Page 1

DEZ/16 EDIÇÃO ESPECIAL

especial

PROJETO &OBRA

• ARQUITETURA CONTEMPORÂNEA GAÚCHA • CONCURSO ESPAÇO DO ARQUITETO CAU/RS • 100 ANOS DE DEMETRIO RIBEIRO • PROJETOS CULTURAIS DO IAB RS


editorial

Arquitetura gaúcha contemporânea,

TIAGO HOLZMANN DA SILVA Presidente do IAB RS

QUALIDADE E COMPETÊNCIA

A Arquitetura Contemporânea é amplamente divulgada e conhecida de todos os arquitetos e interessados pela arquitetura e urbanismo. As novas mídias estão realizando com enorme eficiência e abrangência o papel de propagação da cultura arquitetônica e da divulgação de projetos e obras em todo o planeta. Através das redes sociais, blogs, Pinterest, do Google Street View, que nos permite “visitar” as grandes obras em todo o mundo, é possível conhecer o melhor da arquitetura mundial sem sair da frente do computador. Entretanto, nós, arquitetos gaúchos, não conhecemos a nossa própria produção. Pouco divulgamos os trabalhos de nossos escritórios, seja por falta de costume, de recursos ou mesmo por pudor e autocensura. Nestas terras, eventualmente, confundimos a divulgação do nosso trabalho com autopromoção ou com propaganda, no sentido mais pejorativo do termo. O que nossos colegas de faculdade estão produzindo? Quais as boas obras de arquitetura realizadas na serra, em Pelotas, ou em Santa Rosa...? A reconhecida qualidade de nossas faculdades está formando arquitetos que conseguem melhorar as suas comunidades através de seu trabalho? E a sociedade, entende nosso trabalho e conhece nossa capacidade? Recentemente, um Prefeito de Porto Alegre alegou que contratou um arquiteto por notório saber de fora do estado porque “aqui não tem ninguém que saiba fazer”. Será que a sua ignorância em arquitetura não é fruto também da nossa falta de ação? Todas estas preocupações nos motivaram a elaborar um projeto cultural para o IAB RS. Nossa entidade é uma associação civil de direito privado e de interesse público, sem fins lucrativos. Entre suas várias finalidades definidas pelo Estatuto destaca-se “o compromisso da divulgação de trabalhos profissionais de reconhecido valor cultural, científico e tecnológico e a difusão da profissão do arquiteto e urbanista em todos os seus campos de atuação”. Neste cenário criamos, em março de 2012, o projeto “Quarta no IAB” que vem sendo desenvolvido ininterruptamente, com evento semanal, todas as quartas-feiras, às 19h30, no Solar do IAB RS, sempre uma atividade gratuita e aberta ao público em geral. Entre as atividades da “Quarta no IAB” está o Ciclo Projeto & Obra, realizado em uma quarta-feira do mês com o propósito de apresentar projetos e obras de jovens arquitetos e urbanistas gaúchos objetivando a divulgação da arqui-

tetura contemporânea do estado e o debate aberto sobre a nossa produção. Desde sua primeira edição, 46 trabalhos foram apresentados e profundamente debatidos, honrando a tradição democrática e participativa da entidade. O Edital do projeto prioriza 3 quesitos: as obras construídas sobre os projetos, jovens arquitetos formados há até 10 anos e a produção nas cidades do interior do estado. Ao longo deste período, fizeram parte da comissão de seleção do Ciclo Projeto & Obra os colegas Arq. Rogério Malinsky, Arq. André Huyer, Arq. Hilton Fagundes e Arq. Paulo Ricardo Bregatto, responsáveis por selecionar os melhores trabalhos. A Arq. Eloise Mudo é a atual coordenadora do Ciclo e desta publicação. Nestes anos de existência tivemos a oportunidade de participar de ótimos debates, conduzidos com maestria pelos mediadores, com obras nas mais diversas áreas do nosso ofício tais como, edificações, arquitetura de interiores, restauro e patrimônio, paisagismo, urbanismo e planejamento urbano. O Ciclo Projeto & Obra permitiu reconhecer a qualidade e a diversidade da produção dos arquitetos e urbanistas gaúchos, bem como, permitiu que estes profissionais tivessem a oportunidade de divulgar e debater a sua produção, oferecendo à sociedade gaúcha um argumento para o entendimento da importância do nosso ofício a partir da ação profissional concreta dos profissionais. Desta forma, o IAB RS tem a certeza de estar promovendo a arquitetura e o urbanismo, tão carentes de espaços de divulgação qualificados, rompendo com o isolamento do tema da arquitetura e urbanismo nas mídias tradicionais, iniciando um processo de divulgação da produção local de arquitetura e urbanismo para a comunidade, fomentando a troca de experiências e o debate entre os arquitetos, escritórios participantes e a sociedade, promovendo o espaço do Solar do IAB como centro cultural dos arquitetos aberto à comunidade. Esta edição especial da Revista Espaço, com o apoio e patrocínio do CAU/RS, está dedicado a ampliar esta divulgação, permitindo a reflexão e a análise crítica da produção atual dos arquitetos e urbanistas gaúchos, bem como, a contínua discussão sobre a cidade que temos e a cidade que queremos para viver. Cumprimos, desta forma, com nosso papel estatutário de divulgar e difundir a profissão e a produção local.

espaço | edição especial • projeto&obra

3


ARQUITETURA | URBANISMO | CIDADE | CULTURA

ESPECIAL • DEZ/16

A REVISTA ESPAÇO É UMA PUBLICAÇÃO DO IAB RS COMITÊ EXECUTIVO DESTA EDIÇÃO

COLABORADORES DESTA EDIÇÃO

ELOISE DE BRITO MUDO TIAGO HOLZMANN DA SILVA

Bruno Paz • Campelo Costa • Evelise Jaime • Madalena Gusen • Marcelo Heck • Paulo Ricardo Bregatto • Pedro Araújo • Rafael Pavan dos Passos • Sabrina Ortácio • Sthefânia Dezordi Duhá • Vinicius Vieira

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO GRANDE DO SUL GESTÃO 2014/2016 - “IAB: CIDADE E CULTURA”

CONSELHO ESTADUAL - TITULARES

CONSELHO DIRETOR

Tiago Holzmann da Silva Rafael Pavan dos Passos 2º Vice-Presidente Ednezer Flores 3º Vice-Presidente Vinicius Vieira Secretário Geral Marcelo Gribov Brinckmann 1ª Secretária Claudia Favaro 2ª Secretária Roberta Krahe Edelweiss Diretor Financeiro Henrique Dauber (licenciado) 1ª Tesoureira Ângela Ponsi (licenciada) 2º Tesoureiro Marcelo Arioli Heck Presidente

1º Vice-Presidente

CONSELHO FISCAL

Gilda Maria Franco Jobim • Adroaldo Xavier da Silva • Tiziano Filizola NÚCLEO CAXIAS DO SUL

Rodrigo Salvati • 1ª Secretária Bruna Chiaradia • 2º Secretário Rafael Ártico • 3º Secretário Max Leonardo Manoel • 1ª Tesoureira Giovana Santini • 2ª Tesoureira Silvia R. S. Nunes • Representante CoEs Silvia R. S. Nunes Presidente

Humberto Hickel • Maria Tereza Fortini Albano • Cícero Alvarez • Julio Cesar Vargas • Maria Dalila Bohrer • Luciane Kinsel • Daniela Fialho • Emílio Merino Domingues • Taiana Pitrez Tagliani • Lídia Fabrício Conselho Estadual Suplentes: Daniele Caron • Carlos Fernando Seffrin • Letícia Franco • Cecília Esteve • Andréia Bocian • Pedro Araújo • Lucas Leite • Marcelo Parahiba • Márcio Arioli • Geraldo Ozio CONSELHO SUPERIOR - TITULARES

Claudio Fischer • Carlos Alberto Sant’Ana • Iran Rosa • Rogério Malinsky • Oritz Adriano Adams de Campos • Alexandre Pereira dos Santos • Conselho Superior Suplentes: César Dorfman • Clovis Ilgenfritz da Silva • Salma Cafruni • Lais Salengue • Ivan Mizoguchi • David Léo Bondar NÚCLEO ARQUITETOS DO LITORAL

Edmundo T. Francisco • Leandro Machado dos Santos • Tesoureiro Rodrigo Colissi Alves • Representante CoEs Claudia R. Casaccia Presidente Secretário

NÚCLEO PELOTAS

Otavio Martins Peres • ViceNirce Saffer Madevedoski • Secretário Luis Antônio Machado Veríssimo • Representante CoEs Ana Lúcia Oliveira Presidente

Presidente

NÚCLEO RIO GRANDE

NÚCLEO ERECHIM:

Alexandre Nichetti • VicePresidente Magali Mingotti • 1ª Secretária Roberta Grendene • 2ª Secretária Thaiana Puhl • Representante CoEs Luiz Fiori Presidente

NÚCLEO SANTA MARIA

Sheila Comiran • Vice-Presidente Lidia Glacir Gomes Rodrigues • Secretária Annelieze Correa • Tesoureiro Hugo Gomes Blois Filho • Representante CoEs Hugo Gomes Blois Filho Presidente

Evelise Jaime de Menezes • Guilherme Castro Dias • Tesoureira Camila Cardoso de Melo Sampaio • Secretária Letícia Carneiro Estima • Tesoureira Camila Cardoso de Melo Sampayo • 2ª Tesoureira Rosana Senna da Silva • Representante CoEs Marcio Gomes Lontra Presidente

Vice-presidente

NÚCLEO VINHEDOS SERRA GAÚCHA

Presidente Marilei Elisabete Piana Giordani

O Instituto de Arquitetos do Brasil - IAB - é a entidade de livre associação de arquitetos e urbanistas brasileiros, que se dedica a temas essenciais ao arquiteto, à cultura arquitetônica e suas relações com a sociedade. Fundado no Rio de Janeiro em 26 de janeiro de 1921, e em 1948 no Rio Grande do Sul, o IAB é a mais antiga das entidades brasileiras dedicadas à arquitetura, ao urbanismo e ao exercício da profissão. O IAB adotou o modelo federativo de organização e conta com Departamentos autônomos em todos estados do país, que possuem, por sua vez, núcleos locais nos municípios e regiões de maior relevância. A entidade é liderada pela Direção Nacional, responsável pela articulação e pela coordenação dos Departamentos, bem como pelas ações de abrangência nacional e internacional. Sua instância política máxima é o Conselho Superior, composto proporcionalmente por representantes de todos os Departamentos e pelos Conselheiros Vitalícios, ex-presidentes da entidade.

Marcelo Koch • Secretário Raquel Linhares • Tesoureiro Giana Paola Miron Brentano Representante CoEs Vera Prates CONTATO E PUBLICIDADE

iabrs@iabrs.org.br • (51) 3212.2552

10

projetos Casas Comerciais Edifícios de uso misto Edifícios residenciais Institucional Patrimônio Urbanismo

56

opinião

58

cau/rs

Paulo Ricardo Bregatto

Concurso Espaço do Arquiteto CAU Mais Perto Tabela de Honorários

solar do iab rs

69

especial

O IAB compõe o Colégio Brasileiro de Arquitetos (CBA), coletivo das entidades nacionais de arquitetura e urbanismo, e o Colegiado das Entidades Nacionais de Arquitetura e Urbanismo (CEAU), órgão consultivo da estrutura do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR).

72

11º prêmio memória da arquitetura

74

iab rs

O IAB não tem fins lucrativos e seus dirigentes não são remunerados.

Campelo - Aula inaugural na UFRGS Demetrio Ribeiro - 100 anos

Quartas no IAB Caravanas 2016

76

NÚCLEO FREDERICO WESTPHALEN

Presidente

Departamentos do IAB

AM, AL, BA, CE, DF, ES, GO, MA, MG, MS, MT, PA, PB, PE, PI, PR, RJ, RN, RR, RS, SC, SE, SP, TO Cidade do Rio Grande, Erechim, Caxias do Sul, Arquitetos do Litoral, Pelotas, Santa Maria, Torres, Canoas Núcleos IAB RS

77 78

AGRADECIMENTOS

Assessoria de comunicação do IAB RS, funcionários do IAB RS

JORNALISTA RESPONSÁVEL

Sabrina Ortácio - MTB 11.002

snn

Seminário nacional de Núcleos IAB

Arq. Sérgio Magalhães, Presidente

IAB Direção Nacional

RUA GENERAL CANABARRO, 363 CEP 90010-160 • CENTRO HISTÓRICO (51) 3212.2552 PORTO ALEGRE/RS IABRS.ORG.BR • IABRS@IABRS.ORG.BR

O projeto Júri

68

• Vice-presidente Márcio Arioli • Secretários Cristiane Bertoco e Maikel Megri • Representante CoES Juliana Cagliari

Jacson Rodrigo Freitas • Vicepresidente Diego Bertoletti da Rocha • Secretária Joana Sartor Lamb • Tesoureira Deise Flores • Representante CoES Marcos Basso Otonelli e Gabriela Haubert Saraiva (suplente)

projeto&obra

O IAB é membro fundador da União Internacional de Arquitetos (UIA), órgão consultivo da UNESCO para assuntos relativos ao habitat e à qualidade do espaço construído, e do Conselho Internacional de Arquitetos de Língua Portuguesa (CIALP). Também integra, como membro fundador, a Federação Pan-Americana de Associações de Arquitetos (FPAA). Por meio da Direção Nacional, o Instituto se faz representar em órgãos da administração federal.

NÚCLEO TORRES

Presidente

07

interação parceiros

Croquis elaborados pelo Prof. Arq. Paulo Ricardo Bregatto durante as bancas do Trabalho de Conclusão de Curso da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Puc – 2016/1. Os croquis representam a síntese geométrica dos projetos dos seguintes alunos: Anna Fernanda Volken, Leticia Toniolo da Cas, Fernanda Ness, Marcelo de Oliveira, Patricia Arbo Souza, Antônio Fendt, Patrizia Traverso, Dandara Melo Coppetti, Marina Varante, Christine Reffatti, Tânia Franzon e Livia Puperi. O Prof. Bregatto foi membro da Comissão de Seleção dos trabalhos em dois anos consecutivos do Projeto & Obra.

DIREÇÃO DE ARTE E DIAGRAMAÇÃO

Gustavo Gomes - efetivo@efetivodesign.com.br espaço | edição especial • projeto&obra

5


projeto&obra

ciclo

PROJETO & OBRA O ciclo cultural do IAB RS “Projeto & Obra” consiste na apresentação de trabalhos – projetos e obras – de Arquitetura e Urbanismo, realizados nos últimos 5 anos por jovens talentos da arquitetura contemporânea do estado e selecionados por meio de Edital Público. O “Projeto & Obra 2016”, recebeu patrocínio do CAU RS, e consolida a continuidade do ciclo criado em 2013, como um evento mensal integrante da “Quarta no IAB”, evento semanal realizado no Solar do IAB RS. Os trabalhos são apresentados por seus autores, sendo as apresentações realizadas geralmente na última quarta‐feira de cada mês, as 19h30, na Sala Multiuso do Solar do IAB. Em cada um desses dias, são expostos 3 trabalhos para um público diverso, composto basicamente por estudantes, professores e profissionais do ramo da construção civil e também para a comunidade. É convidado um mediador – arquiteto, professor ou profissional da área responsável por mediar o evento, fomentar e coordenar a discussão entre os arquitetos e os presentes. A seleção dos trabalhos é realizada por Comissão de Seleção que leva em conta os seguintes parâmetros: conceito e inovação; clareza do conjunto; funcionalidade; sustentabilidade; aspectos plásticos, éticos e estéticos. Além destes critérios qualitativos, são considerados como prioridade os seguintes aspectos: a) obra construída; b) trabalhos realizados por jovens arquitetos, com até 10 anos de formado; c) trabalhos realizados por arquitetos com escritório fora de Porto Alegre, ou trabalhos realizados no interior do estado; d) relevância social do projeto, principalmente projetos de qualidade em habitação de interesse social; e) diversidade da proposta ou peculiaridade da solução ou pioneirismo do projeto. Todos os trabalhos apresentados em 2016 estão reunidos nesta publicação especial da revista Espaço do IAB RS com o título “Catálogo Projeto e Obra”, com tiragem de 1.000 exemplares e distribuição gratuita para as faculdades de arquitetura e outras instituições. Além destes trabalhos o IAB RS recuperou também os trabalhos apresentados neste projeto deste 2013, que também integram esta publicação. OBJETIVOS

O objetivo geral desse projeto é a apresentação e publicação dos trabalhos – projetos e/ou obras – selecionados por meio do Edital e apresentados durante a programação da “Quarta no IAB”, possibilitando a divulgação de arquitetura de excelência e incentivando o debate aberto sobre a nossa produção e os rumos da arquitetura gaúcha. São objetivos específicos: a) Promover a arquitetura, tão carente de espaços de divulgação qualificados, oferecendo espaço para a apresentação da produção dos arquitetos e urbanistas gaúchos ou radicados no Rio Grande do Sul; b) Romper com o isolamento do tema “arquitetura” nas mídias tradicionais, tendo em vista a grande dificuldade de espaços para publicação de arquitetura de qualidade; c) Iniciar um processo de divulgação da produção local de arquitetura e urbanismo para a comunidade; d) Fomentar a troca de experiências e o debate entre os arquitetos e escritórios participantes; e) Divulgar o trabalho de jovens autores e seus parceiros e registrar em uma publicação perene de qualidade.

MOTIVAÇÃO

A execução desse projeto é uma forma de promover e revelar jovens talentos da arquitetura contemporânea do estado, ampliando a qualidade dos projetos em nossa região e atraindo o olhar dos demais estados brasileiros para a arquitetura gaúcha. A dificuldade de disputar o mercado de trabalho é uma barreira enfrentada pelos jovens arquitetos, que, muitas vezes, vem‐se obrigados a aceitar empregos muito aquém de sua capacidade projetiva, deixando de explorar, de forma benéfica, seu talento e capacidade para desenvolver bons projetos de arquitetura. A falta de experiência profissional é um outro entrave que impede esses jovens de disputar bons empregos, com salários justos. Ter a oportunidade de apresentar seus projetos para outros profissionais e para a sociedade é uma forma de se tornar reconhecido no meio e de formar uma rede de parceiros profissionais, enriquecendo seu currículo. Dessa forma, cresce a expectativa da sociedade por bons projetos de arquitetura, a partir do momento em que novos talentos são introduzidos no mercado, criando soluções inovadoras e valorosas nas áreas de arquitetura e urbanismo, rompendo a lógica comercial do mercado da construção civil que impera em nossas cidades e privilegiando o planejamento urbano e ambiental equilibrado, capaz de melhorar as condições sócio econômicas da população e a qualidade de vida de todos os seus habitantes.

espaço | edição especial • projeto&obra

7


projeto&obra

Comissão Julgadora Entre o ano de 2013 e o ano de 2016 foram selecionados 46 trabalhos, totalizando a apresentação de 36 escritórios de arquitetura de todo o estado. Foram abertos dois editais de seleção: 2013/2014, composto pelos arquitetos Rogério Malinsky, representando o IAB/RS; Arq. Hilton Fagundes, representando os professores de Arquitetura e André Huyer, representando os profissionais colaboradores das entidades de Arquitetos. Para o edital 2015/2016 a comissão de Seleção incorporou ao time o Arq. Paulo Ricardo Bregatto, em substituição ao arq. Malinsk da edição anterior.

Temáticas e Mediadores

PAULO RICARDO BREGATTO Arquiteto e Urbanista - Universidade Luterana do Brasil (Ulbra, 1988). Especialista em Planejamento Urbano e Habitacional - Universidade Luterana do Brasil (Ulbra, 1989). Mestre em Arquitetura - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Propar - Ufrgs, 1996). É professor dos cursos de Arquitetura e Urbanismo da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PucRS, desde 1999) e Universidade Luterana do Brasil (Ulbra, desde 1989). Desenvolve prática privada no Escritório Bregatto Arquitetos Ltda (desde 1989).

HILTON ALBANO VIEIRA FAGUNDES Graduado em Architektur und Stadtplanung - Arquitetura e Urbanismo - pela Universitaet Stuttgart, na Alemanha (1999) e mestrado em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2003). Possui também graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Santa Maria (1984). Cursa doutorado em Design de Produto (PGDesign-UFRGS). Atua como professor na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), no Centro Universitário Ritter dos Reis (Porto Alegre) É professor no curso de Pós-Graduação - especialização - em Construção Civil na (UNISINOS).

ANDRE HUYER Doutor em Planejamento Urbano e Regional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2016). Graduação em Arquitetura pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1985). Atualmente é Arquiteto e Urbanista estatutário do Ministério Público - RS.

