Page 1

Manual Pedagógico PROJETOS, OFICINAS, JOGOS E BRINCADEIRAS

MATERNAL

Júnia La Scala Arnaldo Rodrigues Margaret Presser Marília Centurión Sorel Silva

VCB-CAPA-MANUAL-PEDAGOGICO-MATERNAL.indd 1

6/15/18 1:32 PM


Manual Pedagógico Júnia La Scala Teixeira

Licenciada em Matemática e em Pedagogia. Professora de Matemática no Ensino Fundamental e no Médio. Assessora de Metodologia da Matemática em escolas das redes pública e particular.

Arnaldo Bento Rodrigues

Bacharel em Ciências. Licenciado em Ciências, Matemática e Pedagogia. Assessor de Metodologia da Matemática em escolas das redes pública e particular.

MATERNAL

Margaret Presser

Bacharel em Comunicação Social. Especialista em Educação Infantil e Mestre em Ciências da Comunicação. Quinze anos de experiência no trabalho de pesquisa e desenvolvimento de livros didáticos.

Marília Ramos Centurión

Bacharel e Licenciada em Matemática. Professora de Matemática no Ensino Fundamental e no Ensino Médio. Assessora de Metodologia da Matemática em escolas das redes pública e particular.

Sorel Hernandes Lopes da Silva

Bacharel e Licenciada em Língua Portuguesa. Professora de Língua Portuguesa no Ensino Fundamental. Professora de Literatura no Ensino Médio.

D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 1

6/13/18 4:38 PM


Vai começar a brincadeira – Manual Pedagógico – Maternal Copyright © Júnia La Scala Teixeira, Arnaldo Bento Rodrigues, Margaret Presser, Marília Ramos Centurión, Sorel Hernandes Lopes da Silva, 2018 Diretora editorial adjunta Silvana Rossi Júlio Gerente editorial Natalia Taccetti Editora Luciana Pereira Azevedo Remião Editora assistente Thaís Albieri Assessoria Cecilia Bassarani, Camila Eleutério Silvestre, Carla Daniela Araújo Gerente de produção editorial Mariana Milani Coordenador de produção editorial Marcelo Henrique Ferreira Fontes Gerente de arte Ricardo Borges Coordenadora de arte Daniela Máximo Projeto gráfico e capa Bruno Attili Supervisora de arte Isabel Cristina Ferreira Corandin Editor de arte Eduardo Benetorio Diagramação Gabriel Basaglia Tratamento de imagens Ana Isabela Pithan Maraschin, Eziquiel Racheti Coordenadora de ilustrações e cartografia Marcia Berne Ilustrações Ilustra Cartoon Coordenadora de preparação e revisão Lilian Semenichin Supervisora de preparação e revisão Viviam Moreira Revisão Adriana Périco, Camila Cipoloni, Carina de Luca, Célia Camargo, Felipe Bio, Fernanda Marcelino, Fernanda Rodrigues, Fernando Cardoso, Heloisa Beraldo, Iracema Fantaguci, Paulo Andrade, Pedro Fandi, Rita Lopes, Sônia Cervantes, Veridiana Maenaka Supervisora de iconografia e licenciamento de textos Elaine Bueno Iconografia Rosely Ladeira Licenciamento de textos Érica Brambila Supervisora de arquivos de segurança Silvia Regina E. Almeida Diretor de operações e produção gráfica Reginaldo Soares Damasceno

1 2 3 4 5 6 7 8 9 Envidamos nossos melhores esforços para localizar e indicar adequadamente os créditos dos textos e imagens presentes nesta obra didática. No entanto, colocamo-nos à disposição para avaliação de eventuais irregularidades ou omissões de crédito e consequente correção nas próximas edições. As imagens e os textos constantes nesta obra que, eventualmente, reproduzam algum tipo de material de publicidade ou propaganda, ou a ele façam alusão, são aplicados para fins didáticos e não representam recomendação ou incentivo ao consumo.

Reprodução proibida: Art. 184 do Código Penal e Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. Todos os direitos reservados à EDITORA FTD. Produção gráfica

Avenida Antônio Bardella, 300 - 07220-020 GUARULHOS (SP) Fone: (11) 3545-8600 e Fax: (11) 2412-5375

D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 2

Rua Rui Barbosa, 156 – Bela Vista – São Paulo – SP CEP 01326-010 – Tel. 0800 772 2300 Caixa Postal 65149 – CEP da Caixa Postal 01390-970 www.ftd.com.br central.relacionamento@ftd.com.br

www.twosides.org.br

6/13/18 5:49 PM


APRESENTAÇÃO O Manual Pedagógico Maternal da coleção Vai Começar a Brincadeira foi especialmente preparado para subsidiar o trabalho do professor, facilitando o planejamento das atividades com os alunos. Aqui o professor encontra uma valiosa coletânea de músicas, cantigas, adivinhas, parlendas, trava-línguas, quadrinhas e brincadeiras. O professor encontra, também, uma bibliografia bastante diversificada, uma discografia e uma relação de sites para apoiar seu trabalho, além de um CD com 55 músicas do cancioneiro popular, para serem trabalhadas em conjunto com as atividades propostas nesta coleção. Esperamos continuar fazendo parte da gostosa brincadeira de ensinar e aprender. Os autores

D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 3

6/11/18 2:11 PM


SUMÁRIO I. MÚSICAS E CANTIGAS POPULARES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 1 – Músicas que exploram sons da natureza, sons de instrumentos musicais e composições clássicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 2 – Canções de ninar ou acalantos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 3 – Músicas que exploram movimentos ajustados a um ritmo, à interação, à imitação e ao reconhecimento do corpo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 4 – Músicas que exploram diferentes formas de contagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14 5 – Músicas que exploram cuidados pessoais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 6 – Músicas que exploram temas de Ciências, História e Geografia . . . . . . . . . 18 7 – Cantigas de roda ou cirandas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 8 – Músicas que exploram os direitos da criança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 9 – Músicas que exploram outros temas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

II. ADIVINHAS, PARLENDAS, TRAVA-LÍNGUAS, QUADRINHAS E DITADOS POPULARES. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 1 – Adivinhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 Adivinhas sobre animais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 Adivinhas sobre letras do alfabeto e a escrita de palavras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 Adivinhas sobre plantas, flores e natureza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 Adivinhas sobre frutas e alimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 Adivinhas sobre coisas da rua ou do bairro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 Adivinhas sobre identidade e objetos da casa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 Adivinhas sobre partes do corpo humano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 Adivinhas sobre calendário, tempo e relógio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 Adivinhas sobre brinquedos e instrumentos musicais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 Adivinhas sobre cores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 Adivinhas sobre temas diversos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 Adivinhas em forma de quadrinhas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 2 – Parlendas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 Parlendas mnemônicas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 Jogos com parlendas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 Cadê o toucinho que estava aqui? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 Pra onde foram os pintinhos?. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 3 – Trava-línguas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 4 – Quadrinhas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

4 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 4

6/11/18 2:11 PM


III. BRINCADEIRAS POPULARES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 1 – Dedinhos, onde estão? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 2 – Contas sem fim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 3 – Morto-vivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60 4 – Seu Lobo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60 5 – Pintura coletiva com tinta caseira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62 6 – Construções com tijolos coloridos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62 7 – Mistura de cores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62 8 – O dragão chinês . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63 9 – Carrinho de lata . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63 10 – Brincadeira da imitação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63 11 – Imitando bichinhos de jardim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64 12 – Empilhando latas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

IV. DISCOGRAFIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 1 – O CD que acompanha o Manual Pedagógico da coleção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 2 – Indicação de outros CDs . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66

V. SITES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 VI. BIBLIOGRAFIA GERAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 1 – Poemas, contos e fábulas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 2 – Folclore brasileiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74 3 – Jogos e brincadeiras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 4 – Livros para leitura dos alunos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76 5 – Livros pedagógicos em geral. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 6 – Documentos oficiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79

5 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 5

6/11/18 2:11 PM


I. MÚSICAS E CANTIGAS POPULARES A música é considerada fundamental na formação de futuros cidadãos desde a Grécia antiga, pois, além do poder de encantar e proporcionar distração, pode ser utilizada para transmitir conhecimentos de naturezas diversas. As canções populares constituem a mais viva expressão linguística de um povo. As letras das músicas, em sua simplicidade, servem de modelo para as crianças em processo de alfabetização, que, de maneira prazerosa, captam a estrutura das frases e do pensamento do povo do qual fazem parte, ao mesmo tempo que se divertem com aspectos sonoros como os ritmos, as rimas, as aliterações etc., além das figuras de linguagem, tão ricas. Os textos das músicas ajudam as crianças a perceber que a língua oferece ao falante diversas possibilidades de expressar-se verbalmente. Assim, vão apropriando-se do vocabulário e combinando as palavras de acordo com os modelos que ouvem, para comunicar-se com o outro. Associados à música estão a dança, as brincadeiras e os jogos com movimentos e gestos corporais, que devem constituir conteúdos para o trabalho com as crianças. Os jogos, as brincadeiras, a dança e as práticas esportivas revelam, por seu lado, a cultura corporal de cada grupo social, constituindo-se em atividades privilegiadas nas quais o movimento é aprendido e significado. [...] As canções de ninar tradicionais, os brinquedos cantados e rítmicos, as rodas e cirandas, os jogos com movimentos, as brincadeiras com palmas e gestos sonoros corporais, assim como outras produções do acervo cultural infantil, podem estar presentes e devem se constituir em conteúdos de trabalho.

