__MAIN_TEXT__

Page 1

APRESENTAÇÕES SHOWINGS FORUM DANÇA

PACAP 4

ESPAÇO DA PENHA

20 e 21 + 26 e 27 → Junho ESPAÇO ALKANTARA

1 e 2 → Julho

Programa Avançado de Criação em Artes Performativas Performing Arts Advanced Programme Curadoria de Curated by

João dos Santos Martins

CICLO #03

“Nada para ensinar, tudo para aprender”* Pensar um plano de estudos é sempre um conflito entre o ideal e o possível, entre uma certa imposição de uma forma de ver e estar no mundo, e a criação de condições para originar outros mundos. Fui convidado a pensar um programa de estudos para artistas que se relacionam com a dança e a performance. Este programa não foi tão experimental quanto poderia. Rejeitou-se sobretudo a secular divisão entre disciplinas técnicas para colocar ênfase na troca de práticas entre artistas. Assolados por um vírus que não julgávamos chegar próximo, experimentámos novos formatos e modelos de partilha, de endereçamento e de atenção, nos quais colocámos ao teste a capacidade e a permanência de fazer arte no momento menos propício ao seu desenvolvimento e, talvez por isso, o mais urgente quanto às questões que levanta ser artista hoje. O programa de apresentações que agora partilhamos não é necessariamente resultado dos últimos seis meses de trabalho colectivo senão uma mostra de processos heterogéneos iniciados por um grupo de artistas dos continentes europeu e americano que isolada ou conjuntamente se sintonizaram, integraram, participaram, ativaram, divergiram ou rejeitaram este programa estudos. As suas preocupações rangem questões contemporâneas igualmente díspares de contextos geo-políticos diversos que aqui se assemelham sem nunca se assimilar: entre o próprio questionar da eficiência social da arte, a propostas de ressonância entre mundo orgânico e inorgânico, do corpo humano e não humano, do ser e do outro, da medida exacta de veneno a administrar para curar, da vida rural e urbana aos restos da noite e do chorume, do espaço que está entre, ao espaço entre o nudismo e o nadismo. “Ainda há quem diga que tudo perde quando não pode sair; que não têm nada para fazer – como se fazer e não fazer não fossem a mesma coisa.” (*Lourdes de Castro, Cartas à Lourdes: das 4 às 5, ed. Ricardo Nicolau, 2020.) João dos Santos Martins

“Nothing to teach, everything to learn”* Imagining a study program is always a conflict between the ideal and the possible, between a certain imposition of a way of seeing and being in the world, and the creation of conditions to originate other worlds. I was invited to plan a study program for artists whose practice relates to dance and performance. This program was not as experimental as it could have been. Above all, we have tried to reject the secular division between technical disciplines in order to emphasize the exchange of practices between artists. Stricken by a virus that we could not imagine would get any closeby, we have experimented with new formats and models of sharing, addressing, and witnessing, in which we have put to the test the ability and relevance of making art at the least conducive moment for its development. Perhaps, because of that, this was also the most urgent moment to raise questions about what it means to be an artist today. The program of performances that we are now sharing publicly is not necessarily the result of the last six months of collective work but a showcase of heterogeneous processes initiated by a group of artists from the European and American continents that individually or collectively have tuned in, integrated, participated, activated or diverged from this study program. Their concerns range from distinct contemporary issues and practices that unavoidably also related to the diverse geopolitical contexts from which they derive. As much as they might resemble each other, they arise from very distinct affects: the recurring questioning of the social efficiency of art, the resonance between the organic and inorganic world, human and non-human bodies, the being and the other, the exact measure of poison to administer to heal, the interaction between rural and urban modes of life, the remains of a long-lasting night or celebration, the spaces in between, and the in-between spaces mingling nudism with nothingism. “There are still those who say they miss everything when they cannot go out; that they have nothing to do — as if there would be a difference between doing and not doing." (*Lourdes de Castro, Letters to Lourdes: from 4 to 5, ed. Ricardo Nicolau, 2020.)

AGRADECIMENTO ESPECIAL A TODOS OS CONVIDADOS QUE PARTICIPARAM NESTE PROGRAMA SPECIAL THANKS TO ALL THE GUESTS WHO PARTICIPATED IN THIS PROGRAMME.

