Page 1

Revista

ANO XV . Nº 51 . MACAÉ/RJ SETEMBRO/2019 . DISTRIBUIÇÃO DIRIGIDA E GRATUITA

Edição Especial

A G U! P ODE PE

DESTAQUE

Brinquedos educativos, Meu filho quer ser Geração Alpha Colégio Atlântico Bilíngue, a preferência dos pais Digital Influencer... mostra sua cara um centro de excelência

ES

SE

VIDA

AT U IT A

TE

R1

É

FAMÍLIA

GR

D IS T R IB U IÇ

TENDÊNCIA

O

R

Mais interessados no universo culinário, crianças e pré-adolescentes, como Nicole e Nuno, descobrem que o ato de cozinhar pode ser uma divertida brincadeira

Ã

A COZINHA É DOS MINICHEFS

E XE MPLA


2


3


EDITORIAL&ÍNDICE

EDIÇÃO ESPECIAL DO DIA DAS CRIANÇAS PARA NÓS, OS ADULTOS

Q

uem nunca se surpreendeu com a desenvoltura e agilidade de raciocínio das crianças de hoje em dia? Esse é o grande desafio. Ser pai e mãe das gerações Z, Alpha e das outras que virão. Acho que temos que nos colocar no lugar dos pequenos para enxergar o mundo pela perspectiva deles, de uma forma muito mais dinâmica, veloz e difícil de acompanhar em todos os sentidos. Pensando nisso, fizemos uma pesquisa sobre os temas que mais têm despertado o interesse e a atenção dessas gerações, pra poder trazer um pouco mais de informação para nossos leitores, pais e mães de crianças pequenas e pré-adolescentes. Um deles é a gastronomia, que tem conquistado o interesse das crianças cada vez mais cedo. Elas estão se chegando e tomando conta da cozinha, esse ambiente agregador, que ganhou destaque nos projetos das residências, virando sonho de consumo dos adultos já faz algum tempo. Talvez, por isso mesmo, os pequenos tenham começado a se interessar mais por este universo. Não dizem que eles são o nosso espelho? Tá explicado então! São os Minichefs que estampam a nossa matéria de capa. Além desse, outros assuntos muito atuais e relevantes recheiam esta edição pra você, como: brinquedos educativos, geração Alpha, influenciadores mirins e muitas novidades de empresas e serviços que têm, no universo infantil, seu foco de negócio e soluções para o bem-estar da sua família na cidade. Espero que gostem! Boa leitura a todos! DIRETOR GERAL

MINICHEFS NA COZINHA

60

EXPEDIENTE

A revista DVCD é uma publicação do Grupo DiverCidades com tiragem de 7.000 exemplares por edição, distribuição dirigida e gratuita aos públicos A, B de Macaé. Rua Dolores Carvalho Vasconcelos, 270 Sobreloja - Bairro da Glória - Macaé/RJ CEP: 27.937-600 • Direção geral: Gianini Coelho - Tel: (22) 99985-5645 Obs: os textos assinados por terceiros, que não sejam colaboradores da revista, são de total responsabilidade de seus autores.

COLABORADORES DESTA EDIÇÃO

66

BRINQUEDOS EDUCATIVOS

74

INFLUENCIADORES DIGITAIS MIRINS 08 #VCnadivercidades 10 De Tudo um Pouco Arquitetura & Design

14 Claudia Augusta by Criare 18 20 22 24 26 28 30 32 34 36 42 44 45 46 48 49 50 52 54 55 58 60 66 70 74

Pessoas & Negócios

Maple Bear Treino de Menina BRK Ambiental O2HM Hiperbárico Nane Kids Moda Infantil Colégio Castelo CFE - Clayton Futebol Escola Mentale Clínica Oral Rad Cavaleiros Clínica Famille Espaço Todeschini Lorena Correa Cliente Todeschini Germana Silvestri Glam by Muquici Primeiros Passos 10 anos Cavaleiros Casa e Lazer Luminárias da Cidade Tom Escola de Música Plaft Zoom 8 anos Bioanálise Laboratórios Colégio Atlântico Bilíngue Creche Vovó Carola

A Cidade

Minichefs (Capa) Brinquedos educativos Geração Alpha Influenciadores mirins

Perfil Teen

78 Sillas Andrade Perfil

Jornalismo: Leila Pinho, Tathiana Campolina, Juliana Carvalho e Renatta Viana | Foto da Capa: Alle Tavares / Cozinha Italínea Villaare | Fotografia: Alle Tavares | Edição: Na Mosca | Edição de fotografia: Leandro Foca | Revisão: Bárbara Coelho | Publicidade e Edição Final: Gianini Coelho Telefone de contato: (22) 99985 5645 | @divercidadesmacae | grupodivercidades

