__MAIN_TEXT__

Page 1

IMPRESSO FECHADO - pode ser aberto pela ECT

Fazer Bem alimentação saudável segurança alimentar solidariedade

A revista da

Ano 6 nº 8 | Outubro 2017

Cadeia do Desperdício o papel do consumidor:

como aproveitar melhor os alimentos em nossas casas

e também: Celebrando 80 anos da FIERGS 1


2


Fazer Bem alimentação saudável segurança alimentar solidariedade

A revista da Rede de Bancos de Alimentos do Rio Grande do Sul Opinião - Editorial

4

Opinião - Artigo

5

Tecnologia Social

6

Notícias da Rede

8

Ações integradas

20

Segurança Alimentar e Nutricional

22

Matéria principal

Cadeia do Desperdício: o papel do consumidor

25

Conversando com os beneficiários

29

Voluntariado

32

Nossos apoiadores

35

Rede de Bancos de Alimentos RS

39

Qualidade e Capacitação

41

Perfil Social

44

Bancos Sociais

45

Rede de Bancos de Alimentos do RS

Av. Assis Brasil, 8.787, 1º andar Bloco 10 - CEP 91140-001 Porto Alegre (RS)

Fale com a redação da Fazer Bem. Escreva para: fazerbem@redebancodealimentos.org.br Acesse: www.redebancodealimentos.org.br

Expediente Conselho Editorial: Adir Fração, Paulo Renê Bernhard, Antonio Parissi, Denise Zaffari, Adriana da Silva Lockmann e Paola Weiss Monti.

Jorge Luiz Buneder

Presidente do Conselho de Administração do Banco de Alimentos/RS

Paulo Renê Bernhard

Presidente da Rede de Bancos de Alimentos do Rio Grande do Sul

Jornalista Responsável: Luiza Momo (MTB/RS 13.787) Projeto Gráfico e Diagramação: Aro Design - Turya Elisa Moog Fotos: Dudu Leal, Rubens Kato, Arquivo Rede de Bancos de Alimentos e Internet. Impressão: Comunicação Impressa Tiragem: 3.000 exemplares Periodicidade: Semestral

3


Opinião

Editorial

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

17 anos do Banco de Alimentos: combatendo a fome, levando esperança

Estes gêneros são denominados, por alguns, como excedentes, perdas, resíduos, e, por outros, como desperdícios, sobras de produção, seja lá como apelidam, estamos falando, na verdade, da mesma coisa: do alimento que é jogado literalmente no lixo, em um país onde temos oito milhões de pessoas, adultos, crianças e idosos, que passam fome por não ter o que comer, e isto é cruel e, absolutamente, inadmissível. Temos consciência, então, que há muito que fazer, mas o importante é que se diga que já estamos fazendo a nossa parte, e que o restante irá depender da sensibilização e arregimentação da sociedade, o que, aliás, para nossa alegria vem se multipliMuito embora já decorridos 17 cando a cada dia, unindo Empresas, anos da fundação daquele que foi Sindicatos, Federações, Associações o primeiro Banco de Alimentos do de Classe, Universidades, Escolas, Brasil, e neste ínterim tenhamos Clubes de Serviços e a sociedade criado outros 22 Bancos e 88 Nú- em geral. cleos de Bancos de Alimentos para Acreditamos, piamente, que com integrar a Rede de Bancos de Ali- a mesma perseverança, dedicação, mentos do Rio Grande do Sul, segui- desprendimento e sentimento que mos com o mesmo entusiasmo e a fé serviram para unir os “desbravadoinabalável de que muito mais precisa- res” desta iniciativa, há tantos anos, remos fazer para vencer a fome e a no Conselho de Cidadania da Fededesnutrição que se abatem sobre a ração das Indústrias do Estado do população carente do nosso Estado. Rio Grande do Sul - FIERGS, contiApresentamos, nas edições an- nuaremos motivados para dar conteriores da Revista Fazer Bem, tinuidade a esta missão que tanto várias reportagens com o “passo a nos “indignou” no passado, que nos passo” da Cadeia do Desperdício, indigna no presente e continuará que, hoje, representa 40% de todo estimulando nossas ações no futuro, alimento que é produzido no mundo. até que venhamos a eliminar, definiti-

4

vamente, o flagelo da FOME. Observamos que, a cada dia, mais lideranças estão surgindo com o mesmo propósito nas mais diferentes cidades do Estado e do País, e, assim, fortalecendo, cada vez mais, esta iniciativa que tanto nos orgulha. Exemplo disto são as recentes fundações do Banco de Alimentos de Santa Maria, do Banco de Alimentos de Capão da Canoa e do Banco de Alimentos de Tramandaí, estando previstos para mais adiante, a criação dos Bancos de Alimentos de Bagé, São Borja, Erechim e Passo Fundo. Estamos muito felizes com esse momento de realização, por isso, queremos, nesta edição, além de compartilhar um pouco das nossas atividades do dia a dia, destacar reconhecidas lideranças que contribuem para a realização de nosso trabalho. Nesse sentido, aproveitamos, ainda, para apresentar nossa imensa gratidão ao Presidente Heitor José Müller, que encerra sua gestão, assim como darmos as boas-vindas ao Presidente Gilberto Porcello Petry, que assume o nosso Sistema FIERGS. Tenham uma boa leitura.

Jorge Luiz Buneder

Presidente do Conselho de Administração do Banco de Alimentos e Coordenador do Conselho de Cidadania da FIERGS


Fazer Bem

Desperdício zero: uma realidade possível “A relação do Homem com o alimento precisa ser revista.” Talvez essa seja uma das frases que eu mais fale e repita em entrevistas e palestras. Por quê? Para frisar que a perda desse elo traz consequências graves. Uma delas, claro, é o desperdício. Os dados são chocantes e acredito que seja importante também replicá-los. De acordo com material de 2013 publicado pela FAO – Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, cerca de um terço de todo alimento produzido no mundo é perdido ou desperdiçado, algo equivalente a, aproximadamente, 1,3 bilhão de toneladas de alimentos. Ao mesmo tempo, cerca de 870 milhões de seres humanos vivem em situação de fome no mundo. Com essas informações podemos concluir que a quantidade de alimentos que vai direto para o lixo é suficiente para alimentar 2 bilhões de pessoas. E então. Será que é possível melhorar e, até mesmo, mudar essa realidade? Eu digo que sim. O primeiro passo é começar a enfrentar esse problema de forma honesta: é uma vergonha fazer parte dessa realidade. Sim, contribuímos todos os dias para o desperdício. Fechamos a lata do lixo e viramos as costas como se não fosse mais problema nosso. Mas é. Infelizmente, nós, seres urbanos, nos perdemos no ato de comer. Cascas, talos, sementes, raízes, folhas, bagaço: tudo isso é alimento. Quantas pessoas sabem que as folhas das cenouras são comestíveis? Quem já experimentou preparos com as cascas dos vegetais e frutas? E os talos da couve? A raiz do coentro? As folhas do alho-poró?

Não é possível que seja normal utilizar apenas 40% de um vegetal. São muitas perguntas, eu sei. Porém, todas elas têm respostas deliciosas quando a solução vem de dentro da panela. O aproveitamento total do alimento é fundamental para iniciarmos essa mudança e minimizarmos o desperdício, começando dentro de casa. Uma fruta não é só a polpa. Não é porque é tubérculo que não se pode comer a casca. Olhe para o ingrediente. Observe todas as suas estruturas, cheire e, enfim, experimente! Vamos sair do senso comum, da bandeja do supermercado, da comida embalada a vácuo. O despertar para o alimento é uma urgência. Educação. Não tem como iniciar mudança sem dar as mãos para nos educarmos, juntos. Vamos ensinar aos nossos filhos, desde a primeira infância, a conhecer o ciclo do alimento. Eu vivi isso dentro de casa, com uma experiência muito enriquecedora com os meus filhos. Quando iniciamos uma horta, assim que plantávamos algum vegetal, eles não conseguiam segurar a ansiedade em ver aquele ingrediente brotar, para assim, comê-lo. Uma vez, deixei que meu filho colhesse a cenoura antes da hora e, como ainda não estava boa, ele quis jogá-la fora. Nesse momento eu expliquei que ele não respeitou o ciclo do alimento e que não era correto descartá-lo por um erro dele. Comemos a cenoura juntos. E ele entendeu que “matá-la” foi interferir em seu ciclo. Sabemos e concordamos que a educação é a chave de muitos problemas, ainda bem. E, para questões sobre a alimentação mundial, ela também é fundamental e revelado-

Artigo

Foto: Rubens Kato

Opinião

ra. Pais e educadores podem unir forças para inserir esse tema no cotidiano da criança e, assim, transformá-los em adultos mais conscientes sobre as conseqüências de uma alimentação “automática”. Afinal, comer é um ato político, econômico, social e cultural. Há um longo caminho a percorrer. Não podemos pensar que as soluções são complexas e já demonstrar cansaço logo no início da estrada. Tenho a plena consciência de que o fim do desperdício de alimentos não depende apenas de nós, porque há sim a (grande) parcela da indústria em todo esse ciclo. Mas, atualmente, somos 7 bilhões de pessoas. Já pensou na mudança que a gente pode fazer juntos?

Alex Atala Chef e proprietário do D.O.M. Restaurante

5


Tecnologia Social

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

Site Doe Alimentos é o mais novo portal de doação do Banco de Alimentos

Após o sucesso do site Clique Alimentos, que já arrecadou e doou mais de 5.800,000 Kg de alimentos, o Banco de Alimentos inova mais uma vez a sua tecnologia social e traz, agora, o portal Doe Alimentos. O site foi criado pela Rede de Bancos de Alimentos do Rio Grande do Sul, reconhecida instituição que, há 17 anos, ajuda a minimizar a fome no Estado. O Doe Alimentos é uma nova maneira da população contribuir, levando alimento, carinho e esperança para quem mais precisa. De forma prática e rápida, uma cesta de alimentos é montada e doada pelo internauta, que beneficiará instituições de 34 cidades gaúchas. O diferencial dessa ferramenta está na interatividade social que ela proporciona, como se estivesse em um supermercado montando uma cesta de alimentos, o site proporciona a escolha de cada alimento e sua inclusão na cesta de doação. As vantagens são inúmeras, além de poder doar de qualquer lugar do mundo, sem 6

perder tempo, você pode doar através do seu smartphone ou tablet e pagar com cartão de crédito, débito, boleto e PagSeguro. É o Banco de Alimentos ampliando as oportunidades de doação. É a tecnologia a favor da solidariedade. Acesse: www.doealimentos. com.br Para doar, você tem duas opções: montar uma cesta, ou escolher uma cesta pronta.

Opção 1 Montando uma cesta

Para montar uma cesta, basta o internauta escolher os produtos* que deseja doar, identificando no campo em branco (ao lado do nome do alimento) a quantidade desejada. O valor da soma dos itens do mesmo tipo aparecerá ao lado direito da quantidade, enquanto a soma total aparecerá abaixo da coluna, no campo “TOTAL”. Após montar a sua cesta de doação de alimentos, basta clicar no botão azul “Finalizar Doação”. Você será direcionado para for-

mas de pagamento, que poderá ser em cartão de débito, crédito, boleto ou PagSeguro. Com o valor doado, o Banco de Alimentos assume o compromisso de adquirir os produtos que você escolheu e de realizar a doação, imediatamente, para as instituições cadastradas. * Os itens que os Bancos de Alimentos mais precisam encontram-se no topo da coluna.

Opção 2 Cestas prontas

Você também tem a opção de doar uma cesta pronta. Para isso, basta clicar em uma das três opções de cestas** que o Banco de Alimentos já montou pensando nas instituições beneficiadas. Após escolher a sua cesta de doação, basta clicar no botão azul “Finalizar Doação”. Você será direcionado para formas de pagamento, que são as mesmas da opção 1 – montando uma cesta. Assim que for doado, o Banco de Alimentos tem o compromisso de adquirir os produtos e re-


Tecnologia Social

Fazer Bem

alizar a doação, em até um mês, para as instituições previamente cadastradas e beneficiadas. ** Ao clicar na cesta, ela irá girar para mostrar os produtos que estão no seu interior. Em caso de dúvidas e/ou sugestões, basta entrar em contato, de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 17h30, pelo e-mail bancodealimentos@bancodealimentosrs. org.br ou telefone (51) 3026.8020 Agende uma visita para conhecer a Rede de Bancos de Alimentos, localizada em Porto Alegre (RS). Entre em contato conosco!

7


Notícias da Rede

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

Disney On Ice marca início de nova parceria com a Opus Promoções

O Banco de Alimentos de Porto Alegre comemora o primeiro evento realizado em parceria com

a Opus Promoções, o “Disney On Ice”, que contou com a participação de mais de 20 dedicados voluntários do Lions Club. O evento, realizado em 26 de maio, teve como objetivo arrecadar alimentos e levar a mensagem de combate à fome ao público participante. A parceria firmada com a Opus

Promoções, por intermédio da diretora do Banco de Alimentos, Cloé Fernandes, representa a oportunidade de levar a marca do Banco de Alimentos para os principais shows gaúchos. O Espetáculo “Disney On Ice” trouxe a Porto Alegre a nova montagem “Festival Mágico no Gelo”, que teve sessões no Gigantinho de 23 a 28 de maio, com a participação dos personagens de Frozen, Enrolados, A Bela e A Fera e A Pequena Sereia, além de Mickey, Minnie, Donald e Pateta.

Supermercados ASUN no Sábado Solidário O Sábado Solidário, uma das principais campanhas de arrecadação de alimentos da Rede de Bancos de Alimentos do Rio Grande do Sul, passou a contar, a partir do dia 3 de junho, com a participação da Rede ASUN de Supermercados. Inicialmente, três lojas participaram da Ação: ASUN Cavalhada (Av. Cavalhada, 2985 - Porto Alegre/RS), ASUN Plínio (Av. Plinio Brasil Milano, 1609 - Porto Alegre/RS) e ASUN Guaíba (Av. Adão Foques, 2813 - Guaíba/RS). A Rede Asun de Supermercados conta, atualmente, com 20 lojas espalhadas pelas cidades de Porto Alegre, grande Porto Alegre e Litoral.

Secretário Nacional do MDSA Caio da Rocha visita a Rede de Bancos de Alimentos

A Rede de Bancos de Alimentos do Rio Grande do Sul recebeu a visita do Secretário Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, Caio Tibério Dorneles da Rocha. Recebido pela Diretoria Executiva 8

e Conselheiros da Rede, a visita foi de cordialidade, abordando o plano de ação para a instalação de novos Bancos de Alimentos no Rio Grande do Sul e País. O Secretário Caio da Rocha é responsável pela Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Sesan) do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA), antigo Ministério do Desenvolvimento Social e da Fome (MDS). Desde a promulgação da Lei que criou a Rede Brasileira de Bancos de Alimentos, em abril de 2016, o Presidente Paulo Renê e o Vice-presidente Antonio Parissi, participam, junto ao MDSA, do Conselho Gestor, que objetiva sua expansão em nível nacional.