Ana Jotta (PT), Ana Pi (BR), Ana Rita Teodoro (PT), Bojana Cvejić (RS), Christine de Smedt (BE), Christophe Wavelet (FR), Chrysa Parkinson (US/SE), Eszter Salamon (HU), Joana Sá (PT), João Fiadeiro (PT), Jürgen Bock (DE), Miguel Wandschneider (PT), Moriah Evans (US), Paula Caspão (PT), Pedro Barateiro (PT), Rita Natálio (PT), Ricardo Valentim (Portugal), Scarlet Yu (HK), Vera Mantero (PT), Xavier le Roy (FR). 1


ciclo#03 |

1→2.07

ESPAÇO ALKANTARA 19H00

AURORA (40’)

→ Sara Vieira Marques [PT] Este material foi coleccionado muito lentamente. Primeiro surgiram pequenas células à volta de um santuário, de um acontecimento, de uma coisa. Só depois veio tudo o que se move. Ficou uma massa informe e vazia. Uma massa pesada e incandescente, de onde se levantam silhuetas. Aurora é um brilho que se pode escutar no espaço. A sombra de uma montanha sugere a sua forma, como se fosse uma mancha ou um ponto negro no escuro. Incontrolável, frágil e volátil. É a claridade que precede o nascer do dia. O princípio: “Please make some waves. Just waves.” CRIAÇÃO E INTERPRETAÇÃO

Sara Vieira Marques

CONCEPTION AND PERFORMANCE

Sara Vieira Marques

Sara Vieira Marques é artista, performer, e desenhadora cénica para projectos de dança, teatro e performance. Actualmente encontra-se a finalizar a sua tese de Mestrado em Antropologia - Culturas Visuais (NOVA-FCSH), aprofundando uma prática artística e académica que se move nos campos da antropologia, filosofia, cinema e instalação. Mantém duradouras colaborações artísticas com o coreógrafo brasileiro Gustavo Ciríaco e com o encenador e director artístico João Pedro Vaz. https://saravieiramarques.weebly.com

Sara Vieira Marques is an artist, performer, and scenic designer for dance, theater and performance projects. She is currently finishing her Master's thesis in Anthropology - Visual Cultures (NOVA-FCSH), deepening an artistic and academic practice that moves in the fields of anthropology, philosophy, cinema and installation. She maintains lasting artistic collaborations with the Brazilian choreographer Gustavo Ciríaco and with the director João Pedro Vaz. https://saravieiramarques.weebly.com/

AGRADECIMENTOS

ACKNOWLEDGEMENTS

À Eliane Radigue. À Alina, à Isis, ao João, ao Julián, à Leire, à Marina, à Natália e à Suiá. À Joana Sá, à Adriana Sá e à Cátia Sá. À Ana Trincão, ao Daniel Pizamiglio e à Leticia Scrkycky. Ao Santi. 2

This material was collected slowly. First, small cells appeared around a sanctuary, an event, a thing. Only then came everything that moves. It was a shapeless and empty mass. A heavy and incandescent mass, from which silhouettes rise. Aurora is a glow that can be heard in space. The shadow of a mountain suggests its shape, as if it were a spot or a black spot in the dark. Uncontrollable, fragile and volatile. It is the clarity that precedes the dawn. The beginning: "Please make some waves. Just waves."

To Eliane Radigue. To Alina, Isis, João, Julián, Leire, Marina, Natália and to Suiá. To Joana Sá, Adriana Sá and Cátia Sá. To Ana Trincão, to Daniel Pizamiglio and to Leticia Scrkycky. To Santi.


ciclo#03 |

1→2.07

ESPAÇO ALKANTARA 19H50

HEAT IS LIFE

(20’)

Calor é Vida → Bianca Zueneli [IT] Neste trabalho lido com a repetição de uma ideia em movimento. Quanto mais a ideia circula, mais se torna reconhecível. Circula como o tempo ao nosso redor: indefinido, irreal, aparentemente visível nos seus efeitos. Ele oferece-nos os mesmos eventos para agirmos como desejarmos. Mostra praticamente as mesmas coisas, nunca da mesma maneira. O movimento circula como uma estrutura acima e à nossa volta. Sendo real ou inventado, afecta-nos. Pela primeira vez decidi tornar-me a estrutura. Tornei-me o Sistema Solar. Tornei-me tempo. Decidi voltar atrás e ver as mesmas coisas de outro ângulo. Percebi que isso não é mais ambicioso do que qualquer outra coisa que se possa fazer. Qualquer pessoa poderia fazê-lo.

