Page 1

Romances Históricos Monica McCarty

A Força do Highlander

1° da Série O Clã Campbell Highland Warrior (2009)

Tradução/Pesquisas: As3 Revisão: Ana Paula G., Auxi e Bella Formatação e arte: Miss Bella

1


Nota da Revisão Este livro foi revisado por três mãos! É o primeiro da trilogia Campbell. Uma história envolvente que fala das batalhas Entre os clãs nas Highlands. Só temos a dizer que vale a pena ler! O tipo de história cheia de aventura e reviravoltas!

2


Resumo O implacável defensor da lei do clã mais poderoso de Escócia, Jamie Campbell, é o homem mais temido das Highlands. Uma força física pura unida a uma ardilosa visão política fez dele uma poderosa força que poucos homens ousam enfrentar. Decidido a terminar com a anarquia e os conflitos das Highlands, os objetivos de Jamie são claros: com a desculpa de pedir a mão da filha do chefe de Lamont em casamento, descobrirá se os Lamont dão proteção aos proscritos do clã MacGregor. Mas esta desculpa se torna desejo quando conhece a formosa jovem que governa aquele clã com delicado punho de ferro. O bravo escocês não esperava que a mulher que deseja acima de todas as outras, porá a prova seu dever e lealdade para com seu clã. Adorada por sua família, Caitrina Lamont não tem a menor intenção de abandonar seu amado pai e seus adorados quatro irmãos mais velhos por um marido… muito menos por um Campbell. Mas Jamie Campbell não se parece em nada como os outros pretendentes que o pai de Caitrina fez desfilar frente à ela. Sua pura masculinidade representa uma ameaça como nenhum outro homem foi antes. Mas quando o idílico mundo de Caitrina se faz em pedaços, poderá o homem ao qual culpa por sua tragédia converter-se em sua única esperança de futuro?

3


Capítulo 01 Uma lei não é a justiça. Provérbio escocês Castelo de Ascog, ilha de Bute, Escócia, junho de 1608. Caitrina Lamont se olhou no espelho enquanto sua jovem donzela abotoava a última parte da gola de seu vestido. Os delicados pontos, adornados com pequenos brilhantes, emolduravam seu rosto como um cintilante halo. Dissimulou um sorriso travesso, já que não tinha muitas ilusões nesse terreno: como seus irmãos tanto gostavam de assinalar, era muito atrevida e muito teimosa para que alguém pudesse confundi-la com um anjo. — Um homem quer é uma mulher dócil e recatada — zombavam dela, sabendo perfeitamente que isso só a tormava mais teimosa. Quando por fim a donzela terminou, Caitrina retrocedeu para ver melhor o vestido novo no espelho. Era verdadeiramente magnífico. Uma faísca brilhava em seus olhos e seu olhar cruzou com a de sua amada babá. — Ai, Mor, não é o vestido mais lindo que viu em sua vida? Mor tinha estado observando o processo com a crescente consternação de uma mãe que envia pela primeira vez seu filho à batalha. E a analogia não era de todo descabida. Essa noite haveria uma grande festa para celebrar a abertura da reunião Highland que esse ano teria lugar em Ascog. Mas Caitrina sabia que seu pai tinha grandes esperanças de prometê-la a um dos muitos highlanders que viriam para provar sua força e sua habilidade. Apressou-se a desprezar essa desagradável ideia antes que pudesse estragar a alegria de seu presente. — Lindo? — A mulher lançou um bufar de desaprovação, cravando um eloqüente olhar no decote quadrado, onde os seios de Caitrina ameaçavam saltar dos limites do espartilho. Mor jogou a jovem donzela para fora do quarto 4


antes de prosseguir com sua reprimenda. — É indecente. E não sei o que houve com os outros vinte vestidos «lindos» que tem no armário. Caitrina franziu o nariz. — Ai, Mor, sabe muito bem que não tenho nenhum como este. — Jogou um olhar aos seus seios, que se erguiam por cima do decote. Está certo, era muito baixo. Quase se via o rosado do... Fez um esforço para não ruborizar, sabendo que ainda daria mais motivos para sua babá discutir. — O vestido é dos mais decentes — declarou — Todas as damas que sabem de moda têm vestidos como este em Whitehall. Mor resmungou algo que soava depreciativamente como os «malditos loucos ingleses», que Caitrina preferiu ignorar. Séculos de inimizade não podiam ser esquecidos simplesmente porque o rei da Escócia se converteu também em rei da Inglaterra. Ergueu a seda de cor dourada para que a luz da janela se refletisse em ondas incandescentes e suspirou sonhadora. — Sinto-me como uma princesa com este vestido. A mulher bufou. — Certamente foi pago o resgate de um rei para que o enviassem de Londres até a ilha de Bute. — Mor interrompeu e moveu a cabeça. — E é uma loucura, quando em Edimburgo temos alfaiates muito competentes. — Mas espantosamente antiquados; não estão em dia com os estilos mais recentes — protestou Caitrina. Apesar de tudo, mordeu o lábio, pois algo do que Mor havia dito a inquietava: não tinha levado em conta o custo da generosidade de seu pai — De verdade, acha que foi muito caro? Mor ergueu uma sobrancelha, com um gesto sarcástico, incapaz de dissimular sua diversão. — A chantagem não costuma ser barata. Caitrina teve que reprimir outro sorriso. — Não foi chantagem. O vestido foi idéia de meu pai. Sei que se sentia culpado por me obrigar a suportar os intermináveis desfiles de perus reais que 5


traz para nosso salão. Acredito que permitiu que a reunião acontecesse em Ascog com a esperança de que com tantos «meninos valentes» para escolher, encontre um do qual eu goste. Ora, como se estivesse escolhendo um touro no mercado! A verdade era que a insistência de seu pai para que começasse a procurar um marido a preocupava mais do que queria admitir. Não era próprio dele ser tão teimoso. Isso era coisa de Mor. A velha babá preferiu evitar o tema do casamento e voltou para o do vestido. — Esse homem te daria a lua para não te ver chorar. Suponho que poderia ter sido pior que um vestido — declarou, sacudindo o dedo diante de Caitrina. — Mas um dia destes, chegará alguém a quem não possa comandar a seu bel prazer. Caitrina sorriu. — Já chegou. Você. — E se inclinou para lhe dar um beijo na enrugada bochecha. — Ora! — exclamou Mor rindo. —Mas que danada. Caitrina a rodeou com os braços e apoiou a bochecha contra a áspera lã de sua capa, saboreando o quente e familiar aroma de turfa e urze. — Você não gostou do vestido, Mor? Se você não gostar, não coloco. Mor apoiou as mãos nos ombros de Caitrina e a olhou nos olhos. — Não dê importância, garota. Não sou mais que uma velha idiota, preocupada com o que os lobos possam fazer a meu cordeirinho — declarou, suavizando sua expressão. — Sempre foi muito protegida e não tem nem idéia da maldade dos homens. — Acariciou-lhe a bochecha com os dedos. — Esse vestido simplesmente me recorda que já é uma mulher. — Caitrina se surpreendeu ao ver lágrimas em seus olhos. — Parece muitíssimo com sua mãe. Era a moça mais bonita de todas as Highlands quando partiu com seu pai.

6


Caitrina notou uma dor no peito. Embora sua mãe levava morta já mais de dez anos, ainda lhe causava uma forte emoção. Tinha onze anos quando sua mãe sucumbiu à enfermidade que a consumia, e as lembranças daquela mulher formosa de risada fácil que a sustentava em braços se ia desvanecendo ano detrás ano. Mas sempre ficaria um vazio em seu coração e a certeza de que lhe faltava uma parte vital de si mesmo. — Conta-me o outra vez, Mor. — Nunca se cansava de escutar a história de como seu pai se apaixonou a primeira vista da filha de seu inimigo. Logo os dois se estiveram vendo em segredo durante meses, até que por fim seu pai convenceu a sua mãe para que se fugisse com ele. Mas antes de que Mor pudesse dizer nada, irrompeu na habitação o irmão pequeno da Caitrina. — Caiti! Caiti Rose, vêem, corre! A Caitrina lhe caiu a alma aos pés, temendo o pior. Quem estaria ferido? Seria grave? Afastou Brian pelos ombros, e com uma calma que não sentia mas a que infelizmente se acostumou com três irmãos a seu cargo perguntou: — O que aconteceu? Ele a olhou com receio. — Promete-me que não vai se zangar? — Como vou lhe prometer isso se não saber o que aconteceu? — Brian, em seus doze anos, ainda não tinha desenvolvido uma grande capacidade para negociar, de maneira que deixou de regatear e começou com as desculpas. — Não foi minha culpa. Eu disse a Una... Quando ouviu mencionar à menina, Caitrina imaginou o acontecido. — Ai, Brian! Quantas vezes te falei que não deixe que os cães se aproximem dos gatinhos? Ele baixou a vista envergonhado.

7


— Disse a Una para que fossemos para fora, mas ela se esqueceu de fechar a porta dos estábulos e então... bom, foi tudo muito rápido. Boru só estava brincando, mas o estúpido do gato subiu na árvore. Caitrina lançou um grunhido. — Que árvore? Brian fez uma careta. — O velho carvalho. Caiti, por favor, tem que me ajudar a descê-lo antes que Una descubra e se ponha a chorar. — Deu um chute no chão de madeira. — Não posso suportar que chore! Caitrina olhou para sua ama de leite. Una era sua neta, e Mor sentia debilidade por ela. — Vou ver se a distraio enquanto você desce o gato da árvore — declarou a ama, golpeando com o dedo o peito magro de Brian. — Vamos, Caiti, depressa — apressou o menino sua irmã, lhe puxando pela mão. Só quando saíram do castelo e puseram-se a andar para a porta do barmkin1 se deu conta, ao ver como a olhavam os homens, de que ainda levava o vestido novo e ia descalça. Embora o céu era azul, o solo estava molhado depois da chuva da manhã e o barro se filtrava entre os dedos de seus pés. Sabendo que já não podia fazer nada, ergueu as saias como pôde para não as manchar. — Poderia ter me deixado um momento para trocar meu vestido —grunhiu… Brian a olhou por um instante. — Por quê? Está bem… Ela fez um gesto exasperado. Irmãos! Poderia ter posto um saco e não se dariam conta. Atravessaram a porta e puseram-se a andar pelo caminho, tomando a direita que levava aos bosques, enquanto que o da esquerda levava ao lago Ascog. 1

Barmkin era uma construção defensiva, fortificada, construída em torno de torres e castelos . Eram grandes paredes grossas usadas para proteger o gado e outros

animais de invasores

8


A véspera dos jogos, os edifícios em torno do lago ferviam de atividade, mas naquele momento havia uma surpreendente quietude em que somente se ouviam os latidos de Boru, que foram subindo de volume à medida que se aproximavam do grande carvalho. Os Lamont descendiam dos grandes reis do Eire, e Brian tinha batizado o cão em honra a seu xará, Brian Boru, o famoso rei de séculos atrás. — Deixou aqui o cão? Brian se ruborizou. — Lhe disse que se fosse para casa, mas não me obedecia, e como o estúpido do gato já estava na árvore, imaginei que dava igual. — Deve ter dado um susto de morte ao pobre gatinho: — voltou-se para o cão e gritou autoritária: — Boru! — O animal deixou de ladrar e a olhou com a cabeça inclinada. Ela então assinalou para o castelo, que já não se via entre as árvores. — Para casa! Com um suave gemido, Boru pegou o focinho a suas saias e a olhou como se desculpando com seus tristonhos olhos castanhos. Caitrina meneou a cabeça, sem deixar-se comover. — Para casa, Boru... Com outro gemido, esta vez ainda mais patético, o enorme galgo escocês agachou à cabeça e saiu trotando para o castelo. — Não sei como o faz — se admirou Brian. — É a única a que ele obedece. Caitrina franziu os lábios, calando a rápida réplica que lhe veio à cabeça: «porque sou a única que lhe dá ordens». Sem ela os cães seriam mais selvagens que os lobos. Embora supunha que podia dizer o mesmo de seus irmãos. Olhando através do labirinto de ramos, lançou uma exclamação ao espionar um corpinho de pele branca e alaranjada. — Mas como pôde subir aí?

9


— Bom, eu tentei subir para agarrá-lo, mas cada vez subia mais para cima, por isso no final fui te buscar. Tenho medo. Caitrina se voltou para seu irmão dando um coice. — Não espera que eu suba lá em cima!? — E para que acredita que te trouxe? — perguntou com genuíno pasmo. — O gato não vem comigo, mas você gosta e, além disso, já subiu em árvores mil vezes. — Faz anos — replicou ela exasperada. — Se por acaso não se deu conta, já passei da idade de subir em árvores. — Por quê? Não é tão velha. Caitrina teria que lhe ensinar um pouco de diplomacia se Brian queria ter a mais mínima oportunidade na vida de seduzir alguma garota. Embora com seu rosto provavelmente não importava. O que seus irmãos não tinham de galanteria e maneiras, compensavam-no com seu aspecto. Eram uns descarados, do primeiro ao último, mas ela lhes queria com todo seu coração. Como podia pensar seu pai que poderia afastar-se deles? Necessitavam dela... E ela os necessitava. Custasse o que custasse, não tinha intenções de partir do castelo. Mas de momento tentar raciocinar com Brian era inútil. — Não vou subir na árvore. No muito, te ajudo a subir você, ou terá que buscar a outra pessoa. Brian esboçou uma expressão de abandono que rivalizava com a do cão um momento antes. — Mas por quê? — Pois pelo vestido, para começar. — Por favor, Caiti, não há ninguém mais. Pai, Malcolm e Niall estão caçando com os homens, e os outros estão ocupados preparando a festa... Que estranho. — Mas não tinham terminado de caçar? — Brian franziu o cenho. 10


— Isso eu pensava também, mas esta manhã saíram todos com muita pressa. Pai parecia preocupado, e quando lhe perguntei aonde iriam, disseme que caçar. Assim já vê, não há ninguém mais. Por favor, Caiti... Para apoiar seus argumentos, nesse momento o gato começou a miar, e aquela assustada súplica acabou por comovê-la. Que Deus me libere de homens e bestas. Furiosa, voltou-se para seu irmão. — Bom, está bem! Mas primeiro me ajude a tirar isto. — Embora os fatos parecessem conspirar contra ela, não tinha nenhuma intenção de danificar seu vestido novo. Ele a rodeou com seus braços largos e fracos... — É a melhor irmã do mundo! Sabia que podia contar contigo. Caitrina suspirou. Era impossível ficar zangada com Brian por muito tempo. Aos seus doze anos, estava nessa estranha idade em que já não era um menino e ainda não era um homem. Já era mais alto que ela, e em uns anos adquiriria a massa e os músculos de um guerreiro, como Malcolm e Niall, seus dois irmãos maiores. Brian era muito pequeno quando sua mãe morreu, e Caitrina sempre tinha cuidado dele. Embora não o tinham enviado a criar-se com outra família, como acontecia com muitos outros meninos, partiria logo para converter-se em escudeiro de algum chefe vizinho. Caitrina sentiu uma pontada no peito e desejou poder deter o tempo. Depois de lhe dar um breve abraço, apressou-se para que a ajudasse a tirar o vestido, o qual não era tarefa fácil. Foram desaparecendo a saia, as anáguas e as mangas, capa por capa, até que ficou sozinho embelezada com a camisa e o espartilho. Como teria que elevar os braços por cima da cabeça, também teria que tirar o espartilho, mas Brian não estava custando muito desfazer os nós. Tentava-o grunhindo frustrado, até que ao final se rendeu e começou a dar puxões. — Ai! Tome cuidado. — É que não é tão fácil! Para que leva tantas coisas, além disso? 11


Boa pergunta, que exigia uma resposta vazia. — Porque é o que levam as mulheres. Quando por fim conseguiu tirá-la objeto, o espartilho caiu sobre o vestido, depositado em um tronco cansado. Embora a camisa de linho que levava a cobria o bastante, Caitrina queria terminar com tudo aquilo antes de que ninguém os visse, coisa que por outra parte não seria muito provável, posto que aquele setor do bosque estava bastante longe da estrada principal. De todas formas seria bastante violento que a surpreendessem em roupa interior. Observou a árvore com olho crítico, planejando a ascensão. Realmente fazia anos que não subia. Era a árvore mais alta daquela zona e o gato tinha conseguido subir quase até o topo. — Vou precisar de ajuda. Brian cravou um joelho em terra e Caitrina usou sua perna como degrau para chegar ao ramo mais baixo. Logo foi subindo de ramo em ramo como se subisse por uma irregular escala, notando que a casca lhe arranhava as solas dos pés. — Ai! — gritou ao pisar em uma parte afiada de madeira. Quando terminasse teria os pés e as mãos feitos em farrapos. O gatinho contemplava seus progressos com olhos muito abertos e expressão ansiosa, miando e tremendo em sua precária posição. Caitrina emitia sons suaves tentando acalmá-lo. Os ramos eram cada vez mais magros e tinha que ir detendo-se para provar sua resistência antes de apoiar-se nelas. Por fim chegou até o animal, que tinha se afastado do tronco uns dois metros sobre um ramo fino que não suportaria o peso de uma pessoa. Caitrina utilizou um galho para agarrar-se enquanto avançava de lado por outro ramo mais baixo. —Tome cuidado — advertiu Brian. Caitrina teve que dominar o impulso de lhe cravar um olhar turvo, porque não queria olhar para baixo. Como se necessitasse de conselho, vamos. O 12


coração martelava em seu peito. O avanço era muito lento. Teve que parar para recuperar o equilíbrio quando o ramo oscilou sob seu peso. Um passo mais... Por fim tocou com a mão uma pelagem suave. —Pegou ! —gritou Brian de abaixo. Invadiu-a uma quebra de onda de satisfação. Estreitou a pequena bolinha contra seu peito notando seu coração acelerado, tanto como o dela. O animal arranhou com as garras o fino tecido da camisa, obstinado a ela com todas suas forças. Agora o mais difícil. Esta vez só tinha uma mão para guardar o equilíbrio enquanto avançava muito devagar pelo ramo. Quando por fim já estava perto do tronco, lançou um suspiro de alívio e ao baixar a cabeça viu que Brian tinha subido uns quantos ramos debaixo dela. — Me dê isso que já o agarro eu — se ofereceu. Sabendo que não poderia descer sozinha com uma mão, Caitrina abaixou com cuidado ao gatinho para os braços tendidos de seu irmão. Brian meteu ao animal sob o espartilho de couro, descendeu pelos ramos e saltou com facilidade no chão. Ela se tomou um momento para recuperar o fôlego e acalmar os batimentos de seu coração, e logo começou a descer também. — Obrigado, Caiti — gritou ele. — É a melhor! Ela se voltou para ouvir sua voz que se desvanecia, mas já era muito tarde. — Espera, Brian! Necessito que... — Mas se interrompeu a meia frase. «... que me ajude». Já só lhe via as costas correndo para o castelo. — Irmãos — resmungou. — Que ingrato. Quando o pegar... Baixou a vista e se deu conta de que ainda estava bastante longe do chão. Alguns ramos a mais e poderia descer de um salto como Brian. Se agarrou com cuidado com as duas mãos, baixou um pé, logo o outro...

13


Um forte estalo pressagiou o desastre. Por um momento o estômago lhe subiu à garganta, e seu corpo caiu leve como uma pluma. Agarrou-se a um ramo que tinha sobre a cabeça justo quando a que tinha debaixo se desprendia do tronco e se inclinava formando um perigoso ângulo. O peso de seu irmão devia tê-lo debilitado. Se se soltasse, o ramo se partiria com tudo. Não estava pendurada da ponta dos dedos, mas quase. E além não podia mover-se. Olhou para o chão, a mais de quatro metros de distância, ainda muito longe. Teria que esperar até que Brian se lembrasse dela. Lançou um gemido, dando-se conta de que poderia ficar ali toda a noite. — Quando o pegar... — Acredito que já falou isso. Caitrina deu um pulo para ouvir uma grave voz masculina. Baixou o olhar e cravou a vista nos olhos acerados de um desconhecido que a observava com uma expressão divertida. Não sabia quanto tempo levaria ali, mas o suficiente para desmontar do gigantesco cavalo que havia a seu lado. Era certo que necessitava que a resgatassem, mas teria preferido que seu resgatador não fosse tão... — Caitrina franziu o cenho procurando a palavra adequada — tão masculino. Tão descaradamente viril. Desde sua atual posição, pendurada tão longe do chão, era difícil precisá-lo, mas calculava, que media mais de um metro e oitenta. Um gigante, inclusive para ser das Highlands. Se é que era um highlander. Tinha falado em escocês, e não na língua das Highlands, mas Caitrina acreditou detectar certo acento irlandês. Era difícil sabê-lo por sua roupa. Não levava o breacan feile 2das Highlands, mas isso não era estranho em um homem de riqueza e posição. E disso não havia nenhuma dúvida. Inclusive 2

Originalmente, o kilt era a parte inferior pregueada do breacan-feile, a forma mais antiga do vestuário Scottish Highland (ou das Terras Altas),

usado até 1746. Era constituído por uma peça de pano de lã xadrez, com um padrão de cores típico de cada clã, o clan tartan, com dois metros de largura e seis metros de comprimento.

14


daquela distância se notava que o espartilho de couro negro e as calças do tartán que levava eram de excepcional qualidade. Mas a boa roupa não escondia a selvagem beleza de seu largo peito e os músculos de seus braços e pernas. Sua impressionante compleição, acompanhada da enorme espada claidheamhmór 3que levava às costas, não deixava lugar a dúvidas de que era um guerreiro. E Caitrina teria apostado que além disso era um guerreiro impressionante. Mas era mas do que seu tamanho que a incomodava... Também teria preferido que fosse ao seu resgate alguém que não fosse tão dominante. Tudo nele o era: sua postura confiante de pernas abertas, o carimbo de absoluta autoridade em seu rosto, a maneira descarada em que a olhava. Tudo isto a intranqüilizou de tal maneira que demorou um momento em dar-se conta de quão bonito era. Uma beleza arrogante, como se seus esculpidos traços tivessem sido uma ocorrência tardia da força de sua masculinidade... Mas ela não era a única que realizava um exame. Todo seu corpo formigava. Por Deus, como a olhava! Como a olhava... toda ela. A vista do desconhecido percorreu seu corpo da cabeça aos pés, detendo-se em seus seios o bastante para provocar seu rubor. De repente Caitrina foi consciente de que estava semidesnuda. A camisa que fazia pouco tinha considerado uma cobertura adequada agora parecia tão insustancial como uma gaze sob seu penetrante olhar. De fato parecia que podia ver através do linho até sua pele nua. Caitrina sempre tinha estado protegida por seu pai e seus irmãos, nenhum homem se atreveu a olhar assim, como se fosse uma suculenta ameixa amadurecida, pronta para ser agarrada. E não gostou nem um cabelo. Talvez não estivesse nesse momento vestida como tal, mas qualquer homem com dois dedos de frente veria que era uma dama, inclusive se não tivesse visto o bonito vestido que estava justo diante de seus narizes. 3

Claidheamhmór: tipo antigo de espada escocesa

15


Quem era aquele atrevido guerreiro com porte de rei? Caitrina poderia jurar que não o tinha visto antes. A julgar por sua roupa e suas armas, era evidente que não era um proscrito. Certamente seria um chefe de terras longínquas que tinha ido aos jogos, o qual significava que lhe devia a sagrada obrigação da hospitalidade das Highlands. Mas se era um chefe, onde estava seu guarda? Bom, chefe ou não, não deveria olhar a daquele modo. — Seu nome, milord? — Perguntou. — Está nas terras de Lamont. — Ah, então cheguei a meu destino. — Veio para a reunião? Ele ficou olhando-a com cara de saber algo que ela ignorava. — Entre outras coisas. Não lhe havia dito seu nome, mas nesse momento não se importava quem quer que fosse, daria as boas-vindas até mesmo ao diabo ou inclusive, Deus não o quisesse, um de seus inimigos Campbell, contanto que a ajudassem a descer dali. Começavam a lhe doer os braços, que agüentavam quase todo o peso de seu corpo para não apoiar-se no ramo fraco. Seu resgatador, certamente, estava tomando seu tempo. — Bom, vai ficar aí me olhando o dia todo? — perguntou impaciente. Ele esboçou um meio sorriso. — Poderia, certamente. Não é todos os dias que se encontra uma ninfa meio nua subindo em uma árvore. A Caitrina arderam as bochechas. — Não estou meio nua, e se você se incomodasse em elevar um pouco mais a vista (longe de meus seios) daria-se conta de que não estou subindo, mas sim fiquei presa e necessito de ajuda. Sua furiosa réplica não fez a não ser aumentar a diversão do desconhecido. Embora não sorrisse de tudo, seus olhos de um azul resistente faiscavam como os raios de luz entre as árvores. 16


Aquele maldito bruto estava rindo dela. Caitrina entreabriu os olhos. Não estava acostumada de que rissem dela, e muito menos um homem. Supunha que toda aquela situação tinha algo de divertido, mas aquele guerreiro deveria ao menos mostrar a cortesia de dissimular. A fazia se sentir que estava em evidente desvantagem, o qual era uma tolice tendo em conta as circunstâncias: é obvio que estava em desvantagem. Mas não por muito tempo. Assim que a baixasse dali, pensava lhe dizer umas quantas coisas. Enervada, adotando seu tom de voz mais altivo, que utilizava com seus irmãos quando queria que fizessem algo, ordenou: — Se apresse e me ajude a descer... agora mesmo! Imediatamente se deu conta de que dar ordens não tinha sido talvez a melhor tática, sobre tudo quando aquela meio sorriso que até então iluminava a dura expressão do guerreiro se desvaneceu e seus lábios se esticaram. O homem a olhou por um comprido momento e logo cruzou os braços sobre seu largo peito. Caitrina ficou sem fôlego ao ver a impressionante massa de músculos. Por Deus, era extraordinariamente forte. — Não — disse ele por fim, preguiçosamente. — Me parece que não vou te ajudar .

Capítulo 02 17


Caitrina lançou uma exclamação, mais surpreendida que furiosa... ao princípio. — Não? Não pode dizer que não. Ele elevou uma sobrancelha em sinal de desacordo. — Mas por que não? — balbuciou ela bobamente, incapaz de compreender uma negativa. Ele voltou a percorrer seu corpo com o olhar. — Porque estou gostando da vista daqui. — Como se atreve! — exclamou ela, tentando lhe fulminar com o olhar, coisa nada fácil da posição que se encontrava. — É um homem desprezível. O sorriso que curvou em seus lábios provocou um calafrio nela. — Se estivesse em sua posição, acredito que estaria rezando para que isso não fosse certo. Ela ignorou a advertência. — Mas vou cair! — protestou. Ele observou a distância de seus pés ao chão. — Eu não o recomendaria. — Não pode falar a sério. — Caitrina se sentia perdida; jamais se tinha visto em uma situação parecida. O certo era que não estava acostumada a que lhe dissessem que não, e menos os homens. Falava a sério ou simplesmente estava brincando com ela? Sua expressão era irritantemente inescrutável. Equivocou-se de estratégia. Mas ele a tinha incomodado divertindo-se ante seus problemas e com o descarado exame que tinha feito de seu corpo. Caitrina respirou fundo e se esforçou por esboçar um largo e brincalhão sorriso enquanto batia as pestanas para terminar a jogada. — Por um momento pensei que estava falando a sério, mas sei que um galante cavalheiro como você jamais negaria sua ajuda a uma dama em perigo. 18


«Galante cavalheiro, hum!. Certamente, aquela besta não se parecia em nada com um cavalheiro... » Ele arqueou uma sobrancelha. Era evidente que sabia exatamente o que ela tramava. Cravou-lhe outro olhar penetrante que Caitrina notou da cabeça aos pés. —Talvez possamos chegar a um acordo. Algo em sua voz lhe arrepiou o pêlo da nuca. — Que classe de acordo? — Acredito que é costume nestas situações oferecer em troca um favor. — Seus olhares se encontraram e Caitrina viu em seus olhos um desafio. — Um beijo, talvez? Ela abriu os olhos como pratos. O muito arrogante! A indignação a queimava por dentro, mas de alguma forma conseguiu manter a raia seu gênio... — Acredito que é costume nestas situações que um cavalheiro ofereça ajuda a uma mulher sem condições. Ele se voltou para seu cavalo, agarrou as rédeas e começou a afastar-se. Caitrina ficou boquiaberta. — Aonde vai? Não pode me deixar aqui. Ele se voltou de novo e adotou aquele irritante gesto da sobrancelha arqueada. Não tinha que dizer nada, porque sua expressão dizia tudo: Certamente que podia. O ramo que estava sob Caitrina rangeu e se afundou um pouco mais. Talvez o homem tinha dado um passo para ela, mas não estava segura. Doíam-lhe os braços da tensão de suportar quase todo seu peso e não sabia se poderia agüentar por muito tempo mais. Ardia-lhe a cara de raiva e indignação. Mas já discutiria mais tarde com ele. — Muito bem. Pois me desça. Ele fez uma zombadora reverência. — Como deseja, milady. 19


Por ser um homem tão alto e forte, subia pelos ramos com surpreendente velocidade e agilidade. Deteve-se um pouco mais abaixo do ramo quebrado e em uns segundos tinha rodeado a cintura de Caitrina com as mãos. Ela conteve o fôlego ante aquela sensação desconhecida. Suas mãos eram grandes e fortes, e ela era plenamente consciente de seus polegares sob seus seios. Seus olhares se encontraram e um calafrio a percorreu. De perto era inclusive mais bonito do que parecia: uns penetrantes olhos azul escuro, cabelo castanho escuro ao que o sol arrancava brilhos do tom ruivo que certamente teria tido em sua juventude, uma boca larga e um queixo quadrado. Era um rosto de tosca virilidade e de uma vez incrivelmente atrativa. Dado seu abominável comportamento, não deveria afetá-la mas Caitrina se ruborizou de todas as formas. Embora a expressão dele não dizia nada, de algum jeito ela soube que não se sentia tão indiferente como queria aparentar. Com mãos firmes e seguras a elevou do ramo quebrado e a desceu para ele, até fazê-la descansar segura contra seu corpo. Ela, aliviada, deixou-se cair sobre ele. Seus braços pareciam de gelatina contra aquela força cálida e sólida, e dizer «sólida» era muito pouco. Seus braços e seu peito eram como granito. Mas mais que intimidá-la, a poderosa evidência de sua força a fez ruborizarse, presa de um estranho calor. Nunca tinha estado tão perto de um homem. Parecia que cada fração de seu corpo estava soldada a ele. Tinha uma perna apanhada entre as coxas dele, e os seios esmagados contra seu torso até notar os regulares batimentos do coração dele em seu coração, que, resultavam-lhe desconcertantes junto ao errático batimento do dela. Aquele homem era muito quente; e seu aroma, incrível: a limpo e a sabão, com um débil gosto de uma especiaria exótica.

20


Teve que elevar a cabeça para lhe olhar aos olhos e se deu conta de que era tão alto como tinha calculado. A cabeça dela apenas chegava aos seus ombros. — Já pode me soltar — disse Caitrina com voz trêmula. — daqui eu já posso descer. No princípio pensou que ele se negaria, mas ao cabo de um momento a soltou. Por sorte tinha recuperado a sensibilidade dos braços e pôde descer atrás dele sem complicações. Por fim ele saltou ao chão do ramo mais baixo e lhe tendeu uma mão. Ela vacilou. Parecia de algum jeito um gesto significativo, mas terminou por aceitar a mão com certo receio e deixou que ele a baixasse ao chão como se não pesasse mais que o gatinho que acabava de resgatar. Quando pisou em terra firme, quis suspirar de alívio, mas em lugar disso ficou sem fôlego, apanhada na teia de seu magnético olhar, e com a estranha sensação de dar-se conta de que somente um fino tecido de linho separava dele sua pele nua. E se não era um cavalheiro? Certamente teria que ter pensado antes, mas até então jamais tinha estado em uma posição tão vulnerável e jamais tinha conhecido ninguém como ele. Seu coração batia como as asas de um pássaro em uma jaula. Ele seguia rodeando-a com os braços. Deveria se afastar ao fim, afinal era um desconhecido, um homem que nem sequer lhe havia dito seu nome, mas o corpo de Caitrina parecia ter vontade própria. Ficou ali, hipnotizada por uma conexão que não se parecia com nada que tivesse jamais experimentado. — Obrigado — se apressou em dizer com voz trêmula. Colocou uma mecha de cabelo depois da orelha com gesto nervoso. Ele observava com uma intensidade que a enervava. Em realidade, tudo nele a enervava. — posso me arrumar sozinha. — Mas aquele musculoso corpo de mais de um metro e oitenta ficou exatamente onde estava: muito perto. Se não tivesse se sentido

21


tão agitada e vulnerável, teria admirado aquele impressionante corpo ao que estava pega —Já pode ir. De novo tinha empregado um tom de voz errôneo, advertiu. — Deseja que me retire, milady? Não se esqueceu de algo? Lhe ardiam as bochechas. — Não quer que cumpra a sério sua ridícula condição. Só aceitei sob coação. — É uma dívida de honra. Ou a palavra de um Lamont não significa nada? Caitrina soltou uma exclamação. — Conhece meu nome! Ele pôs-se a rir outra vez. —Imaginei-o. Dizem que Lamont tem uma filha muito formosa. —Então franziu o cenho, examinando o rosto dela. — Mas talvez me equivoque. Os rumores não mencionavam o nariz torcido. — O que? — levou uma mão ao nariz imediatamente. —Eu não tenho o na... — de repente se interrompeu, e as bochechas lhe arderam ao ver seu sorriso. Aquele arrogante patife estava burlando de novo dela. Bom, não era exatamente arrogante, talvez, mas bem seguro de sua autoridade e sua força. Caitrina voltou a se ruborizar ao lembrar do contato com seu corpo duro. E agora queria que o beijasse. Mordeu-se o lábio sem saber o que fazer. Não lhe devia nada, mas tinha aceitado seu «trato». Ele sabia dirigir bem seu ataque, fazendo branco no lugar onde todo highlander era vulnerável: o orgulho. Seu debate interno pareceu lhe divertir ainda mais. — O que será, milady? Um amplo sorriso foi desenhando-se pouco a pouco no rosto de Caitrina. Tinha encontrado a resposta. — Muito bem. Terá seu beijo.

22


Pareceu que uma expressão surpreendida cruzava fugazmente o rosto dele. Quando ela estendeu uma mão, ele pareceu perplexo um momento, até que a compreensão se assentou em seu olhar de aço. Caitrina pensou que tinha ganho quando lhe agarrou a mão, mas então viu uma faísca de decisão em seus olhos, uma faísca que lhe provocou um calafrio de alarme. Parecia que seus dedos foram engolidos na mão do guerreiro. Era cálida e firme, sem calos e forte. Poderia esmagá-la sem esforço, mas em lugar disso lhe acariciou a palma com o polegar e nela se arrepiou o pêlo do braço. Lhe deu a volta à mão e viu que tinha uns quantos arranhões. Seus belos traços se franziram em uma expressão carrancuda. —Está ferida. por que não me disse? Ela, tímida, tentou afastar a mão, mas ele a agarrava com firmeza. — Não é nada. O guerreiro, sem afastar o olhar de seus olhos, levou-se lentamente a mão à boca. Caitrina não podia afastar-se, não podia respirar, quão único podia fazer era esperar ansiosa, com o pulso tão frenético como as asas de um colibri. Notou o calor de seu fôlego na mão antes de que ele pegasse os lábios contra a palma ferida. Caitrina afogou uma exclamação. O beijo foi como um raio, como a marca de um ferro ao vermelho vivo em sua pele. Os lábios se moveram por sua palma até a sensível pele do pulso. O seu coração pulsava cada vez mais depressa. Aquilo não ia ser um singelo beijo na mão, era toda uma sedução, e estava dando resultado. Estava acontecendo coisas muito estranhas em todo o corpo. De repente sentia as pernas débeis, como se sustentassem um grande peso. A boca do guerreiro passou do pulso para a parte interior do cotovelo. A pressão de seus lábios suaves e quentes na pele lhe provocava pequenos calafrios com o passar do braço, o suave roce de seu queixo lhe pôs de ponta até a última terminação nervosa. Os lábios se abriram e a Caitrina lhe cortou a respiração. Ele elevou 23


os olhos até seu rosto, e algo mudou. Mediante um rápido movimento deslizou a mão por sua cintura para atrai-la para ele. Seus belos rasgos refletiam uma expressão dura, mas o ardor em seu olhar era inconfundível. Olhou a boca dela e o pulso de seu pescoço se acelerou. Caitrina sabia o que ia passar. Podia tê-lo detido, mas não queria. Jamais tinha querido que um homem a beijasse... até então. Ele envolveu seu queixo com a mão, lhe acariciando a pele com os dedos. Parecia impossível que um homem de tanta força pudesse acariciar com tal suavidade. Baixou a boca para a dela, e Caitrina conteve o fôlego. A espera crepitava em seu interior como um fogo em folhas secas. Seus mamilos se endureceram contra seu peito, apertados contra ele. Todo seu corpo estava tão sensível que parecia que com uma carícia poderia dissolver-se em um atoleiro de fogo líquido. O calor de seu fôlego lhe roçou a pele, o sutil aroma especiado era uma doce tentação. Por fim, quando já pensava que não podia esperar nem um segundo mais, aqueles lábios tocaram sua boca. Notou uma forte pontada no peito, a descarga da surpresa e um momento de contente despertar, como as pétalas de uma flor que se abrissem ao calor do sol. Seus lábios eram quentes, suaves como o veludo. Tinha seu gosto na boca. Esse aroma de especiaria que tinha detectado antes era canela, mas seu calor a fazia mais profunda e misteriosa. Ele deslizou as mãos até sua nuca, com os dedos entrelaçados em torno da pele, e se enredaram em seu cabelo para pegar os lábios com mais firmeza aos seus. Foi um beijo atrevido, possessivo, como ele mesmo, e nada parecido ao casto beijo que ela tinha imaginado. Caitrina se afundou nele, saboreando aquela sensação, querendo mais. A excitação palpitava em seu interior. Ele apertou a boca contra a sua, urgindo-a a abrir os lábios. Seus duros músculos se inchavam sob os dedos dela, e se notava que se debatia contra algo. 24


Com um suave gemido a soltou por fim, a deixando como se flutuando. Decepcionada, mas sobre tudo com vontades de mais. Ao dar-se conta disso se rompeu em mil pedaços a bruma que a rodeava desde que tomou sua mão pela primeira vez. Subiu-lhe o rubor às bochechas, envergonhada pelas liberdades que tinha permitido tomar. Seu pai e seus irmãos o matariam se soubessem o que tinha feito. — Já cobrou seu pagamento —declarou tremente, girando-se para que ele não visse quão afetada estava. — Agora, por favor, me deixe em paz. Ele agarrou seu braço para obrigá-la a lhe olhar. — Eu não me cobrei nada preciosa. —Caitrina advertiu fúria em seu olhar. — Ou quer que te recorde isso? Ela, com olhos muito abertos, negou com a cabeça. Ele a soltou e se dirigiu para seu cavalo. Talvez partiria sem mediar palavra. A idéia era curiosamente decepcionante. Mas Caitrina se surpreendeu ao ver que tirava um tartán da bolsa de couro atada a sua cadeira. —Tome — ofereceu, tendendo-lhe — Pode levar isto. Aquele gesto de consideração a surpreendeu mais que se de repente lhe tivessem saído asas e um halo, em lugar dos chifres e o tridente que lhe atribuía. Acabava de se dar conta de que não poderia colocar o vestido ela sozinha, mas envolvendo-se naquele tecido podia evitar a vergonha e a necessidade de dar explicações de ter voltado para castelo de camisa. — Obrigado — sussurrou. Ele inclinou a cabeça e se voltou para partir, mas ela o deteve. — Quem é você? Um sardônico sorriso dançou um momento em seus lábios. — Um simples cavalheiro, milady. —E sem mais palavras montou no cavalo e se afastou para o castelo. Ela ficou, olhando-o, pensando que talvez tinha pinta de um príncipe azul.

25


Maldição. Aquilo não tinha transcorrido absolutamente segundo seus planos. Era difícil surpreender Jamie Campbell, mas aquela moça o tinha conseguido. Tinha sido como um açucarado e quente bolo em seus braços, tenro e doce, dissolvendo-se contra ele em um delicioso calor líquido. Campbell respirou fundo; tentando apagar o fogo que ainda ardia em seu sangue, mas a descarga de luxúria que se deu procuração dele desde aquele beijo estava resultando ser persistente. Fazia muito tempo que não experimentava um desejo semelhante, um desejo que necessitaria muito mais que um beijo para ficar satisfeito... Certamente não tinha sido uma apresentação muito prometedora a jovem a que supostamente tinha ido a cortejar. Estava no bosque procurando algo muito distinto quando se topou com o último capítulo do que tinha sido o bemsucedido resgate de um gato. O menino tinha saído disparado assim que vislumbrou o traseiro da jovem. — deveria dizer seu bonito e arredondado traseiro — justo quando ela estava a ponto de cair. Ele tinha advertido o fino vestido sobre o tronco da árvore, mas até que não viu seu rosto e não se deu conta de quem era: Caitrina Lamont. Tinha que ser ela: a semelhança com sua mãe era incrível. Tinha visto Marion Campbell uma vez, de menino, e não era um rosto fácil de se esquecer. O senhor do Cawdor, pai de Marion, jamais tinha perdoado a sua formosa filha por fugir com seu acérrimo inimigo, o chefe Lamont. A luta entre os dois clãs seguia vigente depois de tantos anos, algo muito comum entre clãs vizinhos em uma região onde a terra era escassa e sua posse sempre estava em disputa. Jamie tinha ouvido por toda parte louvores à beleza de Caitrina Lamont, e por uma vez os rumores não exageravam. Ele geralmente preferia uma beleza mais discreta, mais reservada, mas aquela menina lhe tinha chamado a atenção com essa impactante combinação de cabelo negro, pele branca, olhos azuis e lábios vermelhos. E esse corpo... Que demônios, tinha um corpo que qualquer homem uivaria de desejo: extremidades largas e torneadas, um 26


traseiro muito redondo e uns seios turgentes. Jamie ainda se estremecia ante a lembrança, muito presente; de ter tido pegas a ele todas aquelas curvas deliciosas. Tinha sido o céu... E o inferno, porque não podia tocá-la. Aquela menina ingênua deveria alegrar-se de que tivesse sido ele quem a encontrasse, embora duvidava de que ela o considerasse assim. aproximou-se com toda a intenção de ajudá-la a descer da árvore, mas lhe tinha provocado com seu tom de voz. Dirigiu-se a ele como se jamais lhe tivesse passado pela cabeça que ninguém pudesse te negar nada. E Jamie havia sentido o inesperado impulso de burlar-se dela. A expressão da garota quando lhe disse que não, tinha sido todo um poema: absoluto pasmo e confusão. Caitrina Lamont estava obviamente acostumada a sair-se sempre com a sua... Ele pensou então dar uma lição a aquela menina altiva lhe pedindo um beijo. Não tinha a mínima intenção de fazer cumprir o trato... até que ela tentou ganhar a partida lhe oferecendo a mão. Mesmo assim, ele sozinho pretendia que ela desejasse um beijo, não beijá-la realmente. Mas o doce sabor de sua pele, e o tremor ainda mais doce da paixão inocente quando ele pegou os lábios a sua bochecha e a seu braço resultaram ser uma tentação muito forte. Ao sair da proteção das árvores Jamie diminuiu o passo de seus arreios. O castelo de Ascog tinha aparecido à vista. A fortaleza dos Lamont de Ascog, ereta sobre uma pequena colina na borda norte do lago, era uma singela torre retangular de quatro novelo e uma guarnição rodeada por uma forte muralha barmkin. Com o lago para o sul; o bosque para o oeste e as colinas para o norte, oferecia abundantes esconderijos potenciais. Sua missão era averiguar se alguém os estava utilizando. Alasdair MacGregor e seus homens estavam fugidos, e Jamie tinha em seu poder as cartas de «fogo e espada» que lhe dava a autoridade para lhes dar caça e levá-los ante a justiça pelos terríveis feitos praticados no que tinha chegado a chamá-lo massacre do Glenfruin, a garganta da dor. 27


Não era a primeira vez que os MacGregor tinham estado proscritos. O clã tinha tido problemas com a lei uma e outra vez durante os últimos oitenta anos, mas para o rei Jacobo, Glenfruin, onde foram assassinados mais de cento e quarenta Colquhoun e tinham sido incendiadas todas as casas e celeiros do Luss, tinha sido a gota que encheu o copo. O Conselho Privado tinha declarado proscrito ao clã, proibindo seus membros sob pena de morte incluso fazer-se chamar MacGregor, e tinha dado ordens de capturá-los e acabar com eles. Jamie tinha seguido o rastro dos rumores sobre gado roubado e granjas queimadas por todo Argyll e as fronteiras durante o último mês. Embora todos os indícios assinalavam que Alasdair MacGregor se dirigia para suas antigas terras perto das colinas Lomond, para Jamie tinha parecido muito óbvio. MacGregor era mais preparado que isso. Apesar de sua posição de proscritos, os MacGregor ainda tinham nas Highlands muitos amigos que poderiam estar dispostos a lhes dar cobertura: amigos como os Lamont. A lenda da hospitalidade das Highlands, a mais reverenciada dos costumes.E uma intuição o tinha levado para Ascog. Ao chegar à porta, um dos sentinelas lhe deteve. — Seu nome, milord. Jamie lhe devolveu seu olhar amistoso. — James Campbell, capitão do Castleswene. Todos os sinais de boas-vindas desapareceram, substituídas por um ódio mau dissimulado e uma sã dose de medo. Era uma reação a que Jamie se acostumou nos últimos anos. Também era a razão pela que não tinha querido identificar-se ante a jovem. Uma vez mais parecia que sua reputação — exagerada, sem dúvida —lhe precedia. O guarda esticou a mão no punho da espada. — Irei avisar ao chefe de que tem um... convidado. —Pronunciou a palavra como se tivesse a boca cheia de esterco. Jamie desmontou e lançou as rédeas ao surpreso soldado. 28


— Já o direi eu mesmo — declarou, pondo-se a andar para o homem que acabava de sair do deposito de armas. O guarda tentou detê-lo. — Não pode... — Sim — interrompeu Jamie com uma voz grave que não dava pé a discussões. — Sim posso. Lamont — gritou, e sua voz autoritária ressonou através do barmkin. O chefe se voltou para ele e assim que o reconheceu disse algo rapidamente aos dois jovens que tinha a seu lado. Lamont era um guerreiro veterano que sabia ocultar bem suas reações, mas não podia dizer o mesmo do mais jovem dos homens que o acompanhavam. Jamie os observava com atenção e não passou por cima a expressão alarmada que tentaram dissimular imediatamente. Era simplesmente porque um Campbell tinha entrado em sua fortaleza, ou era porque ocultavam algo? Não demoraria para averiguá-lo. Lamont se aproximou dele. Para um homem que devia passar já dos cinqüenta anos, levava muito bem sua idade e se movia com a força e agilidade de um guerreiro formidável. — Campbell. Teria saído eu mesmo para te receber se soubesse que vinha. Jamie sorriu. Os dois sabiam que a frase era intencionada. Alertar aos Lamont de sua chegada não teria servido de nada a seu propósito. Se Lamont escondia MacGregor e a seu clã, tal como Jamie pensava, não lhe daria a ocasião de fazê-los desaparecer. Com Jamie e seus homens vigiando, veriam-se obrigados a permanecer onde estavam. Lamont olhou detrás dele e arqueou as sobrancelhas. —Vêm sozinho? Em uma época em que o poder de um homem era igual ao número de guardas luchd-taighe que lhe rodeavam, era incomum, além de perigoso, viajar sem acompanhamento. Mas Jamie não necessitava de um exército para proteger-se e preferia trabalhar só ou, nesse caso, com um punhado de homens bem escolhidos. 29


— Meus homens chegarão mais tarde. — Quando terminassem de explorar e estabelecer um perímetro. Jamie assinalou aos dois homens que se mantinham com ar protetor a cada lado do chefe. — Seus filhos, suponho. —Lamont assentiu. —Meu filho, Malcolm, e meu segundo filho, Niall. — O maior se parecia com seu pai, com o cabelo loiro e os olhos verdes, mas o segundo confirmou a certeza de que a garota da árvore era Caitrina Lamont. Podiam ter sido gêmeos, embora Niall era uns anos maior. — Passem, tomaremos uma taça no grande salão. Ainda faltam umas horas para o banquete. Jamie seguiu aos homens até as escadas de madeira. Como acontecia com a maioria das torres de comemoração, a entrada estava no primeiro piso. Se se produzisse um ataque, as escadas de madeira se retiravam facilmente ou, de ser necessário, queimavam-se. O interior era muito mais fresco e escuro. Os grossos muros de pedra eram uma barreira efetiva tanto para os homens como para o sol. Atravessaram a pequena entrada até chegar ao grande salão. O castelo estava bem atendido e comodamente mobiliado: coloridos tapetes decoravam os chãos, quadros e tapeçarias cobriam as paredes e havia vários candelabros de prata dispostos em torno da sala. Lamont não era um homem rico, mas tampouco pobre, Mesmo assim tudo tinha uma aparência bastante gasta: os anos de rivalidade com os Campbell tinham tido suas consequencias. Sentaram-se à mesa e Lamont pediu a uma criada que servisse uns refrescos, que não demoraram para chegar em taças de prata esculpidas com o escudo e o lema dos Lamont: NE parcas Nec spernas, nem economizar nem esbanjar. Quando desapareceu a criada, Lamont lhe espetou sem preâmbulos: — Para que veio? O que quer de mim o conde de Argyll? Jamie deu um comprido trago de cerveja, observando a seu interlocutor por cima da borda da taça. Admirava os homens diretos. Deixou a bebida sobre a 30


mesa e tomou seu tempo para responder. Os três homens aguardaram totalmente imóveis, sem revelar emoção alguma. — São os anfitriões dos jogos, não é assim? — Não pensarão participar da competição! — exclamou Niall, incapaz de dissimular sua perplexidade. Jamie lhe cravou o olhar, tentando averiguar a razão daquela reação. Os Campbell eram um antigo e orgulhoso clã das Highlands, mas por causa de sua relação com o rei, muitos os consideravam afins às Lowlands. — Sou um highlander — declarou, deixando entrever uma advertência em seu tom. Niall parecia disposto a discuti-lo, mas teve a sensatez de controlar sua língua. O chefe quis distender a crescente tensão. — Não acredito que Argyll encontre a reunião digna dos cuidados de seu... — pigarreou — capitão de maior confiança. Jamie elevou uma sobrancelha, muito consciente do que Lamont tinha estado a ponto de dizer. — Meu primo mantém um grande interesse em tudo o que acontece em Argyll e Bute. — Passou o dedo sobre a gravura de sua taça. — Mas também venho ver a questão de sua filha. Os três homens ficaram tensos. Pareciam a ponto de jogar mão à espada. O velho chefe se recuperou primeiro. — E o que tem que ver minha filha com você? — perguntou com olhos de aço. — Vim a ver por mim mesmo se os rumores são corretos. O velho lhe observou com atenção, debatendo as implicações de tudo aquilo. Embora talvez não gostasse de nada, Lamont era bastante ardiloso para darse conta de que uma aliança com os Campbell, sobre tudo com o primo de

31


maior confiança dos Campbell o mais poderoso de todos, não podia desprezar sem mais nem menos. — Têm algum interesse nela? — perguntou por fim o velho, mostrando uma calma surpreendente, embora Jamie viu que ao agarrar a taça tinha os nódulos brancos. — Talvez — respondeu ele, elevando os ombros, grato de que a mutreta tivesse sortido efeito. Os Lamont suspeitavam do propósito de sua visita, mas nesse momento também estavam preocupados, e parte de sua atenção se dirigiria para a moça.

32


Capítulo 03 Ao meio dia Caitrina tinha recuperado sua roupa, mas não seu bom humor. Tinha tentado relegar o incidente a um canto de sua cabeça, mas a lembrança daquele beijo estava gravada a fogo em sua memória e continuava perturbando-a. Desceu correndo para o grande salão para ouvir os ruídos da festa, sabendo que era tarde, algo que sem dúvida irritaria seu pai. Certamente interpretaria sua demora como outra tentativa para evitar seu «dever». Não era justo. Estavam exibindo-a diante de um punhado de abutres famintos, e seus dois irmãos mais velhos, podiam fazer o que tivessem vontade. Malcolm era quase cinco anos mais velho que ela e ainda não tinha se casado. Enquanto seus irmãos andavam com as garotas menos apropriadas de Bute, ela tinha se visto obrigada, durante o último ano, a esquivar-se da maré de pretendentes que se apresentavam constantemente a sua porta. Sabia que seu pai achava que estava fazendo o melhor para ela ao insistir no casamento: preocupava-se que acabasse se cansando e se ressentisse de ter que cuidar dele e de seus irmãos. Caitrina jamais se aventurou além de Bute, exceto para visitar seu tio, o Lamont de Toward. Mas seu pai se equivocava. Caitrina não tinha nenhuma vontade de ir a corte, nem a nenhum outro lugar. Somente desejava ficar ali. Amava sua família e não tinha nenhuma intenção de partir de Ascog, e muito menos com um dos autoritários brutos que a olhavam com lascívia, como se fosse um troféu, nem por um dos jovenzinhos balbucilantes que proclamavam seu amor eterno cinco minutos depois de conhecê-la. Não, Caitrina estava

33


contente onde estava e ali queria ficar. Embora tivesse que rechaçar até ao último homem das Highlands. Desta vez, entretanto, não tentava evitar seus pretendentes com sua impontualidade. Tinha demorado mais que o costume ao banhar-se e para encontrar alguém que a ajudasse a colocar o vestido pela segunda vez. Na realidade até gostava de festa. Embora não gostasse dos motivos de seu pai — quer dizer, encontrar marido — para celebrar em Ascog a reunião das Highlands, era uma honra e, além disso era muito emocionante, e tinha que admitir que nutria certa curiosidade para descobrir a identidade de seu atrevido guerreiro. Deteve-se na escada para recuperar o fôlego e dar uma olhada antes de entrar no grande salão. A enorme e cavernosa sala estava cheia de homens, que celebravam estrepitosamente a abertura dos jogos com abundância da melhor cerveja Lamont. Embora o sol entrasse em torrentes pelas quatro janelas, o moderado calor daquele dia de primavera não tinha força suficiente para esquentar o frio de um persistente inverno, e o aroma de turfa que vinha da descomunal lareira parecia inundar o lugar. Procurou com o olhar seu pai para averiguar seu estado de ânimo. Encontrouo sentado na elevada mesa principal, resplandecente com seu colete de seda. De onde Caitrina estava não via seu prato, mas esperava que tivesse seguido os conselhos de seu médico e se abstivesse de provar a gordurosa comida francesa que sua mãe o havia acostuma há anos, antes de falecer. Lamont sofria ultimamente de dores no peito e sua filha estava preocupada. Justo quando estava a ponto de entrar na sala notou uma presença conhecida suas costas. — Acredito que se esqueceu da coroa. Caitrina se voltou e encontrou com os risonhos olhos azuis de Niall. Ergueu o queixo, acostumada às brincadeiras de seus irmãos. — Não sei a que se refere. 34


Ele olhou de cima abaixo seu vestido e lançou um suave assobio de assombro. — Ora, como está... Qualquer um diria que vai para Whitehall para ficar com os malditos ingleses — declarou, meneando a cabeça. — Mas tome cuidado, que à rainha Ana não graça em ter uma rival. — Ora, cale-se, Niall — alfinetou ela, dando-lhe um fraternal empurrão. Ele se pôs a rir e a estreitou entre seus fortes braços, erguendo-a nos ar. — Ai, Caitrina, garota, olhe como está fraca. — Solte-me, seu bruto! — disse ela rindo. Quando seus pés tocaram o chão, ria sem fôlego. Seu irmão teve que segurála por um tempo, até que recuperou o equilíbrio. — Niall? — Diga. — Tem algo de errado com meu nariz? — não pôde evitar de perguntar. Ele enrugou o cenho, olhando seu rosto com atenção. — Não entendo...Porque teria? Ela tentou dissimular o rubor que subia pelas suas bochechas. — É que parece que é um pouco torto. Niall sorriu. — Ah, mas não tinha que ser assim? Vendo a risada em seus olhos, ela voltou a cutucá-lo. — Como é ruim. Não sei por que me incomodo em te perguntar coisas sérias. Agarrou-lhe o nariz entre os dedos para dar um pequeno puxão. — Não há nada errado no seu nariz. Bom — disse, olhando para a sala, — de qual desventurado vai quebrar o coração hoje? — Apontou para um bonito jovem sentado junto à porta. — De MacDonald, que está ali, ou talvez de Graham? — perguntou, movendo o dedo. — Ou talvez seja Murray? Caitrina separou-se dele com um empurrão sem poder dissimular um sorriso. — Já sabe que nenhum deles me interessa. 35


Niall arqueou as sobrancelhas e seus olhos brilharam. — Pois do modo como está vestida, eles vão se interessar. Para Caitrina isso não importava em nada, mas inconscientemente varria a sala com o olhar procurando seu desconhecido salvador. Fixou-se de novo na mesa de estrado, onde estava sentado seu pai com Malcolm a sua esquerda. A sua direita havia uma cadeira vazia, e a seguir... ficou sem fôlego. Era ele, sentado no lugar de honra. De maneira que não se equivocou ao pensar que era um homem de riqueza e posição. — Niall... — teve que fazer um esforço para dominar sua voz, — quem é esse homem que está sentado ao lado de papai? Niall franziu o cenho e desapareceu todo seu bom humor. — É James Campbell — disse, carrancudo. Ela ficou pálida e um gemido estrangulado subiu à sua garganta. Um Campbell! Levou uma mão à boca em um gesto de horror. Deus santo, tinha beijado um Campbell! Não sabia o que era pior: dar-se conta de que tinha beijado à semente do diabo... ou o fato de que tivesse gostado. A presença de Jamie não tinha passado desapercebida entre os convidados, mas apesar da frieza geral que tinham demostrado, parecia estar se divertindo. Os músicos enchiam de melodias a sala, a comida era abundante e bem preparada, e a cerveja fluía. Somente faltava uma coisa: ainda não havia sinais da filha de Lamont. Um sorriso reticente curvou seus lábios. Não se surpreenderia se o ardiloso chefe a estivesse escondendo para mantê-la a salvo de suas garras. Que demônios, Jamie não o reprovava: Caitrina Lamont era uma jóia que qualquer homem cobiçaria. Apesar da ausência da dama do castelo, não podia deixar de admirar a habilidade de Lamont como anfitrião. O chefe tinha colocado seu inesperado convidado junto à única pessoa da sala que certamente não teria objeções a respeito: Margaret MacLeod. Meg era uma das amigas mais íntimas da irmã de Jamie, Elizabeth. 36


Houve uma época, não fazia muito tempo, em que Jamie tinha pensado em fazê-la sua esposa, mas Meg tinha preferido casar com Alex MacLeod, irmão do chefe Rory MacLeod. Embora Jamie houvesse se zangado, num primeiro momento, agora que já havia passado quase três anos, sabia que Meg tinha escolhido bem. Ele gostava de Meg como uma irmã, e sentia carinho suficiente por ela para saber que a moça merecia algo mais. — Alegro-me muito que esteja aqui, Jamie — comentou Meg com um amplo sorriso. — Nos vemos muito pouco. Jamie ergueu a cabeça em direção ao marido de Meg, que estava sentado mais à frente na mesa falando com Maclean de Coll, marido de Flora, meiairmã de Alex e prima de Jamie. Flora estava grávida, e seu estado era muito delicado para viajar, de maneira que seu marido tinha vindo sozinho. — Não acredito que seu marido compartilhe seus sentimentos — assinalou Jamie. Alex e Rory MacLeod tinham dado a Jamie boas-vindas cordiais mas reservadas. Nada surpreendente, já que nos três anos que tinham se passado desde que Jamie e Alex, amigos de infância, tinham lutado juntos na batalha do castelo de Stornoway, os interesses de ambos tinham divergido às raias da discórdia. Embora estivessem submetidos ao conde de Argyll pelos contratos que uniam os clãs como se fossem família, oferecendo amparo em troca de deveres feudais, Alex e Rory ainda se agarravam ao passado e irritava-os a crescente autoridade do rei nas Highlands. Simpatizavam com os MacGregor e não gostavam da participação de Jamie na perseguição deste clã. Mas claro, nem os MacLeod nem os Lamont tinham sofrido na própria carne os assaltos e pilhagens dos MacGregor. Jamie sentia falta da camaradagem com os MacLeod, mas percebia que essa amizade era coisa do passado. Embora ainda se respeitassem mutuamente, à medida que foram crescendo as responsabilidades e o poder de Jamie, sua

37


amizade se tornou mais complexa. Atualmente trabalhava sozinho; era mais simples. Meg franziu o nariz. — Não se importe com Alex. Não esqueceu o que fez por ele — comentou com carinho, colocando sua mão sobre a dele, para dar um suave apertão. — E eu tampouco. Jamie aceitou sua gratidão assentindo com a cabeça. Depois da vitória de MacLeod em Stornoway contra os homens do rei, Jamie tinha utilizado sua influência com Argyll para impedir que Alex fosse declarado proscrito ou acusado de traição. — É feliz, Meg? Ela olhou imediatamente para seu marido e a doce expressão de seu rosto disse tudo. Jamie sempre a tinha considerado bonita, mas quando olhava seu marido, Meg transcendia a mera beleza física. Alex MacLeod era um homem afortunado. — Sim, mais feliz que nunca. — Então me alegro por você — disse Jamie com sinceridade. — E você, Jamie? É feliz? A pergunta o surpreendeu. Ele não pensava na felicidade. Sendo o filho mais novo da família, sua vida se guiou por outras motivações, entre as quais não contava a felicidade, um sentimento feminino. A justiça, a lei, a autoridade, as terras, a capacidade de cuidar de seus homens... isso era o que importava. — Estou satisfeito. Meg cravou-lhe um intenso olhar. — Certamente soube fazer um nome. Jamie se pôs a rir. Essa era Meg, sempre tão direta. — Vejo que não acredita. Ela encolheu os ombros. 38


— Não acredito na metade do que contam. Jamie sorriu irônico. — Não tem medo que entre de noite por sua janela para roubar seu filho? — zombou, referindo-se às ameaças com as quais as mães assustavam seus filhos para que se comportassem, se não quisessem que o «violento Campbell os levasse». Meg sorriu. — Não, mas o conde depende muito de você. Elizabeth me contou por carta que quase não o vê. — Lizzie exagera. — Jamie ficou olhando-a. Embora muitos presentes na sala preferissem esconder a cabeça num buraco e ignorar o que acontecia ao seu redor, Meg compreendia a mudança que enfrentavam os highlanders. Tinha passado a época da autoridade indiscutível dos chefes e, francamente, os Senhores das Ilhas tinham demonstrado não estar à altura. Jamie, como o rei Jacobo, estava decidido a erradicar das Highlands a anarquia e os distúrbios. Em outros tempos ela o entendia, mas talvez o casamento tivesse mudado Meg mais do que imaginava. O crescente poder e autoridade de Argyll, e de Jamie, tinham provocado um grande ressentimento e desconfiança, coisa que tinha afetado muitas de suas amizades. Esperava que Meg não se estivesse entre elas. Meg pareceu ler seus pensamentos. — Ela somente se preocupa com você — comentou. — Como eu. — Não têm por que — disse ele, cortante. Acrescentou com mais gentileza: — Logo verei Lizzie em Dunoon, e ela vai ver que não tem motivos para se preocupar. Chegou outra bandeja de comida e Jamie agradeceu a pausa na conversa. Soube que a garota Lamont tinha entrado na sala, porque um súbito silêncio se abateu sobre a multidão e todos os olhares masculinas se cravaram nela, que avançava para a mesa de seu pai, tão majestosa como uma rainha. Uma 39


princesa, corrigiu-se Jamie. Parecia muito jovem e muito inocente para ser uma rainha. Deixou Jamie sem fôlego. Usava seu brilhante cabelo negro preso e alguns cachos caíam por seu longo pescoço. Seu rosto era de uma beleza clássica, ainda mais impactante pelo vívido contraste entre sua pele branca como a neve, seus olhos azuis e seus lábios cor de rubi. Demônios, pensou Jamie estremecendo, parecia um maldito bardo. À medida que ela se aproximava, Jamie sentiu que todo o seu corpo ficava rígido. Que diabos estava acontecendo? A onda de fúria que o invadiu foi tão intensa quanto irracional. Não tinha nenhuma autoridade sobre a moça, mas todos seus sentimentos de posse flamejaram. Agarrou, com força, sua taça tentando controlar o primitivo impulso de puxá-la pelo ombro e levá-la para cima para que colocasse algo decente. Embora as amplas saias do vestido não revelassem suas curvas, não podia dizer o mesmo do sutiã. O pouco tecido com o qual tinha sido confeccionado parecia esticar-se até quase explodir e mal cobria o bico de seus mamilos. Os seios rígidos e redondos estavam à vista de todos. Jamie apertou a taça de prata ainda mais. Mas o que pretendia aquela insensata, provocar um tumulto? Esperou sua fúria passasse, mas os olhares atrevidos de alguns dos presentes não eram de grande ajuda. Caitrina era o centro das atenções, mas parecia totalmente alheia a isso. Se Jamie esperava que Lamont a enviasse de volta a seu quarto, ficou decepcionado. A expressão do chefe só refletia orgulho, e parecia alegremente inconsciente do quanto sua filha estava tentadora. Ela saudou seu pai com um beijo na bochecha e sussurrou algo em seu ouvido. Por sua expressão resignada, Jamie imaginou que era uma desculpa por sua demora. Lamont dirigiu-lhe algumas palavras severas, mas se suavizou ao primeiro sinal de descontentamento, como se não pudesse suportar vê-la triste. 40


— É linda, não é? Jamie franziu o cenho ao perceber o tom de Meg, no qual notou um tom de diversão. — Sim, mas muito jovem. — Não muito jovem. Jamie estava a ponto de esclarecer as coisas, de dizer que não tinha nenhum interesse naquela garota, mas então se lembrou de seus planos. — Talvez. Aquela concessão surpreendeu Meg, que arqueou as sobrancelhas numa silenciosa pergunta. Jamie preferiu não responder e concentrou de novo sua atenção em Caitrina, que nesse momento estava saudando outros homens da mesa. Os Lamont tinham uma mesa reservada para os convidados da nobreza: os chefes de clã. Apesar de todas as rixas serem deixadas de lado durante a reunião, podia-se perceber muito sobre as atuais hostilidades somente pela disposição dos lugares. De um lado de Lamont estavam MacDonald e Mackenzie, e do outro MacLeod, Mackinnon e Maclean de Coll. Jamie reconheceu vários Murray, McNeil, MacAllister e Graham na sala. Entretanto, se notava a ausência dos proscritos MacGregor. Jamie sabia que, se sua intuição estivesse certa, o intrépido Alasdair MacGregor não seria tão estúpido para arriscar-se a participar dos jogos, depois de sua milagrosa fuga, dois anos atrás. Caitrina ainda não o tinha saudado e evitava olhar para ele, mas quando por fim terminou de falar com os outros convidados e teve que ocupar a cadeira ao seu lado, não pôde continuar se esquivando. Quando seu pai os apresentou, Jamie já tinha conseguido dominar sua ira. — James Campbell, minha filha, Caitrina. Ao ver a reação da garota, ou melhor, a falta de reação, Jamie soube que não tinha ficado surpresa com sua identidade. Havia feito averiguações? A idéia o

41


agradava mais do que deveria. Inclinou-se em uma reverência e tomou uma das mãos, que pareceu suave e frágil entre seus dedos calejados. — Lady Lamont... O sorriso de Caitrina poderia ter congelado um lago em pleno verão. — Milord. Seu pai cravou-lhe um olhar, evidentemente para recordá-la de seu dever como anfitriã. — Peço desculpas por meu atraso — disse ela, forçando as palavras como se estivessem grudadas em sua boca. Ele a percorreu com o olhar. — Uma beleza como a sua vale qualquer espera. Mas o elogio foi ignorado. Caitrina se sentou e ficou conversando com seu pai, oferecendo a Jamie uma visão privilegiada de seus seios. Essa reação o intrigou. A maioria das mulheres bonitas pareciam alimentar-se de elogios, mas Caitrina o fazia sentir-se como se tivesse sido reprovado num exame. Não lhe deu conversa; limitou-se a responder ao seu pai, ao seu irmão Malcolm ou a Meg quando era necessário, mas a maior parte do tempo passou esquivando-se de admiradores que apareciam diante dela com um pretexto ou outro. Se Jamie esperava um pouco de interesse por sua missão, ficou decepcionado. Cada vez que a conversa na mesa girava para abordar a política, as rixas entre clãs ou os proscritos, Caitrina franzia o nariz e adotava uma expressão de extremo aborrecimento. Em dado momento surgiu uma interessante, embora acalorada, conversa entre seu pai, seu irmão Malcolm e um chefe Mackenzie, sobre a avalanche de assaltos em Argyll e o que se estava fazendo a respeito. Jamie escutava com crescente interesse. — Pai — disse Caitrina, colocando a mão em seu braço, — Já sabe que conversas sobre as lutas me incomoda... 42


A princípio a interrupção pareceu sobressaltar Lamont, mas quando os ânimos se acalmaram um pouco, percebeu que sua filha acabava de salvá-lo de dizer algo que Jamie não deveria ouvir. O chefe sorriu com indulgência e deu-lhe uns tapinhas na mão. — Ai, Caiti! Tem razão. É momento de celebrações, não de falar de guerra... Ela dedicou um encantador sorriso ao jovem Mackenzie, que pareceu deslumbrado por sua atenção. — Às vezes, acredito que a guerra não é mais que uma desculpa dos homens para mostrar sua habilidade com a espada e pôr em funcionamento esses impressionantes músculos. O que acham, milord? Inchando, como um pavão, com o elogio, Mackenzie resmungou algo ininteligível enquanto Jamie sentia o inexplicável impulso de quebrar alguma coisa. Então dirigiu sua atenção sutilmente para ele. — Estão muito dispostos a declarar guerra a seus vizinhos por qualquer pretexto e não ficam satisfeitos até que tomem o último pedaço de terra. Um súbito silêncio se abateu sobre a mesa. Caitrina exclamou, com falsa inocência. — Ai, Deus! — exclamou, levando uma mão à boca. — Falo no geral, é obvio. Jamie ergueu a taça para ela, numa saudação. — É obvio. A conversa continuou, e Caitrina seguiu ignorando-o. Ele, por sua vez, observava seus diálogos com crescente admiração. Sua habilidade para evitar comprometer-se era muito sutil. Não havia nada em suas maneiras que pudesse ser qualificado de evasivo ou insinuante, mas o resultado era ainda mais intrigante. Mimada pelos homens de sua casa, era uma garota cheia de desenvoltura, um pouco malcriada e sem artifício algum... E totalmente encantadora. Ela não entendia que sua falta de

43


interesse a fazia ainda mais irresistível. Era como uma flor de estufa em um jardim cheio de sarças. Talvez estivesse fazendo todo o possível para evitar falar com ele, mas Jamie notava que, na realidade, estava muito consciente de sua presença: por sua maneira de afastar o braço rapidamente quando se tocavam, pelo modo como sua mão tremeu e derramou uma gota de vinho, quando suas coxas roçaram, como o rubor subia às suas bochechas, quando sabia que ele estava olhando. E parecia que ele não podia deixar de olhá-la. Mas cada vez que ela se inclinava, Jamie tinha que controlar o impulso de dar um murro... na cara de algum outro homem. Se fosse sua, faria em migalhas aquele vestido, depois de possui-la grosseiramente, por tê-lo colocado naquele estado de excitação. Havia algo que o desconcertava: Caitrina a todo momento, estendia a mão para o prato de seu pai, para trocar partes da vitela cobertas de um molho escuro por nabos, quando ele não estava olhando. Quando o chefe se voltava de novo para seu prato, franzia o cenho e olhava interrogativamente para sua filha, mas ela se limitava a sorrir, com inocência, e perguntar se estava gostando da festa. Quando Lamont retomou a conversa com o convidado que tinha a sua esquerda, Jamie não pôde conter sua curiosidade. — Seu pai gosta muito de verduras? Ela mordeu o lábio e suas bochechas se coloriram de um adorável rubor. — Infelizmente, não. Esperava que ninguém percebesse. — Suponho então que há uma razão para que tenha tirado também os molhos. O rubor se acentuou. Caitrina assentiu com a cabeça, sem querer explicar nada mais, mas Jamie imaginava o que estava acontecendo. Pelo visto, o pai de Caitrina não devia ingerir comidas muito gordurosas, e ela se propôs em 44


assegurar-se de que seguisse esse regime. Lamont percebia o que sua filha fazia, mas ignorava, algo que certamente acontecia muito freqüentemente. Depois de um momento, ela voltou a olhar para ele. — Por que não me disse quem era? — Teria feito alguma diferença? Uma faísca de raiva brilhou em seus olhos azuis. — É obvio! Ele olhou sua boca, sabendo que ela estava pensando no beijo. Caitrina apertou os lábios, como se assim pudesse apagar a lembrança. Mas estava alí, flutuando entre os dois, pesado, quente e perturbador. Por Deus, Jamie quase podia sentir o sabor em seus lábios. O calor inundou sua virilha, só em pensar nisso. Aquela insólita falta de controle o irritava, e teve que desviar o olhar. — Não acredito — disse. — Precisava de ajuda, e já que não havia ninguém mais para ir em seu socorro, saber meu nome não teria mudado nada. — Têm um conceito bastante peculiar de socorro — alfinetou ela, secamente. Jamie se pôs a rir, chamando a atenção do pai e do irmão de Caitrina, que olharam para ele, carrancudos. Que demônios, a réplica o tinha surprendido. — Logo começará o baile — comentou Lamont, — embora não sejam como os bailes da corte, aos quais está acostumado em Inveraray ou Dunoon. Jamie não mordeu a isca. Conhecia as danças das Highlands tão bem como qualquer escocês, mas ao ver a expressão de Caitrina, percebeu no sutil comentário, algo mais. — Mas essas são fortalezas de Argyll. Pelo visto sabia que era um Campbell, mas não qual deles. Jamie a olhou nos olhos. — O conde é meu primo. — James Campbell — murmurou ela, pensativa. Até que, de repente, arregalou os olhos e balbuciou: — É o capanga de Argyll! 45


— Caitrina! — repreendeu-a seu pai. Jamie ergueu uma mão. — Está tudo bem, o engano é bastante comum. — E cravou um olhar duro na horrorizada jovem. — Sou o capitão da guarda do conde de Argyll. Se por «capanga» querem dizer que faço cumprir a lei e me encarrego de que se faça justiça, então sim. Jamie utilizava a força física só quando necessário. Seu método habitual era a persuasão, e quando isso não dava resultado... bem, os highlanders eram gente teimosa e às vezes o método tradicional era o único eficiente para resolver as disputas. Caitrina ficou branca. — Entendo. Mas não, não entendia, e sua reação incomodou Jamie mais do que quis reconhecer. Estava acostumado ao ódio e ao medo — sua reputação tinha sua utilidade, — mas jamais, até então, quis explicar-se e conseguir que alguém o entendesse. Queria que Caitrina visse que os exagerados rumores eram, na realidade, fruto da inveja e da ignorância. Por que se importava tanto com a opinião daquela jovem? Não sabia, mas importava.

