__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

relat贸rio anual


15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201


Mantenedores


relat贸rio anual 2015


A 

cada nova seleção de bolsistas a Fundação Estudar

e sua comunidade passam

por um processo de reno-

vação. Renovação que vem da enorme inspiração tra-

zida pela turma recém-selecionada – sempre tão jovem e impressionante – e também do processo de reflexão por que passamos ao apresentar a todos o que estamos construindo juntos e o que ainda pretendemos construir daqui para frente. Em 2015, selecionamos com grande orgulho 24 novos bolsistas para a nossa comunidade, após conduzirmos um processo que se torna mais difícil a cada ano. De um lado, o volume de candidatos aumenta continuamente. De outro, os bolsistas selecionados em anos anteriores fazem a régua da seleção subir permanentemente. Os jovens apresentados nas páginas seguintes são aqueles que, com grande mérito, superaram os desafios da quantidade de envolvidos na seleção e da qualidade exigida pelo processo. São jovens das mais diversas áreas de atuação e origens que, ao longo da seleção, demonstraram possuir os mesmos valores de que comungamos na Estudar e a capacidade de concretizar sonhos que terão um grande impacto na vida de outras pessoas. Além disso, no último ano expandimos significativamente nossa atuação para a comunidade estendida e para os meios digitais. Nossos programas educacionais, voltados para auxiliar o jovem em sua tomada de decisão de estudo e carreira, chegaram a praticamente todos estados do Brasil e também alcançaram brasileiros em outros três continentes. Inovamos ao construir novas formas de conectar essas pessoas com boas oportunidades de trabalho, e nossos portais de conteúdo cresceram, atingindo milhões de jovens que buscam informação e inspiração para suas trajetórias. Compartilhamos nas páginas a seguir os resultados de mais um grande ano, passo de uma longa jornada da qual você também faz parte. Boa leitura!


Nossa missĂŁo ĂŠ criar oportunidades para gente boa agir grande e transformar o Brasil


Além de selecionar e potencializar os jovens mais talentosos do Brasil, a Fundação Estudar multiplica seu impacto na sociedade através de projetos que levam informação, preparação e financiamento para educação de excelência, e orientação de carreira e inspiração a milhares de pessoas em todo o país. Conheça nossos principais produtos, seu alcance em 2014 e nossa meta para ampliar ainda mais seu impacto em 2015.

nossas metas

Comunidade de bolsistas

Selecionar e desenvolver a melhor base de jovens

nossos produtos apoio ao estudo Programa de Bolsas

talentos do Brasil, mantendo

apoio à carreira

altamente engajada

Programa de coaching

uma comunidade capaz de inspirar milhões de brasileiros a fazer mais

Programa de mentoria

pelo país

Grupos de interesse Fórum Executivo

Programas presenciais

Oferecer os melhores produtos que expandam os horizontes, apoiem na tomada de decisão de estudo

apoio ao estudo Bootcamp Prep Program Prep Scholars

e carreira e ofereçam boas

apoio à carreira

oportunidades de trabalho a

Jovens Fora de Série

milhares de jovens

Catálise Laboratório Lab× Imersão Ene Núcleo

Plataformas digitais

Atingir milhões de jovens com conteúdo de inspiração

apoio ao estudo Estudar Fora

e orientação de estudo e

apoio à carreira

carreira

Na Prática


comunidade de bolsistas

Nosso objetivo é selecionar e apoiar o estudo dos jovens mais talentosos do país, construindo uma comunidade seleta de líderes que compartilham dos valores da instituição e ajudam os mais jovens em seu desenvolvimento pessoal e profissional


Ativa desde 1991, a Fundação Estudar reúne hoje 596 bolsistas em sua comunidade de talentos ★ Em 2014, 191 deles doaram tempo ou dinheiro para a Estudar. Em 2015, queremos alcançar 298 voluntários e doadores.

programa de bolsas Criado em 1991, o programa é o carro-chefe da Fundação Estudar. Seu objetivo é oferecer uma oportunidade acadêmica a jovens com grande potencial transformador para que se tornem referências em suas áreas de atuação, ajudando a gerar empregos, inovações e políticas públicas que melhorem a vida de milhões de pessoas.

programa de coaching

programa de mentoria

grupos de interesse

fórum executivo

Ao longo de um

Para auxiliar os

Jovens bolsistas

Bolsistas que

ano, os jovens

jovens bolsistas

se conectam

ocupam grandes

bolsistas que estão

em sua trajetória

com outros que

cargos de liderança

no início de sua

profissional, são

têm carreiras,

(diretores, vice-­

carreira recebem o

formadas duplas

conhecimentos e

-presidentes,

apoio de um coach

de mentores e

interesses afins,

presidentes ou

profissional, que

mentees, de acordo

aproveitando

fundadores de

o ajuda a definir

com perfil e área

as sinergias

empresas) se

objetivos e metas

de interesse. Por

dentro da rede.

reúnem em um

em termos de

meio de encontros

Os membros do

ambiente de total

desenvolvimento,

ou calls mensais,

grupo se tornam

confiança entre os

visando maximizar

eles compartilham

embaixadores de

executivos, para

seu potencial

experiências e

um tema e têm

que possam trazer

profissional e

discutem rotas de

papel chave no

e discutir temas

pessoal.

crescimento.

desenvolvimento

de suas vidas

de conteúdo e

profissionais e

atividades em

pessoais.

torno dele.


programas presenciais ★ estudo

Nosso objetivo ĂŠ preparar jovens brasileiros para o processo de admissĂŁo nas melhores universidades estrangeiras em 2014,

em 2015,

jovens impactados

jovens impactados

333

489


Em 2014, mais de 50% dos brasileiros aprovados nas 10 melhores escolas americanas foram orientados pela Fundação Estudar ★ Mais de 80% dos estudantes preparados pela Estudar foram admitidos em pelo menos uma universidade no exterior ★ Nossos alunos foram aprovados nas oito universidades da Ivy League – grupo das instituições de maior prestígio nos eua (Brown, Columbia, Cornell, Dartmouth, Harvard, Princeton, Universidade da Pensilvânia e Yale) –, além de outras como Stanford, Duke, Chicago e MIT.

bootcamp

prep program

prep scholars

O Bootcamp é um workshop O Prep Program traz

O Prep Scholars é um

de um dia que ajuda o

conteúdo prático

programa 100% gratuito

aluno a mergulhar no

e ferramentas

de preparação para o

processo de aplicação para

complementares ao

application americano.

universidades dos eua.

Bootcamp para construir

Os participantes são

O curso intensivo aborda

uma aplicação mais

selecionados no primeiro

os itens necessários para

competitiva. Testes

trimestre de cada ano –

a admissão: histórico

padronizados, college

cerca de 50 são escolhidos

escolar, cartas de

list, autoconhecimento e

anualmente. O programa

recomendação, redações,

protagonismo são alguns

inclui horas de consultoria

teste de proficiência, além

dos temas tratados.

com a equipe do Prep,

da entrevista. O objetivo

O objetivo é que cada

um mentor que tenha

é que o estudante ganhe

participante saia do Prep

estudado fora e auxílio

confiança para conseguir

com algumas atividades de financeiro para os custos

realizar cada etapa.

sua aplicação prontas.

do application se necessário.

acesse ☞ estudarfora.org.br/ workshops

acesse ☞ estudarfora.org.br/ prep-program

acesse ☞ estudarfora.org.br/ scholars


programas presenciais ★ carreira e sourcing

Nosso objetivo é auxiliar universitários e recém-formados no processo de tomada de decisão de carreira e conectá-los com oportunidades de trabalho relacionadas ao seu perfil em 2014,

em 2015,

jovens impactados

jovens impactados

3.256

7.261


60 cidades já receberam nossos programas, e 200 turmas já foram formadas ★ Já chegamos presencialmente a 24 dos 26 estados brasileiros, além do Distrito Federal.

catálise

imersão

conferência ene

Programa de

Programa de decisão de

Conferência de carreiras

autodescoberta e

carreira que mostra como

que conecta o jovem com

desenvolvimento para

funcionam diferentes

as principais empresas

jovens que querem

indústrias e funções na

do país. O evento de um

construir uma carreira

prática. O objetivo é ajudar

dia ajuda o participante a

com propósito. O objetivo

o jovem a definir que trilha

entender o seu perfil e a

é ajudar o jovem a se

de carreira seguir. Cada

encontrar a organização,

encontrar e tornar realidade

imersão tem um tema

indústria e função em

uma trajetória profissional

diferente, como consultoria, que será mais realizado

que tenha a ver com ele.

