chris pergunta me seguindo às pressas. Por um segundo eu esqueci que ele estava aqui. "Eu vou até lá". Digo a ele. "Vamos lá". Eu me corrijo. Eu provavelmente tenho mais uma chance de entrar com Chris. Ele parece relutante, mas isso está acontecendo com ou sem ele. Tudo faz sentido agora. Ela está evitando minhas chamadas. Bem, ela não está indo para evitar isso.


Vir aqui foi uma má idéia. Eu não vi Lauren neste estado de loucura desde aquele dia em que ela apareceu na minha varanda. Eu quero dizer a ela que ela precisa dormir sobre o assunto. Que vir aqui enquanto ela está tão irritada não vai ajudar nesta questão para qualquer um. Eu sei que ela está chateada e ela tem todo o direito, mas você não pode apenas agir primeiro e pensar depois. Mas ela diz que só quer falar com Helen, e eu acho que falar vai ajudar. Falar vai ser bom, eu acho que a Drª. Lyce e Dexter podem lançar alguma luz sobre tudo isso. Eu tenho minhas próprias dúvidas sobre algumas das memórias que tive. Mas, o que me preocupa é o olhar vazio que Lauren mantém em seu rosto todo o caminho até aqui. Sua expressão me faz ter uma espécie de desejo da segurança não ter liberado nossa visita. Infelizmente isso não aconteceu e aqui estamos. Este edifício é ainda mais opulento do que o que Lauren vive e quando ela bateu o botão 86 no topo de todos os outros eu me sinto completamente doente. Eles estão na cobertura é claro. Onde mais eles poderiam estar? "Desculpe, Chris." ela murmura e alguns segundos depois nós subimos até aqui está bom. Descer vai ser o problema. Eu tento me concentrar na arte elaborada sobre as portas do elevador de ouro que provavelmente custam mais do que a casa inteira dos meus pais. "Você está bem, Chris?" Pergunta ela, tensa. Concordo com a cabeça conforme o elevador sobe cada vez mais alto. Não ajuda que é todo de vidro, e eu percebo o quão alto nós estamos subindo. "Eu acho que isso é uma boa idéia". Eu digo falando alto para me distrair. "Ótima idéia." ela responde com firmeza. "Há muito que ela possa nos dizer. Dexter pode nos dizer algumas coisas também". Eu digo assistindo sua expressão permanecer


impassíveis, ela está acenando com a cabeça, mas é bastante óbvio que ela não está me ouvindo. "Nós apenas temos que estar no nível dirigido". Eu digo. "Claro. Nível dirigido". Ela repete. Quando as portas se abra uma mulher mais velha vestida de preto nos cumprimenta com um pequeno sorriso. "Senhor. e Sra. Scott. É tão bom ver vocês. Os Crestfields estão esperando". É o Maximo que ela faz antes de Lauren passar como uma tempestade por ela . "Sinto muito." eu digo a mulher rapidamente seguindo Lauren andando tão rápido pelo corredor deve haver vento atrás dela. Ela não para até que alcancemos uma abertura revelando Dexter sentado em um sofá com um copo na mão e Helen sentada ao lado dele. Lauren para assim que ela os vê, ela parece congelada no lugar. Helen está. "Christopher". Diz ela me reconhecendo, seus olhos permanecem antes de cair em Lauren. Eu observo as mãos apertarem juntas. "Lauren. Tenho antecipado este dia a muito tempo." diz a Drª. Lyce sem problemas, mas sua voz revela sua tensão. Lauren não diz uma coisa, ela ainda tem o mesmo olhar sem expressão que ela usava no carro. "Sabemos que há um monte de perguntas que você tanto deseja respostas". Dexter diz calmamente mudando sua bebida de um lado para o outro. "Há". Eu digo dobrando os braços sobre o peito. Lauren está em pé como uma estátua, mas eu posso ver a sua respiração, está angustiada pela maneira como o peito arfante sobe e desce. "Se vocês, ambos, quiserem vir sentar-se na sala de jantar." diz a Drª. Lyce apontando para uma sala. "Lauren". Eu digo em voz baixa, ela ainda não se moveu ou disse uma palavra. Eu acho que isso está prestes a ser realmente ruim. "Eu entendo como você pode estar se sentindo agora". Diz a Drª. Lyce em um tom calmante.


"Você não entende!" Lauren diz com amargura. "Eu pensei que você fosse minha amiga". Acrescenta ela calmamente. "Eu sou sua amiga Lauren". Diz ela aproximando-se de Lauren e se desculpando. Meus olhos veem a mão de Lauren se contrair e eu não sou rápido o suficiente para detê-la quando ela oscila para trás e vai duro no rosto da Drª. Lyce com tanta força que ela tropeça para trás e Lauren se lança sobre ela. Tiro Lauren de cima dela enquanto Dexter vai rapidamente ajudar a sua esposa. "O que diabos há de errado com você, Lauren?!" Dexter grita. "Está tudo bem." eu ouvi a Drª. Lyce dizer quando levanta do chão. "O que há de errado comigo?! O que há de errado com vocês! Pensam que podem brincar de Deus, e manipular a vida das pessoas, mentir e enganá-los e, em seguida, ter a coragem de dizer, realmente acho que vocês são nossos amigos!" Ela grita histericamente enquanto ela se contorce e se esforça para sair dos meus braços. "Saia!" Dexter ruge com raiva apontando para a porta. "Com prazer!" Lauren cospe para trás quando a levo para fora do quarto. Conseguimos sair do edifício antes que Dexter mudasse de idéia e fizesse a segurança nos parar. Eu não me sinto completamente aliviado até que estejamos de volta no carro e dirigindo para fora do portão de entrada. "Eu não posso acreditar neles". Lauren murmura com raiva. Eu não digo nada. Eu gostaria que ela tivesse mantido a calma lá. Na verdade, eu acho que eles estavam prestes a nos dizer algo que poderia lançar algum tipo de luz sobre o toda esta situação. Ninguém sabe mais sobre mim como Cal do que Dexter e a Drª. Lyce, e Lauren tem efetivamente colocado essa ponte em chamas. "Você pode acreditar neles?" Pergunta ela, finalmente, olhando para mim. "Como eles poderiam sentar todo solene e mais santos do que tudo, como ela poderia dizer que ela era minha amiga depois de tudo que ela fez? É um insulto!" Ela encoleriza-se. "Você não tinha que bater-lhe." Eu digo.