46


Capítulo 04 Na abertura dos jogos, o dia amanheceu resplandecente, mas Caitrina continuava imersa na bruma das revelações da noite anterior. Jamie Campbell, o executor das Highlands. O açoite das Highlands. O capanga Campbell. Fosse qual fosse o apelido, era o homem mais temido das Highlands, mais até que seu primo. Argyll não sujava as mãos fazendo a guerra, mas seu capanga as tinha manchado com sangue. E a tinha beijado. Seu pai e seus irmãos raras vezes falavam com ela de disputas ou política — tema que, em geral, não a interessava —, mas agora desejava que não deixassem de falar quando ela entrava na sala. De vez em quando ouvia rumores dos criados. Foi desta forma que tinha ouvido falar do temido primo de Argyll. Dizia-se que Jamie Campbell jamais tinha sido derrotado na batalha, que perseguia sem piedade qualquer oponente, que o homem que se colocava em seu caminho era um homem morto, que tinha mais poder que o rei nas Highlands, porque exercia influência sobre o «rei Campbell», quer dizer, o duque de Argyll. Mas não se parecia em nada com o monstro que ela tinha esperado encontrar. Jamie parecia tão... tão civilizado. Não um monstro inclemente, sedento de sangue, mas um homem que aparentava ser capaz de comportarse tanto na corte como no campo de batalha. Sua serena autoridade parecia contradizer sua sangrenta reputação, e embora Caitrina não duvidasse que fosse um formidável guerreiro — somente sua altura e sua imponência eram provas suficientes disso, — o homem era muito mais do que músculos. Entretanto, tinha que admitir que desde o começo tinha percebido nele algo

47


duro, quase desumano. Jamais tinha conhecido um homem tão contido, um homem que nunca deixava transparecer o que pensava. Mais de uma vez, durante a noite, havia sentido seu olhar cravado nela, um olhar frio, fixo e totalmente inescrutável. Ela, ao contrário, era só nervos. Tinha sido impossível ignorá-lo, já que estava muito consciente do mais leve de seus movimentos. Sentia-o com tal intensidade que parecia que estavam amarrados um ao outro. Ele a deixava nervosa. Gostaria de pensar que era medo, mas a verdade era muito mais perturbadora: aquele bruto vilão a atraía. Era tão bonito que a deixava sem fôlego. De todos os homens pelos quais podia ter se sentido atraída, tinha tido o azar de fixar-se num Campbell. Devia haver alguma graça em tudo aquilo, mas estava muito agitada para vê-la. Não sabia o que fazer a respeito, exceto evitá-lo o máximo possível. Passou a manhã cumprindo seus deveres como anfitriã, mas depois do almoço agradeceu a oportunidade de escapar para os estábulos por um momento, antes que iniciassem os jogos da tarde. O ambiente era fresco, e os penetrantes aromas exerciam um curioso efeito sedativo. Puxou um banco, agarrou o gatinho que tantos problemas tinha causado no dia anterior e suspirou, satisfeita, saboreando o momento de paz enquanto acariciava a suave pelagem do animal, que ronronava e se esfregava contra sua mão. Em outras circunstâncias teria ido sentar-se junto ao lago, mas havendo tanta gente para os jogos, os estábulos eram o único lugar onde podia encontrar um pouco de solidão. Ou assim pensava. — Aqui está. Caitrina afogou um gemido e se voltou para Torquil MacNeil, um de seus mais insistentes admiradores. Se tivesse que escolher um homem por seu belo rosto, o jovem latifundiário seria a escolha perfeita. Era alto e magro, de cabelos loiro-escuros e faiscantes olhos verdes. Não era muito mais velho 48


que ela e já tinha feito um nome como hábil guerreiro. Certamente não era uma má opção, se estivesse procurando um marido. Recordando seu dever de anfitriã, forçou um sorriso. — Queria algo, milord? Ele a percorreu com o olhar. Não havia nada abertamente ameaçador em seus movimentos, mas ela se sentiu incomodada. Não era admiração o que se percebia em seus olhos, mas posse. — Queria falar com você. Ontem à noite havia tanta gente e tanto ruído que não tive oportunidade. Caitrina deixou o gato, levantou-se e sacudiu as saias. Não gostava do rumo da conversa. Fazia o possível para assegurar-se de que não surgissem ocasiões de encontros em particular, como aquele. Assim ficava mais fácil. A metade dos homens aos quais rechaçava nem sequer se davam conta, mas pressentia que com MacNeil não ia ser tão fácil. Tinha um ar de arrogância que demonstrava uma grande teimosia. — Queria falar com seu pai — começou ele, como se estivesse mostrando um suculento osso a um cão. Caitrina se fez de inocente, uma de suas estratégias favoritas. — É obvio. Vou levá-lo até ele. Mas ele a agarrou pelo braço e a forçou a voltar-se. — Não quer saber do que quero falar? Ela afastou seus dedos, um a um, e suspirou. — Ai, não me interessa nem um pouco as conversas dos homens. — Esta vai interessá-la — proclamou ele, olhando-a de cima a baixo, uma vez mais. — É muito bela, não tem quadris muito estreitos, o que é bom. Teremos filhos fortes e valentes. — Estufou o peito e prosseguiu com a segurança de um rei — decidi fazer de você minha esposa... Caitrina rangeu os dentes e engoliu uma resposta sarcástica. Não havia nada tão romântico como ser comparada com uma bela égua. 49


— É muito amável — disse com doçura. — É uma honra ser considerada para tão ilustre posto. Mas está se precipitando. Mal nos conhecemos. Ele deu um passo para ela. — Haverá tempo para isso, quando estivermos casados. Caitrina engoliu a saliva com dificuldade. Tal como suspeitava, não ia ser fácil. Tinha que pensar em algo... depressa. — Sei que tipo de homem é. — Então vacilou. Estava tendo uma idéia — E ainda é tão jovem... Ele se ofendeu. — Sou bastante homem para você, encanto — declarou, cravando os olhos nela. — Quer que demonstre? Aí estava! Sua oportunidade. — Que idéia tão brilhante! Demonstre que pode me proteger ganhando o torneio de arco no final da semana, e falaremos deste casamento. Não tinha nenhuma oportunidade. Rory MacLeod era o melhor arqueiro das Highlands. O chefe MacLeod estava a dez anos seguidos ganhando o torneio, e só tinha tido um rival dois anos atrás, no guerreiro Alasdair MacGregor, em uma das raras ocasiões nas quais o proscrito havia aparecido nos jogos. MacNeil ficou desconcertado por um momento, mas não demorou a perceber o que tinha acontecido: sua arrogância se voltou contra ele. Sua expressão mudou da petulância à ira. Caitrina o tinha enganado, e sabia disso. Com os olhos brilhando de raiva, fez uma fria reverência. — Até o final dos jogos, então — cravou-lhe um olhar calculista que beirava a ameaça, — quando reclamarei meu prêmio. Caitrina o viu partir furioso, sentindo-se um pouco desconcertada. Um desconforto que só piorou, momentos depois. — Bom dia, princesa. Caitrina se sobressaltou ao reconhecer aquele tom profundo e rouco. Essa voz sensual era capaz de derreter um lago gelado. Não tinha conseguido 50


evitá-lo. Caitrina se voltou para Jamie Campbell, que estava na porta, com as rédeas de seu cavalo na mão. Princesa! — A manhã já terminou, e não me chame de princesa. — Ele sorriu e Caitrina se zangou consigo mesma por deixar-se impressionar. Cerrou os olhos com expressão furiosa. — Não têm nada melhor para fazer que me espionar? Talvez ir assustar alguma anciã indefesa ou alguma criança... Ele conduziu seu cavalo até uma baia, deu instruções a um dos rapazes e se aproximou dela. Caitrina sentiu que suas entranhas se agitavam como um barco sem leme em uma tormenta. Talvez fosse um demônio, mas tinha o rosto de um arcanjo, tão belo que fazia com que ela desejasse que não fosse um Campbell. Os intensos olhos azuis, o nariz aquilino, as altas maçãs do rosto e a boca sensual sobre um forte queixo anguloso. Caitrina era incapaz de afastar o olhar, atraída por sua sombria masculinidade, de uma maneira que não podia explicar. Era como se ressoasse em cada poro de sua pele. Seu tamanho, sua expressão, sua temida reputação deveriam provocar uma sensação de perigo, mas não era perigo o que fazia soar um alarme em sua mente, mas a intensidade de sua reação diante dele. Caitrina retrocedeu um passo sem perceber. — Não preciso espionar — comentou ele, apontando as portas abertas. Cravou-lhe um longo e pensativo olhar. — Sua habilidade para se livrar dos pretendentes é admirável, mas falta sutileza. Tome cuidado com o orgulho de um jovem, milady. Pela cara deste último, seu orgulho ficou fortemente machucado, e não esquecerá... — Não recordo ter pedido seus conselhos — replicou ela, erguendo o queixo, com uma expressão zangada. Não era problema dele... Mas o exasperante bruto se limitou a rir. — Mas vai recebê-lo, de qualquer forma. Já está na hora de alguém dizer-lhe algumas verdades. 51


Caitrina empertigou-se diante daquela afronta. — Não tenho idéia do que está falando. — Nem todos os homens vão ceder às suas vontades. — Como você, por exemplo? — Caitrina não se incomodou em dissimular seu sarcasmo. Jamie se aproximou um pouco mais, o suficiente para que ela cheirasse o sol e o suor que emanava, depois de ter cavalgado. Aquele aroma primitivo era curiosamente excitante e tomou conta de seus sentidos com perversos desejos. Estava tão perto que podia ver a incipiente barba que obscurecia as duras linhas de sua mandíbula. Caitrina recordou a sensação do roçar daquela barba contra a fina pele de sua bochecha, quando a tinha beijado, e sentiu algo agitar-se em seu ventre. — Sim, como eu — disse ele com voz rouca, quase como se soubesse o que estava pensando. — Estou consciente disso. — Caitrina deu a volta. Não queria que visse como a perturbava. Mas ao ver que não saía, perguntou — Por que foi cavalgar? Pensei que ia participar dos jogos. — Não tinha decidido ainda, mas agora que sei o prêmio que está sendo oferecido, acredito que participarei do torneio de arco e flecha. Caitrina demorou um momento para perceber a que se referia. Olhou para ele, imaginando que estava zombando dela, mas ele mantinha uma expressão implacável. — Não está falando sério. — Não podia querer cortejá-la! Ele a olhou nos olhos, com uma intensidade que a sacudiu dos pés à cabeça. — E se estiver falando a sério? Caitrina ignorou a súbita aceleração de seu coração. Apesar da desconcertante atração que exercia sobre ela, a idéia de casar com um Campbell, e mais ainda, com esse Campbell, era tão descabida que

52


não soube como responder. A dor de sua mãe, expulsa de seu clã, não seria esquecida e estava disposta a evitar esse destino a qualquer preço. — Está perdendo tempo. — Caitrina tentou sair, mas ele a interrompeu. Seus ombros se chocaram e Caitrina conteve o fôlego, invadida de novo pelas estranhas sensações que ele tinha provocado no dia anterior: o calor, a agitação no ventre, o coração acelerado, o formigamento na pele. — Ah, sim? — disse ele com voz grave, e o calor de seu fôlego na orelha a fez estremecer. — Não parecia pensar assim ontem... Caitrina ruborizou. Como ousava mencionar o beijo! Um beijo que não podia esquecer estando tão perto dele, sentindo o calor que emitia seu forte corpo e que parecia prendê-la. — Não tinha o direito de me beijar. — Não se atrevia a erguer os olhos. Estava muito perto e sentia uma poderosa atração, como se alguém puxasse um tapete sob seus pés, como se quisesse que a beijasse outra vez. Podia virar o rosto e sentir sua boca na bochecha, sobre seus lábios... O coração palpitava enlouquecido e parecia que estava se afogando em algo que excedia suas forças. Mas não podia esquecer quem ele era. Obrigou-se a olhar em seus olhos e disse com total sinceridade. — Prefiro me casar com um sapo antes de me casar com um Campbell. Jamie podia fazer com que engolisse suas palavras. Podia inclinar-se sobre ela e beijá-la até mostrar que estava enganada. E estava muito tentado a fazer isso. Na realidade, não tinha nenhuma intenção de ter uma esposa, mas domar aquela jovem, com sua estranha mistura de arrogância e inocência, podia valer a pena. Era muito estranho encontrar uma mulher em torno da qual não tivesse que andar nas pontas dos pés, para não intimidá-la. Jamie sorriu. Não, Caitrina Lamont não se sentia intimidada, de forma alguma. Voltava de uma reunião com seus homens, depois de inspecionar as cavernas das montanhas e não tinham encontrado nada, quando ouviu a 53


conversa entre Caitrina e Torquil MacNeil. Certamente a garota era esperta. Já tinha demonstrado, muitas vezes, na noite anterior que tinha uma grande habilidade para livrar-se de seus pretendentes, mas em sua atitude atrevida havia uma perigosa ingenuidade, e um dia se meteria em uma boa confusão... A garota parecia ter enfeitiçado a todos os solteiros, em centenas de quilômetros ao redor. Inclusive naquele momento, com o cabelo sobre os ombros, com as saias cheias de palha, depois de ter estado sentada em um celeiro, e adoravelmente desgrenhada, sua atração era inegável. E além de sua beleza, rodeava-a um inconfundível ar de promessa sexual que incitava a prazeres mais terrenos. Era uma rosa aguardando que alguém a colhesse. Desejava-a com uma intensidade que desafiava à razão. Desejava-a de uma maneira primitiva que jamais tinha sentido por nenhuma outra mulher. E quande Jamie queria algo, conseguia. E apesar de tudo, ela parecia totalmente inconsciente da tentação que representava, e do quanto ele estava tentado a jogá-la sobre o feno e beijá-la como um selvagem. Fervia-lhe o sangue imaginá-la debaixo dele, pensar em acariciar a suave pele, a boca... Teve que fazer um esforço para controlar a luxúria. Era um homem de prodigioso domínio sobre seus desejos, mas jamais tinha conhecido uma mulher que despertasse nele tão primitivos impulsos. Ou que pudesse provocá-lo tão facilmente, pondo em risco seu clã. Jamie se afastou e cruzou os braços. — Então é o meu nome que a incomoda? — E não é suficiente? Nossos clãs são inimigos e o foram durante décadas. — Que melhor forma de acabar com uma rixa? Além disso, sua mãe era uma Campbell. Caitrina avermelhou-se de ira. — E foi deserdada por seu próprio pai, o senhor de Cawdor. Não sinto nenhum afeto pelos Campbell, e seu primo é o pior de todos... 54


— Para alguém que diz não estar interessada na política, têm opiniões muito radicais. — Todo mundo sabe que Argyll é um déspota que rouba terras e depois, quando os clãs já não têm nada, nem nenhum lugar para onde ir, persegue-os como se fossem cães. — Suponho que se refere aos MacGregor, não? — comentou Jamie com uma serenidade que estava longe de sentir. O que sabia ela dos MacGregor? O que sabia da matança dos Colquhons na batalha de Glenfruin, ou dos incontáveis Campbell que tinham sido vítimas de seus ataques e suas pilhagens? Jamie ergueu uma mão, tocando o queixo dela e esfregou o polegar contra o pulsar frenético em seu pescoço. — Os MacGregor são bandidos e proscritos que fatiariam seu formoso pescoço, sem pensar duas vezes. Lembre-se disso, quando criticar meu primo. Ela, alarmada, arregalou os olhos. — Está tentando me assustar. Esquece que os MacGregor são aliados dos Lamont... Não, não tinha esquecido. De fato, era o que o tinha levado até ali. — Pois sugiro que escolham seus amigos com mais sensatez: Caitrina franziu os lábios, desafiante. — Se são proscritos é porque não têm mais alternativas, já que os Campbell se apropriaram de suas terras. E além disso, faz com que pareçam pior do que são. É o que Argyll quer que acreditem, para justificar seus atos. Jamie teve que esforçar-se para não perder as estribeiras, sabendo que Caitrina falava por ignorância e não compreendia a complexidade dos problemas que enfrentavam nas Highlands, nem a guerra existente há séculos entre os MacGregor e os Campbell pelas terras. Terras sobre as quais os MacGregor não tinham nenhum direito legal. Mas sentia uma curiosa necessidade de explicar-se. 55


— Meu primo pretende proteger os inocentes e pôr fim à anarquia que assolou as Highlands e, acredite, os MacGregor não são inocentes. Não queira idealizar a situação. Não são os Robin Hood das lendas, nem estão isentos de culpa no que aconteceu. Ela se afastou bruscamente, com os olhos furiosos. — Então, merecem ser perseguidos e assassinados? O olhar dele endureceu. — Merecem ser levados diante da justiça por seus crimes. — E quais são seus crimes? — perguntou ela, zombadora. — Por acaso os Campbell não foram acusados de injustiças semelhantes? Por acaso seu primo não incendiou vilas inteiras? — Diferente dos MacGregor, nós não violamos a lei. — Que conveniente, já que os Campbell são a lei. — O que eu quero é fazer deste um território seguro, para que possa passear pelo campo, sem medo de um ataque. — Mediante o medo, a força e a intimidação. Jamie se aproximou um passo, resistindo ao impulso de tomá-la em seus braços e interromper suas ridículas acusações. Aquela jovem com seus olhos brilhantes e seus lábios vermelhos que pediam beijos, colocava a prova sua paciência, uma mulher que lhe dizia coisas que ninguém tinha se atrevido a dizer... ninguém. — Por qualquer meio que imponha a lei — disse, muito tenso. — Isso inclui cortar cabeças por uma recompensa? Estava se referindo a recente promulgação do Conselho do Rei, que oferecia não só uma recompensa a quem levasse a cabeça de um MacGregor, mas além disso, ao direito as terras do morto. — Vi coisas horríveis de ambos os lados, coisas que lhe provocariam pesadelos durante anos. É uma mulher. Os homens não são tão delicados. É a forma de vida das Highlands. 56


— E só por isso é bom? — O governo achou que sim. — Quer dizer que seu primo achou bom, já que o governo é ele. Ou, ao menos, gostaria de ser. — Meu primo quer unificar as Highlands, com o apoio da maioria dos chefes, mediante as relações de contrato. Sem autoridade, a alternativa é voltar para as guerras dos clãs. É isso o que quer? — Se não fossem os Campbell, seriam os Mackenzie ou os Gordon, mas sem dúvida, alguém o faria. Ela ergueu aquele queixo adorável e olhou desafiante para os olhos de Jamie. — O que motiva o rei Campbell não é o bem das Highlands, mas sua própria cobiça. Jamie apertou a mandíbula, furioso por falar como se estivesse lendo uma cartilha; uma menina mimada que não podia entender as duras realidades do mundo. — Fala de rumores como se fossem verdades. Mas o que sabe, Caitrina? É uma menina mimada, que vive em um castelo de cristal, protegida por seu pai e irmãos. E duvido muito que seu pai a coloque a par desses assuntos. Seu rubor disse a ele que não se enganara. — Mas além das portas de seu castelo, está o mundo real, um mundo que não é branco e preto, como você pinta, mas muito mais cheio de matizes. Antes de julgar, assegure-se de conhecer os fatos. Ela deu a volta, decidida. — Sei tudo que preciso saber. Aquele rechaço sem motivo não deveria ter incomodado, mas incomodou. Críticas como aquela eram bastante comuns, mas de algum modo, vindo dela, pareciam diferentes. Jamie a agarrou por um braço, para obrigá-la a voltar-se para ele, apertando-a contra suas pernas e seu peito. Todo seu corpo inundou-se de ardor e raiva. Ela se debatia contra ele, sem poder escapar. De uma forma ou outra, escutaria. 57


— E você, Caitrina? Você o que quer? Mais homens que elogiem sua beleza? Mais jóias e vestidos caros? Ela resfolegou, indignada. — Não sabe do que está falando. — Sei que seu pai não pode negar nada a você, que vai de um lado para outro, vestida como uma rainha, até aqui, nos estábulos, mas agora, a guerra diminuiu a riqueza de seu clã. — Afastou os olhos de suas finas sedas e o pousou nas ferramentas oxidadas que estavam junto à parede caiada do celeiro, percebendo que ela entendia, finalmente. — Sei que afasta todos os homens que se aproximam para não ter que abandonar a comodidade e a segurança de seu pequeno reino. Sei que seu pai enviuvou há muitos anos e não quis voltar a casar. Por que acha que não quis, Caitrina? Será porque não quer tirar de você o posto de rainha que reclamou nesta casa? Ela deu um pulo, como se a tivesse esbofeteado. Era evidente que ninguém nunca tinha falado com ela desse modo. — Está enganado! — exclamou furiosa, com as bochechas vermelhas e o peito agitado. Mas em seus olhos percebeu a faísca de uma dúvida. Jamie a soltou, sabendo que havia dito o suficiente. Retrocedeu um passo e passou a mão pelo cabelo, para acalmar-se. Não quis falar com tanta dureza, mas Caitrina, ao rechaçar tão secamente sua proposta — uma proposta que jamais imaginou fazer a uma mulher, — tinha conseguido enfurecê-lo. Suas acusações contra os Campbell eram muito comuns nas Highlands, mas aquela garota, com sua língua atrevida e suas ingênuas acusações, tinha transposto sua armadura como ninguém tinha feito. Aproximou-se da porta e se voltou para olhá-la, uma vez mais. Ela parecia uma estátua de pedra, com o rosto pálido e os punhos fechados. Forte e orgulhosa, mas surpreendentemente frágil. Suas palavras tinham deixado marcas e Jamie sentiu uma ponta de culpa, o impulso de consolá-la, mas se apressou a dominá-lo. Havia dito a verdade; já era hora que Caitrina 58


Lamont a ouvisse. Seu pai não lhe fazia nenhum bem mantendo-a à margem dos problemas e da agitação das Highlands. Se as suspeitas de Jamie sobre Alasdair MacGregor fossem verdadeiras, o mundo real não demoraria para cair sobre sua cabeça.

59


Capítulo 05 Com os nervos a flor da pele, depois do confronto com Caitrina, Jamie decidiu voltar para o castelo em vez de ir ao lago, para assistir os jogos. Tinha saído a cavalo cedo pela manhã e além de algumas bolachas de aveia e um pouco de carne seca, como café da manhã, não tinha comido nada o dia todo. Ao passar pelo pátio de armas surpreendeu-se ao ver que o chefe Lamont se aproximava... Jamie saudou com a cabeça. — Lamont. Pensei que estaria nos jogos. — Tenho outros assuntos para atender. — Lamont observou o aspecto sujo e desalinhado de Jamie. — Partiram cedo esta manhã. — Meus homens e eu decidimos ir caçar. — E tiveram êxito? Embora aparentemente inocente, Jamie percebeu a sutileza da pergunta. Lamont suspeitava de sua presença ali, embora Jamie o houvesse confundido um pouco, demonstrando interesse por sua filha. — Desta vez não. — Mas conseguiria. Pressentia que os MacGregor andavam por ali. Embora, pelo bem de Lamont, esperava estar enganado. Seu primo queria enviar, imediatamente as tropas, mas Jamie o tinha convencido que esperasse para ter uma prova mais sólida que uma velha história sobre a hospitalidade das Highlands, embora essa mesma história explicasse, de forma convincente, porque os Lamont se arriscariam tanto dando refúgio aos proscritos MacGregor. Nas Highlands não havia nada mais sagrado que a antiga tradição da hospitalidade. Quando era invocada, o clã era obrigado a dar proteção, mesmo ao seu pior inimigo. A conhecida história entre os Lamont e os MacGregor era uma prova da força desse costume. 60


Anos atrás, um chefe Lamont tinha saído para caçar com o filho do chefe MacGregor. Ocorreu uma discussão e Lamont matou MacGregor com uma punhalada. Lamont escapou, mas foi açoitado e teve que procurar refúgio em Glenstrae, a fortaleza do pai do homem que tinha matado. O chefe MacGregor, sem saber que Lamont acabava de matar seu filho, aceitou protegê-lo de seus perseguidores. Quando apareceram os homens do clã MacGregor e contaram ao velho chefe do assassinato de seu filho, o homem, apesar de sua dor e sua raiva pela morte, negou-se a entregar Lamont, devido ao costume da hospitalidade das Highlands. Temendo que seus homens enfurecidos pudessem fazer mal a Lamont, MacGregor escoltou, pessoalmente, o assassino de seu filho até Cowal. Apesar daquela perda dilaceradora, o laço entre os dois clãs tinha permanecido inquebrável, e Jamie suspeitava que havia chegado o momento que os Lamont deviam pagar pela antiga hospitalidade dos MacGregor. Mas uma intuição não bastava; precisava de provas. Jamie tinha observado, atentamente, Lamont, e no momento não tinha encontrado nada incomum. Claro que nem esperava isso. Se Lamont suspeitava de seu verdadeiro propósito, sabia que estava sendo vigiado. Os homens de Jamie mantinham o lugar vigiado: ninguém podia entrar ou sair de Ascog sem ser visto. Era evidente que o velho tinha algo em mente. Cravou um olhar duro e calculista em Jamie. — Qual o propósito de sua visita, Campbell? Jamie não fingiu que não entendia sua pergunta. Respeitava o desafio do chefe Lamont. — Sua filha é muito bonita. Lamont entreabriu os olhos. — Fala sério?

61


— Sim. — Deveria ser uma mentira, mas Jamie se surpreendeu ao perceber, pela veemência de sua voz e a sensação em suas entranhas, que falava com sinceridade. Foi uma reação instintiva, uma decisão instantânea para um homem que sempre planejava tudo com extremo cuidado. Em algum ponto entre aquele primeiro beijo e o momento atual, o que tinha sido uma estratégia, transformou-se em realidade. Desejava Caitrina Lamont. Seu tom deve ter impressionado até Lamont, porque ele pareceu acreditar. — E por que o primo de Argyll iria procurar uma aliança com um Lamont? Como disse, minha filha é muito bonita, mas seu dote é modesto. Eu imaginava que seu primo procuraria um enlace mais lucrativo. Seu primo ficaria tão surpreso quanto o próprio Jamie. — Meu primo quer pôr fim às rivalidades. Suponho que você quer o mesmo. — Sim — concordou Lamont, a contra gosto. A inimizade entre os dois clãs era profunda. Jamie admirou o domínio de Lamont, que não o deixava ver nenhuma reação, quando por dentro devia estar fervendo de raiva, ao pensar em sua amada filha casada com um Campbell. Mas por mais que amasse a moça, o bem do clã vinha em primeiro lugar e uma aliança com Jamie beneficiaria os Lamont. Isso ambos sabiam. — E não há nenhuma outra razão? — perguntou. — Quero Caitrina como minha esposa. Lamont ficou olhando para ele, de tal maneira que Jamie se perguntou até que ponto seus sentimentos transpareciam na ferocidade de seu tom. — A menina consegue penetrar até no coração mais endurecido —comentou. — Mas não permitirei que lhe faça mal. Jamie esticou a mandíbula. — Eu jamais faria mal a uma mulher, apesar do que dizem meus inimigos. Talvez você e eu tenhamos estado em lados opostos, durante muitos anos, mas acaso dei motivos para que pense o contrário? — calou-se por um

62


momento, e percebeu, no silêncio de Lamont, seu consentimento. — Não faltará nada à sua filha. Vou protegê-la com minha vida. O chefe assentiu lentamente, acariciando o queixo; — Pensarei nisso. — É obvio, meu primo vai querer alguma garantia. Lamont ficou tenso. — Que tipo de garantia? — Sua lealdade, para começar. — Sustentou o olhar do chefe, observando atentamente suas reações. — Existem rumores. — Que tipo de rumores? — Do tipo que podem acabar com a vida de um homem. — O castigo por albergar os proscritos MacGregor era a morte, e era a sentença que enfrentaria Lamont por esconder os fugitivos, sem que a obrigação da hospitalidade pudesse eximi-lo de culpa. Jamie entendia e compadecia-se da situação dos Lamont, pois tinham que escolher entre sua honra e a lei, mas queria assegurar-se de que o velho sabia exatamente que riscos corria. Lamont assentiu, com expressão inescrutável. — Espero que não acredite sempre em tudo o que ouve. — Nem sempre... Jamie pôs-se a andar em direção a escada, percebendo que talvez, houvesse se traído. Mas algo o tinha impelido a lançar uma advertência a Lamont. Que demônios, estava se abrandando? Jamie se deu conta de que gostava de Lamont... E de sua filha. — Campbell. — deteve-se e se voltou. — Não a obrigarei a casar. Se quiser à garota, terá que convencê-la. Sim, pensou Jamie, aí estava o problema.

63


Caitrina esperou nos estábulos um bom momento depois de que ele partisse, incapaz de respirar, com os punhos apertados aos flancos e fazendo um grande esforço por conter as lágrimas. Ninguém lhe tinha falado nunca daquele modo. As acusações seguiam ressonando em seus ouvidos. Jamie Campbell conseguia fazê-la sentir-se estúpida e frívola. Seu vestido não tinha nada de mau, pensou, olhando a seda rosa. Era um de seus favoritos e tinha querido ficar bonita. Para ele? Era uma parva. Olhou ao redor; as ferramentas oxidadas e a cal gretada pareciam burlar-se dela. Sentia náuseas. Não. Jamie se equivocava. Nem sequer a conhecia e a tinha acusado de... de repente se deu conta de que ela tinha feito o mesmo. Tinha-lhe julgado sem lhe conhecer. Mas isso era distinto. Jamie Campbell não sabia nada de sua família. Por fim saiu dos estábulos e ficou a procurar desesperada seu pai, tarefa nada fácil entre a multidão que tinha acudido em Ascog para os jogos. Olhou para o caminho que levava a lago. Devia haver umas cem pessoas perambulando pela estreita e lamacenta borda e pelo atalho um pouco mais largo que levava a páramo. Levou uma mão à frente para proteger seus olhos do sol. Estavam a ponto de começar as corridas a nado e os competidores se alinharam já na saída, incluindo seus irmãos Malcolm e Niall. Mas seu pai não se encontrava em nenhuma parte e deveria estar ali. Brian tentou passar correndo a seu lado com uma turma de meninos, mas Caitrina o agarrou pelo braço. — Brian, viu o papai? — Desde esta manhã não, por quê? — Tenho que falar com ele. — Já olhou no castelo? — Não. Deveria estar aqui para as corridas.

64


— Estou seguro que não está acontecendo nada — disse o menino, impaciente — Já posso ir ? Seus amigos já estavam desaparecendo no bosque. — Anda, pode ir, irei buscá-lo lá dentro. Não era próprio de seu pai desaparecer desse modo. O que estava acontecendo? Correu pelo caminho e atravessou o portão, mas freou-se ao ver através do barmkin seu pai falando com Jamie Campbell. Pela tensa expressão de ambos era evidente que não se tratava de uma conversação amistosa. Quande Jamie desapareceu no castelo, seu pai, com expressão visivelmente preocupada, pareceu afundar-se um pouco. Caitrina correu para ele e se jogou em seus braços, sentindo-se de novo uma menina. Quantas vezes tinha feito a mesma coisa depois de fazer um arranhão ou dar um golpe ou receber alguma brincadeira cruel de seus irmãos? Seu pai sempre tinha estado ali para lhe enxugar as lágrimas e aliviar suas feridas. Outra acusação de Jamie lhe veio à cabeça. Mas estava equivocado. Ela nunca tinha impedido que seu pai voltasse a casar-se. Tinha amado a sua mãe com desespero, mas ele ainda era um homem atrativo, e Caitrina sabia que muitas mulheres estariam ansiosas por ocupar o lugar de sua mãe. Meu lugar, pensou. Sentindo um nó no peito, apoiou a bochecha na cálida e áspera lã de seu tartán, a beira das lágrimas. — O que acontece, garota? O que te passou? — Te vi falando com esse homem horrível. Seu pai a apartou um pouco para poder olhá-la, com a expressão mais feroz que jamais Caitrina tinha visto. — Campbell fez algo para te ofender? Ela negou com a cabeça. 65


— Não, não é isso —respondeu, tentando não pensar no beijo. — É que tudo nele me ofende. É um Campbell, e ainda por cima é primo do sangrento Argyll. Seu pai suspirou. — Não deveria fazer caso aos rumores, Caiti Rose. Ela elevou o queixo ao perceber certo tom de censura em sua voz. — É a única maneira de inteirar-se de algo por aqui, sendo que nem você, nem Malcolm, nem Niall nunca me contam nada. — Não tem por que preocupar-se. — Seu pai lhe deu uns tapinhas na cabeça, como sempre fazia, mas esta vez Caitrina se incomodou. Jamie Campbell a tinha deixado em ridículo, tinha-lhe feito sentir que não sabia do que falava. — Já sei tudo o que tenho que saber de Jamie Campbell. É o espião de Argyll, quase pior que um capanga. —Mas Caitrina sabia que suas palavras soavam falsas. — Se cale, menina — a repreendeu seu pai. —Tome cuidado com o que diz. Jamie Campbell não é sozinho um valentão a salário nem o braço executor de Argyll. É muito mais perigoso: um homem de grande força física e grande perspicácia política, um homem poderoso e influente por si mesmo. — Então ficou olhando-a por um momento. — Me falou de você. A Caitrina lhe acenderam as bochechas ante a arrogância daquele homem. — Não tinha por que. Hei-lhe dito isto mesmo não faz nem meia hora... — Pois não sei o que lhe disse, mas não o despersuadiste. — Estou segura de que você sim. Ao ver que seu pai não dizia nada, Caitrina abriu os olhos como pratos... — Não está falando a sério que o considera como pretendente! —exclamou escandalizada. — Pois sim, pequena — a interrompeu ele. — Não digo que se case com ele, mas ao menos que o pense... — Mas é um Campbell. 66


— Sim, e os Campbell não são precisamente nossos amigos. Mas não posso passar por cima o benefício que seria uma aliança com um homem tão poderoso. Seria o final da guerra. Caitrina advertiu claramente o tom ansioso de seu pai e de novo recordou as palavras de Jamie. O nó em seu peito se esticou ainda mais. A guerra estava trazendo suas consequências. Como podia ter ignorado até esse ponto o que acontecia a seu redor? Seu pai não queria que se desse conta de nada, mas isso não era desculpa. —Tão mal são as coisas, pai? Ele a estreitou contra seu peito e lhe acariciou o cabelo. — Ai, garota, você não tem por que preocupar-se. Eu nunca te obrigaria a se casar com um Campbell, mas quero que o pense, nada mais. Que julgue ao homem por si mesma. — Mas... — É o único que te peço — a interrompeu ele de novo — Jamie Campbell é um feroz guerreiro e um homem duro, mas não é cruel. Apesar do que possa ter ouvido, não é um monstro. E embora talvez nós não gostemos, o certo é que atua sempre dê acordo com a lei e sempre foi justo em nosso trato. — Seu olhar se suavizou. —Não é o homem que teria escolhido para você, mas seria um grande benefício para nosso clã. Sendo sua mulher, ninguém poderia nunca te fazer dano. E há alguns benef... —Então suspirou; era o suspiro de um homem curvado sob o peso da responsabilidade. — Poderia chegar um momento em que necessitemos de sua amizade. O dever. Caitrina ouviu a velada recriminação, e sentiu como uma traição. Por que o seu pai fazia isso? Odiava aos Campbell tanto como ela. Por que tinha a sensação de que lhe ocultava algo importante? — Chegou o momento de que se case, Caitrina, se não com o Campbell, com outro.

67


Falava a sério. Caitrina sentiu um instante de puro pânico, perdida na incerteza do futuro que acabavam de lhe arrojar em cima. Um futuro no que se veria arrancada de tudo que conhecia e amava. Recordou o terrível vazio quando morreu sua mãe, mas então estavam seu pai e seus irmãos para encher esse oco. Sem eles... — Já sei que é o que você pensa, pai, mas não estou preparada. Não suporto a idéia de lhes deixar, a ti e a meus irmãos. — A vida em Ascog com sua família era quão único conhecia. Apartar a deles seria como lhe partir em dois o coração. Lamont a abraçou de novo, e por um momento Caitrina pensou que cederia. Mas pelo visto lhe tinha esgotado o tempo. — E me causará uma grande dor te ver partir, minha menina. Mas deve partir. Caitrina assentiu com o rosto sulcado de lágrimas. A dor de seu peito era insuportável. Desejou não ter visto jamais Jamie Campbell. Tudo aquilo era culpa dele.

68


Capítulo 06 Por muito que Caitrina insistisse, não pôde convencer a seu pai. A idéia de que tinha que casar-se logo pendia como uma espada sobre sua cabeça, lhe danificando a diversão desses dias e obrigando-a a olhar a cada provável pretendente com os olhos, embora não de tudo abertos, tampouco exatamente fechados. Também teve que reconhecer que comparada com a aborrecida e aduladora admiração dos outros homens, a segura autoridade de Jamie Campbell destacava. Ele destacava. E não só por seu formoso rosto e por seu corpo impressionante, mas sim pela aura de poder e comando que emanava. Mas já fora um propósito ou um fato, também servia para diferenciá-lo do resto. Jamie Campbell era um deles, mas à parte. por que deveria lhe incomodar a ela que Jamie estivesse sozinho? Não sabia, mas assim era. Por mais que queria lhe ignorar, por mais que queria lhe odiar, havia algo nele que a atraía. Durante a semana tirava o chapéu lhe observando, a ele e a suas interações com outros. Geralmente se mantinha isolado ou com o punhado de soldados que viajava com ele, embora de vez em quando ficava a falar com algum dos vários chefes. Não era surpreendente: como mão direita de seu primo, teria assuntos que conduzir com a maioria da élite das Highlands. Mas os soldados e os homens de baixa patente do clã tendiam a evitá-lo e o contemplavam com uma mescla de medo e ódio, sobre tudo os Murray e os Lamont, ambos aliados dos proscritos MacGregor. Apesar da advertência de Jamie, Caitrina sabia que não todos os MacGregor eram bandoleiros e ladrões. Muitos, incluído Alasdair MacGregor e seus parentes próximos, tinham jantado naquele mesmo salão antes de que fossem proscritos. 69


Seu pai não aprovava seus selvagens métodos, mas compreendia sua situação. Uma situação da que muitos, obviamente, culpavam Jamie e a seu primo. Viu uma ou outra vez Jamie junto ao Rory e Alex MacLeod. Os três homens apresentavam uma imponente imagem: altos, de ombros largos, musculosos e inusualmente atrativos. Jamie tinha a mesma altura que Rory MacLeod, mas era algo mais esbelto, mais como Alex MacLeod, que era um pouco mais baixo que os outros dois, embora media mais de um metro e oitenta. Caitrina intuía que entre os três havia uma história diferente do resto. Ao longo da semana advertiu que a relação entre eles era cada vez mais cordial, inclusive viu Jamie rir uma ou duas vezes. Talvez era porque estava acostumado a manter-se muito afastado, mas o efeito foi devastador e revelou uma parte dele totalmente distinta, uma parte acessível que despertou sua curiosidade. Jamie a intrigava, maldito fosse. Mas a pessoa com a que Jamie estava mais cômodo era Margaret MacLeod, a mulher de Alex. Ao vê-los juntos, ao observar a agradável conversa entre os dois, Caitrina sentia um forte beliscão no peito. Jamais tinha experimentado uma sensação parecida, quase irracional em sua intensidade, que não se suavizava nem sequer sabendo que Margaret MacLeod estava profundamente apaixonada por seu marido. Não sabia por que aquela cômoda camaradagem entre os dois a feria tanto, mas a feria. Isso era ridículo, posto que ninguém poderia convencê-la para que considerasse sequer Jamie Campbell, apesar do que lhe tinha pedido seu pai. Seu ódio para o clã Campbell tinha sido alimentado desde que nasceu, e não podia ser esquecido facilmente. Formava parte dela mesma: os Lamont odiavam aos Campbell; entre ambos clãs se verteu muita sangue. Mas suas razões eram também pessoais.

70


Tinha visto o que fizeram a sua mãe, quanto dor lhe causou ser deserdada por seu próprio pai e se separada de todos os membros de sua família. Caitrina jamais voltaria a passar por essa dor. Seu pai não podia esperar seriamente que considerasse Jamie Campbell outra coisa que não fosse um inimigo. Se Caitrina se casasse com um Campbell, seria como um desterro, ficaria separada de seu clã por anos de ódio. Mas não era só o sobrenome de Jamie, embora isso já era motivo suficiente, a não ser o que o fazia sentir. Jamie a olhava com aqueles aguçados olhos azuis que pareciam atravessá-la, um olhar de posse e desejo que a ameaçava como não a tinha ameaçado jamais nenhum homem, que dizia que só por havê-la beijado tinha certo direito sobre ela. Caitrina se sentia apanhada por sentimentos que não compreendia e desejos dos que ansiava escapar. Não podia negar a estranha conexão entre eles: uma exacerbada sensibilidade que lhe provocava calores e formigamentos. Durante as comidas, quando ele a roçava acidentalmente com o braço ou a perna, o estômago lhe dava um tombo. Jamie parecia deleitar-se em atormentá-la, como se soubesse o que provocava seu contato e quanto a enervava. Mas nada do que ela fazia ou dizia parecia lhe afetar. Seu intento de lhe tratar com frio desdém foi recebido com sorrisos irônicos. Não haviam tornado a falar do incidente do celeiro, mas pendia entre os dois igual à lembrança do beijo, uma lembrança que Caitrina ansiava esquecer, mas quanto mais se empenhasse nisso, menos podia pensar em outra coisa. Tentava imaginar a outros homens beijando-a, mas o único rosto que visualizava era o de Jamie. Tão somente saber que suas tribulações logo chegariam a seu fim a mantinha tensa. No dia seguinte terminaria a reunião, Jamie Campbell partiria com o resto dos convidados e sua vida recuperaria a normalidade.

71


Mas por quanto tempo? Seu pai tinha deixado claro que tinha que casar-se. Caitrina tentou conter o pânico, negando-se a pensar nisso naquele momento. Quando todos partissem encontraria uma maneira de convencer a seu pai. Sentou-se em uma rocha à sombra de um velho carvalho a borda do bosque. Logo estaria celebrando então a última competição dos jogos: arco e flecha. De repente ficou tensa, pois tinha notado sua presença antes inclusive de que as burlonas palavras saíssem da boca dele. — Sentiu minha falta, princesa? Odiava que a chamasse assim, mas como não era a primeira vez, negou-se a lhe demonstrar até que ponto a incomodava. — Como à peste —respondeu docemente. Ele se pôs-se a rir. — Uma moça teimosa. Mas por muito que eu goste de me sentar aqui a conversar com você, querida, terá que me perdoar. — Olhou-a com uma expressão divertida e assinalou com a cabeça o campo de tiro. —Tenho uma competição que ganhar. Caitrina advertiu o arco que levava a ombro e sentiu uma pontada de inquietação. — Mas não participou de nenhum dos jogos. Com sua incomum afeição pela caça, pensei que teria saído de novo. — Está observando meus movimentos, Caitrina? Adula-me. Mas não podia resistir ao prêmio deste evento. A Caitrina arderam as bochechas. Não conseguia saber nunca se aquele homem falava a sério ou se burlava dela, coisa que odiava. — Sabe muito bem que minhas palavras não foram dirigidas a você, nem minha oferta. Assim embora pudessem vencer Rory MacLeod, e não podem, não importaria. Além disso, já lhe falei que não me interessa. Ele a olhou com uma expressão sinistra, um olhar que lhe provocou um bater de asas de mariposas no ventre. 72


— Já sei o que me falou, mas seus olhos dizem outra coisa. Caitrina, furiosa, deu meia volta. — Pois é um cego e um arrogante. — Cuidado, moça, poderia machucar o pescoço girando assim a cabeça. — Retorceu uma comprida mecha de cabelo em torno de seu dedo e a soltou, — Embora seja precioso. — E rindo-se ante sua expressão indignada, fez uma reverência. — Voltarei logo para recolher meu prêmio. Jamie a punha furiosa, mas o seguiu com o olhar, hipnotizada pela flexão dos músculos em seus passos compridos e fortes. Por fim o tirou da cabeça com um sobressalto. Equivoca-se. Não significa nada para mim, disse-se. Era simplesmente por que se atreveu a fazer o que não se atreveu nenhum outro homem. Caitrina não tinha experiência em relações íntimas com os homens, nisso ele tinha razão. O beijo de Jamie tinha sido seu primeiro beijo. Mas estava decidida que aquilo mudasse, e logo. Talvez tinha se precipitado ao rechaçar Torquil MacNeil. Era jovem e arrogante, mas parecia apropriado, e certamente mais apetecível que alguns dos outros pretendentes que se aproximavam dela. Olhou para a linha de competidores, uns vinte. A cinqüenta passos se dispuseram vários sacos cheios de palha, cada um marcado com um alvo. Depois de cada ronda, os brancos se afastariam três passos mais. Consciente de seus deveres como anfitriã, Caitrina deixou seu solitário posto na rocha e se uniu a um grupo de mulheres que se reuniram para ver a competição. À medida que transcorriam as rondas, aumentava o martelar de seu coração Jamie Campbell mantinha seu posto e, surpreendentemente, também o fazia MacNeil. — É um arqueiro excelente. Hipnotizada pela competição, Caitrina demorou para dar-se conta de que Margaret MacLeod estava falando com ela. R uborizou-se. — Perdoe? 73


Margaret repetiu sorindo seu comentário. —Quem? — perguntou Caitrina fingindo indiferença e com cara de inocente. —Jamie. Vi que estava olhando para ele. Aquele brusco comentário ruborizou suas bochechas ao sentir-se culpada. Margaret a observava com atenção e sem dúvida advertiu sua reação. —Talvez — confessou Caitrina, — mas não é bastante bom para vencer o chefe MacLeod... Meg esboçou um amplo sorriso. — Ah, pois não sei. Jamie venceu meu cunhado em incontáveis ocasiões. A Caitrina lhe acelerou o coração e, embora tentou dominar a voz, saiu-lhe um chiado: — De verdade? Meg assentiu. — Existiu uma feroz rivalidade durante anos. Rory e Alex se criaram com o velho conde, e Jamie passou a maior parte de sua juventude em Inveraray. Caitrina olhou para Jamie, que nesse momento esticava o arco para disparar. A flecha alcançou o centro do alvo. —Não sabia... — E se voltou de novo para Meg, suplicando em silêncio mais informação. — Depois da morte do pai de Jamie, ele e sua irmã Elizabeth foram viver com o conde. Caitrina já não podia conter a curiosidade. — Não tinha mais família? — Dois irmãos maiores. O maior de ambos, Colin, que não era mais que um menino quando morreu seu pai, converteu-se no Campbell de Auchinbreck. Sua mãe tinha morrido no ano anterior, e Argyll tinha em alta estima a seu pai. Igual a Jamie, seu pai era um capitão de confiança. Caiu na batalha de Glenlivet, depois de receber um disparo que era dirigido ao Argyll, e o conde

74


nunca o esquecerá. Jamie é como um irmão para ele e valoriza sua opinião por cima de qualquer outra. O laço entre o Jamie e seu primo era mais profundo do que ela pensava. — Pelo o que ouvi, surpreende-me que o conde aceite conselhos de alguem. Meg sorriu de novo. — Bom, não é tão mau. — Caitrina arqueou uma sobrancelha com expressão cética e Meg pôs-se a rir. — É melhor que a alternativa de Mackenzie ou Hundy. Jamie havia dito mais ou menos o mesmo. Agora, ouvindo Meg, Caitrina se dava conta de que sabia muito pouco dos assuntos que assolavam as Highlands. Envergonhada de sua ignorância, trocou de assunto. — Você falou que havia dois irmãos. O que foi do outro? A expressão de Meg se nublou. — Jamie não fala muito dele, embora talvez tenham ouvido algo. — Observou fixamente a Caitrina, como debatendo-se entre dizer algo mais ou não. Olhou ao redor para assegurar-se de que ninguém as ouvia, mas todo mundo estava concentrado na competição. Somente permaneciam quatro homens: Rory MacLeod, Jamie Campbell, Torquil MacNeil e Robbie Graham. Caitrina, que tinha os nervos tão a flor da pele que era incapaz de olhar, alegrou-se daquela distração. Meg prosseguiu em voz baixa: — Seu irmão maior, Duncan, é um bastardo. Era o favorito de seu pai, e apesar de ter nascido fora do casamento foi renomado capitão, mas caiu em desgraça depois da batalha de Glenlivet, faz anos. Atribuiu-se a sua traição a derrota de Argyll, e teve que fugir de Escócia. Chama-se Duncan Dubh. Duncan o Negro! Caitrina abriu uns olhos como pratos. — O highlander negro? Meg esboçou um irônico sorriso. — Sim, fez todo um nome no continente. Mas o escândalo golpeou Jamie com especial dureza. Por isso ouvi, eram muito unidos. — Meg suavizou sua 75


expressão com um sorriso. — Mas ninguém jamais confundirá Jamie com seu irmão. — O que querem dizer? — Tanto se está de acordo com ele como se não, ninguém pode dizer que não cumpre a lei. Embora o disse brincando, Caitrina se perguntou se as palavras de Meg conteriam mais verdade da que imaginava. Quais eram os motivos de Jamie? — E sua irmã? Está casada? Meg negou com a cabeça sorrindo. — Ainda não. Fará falta um homem impressionante que possa agradar a seus dois irmãos e a seu primo. Jamie mencionou que Elizabeth se reunirá logo com ele em Dunoon, e com o conde. Argyll era o senhor do castelo real de Dunoon. O conde possuía numerosos castelos, incluída sua fortaleza Lowland, o castelo Campbell e sua fortaleza nas Highlands, o castelo de Inveraray. Envergonhada do muito que tinha revelado com suas perguntas, Caitrina guardou silêncio e dedicou sua atenção ao campo de tiro, bem a tempo de ver a flecha de MacNeil aterrissar longe do alvo. Era o competidor menos avantajado, mas Caitrina viu em seu rosto a raiva e a amarga decepção. Tinha obtido um bom posto, perigosamente bom para a comodidade de Caitrina, mas era evidente que pretendia ganhar. Ela sentiu uma pontada de culpa, dando-se conta de que talvez tinha sido injusta: tinha desdenhado à ligeira a oferta de MacNeil, mas estava claro que para ele tinha significado muito. Mais tarde iria lhe buscar para pedir desculpas à ele. Robbie Graham atirou a seguir, e a flecha deu na borda direita do alvo, um tiro soberbo desde aquela distância, que devia ser já ao menos de cem passos.Rory MacLeod avançou. Era evidente que a multidão estava ao seu lado. Todos contiveram o fôlego quando esticou o arco e... 76


Zas. Estalou um forte clamor. A flecha tinha alcançado o círculo interior perto do centro do alvo. Faria falta um tiro perfeito para lhe vencer. Caitrina notou como crescia a tensão a seu redor enquanto Jamie elevava o arco para apontar. Não podia respirar. Era quase como se soubesse o que ia acontecer. A confiança de Jamie não deixava lugar ao fracasso. A flecha saiu disparada e Caitrina nem sequer a olhou. Tinha a vista cravada em Jamie. A exclamação do público teria que ter bastado, mas no momento de sua vitória ele se voltou para olhá-la diretamente, cravando-a no chão com seus olhos. Caitrina notou o coração na garganta. Aquele olhar profundo e penetrante parecia enxergar tudo nela, ver sua agitação, ver coisas que ela não queria que visse. Somente depois de que seus homens e os de MacLeod se aproximaram para lhe felicitar, Caitrina olhou o alvo. A flecha tinha cravado justamente no centro.

Enquanto ele estava ocupado com os homens, ela aproveitou para escapar. Sabia que iria procura-la, e talvez fosse uma covardia, mas tinha os nervos tão destroçados que não se via capaz de voltar a ter uma confrontação com Jamie Campbell. Por que não a deixava em paz? Estava desejando que terminasse o dia. Para evitar à multidão, Caitrina saiu do caminho para passear entre as árvores para o lago. Havia uma pequena enseada que era o lugar de pesca favorito de seu irmão, onde poderia relaxar um momento até assimilar o torvelinho de emoções que lhe retorciam o estômago. Estava tão agitada pelo que acabava de ocorrer que demorou um momento em dar-se conta de que alguém a seguia. Ouviu um ruído, o rangido de um ramo, e se deu a volta para olhar a suas costas, mas não viu ninguém. Lhe acelerou o pulso e o pêlo da nuca lhe arrepiou. — Quem está aí? — perguntou com voz trêmula, esquadrinhando as árvores. 77


Silêncio. Geladas gotas de medo lhe percorriam as costas. Algo passava. Não tinha se afastado muito, mas com todo o estrépito, ouviria alguém seus gritos? Recordou a advertência de Jamie sobre os foragidos. E já tinha aberto a boca disposta a lançar um grito quando um homem saiu de detrás de uma árvore sob um raio de sol, a menos de um metro e meio de distância. Caitrina exalou aliviada ao reconhecer Torquil MacNeil. — Milord, assustaste-me. O sol estava a suas costas e não lhe via bem o rosto, mas parecia irradiar raiva... — Espero que tenha encontrado o torneio entretido —disse ele, com um toque de desdém na voz. —Não, eu... —Caitrina se retorceu as mãos sem saber o que dizer. MacNeil se aproximou o suficiente para que se visse a fúria que contraía seus formosos rasgos. Tinha o ferido em seu orgulho e devia tentar reparar a falta. — Queria te pedir desculpas... — Enganou-me. Embora soasse como um menino arrogante, Caitrina lhe apoiou uma mão no braço. — Está mal por minha culpa, e me arrependo profundamente. Ele a olhou inseguro. — Sim? Caitrina assentiu e sorriu para lhe dar ânimos. — Hoje esteve fantástico. Ele se inchou um momento sob sua óbvia admiração, mas logo franziu o cenho. — Mas não ganhei —replicou com expressão sombria. — Ganhou o bastardo do Campbell. Jamie Campbell, Jamie Campbell... Oxalá não voltasse a ouvir seu nome jamais. Caitrina olhou o rosto de MacNeil. Era muito bonito, embora por 78


alguma razão não lhe provocava o mesmo bater de asas no estômago nem lhe punha de pé todas as terminações nervosas. Aquilo não fez mais que enfurecê-la ainda mais. E de repente se apoderou dela uma temeridade que não conhecia. Jamie Campbell não tinha nada de especial e estava disposta a demonstrá-lo. Pôs as mãos nos ombros de MacNeil, elevou-se nas pontas dos pés e, pegando os lábios aos seus, deu-lhe um beijo fugaz. E sentiu... nada. Nem o mais leve tênue desejo, nada. Seus lábios eram suaves e seu sabor agradável, mas não incendiavam seus sentidos nem lhe faziam sentir o corpo pesado e sensível. Furiosa, apertou-se um pouco mais contra ele, tentando encontrar a faísca. Ele lançou um grunhido e lhe rodeou a cintura para estreitá-la. Caitrina sentiu a força de seu corpo, mas nada mais. O abraço não lhe provocou mais que inquietação. Não se parecia em nada ao que tinha sentido em braços de Jamie. Maldito Jamie. Aquele experimento tinha fracassado estrepitosamente. MacNeil a estreitou com mais força e tentou lhe abrir os lábios com sua boca. Caitrina se alarmou. De algum jeito tinha perdido o controle do beijo. Apartouse resfolegando. — Por favor, me solte. Ele a olhou com os olhos carregados de luxúria. — Parece-me que não, pequena. Não sou um homem disposto a ser o alvo das brincadeiras de uma pirralha estúpida. Caitrina se deu conta, muito tarde, de que tinha calculado mau. Voltou a recordar a advertência de Jamie. Talvez aquela tinha sido sempre a intenção de MacNeil e ela tinha sido uma insensata ao lhe ajudar. Tentou escapar, mas ele era muito forte. Embora fosse muito jovem, tinha a força física de um guerreiro veterano, algo de que Caitrina acabava de dar-se conta. Ele voltou a colar a boca na sua, e o beijo se tornou brutal. Caitrina sentiu asco, e de repente a assaltou um medo que não havia sentido jamais. 79


meu Deus! O que tenho feito? Debateu-se contra ele utilizando até o último reduto de suas forças, mas tudo era em vão. O pânico começava a dominá-la quando de repente se viu livre, frente aos aguçados olhos azuis de Jamie Campbell, só que seus olhos não eram aguçados absolutamente, a não ser gélidos de ira. A Caitrina deu um salto o coração ao ser consciente do que via: perigo, raiva, uma ferocidade que lhe gelava o sangue nas veias. Aquele era o homem temido em todas as Highlands.

Jamie estava fora de controle, possuido por uma ira cega que jamais tinha experiente. Ver a Caitrina em braços de outro homem tinha desatado nele algo primitivo; vê-la debater-se tinha despertado nele um instinto assassino. Tinha visto MacNeil por acaso quando este se afastava do campo de tiro. Tinha um olhar faminto e depredador que tinha alarmado seus instintos. Seguiu de longe o jovem guerreiro e não se surpreendeu ao ver enfrentar-se a Caitrina. Jamie tinha estado a ponto de intervir quando jogou os braços ao pescoço para lhe beijar, e isso o freou em seco. Foi um golpe demolidor que lhe fez ver tudo negro. Era como se lhe tivessem atravessado no peito com uma lança. «É minha!» Aquele grito visceral ressonava nele, penetrando até a última fibra de seu ser. Que demônios pensava Caitrina que estava fazendo? Era dele, mas estava beijando a outro homem. Então tudo trocou. Advertiu que ela tentava lhe apartar, captou a expressão decidida do outro, e Jamie viu tudo vermelho. O rugido em seus ouvidos era ensurdecedor. Cobriu a distância entre eles em questão de segundos, arrancou MacNeil de Caitrina e lhe lançou um murro ao queixo com a força de um martelo reservatório de água, ouvindo um

80


satisfatório rangido. O seguinte golpe aterrissou no estômago de MacNeil, e lhe obrigou a dobrar-se. — O que está fazendo? — resfolegou o jovem, sem fôlego. — Maldito bastardo! A garota não queria. MacNeil se limpou a boca com o dorso da mão e tentou conter o sangue. — Certamente que queria. Beijou-me, ou você não o viu? — Então olhou a Caitrina com lascívia. —Eu sei que ela estava suplicando... O punho de Jamie interrompeu suas palavras, mas o jovem estava preparado desta vez. Ao dobrar-se tinha conseguido tirar uma adaga de seu flanco, e a lançou contra o ventre de Jamie. Este se fez a um lado bruscamente, evitando a lâmina, apanhou-lhe o pulso e a retorceu até que se ouviu ranger o osso e a adaga caiu ao chão. Separou-a com um chute e voltou a golpear a seu adversário, e esta vez MacNeil se desabou. Ao ver que tentava levantar-se de novo, Jamie se aproximou com a intenção de acabar com ele, mas Caitrina se interpôs em seu caminho. — Não. — Pô-lhe uma mão no braço, lhe obrigando a olhá-la. Ele seguia sedento de sangue, e demorou um momento em esclarecer seu olhar. —Vai mata-lo. — Não merece outra coisa —replicou ele entre dentes. — Por favor. — Caitrina se aproximou um passo mais, afogando com seu doce perfume floral o fedor primitivo da luta. Parecia a ponto de tornar-se a chorar; umas lágrimas contidas brilhavam em seus olhos e sua boca tremia. — Não o faça por mim. Jamie ficou petrificado, com os músculos tensos, todos seus instintos clamavam por terminar o que tinha começado. Olhou o rosto de Caitrina e sua expressão de doce súplica fez sua magia. Se afastou e passou a mão pelo cabelo. Que demônios lhe tinha passado? Jamais havia sentido algo igual. Sempre estava sob controle. Sempre. 81


Voltou-se para MacNeil, que tinha conseguido incorporar-se. — Corra daqui. E se voltar a te ver perto dela, mato você. Ao dar-se conta do perto que tinha estado de sofrer tal sorte, o jovem fez provisão de quanta dignidade pôde obter e pôs-se a correr até desaparecer entre as árvores. Caitrina se desabou sobre Jamie, e este sentiu o peito tão tenso que parecia em chamas. Permitiu-se por um instante saborear a sensação de sua gratidão, de sua necessidade dele. — Obrigado. — Ela elevou seus olhos chorosos para ele. —Tinha muito medo... Jamie se tinha acalmado um pouco, mas não de tudo. Desejava beija-la grosseiramente e castiga-la por lhe atormentar assim. Quando pensava no que podia ter passado... ficava doente. — Merecia algo pior pelo que tem feito. E se eu não tivesse chegado a tempo? Caitrina ficou branca como o papel. Pelo menos se dava conta do perto que tinha estado de ser violada. Jamie a agarrou per os ombros. — O que acreditava que estavam fazendo, jogando assim com ele? — Eu não queria... — Então o que queria? — insistiu Jamie, notando que o peito lhe voltava a esticar. — Por Deus, Caitrina, te vi o beijar. Seus olhos jogaram faíscas e ela elevou o rosto para lhe olhar. Depois do que tinha passade Jamie não pôde evitar de admirar sua coragem. — É tudo por sua culpa. Jamie a olhou boquiaberto. — Minha culpa? — Não deveria ter me beijado. E de repente Jamie compreendeu. Não podia acreditar que chegasse a ser tão ingênua. 82


— Assim que este era um maldito experimento? — Quando pensava no que podia ter passado... — Acaso não sabe o que poderia ter acontecido? A Caitrina ardia a cara de vergonha. — Eu queria deixar de ver seu rosto. A raiva se quebrou, e algo impactou Jamie. Sua ira desapareceu. Entendia sua confusão; que demônios, ele também a sentia. Caitrina era inocente, muito jovem, ignorava o que acontecia entre um homem e uma mulher. Não se dava conta de que aquela paixão, essa feroz atração entre ambos era outra coisa. Mas ele o demonstraria. Agachou a cabeça; seus lábios estavam a milímetros dos dela. Notou a aceleração do coração da jovem e o tremor que a sacudia. Lhe desejava com a mesma paixão que ele. Entreabriu seus lábios... Mas. Jamie não a beijou na boca. Baixou o rosto até seu queixo e seu pescoço para saborear sua doçura. Enterrou-se na cálida pele de seu pescoço, inalando o perfume floral de seu sedoso cabelo e a devorou beijando-a, chupando-a, lambendo-a, até que ela se estremeceu. Jamie estava duro e quente, o desejo esticava sua entreperna. Mas não se apressaria. Necessitava que ela também reconhecesse seu desejo. Elevou a cabeça e lhe levantou o queixo com os dedos, obrigando-a a abrir suas pálpebras cansadas para fixar seus olhos nele... — É isto o que quer, Caitrina? — perguntou com voz rouca de paixão. Deslizou o polegar pelo suave e turgente lábio inferior dela. Estava desejando saboreá-la de novo, mas queria o ouvir de sua boca. Ela resfolegou e assentiu com a cabeça. Não era suficiente. — Diga-me isso — Sim —sussurrou ela por fim. — É o que quero.

83


Jamie sentiu uma quebra de onda de calor primitivo, uma corrente de pura satisfação masculina. E com um gemido lhe deu o que desejava, o que ambos desejavam, e cobriu sua boca com seus lábios. Assim que esse era o desejo, aquela devoradora necessidade. O calor. A sensação de que se não a beijasse nesse instante, morreria. Nada podia havê-la preparado para a batalha de emoções que sacudia seu corpo... Tinha estalado em chamas; tinha a pele quente e sensível ao tato... Quando por fim ele tocou seus lábios, Caitrina suspirou contra sua boca. Era igual a antes, só que mais forte, mais intenso. Como podia algo tão novo, tão desconhecido ser tão perfeito? Era como se lhe tivesse estado esperando toda sua vida. Os lábios dele eram firmes e suaves, suplicantes mas não exigentes. Envolvia seu queixo com a mão, acariciando-a com tal ternura que o desejo lhe espremia o coração. Não parecia possível que um homem com fama de desumano pudesse ser tão doce. Mas a ternura e a doçura não eram suficientes, não para aquelas ânsias estranhas que cresciam nela. Jamie, como sentindo sua necessidade, voltou a beijá-la, esta vez ajudandose da boca e dos dedos para lhe separar os lábios. Ao primeiro contato com sua língua, Caitrina conteve o fôlego. Mas a surpresa foi logo esquecida no torvelinho de novas sensações. Jamie explorava com a língua cada vez mais fundo com compridos e lentos movimentos, provocando nela um furioso bater de asas no ventre e voltando-a louca de desejo. Era uma sensação deliciosa aquele contato escuro e carnal, a fusão de suas bocas e suas línguas. Caitrina precisava fundir-se nele. Jogou os braços ao pescoço e estirou o corpo para pegar-se mais. O corpo de Jamie era incrível, quente, duro, e só queria dissolver-se contra ele. Havia algo inegavelmente excitante na força daquele rude soldado. Passoulhe as mãos pelos avultados músculos dos ombros, saboreando a força que corria sob seus dedos. Lhe endureceram os mamilos, cravados no duro torso 84


do guerreiro. Era magnífico. E a desejava, ela notava o pulsar em seu interior. Mas mantinha férreas rédeas sobre sua paixão. Não queria assustá-la, e menos depois do que acabava de acontecer. Mas Jamie não se parecia em nada comTorquil MacNeil. Caitrina soube que jamais lhe faria mal. Seu controle era admirável, mas não fazia mais que incitá-la ainda mais: desejava que se enfraquecesse, igual a ela. Provou a mover a língua para encontrar a sua e Jamie lançou um gemido e esticou os braços em torno de sua cintura para pegá-la mais contra ele, procurando um contato mais íntimo. Caitrina notou contra seu ventre, dura e forte, a evidência de seu desejo e lhe pareceu estalar em chamas. Entregouse ao beijo, devolvendo cada carícia com outra própria. O calor entre eles ameaçava explorando. Notava a pele tensa e sensível, ansiando seu contato. esfregou-se inconscientemente contra ele, procurando o alívio que somente a fricção podia oferecer. Aquilo era uma loucura, mas não podia parar. O beijo se tornou mais frenético, mais fundo, mais voraz. Caitrina notava sua mão na cintura, nos quadris, deslizando-se para seu seio. Estava tremendo. Jamais tinha imaginado que poderia desejar com tal intensidade a carícia de um homem. O roce de seu queixo acendeu um caminho de fogo em sua pele. O calor de seu fôlego e a umidade de sua língua provocavam um formigamento e calafrios, mas nada a tinha preparado para a sensação que a assaltou quando a língua se deslizou sob o sutiã. Exclamou de surpresa e logo depois de agradar ao notar a cálida umidade deslizando-se por seu mamilo. Jamie lhe tinha afrouxado o sutiã e brandamente lhe elevou os seios sobre o decote. — Deus, é preciosa — exclamou com voz rouca, passando o polegar pelo mamilo endurecido. Por um instante voltou a realidade. Caitrina, envergonhada, notou o calor do rubor estendendo-se por sua pele. Mas um instante depois o tinha esquecido, 85


quando ele abrangeu com a boca o botão rosado para roçá-lo com os dentes. Caitrina se, afundou nele, fendida por raios de prazer que lhe chegavam até o coração. Jamie sabia que estava jogando com fogo. A entusiasta resposta de Caitrina tinha posto a prova sua resistência até o limite. Jamais havia sentido tal luxúria, e apesar de tudo jamais tinha estado tão pouco centrado em seu próprio alívio. Só queria que fosse perfeito para ela. Tomou seus turgentes seios com as mãos e os levou a boca, mas não sem antes admirar a suave pele de marfim e os delicados mamilos rosados. Ansiava enterrar o rosto no fundo colo para inalar o suave perfume floral. Mas primeiro tinha que saboreá-la. Fechou a boca sobre um delicado mamilo e sugou larga e deliciosamente, e seu pênis saltou erguido para ouvir o gemido dela. Caitrina respondia de tal maneira a suas carícias que Jamie não podia conterse. Sugou com mais força, rodeando o mamilo com a língua e atirando brandamente dele entre os dentes. O doce sabor a mel era mais poderoso que a ambrósia. Jamie a notava tremer, notava seu pulso acelerado e sua respiração agitada. Sentia sua agitação e sabia que necessitava urgentemente de alívio. Sabia que se a tocasse a encontraria quente e deliciosamente úmida. Deus, a levaria ao orgasmo. Assim que aquela idéia passou por sua cabeça, já não pôde apartá-la. Não podia pensar em outra coisa: ser o primeiro em lhe dar prazer, atá-la a ele, fazê-la sua. Seguiu excitando seus seios com a boca enquanto deslizava a mão pelo quadril e as nádegas, resistindo à urgência de estreita-la com mais firmeza contra ele. Desceu a mão por sua coxa até meter-se sob a saia. Ao primeiro contato com sua pele, notou que ela se esticava assustada, mas sufocou seu

86


medo com suaves murmúrios contra sua pele, sem deixar de chupar e sugar seus seios. — Não te assuste, céu. Só desejo te agradar. Pararei quando você desejar. Voltou a beijá-la na boca, acariciando-a com a língua, imitando os movimentos que faria com o dedo, e notou que seu corpo se relaxava. Então deslizou a mão pela delicada curva da coxa, de pele tão suave como o veludo. Sua ereção se esticava contra o couro das calças e a luxúria palpitava em seus ouvidos. Mas ele a aquietou, centrando-se unicamente na formosa mulher que estava a ponto de desfazer-se em suas mãos. Acariciou com os dedos a fina pele da parte interior da coxa. Ela conteve o fôlego e ele interrompeu o beijo e elevou a cabeça para poder vê-la quando a tocasse. Ela tinha os olhos nublados de paixão, mas também vacilantes. Jamie passou o dedo sobre ela, e Caitrina abriu muito os olhos com expressão de espanto. Mas ele a tocou outra vez, brandamente, aproximando-se sem chegar a roçar seu centro, o lugar que ela tão desesperadamente queria que tocasse. Caitrina se estremeceu de novo, cada vez mais pesada entre seus braços; as pernas não a sustentavam. Jamie a acariciou uma e outra vez, até que ela arqueou as costas e começou a mover os quadris contra sua mão em inocente frustração. Quando já não pôde suportá-lo mais, voltou a tomar seu seio na boca e sugou, ao tempo que a penetrava com o dedo. O gemido de prazer que ouviu esteve a ponto de lhe voltar louco. Estava tão úmida que Jamie teve que reprimir as palpitações de seu próprio desejo. Estava a ponto de explorar e só desejava penetrá-la, afundar-se em suas tensas umidades e perder-se. Mas primeiro se encarregaria dela. Seguiu sugando e acariciando-a, mão e boca movendo-se em um ritmo perfeito, implacável em sua necessidade de lhe dar mais prazer do que ela teria podido sonhar. 87


A força que a possuía não se parecia com nada que Caitrina tivesse podido imaginar. Notou que as sensações dela cresciam e cresciam até quase fazêla estalar. O tremor entre suas pernas se intensificou até converter-se em um frenético palpitar. Não sabia o que fazer. Movia os quadris contra sua mão, procurando mais pressão. Era como tentar tocar algo que escapava justo quando estava ao alcance, e, frustrada, agitava-se entre seus braços. — Por favor... OH, Deus... — Deixe ir, meu céu. Não lute contra isso. Não poderia ter feito de outra maneira, não com aquelas mágicas carícias. E então a possuiu uma sensação jamais experimentada: sentia-se tão perto do céu como jamais o tinha imaginado estando na terra. Lançou um grito e todo seu corpo se esticou. Por um momento pensou que lhe tinha parado o coração, e então tudo estalou e se viu sacudida pelos espasmos do clímax. Quando tudo acabou se deixou cair contra ele, esgotada pela força e o prazer de suas sensações... E de repente o coração lhe deu um salto. Acabava de fazer-se consciente do que tinha passado. Abriu os olhos e viu Jamie Campbell sustentando-a em seus braços. A contenção esticava seus formosos traços, visível no rictus do queixo e na feroz intensidade de seus olhos. Caitrina notou seu corpo junto a ela, a dura longitude de seu membro palpitando contra seu quadril, o furioso martelar de seu coração e a realidade do que fazia só uns instantes estava envolto na bruma da paixão caiu sobre ela com a força de um raio. Meu Deus, o que tenho feito? disse-se. Invadiu-a a vergonha ao reconhecer a intimidade que acabavam de compartilhar. Tinha permitido que Jamie Campbell a tocasse em lugares que pertenciam só para um marido. Separoulhe de um empurrão e retrocedeu cambaleando-se, com os olhos ardendo de humilhação. Ele tentou sustentá-la, mas ela deu um empurrão. — Não tem que se envergonhar pelo que te passou, Caitrina. —Sua voz era suave, tranqüilizadora, pormenorizada. 88


Mas ela não queria ouvi-la. — Como pode dizer isso? — gritou, com um nó de emoção na garganta. Olhou seus seios, nus sobre o decote e o vestido afrouxado, os mamilos tenros e rosados depois de seus beijos, e um rubor ardente subiu às bochechas. Deu-se a volta e se cobriu rapidamente, tentando recuperar alguma aparência de decência. Mas o desespero se apoderou dela ao reconhecer a verdade: algumas coisas jamais poderiam recuperar-se, como sua inocência ou sua ilusão de indiferença. Quando se voltou de novo evitou lhe olhar nos olhos, mas advertiu que todos os vestígios de paixão tinham desaparecido de seu rosto e sua expressão era outra vez implacável. Odiava seu autocontrol. Odiava que pudesse mostrar-se tão inteiro quando seu próprio mundo acabava de estalar em pedaços. O que seria necessario para que aquele homem sentisse algo? —Tudo irá bem, Caitrina. —Jamie tentou lhe agarrar uma mão, mas ela o afastou bruscamente. Não havia nada que pudesse lhe dizer para acalmá-la. — Falarei com seu pai... — Não! — exclamou ela, presa ao pânico. —Não fará nada parecido. Lhe cravou seu olhar de aço e se ergueu em toda sua imponente altura. — Certamente; pedirei sua mão. Ela negou com a cabeça. — Não faz falta... —Sim. —Esta vez tomou entre seus braços sem deixá-la escapar. — Quero me casar contigo. — Caitrina sentiu um nó no peito: posse. — Não quer se casar comigo. Eu não sou a não ser outra batalha que ganhar, algo que viu e que decidiu que quer obter. Um adorno bonito. Nem sequer me conhece. Ele esticou a mandíbula — Sei tudo que devo saber. É preparada, formosa sem artifícios, forte. E se preocupa pela gente a que quer. Vi como cuida de seu pai e a seus irmãos. 89


— Porque os quero. Não imagina que poderia sentir o mesmo... — Não — a interrompeu ele com aspereza. —Não espero isso de você, mas depois do que acaba de acontecer, não pode dizer que te sou indiferente. — Meu Deus, é verdade. Como pude sucumbir tão facilmente? Ardiam-lhe os olhos e a garganta. Jamie já tinha lhe advertido que era muito ingênua... Caitrina ficou tensa e examinou o rosto dele em busca de algum sinal de duplicidade Teria utilizado sua inocência contra ela? Sentia-se como uma idiota. — E tudo o que o carrasco das Highlands quer toma não é assim? Sabia que não te queria, assim que me enganou. É tão cruel como dizem, e não te detém ante nada para obter o que quer. Umas diminutas linhas brancas apareceram em torno da boca dele, o único sinal de que tinha transpassado sua armadura de aço. —Tome cuidado, princesa — disse com rudeza. — Já te disse que não sou um desses pretendentes com tantos olhares aos que dirige a seu desejo. Equivoca-te a respeito de meus motivos, e não tomei nada que não me tenha sido voluntariamente devotado. Nega-o se quiser, mas ao menos seja honesta contigo mesma. Caitrina sabia que tinha razão, mas não desejava ter ouvido. — Eu não quero me casar com ninguém — afirmou com voz tremente, quase a borda da histeria. — E muito menos com você. Te odeio pelo o que tem feito. — Pelo o que me tem feito sentir, quis dizer. O olhar dele era tão intenso que Caitrina teve que voltar-se. — Me odeie se assim se sentir melhor, mas isso não troca o fato de que me deseja. O que há entre nos dois... — interrompeu-se um momento— não é comum. Eram somente palavras. Caitrina apertou os punhos, tentando recuperar o controle.

90


—Talvez tenha demonstrado que te desejo, mas isso não troca nada. Segue sendo um Campbell e segue sendo o carrasco de Argyll, o braço armado de um déspota. — Sou meu próprio dono —declarou ele. — Tomo minhas próprias decisões. Se te incomodasse em olhar além das portas douradas de seu castelo, veria a verdade claramente. Minha luta é contra os foragidos e contra os homens que se separam do caminho da lei e a ordem. — É um valentão e um bruto — lhe espetou ela com desdém. — E um idiota se pensar que me casaria voluntariamente com um homem mais temido e desprezado que o demônio, e que em cima não é mais que um capanga. O silêncio se fez ensurdecedor. O rosto de Jamie parecia de pedra, mas por um momento a fúria se refletiu em seus olhos. Caitrina se deu conta de que tinha ido muito longe, mas já era tarde para retratar-se embora quisesse... Jamie deu um passo com ar ameaçador, mas ela não retrocedeu. — Diz que compreende perfeitamente minha natureza, e mesmo assim não parece assustada. Tinha razão. Deveria estar aterrada ante ele, ante seu formoso rosto duro e severo, sua imponente estatura de tensos músculos, suas mãos que poderiam esmaga-la em um instante. Tinha visto sua cólera fria e inclemente contra MacNeil... E entretanto a havia tratado com infinita ternura. Caitrina elevou o queixo. — Deveria está-lo? Seu olhar a penetrava, vendo coisas que ela não queria que visse... —Talvez. E sim, estava assustada, mas não dele mas sim de si mesma. Tinha um nó no peito e as lágrimas que tentava controlar se derramaram por suas bochechas. — Vai embora e me deixe em paz — balbuciou. Ele deu um pulo. Ou talvez só eram imaginações delas, porque quando Caitrina olhou aos olhos, somente viu gelo neles. 91


— Como queira. Mas se equivoca ao me desdenhar e se arrependerá de ter rechaçado minha oferta. Um dia, Caitrina, cairá sobre você a brutal realidade de seu mundo, e te garanto que não serão vestidos bonitos e sapatos finos.

92


Capítulo 07 Aquilo não tinha terminado absolutamente. Jamie a deixou nos bosques sem olhar para trás; em suas veias palpitava o calor ardente da fúria. Caitrina Lamont era dele. Talvez ainda não se desse conta, mas já se daria. Embora de momento estava tão furioso que não queria ficar ali um minuto mais do necessário... Assim que chegou ao castelo reuniu a seus homens e depois de uma rápida despedida do chefe, Jamie deixou para trás Ascog e aquela exasperante menina. Depois do acontecido, seu desdenhoso rechaço lhe doía. Tinha acreditado que começava a abrandar-se ante ele, supunha que ela também sentia a apaixonada conexão entre eles. Talvez se tinha equivocado ao obrigá-la a enfrentar-se a seu próprio desejo, mas então lhe tinha parecido o mais apropriado. Não esqueceria nunca a imagem dela desfazendo-se em seus braços. Jamais havia se sentido igual com uma mulher. Jamais. A força de suas próprias emoções e a força da resposta dela o haviam comocionado. Nunca tinha estado tão perto de perder o controle. A necessidade de tomá-la, de deslizar-se naquele calor delicioso tinha sido insuportável. E quando alcançou o clímax, o calor de seu entreperna chegou a ser uma agonia, uma pressão tão intensa que necessitou de todas suas forças para não deixar-se ir. Jamie moveu a cabeça, recordando as acusações dela. Pensava que a tinha enganado, mas em realidade tinha sido ao contrário. Jamie a queria por esposa, mas não a obrigaria. O certo era que tinha esperado que fosse a ele por vontade própria, mas era evidente que seus pré-juízos contra ele tinham impregnado fundo nela. Nem sequer tentava lhe ver como outra coisa que não fosse um monstro, um produto de lendas e exageros. E ele estava farto de tratar de explicar-se.