gestão pública etc.

profissionalmente.

acesse ☞ napratica.org.br/catalise

acesse ☞ napratica.org.br/imersao

acesse ☞ napratica.org.br/ene

laboratório

lab×

núcleo

Programa de

Versão compacta

Rede alumni

jovens fora de série

formação de

do Laboratório, que

dos programas

Programa reconhece

liderança baseado

chega a cidades de

de carreira.

o alto desempenho de

nos valores da Estudar. todos os tamanhos

Seus membros,

estudantes de ensino

O objetivo é ajudar

e regiões do Brasil.

distribuídos em

médio em atividades

o jovem a trazer

Ex-participantes

diversas cidades,

extracurriculares,

mais realizações

do programa

se organizam

como olimpíadas e

para sua carreira,

são treinados

para continuar

feiras de ciência. o

sendo protagonista

para transmitir

explorando novos

objetivo é atuar no

de seu sonho e da

conhecimento e

aprendizados junto

desenvolvimento

transformação que

atividades práticas

a outros jovens

desses jovens desde

quer ver no país.

a essas redes locais. líderes.

muito cedo.

acesse ☞ napratica.org.br/ laboratorio

acesse ☞ napratica.org.br/ labx

acesse ☞ premiojovensforadeserie. org.br

acesse ☞ napratica.org.br/ nucleo


plataformas digitais

Nosso objetivo ĂŠ fornecer conteĂşdo de qualidade que informe, apoie a tomada de decisĂŁo, inspire e prepare o jovem para estudar no exterior e entrar no mercado de trabalho em 2014,

em 2015,

jovens atingidos

jovens atingidos

2,1mi

5,3mi


Em 2014, atingimos através dos nossos portais 2,1 milhões de pessoas de todo o Brasil. Em 2015, esperamos aumentar esse número para 5,3 milhões ★ Centenas de milhares de pessoas assistiram aos nossos bate-papos com grandes líderes e com jovens inspiradores, além dos nossos cursos online de preparação para estudar no exterior.

estudar fora

na prática

O portal Estudar Fora é fonte

O portal Na Prática nasceu

de informação para quem

para ser o braço direito do

deseja estudar nas melhores

jovem universitário e recém-­

universidades do mundo, seja

-formado nas suas decisões

para fazer um curso de curta

de carreira, buscando ajudá-

duração, de graduação ou de

-lo em todos os passos dessa

pós. No portal, o jovem tem

jornada. Para isso, traz testes de

acesso aos principais rankings

autoconhecimento, reportagens

acadêmicos, perfis das escolas

explorando diversas realidades

mais conceituadas, detalhes

profissionais, bate-papos

sobre as etapas do processo de

em vídeo com lideranças

candidatura, informações sobre

inspiradoras e um mural

bolsas de estudos e histórias

de vagas para conectá-lo às

inspiradoras de quem chegou lá.

empresas de seus sonhos.

acesse ☞ estudarfora.org.br

acesse ☞ napratica.org.br


Programa de Bolsas 2015

graduação 2015 Inscritos

28215

Testes

2172

Vídeo

837

Screening

231

Entrevistas

132

A cada ano, o Programa de Bolsas

Dinâmicas

95

da Fundação Estudar se torna mais

Painel

49

desenvolvimento de uma metodologia

Final

20

de seleção cada vez mais consolidada,

aprovados

16

rigoroso. E isso se deve não apenas ao

que reflete nossos valores e princípios nas oito etapas do processo seletivo, mas também ao crescimento

pós-graduação 2015

exponencial de seu alcance.

Inscritos

Se há dez anos pouco mais de 440

12375

Testes

1181

interesse no programa, hoje esse

Vídeo

568

número ultrapassa 40 mil. Dentre essas

Screening

166

pessoas conheciam e demonstravam

dezenas de milhares de jovens, os 24 melhores foram selecionados. Podemos

Entrevistas

81

dizer que nosso processo seletivo é um

Dinâmicas

68

Painel

37

Final

12

Veja a evolução do número de inscritos no programa e conheça a rigidez do

aprovados

09

10

11

12

11.576

6.959

08

5.891

07

5.064

1.517

06

4.244

838

2005

6.160

444

evolução de inscritos no programa de bolsas ao longo dos últimos 10 anos

8

31.007

nosso último processo seletivo:

40.950

dos maiores e mais concorridos do Brasil.

13

14

2015


quem são os novos 24 bolsistas

São Paulo ★ sp Jundiaí ★ sp São Carlos ★ sp São Joaquim da Barra ★ sp Erechim ★ rs Curitiba ★ pr Rio de Janeiro ★ rj São Gonçalo ★ rj Vitória ★ es Santa Rita do Sapucaí ★ mg Divinópolis ★ mg Belém ★ pa Acreúna ★ go Natal ★ rn Recife ★ pe Salvador ★ ba Feira de Santana ★ ba

Para onde vão

De onde vieram?

USP ★ UFBA ★ ITA ★ ufpe Ibmec-RJ ★ Stanford Harvard ★ Yale ★ MIT Columbia ★ Amherst College Brown ★ LSE ★ Groningen


Conheça os Bolsistas de Graduação 2015


Álex Santos 17 anos ciência da computação, amherst college

Á

lex se tornou autodidata muito cedo. Natural de Natal (rn), começou a estudar violino aos três anos de idade e aprendeu sozinho a ler partituras. Aos nove, já sabia programar computadores, passando a criar blogs e construir protótipos de redes sociais como hobby.

locais. Atualmente, participa de uma pesquisa que propõe utilizar matérias primas como argila, pó e fibra de coco no tratamento de água no Nordeste. Neste ano, um artigo sobre o projeto foi premiado no Congresso Mundial da Água em Edimburgo, Escócia, e o sistema proposto foi patenteado.

Desde o ensino médio, se envolveu em pesquisas científicas relacionadas a química e computação no Instituto Federal do Rio Grande do Norte. Também tornou-se bolsista CNPq, com o objetivo de desenvolver dispositivos inovadores e de baixo custo para solucionar problemas

Em 2014, também criou um sistema de gerenciamento em nuvem para estoque de laboratórios de química, o LabStocker – projeto que foi premiado pelo Congresso Brasileiro de Química e classificado entre os três melhores do país. No mesmo ano, foi escolhido jovem embaixador dos eua.

Minha experiência com a música me deu disciplina para estudar e aprender coisas novas. Mas nunca quis guardar esses conhecimentos só para mim, e sim investi-los em projetos que podem impactar muita gente, conectando pesquisas acadêmicas com aplicações práticas.


Prêmio Jovens Fora de Série

Prep Scholars

BEATRIZ ARRUDA 18 anos física, brown

B

das olimpíadas científicas. Conquistou medalhas em astronomia, linguística, matemática e robótica, mas fez da física seu foco, principalmente através do iypt – Torneio Internacional dos Jovens Físicos.

Mais tarde, conheceu as oportunidades de cursar graduação no exterior e o mundo

Dedicou-se a fundar, junto a amigos, o projeto apole (Apoio Olímpico ao Estudante), em que voluntários dão aulas para alunos de escola pública, para despertar neles curiosidade, pensamento crítico e paixão por aprender. Em Brown, pretende usar a flexibilidade do currículo para continuar explorando seus diversos interesses e desenvolver habilidades que a ajudarão a realizar seu sonho.

eatriz, natural de Jundiaí (sp), era uma criança tímida. Decidida a enfrentar essa dificuldade, entrou para um grupo de teatro no ensino fundamental. Acabou não apenas superando a timidez, mas também se apaixonando pelos processos de criação e comunicação inerentes à arte. Também se envolveu com projetos de pesquisa no laboratório da escola – que lhe despertaram curiosidade em descobrir como a natureza funciona – e, pela primeira vez, desejou ser cientista.

Sou apaixonada por biofísica e tenho grande interesse em trabalhar com óptica e fotônica aplicadas ao tratamento do câncer. Acredito que, por meio da pesquisa, posso colaborar para melhorar a vida das pessoas e para o desenvolvimento científico e tecnológico do Brasil.


Breno Bianco 17 anos engenharia, stanford

D

a segunda envolveu a construção do protótipo de uma máquina de destilação para dessalinizar a água e extrair água potável, sendo que o custo total foi de menos de 700 reais.