"O quê?" Ela pergunta incrédula. "Você não tinha que bater nela. Eu estou com raiva também, ela era minha médica, e ela manteve a verdade de mim. Dexter não é inocente nisto, mas eu corri para nocauteá-lo?" "Eu não posso acreditar nisso". Ela bufa. "Eu não posso acreditar em você Lauren. É assim que você lida com as coisas, apenas voando completamente fora do punho?" Pergunto a ela honestamente. Eu olho no espelho e ela se vira para me olhar como se eu estivesse falando uma língua estrangeira. "Você está tomando seu lado?" "Eu não estou tomando seu lado, mas você não tem que fazer isso. Para começar você poderia ser presa por agressão". Eu digo. Eu não a entendo. Como ela pode não ver que ela estava errada? "Você está tomando o seu lado". Diz ela com raiva. "Não, eu não estou. Mas, veja onde você nos trouxe? Lugar nenhum, deixou-nos sem saber nada mais do que já sabíamos quando chegamos lá. E, agora você só emputeceu as duas pessoas que poderiam nos dar um pouco de orientação." "Eu não confio em nada que qualquer um deles disser, mesmo com firma reconhecida". Diz ela na defensiva. Eu balancei minha cabeça. Ela não entende. Eu nunca vi esse lado dela antes, bem, eu vi, mas não acho que foi um que se mostre muitas vezes. Há um silêncio constrangedor no carro. Ela está puta e eu meio que irritado. "Você sabe o quê, Chris, às vezes as pessoas não pensam, elas simplesmente agem. Eles sentem e não pensam nas consequências. Eu sinto muito que eu seja humana e não uma santa estoica perfeita. Você deve experimentá-lo algumas vezes". Ela diz com amargura. Agora ela está louca comigo! Isso é ótimo. "Você se lembra do que disse anteriormente sobre eu sempre ter uma escolha." Olho para ela. Ela não está olhando para mim. "Você está certa. Você sempre tem opções, mas quando você cresce você aprende que as suas escolhas têm consequências, e nem todas elas são boas. Eu faço escolhas que são responsáveis, que fazem sentido. Eu tento pensar


racionalmente, porque eu sou um adulto, eu tenho responsabilidades, e eu não sou um idiota egocêntrico." Eu estou tentando fazer um ponto, mas quem estou enganando. Ela provavelmente gosta desse tipo de qualidade, ela se casou com Cal, um babaca egoísta, se alguma vez eu conheci um. Ela olha para mim um longo tempo antes de se virar, eu vejo surpresa, raiva e decepção e tudo rolou em sua expressão. Esta viagem definitivamente não foi do jeito que eu imaginei que fosse.

O dia seguinte foi longo. Eu planejava tirar o dia de folga, mas após o fiasco de ontem, tive a oportunidade de ir dar aulas quando eu liguei. Qualquer coisa para evitar pensar, para ficar em casa e fazer mais algum dinheiro. A tensão em casa está alta. Meu pai não está entusiasmado com Lauren, possivelmente, se mudando para a cidade, e depois da noite passada eu não sei se ela ainda está considerando. Minha mãe está triste, faltando apenas três dias para Caylen ir embora. Eu não sei o que houve com Lauren, por que a sua raiva a faz mais do que irritada, ela está muito chateada. No café da manhã ela quase não disse uma palavra que não seja uma breve "bom dia" e não acho que eu teria dito se isso não fosse porque minha mãe estava sentada à mesa. É diferente quando ela parou de falar na semana passada, desta vez eu senti seus olhos atirarem punhais quando eu os encontrava. Eu sinto que eu tenho que pedir desculpas a ela por algo que eu disse. Eu disse o que eu sentia, que é exatamente o que ela me disse para fazer. Eu acho que tinha algo diferente em mente e que não era o que ela queria ouvir. Os comentários irritantes de Cal são silenciosos, esta é a primeira vez que eu gostaria que ele compartilhasse como voltar às boas graças dela. Estou quase em casa quando eu recebo um texto de Jenna e ela me diz que me ama. Eu não tenho falado com ela desde o fiasco de jantar. Quando cheguei em casa são quase seis horas e eu tive que substituir um dos treinadores hoje por todo o treino. Eu parei em Olive Garden e


comprei alguma coisa para o jantar esperando uma tarde tranquila em paz, como costumávamos fazer. Eu toquei o sino e ouvi que a porta está aberta. Quando eu a vejo no sofá meu coração começa a bater mais rápido. O cabelo dela está empilhado ao acaso em sua cabeça e ela tem lágrimas escorrendo pelo rosto. Eu coloquei a comida na mesa ao lado da porta e fui ate ela. "Jenna, o que aconteceu?" Eu pergunto, ajoelhando-me diante dela. Ela continua chorando e me entrega o seu tablet. Quando vejo o que está nele eu sinto um vazio no estômago. Eu olho para as fotos de mim mesmo, mas rapidamente eles não são. Eles são Cal e Lauren no dia de seu casamento. Há uma abundância delas. "Onde você encontrou isso?" Eu pergunto com cuidado. "Na Internet. Parece que o seu casamento foi um grande evento". Diz ela, enxugando os olhos. "Continua a aparecer mais." diz ela, retirando o tablet passando dezenas de fotos de Cal e Lauren. Eles parecem normais, felizes e, pior de tudo, parecem apaixonados. Tomo o tablet de suas mãos e solta sem lutar antes, cobrindo o rosto com um travesseiro. Eu tento pensar em alguma coisa que eu poderia dizer para confortá-la, mas eu nunca fui bom com as palavras. Eu esfreguei suas costas. Estou doente. Eu sou a razão por ela estar assim, chorando e ferida. "Eu não queria que fosse real". Ela diz gemendo. Ela não queria que eles tivessem algo real. Uma coisa é ter um filho. As pessoas têm filhos o tempo todo e não estão apaixonados. Mas isso... Isso torna real. "Diga-me o que você acha." Ele diz. "O que você diz?" "Eu vou te dizer, apenas se você parar de chorar." eu digo, colocando meu braço em torno dela. "Diga-me que você não a ama." Diz ela, me olhando diretamente nos olhos e acho que meu coração quase parou. "Essas fotos não são minhas, Jenna. Eu não me lembro de nada disso". Eu digo pegando suas mãos.