93


Nunca tinha se sentido miserável ante nenhuma mulher, e muito menos ante uma menina mimada que não tinha idéia do perigo que a rodeava. Seus pensamentos voltaram para sua missão. Apesar de ter acontecido quase toda uma semana procurando pelas zonas circundantes e atento a qualquer rumor, não tinha encontrado a prova que procurava para apoiar suas suspeitas. Mas isso não o fazia duvidar de que os MacGregor tivessem recorrido ao profundo laço de hospitalidade forjado com os Lamont. Entendia a posição de Lamont, e até simpatizava com ele. O laço de hospitalidade era uma obrigação sagrada nas Highlands, e se os MacGregor tinham invocado tal obrigação, o pai de Caitrina se veria forçado a lhes dar cobertura; era uma questão de honra. Mas a honra não mudava o fato de que estava albergando a uns proscritos, e portanto violando a lei e convertendo-se em objeto das iras do rei. O rei Jacobo queria erradicar aos MacGregor e não daria quartel a ninguém que lhes ajudasse. Lamont teria que pagar um preço, embora Jamie pensava fazer todo o possível para lhe ajudar. Quando saíram de Ascog, Jamie e seus homens se dirigiram ao norte, ao porto do Rothesay. Se Lamont ocultava algo, quereria estar seguro de que se afastaram o suficiente antes de pô-lo ao descoberto. De maneira que Jamie tinha tomado a precaução de tirar seus homens da zona, embora voltariam mais tarde. Não pensava que lhes estivessem seguindo, mas não correria nenhum risco. Atravessaram Kyle of Bute e chegaram ao Cowal, justo ao oeste de Toward. De fato, o castelo de Toward se via ao longe: a fortaleza da família da Caitrina, o Lamont de Toward. Dali Jamie se dirigiria ao norte pela península de Cowal até o Dunoon, dando instruções a seus homens para que esperassem ao anoitecer antes de voltar para o Bute e ao castelo de Rothesay. Rothesay tinha sido tomado pelo conde do Lennox fazia mais de cinqüenta anos, mas atrás de sua morte tinha voltado para mãos da coroa. Desde o Rothesay, que estava a pouco mais de dois quilômetros de Ascog,

94


observariam o terreno. Jamie se reuniria com seus homens assim que tivesse informado a seu primo. A noite começava a cair e a bruma do fiorde do Clyde se espessava enquanto subiam a colina para a porta do castelo. Dizia-se que durante mais de mil anos tinha havido uma torre nesse ponto. Dunoon, ou Dunnain, que significava «colina verde», estava situado estrategicamente na borda oeste do Clyde, em uma pequena península que proporcionava um vantajoso ponto de onde rechaçar aos atacantes, exceto em noites escuras como essa, quando era difícil ver a própria mão diante do rosto. A chegada de Jamie, entretanto, tinha sido advertida. Esperava que Argyll, ansioso por ouvir as notícias de sua busca, não demoraria para falarcom ele. Mas não foi seu primo quem saiu a lhe saudar, a não ser seu irmão. Argyll estava a cargo do castelo real do Dunoon, mas Colin, o irmão de Jamie, como chefe dos Campbell do Auchinbreck, era seu capitão. Jamie logo que tinha terminado de atender a seu cavalo quando apareceu seu irmão no pátio de armas. Sua súbita aparição lhe surpreendeu. Nunca tinham tido uma relação muito estreita. Quande Jamie era menino, antes da morte de seu pai, sempre tinha admirado Duncan. Duncan. Jamie ficou tenso. Apesar de todos os anos que tinham passado, a amargura da traição de Duncan não se mitigava. Quando Duncan fugiu da Escócia, foi Argyll — ou Archie, como Jamie lhe chamava então — quem ocupou seu lugar. Jamie mantinha com ele uma relação tão estreita como a que pode manter-se com alguém de sua linha. Mas o poder e a autoridade eram uma companhia solitária, algo que Jamie tinha aprendido muito bem. À medida que se foi consolidando a posição de Jamie como segundo de Argyll, foi elevando uma barreira entre ele e seus companheiros de infância. Teria estado muito bem ter um irmão no que apoiar-se, em quem confiar, mas Colin e ele sempre pareciam estar se enfrentando. Em parte por 95


ressentimento, conforme suspeitava Jamie, em parte pelo caráter de seu irmão. Colin não se sentia apegado a ninguém. — Inteirei-me de sua chegada — disse Colin. — Parece que desta vez se equivocou com suas intuições, irmãozinho. Embora se pareciam um pouco nos traços, Jamie se absteve de assinalar que, sendo quase dez centímetros mais alto e com ao menos doze quilogramas mais de músculos, o «irmãozinho» soava ridículo. Mas Colin, sempre tão disposto a sentir-se ofendido, não compreenderia a ironia. Jamie não tinha passado por cima da vanglória em seu tom. — Não estou de humor para suas adivinhações, Colin. Se tiver algo que dizer, diga-o; se não, se afaste para que possa ir ver o conde. — Não está aqui. Demorou-se no Inveraray, embora se espera que chegue logo... Jamie franziu o cenho. — Aconteceu algo? Argyll tinha perdido sua mulher no ano anterior, depois do difícil parto de seu herdeiro, coisa que tinha sido um forte golpe. Os problemas com os MacGregor tampouco tinham ajudado, posto que o rei o fazia culpado pessoalmente da continuada desobediência deste clã. Colin negou com a cabeça. — A ama de leite que cuidava de Archie partiu, assim tem que procurar outra. Jamie se deteve no alto da escada da torre para olhar a seu irmão. — Então o que é o que tem tanta vontade de me contar? Porque está claro que há algo. Colin sorriu. — Surpreende-me que já não tenha sido informado. Parece que Alasdair MacGregor não está perto sequer da ilha de Bute. Foi visto perto do lago Lomond. — Como pode estar tão seguro de que é ele? 96


— O chefe MacLaren escreveu para Argyll pedindo ajuda para defender suas terras contra repetidos assaltos, e jura que não é outro que Alasdair MacGregor quem esteve atacando a sua gente. Houve numerosos incidentes na estrada perto de Stirling, e há rumores que MacGregor voltou para o Braes of Balquhidder. Tinha sentido, pensou Jamie. Não era a primeira vez que MacGregor tinha querido alojar-se em terras dos MacLaren. Mas tinha parecido muito óbvio. Tinha estado convencido de que MacGregor iria para Bute, mas então sentiu uma quebra de onda de alívio. Por Caitrina e por sua família, alegrava-se de haver-se equivocado. E não era o único em alegrar-se: era evidente que Colin se deleitava quando ele se equivocava. Guardava-lhe rancor por seu posto em Argyll, uma posição que acreditava ser seu por direito de nascimento. — Assim parece que sua viagem ao Ascog foi uma perda de tempo — acrescentou, esquecendo convenientemente que tinha sido ele quem tinha insistido ao conde de Argyll para que enviasse tropas ao Ascog sem esperar a ter alguma prova da cumplicidade dos Lamont. Atravessaram o barmkin para aproximar-se da torre. — O que te pareceu a filha de Lamont? É tão formosa como dizem? Jamie ficou tenso, pois sabia quanto se alegraria seu irmão de conhecer a verdade: que tinha pedido à garota que se casasse com ele e que ela o tinha rechaçado rotundamente. — Bastante bonita —respondeu sem mais, para trocar de assunto imediatamente. — Partirei amanhã pela manhã. — Não quer esperar até a chegada de nosso primo? — Não enquanto o rastro ainda esteja quente. Lhe deixarei uma nota. Ao entrar na torre e atravessar o grande salão, Jamie olhou ao redor e avistou imediatamente o ambiente apagado. Desde que a esposa de Colin morrera fazia anos em um parto o lugar parecia uma tumba. Embora se percebia aroma de turfa, o ar era frio e úmido. Só se tinham aceso uns poucos 97


candelabros e em todo o lugar se viam muito poucos sinais de vida. Com a chegada de Lizzie tinha esperado ver algum toque feminino alegrando o lugar. De repente franziu o cenho, advertindo algo mais: Lizzie era geralmente a primeira pessoa em lhe saudar. — Onde está Lizzie? Colin também enrugou a frente. — No castelo Campbell, onde mais? Jamie negou com a cabeça, inquieto. — Me escreveu uns dias antes de que eu partisse, dizendo que vinha para cá. — Olhou a seu irmão nos olhos, sem querer dar voz a seus pensamentos. — Já deveria ter chegado. Uma careta de ira endureceu os traços de Colin. — Não se atreveria! — Há poucas coisas às quais Alasdair MacGregor não se atreveria —replicou Jamie sombrio. — É um homem que não tem nada que perder. —E atrás destas palavras deu meia volta para dirigir-se à porta pela que acabava de entrar, sem querer perder nem um minuto. Colin amaldiçoou e lhe seguiu. — Vou contigo. — Não. — Jamie já estava pensando na viagem que tinha por diante. —Tem que estar aqui quando chegar Argyll. Irei eu, mas necessito de homens. Colin pareceu a ponto de discutir, mas terminou por dar-se conta de que alguém tinha que ficar para dar explicações a Argyll, e que nada desviaria Jamie de seu caminho. — Leve a quem necessita. Direi ao Dougal que prepare as provisões. Jamie já estava a meio caminho da escada quando seu irmão lhe chamou. — E Jamie... me traga sua maldita cabeça em uma lança. — Colin sempre tinha sido o mais sangrento, mas por uma vez Jamie estava de acordo com ele.

98


— Caso MacGregor tenha tocado em um só cabelo da cabeça de Lizzie, pode estar seguro de que te trarei sua cabeça.

Agitada pela briga com Jamie e os acontecimentos que a tinham precipitado, Caitrina demorou um tempo para voltar para castelo. Mas assim que entrou no salão e viu o olhar interrogante de seu pai, que estava falando com os outros chefes, soube imediatamente que seu desejo se cumpriu: Jamie Campbell tinha partido. Assim, sem mais. Como se o que tinha passado entre eles jamais tivesse ocorrido. Notou algo um pouco parecido ao pânico enquanto tentava controlar a maré de emoções. Aquilo era o que queria. Só era a surpresa de que tinha partido tão depressa, depois do cataclísmico evento, o que lhe provocava aquela insuportável sensação de perda. Tinha temido ter que dar explicações a seu pai, mas Lamont aceitou sua decisão de rechaçar ao Campbell sem ser questionada. Envolveu-a com seus braços e deu um beijo em sua cabeça, lhe assegurando que tinha que optar pelo que a fizesse feliz. Mas ela era tudo, menos feliz. Os convidados que tinham ido em Ascog para a reunião já estavam partindo, mas em lugar da sensação de paz que esperava sentir, o que percebia era um silêncio antinatural, como a calma antes da tormenta. Seu pai parecia distraído, quase preocupado, e seus irmãos não estavam muito melhor. Era evidente que ocultavam algo, que jamais o contariam, e Caitrina desta vez se incomodou que a mantivessem na ignorancia. Mas o que mais a irritava era que, da brusca partida de Jamie, não podia tirarlo da cabeça, nem a ele nem seu apaixonado encontro. Em seus braços se sentiu segura e protegida, e quando se beijaram experimentou uma conexão que jamais havia sentido. E o que era pior se dava conta de que tinha sido

99


injusta com ele. Jamie tinha ido em seu resgate não só uma vez, mais duas vezes, pensou estremecendo-se. Se não tivesse chegado naquele momento, quem sabia o que poderia ter feito MacNeil. Ainda não podia conceber a idéia de casar-se com um Campbell, mas sem dúvida ela também tinha desejado aquele beijo. E mais. E apesar de tudo aquilo o acusou de seduzi-la, quando sabia no fundo de seu coração que Jamie não tinha feito nada parecido. Simplesmente tinha se zangado com ele por lhe fazer desejar algo que não deveria desejar. Por Deus bendito, era o carrasco Campbell, o primo favorito do mais odiado inimigo do clã. O fato de que fosse bonito e forte, autoritário e inteligente, em nada parecido ao monstro que ela imaginava, não mudava em nada. Não, todos os rumores podiam ser mentiras. Jamie sustentava que só desejava justiça, ver a ordem restabelecida nas Highlands, mas não era isso uma conveniente desculpa para justificar suas ações? Caitrina não duvidava de que, apesar da evidente atração que sentia por ele, fazia bem em rechaçá-lo. Bom, isso até uma manhã, três dias depois de que partiu, quando encontrou Mor na água-furtada da torre chorando com uma jovem criada junto ao seu colo. —Mor, eu... —Caitrina se interrompeu ao ver a garota e teve que levar uma mão à boca para afogar um grito. Tinha a cara tão torcida e arroxeada que era irreconhecível, e estava coberta de vergões e cortes. Os cortes se amontoavam em sua pele sardenta. Tinha perdido o kertch (o lenço da cabeça), e tinha a juba ruiva suja de barro e ramos. A manga da camisa que levava sob a capa estava quase arrancada. — Por Deus santo! O que passou? — Atacaram-na nos bosques quando ia para Rothesay para comprar um pouco de pano — respondeu Mor, com a voz tomada por causa do pranto, Caitrina ficou estupefata. — Mas quem poderia fazer uma coisa assim? 100


Sua velha aia meneou a cabeça. — A garota não reconheceu a ninguém, mas por sua descrição pareciam bandidos. — Em Bute? — escandalizou-se Caitrina. Mor lhe cravou um estranho olhar. — Há proscritos por toda parte, menina. Nós tivemos mais sorte que a maioria, mas não há um só lugar que esteja a salvo. «É uma menina mimada vivendo em um castelo de cristal». As palavras de Jamie voltaram a assaltada com crescente horror. Mor enxugou a frente da jovem com um pano úmido, mas o ligeiro contato lhe fez dar um pulo por causa da dor. Soltou um gemido, em Caitrina se encheram os olhos de lágrimas. Parecia que o mundo sobre o que Jamie lhe tinha advertido acabava de fazer sua brutal aparição, e o objetivo de limpar as Highlands de foragidos já não soava tão falso. Por Deus, em que mais estava equivocada?

101


Capítulo 08 O sanguinário ataque à criada, Mary, forçou Caitrina a fazer-se plenamente consciente do problema da desenfreada anarquia que imperava nas Highlands. A segurança de Ascog tinha sido violada, e ela jamais voltaria a sentir-se completamente a salvo. Parecia que em espaço de umas poucas horas todo seu mundo se desmoronou. Os proscritos já não eram um problema amorfo e longínquo, a não ser uma ameaça muito real. Nunca tinha visto seu pai tão furioso. Lamont tomou aquele ataque sobre um membro de seu clã como uma ofensa pessoal e enviou imediatamente um grupo de guerreiros para localizar aos foragidos, mas os homens voltaram para dia seguinte sem ter sido capazes de encontrar nem rastro daqueles bandidos. Pela primeira vez proibiu a Caitrina de ir aos bosques que havia perto do castelo sem escolta. As advertências de Jamie a atormentavam. Vendo que sua predição se cumpriu tão depressa, perguntava-se se ele sabia mais coisas das que tinha dado a entender. Aquilo também lhe fez questionar-se sua opinião sobre ele. Jamie se considerava uma força da lei e a ordem, e sustentava que seu objetivo era limpar as Highlands de bandidos, e pela primeira vez Caitrina se deu conta de que certamente essa autoridade era muito necessária. Argyll era o diabo e o clã Campbell sua semente, mas não seria talvez a verdade algo mais complicada? precipitou-se ao julgar Jamie Campbell? Tinha o acusado erroneamente de brutalidade, quando em realidade só queria pôr ordem nas Highlands? O tinha visto tão somente como um Campbell, e tinha fechado os olhos ante o que tinha, diante, prefiriendo fazer caso aos rumores. Jamie era um homem duro e um feroz guerreiro, mas jamais tinha visto nele algum sinal de crueldade ou injustiça. 102


Mas o que importava isso agora? Depois do que havia lhe dito duvidava que quisesse sequer voltar a vê-la. Compreendê-lo provocava um fundo de arrependimento e uma dor surda no peito que não remetia. Por fim, uns dias depois do assalto, Caitrina decidiu que tinha que fazer algo. Seu pai a tinha apressado a considerar a oferta de Jamie Campbell, e estava decidida a averiguar a razão, não por seu clã, mas sim por ela mesma, embora se dava conta de que podia ser muito tarde. Acabava de entrar no salão em busca de seu pai quando ouviu o grito de baixar o restelo e o sangue lhe gelou nas veias. Fechar as portas em pleno dia só podia significar uma coisa: problemas. Com o coração palpitante, correu até a janela bem a tempo de ver que o soldado que guardava a porta caía sobre a muralha com uma flecha cravada nas costas. Outro guarda tentou baixar o restelo, mas recebeu um disparo de arcabuz no estômago. Os homens do clã lutavam no meio do caos por recuperar o controle contra o ataque surpresa. Caitrina estava petrificada na janela, contemplando horrorizada e impotente. Era evidente que vinham preparados para a batalha, e o aço dos cascos e malhas reluzia ao sol. Levavam espadas, mas muitos foram também providos com armas de fogo. Aquela não era uma desalinhada banda de foragidos, a não ser soldados bem treinados, o qual talvez explicava como tinham entrado na fortaleza sem fazer esforço. Não levavam as vestimentas dos homens do rei, o qual deixava sozinho uma possibilidade: Argyll. A Caitrina lhe caiu a alma aos pés. Com um nó lhe retorcendo o estômago, esquadrinhou a multidão de homens com armadura no fronte da batalha, procurando um em particular. Por favor, que não seja ele. Identificou em seguida à líder por sua maneira de dar ordens, e lançou um trêmulo suspiro de alívio. Não era bastante alto nem forte para ser Jamie. A batalha acabou quase antes de que tivesse começado. Os homens de seu pai não puderam fazer nada. Uma vez que os inimigos tiveram cruzado a 103


porta, a batalha já esteve perdida. Entretanto advertiu com grande alívio que os invasores não pretendiam arrasar o lugar, mas sim pareciam estar procurando algo. Era evidente que tinham um propósito. Mas o que queriam? E onde estavam seu pai e seus irmãos? Varreu o pátio de armas com o olhar. Ali, no outro extremo, acabava de aparecer à vista seu pai com um punhado de guardas entre os que se contavam Malcolm e Niall, saindo da armería. Não tinham tido tempo de prover-se devidamente para a batalha, e só levavam os espartilhos de couro e os tartanes que usavam para praticar, em lugar de malhas ou cotuns, mas ao menos tinham conseguido colocar cascos de aço para proteger a cabeça. E pareciam ir bem armados. A voz de seu pai ressonou furiosa, enfrentando-se ao líder Campbell. Ambos os homens estiveram um momento discutindo, mas era difícil entender o que diziam. Em certo momento ouviu o Campbell dizer claramente: — Sabemos que está aqui. Nos diga onde está ou sofrerão as conseqüências. De quem estavam falando? O Campbell assinalou para a torre e disse algo voltando o rosto para ela. Caitrina arqueou as sobrancelhas. Aquilo era muito estranho. Aquele homem lhe resultava até certo ponto familiar. Entretanto suas palavras tinham enfurecido a seu pai, cujo guarda aferrou suas espadas com ar ameaçador. A Caitrina lhe acelerou o pulso, pois sabia que a situação se deteriorava a olhos vistos. A comoção tinha alertado aos criados do castelo e o salão começava a encher-se de gente. Por fortuna apareceu Mor, sempre a voz da razão, para acalmar o crescente pânico. Como um general veterano, a velha babá começou a dar ordens.

104


— Depressa — indicou a umas quantas criadas jovens. —Vão às cozinhas e tragam a lenha que se usa para cozinhar e o azeite para os abajures. —Você! —dirigiu-se a outra, —me traga todos os lençóis que encontre. Com uma opressão no peito, Caitrina se deu conta do que pretendia Mor. Era algo que seu pai lhe tinha metido na cabeça incontáveis vezes: se alguma vez sofressem um ataque e o inimigo penetrasse no castelo, terei que atear fogo às escadas. Não! Sua reação foi visceral. Seu pai, Malcolm e Niall estavam lá fora. Correu para Mor e a agarrou pelo braço. — Não, não podemos fazer isso. Não terão nenhum lugar para aonde ir. Mor lhe pôs as mãos nos ombros e a sacudiu. — Seu pai e seus irmãos sabem cuidar de si mesmos. Podem fugir para as montanhas e esconder-se nas cavernas se fizer falta, mas jamais se afastarão se não estiver a salvo. Caitrina negou com a cabeça. Não podia fazê-lo. — Mas... — Eles estão fazendo seu trabalho, Caitrina, e você tem que fazer o teu. — Baixou então a voz e assinalando com o olhar ao outro lado da sala sussurrou: — Pensa no menino. Brian! Caitrina olhou ao redor frenética, contendo o fôlego, e por fim o viu aparecer na escada da torre com uma enorme espada que seu pai guardava na galeria. Teria resultado gracioso de não ser tão aterrador. Brian saiu disparado para a porta, mas Caitrina, adivinhando suas intenções, conseguiu lhe agarrar do braço. — Para, Brian. Não pode ir para fora. Ele tentou escapar. — Me solte, Caiti!

105


Tinha doze anos mas parecia muito maior. Caitrina leu sua expressão teimosa e tentou pensar algo depressa, sabendo que o orgulho do menino estava em jogo. — Necessita-mos de você aqui. Se você partir, não ficará ninguém para nos proteger. Brian jogou uma olhada à sala e viu mais de dez mulheres e meninos assustados. Nesse momento do dia a maioria dos homens estavam fora ocupados, praticando suas habilidades para a batalha. Os que não eram guerreiros pescavam no lago, atendiam ao gado ou cortavam lenha... — Por favor — suplicou ela. Brian assentiu e Caitrina o abraçou com força, agradecida e aliviada.As criadas haviam retornado com a madeira, as roupas e o azeite, e durante uns momentos se dedicaram a envolver a lenha com os tecidos empapados de azeite a modo de tochas. Brian se tinha colocado junto à porta, vigiando atento ao que acontecia lá fora. Preparou as escadas tirando as cordas e as cunhas de madeira cravadas que as mantinham em posição. Tinha sido necessário para isso abrir a porta, mas assim que as escadas estivessem soltas, incendiariam-nas e bloqueariam de novo o passo. Caitrina advertiu que o menino tinha problemas. Com os anos, o ferro tinha oxidado os pregos era difícil de tirá-los, e os nós da corda estavam tão apertados que não podiam afrouxá-los. Fazia muito tempo que não eram necessárias medidas tão drásticas; de fato Caitrina não as tinha vivido jamais. Aproximou-se da porta com a intenção de ajudar a seu irmão, quando o ouviu gritar: — Não! Soou um disparo e se estalou o caos com um gigantesco rugido. Brian se lançou para a porta, mas Caitrina se equilibrou sobre ele para lhe agarrar pelo braço e impedir que baixasse a escada.

106


— Brian... —Mas sua voz se apagou ao ver o que tinha provocado sua reação. Um grito afogado surgiu em sua garganta. — Pai! — Contemplou aturdida e horrorizada a seu pai, que se levava as mãos ao peito ensangüentado. Cambaleou-se e caiu nos braços de Malcolm, com os olhos abertos mas cegos. Caitrina não podia respirar. Não podia pensar. A dor lhe constrangia o peito, os olhos se encheram de lágrimas quentes. Aquilo não podia estar acontecendo. Mas os rostos dos homens do clã diziam que era certo. A comoção se converteu em fúria. Dirigidos por Malcolm e Niall, tornaram-se loucos de raiva e atacavam com uma ferocidade que demonstrava que o que tinha visto era certo: seu pai tinha morrido. Foi o instinto de proteger Brian que a arrancou de seu transe. O menino se debatia por escapar, mas ela não o soltava. Mor devia ter visto o acontecido, porque de repente apareceu a seu lado para ajudá-la a colocar Brian dentro do grande salão. — Me soltem! — gritava ele. —Tenho que ir ajudar! A angústia de sua voz igualava ao de Caitrina. Agarrou-lhe o rosto e lhe forçou a olhá-la. — Já não podemos fazer nada por ele, Brian. — Uma adaga se retorcia em seu peito. A verdade era insuportável, mas tinha que ser forte, por seu irmão. Não pense. — Precisamos de você, temos que incendiar as escadas. O menino tinha os olhos brilhantes e um olhar selvagem. Caitrina não soube se a tinha ouvido, até que viu que assentia. Mor já tinha começado a dar instruções às criadas para que aplicassem as tochas em lugares estratégicos. Não tinham tempo que perder. Pareceram demorar uma eternidade, embora só passaram uns momentos antes de que tudo estivesse preparado e se acendessem as tochas. Ficaram junto à porta, rezando por que a madeira prendesse. As tochas ardiam, mas as escadas só fumegavam. Mor lançou uma maldição. 107


— É pelo tempo úmido dos últimos dias. A madeira não está bastante seca. Caitrina ouvia os gritos abaixo e soube que o inimigo tinha advertido seus esforços. E sua presença. Notou o olhar do líder cravada nela, mas ignorou o calafrio que lhe provocou. Uns quantos atacantes começavam a abrir-se passo pelas escadas, embora os homens de seu pai faziam o possível por impedi-lo. Sabendo que não havia outra coisa que fazer, Caitrina fechou a porta e jogou a travessa. Não precisava ver os rostos assustados a seu redor para saber que sentiam quão mesmo que ela: absoluto terror e incredulidade. Mor a agarrou pelos ombros. —Vá para cima e leve seu irmão e se esconda no armário. E ouça o que ouça, não saia. — Mas e você e outros? —Temos que nos separar. — Mor fez uma pausa. —Não é são os criados a quem procuram. — A quem procuram então? —perguntou Caitrina, recordando as palavras do Campbell a seu pai. Mor lhe deu um beijo na frente. — Não sei, menina. Agora parte. —Então se dirigiu ao Brian: — Cuida de sua irmã. O menino assentiu sombrio, com uma expressão dura e decidida imprópria de sua idade. Aquele menino doce não voltaria a ser o mesmo. Nenhum deles voltaria a ser o mesmo. Caitrina vacilou um instante antes de rodear com os braços à anciã e apoiar a bochecha mais uma vez em seu ombro. Mor a estreitou e imediatamente a apressou para que partisse. Caitrina tomou Brian pela mão e puseram-se a correr pelo grande salão para a escada. Teve que fazer um esforço para não olhar pelas janelas. Quão único podia fazer chegados a esse ponto era rezar para que os homens de 108


seu pai ganhassem a batalha, que a força de seu coração derrotasse a força numérica do inimigo. Quando chegaram a sua habitação, Caitrina correu até o armário, abriu as portas e lançou um gemido. — Aqui não cabemos! —exclamou Brian, lendo seus pensamentos. Aquilo estava lotado de vestidos. Se os tirassem chamariam a atenção sobre o esconderijo, embora Caitrina se dava conta de que não podiam fazer grande coisa para evitar serem descobertos. Tentou sossegar seu pânico crescente, mas a situação era tão se desesperada que não era fácil pensar. O que podiam fazer? O castelo de Ascog não era especialmente grande nem complexo, albergava poucos lugares onde esconder-se. O ruído de uma tocha golpeando uma porta lhe pôs todos os cabelos de ponta. Esgotou-se o tempo... E as opções. Brian a empurrou para o armário. — Você se esconda aí, eu me colocarei debaixo da cama. Não havia tempo para discutir, nem tampouco melhor escolha. Caitrina se meteu no armário. Se os soldados já estavam tentando atravessar a porta significava que... Não! Tentou não pensar na batalha. Não se permitiria pensar em Malcolm ou Niall. Teve que fechar os olhos para conter as lágrimas. Seus irmãos tinham que estar bem! O tempo parecia arrastar-se. Dentro do armário fazia calor, entre os vestidos de lã e veludo. Todos seus sentidos pareciam aguçados, enfocados para os ruídos provenientes de abaixo. Com cada um lhe dava um salto o coração, que martielava fortemente em seus ouvidos. A espera se fez interminável, embora certamente só transcorreram uns minutos até ouvir o inconfundível clamor de passos na escada. —Procurem à garota! — gritou um homem. Essa sou eu. Meu Deus! estão me procurando! 109


A porta da habitação, abriu-se com um forte golpe. Caitrina conteve o fôlego. O desamparo de sua situação, a futilidade de tentar esconder-se, assaltaramna com fúria. Quanto demorariam para...? — Me soltem! Deu-lhe um salto o coração. Brian! Céu santo, tinham ao Brian! — O que temos aqui? — disse um homem. —O cachorrinho dos Lamont. Ou o que fica deles. Caitrina afogou um grito, enquanto fincava as unhas nas palmas das mãos. Não podia ser verdade. — A garota tem que estar aqui por perto —comentou outro. O ruído de Brian debatendo-se, tentando distrai-los para que não a encontrassem, foi mais de quanto podia suportar. Abriu-se passo entre a asfixiante multidão de vestidos e irrompeu na habitação. Quão único via eram as amplas costas de dois guerreiros , um dos quais tinha Brian agarrado pelo pescoço. — Soltem ele! — gritou, lançando-se contra ele e lhe dando um golpe na têmpora, o suficientemente forte para que o homem gritasse de dor e soltasse Brian. Podia lhe haver rodeado o pescoço com o braço, mas se encontrou presa entre as garras de ferro de um homem alto e forte. Em sua pressa por alcançar Brian não se deu conta de que havia um terceiro soldado na sala. Tinha a cara vermelha e suada. — Encontrei à garota — gritou este em direção à porta. — Me solte! — protestou ela debatendo-se. Mas lhe agarrou com tal força o braço que Caitrina acreditou que acabaria rompendo-lhe. Ele a olhou com luxúria de cima abaixo e sorriu. A expressão de seus olhos lhe gelou o sangue nas veias. Era o olhar de um homem decidido a cobrar o recompensa de guerra. — Ainda não — repôs o soldado. 110


Com a extremidade do olho Caitrina viu um movimento. — Brian, não! —Mas era muito tarde. —Aparta suas mãos sujas de minha irmã! Brian tinha conseguido tirar a espada de debaixo da cama e se precipitava para o homem que a tinha presa. Mas a arma era muito pesada para ele, e só conseguiu dar uns passos antes de que outro soldado lhe apanhasse por detrás. O tempo pareceu deter-se. Caitrina contemplou o brilho da folha que descendia para a cabeça de seu irmão. Lançou-se para ele em um súbito arrebatamento de energia, mas não pôde escapar das mãos de seu captor. Os olhos de Brian, muito abertos pela surpresa, cravaram-se nos dela quando a força do golpe o aturdiu um instante. Então caiu ao chão como um boneco de trapo. Caitrina ouviu o grito que saía de seus pulmões, mas não o reconheceu como dele. Atacou ao soldado que a capturava, louca de ira, e conseguiu lhe arranhar a cara antes de que lhe lançasse um tapa na bochecha com tal força que a atirou ao chão. O queixo se estalou de dor. — O que está acontecendo aqui? O homem que tinha visto antes, que supunha que era o líder, tinha aparecido na porta. — Encontramos à garota Lamont. — Estou vendo. Caitrina se levantou com o rosto sulcado de lágrimas, mas seus olhos refletiam seu ódio por aquele homem que tinha levado a morte e a destruição ao seu lar. — Que tipo de homem faz a guerra contra mulheres e crianças? Somente um Campbell pode ter tão pouca honra. — Orgulhosa além de bela? Tem garra, garota, mas a utilize com sensatez. Diga-nos onde ele está e ninguém sairá machucado. Caitrina olhou o corpo inerte de seu irmão; o sangue que emanava da ferida que tinha na cabeça e que caía pelo rosto dele. O líder, como se averiguasse 111


seus pensamentos, atravessou a sala e se colocou entre ela e Brian, impedindo que se aproximasse dele. — Quem? — perguntou ela com voz alquebrada. — A quem procuram? — Alasdair MacGregor. Caitrina lançou uma exclamação. Céu santo, tudo aquilo era um horrível engano! — Veio ao lugar errado. Alasdair MacGregor não está em Ascog. A expressão do homem se tornou dura e desumana. Por um momento recordou-se de Jamie, mas aquele indivíduo tinha uma veia cruel da qual Jamie carecia. — É você que está enganada. MacGregor foi visto com seu pai ontem, e certamente está há semanas escondido aqui. Isso era impossível. Seu pai não seria tão temerário, nem tão estúpido, para desafiar ao rei. Albergar os MacGregor podia ser motivo de... de morte. Mas então recordou-se do laço de união entre os clãs, e sentiu uma pontada no peito. — É mentira. Ele esticou a boca. — Você está esgotando minha paciência. Diga-me onde está e talvez a deixe ir. Deslizou o olhar por todo seu corpo. — Antes ou depois de permitir que meus homens se divirtam um momento contigo. A decisão é sua. Caitrina se negou a deixá-lo ver seu medo, embora a envolvesse como uma corda no pescoço. — Não posso dizer o que não sei. O homem ficou olhando-a por um momento e encolheu os ombros. — Então não me serve de nada. — voltou-se para um de seus homens. — Livre-se do menino.

112


— Brian! — Caitrina tentou ir até ele, mas o homem que a tinha golpeado a reteve, de maneira que se viu obrigada a observar, impotente, como levavam seu irmão inconsciente. O líder olhava o baú aos pés da cama, onde ela tinha dobrado cuidadosamente o tartán que Jamie lhe tinha deixado no dia em que a resgatou da árvore, e que não havia devolvido. O homem cravou-lhe um olhar calculísta e parecia a ponto de dizer algo. Mas então adotou uma expressão estranha. — Averigue o que sabe — ordenou ao homem que a agarrava, — depressa. O castelo está em chamas; se MacGregor estiver aí dentro, sairá com a fumaça. Seu pai. Seus irmãos. Sua casa. Aquele homem tinha tirado tudo dela, e por nada. Apertou o punho, apontou para seu rosto e lançou um murro com todo o ódio e a raiva que ferviam dentro dela. Jamais tinha golpeado antes ninguém, mas o golpe aterrissou justamente no nariz e ouviu o satisfatório rangido do osso. A cabeça deu uma sacudida e quando o homem voltou a olhá-la, sangrava pelo nariz. Houve um momento de pura incredulidade, antes que chegasse a vingança rápida e dura: um golpe na têmpora. Caitrina sentiu um estalo de dor e logo tudo se tornou negro. Não podia respirar. Sonhava que tinha um homem em cima dela, e seu peso esmagava-lhe o peito. Aspirou fedor de suor e sangue e a bílis subiu à sua garganta. Lançou um grunhido, debatendo-se contra o peso que a esmagava. Mãos bruscas agarravam à tenra pele das coxas, tentando abrir suas pernas. Não era um sonho. Abriu os olhos e viu que tinha um homem em cima dela. Segurava-a com um braço sobre seu peito, enquanto com a outra mão tentava levantar sua saia. Caitrina abriu a boca para gritar, mas não soube muito bem se tinha chegado a emitir algum som. Sentiu um novo estalo de dor na bochecha e voltou a fechar os olhos. 113


A escuridão a chamava como um canto de sereia. Queria continuar dormindo, escapar para a segurança de seus sonhos. Mas algo não o permitia. Tinha que despertar, não podia permitir que ocorresse aquilo. Tinha que lutar. Abriu de novo os olhos. O rosto do homem oscilava diante dela, tudo estava impreciso. De repente, o peso que a esmagava desapareceu. Ela respirou fundo, querendo encher os pulmões, mas o que inalou foi uma fumaça que a asfixiava. Todo seu corpo estremeceu. Acreditou ouvir um homem amaldiçoando, mas era muito difícil distinguir alguma coisa com aquele assobio nos ouvidos. Levantaram-na da cama e a colocaram contra uma arca. Por um momento, continuou confusa; sentia-se a salvo. Mas então lembrou-se. O homem pretendia levá-la dali. Ela se debatia, mas ele a agarrou com mais força e tentou tranqüilizá-la com suaves palavras. A voz era familiar, mas vibrava próxima de sua consciencia. Fazia muito calor. Abriu os olhos, mas eles ardiam e se encheram de lágrimas. Não se via nada entre a densa fumaça. Caitrina tentou averiguar quem a erguia em seus braços, mas os traços de seu rosto desapareciam. Parecia Jamie Campbell. Abriu os olhos de novo, por um instante. Jamie! Era Jamie. Estava ali. Relaxou contra ele, sentindo um momento de euforia antes que a lembrança se filtrasse em sua consciencia: os Campbell tinham atacado Ascog. E Jamie era um Campbell. Não. Não queria acreditar, mas por que estava ali? «Se arrependerá de ter rechaçado minha oferta. » — Você! — exclamou quase sem voz. Sentia a garganta em carne viva. — Você fez isto. — Parecia que os pulmões iam estourar. — Campbell. — Estava tão débil e esgotada que mal podia falar. — Por que? — A dor invadia seu peito, muito perto de seu coração. Não ouviu sua resposta. Já não podia debater-se mais e se rendeu à chamada da escuridão.

114


Capítulo 09 Castelo de Toward, península de Cowal, três meses mais tarde. Um vento forte soprava pelas montanha, agitando o cabelo de Caitrina, enquanto descia pelo íngreme caminho do castelo para a pequena praia. Nem sequer as urzes que atapetavam o chão com seu suave florir púrpura eram imunes ao vendaval, e se inclinavam com cada rajada. Recolhendo os enredados cachos com a mão, colocou melhor o lenço de lã sobre a cabeça para proteger-se do vento e do frio do outono. Agora que tinha passado a festa de San Miguel e se aproximava o inverno, os dias não demorariam para tornarem-se mais escuros, mais curtos e mais frios. Caitrina suspirou. A mudança de estação lhe provocava uma estranha melancolia. O tempo passava, quisesse ou não. Uma parte dela queria agarrar-se ao passado, temerosa ante a idéia de cortar a conexão com tudo o que tinha perdido. Mas outra parte, a que recordava a perda de sua mãe, sabia que o tempo atenuaria um pouco a dor, embora nunca desapareceria de todo. Tinha acreditado que não havia nada pior que perder sua mãe. Como estava enganada. Seu pai, Malcolm, Niall — pensou sentindo uma pontada no coração, — até seu querido Brian... todos mortos. Como tantos outros. Piscou para conter as lágrimas. A dor ainda era muito intensa, apesar de já terem passado três meses desde aquele desgraçado dia em que os Campbell tinham semeado a destruição, de um modo particularmente violento, sobre sua casa.

115


Em apenas uma tarde o clã tinha sido dizimado, primeiro na batalha, e depois no incêndio. Mais de quarenta guerreiros Lamont tinham perdido a vida defendendo Ascog. Quem sobreviveu fugiu para as montanhas para evitar os sanguinários Campbell. A única coisa que restava de sua casa eram muros de pedra queimados. A vida, o amor e a felicidade que tinha vivido ali não eram mais que uma lembrança. E tudo porque tinham suspeitado que seu pai estava dando abrigo aos MacGregor. A injustiça era tanta que se tornava inconcebível. Caitrina não lembrava quase nada dos acontecimentos daquele dia, que mantinha oculto em um lugar escuro de sua mente no qual não se atrevia a olhar. Mas, às vezes, como naquele momento, as lembranças passavam ante seus olhos como brilhos, em forma de fragmentos. O assassinato de seu pai. O rosto do soldado Campbell sobre ela. As chamas. Diziam que seus irmãos tinham morrido no incêndio. Somente se lembrava da insígnia de chefe de seu pai e o pedaço de tartán que levava em torno da mão. Quanto ao outro... Não pensava que o vilão Campbell tinha chegado a violála, mas não podia estar certa disso. Sua virgindade parecia uma coisa mínima depois de tudo o que tinha acontecido, Mas havia algo, ou alguém, a quem recordava claramente. Um calafrio estremeceu seu corpo como acontecia sempre que pensava em Jamie Campbell. «Vai arrepender-se de ter rechaçado minha oferta. Um dia, Caitrina, cairá sobre você a brutal realidade de seu mundo.» Tinha sido uma cruel profecia ou algo mais? Quando percebeu que os Campbell estavam atacando Ascog, perguntou-se se Jamie estaria envolvido.

116


Foi um alívio descobrir que não. Não queria acreditar que pudesse ser tão cruel, ou que ela hovesse entregado seu coração a um monstro. Seria uma estúpida por não querer acreditar que tinha se enganado tanto? Mas percebeu que sim, que se tinha enganado. Jamie estava ali. Mas por que? Realmente, tinha sido capaz de destruir seu clã com tal brutalidade? O fato de tê-lo rechaçado teria algo a ver com o ataque? Se tivesse ouvido às advertências de seu pai, cumprido com seu dever para o clã e aceitado a oferta de Jamie Campbell, sua família ainda estaria viva? Mais que qualquer outra coisa, essas eram as perguntas que a atormentavam. Mas embora não pudesse estar certa do papel de Jamie no ataque contra sua família, era evidente que seu clã era o responsável. Se antes odiava os Campbell, o que sentia por eles agora era muito pior. Seu ódio se inflamou como uma chaga purulenta e ardia em chamas. Sua férrea determinação para que se fizesse justiça era a única coisa que a separava de sua dor. Nem que fosse a última coisa que fizesse na vida, veria Ascog de novo nas mãos de sua família. Restaram poucos membros de seu clã, e jurou que os Campbell não se beneficiariam do sangue de sua família. Por fim, chegou à praia e se dirigiu para a beirada rochosa, sentindo as pedras sob o fino couro da sola dos sapatos. Ignorando o frio, ficou junto à água, com as ondas chapinhando a seus pés, inalando o aroma salobre. Ergueu o rosto para a gelada espuma, deixando que a empapasse como tinha feito muitas outras vezes. O mar a chamava, como se em suas azuis profundezas pudesse encontrar a absolvição. Mas seu poder purificador era ilusório e fugaz. Adorava a sensação de desolação e solidão naquela parte de Cowal, e do outro lado do mar, a ilha de Bute, seu lar. Ao ouvir um ruído a suas costas, deu um pulo. Outra das seqüelas do ataque eram seus constantes nervos a flor da pele. Mas era somente Bessie, uma velha lavadeira que, junto com vários serventes, tinha acompanhado Caitrina desde Ascog. 117


— Espere, que te ajudo com isso, Bessie — apressou-se a oferecer, tirando das mãos da velha servente o cesto. — Pesa muito para ti. A anciã esboçou um amplo sorriso. — Bendita seja, milady. Embora Mor me desse uma boa reprimenda se soubesse que está me ajudando outra vez. Mor não podia entender por que Caitrina preferia passar seus dias fora com os criados, em lugar de permanecer no castelo com sua tia e seus primos. Mas Caitrina não se sentia confortável com sua família de Toward. Os membros do clã de Ascog eram toda a família que restava e sua única conexão com o passado. Caitrina sorriu com expressão cúmplice. — Bom, pois então terá que ser nosso segredo. A anciã pôs-se a rir. — Ah, que bom ver um sorriso em seu formoso rosto, milady. Caitrina assentiu, agradecendo sua amabilidade, embora não a velada referência a sua mudança de temperamento. Durante os longos e escuros dias depois do ataque de Ascog, Caitrina pensou que jamais voltaria a ser capaz de rir. Todo seu mundo, sua vida feliz livre de preocupações, como amada irmã e filha, tinha desaparecido. Tinha morrido. Passou quase duas horas com Bessie, esfregando e lavando a roupa até que o sabão lhe deixou as mãos avermelhadas. Mas mal notava esse desconforto, pois encontrava distração no duro trabalho. Trabalho. O mero conceito tinha sido algo estranho para ela até uns meses atrás, e agora era sua salvação. Quando terminaram, voltaram a colocar a roupa molhada no cesto e Caitrina ajudou Bessie a levá-la para o castelo, para estendê-la para secar. Mor devia ter estado vigiando, porque assim que Caitrina entrou no pátio de armas, a velha babá apareceu com um punhado de criadas para aliviá-la de sua carga. Desde o ataque, Caitrina não podia piscar sem que Mor soubesse. Antes tanta atenção a teria arrasado, mas agora era curiosamente reconfortante. 118


Devia muito a Mor. Tinha sido ela, com outros criados de Ascog, que a escondeu ferida nas cavernas, enquanto os soldados Campbell vasculhavam as montanhas em busca dos membros restantes do clã de seu pai e dos MacGregor. Além da fumaça que tinha penetrado em seus pulmões e que a impedia de respirar, tinha recebido vários golpes na cabeça. Passou dias oscilando entre a consciência e a inconsciência. Quando se recuperou o suficiente para percorrer a curta distância do fiorde de Clyde, refugiaram-se no castelo de Toward com seu tio, sir John Lamont de Inveryne, que a acolheu no seio de sua família, sem fazer perguntas. Mor esperou que os outros partissem, antes de agarrar as mãos de Caitrina e virá-las para ver as palmas avermelhadas e os dedos esfolados. — Olhe o que tem feito com suas preciosas mãos! — exclamou carrancuda. — Isto tem que acabar, Caiti Rose... Caitrina ficou petrificada, a dor era quase insuportável. Caiti Rose. Assim a chamava seu pai. Mas Mor, sem perceber o que acabava de fazer, prosseguiu: — Não está certo que te passe todo o santo dia trabalhando. Quase não te reconheço. Mor a percorreu de cima abaixo com o olhar. — Embora não queira pôr nenhum dos muitos vestidos que sua tia teve a generosidade de oferecer, continua sendo a filha de um chefe. O que pensaria seu pai se a visse assim? Há um ano, teria jogado fora esse vestido como trapo. Caitrina ignorou a menção de seu pai e suspirou. Já tinham mantido antes aquela conversa. Olhou o estragado tartán que levava sobre a singela camisa e a saia, e soube que Mor tinha razão: mal se reconhecia nela aquela menina mimada, que se deleitava com vestidos e sapatos bonitos. Algumas vezes tinha olhado com desejo os formosos brocados e veludos oferecidos por sua tia, mas não se sentia capaz de colocar uma roupa boa e 119


fingir que não tinha acontecido nada. Esses luxos eram uma dolorosa lembrança de uma vida que já não existia. — Há um ano, as coisas eram diferentes. Mor a olhou com tristeza. — Eu sei, garota, e daria tudo para aliviar seu sofrimento. Talvez te faça bem falar disso. Caitrina ficou tensa. Não. A única coisa que a mantinha em pé era controlar suas emoções. — Não há nada para falar — replicou com firmeza. — Nada os trará de volta. Não quero ser uma carga para meus tios. — A riqueza que restava estava nas terras que estavam nas mãos de Argyll. Como se não tivesse lhe arrebatado tudo o que tinha. Mas iria mudar. — Não a consideram como uma carga. — O que piora ainda mais as coisas. Não me aproveitarei de sua amabilidade; já têm feito muito por nós. Mor ficou calada, olhando-a um momento. — Não poderá se esconder aqui a vida toda, Caiti. No final, alguém terá que saber que está viva. O medo acelerou seu pulso. Sabia que seu tio não podia escondê-la para sempre. Já tinha se perguntado, mais de uma vez, porquê era tão importante que ninguém soubesse onde estava. Mas como podia explicar que temia que o homem responsável pela destruição de seu clã não tivesse terminado com ela? Embora fosse difícil comunicar-se com qualquer outro sobrevivente do ataque, dizia-se que Jamie Campbell estava procurando por ela, naquele dia, como um possesso. Caitrina olhou para o castelo, com os muros de pedra da torre, tão parecidos com os de Ascog, e sentiu uma pontada de pânico, como se as paredes caíssem sobre ela. Não podia respirar. De repente, deu meia volta e pôs-se a andar para o mar. 120


— Aonde vai? — perguntou Mor, preocupada. Ao único lugar onde se sentia a salvo. — Voltarei antes do almoço. Tenho uma coisa para fazer.

Jamie tinha esperado o suficiente. Aproximou-se do castelo de Toward, consciente de que os meses de esforço e contenção dariam seus frutos. Não se enganava quanto a qual seria a reação da Caitrina; ele mesmo tinha visto a expressão horrorizada em seu rosto quando a tirou daquele ardente inferno, e sabia o que pensava. Ele não tinha tido nada a ver com o ataque a sua família, embora não pudesse dizer o mesmo de seu clã. Maldito fosse seu irmão e seu mau gênio. Mas Caitrina tinha desaparecido antes que ele tivesse tempo de explicar-se. Depois de tudo, não estava enganado em suas suspeitas. Dois dias depois de partir para o castelo de Campbell para ver Lizzie, um dos guardas que espionava em Bute chegou a Dunoon com a prova que estavam esperando: Alasdair MacGregor e seus homens tinham sido vistos no bosque perto de Ascog. Os homens de Jamie os tinham seguido, mas os perderam nas montanhas. Colin viu nisso uma oportunidade para se destacar ante os olhos de seu primo, e decidiu não mandar chamar Jamie, mas tomar o assunto em suas próprias mãos e dirigir ele mesmo a missão. Se Jamie tivesse encontrado em um primeiro momento os MacGregor, tudo aquilo poderia ter sido evitado. Por sorte, o leal guarda de Jamie tinha decidido buscá-lo no castelo de Campbell, perto de Stirling. Lizzie tinha sido atacada, realmente, no caminho para Dunoon, mas tinha sido resgatada por vários Murray. Jamie acabava de assegurar a segurança de sua irmã, ordenando que fossem contratados mais guardas, para o castelo de Campbell, onde Lizzie estaria a salvo até que os MacGregor estivessem sob controle, quando chegou seu soldado. 121


Adivinhando o que podia ter acontecido com seu exaltado irmão, tão ansioso para impressionar seu primo, Jamie saiu para Ascog rapidamente. Por desgraça, para quando chegou, a batalha quase chegava ao seu fim. Tirou Caitrina da torre em chamas e se assegurou de colocá-la a salvo antes de ir ajudar a controlar, tanto o fogo corno a batalha, em uma tentativa de salvar o possível daquele desgraçado dia. Mas quando voltou, Caitrina tinha desaparecido com a ajuda dos leais membros de seu clã, sem lhe dar uma oportunidade de explicar-se. Sim, tinha diante de sí grandes dificuldades, a menor das quais não era precisamente o papel de seu irmão na morte da família Lamont. Mas estava decidido às superar todas. Entretanto estava ansioso. Estava há muito tempo procurando-a. Tinha vasculhado as montanhas ao redor de Ascog durante semanas depois da batalha, tudo em vão. Caitrina parecia ter desaparecido da face da terra, mas Jamie sabia que estava viva e se negava a render-se. Naturalmente tinha pensado em procurá-la no castelo de Toward, mas seu tio tinha insistido que desconhecia o paradeiro de sua sobrinha, até que lhe apresentaram provas que não podia negar, graças aos espiões que Jamie tinha deixado vigiando o lugar. Entretanto as negociações com o Lamont de Toward atrasaram muito, e a paciência de Jamie se esgotava. O curto trajeto de quinze quilômetros desde Dunoon parecia interminável. Por fim o cavalo chegou a Buachailean, a montanha que se achava ao norte do castelo. Jamie soltou as rédeas e se deteve para contemplar aquela construção e a área ao redor, antes de entrar. Esperavam-lhe, mas nunca era demais tornar precauções. Nada parecia fora do normal. Um grupo de pescadores voltava com o barco, as ovelhas pastavam nas colinas, vários jovens caminhavam pelas montanhas, os aldeãos iam e vinham, atravessando as portas do castelo. Uma criada solitária passeava pela praia, recolhendo conchas. 122


Jamie voltou a olhar à mulher, vendo longos cachos negros agitados pelo vento em torno de seu rosto. O coração bateu descompassado no peito. Com os olhos entreabertos por causa do sol, era incapaz de distinguir seus traços daquela distância, mas no fundo de seu ser sabia quem era. Aquela garota não era uma criada. A longa espera tinha terminado. Tinha encontrado Caitrina Lamont.

Caitrina ergueu as dobras de sua capa de lã para formar uma espécie de bolsa e deixou cair nela outra concha. Talvez fizesse um colar para Uma. A pequena adorava brincar dizendo que era uma sereia. Caitrina há muito tempo não acreditava em sereias, mas ouvir alguém que acreditava lhe alegrava o coração. Admirava a capacidade da menina para rir e brincar, embora fosse evidente que Uma, como o resto do clã que tinha ido com ela para Toward, sentia falta de sua casa. Caitrina suspirou, pois sabia que Mor tinha razão: não podia esconder-se toda a vida. Por mais que Toward tenha se transformado em seu refúgio, era também um esconderijo. Devia encontrar a maneira de devolver Ascog ao seu clã, e não podia fazer isso ficando no castelo de Toward. Sendo uma jovem sem recursos, somente podia fazer uma coisa: tinha que encontrar um marido poderoso que a ajudasse a recuperar sua casa. Um nostálgico sorriso dançou em seus lábios. Era curioso pensar em casamento sem sentir a mínima emoção, quando poucos meses atrás só a menção da palavra tinha provocado uma veemente rebeldia. Caitrina tinha evitado o casamento porque não podia imaginar-se longe de sua família. Jamais tinha esperado que fossem eles que a abandonariam. Sentiu uma pontada no peito, então fechou os olhos por um momento e respirou fundo. Ajoelhou-se na areia com um nó na garganta, segurando as conchas no colo, e começou a cavar. Quando já tinha cavado um buraco de uns trinta 123


centímetros, desamarrou, com cuidado, o pedaço de tartán da mão. Apagados, os tons marrons e alaranjados estavam desbotados, e as beiradas desfiadas, mas o tartán era inconfundivelmente de seu pai. Parecia que uma mão apertava seu peito. Deslizou os dedos pela suave lã e a levou a bochecha. Dias depois do ataque, enquanto Caitrina seguia inconsciente, vários criados tinham voltado para o castelo para ver o que restava dele e enterrar os mortos. O fogo tinha tornado o sepultamento desnecessário. Entre as cinzas encontraram várias coisas que os Campbell tinham passado por cima, incluindo a insígnia e o tartán. Incapaz de conter as lágrimas, Caitrina dobrou o pano em forma de quadrado, deixou-o no fundo do buraco e o cobriu de areia. Era o enterro que lhe tinha negado o fogo, suas feridas e a necessidade de ficar a salvo. Pela primeira vez desde que se recuperou e se deu conta que sua família tinha sido assassinada, deu rédeas soltas as suas emoções e se rendeu a dor. Quando amainou o dilúvio de lágrimas, secou os olhos, reuniu suas conchas e ficou em pé, sentindo-se curiosamente mais forte. A vida que tinha conhecido desaparecera para sempre, era hora de olhar para frente, para o futuro que ela reconstruiria para seu clã. Os homens desse clã eram agora sua responsabilidade, e não pensava em deixar que os Campbell ganhassem. De uma maneira ou outra, faria justiça. Ao ouvir o débil ruído de cascos na areia, ergueu os olhos e percebeu que um homem se aproximava. Pensando, a princípio, que fosse um dos soldados de seu tio, ergueu a mão para saudar, mas depois de um momento, inclinou a cabeça. Algo naquele homem era familiar... E de repente, empalideceu, e as conchas se esparramaram, esquecidas aos seus pés. Não!

124


Mas sim, era ele. Reconhecia os largos ombros, o cabelo castanho com mechas douradas e avermelhadas, o rosto duro e bonito, e os olhos frios de cor azul que a olhavam com tanta intensidade. A ampla boca que tão vorazmente tinha beijado. E aquele ar de segura autoridade que jamais tinha visto em outro homem, essa sensação de poder absoluto. Jamie Campbell a tinha encontrado. A dor em seu peito se tornou insuportável quando as lembranças do ataque e do prazer que haviam compartilhado se encontraram. Tocar. Saborear. A intimidade daquele momento em que ela se desfez em seus braços. E sua vingança por ter lhe rechaçado. Sabia que tipo de homem era, mas tinha sido uma estúpida ao sucumbir à sua atração. Mesmo agora, quando não deveria sentir mais que asco, sentia uma atração inconfundível por ele. Fazia-lhe mal olhar para ele. Como podia algo tão belo ser tão sinistro? Como pôde pensar que era algo mais além de um frio e implacável açoite? Seus olhares se encontraram e a emoção a cortou como uma faca ao se chocar com os penetrantes olhos azuis do homem que tinha destruído tudo que amava. As lembranças retornaram. Seu rosto. O fogo. Inconscientemente, retrocedeu um passo. — Afaste-se de mim — ordenou com voz trêmula e carregada de emoção. A expressão no rosto de Caitrina parou Jamie, de súbito. Tinha desejado vê-la com todas suas forças, e ali estava ela, mas com medo nos olhos. Depois de passar meses procurando-a, de querer assegurar-se de que estava a salvo e protegida, foi um golpe surpreendentemente devastador. Não suportava que ela pensasse o pior dele, embora o que mais podia esperar? Seria muito querer que ela recordasse que tinha sido Jamie quem a resgatou e quem pôs fim à batalha. Desmontou e se aproximou dela com cautela. — Não quero te fazer mal. 125


Ela retrocedeu assustada, e Jamie sentiu a atitude como se fosse um murro no seu estômago. — Por Deus, como pode dizer isso? — gritou. — Depois do que fez! Caitrina ergueu a mão para detê-lo e deu outro passo atrás. — Afaste-se de mim! ... Não se aproxime mais. Jamie se deteve, mas estava bastante perto para ver seu rosto sulcado de lágrimas e as outras transformações devidas à tragédia. Estava pálida e esgotada, e muito mais magra do que recordava. Seus olhos luminosos pareciam dominar seu rosto, mas havia em seu olhar uma faísca de dureza que não existia antes, um brilho de receio e desconfiança. A garota vivaz e atrevida que o tinha desafiado sem pensar sequer, tinha desaparecido, e em seu lugar estava aquela jovem triste, com uma dilaceradora fragilidade. Jamie morria de vontade de estreitá-la em seus braços e apagar sua dor. Sentia a irrefreável necessidade de protegê-la e assegurar-se de que nada voltasse a fazer-lhe mal. — Só quero falar contigo — disse com suavidade. — Nada mais. — Como pode pensar que desejo sequer vê-lo? Muito menos voltar a dirigirlhe a palavra? Jamie a olhou nos olhos. — Eu não tive nada a ver com o que aconteceu com seu clã, Caitrina. Vim para explicar isso — Você estava lá — exclamou ela, enfatizando a última palavra com intenção. — Vi você. Acaso nega? Jamie negou com a cabeça. — Não, vim o mais depressa possível, esperando poder deter a batalha. Mas cheguei muito tarde. — E espera que eu acredite nisso? — perguntou ela com a voz cheia de desprezo...

126


Sua raiva foi um alívio. Sua fragilidade era inegável, mas Caitrina não estava acabada. Jamie esperava, com todas suas forças, não ter que voltar a ver o medo em seus olhos. — E sobretudo depois do que disse quando partiu — prosseguiu ela. — Devo supor que não estava me ameaçando quando disse que me arrependeria de te rechaçar? Disse-me que não sabia nada do mundo real, e que este dia cairia sobre mim. As lágrimas que rolavam por suas bochechas ardiam nele como ácido no peito. Caitrina o olhou com os olhos reluzentes sob o sol, e Jamie viu a força que ainda ardia nela. — Bem, pois tinha razão. Agora sei que o mundo é um lugar muito cruel. Demonstrou brutalmente seu ponto de vista. Agora me deixe em paz. Suas acusações tinham mais de verdade do que ele queria reconhecer. Era verdade que tinha desejado vê-la desiludida, para que pudesse entendê-lo melhor. Mas não assim. — Só disse aquilo porque estava furioso — desculpou-se, dando um passo para ela. Deus, podia sentir seu cheiro. Aquele doce aroma floral convidava a enterrar o rosto em seu pescoço e seu cabelo. A necessidade de tocá-la era irresistível. Jamie tentou recuperar o controle respirando fundo. Tinha que fazer com que ela compreendesse. — Sinto muito sua perda, mas deve acreditar que eu não tive nada a ver com o ataque contra seu clã. Muito devagar, estendeu um braço e pôs a mão na bochecha de Caitrina, preparando-se para seu rechaço e mais aliviado do que imaginava ao ver que ela não se afastava diante do contato. Enxugou-lhe as lágrimas com o polegar, saboreando a suavidade de sua pele. Viu que a boca dela tremia e desejou com todas suas forças beijá-la, apagar toda sua confusão com um beijo. Tomou seu queixo com os dedos e o inclinou, para obrigá-la a olhar em seus olhos. 127


— Eu nunca te faria mal. Por um momento pareceu que ela queria acreditar, mas imediatamente seus olhos se endureceram e afastou o rosto de sua mão. — Então, tudo foi uma coincidência, não? Não teve nada a ver com o ataque, não sabia nada da acusação contra meu pai de que estava dando proteção aos MacGregor, não é? Jamie vacilou. — Eu não ordenei o ataque contra seu clã. — E o resto? Tampouco teve nada a ver com o fato de Argyll acreditar que meu pai estava ajudando os MacGregor? Jamie sustentou seu olhar, sem retroceder diante da verdade. Caitrina lançou uma exclamação. — Sabia! Não veio a Ascog para a reunião, nem para me cortejar, veio espionar meu pai. — Olhou para ele acusadora, com os olhos muito abertos e tristes. — Meu Deus, como me usou. — Não — replicou ele, com os braços rígidos ao lado do corpo. Todos seus instintos urgiam a tomá-la em seus braços e obrigá-la a entender, obrigá-la a negar o que crepitava como um incêndio entre eles. Apesar do clamor das ondas e o embate do vento, somente era sentia a ela. — Minha missão era encontrar provas de que os MacGregor estavam em Ascog, mas o que aconteceu entre nós não tem nada a ver com Alasdair MacGregor. Escrutinou-lhe o rosto. — E por que tenho que acreditar? Por que tenho que acreditar no que diz? — Porque é a verdade. — perguntou-se quanto recordaria do acontecido e enrijeceu-se ao lembrar do soldado. Jamais tinha esquecido o que sentiu ao vê-la inconsciente, com o rosto machucado, o sangue correndo por sua pálida têmpora, e um dos homens de seu irmão tentando meter-se entre suas pernas. Se tivesse chegado uns minutos mais tarde... A primitiva explosão de 128


ira não parecia com nada que tivesse experimentado. Rodeou com o braço o pescoço daquele bastardo e o rompeu com um satisfatório rangido. Não sentiu tê-lo matado, mas foi uma morte muito rápida. Se Caitrina não se lembrava daquilo, não seria ele quem o recordaria. — Esteve quase todo o tempo inconsciente. Não recorda nada do que aconteceu? Ela parecia confusa. — Um pouco. Jamie decidiu sondá-la com cuidado, sem querer causar mais dor fazendo-a reviver aquela lembrança. — Tirei-a da torre, que estava ardendo. Havia fumaça por toda parte... Ela deu um pulo, como se acabasse de lembrar. — Não estava ali para te fazer mal, Caitrina. Olharam-se e algo passou entre eles, algo vertiginoso. Acreditava nele. Mas não era suficiente. — Embora esteja dizendo a verdade, foi seu clã que atacou minha casa e assassinou minha família. Jamie passou os dedos pelo cabelo, sem atrever-se a dizer que era ainda pior que isso, que o homem que tinha dirigido o ataque era seu irmão. Temia aquela conversa, mas era necessária. — Seu pai se negou a cumprir com as repetidas petições para que entregasse MacGregor. — Mas como podia entregá-lo, se nem sequer sabia onde estava? Jamie respirou fundo. — Sim sabia. — Está mentindo! — Seus olhos lançavam faíscas. — Os soldados também mentiram. Como se atreve a propagar falsidades sobre meu pai para justificar as ações de um tirano sedento de sangue?

129


Jamie apertou a mandíbula. Não estava disposto a defender diante dela os atos de seu primo, ainda mais quando ela não tinha a mínima intenção de escutar. Nem sequer ele era cego aos defeitos de seu primo. Argyll podia ser implacável, fazendo o que tinha que fazer. Claro que o mesmo podia dizer-se de Jamie Campbell. Mas seu primo era a única esperança para as Highlands contra um rei que pretendia marginalizar seus súditos «bárbaros». O rei queria acabar com a anarquia das Highlands, e Argyll era um dos poucos highlanders com capacidade para fazer isso. Se não se fosse ele, fariam-no os Lowlands. As velhas tradições em relação à autoridade dos chefes de clã se desvaneciam, e os clãs em conflito, como os MacGregor, só conseguiam dar a todos os highlanders a imagem de bárbaros e endurecer ainda mais a s medidas do rei. Jamie esperava que, algum dia, Caitrina chegasse a compreendê-lo. — Encontramos provas de que seu pai estava protegendo os foragidos. Caitrina ficou pálida. — Não. Meu pai não faria isso. Teria me dito. — Ah, sim? — Jamie a observou, enquanto ela pensava nas implicações de tudo aquilo. — Mantinha você a par de tudo, não? — Caitrina se sobressaltou e Jamie soube que tinha metido o dedo na ferida. — Tenho certeza de que conhece o laço existente entre os MacGregor e os Lamont, a velha história da hospitalidade. — Olhou-a nos olhos. Sim, conhecia. — Não percebeu nada estranho nas semanas anteriores aos jogos? Caitrina negou, veementemente, com a cabeça, mas as dúvidas calaram sua firmeza. As declarações de Jamie a tinham perturbado, mas seu orgulho era implacável. Não queria ver cinzas, onde tudo era branco ou negro. — Não acredito em você. Diria tudo para defender seu clã.

130


Não gostava de fazer-lhe mal, mas não podia permitir que aquilo se colocasse entre os dois. Seu irmão se excedeu, mas não deveria atribuir aos Campbell toda a culpa do acontecido. — Lamento muito suas mortes, e se estivesse ali, talvez pudesse ter impedido, mas seu pai não estava isento de culpa. Preferiu lutar ao invés de entregar os rebeldes. Estas são as Highlands, Caitrina, e Lamont conhecia as conseqüências de sua desobediência. Sabia que se derramaria sangue. Nesse momento Caitrina o odiou. Queria fechar os olhos e tapar os ouvidos para não ter que escutar mais suas mentiras de Campbell. Mas, no fundo, sabia que havia dito a verdade sobre os MacGregor. Recordou aquela semana antes da reunião, pensou no estranho comportamento de seu pai, e tudo tinha lógica. Conhecia bem seu pai e sabia que era honrado. Não teria negado refúgio aos MacGregor, não podia. Mas, Por Deus, correr esse risco quando todo mundo sabia os extremos a que chegaria Argyll, na tentativa de destruir os MacGregor... Enfim, isso não justificava o acontecido. — Assim, a morte de meu pai, de meus irmãos e dos homens de meu clã está justificada, não? — perguntou, empertigando as costas. — Não eram mais que um pequeno inconveniente na caça às bruxas que organizou Argyll contra Alasdair MacGregor. — Foi um nobre sacrifício que eu esperava e tentava evitar. Entendia a situação de seu pai, mas violou a lei, Caitrina, e sabia perfeitamente o que aconteceria se fosse descoberto. Eu mesmo o adverti. — E isso justifica tudo? Você acha que a morte de mais de quarenta homens é um castigo justo por alguns proscritos? Umas diminutas linhas brancas apareceram em torno da boca de Jamie, o primeiro sinal de que Caitrina tinha conseguido comovê-lo. — Os proscritos mais procurados da terra.

131


— Os MacGregor são nossos aliados, e nem todos são ladrões e assassinos como diz. — Isso depende do ponto de vista. Muitos homens de meu clã e dos Colquhoun não concordariam com isso. Caitrina conhecia vagamente o acontecido na batalha de Glenfruin, mas sabia que os MacGregor tinham sido acusados, embora eles tivessem negado sua responsabilidade, pelo que foi qualificado como uma matança, incluindo o apunhalamento de quarenta homens que tinham sido feito prisioneiros. Fosse qual fosse a verdade, os MacGregor foram feito responsáveis, mas Caitrina sabia que toda história tem duas versões. Seu pai tinha julgado que os MacGregor eram dignos de proteção, e ela não pensava por isso em dúvida. — Você é um highlander, a menos que tenha esquecido. Ele entreabriu os olhos. — E o que isso significa? — Um highlander entenderia a sagrada obrigação da hospitalidade das Highlands. Se o que diz é certo, meu pai estava obrigado por honra a dar proteção aos MacGregor. — E eu entendo muito bem essa obrigação, mas não é desculpa para ter violado a lei, Caitrina. — Não tem compaixão? Ou a lei de seu primo não permite? — O rosto de Jamie era uma máscara de pedra, duro e implacável. — Por Deus, é capaz de sentir alguma emoção? Jamie se aproximou um passo, e Caitrina percebeu que havia atravessado uma linha fina. — Por desgraça, sim — respondeu, mas sua voz desmentia sua frase. — Embora neste momento, não ache graça nisso. Caitrina sobressaltou-se diante daquela admissão e afastou o rosto, pois não queria que visse como a tinha comovido. Sentia algo por ela? Dava na mesma. Mas por que, no fundo de seu coração, aquilo a emocionasse? 132


—Parte —disse furiosa. —Se o que busca é a absolvição, não a obterá de mim. Jamie a agarrou pelo braço e a obrigou a voltar-se para ele. Caitrina notou a cálida pressão de seus dedos através da camisa, como um ferro em brasa. Sabia que ele não podia suportar que lhe rechaçasse, mas nada podia impedí-la de lhe provocar, enfurecê-lo tanto como ela. Embora sua raiva não fosse somente contra ele: Caitrina estava furiosa com a força invisível que parecia uni-los, que não permitia ignorá-lo, nem esquecê-lo como desejava, que a fazia profundamente consciente dele e da estranha sensação física que parecia fazer arder seu corpo; seu quente aroma masculino, a sombra da barba em seu queixo quadrado, a ampla curva de sua boca que a fazia pensar em beijos. Era injusto. — Não vim procurando a absolvição — declarou, muito tenso. — Então, por que veio? — E, de repente, soube. Por ela. Tinha vindo atrás ela. — Não pensa, certamente, que eu quero alguma coisa de você, não é? — deu um sorriso, com desdém. Os olhos de Jamie lançaram faíscas ao perceber seu tom, mas Caitrina ignorou a advertência. — Desprezo você. Em você sempre verei um Campbell, o clã responsável pela morte de minha família, e nada do que diga mudará isso. O rosto de Jamie era um mapa de tensas linhas que irradiavam ira. Seu férreo controle vacilava. — Quer me odiar. — Colocou a mão em seu pescoço, cobrindo uma veia que pulsava, frenética, e ela ficou petrificada. — Mas você não me odeia, Caitrina. — Baixou a cabeça e o cabelo caiu-lhe sobre o rosto, sedoso e quente pelo sol. Ela sentiu seu fôlego quente e ficou sem ar, com o coração disparando como louco no peito. — Mesmo agora me deseja — insistiu ele, deslizando o dedo por seu pescoço até a curva de seus seios, deixando em sua esteira um atalho de fogo. Os mamilos endureceram à espera da carícia, palpitarando quando ele deixou cair a mão. — O fogo que percorre suas veias agora 133


mesmo é por mim — sussurrou Jamie em seu ouvido. — E só por mim. Ninguém te fará sentir isto. Tente negar o que há entre nós. Caitrina tremia da cabeça aos pés, consciente de cada centímetro de seu poderoso corpo, tão próximo dela. Negou com a cabeça, sem atrever-se sequer a falar. — Diga-me que não deseja que te beije. — Jamie desceu a boca sobre a dela. Caitrina sentia o pulsar de seu coração nos ouvidos, não podia respirar. Tinha todos os nervos a flor da pele. O vento açoitava seu rosto, mas a única coisa na qual podia pensar era na sedosa textura dos lábios dele, e no sabor deles em sua língua. — Não quero que me beije — conseguiu dizer com voz trêmula. — Mentirosa — grunhiu ele, e logo murmurou algo sobre Caitrina ser uma maldita cabeçuda, antes de pousar a boca sobre a dela. Caitrina sentiu que algo fervia em seu interior. Todas as emoções que tanto tinha lutado para conter saíram à luz, com uma rapidez espantosa. O beijo era tudo que recordava: quente, úmido, exigente e possessivo. Seu sabor era o do vinho mais deliciosa, que vertia em sua alma para embebedá-la de prazer. Aconchegou-se contra ele, aspirando seu fôlego, sua boca, seu corpo num instante. Não podia negar que o desejava. Jamie acariciava o queixo de Caitrina com o dedo, em uma suplicante carícia. Ela abriu a boca para aprofundar o beijo, saboreando a erótica sensação do roçar de suas línguas. Ele a acariciava mais e mais, como se não pudesse saciar-se nunca. Também Caitrina se entregava ao beijo, igualando carícia atrás carícia. Jamie gemeu, estreitando-a contra ele, deixando que sentisse cada centímetro de seu poderoso corpo. Caitrina consumia-se em chamas nos lugares onde se tocavam. Por Deus, era magnífico. Desejava tocar sua pele nua, passar as mãos pelos poderosos músculos de seus braços e seu peito para sentir sua força sob os dedos. Amoldava-se a ele, derretendo-se em seu calor. Ansiava 134


o prazer que somente ele podia oferecer, desejava alimentar o vazio de sua alma. O beijo se tornou mais rude, mais insistente. Jamie abriu mais a boca dela. A áspera sombra de sua barba arranhava a pele, e a língua investia mais e mais depressa, úmida, quente e deliciosamente erótica. A língua. As carícias. O fogo. O desejo a invadia, a lembrança de como a tinha acariciado acelerava seu pulso. O calor se acumulava entre suas pernas. Apertou-se contra ele, forçando o roçar de seus corpos, e notou a dura ereção. Por um momento, ficou tensa. A lembrança do soldado passou diante de seus olhos, mas a rechaçou. Jamie nunca lhe faria mal, sabia com uma certeza que a surpreendia. A luxúria jamais tomaria conta dele. Mas poderia ela controlá-la? Foi como receber um jato de água gelada. Estava beijando apaixonadamente um homem em plena luz do dia, e não um homem qualquer, mas seu inimigo. Uma espantosa sensação retorceu o estômago de Caitrina. Como podia trair assim sua família? Por um momento, em seus braços, tinha esquecido tudo o que estava entre eles. Empurrou seu peito para trás, para libertar-se de seu abraço, e sem pensar, lançou uma bofetada com tal força que ressoou como um disparo de mosquete. O rosto de Jamie mal se moveu com o impacto, mas o rastro de sua mão resplandecia, escarlate, em sua bochecha. Caitrina tapou a boca com a mão, aturdida por sua própria violência: sabia que tinha sido uma reação não só diante dele, mas diante de sua própria resposta apaixonada ao beijo. Que tipo de poder exercia aquele homem sobre ela? Resfolegou, tentando recuperar o controle, esforçando-se para sossegar o profundo desejo que ainda ardia em seu interior. Olhou nos olhos dele, e sua intensidade a fez estremecer. Seus olhos azuis afundaram nos dela, como se pudesse ver sua alma, seus mais profundos segredos.

135


— Já demonstrou o que queria — disse ela com voz rouca, sem fôlego. — Odeio você, mas meu corpo te deseja. Se era sua intenção me humilhar, conseguiu. O rosto de Jamie era uma máscara fria e implacável. Olhando-o ninguém diria que sob seu domínio de aço, ardia tanta paixão. Mas ela a havia sentido. Há alguns momentos, a beijava com mais emoção do que Caitrina teria sonhado, como se a desejasse mais que tudo no mundo. Como se ela importasse. — Asseguro que te humilhar era a última coisa que me passou pela cabeça. A expressão possessiva de seu olhar lhe disse exatamente o que tinha na cabeça. Desejava-a, e o pior era que ela sentia o mesmo. Por um momento, caíram suas defesas e olhou para ele, suplicante... — Por favor, me deixe sozinha, para que encontre ao menos um pouco de paz. Jamie moveu a cabeça. — Nós dois sabemos que isso é impossível. Temendo que ele tivesse razão, Caitrina pôs-se a correr.

136


Capítulo 10 Corria como se o diabo estivesse em seu encalço. De certo modo, Jamie era o diabo mesmo. Mas Caitrina jamais conseguiria fugir do que ardia entre eles. E a deixou partir... desta vez. Não deveria tê-la beijado, era muito cedo. Durante meses, Caitrina tinha culpado Jamie pela morte de sua família. Deveria ter lhe dado tempo para aceitar e assimilar o que ele havia dito. Ficou olhando-a, incapaz de mover-se. Embora tivesse mudado, sua beleza continuava sendo magnética. Movia-se com agilidade e com uma graça natural pelo atalho que conduzia ao castelo, com o cabelo ondulando atrás dela, como um sedoso véu negro. A banda escocesa que cobria seus ombros se soltou, e agora a carregava nos braços. Jamie sentiu uma ponta de arrependimento. A singela saia e a camisa eram um grande contraste com os finos vestidos com os quais estava acostumado a vê-la. As coisas que antes lhe tinham dado prazer eram agora uma longínqua lembrança. Naqueles tempos, a tinha chamado de «princesa». Agora, a comparação parecia cruel. Tinha mudado, e não só em suas roupas; eram mudanças muito mais profundas. Onde antes havia ingenuidade e inocência agora haviam o receio e a tristeza, mas também uma faísca de dureza nos olhos, que antes não existia. Somente ma coisa não tinha mudado: ainda possuía a assombrosa capacidade de fazê-lo perder o controle. Quanto mais tentava provocá-lo, mais ele desejava obrigá-la a reconhecer o que havia entre os dois. Parecia que a única coisa que ela não podia negar era sua paixão. Jamie, no começo, pensava que era luxúria, mas a luxúria era uma emoção simples, e não havia

137


nada simples na ardente atração e a forte conexão que parecia prendê-los um ao outro. Jamie chamou com um assobio seu cavalo negro. Pegando as rédeas, pôs-se a andar para o castelo, preocupado pelas mudanças de Caitrina. Diabos, ele jamais quis vê-la cair tão baixo; somente pretendia que compreendesse que o mundo era mais complicado do que pensava. Jamais tinha desejado que sofresse daquele modo, nem que presenciasse tal brutalidade. Se não tivesse ficado tão furioso com sua negativa, talvez pudesse tê-la protegido. Mas, por orgulho, calou suas intenções. Se tivesse informado a seu primo ou a seu irmão Colin de seu propósito de casar-se com ela, talvez sua família estivesse salva. Jamais poderia lhe devolver à família que tinha perdido, mas faria tudo que estivesse a seu alcance para reparar a situação. Olhou para o castelo ao aproximar-se, recordando suas últimas palavras. Um homem menos decidido teria feito o que lhe pediam, mas Jamie não podia partir e abandoná-la como ela queria. Caitrina Lamont tinha se impregnado profundamente nele, como nenhuma outra mulher e embora tivesse descido ao inferno, continuava sendo forte, apaixonada, teimosa e orgulhosa. O que ele, em outros tempos, tinha desdenhado como birras de uma menina mimada não era mais que o reflexo de sua força de caráter. Caitrina não se parecia com nenhuma mulher que tivesse conhecido. Pertencia-lhe, e não pensava deixá-la partir.