Fazer Bem

Notícias da Rede

Jornal do Almoço da RBS TV recebe homenagem da Rede de Bancos de Alimentos RS nos seus 45 anos A equipe do Jornal do Almoço recebeu uma homenagem da Rede de Bancos de Alimentos do Rio Grande do Sul. O reconhecimento é referente às ações de arrecadação de alimentos realizadas pelo telejornal e pela RBS TV, em parceria com o Banco de Alimentos. Uma das campanhas mais recentes foi o Desafio do Bem. Promovida de 26 de novembro de 2016 a 7 de janeiro de 2017, a ação arrecadou um total de 111 toneladas de alimentos encaminhadas aos Bancos de Alimentos, que fazem a distribuição entre famílias e entidades que necessitam das doações. “Não imagino a possibilidade de não contar com a parceria da RBS TV que, desde o início, participou da criação do Banco de Alimentos, fazendo com que pessoas, que não têm sequer o que comer, possam contar com o nosso apoio. Estamos muito felizes com as campanhas. É em função delas que estamos conseguindo atingir nossos objetivos”, comemora Paulo Renê Bernhard, presidente da Rede de

Equipe do Jornal do Almoço recebe homenagem

Bancos de Alimentos do Rio Grande do Sul. Para o diretor de Jornalismo da RBS TV, Cezar Freitas, o reconhecimento é uma honra para a emissora. Ele, ainda, elogia o trabalho realizado pela Rede de Bancos de Alimentos no estado. “Ficamos extremamente honrados por sermos reconhecidos por uma instituição que faz um trabalho tão especial, tão profissional e tão sério. Nosso trabalho é simplesmente dar visibilidade para o que eles fazem e aproximar, ainda mais, as pessoas do Banco de Alimentos”, afirma.

Projeto Formiguinha do Lions Club já supera quatro toneladas de alimentos doados Idealizado pela diretora do Banco de Alimentos, Cloé Duarte Fernandes, o ‘‘Projeto Formiguinha’’ tem como objetivo disseminar atividades de solidariedade, visando a participação da sociedade como um todo. O Projeto, recém iniciado, já arrecadou 4.200 Kg de alimentos, em Porto Alegre, e inicia processo de multiplicação em outras cidades gaúchas. O Projeto busca estabelecer interação com clubes de serviços, condomínios, grupos de conhecidos, colegas de serviço, etc., com vista a conscientizá-los a fazerem doações de alimentos ao Banco de Alimentos. A Diretora Cloé Fernandes foi nomeada Assessora do Banco de Alimentos do Distrito Múltiplo de Lions (RS, SC e PR), em evento realizado em Camboriú (SC),

no dia 25 de agosto, um reconhecimento pelo Projeto Formiguinha e demais trabalhos que vem desenvolvendo juntamente com o Banco de Alimentos. 9


Notícias da Rede

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

Trote Solidário SIMERS conquista o RS

O Trote Solidário possibilita que calouros e veteranos se conheçam e interajam em um ambiente solidário, onde a missão é unir forças para arrecadar alimentos para cerca de 900 entidades atendidas pelos Bancos de Alimentos do Rio Grande do Sul. A cada edição do projeto, milhares de estudantes de Medicina inspiram a solidariedade por onde passam e se tornam modelo para outros alunos. Uma verdadeira mudança social na cultura do trote universitário. O primeiro trote do ano, arrecadou 20 toneladas de alimentos, em 9 cidades gaúchas: participaram 15 universidades de Canoas, Caxias do Sul, Lajeado, Passo Fundo, Pelotas, Porto

Alegre, Rio Grande, Santa Cruz do Sul e Santa Maria. No segundo semestre deste ano, o Trote Solidário arrecadou um total de 14.794 quilos de alimentos, que mobilizou as seguintes cidades: Lajeado (2.461 Kg), Santa Maria (3.450 Kg), Canoas (448 Kg), Porto Alegre (2.554 Kg), Caxias do Sul (1.489Kg), Passo Fundo (3.658 Kg) e Pelotas (734 Kg). O Trote Solidário conta com a parceria criada entre a Rede de Bancos de Alimentos e o Núcleo Acadêmico do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS). A ação ocorre tradicionalmente duas vezes ao ano.

Homenagem póstuma ao Diretor Sidnei Aragon dos Santos

O Banco de Alimentos de Porto Alegre realizou uma homenagem póstuma ao Diretor Sidnei Aragon dos Santos. O Presidente do Banco de Alimentos de Porto Alegre descerrou na Galeria de Honra do Banco de Alimentos uma placa 10

em homenagem ao Diretor, momento que foi acompanhado pela esposa Noemy, filhos, familiares, Leões e amigos de Sidnei. Sidnei Aragon participou, por mais de uma década, das mais diversas atividades do Banco de Alimentos de Porto Alegre, e era o representante do Lions Club no Banco de Alimentos. Participava todos os meses da campanha de arrecadação de alimentos Sábado Solidário, arregimentando também centenas de Leões para a ação. Nos últimos anos, representou a Rede de Bancos de Alimentos em diversas palestras no Rio Grande do Sul e Brasil, propagando a iniciativa com o objetivo de criar novos Bancos de Alimentos nessas regiões e minimizar a fome nas localidades.


Fazer Bem

Notícias da Rede

Case Banco de Alimentos para comemorar o Dia Mundial da Propriedade Intelectual na Associação Comercial de Porto Alegre O Presidente da Rede de Bancos de Alimentos do Rio Grande do Sul, Paulo Renê Bernhard, apresentou o case “Inovando para Alimentar Vidas” em um evento que marcou o Dia Mundial da Propriedade Intelectual. A palestra aconteceu no dia 26 de abril, na sede da Associação Comercial de Porto Alegre. Na ocasião, Paulo Renê apresentou o case da Rede de Bancos de Alimentos do Rio Grande do Sul, a qual expandiu a sua metodologia para todo o Estado, e o bem sucedido mecanismo de Propriedade Intelectual e registro de marcas implementadas. Ressaltou que na criação do Banco de Alimentos de Porto Alegre, no ano 2000, a segurança da marca foi uma das prioridades que garantiu o sucesso da Rede e Bancos de Alimentos. “A marca nos dá padronização, unidade, confiança e credibilidade. Somente pode usar a marca do Banco

de Alimentos aqueles que estão alinhados à metodologia da Rede. Nossa marca é igual em todas as cidades e o nosso trabalho segue o mesmo padrão em todos os lugares, graças a essa proteção”, destacou. Bernhard ressaltou, ainda, o importante trabalho desenvolvido pelo Presidente Paulo Afonso Pereira, que está à frente da Associação Comercial de Porto Alegre, da Paulo Afonso Pereira

Propriedade Intelectual, e é ex-presidente do INPI. Paulo Afonso fez parte da fundação do Banco de Alimentos de Porto Alegre, ajudando a criar e a proteger a marca do primeiro Banco de Alimentos do Brasil. Atualmente, 21 marcas da Rede de Bancos de Alimentos e Bancos Sociais são protegidas e monitoradas gratuitamente pela Paulo Afonso Pereira Propriedade Intelectual.

Presidente de Lions Internacional recebe em Chicago comenda do Banco de Alimentos O diretor do Banco de Alimentos, Helso Oliveira, entregou a Comenda do Banco de Alimentos de Porto Alegre ao Presidente de Lions Internacional, Chanceler Bob Corlew, durante a Convenção Comemorativa ao Centenário de Lions Internacional, ocorrida em Chicago, com a presença de mais de 45 mil pessoas.

O Lions colabora ativamente nas campanhas dos Bancos de Alimentos. Através do seu grande time de voluntários, o Lions participa do Sábado Solidário, Projeto Formiguinha, Super Natal, entre outras campanhas e ações que beneficiam os Bancos de Alimentos com toneladas de gêneros alimentícios, todos os meses.

Entrega da comenda em Chicago

11


Notícias da Rede

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

Banco de Alimentos é beneficiado pela Campanha Servathon, do Instituto Stop Hunger Brasil

A Servathon 2017, maratona de voluntariado do Instituto Stop Hunger, superou em 89% a quantidade de alimentos arrecadada em 2016 e beneficiou 135 instituições de diversas regiões do Brasil. O Banco de Alimentos de Porto Alegre foi o maior beneficiado pela Servathon em 2017. O Instituto Stop Hunger, criado e mantido pela Sodexo no Bra-

sil com o objetivo de combater a fome e a má nutrição, anunciou o resultado recorde de sua 9ª maratona de voluntariado para arrecadação de alimentos, a Servathon 2017. A iniciativa deste ano, que aconteceu entre os dias 3 de abril e 31 de maio, arrecadou mais de 133 toneladas de alimentos. “Essa maravilhosa ação de solidariedade do Instituto Stop Hunger permitiu ao Banco de Alimentos estender as suas doações para mais 2 mil pessoas, mensalmente, que passam fome no Estado do Rio Grande do Sul”, afirmou Paulo Renê Bernhard - Presidente da Rede de Bancos de Alimentos do Rio Grande do Sul. A campanha envolveu mais de 10 mil voluntários, que somaram 35.578 horas de trabalho para arrecadar 133,3 toneladas e beneficiar 135 instituições de diversas regiões do país. Visita Em 22 de agosto, o Presidente do Instituto Stop Hunger, Fernando Cosenza e o Diretor Comercial da Sodexo, Felipe Mello, visitaram as instalações do Banco de Alimentos de Porto Alegre, conhecendo os trabalhos desenvolvidos.

Santa Maria ganha Banco de Alimentos A região central do estado já pode comemorar. No dia 22 de agosto, foi criado o Banco de Alimentos de Santa Maria, quando aconteceu a Assembleia Geral, reunindo lideranças do município. A presidência do Banco de Alimentos de Santa Maria ficará a cargo do Sr. Adão José Figueira. Já foi definido, também, durante a reunião de instalação, o Conselho de Administração do Banco de Alimentos e o Núcleo do Banco de Alimentos de Santa Maria, coordenado pelo Padre Ênio Rigo e Irmã Lourdes Dill. O Banco já possui uma bela sede própria para o desenvolvimento de suas operações. Tão logo esteja definida, completamente, a Diretoria, acontecerá a sua inauguração oficial. Diversas lideranças santa-marienses e a 12

sociedade em geral estão envolvidas nessa iniciativa social. O Banco está contando com especial apoio da Família Fração, Prefeitura Municipal SM, UFSM, importantes grupos empresarias e personalidades atuantes na responsabilidade social da cidade.


Fazer Bem

Notícias da Rede

Banco de Alimentos participa da 19ª TranspoSul e é case em Congresso processados, e ultraprocessados, apresentando escolhas saudáveis aos participantes da Feira. No local, também, foi disponibilizado o totem do Clique Alimentos, que possibilitou ao público a realização de doações gratuitas de alimentos ao Banco. No último dia da Feira, a Logística Social foi case na TranspoSul. Paulo Renê abordou o tema, retratando o importante trabalho realizado pelo SETCERGS e suas empresas transportadoras associadas O Banco de Alimentos de Por- de do Sul, Paulo Renê Bernhard, foi no dia a dia do Banco de Alimentos. to Alegre participou da 19ª Feira e palestrante do Congresso Técnico “O SETCERGS e seus Associados, Congresso de Transporte e Logísti- da TranspoSul, abordando o tema os empresários que trabalham nesca - TranspoSul, que ocorreu de 27 “Banco de Alimentos – Inovando sa área e seus colaboradores, eles a 29 de junho, no Centro de Even- a cidadania através da logística so- são transportadores também de solidariedade, são transportadores tos da FIERGS, em Porto Alegre. cial”. O Banco de Alimentos compôs o Nutricionistas do Banco de de esperança. Eles têm atuado - e Estande de Responsabilidade Social Alimentos e Estagiários de Nutri- todos veem isso diariamente - tamdo SETCERGS, onde desenvolveu ção realizaram a atividade “Como bém em calamidades que assolam atividades de nutrição. No dia 29 se alimentar melhor”, mostrando o país, uma ajuda que chega justo de junho, o Presidente da Rede de a diferença entre alimentos in na- quando a população mais precisa”, Bancos de Alimentos do Rio Gran- tura, minimamente processados, afirmou Paulo Renê.

Rede de Bancos de Alimentos e Colaboradores do Sistema FIERGS mobilizam o Estado O Presidente da Rede de Bancos de Alimentos, Paulo Renê Bernhard, ministrou palestra sobre “Voluntariado e Transformação Social” aos colaboradores do Sistema FIERGS. O evento, ocorrido em 30 de junho, foi realizado em parceria com o GEDPE – Responsabilidade Social e Qualidade de Vida/FIERGS. Na ocasião, também foi entregue pela Gerente do GEDPE, Mariane Spiekermann, e por Paulo Renê Bernhard, Certificados de Honra ao Mérito às áreas da FIERGS que participaram da Campanha interna de arrecadação de alimentos. Paulo Renê apresentou a metodologia desenvolvida pela Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais em

parceria com seus milhares de voluntários, abordando os temas “Transformação Social X Voluntariado”, “Os Bancos Sociais da FIERGS – Como Participar” e “O Papel do Líder Social na Empresa”. A palestra, ocorrida na Sede da FIERGS, teve transmissão ao vivo para as demais localidades das Entidades do Sistema no Estado. A campanha de arrecadação de alimentos, realizada na última semana de junho, em parceria com a Rede de Bancos de Alimentos

RS, angariou centenas de quilos de alimentos nas diversas localidades das Entidades do Sistema FIERGS. Somente em Porto Alegre, foram arrecadados 503 kg de alimentos, em prol das famílias atingidas pelas fortes chuvas no Estado.

13


Notícias da Rede

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

EXPOAGAS supera expectativa do Banco de Alimentos ça, Nordeste, Nutrire, Orquídea, Pamplona, Pan Fácil, Parati, Cooperativa Piá, Romena, Roseflor, Santa Massa, SEPAC, Silvestrin, Suvalan, Superpan, Tirol e UNIAGRO. As nutricionistas e estagiárias de Nutrição do Banco de Alimentos também participaram da EXPOAGAS 2017. Durante os três dias da Feira difundiram o trabalho do Banco de Alimentos em estande próprio, localizado na Secretaria Geral do Evento. Os participantes puderam fazer doações gratuitas de alimentos no espaço, usando o totem do Clique Alimentos (www. O Banco de Alimentos de Por- positores doadores conquistados cliquealimentos.com.br). A AGAS também apoia as printo Alegre participou, de 22 a 24 de desde que o Banco de Alimentos e agosto, da EXPOAGAS 2017, no AGAS iniciaram a parceria para ar- cipais campanhas de arrecadação de alimentos realizadas pelos BanCentro de Eventos da FIERGS. A recadações de alimentos na Feira. parceria firmada com a Associação Participaram com doações as cos de Alimentos do Rio Grande Gaúcha de Supermercados (AGAS) empresas: Adria, Alca Foods, Barão do Sul, o “Sábado Solidário” e o contou com exposição do trabalho Erva Mate, BBS Cerealista, Boavis- “Trote Solidário”, executadas por do Banco de Alimentos na Secre- tense, Cia Canoinhas, Claramax, centenas de Voluntários (Rotary, taria do evento e arrecadação de Dália, Divini, DRT Logística, Enova Lions, Escoteiros, Universitários, toneladas de alimentos doados por Foods, Finopel, Florestal, FRIMESA, Parceiros Voluntários, funcionários 41 empresas participantes da Feira. FRUKI, Frutz Metz e Donato, Gi- de empresas e sindicatos) em suCom o apoio da AGAS e de seu randosol, Isabela, ITALAC, M.Dias permercados associados. Presidente Antônio Cesa Longo, Branco, Marquespan, Marsala Aliesse foi o maior número de ex- mentos, Mili, Mosmann, Nova Alian-

Conselho de Administração aprova Relatório de Atividades e Contas do exercício 2016 O Conselho de Administração do Banco de Alimentos do Rio Grande do Sul, presidido por Jorge Luiz Buneder, reuniu-se com seus Conselheiros e os Diretores do Banco de Alimentos, no dia 13 de junho, para aprovação do Relatório de Atividades e Balanço de 2016, e Plano de Ação e Orçamento de 2017, os quais foram aprovados por unanimidade. A mesa Diretiva foi composta por Jorge Luiz Buneder; o Presidente do Banco de Alimentos de Porto Alegre, Paulo Renê Bernhard; o vice-Presidente do Banco de Alimentos de Porto Alegre, Antonio Parissi; o Conselheiro Fiscal do Banco de Alimentos, Adir Luiz Fração; o 14

Vice-Presidente do CIERGS, Marcos Odorico Oderich; o Diretor Superintendente do SESI, Juliano Colombo; e o Gerente Executivo da AGAS, Francisco Schmidt. A reunião contou com a presença da Diretoria Executiva e Instituidores do Banco de Alimentos.