In this work I deal with the repetition of one idea in motion. The more the idea circulates, the more it becomes recognizable. It circulates as time does around us: indefinite, unreal, seemingly visible in its effects. It offers the same events to us, for us to act as we wish. It shows almost the same things, never in the same way. The movement circulates like a structure does around us and above. Being it real or invented, it affects us. For once I decided to become the structure. I became the Solar System. I became time. I decided to go back and see the same things from another angle. I realized this is not more ambitious than any other thing one could do. Anyone could do it.

“A ciência falhou, Calor é vida, O tempo mata.” Chris Burden em Poem for L.A. Um anúncio publicitário que foi para o ar em Los Angeles 72 vezes entre 23 e 27 de Junho de 1975.

“Science has failed, Heat is life, Time kills.” Chris Burden in Poem for L.A. A commercial aired in Los Angeles a total of 72 times from June 23 to 27, 1975.

CONCEITO Bianca Zueneli MÚSICA Costanza Bortolotti VÍDEO Emma Panini, Gisella Gaspari Bianca Zueneli (Itália, 1993) é bailarina, coreógrafa e professora. Começou os seus estudos na Academia de Belas Artes de Veneza antes de se mudar para a Bélgica, onde se formou em Dança Contemporânea no Conservatório Real de Antuérpia. Nos últimos anos, trabalhou principalmente na Bélgica em várias produções de dança e como professora, e agora move-se entre Lisboa e Itália. AGRADECIMENTOS Lucia Fontanelli, Manuel Gamberini, Cuoghi Corsello, Koinè, à equipa do Forum Dança e PACAP, Joker (Luigi), Sylvia Notini, Dino e RTS-Reclaim the streets, Malevich.

CONCEPT Bianca Zueneli MUSIC Costanza Bortolotti VIDEO Emma Panini, Gisella Gaspari Bianca Zueneli (Italy, 1993) is active as a dancer, a maker, a teacher. She started her studies at the Fine Art Academy of Venice before moving to Belgium, where she graduated in Contemporary Dance at the Royal Conservatory of Antwerp. Over the last years she has mainly worked in Belgium in various dance productions and as a teacher, and now moves between Lisbon and Italy. ACKNOWLEDGEMENTS Lucia Fontanelli, Manuel Gamberini, Cuoghi Corsello, Koinè, the team of Forum Dança and PACAP, Joker (Luigi), Sylvia Notini, Dino and RTS-Reclaim the streets, Malevich. 3


ciclo#03 |

1→2.07

ESPAÇO ALKANTARA 20H20

PORTE (20’)

Porta/Door → Laure Fleitz [FR] O seu corpo é o suporte de restos de aquários

Son corps est le support de restes d’aquariums

Ela carrega sobre o chão o peso das suas carapaças que o seu passo liga como pedaços de montanha

Elle porte sur le sol le poids de ses coquilles de son pas les relie en morceaux de montagne

Monte de nada do todo. DE E COM

Laure Fleitz Tudo começa com alguém correndo numa cena de filme, e uma coincidência — isto não é acidental. Laure descobre a dança aos 21 anos e meio. Inicialmente treinada em improvisação — pela sua observação paciente e poética — os seus interesses estendem-se para outras áreas de acordo com curiosidades crescentes, revelações repentinas e necessidades. AGRADECIMENTOS

Dora Carvalho, Carolina Martins, João dos Santos Martins, Christine de Smedt, Zeca Iglésias e equipa do Forum Dança. A todos os meus colegas do PACAP 4 pelas suas pequenas grandes atenções que são tudo.

4

Amas de rien du tout. BY AND WITH

Laure Fleitz

Everything starts with someone running in a movie scene, and a coincidence — that isn’t accidental. Laure finds dancing at the age of 21 and a half. Initially trained in improvisation, by its patient and poetic observation, her interests extend into other areas, according to growing curiosities, sudden revelations and necessities. ACKNOWLEDGEMENTS

Dora Carvalho, Carolina Martins, João dos Santos Martins, Christine de Smedt, Zeca Iglésias & Forum Dança Team. All my PACAP IV comrades for their little big attention which is everything.