Ainda no ensino médio, realizou duas pesquisas com bolsa CNPq e da Vale. A primeira teve enfoque nas causas dos alagamentos em Curitiba (pr). Já

Seu desempenho foi tão relevante que, além de levar a pesquisa a ser apresentada em uma série de exposições, fez com que sua escola incluísse suas descobertas em uma disciplina do currículo. Também fez crescer seu interesse pela temática de energias renováveis e o desejo de ser cientista – sem se distanciar, claro, das aplicações práticas de suas pesquisas.

esde pequeno, Breno se destacava academicamente. O curitibano ganhou diversas medalhas em olimpíadas do conhecimento – como de física, de química e de astronomia e astronáutica –, passou em primeiro lugar no vestibular da ufrj, entrou na Escola Politécnica da usp – onde estudou um semestre – e foi aceito em uma das mais disputadas universidades americanas, Stanford.

Acredito que as energias renováveis são o futuro do setor energético. Não podemos mais tratar a energia como algo linear, mas, sim, como algo cíclico. Com o conhecimento adequado, entendendo bem as regras do jogo, é possível mudar e melhorar essa e outras realidades.


Bruna Favoretto 19 anos engenharia aeronáutica, usp

B

runa já sonhou ser ginasta rítmica. Participou de campeonatos e até ganhou medalhas. Mas acabou se apaixonando por outro tipo de competição: as olimpíadas científicas, que lhe renderam ainda mais premiações. A dedicação aos estudos também trouxe outros frutos. Passou de primeira em várias universidades para que prestou, inclusive Medicina na unicamp, mas escolheu cursar Engenharia Aeronáutica na usp de São Carlos, sua cidade natal, onde foi aprovada em 3º lugar. Logo ao iniciar a graduação, se envolveu com pesquisa científica e foi uma de cinco brasileiros selecionados para

participar do issi, uma espécie de intercâmbio de um mês no Weizmann Institute of Science (Israel). Lá, podia trabalhar no projeto de sua escolha e optou por estudar as propriedades eletrônicas dos nanotubos inorgânicos. Hoje, faz parte de um grupo de pesquisas aeroespaciais na usp, cujo objetivo é ajudar no desenvolvimento de novas tecnologias nessa área. Sua função é escrever um manual padrão para que alguém sem conhecimento prévio possa entender como funcionam determinadas partes de um foguete. Bruna também tem uma iniciação científica sobre dinâmica dos fluidos, com a qual foi premiada em dois congressos.

Sempre que eu faço algo, tento fazer da melhor maneira possível, colocando excelência e trazendo resultados. Com a engenharia não será diferente. Meu objetivo é desenvolver uma pesquisa de qualidade que cause impacto e traga benefícios para a sociedade.


Prêmio Jovens Fora de Série

Felipe Hofmann 18 anos engenharia eletrônica, mit

N

ascido em Erechim (rs), Felipe conseguiu romper as limitações culturais e educacionais que a pequena cidade do interior poderia imputar. Aprendeu a ter autonomia nos estudos, com ajuda da metodologia japonesa de ensino Kumon, e conseguiu se tornar competitivo o suficiente para participar e colecionar medalhas de diferentes olimpíadas científicas. Não se contentou com seu próprio sucesso e se propôs a transformar a realidade de outros estudantes locais.

Fundou o Virando Olímpico, uma plataforma que dá aos jovens acesso a conteúdos preparatórios, não só para olimpíadas, mas também vestibulares, como do ita e ime. Também se tornou fonte de inspiração para outros alunos da sua escola ao ser aprovado em uma das mais concorridas universidades dos Estados Unidos, o mit. No futuro, pretende criar uma empresa que tenha como uma das frentes arrecadar recursos para aplicar em projetos sociais - especialmente aqueles que envolvem educação básica.

Sempre precisei correr atrás do prejuízo para encontrar oportunidades para me desenvolver. Então, procurei tornar esse caminho menos árduo para outros jovens e mostrar que eles também têm capacidade de chegar mais longe, que é possível ultrapassar barreiras.


Prep Scholars

Felipe Pires 19 anos engenharia da computação, yale

U

m geek amante das ciências sociais. Assim se define Felipe, que começou a se interessar por programação aos 12 anos. Aos 15, resolveu entrar no cefetrj, para cursar ensino médio e técnico em informática. Entrou também para o time da ong Turma Cidadã – iniciativa de professores e alunos que promove projetos de sustentabilidade sociocultural – , onde trabalhou como desenvolvedor web e mobilizador de campanhas. Foi quando percebeu que, ao mesmo tempo que se desenvolvia como programador, podia realizar projetos úteis para as pessoas. Como bolsista

CNPq, procurou contribuir para pesquisas de natureza interdisciplinar. Levou, por exemplo, seu conhecimento sobre mineração de dados a um estudo de sociologia. Como trabalho de conclusão de curso, construiu um ambiente web para evolução de redes neurais. Seu interesse por política o levou a criar, nas manifestações de 2013, o Mídia no Mapa: site que mapeia os protestos pelo Brasil a partir do processamento inteligente de dados das redes sociais. Também participou da concepção de uma startup no ramo da impressão 3D e uma rede social que conecta jovens interessados em atividades extracurriculares.

A computação deixou de ser apenas um interesse para mim e virou uma ferramenta para construir o que eu gostaria que existisse. Por isso é tão importante conhecer a realidade que me cerca: entendendo o mundo, acredito ser possível deixá-lo melhor para as pessoas.


Gabriel Guimarães 21 anos ciência da computação, harvard

E

nquanto fazia curso técnico em eletrotécnica, Gabriel não se sentia desafiado o suficiente. Em busca de aventuras intelectuais, o capixaba se inscreveu nas disciplinas de Cálculo II e Física com alunos de engenharia do ifes e tirou excelentes notas. No ensino médio, procurou uma experiência internacional e passou um ano na Alemanha. Foi no intercâmbio que começou a se interessar por computação. Pesquisando cursos introdutórios sobre o tema, encontrou o Computer Science 50 (cs50), ofertado pela Universidade de Harvard. Decidiu fazer o curso e, quando

terminou, sentiu muita vontade de trazê-lo para o Brasil. Mandou um e-mail ao professor responsável e fez o ousado pedido. Após receber o sinal verde, cuidou desde da organização das aulas e a tradução do material até a criação do site e toda a divulgação. A repercussão foi tamanha, que uma aceleradora lhe propôs uma parceria. Além de continuar realizando o curso, passou a dar consultoria para os times das startups aceleradas pela empresa. Gostou tanto da experiência, que decidiu fazer sua graduação em Harvard e hoje faz parte do time do CS50.

Desde que tive a ideia de traduzir o curso de Harvard, percebi como é grande o interesse de alunos das mais diversas áreas de atuação em todo o Brasil, muitos deles leigos. Pretendo continuar utilizando tecnologia para empreender e impactando pessoas do mundo inteiro.


Georgia Sampaio 19 anos engenharia biomédica, stanford

G

seu sofrimento e começou a pesquisar formas de tornar o diagnóstico mais rápido e acessível financeiramente, para evitar que outras pessoas passassem pelas mesmas dificuldades.

Quando estava no ensino médio, sua tia foi diagnosticada com endometriose – doença crônica que atinge milhões de mulheres no mundo – e teve que retirar o útero. Georgia testemunhou

No início, ouviu muitos “nãos”, inclusive de autoridades médicas. Mas, com o avanço do projeto, conseguiu provar sua importância. Em 2014, chegou a ser premiada pela Harvard Social Innovation Collaborative. Georgia, que já sonhava em cursar a graduação fora do Brasil, ganhou mais confiança para aplicar para universidades americanas – pela segunda vez. Foi aceita em nove, entre elas Yale, Columbia, Duke e Stanford.

eorgia nasceu em uma comunidade de Feira de Santana (ba). Mesmo vindo de uma família humilde – seus pais não têm curso superior –, sempre buscou estudar nos melhores colégios do estado, por meio de bolsas de estudo conquistadas por desempenho acadêmico. Aos 12 anos, começou a aprender inglês sozinha, o que lhe abriria muitas portas posteriormente.

Tive minha vida completamente mudada pela educação. Todas as perspectivas que eu tinha me levavam a ficar no mesmo lugar, mas aos poucos fui me ‘deslimitando’. Hoje, o estudo é para mim o meio para um fim: impactar a rede de saúde pública no Brasil.


