__MAIN_TEXT__

Page 1

w

w

.

i

n

f

o

r

c

h

a

n

n

e

l

.

c

o

m

.

b

r

Edição 35 / mai 2020 | R$ 15,80

w

A ERA DOS SERVIÇOS Até 2023 80% das soluções adotadas pelas empresas usarão os modelos como serviço, que possibilitam flexibilidade e menor custo

Luis Arís

Segurança Eletrônica

IA e outras tecnologias exercem forte influência nas ofertas de vídeo e áudio

01_CAPA-IC35.indd 1

Trabalhador Digital

Brasileiros são produtivos em casa e empresas têm os custos de TI reduzidos

Paessler

Internet das Coisas aplicada ao monitoramento de sistemas

04/05/2020 10:36:17


2

Edição 35 - Maio de 2020

Editorial Engrenagem contínua

https://inforchannel.com.br Diretor

Cláudio Miranda

Editora

Irene Barella irene.barella@inforchannel.com.br

Fale com a redação

redacao@inforchannel.com.br

Colaboradores

Ana Luiza Mahlmeister e Marcus Ribeiro (texto), Olavo Camilo (revisão)

Design Gráfico

(RS Oficina de Arte) Ricardo Alves de Souza e Josy Angélica

Comercial

comercial@inforchannel.com.br

Atendimento ao leitor

contato@inforchannel.com.br Tel: 11 2272-0942

Consultoria Jurídica

Dra. Mara Louzada mara.louzada@lsladvogados.com.br Dr. José Paulo Palo Prado jp@lpsa.com.br

Impressão

Referência Gráfica Infor Channel é uma publicação da Editora Mais Energia /InforChannelOficial @inforchannel @inforchannel

PAULO UEMURA

/inforchannel

A

gora é preciso ficar em casa, mas produzindo. Cumprindo rigorosamente todas as recomendações das autoridades sanitárias, chega até você mais uma Infor Channel, recheada de temas relevantes e conteúdo de peso. Apresentado nesta edição, o tema ‘trabalhe de onde quiser’ foi pensado na pauta anual, ainda em dezembro de 2019 e ganhou relevância com a Covid-19, que obriga o trabalho remoto. Da mesma forma, o modelo de negócios Tudo como serviço ganhou força diante da necessidade de se intensificar operações e processamentos digitais. Leia a reportagem de capa Transformação passa por XaaS. Veja, ainda, na seção Opinião, artigo sobre a influência de novas tecnologias no setor de áudio e vídeo. Comece a leitura da entrevista com o CEO da Avantia, sobre Segurança Eletrônica, aqui na impressa e termine no www.inforchannel.com.br Quando a pandemia passar e o ‘novo normal’ estiver estabelecido, a retomada será mais fácil com a união que se forma agora. É preciso manter a engrenagem girando. Por isso – todos juntos –, fabricantes, distribuidores, integradores, revendas e leitores farão com que continuemos a divulgar informações, marcas e soluções para fortalecer o mercado e colaborar para fazer deste, Irene Barella um mundo melhor.

6B

02_EDITORIAL+EXPED.indd 2

04/05/2020 10:38:05


02_EDITORIAL+EXPED.indd 3

04/05/2020 10:38:30


4

Edição 35 - Maio de 2020

GESTÃO || por MARCUS RIBEIRO

Transformação passa por

XaaS O modelo Tudo como Serviço muda a forma como as empresas olham para seus investimentos em tecnologia e para a velocidade com que podem testar, errar ou mudar de estratégia. Sua consolidação parece inevitável com o impulso que ganha com as novas diretrizes e perspectivas do ‘novo normal’.

04-15_MATCAPA_[TudoComoServico]_v2.indd 4

04/05/2020 10:40:40


Edição 35 - Maio de 2020

O

Tudo como Serviço ou, do inglês Everything-as-a-Service – XaaS, com o X sendo a variável que aceita qualquer letra como adendo ao conceito de serviços, se consolidou e está em seu momento mais frutífero, para não dizer popular. Impulsionado pela Computação em Nuvem e seus modelos possíveis, a ideia do Tudo como Serviço – TcS, ganhou eficiência, flexibilidade e menor custo para trabalhar com as demandas dos clientes, que podem ser até sazonais. O Gartner aponta, por exemplo, que 80% das soluções adotadas usarão os modelos como serviço até 2023. Um cenário que ganha ainda mais impulso com o advento da pandemia da Covid-19. O modelo Tudo como Serviço consegue acompanhar e atender ao ritmo dessa demanda e se ajustar conforme ela é alterada. É importante salientar que o padrão tradicional, o chamado on premise, que tem o software instalado em um data center do cliente, ainda é amplamente adotado e guarda todo o legado. “Empresas que usam este modelo, já experimentam ou adotam a forma ‘as a service’, tirando proveito das capacidades da Computação em Nuvem e trabalhando no que chamamos de Nuvens híbridas”,

04-15_MATCAPA_[TudoComoServico]_v2.indd 5

5

É uma nova mentalidade, um catalizador da ideia de Transformação Digital

04/05/2020 10:40:43


GESTÃO TECNOLOGIA || por IRENE BARELLA

Edição 35 - Maio de 2020

DIVULGAÇÃO / IBM

6

Novaes, da IBM: O portfólio SaaS é abrangente e podemos citar a utilização cada vez mais forte de IBM Watson.

aponta Guilherme Novaes, diretor de Cloud Híbrida da IBM. Não por acaso, a tecnologia de Cloud tornou o conceito de TcS uma ferramenta estratégica para os seus usuários. Para outros executivos, o TcS é até mesmo uma nova mentalidade de negócios, um catalizador da ideia de Transformação Digital. “É um modelo ainda novo, diferente da ‘impressão como serviço’, que já está consolidada e madura. E o modelo Tudo como Serviço deve ter a mesma evolução do mercado de impressão. Ou seja, no futuro, grande parte das empresas o adotarão”, aposta Richard Carnelossi, diretor de serviços da Sonda. O cenário de investimentos – e gastos em TI, nunca mais será o mesmo, principalmente com relação à infraestrutura. As decisões tinham impacto de longo prazo e oneravam tanto o Capex, como a depreciação. “Quando se analisa do ponto de vista do Tudo como Serviço, todos os gastos passam

a competir por despesa operacional. “Hoje, nas empresas, há disputa para conseguir prioridade nos gastos, isso leva à sofisticação no cálculo de benefícios, impacto no negócio e retorno de investimento, prática que chamamos de Value Engineering ou Value Advisory”, conta Júnior Freitas, chefe de Engenharia de Valor da Indústria da SAP.

