a product message image
{' '} {' '}
Limited time offer
SAVE % on your upgrade

Page 1

www.esfelgueiras.org

esf on revista

Escola Secundária de Felgueiras 8

02

2020

Os loucos anos 20, Soirée de Orpheu

SEMANA FRANCESA

Five O'Clock Tea

Posso Ser o que Eu Quiser E AINDA: PARLAMENTO J0VEM + VIAGEM A LONDRES + TEATRO + EXPOSIÇÃO + A MAGIA ACONTECE


esf on revista

DIRETOR: Inácio Lemos, mlemos@esfelgueiras.org REDAÇÃO

Chefe de Redação: Armanda Sousa, asousa@esfelgueiras.org Redação: Bruno Ribeiro, bm428990@gmail.com Bruno Ribeiro

Inês Magalhães, inesmtmagalhaes24@gmail.com Maria João Sousa, marinhomaria31@gmail.com

Colaboradores: Rosa Guimarães, Armanda Sousa, Ofélia Ribeiro, Glória Mota, Pedro Tribuzi, Moisés Pires Clarisse Lemos, Hugo Morais, Ana Felgueiras

Revisão e tradução de Texto: Ofélia Ribeiro, Glória Mota

ARTE

Diretor de Arte: Inácio Lemos, mlemos@esfelgueiras.org Designer: Bruno Ribeiro, bm428990@gmail.com Diogo Silva, diogomsilva0102@gmail.com José Lage, jpedrolmar ns1122@gmail.com

Diogo Silva

FOTOGRAFIA E VÍDEO

Diretor de Fotografia: Diogo Silva, diogomsilva0102@gmail.com Editor de Fotografia: Inês Magalhães, inesmtmagalhaes24@gmail.com José Lage, jpedrolmar ns1122@gmail.com

Editor de Vídeo: Diogo Silva, diogomsilva0102@gmail.com José Lage, jpedrolmar ns1122@gmail.com

Colaboradores: Beatriz Sousa, David Leite, José Pinto Produção Gráfica: Inácio Lemos, mlemos@esfelgueiras.org Inês Magalhães

Administração: Anabela Leal, Emílio Esteves, Elsa Quadrado, Abílio Silva Conselho Editorial: Sandra Teixeira, Paula Magalhães Inácio Lemos Bruno Ribeiro, Diogo Silva, José Lage, Inês Magalhães Maria João Sousa, Beatriz Sousa, David Leite

SEDE: Administração, Redação e Conselho Editorial Escola Secundária de Felgueiras Av. D. Manuel Faria e Sousa 4610-178 Felgueiras Telf: 255 310720 - Fax: 255 310 729 esfelgueiras@esfelgueiras.org www.esfelgueiras.org

José Lage

ESF

scola ecundária elgueiras 2 | fevereiro 20


EDITORIAL por Anabela Leal Diretora da Escola Em entrevista ao semanário El PAÍS, o pensador e escritor francês Gilles Lipovetsky, a propósito dos problemas que mais afetam os indivíduos das sociedades modernas e pós-modernas, aponta a insegurança e a frustração como dois grandes perigos. Se é verdade que as pessoas se sentem inseguras por tudo: insegurança identitária, insegurança ante a imigração, insegurança pelo meio ambiente, insegurança na saúde e alimentação, não é menos verdade que a insegurança provoca ansiedade, insatisfação e frustração. Como solução, aponta, entre outras, o investimento na escola pública que não pode ser vista como uma despesa, mas como um investimento para o futuro. É preciso investir nos professores, ensinar os alunos a respeitá-los. E é preciso formar os jovens de modo a que sejam mais adaptáveis, com menos medo de mudar. Assim, haverá menos frustração. Num tempo em que o investimento na escola pública não é, de todo, o desejável, há pequenas exceções que para alguns alunos, lamentavelmente não para todos, farão a diferença. Falo dos projetos Erasmus+, tradicionalmente alocados ao ensino superior, mas que nos últimos anos foram alargados ao ensino secundário. Nos últimos dias, três grupos de alunos dos cursos profissionais da Escola Secundária de Felgueiras partiram para três países de acolhimento (Alemanha,

3 | fevereiro 20

França e Inglaterra) para, durante um mês, realizarem a sua formação em contexto de trabalho (FCT) em empresas internacionais. Tal só foi possível porque há um grupo de professores que, como tantos outros, apesar dos “ventos contrários” ainda se envolve com a escola porque sabe que a sua ação tem um impacto real na vida e no futuro dos alunos. E será essa a única recompensa pelo envolvimento que têm! Desde a fase da idealização do projeto à sua operacionalização, passando pelo acompanhamento diário na fase da formação, todo o envolvimento destes docentes tem como destinatários os alunos. Estes, por sua vez, terão a oportunidade de experimentar vivências únicas. Ao mesmo tempo, serão forçados a sair da sua zona de conforto, e, em determinados momentos, vão certamente sentir-se inseguros. Vão sentir insegurança ou desconforto com a comunicação numa língua que não é a língua materna, com as questões culturais e de análise de contexto, com a autonomia e responsabilidade, mas, no final, à semelhança dos colegas que já viveram esta experiência, vão sentir muito mais estima por si mesmos, e , mais uma vez, parafraseando Gilles Lipovetsky, a autoestima é um dos grandes temas da nossa sociedade. A confiança que cada um tem em si próprio e nas suas capacidades pode ser a melhor arma para combater a insegurança e a frustração.