Ao longo desses quatro anos foram 16 noites de apresentações, duas delas tendo ocorrido no interior do estado e as demais no Solar Ponto de Cultura do IAB RS, como parte da programação da já tradicional Quarta no IAB. Todos os 46 trabalhos selecionados foram distribuídos em sete temáticas: casas; comercial; edifícios residenciais; edifícios de uso misto; patrimônio; institucional e urbanismo, que você confere nas próximas páginas. Para enriquecer o ciclo de debates, as apresentações eram realizadas entre dois e três trabalhos por noite sempre sob a mediação de professores ou profissionais especialistas nas temáticas abordadas

MEDIADORES: • Ana Elísia da Costa

• David Leo Bondar

• Paulo Cesa Filho

• Carlos Eduardo Mesquita Pedone

• Flávio Kiefer

• Renata Santiago Ramos

• Cesar Wagner

• Mírian Sartori Rodrigues

• Roberta Krahe Edelweiss

• Cibele Vieira Figueira

• Nícolas Palermo

• Rufino Becker

• Daniele Caron

Com o patrocínio do CAU/RS, todas as apresentações do ciclo de 2015/2016 foram filmadas e transmitidas ao vivo pelo canal do YouTube e podem ser assistidas acessando nossa galeria: youtube.com/user/iabrstv

ROGÉRIO MALINSKY Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela UFRGS (1967) e curso de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Habitação na Universidade de Edinburgh, Escócia; Estágio em Lazer e Turismo na SCET- International em Paris e no Centro de Estudo de Turismo da Universidade DAix-Marseille, França; mestrando do PROPUR-UFRGS, ministrou as Disciplinas de Arquitetura Paisagística e Urbanismo na Faculdade de Arquitetura da UFRGS, de 1980 à 2009; prática profisional em Projetos urbanos com destaque para o Parque Marinha do Brasil, Porto Seco - Terminal de Cargas, em Porto Alegre/RS, Polo Petroquímico/RS; Terminais de Cargas, Áreas Industrias, Praças e Parques Urbanos. Autor de diversos planos e projetos urbanos no estado, em especial espaços públicos.

8

espaço | edição especial • projeto&obra

9


GUILHERME JORDANI

casas

CASA PLANOS

AUX ATELIÊ DE PROJETOS*

AK HOUSE

Trata-se de habitação de caráter popular, financiada pelo programa Minha Casa Vida, com objetivo de atender um jovem casal, sem filhos, construída na cidade de Campo Bom/RS.

ARQUITETARIA

O problema de projeto era criar uma residência que atendesse a demanda de um espaço flexível, podendo estar reservado o espaço privado (dormitório) num uso particular e integrado em um momento familiar.

A edificação AK HOUSE foi projetada para um jovem e descolado casal que vive as responsabilidades e agitos do dia a dia, mas respira a alegria e ternura da adolescência, necessitando um lar funcional, eficiente e aconchegante.

Conceitua-se como um espaço conformado por quatro planos: dois horizontais - base e cobertura, e dois verticais - empenas laterais. Os planos se multiplicam, tanto na composição formal quanto na concepção dos espaços interiores. São alvenarias rebocadas ou em concreto aparente - acesso à residência -, ou painéis de madeira - esquadrias e divisória interna - que combinados com os demais elementos, configuram o partido de projeto.

Os arquitetos Daniela Copetti e Max Manoel tendo como base a arquitetura modernista, e se utilizando da fidelidade funcional e a ambiguidade formal de volumes e placas criaram um estilo próprio para suas obras somados a pureza formal, o contraste de materiais brutos, a integração com a área aberta, grandes vãos e balanços, algumas ousadias estruturais e o aproveitamento total do terreno.

Para atender um baixo custo de construção, soluções como utilização de laje impermeabilizadas em estrutura de madeira e cobertura com telhas, divisória interna executada em MDF melamínico – não necessitando infraestrutura, reduziu em 15% o custo em relação a uma obra convencional. Construída em quatro meses, com área de 51 m², a obra teve um custo total de 50 mil reais. FICHA TÉCNICA Local: Campo Bom/RS Data do Projeto: Setembro 2011 Exec./Inaug.: Janeiro a Abril 2012 Autor: Arq. Maria Rita Soares e Arq. Leonardo Giovenardi Cliente: Diego Bohn e Marcela Storck

Arq. Maria Rita Soares - CAU A53152-9 Porto Alegre/RS (51) 99819.7471 mariaritasoares@gmail.com Arq. Leonardo Giovenardi - CAU A57163-6 Caxias do Sul/RS (51) 98028.0065 leonardo.auxatelie@gmail.com

*A configuração original do AUx Ateliê de Projetos foi extinta e os profissionais atuam separadamente desde 2014

10

espaço | edição especial • projeto&obra

FICHA TÉCNICA Local: Caxias do Sul/RS Data do projeto: Julho 2013 Exec./Inaug.: 2015-2016 Autor: Arq. Max Manoel e Arq. Daniela Copetti Colaboradores: Bruna Serafini Rossi (estudante), Viezzer Engenharia Cliente: Particular ARQUITETARIA Arq. Max Leonardo Manoel - CAU A35632-8 e Arq. Daniela Endres Copetti - CAU 68009-5 Rua Moreira César, 2537 - Caxias do Sul/RS (54) 3223.4881 3025.7960 arquitetaria.com.br

A estrutura é toda em concreto armado moldada em loco e foram usados diversos sistemas de estruturais devido aos balanços e grandes vãos. Vigas e lajes protendidas e lajes nervuradas com cubetas de EPS compõem o sistema para melhorar o isolamento termo-acústico entre os pavimentos e o exterior. As grandes aberturas foram pensadas com a ideia de valorizar as principais visuais, favorecer a entrada de luz natural e principalmente fazer a integração do exterior com o interior. Golas, vergas ou peitoris ausentes nos principais espaços resultam em um ambiente amplo, flexível e integrado. 11


MARCELO DONADUSSI

casas

RESIDÊNCIA GALETI ARQUITETARIA

Conceito da casa: natureza Em momento algum a casa é um bangalô, uma tapera, um quiosque ou uma casa de sapê. Também não se mescla com a vegetação entrando ou saindo por telhados, piso ou parede. Alias, a casa tem traços bastante modernistas, e um pouco de brutalismo. Contudo, ela conversa com o entorno em todo seu perímetro, dialogando com cada espaço e se modificando conforme a necessidade encontrada em cada ponto. O ponto forte foi a ligação que os clientes desejavam ter com a natureza, sem dispensar o conforto e a tecnologia promovidos pela construção.

A casa composta por volumes e placas puras e revestimentos naturais, teve desde a etapa inicial do projeto um enorme cuidado com a privacidade de seus moradores sem perder a ligação com o exterior. Tecnologia e controle de processo do início ao fim.

A Residência Galeti situada em condomínio de alto padrão em Caxias do Sul possui área de 480m². O programa ultrapassa a necessidade da família, garantindo um valor ao imóvel compatível com o local escolhido para sua implantação.

CASA HLM BÁ - BOA ARQUITETURA

Adaptado ao interesse do casal, as atividades principais acontecem no andar térreo com a preocupação funcional para portadores de necessidades especiais.

O projeto para a Casa HLM surge a partir do pedido de um cliente que pretendia construir uma espécie de retiro em uma região montanhosa do interior gaúcho. Desde o princípio, o desafio que encontramos foi como construir algo que pudesse se elevar na paisagem como se tivesse sempre pertencido àquele contexto.

As grandes aberturas foram pensadas com a ideia de valorizar as principais visuais proporcionadas pelas belas áreas verdes do condomínio. Golas, vergas ou peitoris ausentes nos principais espaços resultam em um ambiente amplo, flexível e integrado.

FICHA TÉCNICA Local: Caxias do Sul/RS Data do projeto: Julho 2014 Exec./Inaug.: Janeiro 2015 a Dezembro 2016 Autor: Arq. Max Manoel e Arq. Daniela Copetti Colaboradores: Raquel Zuglianello (estudante), Eng. Eduardo Ekman (proj. estrutural), Eng. Alexandre Piccoli (proj. elétrico) Cliente: Particular ARQUITETARIA Arq. Max Leonardo Manoel CAU A35632-8 e Arq. Daniela Endres Copetti - CAU 68009-5 Rua Moreira César, 2537 Caxias do Sul/RS (54) 3223.4881 3025.7960 arquitetaria.com.br

12

espaço | edição especial • projeto&obra

A imagem de uma parede curva, percorrendo a topografia original, surge como ponto de referência, criando um espesso plano de concreto branco, o mais elementar possível. A partir daí os espaços internos tomam forma, em duas alas divididas por um núcleo de serviços. A primeira dá forma ao dormitório, onde uma parede curva acomoda o banheiro. A segunda recebe os espaços de convívio, onde se pode sentar ao redor do fogo, encontrar amigos ao redor da mesa do jantar, cozinhar ou simplesmente desfrutar a beleza da vista para o vale que se abre a leste. As janelas permitem que o exterior seja uma presença constante, e podem ser recolhidas para permitir a livre passagem de dentro para fora. O dormitório e o estar são conectados FICHA TÉCNICA Local: Recanto Maestro/RS Data do Projeto: Junho 2013 a Outubro 2013 Exec./Inaug.: Fevereiro 2014 a Abril 2015 Autor: Arq. Rafael Lorentz Colaboradores: Eng. Ivo Malmann (elétrico e hidrossanitário), L2 Projetos Estruturais (projeto estrutural), ICM Obras LTDA. (Execução) Cliente: Particular

através de uma varanda linear que se projeta em direção ao vale. A estrutura da casa é conformada por suas paredes, feitas em concreto branco moldado in loco. A escolha foi feita procurando atender ao terreno, que demandava uma materialidade muito forte e radical. Externamente, uma escada helicoidal metálica conecta o pátio ao terraço, que recebe uma cobertura verde. Ali, uma camada constante de 18cm de água, abaixo da grama, ajuda a manter a temperatura da casa constante, evitando gastos de energia para refrigeração no verão e para calefação no inverno. Lá no topo pode-se encontrar um lugar tranquilo para ficar só e apenas aproveitar a paisagem, que se torna mágica a cada manhã com nascer do sol.

BÁ - BOA ARQUITETURA Arq. Rafael Lorentz - CAU A73027-0 e Arq. Andrya Kohlmann - CAU A80078-3 Rua Barão de Santo Ângelo, 462/202, Porto Alegre/RS (51) 3012.8898 oi@boaarquitetura.com www.boaarquitetura.com 13


casas

CASA MMVB

BR3 ARQUITETOS + SAMUEL BIRON ARQUITETURA

Projeto de reforma residencial de 250m². A intenção do projeto é sanar os problemas existentes de vazamento, adaptar ao novo programa de necessidades e dar nova a identidade a casa. Através de um novo esqueleto metálico o perfil existente da residência é alterado para se adaptar as novas necessidades e para envelopar todas faces externas da residência é adotada a telha galvalume. Este novo invólucro sofre uma inflexão para iluminação e ventilação da área de serviço. Na fachada frontal uma peça metálica que serve como área de leitura se projeta para fora da casa. O valor estimado para reforma é de R$ 450.000,00.

FICHA TÉCNICA Local: Porto Alegre/RS Data do Projeto: Novembro 2012 Exec./Inaug.: Fevereiro 2013 Autor: Arq. Diego Brasil e Arq. Samuel Rodrigues Colaboradores: Douglas Marques de Souza, Anderson Calvi Projetos Complementares: Eng. Rafael Ortiz (Reforço Estrutural) Cliente: Particular BR3 ARQUITETOS Arq. Diego Brasil - CAU 103047-3 Rua Mostardeiro, 992/7 (51) 9277.7999 facebook/br3arquitetos SAMUEL BIRON ARQUITETURA Rua Casemiro de Abreu, 725 (51) 3508.6958 facebook.com/samuelbironarquitetura

CASA 2V BR3 ARQUITETOS

O desafio projetual desta residência foi a necessidade de um amplo espaço para lazer requerido pelos usuários. Portanto a estratégia deste projeto consiste em elevar o programa principal da residência para o segundo pavimento e liberar o nível térreo. Desta forma o primeiro nível torna-se uma grande área de lazer que alterna lugares abertos/cobertos e interno/externo. Esse nível também abriga a zona de serviço, a biblioteca e o quarto de hóspedes . O segundo pavimento é distribuído em dois núcleos separados - o social, situado na porção norte do terreno, e o íntimo, posicionado na parte sul do lote – conectados por uma passarela. Tal disposição permite que todas atividades cotidianas da família aconteçam no pavimento superior, eliminando a escada do trajeto rotineiro das moradores. A geometria do volume superior, uma combinação determinada pelo formato do lote e analises pertinentes ao local, propicia adequada iluminação e ventilação natural, controle de privacidade e enquadramento das perspectivas do entorno.

FICHA TÉCNICA Local: Porto Alegre/RS Data do Projeto: Maio 2011 Exec./Inaug.: Março 2013 Autor: Arq. Diego Brasil Colaboradores: Arq. Samuel Rodrigues, Douglas Marques de Souza, Anderson Calvi e Eng. Jonatas Krug Cliente: Particular 14

espaço | edição especial • projeto&obra

BR3 ARQUITETOS Arq. Diego Brasil - CAU 103047-3 Rua Mostardeiro, 992/7 (51) 9277.7999 facebook/br3arquitetos

15


casas

CASA NASSER

ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA ALBERTO BRIZOLARA Localizada numa região onde tem uma mistura de nacionalidades, na fronteira sul do Brasil com o norte do Uruguai, na cidade de Sant’Ana do Livramento, junto a cidade uruguaia de Rivera. Daí a influencia no uso do tijolo armado. Está localizada num terreno de 2.500m² no limite da entre área rural e urbana. O desafio formal centra-se em ter o espírito subjacente da arquitetura familiar árabe, além de adequar-se a uma arquitetura contemporânea. Os elementos formais: os arcos, as cúpulas e as abóbodas de tijolo maciço são características próprias da arquitetura do meio oriente, assim como a espontaneidade e a pureza volumétrica que serão as referencias na composição da obra. O programa: 3 dormitórios (suítes), área social ampla para receber amigos, o espelho d’agua não pode faltar. Assim sendo o projeto se espalha no terreno, distribuído em dois núcleos, um que reúne área social e serviços e outro, área íntima. A ligação funcional é feita por uma ampla galeria de cúpulas que parte está fechada e parte se abre ao pátio. O sistema construtivo das cúpulas é do tipo “ponto central sem forma” ajustada a um quadrado, sem necessidade de armadura, sendo que a mesma é somente periférica.Os pilares foram feitos de tijolo com armadura no núcleo.

CASA BF

ROMANINI ARQUITETURA

Projetada para um casal com duas filhas pequenas, a casa localiza-se num condomínio fechado de uma pequena cidade do Rio Grande do Sul, distante cerca de 380 km da capital. FICHA TÉCNICA Local: Santana do Livramento/RS Data do Projeto: 2004 Exec./Inaug.: 2009 a 2011 Autor: Arq. Alberto Brizolara Cliente: Nasser Zeidan

ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA ALBERTO BRIZOLARA Arq.Alberto Brizolara - CAU 3559-9 Rua Thomaz Albornoz, 504, Santana do Livramento/RS (55) 8115.4504, arqbrizo@yahoo.com.ar

Tirando partido do terreno com generosas dimensões (920,00m²), a setorização é realizada em blocos, conectados através de um elemento de ligação - a torre da caixa água, que abriga lavabo e banheiro da piscina.

Painéis metálicos pivotantes instalados na fachada principal garantem circulação de ar e entrada do sol da manhã, ao mesmo tempo que permitem privacidade aos moradores. O sistema construtivo utilizado é estrutura em concreto armado e fechamentos em tijolos maciços (na face externa) e divisórias de drywall internamente. A cobertura é em laje maciça com telhado verde (sistema laminar médio) no setor dos dormitórios e garagem e telhas metálicas termoacústicas sobre estrutura de madeira laminada e colada na área social (cozinha, estar e jantar).

Essa setorização surgiu do desejo dos moradores em separar as áreas sociais e íntimas, uma vez que gostam de preparar o tradicional churrasco do final de semana para os amigos e familiares, sem contudo perder a privacidade. O projeto estrutura-se em pavimento único, com área de 370,00m2 e planta em formato de “L”, buscando ventilação cruzada e iluminação abundante em todos os ambientes.

FICHA TÉCNICA Local: Constantina/RS Data do projeto: Outubro 2015 Exec./Inaug.: Dezembro 2016 Autor: Arq. Rodrigo Romanini Colaboradores: Arq. Rodrigo Salvati, Arq. Eduardo Amaral da Trindade, acad. Rafael Basso Projetos Complementares: Eng. Franco Alberti (estrutura), Eng. Julio Alberti (elétrica, telefonia) Eng. André Lionço (hidráulica) Cliente: Indira Brandtner e Vitor Fell

16

espaço | edição especial • projeto&obra

ROMANINI ARQUITETURA Arq. Rodrigo Romanini - CAU A33453-7 Rua Marechal Floriano, 1458/21 - Caxias do Sul/RS (54) 3537.6192 rodrigo@romaniniarquitetura.com.br romaniniarquitetura.com.br

17


casas

CASA CD

ROMANINI ARQUITETURA

Situada em condomínio de chácaras distante 10 minutos do centro de Caxias do Sul, a casa CD é implantada tirando partido das visuais do vale e da posição solar, propiciando privacidade e conforto aos moradores.

A composição pavilionar é consequência do desejo dos proprietários em obter uma construção predominantemente horizontal, onde todos os ambientes pudessem dispor das visuais proporcionadas pelo vale e da insolação, necessária para aquecer os dias frios do rigoroso inverno gaúcho.

A implantação visa interferir o mínimo possível na topografia e na vegetação existentes.

No verão, os brises móveis, movimentados por controle remoto conferem conforto no interior e permitem deixar as esquadrias de PVC abertas, tirando proveito da brisa local e não necessitando prover de ar condicionado.

O acesso de pedestres é realizado por meio de uma passarela metálica no nível da rua, que conduz à escadaria, também metálica, responsável por distribuir a circulação para as alas social e íntima, situadas nas extremidades da edificação.

FICHA TÉCNICA Local: Caxias do Sul/RS Data do Projeto: Novembro 2010 Exec./Inaug.: Não Informado Autor: Arq. Rodrigo Romanini Colaboradores: Mariana Fedumenti, Geovana Secco Cliente: Cíntia Daneluz ROMANINI ARQUITETURA Arq. Rodrigo Romanini - CAU A33453-7 Rua Marechal Floriano, 1458/21 - Caxias do Sul/RS (54) 3537.6192 rodrigo@romaniniarquitetura.com.br romaniniarquitetura.com.br

18

espaço | edição especial • projeto&obra

A estrutura de concreto armado obedece modulação, com o objetivo de facilitar a execução e criar ambientes mais fluídos. Um muro de pedras da região serve como apoio para a estrutura, configurando-se em marcante elemento do projeto.

CASA KOCH

THOMAS HORN ARQUITETOS ASSOCIADOS O desejo do casal e suas duas filhas foi, desde o início, que se preservasse a vista do terreno, que se abre para o Vale do Taquari, região onde está localizada a cidade de Estrela, junto com uma arquitetura de linguagem simples, com linhas retas. Dessa forma o projeto foi elaborado respeitando esses desejos, aproveitando que a vista principal está voltada para o norte, abriu-se toda a residência para essa face. No pavimento térreo estão locados todos os acessos principais, um dormitório de hóspedes e a área social, sendo esta toda integrada entre seus ambientes (cozinha, espaço gourmet, estar e jantar). Já no segundo piso encontra-se a área intima da casa com 3 suítes que avançam sobre o pavimento térreo, formando áreas externas cobertas. O ambiente de serviço (lavanderia) encontra-se no mesmo pavimento dos dormitórios, mas voltado para o sul, onde se criou um pátio de serviço tirando proveito do desnível do terreno. FICHA TÉCNICA Local: Estrela/RS Data do projeto: Agosto 2013 Exec./Inaug.: Novembro 2013 a Janeiro 2015 Autor: Arq. Rodrigo Arenhart Fell, Arq. Cristiano Vilanova Horn e Arq. Anerose Thomas Horn Colaboradores: Acad. Rafael Mallmann e Acad. Jéssica Viviane Dickel Cliente: Vanderlei Luis Koch e Maria Carolina Koch THOMAS HORN ARQUITETOS ASSOCIADOS Arq. Rodrigo Arenhart Fell - CAU A49.328‐7, Arq. Cristiano Vilanova Horn - CAU A24.134‐2, Arq. Anerose Thomas Horn - CAU A24.129‐6 Rua Coronel Müssnich, 557/103, Estrela/RS (51) 3720.2088 thomashorn@brturbo.com.br www.thomashornarquitetos.com.br 19


casas

CASA NIC

comerciais

OFICINA DE PLANTAS

TROYANO ARQUITETURA

O partido é composto por dois volumes térreos, um mais íntimo e outro mais social, que se intercalam com três áreas abertas, sendo elas o recuo de jardim, o pátio central e o pátio da piscina. O ingresso a partir da rua, diferente do tradicional, perfura a área íntima, sendo o pátio central e o volume social descortinados ao atravessar este primeiro prisma. Pretendeu-se um passeio arquitetônico marcado pela alternância entre aberto e fechado.

RMK! ARQUITETURA

Ambos os corpos construídos são ligados por um corredor que corta o vazio entre eles: ao norte, o pátio central, com fogo de chão, para o qual abre-se. Ao sul, o pátio de serviço, resguardado do olhar do visitante por um volume de serviço. O prisma social comporta ampla área de estar com abertura para dois pátios. Esta solução foi escolhida com vistas a prover o espaço de ventilação cruzada, bem como estreitar a relação entre dentro e fora, tornando as porções não construídas, também, em espaço de estar. Simplificou-se tanto a composição quanto a linguagem. O concreto aparente e o ângulo reto conferem tectonicidade e noção de todo ao conjunto, mesmo após subtrações de pele. As paredes diferenciam-se das vigas, pretas, de cobertura e de fundação. Emoldura-se, então, a camada térrea, recebendo, esta, a materialidade do concreto, do vidro e da madeira, demonstrando configuração vertical tripartida na qual a hierarquia brota do nível habitável, ressaltando a horizontalidade da obra.

