Issuu on Google+

Externato Nossa Senhora da Apresentação


Introdução O Externato Nossa Senhora da Apresentação, baseando-se no ideário da Congregação das Irmãs Servas da Sagrada Família, deve ser um lugar onde as pessoas são compreendidas e educadas em espírito de família, tendo como prioridade orientar as crianças para uma visão humana da pessoa na sociedade à luz do Evangelho. De acordo com este princípio, pretendemos que os nossos alunos: - recebam uma formação que promova o pleno desenvolvimento da sua personalidade nas diferentes áreas curriculares; - participem activamente no funcionamento e actividades do Externato de acordo com as normas do mesmo; - sejam respeitados na sua individualidade e liberdade de expressão, sem prejudicar os outros membros da comunidade educativa; - sejam respeitados na sua integridade física, moral e ética; - sejam avaliados com objectividade e participem activamente na sua avaliação. Deste modo, propomo-nos a educar com humildade, acolhimento, compreensão e alegria, ensinamentos que nos transmitiu a fundadora da Congregação: Irmã Purificação dos Anjos Silva, seguindo o exemplo que nos deixou a Sagrada Família.

Objectivos para o Pré-Escolar O PLANETA TERRA NAS NOSSAS MÃOS

          Construir o Projecto Educativo enquanto instrumento organizador da escola é assumir a autonomia em conformidade com o D.L. nº 43/89 que afirma que “a autonomia da escola concretiza-se na elaboração de um projecto educativo próprio, constituído de uma forma participada, dentro dos princípios de responsabilização dos vários intervenientes na vida escolar e de adequação às várias características e recursos da comunidade em que se insere” e também desenvolver um processo de identidade fundamental para o exercício da mesma autonomia” como capacidade para efectuar opções construtivas elaborando um caminho original “ (DGBS, pág. 7). O nosso P.E. “Educar é um acto de Amor” explicita princípios e valores, metas e estratégias para dar cumprimento à sua missão educativa, cujos destinatários são todos os elementos da comunidade educativa. Partindo deste P.E. pretendemos apoiar toda a actividade pedagógica numa relação onde todos se desenvolvam e enriqueçam, aprendendo a ser cidadãos livres, responsáveis e participativos. Ao reconhecer a família como primeira comunidade educativa, defendemos a importância primordial dos pais na educação das crianças. 2


Ao Externato, enquanto Escola Católica, compete-lhe assegurar às crianças o acesso a uma herança cultural mais vasta, desenvolvendo a inteligência pela aquisição de conhecimentos, possibilitando a formação para a actividade profissional, viabilizando a integração na vida social e propondo o sentido da vida numa perspectiva cristã. O P.E. será o rosto da escola e de toda a comunidade e as suas linhas de acção assim especificadas concretizam-se em cada ano lectivo, mediante o cumprimento do Regulamento Interno do Externato, através do Plano anual de Actividades, e da adequação do Projecto Curricular de Escola ao contexto de cada turma, mediante o Projecto Curricular de Turma.

Objectivos O Externato propõe-se concretizar a sua missão educativa em quatro grandes áreas visando a formação integral de cada um dos seus alunos nas suas dimensões enquanto pessoa, mediante um processo de personalização e autonomia progressiva no desempenho de saber ser, saber fazer, saber cooperar, saber aprender. Assim procuram-se levar a cabo os seguintes objectivos: NA DIMENSÃO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICA

Orientar na aquisição de hábitos intelectuais e de trabalho, promovendo uma atitude criativa,

inovadora, positiva e empreendedora face à vida, no domínio do conhecimento científico, humanístico e estético, capacitando-o para um diálogo construtivo com os outros e com o seu meio ambiente; 

Despertar, capacitar e desenvolver a inteligência para assimilação sistemática e crítica da cultura e

saberes, de forma adaptada ao desenvolvimento, idade, faculdades e opções própria; 

Cultivar hábitos de discernimento e criatividade que permitam ao aluno enfrentar situações de

mudança, actuando conscientemente e tomando decisões responsáveis; 

Educar na aquisição de hábitos de trabalho e compromisso com a realidade que capacitem o aluno

para um diálogo construtivo com o seu meio ambiente; 

Alcançar um domínio dos conhecimentos básicos em cada uma das áreas

curriculares de modo a poder assegurar uma adequada continuidade ao ciclo seguinte; 

Valorizar o uso correcto da língua Portuguesa, a nível da escrita e da

oralidade; 

Promover a aprendizagem da língua Inglesa para facilitar a comunicação e o

acesso à informação; 

Promover o domínio das tecnologias de informação e comunicação;

Estimular o trabalho em grupo e a aprendizagem cooperativa formando o espírito crítico e levando

os alunos a reflectir sobre a realidade; 

Formar uma consciência ecológica que permita compreender a importância de preservar o planeta;

Apresentar um corpo docente devidamente preparado e qualificado; 3


Estimular todas as iniciativas que visem melhorar as condições de trabalho e o clima das relações. RELAÇÃO ESCOLA-FAMÍLIA

A missão de “Educar em Família” é um princípio fundamental do modelo de educação, tornando-se

expressão de toda a estrutura das Escolas e demais Instituições onde estão presentes as irmãs servas da Sagrada Família. 

