__MAIN_TEXT__

Page 1

APRESENTAÇÕES SHOWINGS FORUM DANÇA

PACAP 4

ESPAÇO DA PENHA

20 e 21 + 26 e 27 → Junho ESPAÇO ALKANTARA

1 e 2 → Julho

Programa Avançado de Criação em Artes Performativas Performing Arts Advanced Programme Curadoria de Curated by

João dos Santos Martins

CICLO #02

“Nada para ensinar, tudo para aprender”* Pensar um plano de estudos é sempre um conflito entre o ideal e o possível, entre uma certa imposição de uma forma de ver e estar no mundo, e a criação de condições para originar outros mundos. Fui convidado a pensar um programa de estudos para artistas que se relacionam com a dança e a performance. Este programa não foi tão experimental quanto poderia. Rejeitou-se sobretudo a secular divisão entre disciplinas técnicas para colocar ênfase na troca de práticas entre artistas. Assolados por um vírus que não julgávamos chegar próximo, experimentámos novos formatos e modelos de partilha, de endereçamento e de atenção, nos quais colocámos ao teste a capacidade e a permanência de fazer arte no momento menos propício ao seu desenvolvimento e, talvez por isso, o mais urgente quanto às questões que levanta ser artista hoje. O programa de apresentações que agora partilhamos não é necessariamente resultado dos últimos seis meses de trabalho colectivo senão uma mostra de processos heterogéneos iniciados por um grupo de artistas dos continentes europeu e americano que isolada ou conjuntamente se sintonizaram, integraram, participaram, ativaram, divergiram ou rejeitaram este programa estudos. As suas preocupações rangem questões contemporâneas igualmente díspares de contextos geo-políticos diversos que aqui se assemelham sem nunca se assimilar: entre o próprio questionar da eficiência social da arte, a propostas de ressonância entre mundo orgânico e inorgânico, do corpo humano e não humano, do ser e do outro, da medida exacta de veneno a administrar para curar, da vida rural e urbana aos restos da noite e do chorume, do espaço que está entre, ao espaço entre o nudismo e o nadismo. “Ainda há quem diga que tudo perde quando não pode sair; que não têm nada para fazer – como se fazer e não fazer não fossem a mesma coisa.” (*Lourdes de Castro, Cartas à Lourdes: das 4 às 5, ed. Ricardo Nicolau, 2020.) João dos Santos Martins

“Nothing to teach, everything to learn”* Imagining a study program is always a conflict between the ideal and the possible, between a certain imposition of a way of seeing and being in the world, and the creation of conditions to originate other worlds. I was invited to plan a study program for artists whose practice relates to dance and performance. This program was not as experimental as it could have been. Above all, we have tried to reject the secular division between technical disciplines in order to emphasize the exchange of practices between artists. Stricken by a virus that we could not imagine would get any closeby, we have experimented with new formats and models of sharing, addressing, and witnessing, in which we have put to the test the ability and relevance of making art at the least conducive moment for its development. Perhaps, because of that, this was also the most urgent moment to raise questions about what it means to be an artist today. The program of performances that we are now sharing publicly is not necessarily the result of the last six months of collective work but a showcase of heterogeneous processes initiated by a group of artists from the European and American continents that individually or collectively have tuned in, integrated, participated, activated or diverged from this study program. Their concerns range from distinct contemporary issues and practices that unavoidably also related to the diverse geopolitical contexts from which they derive. As much as they might resemble each other, they arise from very distinct affects: the recurring questioning of the social efficiency of art, the resonance between the organic and inorganic world, human and non-human bodies, the being and the other, the exact measure of poison to administer to heal, the interaction between rural and urban modes of life, the remains of a long-lasting night or celebration, the spaces in between, and the in-between spaces mingling nudism with nothingism. “There are still those who say they miss everything when they cannot go out; that they have nothing to do — as if there would be a difference between doing and not doing." (*Lourdes de Castro, Letters to Lourdes: from 4 to 5, ed. Ricardo Nicolau, 2020.)

AGRADECIMENTO ESPECIAL A TODOS OS CONVIDADOS QUE PARTICIPARAM NESTE PROGRAMA SPECIAL THANKS TO ALL THE GUESTS WHO PARTICIPATED IN THIS PROGRAMME.