"Não foi isso o que eu lhe perguntei. Eu não estou falando de Cal. Diga-me que você não a ama. Você, Christopher. Diga-me que você não sente qualquer coisa por esta mulher." Olho em seus olhos azuis, cheios de lágrimas e eu lhe digo o que ela precisa ouvir. Eu quero dizer o que é preciso para fazer a dor que ela está sentindo passar. Eu quero dizer-lhe que os sentimentos que eu tenho não são meus, mas de Cal. Mas se eu fizesse isso seria uma mentira branca. Há muitas razões que eu tenho sentimentos pela mulher nas fotografias. E Cal não é uma delas.


Eu quero estar com raiva de Chris. Eu realmente quero, mas é difícil ficar com raiva de alguém quando você repete as palavras que ele disse a você em sua cabeça e fazem sentido absoluto. Isso e o fato de que quando você faz cara feia para ele e seus olhos sorriem de volta para você, como se ele nunca estivesse bravo com você em primeiro lugar. Eu sei que ele estava louco. A primeira vez que eu já tinha visto Chris louco e ele estava com raiva de mim pelo que eu fiz. Ele estava certo, é claro. Eu provavelmente não deveria ter sobre a Helen como eu fiz, mas essa é a Lauren que eu mantive perfeitamente amarrada, libertando-se em toda sua infâmia. Eu não fui essa pessoa em tanto tempo, que eu não tinha certeza de que ela ainda existia. Eu não acho que Chris gostou do que viu. Ele olhou para mim com tanta decepção. É a única maneira que eu poderia descrevê-lo, mas no dia seguinte ele se foi, como se nunca tivesse acontecido. Cal poderia guardar rancor, e eu podia. E, nossas brigas não acabavam facilmente, a maioria das vezes culminaram em sexo com raiva. Eu acho que está fora de questão para mim e Chris. Eu me sinto mal agora. Eu realmente baguncei a situação para Chris ser capaz de falar com Helen e Dexter. Eu não quero ouvir qualquer um deles. Eu não confio neles, e vai ser um longo tempo antes que eu possa perdoá-los. Mas Chris, eu sei, quer toda e qualquer informação que ele pode obter. Eu não posso imaginar vendo apenas peças de um quebra-cabeça que é a sua vida. Isso é o que me levou a engolir tudo e pedir desculpas a Helen. Ela rapidamente aceitou, eu acho que por ser uma psiquiatra ela entende por que fiz isso. Dexter, por outro lado parecia que ele queria ter me jogada para fora na calçada. Ela concordou em se encontrar comigo, em minha casa. Eu não acho que eu vou ser bem-vinda na casa deles por um bom tempo, mas


eu não planejo fazer quaisquer chamadas sociais tão cedo. Pedi desculpas, mas eu não estou arrependida, no mínimo, não para o que eu fiz para ela. Só lamento que interferia com o que Chris queria realizar. Estou voltando para Chicago, ela vai se encontrar comigo amanhã à tarde. Ela diz que acha que vai ser bom para nós para falarmos. Que ela tem muita coisa que eu preciso ouvir. Eu não quero ouvir nada dela, eu vou apenas sentar-me lá até que ela concorde em contar a Chris tudo o que ele precisa saber e levar Dexter a fazer o mesmo. A Sra. Scott está contente de ter algum tempo extra com Caylen, já que vamos voltar para Chicago em breve. Chris e eu não tivemos a chance de falar sobre eu conseguir uma casa aqui. Tudo estava indo rápido demais da minha parte, e voltar para casa me fez perceber o quanto eu amo a cidade e senti falta. Eu ajusto minha bolsa no meu ombro andando em direção ao meu carro. Eu olho para cima e vejo no estacionamento Chris em sua caminhonete. Deixei escapar uma respiração profunda em sua abordagem. "Hey." ele me cumprimenta com um pequeno sorriso. "Para que serve essa mala?" "Eu vou voltar para Chicago, há algumas coisas que eu preciso cuidar e eu não acho que seria uma má idéia levar algumas coisas de volta comigo. Eu voltarei amanhã à noite". eu respondo. "Mas são quase sete da noite?" Ele parece chateado. "No Audi eu chego lá antes da meia-noite cravar no relógio. Eu fiz caminhos como este sozinha mil vezes para a casa da minha tia". Asseguro-lhe. Há um vento constante soprando ao nosso redor, quando eu sinto o perfume caro, eu sei que ele estava com Jenna, e de repente eu sinto que essa conversa é um desperdício do meu tempo. "Veja você, Chris." eu digo entrando em meu carro deixando-o do lado de fora. Eu coloco minha chave na ignição e ele bate na janela. "Eu vou com você". Diz ele. É engraçado que ele não pede, ele meio que diz. "Por quê?" Eu pergunto com curiosidade.


"Porque você não deve dirigir para longe tão tarde, sozinha". Diz ele, como se fosse óbvio. "Eu sou uma menina grande Chris." eu ri e seus olhos encontram os meus e ele sorri para mim com eles. "Eu sei". Diz ele. "Deixe-me apenas avisar a minha mãe e dizer adeus a Caylen. Eu estarei de volta". E com isso ele se dirige para a casa. Eu sinto que estou ficando um pouco animada, então eu penso em como ele cheirava ao perfume de Jenna e meu entusiasmo evapora para decepção velada.

"De onde é que esta tempestade vem?" Pergunto. Está chovendo tão forte que eu mal posso ver onde estou indo. Nós só estivemos na estrada cerca de uma hora e meia e, em seguida, a chuva veio acompanhada de um forte trovão e relâmpagos. "Precisamos sair da estrada". Diz Chris. "Nós não vamos conseguir chegar a Chicago." Eu pego meu telefone e procuro no meu buscador o hotel mais próximo. Ele enumera vários deles. The Detroit Marriott soa como um vencedor. Eu altero a opção de rota para nos levar lá. "O Marriott é um pouco caro para dois quartos". Diz ele. "Claro que precisamos de dois quartos." murmuro sob a minha respiração. Eu o vejo olhar para mim e suspirar. Os 20 minutos que levaríamos de carro se transformam em cerca de quarenta minutos. Quando finalmente chegamos ao hotel o serviço de estacionamento está em total eficácia com grandes casacos de chuva e carregando enormes guarda-sóis. "Muito obrigado". Eu digo em voz alta sobre a chuva.


