Page 1

NÚMERO 3 • ANO 2

Um novo jeito de educar e aprender

Monkey Business Images/ Shutterstock

Projeto Pipa do Sesi: ensino da Matemática de forma criativa

Muito mais aula

Especial ENEM

Projetos pedagógicos do 6º ao 9º ano

Artigo de Luis Carlos de Menezes

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 1

ÁRIO CALEND 2013 DE MESA

24/01/2013 12:00:39


Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 2

24/01/2013 12:00:43


LeYa. Conectad@ com você para escrever o futuro. O desafio da LeYa é oferecer à crianças e jovens um novo jeito de aprender. Unir o conteúdo educacional aos mais avançados recursos tecnológicos. Sistema de ensino, livros didáticos, literaturas infantojuvenis e uma série de iniciativas educacionais são apoiados por uma plataforma digital inovadora. Ela está mudando a forma de educar nas escolas de todo o país. Só uma editora que já nasceu digital pode dar esse passo e sair na frente. Aguarde. Você vai se surpreender! LeYa. Muito mais que editora.

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 3

24/01/2013 12:00:44


editorial

Trabalhar em cada edição da revista LeYa na Escola é sempre uma grande satisfação. Percebemos que os educadores estão se identificando com nossos conteúdos, contribuindo, e muito, para uma revista de educação de qualidade. Esta edição está bem especial, recheada de matérias com temas da atualidade, como ética e cidadania, Enem, empreendedorismo para crianças, projetos pedagógicos e muita informação para auxiliar no dia a dia dos educadores. A tecnologia em sala de aula é um tema que há muito se discute, e nesta edição não será diferente. A LeYa nasceu com DNA digital e preocupa-se em mostrar como a tecnologia pode facilitar a vida dos professores. Na matéria “Precisa-se de DNA digital” abordamos a importância de os educadores conhecerem os recursos tecnológicos disponíveis para acompanhar o novo momento educacional que vive o país. Os educadores precisam se renovar se não quiserem virar dinossauros da educação. As escolas já estão se modernizando, com lousas e plataformas digitais, tablets, entre outras ferramentas, e a equipe docente precisa acompanhá-las. Outro tema, e este virou matéria de capa, é o novo jeito de educar e aprender. Contamos a história de Suely Aparecida de Arruda Saraiva, professora de Matemática do Ensino Fundamental II, no Sesi de Carapicuíba, que desenvolveu o Projeto Pipa para ensinar conceitos geométricos para seus alunos. O resultado foi muita aprendizagem e diversão. Nesta matéria mostramos que Suely inovou e trabalhou a disciplina de uma maneira diferente. Este é o tipo de perfil de educadores que se espera para ensinar esta nova geração de alunos. Mostramos ainda nesta matéria que o acompanhamento dos pais no dia a dia do filho é essencial para o seu bom rendimento escolar. No Brasil, infelizmente, muitos pais ainda colocam na escola a responsabilidade integral pela educação de seus filhos. Portanto, deixamos nesta edição uma reflexão sobre os novos rumos que a educação está tomando e a nossa preocupação em abrir os olhos dos educadores para acompanhá-los imediatamente. Professores, pais, alunos e escola devem estar conectados uns aos outros para que juntos possam construir um futuro de sucesso. Helena Poças Leitão Editora

revista

a Y e L

EXPEDIENTE Editora e jornalista responsável Helena Poças Leitão (Mtb 44375/SP) Colaboração Adriana Maria Soares, Amanda Borges, Carolina Bessa Villafranca, Elaine do Amaral, Lucas Nykiel, Luis Carlos de Menezes, Marcos Rocha, Marana Borges, Monica Weinberg, Samanta Camargo, Silvia Lacerda Fotografia Aldridge Neto, Augusto Ratis, Davi Santana Fotografias, Luiz Berenguer, Rômulo e Eliana Prado Fotografias Ilustrações Estúdio Ilustranet Projeto gráfico Juliana Carvalho, Matheus Zati, Renné Ramos, Thais Ometto e Thais Pedroso Diagramação Blog Propaganda Revisão Beto Celli, Graziela Marcolin e Miriam de Carvalho Abões Conheça o site da revista www.revistaleyanaescola.com.br

Entre em contato com a gente! marketingeducacao@leya.com

Rua Dr. Olavo Egídio, 266 – Santana CEP 02037-000 – São Paulo – SP www.leya.com.br LeYa na Escola é uma revista da editora LeYa destinada aos educadores e distribuída nas instituições de ensino brasileiras. Tiragem: 20 000 unidades

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 4

24/01/2013 12:00:45


6

ENEM

36

62

GENTE DO BEM

14

REDES SOCIAIS

50

Capa Um novo jeito de educar: conheça o Projeto Pipa, do Sesi, que inovou no ensino da Matemática, e confira uma matéria sobre a importância do incentivo dos pais para o desempenho das crianças nos estudos. Atualidade Entenda a importância de estimular crianças empreendedoras.

18

LeYa na minha escola Educadores de escolas de todo o país contam as razões pelas quais adotaram os livros da LeYa.

20

Escola Nota 10 Conheça a história do colégio Moderno, de Belém (PA). Com quase 100 anos, é referência em sua região.

24

EVENTOS

68

Mural A escola estadual Professor Francisco de Paula Conceição Júnior criou um projeto diferente de incentivo à leitura.

32

Meu Brasil Pernambuco: efervescência cultural e turística.

40

Fala, professor! Educadores respondem à pergunta: como sua escola trabalha ética e cidadania?

42

Carreira Precisa-se de DNA digital: entenda por que cada vez mais os educadores precisam respirar tecnologia em sua profissão.

44

Fique de olho Leitura eficiente e os desafios de uma prática avaliativa inovadora.

46

LeYa Mais Dicas de literatura infantil e juvenil e um projeto pedagógico sobre o ciclo da água.

52

Muito mais aula Projetos pedagógicos para aplicar em salas do 6.º ao 9.º ano.

64

Cinema PlayArte A PlayArte preparou uma lista de filmes imperdíveis.

67

Estante Confira algumas dicas de leitura da editora LeYa. [5]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 5

24/01/2013 12:00:45


CAPA

UM NOVO JEITO DE EDUCAR E APRENDER

Conheça o Projeto Pipa, do SESI de Carapicuíba, e entenda por que cada vez mais as escolas precisam criar novos meios de educar. HELENA POÇAS LEITÃO

educação no Brasil apresentou melhorias significativas nos últimos anos: queda na taxa de analfabetismo, aumento regular da escolaridade média e da frequência escolar. No entanto, a qualificação do ensino praticado no país ainda não é satisfatória. Mas não vamos falar, nesta matéria, de índices governamentais, nem a respeito da desigualdade social, e sim sobre comportamento institucional: as escolas brasileiras demoraram muito para aplicar novas metodologias de ensino. Talvez ainda agora muitas estejam ensinando conteúdos de Matemática, Língua Portuguesa e outras disciplinas da mesma forma que há 50 anos.

lousas digitais sem antes formar adequadamente seus professores, além de planejar a efetividade da utilização dessas ferramentas. Outra grande e atual questão que envolve a educação brasileira é a atitude dessa nova geração de pais. Se antes questionavam seus filhos em razão das notas que tiravam, nos dias de hoje fazem a mesma pergunta, porém para a escola – os pais defendem seus filhos como se a escola não estivesse cumprindo seu papel: o de educar. Nessa novela, cada um dos personagens tem sua parcela de responsabilidade; no entanto, queremos aqui dirigir nossos olhares para a realidade escolar.

Da mesma maneira que há uma nova geração de alunos e de pais, é preciso urgentemente de uma nova safra de educadores.

Ou seja, não há como isso dar certo – a nova geração de alunos tem fácil acesso a qualquer tipo de informação; portanto, pedir que fique atrás de uma mesa repetindo a tabuada dez vezes até memorizar não funcionará como antigamente. E também de nada adiantará a escola modernizar a sala de aula com tablets e

Da mesma maneira que há uma nova geração de alunos e de pais, é preciso urgentemente de uma nova safra de educadores. E não estou falando de professores recém-formados, e sim de profissionais já atuantes no mercado, mas que desejam mudar seu modo de pensar e agir, para que acompanhem e possam compartilhar da evolução alcançada nessa área do conhecimento humano, encontrando novos meios de educar e, com isso,

[6]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 6

24/01/2013 12:00:53


Foto: Luiz Berenguer

Alunos do Sesi de Carapicuíba empinando as pipas produzidas por meio de conceitos geométricos aprendidos em sala de aula.

conquistando o respeito de seus alunos. Consequentemente, também dos pais. Mas como isso é possível? Suely Aparecida de Arruda Saraiva, professora de Matemática do Ensino Fundamental II, no SESI de Carapicuíba, desenvolveu o Projeto Pipa para ensinar conceitos geométricos – por meio da confecção de pipas, os alunos tomaram gosto pelo assunto. Depois de prontas, as crianças foram ao campo de futebol do SESI de Osasco para soltá-las e empiná-las. Confira a entrevista com a professora Suely e inspiri-se. LeYa – Como funciona o projeto? Suely – Pesquisei novos métodos para ensinar Matemática, e li artigos e teses que falavam sobre a construção de pipas e o ensino na Matemática. Porém, não vi essa metodologia aplicada em nenhuma escola e resolvi criar uma sequência de aulas com as informações que coletei. LeYa – O Projeto Pipa trabalha somente a Matemática?

Suely – Ele trabalha mais a Matemática, mas envolve também um pouco de História, pois a primeira etapa do trabalho propõe uma pesquisa na internet sobre a pipa. Quem a criou? Por que foi criada? Quando surgiu? A maioria dos meus alunos nunca empinou uma pipa na vida, e fazer uma pesquisa sobre o assunto aguçou sua curiosidade – eles acabaram descobrindo coisas que nem eu mesma sabia. Além disso, a cada descoberta eles acabavam debatendo sobre o tema. LeYa – Quais conceitos da Matemática foram ensinados por meio do projeto? Suely – Os principais foram perpendicularismo e paralelismo. Com a construção de pipas, o aluno tem a oportunidade de estudar brincando e colocar em prática o que já foi ou está sendo desenvolvido em aula. Isso ocorre porque, ao construir as pipas, cada aluno teve a oportunidade de verificar as noções geométricas aplicadas e associá-las ao que estava sendo visualizado. LeYa – Hoje as crianças preferem os games,

[7]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 7

24/01/2013 12:00:53


assistir à televisão, ficar atualizando as redes sociais. Como foi a reação dos alunos ao saber que iriam empinar pipa? Suely – Eu os chamo de crianças-tapete, pois realmente não sabem o que é brincar na rua e preferem sempre fazer alguma coisa dentro de casa. Porém, sempre que invento projetos como esse, eles se divertem muito. Descobrem outro universo, ampliam seus horizontes. As escolas precisam levar esse novo jeito de educar aos seus alunos, pois eles desejam isso também. LeYa – Em sua opinião, como deve ser esse novo jeito de educar?

Suely – Os jovens de hoje precisam entender que não existe liberdade total, estamos sempre vinculados a algumas regras que precisam ser percebidas e seguidas. As escolas não podem formar alunos somente para que façam um bom vestibular. Precisam criar projetos que estimulem, nos jovens, conhecimentos que efetivamente farão a diferença no futuro. Numa prova de Geografia, por exemplo, aparece uma questão: quais são os afluentes do Rio Amazonas? Daí eu te pergunto: qual foi a utilidade dessa informação para a minha profissão? Na disciplina de Matemática é a mesma coisa: em vez da famo-

Professora Suely e seus alunos: juntos descobriram uma nova forma de apremder Matemática.

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 8

24/01/2013 12:00:54


CAPA

sa “decoreba”, por que não colocar em prática os conceitos matemáticos, para que a criança entenda a importância daquele aprendizado na sua vida? Fiz um trabalho com meus alunos sobre proporcionalidade, pedi que fizessem entrevistas com pessoas que utilizam a proporcionalidade em seu dia a dia.

Muitos alunos entrevistaram pedreiros e entenderam a importância da proporção na construção de um prédio. Com isso, você oferece significados concretos às disciplinas estudadas.

Foto: Luiz Berenguer

Os jovens de hoje precisam entender que não existe liberdade total, estamos sempre vinculados a algumas regras que precisam ser percebidas e seguidas.

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 9

24/01/2013 12:00:57


LIÇÃO DE CASA PARA OS PAIS MONICA WEINBERG E MARANA BORGES

Pesquisas mostram que nada é tão decisivo para um bom desempenho escolar quanto o incentivo dos pais para os estudos. Já se sabe até como eles podem dar esse empurrão A volta às aulas traz à tona uma das questões mais incômodas para pais de estudantes em todos os níveis de ensino: como ajudar a despertar nos filhos a curiosidade intelectual e fazê-los cultivar o apreço pelo estudo? Para tarefa tão complexa, não existe uma fórmula mágica que, aplicada à risca pela família, resultará num aluno exemplar. A excelência, afinal, é produto de muitas variáveis, tais como o talento individual e os estímulos providos pela própria escola – e não apenas de um ambiente favorável ao aprendizado em casa. O que já se sabe, no entanto, é que a participação dos pais é fundamental, se não decisiva, para um bom rendimento escolar. “Nenhum outro fator tem tanto impacto para o progresso de um aluno quanto a interferência adequada da família. E isso se faz sentir, positivamente, por toda a vida adulta”, diz o economista Naércio Menezes, coordenador do Centro de Políticas Públicas do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper) e autor de um recente trabalho sobre o assunto no Brasil. O conjunto de medidas que surtem resultado, uma vez adotadas com persistência em casa, chama a atenção pela simplicidade.

Apenas incentivar o filho a fazer a lição de casa e ir à escola todos os dias, providenciar um lugar tranquilo onde ele possa estudar e comparecer às reuniões de pais têm o efeito de elevar as notas em torno de 15%, segundo a pesquisa do Insper.

[10]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 10

24/01/2013 12:01:00


CAPA

As boas práticas que se originam desse e de outros estudos não fogem muito do que sugere o senso comum. Tome-se o exemplo da lição de casa. Muitos pais se angustiam porque não têm a menor ideia de como responder a dúvidas de Matemática ou Física. Mesmo quando dominam um assunto, ficam na dúvida: até que ponto prestar ajuda quando são requisitados? Na verdade, tudo o que é necessário é incentivar uma leitura mais atenta do enunciado, indicar fontes de pesquisa ou estimular uma nova reflexão sobre o problema. Jamais dar a resposta certa, procedimento cuja repetição está associada à queda no rendimento do aluno. “Participação exagerada só atrapalha. A independência nos estudos deve ser cultivada, e não tolhida”, diz Maria Inês Fini, doutora em educação. Os especialistas concordam que não cabe aos pais agir como professores em casa – confusão comum, e sem nenhum reflexo positivo. O que sempre ajuda, aí sim, é demonstrar, desde cedo e de forma bem concreta, quanto se valoriza a educação, essa talvez a maior contribuição possível da família. Daí a relevância de montar uma biblioteca em casa ou de manter o hábito de conversar com os filhos sobre o que se passa na escola. De acordo com uma compilação de 29 estudos sobre o tema, esse tipo de ambiente se traduz numa série de indicadores positivos, como mais vontade de ir à aula, um comportamento melhor na escola e expectativas mais elevadas sobre o futuro.