Ofertas na mesa

Em busca de redução nos custos e de uma melhor eficiência operacional, as ofertas se diversificam. E cada competidor tenta mostrar seu diferencial. A Microcity fala da operação com serviços em toda a infraestrutura de TI, desde soluções para usuários finais, como computadores e notebooks, até o backoffice, passando por redes e servidores. A empresa brasileira que terceiriza ativos e serviços para infraestrutura de TI, aponta como vantagem competitiva, a maturidade. “São mais de 35 anos trabalhando

Principais modelos XaaS CaaS — Comunicação como Serviço: serviços de telefonia feitos por meio da Nuvem; DaaS — Desktop como Serviço: equipamentos virtuais com infraestrutura hospedada na Nuvem; DRaaS — Recuperação de Desastres como Serviço: cópia de segurança dos servidores físico ou virtual; IaaS — Infraestrutura como serviço; MaaS — Monitoramento como Serviço: controle de uma infraestrutura em Cloud; PaaS — Plataforma como serviço; SaaS — Software como serviço.

04-15_MATCAPA_[TudoComoServico]_v2.indd 6

04/05/2020 10:40:48


04-15_MATCAPA_[TudoComoServico]_v2.indd 7

04/05/2020 10:40:49


GESTÃO

Edição 35 - Maio de 2020

DIVULGAÇÃO / GFT

8

Mattos, da GFT: No setor financeiro, utilizamos a tecnologia combinada com o poder da Nuvem para auxiliar nossos clientes.

80% das soluções adotadas usarão os modelos como serviço até 2023

a tecnologia como serviço e, nesse mercado, possuir tanto tempo de expertise é um grande diferencial”, argumenta Tiago Miranda, diretor Comercial e de Marketing da Microcity. Ele ressalta, ainda, a capacidade de encapsular as ofertas de infraestrutura, o relacionamento com fabricantes como Dell, Microsoft, Lenovo e HP, a especialização e a proximidade com os clientes no pós-venda. Gigante com forte associação a serviços, a IBM se vale de suas 400 soluções as a service e se apoia na receita de Cloud Computing, que cresceu nos últimos anos, chegando a US$ 20 bilhões em 2019. “O portfólio SaaS é abrangente e podemos citar a utilização cada vez mais forte de IBM Watson, a plataforma de Inteligência Artificial da companhia, nas nossas soluções”, completa Novaes. Ele destaca as soluções de segurança e privacidade de dados, reforçando a tendência mundial. Afinal, as recentes leis de proteção de dados e notícias relacionadas à privacidade do consumidor, aumentaram a conscientização regulatória e pública sobre o tema, sem esquecer do cenário atual, da pandemia

de Covid-19, no qual os serviços se tornam ainda mais relevantes. A abordagem da IBM é ajudar os líderes das organizações em força de trabalho; clientes e parceiros; finanças e operações, e a comunidade local – grupos constituintes locais, investidores, governos e partes interessadas impactadas direta e indiretamente. O diretor conta que a primeira multizone region (MZR) de IBM Cloud na América Latina ficará no Brasil. Com isso, a a empresa investirá em novos data centers de Nuvem, que permitirão a localização de todo seu portfólio de serviços de SaaS, PaaS e IaaS em território nacional. A estrutura de ofertas da IBM foi reconfigurada de acordo com as necessidades imediatas dos clientes e se concentra na agilidade e eficiência, utilizando Computação em Nuvem, Experiência do Cliente com Watson, Continuidade de TI e de Negócios, Segurança cibernética, Supply Chain, suporte ao trabalho remoto e, por fim, saúde e sociedade.

Mais ofertas

A SAP aponta que atua no mercado de aplicações de negócio e cobre

Benefícios do XaaS  D  espesas operacionais (Opex) e não de capital (Capex); D  iminuir o uso de servidores, rede, instalações diversas;  Profissionais de TI voltados a negócios; R  eduzir a sobrecarga física (energia e refrigeração);  Reduzir custos;  Simplificar o ambiente de TI;  Reduzir parte da infraestrutura interna.

04-15_MATCAPA_[TudoComoServico]_v2.indd 8

04/05/2020 10:40:54


04-15_MATCAPA_[TudoComoServico]_v2.indd 9

04/05/2020 10:40:57


10

GESTÃO

FABIO CHIBA

Edição 35 - Maio de 2020

PaaS e SaaS aceleram

A

tualmente as modalidades de Infrastructure as a Service - IaaS, e Software as a Service - SaaS, já têm alta demanda e uso, porém Plataform as a Service - PaaS e Conteiner as a Service - CaaS, vêm crescendo muito rapidamente dado que já trazem muito valor e maior flexibilidade aos negócios de uma empresa. Já dois relatórios da IDC de 2019 mostram que até 2022 as organizações gastarão mais em aplicativos SaaS verticais, excluindo aplicativos de produtividade de desktops e funcionários internos, do que os aplicativos projetados horizontalmente. E que, até aquele ano, 75% das empresas que usam Nuvem pública também usarão uma plataforma de Nuvem privada corporativa. A maioria dessas plataformas suportará a entrega de funcionalidades PaaS e SaaS de camada superior. Uma visão de mercado indica que o impulsionamento dos serviços vai obedecer a uma modelagem de ofertas para os negócios de determinados segmentos, ou de necessidades dos usuários corporativos. O fato é que ainda não é muito comum, apesar de ter um resultado superior e mais mensurável. O futuro, ou 2022, está logo aí.

Jascolka, da Veeam: O provedor de solução tem que ter visão ampla sobre o negócio do cliente e não mais sobre um produto específico.

DIVULGAÇÃO / MICROCITY

Paradigmas como assinatura eletrônica, robotização e automação foram quebrados

todas as etapas da cadeia de valor, desde gestão de pessoas, gestão de gastos, relacionamento e experiência do cliente, Supply Chain, Core Digital (ERP) e toda plataforma tecnológica para suportar as aplicações. Já a Sonda aposta na oferta do Workplace as a Service como diferencial, que é uma versão ampla do Digital Workplace. “Estamos falando de uma camada essencial de serviços, gerenciamento, disponibilidade e atualização. A nossa oferta é escalável e consultiva, partindo de uma simples locação de dispositivo de TI, até a melhoria de fluxos de trabalho,

Miranda, da Microcity: O papel do canal é mais voltado para o relacionamento com os clientes.