esf on

Escola Secundária de Felgueiras

www.esfelgueiras.org

revista

05.02JORNADAS DAS EXPRESSÕES

15.01 Five O'Clock Tea

07.02 Inauguração da Exposição

O Departamento de Línguas Estrangeiras dinamizou de novo a atividade do “Five o'Clock Tea”, dirigida ao pessoal docente da Escola Secundária de Felgueiras.

As obras que Isabel Braga apresentou seguem a linha de investigação que tem vindo a desenvolver, relacionando-se com o tempo e o espaço nas suas múltiplas significações.

SUMÁRIO

SUMÁRIO

Aconteceu a terceira edição das jornadas de Área de Expressões que contou com a participação de mais de 70 alunos e docentes de várias escolas.

4 |4fevereiro | abril 1920


Escola Secundária de Felgueiras

03.02 S E M A N A F R A N C E S A

23.02 VIAGEM A LONDRES

A ESF acordou vestida de azul, branco e vermelho para festejar a semana francesa!

Londres é uma cidade com uma riqueza cultural imensa e sobretudo riquíssima quando se fala de uma sociedade com uma das maiores e mais variadas representações de diferentes etnias

SUMÁRIO

www.esfelgueiras.org

07.02 ANOS 20 No dia 7 de fevereiro a Escola recuou aos loucos anos 20 e fez uma viagem ao ambiente dos cafés-concertos e clubes de 1920.

5 | fevereiro 20


A Magia Acontece... Só percebemos a realidade das coisas quando estamos diante delas. Apesar de termos uma vaga ideia, nunca nos passou pela cabeça o que íamos encontrar. Falo no caso do Miguel, um menino residente em Felgueiras, que passa por muitas dificuldades financeiras, assim como a sua mãe, Paula, e o seu irmão mais velho, Micael. O Miguel é um jovem adolescente com apenas 17 anos, mas que tem uma história de vida que daria para muitos mais, infelizmente. Miguel é albino, autista, hiperativo, cego, surdo e consequentemente mudo. Já não bastavam todos estes problemas: o seu pai abandonou-os, a mãe que tem de cuidar do Miguel é desempregada e o irmão, que luta por lhes dar uma vida melhor, está a estudar na universidade com muitos

Para além de tudo passou-me muitas vezes pela cabeça a magia e o significado do Natal: o conforto, o amor, a magia. Talvez esta família não soubesse muito bem o que isso significa, mas que nós demos-lhe muito mais do que aquilo que o Natal nos traz. Pusemos então mãos à obra e começámos por perceber o que faria falta a esta família. Como esperado, todo a ajuda seria bem-vinda. As turmas estavam unidas e dispostas a ajudar em tudo, nesses dias fomos um só, remámos todos para o mesmo lado para ver o Miguel e a sua família sorrir. Fomos comprar tudo o que poderia fazer falta, tudo o que sabíamos que eles comprariam com um esforço enorme e isso motivou-nos, sabermos que com o nosso esforço e dedicação íamos proporcionar algo incrível a alguém. Chegámos a casa do Miguel carregadíssimos. Para além de todos os sacos

esforços. No Natal, os alunos das turmas do Curso Profissional Técnico de Comércio elaboraram uma Venda, com produtos feitos pelos próprios alunos, dinamizada pelas professoras Anabela Lopes e Graça Ribeiro, que se dedicaram a isto de corpo e alma. No final e feitas as contas, as professoras disseram-nos que podíamos fazer algo bom com aquelas verbas, um donativo para uma instituição, por exemplo. Ficámos então a pensar na utilidade que podíamos dar ao dinheiro. E é aqui que a magia acontece: o Miguel e a sua família foram a um programa de televisão contar a sua história, que foi tema de assunto numa aula de francês do 12ºano e a professora Dina Felgueiras mostrouse sensibilizada com a situação em que esta família se encontrava. Foi aí que tivemos a ideia de usar este dinheiro com o Miguel. Sentimos que era mesmo esse o propósito dessas verbas, porque tudo aconteceu imediatamente.

de compras, levámos amor e felicidade nos nossos corações. E de que maneira! A mãe do Miguel desfez-se em lágrimas, e foi nesse preciso momento que sentimos que fizemos a escolha certa, que todos aqueles dias de trabalho se tornaram mágicos e gratificantes. Ver a D. Paula com os olhos lavados em lágrimas de felicidade, sentir que levámos conforto e alento até àquela casa foi das sensações mais bonitas das nossas vidas. Mas não ficámos por aqui, porque nesta vida temos de ser uns pelos outros. Em breve faremos uma recolha de bens na escola e voltaremos a surpreender esta família. Acredito muito na lei do retorno, acredito que aquilo que faço hoje tem consequências no amanhã e acredito cegamente que a vida é justa e nos dá o dobro daquilo que damos aos outros. Sei que surpreendemos muita gente pela positiva e sei também que há pessoas que não acreditam nos futuros adultos do nosso país, que somos nós. No entanto, espero que cada pessoa ao ler isto tenha a certeza que o futuro está em boas mãos. Ana Francisca Gomes, 12º J 6 |4fevereiro | abril 1920