Envolve toda a função directiva enquanto colegialidade e a participação dos leigos assente na

participação de todos; 

Estimula a cooperação dos pais no processo educativo, quer pelo acompanhamento escolar dos

filhos quer pela colaboração em actividades de complemento curricular; 

Valorizar a instituição familiar como elemento imprescindível no diálogo educativo, de modo a que o

aluno entenda a realidade família-escola como um todo; 

Promove a participação dos pais nas decisões do Externato;

Privilegia os contactos entre as famílias e a escola nomeadamente nos momentos de animação

cultural ou de vivência Pastoral.

DIMENSÃO SOCIAL

Na dimensão social, a nossa escola tem uma compreensão do mundo e da humanidade como um todo do qual o Homem é responsável. É, pois, seu dever colaborar, estabelecendo relações positivas de integração e convivência contribuindo para a transformação e melhoria da realidade: 

Ajudar o aluno a descobrir um conceito positivo da sua dignidade enquanto pessoa, e faça uma

opção responsável e participativa pela vida como valor fundamental; 

Promover um diálogo de entendimento recíproco e como recurso criador de tolerância e

concórdia numa cultura de paz; 

Promover o sentido de justiça, fomentando a solidariedade e colaboração com todos,

especialmente com os mais necessitados; 

Incentivar atitudes de respeito pelas regras, pela convivência democrática e responsável no uso

dos bens comuns e no usufruto da natureza e do meio ambiente.

4


DIMENSÃO CRISTÃ

Na dimensão cristã, a nossa escola oferece a todos os membros da comunidade educativa e especialmente aos seus alunos, a possibilidade de fazer da sua vida um projecto cristão de acordo com a pessoa de Jesus Cristo e com a sua mensagem. Nesta vertente cristã, a nossa acção encaminha-se segundo os objectivos seguintes: 

Iniciar para o despertar na fé no Jardim-de-infância, através de metodologia própria e na

vivência de celebrações festivas; 

Formar gradualmente o aluno, a partir do primeiro ciclo no mistério da salvação e no

crescimento da vida cristã, no respeito da sua liberdade, do seu ritmo e das opções sucessivas de maturidade e compromisso cristão; 

Oferecer, a partir da comunidade escolar, uma experiência da comunidade cristã mais

comprometida; 

Convidar todos os seus membros à incorporação activa na comunidade eclesial e ao

compromisso fiel de transformação da sociedade segundo valores evangélicos;

 

Oferecer a todos a oportunidade de viver e aprofundar a própria fé ao seu ritmo, ao nível da

reflexão, celebração e experiência vivencial;  Oferece a todos os alunos a aula de E.M.R.C.

COMUNIDADE EDUCATIVA

Os Externatos das Irmãs Servas da Sagrada Família constituem uma grande família cujo objectivo fundamental é a formação dos alunos a ela confiados. Procura conjugar as capacidades e esforços de todos os elementos que a integram, comprometendo cada um de forma partilhada nas tarefas educativas que lhe são confiadas. A configuração da escola, como uma Comunidade Educativa, manifesta-se essencialmente no trabalho de elaboração, aplicação e avaliação do projecto educativo e na participação co-responsável, segundo a sua função, de todos as instâncias na gestão global. Constituem a comunidade educativa os alunos enquanto centro e a razão de ser da escola, pais, educadores docentes e não docentes, e a Comunidade Religiosa das Irmãs Servas da Sagrada Família, instituição titular da Escola. O envolvimento de todos os elementos da comunidade educativa inspirados pela dinâmica “Educar num verdadeiro ambiente de Família” constitui um sinal fundamental da identidade do Externato. A Comunidade Educativa é fruto da integração harmónica de todas as instâncias que intervêm na escola: instituição titular, alunos, pais e encarregados de educação, docentes e não docentes.