04-15_MATCAPA_[TudoComoServico]_v2.indd 10

com camada de Analytics e Inteligência Artificial para deixar a empresa mais eficiente”, assegura Carnelossi, da Sonda, que aponta, ainda, o diferencial de desenhar a solução de acordo com especificidades do cliente. Também apostando na customização, a GFT garante que essa filosofia faz parte de sua atividade-fim. “Especialmente para o setor financeiro, utilizamos a tecnologia combinada com o poder da Nuvem para auxiliar nossos clientes na construção de soluções disruptivas para seus negócios, sendo que algumas dessas soluções se encaixam no modelo Tudo-como-Serviço”, explica Carlos Mattos, diretor de Tecnologia e Arquitetura da GFT.

Simplicidade e objetividade

Ainda na perspectiva de acompanhar o modelo de negócios dos clientes, a Veeam, desenvolvedora de software de gerenciamento de cópia de segurança, recuperação de desastre e virtualização para ambientes VMware e Hyper-V, aposta em ofertas que não são – ou nunca foram, de acordo com a empresa, baseadas em volumetria de dados. “Entendo que este modelo de negócios penaliza o cliente uma vez que os dados crescem de forma exponencial. Nossas ofertas acompanham o modelo de negócio do cliente. Na Licença Universal da Veeam – VUL, o cliente, de forma

04/05/2020 10:41:04


04-15_MATCAPA_[TudoComoServico]_v2.indd 11

04/05/2020 10:41:06


12

GESTÃO

DIVULGAÇÃO / SONDA

DIVULGAÇÃO / SAP

Edição 35 - Maio de 2020

Freitas, da SAP: Quando se analisa do ponto de vista do Tudo como Serviço, todos os gastos passam a competir por despesa operacional.

Carnelossi, da Sonda: há o diferencial de desenhar a solução de acordo com especificidades do cliente.

transparente, passa a proteger seu ambiente migrado sem qualquer custo adicional ou procedimento operacional”, argumenta Elder Jascolka, country manager da Veeam. No modelo da companhia, a conversão ou migração de ambientes mira na simplificação e objetividade. Com apenas dois cliques, o cliente leva o servidor do ambiente on premise para a Nuvem. “Nossas ofertas contemplam cargas de trabalho de servidores virtuais, servidores físicos, computadores pessoais, Office 365 e Nuvens públicas, como AWS e Azure”, enumera o executivo. Ao todo, Jascolka contabiliza, a empresa possui hoje algo como 375 mil clientes em todo o mundo. Já a Vertiv quer se diferenciar com seu time composto hoje por 130 profissionais dedicados, mas que está em expansão. Do total, 85% deles estão em campo e outros 15% na parte administrativa. Sua base de oferta de serviços é o seu Centro de Relacionamento com Cliente & Monitoração – CRC&M, que funciona no regime de 7x24x365 dentro das instalações da empresa no Brasil. De acordo com Francisco Sales, diretor de Serviços da Vertiv Brasil, a missão do CRC&M é garantir a continuidade da infraestrutura dos clientes, mesmo que remota, com monitoramento 24 horas. Para adicionar velocidade a esse atendimento, a

04-15_MATCAPA_[TudoComoServico]_v2.indd 12

Valores gerados

C

om a pandemia e uma mais que possível recessão global, surgem também as oportunidades. Não por acaso, como lembra Mattos, da GFT, a sabedoria chinesa já definiu a palavra crise, como perigo + oportunidade. "Investimos muito nos anos anteriores para enfrentar desafios e não impactar a nossa capacidade de continuar prestando serviços aos nossos clientes. Em termos de negócios, o 'digital first' faz parte da vantagem competitiva da GFT", conclui o executivo. O novo cenário traz novos desafios às empresas, sejam do ponto de vista de adaptações ao modelo de negócios, ou para lidar com um possível impacto e retrocesso econômico. Entretanto, existem oportunidades para que as empresas adotem de forma mais massiva o Tudo como Serviço, buscando uma economia em seu fluxo de caixa. "A tecnologia por ser altamente estratégica como uma grande alavanca nesse momento, se inserida de forma adequada e com uma clara geração de valor, será uma aliada para habilitar a Transformação Digital e promover a inovação, seja qual for o cenário", projeta Novaes, da IBM. Mas, claro, existem setores mais impactados que precisam se adaptar rapidamente para manter os negócios. "Temos clientes e parceiros em setores como Telecomunicações, Mídia, Assistência médica e Ciências da vida, que estão desempenhando um papel muito importante no cenário atual, se transformando em tempo real e também, ajudando a outras empresas a enfrentar seus desafios", conta Freitas, da SAP. De acordo com ele, muitos paradigmas já foram quebrados no momento atual, como a assinatura eletrônica de contratos, comércio eletrônico, robotização e automação de processos, tudo isso vendido como serviço. Já está sendo provado que não há fronteiras para o consumo de tecnologia como serviço. No geral, algumas práticas que foram forçosamente adotadas, ganharão novos adeptos, até mesmo entre, outrora reticentes, gestores. Trabalho remoto, mobilidade, segurança do end-point e ferramentas de colaboração, se tornarão uma realidade. Pressionados pela relevância da flexibilidade, de preservar o caixa das empresas e de olho na adoção rápida de novos modelos de consumo de tecnologia, a adoção de Tudo como Serviço tende a ser cada vez maior.

04/05/2020 10:41:13


04-15_MATCAPA_[TudoComoServico]_v2.indd 13

04/05/2020 10:41:15


GESTÃO

Edição 35 - Maio de 2020

CELSO DE MENEZES

14

Sales, da Vertiv: Com a Rede 5G, soluções Edge e a descentralização dos ISPs, somente com canais criaremos um atendimento eficiente e ágil.

empresa conta com unidades espalhadas pelo Brasil, com times técnicos e estoque de peças. “Tudo o que é necessário para entregar serviços de alto nível”, completa Sales.