Ana Jotta (PT), Ana Pi (BR), Ana Rita Teodoro (PT), Bojana Cvejić (RS), Christine de Smedt (BE), Christophe Wavelet (FR), Chrysa Parkinson (US/SE), Eszter Salamon (HU), Joana Sá (PT), João Fiadeiro (PT), Jürgen Bock (DE), Miguel Wandschneider (PT), Moriah Evans (US), Paula Caspão (PT), Pedro Barateiro (PT), Rita Natálio (PT), Ricardo Valentim (Portugal), Scarlet Yu (HK), Vera Mantero (PT), Xavier le Roy (FR). 1


ciclo#02 |

26→27.06

ESPAÇO DA PENHA 19H00

CARTA A UMA QUANTIDADE EMERGENTE (50’) Letter to an emerging quantity → Marina Dubia [BR]

O movimento segue em uma única direção. No caminho, as partículas se agitam e fazem pedras, riachos, cidades e seus habitantes. No caminho, o que era uno engoliu distâncias, assumiu espaço, definiu contornos e formalizou separações. Seres discretos que não falam a mesma linguagem, senão a das causas comuns. De que natureza é a experiência? O tempo segue em uma única direção.

Movement follows in a single direction. On the way, particles agitate and make rocks, creeks, urbanscapes and their inhabitants. On the way, what was one swallowed distances, took on space, defined contours and formalized separations. Discrete beings who do not speak the same language, if not that of common cause. Of what nature is experience? Time follows in a single direction.

CONCEPÇÃO E PERFORMANCE

CONCEPT AND PERFORMANCE

Marina Dubia

Marina Dubia (São Paulo, 1992) é diletante profissional, transfixada pela natureza da realidade. Excessivamente transfixada. Palavras-chave: arte conceitual, publicação independente, tradução, montanha, curto-circuito, edição, cacatua, contato, improvisação. Vive às rondas de Copenhaga. Mais para cá do que para lá. AGRADECIMENTOS

Alina, Aline, Amaurilo, Anabela, ar, Bianca, Carolina, Christine, Dinamarca, Dora, Emily, Fernanda, Fiadeiro, Flávia, Gustavo, Isis, Josuke, João dos Santos, Julián, Keo, Laura, Laure, Leire, Maria, Natália, oficinas de poesia, placas tectônicas, Randy, Rovelli, Ruan, Sara, Suiá, Susskind, Vera, Yasmin.

2

Marina Dubia

Marina Dubia (São Paulo, 1992). Professional dilettante excessively obsessed with the nature of reality. Keywords: conceptualism, independent publishing, translation, mountain, short-circuit, cockatoo, editorial, contact, improvisation. Vaguely based in Copenhagen. More of a wanderer than an artist. ACKNOWLEDGEMENTS

Alina, Aline, Amaurilo, Anabela, ar, Bianca, Carolina, Christine, Dinamarca, Dora, Emily, Fernanda, Fiadeiro, Flávia, Gustavo, Isis, Josuke, João dos Santos, Julián, Keo, Laura, Laure, Leire, Maria, Natália, oficinas de poesia, placas tectônicas, Randy, Rovelli, Ruan, Sara, Suiá, Susskind, Vera, Yasmin.


ciclo#02 |

26→27.06

ESPAÇO DA PENHA 19H50

RUÍDO ROSA (30’)

Pink noise → Alina Ruiz Folini [AR] Esta voz é um corpo a vibrar dentro de outro corpo. Estes olhos, não sei como dizê-lo, precisam estar onde estão. Esta língua ecoa a escorrer pela saliva quente. Esta boca despossuída fala para dentro. Diz-se frequentemente que a vulva é uma boca. Bocas, orifícios, línguas e mãos são aliadas do prazer lésbico. São muitas. A que vê, a que soa, a que diz. Uma palavra e o rugido que a deforma. Um som e a saliva que o envolve. A garra está fixa sobre joelho e tudo parece AAAAAAuuuu e tudo parece BúOBúOBúO como se gRRRRRRRRRRR. A voz é lançada em direção àquele outro espaço atrás, no cérebro antigo, lá nos occipitais. E aí tudo faz HHUUUUUUUMMMM.

This voice is a body vibrating within another body. These eyes, I don't know how to say, have to be there. This tongue echoes by sliding through warm saliva. This dispossessed mouth speaks inwards. The vulva is often said to be a mouth. Mouths, orifices, tongues and hands are allies in lesbian pleasure. Many. The one that looks, the one that sounds, the one that speaks. A word and the roar that deforms it. A sound and the saliva wrapping it. The claw is still on the knee and everything looks like AAAAAAuuuu and everything does like BúOBúOBúO like gRRRRRRRRRR. The voice is thrown towards that other space in the back, in the ancient brain, towards the occipitals. And there everything does HHUUUUUUUMMMM.