ciclo#03 |

1→2.07

ESPAÇO ALKANTARA 21h00

VERDE ABISMO OU EU NUNCA MAIS SONHEI COM ISSO (35’) Green abyss or I never dreamt of it again → Isis Andreatta [BR] Olhar em reverso para reparar o que sempre esteve apesar da aparente invisibilidade. Questão de percepção e fantasmagoria. Algo que incorpora o que já está em si e fora de si. A cura. O noise cura. O toque cura. Os olhos enxergam outras coisas quando estão vesgos. O corpo não está dado e não é óbvio. É imagem em ato. Imaginação. Imaginar é mudar. Ir em direção ao futuro que se apresenta como ruína. Um sonho recorrente. Corpo que move a morte e a doença a fim de reativar a vida. Tragédia. Maldição. Feitiço. Cuidado é carinho e perigo ao mesmo tempo. Veneno por um lado, remédio por outro. Uma questão de medida. CRIAÇÃO E PERFORMANCE Isis Andreatta CO-CRIAÇÃO DE SOM Sara Vieira Marques COLABORAÇÃO Alina Ruíz Folini e Natália

To look in reverse so to repair what has always been there despite its apparent invisibility. A matter of perception and sorcery. Something that embodies what is already in itself and beyond. The cure. The noise heals. The touch heals. The eyes see other things when they are squint. The body is not given and it is not obvious. It is image in action. Imagination. To imagine is to change. To move towards the future that presents itself as ruin. A recurring dream. Body that troubles death and disease in order to reactivate life. Tragedy. Curse. Spell. Care is caring and danger at the same time. Poison on the one hand, cure on the other. A matter of measure. CONCEPTION AND PERFORMANCE

Isis Andreatta

SOUND COLLABORATION

Sara Vieira Marques

Mendonça

COLLABORATION

Isis Andreatta (São Paulo, Brasil, 1988) é artista, trabalha como performer, coreógrafa e educadora. A partir da dança se interessa em explorar o corpo em sua dimensão psicofísica e em seus trabalhos tem se debruçado em práticas de co-autoria e interdisciplinaridade entre arte e cuidado terapêutico. É co-directora e bailarina do Grupo VÃO desde 2009.

Isis Andreatta (São Paulo, Brazil, 1988) is an artist who works as a performer, choreographer and educator. Starting from dance practice she is interested in exploring the body in its psychophysical dimension in her works, she focused on practices of co-authorship and interdisciplinarity between art and therapeutic care. She is co-director and dancer of Grupo VÃO since 2009.

AGRADECIMENTOS

ACKNOWLEDGEMENTS

A equipe Forum Dança e a cada participante do PACAP 4. A Christine de Smedt, João dos Santos Martins, João Fiadeiro, Josefa Pereira, Juliana Melhado, Julia Monteiro Viana, Patrícia Árabe e Vera Mantero. Ao Espaço Alkantara.

Alina Ruíz Folini and Natália Mendonça

The Forum Dança team and each PACAP 4 participant. Christine de Smedt, João dos Santos Martins, João Fiadeiro, Josefa Pereira, Juliana Melhado, Julia Monteiro Viana, Patrícia Árabe and Vera Mantero. To the Espaço Alkantara. 5


ciclo#03 |

1→2.07

ESPAÇO ALKANTARA (video)

VULTURE REALNESS INVOCATION OR I JUST CAN’T BE LIKE THIS WITH YOU ANYMORE (5’/7’)

Invocação da realidade de abutre ou Não posso mais estar assim contigo

→ randy reyes [US/GT]

O Precipício torna-se o Portal que leva à iniciação no Submundo. Para todos nós. Ficar Parado torna-se o único Movimento sustentável do Corpo através da Respiração. Que texturas restam nas Cinzas do meu Desconhecimento? Quais são os meus Valores? O que defendo eu agora, e de novo e de novo? Não vais cair sem luta. Isso eu sei. Rendo-me. COREOGRAFIA E PERFORMANCE

randy reyes

CHOREOGRAPHED AND PERFORMED

GRAVAÇÃO E MONTAGEM

FILMED AND EDITED

randy reyes dá prioridade ao descanso, ao sonho, à cura e à meditação como formas de resistir.

randy reyes is prioritizing resting, dreaming, healing, and meditation as forms of resisting.

Chani Bockwinkel

AGRADECIMENTOS

Obrigado ancestrais, mentores, amigos e amantes na proximidade e na distância, onde quer que estejam, acredito que o coração não pára.