Caitrina subiu pela escura escada do velho castelo com o coração ainda palpitante e chegou à pequena câmara. Não era mais que um quarto de criados, mas para ela era perfeita. O teto baixo e inclinado do pequeno quarto lhe dava segurança. E já que estava na parte mais alta da torre, muito alta para subir, havia uma grande janela que dava ao fiorde. Seu tio queria dar a 138


ela um quarto maior, compartilhado com suas duas primas mais jovens, mas ela preferia a paz e a solidão. Suas primas, embora fossem muito doces, tinham doze e quatorze anos e eram muito faladeiras. Como Brian. As lembranças eram muito dolorosas. Com quatro passos, atravessou o pequeno corredor que levava ao seu quarto, abriu a porta e a fechou depressa, com um empurrão, depois de entrar, como se Jamie a estivesse seguindo. Mas uma vozinha em sua cabeça a advertiu que se Jamie Campbell a desejasse, uma simples porta de madeira não se colocaria em seu caminho. Caitrina estremeceu. Nada ficaria em seu caminho. Apoiou as costas na porta e fechou os olhos, tentando recuperar o fôlego, esperando que o agitado pulsar de seu peito se acalmasse. Acreditava ter deixado para trás sua irracional atração por ele. A participação de Jamie no ataque a sua família — ou a participação do clã Campbell — tinha erguido uma muralha intransponível entre eles. Ou ao menos deveria, mas ele a tinha atravessado com palavras que a obrigavam a ver aqueles acontecimentos sobre outro ponto de vista. Ainda o desejava. Por mais que quisesse negar, a apaixonada resposta a seu beijo era evidente, assim como sua vergonhosa debilidade. Jamie deveria ser o último homem sobre a terra pelo qual deveria se sentir atraída. E se fosse tão simples como uma atração física... Mas era mais complicado. Não conseguia pensar com clareza quando Jamie estava por perto. Suas palavras tinham provocado uma tormenta de emoções, mas duas coisas pareciam muito certas: que a tinha tirado da torre em chamas (recordava a sensação de segurança quando a tomou em seus braços) e que seu pai tinha dado proteção aos MacGregor. Sabia que seu pai simpatizava com a causa dos MacGregor, como muitos nas Highlands, mas ainda não podia acreditar que ignorasse perigo que era proteger os proscritos. Mesmo levando em conta que seu pai tinha sido um 139


chefe honrado e orgulhoso, na realidade não era estranho que tivesse decidido ocultar os MacGregor, fosse qual fosse o risco. O que, na verdade doía era não ter sabido nada a respeito. Tinham mantido Caitrina na ignorância, e a ignorância a tinha impedido de preparar-se para o golpe sofrido. Caitrina jurou que jamais voltaria a acontecer. Olhando para trás percebeu que tinham havido vários sinais de advertência, sobretudo no tocante a Jamie Campbell. Era evidente que seu pai a tinha apressado para que aceitasse sua proposta, consciente de que poderiam chegar a necessitar de sua proteção. A culpa retorcia suas entranhas. As coisas teriam sido diferentes se tivesse aceitado Jamie? Ele teria conseguido protegê-los? Não sabia o que pensar, mas uma coisa era certa: precisava erguer todas as suas defesas contra Jamie, para poder resistir. Desta vez tinha conseguido afastar-se dele, mas sabia que voltaria a tentá-la. Precisava ficar fora de seu alcance para sempre, o que significava encontrar um marido. Nesse mesmo dia, depois do almoço, falaria com seu tio. De repente, uma expressão de alarme tomou conta de seu rosto. O almoço! Lançou uma olhar através da janela, e ao ver o sol no horizonte resmungou uma maldição. Era muito tarde. Só demorou alguns minutos para trocar a saia, passar um pouco de água no rosto e um pente no cabelo. Saiu da torre e atravessou o pátio correndo para a construção na qual estavam o novo salão e as cozinhas. O grande salão, com uma lareira construída especialmente, foi erguido há mais de quarenta anos, quando a rainha María visitou o castelo de Toward. A porta da capela chamava-se ainda de «Porta da Rainha María». Ao ouvir os ruídos da festa sentiu uma ponta de culpa. Depois de tudo o que seus tios tinham feito por ela, deveria ter se esforçado mais para corresponder a sua bondade. Respirou fundo, forçou um sorriso e entrou no salão.

140


Por um momento os ruídos da festa e da música, o aroma quente da madeira e o vívido esplendor de cores dos tartanes produziram em Caitrina uma dolorosa melancolia. Recordava tanto de Ascog que teve que deter-se para recuperar o controle. Varreu a sala com o olhar, passando por aquela maré de rostos desconhecidos... exceto pela mesa, onde se sentavam seu tio, sua tia, suas primos e... O impacto a deixou estática. Somente Jamie Campbell seria bastante atrevido para entrar na casa de seu inimigo depois do que aconteceu em Ascog. Deveria ter esperado. Certamente Jamie não tinha perdido tempo. Mas o que Caitrina não entendia era por que seu tio o tinha recebido. Os Lamont de Toward odiavam os Campbell, tanto quanto os de Ascog, senão mais. O fato de que seu tio se sentasse à mesma mesa que o Açoite de Argyll depois de tudo o que aconteceu, disparou um alarme em sua cabeça. Aquilo não pressagiava nada bom. Jamie percebeu a reação de Caitrina ao vê-lo: vacilava na porta, como debatendo-se entre entrar ou dar meia volta. Teria mudado mais do que imaginava? Mas depois de uns segundos, a jovem endireitou as costas e entrou, decidida, no salão, sem voltar a olhar para ele. Jamie relaxou a mão, sem perceber que estava segurando a taça com excessiva força. Não, ainda era a garota apaixonada que não se acovardaria ante um desafio. Mas quando se aproximou, sentiu o receio em seu olhar, um receio que lhe doía. Bebeu um longo gole, sabendo que tinha razões para estar preocupada. Havia um lugar vazio no banco junto a ele, mas não surpreendeu-o que ela se sentasse no outro extremo da larga mesa de madeira, tão longe dele quanto possível. Assim Jamie só podia falar com a tia de Caitrina, Margaret, a sua esquerda, e com seu primo John, a sua direita. Ambos conheciam seu propósito ao vir para Toward. Embora Margaret Lamont cumprisse com seu 141


dever de anfitriã, percebia em suas maneiras certa desaprovação, mas seu filho era menos sutil: John, um corpulento guerreiro de uns trinta anos, cheio de cicatrizes, não se incomodava em dissimular sua hostilidade, falando com grunhidos e monossílabos, com a expressão de quem estava desejando afundar uma adaga em seu peito. Não era a primeira vez que Jamie encontrava-se num ambiente violento, embora se sentisse mais ansioso do que queria reconhecer pelo que estava por vir. Aquele almoço estava parecendo eterno. Por fim, o Lamont de Toward se levantou. Tinha chegado o momento. — Sobrinha — disse a Caitrina, — quer vir conosco? Caitrina olhou em direção a Jamie, como se pudesse negar-se. Ele manteve sua expressão pétrea. Por fim ela se levantou e seguiu seu tio, com um sorriso educado, embora forçado. — É obvio, tio. Jamie, Caitrina, Margaret e John seguiram o chefe até o pequeno hall junto ao grande salão. Em circunstâncias normais, teriam vindo também os guardas dos Lamont, mas Jamie tinha pedido uma conversa particular, pois sabia que Caitrina ia sentir-se encurralada. Será pelo bem de todos, disse a si mesmo. Estava disposto a fazer qualquer coisa para atingir seus propósitos, mas isso não evitava certa inquietação. A sala era pequena e escura, com espaço suficiente para uma mesa e uns bancos, nada mais. O chão era coberto por um tapete em tons de verde e azul, as paredes de painéis de madeira não estavam enfeitadas com pinturas, nem havia janelas no aposento. De fato, a única decoração era um grande estandarte de seda com o escudo dos Lamont, que pendia na parede em frente à porta. Em uma simples estante se via o que parecia ser livros de contabilidade da casa. A simplicidade da sala era estranha, em comparação com o ornamentado grande salão, mas Lamont parecia disso.

142


Alto e magro, de rosto corado e uma juba de cabelos avermelhados e grisalhos que sempre parecia alvoroçada, o Lamont de Toward era um homem tranqüilo e de poucas palavras. Por seu temperamento, Jamie sempre o tinha considerado mais apropriado para a igreja que para o campo de batalha. Seu filho, o perigoso John Lamont, era justamente o contrário. Jamie olhou-o de esguelha e tomou o lugar de honra junto ao chefe, percebendo que John e Margaret Lamont se sentavam ao lado de Caitrina, como se tentassem protegê-la. Não adiantaria nada. — Sem dúvida, está se perguntando por que pedi que viesse — Lamont dirigiu-se a Caitrina. — Na realidade, o que me pergunto é o que ele está fazendo aqui — replicou ela, com os olhos cravados em Jamie. — Acredito que deixei perfeitamente claro. Não tenho nada mais para dizer à ele. — E eu acredito que você também recordará minha resposta — repôs ele tranqüilamente, percebendo que a raiva tinha tingido de rubor suas bochechas. — Escute o que tem para dizer seu tio — concluiu. Lamont pigarreou. Era evidente que estava incomodado. Que demônios, não era de admirar. — Campbell e eu mantivemos contato durante os últimos dois meses. Caitrina inspirou profundamente e pela expressão de seu rosto, parecia que tinha sido traída. Seu tio engoliu em seco, ao observá-la. Margaret se apressou a agarrar a mão de sua sobrinha e olhou impaciente para seu marido. — Não entendeu bem, querida, seu tio não a traiu. Lamont pareceu alarmar-se ao perceber no que Caitrina tinha pensado. — Sua tia tem razão. Eu não disse a Campbell sobre seu paradeiro. Acontece que ele ficou em contato comigo por outros motivos. Caitrina pareceu tranqüilizar-se um pouco, mas Lamont ainda tinha problemas para encontrar as palavras adequadas. Jamie, com pena dele, intercedeu. 143


— Seu tio foi uma espécie de intermediário. — Ao ver o rosto magoado de Caitrina, explicou-se melhor: — Quando procurava pelos bosques, perto de Ascog depois do ataque — «quando procurava você», omitiu-se de esclarecer — capturei dois soldados de Alasdair MacGregor, um dos quais era seu primo Iain. Caitrina se mostrou surpresa. — Então, a morte de meu pai não serviu para nada — espetou amargamente. — Encontrou os MacGregor e os entregou a Argyll, de qualquer forma. Ou não teve necessidade de entregá-los? Jamie retorceu a boca. Certamente, devia te-los matado, era o que merecia Iain MacGregor. Não o tinha feito justamente por ela. Se quisesse ter alguma chance com Caitrina, sabia que não podia ser responsável por mais mortes. Esticou o queixo com expressão sombria. Iain MacGregor era um dos piores: um assassino que há anos arrasava e saqueava as propriedades dos Campbell. E o que outros faziam para obter lucros, ele fazia por puro prazer. Alasdair MacGregor, por outro lado, tinha-lhe parecido um homem muito diferente. Embora tivessem se enfrentado várias vezes nos últimos anos, durante as negociações, Jamie chegou a vê-lo como um homem condenado pelo dever de liderar um incontrolável grupo de foragidos. E sendo seu chefe, Alasdair era responsável por eles. Jamie chegou a sentir pena dele. Lamont, inesperadamente, saiu em sua defesa. — Não, Caitrina, não fez nenhuma coisa, nem outra. Na realidade, Campbell evitou que Argyll enviasse mais soldados ao lugar, até que chegaram a um acordo para a rendição pacífica de Alasdair MacGregor. Como prova da boa fé de Campbell, enquanto faziam as negociações, manteve em segredo a localização dos prisioneiros. Caitrina olhou para ele, surpresa. Percebeu que isso significava que Jamie esteve ocultando informações de Argyll.

144


Que demônios, ele mesmo tinha ficado surpreso. Jamais se negou a cumprir uma ordem de seu chefe, o que era prova suficiente do que Caitrina significava para ele. No princípio, seu primo ficou furioso, e só quando Jamie explicou seu propósito, acalmou-se um pouco. Sabia que Caitrina queria perguntar as razões de seu comportamento, mas em vez disso, voltou-se para seu tio. — E já foi negociada uma rendição pacífica? Lamont assentiu. — MacGregor e seus homens concordaram em entregar-se para Argyll, e em troca o conde prometeu indulto pelos crimes que cometeram e aceitou escoltá-los até território inglês. Alasdair MacGregor acha que o rei Jaime da Inglaterra o tratará com justiça. Sem dúvida, Alasdair MacGregor morreria pelos crimes de seu clã, mas pelo menos seu sangue recairia nas mãos do rei Jaime. Caitrina assentiu, sem deixar de olhar para seu tio. — É mais do que teria esperado de Argyll, mas não entendo o que tem a ver tudo isto comigo. Lamont voltou a pigarrear. — Para selar o trato, Campbell pediu sua mão em casamento. Caitrina ficou rígida, agarrando suas saias com tal força que tinha os dedos brancos. Irradiava fúria e indignação, mas manteve a voz surpreendentemente serena. — Temo que já rechacei sua generosa oferta de casamento. De fato, pensava discutir outro enlace contigo esta noite. A reação de Jamie foi instantânea. O sangue corria, fervendo, por suas veias. — Com quem? — perguntou, apertando os punhos, e pensou: Matarei o bastardo! Ela torceu os lábios. — Isso não é da sua conta. 145


Lamont parecia arrasado. — Isso muda tudo. Não sabia que seu pai tinha tratado outro casamento; acreditava que tinha rechaçado todas as ofertas. Quem é, menina? Caitrina ruborizou. — Ainda não foi tratado nada, na verdade. Lamont olhou de um para o outro, notando a tensão e provavelmente adivinhando sua causa. — Deveria ouvir sua oferta antes de rechaçá-la, sobrinha. — Não pode dizer nada que faça com que mude de opinião. — Não esteja tão certa disso. Acho que é conveniente que o ouça, Caitrina — sua tia opinou. Caitrina sentia um pânico crescente. Voltou-se para seu primo John, mas este também assentiu, embora não parecesse muito contente. — Muito bem, qual é essa oferta? — perguntou, por fim, impaciente. Jaime percebeu que Lamont a olhava, com pena, ao dar sua resposta. — Se casar com Campbell, pode voltar para castelo de Ascog com o que resta de seu clã, sob sua proteção. Caitrina deu um pulo, como se tivesse recebido um golpe, e Jamie comprovou que não havia se enganado. Depois da morte de sua família, sua casa e seu clã eram o mais importante para ela. Mas quanto estaria disposta a sacrificar por eles? Caitrina tinha perdido a compostura e suas mãos tremiam sobre o colo. — Entendo. Está oferecendo o que, por direito, pertence aos Lamont. Ninguém disse nada, mas todos sabiam que Argyll tinha reclamado as terras de seu pai. Ao negociar a captura dos MacGregor, o Conselho tinha promulgado leis que ofereciam uma grande recompensa pela cabeça de qualquer MacGregor, além de todas as posses do morto. Ao dar abrigo aos foragidos, podia-se dizer que o próprio Lamont era também um proscrito, e como tal, suas posses seriam confiscadas. E já que não restavam 146


sobreviventes masculinos, Caitrina enfrentava uma longa e difícil batalha que não tinha muitas possibilidades de ganhar. — Meu primo aceitou me dar as terras no dia de nossas bodas. — Algo que tinha requerido muitas negociações e que não tinha sido do agrado de Colin, pois considerava que essas terras eram deles. — Tudo passará às mãos de nosso segundo filho. Ante a menção dos filhos, Caitrina ficou pálida. Jamie sentiu o pânico em seus olhos e soube que estava a ponto de perder a compostura. — Deixem-nos a sós — pediu aos outros. Lamont franziu o cenho. — Não permitirei que force à moça. Jamie cravou o olhar nele, mas perdoou o insulto, pois sabia que o chefe se preocupava com sua sobrinha. — Caitrina? — perguntou Margaret Lamont. Ela assentiu. O chefe escoltou sua mulher, seguido de John, que antes de chegar à porta se voltou. — Não tem que se casar com ele, prima. Não te verei presa a um maldito Campbell. — Olhou para Jamie com expressão ameaçadora. — Diga uma só palavra, e ele provará o fio de minha espada. Jamie ficou em pé, levando a mão ao punho de sua espada. — Se você não provar primeiro a minha — replicou com calma. Estava desejando uma briga, e pelo tamanho e a força de John Lamont, era provável que demonstrasse ser um rival à altura. Deu um salto, ao notar a mão da Caitrina no braço. — Não será necessário. Obrigado, John, mas estou bem. Seu primo cravou em Jamie um olhar assassino e fechou a porta ao sair. Caitrina deixou cair a mão e se voltou para olhar à luz das velas. Deus, que formosa era. Tê-la tão perto era um exercício de contenção. 147


Embriagado pelo aroma de seu delicado perfume, morria de vontade de afundar os dedos em seus cachos sedosos, tocar a suave curva aveludada de sua bochecha e saborear o mel de seus lábios. Mas ela não desejava seu consolo. Isso mudaria algum dia? Jamie jamais tinha forçado nenhuma mulher, jamais . E se Caitrina nunca...? Não, acabaria pertencendo a ele. — Então este é seu plano — disse ela, com a voz carregada de emoção. — É tão desumano quanto eu pensava. Está disposto a me forçar a me casar contigo, sem se importar como quanto te odeio. Jamie esticou os músculos. Sabia que não o odiava, mas de toda a maneira, não gostava nada de ouvir. — Eu não vou forçar você a nada. É sua decisão. Caitrina bufou, com desdém. — Que espécie de decisão é essa, quando tem na palma da mão tudo que eu desejo? Por que está fazendo isso comigo? É pelo que aconteceu antes? É uma espécie de vingança? Atrevi-me a rechaçar o grande Jamie Campbell, assim agora me dobrará a sua vontade e me humilhará. — Isso é o que pensa? É tão difícil acreditar que te desejo? — Não, isso não é difícil de acreditar — replicou ela. — Mas para isso precisa casar-se. Se é a única coisa que quer de mim, então toma-o... Jamie a agarrou pelo braço, impulsivamente. — Não — advertiu com voz grave. — Não diga isso. Deixou cair o braço. — Isso não é tudo o que quero de ti. — Jamais tinha tido que explicar seus sentimentos diante de nenhuma mulher, e não sabia como descrever o que sentia. — Me importo com você. — Pois se tenho alguma importância para você, não faça isto. — Justamente faço porque me importo. — Para conseguir que Argyll aceitasse, tinha tido que oferecer certas garantias e assumir como uma

148


responsabilidade pessoal a conduta dos Lamont. Se os Lamont violassem a lei, seria ele quem teria que responder. — Estou tentando te ajudar. Não vê que esta é a melhor maneira recuperar sua casa? E eu posso te proteger. — Não preciso de sua proteção. — Ah, não? Caitrina negou com a cabeça, secamente. — Não. Incapaz de resistir, Jamie acariciou com o dedo a suave curva de sua bochecha. — Tão horrível seria casar-se comigo? Notou que Caitrina tremia, mas não respondeu. Jamie forçou-se a expor a pergunta que tinha medo . — Há algum outro homem com quem deseja se casar? — A mera idéia lhe atravessava o peito como uma adaga. Caitrina ficou olhando-o, como se tivesse vislumbrado um indício de sua tortura. — Eu... — Então vacilou. — Não, não há ninguém mais. Jamie se aproximou um passo, olhando suas densas pestanas negras sobre sua pálida pele. Várias sardas novas começavam a aparecer na ponta de seu nariz arrebitado. Jamie respirou fundo, mas não a tocou. — Dê-me uma oportunidade. Farei tudo que estiver ao meu alcance para te fazer feliz. — Era o mais próximo a uma súplica que pôde formular. Estendeu uma mão sem pensar e brandamente colocou uma mecha de cabelo atrás da orelha de Caitrina, roçando com os dedos o veludo de sua bochecha e sobressaltando-a com a ternura da carícia. Depois de um momento acrescentou: — Vai considerar minha oferta? Ela assentiu. Começava a ceder, mas ainda tinha que saber uma coisa mais. Jamie não queria que nada se colocasse entre eles. 149


— Deve saber algo mais, antes de tomar sua decisão. Ela inclinou a cabeça, intrigada por seu tom de voz. — O que? — O homem que dirigiu o ataque contra seu pai... — Olhou-a nos olhos — É meu irmão. — Não! — Mas o grito ficou preso na garganta. O rosto do líder voltou a sua memória. Algo nele tinha lhe recordado Jamie, e agora sabia por que. Sentiu um gosto amargo na boca. Deus bendito, o irmão de Jamie tinha matado seu pai. Justo quando começava a pensar que poderia ser possível algo entre eles... — Não vou obrigar você a aceitá-lo, mas pensei que tinha direito de saber. Meu irmão não sabia o que você significava para mim. E o que significo para ti? Mas isso não podia perguntar. — E acha que isso é desculpa? — Não, mas poderia ter mudado as coisas. Agora, vou embora. Envie uma mensagem a Dunoon quando tiver tomado sua decisão. Se decidir aceitar, podemos nos casar imediatamente. — Mas as admoestações... — As admoestações já foram tornadas públicas. Caitrina sentia apertar o laço em torno de seu pescoço. — Tão certo estava de minha resposta, ou jamais me permitiria dar outra? — Só queria estar preparado. Pensei que estaria ansiosa para voltar para sua casa. — Já não tenho casa. Não restou nada. — Pode ser reconstruída. — Não tudo — replicou ela com voz fraca. Jamie cravou-lhe um longo olhar que pareceu chegar à sua alma. — Sinto sua perda, de verdade.

150


E era certo. Caitrina sentia sua compaixão e sua compreensão, e por um momento deixou que a envolvesse e lhe desse consolo. Seria uma rocha em que apoiar-se, se ela desejasse. Jamie ergueu o queixo. — Tem razão, nem tudo pode ser reconstruído — admitiu — mas podemos tentar construir algo novo. Era uma espécie de oferecimento de paz, mas ela não estava disposta a aceitar. — Eu não quero algo novo, quero que devolvam a minha família. — Acreditou vê-lo dar um pulo, mas dissimulou tão depressa que talvez tivesse somente imaginado. — Não entende? Jamais poderei substitui-los. — E eu nem sugiro que tente. Mas, neste momento, sou tudo que tem. Caitrina viu Jamie fechar a porta atrás de si. Estava aturdida. Ele tinha partido. As lágrimas ardiam em sua garganta. A decisão estava agora em suas mãos e não sabia o que fazer. Precisava pensar. Obrigou-se a atravessar o salão com passo sereno, sem atrever-se a olhar a ninguém nos olhos. Somente quando chegou ao pátio de armas, pôs-se a correr. O sol afundava no horizonte e o ar estava frio e úmido. Desceu aos tropeços pelo caminho da praia, com o cabelo agitado pelo vento e as lágrimas correndo pelas bochechas. Caiu de joelhos na areia e cobriu o rosto com as mãos. Era vagamente consciente de que alguém a chamava, mas o grito soava muito longínquo. Um momento depois, sentiu os braços de Mor em torno dela, e seu familiar aroma, seu aconchegante colo, fizeram-lhe soluçar ainda com mais força, como quando era menina. Que motivos podia ter, naquela idade, para chorar?

151


—Vamos, vamos, menina. O que te desgostou tanto? Caitrina conseguiu contar a história aos soluços, o suficiente para que sua velha babá fizesse uma idéia do que tinha acontecido. — Então, ele diz que chegou ao castelo para pôr fim à batalha? Caitrina assentiu com a cabeça. — E você acreditou? Curiosamente, acreditava. — Sim, mas eu não estava ali. Conte-me do que se lembra. Era a primeira vez que perguntava a Mor sobre aquele dia. A babá ficou pensativa por um momento. — O caos era tal quando nos tiraram do castelo que tive que fazer um grande esforço para não perder Uma. Havia fumaça por toda parte, E corpos, cadáveres em qualquer lugar que olhasse. Estava aterrada diante da possibilidade de ver você entre eles — confessou Mor com um estremecimento. — Foi um grande alívio ver o Açoite Campbell tirar você daquela torre... — A velha babá interrompeu-se, emocionada. — Salvou sua vida, mas eu não sabia por que razão. Sim, chamou-me muito a atenção como te segurava em seus braços, como se fosse uma menina pequena, e como te deu um beijo, ao te deixar em segurança — acrescentou, franzindo o cenho. — Tinha uma expressão estranha, e então disse: «cuide dela. Vou entrar de novo, tenho que ver o que posso fazer. Ainda há gente lá dentro». — Mor se deteve de novo. — Eu achei que falava de seus homens, mas... — encolheu os ombros. — Não sei. Naquele momento o vi discutir com o outro homem. — Sua expressão endureceu. — O homem que matou seu pai. — Seu irmão — explicou Caitrina com voz monótona. Mor lançou uma exclamação. — Ai, menina! — Não posso me casar com ele.

152


— É claro que não — consolou sua babá, acariciando seu cabelo. — Se não quiser... — Não quero me casar com ele. Desprezo-o, é um Campbell. Como pôde pensar...? — Caitrina interrompeu a frase, ao ver o olhar sábio da anciã. — Caitrina Lamont, conheço você desde o dia em que nasceu. Vi como olha para esse homem... E como ele olha para você. Caitrina sentiu o calor do rubor nas bochechas, enxugou os olhos com a manga e ergueu o queixo. — Não sei o que acha ter visto, mas está enganada. — Ah, sim? — Mor moveu a cabeça. — Ai, Caiti, não podemos controlar o que desejamos, como não podemos ordenar que chova ou que pare o vento. Seus sentimentos por esse homem não devem te envergonhar. Caitrina notou que algo se retorcia em seu peito. Mor estava enganada; sua atração por Jamie Campbell era uma traição ao seu pai e a seus irmãos. E além do mais, isso não mudava as coisas. — Como pode dizer algo assim? Você sabe quem ele é e o que tem feito? Mor assentiu, compreendendo o conflito de suas emoções. — Os Campbell são desumanos ladrões de terras, e eu queria muito ver o homem que atacou seu pai enforcado, afogado e esquartejado. Mas não acredito que Jamie Campbell teve nada a ver com isso. É o homem de Argyll, o que é um ponto negativo, certamente, mas você importa para ele, e isso poderia ser uma vantagem. Não se pode negar que sua oferta é boa. Os Campbell são um clã muito poderoso, e talvez a melhor maneira de proteger os Lamont seja uma aliança com eles, através do casamento. E mais, sem estas bodas, talvez não volte a ter uma oportunidade de recuperar Ascog. Por mais que Caitrina odiasse ouvi-la dizer aquilo,de maneira tão direta, Mor dava voz a seus próprios pensamentos. Jamie a tinha encurralada, não lhe deixava nenhuma saída. Se o rejeitasse, estaria negando-se a cumprir seu dever para com o clã. 153


Como tinha acontecido antes: seu pai a apressou a considerar a oferta de Jamie Campbell, mas ela tinha sido muito egoísta então não querendo abandonar o acolhedor seio de sua família. Teriam mudados as coisas, se ela tivesse aceitado sua proposta? A dúvida doía muito para pensar sequer. Tinha evitado seu dever para seu clã em uma ocasião e não podia fazê-lo de novo. Se havia alguma forma de proteger o que restava de sua gente e reclamar Ascog sem que mais sangue fosse derramado, tinha que tentar, e Jamie Campbell sabia tão bem quanto ela. Adivinhando os angustiantes pensamentos de Caitrina, Mor a abraçou com carinho. Caitrina fechou os olhos e encontrou consolo naqueles braços, e sentiu que sua determinação se fortalecia sob o sopro do vento e o aroma salobre do mar. Depois de um momento, afastou-se e olhou para a espumante massa de ondas azuis. A sombra da ilha de Bute se desvanecia, pouco a pouco, sob o resplendor alaranjado do anoitecer. — O que decidiu? — perguntou Mor. — Cumprir com meu dever. Que outra coisa posso fazer? — respondeu ela, com a voz tão cortante quanto as ondas contra as rochas. Cumpriria com seu dever, sim, mas algum dia Jamie Campbell se arrependeria de havê-la forçado desse modo. Daria seu corpo, mas jamais lhe pertenceria. O que restava de seu coração estava enterrado na areia, junto com o desfiado tartán de seu pai.

154


Capítulo 11 Casaram-se no domingo, quatro dias mais tarde, dois dias depois que Alasdair MacGregor e seus homens, acompanhados de Jamie e seu tio, se rendessem diante do conde de Argyll em Dunoon. Caitrina colocou como condição não ter que suportar a presença do conde, nem do irmão de Jamie nas bodas, de maneira que o contingente Campbell consistia unicamente no punhado de homens que compunham sua guarda. A cerimônia celebrou-se na pequena capela do castelo de Toward, que se elevava frente à torre da comemoração, junto ao salão novo. O resto da família de Caitrina enchia os bancos: seus tios, seus primos, Mor e mesmo os homens do clã que a tinham acompanhado desde Ascog, embora fosse incomum estarem presentes em tal evento. Ignorando os protestos de sua tia, Caitrina tinha rejeitado os elaborados veludos e brocados e tinha decidido vestir uma singela saia de lã azul escuro e uma camisa sem adornos. Aquela roupa humilde parecia mais de acordo com a sombria ocasião, já que aquelas bodas não trariam nenhuma alegria, somente um dever. Caitrina se enfureceu pelas odiosas pontadas de desejo que precederam o evento, recordando-se que aquele era um casamento de compromisso. Apesar de tudo, quando entrou na escura capela de pedra e viu Jamie ao final do corredor, junto ao pastor, sentiu uma forte agitação no peito. Eram somente seus nervos. Afinal, era o dia de suas bodas, por menos que desejasse. Mas isso não explicava porque seu coração deixava, aparentemente, de pulsar quando se olhavam. Caitrina sentia a intensidade de seu olhar, um olhar penetrante, com o qual a possuiu, a tal ponto que era como se tivesse atravessado toda a sala para reclamá-la. E, por um instante 155


sentiu como algo natural, como se esse fosse seu destino. Até que se lembrou de como a tinha obrigado a casar-se. Não podia negar, entretanto, que estava magnífico. Seu cabelo, penteado para trás, emitia reflexos castanhos sob a suave luz das velas e algumas mechas úmidas se enroscavam em seu pescoço. Seu queixo quadrado e as duras linhas de seu belo rosto pareciam douradas entre as oscilantes sombras. Jamie se elevava alto e orgulhoso sobre o pastor e seu tio, que aguardava atrás dele. Embora Jamie estivesse resplandecente em suas roupas, o suave couro negro não abrandava a dura virilidade de seus amplos ombros, seu peito musculoso e suas fortes pernas. Caitrina caminhou devagar até chegar ao seu lado, tão perto que percebia o aroma de sabão de sua pele. Estendeu-lhe uma mão e durante um momento o mundo se deteve. Naquela mão aberta estava seu futuro, aquela mão calejada pela espada, salpicada de cicatrizes de batalhas que ofereciam uma indubitável prova de sua ocupação. Jamie podia ter as refinadas maneiras de um cortesão, mas não havia dúvida de que vivia pela espada. Era um guerreiro duro e implacável, o Açoite de Argyll, e se Caitrina aceitasse aquela mão, seria sua esposa. O coração palpitava no peito. Ela ergueu sua mão, tentando não tremer, e a colocou sobre a dele, notando que uma descarga de calor a invadia diante daquele contato. Jamie certamente captou sua agitação, porque se inclinou para ela para sussurrar: — Respire fundo. — Seu fôlego quente lhe fez cócegas na orelha, provocando um calafrio. — Tudo sairá bem. Algo em sua voz a comoveu, fez com que Caitrina desejasse acreditar. Assentiu com a cabeça, e soltou o fôlego que continha. E virou-se para o pastor para repetir os votos que a prenderiam a Jamie Campbell para sempre, até que a morte os separasse. E então, antes que pudesse mudar de idéia, 156


Jamie agarrou-lhe o queixo e deu um casto beijo em seus lábios, selando os votos. O beijo a arrancou do estupor em que se encontrava durante toda a cerimônia. Terminou. Era sua mulher... uma Campbell. Transformou-se em sua própria inimiga.

Jamie estava sentado na mesa principal junto com sua nova esposa. A balbúrdia dos homens do clã ia deteriorando-se até tornar-se um ébrio murmúrio à medida que o banquete, que já durava várias horas, entrava noite adentro. Quaisquer bodas, inclusive uma não desejada, era uma desculpa para uma celebração, e todos os homens do clã a esperavam. Olhando em torno da sala era difícil acreditar que aquilo não fosse uma feliz ocasião. Jamie chamou uma criada para que servisse outra taça de vinho. Apesar de não ser próprio nele, não havia forma de negar: estava protelando o inevitável. Voltou-se para sua esposa, a sua direita. — Mais vinho? Caitrina negou com a cabeça, já que não havia falado quase nada com ele, durante todo o tempo. Jamie notava a crescente tensão de sua esposa à medida que avançava a tarde e se aproximava a noite de bodas. Que demônios, era compreensível. A perspectiva se erguia entre eles como um zumbido, tão densa que era quase evidente. Ele mesmo tinha esperado tanto tempo para casar com ela que era estranho que seu desejo se tornasse realidade, e à medida que se aproximava o momento de fazê-la sua por completo, sua espera ia tingindo contornos de inquietação. Queria que a noite fosse perfeita, mas sabia que sua mulher se mostraria reticente... para dizer o mínimo.

157


Durante todo o dia havia se sentido como um verdugo, levando-a ao cadafalso. Não sabia muito bem o que esperar dela, mas aquela estóica moça cumprindo com seu dever era uma imagem que doía. Tinha esperado que sentisse algo por ele, que depois de considerar, visse o casamento com um pouco de satisfação. Mas obviamente esperava muito. Para um homem tão pragmático, era um idealismo pouco característico. Caitrina estava se casando com ele para recuperar sua casa para seu clã, e nada mais. Jamie tinha conseguido o que queria, mas a que preço? Caitrina chegaria a perdoá-lo algum dia? Estava fazendo o certo? Quando nessa manhã a viu entrar na capela, sentiu uma ponta de incerteza, ao ver seus grandes olhos azuis e sua pele pálida e cremosa. Parecia muito nervosa, mais frágil do que nunca. Jamie tinha tentado tranqüilizá-la, e a princípio, pareceu funcionar, mas não durante muito tempo. O que, na verdade desejava era tocá-la, estreitá-la em seus braços para acalmar seus medos, mas sabia que isso só ia piorar as coisas. Como podia demonstrar que não era um monstro, que ansiava protegê-la, não lhe fazer mal? Precisaria de muito tempo e paciência. De repente, ocorreu-lhe que teria que cortejar sua esposa. Era uma ironia. Jamais tinha tido necessidade de seduzir nenhuma mulher, quanto menos à sua própria. Não entendia sequer por que estava tão disposto a tomar tantos cuidados. Poderia ter partido, como ela tinha pedido. Talvez devesse ter feito isso. Não. Custasse o que custasse, iria fazê-la feliz. Observou-a por cima de sua taça, e quanto mais a olhava, mais se comovia com sua beleza. A roupa singela que tinha escolhido, longe de apagar seu esplendor como certamente pretendia, o enfatizava ainda mais. Ela não podia fazer nada para obscurecer seus impactantes traços: a imaculada pele pálida, os lábios vermelhos, os escuros olhos azuis e o cabelo negro. Tampouco podia negar a perfeita simetria de seus traços. Até de perfil percebia-se as belas maçãs do rosto, a voluptuosa rigidez de seus seios, a 158


suavidade de seus cílios, o delicado nariz arrebitado. Mas sua autêntica beleza parecia vir do interior. Era o fogo de seu espírito que sempre o tinha atraído, aquela menina apaixonada e descarada com olhos flamejantes que o desafiavam como ninguém. Uma mulher que se erguia das cinzas da destruição, disposta a lutar por seu clã. Ela deve ter sentido seu olhar, porque Jamie detectou um leve rubor em suas bochechas. Voltou-se para ele e seus olhos se encontraram pela primeira vez desde aquela manhã. — É uma grosseria olhar fixamente. Jamie sorriu, irracionalmente feliz ao ver que continuava sendo tão atrevida. Seu ânimo sombrio o tinha preocupado mais do que pensava. — Olhava fixamente? — perguntou ele, arqueando uma sobrancelha. — Sim. Jamie encolheu os ombros. — É porque é muito bela. Mas o elogio não a afetou. — E uma esposa bonita é importante para ti? Jamie sorriu. — Certamente, mal não faz. — Percorreu com o dedo a borda da taça, sabendo aonde ela queria chegar. — Mas se estiver sugerindo que é somente sua beleza que me atraiu, engana-se redondamente. Conheci muitas mulheres bonitas. Caitrina queria ignorá-lo, mas não pôde conter a curiosidade. — Então, por que? Jamie pensou um momento antes de responder, procurando as palavras adequadas. — Porque me intriga com seu descaramento e sua audácia. Jamais conheci uma mulher como você.

159


— Está me dizendo que se tivesse sido dócil e tímida não teria se interessado por mim? Caitrina parecia tão irritada que Jamie pôs-se a rir. — Provavelmente. Talvez devesse tentar. Ela entreabriu os olhos. — Ora! Não te servirá de nada. Pode estar certo de que se casou com uma fera. É pior que meus irm... — de repente interrompeu-se, angustiada pelo que tinha estado a ponto de dizer. Agarrou-lhe uma mão, e se sentiu satisfeito ao ver que ela não a retirava. — Seus irmãos brigavam muito com você? — perguntou. Ela assentiu, com os olhos cheios de angústia. Jamie se comoveu por ela. Não podia nem imaginar o que seria perder toda a família em um só dia. O fato de que Caitrina não tivesse sucumbido à dor era prova suficiente de sua força. — Deve sentir muita falta deles. — Sim — respondeu ela brandamente. Jamie teria dado tudo para devolver a família dela, mas isso era algo que não estava em suas mãos. — Oxalá Lizzie estivesse aqui hoje. Eu gostaria que a conhecesse. — Sua irmã? — Sim. — Onde está? — No castelo de Campbell. — Sua expressão se obscureceu. — Pensei que era muito recente, que estaria mais segura nas Lowlands. — Ao notar o olhar inquisitivo de Caitrina, explicou-se: — Quando voltei para Dunoon, depois de sair de Ascog, soube que. Lizzie, que devia chegar antes de mim, ainda não tinha aparecido. Saí imediatamente para o castelo de Campbell e averigüei que os MacGregor tinham tentado seqüestrá-la, para utilizá-la contra mim. Caitrina lançou uma exclamação, sem dissimular seu horror. 160


— Isso é espantoso! Devia estar apavorada. Jamie franziu o cenho. Sim, Lizzie deveria ter estado apavorada, mas curiosamente o incidente não parecia tê-la afetado em nada. Era muito estranho, mas Jamie não tinha tido tempo de descobrir, porque um membro de sua guarda havia chegado com notícias dos MacGregor em Ascog. — Teve sorte. Havia um grupo de homens no local, que espantaram os proscritos e a tentativa fracassou. Lizzie estava assustada, mas sã e salva. Caitrina guardou silêncio um momento. — Esse era o assunto que estava tratando, quando seu irmão e seus homens chegaram a Ascog? Jamie a olhou nos olhos. — Sim. E me inteirei do que se passava somente porque o homem que levou a mensagem ao meu irmão, decidiu ir me buscar no castelo de Campbell. Oxalá tivesse chegado antes. — Sim, oxalá — repetiu ela com voz fraca, baixando os olhos. Jamie olhou sua cabeça curvada; seu cabelo sedoso como ébano brilhava à luz do fogo. Desejava estreitá-la contra seu peito e lhe assegurar que tudo ficaria bem, mas sabia que para ela não. Nada poderia mudar aquele dia e devolver sua família. Tampouco podia eliminar o papel que tinha interpretado seu clã naquelas mortes. Mas podia devolver sua casa e, se ela permitisse, dar-lhe uma nova família. Em momentos como aquele, e antes, na capela, sentia entre eles uma conexão, mas tão fugaz que não estava seguro se não era fruto de sua imaginação. Apesar de tudo, isso lhe dava esperanças de que houvesse alicerces sobre os quais construir um futuro. É obvio, há outra conexão que terei que consumar, e se aproximava o momento de demonstrar à ela que a paixão podia forjar laços de incrível força. Sua atração sexual poderia aproximá-los. Embora Jamie odiasse 161


perturbar a trégua que tinham estabelecido, sabia que não podia demorar mais. Estavam casados, e não ia permitir que o casamento fosse só no nome. Tinha-a desejado desde o primeiro momento em que a viu, e sua espera tinha chegado ao fim. — Logo mandarei chamar Lizzie. Agora que Alasdair MacGregor se rendeu, a viagem deve ser bastante segura. — Acha que terminarão as lutas? Jamie encolheu os ombros. — Sim, durante um tempo. Sem seu chefe e sem a maior parte da guarda, o clã estará desorganizado. Lizzie estará bem protegida... como você. Não passou despercebida a expressão horrorizada de Caitrina. — Acha que estou em perigo? — É minha esposa, e como você mesma assinalou em numerosas ocasiões, tenho muitos inimigos. Qualquer pessoa próxima a mim é um alvo em potencial. Mas não se preocupe, jamais deixarei que ninguém te faça mal. — E, apesar de tudo, viaja pelas Highlands somente com um punhado de homens. Estava preocupada com ele? A mera idéia esquentava seu coração. — Sei cuidar de mim mesmo. Ela parecia disposta a discutir, mas nesse momento se aproximou uma criada com mais vinho. Jamie fez gestos para que partisse. Tinha chegado o momento. — Seu tio preparou uma câmara para nós na torre. Estarei com você dentro de um momento. Caitrina ficou pálida, e uma súbita faísca de pânico iluminou seus olhos. — Mas é muito cedo ainda — respondeu precipitadamente. — Ainda não começou o baile e...

162


— Se prefere, podemos ir juntos agora mesmo — a interrompeu, em um tom que não admitia discussão. Sua virginal reticência era de esperar, mas não pensava ceder. Seu casamento seria consumado. — A decisão é sua — acrescentou, olhando-a nos olhos. Se a decisão fosse dela, não estaria nessa situação, pensou Caitrina. Por Deus, sua noite de bodas. O pulso acelerou e sentiu uma onda de pânico. Mil pensamentos divergentes atravessavam sua mente, chocando e ricocheteando uns com outros, em absoluta confusão. O momento que temia tinha chegado. Parecia que, desde que aceitou casar-se com ele, não pudesse pensar em outra coisa. Muitas vezes vinha a memória do que tinha acontecido junto ao lago. Recordava o que havia sentido e se perguntava se Jamie voltaria a tocála daquele modo, até que seu corpo se abrandasse e explodisse em um cintilante mar de sensações. E o que era pior, tinha temido que se voltasse a fazê-lo, o muro que com tanto cuidado tinha erguido, começaria a desmoronar. Seria terno com ela? Doeria? Via suas mãos e imaginava Jamie tocando-a, acariciando-a. Olhava sua boca e imaginava beijando-a, deslizando a língua entre seus lábios, avivando seu desejo, até que os joelhos mal a sustentaram. Se fosse somente medo que sentia... mas não podia negar que também era espera. E isso era o que mais a atormentava. Um calor líquido parecia atravessá-la, cada vez que ele a tocava. Caitrina olhou para ele e viu em seus olhos compaixão, mas também determinação. Suspeitava que se fosse necessário a tomaria em seus braços e a levaria pelas escadas, como um viking de antigamente. Era um homem implacável, e seria melhor não esquecer disso. Demonstrando coragem, aprumou as costas e ficou em pé. — Muito bem, vou dar boa noite aos meus tios. Jamie assentiu. 163


— Eu não demorarei. — Leve todo o tempo que quiser — ofereceu ela com uma indiferença que estava muito longe de sentir. Demorou-se o possível na despedida com seus tios, mas ao final não pôde adiar o inevitável. Voltou para a velha torre e Mor a acompanhou até a câmara do chefe.

Em homenagem à ocasião, seu tio tinha cedido seu quarto para passar a noite. No dia seguinte voltariam para a ilha de Bute, para o castelo de Rothesay, onde ficariam como convidados do rei, enquanto começavam as reparações em Ascog. A sala era grande, com poucos móveis e só alguns bordados ou uma almofada de veludo que indicasse a presença de sua tia. Embora Caitrina evitasse olhar em sua direção, era muito consciente da enorme cama com dossel de seda que espreitava do outro lado do quarto. Tentando sossegar o súbito martelar de seu coração, deu a volta, de costas para o enorme móvel. Mor andava por toda a sala, conversando sobre os eventos do dia e contando as últimas fofocas dos criados... fazendo tudo para evitar o tema da iminente noite. Aquele ar tão alegre era tão pouco próprio nela que ser tornava um claro indício do quanto estava nervosa, e isso aumentou ainda mais os temores de Caitrina... Seria pior do que pensava? Quando terminou de preparar a bacia para que se lavasse e de acender as velas — pelo visto todas as que havia no quarto, — tal como fazia todas as tardes, Mor a ajudou a tirar o vestido. Mas o habitual e rotineiro ato tinha agora um incômodo significado. Cada objeto de roupa que tirava, aumentavam os nervos de Caitrina, de maneira que quando Mor a ajudou a camisola de seda, Caitrina mal podia ocultar seus tremores. 164


Mor se aproximou do baú com as escassas posses de Caitrina e tirou uma grossa bata de lã. — Ponha isto, minha menina, vejo que está com frio. Caitrina colocou os braços pelas amplas mangas e amarrou em torno da cintura. — Obrigado. A verdade é que está gelado. — Mas ambas sabiam que não era a temperatura que a fazia tremer. Mor tirou as presilhas de seu cabelo e desfez em minutos o trabalho de horas e os compridos e pesados cachos caíram pelas costas. Caitrina tinha os nervos tão tensos que quase pulava cada vez que Mor roçava, sem querer, as costas com os dedos, enquanto passava o pente. Como se pudesse adiar o inevitável com seus cuidados, Mor penteou o cabelo até que cada fio caísse solto e cada cacho ficasse em perfeita simetria. Havia algo relaxante naqueles movimentos repetitivos, e Caitrina conseguiu tranqüilizar-se e acalmar o ritmo frenético de seu coração. E teria gostado de ficar ali para sempre, enquanto Mor a penteava, mas o momento de paz estilhaçou em mil pedaços ao ouvir batidas na porta. Caitrina lançou uma exclamação e Mor se empertigou a suas costas. A anciã deixou o pente de osso sobre a cômoda e deslizou as mãos pelos ombros de Caitrina, dando um apertão para animá-la. — Tudo ficará bem. Sentirá um pouco de dor — sussurrou, — mas passa em seguida. Dor? Caitrina assentiu, sem atrever-se a olhá-la nos olhos, assustada pelo que poderia ver neles: a preocupação ou a compaixão de sua antiga babá a fariam perder as férreas rédeas que tinha posto em suas emoções. O medo, que tinha conseguido manter escondido, de repente, caiu sobre ela com toda sua força.

165


— O rapaz se importa com você — prosseguiu Mor. — Não te fará mal desnecessariamente. Caitrina engoliu a saliva, mas tinha um imenso nó na garganta. — Já sei. — Ou esperava. Outra batida na porta, desta vez mais insistente. — Oxalá estivesse aqui sua mãe para explicar — disse Mor, — mas como não está, somente resta a lembrança de uma velha. Passaram-se muitos anos desde que fui uma noiva... ou uma esposa, na realidade. Sabe o que acontecerá? Caitrina mordeu o lábio; ardiam-lhe as bochechas. — Sim. — criou-se entre animais de granja, e qualquer ignorância se apagou anos atrás, quando descobriu uma das criadas da cozinha nos estábulos com um membro da guarda de seu pai. As fortes investidas e grunhidos do casal tinham deixado pouco à imaginação, e o ato pareceu então muito... barulhento. E depois, lembrou-se do soldado. A bílis subiu pela garganta ao recordar como tentava lhe abrir as pernas e tirar as calças. Apressou-se a afastar de sua mente essas imagens, sentindo um súbito medo. Meu Deus, acredito que não sou capaz de enfrentar isto. Mor deu outro apertão e se aproximou da porta para abri-la. Caitrina conteve o fôlego ao ver seu marido. Sua presença física parecia intimidá-la mais que nunca. Seu corpo alto, os ombros largos, ocupava toda a soleira. Ignorando o sério olhar da criada, Jamie se voltou para Caitrina e seus olhos a percorreram de cima abaixo. Embora a lã que a cobrisse fosse grossa, parecia que via através dela, e apesar de que quando a viu pela primeira vez usasse muito menos roupa, foi profundamente consciente da súbita mudança no ambiente, para não mencionar como era diferente a situação. Já não era uma desconhecida, mas sua mulher. Pertencia a ele. Podia fazer com ela o que quisesse, e não havia ninguém para detê-lo. 166


Exceto Mor. A velha babá se colocou diretamente diante dele, lhe impedindo o avanço. A cabeça dela mal chegava na metade do peito do guerreiro, assim dificilmente seria uma ameaça, mas Mor não se deixou intimidar por isso. — Não me importa quem é ou a reputação que tem. Se lhe fizer algum mal, terá que responder para mim — declarou, com um enganoso sorriso doce. — Mencionei alguma vez que tenho um jardim de ervas dos mais extensos? Caitrina conteve o fôlego. A sua querida babá acabava de ameçar envenenar Jamie? Jamie observou à mulher com receio; parecia que falava sério. Ficaram olhando-se por um momento. Por fim, ele assentiu. — Terei em mente, mas se preocupa sem motivos. Não sou um homem inexperiente. Tomarei cuidado com a inocência da moça. Inocência!, pensou Caitrina. Era ela inocente? Zangaria-se se não fosse? O coração martelava no peito. — Assim espero. — Mor se afastou para deixá-lo passar e deu uns passos para a porta, antes de voltar-se para Caitrina. — Se precisar de mim, somente tem que me chamar. Mas antes que ela pudesse responder, Jamie interrompeu, com crescente irritação: — Por todos os demônios, mulher, acabo de te dizer que não precisará. Apesar de sua explosão, Mor seguia reticente a partir. Caitrina não queria que a situação entre os dois se deteriorasse mais, assim suplicou com os olhos que se fosse. — Estou bem, Mor — assegurou. — Verei você pela manhã. — Quando eu chamar — acrescentou Jamie num tom cortante. Depois de um último olhar fulminante, Mor partiu, dando uma pancada na porta que ressoou como um alarme. Caitrina ficou a sós com seu marido.

167


O ar que fazia um momento parecia gelado, de repente era quente, abafado. O quarto, que parecia antes tão grande e limpo, agora parecia muito pequeno, sem lugar algum para onde fugir. Talvez notando sua inquietação, Jamie se aproximou da mesa junto à lareira e serve duas taças de vinho da garrafa que tinham deixado para eles. Quando ofereceu uma a Caitrina, ela negou com a cabeça. — Tome — insistiu ele, — Vai tranqüiliza-la um pouco. — Não estou nervosa — protestou ela por instinto, mas tomou a taça. Incomodava-lhe que ele tivesse detectado tão facilmente sua debilidade. — Pois é a única — repôs ele, olhando o fogo e tomando seu vinho com um gole. Aquela admissão a surpreendeu. Jamie sempre parecia tão controlado e frio... A idéia de que talvez não fosse tão imune a tudo, como ela pensava, era curiosamente reconfortante. Olhou-o, com receio. — De verdade? Ele encolheu os ombros. — Mas por que? — perguntou ela. — Por que está nervoso? Você já fez isto antes. Jamie soltou uma gargalhada. — Uma ou duas vezes — comentou com seriedade, embora ela pôde perceber certo gracejo em sua voz. A idéia de que tivesse tido experiências a irritava, e uma horrível ideia surgiu em sua mente: Teria alguma amante? Se tinha, não seria por muito tempo. Apesar de tudo, isso não explicava por que estava nervoso. — Pois então, não entendo — disse ela por fim, franzindo a fronte. Jamie não parecia inclinado a dar explicações. Limitou-se a tirar o colete e deixá-lo sobre o encosto da cadeira, antes de sentar-se junto ao fogo. Caitrina observou os musculosos contornos de seu peito, perceptíveis sob o fino linho da camisa. 168


Apesar de tudo, lançou um suspiro de alívio ao ver que Jamie não parecia ter pressa em possuí-la. Era evidente que tinha decidido lhe dar tempo para acostumar-se a sua presença. Sentou-se frente a ele. O calor da lareira provocava uma curiosa sensação de paz. Não era tão incômodo como tinha imaginado ficar a sós com ele no quarto. De fato, parecia até natural. — Não vai contar-me a que se referia? — insistiu. Jamie a olhou nos olhos. — Você é inocente e eu não desejo te fazer mal. — A intensidade obscureceu seus olhos. — Quero te dar prazer. Aquele tom sensual provocou um formigamento em todo o corpo de Caitrina. — E meu prazer importa? A expressão de Jamie se tornou mais dura. —É tão difícil acreditar que possa me importar com sua felicidade? Embora Caitrina soubesse que o tinha deixado zangado sem querer, respondeu com sinceridade. — Sim, quando me impingiu este casamento tornou difícil pra mim acreditar nisso. Jamie ficou visivelmente tenso. Todos os músculos de seu corpo se enrijeceram. — Podia ter negado. — Sim? — perguntou ela brandamente. Jamie a olhou com expressão inescrutável, mas algo em seus olhos lhe disse que talvez se enganou ao questionar seus motivos. Havia neles uma intensidade que podia indicar que Jamie desejava aquele casamento, que a desejava mais do que Caitrina imaginava. Ele não disse nada durante um momento, concentrado como estava no fogo. Até que, por fim, se voltou para ela. — Talvez tenha me enganado ao pensar que algum dia aceitaria este casamento. Jamais tive que forçar nenhuma mulher e não penso começar

169


agora. — Sua voz era dura e áspera. — Se não deseja este casamento, pode partir. Caitrina sentiu o coração parar. Estava oferecendo uma saída, que era o que ela desejava... ou não? Os segundos passavam devagar. Não podia partir. Ele aguardava, sem deixar de olhá-la. Por fim, Caitrina se levantou, e a aguda decepção que viu em seus olhos fez com que parasse. Jamie pensava que estava indo embora, mas ela não sabia o que fazer. Deveria sair dali e deixar para trás aquele homem que tanta dor tinha lhe causado, mas em lugar disso ficou diante dele, sabendo que estava a ponto de tomar a decisão mais importante de sua vida, uma decisão apoiada no que sabia dele, não no que haviam dito. Talvez a tivesse manipulado para que se casasse com ele, mas Caitrina tinha começado a acreditar que suas intenções sempre tinham sido honradas. De fato, a honra que dirigia sua conduta desmentia sua espantosa fama. Era possível que se importasse e tentasse compensá-la? Uma força os tinha unido, e Caitrina já não tinha vontade de resistir a ela. Por fim respirou fundo, e falou. — Dei minha palavra. E não penso quebrá-la agora. Jamie se levantou da cadeira para ficar somente a centímetros dela. O calor a rodeava: o das brasas da lareira e o do fogo que irradiava seu poderoso corpo. Desejava pôr as mãos no peito dele, tocar aqueles músculos duros como uma rocha, pressionar a bochecha contra seu cálida pele e aspirar aquele aroma, que embargava seus sentidos. Sentir-se segura em seus braços. Jamie acariciou o contorno da bochecha com tal suavidade que ela estremeceu. — Sabe o que está dizendo? Caitrina assentiu com a cabeça. Sabia muito bem.

170


Para provar sua firmeza, Jamie deslizou suas mãos pela cintura dela e foi desatando, pouco a pouco, o cinto, sem deixar de olhá-la nos olhos um instante. Ela não podia nem respirar. Estava acostumada a que os criados a despissem, mas Jamie Campbell não era nenhum criado, e a intimidade daquele ato provocou-lhe um calafrio diante do erotismo que implicava. Ele ergueu as mãos devagar até seus ombros e as colocou sob o objeto de lã para deslizá-lo por seus ombros, até que caiu ao chão em torno dela. Conteve o fôlego, devorando com os olhos cada curva e contorno de seu corpo, visível sob a sedosa gaze cor de marfim de sua camisola. O puro desejo de seu olhar ameaçava e aturdia, mas Caitrina se manteve firme sob aquele ardente calor. Jamais nenhum homem tinha agido assim com ela, com tanta posse, luxúria e algo muito mais perigoso e tentador. Jamie acariciou um mamilo até que este endureceu contra o fino tecido. Caitrina sentiu uma onda de calor entre as pernas. — Deus, é linda — disse ele, com voz rouca. Beliscou brandamente o mamilo com os dedos e ela estremeceu. Recordou sua boca sobre a dela e soube que ele também lembrava disso. Desejava fechar os olhos e sucumbir às embriagadoras sensações que a possuíam. Jamie movia o polegar sobre o mamilo, acariciando-o brandamente, esfregando o tecido contra o sensível botão até fazê-la quase cambalear. As pernas não a sustentavam. Pensou que ia beijá-la, mas ele a surpreendeu agarrando-a em seus braços sem esforço, como se não pesasse mais que uma menina, para deixá-la com cuidado, sobre o macio colchão de plumas. Depois, sentou-se ao bordo da cama, afundando-a, e se apressou a tirar as botas. Puxou a camisa de dentro da calça e a tirou com um só movimento pela cabeça, para jogá-la na cadeira onde tinha deixado o colete.

171


Caitrina ficou sem fôlego, hipnotizada pela imagem que tinha a sua frente. Jamie era muito belo. As duras linhas de seu peito e seus braços pareciam esculpidas em granito. Sob a pele lisa e dourada, marcada por algumas cicatrizes que o identificavam como guerreiro, via-se cada um dos músculos. Seus braços eram como rochas, seus ombros largos, seu peito um escudo de aço. Jamie se levantou e afrouxou as tiras das calças até que caíram do quadril. Caitrina via a grossa longitude de seu membro sob o tecido, prova inegável de seu desejo. Ele deve ter percebido seu olhar, mas interpretou mal sua reação. — Não tem do que ter medo — quis tranqüilizá-la. Ela negou com a cabeça. — Não tenho medo. Ele soltou uma gargalhada e voltou a sentar-se na cama ao seu lado. — Pois não o diga por aí, que arruinaria minha reputação. Caitrina não podia acreditar: estava brincando com ela. Foi tão doce como inesperado, e devolveu o sorriso ao seu rosto. — Jamais faria isso. — Voltou a deslizar o olhar sobre ele, sentindo todo o corpo sensível. Estava tão perto... Só estendendo a mão poderia tocar nele. — É que não pude evitar admirar... É muito bonito — resmungou, sem dar-se conta do que dizia. Ele franziu o cenho, sem saber muito bem como receber o elogio. — Sou um guerreiro. Os guerreiros não são bonitos. Estava enganado. Havia uma inegável beleza na força de seu corpo. Por fim Caitrina estendeu um braço para tocar nele, e notou que ele se sobressaltou quando estendeu as mãos sobre seu musculoso peito. Viu que uma veia pulsava no pescoço de Jamie e soube que a carícia o agradava. Sua pele era cálida e surpreendentemente suave sobre os músculos de aço. Sem deixar de 172


olhar nos olhos dele, moveu as mãos até seus ombros para deslizá-las sobre os músculos de seus braços, que se enrijeceram sob seus dedos. Era magnífico. — Para mim é. Uma faísca se acendeu em seus olhos. Jamie baixou a cabeça até pousar os lábios sobre sua boca em um terno beijo, muito mais eloqüente que as palavras. Com seus lábios tocava a alma de Caitrina, reclamando uma parte dela que jamais tinha vindo a luz. Esfregou a boca contra seus lábios, excitando-a com sua língua, lenta e lânguida, como se tivesse todo o tempo do mundo. Beijou-a no queixo, deslizou até o sensível lugar baixo do pescoço e soprou na pele úmida, até que ela estremeceu de desejo. O roçar de sua barba ia traçando um caminho de fogo. Estava deixando-a louca de desejo, aprofundando o beijo até que ela afundou as unhas em seus ombros. Seus corpos ainda não se tocavam e Caitrina se esticou, ofegante, desejando sentir o peso de seu peito sobre ela, seus seios esmagados contra a dura parede de músculos que acabava de tocar com as mãos. Jamie voltou a beijá-la na boca, desta vez com mais força, e ela se abriu para ele. E gemeu, incapaz de conter a explosão de prazer daquele beijo cada vez mais ardente e mais selvagem. Jamie cheirava a pecado, com um toque de vinho que provocava uma doce embriaguez. Poderia seguir beijando a boca dele toda a vida, pois entre eles não existia nada mais que a voracidade de suas bocas, mas algo acontecia em seu corpo, aquela velha inquietação que não tinha esquecido. Todos os poros de sua pele ardiam, os mamilos doíam, o lugar mais sensível entre suas pernas palpitava. Quando, por fim, tocou o seio com a mão, Caitrina deu um salto. Ele apertou o mamilo entre os dedos até que ela arqueou as costas, suplicando em silêncio. Jamie desfez as tiras e abriu a camisola para expor seus seios. 173


Tinha perdido completamente o pudor, pois seu desejo mascarava tudo o que não fosse o puro prazer que corria por suas veias. Jamie tomou, com a mão, a pálida pele e elevou o botão rosado até sua boca para sugá-lo. Uma agulhada de prazer pareceu atravessá-la. Sua boca, cálida e úmida sobre aquela pele tão sensível, a fazia tremer. A paixão que ele tinha despertado nela se aproximava perigosamente do ponto de explosão. Jamie apertou os seios com as mãos, sem deixar de sugar. Uma onda de calor pareceu engoli-la. Caitrina ergueu os quadris, desesperada. O calor que sentia entre suas pernas era insuportável. E sua evidente necessidade pareceu fazer em pedacinhos o controle de Jamie, que beijava seu seio com mais insistência, rodeando o mamilo com a língua, mordiscando-o brandamente até que todo o corpo de Caitrina voltou a arquear-se contra ele. Por fim, quando já não acreditava poder suportar mais, Jamie ergueu a cabeça e se colocou sobre ela, deixando que sentisse seu peso. Então, levantou a camisola e deslizou a mão entre suas pernas. E de repente, Caitrina ficou petrificada. Seu peso, subitamente, parecia asfixiante, a mente encheu-se de espantosas imagens. Aquela suave carícia parecia dura e ameaçadora. A bílis subiu por sua garganta. A fumaça. O soldado tentando abrir suas pernas. Empurrou-o, com os olhos inundados de lágrimas, a beleza do momento feita em pedaços pelas lembranças do passado. — Pare! — gritou. — Pare, por favor! Não posso!

174


Capítulo 12 O desejo tomava conta de seu corpo como brasas. Jamie respirou fundo, trêmulo; cada centímetro de seu corpo estava preparado para a paixão. Jamais tinha desejado tanto penetrar uma mulher e aliviar a dolorosa pressão de sua virilha. Seu membro palpitava, a ponto de explodir. Todos seus instintos primários clamavam para que a possuísse: seu beijo, seus gemidos, os doces movimentos de seu corpo. Sua receptividade o tinha levado a beira do abismo. Esticou todos os músculos, lutando para conter-se, até que o suor começou a brotar em sua fronte. Sabia o que tinha que fazer, embora isso acabasse com ele. Pouco a pouco, separou-se dela. — Não tem nada a temer de mim, Caitrina. Eu nunca te faria mal. Ela parecia a ponto de chorar. — É que me lembro de... Jamie amaldiçoou o soldado de seu irmão. Se já não estivesse morto, ele mesmo iria matá-lo. — Você não entende. — Caitrina olhou para ele, desesperada, com as lágrimas correndo por seu rosto. — Acredito que... me violou. Ele enxugou uma lágrima com o polegar. Recordava mais do que pensava, mas não tudo. — Não, não te violou, Caitrina. — Como pode estar tão certo? — Porque eu o impedi. Ela arregalou os olhos. — Sim? Jamie assentiu.

175


— Estava inconsciente e eu não sabia muito bem até que ponto recordaria de tudo aquilo. — Devia ter dito antes, mas não sabia o que pensava. — Sua expressão se tornou sombria. — Mas asseguro a você que esse porco pagou o preço de sua luxúria. Caitrina o entendeu: o soldado estava morto. — Obrigado — disse brandamente, olhando Jamie nos olhos. Embora Caitrina se sentisse aliviada ao saber que não a tinham violado, Jamie sabia também que não esqueceria tão facilmente seus medos. Por outro lado, tinha a certeza de que o sexo os aproximaria. Como podia demonstrar...? E de repente, soube. Tomou sua mão e deu um suave beijo na palma. — Diga o que quer. — A que se refere? — Juro que não tocarei em você a menos que me peça. - Que Deus me ajude, pensou. — Se quiser que eu pare, somente tem que dizer. — Ela estaria no comando. Caitrina olhou-o, insegura. — Faria isso por mim? — Sim. — levou, novamente, a mão de Caitrina à boca. — Já te disse que quero te dar prazer. Ela ruborizou. — E estava fazendo, até que... Jamie ficou pensando por um momento, até que por fim voltou a inclinar-se sobre ela e deslizou a mão entre suas pernas. O primeiro pedido podia resolver facilmente, o segundo... Bom, se cumprisse bem sua parte, ela estaria suplicando por suas carícias. Deitou-se na cama ao seu lado e a colocou sobre ele, dolorosamente consciente de cada pedaço de seu incrível corpo sobre sua pele. Suas longas 176


e esbeltas pernas entrelaçadas com as dele, a curva do quadril contra seu membro, seus seios redondos e rígidos esmagados contra seu peito, e os delicados mamilos rosados cravados nele. A sensação era tão extraordinária, tão diferente de tudo que tinha experimentado antes, que Jamie se perguntou se não se teria precipitado ao fazer a promessa de não tocá-la. Rezou uma rápida oração pedindo forças e tentou não pensar, o que não era nada fácil com ela em cima dele. Quando a olhou nos olhos, viu sua surpresa, mas não medo. — Né... Está certo de que isto pode ser feito? — Caitrina mordeu o lábio. — É natural? — Por Deus, sim! — Jamie tentou não gemer, convencido de quão natural podia ser essa postura. Não queria pensar em pôr as mãos em sua cintura, não queria imaginar seus seios pulsando em suas mãos, enquanto ela se movia para cima e para baixo sobre seu... Demônios. Apagou de sua mente as luxuriosas imagens e respondeu: — Há mais de uma forma de fazer amor, Caitrina, e te prometo que ensinarei todas. O tímido rubor que apareceu em suas bochechas foi uma das reações mais sensuais que tinha em toda a sua vida, sobretudo pela ansiosa curiosidade que também se refletia em seus olhos. Jamie manteve os braços firmemente do lado do corpo, resistindo ao impulso de deslizar pela suave pele das costas de Caitrina até abranger a voluptuosa curva de suas nádegas. — Temo não saber o que fazer — disse ela, claramente envergonhada. — Faça o que quiser. Sou teu. Ela pensou por um momento e esboçou um sorriso travesso que provocou em Jamie um calafrio de apreensão. Aquela sensação tão estranha, que somente podia descrever como alarme. Ele, um homem que tinha enfrentado duros guerreiros no campo de batalha, tinha medo de uma menina. 177


Que demônios estava acontecendo com ele? Caitrina pousou o olhar em sua boca, deslizando inconscientemente a língua por seu lábio inferior. Jamie sentiu uma onda de calor. — Quer dizer que se te beijar... — Caitrina se inclinou sobre ele até que apenas um suspiro separava seus lábios. Jamie sentiu a boca cheia de água ante o suculento mel de seu fôlego, — você não me beijará? Jamie ficou rígido quando notou seu terno beijo na boca e teve que agarrar-se aos lençóis para resistir ao impulso irrefreável de corresponder. Desejava beijá-la com força, afundar sua língua e devorá-la. — Não, se você não quiser — respondeu com voz tensa. Notou que ela relaxou, que seu corpo se afrouxava sobre ele, derretendo-se. Era pura tortura. Caitrina voltou a beijá-lo, deslizando a língua por seus lábios. Ao Jamie sentia o peito palpitar e seu membro se esticava contra ela. Onde demônios Caitrina havia aprendido a fazer isso? Se fosse instinto, tal como suspeitava, estava metido em uma confusão... Em uma boa confusão. Mas não teve tempo de pensar no futuro, porque ela voltou a lhe beijar, apertando seus suaves lábios contra os dele e deslizando a língua em sua boca com um lento e terno suspiro. Pousou sua suave mão no rosto de Jamie enquanto o acariciava com a língua, como ele tão insensatamente tinha ensinado. Jamie precisou de todas as suas forças para não jogar-se sobre ela e beijá-la com a intensidade que merecia. — Beije-me — murmurou ela, por fim. E depois de um grunhido de alívio, Jamie rodeou sua língua com a dele, dançando com ela, saboreando-a com a mesma intensidade que ela tinha empregado. Jamais poderia saciar-se. O sangue palpitava por seu corpo, sua ereção era tão dura que era impossível que ela não notasse. Como se estivesse lendo seus pensamentos, Caitrina se sentou sobre ele, capturandoo, com firmeza, entre suas pernas. 178


Jamie não podia respirar. Sem saber o que estava fazendo com ele, Caitrina interrompeu o beijo e percorreu com os lábios seu queixo e seu pescoço, riscando um caminho de fogo em sua pele. Passeou as mãos por seu peito e seus braços, explorando cada músculo, com um deleite quase infantil, como se fosse uma menina abrindo um presente. O martelar de seu coração, o palpitar do membro, todos seus instintos clamavam por tocá-la, mas se manteve quieto sob seu inocente escrutínio. Contou até dez, mentalmente, disposto a fazer algo para não pensar no que ela fazia. Mas o que estava acontecendo com ele, para submeter-se aquilo? Caitrina se ergueu um pouco sobre ele, para deslizar a mão entre seus corpos, passando por seu ventre, enquanto passava a língua por seu pescoço. Seus dedos percorreram os rígidos contornos do abdômen de Jamie, e aquele suave contato foi mais do que ele podia suportar. Todos os seus músculos se enrijeceram e teve que apertar os dentes, para afogar outro grunhido. Ela baixou mais a mão, até a cintura da calça, e com a palma roçou acidentalmente a palpitante cabeça de sua ereção. Jamie esticou as nádegas para combater o impulso de investir. Mas devia ter emitido algum som, porque ela afastou a boca de seu pescoço e olhou para ele, insegura. — Estou fazendo algo errado? Jamie negou com a cabeça. — Só estou demonstrando o quanto te desejo. Ela baixou o olhar e viu a tensão contra o couro da calça. Parecia ainda maior do que antes, se isso era possível. — Ajudaria se tocasse? — Sim — mentiu ele, mesmo sabendo que aquilo somente pioraria ainda mais sua tortura. Mas o que ela oferecia era tão tentador que não pôde dizer a verdade. Sua mão diminuta em torno dele... 179


Afastou de sua cabeça aqueles pensamentos e se preparou para o contato. — O que faço? — Desabotoe a calça. — Jamie sabia que não deveria, mas tinha que fazer isso. Ela arregalou os olhos ao descobrir todo seu membro. Jamie se perguntou se mudaria de opinião, mas depois de um momento, olhou-o interrogativamente. — Rodeie-me com a mão — ensinou ele. — Tentarei. Jamie fechou os olhos com um grunhido. Aquilo era incrível! Sua mão era suave e fresca, e ele estava ardendo. O membro deu uma ligeira sacudida e uma gota escapou da ponta. Ela agarrava-o, firme, mas docemente... Com uma doçura que chegava a doer. Sabendo que não poderia falar, Jamie indicou com a mão como acariciá-lo. As chamas rugiam em seus ouvidos ao entregar-se ao fogo que ela provocava, um prazer que nunca tinha sentido, tomava conta de seu corpo. Acariciou-o mais depressa, mais forte, até que a pressão ameaçou explodir, todo seu corpo se esticou e Jamie soube que estava a ponto de alcançar o clímax e agarrou a mão de Caitrina. — Pare — pediu, com os dentes apertados. — Vai me desarmar. —O coração martelava. Olhou para ele, surpresa. — Estou há muito tempo sem uma mulher — explicou, embora soubesse que não tinha nada a ver com isso. Sempre tinha sido um homem de prodigioso controle no que se referia ao sexo. Sua explicação pareceu agradá-la. Caitrina beijou-o de novo. — Quanto tempo? — murmurou contra sua boca. Ele pensou por um momento e decidiu dizer a verdade. — Desde a primeira vez que te vi. Caitrina não sabia por que, mas aquela declaração a agradou enormemente. Não sabia muito bem por que sua necessidade de parar teria algo a ver com outras mulheres, mas não importava. Não tinha se deitado com ninguém 180


desde que a conheceu. Devia significar algo. Talvez a quisesse, pelo menos um pouco. Tinha notado pela tensão de seu corpo que suas carícias o tinham agradado, e se deu conta de que proporcionar prazer à Jamie a agradava também. Sentia-se tranqüila, segura, e o mais importante, ansiosa para continuar. Voltou a beijá-lo, esfregando-se contra ele. Ainda sentia um formigamento nos lugares onde a tinha acariciado, mas isso não era suficiente, ansiava o peso e a pressão de suas mãos. Teria que dizer isso a ele. Percorreu com os lábios o queixo, áspero por causa da barba de vários dias, até a orelha. — Toque-me — sussurrou. — Por favor, me toque. — Onde? O rouco tom de sua voz parecia quente e sombrio, como a lava, e afundou em seus ossos. Nenhum homem deveria ter uma voz assim, uma voz capaz de seduzir com uma palavra. — Por toda parte. Com um gemido Jamie cobriu seus seios com as mãos e beliscou os mamilos, até deixá-los eretos. — Assim, meu amor? Ela jogou a cabeça para trás, entregue às deliciosas sensações. Aquelas mãos que podiam brandir uma espada com uma força mortal, eram também capazes de acariciar com uma ternura que era quase dolorosa. Jamie capturou um mamilo com a boca, e o sugou e mordiscou até que todo seu corpo, por vontade própria, começasse a esfregar-se contra ele. Caitrina notava no ventre sua ereção quente e palpitante. Como tudo nele, seu membro era grande, e embora ela o tivesse sentido contra seu corpo, não percebeu todo seu tamanho até que o tirou das calças. Por um momento, sentiu-se aturdida e um pouco assustada, até que o tomou na mão. Era como aço recoberto de veludo; principalmente, recordava a sensação que lhe 181


provocou ter toda aquela crua força masculina na diminuta palma de sua mão. Ela tinha o controle para enlouquecê-lo de prazer, e aquela certeza a emocionava e a encorajava, dando-lhe uma confiança que não tinha acreditado possuir. — Quero que fique nua — disse ele, cravando-lhe um olhar com tal paixão que quase dava medo. Não era somente desejo, mas algo muito mais profundo, algo que a envolvia como um quente e fofo casaco, algo que jamais acreditou que voltaria a sentir: segurança. Caitrina assentiu e tirou, rapidamente, a camisola para deixá-la no chão junto à cama. Já não vestia nada, e estava deitada ao seu lado. Não teve tempo de envergonhar-se de sua nudez, porque Jamie sugava seus seios, erguendo-os até sua boca e enterrando o rosto entre eles. O roçar de sua barba era um alívio contra sua pele febril. Jamais tinha sido tão adorada. Jamie a venerava com os lábios e a língua, esculpia-a com as mãos como tentando gravar na memória cada um de seus poros, sem deixar nenhum sem explorar. O longo e lento roçar de suas palmas calosas provocava um formigamento em toda sua pele, uma tortura deliciosa. Cada contato, cada movimento estava calculado para seu prazer. O desejo se acumulou entre suas pernas em uma corrente de chamas. Sentiase cálida e branda, e desesperada por suas carícias. Sua boca voltou a cobrir a dela com um beijo úmido e carnal. Seus dedos deslizaram pelo interior de suas coxas e Caitrina conteve o fôlego. — Diga-me — sussurrou ele. Ela assentiu com a cabeça, mas ele se limitou a roçá-la com a ponta dos dedos —. Quer que te toque aqui, Caitrina? — Ela sentia tal angústia que todo seu corpo estremeceu. — Por favor — suplicou, pressionando-se contra sua mão, ofegante de prazer. E lançou um gemido quando ele por fim afundou os dedos para levá-la até a beira do clímax, com suas hábeis carícias. Provocava nela um longo e

182


escuro túnel de sensações, onde a única coisa em que ela podia pensar era aliviar a tensão que crescia entre suas pernas. Murmurava-lhe palavras sensuais ao ouvido, deixando-a louca. Estava tão perto... Mas queria mais, queria compartilhar com ele seu prazer. Estendeu a mão instintivamente para envolvê-la em torno de sua pele aveludada e quente. — Ensine-me — pediu. Ele parou e a olhou nos olhos. — Tem certeza? — Sim. Tomando-a pelos quadris, guiou-a brandamente até colocá-la montada sobre ele. A sensação de sua grossa ereção entre as coxas a fez vacilar um instante, mas esqueceu tudo quando ele a moveu sobre a ponta do membro e começou à investir, pouco a pouco, contra sua fenda com a cabeça suave e redonda. Ela abriu mais as pernas e foi baixando o corpo sobre ele. O gemido de Jamie foi quase de dor quando a cabeça do pênis a penetrou. Ela se deteve ao encontrar um pouco de resistência, deixando que seu corpo se acostumasse à sensação de envolvê-lo, tentando decidir se doeria muito. Ele se manteve imóvel, embora fosse evidente que se dominava com muita dificuldade. Sua férrea determinação esticava seu rosto, seu pescoço e seus ombros, como a corda de um arco. — Não dói tanto — ela comentou. Jamie emitiu uma espécie de risada estrangulada. — Temo que ainda não tenhamos terminado, meu amor. Meu amor. Caitrina sabia que era uma frase feita, no apelativo surto de calor do momento, mas isso não evitou que sentisse uma pontada em seu peito. — Ah, não? Jamie negou com a cabeça. Ela tentou baixar um pouco mais e se deteve. — Acho que não posso mais. É muito grande. 183


Desta vez ele conseguiu sorrir. — Palavras para alegrar o coração de qualquer homem, carinho, mas te asseguro que pode. Tenho que romper sua barreira de virgem. Posso fazê-lo depressa, mas não vou mentir para você: vai doer. Ela assentiu, e antes que pudesse pensar duas vezes, Jamie a agarrou pela cintura e olhando-a nos olhos, investiu e a penetrou até o fundo. Caitrina lançou um grito de dor. — Sinto muito — desculpou-se Jamie com voz tensa. O corpo dela parecia lutar contra a invasão, e seu primeiro instinto foi levantar-se, mas ele a segurou com firmeza. — Dê-me um momento — pediu. — Tente relaxar. Deus, é incrível. Tentou acariciar a fenda entre suas pernas com o polegar, e o corpo de Caitrina, pouco a pouco, foi relaxando. Uma doce sensação se estendia por ela. — Isso é — grunhiu ele, esfregando com mais força. Tinha razão: aquilo era incrível, muito diferente de tudo que tivesse experimentado nunca. Jamais tinha pensado que pudesse sentir-se tão perto de alguém. Jamie parecia enchê-la, sua dignidade oferecia toda a pressão que ela desejava. Seu corpo começou a mover-se como com vontade própria, erguendo-se um pouco para voltar a descer sobre ele, adotando um ritmo natural. Jamais havia se sentido tão livre. Sabia pela expressão de êxtase de seu rosto que devia estar fazendo bem. Quando o coração começou a pulsar frenético, ele a agarrou pelos quadris para ajudá-la a mover-se mais depressa, investindo mais e mais forte, mais e mais, até... Caitrina notou que todo o corpo se contraía, levado pelas convulsões do prazer. Devia ser o que ele esperava, porque notou que também se deixava tomar pelas sensações. 184


— Vou gozar — anunciou ele, e investiu uma vez mais, penetrando-a até o fundo. Olharam-se nos olhos e o que Caitrina viu neles comoveu seu coração. Aquela terna emoção era um contraste marcante com sua habitual fachada implacável. Sabia que tinha revelado uma parte de si mesmo que ninguém tinha visto antes. Jamie lançou um grito ao mesmo tempo em que esticava todo o corpo, e a quente onda de sua semente se inundou dentro dela. Caitrina se ergueu para encontrá-lo, arqueando as costas e gritando ao notar a explosão de seu próprio prazer. Foi como antes, só que muito mais intenso: essa lenta impressão de desfazer-se, o ápice de sensações, o breve instante em que seu coração pareceu parar e sua alma pareceu tocar o céu. Mas desta vez não estava sozinha. Não estou sozinha. Desejava que durasse para sempre e se agarrou à sensação enquanto pôde, cavalgando cada onda, até que sentiu o último tremor. E por fim, ofegando, deixou-se cair sobre seu peito; suas peles estavam úmidas de suor. Com a orelha colada ao peito de Jamie, escutou como foram acalmando-se os frenéticos batimentos de seu coração, e fechou os olhos. Pelo suave e regular som de sua respiração, Jamie soube que dormia e exalou um suspiro de alívio. Não tinha palavras para descrever o que sentia e agradeceu dispor de um momento para recuperar-se. Que demônios acabava de ocorrer? Não se parecia com nada que tivesse experimentado antes. Sabia que a atração entre eles era forte, mas isso não explicava a conexão que tinha sentido dentro dela, uma conexão que tinha satisfeito sua alma, mais do que o seu corpo. Nenhuma outra mulher tinha penetrado tão profundamente em seu férreo controle. Caitrina tinha posto a descoberto uma parte de si mesmo que até então desconhecia. Acariciou-lhe o cabelo e sentiu uma estranha tensão no peito, uma assustadora ternura pela diminuta mulher em seus braços. Sua esposa. Tinha 185


pensado que seria suficiente, mas não era. Queria mais, muito mais. Queria seu amor, sua confiança e seu respeito, porque sem os dois últimos, o primeiro era impossível. Mas, e se nunca conseguisse? Estava ligado ao seu primo, um homem que ela não tolerava, e seu próprio irmão tinha destruído o clã de Caitrina. Quanto tempo passaria antes que Caitrina exigisse dele uma escolha: ela e sua família ou seu dever? Temia esse dia, embora soubesse que chegaria. Porque havia certas coisas que jamais faria, pensou, estreitando-a em seus braços. Nem sequer por ela.