FICHA TÉCNICA Local: Porto Alegre/RS Data do Projeto: 2014 Exec./Inaug.: Setembro 2014 a Novembro 2015 Autor: Arq. Rodrigo Troyano e Arq. Eugenia Kuhn Colaboradores: Arq. Mariana Peruffo e Arq. Gianluca Perseu Projetos Complementares: Eng. Jonatas Krug Fotografia e Desenho: Lorenzo Fantoni

20 espaço | edição especial • projeto&obra

TROYANO ARQUITETURA Arq. Arquiteto Rodrigo Troyano - CAU A36150-0 Rua Sofia Veloso, 185 - Porto Alegre/RS (51) 3062.6141 troyano@troyanoarquitetura.com.br troyanoarquitetura.com.br

FICHA TÉCNICA Local: Pelotas/RS Data do Projeto: Março 2010 Exec./Inaug.: Dezembro 2012 Autor: Arq. Otávio Riemke Colaboradores: Arq. Pedro Osório Cliente: Lorena Macluf Franck Hosni RMK! ARQUITETURA Arq. Otávio Riemke - CAU 95437-3 Rua 3 de maio, 927 - Pelotas/RS (53) 3225.9962 www.otavioriemke.com

Uma obra rápida, de baixo custo e que permitisse o funcionamento do estabelecimento o maior tempo possível. Esses eram os requisitos para o projeto de reforma da Oficina de Plantas, localizada em um entroncamento movimentado do centro de Pelotas. Assim, a ideia era simples: criar uma casca de concreto que envolvesse a estrutura original permitindo o funcionamento do espaço original ao longo de período de reforma. A estrutura pré-existente foi transformada em um opaco cubo de madeira com a função de resguardar as áreas de armazenagem e manejo das plantas, escondendo também o acesso de serviço, bem como medidor de energia e hidrômetro. Sobre esse cubo, com entre-piso também em madeira, instalou-se o escritório com vista para a Avenida Bento Gonçalves. A casca de concreto e o cubo de madeira não se tocam, tendo simplesmente vedação em vidros duplos e proteção solar com cortinas horizontais. Um painel metálico abriga os compressores do sistema de refrigeração do edifício, uma vez que a ventilação natural foi dispensada em virtude do excessivo ruído da via. Além da solução construtiva, o partido arquitetônico buscava reconstituir o quarteirão original bem como o gabarito da edificação, característicos da zona central de Pelotas.

21


comerciais

RESTAURANTE DA PRAÇA AG ARQUITETURA E PLANEJAMENTO

Parte integrante de uma revitalização ocorrida entre 2006 e 2010 na praça central de Uruguaiana, este prédio público substituiu uma pequena edificação dos anos 1970. O restaurante de 236m² finalizou a modernização e motivou a comunidade a retomar o uso do espaço aberto de 17.450m², abraçado pela história das edificações mais relevantes da cidade. Rota de argentinos e uruguaios, a Praça Barão do Rio Branco é um ponto de referência para os que se aventuram pelo pampa. O objetivo de acolher os visitantes fez com que o projeto propusesse uma arquitetura atemporal, regional e acessível, percebida já na fachada recuada, criada para ser um espaço receptivo de espera. A releitura do galpão: telhado de duas águas, paredes de tábuas - ora vedações, ora brises - tesouras e tijolos aparentes, instiga e conduz o imaginário dos clientes.

O local recebeu intervenções para o melhor aproveitamento dos usuários. A intenção foi criar uma praça seca, um lugar aberto para o convívio das pessoas e que também pode ser usado em eventos.

PROJEÇÃO DA COBERTURA

PROJEÇÃO DA COBERTURA

PROJEÇÃO PERGOLADO

PROJEÇÃO DA COBERTURA

22 espaço | edição especial • projeto&obra

FICHA TÉCNICA Local: Porto Alegre/RS Data do Projeto: 2004 Exec./Inaug.: 2005 Autor: Arq. Cláudia Titton, Arq. Mariana Hugo e Arq. Taís Lagranha Colaboradores: Sthefânia Duhá, Margarida Galafassi e Glaucia Alvarez Cliente: Renato Rizzo

ILLA Arq. Cláudia Titton - CAU 78379-0, Arq. Mariana Hugo - CAU 83780-6 e Arq. Taís Lagranha - CAU 78452-4 Rua Santo Antônio 366 / 05 Porto Alegre/RS (51) 3211.4737 www.illa.arq.br

O caminho de pedras portuguesas formam um eixo em meio ao piso existente de basalto, convidando o público a entrar. Para tanto, as principais premissas de projeto foram: Explorar as potencialidades da localização estratégica do terreno, gerando visibilidade e incremento dos negócios instalados no empreendimento. Tornar o local convidativo e acolhedor, estimulando assim as pessoas para transitar, passear, conversar, descansar e comprar. Aumentar o fluxo de pessoas no Pátio através da oferta de diversidade de usos, incentivando a permanência das mesmas, criando espaços públicos de estar e convívio, resultantes de projeto arquitetônico contemporâneo.

K

CMY

Y

M

CY

C

MY

AG ARQUITETURA E PLANEJAMENTO Arq. Urb. Alexandre Couto Giorgi - CAU A38710-0 Rua XV de Novembro, 1369 - Uruguaiana/RS (55) 2102.9390 9977.8830 ag.urbanismo@gmail.com www.agarq.com.br CM

FICHA TÉCNICA Local: Uruguaiana/RS Data do Projeto: Setembro 2008 Exec./Inaug.: Fevereiro 2009 a Outubro 2009 Autor: Arq. Urb. Alexandre Couto Giorgi Colaboradores: Arq. Urb. Carlos Alberto do Canto Projetos Complementares: (projeto elétrico, hidrossanitário, estrutural, orçamento e fiscalização de obra) Arq. Urb. Alexandre Couto Giorgi, Arq. Urb. Carlos Alberto do Canto, Eng. Civ. José Maria Faraco Cliente: Prefeitura Municipal de Uruguaiana

Parte da história da capital gaúcha, a área de 300 metros quadrados, com construção tombada de 1925, na esquina das ruas Padre Chagas e Félix da Cunha foi revitalizada pela ILLA. O espaço batizado de Pátio Ivo Rizzo já foi residência e depois sede de empresa familiar e agora é uma área de convívio.

N

AG RESTAURANTE - PLANTA-BAIXA.pdf 1 02/12/16 12:28:34

A implantação da edificação se deu na formação de um eixo entre o centro do chafariz existente na praça, com o alinhamento longitudinal do salão principal. Dessa forma, o chafariz faz parte da ambientação do restaurante, propiciando, através dos panos de vidro, uma vista agradável e interativa com o entorno.

ILLA

PROJEÇÃO DA COBERTURA

O volume principal em madeira, e o volume perpendicular de apoio (cozinha, sanitários, depósitos) em alvenaria, completam essa atemporalidade ao adotar esta antiga solução na escolha dos materiais. A planta em cruz - modulada em 2,50x2,50m, se completa com uma varanda coberta na fachada leste.

PÁTIO IVO RIZZO

23


comerciais

NOVA SEDE MUNDO ARTE GLOBAL MC ARQUITETURA URBANISMO Em um Bairro porto-alegrense pequeno, o Santa Cecília se desenvolveu ao redor da Igreja de Santa Cecília, fundada em 1943. A região era conhecida como Caminho do Meio, em referência ao velho caminho que é hoje a Avenida Protásio Alves, e ao nome da linha de bonde que percorria o bairro. para receber os escritórios e uma pequena sala de cinema/ estúdio. Numa das paredes lateral foi proposto à utilização de expositor de quadros e objetos. Ao lado externo e no fundo da edificação ficam a copa, sanitários, almoxarifados e um espaço para ateliê das artes. A montagem do espaço dos escritórios se deu através de uma estrutura metálica que esta fixada nos pilares de concreto (existentes) e na laje de concreto do piso já existente. Atribuindo na estrutura uma angulação para que houvesse uma perspectiva ilustrando as tesouras de madeira existentes. O fechamento foi feito com painéis de chapa de compensado naval fixadas em cantoneiras metálicas e parafusadas. A estrutura está apoiada e engastada no piso e nos pilares existentes. As dificuldades do projeto se apresentaram na estrutura metálica, trabalho que até este o escritório não tinha realizado. Ao final, a proposta foi bem aceita, e demonstra hoje uma união do pavilhão antigo com o espaço novo. Mostrando assim que existem muitas alternativas de projetos para galpões, pavilhões entre outras edificações esquecidas pela cidade. Com boas ideias se mostrou que se pode realizar projetos de revitalização para estas edificações.

PEPSI CLUB MOZ E RIBEIRO ARQUITETOS

O prédio da casa noturna Pepsi Club localiza-se em um bairro novo de Caxias do sul. Ele está situado justamente de frente a parte nova do Shopping Iguatemi Caxias, com sua arquitetura contemporânea de caráter internacional. Este foi o ponto de partida para o desenvolvimento do projeto - estabelecer um diálogo com a qualidade arquitetônica do entorno explorando o uso de formas contemporâneas como permite o tema. O prédio da Pepsi Club tem 700,00m² de área divididos basicamente em dois ambientes, a pista de dança, em forma de arena, e o espaço lounge. A fachada foi revestida com placas de aço pré-pintado branco para adquirir novas nuances de cor com uso de luzes coloridas. Ao fundo foi aplicada uma imagem que poderá ser trocada a cada estação. A intenção para a fachada foi criar um movimento que transmita a sensação de estar sendo abraçado pelo prédio e conduzido ao seu interior para uma verdadeira experiência de entretenimento.

LEONARDO VIANNA

Foi solicitado ao escritório MC arquitetura e urbanismo uma proposta para realizar o projeto e a execução da obra para um novo espaço da sede, juntamente com uma área de exposições, para o escritório Mundo arte global. Empresa conceituada pelo seu grande desempenho no trabalho com “arte reciclável” e muito bem representada. Uma responsabilidade grande de unir arquitetura e arte. Os primeiros rabiscos e croquis do escritório foram baseados na pré-existência do galpão, buscando boas ideias de integração do novo com o pavilhão. A premissa do projeto foi buscar uma referência nas antigas tesouras de madeira que sustentam o telhado, e logo já chamaram a atenção. Num primeiro momento foi sugerido pelo cliente uma divisão do pavilhão entre a área de trabalho e a área de exposições. Porem bloqueava a integração da “arte”, que seria produzida ao olhar de quem chegasse e estivesse no espaço. Foi então sugerido uma setorização dos escritórios, integrando os espaços a serem projetados. No programa de necessidades está o espaço para escritórios, o espaço para produção da “arte reciclável”, o espaço para almoxarifados, copa e sanitários e um espaço para exposições das artes. O local também seria para receber eventos para comercialização da arte produzida no local pela MAG e por outros artistas. O projeto recebe a ideia de uma estrutura metálica projetada

FICHA TÉCNICA Local: Porto Alegre/RS Data do Projeto: Setembro 2010 Exec./Inaug.: 2010-2011 Autor: Arq. Mauricio Colombo Projetos complementares: Colombo e Colombo Engenharia Elétrica e Arquitetura Ltda. Cliente: MAG - Mundo Arte Global MC ARQUITETURA URBANISMO Arq. Mauricio Colombo - CAU A91215-8 Rua Dona Laura 414/804 - Porto Alegre/RS (51) 99725.7798 3388.9025 colombomauricio@hotmail.com

24 espaço | edição especial • projeto&obra

FICHA TÉCNICA Local: Caxias do Sul/RS Data do Projeto: Fevereiro 2011 Exec./Inaug.: Fevereiro 2011 a Dezembro 2012 Autor: Arq. Cristian G. Moz e Arq. Vinicius T. Ribeiro Cliente: Saulo Zanotto

MOZ E RIBEIRO Arq. Vinicius T. Ribeiro - CAU 78453-2 e Arq. Cristian G. Moz - CAU 80220-4 Rua Dr. Montaury, 1441/501 - Caxias do Sul/RS (54) 98145.0505 crismoz@gmail.com 25


comerciais

ARTE COZINHAS VAZQUEZ ARQUITETOS

NILO 1700

É um projeto austero que talvez não fosse merecedor de uma análise, a não ser por ter a pretensão de poder suscitar uma breve análise, sobre a relevância de realizar uma “arquitetura média” consciente e sobre seu significado como postura conceitual. Arquitetura média no sentido de ser pequena em escala, de uso corriqueiro, em um local como outro qualquer, porém grande se pensarmos como são elas que conformam nossas cidades.

OSPA ARQUITETURA E URBANISMO

Um centro comercial, com 12 lojas voltadas para um das mais valorizadas esquinas de Porto Alegre.

O projeto tem a intenção de desenvolver uma arquitetura coerente, uma arquitetura ética (sem querer soar pretensioso com tal afirmação). O edifício busca estabelecer um diálogo paralelo com duas escalas diferentes da cidade: a Radial Leste e a Via local. Para tal, seus limites em base e altura conformam linhas continuas com seus vizinhos (entorno imediato), e a escala de seu desenho em fachada estabelece o diálogo com a via expressa.

A obra foi pensada e executada com materiais industrializados, sendo sua macroestrutura feita em concreto pré-moldado, otimizando tempo de execução. A galeria formada pela cobertura projetada em balanço fica 1,5m acima do nível da rua, não conflitando visualmente com os estacionamentos rápidos que demandam locais como este, de tráfego intenso. Esta elevação também proporciona visuais mais interessantes e proteção às lojas e aos usuários que passam pela galeria. O caráter comercial e de exceção necessários a um local como este foi dado com a utilização de forro de alumínio anodizado em diversas cores, contrastando com a austeridade do concreto aparente.

26 espaço | edição especial • projeto&obra

O partido é organizado em 3 pátios, que se distribuem a fim de gerar uma continuidade espacial entre as partes. Esta fluidez permite que o espaço seja mais cálido pelo seu contato com a natureza. Além dos benefícios espaciais, este recurso gera iluminação natural e ventilação cruzada.

MARCELO DONADUSSI.

FICHA TÉCNICA Local: São Paulo/SP Data do Projeto: Abril 2009 Exec./Inaug.: Junho 2009 a Setembro 2010 Autor: Arq. Matias Revello Vazquez Projetos Complementares: Eng. Alberto Salvador (estrutura, hidro, elétrico) Cliente: Arte Cozinhas

OSPA ARQUITETURA E URBANISMO Arq. Carolina Flach Souza Pinto - CAU A48701-5 Av. Osvaldo Aranha, 790, 4º andar - Porto Alegre/RS (51) 3019.1057 www.ospa.com.br

VAZQUEZ ARQUITETOS Arq. Matias Revello Vazquez - CAU A47423-1 Rua Marquês do Herval, 1344 - Caxias do Sul/RS (54) 3221.5552 contato@vazquezarquitetos.com.br vazquezarquitetos.com.br

BEBETE VIEGAS

FICHA TÉCNICA Local: Porto Alegre/RS Data do Projeto: 2007 Exec./Inaug.: 2012 Autor: Arq. Carolina Flach Souza Pinto, Arq. Lucas Obino e Arq. Jean Grivot (Hype Studio) Cliente: Ruy Brossard

A fachada é bastante sucinta no número de informações que apresenta, é algo brutalista. Estabelece um jogo através das peças que a compõe, as quais criam um ritmo, cobrindo e descobrindo de forma aleatória o interior do edifício.

27


comerciais

edifícios de uso misto

VIVA OPEN MALL

DUO CONCEPT

RONALDO REZENDE ARQUITETURA

O Projeto “Fora da Caixa”, está em sintonia com o que há de mais inovador em operações no mundo. Localizado numa região próxima a dois grandes shopping centers, o desafio foi de criar algo que tivesse vida e identidade próprias, sem a pretensão de competir com seus vizinhos comerciais. Foi com essa premissa que a empresa projetou o Viva Open Mall, um shopping inovador e surpreendente, com uma arquitetura arrojada, contemporânea e convidativa.

FICHA TÉCNICA Local: Porto Alegre/RS Data do Projeto: 2010 Exec./Inaug.: 2015 Autor: Arq. Ronaldo G. C. Rezende Colaboradores: Arq. Raul Rezende (co-autor), Arq. Pryscilla Zamberlan, Arq. João Dias Coelho, Arq. Rodrigo Bueno, Arq. Lisandra Theil, Arq. Mariana Soares, Arq. Daniela Wetzel, Arq. Renata Navarro, Arq. Lara Litwine Arq. João Pedro Crescente Cliente: Fundo de Investimento Phorbis RONALDO REZENDE ARQUITETURA Arq. Ronaldo G. C. Rezende - CAU A4713-9 Rua Felipe Neri, 01 - Porto Alegre/RS (51) 3023.8080 www.ronaldorezende.com.br

PEDRO GABRIEL & BONINI ARQUITETURA O projeto DUO Concept trata-se de um empreendimento mixed-use que contempla, em uma única torre de 20 pavimentos, escritórios profissionais e um condo-hotel. Tendo como sítio de implantação o centro histórico da capital gaúcha, a obra se eleva sobre a Primeira Perimetral de Porto Alegre, revitalizando um espaço urbano desarticulado da malha da cidade. A proposta de projeto, orientada por um programa com estimativa de área próxima a 28.000,00 m2, fundamentou-se na exploração dos espaços públicos que circundam a torre. Tomado como elemento de interface entre a praça e o largo adjacentes, o volume fora recuado em relação ao alinhamento para o estabelecimento de uma conexão visual entre as duas esquinas que o cercam. A adoção desta premissa culminou na criação de uma generosa esplanada de acesso, favorecendo a integração e a perspectiva geral do conjunto. O partido arquitetônico evidencia a função para qual o volume se presta. O pavimento tipo, configurado por duas torres contíguas e cujas atividades dividem-se em escritórios e flats, transcende a planta baixa para compor, de forma concisa, a fachada. A distinção dos usos, formalizada pelo emprego de uma malha reticulada para os quartos de hotel e por panos lineares de vidro para os conjuntos comerciais, articula a fita que conforma a volumetria. O apelo formal é favorecido pela adoção singular do branco como proposta de acabamento. O contraste entre o vidro e as superfícies claras ressaltam as linhas da fachada, orientando na leitura geral de sua composição.

28 espaço | edição especial • projeto&obra

FICHA TÉCNICA Local: Porto Alegre/RS Data do Projeto: Junho 2012 Exec./Inaug.: Outubro 2016 Autor: Arq. Pedro Gabriel S. de Castro e Arq. Marcelo Corrêa Bonini Colaboradores: Arq. Paula Hoffmeister, Arq. Letícia Ricordi, Arq. Maria Eduarda Freitas e Arq. Cristal John Projetos Complementares: Arquibloco, Sistema, FB Assessoria e Projetos, Engemestra, Vantec, Serki, Stemac, Gás Central, IHE Proteção Contra Incêndio Ltda, Tellini Vontobel Arquitetura Exterior, Prisma Topografia, ACP Arquitetura, BG Arquitetura Cliente: Cyrela Goldsztein PEDRO GABRIEL & BONINI ARQUITETURA Arq. Pedro Gabriel S. de Castro - CAU A9397-1 Av. Cristóvão Colombo, 2937/901 - Porto Alegre/RS (51) 3337.1919 www.facebook.com/pedrogabrieleboniniarquitetura pgba@pgba.com.br www.pgba.com.br

29


edifícios de uso misto

edifícios residenciais

CHOICE LOFT SPACE

IDEIA1 ARQUITETURA E PLANEJAMENTO O edifício está implantado mais perto da divisa leste, com a maior fachada de apartamentos para oeste para ter um melhor aproveitamento das visuais. Nessa fachada se encontram os apartamentos de pé-direito duplo e a maioria dos apartamentos restantes. A visual é aproveitada, pois, o entorno cai para aquele lado abrindo uma linda vista da cidade.

ARTSY

SMART + IDEA 1 ARQUITETURA

O Artsy buscou através de sua arquitetura promover conexão tanto física quanto simbólica com a Cidade Baixa. Ao mesmo tempo respeitando a cultura, a história e as raízes locais, e propondo um olhar vanguardista sobre o bairro. Como produto imobiliário, propõe um diálogo com a diversidade do bairro, através de um programa multiuso composto por 134 apartamentos com 42 a 150 m² (studios, 2 dormitórios, suíte duplex, apartamentos garden com infraestrutura incluindo lounges, academia, salão de festas, lavanderia, bicicletário, entre outros), 55 escritórios 30 a 97 m² e centro comercial com com 16 lojas.

Formalmente a proposta combina elementos do passado, presente e futuro mixados sob um olhar contemporâneo. Dos anos 70, as marquises, janelas verticais e pórticos moldando o setor residencial, uma referência ao modernismo tardio da arquitetura porto alegrense. Dos anos 90 e 2000, a preocupação com o tratamento das fachadas norte e sul através de brises metálicos e superfícies de cor na fachada leste e oeste, todos tratados com matizes randômicas dentro de uma paleta de tons quentes. Ao olhar para o futuro, a inspiração minimalista das faixas e floreiras do Mall e o desenho orgânico das esquadrias do setor comercial. Todos os elementos pesados e ponderados buscando uma equação sutil ora pautada pelo diálogo formal, ora pela ruptura e personalidade própria de acordo do olhar do usuário.