4

80 Ângela Maria Pessanha Lima Gente que Faz

82 Grupo Renascer Costa do Sol


5


6


7


VC NA DIVERCIDADES

@hooponopono_vaa_macae

#VC NA DIVERCIDADES

AQUI, SUAS FOTOS TÊM UM LUGAR DE DESTAQUE, VALORIZANDO VC E A NOSSA MACAÉ

E

ntramos no mês de setembro e as cores da cidade impressionam nosso olhar. A cidade brilha nas lentes e celulares dos nossos leitores, seja na região serrana, nas praias ou na lagoa! Várias pessoas começaram a marcar a #VCnadivercidades nas suas fotos, aumentando assim as chances de serem escolhidas para ilustrar nosso Instagram e essa seção da revista. Continuem marcando a gente e curtam suas fotos aqui na DVCD. Até a edição de dezembro!

@pfloresphoto

O nascer do sol visto da Lagoa de Imboassica registrado pelo pessoal da Canoa Havaiana

@btmanhaes

Homenagem ao Dia dos Pais feita pelo fotógrafo Pablo Flores

@amado.vitor

8

A Praia do Pecado vista por um ângulo diferente de Bruno Manhães

Ver o sol se pôr atrás do Pico do Frade, na Sibéria, divisa de Macaé com Trajano de Moraes, é para poucos. Não é, Vitor Amado?


@ruanviana @rogeriopeccioli

Ruan Viana teve um belo motivo pra parar sua corrida matinal quando passava pela Praia da Imbetiba

@joannadcohen

A estrada do Frade. Registro em PB de Rogério Peccioli feito para a UENF em uma pesquisa sobre o tempo

@barackobrama

O anoitecer em Macaé foi registrado em grande estilo por Joanna Cohen

@kingsathyla

Os piers da Praia da Imbetiba vistos do Petro Office, no click de Diego Gil

A “nuvem de rolo”, que marcou a cidade no mês de agosto, vista do Alto da Glória por Athyla Reis

Marque a #vcnadivercidades nos seus cliques de Macaé. Sua foto poderá ser escolhida para ilustrar essa seção da revista

9


DE TUDO UM POUCO

O Vale Night Kids oferece o serviço de pernoite, com um espçao lúdico e muito confortável

A empreendedora Tatiana Soares fez de uma necessidade própria um bom negócio e oferece um serviço diferenciado aos pais que não têm onde deixar os filhos durante compromissos sociais e de lazer

VALE NIGHT KIDS, SEUS FILHOS EM BOAS MÃOS

T

atiana Soares não tem família em Macaé e, em vários momentos, precisou abrir mão de compromissos por não ter uma solução para deixar a filha de 6 anos. Assim, a partir de uma demanda pessoal, ela idealizou este projeto, que ajudará as famílias na mesma situação. O Vale Night Kids, um serviço de hospedagem infantil, que possibilitará aos pais, a tranquilidade de saber que os filhos estarão bem cuidados enquanto cuidam de seus assuntos. O Vale Night Kids hospeda as crianças por hora, por turnos e também com opção de pernoite com café da manhã, oferecendo soluções para diferentes situações nas rotinas dos pais, como faculdade, reuniões de

A equipe do Vale Night Kids é capacitada para cuidar das crianças e escolhida a dedo por Tatiana

última hora, eventos, viagens, etc. “Aqui, cuido de todos da mesma forma que cuido da minha filha. Com muito carinho e atenção”, diz Tatiana. Em caso de necessidade de hospedagem durante a semana, o Vale Night Kids também oferece o serviço de transporte, buscando e/ou levando a criança na escola, como também, apoio nas atividades extracurriculares. Os detalhes e valores são combinados diretamente com ela. Pra mais informações, acesse o Instagram @valenightkids ou mande um WhatsApp (22) 99879-2762.

PROJETO SONS OFICINA CRIATIVA

ONDE REUTILIZAR OS MATERIAIS DESCARTÁVEIS É UMA ARTE

A O Projeto Sons Oficina Criativa culminou com uma exposição no Café com Arte reunindo vários brinquedos produzidos pela Tom Escola de Música

10

Tom Escola de Música desenvolveu uma modalidade de aula para seus alunos que virou um projeto social da escola e que está estimulando a criatividade dos alunos, é o Sons Oficina Criativa. Os alunos que participam do projeto têm a oportunidade de criar brinquedos, jogos e instrumentos musicais a partir de materiais que iriam para o lixo. Além de trabalhar com as crianças sobre a importância da sustentabilidade, o projeto ajuda a desenvolver o raciocínio, a socialização, a coordenação motora, o vocabulário, além da criatividade. “Os alunos ficam muito interessados em fazer seu próprio brinquedo ou instrumento”, fala Patrícia de Lima Nogueira, a sócia-gerente da Tom, que também apresenta o projeto social em escolas públicas da cidade. Em agosto, o projeto fez uma exposição no Café com Arte com 100 brinquedos e instrumentos produzidos por Patrícia no Projeto Oficina Criativa que, posteriormente, foram doados para o grupo Movidos Pelo Autismo Macaé, o MOPAM. Em outubro, entre os dias 7 e 11, o projeto vai fazer uma nova exposição na Galeria do Teatro Municipal de Macaé, onde as crianças poderão brincar com os objetos produzidos e levá-los para casa. Para mais informações, acesse o Instragram e Facebook @ escolatom e @oficinacriativa ou pelo celular 22 99736-1496.