O papel dos parceiros

Dentro desse jogo, o canal de venda e distribuição, também tem seu espaço. Mas precisa acompanhar a cartilha dos fornecedores de serviços. Os parceiros da SAP precisam seguir a linha de transformação para Cloud Computing e desenvolver o mesmo padrão de entrega e serviço aos clientes da companhia. “Nos preocupamos muito em desenvolver o ecossistema para que seja capaz de oferecer serviços a todos clientes, independentemente do segmento em que atua ou da região onde está instalado”, aponta Freitas. Como estratégia, a SAP recomenda aos seus parceiros o investimento em treinamento e capacitação de seus profissionais. Para impulsionar essa premissa, a empresa abriu diversos recursos de aprendizagem, sem custos e por 90 dias, nos quais os canais podem qualificar seus times em tecnologias específicas. Passada a crise, o cliente final provavelmente exigirá uma continuidade de prestação de serviços online dos canais, por isso, investimento em reciclagem é importante. “Uma equipe fortalecida e com um portfólio de serviços de

04-15_MATCAPA_[TudoComoServico]_v2.indd 14

O ‘novo normal’ da TI

N

inguém pode incorporar o Nostradamus que existe em cada um de nós e dizer impunemente como será o futuro ou o 'novo normal' após a pandemia. No entanto, é inegável que a modalidade de Tudo como Serviço vai continuar a crescer. Mesmo que ainda seja prematuro apontar os impactos na ponta, nos clientes. Porém, a curva de adoção pode ser mais acelerada que os modelos tradicionais. Uma coisa é certa: as empresas que passarem pela crise de saúde e econômica provocada pela pandemia de Covid-19, superando seus enormes e incertos desafios e, ainda, conseguirem crescer, ocuparão importante espaço em seus mercados. Afinal, o mercado como conhecemos hoje, incluindo concorrentes, clientes e fornecedores, seus métodos e forma de trabalho, estará mudado. "É possível afirmar que a Covid é o maior acelerador para a Transformação Digital das empresas", conclui Carnelossi, da Sonda.

qualidade será fundamental para quando a economia voltar a crescer. Os mais preparados vão aparecer e se sobressair”, completa Carolina Bastos, vice-presidente de Ecossistemas e Canais da SAP. O momento exige adaptação, até mesmo uma reinvenção, para atender ao modelo de TcS, algo que independe, mas que ficou evidenciado com os reflexos da pandemia. No entanto, parceiros com perfil de desenvolvedor de aplicações, que já nasceram utilizando massivamente serviços em Nuvem, tendem a estar mais preparados frente àqueles que atuaram durante anos no modelo de venda tradicional de infraestrutura, software e serviços. O ecossistema da IBM, de acordo com o seu executivo, vem crescendo e a cada dia surgem novas empresas interessadas em trabalhar com o modelo da companhia, como forma de complementar o portfólio atual. Dificilmente hoje um parceiro tem exclusividade com algum fornecedor de TI, o modelo de serviços é hibrido e os clientes não querem ficar presos a um único provedor de tecnologia. “Ter flexibilidade para mudar seus serviços para outro provedor, de forma quase que automática, é o modelo que as empresas buscam, evitando o tal 'lock-in' de alguns provedores”, pontua Novaes, da IBM. O foco está na satisfação do cliente. Na perspectiva da Veeam, especialização é o caminho, principalmente para os canais que trabalham focados em nichos. A qualificação, portanto, é primordial, bem como entender as necessidades dos clientes. O canal vem percebendo que o cliente tem mudado rapidamente, e que é necessário acompanhar esta evolução para se manter competitivo. “Hoje, é cada vez mais latente a necessidade de ser um provedor de solução que apoie o cliente de forma estratégica, por meio de uma visão ampla sobre o impacto do negócio do cliente e não mais sobre a perspectiva de um produto específico”, alerta Jascolka.

Visões e perspectivas

O investimento no canal, nesse sentido, deve ser em qualificação e treinamento, especialmente devido à escassez de profissionais no mercado de TI. Existem novas oportunidades emergindo, em especial

04/05/2020 10:41:19


Edição 35 - Maio de 2020

no uso de Nuvem híbrida. Ou seja, a oferta de uma solução simples, flexível e robusta para o cliente ter uma visão única dos seus dados é fundamental neste processo. Para a Microcity, o papel do canal, independentemente de seu porte, é muito mais voltado para o relacionamento com os clientes. Porém, possui parceiros especializados em setores ou tecnologias específicos que, além de fazerem a parte comercial, são pilares importantes em ofertas. “Com a implementação da Rede 5G, soluções Edge e a descentralização dos Internet Service Providers no Brasil, os desafios neste país de dimensão continental são enormes, e somente com o apoio de nossos canais poderemos criar uma rede de atendimento eficiente e ágil”, admite Sales, da Vertiv. Ele revela

04-15_MATCAPA_[TudoComoServico]_v2.indd 15

15

que a empresa está desenvolvendo uma rede credenciada com o selo da empresa, com o intuito de prestar serviços de qualidade aos clientes em todo o País. Dentro da perspectiva de atuar como canal e integrador de fornecedores, a Sonda ressalta o seu ecossistema de alianças, que envolve muitos fabricantes nacionais, multinacionais e empresas de software. Na mesma 'posição da mesa' está a GFT, que também atua como integrador e está no início do processo de Transformação Digital. “O maior desafio não está propriamente na tecnologia, e sim no capital humano e cultural. Os parceiros tecnológicos já entenderam isso e estão concentrando parte significativa de seus investimentos nos modelos de capacitação continuada e escalada”, completa Mattos

04/05/2020 10:41:29


16

ENTREVISTA || por IRENE BARELLA

Edição 35 - Maio de 2020

Continuidade de negócios é vital Fundada na Alemanha em 1997, a Paessler, fornecedora de soluções para monitorar sistemas e dispositivos, que tem presença em 170 países, se coloca no mercado para ajudar o cliente a superar desafios de infraestruturas e redes complexas. No Brasil, teve seu primeiro canal de vendas em 2010 e, desde 2015 atua via a distribuidora Boxware Informática. “Estamos atualizados com as novas tecnologias, a exemplo de Internet das Coisas e nos esforçamos para transferir a experiência de mais de 20 anos para novas áreas de negócios”, destaca Luis Arís, gerente de Desenvolvimento de Negócios da Paessler para a América Latina, que concedeu entrevista à Infor Channel.

16-17_ENTREVISTA_[LuisAris].indd 16

Quais são as tendências para gerenciamento de infraestrutura? Inteligência Artificial é uma tendência forte, Edge Computing, que leva o processamento para a borda da rede, também, e Gestão de Diversidade Digital é outra tendência importante. Trata-se de identificar, descobrir e monitorar o que impacta diretamente ou dá suporte aos negócios digitais. Infraestrutura Global: a tendência de se transformar num negócio digital para viver uma expansão sem limites geográficos. A continuidade dos negócios das empresas usuárias depende do uso de uma plataforma de monitoramento que trabalhe 24x7 para preservar a saúde operacional de sua infraestrutura. Em termos locais, o Brasil está sempre atualizado em tecnologia. Para ganhar espaço no mercado, a estratégia é fazer as parcerias certas, de modo a se cercar de um ecossistema sólido, plenamente capacitado a suportar os negócios digitais brasileiros. A nuvem infuencia esse segmento? A Paessler está ciente dos desafios e das vantagens da computação em nuvem e trabalha para fornecer soluções de monitoramento de serviços populares na nuvem, para facilitar o trabalho dos nossos usuários, que são os gestores de infraestrutura de TI. Por essa razão, disponibilizamos uma versão da nossa oferta nesse modelo para os administradores de TI que preferem esta opção.