FICHA TÉCNICA Local: Porto Alegre/RS Data do Projeto: Mês/Ano Exec./Inaug.: Em obras Autor: Smart + Idea 1 Arquitetura Projetos Complementares: Maiojama (contrução e incorporação); Carpeggiani projetos estruturais; Maena Arquitetura e Design (áreas condominiais); Creare Paisagismo; Mello Arquitetura (compatibilização de projetos); Ana Terra Engenharia (projeto elétrico); Optare Engenharia (projeto hidrossanitário); Arquibloco (projeto de modulação de blocos e drywall); Neorama (direção de arte e fotografia para arquitetura)

A volumetria adotada, um jogo de volumes escalonados, foi inspirada nas edificações das grandes cidades do mundo. Além disso, a estratégia de colar a parte inferior da edificação foi adotada para conversar com o entorno, pois, há um prédio vizinho construído na divisa. Com essa estratégia os apartamentos dos pavimentos inferiores não ficaram prejudicados, pois suas aberturam ficaram para frente do empreendimento. O público alvo do empreendimento definido pela construtora foi o jovem. Por isso, foi adotado pelo projeto arquitetônico o conceito de lofts, apartamentos que podem ter dormitórios fechados ou abertos deixando os apartamentos totalmente integrados. Outra estratégia foi apartamentos duplex com o pé direito duplo. Devido ao conceito jovial, o projeto de interiores condominial também buscou a temática jovem.

SMART + IDEA 1 ARQUITETURA Arq. Nome Sobrenome - CAU nº-nº Endereço: Rua/Av. número - Cidade/ES Fone: (XX) 0000.0000 Email (opcional): Site (opcional): www ou facebook (facebook/nomefacebook) FICHA TÉCNICA Local: Caxias do Sul/RS Data do Projeto: Maio 2012 Exec./Inaug.: Julho 2015 Autor: Camila Sanvitto, Cristina Martins, Gabriel Grandó, Marcos Laurino, Luis Rocha Cliente: Fisa Incorporadora IDEIA1 ARQUITETURA E PLANEJAMENTO Arq. Gabriel Grandó - CAU A38880-7 Rua Liberdade, 50 - Porto Alegre/RS (51) 3061.3031 www.ideia1.com.br

30 espaço | edição especial • projeto&obra

31


Fernando Abbott 866

MARCELO DONADUSSI

MARCELO DONADUSSI

edifícios residenciais

ARQUITETURA NACIONAL O edifício está localizado em uma zona da cidade que enfrenta um processo de transição - as antigas casas dão lugar a edifícios de pequeno e médio porte, que servem como marco desta renovação. O terreno localiza-se em uma esquina, em um ponto alto do bairro, tendo um desnível de 7m em seu comprimento. Por estar em uma cota alta da cidade, sofre forte influência dos limitadores de altura das edificações. A vista privilegiada aos fundos do terreno foi ponto de partida para a disposição dos apartamentos: todas as unidades se voltam ao famoso pôr do sol porto alegrense. Como não havia a possibilidade de encaixe de dois apartamentos linearmente por andar (voltados para a vista) optou-se também pelo uso de apartamentos duplex. Assim, a cada dois andares, dois apartamentos são lineares e um é duplex. Esse deslizamento dos volumes habitacionais quebra a monotonia da altura de nove pavimentos.

Praça Municipal 47

ARQUITETURA NACIONAL

O Edifício Praça Municipal 47 é um exemplo da transformação do contexto onde o projeto está inserido - edificações de média altura ocupam o lugar de casas e pequenos lotes. Com traçado orgânico e irregular, o entorno é caracterizado pelo grão reduzido e o uso residencial. Está localizado no bairro Cristo Redentor, com limitações de altura impostas pelo aeroporto. O projeto parte de um volume prismático elevado do térreo, configurado por uma placa envolvente aberta para frente e para os fundos do terreno. O declive natural do terreno acomoda o estacionamento no subsolo, o térreo é solto do corpo do edifício criando um acesso aberto e franco. A pequena praça semi-coberta encaminha ao acesso através do jardim e convida a entrar no edifício em um hall recuado. Dois apartamentos por andar são dispostos simetricamente em relação à circulação vertical do edifício. Os últimos andares possuem terraço e se organizam em dois pavimentos. Os apartamentos de frente enxergam a planície ao norte e a paisagem do rio, enquanto os de fundos veem morros e a paisagem urbana do entorno.

Internamente, os apartamentos são setorizados em núcleos social e íntimo. O social organiza o acesso, as salas de estar, jantar e cozinha num espaço único, emoldurado pela esquadria principal. A parede oposta aos dormitórios ganha espessura para acomodar a área de serviço, a churrasqueira e a bancada da cozinha. Na configuração duplex a sala está no primeiro pavimento, e no segundo pavimento a cozinha e copa são conectadas ao terraço. As esquadrias de madeira valorizam o espaço de estar, enquanto no dormitório, venezianas pivotantes de madeira, além de completar a composição da fachada, controlam a iluminação natural. A articulação entre venezianas e janelas de abertura total cria um jogo anunciado pelo movimento nas fachadas principais.

FICHA TÉCNICA Local: Porto Alegre/RS Data do Projeto: 2010 Exec./Inaug.: 2013 Autor: Arq. Eduardo Maurmann, Arq. Elen Balvedi Maurmann, Arq. Paula Otto e Arq. Marcelo Della Giustina Colaboradores: Acad. Luiza Otto Projetos Complementares: Carpeggiani Engenharia (estrutura), Asolon Engenharia (elétrica); Proinst Projetos e Instalações (hidráulica), Construtora CSR Ltda. (construção e incorporação) Cliente: CR Consultoria e Participações

O conceito do projeto busca a individualidade de cada unidade habitacional através da ideia de casas empilhadas, evidente na volumetria – cada apartamento é facilmente identificado na fachada. As diferentes tipologias de apartamentos refletem os diferentes jeitos de morar dos usuários: os apartamentos duplex possuem 89m² e tem as áreas sociais e íntimas separadas, enquanto os apartamentos de configuração linear com 87m², buscam uma maior integração entre os dois programas. O apartamento duplex do térreo possui um pátio generoso e o apartamento de cobertura ocupa todo o andar. Ao destacar os volumes dos apartamentos a estrutura cria uma moldura ao redor de cada volume e as janelas tem maior liberdade para sua disposição nas fachadas laterais. Na fachada dos fundos, voltada à vista, as janelas se abrem ao máximo.

FICHA TÉCNICA Local: Porto Alegre/RS Data do Projeto: 2011 Exec./Inaug.: 2016 Autor: Arq. Eduardo Maurmann, Arq. Elen Balvedi Maurmann e Arq. Paula Otto Projetos Complementares: Carpeggiani Engenharia (estrutura), Asolon Engenharia (hidrossanitário); Proinst Projetos e Instalações (elétrica), CSR Incorporadora (incorporação) Cliente: CR Consultoria e Participações ARQUITETURA NACIONAL Arq. Eduardo Maurmann - CAU 69263-8 Rua Santo Inácio 378, sala 02 - Porto Alegre/RS (51) 3237.9476 www.arquiteturanacional.com.br

ARQUITETURA NACIONAL Arq. Eduardo L. Maurmann - CAU 69263-8 Rua Santo Inácio 378, sala 02 - Porto Alegre/RS (51) 3237.9476 www.arquiteturanacional.com.br

32 espaço | edição especial • projeto&obra

33


edifícios residenciais

EDIFÍCIO RESIDENCIAL IMPERADOR

SANTOS DUMONT 60

SOUZA&CAMPELO ARQUITETOS ASSOCIADOS

BÁ - Boa Arquitetura

O Santos Dumont 60 foi projetado com a intenção de oferecer uma alternativa de qualidade arquitetônica e espírito cosmopolita para o mercado imobiliário local. São 12 unidades residenciais e 2 comerciais, em uma localização central que permite que a cidade seja vivida a pé.

O projeto trata-se de uma edificação residencial de alto padrão com área total de aproximadamente 2500m² e 18 pavimentos de altura sendo 1 apartamento por andar com área privativa de 382m².

O edifício se localiza em um terreno com duas frentes. Na interface com a rua Santa Rosa, aproveitando o desnível do terreno, foram criados dois espaços comerciais que se abrem para uma pequena praça, responsável por criar um ambiente de interação e prolongamento do espaço público. Na rua Santos Dumont, mais tranquila, está localizado o acesso residencial. Um nível acima temos o pavimento principal de garagens, que recebe um fechamento em placas de alumínio expandido, garantindo iluminação e ventilação natural ao longo do dia, e atuam como elementos luminosos de escala urbana à noite.

O desafio do projeto foi buscar sistemas construtivos inovadores a fim de otimizar o tempo de obra, redução de resíduos e custos. As paredes externas foram executadas com tecnologia canadense em painéis de concreto pré-fabricado revestido. Cada painel foi pensado e detalhado isoladamente e após montado em uma fábrica no município de Cachoeirinha, depois de prontos foram transportados e montados na obra, gerando otimização de tempo de execução e considerável redução de resíduos no canteiro de obras. Desde o estudo preliminar as questões de sustentabilidade da edificação foram pensadas.

No pavimento tipo são distribuídos dois apartamentos por andar, cada um voltado para uma das duas ruas que tem interface com o edifício. As unidades foram projetadas de modo a possibilitar diferentes arranjos de planta, ou seja, os espaços internos podem ser criados de acordo com a preferência dos moradores, e podem ser modificados ao longo do tempo. Os espaços internos são integrados e amplos, com grandes esquadrias que valorizam a vista e a integração com a paisagem.

O projeto contempla espaço destinado aos descartes condominiais e sistema de iluminação condominial controlada por sensores de presença limitando o uso somente quando necessário. Sistemas de reaproveitamento de água da chuva, medições de água e gás individuais e sistema de controle de luz natural através de esquadrias com vidros duplos, também foram previstos no projeto.

FICHA TÉCNICA Local: Santa Rosa/RS Data do Projeto: Janeiro 2014 a Julho 2014 Exec./Inaug.: Outubro 2014 a Dezembro 2016 Autor: Arq. Rafael Lorentz Projetos Complementares: : Eng. Walter Lorentz e Eng. Tony Lorentz (elétrico, hidrossanitário e PPCI), L2 Projetos Estruturais (projeto estrutural), Arq. Andrya Kohlmann (concepção de design de interiores) BÁ – BOA ARQUITETURA Arq. Rafael Lorentz - CAU A73027-0 e Arq. Andrya Kohlmann - CAU A80078-3 Rua Barão de Santo Ângelo, 462/202 Porto Alegre/RS (51) 3012.8898 oi@boaarquitetura.com www.boaarquitetura.com

34 espaço | edição especial • projeto&obra

VANESSA BOHN

Mais que um empreendimento isolado, queremos que o SD60 seja uma contribuição à cidade.

FICHA TÉCNICA Local: Porto Alegre/RS Data do Projeto: Janeiro 2009 Exec./Inaug.: Janeiro 2013 Autor: Arq. Rodrigo Pinto de Souza e Arq. Cristina De Lorenzi Campelo Co-autores: Arq. Clarissa Fritscher e Arq. Natali Gabe Cliente: DibDib Engenharia SOUZA&CAMPELO ARQUITETOS ASSOCIADOS Arq. Rodrigo Pinto de Souza - CAU36532-7 Rua José Scutari 154 - Porto Alegre/RS (51) 3019.3253 3061.1391 8409.2988 r.souza@scarq.com.br www.scarq.com.br

35


RICARDO BRAESCHER

edifícios residenciais

FICHA TÉCNICA Local: Caxias do Sul/RS Data do Projeto: 2010 Exec./Inaug.: 2010 a 2011 Autor: Arq. Rodrigo Salvati e Arq. Greice Portal Projetos Complementares: Eng. Danilo Galiotto e Eng. Lauro Salvati Cliente: Salvati Empreendimentos Imobiliários Ltda SALVATI PORTAL ARQUITETOS Arq. Rodrigo Salvati - CAU A36422-3 e Arq. Greice V. Portal Salvati -CAU A32537-6 Rua dos Cinamomos, 160 Caxias do Sul/RS (54) 8411.0221 8414-0222 rodrigo@salvatiportal.com.br greice@salvatiportal.com.br www.salvatiportal.com.br

RESIDENCIAL SANGIACOMO SALVATI PORTAL ARQUITETOS

Durante o desenvolvimento de suas teses de mestrado, focadas em sustentabilidade urbana, uma das maiores preocupações dos arquitetos Rodrigo Salvati e Greice Portal era a questão da segurança em ambientes urbanos. Como desenvolver habitações que se dizem sustentáveis do ponto de vista do meio ambiente e esquecer que um dos problemas que mais afeta as cidades brasileiras nos dias de hoje? Com essas ideias em mente, e guiados pela literatura de Jane Jacobs que prega os “olhos na rua” como forma de melhorar a segurança não só daqueles que residem nas edificações, mas também daqueles que circulam nessas ruas, os arquitetos conceberam um edifício de 4 pavimentos (subsolo com garagem + 3 pavimentos de apartamentos) no qual todas as áreas de convivência (estar/jantar e cozinha) voltam-se para a rua. Na cozinha, área de especial importância nas cidades da serra gaúcha, a abundância de visibilidade para o exterior faz com que a entrada de veículos esteja constantemente vigiada pelos próprios moradores.

36 espaço | edição especial • projeto&obra

FORTE DA PRAINHA TORRES & BELLO ARQUITETOS ASSOCIADOS

O projeto residencial multifamiliar recebeu o Prêmio AsBEA 2010, em São Paulo. Localiza-se no litoral na praia de Torres/RS, em um terreno de esquina com 4.532m² construídos. O prédio possui 4 pavimentos, com elevador, e é formado ao todo por 20 apartamentos. No último pavimento, os apartamentos tem uma cobertura com terraço descoberto. O partido adotado constitui-se de dois blocos arquitetônicos formando a esquina e marcando o acesso. A proposta foi utilizar ao máximo o potencial construtivo do terreno, valorizando a ampla e bela vista para o mar. Para atender a estes dois quesitos, criou-se um pátio de lazer interno, um espaço que interliga todas as circulações dos pavimentos e sacadas de vidro voltadas para a paisagem, que ao mesmo tempo em que estão em contraponto ao paredão cego, favorecem a convivência.

Contando com apenas 6 apartamentos, de 2 dormitórios cada, o projeto também buscou valorizar a escala urbana do pedestre, desenvolvendo uma arquitetura que desfragmenta o edifício em módulos de diferentes cores, em diferentes planos, cada qual com o seu conjunto de janelas de tamanho próprio. Cada módulo tenta representar uma moradia, e convida o morador a apreciar essa individualidade, ainda que fazendo parte de uma coletividade emoldurada pela alvenaria neutra, de cor branca.

Relação funcional / pavimento: SUBSOLO: garagem e reservatórios. PAVIMENTO TÉRREO: Acesso ao prédio residencial, portaria, piscina, deck com churrasqueira e apartamentos: 2 de 3 dormitórios , 1 de 1 dormitório e 3 de 2 dormitórios. SEGUNDO PAVIMENTO: apartamentos: 1 de 3 dormitórios e 6 de 2 dormitórios. TERCEIRO PAVIMENTO: apartamentos duplex: 1 de 3 dormitórios e 6 de 2 dormitórios.

FICHA TÉCNICA Local: Torres/RS Data do Projeto: Dezembro 2007 Exec./Inaug.: Novembro 2009 Autor: Arq. Alberto Torres, Arq. Audrey Bello Ramos, Arq. André Jost Mafra Colaboradores: Arq. Adriano Rossetto, Arq. Alessandra Azevedo, Arq. Cíntia Rothen e Arq. Lisiane Rodrigues Cliente: Construtora Monte Bello

TORRES & BELLO ARQUITETOS ASSOCIADOS Arq. Alberto Torres - CAU A18853-0 Arq. Audrey Bello Ramos - CAU A21625-9 Av. Teixeira Mendes, 507 - Porto Alegre/RS (51) 3381.0072 alberto@torresebello.com.br www.torresebello.com.br

37


institucional

ESTÁDIO BEIRA-RIO

HYPE STUDIO ARQUITETURA

Modernização do Estádio do Sport Club Internacional para a Copa do Mundo de 2014. O projeto teve início antes da indicação para a Copa, onde o objetivo era transformar o Beira-Rio, então com quase 40 anos, num estádio moderno, confortável e seguro, que atendesse às mais recentes normativas. O projeto teve início com a solicitação de uma cobertura. Após análise profunda do problema, a Hype Studio desenvolveu um projeto de reforma geral do Estádio e um Plano Urbano para seu entorno, apresentando os projetos para o Internacional em abril de 2007. A cobertura foi construída em estrutura metálica e coberta com membrana PTFE. A reforma interna do estádio atende a todos os requisitos da Fifa para Copa do Mundo, ampliando a área do Beira-Rio de aproximadamente 30.000 m² para mais de 80.000 m². Custo aproximado de R$ 330 milhões.

FICHA TÉCNICA Local: Porto Alegre/RS Data do Projeto: 2006 a 2010 Exec./Inaug.: 2011 a 2013 Autor: Fernando Balvedi, Gabriel Garcia e Mauricio Santos Projetos Complementares: Cicero Santini Silva e Luis Felipe Duarte (executivo); Charles Simon e Luiz Eduardo Pillar da Silva (calculo estrutural – concreto e aço); Fernanda Borsatto (projeto hidrossanitário); Renato Porto (projeto elétrico); Roger Fernandes e Silva (PPCI); Eduardo Wojciechowski (Automação predial e sistemas especiais); Sergio Gobatto (Climatização); Maristela Kuhn (gramado); Peter Gasper (luminotécnico); Myriam Tschiptschin (CTE - Consultoria e certificação LEED) Cliente: Sport Club Internacional / Andrade Gutierrez HYPE STUDIO ARQUITETURA Arq. Fernando Balvedi - CAU A48685-0 Arq. Maurício Santos - CAU A50735-0 Arq. Jean Grivot - CAU A50729-6 Rua da República 358 - Porto Alegre/RS (51) 3061.9894 hype@hypestudio.com.br www.hypestudio.com.br

FÁBRICA BORTOLINI MÓVEIS 4D-ARQUITETURA

O projeto, com 18.000 m² de área construída, atende a um programa que contempla todas as instâncias administrativas e de produção de uma indústria de móveis. Sua implantação se vale da configuração do terreno, modelado com taludes e arrimos. O pavilhão industrial localiza-se em uma plataforma elevada, com área para os acessos de carga e descarga; interligado a ele está o prédio administrativo, visível desde a rodovia. Em cota mais baixa estão salão de festas, quadras esportivas e um açude para contenção e reaproveitamento das águas pluviais. No prédio administrativo, com área de 1.800 m², privilegia-se a integração e a flexibilidade dos ambientes adotando-se um partido em três volumes com características funcionais distintas: uma barra de atendimento ao público com recepção, showroom e auditório; um volume para uso de funcionários; e sobre estas se apoia um terceiro corpo que abriga as funções administrativas. O pavilhão de produção, com 16.000 m², foi construído em estrutura metálica. Nos demais edifícios é explorada a expressividade do concreto aparente moldado in loco, associado a materiais típicos da região, como a pedra e a madeira. Em todo o projeto busca-se a otimização do consumo de energia e garantia do máximo conforto ambiental, com iluminação e ventilação natural em todos os ambientes, além de sistemas de aproveitamento da água das chuvas, telhados verdes e captação de energia solar.

38 espaço | edição especial • projeto&obra

FICHA TÉCNICA Local: Garibaldi/RS Data do Projeto: 2007-2008 Exec./Inaug.: 2008-2010 Autor: Arqs. Carlos Eduardo Mayresse, Efreu Quintana, Juliana Piletti, Juliano Spader Projetos Complementares: Carlos Eduardo Mayresse, Efreu Quintana, Juliana Piletti, Juliano Spader (arquitetônico); Técnica Engenharia (estrutural e hidrossanitário), Energisul (elétrico); Ana Pauline Mombach (interiores); Construtora Dalmax e Medabil (execução) Cliente: Bortolini Móveis 4D-ARQUITETURA Arq. Efreu Brignol Quintana - CAU 79624-7 efreuquintana@gmail.com www.4d-arquitetura.com.br

39


institucional

ESCOLA SANTA MÔNICA LARANJAL

CANOASPREV IDEIA1 ARQUITETURA

A edificação localiza-se em um terreno em formato triangular com destaque na fachada oeste, tratada como principal. Nela foram criados jardins suspensos, um visual agradável aos ambientes de trabalho, e aliados ao sombreamento da tela metálica diminuem o aquecimento do interior. Com esses materiais, a percepção da edificação varia dependendo do horário através de jogos de luz e sombra, reflexões e transparências, criando cenários mutantes que rendem conforto ao usuário. A entrada foi conformada através de uma praça sombreada que ‘acolhe’ os visitantes e protege o acesso do excesso de iluminação. Logo após, o hall com pé direito triplo conecta todos os pavimentos, e liga os dois volumes principais. A divisão em dois volumes e a setorização pragmática nos andares, foi pensada de acordo com a necessidade de acesso pelo público. Nessa conformação, um núcleo concentra todas as atividades servidoras, como banheiros, escadas e elevadores. A circulação foi desenvolvida de maneira a criar uma disposição das salas que privilegie o conforto térmico, a iluminação e o visual, que se relacionam com a praça de acesso. Visando a sustentabilidade, além das estratégias citadas, sistemas de ventilação cruzada são utilizados priorizando o uso da ventilação natural, reduzindo os gastos com energia.