Os pais brasileiros estão longe de figurar entre os mais participativos na rotina escolar. Enquanto nos países da OCDE (organização que reúne os países mais ricos) 64% deles se dizem atuantes, no Brasil esse dado costuma variar entre 20% e 30%, dependendo de quem dá o número. Parte do flagrante desinteresse se deve à baixa escolaridade de uma enorme parcela dos pais, que não permaneceu na escola tempo suficiente para aprender a ler, tampouco para consolidar o hábito do estudo de modo a passá-lo adiante. Outra explicação para a distância que separa os pais da vida escolar está numa ideia incrustada no pensamento do brasileiro: a de que a escola deve se encarregar, sozinha, do processo educativo. Na relação entre pais e filhos, o conceito de liberdade passou a ser confundido com permissividade. Tania Zagury, educadora e autora do livro Escola sem conflito: parceria com os pais, avalia “A inabilidade das famílias em estabelecer limites em casa faz com que deleguem à escola tarefas que deveriam ser delas também”. As pesquisas não deixam dúvidas quanto à eficácia de uma boa relação entre a escola e a família, ainda que ela não precise ser assídua nem tão intensa. Um estudo da Fundação Getúlio Vargas mostra que os efeitos da presença dos pais na vida escolar, ainda que mínima, se fazem notar por toda a vida adulta. Na infância e na adolescência, a participação da família não está associada apenas às notas mais altas, mas também a uma considerável redução nos índices de evasão. Para ter uma ideia, o risco de que crianças egressas de um ambiente favorável aos estudos abandonem a escola cai, em média, 64%. É uma diferença gritante – e decisiva para o sucesso, bem mais tarde, no mercado de trabalho. Basta dizer que cada ano a mais na escola faz subir o salário, em média, 15%. O impacto aumenta à medida que se progride nos estudos. Um ano de pós-graduação, por exemplo, significa um aumento de quase 20% no salário. “Quanto mais educação, maior será o retorno”, resume o economista Marcelo Neri, autor da pesquisa. É razão suficiente para que os pais brasileiros comecem a prestar mais atenção à rotina escolar.

[11]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 11

24/01/2013 12:01:01


O DEVER DA FAMÍLIA As dez principais descobertas dos especialistas sobre quando e como os pais podem ajudar a despertar nos filhos a curiosidade intelectual e fazê-los alcançar um desempenho melhor nos estudos são: 1. Ter livros em casa

3. Zelar pelo cumprimento da lição Ainda que a criança seja pequena, e a tarefa, bem fácil, é importante mostrar a relevância dela com gestos simples, como pedir que olhe o dever pronto ao chegar em casa. Até cerca de 10 anos, monitorar diariamente a execução da lição não é excessivo. Ao contrário, esse é o momento de começar a sedimentar uma rotina de estudos, com horário e local, mesmo que seja mais uma brincadeira. Um relatório da OCDE não deixa dúvidas quanto às vantagens. Os melhores alunos no mundo todo levam a sério o dever de casa. 4. Orientar, mas jamais dar a resposta certa Solucionar o problema é uma tentação frequente dos pais quando são acionados a ajudar na tarefa de casa. Não funciona. O que dá certo, isso sim, é recomendar uma leitura mais atenta do enunciado, tentar provocar uma nova reflexão sobre o assunto e, no caso de filhos mais velhos, sugerir uma boa fonte de pesquisas. Se o erro persistir, deixe-o lá. Já se sabe que a correção do professor é decisiva para a fixação da resposta certa.

Ilustração: Ilustranet

E, no caso de filhos pequenos, ler para eles. O hábito, cultivado desde cedo, faz aumentar o vocabulário de forma espantosa. Segundo estudo do americano James Heckman, prêmio Nobel de economia, uma criança de 8 anos que recebeu esse tipo de estímulo a partir dos 3 domina cerca de 12 mil palavras – o triplo de um aluno sem o mesmo empurrão. A diferença se faz sentir na assimilação de conhecimento em todas as áreas. Ao analisar o fato de a Finlândia aparecer sempre na primeira posição nos rankings de educação, um estudo da OCDE confirma: o incentivo precoce à leitura em casa tem um papel decisivo.

5. Preservar o tempo livre Muitos pais, ávidos por proporcionar o maior número de oportunidades aos filhos, lotam sua agenda de atividades fora da escola. O resultado é que sobra pouco tempo para brincar, esse também um momento sabidamente precioso para o aprendizado. Na escola, por sua vez, crianças com rotinas atribuladas demais costumam demonstrar cansaço, o que frequentemente compromete o próprio rendimento.

2. Reservar um lugar tranquilo para os estudos A ideia é cuidar para que o ambiente ofereça o mínimo necessário: mesa, cadeira, boa iluminação e distância da televisão. Já na pré-escola, os pais podem definir o local e incentivar seu uso diário. Os benefícios, já quantificados, são os esperados: concentrado, o aluno aprende mais e erra menos.

[12]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 12

24/01/2013 12:01:01


CAPA

6. Comparecer à reunião de pais Mesmo que seja muitas vezes enfadonha, ela proporciona no mínimo uma chance de sentir o ambiente na escola, saber da experiência dos demais alunos e tomar contato com a visão de outros pais. A ida a esses encontros tem ainda um efeito colateral menos visível, mas já bastante estudado: a presença dos pais é uma demonstração de interesse que contribui para o envolvimento dos filhos com a escola. 7. Conversar sobre a escola A manifestação de interesse, por si só, é um indicativo do valor dado à educação pela família. Os efeitos são ainda maiores quando o estudo é tratado como algo agradável e aplicável à vida prática, e não um fardo. Uma recente compilação de estudos, consolidada por um centro de pesquisas do governo norte-americano, mostra que um pai que consegue produzir esse tipo de ambiente em casa aumenta em até 40% as chances de o filho se tornar um bom aluno.

Ilustração: Ilustranet

8. Monitorar o boletim No caso de um resultado ruim, o melhor a fazer é definir um plano para melhorar o desempenho – mas não sem antes consultar a escola e avisar o filho de que está fazendo isso. O objetivo aí é estabelecer, com o colégio, uma estratégia para reverter a situação e saber qual será, exatamente, sua participação. Está mais do que provado que castigo, nesse caso, não funciona. Só diminui o grau castig autoconfiança, já baixa, e agrava o desinteresse de au pelos estudos. Procurar o colégio no começo do ano 9. Pro ocasião em que cabe perguntar, pelo menos Éao linhas gerais, o que a escola pretende ensinar em lin cada matéria. Trata-se do mínimo para poder em c acompanhar tais metas e, se preciso, cobrar sua acom execução. execu Não fazer pressão na hora do vestibular 10. N excesso de pressão por parte da família só O ex atrapalha no momento mais tenso na vida de um atrap at estudante. À mesa do jantar, os pais darão uma e stud contribuição ao evitar falar apenas disso. Mas boa c podem ajudar mais, principalmente zelando para pode que o ambiente de casa na hora do estudo não ffique fi que barulhento demais e para que o filho não se comprometa com muitas atividades. O lazer, no comp entanto, e en tan não deve ser suprimido. É o que dizem os especialistas e os próprios campeões no vestibular: e es pec os mais bem colocados em dez áreas em 2008, 2 mantiveram uma pesada rotina de estudos, mas, manti no fim de semana, preservaram algum pelo menos m tempo livre. temp

[13]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 13

24/01/2013 12:01:02


ATUALIDADE

EMPREENDEDORISMO: A ESPERANÇA DE UM FUTURO MELHOR MARCOS ROCHA

Nos tempos modernos, a palavra empreendedorismo vem sendo cada vez mais ouvida. Evoluímos. Em um futuro não muito distante, ser um empreendedor será fundamental para o desenvolvimento e sobrevivência do homem como um ser sustentável. Cabe ressaltar que ser empreendedor (ao contrário do que muitos imaginam) não significa necessariamente ser milionário, mas sim ser alguém com uma visão mais ampla, com capacidade de propor novas soluções para problemas recorrentes e, é claro, de encontrar novas oportunidades. Em síntese, o empreendedor é alguém

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 14

que vai fazer a diferença: alguém de quem o mundo vai precisar. Mas ser empreendedor não basta. É necessário ser criativo e inovador, principalmente porque habitamos um mundo globalizado onde encantar

24/01/2013 12:01:02


Diante dessa realidade, não é difícil concluirmos que o melhor momento para iniciarmos esse processo é na escola. O papel do educador é de fundamental importância para isso, é preciso incentivar nossas crianças a pensarem sem medo, a experimentarem e, principalmente, a começarem a ver o mundo através de diversos olhares. A escola, dif erentemente do que muitos pensam, não é o lugar onde se deve apenas acertar, é o lugar onde devemos dar liberdade para nossos alunos errarem. Na escola, tem-se a oportunidade de recomeçar sem riscos, no mundo não.

inovação, e nós, os professores, somos seres dotados de extremo bom senso e organização (pelo menos, acreditamos nisso). Como educadores, o futuro dessas crianças, nossos alunos, está em nossas mãos, e o futuro do mundo está nas mãos delas. Cada um de nós sonha em ver seu aluno construindo uma história de sucesso, contribuindo para o desenvolvimento da nação. Sonhamos em formar empreendedores. Hoje, mais que nunca, é o momento de nos aplicarmos nessa tarefa. Vamos arregaçar as mangas e, sem medo, ajudar nossos alunos a se tornarem verdadeiros empreendedores. O futuro está em nossas mãos. A hora é esta.

Inara Prusakova/ DreamsƟme.com

as pessoas tornou-se um desafio diário em qualquer área. Temos tudo e ao mesmo tempo não temos nada. É preciso inovar, criar novas fórmulas, reinventar os desejos, é preciso despertar o espírito empreendedor desde cedo. Precisamos de pessoas mais sonhadoras, sem medo de pensar diferente, sem medo de trilhar novos caminhos, pessoas que busquem novas soluções, indiferentes às críticas, dispostas a errar para experimentar o novo.

O empreendedor é alguém que vai fazer a diferença: alguém de quem o mundo vai precisar.

O desafio é grande, principalmente por sabermos que, muitas vezes, o excesso de organização e de bom senso atrapalha a criatividade e a

Marcos Rocha graduou-se em Administração de Empresas com ênfase em comércio exterior, especializou-se em marketing estratégico e relationship marketing pela Fundação Getúlio Vargas, onde também concluiu o programa MBA em marketing. Concluiu o curso de negociação estratégica pela Harvard University e EAD Docência pela Fundação Getúlio Vargas. Mestre em comunicação, é professor da área de estratégia da Universidade Anhembi Morumbi (GEX). Atua há mais de 15 anos na área de administração empresarial, e é diretor da área de operações do grupo LeYa Brasil.

[15]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 15

24/01/2013 12:01:07


7 DICAS PARA ESTIMULAR CRIANÇAS EMPREENDEDORAS 1. Deixe a criança sonhar

ismo está em A essência do empreendedor real. A criança conceber um futuro e torná-lo a a agir para tem que sonhar e ser motivad motivação que seu sonho aconteça. É essa ntes no late s que desperta outras capacidade ade, tivid cria ser humano, como perseverança, ia nom auto e ma protagonismo,iniciativa,autoesti . dor nde – principais atributos do empree

2. Errar é humano

Em nossa cultura, a virtude está em acertar sempre. Porém, quem não arri sca não inova. E arriscar-se pode levar ao sucesso ou ao fracasso. É importante que o fracasso seja aceito como um resultado possível e essencial ao desempenho do empreendedor, não como um indicador de que é preciso desistir do sonho.

3. Emoção à flor da pele

O empreendedor é um apaixon ado, e é essa emoção que dá sentindo à sua vida . A imaginação das crianças pode ser estimulada com histórias de pessoas que realizaram seu s sonhos e se dedicaram na busca daquilo que amam. Crianças tendem a copiar quem elas adm iram, até porque elas não têm que ser necessariam ente originais.

4. Mudar o mundo

a acreditar A criança deve ser estimulada outros, que dos bem que é capaz de agir pelo importante É do. mun o pode interferir e mudar produzir de ade acid que incorpore essa cap mudanças.

5. Estimular a criatividade

Para exercitar a criatividade é preciso ter um ambiente favorável, onde o erro seja permitido e a autoestima das pessoas seja elev ada. Estimule a criança a ouvir sua voz interior , sua intuição. Em qualquer área, a capacidade de inovar é condição para o sucesso profiss ional.

[16] Bowie15/ DreamsƟme.com

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 16

24/01/2013 12:01:09


Inara Prusakova/ DreamsƟme.com

ATUALIDADE

6. Ser ético

e mais ser relaO sucesso profissional não pod financeiras, ou cionado apenas às conquistas é aquele que seja, o melhor profissional não ceito está pra sabe fazer mais dinheiro. Este con e e ética são lá de ultrapassado. Sustentabilidad envolvida. Esobrigatórias numa sociedade des de bom à cotimule a criança a oferecer algo colherá bons letividade, porque ela certamente frutos desta ação.

7. Aprender sempr e – e com os outros

Um empreendedor de sucesso precisa gerar conhecimento permanen temente e criar seus próprios métodos de ap rendizagem. Isso sig nifica ir além do que está no s livros. O empreende dor tem que construir um a rede de relacionam entos, buscar novas informaç ões. Os pais podem aju dar a ampliar os horizontes dos filhos, estimuland o-os a estarem sempre em contato com o mu ndo.

Fonte: Livro Quero construir a minha história, de Fernando Dolabela, editora Sextante.

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 17

24/01/2013 12:01:11


franco’s photos/ Shutterstock

LEYA NA MINHA ESCOLA

POR QUE SUA ESCOLA ADOTOU OS LIVROS DIDÁTICOS DA LEYA?

LIVROS ADOTADOS:

Colégio Espírito Santo (São Paulo, SP)

renguer Foto: Luiz Be

“A editora LeYa, associando o livro didático ao recurso virtual (CD contendo o livro digitalizado e atividades diversificadas), veio atender às necessidades de professores e alunos. O aluno exige muito mais do que uma aula pautada no livro, na lousa e em explicações orais; a interatividade passou a ser um componente importante no processo de ensino e aprendizagem e, a partir daí, na apreensão de conteúdos, bem como no desenvolvimento de competências e habilidades. Além disso, as coleções da editora LeYa A aventura do saber e Jogo da História nos dias de hoje possibilitam ao professor o uso de recursos e a criação de atividades mais envolventes, motivadoras e dinâmicas. Acreditamos nessa nova experiência, que, se bem conduzida, poderá aperfeiçoar nosso trabalho pedagógico, promovendo a construção do conhecimento, ajudando a formar seres críticos e atuantes na sociedade contemporânea.”

A aventura do saber (Ciências, História e Geografia) e Nos dias de hoje (História)

Clarice A. M. P. Cavalcanti, coordenadora pedagógica de Educação Infantil e Ensino Fundamental I, e Maria Cristina, professora de História.