Parlamento dos Jovens Violência Doméstica e no Namoro O programa Parlamento dos Jovens, aprovado pela Resolução n.º 42/2006, de 2 de junho, é uma iniciativa da Assembleia da República,

irão levar à Sessão Regional: 1ª Medida – Implementação de um plano nacional de educação no pré-

secundário, de escolas do ensino público, privado e cooperativo do

escolar e 1.º ciclo contra a violência. 2ª Medida – Criação de um gabinete de apoio psicológico ao agressor,

Continente, das Regiões Autónomas e dos círculos da Europa e de

apoio este obrigatório desde que o processo se inicia sendo que,

Fora da Europa. São vários os objetivos que constituem o programa: -Educar para a cidadania, estimulando o gosto pela participação

quando o mesmo não o cumpre, a medida preventiva à qual está sujeito

dirigida aos jovens dos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e do ensino

se agrava. 3ª Medida – Criação de um programa televisivo (formato direito de

cívica e política; -Dar a conhecer a Assembleia da República, o significado do

antena) onde antigos agressores poderão partilhar as suas histórias de

mandato parlamentar, as regras do debate parlamentar; -Promover o debate democrático, o respeito pela diversidade de

vida, sensibilizando para a não violência. Foram eleitos para a Sessão Regional, que se realizará nos dias 9 e 10

opiniões e pelas regras de formação das decisões; -Proporcionar a experiência de participação em processos eleitorais; - Estimular as capacidades de expressão e argumentação na defesa

de março, em Vila Nova de Gaia, os deputados Vasco Alves e Miguel Bragança Moreira, do 11.ºF. Todos os/as alunos/as que participaram neste projeto conseguiram

das ideias, com respeito pelos valores da tolerância e da formação

demonstrar que os jovens estão atentos ao que se passa na sociedade

da vontade da maioria; -Sublinhar a importância da sua contribuição para a resolução de

e que também eles conseguem promover medidas que melhorem a

questões que afetem o seu presente e o futuro individual e coletivo, fazendo ouvir as suas propostas junto dos órgãos do poder político. Mais uma vez, a Escola Secundária de Felgueiras participou neste programa, cujo tema escolhido para este ano letivo foi a Violência Doméstica e no Namoro. Foram organizadas duas listas constituídas por alunos/as das turmas 12.ºD (lista A) e 11.ºF (lista M) as quais procederam à elaboração da propostas de três medidas que combatessem a violência Doméstica e no Namoro. A campanha eleitoral foi realizada nos dias 22 a 23 de janeiro, estando as eleições marcadas para o dia 24 do mesmo mês. A lista vencedora foi a A que elegeu 9 deputados/as, tendo a lista M elegido 5 deputados/as. No dia 29 de janeiro procedeuse à realização da Sessão Escolar onde os 14 deputados/as aprovaram as três medidas que

7 | fevereiro 20

Gomes, do 12.ºD. Como suplente foi eleita a deputada Carolina

qualidade de vida das populações, como é o caso da violência. A todos/as os/as participantes, obrigada pelo vosso empenho, perseverança e esforço de equipa para alcançar os objetivos deste programa. Lia Santos


Prova de Aptidão Profissional

Debate Viver a Depressão na Adolescência

Ana Catarina Sampaio

A saúde mental é a base do bem-estar geral do individuo. É neste sentido

impaciência, irritabilidade, aflição, preocupação, insegurança,

que aplicamos muitas vezes a expressão “mente sã em corpo são” ou,

fadiga, perda de interesse e prazer nas atividades diárias,

noutra formulação, que “não há saúde sem saúde mental”.

perturbação do sono e do desejo sexual. Acrescem variações

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que cerca de 300

significativas do peso por perturbações do apetite, sensações de

milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de depressão, uma doença

culpa e de auto desvalorização, transtornos na concentração, na

que limita severamente a capacidade de levar uma vida diária normal,

memória e no raciocínio e, para agravar, ideias de morte e tentativas

mas cuja gravidade é muitas vezes subestimada ou confundida com

de suicídio.

depressão temporária. No limite, a doença pode levar mesmo ao suicídio.

As causas deste problema são o resultado de uma combinação de

Mas afinal, o que é a depressão?

fatores. Podem advir de fatores genéticos, biológicos, ambientais e

A depressão é uma das doenças psiquiátricas mais comuns. Esta

psicológicos, as tendências hereditárias para alguns tipos de

perturbação é um transtorno emocional e psicológico. A vulnerabilidade

depressão, acontecimentos traumáticos e os tipos de

mais comum de uma pessoa enfraquecida psicologicamente é a angústia

personalidades e a forma como cada indivíduo lida com os

e o aperto sentido quando matutamos ou vivemos situações que nos

problemas.

revoltam e coíbem.