40 espaço | edição especial • projeto&obra

LINA AGUIRRE ARQUITETURA

Este projeto nasceu com o seguinte questionamento: qual a imagem e estratégias deveriam ser usadas para um projeto em uma área sem uma identidade arquitetônica e urbanística definida? As dimensões generosas do terreno permitiram que fossem escolhidas as melhores estratégias de implantação do ponto de vista urbanístico e ambiental, em detrimento ao adensamento e aproveitamento máximo do solo que regularmente guiam projetos inseridos numa malha urbana consolidada. A solicitação de que a construção tivesse a possibilidade de ser feita tanto em etapas como integralmente fez com que fosse adotado como partido arquitetônico quatro blocos de geometria rigorosa dispostos ortogonalmente em torno a um pátio central utilizando o vidro como elemento de transição entre os mesmos e possibilitando assim o aspecto de construção finalizada. O conceito adotado na composição é o de placas que se moldam e envolvem os diferentes usos da edificação. Essas placas hora se apresentam como tubos perfurados por círculos “animados” dispostos irregularmente nas fachadas, hora se dobram abraçando volumes que se deslocam num “entra e sai” dinâmico. Em outros adotam uma postura mais distante e indiferente e criam uma separação do exterior. Procurou-se que tanto arquitetura como paisagismo constituíssem um elemento ativo potencializador e complementar das práticas pedagógicas.

FICHA TÉCNICA Local: Canoas/RS Data do Projeto: 2006 a 2007 Exec./Inaug.: 2009 Autor: Arq. Gabriel Grandó Co-autores: Arq. Cristina Martins e Arq. Marcos Laurino Cliente: CanoasPrev

IDEIA1 ARQUITETURA Arq. Marcos Laurino - CAU 98868-5 Rua Liberdade, 50 - Porto Alegre/RS (51) 3061.3031 www.ideia1.com.br

FICHA TÉCNICA Local: Pelotas/RS Data do Projeto: Setembro 2011 a Abril 2012 Exec./Inaug.: Desde 2014 Autor: Arq. Lina Denise de Moraes Aguirre Colaboradores: Acad. Denize Baungartner e Acad. Fernanda Ferreira de Souza Projetos Complementares: Francisco Guerreiro Gonçalves (Projeto Estrutural concreto moldado in loco, Elétrico, Hidrossanitário), Dias Gomes Prevenção de Incêndio (PPCI), Metalenge Aço e Estrutura LTDA (estrutura de pré-moldados) Cliente: Escola Santa Mônica

LINA AGUIRRE ARQUITETURA Arq. Lina Denise de Moraes Aguirre - CAU A62276-1 Rua Três de Maio, 1005 - Pelotas/RS (53) 8403.4636 lina.aguirre.arquitetura@gmail.com www.linaaguirre.com.br

41


institucional ALEX CARVALHO BRINO

ANEXO II UFCSPA N2A

Fruto de concurso público de arquitetura, realizado em 2003, o Anexo II da UFCSPA foi concluído em junho de 2011, e atende hoje a demanda da instituição por novos cursos, criados a partir da conversão da antiga Faculdade Católica de Medicina em Universidade Federal de Ciências da Saúde. A concepção do Projeto para a edificação reflete a contemporaneidade da arquitetura com base na realidade brasileira, atendendo à crescente necessidade de pensar a saúde de forma global: prevenção, cuidados com o corpo, nutrição. A simbiose com a educação amplia seu leque de ação, valorizando o papel da universidade como instrumento essencial para manutenção do bem-estar social. O extenso e complexo programa funcional exigiu uma organização espacial que traduzisse esta diversidade sem abrir mão da unidade e imponência que a nova edificação deveria exibir. Como reflexo adota-se a estratégia compositiva de volumes diferenciados encaixados a uma estrutura modular, perfeitamente adaptada à diversidade funcional da edificação. Um plano diagonal articula os alinhamentos sugeridos pelo entorno, estabelecendo uma direcional marcante e revelando externamente a estrutura. É neste plano que reflete-se a organização espacial e a volumetria: o bloco principal e base de estacionamentos, o auditório com tratamento específico para sua função, e o volume do acesso, este em escala mais apropriada, valorizando a estreita interface de acessos disponível no terreno. A idéia central da proposta foi gerar movimento através da justaposição das direcionais marcantes, definidas a partir do plano rotacionado, distinguindo e organizando os acessos através de níveis e semi-níveis, provendo assim um pavimento padrão que atendesse às necessidades específicas da área médica: ensino, atendimento e prevenção em saúde. Dessa forma, estabeleceu-se o diálogo claro entre partes distintas do programa (tipos de público, usos específicos), a edificação e seu entorno.

FICHA TÉCNICA Local: Porto Alegre/RS Data do Projeto: 2005 Exec./Inaug.: 2005 a 2011 Autor: Arq. Patricia Gubert Neuhaus, Arq. Rodrigo Allgayer, Arq. Gabriel Menna Barreto e Arq. Marcelo Kiefer Cliente: Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre N2A Arq. Rodrigo Allgayer - CAU 27952-8 e Arq. Patricia Gubert Neuhaus - CAU 69246-8 Fernando Machado, 631/401 - Porto Alegre/RS www.n2a.com.br

42 espaço | edição especial • projeto&obra

EEIC VILA SÃO JUDAS TADEU PARCERIA EMAV E NORIE (UFRGS)

Trata-se de um projeto de extensão universitária inédito, desenvolvido em parceria entre NORIE (Núcleo Orientado para a Inovação da Edificação, PPGEC/UFRGS), EMAV (Escritório Modelo Albano Volkmer, da Faculdade de Arquitetura/ UFRGS), AMOVITA (Associação de Moradores da Vila São Judas Tadeu), Prefeitura Municipal, comunidade e colaboradores. A elaboração do projeto arquitetônico para a sede da EEIC Vila São Judas Tadeu foi orientada por princípios de sustentabilidade e participação comunitária. O processo de projeto foi desenvolvido de forma participativa e gerou, como produto final, o projeto arquitetônico para a execução da Escola, entregue à comunidade e à Prefeitura, em 22 de março de 2012. A proposta buscou integrar estratégias de sustentabilidade em edificações com as expectativas da população alvo. Procurou-se ao máximo desenvolver o projeto “junto com” a comunidade e não “para a” comunidade, o que resultou em uma proposta melhor ajustada à realidade local.

FICHA TÉCNICA Local: Porto Alegre/RS Data do Projeto: Outubro 2011 a Março 2012 Exec./Inaug.: Mês/Ano a Mês/Ano Equipe: Arq. Gabriela Giacobbo Moschetta, Arq. Renata Fontaneli, Eng. Civ. Santiago Muñoz Navarrete, Prof. Dr. Miguel Aloysio Sattler, Acad. Arq. Anderson Calvi, Acad. Arq. André Cavedon Ripoll, Acad. Arq. Gabriel Leivas Waquil, Acad. Arq. Giana Flores da Rocha, Acad. Arq. Leonam Holosback Pereira, Acad. Arq. Maíra Disconzi Brum, Prof. Dr. Leandro Andrade Cliente: AMOVITA - Associação de Moradores da Vila São Judas Tadeu PARCERIA EMAV E NORIE (UFRGS) Arq. Gabriela Giacobbo Moschetta - CAU 108583-2 e Arq. Renata Fontaneli - CAU 108100-4 Av. Oswaldo Aranha, 99, Prédio Castelinho, NORIE/ UFRGS gabrielagiacobbo@gmail.com 51 9605.6733 re.fontaneli@gmail.com 51 8269.4000

43


LEONARDO FINOTTI

institucional

SEDE SEBRAE/MG

STUDIO PRUDENCIO

Buscamos um edifício que seja um elemento integrador que estabeleça uma nova ordem para o conjunto, articulando-se com as preexistências e proporcionando a requalificação pretendida ao estabelecer novos acessos e conexões. Optou-se por resolver o estacionamento em quatro níveis de subsolo reduzindo a área de ocupação do mesmo sobre o terreno, possibilitando folgas nas bordas e a montagem do canteiro de obra no local em que estará inserida a futura praça. Com intenção de criar um espaço público (praça) de congregação entre o passeio público e o acesso principal junto a rua, é enfatizado o caráter publico do conjunto. Preexistências: a implementação deste novo prédio e a reestruturação funcional e formal visando principalmente a integração do complexo proporcionado um elemento uno. O novo prédio deverá ser o elemento de fusão desta nova estrutura estabelecendo esta nova ordem. A materialização destes elementos se dá pela grande laje verde da base que se funde com o prédio existente. Sob este espaço está situado o foyer, que se funde ao do prédio existente resultando em um grande espaço de integração, proporcionando uma requalificação à estrutura existente, possibilitando a utilização da mesma pelo setor de eventos de forma integrada, somando-se à nova estrutura do espaço multiuso.Aspectos técnico-construtivos: o sistema adotado se compõe de vigas metálicas e pilares em concreto completado por lajes pré-moldadas protendidas e steel deck. O bloco administrativo é estruturado por grandes vãos permitidos pelo uso de um pórtico treliçado de aço com altura de três pavimentos, que constitui as fachadas longitudinais. Perfis metálicos transversais a estas vigas amarram e dão rigidez ao conjunto. O edifício administrativo tem o fechamento externo constituído por caixilhos e vidro de segurança e uma segunda pele de tela de aço inox com translucidez controlada de acordo com a orientação de cada fachada.

SEDE DA INSPETORIA DO CREA/PB MAPA ARQUITETOS

Um edifício permeável, uma praça aberta. O edifício de 600m² gera espaços vazios e é coberto por uma pele permeável. Está conectado com entorno próximo integrando: edifício, praça e cidade. O aproveitamento máximo da taxa de ocupação não impede uma implantação branda, promovendo a presença de pátios e grandes aberturas. Pátios abertos, permeáveis com vegetação suspensa funcionam como um “impluvium” (espelho d'água que recebe as chuvas). O conjunto proporciona conforto térmico conservando umidade do ar equilibrando a temperatura. O conforto se complementa por brises horizontais, que filtram a passagem do sol de maneira seletiva, fazendo do hall de entrada uma praça aberta.

FICHA TÉCNICA Local: Belo Horizonte/MG Data do Projeto: 2008 Autor: Arq Andreoni da Silva Prudencio Colaboradores: Arq. Miguel Esnaola, Arq. Bernado Generosi, Arq. Marcel Trescastro, Arq. Rodrigo Bueno, Arq. Marcela Green, Arq. Debora Hein, Arq. Karine Kraemer, Arq. Juliana Dornelles, Arq. Crislaine Araujo Projetos Complementares: Simon Engenharia (estrutural), CS Arquitetos (hidráulico), Zabkaledur (elétrico/logica/automação/SPDA), Projetos Avançados (climatização, ventilação e pressurização), Arq. Jose Renato Theodoro (PPCI), CruzeCruz (impermeabilização), Murba Engenharia (orçamento) Cliente: SEBRAE/MG STUDIO PRUDENCIO Arq. Andreoni da Silva Prudencio - CAU A26430-0 Rua Sofia Veloso, 73 - Porto Alegre/RS (51) 3029.5881 projetos@studioprudencio.com.br www.studioprudencio.com.br

FICHA TÉCNICA Local: Campina Grande/PB Data do Projeto: 2010 Exec./Inaug.: 2011 a 2012 Autor: Arq. Rochelle Castro, Arq. Luciano Andrades e Silvio Machado, Andrés Gobba, Maurício Lopez e Matias Carballal e Alvaro Mendes Colaboradores: Ken Sei Fong, Emiliano Etchegaray, Aldo Lanzi, Belén García, Gabriel Giambastiani, Nicolas Rudolph, Sebastian Martinez Projetos Complementares: Tecnocon (projeto estrutural), Art Ar (projeto climatização), Potencial Engenharia (instalações), Multiprojetos (PPCI) Cliente: CREA Paraíba MAPA ARQUITETOS Rua Padre Chagas 67/303 - Porto Alegre/RS (51) 3312.6574 Luis Alberto de Herrera 1042/001 - Montevidéu/UY +598 26240530 www.mapaarq.com

44 espaço | edição especial • projeto&obra

45


RICARDO BRAESCHER

institucional

EDIFÍCIO SEDE FATMA/FAPESC SUSTENTATIVA - EFICIÊNCIA NA EDIFICAÇÃO

Este projeto é resultado do concurso para a sede de duas instituições públicas do estado de Santa Catarina, realizado pelo IAB/SC. A concepção do projeto visou alcançar níveis ótimos de sustentabilidade e eficiência em todos os sistemas. A implantação da edificação no terreno, os critérios de uso do subsolo e definição da volumetria do edifício guiaram as principais decisões de projeto. Devido às características do terreno (aclive rochoso) o edifício toca no solo minimamente, indo de encontro ao estudo urbano no local que permitia uma escavação de 25 metros sobre a rocha para alocação de estacionamento. As vagas de carro necessárias ao funcionamento do prédio têm lugar em um edifício garagem a ser construído ao lado do edifício. Buscou-se uma divisão espacial e volumétrica entre as instituições para que houvesse clara identificação formal de cada uma, resultando em um edifício assimétrico, atual e simbólico. A volumetria do edifício foi pensada para propiciar a iluminação e a ventilação natural eficiente, além de vistas privilegiadas a grande maioria dos usuários do edifício. Internamente as instituições são conectadas por um grande átrio, que permite relação física e visual entre todos os pavimentos, admitindo luz e servindo como uma chaminé – extraindo o ar quente. O pavimento térreo abriga espaços como o auditório e a biblioteca, que concentrarão mais pessoas eventualmente, e tem no átrio o seu grande foyer, iluminado, ventilado e integrador.

FICHA TÉCNICA Local: Florianópolis/SC Data do Projeto: Novembro 2012 Autor: Arq. Maurício Carvalho Ayres Torres e Arq. Gustavo Longaray Moraga (co-autor) Cliente: Concurso Público Edifício Sede Fatma/ Fapesc - Realizado pelo IAB/SC SUSTENTATIVA – EFICIÊNCIA NA EDIFICAÇÃO Arq. Gustavo Longaray Moraga - CAU 125107-4 Wenceslau Escobar 3033/608 gustavo@sustentativa.com.br www.sustentativa.com.br 46 espaço | edição especial • projeto&obra

SEDE SINDILOJAS

TORRES & BELLO ARQUITETOS ASSOCIADOS O projeto para a Sede Sindilojas foi premiado no VIII Grande Prêmio de Arquitetura Corporativa, em São Paulo. A concepção do projeto buscou estabelecer uma relação na qual o espaço instigasse o usuário a percorrê-lo. Para tanto adotou-se a permeabilidade visual e as passarelas que se desenvolvem entremeando o volume do prédio através de vazios, desde o térreo até a cobertura, que ao repetir-se nos vários pavimentos fazem as vezes de circulação, estar e mirantes. O projeto pretende clareza na organização funcional identificando os diferentes grupos de funções através de três volumes distintos: o cubo translúcido em vidro, marcando a permeabilidade e receptividade do acesso; o cubo modular (planta livre) para uso das diversas atividades do Sindilojas; o prisma regular com a escada e elevador marcando o acesso vertical. O cubo de vidro foi rotado com o intuito de marcar o acesso pela esquina, evidenciando a entrada pelas duas ruas. A volumetria do prisma com a caixa de escada e elevador marca e aponta para a esquina reforçando a entrada. A volumetria do prisma move-se como uma lâmina envolvendo o volume translúcido, formando a cobertura e soltando do solo.

FICHA TÉCNICA Local: Gravataí/RS Data do Projeto: Agosto 2010 Exec./Inaug.: Maio 2012 Autor: Arq. Alberto Torres, Arq. Audrey Bello Ramos; Arq. André Jost Mafra Cliente: Sindilojas TORRES & BELLO ARQUITETOS ASSOCIADOS Arq. Alberto Torres - CAU A18853-0 Arq. Audrey Bello Ramos - CAU A21625-9 Av. Teixeira Mendes, 507 - Porto Alegre/RS (51) 3381.0072 alberto@torresebello.com.br www.torresebello.com.br 47


institucional

patrimônio

SEDE OAB CAXIAS DO SUL

RESIDENCIAL NA VOLTA DA ESQUINA

VAZQUEZ ARQUITETOS A sede da OAB como edifício institucional deve confirmar o protagonismo da Ordem junto a Sociedade, e sua materialização, comunica de forma não verbal suas intenções. Por isso, sua linguagem deve transmitir atributos como: solidez, poder, seriedade, transparência, receptividade, atemporalidade e vanguarda. A proposta surge do contexto urbano, sendo o edifício continuação da cidade, liberando o solo para transformá-lo na “esplanada” de acesso, garantindo as melhores visuais e separando o acesso do auditório do acesso às torres. O auditório se configura como uma rampa que foca o Centro de Cultura Ordovás. Como o terreno é estreito, para que possamos ter um maior aproveitamento da luz natural e ventilação, dividimos as plantas, configurando assim duas torres ligadas por uma única estrutura que é a circulação vertical e eixo das áreas molhadas.

PULSOARQUITETURA A substituição de antigos sobrados unifamiliares por torres multifamiliares vem descaracterizando a Cidade Baixa, além de impactar diretamente na qualidade da habitabilidade e na infraestrutura existente no bairro.

O projeto é flexível para ser capaz de atender as necessidades atuais e futuras, concentrando instalação, trabalhando com plantas livres. Desta forma nos permite facilmente organizar a construção em duas etapas. Economia e Exequibilidade, aproveitando ao máximo os condicionantes naturais (iluminação e conforto térmico). Ocupando materiais e soluções que possam enobrecer a obra sem gastos supérfluos, que garantam a representatividade desejada e uma imagem digna com o passar do tempo.

FICHA TÉCNICA Local: Caxias do Sul/RS Data do Projeto: Junho 2014 Exec./Inaug.: Outubro 2018 Autor: Arq. Matias Revello Vazquez Colaboradores: Eng.Maurício Caberlon, Eng. Júlio Alberti, Jeferson Gonçalves, Eng. Mario Alexandre, Eng. Givanildo Garlet, Arq. Greice Portal Cliente: OAB Subseção Caxias do Sul VAZQUEZ ARQUITETOS Arq. Matias Revello Vazquez - CAU A47423-1 Rua Marquês do Herval, 1344 Caxias do Sul/RS (54) 3221.5552 contato@vazquezarquitetos.com.br vazquezarquitetos.com.br

48 espaço | edição especial • projeto&obra

O projeto do Residencial na Volta da Esquina busca encontrar uma nova relação de crescimento da cidade que não descaracterize a paisagem urbana, aumente a densidade controladamente e apresente soluções de sustentabilidade aplicadas na construção. O projeto preserva o volume frontal da casa antiga (imóvel listado como compatibilização) e constrói mais 14 unidades de apartamentos duplex de 1 dormitório distribuídos em 3 pequenos blocos. Os apartamentos térreos contam com pátios privativos e os superiores com terraços. Buscou-se garantir boa iluminação e ventilação natural através de aberturas fartas e pátios internos estrategicamente locados em relação à vizinhança. As alvenarias de tijolo maciço duplas, à vista, garantem uma boa qualidade de conforto térmico e eficiência estrutural.

FICHA TÉCNICA Local: Porto Alegre/RS Data do Projeto: 2009 Exec./Inaug.: 2010 Autor: Arq. Gustavo Jaquet e Arq. Cristian Illanes Colaboradores: Acad. Arq. Vicente Ughini Cliente: Eng. Paulo Laydner e Eng. Vinicus Galeazzi

PULSOARQUITETURA Arq. Cristian Illanes - CAU A3662-2 e Arq. Gustavo Jaquet - CAU A4195-2 Rua Sofia Veloso, 136 - Porto Alegre/RS (51) 3085.3047 www.pulsoarquitetura.com.br

49


DEL RE STEIN

patrimônio

GRANDE HOTEL PELOTAS VRP ARQUITETURA ESTRATÉGICA

O projeto para Hotel Escola da Universidade Federal de Pelotas, consiste na adaptação da edificação existente para abrigar o hotel escola e a faculdade de hotelaria. O edifício está localizado em Pelotas, na área central da cidade, em frente à Praça General Pedro Osório, praça esta que abriga mais edificações de extrema importância à cidade. A edificação é tombada municipalmente, com isso tentamos manter o máximo possível dos elementos originais e que eram passíveis de restauração. Detalhes muito deteriorados ou faltantes, serão substituídos por elementos que destaquem e valorizem o existente. Após finalizada, o Grande Hotel será um excelente ponto turístico, além de um núcleo de educação da UFPEL.

CENTRO CULTURAL SANTA CASA TANGRAM ARQUITETURA

Projeto arquitetônico de conversão de 8 casas geminadas construídas em 1906, para o Centro Histórico-Cultural do Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre. Em 3.750m² de área construída, abarca atividades de Teatro, Biblioteca, Museu e Arquivo Histórico com representativo acervo documental desta Instituição bicentenária. A proposta mantém a volumetria externa e a fachada frontal e lateral do conjunto, determinante na paisagem urbana. Internamente, a complexidade do programa conduziu a intervenções e reconfigurações maiores: o rebaixamento do piso térreo em 6 das 8 casas para manter um térreo nivelado, o que viabilizou uma cubagem significativa, própria para abrigar a diversidade de funções como Centro Cultural; a circulação vertical através de novos elementos, elevador e escadas; remoção e substituição dos telhados originais. A edificação está reestruturada em concreto e aço. Uma escultura em aço corten, sobre o acesso principal convida e recebe quem passa na via interna do quarteirão e estende o espaço do pedestre para o grande hall que faceia a membrana delimitadora da área de exposições do Museu. O uso de pele de vidro permite vislumbrar o espaço expositivo a partir do átrio. Nessa área do térreo, está visível sob um piso de vidro, parte da escavação arqueológica executada antes dos trabalhos de rebaixamento do nível do térreo. Ela delimita área da lixeira hospitalar ali encontrada, datada de período anterior à construção das casas.