Em relação ao monitoramento de serviços, oferecemos sensores para supervisar o funcionamento de atividades dessa natureza, muito utilizados, como o Amazon AWS, Google Apps, Office 365. Recentemente, adicionamos ao nosso portfólio a monitoração de serviços de vídeo na nuvem (Zoom, GoToMeeting, Webex etc). Há novidades nessa área? Estamos desenvolvendo novos sensores para acrescentar ainda mais valor à nossa oferta de monitoramento na nuvem. Em breve ofereceremos as novidades para o Office 365, para monitoramento de custo do Microsoft Azure, além de gerenciamento da Meraki Cloud, entre outras. Estamos, também, aumentando nossa oferta do PRTG, plataforma de monitoramento, na nuvem. Estamos incrementando a quantidade de dispositivos que podem ser monitorados por meio da versão hospedada pela Paessler. Oferecemos uma ferramenta sólida, com várias opções de personalização, em versão Software como serviço SaaS. Isso permite ao gestor da rede realizar a manutenção do servidor, todas as atualizações e garantir ótimos níveis de disponibilidade, além de contar com o suporte da Amazon AWS. O que impulsiona o mercado no qual a Paessler atua? A Transformação Digital. A digitalização de processos exige que a infraestrutura de TI garanta

a continuidade dos negócios e torna-se essencial otimizar os recursos de TI, suportar o uptime dos sistemas críticos e oferecer, ao consumidor, a melhor experiência do usuário possível. A pandemia está acelerando ainda mais a transformação da economia brasileira. Mesmo empresas que priorizavam processos tradicionais de trabalho estão migrando de forma acelerada para a venda online de produtos e serviços. O salto que está sendo dado pelas empresas usuárias só produzirá os resultados de negócios esperados se contar, em seus ambientes produtivos, com as melhores tecnologias de monitoração de redes. Dentro desse contexto, o papel dos parceiros é colaborar para que a empresa usuária explore plenamente a inteligência Paessler. A soma da tecnologia Paessler com os serviços do parceiro, suporta 24x7, o avanço da economia digital. A empresa busca novos canais? Queremos ampliar em 20% o atual ecossistema de canais em todo o Brasil, mas, nesse momento, priorizamos identificar e cadastrar empresas das regiões Centro-Oeste, Nordeste e Sul. Procuramos parceiros com um mínimo de três anos de atuação no mercado de TI e com uma carteira de clientes interessante. Todos os dias temos empresas se inscrevendo para se tornar canal da Paessler. No Brasil, além da oferta via website, vale destacar que nosso distribuidor nos apoia na procura dos parceiros ideais.

04/05/2020 10:45:56


Edição 35 - Maio de 2020

Para os integradores, sugerimos que baixem a versão gratuita e experimentem a plataforma. Não tenho dúvida de que vão se apaixonar por essa solução. Não é à toa que temos mais de 200 mil clientes e que 70% das empresas Fortune 100 usam PRTG para monitorar suas infraestruturas. Para as revendas, propomos que apresentem a solução PRTG aos seus clientes e façam uma demo ou POC. Esse é o momento de muitas empresas viverem intensamente a Transformação Digital, oferecendo produtos e serviços de forma remota. Quais atrativos oferece? Trabalhamos com o Paessler Partner Program, que conta com as categorias: Platinum, Gold, Prata e Bronze. Hoje são 39 parceiros, entre integradores e revendas, e o nosso distribuidor no Brasil é a Boxware Informática. Dentro da lógica do nosso programa de canais, quanto mais treinado e certificado for o parceiro, mantendo em seu time profissionais especializados na venda e no suporte técnico às soluções Paessler, mais descontos ganhará. A companhia enxerga essa parceria como uma relação ganha-ganha, em que ganha, finalmente, a empresa usuária e a economia digital brasileira. A Paessler conta com o treinamento e certificações de Profissional em Vendas, e Expert em Monitoramento. Além destas, também contamos com o selo Certificador em Monitoramento, ou seja, capacitamos o canal para certificar administradores de TI. Os parceiros passam a contar com uma solução integrada, de rápida e fácil implementação que produz resultados imediatos para o cliente. Num momento de crise como o atual, é comum que a demanda pela solução de monitoração do ambiente digital seja urgente, essencial para garantir a continuidade dos negócios. Os que se aliarem à Paessler serão vistos como ‹trusted advisors›, que colaboram para a continuidade do negócio do seu cliente. Isso vale para o momento atual e, também, para as futuras expansões dos ambientes digitais, com o uso intensivo, por exemplo,

16-17_ENTREVISTA_[LuisAris].indd 17

de monitoramento na nuvem e dispositivos para Internet das Coisas – IoT. Qualquer que seja a infraestrutura digital, será monitorada pela Paessler.

17

de forma integrada e intuitiva. O administrador de TI que trabalha com a nossa plataforma é um profissional que vive sem sustos, pois o PRTG prediz falhas e ‹downtime›, suportando a continuidade dos negócios. Outro ponto forte da estratégia da Paessler é sua rede de alianças com grandes fornecedores, como Martello, SonicWall, CheckPoint e SigFox, entre outras empresas

Onde identifica as maiores oportunidades de negócios? A Paessler Brasil procura ampliar sua presença em todo o País, em relação às verticais, empresas de todos os setores precisam da inteligência Paessler para garantir a continuidade de seus ambientes digitais e de seus negócios. LE R ES S Enxergamos, por exemplo, uma PA O/ Ã AÇ forte demanda de soluções de LG VU DI monitoração de ambientes de IoT. Esse é um desafio crítico de empresas de setores como Agronegócios, Indústria, Serviços de saúde e Logística. A demanda por soluções de monitoração de TI e de redes do mercado local é alta – o Brasil é o país da América Latina que mais baixa a versão de prova de PRTG. Acredito que o volume de uso da nossa plataforma continuará aumentando à medida que os brasileiros conheçam melhor a ferramenta. Como atende à demanda? O coração da oferta Paessler é a plataforma PRTG, que objetiva medir constantemente o que se passa com todos os dispositivos e aplicações da rede. Nossa solução trabalha para que esse universo esteja funcionando em condições ideais, garantindo que a corporação usuária tenha recursos digitais suficientes para manter a continuidade do negócio. É uma plataforma multiprotocolo unificada, que monitora todo tipo de ambiente e dispositivos, incluindo IoT, que contém protocolos de comunicação. Independentemente do número de dispositivos monitorados ou da variedade de protocolos da rede, as informações são apresentadas