Ouvir música, aprender uma canção, brincar de roda, realizar brinquedos rítmicos, jogos de mãos etc. são atividades que despertam, estimulam e desenvolvem o gosto pela atividade musical, além de atenderem a necessidades de expressão que passam pela esfera afetiva, estética e cognitiva. BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil: Conhecimento de Mundo. v. 3. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998. p. 19, 48 e 58.

ILUSTRA CARTOON

[...]

A seguir, apresentamos letras de cantigas brasileiras, de domínio público, da tradição popular. É possível perceber, ao longo da leitura, diferentes versões para a mesma cantiga; nesses casos, sua origem foi devidamente informada. Esse material foi pensado para que o professor possa utilizá-lo em seu trabalho com os alunos. Com caráter didático, as letras foram agrupadas de acordo com o tema de que tratam ou com o assunto que encerram.

6 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 6

6/12/18 12:53 PM


1 – MÚSICAS QUE EXPLORAM SONS DA NATUREZA, SONS DE INSTRUMENTOS MUSICAIS E COMPOSIÇÕES CLÁSSICAS

Representar experiências observadas e vividas por meio do movimento pode-se transformar numa atividade bastante divertida e significativa para as crianças. Derreter como um sorvete, flutuar como um floco de algodão, balançar como folhas, correr como um rio, voar como uma gaivota, cair como um raio etc. são exercícios de imaginação e criatividade que reiteram a importância do movimento para expressar e comunicar ideias e emoções.

ILUSTRA CARTOON

Esse tipo de música é relaxante e pode ser utilizado em atividades que explorem a concentração e a meditação. É possível também trabalhar a expressão corporal com jogos e brincadeiras que estimulam a imaginação e a criatividade em conjunto com as músicas que exploram sons da natureza.

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil: Conhecimento de Mundo. v. 3. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998. p. 33-34.

Veja algumas sugestões de músicas desse tipo: • “Passarinho”, música que aparece no CD Meu pé, meu querido pé, de Hélio Ziskind. Essa música apresenta em forma de brincadeira o som de 28 instrumentos musicais, para que os alunos, ouvindo, identifiquem os diferentes instrumentos. • Composições de Bach adaptadas para crianças, do CD Classics for babies – Bach, coordenado por Oswaldo Biancardi. Essas adaptações de composições clássicas podem ser apreciadas pelos alunos enquanto desenvolvem atividades livres, como pintura, dança, meditação etc. Dessa forma, o aluno desenvolve, desde cedo, o prazer da escuta e a capacidade de reconhecer, pela análise e observação, a música como organização de som e silêncio. As crianças podem perceber, sentir e ouvir, deixando-se guiar pela sensibilidade, pela imaginação e pela sensação que a música lhes sugere e comunica. Poderão ser apresentadas partes de composições ou peças breves, danças, repertório da música chamada descritiva (gênero musical por meio do qual o compositor procura descrever imagens ou cenas valendo-se de timbres, temas e ideias musicais), assim como aquelas que foram criadas visando à apreciação musical infantil (grande exemplo é a obra Pedro e o lobo, do compositor russo Prokofief, que, por meio dos timbres da orquestra, conta aventuras do menino Pedro para capturar o lobo). BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil: Conhecimento de Mundo. v. 3. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998. p. 65.

7 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 7

6/11/18 2:11 PM


A música “O pastorzinho”, do cancioneiro popular, é um exemplo de música que trabalha as quatro notas musicais dó, ré, mi e fá. • O pastorzinho

48

Havia um pastorzinho Que andava a pastorear. Saiu de sua casa E pôs-se a cantar.

Chegando ao palácio, A rainha lhe falou. Dizendo ao pastorzinho Que seu canto lhe agradou.

Refrão: Dó, ré, mi, fá, fá, fá, Dó, ré, dó, ré, ré, ré. Dó, sol, fá, mi, mi, mi, Dó, ré, mi, fá, fá, fá.

• Meu sininho

55

(Frère Jacques, popular francesa)

• No arraial da bicharada

ILUSTRA CARTOON

Meu sininho, meu sininho, Meu sinão, meu sinão, Bate de mansinho, Bate de mansinho, Dim, dem, dão, Dim, dem, dão...

54

(Folclore brasileiro)

Pulga toca flauta, perereca, violão. Piolho pequenino também toca rabecão.

Lá vem a dona pulga vestidinha de balão, dando o braço ao piolho na entrada do salão.

Já foi convidada para grande festival, no arraial da bicharada, esta orquestra sem igual.

2 – CANÇÕES DE NINAR OU ACALANTOS Os acalantos e os chamados brincos são as formas de brincar musical características da primeira fase da vida da criança. Os acalantos são entoados pelos adultos para tranquilizar e adormecer bebês e crianças pequenas; os brincos são as brincadeiras rítmico-musicais com que os adultos entretêm e animam crianças [...] BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil: Conhecimento de Mundo. v. 3. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998. p. 71.

8 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 8

6/11/18 2:11 PM


As canções de ninar ou acalantos apresentam várias versões por conta de influências culturais. Observe as semelhanças entre as letras de algumas delas: • Bicho-papão Bicho-papão Sai de cima do telhado Deixa o menino Dormir sossegado

• Cantiga da Cuca Dorme, nenê, Que a cuca vem pegá. Papai foi na roça, Mamãe volta já.

Obs.: Em outra versão da Cantiga da Cuca, o verso “Mamãe volta já” é substituído por “Mamãe no cafezá”. • Boi da cara preta

28

Boi, boi, boi Boi da cara preta Pega este menino Que tem medo de careta Não, não, não Não pega ele, não Ele é bonitinho Ele chora, coitadinho

Boi, boi, boi Boi do Piauí Pega este menino Que não quer dormir Boi, boi, boi Boi do meu sertão Pega este menino Pra levar no teu surrão

• Desce, desce, gatinho (Folclore cearense) ILUSTRAÇÕES: ILUSTRA CARTOON

Desce, gatinho, De cima do telhado Para eu ver se meu filhinho Dorme um sono sossegado Desce, gatinho, De cima desse muro Para eu ver se meu filhinho Dorme um sono bem seguro Desce, gatinho, Larga de tanto tropel Para eu ver se meu filhinho Sonha com Mamãe do Céu…

• Bicho-papão (Folclore capixaba)

Bicho-papão Saia do telhado Deixe este menino Dormir sossegado Bacia de ouro Lavada com sabão

Lave este menino E vista o seu roupão Toalha de ouro Bordada com filó Enxugue este menino E leve pra vovó

9 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 9

6/6/18 9:34 AM


CA R

TO O

N

• Tutu-Marambaia Tutu-Marambaia, vai-te embora, Sai de cima do telhado, Deixa o menino dormir O seu soninho sossegado. • Murucututu*

STR ILU

T US : IL ES Õ AÇ

RA

(Versão de Dorme, nenê, de Belém, Pará)

Murucututu da beira do telhado. Murucututu da beira do telhado. Vem comer este menino que ainda está acordado. Vem comer este menino que ainda está acordado.

• Tutu-Marambá Tutu-Marambá**, Não venhas mais cá, Que o pai do menino Te manda matar.

• Dorme, nenê Dorme, nenê, Que um anjo em sonho vem. Papai foi à roça, Mamãe logo vem.

• Vai-te, papão Vai-te, papão, Vai-te embora De cima desse telhado, Deixa dormir o(a) menino(a) Um soninho descansado

• Aranha Tatanha Aranha tatanha, Aranha tatinha, Tatu é que arranha A tua casinha.