O hortifruti Tanaka oferece os produtos sempre fresquinhos para atender da melhor forma seus clientes. O restaurante japonês, que funciona de segunda a sábado, é uma ótima opção para almoço

TANAKA HORTIFRUTI E RESTAURANTE JAPONÊS

I

naugurado em maio deste ano, na Granja dos Cavaleiros, o Hortifruti Tanaka oferece não só frutas, verduras e legumes, mas também comida japonesa, caldos, pães e frios, produtos congelados, itens de mercearia e carnes. Segundo explica Eliana Ferreira de Albuquerque, sócia-proprietária do estabelecimento, o Tanaka preza pela qualidade dos produtos vendidos e oferece conforto aos clientes, já que conta com estacionamento próprio e ainda faz delivery.

Um dos destaques da casa é a comida japonesa no peso, que é servida de segunda a sábado, com variedade e alimentos frescos e de qualidade. Já o Festival de Caldos, Pães e Pastas é servido de segunda a sexta-feira. “Temos 8 tipos de caldos. E todo final de semana tem frango assado também”, fala Eliana. O Tanaka fica na Granja dos Cavaleiros, na Alameda Tenente Célio, nº 600 e funciona de segunda-feira a sábado, das 7h às 21h e, aos domingos e feriados, das 7h às 14h. Pra mais informações, acesse @hortifrutitanaka no Instagram ou envie um WhatsApp para 22 3311-0220.

11


DE TUDO UM POUCO

COGUMELOS DO FRADE, QUALIDADE NA SUA MESA

Trindade Júnior produz cogumelos frescos e orgânicos em Macaé. Em uma estufa no Frade, ele produz Shitake, Shimeji e Paris

G

raças ao casal Carla Duque e Trindade Júnior, é possível comprar em Macaé cogumelos frescos e orgânicos, produzidos na região serrana da cidade. Eles são os donos da Cogumelos do Frade e produzem cogumelos Shimeji, Shitake e Paris. Os cogumelos são fonte de proteína saudável, contêm poucas calorias e carboidratos e ainda contribuem pro fortalecimento da imunidade. Em galpões climatizados, o casal cultiva os cogumelos e vende em embalagens de 1/2 ou 1 kg. “Também produzimos hambúrgueres congelados veganos e refogado de cogumelos com molho natural de tomate, e vamos fazer, em breve, outros produtos processados como almôndegas”, fala Trindade. Além de vender para restaurantes, a Cogumelos do Frade vende, também, diretamente ao consumidor pelo WhatsApp (22) 99804-7324 para Macaé, Campos, Rio das Ostras, Cabo Frio e cidades da região. Siga a Cogumelos do Frade no Instagram@cogumelosdofrade.

Ele ainda vende produtos processados, como hambúrgueres de cogumelos

KEBAB STORE, MUITO ALÉM DA COZINHA ÁRABE

H

12

Acima, a chef Miriam Barbosa está a frente da cozinha do Kebab, na Villa Gourmet, no Pecado

A cozinha árabe está bem representada no Kebab com a mijadra, charutos e cebola árabe

á quase um ano, na charmosa Villa Gourmet, na Praia do Pecado, o Kebab Store mostra que tem muito mais do que só comida árabe. O Kebab oferece também um variado cardápio de petiscos, que harmonizam super bem com várias cervejas artesanais oferecidas pela casa. O cliente escolhe uma opção de cerveja e o tiragosto que mais combina com ela. “Os pastéis vêm sempre acompanhados de geleias que nós mesmos fabricamos. Temos também as fritas especiais que podem vir com barbecue e parmesão ou com creme de alho. Outro destaque é o Hotfrankfourt, que foi um sucesso gastronômico em 2016 e o Kebaburguer com carne bovina, de kafta cordeiro ou de frango”, explica a chef Miriam Barbosa. Além de saborear no local, o cliente também pode pedir delivery, pelo iFood ou pelo WhatsApp (22) 99228-3662. O Kebab Store funciona de segunda a sábado, das 18h às 23h30. Já o delivery, é de segunda a sábado, das 18h às 23h e, aos domingos, das 17h às 22h.