186


Capítulo 13 Uma chamada na porta a despertou. Demorou alguns momentos para perceber onde estava e que se encontrava sozinha. Não sabia se devia sentir-se decepcionada ou aliviada; provavelmente um pouco de ambas as coisas. À luz do dia as lembranças dos acontecimentos da noite anterior adquiriam um novo significado, e se envergonhava de sua apaixonada atitude na cama. Se precisasse de um lembrete, somente tinha que olhar os lençóis retorcidos em torno de suas pernas nuas para saber o quanto tinha sido atrevida. Ardiam-lhe as bochechas. Inclinou-se rapidamente para agarrar a camisola do chão, amarrou as tiras no pescoço e pediu à pessoa da porta que entrasse. Era Mor, que irrompeu no quarto com uma pilha de roupa seca. — O senhor me pediu que te despertasse para que tenha tempo de se banhar, antes de tomar o café da manhã. — Deixou a roupa sobre a arca de Caitrina e começou a atiçar o fogo. — Quer partir dentro de uma hora. Caitrina se espreguiçou, prazerosamente, não querendo abandonar o agradável calor da cama. — Que horas são? Sua velha babá se aproximou para abrir as venezianas e um sol cegante caiu sobre o chão de madeira. — Quase meio da manhã. — Que tarde! — exclamou Caitrina, de repente. — Imaginei que sairíamos para Ascog ao amanhecer. Por que ninguém me despertou? — O senhor deu instruções para que lhe deixássemos dormir. —Mor não parecia mais disposta do que no dia anterior a acatar suas ordens. Cravou em Caitrina um eloqüente olhar. — Disse que precisava descansar.

187


Caitrina se voltou para que Mor não visse o revelador rubor de suas bochechas. — Está bem? — perguntou a babá, vacilante. — Não foi muito brusco nem... — Estou bem — se apressou a responder. De fato, estava melhor que bem. Nunca havia se sentido tão... Bem. Mas Mor continuava franzindo o cenho, de maneira que Caitrina agarrou suas mãos e a olhou nos olhos. — De verdade, Mor, estou muito bem. Ele foi... terno. — Surpreendentemente tenro, com uma ternura que contrastava totalmente com o feroz guerreiro implacável que parecia ser. A noite anterior tinha visto uma parte dele que não esperava, e não sabia o que fazer com isso. Ainda não podia acreditar no acontecido. Jamie a tinha surpreendido em tantas coisas... Primeiro por sua sensibilidade para com seus medos, provocados pelo ataque do soldado, e logo ao lhe ceder o controle absoluto na cama. Jamais teria imaginado que daria à ela tal presente, quando sua mera força física, sua autoridade natural e a viril sexualidade que exsudava descreviam um macho dominante. E a certeza de que se deteria a qualquer momento, tinha acalmado seus temores. Jamie soube do que necessitava, antes dela. Tinha-lhe considerado um homem frio e implacável? Talvez com seus inimigos, mas com ela tinha sido pormenorizado, terno, carinhoso. Satisfeita pela resposta de Caitrina, a velha babá assentiu com a cabeça, e a conversa foi interrompida pela chegada da banheira de madeira. Enquanto relaxava na água quente, pensou mais de uma vez em seu marido. Percebeu que algo tinha mudado entre eles, mas o que? Sentia-se incomodado em vê-la? Ele fingiria que não tinha acontecido nada? Acaso tinha acontecido alguma coisa? Quase esperava que Jamie entrasse no quarto, a qualquer momento, mas na realidade não o viu até que tinha terminado de tomar o café da manhã. Entrou no grande salão com seu tio. Caitrina sentiu o coração dar um pulo e ficou tensa esperando sua reação. Jamie a olhou nos olhos e, talvez vendo 188


neles incerteza, sorriu. Aquele homem a deixava sem fôlego, e com aquele singelo gesto lhe roubou também uma parte do coração. Deveria ser um pecado ser tão bonito. Com seus olhos faiscantes, seu escuro cabelo avermelhado caído sobre a fronte e sua boca sensual curvada em um amplo sorriso, não podia comparar-se com ninguém. Parecia mais audaz do que nunca, e Caitrina percebeu que sempre o tinha visto na defensiva. Mas havia algo mais... Sua roupa. Pela primeira vez desde que o conhecia usava a tradicional vestimenta de um highlander: um tartán amarrado com um cinturão sobre uma fina camisa de linho e preso ao ombro com a insígnia de seu chefe. Aquele traje lhe conferia um aspecto ainda mais impressionante. O tartán era parecido com o que usava no dia em que se conheceram. Caitrina estava acostumada a vê-lo com roupas da corte, mas recordou que apesar de suas maneiras mundanas das Lowlands, era, de fato, um highlander. Não pôde evitar de perguntar-se se aquilo significaria algo. Jamie se aproximou dela e deu-lhe um beijo na mão. — Dormiu bem? Consciente de que todos os olhares se concentravam neles, Caitrina não pôde evitar que o rubor subisse a suas bochechas. — Sim, obrigado. — De nada — zombou ele. — Não quis dizer... — balbuciou ela envergonhada, mas interrompeu-se ao ver o ar de riso em seus olhos. — Descarado —murmurou. Jamie se pôs a rir e apoiou uma mão em seu braço. — Se estiver pronta, podemos nos despedir. Era estranho. Estando ao seu lado, com a mão sobre os duros músculos de seu braço, sentia-se conectada. Estavam conectados como marido e mulher. Jamais poderia recuperar sua antiga vida, mas talvez, somente talvez, conseguisse criar uma nova, não melhor nem pior, mas diferente. 189


Despedir-se de seus tios e de seus primos foi mais difícil do que esperava. Devia-lhes muito e sabia que jamais poderia pagar por sua bondade. Mas quando seu primo John a levou para um canto, enquanto Jamie falava em particular com seu tio, a realidade irrompeu naquele feitiço de sonho que tinha criado em sua noite de bodas. — Não será fácil para você estar casada com um Campbell — advertiu John. — Fez um grande sacrifício por seu clã, mas se perceber que não pode suportar, pode me chamar. Caitrina baixou os olhos. Um sacrifício. Não, não era o sacrifício que devia ser. Apesar de tudo, a preocupação de seu primo, por mais injustificada que fosse, comoveu-a. Malcolm ou Niall teriam reagido igual, pensou, sentindo uma pontada no peito. — Obrigado, John, mas não será necessário. Lidarei bem com isso. Lançou-lhe um olhar severo. — Não se deixe enganar pelos prazeres da cama nupcial, moça. —Aquele comentário tão brusco e certo a pegou de surpresa. — Jamie Campbell te deseja, mas é tão perigoso e desumano quanto dizem. Asseguro-lhe isso, eu o vi em ação e jamais permitirá a influência de nenhuma mulher. Sempre será leal ao seu primo. Não se deixe enganar pela roupa — acrescentou, referindose a roupa que Jamie tinha escolhido para esse dia. Pelo visto ela não tinha sido a única a perceber. — É um Campbell da cabeça aos pés, e como tal, jamais será nosso amigo. Caitrina tentou dissimular sua vergonha. Era tão transparente? Era tão visível sua fascinação por seu marido? Pensou em sua promessa de permanecer distante, ou de vingar-se dos Campbell, e envergonhou-se de sua debilidade. Tinha sucumbido muito facilmente, mas jamais teria imaginado que Jamie pudesse ser tão terno, tão doce, tão... Carinhoso. O orgulho a incitou a erguer o queixo e enfrentar o olhar de seu primo.

190


— Não tem que me recordar isso. Sei perfeitamente com quem me casei. E no que me converti. — Haverá protestos — advertiu ele. Seu primo tinha razão. Os sobreviventes de seu clã não gostariam nada do que tinha feito, pensou inquieta. Jamie jamais toleraria deslealdade ou falta de respeito. — Entenderão que foi pelo bem de todos. Tinham que entender. Não estava disposta a sofrer a mesma pena que sua mãe: ser expulsa de seu clã por casar-se com o inimigo. Percebeu que Jamie e seu tio voltavam para o salão. Ele se dirigiu diretamente para ela com uma expressão sombria, quase como se pudesse imaginar do que estavam falando. John voltou a olhá-la, desta vez, quase com compaixão: — Por seu bem, espero que tenha razão, priminha.

A curta viagem de Toward até Rothesay se desenvolveu sem incidentes, e no meio da tarde Caitrina se encontrava no castelo de Rothesay, que outrora havia sido a luxuosa fortaleza de Stewart, com seu especial desenho de torres circulares, que seria seu lar até que Ascog estivesse reconstruído. Era muito mais luxuoso que qualquer outro lugar onde tivesse vivido, e demorou um pouco para acostumar-se, tanto ao lugar como a sua condição de casada. Durante os dias seguintes estabeleceram uma precária trégua forjada na escuridão da noite, onde nada se interpunha entre o desejo e a paixão. Jamie vinha tarde para a cama, tirava a roupa diante da lareira, deitava-se nu e esperava que ela tomasse a iniciativa. Como tinha feito na primeira noite, jamais a deixava esquecer que a decisão dependia dela, que ela ditava as regras. E Caitrina, como uma mariposa diante de uma chama, era incapaz de resistir aquele primitivo chamado. 191


Na escuridão, onde ninguém podia ver sua ânsia, voltava-se para ele, deslizava as mãos sobre seu corpo musculoso, saboreando a força que percebia sob os dedos e dando rédeas soltas ao seu desejo. Com sua paixão dizia o que não podia dizer com palavras, falava de sua ânsia, de seu desejo por ele. E com uma ternura que ela teria acreditado impossível em um homem tão poderoso, ele alimentava sua ânsia, dando-lhe um prazer como ela jamais pôde imaginar. Mas, por mais terno e carinhoso que fosse na cama, e por muito que Caitrina tinha aprendido de seu corpo, em muitos aspectos seu marido continuava sendo um estranho. Os momentos de intimidade que compartilharam depois daquela primeira noite não voltaram a repetir-se. Ele a estreitava em seus braços, mas jamais tentou falar com ela, jamais revelava seus pensamentos. Falavam mediante grunhidos e gemidos, mediante ofegos, na tensão dos músculos —a linguagem do prazer, — compartilhando os segredos de seus corpos, mas não o de seus corações. Caitrina sabia como tomá-lo entre suas mãos, até fazer com que todos os músculos de seu corpo se esticassem na necessidade de alívio, sabia tentar, sabia acariciar, mas não sabia nada do que ele sentia por ela. E pela manhã, quando despertava dolorida e satisfeita, ele já não estava. Era como se Jamie houvesse sentido seu sutil distanciamento e tivesse decidido não pressioná-la. Mas Caitrina quase desejava que o fizesse. Quando o via organizar seus homens para dar começo às reparações de Ascog, perguntava-se se teria imaginado aqueles breves momentos de desenvoltura. Jamie era um líder da cabeça aos pés, era um chefe por natureza, um Campbell. Somente na escuridão, quando a estreitava em seus braços, ela se perguntava se seria também algo mais. Por um acordo tácito, evitavam qualquer menção a suas famílias, mas era um tema que estava entre eles: o primo de Jamie, que governava as Highlands 192


com mão de ferro, e seu irmão, que tinha matado seu pai e destruído seu lar. Para não mencionar a própria e temível reputação de Jamie. Como seu primo John tinha suspeitado, Caitrina tinha sido muito otimista ao pensar que seu clã entenderia sua postura. Sabia que Mor e os outros criados que estavam com ela em Toward faziam todo o possível para explicar a situação aos outros, mas os Lamont jamais dariam boas vindas a um Campbell, e uma vez que souberam de sua volta, o ressentimento do clã Lamont com Jamie e seus homens foi evidente. Aceitavam suas ordens apesar de tudo, muito intimidados para desobedecê-las. Sua autoridade era inegável e parecia emanar dele, tal como Caitrina tinha notado desde o começo. Tinha o porte de um rei, e todos eram conscientes disso. Somente o que o limitava era sua própria tolerância. Sua autoridade podia ser indisputável, mas era também motivo de um profundo rancor. Entretanto, foi somente no terceiro dia, quando por fim chegaram a Ascog, que Caitrina se deu conta de quão precária podia chegar a ser a situação. Já era quase meio-dia, quando passeava pelo curto atalho de apenas um quilômetro que unia Rothesay com Ascog. O sol se ocultava atrás de uma densa camada de nuvens e o frio do outono já flutuava no ar. Diminuiu o passo ao se aproximar. Enquanto esteve em Toward só conseguia pensar era em voltar para sua casa, e agora, isso estava sendo muito mais difícil do que esperava. Afinal, era o lugar onde seu pai e seus irmãos tinham perdido a vida apenas alguns meses antes, e não sabia muito bem se estava preparada para enfrentar às emoções que o castelo destruído provocaria nela. Jamie, compreendendo suas inquietações, não a tinha pressionado e se limitou a dizer que quando se sentisse preparada, poderia chamá-lo. Mas quando despertou naquela manhã, pronta para enfrentar às ruínas de seu lar, ele já tinha saído. Embora dormisse ao seu lado, tinha pegado o costume de partir antes que ela despertasse, aumentando ainda mais o

193


afastamento que sentiam de noite e sua distância durante o dia. Caitrina decidiu que queria estar sozinha quando visse as ruínas, pela primeira vez. O coração martelava ao subir a montanha que oferecia a majestosa cortina de fundo meridional ao castelo de Ascog. Conteve o fôlego e os olhos se inundaram de lágrimas quando viu o chamuscado esqueleto do castelo. A cinza tinha tingido de negro parte da muralha de pedra. Somente restava a torre de pedra, sem o telhado de madeira. De fato, tudo o que era de madeira — todas as construções em torno do pátio — tinha desaparecido. O desespero se misturava com o alívio. Era um fantasmagórico esqueleto do lugar que tinha amado, mas, como ela, seguia em pé. Dentro do pátio, um enxame de homens tiravam as cinzas e os escombros. Nublaram-lhe os olhos ao pensar em tempos mais felizes. Quase podia ver Brian correr atrás de um dos cães, ou Niall e Malcolm praticando. Uma lágrima deslizou por sua bochecha até cair em sua capa. Como sentia falta deles. O peso de tudo o que tinha perdido caiu, de repente, sobre seus ombros e se viu invadida pela solidão e a pena. O trabalho necessário para devolver ao castelo seu antigo esplendor era de uma envergadura entristecedora. A responsabilidade e o dever, valores que em sua antiga vida tinham recaído sempre sobre outra pessoa, adquiriam uma nova perspectiva. O castelo era seu agora, e não podia lhe dar as costas. Enxugando as lágrimas com o dorso da mão, respirou fundo e pôs-se a andar pela ladeira. Embora já tivessem tirado parte dos escombros, ainda restava muito para fazer, e estava decidida a estar presente durante cada fase da reconstrução. Como pensava que Jamie estaria, mas ao entrar no pátio, surpreendeu-se ao não ver sinais dele.

194


Os homens, a maioria antigos criados de seu pai, deixaram de trabalhar para olhá-la, com receio. Sua atitude reticente doeu, mas Caitrina forçou-se a esboçar um amplo sorriso e falou com um dos homens que reconheceu. — Alegro-me em ver você, Callum. — E eu a você, milady — respondeu ele, devolvendo o sorriso. Mas imediatamente ficou sério. — Sentimos sua perda. Seu pai era um grande chefe. Ela assentiu, com um nó de emoção na garganta. — Obrigado. Abriu caminho entre a multidão, saudando alguns por seu nome e perguntando por suas famílias. Notando que os ânimos se agitavam, abordou o tema das reparações. Callum declarou que demorariam alguns dias mais para limpar os escombros, mas até o final da semana, esperavam começar a cortar as árvores que empregariam na reconstrução. A madeira escasseava nas ilhas, mas tinham muita sorte de contar com um bosque próximo. Outro homem, não muito mais velho que ela, adiantou-se para fazer a pergunta que, pelo visto, estava na mente de todos. — É verdade, milady, que a forçaram a casar com o homem que assassinou seu pai? — Não — respondeu ela sobressaltada. — Bom, me casei, mas meu marido não teve nada a ver com o ataque. — Mas é um Campbell — protestou furioso Callum. — E o açoite de Argyll. — Sim, mas... — Mas o que? O que podia dizer? Aquilo era muito pior do que tinha imaginado. Os Lamont jamais aceitariam um Campbell como seu líder. A única coisa em que ela tinha pensado era em recuperar o castelo para seu clã, mas sabia que isso era somente uma meia-verdade. Jamie a tinha pressionado para que aceitasse aquele casamento, mas ela não lutou muito. De algum modo, que nem ela mesma podia explicar, desejava acreditar nele. Voltou-se para Callum e, decidida, sustentou-lhe o olhar. — Agora é também 195


meu marido. — Olhou ao redor, ainda surpresa de não vê-lo por ali. — O senhor foi ao bosque inspecionar a madeira? —aventurou. Um dos homens cuspiu no chão. — Não é madeira que busca o Açoite, mas homens. Caitrina franziu o cenho, rebelando-se instintivamente ante o uso daquele apelido, embora soubesse que já o tinha chamado de coisas piores. Sentia o estranho impulso de defender seu marido, mas sabia que isso não faria nada além de distanciar o clã ainda mais. — Não entendo... — Está limpando o bosque dos homens de seu pai — explicou outro, — capturando-os para entregar a Argyll. Não! Caitrina tinha ficado sem fôlego. — Tem que haver um engano. Mas não havia nenhum engano, porque nesse momento, voltou-se ao ouvir cascos de cavalo e viu seu marido, que atravessava as portas do castelo à frente de um punhado de homens amarrados, que reconheceu imediatamente: eram soldados de seu pai.

Jamie enxugou o suor e o pó da fronte e desmontou. A pesar do frescor da manhã, estava cansado e acalorado, depois de ter perseguido os Lamont desde o amanhecer. A última pessoa que desejava ver era sua bela esposa. Sua bela esposa, que olhava para ele com uma silenciosa acusação nos olhos... Os últimos dias o tinham esgotado. Estava fazendo todo o possível para não pressioná-la, mas sua paciência tinha chegado ao limite. A paixão não era suficiente, maldição. Queria tudo dela. Tinha esperado que a noite de bodas marcasse um novo começo para eles, mas o que seu maldito primo John havia dito a Caitrina naquela manhã, fosse 196


o que fosse, tinha-lhe feito esquecer a idéia. Depois disso, percebeu que ela se distanciava, sutilmente. dele. E sua proximidade durante a noite não fazia nada a não ser piorar a situação, fazendo-o sentir, por breves momentos, como poderiam ser as coisas entre eles se lhe desse apenas uma oportunidade. Mas começava a duvidar de que isso acontecesse algum dia. Como ia lhe dar uma oportunidade quando cada olhar atravessado que lhe cravavam os homens de seu clã aumentava o abismo entre eles? — O que está fazendo? — gritou Caitrina, aproximando-se correndo. — Esses são os homens de meu pai. — abraçou um deles e jogou os braços ao redor de seu pescoço, sem se importar que estivesse sujo de barro e imundície, depois de passar meses vivendo na miséria. Sua aberta exibição de carinho pelos homens de seu pai, quando para Jamie mal podia lhe olhar durante o dia, ardeu-lhe como ácido no peito. — Seamus — disse ela brandamente, — pensei que estava... — Alegro-me em vê-la, menina — respondeu o homem. — Nós temíamos o mesmo. Somente soubemos, com certeza, que tinha sobrevivido quando nos chegaram notícias de seu casamento —explicou, cuspindo a palavra. — Alegro-me muitíssimo de ver a todos — disse ela, tocando o rosto de outro homem, este muito mais jovem, com tal ternura que Jamie sentiu que uma adaga atravessava seu coração. Desejava tudo dela, com tal ânsia que quase sentia o sabor na boca. Mas quando se voltou para ele, não havia em sua expressão nem rastro de afeto ou ternura, só desconfiança e traição. — Liberte estes homens agora mesmo. Jamie ficou tenso, ignorando a ordem, notando que ia perder as estribeiras, algo que não acreditava possível antes de conhecê-la. Sua fria racionalidade abriu caminho a ardentes emoções. Um silêncio caiu sobre a multidão, que aguardava sua reação. O que faria o homem mais temido das Highlands quando uma mulher lhe dava ordens? 197


Seamus se colocou diante dela. — Eu a protegerei, menina. — Do que? — perguntou Caitrina com total sinceridade. Era um consolo, pensou Jamie, embora muito pequeno. Diferente daqueles homens, Caitrina sabia que jamais faria mal a ela. Não que não merecesse uma boa reprimenda, mas no momento era melhor calarse, antes de dizer algo que depois pudesse arrepender-se. — Acredito que te disse que mandasse me chamar, quando desejasse vir ao castelo — espetou, sem incomodar-se em dissimular sua irritação. — Não precisava... — No futuro, esposa — enfatizou, — fará o que disser. Caitrina sentiu as bochechas arderem de indignação, mas teve o bom senso de não discutir. Jamie só pensava em sua segurança, mas não tinha a mínima intenção de justificar-se de novo. Ouviu os grunhidos do clã, mas também percebeu sua reticente admiração. Jamie tinha todo o direito de fazer algo muito pior. Era o senhor, e sua palavra era lei. Certamente, não tinha por que acatar ordens de uma mulher, nem sequer de sua esposa. Talvez o clã não gostasse, mas não interferiria. Nenhum highlander que se prezasse toleraria que sua mulher questionasse suas decisões diante de seus homens. Talvez percebendo que havia se excedido, Caitrina moderou seu tom. — Por favor — pediu. — Que motivo tem para capturar estes homens? — Nenhuma — respondeu Seamus. — Somente que é um podre bastardo Campbell que sai por aí arrasando e saqueando para engrossar os bolsos de um tirano. — Já basta! — gritou Jamie. Não era culpa dela que aqueles homens estivessem presos. Negaram-se a se render sob as condições que lhes oferecia. — Leve estes homens a Rothesay — ordenou ao seu guarda. — Talvez depois de uns dias nas masmorras, reconsiderarão sua decisão. Caitrina lançou uma exclamação. 198


— Não! Não pode... — Sim — replicou ele com absoluta calma. — Posso. — Não se preocupe, menina — a tranqüilizou Seamus. — O Açoite não nos mete medo. Jamie o olhou, com tal intensidade, que o homem teve que baixar os olhos, reconhecendo que não era verdade o que havia dito, e a seguir se dirigiu ao resto da multidão. — Voltem todos para trabalho. — depois de dar umas instruções específicas aos dois homens que tinha designado como capatazes permitiu-se olhar para sua esposa. Quase doía olhar para ela. — Se quer voltar para Rothesay, farei com que um de meus homens te escolte. — Não necessito... A expressão furiosa no rosto dele deixou-a sem fala. — Por favor — insistiu, colocando uma mão sobre o braço dele. Jamie, que já estava bastante tenso, notou que todos os nervos se retesavam sob seu contato. — Não pode falar comigo? Em particular. Jamie afastou os olhos, sem atrever-se a olhar para a pequena mão. — Estou ocupado... — Só te peço uns minutos. Não pode me dedicar nem um momento? Embora não estivesse seguro de desejar manter aquela conversa em seu estado de ânimo, assentiu tenso e puseram-se a andar pelo caminho do lago, em silêncio. Ao chegar à margem, Jamie se voltou para ela, inexpressivo. — O que queria me dizer? Ou melhor, do que queria me acusar. — Não vai me explicar por que capturou os homens de meu pai? Estava tão farto por ela sempre pensar o pior dele que se sentiu tentado a não dizer nada, mas a suave súplica em sua voz apelou à parte dele que ainda procurava sua compreensão. — Acredito que já te disse, quando nos casamos, que era responsável por seu clã, e portanto, por suas ações. Encarregaram-me de limpar Bute dos 199


foragidos e, maldita seja, asseguro-te que o farei. — Sua brutalidade a tinha sobressaltado, mas já não a assustava. Caitrina o considerava um bruto de qualquer maneira. Ela ficou olhando-o, como se estivesse procurando uma brecha em sua atitude. — Achei que tinha vindo para ajudar a reconstruir Ascog. — Sim, mas tenho outras tarefas. A que acha que me dedico, Caitrina? — Eu... — balbuciou ela. Jamie a agarrou pelo cotovelo para atraí-la para ele. Todo seu corpo era uma massa de músculos sob tensão. Não podia estar tão perto dela, aspirar seu sedutor aroma, sem desejar estreitá-la em seus braços e beijá-la, reclamar seu corpo, embora ela não estivesse disposta a oferecer nada mais. — Se alguém viola a lei, é minha responsabilidade levá-lo ante a justiça. Não se envergonhava do que fazia. Sem homens como ele imperaria o caos e a anarquia. Notava o martelar do coração de Caitrina. Embora somente sentisse isso, era evidente que seu contato também a afetava. — Mas o que fizeram? — perguntou com voz oca. — Além de dar proteção aos MacGregor? Tentaram atacar meus homens e roubar a prata que eu tinha entregado para comprar materiais para a reconstrução de Ascog. Caitrina estava horrorizada. — Estou segura de que não sabiam. — Estou certo que não, mas isso é desculpa? — Não, mas não poderia lhes dar uma oportunidade? Quando souberem que está tratando ajudar... Jamie cravou-lhe um olhar severo. — Já o fiz. Ofereci a eles um indulto, caso se rendessem e me jurassem lealdade como seu senhor.

200


— De verdade? — perguntou ela. Seu semblante se iluminou de alegria. — Isso é maravilhoso! — Os homens de seu pai se negaram. — Ah. — Sentiu o coração apertado. — Entendo... E Jamie notou que entendia. Enganou-se ao julgá-lo e sabia disso. Soltou-a, mas ela não se afastou. — Então o que vai fazer agora? — Se não mudarem de opinião, vou mandá-los para Dunoon. — Não! — exclamou ela horrorizada. — Não pode fazer isso! Jamie esticou a mandíbula ao ouvi-la dizer, de novo, o que podia e o que não podia fazer. — Os homens de seu pai não me deixam escolha. — Por favor. — Caitrina voltou a tocá-lo, desta vez no peito. Queimava-lhe como um ferro em brasa. — Por favor. Não pode fazer isso. Vão enforcá-los. Jamie sentia que seu sangue fervia nas veias, muito consciente da sutil persuasão de Caitrina. Sabia o que ela estava fazendo, mas, maldição, estava dando resultado. Algo se agitou em seu peito. Queria mostrar-se indiferente, mas não era imune a suas súplicas. Seria imune algum dia? E talvez isso fosse o que mais o enfurecia. — Deixe-me falar com eles — suplicou. — Tenho certeza de que posso convencê-los. Era o que ele tinha tentado. Não desejava enviar à morte os homens de seu pai. — Sim, fale com eles. — Sua própria debilidade tornou sua voz mais dura do que pretendia. — Mas, Caitrina, esta é a última vez: não volte a interferir nunca mais em meu dever.

201


Jamie não sabia muito bem a quem era dirigida essa advertência. Desta vez seus interesses coincidiam, mas nem sempre seria assim. Aquela mulher podia pôr em perigo seu dever, porque sabia que faria tudo para agradá-la. Ela deixou cair sua mão imediatamente, percebendo o que tinha feito: tocá-lo, pressioná-lo com seu próprio corpo. Nunca o tinha visto assim. Estava furioso com ela e, o que era pior, tinha motivos: uma vez mais ela se precipitou e tinha chegado à conclusão errônea. Mas o certo era que quando viu os homens de seu pai presos, e quando mais tarde ouviu a ordem de levá-los a masmorra, o bom senso tinha saído pela janela e somente pôde pensar na temível reputação dele. Pelo tinham feito os homens de seu pai, Jamie tinha sido mais que justo. E nem sequer lhe tinha concedido o benefício da dúvida, mas tinha se dado o direito de exigir e ordenar que os liberasse sem querer sequer ouvir suas explicações, questionando assim sua autoridade diante do clã. E vendo que isso não dava resultado, tinha utilizado, sem dar-se conta, algo que nenhum dos dois podia negar: sua atração mútua. Jamie não era tão invulnerável a ela como parecia ser, e a certeza de que podia influenciar naquele feroz guerreiro tinha algo de embriagador. Mas. evidentemente, não o agradava muito. Caitrina tinha ganhado aquela batalha, mas a que preço? Jamie deu a volta e pôs-se a andar para a torre e ela sentiu uma pontada de pânico, sabendo que estava deixando-o afastar-se. Depois, poderia ser muito tarde. — Espere! — exclamou, pondo-se a correr. Jamie se voltou devagar para olhá-la. Seus olhos cerrados não deixavam adivinhar seus pensamentos. — Sinto muito. Não queria interferir, mas é que esses homens... Não pode compreender o que significa para mim vê-los depois de passar tantos meses sem saber se tinham morrido. Alguns eu conheço desde que nasci. Seamus me sentava em seus joelhos diante do fogo e me deixava brincar com sua 202


barba, enquanto me entretinha com incontáveis historias sobre nossos antepassados. Não queria te envergonhar, questionando seus atos diante de meu clã, mas é natural que sinta lealdade por eles. — Sua lealdade deveria ser, acima de tudo, para mim. Caitrina se sentia culpada. Jamie tinha razão, mas não era tão simples assim. — Está me pedindo que esqueça anos de ódio e desconfiança entre nossos clãs. — E o que sei de ti, pensou. — Não. Estou te pedindo que confie em mim. Mas poderia confiar nele? Às vezes desejava fazer isso. Sua incerteza deve ter transparecido em seu rosto. — Que motivos dei para que não confie em mim? — desafiou-a, —Fiz mal a você? Menti? Fiz algo para ganhar sua desconfiança? Caitrina negou com a cabeça. Ao contrário, tinha surpreendido em cada ocasião. E logo percebeu aquele brilho de ternura, aquela parte dele que mantinha oculta e que às vezes se revelava... — Eu quero confiar em ti, mas... — Mas o que? Caitrina retorcia as mãos sem saber como dizer. Como podia explicar que se confiasse nele tinha medo de perder para sempre parte de seu passado? Seria como arrancar-se de seu clã. — É algo que não pode mudar da noite para o dia. Tudo aconteceu muito depressa e já não sei em que acreditar. — Olhou nos olhos dele, suplicando em silêncio sua compreensão. — Estou confusa. — E, apesar disso, de noite não parece nada confusa. Me dá seu corpo com muita boa vontade. Ela sentiu o peito apertar e lhe ardiam as bochechas. — Isso é diferente. — Ah, é? — Jamie arqueou uma sobrancelha. — Por que? Confia em mim com seu corpo, mas não com seu coração. 203


Caitrina guardou silêncio. Isso era o que queria dela? Era impossível. O sangue pulsava em seus ouvidos. Como explicar que de noite somente existiam os dois, que os problemas do dia não atravessavam a escuridão? Por que a pressionava daquele modo? Estava pedindo algo que ela não estava disposta a dar. — Oferecer meu corpo é meu dever — resmungou por fim. Seu rosto era uma máscara de pedra, e mesmo assim Caitrina soube que o tinha ferido, talvez pela súbita tensão do queixo ou as pequenas linhas que apareceram em torno de sua boca. — Pois não parece um dever quando geme, me tomando dentro de ti, uma e outra vez. — Deu um passo adiante. Todo seu corpo emanava ira. — Montando até gozar. Caitrina deu um pulo diante da brutal honestidade de suas palavras. — Como se atreve! — O rubor ardia em suas bochechas. Sua paixão por ele a envergonhava. Era uma ânsia devoradora, selvagem. — Não há nada do que se envergonhar — disse ele, com mais suavidade. — eu adoro sua paixão. Mas o que sente por mim? Desejava poder ler em sua mente. Era evidente que estava zangado com ela por não confiar cegamente nele. Mas o que sabia dele, fora da cama? Apenas o via durante o dia, sempre se mantinha afastado exceto durante aquele momento depois das bodas. Então quase pôde acreditar... Caitrina afastou o rosto. — O que quer de mim? — perguntou com a voz carregada de emoção. — Casei-me contigo, vou de boa vontade para sua cama, não é suficiente? Ele retrocedeu, como se tivesse lhe dado uma bofetada. — Não. Parece que não. Aquilo estava indo mal. Como podia explicar que confiava nele, apenas não tão completamente como ele queria?

204


— O que está me pedindo não se consegue de um dia para outro. Preciso de tempo. — Certamente. — Sua voz podia ter congelado um lago em pleno verão. — Talvez os dois precisemos de mais tempo. O que ele queria dizer com isso? Caitrina ficou olhando-o quando partiu, sem saber o que fazer. Queria chamá-lo, mas não sabia o que dizer para ajeitar as coisas. Depois de um momento o seguiu e passou o resto da tarde atenta aos processos de limpeza e fazendo o possível por evitar seu marido. Quando chegou a hora de voltar para o castelo, foi escoltada por vários de seus homens. Durante o jantar Jamie se mostrou cortês, embora mais distante do que ohabitual. Caitrina não soube até que ponto, senão bem mais tarde. Nessa noite, pela primeira vez desde que se casaram, Jamie não foi para o quarto. Agarrada ao travesseiro disse a si mesma que não importava, que era bom ter tempo para pensar, mas uma dor surda em seu peito dizia outra coisa. Teria conseguido afastá-lo para sempre, ou simplesmente estava concedendo-lhe o tempo que tinha pedido? Já não estava tão certa de querer este tempo.

205


Capítulo 14 Alguns dias depois, Caitrina estava ajoelhava no chão do grande salão, tentando manter o olhar cravado na pedra manchada de fuligem, em lugar de fixar-se no que estava acontecendo acima dela. Os homens levantavam as descomunais vigas que sustentariam o novo telhado. Colocaram largas pilastras de madeira sobre a pedra que suportaria o chão da planta superior, mas neste momento, as utilizavam como andaime. Com a ajuda de uma série de escadas e cordas ergueram as vigas a uns nove metros, até a parte superior da torre aberta. Caitrina não podia evitar de sentir-se inquieta, apesar de estar sobre um chão sólido. Por sorte, o chão de pedra do salão, construído sobre as abóbadas da cozinha, não tinha sofrido sérios danos. Nem sequer o fragrante aroma da madeira recém cortada acalmava sua ansiedade. Era um trabalho perigoso e não podia suportar a idéia de que alguém ficasse ferido. Depois de passar aqueles dias trabalhando, ombro a ombro, com os homens de seu clã, tinha conhecido muitos deles, e a idéia de que lhes acontecesse algo... Não queria nem pensar nisso. Mas o inverno se aproximava depressa e tinham que acelerar as obras. Os dias curtos e os períodos de chuva pioravam as condições de trabalho. E no fundo de sua mente tinha a certeza de que Jamie estava fazendo aquilo por ela. Normalmente a reconstrução teria demorado até a primavera, mas ele sabia o quanto ela desejava, — precisava, — ver Ascog recuperar sua antiga glória. Se conseguissem pôr o telhado e cobrir o castelo, poderiam continuar as obras pelo lado de dentro, durante o inverno. Voltou a concentrar-se em seu trabalho, afundando as mãos na vasilha e escorrendo o trapo. Mas o linho não parecia mais limpo, já que a água ficou 206


totalmente negra. Ficou em pé com esforço, sentindo-se como uma velha. Tinha os joelhos rígidos e doloridos depois de passar no chão gelado a maior parte do dia. Limpar a fuligem do chão e das paredes parecia uma tarefa eterna. Estava nisso há dois dias seguidos e não via se aproximar o final. — Deixe-me continuar, milady — disse uma das jovens criadas, aproximandose dela. — Estou bem, Beth, somente preciso esticar um pouco as pernas. Caitrina agarrou a vasilha de água suja e foi esvaziá-la na janela, que não era mais que um buraco na parede sem marco, antes de ir ao pátio buscar água limpa. Olhou para baixo para assegurar-se de que não havia ninguém e estacou. Uma onda de calor invadiu todo seu corpo. Um homem forte brandindo uma maça sempre chama a atenção, ainda mais quando o homem em questão era Jamie. Apesar do frio, tirou o tartán e a camisa estava colada aos músculos das costas, enquanto brandia a maça, desenhando um amplo círculo, para deixá-la cair com um ressonante estrondo. Caitrina conteve o fôlego. Como se percebesse seu olhar, ele ergueu a vista e seus olhos se encontraram por um instante — o abismo se alargou entre os dois, — até que ela se afastou rapidamente. Com as costas coladas à parede, teve que fazer um esforço para respirar, sentindo-se uma idiota, tanto por ter deixado que a surpreendesse olhando para ele, como pela reação que tinha tido. Como podia Jamie afetá-la daquela maneira? Não que nunca tivesse visto um homem com uma maça, embora tinha que confessar que nenhum com aquela presença física. E conhecia muito intimamente aquela presencia física. Esse era o problema. Havia visto Jamie nu, sabia o que sentia ao acariciar aqueles quentes e duros músculos. Sabia o que sentia ao ter dentro de seu corpo todo aquele calor e aquela força. Sentia falta dessa conexão. Sentia falta dele. Nesse momento ouviu um grito seguido da advertência de Jamie: 207


— Cuidado! O pulso de Caitrina acelerou-se de medo e voltou a olhar pela janela, temendo pelo pior. Entretanto, a situação parecia estar sob controle. Pelo visto, dois jovens tentavam subir pelas escadas carregados com uma enorme pilha de madeira, mas o peso se deslocou sobre o homem que vinha mais embaixo. Mas o que estavam pensando? Era muita carga para ser carregada somente por dois homens. O rapaz podia ter caído, ou pior ainda, podia ter sido esmagado pelas pesadas toras. Jamie se apressou a ajudar e seus músculos se esticaram sob o peso da madeira. Caitrina observou seus fortes braços, e deslizou os olhos por seu peito e por seu estômago plano até as poderosas pernas cobertas pelas calças de couro cheias de pó. Já tinha ficado olhando para ele outra vez. Mas não era somente uma questão de atração física. Desde sua discussão há alguns dias, se pegava constantemente olhando para ele, ou melhor, estudando-o. Jamie era como um enigma que tentava decifrar. Ele não dava a mínima pista sobre seus pensamentos. Tratava-a como sempre, atento e com consideração; fiel a sua palavra, estava lhe dando tempo, inclusive passava mais tempo perto dela durante o dia. Mas faltava algo: faltava Jamie em sua cama. Caitrina sentia falta daqueles momentos de intimidade que estavam acostumados a compartilhar de noite, e evidentemente essa era a intenção de Jamie. Como podia sentir falta de algo que tinha experimentado durante tão pouco tempo? Não tinha sentido. Ou talvez sim. Talvez Jamie fosse mais importante para ela do que imaginava. E depois de observá-lo durante alguns dias, começava a pensar que talvez isso não fosse tão terrível. Nem sequer seu pai teria conseguido fazer tanto em tão pouco tempo. Sob a liderança e a gestão de Jamie, o progresso das reparações era espetacular. Sua autoridade nunca era posta em dúvida, mas agora ela admirava também sua capacidade de liderança. Dirigia os homens com o exemplo, não por 208


decreto, e jamais pedia nada que não estivesse disposto a fazer ele mesmo. Como na batalha, estava sempre à frente, era sempre o primeiro a enfrentar o inimigo. Fazia os homens trabalharem muito, mas ele trabalhava ainda mais, sempre o primeiro a chegar e o último a partir. Era evidente que Jamie e seus homens tinham certa experiência na construção — nada surpreendente levando em conta o enorme número de castelos que possuíam os Campbell — mas seus conhecimentos impressionavam Caitrina. Era rápido com os números, medidas e planos, revelando uma astúcia e uma inteligência além da habilidade como guerreiro. De fato, sua capacidade de liderança era evidente por seu quase sobrenatural modo de saber onde estava cada um dos homens e o que acontecia ao seu redor. Como seu pai havia dito, Jamie Campbell era muito mais que sua presença física, e certamente Caitrina estava vendo, em pessoa, a prova disso. Os homens do clã Lamont, diferentemente dos Campbell, nunca tinham realizado obras dessa envergadura, e Jamie tinha mostrado uma paciência notável com eles, inclusive quando o erro podia custar muito caro. Com a ajuda de Jamie, os dois jovens conseguiram levar a madeira até a planta superior e deixá-la contra a parede do salão. Para que ele não a surpreendesse de novo olhando, Caitrina voltou a concentrar-se em sua tarefa e jogou a água suja pela janela. Beth e as outras duas criadas que se ofereceram para ajudar, observavam o incidente com bastante interesse, e de repente, Caitrina soube por que os rapazes estavam carregando tanta madeira: eram muito conscientes de seu público e queriam impressionar às jovens criadas. Jamie também pareceu entender a situação e, pelo visto,estava passando um severo sermão do outro lado do salão. E suas palavras deram resultado, porque os dois jovens, envergonhados, assentiram com a cabeça e desceram correndo pela escada, sem olhar atrás. Jamie, entretanto, olhou em direção a 209


Caitrina, e pela expressão de seu rosto não parecia nada feliz em vê-la. Cravou-lhe um penetrante olhar, dando a entender que estava a ponto de dar rédeas soltas ao seu aborrecimento. Ela sorriu com doçura, o que só o enfureceu mais. Mas por sorte, uma voz que o chamou do lado de fora, interrompendo a situação. — Milord! Ele respondeu olhando para os homens, e depois de uma rápida conversa e um último olhar furioso para sua esposa, voltou a descer para o pátio de armas. Era incrível a rapidez com que os homens do clã tinham chegado a depender dele. Caitrina duvidava que eles mesmos se dessem conta, e provavelmente se horrorizariam se alguém comentasse. Os velhos hábitos demoravam a morrer. Ocorreu-lhe que Jamie estava em uma posição muito difícil, entre ambos os lados das Highlands — um highlander que simpatizava com o governo das Lowlands, — onde nenhum dos lados o aceitava completamente e ambos desconfiavam dele. De um lado, estavam os highlanders, que não estavam dispostos a renunciar à autoridade sem limites, nem ao modo de vida que tinham desfrutado durante centenas de anos. De outro lado, estava o rei, cada vez mais poderoso com o apoio da Inglaterra. Em sua tentativa de unir estes dois lados, Jamie tinha se afastado de ambos, escolhendo um caminho difícil e solitário, mas vital. Sem homens como ele para guiar os escoceses pelo traiçoeiro atalho da mudança, poderiam acabar como os MacGregor. Era uma idéia para se pensar. Beth e as outras criadas se reuniram em torno dela e se mostraram visivelmente aliviadas quando Jamie saiu do grande salão. Percebeu, em seus rostos, que queriam dizer algo. — O que houve, Beth?

210


A garota vacilou, ruborizando um pouco, como se não soubesse muito bem como dizer. — Só queríamos dizer que... bem... que a admiramos, minha lady, pelo que têm feito. E por sua... hum... valentia. Valentia? — Por que? Beth baixou a voz e olhou um instante para a porta, pela qual tinha saído Jamie. — Bom... por se casar com o Açoite. Viu como gritou com os pobres Robby e Thomas? Por apenas querer ajudar! — Tinha razão em falar assim; os rapazes podiam ter se machucado. — Caitrina não queria comentar que o que os dois queriam era impressionar as criadas. Era evidente que elas não tinham visto o incidente da mesma forma. Se dessem apenas uma oportunidade a Jamie... De repente parou, surpresa pelo rumo de seus pensamentos, e por ter saído em defesa de seu marido. Fazia muito por ela, por que não havia percebido até então? Não só reconstruindo Ascog, mas conseguindo que seu clã recuperasse o castelo. Caitrina sabia que o irmão de Jamie o tinha reclamado, e apesar de tudo, arriscou-se a provocar sua ira por causa dela. E não tinha sido a primeira vez. Ao inteirar-se do ataque contra Ascog, voltou para tentar detê-lo. E mais tarde, se arriscou a contrariar Argyll ao ocultar o paradeiro de MacGregor, até conseguir negociar os termos de sua rendição, sabendo quanto era importante para Lamont a segurança do proscrito. Podia ter matado MacGregor, o homem que perseguia, mas não o fez. E tudo por causa dela, como uma amostra de boa fé. E o que tinha dado em troca? Suspeita e desconfiança. A verdade caiu sobre ela com a força de um golpe. Se quisesse que sua gente aceitasse Jamie, se quisesse que lhe dessem uma oportunidade, ela teria que ser a primeira. Era seu marido. Era seu dever. 211


Não. Aquilo não tinha nada a ver com dever, mas com o desconcertante manancial de emoções que sentia por ele, emoções que tinham criado raízes e que não seriam facilmente arrancadas. — E o modo como olhou para milady! — disse Beth estremecendo. — Dá-me um medo de morte. Se me olhasse assim, eu sairia correndo. As outras jovens assentiram com veemência, e Caitrina sorriu diante de tanto drama. — Bom, não é tão mau. As três garotas a olharam, como se estivesse louca. — Não, é pior — cortou um homem. — E faria bem em não esquecer disso, menina. Caitrina se voltou. Era Seamus, que descia com cuidado de uma escada. Sendo um dos poucos homens com experiência na construção, tinha a tarefa de fiscalizar o fornecimento necessário de madeira. Jamie o tinha honrado com aquela responsabilidade, embora o ressentimento de Seamus indicasse o contrário. Caitrina, tal como prometeu, tinha convencido o guarda de seu pai para que se submetesse a Jamie, embora agora estivesse arrependida. Seamus estava instigando o grupo. — Não esqueci, Seamus — respondeu, — mas nem você pode ignorar tudo o que Jamie tem feito aqui. Não me deu razões para desconfiar dele. — Então se voltou para Beth e as outras garotas. — Não é o monstro que dizem. Temos que dar uma oportunidade à ele. — Ao ver que não estavam convencidas, insistiu: — Agora é nosso senhor. — Não por muito tempo, se Deus quiser — replicou Seamus. Caitrina sentiu um calafrio ao ver sua expressão e franziu o cenho, esperando ter interpretado mal suas intenções.

212


— Levará muito tempo até que tenhamos um filho com idade suficiente para ser chefe, Seamus. Tal como estavam as coisas, ter um filho seria um milagre. Jamie acabava de entrar no salão e se dirigia diretamente para ela, quando ouviu sua inesperada defesa e sentiu uma ponta de esperança. Em quase uma semana que estavam em Ascog, era o primeiro sinal de que Caitrina poderia estar abrandando-se. Jamie começava a duvidar de sua decisão de abandonar sua cama. Quis dar-lhe tempo, obrigá-la a perceber que o que tinham era especial, que sentisse falta não só da relação sexual, mas dele. Entretanto, as longas e frias noites começavam a se tornarem irritantes. Trabalhava até quase a exaustão todos os dias, para não pensar em sua adorável esposa, mas sua constante presença era como uma pedra no sapato. Era muito consciente dela, e se pegava olhando-a nos momentos mais inoportunos. Seu único consolo era que Caitrina também olhava para ele. Em lugar de marido e mulher, pareciam dois leões enjaulados, andando em círculos um em torno de outro. Às vezes, parecia ter diante de si uma pessoa totalmente diferente da jovem que tinha conhecido. Tinha desaparecido aquela menina mimada, envolta em sedas, e em seu lugar havia uma mulher que passava o dia esfregando o chão, com um vestido que nem sequer seria apropriado para uma criada. Para uma garota que, em outros tempos, vestia-se como uma princesa, a mudança era espetacular. Apesar de ter lhe dado roupas novas e jóias, nada do que ela usava mostrava sinal algum de riqueza. O cabelo, em outros tempos preso em elaborados penteados, estava agora amarrado com uma tira de couro. Mas as mudanças eram muito mais profundas; não só afetavam seu aspecto. Quando a conheceu a considerava ignorante e alheia ao que acontecia ao seu redor, mas agora nada podia estar mais longe da verdade. Surpreendialhe como era sensível às necessidades de sua gente. Parecia encarregar-se 213


de tudo, desde organizar os homens para ajudar nos trabalhos do campo ou com os animais, ou às mulheres que tinham perdido seus maridos no ataque, até oferecer um abraço de consolo ou um apertão de mãos. As demonstrações de afeto e carinho que antes dedicava somente à sua família, agora estavam voltadas para seu clã. Mas Jamie ansiava ter essa afeição voltada para ele. A destruição de seu lar e de sua família a tinham obrigado a amadurecer e assumir mais responsabilidades. E Jamie podia admirar a mulher em que se transformou, mas nem todas as mudanças lhe agradavam. Caitrina tinha sofrido um forte golpe, e ele não podia fazer nada para devolver sua juvenil ingenuidade, mas daria tudo para ver a alegria em seus olhos, sem a tristeza e a perda. Entretanto, sua preocupação mais imediata era sua saúde. Via sinais de esgotamento em seu rosto pálido e sabia que estava dormindo pouco como ele. Estava trabalhando muito, e ele não pensava ficar de braços cruzados vendo como se matava dessa maneira. Caitrina o tinha acusado uma vez de querê-la como uma posse, como um bonito adorno. Se alguma vez houve algo de verdade em suas palavras, já não era o caso. Jamie estava orgulhoso de tê-la ao seu lado, não por sua beleza, mas por sua força e sua capacidade de resistência, por seu orgulho e sua paixão, por aquele dinamismo, que rivalizava com o seu. E pela compaixão que tinha demonstrado em incontáveis ocasiões naquela última semana com seu clã. Era ela que consolava aos outros, embora tivesse perdido mais do que ninguém. Seu desejo por ela não tinha nada a ver com a posse, mas com os sentimentos que despertava nele. Caitrina havia exposto uma parte de seu ser cuja existência desconhecia. Os sentimentos, as emoções, tudo isso era algo estranho para ele até conhecer Caitrina. Nunca tinha percebido como era sozinho antes dela.

214


A primeira vez que fizeram amor, teve certeza de que ela era diferente. Tinha desejado muitas mulheres, mas com nenhuma havia aquele sentido desejo de estreitá-la em seus braços para sempre. Jamais tinha entrelaçado a paixão e a emoção. Quando derramava nela sua semente, não só sentia prazer físico, mas um prazer que tomava conta de todas as partes de seu corpo e sua alma. Ao menos, assim era como ele se sentia. Ainda doía recordar as palavras de Caitrina: que ia para a cama com ele porque era seu dever. Dever. Como podia uma palavra machucar tanto? E o mais irônico era que o dever era o mais sagrado para ele. Dever para com seu chefe, para com seu clã, para com sua família. Para com sua esposa. Jamais imaginou que essa palavra se viraria contra ele, com um efeito tão devastador. Não queria que Caitrina cumprisse com seu «dever». Queria seu amor e seu desejo. Queria que fosse sua por vontade própria, porque ela o desejava, não por ser uma obrigação. Havia se zangado, alguns dias atrás, impaciente com ela por não vê-lo como era. Mas Caitrina precisava de tempo. Depois de perder tanto, era natural que tivesse medo de voltar a amar. E tinha jurado esperar até que ela fosse até ele, mas cada dia que passava seu gênio ia piorando, mais e mais, e agora estava a ponto de explodir. Sentia-se como um urso, despertado em pleno inverno. Faminto. Jamie se aproximou, mas ela ainda não o tinha visto. Seamus respondeu, baixando a voz. — Um menino não é... — deteve-se no meio da frase, ao notar a presença de Jamie e voltou-se para ele. Jamie arqueou uma sobrancelha. — Não quero interromper. O que estava dizendo? Seamus sorriu. — Estava comentando que todos estamos desejando ver o dia em que um Lamont volte a reinar sobre Ascog. 215


Não era isso o que ia dizer, estava claro, mas Jamie já estava em guarda com aquele ressentido Lamont. — Esse dia pode demorar muito a chegar — repôs. — E talvez não chegue nunca. Não deve contar com isso. Seamus captou a indireta. — Sim, milord. — E voltou a encarapitar-se na escala para fiscalizar os homens que subiam a madeira até a torre. Jamie e Caitrina não ignoraram sua atitude desdenhosa. Ela parecia que ia dizer algo, mas Jamie a agarrou pelo braço. — Não. Posso comandá-lo. — Mas... — É o que quer. Suas provocações não me irritam. Sou tão highlander quanto ele, embora ele goste de dizer o contrário. As criadas que estavam com Caitrina se apressaram a afastar-se, olhando para Jamie como se fosse o próprio demônio. Seu temor pareceu incomodar Caitrina. — Não se incomoda? — perguntou. Ele encolheu os ombros: — Deveria me incomodar. Jamie suspirou, pois sabia como sua esposa podia ser persistente. Não desistiria até que respondesse. — Faz muito tempo que parei de tentar mudar a opinião das pessoas. Todos continuarão acreditando no que quiserem. Ser um herói ou um vilão só depende do lado no qual se está. Ela franziu o nariz. Um nariz diminuto e manchado de fuligem. — Nunca tinha pensado assim. — Nem todo mundo me despreza, Caitrina. Também tenho meus admiradores — acrescentou secamente. Ela entreabriu os olhos. 216


— Que tipo de admiradores? — Ele encolheu os ombros. — Não serão admiradoras? Jamie sorriu ao perceber que ela estava com ciúmes. — Bom, tem de tudo — zombou, e se pôs-se a rir ao ver a expressão tensa de sua boca, ansiando cobri-la com seus lábios e sua língua. — Algum dia à levarei a Castlewesne para que conheça alguns — acrescentou, observando sua reação. Tinha falado de um futuro, embora não estivesse muito claro que o tivessem. Ela assentiu e Jamie deixou de conter o fôlego e deu um passo para ela. — Caitrina... — passou os dedos pelo cabelo, sem saber muito bem o que queria dizer. — Sim? Como podia dizer que a queria de novo em sua cama? Tinha prometido dar tempo a ela... Que demônios! — Temos que conversar —acabou dizendo. Pela expressão receosa em seus olhos soube que tinha feito bem em não pressioná-la. — Sobre o que? Jamie agarrou suas mãos e virou as palmas para cima. Estavam secas e avermelhadas, cheias de machucados e arranhões. — Disto. Ela tentou afastar as mãos, mas ele as segurou com firmeza. — Isto tem que acabar. Está se matando de trabalhar. Se não parar, vai ficar doente. Ela afastou os olhos e fez uma careta com a boca que indicava teimosia. — Estou bem. — É minha esposa, não uma criada. — Ah, então é isso, não? Uma questão de aparências. Há trabalho pendente, e não importa quem o faça. Esta é minha casa. Não me obrigará a ficar de 217


braços cruzados e deixar que outros trabalhem, enquanto eu me dedico a bordar e tocar o alaúde. Para Jamie aquela imagem doméstica pareceu estupenda. Adoraria que tocasse para ele. Mas sabia que Caitrina não apreciaria sua sinceridade nesse momento, assim tentou outra tática. — Isto não é seguro; os trabalhos do telhado são muito perigosos e poderia se machucar. Caitrina elevou o queixo e olhou nos olhos de Jamie, desafiante. — Se é seguro para os outros, é seguro para mim. — Eu não... E de repente Jamie se interrompeu, perplexo pelo que tinha estado a ponto de dizer: «Eu não amo os outros». Amor. Era isso o que sentia por ela? Em uma ocasião, Margaret MacLeod tinha lhe acusado de não saber o que significava essa palavra. E talvez tivesse razão, porque jamais havia sentido aquela emoção tão intensa e irracional por ninguém. Jamais tinha tido que lutar para manter rígidas as rédeas de suas emoções, porque as emoções nunca tinham sido um fator importante para ele. Até que conheceu Caitrina. Ela pareceu ler a confusão em seu rosto, porque o olhava de forma estranha. — Você não o que? Jamie sabia que seus sentimentos não seriam bem recebidos. Aterrorizariam-na, sairia correndo como uma lebre assustada. De maneira que, dissimulando sua expressão, afastou tão perturbadores pensamentos e respondeu: — Não quero ter que ordenar que volte para Rothesay. Os olhos de Caitrina lançaram faíscas furiosas. — Não se atreveria. — Acha que não? — Logo aprenderia que podia ser tão teimoso quanto ela.

218


A expressão de pura rebeldia no rosto de Caitrina dizia tudo, mas teve a sensatez de não dar voz aos seus pensamentos. Jamie ficou olhando-a, notando cada traço de seu aspecto desalinhado e exausto. — Estou disposto a ser razoável. Ela lançou uma maldição nada própria para uma dama. — Que galante! E me diga, se não for muito perguntar, qual é sua definição de «razoável»? — É a dama do castelo, e agirá de acordo com sua posição. Pode fiscalizar, mas isso não significa que deve ficar de joelhos esfregando chãos. — Jamie cravou os olhos em seu vestido com um significativo olhar. — E se vestirá de acordo com sua posição de minha esposa. Caitrina estava furiosa. — Então você pode cortar madeira como um trabalhador comum, mas eu não tenho o mesmo privilégio. Era um privilégio esfregar chão? Jamie não podia acreditar que estivessem discutindo por isso. Aproximou-se mais. — Vi você me olhando. Caitrina ficou completamente vermelha — Não estava te olhando — respondeu confusa. — E ainda não me explicou por que você pode e eu não. — Para os homens é diferente. Caitrina também se aproximou o suficiente para que ele sentisse no peito o roçar de seus mamilos e notasse uma onda de calor. Morria de vontade de tomá-la em seus braços, pois sabia exatamente como era a sensação daquele corpo voluptuoso contra sua pele. Aquilo era o mais perto que tinha estado dela em vários dias. Captou seu delicado aroma floral, tentador apesar de seu evidente aborrecimento. — Isso é a coisa mais absurda e ridícula que ouvi em minha vida. Não faz sentido nenhum. 219


— Pois assim são as coisas. — E essa toda a explicação que vai me dar? — Já te dei a única explicação que importa. — Jamie limpou uma mancha de fuligem do nariz de Caitrina, olhando-a nos olhos. — Não vê que faço para seu bem? Não quero que corra perigo. Parte da ira de Caitrina se dissipou diante de suas palavras. — Não me acusou uma vez de estar muito segura, de estar muito protegida do mundo real? E agora quer fazer o mesmo. Não entende que jamais voltarei a ser aquela menina? Ele deslizou um dedo pela curva de seu queixo. Ergueu-lhe a cabeça para que o olhasse nos olhos. — Eu jamais quis que isto acontecesse, Caitrina. Sabe, não? Ela parecia um pouco aturdida, mas assentiu. — Já sei que as coisas jamais voltarão a ser como antes, mas quero te manter a salvo. Não pode continuar assim. — Somente quero é ajudar. — E ajudará, mas não trabalhando até cair doente. — Não vai proibir que venha aqui? perguntou ela, em um tom desesperado. — Não se fizer o que te peço. — Jamie tirou uma pequena bolsa de couro cheia de moedas. — Tome. Quero que vá ao povoado e compre um pouco de tecido ou um vestido, se puder encontrar. Pedirei que tragam de Edimburgo roupas melhores, mas no momento terá que se arrumar com isto. Hoje, Caitrina, quero que vá hoje. Ela parecia a ponto de negar, mas no final aceitou o dinheiro, inclinou a cabeça e fez uma respeitosa reverência. — Como desejar, milord. — E se afastou. Mas, a meio caminho da porta, deu meia volta e pôs-se a andar de novo para ele. — Me esqueci da vasilha. 220


— Eu pego. Jamie avançou uns passos e se agachou justo quando Caitrina também o fez. Nesse momento, se ouviu um estampido e um grito. Ergueu os olhos e reagiu sem pensar. Lançou-se com um salto para ela e agarrando-a pela cintura, atirou-a no chão, embaixo dele, defendendo-a com seu corpo. Preparou-se para o impacto e a viga de madeira caiu sobre ele, arrancandolhe um gemido. Embora quase a tivesse colocado fora do alcance, a borda serrilhada golpeou-lhe o ombro com força suficiente para rasgar a camisa e abrir um corte no braço. O sangue corria quente pela pele de Jamie. Separou-se de Caitrina, lutando contra o irreprimível bramido de dor, uma dor que o envolveu numa bruma. O caos explodiu na sala. Ouviam-se gritos das criadas. Todo mundo corria para eles, mas Jamie só tinha olhos para Caitrina. Estava a salvo, graças a Deus. Seus inimigos asseguravam que corria gelo por suas veias, que nada podia alterar sua calma letal. Deveriam vê-lo agora. O coração martelava como o de uma lebre assustada. Não tinha passado tanto medo em toda sua vida. Se tivesse acontecido algo com Caitrina... Um nó quente e tenso se alojou em seu peito. Se antes tinha alguma dúvida, agora se tinham dissipado todas: aquilo era amor. Amava-a com cada fibra de seu ser. Ela estava inclinada sobre ele, com uma palidez mortal. — Meu Deus! O que aconteceu? — Então viu o braço de Jamie. O sangue que emanava da ferida aberta tinha tingido de vermelho a camisa. — Está ferido! — O rosto de Caitrina mudou e saltaram as lágrimas de seus olhos. Está chorando. Por mim, pensou. Mas foi a expressão de seus olhos que atravessou a bruma negra da dor. Era uma expressão que não tinha visto antes. Pura. Transparente. Como se ele estivesse vendo seu coração, a dor do ombro era uma agonia, mas jamais tinha visto nada tão belo. Porque ali, em seus olhos, na delicada queda de uma lágrima, Caitrina tinha descoberto. Não era somente o dever que os unia. 221


pítulo 15 Caitrina passeava de um lado para outro da câmara principal, fazendo todo o possível para manter a calma e não estorvar Mor, mas a espera era uma tortura. Sangue. Tinha havido muito sangue. A tosca viga que tinha caído sobre eles devia ter a grossura de uns trinta centímetros. Poderia tê-los matado. Fechou os olhos e respirou fundo, mas não podia acalmar os frenéticos batimentos de seu coração. O pânico tomou conta dela. Por Deus, Jamie podia ter morrido! Podia ter-lhe sido arrebatado tão depressa como foi seu pai e seus irmãos. Nessa fração de segundo em que se deu conta do que acontecia, viu o que ele tinha feito por ela, e eliminou de sua consciência qualquer pretensão absurda. Inimigo. Açoite. Campbell. Nada disso importava. Amava Jamie profundamente. Não queria expressar seus sentimentos com palavras, sobretudo quando tantas coisas a assustavam. Amar alguém a fazia vulnerável. Se perdesse este homem também... O medo apertou seu coração. Não poderia suportar. Se passasse um minuto mais sem saber de nada, ficaria louca, Retorcendo as mãos, ansiosa, aproximou-se da cama e tentou olhar por cima do ombro de Mor. Jamie estava de lado, de costas para ela, enquanto a velha babá costurava a ferida. — Como está indo? — Igual há cinco minutos atrás, embora seja difícil dizer contigo me tapando a luz — respondeu Mor, cortante. Caitrina se afastou, apressadamente, da oscilante luz da vela. Embora houvesse passado do meio-dia, as pequenas

222


janelas mal deixavam passar a luz. — Mas ficará muito pior, se não terminar de costurá-lo. — Está certa de que...? Desta vez a interromperam duas vozes: — Está bem. — Estou bem. A voz de Jamie estava forte, o que lhe provocou um pouco de alívio. — Está certa de que não necessita de ajuda? — insistiu Caitrina, para ser interrompida de novo. — Não! — Não! Se não estivesse tão angustiada, seria divertido ver Mor e Jamie concordarem uma vez na vida. Afastou-se para o outro lado da sala enquanto a babá terminava de costurar a ferida. Vários criados iam e vinham, seguindo suas ordens, trazendo água limpa, panos e ervas. Caitrina jamais havia se sentido tão inútil, nem tão impotente. Como podia ter acontecido isso? Tinha sido um acidente espantoso... ou não? Não tinha ignorado o rosto pálido de Seamus. Não queria acreditar, mas as palavras do soldado momentos antes, podiam levantar suspeitas. Por fim, depois do que pareceram horas, embora somente tivessem passado alguns minutos, Mor se levantou do tamborete. — Já pode vir, Caiti. Ela correu para a cama e por fim pôde ver seu marido. Jamie estava sentado, com as costas apoiada na cabeceira. Seu peito nu reluzia e seu abdômen de ferro se esticava sob a suave luz. Ainda usava as calças e as botas, mas a camisa destroçada e o tartán estavam em uma cadeira, junto à cama. Graças a Deus, Mor tinha limpado o sangue, mas se via o enorme corte que tinha costurado no ombro e um escuro hematoma já começava a formar-se da

223


clavícula até o cotovelo. Tinha um aspecto horrível, mas estava vivo. Todo o corpo de Caitrina amoleceu, de puro alívio. Sentou-se junto a ele na cama e, vacilante, agarrou-lhe uma mão. — Como está se sentindo? Ele esboçou um meio sorriso travesso. — Sofri coisas piores no campo de batalha. Não acredito que tenha nada quebrado — declarou, olhando para Mor em busca de confirmação. — Não há nada quebrado, embora doerá como se estivesse durante alguns dias — disse a anciã. Como adivinhando que ele seria um paciente muito difícil, advertiu: — Mas terá que tomar cuidado para não abrir a, ou infectará. Já mandarei uma beberagem para a dor. Jamie, fiel a sua imagem, negou com a cabeça. — Não precisa. Caitrina olhou para Mor, assegurando em silêncio que ela o faria beber, nem que tivesse que obrigá-lo a tomar num funil. A velha babá lançou um grunhido e partiu, balbuciando algo sobre os jovens insensatos e seu orgulho, deixando Caitrina a sós com seu marido. Ela conteve um sorriso e olhou para Jamie, que parecia estar fazendo o mesmo. — Não acredito que Mor se impressione muito com sua viril exibição de força. Jamie se pôs a rir. — Acredito que tem razão, mas não foi por isso que me neguei a tomar o remédio. Eu não gosto de como me sinto, quando tomo essas coisas. Prefiro suportar a dor a cair em um estupor, induzido por drogas. Sempre alerta, pensou ela. E depois do acontecido, não podia reprová-lo. Agora que estavam a sós e a salvo, percebeu o que tinha acontecido. A preocupação a tinha feito conservar a compostura, mas agora que sabia que Jamie estava bem, foi incapaz de continuar contendo suas emoções. Precisava dele. Precisava sentir junto a ela sua sólida força. Precisava estar

224


segura de que Jamie continuava ali. Precisava apagar o medo estarrecedor que tinha sentido diante da idéia que também podia perdê-lo. Com cuidado de não tocar o ombro de Jamie, apoiou o rosto em seu peito nu, saboreando a cálida suavidade de sua pele e o batimento regular de seu coração. Jamie se surpreendeu, mas somente por um instante; logo seu corpo se relaxou embaixo dela. — Tive muito medo — confessou Caitrina com voz trêmula. — Meu Deus, podia ter morrido. Acariciou-lhe o cabelo. Aquelas mãos capazes de brandir uma espada com propósitos mortais sabiam também ser tão doces e reconfortantes como uma mãe acariciando um bebê. — Mas não morri. Embora fosse um preço que pagaria de bom grado. Ela se levantou, com um olhar selvagem. — Não diga isso! Não diga isso nunca. Não poderia suportar outra vez. Meu pai, meus irmãos... — As lágrimas corriam por suas bochechas. Amava sua família com todo seu coração, e a tinham arrebatado. Como poderia suportar de novo aquela dor? Sabia a que se dedicava Jamie, os constantes perigos aos quais enfrentava, e sentia um terror gélido. — Não posso te perder também. Prometa que... — Não me perderá — a tranqüilizou, estreitando-a de novo contra si. Ficaram por um momento em silêncio. Somente se ouvia o ruído da irregular respiração de Caitrina e um leve choro, enquanto suas lágrimas iam aplacando. Era uma promessa que ambos sabiam que não poderia cumprir. Viviam em um mundo onde a morte era um modo de vida, sobretudo para um guerreiro. — Importa para você? — perguntou ele por fim. — Importa-se com a minha segurança? Ela ficou calada, sem saber o que ele esperava ouvir.

225


— Eu... — Tinha medo de que se expressasse em voz alta seus sentimentos pudesse, de algum modo, colocá-lo em perigo. E o que sentia por ela? Sua voz não delatava seus pensamentos. — Sim — acabou por responder. — Mais que tudo. Era suficiente. Sua resposta pareceu satisfazê-lo, porque a abraçou com mais força. O pulso de Caitrina se acalmou, mas sua mente não fazia nada além de dar voltas e voltas. — Aconteceu tudo tão depressa... — Sim. Se não tivesse ouvido o ruído... Caitrina jamais tinha sentido tanta emoção em sua voz. Jamie Campbell, o homem mais temido das Highlands, tinha tido medo... por ela. Pigarreou para limpar a voz. — Quando averiguar quem foi o responsável... Ela sentiu um calafrio diante daquela ameaça em seu tom. — Tenho certeza que foi um acidente. Jamie a olhou nos olhos e Caitrina soube que compartilhava suas suspeitas. — Estou certo de que ninguém pretendia que você sofresse nenhum ferimento. Tinha escolhido com cuidado as palavras, deixando muito claro que suspeitava que alguém tinha tentado matá-lo. Caitrina rezava porque não fosse Seamus o responsável, mas sua lealdade para com seu clã tinha um limite, e esse limite era a tentativa de assassinato. Se Seamus estivesse por trás daquilo, pagaria o preço. — Não agradeci por salvar minha vida. — Não tem que me agradecer. Já te disse que sempre cuidaria de ti, e falava sério. — Atraiu-a com seu braço são, rodeando-a pela cintura e estreitando-a contra seu corpo. Ela apoiou a cabeça sob seu queixo e pôs a mão em seu peito. Os duros músculos sob seus dedos eram um refúgio.

226


Passou-lhe a mão pela pele, esculpindo os familiares contornos de seu peito, desejando que aquele momento fosse eterno. Com tudo o que tinha acontecido nos últimos meses, jamais acreditou que voltaria a sentir-se daquele modo: segura e satisfeita. Não precisou dizer nada. Jamie sabia o que estava pensando porque ele sentia o mesmo. Uma viga de madeira tinha conseguido o que nenhum dos dois tinha sido capaz de fazer: eliminar as negações para revelar a verdade. Somente quando enfrentou o horrível pânico de perdê-lo, Caitrina aceitou o que Jamie significava para ela. — Senti falta de você — afirmou, dando voz a seus pensamentos. Ele ficou quieto. — Eu também senti falta de ti. — Não deveria ter dito o que disse. Nunca me deu motivos para desconfiar de ti. E sim, confio em ti, o que acontece é que é... —tentou achar a palavra adequada, mas somente encontrou uma: —complicado. De alguma forma, ele pareceu compreender. — Sim. E não posso prometer que não haverá problemas. — Já sei. — Mas fossem quais fossem os problemas com seu clã, Caitrina já não estava disposta a permitir que o afastassem de sua cama. Deslizou a mão por seu estômago, traçando, distraída, as duras linhas do abdômen de Jamie. Sua ereção se esticou contra as calças e por um momento ela desejou tocá-la, sentir aquela vara de aço sob os dedos. Mas então recordou que estava ferido e afastou bruscamente a mão. — Sinto muito — disse com as bochechas ardendo. — Foi sem pensar. — ergueu-se para levantar da cama. — Deveria te deixar descansar... Mas Jamie a agarrou bruscamente pelo braço para puxá-la e colocá-la em cima dele. — Não. — Seu tom era sombrio e insistente. Agarrou-lhe o queixo e ergueu os lábios para plantar um suave beijo em seus lábios. 227


— Fique. Preciso de você. — Mas seu ombro... — Asseguro-te que o prazer que me dará é a melhor poção medicinal ou mágica para a dor. — Olhou-a intensamente nos olhos, com uma expressão terna, e afastou uma mecha de cabelo da fronte. — Afaste minha dor, Caitrina. — Ela olhou a atadura de seu braço, mas ele meneou, de novo, a cabeça. — Faça-me esquecer —sussurrou, beijando-a outra vez. Sua súplica chegou à alma de Caitrina. Ela também queria esquecer. Esquecer o acidente que quase o tinha arrebatado para sempre, e os estúpidos dias que tinham passado separados. Abriu os lábios dela para deslizar a língua em sua boca, em um beijo longo e sensual. Ela resfolegou. — Não joga limpo. Jamie sorriu. — Passou muito tempo. — Foram três dias. — Quase quatro. Caitrina se pôs a rir. — É incorrigível. Ele a beijou de novo, deslizando a mão pela curva de suas costas até suas nádegas, e a pressionou contra sua dura ereção. — Não, sou um homem desesperado. Tenha piedade de mim. Parecia tão sério que ela pôs-se a rir outra vez. — Como vou rechaçar uma súplica tão triste? Jamie sorriu e a estreitou em seus braços. — Não a rechaçará.