Fazer Bem

Notícias da Rede

VI Festival do Japão doa 7,5 toneladas ao Banco de Alimentos de Porto Alegre O VI Festival do Japão, ocorrido nos dias 19 e 20 de agosto, em Porto Alegre, reuniu milhares de participantes em um grande evento que comemorou os 50 anos de irmandade entre as cidades de Porto Alegre e Kanazawa. Os participantes do Festival doaram 7.454 kg de gêneros alimentícios ao Banco de Alimentos de Porto Alegre, cerca da metade (3,495kg) foi de arroz, um alimento de extrema importância para japoneses e brasileiros, caracterizando mais uma proximidade entre as nossas culturas. No dia 22 de agosto, Paulo Renê Bernhard, Presidente do Banco de Alimentos de Porto Alegre, recebeu a visita da Associação Festival do Japão de Porto Alegre, representada pelo Presidente da Comissão Organizadora, Hiroshi Taniguchi; a Voluntária da Comissão do Festival do Japão, Maris Stella Poltronieri Boesing e o Sócio Proprietário da Ninja Produtora, Rafael Brum Estran. Na ocasião, foi realizada a entrega oficial do total de alimentos arrecadados no Festival do Japão. O Banco de Alimentos

agradece aos organizadores e idealizadores desse evento espetacular, a generosidade dos participantes do Festival, e o carinho de toda a equipe de voluntários envolvida, em especial, o Grupo Escoteiro Japão. A sexta edição do Festival do Japão promoveu a cultura japonesa como manifestação dos descendentes que vivem na região e desejam preservar a sua origem e descendência para demais gerações e ao público que frequenta o evento. Nos dois dias do evento foram apresentados os costumes, a arte, a culinária e os lazeres típicos dos japoneses.

Bela Gil participa do novo vídeo institucional do Banco de Alimentos de Porto Alegre No dia 20 de agosto, iniciaram as gravações dos novos vídeos do Banco de Alimentos de Porto Alegre, estrelados pela Chef Bela Gil. O comercial e vídeo institucional estão sendo produzidos pela Agência Conjunto e M2 Multimídia, e patrocinados pela Celulose Riograndense (CMPC). Bela Gil é Chef de cozinha natural e busca destacar a importância da alimentação saudável e consciente através de diversos projetos. Essa afinidade com o trabalho de segurança alimentar e nutricional desenvolvido pelo Banco de Alimentos foi um dos principais motivos da escolha dessa personalidade. Bela Gil doou o cachê dos vídeos ao Banco de Alimentos. Com 30 segundos, o comercial tem como objetivo reforçar o posicionamento da marca Alimentos, os projetos de nutrição e segurança alimentar, as do Banco de Alimentos e sua luta diária no ações desenvolvidas, entre outros pontos de interesse do púcombate à fome. Já o vídeo institucional, de 5 blico. minutos, retrata todo o dia a dia do Banco de 15


Notícias da Rede

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

Sábado Solidário arrecada mais de 4,5 toneladas de alimentos

Banco de Alimentos de Rio Grande

O Banco de Alimentos de Rio Grande (BARG) arrecadou mais de 4,5 toneladas de alimentos não perecíveis na 2º edição do Sábado Solidário de 2017, realizada no dia 8 de julho. Essa arrecadação foi a maior computada em uma única ação dos Sábados Solidários de Rio Grande dos últimos três anos. A

meta desta edição era de arrecadar três toneladas, a qual foi superada com grande êxito. Durante todo o dia, um grupo de 170 voluntários esteve atuando na abordagem aos clientes e captação de doações de alimentos, nas principais portas de 09 supermercados de Rio Grande e 01 supermercado na vizinha cidade de São José do Norte. Foram pontos de coleta as seguintes lojas: BIG e Maxx Atacado da Rede Walmart, Rede de Supermercados Guanabara com as lojas Cassino, Parque São Pedro, Trevo, Brito, Teixeira Jr, Osório e Hiper, além do Armazém Bom Preço em São José do Norte.

Empresa Voluntária O grande diferencial desta campanha foi a inclusão do projeto Empresa Voluntária, uma iniciativa da Vetorial.net, em parceria com o Banco de Alimentos de Rio Grande. Na ocasião da 1ª edição do Sábado Solidário de 2017, a equipe de colaboradores da Vetorial.net arrecadou quase 1 tonelada de alimentos, batendo a própria meta interna. Como forma de incentivo aos funcionários a empresa se comprometeu a doar mais 500 quilos para a campanha, caso a meta interna

fosse batida, finalizando num total de 1.500 quilos. Outro destaque nesta 2ª edição foi a SUPRG – Superintendência do Porto do Rio Grande, que também se inseriu ao projeto e conquistou o 1º lugar no ranking de arrecadação por ponto de coleta, em um total 1.069 itens arrecadados. É a união do voluntariado a favor da solidariedade.

Banco de Alimentos e Voluntários do Lions de Venâncio Aires arrecadam 2,5 toneladas

Banco de Alimentos de Venâncio Aires

Nos meses de fevereiro, março e junho foram feitos quatro Sábados Solidários com total de arrecadação de 2.496 kg em alimentos não perecíveis. A distribuição ocorreu no primeiro dia útil para as entidades cadastradas em Venâncio Aires. No dia 18 de agosto, na sede da APAE - Venâncio Aires, aconteceu a posse da nova diretoria do Banco de Alimentos de Venâncio Aires. Na ocasião, a nova Presidente, Lúcia Wagner, recebeu de sua antecessora, a Presidente Izoldi Dida Bugs, juntamente com o Prefeito em exercício, Celso Kramer, as chaves para a realização de sua gestão. 16


Fazer Bem

Notícias da Rede

Presente de aniversário vira alimento para carentes

Banco de Alimentos de Gravataí

A menina Cecília Guarise Nunes ainda não sabe, mas ajudou na alimentação de algumas famílias de comunidades carentes de Gravataí. Na festinha de aniversário de um aninho, seu pai, Tiago Nunes, teve a ideia de pedir de presente aos convidados que levassem cestas básicas para que pudesse oferecer para as famílias carentes. O pai e o avô recolheram cerca de 500 kg de alimentos não perecíveis e fizeram a entrega de 54 cestas básicas, num total de 173 quilos para o Banco de Alimentos de Gravataí. Para o pai da pequena família “essa foi uma maneira de aliviar um pouco o sofrimento de algumas famílias de nossa cidade, fizemos a nossa parte”.

Banco do Brasil promove ação social A agência centro do Banco do Brasil, para comemorar os seus 40 anos de criação, promoveu uma ação social entre os funcionários, correntistas e clientes, com o objetivo de arrecadar alimentos não perecíveis para doação ao Banco de Alimentos de Gravataí. Segundo o gerente Guido Redmer Gehling, a ideia de organizar a ação social de aniversário foi dos funcionários que buscaram engajar a comunidade gravataiense, com o objetivo de arrecadar alimentos para distribuir entre as famílias carentes de nossa cidade. A campanha arrecadou 211 kg de alimentos não perecíveis que foram entregues ao presidente do Banco de Alimentos de Gravataí, Roberto Bastiani.

Banco de Alimentos de Capão da Canoa

Também estiveram presentes o presidente do Conselho de Administração, Romeu Pessato, e o Diretor Financeiro, Renato Oliveira.

Sábado Solidário arrecada mais de 7 toneladas A Campanha Sábado Solidário já arrecadou mais de 7 toneladas de alimentos, nos supermercados Nacional e Leve Mais de Capão da Canoa. Esse número só foi possível graças aos voluntários envolvidos com a ação, como as Artistas Glaucia Gomes e Ester Fabiana Sterenberg, Lions Club e Rotary, Escoteiros de Capão da Canoa, entre tantos outros voluntários envolvidos. 17


Notícias da Rede

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

Desafio do Bem mobiliza Capão da Canoa O Banco de Alimentos de Capão da Canoa participou da Campanha Desafio do Bem, realizada pela Rede de Bancos de Alimentos RS, em conjunto com a RBS TV – Jornal do Almoço. A Ação mobilizou a cidade e contou com a participação de artistas e autoridades: Surfistas da Paz; Glaucia Gomes e Cia da ARTE, Artista Plástica Ester Fabiana Sterenberg, assim como entidades e empresas: Lions Club e Rotary, CORSAN, Escoteiros de Capão da Canoa, EMATER / ASCAR- RS, Prefeitura Municipal de Capão da Canoa e Casa de Cultura Erico Veríssimo; Cristal

Banco de Alimentos de Pelotas

Banco de Alimentos de Capão da Canoa

Centro Estético Terapêutico, Gráfica Triângulo, SACC, Cooperativa SICREDI, NYLONSUL, entre outras.

Ações do Banco em Pelotas O Banco de Alimentos de Pelotas, presidido por Elena Engers, arrecada, em média, por mês, cerca de 4 toneladas de alimentos, que são distribuídos para as 34 instituições credenciadas ao Banco. Confira, abaixo, alguns momentos do Banco de Alimentos de Pelotas, em suas principais atividades desenvolvidas. 01 de junho de 2017 – O Banco de Alimentos recebeu do Departamento de Desporto e Lazer da Secretaria de Educação e Desporto (Smed) mais de 1.600 litros de leite, os quais foram arrecadados nas inscrições para os Jogos Abertos de Pelotas (JAP).

02 de julho de 2017 - Banco de Alimentos em parceria com a Secretaria de Educação e Desporto participando da Rústica Cidade de Pelotas. Na ocasião, em que foram arrecadados 647 litros de leite, a prefeita de Pelotas, Paula Mascarenhas esteve presente.

Doe 1 kg de alimento 18


Fazer Bem

Notícias da Rede

08 de julho de 2017 - Mais um Sábado Solidário, com arrecadação de 1.734 kg de alimentos, em 9 supermercados da cidade de Pelotas.

17 de julho de 2017 - Banco de Alimentos de Pelotas em mais uma parceria com a Secretaria de Educação e Desportos – SMED. Arrecadação de 312 litros de leite.

17 de julho de 2017 - Foram arrecadados 286 kg de alimentos na Rústica Encalourando 2017 da ESEF.

28 de julho de 2017 - Trote solidário do Curso de Design de Modas do CAVG-IFSUL arrecadou 179 kg de alimentos em prol das entidades assistidas pelo Banco de Alimentos de Pelotas.

sem gastar nada

Sua doação é patrocinada por uma empresa parceira. Você pode doar acessando o site

www.cliquealimentos.com.br

clicando diretamente no prato e escolhendo a cidade de destino e empresa patrocinadora. 19


Ações integradas

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

FIERGS comemora 80 anos com ações integradas para a comunidade gaúcha Entidade industrial, fundada em 1937, é solidária e compartilha a promoção da qualidade de vida e Responsabilidade Social

O protagonismo sempre foi uma característica da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS). A entidade, que completou 80 anos no dia 14 de agosto, tornou-se porta-voz do setor fabril, conforme revela o seu histórico de lutas e conquistas. Mas sua pauta também acumula uma trajetória de iniciativas para o benefício da comunidade gaúcha. A FIERGS, atualmente presidida por Gilberto Porcello Petry - Gestão 2017/2020 - ,é solidária e compartilha a promoção da qualidade de vida e Responsabilidade Social. Desde 1937, a entidade está em contínuo planejamento estratégico para buscar as melhores soluções com vistas ao avanço do setor. A criação e os seus primeiros passos foram amparados na vocação empreendedora, ideal igualitário e visão associativa – 20

conceitos que aplica também no âmbito social. Suas ações neste campo de atuação tiveram início com a criação do Serviço Social da Indústria (Sesi), em 1946. O propósito da instituição, desde aquela época, é promover a qualidade de vida e a Responsabilidade Social. O Sesi reúne iniciativas e programas com foco em educação, saúde e o lazer do trabalhador. Somente no ano passado, por exemplo, registrou 8,6 milhões de atendimentos no Rio Grande do Sul. A inauguração da Escola Sesi de Ensino Médio de Sapucaia do Sul, a formatura da primeira turma da Escola de Pelotas e o recebimento de 1,6 milhão de leitores em suas bibliotecas distribuídas no Estado são alguns dos exemplos dos feitos realizados em 2016. Por outro lado, a FIERGS, atra-

vés da Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais, também dedica-se a transformar o desperdício em benefício social para o terceiro setor. Idealizada pelo Conselho de Cidadania, a entidade mobiliza a indústria gaúcha com doações e reciclagem de produtos para atender asilos, associações de bairros, escolas de educação infantil, lares de excepcionais, entre outros. Somente em Porto Alegre são beneficiadas mais de 400 instituições. O auxílio é realizado por meio de 14 bancos sociais temáticos organizados em: Alimentos, Computadores, Gestão e Sustentabilidade, Livros, Órgãos e Transplantes, Materiais de Construção, Medicamentos, Mobiliários, Projetos Comunitários, Refeições Coletivas, Resíduos, Tecido Humano-Pele, Vestuários e Voluntários. Trata-se de uma iniciativa pioneira no Brasil que, além de distribuir produtos perfeitamente utilizáveis ainda oferta cursos de iniciação e qualificação profissional e de técnicas de gestão empresarial. Criado em 2000, o Banco de Alimentos, por exemplo, já arrecadou mais de 35 milhões de quilos de gêneros alimentícios. Auxilia 312 instituições na Capital gaúcha e, consequentemente, 40 mil famílias. Sua atuação inspirou a formação da Rede de Bancos de Alimentos RS, que congrega 22


Fazer Bem

Ações integradas

Gilberto Porcello Petry

Presidente do Sistema FIERGS - Gestão 2017/2020

bancos de Alimentos e 101 Núcleos Bancos de Alimentos distribuídos no Estado. Por sua vez, o Banco de Computadores doou 8.732 equipamentos de informática para mais de 500 instituições. Já o Banco de Livros, que recebe volumes novos e usados, alcançou a marca de um milhão de exemplares recebidos na Feira do Livro de Porto Alegre, em 2016. Doou 380.797 e implantou 98 bibliotecas em presídios do Estado, entre outras ações. Já a atuação da FIERGS por meio do Banco de Materiais de Construção, recebe e distribui tintas, portas, janelas, telhas, pisos, brita e os mais diversos materiais do segmento. No ano passado, 1025 itens foram repassados para famílias e comunidades carentes. Por sua vez, o Banco de Mobiliários reúne as doações de móveis e providencia, quando necessário, os devidos reparos. Além disso, contempla a formação de pessoas que, uma vez capacitadas, tornam-se multiplicadoras do conhecimento adquirido e formam núcleos de trabalho onde moram. Cento e trinta e cinco alunos foram contemplados no ano passado. No Banco de Órgãos e Transplantes, uma parte do trabalho

realizado tem enfoque educativo com a sensibilização dos gaúchos para a importância da doação para transplantes. Já o Banco de Projetos Comunitários prepara as instituições na elaboração de propostas de captação de recursos financeiros e também orienta sobre o aproveitamento de leis de incentivo e renúncias fiscais. O excedente de produção de cozinhas industriais é utilizado pelo Banco de Refeições Coletivas. No ano passado, 66 empresas participaram e doaram, aproximadamente, 200 mil refeições. Por outro lado, a preservação do meio ambiente é abordada no Banco de Resíduos, que mantém a Bolsa de Recicláveis para empresas trocarem gratuitamente, comprarem, doarem ou venderem resíduos. O site www.bolsadereciclaveis-rs.com.br reúne 10 mil empresas cadastradas com esse objetivo. Cabe destacar que o Banco de Tecido Humano-Pele, por sua vez, inaugurado em 2005, foi o primeiro no País a obter autorização para captação de pele de pessoas falecidas, junto ao Ministério da Saúde. Fornece para todos os Estados do Brasil e no ano passado enviou pele para queimados de 49 localidades brasileiras. Já o Banco de Vestuários identifica e recolhe excedentes do setor, como retalhos e malhas. Clubes de Mães, grupos de Terceira Idade, associações de bairros, igrejas e centros comunitários receberam 27.020 quilos de tecido no ano passado.