Gustavo Marques 22 anos engenharia civil, ita

N

ão que tenha sido fácil, mas Gustavo é persistente. Natural de Santa Rita do Sapucaí (mg), herdou a ambição profissional de sua mãe e soube aproveitar bem as oportunidades que lhe apareceram. Para cursar o ensino médio em um dos melhores colégios de São Paulo, conseguiu uma bolsa. Logo conheceu as olimpíadas científicas, embora não tenha obtido sucesso na primeira tentativa. Pediu à mãe um livro de Física como presente de Natal e, no ano seguinte, conseguiu oito medalhas. Passou nos vestibulares da usp, unicamp e ita, onde ingressou. A universidade

oferecia a possibilidade de intercâmbio durante a graduação, mas a escola de seus sonhos não era conveniada. Insistiu que queria estudar no mit e conseguiu, pelo programa Ciências sem Fronteiras. Por iniciativa própria, lá cursou disciplinas da pós-graduação e obteve ótimo desempenho. A fim de expandir o impacto que o estudo teve na sua vida para outros jovens, atuou no projeto Casdinho, um curso sem fins lucrativos que prepara alunos para o ensino médio e as olimpíadas. Deu aulas para mais de 1.500 alunos e chegou ao cargo de diretor executivo. Seu sonho é construir um dia seu próprio negócio.

Muitas pessoas não acreditam que o Brasil é capaz, e isso me incomoda. Com esse pensamento, perdemos muitas cabeças boas para fora. Nosso país é, sim, um lugar para se fazer coisas grandes. E eu quero construir uma empresa que ajude no seu desenvolvimento.


Prêmio Jovens Fora de Série

Prep Scholars

Gustavo Torres 17 anos engenharia física, stanford

G

ustavo é do Capão Redondo, zona periférica da cidade de São Paulo (SP). Seus pais não chegaram a entrar na faculdade. Fez ensino fundamental em uma escola pública e no ensino médio conseguiu ingressar em um colégio particular graças a uma bolsa concedida pelo Ismart (Instituto Social para Motivar, Apoiar e Reconhecer Talentos). Estudou inglês por conta própria por três anos, depois aprimorou o idioma na escola. Ganhou diversas medalhas em olimpíadas de matemática e física, premiações por desempenho acadêmico e uma bolsa integral para um programa

de verão na Universidade de Yale. Depois dessa experiência no exterior, se sentiu motivado a aplicar para universidades americanas. Mais tarde, seria aprovado em Columbia, Duke, mit, Harvard e Stanford - para onde está indo agora. Antes disso, aos 16 anos, fundou junto com um amigo o projeto Descobrindo o Sonho Jovem, com o objetivo de incentivar o talento e o sonho dos adolescentes através de oficinas de autoconhecimento. O projeto é apoiado pela Ashoka, mentorado pela Yunus&Youth e já foi apresentado por Gustavo até em Moscou, na Rússia.

Nunca vi muito sentido em fazer coisas só para mim. Quero mostrar a outros jovens que todos têm potencial, basta ter consciência dele e saber aplicá-lo. Acredito que, empoderando as pessoas através de autoconhecimento e tecnologia, coisas muito grandes podem acontecer.


Matheus Costa 17 anos física, ufpe

F

por conta própria. Não é de se espantar que tenha tirado a maior nota de matemática do Enem em 2014 e sido aprovado em 1º lugar no curso de Física da ufpe, onde estuda hoje.

No fim do ensino fundamental, começou a participar de olimpíadas científicas e logo ganhou diversas medalhas. Por precisar de bolsa no ensino médio, sua média sempre esteve entre as três maiores da escola. Nesse período, aprendeu cálculo diferencial e integral

Desde então, dá aulas aos ex-colegas para ajudá-los a se preparar para o vestibular e se alegra ao saber que sua história já inspira outros jovens do Recife a mergulharem nos estudos. Matheus ainda sonha em estudar fora um dia e já provou que é capaz: foi aceito na Universidade de Cambridge, para a qual precisou realizar dois testes americanos, além do application, para comprovar sua excelência acadêmica. Atingiu a nota máxima em ambos.

ilho de professores da área de humanas, o recifense Matheus desenvolveu gosto por exatas muito cedo. Se por um lado sua criatividade era muito estimulada em casa, por outro era extremamente curioso para entender como o mundo funcionava. Resultado: colocou na cabeça que se tornaria um grande cientista.

Quero fomentar a divulgação científica no Brasil, para que a população comece a gostar de ciência e conhecer mais a fundo o mundo ao seu redor. Acredito que a inovação que vem das pesquisas científicas está diretamente ligada ao desenvolvimento econômico do país.


Prep Scholars

Nathalya Leite 18 anos engenharia biomédica, yale

P

or meio de concurso público, a curitibana Nathalya foi admitida no Colégio Militar de Brasília aos 11 anos. Lá cursou ensino fundamental e médio, destacando­-se desde cedo pelo seu interesse nos estudos e desempenho acadêmico. Durante o colégio, chegou a fazer estágio com pesquisa em um laboratório da Universidade de Brasília. Foi premiada com um projeto de iniciação científica no Distrito Federal e bolsista CNPq para o estágio de pesquisa em engenharia mecânica. Também foi

selecionada para um programa de férias na Universidade de Yale, para aprender conceitos de Ciência, Política e Inovação. Paralelamente, foi professora voluntária de português, matemática e física de deficientes visuais – e até ganhou um prêmio do governo por isso. Apaixonada por esse trabalho até hoje, pretende aproveitar os conhecimentos em engenharia mecânica para desenvolver novos métodos e materiais que possibilitem a impressão de próteses em larga escala, para garantir o acesso a mais camadas da população.

Quero contribuir para que nenhum deficiente físico precise se preocupar se pode ou não fazer coisas por falta de acessibilidade. Em laboratórios especializados em biomecânica, poderei construir próteses viáveis financeiramente, que hoje custam mais de 100 mil reais no Brasil.


Paula Morais 21 anos administração, ufba

P

e mobiliza mais de 2.000 universitários. Aos 17 anos, deu início ao que viria a ser seu primeiro empreendimento: uma plataforma de agendamento online para prestadores de serviços.

Analisou o contexto do seu estado e descobriu o quão desfavorável ele era ao ambiente de novos negócios. Fundou, então, a Liga Universitária de Empreendedorismo na Bahia, que hoje conta com 30 pessoas no corpo executivo

Mais tarde, desenvolveu a ideia de uma nova empresa, a Talugo.com, que trabalha com o conceito da experiência dos produtos através do aluguel, e não de sua posse, disseminando o consumo colaborativo. Pela sua performance como empreendedora e a mobilização que provocou na cidade, tornou-se consultora de negócios digitais e foi convidada pelo governo municipal a participar de um programa de rádio sobre empreendedorismo jovem.

aula é a única empreendedora da sua família. Influenciada a escolher um curso "clássico" para prestar vestibular, chegou a iniciar sua graduação em Direito. Era a primeira trainee da empresa júnior de sua faculdade quando participou de eventos nacionais de empreendedorismo e enxergou ali mais sentido para sua futura vida profissional.

Quero fomentar no Brasil, especialmente no Nordeste, um ambiente empreendedor que permita que grandes sonhos se transformem em negócios de alto impacto e funcionem como turbina de transformação e desenvolvimento da nossa sociedade.


Prêmio Jovens Fora de Série

Paulo Fisch 17 anos engenharia naval, usp

D

esde criança, Paulo é apaixonado por ciência e tecnologia. Segundo sua mãe, a primeira palavra que falou foi “carro”. Aluno de um colégio alemão de São Paulo (sp), foi reconhecido como um dos melhores da sua turma, sendo estimulado a desenvolver projetos dentro da área de que tanto gostava.

Ainda no ensino médio, criou – e mais tarde patenteou – um mecanismo para melhorar a aerodinâmica das asas dos aviões, usando a textura da bola de golfe. Com ele, aumentou a sustentação das asas, diminuindo as distâncias de decolagem e pouso, reduzindo gastos com combustível e facilitando o acesso aéreo

a áreas remotas. Já na usp, adaptou essa descoberta à aerodinâmica dos carros, atuando junto à equipe Poli Racing. Hoje, trabalha junto a um grupo que constrói e desenvolve barcos para competição na Escola Politécnica e também está construindo sua primeira empresa: um centro de pesquisa que também desenvolve tecnologias para melhorar a vida das pessoas. Seu primeiro projeto envolve a criação de uma miniestação hidrelétrica dentro dos prédios, que gera energia a partir do próprio movimento da água e reduz desperdícios nas áreas urbanas.

Quero que minha empresa se torne referência no ramo da inovação e ajude a criar soluções simples e de baixo custo para problemas que afetam muitas pessoas. Meu plano é, através do empreendedorismo, deixar um legado para as gerações que vêm depois da minha.