LIVROS ADOTADOS: “A editora LeYa vem ao mercado com uma proposta inovadora, atual e com estratégias pedagógicas envolventes. O livro Geografia nos dias de hoje apresenta atividades lúdicas e mais exercícios para o aprofundamento, além de experiências que podem ser feitas em sala de aula, ampliando as condições de aprendizado e interagindo mais com o aluno. O livro também traz recursos que podem ser acessados pela internet, por meio da “10 Aula Digital”, uma plataforma que oferece mapas, exercícios, gráficos, fotos com questionamentos que convidam o aluno a posicionar-se de maneira mais crítica e humana. A linguagem é bem acessível, e o material contextualiza diversos assuntos, associando-os à realidade do Brasil e promovendo uma leitura de mundo. Enfim, o livro resgata os paradigmas da Geografia na escola, apontando o papel da nossa disciplina nos dias de hoje.” Leonardo Moreira, professor e chefe do Departamento de Geografia do Ensino Fundamental. Foto: Luiz Berenguer

Nos dias de hoje (Geografia)

Colégio Antônio Vieira (Salvador, BA) Foto: Davi Santana

[18] 18]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 18

24/01/2013 12:01:12


franco s photos/ Shutterstock

“Estamos sempre pesquisando novidades para acrescentar à nossa proposta pedagógica, que prima pela inovação e por desafios. Quando nos foi apresentada a proposta da editora LeYa, com livros interativos, escritos em linguagem clara e investigativa, logo percebemos que era o que buscávamos. Atualmente trabalhamos com os livros de História, Geografia e Ciências no Ensino Fundamental I, e tem sido bastante produtivo, tanto para os educadores quanto para os estudantes. A plataforma “10 Aula Digital” também é um excelente recurso. Nela, os educadores encontram muitas possibilidades para agregar aos conteúdos abordados, além de ser uma ótima fonte de pesquisa!”

LIVROS ADOTADOS: A aventura do saber (Ciências, História e Geografia)

Eliana Pinheiro, coordenadora geral de Educação Infantil e Ensino Fundamental I.

Colégio La Salle (Águas Claras, DF) Foto: Rômulo e Eliana Prado

LIVROS ADOTADOS: A aventura do saber (Língua Portuguesa)

Fotografias

“Trabalhamos com uma perspectiva de letramento, buscando a interação dos gêneros textuais com os conteúdos elencados para cada ano por meio das mais diversas situações didáticas. Durante a análise que realizamos para a escolha do nosso livro didático, observamos nos volumes de Língua Portuguesa da editora Leya a possibilidade da complementação do trabalho que já desenvolvemos para o aprimoramento da leitura e da escrita, pois, além dos textos que a coleção apresenta como estratégias de construção da compreensão leitora, ela ainda propõe um trabalho intertextual, o que contribui para a ampliação do repertório de leitura dos alunos. Observamos que o estudo da gramática está bem contextualizado, com atividades contínuas e variadas. Outro detalhe que nos chamou a atenção é a forma como os conteúdos vão se organizando, perpassando pelos capítulos e trazendo oportunidades de retomadas e revisões do que já foi estudado. No que corresponde à produção escrita, destacamos a seção A hora da produção como uma excelente ferramenta para o professor trabalhar as características de cada gênero durante o processo de produção de textos, com base nas leituras e temáticas abordadas no livro ou nas discussões acerca da vivência dos alunos sobre o assunto em destaque.” Washington Barros, assessor pedagógico, Ada Oliveira de Araújo, coordenadora pedagógica do 2.º ao 5.º ano e Maria Ester Yglesias Lamela Cabrini Costa, coordenadora pedagógica do 6.º ao 9.° ano.

Colégio Marista de Natal (Natal, RN) Foto: Augusto RaƟs

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 19

[19]

24/01/2013 12:01:27


ESCOLA NOTA 10

COLÉGIO MODERNO, RUMO AOS 100 ANOS HELENA POÇAS LEITÃO

Conheça a história da escola referência em Belém que conseguiu unir tradição, qualidade de ensino e muita cultura

O colégio foi crescendo em número de alunos, sendo necessária a ampliação de seu espaço

Um dos projetos mais importantes do Colégio Moderno é o FESPO - Festival de Poesia que tem como objetivo estimular a produção poética entre os alunos.

físico. Em 1945 foi constituída a Sociedade Colégio Moderno. A professora de História Maria Anunciada Ramos Chaves passou a integrar a direção no cargo de diretora pedagógica, com o professor Oswaldo Serra, diretor presidente, no ano de 1953. Em 1964, o professor Carlos Albuquerque, ex-aluno do Colégio Moderno, e o professor de Espanhol e Desenho Clodomir Colino, também do colégio, passaram a integrar a direção, nos cargos de

Foto: Aldrigde Neto

O Colégio Moderno foi fundado em 1914, em Belém, no Pará, com o nome Curso Preparatório Moderno, pelos professores Adolfo e Clotilde Ferreira. A partir de 1926 os educadores Augusto de Oliveira Serra e João Nelson dos Santos Ribeiro dirigiram a escola, oferecendo o curso primário e o curso preparatório para exames finais.

[20]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 20

24/01/2013 12:01:39


Foto: Aldrigde Neto

Os alunos participam do evento por meio de dança, poesia e teatro.

diretor administrativo e diretor secretário, respectivamente. A entrada dos dois professores possibilitou a regularização das áreas físicas e a consolidação da Sociedade Colégio Moderno. Neste período, ocorreram fatos importantes para a educação no estado que devem ser ressaltados, como a criação das turmas mistas, a implantação do Grêmio Estudantil, além de brilhantes participações em desfiles escolares no Dia da Raça e festivais de música. Eles permaneceram na direção da sociedade até dezembro de 1981, quando transferiram as funções para os professores Antônio Vaz de Carvalho Pereira, Maria da Graça Landeira Gonçalves, Marlene Coeli Vianna e Maria de Nazaré Cavaleiro de Macedo Mendonça, todos do colégio.

Ensino Fundamental (1ª a 8ª série) e Ensino Médio. Contava com 2319 alunos, e funcionava predominantemente no turno da manhã. Ainda em 2002, a partir de um grupo de antigos alunos, fundou-se, de forma independente, a Companhia Moderno de Dança, que, ao longo da história, tornou-se a Companhia mais premiada do estado do Pará. Foi criado também o maior festival de dança escolar do Pará, o FEDAP (Festival Escolar de Dança do Pará).

As crianças aprendem a admirar a arte literária, passando a relacionarse de maneira prazerosa com os textos poéticos.

Em 1999, com 84 anos de existência e prestando importantes serviços à educação do estado do Pará, o Colégio Moderno oferecia Educação Infantil (Maternal, Jardim e Alfabetização);

Em 2004 foram comemorados os 90 anos do Colégio Moderno no belíssimo Teatro da Paz, com muita energia para o início do projeto Rumo aos 100 Anos. O projeto Rumo aos 100 Anos

teve início em 2009, quando o professor Luiz Olavo Vianna Mattos assumiu a Direção Pedagógica. Foi criado o Sistema Educacional de Inovação e implantado o ensino bilíngue na Educação Infan-

[21]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 21

24/01/2013 12:01:41


til e no Ensino Fundamental, além da revitalização do Projeto Desportivo, classificando nos últimos 10 anos 11 equipes nas Olimpíadas Escolares Brasileiras. É iniciado, então, um conjunto de obras de modernização que se estenderia pelos próximos anos.

LeYa - Como funciona o Festival? Vitória - Durante as aulas de Língua Portuguesa Redação, as professoras apresentam poemas aos alunos, analisam e interpretam diversos textos poéticos, mostrando esse gênero de maneira atraente e prazerosa. A partir desse contato, os alunos são orientados e estimulados a iniciar sua própria produção poética. Os poemas produzidos no decorrer do ano passam por um processo de seleção a fim de que os melhores sejam publicados no livro Coisas de estudante, editado anualmente no colégio. Dois poemas por turma são escolhidos para serem declamados no Fespo.

Os prêmios podem ser câmera digital, DVD player portátil, microsystem, entre outros.

Aldrigde Neto

Um dos projetos mais importantes da instituição é o Festival de Poesia do Colégio Moderno, o FESPO, que tem como objetivo estimular a produção poética entre os alunos e divulgá-la para toda a comunidade. Vitória Lúcia Costa da Silva, coordenadora pedagógica do Ensino Fundamental II, fala, em entrevista, sobre o projeto de maior sucesso na escola:

Toda a comunidade escolar é convidada a prestigiar o evento, que, além da declamação de poemas selecionados, conta também com o lançamento do livro Coisas de Estudante.

[22]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 22

24/01/2013 12:01:43


Aldrigde Neto

ESCOLA NOTA 10

Marlene Vianna (Diretora do Colégio Moderno e professora de Língua Portuguesa), Maria da Conceição Mendes (Professora de Artes), MÁRCIA DANTAS (ex-aluna do Colégio Moderno e repórter da Record em Belém) e Luiz Olavo Mattos (Diretor pedagógico entregando prêmio para aluna).

LeYa - Desde quando o projeto existe? Vitór ia - Neste ano comemoramos 15 anos de Fespo. LeYa - O que as crianças aprendem? Vitória - As crianças aprendem a admirar a arte literária, passando a relacionar-se de maneira prazerosa com os textos poéticos. LeYa - Como os alunos se preparam? Vitória - Os alunos escolhidos para a declamação de poemas decidem como querem apresentar os seus textos, isto é, utilizando vídeos, fazendo performances ou como a criatividade permitir. LeYa - Quais são as disciplinas envolvidas? Vitória - O Fespo é de responsabilidade da equipe de professores de Língua Portuguesa e de Redação, mas todas as outras disciplinas podem ser envolvidas. Já tivemos produções de poemas nas aulas de Matemática, por exemplo, abordando temas dessa disciplina. Neste ano, tivemos a participação da professora de História do 6º ano, Marilia Santos, que levou seus alunos para conhecerem uma comunidade quilombola

e, depois, propôs a eles que transformassem essa experiência em poemas. O resultado foi muito bom e constitui um dos capítulos do livro. LeYa - Quem pode assistir à apresentação? Vitória - Toda a comunidade escolar é convidada a prestigiar o evento, que, além da declamação dos poemas selecionados, conta com o lançamento do livro Coisas de estudante, que é autografado pelos alunos/autores,e com apresentações da Companhia Moderno de Dança e outras manifestações artísticas de nossos alunos. Vale resaltar que, neste ano, pedimos às famílias do alunos que escrevessem poemas especialmente para esta edição comemorativa do Fespo. Fomos atendidos e recebemos textos belíssimos. Alguns deles também serão declamados no evento. LeYa - Como funciona a premiação? Vitória - Dos textos declamados, são premiados os três primeiros colocados na categoria melhor texto e os três primeiros colocados na categoria melhor declamação. Os prêmios podem ser câmera digital, DVD player portátil, microsystem, entre outros.

[23]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 23

24/01/2013 12:01:44


MURAL

A SACOLA PEDAGÓGICA E O RESGATE DA LEITURA EM FAMÍLIA SAMANTA CAMARGO

Co on nhe heça ça um um pr p ojjetto di differente de incentivo à leitura que promove também a interação entre pais, alunos e pr ofessores A Escola Estadual Professor Francisco de Paula Conceição Júnior, no bairro do Campo Limpo, em São Paulo, desenvolve a Sacola Pedagógica, um projeto de incentivo à leitura junto aos alunos do Ensino Fundamental I, dentro e fora do ambiente escolar. Os professores das séries iniciais trabalham como contadores de histórias e criam, conjuntamente, estratégias de incentivo ao gosto pela leitura. O apoio da família, que atua como mediadora entre o livro e a criança, é fundamental neste processo, e a parceria entre a família e a escola ajuda na formação de um leitor autônomo.

Professore s e alunos ficaram animados com o pro jeto.

Cândido 1.º ano, Andréia A professora do seus alunos. Rodrigues, com

[24]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 24

24/01/2013 12:01:50


Picsfive/ Shutterstock

Como a Sacola Pedagógica funciona: • •

Um aluno é sorteado para ficar com a sacola durante um final de semana. Com a família, esse aluno vai explorar o material e compartilhar experiências lúdicas, reforçando, assim, os laços familiares. Na segunda-feira, ao retornar à escola, o aluno compartilha suas experiências com a classe por meio de relato pessoal, desenhos, cartazes, fotos etc.

Robbi/ Shutterstock

A Sacola Pedagógica foi criada em 2010 para o resgate da leitura em família. Dentro dela há gibis, livros, revistas e CDs, para que o aluno tome contato com diferentes estilos de linguagem e desenvolva o gosto pela leitura, ilustração e música. Além disso, há uma ficha na qual o aluno e sua família registram comentários, mensagens, sugestões ou opiniões.

O objetivo do projeto é, além de incentivar a leitura, despertar a curiosidade e a criatividade, criar momentos de troca entre os alunos e promover a integração do aluno com sua família, de modo que fique claro que a prática da leitura não está restrita à pesquisa e à consulta, mas satisfaz também necessidades mais amplas, do âmbito cultural, afetivo e cognitivo. Maria Aparecida da Costa, professora e coordenadora pedagógica da escola, é a criadora do projeto e acredita que o desafio do novo educador é persuadir todos os setores compromissados com a educação, como a família, o professor, a escola e o Estado, a programar ações voltadas para a formação do futuro cidadão, e o hábito da leitura é o instrumento ideal para essa conquista. “Os futuros cidadãos estão em nossas salas de aula e nós devemos ajudá-los desde já”, afirma.

Fotos de divulgação da escola

O apoio da família, que atua como mediadora at entre o livro e a criança, en é fundamental no projeto.

[25]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 25

24/01/2013 12:02:12


Com a SEI, sua escola é muito mais:

mais qualidade, mais tecnologia, mais educação.

Alunos mais preparados para o futuro.

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 26

24/01/2013 12:02:21


Conheça a SEI. Muito mais que Sistema de Ensino. Escola Digital q(FTU´PEBBQSFOEJ[BHFNEPTBMVOPT q1MBOPTEFBVMBFTUSVUVSBEPTDPN SFDVSTPTEJHJUBJT q"UJWJEBEFTMËEJDBTEFBQSFOEJ[BHFN q$PNQMFUBJOUFSB¸´PDPNQSPGFTTPSFT e alunos. q.BUFSJBMEJE²UJDPNVMUJNžEJB

ESCOLA DIGITAL

Marketing Integrado q'PSUBMFDJNFOUPEBNBSDBEBFTDPMB q%FTFOWPMWJNFOUPEFQF¸BTDVTUPNJ[BEBT q$BNQBOIBEFNBUSžDVMB

Material Didåtico q"VUPSFTSFOPNBEPT q1SPKFUPHS²żDPQSJNPSPTP q0SHBOJ[B¸´PTFNFTUSBM q.BUFSJBJTEFBQPJP

Programa de Gestão Educacional q'PSNB¸´PQSPżTTJPOBM q.POJUPSBNFOUPEBJNQMBOUB¸´P q0MJNQžBEBTEPDPOIFDJNFOUP q&ODPOUSPFOUSFFTDPMBFDPNVOJEBEF

0800-607-7700

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 27

www.solucaosei.com.br

solucaosei@leya.com

24/01/2013 12:02:35


SEI na minha escola

ESCOLAS CONVENIADAS DA SEI: PARCERIA DE SUCESSO As escolas conveniadas da SEI – Solução Educacional Integrada são presenteadas com certificados e placas de aço escovado para enfeitarem sua recepção. Além disso, recebem uma campanha de marketing personalizada para ajudar a escola a captar e fidelizar alunos. A SEI desenvolve a arte do material de divulgação com o logotipo da escola como banners, faixas, camisetas, entre outros.

Isso tudo porque a SEI é muito mais que um sistema de ensino. É uma empresa que leva soluções diferenciadas para que a escola cresça cada dia mais. Confira algumas das escolas que usam os serviços da SEI e deram um salto de qualidade na educação de seus alunos.

Escola de Ensino Fundamental Monte Sinai (Maceió, AL)

Centro Educacional Novo Milênio (Maceió, AL)

[28]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 28

24/01/2013 12:02:39


Escola Nova (Aracaju, SE)

Escola IBV (Tobias Barreto, SE)

Instituto de Ensino de Conhecimento e Progresso (Aracaju, SE)

Colégio Novo Terra (São Paulo, SP)

[29] [[2 29] 9]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 29

24/01/2013 12:03:23


Escola Arco-Íris (Bom Despacho, MG)

Centro Pedagógico Criança Feliz (Belo Horizonte, MG)

Centro Educacional Amadeus (São Gonçalo, RN)

Colégio Essencial (Natal, RN)

[30]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 30

24/01/2013 12:03:45


Centro Educacional Inácio Medeiros (Angra dos Reis, RJ)

Escola Construindo o Futuro (Recife, PE)

Escola Bioclass Turma da Mônica (Goiânia, GO)

Escola Pinguinho de Gente (Goiânia, GO)

[31]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 31

24/01/2013 12:04:02


Alexandre Fagundes De Fagundes/ Dreamstime.com

MEU BRASIL

EFERVESCÊNCIA CULTURAL E TURÍSTICA CAROLINA BESSA VILLAFRANCA

C

onhecido por belas praias, como a do Porto, e por outras maravilhas naturais, como Porto de Galinhas, Boa Viagem ou pelo arquipélago de Fernando de Noronha, Pernambuco tem hoje entre suas maiores fontes de renda o segmento de serviços – correspondendo a mais de 70% da receita estadual. Com tantas atratividades, é um dos principais destinos no Brasil. Além disso, segundo dados divulgados este ano pelo Ministério do Turismo, é o oitavo estado do país que mais recebe estrangeiros.

Quem visita a região, ainda que não saiba em detalhes, pode entender melhor a rica história pernambucana e sua pujante cultura. Com aproximadamente 98 mil km2 de área, 185 municípios e uma população de aproximadamente 8,8 milhões de habitantes (dados do censo de 2010), o estado tomou forma quando, em 1534, após o descobrimento do Brasil, o rei de Portugal, Dom João III, instaurou o sistema de capitanias hereditárias – que consistia na doação de um lote de terras a um donatário, para que fosse explorado e nele se fundassem povoados, além de servir para o controle da região. Dessa forma, o português Duarte Coelho herdou a capitania Nova Lusitânia, que posteriormente receberia o nome de Pernambuco – rebentar ou

estourar em tupi, uma alusão ao encontro dos rios Beberibe e Capibaribe, que banham as principais cidades do estado.

Doce prosperidade

Se atualmente o eixo Rio-São Paulo é ainda o mais próspero, no Brasil Colonial, Pernambuco era uma grande potência comercial – o estado cresceu por conta da economia açucareira, tornando-se durante muitos anos o responsável por metade da exportação do produto no país. Com isso ganhou a atenção dos holandeses, que entre 1630 e 1654 ocuparam a região sob o comando da Companhia das Índias Ocidentais, cujo representante, o conde Maurício de Nassau, incendiou Olinda e se estabeleceu em Recife, fazendo dela a capital do Brasil holandês.

Lutas e mudanças sociais

A Insurreição Pernambucana (1645) trouxe novos ares para o estado – o movimento de luta contra o domínio holandês durou quase dez anos, com destaque para as Batalhas dos Guararapes. Até que, em janeiro de 1654, eles se renderam. No ano de 1710, a região seria marcada pela Guerra dos Mascates, na qual os habitantes de Olinda, descontentes com a demarcação de novas

[32]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 32

24/01/2013 12:04:19


FilipyMelo/Prefeitura de Olinda/ Flickr/ CC BY 2.0

vilas, invadiram Recife. No episódio, Bernardo Vieira de Melo, líder da ocupação, entrou para a história quando sugeriu que o Brasil se tornasse independente de Portugal – a primeira vez que se falou em república no país. Já no século XX, Pernambuco incentivou o desenvolvimento industrial e investiu em infraestrutura, e hoje conta com uma intensa vida cultural e turística.

Carnaval e São João: festa para todos os gostos

Construída pela mescla de muitos povos – índios, portugueses, holandeses, judeus e africanos –, a cultura pernambucana tem uma diversidade ímpar. Para quem quer folia, o Carnaval e as Festas Juninas são ótimos momentos para experimentar esse mosaico artístico. No Carnaval, ganham destaque várias danças típicas da região, como o maracatu (de origem africana, com grande força nessa região devido à antiga presença de engenhos de canade-açúcar), o caboclinho, o coco de roda, a ciranda e, claro, a mais conhecida de todas: o frevo. Surgido no final do século XIX nas ruas de Recife e Olinda, o frevo é considerado Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro desde 2007, e agora Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade (título concedido em dezembro de 2012). Os foliões e brincantes podem aproveitar, ainda, as ladeiras de Olinda e os muitos pontos do Recife Antigo para se divertir, além de participar do maior

bloco de rua do mundo, segundo o Guinness Book: o Galo da Madrugada. Pernambuco também é a terra do São João – o período junino no estado é um dos mais tradicionais do país. A cidade de Caruaru, no agreste, abriga os 30 dias de festa. Forró, xaxado e até o maracatu são as principais expressões musicais do período. Isso prova que nem só de praia o estado é feito.

Belezas naturais: litoral e sertão

Embora o litoral do estado seja mais visitado e conhecido, ou pelo menos mais aclamado, há boas opções turísticas também na serra pernambucana – mesmo sendo Recife a cidade de maior importância histórica, além de principal centro cultural e de lazer do nordeste brasileiro e uma das cidades mais visitadas do Brasil –, o município de Gravatá, por exemplo, é um ótimo destino. Distante 85 quilômetros da capital, a cidade conta com infraestrutura arrojada: hotéis, restaurantes, charmosos condomínios e chalés. Considerada ótima opção para o inverno, é uma das mais disputadas do interior do estado. Outras opções que valem a visita ao estado: Caruaru – situada no coração do agreste pernambucano, Caruaru é conhecida como a capital do forró e abriga a popular festa de São João. Localizada a cerca de 130 km do Recife, a cidade também é polo industrial e comercial de

[33]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 33

24/01/2013 12:04:21


@raulds/ Flickr/ CC BY 2.0

grande importância econômica para o Estado; Petrolina – é a maior cidade do sertão. Localizada às margens do Rio São Francisco, na divisa com o estado da Bahia, é conhecida como a Encruzilhada do Progresso, por ser o maior núcleo agroindustrial de Pernambuco e também como a cidade das carrancas; Bonito – possui imensa diversidade de rios, cachoeiras, lagoas e piscinas naturais. Vários turistas procuram o local para contemplar as belas paisagens, aventurar-se nas trilhas ecológicas ou fazer rapel nas cachoeiras. Entre os locais mais procurados, destacam-se a bica do engenho Barra Azul, as cachoeiras Pedra Redonda, da Corrente, Humaitá, Tomada do Mágico, além das furnas da Pedra Oca e do Rodeadouro; Garanhuns – situada no planalto da Borborema, 842 metros acima do nível do mar e a 230 quilômetros do Recife, Garanhuns é uma das cidades mais frias de Pernambuco. A paisagem verde e a beleza das flores espalhadas pelas praças lhe conferem o título de “Cidade das Flores”. Tais características propiciam um clima de montanha e dão charme ao seu perímetro, que conta com sete colinas, entre as quais, as do Monte Sinai e do Triunfo.

História e vida noturna

Além das belas paisagens do interior, o estado possui diversas cidades inspiradoras, tanto pela importância histórica como pelo agito social. Recife e Olinda são dois desses exemplos.

A capital do estado destaca-se por possuir o maior parque tecnológico do Brasil, o Porto Digital, e conta também com importantes construções como a Casa da Cultura (originalmente a Casa de Detenção da cidade), que abriga lojas de artesanato – é o maior centro de cultura e arte do estado. Há ainda a Fundação Gilberto Freyre – casa-museu onde é possível ver objetos pessoais do sociólogo e várias peças de arte popular. E também o Museu do Estado de Pernambuco – que possui um grande acervo de peças relacionadas à história local. À noite, Recife é pura agitação, especialmente nos arredores da Rua do Bom Jesus, no centro histórico. Como é possível perceber, torna-se impossível esgotar as curiosidades de Pernambuco em um único texto, pois são muitas as opções. Agora, apenas para dar um gostinho de quero mais, não podemos deixar de dizer que Olinda tornou-se por duas ocasiões capital do estado, e desde 1982 é considerada Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade pela Unesco. São somente sete quilômetros que a separam de Recife, portanto, não deixe de conhecer os mercados da Ribeira, do Varadouro, o Mirante do Alto da Sé, o Seminário, o Museu de Arte Sacra, entre outras construções que levam o visitante ao passado. O circuito das igrejas também é destaque, já que muitas são dedicadas aos mais diferentes santos, com diversas imagens e altares, inclusive revestidos em ouro. Como exemplo: a capela Dourada; a Igreja do Rosário dos Homens Pretos de Olinda e a Igreja de São Sebastião.

[34]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 34

24/01/2013 12:04:23


Um caldeirão colorido, diverso e perfumado, essa é a marca da culinária do estado, pois agrega influências indígena, africana e portuguesa. São vivências culturais e históricas misturando-se à mesa, por isso os ingredientes mais utilizados nos pratos típicos regionais são: coco, camarão, macaxeira, milho, feijão verde, charque, entre outros. Não à toa, Gilberto Freyre deixou marcado em sua obra o valor cultural da mesa brasileira, notadamente a gastronomia pernambucana. No livro Açúcar, por exemplo, Freyre conta que conseguiu várias receitas do famoso bolo típico pernambucano Souza Leão (consumido até hoje e cuja receita

era tida por anos como segredo de família), cada qual com sua particularidade, a ponto de ficar em dúvida sobre a “existência de um bolo Souza Leão ortodoxo”, confidenciou o sociólogo. “Consegui-as quase como quem violasse segredos maçônicos”, escreveu. Ainda nas festas, como a de São João, por exemplo, não faltam pratos como arroz de coco, angu, cocada, mugunzá, canjica e pé-de-moleque. Na Semana Santa, são os peixes e os frutos do mar, acompanhados de bredo, arroz e feijão cozidos no leite de coco, as principais iguarias consumidas. É também de origem pernambucana um doce muito apreciado no Brasil: o bolo de rolo.

editora SE NAC.

Gastronomia

do Brasil,

Receita: Bolo Souza Leão

Viagem G astronômic a através

Grau de dificuldade: Fácil Tempo de preparo: Mais de uma hora Rendimento: 1 bolo

• 1 kg de açúcar • 2 colheres (sopa) de manteiga • 18 gemas • 1 kg de massa de mandioca • 6 xícaras de leite de coco • 1 colher (chá) de sal

Modo de preparo: Unte com manteiga uma fôrma de pudim (com furo) e reserve. Em outra vasilha, coloque a manteiga e as gemas. Misture bem. Junte a massa de mandioca e, depois, o leite de coco e o sal. Passe a mistura por uma peneira fina várias vezes. Despeje a massa na fôrma untada e asse no forno, em banho-maria, por cerca de 50 minutos. Desenforme e deixe esfriar.

Foto do liv ro

Dreamstime

Ingredientes:

Fonte: Viagem gastronômica através do Brasil Fontes eletrônicas: www.pe.gov.br www.infoescola.com www.historiabrasileira.com www.fundarpe.pe.gov.br/ www.suapesquisa.com/estadosbrasileiros www.economiadoturismo.wordpress.com www.brasilescola.com.br Referências bibliográficas: LODY, Raul. Brasil bom de boca. São Paulo: Senac, 2008. FERNANDES, Caloca.Viagem gastronômica através do Brasil. São Paulo: Senac, 2001.

[35]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 35

24/01/2013 12:04:26


Yanlev/ Dreamstime.com

ENEM

O ENEM E A EDUCAÇÃO BÁSICA LUIS CARLOS DE MENEZES

O

Enem – Exame Nacional do Ensino Médio – está em processo de construção. Mesmo sem estar em um formato ideal, já se transformou em uma importante prova nacional. Em seu projeto inicial, o Enem trazia uma matriz de referência muito mais compacta, com cerca de cinco competências e 21 habilidades, o que é bastante diferente do exame atual. Com algumas alterações, a matriz do antigo ENCCEJA – Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos – foi incorporada ao novo Enem, que passou a ter também uma vocação certificadora. Quando foi pensado, o Enem verificava competências desenvolvidas ao longo da Educação de Base, e também poderia, em princípio, certificar. A meu ver, acabará certificando também. Como o Exame da Ordem dos Advogados certifica a profissão, este certificará a conclusão da Educação de Base. A maior parte das nações desenvolvidas possui

provas dessa natureza, nacionais, como o Maturità italiano, o Baccalauréat francês e o Scholastic Aptitude Test norte-americano; ou regionais, como os Abitur alemães. Os vestibulares competitivos para as universidades públicas marcavam uma forte segregação no acesso ao Ensino Superior de qualidade. Hoje, o novo Enem tor nou-se a mais importante porta de entrada em termos nacionais, razão pela qual mais de 5,5 milhões de jovens se inscrevem para fazê-lo. Ainda que esteja em processo de construção, não tenha adotado um formato ideal e seja muito diferente daquilo que nós concebemos – e eu fui um dos autores da matriz original –, olho com simpatia a evolução do país ao promover uma prova nacional e estabelecer ou consolidar parâmetros. Quando se passa a ter uma pauta relativamente clara do que se pretende, essa orientação não é pouca coisa em um país do porte do Brasil, da

[36]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 36

24/01/2013 12:04:27


extensão territorial, com variedades regionais etc. É função do Estado promover verificações desse tipo, mas temos de olhar com mais atenção ao chamado ranking das escolas. Isso produz uma competição de mercado, e a educação deve estar acima dessas disputas. Provas dessa natureza são importantes porque fazem uma sinalização necessária, mas é preciso olhar com ressalvas alguns de seus usos.

“Uma boa escola não é aquela com o melhor resultado olímpico, é aquela que, de acordo com a circunstância e com o público-alvo, executa o melhor serviço.”

É preciso,sim,haver um exame bem elaborado e democratizar formas de acesso ao Ensino Superior. A democratização absoluta não acontece porque as fragilidades na formação básica acabam se revelando em qualquer tipo de exame, até mesmo no Enem. Portanto, isso só vai ocorrer quando melhorar o nível da escolaridade, de escolarização, e não simplesmente por um exame. Mas ele caminha na direção correta. Luis Carlos de Menezes é físico e

educador da Universidade de São Paulo (USP). Texto extraído da coleção Enem Nota Máxima, editora LeYa Chad Mcdermott/ Dreamstime.com

Uma boa escola não é aquela com o melhor resultado olímpico, é aquela que, de acordo com a circunstância e com o público-alvo, executa o melhor serviço. Fazer um belíssimo trabalho de construção de cidadania, de desenvolvimento de habilidades e competências, é um serviço maravilhoso, mas não é preciso colocar seus alunos em um pódio. É preciso olhar o resultado da escola de forma comparada – de onde partiram e aonde chegaram os seus alunos

– e não simplesmente o resultado final. Ainda mais grave é quando a escola começa a selecionar seus alunos para ter resultados que depois vai ostentar no jornal, nos muros ou na TV.

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 37

24/01/2013 12:04:29


LANÇAMENTO

A coleção ENEM Nota Máxima é organizada nas quatro áreas do conhecimento: 4 livros de Linguagens, códigos e suas tecnologias 2 livros de Matemática e suas tecnologias 2 livros de Ciências da Natureza e suas tecnologias 2 livros de Ciências Humanas e suas tecnologias q5FNBTEFTFOWPMWJEPTDPNCBTFOBNBUSJ[EFIBCJMJEBEFTFDPNQFU»ODJBT q$FOUFOBTEFEFTBťPTFRVFTUÆFTEFFYBNFT q/PWBTRVFTUÆFTTVHFSJEBTDPNCBTFOPTDSJUºSJPTEP&/&.

SEJA O PRIMEIRO A CONHECER A COLEÇÃO ENEM NOTA MÁXIMA [38] www.enemnotamaxima.com.br Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 38

24/01/2013 12:04:30


COLEÇÃO COMENTADA POR ESPECIALISTAS

Gilberto Dimenstein

Luis Carlos de Menezes

Marcelo Leite

Marcos Bagno

Nilson José Machado

Raquel Rolnik

Rodrigo Lacerda

Plataforma digital com mais de 1.500 questões, incluindo o exame de 2012. 10 ENEM DIGITAL conteúdos atualizados, simulados, relatórios de

Agende uma visita com nosso consultor.

0800-607-7700 leyaeducacao@leya.com

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 39

LeYa nas redes sociais: /leya.educacao

[39]

@leya_educacao

24/01/2013 12:04:55


FALA, PROFESSOR!

Como sua escola trabalha ética e cidadania? Quando falamos de ética e cidadania na educação, temos como objetivo que nosso centro educativo busque ser referência de conduta. Que respeite as regras sociais, a ética propriamente dita, os princípios cristãos e a filosofia de Santo Agostinho, nosso patrono. É nosso desejo que todos se envolvam e se comprometam com o exercício de uma cidadania que garanta os direitos civis e políticos. Assim, faz parte de nosso processo educacional e de nosso projeto político-pedagógico a temática da ética e da cidadania. Na Educação Infantil e no 1.º ano, os projetos objetivam contemplar o mundo circundante da criança, destacando o papel da família, das comunidades, dos brinquedos, das brincadeiras, da natureza e das criações divinas na formação da identidade e da autonomia de cada criança. São desenvolvidas atividades na escola e com as famílias para que o resultado seja satisfatório, reforçando o compromisso de todos que estão envolvidos no processo educativo.

Nossa escola valoriza muito a questão da ética e o resgate de valores desde os primeiros anos da vida escolar da criança, pois eles contribuem para a formação do cidadão de amanhã. É na faixa etária entre os três e os seis anos que a criança começa a construção de sua identidade. Ao trabalhar ética e valores em sala de aula, o professor se depara com a questão dos choques entre valores familiares. Portanto, buscamos desenvolver um trabalho voltado à construção de sua identidade e autonomia, contribuindo para a formação de indivíduos solidários e cooperativos.

Já do 2.º ao 5.º ano, com o tema geral Integrando Cultura e Formação, enfocamos nos projetos as vivências humanas, a preservação do meio ambiente, a diversidade cultural e a construção da cidadania. Fazemos questão de continuar a parceria com as famílias, reforçando com estes projetos o compromisso de todos que estão inseridos na comunidade educativa. Por fim, do 6.º ano à 3.ª série do Ensino Médio, continuamos com o tema geral Integrando Cultura e Formação e intensificamos os projetos que trabalham as relações humanas, a sustentabilidade e o meio ambiente, a diversidade cultural e a construção da cidadania em um mundo globalizado. Em todo esse processo, destacamos sempre os valores do evangelho vividos por Jesus e deixados para cada cidadão cristão e, também, a filosofia agostiniana, que tem como tripé a interioridade, a busca da verdade e vida comunitária. Precisamos educar nossos alunos não somente para a cultura dos livros, mas também para a cultura do ser. Portanto, acreditamos na ética, na cidadania e num mundo onde o evangelho de Jesus tem voz e tem vez. Raquel Aparecida Tolêdo, professora de História, Ética e Ensino Religioso no colégio Agostiniano (GO)

A troca de experiências e a interação social vivenciada pela criança em brincadeiras, atividades lúdicas e dramatizações fazem parte da primeira etapa de trabalho em sala de aula. Quanto às turmas iniciais do Ensino Fundamental, o trabalho com ética e cidadania se dá por meio de histórias, fábulas, filmes e desenhos, trazendo-os para uma reflexão em paralelo com sua vivência diária. Sônia Regina dos Santos, coordenadora pedagógica da escola Pinguinho de Gente (GO)

[40]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 40

24/01/2013 12:05:07


Em nosso colégio, ética e cidadania embasam toda a vivência escolar dos nossos alunos e educadores desde as séries infantis até o Ensino Médio. Nossa missão educativa visa preparar social e pessoalmente, na construção de uma sociedade de reciprocidade e de justiça. No Ensino Médio, de maneira mais específica, ética e cidadania se distribuem por todas as disciplinas (embora sejam estudadas mais a fundo nas aulas de Filosofia e Sociologia) e na vivência pessoal dos educadores e educandos. Procuramos trabalhar as noções de ética e cidadania por meio de iniciativas como: • Um olhar atento ao contexto, que nos permita não apenas percebê-lo como objeto de estudo teórico (distante), mas como realidade fundamental de vivência na qual estamos inseridos. Uma tentativa resoluta de superar a ética tradicional (rigidamente antropocêntrica) e incluir temáticas que envolvam a responsabilidade com as gerações futuras e com os animais.

• •

Os alunos aprendem a identificar empresas que promovem a destruição do meio ambiente e cometem crueldade contra os animais. Após a identificação eles entram em contado com essas empresas, apresentam seus posicionamentos e boicotam seus produtos. Projetos de pesquisa sobre cidadania planetária. Inserção política teórica e prática. Em trios, os alunos fazem o monitoramento das atividades de todos os parlamentares da assembleia legislativa do Paraná (2.º ano) e da câmara dos vereadores de Curitiba (1.º ano). Frequentemente eles entram em contato com os parlamentares perguntando sobre faltas, omissões em votações, votos contra o interesse popular. Esse trabalho rendeu uma reportagem no jornal Gazeta do Povo. Jerson Darif,

Desenvolvemos junto aos nossos alunos a ética e a cidadania levando-os a discernir entre o certo e o errado, entre o bem e o mal, a respeitarem os direitos de todos, a reconhecerem seus direitos e cumprirem seus deveres e a desenvolverem o senso crítico por meio de expedientes como: • Nas aulas Literatura, Redação, História e Geografia proporcionamos aos alunos debates, discussões e reflexões sobre fragmentos de livros que abordam a ética e a cidadania, como também notícias de jornais e revistas, textos que levam à discussão da ética e cidadania nas questões sociais, familiares e políticas, tomando cuidado para não induzir o aluno a aceitar a posição do professor como uma verdade a ser seguida, mas conduzindo-o a desenvolver o seu senso crítico e a capacidade de analisar o que é o bem e o mal. • Estimulamos o diálogo entre os alunos e entre alunos e professores, abordando assuntos políticos, econômicos, sociais, religiosos e ambientais relativos ao nosso país e ao mundo, analisando-os e refletindo em que medida falta ética e cidadania nas ações humanas. • Orientamos os alunos a reconhecerem situações, como o cumprimento das regras de funcionamento da classe e o respeito aos horários

professor de Filosofia no Colégio Medianeira (PR)

de aula, e o uso do uniforme e da carteira de identificação, de modo que compreendam a importância das normas que definem os deveres e direitos da escola e dos alunos. Diante das atitudes que revelam indisciplina, aproveitamos para promover o diálogo entre coordenação, professor e alunos, ensinando-o a refletir sobre amizade, responsabilidade, justiça, respeito, honestidade, mentira, verdade.

Ângela Maria de Souza e Maria das Graças C. Desidério, respectivamente, diretora e coordenadora pedagógica da escola Pinguinho de Gente (GO)

[41]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 41

24/01/2013 12:05:08


CARREIRA

PRECISA-SE DE DNA DIGITAL HELENA POÇAS LEITÃO

Cada vez mais os educadores precisam estar por dentro das novas tecnologias se quiserem acompanhar esta nova geração digital Se você não nasceu com o DNA digital, é necessário que esteja, pelo menos, conectado às novas tecnologias para acompanhar os novos rumos da educação. O que observamos hoje nas escolas brasileiras é a busca incessante por plataformas e lousas digitais, TVs de plasma, tablets, entre outras ferramentas que facilitam o aprendizado dos alunos e deixam a escola mais moderna. Apesar disso, o uso de tecnologia no ambiente educacional encontra empecilhos, já que os educadores não estão acompanhando essa evolução. O relato a seguir exemplifica bem essa situação.

Não há nada de errado em admitir a falta de conhecimento, mas, para continuar firme na carreira, o educador precisa se reciclar e ser proativo na busca de informações, por meio de cursos, pesquisas e leituras, para adequar-se à nova realidade educacional, não podendo depender exclusivamente da escola para obter treinamentos, por exemplo. No entanto, isso não elimina a responsabilidade da escola de orientar seu corpo docente. Cada um precisa desempenhar o seu papel.

Os alunos já nasceram com o DNA digital e não querem mais aprender da mesma forma que seus pais.

Em visita a uma escola privada de São Paulo, notei que em todas as salas de aula havia uma lousa digital. Ao perguntar a uma professora se ela poderia me mostrar o funcionamento da lousa, ela me olhou tímida e disse que ainda estava aprendendo a operá-la (na verdade, ela nem sabia como ligá-la) e solicitou a uma aluna de oito anos que a ajudasse.

Os alunos de hoje já nasceram com o DNA digital e não querem mais aprender da mesma forma que seus pais. Eles querem navegar na internet durante as aulas, aprender por meio de recursos animados e animações em 3D, fazer lição de casa on-line, assistir a vídeos, ou seja, utilizar a tecnologia a seu favor.

Os educadores precisam estar em sintonia com a tecnologia, pois ela já é uma realidade nas escolas. Ao usar os recursos dominados por sua geração, será muito mais fácil e prazeroso para o aluno aprender o conteúdo.

[42]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 42

24/01/2013 12:05:10


1. Não tenha medo da tecnologia

DreamsƟme

Coisas novas geralmente nos assustam, pois nos provocam insegurança. Como acontece com seus alunos quando estão aprendendo uma nova matéria. Porém, a tecnologia não morde. As novas ferramentas usadas em sala de aula, como a lousa digital, são fáceis de operar, e você encontra muitas informações sobre elas pesquisando na internet. A curiosidade é o ponto de partida para quem quer aprender a mexer nos aparelhos: apertar um botão ali e outro aqui, explorando todas as possibilidades que eles oferecem. Reserve um tempo do seu dia para isso. 2. Pesquise Conforme mencionado acima, a internet é uma das principais fontes de pesquisa atualmente. O site de buscas Google raramente nos deixa na mão. Porém, é preciso sempre verificar se o site pesquisado tem credibilidade. Outra ferramenta indispensável, esta tradicional e sempre bem-vinda, é o livro. Uma boa livraria, geralmente, oferece centenas de opções de leitura. Pesquise com calma o melhor tipo de livro sobre o assunto e preste atenção no tipo de linguagem adotada: quanto mais simples, mais rápida será a aprendizagem. 3. Alunos: uma boa fonte de informações Você passa muito tempo com seus alunos, mas sabe interagir com eles? Quando eles estão explorando algo na internet, no tablet ou até mesmo no ce-

Krishnacreations/ Dreamstime.com

EDUCADOR: CONQUISTE SEU DNA DIGITAL lular, isso aguça sua curiosidade? Você pergunta sobre o que estão falando ou fica irritado e pede para que desliguem e parem o que estão fazendo? Faça um teste: tente participar mais e descobrir com eles as novidades tecnológicas. Você vai aprender bastante e os alunos vão adorar compartilhar o que sabem. 4. Respire tecnologia Não é exagero! Enxergue o mundo à sua volta: tudo gira em torno da tecnologia. Seus alunos estão nas redes sociais e você também precisa estar lá para saber o que pensam, do que gostam, o que fazem e, assim, entendê-los melhor. Os e-books, livros digitais, já são uma realidade. Para tornar a aula mais prazerosa, use recursos digitais, testes on-line, jogos educativos, animações em 3D etc. Você encontra tudo isso na 10 Escola Digital (www.10escoladigital.com.br), uma plataforma de última geração já presente em muitas escolas brasileiras. 5.Tecnologia e métodos tradicionais: uma parceria de sucesso em sala de aula Tente mesclar métodos tradicionais de ensino com tecnologia. Na disciplina de Língua Portuguesa, por exemplo, cada aluno pode escrever uma redação; após corrigi-las, você compila todas e as transforma em um livro que poderá ser acessado pelo tablet. Nas disciplinas de Geografia e História, durante a explicação das matérias, acesse a internet para encontrar imagens de lugares ou de pessoas mencionados. Use a criatividade. Faça da tecnologia uma aliada.

[43]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 43

24/01/2013 12:05:12


FIQUE DE OLHO

LEITURA EFICIENTE E OS DESAFIOS DE UMA PRÁTICA AVALIATIVA INOVADORA SILVIA LACERDA

H

á muito se sabe que a leitura é fundamental para o desenvolvimento social e intelectual do ser humano. Ler não é apenas um lazer, um mero passatempo, mas uma maneira de formar cidadãos críticos, conscientes e participativos na sociedade em que estão inseridos. Desde o nascimento, a criança já faz sua leitura de mundo: sabe que chorando sua fome será saciada, suas fraldas serão trocadas e o aconchego do colo materno virá. Segundo Paulo Freire, a leitura de mundo precede a leitura da palavra, e alfabetizar-se é, antes de mais nada, aprender a ler o mundo em uma relação dinâmica entre linguagem e realidade. idade.

Dreamstime

Os benefícios da leitura são inúmeros: ampliação pliação do vocabulário, desenvolvimento envolvimento da criatividade, tividade, aprimoramento moramento da comunicação municação e do raciocínio, aciocínio, melhoria horia no desempenho empenho escolar, olar, estímulo à reflexão, exão, além de ser fonte e de cultura e de conhecimento. hecimento. Mas, se oss benefícios da leitura ura são muitos, os desafios esafios são incontáveis. ntáveis. Formar mar e manter leitores desde de a mais tenra nra idade de tem m sid sido um desafio afio o para p pais e educadores. cad dores.

O hábito da leitura deve nascer e se desenvolver em casa. Os livros precisam fazer parte do cotidiano da criança tanto quanto os brinquedos, mas cabe à escola um papel fundamental, o de desmistificar a imagem de vilã que a leitura acabou por adquirir ao longo dos anos. Ler deve ser uma atividade prazerosa, não algo imposto, mais uma tarefa a cumprir. O educando deve entender que ler é descobrir um mundo novo, encantado, que deve se deixar seduzir pela magia das palavras. Cabe aos educadores, portanto, desenvolver projetos criativos e diferenciados que envolvam a leituestimulando ra, principalmente dos paradidáticos, estim e mantendo o hábito de ler. Está na hora de acabar de vez com a famosa “prova do livro”, ou “atividades para verificação de verifica este ultraleitura”, substituindo est avaliativo passado processo av por ações lúdicas e atraentes, que estimulem o gosto modo que pela leitura, de mo ela passe a ser vista como informação e de uma fonte de informaçã lazer. substituíMuitos colégios já su livro” por ram as “provas do liv pedagógioutras atividades ped como “a cas mais atrativas, co hora do conto”, para a qual se um moreserva, diariamente, u mento da aula em que os alunos capítulo ou leem e discutem um cap um trech trecho do texto estudamomento o do. Neste este mom

[44]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 44

24/01/2013 12:05:16


professor assume o papel de mediador, orientador e observador, tendo oportunidade de avaliar a turma de uma maneira menos formal. Dividir os alunos em grupos e propor que recontem a história lida em um curta-metragem pode ser um novo e grande desafio para a turma, pois implicará, entre outras coisas, a elaboração da síntese do texto. É importante que o professor observe o desempenho de cada aluno no processo de elaboração do filme, principalmente na produção do roteiro, para melhor avaliá-los. Outro projeto interessante é o “Conversa com o autor e/ou ilustrador”. Conhecer e conversar com o autor e/ou ilustrador do livro que está sendo lido torna-o muito mais atraente. Diversos autores, como Lya Luft, Marina Colasanti, Marcelo Coelho, Luiz Ruffato, entre outros, costumam fazer esse trabalho. Avaliar a leitura depois de uma mesaredonda com o próprio autor do texto torna-se uma atividade fácil para o professor. É bom lembrar que ela deverá continuar em sala de aula, em forma de conversa, para que o professor possa fechar sua avaliação. Mas, como estamos vivendo em um mundo virtual, por que não, logo no início do ano, os professores de Literatura, Língua Portuguesa e Técnica de Redação proporem a criação de um blogue literário? Os alunos poderão escolher um nome para o blogue, alimentar diariamente esse espaço com dicas de leituras, divulgação de textos produzidos por eles (resenhas, crônicas, poemas, contos), eventos literários e muitas outras atividades em que a classe estiver envolvida. Os professores despertarão o interesse da classe lançando mão de mais uma ferramenta pedagógica diferenciada. E que tal, aproveitando a atual moda das redes sociais entre os jovens, formar um grupo no Facebook com os alunos e utilizar o espaço para descontraídas avaliações de leitura?

SUGESTÃO DE ATIVIDADE Criação de um grupo no Facebook Público-alvo: alunos do 8.º ano do Ensino Fundamental Disciplinas: Literatura, Língua Portuguesa, Técnica de Redação e Informática Duração: 2 bimestres Avaliação: verificação de leitura Sequência didática • Proponha no início do bimestre a criação de um grupo no Facebook formado apenas pelos alunos de sua sala de aula para trocarem informações pertinentes às aulas de Literatura, Língua Portuguesa e Técnica de Redação. • Faça uma votação para a escolha do nome do grupo. • Escolha com a turma o tipo de privacidade (aberto, fechado, secreto). É interessante que seja um grupo fechado para que só os alunos da sala participem e você controle os acessos. • Comece a trocar mensagens, postar imagens, vídeos, informações. • Utilize o espaço “eventos” para comunicar datas de entrega de trabalhos, apresentações, seminários ou avaliações. • Proponha uma discussão sobre o livro lido no momento, de uma maneira informal, através de reflexões, enigmas, charadas e questionamentos instigantes, que levem os alunos a se interessarem por buscar respostas cada vez mais completas, o que implicaria a leitura atenta do texto. Assim, você, professor, fará verificações de leitura periódicas, sem papéis, traumas, tradicionalismo, sem data nem hora estipulada. • Lembre-se de que é fundamental que você conheça a nova ferramenta pedagógica que utilizará com os alunos. Está na hora de a escola acompanhar os novos tempos e trazer os modernos meios de comunicação liderados pela internet para a sala de aula! ALMEIDA, Marco Antônio (Org.) Ciência da informação e literatura. Editora Alínea.

[45]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 45

24/01/2013 12:05:18


LEYA MAIS

LeYa Mais é um projeto dedicado aos livros de literatura infantil e juvenil da LeYa. Você encontrará em todas as edições da revista LeYa na Escola boas dicas de leitura para seus alunos, além de uma lista dos temas abordados e indicação de datas comemorativas para trabalhar em sala de aula. Além disso, apresentamos um projeto pedagógico exclusivo para você trabalhar com sua classe.

SAMBURÁ DE LENDAS de Blandina Franco e ilustrações de José Carlos Lollo

A partir de 3 anos

Personagens folclóricos que simbolizam a cultura do norte do Brasil fazem parte desta história divertida. Ao procurar seu peixe roubado, um menino pescador participa de uma aventura bem no meio da Floresta Amazônica com personagens folclóricos das principais lendas do norte do Brasil. Quem será que roubou o peixe do menino? Será que o peixe está escondido na floresta? O que acontecerá com o menino nesta divertida aventura? Tema: lendas da região Norte

GUGA E LÉO EM BUSCA DA POÇÃO FANTÁSTICA de Shun Izumi e ilustrações de Benson Cesar Di Chin, Breno Ferreira e Shun Izumi A simples tarefa de buscar remédios para mãe acaba se tornando uma grande aventura para os irmãos Guga e Léo. No caminho que percorrem para cumprir sua missão, além de conhecerem melhor a paisagem urbana e alguns pontos turísticos de São Paulo, os dois irmãos vão se deparar com seres fantásticos, como gatos gigantes, beringelas sábias e um mundo de personagens surpreendentes, e enfrentar grandes desafios, como encontrar o caminho certo no meio da imensidão da cidade. Uma história em quadrinhos ricamente ilustrada, que mostrará muitos aspectos da metrópole e de seus habitantes, bem como valores humanos necessários para uma vida fraterna e a coragem dos pequenos protagonistas, dedicados em cumprir sua missão. Temas: relações familiares estruturantes, afetividade, cumplicidade, solidariedade, imaginário infantil, ética, diversidade cultural

A partir de 8 anos

O PRIMEIRO DIA DE ESCOLA de António Mota e ilustrações de Paulo Galindro Amanhã é o primeiro dia de aula de Inês e ela está com medo das surpresas que pode encontrar. Uma história deliciosa e divertida! O primeiro dia de escola é uma viagem ao início de uma etapa singular na vida de qualquer criança. É a entrada para um mundo novo e diferente, com experiências e vivências tão fortes que nunca serão esquecidas.Uma história contada por três gerações: netos, pais e avós. Confira um trecho do livro: Amanhã é o primeiro dia de escola da minha irmã Inês. Há mais de uma semana que ela anda muito irrequieta e não para de me fazer perguntas, sempre me amolando. Às vezes, eu me divirto respondendo. Invento respostas estranhas, que é para ela ficar muito assustada, com os olhos arregalados. Hoje, antes do jantar, a conversa foi assim: A partir de 8 anos

– Antônio, a comida da cantina é boa? E eu, depois de pensar um pouquinho, respondi: – É ótima, você vai adorar.Toda a comida da cantina é servida em pratos comestíveis. Não é como aqui em casa. – O que quer dizer “comestíveis”? – Quer dizer que, depois de comer o arroz, as batatas, o macarrão, a carne, o peixe e a salada,

você também tem que comer o prato.

Temas: relacionamento entre irmãos, lembranças familiares, solidariedade, cumplicidade

[46]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 46

24/01/2013 12:05:18


Esses conteúdos e muitos outros você encontra no blogue do projeto LeYa Mais (www.leyamais.com.br). Confira essas grandes dicas de literatura para sua escola! EU QUERO SABER: O MEIO AMBIENTE Texto e ilustrações: Texto Editores As crianças vão aprender sobre conceitos importantes sobre o meio ambiente de maneira fácil e divertida. Este livro aborda de maneira ágil e acessível alguns dos mais importantes conceitos relativos à vida no planeta, principalmente sob o ponto de vista da Geografia, da Biologia, da Física e da Química. Pode ser usado como apoio ao aprendizado de Ciências, com ênfase na educação ambiental. Temas: ecossistema, diferenças climáticas, animais em vias de extinção, educação ambiental, fenômenos naturais, reciclagem, destinação do lixo, fontes de energia renováveis Conheça os outros livros da coleção: O corpo humano e Os alimentos

A partir de 9 anos

O MEU PRIMEIRO FERNANDO PESSOA de Manuela Júdice e ilustrações de Pedro Proença Uma minibiografia de Fernando Pessoa que vai encantar alunos e professores. Por meio deste livro, as crianças poderão conhecer um pouco da obra e da vida do poeta português Fernando Pessoa. Indicado para quem quer iniciar-se na linguagem em versos, neste livro são reproduzidos muitos poemas, de fases distintas da obra de um dos maiores poetas do século XX. Temas: memória social, história cultural A partir de 9 anos

UMA AVENTURA NA CIDADE de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada e ilustrações de João Luiz Alves de Castro

A partir de 10 anos

Duas irmãs e seus amigos iniciam uma investigação e vivem grandes aventuras. As gêmeas Teresa e Luísa são muito espertas e sempre prestam muita atenção em tudo. Um dia, quando passeiam com o cãozinho Caracol, percebem movimentos estranhos numa velha garagem e ficam logo curiosas para descobrir os mistérios que ali se escondem. Para fazer a investigação, as meninas contam com a ajuda dos colegas de escola Chico, forte e corajoso, Pedro, um garoto muito inteligente, e João, ágil, atrevido e dono de Faial, um cachorro bem grande. Os amigos se unem para enfrentar perigos e tornam-se inseparáveis nessa grande aventura. Temas: relações fraternas e de amizade, lembranças familiares, solidariedade, cumplicidade

[47]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 47

24/01/2013 12:05:23


LEYA MAIS A partir de 6 anos

O CICLO DA ÁGUA

Autoras: Cristina Quental e Mariana Magalhães Ilustrações: Sandra Serra

– – – –

Bom dia! – saudou a professora Tita. Bom dia? Com essa chuva toda? – lamentou-se Leonor. Por que está chovendo tanto? – disse Mário. Pois é, ainda ontem estava sol... – completou Sofia. E você? Sabe de onde vem a chuva? Sabe por que ela é tão importante? A professora Tita e seus alunos vão descobrir o ciclo da água, saber de onde ela vem, para onde vai, para que serve e por que é tão importante para todos.

Introdução

Indispensável para a vida, a água é fundamental não só para o bom funcionamento do corpo como para a criação de animais e o cultivo de alimentos. Apesar de 70% da superfície do nosso planeta ser composta de água, somente 4% dela é própria para o consumo. Por isso, é importante conhecer seu ciclo e desenvolver estratégias de bom uso. Bem-vindo ao projeto Ciclo da Água, que permitirá que seus alunos conheçam esta fonte de vida com um olhar sustentável.

[[48] [4 48] 8] [48]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 48

24/01/2013 12:05:35


Projeto Pedagógico AMANDA BORGES

Objetivo geral

Reconhecer a água como um recurso indispensável para a sobrevivência do ser humano, analisando seus estados e favorecendo seu uso com responsabilidade.

Objetivos específicos

• Buscar qualidade de vida consumindo a água de forma sustentável. • Conhecer formas de recuperação da água. • Difundir informações sobre o uso consciente da água. • Usar o senso investigativo para conhecer o ciclo da água, suas formas de uso e reúso. • Aprender o processo de purificação da água. • Reconhecer o cuidado com a água como parte da educação ambiental.

Sugestões de sequência didática

1. Converse com seus alunos sobre a água no planeta Terra, sua quantidade e formas de uso. Leve-os a refletir sobre a poluição dos rios e proponha que se faça a maquete de dois rios: um limpo, com animais e plantas aquáticas, e outro sujo e sem vida.

Material: • 1 vidro (a partir de 8,5 cm de diâmetro) ou garrafa PET • 1 muda de planta • 1 pedaço de plástico transparente maior que a boca do recipiente escolhido acima • fita crepe • 1 xícara de carvão (para churrasco) • 1 xícara de pedras para aquário • 4 xícaras de terra adubada Modo de fazer Coloque os seguintes materiais no recipiente, nesta ordem: pedras, carvão e terra. Plante a muda e faça pequenos furos na terra. Molhe a terra e prenda o plástico em cima deixando bem vedado. Permita que os alunos acompanhem o ciclo da água e peça que façam um relatório do processo com desenhos ou palavras escritas. Aproveite para conversar sobre os estados físicos da água.

Avaliação

Faça experiências que demonstrem os estados físicos da água (sólido, líquido e gasoso) e a passagem de um para o outro. Em seguida promova um desafio para os alunos. Eles devem criar uma melodia para o texto “Os estados físicos da água”, que se encontra no livro.

Acesse www.leyamais.com.br e confira este projeto pedagógico completo!

Dreamstime

2. Depois de construídas as maquetes, proponha uma reflexão sobre formas sustentáveis de utilizar água dentro da escola, como armazenar água da chuva para irrigar a horta e para a descarga sanitária etc.

3. Crie um terrário para visualizar o ciclo da água.

[49] [49] [4 49 9]]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 49

24/01/2013 12:05:39


GENTE DO BEM

ESCOLA CENTRO DO MENOR SANTA MARCELINA SAMANTA CAMARGO

Conheça o centro socioeducacional que leva educação de qualidade a famílias baianas em situação de vulnerabilidade social

[50]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 50

participação em eventos. “O centro tem capacidade para acolher 336 crianças e o objetivo é realizar, além da educação infantil e do Ensino Fundamental I, trabalhos socioeducativos que intensifiquem a aprendizagem escolar, o resgate e o fortalecimento de vínculos familiares, a ampliação do universo cultural, o desenvolvimento da sociedade, da comunicação, da autonomia e da autoestima, a melhoria da renda familiar e a inserção social, a melhoria nos cuidados pessoais, no respeito a si e ao próximo e

Fotos de divulgação da escola

O

Instituto das Irmãs de Santa Marcelina, com representação em diversos países, criou a Escola Centro do Menor Santa Marcelina em 1994 no município de Terra Nova (BA). A instituição, sem fins lucrativos, ajuda pessoas em situação de vulnerabilidade social e é mantida por subvenções mensais da Associação Santa Marcelina e pela colaboração de órgãos públicos e da sociedade, por meio de doações, rifas, bingos e

24/01/2013 12:05:40


A alegria e a beleza das crianças enfeitam o Projeto Primavera.

o combate ao trabalho infantil”, conta irmã Alenita Nora, coordenadora do centro. Nesse sentido, são oferecidas diversas atividades, como encontros de formação para os pais, responsáveis e colaboradores, dia da família na escola, projeto de literatura infantil, projeto esportivo, programa educacional de resistência às drogas, campanha da fraternidade, entre outros.

Muita cor e animação marcam os trabalhos de Arte da Educação Infantil

Essas atividades, que vêm apresentando resultados significativos, acontecem no período escolar e, quando necessário, em períodos extras. E para que sejam realizadas a escola conta com uma grande infraestrutura, com sala de artes, biblioteca, sala de leitura, sala de informática, salão de beleza, capela, refeitório, sala de costura, parques infantis, quadra esportiva com cobertura, salão de reuniões e ainda uma horta que ajuda a fornecer uma alimentação mais saudável e balanceada aos alunos. A escola ainda incentiva a leitura, em espaços equipados com diversos livros e a presença de profissionais qualificados atuando de maneira didática. Além dessa unidade, o centro socioeducacional tem outra unidade na Bahia, uma em São Paulo e uma no Rio de Janeiro. Qualquer criança pode estudar em uma das quatro unidades, basta atender aos pré-requisitos que garantem a concessão da gratuidade integral, aferidos por meio de um estudo da situação social e econômica de seu grupo familiar.

Fotos de divulgação da escola

A irmã Alenita Nora aponta que a escola ainda tem muito o que fazer pelas crianças. Eles pretendem, por exemplo, incluir aulas de música, dança e capoeira junto com os demais componentes curriculares, ampliando o repertório de linguagens dos alunos e permitindo a descoberta de novos caminhos de aprendizagem. É possível visitar a Escola Centro do Menor Santa Marcelina e conhecer de perto esse grande projeto, além de ajudá-lo com doações. Alunos do Ensino Fundamental contam e apresentam as suas narrativas em sala de aula.

[51]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 51

24/01/2013 12:05:43


MUITO MAIS AULA

A MATEMÁTICA DO TRÂNSITO

MATEMÁTICA

ELAINE DO AMARAL

Público-alvo: Tempo estimado: Disciplina: Avaliação:

6.º e 7.º anos 6 aulas Matemática Produção de gráficos; habilidade de comparação; habilidade de cálculos; reconhecer os efeitos negativos do trânsito na vida da população

O

trânsito é sem dúvida um dos maiores problemas das grandes cidades e afeta a vida de todas as pessoas, independentemente da idade ou da classe social.

Discutindo a questão do trânsito, podemos propor atividades e situações-problema com dados reais, que fazem parte do nosso dia a dia. Abaixo, vamos mostrar um exemplo de atividade com dados sobre o trânsito de São Paulo que, além de aperfeiçoar os cálculos matemáticos, motivará os alunos a refletirem sobre práticas saudáveis no trânsito.

DADOS • O trânsito matou, em 2011, 1.382 pessoas, contra 1.301 vítimas de assassinato. • Segundo a Cetesb – Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental – , os veículos despejam todo ano 1,7 milhão de toneladas de substâncias nocivas na atmosfera.

• Os paulistanos perdem em média 2h42 por dia nos engarrafamentos. • Estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV) estima que as perdas que o trânsito gera para a economia do país em um ano chegam a R$ 33,5 bilhões, o equivalente a 9,4% do Produto Interno Bruto (PIB) do município de São Paulo, sendo que R$ 27 bilhões são do que deixamos de produzir enquanto ficamos parados e R$ 6,5 bilhões são gastos com combustível. • O Detran emplaca em média 1.184 novos carros por dia. • A cidade de São Paulo tem aproximadamente 7 milhões de veículos. • A população paulistana cresceu 32% desde 1980 e o número de veículos quadriplicou no mesmo período. • A velocidade média dos carros na cidade de São Paulo é de 32 km/h no horário de pico da manhã e 18 km/h no horário de pico à tarde. Os ônibus circulam a uma velocidade média de 20 km/h.

[52]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 52

24/01/2013 12:05:47


COM BASE NESSAS INFORMAÇÕES, PROPONHA AS SEGUINTES ATIVIDADES:

2) Construção de um gráfico que demonstre o crescimento da frota de carros na cidade de São Paulo nos últimos 10 anos e de um gráfico que demonstre o crescimento da população da cidade no mesmo período.

Quanto esse veículo emite desses gases a cada 100 km percorridos? 4) Se todos os carros da cidade de São Paulo (7 milhões) estiverem na rua ao mesmo tempo e cada um percorrer 4 km, qual seria a quantidade de poluentes despejada no ar?

kanate/ Shutterstock

1) Elaboração de um gráfico com o número de mortos vítimas de acidente de trânsito no Brasil nos últimos 10 anos e de um gráfico comparativo com o número de vítimas de assassinato no mesmo período.

5) Com base nos dados fornecidos, proponha atividades utilizando um estudo sobre casas decimais, porcentagens, velocidade média e o que mais achar pertinente ao assunto.

John Takai/ Dreamstime.com

3) A cada 4 km que um carro abastecido com gasolina percorre, ele emite 96 g de monóxido de carbono, 8,4 g de hidrocarbonetos e 8 g de óxido de nitrogênio.

[53]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 53

24/01/2013 12:05:48


MUITO MAIS AULA

HQ E A

ABC

LÍNGUA PORTUGUESA

PRODUÇÃO DE TEXTOS

ELAINE DO AMARAL

Público-alvo: Tempo estimado: Disciplina: Avaliação:

6. º e 7.º anos 5 aulas Língua Portuguesa Reconhecer os gêneros textuais propostos; estabelecer intertextualidade; produzir texto conforme orientado

Na aprendizagem de leitura e escrita, tornou-se fundamental saber reconhecer os gêneros textuais que circulam em nossa sociedade. Do bilhete ao artigo de opinião, os gêneros textuais estão presentes em nosso dia a dia e é necessário que os alunos estejam familiarizados com eles, uma vez que este conhecimento é muito útil no momento de produzir textos. A produção de texto não deve ser trabalhada apenas como uma atividade que virá a ser corrigida pelo professor: o texto produzido pelo aluno reflete, entre outras coisas, a forma como ele concebe o mundo e o reproduz. Só se aprende a escrever escrevendo, mas, para que a atividade escritora atinja seus objetivos, é necessário dar suporte ao aluno. Não se escreve sem um assunto, sem objetivos e sem um interlocutor previamente definidos, e isto tem que ficar muito claro quando o professor planeja uma atividade de produção de texto. A seguir, apresentamos uma sugestão de atividade que trabalha o gênero textual história em quadrinhos como base para a produção de um texto de outro gênero (conto, crônica, fabula etc.). A HQ é um texto narrativo, dividido em quadros ilustrados.

[54]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 54

24/01/2013 12:05:50


SUGESTÃO DE TRABALHO

Philcold/ Dreamstime.com

Etapa 2: Quando os alunos estiverem familiarizados com o gênero, escolha uma HQ e distribua para eles (a escolha deve ser feita com base no domínio que os alunos têm de leitura, escrita e interpretação de textos). Leia a história com a classe e proponha uma discussão sobre seu tema.

Etapa 3: Agora, vamos discutir as especificidades da HQ lida, como personagens, características físicas e psicológicas, a representatividade das onomatopeias e interjeições (se houver), o enredo e o desfecho. Etapa 4: Escolha e explique sobre outro gênero textual. A partir das conclusões da classe, proponha que contem a mesma história usando este outro gênero. Dica: os diálogos da HQ poderão ser reutilizados.

kanate/ Shutterstock

Etapa 1: Primeiramente o professor deve trabalhar com a turma as características do gênero textual história em quadrinhos, como estrutura, tipos de balões, onomatopeias, interjeições, metáforas visuais.

[55]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 55

24/01/2013 12:05:53


MUITO MAIS AULA

UMA HERANÇA DA ESCRAVIDÃO...

HISTÓRIA

ELAINE DO AMARAL

Público-alvo: Tempo estimado: Disciplina: Avaliação:

8.º e 9.º anos 10 aulas História Reconhecer a herança da escravidão em nossa sociedade; entender o preconceito como uma construção histórica

A escravidão marcou diversos aspectos da cultura e da sociedade brasileira e fixou um conjunto de valores em relação ao trabalho, às relações entre as pessoas e ao preconceito racial. Apesar do fim da escravidão, a abolição não foi acompanhada por nenhuma ação para integrar o negro à sociedade brasileira. A discriminação racial e a exclusão econômica persistem

até os dias de hoje. Apesar de várias ações governamentais, que atualmente querem atenuar o peso dessa “dívida histórica”, ainda há muito o que se fazer para coibir as atitudes e situações excludentes. É desse reconhecimento de exclusão e de preconceito e da ideia de educação como estratégia para a modificação de atitudes que propomos este trabalho.

[56]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 56

24/01/2013 12:05:56


SUGESTÃO DE TRABALHO 1.ª etapa Em duplas, na sala de informática, proponha aos alunos que pesquisem sobre o período de escravidão no Brasil seguindo o seguinte roteiro: – O que motivou a escravidão? (fatores políticos e econômicos) – Como ela ocorreu? (modo de vida dos escravos) – O que eram os quilombos? – Leis abolicionistas. Distribua os assuntos entre as duplas (pode ser um assunto para cada duas duplas, por exemplo).

da consciência negra e as polêmicas geradas em torno desses assuntos. Finalize o trabalho sugerindo que os alunos respondam à seguinte indagação: • As leis que garantem a igualdade são suficientes para acabar com o preconceito racial em nosso país? Proponha aos alunos que criem uma campanha de conscientização na escola, divulgando tudo que eles aprenderam com a pesquisa proposta. Bom trabalho!

Peça aos alunos que compartilhem com os colegas o resultado da pesquisa. 2.ª etapa Este é o momento de tratar do período pós-abolição. Em duplas, os alunos devem responder às seguintes questões: – Como ficou a situação dos negros após a abolição? – Houve algum apoio do governo? – Qual é a ligação de tais fatos com a situação atual do negro em nossa sociedade? – Que heranças culturais foram herdadas dos africanos? Promova uma discussão sobre os resultados da pesquisa.

kanate/ Shutterstock

3.º etapa Nesta etapa será proposta uma pesquisa sobre os movimentos atuais de combate ao racismo, sobre a lei de cotas, o dia

Obs.: Professor, durante as discussões deixe claro que o preconceito é uma construção cultural e que somente as leis ou os princípios religiosos de igualdade não irão transformar nossa sociedade nem deixaríamos de ser preconceituosos automaticamente. Há uma dimensão afetiva e emocional em que são cultivadas as crenças, os estereótipos e os valores que justificam as atitudes. É preciso superar esses limites usando uma linguagem capaz de tocar o imaginário. Esta é uma ótima oportunidade para trabalhar os princípios de pluralidade cultural e respeito às diferenças, temas propostos pelos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN).

[57]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 57

24/01/2013 12:05:57


MUITO MAIS AULA

AMAZÔNIA EM FOCO:

GEOGRAFIA

BELO MONTE E O MEIO AMBIENTE

ELAINE DO AMARAL

Público-alvo: Tempo estimado: Disciplina: Avaliação:

9.º ano 5 aulas Geografia Identificar os efeitos negativos e positivos da construção da hidrelétrica de Belo Monte

Em 2010 a Amazônia atraiu muitos olhares em razão da construção da que promete ser a terceira maior hidrelétrica do mundo: a de Belo Monte, no Pará

E

xistem vários protestos contra a construção da usina de Belo Monte, porém as necessidades energéticas do país são consideradas prioridade pelas autoridades. Essa usina deverá entrar em operação em 2015 e, atualmente, encontra-se em processo de construção. Apesar de todas as mudanças e ajustes feitos no projeto original, a previsão é que sejam desmatados quase 12 mil hectares da floresta amazônica. Segundo ambientalistas, os índígenas e a população ribeirinha serão drasticamente afetados.

Egonzitter/ Dreamstime.com

A maior parte do potencial energético do Brasil está na bacia amazônica. Por isso, a construção da hidrelétrica de Belo Monte esbarra em uma questão que envolve o bioma da floresta: como conservar o patrimônio natural e, ao mesmo tempo, fazer dele uma alavanca para o desenvolvimento do Brasil? Vamos juntos pesquisar este assunto?

[58]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 58

24/01/2013 12:05:59


kanate/ Shutterstock

SUGESTÃO DE TRABALHO 1. Primeiramente, é importante que o professor apresente aos alunos a questão da hidrelétrica de Belo Monte. Mostre imagens, dê a localização (uma boa opção é usar o Google Earth) e faça um apanhado histórico sobre o assunto.

• biodiversidade da Amazônia • impactos ambientais • impactos sobre as populações indígenas da região • conservação e desenvolvimento • efeitos que já estão sendo sentidos com o início da obra 4. Peça aos alunos que compartilhem com os colegas os resultados desta pesquisa por meio de uma apresentação com cartazes, PowerPoint, Movie Maker.

3. Na sala de informática, divida os alunos em grupos e proponha que pesquisem sobre a hidrelétrica de Belo Monte. Cada grupo ficará responsável por um tema:

5. Proponha um debate sobre os prós e contras da construção da hidrelétrica de Belo Monte encontrados na pesquisa e faça a divulgação na escola.

Valter Campanato/ ABr

2. Mostre o vídeo Gota d’água: hidrelétrica de Belo Monte (disponível em www. youtube.com) e acesse o site www.blogbelomonte.com.br para obter informações sobre o assunto.

Altamira (PA) - Sítio Canais e Diques, a maior frente de trabalho nos canteiros de obras. Canal de 20 quilômetros ligará a represa do Sítio Pimental ao reservatório intermediário do Sítio Belo Monte. 20/04/2012

[59]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 59

24/01/2013 12:06:01


MUITO MAIS AULA

RIO + 20:

CIÊNCIAS

UM GRANDE RESULTADO

ELAINE DO AMARAL

8.º e 9.º anos 10 aulas Ciências Reconhecer os problemas ambientais apresentados na conferência; propor soluções pertinentes aos problemas apresentados

E

m junho de 2012 aconteceu no Rio de Janeiro a Conferência das Nações Unidas sobre o desenvolvimento sustentável, a Rio + 20. Participaram 193 países, que discutiram sobre “o futuro que queremos”, uma oportunidade valiosa para que se refletisse, no Brasil e no mundo, sobre a sustentabilidade do planeta Terra. O documento final foi assinado com a anuência de todos os países representados, mas os

resultados foram pouco ambiciosos, e assuntos considerados graves foram omitidos, isso por causa da resistência de países ricos, que são os que mais poluem. Assim, muitas decisões foram adiadas para os próximos anos, e a boa notícia ficou por conta da ênfase dada no documento final para a erradicação da pobreza. Os resultados da conferência são temas importantes para desenvolver em sala de aula, pois, como diz o documento final, “o futuro está a cargo das gerações mais jovens”.

Ban Ki-moon, secretário geral, fala durante a Conferência em sessão fechada. 22 de junho, Rio de Janeiro

Monkey Business Images/ Shutterstock

Público-alvo: Tempo estimado: Disciplina: Avaliação:

[60]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 60

24/01/2013 12:06:03


SUGESTÃO DE TRABALHO Na sala de informática, divida os alunos em grupos e peça que cada um pesquise um dos seguintes assuntos relativos à Conferência Rio + 20: • pontos de convergência dos países participantes • erradicação da pobreza • princípios da Declaração da Rio + 20 • objetivos do desenvolvimento sustentável • economia verde • resultados obtidos e decisões adiadas Cada grupo deverá apresentar o resultado de sua pesquisa e responder à seguinte questão: como podemos colaborar para uma possível solução dos problemas tratados na conferência? Proponha aos grupos que debatam e divulguem os resultados das pesquisas.

kanate/ Shutterstock

Rui Matos/ Dreamstime.com

Nota: É importante despertar nos alunos a consciência de que eles estão inseridos na sociedade e que também têm responsabilidades pelo planeta.

[61]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 61

24/01/2013 12:06:05


REDES SOCIAIS

ACOMPANHE A LEYA NAS PRINCIPAIS REDES SOCIAIS FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES, EVENTOS, LANÇAMENTOS, CAMPANHAS, NOTÍCIAS, PROMOÇÕES, VÍDEOS, CATÁLOGO COMPLETO E MUITO MAIS!