"Não há problema". Diz o manobrista conduzindo Chris e eu até a entrada do hotel onde nós pagamos e ele nos dá um bilhete. Estamos praticamente secos à medida que caminhamos para o grande hotel de luxo. Eu não fui a um desses desde Cal. Nós andamos e parece relativamente vazio, com exceção de alguns empresários espalhados sobre o lobby, é muito bonito, mas infelizmente para Chris é um arranha-céus. "Eu vou pegar os quartos". Diz Chris. Eu detenho-o e entrego meu cartão de crédito. "Eu não estarei gastando o seu dinheiro Lauren." ele ri e eu não posso ajudar, mas rio dele. "Meu dinheiro é uma espécie de seu dinheiro." eu rio. Ele franze a testa ainda não levando o cartão de mim. Eu acho que ele pensa nisso como dinheiro de Cal, e ele não querer nada de Cal, é claro, que me deixa pouca esperança em tudo isso. Esta vai ser uma viagem longa.

Chris fez questão de alugar dois quartos. Nós vamos para o meu primeiro. É um bom tamanho com cama queen size padrão com edredom de plumas e TV de tela plana. Esperamos não permanecer aqui por mais de um par de horas, é por isso que eu não entendo por que não poderíamos dividir um quarto. Embora, eu ache que seria desrespeitoso com Jenna, e nós não queremos isso. Ugh. Eu não posso tirar o cheiro de seu perfume da minha cabeça e eu me sinto aborrecida e agitação escoa através dos meus poros. Eu tento não pensar sobre eles juntos, mas com o cheiro dela sobre ele significava que ela tinha que estar perto o suficiente para... Ugh. Eu não vou pensar nisso. Eu não vou. "Isso é muito bom hein?" Diz ele alegremente. Eu posso sentir a minha expressão definido-se em uma carranca.


"O que há de errado?" Pergunta ele percebendo. "Nada". Eu digo cintilando o meu sorriso falso enquanto me sento na cama e ligo a televisão. Eu vou mudando até encontrar uma nova estação. Os noticiários falando de aviso de trovoadas graves na área. Um pouco tarde para isso. Eu vejo Chris retirar seu carregador de telefone e ligá-lo. "Eu não devia estar recebendo chamadas de telefone mais cedo. Todas estas mensagens só vieram de uma só vez". Diz ele em voz alta sentado na pequena mesa. Ele coloca o telefone no ouvido e franze a testa. "Meu volume está muito baixo. Você se importa se eu escutar essas no viva-voz?" Ele pergunta e pergunto-me se eles têm alguma coisa boa nesse minibar. Concordo com a cabeça dando-lhe o sim. "Oi Christopher, é a mamãe. Estou preocupado com você e Lauren lá fora. Há um aviso de tempestade. Por favor, me ligue e deixe-me saber que está a salvo, seu pai e eu estamos preocupados". Chris sorri e assim faço eu. Tão querido por sua mãe. Eu não posso acreditar que pensei por um segundo que ela esconderia o fato de que ele teve uma filha. "Chris sou eu. Eu realmente preciso falar com você. É importante por isso, uh, quando você tiver uma chance me informe um bom momento para nos encontrarmos. Logo, ok, e na minha casa". Olho para ele. Essa é a voz de Lisa e ela parece angustiada e um pouco embriagada, talvez. "Você acha que está tudo bem?" Pergunto e ele sorri e revira os olhos. "Ela está bem, parece estar bebendo". Ele ri e eu aceno, sabendo que ela bebeu. "Eu vou mandar uma mensagem para Aidan ver como ela está apenas por precaução". Diz ele casualmente. A próxima mensagem que toca faz com que o cabelo na parte de trás do meu pescoço se levante.


"Christopher, eu te amo tanto, e eu não quis dizer o que disse anteriormente. Eu não quero que este seja o nosso fim." eu imediatamente sento-me na cama. Chris rapidamente tira a sua mensagem do viva-voz. Olho para ele interrogativamente. Será que eles brigaram? Se assim o que dizer? Parece bastante grave. "Eu estou indo verificar o meu quarto". Diz ele levando a seu carregador e telefone com ele. "Ok". Eu digo simplesmente, mas eu realmente quero saber o que diabos aconteceu. Será que eles se separaram? Meu coração começa a bater freneticamente no meu peito, mas então o meu lado pessimista observa a rapidez com que ele se foi para outro quarto para chamá-la de volta. Se apenas terminaram, provavelmente estão prestes a voltar novamente. Eu pego o controle remoto e desligo a TV. Eu caio de volta na cama deixando minha cabeça muito dura com o colchão. "O que estou fazendo?" Murmuro em voz alta para mim mesmo quando cubro meu rosto com a mão. Eu sou patética. Vou até o espelho do quarto e olho para mim. Por que ele não me quer? "Porque ele a quer, é por isso." murmuro para mim mesma. E como o gênio que eu sou eu deixo-o pensar que eu estou bem com isso porque é o melhor para Caylen. Isso é o que eu digo a mim mesma, mas realmente é porque eu sou uma covarde. Uma covarde que tem muito medo de colocar suas cartas na mesa e dizer como ela realmente se sente, porque ela está com medo de ter seu coração partido em mil pedaços. Eu mordo minhas unhas, eu tenho que saber o que ele está dizendo a ela. Eu faço o meu caminho até a porta dupla e abro-a um pouco. "Eu te amo Jenna..." Eu escuto Chris e eu rapidamente fecho-a novamente. Claro que ele a ama. Quando eu vou simplesmente desistir? Preciso de uma bebida. Vou para o minibar e estou totalmente decepcionada com o seu conteúdo. A única coisa que parece levemente atraente é uma minicerveja Heineken e eu nunca fui realmente uma bebedora de cerveja. Eu olho para trás na porta e espero não me colocar em um estado de espírito em que eu vou chorar ou quebrar completamente. Alguns