Também se corrobora que as tendências hereditárias são

Os sintomas desta doença são sentimentos de inquietação e

8 |4fevereiro | abril 1920


frequentes em alguns tipos de depressão, que podem ser agravados por acontecimentos traumáticos e pelos temperamentos específicos da pessoa, assim como o processo de encarar os problemas. O tratamento desta perturbação psicológica passa pela administração medicamentosa aliada a psicoterapia e a inclusão da família na terapia. Tendo em conta esta problemática e com o objetivo de sensibilizar toda a comunidade escolar, a aluna Ana Catarina Sampaio desenvolveu, no âmbito da sua Prova de Aptidão Profissional, um debate com o tema “Viver a depressão na adolescência”. A atividade contou com a participação da Sra. Diretora da Escola Secundária de Felgueiras, Dra. Anabela Leal, com a Psicóloga Dra. Isabel Manso, com a Psiquiatra Dra. Bárbara Romão e com um testemunho real, no dia 17 de janeiro de 2020.

9 | fevereiro 20


As paredes também falam

a preparar o centenário do Teatro Fonseca Moreira Está em marcha o projeto de escrita criativa - As paredes também falam: Histórias do Teatro no Teatro - sobre o património edificado do concelho, inspirado nas propostas do Plano de Ação do Município de Felgueiras para o Ano Municipal da Educação, no pilar de intervenção "Património e Memória". A atividade realizou-se, numa primeira fase, em dois momentos, o primeiro no dia 24 de janeiro, consistindo numa visita guiada às ruas do centro urbano de Felgueiras, com o foco nos edifícios de há 100 anos (a arquitetura brasileira e de influência modernista), e um segundo momento, no dia 7 de fevereiro, no Teatro Fonseca Moreira, onde decorreu o primeiro impulso da atividade de escrita pelos(as) alunos(as). O grupo envolvido é a turma F do 12º ano, num total de 15 alunos(as), no âmbito da disciplina de Português e da Direção de Turma, com a professora Alexandra Sobral. Numa segunda fase, recolhidos dados biográficos sobre Fonseca Moreira, memórias descritivas sobre a construção do Teatro a sua inauguração, funcionamento e importância para Felgueiras outrora, os(as) alunos(as) irão escrever criativamente narrativas ficcionadas a partir das recolhas feitas. A dinamização da atividade é uma organização conjunta da biblioteca escolar da Escola Secundária de Felgueiras e da ACLEM/Património Cultural.

Dia Mundial da Leitura em Voz Alta No dia 1 de fevereiro comemorou-se o Dia Mundial da Leitura em Voz Alta que visa promover a leitura, criando um espaço sonoro e visual de partilha não só das palavras dos escritores mas também das nossas histórias e das nossas emoções. Para assinalar este dia, a recém-criada Rede de Bibliotecas de Felgueiras organizou a iniciativa Maratona de Leitura que teve lugar na tarde de sábado do dia 1, na Biblioteca Municipal de Felgueiras. Todas as escolas e agrupamentos de escolas do concelho, bem como várias individualidades e o público em geral foram convidados a participar. Pela Escola Secundária de Felgueiras estiveram presentes as alunas Joana Silva e Juliana Teixeira, do 12º ano, o Encarregado de Educação, Luís Freitas, a professora Alexandra Dantas, a representante do Conselho Geral, Luísa Faria e a diretora, Anabela Leal e que partilharam com uma assistência, atenta, sensível e bastante participativa as suas escolhas de leitura.

10|4 fevereiro | abril 1920


JANTAR TEMÁTICO Corta-mato

JANTAR TEMÁTICO Os loucos anos 20, Soirée de Orpheu No dia 7 de fevereiro a Escola Secundária de Felgueiras recuou aos loucos anos 20 e fez uma viagem ao ambiente dos cafés-concertos e clubes de 1920, locais de encontro diário de gerações literárias e políticas, como a Modernista Geração de Orpheu. Aí se formavam tertúlias, onde se discutia pintura, literatura e política, o que de novo surgia no país e “lá fora”, se criavam alianças, se afirmavam filiações e se lançavam projetos coletivos. A vida dos cafés estava indiscutivelmente ligada à vida cultural. É, assim, na era da eletricidade pública, quando as ruas do centro das cidades se enchem de fios elétricos e a noite se ilumina, que o espaço público é tomado de assalto pela ideia frenética e excitante do divertimento noturno. Tudo começou com o aparecimento dos primeiros night-clubs, entre as sonoridades do jazz e do charleston. E a vida moderna inaugurou-se assim. Os novíssimos clubes noturnos são vistos como lugares de civilização e começam a dar brado. Estes espaços que se instalam nos antigos palácios alugados pelas famílias falidas do ancien régime definem um eixo de folia, na novíssima geografia noctívaga das cidades. Têm sala de baile com máquina de som e transformador próprio para efeitos 11 | fevereiro 20