O material serviu para a confecção de agasalhos, roupas de cama e artesanato, entre outros. Para completar a iniciativa da FIERGS, o Banco de Voluntários mobiliza a sociedade para a manutenção e operacionalidade de todos os demais bancos sociais temáticos. São mais de 4 mil pessoas, tais como Rotarianos, Leões, Escoteiros, Universitários, Profissionais Liberais, Parceiros Voluntários, Empresários e muitos outros que compartilham seu tempo para a captação das doações e realização de mutirões, por exemplo. Complementa a atuação da entidade o Banco de Gestão e Sustentabilidade, que se dedica ao gerenciamento de todo o processo, permitindo emissões de nota fiscal, cadastramento das instituições, emissão de relatórios e controles de estoques. Representatividade Quando foi criada, a FIERGS representava 21 sindicatos setoriais filiados. Atualmente, a entidade atua para corresponder às necessidades de desenvolvimento de 114 sindicatos, que reúnem 52 mil fábricas em atividade, e que empregam 901 mil trabalhadores. A FIERGS com o Centro das Indústrias do Rio Grande do Sul (CIERGS) compõe o Sistema Indústrial do Estado, formado também pelo Serviço Social da Indústria (Sesi-RS), o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai-RS) e o Instituto Euvaldo Lodi (IEL-RS). 21


Segurança Alimentar e Nutricional

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

As leguminosas: fonte de nutrição para todas as fases da vida 2016 foi considerado o Ano Internacional das Leguminosas (AIL) pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). O objetivo da campanha, que visa aumentar a consciência pública para os benefícios nutricionais das leguminosas, é criar oportunidades de incentivar conexões em toda a cadeia alimentar, de forma a utilizar melhor estas proteínas de origem vegetal, aumentar a sua produção em nível mundial, utilizar melhor as rotações de culturas e enfrentar os desafios do comércio de leguminosas. A Rede de Bancos de Alimentos, sempre atenta às questões nutricionais e de segurança alimentar, foi convidada pela FAO Regional para integrar a campanha. A participação aconteceu durante a Semana da Alimentação 2016, desenvolvida pelo Conselho Regional de Nutrição, em Porto Alegre (RS). Na ocasião, na Feira Comemorativa ao Dia Mundial da Alimentação, no Parque Farroupilha, o Banco de Alimentos criou uma atividade, em que pode mostrar um pouco dos projetos e de suas ações junto às comunidades. Além disso, foi apresentado, pelas acadêmicas de Nutrição, estagiárias dos Projetos de Nutrição do Banco de Alimentos, o Jogo – Caminho das Leguminosas, que incen-

22

tivou, de forma lúdica, a curiosidade para a aprendizagem do valor desses grãos. “A alimentação do brasileiro, antigamente, era arroz e feijão e isso está se perdendo, por isso, nós do Banco de Alimentos, estamos resgatando o valor dessa alimentação. A combinação do arroz e feijão apresenta perfil aminoacídico adequado e próximo ao aconselhado, uma vez que os aminoácidos limitantes dos cereais e das leguminosas se completam”, destaca a nutricionista Responsável Técnica do Banco de Alimentos, Adriana Lockmann. As leguminosas são grãos secos para consumo tais como lentilha, feijão, amendoim, grão-de-bico, ervilha e soja, constituem uma fonte de proteínas de origem vegetal e aminoácidos para consumo humano e fazem parte de uma dieta saudável. O seu consumo ajuda a tratar a obesidade, assim como a prevenir e controlar doenças crônicas tais como a diabetes, problemas cardiovasculares e câncer. As leguminosas também são uma importante fonte de proteína à base de plantas para os animais

e têm propriedades fixadoras de nitrogênio que podem contribuir para aumentar a fertilidade do solo, com um impacto positivo também sobre o meio ambiente. Dentre as leguminosas mais conhecidas está o feijão, importante fonte de fibra, ferro, zinco e aminoácidos essenciais. Além de ser a leguminosa que o Banco de Alimentos mais recebe e doa, o feijão é estrela nos cardápios do programa Passos da Longevidade do Banco de Alimentos, destinado a Melhor Idade. “O feijão é importante devido aos aminoácidos essenciais, que promovem a alimentação saudável em todas as fases da vida, mas, principalmente, nos idosos, porque a partir dos 70 anos acontece uma síndrome chamada Sarcopenia, caracteri-


Fazer Bem

Segurança Alimentar e Nutricional

Globalmente, a produção de leguminosas tem aumentado de forma lenta, mas estável. Em 2014, a produção global atingiu 77 milhões de toneladas, um aumento de 21 milhões de toneladas em relação a 2001, segundo a FAO. zada pela perda de massa muscular com a perda de força e/ou funcionalidade. Para evitar esse processo, os idosos precisam fazer atividade física, que melhora a mobilidade, a autonomia e independência, mas também precisam ingerir proteína para desenvolver a musculatura. Precisam da combinação de atividade física com a ingestão adequada de proteínas, aminoácidos essenciais da cadeia ramificada, principalmente, os mais envolvidos na musculatura,

os aminoácidos existentes nas leguminosas, como a lisina”, explica Adriana. Estudos apontam, ainda, para a importância da tiamina presente nas leguminosas para a prevenção e queda da progressão da Doença de Alzheimer. E não é somente para os idosos que o consumo de feijão se torna essencial, para as crianças, principalmente, as menores de dois anos, se constitui em uma importante fonte de ferro, já que a carência desse nutriente nessa ida-

Conheça as quantidades de nutrientes em cada leguminosa

de é maior. A fibra também é muito relevante para o bom funcionamento intestinal. “Todos os alimentos tem seus prós e contras, o feijão, se não for preparado corretamente, pode provocar distensão abdominal (inchaço) e flatulência (gases)”, adverte Adriana.

Como combater o fator antinutricional no Feijão As leguminosas possuem substâncias chamadas taninos e fitatos, que são conhecidos como antinutricionais, pois competem com importantes sais minerais, ferro e zinco, e que retardam a digestibilidade das proteínas. Para reduzir tais fatores, basta utilizar duas técnicas básicas, que muitos já fazem em suas casas – os chamados Remolho e Remolho curto. “Sempre lembrando que o rendimento do feijão é de 5 vezes, uma xícara, rende cinco xícaras”, lembra Luciana Vieira Campos, nutricionista do Banco de Alimentos, responsável pelo Projeto Oficina do Sabor.

Remolho

às entidades beneficentes, como forma de incentivar outras formas de consumo das leguminosas. O objetivo do projeto é desenvolver, elaborar e adaptar receitas que os beneficiários já façam no seu dia a dia, mas com uma melhora em seu valor nutricional, Remolho curto Se você não tiver tempo para tentando combater essas deficideixar o grão submerso por 6 ências. horas, pode optar pelo remolho curto. Faça a seleção dos grãos, higienize em água corrente, coloque-os em água fervente, deixando por dois minutos, desligue, tampe a panela. Deixe por 1 hora. Em seguida, despreze essa água, coloque uma nova água e cozinhe o feijão.

água até cobrir todo o grão, e acondicione na geladeira. A temperatura da geladeira é importante para que não haja contaminação do alimento. Deixe por 6 horas. Após, troque a água e realize o cozimento.

Selecione os grãos, higienize em água corrente, coloque-os em O Banco de Alimentos, através um recipiente com tampa, com do seu Projeto Oficina do Sabor desenvolve receitas para fornecer

23


Segurança Alimentar e Nutricional

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

Confira algumas receitas com leguminosas:

Cookies de Amendoim Rendimento: 18 unidades Ingredientes : Amendoim - 1 xícara (250 gramas) Aveia em flocos - 2 colheres de sopa(20 gramas) Açúcar mascavo - 6 colheres de sopa (75 gramas) Ovo - 1 unidade (59 gramas) Modo de preparo: 1. Triturar o amendoim no processador de alimentos até virar uma pasta. 2. Misturar os outros ingredientes. 3. Modelar os cookies no formato desejado. 4. Assar em forno pré-aquecido a 180° por 20 minutos.

Rocambole de ricota com grão-de-bico Rendimento: 12 porções Ingredientes: Massa Ovos - 4 (172g) Sal - A gosto Amido de milho - 5 colheres de sopa rasas (40g) Fermento em pó - 1 colheres de sopa rasa (12g) Farinha de chia - 2 colheres de sopa (20g) Recheio Pasta de grão-de-bico - 1 xícara de chá (100g) Azeite de oliva - 2 colheres de sopa (20ml) Ricota - ½ unidade (150g) Queijo ralado - 2 colheres de sopa (50g) Orégano - A gosto

24

Informações Nutricionais

Quantidade por porção (porção de 22g) Valor energético: 107 kcal Carboidratos: 6,8g Vitamina C: 0,08mg Proteínas: 3,8g Vitamina D: 0,04mcg Gorduras totais: 7,1g Cálcio: 4,2mg Fibras: 1,2g Ferro: 0,5mg B1: 0,01mg Potássio: 99,2mg B12: 0,04mcg Zinco: 0,4mg

Modo de preparo Massa: 1. Bata as claras em neve e junte o sal. 2. Acrescentar as gemas batendo sempre. 3. Acrescentar o amido, o orégano com o fermento e misture-os à massa delicadamente. 4. Distribua em uma assadeira de 17x22cm previamente untada. 5. Leve ao forno pré-aquecido a 180° por aproximadamente 8 min. 6. Retire do forno e vire ainda quente sobre um pano de prato úmido. Recheio: Pasta de ricota com grão-de-bico 1.Leve ao processador a pasta de grão-de-bico, ricota picada, azeite, queijo ralado, sal e orégano a gosto, e espalhe por cima da massa, enrole em formato de rocambole. Informações Nutricionais

Quantidade por porção (porção de 55g) Valor energético: 150 kcal Vitamina C: 0,01mg Carboidratos: 12,8g Vitamina D: 019mcg Proteínas: 6,8g Cálcio: 62mg Gorduras totais: 7,9g Ferro: 1,27mg Fibras: 2,8g Potássio: 134,2mg B1: 0,04mg Zinco: 0,2mg B12: 0,24mcg


Fazer Bem

Matéria principal

Cadeia do Desperdício: o papel do consumidor

40%

dos alimentos produzidos

vão parar no lixo

Encerrando a série de reportagens da Revista Fazer Bem, apresentamos a última etapa: o desperdício em nossas casas.

O que sobrou no prato, o que apodreceu na geladeira, o prazo de validade vencido, o alimento esquecido no potinho ao fundo da prateleira. Quando falamos em desperdício de alimentos, logo, todas essas imagens veem a nossa mente, quando o assunto é a nossa comida de cada dia que vai para o lixo, estamos todos na

mesma situação e somos inteiramente responsáveis. Conforme estimativas internacionais, cerca de 40% dos alimentos produzidos vão parar no lixo. O Brasil está entre os dez principais países que mais perdem e desperdiçam alimento. Perda que tem a ver com a colheita, pós-colheita, distribuição e desperdício que já vem no final da cadeia, no varejo, no supermercado e com o hábito do consumidor.

Conheça toda a trajetória do alimento até chegar as nossas casas e como ocorre o desperdício em cada etapa:

Plantio

No campo, o desperdício acontece pelo uso de sementes de baixa qualidade, escolha de variedades não recomendadas para condições de clima de determinada região, preparo inadequado do solo e a semeadura fora do tempo.

Colheita

Armazenagem

A falta de silos adequados, secagem mal processada e controle de qualidade inadequado ocasionam a perda física ou quebra e perda de qualidade dos alimentos.

Transporte

Comercialização

Adversidades de ordem climática, doenças e pragas nas lavouras contribuem para a perda de alimentos, assim como a falta de qualificação e tecnificação no campo – manutenção e regulagem das máquinas, capacitação dos operadores.

No Brasil, a maior parte dos alimentos é transportada por rodovias. Nesse sentido, as estradas em péssimo estado de conservação facilitam os acidentes e também as oscilações dos caminhões, que acabam perdendo uma grande quantidade de alimentos. Além de algumas frotas ainda serem antiquadas, o que não gera um armazenamento seguro para o transporte.

As Ceasas e o varejo supermercadista registram as maiores perdas. Os principais fatores que contribuem para o desperdício são o mau gerenciamento e emprego dos recursos e a falta de atenção e conhecimento sobre o tratamento dos processos de gestão (Programas de Prevenção de Perdas). 25


Matéria principal

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

Conforme o especialista Carlos Eduardo Santos, palestrante que encerrou a programação da EXPOAGAS 2017, é possível solucionar o problema do desperdício nos pontos de venda realizando a prevenção de perdas, através de algumas medidas: criar um sistema confiável de gestão de estoque; dar mais responsabilidade para quem tem autoridade sobre a empresa; criar comitê multidisciplinar para discutir periodicamente sobre os proble-

mas, entre outras. Segundo a pesquisa da ABRAS (Associação Brasileira de Supermercados) apresentada por Santos, excetuando 2012, todos os anos a perda foi maior que o lucro. Em 2015, as perdas gerais contabilizaram R$ 295 milhões da receita total do setor no Brasil. No RS, no mesmo ano a perda total foi de R$ 565 milhões. O índice de perdas por departamento mapeado pela ABRAS mostra que o FLV tem o pior resultado (6,58%)

seguido pela padaria e confeitaria (5,17%). A causa das perdas tem no vencimento (35,85%) dos produtos o principal índice seguido pela quebra operacional (20,05%) e erros de inventário (11,15%). No ranking de perdas por artigos, confeitaria (25%), bebidas (22%) e açougue (14%). Supermercado desponta em primeiro lugar no índice de perdas por segmento com 2,26%, seguido por material de construção (1,19%).

O consumidor – último elo da cadeia do desperdício O consumidor muitas vezes não possui a consciência sobre a responsabilidade que detém na prevenção das perdas de alimentos. O desperdício gerado nessa etapa ocorre em refeições geradas dentro e fora do lar. O desconhecimento sobre procedimentos simples a serem adotados pelos gestores domésticos explica o problema do desperdí-

cio gerado no consumo. Por falta de informação o alimento não é utilizado totalmente e nem corretamente. A perda dentro de casa não é o maior problema do país em termos estatísticos, mas contribui, em muito, para que as perdas e desperdício com alimentos no Brasil somem 40 mil toneladas por dia, segundo Viviane Romeiro,

Gerente de Clima do World Resources Institute (WRI) Brasil . Segundo os especialistas, existem cinco grandes categorias para o desperdício de alimentos nas casas:

1. Compra excessiva ou por impulso:

É o início do desperdício do consumidor. Alguns fatores como ir ao supermercado com fome, sem planejamento e a preferência por grandes pacotes pode contribuir para a compra em excesso. Pesquisas apontam também a compensação psicológica com a compra do alimento, como forma de suprir carências e necessidades emocionais. Faça diferente: Planeje-se. Faça listas, compre semanalmente somente a quantidade que irá consumir no período. Não vá ao supermercado com fome.Verifique a data de vencimento dos alimentos. Prefira e exija produtos sustentáveis, que preservem a cadeia alimentar.

2. Manipulação no supermercado:

Cuidado também com a manipulação dos alimentos no supermercado. A cultura de manusear o alimento, apertar para ver se está bom, causa um grande desperdício tanto no ponto de venda, quanto em casa.