CRIAÇÃO E PERFORMANCE

CONCEPTION AND PERFORMANCE

Alina Ruiz Folini (Argentina) é artista e pesquisadora. O seu trabalho move-se entre a coreografia, a dança e as práticas curatoriais. Mestre em Prática Cénica e Cultura Visual pelo Museu Nacional de Arte UCLM/Reina Sofía 2017-2018. Co-dirige ARQUEOLOGIAS DEL FUTURO — Festival Internacional de Artes Cénicas em Buenos Aires. Co-criou o Projeto TÁCTIL com Leticia Scrkycky. É bailarina em Trilogia Antropofágica e em Série Canibal dirigidas por Tamara Cubas (UY). Vive em Lisboa.

Alina Ruiz Folini (Argentina) is an artist and researcher. Her work moves between choreography, dance and curatorial practices. Master in Scenic Practice and Visual Culture from the UCLM/Reina Sofía National Art Museum 2017-2018. Co-directs ARQUEOLOGIAS DEL FUTURO — International Festival of Performing Arts in Buenos Aires. Co-creates TACTILE Project with Leticia Scrkycky. She is a dancer in the Trilogía Antropofágica and the Serie Canibal directed by Tamara Cubas (UY). She is based in Lisbon.

Alina Ruiz Folini

AGRADECIMENTOS

Carolina Campos, Ibon Salvador, Isis Andreatta, Sara Marques, Natália Mendonça, Christine De Smedt e Suiá Ferlauto.

Alina Ruiz Folini

ACKNOWLEDGEMENTS

Carolina Campos, Ibon Salvador, Isis Andreatta, Sara Marques, Natália Mendonça, Christine De Smedt and Suiá Ferlauto. 3


ciclo#02 |

26→27.06

ESPAÇO DA PENHA 20H45

MAS ONDE ESTÁ A ESPADA?

(40’)

Looking Through a Sacred Flame → Isadora Alves [PT]

Interior exterior exterior interiorizado interior exteriorizado, impossível fugir disso, dentro e fora, fronteira ou delimitação diferenciação imaginação exteriorização de uma interioridade exterior interiorização da exterioridade, que importa isso, exterior exteriorizável do interior intrans — Travessão, secular. O que terá de ser quebrado? O que procura o seu restauro? Múltiplo embora um, assim é a admiração por X, Y e Z. E os olhos assentes na dobra do horizonte inventam outro destino. CONCEITO E DIRECÇÃO ARTÍSTICA

Isadora Alves

DESENVOLVIDO E APRESENTADO COM

Ana Libório, Bruno Humberto e Nuno Nolasco CENOGRAFIA

Bruno Humberto e Isadora Alves 1996 Lisboa. Desenvolve de momento o seu próprio trabalho. Foi assistente de Felipe Hirsch; Bruno Humberto e Rui de Almeida Paiva e de Teatro O Bando. Como intérprete integrou espectáculos de Tiago Vieira; Tiago Mateus; Maria Duarte, João Rodrigues e Gonçalo Ferreira de Almeida; Maria Duarte; Niño Proletário; Miguel Bonneville; António Pires e de Elmano Sancho. Em filmes, trabalhou como actriz para Pedro Cabeleira, João Eça e Diogo Baldaia. Trabalhou com o artista plástico alemão Jan Brokof em Exotificatio e Hans Staden TV. É licenciada pela ESTC em Teatro e termina agora o curso do Forum Dança, PACAP4. Colabora actualmente com Bruno Humberto.

4

AGRADECIMENTOS Gonçalo Alegria, Latoaria, Julio Alves e todos os intervenientes do PACAP4.

Interior exterior exterior interior interior exterior exterior, impossible to escape it, inside and outside, frontier or limit differentiation imagination exterior exterior exterior interior interior exterior, does it matter, exterior exterior exterior intrans — Secular, indent. What has to be broken? What needs to be recovered? Multiple however one, so it is the admiration for X, Y and Z. And the eyes, settled on the fold of the horizon, invent another destiny. CONCEPT AND ARTISTIC DIRECTION