Passarela metálica em desnível de 20cm conecta no segundo pavimento duas áreas da exposição. O mesmo acontece na circulação do segundo pavimento, que define o átrio com uma laje em concreto protendido vencendo 17 metros de vão. Materialidade e luz apresentam as pesadas paredes divisórias das unidades centrais ao conjunto, sobrepostas por uma claraboia. No átrio também acontece a escada principal de acesso ao segundo piso. Pré-moldada em bloco único de concreto, sua curvatura segue a curva do peitoril que delimita a circulação no segundo pavimento.

FICHA TÉCNICA Local: Pelotas/RS Data do Projeto: Junho a Dezembro 2014 Autor: Arq. Vlademir Roman, Arq. Rodrigo Poltosi e Arq. Katiele Radünz Projetos Complementares: Studio 1 Arquitetura (levantamento e diagnóstico), Potencial Engenharia (elétrico, lógica, SPDA), ENGEF Engenharia (hidrossanitário, PPCI, GLP), Pasin Engenharia (estrutural), Albert Engenharia (climatização), Pamella Correa (sinalização), Grando Engenharia (elevador), Equipe Franarin (planilha orçamentária) Cliente: Universidade Federal de Pelotas

VRP ARQUITETURA ESTRATÉGICA Arq. Rodrigo Poltosi - CAU A38793‐2 Rua Giordano Bruno, 305 sala 302 Porto Alegre/RS (51) 3307.1511 www.vrp.arq.br

As opções em projeto são exercício de exploração interno à arquitetura. Trata do contexto e suas condições circundantes; as Casinhas, uma preexistência determinante da sua condição de residência. O perfil cultural do programa sobre o qual se desenvolveu o projeto considerou importante sua domesticidade, a experiência da memória do lugar, mas como tal, também buscou viabilizar ao visitante uma relação corporal diversa e contemporânea com este espaço e sua nova caracterização. Nessa proposta, os componentes memória e experiência vivida, são investidos de uma nova condição de existência do elemento passado, acontecendo simultaneamente à percepção do novo.

FICHA TÉCNICA Local: Porto Alegre/RS Data do Projeto: 1998 Exec./Inaug.: Junho 2014 Autor: Ceres Storchi, Laura Hagel e Luiz Antônio Custódio Cliente: Santa Casa TANGRAM ARQUITETURA E DESIGN Ceres Storchi - CAU 78497-4 e Laura Hagel - CAU 76809-0 Luiz Antonio Custódio - CAU A4643-9 (coautor externo) Rua Cel. Gomes de Carvalho 333 - Porto Alegre/RS (51) 3268.4299 storchiceres@gmail.com www.ars-muse-arch.com 50 espaço | edição especial • projeto&obra

51


urbanismo

PLANO DIRETOR DO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU

3C ARQUITETURA E URBANISMO

O Plano Diretor teve o objetivo de qualificar o espaço físico do Parque Tecnológico Itaipu com a ordenação das atividades atuais e planejamento das futuras. Visa estabelecer cenários de desenvolvimento a longo prazo do PTI voltado a redução de impactos ambientais, dando suporte ao crescimento e diversificação das atividades do Parque, a sua missão de promoção do desenvolvimento regional e compatibilizando os seus espaços para garantir a segurança exigida junto a Itaipu Binacional.

A partir deste projeto foram realizados diversos estudos e projetos de arquitetura e paisagismo que deram forma a obras de ampliação e modernização do PTI. Atualmente, o Edifício do Saber já tem sua fase 1 concluída, enquanto sua fase 2 e 3 estão em obra e em projeto respectivamente. A Biblioteca Paulo Freire também está concluída, havendo recebido o Prêmio AsBEA 2014 - Categoria Obras Institucionais.

O Plano envolve a elaboração de uma proposta global para organização das dimensões do espaço físico: circulações, edificações, espaços abertos e infraestruturas e redes; além da adoção de práticas de sustentabilidade para o conjunto e a definição dos cenários futuros para o PTI: densidades, crescimento, novas atividades e população. FICHA TÉCNICA Local: Foz do Iguaçu/PR Data do Projeto: 2008 Plano Diretor, Projetos 2009 a 2012 Autor: Arq. Tiago Holzmann da Silva, Arq. Pedro Augusto Alves de Inda Colaboradores principais: Arq. Leonardo Damiani Poletti e Arq. Cristiano Moura Loureiro Cliente: Fundação Parque Tecnológico Itaipu – Itaipu Binacional

3C ARQUITETURA E URBANISMO Arq. Leonardo Poletti - CAU A51911-1 Rua Santa Teresinha 35 - Porto Alegre/RS (51) 3312.2497 3c@3c.arq.br www.3c.arq.br

PLANO DIRETOR RURAL DE GARIBALDI 3C ARQUITETURA E URBANISMO

O Plano Diretor Rural do Município de Garibaldi é um instrumento político-administrativo e legal que determina o regramento da ocupação e desenvolvimento territorial e a estruturação espacial do município e implementa o Plano Estratégico com programas e ações para o desenvolvimento do território rural preservando suas qualidades ambientais, favorecendo o turismo e o desenvolvimento da indústria e produção agrícola do município. Tem como objetivos específicos: a) definir as necessidades do município, especialmente aquelas ligadas a produção rural, especialmente a avícola e a vinícola, a produção industrial, ao turismo e à preservação do ambiente natural; b) estabelecer diretrizes, linhas de ação e projetos que conciliem a dimensão urbanística e ambiental com as políticas sociais; c) envolver a comunidade garantindo a participação dos diversos segmentos da sociedade; d) favorecer a articulação dos programas do município para a área rural; e) identificar oportunidades da zona rural do município; f) definir diretrizes gerais para o desenvolvimento territorial, a partir da definição de projetos e formas de viabilização. FICHA TÉCNICA Local: Garibaldi/RS Data do Projeto: 2011 a 2013 Autor: Arq. Leonardo Hortencio, Arq. Alexandre Pereira Santos, Arq. Tiago Holzmann da Silva, Arq. Leonardo Poletti e Arq. Paula Lopes Colaboradores: Arq. Paula Motta, Econ. Maria Alice Lahorgue, Adv. Ricardo Waldman, Soc. Eliete Gomes Cliente: Prefeitura Municipal de Garibaldi 52 espaço | edição especial • prêmio iab rs 2015

3C ARQUITETURA E URBANISMO Arq. Leonardo Marques Hortencio - CAU 60185-3 Rua Santa Teresinha 35 - Porto Alegre/RS (51) 3312.2497 3c@3c.arq.br www.3c.arq.br 53


urbanismo

PERIMETRAL OESTE LKF ARQUITETURA E URBANISMO

A proposta, desenvolvida em parceria com a Technique Engenharia, consiste em um parque linear ao logo da Av. Eng. Irineu Carvalho Braga. A partir de um extenso levantamento de dados com a identificação das vias de conexão, das tendências de ocupação segundo Plano Diretor e das análises das pré-existências do entorno imediato foi possível sobrepor todas as camadas de informações para propor as intervenções projetuais. A ciclovia entra nesta proposta do parque como um elemento âncora, a partir do momento que a tipologia adotada configura os espaços destinados às atividades de esporte, eventos, comércio e estar. A implantação desses setores foi minunciosamente definida em função de aspectos específicos do lugar associado ao programa adequado. Ao logo da perimetral foram propostas vegetações, mobiliários urbanos, sinalizações e ciclovia de modo a requalificar uma área de suma importância para cidade de Canoas.

RUA COBERTA DE CARLOS BARBOSA 4D-ARQUITETURA

O projeto da Rua Coberta de Carlos Barbosa foi escolhido por concurso vencido pela equipe da 4d-arquitetura. O programa é o de um equipamento capaz de abrigar feiras e eventos, como os do Festiqueijo. Devendo ser flexível para assumir diversas configurações: espaço para shows, montagens de bancas para feira do livro e praça coberta no dia-a-dia, quando é livre a circulação de pedestres e veículos. A opção pela cobertura plana está no centro da estratégia de implantação da edificação, que se insere de maneira sutil na paisagem urbana, respeitando a escala e valorizando a ambiência local. O impedimento legal de localizar os apoios da cobertura no limite do terreno da igreja leva à adoção de uma única linha de pilares, assimétrica em relação ao eixo da via, vencendo-se o vão de 15m da largura da via com uso de perfis metálicos atirantados. A variação no ritmo dos apoios define o espaço para a montagem de um palco, que é feito pela junção modulada dos bancos que compõem o mobiliário cotidiano do espaço. Um pergolado de madeira com cobertura translúcida completa a composição, e possibilita iluminação natural quando da montagem de feiras. O pavimento nivelado adéqua-se aos diferentes usos e sinaliza a preferência do pedestre.

54 espaço | edição especial • projeto&obra

FICHA TÉCNICA Local: Canoas/RS Data do Projeto: Abril a Junho 2015 Exec./Inaug.: Em execução Autor: Arq. Urb. Luciane Kinsel; Arq. Urb. Letícia Mentz; Arq.Urb. Leonardo Fitz; Arq. Urb. Bárbara Lorenzoni Colaboradores: Acad. Gabriela Webber, Acad. Monique Carrazzoni, Acad. Gabriel Konrath, Acad. Alexandre Hollermann Projetos Complementares: Technique Engenharia Cliente: Prefeitura Municipal de Canoas LKF ARQUITETURA E URBANISMO Av. Taquara, 110/303 - Porto Alegre/RS (51) 3013.1430 contato@lkfarquitetura.com www.lkfarquitetura.com

FICHA TÉCNICA Local: Carlos Barbosa/RS Data do Projeto: 2007 Exec./Inaug.: Junho 2008 Autor: Efreu Quintana, Carlos Eduardo Mayresse, Juliana Piletti, Juliano Spader Projetos Complementares: Lindomar Galvan (estrutura metálica), Pizzetti Engenharia fundações), Energisul (elétrico) Cliente: Prefeitura Municipal de Carlos Barbosa 4D-ARQUITETURA Arq. Efreu Brignol Quintana - CAU 79624-7 efreuquintana@gmail.com www.4d-arquitetura.com.br

55


opinião

antes de mais nada

CONSTRUÇÃO Definir o que seja Arquitetura na atualidade, em um mundo complexo e sujeito a mudanças tão aceleradas, não é tarefa fácil. Entretanto, há um notável consenso sobre a definição dada pelo Arquiteto e Urbanista Lúcio Costa (1902-1998): "Arquitetura é antes de mais nada construção, mas, construção concebida com o propósito primordial de ordenar e organizar o espaço para determinada finalidade e visando a determinada intenção. E nesse processo fundamental de ordenar e expressar-se ela se revela igualmente arte plástica, porquanto nos inumeráveis problemas com que se defronta o arquiteto desde a germinação do projeto até a conclusão efetiva da obra, há sempre, para cada caso específico, certa margem final de opção entre os limites - máximo e mínimo - determinados pelo cálculo, preconizados pela técnica, condicionados pelo meio, reclamados pela função ou impostos pelo programa, - cabendo então ao sentimento individual do arquiteto, no que ele tem de artista, portanto, escolher na escala dos valores contidos entre dois valores extremos, a forma plástica apropriada a cada pormenor em função da unidade última da obra idealizada." COSTA, Lúcio (1902-1998). Considerações sobre arte contemporânea (1940). In: Lúcio Costa, Registro de uma vivência. São Paulo: Empresa das Artes, 1995. 608p.il.

Neste sentido, a divulgação e difusão de nossa produção são fundamentais para a compreensão da Arquitetura na atualidade. O Ciclo Projeto & Obra foi estruturado a partir de uma seleção pública de trabalhos, da qual participei como membro da comissão de seleção junto com outros colegas. Foram selecionados quase 50 projetos e obras realizados nos últimos 5 anos por arquitetos e urbanistas gaúchos ou radicados no Rio Grande do Sul, para sua apresentação pública em datas reservadas no projeto cultural Quarta no IAB, do Departamento do IAB no Rio Grande do Sul. Os trabalhos selecionados reúnem uma significativa quantidade de projetos e obras de arquitetura e urbanismo de excelência que incentivam o debate aberto sobre a nossa produção atual e sobre os rumos da arquitetura gaúcha, e permite através deste catálogo e de outras publicações, a divulgação desta produção entre os profissionais e para toda a sociedade gaúcha. A análise do conjunto dos trabalhos apresentados nos permite algumas conclusões acerca da nossa produção arquitetônica. A primeira, flagrante, é a qualidade dessa produção. Não apenas a qualidade dos projetos, mas também a competência do arquiteto construtor, executando no canteiro de obras seus desígnios. Como disse Lúcio Costa na citação acima, “arquitetura é antes de mais nada construção”, e o material reunido nesse catálogo permite identificar uma relação direta entre o projetista e o construtor da obra, coerente com a afirmação do mestre Lúcio. A segunda conclusão é a grande diversidade das áreas de atuação profissional, característica de nossa formação generalista, 56 espaço | edição especial • projeto&obra

expressa na variedade dos trabalhos apresentados. Diversidade de áreas de atuação, de locais e origens dos arquitetos, de programas, de conceitos formais, de arranjos funcionais, de soluções técnicas e construtivas, de linguagens e estilos, de escalas de intervenção, todos com uma característica comum: a qualidade. Uma possível terceira conclusão é a disparidade entre os projetos e obras apresentados quando comparados com a grande maioria das construções e espaços de nossas cidades. É de fácil percepção, a partir da análise atenta e criteriosa dos projetos apresentados, a diferença entre esses trabalhos e as obras que nos são impostas diariamente pelo poder público ou pelo mercado imobiliário, ambos desatentos, para dizer o mínimo, aos atributos da qualidade formal e espacial, e da excelência da arquitetura e do urbanismo. As administrações públicas, enquanto seguirem priorizando o menor preço em suas licitações, seguirão condenando as nossas cidades e edifícios públicos à banalidade, sendo mal projetados, mal detalhados, mal orçados e, por consequência, mal construídos. E o mercado imobiliário, enquanto seguir acriticamente sendo comandado por profissionais de outras áreas e marqueteiros, igualmente seguirá nos impondo seus conceitos superficiais, vulgares e gananciosos. A arquitetura é arte, ciência e ofício. Arte, na medida em que ultrapassa seu papel de abrigo, quando supera a esfera prática e começa a dizer algo sobre os aspectos culturais de uma civilização. É ciência, na medida em que se vincula aos processos e métodos científicos de proposição e análise do comportamento humano e das suas necessidades mais elementares, da produção eficiente e sustentável no canteiro de obras, do controle do consumo energético, dos novos materiais e técnicas construtivas de baixo impacto ambiental. E é ofício, principalmente, pois a partir das ações concretas diárias, os arquitetos e urbanistas criam e transformam as nossas cidades e vivem dignamente com o fruto do seu trabalho inovador e empreendedor. Os trabalhos apresentados nos permitem concluir que os profissionais da área estão preparados para oferecer à sociedade as soluções que essa necessita. Precisamos estar mais presentes e atuantes não apenas na nossa profissão e em nossas entidades, mas também no convencimento da sociedade da nossa utilidade e competência.

ARQ. PAULO RICARDO BREGATTO Arquiteto e Urbanista Ciclo Projeto & Obra 2015/2016


cau/rs

Comissão Organizadora: Marcelo, Julie, Sthefânia e Pedro

um concurso

PARA TODOS O objetivo do concurso foi selecionar o melhor Estudo Preliminar e contratar a equipe vencedora para desenvolvimento do Projeto Executivo do Espaço do Arquiteto do CAU/RS: uma área destinada ao atendimento dos profissionais pelo Conselho, e à criação de uma interface mais próxima e aberta aos arquitetos e urbanistas, e à cidade de Porto Alegre.

Comissão Julgadora: Emerson Vidigal, Alexandre Bento, Aline Fuhrmeister, Mauricio López, Tânia Bertolucci, Diana Radomysler e Francisco Groch

O local destinado ao Espaço do Arquiteto é loja comercial situada no térreo do condomínio La Defense, edifício onde já se localiza a sede do Conselho, nos 14° e 15° pavimentos, no bairro Rio Branco, em Porto Alegre. O espaço possui 195,79m² de área privativa com planta livre de formato irregular, interrompida pontualmente por três pilares. Conta com acesso direto e independente desde o passeio público e possui uma fachada frontal curva e translúcida que se estende por 14,50 metros, proporcionando visibilidade desde a rua. As demais faces internas fazem divisa praticamente cega com as dependências do edifício. O Programa de Necessidades apresentado no Termo de Referência previa que o Espaço do Arquiteto deveria ter “um projeto arquitetônico que fosse referência na qualidade dos espaços projetados” e que o local se constituiria “em um espaço representativo do CAU/RS, onde os arquitetos se sintam ‘em casa’, e onde os cidadãos gaúchos possam conhecer melhor a profissão do arquiteto e urbanista”. O foco da utilização do espaço é atividade de atendimento presencial aos arquitetos e urbanistas em suas demandas junto ao Conselho, além da realização de exposições de interesse do CAU e da profissão. Objetivamente o programa previu áreas de recepção e espera, áreas de atendimento com diferentes características, salas de reuniões e aproximadamente 80 m² dedicados a uma área para exposições, além de espaços de apoio. Trata-se de um programa bastante amplo com relação ao espaço disponível, o que constituiu um grande desafio às equipes participantes do concurso.

Comissão Deliberativa: Tales, Márcio e Eduardo

CRONOGRAMA 22/Jul/2016 | Publicação do Edital e Lançamento do Site Oficial 29/Jul/2016 a 06/Set/2016 | Período de Inscrições

Após a assinatura do contrato entre o IAB RS e o CAU/RS, foram constituídas a Comissão Organizadora, nomeada pelo IAB RS e a Comissão Deliberativa do Concurso em nome do CAU/RS. A Comissão Organizadora (Coord. Geral - Arq. Pedro Xavier de Araújo; Coord. Adjunto - Arq. Marcelo Arioli Heck; Secretária Geral - Arq. Sthefânia Dezordi Duhá e Acad. Jesus Mary Julie Garcia Rios) foi responsável pela elaboração das bases do concurso, apoio e acompanhamento técnico a todas as atividades. Enquanto que a Comissão Deliberativa (Arq. Tales Völker, Arq. Márcio de Mendonça Lima Arioli e Arq. Eduardo Bimbi) foi responsável pela coleta e fornecimento de dados e informações e pela definição e aprovação dos conteúdos do Concurso. Estas duas comissões em conjunto foram responsáveis por discutir questões que surgissem ao longo do processo, assim como buscar a composição da Comissão Julgadora (Diana Radomysler - Studio Mk27/SP; Tânia Bertolucci/RS; Alexandre Bento - Superestudiob/RS; Emerson Vidigal - Estúdio 41/PR; Mauricio López - Mapa, Montevidéu/UY; suplentes: arquitetos Aline Fuhrmeister - Du Arquitetura/RS e Francisco Groch - R4design/RS) contando com a indicação também por parte da Associação de Arquitetos de Interiores do RS (AAI-RS). Foram elencados profissionais com atuação relevante e reconhecida na área e com diversidade de escalas, público, linguagens, entre outros.

58 espaço | edição especial • projeto&obra

05/Ago/2016 a 06/Set/2016 | Período de Consultas 17/Ago/2016 | Visita e Palestra Técnica 12/Ago/2016 a 15/Set/2016 | Período de entrega das Propostas 23/Set/2016 a 25/Set/2016 | Julgamento 28/Set/2016 | Divulgação do Resultado 28/Out/2016 a 13/Nov/2016 | Exposição Pública dos Trabalhos 28/Out/2016 | Homologação do Resultado e Premiação dos Vencedores

59


cau/rs O cronograma inicial previsto foi bastante exigente, estabelecendo prazo de 120 dias para a realização completa dos serviços desde sua contratação, o que incluía desde a redação das bases (Edital e anexos), criação do site e da logomarca, organização de todas as etapas do concurso, divulgação, julgamento, premiação dos vencedores até a contratação do primeiro colocado. Apesar do desafio, o cronograma foi seguido à risca e cumprido integralmente. O evento oficial de lançamento ocorreu na sede do CAU/RS no dia 22 de julho de 2016, simultaneamente à publicação das bases no site oficial do concurso. No dia 17 de agosto, foi realizada uma Palestra Técnica sobre o concurso e Visita Guiada ao espaço que seria objeto do mesmo, abertas a todos os interessados. O evento, que

teve a participação de cerca de 70 pessoas, foi gravado e o vídeo publicado de modo que os participantes de todo o Brasil pudessem acessá-lo. O período de inscrições iniciou no dia 29 de julho e se estendeu até o dia 06 de setembro. Um total de 42 equipes de nove estados do Brasil realizou a inscrição no concurso. O estado com mais inscrições foi o Rio Grande do Sul (27 inscrições), seguido de Paraná e Minas Gerais, com 4 inscrições cada. Entre o dia 05 de agosto e 06 de setembro os participantes inscritos puderam encaminhar consultas à Comissão Organizadora através do site oficial. Todas as consultas foram respondidas e publicadas no site com acesso a todos os inscritos.