• Vai-te, Cuca Vai-te, Cuca, sai daqui Para cima do telhado, Deixa dormir o(a) menino(a) O seu sono sossegado

3 – MÚSICAS QUE EXPLORAM MOVIMENTOS AJUSTADOS A UM RITMO, À INTERAÇÃO, À IMITAÇÃO E AO RECONHECIMENTO DO CORPO Brincadeiras que envolvam o canto e o movimento, simultaneamente, possibilitam a percepção rítmica, a identificação de segmentos do corpo e o contato físico. A cultura popular infantil é uma riquíssima fonte na qual se pode buscar cantigas e brincadeiras de cunho afetivo nas quais o contato corporal é o seu principal conteúdo [...]. BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil: Conhecimento de Mundo. v. 3. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998. p. 30. * Do tupi murukutu’tu, murucututu é o nome de uma ave da América do Sul, a qual se alimenta de outras aves e de mamíferos, sobretudo roedores. (Variantes: murucutu, coruja-do-mato, mocho-mateiro, corujão, corujão-orelhudo.) ** Do quimbundo kitu’tu, a palavra tutu é sinônimo de papão, monstro imaginário com que se faz medo às crianças. (Sinônimos: bicho-papão, coco (ô), papa-gente e (bras.) cuca, coca, papa-figo, tutu, bitu, boitatá, manjaléu, mumuca.)

10 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 10

6/11/18 2:11 PM


• Piuí, piuí, piuí

43 Eu sou a máquina E vocês são os vagões E os passageiros São os nossos corações

Piuí, piuí, piuí Coloca a mão no meu ombro Piuí, piuí, piuí Não deixe o trem descarrilar

• Repiu, piu, piu

9 Repiu, piu, piu Repiu, piu, piu Repiu, piu, piu Piu, piu, piu, piu

Repiu, piu, piu Canta o passarinho Canta o passarinho Mal o sol surgiu

• Cabeça, ombro, perna e pé Cabeça, ombro, perna e pé, Perna e pé. Cabeça, ombro, perna e pé, Perna e pé.

• Pezinho

18 Olhos, orelhas, boca e nariz, Cabeça, ombro, perna e pé, Perna e pé.

45

(Música tradicional gaúcha)

Ai, bota aqui, ai, bota ali O teu pezinho, O teu pezinho bem juntinho Com o meu. Ai, bota aqui, ai, bota ali O teu pezinho, O teu pezinho, o teu pezinho Ao pé do meu. E depois não vá dizer

que você já me esqueceu. (Bis) E no chegar desse teu corpo Um abraço quero eu. (Bis) Agora que estamos juntinhos Dá cá um abraço e um beijinho. (Bis)

• Pisa, caboclo (Música folclórica para dança de capoeira)

Pisa, caboclo, Quero ver você pisar Na batida do meu gunga* Quero ver você pular

ILUSTRA CARTOON

Pisa, caboclo, Quero ver você pisar Pisa lá, que eu piso cá Quero ver você pisar Pisa, caboclo, Quero ver você pisar Na batida do meu samba Quero ver você dançar Pisa, caboclo, Quero ver você pisar Pisa lá, que eu piso cá Quero ver quem vai pular * Gunga é o mesmo que berimbau.

11 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 11

6/6/18 9:34 AM


• Caranguejo não é peixe

17

(Cantiga recolhida no antigo estado da Guanabara)

Caranguejo não é peixe Caranguejo peixe é Caranguejo só é peixe Na enchente da maré.

Caranguejo não é peixe Caranguejo peixe é Caranguejo só é peixe Na vazante da maré.

Refrão: Palma, palma, palma Pé, pé, pé Roda, roda, roda Caranguejo peixe é.

Obs.: Existe outra versão que inclui a palavra “ora” nos três versos do refrão. Os alunos, de mãos dadas, giram em roda cantando a primeira parte da música. Ao terminarem a primeira parte, param de girar e soltam as mãos dos colegas. Inicia-se então a segunda parte da música, acompanhando-se a letra com os seguintes movimentos: Palma, palma, palma — batem palma três vezes Pé, pé, pé — batem três vezes com o pé direito no chão Roda, roda, roda — giram com o corpo uma volta completa sem sair do lugar Caranguejo peixe é. A seguir, voltam a formar a roda de mãos dadas para cantar a última parte da música. Veja esta outra versão sul-rio-grandense:

• A cobra não tem pé 16 A cobra não tem pé A cobra não tem mão Como é que a cobra sobe no pezinho de limão? Ela vai se enrolando Vai, vai, vai Vai se enrolando no pezinho de limão.

Caranguejo não é peixe Caranguejo peixe é: Eu já vi um caranguejo Sentado e lavando os “pé”. Caranguejo não é peixe Caranguejo peixe é: Eu já vi o caranguejo Namorando uma “muié”.

ILUSTRA CARTOON

Caranguejo não é peixe Caranguejo peixe é, Se não fosse o caranguejo Não se dançava em Bagé. Caranguejo não é peixe Caranguejo peixe é: Caranguejo perna-fina Não aguenta balancê.

12 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 12

6/6/18 9:34 AM


• A janelinha

20

A janelinha fecha Quando está chovendo A janelinha abre Quando o sol está aparecendo Fechou, abriu Fechou, abriu, fechou

O guarda-chuva abre Quando está chovendo O guarda-chuva fecha Quando o sol está aparecendo Abriu, fechou Abriu, fechou, abriu

Veja outra versão: A janelinha fecha Quando está chovendo A janelinha abre Quando o sol está aparecendo Pra cá, pra lá Pra cá, pra lá, pra cá

• Bata palmas

O guarda-chuva abre Quando está chovendo O guarda-chuva fecha Quando o sol está aparecendo Pra cá, pra lá Pra cá, pra lá, pra cá

19

Se você está contente, bata palmas Se você está contente, bata palmas Se você está contente E quer mostrar a toda gente Se você está contente, bata palmas

Se você está contente, dê risadas Se você está contente, dê risadas Se você está contente E quer mostrar a toda gente Se você está contente, dê risadas

Se você está contente, bata o pé Se você está contente, bata o pé Se você está contente E quer mostrar a toda gente Se você está contente, bata o pé

Se você está contente, grite “viva” Se você está contente, grite “viva” Se você está contente E quer mostrar a toda gente Se você está contente, grite “viva”

• Sítio do seu Lobato

34

Seu Lobato tinha um sítio Ia, ia, ô! E no seu sítio tinha um cachorrinho Ia, ia, ô! Era au, au, au pra cá Era au, au, au pra lá Era au, au, au pra todo lado Ia, ia, ô!

Seu Lobato tinha um sítio Ia, ia, ô! E no seu sítio tinha um gatinho Ia, ia, ô! Era miau, miau, miau pra cá Era miau, miau, miau pra lá Era miau, miau, miau pra todo lado Ia, ia, ô!

Seu Lobato tinha um sítio Ia, ia, ô! E no seu sítio tinha uma vaquinha Ia, ia, ô! Era mu, mu, mu pra cá Era mu, mu, mu pra lá Era mu, mu, mu pra todo lado Ia, ia, ô!

Seu Lobato tinha um sítio Ia, ia, ô! E no seu sítio tinha um pintinho Ia, ia, ô! Era piu, piu, piu pra cá Era piu, piu, piu pra lá Era piu, piu, piu pra todo lado Ia, ia, ô!

13 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 13

6/6/18 9:34 AM


• Na ponte da Vinhaça Lá na ponte da Vinhaça Todo mundo passará. (Bis) As lavadeiras fazem assim, As lavadeiras fazem assim, Assim, assim, Assim, assim, Assim, assim. Lá na ponte da Vinhaça Todo mundo passará. (Bis) As bordadeiras fazem assim,

As bordadeiras fazem assim, Assim, assim, Assim, assim, Assim, assim. Lá na ponte da Vinhaça Todo mundo passará. (Bis) Os catadores de coco fazem assim, Os catadores de coco fazem assim, Assim, assim, Assim, assim, Assim, assim.

Obs.: A cantiga continua com outros trabalhadores: costureiras, carpinteiros, pescadores, cozinheiras, sapateiros etc.

4 – MÚSICAS QUE EXPLORAM DIFERENTES FORMAS DE CONTAGEM Diversas ações intervêm na construção dos conhecimentos matemáticos, como recitar a seu modo a sequência numérica, fazer comparações entre quantidades e entre notações numéricas e localizar-se espacialmente. Essas ações ocorrem fundamentalmente no convívio social e no contato das crianças com histórias, contos, músicas, jogos, brincadeiras etc. BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil: Conhecimento de Mundo. v. 3. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998. p. 213.

