Page 1

DIOCESANA

Abril/Maio de 2018

BALANÇO

FO LH A

8

FO LH A

pag1e8 2018_PAG1N.QXD 03/05/2018 10:52 Página 1

DIOCESANA INFORMATIVO DA DIOCESE DE GUANHÃES | MG | ANO XXII | Nº 256 | Abril/Maio de 2018

O EXERCÍCIO DA CIDADANIA VAI

DISCÍPULOS E MISSIONÁRIOS NA VIDA PÚBLICA PÁGINA

3

MUITO ALÉM A LUTA CONTRA A INJUSTIÇA É TÃO IMPORTANTE QUANTO O COMBATE AO ABORTO

DO DIREITO AO VOTO, SER CIDADÃO É ATUAR EFETIVAMENTE NA CONSTRUÇÃO DE UM MUNDO MELHOR POR MEIO DA ATUAÇÃO DIRETA DA POLÍTICA.

PÁGINA

UMA JOVEM E PROMISSORA IGREJA PÁGINAS 4 e 5

ANOS DA DIOCESE DE GUANHÃES

6

NINGUÉM NA IGREJA É DONO DA LITURGIA PÁGINA

7


DIOCESANA

Abril/Maio de 2018

REDAÇÃO

EDITORIAL

DIOCESE DE GUANHÃES: 32 ANOS DE CAMINHADA dia 1º de maio inicialmente foi marcado por greves e manifestações como forma de os operários reivindicarem e mostrarem apoio à causa trabalhista. Posteriormente, passou a ser conhecido como o “Dia do Trabalho” e passava a comprovar o poder de organização dos trabalhadores em âmbito internacional. Em 1955, Pio XII tornou essa data como forma de homenagear a todos pelos serviços prestados, a exemplo de São José Operário, do Cristo operário, trabalhador. Em Guanhães e região, continua sendo um dia de homenagens e manifestações: de ação de graças, de fraternidade, de comunhão, de espiritualidade. É um dia de celebração, muita oração, contemplação, reencontros. É o dia dos trabalhadores, dia de São José operário e é o “dia

O

da diocese de Guanhães”; data em que fiéis de variadas localidades de nossa diocese vivem momentos especiais junto à catedral de Guanhães para comemoração do aniversário de criação da diocese de Guanhães. A diocese de Guanhães foi criada em 24 de maio de 1985, pela Bula Pontifícia "RECTE QUIDEM", do Papa João Paulo II, e instalada solenemente a 1º de maio de 1986, pelo então Núncio Apostólico no Brasil, dom Carlo Furno que, no mesmo dia, deu posse ao primeiro bispo de Guanhães, dom Antônio Felippe da Cunha. Em tempos de “Igreja em Saída” (EG 49) instruídos por papa Francisco que sonha “com uma opção missionária capaz de transformar tudo, para que os costumes, os estilos, os horários, a linguagem e toda a estru-

tura eclesial se tornem um canal proporcionado mais à evangelização do mundo atual que à autopreservação” somos convocados a ser “ousados e criativos nesta tarefa de repensar os objetivos, a estruturas, o estilo e os métodos evangelizadores das respectivas comunidades” (EG 33). “Que Nossa Senhora, a quem a diocese é dedicada e está também consagrada – suplica Dom Jeremias –, interceda pelos nossos diocesanos, pelo nosso clero, pelo nosso povo. E não nos faltem a intercessão e a proteção de São Miguel Arcanjo que é nosso padroeiro.” Inspirados no Ano do Laicato, que o trabalho de evangelização siga perseverante também com o protagonismo dos fiéis nesta porção do Povo de Deus.

COMEMORAÇÃO MAIO E JUNHO DE 2018

MAIO

PADRES, RELIGIOSAS, CONSAGRADAS E SEMINARISTAS DA DIOCESE DE GUANHÃES

JUNHO

EXPEDIENTE

FO LH A

* Catequese: formação nas paróquias 04 a 07 - Regional Leste II (CONSER E COORD. PASTORAL), Serra da Piedade, Caeté 08 a 10 - ECC, Encontro de 1ª etapa em São Sebastião do Maranhão 13 a 24 - Jubileu do Bom Jesus em CMD 16 - ESCOLA DE TEOLOGIA. Bíblia IV (Mateus e Marcos) – Pe. Bruno 19 - Chegada dos Padres em CMD para o Jubileu 20 - Assembleia da ASPREMONO em CMD 30 - Reunião da Cord. Diocesana de Catequese com os Irpaquianos 2018 30 - ECC, Formação de agentes em São Sebastião do Maranhão

DIOCESANA

Conselho Editorial: Padre Adão Soares de Souza, Padre Saint-Clair Ferreira Filho, Padre Bruno Costa Ribeiro Revisão: Mariza da Consolação Pimenta Dupim Jornalista Responsável: Luiz Eduardo Braga - SJPMG 3883 Tiragem: 5.000 exemplares Endereço para correspondência: Rua Amável Nunes, 55 - Centro Guanhães-MG - CEP: 39740-000

Fone:(33) 3421-3331 folhadiocesana@gmail.com Editora Folha Diocesana de Guanhães Ltda CNPJ: 11.364.024/0001-46 www.diocesedeguanhaes.com.br Produção Gráfica: Geração BHZ - 31 3243-3829 Av. Francisco Sales, 40/906 Floresta - Belo Horizonte - MG E-mail: geracaobhz@gmail.com

O jornal Folha Diocesana reserva-se o direito de condensar/editar as matérias enviadas como colaboração.Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião do jornal, sendo de total responsabilidade de seus autores.

MAIO 01 01 01 01 01 10 17 26 27 31 31

Pe. Amarildo Dias da Silva Pe. Joao Gomes dos Santos Pe. Mario Gomes dos Santos Pe. Osmar Batista Siqueira Pe. Wanderlei Rodrigues dos Santos Vinicius Lucas Pereira Brandão Pe. José Martins da Rocha Dom Jacy Diniz Rocha Dom Jeremias Pe. Dilton Maria Pinto Maria Otília Nave Tourais

JUNHO 01 Maria do Carmo Grizante (RV) Pe. Bruno Costa Ribeiro 06 10 Tiago F. Jardim Gomes 18 Filipe Ferreira Coelho 17 Arminda Jesus Batista (Coop. F) 22 Daniel Bueno Borges 26 Pe. Itamar José Pereira 26 Pe. João Evangelista dos Santos 29 Ir. Maria Aparecida Chaves (RV)

a m o c a u b contri A N A S E C O I D A H L O F A FOLHA DIOCESANA PRECISA DE VOCÊ

paróquia Sant’Ana, em Ferros, viveu um profundo momento de louvor e adoração em intenção das famílias. Foi um dia de adoração ao Santíssimo Sacramento, exposto às 7h. Vários grupos se revezaram na vigília eucarística: grupos de cantos, ministros extraordinários da eucaristia, terço das mulheres, RCC, equipe de liturgia, pastoral do dízimo, catequese, apostolado da oração, acólitos, pastoral dos noivos e terço dos homens. A participação da comunidade foi intensa! Muitas pessoas, ao passarem pela rua, ouviam as músicas, os louvores e entravam na igreja para adorar a Jesus Sacramentado. A meditação nesta sexta-feira de adoração foi pedindo a paz nas famílias do mundo inteiro, principalmente