228


O certo era que ela também precisava dele, desesperadamente. Somente quando se visse, novamente, em seus braços se sentiria totalmente segura. Mas, no momento, fingiu severidade. — Muito bem, mas com algumas condições. Ele arqueou uma sobrancelha. — Tem que ficar quieto. Jamie esboçou um travesso sorriso. — Farei o possível. Que mais? — Se doer, diga-me. — Se doer o que? — perguntou ele com inocência. Caitrina deu-lhe uma palmada no peito. — O ombro, descarado. Sua tentativa de permanecer sério foi arruinada pela faísca infantil que brilhava, em seus olhos azuis. Às vezes, Caitrina esquecia de como ele era jovem. Sua autoridade, seu corpo endurecido pela batalha o faziam parecer muito mais velho que seus vinte e sete anos. Por Deus, é tão bonito... pensou. Uma expressão travessa iluminava as linhas duras e masculinas de seu rosto. Quando sorria, o efeito era devastador. Caitrina se aproximou da porta para colocar a tranca de ferro, de modo que não pudessem incomodá-los. Sentia seu olhar cravado em suas costas, a cada passo. — Temos um pequeno problema — disse ele. Olhou para ele, interrogativamente. — Qual? — A roupa. — Jamie se ergueu, abrindo um amplo sorriso zombador. — Meu braço dói muito e não vou poder te ajudar com ela. Caitrina entreabriu os olhos. — Ah, sim? Ele assentiu solenemente. 229


— Parece que terá que fazê-lo sozinha. — E você o que fará? — Vou olhar, claro. — Claro — repetiu ela, sarcástica. De costas para ele, tirou a capa e a dobrou, cuidadosamente, para deixá-la na cadeira. Voltou um momento a cabeça e viu que ele olhava seu traseiro. — Suponho que não me ajudaria a desamarrar as cintas. — Acredito que isso eu poderia fazer. Caitrina se aproximou da cama e lhe deu as costas, enquanto soltava a saia e depois o espartilho. Seus dedos pareciam lhe acariciar a pele, demorando-se na parte baixa das costas e provocando calafrios nela. Quando terminou, ela tirou o vestido, deixando-o cair no chão. O espartilho estava bastante solto para ser tirado por cima da cabeça. Embora somente vestisse a camisa, a sala parecia muito mais quente e notou um rubor em todo seu corpo. Jamie emitia um suave fôlego com cada objeto de roupa que ia caindo, e Caitrina sabia que se excitava olhando-a. Quando tentou desamarrar os laços do pescoço, mas ele agarrou suas mãos. — Deixe-me olhar para você — pediu, desta vez em um tom muito sério. Caitrina se voltou para ele, com as bochechas ardendo. Talvez sentisse um pouco de pudor, mas não podia dizer que não estivesse afetada. Havia algo profundamente sensual em despir-se diante de um homem sabendo que seus olhos seguiam cada um de seus movimentos. Desamarrou devagar a camisa e se inclinou para tirar sapatos, deixando Jamie ver seus seios pelo decote aberto. Jamie lançou uma maldição e ela ocultou um sorriso, saboreando aquele momento de poder feminino. Ergueu a camisa até a coxa e apoiou o pé na beira da cama. Demorou-se deslizando as meias por suas pernas. Estava úmida, pois sabia o que Jamie estava pensando, sabia quanto desejava vê-la assim. Olhou em seus olhos. Seu olhar ardia com intensidade. 230


— Tire! - Resfolegou ele. Caitrina ergueu mais a camisa, sem lhe deixar ver nada mais que suas coxas, e depois puxou mais para cima, para expor a curva de suas nádegas. Por fim, ergueu a camisa por cima de seus seios, a tirou e a deixou cair no chão, aos seus pés. Aventurou-se a olhar sob os cílios e percebeu que Jamie deslizava os olhos por seus seios, seu ventre, entre suas pernas... — Deus, é linda. — Exceto pelo nariz torto. Jamie se pôs a rir. — Sobretudo por esse nariz torto. E sob seu olhar, Caitrina se sentiu linda. Com os olhos fixos nos dele, baixou o pé até o chão. Ele voltou a olhar entre suas pernas e ela, como se estivesse louca, sentiu um formigamento. A necessidade que tinha dele era primitiva. Deslizou a mão pelo ventre e desamarrou as calças de Jamie para libertar sua tensa ereção dos limites do tecido. Montou sobre ele e baixou as calças, desesperada por senti-lo dentro dela. Acariciava seus seios, apertando e beliscando os duros mamilos. Ela esfregava o sexo sobre sua ereção. Estava úmida e quente e palpitava por ele, mas queria prolongar as sensações que atravessavam todo o seu corpo. — Por Deus, está me matando! Preciso estar dentro de ti. Cobriu um seio com a boca, apanhando o mamilo entre os dentes e sugando. Ela jogou a cabeça para trás, arqueada, e se esfregou mais forte contra ele, deslizando uma e outra vez, até deixar empapada toda a zona. Ele acariciou com o polegar seu ponto mais sensível e Caitrina explodiu, entre convulsões, gritando de prazer. Quando os espasmos ainda a sacudiam, Jamie a agarrou pelos quadris para penetrá-la de repente, com tal profundidade, que lhe arrancou outro grito. Não

231


havia nada como aquela sensação de conexão absoluta, um sentimento que estava apoiado em algo muito mais profundo. Caitrina o notou pulsar de novo, enchendo-a, aquela desesperada necessidade... Jamie investia com força e seus corpos se tocavam, balançavam-se, e a fricção, aquela deliciosa pressão, voltou a lançá-la no abismo. Novas contrações sacudiram seu corpo. Estava linda com o corpo nú e trêmulo pela força do clímax e o rosto transformado pelo êxtase. Podia ficar olhando-a para sempre. Aquela imagem despertava nele algo profundo e selvagem, uma emoção tão primitiva que não saberia nomear. Somente sabia que ela lhe pertencia de corpo e alma. Os últimos tremores foram se acalmando e Caitrina ficou relaxada, frágil como um cordeirinho recém-nascido. Atento a sua ferida, Jamie se colocou sobre ela, com cuidado de não esmagá-la, sustentando seu peso sobre o braço são. Seguia dentro dela e morria de vontade de mover-se, para libertar a tormenta de paixão que tanto custava dominar. Mas sempre consciente de seus medos, olhou-a nos olhos. — Está bem? Um preguiçoso sorriso dançou na voluptuosa boca de Caitrina. Incapaz de resistir, Jamie apanhou seu lábio inferior entre os dentes e mordeu com suavidade. Ela olhou para ele com a vista um pouco desfocada. — Muito bem. — Não estou te esmagando? De repente, ela se deu conta de algo. — Prometeu ficar quieto! — Menti. — Mas seu ombro... — Está bem. —O certo era que firmar-se sobre um braço era mais difícil do que pensava, mas tinha uma idéia.

232


Voltou a beijá-la, deslizando a língua por sua boca, traçando círculos até que ela se esticou contra ele. A contra gosto, Jamie abandonou o úmido calor e notou uma rajada de ar frio. — Mas... Cobriu os lábios dela com o dedo. — Confie em mim. Ficou em pé junto à cama e puxou-a até que suas nádegas repousaram na beirada do colchão, à altura perfeita. Palpitava de espera, ansioso para entrar naquele calor úmido. Olhando-a nos olhos, fez com que Caitrina dobrasse as pernas para colocálas de cada lado de seus quadris e passou as mãos pela cálida e aveludada pele de suas coxas. Ela tinha umas pernas maravilhosas, longas, esbeltas, brancas como a neve. morria de vontade de senti-las em torno de sua cintura. Muito devagar dirigiu a ponta de sua ereção até sua abertura. Estava tão úmida, tão suave, tão rosada... Esfregou a sensível cabeça contra ela, arrancando-lhe um gemido. Caitrina ergueu os quadris, mas ele queria vê-la empapada. Umedeceu o dedo na boca e o deslizou por toda a fenda. Ela deu um pulo de excitação e Jamie esboçou um sorriso travesso. Seu próprio prazer podia esperar. Inclinou-se sobre ela para beijar os pequenos mamilos rosados e eretos, e logo passou a língua sobre a planície de seu ventre. Ouviu que ela continha o fôlego e teve que resistir para não soltar uma risadinha. Sua boca descia cada vez mais, para a sensível pele das coxas, desfrutando daquele sabor de mel, desejando saborear cada ponto de sua pele. — Que está... — Confie em mim — sussurrou ele, com voz rouca. Soprou um pouco e ela estremeceu. Inalou seu delicado aroma feminino, o mais poderoso afrodisíaco, e o sangue se acumulou na ponta de seu pênis. Palpitava

233


frenético, como se fosse gozar naquele momento. Aproximou a boca da parte superior da coxa e notou que ela se enrijecia com a espera. Veria-a completamente molhada, prometeu-se. Baixou a boca de novo sobre ela e, olhando-a nos olhos, plantou um suave beijo em seu sexo. Seus quadris sofreram uma sacudida e ela lançou um grito. Jamie deslizou as mãos sob as suaves curvas de suas nádegas para erguê-la e saboreá-la plenamente. Um beijo longo e lento de puro prazer. Traçava círculos com a língua, penetrava-a, lambendo, chupando, até deixála quente e molhada. Ela se agitava na cama, movendo os quadris contra sua boca, e ele batia, com a língua, sobre o ponto mais sensível, levando-a cada vez mais perto do clímax. Sabia que estava a ponto de gozar. Então interrompeu o beijo, ficou de pé e, erguendo as pernas de Caitrina de novo, afundando-se nela. Com seus corpos unidos, fechou os olhos e jogou a cabeça para trás, saboreando a afiada intensidade das sensações. Sentia-se eletrificado, mais completo do que nunca. Aquilo era o céu. Essa sensação do homem que encontrou a sua companheira, à mulher com a qual deve estar. Ela erguia os quadris pedindo mais, e ele se deixou levar. Investia uma e outra vez, mais e mais fundo, com todo o corpo tenso de ânsia. Adorava a sensação de estar dentro dela, de enchê-la, de fazê-la sua. Ela se agarrava a ele com seus músculos femininos, sugando-o com seu corpo, e Jamie perdeu todo o controle. Nunca havia se sentido assim: consumido, selvagem de paixão, totalmente livre. Seus quadris investiam e ela saía ao seu encontro em cada investida; seus formosos seios pulavam com cada movimento. Desejava tomá-los em suas mãos, espremê-los, chupar os mamilos rosados e ver sua pele arrepiada de paixão. Mas não podia pensar. Estava em chamas. Concentrou-se em conterse com todas as fibras de seu ser até... Até que a ouviu gemer, ouviu seus

234


gritos de prazer ao alcançar o clímax e por fim se deixou levar, gozando em seu interior, com um grito gutural. Depois a estreitou até que se desvaneceu o último estremecimento, até espremer a última gota de prazer. Então caiu na cama junto com ela, abraçoua e aguardou recuperar o fôlego para poder dizer algo. Mas o que podia dizer? O que podiam dizer? As palavras pareciam muito pobres depois daquela cataclísmica experiência. Amava-a com todo seu coração e cada fibra de seu corpo. E a amaria até o dia de sua morte. Não podia devolver sua família, mas faria qualquer coisa para fazê-la feliz. E talvez algum dia, isso fosse suficiente. Jamie jurou que nada iria separá-los novamente. Talvez fosse a ferida, ou talvez o esgotamento da paixão, mas embora mal estivesse começando a tarde, quando Jamie fechou os olhos, acabou adormecendo.

235


Capítulo 16 — Mas é muito cedo. — Caitrina cobriu os seios com o lençol olhando para seu marido, incapaz de dissimular a ansiedade em sua voz. Ele desprezou a questão com um sorriso e ela sentiu uma pontada no coração. Ultimamente, sorria muito freqüentemente. — Eu diria que isso não é necessário — comentou ele, referindo-se a suas tentativas de cobrir-se. — Não há nenhuma parte de você que eu não tenha explorado nos mínimos detalhes e gravado para sempre na memória. Ela ruborizou. Apesar de terem passado os últimos dias fazendo amor, os velhos hábitos, como o pudor, demoravam a morrer. Não podia dizer o mesmo de Jamie. Não havia nele nenhuma sombra de pudor. Sempre era seguro de si mesmo; era uma das coisas que ela mais admirava nele. Via-se nele a tranqüilidade e a confiança que dão status, a riqueza e o poder. Sua firmeza e autoridade sempre o fariam se destacar. Acabava de tomar banho e a toalha úmida, colada a suas duras nádegas, acabou caindo no chão. Caitrina conteve o fôlego. Jamie colocou a camisa pela cabeça, e os músculos do peito e das costas se esticaram sob a suave luz da manhã. O descarado tentava distraí-la. E tinha dado resultado. Pois muito bem, ela também sabia jogar. Saiu da cama nua para tomar o seu banho, mas assim que colocou a camisa pela cabeça, sentiu o corpo de Jamie colado ao dela. Rodeou-lhe a cintura com os braços e ela se aconchegou contra ele. Jamie beijava-a atrás da orelha, fazendo cócegas no pescoço com o calor de seu fôlego. Era uma maneira de mantê-lo na cama, pensou Caitrina. 236


— Não vai funcionar, sabia? — sussurrou ele em seu ouvido. Ela meneou os quadris contra sua crescente ereção. — Ah, não? — Não. — Jamie deslizou as mãos pelos seios e os quadris, com a cômoda e possessiva carícia de um amante. Caitrina sentiu uma onda de calor líquido. A sensação de suas mãos grandes e fortes em seu corpo jamais deixava de excitá-la. E quando a soltou, a decepção foi tão grande que lançou um suspiro e se voltou para ele. — Mas é muito cedo para que volte para seus deveres. Seu ombro... — Meu ombro está perfeitamente bem — cortou ele, naquele tom autoritário e definitivo que utilizava com seus homens, mas raras vezes com ela. — Mas... — Acabou, Caitrina. Tomei sua maldita beberagem, não? Ela fez uma careta ao lembrar-se daquela batalha. Tinha necessitado de bastante persuasão para que ele tomasse o remédio de Mor, mas era incrível o que podia obter com suas mãos. Apesar de tudo, somente tinham passado alguns dias do acidente. — Sim, mas... Jamie interrompeu seus protestos com um gesto. — Prometo que tomarei cuidado, mas está decidido: hoje voltarei para minhas obrigações. — Estendeu uma mão para acariciar a bochecha de Caitrina. — Não podemos ficar aqui toda a vida, Caitrina... Escondidos. — Sei. — Tinha razão. Mas não era somente sua ferida que a preocupava, mas a intromissão da realidade no oásis que tinham criado juntos naquele quarto. O que tinham ali era alheio aos problemas de lealdades dos clãs e ao dever. Ali nada podia colocar-se entre eles. Caitrina era uma covarde, mas desejava reter Jamie um pouco mais.

237


Sentou-se na cama e o viu terminar de vestir-se e amarrar o breacan feile, no ombro com a insígnia de seu chefe. Uma insígnia Campbell, percebeu, reconhecendo a cabeça de javali que simbolizava ferocidade na batalha. Quando terminou, Jamie a obrigou a olhar para ele. — Confia em mim, Caitrina? — Sabe que sim. Nos últimos dias tinha tentado muitas vezes expressar seus sentimentos, e naquele momento estava tentada a fazê-lo de novo, mas as palavras não saiam de sua boca. Suas emoções continuavam muito carregadas. As feridas do passado ainda tinham que cicatrizar, e embora fosse evidente que Jamie a queria, ainda não estava segura da força desse sentimento e não estava disposta a alterar o precário equilíbrio que tinham alcançado nos últimos dias. Era muito cedo. — Então superaremos isso juntos. Caitrina desejava desesperadamente acreditar nele, mas não se enganava e sabia que não seria fácil. Rezou para que o novo laço que os unia fosse bastante forte para suportar qualquer tormenta que a vida tivesse reservado, pois temia que seria uma gigantesca tempestade.

Começou a chover uma hora depois. Caitrina acabava de meter na boca a última bolacha de aveia do café da manhã quando ouviu o anúncio de que tinha chegado um mensageiro. Já que não era nada fora do comum, mal prestou atenção. Mas surpreendeu-se ao ver que Jamie, que acabava de sair para Ascog, voltou momentos mais tarde ao grande salão. Por sua expressão sombria, era evidente que algo ia mal. Muito mal. Levantou-se da mesa e correu para ele, sem importar-se com os olhares de desaprovação de Seamus e seus homens, cujo ressentimento era evidente.

238


Sua nova intimidade com seu marido não tinha passado desapercebida. Caitrina agarrou-o pelo braço e notou sua tensão. — O que houve? O rosto de Jamie era uma pétrea máscara de feroz domínio. Era a expressão de um homem que entra na batalha. Seu aspecto era o de um líder da cabeça aos pés, do temido braço executor de um rei. — Tenho que partir — disse sem mais preâmbulo. — Imediatamente. Ela sentiu o coração apertar. — Mas por que? Aonde vai? Quem te chama? — E, de repente, teve um terrível pressentimento, que além disso explicava a reação de Jamie. — É sua irmã? Aconteceu alguma coisa com Elizabeth? — Não, não é Lizzie. A mensagem era de meu primo. Argyll. Seu coração se afundou um pouco mais. — Ah. — Temo que não possa me demorar. Tenho que partir agora mesmo... — Mas ainda não está completamente restabelecido. — Estou bem. Isto não pode esperar. — Nem sequer a olhava. Sua mente já estava em qualquer que fosse o assunto que o chamava. Caitrina nunca o tinha visto assim: distraído, impaciente, distante. Se antes já odiava Argyll, agora o odiava mais que nunca. Odiava que pudesse tirar Jamie dela a qualquer instante para cumprir suas ordens. — Não vai me dizer o que...? — Quando voltar. Sua impaciência a machucava. Parecia ter esquecido a intimidade que compartilhavam. Caitrina deu um passo atrás. — Então não vou atrasá-lo mais.

239


Talvez percebendo que a tinha ferido com sua brutalidade, Jamie se inclinou para dar um beijo em sua fronte... como estava acostumado a fazer seu pai. Caitrina nunca tinha se sentido tão mal. — Voltarei logo e explicarei isso tudo. Mas não a apaziguaria tão facilmente; já não estava disposta a continuar ignorando o que a rodeava. Na ignorância espreitavam o perigo e a morte. Jamie já estava saindo, quando ela agarrou-o pelo braço. — Não está correndo perigo? Ele esboçou um enigmático sorriso. — Vou a Dunoon, Caitrina, nada mais. Mas assim que ele partiu da sala, Caitrina percebeu que, na realidade, não tinha respondido a sua pergunta. Uma vez que se recuperou da súbita partida de Jamie, sua ira explodiu. Pôsse a andar pelo caminho de Ascog, sem prestar atenção ao pó e ao barro que salpicavam sua saia. Certamente Jamie não merecia que a vissem por aí vestida com «farrapos» sujos de barro. Como se não fosse bastante ter partido sem nenhuma explicação, quando ela tentou sair naquela manhã, a informaram que ele tinha dado ordens para que não saísse do castelo durante sua ausência. Nem sequer lhe permitiam percorrer o curto caminho até Ascog para ver os progressos da reconstrução. Mas Caitrina tinha demorado exatamente um quarto de hora para desobedecer suas ordens, o suficiente para encontrar um tartán com o qual cobrir a cabeça e um grupo de criados para unir-se, para atravessar as portas do castelo. Tinha pegado uma vasilha para fazer-se passar por uma das mulheres que foram trabalhar em Ascog. Pelo visto, nem tinha passado pela cabeça de Jamie que ela pudesse desobedecer sua vontade, porque ninguém prestava nenhuma atenção às criadas saíam do castelo. Temendo não poder controlar sua ira contra seu marido, foi-se atrasando em relação ao grupo de mulheres. Jamie Campbell ia ouvi-la quando voltasse. Se 240


ele pensava que seria uma esposa complacente, que obedeceria totalmente as ordens de seu «amo e senhor», uma esposa que se despediria dele com um lenço na mão e daria as boas-vindas com os braços abertos e um sorriso, ia ter uma enorme decepção. Se a quisesse, mostraria o devido respeito para com sua mulher, sua companheira. Sim, «companheira»; gostava dessa palavra. Queria saber tudo e se negava que a mantivesse a margem dos acontecimentos, uma vez mais. Quando se lembrava do beijo que ele tinha dado em sua cabeça... O muito condescendente, insuportável caipira, safado... — Alegro-me de ver que recuperou a razão, menina. A voz a suas costas a sobressaltou, mas depois de um instante percebeu que era Seamus. Pelo visto, tinha pensado em voz alta. — A razão? — alfinetou, irritada pela interrupção. — A que se refere? — Temíamos tê-la perdido. — Não entendo. —Para o Açoite de Argyll. Caitrina ficou tensa ao ouvir aquele apelido, mas não estava com humor para exaltar as virtudes de seu marido, de maneira que não saiu em sua defesa. De qualquer forma, teria sido inútil, com o velho soldado de seu pai. — Queria falar comigo, Seamus? — perguntou. — Sim. Faz tempo que tento, mas o Açoite não te perde de vista. —O homem olhou ao redor, como temeroso de que alguém saísse, de repente, detrás de uma árvore. — Até o castelo tem ouvidos. Caitrina lançou um olhar circunspeto ao velho soldado de seu pai. — É dever do senhor estar ao par de tudo o que acontece no castelo. E talvez sua precaução não seja demasiada, tendo em vista o acidente que quase mata a nós dois. Ainda tinha que falar com Seamus do acontecido, mas Jamie já tinha mantido essa conversa nessa mesma manhã. O soldado de seu pai sustentava que, 241


enquanto tentava colocar uma das grandes vigas, uma corda soltou-se, e esta tinha soltado a outra parte da plataforma de madeira. O golpe foi o que alertou ao Jamie e salvou suas vidas. Todos os homens do clã Lamont juravam que tinha sido um acidente. Por desgraça, os homens de Jamie não tinham conseguido provar o contrário, e sem nenhuma prova, Jamie não quis avivar ainda mais seu ressentimento, castigando Seamus, mas tinha lhe advertido que se acontecesse mais um «acidente», acabaria com uma corda no pescoço, com provas ou sem elas. — Sim, foi um terrível acidente — replicou Seamus, sem alterar-se. Caitrina não sabia se aquilo era uma confissão e o velho estava tentando oferecer uma desculpa ou... — Seamus, prometa-me que não voltará a acontecer nada parecido. Sei que é difícil, mas temos que tentar nos adaptar... — Não! — A veemência de sua voz a surpreendeu. — Jamais aceitaremos um Campbell como senhor. E me dói ouvir você dizer isso, menina. Como Caitrina podia explicar que tinha feito o que acreditava ser melhor, dadas as circunstâncias? — Se tiver tido algo a ver com o que aconteceu... — Agora não, menina. Logo entenderá tudo. Terá que apressar-se, não temos muito tempo. Venha. Tentou agarrar uma mão para puxá-la por entre as árvores, em direção às montanhas, mas ela se negou a mover-se. — Aonde quer me levar? Porque tanto segredo? Seamus olhou de novo ao redor e baixou a voz. — Não posso explicar isso agora, é muito perigoso. Poderia aparecer algum soldado de Campbell a qualquer momento. Terá que vir e ver por si mesma. Mas confie em mim, menina, não vai querer perder isso Caitrina vacilou. Não era bom meter-se no bosque com Seamus, depois do que tinha acontecido... Algo a impelia a recear. E depois, havia a ordem de 242


Jamie para que não saísse do castelo, pensou mordendo o lábio. Não tinha pensado em suas razões, limitou-se a se rebelar. E se a estivesse protegendo por alguma razão? Começava a sentir uma ponta de culpa. — Não acho que seja uma boa idéia — respondeu por fim — Talvez amanhã... Mas a interrompeu uma voz que veio por trás de uma árvore. — Com todos os demônios, Caitrina, sempre tem que ser do contra? Não te disse que os homens preferem às mulheres submissas? Caitrina ficou completamente petrificada, como se tivesse recebido o impacto de um raio. Levou-se a mão ao pescoço, enquanto olhava emocionada, na direção daquela voz familiar. Deus santo, não podia ser... — Não... Um homem saiu detrás da árvore. Uma silhueta alta e de ombros largos, perfilada contra a luz. — Temo que sim, irmãzinha. Caitrina olhou para ele, pálida. Niall. Estava vendo um fantasma. Não podia acreditar. A corrente de emoções que sentia em seu peito era quase insuportável. — Segure-a. — Niall deu um passo para ela. — Acho que vai... Mas Caitrina não ouviu o resto da frase, pois nesse momento a escuridão a engoliu. Ai! Alguém lhe dava bofetadas na bochecha. Caitrina virou a cabeça. —Pare! Um homem pôs-se a rir. — Eu diria que está bem. Parece que o golpe na cabeça não suavizou seu caráter. Caitrina arregalou os olhos e se encontrou diante de conhecidas profundidades azuis. Contemplou cada milímetro daquele formoso rosto,

243


enxuto, curtido e com algumas cicatrizes novas. Mas era inconfundível. Pôs a mão na áspera bochecha, com os olhos cheios de lágrimas. — É real. Ele esboçou um sorriso travesso que tinha aperfeiçoado há muitos anos, muito antes que se tornasse devastador entre as moças do povoado. — Sim, carinho, tão real como a vida. Caitrina jogou os braços ao redor de seu pescoço e soluçou contra o poeirento couro de sua armadura. Niall. Por Deus bendito, era realmente ele. A felicidade que sentia ao ver seu irmão voltar dos mortos era inexplicável. Era como se iluminasse um canto de seu coração que tinha imaginado às escuras, para sempre. E agora estava ali. Seu irmão irritante, zombador e presunçoso estava são e salvo. Mas era evidente que, como ela, tinha mudado. Estava mais duro, mais triste, mais furioso. Por fim, as ardentes emoções que tinha no peito explodiram em uma corrente de lágrimas. Niall a abraçou, acariciando seu cabelo e sussurrando palavras tranqüilizadoras. — Chist, Caiti, estou aqui, está tudo bem. Caitrina se afastou, piscando para conter as lágrimas, como se acabasse de despertar de um horrível pesadelo. — Mas como...? — de repente, entreabriu os olhos quando ocorreu-lhe uma idéia. — Por que não me disse nada? — zangou-se, lhe dando um tapa. — Como pôde deixar que eu te acreditasse morto durante tanto tempo? Niall soltou uma risada. — Essa é minha irmã. Começava a temer que esta criatura doce e chorosa que tinha em meus braços fosse outra pessoa. — Então a olhou seriamente. — Está diferente, Caiti; quase não te reconheço. — fixou-se no vestido sujo. — O que aconteceu com você, moça? Ela esboçou um sorriso irônico. 244


— Mudei. — Sim, estou vendo. Esses malditos Campbell transformaram todos em mendigos. Ao notar a ira de Niall, Caitrina desejou ter comprado o tecido novo que Jamie lhe tinha pedido, mas certamente aquele não era o melhor momento para comentar que seu irmão e seu marido estavam de acordo quanto ao aspecto de sua roupa. — Onde esteve, Niall? — perguntou. — Explicarei tudo, mas primeiro venha. — Estendeu-lhe uma mão para ajudála a levantar-se. Caitrina olhou ao redor, pela primeira vez, e percebeu que não estavam no bosque, mas em uma caverna. O túnel de pedra era escuro e mofado, o ar frio e úmido. — Onde estamos? Como cheguei até aqui? — Estamos em uma caverna perto de Ascog, e fui eu quem a trouxe em meus braços. — Niall esfregou as costas. — E tenho que dizer que, apesar de ser tão pequena, pesa um montão. — Ela voltou a lhe dar um tapa e ele pôs-se a rir. — Quando desmaiou... Isso exigia uma resposta imediata! Caitrina se ergueu ante tamanha afronta. — Eu não desmaio. — Pois agora desmaiou. — Niall sorriu de novo e Caitrina pensou que se não estivesse tão contente em vê-lo, iria matá-lo. Abriu a boca para deixar bem claras um par de coisas, mas ele a interrompeu: — Acredito que dadas às circunstâncias, é compreensível, não é, Seamus? — gritou para a entrada da caverna. — Sim, chefe, muito compreensível. Chefe. Caitrina, de repente, entendeu a situação. É obvio. Niall era o chefe dos Lamont, ou o seria se soubessem que continuava vivo. de repente a atitude de Seamus fez sentido. 245


— Venha. — Niall a puxou pela mão para entrar com ela na caverna. — Venha ver por que te trouxe aqui. Percorreram uns cinco metros na semi-escuridão até chegar a uma bifurcação. — Tome cuidado — advertiu ele, — é muito fácil perder-se neste labirinto. Caitrina se agarrou a sua mão com mais força e se inclinou para entrar em uma diminuta câmara. Havia várias tochas nas paredes, e sobre o chão de terra, se via um catre, diante do que se encontrava deitado um enorme galgo inglês. Quase parecia Boru. Um dos guardas de seu pai estava inclinado... E ali, sob a oscilante luz das tochas, Caitrina levou a segunda maior surpresa de sua vida. — Brian! — aproximou-se correndo e caiu de joelhos, estreitando contra seu peito aquele corpo. — Caiti! — O menino tossiu fracamente. — Sabia que viria. Como Boru, que estava me esperando quando voltei. Ao perceber como ele estava doente, Caitrina o deixou com suavidade sobre o catre e o olhou de cima abaixo, reparando em cada detalhe do desalinhado aspecto de seu irmão: seu rosto sujo e enxuto, o braço na tipóia, a venda ensangüentada em torno da cabeça... voltou-se para Niall. — O que aconteceu? O que ele tem? Terá que trazer ajuda. Niall negou com a cabeça, pois não queria dizer nada diante do menino. Caitrina voltou a olhar para Brian, mas seu irmão tinha os olhos fechados, certamente exausto pela surpresa de vê-la. Sentiu uma pontada no peito. Cobriu os ombros do menino com o tartán, assegurando-se de que estivesse bem agasalhado, e se inclinou para lhe dar um beijo na testa. Tinha os olhos cheios de lágrimas e um nó de felicidade na garganta. Era incrível. Niall e Brian, vivos. Então olhou ao redor, quase esperando ver... Mas seu olhar se encontrou com o de Niall, que pareceu adivinhar sua muda pergunta e negou, entristecido, com a cabeça. 246


— Temo que não, Caiti. Malcolm caiu pouco depois de nosso pai. Sua expressão se endureceu até tornar-se irreconhecível. — Nas mãos do Campbell de Auchinbreck, o irmão de seu marido. Caitrina sentiu um calafrio. A felicidade que tinha encontrado com Jamie, de repente, parecia nefasta. Niall cravou-lhe o olhar, como desafiando-a a negar, e ela se encolheu ante sua silenciosa acusação. — Niall, posso explicar... — E o fará, mas não aqui. Caitrina ficou um momento mais com Brian, simplesmente saboreando sua presença. Embora estivesse débil e gravemente doente, continuava vivo. Passou a mão pela fronte quente e úmida. Por Deus, como tinha sentido falta dele. Sabendo que não podia fazer nada mais por ele no momento, deu-lhe outro beijo na testa e seguiu Niall até a câmara grande, perto da boca da caverna. Ele tirou um toco seco que utilizava como tamborete. — Sente-se — pediu, fazendo o mesmo. — Já sei que tem muitas perguntas e tentarei responder todas. Mas você também tem que me explicar algumas coisas. Caitrina engoliu a saliva e ergueu o queixo. Não gostava nada de seu tom. Ele mesmo lhe devia muitas explicações. Tinha deixado que sofresse durante meses, acreditando que estava morto. Como não tinha mandado uma mensagem? — Muito bem — respondeu. Niall pigarreou e começou a contar sua versão do acontecido no dia do ataque. — Depois da primeira investida, instaurou-se o caos. Os Campbell tinham tomado o castelo, e as mulheres e as crianças fugiram da torre. Pai e Malcolm tinham morrido e eu tentava organizar os homens que restavam. —

247


interrompeu-se um momento. Era evidente que recordar aquele dia desgraçado era muito difícil. — Nesse momento sabia que não tínhamos nenhuma chance de retomar o castelo. Minha principal preocupação era salvar quantos fosse possível, leválos às montanhas e nos reagruparmos, para voltar a lutar em outra ocasião. Mas antes que pudesse chegar até você, atacaram-nos de novo e perdi mais homens. Então, ocorreu o incêndio. — Niall a olhou nos olhos. — Não pode nem imaginar o que senti quando percebi que Brian e você continuavam dentro da torre. Caitrina notou que as lágrimas ardiam em seus olhos ao recordar. — Aquilo era um inferno. Jamais vi tanto sangue. Os homens caíam mortos por toda parte. Auchinbreck não nos deu trégua; não estava disposto a fazer prisioneiros. Sabendo que se ficássemos, morreríamos, ordenei aos homens a retirada para as montanhas e decidi ir eu mesmo atrás de você e Brian. Estava tentando passar desapercebido, quando percebi que um par de soldados atiravam Brian num monte de cadáveres, que estavam empilhando para serem queimados. Brincavam e riam, e então ouvi seu nome. Diziam que tinha sido uma lástima não ter tempo de... — Niall se interrompeu por um momento — de te violar, antes que morresse. Caitrina lançou um gemido de angústia e a expressão de Niall se tornou dura como ela nunca tinha visto. — Foi a última coisa que disseram em suas vidas. Caitrina assentiu, compreendendo. — Pensava que eu estava morta? — perguntou depois de um momento. —Se não pensasse assim, não a teria deixado ali por nada. A torre ardia em chamas e estava certo de que ninguém poderia sair vivo. E entretanto, Jamie tinha conseguido. — Brian estava muito mal, não conseguia respirar, quando o tirei dali. O golpe na cabeça esteve a ponto de matá-lo. 248


— Esconderam-se aqui nas montanhas, com os MacGregor? — Não. Sabia que os sangrentos Campbell nos perseguiriam, e tinha visto chegar o Açoite quando partíamos. Se levasse os homens às cavernas, levaríamos o inimigo direto para os MacGregor, de maneira que fugi com o que restava de minha guarda para Eire. Pensamos que era mais seguro para quem ficasse para trás que não tivessem que nos esconder. Caitrina não podia ocultar seu assombro. — Foram até a Irlanda? — E ali ficamos durante um tempo. Até que Brian e outros feridos se recuperaram o suficiente para voltar. Meus homens estavam ansiosos para saber de suas famílias. Alguns se tinham visto obrigados a fugir antes de saber se os seus estavam a salvo ou não. — E quando retornou? — Faz duas semanas. Quando nos inteiramos de que Alasdair MacGregor ia render-se, soubemos que era seguro voltar. Nos refugiamos nas montanhas perto do lago Lomond. Terra dos MacGregor. — Por que não voltaram para casa, para Bute? — Não estava seguro do que encontraria. Suspeitava que os Campbell podiam ter se apropriado do lugar. — Niall a olhou sombrio. — E tinha razão. O que não esperava é que minha irmã estivesse à frente. Como pôde se casar com ele, Caiti? Como pôde se casar com o homem que matou nosso pai e nosso irmão? A dor da traição em seu olhar a cortou como uma faca. Caitrina tentou não se encolher ante sua gélida expressão. — Jamie não teve nada a ver com o ataque. Niall a olhou como se fosse estúpida. — E você acredita nisso? A única razão para que viesse a Ascog meses atrás foi perseguir os MacGregor. 249


— Algo que eu não podia saber, já que ninguém se incomodou em me contar que estávamos escondendo foragidos — reprovou ela. — Papai tinha que conhecer o perigo, tinha que saber o que aconteceria se descobrissem. Niall esticou a mandíbula. — Não teve escolha. A obrigação da hospitalidade é sagrada. Você conhece nossa dívida com os MacGregor, sabe a história que nos une. A honra exigia que dessemos proteção e o pai simpatizava com sua situação. Caitrina suspirou. — Já sei. — Embora seus motivos fossem nobres, ainda era muito difícil aceitar a futilidade da morte de seu pai. — Mas engana-se quanto ao papel de Jamie no ataque. Não sabia que seu irmão se dirigia para Ascog. De fato, veio para ajudar, assim que soube. Foi Jamie quem me salvou do fogo e impediu que um dos homens de seu irmão me violasse. Niall estudou sua expressão. — Está certa disso? — Sim. Além disso, lembro-me que me tirou do inferno em seus braços. Niall se voltou para a escuridão da caverna. — Bem, nesse caso agradeço, mas não tinha que se casar com ele. Que demônios, Caiti, não é somente um Campbell, é o maldito Açoite de Argyll. Como podia explicar? Caitrina retorceu as mãos nas saias, procurando as palavras adequadas. — Jamie não é assim, e eu não sabia o que fazer. — Contou-lhe os acontecimentos que conduziram a sua proposta de casamente, incluindo sua fuga para Toward e suas tentativas de comunicar-se com o resto do clã Lamont em Ascog. — Acreditei estar fazendo o melhor. Jamie e nosso tio tinham estado trabalhando para obter a rendição pacífica de Alasdair MacGregor, e Jamie ofereceu o casamento como uma maneira para que eu recuperasse nossa casa para os Lamont. Nosso tio não só apoiou a união, mas tomou parte nela. 250


Eu não tinha nem idéia de que Brian e você tinham sobrevivido. Tinham passado muitas semanas. por que não me avisou? — Teria feito isso, mas não soube que estava viva até que me chegaram notícias das admoestações, perto de Balquhidder. Então já era muito tarde para impedir as bodas. Seamus tentou dizer-lhe desde que chegou a Rothesay, mas quase nunca está sozinha e é muito perigoso que saibam que estamos vivos. — Como evitou que capturassem Seamus e outros? — Eu não tive nada a ver com isso. Brian e eu chegamos ontem. O resto de meus homens continuam nas montanhas Lomond, mas Seamus veio a Bute para te dizer que estávamos vivos. A ferida de Brian é a única razão para que tenha arriscado a te trazer aqui. — O que aconteceu com ele? — O maluco não me ouviu. Disse a ele que se mantivesse afastado da batalha, que não tinha idade, mas é tão teimoso e orgulhoso como Malcolm e não me escutou. Voltou a ferir a cabeça numa batalha. — Que batalha? — Caitrina quase teve medo de perguntar. Se seus irmãos estavam lutando no território dos MacGregor, somente podia significar que tornaram a se aliar com os proscritos. Niall a olhou cético. — Não sabe? — Não. — Alasdair MacGregor foi enforcado e esquartejado, com onze de seus homens há alguns dias, incluindo seis homens que se renderam como reféns e não tiveram nenhum julgamento. Foi em Market Cross, em Edimburgo. E na semana que vem estão programadas mais execuções. Caitrina negou com a cabeça, emocionada. — Não. Está enganado. Jamie negociou a rendição de MacGregor sob o acordo explícito de que o levariam a Inglaterra. Foi uma das razões de nossas 251


bodas: um sinal de boa vontade, digamos. Argyll prometeu levar MacGregor para a Inglaterra. Niall fez uma careta, rilhando os dentes. — E o fez. Argyll levou MacGregor à fronteira, deixou-o sair da carruagem para que seus pés tocassem o solo inglês e depois levou-o de volta a Edimburgo para ser julgado. Argyll manteve sua promessa, cumprindo com os termos do acordo ao pé da letra, mas não com suas intenções. Graças às inteligentes negociações de seu marido, Alasdair MacGregor está morto. Não. Não era possível. Jamie não a teria enganado desse modo, jamais a teria manipulado para que se casasse com ele, sabendo que MacGregor morreria... Ou sim? Teria algo a ver com aquilo? Caitrina se apressou a enterrar suas dúvidas. Não. O homem que conhecia não faria isso. Jamie não era simplesmente o braço executor de Argyll, Jamie era um bom homem. — Se o que diz é verdade, meu marido não sabia de nada. — Asseguro que é verdade. Houve levantes desde Callander até Glenorchy ou Rannoch Moor, como resposta à traição de Argyll. Seu marido é um homem traiçoeiro. Caitrina sentiu um calafrio. Niall a olhou como se a visse pela primeira vez e não a reconhecesse, e lançou uma maldição. — Você o quer. Caitrina confirmou, em silêncio, ruborizando. — Por Deus, Caiti, não sabe o tipo de homem que é? Olhou nos olhos de seu irmão. — Sim, sei, e não é como dizem. — Olhe, até uma pedra teria mais compaixão — replicou seu irmão. — O Açoite é implacável, cumprindo as ordens de Argyll em sua luta pela dominação Campbell. Caitrina ergueu o queixo. — Você não o conhece como eu. 252


Niall se pôs a rir, e não era uma risada agradável. — É uma estúpida, Caiti Rase... Ela ficou tensa ante o insulto. Não era assim que deviam ser as coisas. Seus irmãos haviam retornado da morte, e estavam discutindo. — O que posso fazer para ajudar Brian? Era evidente que a conversa tinha perturbado também a Niall, que se alegrou ao mudar de assunto. — Precisa de cuidados que eu não sei dar. Necessita de um médico. Pode trazer algum? — Aqui? — perguntou ela, horrorizada. — Não pode querer que fique aqui! — Deveria ir com ela para Rothesay. Niall fez uma careta. — E o que quer que faça? Não suportaria a viagem de volta a Eire, e nenhum outro lugar é seguro. Eram proscritos, como os desventurados MacGregor aos quais tinham tentado proteger. Mas não tinham por que ser. — Deixe que eu conte a Jamie quando voltar. Ele pode nos ajudar. São meus irmãos, e você é o chefe, por direito próprio. Talvez possa obter indultos... — Você está louca. De verdade, acha que não nos atiraria em uma masmorra? — Deixou livre Seamus e os outros, não? — Porque não tinham nenhum direito sobre as terras. É um Campbell e não renunciará, voluntariamente, a Ascog e além disso, não precisa procurar nenhuma desculpa. Sou um proscrito, Caiti. — Não tem por que ser. O que aconteceu com nosso pai, o ataque a Ascog... Jamie jamais quis que acontecesse. Acredito que, se soubesse a verdade, seria justo. — Sim? Confiaria a ele a minha vida? Confiaria sobre Brian?

253


Caitrina mordeu o lábio, envergonhada diante das dúvidas que começavam a assaltá-la. A notícia da morte de MacGregor a tinha perturbado, mas não tinha alterado sua fé em seu marido. Seguia confiando nele... — Sim. Niall a olhou pensativo. — E se estiver enganada? Caitrina sustentou seu olhar e engoliu em seco. — Não estou enganada. — Bom, pois eu não posso confiar nele. Pelo menos, no momento. Tem que me prometer que guardará segredo de nossa presença, Caiti. — Mas... — Senão, parto agora mesmo — advertiu. — Não! Brian não pode viajar. — Sim, é perigoso, mas não mais que confiar na justiça do Açoite. Caitrina se sentia rasgada entre a lealdade por seu marido e a lealdade por seus irmãos, irmãos que acreditava ter perdido para sempre. Não podia perdê-los de novo tão cedo. E não podia negar que a notícia da morte de MacGregor a havia perturbado. E se Niall tivesse razão? Acaso seus sentimentos para com Jamie haviam-na cegado a respeito de seu lado sombrio? Não. Mas daria ao seu irmão o que queria... no momento. — Muito bem. Mas quando Jamie voltar, verá como não é responsável pela traição de Argyll. Verá que é um homem justo. Disso estava totalmente segura. Jamie era a voz da razão nos tormentosos desacordos entre os clãs. Niall a olhou como se estivesse louca, mas assentiu. Concentraram-se em Brian e na necessidade de um médico o mais rápido possível. Caitrina iria vêlo quando pudesse, mas sabia que teria que tomar cuidado. Se alguém percebesse seu sumiço, poderia levar os homens de Jamie diretamente até seu irmão. Quando Jamie voltasse, seria ainda mais difícil. 254


No momento, os veria quando pudesse, feliz por saber que tinha recuperado uma parte da família. Mas sabia, no fundo de seu coração, que se alguma vez Jamie se inteirasse de sua mentira, ficaria furioso, e a frágil vida que Caitrina tinha construído das cinzas estaria em perigo.

255


Capítulo 17 Os conteúdos da carta de Argyll atormentavam Jamie no trajeto de Rothesay até Dunbon: A Flecha de Glen Lyon morreu na forca por seus crimes, em Edimburgo, há três dias. Alasdair MacGregor morto em Edimburgo? Que demônios tinha acontecido? Supunha-se que o chefe MacGregor estaria em Londres. Jamie tinha dado sua palavra. Somente lhe ocorria uma explicação: Argyll tinha renegado sua promessa de levar Alasdair MacGregor a Inglaterra. E se esse fosse o caso, tinha manchado o nome de Jamie e desatado um torvelinho de violência, dando aos foragidos um mártir e uma grande razão para elevarem-se em rebelião. Não queria pensar que seu primo havia se precipitado dessa maneira, mas quando se tratava dos MacGregor... Maldição. Subiu correndo a escada da torre. Apesar de estar sujo e esgotado depois de cavalgar todo o dia, para não mencionar a considerável dor de seu ombro, Jamie não se deteve para descansar nem banhar-se: dirigiu-se diretamente ao salão principal e, sem incomodar-se em chamar ou anunciar-se, abriu a porta e irrompeu na sala. O homem mais poderoso das Highlands estava sentado atrás de uma grande mesa de madeira, rodeado por um séquito de doze guardas, todos estudando mapas e documentos. O conde de Argyll ergueu seu rosto de marcantes traços franceses e franziu o cenho ante a interrupção, mas ao ver a sombria

256


expressão de Jamie, apressou-se a despedir os outros, pedindo-lhes que levassem suas pilhas de documentos. — Espero que tenha uma boa desculpa para suas maneiras e seu aspecto — disse, olhando o traje de Jamie. Argyll se orgulhava de sua civilidade, que o distanciava dos «bárbaros das Highlands», e sempre vestia-se segundo a mais recente moda da corte. Jamie percebeu a sutil recriminação, mas nesse momento não se importava. Conhecia seu primo há muito tempo para intimidar-se ante sua autoridade. Embora o conde fosse apenas alguns anos mais velho, depois da morte do pai de Jamie, que tinha perdido a vida lutando por Argyll, e a subseqüente queda em desgraça de seu irmão Duncan, tinha sido como um pai para ele. Estavam unidos não só por laços familiares, mas por outros ainda mais fortes: honra, dever e sacrifício. O pai de Jamie tinha acreditado em Argyll o suficiente para dar sua vida por ele, e Jamie agia do mesmo modo. E, até o momento, Argyll tinha correspondido as expectativas de seu pai, transformando os Campbell no clã mais poderoso das Highlands. Esse poder, entretanto, não podia ser absoluto, ou não passariam de déspotas. Jamie acreditava na justiça mais do que acreditava em seu primo. — Sabe perfeitamente que tenho — replicou. — Se isto for verdade. — E com um golpe, pôs a carta sobre a mesa. Argyll olhou por um instante o pergaminho enrugado, se retorcendo na cadeira e juntou os dedos de ambas as mãos, totalmente sereno. — Claro que é verdade — afirmou, com um brilho triunfal nos olhos. — Alasdair MacGregor foi eliminado. O rei ficará encantado. Jamie era consciente da grande pressão que recaía sobre seu primo para apaziguar as Highlands, e sobretudo para eliminar o chefe MacGregor, mas aquilo não era desculpa. Teve que fazer um esforço para manter seu gênio sob controle. 257


— Como pôde executar MacGregor em Edimburgo, quando deveria estar na Inglaterra? Argyll esboçou uma careta. — Ele foi até a Inglaterra. A resposta deixou Jamie surpreso por um instante. Olhou com ceticismo a seu primo. — Explique-me como isso é possível. — Meus homens o levaram ao outro lado da fronteira, deixaram-no sobre solo inglês e o levaram de volta a Edimburgo. Jamie ficou rígido, sentindo-se tão incrédulo quanto profundamente traído. O homem pelo qual tinha lutado, ao qual tinha ajudado, no qual acreditava, acabava de cravar uma adaga em suas costas. Quando pensava na quantidade de vezes que tinha defendido seu primo... Ele, mais do que ninguém, conhecia seus defeitos, inclusive sua tendência às artimanhas, mas jamais tinha visto Argyl faltar com sua honra. — Maldito seja, Archie — rosnou, cravando-lhe o olhar. — Como pôde? Não vou deixar que saia bem disso. Fez de nosso trato uma farsa e zombou de mim. — Uma ardente onda de ira corria por suas veias, recordando suas longas negociações com MacGregor e as garantias que Argyll tinha dado. A voz tremia de fúria. — Dei minha palavra. Argyll não se alterou ante sua raiva, embora, pela maneira como se revolvia em sua cadeira, notava-se que estava desconfortável. — E sua palavra foi mantida. Os termos do acordo se cumpriram. Jamie plantou as mãos sobre a mesa e se inclinou para seu primo, mais furioso com ele do que nunca. — Mas não suas intenções. Esta artimanha não é digna de você. É o representante da lei, o general da justiça do rei. Se não confiarmos na lei, na justiça, não é mais que um tirano. — Olhou-o com expressão severa. — E eu não vou apoiar um maldito déspota. 258


Pela primeira vez um brilho de dúvida atravessou o rosto de seu primo. — A que se refere? — A que demônios pensa que me refiro? — gritou. — Se é assim que pretende pacificar as Highlands, eu não quero ter nada a ver com isso. Terá que buscar outro para lutar suas batalhas. Argyll entreabriu os olhos. — Sou seu chefe e fará o que eu disser. Jamie riu. Seu primo era acima de tudo um oportunista, disposto a lançar mão de sua herança de highlander quando convinha. Inclinou-se olhando-o fixamente nos olhos. — Não me venha com essas histórias porque não adiantará nada. Pode ser que a intimidação funcione com outros, mas eu te conheço muito bem, maldito seja. Não vou lutar por um homem em que não acredito, e não servirei a nenhum chefe, nem a nenhum conde que não tenha honra. A expressão de Argyll endureceu. — Tome cuidado, menino, não passe dos limites. O gênio que Jamie tentava controlar eclodiu em uma explosão de ira. — Não, primo, é você quem passou. Estive ao seu lado todos estes anos contra toda recriminação, porque pensava que era a melhor oportunidade para as Highlands. E até agora, acreditava que queríamos o mesmo: restaurar a lei e a ordem no caos criado pelas disputas, assegurar a prosperidade de nosso clã e proteger as Highlands de um rei que quer roubar nossa terra, esmagar nossa gente e destruir nosso modo de vida. — Jamie respirou fundo e falou claramente, para que não houvesse lugar para dúvidas. — Mas me nego a te apoiar em suas vinganças pessoais. — Fiz o que tinha que fazer para levar um criminoso ante a justiça — se defendeu Argyll. Jamie descarregou um murro sobre a mesa.

259


— Alasdair MacGregor não recebeu justiça, recebeu enganos e artimanhas. Se for assim, bem poderíamos voltar para as guerras entre clãs como maneira de resolver nossos problemas, e ganharmos o nome de bárbaros com que o rei nos qualifica. Somos os homens no comando, devemos dar exemplo. As vinganças pessoais são justamente o que pretendo evitar. Se esta for sua solução para instaurar a lei e a ordem nas Highlands, eu não quero ter nada a ver com isso. — Não teria sido necessário, se houvesse me trazido o proscrito desde o começo — insistiu Argyll, fazendo uma careta. — Como era seu dever. Então era isso? Jamie sabia que tinha enfurecido seu primo quando impôs condições para a rendição de MacGregor, mas acreditava que tinha terminado por compreender a situação. — Já te expliquei por que me pareceu necessário negociar com MacGregor, depois do desastre com os Lamont. Argyll desprezou a destruição do clã de Caitrina com um desdenhoso gesto de mão. Jamie apertou os dentes. Às vezes, a insensibilidade de seu primo tirava-o do sério. — Seu irmão se precipitou — admitiu o conde. Para dizer da maneira mais suave possível. — E o fez em seu nome — assinalou Jamie. — Teria perdido o apoio de alguns dos outros chefes, se não tivesse consertado a situação. O propósito ao entregar MacGregor ao rei era não manchar seu nome com a morte dele. O sangue de Alasdair MacGregor estaria nas mãos dele, não nas suas, mas só o que conseguiu foi piorar a situação. Por Deus, Archie, não se dá conta do que fez? — Livrei-me de um notório foragido, um assassino e um rebelde. — Sim — disse Jamie com os dentes apertados, — E com seu engano e seus truques o transformou em um mártir. Isto unirá os rebeldes como nenhuma outra coisa e haverá novas lutas. 260


— É de se esperar um certo derramamento de sangue. Seu irmão foi ajudar os Campbell de Glenorchy para reduzir o levante. Bom, ao menos isso era um certo alívio. Não teria que enfrentar Colin enquanto estivesse em Dunoon. Já tinham tido uma violenta discussão na última vez em que se viram, por conta do ataque contra os Lamont. — Vamos encontrar e acabar com toda esta praga de ladrões e assassinos, com todos e cada um deles — declarou Argyll, com um brilho de satisfação nos olhos. O zelo irracional de Argyll, sua teimosa e cega determinação de destruir os MacGregor colocava em perigo as esperanças de Jamie de ver surgir uma sociedade pacífica nas Highlands. Perguntou-se, não pela primeira vez, o que haveria por trás do ódio de seu primo. Parecia algo quase pessoal. — Seu ódio pelos MacGregor não te deixa ver nada mais. Com este ato precipitado bem pode perder o apoio que tão cuidadosamente ganhamos nos últimos anos. Não serão apenas os MacGregor que vão querer vingar-se, mas outros chefes que verão nisto um exemplo do que se pode esperar de você... E de mim. Argyll pareceu desconcertado ante aquelas palavras, talvez porque se dava conta de que eram certas. — Não sei por que está tão zangado. Não que você tenha, precisamente, uma louvável reputação nas Highlands. Seu nome já foi manchado antes. — Sim, pelo bem de nossa missão estava disposto a ser conhecido como seu implacável braço executor, mas não penso permitir que me tomem por uma pessoa desonrada ou embusteira. Até agora jamais tinha me envergonhado de nada que fiz, mas sua ardilosa artimanha afetou a minha honra e a minha palavra. — Jamie meneou a cabeça. — Tinha melhor opinião de você.

261


A decepção de seu tom pareceu atravessar as defesas de Argyll, que se afundou um pouco em sua cadeira. — Alasdair MacGregor foi um espinho em meu flanco durante muito tempo — comentou, olhando nos olhos de Jamie — E talvez, me precipitei um pouco em minha ânsia para me libertar dele. Não posso dizer que sinto vê-lo morto, mas lamento que isso tenha manchado seu nome. Não era minha intenção, sabe, não? Jamie arqueou as sobrancelhas, surpreso. Seu primo raras vezes pedia desculpas. Sua sensação de ter sido traído mitigou um pouco. Acreditava nele. — Talvez não fosse sua intenção, mas foi o efeito — assinalou. — Sempre foi de uma integridade verdadeiramente espantosa — declarou Argyll, e embora dissesse isso como se fosse algo vergonhoso, Jamie sabia que sua integridade e sua lealdade eram precisamente o que seu primo mais admirava nele. Contrariamente à opinião popular, seu primo, conhecido como Archibald o Sombrio, tinha senso de humor. — Pois serviu a você muito bem até agora — recordou. — Sim, assim é — suspirou Argyll. — Passamos muitas coisas juntos. Quando a seu irmão... — interrompeu-se no meio da frase, com a expressão endurecida, procurando a palavra adequada. — ...partiu — concluiu Jamie, em lugar de «nos traiu», como ambos pensavam. Se alguém tinha sofrido mais que Jamie pela traição de Duncan, esse tinha sido Argyll. — Partiu — repetiu Argyll, — Eu nunca culpei você, nem seus irmãos, embora muitos queriam que o fizesse. Jamie assentiu, sabendo que era verdade. Muitos dos conselheiros do jovem conde tinham desejado ardentemente ver os Campbell de Auchinbreck implorando sua ajuda. Mas, em vez disso, Archie os tinha acolhido, mostrando para seu pai a mesma lealdade que tinha recebido dele. 262


— Sempre fui grato pelo que fez por nós — assegurou Jamie, — E paguei com anos de serviço e lealdade. Mas minha lealdade não é cega. — Não está falando sério sobre partir, depois de tudo o que aconteceu. Embora não tivesse exposto como uma pergunta, Jamie percebeu a ansiedade de seu primo. Se Jamie partisse, Argyll sabia que os outros chefes não veriam com bons olhos, sobretudo quando muitos consideravam Jamie um elemento moderador de seu poderoso primo, além de seu braço executor. — Preciso de você —acrescentou o conde. Disse isso com tal sinceridade que Jamie abrandou-se. — Mais acabaram as artimanhas, Archie, acabaram as vinganças... — Todo isso acabou — interrompeu seu primo. — Tem minha palavra. — levantou-se para servir duas taças de vinho e ofereceu uma a Jamie. — Nunca o vi tão furioso. Não terá, por acaso, algo a ver com sua esposa? Jamie fez girar o líquido na taça. — É obvio que tem a ver com ela. Aceitou minha proposta como parte das negociações da rendição de Alasdair MacGregor. Argyll acariciou a barba, pensativo. — Então, a garota a princípio te rejeitou, não? — Jamie esticou a mandíbula, provocando uma gargalhada em seu sombrio primo. Argyll, um homem do qual não podia se dizer que fosse bonito, sempre tinha invejado a facilidade de Jamie e de seus irmãos com as mulheres. — Eu gostaria de conhecê-la. — Pois o sentimento não é mútuo. Ela não tem muita estima pelos Campbell e culpa você tanto quanto Colin pela morte de sua família. Argyll encolheu os ombros. — Pois deveria ver a culpa de seu pai. A batalha de Ascog foi lamentável, mas não foi sem motivo... Jamie percebeu que seu primo estava ocultando algo. — O que houve? 263


Argyll deslizou o dedo pela borda da taça. — Nada, rumores. — Que tipo de rumores? Argyll encolheu os ombros. — Dizem por aí que nem todos os miseráveis Lamont morreram na batalha. Jamie ficou sem fôlego. — O que? — Se comenta que, ao menos um dos meninos sobreviveu. Jamie escrutinou sua expressão, mas parecia estar falando a sério. Deus, se fosse verdade...! Se pudesse devolver a Caitrina parte de sua família... — Alguém viu algo? Argyll assentiu. — Quem? — Não sei. — Onde? — Se os rumores forem verdadeiros, nas montanhas Lomond. A emoção que tinha sentido Jamie momentos atrás, diante da perspectiva de ganhar a eterna gratidão de sua mulher, se dissipou. — Lutando? — É de se esperar. Maldição. Se algum dos Lamont estava lutando com os MacGregor, seriam declarados proscritos. Embora estivesse ansioso para voltar para Caitrina para lhe dar explicações, antes que as notícias de sua suposta perfídia se estendessem pela ilha de Bute, sabia que teria que esperar. Jamie olhou seu primo nos olhos. — Vou a Lomond. Argyll não pareceu surpreender-se. — Tanto significa para você essa mulher? — Sim — replicou ele, muito sério. — Como ela é? 264


Jamie ficou pensando um momento. Como poderia definir com palavras essa complexa mulher que era sua esposa? Como explicar que desde o primeiro momento em que a viu se deu conta de que era diferente das demais? — Forte, leal, carinhosa, ardente. — Uma corrente de emoções tomou conta de seu peito — Mais formosa que qualquer mulher que tenha visto. Apaixonada. Argyll pareceu ler seu pensamento. — Jamais pensei que chegaria o dia em que o veria apaixonado. Inclusive quando me pediu que intercedesse a favor de Alex MacLeod há alguns anos, deu a impressão de que não era tanto por Meg Mackinnon, mas por você. Mas isto é diferente, não? Jamie assentiu. — Sim. — E o que fará se os encontra? Jamie olhou para seu primo, compreendendo perfeitamente o significado da pergunta. Em realidade, Argyll queria saber se ainda podia contar com sua lealdade. E sim, podia. Jamie não tinha perdoado sua artimanha com MacGregor, mas embora sua lealdade tivesse sido posta a prova até o limite, não tinha chegado a quebrar. Apesar dos defeitos de seu primo, no final Jamie continuava convencido de que era a melhor opção e a melhor esperança para o futuro das Highlands. Se Jamie partisse, Argyll sofreria mas Mackenzie ou Huntly se beneficiariam. Além disso, tinha que pensar em seu clã e no de Caitrina. Sem o apoio de Argyll, Jamie não estaria em tão boa posição para ajudá-los. Necessitava da influência de seu primo, tanto como seu primo necessitava dele. — Meu dever — respondeu por fim. — E se estiverem lutando ao lado dos proscritos? — Vou detê-los. 265


Argyll sorriu satisfeito. — No final das contas... — Jamie se interrompeu para lhe devolver o sorriso. — ouvi dizer que tem intenções de ser indulgente com os Lamont. Muito indulgente. O sorriso do conde se evaporou, sabendo que acabava de ouvir os termos de sua expiação por suas precipitadas ações com MacGregor, que haviam, posto em perigo tudo aquilo pelo que tinham lutado e tinha manchado o nome de Jamie. — É verdade, sou famoso por minha indulgência. Jamie sorriu, movendo a cabeça. — E dizem que não tem senso de humor. Argyll fez uma careta. Conhecia muito bem sua reputação de mal-humorado. — E se não encontrar nada? — Se um dos irmãos de minha mulher está vivo, encontrarei-o. Os dois sabiam que era somente uma questão de tempo. — Pois te assegure de encontrar logo, antes que faça algo que eu não possa desfazer. Minha «indulgência» tem seus limites. E lembre-se, tem a missão de limpar Bute dos foragidos e é fiador dos Lamont. Em último caso, será responsável por seus atos. Jamie assentiu. Tinha que encontrar logo os sobreviventes, antes que um dos irmãos de sua esposa pusesse a todos em perigo. Sabia que Argyll só cederia até certo ponto.

266


Capítulo 18 Uma semana mais tarde Jamie chegava ao castelo de Rothesay exausto e decepcionado. Tinha vasculhado a zona montanhosa ao norte do lago Lomond em vão. Se um ou mais dos filhos de Lamont tinham sobrevivido, entraram muito nas traiçoeiras montanhas. Agora que tinha chegado o inverno, teria que esperar até a primavera para retomar a busca, isso se não estivesse perseguindo um fantasma, porque sempre havia a possibilidade de que os rumores fossem apenas isso: rumores. Durante toda a viagem até a ilha de Bute esteve se debatendo sobre o que dizer a Caitrina. Deveria esperar até ter provas dos rumores, ou contar-lhe, mesmo que não tivesse certeza? Atreveria-se a avivar suas esperanças tendo tão pouco a oferecer? Caitrina ainda era muito vulnerável e ainda tentava assimilar a morte de sua família. Uma nova decepção talvez a consumisse no abismo da perda. Que demônios, ainda não sabia o que fazer, um estado pouco usual para um homem que se orgulhava de sua capacidade de tomar decisões. Talvez quando a visse, saberia a resposta. Tampouco o entusiasmava ter que lhe contar da morte de MacGregor, isso caso que não tivessem chegado as notícias ainda. Depois de estarem separados mais de uma semana, a intimidade que tinham compartilhado antes parecia tênue e frágil. Olhou em torno, quase esperando vê-la. Quanto mais se aproximava de Rothesay, mais ansioso estava. Tinha sentido sua falta mais do que acreditava ser possível. Mas não se viam sinais dela em nenhum lado. Jamie

267


franziu o cenho. Gostaria que ela também tivesse sentido falta dele, mas pelo visto, não estava esperando ansiosa sua volta. Desmontou e entregou as rédeas a um rapaz. — Onde está a senhora? O menino negou com a cabeça, sem olhar em seus olhos. — Mmm... não sei, milord. O terror do moço o irritou. Não gostava nada de inspirar medo nos meninos. Era evidente que sua temida reputação não se mitigou nem um pouco com seu casamento. Mas dominou sua impaciência e perguntou, sereno: — Acaso não veio um mensageiro com a notícia de minha chegada? — S... sim, milord. Chegou há uma hora. Ao ver a ansiedade do menino para partir, Jamie o despediu e deu ordens a seu guarda para que se ocupasse dos cavalos e depois, fosse comer. Fazia dias que não desfrutavam de uma comida decente. Ele pretendia fazer o mesmo depois de falar com Will, o homem que tinha deixado no comando em sua ausência, mas antes devia encontrar sua mulher. Entrou na torre e atravessou o salão deserto a caminho da câmara. Mas ali tampouco havia sinais de Caitrina. Jamie começava a alarmar-se. Onde demônios estava? Caitrina correu escada acima com os pulmões a ponto de estourar. Passou a mão pela fronte para enxugar o suor e tratou de respirar fundo, resfolegando e ofegando. Quando Mor apareceu na caverna com a notícia da iminente chegada de Jamie, tinha voltado para castelo correndo sem parar um instante. Seu marido estava ausente há tanto tempo que já começava a duvidar que fosse voltar, e seu súbito retorno a tinha pego despreparada. E além disso, tinha tido a má sorte de aparecer justo quando ela tinha ido às cavernas ver seus irmãos. Brian tinha melhorado um pouco, mas Caitrina estava desesperada por leválo para Rothesay. Niall, entretanto, mantinha sua posição. Por mais que ela 268


discutisse, não conseguia convencê-lo de que Jamie não os jogaria em uma masmorra nem os entregaria a Argyll. Seus sapatos ressoavam na estreita escada de pedra. Ao chegar à última planta, atravessou o corredor para sua câmara e se deteve um momento para recuperar o fôlego e resmungar uma rápida oração, pedindo que Jamie não estivesse procurando-a pela torre. Mas ao atravessar a porta, vacilou e uma corrente de emoção assaltou seu peito ao ver aquela figura alta e musculosa. Embora pudesse temer suas perguntas, era um grande alívio vê-lo são e salvo. Tinha sempre presente o perigo que implicava sua ocupação, assim como o ódio desenfreado pelos Campbell, que o convertiam em um alvo constante. — Voltou! — exclamou. Jamie se voltou e ficou olhando-a, notando cada centímetro de seu desalinhado aspecto. Caitrina sentiu o pulso acelerar ao notar suas suspeitas. Embora parecesse exausto e tivesse o rosto castigado pelo frio e a chuva, jamais o tinha visto tão belo. Tinha sentido sua falta. Mas algo tinha mudado... A barba. Uma sombra de barba cobria seu queixo quadrado. Era evidente que não havia se barbeado desde sua partida, e embora não gostasse muito de barbas, não podia negar que em Jamie se tornava um primitivo atrativo. Dava-lhe um aspecto perigoso, de acordo com sua reputação implacável. Se o tivesse conhecido com aquele aspecto, não teria estado tão segura de que fosse um cavalheiro, pensou com certa nostalgia ao lembrar-se daquele primeiro encontro, que parecia ter acontecido em outra vida. Deu um passo para ele, mas Jamie a deteve com seu tom cortante. — Onde estava? Ela tratou de esboçar um cálido sorriso de boas vindas. — Nas cozinhas, inspecionando os preparativos para sua chegada. — Sentiu uma ponta de culpa ao comprovar a facilidade com que tinha mentido e,

269


amaldiçoando Niall por pô-la naquela situação, aproximou-se dele, odiando ter que lhe enganar. — Pensei que seus homens e você estariam com fome. Mas não ia ser tão fácil convencê-lo. Jamie olhou em seu rosto. — Tem as bochechas avermelhadas. O sorriso de Caitrina era tenso. — Pelo fogo das cozinhas. — E está sem fôlego. Ela pôs-se a rir, rodeando-lhe o pescoço com os braços, pois sabia que tinha que fazer algo para deter aquele interrogatório. — Acabo de subir quatro lances de escada. — E antes que ele pudesse perguntar algo mais, pestanejou brincalhona e se esfregou contra ele. — Esta é sua maneira de me saudar? Vai me interrogar todo o dia ou vai me dar boas vindas como Deus manda? Ergueu a boca para ele e Jamie não pôde ignorar sua nada sutil petição. Caitrina se comoveu ao perceber ternura em seu olhar, e a seguir grudou a boca à sua, quente e voraz. As privações de uma semana exigiam ser compensadas. Caitrina suspirou contra ele. Como tinha sentido falta dele. Seu sabor masculino enchia seus sentidos como um potente afrodisíaco. Abriu os lábios e ele introduziu a língua, cada vez mais fundo, com largos e lânguidos movimentos que pareciam chegar até o fundo de seu ser. O calor se estendia por seus membros, quentes e pesados como lava. Caitrina se apertou contra ele, esmagando os seios contra seu peito, consciente da dureza de sua ereção contra seu ventre. Fazia muito tempo que não o tinha dentro dela, enchendo-a. Distraí-lo se transformou em algo secundário. Precisava satisfazer aquela tormenta de fogo entre eles no instante em que seus lábios se tocaram. Com cada carícia de sua língua, os tremores do desejo se faziam mais insistentes.

270


Era uma loucura. Ele só tinha que beijá-la para que ela ansiasse chegar até o final. Jamie se tinha convertido em um pouco tão familiar, tão vital... A barba lhe arranhava a pele sensível em torno da boca, suas mãos se moviam por suas costas, deslizando sobre seus quadris para agarrar-se a suas nádegas e estreitá-la contra ele. Aquela sutil fricção a fez tremer de impaciência. Cada vez estava mais úmida. O calor se estendia a todas as terminações nervosas. Sentia-se deliciosamente suave e cálida, todo seu corpo se dissolvia contra o duro aço de seu musculoso peito e suas pernas. Jamais se acostumaria à força daquele corpo. Passou as mãos por seus braços fortes, saboreando aquela primitiva masculinidade que a fazia tão consciente de sua própria feminilidade. Em outros tempos aquela força poderia parecer ameaçadora, mas agora lhe provocava uma sensação de segurança e satisfação impensáveis. Mas era algo mais que isso. Era a necessidade de tocar nele, a certeza de que se não tocasse ficaria louca. Ansiava percorrer com as mãos sua pele quente, notar a flexão de seus músculos sob os dedos. Jamais tinha pensado que somente a visão e o tato do corpo de um homem pudessem provocar nela tais furores. Mas seu atrativo era visceral e reclamava todo seu corpo. Por fim Jamie se afastou a contra gosto, resfolegando como ela, e passou o dedo por sua bochecha. — Senti falta de você. — E eu de você. — Caitrina tocou seu rosto e brincou: — Quase não te reconheci. Jamie parecia envergonhado. — Já vou me barbear, quando tiver ocasião de me banhar. — Não, deixe por um tempo. Fique a vontade.

271


Gostava daquele lado perigoso de Jamie. Não parecia absolutamente um cortesão refinado, mas um poderoso guerreiro das Highlands da cabeça aos pés. E não podia negar o sombrio e sensual atrativo. O olhar de Jamie se encheu de calor, como se pudesse ler seus pensamentos. — Nosso encontro como Deus manda terá que esperar. Tenho que atender uns assuntos e depois ir ver meus homens. Mas estava ansioso para ver você, e ao não encontrá-la no pátio de armas, me assustei. Caitrina amaldiçoou em seus pensamentos. Deveria saber que não seria tão fácil distraí-lo. — Sinto muito. Já expliquei que estava na cozinha e não te ouvi chegar. Ele a desafiou com seu intenso olhar. — Isso você já disse. Caitrina, odiando estar na defensiva, teve uma idéia de como sair daquela situação. No final das contas, apesar de seu apaixonado beijo, ainda não o tinha perdoado pelo modo como partiu, nem suas «instruções». — E em que outro lugar haveria de estar? — perguntou com um doce sorriso... muito doce. — Acaso não ordenou que me encerrassem no castelo? Ele encolheu os ombros, sem demonstrar o mínimo indício de querer oferecer desculpas. — Uma precaução necessária para sua segurança. Caitrina teve que dominar seu aborrecimento. — E não te ocorreu pedir minha opinião no assunto? — E por que ia pedir isso — surpreendeu-se ele. — Você é minha responsabilidade. As bochechas de Caitrina ardiam, e não era por ter corrido. Deus a salvasse da teimosia dos homens. Pelo visto, nem sequer tinha ocorrido a Jamie pensar que ela pudesse se incomodar a prepotência dele. — Sou sua esposa. 272


Ele se mostrou desconcertado e algo receoso. Por fim tinha tido a sensatez de perceber que havia dito algo inapropriado, embora não sabia o que. — Sim. — Não um objeto ao qual manipular. Se queria uma esposa mansa e obediente, vai ter uma decepção — disse ela, olhando-o nos olhos. — Uma boa decepção. Ele fez uma careta divertida. Se ele começasse a rir, Caitrina jurou que se arrependeria. — Acredite — respondeu Jamie friamente. — Não tenho nenhuma ilusão a respeito. Caitrina assentiu com a cabeça, decidindo não dar-se por ofendida. — Bem. Jamie, pensativo, passou os dedos pelo queixo. — E isso te incomodou? — Sim. — Mas por quê? Só queria que estivesse segura. — Era sua maneira de agir. — Já que era minha liberdade que estava em jogo, não te ocorreu que podia falar comigo antes de dar suas ordens? Jamie enrugou a fronte. — Mas isso é o que eu faço: dar ordens, não consultar. Caitrina franziu os lábios pedindo paciência ao céu. — Talvez com seus homens, mas não com seu irmão e seu primo? — Algumas vezes — ele admitiu por fim, pensativo. — E não devia ter a mesma cortesia com sua esposa? O conceito pareceu surpreendê-lo, mas não era tão repugnante. — Talvez. — Pois da próxima vez, tenha a amabilidade de me informar de seus desejos antes de partir. — Caitrina sorriu. — E eu farei todo o possível para fazer com que mude de opinião se a ordem não for de meu agrado. 273


Jamie se pôs a rir. — Estou desejando este momento, minha querida esposa, mas aviso que não é fácil me dissuadir de nada, sobretudo quando se trata de proteger o que quero. Caitrina se comoveu ante aquela terna declaração, mas de qualquer maneira não pensava voltar para a pobreza de sua vida anterior. Já não se conformaria em manter-se protegida pela ignorância e deixar que outros tomassem decisões por ela. — E eu posso ser uma mulher muito persuasiva. — Não duvido — ele repôs com ironia. — Há algo mais que queira discutir, antes que vá ver meus homens? — Claro que sim... — Por que isso não me surpreende? Ela ignorou o sarcasmo. — Você partiu de maneira muito brusca. — Sinto não ter podido explicar, mas neste caso, era necessário. — Não podia me dar nem cinco minutos? — O que tinha que contar ia precisar de mais de cinco minutos. — Bom, seja como for, a próxima vez que tiver que partir sem se despedir sequer, não vou ser tão pormenorizada. Jamie arqueou uma sobrancelha. — Recordarei isso. — O que era tão importante para ter que partir assim? Jamie suspirou, passou os dedos pelo cabelo e esboçou seu típico sorriso. — Vê-se que meus deveres terão que esperar. — se aproximou da lareira e lhe ofereceu uma cadeira para sentar, depois puxou outra para ela. Caitrina percebeu em sua severa expressão que o assunto era sério. — Não vai gostar do que tenho que dizer, mas, por favor, antes de protestar, me deixe terminar. 274


Caitrina sentiu o coração dar um salto. Suspeitava qual seria o tema. — Alasdair MacGregor está morto. Ela sobressaltou-se. Deus bendito, Niall tinha razão. Não queria acreditar, mas agora estava ouvindo dos lábios de Jamie. Ficou imóvel enquanto Jamie contava a traição de Argyll exatamente como seu irmão a havia descrito. Por favor, rezou, que não seja ainda pior. — E qual foi seu papel em tudo isto, milord? — perguntou vacilante. — Além de negociar a rendição de MacGregor. Jamie agarrou sua mão e a olhou nos olhos. — Juro, Caitrina, que não sabia nada dos planos de meu primo. Pensava que tinha intenção de entregar MacGregor ao rei Jacobo. Quando recebi a nota de Argyll me dizendo que MacGregor tinha sido executado em Edimburgo, soube que algo tinha ido muito mal e também suspeitei das razões. Por isso parti sem dar explicações, já que não tinha nenhuma para oferecer até ter falado com meu primo. — Sua expressão obscureceu. — Quando dei conta do que tinha feito, fiquei furioso. Caitrina

olhou

nos

olhos

dele.

Parecia

sincero

e

ela

desejava

desesperadamente acreditar nele. Mas podia correr esse risco? Jamie jamais tinha ocultado o fato de que era o homem de Argyll, seu braço executor. Poderia alguma vez ele pertencer a ela, sendo tão leal ao seu primo? Niall tinha razão? Era uma estúpida por confiar nele? Seu silêncio preocupou Jamie. — Diga-me que acredita — pediu em um tom insistente, mas não suplicante. Caitrina entendia a razão: era um homem orgulhoso e honorável, havia dito a verdade e não suplicaria sua confiança. Não era sua maneira de fazer as coisas. A verdade. Era a verdade, deu-se conta.

275


— Acredito, mas o que você sabe não importa. Foi você quem negociou a rendição e será você que culparão pelo acontecido. Todo mundo pensará que conhecia as intenções de seu primo. Jamie fez uma careta. — Sim, isso mesmo. Eu disse isso a ele. Sua fúria contra Argyll parecia real. Talvez no final, podia sair algo bom de tudo aquilo se Jamie rompesse com seu primo. — E que justificativa te deu para tal traição? Jamie suspirou. — Não acredito que pensasse que tudo isto me afetaria. O rei pressionou-o enormemente para que pacifique as Highlands, e para que acabasse com Alasdair MacGregor em particular. Estes últimos meses não podia pensar em outra coisa. Mas por mais que tenha justificado a morte de MacGregor, essa artimanha não foi digna dele. Caitrina não podia acreditar. — Ainda conta com sua lealdade? Jamie esticou o queixo ante a tácita recriminação. — Sim. Meu primeiro impulso foi entregar minha espada, mas então me dei conta de que seria uma reação com pouca visão de futuro. Conheço muito bem os defeitos de meu primo, mas continuo acreditando que é a melhor esperança para as Highlands. Nenhum lado tem razão, Caitrina, mas ao final todos devemos escolher um... Aquela observação a impactou: era certa. Não era caso de quem tivesse razão ou não. Por muito que desejasse que a situação fosse fácil, ao final ela também teria que escolher. Isso era o que significava ser adulta. A ignorância de sua juventude tinha sido enganosamente singela. — Para mim, a balança ainda se inclina claramente a favor de meu primo — prosseguiu ele. — Argyll tem o poder necessário para efetuar a mudança, e quer o mesmo que eu. 276


— Ou seja? — Paz, segurança, terra para nosso povo. Argyll está cego quanto aos MacGregor, mas é profundamente leal aos seus amigos, e um chefe justo. — Justo? Como pode dizer isso depois do que fez? — Pois essa é a questão, não fez contra mim. — Elevou uma comissura da boca. — Você não o conhece como eu. Nem tinha nenhuma vontade. — Qual é o laço que os une? Jamie se manteve em silêncio por alguns momentos, até que finalmente se decidiu a perguntar: — O que sabe de meu pai? — Muito pouca coisa. — Só o que Meg tinha contado e o que tinha ouvido aqui e lá. — Morreu na batalha de Glenlivet, ao receber um disparo de mosquete dirigido a Argyll, apenas um ano depois que minha mãe falecesse. Elizabeth e eu passávamos a maior parte do tempo com meu primo e a condessa em Inveraray. Argyll foi como um pai para mim. Meu pai acreditava nele o suficiente para dar a vida por ele, e isso não é algo que eu possa ignorar. Caitrina sabia que isso implicava muitas coisas, sobretudo a respeito de seu irmão mais velho, mas o essencial estava claro: havia uma conexão pessoal entre Jamie e Argyll muito mais profunda do que pensava. Não eram simplesmente chefe e capitão, e sim membros da mesma família, unidos por laços de sangue e sacrifício. — E meu primo, por seu lado — prosseguiu ele — sempre cuidou de mim e de Elizabeth. Quando tinha dezoito anos me tornou capitão, e não muito depois me encarregou que o representasse no Conselho. Devo-lhe muito de minha posição e minha fortuna. Argyll me ofereceu oportunidades para progredir que não são comuns para um terceiro filho.

277


Parecia que a dívida de Argyll com o pai de Jamie se estendeu ao filho. Mas também estava claro que o laço entre Argyll e Jamie ia em ambas as direções. — Seus atos puseram a prova minha lealdade, mas não acabaram com ela. É certo que fez mal, e muito — admitiu Jamie. — E ele sabe. Mas não voltará a acontecer. — Como pode estar tão certo? — Estou e isso é tudo. Terá que confiar em mim. Meu primo não é um homem perfeito, mas eu acredito nele e no que está fazendo. Ela podia acreditar também? Como podia conciliar o homem que tinha chegado a amar com um capitão leal a um homem que não podia suportar? — Está? Perdoou? — Não — Jamie vacilou como se quisesse dizer algo. — Não é tão simples. Quando chegar o momento, meu primo reparará seu engano. — Como? Limpará seu nome e te absolverá publicamente da cumplicidade em sua traiçoeira artimanha para acabar com MacGregor? Jamie esboçou um sorriso irônico, enquanto negava com a cabeça. — Se o fizesse, ninguém acreditaria. A discussão com Caitrina tinha sido melhor do que esperava. Jamie esteve tentado a confessar o trato que tinha feito com seu primo, mas então teria que contar sobre os rumores sobre o irmão dela, e ainda não estava seguro de querer fazê-lo. A notícia da morte de MacGregor tinha sido um golpe para ela, mas não uma surpresa, que o fazia se perguntar se não teria ouvido algo a respeito. Logo o averiguaria. Jamie desceu pela escada e atravessou o grande salão até a galeria, sabendo que seus homens o esperavam. O que realmente teria gostado seria tomar um bom banho quente e comer algo, mas ambas as coisas teriam que esperar, assim como o reencontro apropriado com sua esposa. 278


Todo seu corpo endureceu ao recordar seu apaixonado beijo, a sensação de estreitá-la de novo em seus braços. Era muito bom. Se não estivesse em tão lamentável estado, talvez tivesse demonstrado o quanto tinha sentido falta dela, embora seu desalinhado aspecto não parecesse ter incomodado a Caitrina, em absoluto. Jamie esboçou um sorriso. Pelo visto, sua princesinha tinha uma veia selvagem. Princesa. Era curioso que tivesse vindo à cabeça aquele apelido. Por que seria? Certamente, não por suas roupas. Franziu o cenho ao dar conta de que Caitrina não tinha comprado os vestidos novos, como tinha prometido. O acidente e suas ordens de que não saísse do castelo a tinham impedido, mas agora que estava de volta, se encarregaria de solucionar o problema imediatamente. Não. Era outra coisa. Uma sutil diferença que não conseguia perceber. Recordou sua súbita aparição. O alívio que sentiu ao vê-la tinha se convertido em suspeita. Teria jurado que sentiu o frio em suas ruborizadas bochechas. E haviam as manchas de barro em sua saia. Estava quase certo de que vinha da rua e não da cozinha. Mas ela tinha parecido sincera. Talvez se equivocasse. Certamente, a paixão e a alegria que tinha demonstrado ao vêlo eram autênticas. Essa era a diferença! Caitrina parecia feliz. A sombra de dor que a acompanhava desde a morte de sua família tinha desaparecido. E embora Jamie quisesse ser responsável por tal transformação, não podia evitar de perguntar-se se não teria outra razão... Abriu a porta da galeria e ao entrar viu Will, o capitão de sua guarda, e um punhado de homens que ficaram esperando e se levantaram ao vê-lo. — Milord — saudou Will, adiantando-se. — Alegro-me de que tenha retornado são e salvo. Jamie fez um gesto aos homens para que se sentassem e sentou-se à cabeça da mesa. 279


— Receberam minha carta? — Tinha enviado a notícia da morte de MacGregor com instruções para que seus homens aumentassem a vigilância, mas sem mencionar para nada aos Lamont. Will assentiu. — Sim, milord. Aumentamos a vigilância, mas não percebemos nada fora do comum, nem sinais de foragidos... — E a notícia da morte de MacGregor se propagou? — Não, a julgar pelo que vimos. Embora os Lamont não tenham nos feito seus confidentes. As conversas param, cada vez que nos aproximamos. Não era de admirar, tendo em conta a tensão entre os clãs. Apesar de tudo, embora as comunicações não fossem muito boas nas ilhas ocidentais e as notícias demorassem muitos dias para chegar de Edimburgo, Jamie surpreendeu-se que ainda não soubessem da morte de MacGregor. — Notaram algum sinal de descontentamento ou de discórdia? — Nada além do normal. A seguir, passaram a discutir sobre as reparações de Ascog, antes de voltar para o tema dos Lamont. — Tem vigiado Seamus e a seus homens? — perguntou. — Sim — respondeu Will. — Estão tranqüilos. Jamie franziu o cenho. Aquilo não era nada bom. As serpentes eram mais perigosas quando não eram ouvidas. — Seamus passa a maior parte do dia em Ascog, trabalhando no telhado — prosseguiu Will. — Ele mesmo se encarrega de quase todo o corte de árvores. Jamie entreabriu os olhos. — No bosque? Will assentiu. — Também me preocupei, mas o seguimos e não vimos nada fora do comum. Nunca se ausenta mais que algumas horas. 280


— Entendo. — Interpretei mal suas instruções? Os homens da antiga guarda de Lamont não são ainda prisioneiros, são? Jamie negou com a cabeça. — Não, não são prisioneiros. Podem ir e vir ... sempre vigiados. Mas tinha a crescente suspeita de que o velho tramava algo, e estava decidido a averiguar o que era.

281


Capítulo 19 Caitrina contemplava, contendo o fôlego, como era colocada a última viga. Os trabalhos no castelo de Ascog tinham progredido muito enquanto Jamie tinha estado ausente. E nos dois dias que tinham passado desde sua volta tinham feito melhorias ainda maiores. O telhado ainda não estava terminado, mas tudo ia bem, logo estaria. As fortes tormentas da península se mitigaram ao atravessar o canal de Bute, trazendo uma densa névoa e garoas, mas, graças a Deus, não com a força suficiente para impedir as obras. Consciente de seu pacto, Caitrina cuidava de não aproximar-se da zona de obras, pois não queria pôr à prova a paciência de seu marido. Sabia que Jamie não acharia nenhuma graça em vê-la por Ascog, mas sempre que se mantivesse afastada do perigo ficando, sobretudo nas cozinhas e fiscalizando em lugar de participar do trabalho das criadas, não podia protestar. Havia muitas decisões que requeriam sua atenção, desde que cardápio deviam servir até que móveis comprar e quais podiam fabricar, ou onde construir os novos armários e dispensas. Tinha subido ao grande salão para falar com Seamus da reconstrução das mesas de trabalho e das prateleiras para as adegas, e tinha demorado um momento para contemplar a colocação da última viga. Assim que ficou segura em seu lugar, elevou-se um estrondoso clamor na sala, ao qual ela se uniu com entusiasmo. Procurou automaticamente com o olhar por Jamie e o coração bateu mais forte ao vê-lo, como acontecia sempre. Com sua altura e tamanho era fácil 282


distingui-lo entre outros, mas foi seu relaxado sorriso e o brilho de seus olhos azuis que acelerou seu pulso. Ao notar seu olhar, ele se voltou para ela e houve um instante de conexão e compartilhamento. Ela sorriu também, sentindo-se mais leve, saboreando o momento... até que um soldado da guarda fez uma pergunta a seu marido reclamando sua atenção. Caitrina suspirou. Por um instante se sentiu como durante aqueles preciosos dias antes que Jamie partisse. Embora não soubesse muito bem o que era, notava que algo tinha mudado desde que ele havia retornado de Dunoon. Aparentemente tudo estava como antes: de noite a estreitava em seus braços e faziam amor com toda sua paixão, e durante o dia Jamie se mostrava mais solícito e atento do que ela podia recordar. Mas a vigiava. Suspeitaria algo? Teria ela feito algo para alertá-lo? Talvez fosse imaginação. Caitrina mordeu o lábio; uma pontada em seu ventre dizia o contrário. Seria sua própria culpa? Manter em segredo um ponto tão importante como a sobrevivência de seus irmãos estava acabando com ela. Desejava compartilhar sua alegria e em lugar disso estava mentindo. E para piorar as coisas, após a volta de Jamie não se atreveu a ir às cavernas ver Niall e Brian. Era muito arriscado. E os informe de Mor não bastavam. Sentia falta desesperadamente de seus irmãos e estava preocupada com eles. Jamie tinha recebido o encargo de limpar a zona de foragidos. O que aconteceria se os encontrasse ou se descobrisse que ela o tinha enganado? Estava a ponto de voltar para a cozinha, incapaz de encontrar Seamus, quando viu que Mor tentava chamar sua atenção do outro lado da sala. Notava-se em sua expressão ansiosa que algo ia mal, e Caitrina não pôde evitar de sentir medo. A primeira coisa que lhe ocorreu foi pensar em Brian. Não, não podia ser ele. O menino estava melhorando.

283


Aproximou-se de Mor rapidamente, fazendo o possível para dissimular qualquer sinal de pânico que pudesse preocupar Jamie, e agarrou a mão fria da babá. — O que aconteceu? Mor olhou ao redor com ar furtivo. — Aqui não — respondeu em seu sussurro. Caitrina notou uma pontada no peito. O coração martelava cada vez mais forte ao ver seus temores confirmados: efetivamente, algo ia mal, muito mal. Sabendo que Jamie podia estar olhando, tratou de sorrir e seguiu Mor pela escada para as adegas. Na cozinha havia muita gente, de maneira que atravessaram o corredor até a adega. Nos porões fazia frio e uma umidade que impregnava até os ossos. Caitrina ajustou o arisaidh (N.T. - espécie de tartan feminino), não sabia se para proteger-se do frio do lugar ou dos calafrios provocados por seus pressentimentos, e ficou tensa preparando-se para o golpe. — É Brian? Aconteceu algo a Brian? — Não, minha menina, não queria te assustar. Seu irmão está táo bem quanto se pode esperar. — Caitrina não ignorou seu tom de recriminação. Mor, como ela, pensava que tinha que trazer Brian para Rothesay. Caitrina notou uma onda de alívio que invadia todo seu ser... até que ouviu as próximas palavras da babá. — É o estúpido cabeçudo de seu irmão Niall, que vai conseguir que o matem. — Niall? Não entendo. — Eu lhe disse que não fosse. O medo estendeu seus gelados dedos pela nuca de Caitrina. — Que não fosse? — repetiu alarmada, agarrando o braço de Mor. — Aonde foi Niall? A expressão de Mor era sombria. As rugas em torno dos olhos pareciam mais fundas. 284


— Não sei. Partiu com Seamus e outros, e pode estar segura de que não tramam nada de bom — Mor se interrompeu um momento. — Esta manhã, quando fui às cavernas, havia ali um desconhecido. E a expressão que tinha... — A babá estremeceu. — Era uma expressão feroz, com um ódio que eu jamais tinha visto. — Esse homem... Mencionaram seu nome? Mor negou com a cabeça. — Mas não resta dúvida de que era um homem atormentado. Eu diria que um MacGregor. Não! Niall não podia ser tão insensato... Mas sim, podia. E era fácil entender por que se identificava com os MacGregor. Ele também tinha visto sua casa destruída, seu pai e seu irmão assassinados, e tinha se transformado em um proscrito. Niall tinha mudado. Aparentemente, continuava sendo o safado zombador que tinha sido, mas agora havia em sua alma uma camada de gelo. Caitrina notava que a amargura e o ódio espreitavam perigosamente. Mas havia algo mais. Tinha-lhe surpreendido mais de uma vez com uma expressão estranha no rosto, como se estivesse muito longe dali... quase como se estivesse ansioso por algo, ou por alguém. Ai, Niall! O que fez? — E diz que Seamus e o resto da guarda também foram? — Sim. E com certeza, o senhor perceberá sua ausência. Mor tinha razão. Jamie já devia estar procurando-os. De repente se deu conta de outra coisa. — Mas e Brian? Quem vai cuidar dele? — Niall disse que voltariam em alguns dias. Brian estará a salvo na caverna até então, atendido por uma garota do povo. É de confiança — acrescentou, antecipando-se a seguinte pergunta.

285


Caitrina tinha que pensar. Por Deus, onde podiam ter ido? Quem era aquele homem, e que notícias teria levado para que Niall abandonasse Brian mesmo que somente durante alguns dias? Mas havia outra coisa que a preocupava ainda mais: O que faria Jamie quando percebesse que Seamus e os outros soldados partiram?

Já entardecia e tinha surgido uma densa névoa que os envolvia com seus dedos de gelo. Jamie estava no pátio de armas com uma expressão sombria que rivalizava com o céu tormentoso. Seamus e outros soldados Lamont estavam ausentes desde a manhã, e os homens que tinha enviado em sua busca acabavam de voltar com as mãos vazias. — Sinto muito, milord — se desculpou Will — mas não vimos sinais deles. Jamie lançou uma maldição. — Por que não os seguiu? — Seguimos, mas meu homem não viu nada fora do comum. Deixou-os esta manhã cortando madeira. — E ninguém sentiu falta deles até a hora do almoço? — Geralmente, nunca voltam antes. Sinto muito, milord, devia ter vigiado mais de perto. Mas o velho tinha parado de queixar-se. É evidente que é leal a sua esposa e parecia ter aceitado a mudança. Jamie meneou a cabeça. — Não é sua culpa. — Ele era o único culpado. Já tinha suspeitado que a aquiescência de Seamus fosse muito boa para ser verdadeira. — Confiei em sua palavra. — E tinha pensado como Will, que seria fiel a Caitrina. — Onde terão ido? — perguntou Will. Ocorria a Jamie várias alternativas, nenhuma delas boa. — Com as revoltas que se levantaram pela morte de MacGregor, bem poderiam se dirigir às montanhas Lomond. 286


Mas o que tinha impulsionado os soldados Lamont a arriscar sua vida? Tanto estavam dispostos a sacrificar-se pelos MacGregor? Possivelmente, mas também podia haver outra explicação. Jamie ficou tenso. Sim, arriscariam muito por um Lamont. Will franziu o cenho. — Mas por que agora? — Não sei — respondeu Jamie, apertando a mandíbula — Mas penso averiguar. — Deu meia volta e se dirigiu, decidido, para a torre, rezando para que suas suspeitas fossem infundadas. Não queria nem pensar que Caitrina tivesse algo a ver com aquilo, mas era evidente que estava ocultando algo. Tentou controlar sua fúria, pois não queria fazer julgamentos precipitados. Já que ainda não era hora do jantar, começou a procurá-la na câmara. Caitrina tinha partido de Ascog mais cedo que o habitual com sua criada. Mor parecia inquieta por algo, mas como Caitrina estava de bom humor, Jamie não tinha dado muita importância ao assunto. Até esse momento. Jamie tinha sobrevivido em parte porque não acreditava nas coincidências. Abriu a porta sem chamar e ficou petrificado. Sua mulher acabava de terminar de banhar-se. Caitrina se sobressaltou ao ouvir o ruído e voltou-se, e Jamie teria jurado que viu um brilho de apreensão em seus insondáveis olhos azuis, quase como se suspeitasse da razão de sua visita. O ar estava carregado de umidade e de cheiro a lavanda. Caitrina estava sentada junto ao fogo, envolta em sua bata, enquanto uma criada penteava as longas mechas molhadas, suaves como o veludo. A anciã estava as suas costas, com o ar protetor e vigilante de uma sentinela. Todos seus instintos flamejaram. — Deixem-nos — ordenou às criadas. — Quero falar com milady. Mor deu um passo para ele, tapando a visão de Caitrina. — Como vê, não terminamos... — Agora — ele grunhiu, em um tom que não dava margem a discussão. 287


Mor se manteve firme, mas a jovem criada deixou o pente de osso, que caiu causando um insólito ruído. Caitrina ficou em pé, e todas suas curvas voluptuosas e perfeitas ficaram visíveis sob a fina seda úmida da bata. Jamie se sentiu arder ante o poder inegável que aqueles doces encantos femininos exerciam sobre ele. Percorreu-a com o olhar e se deteve nos seios, onde as lapelas de tecido se cruzavam, relando a curva suave. Os mamilos estavam duros e eretos, claramente visíveis através do tecido. Jamie se agitou; seu desejo era agora ainda mais poderoso, depois de ter saboreado sua paixão. Uma paixão aberta e sincera, ou ao menos parecia. Queria acreditar que não era somente o desejo que os unia, mas algo um pouco mais profundo; queria acreditar que aqueles fortes sentimentos eram mútuos. Desde o primeiro momento em que a viu, soube que Caitrina era especial e a desejou. Ele teria gostado que as coisas continuassem simpes, mas ela tinha mudado, e também a complexidade de seu desejo. Em outros tempos, seu corpo teria sido suficiente para ele, mas agora, já não era. Fazia todo o possível para ganhar sua confiança, para demonstrar que Jamie Campbell era algo mais que sua reputação, embora fosse uma insensatez acreditar que uma Lamont poderia algum dia confiar em um Campbell. Mas era sua esposa, maldita seja. Seu sorriso de boas-vindas apenas refletiu em seus olhos, e Jamie sentiu a decepção no peito. — Está frio — disse ela aproximando-se — venha sentar junto ao fogo. — Olhou Mor e à aterrada criada, que parecia incapaz de erguer os olhos do chão. — Já terminei — assegurou com calma. A garota partiu o mais depressa que pôde, enquanto Mor ficou olhando-a como se tivesse intenção de discutir, mas perceber sua expressão suplicante, lançou um grunhido e os deixou a sós, fechando a porta com uma impertinente batida. 288


— Essa velha tem que aprender qual é seu lugar — grunhiu Jamie. Não lhe tinham lido a cartilha tantas vezes desde que era um guri. — Seu lugar é ao meu lado — replicou ela. — Tem que entender que quando minha mãe morreu foi Mor quem cuidou de mim. Não pretende se intrometer, mas pensa que tem que me proteger. — De quem? — De você — respondeu ela olhando-o nos olhos. Jamie esticou a boca, sentindo o amor não correspondido. — Eu nunca te faria mal. — Já sei, mas quando se zanga... — Tenho motivos para aborrecimento? — Diga-me você, que foi quem entrou de repente para expulsar todo mundo. — Acaso não posso passar um tempo a sós com minha mulher? Ela arqueou uma sobrancelha. — Mas é outra coisa, não? — ela aproximou-se dele com um sensual rebolado dos quadris, ainda mais atraente por ser inconsciente. Deslizou as mãos pelo pescoço e pelos firmes músculos dos ombros, notando a tensão. Suas mãos eram tão cálidas e suaves... Seu delicado aroma feminino misturado com lavanda o envolvia em uma nuvem de sensualidade. Morria de vontade de estreitá-la contra ele e beijá-la, afastando desse modo com qualquer outro pensamento que não fosse o de estar com ela, a sós, onde nada podia se colocar entre eles. Incapaz de pensar tendo-a tão perto, retrocedeu um passo. Ela deixou cair às mãos e seu olhar ferido quase o fez reconsiderar. Quase. — A guarda de seu pai desapareceu. Um brilho cintilou nos olhos de Caitrina. — Desaparecidos? Como desapareceram? — Parecia surpresa, mas sua voz não demonstrava isso.Parecia...assustada!

289


— Quero dizer que não retornaram do bosque onde deviam estar cortando árvores... Caitrina retorceu as mãos entre a suave seda de sua bata. — Faz frio e não há muita visibilidade. Talvez, simplesmente tenham se refugiado em algum lugar. Jamie negou com a cabeça. — Desapareceram. Meus homens procuraram. O pulso dela acelerou-se. —E o que encontraram? Perguntou com uma despreocupação que Jamie sabia que não era sincera. Estava tão nervosa que sua ansiedade era quase palpável. — Ocultaram bem seus rastros, mas meus homens acreditam que cruzaram o canal. Juraram-me lealdade me reconhecendo como seu senhor, e quebraram seu juramento. Quero saber por que. — Se tiverem feito o que diz, o que espero que não, eu não posso saber as razões. Jamie escrutinou o rosto dela. Parecia um anjo com sua pele tão branca, seus grandes olhos azuis e seus lábios vermelhos. Sua inocente beleza parecia zombar dele. Agarrou-a por um braço com força. — Não sabe? — Claro que não. — Caitrina tentou escapar, mas ele a segurou bem. — Seamus e os outros não me colocam a par de suas intenções. Seu tom era tão firme que teve que acreditar. Aliviado a soltou. — Alegro-me. Eu não gostaria de pensar que guarda secretos. — Então cravou-lhe o olhar. — Não está me ocultando nada, Caitrina? Ela afastou o olhar só por um instante. Maldição! Ali estava outra vez essa expressão incômoda. — O que poderia estar ocultando? — Não era uma resposta.

290


— Por que me interroga assim? — inquiriu ela. — Já disse que não sabia nada dos planos de Seamus. O que acha que posso saber? Jamie sabia o que tinha que fazer. Odiava a idéia de lhe causar mais dor, mas ela tinha direito de saber. Se não ouvia de seus lábios, iria saber por outra pessoa, de maneira que tomou-a pela mão e a levou até uma cadeira. — Sente-se. Ela obedeceu ao ver que se tratava de algo sério. Jamie ficou diante dela, de costas para o fogo, e odiou a si mesmo por considerar necessário olhar seu rosto. — Tenho algo a te dizer, algo que talvez te cause dor, mas acredito que deveria saber. — Notou que ela se esticava e engolia saliva. — O que é? Jamie acostumado a ser sempre direto, não estava acostumado a ficar com rodeios, e certamente seria melhor que nem tentasse. Pigarreou. — Há rumores. — Ela piscou; suas densas e escuras pestanas suaves como a asa de um corvo bateram contra sua pele branca. — Rumores de que um ou mais de seus irmãos podem estar vivos. Ela ficou imóvel, com o rosto totalmente inexpressivo. Era o aspecto de alguém chocado ante uma notícia, ou a reação de alguém assustado? Caitrina se agarrou aos braços da cadeira até que os dedos ficaram brancos. Havia algo nela que parecia muito frágil, como um cristal a ponto de se fazer em pedacinhos. Olhou-a fixamente, como procurando uma resposta. — E você acredita nisso? Há algo de verdadeiro nesses rumores? — Não sei. — Me conte exatamente o que ouviu. Ela mostrava-se muito serena, muito racional. Jamie tinha esperado que saísse dali disparada até o pátio de armas pedindo um cavalo, tinha esperado lágrimas, tinha esperado fortes emoções. Sabia quanto tinha amado a sua família e até que ponto a morte deles a tinha destroçado. Caitrina sabia! 291


Jamie repetiu o que lhe havia dito Argyll, contou-lhe que tinha ido a Lomond para buscá-los e não tinha encontrado nada. E em lugar de fazer mais perguntas, ela ficou olhando-o com expressão acusadora: — Soubeu disto há uma semana e não te ocorreu me dizer nada? — Não queria te dar esperanças sem saber algo mais. — Considera-me uma menina. — Não, quero te proteger, evitar que sofra mais. Acaso me reprova por pretender evitar mais desgostos? Justo agora que começa a te recuperar um pouco. — A me recuperar não, a me acostumar. — Já sei que foi muito difícil para você, mas não negará que nestas últimas semanas estava mais contente. — Não — respondeu ela, voltando-se — isso não nego. — Então talvez possa compreender por que não queria te dizer nada. Mas era evidente que não compreendia... — E agora decidiu falar somente porque Seamus desapareceu. — Sim. — Já vejo. — Caitrina se aproximou da lareira com passo rígido e ficou olhando as brasas ardentes. Estava zangada ou queria evitar olhá-lo nos olhos? Jamie odiava as suspeitas que sentia, mas todos seus instintos diziam que Caitrina sabia mais do que estava contando. Ela se esticou ao notar que ele se aproximava. Jamie agarrou-a pelo queixo para obrigá-la a olhar pra ele. Sua pele era como denso veludo entre seus dedos. — Você sabia Caitrina? — perguntou brandamente — Teve notícias de algum de seus irmãos?

292


O pulsar nas veias de seu pescoço agitou-se como as asas de um pássaro preso. Jamie poderia apertar a veia com o polegar e detê-lo com uma suave pressão. Seus dedos esticaram. Ela pareceu conter o fôlego, vacilante. O queixo tremia. — Não — disse por fim. — Não sabia nada desses rumores. A negativa foi para Jamie como uma fria bofetada no rosto. Os olhos azuis de Caitrina eram como um mar revolto, agitados por uma tempestade de emoções. Se ela estava mentindo, e todos seus instintos diziam que sim, não fazia sem culpa, um pequeno consolo para aquela traição. Jamie tinha acreditado que o amava. Insensato. Ela suplicava compreensão com o olhar, enquanto as mentiras saíam de seus lábios, aqueles lábios vermelhos e sensuais que tanto prazer lhe tinha dado. Seu cabelo estava secando devido ao calor da sala, e pequenos e suaves cachos começavam a formar em suas têmporas, acariciando a pele rosada de seu pescoço. Por Deus, era preciosa. E Jamie desejava com todo seu ser que fosse dele, mas pela primeira vez nem sequer estava tentado a estreitá-la entre seus braços e oferecer consolo. Caitrina tinha escolhido oferecer sua lealdade a sua família e não a ele. Talvez devesse ter esperado por isso, mas o que não esperava era aquela dor no peito. Se não doesse tanto, talvez fosse capaz de compreender sua lealdade dividida. Mas doía, e não podia seguir suportandoo. Talvez tenha esperado o impossível. Deixou cair à mão, apertou as mandíbulas tentando fazer-se forte e deu meia volta. — Espera, onde vai? — Ele lançou um olhar longo e contido. — Procurar os homens de seu clã. — O que vai acontecer? Jamie percebeu medo em sua voz, mas não tinha intenções de dar garantias que não sabia se poderia manter. 293


— Não sei. — O futuro de seu irmão era tão incerto como o dos homens do clã Lamont.

Jamie estava fora há dois dias e Caitrina continuava sem saber nada de Niall. Mal tinha dormido e não fazia nada além de repassar mentalmente uma e outra vez a cena do quarto. Sabia que tinha cometido um engano. Desejava desesperadamente confiar nele, mas a promessa a seu irmão tinha amortecido seus instintos. Deveria ter seguido os avisos de seu coração. A verdade era clara há algum tempo, mas tinha medo de vê-la: amava-o. Amava sua força, sua serena autoridade, sua honra, seu sorriso despreocupado que mostrava somente a ela, sua ternura quando a tinha em seus braços, quando faziam amor... Esses momentos tão ternos nos quais ardia de paixão por ela. Gostava de seu modo de desafiá-lo a olhar além da superfície, seu modo de aceitar pelo que era. Tinha acreditado que seu coração se partira para sempre, que estava enterrado com aquele tartán sob a areia. Mas só estava oculto atrás de uma cortina de medo. Medo que amar significasse perder. Era como se tivesse escondida toda a sua vida, primeiro do que acontecia ao seu redor e depois de seu próprio coração. Mas desde o começo ele jamais tinha evitado lhe dizer a verdade, por mais dura ou desagradável que fosse. A firmeza, a compreensão e a força incrível de Jamie tinham dado a ela coragem para abrir os olhos e a tinham ajudado a curar as feridas do passado. Quisera poder ter se dado conta antes. Precisava revelar seus sentimentos, dizer quanto o amava antes que ele percebesse a verdade. Não sabia se tinha chegado a acreditar que ignorava onde estava Niall, ou se tinha percebido que mentia.

294


Na manhã do terceiro dia ouviu cedo o ruído que estava esperando. Aproximavam-se cavaleiros. Olhou pela janela, mas a densa névoa não permitiu ver nada. O tempo tinha piorado e eram tão sombrio como seus maus presságios. Tentou envolver-se em seu manto com mãos trêmulas e o coração palpitante, mas acabou dando-se por vencida e se limitou a colocá-lo sobre ombros antes de descer correndo para o grande salão. Os homens estavam entrando quando chegou. À frente vinha um guerreiro de ombros largos, forjados para a batalha. O homem pôs-se a andar para ela, mas Caitrina se adiantou correndo para ele. —Jamie, ... — Mas a desculpa engasgou na garganta quando o guerreiro tirou o capacete. Ficou pálida. Não era Jamie. Era o irmão de Jamie.

295


Capítulo 20 Colin Campbell de Auchinbreck, o homem responsável pelo ataque contra Ascog e pelas mortes de seu pai e seu irmão, estava no salão a menos de dois metros dela, com todo o descaramento do mundo. A repulsa subia a garganta, mas foi rapidamente consumida pelas chamas do ódio. Recordava claramente da última vez que o viu: em sua câmara, durante o ataque, rindo de Brian e deixando seu homem para que a violasse. Agora exibia a mesma expressão fria e implacável daquele desgraçado dia. Ao vê-lo surgiam em seu peito emoções desencontradas: um ódio frio junto com o fato de que era o irmão do homem que amava. Agora que conhecia sua identidade, a semelhança com Jamie era ainda mais notável, sobretudo na boca e os olhos. Tinha o cabelo mais escuro, e não era tão alto como seu irmão, era de compleição similar e possuía o mesmo porte autoritário. Mas o que em Jamie era segurança, em seu irmão era arrogância. Caitrina fechou os punhos, inconscientemente, agarrada em suas saias de lã e não à adaga que seus dedos ansiavam empunhar. Jamais havia sentido o forte impulso de matar alguém. Colin Campbell tinha sorte de que estivesse desarmada. Embora, a julgar pelas aparências, parecia vir da batalha. Tinha as mãos e o rosto sujos de barro e sangue. Via-se um corte seco em sua testa e outro maior na mão e no punho direito. Mas foi seus olhos, que ardiam de ira, que provocaram um calafrio nas costas. O receio a impulsionava a dar um passo atrás, mas se negou a acovardar-se ante ele e encontrou coragem no fato de ser a mulher de seu irmão e a certeza de que Jamie o mataria se a machucasse. 296


Colin inspecionou o salão. — Onde está meu irmão? — perguntou sem preâmbulos. Aquela voz ressoou em sua memória, provocando uma tormenta de terríveis lembranças, mas Caitrina se forçou a olhá-lo nos olhos. Recordava com certa satisfação o murro que tinha dado em Colin, e percebeu que ele tampouco tinha esquecido. — Como vê, não está aqui. Ele entreabriu os olhos ante seu tom insolente. — Quando voltará? — Não sei. — Aonde foi? Caitrina notou que ressurgia seu velho temperamento. Como se atrevia a irromper desse modo em sua casa e interrogá-la como se fosse um de seus lacaios? Ardia de raiva. — Meu marido não me confiou os detalhes de sua viagem — ela espetou. Ele cravou um olhar gélido. — Cuidado com suas palavras. Diferente de meu irmão, eu não tolero a falta de respeito de uma mulher. Nem sequer de uma da família. — Você não é de minha família — saltou ela, embora soubesse que era a horrível verdade. O sorriso de Colin não fez mais que enfurecê-la. — Sou a senhora deste castelo e te agradeceria que recordasse. Tem sorte que não te jogue daqui depois do que fez. Se Colin sentia alguma culpa, não deu mostras disso, mas moderou seu tom. — Seu pai estava dando proteção a foragidos e conhecia bem as conseqüências de seus atos. — Interrompeu-se um momento, olhando-a pensativo. — Mas não sabia quanto significava para meu irmão. Aquela concessão a surpreendeu. — Teria mudado algo? Ele encolheu os ombros com indiferença. 297


— Não sei. Está feito. Não posso mudar o passado. Nem ela tampouco, por mais que quisesse. Para poder ter uma esperança de futuro com Jamie, devia encontrar alguma maneira de coexistir com aquele homem. Embora esperasse não ser obrigada a suportar sua companhia muito tempo. — Por que veio? O que quer? A princípio pensou que Colin não responderia, mas depois de uns momentos explicou: — Meus homens e eu fomos atacados ontem à noite, quando íamos para Dunoon. Se não fosse pela oportuna chegada dos homens de meu primo, teriam acabado conosco. Caitrina não pôde evitar uma profunda decepção. Certamente, não teria chorado a morte de Colin Campbell. Mas a decepção deu lugar, rapidamente, ao medo quando se deu conta do que podia significar aquele ataque. — E o que isso tem a ver com Jamie? — Tenho razões para pensar que poderia saber quem são os homens que nos atacaram. Caitrina sentiu o sangue nas veias, mas não deu sinais de que aquelas palavras a tivessem afetado. — E por quê? — Porque seguimos alguns dos foragidos até Bute. Parecia que seus medos se tornaram realidade: Niall devia ser o responsável por aquilo. Não se atreveu a perguntar o que mais desejava saber: quais tinham sido as baixas entre os atacantes. — E por que meu marido saberia sobre isso? — Porque Bute, maldita seja, é responsabilidade dele. Tinha a missão de limpar de foragidos desta ilha, e se ele não pode, farei eu. Não, Por Deus!

298


— Estou segura de que está enganado — disse com fingida serenidade, tentando dominar seu crescente pânico. — Em Bute não há foragidos. — Ah, não? Aquele tom arrepiou-lhe os cabelos da nuca. — É obvio que não. — Pois é muito estranho, já que juraram que um dos homens era seu irmão. Seu irmão, que se supõe que esteja morto. Caitrina ficou totalmente imóvel, lutando para dominar sua reação, mas todos os ossos de seu corpo tremiam. — Meus irmãos estão mortos — disse por fim. — E você deveria saber, já que os matou. Ele esboçou uma careta com a boca; e seus olhos brilharam de espera. — Temo que não tenha sido suficiente, irmãzinha. Mas é um engano que logo retificarei. Muito perturbada para manter mais tempo a compostura, Caitrina abandonou o grande salão e se retirou para sua câmara, para esperar ansiosa o retorno de Jamie. Suspeitava que Colin iria procurar pelas montanhas e as cavernas, e rezava para que Jamie chegasse antes. Se Colin encontrasse primeiro seus irmãos, não teriam nenhuma oportunidade. Grande desastre. Tinha que ter acreditado em Jamie, e talvez tivesse evitado tudo aquilo. Mas com justificativa ou sem ela, Niall tinha tentado assassinar um dos homens mais poderosos das Highlands. Depois do que Colin fez a sua família, ela não culpava seu irmão, mas se perguntava se haveria outra razão que tivesse provocado o súbito ataque, algo relacionado com aquele desconhecido que Mor tinha mencionado. Mas nada disso importava: Niall morreria de todas as formas se Colin Auchinbreck o encontrasse. Por volta do meio-dia, suas orações foram escutadas. Quando ouviu o aviso, correu até a janela de sua câmara a tempo para ver Jamie atravessar a porta.

299


Mas para evitar outro confronto com Colin, aguardou impaciente que ele a procurasse... Os minutos pareceram eternos, mas por fim, depois de meia hora, ouviu passos na escada e momentos depois, a porta abriu. Embora o fogo não fosse muito intenso, toda a sala se esquentou com sua presença. Notava a ira irradiando dele e procurou ansiosa seu olhar. Jamie tinha a boca tensa e as marcas da viagem no rosto. Caitrina se perguntou se teria dormido desde que partiu. Tinha os lábios gretados por causa do frio e marcadas rugas em torno dos olhos. Estava encharcado e parecia ter ficado à mercê das intempéries por muito tempo. Caitrina ansiava aproximar-se dele, mas sua expressão séria o impediu. — Jamie... — Já sabe o que aconteceu — disse ele com voz severa. Por Deus, nunca a tinha tratado com tal frieza. Caitrina se deu conta então de que ele sabia que tinha mentido, e sentiu medo. Tinha que compreendê-lo, não? Viu-se em uma situação impossível, dividida entre duas lealdades. E não escolheu a ele, dizia uma voz interior. Sempre o havia visto imponente, mas jamais tinha parecido tão inexeqüível; nunca tinha se mantido tão longe dela. Deu-se conta de que lhe tinha feito mal. Ao não dar sua confiança, tinha feito Jamie pensar que não o queria. Como podia explicar? Jamie aguardava sua resposta. — Sim, seu irmão me informou da razão de sua presença. A menção de Colin pareceu despertar sua consciência. — Sinto que estivesse sozinha quando chegou. Estou seguro de que foi muito difícil para ti. Ela elevou o queixo olhando-o nos olhos.

300


— Pois sim. — Disse que ameaçou jogá-lo para fora do castelo. As bochechas dela arderam, sem saber muito bem qual seria a reação de Jamie. Colin podia ser o diabo, mas era seu irmão. — Sim — admitiu. — Eu teria gostado de ver. Por um momento pareceu aparecer no rosto de Jamie à sombra de um sorriso, mas logo seu olhar endureceu. — Sabe o que significa isto, não? Se os homens de seu clã são responsáveis pelo ataque contra meu irmão, não só terão violado a trégua, mas sim os acusará de assassinato. Meu irmão quer sangue, e os atos de seus homens puseram a todos em perigo. — A que te refere? — Quando nos casamos me fiz responsável pelos Lamont. Sou responsável por seu comportamento, e meu irmão quer me fazer pagar por isso. Está furioso porque Argyll me entregou Ascog, quando ele pensava que lhe pertencia por direito. Caitrina ficou pálida. As precipitadas ações de Niall tinham posto em perigo Ascog. Seu sonho de devolver as terras aos Lamont escapava entre os dedos. E o que seria de Niall e Brian e os outros? — Tem que fazer algo — pediu. — Agora já é muito tarde para solicitar minha ajuda, Caitrina. A alma dela caiu aos pés ao escutar sua velada recriminação. Muito tarde. Ele estava dizendo que era muito tarde para sua relação? — Tem que me acreditar: eu nunca quis que isto acontecesse. Jamie cravou um olhar acusador. — É verdade o que diz Colin? Está com eles seu irmão Niall?

301


O que em realidade ele estava perguntando era se tinha mentido. Caitrina, com as lágrimas ardendo nos olhos, sustentou não obstante o olhar e assentiu. Ele lançou um juramento que a sacudiu. Aquela perda de controle tão pouco própria nele era uma prova da envergadura de sua ira. — Quando? — Não faz muito. Inteirei-me de que estavam vivos quando partiu ao Dunoon. — Estavam? Caitrina esboçou um sorriso. Nem sequer aquelas circunstâncias podiam mitigar a alegria que sentia pelos irmãos que tinha recuperado. — Brian também sobreviveu. Explicou como tinham escapado e o que tinha acontecido depois da batalha: tinham fugido para Eire e voltaram sozinhos quando chegou até eles à notícia da rendição de MacGregor. Não mencionou que tinham lutado ao lado dos MacGregor, mas quando falou da recente ferida de Brian ele imaginou como tinha acontecido. E enquanto ela relaxava, ele não deixava de observá-la com atenção. — Me alegro por ti. — E se notava que o dizia com sinceridade. — Sei o muito que significam para ti. Sei que ficaria muito contente. Ela piscou para dominar as lágrimas. — Sim, estou, embora ainda quase não me acredite. — Se me houvesse dito a verdade, talvez tivesse podido impedir que lhes passasse algo. — Eu queria contar isso, mas Niall me fez jurar que guardaria silêncio. — Suponho. Mas você tinha que te haver negado, sabendo o que significava me ocultar algo assim. — Não é tão singelo. Niall jurou que partiria se eu não prometia guardar o segredo, e Brian estava tão doente que tinha medo de que a viagem o matasse. Disse-me que os encerraria em uma masmorra. — E você acreditou? — perguntou ele, com voz enganosamente serena. 302


—Não. Jamie cravou nela um olhar frio e escrutinador, como que duvidando. — Pelo menos esperava que não fosse assim — terminou ela confessando. — Mas sei o que pensa dos proscritos e de seu dever para com a lei. — Você é minha esposa — disse ele impávido. Caitrina soube por seu tom que sua falta de confiança o tinha ferido. — Já sei, mas também está seu primo. Tinha medo do que pudesse fazer se averiguava que estavam vivos. — Pois seus medos resultaram equivocados. — O que quer dizer? — Se tirava o chapéu que estavam vivos Argyll prometeu ser indulgente. — E isso por quê? — Tinha muitas coisas das que responder. Caitrina se deu conta do que devia ter passado. Como pagamento pelo dano que Argyll lhe tinha feito, Jamie tinha exigido clemência para seus irmãos. — Fez isso por mim? — Sim. — Não me disse nada. — Não me deu ocasião. Porque não lhe disse a verdade, recriminou-se. — Onde estão, Caitrina? Ela vacilou. — Maldita seja! — estalou ele. — Quer minha ajuda, mas segue sem confiar em mim. —Sim, confio em ti, de verdade. — Caitrina notou que se separava dela e agarrou-o pelo braço. Tinha que fazer algo. Olhou-o aos olhos e de algum jeito encontrou as palavras que tinha sido incapaz de pronunciar até então. — Eu... — E baixou a voz até um sussurro. — Quero você. Algo tremeu no olhar dele, e os músculos se puseram rígidos. 303


— Quem dera pudesse acreditar. — É a verdade. — Por que agora, Caitrina? Sei o muito que significam para ti seus irmãos, e que diria algo para ajudá-los. Mas não fazia falta, ajudá-los-ei de todas as formas. Caitrina não podia acreditar. Por fim tinha encontrado valor para expressar seus sentimentos e ele se negava a escutá-la. — Não acredita em mim? — Amor significa confiança; não se pode sentir uma coisa sem a outra. — Não o entende. Prometi... — Ao diabo com sua promessa — estalou ele, sacudindo-a pelo cotovelo. — Me diga onde posso encontrá-los. Se não me disser o que sabe, não poderei ajudá-los. — Mas e Colin? A expressão de Jamie era sombria, não ocultava a verdade. — Mais vale que eu encontre primeiro. O sangue gelou nas veias de Caitrina. Jamie tinha razão. As montanhas estariam lotadas de Campbell em uma hora. Se Colin encontrava a seus irmãos, não teria piedade. Claro que cabia a possibilidade de que os Lamont conseguissem manterem-se ocultos, mas não era um risco que estivesse disposta a correr. Debatia-se, mas sabia que não tinha muitas opções. Tinha que confiar em que Jamie os ajudasse. Apesar de tudo, não o fazia nenhuma graça romper a promessa feita a seu irmão. Niall ficaria furioso. Mas o que outra coisa podia fazer? Preferia que estivesse furioso e não morto. Ao advertir sua luta interna, Jamie insistiu brandamente: — Eu posso ajudálos, Caitrina. Olhou aos olhos e não viu a não ser sinceridade. — Me prometa que não permitirá que Colin lhes faça mal. — Farei tudo que possa, mas só será possível se me disser onde estão. 304


Não havia tempo para mais indecisões. Com as lágrimas correndo pelas bochechas, assentiu por fim. Se me equivocar... disse. Não. Teria confiado sua vida a Jamie. E nesse momento estava confiando também à vida de seus irmãos. — Muito bem, levar-te-ei até ali. — Não. É muito perigoso. Era de se esperar que tentasse protegê-la, mas Caitrina não pensava permitilo, não em um pouco tão importante. — Não há outra maneira. Não seria capaz de te explicar onde é, e meu irmão e seus homens estarão vigilantes. Se o virem, o mais seguro é que disparem uma flecha contra ti. Irei antes para lhes explicar o que aconteceu. — Deus sabe o que ia dizer — estive ali muitas vezes sem incidentes. Ele esticou a boca ao ouvir aquilo. — Mas não quando meu irmão e seus homens andam rondando pelas montanhas. Alguém mais tem que saber onde estão. E a velha criada? Caitrina não pensava ceder. Mor não poderia dar as explicações necessárias. — Penso ir. Tenho que ser eu quem fala com eles. — Jamie parecia disposto a discutir, mas ela o impediu. — Por favor, Jamie, eu preciso fazer isto. Prometo-te tomar cuidado, e você estará comigo. Ele negou com a cabeça. — Não quero verte em meio de nada. — Já estou no meio... Jamie ficou calado um momento, olhando a à cara. — Por favor — insistiu ela uma vez mais. Finalmente Jamie lançou um juramento. — Muito bem, mas tem que me prometer que fará exatamente o que eu te diga. — Quer dizer obedecer ordens. Mas ele não estava para brincadeiras. 305


— Isso é justamente o que quero dizer. Se te disser que salte, saltará. Falo a sério, Caitrina — acrescentou, em um tom cada vez mais insistente. — Sem perguntas, sem discussões, entendido? Sabendo que não permitiria que fosse de outra maneira, Caitrina acessou embora a contra gosto. — E seu irmão? — perguntou. — Saiu faz um momento esperemos que na direção equivocada. — Então não podemos perder tempo. — Caitrina tirou do armário uma grossa capa de lã para colocar sobre o arisaidh e se apressou para a porta que Jamie abria. Estavam muito perto, mas a distância entre eles nunca tinha sido maior. Durante um momento, o tempo pareceu deter-se. Olhavam-se aos olhos em silenciosa confrontação. Ela desejava ficar nas pontas dos pés para beijá-lo, jogar-se em seus braços e sentir um instante de consolo, saber que tudo sairia bem, que juntos poderiam superar aquilo. Quem dera pudesse estar segura. Jamie tinha deixado muito claro o que estava bem e o que estava mau, e ao mentir o tinha traído, ou ao menos isso pensava. Não entendia que ela não tinha tido outra opção. Tampouco tinha acreditado em sua declaração de amor. Quando seus irmãos estivessem a salvo, jurou que faria algo para convencê-lo de que tinha sido sincera. Por fim ele apartou o olhar e a deixou passar. Caitrina saiu da câmara, inexplicavelmente decepcionada. — Caitrina. Sua voz a freou em seco. Voltou-se para ele, que ainda estava junto à porta. — Sim? Ele cravou um olhar duro e inflexível. — Não volte a me mentir jamais. 306


Embora ainda fosse cedo, o anoitecer caía como uma cortina negra entre as árvores. Com a chegada do cru inverno os dias se encurtaram muito e nos bosques, onde a luz mal que entrava nas melhores circunstâncias, flutuava um ambiente fantasmagórico e inquietante através da bruma. Muitos highlanders evitavam as montanhas e os bosques, acreditando-os misteriosos domínios dos duendes, mas a Jamie não preocupavam os duendes, a não ser sua mulher. Caitrina tinha o levado até um penhasco cercado de árvores que oferecia uma boa visão do terreno, mas estavam bastante apartados para que os Lamont não os detectassem. Jamie esquadrinhou as árvores e viu os dois sentinelas Lamont apostados além da entrada da cova. Já tinham capturado ao homem que vigiava o perímetro, e a guarda de Jamie tinha dado a volta para apanhar aos outros dois. Só esperavam seu sinal. Jamie tinha prometido conceder a Caitrina uns momentos a sós com seus irmãos para lhes explicar a situação, mas algo estava mau. Jamais deveria ter permitido que o acompanhasse, mas tinha visto sua determinação e conhecia a causa. Que demônios, admirava-a por isso. Não seria fácil enfrentar-se à ira de seus irmãos. Igual a não tinha resultado fácil enfrentar-se à sua. Sentia-se furioso e exasperado, mas, sobretudo traído. Durante dois dias tinha montado sem parar pelo Cowall e Argyll procurando alguma sinal do clã Lamont, esperando acautelar o desastre. Inteirou-se da notícia do ataque contra seu irmão no Dumbarton, ao oeste do lago Lomond, e suspeitando quem podia ser responsável, então se dirigiu a toda velocidade para o Rothesay. O fato de encontrar ali a Colin não tinha feito mais que piorar as coisas. Seu irmão pediria represálias, e não lhe faria nenhuma graça que os Lamont fossem

307


perdoados. Mas Jamie não duvidava: seu primo manteria sua palavra, fossem quais fossem as exigências de Colin. E todo o tempo que tinha estado procurando, tentando evitar precisamente essa mesma situação, sua mulher tinha estado mentindo. O que doía não era sozinho que tivesse ocultado aquele segredo, mas sim tivesse calado sobre algo que lhe produzia tanta felicidade. Jamie tinha esperado ganhar sua lealdade algum dia, mas as oportunidades pareciam ir desaparecendo. Queria compreendê-la, mas não podia passar por cima do fato de que em último término não tinha acreditado o bastante nele. Uma parte dela tinha acreditado o que seus irmãos diziam dele. E pode que desejasse jogar Niall Lamont e aos outros à masmorra, para apartá-los de qualquer problema, mas jamais faria nada que ferisse a Caitrina. E pensava que ela o entendia. E como podia sequer passar pela cabeça dela que faria mal a um menino? Brian mal tinha idade para empunhar uma espada, quanto menos para morrer por ela. Quando se casaram, Jamie fez uma nota: os Lamont eram sua responsabilidade, era sua gente, como de Caitrina. Mas ela ainda o considerava um estranho. E agora que tinha recuperado a seus irmãos, talvez já não o necessitasse nem o desejasse. Apesar de sua fúria, se comoveu o coração quando ela disse que o queria. Tinha querido acreditá-lo, e por um momento algo gretou em seu peito e pareceu que a luz entrava, mas sabia que Caitrina o havia dito para salvar a seus irmãos, e não podia senão ser duvidar de sua sinceridade. O amor significava confiança, e seus atos haviam dito outra coisa. De repente o pêlo da nuca dele arrepiou e também a pele. Tinha a clara sensação de que o vigiavam. Não queria correr o risco de que os sentinelas Lamont apostados no bosque dessem a voz de alarme, de maneira que fez um sinal a seus homens para que os capturassem. Aguçando a vista, percebeu na escuridão uma figura detrás das árvores a sua esquerda.

308


— Sei que está aí, Colin — chamou. — Já pode sair. Seu irmão saiu de detrás de uma árvore a uns seis metros de distância. — Sempre tiveste uma capacidade quase sobrenatural para advertir o perigo. Jamie elevou uma sobrancelha ante a frase de seu irmão. — É que estou em perigo? Colin entreabriu os olhos com expressão ameaçadora. — Não, sempre que cumprir com seu maldito dever. Os intentos de seu irmão por intimidá-lo podiam ter dado resultado quando eram meninos, mas esses dias ficavam já muito longe. — Não pretenda me dizer qual é meu dever. Sou chefe por direito próprio e não respondo ante ti. A expressão de Colin era de ira. — Mas sim responde ante o Argyll, e eu me encarregarei de ver esses homens enforcados, afogados e esquartejados por sua ousadia. — Talvez, mas não o verá aqui. Estas são minhas terras, e sou responsável pelos homens que haja nelas. Se tiver um problema com isso, reclame a nosso primo. — Fá-lo-ei. — Pois até então, quero-te fora de minhas terras. Agora mesmo. Colin o olhou com a boca aberta. — Não pode falar a sério. — O que te aposta? Os dois irmãos ficaram olhando-se cara a cara na escuridão, com seus homens ao redor. Embora os do Colin fossem mais numerosos, ambos sabiam que os soldados de Jamie eram melhores e venceriam. E Colin não estava disposto a sofrer essa humilhação. Jamie deu a ele uma oportunidade de conservar seu orgulho. — Mas que saiba que se tiver que lutar contigo, os outros certamente escaparão.

309


— Está seguro de que não é isso o que pretende de todas as formas? Como posso estar seguro de que não os deixará partir? — Não pode está-lo — espetou Jamie. — Como já hei dito antes, estas são minhas terras e os homens são minha responsabilidade. O ódio que viu nos olhos de seu irmão o surpreendeu. Colin não esqueceria aquela suposta deslealdade. Mas por fim ordenou a seus homens que montassem e pôs-se a andar colina abaixo. Os cavalos estariam sem dúvida um pouco mais longe, para que não delatassem sua presença. Ao cabo de um momento Colin se voltou para dizer uma última palavra. — Jamais pensei que chegaria o dia em que o moralista de meu irmão tomaria a lei em suas próprias mãos para voltá-la contra os seus. Cada dia te parece mais a nosso irmão bastardo. Sua bonita mulher te castrou. Jamie apertou os punhos. Acreditava ser imune aos insultos de seu irmão, mas aquele o irritou. — Acaso duvida de minha lealdade, irmão? — Sua lealdade a quem, à sua mulher ou a seu clã? — burlou Colin. — Não pode ser leal a ambos. Sim, maldito seja, sim posso, disse-se. Mas as palavras de seu irmão não o deixaram indiferente. Seu amor por sua mulher tinha posto a prova seu sentido do dever e tinha desafiado seu inflexível conceito da justiça. Da traição de seu irmão Duncan, Jamie sempre tinha visto a lei como algo absoluto: a linha que distinguia do bem e do mal. Mas pela primeira vez não estava tão clara a questão do que estava bem e que estava mau. Aguardou até ouvir o ruído dos cavalos ao longe e a que voltasse o homem que tinha mandado seguir Colin e aos seus. Então deu uma ordem a seus soldados, que avançaram na escuridão para a cova, deixando a seu passo só o ruído do silêncio. Se tudo saía segundo seus planos aquilo teria acabado antes de começar. 310


Caitrina era um molho de nervos quando por fim entrou na cova. Embora estivesse segura de estar fazendo o correto, não por isso resultava mais fácil. Nem tampouco mitigava sua sensação de culpa. A caverna era escura e úmida, e o frio atravessava as densas capas de lã até sua pele. Ao menos algo bom sairia de todo aquilo: poderiam transladar Brian a um sítio quente e seguro. Seus olhos demoraram um momento em acostumar-se à escuridão, pois a cova estava iluminada por uma só tocha junto à parede traseira, sem dúvida por precaução, pois temiam que mais luz pudesse indicar o lugar de seu esconderijo. Niall saiu a recebê-la. Tinha um aspecto espantoso: sujo e desalinhado como o proscrito em que se converteu. Parecia ter envelhecido dez anos da última vez que o viu, mas havia algo mais. Sua expressão era tão dura e furiosa como antes, mas agora estava tinta de um inconfundível ar de tristeza. — O que está fazendo aqui, Caiti Rose? — perguntou tenso. — É perigoso. — Sei, mas tinha que vir. Apesar de sua irritação, envolveu-a em um quente abraço fraternal. — Me alegro de verte, Caiti, mas não deveria ter vindo. As montanhas estão infestadas de Campbell. Ela se apartou para olhá-lo aos olhos. — Por uma boa razão. Ai, Deus, Niall, o que tem feito? Seus olhos se escureceram de dor, uma dor tão afiada que quase fazia dano ao olhar. — O que terei que fazer. Mas fracassei. — Mas por quê? Por que arriscaste tudo assim? Puseste a vida de todos em perigo. Auchinbreck te matará se te encontra... — Não me encontrará. — Assim será um foragido, quando poderia ter ocupado o posto de chefe que te corresponde por direito. Seus homens teriam sido livres, mas agora terão que viver no monte, como desgraçados. E o que passa com o resto do clã?

311


Não é sozinho você quem sofrerá as conseqüências do que tem feito. Puseste em xeque tudo o que eu tenho feito para recuperar Ascog. O rosto de Niall parecia uma pedra a ponto de rachar-se. — Sinto-o muito, mas não tinha eleição. — Olhou-a aos olhos; Caitrina jamais tinha visto uma expressão tão sombria. — Tive que fazê-lo, Caiti — declarou com a voz quebrada. — Por Deus, violaram-na. Caitrina, horrorizada, só acertou a perguntar: — A quem? — A Annie MacGregor. Ele olhou à cara, procurando sinais do que já sabia. — E o que significa Annie MacGregor para ti, Niall? A intensidade de seu olhar disse tudo. — É a mulher a que amo. Mas fui muito orgulhoso para reconhecê-lo. — Ai, Niall, como o sinto. — Caitrina o envolveu em seus braços. Seu irmão estava muito rígido, mas apesar de tudo se notavam as emoções que ferviam em seu interior: a dor e a impotência. Caitrina se sentiu comovida. Alguém como Niall, um homem que vivia para proteger a outros, devia sentir que tinha falhado a essa pobre garota. — Foram Auchinbreck e seus homens. Abandonaram-na ao dá-la por morta. — Baixou a voz — Era como um pássaro ferido. — A Caitrina encolheu o coração ao ver a dor em seu olhar — Por Deus, tinha medo até de mim, Caiti. Caitrina se compadeceu de Annie, sabendo o perto que tinha estado ela de sofrer a mesma sorte. Embora não era estranho nos tempos das velhas rixas desonrarem a um clã violando a suas mulheres, um homem de honra jamais utilizaria a uma mulher em suas guerras. Entendia por que Niall fazia o que tinha feito, mas não por isso sua situação se voltava menos precária. — Dê-lhe tempo, Niall. Terminará por compreender que você jamais lhe faria mal dessa maneira. Mas não será de nenhuma ajuda se você for para a

312


prisão. — Ou se morria, mas era incapaz de pronunciar aquelas palavras. — Não permitirei que lhe façam mal. — Pois então mais te vale rezar para que seu marido e seus homens não nos encontrem. Sua expressão de culpa deveu traí-la. — O que acontece, Caiti? Está pálida... — Niall, eu... Um ruído na entrada da cova chamou a atenção deles. Ouviram-se vários gritos de surpresa e Jamie e seus homens irromperam na caverna. Niall se voltou bruscamente para ela com uma expressão de absoluta incredulidade, sentindo-se traído. Agarrou-a pelos ombros e lhe deu a girou para obrigá-la a olhá-lo. — O que tem feito? Ela sentiu pânico. Aterrava-lhe não ser capaz de fazê-lo compreender. — Você não o entende. Jamie te ajudará. — Enviar-me-á ao diabo do Argyll amanhã pela manhã. Caitrina negou veementemente com a cabeça. — Não. Prometeu te proteger. — Como, me entregando a seu primo para que se cumpra sua justiça? Uma súbita inquietação retorcia o estômago dela. — Ele não faria isso. Niall a separou com um empurrão quando os homens de Jamie se apinharam no reduzido espaço e tirou do cinto a espada. — É uma insensata, Caiti Rose. — Estou tentando te ajudar... Mas Niall era surdo a suas explicações, absorto no esforço de rechaçar ao invasor. Caitrina não podia deixar que seu irmão minasse sua própria confiança. Jamie tinha jurado protegê-los e jamais tinha dado razões para duvidar de sua palavra. Mas a enormidade da confiança que tinha depositado 313


nele a sobressaltava. Argyll, pensou ela estremecendo. Não, Jamie não a trairia até esse ponto. Acabava de recuperar a seus irmãos e não podia voltar a perdê-los. Pegou-se à parede da cova enquanto o caos estalava a seu redor. Era muito difícil ver o que acontecia aquele espaço reduzido, escuro e lotado de corpos protegidos com malhas. Os homens lutavam por toda parte e, posto que não houvesse sitio para manobrar, era impossível usar espadas ou arcos, de maneira que tudo eram combates corpo a corpo e com adagas. Eram estas últimas as que mais temiam. Jamie e seus homens tinham capturado com facilidade aos dois sentinelas que vigiavam a entrada da cova e chegou ao lugar onde Niall, Seamus e os outros homens se agrupavam. Caitrina só queria fechar os olhos e deixar de ouvir os espantosos sons: os grunhidos de dor, o golpe surdo dos murros, a luta. Só queria que se acabasse logo com o menor derramamento de sangue possível. Graças a Deus, Brian estava a salvo na câmara traseira, com o Boru fazendo guarda sobre ele. Embora Niall e os homens do clã Lamont estavam em franca minoria, os estreitos limites da cova atuavam a seu favor, ao menos durante um momento. O certo era que não podiam fugir; estavam ali apanhados e ao final seriam vencidos. Jamie estava fazendo todo o possível por não matar a ninguém, mas a Caitrina aterrava que, se Niall se defendia, Jamie não pudesse evitar que acontecesse algo terrível. Uns seis homens da guarda Lamont rodeavam Niall quando por fim se enfrentou a Jamie, guerreiro contra guerreiro, os dois empunhando uma adaga. Caitrina conteve o fôlego, pois estava a ponto de ver realizar-se seu pior pesadelo. Niall não dava sinais de ceder terreno, assim que ela saiu de entre as sombras e o agarrou pelo braço, mas ele nem a olhou. Tinha a vista fixa em Jamie. 314


— Por favor, Niall, não o faça — suplicou Caitrina. — Fora daqui, Caiti — disseram de uma vez Jamie e ele. — Mas... — quis protestar ela, com as bochechas sulcadas de lágrimas. — Deu-me sua palavra, Caitrina — insistiu Jamie. — Quero que vá agora mesmo. Não posso!, queria ela gritar. Seus pés não se moviam. Tinha a espantosa sensação de que só se ficava poderia evitar o desastre. Olhou ao Jamie aos olhos, mas era inútil, ele não cederia. Todos seus instintos a impulsionavam a protestar, mas tinha dado sua palavra, de maneira que deixou cair à mão e retrocedeu sem deixar de olhar a Niall, que ainda se negava a olhá-la. Com um nó na garganta suplicou de novo ao Jamie: — Por favor, não lhes faça mal. — Não tenho nenhuma intenção de... — Mas de repente seu rosto se esticou sobressaltado. — Caitrina, cuidado! — Fez um movimento para ela, mas era muito tarde.

315


Capítulo 21 Caitrina se viu de repente elevada no ar, com um forte braço em torno de sua cintura e uma afiada adaga contra seu pescoço. — Um passo mais e a mato. Deus bendito, era Seamus! Caitrina lançou um grito, mais de surpresa que de dor, ao notar que o fio da adaga rasgava a tenra pele sob o queixo. Jamie ficou totalmente imóvel. Niall passou a vista de seu inimigo ao velho soldado. — Que demônios está fazendo, Seamus? — Tentando que saiamos daqui — respondeu o homem, impaciente. — Utilizando a minha irmã? — Que nos traiu! Foi ela a que trouxe para o Açoite até aqui. — Eu sozinho tentava ajudar... — atravessou Caitrina. — Silêncio! — ordenou Seamus, pressionando a adaga contra seu pescoço. Ela exclamou horrorizada ao notar uma espetada seguida de um fio de sangue que anulava qualquer esperança de que Seamus estivesse fingindo. Jamie emitiu um som de raiva tão animal que Caitrina o sentiu em seus próprios ossos, e era evidente que também tinha afetado ao Seamus, porque a mão começou a tremer perigosamente. — Solta-a — ordenou Niall com uma gélida calma que estava muito longe de sentir. — Não — respondeu Seamus, cada vez mais nervoso. — O Açoite nos deixará partir enquanto tenhamos à garota. Niall deixou cair sua arma e a lançou de uma patada para o Jamie, elevando as mãos em sinal de rendição e movendo a cabeça com tristeza. — Acabou-se, Seamus. Solta-a. 316


— Não! Caitrina notava o coração de Seamus acelerado contra suas costas e soube que era presa do pânico ao ver que seu precipitado plano não tinha saído como pensava. Seu braço se esticou em torno de sua cintura, e embora ela, pressentia o que se passava, não podia fazer nada por evitá-lo. Até então a situação parecia quase irreal, mas pela primeira vez sentiu medo. Seamus, com mão tremente, deslizou a faca por seu pescoço. — A garota é uma traidora — exclamou desesperado voltando-se para Niall e empregando um tom quase de desculpa. — É tudo por sua culpa... Mas de repente se ouviu o assobio de uma adaga voando na escuridão e um golpe surdo que freou a Seamus em seco. O soldado se esticou e caiu para trás, soltando-a, e a faca se estrelou contra o chão aos pés de Caitrina, que deu um salto horrorizada. O velho guerreiro de seu pai, com os olhos frágeis, jazia no chão com a adaga de Jamie enterrada em seu pescoço. Produziu-se um silêncio mortal. Se não fosse pela admirável pontaria de Jamie, ela podia encontrar-se nesse momento no lugar de Seamus, pensou Caitrina sentindo uma quebra de onda de arrependimento. Jamie o tinha matado, mas era ela a que tinha as mãos manchadas de sangue. Jamie a envolveu entre seus braços. — Meu deus, está bem? Ela assentiu em silêncio, inalando seu marcado aroma masculino, saboreando o calor e a segurança de seu abraço. Jamie parecia muito sereno instantes atrás, mas agora Caitrina notava os frenéticos batimentos de seu coração. Ele a estreitou com mais força, pressionando a boca contra seu cabelo. Teve-a assim abraçada um bom momento, como se não quisesse deixá-la ir. Caitrina queria lhe dar as obrigado por salvar a vida dela, mas estava muito horrorizada pelo homem que tinha morrido em seu lugar.

317


Por fim Jamie a soltou a contra gosto e acariciou na face com enorme ternura. E ela viu em seus olhos durante um instante a emoção que normalmente mantinha oculta. Caitrina elevou o queixo para ele olhar o pescoço. — Me trás a luz, maldita seja. Um homem se aproximou com uma tocha. — Está bem? — perguntou Niall. — Sim, graças a Deus, o corte não é muito profundo — respondeu Jamie. Caitrina notou ira em sua voz e soube que se culpava por havê-la deixado ir até ali. Jamie agarrou a borda da capa para apertá-la contra a ferida e frear a hemorragia. — Mantém isto assim — ordenou — de acordo? Ela assentiu de novo enquanto Jamie se voltava por volta de um de seus homens. — Leve-a ao castelo e que atendam essa ferida imediatamente. Não a perca de vista. — Logo se dirigiu a ela: — Eu voltarei logo. — E com estas palavras, inclinou-se para lhe dar um beijo na testa. — Sim — conseguiu responder ela; logo olhou a Niall vacilante. — Vai-te, Caitrina — disse seu irmão bruscamente. — Que olhem essa ferida. Aturdida, permitiu que o soldado a tirasse da cova para voltar para o Ascog, pois não desejava ver a cara de seu irmão quando se visse obrigado a render-se a seu marido. Ela já não podia fazer nada ali. Em realidade, temia ter feito muito. Jamie ficou olhando-a enquanto Will a levava, com o estômago na garganta. Só agora que o perigo tinha passado sentiu medo ao dar-se conta do perto que tinha estado de perdê-la. Tudo tinha acontecido muito depressa, não tinha tido tempo para pensar, e os anos de batalhas, de afinar seus instintos, tinham dado seu fruto.

318


Quando o velho guerreiro se voltou, teve espaço suficiente e não o duvidou: assim que viu seu objetivo, lançou a adaga com uma precisão nascida de toda uma vida de prática. — A quer de verdade? Jamie se voltou para Niall Lamont. Tinham-lhe amarrado as mãos à costas enquanto seus homens limpavam os túneis de foragidos. — Surpreende-te? Acaso duvida do atrativo de sua irmã? Niall soprou... — Absolutamente. Vi-a deslumbrar o coração mais impenetrável. O que não sabia é que você tinha coração. Jamie esticou a boca, o olhando. — Caitrina te há dito a verdade. Vou fazer todo o possível por te ajudar. — Por quê? — Precisa perguntá-lo? — Mas Auchinbreck é seu irmão. — Sim. Se Caitrina houvesse confiando em mim antes, talvez tivesse podido evitar isto. Eu não desejava que seu pai morresse. Entendo sua ira, mas meu irmão tinha motivos para atacar seu castelo. — Ao ver a expressão indignada de Niall, acrescentou: — Não estou dizendo que esteja de acordo com o que aconteceu, mas não toda a culpa é de meu irmão. De ter estado eu ali, talvez tivesse podido evitar a batalha, mas sabe tão bem como eu que a luta é a maneira de resolver as disputas nas Highlands. — Sim — concedeu Niall à contra gosto. — Meu pai jamais se amedrontou ante uma batalha. Mas não era sozinho a morte de meu pai e meu irmão o que eu queria vingar. — Sua expressão era de pura angústia. — Auchinbreck ordenou a violação de uma mulher inocente. — Niall olhou aos olhos, ardendo de ira. — Minha mulher. Jamie lançou uma maldição. Não queria nem pensar que seu irmão fora capaz de um ato tão desprezível, mas não duvidava da palavra de Niall. 319


— Sinto muito. A desculpa pareceu surpreender ao Lamont, que fez um gesto de assentimento com a cabeça e ao cabo de um momento perguntou: — O que pensa fazer conosco? — O que possa. Ficaremos esta noite no Rothesay e amanhã sairemos para o Dunoon. Niall esticou a mandíbula. — Então era o que eu pensava. Não morreremos a mãos tuas, mas sim de Argyll... — Não morrerão a mãos de ninguém. Meu primo prometeu mostrar clemência. — Sim, já imagino — ironizou Niall. — Afogados, mas não esquartejados? — Espero ter mais influencia que isso — replicou Jamie com um sorriso torcido. Nesse momento saíram da escuridão uns homens carregados com um tablado, seguidos de um enorme cão. A atitude de Niall trocou imediatamente. — Cuidado. Está ferido. — Niall, o que está passando? — perguntou Brian com voz débil e febril. — Chist... vamos levar te ao castelo. — Mas o Açoite... —protestou Brian, tentando elevar a cabeça. Jamie ficou mau ao perceber medo na voz do menino. — Não se preocupe Brian. Caiti te manterá a salvo. — Niall olhou aos olhos de Jamie, que assentiu com a cabeça. Com isto o menino pareceu tranqüilizar-se, e voltou a tombar-se enquanto os homens o levavam. — Espero que não me faça ficar por mentiroso — disse Niall. — Ao menino não acontecerá nada. Não estava envolto no ataque contra meu irmão, embora quando tiver recuperado bastante para viajar, terá que

320


prestar contas por ter lutado junto aos MacGregor. Já pagarei a multa para que se retirem todos os cargos. Niall assentiu. Uma vez limpa a cova, Jamie levou aos prisioneiros ao bosque para deixá-los a cargo de seus homens e se encaminhou para o lugar onde tinha deixado o cavalo. — Campbell... Jamie voltou à vista atrás. — Já sei que não tenho direito a pedi-lo... Jamie fez um sinal com a mão para que continuasse. — Se me passasse algo, encarregar-te-á de que Brian assuma o lugar que lhe corresponde como chefe quando tiver a idade adequada? A estranha petição o surpreendeu. — É um posto que pertence a ti por direito — respondeu. — Não me pede isso para ti? — De verdade crê que pode convencer a seu primo? — Sim — respondeu Jamie com segurança. Niall ficou pensativo um momento. — Apesar de tudo, eu gostaria de ter sua palavra em relação ao que te pedi, se estiver disposto a dá-la. Jamie se inclinou. — Pois a tem. E pela primeira vez desde que Jamie irrompeu na cova, talvez pela primeira vez em muitos meses, a esperança brilhou nos olhos de Niall Lamont.

Caitrina sofria os frenéticos cuidados de sua velha babá sem deixar de preocupar-se com o que estaria passando com seus irmãos. Tinha ouvido os homens entrar no castelo não muito tempo depois dela, e pelos numerosos criados que corriam de um lado a outro sob as ordens de Mor, trazendo e 321


levando ervas, ungüentos, água e panos limpos, souberam que tinham levado a seu irmão e a seus homens à velha e abandonada torre do sul. Foi um alívio comprovar que Niall se equivocou e não os tinham encerrado na masmorra. Fizera bem em confiar em Jamie. Mor ia mandar a outra criada procurar mais travesseiros quando Caitrina se incorporou; já tinha agüentado o bastante. — Não é mais que um arranhão, Mor. De verdade, estou bem. — A lâmina tinha feito um corte de uns cinco centímetros na base da mandíbula. A velha criada fez uma careta, pondo os braços em jarras. — É bastante profundo para deixar cicatriz. — Já me puseste um ungüento e me enfaixaste isso. Se ficar alguma cicatriz, não será visível. — Eu saberei que está aí — teimou a babá. Sim, e eu também. Uma lembrança permanente de minha traição a meu clã, pensou Caitrina. Mas levaria a marca com honra se seus irmãos salvavam a vida. De repente a porta abriu e entrou precipitadamente outra criada. — Já era hora! —saltou Mor zangada. — Por que demoraste tanto? A mandei procurar essas ervas faz uma hora. Mas bem tinham sido minutos, pensou Caitrina. — Sinto muito, ama. As cozinhas são um caos, com o senhor preparando tudo para amanhã. Caitrina ficou gelada. — Amanhã? O que passa amanhã? A garota lançou um olhar furtivo antes de baixar a vista ao chão. — Acreditava que sabia, milady. O senhor levara aos prisioneiros para Dunoon. Não! Caitrina notou que ficava lívida. Tinha que ser um engano.

322


Não muito depois estava sentada muito rígida frente ao fogo, olhando as agonizantes brasas da turfa. O incidente que quase havia posto fim à sua vida estava longe da mente, posto que agora esperasse um golpe muito mais doloroso. Tinha jogado Mor e às criadas da sala, apesar de que sabia que voltariam logo, embora fora só para inspecionar a ferida, e tentava manter a raia o sabor amargo da traição. Estava disposta a escutar antes as explicações de Jamie. Por fim ouviu os conhecidos passos e lhe acelerou o coração. Abriu-se a porta da sala e ele falou primeiro: — Sua ferida... — Me diga que não é verdade — ela interrompeu. Sua ferida era insignificante comparada com o que acabava de averiguar. Jamie ficou perplexo. — O que não é verdade? Ela se aferrou ao braço da poltrona. — Me diga que não detiveste a meu irmão e a seus homens. Diga-me que não os vais entregar a seu primo. Jamie se endireitou, evidentemente surpreso. — Acreditei que o entendia. É meu dever... — Seu dever? —A dor a transpassava. Queria gemer como um animal ferido. O reconhecimento de sua traição a tinha ferido mais fundo do que podia imaginar. Tinha-lhe creditado o que lhe era mais querido, e Jamie a tinha traído. — Importa-me muito pouco seu dever! Jamais te haveria dito onde estavam se tivesse conhecido suas intenções. Jurou que os ajudaria. Ele esboçou uma careta tensa, a, expressão que mostrava quando tentava dominar seu gênio, reconheceu Caitrina. Um gênio que só parecia existir ante ela.

323


— E ajudarei. Brian pode ficar aqui até que se recupere, mas Niall e outros têm que ir ao Dunoon para enfrentar-se aos cargos contra eles. Aquilo não podia estar passando. Caitrina tinha o peito tão constrangido que não podia nem respirar. — Vais ajudar entregando-os a um verdugo? Por Deus, Jamie morrerão pelo que têm feito. Ele a olhou aos olhos. — Já te disse que meu primo prometeu atuar com justiça e com indulgência. — Sim, eu já conheço as promessas de Argyll — burlou ela. — Será tão justo como com o Alasdair MacGregor? Convenceu-me para que os entregasse, para que Argyll também possa matá-los a eles? Ele a levantou da cadeira e a atraiu para si, com uma expressão sombria de ira logo que contida. Caitrina notou a tensão de todos seus músculos e o calor que irradiava seu corpo. — Maldita seja, Caitrina, você sabe que eu não tive nada que ver com isso. — Não? — Ela apartou a cabeça bruscamente; negando-se a olhá-lo. — Eu já não estou segura de nada. Jamie não disse nada, embora pelo detestável batimento do coração do pulso em seu pescoço se notava que estava furioso. Mas a Caitrina não importava. Queria que se sentisse tão ferido e traído como ela. — Adverti-te uma vez que não interferisse em meu dever — repôs ele por fim, em tom grave e severo. Caitrina o recordava: foi quando capturou a guarda de seu pai. — Isso era distinto. — Sim? Disse que confiava em mim. E acredito que até disse que me queria não faz nem sequer muitas horas. Como se atrevia a lhe jogar em cara seus sentimentos dessa maneira! — Não é tão singelo.

324


—A verdade é que sim o é. — Jamie elevou o queixo dela para obrigá-la a olhá-lo. — O amor não pode ser pela metade, é tudo ou nada. Ou confia em mim, e em minhas decisões, ou não. Pedia-lhe muito. Caitrina notou que começavam a arder os olhos. — E você o que sabe? Você, sempre tão distante, você, que não necessita a ninguém. O que sabe você do amor? — Sei muito — replicou ele, e sua voz estalou como um látego. — Embora agora mesmo eu gostasse não saber nada. O coração da Caitrina se deteve um instante antes de começar a martelar com fúria. Olhou-o à cara, procurando uma greta naquela fachada implacável. — O que está dizendo? — Maldita seja, Caitrina é que não sabe o muito que te quero? Tanto que faria quase algo por ti. Mas não posso trocar quem sou. Por um momento ela saboreou uma irreprimível explosão de alegria; queria-a! Aquelas palavras que tanto desejava ouvir... Mas não assim. Supunha-se que quando confessassem seu amor seria um momento perfeito, um momento de cercania e intimidade sem igual. Não tinha que fazê-la sentir-se mais insegura, nem tinha que ser uma declaração feita com fúria e frustração. Em lugar de uma declaração, aquilo parecia um ultimato. Pestanejando para evitar as lágrimas, apartou a cabeça. — Quem dera pudesse acreditá-lo. — Pode acreditá-lo. — Ele voltou a lhe elevar o queixo para examinar a ferida enfaixada e assegurar-se de que não estava sangrando. — Não imagina o que senti ao verte com uma adaga ao pescoço. Não tive tanto medo em minha vida. Podia te haver perdido. — Não é nada, um arranhão. Ele esticou a mandíbula. — Jamais devi deixá-la ir, era muito perigoso. — Precisava estar ali, precisava explicar a situação. 325


— Seus irmãos o entenderão. — Como pode dizer isso? — Porque estou seguro de que tudo sairá bem. Ela elevou a cabeça. — Pois eu não compartilho sua segurança. É a vida de meus irmãos o que está em jogo — espetou com a voz carregada de emoção — Acabo de recuperá-los. Por favor, não me arrebate isso outra vez. — Não vou arrebatar — replicou ele com exagerada paciência, pronunciando as palavras com cuidadosa precisão. Era evidente que estava ao bordo de estalar. — Estou tentando protegê-los. — Como? —perguntou ela incrédula — Detendo-os? — Enquanto estejam sob minha custódia, Colin não pode fazer nada. Se limpo seus nomes, estarão para sempre fora de seu alcance. Preferiria que não fizesse nada e que meu primo se visse obrigado a enviar seus homens contra eles? Seu irmão é um proscrito; não pode ficar aqui indefinidamente. Ao final terá que enfrentar às conseqüências de seus atos. Caitrina sentia como se estrelasse contra as rochas. A lei. O dever. Sempre o mesmo. — É isso o único que te importa a lei? — perguntou olhando-o aos olhos, sabendo de onde provinha sua rígida adesão à lei e à ordem. — Você não é seu irmão, Jamie. — Não faça mal a meus para enterrar a lembrança do teu. Ele deu um coice ante aquela referência ao Duncan. Seus olhos jogaram faíscas e ela se perguntou se teria ido muito longe. — Você não sabe nada do que aconteceu com Duncan. Isto não tem nada que ver com meu irmão, só com os teus. Pensei que queria que Ascog voltasse para mãos de Niall. — Assim é. 326


— Pois isso só pode acontecer com a ajuda de meu primo. Caitrina não queria escutar suas justificações, embora encerrassem parte de verdade. — É muito logo — insistiu teimosamente. — Estou-te pedindo que confie em mim. Se fosse tão singelo... — E confio em ti; de quem não confio é de seu primo. E depois do que te tem feito, não posso acreditar que você ainda confie nele. Por Deus bendito, e se te equivoca? — Não me equivoco. Caitrina advertiu a absoluta segurança de seu tom, mas não era suficiente. — Bom, pois é um risco que eu não estou disposta a correr. Ele a olhou fixamente a seus olhos azul piçarra, duros e implacáveis. — Temo-me que isso não está em suas mãos. Jamie sabia que suas palavras tinham sido muito duras, mas Caitrina tinha que assimilar a situação. Cegava-se em todo o referente a Argyll, o qual era talvez compreensível, mas se ela pretendia salvar seu matrimônio, precisava aceitar sua lealdade para com seu primo. Como podia dizer que o queria e que confiava nele, e de uma vez pensar que tinha entregado sua lealdade a um monstro? Jamie tinha acreditado que começava a ganhar sua confiança. Caitrina estava equivocada quanto ao Duncan, mas de todas as formas sua acusação tinha doído. Tinha que sair dali. Ninguém podia atravessar suas defesas como ela, pois tinha uma habilidade assombrosa para fazê-lo sentirse vulnerável e exposto, para fazê-lo perder o controle. Não deixava de avivar sua ira com suas recriminações e sua falta de confiança. Que mais podia fazer ele para demonstrar sua integridade? Havia-lhe dito que a amava, mas, ao parecer, apenas o tinha escutado.