Isadora Alves

DEVELOPED AND PERFORMED WITH

Ana Libório, Bruno Humberto and Nuno Nolasco SET

Bruno Humberto and Isadora Alves 1996 Lisbon. Alves has worked as an assistant to Felipe Hirsch, Bruno Humberto, Rui de Almeida Paiva and Jan Brokof and as a performer has been part of pieces from Tiago Vieira, Tiago Mateus, Maria Duarte, João Rodrigues and Gonçalo Ferreira de Almeida, Niño Proletário, Miguel Bonneville, António Pires and Elmano Sancho. In films, she as also worked as an actress for Pedro Cabeleira, João Eça, Diogo Baldaia and as worked with the German artist Jan Brokof. Having graduated from ESTC in Theatre Studies, Alves continues to develop her skills and is now about to finish Forum Dança’s PACAP4 study program. She has recently started to materialize and expose works of her own, whilst collaborating often with Bruno Humberto. ACKNOWLEDGEMENTS

Gonçalo Alegria, Latoaria, Julio Alves and all that were part of PACAP4.


ciclo#02 |

26→27.06

ESPAÇO DA PENHA 21H30

CHORUME (40’)

Chorume → Natália Mendonça [BR] Aquela aguinha suja que escapa do saco de lixo, normalmente resultante da decomposição de alimentos, dá nome a um momento específico do carnaval brasileiro. Descreve a lenta e festiva dispersão nas ruas logo após o término do bloco; quando os corpos, antes demasiados juntos, têm dificuldade de voltar ao estado solitário de indivíduo, e permanecem agarrados uns aos outros como um último desejo de não se deixar singularizar. Esse processo, que torna indistinguível o antes e o depois, tem como resultante um corpo que buscou se auto-activar e aberto ao desejo de afetar-se.

That dirty water that escapes from the garbage bag, usually resulting from the decomposition of food, gives name to a specific moment of the Brazilian carnival. It describes the slow and festive dispersion in the streets soon after the end of the parade block; when the bodies, once together, have difficulty returning to the solitary state of individual, and remain clinging to each other as a last desire not to let themselves be singularized. This process, which makes the before and after indistinguishable, results on a body that sought to activate itself and is open to the desire to affect itself.

CRIAÇÃO E PERFORMANCE

CONCEPTION AND PERFORMANCE

COLABORAÇÃO

COLLABORATION

Natália Mendonça

Isis Andreatta, Alina Folini, Sara Marques e Suiá Ferlauto Natália Mendonça (Brasil, 1983) é artista da dança, residente em São Paulo há 13 anos. Como performer-criadora, sua pesquisa se dá na combinação entre integrar projetos com outras/os diretoras/es, e a criação de trabalhos autorais. Atualmente, suas colaborações mais presentes estão em criações com Clarice Lima, Cristian Duarte e coletivA Ocupação. AGRADECIMENTOS

Participantes do Pacap 4, Forum Dança, João dos Santos Martins, Josefa Pereira, Vera Mantero, Manoela Rangel e Fábio Zuker.

Natália Mendonça

Isis Andreatta, Alina Folini, Sara Marques e Suiá Ferlauto Natalia Mendonça (Brazil, 1983) is a dance artist who has been living in São Paulo for 13 years. As a performer-maker, her research combines the making of her own work and being part of projects by other artists. Currently, her most recent collaborations were with Clarice Lima, Cristian Duarte and coletivA Ocupação. ACKNOWLEDGEMENTS

PACAP 4 participants, Forum Dança, João dos Santos Martins, Josefa Pereira, Vera Mantero, Manoela Rangel and Fábio Zuker. 5


ciclo#02 |

26→27.06

ESPAÇO DA PENHA a partir das 19h00 / From 19h00 (video loop)

HEAT IS LIFE

(25’)

Calor é Vida → Bianca Zueneli [IT] Neste trabalho lido com a repetição de uma ideia em movimento. Quanto mais a ideia circula, mais se torna reconhecível. Circula como o tempo ao nosso redor: indefinido, irreal, aparentemente visível nos seus efeitos. Ele oferece-nos os mesmos eventos para agirmos como desejarmos. Mostra praticamente as mesmas coisas, nunca da mesma maneira. O movimento circula como uma estrutura acima e à nossa volta. Sendo real ou inventado, afecta-nos. Pela primeira vez decidi tornar-me a estrutura. Tornei-me o Sistema Solar. Tornei-me tempo. Decidi voltar atrás e ver as mesmas coisas de outro ângulo. Percebi que isso não é mais ambicioso do que qualquer outra coisa que se possa fazer. Qualquer pessoa poderia fazê-lo. “A ciência falhou, Calor é vida, O tempo mata.” Chris Burden em Poem for L.A. Um anúncio publicitário que foi para o ar em Los Angeles 72 vezes entre 23 e 27 de Junho de 1975. CONCEITO Bianca Zueneli MÚSICA Costanza Bortolotti VÍDEO Emma Panini, Gisella Gaspari Bianca Zueneli (Itália, 1993) é bailarina, criadora e professora. Começou os seus estudos na Academia de Belas Artes de Veneza antes de se mudar para a Bélgica, onde se formou em Dança Contemporânea no Conservatório Real de Antuérpia. Nos últimos anos, trabalhou principalmente na Bélgica em várias produções de dança e como professora, e agora move-se entre Lisboa e Itália.