Rodolfo Bonatti 24 anos medicina, usp

R

Foi monitor em técnica cirúrgica e realizou duas pesquisas de iniciação científica na área de oftalmologia. Com uma delas, ganhou um prêmio no Congresso Brasileiro de Oftalmologia.

Na faculdade, continuou no handebol como goleiro titular e ganhou cinco campeonatos. Paralelamente, se envolveu em várias atividades acadêmicas.

Fez intercâmbio na Harvard School of Public Health, onde desenvolveu uma pesquisa na área de cardiologia que resultou em quatro artigos em revistas científicas internacionais. No ano seguinte, ficou responsável por esse mesmo programa de intercâmbio, incentivando mais alunos a ter essa experiência e participando como avaliador no processo de seleção.

odolfo poderia ter seguido carreira como atleta. Durante o colégio, foi jogador federado de handebol e conquistou um campeonato brasileiro pelo clube Pinheiros. Apesar das horas dedicadas ao esporte, não deixava de acumular boas notas. Ainda assim, não passou na usp quando prestou Medicina pela primeira vez. Mas não desistiu do sonho e passou na segunda tentativa.

Quero ser um excelente médico, mantendo contato direto com o paciente, como cirurgião, mas sem deixar de olhar para o sistema de saúde como um todo. Com boa gestão, acredito ser possível torná-lo mais eficiente a fim de melhorar a qualidade do atendimento nos hospitais.


Wellington Trindade 20 anos administração, ibmec-rj

W

ellington sempre foi um ótimo vendedor. Quando criança, seu pai lhe deu um desafio: 50 reais em produtos para vender na praia. Ele não só vendeu tudo, como ainda comprou mais produtos, triplicando os ganhos. Nas férias, trabalhava com o pai em sua padaria e, com o dinheiro que juntou, investiu numa fábrica de doces caseiros. Começou as vendas na cantina de uma igreja e evoluiu para 22 locais. Vendia mais de 1.000 doces por semana. Paralelamente, estudava numa escola pública de São Gonçalo e também vendia picolé no 7º Batalhão de Polícia Militar, com a condição imposta pelo

coronel de que só poderia trabalhar ali se apresentasse o boletim a cada final de bimestre. Certa vez, recebeu uma nota ruim e se pôs a escrever uma redação por dia durante três semanas para melhorar seu desempenho e retomar as vendas. Mais tarde, ganhou uma bolsa para cursar o 3º ano do ensino médio em uma escola particular e tirou nota máxima na redação do Enem. Foi bolsista da Casa de Espanha – que lhe possibilitou aprender espanhol – e do Oxford English Centre – que lhe permitiu aprimorar o inglês na Inglaterra. Ainda quer fazer mba fora e ganhar experiência em empresas para no futuro atuar na política – e quem sabe até chegar à presidência.

Já achei meu sonho louco. Mas hoje as pessoas me veem como um exemplo, e isso pode inspirá-las de alguma forma. Quando se está sozinho em uma luta, é mais difícil. Mas, quando se tem referências, você vê que também pode realizar e qual é a melhor forma de chegar lá.


Conheça os Bolsistas de Pós-Graduação 2015


Caroline Silva 30 anos mestrado em educação, columbia

A

professora da rede pública e, anos depois, tirou licença para fazer um mestrado. Foi quando teve uma experiência fora da sala de aula, numa empresa de materiais didáticos, que ampliou seus horizontes.

Já estudante de Letras, começou a dar aulas na rede estadual, até que fundou, junto com colegas, uma escola de ensino médio e curso pré-vestibular em um bairro pobre da capital, com mensalidades acessíveis para alunos de baixa renda. Passou no concurso para

Foi trabalhar na Secretaria de Educação de Goiás, onde coordenou programas de tutoria para professores em escolas com dificuldades e avaliações da rede estadual, com a meta de fazer o estado saltar do 17º lugar para os cinco primeiros no Ideb. Ficou emocionada ao ver o resultado do seu trabalho: em 2014, Goiás ficou em 1º lugar entre as redes públicas de ensino médio e em 2º de ensino fundamental.

os sete anos, Caroline já pensava em ser professora. Amante da literatura, leu todos os livros da biblioteca de Acreúna (go), sua cidade natal, e ajudava outros alunos com dificuldades. Aos 12, mudou-se para Goiânia para estudar em escolas maiores e aumentou sua vontade de seguir carreira como educadora.

As universidades têm um viés muito teórico, e a prática da sala de aula acaba ficando em segundo plano. Para tornar o mundo melhor através da educação, é preciso formar bons professores, por meio de tutoria e coaching. É isso o que quero fazer da minha vida.


Dan Zylberglejd 23 anos mestrado em estatística, stanford

N

a época do vestibular, a excelência acadêmica de Dan já impressionava. Ganhou diversas medalhas em olimpíadas, passou em 1º lugar geral na ufrj e na puc-rj, além do 22º lugar geral no Enem. Durante a graduação, fez um intercâmbio acadêmico em Berkeley, o que despertou uma vontade de voltar a estudar no exterior mais tarde. Graças à sua elevada capacidade cognitiva e sua paixão pelo mercado financeiro, também começou a desenvolver modelos matemáticos quantitativos aplicáveis a essa área, com o objetivo de trazer resultados

mais relevantes para suas operações. Para aprender mais sobre o setor, procurou fazer estágios e summer jobs em diferentes funções: asset management, análise de risco e trading quantitativo. Enxerga o mestrado em estatística como uma forma de acelerar sua carreira. Ao mesmo tempo, acredita que ele permitirá que encontre novas aplicações da matemática não só no mercado financeiro, mas também em outros modelos de negócios – para, quem sabe, empreender no futuro.

Quero trazer uma visão mais acadêmica para a indústria e o mercado financeiro. Aplicando modelos matemáticos e estatísticos desenvolvidos na academia, é possível rentabilizar fundos de investimentos, por exemplo, e mudar a forma de investir e tomar decisões estratégicas.


Diana Goldemberg 28 anos mpa/id, harvard

Q

uando adolescente, o que Diana mais queria era trabalhar em um grande banco e ganhar muito dinheiro. Mas esse desejo foi aos poucos dando lugar a uma vocação. Antes de entrar na faculdade, foi professora auxiliar de química em curso preparatório para o vestibular. Entrou na usp para cursar engenharia de produção, esteve entre os dez melhores da sua turma e foi eleita diretora do grêmio da Escola Politécnica. Também fez estágios de pesquisa na University of British Columbia e na própria usp e passou um período da graduação estudando na França, em um programa de duplo diploma, estagiando

nas férias numa empresa de bens de consumo e num banco de investimentos. Após se formar, trabalhou por dois anos em uma consultoria estratégica, até que passou em um concurso do bndes, para trabalhar com análise de investimentos. Pela primeira vez no setor público, descobriu sua grande paixão. Atuou em projetos de apoio a pequenos e médios empreendedores, via participação acionária, entre outros de impacto direto na economia e na sociedade. Gostou tanto, que quando voltar do mestrado pretende continuar trabalhando no setor, sempre nos bastidores, ao lado de políticos que já estão fazendo a diferença em âmbito estadual ou federal.

Existe um movimento de renovação da gestão pública no Brasil, com pessoas capacitadas e interessadas em mudanças. Eu já faço parte dessa turma e estou comprometida em aumentar essa base, para que o setor possa melhorar e ter mais impacto na vida das pessoas.


Gabriel Liguori 26 anos phd em medicina, groningen

G

abriel nasceu com uma má formação no coração e precisou ser operado ainda criança. Graças ao sucesso da cirurgia, cresceu com a vontade de retribuir o que os médicos fizeram por ele. Graduou-se em Medicina na usp, foi o melhor aluno da turma e fundou o Departamento Brasileiro das Ligas Acadêmicas de Cirurgia Cardiovascular, já com o sonho de deixar sua marca na área. Realizou estágios em diversos centros médicos, como na Harvard Medical School, na Maastricht University e no Imperial College London. Foi editor júnior da Revista da Associação Médica Brasileira e apresentou trabalhos em

mais de dez congressos ao redor do mundo. Também fundou a General Lifesciences Applications, startup que desenvolve aplicativos médicos, pela qual recebeu prêmios e investimentos. Em 2015 passou a coordenar a área de saúde da venture builder eGenius Founders. Hoje estuda engenharia de tecidos com o objetivo de construir órgãos artificiais e tornar mais transplantes viáveis. Pretende criar um laboratório no Instituto do Coração (Incor), onde um dia já ficou internado, e ainda ser professor da usp a fim de trazer a academia para mais perto da indústria e encorajar mais médicos a trabalhar com inovação.