• O meu chapéu 6 O meu chapéu tem 3 pontas Tem 3 pontas o meu chapéu Se não tivesse 3 pontas Não seria o meu chapéu

Os alunos formam uma roda, sem dar as mãos, para cantar a música enquanto cada um no seu lugar faz a mímica correspondente: O meu chapéu — entrelaça os dedos das duas mãos, colocando-as sobre a cabeça para representar o chapéu tem 3 pontas — mostra a mão direita com 3 dedos levantados e 2 abaixados Tem 3 pontas — mostra a mão esquerda com 3 dedos levantados e 2 abaixados o meu chapéu — entrelaça novamente os dedos das duas mãos, colocando-as sobre a cabeça Se não tivesse 3 pontas — mostra uma das mãos com 3 dedos levantados e 2 abaixados Não seria o meu chapéu — entrelaça novamente os dedos das duas mãos, colocando-as sobre a cabeça

14 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 14

6/11/18 2:11 PM


Em outra versão da brincadeira, ao repetirem a letra da música pela segunda vez, os alunos devem omitir a palavra chapéu, realizando apenas a mímica correspondente. Ao repetirem a letra pela terceira vez, omitem as palavras chapéu e pontas, apenas realizando as mímicas correspondentes a essas duas palavras. Continua-se repetindo a música até que as outras palavras sejam substituídas pelas mímicas. Os alunos que por engano pronunciarem as palavras que devem ser omitidas saem da roda e aguardam o início de uma nova brincadeira. • A galinha do vizinho

13

• Indiozinhos

ILUSTRA CARTOON

A galinha do vizinho Bota ovo amarelinho. Bota um, Bota dois, Bota três, Bota quatro, Bota cinco, Bota seis, Bota sete, Bota oito, Bota nove, Bota dez!

52

Um, dois, três indiozinhos Quatro, cinco, seis indiozinhos Sete, oito, nove indiozinhos Dez num pequeno bote Vinham navegando pelo rio abaixo

• Um, dois, feijão com arroz Um, dois, feijão com arroz Três, quatro, feijão no prato Cinco, seis, bolo inglês Sete, oito, comer biscoito Nove, dez, comer pastéis Veja outras variantes: Um, dois, feijão com arroz Três, quatro, farinha no prato Cinco, seis, chegou minha vez

• Chinês

Quando o jacaré se aproximou E o pequeno bote dos indiozinhos Quase, quase virou Mas não virou!

12 Sete, oito, de comer biscoito Nove, dez, de comer pastéis. Um, dois, feijão com arroz Três, quatro, feijão no prato Cinco, seis, molho inglês Sete, oito, comer biscoito Nove, dez, comer pastéis

11

Tchim, tchim, tchim, tchim Tchim, tchim, tchim, tchim Tchim, tchim, tchim Um, dois, três

Quatro, cinco, seis Olha os olhos do chinês O seu nome é ChimChamChem Veja como ele dança bem

15 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 15

6/6/18 9:34 AM


• Mariana conta Mariana conta um. Mariana conta um. É um, é um, é um, é Ana. Viva a Mariana! Viva a Mariana! Mariana conta dois. Mariana conta dois. É dois, é um, é dois, é Ana. Viva a Mariana! Viva a Mariana! Mariana conta três. Mariana conta três. É três, é dois, é um, é dois, é três, é Ana. Viva a Mariana! Viva a Mariana! Mariana conta quatro. Mariana conta quatro. É quatro, é três, é dois, é um,

É dois, é três, é quatro, é Ana. Viva a Mariana! Viva a Mariana! Mariana conta cinco. Mariana conta cinco. É cinco, é quatro, é três, é dois, é um, É dois, é três, é quatro, é cinco, é Ana. Viva a Mariana! Viva a Mariana! Mariana conta seis. Mariana conta seis. É seis, é cinco, é quatro, é três, é dois, é um, É dois, é três, é quatro, é cinco, é seis, é Ana. Viva a Mariana! Viva a Mariana! [...]

• Bota o navio no mar (Folclore nordestino)

Refrão: Se você me der um cravo, Ou uma rosa em seu botão. Ou uma rosa em seu botão. Se você me der seus olhos, Se você me der seus olhos, Eu lhe dou meu coração. Eu lhe dou meu coração.

Lá se vê a lua saindo, Oh! que lume que ela tem! Nem é lua, nem é nada; São os olhos do meu bem. Sete e sete são catorze, Com mais sete, vinte e um: Tenho muitos que me querem Mas eu gosto só de um. ILUSTRAÇÕES: ILUSTRA CARTOON

Anda roda, ó gente, oi, siu, siu, siu! Vamos vadiar, oi, siu, siu, siu! Se meu bem quiser me ver, oi, siu, siu, siu! Bota o navio no mar, oi, siu, siu, siu!

• A carrocinha (Cantiga recolhida no antigo estado da Guanabara, atual Rio de Janeiro)

A carrocinha pegou Três cachorros de uma vez. A carrocinha pegou Três cachorros de uma vez. Tá, rá, rá, que gente é essa? Tá, rá, rá, que gente má!

16 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 16

6/6/18 9:34 AM


• Tango-lo-mango*

14

Era uma velha que tinha nove filhas. Foram todas fazer biscoito. Deu o tango-lo-mango numa delas E das nove ficaram oito. Essas oito, meu bem, que ficaram Foram todas jogar confete. Deu o tango-lo-mango numa delas E das oito ficaram sete. Essas sete, meu bem, que ficaram Foram todas aprender francês. Deu o tango-lo-mango numa delas E das sete ficaram seis. Essas seis, meu bem, que ficaram Foram todas comprar um brinco. Deu o tango-lo-mango numa delas E das seis ficaram cinco. Essas cinco, meu bem, que ficaram Foram todas pintar um quadro.

Deu o tango-lo-mango numa delas E das cinco ficaram quatro. Essas quatro, meu bem, que ficaram Foram todas jogar xadrez. Deu o tango-lo-mango numa delas E das quatro ficaram três. Essas três, meu bem, que ficaram Foram todas correr as ruas. Deu o tango-lo-mango numa delas E das três ficaram duas. Essas duas, meu bem, que ficaram Foram ambas pra Inhaúma. Deu o tango-lo-mango numa delas E das duas ficou só uma. Essa uma, meu bem, que ficou Foi parar na correção. Deu o tango-lo-mango, ai, nela! E acabou-se a geração.

Obs.: No estado de São Paulo canta-se tango-surupango. • A maré encheu A maré encheu, A maré vazou, Os cabelos da morena O riacho carregou. (Bis) Sete e sete são catorze, Três vezes sete, vinte e um; Tenho sete namorados, Não me caso com nenhum. Em cima daquela serra Há um velho gaioleiro; Quando vê moça bonita, Faz gaiola sem poleiro. A maré encheu, A maré vazou, Os cabelos da morena

• Trem de ferro 22 O trem de ferro Quando sai de Pernambuco Vai fazendo chic, chic Até chegar no Ceará. Rebola um, rebola dois, rebola três Eu também sou da família Também posso rebolar.

O riacho carregou. (Bis) Sete e sete são catorze, Três vezes sete, vinte e um; Tenho sete namorados, Não me caso com nenhum. Em cima daquela serra Há um velho relojoeiro; Quando vê moça bonita, Faz relógio sem ponteiro. A maré encheu, A maré vazou, Os cabelos da morena O riacho carregou. (Bis)

Rebola bola Você diz que dá, que dá Você diz que dá na bola Mas na bola você não dá. Rebola pai, rebola mãe, rebola filho Eu também sou da família Também quero rebolar.

* Tanglomanglo e a forma paralela tangolomango, nome usado popularmente para designar doença ou mal, deram origem aos termos: tangoronomango, tango-lo-mango e tango-surupango, que aparecem nas cantigas.

17 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 17

6/11/18 2:11 PM


• Engenho novo (Coco norte-rio-grandense)

Engenho novo Engenho novo Engenho novo Bota as rodas pra rodar Eu dei um pulo Dei dois pulos Dei três pulos Desta vez pulei o muro Quase morro de pular

Engenho novo Engenho novo Engenho novo Bota as rodas pra rodar Capim de planta Xiquexique Meia meia Eu passei pela capela Vi dois padres no altar

• Meu lanchinho 3 Meu lanchinho, meu lanchinho Vou comer, vou comer Pra ficar fortinho, pra ficar fortinho E crescer! E crescer! • O sapo não lava o pé 10 O sapo não lava o pé Não lava porque não quer Ele mora lá na lagoa Não lava o pé Porque não quer Mas que chulé!

ILUSTRAÇÕES: ILUSTRA CARTOON

5 – MÚSICAS QUE EXPLORAM CUIDADOS PESSOAIS

6 – MÚSICAS QUE EXPLORAM TEMAS DE CIÊNCIAS, HISTÓRIA E GEOGRAFIA • Cant’as mangueiras (Modinha baiana)

Cant’as mangueiras com mares goiaba, cajus, mangaba, açafrô, juá. Pitanga, coco, araçá, peroba, umbu, pacova, girimum, cajás. Olinda areia, terra de Sant’ana. Uruguaiana Zabeletiu. Xexéus encontro, já comi graúnas, as araúnas, juritis, nambus.

18 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 18

6/6/18 9:35 AM


31

• Cai, chuva! (Folclore nordestino)

Chegou o inverno, Foi-se o verão. Vamos trabalhar. Plantar algodão.

Está tudo verde, Arroz cacheado, A lagoa cheia, Os sapos coaxando.

Cai, chuva, Cai lá do céu! Cai, chuva, No meu chapéu!