luminosos, salas de jogo com roleta, salas de fumo e um restaurante que serve ceias até de madrugada. É aí que se juntam os intelectuais, os artistas, pela noite dentro e onde se dançava freneticamente fora dos espartilhos dos salões. Os night-clubs fizeram tal sucesso nos loucos anos 20 que deram enredos para folhetins da época, narrativas de romance e números de revista. Durante um tempo fugaz, a noite tornava-se numa indústria nova, que prometia um fôlego de cosmopolitismo para o século que se estreava. Foi investido deste espírito que teve lugar mais um Jantar Temático, relacionado com conteúdos do currículo do 12º ano e aberto à comunidade escolar. Num ambiente acolhedor, decorado à la belle époque, com o jazz de Benny Goodman, Josephine Baker ou Louis Armstrong em fundo, alunos, encarregados de educação e professores jantaram, em franco convívio, as deliciosas iguarias preparadas pelos alunos do curso de Cozinha e Pastelaria, como a mesa de sushi, que consistiu na PAP de Daniel Faria e a vitelinha em 36H com arroz selvagem de frutos secos e sinfonia de legumes grelhados , que foi a PAP de Diogo Sousa, tudo muito bem servido pelos alunos do curso de Serviço de Mesa e Bar.


Ao longo da soirée não faltaram os números de animação: a leitura do Manifesto Anti-Dantas, de Almada Negreiros, pelas alunas do 12º L e pelo professor Eugénio Ribeiro; a música ao vivo, pela Beatriz, a Inês e a Maria Inês (11ºB); a dança Charleston, por um empenhadíssimo grupo de professores e ainda se ouviu ler poesia de Fernando Pessoa e dos poetas de Orpheu. O Tiago foi a nossa máquina de som para o baile e tudo ficou registado para a posteridade pelos alunos do curso de Multimédia. A todos a biblioteca escolar e as professoras Silvina Valente e Sandra Rua agradecem o empenho e a companhia em mais um momento na Escola Secundária de Felgueiras em que se fazem aprendizagens de formas inesperadas.

ANOS 20

12 4| fevereiro | abril 19 20


Five O'Clock Tea No passado dia 15 de janeiro, após as reuniões de departamento agendadas, o Departamento de Línguas Estrangeiras dinamizou de novo a atividade do “Five o'Clock Tea”, dirigida ao pessoal docente da Escola Secundária de Felgueiras. Este ano o referido Departamento contou com a colaboração preciosa de alunos dos cursos Profissionais de Restauração Cozinha/Pastelaria, e de Restaurante/Bar e respetivos formadores. A aluna Jéssica Vieira do curso de Cozinha/Pastelaria realizou nesta tarde a sua PAP sobre doces conventuais e tradicionais portugueses, doces que fizeram a delícia dos docentes que participaram nesta atividade, cujo objetivo principal foi promover o convívio entre colegas de diferentes departamentos curriculares. Para além dos doces portugueses, os alunos do curso de Cozinha/Pastelaria fizeram ainda deliciosos “scones” e bolo inglês. Foram também servidos “cupcakes”que acompanharam uma seleção de chás ingleses , dos frutados ao mais tradicionais. A par dos doces, os comensais tiveram também a oportunidade de provar compotas e um sortido de queijos e de enchidos. Todas as professoras do Departamento se envolveram ativamente nesta atividade que, mais uma vez, foi um grande sucesso por proporcionar um momento de relaxamento, de convívio e de boa disposição aos mais de 70 colegas que aderiram ao convite. O Departamento de Línguas Estrangeiras gostaria de agradecer, em especial, a colaboração dos alunos e dos formadores dos cursos de Cozinha-Pastelaria e de Restaurante-Bar, que tornaram este iniciativa um excelente exemplo de trabalho colaborativo entre pares. Guilhermina Peixoto

13 | fevereiro 20


Escola Promotora da Literacia Tendo como objetivo contribuir para o desenvolvimento educativo, pessoal e social dos jovens, a Porto Editora lançou, mais uma vez, o desafio “Literacia 3Di”. Este desafio, que consiste num Campeonato Nacional dirigido aos alunos dos 2º e 3º ciclos do Ensino Básico, tem como propósito avaliar

as suas competências em quatro dimensões do saber: Matemática, Ciência, Leitura e Inglês. A Escola Secundária de Felgueiras aceitou o desafio e concorreu na dimensão do saber do Inglês. Desta forma, todos os alunos das turmas do 8º ano participaram na 1ª fase (local) do Campeonato, realizando as provas interativas que foram disponibilizadas através da plataforma online Escola Virtual, no período de 18 a 29 de novembro. A 2ª fase do Campeonato (distrital) realiza-se de 2 a 27 de março de 2020, num local a definir pela Porto Editora, em cada uma das capitais de distrito/região autónoma e a Escola Secundária de Felgueiras já tem a sua apurada: Mariana Almeida, do 8º E (100%).