momentos depois, eu ouvi uma batida na porta. É Chris querendo ter certeza que estou decente antes que ele entre. "Entre". Eu digo sem rodeios. Olho para ele. Ele parece aliviado, como se um peso tivesse sido tirado de seus ombros, realmente feliz. Eu aposto que ele está feliz porque ele e sua amada estão de volta em boas condições. "Há mais alguns desses?" Ele pergunta com entusiasmo e eu não posso deixar de olhar para ele com surpresa. Ele não bebe. "Você não bebe..." as palavras saem mais acentuada do que eu pretendo. Seus olhos aproximam-se de mim e uma carranca aparece em seu rosto. "Deixe-me adivinhar, Cal não bebe?" Diz ele com sarcasmo na voz. "Eu não sou Cal, Lauren". Ele está falando sério? Eu me levanto, e pego minha bolsa. "Eu estou mais do que ciente disso, no caso de você não saber". Eu digo com raiva. Estou farta dele e de seus comentários sarcásticos sobre Cal, como se ele fosse a pior pessoa do mundo. Notícia nova, sua namorada não ganhou nenhum prêmio no departamento de personalidade. "Onde você está indo?" Pergunta ele surpreendido. "Eu preciso de uma bebida de verdade". Eu digo antes de deixá-lo de pé no meu quarto.

"O que você tem em mente?", A bartender me pergunta e eu me estabeleço no banco de couro aveludado do bar. No começo eu estava a ponto de pedir um copo de vinho, mas isso é o que a velha Lauren teria ordenado. Eu preciso ser uma nova Lauren.


A Lauren que é ousada e consegue o que quer. "Reyka on the rocks". Eu digo com um sorriso. Não há muitas pessoas no bar e ela me entrega sem qualquer espera. Eu pego um canudo e tomo um gole, Deus isso é nojento. Mas beber vodka com gelo parece muito melhor do que fazer tiros como se eu ainda estivesse em meus vinte e poucos anos. Estou na metade do meu copo e eu já estou começando a me sentir melhor. A música que estava colocando-me para dormir, inicialmente, não soa tão ruim e eu começo a sentir-me leve, quente e formigando. Eu acabo virando o copo e alerto a bartender que eu quero outro. "Lauren Brooks." Eu ouço uma voz um tanto familiar. Eu olho para cima e vejo um homem louro, alto, em um terno azul caro. Eu não o reconheço, mas parece que ele é alguém importante, talvez o chefe de segurança do hotel. Oh Deus o que é que eu faço agora? "Me desculpe. Já nos conhecemos antes? "Eu pergunto, hesitante. Ele é muito bonito e quando ele sorri para mim eu sinto-me começar a corar. "Oh não quebre meu coração. Eu fui esquecível?" Pergunta ele flertando, sentando-se ao lado do meu. Quem é esse cara? "Bartender, rum e coca para mim e um Long Island para a senhora". Diz ele movendo seu corpo em minha direção. Examino seu rosto de perto e ele me bate. "Jason Daniels!" Eu digo a realização amanhece em mim. "Wow você está ótimo". Eu digo empurrando-o. Ele sempre foi atraente, mas ele definitivamente cresceu em sua aparência. "Obrigado. Você ainda é tão impressionante como o dia em que te conheci". Diz ele, antes de tomar um gole de sua bebida. "Você se lembrou da minha bebida". eu digo surpreendida antes de tomar um gole. "Claro que sim". Diz ele com uma risada. "Como vai você? O que está fazendo em Detroit?" Pergunto. Ele me diz como ele está em uma posição mais proeminente na cidade. Como ele é agora um repórter investigativo, muito longe de sua seção de


entretenimento, fluff. Ele fala sobre os casos em que ele trabalhou e os lugares que ele viajou. Lembro-me que Jason sempre gostou de falar sobre si mesmo, e eu não tenho certeza se é apenas a vodca ou o chá gelado Long Island, mas ele parece um inferno de muito mais interessante do que ele era. "E você. Você ainda está em Chicago?" Ele pergunta e eu aceno. "Isso não é uma coincidência, eu também". Diz ele inclinando-se para o meu espaço. "Eu adoraria sair com você em algum momento, quando estivermos de volta à cidade". Ele diz e eu rio. Yup eu apenas rio. "Uhm. Isso não seria uma boa idéia." Eu suspiro e ele me dá um severo olhar brincalhão. "Oh por que não. Você está casada agora?" Ele pergunta. Passo a mão pelo meu cabelo. Eu estou, mas não exatamente. "Noiva?" Diz ele, como se ele estivesse tentando me ajudar. "Separada". Eu digo. Separada soa perfeito e surpreendentemente preciso. "Então isso significa que estaria tudo bem para eu levá-la para jantar como um amigo". Diz ele, enquanto um sorriso se espalha por seu rosto. Tem sido um longo tempo desde que um homem esteve interessado em mim. Após estar sozinha por dois anos e, em seguida, o único homem que eu sou atraído me olha como se eu fosse sua cunhada na maioria das vezes, é bom para se sentir atraente. Então eu sorrio também. "Minha vida é muito complicada... as coisas estão realmente complicadas". Eu confesso. "Com o seu ex-marido?" Ele brinca e eu não posso deixar de rir. "Lauren, você é uma das mulheres mais bonitas que eu já vi. Você é doce e engraçada e inteligente. Um homem teria de estar fora de sua mente a precisar de espaço de você ou para ele fazer você se sentir como se você precisasse dele." É engraçado que ele usou essas palavras, e fico surpresa quando sinto o voo das borboletas no meu estômago. Jason é atraente, mas eu


