Page 1

GABRIEL CHALITA

FILOSOFIA E VIDA


GABRIEL CHALITA

FILOSOFIA E VIDA

1ª. edição

São Paulo | 2015


Copyright © Gabriel Chalita, 2015 Todos os direitos reservados à EDITORA FTD S.A. Matriz: Rua Rui Barbosa, 156 – Bela Vista – São Paulo – SP CEP 01326-010 – Tel. (0-XX-11) 3598-6000 Caixa Postal 65149 – CEP da Caixa Postal 01390-970 Internet: www.ftd.com.br E-mail: projetos@ftd.com.br Diretora editorial Ceciliany Alves Gerente editorial Valéria de Freitas Pereira Editora Rosa Visconti Kono Editora assistente Maria Clara Barcellos Fontanella Colaboração e adequação pedagógica Romulo Braga Preparadora Elvira Rocha Revisora Bruna Perrella Brito Editora de arte Andréia Crema Projeto gráfico Juliana Silva Carvalho Diagramação Essencial design Editoração eletrônica Alicia Sei Ilustradores Bruna Assis Brasil Ilustra Cartoon Roberto Weigand Supervisora de iconografia

Revisão técnica Paulo Cruz é graduado em Filosofia e Processamento de Dados. Mestrando em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo, atua na rede pública do estado de São Paulo e no Ensino Superior como professor de Filosofia. Ministra palestras sobre Filosofia e Imaginação Moral na Literatura Infantil.

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Chalita, Gabriel Filosofia e vida, 4 / Gabriel Chalita. – 1. ed. – São Paulo : FTD, 2015.

Célia Rosa Pesquisadora iconográfica Elizete Moura Santos Tratamento de imagens Ana Isabela Pithan Maraschin Diretor de operações e produção gráfica Reginaldo Soares Damasceno

ISBN 978-85-20-00406-7 (aluno) ISBN 978-85-20-00407-4 (professor) 1. Filosofia (Ensino fundamental) I. Título. 15-03859

CDD-372.8 Índices para catálogo sistemático: 1. Filosofia : Ensino fundamental 372.8


CARO ALUNO, Desde pequeno, gosto muito de escrever e publiquei meu primeiro livro aos 12 anos de idade. Ainda menino, conheci uma senhora, em um asilo na cidade onde nasci (Cachoeira Paulista), que me despertou para o fascinante universo da leitura e da escrita. Eu era bem pequeno e não perdia a oportunidade de estar perto dela, aprendendo, ouvindo histórias e descobrindo as palavras. Tive, também, professoras e professores apaixonados por seu ofício e pela possibilidade de despertar sonhos. Sonhando e escrevendo, já criei mais de 70 obras de diversos gêneros e para pessoas de diferentes idades. Sou professor há muitos anos e sinto-me muito feliz com a minha escolha. A educação é fundamental em todas as fases da vida; por isso, sempre estudei bastante. Tenho duas graduações, em Filosofia e em Direito. Fiz dois mestrados e dois doutorados pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Faço parte da Academia Brasileira de Educação e sou presidente da Academia Paulista de Letras. Escritor e professor: eis os ofícios que quero para toda a minha vida. Nos livros e nas pessoas, deposito os meus sonhos. Para mais informações, consulte o site: <www.chalita.com.br>.

O autor


NOSSA TURMA

Estes personagens vão acompanhá-lo neste ano. Juntos, vão pensar filosoficamente e, assim, contribuir para a construção de um mundo mais justo e feliz.

JOÃO

Sou curioso, desafiador, encaro as situações de maneira questionadora.

SOFIA

Vejo o ser humano como elemento do meio ambiente.


TEO

Sou calmo, gosto de meditar sobre a vida.

TATI

Observo a vida moderna de maneira bastante crítica. Gosto de pensar em como podemos preparar um futuro melhor.

mARCOS Encaro a vida de maneira prática, gosto muito de organização.


SUMÁRIO U N IDA D E

O que é ter razão, 8 Juninho e seu avô, 8 Ver a sabedoria, 12 Vamos pensar melhor, 14

Conhecer a razão,18 Ser voluntário, 22 Se é assim, então..., 24 ... posso dizer que, 24

Grandes pensadores, 25 Vamos ler?, 25 U N IDA D E

A importância do pensamento, 26 Otávio não pode fazer isso!, 26 Ver o pensamento, 30 Vamos pensar melhor, 32

Conhecer o pensamento, 36 Ser pensante, 40 Se é assim, então..., 42 ... posso dizer que, 42

Grandes pensadores, 43 Vamos ler?, 43


U N IDA D E

O querer e o poder, 44 Se você quer muito, você pode, 44 Ver os obstáculos, 48 Vamos pensar melhor, 50

Conhecer o que desejar, 54 Ser poderoso, 58 Se é assim, então..., 60 ... posso dizer que, 60

Grandes pensadores, 61 Vamos ler e assistir?, 61

U N IDA D E

É possível saber tudo?, 62 Ninguém é melhor que ninguém, 62 Ver o conhecimento, 66 Vamos pensar melhor, 68

Conhecer a sabedoria, 72 Ser sábio, 76 Se é assim, então..., 78 ... posso dizer que, 78

Grandes pensadores, 79 Vamos ler?, 79 Sugestões de leitura, 80 Referências, 80


1

O QUE É TER RAZÃO Juninho e seu avô José Fernandes Neto, conhecido como Juninho, é um garoto de 9 anos. Ele perdeu o pai e a mãe em um acidente de carro quando era ainda muito pequeno. Na época, nem entendeu direito o que havia acontecido. Acreditava que, um dia, eles voltariam, como alguém que retorna de uma longa viagem. Com o tempo, foi entendendo o que aconteceu. Compreendeu que aquela viagem não teria volta. E foi ficando cada vez mais apegado ao avô, que também se chamava José, principalmente porque Juninho era filho único.