6

AGRADECIMENTOS Lucia Fontanelli, Manuel Gamberini, Cuoghi Corsello, Koinè, à equipa do Forum Dança e PACAP, Joker (Luigi), Sylvia Notini, Dino e RTS-Reclaim the streets, Malevich.

In this work I deal with the repetition of one idea in motion. The more the idea circulates, the more it becomes recognizable. It circulates as time does around us: indefinite, unreal, seemingly visible in its effects. It offers the same events to us, for us to act as we wish. It shows almost the same things, never in the same way. The movement circulates like a structure does around us and above. Being it real or invented, it affects us. For once I decided to become the structure. I became the Solar System. I became time. I decided to go back and see the same things from another angle. I realized this is not more ambitious than any other thing one could do. Anyone could do it. “Science has failed, Heat is life, Time kills.” Chris Burden in Poem for L.A. A commercial aired in Los Angeles a total of 72 times from June 23 to 27, 1975. CONCEPT Bianca Zueneli MUSIC Costanza Bortolotti VIDEO Emma Panini, Gisella Gaspari Bianca Zueneli (Italy, 1993) is active as a dancer, a maker, a teacher. She started her studies at the Fine Art Academy of Venice before moving to Belgium, where she graduated in Contemporary Dance at the Royal Conservatory of Antwerp. Over the last years she has mainly worked in Belgium in various dance productions and as a teacher, and now moves between Lisbon and Italy. ACKNOWLEDGEMENTS Lucia Fontanelli, Manuel Gamberini, Cuoghi Corsello, Koinè, the team of Forum Dança and PACAP, Joker (Luigi), Sylvia Notini, Dino and RTS-Reclaim the streets, Malevich.


ciclo#03 |

1→2.07

ESPAÇO DA PENHA PROGRAMA COMPLETO - CICLO #03 ESPAÇO ALKANTARA | 1 E 2 DE JULHO Complete programme - Cycle #03 Espaço ALKANTARA | 1 and 2 of July 19H00 Aurora, 40’ Sara Vieira Marques [PT] 19H50 Heat is life, 20’ Bianca Zueneli [IT] 20H20 Porte, 20’ Laure Fleitz [FR] 21H00 Verde abismo ou eu nunca mais sonhei com isso, 35’ Green abyss or I never dreamt of it again Isis Andreatta [BR] A PARTIR DAS 19H00 / FROM 19H00 (video loop) How do we continue together, 30’ Emily Barasch [US] A DEFINIR / TO DEFINE (video) Vulture Realness Invocation or I just can’t be like this with you anymore, 7’ randy reyes [US/GT] ESPAÇO ALKANTARA

Calçada Marquês Abrantes, 99 1200-718 Lisboa, Portugal

RESERVAS

LOTAÇÃO LIMITADA | RESERVA OBRIGATÓRIA ENTRADA GRATUITA | FAZER RESERVA PARA EMAIL

forumdanca@forumdanca.pt

Até 72 horas antes de cada apresentação.

7


SOBRE O PACAP O PACAP — Programa Avançado de Criação em Artes Performativas é um programa de formação/criação para profissionais e estudantes de áreas artísticas que pretendem investir num período de experimentação avançada conciliando-o com uma investigação teórica e o exercício de práticas de corpo e movimento. PACAP 4 | DE JANEIRO A JULHO DE 2020 CURADORIA João dos Santos Martins PARTICIPANTES Alina Ruiz Folini [AR] • Aline Combe [FR] Bianca Zueneli [IT] • Emily Barasch [US] Isadora Alves [PT] • Isis Andreatta [BR] Julián Pacomio [ES] • Laura Ríos [CU] Laure Fleitz [FR] • Leire Aranberri [ES] Maria Abrantes [PT] • Marina Dubia [BR] Natália Mendonça [BR] • Randy Reyes [US/GT] Sara Vieira Marques [PT] • Suiá Burger Ferlauto [BR] APOIO FINANCEIRO Fundação Calouste Gulbenkian APOIOS O Rumo Do Fumo, Alkantara,