Num momento de crise como o atual, é comum que a demanda por solução de monitoração do ambiente digital seja urgente, essencial para garantir Luis Arís, gerente de a continuidade Desenvolvimento de Negócios da Paessler dos negócios para a América Latina. 04/05/2020 10:45:56


18

OPINIÃO || DIDIÊ CUNHA*

Edição 35 - Maio de 2020

E

D IV U L

GAÇ

ÃO

/S

HU

R

Sistemas de áudio e vídeo que falam TI T

radicionalmente, quando pen­samos em sistemas de áudio e vídeo – AV, pensamos em uma câmera, uma tela, alto-falantes e microfones. E só isso mesmo. Mas o que diferencia sistemas de baixa qualidade dos sistemas de alta performance nas salas de reuniões? Devemos pensar em como queremos nos apresentar para um cliente e se temos as ferramentas apropriadas. Isto é, se nossa câmera não tiver boa resolução e o microfone não contar com a capacidade de captar a voz com qualidade, a apresentação será uma experiência ruim para quem está do outro lado da chamada, o que é considerado desleixo. Nossa apresentação virtual é tão importante quanto a pessoal. Na maior parte das vezes, uma câmera HD e um bom microfone resolvem nosso problema. É mais simples identificar se há baixa qualidade na imagem. OK, mas e o áudio? Como avaliar se o lado remoto da chamada está escutando com qualidade? Na maior parte das vezes, a ausência de reclamações é o maior elogio. E em geral, quando escolhemos microfones e processadores de áudio dedicados que dispõem de recursos como cancelamento de eco acústico e redução de ruído da sala, obtemos qualidade muito superior à de microfones tradicionais embarcados em câmeras, ou improvisados. Além de não terem qualidade ou recursos para enfrentar acústica ou ruídos de ambiente, esses dispositivos ainda têm uma estética não esperada para uma sala de reuniões. Hoje em dia a maioria das salas de colaboração é gerenciada e mantida por profissionais de TI, mas o fato de sistemas de AV tradicionais não falarem a linguagem deles é um problema. Tudo começou a mudar quando fabricantes passaram a utilizar protocolos de transporte de áudio em rede, que usam a própria infraestrutura da corporação para trafegar áudio e vídeo, como Dante. Microfones e processadores de áudio – DSP, começam a ser IP, que é o dia a dia do profissional de TI. Outro problema comum é que salas médias e grandes precisavam de diversos microfones, e a aquisição e programação de um DSP costumava ser complexa e cara, com uma linguagem nada familiar em TI. Este ano surgiu, então, o primeiro ‘DSP as a software’ da indústria AV. Imagine que em vez de comprar caixas pretas, com processamento de sinal de áudio, caras, com demora na importação, que requerem manutenção muitas vezes no exterior – com reparos demorados ou inexistentes –, agora possam ser substituídas por uma licença, que fica instalada no mesmo PC que tem o software de colaboração em nuvem preferido do cliente. Se a ideia é replicar um mesmo projeto para outras dezenas de salas, podemos simplesmente salvar ‘preset’ e replicá-lo quase que automaticamente em outros ambientes. Imagine que o PC vira um ‘end point’, e todo o tráfego de áudio entre microfones, DSP e o software de chamada em nuvem estão na rede, podendo ser gerenciados remotamente da sala do time de TI. Isso significa que atualizações de ‘firmware’, suportes simples e verificações de status de salas podem ser feitos remotamente de um PC, devidamente autorizado, conectado à mesma rede de áudio. E o mais importante é que existe um software gratuito para gerenciar todos os ambientes em uma mesma plataforma, garantindo assim facilidade de visualização, tranquilidade na operação e um monitoramento preciso. Tudo isso para dar suporte ao principal: uma excelente captação de áudio, com processamento de sinal poderoso, com poucos cabos de rede e sem necessidade de nenhuma caixa ou rack para um projeto desse tipo. Isso é o AV que fala TI

As salas de colaboração são gerenciadas por profissionais de TI, mas sistemas de AV tradicionais, até então, não falavam a linguagem deles

*O autor é especialista sênior em Desenvolvimento de Mercado da Shure no Brasil

18_OPINIAO_[DidieCunha].indd 18

04/05/2020 10:51:17


18_OPINIAO_[DidieCunha].indd 19

04/05/2020 10:51:41


TENDÊNCIAS || por ANA LUIZA MAHLMEISTER

Ele veio para ficar Há poucos meses ninguém imaginava que os holofotes se voltariam com tamanha intensidade às iniciativas e soluções que permitem o trabalho remoto

20-26_TENDENCIAS_[TrabalhoRemoto]_v2.indd 20

04/05/2020 11:44:29


O

trabalho remoto nunca foi tão valorizado como nesse período de pandemia do novo Coronavírus (Covid-19). Mesmo antes dessa onda, diversas empresas apostavam nesse mercado com ferramentas que hoje são fundamentais para manter as operações e funcionários produtivos. E o atual cenário traz ainda mais oportunidades de negócios para os fornecedores e prestadores de serviços, pois não há muitas escolhas: ou as empresas adotam o trabalho remoto para dar continuidade aos negócios ou param. Empresários antecipam que, mesmo com o fim da quarentena, o trabalho remoto veio para ficar. “As empresas que não estavam acostumadas ou não tinham nenhuma experiência com essa modalidade, agora estão implementando às pressas e aprendendo com os próprios erros”, opina José Leal Júnior, head of channel sales da Citrix. Um estudo da companhia chamado ‹O trabalhador digital em 2019›, realizado em vários países da América Latina, inclusive no Brasil, onde foram entrevistados 122 funcionários das mais variadas empresas e segmentos, aponta que 34,43% dos trabalhadores se consideram mais produtivos em ‹home office›; 51,64% responderam que sua produtividade enquanto trabalham remotamente é semelhante a quando estão no

20-26_TENDENCIAS_[TrabalhoRemoto]_v2.indd 21

DIVULGAÇÃO / CITRIX

Edição 35 - Maio de 2020

21

No atual cenário há ainda mais oportunidades, pois não há muitas escolhas: ou as empresas adotam o trabalho remoto para dar continuidade aos negócios ou param

Leal, da Citrix: É possível trabalhar em qualquer lugar com segurança e redução de custos de tecnologia.