nunca tive essa reação com alguém que não seja Cal... Bem, Chris. Talvez seja o licor. "É hora de ir Lauren." Alguém dá um aperto de mão firme em meu braço e me levanta do meu assento. Eu olho para trás e vejo Chris me ajudar a levantar, e para minha surpresa ele parece... Talvez até mesmo chateado com ciúmes. Eu vejo Jason soltar um suspiro enquanto olha de mim para Chris. "Cal Scott." Jason diz, sem rodeios. Minha sobrancelha levanta, Deus se ele disser que não é Cal... Eu volto a me equilibrar e ficar ao lado de Chris, cujo olhar inexpressivo parece um pouco familiar quando ele franze o cenho para Jason. "Eu adoraria se você fizesse um comentário sobre a recente aquisição Crestfield Corp acaba de adquirir de Maratech". Diz Jason. "Entre na fila". Diz ele friamente me levando para fora da sala. Eu olho para trás, Jason me dá um sorriso coquete. "Você não acha que foi um pouco rude?" Eu pergunto cobrindo o soluço da minha boca enquanto nós fazemos o nosso caminho para o elevador. "Você não deve beber sozinha em um hotel estranho. E se esse cara tivesse deslizado uma coisa?" Diz ele em tom de acusação. "A bartender fez a bebida bem na minha frente, ele não se encaminhou e apenas entregou-a para mim. E, eu o conheço". eu digo na defensiva. O percurso até o elevador é curto e não tão doce. Felizmente para Chris nossos quartos são apenas no quinto andar. Ele espera por mim para sair em primeiro lugar e eu faço rapidamente no início até que eu me sinto um pouco fora de equilíbrio e tenho que abrandar. Eu pego minha chave do quarto e olho para trás, Chris está balançando a cabeça em desaprovação. "Do outro lado". Diz ele apontando para a porta da esquerda de onde estou agora. Eu sabia. Ouço Chris suspirar atrás de mim, ele fecha a porta uma vez que estamos dentro e senta-se em uma cadeira de descanso em frente à TV. Eu rolo meus olhos, por que ele está aqui? Por que ele não me deixa em paz, eu não quero ser sua maldita amiga.


Se alguém deveria estar suspirando deveria ser eu. Eu bato minha bunda na cama para que ele possa ver como eu estou puta eu não posso acreditar em sua audácia. Ele não desceu lá para me salvar daquele homem incrível, ele estava com ciúmes que eu tinha um homem atraente realmente interessado em mim. Ele não tem o direito de ficar com ciúmes. Se eu não posso mostrar o fato de que eu estou com ciúmes, que isso me mata por dentro sempre que Jenna está perto dele, quando eu ouço-o falar com ela fico totalmente arruinada por dentro, então ele não chega a ser ciumento. Como se atreve ele não ser, eu não quero qualquer outro homem. Eu só o quero, e Deus este maldito álcool estúpido está me fazendo chorar.


Lauren é definitivamente uma visão para ver quando ela está bebendo. Ela age como uma criança malcriada de 10 anos de idade. Ela revira os olhos, ela pisa e se torna amuada. Eu franzo a testa para não deixá-la me ver rir. Bem, a carranca quando eu entrei no restaurante e vi aquele cara prestes a atacá-la praticamente era real. Levou tudo em mim para não derrubá-lo diretamente para fora de seu assento. Ela não discutiu, quando me virei para tirá-la de lá, o que foi bom. Eu não queria causar uma cena, mas ela estava vindo comigo se ela gostasse ou não. Ela estava engraçada após as bebidas que ela tomou, era bonitinho. Até que ela começou a chorar e agora ela estava no banheiro pelos últimos dez minutos. Ao vê-la chorar me faz sentir como a menor coisa na terra, porque eu sei que tem algo a ver comigo, ou ele, mas desta vez acho que era eu. Deixo escapar um suspiro profundo e, finalmente, bato na porta. "Lauren". Eu digo em voz baixa. Ela não diz nada. Então eu bato novamente. "Deixe-me em paz, Chris." "Você pode, por favor, vir para fora?" Eu pergunto-lhe. "Você não quer que eu saia. Confie em mim. Eu sou uma confusão emocional, e você não está preparado para lidar com essa versão minha". "Seja qual for à versão de que você está ai dentro eu adoraria ver." Eu sinto um sorriso espalhar pelo meu rosto. Eu acho que da forma como ela sorri, como ela morde o lábio, como ela rouba olhares para mim quando ela acha que eu não a vejo. A maneira como ela cuida de Caylen, quando até mesmo está puta e fazendo beicinho, ela tem os olhos mais angelicais e lábios adoráveis, lábios que eu nunca tive a chance de beijar. "Você vai me fazer cantar para você aqui fora, se você não sair." Eu ameaço-a. Acho que voltar para o jeito que ela olhou para mim quando eu toquei para Caylen dormir, como se ela me visse pela primeira vez.


Não Cal, e como ela olhou para mim da mesma maneira que minha mãe olha para o meu pai. Eu não queria admitir isso, mas, em seguida, Jenna nunca mais olhou para mim assim. "Isso não é uma boa ameaça. Você é um cantor incrível Chris." eu ouço uma risadinha. "Você é extremamente generosa quando você anda bebendo." eu digo rindo quando me sento no chão ao lado da porta. "Confie em mim que eu não soarei tão bem sem um violão." digo a ela. Eu posso dizer que ela não está mais chorando o que era meu objetivo final. "Você pode sair, por favor?" Eu pergunto novamente, ela está tranquila. Espero que ela esteja contemplando. "Eu vou te contar um segredo se você sair." Eu prometo a ela. "Um bom ou um chato?" ela pergunta e eu rio. "Bem, se for chato eu fico no banheiro o resto da noite." eu digo a ela. Eu ouço água correndo e alguns segundos depois, ela abre a porta e sai. Depois de um pouco de contemplação ela se senta no chão ao meu lado. "Ok. Qual é o seu segredo". Ela diz sua voz soa leve e arejada. Eu suspiro e olho para ela, aqueles olhos dela cheios de curiosidade, ela está tão perto que é como se ela pudesse ver em minha alma. Essa linha entre nós, eu sinto que estou pronto para apagá-la, mas eu ainda me sinto relutante. Eu sei que uma vez que ela se for, não haverá como voltar atrás. "Eu me lembrei de algumas coisas." eu digo e seus olhos se arregalam. Meu coração palpita. "Você teve mais memórias?" Ela pergunta animadamente e eu me sinto terrível que só agora estou compartilhando com ela. Eu concordo. "O que você tem lembrado?" Ela pergunta. Deixo escapar um suspiro profundo.