O Espaço Do Tempo e Estúdios Victor Córdon

PARCERIA Maumaus

DIRECÇÃO Dora Carvalho

PRODUÇÃO Carolina Martins

DIRECÇÃO TÉCNICA Zeca Iglésias

ASSISTENTE DE PRODUÇÃO Catarina Sobral

COMUNICAÇÃO E IMAGEM Eduardo Quinhones Hall

SOBRE O FORUM DANÇA O Forum Dança é uma associação cultural sem fins lucrativos, criada em 1990, cuja missão é promover a dança contemporânea, através da formação profissional e artística, da investigação, da edição e da documentação. É uma plataforma de encontro dos profissionais e do público. Desenvolve projetos pedagógicos, seminários, residências artísticas, apresentações informais, workshops e aulas regulares dirigidos a públicos profissionais e amadores, adultos e jovens. Saiba mais em www.forumdanca.pt O Forum Dança é uma estrutura reconhecida como pessoa colectiva de utilidade pública desde 29 de Abril de 1998. É uma estrutura independente financiada pelo Ministério da Cultura/Direcção Geral das Artes, pela Câmara Municipal de Lisboa e pela Fundação Calouste Gulbenkian. O Forum Dança é uma das estruturas fundadoras e associada à REDE – Associação de Estruturas para a Dança Contemporânea. PRODUÇÃO Production

8

Apoio Financeiro Financial support

Apoios PACAP 4 Support

ABOUT PACAP PACAP — Performing Arts Advanced Programme is a training/creation program for professionals and students in artistic areas who intend to invest in a period of advanced experimentation, combining it with a theoretical investigation and the exercise of body and movement practices. PACAP 4 | JANUARY TO JULY 2020 CURATED BY João dos Santos Martins PARTICIPANTES

Alina Ruiz Folini [AR] • Aline Combe [FR] Bianca Zueneli [IT] • Emily Barasch [US] Isadora Alves [PT] • Isis Andreatta [BR] Julián Pacomio [ES] • Laura Ríos [CU] Laure Fleitz [FR] • Leire Aranberri [ES] Maria Abrantes [PT] • Marina Dubia [BR] Natália Mendonça [BR] • Randy Reyes [US/GT] Sara Vieira Marques [PT] • Suiá Burger Ferlauto [BR] FINANCIAL SUPPORT Fundação Calouste Gulbenkian SUPPORT O Rumo Do Fumo, Alkantara, O Espaço Do Tempo e Estúdios Victor Córdon PARTNERSHIP Maumaus DIRECTION Dora Carvalho PRODUCTION Carolina Martins TECHNICAL DIRECTION Zeca Iglésias PRODUCTION ASSISTANT Catarina Sobral COMMUNICATION AND IMAGE Eduardo Quinhones Hall

ABOUT FORUM DANÇA Forum Dança is a non-profit cultural association, created in 1990, whose mission is to promote contemporary dance, through professional and artistic training, research, editing and documentation. It is a meeting platform for professionals and the public. It develops pedagogical projects, seminars, artistic residencies, informal presentations, workshops and regular classes aimed at professional audiences and amateurs, adults and young people. More info at www.forumdanca.pt Forum Dança is a structure recognized as a structure of public utility since 1998. Forum Dança is an independent structure funded by Portuguese Ministry of Culture / Directorate General for the Arts, the Lisbon City Council and the Calouste Gulbenkian Foundation. Forum Dança is one of the founding structures and is an associated member of REDE - Association of Structures for Contemporary Dance.

FORUM DANÇA

ASSOCIAÇÃO CULTURAL forumdanca@forumdanca.pt

www.forumdanca.pt ESPAÇO DA PENHA

Travessa do Calado, 26-B 1170-070 Lisboa, Portugal

/forumdancalx /forumdanca

O Forum Dança é uma estrutura independente financiada por Forum Dança is an independent structure funded by

Profile for ForumDancaLx

Programa - Ciclo de Apresentações PACAP 4 - Ciclo #02    

Ciclo de Apresentações PACAP 4, curadoria de João dos Santos Martins =========== CICLO #02 | 26 e 27 de Junho – Espaço da Penha ==========...

Programa - Ciclo de Apresentações PACAP 4 - Ciclo #02    

Ciclo de Apresentações PACAP 4, curadoria de João dos Santos Martins =========== CICLO #02 | 26 e 27 de Junho – Espaço da Penha ==========...

Advertisement