5


A configuração da escola, como uma Comunidade Educativa, manifesta-se essencialmente no trabalho de elaboração, aplicação e avaliação do projecto educativo e na participação co-responsável, segundo a sua função, de todos as instâncias na gestão global. A INSTITUIÇÃO TITULAR

A instituição titular deste centro educativo é a Congregação das Irmãs Servas da Sagrada Família. Esta define a identidade e o estilo educativo da escola e assume a última responsabilidade perante a sociedade, os pais e encarregados de educação, alunos, docentes e não docentes.

OS ALUNOS

Os alunos são o centro e a razão de ser da escola. Sujeitos e agentes da sua própria formação. Intervêm activamente na vida deste centro educativo de acordo com a idade e assumem responsabilidades proporcionais à sua capacidade.

OS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO

Os pais dos alunos são os primeiros responsáveis pela educação dos seus filhos. Exercem o direito a decidir a educação que querem para os seus filhos ao escolher o Externato Nossa Senhora da Apresentação e fazem parte integrante da comunidade educativa.

OS DOCENTES

Os docentes, enquanto principais responsáveis pela condução do processo de ensino-aprendizagem, devem promover medidas de carácter pedagógico que estimulem o harmonioso desenvolvimento da educação, quer em tarefas realizadas em sala de aula, quer nas demais actividades da escola. Partilham a responsabilidade global da acção educativa da escola, juntamente com os restantes sectores da comunidade educativa. O educador, enquanto coordenador do trabalho da turma, é particularmente responsável pela adopção de medidas tendentes à melhoria das condições de aprendizagem e à promoção de um bom ambiente educativo. Compete-lhe articular a intervenção dos docentes da turma e dos pais e encarregados de educação e colaborar com estes no sentido de prevenir e resolver problemas comportamentais ou de aprendizagem.

6


OS NÃO DOCENTES

Os não docentes são parte integrante da comunidade educativa com todos os direitos e obrigações que decorram da lei e do regulamento interno. Colaboram no trabalho escolar mediante a realização das tarefas que lhes são entregues em todas as actividades e lugares exercem um trabalho único e indispensável na acção educativa.

 

Projecto Curricular de Escola

    A noção de Projecto Curricular de Escola tem a ver com a necessidade que o corpo de educadores possui em adaptar a acção pedagógica e educativa à heterogeneidade do público, mobilizar os actores locais, avaliar e ajustar as acções (…) organizar a mobilização global de recursos e articular a politica educativa nacional com base local. (CHARLOT, Bernard (1994, L’école et le territoire. Paris, D’Harmattan in PCE São João de Brito). Sendo um projecto uma ideia para uma transformação da realidade e a sua concretização, ele deve conduzir essa transformação (Leite, C., 1997: 182-183). Não se esgota numa estética de relações de boas intenções mas define claramente os perfis da mudança desejada. A ideia de Projecto Curricular parte da crença de que uma escola de sucesso para todos e o desenvolvimento de aprendizagens significativas passam pela reconstrução do currículo nacional de modo a ter em conta as situações e características dos contextos onde ele se vai realizar. Incorpora a dimensão social da acção educativa e até a de cidade educativa e que só é viável no quadro da autonomia escoar que concebe as escolas como lugares de decisão. Enquanto instrumento de gestão pedagógica da escola, fomenta uma cultura de reflexão e de análise dos processos de ensinar e de fazer aprender, bem como o trabalho cooperativo entre professores e mesmo entre outros actores educativos, geradores de intervenções de melhor qualidade. O P.C.E. assume-se como um “conjunto de decisões articuladas, partilhadas pela equipa docente de uma escola, tendentes a dotar de maior coerência a sua actuação, concretizando as orientações curriculares de âmbito nacional em propostas globais de intervenção pedagógico-didáctica adequadas a um contexto específico”. “ Entende-se a forma particular como, em cada contexto, se reconstrói e se apropria um currículo face a uma situação real, definindo opções e intencionalidades próprias, e construindo modos específicos de organização e gestão curricular, adequados à consecução das aprendizagens que integram o currículo para os alunos concretos daquele contexto”. (M do Céu Roldão 1999: 44). Assim os eixos conceptuais do projecto curricular estão ancorados nos seguintes aspectos: - A finalidade última a atingir representada no lema “Educar em verdadeiro clima de Família; -Concepção da pessoa humana moldada segundo os valores do humanismo cristão; - Identidade própria expressa no Ideário das Irmãs Servas da Sagrada Família, nomeadamente na aquisição vivencial de um conjunto de valores, no respeito mútuo pela pessoa do outro, na coresponsabilidade nas tarefas, na cooperação nas iniciativas e na experiências e busca da harmonia interior 7


partilhada, no diálogo contínuo entre família-escola e inserção de todos os membros na sociedade, na qualidade, excelência, solidariedade, sentido de serviço e mundividência cristã. A escola católica, que se caracteriza principalmente como comunidade educadora, configura-se como escola para a pessoa e das pessoas. De facto, ela tem por finalidade formar a pessoa na unidade integral do seu ser, intervindo com os instrumentos do ensino e da aprendizagem onde se formam "os critérios de juízo, os valores determinantes, os pontos de interesse, as linhas de pensamento, as fontes inspiradoras e os modelos de vida”. Mas sobretudo envolvendo-a na dinâmica das relações interpessoais que constituem e vivificam a comunidade escolar.