8


Seu José era um homem sábio. Trabalhava como advogado, após ter se aposentado como desembargador, posição que ocupou depois de muitos anos como juiz de Direito. Sempre se orgulhou de ser um juiz justo.

O QUE QUER DIZER TER RAZÃO? COMO PODEMOS SABER SE ALGUÉM ESTÁ FALANDO A VERDADE?

Sabia do seu poder no momento de decidir sobre a vida das pessoas. Muitas vezes, por causa da separação de um casal, teve que resolver se os filhos ficariam com o pai ou com a mãe. Quantas vezes decidiu entre a prisão ou a liberdade de um réu? Ele tinha consciência do seu papel como juiz. E sabia que era muito importante ouvir as pessoas para saber quem tinha razão, quem estava falando a verdade, quem estava sendo honesto.

9


Seu José gostava de passar aos estagiários de Direito essas lições que um dia alguém lhe ensinou. – Um juiz precisa enxergar as pessoas, isto é, precisa prestar atenção ao que elas dizem – enfatizava. – E precisa estudar muito, ler e conhecer as leis para não ser injusto. Juninho gostava muito de conversar com o avô e de ouvir suas histórias. Muitas vezes pedia a ele que contasse casos que já havia contado. Juninho gostava dessas histórias. – Quando eu crescer, serei juiz como o senhor. O avô aprovava a ideia, mas falava que ele tinha muito tempo ainda para decidir o que faria da vida, isto é, que profissão iria seguir.

10


– O senhor tem razão, vovô! – Juninho concordava. –

POR QUE JUNINHO ACHA QUE O AVÔ TEM RAZÃO?

Talvez eu mude de ideia, também gostaria de ser médico e salvar vidas, ou escritor e contar muitas histórias, inclusive as que o senhor me contou. O avô sorria e Juninho continuava: – Ou, quem sabe, posso ser engenheiro para construir casas. Ou ter um restaurante; assim, uma vez por semana, eu poderia oferecer comida de graça a quem não tem o que comer. – Temos tempo! – explicava o avô. – Mas que bom que você sabe a importância de ajudar as outras pessoas. E não é só como dono de um restaurante que você poderá fazer isso. Em qualquer profissão, você poderá fazer o bem ao seu próximo e ser correto.

A hISTÓRIA CONTINUA...

11


Timurpix/Shutterstock.com

VER

12

A sabedoria


1. Recorte de jornais e revistas frases que usam a palavra “razão”. Depois, cole-as aqui.

13


VAMOS PENSAR MELHOR 1. Pinte o quadrinho da frase que melhor descreve a imagem da página 12.  O senhor está lendo um livro para as crianças, que estão atentas.   As crianças estão explicando algo e o senhor está prestando atenção.  O senhor está em silêncio e cada criança está dizendo algo diferente.   O senhor não parece estar interessado em compartilhar o que sabe.   As crianças estão sendo obrigadas a ouvir o que o senhor tem a dizer.

2. Por que, em sua opinião, as crianças estão atentas?

3. Os mais velhos geralmente podem nos ensinar muito. Por que isso acontece?

4. Podemos conhecer algo que nunca experimentamos na vida?

5. Seu José era considerado um homem sábio pelo neto. Em sua opinião, como o avô adquiriu sua sabedoria?

14


6. Juninho

fazia planos para o futuro. E você? O que gostaria de fazer quando

crescer?

7. Por que você acha que seu José aprovou a ideia de Juninho de querer ajudar as pessoas?

8. Complete as frases com as palavras dos quadros. razão

emoção

a) Seu José está certo. Ele tem

.

b) Não houve nenhuma c) A

em sua voz. de tanta alegria é o bolo de chocolate na cozinha.

d) Não seja tão sentimental. Use mais a e) Qual a

de tanta emoção?

f) Não entendi qual foi a g) Que motivo,

.

dessa nota baixa. ou circunstância o levou a fazer isso?

h) Se isso aconteceu, deve haver uma i) Qual a j) Por que

.

de você estar tão triste? Murilo deu uma flor a Suzy?

k) Aqueles atores apresentaram muita

em suas falas.

15


9. Imagine que você seja um filósofo e que precise estabelecer um método para adquirir conhecimento. O que é preciso fazer? Avalie as frases a seguir e escreva as que escolher em ordem de importância, para criar seu próprio método. Ficar em silêncio.

Observar no mundo somente aquilo que é interessante.

Tentar se concentrar. Fazer barulho. Prestar atenção.

16

Separar em diferentes grupos o que vemos no mundo.

Observar o mundo.

Tentar separar aquilo que é mais importante daquilo que é menos importante.

Observar somente o que você quer.

Dizer coisas em voz alta a cada dois minutos.

Compreender que algumas coisas são semelhantes a outras.

Comparar os diferentes elementos que vemos no mundo.

Compreender que algumas coisas são diferentes de outras.


10. Ter razão significa dizer algo que esteja de acordo com a realidade. Pinte a cena em que a criança tem razão em sua afirmação.

HÁ MUITAS ESTRELAS NO CÉU. NÃO SOU CAPAZ DE CONTAR TODAS.

HÁ MAIS PESSOAS EM NOSSA CIDADE DO QUE ESTRELAS NO CÉU.

• Corrija a afirmação incorreta.

17

Filosofia 4  
Filosofia 4