04/05/2020 11:44:31


22

TENDÊNCIAS

DIEGO RODARTE

Edição 35 - Maio de 2020

20-26_TENDENCIAS_[TrabalhoRemoto]_v2.indd 22

escritório. “Ou seja, 86,07% dos entrevistados brasileiros são produtivos em casa”, afirma Leal. Dar condições para o trabalho fora da empresa vai além de fornecer um notebook com Virtual Private Network – VPN. Outros fatores devem ser levados em conta, como a segurança do acesso e o treinamento dos funcionários e gestores responsáveis por transmitir os processos corretos aos demais. Especializada nesse mercado, a Citrix oferece o Workspace, uma plataforma de trabalho unificada que automatiza atividades do dia a dia. Por meio do Single Sign On se conecta em aplicações em nuvem, identifica as tarefas e as organiza, criando micro aplicações e integrando fluxos de trabalho. Já o Citrix Virtual Apps and Desktops de virtualização, permite o acesso a aplicativos virtuais e desktops em quaisquer dispositivos. “Desta forma, os funcionários têm liberdade de trabalhar em qualquer lugar, aumentando a segurança e reduzindo os custos de tecnologia”, afirma Leal. A produtividade do trabalho remoto se baseia em colaboração e comunicação entre os funcionários. Esse equilíbrio se apoia em soluções de áudio e vídeo, fones de ouvido, telefones IP e videoconferência em nuvem, foco da WDC Networks. “Sabemos que segurança lógica é uma realidade para a maioria das empresas de médio e grande porte e quase desconhecido para as de pequeno porte, reforçando a necessidade de uma solução de VPN”, destaca Júnior Carrara, di-

DIVULGAÇÃO / LOGMEIN

Carrara, da WDC Networks: A segurança lógica é totalmente desconhecida para as pequenas empresas.

A produtividade do trabalho remoto se baseia, em sua essência, em colaboração e comunicação entre os funcionários

retor da WDC Networks. Com o fortalecimento do trabalho remoto, o executivo acredita em um aumento dos investimentos em soluções de ERP e CRM em nuvem para medir a performance de vendas e interação com os clientes, além da adoção de telefonia IP e cybersegurança. As soluções de videoconferência viabilizam reuniões virtuais e fortalecem a conexão com os clientes. Para atender a essa demanda, a LogMeIn lançou um pacote de emergência para o trabalho remoto, voltado para serviços essenciais como instituições educacionais, hospitais, órgãos governamentais e instituições religiosas, que poderão ter acesso gratuito por 90 dias às soluções de videoconferência. A linha inclui o GoToMeeting, GoToWebinar, Rescue Assist, Central, GoToMyPC e LogMeIn Pro. “O GoToMeeting, por exemplo, passou por aprimoramentos de áudio e melhorias gerais para garantir a continuidade dos negócios durante um período em que o trabalho remoto está em um nível histórico sem precedentes”, afirma Vanessa D’Angelo, head de Marketing para a América Latina da LogMeIn. Especializada em soluções para o ecossistema de salas de reuniões, a Shure viu os pedidos crescerem nesse período, aponta o gerente de Vendas, Alexandre Medeiros. “Mantemos nossas equipes conectadas com os clientes e ações conjuntas necessárias para quando o mercado retomar sua normalidade”, completa. Trabalhar a partir de casa pode ser bastante exaustivo, por isso é fundamental contar com monitores que oferecem ergonomia e conforto visual.

Vanessa, da LogMeIn: Lançamos um pacote de emergência voltado para serviços essenciais como hospitais e escolas.

04/05/2020 11:44:39


20-26_TENDENCIAS_[TrabalhoRemoto]_v2.indd 23

04/05/2020 11:44:39


24

TENDÊNCIAS

DIVULGAÇÃO / SHURE

Vivian, da ViewSonic: É fundamental contar com monitores que oferecem ergonomia e conforto visual.

Medeiros, da Shure: Mantemos nossas equipes conectadas com os clientes, em ações conjuntas.

20-26_TENDENCIAS_[TrabalhoRemoto]_v2.indd 24

A ViewSonic tem uma linha de produtos para diferentes profissionais, desde os experts em criação que necessitam de acuracidade de cores, aos funcionários da área de finanças, que trabalham com mais de um monitor ao mesmo tempo, explica Vivian Manso, country manager da ViewSonic. A linha inclui a plataforma de software myViewBoard para apresentações profissionais. Para o segmento educacional aposta nas telas interativas ViewBoard com recursos para aulas a distância “Nesse período estamos oferecendo licenças premium do software myViewBoard gratuitas para escolas, professores, estudantes e pais que queiram usar nossa plataforma de criação e distribuição de conteúdo”, diz Vivian. VPN segura também ganha relevância no trabalho remoto. A Binário Cloud aposta nessa infraestrutura com oferta de VPN em nuvem customizada e com suporte remoto para garantir a performance e estabilidade da conexão, explica Luiz Fernando de Souza, chief business officer da Binário Cloud. Outra oferta é um framework para organizar

DIVULGAÇÃO / WESTCON-COMSTOR

DIVULGAÇÃO / VIEWSONIC

Edição 35 - Maio de 2020

Menezes, da Westcon Comstor: Contatos com os parceiros, ao contrário do que se esperava, aumentou.

É recomendável uma VPN em nuvem customizada e com suporte remoto para garantir a performance e estabilidade da conexão

o ambiente de trabalho e garantir a conexão do colaborador em casa com a equipe de TI da empresa. Humberto Menezes, diretor geral da Westcon Comstor Americas tem feito reuniões diárias por videoconferência com seus colaboradores e clientes. “Já havíamos desenvolvido ferramentas de treinamento a distância e seminários sobre soluções dos fabricantes com os quais trabalhamos. As pessoas não estão perdendo tempo em deslocamentos e a quantidade de contatos com os parceiros, ao contrário do que se esperava, aumentou”, afirma o executivo. A Westcon aposta no mercado de ‹business continuity plan›, com a oferta de infraestrutura e segurança, incluindo fones de ouvido, VPNs e sistemas de conferência, aplicações e soluções em nuvem de diferentes fabricantes, detalha Marcelo Murad, diretor de produtos e engenharia da Westcon Brasil. Segundo Souza, da Binário Cloud, cresceu também a demanda por serviços de suporte remoto pois o ‹home office› exige velocidade dos links residenciais. Do lado dos provedores, é necessário o suporte pleno para ajudá-los a entregar a melhor experiência possível aos clientes. “Nosso time tem atuado como uma extensão da equipe dos prestadores de serviços para dar agilidade à entrega”, afirma Souza. De acordo com o estudo da Citrix, antes da pandemia somente 31,97% das empresas no País permitiam o trabalho remoto. Ao lado do fator cultural, outras causas como a falta de ferramentas apropriadas e o baixo preparo do departamento de TI em prover as aplicações de forma remota, além do treinamento, estão entre os principais obstáculos. “Acreditamos que essa transformação forçada abriu os olhos das companhias para a importância de se permitir que os funcionários possam trabalhar de qualquer lugar, por qualquer dispositivo e com acesso rápido, garantido e seguro às aplicações de que necessitam para realizar seu trabalho”, aponta Leal, da Citrix.