"Eu me lembro da primeira vez que Cal disse que te amava". Eu digo e eu ouço sua respiração em sua garganta. "Eu me lembro de quando você estava se movendo e você disse que não o via como um vilão." Eu continuo engolindo o nó na minha garganta, e eu vejo seus olhos se encherem de lágrimas. "Eu-eu me lembro dele dizendo a Dexter que ele precisava de você". Eu digo e eu tomo uma respiração profunda. "Eu lembro o quanto ele ama você". Eu digo, finalmente, e eu olho para ela, ela deixa escapar um suspiro como se tivesse sido realizada em anos. Ela deixa a cabeça cair para trás contra a parede e o sorriso mais lindo que eu já vi estende-se por seu rosto, enquanto uma série de emoções passam por seu rosto, esperança, alegria e alívio. "E, eu completei a minha lição de casa. As três coisas que eu gosto sobre Cal são: que ele te conheceu, ele fez Caylen e ele trouxe vocês pra minha vida". Eu digo sentindo meu coração começar a bater mais rápido. A sua respiração começa acelerar. Ela se levanta. Ela começa a andar pela sala. E ela balança a cabeça. "Você não pode dizer coisas como essas para mim Chris e achar que posso fazer isso com você". Diz ela como se fosse doloroso. Eu olho para ela confuso. Eu me levanto e ando até ela fechando a distância entre nós e nossos tórax se encostam. "Fazer o quê?" Eu pergunto e ela olha nos meus olhos como se ela estivesse tentando ler meus pensamentos. "Fingir que eu posso ser sua amiga. Que eu não estou apaixonada por você". Ela expira desesperadamente. "Você me ama Lauren?" "O que você quer dizer?" Ela pergunta em voz baixa. "Eu preciso saber se você me ama." Eu pergunto-lhe honestamente. Ela me olha com atenção, o tempo passando entre nós parece uma eternidade. "Você está certo. Eu estou apaixonada por você, Chris". Diz ela de pé na ponta dos pés e trazendo seus lábios nos meus. Ela me beija suavemente, mas com tanta paixão reprimida que me tira o fôlego. Eu


busco-a e a puxo tão perto de mim quanto possível. Antes que eu perceba nós estamos na cama e eu estou deitado por cima dela e ela parece tão bonita. "Eu quero você, Chris". Diz ela implorando antes de me puxar para baixo sobre ela.


Faz dois anos desde que eu senti o toque de um homem, que eu perdi seu contato. Eu imaginei isso por tantas noites, mas nada comparado com a realidade da sensação dele. Suas carícias libertam a saudade sem esperança e emoção, obrigando-me a deitar em ondas de êxtase. Cada beijo e toque diferente, mas tão familiar. Seus dedos se entrelaçam com os meus antes de levantar minhas mãos sobre minha cabeça. Ele olha para mim como se eu fosse seu tudo, levando cada polegada de mim. Ele levanta lentamente minha camisa sobre meu estômago com os dedos contra a minha pele me fazendo sentir viva. Eu não posso respirar. Estou com medo de respirar. Se eu me mexer rápido eu poderia acordar deste sonho, porque se é um sonho, eu quero permanecer nele para sempre. Ele me levanta para ele quando puxa minha camisa sobre a minha cabeça e eu faço o mesmo com a sua. Eu tenho tempo de observar de perto seu corpo, um corpo que eu conheço de muitas maneiras. Eu sigo minhas mãos desde seu peito até seu estômago e quando meus olhos alcançam seus lábios eu o beijo novamente e novamente, primeiro pacientemente, em seguida freneticamente. Ele tem um gosto tão bom, eu esqueci quão macios seus lábios são como é bom sentir suas mãos no meu corpo. Esse corpo pertence a ele. Como eu poderia ter esquecido algo que eu sonhei com tanta frequência. Ele agarra minha cintura firmemente puxando-me em cima dele. Suas mãos vão para o meu jeans desabotoando-os. Quando seus dedos deslizam para dentro apertando a polpa da minha bunda, eu libero um gemido suave. Tudo está acontecendo tão rápido, mas tão lento. Eu deito de costas na cama enquanto ele remove minhas roupas restantes. Eu agradeço a Deus que eu estou vestindo boas roupas íntimas. Não é nada sofisticado, mas elas são novas. Ele para por um momento e olha para o meu corpo, agora nada o cobre, exceto uma tanga de algodão branco. Seus olhos me devoram. Quando ele sai da cama minha respiração prende. Se ele parar agora eu vou morrer. Tudo será desligado, mas ele


não está parando ele remove as próprias calças e cueca e sinto cada músculo se contrair quando olho para ele. Ele é perfeito, suas coxas grossas e musculosas e a única coisa que eu perdi e conheço como a palma da minha mão está em posição de sentido. Ele se deita em cima de mim beijando cada parte minha, sua doce tortura. Seus lábios beijam minha clavícula, meu pescoço e trilham para baixo meu estômago, deslizando seus dedos se movem por baixo da calcinha removendo-a. Ele pega meu corpo com os olhos de novo, eu nunca fiquei tão ligada com alguém apenas olhando para mim do jeito que ele faz. Ele levanta minha perna direita e começa a beijar meus pés fazendo o seu caminho até a minha coxa. Eu vou morrer se ele não estiver dentro de mim em breve. Minha respiração é curta e eu não posso controlar isso. Eu estou tão ligada que assim que seus lábios tocam minha vagina eu sinto que estou começando a gozar. Eu puxo seu cabelo entre os dedos agarrandoos quando sua língua desliza para dentro de mim, eu grito. Sua mão livre se move para o meu peito e não foi muito antes de estremecer sob seu assalto. Eu me afasto e ele olha para mim um sorriso em seu rosto, mas confuso. "Eu preciso de você dentro de mim:" É preciso cada gota de energia para eu mal sussurrar, é exatamente como que ele está e eu sinto que a parte de mim que foi embora está de volta. Eu me sinto completa.