Faça diferente: Opte por não manusear os alimentos, procure informações nas embalagens. Alguns supermercados estão dis-

ponibilizando embalagens abertas para os consumidores verificarem o interior e não acabarem furando as embalagens para ver o conteúdo. Aprenda a ver o valor dos alimentos além da aparência estética. 26


Fazer Bem

Matéria principal

3. Excesso de preparação:

A cultura do fazer um pouco mais, melhor sobrar que faltar, é uma das grandes responsáveis pela comida que vai parar no lixo. Faça diferente: Planeje-se. Calcule as quantidades adequadas por pessoa, e se for sobrar, armazene corretamente para depois reaproveitar. Precisamos educar os consumidores para mudar e substituir o gosto pela fartura por um comportamento mais frugal e de maior respeito pelo alimento que chega às nossas mesas.

4. Sobras – As sobras esquecidas no fundo da geladeira que acabam

indo para o lixo, as sobras que não são armazenadas adequadamente e que acabam estragando pela falta de segurança alimentar também são fontes de desperdício do consumidor.

Faça diferente: Armazene as sobras de forma adequada, em recipientes com tampa, em geladeira. Para garantir a segu-

rança alimentar uma das melhores formas é o reaproveitamento, transformando as sobras em novas preparações. Para eliminar as bactérias é necessária uma temperatura superior a 70 graus, por isso ao transformar o arroz de ontem em bolinho de arroz hoje, já garantimos a segurança alimentar daquele prato. Outro ponto é se livrar do preconceito com as sobras. É importante ressaltar que é a sobra que não foi manuseada, aquele alimento que não foi servido no prato.

5. Armazenamento inadequado:

Nem sempre são adotados processos corretos de armazenamento e conservação, o que reduz a vida útil dos alimentos. Os produtos frescos são os mais desperdiçados por falta de armazenamento correto e por não saber utilizá-los em sua integralidade (talos, cascas, folhas).

Faça diferente: O ideal é lavar as frutas e legumes na hora, mas diante da correria da vida, pode ser feita a higiene e o armazenamento juntos, basta secar bem as

folhas, que se ficarem úmidas apodrecem mais rápido. Os hortifrutigranjeiros devem ser higienizados em solução clorada, vinagre não funciona. A manipulação de alimentos também é fonte de desperdício, prefira o uso de utensílios de cozinha corretos que facilitem o descascar dos alimentos sem perda. Por exemplo, o descascador de batatas. É importante destacar que o desperdício de alimentos, no final da cadeia, na etapa de consumo, não é apenas o ato de jogar comida fora, os recursos naturais que são utilizados para a produção deles como a terra, a energia e a água também são desperdiçados, os investimentos em pesquisa, todo o esforço de tecnologia,

o suor do homem do campo e todo o custo de logística e infraestrutura do varejo para manter, às vezes, o alimento refrigerado, tudo isso está sendo descartado no final da cadeia. Desperdiçar comida também é desperdiçar água, terra e recursos financeiros, além de poluir com o lixo doméstico. Por isso, a ação consciente

é a melhor forma de contribuir para a sustentabilidade e a erradicação da fome no mundo. Assim como nos ensina Gandhi - “Cada dia a natureza produz o suficiente para a nossa carência. Se cada um tomasse o que lhe fosse necessário, não havia pobreza no mundo e ninguém morreria de fome” Mahatma Gandhi.

27


Matéria principal

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

Dicas Plástico ou Vidro? Nossas avós estavam certas É adequado usar sempre o vidro, para garantir que o alimento esteja seguro. Este procedimento já era utilizado na época de nossas avós, em compotas ou conservas, em que realizavam a esterilização, o tratamento térmico, quando o submetiam ao banho-maria.

Alumínio pode? Não é recomendado o papel alumínio, nem para embalar o sanduíche, nem para submeter ao calor para assar e também a tradicional panela de alumínio. No Banco de Alimentos, recomendamos às entidades beneficentes não usar esponja de aço, além de não ser permitido pela Vigilância Sanitária, o uso pode promover a contaminação química dos alimentos, justamente porque desprende alumínio da panela no alimento. Aquele alumínio que foi desprendido pela esponja, contamina o alimento e é absorvido pelo corpo. É um agente cancerígeno e pode também se depositar no fígado, nos órgãos e no cérebro. A melhor panela é a de vidro ou a de inox. As panelas de teflon desprendem teflon e por baixo do teflon existe o alumínio.

Geladeira, micro-ondas e fogão A temperatura adequada da geladeira é de 5 graus. Ao colocar na geladeira alimentos muito quentes, eles acabam aquecendo as outras coisas que estão na geladeira. Assim, conseguimos a preservação deste alimento, mas colocamos em risco os outros que já estão armazenados na geladeira. De 5 até 60 graus é a faixa que as bactérias se multiplicam, por isso, não espere muito tempo para colocá-lo na geladeira. O micro-ondas aquece partes do alimento, por isso não se torna tão seguro, melhor é utilizar o forno ou fogão para aquecer os alimentos.

Fome no mundo aumenta pela primeira vez em mais de 10 anos

O número de pessoas que passam fome no mundo aumentou pela primeira vez em mais de uma década, afetando agora 11% da população mundial. Segundo relatório divulgado pela ONU, no dia 28

14 de setembro, o crescimento da miséria se deve aos conflitos globais, à mudança climática e às crises econômicas que assolam o planeta. Em seu informe anual sobre a situação alimentícia, as Nações Unidas afirmaram que 815 milhões de pessoas sofreram de desnutrição crônica no ano passado, 38 milhões a mais do que em 2015. Conforme a ONU: “não acabaremos com a fome e todas as formas de desnutrição até 2030 a menos que abordemos todos os fatores que prejudicam a segurança ali-

mentar e a nutrição”. Por isso, a Rede de Bancos de Alimentos, ciente de sua Responsabilidade Social, convoca toda a sociedade para a conscientização, ação e união em prol de todas as iniciativas acerca do combate à fome e à desnutrição. Há mais de 17 anos, a Rede de Banco de Alimentos promove, ações integradas oportunizando a participação de todos. No consumo em sua casa e na ação solidária ao seu alcance, encontre a sua forma de contribuir. www.redebancodealimentos.org.br www.cliquealimentos.com.br www.doealimentos.com.br


Fazer Bem

Conversando com os beneficiários

Clube de Mães da Vila União Fundada em 1985, a entidade foi uma das pioneiras na parceria com o Banco de Alimentos do RS

No início era só barro e sonho. Foi graças ao esforço e arregimentação de Vera Terezinha Cabral dos Santos, a Dona Vera, como é conhecida a atual presidente, que o Clube de Mães da Vila União foi tomando forma e, hoje, está entre as 10 melhores escolas assistenciais de Educação Infantil de Porto Alegre (RS). Fundada em 1985, a entidade, que faz parte da Associação Comunitária da Vila União, foi uma das primeiras instituições a ser conveniada com o Banco de Alimentos. Há 11 anos, a parceria prevê não apenas a entrega mensal de alimentos, mas a participa-

tudo o que aprenderam na academia, sempre com a supervisão das nutricionistas do Banco. Nesse projeto são oferecidas atividades de educação alimentar, oficinas culinárias com as crianças e adolescentes e avaliação antropométrica. “Primeiro é realizado um período de observação para analisar qual é a necessidade da instituição, em seguida, eles começam seus estágios obrigatórios”, destaca a nutricionista do Programa Nutrindo o Amanhã, Evelyn Carvalho. O Banco de Alimentos prioriza essa inserção na comunidade e destaca a importância de entender melhor o contexto pedagógico ção nos programas de nutrição e que a instituição vem trabalhande capacitação do Banco. “Somos do. “Os estagiários são fantásticos uma das primeiras instituições ca- com as crianças, eles usam a criadastradas no Banco de Alimentos. tividade para falar da importância Além da doação que é muito boa, de se alimentar bem. A qualidade aprendemos com os programas que o Banco trouxe foi fundamenmuito do que não sabíamos, como tal, pois conseguimos ter conhepor exemplo, as práticas de higie- cimento de como melhorar os ne que são além do que a gente procedimentos na prática. A gente achava que era correto”, destaca não sabia nem que tinha que lavar Rosane Cabral dos Santos, coor- a batata antes de descascar”, afirdenadora Administrativa do Clube ma Rosane. de Mães da Vila União. Localizado em uma área no O Clube participa do Projeto bairro Sarandi, o Clube de Mães do Banco de Alimentos - Nu- oferece Educação Infantil Integral, trindo o Amanhã, em que atra- das 07h às 18h, para 83 crianças da vés da parceria com as faculdades, região e de outras localidades. A os estagiários podem praticar alimentação é completa com café

29


Conversando com os beneficiários

da manhã, lanche, almoço, café da tarde e janta. “Conseguimos oferecer essa alimentação com muita dificuldade, mas sempre que a coisa aperta a gente entra em contato com o Banco e pede a ajuda deles”, conta Rosane. As capacitações na área de segurança alimentar e nutricional que o Banco de Alimentos oferece são um diferencial para o Clube de Mães: “Recebemos muitas crianças, filhos dos imigrantes haitianos, eles apresentam defasagem de vitaminas, de potássio e de cálcio. Agora, introduzimos o leite na alimentação e conseguimos melhorar a saúde das crianças. Se não tivéssemos essa formação, não poderíamos identificar e ajudar essas crianças. Essa parceria na questão da formação é muito importante”, comemora Rosângela de Souza, coordenadora Pedagógica do Clube de Mães da Vila União. A instituição também disponibiliza programas específicos para

30

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

a Melhor Idade. Atualmente, são atendidos 53 idosos que participam do Projeto do Banco de Alimentos - Oficina do Sabor, todo, são atendidas 40 crianças onde aprendem receitas saudáveis e adolescentes. Buscando outras e como reaproveitar melhor os formas de serviços para a comunialimentos.“Essa oficina é sensacio- dade, o Clube de Mães possui, ainnal, porque eles podem degustar e da, Assessoria Jurídica, um serviço ver depois, em casa, que a receita social para quem realmente não pode pagar. dá certo”, relata Rosângela. A entidade, através de um convênio com a Fundação de “Acho que a mensagem para o Assistência Social e CidadaBanco de Alimentos é de agrania (FASC), oferece o Servidecimento, Deus está sempre ço de Apoio Socioeducativo junto conosco. Quando a (SASE), que atende crianças despensa está baixando, vem o e adolescentes de 06 a 14 caminhão e até as crianças já anos, em turno inverso ao da conhecem e comemoram: - olha o escola, oferecendo proteção Banco da comida! E lá estão as social para crianças vulneráverduras, as frutas maravilhoveis econômica e socialmensas, tantos alimentos e assim te, além de alimentação, apoio conseguimos seguir com esse pedagógico e psicossocial, de trabalho do nosso coração” modo a estimular o desenvolVera Terezinha Cabral dos Santos presidente do Clube de Mães da Vila União. vimento afetivo e social. Ao


Fazer Bem

Conversando com os beneficiários

Clube de Mães da Vila União é a segunda instituição certificada pelo Cozinha Nota Dez em 2017

Com uma boa estrutura, o Clube de Mães da Vila União já havia conquistado o Selo Prata do Programa Cozinha Nota Dez* do Banco de Alimentos,

mas para a presidente era pouco: “Não aceitamos o Prata e isso nos motivou ir atrás do Selo Ouro”. Esse empenho da gestão rendeu, no dia 03 de agosto de 2017, a

certificação do Selo Ouro, sendo a segunda instituição certificada pelo Banco, neste ano. Com a economia proporcionada pela doação de alimentos, o Clube pode realizar as reformas necessárias, trocar o piso e construir o segundo andar. “Crescemos bastante, a cozinheira usava bermuda, chinelo Havaianas, todos faziam as refeições na cozinha e entravam ali. Agora temos sapatos, uniformes adequados, nutricionista e obedecemos todas as práticas. É uma alegria muito grande receber esse selo, uma verdadeira conquista”, comemora a presidente. *O projeto Cozinha Nota Dez se propõe a promover qualidade, segurança alimentar e boas práticas na produção de alimentos das instituições conveniadas.

A Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais da FIERGS e o Banco de Alimentos de Porto Alegre foram agraciados pela Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-RS) com o Prêmio “Top Cidadania”. A Fundação recebeu, ainda, o inédito troféu “Mé-

Foto: Dudu Leal

Bancos Sociais da FIERGS são agraciados com três Troféus Top Cidadania ABRH-RS

rito Top Cidadania”, concedido às Organizações que ganharam a premiação por cinco anos consecutivos. A cerimônia de entrega dos Troféus, que reuniu centenas de empresários e autoridades, ocorreu na noite de 27 de setembro, no Grêmio Náutico União.

31


Voluntariado

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

Muito mais que Voluntários, verdadeiros exemplos de cidadania

O Banco de Alimentos só pode alcançar o sucesso de sua ação empresarial pela cidadania, nos seus 17 anos de atuação, graças à arregimentação de diversos setores da sociedade, unindo pessoas no combate à fome e à desnutrição. Por isso fazem parte do dia a dia do Banco diversos voluntários nacionais e internacionais. Nas edições anteriores já destacamos o voluntariado do Rotary, do Lions e dos Escoteiros. Parceiro do Banco de Alimentos no projeto Trote Solidário, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul – SIMERS, através de seu Núcleo Acadêmico, vem promovendo uma verdadeira mudança social na cultura do Trote Universitário. A cada edição do projeto, milhares de estudantes de Medicina inspiram a solidariedade por onde passam e se tornam modelo para outros alunos. Promovida desde 2008, a ação envolve um dia de doação de sangue e outro de arrecadação de alimentos não perecíveis em supermercados e mudou, completamente, a imagem que 32

alguns tinham a respeito do Trote como uma ação agressiva e violenta. “O Núcleo Acadêmico do Sindicato conseguiu mudar a visão da sociedade a respeito do que serão os seus médicos no futuro, através de um trote que consiste em arrecadar alimentos e sangue. Eles ainda não concluíram a faculdade de Medicina e já estão ajudando pessoas, demonstrando solidariedade, espírito de colaboração e generosidade”, ressalta o presidente do SIMERS, Paulo de Argollo Mendes. O Trote Solidário acontece duas vezes por ano, em parceria com turmas de veteranos das Faculdades de Medicina de universidades gaúchas nas seguintes cidades: Porto Alegre (UFRGS, PUCRS e UFCSPA); Canoas (ULBRA); Caxias do Sul (UCS); Passo Fundo (UPF, IMED e UFFS); Pelo-

tas (UCPEL e UFPEL); Rio Grande (FURG); Santa Cruz (UNISC); Santa Maria (UFSM e UNIFRA) e Lajeado (Univates). Nas 13 edições do Trote Solidário foram doados alimentos suficientes para atender a uma população de aproximadamente 290 mil pessoas – o que significa abastecer totalmente duas cidades como Novo Hamburgo e Panambi. Já as bolsas de sangue contribuíram para salvar mais de 13 mil vidas – uma média de 1 mil pessoas beneficiadas por ano. Isso sem contar os alimentos e doações de sangue arrecadados na 14ª edição, realizada em agosto e setembro de 2017(confira na matéria da página 10). Com isso o projeto vem conquistando o Rio Grande do Sul. Em 2013, recebeu o prêmio TOP Ser Humano RS, promovido pela Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-RS) e em 2014, o Trote Solidário arrematou o TOP Ser Humano Nacional, da ABRH Brasil.


Fazer Bem

Voluntariado

SIMERS - História

meiro sindicato classista a receber a Certificação ISO 9000. Hoje, o sindicato, que é independente e sem vinculação partidária, conta com mais de 140 funcionários, mais de 15 mil associados e 35 delegacias no interior, se constituindo no maior sindicato médico da América Latina. Imbuído desse comprometimento com a classe, o sindicato é muito atuante na responsabilidade social, além do Trote Solidário, realiza a promoção de feiras de produtos sem agrotóxicos e a adoção de praças.