PRIORIDADES DA INTERVENÇÃO DA ACÇÃO EDUCATIVA DO PROJECTO CURRICULAR

A Educação Integral, como eixo estruturante que proporciona uma formação humana de base, integra acções orientadas para a aquisição de um conjunto de valores consagrados no Projecto Educativo e pretende:

Alicerçar competências na dinâmica do aprender a fazer, o

aprender a ser e aprender a ser com os outros; 

Fundamentar as competências básicas essenciais de leitura,

escrita e cálculo, e conhecimento do meio ambiente numa dinâmica interdisciplinar; 

Proporcionar uma satisfação das necessidades pessoais, sociais e religiosas;

Desenvolver um programa de Formação contínua da comunidade educativa através de um

conjunto de actividades diversificadas de educação/formação permanente nas suas vertentes pessoal, social e religiosa; 

Elaborar um quadro de competências curriculares de forma a criar uma escola de qualidade e

excelência.

  ACTIVIDADES CURRICULARES DISCIPLINARES

           A Lei Quadro da Educação Pré-Escolar (Lei nº5/97, de 10 de Fevereiro) consagra este nível educativo como “…a primeira etapa da educação básica no processo educativo ao longo da vida, sendo complementar da acção educativa da família, com a qual deve estabelecer estreita cooperação, favorecendo a formação e o desenvolvimento equilibrado da criança, tendo em vista a sua plena inserção na sociedade como ser autónomo, livre e solidário” Assente nestas orientações gerais estabelecemos as prioridades das orientações curriculares para a Educação Pré-Escolar, nas seguintes áreas de conteúdo: Com base nestas áreas de conteúdo, são prioritárias as seguintes aprendizagens no Pré-escolar tem como princípios orientadores:

8


Promover o desenvolvimento pessoal e social da criança com base

em experiências de vida democrática numa perspectiva de educação para a

cidadania; 

Fomentar a inserção da criança em grupos sociais diversos no

respeito pela pluralidade das culturas, favorecendo uma progressiva consciência como membro da sociedade; 

Contribuir para a igualdade de oportunidades no acesso à escola

e para o sucesso de aprendizagem;  Estimular o desenvolvimento global da criança respeitando as suas características individuais incutindo comportamentos que favoreçam aprendizagens significativas e diversificadas  Desenvolver a expressão e a comunicação através de linguagens múltiplas como meios de relação, de informação, de sensibilização estética e de compreensão do mundo;  Despertar a curiosidade e o pensamento crítico;  Desenvolver a expressão e a comunicação;  Proceder a despistagem de inadaptações, deficiências ou precocidade e promover a melhor orientação e encaminhamento da criança;  Incentivar a participação das famílias no processo educativo e estabelecer relações de efectiva colaboração com a comunidade. - Proporcionar à criança ocasiões de bem-estar e de segurança, nomeadamente no âmbito de saúde individual e colectiva. As Orientações Curriculares serão o suporte em que a acção educativa se irá apoiar e constituem um conjunto de princípios pedagógicos e organizativos para a Educadora de Infância na tomada de decisão sobre a sua prática pedagógica. A metodologia de trabalho assentará sobretudo na Pedagogia de Projecto aplicada de acordo com as Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar que englobam as áreas em cima apresentados no quadro. ÁREA DE PROJECTO

            Definidas as prioridades e competências que enquadram o Projecto Curricular, apresentamos como elemento agregador e transversal a todos os anos de escolaridade, o tema do Projecto: “Amar a Vida, Servir a Terra: o Ambiente nas nossas Mãos”. Pela sua abrangência inclui todas as áreas de saber e enriquece competências essenciais a atingir nestes primeiros anos de escolaridade.