6

The Precipice becomes The Portal leading to The Initiation into The Underworld. For All of Us. Standing Still becomes the only sustainable Movement of the Body through the Breath. What Textures remain in the Ashes of my Unknowing? What are my Values? What do I Stand for now, and again and again? You won’t go down without a Fight. This I know. I surrender. randy reyes

Chani Bockwinkel

ACKNOWLEDGEMENTS

Thank you ancestrxs, mentors, friends, and lovers near and far, wherever you are, I believe that the heart does go on.


ciclo#03 |

1→2.07

ESPAÇO ALKANTARA a partir das 19h00 / From 19h00 (video loop)

HOW DO WE CONTINUE TOGETHER Como continuamos juntos → Emily Barasch [US]

(30’)

Como Continuamos Juntos é uma instalação de vídeo que serve como uma meditação de movimento para a precariedade. Esta meditação pede-nos para estarmos presentes, desacelerar, sintonizar e envolvermo-nos em estratégias emergentes de devir activo. Não sabemos o que virá a seguir, ou como chegaremos lá, mas podemos permitir que algo se desdobre radicalmente se praticarmos a percepção. À medida que encontramos movimento na reestruturação dos nossos sistemas externos, também teremos que encontrar movimento na mudança das nossas estruturas emocionais, espirituais e físicas. Trata-se de uma proposta para transformar as formas como nos movemos por este mundo, nos nossos corpos, nas nuances dos muitos espaços que ocupamos.

How do we Continue Together is a video installation serving as a movement meditation for precarity. It asks us to be present, slow down, tune in, and engage in emergent strategies of actively becoming. We do not know what will come next, or how we will get there, but we can allow it to to radically unfold if we practice noticing. As we find movement in restructuring our external systems, we must also find movement in shifting our emotional, spiritual, and physical structures. This is a proposal for transforming the ways we move through this world, in our bodies, in the many nuanced spaces we occupy.

DE Emily Barasch COM randy reyes, Eddy Levin, Suiá Burger

Ferlauto, Analu Fretta and Sanchita Sharma

Ferlauto, Analu Fretta e Sanchita Sharma

Emily Barasch (Califórnia 1992) é uma coreógrafa, performer e investigadora da Califórnia que usa o corpo como lugar de pesquisa e exploração. O seu trabalho coreográfico e académico analisa a potencialidade de mobilizar a histeria como uma estratégia de performance para criar mundos em que corpos queer, trans e femme podem ser representados numa figuração alternativa de espaço, tempo e linguagem, que transcende em vez de transgredir as lógicas do tempo capital, da narrativa linear e da linguagem dominante. AGRADECIMENTOS Agradeço aos participantes que amavelmente se conectaram a esta partitura de meditação através do movimento e tiveram muitas conversas individuais comigo sobre as suas experiências!

BY Emily Barasch WITH randy reyes, Eddy Levin, Suiá Burger

Emily Barasch (California 1992) is a California based choreographer, performer, and scholar using the body as the site of research and exploration. Her choreographic and scholarly work looks at the potentiality of mobilizing hysteria as a performance strategy to create worlds wherein queer, trans, and femme bodies can be represented in an alternate figuring of space, time, and language, that transcend rather than transgress the logics of capital time, linear narrative, and dominant language. ACKNOWLEDGEMENTS

Thank you to the participants who graciously engaged in this movement meditation score and had many individual conversations with me about their experiences!

7


SOBRE O PACAP O PACAP — Programa Avançado de Criação em Artes Performativas é um programa de formação/criação para profissionais e estudantes de áreas artísticas que pretendem investir num período de experimentação avançada conciliando-o com uma investigação teórica e o exercício de práticas de corpo e movimento. PACAP 4 | DE JANEIRO A JULHO DE 2020 CURADORIA João dos Santos Martins PARTICIPANTES Alina Ruiz Folini [AR] • Aline Combe [FR] Bianca Zueneli [IT] • Emily Barasch [US] Isadora Alves [PT] • Isis Andreatta [BR] Julián Pacomio [ES] • Laura Ríos [CU] Laure Fleitz [FR] • Leire Aranberri [ES] Maria Abrantes [PT] • Marina Dubia [BR] Natália Mendonça [BR] • Randy Reyes [US/GT] Sara Vieira Marques [PT] • Suiá Burger Ferlauto [BR] APOIO FINANCEIRO Fundação Calouste Gulbenkian APOIOS O Rumo Do Fumo, Alkantara,

O Espaço Do Tempo e Estúdios Victor Córdon

PARCERIA Maumaus

DIRECÇÃO Dora Carvalho

PRODUÇÃO Carolina Martins

DIRECÇÃO TÉCNICA Zeca Iglésias

ASSISTENTE DE PRODUÇÃO Catarina Sobral

COMUNICAÇÃO E IMAGEM Eduardo Quinhones Hall

SOBRE O FORUM DANÇA O Forum Dança é uma associação cultural sem fins lucrativos, criada em 1990, cuja missão é promover a dança contemporânea, através da formação profissional e artística, da investigação, da edição e da documentação. É uma plataforma de encontro dos profissionais e do público. Desenvolve projetos pedagógicos, seminários, residências artísticas, apresentações informais, workshops e aulas regulares dirigidos a públicos profissionais e amadores, adultos e jovens. Saiba mais em www.forumdanca.pt O Forum Dança é uma estrutura reconhecida como pessoa colectiva de utilidade pública desde 29 de Abril de 1998. É uma estrutura independente financiada pelo Ministério da Cultura/Direcção Geral das Artes, pela Câmara Municipal de Lisboa e pela Fundação Calouste Gulbenkian. O Forum Dança é uma das estruturas fundadoras e associada à REDE – Associação de Estruturas para a Dança Contemporânea. PRODUÇÃO Production

8

Apoio Financeiro Financial support

Apoios PACAP 4 Support

ABOUT PACAP PACAP — Performing Arts Advanced Programme is a training/creation program for professionals and students in artistic areas who intend to invest in a period of advanced experimentation, combining it with a theoretical investigation and the exercise of body and movement practices. PACAP 4 | JANUARY TO JULY 2020 CURATED BY João dos Santos Martins PARTICIPANTES

Alina Ruiz Folini [AR] • Aline Combe [FR] Bianca Zueneli [IT] • Emily Barasch [US] Isadora Alves [PT] • Isis Andreatta [BR] Julián Pacomio [ES] • Laura Ríos [CU] Laure Fleitz [FR] • Leire Aranberri [ES] Maria Abrantes [PT] • Marina Dubia [BR] Natália Mendonça [BR] • Randy Reyes [US/GT] Sara Vieira Marques [PT] • Suiá Burger Ferlauto [BR] FINANCIAL SUPPORT Fundação Calouste Gulbenkian SUPPORT O Rumo Do Fumo, Alkantara, O Espaço Do Tempo e Estúdios Victor Córdon PARTNERSHIP Maumaus DIRECTION Dora Carvalho PRODUCTION Carolina Martins TECHNICAL DIRECTION Zeca Iglésias PRODUCTION ASSISTANT Catarina Sobral COMMUNICATION AND IMAGE Eduardo Quinhones Hall

ABOUT FORUM DANÇA Forum Dança is a non-profit cultural association, created in 1990, whose mission is to promote contemporary dance, through professional and artistic training, research, editing and documentation. It is a meeting platform for professionals and the public. It develops pedagogical projects, seminars, artistic residencies, informal presentations, workshops and regular classes aimed at professional audiences and amateurs, adults and young people. More info at www.forumdanca.pt Forum Dança is a structure recognized as a structure of public utility since 1998. Forum Dança is an independent structure funded by Portuguese Ministry of Culture / Directorate General for the Arts, the Lisbon City Council and the Calouste Gulbenkian Foundation. Forum Dança is one of the founding structures and is an associated member of REDE - Association of Structures for Contemporary Dance.

FORUM DANÇA

ASSOCIAÇÃO CULTURAL forumdanca@forumdanca.pt

www.forumdanca.pt ESPAÇO DA PENHA

Travessa do Calado, 26-B 1170-070 Lisboa, Portugal

/forumdancalx /forumdanca

O Forum Dança é uma estrutura independente financiada por Forum Dança is an independent structure funded by

Profile for ForumDancaLx

Programa - Ciclo de Apresentações PACAP 4 - Ciclo #03  

Ciclo de Apresentações PACAP 4, curadoria de João dos Santos Martins =========== CICLO #03 | 1 e 2 de Julho - Espaço Alkantara ==========...

Programa - Ciclo de Apresentações PACAP 4 - Ciclo #03  

Ciclo de Apresentações PACAP 4, curadoria de João dos Santos Martins =========== CICLO #03 | 1 e 2 de Julho - Espaço Alkantara ==========...

Advertisement