Hoje, centenas de milhares de pessoas morrem esperando por um transplante. Quero revolucionar a cirurgia cardíaca no Brasil e fazer o primeiro transplante com um coração artificial no país. Acredito ser possível criar um órgão inteiro a partir de células tronco em até 15 anos.


josé Rodolfo Fiori 30 anos master in local economic development, lse

R

logística – o mais jovem da história da empresa. Paralelamente, começou a pesquisar bases de dados de São Joaquim da Barra a fim de descobrir como poderia ajudar sua cidade.

Foi trainee na Votorantim Cimentos e, ao final do programa, recebeu uma oferta para ser coordenador em uma operação de turn around no Nordeste. Depois de um ano, tornou-se gerente regional de

Mesmo tendo construído uma carreira sólida na indústria, decidiu sair para fundar um negócio próprio. Com a Muove Brasil, uma empresa de consultoria, se propôs a pesquisar e construir soluções de baixo custo para cidades de pequeno e médio porte. No momento, está mapeando dados indicativos de oportunidades e problemas latentes nessas cidades e desenvolvendo soluções para cada caso. No longo prazo, gostaria de ser ministro das Cidades.

odolfo nasceu em São Joaquim da Barra (sp). É o primeiro da sua família a fazer a graduação. Aos 11 anos, conseguiu uma bolsa para estudar numa escola particular e, graças a essa oportunidade, conseguiu se preparar e ser aprovado na Universidade Federal de São Carlos, para o curso de Engenharia de Produção. Durante a faculdade, foi diretor de logística da empresa júnior, realizou pesquisas e fez um intercâmbio na Inglaterra.

Meu sonho grande é na política. Acredito que no setor público conseguimos fazer grandes transformações. Muitos podem imaginar que não, mas na minha experiência conheci muita gente no governo querendo fazer a coisa certa e disposta a executar mudanças.


Michel Haber 29 anos llm, harvard

U

m dilema norteava Michel desde a adolescência, ao ouvir seus pais debaterem o papel da tributação no desenvolvimento socioconômico do Brasil. Sua mãe, auditora fiscal, defendia a tributação como meio para reduzir desigualdades. Já o pai, empreendedor, argumentava que a alta carga tributária acabava comprometendo o crescimento do país.

Direito Tributário na usp e na puc-sp, Direito Empresarial na fgv e Direito Penal Econômico na Universidad Castilla-La Mancha. Estudou ainda Direito Tributário na University of Cambridge e Direitos Humanos na Universidad Complutense de Madrid e na Hiroshima University. Hoje é professor de Direito Tributário e Financeiro na ufpa e diretor do Instituto Brasileiro de Direito Financeiro.

O interesse pelo tema o levou a prestar vestibular para Direito. Formou-se na Universidade Federal do Pará e nunca parou de estudar. Fez mestrado em Direito Econômico, Financeiro e Tributário na usp, onde está finalizando o doutorado. Cursou especialização em

Após acumular tanto expertise, acredita que o pai e a mãe tinham uma parcela de razão. Para ele, existe um meio termo: a tributação tem um papel fundamental no desenvolvimento do país, mas é preciso criar políticas fiscais adequadas, para que os dois lados andem de mãos dadas.

Quero assumir um cargo estratégico na administração pública para implementar soluções que apontem para a redução de desigualdades socioeconômicas e desigualdades interregionais. Também pretendo influenciar novas pesquisas que solucionem problemas do NorteNordeste.


Pedro Guimarães 31 anos pós-doutorado em nanotecnologia, mit

F

ilho de empreendedores, ambos sem ensino superior, Pedro sempre foi estudioso. Natural de Divinópolis (mg), cursou Farmácia na ufmg e logo foi buscar atuação no laboratório de pesquisa. Seu foco era em projetos para licenciamento de tecnologias para a indústria farmacêutica, e desenvolveu um trabalho relacionado ao tratamento da hipertensão. Foi quando percebeu gargalos na transmissão dos conhecimentos da pesquisa para o mercado e construiu um produto que resultou em uma patente.

Desde então, começou a se aprofundar nesse mundo. Trabalhou no Fórum

Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia, onde criou um banco de dados de patentes, e hoje ajuda a ministrar uma disciplina sobre o assunto. Fez mestrado em inovação biofarmacêutica e doutorado em química focado em nanotecnologia aplicada ao câncer. Também trabalhou como analista na Medley, foi coordenador de marcas e patentes na ufmg, participou de um edital para incentivos à inovação e conseguiu financiamento para chegar a um plano de negócios para viabilizar as tecnologias desenvolvidas. Junto a professores da universidade, criou a startup labfar e pitech.

Quero aplicar a nanotecnologia no tratamento do câncer para conseguir desenvolver um medicamento que seja mais efetivo na contenção de metástases, de forma a não prejudicar células sadias. E esse medicamento terá carimbo brasileiro, será feito com tecnologia nossa.


Rafael Cunha 28 anos mba, stanford

N

trabalhava em dois empregos para se manter. Empreendeu por dois anos em uma consultoria de gestão para empresas da área de saúde, até que decidiu se candidatar para trabalhar na McKinsey.

Realizou um intercâmbio na Espanha, com ajuda de uma bolsa e, em seguida, foi estudar inglês em Londres, onde

Fez parte do primeiro grupo de analistas da consultoria no Nordeste, onde teve o primeiro contato com o setor público. E se apaixonou. Em 2014, se lincenciou da McKinsey e trabalhou por um ano na prefeitura de São Paulo, onde atuou em projetos de desenvolvimento econômico. Quer continuar ajudando governos a se desenvolver a partir do setor privado, para depois que tiver mais experiência entrar no setor público.

ascido em Salvador (ba), Rafael precisou começar a trabalhar aos 15 anos, devido a programas financeiros que sua família enfrentou. Mas não deixou que isso afetasse os estudos. Aos 17, prestou o vestibular e passou em 1o lugar em Administração na ufba. Trabalhou na empresa júnior do curso e após um ano e meio foi eleito presidente. Contribuiu para que a empresa fosse reconhecida por ter o melhor modelo de gestão entre as empresas juniores.

Pretendo implementar reformas administrativas que melhorem a eficiência do governo, como premiar pessoas com bom desempenho e punir funcionários que não atingirem os resultados previstos. Será saudável trazer um pouco mais do setor privado para o setor público.


O valor da Comunidade Estudar


E 

m 2011, após uma série de questões pessoais afetarem a

realidade da minha família, eu, que sempre tive interesse pela carreira pública, especialmen-

te pela carreira em organismos

multilaterais, acabei tendo que aceitar uma posição que não era consistente com meus planos e valores, mas cuja remuneração era importante para o momento em que vivíamos. Um dos principais impactos do programa de mentoring da Fundação Estudar na minha trajetória foi me ajudar a fazer uma transição de volta para o que era meu ideal de carreira. Isso significou tomar uma decisão bastante ousada na época, que foi a de pedir demissão sem ter ainda uma outra posição garantida. Por outro lado, também tracei com meu mentor, Renato Mazzola, um plano de ações concretas para voltar a trabalhar com aquilo que me interessava. Nesse processo, o apoio do mentor se revelou um recurso de valor incomensurável. Foi graças a ele, por exemplo, que eu pude entender a relevância do trabalho de campo para a carreira em organismos multilaterais – o que foi um critério determinante para a busca de uma recolocação profissional. Justamente a minha experiência em campo e os resultados do trabalho que pude realizar ali – sempre com o apoio e orientação do meu mentor – foram mencionados como fatores decisivos quando anunciaram minha escolha para a Bolsa Sergio Vieira de Mello, uma parceria do Itamaraty com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. A bolsa escolheu dois brasileiros para servir em projetos específicos da ONU. Foi assim que vim trabalhar na Missão de Paz da ONU no Haiti, realizando o sonho de trabalhar no multilateral. Tanto na primeira vez em que participei de um programa de mentoria, com o Julio Kogut, quanto nessa segunda vez, com o Renato, o fato de ter contato com pessoas tão admiráveis e comprometidas com os valores da Fundação Estudar serviu como inspiração e fez com que eu sempre tivesse esses princípios comigo, em todos os lugares em que trabalhei, no Brasil e no exterior. Ter essas referências tão próximas e presentes não tem preço e te faz pensar todos os dias sobre o que te move adiante. joão gabriel pinheiro, bolsista de 2007


É bolsista e quer ajudar a Fundação Estudar a chegar mais longe?