Inda está chovendo, Enchendo a ribeira; A graúna canta Na carnaubeira.

• Zum, zum, zum

(Bis)

40

(Coreto brinde típico de Diamantina, Minas Gerais)

Zum, zum, zum Lá no meio do mar! (Bis) É o vento que nos atrasa, É o vento que nos atrasa, É o mar que nos atrapalha Para no porto chegar. Para no porto chegar.

• Peixe vivo

32

(Brinde do centro e do norte de Minas Gerais)

Como pode o peixe vivo Viver fora da água fria? (Bis) Como poderei viver? Como poderei viver? Sem a tua, sem a tua, Sem a tua companhia. (Bis) Os pastores desta aldeia Já me fazem zombaria (Bis) Por me ver assim chorando.

Por me ver assim chorando. Sem a tua, sem a tua, Sem a tua companhia. (Bis) O rio de São Francisco Corre água noite e dia (Bis) Só o tempo é que não corre. Só o tempo é que não corre. Sem a tua, sem a tua, Sem a tua companhia. (Bis)

• Ó seriema* do Mato Grosso (Canção regional mato-grossense)

Ó seriema do Mato Grosso, Teu canto triste me faz lembrar Dos tempos que viajava, Tenho saudades do teu cantar. Maracaju, Pontaporã, Quero voltar pro meu tupã

Rever o campo que conheci, E, ó seriema, teu cantar ouvir. Vivo tão longe do meu sertão, Triste e sozinho, na solidão! Como estremece meu coração, Ó seriema, teu canto a ouvir.

* Variante de sariema, do tupi sari’ama, “crista em pé”, seriema é o nome dado a uma ave encontrada no norte da Argentina, no Paraguai e no Brasil central e oriental. Seu canto é muito característico, bem conhecido nos cerrados e caatingas.

19 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 19

6/11/18 2:11 PM


7 – CANTIGAS DE RODA OU CIRANDAS 26

ILUSTRA CARTOON

• Atirei o pau no gato (Versão tradicional)

Atirei o pau no gato-to Mas o gato-to Não morreu-reu-reu Dona Chica-ca Admirou-se-se Do berro, do berro Que o gato deu MIAU!

Os alunos, de mãos dadas, giram em roda cantando e saltitando. Ao dizerem “Miau!”, param de girar e abaixam-se, terminando a brincadeira de cócoras. Veja outra versão: Atirei o pau no gato-to Mas o gato-to Não morreu-reu-reu Dona Chica-ca Admirou-se-se Do berro, do berro Que o gato deu Miau!

Dona Chica foi à polícia-cia A polícia-cia Não prendeu-deu-deu Dona Chica-ca Admirou-se-se Do berro, do berro Que o gato deu Miau!

• Não atire o pau no gato Não atire o pau no gato-to Porque isso-so Não se faz-faz-faz O gatinho-nho

• O cravo e a rosa

É nosso amigo-go Não se deve Maltratar os animais Miau!

29

O cravo brigou com a rosa Debaixo de uma sacada. O cravo saiu ferido E a rosa, despedaçada.

O cravo ficou doente. A rosa foi visitar. O cravo teve um desmaio E a rosa pôs-se a chorar.

Veja outra variante: O cravo tem vinte folhas A rosa tem vinte e uma. Anda o cravo em demanda Porque a rosa tem mais uma. O cravo brigou com a rosa Debaixo de uma sacada. O cravo saiu ferido E a rosa, espenicada.

Viva o cravo, viva a rosa! Viva o palácio do rei! Viva o primeiro amor Que nesta terra tomei! O cravo caiu doente. A rosa foi visitar. O cravo deu um desmaio A rosa pôs-se a chorar.

20 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 20

6/13/18 4:42 PM


• Teresinha de Jesus

21

Teresinha de Jesus Deu uma queda e foi ao chão Acudiram três cavalheiros Todos três chapéu na mão O primeiro foi seu pai O segundo, seu irmão

O terceiro foi aquele Que a Teresa deu a mão Da laranja quero um gomo Do limão quero um pedaço Da menina mais bonita Quero um beijo e um abraço

Em outra versão, a palavra “menina” é substituída por “morena”. Obs.: Inicialmente os alunos escolhem quem será a Teresinha de Jesus, o pai, o irmão e o namorado. Enquanto os outros alunos giram em roda cantando a música, os personagens encenam os dizeres da música no centro da roda. A última estrofe é cantada pela Teresinha de Jesus para escolher quem será a próxima Teresinha. • Ciranda, cirandinha Ciranda, cirandinha, Vamos todos cirandar Vamos dar a meia-volta Volta e meia vamos dar O anel que tu me deste Era vidro e se quebrou

O amor que tu me tinhas Era pouco e se acabou Por isso, dona Maria, Faz favor de entrar na roda Diga um verso bem bonito Diga adeus e vá-se embora

Em outra versão acrescenta-se a estrofe a seguir: Quem me dera, quem me dera Um cavalinho de vento Para dar um galopinho Onde está meu pensamento

Os alunos, de mãos dadas, giram em roda cantando a música. Ao terminarem a última estrofe, a roda para de girar, e o aluno que teve o nome citado se dirige ao centro da roda para recitar um verso; em seguida, escolhe outro aluno da roda para recitar um verso e assim por diante, até que todos recitem um verso. Esta brincadeira de roda é uma ótima atividade para explorar a apresentação oral de quadrinhas pelos alunos. • Você gosta de mim? Você gosta de mim, ó Fulana? Eu também de você, ó Fulana, Vou pedir a seu pai, ó Fulana, Pra casar com você, ó Fulana. Se ele disser que sim, ó Fulana, Tratarei dos papéis, ó Fulana,

Se ele disser que não, ó Fulana, Morrerei de paixão, ó Fulana. Palma, palma, palma, ó Fulana, Pé, pé, pé, ó Fulana, Roda, roda, roda, ó Fulana, Escolha a que quiser, ó Fulana.

21 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 21

6/6/18 9:35 AM


8 – MÚSICAS QUE EXPLORAM OS DIREITOS DA CRIANÇA Para trabalhar o tema direitos da criança, propomos, como referência, os seguintes CDs: • Brincando e aprendendo. CD que acompanha a revista 100% criança, Editora Criança Feliz Ltda., 1999. • Canção dos direitos da criança. Músicas de Toquinho e Elifas Andreato, Movieplay do Brasil.

9 – MÚSICAS QUE EXPLORAM OUTROS TEMAS • Pintor de Jundiaí

15

Tim, tim, tim Quem bate aí? Sou eu, minha senhora, O pintor de Jundiaí

Lá embaixo Quero um pé de laranjeira Só para alegrar O coração da cozinheira

Pode entrar e se sentar Conforme as pinturas Nós iremos conversar

No portão Quero sete cachorrões Só para assustar A cara feia dos ladrões

Lá em cima Quero tudo bem pintado Só para as mocinhas De sapato envernizado

• Capelinha de melão

Tim, tim, tim Já deu seis horas Adeus, minha senhora, O pintor já vai embora

5

Capelinha de melão É de São João É de cravo, é de rosa É de manjericão

São João está dormindo Não acorda, não Acordai, acordai Acordai, João

Não cai, não! Não cai, não! Não cai, não! Cai na rua do sabão.

ILUSTRA CARTOON

• Cai, cai, balão! 44 Cai, cai, balão! Cai, cai, balão! Aqui na minha mão.

22 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 22

6/6/18 9:35 AM


• Hoje tem espetáculo?

4

(Chula anônima)

Aproveita, moçada! Dez tostões não é nada! Sentadinho na bancada! Pra ver a namorada! E a criança que chora? É que qué mamá. E a mulhé que namora? É que qué casá. Mas o palhaço, o que é? É ladrão de mulhé. E o palhaço, o que é? É ladrão de mulhé. E o palhaço, quem foi? Foi ladrão de boi. Papai, mamãe, venham ver titia Tomando banho de água fria. Papai, mamãe, venham ver vovó Tomando banho de água só. Papai, mamãe, venham ver Loló Tomando vinho com pão de ló. E a moçada na janela? Tem cara de panela. [...]

Hoje tem forrobodó? Tem, sim, sinhô. É na casa da vó? É na sua, é na sua. Hoje tem arrelia? Tem, sim, sinhô. É de perna de pau? É de blau-blau-blau. Oh raio, oh sol, suspende a lua! Olha o palhaço no meio da rua! E o palhaço, o que é? É ladrão de mulhé! Viva a rapaziada sem ceroulas! Vivaaaa!.... Hoje tem lengo-lengo? Tem, sim, senhor. É no tambor de leite? É, sim, senhor. E o paiaço o que é? É ladrão de muié. E o paiaço o que é? É ladrão de muié. Olê-lê, seu Tomás, Vai pra frente, vai pra trás. Olê-lê, dona Chica, Remexe a canjica. Olê-lê, seu Botelho, Mexe o joelho. [...]

ILUSTRA CARTOON

Hoje tem espetáculo? Tem, sim, sinhô. É às oito da noite? É, sim, sinhô. Hoje tem marmelada? Tem, sim, sinhô. Hoje tem goiabada? Tem, sim, sinhô. É de noite? É de dia? É, sim, sinhô.

Obs.1: Chula é uma música composta por perguntas e respostas cantadas pelos palhaços. Obs. 2: A grafia de algumas palavras, na letra dessa música, não obedece à norma culta, buscando reproduzir a forma como costumam ser pronunciadas. O mesmo ocorre em várias outras letras de música compiladas neste manual.

23 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 23

6/6/18 9:35 AM


• Marinheiro só

37

Ah, eu não sou daqui Marinheiro só Eu não tenho amor Marinheiro só Eu sou da Bahia Marinheiro só De São Salvador Marinheiro só

Foi o tombo do navio? Marinheiro só Ou foi o balanço do mar? Marinheiro só Lá vem, lá vem Marinheiro só Como ele vem faceiro Marinheiro só Todo de branco Marinheiro só Com seu bonezinho Marinheiro só

Ô marinheiro, marinheiro Marinheiro só Quem te ensinou a navegar? Marinheiro só

• A barata Havia uma barata Na careca do vovô Assim que ela me viu Bateu asas e voou

• Cala a boca, cachorrinho

Seu Joaquim, quim-quim Da perna tor-ta-tá Dançando val-sa-sá Com a Marico-ta-tá

23

Cachorrinho está latindo Lá no fundo do quintal. Cala a boca, cachorrinho, Deixa o meu benzinho entrar.

Meu potinho de melado, Meu cestinho de cará! Quem quiser comer comigo, Feche a porta e venha cá.

Refrão: Oi tindô lê, lê. Oi tindô lê, lê, lá, lá. Oi tindô lê, lê. Não sou eu que caio lá.

Atirei um prego n’água, De pesado foi ao fundo. Os peixinhos responderam: Vai trabalhar, vagabundo.

Veja uma variante da cantiga recolhida em São Paulo:

Refrão: Creoulá-lá, Creoulá-lá, lá, lá, lá, Creoulá-lá, Não sou eu que caio lá.

• Pirulito que bate, bate 35 Pirulito que bate, bate Pirulito que já bateu Quem gosta de mim é ela Quem gosta dela sou eu

Meu potinho de melado, Meu cestinho de cará! Quem quiser comer comigo, Feche a porta e venha cá. Atirei um cravo n’água, De pesado foi ao fundo. Os peixinhos responderam: Viva Dom Pedro II. ILUSTRAÇÕES: ILUSTRA CARTOON

Cachorrinho está latindo Lá no fundo do quintal. Cala a boca, cachorrinho, Deixa o meu benzinho entrar.

24 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 24

6/6/18 9:35 AM


2

Como vai, amiguinho, como vai? Da nossa amizade nunca sai Faremos o possível Para sermos bons amigos Como vai, amiguinho, como vai?

7

• Hora do parque

Para o parque eu vou indo A minha tia eu vou seguindo Oh, que bom! Oh, que lindo!

• Motorista

Tem muitas coisas pra brincar Tem cavalinho, tanque de areia E o trenzinho a apitar: PIUÍ!

8

Motorista, motorista, Olha a pista Olha a pista Não é de salsicha Não é de salsicha Não é não Não é não

• A linda rosa juvenil

Motorista, motorista, Olha o poste Olha o poste Não é de borracha Não é de borracha Não é não Não é não

27

A linda rosa juvenil, juvenil, juvenil A linda rosa juvenil, juvenil Vivia alegre no seu lar, no seu lar, no seu lar Vivia alegre no seu lar, no seu lar Um dia veio uma bruxa má, muito má, muito má Um dia veio uma bruxa má, muito má Que adormeceu a rosa assim, bem assim, bem assim Que adormeceu a rosa assim, bem assim O tempo passou a correr, a correr, a correr O tempo passou a correr, a correr

• Sapo-cururu

Como vai, professora, como vai? Da nossa amizade nunca sai Faremos o possível Para sermos bons amigos Como vai, professora, como vai?

ILUSTRA CARTOON

• Como vai?

E o mato cresceu ao redor, ao redor, ao redor E o mato cresceu ao redor, ao redor Um dia veio um belo rei, belo rei, belo rei Um dia veio um belo rei, belo rei Que despertou a rosa assim, bem assim, bem assim Que despertou a rosa assim, bem assim E os dois puseram-se a dançar, a dançar, a dançar E os dois puseram-se a dançar, a dançar E batam palmas para o rei, para o rei, para o rei E batam palmas para o rei, para o rei

25

Sapo-cururu Na beira do rio Quando o sapo canta, ó maninha, É porque tem frio

A mulher do sapo Diz que está lá dentro Fazendo rendinha, ó maninha, Para o casamento

25 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 25

6/11/18 2:11 PM


Veja outra versão: Sapateiro novo, Me faz um sapato De sola bem fina Pra dançar o sapo

Sapo-cururu Da beira do rio Quando o sapo grita, ó maninha, É que tá com frio

Sapo-cururu Da beira do rio, Não me bote n’água Que eu morro de frio

A mulher do sapo É que está lá dentro Fazendo rendinha, ó maninha, Para o casamento

Sapo-cururu De dona Teresa, Me corte o cabelo Me deixa a beleza

Sapo-cururu, Que fazes lá dentro? Estou calçando as meias Pra meu casamento

• Vitu* Vem cá, Vitu, Vem cá, Vitu, Vem cá, meu belo par. Não vou lá, Não vou lá, Não vou lá, Tenho medo de apanhar. • A barata diz que tem A barata diz que tem Sete saias de filó É mentira da barata Ela tem é uma só Ah, ah, ah! Oh, oh, oh! Ela tem é uma só A barata diz que tem Um sapato de veludo É mentira da barata O pé dela é peludo Ah, ah, ah! Oh, oh, oh! O pé dela é peludo A barata diz que tem Uma cama de marfim É mentira da barata

Vem cá, meu bem, Vem cá, meu bem, Vem cá, meu coração. Já vou lá, Já vou lá, Já vou lá, Levar flores de São João.

47 Ela tem é de capim Ah, ah, ah! Oh, oh, oh! Ela tem é de capim A barata diz que tem Um anel de formatura É mentira da barata Ela tem é casca dura Ah, ah, ah! Oh, oh, oh! Ela tem é casca dura A barata diz que tem O cabelo cacheado É mentira da barata Ela tem coco rapado Ah, ah, ah! Oh, oh, oh! Ela tem coco rapado

• Polquinha

(Música tradicional gaúcha)

Ele: Eu plantei a sempre-viva Sempre-viva não nasceu. Tomara que sempre viva O meu coração com o teu.

Ela: Tu plantaste a sempre-viva Sempre-viva não nasceu: É porque meu coração Não quer viver com o teu.

* Vitu, forma reduzida de içabitu, sinônimo de Bitu, personagem de cantiga popular.

26 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 26

6/6/18 9:35 AM


• A canoa virou

41

ILUSTRAÇÕES: ILUSTRA CARTOON

• Coruja No meio da floresta Morava uma coruja E nas noites de lua Ouviam-se seus gritos Tui-tu, tui-tu, tui-tu, itu, itu!

(Folclore nacional)

A canoa virou, Por deixarem-na virar. Foi por causa do Fulano, Que não soube remar. Se eu fosse um peixinho E soubesse nadar,

Eu tirava o Fulano Lá do fundo do mar. Mas eu não sou peixinho E nem sei mergulhar... Coitado do Fulano, Fica dentro do mar!

Veja a variante coletada em São Paulo: A canoa virou Por deixarem-na virar. Foi por causa do Fulano, Que não soube remar. Refrão: Siriri* pra cá, Siriri pra lá.

Fulana é velha E quer casar. (Bis) Se eu fosse um peixinho E soubesse nadar, Tiraria o Fulano Lá do fundo do mar.

• Roda, ó pião (Folclore nacional)

Agora, entra na roda, ó pião! Agora, entra na roda, ó pião! E roda, ó pião! Bambeia, ó pião! E roda, ó pião! Bambeia, ó pião! Sapateia no tijolo, ó pião! Sapateia no tijolo, ó pião! E roda, ó pião! Bambeia, ó pião! E roda, ó pião! Bambeia, ó pião! E faz uma cortesia, ó pião! E faz uma cortesia, ó pião! E roda, ó pião! Bambeia, ó pião! E roda, ó pião! Bambeia, ó pião! E passa a fieira a outro, ó pião! E passa a fieira a outro, ó pião! E roda, ó pião! Bambeia, ó pião! E roda, ó pião! Bambeia, ó pião! E agora, sai da roda, ó pião! E agora, sai da roda, ó pião!

E roda, ó pião! Bambeia, ó pião! E roda, ó pião! Bambeia, ó pião! Arrasta a saia no chão, ó pião! Arrasta a saia no chão, ó pião! E roda, ó pião! Bambeia, ó pião! E roda, ó pião! Bambeia, ó pião! Mostra a tua figura, ó pião! Mostra a tua figura, ó pião! E roda, ó pião! Bambeia, ó pião! E roda, ó pião! Bambeia, ó pião! Abraça a quem queres bem, ó pião! Abraça a quem queres bem, ó pião! E roda, ó pião! Bambeia, ó pião! E roda, ó pião! Bambeia, ó pião! Agora, entra na roda, ó pião! Agora, entra na roda, ó pião! E roda, ó pião! Bambeia, ó pião! E roda, ó pião! Bambeia, ó pião!

* Siriri, no folclore do Nordeste, é nome de dança de roda infantil ou dança popular acompanhada de música e cantoria.

D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 27

27 6/6/18 9:35 AM


Obs.: Há folcloristas que dizem que, na cantiga Roda, ó pião, a pronúncia era de fato “peão”, de domador de animais, em vez de “pião”, brinquedo infantil. O verso “E roda, ó pião! Bambeia, ó pião!” na versão com “peão” fica assim: “Bambeia o peão, rodeia o peão!”. • Gatinha parda

49

(Cantiga recolhida no antigo estado da Guanabara) ILUSTRA CARTOON

Ai, minha gatinha parda, Que em janeiro me fugiu! Quem roubou minha gatinha? Você sabe? Você sabe? Você viu? Eu não vi a tal gatinha, Mas ouvi o seu miau. Quem roubou a sua gatinha Foi a bruxa, foi a bruxa pica-pau.

Escolhe-se um aluno, que deve ficar de olhos vendados no centro da roda. Os demais alunos, de mãos dadas, giram em roda cantando a música. Ao final, todos os alunos da roda se agacham, permanecendo de cócoras. O aluno de olhos vendados deve tocar a cabeça de um dos alunos de cócoras, que deverá imitar o miado da gatinha. Se o aluno vendado reconhecer o colega pelo miado, será substituído por este no centro da roda. Se errar, deverá procurar outra cabeça para tentar descobrir de quem é o miado. • Rebola-bola 56 Eu sou mineira de Minas, Mineira de Minas Gerais. Eu sou mineira de Minas, Mineira de Minas Gerais. Rebola-bola! Você diz que dá, que dá. Você diz que dá na bola. Mas na bola você não dá.  (Bis)

Eu sou carioca da gema, Carioca da gema do ovo. Eu sou carioca da gema, Carioca da gema do ovo. Rebola pai, rebola mãe, rebola filha. Eu também sou da família, Também quero rebolar.  (Bis)

Obs.: O aluno que fica no centro da roda canta o refrão para se apresentar. Enquanto os alunos da roda dançam, cantam e fazem a roda girar, o que está no centro dança rebolando. • Meu galinho

50

(Cantiga recolhida no Ceará)

Há três noites que eu não durmo, olá, lá Pois perdi o meu galinho, olá, lá Coitadinho, olá, lá Pobrezinho, olá, lá Se perdeu lá no jardim. Ele é branco e amarelo, olá, lá Tem a crista vermelhinha, olá, lá Bate as asas, olá, lá

Abre o bico, olá, lá E faz quiquiriquiqui. Já andei em Mato Grosso, olá, lá Amazonas e Pará, olá, lá Encontrei, olá, lá Meu galinho, olá, lá No sertão do Ceará.

Obs.: Em outra versão o “olá, lá” é substituído por “oi, lará”.

28 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 28

6/13/18 4:42 PM


• Rosa amarela

(Cantiga recolhida na Paraíba)

Olha a rosa amarela, Rosa, Tão bonita e tão bela, Rosa. (Bis)

Para me enxugar, Ó Iaiá. Esta despedida, Ó Iaiá, Já me faz chorar, Ó Iaiá. (Bis)

Iaiá, meu lenço, Ó Iaiá,

• Pombinha

(Cantiga recolhida no Amazonas)

Pombinha, quando tu fores, Me escrevas pelo caminho; Se não encontrares papel, Nas asas de um passarinho. Da boca faze um tinteiro, Da língua, pena molhada, Dos dentes, letra miúda, Dos olhos, carta fechada. A pombinha voou, sentou Foi-se embora e me deixou (Bis)

Obs.: A última estrofe apresenta as seguintes variações:

ILUSTRA CARTOON

A pombinha voou sem dó, Foi-se embora e me deixou (Bis)

E A pombinha voou, voou, voou Ela foi-se embora e me deixou (Bis)

• Pombinha branca

46

Pombinha branca, Que está fazendo? Lavando roupa Pro casamento

Passou um homem De terno branco Chapéu de lado Meu namorado

Vou me lavar Vou me secar Vou na janela Pra namorar

Mandei entrar Mandei sentar Cuspiu no chão Limpa aí, seu porcalhão! Tenha mais educação!

29 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 29

6/6/18 9:35 AM


• O meu boi morreu

24

O meu boi morreu. Que será de mim? Manda buscar outro, morena*, Lá no Piauí. (Bis) O meu boi morreu. Que será então? Manda buscar outro, morena, Lá no Maranhão. (Bis) O meu boi morreu. Não o verei mais. Manda buscar outro, morena, Lá em Minas Gerais. (Bis) O meu boi morreu. Eu já chorei tanto. Manda buscar outro, morena, Lá no Espírito Santo. (Bis) O meu boi morreu; Foi talvez de frio.

Manda buscar outro, morena, Lá no estado do Rio. (Bis) O meu boi morreu; Quem me valerá? Manda buscar outro, morena, Lá no Paraná. (Bis) O meu boi morreu; Era boi de guia. Manda buscar outro, morena, Lá pela Bahia. (Bis) O meu boi morreu; Choram as sanfonas. Manda buscar outro, morena, Lá no Amazonas. (Bis) O meu boi morreu; Vou ficar maluco. Manda buscar outro, morena, Lá no Pernambuco. (Bis)

Em outra versão acrescentam-se as estrofes a seguir: O meu boi morreu; De mim que será? Manda buscar outro, morena, Lá no Ceará. (Bis)

O meu boi morreu; O meu Mississipi. Manda buscar outro, morena, Lá no Sergipe. (Bis)

Coitado do boi malhado, Que me fez tanta saudade; Quem há de dizer, quem há de dizer Se morreu ou foi matado. Coitado do meu patrão. Não se consola; De tanto chorar, chorar, Já lhe dói o coração. O meu boi morreu; Caiu lá de riba. Manda buscar outro, morena, Lá na Paraíba. (Bis)

O meu boi morreu; Já não mugirá. Manda buscar outro, morena, Lá no Grão-Pará. (Bis)

O meu boi morreu; Com águas tão boas. Manda buscar outro, morena, Lá nas Alagoas. (Bis)

O meu boi morreu; Do quê? Não se atina. Manda buscar outro, morena, Lá em Santa Catarina. (Bis) O meu boi morreu; Não há quem resista. Manda buscar outro, morena, Lá no sertão paulista. (Bis)

* Em outra versão a palavra “morena” é substituída por “compadre”.

30 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 30

6/6/18 9:35 AM


O meu boi morreu; Já na cova jaz. Manda buscar outro, morena, Lá mesmo em Goiás. (Bis)

O meu boi morreu; Foi mesmo um destroço. Manda buscar outro, morena, Lá no Mato Grosso. (Bis)

O meu boi morreu; Ainda estrebucha. Manda buscar outro, morena, Lá na terra gaúcha. (Bis)

O meu boi morreu; Meu bico-de-lacre. Manda buscar outro, morena, Lá no estado do Acre. (Bis)

Veja uma outra variante:

• Na Bahia tem Na Bahia tem, Tem, tem, tem; Na Bahia, tem, morena, Coco de vintém. Refrão: Lá, lá, lá, lá, lá, lá, ... Na Bahia tem,

• “Seu” Juca A menina que está na roda É uma gata espichada; Tem a boca de jacaré E a saia remendada. • Bambalalão 36 Refrão: Bambalalão, Senhor Capitão, Espada na cinta E ginete na mão. Lua, luar Toma teu andar, Leva esta criança E ajuda a criar.

• Ba, be, bi, bo, bu 53 O ba, be, bi, bo, bu Vamos todos aprender. (Bis) Soletrando o bê-á-bá Na cartilha do ABC. (Bis)

O meu boi morreu; Que será da vaca? Pinga com limão, morena, Cura urucubaca*. (Bis) Já mandei comprar; Na Bahia, tem, morena, Ferro de engomar. Na Bahia tem, Já mandei comprar; Na Bahia, tem, morena, Fole de soprar. Lá vem “seu” Juca-ca Da perna torta-ta Dançando a valsa-sa Com a Maricota-ta Em terra de mouro Morreu seu irmão E foi enterrado Na cruz do patrão. Bambalalão, Senhor Capitão, Orelha de porco Pra comer com feijão.

O M é uma letra Que se escreve no ABC. (Bis) Ó Maria, você não sabe Como eu gosto de você! (Bis)

Obs.: Na segunda estrofe, a letra deve ser a inicial do nome de quem vai ser citado.

ILUSTRAÇÕES: ILUSTRA CARTOON

O meu boi morreu; Que será de mim? Manda buscar outro, morena, Lá no Piauí. (Bis)

* “Urucubaca” era popularmente usada como sinônimo de gripe.

31 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 31

6/6/18 9:35 AM


Um aluno é escolhido para ficar no centro da roda. Os demais alunos, de mãos dadas, giram em roda cantando a primeira parte da música. Quando terminam a primeira parte, a roda para, e o aluno que está no centro canta a segunda parte da música acrescentando a letra inicial e o nome do aluno que, após ser abraçado, tomará seu lugar no centro da roda. • Cadê o toucinho que estava aqui? Cadê o toucinho que estava aqui? O gato comeu. Cadê o gato? Foi pro mato. Cadê o mato? O fogo queimou. Cadê o fogo? A água apagou. Cadê a água?

42 O boi bebeu. Cadê o boi? Está amassando o trigo. Cadê o trigo? A galinha comeu. Cadê a galinha? Está botando ovo. Cadê o ovo? Quebrou!

ILUSTRAÇÕES: ILUSTRA CARTOON

• Anel de pedra verde 51 Perdi meu anel Num buraco da parede Quem achou me dê de volta Meu anel de pedra verde É de frente pra frente É de trás pra trás (Bis)

• Eu sou pobre, pobre (Folclore pernambucano)

Eu sou pobre, pobre, pobre De marré, marré, marré Eu sou pobre, pobre, pobre De marré decê*

Que ofício dás a ela? De marré, marré, marré Que ofício dás a ela? De marré decê

Eu sou rica, rica, rica De marré, marré, marré Eu sou rica, rica, rica De marré decê

Dou o ofício de (nome do ofício) De marré, marré, marré Dou o ofício de (nome do ofício) De marré decê

Eu queria uma de vossas filhas De marré, marré, marré Eu queria uma de vossas filhas De marré decê

Este ofício me agrada (ou não) De marré, marré, marré Este ofício me agrada (ou não) De marré decê

Escolhei a qual quiser De marré, marré, marré Escolhei a qual quiser De marré decê

Lá se foi a (nome da menina) De marré, marré, marré Lá se foi a (nome da menina) De marré decê

Eu queria a (nome da menina) De marré, marré, marré Eu queria a (nome da menina) De marré decê

Eu de pobre fiquei rica De marré, marré, marré Eu de rica fiquei pobre De marré decê

* A expressão “marré decê” originou-se da letra em francês: Je m’en vais d’ici.

32 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 32

6/11/18 2:11 PM


• A velha a fiar (Folclore nacional)

Estava a velha no seu lugar, E veio a mosca lhe fazer mal. A mosca na velha, E a velha a fiar.

Estava o fogo no seu lugar, E veio a água lhe fazer mal. A água no fogo, O fogo no chicote, etc.

Estava a mosca no seu lugar, E veio a aranha lhe fazer mal. A aranha na mosca, A mosca na velha, E a velha a fiar.

Estava a água no seu lugar, E veio o boi lhe fazer mal. O boi na água, A água no fogo, etc.

Estava o rato no seu lugar, E veio o gato lhe fazer mal. O gato no rato, O rato na aranha, A aranha na mosca, A mosca na velha, E a velha a fiar. Estava o gato no seu lugar, E veio o cão lhe fazer mal. O cão no gato, O gato no rato, O rato na aranha, A aranha na mosca, A mosca na velha, E a velha a fiar. Estava o cão no seu lugar, E veio o chicote lhe fazer mal. O chicote no cão, O cão no gato, etc. Estava o chicote no seu lugar, E veio o fogo lhe fazer mal. O fogo no chicote, O chicote no cão, etc.

Estava o boi no seu lugar, E veio o homem lhe fazer mal. O homem no boi, O boi na água, etc. Estava o homem no seu lugar, E veio a mulher lhe fazer mal. A mulher no homem, O homem no boi, etc. Estava a mulher no seu lugar, E veio a morte lhe fazer mal. A morte na mulher, A mulher no homem, O homem no boi, O boi na água, A água no fogo, O fogo no chicote, O chicote no cão, O cão no gato, O gato no rato, O rato na aranha, A aranha na mosca, A mosca na velha, E a velha a fiar.

ILUSTRAÇÕES: ILUSTRA CARTOON

Estava a aranha no seu lugar, E veio o rato lhe fazer mal. O rato na aranha, A aranha na mosca, A mosca na velha, E a velha a fiar.

33 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 33

6/6/18 9:35 AM


• Jacaré 39 Jacaré está na lagoa, Com preguiça de nadar. Deixa estar, “seu” Jacaré, Que a lagoa há de secar! Sim, sim, sim! Não, não, não! Pegou fogo No papelão! (Bis)

Os alunos, de mãos dadas, giram em roda cantando a primeira estrofe. Ao final da primeira estrofe, a roda para de girar, e os alunos soltam as mãos para cantar a segunda estrofe acompanhada dos seguintes movimentos: Sim, sim, sim! — batem 3 palmas. Não, não, não! — batem alternadamente os pés no chão, 3 vezes. Pegou fogo no papelão! — giram no lugar dando uma volta completa com os braços levantados e chacoalhando as mãos. • O castelo

38

O castelo pegou fogo, “Seu” Francisco deu sinal: Acuda, acuda, acuda A bandeira nacional!

A Matriz deu meia-noite, O Rosário bateu duas, Já está chegando a hora De meu bem sair à rua.

Um, dois, três, Quatro, cinco, seis, Sete, oito, nove, Para doze faltam três.

Um, dois, três, Quatro, cinco, seis, Sete, oito, nove, Para doze faltam três.

Um aluno é escolhido para ficar no centro da roda. Os demais alunos, de mãos dadas, giram em roda cantando a primeira estrofe da música. O aluno do centro escolhe um colega da roda e aproxima-se dele, ficando frente a frente. Enquanto os outros, batendo palmas três vezes, cantam o primeiro verso da segunda quadra (Um, dois, três), os dois alunos que ficaram frente a frente, com as mãos na cintura, realizam os seguintes movimentos: 1. pulam apenas com o pé esquerdo, ao mesmo tempo que levam a perna direita à frente; 2. colocam o pé direito no chão e pulam, agora apenas com o pé direito, ao mesmo tempo que levam a perna esquerda à frente; 3. colocam o pé esquerdo no chão e pulam novamente, levando a perna direita à frente. Os mesmos movimentos se repetem enquanto os alunos da roda cantam o segundo, o terceiro e o quarto versos da quadra, sempre batendo palmas três vezes a cada verso.

34 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 34

6/6/18 9:35 AM


• Eu era assim Quando eu era nenê, nenê, nenê Eu era assim... Eu era assim... Quando eu era menina, menina, menina Eu era assim... Eu era assim... Quando eu era mocinha, mocinha, mocinha Eu era assim... Eu era assim... Quando eu era casada, casada, casada Eu era assim... Eu era assim... Quando eu era mamãe, mamãe, mamãe Eu era assim... Eu era assim... Quando eu era vovó, vovó, vovó Eu era assim... Eu era assim... Quando eu era caduca, caduca, caduca Eu era assim... Eu era assim... Quando eu era caveira, caveira, caveira Eu era assim... Eu era assim...

Os alunos, de mãos dadas, giram em roda cantando a música. Quando cantam “Eu era assim... Eu era assim...”, soltam as mãos dos outros alunos da roda e fazem a mímica correspondente a cada estrofe, enquanto caminham em roda um atrás do outro. Sequência das mímicas: Quando eu era nenê, nenê, nenê — nina um bebê nos braços (...) Quando eu era menina, menina, menina — pula corda (...) Quando eu era mocinha, mocinha, mocinha — passa batom e arruma-se no espelho (...) Quando eu era casada, casada, casada — passeia de braço dado (...) Quando eu era mamãe, mamãe, mamãe — dá palmadas (...) Quando eu era vovó, vovó, vovó — anda um pouco curvada (...) Quando eu era caduca, caduca, caduca — anda cambaleante (...) Quando eu era caveira, caveira, caveira — faz careta (...)

35 D2-INT-EI-0022-V0-MPED-M19.indd 35

6/6/18 9:35 AM

Profile for Editora FTD

Maternal  

Maternal