Foi um longo, intenso e árduo movimento de classe que permitiu, no dia 20 de maio de 1931, a criação do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS), em Porto Alegre. Nestas mais de oito décadas de trabalho e dedicação à causa médica, o SIMERS empreendeu inúmeras outras lutas e passou a receber da sociedade gaúcha e brasileira respeito e admiração. Hoje, mais que um Sindicato, o SIMERS é modelo de instituição moderna, sincronizada com seu tempo, voltada não apenas para os interesses classistas, mas para as causas sociais da atuNúcleo Acadêmico do alidade. Sindicato Médico do Dos ideais de seus fundadores, Rio Grande do Sul o Sindicato Médico do Rio GranO Núcleo Acadêmico é o brade do Sul transformou-se, hoje, no maior de sua categoria, sendo ço estudantil do SIMERS e cona primeira entidade médica e pri- grega mais de 600 associados de

todas as faculdades de Medicina do Rio Grande do Sul. Criado, em 2008, para fortalecer a ligação entre o Sindicato, as faculdades e os futuros profissionais, o NAS organiza, anualmente, o Trote Solidário e promove cursos sobre temas escolhidos pelos próprios alunos. O Núcleo oferece aos seus associados praticamente a mesma gama de serviços oferecida a um sócio médico. Somente com o trote solidário, o NAS já arrecadou mais de 100 toneladas de alimentos e produtos de higiene, doados a dezenas de entidades assistenciais atendidas pela Rede de Bancos de Alimentos em todo o Estado.

Voluntariado Internacional: Sage Foundation

Outro parceiro do Banco de Alimentos, que inspira a sociedade com seu comprometimento e visão empresarial social, é a Sage Foundation. A Sage, através da Sage Foundation, busca contribuir com as comunidades onde atua por meio de ações que promovam mudanças sustentáveis da sociedade. O voluntariado e as ações sustentáveis são parte de seu DNA, estando expressos em sua missão: “Somos comprometidos em transformar vidas, investindo nosso tempo, dinheiro, conhecimento e tecnologia

para criar oportunidades sustentáveis – sociais, econômicas e empreendedoras – nas nossas comunidades locais ao redor do mundo”. Essa missão fez com que a Sage Foundation e os Bancos Sociais se encontrassem, imbuídos do mesmo propósito de responsabilidade social com a comunidade. “Acreditamos que este é apenas o início de uma parceria muito saudável e feliz, que compar-

tilha ideias muito próximas, e tem tudo para continuar rendendo bons frutos em prol de uma sociedade melhor e humanitária”, destaca Alaíde Barbosa dos Santos Filha, Legal Analyst Senior da Sage. A parceria teve início em janeiro de 2017, quando a Sage pode conhecer o trabalho dos Bancos Sociais. “As atividades da Sage com os Bancos Sociais são concebidas desde a alta direção, com visão estratégica das ações sus-

33


Voluntariado

tentáveis que devemos fomentar para o bem comum, como a doação de um software para os Bancos Sociais, já que, hoje, somos a maior empresa do mundo em software de gestão para as pequenas e médias empresas. A escolha de um dos projetos dos Bancos Sociais para receber uma premiação de U$ 10.000 (o equivalente a, aproximadamente, 40 mil reais) até o engajamento voluntário dos colaboradores são algumas dessas ações”, explica a analista. Os voluntários exercem a atividade em horário de expediente, de forma remunerada pela Sage, como a separação de alimentos, oriundos de campanhas e dos Sábados Solidários, considerando o tipo e organizando de acordo com a data de validade, para envio, em perfeitas condições, às instituições carentes. Cada colaborador da Sage é incentivado a participar constantemente de atividades voluntárias em suas comunidades locais. As atividades são voltadas para os 34

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

sustentáveis na sociedade. As atividades da fundação priorizam a capacitação de jovens e o empoderamento feminino. A Sage Foundation funciona com base no jovens, os setores social e eco- modelo exclusivo ‘2+2+2’, que nomicamente desfavorecidos de dedica 2% do tempo anual dos nossas comunidades e o desen- seus colaboradores (5 dias de vovolvimento do empreendedoris- luntariado), 2% do seu cash flow mo social. Nos Bancos Sociais, já em bolsas e doações e a atribuiforam realizadas atividades com ção de 2 licenças de software equipes diversas, em turnos de 8 para organizações sem fins lucrae 4 horas. Desde janeiro de 2017, tivos que cumprem os requisitos foram 330 horas de voluntariado, de elegibilidade. com o envolvimento de mais de 50% dos colegas da Sage em PorA Sage to Alegre. A empresa é líder de merca“Quando conheci o trabalho do e tecnologia em contabilidade realizado pelos Bancos Sociais, integrada, folha de pagamento e que tem como lema transformar sistemas de pagamento, e apoia o desperdício em benefício social a ambição de empresários e bue distribuir esses produtos, em siness builders. Atualmente, os perfeito estado, para entidades business builders medem o susociais, percebi, na hora, que tudo cesso através de fortes relacionaestava conspirando a favor, pois mentos, parcerias e comunidades. todos têm como objetivo uma Por isso, a Sage ajuda a incentimelhor qualidade de vida das pes- var os business builders de hoje soas mais necessitadas. Sempre com o mais inteligente e flexível que posso, procuro ajudar nos software baseado na nuvem, além Bancos Sociais, seja com as horas de fornecer suporte e orientação anuais, representando a Sage, seja para gerenciar tudo – de dinheicompartilhando as iniciativas em ro a pessoas. Diariamente, mais mídias sociais e até mesmo em de 13.000 colaboradores da Sage, atividades pontuais nos finais de em 23 países, trabalham com semana. É muito gratificante fazer uma próspera comunidade global, o bem!”, finaliza Alaíde. composta por mais de 3 milhões de empreendedores, empresáSage Foundation rios, comerciantes, contadores, Criada, no Brasil, desde outu- parceiros e desenvolvedores, a bro de 2015, a Sage Foundation fim de promover o sucesso dos busca contribuir com as comu- business builders em todos os lunidades onde atua, por meio de gares. ações que promovam mudanças


Fazer Bem

Nossos apoiadores

Família Fração Empreendedorismo com Responsabilidade Social e Cidadania

Os patriarcas, Rosa e Frederico, e seus 12 filhos: da esquerda para a direita: Pedro, Hermenegildo, Maximiliano, Orlando, Antonio, Ângelo, Armindo,Victorio, Hermindo, Ilda Maria, Santa Maria e Luiza Maria.

Amor pela família, pelo trabalho e pela estrada. União. Inovação. Humanidade e Responsabilidade Social. Estes são os valores que sempre sustentaram a família Fração, uma família de transformadores sociais que, unida pela força de trabalho, conquistou o topo do sucesso com a sua empresa Expresso Mercúrio, que já foi uma das dez principais transportadoras de cargas e encomendas do Brasil. A união, a dedicação ao trabalho, a fé em Deus e a devoção a Nossa Senhora Medianeira de Todas as Graças foram os principais fatores que ajudaram a família Fração a alcançar a excelência da Expresso Mercúrio, ao longo de sua existência. Uma família exemplo de solidariedade ao próximo, que sempre acreditou no trabalho honesto e

no futuro do Brasil.

casal estabeleceu-se no distrito de Linha 15, transferindo-se, mais tarde, para o distrito de Caixa D´ÁA Família O talento empresarial e o com- gua, a oito quilômetros de Jaguari. prometimento social são uma he- Ali, tiveram 11 de seus 12 filhos – rança familiar. O pai dos empre- nove homens e três mulheres. Após a chegada ao Brasil, o endedores da Expresso Mercúrio, Frederico Frasson, era um homem sobrenome Frasson virou Fração, com brilhante tino comercial, tra- devido aos erros de grafia comuns balhador e religioso. Nasceu em nos cartórios de registro no início águas brasileiras no navio que do século nas colônias de imigrantrouxe seus pais, Antonio Frasson tes. Por isso, entre os filhos de e Maria Eufrasia Cappezale, junto Frederico, há registros diferentes: com o primogênito Giovani, de Pá- Antonio, Ângelo e Armindo foram dova, província da Itália, no ano de registrados como Frazzon e os demais irmãos como Fração. 1890. Apesar do trabalho duro para Frederico casou-se com Rosa Damian, também descendente de sustentar a família, no início na laitalianos, e nascida em Barbacena voura de arroz, a amorosidade e (MG), vindo morar na localidade a conduta ética sempre foram enconhecida, até hoje, por Chapadão, sinamentos de Frederico, um hoentre os munícipios gaúchos de Ja- mem de poucas palavras, mas que guari e Santiago. Posteriormente, o costumava repetir sempre o mes35


Nossos apoiadores

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

ajudava também o Lar da Mãe Celita, que abrigava crianças carentes, e o Lar das Vovozinhas, além de ter sido um dos fundadores do Rotary Club Santa Maria, no mo conselho: “Vivam de acordo qual teve uma participação muito com o que vocês podem. Avancem intensa. Já os irmãos Orlando e Hermesempre com os pés no chão”. negildo Fração, juntamente com suas esposas, Theolina e Durcy A fé e Maria, respectivamente, moravam a Responsabilidade Social O traço religioso na família foi perto da igreja Nossa Senhora de sempre muito forte e marcante na Fátima, onde ajudavam a organizar vida de todos. Católicos pratican- e financiavam quermesses, churtes, aos domingos, andavam oito rascos, galetos e risotos para arrequilômetros até a cidade de Jagua- cadar fundos para a Igreja e obras sociais. O principal vitral da igreja ri para assistir à missa dominical. A participação em iniciativas Nossa Senhora de Fátima foi edifisociais e religiosas está no DNA da cado por iniciativa e coordenação família. Em Santa Maria (RS), dois de Orlando. Hermenegildo participou, ainirmãos, Hermindo e Victorio Fração, moravam perto do Santuário da, como coordenador do grupo de Nossa Senhora da Medianeira, que administrou e arrecadou funonde participavam ativamente na dos para as obras da nova Casa do comunidade. Hermindo Fração e Excepcional Santa Rita de Cássia, sua esposa Rosa dedicavam alguns em Porto Alegre, uma casa modefinais de semana para viajar para retiros espirituais e participar de obras sociais da Paróquia Nossa Senhora da Medianeira, em Santa Maria. Victorio, o quarto filho de Frederico, juntamente com sua esposa Edina, também era devoto de Nossa Senhora Medianeira e um dos seus maiores prazeres era ajudar a organizar as festas da tradicional romaria em homenagem à Santa, que acontece todo ano em Santa Maria. Engajado em atividades sociais, 36

lo que atende crianças com lesões cerebrais, que precisam de cuidados especiais e não têm condições econômicas para o tratamento. A Expresso Mercúrio sempre se fez presente em enchentes, vendavais, catástrofes, se colocando à disposição para transportar tudo que se fazia necessário para ajudar as vítimas. Também realizava o transporte gratuito de doações e mantimentos para entidades beneficentes, reafirmando o compromisso com a comunidade, tanto em participação quanto em integração da empresa nas localidades em que atuava.

A Família Fração e o Banco de Alimentos

Em uma longa e contínua atuação social e de envolvimento em questões comunitárias, o ex-presidente do SETCERGS e atual Conselheiro Fiscal da Diretoria Executiva do Banco de Alimentos, Adir Luiz Fração, participou, no ano de 2000, ativamente da implantação do primeiro Banco de Alimentos do Brasil, em Porto Alegre. Na ocasião, como presidente do sindicato, introduziu o projeto na enti-


Fazer Bem

Nossos apoiadores

dade, que desenvolveu todo o planejamento logístico, fundamental e importante ponto estratégico para o Banco. A Revista Fazer Bem do Banco de Alimentos também tem o apoio de Adir Fração.

Primeiro caminhão

Foi através de uma doação feita pela Expresso Mercúrio S/A, empresa de propriedade da Família Fração, que o Banco recebeu o seu primeiro caminhão para o transporte dos alimentos. O segundo caminhão recebido pelo Banco de Alimentos também teve a participação da Família Fração, que se cotizou para fazer a doação.

A empresa

Graças aos ensinamentos do patriarca, viver com honestidade e respeito aos outros se tornaram parte essencial da filosofia de vida da família Fração. Desde o seu início de muito trabalho na lavoura de arroz até o transporte rodoviário de carga, a família se manteve unida. De 1946 até 1949, os Fração trabalharam construindo vínculos com o comércio local e expandindo seus negócios no ramo do transporte. Ainda sem empresa formalizada, os irmãos faziam fretes, de forma independente ou contratados por empresas, entre elas, a pequena Expresso Mercúrio Ltda., criada em setembro de 1946, em Santa Maria, por dois só-

cios: Wilde Schenkel e Geraldo Bortoluzzi. Em três anos, os irmãos compraram sete caminhões, em que podiam pagar o investimento de um com o lucro de outro. Este resultado se deve a disciplina financeira familiar e a visão empreendedora dos irmãos em não mudar o padrão de vida. Eles viviam uma vida sem luxo, investindo tudo que ganhavam na compra de caminhões e no negócio familiar. Assim, com essa dedicação, em 13 de setembro de 1949, os irmãos resolveram dar seu passo mais ambicioso: compraram a empresa Expresso Mercúrio. Empresa nova em um mercado novo, a Mercúrio precisava exatamente do que os Fração podiam lhe oferecer: trabalho incansável, talento e vontade de vencer.

Com a missão de atingir a melhor qualidade no transporte de cargas e encomendas, a Expresso Mercúrio destacou-se pela eficácia, rapidez e pela confiabilidade, sempre na busca pela valorização dos recursos humanos, em todos os níveis, proporcionando oportunidades de crescimento. Esse foi o grande diferencial da empresa: ser uma empresa humanizada, que valoriza o ser humano em primeiro lugar. (Confira o Box com os Princípios Fundamentais da Expresso Mercúrio). Premiada e amplamente reconhecida pela qualidade, segurança e honestidade praticada em seus 60 anos de atuação sob o comando da família Fração, a Expresso Mercúrio não é apenas uma empresa líder, um case de sucesso na área do transporte rodoviário de cargas, a família Fração e sua empresa são realmente um exemplo de vida e de gestão organizacional de valores e crenças atemporais.

Princípios Fundamentais Missão e Princípios da Expresso Mercúrio

• Respeitar o ser humano e seus direitos naturais; • Buscar, constantemente, a eficácia, a rapidez e a confiabilidade nos serviços prestados, estabelecidos como questão de honra; • Considerar nossos clientes como parceiros, razão do nosso aperfeiçoamento e crescimento, oferecendo-lhes o melhor serviço e atendimento cordial; • Cumprir rigorosamente as obrigações para com os funcionários, clientes, fornecedores e governo; • Reconhecer o lucro decorrente de nossa atividade como indicador de competência empresarial e fator de crescimento, distribuindo uma participação aos que ajudam a produzi-lo; • Valorizar os recursos humanos como maior patrimônio da empresa, buscando o seu aperfeiçoamento e desenvolvimento, tanto pessoal como profissional; • Reconhecer a dedicação ao trabalho, a honestidade, a humildade e a iniciativa como valores que deverão estar presentes em tudo o que planejarmos e realizarmos; • Buscar integrar e fazer com que a empresa participe ativamente nas comunidades em que atua. 37


Nossos apoiadores

Em janeiro de 2007, a Família Fração deixou o comando da Expresso Mercúrio, quando a empresa foi vendida para o Grupo TNT, mas o legado de vida sempre permanecerá vivo. Um verdadeiro modelo de superação de desafios com sabedoria e dignidade, e, acima de tudo, uma herança para as futuras gerações em se tratando de Responsabilidade Social e humanização das empresas, assuntos tão atuais hoje, mas que já nasceram junto com essa brilhante família.

CENTERS Empreendimentos LTDA

Atualmente, a Família Fração criou a Centers Empreendimentos LTDA, empresa voltada para a construção e locação de terminais logísticos. Administram todos os

38

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

terminais que pertenciam a Expresso Mercúrio SA, que ficaram de propriedade da Família Fração. Em 2017, foi inaugurado, no Rio de Janeiro, um novo terminal com 34.000m2.

O Livro – 50 anos de amor pela estrada

Em 2001, a Família Fração lançou o livro “50 anos de amor pela estrada”, uma publicação comemorativa ao cinquentenário da empresa. Fruto de seis anos de pesquisa e trabalho, a obra reúne a história da família, desde suas origens na Itália até a consolidação da Expresso Mercúrio no segmento de transporte do Brasil. Ilustrado por

álbuns, documentos e memórias, o livro é uma verdadeira viagem ao tempo que reconstrói e conta uma das histórias familiares mais bem sucedidas do meio empresarial do País.


Rede de Bancos de Alimentos RS

Fazer Bem

Banco de Alimentos da Região do Calçado “uma ação empresarial pela cidadania”

O Banco de Alimentos da Região do Calçado, integrante da Rede de Bancos de Alimentos do Rio Grande do Sul, da qual utiliza a mesma metodologia, teve como principal fundador o Sindicato da Indústria de Calçados de Novo Hamburgo - SIC/NH, presidido por Celso Paulo Delai, além da importante participação de Raul Heller e Isabel Fabiane Seewald Sudekum. Hoje, presidido por Antonio Elton Zarth, o Banco foi inaugurado em 20 de junho de 2011, e é resultado da ação conjunta das comunidades e das entidades das cidades de Novo Hamburgo, Estância Velha, Sapiranga e Campo Bom. O Banco de Alimentos da Região do Calçado é um exemplo de autogestão da sociedade, em que a própria população é capaz de bus-

Mobilização da sociedade

voluntários ativos e implantamos uma gestão profissional, a partir de 2014”, conta o presidente do Banco de Alimentos da Região do Calçado, Antonio Elton Zarth. Desde então, o Banco já arrecadou e distribuiu mais de 400 toneladas de alimentos. Suas ações têm caráter permanente e são oriundas de parcerias firmadas com as seguintes instituições: Parque Terra Mágica Florybal – Canela; Universidade FEEVALE - Novo Hamburgo e Semana Solidária - Campo Bom. car soluções para suas demandas A equipe do Banco de Alimentos sociais, contando, além da genero- realiza visitas periódicas para cosidade e espírito de solidariedade nhecer as instituições beneficiadas da população, com a participação cadastradas e aplica projetos nutride “um pouquinho de cada um” cionais criados pela Rede de Banpara resolver o problema de tama- cos. Com essa forte integração com nha amplitude social: o maior flagea comunidade, o Banco atende lo da humanidade, a fome. No início de sua operação, o mais de 8 mil pessoas, mensalmenBanco ocupou um prédio comer- te, realiza a doação de 10 toneladas cial, com capacidade para armaze- de alimentos por mês e beneficia nar até 50 toneladas. Este espaço 63 entidades cadastradas, mensalera alugado e mantido graças ao mente. Sobre os desafios de uma iniapoio do Grupo Gerdau. O desenvolvimento do Banco aconteceu, ciativa como essa, o presidente do entre outras ações, pela partici- Banco de Alimentos da Região do pação efetiva e decisiva nas ativi- Calçado afirma que a transparência dades de coleta e distribuição do com a sociedade é um dos pilares Sindicato da Indústria do Calçado que sustentam as ações do banco. de Novo Hamburgo. “Em 2013, “O maior desafio é enfrentar a mudamos a sede para o endereço desconfiança de qual o destino das atual, em um prédio cedido por um doações da comunidade. O enfrenempresário. Reunimos mais de 170 tamento desta dificuldade é a total

39


Rede de Bancos de Alimentos RS

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

transparência e publicidade de todas as ações, ao longo desses anos”, afirma. Apesar de todo trabalho e busca constante por parcerias e melhorias nos sistemas de gestão, a recompensa em realizar todo esse esforço está nos milhares de pessoas que já fo-

“O brilho no olhar de quem recebe, ilumina a vida de quem doa!” Antonio Elton Zarth Presidente do Banco de Alimentos da Região do Calçado

ram beneficiados e que podem contar com essa iniciativa empresarial pela cidadania e combate à fome em seu município e região. “O voluntariado traz uma grande satisfação pessoal e a certeza de que representamos uma diferença positiva na vida de muita gente”, finaliza Antônio Zarth.

Diretoria Banco de Alimentos da Região do Calçado Presidente: Antonio Elton Zarth Vice-presidente: João Carlos Zwetsch Diretora Técnica: Cláudia Denicol Winter Diretor Financeiro: Bruno Baronio Diretor de Marketing: Ademir Rodrigues Diretora de Patrimônio: Isabel Cristina Blenkenheim Diretora Secretária: Iara Virgínia da Silva

O Banco em números Capacidade de armazenamento:

30 toneladas

Quantidade de alimentos doados por mês:

10 toneladas

Entidades beneficiadas por mês:

63 entidades

Pessoas beneficiadas por mês:

mais de 8.000 pessoas

Instituidores:

- Lions Clube - Sindicato da Indústria do Calçado NH - Universidade FEEVALE Mantenedores:

- Cooperativa de Crédito SICOOB - Comercial JSM - Sinfonia Residência - Lions Clube Terceiro Milênio 40

Doadores e parceiros (serviços e alimentos):

- Parque Terra Mágica Florybal - Teatro Feevale - Rotary Club Dados do Banco

Banco de Alimentos Região do Calçado/RS Endereço:

Rua Cinco de Abril, 29. Novo Hamburgo(RS) Horário de Atendimento:

De segunda a sexta-feira, das 8h30 às 11h30 e das 13h30 às 17h30. Contato: Neli Silveira – (51) 3527.0044


Fazer Bem

Qualidade e Capacitação

Transformação cultural na área de Segurança Alimentar Com sete anos, Projeto Cozinha Nota Dez avança nas comunidades Com uma visão integral das questões a cerca da Segurança Alimentar e Nutricional, o Banco de Alimentos do Rio Grande do Sul está sempre em busca da inovação, através de projetos que contemplem todas as áreas, para oferecer uma alimentação adequada, em quantidade e qualidade ideais para as entidades beneficentes. Por isso, desde 2010, integra os programas de nutrição do Banco, o Projeto Cozinha Nota Dez. Idealizado pela nutricionista Responsável Técnica do Banco de Alimentos, Adriana Lockmann, em parceria com as professoras do curso de Nutrição da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), o Cozinha Nota Dez vem realizando uma verdadeira transformação na área de Segurança Alimentar. Em seus sete anos de atuação, o projeto refletiu na melhoria da estrutura física dos processos de trabalho e nos hábitos de higiene dos trabalhadores de 94 instituições, repercutindo na prevenção de Doenças Transmitidas por Alimento (DTA’S) e influenciando na saúde de 12.114 usuários das instituições beneficiadas. A Rede de Banco de Alimentos considera que a Segurança Alimentar e Nutricional é um elemento fundamental no combate à fome. Desta forma, o projeto Cozinha Nota Dez busca a garantia que os alimentos doados às insti-

tuições sejam preparados dentro das exigências da legislação higiênico-sanitária, proporcionando uma alimentação de qualidade aos usuários das instituições beneficiadas. Consagrado como agente formador de profissionais, já atuaram no Cozinha Nota Dez 43 acadêmicos de nutrição, em mais de 94 instituições atendidas pelo Banco de Alimentos. Ao todo, foram realizadas 40 capacitações, habilitando cerca de 500 manipuladores de alimentos, nutricionistas e dirigentes das instituições. os padrões de qualidade e boas práticas das entidades benefiSelo Cozinha Nota Dez - ciadas. Como forma de premiar e incentivar as instituições que Ouro e Prata O Cozinha Nota Dez tem adotaram as boas práticas e as como principal objetivo capacitar melhorias estruturais foi criada os manipuladores de alimentos a certificação de qualidade fordas instituições conveniadas com necida pelo Banco de Alimentos, o Banco de Alimentos, elevando o Selo Cozinha Nota Dez, nas 41


Qualidade e Capacitação

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

Antes...

categorias Ouro e Prata. Das 94 instituições atendidas pelo projeto, 19 receberam o certificado de Cozinha Nota Dez Prata e quatro de Cozinha Nota Dez Ouro. Destas, 36% tiveram uma evolução de categoria, 1% manteve o selo e 53% mantiveram a categoria. Atualmente, o projeto conta com a coordenação da nutricionista Evelyn Carvalho de Lima e com os acadêmicos de nutrição da PUCRS e UNISINOS, além da parceria com os outros Bancos Sociais, que destinam o mobiliário e materiais de construção para a melhoria na infraestrutura das cozinhas. Para este ano, está prevista a contratação de estagiários para a ampliação do programa, com o objetivo de sensibilizar os diretores, gestores e nutricionistas sobre a importância das boas práticas de manipulação dentro das instituições. Em 2018, “a meta é conseguir proporcionar um suporte diferenciado para as nove instituições que, ainda, se encontram em risco sanitário alto e para as 47 que estão em risco

Antes...

42


Fazer Bem

Qualidade e Capacitação

sanitário regular, para que elas consigam evoluir de categoria e até mesmo alcançar a certificação do Cozinha Nota Dez, e, assim, o projeto possa avançar e cadastrar novas instituições”, projeta a coordenadora do projeto Evelyn Carvalho.

Critérios de avaliação

O projeto Cozinha Nota Dez consiste na aplicação de uma lista de verificação em boas práticas para serviços de alimentação, baseado na Resolução Federal RDC n˚ 216 e Portaria Estadual n˚78, com a apresentação de relatório de apontamentos de não conformidades que necessitam ser regularizados, de acordo com a legislação vigente, com a capacitação dos manipuladores (cozinheiras e auxiliares) e sensibilização dos gestores quanto às boas práticas. O objetivo é que as instituições participantes se adeguem a legislação vigente e conquiste o selo de Cozinha Nota Dez.

Depois!

Depois!

Centro de Promoção da Infância e da Juventude – um case de sucesso do Projeto Cozinha Nota Dez. 43


Perfil Social

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

Francisco Oderich e Renate Lory Griebeler Oderich: um casal de transformadores sociais

Dizem que a verdadeira juventude está nos olhos daqueles que não se acomodam na vida, que não perdem de vista o sonho de estar sempre se melhorando e buscando a construção de um mundo melhor. Francisco Oderich, 80 anos, é um desses exemplos. Natural de Porto Alegre (RS), seus familiares têm origens na cidade de São Sebastião do Caí (RS) e foram os fundadores da tradicional empresa de conservas Oderich. Em um ramo diferente, mas seguindo a veia empresarial ancestral, Francisco esteve no comando da empresa Jackwal ao longo de 50 anos. Com formação em Engenharia Química, sua trajetória profissional se mistura ao seu casamento com Renate Lory Griebeler Oderich, em que tiveram três filhas. E é mesmo impossível 44

relatar a história de Francisco sem falar de sua companheira, como ela mesma conta, são 50 anos de uma união no trabalho e no amor. “Nós nos conhecemos no Colégio Farroupilha, quando tínhamos 11 anos e fomos colegas de turma, fizemos o Ginásio e o Científico juntos, mas apenas como colegas. Foi só em 1960, que a gente começou a namorar”, relembra Renate. Já no ano seguinte, se casaram e foram para São Paulo, onde Francisco começou a trabalhar. “Voltamos de São Paulo para assumir a Jackwal a pedido da minha mãe que estava sobrecarregada (o fundador, seu marido, J.Aloys Grieleber, havia falecido). Francisco se apaixonou pela empresa, minha grande virtude foi ter escolhido a pessoa certa, para mim e para a empresa”, conta Renate.

A indústria Jackwal

A empresa começou em uma pequena oficina para a fabricação de aquecedores de água a lenha, fogareiros e maçaricos de querosene à pressão. Fundada pelos pais de Renate, J.Aloys Griebeler e Ilka Marquardt Griebeler, em 1949, na cidade de Porto Alegre. Em 1962, Francisco Oderich retorna de São Paulo, ano que começa a sua história na empresa, junto com Renate, agregando seu

trabalho na área fabril, comercial e administrativa. Em 1971, a empresa passa a integrar o Distrito Industrial de Gravataí (RS). Instalada numa área de cem mil metros quadrados e cerca de dezesseis mil metros de área construída, a Jackwal é referência em empregabilidade e responsabilidade ambiental e social no estado do Rio Grande do Sul. Com mais de 60 anos de tradição, produzindo artigos de gás e acessórios para banheiros, a Jackwal atende o mercado brasileiro e internacional, exportando para diversos países, especialmente América Latina e África.

Pioneirismo no combate ao desperdício de alimentos

No combate ao desperdício de alimentos, Francisco foi um dos pioneiros na iniciativa de reaproveitamento dos excedentes de refeições coletivas empresariais. “Em 2000, eu tinha, na minha empresa, excedentes de alimentos produzidos. Na indústria, existe uma exigência em fazer alimentos a mais para que o último que se sirva possa dispor da mesma qualidade e quantidade do primeiro. Esse excedente, de 8 a 10 quilos de alimentos, me afligia muito, porque colocávamos fora. Então, convidei o Hermes Gazzola, proprietário, na época, da empresa que distribuía refeições para a minha empresa, para, juntos, conversarmos com o governo municipal e com a Secretaria de Ação Social para dar um destino a esses excedentes. Conseguimos destinar para uma creche, que existia junto a Igreja Matriz da cidade de Gravataí”, explica Francisco. Com essa iniciativa, Francisco ajudou na fundação do Banco de Refeições Coletivas, onde faz parte até hoje como membro da Diretoria. O empresá-


Fazer Bem

Perfil Social /Bancos Sociais

rio integra, também, a Diretoria do Banco de Alimentos de Porto Alegre e é membro do Conselho de Cidadania da FIERGS. Para Francisco o Banco de Alimentos é uma questão de humanidade: “Uma comida boa que se bota fora é uma verdadeira tragédia brasileira, enquanto que a necessidade e a fome são muito grandes. Precisamos pensar nessa questão do ponto de vista de quem passa fome”, adverte. Durante suas viagens pelo exterior teve a oportunidade de visitar outros bancos de alimentos. “Na Alemanha, tive a oportunidade de conhecer os bancos de alimentos, a legislação é outra, a cultura é outra, eles são mais racionais e menos burocratizados, então tem o melhor aproveitamento dos alimentos, ao contrário daqui, que muito do que é produzido vai para o lixo, devido a uma legislação ineficiente”, afirma o empresário. Humilde, Francisco não gosta de elogios sobre suas ações de responsabilidade social, mas a emoção que vemos em seus olhos já fala por si só. “Tenho aprendido muito com essas ações, conheço pessoas e histórias e não me canso de “pedir” e de trabalhar por essas causas”, declara. Despeço-me do entusiasmo e do brilho nos olhos de menino de Francisco e deixo a residência do casal com essa lição de simplicidade do empresário, que mesmo com o tanto que conquistou profissionalmente e pessoalmente, se importa em compartilhar com a sociedade e se contenta sendo feliz pelo simples viver do dia a dia: “Para muitos isso pode ser muito pequeno, mas se o dia está bonito, eu já estou feliz, não preciso mais que isso”, finaliza.