Veja o que dizem alguns dos bolsistas que colaboraram ativamente para construir os resultados de 2014-2015 junto à equipe da Fundação Estudar


amaury takaki, bolsista de 2009

andré mendes, bolsista de 2012

Foi facilitador de duas edições do Laboratório Foi um dos responsáveis por coordenar e multiplicador de um Lab×

o Programa de Bolsas 2015

‘Teriam sido mais reflexivos, mais

Ser aceito na Estudar foi algo que mudou

corajosos, e teriam vivido antes seus

minha vida. Contudo, a transformação

propósitos’. Esta foi a conclusão a

começou muito antes da aprovação. Meu

que chegou o coach Richard Leider ao

entusiasmo veio durante o processo

entrevistar mais de 1 mil executivos

seletivo, no qual tive contato com pessoas

seniores bem-sucedidos, questionando-os sobre o que fariam de diferente se pudessem recomeçar suas vidas.

incríveis. A experiência foi tão forte que, desde a etapa final, defini a meta de que um dia eu seria um dos conselheiros que estaria ali selecionando os próximos

Tendo cofacilitado duas edições do

membros da comunidade.

Laboratório, além de um Lab×, a definição mais precisa que alcanço sobre o

Como não há um caminho definido para se

impacto dos programas Na Prática é a

alcançar isso, eu mesmo comecei a buscar

de que, quando, anos à frente, indagados

uma forma de chegar lá. Procurando

por questão semelhante à de Leider, os

conhecer a Estudar mais a fundo, decidi

jovens transformados pelos programas

trabalhar na instituição. Lá dentro, conheci

demoverão do topo de suas listas

inúmeras possibilidades de participar e

arrependimentos relacionados à falta de

ainda fui atrás daquelas que não existiam.

reflexão sobre seus sonhos ou à carência

Foi assim que surgiu a chance de ser um

de iniciativa em direção a seus propósitos.

dos responsáveis por coordenar a seleção

Em outras palavras, terão sido plenos

dos novos bolsistas.

protagonistas de suas vidas. O que era para mim um objetivo distante Da ótica do bolsista, além de oportunidade se tornou uma experiência incrível, com de aprimorar capacidades de comunicação diversos aprendizados. Desde a parte de e facilitação de dinâmicas coletivas,

gestão de equipe, até o entendimento

contribuir com um dos programas é rica

da metodologia para selecionar os

experiência de inspiração e vivência dos

melhores. A maior conquista, porém, foi o

nobres valores que formam nossa cultura. entendimento que tive da Estudar como Venha com a gente e engrosse a turma

um todo. A interação com a equipe, com os

que faz acontecer esta bonita iniciativa de

ex-bolsistas e finalmente com o conselho

transformação da juventude brasileira.

me fizeram refletir sobre a essência da instituição e também sobre o motivo de eu mesmo ter sido aprovado. O sentimento final é de realização. E sobre a meta inicial de um dia fazer parte do conselho, não sei se há uma fila para chegar lá, mas, se existe, já estou buscando a minha senha.


marcela trópia, bolsista de 2014

roger koeppl, bolsista de 2012

É uma das responsáveis pelo Grupo de

Foi facilitador – e convidado especial – de

Interesse em Governo e Gestão Pública

várias edições do Laboratório

A ideia de criar Grupos de Interesse

Para mim é uma alegria muito grande

dentro da Fundação Estudar foi uma

falar sobre o Laboratório, pois acredito

das melhores iniciativas que a rede

que seja uma das formas mais intensas

poderia ter tido. Ao ser convidada para

de interação com a Fundação Estudar.

coordenar o Grupo de Governo e Gestão

Seja como participante, convidado

Pública, ao lado do José Frederico Lyra,

especial ou facilitador, a experiência é

fiquei extremamente animada com a

extremamente gratificante.

possibilidade de conectar ainda mais os membros da comunidade que trabalham

A contribuição que podemos dar a um

no setor público e/ou na política para

grupo grande de pessoas em apenas um

discutir assuntos muito importantes

mês é incrível, e histórias inimagináveis

sobre o tema, para buscar inspiração em

se iniciam durante os ‘saltos’. O nosso

grandes líderes da área e também poder

convite é que os participantes encontrem

inspirar os demais bolsistas a integrarem

uma pista concreta de qual é o seu sonho

esse time de parceiros do Estado.

grande e deem um grande passo em sua direção – e coisas incríveis acontecem.

O grande impacto que o grupo tem trazido para a vida e a carreira dos seus membros

Eu pessoalmente cresci muito como

é a oportunidade de conhecer melhor esse facilitador, porque pude desenvolver caminho profissional, buscar orientações

técnicas de oratória, facilitação e

de como ingressar e permanecer

condução de dinâmicas, além de me

nesse setor e, também, compartilhar

aprofundar em pesquisas de ponta sobre

experiências de sucesso vivenciadas e

desenvolvimento de lideranças – o que,

aprendidas pelo mundo.

claro, busco aplicar diariamente no meu trabalho na Cooperativa YouGreen. Além

Estar à frente desse grupo me permitiu ter disso, a rede de relacionamentos que criei contato com histórias incríveis, como a

é impressionante.

do Mateus Bandeira, um grande exemplo de homem público, que esteve conosco

Recomendo a todos os bolsistas que vivam

em um dos encontros e trouxe várias

a experiência do Laboratório, seja como

perspectivas da atividade pública para

participante ou facilitador, pois melhor do

os bolsistas. E, além disso, é possível

que mudar sua própria história de vida

plantar uma semente da importância de

é perceber que você fez isso de maneira

ocuparmos esses espaços de trabalho

sistêmica, na vida de várias outras pessoas.

que tanto causam impacto nas nossas vidas e mostrar como é alto o poder de transformação do Estado e sua máquina na realidade do nosso país.


makoto yokoo, bolsista de 2003

cauê amaral, bolsista de 2002

É membro do Comitê de Leitura no Programa É doador e membro do Comitê de Captação de Bolsas e do Fórum Executivo

da Fundação Estudar

No princípio, participar do processo de

Eu contribuo com tempo e dinheiro para

seleção de bolsas da Fundação Estudar foi

a Fundação Estudar por gratidão e muita

uma maneira que encontrei de “give-back”.

empatia. Sou grato pela ajuda financeira

Ironicamente, nesse envolvimento, minha

que recebi há 14 anos, quando estava

“dívida” com a Estudar só aumentou! Como? na faculdade e minha mãe ralava para pagar as contas do final do mês. Sou Bem, de forma mais ampla, conhecer os

também grato por tudo que continuo

candidatos, de todos os cantos do país e

aprendendo, por meio de palestras e

com conquistas tão incríveis, mesmo tão

networking. Um evento, em especial, eu

jovens, me deixa otimista com o Brasil.

nunca vou esquecer, em que Beto Sicupira

Diante de todas as circunstâncias políticas falava dos princípios e valores em que e econômicas que estamos vivendo

acredita. Guardei minhas anotações e as

atualmente, um país com um calibre de

releio sempre que tenho alguma decisão

talentos de potencial tão enorme como

importante para tomar.

esse só pode dar certo! A cultura de empreendedorismo, estudo, De forma mais específica, como pai de

trabalho e sonho grande só pode fazer

duas filhas pequenas – Sophie (8 anos)

bem para os jovens de alto potencial. O

e Isadora (5 anos) – esses jovens, suas

crescimento da nossa comunidade gera

histórias e seus sonhos servem de

mais gente boa no governo, mais empresas

grande inspiração no meu esforço no

de sucesso e mais histórias inspiradoras.

desenvolvimento e crescimento delas.

Não podemos reduzir o ritmo!