327


Tinha a certeza de estar fazendo o correto, embora não por isso eram surdo a suas súplicas. De todas as formas já não sabia de que outra maneira explicar a situação. — Por favor — insistiu ela com olhos suplicantes. — Se te importar embora seja um pouco, não faça isto. Jamie notou que lhe retorciam as vísceras. A necessidade de agradá-la era quase irresistível. Morria por estreitá-la entre seus braços e amá-la até que ela voltasse a sorrir, até que seus olhos se abrandassem de ternura. Caitrina se inclinou para ele e o roçar inocente de seus seios avivou sua ardente voracidade. Jamie notou que seu sangue fervia, tanto pelo calor da discussão como pelo medo ter estado a ponto de perdê-la na cova. A necessidade que sentia por ela bramava nele como uma tormenta, o alagando de um calor líquido. Teve que controlar o impulso de pôr fim à discussão da forma mais básica, porque sabia que isso não resolveria nada. Mas, maldição, esteve a ponto de fazê-lo. O que tentava ela? Era isso o que se supunha que era o amor, uma emoção que o rasgava, atirando dele em direções opostas? Era aquele amor desejo de arrancar a pele a tiras de pura exasperação? Se o era, não o fazia nenhuma falta. — Que se me importa? Mas é que não escutaste nada do que hei dito? Quero-te, Caitrina. Você crê que desejo te fazer dano? Os olhos dela brilhavam com lágrimas que não chegava a derramar. — O que acredito é que não importa a quem faça mal. Talvez seja certo o que dizem de ti, que é um Açoite implacável sem coração. Esta vez o dardo alcançou o objetivo e Jamie estalou. A fúria que com tanto cuidado tentava controlar ondulava como um estandarte em uma tormenta. Puxou ela para ele, sem saber muito bem o que ia fazer. — Depois de todos estes meses... de verdade é isso o que pensa? Caitrina pareceu dar-se conta de que tinha ido muito longe. 328


— Não é o que quero pensar, mas o que outra coisa eu posso acreditar se não quer atender a razão? — Estou te escutando, mas não posso ignorar meus deveres e minhas responsabilidades. — E seu dever e sua responsabilidade para mim? Acaso eu não importo? Com ela tudo seguia sendo muito simples; tinha-o sido desde o começo. Caitrina jamais entrava além da superfície. — É obvio que sim. — Jamie a soltou e retrocedeu um passo. Desse modo não chegariam a nenhuma parte. Perguntou-se se algum dia seriam capazes de atravessar a barreira que havia entre eles. Queria pensar que o amor seria suficiente, mas começava a temer que não o fora — Disse que não queria que te tratasse como a uma menina, Caitrina. Queria ver o mundo real com todas suas complexidades, onde as decisões não são sempre entre o branco e o negro e onde a lealdade pode estar dividida. Pois bem, aqui o tem. Já sei que agora mesmo não o entende, mas faço isto por ti. Ela moveu a cabeça; o queixo tremia. — Por mim? Equivoca-te se tenta te convencer de que faz isto por outra pessoa que não seja você mesmo e seu precioso dever para com seu primo. Não sente saudades que tenha estado tão sozinho, porque nada pode interpor-se entre vós. Jamais entenderei como pode fazer isto e dizer que me quer. Ele apertou os dentes, lutando por manter a calma, mas era uma batalha perdida. — Uma coisa não tem nada que ver com a outra. — Certamente que sim. Está escolhendo seu dever para com seu primo por cima de seu amor por mim. — Por Deus bendito, o que quer de mim? — saltou ele. — Todo você — respondeu ela, olhando-o nos olhos. — E se te pedisse que escolhesse entre nós? Escolher-me-ia, Jamie? 329


Ele olhou um momento, furioso com seu jogo. — E não está você escolhendo a seu irmão proscrito por cima de mim? E se te expuser eu a mesma alternativa: seu irmão ou eu? Tal como esperava, recebeu aquele ultimato em silêncio. Era uma eleição impossível para qualquer dos dois. Nem a vida nem o amor eram tão simples, e se ela não podia entendê-lo, ao inferno, contudo. Jamie tinha esperado não chegar até esse ponto, tinha acreditado em que não pediria algo que ele não podia lhe dar, que o amasse o suficiente para confiar nele no referente a seus irmãos. Estava farto de pedir sua confiança, e não sabia muito bem qual era a situação naquele momento. Sentia-se tenso como a corda de um arco a ponto de disparar a flecha, e não confiava em si mesmo para ficar ali nem um momento mais. —Parece, pois, minha querida esposa, que estamos em um ponto morto. E depois de lançar um largo olhar, deu meia volta e encaminhou para a porta.

330


Capítulo 22 O pulso de Caitrina acelerou por causa de um súbito pânico. Estava disposto a abandoná-la, pensou desesperada. Tinha que fazer algo para evitá-lo. — Jamie! Ele se deteve ante a porta, mas sem voltar-se, com as costas rígidas e gesto decidido. Caitrina, sentindo-se de súbito impotente, retorceu as mãos um instante, até que recuperou a compostura. Não era impotente. Não tinham sobrevivido os últimos meses para deixar que agora todo se fizesse pedacinhos. Não permitiria que a situação chegasse até esse ponto. Não queria perder Jamie, igual a não queria perder a seus irmãos. Seguro que podiam encontrar um terreno comum. — Por favor, não vá. Assim não. Ele se voltou devagar para ela. — Estou cansado de discutir contigo, Caitrina. Deixa-o correr, antes que os dois digam algo do que logo nos arrependamos. Ela pôs-se a andar para ele e se deteve quando já estava tão perto que notava o calor que emitia seu corpo, como uma tormenta de fogo a ponto de estalar para envolvê-la em seu sensual abraço. Sentia um formigamento por todo o corpo como sempre que estava tão perto dele, desejando o bálsamo de suas carícias. Queria passar as mãos por seu largo peito, sentir o quente veludo de sua pele sobre os duros músculos esculpidos. Jamie estava gravado em sua mente e em seu corpo, e todos seus instintos clamavam pela intimidade que compartilhavam, por refugiar-se naquela funda conexão que não podia ser negada.

331


— Eu tampouco quero discutir contigo. — Quero que me abrace, quero que me diga que tudo irá bem. Inclinou-se para ele, afogando seus sentidos em seu sensual aroma masculino. Ficou nas pontas dos pés e o rodeou pelo pescoço com os braços. — Não tem por que ser assim. Ele se mantinha tenso, mas Caitrina notou que seu corpo reagia ao contato. A paixão, a contenção e a ira ardente crepitavam entre eles. — Não? — Não. Eu te quero, e se você me quer... — Quero-te, maldita seja — grunhiu ele. — E não sabe quanto. Todos seus músculos se esticavam de pura contenção, embora notasse que estava a ponto de estalar. As aletas de seu nariz se alargaram quando ela aproximou a boca a milímetros da sua. Odiava vê-lo assim: o guerreiro frio e implacável, o homem que não necessitava a ninguém. Caitrina desejava que a necessitasse, tanto como ela a ele. Ansiava deslizar a boca por seu duro queixo até suavizá-lo com o desejo, passar a mão pelos rígidos músculos de seu ventre até chegar à grossa coluna de sua virilidade e fazê-lo gemer. Mas em lugar disso alisou com a mão a suave lã de seu breacan feile (N.T. o xadrez com cinto de segurança), advertindo que os azuis e cinzas do tartán faziam jogo com seus olhos. E uma vez mais fixou na insígnia Campbell com a que o sujeitava: a cabeça do javali, como um aviso de tudo o que se interpunha entre eles. Por que tinha que ser tudo tão complicado? Talvez não tivesse que sê-lo, talvez em seus braços todo ficasse claro, talvez ele visse que nada devia interpor-se entre eles. Talvez se soubesse quanto o amava... Às vezes as palavras não bastavam. — Então me demonstre isso — sussurrou ela. — Por favor. Fundiu-se contra ele, com os seios apertados contra seu peito, e ele gemeu, pregou a boca à sua e a paixão explodiu entre os dois, ardente e veloz como um raio. 332


Levavam muito tempo apartados e seus movimentos se regiam por uma primitiva urgência, como se ambos lutassem por agarrar-se a algo que estivesse em perigo de desaparecer. Ela devolveu o beijo com idêntico ardor, abrindo-se para recebê-lo profundamente na boca. Seu quente e delicioso sabor a alagou de calor e de ânsia. A angústia e a ira de um momento atrás desapareceu no irresistível embate do desejo. Ele deslizou a mão por suas costas até abranger brandamente suas nádegas, elevando-a e pegando-a a ele enquanto se afundava cada vez mais em sua boca. Ela notou o fogo entre as pernas, provocado pelo contato de sua dura coluna de aço. Os joelhos dela falhavam. Aferrou-se a seus ombros, sentindo sob os dedos a tensão da paixão. Ele a beijava com fúria, possuía-a com as mãos. Tocou os seios, e os mamilos se endureceram contra a cálida pressão da palma. As línguas batalhavam exigentes; ela devolvia cada carícia, sem reservas. Caitrina resfolegava, suas ânsias estavam já fora de controle, e ele gemia em sua boca com cada voraz investida da língua. Elevou-lhe a perna em torno da cintura, afiançando-a com mais firmeza contra sua ereção. Deus, era maravilhoso. Caitrina o sentia duro e pleno. Seu corpo palpitava ali onde se tocavam. A pressão era quase insuportável. Desejava esfregar-se contra ele até saciar um pouco aquela dilaceradora necessidade. Ele deslizou a boca por seu pescoço, tomando cuidado com a atadura, deixando atrás de sua esteira um atalho de fogo. A umidade de seus lábios, o calor de seu fôlego, o leve toque de sua língua a deixavam arrepiada e a sacudiam os calafrios. Tinha todas as terminações nervosas de ponta, de maneira que cada carícia parecia mais intensa que a anterior. E quando notou a língua sob o decote, rodeando o mamilo erguido de úmido calor, pensou que se desfazia. Jogou atrás a cabeça, completamente abandonada, e ele sugou o mamilo enquanto, com ternura, apertava o peito com a mão. Ela 333


lançou um grito, atravessada pela ardente lança do desejo, e se desabou contra ele sem forças. Jamie a elevou no ar e a levou para a cama. Ela entrelaçou as mãos em torno de seu pescoço e apoiou a cabeça em seu tartán, tentando recuperar o fôlego. Logo se afundou no colchão de plumas enquanto ele se inclinava sobre ela e cravava em seus olhos um olhar sombrio e brumoso de paixão. — Está segura? Como podia perguntá-lo sequer? Caitrina tomou a cara entre as mãos para dar um suave e lento beijo nos lábios. — Não quero que duvide jamais do muito que te quero. Não quero que nada se interponha entre nós. Jamie esboçou um sorriso que iluminou os olhos. — Nada se interporá, meu amor. A felicidade estalou nela para ouvir justamente o que desejava: um acordo. Sabia que ao final cederia. Agora que nada se interpunha entre eles, Jamie tirou rapidamente a roupa e logo a despiu. Caitrina não o deixou deter-se para olhá-la, como ele queria, mas sim o puxou até tê-lo em cima dela. Jamie tentou automaticamente ficar a seu lado, mas ela o impediu. — Não, quero te sentir. Sentir-te inteiro. — Os medos latentes não tinham lugar em sua cama. Ele a beijou brandamente nos lábios, olhando-a intensamente. — Está segura? Por toda resposta, Caitrina deslizou as mãos por seu largo peito, agarrou seus fortes ombros e puxou de novo ele até senti-lo pele contra pele. A sensação de seu peso em cima era incrível; a pressão deliciosa. Toda a pele ardia ali onde se tocavam, ambos fundidos em um lago de fogo líquido.

334


Ele a beijou, e emitiu um fundo grunhido que Caitrina notou ressonar em seu próprio peito. Era o som do prazer puro e uma emoção profunda que a chamava da maneira mais primitiva. Suas bocas se encontraram de novo em um comprido e lânguido beijo. Ele a tentava com seus lábios suaves enquanto sua língua explorava escuros rincões. Seus corpos se esfregavam provocando uma voragem de paixão. Todo o corpo de Caitrina estava úmido, consciente da grossa e dura ereção que palpitava contra seu ventre. Incapaz de se dominar, aferrou-se a suas costas, a seus ombros, a suas duras nádegas, o desejando mais perto, o desejando dentro dela. Jamie não desejava outra coisa que penetrá-la profundamente e aliviar aquela ânsia, mas não queria precipitar-se. Preferia saborear cada instante. Com suas palavras de compreensão, Caitrina tinha apaziguado todos seus escrúpulos. O importante era seu amor, nada mais. Sua confiança chegava ao coração, e foi um alívio que ela reconhecesse a verdade antes que fosse muito tarde. Percorreu com os lábios sua boca, seu queixo, seu pescoço. Acariciou a tenra e suave pele de seus quadris. Adorava senti-la debaixo dele, com seus duros mamilos cravados em seu peito e o púbis aveludado junto à cabeça de sua verga. Era irônico: faziam amor inumeráveis vezes, mas jamais naquela posição, a mais básica. Parecia o último voto de confiança. Era muito consciente de como Caitrina era pequena e vulnerável, mas como se ela pretendesse dissipar essa noção, elevou para ele os quadris em silencioso rogo. O sangue ferveu em sua palpitante ereção e acariciou com ela a cálida fenda, provocando-a. Tomou na boca um mamilo rosado, chupando e sugando até que ela se agitou embaixo dele. Toda sua pele tinha sabor de mel e a calor. Forçou a relaxar-se,

335


deslizando as mãos por seu ventre, por suas coxas, até a suave cara interna. Roçou-a então com o polegar e ela estremeceu. Estava cálida e suave, gemendo por suas carícias, esticando-se de pura impaciência. Jamie deslizou o dedo pela escorregadia fenda, até que ela abriu mais as pernas. Olhou-a então aos olhos, enquanto percorria com a boca a pálida curva de seu ventre. Seus olhos transbordavam de desejo e ofegava ante a idéia do que ia fazer ele. Jamie morria por inalar seu calor, por afundar a língua em suas profundidades. Por fim, com as duas mãos sob seus quadris, elevou-a para sua boca, e sem deixar de olhá-la pressionou os lábios contra seu centro, acariciando a delicada pele rosada, ouvindo seus gritos de prazer. Saboreou sua umidade e afundou a língua em seu interior. Adorava vê-la possuída pelo êxtase, com a cabeça para trás, as costas arqueada e seus voluptuosos lábios vermelhos entreabertos a cada ofego. Caitrina pressionou os quadris contra sua boca, encontrando o ponto perfeito do prazer, e o alívio estalou nela em ondas palpitantes. Era muito. Jamie apartou a cabeça para colocar-se sobre ela. Baixou a vista até seus corpos: o seu duro e rígido, o dela suave e flexível. Penetrou-a devagar e começou a investir com lentos e fundos movimentos. Ela enroscou as pernas em torno de sua cintura e elevou os quadris enquanto o ritmo de seus movimentos se fazia tão frenético como o pulsar de seus corações. Jamie se entregou à chamada primitiva, envolto em chamas. O corpo de Caitrina era escuro e suave, e o absorvia, agarrando o dele cada vez que se apartava. Fechou os olhos ao notar crescer a tensão e ouviu os gritos de prazer dela justo quando o seu estalava do mais fundo de seu ser, e o amor que sentia por ela brotou de seu corpo em uma poderosa explosão que parecia surgir da alma.

336


Quando se dissipou o último tremor, só pôde deixar cair a seu lado, tentando recuperar o fôlego e encontrar palavras que expressassem a felicidade que sentia. Tombou-se de flanco para poder olhá-la, com o peito cheio de amor. Ela ainda ofegava um pouco, tinha as bochechas avermelhadas e os lábios vermelhos e um pouco inchados de tantos beijos. Jamie apartou uma mecha de cabelo enredado em suas densas pestanas e ela esboçou um sorriso abrindo os olhos um instante. — Me alegro tanto de que tenha decidido não seguir adiante com isto — murmurou sonolenta. Caitrina, sem ser consciente de que ele havia se posto tenso a seu lado nem de que acabava de cravar uma adaga no coração dele, caiu em um sonho feliz e satisfeito.

337


Capítulo 23 Caitrina despertou sobressaltada para ouvir ruídos sob sua janela. Por Deus, que hora era? Deu um par de voltas na cama e ficou o travesseiro na cabeça para sossegar o estrépito. Ainda tinha sonho, mas algo parecia inquietá-la, impedindo que voltasse a dormir. Abriu os olhos na habitação em penumbra, mas não necessitava a luz para saber que estava sozinha. Às vezes parecia que era tão consciente dele como se convertesse em uma parte dela mesma, tão vital como o ar ou o alimento. E quando não estava, sentia sua ausência tão profundamente como se lhe faltasse um membro. Franziu o cenho, perguntando-se o que o teria tirado da cama tão cedo. Estirou os braços e voltou a colocá-los de novo sob o acolhedor calor das mantas. O frio do amanhecer deu procuração dos grossos muros de pedra da torre e não os deixaria facilmente. O fogo da chaminé estava apagado de tudo. E compreendeu que Jamie tinha saído há muito tempo. Um lento sorriso apareceu em seu rosto ao recordar o acontecido a noite anterior. Jamie normalmente era inflexível, e ela estava aterrava de não ser capaz de dissuadi-lo de levar Niall ao Dunoon. Mas ao final o amor tinha vencido. O ruído de vozes e cavalos dirigiu sua atenção ao que tinha perturbado seu sonho: algo passava no barmkin (N.T. - pátio de um castelo) Voltou a tombar-se e contemplou um momento o teto de madeira, mas ao final a curiosidade venceu e, depois de um fundo suspiro, apartou as mantas e se preparou para sentir o impacto do chão frio nos pés descalços. Não 338


serviram de nada as preparações: apesar de tudo, deu um salto e lançou um grito. Agarrou sua bata e pôs suas sapatilhas caminhando sobre o chão de madeira, tão quentes e acolhedores como um lago congelado. Gelada até os ossos vestiu-se tão depressa como pôde com os dedos rígidos e intumescidos, jogou um tartán sobre os ombros e se precipitou para a janela. Limpou o bafo com o punho e olhou para o barmkin. Os primeiros raios de sol começavam a aparecer no horizonte, e uma fria e brumosa chuva empanava o céu. Por um momento se sentiu envolta nessa névoa, enquanto contemplava a cena: homens vestidos para a batalha no pátio de armas, preparados para sair a cavalo. À frente da procissão ia seu marido, sobre seu grande corcel negro, com o peitilho chapeado brilhando sobre a jaqueta amarela. O punho de sua espada claymore, incrustada de gemas, cintilava a suas costas como um farol. O coração dela acelerou ao compreender o que acontecia, e pouco depois seus medos foram confirmados quando tiraram da torre Niall e o resto da guarda de seu pai. Não queria acreditá-lo, e por um instante ficou ali imóvel: Jamie a tinha traído. Pensava seguir adiante com seu plano. Mas depois do que tinham compartilhado... Tinha-lhe prometido... ou não? Sem perder um segundo mais, saiu correndo do dormitório, baixou a escada e atravessou o grande salão até sair da torre justo quando os homens começavam a atravessar as portas da muralha formando uma larga fileira. — Esperem! — gritou. Jamie se deteve ao ouvir sua voz, mas ordenou a seus homens que seguissem adiante. Caitrina pôs-se a correr para ele. As gotas de chuva caíam sobre seu rosto como diminutas agulhas. Chegou à porta justo quando Niall estava a ponto de atravessá-la. Alheia aos outros, agarrou-lhe a perna, obrigando ao homem que conduzia a seu irmão a deter-se para não esmagála.

339


— Niall... — Olhou-o com o rosto sulcado de lágrimas, com um nó na garganta que quase a impedia de falar. — Sinto-o muito. Tem que me acreditar, eu jamais quis que acontecesse isto. — Solta-o, Caitrina — ordenou Jamie em um tom de voz inexpressivo. — Não passa nada, Caiti — quis tranqüilizá-la Niall, apartando com cuidado a mão de sua perna e do estribo. Deu-lhe um apertão, mas teve que soltá-la quando instigaram ao cavalo para que continuasse adiante. — Cuida de Brian. Ela girou para seu marido, que tinha se aproximado dela a cavalo com uma expressão dura, inflexível e implacável: o Açoite Campbell da cabeça aos pés. — Como pode fazer isto? — gritou Caitrina. — Acreditei que tínhamos chegado a um acordo. — A emoção amontoava quente na garganta. — Fizemos o amor. — Olhou-o nos olhos, mas só viu a cortina de aço do dever. — Disse que me queria. Ele não apartou o olhar. — Eu também pensava que tínhamos chegado a um acordo, mas parece que nós dois nos equivocamos. Você confundiu meu amor por você com minha submissão a sua vontade, e eu confundi seu método de persuasão com emoção autêntica. Caitrina demorou um momento em entender o que queria dizer. Horrorizada, abriu os olhos como pratos. — Equivoca-te. — Não o tinha planejado, não tinha seduzido-o para tentar convencê-lo. — Eu não faria isso. — Mas enquanto negava com veemência a acusação, perguntou-se se em parte seria verdade. Estava desesperada, procurando qualquer prego ardendo ao que agarrar-se. Tinha acreditado inconscientemente em seu desejo por ela? Não. — Ah, não? — perguntou ele olhando-a fixamente. — Dá no mesmo. Como vê, não deu resultado.

340


Caitrina olhou fixamente a coluna de homens e cavalos que galopavam por volta do mar levantando seu passado uma nuvem de barro e folhas e voltou a olhar para Jamie; seu rosto mostrava uma expressão decidida e inflexível. Seus piores medos tornaram realidade. A felicidade que com tanto cuidado havia tentado reconstruir desabava em torno dela. E agora poderia voltar a perder a seu irmão. Tinha acreditado em Jamie, e ele tinha falhado. Apoderou-se dela uma ira nascida da impotência. Não podia pensar quão único queria era evitar aquilo. — Jamais te perdoarei isto — jurou com a voz carregada de emoção. Só ficava uma coisa, uma luva mais que lançar. — Se for agora, se te levar a meu irmão, não quero voltar a ver-te nunca mais. E quase antes que as palavras saíssem de sua boca, arrependeu-se de havê-las pronunciado. Mas o ultimato já pendia entre eles, e a emoção que viu nos olhos de Jamie abriu uma brecha no coração. Queria pensar que não seria capaz de fazê-lo, mas no fundo sabia que seguiria adiante. Já tinha advertido-a que não se interpusesse de novo entre seu dever e ele, e era justo o que acabava de fazer. Jamie cravou o olhar nela, mas ela não voltou atrás. Por fim ele inclinou a cabeça. — Como queira. — E sem mediar palavra, deu a volta a seu cavalo e saiu galopando sem olhar atrás. Talvez aquilo fosse o que mais doeu, que depois do que tinham compartilhado pudesse deixá-la desse modo, sem um momento de vacilação ou de remorso, quando todo seu mundo se havia feito em pedaços. Jamie não voltaria. Para salvar a seus irmãos, Caitrina tinha jogado o coração. E o tinha perdido. Já não podia fazer nada; era muito tarde. Niall tinha partido, junto com o único homem ao que poderia amar jamais. A desolação a fendeu como uma faca, provocando uma angústia insuportável. Parecia que estavam arrancando o coração e teria querido verter sua dor em uma corrente de pranto, mas as 341


lágrimas já não supunham nenhum alívio. Viu-os partir com os olhos secos, até que as costas de seu marido, erguidas e orgulhosas, desapareceram ao longe. Acabou. Um soluço entupiu na garganta dela. Outra vez não. Não poderia suportá-lo. Jamais teria imaginado que voltaria a sentir aquela dor. Jamais teria imaginado que chegaria a sentir-se tão sozinha. O amor tinha fracassado. Caiu de joelhos no barro com a cabeça encurvada, até que uma incômoda pontada atravessou sua dor. Ou era ela a que tinha fracassado? Jamie se forçou a olhar à frente enquanto afastava do Rothesay, pois sabia que demoraria muito tempo em voltar. Tinha necessitado até a última reserva de suas forças para partir e ignorava quando se atreveria a voltar e ver sua mulher. Seria impossível estar perto dela: a atração era muito forte. Era mais fácil romper qualquer conexão. Como se fosse fácil arrancar o coração. Sentia no peito um vazio mais doloroso que qualquer ferida sofrida na batalha. Esticou a mandíbula, endurecendo-se contra o embate da dor e a perda. Certamente era toda uma ironia que um homem virtualmente invencível no campo de batalha tivesse sucumbido a um pouco tão comum como as emoções. Deveria ter evitado qualquer tipo de relação, como tinha feito com as amizades. Um homem de sua posição estava melhor sozinho. Arriscou-se com Caitrina, esperando que fosse diferente, mas tinha sido um engano. A decepção corria como ácido no estômago. Tinha desejado com todas suas forças acreditar que chegariam a se entenderem, mas tinha confundido o sexo com a confiança e o amor. Talvez não o tivesse feito conscientemente, como ao princípio pensou — sua expressão de surpresa tinha parecido muito autêntica, — mas era evidente que Caitrina não tinha feito o amor com ele como sinal de confiança.

342


Pelo visto ela também tinha chegado a suas conclusões. Tinha sido necessário aquele ultimato para que Jamie compreendesse por fim que, por muito que o tentasse, jamais conseguiria convencê-la para que confiasse plenamente nele. Tinha esperado que uma vez que chegasse a lhe conhecer... Não. Seus clãs, seus sobrenomes sempre se interporiam entre eles. Caitrina jamais saberia ver além de seu nome e de sua reputação. Estava melhor sozinho. Sempre deveu estar sozinho. Pelo visto o amor não era suficiente. Para um homem que não deixava lugar à derrota, era difícil assimilar o fracasso, sobretudo em algo pelo que tanto tinha lutado. — Minha irmã pode ser muito teimosa. Jamie girou para ver Niall Lamont, que ia sentado no birlinn (N.T. – tipo de barco) junto a ele, observando-o. E a julgar por sua expressão pensativa, provavelmente tinha visto mais do que Jamie teria desejado... — Sim — se limitou a responder, afundando o remo na água. Niall não podia remar porque tinha as mãos atadas, de maneira que se havia posto cômodo, estirando as pernas e reclinando-se contra o bordo do assento de madeira detrás dele, adotando uma pose relaxada que não era absolutamente a própria de um prisioneiro... — É que está assustada. Estou seguro de que não queria dizer tudo o que disse. — Pois eu estou seguro de que queria dizer todas e cada uma de suas palavras — replicou Jamie olhando-o à cara. — Pensa que a traí ao te levar para Dunoon para que dê conta de seus crimes. Niall arqueou uma sobrancelha. — E a reprova? Seu primo não é precisamente conhecido por sua compaixão para os proscritos. Nem você tampouco, por certo...

343


Jamie não podia negá-lo. Mas o mero feito de que pedisse a seu primo que intercedesse a favor de Niall deveria ter deixado claro o muito que Caitrina significava para ele. Ele teria gostado de pensar que ela o conhecia melhor, que sabia que embora não fora conhecido por sua compaixão, sim era capaz de senti-la. Argyll teria que agüentar a pressão de Colin, mas Jamie estava seguro de que ao final Niall Lamont e seus homens escapariam da corda do verdugo. Talvez a seu primo não fizesse graça, mas manteria sua palavra. — Eu não lhe pedi que confiasse em meu primo. — Está seguro? Jamie refletiu um momento sobre aquela pergunta retórica. — Você sim parece confiar em minha promessa de clemência. Niall encolheu os ombros. — Que remédio fica? Mas se estivesse em jogo a vida de minha irmã ou de meu irmão, asseguro-te que a questão seria muito distinta. Jamie teve que admitir a contra gosto que talvez o Lamont tivesse razão. Caitrina não conhecia o Argyll como ele, e o que sabia de seu primo não inspirava justamente muita fé em sua moderação. Mas havia algo no que havia dito Niall que o inquietava, pensou olhando-o. Em sua voz se percebia o tom de um homem a quem não importa viver ou morrer, de um homem que perdeu a fé no mundo. Jamie recordou o que Niall tinha contado da violação de sua amada. Não podia nem imaginar o que devia estar sentindo. Se alguém tivesse feito mal a Caitrina dessa maneira... Todo seu corpo ficou ao vermelho vivo de ira. Observou o rosto estóico de Niall, e reconheceu aquela fúria que fervia sob a superfície, uma fúria que podia incitar a qualquer um a violar a lei. Pela primeira vez Jamie se deu conta de que havia situações que podiam levar a um homem a procurar a justiça por sua própria mão, à margem da lei. E tinha sido seu próprio irmão quem o tinha levado a esse extremo. Duas vezes.

344


Odiava pensar que Colin fora capaz de cometer tal brutalidade contra uma mulher, mas sabia que seu irmão não o veria desse modo. Para ele seria despojos de guerra, uma maneira de envergonhar a seu inimigo. E muitos homens estariam de acordo com ele. Mas não Jamie. — Posso compreender sua raiva, mas por que os MacGregor? Por que te aliar com eles? Certamente sabe que não têm nenhum futuro. O rei não os perdoará nunca a matança do Glenfruin. — A mulher que mencionei... Jamie assentiu solene, o incitando a continuar. — Chama-se Annie MacGregor. Jamie lançou uma maldição. — Já sei que alguns MacGregor foram às vezes... — Niall pigarreou — digamos que não muito respeitosos com a lei. Mas que eleição tinham, tendo sido expulsos de suas terras, sem um lugar aonde ir? Eu também sofri o golpe de uma espada Campbell. Jamie esticou a mandíbula. O assunto das terras era a raiz da intermitente guerra entre os Campbell e os MacGregor que já durava centenas de anos, desde que o rei Roberto de Bruce tinha outorgado aos Campbell a baronia do Lochawe, que incluíam muitas das terras dos MacGregor. — Os MacGregor ainda reclamam umas terras que perderam faz já trezentos, anos. Em algum momento terão que aceitar que não vão as recuperar. Eu entendo sua situação, mas a guerra, o roubo e a pilhagem não são a resposta. — E que recurso fica? Não pode atacar a uma serpente e esperar que não remoa. Niall tinha parte de razão, embora isso não servisse de nada aos MacGregor. Naquele momento nem sequer a lei podia ajudá-los... — Isso não trocará sua sorte. Ainda terão que pagar pelo que aconteceu no Glenfruin. 345


— Igual a meus homens e eu pagaremos por atacar a seu irmão. — Eu me encarregarei de que recebam justiça. — Tendo em conta o papel do Colin no sofrimento da garota MacGregor, talvez fosse adequado que a justiça proviesse de Jamie... Justiça. O que era justo nesse caso? Jamie sempre tinha identificado a justiça com a lei, mas nessa ocasião a resposta não era tão clara. Niall Lamont não o tinha tido fácil, e as decisões que tinha tomado eram compreensíveis naquelas circunstâncias. Jamie recordou a acusação de Caitrina. Acaso a traição de Duncan tinha sido o motivo de sua rigidez em sua concepção do bem e o mal? Jamais tinha questionado a culpa de Duncan, mas agora se perguntou se talvez devesse fazê-lo. Precipitou-se ao julgar a seu irmão maior? A questão dava que pensar e tinha implicações muito mais profundas das que Jamie queria contemplar. Niall o observava. — Sabe? Eu quase te acredito. — Jamie esteve remando um momento mais antes que Niall voltasse a romper o silêncio: — Dê-lhe tempo. Jamie o olhou com suspicácia, perguntando-se quais seriam seus motivos para falar desse modo. — E a ti que mais te dá? Pensava que te alegraria de que sua irmã se livrasse de mim. — Tem razão. Certamente é o último homem com o que quereria ver casada a minha irmã. Mas não estou cego. Vi o que sente por ti, e quero que seja feliz. Jamie assentiu com a cabeça. Era o que queria ele também, mas não sabia se seria capaz de fazê-la feliz. Porque por muito que dissesse seu irmão, era Caitrina quem precisava acreditar nele.

346


Capítulo 24 Caitrina demorou menos de uma hora em decidir-se. Não ficaria de braços cruzados enquanto arrebatavam a seu irmão uma vez mais, e menos se estava em sua mão fazer algo. Se Jamie não atendia a razões, só ficava uma pessoa a quem apelar. Chiaram os dentes tentando dominar seu desgosto. — Está segura, Caiti? — Mor a olhou nos olhos pelo espelho enquanto dava os últimos toques a seu penteado. Caitrina deu um coice ao ver-se, surpreendida ante a transformação que tinham suposto um vestido novo e umas quantas forquilhas. Por um momento foi como olhar ao passado, mas a mulher que aparecia no espelho não se parecia em nada com a da primavera anterior que pôs aquele formoso vestido e tinha conhecido a um bonito cavalheiro em um reino mágico. Aquele reino tinha desaparecido para sempre, se é que alguma vez existiu. Um olhar um pouco mais profundo não demoraria em perceber as mudanças: aquela menina era agora uma mulher que sabia o que significava perder tudo e encontrar forças para viver e amar de novo. Teria dado algo por recuperar a seu pai e a seu irmão, mas já não queria ser a menina ingênua e mimada de antigamente Jamie jamais tinha ocultado a verdade dela, mas sim a tinha tratado como igual. Agora que não estava cega ao que acontecia a seu redor, encontrava a vida mais complicada, mas também mais intensa e significativa. Deslizou a mão pelo denso veludo azul prateado do sutiã e esboçou um sorriso. Uma coisa não tinha trocado: ainda apreciava um vestido formoso. Tinha enviado Mor ao povoado com o dinheiro que Jamie tinha dado para 347


comprar um vestido novo, se é que podia encontrá-lo. E para sua surpresa, a babá havia retornado com aquele vestido cortesão de saia de cetim cor marfim e sutiã de veludo de intrincados bordados. Ao inteirar-se de que Jamie o tinha encarregado com antecedência o coração encolheu, pois se deu conta de que ele tinha intenções de fazer uma surpresa. Levava o cabelo recolhido em um elaborado penteado, adornado com uma coroa de delicadas pérolas que Jamie tinha presenteado no dia de suas bodas, junto com o colar e os pendentes a jogo. Era a primeira vez que os punha. Irônico, talvez, dado o estado de seu matrimônio. Mas não podia pensar nisso agora. A dor de havê-lo perdido a paralisava. Tinha que concentrar-se no que teria que fazer. Com esse fim se levantou da mesa. — Sim, muito segura — respondeu a sua velha babá. Estava decidida a fazer algo para manter a salvo a sua família e seu lar. Suplicaria e negociaria com o muito mesmo demônio se com isso salvava a vida de seu irmão. E nesse caso, o demônio era o conde de Argyll. Por fortuna, Jamie não tinha deixado ordens de que a confinassem no castelo, mas o capitão de sua guarda tinha insistido em acompanhá-la ele mesmo com ao menos uma dúzia de homens. — Partir-me-ei assim que esteja pronta minha escolta — acrescentou — e quando tiver ido ver como está Brian. — O menino está muito melhor — assegurou Mor. Era um alívio ouvi-lo, mas precisava vê-lo com seus próprios olhos. Uns momentos mais tarde abria a porta de sua habitação, e a alegrou ver seu irmão incorporado na cama. Tinham-no asseado e levava a cabeça enfaixada sobre almofadas onde, graças a Deus, já não havia manchas de sangue. E suas bochechas tinham recuperado um tom saudável.

348


— Já estou farto de caldo — se queixava, apartando a terrina. — Morro de fome. Não poderia me trazer um pouco de carne? — suplicou, tentando xavecar à bonita donzela que havia junto a sua cama. Por Deus, era igual a Malcolm. Mas a julgar por aquela expressão pícara, tinha passado muito tempo ao lado de Niall. O coração dela encolheu ao darse conta do muito que Brian tinha crescido nos meses em que tinham estado separados. Já tinha treze anos, mas que tivesse completo um ano mais não era a causa de suas mudanças. Igual a ela, Brian tinha assistido à morte e destruição de seu clã, e logo passou meses vivendo como um proscrito. Assim que a viu na porta, um amplo sorriso estendeu por seu rosto de menino. — Caiti! — E centrou nela seus esforços. — Me alegro muitíssimo de que tenha vindo. Anda, diga a Mairi que necessito carne se quero recuperar as forças. — São ordens de Mor, milady — se desculpou a criada. — Disse que o menino estava muito fraco para tomar outra coisa que não fora caldo... — Débil! — protestou Brian indignado. — Ora. Fraco me porá se para comer não me dão nada mais que ossos fervidos e água. Caitrina dissimulou um sorriso ao ver sua expressão indignada. A nenhum jovem guerreiro faria graça que o qualificassem de débil, qualquer que fosse a situação. Sentou-se na borda da cama e fez um gesto à donzela para que se retirasse. — Já falarei com Mor, a ver se podemos te dar algo um pouco mais substancioso, se me prometer que ficará na cama descansando até que eu volte. A expressão de Brian trocou imediatamente. — Como que quando voltar? — repetiu preocupado. — Aonde vai? E onde está Niall? Por que não veio para ver-me? Ninguém me diz nada.

349


Caitrina se debatia entre contar a verdade ou não. Embora resultasse difícil para ele ouvi-la, sabia por experiência que um tapinha na cabeça e um silêncio encobridor não o protegeriam, e depois do que tinha passado os últimos meses, ganhou o direito. — Levaram Niall para Dunoon, e eu irei buscá-lo. Brian ficou pálido, mas foi sua única resposta. A Caitrina encolheu de novo o coração ao ver uma vez mais até que ponto tinha trocado seu irmão nos últimos meses. Tinha adquirido uma grande maturidade imprópria de seus anos, e sua controlada reação indicava também que tinha feito bem em contar a verdade para ele. Teria querido passar a mão pela testa e assegurar a ele que não havia nada do que se preocupar, mas Brian já não era um menino e ela não queria dar falsas esperanças. — Voltarei assim que possa. — Não entendo como aconteceu isto. Niall estava seguro de que não nos descobririam. Caitrina mordeu o lábio. — E não os descobriram — confessou. — Fui eu quem disse a Jamie onde estavam. Ele a olhou surpreso. — Que disse ao Açoite de Argyll onde estávamos? Mas se for um maldito Campbell, nosso inimigo! — Não, não o é. — O instinto de defendê-lo foi automático. Odiava o apelido de esbirro. Jamie não era um assassino de sangue-frio, nem um homem que matasse sem pensá-lo por ordens de seu chefe. Estava fazendo aquilo que considerava correto. —É um dos homens mais honrados que conheço. Há devolvido o castelo a nosso clã e tratou aos homens como se fossem os seus, inclusive quando nosso clã não lhe deu a bem-vinda precisamente.

350


Brian não parecia inclinado a acreditá-la, coisa que tampouco era de sentir saudades. Ao fim e ao cabo tinha passado os últimos meses vivendo como um proscrito por culpa dos Campbell. — Mas por que não? Por que creste necessário dizer onde estávamos? — de repente ficou ainda mais pálido. — Não seria por mim! — Não, não — assegurou ela. Explicou-lhe então que Auchinbreck tinha chegado com seus homens ao Rothesay, seguido logo depois de Jamie. — Não podia correr o risco de que seu irmão os encontrasse primeiro. Pensei que meu marido os protegeria. — E agora trocaste de opinião? — Não, eu... — Caitrina se interrompeu ao dar conta do que acabava de dizer. Não, não tinha trocado de opinião. Inclusive depois do que tinha passado entre eles, seguia acreditando que Jamie tentaria ajudar a seu irmão e aos homens de seu clã. Era o temperamento volátil e inclemente de seu primo o que lhe dava medo... — É complicado — respondeu sem mais. Brian a olhou fixamente. — Acaso não está segura de que tenha suficiente influencia sobre seu primo? Caitrina considerou a situação, surpreendida ante a acuidade de seu irmão. Naquele momento Brian lhe recordou muitíssimo a seu pai. Segundo Jamie, Argyll tinha prometido clemência, e embora todos seus instintos a levavam a desconfiar de Argyll, era evidente que Jamie seguia acreditando nele, apesar de sua manobra com o Alasdair MacGregor. Se ela acreditava em Jamie, significava que também teria que acreditar em Argyll? A mera idéia era aborrecível, mas não por isso menos certa. Sabia que classe de homem era Jamie. Era possível que oferecesse sua lealdade a um déspota? Jamie tinha razão; em algum momento teria que escolher de que lado estava: ou com ele e seu primo, ou contra eles. Mas não era uma simples questão entre branco e

351


o negro, mas sim, mas bem uma complicada gama de cinzas. Em quem ela acreditava mais? No fundo de seu coração conhecia a resposta, mas dava muito medo admitila, posto que também pudesse cometer um grave engano. — Jamie tem influência — respondeu por fim. — E há prometido falar a favor de Niall e dos outros. Mas eu não estou segura de que seja suficiente, e o que está em jogo é muito importante para correr riscos. Eu jamais haveria dito onde estavam se tivesse sabido o que pretendia fazer. — Tinha que havê-lo imaginado — replicou Brian enojado. — Assim que te enganou para que o dissesse, não? — Não, claro que não — ela o defendeu automaticamente — Jamie jamais faria algo assim. Só se imaginou que eu compreenderia o que tinha que fazer. — E você tentou convencê-lo do contrário? — Sim, mas não me fez conta. — Nem sequer quando lançou o ultimato quando o pânico do momento a impulsionou a recorrer a algo. — Dizia que era seu dever. — E o que esperava que fizesse, Caiti? É o maldito Açoite de Argyll. Até um Campbell tem que obedecer a seu senhor. Por Deus, estava claro inclusive para um menino de treze anos. Certa inquietação atravessou o véu de sentimentos traídos que a tinha cegado a todo o resto. Tinha pedido a Jamie que centrasse seu dever nela e não em seu primo. Tinha-lhe parecido então uma questão singela, mas quando expôs a mesma questão, deu-se conta que não era tão fácil. O amor não era uma alternativa, mas ela o tinha convertido nisso lançando ameaças e ultimatos. O dever e a lealdade de Jamie para com seu primo eram justamente o que o atava a ela, e não podiam descartar-se a vontade. Um poço de desespero abriu passagem em seu ventre ao compreender por fim a situação. Tinha afastado Jamie, tinha o deixado sem eleição, quando ele tinha feito tanto por ela. 352


Quanto mais pensava nos últimos meses, pior se sentia. Jamie era um dos homens mais poderosos das Highlands, mas tinha casado com ela quando ela não tinha nada. Sem ele, o clã Lamont teria se desintegrado. Não só a tinha ajudado a recuperar suas terras, mas sim tinha esbanjado seu próprio ouro para reconstruir Ascog, cujas obras progrediam incrivelmente. Jamais teriam podido fazê-lo sem ele. Caitrina não tinha sua experiência nem seus dotes de líder. Talvez os Lamont o odiassem, mas dependiam dele. E ainda o necessitavam, se Niall tinha alguma esperança de recuperar suas terras. Mas não era sozinho seu clã. Ela mesma o necessitava como uma mulher necessita a um homem, como uma alma necessita a sua companheira. Jamie era já parte dela. Havia tornado a levar amor a sua vida, fazendo-a sentir-se feliz e segura quando imaginava que jamais voltaria a sentir-se assim. E naquela quebra de onda de sentimentos culpados, pensou de novo na pergunta de Brian: O que tinha esperado que fizesse Jamie? — Não sei. Esperava contar com algo mais de tempo, mas me disse que Niall e os outros teriam que enfrentar as conseqüências finalmente do que tinham feito, e que era melhor agora que depois. Na cara de Brian se advertia sua frustração. Não gostava mais que a idéia de que Niall e os outros estivessem nas garras de Argyll. — Não temos mais remédio que aceitá-lo. Enquanto Argyll seja a lei, seu marido tem razão — disse por fim o menino. — Suponho que deve te querer de verdade, para pôr a seu irmão por diante do dele. Caitrina deu um coice. Não o tinha exposto desse modo, mas Brian tinha razão. Auchinbreck queria sangue, e Jamie pensava interpor-se em seu caminho. — E também deve estar muito seguro de sua influência para não te haver feito conta. — Sim — disse ela ao dar-se conta. Era certo.

353


Tragou saliva com um nó de emoção na garganta, sentindo-se culpada ao ver as coisas com algo mais de perspectiva. Uma perspectiva da que infelizmente carecia fazia umas horas. Equivocou-se ao não depositar toda sua confiança em Jamie? Temia conhecer a resposta, e poderia ser já muito tarde. — O que crê que pode conseguir saindo atrás deles? — perguntou Brian. — Não sei, mas tenho que fazer algo. — Tanto pelo Niall como por ela mesma. Caitrina sentia que se precipitava para um crescente mau presságio, e cada segundo da viagem contava contra ela, cada vez mais convencida de que tinha cometido um terrível engano. Tinha falhado com Jamie. Tinha acudido para Jamie procurando ajuda, tinha o colocado em uma situação impossível entre duas lealdades enfrentadas, e tinha pedido algo que ele não podia dar e logo se negou a confiar nele. Uma vez disse a Niall que estava disposta a confiar a Jamie suas vidas, mas quando chegou o momento foi incapaz de fazê-lo. Tinha direito a estar furiosa, mas havia tentando utilizar seu amor para afastar Jamie de seu dever, e se arrependia profundamente de suas duras palavras. Não imaginava a vida sem ele. Não podia esquecer que era um Campbell, mas tampouco o que tinha feito por ela e por seu clã. Talvez os Campbell e os Lamont jamais chegassem a combinar, mas seu amor por Jamie era bastante forte para superar o ódio do clã. Incapaz de controlar o medo de que Jamie tivesse tomado suas palavras ao pé da letra e não quisesse vê-la de novo, se tornou adiante na sela para apressar a sua montaria. — Quanto falta? — perguntou ao sério capitão. Apesar da crescente escuridão viu a expressão carrancuda de William Campbell. Era evidente que desaprovava aquela precipitada viagem pelo Cowall, mas não tinha querido arriscar-se a desgostar à esposa de seu senhor. Tinham saído pouco depois do meio-dia e, depois de atravessar o 354


fiorde do Clyde até o Toward, trocaram o birlinn por cavalos para percorrer uns doze quilômetros pela costa do Cowall até o Dunoon. —Uns duzentos metros, mais ou menos. Deveríamos chegar antes que caia a noite. Caitrina tinha os nervos de ponta, e não só pela possível reação de Jamie, mas também pela idéia de enfrentar cara a cara com o Argyll. Talvez não gostasse, mas não podia negar que Archibald Campbell era o homem mais poderoso das Highlands. Era fácil odiá-lo, mas e se a verdade era mais complicada? Confirmaria o conde seus medos, ou os mitigaria? Logo o averiguaria.

O pulso de Caitrina acelerou quando o caminho virou para o norte e apareceu à sombra de uma enorme torre. A monolítica fortaleza de pedra que se elevava no promontório sobre o fiorde provocou um calafrio nela, e seus nervos não fizeram a não ser aumentar à medida que se aproximavam. Mais à frente do barmkin, os grossos muros de pedra da torre, grosseiramente construída faziam centenas de anos, dominavam a paisagem e de perto pareciam ainda mais formidáveis. Como seu senhor. A aparição do castelo pôs a prova sua determinação. Já não se sentia tão segura. O que ia fazer, ficar a mercê de Argyll? Isso caso que tivesse alguma. Mas não importava. Faria o que fizesse falta. Desmontou decidida e se voltou para o guarda mais próximo antes de poder pensar duas vezes. — Me leve até o conde. Outro homem, que parecia estar ao mando, aproximava-se deles e tinha ouvido sua petição. Saudou, identificou-se como o porteiro e disse:

355


— Não estávamos informados de sua chegada, milady. Farei que preparem uma câmara para ti e logo informarei ao conde e a seu marido de sua presença. — Obrigado, mas não necessito uma câmara. Tenho que ver o conde imediatamente. O que devo lhe dizer não pode esperar. O homem parecia incômodo, obviamente muito pouco acostumado a que uma dama insistisse em ver seu senhor, e não sabia muito bem o que fazer a respeito. — Temo-me que está reunido com seus homens e não posso incomodá-lo. O coração de Caitrina acelerou ao imaginar o motivo da reunião. — Está meu marido com eles? — Sim. Era o único que precisava ouvir. Lançou-se escada acima com o porteiro atrás de seus talões. — Espere! —gritava o homem. — Não pode entrar aí! Mas Caitrina não pensava aceitar um não por resposta. Voltou-se para ele com o mais encantador de seus sorrisos. — Ah, estou segura de que não se importará. O homem ficou confundido e sem fala. — Mas... Caitrina já estava atravessando o grande salão. Do outro lado da entrada havia duas portas e supôs que uma delas daria à galeria. Abriu a primeira sem pensar e uma dúzia de cabeças se voltou para ela como se fosse uma aparição. Os nervos que tinha sofrido com o passar da viagem não foram nada comparadas com o que sentiu nesse momento, mas estava decidida a não mostrá-los. Esboçando um confiado sorriso, entrou, na sala como uma rainha — pensou, sentindo uma quebra de onda de agridoce nostalgia — uma princesa. 356


— O que significa isto? — Um homem de rasgos afiados sentado no centro da mesa se dirigiu ao porteiro, que tinha entrado correndo detrás dela. Caitrina inspecionou rapidamente a sala, decepcionada ao não ver Jamie. Apesar de tudo, sua presença teria suposto um apoio que nesse momento necessitava desesperadamente. Mas pelo visto teria que enfrentar sozinha ao demônio. O conde de Argyll não era o que esperava. Embora vestisse como um rei — com a roupa e as jóias mais finas que jamais tinha visto, como correspondia a seu posto de cortesão de confiança do rei Jacobo — via-se em seus olhos uma faísca inconfundível, algo rude em sua aparência que traía seus origens das Highlands. Seus rasgos eram afiados e angulosos, a boca fina e sua expressão tão séria como testemunhava seu apelido, Gillesbuig Grumach, Archibald o Sombrio. Mas aparentava mais de seus trinta e tantos anos, o qual não era surpreendente tendo em conta os problemas de sua juventude. Seu pai tinha morrido quando ele era sozinho um menino, e tinha tido que enfrentar aos ataques — e inclusive a um intento de assassinato — daqueles que supunha deviam cuidar dele. —Sinto muito, milord — se desculpou o porteiro. — A dama insistiu. O conde a percorreu da cabeça aos pés com um olhar pouco adulador. — E quem é esta dama? Caitrina respirou fundo e deu um passo adiante. — Caitrina Campbell, milord. Esposa de seu primo. Argyll não mostrou sinal de surpresa algum. — E o que quer? — Um momento de seu tempo, por favor, milord. — Ao ver que ele ia negar, apertou os dentes e apressou a acrescentar: — Peço perdão pela brutalidade de minha chegada, mas se trata de um assunto da maior importância. — E aguardou com o coração palpitante, segura de que Argyll negaria. Mas levou uma surpresa quando o viu despedir seus homens, 357


embora sua sensação de triunfo se dissipasse de repente quando fez um gesto para que se aproximasse. Plantou-se ante a gigantesca mesa, tentando não retorcer as mãos nem mover os pés, sentindo-se como uma menina que espera um castigo. Mas ao cabo de um instante, subitamente envergonhada por sua falta de coragem, endireitou as costas e elevou o queixo para sustentar o olhar do Conde. Argyll se fixou em cada detalhe de seu aspecto, incluídas as saias e os sapatos manchados de barro. — Parece ser que irromper em minha galeria está se convertendo em um hábito em sua família. Embora ao menos você vá vestida apropriadamente... Caitrina não tinha nem idéia do que estava falando. — Milord? Argyll fez um gesto com a mão. — Dá igual: Qual é o assunto que a trouxe até aqui com tanta urgência? — Meu irmão e seus homens. Sei que estão aqui. Vim lhe suplicar por eles. Se os escutarem, estou segura de que compreenderão por que atuaram como o fizeram. Mas primeiro quero vê-los eu, se for tão amável de me levar ante eles. Argyll tomou seu tempo em responder. Olhou-a com uma intensidade molesta. — São consciente das acusações que pesam sobre seu irmão e seus homens, e de que seu marido os trouxe até aqui para que eu os julgue? Ela apertou as mandíbulas, mas não retrocedeu. —Sim. Jamie jurou que mostrariam clemência. Argyll acariciou o cavanhaque bicudo. — Disse-lhe isso e apesar de tudo viestes? Ela assentiu de novo, sentindo-se como uma menina cabeçuda... E desleal. Argyll tamborilou com os dedos na mesa, e o irritante ruído aumentou a agitação de Caitrina. 358


— Os homens de seu irmão estão sob vigilância na torre, aguardando meu castigo. — E com um olhar frio e calculado acrescentou: — Mas temo que chegue muito tarde. Seu irmão já não está entre eles.

359


Capítulo 25 Foi como se a tivessem estampado contra um muro de pedra. Caitrina ficou sem fôlego. Tinha chegado muito tarde. Niall estava morto, e por um momento a angústia daquela perda insuportável a cegou. Parecia que seus piores medos se feito realidade... Mas só foi um momento. Algo muito mais profundo se impôs, apagando aquele arrebatamento de desespero. Jamie jamais teria permitido que isso acontecesse, e ela sabia com uma certeza que penetrava até a última fibra de seu ser. Acreditava nele, completamente. Sabia que as Highlands eram um lugar melhor com ele. Apesar da lealdade para com seu primo, Jamie sempre faria o correto. E tinha sido necessária a artimanha de Argyll para demonstrá-lo. Era isso o que pretendia? Caitrina olhou com os olhos entrecerrados ao homem mais poderoso e mais desprezado das Highlands. Confiar em Jamie significava aceitar que Argyll não era o monstro que ela acreditava. Jamie não podia ser leal a um homem semelhante. Argyll devia ter algumas qualidades positivas, embora não fossem necessariamente visíveis naquele momento. Argyll a estava pondo a prova. Acaso não acreditava digna de seu precioso primo? Talvez uns momentos atrás tivessem tido razão, mas Caitrina tinha demonstrado que estava equivocado. — Ai, que má sorte não havê-lo veste — respondeu por fim, como se seu irmão tivesse saído a dar um passeio. — Esperam que volte logo? Argyll arqueou irônico uma sobrancelha e Caitrina acreditou ver em seus olhos uma faísca de aprovação. — Jamie tinha que trazê-lo para minha presença para que o julgasse. Não quer saber o resultado? 360


Caitrina dedicou um doce e gélido sorriso. — Estou segura de que Jamie me contará isso. — O que te contarei? O coração de Caitrina deu um salto ao ouvir a voz profunda de seu marido a suas costas. Voltou-se e deu um passo para ele, desejando jogar-se em seus braços e suplicar que a perdoasse por duvidar dele, mas ela freou em seco. — Que demônios estão fazendo aqui, Caitrina? A alma dela caiu aos pés. Tinha tido a esperança de que se alegrasse de vêla, mas em troca encontrou aquela brusca saudação e com sua expressão gélida. Parecia olhar através dela, como se nem sequer estivesse ali, como se não queria voltar a ter nada que ver com ela. Jamie não podia acreditá-lo. Quando Willie encontrou nos estábulos, dispondo-se para partir, e o informou da presença de Caitrina, ficou perplexo. Por um instante pensou esperançado que talvez tivesse ido até ali para desculpar-se. Até que Willie disse que tinha insistido em ver seu primo. Sabendo o muito que Caitrina desprezava Argyll, sabendo que o culpava em parte do acontecido no Ascog, dava-se conta do valor que teria necessitado para ir falar com ele. Tinha que admirar sua determinação de salvar a seu irmão, embora isso fizesse ainda mais evidente sua falta de confiança nele. Vê-la tão logo foi como jogar sal em uma ferida aberta. Era tão bela que quase doía olhá-la. Mas havia algo distinto... O vestido, as jóias, o cabelo. Pela primeira vez desde a batalha do Ascog pôs seus melhores ornamentos. Parecia de novo uma princesa, não de conto de fadas; a não ser de verdade. Uma mulher forte e segura que tinha lutado e tinha sobrevivido. Significava algo? — Parece que sua esposa veio fazer uma visita a seu irmão — comentou Argyll.

361


— Já vejo — replicou Jamie secamente, confirmando suas suspeitas. A decepção retorcia o estômago. Só queria sair dali e afastar-se dela todo o possível. — Eu já lhe hei dito que é muito tarde — prosseguiu Argyll com um eloqüente olhar. — Que Niall já não está conosco. Jamie girou para seu primo. Era evidente que tinha querido fazer pensar a Caitrina que Niall estava morto, mas a expressão de sua esposa não era de dor. Jamie conhecia bem a seu primo e sabia que tomaria seu tempo, de maneira que não mostrou sinais de impaciência. A que estava jogando? — Naturalmente, esperava que acreditasse morto — revelou Argyll. Jamie voltou a olhar a Caitrina, mas ela não mostrou reação alguma... — Naturalmente — repetiu Jamie, sarcasticamente, sabendo por fim quais eram os propósitos de seu primo. As traições que tinha sofrido Argyll em sua juventude tinham deixado seu rastro, e a lealdade era para ele de suma importância. Obviamente, a súbita aparição de Caitrina o tinha feito questionar a dela. Jamie apreciava a intenção de seu primo, mas era capaz de lutar suas próprias batalhas. Argyll dizia com sua expressão que sabia exatamente o que estava pensando Jamie, e que além o estava fazendo fatal. Caitrina falou por fim. — Mas eu não acreditei. Jamie sentiu um débil raio de esperança e olhou a seu primo procurando confirmação. — Parece ter uma muito alta opinião de ti. — Argyll assumiu uma expressão de dissimulada irritação. — E supõe que eu a compartilho. — Já vejo. — Aquela súbita amostra de fé era algo talvez, mas não suficiente. E tinha chegado muito tarde. Endureceu-se ante a súplica que via nos olhos de sua mulher e apartou a vista.

362


— Estava a ponto de contar minha última decepção quando entraste. — Argyll se voltou de novo para a Caitrina. — Parece que meu capitão, apesar de sua habitual diligencia, cometeu um descuido em seu trajeto para o Dunoon. — Sim? — perguntou Caitrina com receio. — Pois sim. Resulta que seu irmão escapou quando se detiveram para dar de beber aos cavalos. Jamie e seus homens o perseguiram, mas desapareceu. — Argyll cravou em Jamie um significativo olhar, dizendo sem palavras que sabia perfeitamente o que tinha feito, mas que jamais daria voz a suas suspeitas, e menos quando as ações de Jamie não tinham feito em realidade a não ser lhe facilitar as coisas. Ninguém poderia responsabilizar a Argyll. Só havia uma pessoa a quem Colin pudesse culpar... — Niall escapou? — perguntou Caitrina incrédula. Várias perguntas apareciam em seus olhos, mas teve a sensatez de não as arejar, ao menos de momento. — E os outros? — São livres de voltar para o Rothesay — respondeu Jamie. — Estava me encarregando de sua liberação quando chegaste. — Não sei o que dizer — replicou ela aturdida. Então se dirigiu a Argyll: — Obrigado. — Dê as graças a ele — disse o conde, fazendo um gesto em direção a Jamie. — Foi ele quem pagou o ouro para expiar seus crimes. — Jamie, eu... Mas antes que pudesse dizer mais nada, ele a agarrou pelo braço e a encaminhou para a porta. — Se nos desculpas, encarregar-me-ei de que minha esposa se acomode em sua habitação. — Se necessitar algo mais — disse Argyll com ironia — faça-me saber. Jamie o cravou com um olhar turvo, e a diversão que delatavam os olhos de seu primo não fez mais a não ser irritá-lo. Sim, seu sombrio primo às vezes

363


era todo um brincalhão. Talvez Argyll ficasse satisfeito com aquela amostra de lealdade, mas Jamie não. O camareiro tinha deixado pronta à câmara do terceiro andar na torre sul, a que utilizava Lizzie quando ficava no Dunoon. Tinham levada água fresca, e os poucos pertences de Caitrina estavam dispostas sobre a cama. Jamie apartou o olhar rapidamente e aguardou tenso junto à chaminé enquanto o camareiro partia e fechava a porta. Assim que ficaram a sós, Caitrina aproximou dele, deslumbrava seus sentidos com o suave aroma feminino. Seria sempre igual à ardente necessidade que tinha dela, sua incapacidade de pensar quando a tinha perto, a sensação de que se não a tomava em seus braços e a beijava, morreria? — Jamie, sinto-o tão... — Meus homens a acompanharão ao Rothesay pela manhã — a interrompeu ele bruscamente. — Não pensa vir comigo? — perguntou ela com voz trêmula. Mas ele manteve a vista fixa na parede, negando-se a olhá-la, e a prensa de aço que comprimia o peito apertou ainda mais. — Parece-me que deixou muito claros seus desejos. Voltarei para o Castleswene e não tema, não interferirei em nada do que faça. O significado de suas palavras era evidente: teriam vidas separadas. As vísceras de Jamie retorciam. Imaginá-la com outro homem... — Mas... — Mas o que, Caitrina? — espetou, olhando-a por fim. — Não era isso o que queria? A expressão compungida de Caitrina foi como um golpe em seu, peito. Jamie respirou fundo e teve que fazer um esforço por apartar a vista. Preciso sair daqui agora mesmo. Doía-lhe muito. Doía-lhe saber que apesar do muito que a amava, não era suficiente. Caitrina se sentia agradecida agora, mas ele não 364


queria sua gratidão. Queria seu amor e sua confiança, seu coração e sua alma. Queria que acreditasse nele. Jamais tinha importado com o que pensavam dele, ninguém... só ela. Deu meia volta para partir. — Por favor, não vá. — O coração de Jamie deu um salto ao notar sua diminuta mão na manga de seu casaco. — Não é isso o que quero. — Talvez não agora — replicou ele bruscamente. — Mas e a próxima vez que não esteja de acordo comigo, ou que meu dever exija algo que você não aprova? O que passará então, Caitrina? — Não podia dominar sua fúria. Não ia resultar fácil perdoar sua falta de fé, mas sua resposta era o que de verdade o tinha destroçado. — Voltará a me jogar? — Sinto-o muitíssimo, Jamie. Jamais deveria te haver dado um ultimato assim. E fiz mal em tentar negociar com seus sentimentos para mim, sei. Mas tinha muito medo de perder a meu irmão e não sabia o que fazer. É que não pode entendê-lo? Sim, sim que podia. Que demônios, admirava sua paixão, sua sinceridade, a lealdade e o amor incondicional que sentia por sua família. Mas queria isso mesmo para ele. E tudo isso não mitigava a dor do momento em que ela tinha descartado seu amor. Jamie ouviu um ruído e baixou a vista. Maldição. Não, lágrimas, não. Podia suportar tudo menos as lágrimas. Morria por enxugar-lhe as lágrimas, por consolá-la entre seus braços, mas não fez nada. —E se tivesse sido sua irmã? — perguntou ela brandamente. — Teria sido você tão pormenorizado se tivessem trocado as voltas? Jamie a fulminou com o olhar, e tinha a mandíbula tensa; possivelmente estava disposto a lhe dar parte de razão, mas só uma. — Não, é certo — admitiu. — Mas não te teria pedido que escolhesse entre ela e eu...

365


— Está seguro? Porque me pareceu que me estava pedindo que escolhesse entre meu irmão e você. Talvez se me tivesse contado seus planos... Mas tive que me inteirar do que pretendia pelos criados. Jamie fez uma careta. Tinha razão. Estava acostumado a tomar decisões por sua conta... — E te peço perdão por isso. Talvez devesse te haver dado mais explicações. Mas por que está sempre disposta a pensar o pior de mim? — Anos de prática. Já sabia que seria difícil estar casada com um Campbell, mas quando me dava conta de que te queria, pensei que com isso seria suficiente. E não o é. As velhas rixas não desaparecerão sozinho porque eu o deseje; custarão muitos esforços. Sua perspicácia o surpreendeu. Não podia esperar que Caitrina esquecesse todos seus prejuízos só porque o amava. — O que está dizendo? Caitrina esticou as mãos... — Quero saber tudo sobre ti, Jamie. E se isso implica conhecer seu primo, estou disposta a tentá-lo. Jamie ficou de pedra. — Faria isso por mim? Ela assentiu. — Eu acredito em ti, e não soube quanto até que seu primo tentou me enganar. Mas sempre acreditei em ti. Jamie captou a vulnerabilidade de sua voz. Desejava desesperadamente acreditar nela. — Cometi um engano — prosseguiu ela. — E estou segura de que cometerei mais. Mas você exige muito de todos os que o rodeiam. — Jamie ficou tenso, pois sabia que se referia a seu irmão Duncan. — Preciso saber que poderá me perdoar. Jamie começava a esboçar um sorriso. 366


— Esta me dizendo que às vezes sou rígido e intransigente? Ela também dissimulou um sorriso. — Pode que um pouco. — E compartilharam um momento de compreensão, antes que a expressão dela voltasse a se tornar séria. — Quero-te, Jamie. Devolveu-me a felicidade e o amor quando pensava que jamais voltaria a senti-los. Equivoquei-me ao pensar que poderia te fazer escolher entre a lealdade e o dever para seu clã e para mim, quando é uma mesma coisa. Não voltará a passar. Saber que me quer é suficiente. — Caitrina baixou a voz até convertê-la em um trêmulo sussurro. — Se é que ainda me quer. Ainda me quer, Jamie? — perguntou. — Por favor, me diga que não é muito tarde para nós... E a resistência de Jamie explodiu feita em pedacinhos. Enxugou-lhe com o polegar as lágrimas das bochechas, olhando-a aos olhos. Tinha tentado endurecer-se para confrontar um futuro sem ela, mas era um alívio não ter que fazê-la. — Sim, quero-te. Sempre te quis. Um sorriso apareceu entre as lágrimas... — Então é quão único importa. Você tem meu amor e minha lealdade para sempre, e prometo não voltar a duvidar de ti. Jamie arqueou uma sobrancelha. — Alguma vez? Ela mordeu o lábio. — Bom, quase nunca. E nunca sobre algo importante. Ele se pôs a rir, enquanto a estreitava entre seus braços.

Caitrina jazia na cama desfrutando do calor e da segurança do abraço de seu marido, aconchegada de costas a ele. Meneou-se para trás quando ele apertou o seio que rodeava com a mão. 367


— É insaciável — murmurou Jamie ao ouvido, provocando com o calor de seu fôlego calafrios de desejo que Caitrina teria considerado impossíveis depois de ter feito o amor grosseiramente fazia só um momento. — Eu preciso descansar. Mas a ereção que Caitrina notava entre as nádegas desmentia suas palavras. — Mentiroso — espetou, agitando os quadris contra ele. Jamie lançou um grunhido e deslizou as mãos por seu ventre até alcançar entre as pernas dela. — Estive pensando — disse ela, pressionando os quadris contra sua mão. — Isso vejo. — Não nisso, vagabundo! — exclamou Caitrina, dando um golpezinho brincalhão no braço. Mas não podia negar que aquela postura provocava certa curiosidade. Jamie ia deixando beijos quentes por seu pescoço e sua nuca, e Caitrina notou que todo o corpo abrandava de novo, ao sentir o formigamento do prazer. — Então no que? — perguntou ele sem deixar de beijá-la, dando um beliscão no mamilo. Ela abriu os olhos. — Está tentando me distrair. — Hummm. — Jamie beijou o ombro de novo. — E funciona? Certamente que sim. Sentia a glande redonda entre as pernas por detrás, enquanto ele a penetrava com o dedo. Jogou atrás a cabeça contra o ombro de Jamie, que com as carícias das mãos a levava de novo ao bordo de outra violenta tormenta de prazer. O fogo corria por suas veias, denso e lento. Jamie jogou atrás os quadris para arquear as costas e colocar-se justo em sua abertura. Ela o tentava sem piedade, esfregando contra ele a umidade de seu corpo, mas sem que chegasse a penetrá-la. A sensação era incrível, notava aquela ereção grossa 368


e dura entre suas coxas. Pelos ofegos de Jamie advertiu que seus jogos o estavam voltando louco. Por fim ele agarrou os quadris e entrou nela brandamente, até enchê-la. Caitrina gemeu. Deus, aquilo era perverso. Notava as mãos dele nos seios e entre as pernas. Jamie não deixava de acariciá-la enquanto entrava e saía dela com compridos e lentos movimentos. O prazer que sentia era indescritível. Ele a estreitou com força contra seu corpo e investiu de repente, ficando imóvel dentro dela. Caitrina conteve o fôlego, perdida na incrível sensação, cada vez mais perto do orgasmo. E quando pensava que já não o suportaria mais, ele há penetrou um pouco mais, até que ela explodiu em um clímax intenso e lento que parecia não acabar nunca. Então ele voltou a investir contra ela, atirando de seus quadris uma e outra vez, até que, ante seu próprio estalo, lançou um grito. Muito depois de que se desvanecesse o último tremor, Caitrina lembrou o que tinha querido dizer antes que ele a distraísse com tanta manha. — Deixou-o partir, verdade? Ele ficou quieto um instante, mas foi à confirmação que ela necessitava. — Por que o diz? — Você jamais permitiria que escapasse um prisioneiro. — Sua confiança em minha capacidade é muito aduladora, mas te asseguro que não sou infalível. Ela lançou um bufo. — Me diga a verdade. Jamie encolheu os ombros. — Mas por quê? É que começou a duvidar de seu primo? — Não. A Argyll não teria feito nenhuma graça, mas teria mantido sua promessa. Eu facilitei as coisas para ele ao dar a seu irmão uma eleição. Caitrina não podia acreditá-lo. 369


— Está me dizendo que Niall preferiu ser um proscrito em lugar de voltar para o Ascog? Mas por quê? — Parece-me que precisava fazer outras coisas. Caitrina tragou saliva ao compreender por fim a situação. A guerra se converteu em algo pessoal depois do acontecido, e Niall jamais descansaria até que alguém tivesse pagado pelo que tinham feito à mulher que amava. O coração dela partia por ele. — Niall te quer, Caitrina, e sei que não foi uma decisão fácil. Ela sorriu ao notar preocupação na voz de seu marido. — Já sei, mas obrigado por dizê-lo. — Por mais que desejasse que Niall tivesse preferido voltar para o Ascog, por mais que queria tê-lo a seu lado e protegê-lo, Niall tinha que tomar suas próprias decisões. Mas também sabia o que significava: Niall era um proscrito; tinha-o perdido para sempre. — Jamais poderá ocupar o lugar que pertence a ele como chefe do clã — concluiu. — Sim. Brian será o próximo chefe, quando estiver preparado. E eu guardarei Ascog para ele até então. Caitrina não sabia o que dizer. — Faria isso? — Brian tinha as qualidades de um grande chefe, e sob a guia e tutela de Jamie, chegaria a sê-lo. Ele assentiu. — Sim, é seu direito. — E Argyll? Jamie sorriu. — Meu primo não gosta de perder terras, mas neste caso acessou. Mas ainda havia algo que ela não compreendia. — Por que o fez, Jamie? Por que decidiu deixar partir ao Niall? Ele se apoiou em um braço para poder olhá-la nos olhos. — Por justiça. — E aqui no Dunoon não se faria justiça? 370


— Não neste caso. A lei não teria ajudado a seu irmão. Ela arqueou as, sobrancelhas, surpresa de ouvir tal blasfêmia em seus lábios. — Não é a lei a mesma coisa que a justiça? — Isso eu pensava... — E agora não? Jamie sorriu e a beijou brandamente na boca. — Acredito que há margem para interpretações. Uma garota me acusou uma vez de me guiar pelo passado. — Duncan. — Pois resulta que igual havia parte de verdade nisso. — Ah, sim? — Pode que um pouco — assentiu ele sorrindo. Caitrina dava conta do que tinha feito por ela tinha comprometido seu dever para ajudar a Niall. Conhecia a opinião de Jamie a respeito dos proscritos depois da desonra de seu irmão Duncan, e apesar de tudo tinha ajudado a Niall, até sabendo que lutava junto aos MacGregor. — E o que passa com os MacGregor? Jamie negou com a cabeça. — É tão insistente como seu irmão. Por mais que a gente possa simpatizar com sua situação, isso não os desculpa de seus crimes, mas... — Fez uma pausa. — Mas farei quanto possa para me assegurar de que eles, como qualquer um, sejam tratados justamente... Caitrina sorriu abertamente. Como podia ter duvidado dele? Argyll tinha sorte de contar com um homem como Jamie. Também suspeitava que Jamie era um elemento moderador para seu primo: se Argyll passava da raia, Jamie estaria aí para fazer algo. Caitrina mordeu o lábio para não tornar a rir. E se Jamie o esquecia, ela estaria aí para recordar-lhe. Tinha tomado sua decisão e tinha escolhido a seu marido. Sabia que ele faria o correto para o futuro das Highlands. Os problemas aos que se enfrentassem

371


não seriam singelos. Jamie caminhava pela escarpada linha que dividia as Highlands, e o amava por ser o homem forte e justo que era. Por fim Caitrina pôs-se a rir, mais feliz que nunca em sua vida. Tinha frente a ela tudo o que sempre tinha desejado: um lar, segurança, amor. Jamais esqueceria o passado, mas podia construir um futuro novo. E estava disposta a fazê-lo. Voltou-se para ele olhando-o aos olhos. — Amo você, Jamie Campbell. Ela beijou nos lábios. — Eu também te amo. Embora jamais pensasse que ouviria essas duas palavras juntas. — Quais? — Amor e Campbell. Ela sorriu. — Pois te acostume, porque vai ouvi-las toda a vida.

Fim

372


Nota da autora: O personagem de Jamie Campbell está baseado em uma compilação de figuras históricas, sendo as mais significativas: sir Dugald Campbell do Auchinbreck (o capitão de Castleswene que se acredita que convenceu MacGregor para que se rendesse a Argyll, embora algumas fontes tornam Campbell de Ardkinglas responsável por isso. O pai de Auchinbreck morreu lutando por Argyll na batalha de Glenlivet; James Campbell de Lawers (conhecido como um dos mais implacáveis perseguidores dos MacGregor) e Donald Campbell de Barbreck-Lochow (filho natural de Campbell de Calder, braço executor de Argyll e senhor do castelo de Mingarry.) Uma interessante nota para os leitores da minha primeira trilogia: uma das filhas de Auchinbreck, Florence, casou-se com John Garve Maclean, filho de Lachlan de Coll e Flora MacLeod (de Highlander seduzido). Caitrina e sua família são personagens de ficção. Entretanto, o ataque e a destruição do castelo de Ascog estão inspirados, em termos gerais, em um evento real, muito mais terrível do que eu descrevi, que aconteceu uns quarenta anos depois, em 1646, durante as guerras civis britânicas. Nnaquele tempo os Lamont apoiavam os partidários do rei e o marquês de Montrose, o qual os colocava em conflito direto com o marquês de Argyll (o filho de Archibald o Sombrio). Depois da derrota dos Campbell na batalha de Inverlochy, em 1645, à mãos de James Graham, primeiro marquês de Montrose, os Lamont arrasaram as terras dos Campbell. Um ano mais tarde, quando Montrose tinha sido derrotado, Argyll se vingou atacando os Lamont de Toward e Ascog a «sangue e fogo». Os Lamont se renderam sob a promessa de salvo-conduto, 373


mas em lugar disso, mais de duzentos homens, foram levados até Dunoon, onde trinta e seis deles morreram enforcados. Fala-se inclusive de que alguns foram enterrados vivos. Hoje em dia há um monumento em Dunoon aos Lamont que foram assassinados nesse dia… Tanto o castelo de Ascog como o de Toward foram destruídos e só restaram as ruínas... As matanças de Toward e Ascog voltariam a cair sobre o marquês de Argyll. A irmã de Lamont de Toward, Isobel, conseguiu esconder (em seu cabelo) uma cópia assinada dos «artigos de capitulação» que prometiam o salvo-conduto. Dezesseis anos mais tarde foi uma das evidências utilizadas para julgar o marquês de Argyll, que seria finalmente condenado a morte. Embora a causa imediata da disputa entre os Campbell e os Lamont fossem as guerras civis britânicas, também pôde ser um fator a amizade entre os Lamont e os MacGregor. A lenda do laço de hospitalidade entre o Lamont e MacGregor surgiu no princípio do século XVII. Dizem que os Lamont pagaram a dívida de hospitalidade com os MacGregor dando refugio quando estes últimos foram declarados proscritos, uma situação que era punida com a morte. A história de Archibald o Sombrio, sétimo conde de Argyll, e da morte de MacGregor, aconteceu mais ou menos como contei, embora anos antes. Alexander MacGregor de Glenstrae, conhecido como «a Flecha de Glen Lyon», foi enforcado e esquartejado em Edimburgo com dez de seus homens em 20 de janeiro de 1604. Durante as semanas seguintes foram executados vinte e cinco MacGregor no total. Tal como se narra no livro, depois destas execuções a violência por parte dos MacGregor se recrudesceu. Um dos clãs contra os quais os MacGregor se rebelaram foi o dos MacLaren — mencionados também na novela, — um clã vizinho que ocupou Balquhidder até que os MacGregor o derrotou.

374


Condensei a perseguição e muitas das proibições contra os MacGregor em um só período, mas a campanha contra o clã MacGregor se estendeu durante vários anos. Um de seus pontos altos foi em 1604, um ano depois da batalha de Glenfruin (a matança de Colquhouns nas mãos dos MacGregor), e logo em um renovado ataque em 1611. Entretanto, há evidências de que apenas se obteve tendo ao clã. Sir Alexander Colquhoun de Luss, em uma carta de 1609 ao rei em Londres, queixava-se da falta de progressos na campanha contra os MacGregor. A perseguição dos desafortunados MacGregor, os legendários «Filhos da Névoa», por parte do conde do Argyll é bem conhecida, embora nunca saberemos se seus motivos foram a ânsia por terras ou algo mais pessoal. Embora Argyll fosse qualificado pela história como o «mal» do filme, é evidente que ambos os lados cometeram atrocidades. O duque de Argyll é ainda o conservador herdeiro do castelo real de Dunoon e pagamento a renda nominal de uma rosa vermelha (a última foi entregue à rainha Isabel II em sua visita ao castelo). As montanhas Lomond (assim chamadas no mapa de John Speed de 1610) que aparecem na novela agora são parte das Trossachs. Pode-se encontrar mais informação sobre o conde de Argyll e os MacGregor na seção «Special Features» de minha página Web: www.monicamccarty.com

375

01 a força do highlander  
01 a força do highlander  
Advertisement