9


É necessária a consciência de que todos somos responsáveis e que nas nossas mãos se encontra a possibilidade de sonhar e criar um mundo melhor, mais humano, promotor de relações sociais e ambientais. Lança-nos a olhar aterra como uma casa que é comum a todos, onde todo o ser criado é acolhido e tem lugar. Desafia-nos a uma cultura de valores, interpela-nos para a vivência de uma cidadania coresponsável onde como cidadãos todos somos defensores do nosso Planeta, todos contribuímos para que as relações humanas sejam geradoras de uma cultura de paz e todos promovam uma melhor qualidade de vida global. “Amar a Vida, Servir a Terra: o Ambiente nas nossas Mãos” é pois um projecto de educação que assenta num conjunto de princípio e valores ecológicos e aponta para a responsabilidade e cooperação. Como cidadãos responsáveis todos temos que proteger a terra e muito mais numa perspectiva cristã vocacionada a RENOVAR A TERRA nas seguintes vertentes: Ambiental - Considerando o ecossistema na sua própria existência, as problemáticas actuais e a formação de uma consciência ecológica e amiga do ambiente. Social - Criando uma cultura capaz de gerar na sociedade em que vivemos um universo de valores abertos à transcendência, à qualificação de conhecimentos e à promoção da criatividade. Cristã – Educando no respeito absoluto pela pessoa de modo que toda a comunidade educativa, espelhe atitudes evangélicas, e também de acordo com o espírito da fundadora, Irmã Purificação, tornando o ambiente de escola um espaço familiar, uma lugar de crescimento e de enriquecimento das relações humanas. O Projecto pretende também desenvolver quanto:  À promoção da interdisciplinaridade;  À promoção dos diferentes domínios da Língua Materna;  Ao desenvolvimento do trabalho de grupo e a cooperação;  À formação do espírito crítico e de pesquisa;  À Promoção da criatividade e a imaginação;  Ao melhor conhecimento do mundo que nos rodeia;  À utilização de regras básicas de higiene e segurança;  À identificação dos problemas ambientais;  A adopção de comportamentos de defesa e conservação do património cultural e de recuperação do equilíbrio ecológico;  Ao contacto directo com a natureza;  Ao reconhecimento que a natureza é indispensável à sobrevivência da humanidade e que tem de ser preservada.

10


 Ao desenvolvimento das competências de uma cidadania activa livre e responsável nas dimensões do Aprender (aprender a aprender, aprender a ser, aprender a fazer e aprender a estar com o outro).

“Amar a Vida, Servir a Terra: o Ambiente nas nossas mãos” 3 Anos 4 Anos 5 Anos Somos Amigos O nosso da Natureza A Vida na Terra Planeta Azul

Competências

EXPECTATIVAS DE DESENVOLVIMENTO – 3 ANOS DESENVOLVIMENTO MOTOR - Caminha sem olhar para os pés; - Anda de costas; - Corre com equilíbrio; - Vira-se e pára sem problemas; - Pula degraus; - Mexe pernas e braços com alguma coordenação; - Tem um equilíbrio instável; - Mantêm-se num só pé por poucos segundos; - Brinca activamente. DESENVOLVIMENTO MOTOR – FINO - Faz enfiamentos grandes; - Serve líquidos quase sem derramar; - Constrói torres de blocos, monta e desmonta objectos; - Cansa-se facilmente; - Segura os lápis com os dedos; - Despe-se sozinho, mas precisa de ajuda para se vestir; - Desenha o círculo, objectos, casas e algumas figuras humanas apesar de nem sempre serem muito reconhecíveis. COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM - Aumenta constantemente o número de palavras do seu vocabulário; - Cria palavras; - Muda se assunto rapidamente; - Confunde palavras; - Gosta de rimas e aprende canções com facilidade 11


- Adapta a conversa ao interlocutor; - Pergunta muito “quem”, “onde” e “porquê?”; - Usa a linguagem para organizar o seu pensamento conectando duas ideias; - Consegue contar uma história simples, concentrando-se na sua parte favorita. DESENVOLVIMENTO SÓCIO – EMOCIONAL - Brinca de forma associativa (brinca com o outro mas com pensamento egocentrista); - Tem dificuldade em esperar pela sua vez, e em dividir objectos; - Não resolve problemas com os amigos; - Coopera e tenta agradar ao adulto; - Gosta de atender a pedidos simples; - Gosta de ser tratado com uma criança mais velha, mas tem comportamentos de crianças de 2 anos (coloca objectos na boca); - Expressa sentimentos intensos, como o medo e a afeição. AUTONOMIA - Ainda não resolve tarefas simples da vida quotidiana; - Está mais desperto e tem curiosidade e o desejo de saber mais sobre o mundo que o rodeia; - Está apto a adquirir hábitos de higiene, alimentação e arrumação – como o ir à casa de banho sozinho, comer sozinho, arrumar o que desarrumou; - Conhece, mas nem sempre cumpre as regras de grupo e de sala. EXPECTATIVAS DE DESENVOLVIMENTO – 4 ANOS DESENVOLVIMENTO MOTOR AMPLO - Corre bem, anda nos calcanhares, salta alternando os pés; - Equilibra-se num só pé por 5 segundos ou mais. Anda numa barra baixa mas olhando para os pés; - Desce alguns degraus alternando os pés; - Consegue perceber qual o tempo necessário para saltar à corda ou brincar com jogos que necessitem de acções rápidas; - Tem movimentos coordenados que a possibilitam a trepar, ou a saltar num trampolim; - Tem maior consciência das suas limitações/ consequências de comportamentos inseguros; - Tem maior resistência a longos períodos de alta energia; - Por vezes torna-se super excitada e menos auto controlada em situações de grupo; DESENVOLVIMENTO MOTOR FINO - Coloca contas pequenas em fios segundo um padrão; - Constrói estruturas de blocos complexas; - Tem um julgamento espacial limitado o que a leva a derrubar objectos; 12