Visita ao local destinado ao Espaço do Arquiteto CAU/RS (canto superior esquerdo); Sessões de julgamento (canto inferior esquerdo e centro); Cerimônia de divulgação dos resultados pelas juradas Tânia e Aline e exposição dos trabalhos com equipe vencedora; Membros das comissões, CAU/RS e IAB RS (canto superior e inferior direito).

1° LUGAR

ARQUITETURA NACIONAL (Porto Alegre/RS) Responsável Técnico: Arq. Paula Zielinski Otto Co-Autores: Arq. Eduardo L. R. Maurmann, Arq. Elen B. N. Maurmann, Arq. Marjory Bertoldo, Arq. Yuri Kokubun Colaboradores: Arq. Luiza Z. Otto, Arq. Lucas Pessatto, Arq. Samuel Dall’alba, Acad. Juliano Rodrigues, Acad. Isadora Wagner Corte Real, Acad. Jéssica Schröder Consultores: Eng. Rodrigo Linck

A principal estratégia utilizada foi concentrar o programa e suas funções em um grande núcleo a fim de liberar todas as paredes do entorno para implantar o espaço de exposição, criando percurso que direciona o usuário para as diversas atividades de atendimento. Estratégia esta que foi ressaltada pela comissão julgadora quanto à sua clareza na leitura espacial e unidade de linguagem do projeto, tanto por conta do formato quanto da coerência de materiais.

Além disso foi pensado a importância de um núcleo flexível quanto ao controle ou permeabilidade, conforme necessário. No uso cotidiano, o usuário tem acesso apenas às salas onde lhe é permitido, enquanto a equipe do CAU/RS circula livremente no interior do núcleo. Já em dias de evento, o núcleo pode ser totalmente aberto, aumentando a área de exposições e permitindo livre acesso.

Foram utilizados brises em madeira com fechamento posterior em chapas de policarbonato translúcido, material de fácil moldagem e que garante privacidade e controle acústico para os espaços de reuniões e que se relaciona com as chapas de policarbonato alveolar escolhidas para a fachada. Já as paredes internas das salas recebem revestimento em painéis de MDF e Fórmica lousa branca. Para adequação ao sistema de piso elevado - premissa do edital - foi escolhido piso vinílico com paginação aleatória e uso de solda colorida.

O prazo final para o envio das propostas, através do site oficial do concurso, se encerrou às 23:59 do dia 15 de setembro. Dentre os 42 participantes inscritos, 37 conseguiram encaminhar as propostas. Entre os dias 23 e 25 de setembro a Comissão Julgadora se reuniu em Porto Alegre para avaliar todos os trabalhos e selecionar os vencedores. Todos os membros se fizeram presentes e participaram de todas as sessões. Após intenso trabalho a comissão escolheu por unanimidade as cinco propostas vencedoras e uma menção honrosa. No dia 28 de setembro ocorreu a Cerimônia de Divulgação dos Resultados, na sede do IAB RS. O evento contou com a presença dos presidentes e membros do conselho do CAU/RS e da diretoria do IAB RS, de arquitetos membros das equipes participantes e de membros das comissões, além de outros interessados. O evento foi transmitido ao vivo pelo canal YouTube do IAB RS. Após as falas de abertura as arquitetas Tânia Bertolucci e Aline Fuhrmeister, membros da Comissão Julgadora, fizeram a leitura da Ata de Julgamento. Simultaneamente à leitura, as equipes autoras das propostas vencedoras foram sendo identificadas através do site oficial, cuja interface estava projetada em telão diante dos presentes, que acompanhavam com interesse e ansiedade. Uma vez encerrada a cerimônia foi aberta a exposição de todas as 37 propostas apresentadas. Conforme prevê o cronograma oficial do concurso, no dia 28 de outubro de 2016 ocorrerá a homologação oficial do resultado e a contratação do vencedor.

60 espaço | edição especial • projeto&obra

61


concurso cau/rs 4° LUGAR 2° LUGAR

LINHA2 ARQUITETURA (Belo Horizonte/MG)

Responsável Técnico: Arq. Thiago Barbosa De Campos Co-Autores: Arq. Bernardo Araujo (Arquitetura de Interiores), Arq. Bernardo Araujo (luminotécnica) Colaboradores: Sarah Regina de Moura Fernandes, Larissa Leite Madureira Silva Consultores: Eng. Washington Luis Costa Machado (estruturas, hidrossanitário, energia, comunicação, lógica a ar condicionado)

O projeto é organizado em três elementos principais: uma caixa de aço aparentemente estanque para o núcleo de apoio, longitudinal ao ambiente; uma caixa de vidro no canto mais afastado para atendimento privativo e um volume conformado entre os pilares, um móvel que é ao mesmo tempo banco, mesa e balcão para o atendimento mais imediato. A exposição se dilui. “Os elementos não se tocam, nem ao teto, permitindo uma visão total do espaço a partir da chegada. As áreas intersticiais garantem a fluidez”. Foi ressaltado pela comissão julgadora consistência na organização de fluxos e continuidade espacial.

FELIPE PACHECO ARQUIETURA (Porto Alegre/RS) Responsável Técnico: Arq. Felipe de Souza Lima Pacheco Co-Autores: Arq. Ms. Felipe Pacheco, Arq. Juliano Dors, Arq. Acad. Felipe Stockler, Arq. Acad. Lucas Silva, Arq. Acad. Pedro Guerreiro, Arq. Acad. Vinicius Martini Colaboradores: Adm. Ms. Fernando Ortiz (E-Finance), Eng. Sarandi Bertiz (Obra Pronta), Adv. Ceres Linck Dos Santos (Piratini) Consultores: Fernando Treis (Air Studio), Duda Duarte (Estação da Luz)

“O núcleo central, composto pelas três salas de reuniões, torna-se, então, o protagonista da proposta. Exalta-se o núcleo para simbolizar a interface entre o CAU/RS e a comunidade como um todo”, como descrito pela equipe, foi estratégia que mais chamou a atenção para este projeto.

5° LUGAR

PROJET ARQUITETURA (Lajeado/RS) Responsável Técnico: Arq. Rodrigo Spinelli Co-Autores: Arq. Glauco Assumpção Pachalski, Arq. Ândrio Vicari, Arq. Luciana Schnorr, Acad. Arq. Lucas Medeiros Colaboradores: Arq. Fabiana Braun Spinelli Consultores: Eng. Márcio Jucewicz, Eng. Ivandro Carlos Rosa, Eng. Carlos Lagemann

3° LUGAR

EARQUITETOS (Santa Maria/RS)

Responsável Técnico: Arq. Estevan Barin Co-Autores: Arq. Bruno Cassol, Arq. Jenifer Vescia, Arq. William Dal Carobo

O projeto é composto por dois blocos chamados de internos e um espaço na porção frontal, próximos aos acessos que acomoda o programa de caráter mais público, que não necessita controle. Esta setorização em três áreas bem definidas foi a principal estratégia do trabalho. “Partido é simples, de fácil reconhecimento/entendimento pelos usuários. Reproduz um dos objetivos do atendimento do CAU: simplificar e facilitar o trabalho do arquiteto” segundo os autores.

MENÇÃO HONROSA O projeto distribuiu o programa em três volumes em forma de caixas: a caixa de Atendimento, que pode ser aberta ou fechada conforme sua necessidade de uso para atendimento ou exposições; a caixa de Recepção e a caixa de Atendimento Privativo, que separa demais caixas da área de uso exclusivo dos servidores do CAU-RS. Foram utilizados painéis de madeira ora em baixo relevo (fixos), ora perfurados (móveis), buscando dialogar com o entorno arborizado. A clareza de partido, unidade de elementos, flexibilidade de planta e permeabilidade do espaço foram ressaltados pela comissão julgadora 62 espaço | edição especial • projeto&obra

HYPE STUDIO ARQUITETURA + ALTA ARQUITETURA (Porto Alegre/RS)

Responsável Técnico: Arq. Jean Grivot Avancini Co-Autores: Arq. Gabriel Johansson Azeredo Colaboradores: Arq. Gabriel Leivas Waquil, Acad. Pedro Leggerini, Acad. Luísa Bertuol Kogler

63


cau/rs

Segundo o conselheiro Oritz Adriano Adams de Campos, da Comissão de Exercício Profissional, o CAU/RS é vanguarda no Brasil. Há, em outros estados, programas itinerantes, mas nenhum com tamanha grandeza e complexidade. Com o CAU Mais Perto, as ações do Conselho e do programa podem ser sistematizadas de acordo com o calendário local e regional de eventos e também com a demanda por palestras, das Comissões ou entidades de arquitetos e urbanistas parceiras, e dos próprios profissionais e empresas. O programa, mesmo em fase piloto, mostra sua capacidade de estabelecer redes e conexões, sejam elas institucionais, no relacionamento com órgãos públicos, como Prefeituras Municipais e Instituições de Ensino Superior, ou profissionais e pessoais, na busca constante pelo contato, prestação de serviços, realização de convênios e esclarecimento de dúvidas dos arquitetos e urbanistas, empresas e estudantes. Assim, o CAU vai cada vez mais longe, atingindo também a sociedade, que passa a conhecer e valorizar o Conselho, o exercício profissional, bem como os arquitetos e urbanistas.

CAU MAIS PERTO

Cidades contempladas e ações realizadas em 2016 Programa itinerante do CAU/RS é precursor e está fazendo história no atendimento a profissionais e empresas em todo o Rio Grande do Sul

A programação do CAU Mais Perto é noticiada semanalmente no site do CAU/RS e também na página no Facebook. Acompanhe!

Fiscalização de feira em Santa Maria

Dia 3 de outubro, além de Dia Mundial da Arquitetura, foi a data escolhida para dar início à primeira etapa do CAU Mais Perto. De outubro a dezembro de 2016, cerca de 30 cidades do Rio Grande do Sul recebem as visitas e ações da fase piloto do programa. São elas: Santa Cruz do Sul, Ijuí, Bagé, Cachoeirinha, Viamão, Canoas, Santa Maria, Erechim, Gramado, Novo Hamburgo, Lajeado, Montenegro, Sapiranga, Pelotas, Rio Grande, Caxias do Sul, Farroupilha, Bento Gonçalves, Torres, Capão da Canoa, Gravataí, Flores da Cunha, Carlos Barbosa, Dois Irmãos, Estância Velha, Campo Bom, Santiago, Marau e Porto Alegre.

CAU Mais Perto CAU Mais Perto em Santa Cruz do Sul

Entre as atividades realizadas em cada município estão: • Atendimento ao público (esclarecimento de dúvidas sobre Pessoa Física, Pessoa Jurídica, Anuidade, RRT, etc.); • Coleta biométrica para emissão da Carteira de Identidade Profissional; • Fiscalização de feiras, obras, condomínios e empresas.

O CAU Mais Perto é o programa de atendimento itinerante que leva o CAU/RS ao interior do Rio Grande do Sul com o suporte de equipes especializadas, utilizando furgões customizados e veículos de apoio. O objetivo é oferecer a todo o estado a mesma qualidade dos serviços prestados na sede do Conselho em Porto Alegre. Entre eles, atendimento a profissionais, empresas e sociedade e ações relacionadas a Exercício Profissional, Ensino e Formação, Ética e Disciplina e de Fiscalização. O programa é coordenado pela Comissão de Exercício Profissional do CAU/RS e teve início em fase piloto em outubro de 2016, entrando em atividade plena em 2017.

“O objetivo de oferecer um atendimento itinerante é prestar serviços com a mesma qualidade encontrada na capital, levando o CAU para todos, onde quer que estejam, até alcançarmos o último profissional estabelecido no Rio Grande do Sul. O CAU Mais Perto é a solução encontrada para efetivar essa aproximação de forma eficiente, moderna e econômica”, destaca Joaquim Haas, Presidente em Exercício do CAU/RS.

www.caurs.gov.br www.facebook.com/arquiteturaeurbanismors

Atendimento em Canoas

64 espaço | edição especial • projeto&obra

65


cau/rs

Tabela de Honorários foi tema de encontro com arquitetos e urbanistas O Colegiado Permanente de Entidades do CAU/RS (CP-CAU/RS) promoveu durante este ano diversas palestras na capital e interior do Estado sobre a “Tabela de Honorários para Serviços de Arquitetura e Urbanismo do Brasil”. Nos eventos participam as entidades do Colegiado (SAERGS, IAB RS, AAI Brasil/RS, AsBEA/RS e FeNEA). Cada presidente tem a oportunidade de falar sobre as competências, serviços prestados e benefícios em fazer parte de cada uma delas. Os conselheiros da Comissão de Ensino e Formação, também estiveram presente falando sobre a atuação do CAU/RS. Na Serra Gaúcha, ocorreu o último encontro realizado no dia 22 de setembro. O evento foi ministrado pela arquiteta e urbanista Andréa Borba Pinheiro, agente de fiscalização do CAU/RS, que

CONFIRA AS DATAS E CIDADES DOS EVENTOS PROMOVIDOS PELO CAU/RS: 28 abril | palestra em Santa Maria

destacou a força de aplicação da Tabela de Honorários, as diferenças de tributação entre profissionais autônomos e empresas, como ela representa um avanço para balizar valores de licitações em contratações públicas, entre outros tópicos.

19 de maio | palestra em Torres 7 de julho | palestra em Santo Ângelo 5 de agosto | palestra na CONSTRUSUL 25 de agosto | palestra em Santa Cruz

O público ainda conferiu uma simulação de serviço de projeto arquitetônico para demonstrar o funcionamento do aplicativo que automatiza o cálculo de honorários. Também participaram Silvia Barakat (AAI Brasil/RS), Andrea dos Santos (SAERGS), Tiago Holzmann da Silva (IAB RS) e Paulo Henrique Rodrigues (AsBEA/RS).

22 de setembro | palestra em Canela

construsul

UTILIZANDO A TABELA

A Tabela de Honorários, ferramenta desenvolvida pelo CAU/BR, pode ser usada por arquitetos e urbanistas e clientes e está acessível por computador, tablet e celular. Trata-se de uma ferramenta rápida e eficaz para calcular os custos de projetos arquitetônicos, paisagísticos e execução de obras. O objetivo da Tabela é resgatar o valor do trabalho do profissional arquiteto e urbanista, esclarecendo para a sociedade a complexidade das atividades envolvidas na elaboração e execução de projeto. São mais de 240 atividades em arquitetura e urbanismo contempladas.

Santa Cruz

Para visualizar o aplicativo das Tabelas de Honorários do CAU/BR acesse o endereço: http://honorario.caubr.gov.br/auth/login

Canela Diretorias das entidades de arquitetos gaúchos prestigiaram eventos pelo interior do Estado.

66 espaço | edição especial • projeto&obra

67


solar do iab rs

especial

Ponto, Linha, Plano e Volume de Cultura! Recentemente o IAB RS passou a fazer parte da rede dos Pontos de Cultura. A Lei 13.018/2014, que institui a Política Nacional de Cultura Viva, reforça a importância da rede ao estimular ações de base comunitária, possibilitando o amplo exercício dos direitos culturais pela população, além de potencializar a cultura como eixo transversal do desenvolvimento social e econômico VINICIUS VIEIRA sustentável. Nesse contexto, considerando Escultor, arquiteto e urbanista. o referido conceito, mostra-se importante Conselheiro de Estado da Cultura e Vice-presidente do IAB RS lembrar o papel da entidade dos arquitetos ao longo da história, bem como os caminhos que a levaram a ser reconhecida como Ponto de Cultura. A formação do IAB está intimamente ligada à cultura. Fundado em 1921 no Rio de Janeiro, ele nasce em meio à efervescência das artes e da política brasileira às vésperas da Semana de Arte Moderna de 1922. Nos anos seguintes a corrente modernista ganha força em todos os segmentos culturais, e a destacada produção dos arquitetos brasileiros nas décadas de 30 e 40 influenciaram diretamente a sociedade e a formação de novos olhares que estimularam o entendimento da arquitetura como manifestação cultural no País. No Rio Grande do Sul não foi diferente, e desde a fundação do IAB RS em 1948 se verifica o comprometimento dos arquitetos com a cultura. Isso se evidencia ainda mais com a intensa agenda cultural da entidade na antiga sede na rua Annes Dias, em Porto Alegre. A pujança do centro da cidade nos anos 60, a proximidade do lugar com a Universidade e a agitação cultural impulsionada pela resistência ao regime militar que se instalava, sem dúvida contribuíram para que a sede viesse a se consolidar como ponto de encontro de artistas, estudantes, arquitetos, sociólogos, jornalistas e intelectuais. A galeria de arte do IAB foi fundada nesse contexto em 1966, durante a gestão de Cláudio Araújo, com a colaboração do escultor Xico Stockinger, em inauguração que contou com a exposição de Flávio de Carvalho. Uma das obras dessa mostra foi doada pelo artista à época e encontra-se disponível para visitação na atual pinacoteca da entidade. O IAB RS consolida-se junto à comunidade nos anos 70, sendo palco para o surgimento de grupos como o Tangos e Tragédias e o Teatro de Bonecos Cem Modos. O lugar abrigou também exposições de Volpi, Emanoel Araújo, Glauco Rodrigues, Danúbio Gonçalves, Ado Malagoli, Maria Bonomi, Di Cavalcanti, Wesley Duke Lee, Décio Pignatari, Manabu Mabe, Henrique Fuhro, Magliani, Plínio Bernhardt, Pasquetti, Tenius, Ilsa 68 espaço | edição especial • projeto&obra

Monteiro, Roth, Nelson Jungbluth, Léo Dexheimer, Regina Silveira, Leonid Streliaev, entre outros. Nos anos 80 ganha destaque o Bar do IAB. Unindo arte, arquitetura e política, torna-se o primeiro bar underground de Porto Alegre. Nesses tempos a música ganha importância, e o espaço recebe personalidades como Chico Buarque, Nana Caymi, Nei Lisboa, Elis Regina, Geraldo Flach e Celso Loureiro Chaves. E a literatura também, já que não era incomum ver Mario Quintana e Millor Fernandes autografarem na livraria junto ao bar que aparecia como lugar-síntese dos sentimentos e da movimentação cultural na cidade. Com a mudança para o Solar na rua Gal. Canabarro em 2001, o IAB RS dá continuidade às suas atividades na cultura. Após a conclusão da primeira etapa das obras de restauro da nova sede, criaram-se as condições para realização de ações culturais que vêm sendo desenvolvidas até hoje de maneira contínua. Na atualidade elas integram o projeto Quarta no IAB, incluindo palestras, debates, apresentações, rodas de conversa e as noites de inauguração das exposições da Galeria Espaço IAB, que contempla artistas brasileiros e estrangeiros através de edital publicado anualmente. Vale ressaltar também a ampliação recente da representação do IAB RS na cultura na última década, evidenciada pela participação em conselhos municipais, bem como pela atuação dos arquitetos no Conselho Estadual de Cultura e no Conselho Nacional de Política Cultural. Destacam-se ainda as suas atividades em comissões e fóruns permanentes de debates como, por exemplo, a Comissão de Obras de Arte e Monumentos, além do apoio a grupos de ocupação dos espaços públicos. Insere-se nesse contexto o reconhecimento da entidade como Ponto de Cultura em 2015, firmado por convênio entre o IAB RS e a Secretaria de Estado da Cultura após a entidade ser selecionada em edital público. Ao integrar-se a essa rede, os arquitetos têm a oportunidade de estabelecer novas trocas com entidades do setor, além de realizar atividades com amplo retorno para a comunidade, dessa forma diversificando ainda mais as expressões culturais no Rio Grande do Sul. Assim, motivado pelo histórico de compromisso com a cultura, o IAB RS une esforços pelo fortalecimento da dimensão cultural da arquitetura. Após a conquista da independência profissional no Brasil, os arquitetos agora também lutam para que se amplie ainda mais o conceito de arquitetura como manifestação cultural. Desse modo colocando a profissão à altura de sua relevância para a sociedade, reconhecendo-a como parte essencial do processo histórico que envolve diversos setores da cultura na valorização de nossa identidade. Nessa perspectiva estão sendo criadas as condições para a construção de novas políticas públicas que dêem visibilidade à arquitetura nesse cenário e que, por consequência, possam contribuir para a promoção da cultura como um direito humano.