A

Dados para depósito bancário: Editora Folha Diocesana de Guanhães Cooperativa: 4103-3 Conta Corrente: 10.643.001-7 SICOOB-CREDICENM

DIOCESANA

Abril/Maio de 2018

nas famílias ferrenses. A família é a pedra angular da sociedade, se ela não vai bem, toda sociedade também não vai bem. “A família é a base da sociedade e o lugar onde as pessoas aprendem, pela primeira vez os valores que os guiarão durante toda a vida”. (São João Paulo II). Depois de um dia intenso de adoração, às 19h, as famílias ferrenses encheram a igreja matriz da paróquia para a bênção Solene do Santíssimo Sacramento, conduzida pelo Diácono Edmilson. Foi um momento forte de fé! Todo o povo animado cantava e adorava a Jesus Sacramentado e pedia suas bênçãos sobre as famílias. Aprendemos que se Jesus for o centro de nossas famílias nada poderá destruí-la. Em Mateus 7,24-27, quem guarda e põe em prática a palavra de Deus é como se construísse um casa sobre a rocha, nada o

Ordenação Ordenação Ordenação Ordenação Ordenação Nascimento Nascimento Ordenação presbiteral Nascimento Ordenação Consagração

Ordenação Nascimento Nascimento Nascimento Nascimento Nascimento Nascimento Profissão Religiosa

7

ADORAÇÃO EUCARÍSTICA PELA PAZ NAS FAMÍLIAS

Pe Bruno Costa Ribeiro, colaborador

CALENDÁRIO DIOCESANO

* Catequese: formação nas áreas dias 05, 12, 19 e 26 01 - São José Operário - ANIVERSÁRIO DA DIOCESE 07 e 08 - Formação Permanente para o Clero 15 - Reunião do Conselho Presbiteral, 09h 19 - ESCOLA DE TEOLOGIA. Bíblia III (Sapienciais e Proféticos) – Pe. Wanderlei 22 - Reunião da Cord. Diocesana de Catequese com os Irpaquianos 2018 24 - Reunião da Coordenação de Pastoral/ coordenadores de Áreas, 10h 25 a 27 - ECC, Encontro de 1ª etapa em Rio Vermelho 26 - PASCOM. Formação de coordenações paroquias 26 e 27 - Encontro diocesano de formação missionária 27 - Aniversário natalício de Dom Jeremias 29 - Reunião do Clero, 09h 31 - CORPUS CHRISTI

FORMAÇÃO

FO LH A

2

FO LH A

pag2e7 2018_PAG1N.QXD 03/05/2018 11:08 Página 1

abala. Entretanto quem não prática os ensinamentos de Cristo, é como se construísse uma casa na areia, na primeira chuva ou vento a casa cairia, ou seja, na primeira tribulação não resistiria. Todos que participaram saíram renovados e fortalecidos, gratos a Deus por tudo que aconteceu. Que nossas famílias sejam edificadas nos ensinamentos de Jesus Cristo, para que nenhuma tribulação as destrua. Família que reza unidade, permanece unida. Rogério Oliveira Ministro Extraordinário da Eucaristia

NINGUÉM NA IGREJA É DONO DA LITURGIA e um vídeo de três minutos divulgado nas redes sociais com a fala de Dom Armando Bucciol, Bispo de Livramento de Nossa Senhora/BA e presidente da comissão da Comissão de Liturgia da CNBB durante uma coletiva de imprensa na Assembleia Geral dos Bispos do Brasil 2018, transcrevemos alguns trechos aqui. “Ninguém na igreja é dono da liturgia mas, seu servidor - disse o bispo– e portanto não posso manipular a liturgia ao meu bel prazer”. Essas manipulações são “criatividade selvagem e fantasia”. Pois, “a liturgia é obra do Espírito e da Igreja ao longo dos séculos. Cada gesto, cada rito, tem uma longa história”. Algumas polêmicas que acontecem hoje é por que “não se conhece a história nem as raízes e nem as razões de cada gesto e de cada rito”. Quem “manipula ao seu bel prazer está traindo” e, ainda, “empobrece e confunde”, apesar de que “a força do Espírito supera qualquer lei e qualquer norma”. “Devo me colocar (sic) não para seduzir, mas para conduzir. Seduzir é chamar

D

atenção sobre si e não apontar para aquele que é o único digno de louvor e glória”. “Todos os padres que manipulam a liturgia com uma criatividade selvagem, compreendam que não é por aí que se evangeliza.” Foi o que disse o bispo presidente da Comissão Pastoral Episcopal para Liturgia que visa acompanhar a dimensão litúrgica e a sua importância para a Igreja no Brasil. A comissão tem várias dimensões e faz um belo trabalho de orientação. A liturgia é da igreja! Sendo assim não se pode criar uma Liturgia própria e deixar de lado a que foi transmitida pela Tradição. “Por criatividade não se deve entender tirar como que do nada expressões litúrgicas inéditas. Pelo contrário, a verdadeira criatividade é orgânica: está ligada aos ritos precedentes como o celebrante de hoje aos do passado” (CNBB Doc 43). “A participação na Eucaristia nos faz entrar no mistério pascal de Cristo, permitindo-nos passar com Ele da morte à vida, isso é, ali no calvário. A Missa é refazer o calvário, não é um espetáculo” disse o papa Francisco numa de suas cateque-

ses sobre a missa. Procuremos fazer da “liturgia terrestre, um aperitivo da Liturgia Celeste”, buscando sim usufruir da Criatividade para que a liturgia seja cada vez mais dinâmi-

ca e menos estática, mas não vamos seguir modismos e cair no erro de ferir a particularidade e a essência de cada gesto ou ação litúrgica.

Dr. Marco Aurélio de Assis Otorrinolaringologista/Alergologista

Diác. Daniel Bueno Borges

Dra. Renata Coelho Argolo Assis Endodontista/ Tratamento de canal

CRM-MG: 29104

CRO-MG: 23126

Dra. Georgia R. Oliveira Carvalhaes Fonoaudióloga CRFA-MG 8.160

Dr. Fábio de Morais Ramos Endocrinologista CRM-MG: 29753

Dr. Marco Lino do Carmo Vieira Gastroenterologia clínica/ Endoscopia digestiva

Dra. Marina Coelho Argolo Vieira Dermatologista

CRM-MG: 47248

CRM-MG: 47459

Dr. Rodrigo Magalhães Otorrinolaringologista/Cirurgia de cabeça e pescoço CRM-MG: 46174

Rua das Flores, 43 Centro – Capelinha/MG CEP: 39680-000 Fone: (33) 3516.1556 Cel.: (33) 99146.5453

Praça Batista Lopes, 30 Centro – Santa Maria/MG CEP: 39780-000 Fone: (33) 3431.1360

Rua Dr. Odilon Behrens, 164 – 2 andar Centro – Guanhães/MG CEP: 39740-000 Fone: (33) 3421.1804 (33) 3421.1645


DIOCESANA

GERAL

Abril/Maio de 2018

A LUTA CONTRA A INJUSTIÇA É TÃO IMPORTANTE QUANTO O COMBATE AO ABORTO, DIZ O PAPA a sua terceira exortação apostólica intitulada por "Gaudete et Exsultate" (“Alegrai-vos e Exultai) – sobre como as pessoas podem viver a santidade no mundo contemporâneo, repleto de distrações seculares e materialismo – o papa Francisco afirma que “Não podemos considerar um ideal de santidade que ignore a injustiça deste mundo, onde alguns festejam, gastam alegremente e reduzem sua vida às novidades de consumo, ao mesmo tempo que outros apenas observam de fora, enquanto sua vida passa e se acaba miseravelmente”. O pontífice alerta que os católicos não devem “relativizar” diferentes aspectos dos ensinamentos sociais da igreja, dando prioridade ou atenção total a uma única questão ética ou moral, enquanto menosprezam problemas sociais: “Nossa defesa do inocente não nascido, por exemplo, precisa ser clara, firme e passional, porque em risco está a dignidade de uma vida humana, que é sempre sagrada e exige amor para cada pessoa, independentemente de seu estágio de desenvolvimento”. “Igualmente sagrada, entretanto, são as vidas dos pobres, aqueles já nascidos, dos necessitados, dos abandonados e dos desfavorecidos, dos enfermos vulneráveis e dos idosos expostos à eutanásia enco-

zeres ocasionais e passageiros, mas não gozo”: “Não podemos planejar um ideal de santidade que ignore a injustiça deste mundo, onde alguns festejam, gastam alegremente e reduzem sua vida às novidades do consumo, ao mesmo tempo que outros só olham de fora, enquanto sua vida passa e acaba miseravelmente”, disse. Além disso, avisa que “o consumo de informação superficial e as formas de comunicação rápida e virtual podem ser um fator de atordoamento que nos afasta da carne sofrente dos irmãos”: “As constantes novidades dos recursos tecnológicos, o atrativo das viagens, as inumeráveis ofertas para o consumo às vezes não deixam espaços vazios onde ressoe a voz de Deus”, afirmou. “Tudo se enche de palavras, de desfrutes epidérmicos e de ruídos com uma velocidade sempre maior. Ali não reina a alegria, senão a insatisfação de quem não sabe para que vive”, disse Francisco.

N

ARTIGOS

3

FO LH A

6

FO LH A

pag3e6 2018_PAG1N.QXD 03/05/2018 11:28 Página 1

DIOCESANA

Abril/Maio de 2018

DISCÍPULOS E MISSIONÁRIOS NA VIDA PÚBLICA s discípulos e missionários de Cristo devem iluminar com a luz do Evangelho todos os âmbitos da vida social. (...) Se muitas das estruturas atuais geram pobreza, em parte é devido à falta de fidelidade a compromissos evangélicos de muitos cristãos com especiais responsabilidades políticas, econômicas e culturais” (DAp, n.501). “Os leigos de nosso Continente, conscientes de sua chamada à santidade em virtude de sua vocação batismal, são os que têm de atuar à maneira de fermento na massa para construir uma cidade temporal que esteja de acordo com o projeto de Deus. A coerência entre a fé e vida no âmbito político, econômico e social exige a formação da consciência, que se traduz no conhecimento da Doutrina Social da Igreja. (...) ‘a vida cristã não se

“O

expressa somente nas virtudes pessoais, mas também nas virtudes sociais e políticas’” (DAp, n.505). O Documento de Aparecida Texto conclusivo da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe – traz uma boa reflexão acerca da responsabilidade dos discípulos e missionários de Cristo: “Pensemos em quão necessária é a integridade moral nos políticos. Muitos dos países latino-americanos e caribenhos, mas também em outros continentes, vivem na miséria, por problemas endêmicos de corrupção”. A atual situação político-econômica e social de nosso país decorre desses “problemas endêmicos de corrupção”. Nós, cristãs e cristãos leigos, somos chamados a “fazer o bem, para ser servidor da verdade e do desenvolvimento de

nossas tarefas sem nos deixar corromper por favores, interesses e vantagens. É necessária muita força e perseverança para conservar a honestidade que deve surgir de uma nova educação que rompa o círculo vicioso da corrupção imperante”(DAp, n. 507.). Que estejamos presentes na vida pública, mais concretamente “na formação dos consensos necessários e na oposição contra a injustiça” (DI 4.)

Mariza da Consolação Pimenta Dupim mariza-pimenta@hotmail.com)

“PENSEMOS EM QUÃO NECESSÁRIA É A INTEGRIDADE MORAL NOS POLÍTICOS. MUITOS DOS PAÍSES LATINOAMERICANOS E CARIBENHOS, MAS TAMBÉM EM OUTROS CONTINENTES, VIVEM NA MISÉRIA, POR PROBLEMAS ENDÊMICOS DE CORRUPÇÃO”

Pe Bruno Costa Ribeiro

berta, das vítimas de tráfico humano, de novas formas de escravidão e de qualquer forma de rejeição”. No documento, o papa também critica

“a alegria consumista e individualista tão presente em algumas experiências culturais de hoje” e ressalta que “o consumismo só enche o coração; pode brindar pra-

ÁREAS PASTORAIS ossa diocese foi reorganizada em 4 áreas pastorais. Segundo o coordenador de pastoral, Pe José Aparecido dos Santos, “visam facilitar o trabalho pastoral, o estudo, a aplicação das propostas pastorais da diocese. É uma metodologia usada para facilitar o trabalho, caminhar mais perto das paróquias, facilitar o estudo dos documentos da Igrejas e propostas pastorais partilhando com os leigos, que representam nossas comunidades, tornando-os presentes na decisões da igreja”. A “Área 1” é composta por São João Evangelista, Paulistas, Peçanha/Cantagalo, São Pedro do Suaçuí, São José do Jacuri, Coluna/ Frei Lagonegro, São Sebastião do Maranhão, Água Boa e Santa Maria do Suaçuí/ José

N

Raydan. Padre João Carlos de Souza é o responsável pela área. A “Área 2” é coordenada pelo Pe José Martins e é constituída por Joanésia, Braúnas, Virginópolis e Divinolândia de Minas. A “Área 3” é constituída por Morro do Pilar, Santo Antônio do Rio Abaixo, Dom Joaquim, Conceição do Mato Dentro, Córregos e Tapera, tendo como coordenador Pe José Geraldo. A “Área 4”, da qual fazem parte Guanhães (São Miguel e N Sra Aparecida), Rio Vermelho, Materlândia, Sabinópolis, Senhora do Porto, Dores de Guanhães/ Carmésia e Ferros é coordenada pelo padre Salomão. Inspirados no Ano do Laicato, que o trabalho de evangelização siga com o protagonismo dos fiéis nesta porção do Povo de Deus. Pascom/ Diocese de Guanhães

O QUE PODEMOS APRENDER COM MARIA? o final da década de 90, um acidente na BR 381 tirou a vida de minha irmã, na época com 34 anos e grávida de 6 meses. Naquele dia, toda família foi tomada pelo susto da notícia e, ao mesmo tempo, por uma paz e confiança em Deus muito grande. Minha mãe conseguiu chegar para se despedir do corpo da minha irmã, apenas 1 hora antes do enterro. E foi exatamente nesse contexto de dor que testemunhamos a necessidade de termos Maria de Nazaré como exemplo de mãe a ser seguido. Quando minha mãe chegou ao salão de velório, ao invés de desespero, agradecimento a Deus pelos anos que ele possibilitou que minha irmã passasse en-

N

'o melhor instrumento para evangelizar o jovem é outro jovem' (Papa Francisco)

#Programa Nova Geração Um canal de comunicação com a juventude.

tre nós e por tantas graças recebidas em vida. Após o enterro, perguntamos a nossa mãe como ela teve tanta paz e força num momento tão delicado. Ela respondeu: - Minha filha, pensei tanto em Nossa Senhora, no que ela viveu, na aflição ao ver e acompanhar o filho ser barbaramente torturado e crucificado e ainda ter forças para ficar, de pé, frente à cruz e, ainda por cima, receber o corpo de seu filho nos braços após todo sofrimento. Pedi a ela que me desse força também naquele momento e ela me deu. A vida de Maria tem muito a nos ensinar. Há um livro, escrito por Inácio Larranãga, chamado O silêncio de Maria. Lindíssimo, ele nos mostra que Maria, em

A Pastoral da Juventude exerce sua missão de evangelizar os jovens também através do #Programa Nova Geração. Todos os sábados, às 15:00 horas na Rádio Vida Nova Fm 91,5 Mhz ou pela internet em www.vidanovafm.com.br. Curta e acompanhe a nossa página no facebook e nos dê sua opinião e sugestão!

Pastoral da Juventude Diocese de Guanhães/MG

seu silêncio, nos ensina que:  Deus, a gente acolhe, não dá para entender.  Crer é um eterno caminhar por ruas escuras e quase sempre vazias, porque o Pai está sempre no meio de sombras espessas. A fé é isto: peregrinar, subir, chorar, duvidar, esperar, cair e levantarse.

Regina Coele Barroso Queiroz Santos

 Deus é silêncio. Opera silenciosamente nas profundezas da alma. E por isso, necessário se faz falar e fazer, a todo o momento, como Maria: “Eis aqui a Serva(o) do Senhor, façase em mim, segundo a tua palavra.” “Abandona-te, em Silêncio, ao Senhor e põe nele sua confiança.”

Catequista - Sabinópolis butibarroso@yahoo.com.br.


Abril/Maio de 2018

DIOCESE DE GUANHÃES

5

FO LH A

DIOCESANA

ANOS

4

FO LH A

pag4e5 2018_PAG1N.QXD 03/05/2018 11:35 Página 1

DIOCESANA

Abrl/Maio de 2018

UMA JOVEM E PROMISSORA IGREJA ia 1º de maio a Diocese de Guanhães completou 32 anos! Se estivéssemos falando de uma pessoa, estaríamos mencionando uma pessoa jovem. Mais jovem ainda quando se trata de uma porção da mais que milenar Igreja de Cristo, esta porção do povo de Deus que vive e anuncia o evangelho no centro nordeste de Minas Gerais, desde 1986. Bodas de pinho! Sim! Sinal de maturidade estes 32 anos, vivenciados com a trajetória de três bispos e dois administra-

D

dores diocesanos, somando cinco assembleias diocesanas de pastoral! É muita história para uma Igreja tão jovem! Ainda ecoam em muitos corações os cânticos de recepção e posse de Dom Antônio Felippe da Cunha, SDN, naquele 1º de maio de 1986. Todos nos contagiávamos com a jovialidade de Dom Felippe, com seu ardor missionário, com seu desejo de fazer desta Igreja Particular (cânon 368) uma Igreja viva e evangelizadora! Era uma Igreja pujante, mas pobre: não havia uma residência episcopal. O bispo residia na casa paroquial de Gua-

nhães, depois em casa alugada. A catedral ainda consumiria muitos milhares de reais até ficar totalmente concluída! A Igreja tinha pressas, como anunciava o lema episcopal de seu primeiro pastor: “com a presteza de Maria”. Lembro-me que no mesmo mês de maio da instalação da Diocese, o então pároco de Guanhães, Pe. Leonardo de Miranda Pereira, foi eleito bispo de Paracatu-MG. Uma das faixas que tremulavam pela cidade dizia: “Guanhães, com a presteza de Maria, antes de gerar padre, gera bispo”. E outra homenageava o no-

vo bispo: “Salve o pequeno-grande que fez grande a Guanhães pequena”. Joias da lavra do saudoso Múcio Leão! Tivemos com Dom Felippe a celebração do Ano Jubilar e a 1ª Assembleia Diocesana (31/07 e 01/08 de 1993). Ordenou nove padres para a Diocese! Pouco tempo depois, Dom Felippe renunciou, por motivos de saúde, e faleceu um mês depois, em 05/03/1995. Quanta saudade! Por aqui passou um homem de Deus! Após a renúncia do bispo, o colégio de consultores elegeu Pe. Saint-Clair Ferreira

Filho como Administrador Diocesano. Não foi muito o tempo de sua administração, mas posso testemunhar que foi um tempo de intensa colegialidade, de intensa fraternidade presbiteral sentida, sobretudo, quando enfrentamos um pequenino “cisma”, em abril/1995. O idealizador da atitude separatista pensou que causaria um “racha” de extrema gravidade, mas o sensus fidelium do povo de Deus não permitiu prejuízos maiores, e tudo se resolveu em paz! Dom José Heleno, bispo de Governador Valadares, foi nomeado Administrador Apostólico, e Pe.

Saint-Clair trabalhou como seu mais próximo colaborador. Nesse período de Dom Heleno foi adquirida a Rádio Vida Nova FM, joia preciosa da evangelização. Dom Heleno permaneceu até a chegada do segundo bispo, Dom Emanuel Messias, em 1998. A Folha Diocesana fez uma edição especial para receber o novo bispo (edição nº 27, jan/1998). Dom Emanuel realizou três assembleias diocesanas: 22-24/09/2000, 1112/09/2004, e 06-07/06/2009. Nesse período foram concluídas as obras da catedral e celebrado o Jubileu de Prata Dio-

cesano, com uma edição comemorativa da Bíblia Pastoral (Paulinas). Dom Emanuel, dentre tantas atividades, incentivou o desenvolvimento da Rádio Vida Nova e da Folha Diocesana. Após uma década de intensos trabalhos, Dom Emanuel foi transferido para a Diocese de Caratinga, e em seu lugar foi eleito um Administrador Diocesano, Pe. Marcello Romano, um pastor sensato, competente, mais tarde eleito bispo de Araçuaí, onde permanece em seu trabalho missionário. A quinta assembleia diocesana de pas-

toral foi realizada quatro anos após a chegada do terceiro e atual bispo diocesano, Dom Jeremias Antonio de Jesus, que tomou posse em 19/08/2012. Já são quase seis anos de pastoreio, com diversos padres ordenados. Há uma longa vida de atividades pela frente! Sucesso, Dom Jeremias! Parabéns, Diocese de Guanhães! Texto: Pe Ismar Dias de Matos Fotos: Rádio Vida Nova FM 91,5


Abril/Maio de 2018

DIOCESE DE GUANHÃES

5

FO LH A

DIOCESANA

ANOS

4

FO LH A

pag4e5 2018_PAG1N.QXD 03/05/2018 11:35 Página 1

DIOCESANA

Abrl/Maio de 2018

UMA JOVEM E PROMISSORA IGREJA ia 1º de maio a Diocese de Guanhães completou 32 anos! Se estivéssemos falando de uma pessoa, estaríamos mencionando uma pessoa jovem. Mais jovem ainda quando se trata de uma porção da mais que milenar Igreja de Cristo, esta porção do povo de Deus que vive e anuncia o evangelho no centro nordeste de Minas Gerais, desde 1986. Bodas de pinho! Sim! Sinal de maturidade estes 32 anos, vivenciados com a trajetória de três bispos e dois administra-

D

dores diocesanos, somando cinco assembleias diocesanas de pastoral! É muita história para uma Igreja tão jovem! Ainda ecoam em muitos corações os cânticos de recepção e posse de Dom Antônio Felippe da Cunha, SDN, naquele 1º de maio de 1986. Todos nos contagiávamos com a jovialidade de Dom Felippe, com seu ardor missionário, com seu desejo de fazer desta Igreja Particular (cânon 368) uma Igreja viva e evangelizadora! Era uma Igreja pujante, mas pobre: não havia uma residência episcopal. O bispo residia na casa paroquial de Gua-

nhães, depois em casa alugada. A catedral ainda consumiria muitos milhares de reais até ficar totalmente concluída! A Igreja tinha pressas, como anunciava o lema episcopal de seu primeiro pastor: “com a presteza de Maria”. Lembro-me que no mesmo mês de maio da instalação da Diocese, o então pároco de Guanhães, Pe. Leonardo de Miranda Pereira, foi eleito bispo de Paracatu-MG. Uma das faixas que tremulavam pela cidade dizia: “Guanhães, com a presteza de Maria, antes de gerar padre, gera bispo”. E outra homenageava o no-

vo bispo: “Salve o pequeno-grande que fez grande a Guanhães pequena”. Joias da lavra do saudoso Múcio Leão! Tivemos com Dom Felippe a celebração do Ano Jubilar e a 1ª Assembleia Diocesana (31/07 e 01/08 de 1993). Ordenou nove padres para a Diocese! Pouco tempo depois, Dom Felippe renunciou, por motivos de saúde, e faleceu um mês depois, em 05/03/1995. Quanta saudade! Por aqui passou um homem de Deus! Após a renúncia do bispo, o colégio de consultores elegeu Pe. Saint-Clair Ferreira

Filho como Administrador Diocesano. Não foi muito o tempo de sua administração, mas posso testemunhar que foi um tempo de intensa colegialidade, de intensa fraternidade presbiteral sentida, sobretudo, quando enfrentamos um pequenino “cisma”, em abril/1995. O idealizador da atitude separatista pensou que causaria um “racha” de extrema gravidade, mas o sensus fidelium do povo de Deus não permitiu prejuízos maiores, e tudo se resolveu em paz! Dom José Heleno, bispo de Governador Valadares, foi nomeado Administrador Apostólico, e Pe.

Saint-Clair trabalhou como seu mais próximo colaborador. Nesse período de Dom Heleno foi adquirida a Rádio Vida Nova FM, joia preciosa da evangelização. Dom Heleno permaneceu até a chegada do segundo bispo, Dom Emanuel Messias, em 1998. A Folha Diocesana fez uma edição especial para receber o novo bispo (edição nº 27, jan/1998). Dom Emanuel realizou três assembleias diocesanas: 22-24/09/2000, 1112/09/2004, e 06-07/06/2009. Nesse período foram concluídas as obras da catedral e celebrado o Jubileu de Prata Dio-

cesano, com uma edição comemorativa da Bíblia Pastoral (Paulinas). Dom Emanuel, dentre tantas atividades, incentivou o desenvolvimento da Rádio Vida Nova e da Folha Diocesana. Após uma década de intensos trabalhos, Dom Emanuel foi transferido para a Diocese de Caratinga, e em seu lugar foi eleito um Administrador Diocesano, Pe. Marcello Romano, um pastor sensato, competente, mais tarde eleito bispo de Araçuaí, onde permanece em seu trabalho missionário. A quinta assembleia diocesana de pas-

toral foi realizada quatro anos após a chegada do terceiro e atual bispo diocesano, Dom Jeremias Antonio de Jesus, que tomou posse em 19/08/2012. Já são quase seis anos de pastoreio, com diversos padres ordenados. Há uma longa vida de atividades pela frente! Sucesso, Dom Jeremias! Parabéns, Diocese de Guanhães! Texto: Pe Ismar Dias de Matos Fotos: Rádio Vida Nova FM 91,5


DIOCESANA

GERAL

Abril/Maio de 2018

A LUTA CONTRA A INJUSTIÇA É TÃO IMPORTANTE QUANTO O COMBATE AO ABORTO, DIZ O PAPA a sua terceira exortação apostólica intitulada por "Gaudete et Exsultate" (“Alegrai-vos e Exultai) – sobre como as pessoas podem viver a santidade no mundo contemporâneo, repleto de distrações seculares e materialismo – o papa Francisco afirma que “Não podemos considerar um ideal de santidade que ignore a injustiça deste mundo, onde alguns festejam, gastam alegremente e reduzem sua vida às novidades de consumo, ao mesmo tempo que outros apenas observam de fora, enquanto sua vida passa e se acaba miseravelmente”. O pontífice alerta que os católicos não devem “relativizar” diferentes aspectos dos ensinamentos sociais da igreja, dando prioridade ou atenção total a uma única questão ética ou moral, enquanto menosprezam problemas sociais: “Nossa defesa do inocente não nascido, por exemplo, precisa ser clara, firme e passional, porque em risco está a dignidade de uma vida humana, que é sempre sagrada e exige amor para cada pessoa, independentemente de seu estágio de desenvolvimento”. “Igualmente sagrada, entretanto, são as vidas dos pobres, aqueles já nascidos, dos necessitados, dos abandonados e dos desfavorecidos, dos enfermos vulneráveis e dos idosos expostos à eutanásia enco-

zeres ocasionais e passageiros, mas não gozo”: “Não podemos planejar um ideal de santidade que ignore a injustiça deste mundo, onde alguns festejam, gastam alegremente e reduzem sua vida às novidades do consumo, ao mesmo tempo que outros só olham de fora, enquanto sua vida passa e acaba miseravelmente”, disse. Além disso, avisa que “o consumo de informação superficial e as formas de comunicação rápida e virtual podem ser um fator de atordoamento que nos afasta da carne sofrente dos irmãos”: “As constantes novidades dos recursos tecnológicos, o atrativo das viagens, as inumeráveis ofertas para o consumo às vezes não deixam espaços vazios onde ressoe a voz de Deus”, afirmou. “Tudo se enche de palavras, de desfrutes epidérmicos e de ruídos com uma velocidade sempre maior. Ali não reina a alegria, senão a insatisfação de quem não sabe para que vive”, disse Francisco.

N

ARTIGOS

3

FO LH A

6

FO LH A

pag3e6 2018_PAG1N.QXD 03/05/2018 11:28 Página 1

DIOCESANA

Abril/Maio de 2018

DISCÍPULOS E MISSIONÁRIOS NA VIDA PÚBLICA s discípulos e missionários de Cristo devem iluminar com a luz do Evangelho todos os âmbitos da vida social. (...) Se muitas das estruturas atuais geram pobreza, em parte é devido à falta de fidelidade a compromissos evangélicos de muitos cristãos com especiais responsabilidades políticas, econômicas e culturais” (DAp, n.501). “Os leigos de nosso Continente, conscientes de sua chamada à santidade em virtude de sua vocação batismal, são os que têm de atuar à maneira de fermento na massa para construir uma cidade temporal que esteja de acordo com o projeto de Deus. A coerência entre a fé e vida no âmbito político, econômico e social exige a formação da consciência, que se traduz no conhecimento da Doutrina Social da Igreja. (...) ‘a vida cristã não se

“O

expressa somente nas virtudes pessoais, mas também nas virtudes sociais e políticas’” (DAp, n.505). O Documento de Aparecida Texto conclusivo da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe – traz uma boa reflexão acerca da responsabilidade dos discípulos e missionários de Cristo: “Pensemos em quão necessária é a integridade moral nos políticos. Muitos dos países latino-americanos e caribenhos, mas também em outros continentes, vivem na miséria, por problemas endêmicos de corrupção”. A atual situação político-econômica e social de nosso país decorre desses “problemas endêmicos de corrupção”. Nós, cristãs e cristãos leigos, somos chamados a “fazer o bem, para ser servidor da verdade e do desenvolvimento de

nossas tarefas sem nos deixar corromper por favores, interesses e vantagens. É necessária muita força e perseverança para conservar a honestidade que deve surgir de uma nova educação que rompa o círculo vicioso da corrupção imperante”(DAp, n. 507.). Que estejamos presentes na vida pública, mais concretamente “na formação dos consensos necessários e na oposição contra a injustiça” (DI 4.)

Mariza da Consolação Pimenta Dupim mariza-pimenta@hotmail.com)

“PENSEMOS EM QUÃO NECESSÁRIA É A INTEGRIDADE MORAL NOS POLÍTICOS. MUITOS DOS PAÍSES LATINOAMERICANOS E CARIBENHOS, MAS TAMBÉM EM OUTROS CONTINENTES, VIVEM NA MISÉRIA, POR PROBLEMAS ENDÊMICOS DE CORRUPÇÃO”

Pe Bruno Costa Ribeiro

berta, das vítimas de tráfico humano, de novas formas de escravidão e de qualquer forma de rejeição”. No documento, o papa também critica

“a alegria consumista e individualista tão presente em algumas experiências culturais de hoje” e ressalta que “o consumismo só enche o coração; pode brindar pra-

ÁREAS PASTORAIS ossa diocese foi reorganizada em 4 áreas pastorais. Segundo o coordenador de pastoral, Pe José Aparecido dos Santos, “visam facilitar o trabalho pastoral, o estudo, a aplicação das propostas pastorais da diocese. É uma metodologia usada para facilitar o trabalho, caminhar mais perto das paróquias, facilitar o estudo dos documentos da Igrejas e propostas pastorais partilhando com os leigos, que representam nossas comunidades, tornando-os presentes na decisões da igreja”. A “Área 1” é composta por São João Evangelista, Paulistas, Peçanha/Cantagalo, São Pedro do Suaçuí, São José do Jacuri, Coluna/ Frei Lagonegro, São Sebastião do Maranhão, Água Boa e Santa Maria do Suaçuí/ José

N

Raydan. Padre João Carlos de Souza é o responsável pela área. A “Área 2” é coordenada pelo Pe José Martins e é constituída por Joanésia, Braúnas, Virginópolis e Divinolândia de Minas. A “Área 3” é constituída por Morro do Pilar, Santo Antônio do Rio Abaixo, Dom Joaquim, Conceição do Mato Dentro, Córregos e Tapera, tendo como coordenador Pe José Geraldo. A “Área 4”, da qual fazem parte Guanhães (São Miguel e N Sra Aparecida), Rio Vermelho, Materlândia, Sabinópolis, Senhora do Porto, Dores de Guanhães/ Carmésia e Ferros é coordenada pelo padre Salomão. Inspirados no Ano do Laicato, que o trabalho de evangelização siga com o protagonismo dos fiéis nesta porção do Povo de Deus. Pascom/ Diocese de Guanhães

O QUE PODEMOS APRENDER COM MARIA? o final da década de 90, um acidente na BR 381 tirou a vida de minha irmã, na época com 34 anos e grávida de 6 meses. Naquele dia, toda família foi tomada pelo susto da notícia e, ao mesmo tempo, por uma paz e confiança em Deus muito grande. Minha mãe conseguiu chegar para se despedir do corpo da minha irmã, apenas 1 hora antes do enterro. E foi exatamente nesse contexto de dor que testemunhamos a necessidade de termos Maria de Nazaré como exemplo de mãe a ser seguido. Quando minha mãe chegou ao salão de velório, ao invés de desespero, agradecimento a Deus pelos anos que ele possibilitou que minha irmã passasse en-

N

'o melhor instrumento para evangelizar o jovem é outro jovem' (Papa Francisco)

#Programa Nova Geração Um canal de comunicação com a juventude.

tre nós e por tantas graças recebidas em vida. Após o enterro, perguntamos a nossa mãe como ela teve tanta paz e força num momento tão delicado. Ela respondeu: - Minha filha, pensei tanto em Nossa Senhora, no que ela viveu, na aflição ao ver e acompanhar o filho ser barbaramente torturado e crucificado e ainda ter forças para ficar, de pé, frente à cruz e, ainda por cima, receber o corpo de seu filho nos braços após todo sofrimento. Pedi a ela que me desse força também naquele momento e ela me deu. A vida de Maria tem muito a nos ensinar. Há um livro, escrito por Inácio Larranãga, chamado O silêncio de Maria. Lindíssimo, ele nos mostra que Maria, em

A Pastoral da Juventude exerce sua missão de evangelizar os jovens também através do #Programa Nova Geração. Todos os sábados, às 15:00 horas na Rádio Vida Nova Fm 91,5 Mhz ou pela internet em www.vidanovafm.com.br. Curta e acompanhe a nossa página no facebook e nos dê sua opinião e sugestão!

Pastoral da Juventude Diocese de Guanhães/MG

seu silêncio, nos ensina que:  Deus, a gente acolhe, não dá para entender.  Crer é um eterno caminhar por ruas escuras e quase sempre vazias, porque o Pai está sempre no meio de sombras espessas. A fé é isto: peregrinar, subir, chorar, duvidar, esperar, cair e levantarse.

Regina Coele Barroso Queiroz Santos

 Deus é silêncio. Opera silenciosamente nas profundezas da alma. E por isso, necessário se faz falar e fazer, a todo o momento, como Maria: “Eis aqui a Serva(o) do Senhor, façase em mim, segundo a tua palavra.” “Abandona-te, em Silêncio, ao Senhor e põe nele sua confiança.”

Catequista - Sabinópolis butibarroso@yahoo.com.br.


DIOCESANA

Abril/Maio de 2018

REDAÇÃO

EDITORIAL

DIOCESE DE GUANHÃES: 32 ANOS DE CAMINHADA dia 1º de maio inicialmente foi marcado por greves e manifestações como forma de os operários reivindicarem e mostrarem apoio à causa trabalhista. Posteriormente, passou a ser conhecido como o “Dia do Trabalho” e passava a comprovar o poder de organização dos trabalhadores em âmbito internacional. Em 1955, Pio XII tornou essa data como forma de homenagear a todos pelos serviços prestados, a exemplo de São José Operário, do Cristo operário, trabalhador. Em Guanhães e região, continua sendo um dia de homenagens e manifestações: de ação de graças, de fraternidade, de comunhão, de espiritualidade. É um dia de celebração, muita oração, contemplação, reencontros. É o dia dos trabalhadores, dia de São José operário e é o “dia

O

da diocese de Guanhães”; data em que fiéis de variadas localidades de nossa diocese vivem momentos especiais junto à catedral de Guanhães para comemoração do aniversário de criação da diocese de Guanhães. A diocese de Guanhães foi criada em 24 de maio de 1985, pela Bula Pontifícia "RECTE QUIDEM", do Papa João Paulo II, e instalada solenemente a 1º de maio de 1986, pelo então Núncio Apostólico no Brasil, dom Carlo Furno que, no mesmo dia, deu posse ao primeiro bispo de Guanhães, dom Antônio Felippe da Cunha. Em tempos de “Igreja em Saída” (EG 49) instruídos por papa Francisco que sonha “com uma opção missionária capaz de transformar tudo, para que os costumes, os estilos, os horários, a linguagem e toda a estru-

tura eclesial se tornem um canal proporcionado mais à evangelização do mundo atual que à autopreservação” somos convocados a ser “ousados e criativos nesta tarefa de repensar os objetivos, a estruturas, o estilo e os métodos evangelizadores das respectivas comunidades” (EG 33). “Que Nossa Senhora, a quem a diocese é dedicada e está também consagrada – suplica Dom Jeremias –, interceda pelos nossos diocesanos, pelo nosso clero, pelo nosso povo. E não nos faltem a intercessão e a proteção de São Miguel Arcanjo que é nosso padroeiro.” Inspirados no Ano do Laicato, que o trabalho de evangelização siga perseverante também com o protagonismo dos fiéis nesta porção do Povo de Deus.

COMEMORAÇÃO MAIO E JUNHO DE 2018

MAIO

PADRES, RELIGIOSAS, CONSAGRADAS E SEMINARISTAS DA DIOCESE DE GUANHÃES

JUNHO

EXPEDIENTE

FO LH A

* Catequese: formação nas paróquias 04 a 07 - Regional Leste II (CONSER E COORD. PASTORAL), Serra da Piedade, Caeté 08 a 10 - ECC, Encontro de 1ª etapa em São Sebastião do Maranhão 13 a 24 - Jubileu do Bom Jesus em CMD 16 - ESCOLA DE TEOLOGIA. Bíblia IV (Mateus e Marcos) – Pe. Bruno 19 - Chegada dos Padres em CMD para o Jubileu 20 - Assembleia da ASPREMONO em CMD 30 - Reunião da Cord. Diocesana de Catequese com os Irpaquianos 2018 30 - ECC, Formação de agentes em São Sebastião do Maranhão

DIOCESANA

Conselho Editorial: Padre Adão Soares de Souza, Padre Saint-Clair Ferreira Filho, Padre Bruno Costa Ribeiro Revisão: Mariza da Consolação Pimenta Dupim Jornalista Responsável: Luiz Eduardo Braga - SJPMG 3883 Tiragem: 5.000 exemplares Endereço para correspondência: Rua Amável Nunes, 55 - Centro Guanhães-MG - CEP: 39740-000

Fone:(33) 3421-3331 folhadiocesana@gmail.com Editora Folha Diocesana de Guanhães Ltda CNPJ: 11.364.024/0001-46 www.diocesedeguanhaes.com.br Produção Gráfica: Geração BHZ - 31 3243-3829 Av. Francisco Sales, 40/906 Floresta - Belo Horizonte - MG E-mail: geracaobhz@gmail.com

O jornal Folha Diocesana reserva-se o direito de condensar/editar as matérias enviadas como colaboração.Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião do jornal, sendo de total responsabilidade de seus autores.

MAIO 01 01 01 01 01 10 17 26 27 31 31

Pe. Amarildo Dias da Silva Pe. Joao Gomes dos Santos Pe. Mario Gomes dos Santos Pe. Osmar Batista Siqueira Pe. Wanderlei Rodrigues dos Santos Vinicius Lucas Pereira Brandão Pe. José Martins da Rocha Dom Jacy Diniz Rocha Dom Jeremias Pe. Dilton Maria Pinto Maria Otília Nave Tourais

JUNHO 01 Maria do Carmo Grizante (RV) Pe. Bruno Costa Ribeiro 06 10 Tiago F. Jardim Gomes 18 Filipe Ferreira Coelho 17 Arminda Jesus Batista (Coop. F) 22 Daniel Bueno Borges 26 Pe. Itamar José Pereira 26 Pe. João Evangelista dos Santos 29 Ir. Maria Aparecida Chaves (RV)

a m o c a u b contri A N A S E C O I D A H L O F A FOLHA DIOCESANA PRECISA DE VOCÊ

paróquia Sant’Ana, em Ferros, viveu um profundo momento de louvor e adoração em intenção das famílias. Foi um dia de adoração ao Santíssimo Sacramento, exposto às 7h. Vários grupos se revezaram na vigília eucarística: grupos de cantos, ministros extraordinários da eucaristia, terço das mulheres, RCC, equipe de liturgia, pastoral do dízimo, catequese, apostolado da oração, acólitos, pastoral dos noivos e terço dos homens. A participação da comunidade foi intensa! Muitas pessoas, ao passarem pela rua, ouviam as músicas, os louvores e entravam na igreja para adorar a Jesus Sacramentado. A meditação nesta sexta-feira de adoração foi pedindo a paz nas famílias do mundo inteiro, principalmente

A

Dados para depósito bancário: Editora Folha Diocesana de Guanhães Cooperativa: 4103-3 Conta Corrente: 10.643.001-7 SICOOB-CREDICENM

DIOCESANA

Abril/Maio de 2018

nas famílias ferrenses. A família é a pedra angular da sociedade, se ela não vai bem, toda sociedade também não vai bem. “A família é a base da sociedade e o lugar onde as pessoas aprendem, pela primeira vez os valores que os guiarão durante toda a vida”. (São João Paulo II). Depois de um dia intenso de adoração, às 19h, as famílias ferrenses encheram a igreja matriz da paróquia para a bênção Solene do Santíssimo Sacramento, conduzida pelo Diácono Edmilson. Foi um momento forte de fé! Todo o povo animado cantava e adorava a Jesus Sacramentado e pedia suas bênçãos sobre as famílias. Aprendemos que se Jesus for o centro de nossas famílias nada poderá destruí-la. Em Mateus 7,24-27, quem guarda e põe em prática a palavra de Deus é como se construísse um casa sobre a rocha, nada o

Ordenação Ordenação Ordenação Ordenação Ordenação Nascimento Nascimento Ordenação presbiteral Nascimento Ordenação Consagração

Ordenação Nascimento Nascimento Nascimento Nascimento Nascimento Nascimento Profissão Religiosa

7

ADORAÇÃO EUCARÍSTICA PELA PAZ NAS FAMÍLIAS

Pe Bruno Costa Ribeiro, colaborador

CALENDÁRIO DIOCESANO

* Catequese: formação nas áreas dias 05, 12, 19 e 26 01 - São José Operário - ANIVERSÁRIO DA DIOCESE 07 e 08 - Formação Permanente para o Clero 15 - Reunião do Conselho Presbiteral, 09h 19 - ESCOLA DE TEOLOGIA. Bíblia III (Sapienciais e Proféticos) – Pe. Wanderlei 22 - Reunião da Cord. Diocesana de Catequese com os Irpaquianos 2018 24 - Reunião da Coordenação de Pastoral/ coordenadores de Áreas, 10h 25 a 27 - ECC, Encontro de 1ª etapa em Rio Vermelho 26 - PASCOM. Formação de coordenações paroquias 26 e 27 - Encontro diocesano de formação missionária 27 - Aniversário natalício de Dom Jeremias 29 - Reunião do Clero, 09h 31 - CORPUS CHRISTI

FORMAÇÃO

FO LH A

2

FO LH A

pag2e7 2018_PAG1N.QXD 03/05/2018 11:08 Página 1

abala. Entretanto quem não prática os ensinamentos de Cristo, é como se construísse uma casa na areia, na primeira chuva ou vento a casa cairia, ou seja, na primeira tribulação não resistiria. Todos que participaram saíram renovados e fortalecidos, gratos a Deus por tudo que aconteceu. Que nossas famílias sejam edificadas nos ensinamentos de Jesus Cristo, para que nenhuma tribulação as destrua. Família que reza unidade, permanece unida. Rogério Oliveira Ministro Extraordinário da Eucaristia

NINGUÉM NA IGREJA É DONO DA LITURGIA e um vídeo de três minutos divulgado nas redes sociais com a fala de Dom Armando Bucciol, Bispo de Livramento de Nossa Senhora/BA e presidente da comissão da Comissão de Liturgia da CNBB durante uma coletiva de imprensa na Assembleia Geral dos Bispos do Brasil 2018, transcrevemos alguns trechos aqui. “Ninguém na igreja é dono da liturgia mas, seu servidor - disse o bispo– e portanto não posso manipular a liturgia ao meu bel prazer”. Essas manipulações são “criatividade selvagem e fantasia”. Pois, “a liturgia é obra do Espírito e da Igreja ao longo dos séculos. Cada gesto, cada rito, tem uma longa história”. Algumas polêmicas que acontecem hoje é por que “não se conhece a história nem as raízes e nem as razões de cada gesto e de cada rito”. Quem “manipula ao seu bel prazer está traindo” e, ainda, “empobrece e confunde”, apesar de que “a força do Espírito supera qualquer lei e qualquer norma”. “Devo me colocar (sic) não para seduzir, mas para conduzir. Seduzir é chamar

D

atenção sobre si e não apontar para aquele que é o único digno de louvor e glória”. “Todos os padres que manipulam a liturgia com uma criatividade selvagem, compreendam que não é por aí que se evangeliza.” Foi o que disse o bispo presidente da Comissão Pastoral Episcopal para Liturgia que visa acompanhar a dimensão litúrgica e a sua importância para a Igreja no Brasil. A comissão tem várias dimensões e faz um belo trabalho de orientação. A liturgia é da igreja! Sendo assim não se pode criar uma Liturgia própria e deixar de lado a que foi transmitida pela Tradição. “Por criatividade não se deve entender tirar como que do nada expressões litúrgicas inéditas. Pelo contrário, a verdadeira criatividade é orgânica: está ligada aos ritos precedentes como o celebrante de hoje aos do passado” (CNBB Doc 43). “A participação na Eucaristia nos faz entrar no mistério pascal de Cristo, permitindo-nos passar com Ele da morte à vida, isso é, ali no calvário. A Missa é refazer o calvário, não é um espetáculo” disse o papa Francisco numa de suas cateque-

ses sobre a missa. Procuremos fazer da “liturgia terrestre, um aperitivo da Liturgia Celeste”, buscando sim usufruir da Criatividade para que a liturgia seja cada vez mais dinâmi-

ca e menos estática, mas não vamos seguir modismos e cair no erro de ferir a particularidade e a essência de cada gesto ou ação litúrgica.

Dr. Marco Aurélio de Assis Otorrinolaringologista/Alergologista

Diác. Daniel Bueno Borges

Dra. Renata Coelho Argolo Assis Endodontista/ Tratamento de canal

CRM-MG: 29104

CRO-MG: 23126

Dra. Georgia R. Oliveira Carvalhaes Fonoaudióloga CRFA-MG 8.160

Dr. Fábio de Morais Ramos Endocrinologista CRM-MG: 29753

Dr. Marco Lino do Carmo Vieira Gastroenterologia clínica/ Endoscopia digestiva

Dra. Marina Coelho Argolo Vieira Dermatologista

CRM-MG: 47248

CRM-MG: 47459

Dr. Rodrigo Magalhães Otorrinolaringologista/Cirurgia de cabeça e pescoço CRM-MG: 46174

Rua das Flores, 43 Centro – Capelinha/MG CEP: 39680-000 Fone: (33) 3516.1556 Cel.: (33) 99146.5453

Praça Batista Lopes, 30 Centro – Santa Maria/MG CEP: 39780-000 Fone: (33) 3431.1360

Rua Dr. Odilon Behrens, 164 – 2 andar Centro – Guanhães/MG CEP: 39740-000 Fone: (33) 3421.1804 (33) 3421.1645


DIOCESANA

Abril/Maio de 2018

BALANÇO

FO LH A

8

FO LH A

pag1e8 2018_PAG1N.QXD 03/05/2018 10:52 Página 1

DIOCESANA INFORMATIVO DA DIOCESE DE GUANHÃES | MG | ANO XXII | Nº 256 | Abril/Maio de 2018

O EXERCÍCIO DA CIDADANIA VAI

DISCÍPULOS E MISSIONÁRIOS NA VIDA PÚBLICA PÁGINA

3

MUITO ALÉM A LUTA CONTRA A INJUSTIÇA É TÃO IMPORTANTE QUANTO O COMBATE AO ABORTO

DO DIREITO AO VOTO, SER CIDADÃO É ATUAR EFETIVAMENTE NA CONSTRUÇÃO DE UM MUNDO MELHOR POR MEIO DA ATUAÇÃO DIRETA DA POLÍTICA.

PÁGINA

UMA JOVEM E PROMISSORA IGREJA PÁGINAS 4 e 5

ANOS DA DIOCESE DE GUANHÃES

6

NINGUÉM NA IGREJA É DONO DA LITURGIA PÁGINA

7

Folha diocesana ed256x  

O jornal Folha Diocesana circula na diocese de Guanhães, Minas Gerais, Brasil

Folha diocesana ed256x  

O jornal Folha Diocesana circula na diocese de Guanhães, Minas Gerais, Brasil

Advertisement