- Gosta de manipular objectos que contenham peças pequenas; - Gosta de usar a tesoura e pratica actividade de recorte várias vezes até ter domínio; - Desenha combinações de forma simples, pessoas com 4 partes e objectos

que

são reconhecíveis pelos adultos; - Despe-se e veste-se sem auxílio do adulto; - Escova os dentes e penteia o cabelo; - Raramente derrama ao usar o copo ou a colher; - Coloca cordões no sapato e na roupa mas ainda não os consegue apertar; DESENVOLVIMENTO LINGUÍSTICO E COMUNICATIVO - Expande o seu vocabulário de 4000 para 6000 palavras; - Gosta de cantar canções simples, conhece muitas rimas e brincadeiras; - Fala em frente de um grupo de pessoas com certa hesitação, gosta de contos, experiências e de falar da família; - Começa a “gozar” com os amigos; - Expressa emoções através de gestos faciais e tenta ler expressões corporais nos outros; - Consegue controlar o volume da sua voz por algum tempo e quando é lembrada; - Reconhece o contexto social e já adequa a sua linguagem a este; - Utiliza estruturas de sentença mais avançadas como “ela é gira, não é?” e experimenta construções novas, criando por vezes dificuldades de compreensão para o ouvinte; - Tenta comunicar mais do que o que o seu vocabulário permite e inventa palavras para significados novos; - Aprende vocabulário novo facilmente principalmente se este estiver relacionado com uma experiência que ela viveu; - Consegue repetir uma instrução em 5 etapas ou a sequência de uma história; DESENVOLVIMENTO SÓCIO – EMOCIONAL - Inicia verdadeiras brincadeiras cooperativas; - Demonstra dificuldade em compartilhar, mas começa a entender que cada um tem a sua vez e brinca com jogos simples em pequenos grupos; - Irrita-se facilmente, se as situações não ocorrem como deseja; - Procura resolver interacções negativas, embora ainda não possua as habilidades verbais para resolver todo o tipo de conflitos; - Começa a oferecer espontaneamente objectos aos amigos, gosta de agradar aos outros, elogia as roupas e os sapatos dos outros, demonstra prazer em ter e estar com os amigos; - Tem algumas explosões de raiva mas começa a entender que actos negativos causam sanções negativas, começando assim a justificar o seu acto “ela bateu primeiro!”;

13


- Tem maior habilidade para controlar sentimentos fortes como o medo ou a raiva, mas por vezes necessita do adulto para expressar ou controlar sentimentos. DESENVOLVIMENTO COGNITIVO - Tem capacidade de se concentrar por alguns minutos; - Reconhece os números de 0 a 5 e associa-os às respectivas quantidades; - Tem noções lógico – matemáticas de: - Dentro/Fora; - Em cima/em baixo; - À frente/atrás; - Muito/pouco; - Curto/comprido; - Fino/Grosso; - Agrupa objectos consoante a forma, a textura, a espessura e a cor; - Conhece e segue a rotina da sala; - Sabe produzir sons com diversos objectos; - Bate a pulsação e o ritmo de canções com palmas e instrumentos; - Distingue e identifica sons; - Memoriza e reproduz canções simples; - Representa a figura humana com várias partes. AUTONOMIA - Vai à casa de banho sozinha; - Come “quase” sozinha; - Inicia e completa trabalhos sem apoio da Educadora; - Arruma o material com que trabalhou / brincou; - Veste-se e despe-se “quase ” sem ajuda.