Teatro em Inglês na Escola O teatro em Inglês voltou à Escola Secundária de Felgueiras. No dia 18 de fevereiro os alunos da Escola Secundária assistiram a uma peça de teatro em Inglês, Not One of Us, pela companhia ETCEnglish Theatre Company. Cerca de 350 alunos de todos os níveis de ensino da escola, divididos por duas sessões, tiveram a oportunidade de contactar com falantes nativos, numa peça de teatro interativa e muito divertida. Not One of Us é uma peça de teatro cómica sobre uma situação que não tem muita graça, sobretudo em contexto escolar – a intolerância contra os outros. Jack é um aluno novo na escola e é um pouco estranho, diferente dos outros alunos. Não há como evitar. É verdade. Jack é muito estranho, peculiar e esquisito. Ele não é igual aos outros alunos, veste-se de modo diferente, tem uma base cultural diferente. Ele também pensa de modo diferente. É como se ele fosse de uma idade diferente com valores diferentes. Jack

tem sérias dificuldades de adaptação à nova escola e aos novos colegas que são pouco recetivos a aceitar a diferença. A peça Not One of Us representa a primeira semana de Jack na escola e tenta mostrar com as diferenças culturais (Jack e todos os outros) chocam mas também como é possível ultrapassar as diferenças e aceitar a multiculturalidade das nossas sociedades. O departamento de Línguas Estrangeiras considera que os principais objetivos do Teatro em Inglês na escola foram atingidos. Os alunos aprendem a língua estrangeira, fora do contexto de sala de aula, num ambiente descontraído, informal e quase real, sendo também sensibilizados para a valorização de outras expressões culturais essenciais, uma vez que se pretende oferecer a todos os alunos uma educação de qualidade com oportunidades de aprendizagem variadas e ricas. Departamento de Línguas Estrangeiras

Well done, Mariana!!

14 4| fevereiro | abril 19 20


Visita de estudo ao teatro No dia três de fevereiro, pelas 8.45 minutos, as turmas do nono ano saíram da escola em direção a Perafita para assistirem à peça de teatro “ O Auto da Barca do Inferno”. A peça começou por volta das 10.30 horas. O auditório estava repleto de alunos, ansiosos pelo início do espetáculo. A companhia de teatro O Sonho conseguiu superar as expetativas dos alunos e professores, pois foi um espetáculo digno de ser visto. No final, os alunos ainda tiveram direito a uma sessão fotográfica com os atores. Foi, sem dúvida, uma manhã para recordar…

15 | fevereiro 20

Concurso na nossa sala também é Natal! De novo, este ano, a Biblioteca lançou o concurso de decoração natalícia das salas de aula com realização de cada turma e coordenação dos diretores de turma. O desafio deste ano teve como pontos de partida os contos Carta do Pai Natal, de Mark Twain (para o ensino básico) e História de um muro branco e de uma neve preta, de José Saramago (para o ensino secundário). São objetivos desta iniciativa criar um objeto decorativo da sala de aula, alusivo ao Natal, com base no conto, e promover o trabalho cooperativo e a entreajuda nas turmas. No ensino básico, a vencedora foi a turma B do 9º ano, considerada unanimemente pelo júri como a decoração que integrou melhor personagens, símbolos, e mensagens presentes no conto, recorrendo a materiais reciclados e reutilizáveis (papel, tecido, plásticos, etc.) para os objetos decorativos. Foi também a turma que recebeu mais “gostos”, 213! No ensino secundário, o projeto vencedor (que arrecadou também 132 “gostos”) ficou

a cargo da turma D do 11º ano que trabalhou afincadamente nas diferentes possibilidades da mensagem do conto de José Saramago, conforme os alunos escreveram na memória descritiva que acompanhou o trabalho: “Pinheiro de Natal com momentos que marcaram cada aluno de forma positiva e negativa. Os enfeites pretos contêm mensagens que simbolizam tristeza e, os brancos, felicidade. No muro branco foram afixadas fotografias com uma carga positiva muito forte, símbolo de esperança e felicidade. Os pedaços de papel rasgados simbolizam a neve preta e contêm momentos / sentimentos menos bons vivenciados pelos alunos. O pinheiro foi recuperado.” A entrega do prémio foi feita pelas diretoras das turmas, um membro do júri e a professora bibliotecária e visou reforçar a identidade e o espírito de união das turmas.


Exposição Percursos de Isabel Braga As obras apresentadas seguem a linha de investigação que tenho vindo a PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL desenvolver, relacionando-se com o tempo e o espaço nas suas múltiplas significações. A pesquisa em torno dos temas referidos introduziu, numa última fase, a exploração de sombras provocadas (ou imaginadas) pelos diferentes elementos volumétricos constantes na composição, registando diferentes tempos ou momentos num mesmo lugar e em alguns casos uma evidente relação com a arquitetura e com modos de ver e explorar o espaço, tanto de forma concreta como virtual. Contudo, o forte contraste entre a superfície do plano e as volumetrias sugerem quase uma desconstrução do próprio espaço, mas que simultaneamente se harmoniza e unifica através da linguagem pictórica utilizada nesta dualidade representativa de espaço-tempo. Há ainda uma procura pela simplificação formal, "menos é mais" (influência dos conceitos da Bauhaus), e pela criação de contrastes harmoniosos, entre materiais, volumes, planos, texturas, cores e brilhos, que contribuem para sobriedade da composição procurando atingir de certo modo efeitos minimalistas. Algumas obras refletem, de uma forma obscura, a preocupação, inquietação, incerteza com a atualidade do mundo em que vivemos e evocam, de modo abrangente, espaços a preservar ou em risco de desaparecer que, aparentemente desprovidos de vida, guardam intrinsecamente todas as vivências passadas, presentes e possivelmente futuras.