O processo de seleção da Fundação

Os fundadores terão sempre o papel deles,

Estudar, parte fundamental de nossa

mas vejo claramente a oportunidade

cultura e dna, é mais uma prova de que

para os ex-bolsistas assumirem com mais

ninguém segura alguém com um sonho

força a responsabilidade de perpetuar

grande, muita vontade e habilidade de

esse sonho. Quando dou dinheiro para

transformar iniciativa em ‘acabativa’!

a Estudar, quero saber para onde esta indo o recurso. E quando participo de algum evento, quero saber como posso ajudar a ficar melhor. Ou seja, com mais engajamento financeiro e presencial dos ex-bolsistas, consigo imaginar os próximos 30 anos da Estudar e ficar muito animado.


bolsistas que quitaram bolsas 2014-2015 Adrian Flaksbaum Moll [2009] intercâmbio – ecole centrale de nantes Fernando Augusto Paixão Machado [1999] pós graduação – harvard Guilherme Carneiro da Cunha Cintra [2010] graduação – puc-rio Gustavo Nakano Athayde França [2003] graduação – eaesp-fgv Gustavo Nogueira Nóbrega [2010] graduação – ime Juliana Botini Hargreaves Vieira [2009] pós graduação – columbia Márcio Nieblas Zapater [2010] pós graduação – university of chicago Marco Aurélio de Barcelos Silva [2011] pós graduação – ucl faculty of laws Renato Caumo [2012] pós graduação – georgetown university Ricardo Camatta Sodré [2012] pós graduação – harvard Rodrigo Figueiredo de Mello [2004] graduação – ibmec-rj Ronaldo Rozenbaum Paiva [2011] graduação – ufrj Tatiana Martins Bacelar de Rezende [2007] intercâmbio graduação instituto politecnico di milano Victor Lassance Oliveira e Silva [2009] graduação – usp

patrocinadores pessoas jurídicas julho–2014 a junho–2015 mantenedores

diamante [doações acima de R$150.000,00] Fundação Brava Fundação Lemann

platina [entre r$50.000,00 – 149.999,99] Cosan s.a. Fundação Arymax GP Investments Instituto Votorantim PDG s.a. ouro [entre r$30.000,00 – 49.999,99] ALL - América Latina Logistica Benchimol Irmão & Cia Ltda Nove Dragões Acessórios de Moda LTDA bronze [até r$15.000] Barbosa, Müssnich & Aragão Greenberg Quinlan Rosner

patrocinadores pessoas físicas julho-2014 a julho-2015 diamante [acima de R$50.000,00] Bernardo Vieira Hees Carlos Alves de Brito Claudio José Carvalho de Andrade platina [entre r$25.000,00 – 49.999,99] André Street Antônio Brennand Rodrigo Peixoto Galvão ouro [entre r$5.000,00 – 24.999,99] Allan Bastos Ana Paula Martinez André Caldas André Reginato Cauê Costa Moreira Amaral Cláudio Maurício Freddo Daniel Aiex Elsen Christian de Carvalho Carmo Florian Bartunek Francisco Loffredi Hans Lin Letícia Lazaridis Goldberg Luciana Hall Marcelo Santos Barbosa Mateus Affonso Bandeira Maurício Luchetti Michael Esrubilsky Pedro Vieira Lima de Albuquerque Renato Mazzola Ricardo Marques Garcias Ricardo Veirano Rosiane Pecora Samuel Elia Tiago Picolo Verônica Allende Serra Wolff Klabin


prata [entre r$1.000,00 – 4.999,99] Adelmo Hideyoshi Inamura Andrew Reider Arthur Mizne Azor Barros Bernardo de Campos Borges Carlos Henrique Miyaki Claudia Elisa Soares Cláudio Haddad Emilio Carlos Morais Martos Flávio Campello Costa Gabriel Felzenszwalb Jason Matthew Dyett Joaquim Pedro Andrés Ribeiro Luiz Francisco Guerra Maria Isabel Mussnich Pedroso Peter Byrd Rodenbeck Ricardo Pereira de Almeida

MBA Empresarial NEX Coworking Philadelphia Consulting Plug’n Work - São Paulo Projeto Draft Revista Markets Rotaract Saia do Lugar Seja Trainee SH Professional Training Sirin & Haguiara SmartMob TopMBA Vella Pugliese Buosi e Guidoni - Advogados Virginia Center School Virtual Target

conselho parceiros operacionais

A Fantástica Casa de Startups AIESEC Alpha Graphics - São Paulo AMBEV Artemisia Atmo Digital Brasil Júnior Brazilian Management Institute (BMI) British Council BTG Pactual Colégio Farias Brito (Fortaleza) Colégio Farroupilha (Porto Alegre) Colégio Motivo (Recife) Colégio Província (São Pedro) Coleguium (Belo Horizonte) Cultura Inglesa DAAD Dux Institute Education USA Eleva Educação - Rio de Janeiro Endeavor ESPM-SP Exame.com FGV - São Paulo FIAP FK Partners FLOW Executive Finders Fundação Lemann Georgetown University Grupo Máquina PR IBMEC - Belo Horizonte IBMEC - Rio de Janeiro ImpulsoBeta Insper - São Paulo Instituto Singularidades LAE International Studies Brasil

André Esteves Anna Victoria Lemann Antonio Bonchristiano Beto Sicupira Cecília Sicupira Florian Bartunek Igor Lima João Castro Neves Jorge Paulo Lemann Marcel Telles Marcelo Barbosa Mateus Bandeira Paulo Cezar Aragão Renato Mazzola

time

Aílton Cunha Ana Carolina Lago Anamaíra Spaggiari André Ferreira André Mendes André Teixeira Anna Carolina Ducheski Carolina Lyrio Cássio Paixão Cauê Naufal Cecília Araújo Danilo de Paulo Douglas Alexandre Fabiano Salgado Gabriel Giordano Gabriel Vinholi Gabriela Novo Jhoney Lopes Juliana Lamberts

comitê executivo Igor Lima Florian Bartunek Marcelo Barbosa Renato Mazzola

Larissa Leal Lecticia Maggi Leonardo Gomes Marcia Frade Marcos Juncken Marcos Torres Marina Andrade Millor Machado Priscila Khouri Rafael Carvalho Renata Mattos Ricardo de Cillo Ryoichi Penna Stephanie Crispino Thaluan Silva Tiago Pizzolo Tiago Mitraud Tito Ferraz Vanessa Brustolin


E 

ste Relatório Anual mostra

muito bem o ponto a que chegamos em quase vinte e cinco

anos. A expansão do programa

de bolsas para mais áreas do conhecimento e também para

novos cursos de graduação e pós no Brasil e no exterior, e ainda a criação e o desenvolvimento de produtos que nos permitem impactar, presencial e virtualmente, jovens interessados em se desenvolver por meio do estudo e do trabalho fazem da nossa Fundação Estudar uma referência. Temos muito orgulho do caminho que percorremos em 2014. Na virada do ano, iniciamos uma transição na liderança executiva do time que foi concluída com êxito. Entretanto, quando vemos aonde chegamos e o que fizemos, nosso olhar se volta para o futuro e para os desafios que continuarão a instigar a competente equipe da Fundação Estudar a fazer mais e melhor. Como encontrar mais excelentes candidatos para o programa de bolsas? O que podemos fazer para que os bolsistas continuem sempre se desenvolvendo e ajudando os mais jovens em seu desenvolvimento? Que outros produtos podemos criar para aumentar nosso impacto entre os jovens brasileiros, dos mais diversos cantos do país? O Brasil precisa muito de jovens preparados para apoiar seu crescimento, seja como empreendedores, agentes públicos, profissionais liberais ou acadêmicos. As realizações de jovens brilhantes, que sejam líderes em suas áreas e que tenham espírito público, farão enorme diferença no futuro do país. Nosso papel tem sido encontrar esses jovens e apoiá-los na perseguição e realização de seus sonhos. Muitos de nossos bolsistas já vêm fazendo a diferença em diversas áreas e servem de exemplos para milhões de jovens Brasil afora, e isso apenas demonstra o poder transformador de nossa comunidade. Poderíamos apenas ficar satisfeitos com isso tudo. No entanto, enxergamos apenas a oportunidade e o desafio de aumentar ainda mais nosso impacto. Para isso, a Fundação Estudar conta com o apoio de sua equipe, seus apoiadores e patrocinadores e sua comunidade de bolsistas. marcelo barbosa, presidente do conselho da fundação estudar


Edição cecília araújo Projeto gráfico danilo de paulo Composição marcos torres Fotógrafos carolina borges [p. 3], raoni maddalena [pp. 20–45], silvio tanaka [pp. 8, 12, 14, 46, 54], fundação estudar [p. 10, 48] Esse anuário foi composto com a família pmn Caecilia no papel Pólen Bold 90g/m2. Impresso em julho de 2015 na gráfica Pancrom.


15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201 15 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 2015 201


Profile for Fundação Estudar

Relatório Anual Fundação Estudar 2015  

Somos uma organização social que apoia o desenvolvimento de jovens talentos brasileiros através de projetos nas áreas de educação e carreira...

Relatório Anual Fundação Estudar 2015  

Somos uma organização social que apoia o desenvolvimento de jovens talentos brasileiros através de projetos nas áreas de educação e carreira...

Profile for estudar
Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded