Page 1


1

IMPRENSA: LIBERDADE E CENSURA


conecte-se Dia Mundial da Liberdade de Imprensa – 3 de maio de 2012 Mensagem conjunta do Secretário-Geral da ONU e da Diretora-Geral da UNESCO, por ocasião do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, 3 de maio de 2012. Liberdade de expressão é um dos nossos direitos mais preciosos. Sustenta toda a liberdade aos outros e fornece uma base para a dignidade humana. Imprensa livre, pluralista e independente é essencial para o seu exercício. Essa é a mensagem do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa. A liberdade de imprensa implica a liberdade de ter opiniões e de procurar receber e transmitir informações e ideias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras, como previsto no artigo 19 da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Essa liberdade é essencial para as sociedades saudáveis e dinâmicas. As mudanças no mundo árabe demonstraram o poder das aspirações de direitos, quando combinado com novas e velhas mídias. A recém-descoberta liberdade de imprensa está prometendo transformar as sociedades por meio de uma maior transparência e responsabilidade. É abrir novas formas de comunicar e compartilhar informações e conhecimentos. Poderosas novas vozes estão mais altas – especialmente as dos jovens – onde ficavam caladas. É por isso que neste ano o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa é centrado no tema “Novas vozes: a liberdade da mídia ajudando a transformar sociedades”. A liberdade de imprensa também enfrenta pressões severas em todo o mundo. No ano passado, a UNESCO condenou o assassinato de 62 jornalistas que morreram em decorrência do exercício da função. Esses jornalistas não devem ser esquecidos e os crimes não podem permanecer impunes. Como a mídia se move virtualmente, outros jornalistas on-line, incluindo blogueiros, estão sendo perseguidos, atacados e mortos por seu trabalho. Eles devem receber a mesma proteção que os trabalhadores tradicionais da mídia. Em 13 e 14 de setembro de 2011, foi realizada na UNESCO, a primeira reunião interinstitucional das Nações Unidas sobre a segurança dos jornalistas e a questão da impunidade. Foi produzido um plano de ação da ONU para construir um ambiente mais livre e seguro para os jornalistas e profissionais de mídia em todos os lugares. Ao mesmo tempo, continuaremos a fortalecer as bases legais para a mídia livre, pluralista e independente, especialmente em países submetidos à transformação ou à reconstrução após conflito. Em um momento de sobrecarga de informações, temos de ajudar especialmente os jovens a desenvolver habilidades críticas e um melhor conhecimento de mí-

15


dia. O Dia Mundial da Liberdade de Imprensa é a nossa oportunidade de levantar a bandeira na luta para avançar na liberdade dos meios de comunicação. Apelamos aos Estados, aos meios profissionais e às organizações não governamentais em todos os lugares para unir forças com as Nações Unidas para promover a liberdade on-line e off-line de expressão, de acordo com princípios internacionalmente aceitos. Esse é um dos pilares dos direitos individuais, uma base para sociedades saudáveis e uma força de transformação social. MENSAGEM conjunta da ONU e da UNESCO do Dia Mundial da Liberdadede Imprensa, 3 maio 2012. Disponível em: <www.unesco.org/new/pt/brasilia/about-this-office/ single-view/news/joint_message_by_un_and_unesco_on_the_world_press_freedom_day_3_ may_2012>. Acesso em: 5 jul. 2012. Texto adaptado.

ONU destaca papel catalisador da liberdade de imprensa para a mudança social e política No Dia Mundial da Liberdade de Imprensa (3/5), as Nações Unidas destacaram o poder da liberdade de imprensa para deflagrar uma mudança social e política e para manter o governo responsável. A ONU ainda destacou que esse direito fundamental deve ser garantido em todo o mundo por meio da criação das condições para permitir que jornalistas realizem seu trabalho com segurança. “Uma imprensa livre dá às pessoas acesso à informação que precisam para tomar decisões críticas sobre suas vidas. Mantém líderes responsáveis, expõe a corrupção e promove transparência na tomada de decisões”, disse o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, em sua mensagem para marcar a data. “Ela aumenta a consciência e oferece uma saída para diferentes vozes, especialmente àquelas que de outra forma não são ouvidas.” A Assembleia Geral da ONU designou o dia 3 de maio como o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa em 1993. Ele visa a celebrar os princípios fundamentais da liberdade de imprensa; avaliar a liberdade de imprensa em todo o mundo; defender os meios de comunicação de ataques à sua independência e prestar homenagem aos jornalistas que perderam a vida no exercício da profissão. O tema deste ano é “Novas Vozes: Liberdade Midiática Ajudando a Transformar as Sociedades”. Segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), 62 jornalistas foram mortos em 2011 e muitos outros ficaram feridos. Em dezembro do ano passado, 179 jornalistas foram detidos, indicando aumento de 20% em relação a 2010. Esse é o nível mais alto desde a década de 1990. ONU destaca papel catalisador da liberdade de imprensa para a mudança social e política. Disponível em: <www.onu.org.br/onu-destaca-papel-catalisador-da-liberdade-de-imprensa-para-a-mudanca-social-e-politica>. Acesso em: 5 jul. 2012.

16


A liberdade de informação e os abusos nos meios de comunicação ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ opinativa para uma questão apresentada de forma direta: “Como garantir a liberdade de informação e evitar abusos nos meios de comunicação?”. Um antologia composta por quatro textos verbais de tipos variados e por um texto não verbal serviam de consolidação, motivações e possíveis esclarecimentos acerca da pergunta que viria formulada ao final. O primeiro estímulo veio por uma charge do paulista Caco Galhardo que retratou uma família sentada no tradicional sofá da sala — ao modo Simpsons —, diante de um suposto aparelho de TV com formato de lata de lixo. A provocação era clara e abria o debate interno da antologia em relação ao conteúdo transmitido pelos meios de comunicação. Um texto do jornalista e professor Eugênio Bucci abordava o “sensacionalismo”, expressão comum nos meios informativos e que serve para identificar a matéria jornalística que prioriza a técnica em detrimento do conteúdo em si. É quando a espetacularização da notícia fala mais alto do que a informação e o maior interesse do veículo de comunicação é elevar seus índices de venda e de audiência. Ao aproximar a mídia da polícia, o professor Eugênio Bucci cria uma ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ — e procura evidenciar uma modalidade de reportagem que está muito longe do jornalismo e muito perto do entretenimento. O conteúdo do terceiro texto, extraído do site www.eticanatv.org.br, questionava a falta de nitidez na identificação dos responsáveis pela imprensa, apontando para exemplos de países que estimulam a autorregulamentação. Esse aspecto temático continuou a ser explorado pelo texto seguinte, também extraído de um site (www.observatorio.utlimosegundo.com.br) que indicava o Observatório da Imprensa como a entidade incumbida de cobrar do jornalismo “contrapartidas em deveres e responsabilidades sociais” para as “garantias e privilégios previstos pela Constituição Federal”, dos quais usufrui. Dois incisos do artigo 5º da Constituição Federal, de 1988, encerravam a antologia reforçando a consistência formal do debate proposto pelo Enem naquela edição. A liberdade de expressão e o respeito à vida privada, enumerados nos dois incisos, já sugeriam a síntese da questão-tema. Instruções técnicas exigiam um texto dissertativo na modalidade culta da língua portuguesa e que tivesse, no mínimo, quinze linhas.

17


REDAÇÃO DO ENEM PROPOSTA DE REDAÇÃO Leia com atenção os seguintes textos:

Os programas sensacionalistas do rádio e os programas policiais de final da tarde em televisão saciam curiosidades perversas e até mórbidas tirando sua matéria-prima do drama de cidadãos humildes que aparecem nas delegacias como suspeitos de pequenos crimes. Ali, são entrevistados por intimidação. As câmeras invadem barracos e cortiços, e gravam sem pedir licença a estupefação de famílias de baixíssima renda que não sabem direito o que se passa: um parente é suspeito de estupro, ou o vizinho acaba de ser preso por tráfico, ou o primo morreu no massacre de fim de semana no bar da esquina. A polícia chega atirando: a mídia chega filmando. Eugênio Bucci. Sobre ética e imprensa. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

Quem fiscaliza [a imprensa]? Trata-se de tema complexo porque remete para a questão da responsabilidade não só das empresas de comunicação como também dos jornalistas. Alguns países, como a Suécia e a Grã-Bretanha, vêm há anos tentando resolver o problema da responsabilidade do jornalismo por meio de mecanismos que incentivam a autorregulação da mídia. <www.eticanatv.org.br>. Acesso em: 30 maio 2004.

No Brasil, entre outras organizações, existe o Observatório da Imprensa – entidade civil, não governamental e não partidária – que pretende acompanhar o desempenho da mídia brasileira. Em sua página eletrônica , lê-se: Os meios de comunicação de massa são majoritariamente produzidos por empresas privadas cujas decisões atendem legitimamente aos desígnios de seus acionistas ou representantes. Mas o produto jornalístico é, inquestionavelmente, um serviço público com garantias e privilégios específicos previstos na Constituição Federal, o que pressupõe contrapartidas em deveres e responsabilidades sociais. Disponível em: <www.observatorio.ultimosegundo.ig.com.br>. Acesso em: 30 maio 2004. (adaptado).

Incisos do Artigo 5º da Constituição Federal de 1988: IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença; X- são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação. Com base nas ideias presentes nos textos acima, redija uma dissertação em prosa sobre o seguinte tema: Como garantir a liberdade de informação e evitar abusos nos meios de comunicação? Ao desenvolver o tema proposto, procure utilizar os conhecimentos adquiridos e as reflexões feitas ao longo de sua formação. Selecione, organize e relacione argumentos, fatos e opiniões para defender seu ponto de vista e suas propostas, sem ferir os direitos humanos. OBSERVAÇÕES ฀ ฀ ฀ ฀ ฀

Seu texto deve ser escrito na modalidade culta da língua portuguesa. O texto não deve ser escrito em forma de poema (versos) ou narração. O texto deverá ter no mínimo 15 (quinze) linhas escritas. A redação deverá ser apresentada à tinta e desenvolvida na folha própria. O rascunho poderá ser feito na última folha deste Caderno.

18


CAMINHOS POSSÍVEIS Ao elaborar uma dissertação, o autor emite, naturalmente, opinião quanto a determinado tema. Para tanto estabelece uma abordagem, uma maneira de ler e de trabalhar com esse tema. Por onde começar? Em que aspectos tocar? Com que elementos aprofundar as ideias sobre os assuntos nele inseridos? A liberdade de imprensa e os abusos cometidos pelo modo como algumas informações são transmitidas não eram duas situações separadas na proposta de redação de 2004. Pelo contrário, juntas formavam a questão-tema. Por isso, o estudante não poderia tratar de um sem tratar de outro ao desenvolver sua resposta dissertativa.

© SÔNIA MAGALHÃES

O primeiro texto verbal da antologia oferecida deixava entreaberta a discussão em relação à qualidade da informação. Um caminho fértil para a contextualização ou para prefácios que quisessem apresentar a dissertação a partir dos conceitos básicos da imprensa. Qual é a principal função da imprensa? A quem deve

19


servir a informação? Quem decide o tipo de notícia e de que modo chegará aos lares do país? Quem regulamenta a liberdade de informação no Brasil? Quem mede a qualidade dos programas jornalísticos? Ler os veículos de informação com olhar avaliativo, ou seja, considerando aspectos técnicos e ideológicos empregados para a transmissão de qualquer tipo de informação, em regimes democráticos, é uma atitude tão saudável que no Brasil é comum, nos chamados grandes jornais, a presença de um profissional pago pelo próprio veículo informativo para, efetivamente, realizar esse tipo de leitura. É o profissional conhecido por ombudsman. Trata-se de um ouvidor pronto a defender o leitor daquilo que considerar desvio de isenção. Suas considerações são publicadas no mesmo jornal e estarão à disposição de todos os que optarem por receber as notícias do país e do mundo por aquele veículo. Um dos textos da antologia toca nesse ponto quando pergunta “Quem fiscaliza a imprensa?”. Caminho aberto, portanto, para exploração argumentativa. Outra situação de nossos tempos ligada ao tema daquele ano é a da transmissão de dados pela rede internacional de computadores. Qualquer discussão acerca da liberdade que rege os veículos de informação, já na segunda década do ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ponsáveis tanto pela amplificação de notícias na internet quanto pela migração de muitos jornais impressos para o formato de sites e portais, em ambiente virtual. Junto de “liberdade”, é igualmente razoável discutir os “abusos” cometidos pelos ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ mais responsabilizado pela organização de importantes protestos no mundo, das ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ res ataques à liberdade de divulgação e expressão, como os que tem recebido o site Wikileaks.org. Com tema amplo e muito aquecido neste início de século, caminhos não faltaram a uma boa dissertação.

20


REDAÇÃO FAÇAMOS, AGORA, A LEITURA E ANÁLISE DA DISSERTAÇÃO DE UM ESTUDANTE DE ENSINO MÉDIO DESENVOLVIDA COM BASE NA PRIMEIRA PROPOSTA DE 2004, EM UM SIMULADO DO EXAME, COM DELIMITAÇÃO DE TEMPO E DE ESPAÇO. OS TEXTOS DE INSTRUÇÃO DA PROVA DE 2004 FORAM SUBSTITUÍDOS PELOS DA PROVA DE 2011. Liberdade de manifestação Distribuir notícias e informações pelo mundo é uma grande responsabilidade que deve ser assumida não só pelas empresas jornalísticas, mas também pelos governantes, eleitos pelos maiores interessados que são os leitores. Claro que isso nos países democráticos que pregam a liberdade de expressão. A imprensa, desde que foi criada, assume o controle das informações. Há agências de notícias internacionais de onde vêm vídeos, textos, fotografias que depois são aproveitadas pelos mais diversos meios de comunicação como jornais, televisão, rádio, revistas etc. A distribuição dessa informação global é tão limitada que é só rodar os canais de televisão nos horários de jornal e perceber que as notícias são exatamente as mesmas, como se o mundo todo fosse noticiado por um único repórter. Basta pensar um pouco para chegar à conclusão de que há interesses que escolhem as notícias que poderão ser transmitidas naquele dia, naquela semana e naquele mês. Quem já não ouviu falar que uma notícia mal dada pode fazer despencar a bolsa de valores? Hoje em dia, o leitor tem outras alternativas para receber informação do mundo todo. Notícias inclusive de pouca importância para as bolsas de valores, mas de interesse geral para a humanidade. Notícias que não dão audiência também podem ser importantes para a vida do leitor. Basta ter um computador ligado na internet para entrar em contato com internautas do mundo todo que podem transmitir informações das partes mais distantes do planeta. Muitas manifestações políticas foram organizadas pela internet mesmo em países de pouca liberdade de imprensa. Os governantes precisam garantir a liberdade de expressão e a liberdade do leitor equipando escolas públicas, bibliotecas, associação de amigos dos bairros mais afastados e comunidades carentes de modo geral com computadores ligados a internet. Assim as pessoas poderão ter mais acesso a informações mais variadas sobre os acontecimentos no mundo.

21


REDAÇÃO COMENTADA Liberdade de manifestação Distribuir notícias e informações pelo mundo é uma grande responsabilidade que deve ser assumida não só pelas empresas jornalísticas, mas também pelos governantes, eleitos pelos maiores interessados que são os leitores. Claro que isso nos países democráticos que pregam a liberdade de expressão. O primeiro parágrafo anuncia o tema e registra o posicionamento do autor, além de determinar o ambiente dentro do qual se dará a argumentação. Bom início, apesar da linguagem truncada.

A imprensa, desde que foi criada, Agências de notícias internacionais: assume o controle das informações. são empresas que enviam notícias aos mais Há agências de notícias internacionais variados jornais do mundo. As mais imporde onde vêm vídeos, textos, fotogratantes já possuem um século e meio de existência e dentre elas, as mais destacadas são fias que depois são aproveitadas pelos a Reuters, inglesa fundada em 1851, a franmais diversos meios de comunicação cesa AFP-Agence France-Presse, fundada como jornais, televisão, rádio, revisem 1849, e a italiana Stefani, fundada em tas etc. A distribuição dessa informa1853. Já em 1958 surgiu a estadunidense United Press. No Brasil, a mais antiga é a ção global é tão limitada que é só roD.A. Press, fundada em 1931 por Assis dar os canais de televisão nos horários Chateaubriand. Muito atuantes em nosso de jornal e perceber que as notícias jornalismo também são as mais novas são exatamente as mesmas, como se o Agência Estado, de 1970, e Agência Brasil, do início da década de 1990. mundo todo fosse noticiado por um único repórter. Basta pensar um pouco para chegar à conclusão de que há interesses que escolhem as notícias que poderão ser transmitidas naquele dia, naquela semana e naquele mês. Quem já não ouviu falar que uma notícia mal dada pode fazer despencar a bolsa de valores? O segundo parágrafo desenvolve um interessante argumento para sustentar o ponto de vista. Se as agências de notícias são as principais responsáveis pela distribuição das informações, todos corremos o risco de receber um mundo parcial pelos veículos de informação que estiverem em nossas mãos. Tal argumento vai embasar a tese consolidada no último parágrafo de modo coerente, como veremos.

22


Hoje em dia, o leitor tem outras alternativas para receber informação do mundo todo. Notícias inclusive de pouca importância para as bolsas de valores, mas de interesse geral para a humanidade. Notícias que não dão audiência também podem ser importantes para a vida do leitor. Basta ter um computador ligado na internet para entrar em contato com internautas do mundo todo que podem transmitir informações das partes mais distantes do planeta. Muitas manifestações políticas foram organizadas pela internet mesmo em países de pouca liberdade de imprensa. O autor desenvolveu mais um parágrafo argumentativo, apresentando ao leitor outro viés para o debate. Demonstrou atualização ao mencionar a internet e as transformações geradas no mundo virtual. Não só expôs a ideia de que, pela internet, o cidadão comum passa a ser também um divulgador de notícias como também lembrou seus leitores das manifestações recentes, no chamado Mundo Árabe, organizadas dessa forma mais independente por internautas daquela região e depois do mundo todo.

Os governantes precisam garantir a liberdade de expressão e a liberdade do leitor equipando escolas públicas, bibliotecas, associação de amigos dos bairros mais afastados e comunidades carentes de modo geral com computadores ligados a internet. Assim as pessoas poderão ter mais acesso a informações mais variadas sobre os acontecimentos no mundo. O desfecho foi utilizado não só para concluir o raciocínio argumentativo proposto no início do texto, mas também para contemplar a tradicional solicitação do ENEM de “proposta de ação social”. Evocou o Poder Público a expandir o “acesso a informações mais variadas” inclusive às “comunidades carentes”. Usou uma aproximação de palavras bastante expressiva que parece ter consolidado muito bem, ao nosso ver, o ponto de vista assumido nos parágrafos anteriores: “Os governantes precisam garantir a liberdade de expressão e a liberdade do leitor.”. Não basta garantir a liberdade de expressão da imprensa, é preciso garantir também a liberdade de escolha dos leitores.

23


ESTUDO DO PARÁGRAFO O parágrafo argumentativo II A argumentação não segue sempre a mesma estratégia. Ela depende do tema, da abordagem, do estilo e da inventividade do autor. Leia mais uma vez um trecho do 2º parágrafo, reproduzido a seguir:

A distribuição dessa informação global é tão limitada que é só rodar os canais de televisão nos horários de jornal e perceber que as notícias são exatamente as mesmas, como se o mundo todo fosse noticiado por um único repórter. Basta pensar um pouco para chegar à conclusão de que há interesses que escolhem as notícias que poderão ser transmitidas naquele dia, naquela semana e naquele mês. Quem já não ouviu falar que uma notícia mal dada pode fazer despencar a bolsa de valores? Como vimos, o segundo parágrafo é bastante insinuativo e tenta convencer o leitor pela exposição do raciocínio lógico: se os canais televisivos apresentam as mesmas notícias, elas foram fornecidas por um único local que, muito provavelmen฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ É uma boa estratégia, ainda que a expressão “basta pensar um pouco” possa soar um tanto agressiva. O autor poderia ter usado um tom mais amistoso. Do mesmo modo, poderia atenuar a afirmação [...] há interesses que escolhem as notícias. Para o “jogo argumentativo” é melhor manter o discurso mais distante possível da imposição. Observe esta nova redação para as mesmas afirmações: É possível con-

cluir que os interesses das agências de notícias talvez interfiram no processo de escolha das notícias transmitidas naquele dia, naquela semana e naquele mês.

A COMUNICAÇÃO ESCRITA: DICAS PARA UM BOM TEXTO DISSERTATIVO Revisão É preciso evitar a repetição desnecessária de palavras e de ideias. As repetições costumam truncar o texto e dificultar sua fluidez. Leia mais uma vez o primeiro parágrafo da redação intitulada Liberdade de manifestação:

24


Distribuir notícias e informações pelo mundo é uma grande responsabilidade que deve ser assumida não só pelas empresas jornalísticas, mas também pelos governantes, eleitos pelos maiores interessados, que são os leitores. Claro que isso nos países democráticos que pregam a liberdade de expressão. Queísmo: a palavra “que” possui muitas funções na língua portuguesa e por isso, às vezes, exageramos ao construir um período. É preciso reler os parágrafos e tentar detectar todo tipo de repetição excessiva que tenha sido estabelecida sem qualquer intenção. Para garantir um ritmo de leitura mais adequado ao tipo de texto, seria possível cortar o uso do pronome “que” pela metade, reescrevendo o parágrafo do seguinte modo: Distribuir notícias e informações pelo mundo é uma grande responsabilidade que deve ser assumida não só pelas empresas jornalísticas, mas também pelos governantes, eleitos pelos maiores interessados, os leitores. Claro, isso nos países democráticos que pregam a liberdade de expressão.

Vocabulário Muitas vezes, com intenção de produzir ênfase para um pensamento, o autor utiliza palavras bastante sonoras e aparentemente densas, mas que estão distantes da objetividade e da clareza necessárias a uma boa dissertação. O contexto auxilia o leitor em alguns casos, mas o sentido do verbo “pregar” não foi totalmente resolvido pelo contexto, no primeiro parágrafo — Claro que isso nos países democráticos que pregam a liberdade de expressão. Ficou claro que não se trata de colocar pregos, mas, se considerássemos o outro sentido de “pregar”, entraríamos no campo religioso — o de fazer pregação — quando a intenção mais provável era a de selecionar situações que qualificassem as considerações anteriores. Algo como: não estou falando de todos os países, mas, dentre os democráticos, daqueles que por força de lei garantem a liberdade de expressão. Para chegar às intenções ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ do, dada, muitas vezes, pela natural ampliação semântica a que estão sujeitas certas palavras, dentro do universo oral. Não é uma boa estratégia, contudo, em textos dissertativos, exigir do leitor malabarismos interpretativos para a compreensão. Outra situação que pode ser evitada pelo uso adequado do vocabulário, no momento da revisão é a do ruído ou do eco que se produz quando o autor utiliza palavras que possuem a mesma sonoridade, em situações muito próximas. Veja o trecho: [...] mas também pelos governantes, eleitos pelos maiores interessados, que são os leitores. Note como as palavras “eleitos” e “leitores” geram desconforto. O problema não está na adequação de sentido — os usos estão corretos, do ponto de vista semântico —, mas na repetição. Substituir ou simplesmente suprimir um vocábulo pode facilitar a recepção do texto: [...] mas também pelos gover-

nantes dos maiores interessados, os leitores.

25


PENSE BEM

© SÔNIA MAGALHÃES

Leia mais uma vez o desfecho da redação intitulada “Liberdade de manifestação” : “Os governantes precisam garantir a liberdade de expressão e a liberdade do leitor equipando escolas públicas, bibliotecas, associação de amigos dos bairros mais afastados e comunidades carentes de modo geral com computadores ligados a internet. Assim as pessoas poderão ter mais acesso a informações mais variadas sobre os acontecimentos no mundo". Agora, reflita a partir dos seguintes questionamentos: Como você se relaciona com a mídia? Você a utiliza apenas para saber o que se passa no mundo ou chega a questioná-la em suas posturas opinativas? Você costuma ler jornais e revistas para se informar? Faz opção pela internet? Frequenta sites vinculados à imprensa? Como você vê o posicionamento de sua geração em relação aos jornais e demais fontes informativas? A maior parte vai ao encontro da notícia ou prefere que ela já chegue selecionada? É possível observar, em sua geração, o costume de ler jornais e revistas ou a informação se dá apenas por meio televisivo? Você costuma confrontar o modo como diferentes veículos de informação transmitem a mesma notícia? Você acredita que a seleção e divulgação das notícias podem controlar o desenvolvimento de opiniões, pensamentos e teses de toda uma geração?

26


RADAR 1. CINEMA

฀ Cidadão Kane (Citizen Kane). Direção de Orson Welles. EUA: Mercury © REPRODUÇÃO

Productions, 1941. (119 min).

Uma das maiores referências da história do cinema norte-americano, Cidadão Kane (Citizen Kane) explora a condição do homem que cresce economicamente à custa do monopólio da informação. Em uma abordagem singular do mestre da luz e sombra que foi Orson Welles, o poder e a corrupção dão as cartas do jogo dentro de uma das maiores sagas sobre o “quarto poder”, registradas pelo cinema.

฀ A montanha dos sete abutres (Ace in the hole). Direção de Billy Wilder. EUA: Paramount Pictures, 1951. (111 min).

“Conheço os jornais como a palma da minha mão. Eu os posso escrever, editar, imprimir, empacotar e vender. Eu trabalho com pequenas notícias e grandes notícias e se não houver notícias, vou à rua e mordo um cão”. Essas são falas do protagonista de A montanha dos sete abutres (Ace in the Hole), logo no início do filme, em seu pedido de emprego ao dono de um pequeno jornal da cidade de Albuquerque, no Novo México. Considerado por muitos especialistas, verdadeira aula de jornalismo, o filme de Billy Wilder contrapõe jornalista e jornalismo em um enredo que, de fato, perspassa uma série de situações do meio: a liberdade de expressão, o sensacionalismo, a censura, o reconhecimento (e a falta de reconhecimento) etc. Muito adequado ao tema tratado pelo ENEM 2004.

2. INTERNET Neste capítulo, dedicado à liberdade de expressão, propomos dois sites ligados diretamente ao texto lido e estudado. Listamos a seguir os endereços das agências de notícias Agência Brasil e Reuters em sua versão brasileira. As agências de notícias como vimos durante a análise, funcionam como fornecedoras de informações que são, depois, reproduzidas por boa parte dos veículos de comunicação que circulam em variados formatos: jornais, revistas, telejornais e, também, em outros sites.

27


O portal da Agência Brasil é bastante completo e provoca o leitor à participação. Oferece, inclusive, ouvidoria e vasto arquivo de notícias organizado em calendário dos últimos dez anos. Nada mal para quem está em busca de informação, não é?

฀ Agência Brasil – <http://agenciabrasil.ebc.com.br/> ฀ Reuters – <http://br.reuters.com/> 3. LITERATURA

฀ ORWELL,

George. Dentro da baleia e outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

George Orwell, escritor que inscreveu seu nome na história da literatura inglesa com as obras 1984 e A revolução dos bichos, era também jornalista e escreveu muitos ensaios, crônicas e artigos opinativos durante as décadas de 1930 e 1940. Em Dentro da baleia e outros ensaios, o leitor brasileiro tem a oportunidade de entrar em contato com o ácido e contundente observador da cultura britânica da primeira metade do século XX. Orwell militava contra todo e qualquer tipo de totalitarismo e sempre posicionava-se ao lado dos mais pobres em suas análises sociais. Não deixe de ler!

4. LEITURA

฀ ROSSI, Clovis. O que é jornalismo. São Paulo: Editora Brasiliense, 1995. Em obra pensada para a consagrada série Primeiros passos, da editora Brasiliense, o jornalista Clovis Rossi desenvolve um questionamento significativo acerca da liberdade de imprensa no Brasil, que vai muito além dos conceitos básicos que definem o jornalismo. Obra para iniciantes escrita por quem já construiu uma carreira com mais de 40 anos, tendo atuado nos jornais O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo e Jornal do Brasil.

฀ DINES, Alberto et al. A imprensa em questão. São Paulo: Editora Unicamp, 1997.

Ao lado de Carlos Vogt e de José Marques de Melo, o renomado jornalista responsável pelo Observatório da Imprensa, Alberto Dines, abordou o jornalismo sob variados aspectos, em um seminário de mesmo nome — A imprensa em questão — realizado pelo Laboratório de Estudos Avançados da Faculdade de Jornalismo da Unicamp, realizado em 1996. O livro é o registro das falas e dos debates que se seguiram. Excelente oportunidade para entrar no ambiente da profissão de modo mais acadêmico.

28


PRATICANDO PROPOSTA 1 O primeiro parágrafo da redação analisada foi considerado eficiente como apresentação, pois ofereceu elementos importantes para um texto dissertativo — tema, posicionamento crítico, contexto —, apesar de ter demonstrado alguma fragilidade em sua linguagem. Procure reescrevê-lo de modo mais adequado, com base nas considerações que foram feitas ao longo do capítulo.

PROPOSTA 2 O “queísmo”, analisado na seção A Comunicação Escrita... parece não ter sido exclusividade do primeiro parágrafo. Leia a redação mais uma vez e reescreva os trechos em que você o detectou. Faça o mesmo com as demais repetições que encontrar, durante sua leitura.

___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________

29


___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ _________________________________________________________________

30


___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ _________________________________________________________________

31


MÁXIMAS GRAMATIQUICES Quando você se vê diante de uma proposta de produção de texto, qual é sua maior preocupação: o que dizer ou como dizer? São dois desafios complexos para todo escritor, seja ele profissional ou aprendiz. estruturas sintáticas e escolhas lexicais mais próximas do uso cotidianoou o formalismo da linguagem livresca, acessível apenas a alguns usuários da língua?

A língua falada no papel MARCOS BAGNO

Nossa tradição escolar, baseada em concepções de linguagem arcaicas, sempre tratou de fazer uma separação rígida entre língua falada e língua escrita: só a língua escrita ou, mais restritamente ainda, só a língua escrita literária merecia ser estudada, analisada e codificada para, em seguida, se tornar objeto exclusivo de ensino. Com isso, a língua falada não só era deixada de lado como também considerada caótica, desregrada, imperfeita e ilógica. Uma das principais revoluções da ciência linguística moderna foi precisamente corrigir essa distorção milenar e colocar a língua falada no centro da investigação sobre a linguagem. As consequências negativas da supervalorização

Hoje em dia, muita gente usa sem distinção o verbo possuir. Em lugar do simples, prático e eficiente verbo ter, de uso essencial na língua, aparece a todo momento o verbo possuir, como se fosse sinônimo absoluto de ter e coubesse em todos os contextos.

da escrita e da depreciação da fala são muitas e profundas. Uma delas é a falácia de que todo e

duas opções possíveis, só deve figurar na escrita

qualquer texto escrito tem que ser rebuscado, re-

aquela que for a menos empregada na fala. Re-

cheado com palavras e construções pouco

sultado: usos que contrariam ao mesmo tempo a

usuais, de modo a ficar o mais distante possível

fluência natural da fala e as regras tradicional-

da “banalidade” da língua falada. Assim, entre

mente prescritas pelas gramáticas normativas

32


MÁXIMAS Hoje em dia, pelas mesmas razões, muita gente

Na paranoia de separar o certo do errado, a escrita da fala, nosso ensino de língua acaba gerando representações da língua totalmente errôneas que se manifestam em textos untuosos e mal articulados. Resultado: reprime-se a oralidade, que é de uma riqueza inesgotável, e ao mesmo tempo não se promove uma escrita fluente e agradável de ler.

usa sem distinção o verbo possuir. Em lugar do simples, prático e eficiente verbo ter, de uso essencial na língua, aparece a todo momento o verbo possuir ฀

ter e coubesse em todos os contextos. Assim, preenchendo um formulário encontrei: “Você possui filhos?”. Antes, quando eu acessava a caixa de mensagens do meu celular, a gravação dizia: “Você tem uma nova mensagem”. Agora, a voz mudou e a gravação diz: “Você possui uma nova mensagem”. Provas pedem ao candidato que assinale a opção que “possui a resposta certa”. Nos aeroportos se dá prioridade às pessoas que “possuam dificuldade de locomoção”. Na base de currículos do CNPq: “Fulano possui mestrado e doutorado”. Num documentário na televisão: “tal ave possui hábitos migratórios”, “cada ninho possui três ovos”, “só o macho possui canto”, entre outros quinze usos de possuir num programa de trinta minutos... É que além de substituir indevidamen-

para a língua escrita, devido ao conhecimento

te o verbo ter, o possuir também serve de curinga,

superficial dessas formas menos habituais e a

ocupando num mesmo texto o lugar de outros

seu uso exagerado.

verbos, mais adequados. Tal repetição revela a

Um bom exemplo é o pronome o qual. Raríssimo

pouca destreza do escrevente no manejo da lín-

na fala espontânea, muita gente o emprega a tor-

gua escrita mais monitorada, culpa de um ensino

to e a direito na escrita porque lhe ensinaram que

que se prende a gramatiquices inúteis e não favo-

é preciso evitar a repetição do que. Aparecem, en-

rece o letramento.

tão, coisas como “um livro o qual nos ensina mui-

Na paranoia de separar o certo do errado, a escri-

to” ou “um país o qual visitei há pouco”. Também

ta da fala, nosso ensino de língua acaba gerando

frequente é o uso de o qual no masculino singular

e sem a preposição que deveria acompanhá-lo:

que se manifestam em textos untuosos e mal ar-

“uma cidade o qual temos filial”, como me escre-

ticulados. Resultado: reprime-se a oralidade, que

veram certa vez. A presença de o qual várias vezes

é de uma riqueza inesgotável, e ao mesmo tem-

na mesma página é indício seguro de um texto

po não se promove uma escrita fluente e agradá-

com problemas.

vel de ler.

33


2

O TRABALHO INFANTIL EM NOVOS TEMPOS


conecte-se Trabalho infantil continua em queda, mas ainda há mais de 4 milhões de pequenos trabalhadores O número de crianças e adolescentes que trabalham no país vem caindo nos últimos anos. Em 2009, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), havia 4,2 milhões de trabalhadores brasileiros com idade entre 5 e 17 anos, o que significa nível de ocupação de 9,8% do total das pessoas na faixa etária. Em 2008, esse número era de 4,4 milhões (10,2% do total). Segundo dados históricos da Pnad, desde 1995, o percentual de crianças ocupadas entre 5 a 9 anos caiu de 3,2% para 0,8% do total. Já entre os trabalhadores de 10 a 14 anos, o percentual despencou de 18,7% para 6,9%. Dos adolescentes de 15 a 17 anos, a média caiu de 44% para 27,4%. Mesmo com a redução em ritmo acelerado, o país ainda contabilizava, no último ano, 123 mil crianças de 5 a 9 anos trabalhando – sendo 69% delas do sexo masculino. Entre 10 e 13 anos, esse número é de 785 mil, enquanto 3,3 milhões de trabalhadores tinham entre 14 e 17 anos. Regiões A Pnad mostra que há uma diferença considerável entre as regiões no que diz respeito ao trabalho infantil. O Nordeste concentrava 437 mil dos 908 mil trabalhadores entre 5 e 13 anos (48% do total). Já o Sudeste, com uma população 60% maior, tinha 182 mil. Apesar da liderança, o Nordeste foi a região que apresentou maior redução entre 2008 e 2009 nessa faixa etária, com a erradicação de 98 mil postos de trabalho infantil. Os números da Pnad revelam ainda que os trabalhadores menores de 18 anos

35


mantinham uma jornada de trabalho média de 26,3 horas semanais, com taxa de escolarização de 82,4%. A média de rendimento das crianças e adolescentes trabalhadores era de R$ 278 e 30% deles não recebiam nenhuma contrapartida pelo trabalho oferecido. “A população ocupada de 5 a 13 anos de idade estava mais concentrada em pequenos empreendimentos familiares, sobretudo em atividade agrícola (57,5%). Aproximadamente 70,8% estava alocada em trabalho sem contrapartida de remuneração (não remunerados e trabalhadores para o próprio consumo ou na construção para o próprio uso)”, informa o texto-base da pesquisa. MADEIRO, Carlos. Trabalho infantil continua em queda, mas ainda há mais de 4 milhões de pequenos trabalhadores. Uol Notícias. Disponível em: <http://noticias.uol.com.br/especiais/ pnad/2010/ultimas-noticias/2010/09/08/trabalho-infantil-continua-em-queda-mas-ainda-ha-mais-de-4-milhoes-de-pequenos-trabalhadores.jhtm>. Acesso em: 3 maio 2012.

ANOTAÇÕES ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________

36


O trabalho infantil na realidade brasileira

© SÔNIA MAGALHÃES

No século XXI, o Brasil tem experimentado novos e mais positivos números em muitos aspectos ligados a temas sociais, e setores antes mais afastados dos debates populares ganharam espaço na mídia. Em 2005, a prova de redação do ENEM solicitou um posicionamento do jovem estudante acerca do trabalho infantil, um dos temas instigantes desses tempos em que o nosso país anuncia consi฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ Logo no início da proposta, o estudante foi apresentado a um gráfico de números gritantes: passam de 5 milhões as crianças trabalhadoras no Brasil. Concentram-se no Nordeste e no Sudeste, mas são registradas em todas as regiões do país, segundo dados do IBGE que mapeou crianças dos 5 aos 17 anos de idade. O tema “O trabalho infantil na realidade brasileira” foi bastante provocado nos textos verbais que se seguiram. O primeiro, trecho de artigo publicado no Diário de Natal, assinado pelo procurador regional do trabalho no Rio Grande do Norte, ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ perspectiva que vê na falta de “conteúdo ético” do sistema capitalista contemporâneo o principal responsável por situações de exclusão. O segundo artigo, assinado pelo sociólogo Joel Marin, professor da Universidade Federal de Goiás, investigava o caráter “moralizador e disciplinador do trabalho”, contraponto, na visão das famílias muito pobres, à natural marginalização de seus filhos. Um último texto motivador foi apresentado pela proposta e se unia ao gráfico da abertura, ampliando o setor mais informativo da prova. Tratava-se da reprodução do 4º artigo do Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei no 8.069, de 13 de Julho de 1990), que diz respeito aos direitos amplos das crianças (vida, saúde, educação, alimentação, esporte, lazer etc.). Conforme instruções explícitas, o estudante deveria desenvolver uma dissertação de, no mínimo, 15 linhas, escrita na modalidade padrão da língua portuguesa.

37


REDAÇÃO DO ENEM PROPOSTA DE REDAÇÃO Leia com atenção os seguintes textos:

"A crueldade do trabalho infantil é um pecado social grave em nosso País. A dignidade de milhões de crianças brasileiras está sendo roubada diante do desrespeito aos direitos humanos fundamentais que não lhes são reconhecidos: por culpa do poder público, quando não atua de forma prioritária e efetiva, e por culpa da família e da sociedade, quando se omitem diante do problema ou quando simplesmente o ignoram em decorrência da postura individualista que caracteriza os regimes sociais e políticos do capitalismo contemporâneo, sem pátria e sem conteúdo ético."

"Submetidas aos constrangimentos da miséria e da falta de alternativas de integração social, as famílias optam por preservar a integridade moral do filhos, incutindo-lhes valores, tais como a dignidade, a honestidade e a honra do trabalhador. Há um investimento no caráter moralizador e disciplinador do trabalho, como tentativa de evitar que os filhos se incorporem aos grupos de jovens marginais e delinquentes, ameaça que parece estar cada vez mais próxima das portas das casas."

Xisto T. de Medeiros Neto. A crueldade do trabalho infantil. Diário de Natal. 21 out. 2000.

Joel B. Marin. O trabalho infantil na agricultura moderna. Disponível em: < www. proec.ufg.br>.

“Artigo 4o – É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do Poder Público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária.” Com base nas ideias presentes nos textos acima, redija uma dissertação sobre o tema: O trabalho infantil na realidade brasileira. Ao desenvolver o tema proposto, procure utilizar os conhecimentos adquiridos e as reflexões feitas ao longo de sua formação. Selecione, organize e relacione argumentos, fatos e opiniões para defender seu ponto de vista e suas propostas, sem ferir os direitos humanos. OBSERVAÇÕES ฀ ฀ ฀ ฀ ฀

38

Seu texto deve ser escrito na modalidade padrão da língua portuguesa. O texto não deve ser escrito em forma de poema (versos) ou narração. O texto deve ter, no mínimo, 15 (quinze) linhas escritas. A redação deve ser desenvolvida na folha própria e apresentada a tinta. O rascunho pode ser feito na última folha deste Caderno.


CAMINHOS POSSÍVEIS

© SÔNIA MAGALHÃES

Uma boa dissertação leria com rigor a instrução “Com base nas ideias presentes nos textos acima, [...]” e, assim, aproveitaria todas as possibilidades abertas pela proposta, uma vez que os dois artigos opinativos, tanto o de Joel Marin como o de Xisto de Medeiros, ofereciam possibilidades distintas de problematização do tema e estavam a serviço da argumentação diversa e ponderada. Os outros dois textos apresentados pela proposta eram informativos e, desse modo, poderiam reforçar qualquer tipo de tese que se alinhasse à defesa dos direitos humanos, como era sugestão da prova. Além da utilização das ideias apresentadas em textos ofertados na própria prova, as propostas de redação no ENEM costumam solicitar também o bom aproveitamento dos conteúdos estudados durante os períodos de formação. Assim, obras literárias que apresentaram crianças desviadas do que se idealiza como seus papéis sociais poderiam servir de excelente ilustração argumentativa. Do mesmo modo, filmes bem recebidos pela crítica especializada poderiam também servir à argumentação (veja alguns bons exemplos em nossa seção Radar).

39


Lendo com cuidado a proposta, não era difícil notar uma ligação direta entre o texto do procurador Xisto de Medeiros e o artigo 4º do Estatuto da Criança e do Adolescente, situação que poderia ser também utilizada como estratégia pelo próprio estudante. Vejamos: enquanto o artigo 4º do Estatuto da Criança e do Adolescente afirma que “é dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do Poder Público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos à vida, à saúde [...]”, o texto de Xisto de Medeiros acusa justamente a sociedade e a família de omissão “em decorrência de postura individualista que caracterizam os regimes sociais e políticos do sistema capitalista contemporâneo”. Trata-se de uma evidente problematização do tema. Assim, mesmo os dados do IBGE poderiam ser questionados pelo estudante que demonstrasse sensibilidade suficiente para tratar em seu texto das crianças que se espalham pelos semáforos das grandes e médias cidades do país, em busca de sobrevivência e que, talvez, escapem às estatísticas oficiais.

ANOTAÇÕES ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________

40


REDAÇÃO FAÇAMOS A LEITURA E ANÁLISE DA REDAÇÃO DE UMA ESTUDANTE DE ENSINO MÉDIO QUE, A NOSSO CONVITE, DESENVOLVEU UMA REDAÇÃO COM BASE NA PROPOSTA DO ENEM 2005. Trabalho infantil: um ciclo Quando se pensa na questão do trabalho infantil, a reação é quase sempre a mesma: pena, estranhamento e, às vezes, um pouco de culpa. Parece impossível que ainda existam crianças trabalhando, em condições análogas às do início da revolução industrial. De fato, é algo repulsivo, mas deve ser encarado como um problema real para ser resolvido. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), há mais de 5 mil crianças e jovens, entre 5 e 17 anos, trabalhando no Brasil. É um número assustador, pois equivale a 5 mil crianças fora da escola, cujos pais não conseguem sustentar a família, cujas refeições são ralas e cujas perspectivas de vida são curtas e pobres de possibilidades. O que está em questão é um ciclo vicioso: as crianças veem-se obrigadas a trabalhar, em geral, por falta de recursos; largam a escola e ingressam no mundo adulto com chances microscópicas de entrar no mercado de trabalho. Estes então adultos têm filhos, que são empurrados para o trabalho, e assim sucessivamente. Essas crianças muitas vezes recebem incentivos da família para trabalhar “Submetidas aos constrangimentos da miséria e da falta de alternativas de integração social, as famílias optam por preservar a integridade moral dos filhos, incutindo-lhes valores, tais como a dignidade, a honestidade e a honra de trabalhador”, diz Joel B. Marin, historiador. Ora, as famílias preferem que os filhos trabalhem honrosamente do que unam-se a delinquentes. Por outro lado, segundo o jornalista Xisto de Medeiros, “a dignidade de milhões de crianças brasileiras está sendo roubada diante do desrespeito aos direitos humanos fundamentais que não lhes são reconhecidos [...]”. Pais e filhos acreditam que o trabalho é a melhor opção: é um valor enraizado nessas famílias. Mas, então, como romper este ciclo? A melhor solução seria cortar o mal pela raiz, investindo na educação pública, do ensino fundamental ao médio, já que as universidades públicas formam bem. Deve-se desenvolver políticas de incentivo à permanência na escola, escolher cuidadosamente o corpo docente, cuidar dos detalhes importantes como a constância das merendas, tudo para evitar o êxodo escolar. Mas isso não é tudo. Deve-se dar atenção à família como um todo, focando em cada integrante e em todos, para romper cada parte do ciclo. Medidas como o “Bolsa Família” são um bom primeiro passo para iniciar programas como o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI), que atua com base na transferência direta na renda, em serviços de convivência de crianças e no acompanhamento familiar, corroendo literalmente cada fase do processo que tem como consequência o trabalho infantil.

41


REDAÇÃO COMENTADA Trabalho infantil: um ciclo O título foi habilmente extraído da própria redação, como se verá. É uma boa opção não só para quem tem dificuldade de nomear os próprios textos, mas também para quem está em busca de coesão. * Note como o uso da conjunção adversativa (“mas”) ajuda a problematizar o tema. Uma coisa é sentir repulsa pela situação dada. Outra é entendê-la como um “problema real” que deve ser resolvido. Para introduzir o último parágrafo, voltará a usar justamente a conjunção “mas” e deixará ainda mais nítida e coerente sua estratégia.

Quando se pensa na questão do trabalho infantil, a reação é quase sempre a mesma: pena, estranhamento e, às vezes, um pouco de culpa. Parece impossível que ainda existam crianças trabalhando, em condições análogas às do início da revolução industrial. De fato, é algo repulsivo, mas* deve ser encarado como um problema real para ser resolvido.

O primeiro parágrafo apresenta o tema e a maneira como esse tema se generalizou no senso comum. É justamente esse o ponto utilizado pela autora para problematizá-lo. Trata-se de um tema que, de modo geral, é abordado pelo aspecto emotivo. A autora não afasta essa leitura, contudo, anuncia-o como “um problema real para ser resolvido”. Em outras palavras, nos apiedarmos ou apresentarmos nossa repulsa à situação não será de grande valia para a resolução da situação. Além disso, é possível ler nesse início de texto uma importante referência histórica a qualquer tema ligado ao trabalho: a Revolução Industrial. A autora demonstra assim o bom aproveitamento do que as instruções da prova chamam de “formação”.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e ** É um bom procedimento para Estatística (IBGE)**, há mais de 5 mil*** crianças e o texto dissertativo apresentar o significado de uma sigla quanjovens, entre 5 e 17 anos, trabalhando no Brasil. É do é citada pela primeira vez. um número assustador, pois equivale a 5 mil crianAlém de elegância, a autora deças fora da escola, cujos pais não conseguem susmonstrou conhecimento à bantentar a família, cujas refeições são ralas e cujas ca examinadora. perspectivas de vida são curtas e pobres de possibilidades. O que está em questão é um ciclo vicioso: as crianças veem-se obrigadas a trabalhar, em geral, por falta de recursos; largam a escola e ingressam no mundo adulto com chances microscópicas

42


de entrar no mercado de trabalho. Estes então adultos têm filhos, que são empurrados para o trabalho, e assim sucessivamente.

*** Para transferir dados estatísticos de um texto a outro, todo cuidado parece ser pouco. Ainda que 5 mil seja um número expressivo, o IBGE registra mais de 5 milhões de crianças e jovens trabalhando no Brasil, o que modifica muito o tamanho do problema.

Essas crianças muitas vezes recebem incentivos da família para trabalhar “Submetidas aos constrangimentos da miséria e da falta de alternativas de integração social, as famílias optam por preservar a integridade moral dos filhos, incutindo-lhes valores, tais como a dignidade, a honestidade e a honra de trabalhador”, diz Joel B. Marin, historiador. Ora, as famílias preferem que os filhos trabalhem honrosamente do que unam-se a delinquentes. Por outro lado, segundo o jornalista**** Xisto de Medeiros, “a dignidade de milhões de crianças brasileiras está sendo roubada diante do desrespeito aos direitos humanos fundamentais que não lhes são reconhecidos [...]”. Pais e filhos acreditam que o trabalho é a melhor opção: é um valor enraizado nessas famílias. Nesses dois parágrafos intermediários lemos o desenvolvimento da dissertação. A autora fez uma opção segura e procurou valer-se dos textos apresentados pela proposta. Depois de ter mencionado os dados do IBGE, citou os dois autores dos textos opinativos. Reforçou, dessa forma, seu posicionamento, associando-se à tendência da própria prova.

**** É, de fato, importante qualificar as personalidades citadas na redação. Contudo, é melhor fazê-lo apenas quando se tem certeza dessas qualificações. Joel Marin é um sociólogo e Xisto de Medeiros é mestre em Direito, procurador regional do trabalho, além de atuar como jurista no Ministério Público do Trabalho. Sobre citação, aliás, leia nossa seção Pense Bem e fique por dentro do assunto.

Mas, então, como romper este ciclo? A melhor solução seria cortar o mal pela raiz, investindo na educação pública, do ensino fundamental ao médio, já que as universidades públicas formam bem. Devem-se desenvolver políticas de incentivo à permanência na escola, escolher cuidadosamente o corpo docente, cuidar dos detalhes importantes como a constância das merendas, tudo para evitar o êxodo escolar. Mas isso não é tudo. Deve-se dar atenção à família como um todo, focando em cada integrante e em todos, para romper cada parte do ciclo. Medidas como o “Bolsa Família” são um bom primeiro passo para iniciar programas como o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI), que atua com base na transfe-

43


1

COMO OS NÚMEROS SE COMPORTAM NO CONTEXTO SOCIAL

conecte-se Em todos os lugares, os números estão à nossa volta. Nas ruas, no comércio, no trabalho, na mídia, vemos tabelas, gráficos e lidamos com números cotidianamente. Há profissionais que trabalham com situações numéricas mais complexas, como os economistas, os estatísticos e até os chefes de cozinha – imagine o que aconteceria se um prato extremamente especial e requintado fosse preparado com quantidades erradas de ingredientes.

sal 1 colher sopa

2 s o ov em fer mento 1/2 colher sopa

açúcar 2 xíc

gordura 1/2 xíc

leite

bicarbonato 1 de sódio colher sopa

3/4 xíc chocolate amargo

derretido 1 xíc

es nd a gr

baunilha 1 colher sopa

far inha 2 xíc

água 3/4 xíc

Outras profissões não exigem diretamente o uso dos números, mas sabemos que sempre estamos ligados a eles. Os números nos rodeiam e estão associados ao ato mais simples realizado, há milênios, pelo homem: a contagem.

14


OBJETIVOS

Nesta etapa você vai estudar os diferentes significados e representações dos números e das operações, reconhecendo-os no contexto social. Os conhecimentos numéricos permitirão que as situações-problema sejam resolvidas mais claramente, auxiliando na identificação dos princípios de contagem e dos padrões existentes em diversas questões cotidianas que envolvem operações numéricas.

Contar significa associar elementos a símbolos e, por meio deles, expressar a própria contagem. Para que isso ficasse mais fácil, ao longo da história da humanidade criamos símbolos que representam os números (as quantidades). Nós usamos esses símbolos quando queremos expressar tais quantidades. É claro que, para isso, precisamos de vários símbolos ou então combinar alguns deles num sistema de numeração, permitindo que assumam valores posicionais diferentes. Às vezes, representamos com símbolos quantidades que não são inteiras (pedaços de bolo, porcentagens de pesquisa) e valores que não são positivos (temperaturas abaixo de zero, datas anteriores à era cristã). Isso tudo faz parte do universo numérico e do nosso cotidiano. Por isso, é bom lembrar que a ideia dos números, bem como seus símbolos e sistemas de numeração, foi elaborada para ajudar as pessoas a entenderem a realidade.

DESAFIO Os números estão presentes em muitas situações do nosso dia a dia, como nos códigos de barras dos produtos que compramos, por exemplo.

A questão é: o que significam os números de um código de barras? Como esse código é composto?

15


QUESTÃO DO ENEM Leia a seguir uma questão da prova cancelada do ENEM 2009 abordando nosso calendário. Escolha uma alternativa e justifique sua resposta. No calendário utilizado atualmente, os anos são numerados em uma escala sem o zero, isto é, não existe o ano zero. A era cristã se inicia no ano 1 depois de Cristo (d.C.) e designa-se o ano anterior a esse como ano 1 antes de Cristo (a.C.). Por essa razão o primeiro século ou intervalo de 100 anos da era cristã terminou no dia 31 de dezembro do ano 100 d.C., quando haviam decorrido os primeiros 100 anos após o início da era. O século II começou no dia primeiro de janeiro do ano 101 d.C., e assim sucessivamente. Como não existe o ano zero, o intervalo entre os anos 50 a.C. e 50 d.C., por exemplo, é de 100 anos. Outra forma de representar anos é utilizando-se números inteiros, como fazem os astrônomos. Para eles, o ano 1 a.C. corresponde ao ano 0, o ano 2 a.C. ao ano -1, e assim sucessivamente. Os anos depois de Cristo são representados pelos números inteiros positivos, fazendo corresponder o número 1 ao ano 1 d.C. Considerando o intervalo de 3 a.C. a 2 d.C., o quadro que relaciona as duas contagens descritas no texto é: A

Calendário Atual ฀

B

Calendário Atual ฀

C

Calendário Atual ฀

E

Calendário Atual ฀

D

Calendário Atual ฀

3 a.C.

2 a.C.

1 a.C.

1 d.C.

2 d.C.

-1

0

1

2

3

3 a.C.

2 a.C.

1 a.C.

1 d.C.

2 d.C.

-2

-1

0

1

2

3 a.C.

2 a.C.

1 a.C.

1 d.C.

2 d.C.

-2

-1

1

2

3

3 a.C.

2 a.C.

1 a.C.

1 d.C.

2 d.C.

-3

-2

-1

1

2

3 a.C.

2 a.C.

1 a.C.

1 d.C.

2 d.C.

-3

-2

-1

0

1

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

16


A alternativa correta é a letra B . Veja por quê: ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ –1 e assim por diante. Já em nosso calendário, como não há ano 0, passamos diretamente do ano 1 a.C. para o ano 1 d.C.

Sistema de numeração decimal Nosso ponto de partida é o sistema de numeração decimal adotado por boa parte das sociedades atuais, que utiliza 10 símbolos (0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9), respeitando uma contagem de 10 em 10 unidades. Cada símbolo pode ocupar uma posição diferente no número e, consequentemente, assumir um valor posicional distinto. Sendo assim, temos as posições básicas conhecidas como milhar (103), centena (102), dezena (101) e unidade (100). Os números formados segundo essa regra representam quantidades no sistema decimal. Na questão do ENEM, pudemos observar que os números são negativos quando representam datas anteriores ao marco da era cristã. Os números negativos surgiram da necessidade de representar valores inferiores a zero que, por vezes, estavam presentes em subtrações nas quais o primeiro valor era menor que o segundo. Por exemplo, 8 bananas – 10 bananas. Como resolver uma operação de subtração nessas condições? A primeira forma de agrupar os números deu origem ao conjunto dos números naturais (N). Nesse conjunto estão presentes todos os números positivos e o zero. O conjunto dos números inteiros (Z) contém todos os naturais e também os negativos (inteiros). Como da divisão entre números inteiros nem sempre resulta um número inteiro, chegamos aos números racionais (Q), os quais formam um conjunto que engloba todos os inteiros e também as frações e os decimais (escritos em forma fracionária com numerador inteiro e denominador inteiro e diferente de zero). O fato é que encontramos alguns decimais diferentes, que não admitem representação em forma fracionária: são os decimais não periódicos, chamados de números irracionais. Exemplo: 2 = 1,4142135… ou o número ! (3,1415926535…). O conjunto dos números reais (R) nada mais é do que a união dos números racionais e dos números irracionais.

N

Z

Q

R

N = números naturais Z = números inteiros Q = números racionais R = números reais

17


Esses não são os únicos grupos criados. Os números complexos, resultados inexistentes no conjunto dos reais, por exemplo, raiz quadrada de números negativos, ampliaram o universo dos conjuntos numéricos. Portanto, o conjunto dos números reais está contido no conjunto dos complexos.

RADAR Você conhece o jogo Matix? Pode-se fazer o download pelo site:

฀ <www.4shared.com/file/hrZW9vRu/MATIX.html>. Aproveite as horas de descanso para estimular seu raciocínio matemático, fazer cálculos mentais e encontrar estratégias de antecipação de situações. Divirta-se!

ANOTAÇÕES ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________

18


QUESTÃO DO ENEM A seguinte questão acerca de algumas particularidades dos números decimais fez parte da prova válida do ENEM 2009. A solução está associada aos números decimais e suas operações. Leia-a, responda qual alternativa considera correta e por quê. Uma pessoa decidiu depositar moedas de 1, 5, 10, 25 e 50 centavos em um cofre durante certo tempo. Todo dia da semana ela depositava uma única moeda, sempre nesta ordem: 1, 5, 10, 25, 50 e, novamente, 1, 5, 10, 25, 50 e assim sucessivamente. Se a primeira moeda foi depositada em uma segunda-feira, então essa pessoa conseguiu a quantia exata de R$ 95,05 após depositar a moeda de: A

1 centavo no 679o dia, que caiu numa segunda-feira.

B

5 centavos no 189o dia, que caiu numa quinta-feira.

C

10 centavos no 188o dia, que caiu numa quinta-feira.

D

25 centavos no 524o dia, que caiu num sábado.

E

50 centavos no 535o dia, que caiu numa quinta-feira.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

19


A alternativa correta é a letra D . Veja por quê: Para solucionar essa questão, é preciso calcular a quantos dias de depósitos R$ 95,05 equivalem. Um caminho para isso é somar as contribuições para um ciclo, ou seja, 1, 5, 10, 25 e 50 centavos, e depois dividir R$ 95,05 pelo valor dessa soma. O quociente dessa divisão, 104, será o número de vezes que o ciclo se repete. Como o resto da divisão (0,41) é a soma de quatro dias de um ciclo novo (1+5+10+25), sabemos exatamente a quantidade de dias de contribuição e que 25 centavos foi o valor da última contribuição. Para saber o número de dias corridos, basta multiplicar o quociente da divisão (104) por 5 (número de dias do ciclo), depois somar os quatro dias equivalentes ao resto da divisão. Dessa forma, chegamos também ao número de 524 dias, conforme aponta a alternativa correta.

Operações com números racionais Às vezes, as operações com números decimais (também conhecidos como racionais) nos pregam peças. Para não correr o risco de errar ao fazer esse tipo de operação, precisamos nos orientar pela vírgula que divide o racional em uma parte inteira e uma parte fracionária. Quando se tratam de valores monetários, sabemos que o centavo é uma divisão da moeda corrente por 100, isto é, 1 centavo equivale a 0,01 dessa moeda. Assim, nesse exercício temos: 1 centavo = 0,01 real 5 centavos = 0,05 real 10 centavos = 0,10 real 25 centavos = 0,25 real 50 centavos = 0,50 real É muito importante observar o valor da moeda e transformá-lo corretamente em uma notação decimal para que as operações necessárias à resolução do problema fiquem corretas. No caso da divisão entre decimais, algumas regras devem ser consideradas e é fundamental interpretar corretamente os resultados obtidos após as operações. Observe que, nesse exercício, quando dividimos 95,05 (reais) por 0,91 (real) ou 91 centavos, obtemos 104 (grupos de 5 dias) como resultado e 41 centavos (ou 0,41 real) como resto. Isso porque 91 centavos é o valor depositado após uma sequência de 1, 5, 10, 25, 50 centavos. A adição e a subtração de decimais devem ser feitas sempre considerando as partes inteiras e as partes decimais (propriamente ditas) que estão separadas pela vírgula. Nesse caso, 0,01 + 0,50 (1 centavo + 50 centavos) resultam 0,51 (51 centavos). Embora isso pareça fácil, nem sempre é assim. Observe a subtração 0,68 – 0,2, por exemplo: 0,68 0,20 0,48

20


Para fazer essa subtração, preencha com zero a casa que não tem valor. Assim, você poderá realizar a operação com mais facilidade. Em seguida, não se esqueça de inserir a vírgula no resultado. Antes de efetuar uma operação, procure estimar seu resultado. Se você utilizar o cálculo por estimativas antes de realizar operações com decimais, dificilmente chegará a um resultado incorreto.

ANOTAÇÕES ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________

21


QUESTÃO DO ENEM Na prova do ENEM 2010, uma questão abordava a compra de materiais por uma escola. Leia-a, solucione e marque a alternativa correta. Uma escola recebeu do governo uma verba de R$ 1.000,00 para enviar dois tipos de folhetos pelo correio. O diretor da escola pesquisou que tipos de selos deveriam ser utilizados. Concluiu que, para o primeiro tipo de folheto, bastava um selo de R$ 0,65 enquanto, para folhetos do segundo tipo, seriam necessários 3 selos, um de R$ 0,65, um de R$ 0,60 e um de R$ 0,20. O diretor solicitou que comprassem selos de modo que fossem postados exatamente 500 folhetos do segundo tipo e uma quantidade restante de selos que permitisse o envio do máximo possível de folhetos do primeiro tipo. Quantos selos de R$ 0,65 foram comprados? A

476.

B

675.

C

923.

D

965.

E

1.538.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

22


A alternativa correta é a letra C . Veja por quê: Já que o custo dos selos para o folheto do segundo tipo é de R$ 1,45 (0,65 + 0,60 + 0,20) e o gasto total para 500 folhetos é de R$ 1,45 x 500 = R$ 725,00, sobraram R$ 275,00 (R$ 1.000,00 – R$ 725,00). Dessa maneira, dividimos a sobra de R$ 275,00 pelo valor do selo do primeiro folheto, obtendo 423 folhetos (275 ÷ 0,65 " 423). Não podemos esquecer de somar a quantidade de selos no valor de R$ 0,65: são 423 do primeiro tipo e 500 do segundo, que, somados, dão um total de 923 selos de R$ 0,65.

Divisão com números decimais O funcionário da escola que foi comprar os selos para o diretor postar os folhetos deve ter trazido consigo um troco de 5 centavos (ou 0,05 real), já que da operação de divisão não resultou um número inteiro. As operações combinadas entre os números são muito utilizadas em situações do dia a dia. Quando elas envolvem dinheiro, estamos lidando com números decimais. Por isso, vamos recordar a divisão com números decimais utilizando o caso dessa questão do ENEM. Precisamos dividir 275 por 0,65. Por isso, temos de encontrar um número que dê 423,07, resultado já conhecido dessa divisão. Fazendo várias divisões numa calculadora, por tentativa e erro, tem-se que 27.500 ÷ 65 é igual a 423,07. Se você fizer esse exercício com vários outros números decimais e inteiros que não possuam o mesmo número de casas decimais após a vírgula, verá que sempre chegará ao mesmo resultado. Então, podemos deduzir que, se igualarmos o número de casas decimais nos dois números e eliminarmos a vírgula, encontraremos uma divisão possível de ser realizada. Vamos trabalhar com 2,5 ÷ 5, exemplo mais simples. Digamos que eu tenha 2 barras e meia de chocolate para dividir entre 5 pessoas.

Observando as barras acima, podemos concluir que cada pessoa receberá meia barra de chocolate. Assim, 2,5 ÷ 5 = 25 ÷ 50 = 0,5. O resto dessa divisão é zero, isto é, não sobra nenhum pedaço de chocolate. Suponha agora que eu tenha 2 barras e meia de chocolate, mas queira dividir entre 2 pessoas.

Posso dar uma barra inteira a cada pessoa, mas a metade da outra barra sobrará. Nesse exercício estou fazendo a operação 2,5 ÷ 2 = 25 ÷ 20 = 1, e o resto é 0,5.

23


As operações com decimais devem ser feitas com bastante atenção para que não deem resultado errado. Não é difícil, por desatenção, obtermos o valor 5 como resto da divisão anterior. Nesse caso, isso significaria que, ao dividir 2 barras e meia de chocolate entre 2 pessoas, eu ainda fiquei com 5 barras inteiras, o que não é possível.

RADAR Para encontrar mais informações sobre operações entre números decimais, acesse o site:

฀ Frações e Números Decimais <http://pessoal.sercomtel.com.br/matematica/ fundam/fracoes/fracdec.htm>.

As notícias de jornais, revistas e noticiários de TV estão repletas de dados percentuais. Tudo parece estar expresso nessa forma matemática. De fato, a porcentagem é uma maneira muito simples de represenPorcentagem ou tar frações. Quando leio a notícia “95% dos alunos tiraram notas acima percentagem: é uma da média no ENEM”, penso que, a cada 100 alunos, 95 foram bem na palavra originária do latim per centum, prova. Se eu tiver 200 alunos nessa mesma situação, saberei que 190 que significa “por alcançaram notas acima da média, porque nesse caso a relação é pro- cento”, “a cada porcional, isto é, se aumentar o número da amostragem, aumentará a centena”. quantidade de alunos nas condições apresentadas.

ANOTAÇÕES ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________

24


QUESTÃO DO ENEM Analise a seguinte questão da prova cancelada do ENEM 2009, solucione e escolha a alternativa correta. Uma pesquisa foi realizada para tentar descobrir, do ponto de vista das mulheres, qual é o perfil da parceira ideal procurada pelo homem do séc. XXI. Alguns resultados estão apresentados no quadro abaixo: O QUE AS MULHERES PENSAM QUE OS HOMENS PREFEREM 72% das mulheres têm certeza de que os homens odeiam ir ao shopping

65% delas pensam que os homens preferem mulheres que façam as tarefas de casa

No entanto, apenas 39% dos homens disseram achar a atividade insuportável

No entanto, 84% deles disseram acreditar que as tarefas devem ser divididas entre o casal.

Se a pesquisa foi realizada com 300 mulheres, então a quantidade delas que acredita que os homens odeiam ir ao shopping e pensa que eles preferem que elas façam todas as tarefas de casa é: A

inferior a 80.

B

superior a 80 e inferior a 100.

C

superior a 100 e inferior a 120.

D

superior a 120 e inferior a 140.

E

superior a 140.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

25


A alternativa correta é a letra C . Veja por quê: Para solucionar essa questão, temos as seguintes informações: 300 mulheres participaram da pesquisa, 72% delas têm certeza de que os homens odeiam ir ao shopping e 65% acreditam que os homens preferem mulheres que façam as tarefas de casa. O número total de mulheres que consideraram a primeira afirmação pode ser encontrado quando transformamos 72% em um número decimal. Observe: 72% =

72 100

= 0,72

Ao multiplicar esse número por 300, chegamos ao número total de mulheres que acreditam que os homens odeiam ir ao shopping: 216. Aí está cumprida uma etapa da questão. Ainda é preciso saber quantas delas consideram que os homens preferem as mulheres que façam todas as tarefas de casa. Seguindo o mesmo método, 65% = 65/100 = 0,65, que, multiplicado por 300, nos daria o número de 195 mulheres. Agora, vamos verificar quantas estão presentes em ambos os grupos. Para isso, somamos as mulheres dos dois grupos de respostas, depois subtraímos esse resultado de 300: 216 + 195 = 411 411 – 300 = 111 mulheres que acreditam que os homens odeiam ir ao shopping e preferem mulheres que façam todas as tarefas de casa.

Porcentagem: fração ou decimal? Uma porcentagem é uma fração cujo denominador é igual a 100. Porcentagens são representações numéricas muito usadas em nosso dia a dia, porque refletem facilmente as quantidades exibidas. Isso se dá pelo fato de que uma amostragem de 100 indivíduos, ou exemplares, é uma quantidade de percepção intuitiva. Frequentemente, vemos nos jornais porcentagens que equivalem, por exemplo, à queda do preço da soja, ao aumento do desmatamento em determinada região ou ao número de pessoas que possuem celulares, que têm acesso à internet ou já visitaram determinado museu.

RADAR Existem inúmeros exemplos de uso de porcentagens no dia a dia. Visite este site para ver um exemplo, com dados do Censo de 2010 realizado pelo IBGE.

฀ <http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/brasil/2011/03/25/interna_ brasil,244511/populacao-de-minas-envelhece-e-cidades-incham.shtml>.

26


QUESTÃO DO ENEM Os códigos estão presentes em muitas situações no nosso dia a dia. Leia, a seguir, a questão da prova válida do ENEM 2009 e identifique a resposta correta para o problema. Para cada indivíduo, a inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) é composto por um número de 9 algarismos e outro número de 2 algarismos, na forma d1d2 , em que d1 e d2 são denominados dígitos verificadores. Os dígitos verificadores são calculados a partir da esquerda da seguinte maneira: os nove primeiros algarismos são multiplicados pela sequência 10, 9, 8, 7, 6, 5, 4, 3, 2 (o primeiro por 10, o segundo por 9, e assim sucessivamente; em seguida, calcula-se o resto r da divisão da soma dos resultados das multiplicações por 11, e se o resto r for 0 ou 1, d1 é zero, caso contrário, d1 = (11 -r). O dígito d2 é calculado pela mesma regra, na qual os números a serem multiplicados pela sequência dada são contados a partir do segundo algarismo, sendo d1 o último algarismo, isto é, d2 é zero se o resto s da divisão por 11 da soma das multiplicações for 0 ou 1, caso contrário, d2 = (11-s). Suponha que o João tenha perdido seus documentos, inclusive o cartão de CPF e, ao dar queixa da perda na delegacia, não conseguisse lembrar quais eram os dígitos verificadores, recordando-se apenas que os nove primeiros algarismos eram 123 456 789. Neste caso, os dígitos verificadores d1 e d2 esquecidos são, respectivamente: A

0 e 9.

B

1 e 4.

C

1 e 7.

D

9 e 1.

E

0 e 1.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

27


A alternativa correta é a letra A . Veja por quê: Os nove primeiros algarismos do CPF de João são 123 456 789. Para calcular d1, devemos multiplicar os nove algarismos por 10, 9, 8, 7, 6, 5, 4, 3 e 2: 1 x 10 + 2 x 9 + 3 x 8 + 4 x 7 + 5 x 6 + 6 x 5 + 7 x 4 + 8 x 3 + 9 x 2 = 210 Agora, divide-se esse resultado por 11: 210 ÷ 11 = 19, com resto 1. Com o resto (r) sendo 1, d1 será 0. Agora, seguindo ainda as instruções do enunciado, multiplica-se novamente: 2 x 10 + 3 x 9 + 4 x 8 + 5 x 7 + 6 x 6 + 7 x 5 + 8 x 4 + 9 x 3 + 0 x 2 = 244 Agora, dividimos esse novo resultado por 11. 244 ÷ 11 = 22, com resto 2. Já que o resto é diferente de 0 ou 1, de acordo com o texto da questão, d2 será 11 – 2 = 9. Assim, o CPF de João tem o seguinte número: 123 456 789-09.

ANOTAÇÕES ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________

28


QUESTÃO DO ENEM Esta questão do ENEM 2011 traz um exemplo de como os números podem estar presentes em sugestões para aumentar o nosso bem-estar. Leia a questão com atenção e encontre a resposta correta. Você pode adaptar as atividades do seu dia a dia de uma forma que possa queimar mais calorias do que as gastas normalmente, conforme a relação seguinte: ฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀

Disponível em: <http://cyberdiet.terra.com.br>. Acesso em: 27 abr. 2010. Uma pessoa deseja executar essas atividades, porém ajustando o tempo para que, em cada uma, gaste igualmente 200 calorias. A partir dos ajustes, quanto tempo a mais será necessário para realizar todas as atividades? A

50 minutos.

B

60 minutos.

C

80 minutos.

D

120 minutos.

E

170 minutos.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

29


A alternativa correta é a

B

. Veja por quê:

Proporcionalidade e os números Quando tratamos de medidas e valores, é comum que os números estejam relacionados entre si. Eles podem, por exemplo, aumentar um em decorrência de um crescimento do outro, ou então diminuir em função de um decréscimo do outro. Há casos, também, em que ocorre o contrário: enquanto uns valores aumentam, outros diminuem na mesma proporção. É importante compreender a ideia de proporcionalidade. No caso da questão do ENEM, falamos de valores que de fato aumentam ou diminuem caso executemos, por mais ou menos tempo, as atividades descritas. Assim, vamos analisar o seguinte quadro: 100 calorias

20 minutos

Agachamentos ao telefone

100 calorias

30 minutos

Supermercado

200 calorias

30 minutos

Cuidar do jardim

200 calorias

30 minutos

Passear com cachorro

150 calorias

30 minutos

Tirar o pó dos móveis

200 calorias

30 minutos

Lavar roupas

Nossa tarefa é aumentar o número de calorias gastas para 200. Para fazer isso, teremos que aumentar também o tempo de execução das atividades. Se quisermos gastar 200 calorias fazendo agachamentos enquanto falamos ao telefone, precisaremos de mais 20 minutos, isto é, de um total de 40 minutos no telefone. Para gastar 200 calorias também no supermercado, precisaremos ficar lá por 60 minutos, isto é, 30 minutos a mais. Nos dois casos, bastou multiplicar por 2 os valores correspondentes às calorias e aos minutos gastos em cada atividade, ou seja, encontramos o dobro dos respectivos valores. Entretanto, para gastar 200 calorias tirando o pó dos móveis, é preciso fazer outro cálculo. Vejamos: 150 calorias # 30 minutos tirando o pó. Se aumentarmos as calorias para 200, precisaremos verificar a razão do aumento. A igualdade 150 = 30 nos ajuda a re200 ? solver o problema, pois nos mostra que o aumento de calorias (de 150 para 200) corresponde a 1/3 do valor inicial (aumento de 50). Então, o tempo também precisará ser 1/3 maior do que o inicial, isto é, 10 minutos a mais. Precisaremos, portanto de 40 minutos para consumir 200 calorias tirando o pó dos móveis. Mas a questão do ENEM não termina aí. Deseja-se saber quanto tempo a mais será necessário para realizar todas as atividades gastando 200 calorias em todas elas. Como precisamos de 20 minutos a mais falando ao telefone, 30 minutos a mais no supermercado e 10 minutos a mais tirando o pó dos móveis, o total é de 60 minutos, ou 1 hora.

30


QUESTÃO DO ENEM Veja esta questão do ENEM 2012 que envolve numeração e códigos. Leia com atenção e procure a resposta correta. Os hidrômetros são marcadores de consumo de água em residências e estabelecimentos comerciais. Existem vários modelos de mostradores de hidrômetros, sendo que alguns deles possuem uma combinação de um mostrador e dois relógios de ponteiro. O número formado pelos quatro primeiros algarismos do mostrador fornece o consumo em m3, e os dois últimos algarismos representam, respectivamente, as centenas e dezenas de litros de água consumidos. Um dos relógios de ponteiros indica a quantidade em litros, e o outro, em décimos de litros, conforme ilustrados na figura a seguir. 1m³ = 1000 litros

centenas de litros

metros cúbicos de água consumidos

dezenas de litros

Mostrador

unidade de medida 3 5 3 4 8 5

H- B V- A

9 9

0

0

1

8 7

1 2

8 7

2 3 6

5

4

3 6

5

4

Litros Selo do INMETRO

Décimos de litros

Considerando as informações indicadas na figura, o consumo total de água registrado nesse hidrômetro, em litros, e igual a: A

3.534,85.

B

3.544,20.

C

3.534.850,00.

D

3.534.859,35.

E

3.534.850,39.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

31


A alternativa correta da questão é a D . Veja por quê: Observando o mostrador podemos identificar algumas medidas: 3.534 m3 = 3.534.000 litros, 8 centenas de litros = 800 litros 5 dezenas de litros = 50 litros Agora, vamos “ler” os ponteiros. Temos que: 9 litros e 3,5 décimos de litro que é igual a 0,35 litro ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ rio somar essas medidas: 3.534.000 + 800 + 50 + 9 + 0,35 = 3.534.859,35.

฀ ฀

-

Regra de três A regra de três é uma ferramenta que auxilia o cálculo das relações entre valores. Vamos estudar alguns exemplos para entendê-la um pouco melhor. Digamos que um pedreiro, trabalhando em uma construção, consiga levantar uma parede inteira ao término de 1 hora de trabalho. Se esse mesmo pedreiro trabalhasse 2 horas no mesmo ritmo, provavelmente construiria duas paredes como aquela. Essa previsão é cabível, pois há uma proporcionalidade entre as paredes construídas e o tempo gasto para fazê-las. Será que podemos pensar o mesmo quando fazemos compras? O fato de ficarmos mais tempo numa loja significa que compraremos mais objetos, na mesma quantidade? Naturalmente, não. Dessa forma, podemos concluir que há casos aos quais a proporcionalidade se aplica e outros aos quais ela não se aplica. Quando é aplicável, criamos uma expressão matemática e a resolvemos com algumas operações de multiplicação e de divisão. Vejamos um exemplo, construído com base na questão do ENEM que acabamos de resolver: Uma pessoa gasta 150 calorias tirando o pó dos móveis em 30 minutos de trabalho. Se ela quiser trabalhar apenas 10 minutos, quantas calorias gastará? 150 ?

=

30 10

A regra de três recebe esse nome porque considera três valores conhecidos e um valor desconhecido. Assim, vamos escrever que ? x 30 = 150 x 10, ? x 30 = 1.500 e nos perguntar: qual é o número que, multiplicado por 30, resulta 1.500? Encontramos o valor 50, que é o número de calorias que uma pessoa gastará se realizar a atividade por 10 minutos. Em algumas situações a proporcionalidade existe, mas é inversa, isto é, enquanto um elemento aumenta, o outro diminui. Pensemos, por exemplo, nas situações que envolvem o tempo gasto para realizar uma viagem e a velocidade de deslocamento do carro. Se o motorista dirigir mais depressa, chegará mais cedo, gastando menos tempo para fazer a viagem. Mas suponha que um carro ande a 60 km/h e leve 3 horas para fazer determinado percurso. Se o motorista fizer o carro andar a 90 km/h, quanto tempo levará para chegar ao destino desejado?

32


A regra de três, nesse caso, deve ser aplicada da seguinte forma: tempo

velocidade

3 horas

60 km/h

? horas

90 km/h

60 90

=

? 3

Note que a razão correspondente ao tempo ficou invertida. Isso ocorre porque, nesse caso, a proporcionalidade é inversa. Agora é só aplicar a regra de três: 3 x 60 = ? x 90 180 = ? x 90 ? = 2 horas

RADAR Os números estão na nossa busca diária de saúde e bem-estar. Visite este site e note a presença de percentuais e valores relativos à nossa saúde:

฀ <www.rituais.net/tabid/272/language/pt-PT/Default.aspx>.

ANOTAÇÕES ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________

33


QUESTÃO DO ENEM A prova do ENEM 2011 trouxe uma questão sobre o cálculo de alimentos e bebidas para uma festa. Leia, resolva e assinale a resposta correta: Observe as dicas para calcular a quantidade certa de alimentos e bebidas para as festas de fim de ano: ฀ ฀

฀ ฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀ ฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀ ฀

฀ ฀ ฀

฀ ฀

Quem organiza festas faz esses cálculos em cima do total de convidados, independente do gosto de cada um. Quantidade certa de alimentos e bebidas evita o desperdício da ceia. Jornal Hoje. Texto adaptado. 17 dez. 2010. Um anfitrião decidiu seguir estas dicas ao se preparar para receber 30 convidados para a ceia de Natal. Para seguir essas orientações à risca, o anfitrião deverá dispor de: A

120 kg de carne, 7 copos americanos e meio de arroz, 120 colheres de sopa de farofa, 5 garrafas de vinho, 15 de cerveja e 10 de espumante.

B

120 kg de carne, 7 copos americanos e meio de arroz, 120 colheres de sopa de farofa, 5 garrafas de vinho, 30 de cerveja e 10 de espumante.

C

75 kg de carne, 7 copos americanos e meio de arroz, 120 colheres de sopa de farofa, 5 garrafas de vinho, 15 de cerveja e 10 de espumante.

D

7,5 kg de carne, 7 copos americanos de arroz, 120 colheres de sopa de farofa, 5 garrafas de vinho, 30 de cerveja e 10 de espumante.

E

7,5 kg de carne, 7 copos americanos e meio de arroz, 120 colheres de sopa de farofa, 5 garrafas de vinho, 15 de cerveja e 10 de espumante.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

34


A alternativa correta é a letra

E

. Veja por quê:

Operações matemáticas A tabela a seguir nos dará uma ideia melhor do que devemos comprar para a festa de Natal. Quantidade

Porção para

Cálculo para 30 pessoas

250 g de carne

1 pessoa

30 x 250 g = 7.500 g = 7,5 kg

1 copo de arroz

4 pessoas (30 ÷ 4 = 7,5)

7,5 x 1 copo = 7,5 copos

4 colheres de farofa

1 pessoa

30 x 4 colheres = 120 colheres

1 garrafa de vinho

6 pessoas (30 ÷ 6 = 5)

5 x 1 garrafa = 5 garrafas de vinho

1 garrafa de cerveja

2 pessoas (30 ÷ 2 = 15)

15 x 1 garrafa = 15 garrafas de cerveja

1 garrafa de espumante

3 pessoas (30 ÷ 3 = 10)

10 x 1 garrafa = 10 garrafas de espumante

Trabalhar com uma sequência de operações é algo bastante comum, porque nem sempre conseguimos alcançar nosso objetivo com uma única ação. Neste planejamento precisaremos nos valer disso. Assim, multiplicamos por 30 a quantidade de carne consumida por uma pessoa para encontrar a quantidade que devemos comprar para os 30 convidados. O mesmo raciocínio vale para a farofa: se 4 colheres servem uma pessoa, devemos multiplicar esse número por 30 para obter a quantidade correta para 30 pessoas. Entretanto, no caso do arroz e das garrafas de vinho, cerveja e espumante, necessitamos fazer um divisão para saber quantos grupos há em cada valor fornecido. Explicando melhor: 1 copo de arroz serve 4 pessoas. Assim, é necessário saber quantos grupos de 4 pessoas existem em 30 para depois multiplicar esse número pela quantidade de copos. Com 1 garrafa de vinho servem-se 6 pessoas. Por isso, é necessário saber quantos grupos de 6 pessoas existem em 30 para depois multiplicar esse número pela quantidade de garrafas de vinho. Esse mesmo cálculo é feito para as garrafas de cerveja e de espumante. Desse exercício deduz-se que as operações (adição, subtração, multiplicação e divisão) podem implicar ações diferentes. Vamos aprofundar essa reflexão? A divisão nem sempre é usada para repartir objetos. Ela também pode servir para formar grupos. A multiplicação pode ser utilizada para resumir a soma de parcelas iguais, mas também para associar. Os casos mais clássicos de adição e de subtração são os de reunir e retirar, respectivamente. Mas a adição também pode ser usada para restaurar. Digamos, por exemplo, que 20 pessoas compareçam à festa de Natal do nosso anfitrião e, ao final, ele perceba que sobraram alimentos e bebidas correspondentes a 10 pessoas. Quantas pessoas o anfitrião convidou para a festa de Natal? A subtração também pode servir para comparar. Imagine que nosso anfitrião tenha gastado R$ 1.500,00 para fazer essa ceia de Natal e

35


que seu amigo, seguindo as mesmas dicas de planejamento, tenha gastado R$ 2.800,00. Quanto o amigo do anfitrião gastou a mais do que ele? Como você viu, é muito importante compreender as ideias associadas às operações que envolvem os diversos números (naturais, inteiros ou racionais) presentes nas ações cotidianas. Você pode fazer essa análise antes de executar cada uma dessas operações.

PENSE BEM! Sabemos que a quantidade de água salgada existente no planeta Terra é muito maior que a quantidade de água doce. São 1.235.000 trilhões de toneladas de água salgada e 41.000 trilhões de toneladas de água doce. A quantidade de água salgada é, portanto, cerca de 30 vezes maior do que a de água doce. Esses números chamam a atenção para a importância de fazer uso racional da água doce para evitar a necessidade de empregar um sistema para transformar água salgada em água potável. Já que para isso seria necessário um investimento financeiro razoável e certo tempo para implantar esse sistema, qual é a sua contribuição para que não falte água para a população mundial? Assista a um vídeo sobre a dessalinização da água do mar e, depois, visite o site abaixo para saber mais: ฀ <www.redetv.com.br/Video.aspx?124,28,167592,Entretenimento,Manha-Maior,Conheca-o-processo-de-dessalinizacao-da-agua-do-mar> ฀ <www.uniagua.org.br>.

PRATICANDO Questão 1 Foi realizada uma pesquisa com 125 jovens sobre as modalidades esportivas que eles gostavam de ver nos jogos olímpicos. As opções eram vôlei, ginástica olímpica e hipismo e as respostas foram as seguintes:

36

฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀ ฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀


Quantos jovens não se interessavam por nenhum esporte? A

5.

B

33.

C

48.

D

45.

E

55.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha.

__________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

Questão 2 Em uma cidade, os preços dos transportes coletivos são diferentes: o metrô custa R$ 2,90 e o ônibus custa R$ 3,00. Existe um bilhete que pode ser carregado com qualquer quantia e usado separadamente para o ônibus ou para o metrô e também de forma integrada. O valor das viagens pagas com esse bilhete, quando uma pessoa utiliza ônibus + metrô, é R$ 4,49. Analise a tabela a seguir, que apresenta a movimentação de ida e volta de uma pessoa durante uma semana útil.

Segunda

Terça

Quarta

Quinta

Sexta

Ida e volta

Só ida

Só volta

Ida e volta

Só ida

฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀

Quanto essa pessoa deve ter de crédito para utilizar o bilhete de integração por um mês? A

R$ 71,84.

B

R$ 77,84.

C

R$ 107,04.

D

R$ 70,84.

E

R$ 107,84.

37


Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha.

__________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ Questão 3 Numa empresa, todos os funcionários possuem um crachá com um código, usado para identificação dentro do prédio. Esse código possui 6 dígitos e é gerado da seguinte forma: ฀

฀ ฀

฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ homens e 11 para as mulheres do setor administrativo, 20 para os homens e 21 para as mulheres do setor técnico, e 30 para os homens e 31 para as mulheres do setor gerencial; ฀ ฀ ฀ ฀ exerce em sua área; ฀

฀ ฀

฀dígito é o verificador encontrado segundo o algoritmo:

– encontrar o dobro de cada dígito (da esquerda para a direita); – somar os valores;

Dígitos: o mesmo que algarismos. São símbolos que representam os números inteiros ou reais em um sistema de numeração posicional (no qual a posição determina o valor do algarismo).

– dividir por 11: se o resto da divisão for 0 ou 1, o dígito é zero; caso contrário, o dígito é a subtração (11 – resto). Um dia, ao olhar o crachá pendurado no pescoço de um funcionário técnico, o gerente administrativo solicitou ao rapaz que fosse até o setor responsável para refazê-lo. O número que estava impresso era 21554-9, cujo dígito estava errado. Qual seria o código correto? A

21554-8.

B

21554-0.

C

20554-9.

D

20554-1.

E

21554-1.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha.

__________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

38


CAMINHOS POSSÍVEIS Você conseguiu resolver o Desafio proposto no início deste capítulo? Já conhecia a resposta ou teve de pesquisar? O Desafio propõe que se descubra como são construídos os códigos de barra presentes em todos os produtos industrializados. Ele segue o código EAN/UPC, sistema internacional que auxilia na identificação de um item a ser vendido, movimentado e armazenado. Esse código é formado por 4 grupos de dígitos (algarismos): os 3 primeiros representam o prefixo da organização responsável por controlar e licen฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ os três dígitos seguintes representam a identificação do produto Algoritmo: é uma sequência finita de ฀ ฀ ฀ instruções bem o último dígito é o verificador (segurança). definidas e não Tomemos como exemplo o seguinte código: 789168554550. Para ambíguas, como uma receita de bolo. encontrar o dígito verificador você deve fazer o seguinte algoritmo: 1. Multiplique os dígitos do código alternadamente por 1 e por 3: 7x1=7 5x1=5 8 x 3 = 24 5 x 3 = 15 9x1=9 4x1=4 1x3=3 5 x 3 = 15 6x1=6 5x1=5 8 x 3 = 24 0x3=0 2. Em seguida, some os resultados das multiplicações. Nesse caso, o resultado é 117. 3. Encontre o múltiplo de 10 mais próximo do resultado da soma. Atenção: o múltiplo de 10 deve ser maior ou igual ao resultado da soma, nunca menor. Aqui, nosso número é 120. 4. Subtraia o resultado da soma das multiplicações (117) do múltiplo de 10 encontrado no passo anterior (120). Deve ser feito então o seguinte cálculo: 120 – 117 = 3, que será o dígito verificador. O código completo do nosso exemplo é: 7896685245503. Vale lembrar que, neste capítulo, estudamos aplicações variadas dos números e as operações que são utilizadas em diferentes contextos sociais. Com o estudo desses conjuntos numéricos, por meio de alguns exercícios práticos, percebemos a importância de manuseá-los com destreza para facilitar as compras, a organização de festas, o planejamento de poupanças e a tomada de decisões relevantes para a nossa vida. É fundamental fazer uso da linguagem matemática no reconhecimento de seus significados em contextos sociais, para identificação de padrões, princípios de contagem e resolução de problemas.

39


PRATICANDO Resposta das questões Questão 1: A alternativa correta é a letra C . Veja por quê: Para solucionar esta questão, é preciso compreender que 60, 40 e 15 são os totais de votos por categoria esportiva; sendo assim, as outras quantidades virão de um número absoluto de votos obtido ao separarmos. Veja a divisão dos votos em grupos:

ginástica

6

vôlei

25 31 8

1 3

hipismo 3

No final, o total de jovens que não se interessavam por nenhum desses esportes será o resultado da subtração do total de jovens pelo total de votos computados, ou seja, se somamos 31 + 25 + 6 + 3 + 1 + 8 + 3 = 77. Subtraindo, agora, 77 do total de jovens, que é 125, temos: 125 – 77 = 48. Questão 2: A alternativa correta é a letra C . Veja por quê: Inicialmente, é necessário verificar qual será o gasto dessa pessoa, por dia da semana. Segunda

Terça

Quarta

Quinta

Sexta

2 x R$ 2,90 = 5,80

R$ 4,49

R$ 3,00

2 x R$ 4,49 = R$ 8,98

R$ 4,49

Após isso, basta somar todos os dias e multiplicar por 4, que são as semanas de um mês: R$ 5,80 + R$ 4,49 + R$ 3,00 + R$ 8,98 + R$ 4,49 = R$ 26,76 x 4 = R$ 107,04, valor total gasto por mês, por essa pessoa, para locomoção. Questão 3: A alternativa correta é a D . Como era um rapaz da área técnica, os dois primeiros dígitos deviam ser 20, e não 21. Devemos encontrar o dobro de cada algarismo: 2 # 4; 0 # 0; 5 # 10; 5 # 10; 4 # 8. Somando esses resultados, 4 + 0 + 10 + 10 + 8 = 32; 32 ÷ 11 = 2, com resto 10. Como o resto não é nem 0 nem 1, devemos subtrair 11 – 10 = 1. O dígito verificador é 1; assim, o número correto seria 20554-1.

40


ANOTAÇÕES ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________

41


MÁXIMAS METÁFORAS MATEMÁTICAS Estamos acostumados a ver representações artísticas e matemáticas quase sempre separadas, como se a arte fosse reflexo da emoção e a ciência da razão.Mas será que escultores, malabaristas, bailarinos, pintores, músicos e outros artistas não utilizam conhecimentos científicos em seus processos criativos e no dia-a-dia?Qual o papel da imaginação nas ciências e em outros campos do conhecimento humano?

A Alegoria em Matemática NILSON JOSÉ MACHADO

A metáfora, uma figura de retórica que predomina

vin Minsky, professor e pesquisador do MIT (Michi-

na linguagem poética e que é importante, de uma

gan Institute of Technology) nas áreas de Teoria

maneira geral, na caracterização do estilo retórico, é

Matemática da Computação, Inteligência Artificial

um instrumento essencial aos que se dedicam à Ma-

e Robótica, afirma em seu instigante livro A socie-

temática. Também na forma de alegorias, a presença

dade da mente (1989): “Nossas melhores ideias são,

do sentido figurado em contextos matemáticos, se

quase sempre, aquelas que transpõem dois mun-

não é a regra, nem de longe constitui exceção.

dos diversos". Ele afirma também : "Muitas das boas

É quase impossível discorrer sobre a metáfora sem

ideias são, na realidade, duas ideias numa só, o que

ter Aristóteles como ponto de partida. Para o filóso-

forma uma ponte entre duas esferas do pensamen-

fo, a metáfora consiste em dar a uma coisa o nome

to ou diferentes pontos de vista”.

de outra coisa, produzindo-se como que uma

É precisamente no estabelecimento de pontes en-

transferência de significados, com base na analogia

tre diferentes contextos, na iluminação de relações

ou na semelhança. É o que ocorre quando afirma-

estruturais que subjazem, a despeito da diversida-

mos que o jogador X é um leão, que a secretária, do

de dos campos semânticos, que a metáfora afigura-

senhor Y é um doce, ou que o governo fechou as

-se como instrumento fundamental.

torneiras do Banco Central. Etimologicamente, a

Especialmente quando se trata de aproximar dois

palavra Metáfora deriva das palavras gregas metá

contextos, um dos quais se apresenta mais familiar,

(trans, além de) e phérein (levar, transportar).

enquanto o outro afigura-se como o novo, a metá-

Com relação ao desenvolvimento do raciocínio, à

fora emerge como um poderoso instrumento para

concatenação de ideias nas pessoas em geral, Mar-

a construção analógica de pontes entre os temas

42


MÁXIMAS parece caminhar a Matemática, na medida em que seus objetos constituem talvez as pontes mais radi-

Muitas das boas ideias são, na realidade, duas ideias numa só, o que forma uma ponte entre duas esferas do pensamento ou diferentes pontos de vista”.

cais entre os contextos mais díspares: entre 3 abacaxis, 3 aviões ou 3x, transita o número 3. Já a alegoria é como uma construção que tem as metáforas como seus tijolos. Etimologicamente, a palavra é derivada das palavras gregas allós (outro) e agourein (falar). Numa fórmula sintética, a alegoria diz b para significar a. Trata-se, portanto, do engendramento de uma significação figurada, densa em relações, mas com as características básicas de uma Metáfora continuada ou de uma cadeia de metáforas.

considerados. Nesse sentido, ela ocupa lugar de

Numa palavra, a permanente transação entre os sen-

destaque no discurso religioso, através das parábo-

tidos literal e figurado é o motor dos processos cria-

฀ ฀

฀ ฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀

tivos, das iniciativas diante do novo, das transcen฀

dências da imaginação. Em tais situações, frequentes

tanto na construção do conhecimento quanto nos

poesia, onde a palavra é essencialmente fundadora

processos de ensino, a primeira e a última palavras

e as imagens são fundamentais. No mesmo sentido

parecem ser sempre da metáfora, da imaginação.

Pensar a matemática vai além de entender seu funcionamento.Qual a relação da matemática com a vida cotidiana? Para que precisamos dela? Veja a seguir a interessante reflexão de Marcelo Leite a respeito de como o ambientalista Lester Brown lida com quantidades e medidas em suas argumentações.

O insustentável peso da água MARCELO LEITE

Quanto pesa uma tonelada de soja exportada?

Há quem abomine Lester Brown por sua capacida-

Quem fizer a pergunta a Lester Brown, autor da bí-

de de manejar estatísticas em favor da causa am-

blia ambiental Estado do mundo, arrisca ouvir uma

biental. É o alvo preferido de Bjorn Lomborg, autor

resposta heterodoxa. Ele diria, provavelmente: mil

do best-seller O ambientalista cético, escrito para

toneladas — de água.

desconstruir cifras verdes. Mas Brown tem um mé-

43


1

A CIÊNCIA COMO CONSTRUÇÃO HUMANA

conecte-se Por que a água do mar é salgada? Carlos Heitor Cony Noite alta, o capitão do navio, dirigindo-se para o porto, encontrou o Diabo, que lhe ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ de moer café) que seria como a lâmpada do Aladim. Para qualquer coisa que o capitão pedisse, bastaria mover uma pequena manivela, e tudo se realizaria. Afobado, temendo que o Diabo mudasse de ideia, o capitão foi para o seu navio, onde a tripulação esperava para comer alguma coisa. Antes que houvesse um motim a bordo, o capitão ordenou ao moinho: “Põe naquela mesa um banquete digno de um rei!” Rodou a manivela e o moinho despejou louças e cristais, javalis defumados, faisões, leitões de leite, aves e carnes variadas, além de vinhos das melhores safras. Parou de rodar a manivela e entrou no festim com redobrada fome. Depois foram todos dormir, mas uma tempestade se armou, ondas formidáveis cobriam o convés e os camarotes, o naufrágio era iminente. O capitão aprendera que para dominar a cólera das ondas, o melhor remédio era deitar sal no mar. Mas não tinha sal. Pegou o moinho, rodou a manivela e pediu sal, muito sal. Na pressa, quebrou a manivela e não sabia o que fazer para o moinho parar de funcionar. O sal inundou o navio, que, com o peso extra, foi parar no fundo do mar. Até hoje, o moinho está lá embaixo, produzindo mais sal. Por isso a água dos mares é salgada. Era esta toda a minha ampla sabedoria a respeito do assunto. E nunca a questionei. Mas li que num programa da TV americana a estrela Snooki Polizzi revelou que o mar é salgado porque está cheio de esperma de baleia. Entre a teoria do moinho do Diabo e a do esperma das baleias, fico com as duas e fico bem. CONY, Carlos Heitor. Por que a água do mar é salgada? Folha de S.Paulo, São Paulo, 15 jan. 2012. Disponível em: <www1. folha.uol.com.br/fsp/opiniao/20183-o-esperma-das-baleias.shtml>. Acesso em: 15 jan. 2012. Texto adaptado.

14


OBJETIVOS

Neste capítulo, você poderá confrontar interpretações científicas com interpretações baseadas no senso comum ao longo do tempo ou em diferentes culturas e avaliar propostas, de alcance individual ou coletivo, identificando aquelas que visam à preservação e implementação da saúde individual, coletiva ou do ambiente.

As explicações relacionadas no texto são factíveis? Podem ser consideradas científicas? O que é ciência? Como se “faz” ciência?

DESAFIO A atriz Gwyneth Paltrow, 39, acha que uma dieta de desintoxicação é capaz de manter a saúde do fígado. O apresentador de TV americano Bill O’Reilly, 62, acredita que as marés são um mistério. E a estrela do reality show “Jesse Shore”, Snooki Polizzi, 24, acha que o mar é salgado porque está cheio de esperma de baleia. As pérolas de celebridades sobre saúde e ciências são alvo do grupo inglês Sense Science. Todo ano, eles fazem uma lista com as maiores bobagens ditas pelos famosos e explicam o que a ciência diz sobre cada assunto. A cantora americana Suzi Quatro, 61, diz que parou de ter dor de garganta após adotar o hábito de tomar fibra solúvel para limpar o intestino. Para Suzi “toda doença começa no intestino”. Disponível em: <www1.folha.uol.com.br/ciencia/1032912-grupo-desmente-perolas-cientificas divulgadas-por-celebridades.shtml>. Folha de S.Paulo, São Paulo, 10 jan. 2012. Acesso em: 15 jan. 2012. Texto adaptado.

Qual papel o fígado desempenha no funcionamento do corpo humano? Como se formam as marés? Por que a água do mar é salgada? Como manter um corpo em equilíbrio, saudável e em pleno funcionamento? Como funcionam os telefones celulares? E os equipamentos que fazem ultrassom? Essas e outras perguntas podem ser respondidas por você ao mergulhar nas discussões que ocorrerão ao longo dos nossos livros. Assim, arregace as mangas e bom estudo!

15


QUESTÃO DO ENEM Na prova do ENEM 2010 apareceu uma questão que explora o uso de duas palavras que, na linguagem corrente, são utilizadas com um sentido e, no meio científico, com outro. Leia, analise a questão e confirme qual é a maneira mais adequada de usar os termos. Em nosso cotidiano, utilizamos as palavras “calor” e “temperatura” de forma diferente de como elas são usadas no meio científico. Na linguagem corrente, calor é identificado como “algo quente” e temperatura mede a “quantidade de calor de um corpo”. Esses significados, no entanto, não conseguem explicar diversas situações que podem ser verificadas na prática. Do ponto de vista científico, que situação prática mostra a limitação dos conceitos corriqueiros de calor e temperatura? A

A temperatura da água pode ficar constante durante o tempo em que estiver fervendo.

B

Uma mãe coloca a mão na água da banheira do bebê para verificar a temperatura da água.

C

A chama de um fogão pode ser usada para aumentar a temperatura da água em uma panela.

D

A água quente que está em uma caneca é passada para outra caneca a fim de diminuir sua temperatura.

E

Um forno pode fornecer calor para uma vasilha de água que está em seu interior, com menor temperatura do que a dele.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

16


Calor e temperatura Calor é o nome dado à energia térmica quando ela é transferida de um corpo a outro, motivada por uma diferença de temperatura entre eles. É energia térmica em trânsito. Por exemplo, a água de uma piscina recebe calor durante o dia e assim armazena energia térmica que será transferida ao ambiente, na forma de calor, à noite. Temperatura é a grandeza física que permite medir o quanto um corpo está quente ou frio. Está relacionada à energia cinética das partículas de um corpo, à energia de movimento das partículas. A chama de uma vela pode estar numa temperatura mais alta que a água do lago, mas o lago tem mais energia térmica para ceder ao ambiente na forma de calor. Estes conceitos, hoje formulados pela física, foram desenvolvidos por pesquisadores ao longo do tempo, dando origem a uma área de conhecimento chamada termodinâmica. Termodinâmica é o ramo da física que estuda as relações entre o calor, a temperatura, o trabalho e a energia. Essa área surgiu a partir da necessidade de compreender como a energia térmica poderia ser transformada em trabalho mecânico, por meio de máquinas, e ser utilizada pelo homem. ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ pio, com o objetivo de medir, de forma mais objetiva, as sensações fisiológicas de calor e frio. Na época, acreditava-se que a temperatura fosse uma potência motriz que provocava a transmissão de um certo fluido sutil que emanava de um corpo quente para outro mais frio. Mas não se sabia explicar ainda o que exatamente era transmitido entre os corpos. ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ tura, o que, em 1770, foi demonstrado pelo químico Joseph Black, ao misturar massas iguais de líquidos com diferentes temperaturas, demonstrando que a variação de temperatura em cada uma das substâncias misturadas não é igual em termos quantitativos. Assim, formulou a teoria segundo a qual o calor é um fluido invisível chamado calórico. Um objeto se aquecia quando recebia fluido calórico e se esfriava quando o perdia. Entre o final do século XVIII e século XIX, Benjamin Thompson e outros cientistas demonstraram que o que se troca entre corpos de temperaturas diferentes é a energia cinética (energia térmica) de seus átomos e moléculas. Em 1824, Sadi Carnot, um engenheiro militar francês, tornou-se o primeiro pesquisador a preocupar-se com as características básicas das máquinas térmicas e a estudar o problema de seu rendimento. Ele demonstrou: que a máquina recebe, de uma fonte qualquer, uma certa quantidade de calor à tempe฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ e que rejeita calor à temperatura mais baixa do que a correspondente ao calor recebido. Na década de 1840, James Prescott Joule formulou as bases da primeira lei da termodinâmica ao mostrar que a quantidade de trabalho necessária para promover uma determinada mudança de estado é independente do tipo de trabalho realizado (mecânico, elétrico, magnético etc.), do ritmo e do método empregado. Ele concluiu que o trabalho pode ser

17


convertido em calor e vice-versa. Com pesquisas subsequentes, as Leis da Termodinâmica foram definidas. São elas: A primeira Lei da Termodinâmica traduz a conservação da ener฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ pode ser alterada. A lei pode ser assim traduzida: “Num sistema fechado, a energia interna permanece constante.”

Sistema fechado: não sofre interferência externa, não perdendo nem ganhando energia para o exterior.

A segunda Lei da Termodinâmica expressa a relação entre a en฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ possível transformar totalmente energia térmica em trabalho útil, uma parte é sempre degradada: “A entropia do Universo aumenta numa transformação espontânea e mantém-se constante numa situação de equilíbrio.”

Entropia: quantidade de energia ou calor que se perde num sistema físico ou termodinâmico quando ocorrem mudanças de um estado a outro desse sistema.

A terceira Lei da Termodinâmica pode ser enunciada da seguinte forma: “A entropia de todos os corpos tende a zero quando a temperatura tende a zero absoluto.”

Zero absoluto: 0o Kelvin, que equivale a cerca de -273,15o Centígrados no sistema Celsius, o estado de agitação molecular.

RADAR Site

฀ <http://sme.dcm.fct.unl.pt/u/carmo/fii/hist.pdf> Conheça mais sobre a história da termodinâmica e os cientistas que investigaram esta ciência.

PENSE BEM! Há uma grande diferença entre nossas certezas cotidianas e o conhecimento científico. Diríamos que o senso comum não se caracteriza pela investigação e pelo questionamento, ao contrário da ciência. Ele fica no imediato das coisas, é ditado pelas circunstâncias. É subjetivo, isto é, permeado pelas opiniões, emoções e valores de quem o produz. E você, tem por hábito indagar, questionar? Quais meios utiliza para fazer suas investigações e pesquisas quando aparece uma dúvida?

18


QUESTÃO DO ENEM Na prova anulada ENEM 2009 apareceu uma questão que explora o uso da expressão – “meio ambiente”, e a dúvida que algumas pessoas têm sobre a aplicação correta do termo. Leia a questão atentamente, marque a alternativa correta e justifique a sua resposta. Suponha que o chefe do departamento de administração de uma empresa tenha feito um discurso defendendo a ideia de que os funcionários deveriam cuidar do meio ambiente no espaço da empresa. Um dos funcionários levantou-se e comentou que o conceito de meio ambiente não era claro o suficiente para se falar sobre esse assunto naquele lugar. Considerando que o chefe do departamento de administração entende que a empresa é parte do meio ambiente, a definição que mais se aproxima dessa concepção é A

região que inclui somente cachoeiras, mananciais e florestas.

B

apenas locais onde é possível o contato direto com a natureza.

C

locais que servem como áreas de proteção onde fatores bióticos são preservados.

D

apenas os grandes biomas, por exemplo, Mata Atlântica, Floresta Amazônica, Cerrado e Caatinga.

E

qualquer local em que haja relação entre fatores bióticos e abióticos, seja ele natural ou urbano.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

19


Ecologia Você sabe por que 5 de junho é o Dia Mundial do Meio Ambiente? Atualmente, devido à preocupação mundial com os desmatamentos, com a extinção de muitas espécies animais e vegetais, com o aquecimento global e muitas outras alterações ocorridas no planeta, fala-se muito em meio ambiente. Mas afinal, o que é meio ambiente? O termo surgiu quando o biólogo alemão Ernest Haeckel, em 1869, pela primeira vez empregou o termo ecologia. Ecologia é o “estudo do ambiente”, que inclui todos os fatores quí- Ecologia: é a ciência micos, físicos e biológicos do meio que interferem na vida dos organis- que estuda as mos. A ecologia trata de problemas muito complexos, por isso precisa interações entre os organismos e seu dos conhecimentos de outras ciências como a física, a química, a geo- ambiente, ou seja, é o grafia, a história, a biologia, a matemática, a estatística, a economia, a estudo científico da distribuição e antropologia etc. abundância dos seres Desde o início da história da humanidade, o homem observa e acu- vivos e das interações mula informações sobre o ambiente ao seu redor para dele tirar sua que determinam sua distribuição. sobrevivência. Já na Grécia Antiga pensadores como Hipócrates e Aristóteles se referiam a temas relacionados ao que hoje se denomina ecologia. Nos séculos XVIII e XIX cientistas estudaram cadeias alimentares e regulação de populações. Darwin anunciou as ideias básicas sobre inter-relações entre organismos. Na segunda metade do XIX os estudos na área da ecologia avançaram e ela passou a ser dividida em Ecologia Animal e Ecologia Vegetal. Outros estudos dessa mesma época apresentam a ligação funcional entre plantas e animais de ambientes aquáticos e terrestres. Seres vivos, ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ princípios vão se agregando à nova ciência e hoje encontramos para ela várias definições: estudo das inter-relações entre as coisas vivas e seu ambiente físico, juntamente com ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ciência que estuda as condições de existência dos seres vivos e as interações, de qual฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ estudo das inter-relações entre os organismos e seus ambientes, e tantas outras. Em 1972, no dia 5 de junho, em Estocolmo, a Organização das Nações Unidas (ONU), promoveu uma reunião internacional, a Primeira Conferência Mundial sobre o Homem e o Meio Ambiente, a fim de tratar de questões ambientais relacionadas a todo o planeta, devido à constatável degradação ambiental, e alertar o mundo sobre o fato de que os recursos naturais não são inesgotáveis. Após vinte anos, outro grande evento foi organizado pela ONU, a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada entre os dias 3 e 14 de junho de 1992, na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. O evento ficou conhecido como ECO-92

20


ou Rio-92 e teve a participação de muitos chefes de Estado e de Organizações Não Governamentais (ONGs). Dele surgiram documentos importantes como a Agenda 21 e a Carta da Terra. A partir de então, novos encontros, seminários e convenções com temas específicos sobre questões ambientais vêm ocorrendo pelo mundo, contemplando dimensões ฀ ฀ Novamente no Brasil, entre 4 e 6 de junho de 2012, a cidade do Rio de Janeiro será sede da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20. A cidade se preparou, as ONGs e os movimentos sociais e empresariais se mobilizaram para pressionar e propor pautas de políticas públicas, a fim de que a Rio+20 possa resultar em ações efetivas. Para complementar o conceito de meio ambiente, leia o capítulo 3 – Dinâmica ambiental deste volume.

RADAR

฀ Para conhecer mais sobre a vida do naturalista Ernst Haeckel, acesse o site: <www.multilingualarchive.com/ma/enwiki/pt/Ernst_Haeckel>.

฀ Para conhecer a Carta da Terra, fruto das discussões da ECO-92, visite o site: <www.cartadaterrabrasil.org/prt/what_is.html>.

฀ Para conhecer a Agenda 21, fruto também da ECO-92, veja o site: <www.crescentefertil.org.br/agenda21/index2.htm>.

PENSE BEM! Você tem acompanhado as discussões sobre as temáticas abordadas na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável – Rio +20? Conhece as que estiveram em pauta? Como você acompanhou ou participou desse evento?

ANOTAÇÕES ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________

21


QUESTÃO DO ENEM Na prova do ENEM 2011 apareceu uma questão que confronta um pressuposto do senso comum com pesquisas entomológicas e novas descobertas científicas. Diferente do que o senso comum acredita, as lagartas de borboletas não possuem voracidade generalizada. Um estudo mostrou que as borboletas de asas transparentes da família Ithomiinae, comuns na Floresta Amazônica e na Mata Atlântica, consomem, sobretudo, plantas da família Solanaceae, a mesma do tomate. Contudo, os ancestrais dessas borboletas consumiam espécies vegetais da família Apocinaceae, mas a quantidade dessas plantas parece não ter sido suficiente para garantir o suprimento alimentar dessas borboletas. Dessa forma, as solanáceas tornaram-se uma opção de alimento, pois são abundantes na Mata Atlântica e na Floresta Amazônica. CORES ao vento. Genes e fósseis revelam origem e diversidade de borboletas sul-americanas. Revista Pesquisa FAPESP, São Paulo, n. 170, 2010. Texto adaptado. Nesse texto, a ideia do senso comum é confrontada com os conhecimentos científicos, ao se entender que as larvas das borboletas Ithomiinae encontradas atualmente na Mata Atlântica e na Floresta Amazônica, apresentam A

facilidade em digerir todas as plantas desses locais.

B

interação com as plantas hospedeiras da família Apocinaceae.

C

adaptação para se alimentar de todas as plantas desses locais.

D

voracidade indiscriminada por todas as plantas existentes nesses locais.

E

especificidade pelas plantas da família Solanaceae existentes nesses locais.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

22


Ciência é método

MARI HEFFNER

E como o homem conseguiu chegar a um nível de conhecimento em que, além de classificar os insetos, sabe também que tipo de relação eles mantêm com a natureza: o que comem, como vivem, em quais ambientes? Como e quando o homem começou a fazer ciência?

“Como tudo começou?”

“Como tudo começou?”

Mas o que é ciência? Segundo o dicionário Aurélio, a ciência é: Conjunto organizado de conhecimentos relativos a certas categorias de fatos ou fenômenos. (Toda ciência, para definir-se como tal, deve necessariamente recortar, no real, seu objeto próprio, assim como definir as bases de uma metodologia específica: ciências físicas e naturais.) / Conjunto de conhecimentos humanos a respeito da natureza, da sociedade e do pensamento, adquiridos através do desvendamento das leis objetivas que regem os fenômenos e sua explicação: o progresso da ciência. / Ciência pura, ciência praticada independentemente de qualquer preocupação de aplicação técnica. “Tudo merece ser apreciado, pois tudo merece uma interpretação”, já dizia Herman Hesse! O modo pelo qual um cientista se propõe a resolver um novo problema ou a questionar a validade de um conhecimento anterior é chamado de método científico. O método científico compreende etapas ou sequências bem definidas:

Herman Hesse (1877-1962): escritor alemão, naturalizado suíço. Entre suas obras, destacam-se Sidarta e O Lobo da estepe.

O problema: com uma observação bem acurada, curiosa, formulam-se perguntas, para as quais não se encontra uma explicação de imediato. Desta forma, elabora-se um problema. Em seguida, com o problema elaborado, buscam-se informações relacionadas a ele, organizando-as em tabelas, gráficos e textos, para poder olhá-las criticamente e levantar hipóteses. As hipóteses são explicações provisórias para a resposta/solução do problema. O teste de hipóteses e/ou comprovação: para comprovar ou não se as hipóteses levantadas são válidas, os cientistas realizam experimentos ou levantamentos bibliográficos que venham dar respostas ao problema.

23


A síntese e a conclusão: as análises dos dados coletados nos testes possibilitam a análise das informações para se chegar a uma conclusão provisória, mas cabal naquele momento. A comunicação das conclusões: todo conhecimento adquirido pela ciência deve ser comunicado para a sociedade.

perguntas observações

documentação

descobrimentos

MARI HEFFNER

seguir aprendendo novas perguntas conclusões

hipóteses

experimentação Para demonstrar como o conhecimento se constrói, usemos o exemplo da questão do ENEM sobre a alimentação das borboletas, que são classificadas como insetos.

O que são insetos? O conhecimento que o homem tem sobre os insetos é bastante antigo. Esses seres vivos foram retratados em pinturas, esculturas e monumentos do Egito Antigo, com destaque para as representações feitas para abelhas e escaravelhos. Os gafanhotos, por exemplo,

24


são citados no Antigo Testamento como a décima praga a atingir o Egito durante a escravidão dos hebreus. Porém, como ciência, a entomologia só ganhou impulso com Aristóteles (384-322 a.C.), que escreveu o resumo mais fiel sobre os insetos daquela época. Na Renascença, período da história da humanidade caracterizado Entomologia: ciência pela renovação científica, artística e literária, entre os séculos XV e XVI, que estuda os insetos as pesquisas dos entomologistas se ocuparam, principalmente, da ob- em todos os seus servação das características e da criação de uma classificação, sendo aspectos em relações com o homem, com as que somente a partir do início do século passado as pesquisas visaram plantas e os animais. A o conhecimento dos grandes fundamentos biológicos. Hoje sabe-se palavra é formada por dois radicais gregos, que os insetos são seres vivos que pertencem ao Reino Animal, Filo entomon = inseto e logos = estudo. Arthropoda, Classe Insecta. Insectum significa “animal segmentado”. E as borboletas o que são? O que comem? Onde vivem? Por que vivem em um ambiente e não em outro? São perguntas que vão sendo paulatinamente respondidas e acompanhando essas respostas é possível perceber como os conhecimentos vão sendo construídos ao longo do tempo, com a participação de muitos cientistas, em diferentes épocas, como novas perguntas vão surgindo e como a busca de respostas é inerente à evolução do conhecimento. É um ciclo permanente!

RADAR Quantas espécies de animais dependem de uma única árvore? Veja no infográfico a vida se entrelaçando:

฀ <http://planetasustentavel.abril.com.br/infograficos/popup.shtml?file=/

imagem/mundo_arvore_pop925x2757.jpg&img_src=/imagem/thumbinfografico-mundo-arvore.jpg>

PRATICANDO Alguns cozinheiros sabem que o forno não pode ser aberto enquanto o bolo está assando, senão ele “sola”; sabem também que a determinados pratos, cozidos em banho-maria, deve-se acrescentar algumas gotas de vinagre ou de limão para que a forma de alumínio não fique escura. São conhecimentos transmitidos de geração em geração, que não só foram assimilados, mas também incorporados ao dia a dia, sem questionamento.

25


Suponha que você está encarregado de explicar ao confeiteiro o porquê destes fenômenos. Você diria que A

ao abrir a porta do forno ocorrem mudanças bruscas de temperatura, causando a contração das moléculas expandidas de gás carbônico no bolo, deixando-o solado. Tanto o vinagre como o limão impedem a oxidação do alumínio por terem efeito acidificante.

B

o bolo só sola se o fermento que for utilizado estiver fora do prazo. O uso do vinagre ou limão não evita a oxidação do alumínio, isso é mito.

C

o ar frio que entra no forno é que deixa o bolo solado. Apenas o vinagre impede a oxidação do alumínio; o limão não interfere e não tem qualquer função para evitar a oxidação.

D

o ar frio que entra no forno é o responsável pelo bolo solar. Apenas o limão impede a oxidação do alumínio; o vinagre não interfere no processo.

E

o bolo sola somente se a porta do bolo for aberta nos primeiros 10 minutos, e não existe qualquer relação com a mudança de temperatura. Somente a associação do vinagre e do limão é que impede a oxidação do alumínio.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha.

__________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ A resposta é a alternativa A , veja por quê: Quando a porta do forno é aberta, o ar aquecido do forno é liberado e ocorre um resfriamento da superfície do bolo. Esse resfriamento é responsável pela contração das moléculas expandidas de gás carbônico e por fazer o bolo ficar solado. Utensílios de alumínio, ao ser aquecidos, liberam íons que se oxidam em contato com a água fervente. Ao adicionar vinagre ou limão, estes acidificam a água e impedem a liberação de íons responsáveis pela oxidação da forma.

CAMINHOS POSSÍVEIS No caminho percorrido neste capítulo você pode compreender que o conhecimento não é espontâneo, imediatista, mas é construído com estudo, método e colaboração entre os homens. Há, portanto, uma grande diferença entre nossas certezas cotidianas e o conhecimento científico, porque o senso comum não se caracteriza pela investigação nem pela crítica, e carece de método. É ditado pelas circunstâncias. É subjetivo, isto é, permeado por opiniões, emoções e valores de quem o produz.

26


Portanto, você, que está estudando e tendo contato com uma gama de conhecimentos hoje estruturados e aceitos universalmente, precisa, sempre que se deparar com alguma coisa que ainda não conheça, lançar perguntas que comecem com: o que é...? Como é...? Por quê...? Assim você alimenta sua curiosidade e aprende sempre mais. Bom estudo!

Respostas das questões A resposta da questão da página 16 é a alternativa A . Veja por quê: Cientificamente sabe-se que a temperatura da água (massa líquida) em ebulição, mesmo recebendo energia (calor), permanece constante. Se a temperatura medisse a quantidade de calor de um corpo, toda vez que um corpo recebesse calor, sua temperatura deveria aumentar. Este é, portanto, um bom exemplo de equívoco da linguagem corrente, de senso comum. A resposta da questão da página 19 é a alternativa E . Veja por quê: Meio ambiente é qualquer local, natural ou artificial, que envolve as relações entre todas as coisas vivas (fatores bióticos) e não vivas (fatores abióticos). Portanto, o local de trabalho, a empresa, podem ser considerados MEIO AMBIENTE! A resposta da questão da página 22 é a alternativa E . Veja por quê: O senso comum acredita que as lagartas de borboletas, indiscriminadamente, sejam vorazes, ou seja, se alimentem de qualquer tipo de folhas. O texto deixa claro que as lagartas da família Ithomiinae têm preferência pelas plantas da família Solanaceae encontradas ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀

ANOTAÇÕES ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________

27


MÁXIMAS DESAFIOS DA PESQUISA O desenvolvimento da ciência é imprescindível ao desenvolvimento tecnológico e social de todo país. Para que ele seja possível, é necessária uma série de fatores, como grupos de pesquisadores, centros de pesquisa, plano de desenvolvimento, cooperação internacional. A ciência brasileira já tem uma história e pode fazer jus aos objetivos do País, para isso o empenho estatal é muito importante. É o que nos explica o comentador no texto abaixo.

A ciência no Brasil LUIZ CARLOS DE MENEZES

O Brasil – especialmente a partir dos anos 50 do sé-

Paulo a FAPESP, no Rio de Janeiro a FAPERJ, em Mi-

culo passado, quer dizer, nos últimos 60, 70 anos –

nas Gerais a FAPEMIG, são financiadoras e fomenta-

tem tido uma política científica exercida como

doras de atividade científica de forma centralizada,

atividade do Estado. A Fundação e o Conselho Na-

concedendo bolsas de estudo no País e no exterior,

cional de Pesquisa, além de outros órgãos como

e financiando pesquisas. Esse é um aspecto. A reali-

CAPES, FINEP, de âmbito federal; e fundações de

zação dessas pesquisas como atividade do Estado

amparo à pesquisa de âmbito estadual, em São

tem se dado em universidades públicas e em algumas instituições públicas de pesquisa como o Insti-

É necessário ter uma base de pesquisa para que a pesquisa se torne pesquisa aplicada, e haja uma consistência nessas aplicações

28

tuto Manguinhos, no Rio de Janeiro, e o Instituto Butantã, em São Paulo. A tradição mais antiga, que vem do século XIX, é formada por instituições voltadas para coisas da vida e da saúde – Manguinhos e Butantã são dois exemplos, mas havia também o ฀

฀ ฀ ฀

฀ ฀

฀ ฀

(antigo Museu do Ipiran-

ga), em São Paulo, que são instituições de pesquisa e museus ligados a universidades. No século XIX, os museus e as faculdades de Medicina eram os centros de pesquisa, e hoje as universidades públicas


MÁXIMAS são os principais espaços de construção dessa pesquisa. O Brasil tem tido um acompanhamento parelho, com especialistas em todas as áreas de pesquisa que há no mundo aqui no País. Não há candidatos ao Nobel, mas também não passamos ฀

฀ ฀

mos programas de cooperação. Em temas como altas energias, há pesquisadores cooperando com o CERN (European Organization for Nuclear Research) e o Fermilab (Fermi National Accelerator Laboratory), viajando, trocando experiências, e especialistas desses centros de pesquisa nos visitam. Esses exemplos são somente da Física, mas o mesmo ocorre em todas as especialidades. Isso sim tem andado relativamente bem, mas não se pode descuidar. Se houver descuido por uma década ou duas, ฀

฀ ฀

ocorre, precisamente porque temos uma tradição

nuidade de formação humana, de financiamento

de institutos como Oswaldo Cruz, Manguinhos e

etc. Onde nós somos particularmente frágeis? Na

Butantan, que têm feito essa interface e a produ-

interface entre esse desenvolvimento científico e o

ção de vacinas. Mas a internacionalização da pro-

mundo da produção e dos serviços. Com exceção

dução, a globalização, e parte da indústria

de algumas áreas em que nós temos um dinamis-

farmacêutica que nós tínhamos e que era muito

mo e um protagonismo global importante, a inter-

dinâmica sucumbiu pela entrada das multinacio-

face entre o desenvolvimento científico-tecnológico

nais que têm centros de pesquisa nas suas sedes.

e as práticas é muito frágil. Por exemplo, em uma

É importante que o Brasil desenvolva conhecimentos

área em que nós fomos capazes de ligar o desen-

para além das suas fronteiras. A pesquisa espacial

volvimento científico-tecnológico e a produção:

no País tem tido muitos percalços. Por quê? Por

petróleo. A Petrobras, grande empresa estatal e

descuido. Há quem diga que o Brasil não precisa

agora também com interesses privados, abriga até

fazer pesquisa espacial! Claro que precisa! Para ter

mais que as universidades e tem uma proximidade

autonomia para satélites de comunicação. É

com algumas instâncias, por exemplo com a COPPE

necessário ter uma base de pesquisa para que a

(Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação

pesquisa se torne pesquisa aplicada, e haja uma

e Pesquisa de Engenharia), que é uma coordenação

consistência nessas aplicações. Em alguns campos

das pós-graduações em Engenharia do Rio de Ja-

nós fomos gravemente inconsistentes e pagamos o

neiro. Em outras áreas, como a Saúde, isso também

preço por isso.

29


2

AMEAÇAS À SAÚDE

conecte-se

© FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL, RJ

฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ uma das maiores revoltas urbanas ocorridas no país. Milhares de habitantes tomaram as ruas do Rio de Janeiro em violentos conflitos com a polícia. O motivo era uma polêmica medida adotada pelo governo de então: a vacinação obrigatória. De uma lado, os representantes do povo, armados de objetos de trabalho e domésticos e de outro, uma figura bastante conhecida na época, o médico Oswaldo Cruz, que comanda um exército de profissionais armados com lancetas e seringas. O palco da batalha são as ruas da cidade. Com uma população de mais de 800 mil habitantes, boa parte morando em cortiços sem condições mínimas de higiene, o Rio era vitimado por surtos de febre amarela, varíola, peste ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ves convocou o médico sanitarista Oswaldo Cruz, que criou um plano de saneamento e higienização da cidade. Seu projeto, porém, envolvia controvertidas medidas de controle da população e de seus hábitos de higiene, entre elas a operação “mata mosquitos” para com฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ varíola. A falta de comprovação inviabilizaria a matrícula de estudantes em escolas, a admissão em empregos, a realização de casamentos e diversas outras atividades. Concomitantemente, a cidade adotou um programa de reurbanização idealizado pelo prefeito, Pereira Passos, que promoveu a demolição de cortiços, desalojando centenas de famílias. A justificativa foi a promoção de medidas de higiene e saúde. Charge de Leônidas, 1904.

30


OBJETIVOS

Neste capítulo, você vai avaliar propostas que têm como objetivo a preservação e a implementação da saúde do indivíduo, de um grupo social ou do ambiente. Você identificará os agentes que interferem na saúde e os fatores ambientais e sociais que interferem na qualidade de vida da população. Conhecerá os avanços da ciência e da tecnologia para o controle desses agentes, visando a prevenção e a promoção da saúde.

฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ças que deflagraram a Revolta da Vacina, ainda são grandes ameaças à saúde da sociedade? O que a população sabe atualmente que não sabia em 1904? Apareceram novas doenças? Novas resistências e novos preconceitos? Qual a postura e a atitude da população, de um modo geral, a questões de saúde pública?

DESAFIO Diariamente você lê nos jornais, nas revistas, na internet notícias relacionadas a questões de saúde. As manchetes a seguir falam de doenças que apareceram recentemente, que ainda afligem as pessoas ou que aparentemente estavam controladas, mas ressurgiram: UMA EM CADA DEZ JOVENS ATENDIDAS PELO SUS EM SÃO PAULO TEM CLAMÍDIA, DIZ PESQUISA ESTAMOS PREPARADOS PARA ENFRENTAR UM VÍRUS IGUAL AO DO FILME “CONTÁGIO”? BUTANTÃ LANÇARÁ SORO ANTIOFÍDICO EM PÓ DETECÇÃO DE HEPATITE C SALVARIA MILHARES DE VIDAS HOSPITAL RECRUTA VOLUNTÁRIOS PARA TESTAR DROGA CONTRA HIV

AUMENT AM OS TUBERC CASOS ULOSE DE NA FAVE LA DA R OCIN

MAIS DE 10 MILHÕES DE PRESCRIÇÕES DE

HA

ANTIBIÓTICOS SÃO DESNECESSÁRIAS

MÉDIO ANVISA APROVA RE OC TIP E TIT PARA A HEPA

SURTO DE MENINGITE EM OURO BRANCO – MG É CONTROLADO

“NARIZ ELETRÔNICO” PODERIA

PROFISSIONAIS DA SAÚDE SÃO TREINADOS PARA O COMBATE DA DENGUE EM SÃO PAULO

DETECTAR TUBERCULOSE

Ao ler essas manchetes reflita e responda: Quais as doenças mais recorrentes no município onde você reside? De que forma ocorre a transmissão delas? Quais as propostas mais adequadas que poderiam ser implementadas para promover a saúde do indivíduo, da coletividade e do ambiente?

31


QUESTÃO DO ENEM A febre amarela, uma das doenças que afligia a população do Rio de Janeiro em 1904, ainda é ativa e exige cuidados. O exame do ENEM 2010 trouxe uma questão com esta temática. A vacina, o soro e os antibióticos submetem os organismos a processos biológicos diferentes. Pessoas que viajam para regiões em que ocorrem altas incidências de febre amarela, de picadas de cobras peçonhentas e de leptospirose e querem evitar ou tratar problemas de saúde relacionados a essas ocorrências devem seguir determinadas orientações. Ao procurar um posto de saúde, um viajante deveria ser orientado por um médico a tomar preventivamente ou como medida de tratamento A

antibióticos contra o vírus da febre amarela, soro antiofídico caso seja picado por uma cobra e vacina contra a leptospirose.

B

vacina contra o vírus da febre amarela, soro antiofídico caso seja picado por uma cobra e antibiótico caso entre em contato com a Leptospira sp.

C

soro contra o vírus da febre amarela, antibiótico caso seja picado por uma cobra e soro contra toxinas bacterianas.

D

antibiótico ou soro, tanto contra o vírus da febre amarela como para veneno de cobras, e vacina contra a leptospirose.

E

soro antiofídico e antibiótico contra a Leptospira sp e vacina contra a febre amarela caso entre em contato com o vírus causador da doença.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

32


A resposta é a alternativa B . Veja por quê: Para responder a esta pergunta, você deve ler atentamente a questão e anotar a sequência das incidências de doenças, acidentes ambientais e agentes patológicos – a saber: febre amarela, picadas de cobras e leptospirose – para poder decidir sobre as medidas de prevenção e de tratamento que poderá adotar. Febre amarela é causada por um vírus, não existe soro contra esta moléstia, mas há uma vacina. Para picadas de cobras, não há prevenção imunológica, sendo necessário adotar cuidados pessoais como o uso de roupas adequadas, dando preferência às botas de cano alto, calças compridas e camisas de mangas longas, além de não colocar as mãos em buracos de morros e pedras e ocos de árvores, evitar deixar mochilas no chão ou outros pertences onde a cobra possa se alojar e, ao se deparar com uma, manter a calma. Entretanto, se mesmo com todos os cuidados uma pessoa for picada, deve tentar reconhecer se ela é ou não peçonhenta, não tentar extrair o veneno com a boca, manter-se em repouso e se dirigir para uma unidade de saúde mais próxima para receber os primeiros socorros. Mesmo que a cobra não tenha injetado seu veneno, o local da picada pode infeccionar. O paciente pode tomar soro antiofídico na unidade de saúde, caso não tenha levado o soro liofilizado. A Leptospira sp é uma bactéria, e a pessoa contaminada deve tomar antibiótico.

Febre amarela A febre amarela é uma doença que, infelizmente, ainda faz milhares de vítimas em nosso país. É provocada por um tipo de vírus, o flavivírus, que pode ser transmitido aos seres humanos de duas formas: pela picada da fêmea do mosquito que precisa de sangue de mamíferos para amadurecer seus óvulos, conhecido por Aedes aegypti, desde que o inseto esteja contaminado (após picar um ser humano com a doença). Esta doença é conhecida como febre amarela urbana. pela picada do mosquito Haemagogus sp, conhecida como febre amarela silvestre. Regiões de maior incidência: esta enfermidade ocorre principalmente nas regiões tropicais e subtropicais, em função das condições climáticas favoráveis para a procriação e o desenvolvimento

Soro: é usado como tratamento depois que a doença já se instalou em um organismo ou após a contaminação com agente tóxico específico, como venenos ou toxinas. Os soros são fabricados a partir de organismos vivos, e por isso são chamados de imunobiológicos. Os soros antiofídicos neutralizam os efeitos tóxicos do veneno de animais peçonhentos, como cobras e aranhas.

Antibióticos: são substâncias que interagem com bactérias que infectam o organismo de outros seres vivos, matando-as, diminuindo sua reprodução ou atenuando sua toxidade. Os antibióticos podem ser naturais ou sintéticos.

Vírus: não podem ser considerados seres vivos, por não apresentarem características fundamentais desses seres. Eles são constituídos por um envoltório proteico, DNA ou RNA como material genético (jamais os dois juntos), e necessitam de uma célula hospedeira para conseguir se reproduzir. São considerados parasitas intracelulares obrigatórios. Portanto, os vírus não se replicam, mas são replicados pelas células.

33


฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ disseminação da doença, pois o clima quente, as chuvas e a grande quantidade de rios facilitam a reprodução desse inseto e o alastramento da doença. Transmissão da doença e sintomas: após ser picada pelo mosquito, a pessoa contami฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ tos, problemas no fígado e hemorragias. A doença provoca o derramamento da bilirrubina em diversos tecidos do corpo – icterícia –, e o doente adquire um tom amarelado (pele e olhos) – daí advém o nome pelo qual é conhecida a doença. A doença se prolonga por aproximadamente duas semanas e, em alguns casos, pode provocar a morte. Prevenção: a vacina para febre amarela, que foi criada em 1937 pelo médico sanitarista e virologista sul-africano Max Theiler, é elaborada com o vírus vivo atenuado – que são vírus vivos enfraquecidos por ação de calor ou agentes químicos que, quando inoculados em um organismo, não provocam doença, mas podem ser reconhecidos pelo sistema imune, que começa a produzir anticorpos específicos –, sendo produzida no Brasil pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz). É aplicada por via intramuscular e, em pessoas que sofrem de distúrbio do sistema sanguíneo, por via subcutânea. O efeito protetor ocorre uma semana após a aplicação e confeEndemia: quando uma re imunidade por, pelo menos, dez anos. No Brasil, está incluída nos doença existe frequenteCalendários de Vacinação para regiões endêmicas e pode ser utili- mente em determinadas regiões. zada a partir dos nove meses de idade. Deve ser aplicada também em pessoas que viajam para qualquer região de risco, pelo menos dez dias antes. A vacina geralmente produz poucos efeitos colaterais, como febre, dor de cabeça, dor muscular e, raramente, reações no local de aplicação. A vacina é contraindicada para crianças menores de nove meses, mulheres que estejam amamentando, pessoas com doenças agudas sem diagnóstico ou que tenham feito uso recente de outras vacinas com vírus atenuados ou contra a cólera, devido à interferência na indução imunológica.

ANOTAÇÕES ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________

34


QUESTÃO DO ENEM A prova do ENEM 2012 trouxe uma questão que também relaciona os sintomas apresentados por um paciente e as condições de saneamento da localidade onde ele vive. Ela solicita que você, mediante as informações apresentadas, identifique a doença desenvolvida pelo paciente. Medidas de saneamento básico são fundamentais no processo de promoção de saúde e qualidade de vida da população. Muitas vezes, a falta de saneamento está relacionada com o aparecimento de várias doenças. Nesse contexto, um paciente dá entrada em um pronto atendimento relatando que há 30 dias teve contato com águas de enchente. Ainda informa que nesta localidade não há rede de esgoto e drenagem de águas pluviais e que a coleta de lixo é inadequada. Ele apresenta os seguintes sintomas: febre, dor de cabeça e dores musculares. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br>. Acesso em: 27 fev. 2012. Texto adaptado. Relacionando os sintomas apresentados com as condições sanitárias da localidade, há indicações de que o paciente apresenta um caso de A

difteria.

B

botulismo.

C

tuberculose.

D

leptospirose.

E

meningite meningocócica.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

35


A resposta correta é a alternativa D . Veja por quê: A descrição do local nos leva a supor que nele há muitos ratos, principalmente pelo acúmulo de lixo, o que torna o ambiente propício para sua proliferação. O texto afirma também que há falta de drenagem das águas pluviais. Estes fatores indicam que a doença apresentada pelo paciente que deu entrada no pronto atendimento é a Leptospirose, doença cujo agente etiológico é uma bactéria, Leptospira SP, encontrada na urina de ratos contaminados.

Leptospirose É uma doença infecciosa causada por bactérias chamadas Leptospira sp, sendo uma zoonose, isto é, uma doença que é transmitida por animais. São animais hospedeiros da Leptospira sp: roedores, cães, suínos e equinos. Transmissão da doença e sintomas: a contaminação pelos humanos, na maioria das vezes, está associada ao contato com água, alimentos ou solo contaminados pela urina de animais portadores da bactéria Leptospira sp. A doença aparece muitas vezes em locais sujeitos a alagamentos ou com infraestrutura precária: regiões sem Conjuntivite: é a inflamação saneamento básico, acúmulo de lixo em locais públicos, falta de da conjuntiva (membrana controle da população de ratos. Nos centros urbanos, a doença po- que envolve grande parte do globo ocular). A causa da de aparecer após períodos de chuvas e de enchentes, quando as conjuntivite pode ser águas acumuladas nos alagamentos são contaminadas com a uri- infecciosa, alérgica ou na dos ratos que vivem na rede de esgoto ou nas ruas, devido ao tóxica. acúmulo de lixo ou de esgoto a céu aberto. As bactérias são ingeridas ou entram em contato com a mucosa Gânglios linfáticos: também conhecidos como ou com a pele. Após um período médio de duas semanas desde a linfonodos, são órgãos que contaminação, surgem os primeiros sintomas: febre, calafrios, conjun- consistem de vários tipos de células e fazem parte do tivite, dor nos músculos, fotofobia, dor de garganta, inchaço dos gân- sistema linfático. São glios linfáticos฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ encontrados em várias a 7 dias. Quando parece que o paciente está curado, ocorre uma piora, regiões do corpo, possuem glóbulos brancos e agem agora envolvendo vários órgãos e o sistema vascular, com sintomas como filtro e armadilha como icterícia e hemorragia. Esse quadro persiste por 1 ou 3 semanas. para partículas invasoras do organismo. O tratamento é feito com o uso de antibióticos.

RADAR Filmes As doenças tematizadas nesse capítulo, assim como os períodos históricos do surgimento dos principais sanitaristas e das primeiras vacinas, estão retratados em algumas produções de cinema, das quais selecionamos duas:

36


฀ Sonhos Tropicais. Direção de André Sturm. Brasil: Flashstar, 2001. (120 min). Baseado em livro do sanitarista brasileiro Moacyr Scliar, a história é ambientada no Rio de Janeiro na época da chegada de Oswaldo Cruz, vindo da França, depois de ter estudado no Instituto Pasteur. Ele relata a Revolta da Vacina que citamos logo no começo do capítulo.

฀ A Vida de Louis Pasteur (The Story of Louis Pasteur ). Direção de Willian Dieterle. Estados Unidos: Classicline, 1936. (87 min).

História da vida do cientista Louis Pasteur e da sua dificuldade em convencer as autoridades da França sobre a Teoria dos Germes. Retrata também suas descobertas sobre as vacinas. Site

฀ Instituto Butantan: <www.butantan.gov.br> Acesse o site do Instituto Butantan. Além de conhecer um bom exemplo de instituição de pesquisa brasileira, você vai saber mais sobre os produtos que lá são pesquisados e sobre o soro antiofídico.

ANOTAÇÕES ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________

37


QUESTÃO DO ENEM A dengue é uma doença que vem castigando o país nos últimos anos. Sua transmissão é semelhante à da febre amarela, mas ela deixa vulnerável quase toda a população do território nacional. As medidas preventivas dependem da conscientização e participação da população. Frente ao expressivo número de casos e aos diferentes tipos da doença, o ENEM 2011 trouxe uma questão específica sobre o assunto. Leia o texto e depois responda a questão apresentada. Durante as estações chuvosas, aumentam no Brasil as campanhas de prevenção à dengue, que têm como objetivo a redução da proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus da dengue. Que proposta preventiva poderia ser efetivada para diminuir a reprodução desse mosquito? A

Colocação de telas nas portas e janelas, pois o mosquito necessita de ambientes cobertos e fechados para a sua reprodução.

B

Substituição das casas de barro por casas de alvenaria, haja visto que o mosquito se reproduz na parede das casas de barro.

C

Remoção dos recipientes que possam acumular água, porque as larvas do mosquito se desenvolvem nesse meio.

D

Higienização adequada de alimentos, visto que as larvas do mosquito se desenvolvem nesse tipo de substrato.

E

Colocação de filtros de água nas casas, visto que a reprodução do mosquito acontece em águas contaminadas.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

38


A resposta é a alternativa C . Veja por quê: Recipientes que acumulam água, tais como latas e garrafas vazias, pneus, calhas, caixas d’água descobertas, pratos de vasos de planas ou qualquer outro que possa armazenar água de chuva, são ambientes propícios para que as fêmeas do mosquito coloquem seus ovos. Colocar telas nas portas e janelas impede a entrada do mosquito dentro de casa, mas ele não necessita de ambientes cobertos e fechados para sua reprodução. Lavar bem os alimentos e filtrar são atitudes imprescindíveis para uma boa saúde, mas não porque o alimento seja substrato para o desenvolvimento do mosquito e água contaminada seja seu ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀

Dengue A dengue é uma doença infecciosa causada por um arbovírus (existem quatro tipos diferentes de vírus: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4), que ocorre principalmente em áreas tropicais e subtropicais do mundo, inclusive no Brasil. As epidemias geralmente acontecem no verão, durante ou imediatamente após períodos chuvosos. A febre amarela e a dengue são doenças classificadas como reemergentes, pois ambas eram consideradas erradicadas. Transmissão da doença e sintomas: a doença é causada por um vírus da família Flaviridae e é transmitida, no Brasil, pelo mosquito Aedes aegypti, também infectado pelo vírus. Esta espécie de mosquito é originária da África e chegou ao continente americano na época da colonização. Não há transmissão pelo contato de um doente ou suas secreções com uma pessoa sadia, nem fontes de água ou alimento. Após ser picada pelo mosquito, a pessoa contaminada começa a apresentar uma série de sintomas. Na dengue clássica, os sintomas são: febres altas, dores de cabeça, cansaço, dor muscu฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ abdominal (principalmente em crianças), sintomas que duram de 5 a 7 dias. Na dengue hemorrágica são: inicialmente os sintomas são semelhantes aos da dengue clássica, mas, após o terceiro ou quarto dia de evolução da doença, surgem hemorragias em virtude do sangramento de pequenos vasos na pele e nos órgãos internos. O tratamento da dengue requer bastante repouso e a ingestão de muito líquido. No tratamento também são usados medicamentos antitérmicos, que devem ser recomendados por um médico. Prevenção: A melhor forma de se combater a dengue é eliminar os locais onde o mosquito se reproduz (os criadouros).

39


Combater a dengue é uma tarefa séria que deve ser realizada todos os dias. O mosquito da dengue se reproduz onde há água parada, por isso, é preciso eliminar todos os objetos que podem acumular água para evitar que o mosquito nasça. Veja a seguir quais são os principais focos do mosquito da dengue e aprenda como se prevenir:

Mantenha bem tampados tonéis e barris d’água.

Remova folhas, galhos e tudo que possa impedir a água de correr pelas calhas.

Mantenha a caixa d’água bem fechada. Coloque também uma tela no ladrão da caixa d’água.

Vire todas as garrafas com a boca para baixo, evitando que se acumule água dentro delas.

Encha de areia até a borda os pratos das plantas ou lave-os semanalmente com escova.

Lave com sabão a parte interior dos utensílios usados para guardar água em casa.

Troque a água dos vasos de plantas aquáticas e lave-os com escova, água e sabão uma vez por semana.

Não deixe água acumulada sobre a laje.

Lave com sabão os tanques utilizados para armazenar água.

Coloque no lixo todo objeto não utilizado que possa acumular água.

Coloque o lixo em sacos plásticos e mantenha a lixeira bem fechada.

MARI HEFFNER

Feche bem o saco de lixo e deixe-o fora do alcance de animais.

40


RADAR Você pode obter informações mais detalhadas sobre os diferentes vírus da dengue: Sites

฀ Ministério da Saúde: <http://portal.saude.gov.br/portal/saude/visualizar_texto. cfm?idtxt=23620&janela=1>

฀ Saiba como se faz uma armadilha para combater a dengue acessando o site: <www.dengue.org.br/dengue_prevenir.html>

Vídeo

฀ Canal Saúde da Fiocruz, no YouTube, que traz entrevistas com médicos e técnicos do Ministério da Saúde que fornecem dados e informações sobre as ondas de dengue nas várias regiões do Brasil: <www.canal.fiocruz.br/video/index.php?v =dengue>

Artigo

฀ Vale a pena ler uma notícia sobre novos mecanismos de controle biológico para

combate à dengue no seguinte endereço: <http://g1.globo.com/luta-contra-adengue/noticia/2011/10/grupo-usa-mosquitos-geneticamente-modificadospara-combater-dengue.html>

PENSE BEM! Você acompanha as notícias sobre as epidemias de dengue em sua região? Você soube de algum caso de dengue no município em que reside? O que você tem feito para evitar a dengue: ações individuais, coletivas e para o ambiente? Você está engajado em alguma campanha de combate à doença?

ANOTAÇÕES ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________

41


QUESTÃO DO ENEM Os números do Ministério da Saúde mostram que o Brasil está perto de registrar o caso número 600 mil de AIDS no país. Desde o primeiro caso, em 1980, até a última atualização (junho/2010), foram contabilizados 592.914 casos de infecção pelo vírus HIV. Desses, 38.538 casos foram notificados em 2009. O país busca desenvolver pesquisas e implementar programas para combater a doença. Esta preocupação, porém, é da comunidade científica do mundo todo. Frente a essa realidade, na prova válida do ENEM 2009 foi publicada uma questão sobre o assunto. Estima-se que haja atualmente no mundo 40 milhões de pessoas infectadas pelo HIV (o vírus que causa a AIDS), sendo que as taxas de novas infecções continuam crescendo, principalmente na África, Ásia e Rússia. Nesse cenário de pandemia, uma vacina contra o HIV teria imenso impacto, pois salvaria milhões de vidas. Certamente seria um marco na história planetária e também uma esperança para as populações carentes de tratamento antiviral e de acompanhamento médico. ฀ ฀ ฀ 26, 2009. Texto adaptado.

฀ ฀ ฀Vacina contra AIDS: desafios e esperanças. Ciência Hoje (44)

Uma vacina eficiente contra o HIV deveria A

induzir a imunidade, para proteger o organismo da contaminação viral.

B

ser capaz de alterar o genoma do organismo portador, induzindo a síntese de enzimas protetoras.

C

produzir antígenos capazes de se ligarem ao vírus, impedindo que este entre nas células do organismo humano.

D

ser amplamente aplicada em animais, visto que esses são os principais transmissores do vírus para os seres humanos.

E

estimular a imunidade, minimizando a transmissão do vírus por gotículas de saliva.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

42


A resposta é a alternativa A . Veja por quê: A vacina leva o sistema imunológico a produzir anticorpos contra um antígeno específico, no caso, contra o vírus da AIDS, lembrando que vacina é um tipo de imunidade artificial em que o próprio antígeno é inoculado no organismo. Uma vacina não altera o genoma do organismo portador do vírus, e sim estimula a produção de anticorpos.

Anticorpo: é uma proteína específica que é produzida em resposta a um antígeno. Antígeno: é toda partícula ou molécula capaz de iniciar uma resposta imune.

Genoma: é o conjunto das informações contidas no DNA das células.

Proteger-se! Ser e estar saudável é importantíssimo para evitar doenças ou para superá-las mais rapidamente. Venha conhecer um pouco mais como o nosso organismo funciona: Sistema Imunológico: quando você faz um corte, vários tipos de corpos estranhos podem entrar no seu organismo, como bactérias, fungos ou vírus. Seu sistema imunológico responde e elimina os invasores, enquanto a pele cicatriza e sela o corte. Outras vezes, o sistema imunológico não dá conta de evitar que corpos estranhos se instalem no seu corpo e acaba ocasionando uma infecção. O local inflama e fica cheio de pus. A inflamação e o pus são efeitos colaterais do sistema imunológico fazendo o seu trabalho. ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ e outros corpos estranhos tentam entrar no seu organismo. Seu sistema imunológico tem de estar atento para lidar com todos estes problemas/invasores e assim manter a integridade do organismo. Mecanismos de defesa do organismo: pele e mucosas que revestem o organismo têm como função protegê-lo de bactérias, fungos ou vírus. Caso algum desses micro-organismos entre no corpo, células específicas de defesa têm a capacidade de reconhecer o invasor e passam a combatê-lo. O micro-organismo estranho recebe o nome de antígeno. O sistema imunológico responde ao antígeno produzindo um anticorpo, que é uma proteína específica para cada tipo de antígeno. Os linfócitos, células de defesa do organismo, atacam os micro-organismos e assim começa a produção de anticorpos, denominados imunoglobulinas. O sistema imunológico tem a capacidade de reconhecer um mesmo antígeno e produzir anticorpos para reagir contra ele. Você já sabe que as vacinas são micro-organismos mortos ou atenuados na sua patogenicidade, ou às vezes apenas nas suas toxinas, cuja inoculação provoca no organismo uma reação de imunização. Neste

Linfócito: é uma variedade de leucócito (glóbulo branco) que mede de 6 a 8 mícrons, de núcleo arredondado, produzido pelos gânglios linfáticos e tecido linfoide.

Linfócito TDCD4+: é um linfócito auxiliar, que reconhece o antígeno e passa informação sobre ele a todos os outros linfócitos, que desta forma são ativados, atacando todos os antígenos idênticos.

43


1

SOCIEDADE TECNOLÓGICA E MEIO AMBIENTE

conecte-se BRASIL TERÁ 12 NOVOS SHOPPINGS ATÉ O FIM DO ANO

© DANIEL CYMBALISTA / PULSAR IMAGENS

Já em 2011, serão pelo menos mais 29 shoppings, totalizando 439 em todo o país

São Paulo – Com os corredores climatizados cada vez mais cheios, a indústria de shopping centers aumenta a velocidade de expansão no Brasil ao sabor da maré mais favorável já vivida

pelo setor. Após a inauguração de quatro grandes shoppings no primeiro semestre, outros 12 abrirão as portas até o fim do ano. Em 2011, serão pelo menos mais 29 shoppings, totalizando 439 em todo o país. Atualmente, há 396 empreendimentos desse tipo. A conta é da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), que só considera empreendimentos com mais de 5 mil metros quadrados de área locável. Incluindo shoppings menores, a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) prevê que o país fechará 2010 com mais de 750 centros em funcionamento e ganhará outros 200 até 2015 – ou seja, 40 por ano. [...]

Brasil terá 12 novos shoppings até o fim do ano, Exame, São Paulo, 2 out. 2010. Disponível em: <http://exame.abril.com. br/negocios/empresas/noticias/brasil-tera-12-novos-shoppings-fim-ano-583728>. Acesso em: 11 mar. 2012.

ENTENDA A DIFERENÇA ENTRE LIXÃO E ATERRO SANITÁRIO O Brasil ainda trata grande parte do lixo de forma incorreta. Dados da Abrelpe (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais) mostram que cerca de 1.600 municípios brasileiros destinam seus resíduos a lixões. A maior parte deles, 855, está localizada no Nordeste.

14

O IBGE afirma que a região, junto com o Norte do país, leva mais de 80% dos seus resíduos para lixões. Todas as regiões, no entanto, convivem o problema. A Política Nacional dos Resíduos Sólidos (PNRS), instituída em 2010, prevê a extinção dos lixões no Brasil até 2014.


OBJETIVOS

Neste capítulo você será capaz de identificar o papel dos meios de comunicação na construção da vida social, analisando a importância dos valores éticos na estruturação política das sociedades.

© IMAGEBROKER DP / OTHER IMAGE

Os dados da Abrelpe também mostram que estamos produzindo mais lixo. Em 2010, a geração de resíduos sólidos urbanos cresceu 6,8% em relação a 2009. Junto a isso, os números do IBGE não são animadores: apenas 27,7% dos resíduos no Brasil vão, de fato, para aterros sanitários. [...] CINTRA, Lydia. Superinteressante, São Paulo, 19 mai. 2011. Disponível em: <http:// super.abril.com.br/blogs/ideias-verdes/qual-a-diferenca-entre-lixao-e-aterrosanitario>. Acesso em: 11 mar. 2012.

É possível estabelecer algum tipo de relação entre os textos acima? De que forma poderíamos associar o estilo de vida propagado atualmente mundo afora com os padrões de consumo desta sociedade? Como o estilo de vida atual, baseado no consumo e em valores individuais, poderia estar ligado aos problemas ambientais do mundo? Você acha que essa lógica do consumo que predomina na sociedade é signatária da atual estrutura político฀

DESAFIO A história das chamadas relações entre sociedade e natureza é, em todos os lugares habitados, a da substituição de um meio natural, dado a uma determinada sociedade, por um meio cada vez mais artificializado, isto é, sucessivamente instrumentalizado por essa mesma sociedade. Em cada fração da superfície da Terra, o caminho que vai de uma situação a outra se dá de maneira particular; e a partir do “natural” e do “artificial” também varia, assim como mudam as modalidades de seu arranjo. SANTOS, Milton. A natureza do espaço. São Paulo: Hucitec, 1996. p. 186. O trecho acima, retirado da obra do geógrafo brasileiro Milton Santos (1926-2001), gera algumas questões importantes neste capítulo: É possível viver em harmonia com a natureza? É possível haver desenvolvimento econômico e social de forma sustentável? É possível utilizar os recursos naturais sem gerar impacto ambiental? É possível utilizar os recursos oferecidos pela natureza garantindo a inclusão social das comunidades tradicionais? O atual modelo de desenvolvimento adotado pela sociedade é compatível com a utilização sustentável dos recursos naturais?

15


QUESTÃO DO ENEM Os questionamentos sobre o modelo de desenvolvimento pósRevolução Industrial orientaram a prova do ENEM 2010, que apresentou uma questão sobre o assunto . Leia-a, analise e indique a alternativa correta. A poluição e outras ofensas ambientais ainda não tinham esse nome, mas já eram largamente notadas no século XIX, nas grandes cidades inglesas e continentais. E a própria chegada ao campo das estradas de ferro suscitou protestos. A reação antimaquinista, protagonizada pelos diversos ludismos, antecipa a batalha atual dos ambientalistas. Esse era, então, o combate social contra os miasmas urbanos. SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Edusp, 2002 (adaptado). O crescente desenvolvimento técnico-produtivo impõe modificações na paisagem e nos objetos culturais vivenciados pelas sociedades. De acordo com o texto, pode-se dizer que tais movimentos sociais emergiram e se expressaram por meio A

das ideologias conservacionistas, com milhares de adeptos no meio urbano.

B

das políticas governamentais de preservação dos objetos naturais e culturais.

C

das teorias sobre a necessidade de harmonização entre técnica e natureza.

D

dos boicotes aos produtos das empresas exploradoras e poluentes.

E

da contestação à degradação do trabalho, das tradições e da natureza.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

16


A relação homem e natureza

©YVETTE CARDOZO/PHOTOLIBRARY/GETTY IMAGES

©BOB POOL/PHOTOGRAPHER'S CHOICE RF/GETTY IMAGES

Ao longo do tempo os diferentes grupos humanos se diferenciaram por meio de seu nível de conhecimento e domínio da técnica e da tecnologia. Esses aspectos são fundamentais para determinar as relações que esses grupos e indivíduos vão estabelecer com o meio em que vivem. Em outras palavras, é possível afirmar que o grau de desenvolvimento humano será, entre outros aspectos, um dos principais fatores que determinarão em que medida vai se dar a apropriação pelo homem dos recursos produzidos pela natureza. Trânsito em Mumbai, Índia Se os grupos humanos se relacionam com a natureza de maneira distinta, de acordo com o seu nível de conhecimento, do domínio das técnicas e consequentemente de seu desenvolvimento tecnológico, muitos recursos que podem ser extremamente valiosos para uns, podem não possuir valor algum para outros. Para os esquimós do Alasca, nos Estados Unidos, que vivem sobre reservas que guardam milhões de metros cúbicos de petróleo, esse recurso mineral de nada vale, pois para a sua comunidade não tem nenhuma utilidade. Diferentemente dos esquimós, isolados, que vivem basicamente da subsistência, a maioria dos habitantes do planeta precisa, direta ou indiretamente, do petróleo – fonte de energia vital no mundo atual.

Iglu construído com neve pela tribo Inuit, Canadá.

17


QUESTÃO DO ENEM Atualmente, o nível de desenvolvimento tecnológico e o consequente grau de complexidade da economia mundial fazem com que uma variada gama de recursos oferecidos pela natureza seja explorada com diferentes intensidades por nossa sociedade. Esta foi uma questão apresentada na prova anulada do ENEM 2009: O homem construiu sua história por meio do constante processo de ocupação e transformação do espaço natural. Na verdade, o que variou, nos diversos momentos da experiência humana, foi a intensidade dessa exploração. Disponível em: <www.simposioreformaagraria.propp.ufu.br>. Acesso em: 9 jul. 2009. Texto adaptado. 1. Uma das consequências que pode ser atribuída à crescente intensificação da exploração de recursos naturais, facilitada pelo desenvolvimento tecnológico ao longo da história, é A

a diminuição do comércio entre países e regiões, que se tornaram autossuficientes na produção de bens e serviços.

B

a ocorrência de desastres ambientais de grandes proporções, como no caso de derramamento de óleo por navios-petroleiros.

C

a melhora generalizada das condições de vida da população mundial, a partir da eliminação das desigualdades econômicas na atualidade.

D

o desmatamento, que eliminou grandes extensões de diversos biomas improdutivos, cujas áreas passaram a ser ocupadas por centros industriais modernos.

E

o aumento demográfico mundial, sobretudo nos países mais desenvolvidos, que apresentam altas taxas de crescimento vegetativo.

Qual alternativa você assinala como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

18


PENSE BEM! Você acredita que a ocupação dos meios físicos e a utilização de seus recursos são essenciais para a manutenção da vida humana? Por quê?

Aumentando a produção Com o desenvolvimento tecnológico ocorrido a partir do século XVIII, surgiram sucessivamente novas matrizes energéticas, como a energia a vapor, a eletricidade e o motor de combustão interna. Esse processo, associado a uma sofisticação da organização e divisão do trabalho desencadeou um profundo desenvolvimento da atividade industrial, que com o passar do tempo se tornou menos dependente da força motriz humana, como relata o jornalista e cientista político norte-americano Leo Huberman (1903-1968), em História da riqueza do homem: A invenção de máquinas para fazer o trabalho do homem era uma história antiga, muito antiga. Mas, com a associação da máquina à força do vapor, ocorreu uma modificação importante no método de produção. O aparecimento da máquina movida a vapor foi o nascimento do sistema fabril em grande escala. HUBERMAN, Leo. História da riqueza do homem. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

© HULTON COLLECTION/HULTON ARCHIVE/ GETTY IMAGES

Se antes, na fabricação de determinado produto era necessário certo domínio da técnica, com o desenvolvimento tecnológico tornou-se possível padronizar esse conhecimento, aplicá-lo a uma máquina e utilizá-lo onde fosse possível instalá-la. Ou seja, teoricamente, qualquer indivíduo que tivesse recursos materiais para adquirir uma dessas máquinas passaria a ter também o domínio da técnica necessária para produzir uma determinada mercadoria. Obviamente, em meados do século XIX, o uso das máquinas a vapor não era tão comum, pois seu funcionamento dependia de acesso a uma fonte de energia, no caso, o carvão mineral. Mas o próprio desenvolvimento tecnológico contornou essa limitação. A construção de ferrovias com trens movidos a vapor promoveu uma incipiente dispersão da atividade industrial, que mais tarde seria intensificada com a mudança de matriz para a energia elétrica. O que antes só era possível ser feito com aço, madeira e trabalho humano nesse momento se realizaria com apenas um fio elétrico. Com o advento da energia elétrica, ocorreu uma profunda disseminação e intensificação da produção industrial. E agora, a produção passou a ser ilimitada? Não é bem assim. Toda mercadoria produzida, por mais complexo que seja o seu processo de fabricação, é resultado direto da trans- Trabalhadores em uma linha de formação de uma matéria-prima pelo homem. Portanto, essa montagem, Michigan, EUA.

19


mercadoria é direta ou indiretamente o saldo de um processo que envolve muito trabalho, mas sobretudo recursos naturais. Algumas das matérias-primas utilizadas pelo homem, como areia e rochas, são retiradas diretamente de ambientes naturais e mesmo aquelas que parecem não guardar nenhuma ligação com esses ambientes, como papel (árvores), tecidos (algodão, lã do carneiro) e plástico (petróleo) são fruto da natureza.

PENSE BEM! A evolução da matriz energética é resultado direto de um processo contínuo de evolução tecnológica. Esse fenômeno implica uma graduação temporal no uso das tecnologias. É possível perceber como o uso das tecnologias pode gerar impactos ambientais diferentes em função do contexto histórico-geográfico?

A sociedade tecnológica ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ atuaram em diferentes momentos da história. Isso significa que nossa sociedade é um produto histórico e, como tal, é possível constatar as sucessivas transformações conjunturais pelas quais passou ao longo do tempo. Em nossa sociedade, o homem se utiliza do conhecimento científico e da tecnologia para transformar a natureza. Por esse motivo, ela pode ser chamada sociedade tecnológica. Predomina nessa sociedade uma visão utilitarista da natureza. Ela é entendida apenas co฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ Diferentemente de seus mais remotos ancestrais, que retiravam da natureza apenas aquilo que era necessário para garantir a sua sobrevivência, o homem da sociedade tecno฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ mercadoria e sob a lógica do mercado capitalista, esse bem natural deve ser explorado intensamente para garantir a manutenção dos lucros do capitalista. Nesse contexto, o consumo deve ser sempre estimulado: quanto maior o mercado consumidor maior a demanda ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ da oferta e da procura. A existência de uma sociedade baseada no consumo está intrinsecamente ligada à superprodução industrial e às leis de mercado do mundo capitalista. Logo, preservar a natureza é infactível nessas condições.

ANOTAÇÕES ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________

20


QUESTÃO DO ENEM O desequilíbrio na relação entre ambiente e atividade produtiva foi tema de uma questão da prova do ENEM 2010. Veja: Os lixões são o pior tipo de disposição final dos resíduos sólidos de uma cidade, representando um grave problema ambiental e de saúde pública. Nesses locais, o lixo é jogado diretamente no solo e a céu aberto, sem nenhuma norma de controle, o que causa, entre outros problemas, a contaminação do solo e das águas pelo chorume (líquido escuro com alta carga poluidora, proveniente da decomposição da matéria orgânica presente no lixo). ฀ ฀ Sociambiental, 2007.

฀Almanaque Brasil Socioambiental 2008. São Paulo: Instituto

Considere um município que deposita os resíduos sólidos produzidos por sua população em um lixão. Esse procedimento é considerado um problema de saúde pública porque os lixões A

causam problemas respiratórios, devido ao mau cheiro que provém da decomposição.

B

são locais propícios à proliferação de vetores de doenças, além de contaminarem o solo e as águas.

C

provocam o fenômeno da chuva ácida, devido aos gases oriundos da decomposição da matéria orgânica.

D

são instalados próximos ao centro das cidades, afetando toda a população que circula diariamente na área.

E

são responsáveis pelo desaparecimento das nascentes na região onde são instalados, o que leva à escassez de água.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

21


A resposta é a alternativa B . Veja por quê: Tendo em vista o uso, pela população, da parcelas de terra para o cultivo agrícola e da água para o abastecimento, a contaminação do solo e dos lençóis freáticos pelo chorume que emana dos resíduos depositados nos lixões se torna, além de um problema ambiental, um grave problema de saúde pública.

Produzindo lixo O estímulo ao consumo através dos modismos e o lançamento de novos produtos de bens de consumo no mercado são o esteio da economia na sociedade tecnológica. Como o ritmo de lançamentos das novidades no mercado é intenso, produtos que apresentam boa condição de uso são descartados sem necessariamente estarem velhos. Muitos produtos já nascem com o intuito de durar pouco: é a obsolescência programada. Outros são feitos para serem descartáveis, como é o caso dos artigos de plástico ou de papel (copos, guardanapos etc.). Entre os diversos efeitos colaterais provocados pela intensa produção e pelo intenso consumo de nossa sociedade está a geração e descarte de resíduos. Nas grandes cidades do mundo, de maneira geral, a maior parte desses resíduos tem como destino final os chamados lixões, espaços a céu aberto onde sucessivas camadas de detritos se acumulam e se depositam. Nesses locais não existe controle sobre o acesso de pessoas aos resíduos, sendo comum, principalmente em países subdesenvolvidos, que uma parcela da população mais pobre tente sobreviver recolhendo parte dos materiais descartados. Da mesma maneira, não existe nesses espaços controle dos gases gerados pela decomposição do lixo, que elevam o risco de explosões, nem do chorume, que pode poluir o solo e lençóis freáticos. Essa situação causa graves problemas de saúde pública para o conjunto de suas populações.

Lixão urubus e outros animais lixo

Poluição chorume lençol freático

Ação poluidora dos lixões.

A destinação ecologicamente correta dos resíduos sólidos é uma questão complexa para todas as grandes cidades. Uma alternativa aos lixões são os aterros sanitários, espaços planejados para a deposição dos detritos, onde o terreno é previamente preparado para isso. O solo deverá ser impermeabilizado para evitar contaminações e o chorume e os gases gerados pela decomposição do lixo receberão tratamento adequado.

22


Aterro Sanitário Não há urubus ou animais nem mau cheiro Captação e queima do gás metano

Tratamento do chorume ETE

Terra virgem

Lixo novo

Cobertura diária

Captação do chorume Selação com Manta de PVC e argila

Não há contaminação do lençol freático

Todavia, nem sempre o aterro sanitário é viável como alternativa aos lixões. Por tseu custo elevado, pela necessidade de um rigor técnico em sua implementação e também pela ausência de leis que regulem o descarte de lixo, muitos gestores públicos e privados acabam por não utilizá-los em detrimento de ações menos definitivas e de caráter paliativo, mas que possuem um custo menor e garantem mais retorno publicitário, como campanhas de reciclar, reutilizar ou renovar os materiais.

PENSE BEM!

OS INDICADORES ECONÔMICOS MOSTRAM QUE VAMOS DE VENTO EM POPA!

© MARI HEFFNER.

Brasil à todo vapor

A cultura do desperdício, marca de nossa sociedade, é o principal motivo da poluição existente no planeta e tem gerado preocupação em especialistas e autoridades mundo afora. O que fazer com tanto lixo? Qual é o impacto ambiental provocado por ele? Quais são as mudanças de comportamento necessárias para enfrentar esse problema? E você, o que está fazendo com os resíduos que produz?

23


QUESTÃO DO ENEM Na prova válida do ENEM 2009, uma questão baseada em um texto do antropólogo francês Bruce Albert abordou as relações que os índios ianomâmis mantêm com a floresta, o ambiente e sua previsão para o futuro, caso o homem não reflita sobre essa relação. Os ianomâmis constituem uma sociedade indígena do norte da Amazônia e formam um amplo conjunto linguístico e cultural. Para os ianomâmis, urihi, a “terrafloresta”, não é um mero cenário inerte, objeto de exploração econômica, e sim uma entidade viva, animada por uma dinâmica de trocas entre os diversos seres que a povoam. A floresta possui um sopro vital, wixia, que é muito longo. Se não a desmatarmos, ela não morrerá. Ela não se decompõe, isto é, não se desfaz. É graças ao seu sopro úmido que as plantas crescem. A floresta não está morta pois, se fosse assim, as florestas não teriam folhas. Tampouco se veria água. Segundo os ianomâmis, se os brancos os fizerem desaparecer para desmatá-la e morar no seu lugar, ficarão pobres e acabarão tendo fome e sede. ALBERT, Bruce. “Yanomami, o espírito da floresta”. Almanaque Brasil Socioambiental. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2007 (adaptado). De acordo com o texto, os ianomâmis acreditam que A

a floresta não possui organismos decompositores.

B

o potencial econômico da floresta deve ser explorado.

C

o homem branco convive harmonicamente com urihi.

D

as folhas e a água são menos importantes para a floresta que seu sopro vital.

E

wixia é a capacidade que tem a floresta de se sustentar por meio de processos vitais.

Qual alternativa você assinala como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

24


A resposta é a alternativa E . Veja por quê: O texto apresentado no enunciado da questão descreve, de forma sucinta, a concepção de natureza dos ianomâmis. Dentre as alternativas apresentadas, a correta é única que representa essa concepção corretamente.

As comunidades tradicionais Evidentemente, nem todos os habitantes do planeta estão submetidos aos padrões de comportamento impostos pela sociedade tecnológica. Há aqueles que resistem, mas resistir não significa necessariamente não tomar parte desse jogo. Diferentes grupos sociais tentam recriar um modo de vida em desuso para, de alguma forma, contraporem-se à sociedade de consumo, como plantar seu próprio alimento, consumir produtos orgânicos e produtos gerados por uma cadeia produtiva baseada na sustentabilidade. Entretanto, essas iniciativas em geral são caras e pouco acessíveis para o conjunto da população, pois, de certa forma, o mercado já se apropriou delas. Outro aspecto importante deve considerar a complexidade das cadeias produtivas. Mesmo em sistemas produtivos que buscam produzir com sustentabilidade socioambiental, em algum momento do processo insumos, ferramentas, matérias-primas ou energias utilizados terão de vir de outra cadeia produtiva, externa a essa lógica. Isso torna, portanto, praticamente impossível produzir algo em uma escala razoável, que seja totalmente responsável social e ambientalmente. Apesar de interessantes e bem-intencionadas, essas experiências ainda não representam uma alternativa viável ao modo de vida moderno. Vivendo sob a lógica da sociedade tecnológica, a autossuficiência é uma utopia para grande parte da população mundial. No entanto, uma pequena parte da população vive às margens dessa sociedade ou pouco é influenciada por ela. ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ necem comunidades que não foram “contaminadas” culturalmente e não sentem nenhuma falta das inovações tecnológicas do mundo moderno, vivendo basicamente da subsistência. São milhares de nativos (indígenas, aborígenes, esquimós etc.) e outras comunidades (ribeirinhos, beduínos, quilombolas etc.) que não enxergam a natureza apenas como fonte ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ sário para a sobrevivência, pois entendem que ela precisa de tempo para recompor esses recursos tão vitais para a manutenção da vida e de sua comunidade. Eles enxergam a natureza como fonte de recursos naturais essenciais para a existência, assim como o resto da ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ Alguns desses povos, fundamentalmente os nativos, ainda enxergam a natureza como um ser dotado de vida. Para eles é como se o planeta Terra fosse um grande organismo vivo. Nessa perspectiva, explorar mais recursos do que se é capaz de utilizar é romper com o equi฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ para que ele continue oferecendo alimentos e bens importantes para a vida de seu povo. Essas concepções acerca da natureza garantem que o uso que se fará de seus recursos gere um impacto ambiental muito menor que o provocado pela sociedade tecnológica.

25


QUESTÃO DO ENEM A relação entre produção e ambiente foi tema de uma questão da prova válida do ENEM 2009. Veja: No presente, observa-se crescente atenção aos efeitos da atividade humana, em diferentes áreas, sobre o meio ambiente, sendo constante, nos fóruns internacionais e nas instâncias nacionais, a referência à sustentabilidade como princípio orientador de ações e propostas que deles emanam. A sustentabilidade explica-se pela A

incapacidade de se manter uma atividade econômica ao longo do tempo sem causar danos ao meio ambiente.

B

incompatibilidade entre crescimento econômico acelerado e preservação de recursos naturais e de fontes não renováveis de energia.

C

interação de todas as dimensões do bem-estar humano com o crescimento econômico, sem a preocupação com a conservação dos recursos naturais que estivera presente desde a Antiguidade.

D

proteção da biodiversidade em face das ameaças de destruição que sofrem as florestas tropicais devido ao avanço de atividades como a mineração, a monocultura, o tráfico de madeira e de espécies selvagens.

E

necessidade de se satisfazer as demandas atuais colocadas pelo desenvolvimento sem comprometer a capacidade de as gerações futuras atenderem suas próprias necessidades nos campos econômico, social e ambiental.

Qual alternativa você assinala como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

26


A resposta é a alternativa E . Veja por quê: A questão aborda o conceito de sustentabilidade. Bastante utilizado atualmente, esse ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ significa utilizar os recursos naturais para o desenvolvimento da sociedade sem comprometer a capacidade da natureza de se recompor para atender também às demandas das futuras gerações. É o que sugere a alternativa correta.

Sustentabilidade Entre as inúmeras discussões sobre os impactos da produção industrial no ambiente, a preocupação com um desenvolvimento sustentável tem ocupado a agenda das conferências sobre o clima global. Se nos anos 1960 as discussões giravam em torno do crescimento populacional, atualmente têm sido foco de debates os padrões de consumo das sociedades modernas industrializadas. Assim como diferentes sociedades observam e se relacionam com o meio natural de maneira diversa, as sociedades também significam de formas diferentes suas concepções de progresso e desenvolvimento. Nas sociedades industriais contemporâneas é a multiplicação quantitativa da produção e do consumo que designa o estágio e o seu grau de evo฀ ฀ ฀ O registro de altos níveis de temperatura global nos anos 1990 afirmou as críticas daqueles que se preocupavam com os modelos de produção e consumo e sua dinâmica de expansão nos países desenvolvidos e disseminação pelos países em desenvolvimento. O quadro alarmante se configuraria se as populações de países em desenvolvimento, como China, Índia, Brasil, Indonésia e Rússia passassem a consumir na mesma escala, com os mesmos padrões que já consomem norte-americanos, japoneses e canadenses, entre outras populações de países desenvolvidos.

PRATICANDO ME LIGA MAIS TARDE! AGORA EU TÔ ENROLADO NO TRÂNSITO!

Brasil tem 25 milhões de telefones celulares.

© MARI HEFFNER.

A seguir, veja uma questão elaborada nos moldes do ENEM.

27


As charges retratam situações muito comuns na sociedade contemporânea que estão ligadas a um padrão comportamental de: A

realizar várias tarefas ao mesmo tempo com o objetivo de ser produtivo a qualquer custo.

B

transportar os seus próprios bens, pois o custo do transporte terceirizado se elevou significativamente durante as últimas décadas.

C

consumir exageradamente, independentemente de suas condições de aquisição e pagamento dos produtos.

D

reduzir o consumo, reaproveitando o que outras pessoas descartam no lixo.

E

pagar integralmente as suas dívidas com o objetivo de reduzir a inadimplência.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha.

__________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ A resposta é a alternativa C . Veja por quê: O padrão de comportamento que está disseminado na sociedade tecnológica é o consumo voraz. A primeira charge afirma que existem no Brasil 25 milhões de celulares, o que daria aproximadamente um aparelho para cada sete pessoas. Dados mais atuais indicam que essa média já foi superada. Os números são impactantes, e a charge retrata um carroceiro, uma pessoa em possível situação de rua que, a despeito disso, também tem celular. A segunda charge ilustra muito bem como grande parte do que é consumido pela população é pago: em prestações de longo prazo. Infere-se que esse consumidor consome um volume de mercadorias superior à sua capacidade de pagar, endividando-se.

28


CAMINHOS POSSÍVEIS Neste capítulo você refletiu sobre alguns problemas ambientais e suas relações com o modo de vida predominante na sociedade contemporânea. Você verificou que essa sociedade baseada no consumo possui um funcionamento, um modus operandi, em que esse consumo é o combustível para a crescente e contínua evolução dos meios de produção e o aumento no processo de geração de riqueza. Para que isso ocorra da maneira mais eficiente possível, as pessoas são chamadas ao consumo por meio de uma gama variada de técnicas que têm como ponto comum gerar desejos de consumo – o indivíduo é aquilo que consome. Nessa sociedade, em que as pessoas buscam, para reforçar as suas individualidades, diferenciar-se a partir do consumo, o respeito ao meio ambiente é incompatível. Como conciliar a necessidade coletiva de se apropriar dos recursos para garantir a subsistência de toda a humanidade com a capacidade que a natureza tem de recompor esses recursos e os anseios individuais que impulsionam o desejo de consumo de uma parte cada vez maior dos 7 bilhões de habitantes do planeta? Esse é o desafio!

Respostas das questões A resposta da questão da página 16 é a alternativa A . Veja por quê: No decorrer dos séculos XVIII e XIX, o intenso desenvolvimento das máquinas, fruto da Primeira e Segunda Revolução Industrial, modificou profundamente a situação dos trabalhadores. A automação das fábricas fez que os trabalhadores perdessem a autonomia sobre o trabalho realizado. A partir desse momento, o trabalhador passou a ser submetido a longas jornadas laborais em troca de uma baixa remuneração, além de condições de trabalho serem degradantes. Esse processo contribuiu para o aumento do lucro do proprietário da indústria que, por sua vez, reinvestia esse lucro em novas tecnologias, para gerar um novo incremento de produção. O efeito desse processo era o progressivo aumento do consumo de matérias-primas e a consequente degradação do ambiente em escala nunca antes vista. O texto de Milton Santos cita justamente a resistência de indivíduos a essas transformações. A resposta da questão da página 18 é a alternativa B . Veja por quê: A questão exigia um razoável conhecimento sobre o nível de apropriação dos recursos naturais pelo homem ao longo da história. O objetivo era localizar a alternativa que descrevesse corretamente as consequências desse processo de desenvolvimento tecnológico que, ao longo da história, facilitou o aumento da exploração da natureza.. Essa relação tempo/intensidade só está presente na alternativa B .

29


MÁXIMAS O AMBIENTE DA CIDADE E AS RELAÇÕES ENTRE CIDADÃOS A cultura, o sistema econômico e o ambiente em que vivemos fazem parte do que é nossa sociabilidade. O que ocorre quando milhões de pessoas que compartilham uma cultura, ou compartilham as diferenças que constituem uma cultura, vivem em cidades com uma imensa desigualdade e diversas questões sociais a serem equacionadas?

A geografia do medo GILBERTO DIMENSTEIN

O bairrismo, embora seja associado a uma visão pe-

65% não querem ir longe para se divertir e, se pude-

quena, atrasada e provinciana, está entrando na

rem, optam pelos cinemas e teatros do bairro.

moda. Prospera nas regiões metropolitanas o efeito

O bairro passa a ser o cenário quase autossuficiente

“casulo”. Inseguras no trânsito, sentindo-se ameaça-

da construção das identidades individuais. Combi-

das pela violência, incomodadas com os pedintes

nando limitação provinciana com caos metropolita-

que se avolumam a cada esquina, famílias de classe

no, o efeito “casulo” é consequência da degradação

média e alta tentam se locomover o menos possível

das grandes cidades brasileiras.

e se esforçam para fazer do bairro uma espécie de

A crise explode principalmente nas maiores cidades.

país independente, capaz de satisfazer todas as suas

O cotidiano dos indivíduos é, em larga medida, o que

necessidades. Isso significa que, na geografia do

acontece na cidade.

medo, comprar, divertir-se ou escolher a escola dos

O caos urbano é o grande gargalo político do futuro.

filhos está cada vez mais condicionado à proximida-

Nas cidades, hoje, mora boa parte da população mais

carente de moradia, emprego, alimentação, educação

longe, mais ameaçador. O efeito “casulo” é visível nu-

e oportunidades no Brasil, o que agrava as tensões.

ma pesquisa realizada pela InterScience com habi-

É mais do que óbvio que o país precisa urgentemen-

tantes de classe média e alta da cidade de São Pau-

te de uma agenda para as regiões metropolitanas.

lo, que foi concluída em 2003. Ao comprar um imó-

Urbanistas recomendam que, em cada região, sejam

vel, 80% dos entrevistados informam que levam em

criadas comissões com representantes estaduais, fe-

conta a autossuficiência do bairro, de olho na varie-

derais e municipais para traçar políticas coordenadas

dade de serviços e de lojas. Cerca de 70% dos entre-

de investimento em infraestrutura urbana e de racio-

30

nalização dos investimentos sociais. Nossas metró-


MÁXIMAS poles e seus problemas são gigantes, mas a visão dos

está funcionando, e o surgimento de propostas co-

políticos sobre temas urbanos é pífia.

mo essa demonstra o quanto nosso poder público

O mecanismo político que aí está simplesmente não

precisa agir.

Quanto mais altos os muros e grades, mais proteção, certo? Errado! RAQUEL ROLNIK Primeiro grades e portões cercaram prédios e casas, e guaritas foram instaladas nos limites entre os edifícios e as ruas. Depois, muros altos passaram a cercar não apenas quadras inteiras, mas, às vezes, várias delas, fechando pedaços de cidade com exclusividade para seus moradores e visitantes. O modelo acabou se disseminando tanto que virou norma obrigatória em algumas cidades e até em alguns programas habitacionais. O pressuposto de que quanto mais muros e grades, mais segurança existe alimentou, durante mais de duas décadas, a transformação dos modos de morar. A ideia, que parece óbvia, é a de que, ocultando o máximo possível o que se passa intramuros, evita-se a invasão e o roubo. Entretanto, a mais nova onda de furtos e roubos, pelo menos na cidade de São Paulo, contraria esta ideia. Até novembro de 2012 foram mais de 20 os condomínios de luxo, muradíssimos, que sofreram arrastões na capital paulista. Em um deles, no bairro do Itaim Bibi, segundo o porteiro do condomínio os bandidos entraram pelos fundos, escalando um muro de 4 metros de altura. De acordo com a Delegacia de Investigação de Crimes Patrimoniais, a cada mês são registrados, em média, dois arrastões em condomínios de luxo em São Paulo. Sobre o tema, uma pesquisa realizada pela Polícia Militar do Paraná divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo1 revela que 60% das casas assaltadas em Curitiba são cercadas por muros. Apenas 15% são “abertas” para a rua. Além disso, a pesquisa colheu depoimentos de detentos com participação em assaltos. Dos entrevistados, 71% afirmaram que casas com muros são preferíveis para a realização de assaltos e 54% disseram que os muros ocultam a ação. O fato é que transformar a lógica do modo de morar e de organizar a cidade não resolve o problema da violência nas ruas. As estratégias de furtos, roubos e assaltos também se adaptam. Uma das técnicas que vem sendo utilizadas por criminosos hoje, por exemplo, é clonar ou roubar controles remotos de portões automáticos, o que lhes permite entrar e sair de residências tranquilamente, sem alarde e, ironicamente, “protegidos” por muros. Moral da história: os muros fragmentaram cidades, destruíram a relação dos edifícios com o espaço público, empobreceram a paisagem e, como estamos vendo, não resolveram o problema da segurança. Pra que servem então? 1

Veja a notícia "Viver sem muros é menos perigoso, dizem especialistas". Disponível em: <www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff0710200722.htm>. Acesso em: 7 out. 2012.

31


2

CULTURA E GLOBALIZAÇÃO

conecte-se ONG DIVULGA FOTOS DE ÍNDIOS ISOLADOS NA AMAZÔNIA Sabine Righetti, de São Paulo

© D. CORTIJO/SURVIVAL

A ONG Survival International (survivalinternational.org) divulgou nesta terça-feira fotos de uma família de índios peruanos mascho-piro, considerados isolados (sem contato com não indígenas). Os Mashco-Piro habitam o Parque Nacional de Manú, no sudeste do país. Mas, de acordo com a ONG, avistá-los está cada vez mais recorrente nos últimos tempos.

Imagem da ONG Survival International mostra integrantes da tribo mashco-piro, na parte sudeste da selva peruana

A aproximação dos índios tem sido causada pela extração ilegal de madeira no parque e pela movimentação de helicópteros ligados à extração de gás e petróleo. As fotos divulgadas ontem podem ser o registro mais detalhado já feito de uma comunidade isolada – estima-se que hoje existam cerca de cem em todo o mundo. Mas o contato com os índios isolados é preocupante. Recentemente, um fotógrafo de origem indígena, Nicolas "Shaco" Flores, foi morto por uma flecha ao tentar contatar os Mashco-Piro. "O primeiro contato é sempre perigoso e frequentemente fatal para a tribo e para aqueles que tentam o contato", disse, em nota, o diretor da ONG, Stephen Corry. "A vontade dos indígenas de se manterem isolados deve ser respeitada." Há um ano, a Funai (Fundação Nacional do Índio) liberou fotos aéreas de índios isolados no Acre, na divisa com o Peru. Depois disso, não houve mais divulgação de novos registros na região.

Disponível em: <www1.folha.uol.com.br/ciencia/1042147-ong-divulga-fotos-de-indios-isolados-na-amazonia.shtml>. Acesso em: 24 abr. 2012.

32


OBJETIVOS

Neste capítulo você será capaz de identificar diferentes manifestações culturais e a crescente importância dos meios de comunicação na configuração da vida social.

DESAFIO Um novo mundo está tomando forma neste fim de milênio. Originou-se mais ou menos no fim dos anos 1960 e meados da década de 1970 na coincidência histórica de três processos independentes: revolução da tecnologia da informação; crise econômica do capitalismo e do estatismo e a consequente reestruturação de ambos; e o apogeu de movimentos sociais e culturais, tais como libertarismo, direitos humanos, feminismo e ambientalismo. A interação entre esses processos e as reações por eles desencadeadas fizeram surgir uma nova estrutura social dominante, a sociedade em rede; uma nova economia, a economia informacional/global; e uma nova cultura, a cultura da virtualidade real. CASTELLS, Manuel. A Era da Informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999. v. 3, p. 411.

O trecho extraído da obra do sociólogo espanhol Manuel Castells indica que as mudanças ocorridas nos últimos anos referentes aos nossos padrões de consumo ou nossos hábitos cotidianos têm sofrido flagrante transformação, deixando o presente cada vez mais distante do passado. As mudanças vivenciadas pelas gerações que cresceram no pós-guerra do século XX foram radicais se comparadas com quaisquer outras de séculos anteriores. O que aconteceu com a organização das sociedades? Atualmente, a sensação de mudança que um curto intervalo de tempo passado provoca significa uma mudança que antes levaria anos para se realizar. Quais são as novas configurações culturais relativas a esse novo contexto? Qual é o grau de influência e disseminação dos novos padrões e hábitos? Como os meios de comunicação interferem nesse processo?

33


Charge de Angeli publicada no jornal Folha de S.Paulo

Lee Si-kap, um fazendeiro tímido que mora em Yeongju, do centro da Coreia do Sul, é dono de um recorde: ele tem mais antenas parabólicas do que qualquer outro sul-coreano – 85 delas, recebendo mais de 1.500 canais de televisão via satélite de mais de cem países, alguns de lugares tão distantes quanto a África do Sul e [o] Canadá. [...] Plantação de antenas parabólicas, Gforum, 8 jul. 2009. Disponível em: <www.gforum.tv/board/1160/333717/ plantacao-de-antenas-parabolicas.html>. Acesso em: 24 fev. 2012.

Antenas parabólicas em Yeongju (Coreia do Sul), [s.d.].

Como as novas tecnologias da informação influenciam nossa vida? Você acredita que novos padrões de consumo e novos hábitos podem provocar o desaparecimento de algumas comunidades humanas? A ampliação das trocas de informação e a popularização das tecnologias significam de fato um progresso para a humanidade? Vive-se hoje melhor do que antes? Essas são questões para as quais você vai buscar respostas ao longo deste capítulo. Será um momento para compreender melhor os princípios e a dinâmica da globalização que se definiu mais claramente nos últimos quarenta anos.

34


QUESTÃO DO ENEM A organização das sociedades e as mudanças sofridas por elas são assuntos discutidos em uma questão da prova anulada do ENEM 2009, feita com base no trabalho do arqueólogo francês André Prous. Os vestígios dos povos tupi-guarani encontram-se desde as Missões e o rio da Prata, ao sul, até o Nordeste, com algumas ocorrências ainda mal conhecidas no sul da Amazônia. A leste, ocupavam toda a faixa litorânea, desde o Rio Grande do Sul até o Maranhão. A oeste, aparecem (no rio da Prata) no Paraguai e nas terras baixas da Bolívia. Evitam as terras inundáveis do Pantanal e marcam sua presença discretamente nos cerrados do Brasil central. De fato, ocuparam, de preferência, as regiões de floresta tropical e subtropical. PROUS, André. O Brasil antes dos brasileiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005. Os povos indígenas citados possuíam tradições culturais específicas que os distinguiam de outras sociedades indígenas e dos colonizadores europeus. Entre as tradições tupiguarani, destacava-se A

a organização em aldeias politicamente independentes, dirigidas por um chefe, eleito pelos indivíduos mais velhos da tribo.

B

a ritualização da guerra entre as tribos e o caráter semissedentário de sua organização social.

C

a conquista de terras mediante operações militares, o que permitiu seu domínio sobre vasto território.

D

o caráter pastoril de sua economia, que prescindia da agricultura para investir na criação de animais.

E

o desprezo pelos rituais antropofágicos praticados em outras sociedades indígenas.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

35


Cultura e antropologia Conhecer as tradições culturais de um povo pode causar estranhamento e fascínio. A diversidade humana, relativa à organização de hábitos, costumes, símbolos e regras, garante que se reconheça a alteridade, e essa a diferença entre os grupos humanos que compõem o mundo diz algo também sobre nós mesmos. Essa diversidade é expressa de maneiras diversas, compondo um conjunto significativo que chamamos cultura. O antropólogo norte-americano Clifford Geertz (1926-2006) foi um importante autor e pesquisador dos temas relativos à cultura. Uma referência de seu trabalho é o texto publicado em 1973, “A interpretação das Culturas", em que o autor define conceitos e aponta ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ Geertz negava as ideias do antropólogo inglês Edward Tylor (1832–1917), seguidas pela maioria dos antropólogos e que já haviam sido questionadas por outros, como o alemão Franz Boas (1858-1942). Para Tylor, os antropólogos deveriam estabelecer uma escala evolutiva entre os parâmetros vistos como civilizados, representados pela civilização europeia, e como atrasados, os não evoluídos, representados pelas culturas periféricas à Europa: a diversidade cultural nada mais era do que um estágio nesse processo de evolução. Para Geertz, por sua vez, a cultura não está atrelada a qualquer condição natural nem obedece a uma lógica evolucionista, mas configura-se como um contexto circunscrito, formado por significados criados pelos próprios homens que a compõem. A observação da cultura é feita para identificar esses significados e estabelecer as relações entre eles. Mais recentemente, pesquisadores identificaram uma nova tendência relativa às manifestações da cultura em uma escala global. Na esteira do desenvolvimento de uma economia global, novos padrões estariam sendo forjados.

ANOTAÇÕES ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________

36


QUESTÃO DO ENEM Os meios de comunicação mudaram o cotidiano das pessoas. Sobre esse assunto, a prova anulada do ENEM 2009 apresentou uma questão com base no texto do geógrafo brasileiro Rogério Haesbaert. Veja: Leia o texto: O intercâmbio de ideias, informações e culturas, através dos meios de comunicação, imprime mudanças profundas no espaço geográfico e na construção da vida social, na medida em que transformam os padrões culturais e os sistemas de consumo e de produção, podendo ser responsáveis pelo desenvolvimento de uma região. HAESBAERT, Rogério (org.). Globalização e fragmentação do mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: EdUFF, 1998. Muitos meios de comunicação, frutos de experiências e da evolução científica acumuladas, foram inventados ou aperfeiçoados durante o século XX e provocaram mudanças radicais nos modos de vida, por exemplo, A

a diferenciação regional da identidade social por meio de hábitos de consumo.

B

o maior fortalecimento de informações, hábitos e técnicas locais.

C

a universalização do acesso a computadores e à internet em todos os países.

D

a melhor distribuição de renda entre os países do sul, favorecendo o acesso a produtos originários da Europa.

E

a criação de novas referências culturais para a identidade social por meio da disseminação das redes de fast-food.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

37


A Era da Informação Um dos pesquisadores que se debruçam sobre o tema das culturas contemporâneas, o sociólogo espanhol Manuel Castells apontou para uma mudança radical ocorrida a partir da década de 1970. Para ele, o centro da transformação que vivemos está ligado diretamente às inovações tecnológicas da informação, ao seu processamento e à sua comunicação. O que caracteriza essa mudança, que Castells põe em paralelo com as transformações tecnológicas ocorridas no século XVIII (ver capítulo Trabalho), não se refere à qualidade da informação que há muito tempo se configurou da forma como a conhecemos hoje, mas à sua manipulação em favor da produção de conhecimento, à sua aplicação e comunicação.

PENSE BEM! Villemessant, o fundador do Figaro, caracterizou a essência da informação com uma fórmula famosa.“Para meus leitores”, costumava dizer,“o incêndio num sótão do Quartier Latin é mais importante que uma revolução em Madri”. Essa fórmula lapidar mostra claramente que o saber que vem de longe encontra hoje menos ouvintes que a informação sobre acontecimentos próximos. O saber, que vinha de longe – do longe espacial das terras estranhas, ou do longe temporal contido na tradição –, dispunha de uma autoridade que era válida mesmo que não fosse controlável pela experiência. Mas a informação aspira a uma verificação imediata. Antes de mais nada, ela precisa ser compreensível “em si e para si”. Muitas vezes não é mais exata que os relatos antigos. Porém, enquanto esses relatos recorriam frequentemente ao miraculoso, é indispensável que a informação seja plausível. Nisso ela é incompatível com o espírito da narrativa. Se a arte da narrativa é hoje rara, a difusão da informação é decisivamente responsável por esse declínio. BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 2008. p. 202-203. Em O narrador (1936), o pensador alemão Walter Benjamin (1892–1940) chama a atenção para a natureza da informação e sua relação com a narração. O que você entende por informação? Segundo o autor, por que ela teria implicado o declínio da narração? O que o excesso de informação trouxe como ganhos e quais prejuízos ela implicou? Pense nisso! Trata-se de um novo contexto, a Era da Informação, sustentado por uma linguagem digital comum e uma incessante inovação marcada pela constante criação de interfaces entre diferentes campos tecnológicos. Nesse contexto, tais inovações tecnológicas permitem uma reconfiguração de suas aplicações pelos próprios usuários: novos paradigmas tecnológicos são constituídos por sua própria aplicação e aproximação com outras tecnologias, fazendo dos usuários seus produtores e da mente humana responsável direta pela produção. Descobertas e aplicações interagem de maneira cíclica, a partir de um movimento de “fazer e aprender”,“aprender e fazer”.

38


RADAR Anualmente é publicada uma pesquisa sobre o uso da tecnologia da informação e comunicação no Brasil. Para obter alguns dados sobre o país nos últimos anos, acesse o site do Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação (Cetic): <http://cetic.br/usuarios/tic/index.htm>.

Para Castells, tão importante quanto a sinergia existente entre as novas tecnologias e a descentralização da produção pelos usuários foi o desenvolvimento de tecnologias de comunicação no pós-guerra, atreladas à tentativa de reaparelhamento das sociedades. Tais condições exerceram grande influência para o início dessa revolução da tecnologia da informação (TI), nos anos 1970, nos Estados Unidos. No estado da Califórnia, em uma região conhecida como Vale do Silício, a alta concentração centros de pesquisa, empresas de tecnologia, instituições universitárias, empresas investidoras, entre outros, foi determinante para que empresas inovadoras de tecnologia da informação se instalassem no local. Para avaliar sua dimensão, atualmente estão localizadas lá empresas valiosas como Google, Intel, Apple, Symantec e Hewlett-Packard (HP), dentre outras, muitas delas pioneiras e líderes em seus setores até hoje.

ANOTAÇÕES ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________

39


QUESTÃO DO ENEM No contexto das tecnologias da informação, a cultura ganha novas dimensões e feições sob a aparência de uma comunidade global. Sobre o assunto, a prova válida do ENEM 2009 apresentou uma questão baseada em um texto do escritor brasileiro Ferreira Gullar: [...] o índio do Xingu, que ainda acredita em Tupã, assiste pela televisão a uma partida de futebol que acontece em Barcelona, ou a um show dos Rolling Stones na praia de Copacabana. Não obstante, não há que se iludir: o índio não vive na mesma realidade em que um morador do Harlem ou de Hong Kong, uma vez que as relações dessas diferentes pessoas com a realidade do mundo moderno são distintas, isso porque o homem é um ser cultural, que se apoia nos valores da sua comunidade e que são os seus. [...] GULLAR, Ferreira. Das inumeráveis atualidades. Folha de S.Paulo, São Paulo, 19/10/2008. Ilustrada, p. E12. Ao comparar essas diferentes sociedades em seu contexto histórico, verifica-se que A

pessoas de diferentes lugares, por fazerem uso de tecnologias de vanguarda, desfrutam da mesma realidade cultural.

B

o índio assiste ao futebol e ao show, mas não é capaz de entendê-los, porque não pertencem à sua cultura.

C

pessoas com culturas, valores e relações diversas têm, hoje em dia, acesso às mesmas informações.

D

os moradores do Harlem e de Hong Kong, devido à riqueza de sua História, têm uma visão mais aprimorada da realidade.

E

a crença em Tupã revela um povo atrasado, enquanto os moradores do Harlem e de Hong Kong, mais ricos, vivem de acordo com o presente.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

40


O capitalismo informacional A informação, nesse contexto contemporâneo, tornou-se a matéria-prima da tecno฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ as novas tecnologias a todos os processos vividos por nós, cotidianamente. Tornamo-nos cidadãos mundiais sem sair do lugar: o mundo agora vem até nós por meio da televisão, da internet. As novas tecnologias da informação configuraram-se, ainda, sob a forma de redes, que permitiram mais flexibilidade no desenvolvimento de novas tecnologias, devido à maior interação entre pessoas, e da criação de novas tecnologias pela associação de outras antigas. Esse novo mundo e essa nova cultura estão marcados por aspectos bastante definidos. A revolução da tecnologia da informação ocorrida no pós-guerra fez dessas novas tecnologias ferramentas que rapidamente se disseminaram e construíram uma linguagem comum, digital, em que o poder, a riqueza e os códigos culturais passaram a depender da disseminação da informação. De outro lado, os movimentos sociais surgidos nos anos 1960, que lutavam contra as instituições que controlavam a sociedade, favoreceram a constituição de comunidades em rede, seja por seu internacionalismo, seja por sua independência em relação às instituições oficiais. Tais mudanças sociais favorecem o surgimento de uma sociedade fragmentada em tribos. ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ Informação. A crise que atingiu a economia mundial nos anos 1970 obrigou o desenvolvimento de um novo capitalismo, o informacional, apoiado na noção de produtividade como resultado de inovações e competitividade como resultado de flexibilidade. Nesse sentido as relações de produção se voltam à construção desses dois pilares: inovação e flexibilidade. A organização das empresas em redes exigiu a flexibilização dos trabalhadores e ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ções das empresas e distinguiu duas categorias: uma formada por trabalhadores especializados, que logo se tornam obsoletos, e outra formada de maneira a atingir níveis elevados de educação.

ANOTAÇÕES ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________

41


QUESTÃO DO ENEM As relações de distinção e exclusão implícitas no processo de transformação da sociedade se aplicam a contextos mais amplos, como mostra a seguinte questão da prova anulada do ENEM 2009. Veja: Entre as promessas contidas no bojo ideológico do processo de globalização da economia estava a dispersão da produção do conhecimento na esfera global. Essa expectativa [...] não se vem concretizando. [Nesse cenário, os tecnopolos aparecem como um centro de pesquisa e desenvolvimento de alta tecnologia que conta com mão de obra altamente qualificada.] Os impactos desse processo na inserção dos países na economia global deram-se de forma hierarquizada e assimétrica. Mesmo no grupo em que se engendrou a reestruturação produtiva, houve difusão desigual da mudança de paradigma tecnológico e organizacional. O peso da assimetria projetou-se [...] mais fortemente entre os países mais desenvolvidos e aqueles em desenvolvimento. [...] ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ expansão no mundo contemporâneo?” Inovação Uniemp, Campinas, v. 3, n. 1, jan.-fev. 2007. p. 40-41. Diante das transformações ocorridas, é reconhecido que A

a inovação tecnológica tem alcançado a cidade e o campo, incorporando a agricultura, a indústria e os serviços, com maior destaque nos países desenvolvidos.

B

os fluxos de informações, capitais, mercadorias e pessoas têm desacelerado, obedecendo ao novo modelo fundamentado em capacidade tecnológica.

C

as novas tecnologias se difundem com equidade no espaço geográfico e entre as populações que as incorporam em seu dia a dia.

D

os tecnopolos, em tempos de globalização, ocupam os antigos centros de industrialização, concentrados em alguns países emergentes.

E

o crescimento econômico dos países em desenvolvimento, decorrente da dispersão da produção do conhecimento na esfera global, equipara-se ao dos países desenvolvidos.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha. __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

42


Concentração técnico-científica A busca por novas oportunidades de lucro faz o capitalismo informacional se expandir de maneira incessante, atingindo regiões antes pouco vistas. No entanto, essa ampliação e ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ ฀ mocratização ou de inclusão. Pelo contrário, a expansão dessa economia global se faz pela segmentação do planeta conforme as condições de exploração. A apropriação de forças produtivas, de fontes de matéria-prima e a exploração de novos mercados são feitas de forma seletiva, deixando de fora países que não se constituem oportunidades de investimentos ou, ainda, diferenciando regiões internas a outros países que passam a se caracterizar como espaços da desigualdade.

PRATICANDO Questão 1 Leia o texto abaixo e, na sequência, responda à questão. [...] a cultura é mais bem vista não como um complexo de padrões concretos de comportamento – costumes, usos, tradições, feixes de hábitos – como tem sido o caso até agora, mas como um conjunto de mecanismos de controle – planos, receitas, regras, instruções (o que os engenheiros de computação chamam “programas”) para governar o comportamento. GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. São Paulo: Brasiliense, 1978. Com base em nossas experiências cotidianas e nos eventos que caracterizam o mundo contemporâneo, pode-se inferir que: A

os indígenas, por estarem mais distantes das sociedades urbanas, estão sendo programados pelas políticas de tecnologia.

B

a cultura permeia nosso cotidiano e confere significados e controle às nossas ações e olhares.

C

a cultura não é uma ciência experimental, pois depende de leis que interferem no comportamento humano.

D

a informática provocou efeitos nocivos às comunidades indígenas transformando seus comportamentos.

E

o desenvolvimento da cultura contemporânea transformou-a em mecanismos de controle, substituindo seus antigos padrões de comportamento.

Qual alternativa você assinalou como correta? Por quê? Redija uma pequena justificativa para sua escolha.

__________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________

43


Enem Nota Máxima  

A coleção Enem Nota Máxima, é um projeto inovador e diferenciado de estudo. Formado por dez volumes e divido nas quatro áreas do conheciment...