PÃO com MASSAS SELVAGENS e fermentações lentas RUI MARCELO PEREIRA

Isabel Braga

mARTA aLMEIDA

PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL

AÇUCARES - MAÇÃ POR TERRA ANA CATARINA JESUS

16 4| fevereiro | abril 19 20


Afinal...é possível ser artista em Portugal Integrado no projeto Ser Artista em Portugal, ciclo de conversas sobre arte em escolas com estudantes, promovido pelo Centro Nacional de Cultura com a parceria da Rede de Bibliotecas Escolares, veio à nossa escola, no dia 18 de fevereiro, o artista/ fotógrafo Rodrigo Tavarela Peixoto para mostrar o seu trabalho, falar do seu percurso, promover a ideia de que alguém que opte pela via artística tem uma carreira possível que pode ser de sucesso. Esteve durante quase duas horas à conversa com os alunos dos10º e 12º anos do curso de Artes Visuais e com os alunos do curso de Multimédia. O diálogo entre quem tem em comum a capacidade de criar arte parte desde logo de um ponto de entendimento partilhado e, por isso, se revelou interessante na medida em que apontou caminhos e orientou os percursos a fazer para ser artista em Portugal, que, ao contrário do que se possa julgar, nem sempre são muito difíceis, desde que cada um tenha consciência de qua mal partiu não vai logo chegar. Bio Rodrigo Tavarela Peixoto (Lisboa, 1974), expõe regularmente desde 1999, ano em que terminou os seus estudos no Ar.Co (Curso Avançado e Projecto em Fotografia). Em 1999 recebeu uma bolsa da FLAD, que lhe permitiu continuar os seus estudos na School of Visual Arts, em Nova Iorque. Em 2010 concluiu o Mestrado em Artes Plásticas na ESAD.CR. Realizou o curso do PGCCA de Fotografia (1ª Edição) e está presentemente a realizar um Doutoramento em Estudos de Comunicação como Bolseiro da FCT. Desde 2007 que leciona várias disciplinas nas Licenciaturas de Fotografia, Animação Digital e Cinema na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Fundou a empresa Resize, realizando trabalhos de Fotografia desde 2001. As suas fotografias estão representadas em algumas das mais importantes coleções portuguesas, como a coleção PLMJ, BES Arte, e Fundação EDP.

Posso Ser o que Eu Quiser Nos dias 27 e 28 de fevereiro de 2020, o projeto “Posso Ser o que Eu Quiser” teve a sua primeira atividade “fora de portas”. No dia 27, os alunos do 7°C e 7°D e, no dia 28 os alunos do 7°A e 7°B acompanharam um profissional por um dia, em empresas e instituições da nossa comunidade. Nesta atividade, os alunos tiveram a oportunidade de observar as diferentes tarefas e rotinas de trabalho, assim como acompanhar um profissional por um dia. Para a realização desta atividade foi necessária a colaboração de 25 empresas, sendo que onze destas foram propostas pelas famílias e encarregados de educação que solicitaram às respetivas entidades empregadoras a colaboração para participar neste projeto. Com a realização deste projeto pretendeu-se que os nossos alunos identificassem e\ou descobrissem as suas competências pessoais, recolhessem informações sobre o funcionamento do mercado de trabalho e identificassem as diferentes profissões existentes. Estes objetivos foram plenamente alcançados, constatando-se uma enorme curiosidade e interesse por parte dos alunos. Em algumas das empresas os alunos tiveram a oportunidade de colaborar no desempenho de pequenas tarefas. No decorrer da atividade as empresas receberam com entusiamo os alunos, revelando grande sensibilidade pedagógica e dedicação na partilha de informações e conhecimentos sobre a respetiva atividade profissional, contribuindo, desta forma, para ajudar no processo de identificação das diferentes realidades e oportunidades de trabalho. Por fim, é de salientar o envolvimento dos pais e encarregados de educação que também colaboraram no transporte às respetivas empresas e implicaram-se, diretamente, nas questões relacionadas com as novas aprendizagens efetuadas pelos seus educandos. A Coordenadora de Projetos Luisa Rodrigues