FACEBOOK Fan page da LeYa Educação – conheça nosso catálogo completo, acompanhe nossas novidades, campanhas e muito mais! www.facebook. com/leya.educacao Fan page da SEI – conheça a SEI, o sistema de ensino da LeYa, e todas as suas soluções. www.facebook.com/ solucao.sei

TWITTER Siga @Leya_educacao e acompanhe as últimas notícias e promoções da editora.

YOU TUBE A LeYa Educação disponibiliza alguns vídeos para você conhecer melhor a editora e nossos produtos, como a plataforma 10 Escola Digital.

BLOGUE Acesse o blogue LeYa Mais, conheça os livros de literatura infantojuvenil da LeYa, tenha acesso a projetos, atividades e conteúdos para trabalhar as obras em sala de aula, comente as principais notícias e muito mais! Acesse: leyamais.com.br

[62]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 62

24/01/2013 12:06:07


Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 63

24/01/2013 12:06:11


CINEMA PLAYARTE

CONFIRA OS LANÇAMENTOS DE 2013 DA PLAYARTE E DIVIRTA-SE! Um final de semana em Hyde Park Do mesmo diretor de Um lugar chamado Notting Hill e Fora de controle, Um final de semana em Hyde Park conta a história de uma visita, em 1939, do Rei George VI e sua esposa, a Rainha Elizabeth, à propriedade do presidente estadunidense Franklin D. Roosevelt em Hyde Park, Nova York. Enquanto isso, ele se apaixona cada vez mais por sua prima e amante eventual, Margaret Suckley. Nenhum monarca britânico havia visitado os EUA antes, e Roosevelt espera unir forças com o Reino Unido às vésperas da II Guerra Mundial. Com Bill Murray (Encontros e desencontros, Ed Wood, Flores Partidas), Laura Linney (Sobre meninos e lobos, Simplesmente amor, O óleo de Lorenzo), Olivia Williams (Educação, X-Men: o confronto final).

Enquanto Liza tenta pegar carona com um rapaz que simpatiza com ela, o irmão Addison deixa um rastro de morte e a polícia em seu encalço. Com Eric Bana (Troia), Olivia Wilde (musa da série House e estrela do novo Tron) e Sissy Spacek (Carrie – a estranha, Terra de ninguém, Terra fria).

O acordo A trama segue um pai suburbano que é pego de surpresa quando seu filho adolescente é condenado a 30 anos de cadeia por envolvimento com drogas. Para diminuir a sentença do filho, o pai se disfarça e incrimina um traficante de alto escalão. A trama tem base em uma história real, uma reportagem veiculada nos EUA no programa Frontline, da rede pública PBS. Com Dwayne “The Rock” Johnson (Velozes e furiosos, O retorno da múmia e O fada do dente), Susan Sarandon (Lado a lado, Thelma e Louise), Jon Bernthal (The Walking Dead), Benjamin Bratt (Traffic).

A fuga Dois irmãos roubam um cassino e se separam ao fugir por uma floresta nevada, mas planejam se encontrar posteriormente, na fronteira com o Canadá.

[64]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 64

24/01/2013 12:06:12


Fogo contra fogo

Um gladiador em apuros

Após presenciar um crime brutal, o bombeiro Jeremy Coleman auxilia o detetive Mike Cella a identificar o agressor. Mas o assassino prova que sabe quem ele é e o ameaça. Forçado a abandonar sua carreira e integrar o programa de proteção às testemunhas, Jeremy tenta reconstruir sua vida. Mas uma inesperada virada judicial coloca o criminoso de volta às ruas e o ex-bombeiro precisa proteger a si mesmo e às pessoas que ama.

Na Roma antiga, um jovem órfão da tragédia do vulcão de Pompeia, Timo, é adotado pelo general Chirone e cresce na famosa academia de gladiadores. Ele tinha tudo para se tornar uma lenda, porém Timo não é propriamente um gladiador... Mas, graças à chegada de uma nova garota na cidade, ele resolve dedicar-se de corpo e alma ao treinamento para ser um grande guerreiro.

Dirigido por David Barrett, de séries como Castle, O mentalista, Sobrenatural, NCIS, Diários de um vampiro, CSI: NY entre muitas outras. Com Bruce Willis (Duro de matar, A fogueira das vaidades, Pulp fiction), Josh Duhamel (Transformers, Noite de ano novo, Juntos por acaso), Rosario Dawson (Rent, Sin City, Alexandre).

Do ganhador do Oscar, Michael J. Wilson, roteirista de animações consagradas como Era do Gelo 2 e O Espanta-Tubarões.

Para saber mais sobre os lançamentos da PlayArte conecte-se:

/grupoplayarte

@grupoplayarte

www.playarte.com.br [65]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 65

24/01/2013 12:06:13


Literatura infantil e juvenil

Magia e aprendizado em sala de aula

O CICLO DA Ă GUA

0DJDMPEB²HVBq0DJDMPEPPWPq0DJDMPEPMFJUFq0DJDMPEPBSSP[ LANÇAMENTO

LANÇAMENTO

MĂŁo que conta histĂłria

LANÇAMENTO

A PARTIR DE

10 ANOS

LANÇAMENTO

Coleção: Eu quero saber 0$PSQP)VNBOPq0.FJP"NCJFOUFq0T"MJNFOUPT

O Meu primeiro Fernando Pessoa

Confira todos os nossos livros de literatura, alĂŠm de projetos pedagĂłgicos, no nosso blogue:

www.leyamais.com.br Tudo para aplicar em sala de aula

"HFOEFVNBWJTJUBDPNOPTTPDPOTVMUPS www.leya.com.br Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 66

0800-607-7700

leyaeducacao@leya.com 24/01/2013 12:06:14


ESTANTE

GONZAGUINHA E GONZAGĂƒO, UMA HISTĂ“RIA BRASILEIRA Autora: Regina EcheverrĂ­a Editora: LeYa Esta obra procura apresentar a relação entre Luiz Gonzaga e Gonzaguinha, com base na audição de fitas que registraram mais de 20 horas de conversa entre os dois. Pretende mostrar diferenças de personalidade, postura polĂ­tica e comportamento e como o entendimento entre pai e filho sĂł se daria apĂłs anos de traumas, dores e enfrentamentos. Mostra ainda a importância do show Vida de viajante, de 1979, quando se apresentaram juntos e selaram uma amizade que duraria atĂŠ o fim de suas vidas.

OS GRANDES FILÓSOFOS QUE FRACASSARAM NO AMOR Autor: Andrew Schaffer Editora: LeYa Os grandes filósofos que fracassaram no amor relata de forma bem-humorada a vida amorosa de 37 filósofos, de Sócrates a Tolstói, mostrando que philein (amar) e sophia (sabedoria) não andam tão juntas assim. A obra conta diversas histórias, como o estrangulamento acidental da esposa de Louis Althusser, a obrigação imposta a São Tomås de Aquino de dividir uma cela com uma prostituta por causa de sua concepção religiosa e a castração de Pedro Abelardo após mandar a esposa para um convento a pedido da própria.

0=3A4F B70554A >B6A0=34B 58;>B>5>B@D4 5A020BB0A0< =>0<>A

UMA BREVE HISTĂ&#x201C;RIA DO CONHECIMENTO Autor: Charles Van Doren Editora: Casa da Palavra Esta obra faz um resgate histĂłrico que analisa o rumo de vĂĄrias civilizaçþes, as condiçþes sociais e os contextos polĂ­ticos em que estavam inseridas. O livro ĂŠ um apanhado de tudo que o homem jĂĄ pensou, criou e aperfeiçoou, desde as civilizaçþes antigas atĂŠ a cultura tecnolĂłgica do sĂŠculo XXI. As criaçþes e realizaçþes foram documentadas em ordem cronolĂłgica, exemplificadas por meio de feitos de pessoas como Einstein, Leonardo da Vinci, Shakespeare, Freud, Picasso, AristĂłteles e outros. Uma obra que pretende esclarecer a origem do conhecimento humano e o sentido lĂłgico de suas decisĂľes.

[67]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 67

24/01/2013 12:06:24


EVENTOS

FESPO

FEIRA DO LIVRO DIGITAL

O Festival de Poesia (Fespo), realizado pelo Colégio Moderno anualmente, é um evento que estimula a produção poética dos alunos. “Durante as aulas de Língua Portuguesa e Redação, os professores analisam e interpretam diversos textos poéticos, apresentando o gênero aos estudantes de maneira atraente e prazerosa. A partir desse contato, os alunos são orientados e estimulados a iniciar sua própria produção. Os poemas elaborados no decorrer do ano passam por um processo de seleção, e os melhores são publicados no livro Coisas de estudante, editado anualmente no colégio. “Dois poemas por turma são escolhidos para serem declamados no Fespo”, explica a coordenadora pedagógica Vitória Lúcia Costa da Silva. Dos textos declamados, são premiados os três primeiros colocados na categoria melhor texto e os três primeiros colocados na categoria melhor declamação. Em 2012, o festival comemorou 15 anos.

Colégio Santa Cruz (São Paulo, SP)

Colégio Moderno (Belém, PA)

Desde 2011,o Colégio Santa Cruz organiza a Feira do Livro Digital, coordenada por Moisés Zylbersztajn. No evento, o visitante pode conhecer produtos e serviços de diversas editoras e empresas, além de assistir a palestras e debates com a participação de renomados especialistas na área. Mais de 300 pessoas, entre elas educadoras de importantes colégios de São Paulo, participam todos os anos dessa feira, que vem se tornando referência no mercado digital.

Flavio de Campos, autor da coleção Jogo da História nos dias de hoje (editora LeYa), participou do debate “Do aluno ao autor – impactos da mudança na produção e no consumo de conteúdo digital”.

Alunas sendo premiadas ao final do Fespo de 2012.

Nas aulas de Língua Portuguesa e Redação, os alunos analisam e interpretam diversos textos poéticos.

Carlos Faraco, autor da coleção Língua Portuguesa nos dias de hoje (editora LeYa), visitou a Feira.

No estande da LeYa, os visitantes puderam conhecer de perto a plataforma 10 Escola Digital.

[68]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 68

24/01/2013 12:06:29


JORNADA CIENTÍFICO-CULTURAL

Complexo de Ensino Noilde Ramalho ED/HC (Natal, RN) A Jornada Científico-Cultural ED/HC é um evento que acontece anualmente e vai além da simples exposição de experimentos, abrangendo diversos temas e abordagens relacionadas ao conhecimento científico. Sua finalidade é apresentar as vivências compartilhadas pelos alunos durante os estudos do ano letivo, principalmente aquelas que mais marcaram suas aprendizagens. “O objetivo da Jornada Científico-Cultural é integrar o conhecimento científico, elaborado durante os estudos, a temas como cultura, política, tec-

Os alunos apresentam seus trabalhos.

nologia, meio ambiente, literatura e ética, em um contexto significativo para o mundo infantojuvenil. Essa integração tem seu ápice no dia da exposição, quando alunos e professores apresentam e retomam passagens das diversas aprendizagens do ano letivo”, conta Daliane Fernandes Torres Luiz, coordenadora pedagógica da escola. A organização do evento se inicia no começo do ano letivo. A partir daí, são escolhidos os temas e os materiais que serão produzidos. Após o recesso do meio do ano, os alunos começam a trabalhar, efetivamente, na produção dos elementos que farão parte da exposição.

A jornada abrange temas como meio ambiente, tecnologia e política.

EDUCAR/EDUCADOR

Centro de Exposições Imigrantes (São Paulo, SP) Entre os dias 22 e 25 de maio de 2013, a capital paulista terá novamente o privilégio de receber a maior feira e congresso educacional da América Latina, a Educar/ Educador, que está em sua 20.ª edição. O evento será realizado no Centro de Exposições Imigrantes, onde milhares de profissionais diretamente ligados ao segmento educacional terão acesso a cem atividades e a uma grande variedade de produtos e serviços voltados para a educação. A SEI – Solução Educacional Integrada participará do evento. Em seu estande, ela apresentará as últimas novidades em conteúdos impressos e digitais.

[69]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 69

24/01/2013 12:06:43


EVENTOS

COMEMORAÇÃO DOS 20 ANOS DO COLÉGIO PRUDENTE DE MORAES Colégio Prudente de Moraes (Salto, SP)

Uma sessão solene foi realizada na noite de 23 de novembro de 2012, no Colégio Prudente de Moraes, em Salto (SP), celebrando seus 20 anos de atividade. Estiveram presentes a secretária de educação Fernanda Noronha Ribeiro, a mantenedora Rosmarie Castro, da primeira diretora do colégio Sueli Meante, além de alunos e ex-alunos, pais, professores e funcionários, bem como ex-professores e ex- funcionários. Na mesma ocasião, a escola homenageou diversas pessoas que contribuem ou contribuíram para que ela seja reconhecida como uma das mais importantes da região.

Foi organizado um concurso com o objetivo de levar os alunos a reconhecerem a escola como um espaço de criação, participação e interação das diferentes áreas do conhecimento. Denominado “Comemorando 20 anos: registrando vivências e construindo história”, o concurso, dividido em diversas modalidades (como cartaz, desenho, poesia e redação), estimulou a todos os participantes a produzirem textos sobre o universo escolar, contando experiências que marcaram suas relações, suas conquistas e os desafios do ambiente do Colégio Prudente de Moraes.

L As comemorações tiveram início com exposições de projetos desenvolvidos pelos alunos sob orientação dos professores e colaboradores.

Nilcimar Mazetto, diretora pedagógica do colégio: “É difícil externar a satisfação que sinto em estar a frente deste colégio, não pelo cargo que ocupo, mas por poder desfrutar diariamente de uma equipe competente e comprometida, da parceria e confiança dos pais e do convívio com os “meus” alunos”.

O colégio recebeu para um café da manhã pessoas especialmente queridas, que vieram prestigiar as comemorações dos 20 anos

[70]

Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 70

24/01/2013 12:06:52


a r a sp

o r p v i r o L h l o me

o i d é M o

a

h l o c s E

n i s o En

s o n u l us a

tu u f o ara

e s s o ro d

CONHEÇA AS COLEÇÕES: www.oficinadehistorialeya.com.br www.retratosdaarte.com.br uma com nosso consultor. wwAgende w.leya.co m.bvisita r www.leya.com.br Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 71

ley0800-607-7700 aeducacao@leya.com [71]

leyaeducacao@leya.com 24/01/2013 12:07:00


ESCOLA DIGITAL A REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA TESTADA E APROVADA EM SALA DE AULA!

o$PNBQMBUBGPSNB&TDPMB%JHJUBM UFOIPSFDVSTPTEJHJUBJT±EJTQPTJ¸´P QMBOFKPNJOIBTBVMBTFBJOEBBWBMJP NJOIBUVSNBp

Educação Infantil e Ensino Fundamental I e II q-JWSPTNVMUJN¾EJB q3FDVSTPTJOUFSBUJWPT q1MBOFKBNFOUP q1SFQBSB¸´PEFBVMBT q"TTFTTPSJBQFEBHÄHJDB

"HFOEFVNBWJTJUBDPNOPTTPDPOTVMUPS XXXFTDPMBEJHJUBMDPNCS Rev_LEYA_na_escola_Janeiro2013.indd 72



MFZBFEVDBDBP!MFZBDPN 24/01/2013 12:07:00

Revista LeYa na Escola  

A 3ª edição da Revista LeYa na Escola chegou! LeYa na Escola é uma publicação da editora LeYa, distribuída para 20.000 instituições de ensi...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you