EXPECTATIVAS DE DESENVOLVIMENTO – 5 ANOS DESENVOLVIMENTO SÓCIO – EMOCIONAL: - Coopera bastante, forma pequenos grupos que podem optar por excluir um colega; - Entende o poder de rejeitar alguém, ameaça verbalmente acabar com amizades ou seleccionar outras; - Gosta de mandar nas outras crianças;

14


- Aprecia a companhia de outras crianças e pode-se comportar de maneira receptiva e simpática, brinca e “goza” para chamar a atenção; - Demonstra menos agressividade física, utiliza insultos verbais ou ameaça bater em alguém com mais frequência; - Sabe seguir ordens, é capaz de mentir para não admitir que não seguiu as regras; - Veste-se e come sem supervisão do adulto; - Muda facilmente para comportamentos mais infantis quando as normas do grupo não são apropriadas. DESENVOLVIMENTO LINGUÍSTICO E COMUNICATIVO: - Emprega um vocabulário de 5000 a 8000 palavras, com trocadilhos frequentes, pronuncia palavras com pouca dificuldade; - Utiliza sentenças mais complexas e completas “a tua vez acabou, agora é a minha vez!”; - Espera a sua vez em conversas de grupo, escuta outra pessoa se a informação for nova ou se é do seu interesse; - Partilha as suas vivências, sabe a letra de muitas canções; - Gosta de representar papeis, exibe-se frente a pessoas ou torna-se tímida; - Repete sentenças inteiras e expressões de outras pessoas, incluindo espectáculos e comerciais da televisão; - Demonstra habilidade em usar meios de comunicação convencionais com tom e inflexão apropriados; - Utiliza gestos não verbais, como expressões faciais; - Conta e reconta histórias com facilidade, gosta de repetir histórias, poemas e canções e representar peças de teatro; - Reproduz e distingue esquemas rítmicos simples; - Demonstra crescente fluência na sala ao expressar ideias. DESENVOLVIMENTO MOTOR AMPLO: - Caminha rapidamente de costas, pula e gira com facilidade; - Tem equilíbrio para caminhar numa barra de 5 centímetros, salta sobre objectos; - Salta vários degraus, salta á corda sem dificuldade; - Coordena movimentos para nadar e andar de bicicleta; - Evidencia confiança ao agir em certas ocasiões e aceita as regras e os limites; - Demonstra altos níveis de energia, raramente está cansada; - Tem dificuldades em estar muito tempo inactiva procurando jogos e ambientes activos. DESENVOLVIMENTO MOTOR FINO: - Bate num prego com o martelo, utiliza a tesoura e a chave de fendas sem auxílio; - Utiliza o teclado do computador; - Constrói estruturas de blocos tridimensionais, monta quebra-cabeças; 15


- Gosta de desmontar e montar objectos, veste e despe bonecos; - Tem conhecimento de esquerda e da direita mas às vezes confunde-os - Copia formas, combina várias formas geométricas nos seus desenhos; - Desenha pessoas, escreve cartas com dificuldade usando letras maiúsculas, mas quase todas são reconhecidas pelo adulto; - Inclui um contexto ou uma cena no seu desenho; - Escreve o seu primeiro e último nome; - Fecha casacos com fecho, abotoa bem, aperta os sapatos, veste-se com agilidade. DESENVOLVIMENTO COGNITIVO: - Tem maior capacidade de concentração; - Reconhece e traça números de zero a dez, e associa-os às quantidades respectivas; - Tem noções de tempo – ontem, hoje, amanhã, semana, mês, dia, ano; - Identifica as cores primárias e secundárias; - Identifica posições face a um elemento de referência: em cima/em baixo; dentro/fora; à frente/atrás; por cima/por baixo, etc.… - Conhecer e utilizar correctamente os quantificadores: nenhuns/uns/poucos / muitos/mais do que/menos do que; - Compara tamanhos, comprimentos, pesos, alturas e grandezas entre objectos; - Estabelece consequências temporais; - Classifica e seria objectos segundo um critério de tamanho, cor, formas, espessura; - Conhece e segue a rotina da sala; - Distingue instrumentos musicais pelo seu som; - Identifica e experimenta a sonoridade de alguns instrumentos musicais; - Distingue e reproduz esquemas rítmicos simples; - Representa a figura humana com as suas várias partes. AUTONOMIA: - Vai à casa de banho sozinha; - Come sozinha; - Inicia e completa trabalhos sem apoio da educadora; - Arruma o material com que trabalhou/brincou; - Veste-se e despe-se sem ajuda.

Normas Gerais

Para um funcionamento harmonioso do Externato, os alunos deverão respeitar as regras de conduta escolar. 16


ENTRADA E SAÍDA DO EXTERNATO  O aluno deverá chegar ao Externato antes do horário da entrada (9h);  Após 15 min do horário de entrada (9h), o aluno só poderá entrar na aula no início do segundo tempo (10h 30 min), mediante justificação;  Todos os alunos deverão trazer bata, devidamente identificada, salvo o dia de Educação Física e das Visitas de Estudo em que deverão trazer o fato-de-treino e t-shirt do Externato;  As regras de circulação no Externato deverão ser respeitadas.  Os alunos só poderão sair do Externato acompanhados por um familiar devidamente identificado ou mediante apresentação de uma autorização escrita pelo encarregado de educação, no caso de ser outro adulto.

AULA  Para a aula, o aluno deverá vir munido de todo o material escolar necessário, devendo o mesmo ser identificado, cuidado e estimado;  Ao toque da entrada, os alunos devem apresentar-se com ordem e aguardar a chegada da professora;  Os alunos devem guardar o material alheio ao funcionamento da aula;  Durante o tempo de aula, o aluno deve esforçar-se por assumir uma atitude colaboradora, atenta e participativa;  A atitude e empenho revelados na sala de aula serão considerados na avaliação contínua;  À saída das aulas, os alunos devem sair ordeiramente da sala deixando-a, bem como o material, devidamente arrumados;  Nenhuma criança é dispensada das aulas de Expressão e Educação Físico-Motora sem justificação médica.

RECREIOS  Os alunos deverão respeitar e utilizar correctamente as instalações do Externato, conservando-as e zelando pelo seu bom estado;  A integridade física e psicológica dos alunos deve ser respeitada pelos seus colegas;  Os corredores não são locais de recreio. A permanência nos mesmos só é permitida mediante a autorização de um adulto;  Só é permitido jogar à bola no campo de futebol.

REFEITÓRIO  Antes da entrada no refeitório, os alunos deverão lavar as mãos e entrar ordeiramente no mesmo; 17


 No refeitório todos devem contribuir para um ambiente de serenidade.

OUTRAS NORMAS 1. No acto da inscrição será paga a propina de matrícula e seguro, cujo valor não é reembolsável. 2. As capacidades de todas as crianças serão avaliadas pela psicóloga do Externato, antes de fazerem a inscrição para o Pré-Escolar ou para o 1º Ciclo. 3. Todo o aluno que chegar depois das 9h15m só poderá entrar na sala de aula Às 10h30m (2º tempo). 4. O Externato não se responsabiliza pelo desaparecimento de objectos de uso pessoal ou objectos de valor (aconselha-se os pais a fazer um seguro de responsabilidade civil). 5. É obrigatório o uso de bata, fato-de-treino e de Dança do Externato com a respectiva identificação do aluno, segundo o modelo a indicar na Secretaria. 6. Nenhuma criança é dispensada nas aulas de Expr. Físico-Motora sem justificação médica. 7. Quando um aluno ficar em casa mais de três dias por motivo de doença, é obrigado a vir acompanhado de uma declaração médica. 8. Durante o período de aulas, não é permitido contactar com as educadoras e professoras, quer seja pessoalmente, ou mediante o uso de telefone ou telemóvel. 9. A todo o aluno que incorrer num comportamento grave, o Enc. De Educação será notificado uma primeira vez. Caso o aluno persista com o mesmo, será suspenso das aulas após concordância do Conselho Pedagógico. 10. As prestações mensais deverão ser pagas até ao dia 10 de cada mês. A partir deste dia, haverá um agravamento na mensalidade de 2%. 11. A mensalidade do mês de Julho é liquidada em 3 prestações iguais, distribuídas pelos meses de Novembro, Dezembro e Janeiro. 12. Os alunos que estiverem das 17h às 19h30m no Externato pagam um extra de prolongamento. 13. Os alunos inscritos nas actividades extra-curriculares, serviço de refeitório e prolongamento, só podem desistir dos mesmos com aviso prévio de 15 dias. 14. Os alunos com almoço fornecido pelo Externato têm direito a desconto quando estiverem doentes (com atestado), faltarem uma semana ou forem a uma visita de estudo. 15. O valor da anuidade para o ensino Pré-Escolar é de €2595, que inclui 11 mensalidades de €210 e o valor de €255 de matrícula e seguro. 16. O valor da anuidade para o 1º Ciclo é de €2665, que inclui 11 mensalidades de €215 e o valor de €255 de matrícula e seguro.

18


Rua José Relvas, 1 – Quinta da Caravela 2735 – 123 Agualva-Cacém Tel.: 21 914 00 50 Fax: 21 913 41 06 www.externatonsa.org E-mail: geral@externatonsa.org

19


Anuário Pré-Escolar 2012 - 2013