17| fevereiro 20


Semana Francesa No dia 03 de fevereiro, a ESF acordou vestida de azul, branco e vermelho! Por mais um ano, alunos e professores uniram-se para fazer da Semana do Francês uma semana memorável. Ballet, dança, música, jogos interativos, gastronomia, cinema e atividades matemáticas, houve de tudo um pouco. Esta semana contou com a colaboração de mais de dezasseis professores de diferentes áreas e das turmas do 10ºI, 11ºB, 11ºH e 12ºH. Alunos e professores foram incansáveis e trabalharam arduamente para o sucesso da Semana. Mais do que a atividade de uma disciplina de língua estrangeira, esta semana incorporou o verdadeiro espírito do que deve ser a Escola: um espaço de partilha, cooperação e solidariedade; um lugar onde toda a comunidade educativa é FELIZ! Foram cinco dias animados, divertidos e repletos de aprendizagens, pois também se pode aprender francês a cantar, a dançar, a ver filmes, a resolver problemas matemáticos ou a fazer jogos interativos! L'école, c'est le creuset où s'élabore l'avenir d'une génération. Citation de Henri Rolland de Villarceaux ; L'écolier (1840)

Sandra Moreira

18|4 fevereiro | abril 1920


Por razões técnicas não foi possível fazer a publicação das reportagens do Centro Qualifica, Desporto e Semana Francesa nesta edição. Pedimos desculpa pelo sucedido, no entanto, já estamos a trabalhar no sentido de solucionar os problemas que impediram a sua publicação e no próximo número estas serão devidamente destacadas.

19| fevereiro 20


Viagem a Londres A aventura aconteceu. Londres foi” invadida” por 51 alunos da Escola Secundária de Felgueiras que tiveram umas férias de Carnaval diferentes. O desafio foi lançado pelo Departamento de Línguas Estrangeiras e foi enorme o entusiasmo por parte dos alunos. A visita/ passeio a Londres foi, cuidadosamente, preparada

pelos professores acompanhantes que não se pouparam a esforços para que os alunos tivessem a oportunidade de conhecer todos os locais emblemáticos e obrigatórios para os turistas. Londres é uma cidade com uma riqueza cultural imensa e sobretudo riquíssima quando se fala de uma sociedade com uma das maiores e mais variadas representações de diferentes etnias. O multiculturalismo estudado nas salas de aulas foi claramente apreendido pelos nossos alunos. Contudo, as aprendizagens sucederam-se em catadupa para o grupo. Tudo começa no aeroporto Francisco Sá Carneiro

pela madrugada do dia 23 de fevereiro e termina também já de madrugada do dia 26 de fevereiro na Escola Secundária de Felgueiras. Foram quatro dias de muita agitação e longas caminhadas palmilhando as ruas de uma cidade que fervilha com os passos rápidos de milhões de habitantes e turistas em todas as direções. Muito frio e alguma chuva não foram o suficiente para tirar a vontade de ver mais monumentos e de continuar a

descobrir a cidade e as pessoas. As viagens de metro, complicadas em horas de ponta, foram a prova de fogo para quase todos, habituados à calma de pequenos engarrafamentos de trânsito à porta de escola, onde são levados pelos pais no conforto de um automóvel. Nestes dias, com um programa cheio e rico, os 51 alunos da escola secundária de Felgueiras visitaram Platform 9 ¾(Harry Potter) Covent Garden, Tralagar Square , Leicester Square , Picadilly, The Tower of London, London Bridge, Buckingham Place and the Changing of the Guard, Westminster Abbey, The Parliament, The Big Ben, nº10 20 4| fevereiro | abril 19 20


Downing Street, St. Paul's Cathedral , The Millennium Bridge and the Tate Gallery, Regent Street, Oxford Street, Carnaby Street e muitos outros locais. Tiveram ainda oportunidade de conhecer a cidade vista de alto no emblemático London Eye, cruzaram-se com imensas celebridades no Museu Madame Tussaud e nem Her

Majesty, the Queen Elizabeth II, faltou ao prometido Five O'Clock Tea e ainda viajaram no tempo no belíssimo e fantástico Museu de História Natural. Ao longo destes dias as competências dos alunos foram testadas: capacidade de comunicação na língua estrangeira, adaptação a novas situações, sentido de orientação, companheirismo e solidariedade estiveram em particular evidência. E porque ir a Londres não seria a mesma coisa sem visitar um estádio de futebol, desporto rei lá ainda mais do que cá, pelo bom comportamento e pontualidade, os alunos foram surpreendidos com a visita ao estádio do Arsenal Football Club. A aventura termina com uma viagem quase interminável, mais uma vez em hora de ponta com trânsito caótico, 21 | fevereiro 20

através das ruas de Londres até ao aeroporto de Stansted, onde passados os rigorosos controlos da autoridade alfandegária, o grupo embarca rumo a Portugal, Porto. Relato de viagem “romanceado” por Ofélia Ribeiro, professora de Inglês da Escola Secundária de Felgueiras.


ESF

scola ecundรกria elgueiras O FUTURO COMEร‡A AQUI...

Profile for Inácio Lemos

ESF.ON Fevereiro 2020  

ESF.ON Revista Fevereiro 2020 Número 8

ESF.ON Fevereiro 2020  

ESF.ON Revista Fevereiro 2020 Número 8

Advertisement