04/05/2020 11:44:45


20-26_TENDENCIAS_[TrabalhoRemoto]_v2.indd 25

04/05/2020 11:44:46


Três perguntas para Sílvio Aragão CEO da Avantia, empresa de segurança eletrônica e monitoramento inteligente por vídeo, fala sobre tecnologias e avanços do segmento.

Ações para adotar o trabalho remoto

Leia a íntegra em www.inforchannel.com.br Como a tecnologia vem influenciando o setor de segurança eletrônica no País? Tecnologias como Inteligência Artificial sobre vídeo e áudio, Internet das Coisas, possibilitam avanços como reconhecimento facial, leitura de placas de carros, localização e monitoramento inteligente e informações disponíveis em tempo real. E a gestão remota da infraestrutura de segurança eletrônica de uma empresa. Qual a tendência tecnológica? Acreditamos que o mercado de segurança será profundamente transformado nos próximos anos e teremos tecnologias como Cloud; imagine associada a uma camada de inteligência, em que algoritmos possam detectar não-conformidades dentro de uma organização. Destaco ainda, Robótica, com drones e Big Data com Analytics.

IA

DIVU

L GA

ÇÃ

O/

AV

AN

T

Como é este mercado? Identificamos grandes oportunidades de negócios especialmente no Varejo e na área de Logística, um grande mercado a ser explorado com inovação tecnológica em segurança. E também as indústrias, entendendo que as plataformas de segurança podem trazer outros resultados para as organizações, onde processos passam a ser monitorados por uma mesma plataforma.

20-26_TENDENCIAS_[TrabalhoRemoto]_v2.indd 26

TENDÊNCIAS

Edição 35 - Maio de 2020

DIVULGAÇÃO / BRQ

26

Lígia, da BRQ: Em menos de uma semana 2,5 mil profissionais ganharam ferramentas para trabalhar em casa.

N

em sempre na casa do ferreiro o espeto é de pau. Com o anúncio da pandemia do novo Coronavírus pela Organização Mundial de Saúde – OMS, a equipe da BRQ Digital Solutions, empresa que apoia a digitalização de clientes dos mais diversos mercados, definiu e implementou em 24 horas, um plano de contingência para a continuidade dos negócios. Foi quase uma ‘operação de guerra’ que teve como resultado a transferência de 2,5 mil profissionais para o trabalho remoto em menos de uma semana, conta Ligia Marcondes, gerente de endomarketing da BRQ. Um dos fatores que contribuiu para essa agilidade é que a empresa já oferecia a modalidade de escritório digital há dois anos para ajudar os funcionários a encontrar um melhor equilíbrio entre vida pessoal e laboral, com reflexos no seu bem-estar e na produtividade. Para se comunicar remotamente com os funcionários em casa a equipe usou o Workplace by Facebook, mídia e rede social virtual corporativa da famosa marca, fazendo apresentações ao vivo, com anúncios relevantes e enquetes, obtendo mais de 90% de engajamento. Foram usadas também as ferramentas de comunicação e produtividade Workplace, Zoom e Microsoft Teams. “Se antes do Coronavírus uma comunicação aberta e transparente já era importante, agora se tornou imprescindível para manter as equipes engajadas e fortalecer a relação de confiança entre empresa e os profissionais”, afirma Lígia. A BRQ aposentou de vez ferramentas como e-mails e intranets, tendo como resultado o alcance ampliado da comunicação e o aumento da colaboração. As equipes de endomarketing (conjunto de estratégias e ações de marketing institucional voltadas para o público interno) e de saúde trabalharam para manter os profissionais informados e produtivos nesse período. “Negociamos com clientes para que a equipe os atendesse apenas por trabalho remoto”, diz a gerente. Os grupos de risco começaram a trabalhar remotamente a partir de 16 de março e os demais profissionais, uma semana depois. Para

orientar os funcionários, houve campanha interna com cartilhas sobre as melhores práticas durante a quarentena, e a criação de um grupo no Workplace (rede social interna). Este canal é exclusivo para centralizar todos os comunicados e materiais gerados na campanha, com dicas de tecnologias, acesso, suporte e ergonomia, além de apresentações ao vivo, por vídeo, para todos os profissionais, que podem tirar dúvidas em tempo real. Outra preocupação foi a comunicação constante sobre prevenção e higiene para reduzir a curva de contaminação. Houve o lançamento da campanha #juntosdigitalmente, ‘lives’ com líderes e ‘coffee-time’, onde os gerentes convidam suas equipes para uma conferência virtual de aproximação, além de ‘happy hour’ digital. O RH também mudou sua metodologia, com processos de recrutamento totalmente on-line. “Os novos profissionais já iniciam suas jornadas de trabalho remotamente, com boas-vindas e acesso a todas as plataformas de comunicação e produtividade da BRQ”, afirma Lígia. Os representantes comerciais estão em contato com suas principais contas de forma remota, com planos de comunicação nas redes sociais e ‘e-mail marketing’. “Usamos as redes como aliadas para dialogar com clientes, fornecedores e a sociedade, mostrando nosso compromisso com a continuidade dos negócios”, completa Lígia. Outra estratégia é o monitoramento dos negócios por meio de painéis de controle em tempo real, a manutenção do ambiente livre de cyberataques e a atualização das regras e parâmetros do ‘firewall’, seguindo recomendações internacionais. A empresa também reforçou a infraestrutura interna, motor para o trabalho 100% remoto, com a alocação de novos servidores com memória e discos otimizados, aumento da capacidade de servidores VPN para acesso remoto, e acompanhamento do estoque de equipamentos básicos para o novo modelo, como laptops, cabos, mouses, fones de ouvido e softwares

Houve reforço na infraestrutura interna, motor para o trabalho 100% remoto

04/05/2020 11:44:47


20-26_TENDENCIAS_[TrabalhoRemoto]_v2.indd 27

04/05/2020 12:41:15


20-26_TENDENCIAS_[TrabalhoRemoto]_v2.indd 28

04/05/2020 10:59:19

Profile for Infor Channel

Infor Channel - Mai2020 #35  

Infor Channel - Mai2020 #35  

Advertisement