Bancos Sociais são premiados pela Sage Foundation International A Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais foi selecionada pelo Programa Sage Enterprise Fund, que visa apoiar ideias inovadoras de instituições sem fins lucrativos. Lançada neste ano, a iniciativa global da Sage Foundation – entidade ligada à multinacional britânica de tecnologia Sage - premiou com U$ 10 mil, o equivalente a R$ 33 mil, a Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais. “A área do terceiro setor é uma das mais atingidas pela atual crise política e econômica do país. Receber esse aporte financeiro, neste momento, será fundamental para mantermos os cursos que temos em andamento”, ressalta Paulo Renê Bernhard, diretor superintendente da Fun-

dação Gaúcha dos Bancos Sociais. Com o recurso entregue pela Sage Foundation, a instituição pretende investir no Banco de Vestuários, que é um catalisador do desperdício da indústria têxtil e indústria do setor vestuário. Além disso, a fundação pretende aperfeiçoar, ainda mais, os cursos de qualificação e iniciação profissional para as artesãs de comunidades carentes, além de realizar melhorias das salas de trabalho e de aulas. Saiba mais da Sage Foundation na página Voluntariado.

SESI e Bancos Sociais na Ação Global em São Francisco de Paula móbiles, e muitos outros itens, os quais levaram, gratuitamente, para casa. As oficinas realizadas pelos Bancos Sociais criaram grande espírito de solidariedade e união entre os presentes, além de incentivar novas habilidades. A 26ª edição da Ação Os Bancos Sociais da FIERGS Global aconteceu, simultaneamente, prestaram 460 atendimentos na em 27 cidades brasileiras e no DisAção Global (o segundo maior trito Federal. A iniciativa, uma parceatendimento do evento), reali- ria da Rede Globo com o SESI, foi zada em São Francisco de Paula levada a São Francisco de Paula em (RS), no dia 27 de maio de 2017. razão do tornado que destruiu parte Os participantes confecciona- da cidade, atingindo 500 casas e mais ram, com a ajuda de professores, de 2,6 mil famílias. seus próprios abajures, almofadas, 45


Bancos sociais

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

Relatório de Atividades e Balanço do Exercício 2016 foram aprovados Os Conselhos de Curadores e de Administração da Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais, presididos, respectivamente, por Heitor José Müller e Jorge Luiz Buneder, reuniram-se com seus Conselheiros, no dia 18 de abril, para aprovação do Relatório de Atividades e Balanço de 2016, e Plano de Ação e Orçamento de 2017, os quais foram aprovados por unanimidade. A reunião presidida por Hei-

tor José Müller contou com a participação dos Conselheiros da FGBS e Presidentes dos Bancos Sociais. O Conselho Fiscal e os Auditores Externos apresentaram seus pareceres, os quais foram integralmente aprovados. A reunião também serviu para reconduzir os Conselhos da nova gestão, que se encerra em dezem-

bro de 2020. Angelo Garbarski e Claudio Bier foram eleitos e empossados no Conselho de Administração da Fundação.

Rotary realiza Assembleia Distrital na Fundação dos Bancos Sociais

Parceiro do Banco de Alimentos desde a sua fundação, o Distrito 4680 do Rotary Internacional realizou a Assembleia Distrital nas instalações da Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais. O evento foi aberto pelo Governador 2016/2017, Pedro Bruno Regner, e contou com a par-

ticipação de cerca de 200 convidados e palestrantes de inestimável importância. O evento, promovido pelo Governador eleito Gestão 2017/2018, João Torres, teve como objetivo o treinamento dos Presidentes e Diretores de Clubes Distritais e apresentação do Plano de Ação de Gestão, com amplo destaque ao Banco de Alimentos. Além de todas as informações oferecidas através das

palestras e treinamentos, foi apresentado o lema rotário da gestão 2017/2018 - “O Rotary Faz a Diferença” - sendo explicado seu significado e transmitida a inspiração que foi pretendida com sua escolha. O Presidente da Rede de Bancos de Alimentos, Paulo Renê Bernhard, e o Vice-presidente, Antonio Parissi, abordaram o tema “Bancos de Alimentos”, uma iniciativa instituída no ano 2000, que já doou 35 milhões de quilos de alimentos, e que teve destacada participação do Rotary na sua fundação.

Recebendo a visita da SAGE Foundation Austrália A Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais da FIERGS recebeu a visita de representantes da multinacional britânica SAGE, parceira dos Bancos Sociais em diversas ações, com destaque para os programas de voluntariado. Participaram da visita Rebecca Harris, representante da SAGE Foundation - Austrália; Maristela Espinosa, Coordenadora de Responsabilidade Social - São Paulo; Mariana Olympio, Analista Editorial Pleno (Tradutora) - Porto Alegre; Alaíde Barbosa dos Santos Filha, Analista Editorial Sênior - Porto Alegre e Letícia Martins, Coordenadora de Produção - Porto Alegre. 46


s s o o m m e e z z a oss,, ffa ntto un JJu ! r ! r o o h l h l e e m maaiiss ee m m Transportador, venha fazer parte do seu sindicato.

Associe-se:

Assessoria Jurídica Civil, Fiscal e Trabalhista; Assessoria técnica para cargas perigosas; Banco de Talentos; Capacitação em Transporte e Logística; Certificação digital com preço diferenciado; Programa Transportadora da Vida; Congressos, palestras e encontros técnicos gratuitos; Convênios com desconto em Universidades;

Desconto para RNTRC - Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas; Disponibilização de planilhas de custos de frete; Divulgação da empresa no serviço Busca por Transportadora no site do SETCERGS; Espaço para publicidade no portal eletrônico do SETCERGS; Informe eletrônico e clipping do setor; Revista SETCERGS - envio bimensal;

Festa do Transporte e Logística 2017 A maior feira e congresso do sul do país!

27 a 29 de junho de 2018

Quarta a Sexta das 13h às 21h Fundaparque - Pavilhão E - Bento Gonçalves/RS

Celebrando a superação e o sucesso!

Dia 02 de dezembro

20h30 - Grêmio Náutico União - Porto Alegre Adquira seu convite para casal com bebida inclusa nos contatos a seguir: (51) 3326.2907/3326.2920 ou e-mail evento@setcergs.com.br

www.transposul.com

Av. São Pedro, 1420 Bairro São Geraldo - Porto Alegre/RS Contatos: (51) 3326.2901 – (51) 3342.9299 | cadastro@setcergs.com.br

www.setcergs.com.br 47


Bancos sociais

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

Bancos Sociais da FIERGS são apresentados na Rede Brasil do Pacto Global da ONU Os Bancos Sociais da FIERGS foram apresentados na Rede Brasil do Pacto Global, no escritório da ONU, em São Paulo. A apresentação ocorreu dia 3 de agosto, pelo Diretor Superintendente da FGBS, Paulo Renê Bernhard. Conselheiros do GT de Alimentos e Agricultura assistiram a apresentação dos Bancos Sociais da FIERGS e Rede de Bancos de Alimentos RS, os quais estarão contribuindo para o desenvolvimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). A apresentação contou com a participação de Alvaro Luiz Dilli Gonçalves, Diretor de RH e Sustentabilidade do Grupo SLC Alimentos.

FIERGS, SENAI, SINDUSCON, SIVERGS e INSTITUTO CYRELA promovem mais uma Formatura Os Bancos Sociais da FIERGS receberam 250 alunos e convidados em uma cerimônia emocionante, ocorrida em 28 de julho, que formou 130 pessoas nos cursos de iniciação e qualificação profissional, oferecidos, gratuitamente, pela FGBS. Os alunos receberam a certificação do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI-RS) dos membros da Mesa Diretiva, composta por Paulo Renê Bernhard (diretor superintendente da FGBS), Sandra Axelrud (vice-presidente de Responsabilidade Social do SINDUSCON), Arlene Lubianca (presidente do Banco de Mobiliários), Isadora Ribeiro (Recursos Humanos do Instituto Cyrela), Lucila Osório (presidente do Banco de Vestuários), Patrícia Marcelino (assistente social do CIEE), José Roberto Garcia Filho (diretor do SIVERGS) e Orcy Lemos (coorde-

nador do SENAI). Os alunos receberam com orgulho a certificação do SENAI-RS e realizaram manifestações de agradecimento à FIERGS, SENAI, Professores e seus familiares, também presentes na Formatura. No final da cerimônia, os participantes foram convidados para um coquetel, gentilmente, doado pelo Sindicato das Indústrias de Panificação e Confeitaria e de Massas Alimentícias e Biscoitos do Rio Grande do Sul (SINDIPAN-RS). Nesta oportunidade, formaram-se 17 turmas nos cursos: Básico em Marcenaria, Técnicas de Montagem de Móveis, Básico de Manutenção de Informática, Básico de Informática, Transformação

de Retalhos Têxteis em Peças de Decoração, Costura e Acabamento em Peças Confeccionadas com Retalhos, Reaproveitamento de Roupas - Customização, Costureiro Industrial, Pedreiro de Alvenaria e Pintura de Obras. Os cursos dos Bancos Sociais são totalmente gratuitos. As aulas ocorrem nas instalações da Fundação. Durante o período de aula, os alunos recebem material didático, uniforme e lanche.

Doação à Defesa Civil do Estado O Chefe da Casa Militar do Governo do Estado, Coronel Alexandre Martins de Lima, visitou as instalações da Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais da FIERGS, e conheceu a metodologia dos seus 14 Bancos Sociais. Na ocasião, a Fundação doou 300 edredons e 700 travesseiros à Defesa Civil do Rio Grande do Sul, para benefício das famílias atendidas em catástrofes e enchentes. 48


Fazer Bem

Bancos Sociais

Celulose Riograndense, SODEXO e Banco de Alimentos firmam parceria De Marchi (Sodexo), o diretor Paulo Renê Bernhard (Banco de Alimentos/FGBS) e a diretora do PROJARI, Irmã Nilva Dal Belo, e convidados. Na oportunidade, deu-se início as atividades de aproPara comemorar a instalação do veitamento dos “excedentes alinovo projeto de aproveitamento mentares”, que deverão beneficiar de excedentes alimentares indus- diariamente cerca de 200 pessoas triais do Banco de Alimentos, reu- da Associação Beneficente São José, niram-se no refeitório da CMPC entidade que é a mantenedora do Celulose Riograndense, o diretor- PROJARI (Projeto Artesanato, Re-presidente Walter Lídio Nunes creação e Informática), de Guaíba. Jorge Luiz Buneder destacou (Celulose Riograndense), o industrial Jorge Luiz Buneder (Stemac), a importância da iniciativa, enfatio empresário Klaus Gerdau Johan- zando a participação das empresas npeter (Gerdau), o diretor Mauro na área de responsabilidade social.

“Hoje temos empresas de todo o Estado adotando essa prática e usando a metodologia desenvolvida pela Rede de Bancos de Alimentos”, disse. Durante o evento, o diretor-presidente da Celulose Riograndense, Walter Lídio Nunes, destacou que “transformar o desperdício de alimentos em benefício social é a essência do esforço conjunto das empresas, do Banco de Alimentos e da Sodexo do Brasil.” O Termo de Parceria foi assinado pelo Banco de Alimentos, Sodexo, Celulose Riograndense e PROJARI. O Projeto faz parte do Banco de Refeições Coletivas, que utiliza o mesmo processo em dezenas de empresas gaúchas .

Banco de Vestuários participa do RS Moda O Banco de Vestuários, integrante da Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais da FIERGS, participou do RS Moda - Varejo & Indústria Conectados, evento que ocorreu de 12 a 14 de julho, na megatenda no setor E do estacionamento do BarraShoppingSul. O Banco de Vestuários apresentou como “Transformar o

Desperdício em Benefício Social”, expondo no espaço roupas e outros itens confeccionados com resíduos da indústria têxtil. O evento é fechado para lojistas e profissionais da moda e tem o propósito de reconectar o varejo gaúcho ao melhor que existe na confecção de moda gaúcha.

Banco de Materiais de Construção socorre a cidade de São Francisco de Paula O Banco de Materiais de Construção, integrante da Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais da FIERGS, doou, no dia 27 de maio, centenas de itens para a cidade de São Francisco de Paula, a qual foi atingida, em março deste ano, por um tornado, prejudicando 500 casas e cerca de 2,6 mil famílias.

Portas, luminárias, louças sanitárias, materiais elétricos, e muitos outros foram entregues à Prefeitura da cidade, com o objetivo de reconstruir as moradias e levar mais esperança à população.

49


Bancos sociais

alimentação saudável | segurança alimentar | solidariedade

Banco de Vestuários repassa milhares de itens recebidos da Olimpíada RIO 2016 edredons para a prefeitura da cidade.A iniciativa teve apoio do Coordenador do Comitê de Futuras Lideranças (COMLIDER) e Diretor da FIERGS, Sr. Mais de 14 mil itens (edredons, Alexandre Bittencourt de Carli. lençóis, travesseiros e cobertores) A logística da operação só foi utilizados nos Jogos Olímpicos e possível, mais uma vez, graças ao Paralímpicos Rio 2016 foram des- apoio do Sindicato das Empresas tinados aos Bancos Sociais, com o de Transportes de Carga e Logístiobjetivo final de repassá-los para ca no Estado do Rio Grande do Sul entidades e pessoas carentes do – SETCERGS, que reuniu dezenas estado. Para que a ação aconteces- de caminhões de empresas assose, foram mobilizadas diversas par- ciadas, que realizaram a coleta dos cerias e grupos de voluntários, que itens no Rio de Janeiro e trouxepossibilitaram que a primeira doa- ram até as instalações dos Bancos ção fosse realizada para as vítimas Sociais e Banco de Alimentos, numa do temporal de São Francisco de operação que durou semanas, dePaula, no Rio Grande do Sul. Só em vido ao grande volume de itens. abril deste ano foram doados 1.300 Já nos Bancos Sociais, as doações

passaram por processo de seleção, organização e acondicionamento individual em embalagens plásticas, para serem posteriormente doadas aos beneficiários. O processo (que continua) já contou com o apoio de centenas de voluntários de empresas, Parceiros Voluntários, clubes de serviços e alunos. A Sage Foundation disponibilizou dezenas de voluntários que colaboraram em todas as etapas do processo, e não mediram esforços para embalar centenas de itens. Outra parceria, fundamental para a realização da ação, foi firmada com o Sindicato das Indústrias de Materiais Plásticos (SINPLAST) que mobilizou forças para a doação de milhares de embalagens plásticas, as quais foram utilizadas para embalar individualmente as doações. O Banco de Vestuário é presidido por Lucila Osório.

Projeto Embarque na Leitura é inaugurado na Rodoviária de Pelotas A Empresa do Terminal Rodoviário de Pelotas (Eterpel), em parceria com o Banco de Livros, integrante da Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais da FIERGS, e o Serviço Social da Indústria (SESI, Pelotas/RS) inauguraram, no dia 3 de maio, o projeto Embarque na Leitura, que consiste em uma nova sala de leitura na rodoviária, disponibilizando empréstimo gratuito de obras aos usuários. A iniciativa tem como objetivo principal fomentar o hábito da leitura na comunidade local e regional, bem como aumentar o fluxo de estada de passageiros e visitantes

50

na sede da rodoviária. O projeto disponibiliza acervo diversificado, doado pelo Banco de Livros e também arrecadado de forma colaborativa por meio de doações, e conta com obras de renomados autores. O interessado em retirar um livro na sala deve efetuar um cadastro pessoal no sistema junto ao atendente. Depois de escolher um título, basta informar ao responsável e receber o canhoto de retirada. O livro deve ser devolvido no prazo de uma semana. Outra op-

ção de entrega é deixar o exemplar na poltrona do ônibus ao final da sua viagem, utilizando a embalagem recebida para preservar o objeto. Assim, a própria empresa de ônibus fará a devolução do livro.


51


52

Profile for Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais

Revista Fazer Bem  

Com 52 páginas, a Fazer Bem traz matérias abordando temas importantes sobre Segurança Alimentar e Nutricional, e a problemática mundial do d...

Revista Fazer Bem  

Com 52 páginas, a Fazer Bem traz matérias abordando temas importantes sobre Segurança Alimentar e Nutricional, e a problemática mundial do d...

Advertisement