O Arquiteto e o Espetáculo Perseguir a ideia da arquitetura e da cidade como patrimônio cultural de uma nação é objetivo ligado ao processo de formação da cidadania como também do reconhecimento das identidades se reconstruir do povo brasileiro. Por essas razões ao me propor a tecer algumas considerações sobre “o arquiteto e o espetáculo” melhor diria a “arquitetura do espetáculo”, tenho em mente e me atrevo a dizer que determinadas manifestações arquitetônicas ou movimentos atuais pavimentam uma estrada que não nos levará a nada, a lugar nenhum. Obras individualizadas, únicas, desprovidas de quaisquer relações com os lugares onde se localizam. A arquitetura deve representar para nós um fato cultural indiscutível porque em sua essência e desígnio qualifica o espaço edificado balizado pela história acumulada. Com todo respeito, essa arquitetura, essa “espetacularização monumental” sem desenho, livre de conteúdos sociais, culturais, éticos e morais não nos interessa. Assim penso eu. Acho eu, modestamente, que as importações e as influências que existiram em nossa fase pioneira do modernismo incorporou, ainda que, com nova linguagem, vários conceitos a confirmar, na prática, que o processo de universalização da arte é alcançado quando reflete as cores locais e as expressões mais características de um povo. Alcançamos respeito mundial quando assim procedemos. Indo para além da arquitetura, tão pouco significativa em face da complexidade da vida e do viver, devemos considerar que culturas vivas estão continuamente a receber influências e a influenciar. A recriar e promover transformações nos significados, seja das palavras , seja dos símbolos, seja dos gestos. O compromisso consciente de todos nós é compreender que o campo de nossas atividades será as nossas cidades divididas e pauperizadas, nas quais territórios com limites invisíveis, porém, bastante nítidos encerram a trajetória cotidiana da vida de imensos grupos humanos. No meu entendimento, os interesses dos arquitetos brasileiros estão, pois, estreitamente vinculados aos interesses e às aspirações da grande maioria do nosso povo. E subordinados à superação das contradições existentes entre nós, até hoje. Contradições que estão a exigir, a nos indicar a necessidade de nos incluirmos nos processos de transformações e desenvolvimento do país e recolocar as arquiteturas brasileiras no largo círculo dos movimentos culturais e políticos e na árdua luta que se trava pela emancipação econômica de todo povo brasileiro. Para todos nós herdeiros desse passado, para todos vocês construtores do futuro estão abertos os caminhos da luta e do amor pelos homens. Caminhos onde germinarão flores e filhos que povoarão esta vasta terra Brasileira. Juntos vislumbraremos mundos para os quais muitos olhos ainda continuam sem enxergar. Por fim, amigos professores e jovens colegas "não permitam que os transformem em meros instrumentos a serviço de uma minoria opulenta, desligada dos interesses públicos e populares”. Assim falou o Artigas aos formandos de 55 da FAU/USP.

Aula inaugural aos Alunos da Faculdade de Arquitetura da UFRGS - 2016/2, proferida pelo arquiteto Campelo 69


especial

DEMETRIO RIBEIRO 100 ANOS

Tiago Holzmann abriu a cerimônia e saudou a todos os presentes, destacando a importância da homenagem pelo justo reconhecimento da Arquitetura Moderna no Rio Grande do Sul com a assinatura do ato de homologação do tombamento do Colégio Estadual Júlio de Castilhos (“Julinho”) como patrimônio histórico da capital gaúcha. A atual sede do Colégio, inaugurada em 1958, é um projeto de Demetrio em parceria com Enilda Ribeiro, fruto de concurso público. “Patrimônio não é apenas algo centenário ou bicentenário. Ele pode estar sendo construído hoje, pois representa a história e a arte de uma época. É preciso fazer hoje, tendo em vista as necessidades atuais e também os próximos anos, próximas décadas, assim como fez Demetrio”, ressaltou o presidente do IAB RS. Em seguida, José Fortunati assinou o ato de tombamento do “Julinho”, iniciativa do IAB RS e da Coordenação da Memória da Prefeitura de Porto Alegre, que em três meses conseguiram, com o apoio, dar início e andamento ao processo. Haroldo Pinheiro relembrou sua atuação junto ao IAB Nacional, quando pode homenagear Demetrio ainda em vida. O Colar de Ouro do Instituto de Arquitetos do Brasil condecora profissionais da área que se destacam por sua atuação em prol do desenvolvimento da Arquitetura no país e foi entregue ao arquiteto e urbanista em janeiro de 2003. A solenidade de abertura do bate-papo com amigos de Demetrio encerrou com uma fala emocionada do Presidente do IAB Nacional. “O Júlio de Castilhos era um lugar de formação plena e seu tombamento reconhece o valor da Arquitetura na construção da cidadania. Demetrio e Enilda foram meus professores na Arquitetura e na vida”, destacou Sérgio Magalhães. Após, houve o descerramento da placa comemorativa. A neta de Demetrio, Miriam Ribeiro, representou a família e expôs o viés íntimo do Demetrio pai e avô.

Centenário de Demetrio Ribeiro reúne e emociona autoridades e amigos em cerimônia no IAB RS O Homem, o Arquiteto, o Político. Demetrio Ribeiro foi saudado em cerimônia ocorrida no IAB RS por todos os que, de alguma forma, tiveram contato com pelo menos uma das facetas do arquiteto e urbanista que completaria 100 anos em 1º de setembro de 2016. Falecido em 22 de outubro de 2003, Demetrio deixou um importante legado para a arquitetura gaúcha, com importantes projetos urbanísticos e edificações modernistas, influência de sua diversa formação. O evento foi composto por duas mesas, uma de autoridades e outra de amigos. Na abertura, estiveram presentes o Prefeito de Porto Alegre, José Fortunati; a primeira-dama e deputada estadual, Regina Maria Becker; a vereadora Jussara Cony; o presidente do IAB RS, Tiago Holzmann; o presidente do IAB Nacional, Sérgio Ferraz Magalhães; e o presidente o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR), Haroldo Pinheiro.

70 espaço | edição especial • projeto&obra

DEMETRIO RIBEIRO HOMENAGEADO NA CÂMARA

Por iniciativa do IAB RS e da vereadora Jussara Cony (PCdoB), a Câmara de Porto Alegre realizou sessão solene no dia 4 de outubro, em homenagem, in memoriam, ao centenário do arquiteto e professor Demetrio Ribeiro, nascido em Porto Alegre no dia 1º de setembro de 1916 e falecido em 22 de outubro de 2003. Rafael Passos, vice-presidente do IAB RS, citou trechos de discursos proferidos por Demetrio Ribeiro no 10º e 12º Congresso Brasileiro de Arquitetos, realizados respectivamente em 1979 – em Brasília – e em 1985 – em Belo Horizonte.

71


prêmio memória da arquitetura

Homenagem à

MEMÓRIA DA ARQUITETURA 11° Prêmio Memória da Arquitetura homenageia trabalhos de recuperação e restauro de prédios históricos

O 11° Prêmio Memória da Arquitetura foi entregue dia 18 de agosto em sessão solene realizada na Catedral de São Pedro em Rio Grande. Nesta edição, a pessoa física homenageada foi o engenheiro civil e professor da FURG Claudio Dias, pelo trabalho na área de recuperação de argamassas em prédios históricos, e a pessoa jurídica foi a UNICRED Integração – Unidade Rio Grande, pela iniciativa de restauro e revitalização da edificação onde está localizada sua sede na cidade. Neste ano, o Prêmio contou com o apoio do CAU/ RS através da Chamada Pública de Patrocínios 01/2016 que permitiu ao IAB RS, juntamente com o Núcleo de Rio Grande, organizar o evento. O apoio também inclui uma exposição fotográfica e artística, o lançamento de um livro e a publicação de uma revista sobre a história do Prêmio. Segundo o conselheiro do CAU/RS Marcio Lontra, e a presidente do Núcleo do IAB em Rio Grande, Evelise Menezes, o evento foi um sucesso, pois o público lotou as dependências da Catedral de São Pedro, que também pode conferir a apresentação do Coral Municipal de Rio Grande. A solenidade contou com a participação especial do presidente do IAB RS, Tiago Holzmann da Silva, e da arquiteta e urbanista professora da UFPEL, Ana Lúcia Costa de Oliveira, além de diversas autoridades e convidados que prestigiaram a premiação nas dependências da igreja mais antiga do Rio Grande do Sul. A PREMIAÇÃO

O Prêmio Memória da Arquitetura é oferecido pelo Núcleo Rio Grande do IAB RS, em conjunto com a Associação Pró-Preservação do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural da cidade do Rio Grande (APHAC), Secretaria do Município da Cultura, Sociedade de Engenheiros e Arquitetos do Rio Grande (Searg) e o Conselho Municipal do Patrimônio Histórico. Aproximadamente um mês antes da cerimônia, os re-

Solenidade ocorreu nas dependências da igreja mais antiga do Rio Grande do Sul, a Catedral de São Pedro.

72 espaço | edição especial • projeto&obra

presentantes dos grupos citados se reuniram e decidiram os premiados por merecimento. O engenheiro Cláudio Rodrigues Dias e a empresa Unicred receberam como homenagem um troféu e um diploma. Além das categorias citadas, o prêmio também presta anualmente reverência a um “prédio destaque” - este podendo ser um local preservado ao longo dos anos ou restaurado.

DESTAQUES

O prédio escolhido como destaque na edição deste ano é o Palacete Trajano Lopes, localizado na rua Luiz Lorea e datado do século XIX, que atualmente se encontra em processo de restauração. Além do motivo da restauração, o prédio também foi escolhido por ter sido propriedade de um dos destaques políticos da história rio-grandina, o próprio intendente Trajano Lopes. Além da premiação, a cerimônia também contou com um coquetel, ainda nas dependências da Catedral de São Pedro, com a presença do Coral Municipal de Rio Grande. Segundo o arquiteto Oscar Décio Carneiro, membro do Núcleo Cidade do Rio Grande do Instituto de Arquitetos do Brasil: “A premiação é uma forma de destacar pessoas e entidades que trabalharam pela conservação do patrimônio histórico da cidade e também de apreciar esse patrimônio”. O arquiteto também conta que a Catedral de São Pedro receberá um azulejo para marcar o acontecimento do evento no local. Segundo ele, a ideia dos azulejos surgiu no ano passado, quando foram colocadas as placas cerâmicas em todos os outros lugares que sediaram as 10 edições do evento.

Cerimônia contou com a participação especial do presidente do IAB RS, Tiago Holzmann da Silva, e da arquiteta e urbanista professora da UFPEL, Ana Lúcia Costa de Oliveira, além de diversas autoridades e convidados que prestigiaram o evento.

73


iab rs

Projetos Especiais

QUARTAS no IAB RS A “Quarta no IAB” é uma das atividades do calendário cultural do IAB RS que tem como objetivo a realização de ciclos com diferentes suportes, pensados a partir da relação entre Cidade e Cultura. O projeto “Quarta no IAB” é desenvolvido semanalmente há 5 anos, ininterruptamente desde março de 2012, todas as quartas-feiras, às 19h30, no Solar do IAB, sendo aberto ao público em geral. Confira os principais eventos realizados neste ano:

03/08 | Economia Criativa e Gentrificação No dia 03 de agosto o IAB RS promoveu o debate “Economia Criativa x Gentrificação”. O evento contou com a participação de integrantes do Grupo de Pesquisa Identidade e Território (GPIT), da UFRGS; da economista e administradora Ana Carla Fonseca – doutora em Arquitetura e Urbanismo pela USP, com tese em cidades criativas; e do arquiteto Carlos Ribeiro Furtado – especialista em habitação social pela University College London. O debate teve como proposta de trazer à luz a discussão de comportamentos, ocupações, coletivos, empoderamento do espaço público e demais novas construções de imaginários coletivos.

14/09 | Exposição de Artes Visuais O IAB RS abriu no 14 de setembro quatro exposições gratuitas de artes visuais selecionadas em edital. A mostra integra o segundo ciclo de artes visuais da galeria Espaço IAB em 2016. Na área externa do Solar do IAB RS, o artista Ricardo Cardoso apresentou a mostra “26", com obras de forma pura. Na Sala Negra, o público pode conferir a mostra “Projetos Demarcatórios”, do artista Roberto Chagas, que veio de Santa Maria (RS). A Sala Anexa abriga a exposição coletiva “Papier Mâchè - Cho Dorneles & Alunas”. Participam os artistas Cho Dorneles (org.), Graça Hund, Jaque Pauletti, Madalena Fuke, Nora Boher, Rejane Wagner, Sandra kravetz, Silvia Aita, Suzana Albano, Tereza Albano, Valéria Soviero e Vera Dall'onder. Já a Sala do Arco recebe a mostra “O Jardim Secreto de Adriana Giora” com curadoria de Letícia Lau. Adriana Giora preparou para esta exposição 3000 peças em cerâmica para sua instalação que tomará conta de todo o espaço, transformando-a em um jardim. O tema se refere ao jardim como espaço privativo simbolizando os sonhos e um refúgio. 74 espaço | edição especial • projeto&obra

05/10 | 15 anos do Estatuto da Cidade em Debate No dia 05 de outubro o IAB RS promoveu o debate “15 anos do Estatuto da Cidade”. O evento realizado no Solar do IAB contou com a participação o arquiteto André Huyer e da engenheira civil Regina Maria Pozzobon. A mediação foi da promotora de justiça Débora Regina Menegat. Os participantes debateram sobre a denominação oficial da Lei 10.257, de 10 de julho de 2001, que regulamenta o capítulo "Política Urbana" da Constituição Federal, detalhando e desenvolvendo os artigos 182 e 183. Os palestrantes fizeram uma reflexão sobre o objetivo do Estatuto de garantir o direito à cidade como um dos direitos fundamentais da pessoa humana, para que todos tenham acesso às oportunidades que a vida urbana oferece.

09/11 Cidade e Segurança em debate no Dia do Urbanismo O IAB RS promoveu na noite da quarta-feira (09/11) na Faculdade de Arquitetura da UFRGS o debate “Cidade e Segurança” em comemoração ao Dia do Urbanismo. O professor da Ulbra Torres Efreu Brignol Quintana apresentou sua linha de pesquisa da dissertação de mestrado sobre Sistemas Configuracionais Urbanos. Ele abordou a questão dos condomínios horizontais e seu impacto na estrutura do espaço urbano, além de apresentar estatísticas sobre segurança nestas regiões. Eduardo Nascimento Cruz, especialista em Segurança Pública, coordenador de projetos em Unidades de Polícia Pacificadora do Rio de Janeiro e Conselheiro da Delegação Brasileira na última Assembleia Geral das Nações Unidas falou sobre drogas e o impacto dos territórios abandonados pelo Estado na segurança pública. Cruz destacou as ações de redução da violência e da relação de drogas e criminalidade. Marcelli Cipriani, bacharela em Direito pela PUCRS e integrante do Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas de Segurança e Administração da Justiça Penal (GPESC - PUCRS), e do Grupo de Pesquisa em Gênero, Sexualidade e Feminismos (GP-GSFem - UNILASSALE) também participou do debate. Marcelli destacou a realidade dos espaços segregados e de seus habitantes, e também dos “guetos voluntários”, que segundo ela têm como objetivo principal impedir a entrada de intrusos, já que os de dentro podem, dele, sair à vontade. A mediação do debate foi do arquiteto e urbanista, Rafael Passos, vice-presidente do IAB RS. A ideia do evento foi fazer uma reflexão também sobre Porto Alegre, que nos últimos tempos tem sido categorizada como uma das cidades mais inseguras do país. O público questionou: Será que o desenho da cidade e os regramentos para a edificação e o parcelamento do solo tem a ver com isto? Será que questões culturais e comportamentais da sociedade porto alegrense interferem nesta realidade?

Caravana da Arquitetura percorre interior do Estado O projeto Caravanas da Arquitetura do IAB RS esteve presente este ano nas cidades de Novo Hamburgo, Santa Maria, Venâncio Aires, Uruguaiana, Lajeado, Santa Rosa e Canela. O objetivo do projeto é promover a arquitetura e o urbanismo e fortalecer a presença institucional das entidades de arquitetos e do CAU no interior do estado, através da realização de eventos com temas e atividades do interesse dos profissionais e da comunidade local. A promoção e a organização do evento é do IAB RS em colaboração com os núcleos do Instituto nas regiões, além do apoio das demais entidades, faculdades e administrações locais.

Lajeado

Venâncio Aires Canela

De acordo com o presidente do IAB RS, Tiago Holzmann da Silva, a ideia é promover discussões de temas do interesse dos profissionais arquitetos e urbanistas, promover a interação entre profissionais locais e convidados, debater as questões locais relativas a arquitetura e urbanismo, conhecer os projetos locais e ampliar o relacionamento entre os profissionais de todo o estado. “Queremos fomentar a associação local dos arquitetos, reforçar a atuação das entidades e do CAU nas regiões, fortalecer a imagem dos arquitetos e da profissão junto à sociedade”, destaca o presidente.

Frederico Westphalen – novembro de 2015 Santa Cruz – novembro de 2015 Canela – maio de 2016 Lajeado – maio de 2016 Santa Rosa – maio de 2016 Santa Rosa

Uruguaiana – junho de 2016 Venâncio Aires – setembro de 2016 Santa Maria – outubro de 2016 Novo Hamburgo – outubro de 2016 Porto Alegre – novembro de 2016

Novo Hamburgo

Santa Maria

Uruguaiana

75


iab rs

interação

dicas&novidades

INSTITUTO DE ARQUITETOS ELEGE NOVA DIREÇÃO

SEMINÁRIO NACIONAL DOS NÚCLEOS Evento foi realizado em Porto Alegre entre os dias 18 e 19 de novembro O Seminário Nacional de Núcleos do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) foi realizado em Porto Alegre (RS), no Solar do IAB RS (Rua General Canabarro 363), entre os dias 18 e 19 de novembro. Promovido pelo IAB, com organização do Departamento do Rio Grande do Sul, o evento contou com a participação de dirigentes dos departamentos e dos Núcleos da entidade e arquitetos em geral. A abertura ocorreu na noite de sexta (18/11) com a participação do diretor-presidente da Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab), Gilson Paranhos, que falou sobre "Assistência Técnica no Distrito Federal". Já o presidente do IAB Nacional, Sérgio Magalhães, contou sua experiência em "Moradia e a Construção da Cidade". O sábado (19/11) foi de visita guiada pela Igreja das Dores e apresentação de Núcleos, além de propostas do Grupo de trabalho de Sustentabilidade Nacional do IAB. A reunião no Solar foi dirigida pelos arquitetos Alan Cury, do Núcleo Campinas, e Cláudia Pires, do IAB Minas Gerais. Paralelo ao Seminário, no mesmo local, também ocorreram a 87ª Reunião do Conselho Estadual do IAB RS e a Caravana da Arquitetura de Porto Alegre. A programação também incluiu uma feira do livro, grupos de trabalhos, homenagens e premiações. Para Tiago Holzmann da Silva, presidente do IAB RS, o evento proporcionou a troca de experiências entre os arquitetos que integram os 40 núcleos da entidade de todo o Brasil e a ampliação da base de representação da entidade.

O Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento do Rio Grande do Sul – IAB RS elegeu (23/11) a nova direção da entidade, fundada em 1948 em Porto Alegre. O arquiteto e urbanista Rafael Passos foi eleito o novo presidente para o triênio 2017/2019

A chapa Cidade Movimento conquistou 106 votos, sendo 42 votos dos 12 núcleos de Caxias do Sul, Erechim, Frederico Westphalen, Rio Grande, Santa Maria, Torres, Vinhedos da Serra Gaúcha, Região das Hortênsias, Osório e Vale dos Sinos. As urnas foram abertas às 21h15 na presença do presidente do IAB RS, Tiago Holzmann da Silva, de integrantes da diretoria e associados. Ao todo foram 111 votantes da capital gaúcha e interior do Estado. As eleições definiram o Conselho Diretor, Conselho Fiscal, Conselho Superior, Conselho Estadual e Núcleos para o triênio 2017/2019. O presidente eleito, Rafael Passos, destaca que o IAB RS se vê novamente diante do desafio de atuar de forma solidária com os mais diversos movimentos e entidades da sociedade civil, o que é fundamental para a valorização da arquitetura e urbanismo como instrumento para a qualidade da vida urbana e da cidade democrática que cumpra sua função social para todos os cidadãos. “Frente à crise de legitimidade que ameaça o sistema político e as causas coletivas no país, somente a atuação organizada e firme da sociedade civil e suas entidades representativas poderá promover o desenvolvimento do país e do estado dentro do mais amplo processo democrático”, acredita Passos. Para ele, a diversidade é o que melhor caracteriza a nova composição das instâncias do IAB RS, entidade historicamente reconhecida tanto pela combatividade quanto pela abertura ao diálogo. Além de Rafael Passos, também fazem parte da chapa eleita os arquitetos Ednezer Rodrigues Flores, Maria Tereza Fortini Albano, Clarice Misoczky Oliveira, Marcelo Gribov Brinckmann, Elena Santos Graeff, Marcelo Arioli Heck, Lucas Bernardes Volpatto, Vinicius Vieira de Souza, Carolina Pires Pizzato, Roberta Krahe Edelweiss e Rodrigo Troyano Prates. Para Tiago Holzmann da Silva, o IAB RS deu mais uma demonstração de vitalidade e crescimento com a eleição do Departamento e de 11 Núcleos. "O Rafael e sua diretoria tem plenas condições de liderar o IAB RS neste momento de crise que afeta o país e a profissão. A diversidade do perfil dos colegas eleitos para diretoria e conselhos garante a ampla representatividade da entidade na defesa da qualidade da arquitetura, da cidade democrática e da valorização dos profissionais”, destaca Silva.

76 espaço | edição especial • projeto&obra

77


parceiros

IAB RS

HP-0001-16_hpea_8-5x7cm.pdf 1 02/12/16 11:55:57

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Av. Getúlio Vargas, 1157, conj. 1503, POA/RS Fone/Fax: 51 3372 1797 www.homrichportinho.com.br

78 espaço | edição especial • projeto&obra


WWW.caurs.gov.br

O CAU/RS VAI ESTAR MAIS PERTO DE VOCÊ. coM o cau MaIs PErTo, o coNsELHo vaI EsTar MaIs PrÓXIMo Dos arQuITETos E urbaNIsTas Do rIo graNDE Do suL, Da coMuNIDaDE E Dos ÓrgÃos PÚbLIcos. aguarDE. EM brEvE Na sua cIDaDE.

Espaço IAB Especial Projeto & Obra 2016  
Espaço IAB Especial Projeto & Obra 2016  

Edição especial da revista Espaço IAB sobre o Ciclo Projeto & Obra 2016, que é apresentação de projetos e/ou obras priorizando a revelação d...

Advertisement