A noite passada foi tudo. Era o começo e o fim. Senti-me como se eu desse um pedaço de mim para sempre, mas foi dado tanto em troca. Chris, eu não posso sequer descrevê-lo. Eu pensei que ele ficaria um pouco tímido e nervoso, mas era como se ele já tivesse um roteiro do meu corpo e ele só tomou uma rota diferente. Foi incrível, como se estivéssemos conectados. E tudo o que eu precisava após dois anos de solidão, vazio e desespero me foi devolvido. Eu me estiquei na cama e percebi que Chris não estava na cama. Eu me pergunto se ele saiu para


pegar o café da manhã. Eu vou e espreito em seu lado do quarto e percebo que ele não está lá. Eu pego meu telefone e vejo que eu tenho duas chamadas não atendidas. Elas são ambas de Lisa. Acho que da mensagem que ela deixou para Chris ontem. Eu chamo-lhe e ela atende no segundo toque. "Hey, Lauren. Chris está com você?" Pergunta ela, nervosa. "Não, eu acho que ele saiu em uma missão ou algo assim. Está tudo bem?" Eu pergunto preocupada com o tom de sua voz. "É, mas eu realmente preciso falar com ele. Você pode deixá-lo saber que é realmente importante me ligar de volta". Diz ela suplicante. "Ok. Assim que ele voltar eu vou ter certeza que ele te ligue." Eu prometo a ela. "Como você está indo?" Ela pergunta levemente e eu não posso ajudar, mas sinto um sorriso espalhando no meu rosto. "Eu estou fantástica." eu rio vendo-me corar no espelho. "Você soa fantástica". Ela ri. "Eu tenho que ir minha pausa está quase no fim, mas não esqueça Lauren, por favor." "Eu não vou". Eu digo desligando o telefone. São 11h. Dormi em linha reta através de café da manhã. Eu chamo o serviço de quarto e peço dois pratos de café da manhã e ligo a televisão. Eu me sinto absolutamente revigorada. Eu deito de volta e chamo a Sra. Scott para verificar Caylen, ela confirma que ela está muito bem. Eu admito que me sinto tonta, sabendo que a nossa família vai ser completa novamente. Chris finalmente vem ao redor. Tudo está como deveria ser. O serviço de quarto chega vinte minutos depois. Eu aguardo alguns minutos por Chris, mas estou morrendo de fome e eu começo a comer sem ele. Eu termino o café da manhã e ele ainda não está aqui. Eu pego meu telefone e mando um texto perguntando onde ele está e com um rosto sorridente, e decido entrar no chuveiro, eu gostaria que ele estivesse aqui para entrar comigo. Depois que eu termino eu verifico meu


telefone e vejo que ele ainda não respondeu. Eu chamo-o e vai direto para o correio de voz. Neste momento eu estou um pouco irritada após o que apenas aconteceu, por que ele iria decidir sair sozinho ou o que ele está fazendo em vez de estar aqui. 15h. Eu chamei-o quatro vezes e o seu telefone continua indo direto para o correio de voz. Chamei o concierge para ver se ele deixou alguma mensagem para mim. Nenhuma. Eu vou para o lobby e até mesmo verifico a academia. Ele está longe de ser encontrado. Eu começo a olhar ao redor do quarto vasculhando para ver se ele deixou uma nota que eu poderia ter perdido a dizer-me para onde ele foi. 16h30m. Estou ficando louca. Eu quero chamar os Scotts, mas eu não quero preocupá-los, se isso não for nada. Há uma explicação razoável para isso, tem que haver. Um frio dispara através de mim e eu me repreendo por pensar que ele voltou para Jenna. Por volta das seis eu estou em pânico. Eu não posso nem ficar parada, meu coração está prestes a pular do meu peito. Eu estou fora da minha mente, preocupada. Eu estou a três minutos de chamar a polícia e mentir sobre quanto tempo ele esteve fora quando eu recebo um alerta de texto em meu telefone, é sua notificação. Eu quase tropeço sobre a cama para ler. Eu busco e vejo que é apenas uma palavra. O quê. O quê? Ele está brincando? Eu sinto meu sangue começar a ferver. Eu vou matá-lo. Ele é de verdade? Eu começo o texto e todos os meus pensamentos se tornam um monte de palavrões e, em seguida, percebo que seria estúpido. Eu chamo o seu número e no segundo toque que ele atende. "Hey". Diz ele em breve. "Eii..." Eu digo num tom curto. "O-onde você está? Por que você não respondeu o dia todo? Eu estava completamente em pânico". eu digo freneticamente.


"Cobertura. Vejo você em breve". Diz ele e a chamada termina. Eu sinto minha respiração acelerar, o meu coração começa a bater rapidamente. Toda a minha raiva aparentemente derreteu, substituída por um súbito arrepio. Eu vou para o lobby e vejo se há uma chave à esquerda para me levar a cobertura. Não tem. Volto para o elevador; meus pensamentos estão em uma névoa. Com cada andar que o elevador sobe meu coração cai ainda mais em meu estômago. Quando ele para e abre a porta do elevador eu tenho que fazer minhas pernas se moverem. Como diabos eu acabei aqui? Por dois anos eu imaginei como isso seria. Agora eu tenho pavor dele. Meu coração está batendo como um tambor. Estou confusa, estou com raiva e um sentimento de culpa está rastejando sobre mim. Eu pensei que eu tivesse crescido, que ele não poderia me fazer sentir desse jeito. Agora eu sinto como se tivesse sido transportada de volta no tempo, e é tudo um jogo novo. Estou no início de uma partida que eu não tenho treinado ou esperado. "Eu posso fazer isso". Murmuro para mim mesma. Agora, se eu acreditava nisso. Eu tomo uma respiração profunda antes de abrir a porta. Eu só estou esperando por meu cérebro confirmar o que os meus sentidos, minha intuição, o que você quiser chamá-lo já sabem. Meus olhos ficam no chão por alguns segundos. "Não me diga que você está com medo. Isso não vai ser muito divertido." Suas palavras vibram através de mim. Eu não posso ignorar os arrepios aparecendo na minha pele. Eu olho para cima e o vejo vestido com uma camisa preta justa, jeans escuro, um reluzente Rolex no pulso e os braços cruzados sobre o peito. A única coisa que falta é seu arrogante sorriso bundão no rosto. Em vez disso, há uma carranca zangada. "Hey linda. Você está feliz em me ver?"


Profile for Isabel Braatz

Almost Broken: If I Break #2 - Portia Moore  

Lauren Brooks se apaixonou por Cal Scott aos 21 anos, casou-se com ele aos 22 anos e teve o coração partido às 23 quando saiu do casamento....

Almost Broken: If I Break #2 - Portia Moore  

Lauren Brooks se apaixonou por Cal Scott aos 21 anos, casou-se com ele aos 22 anos e teve o coração partido às 23 quando saiu do casamento....

Advertisement