13


ARQUITETURA & DESIGN

Móveis planejados em ambientes comerciais e consultórios contribuem para provocar sensações que valorizam os negócios

No consultório do urologista Dr. João Batista, que atende mais homens que mulheres, o ambiente ganhou um ar mais masculino com os tons escuros

CLAUDIA AUGUSTA

O

Por: Leila Pinho / Fotos: Cláudia Augusta

14

s projetos arquitetônicos comerciais, assim como os residenciais, buscam mesclar a funcionalidade com a estética. Um ponto de diferença entre um e outro está nas sensações que o ambiente é capaz de provocar nas pessoas que o frequentam, conforme explica a arquiteta Cláudia Augusta. Se em um projeto residencial o arquiteto planeja o espaço para que os moradores se sintam acolhidos, no comercial, o planejamento é voltado para proporcionar experiências e sensações que tenham a ver com o negócio em questão. Para exemplificar isso, veja as fotos da reforma do hall do Solar da Praça, prédio que fica no Centro de Macaé e tem vários profissionais de saúde. Neste projeto, Cláudia usou revestimentos e vários elementos decorativos para imprimir ao espaço a ideia de requinte, sofisticação

A arquiteta transformou o ambiente (veja o antes e depois) em um local mais acolhedor e moderno. Com muitos armários na parte de baixo, o médico tem espaço à vontade para guardar medicamentos e outros itens


Alle Tavares

Uma inteligente solução para a reforma do hall do Solar da Praça foi projetar um grande armário que funciona como painel, para esconder os medidores de luz. Antes, os medidores ficavam visíveis pelo vidro do armário (foto acima)

Alle Tavares

Na recepção do consultório médico, o balcão ripado preto foge do padrão dos tons claros típicos de ambientes de saúde. À direita, como era antes

e imponência. Quem frequenta o ambiente, sente que neste local há profissionais de alto padrão de qualidade. Essa percepção valoriza o lugar e as pessoas que ali trabalham. Os móveis também contribuem para provocar sensações positivas. Neste hall, uma importante transformação se deu nos armários à direita. Antes, havia um armário antigo de madeira com vidro, onde os medidores de luz ficavam visíveis. Para solucionar esse problema, Cláudia criou nessa lateral, um grande armário em cinza claro. Com cerca de 6 metros de comprimento, o painel cumpriu a importante missão de esconder os medidores. “Eliminei o aspecto óbvio do armário, mas mantendo sua antiga função. Criei painéis com iluminação indireta, dando uma solução funcional e decorativa”, fala Cláudia. Quem passa ao lado do painel, nem nota que se trata de um armário. No mesmo prédio, Cláudia também reformou o consultório do urologista Dr. João Batista. Com tons mais escuros, o espaço ganhou um ar mais masculino (maior parte dos pacientes do médico) e quebrou o padrão dos tons claros em ambientes de saúde. Os armários em tom de preto servem tanto para expor o acervo de livros do médico, quanto para acomodar a área do cafezinho. Fitas de LED valorizam a mobília. Na parte de baixo do móvel, há vários armários que acomodam impressora, medicamentos e itens de uso do médico.

Cláudia Augusta pontua como é importante entender sobre as sensações que se deseja provocar no público do negócio para projetar ambientes capazes de conectar o cliente com a empresa

O mobiliário tanto da recepção, quanto do consultório e da área de exames foram executados pela Criare. “A maca foi feita sob medida pra atender à ergonomia do paciente e às necessidades do médico. Embaixo da maca, há gavetas”, explica Cláudia. Na área de exames, um painel e uma porta de réguas verticais foram planejados para dar mais privacidade a quem está sendo examinado e, ao mesmo tempo, permite a circulação de ar no recinto através das ripas.

@criaremacae | www.criare.com Av. Nossa Srª da Glória, 3025 - Cavaleiros Macaé/RJ | Tel.: 22 2773.6100

15


16


17


PESSOAS & NEGÓCIOS

Escola Canadense de Macaé ampliou a estrutura física com o sistema de construção Steel Frame, mais sustentável por gerar menos resíduos

MAPLE BEAR

CANADIAN SCHOOL

C

Por: Juliana Carvalho / Fotos: Alle Tavares

umprir com o seu papel na formação de um ser humano mais consciente de suas responsabilidades dentro da sociedade, de maneira ampla, é algo que a Maple Bear faz desde a sua chegada a Macaé, em 2007. Agora, a escola dá mais uma prova de que pensar no futuro de seus alunos vai muito além de oferecer um ensino bilíngue de qualidade. A unidade ampliou a sua estrutura física, tendo como parâmetro, princípios de sustentabilidade utilizados no sistema de construção civil Stheel Frame. A obra criou novas salas de aula, laboratório, banheiros, espaços de recreação e multiuso, além da implantação de painéis para captação de energia solar e ampliação do sistema de reservatório e reutilização da água de chuva. A ampliação foi executada e o grande objetivo, segundo os diretores Roberta e João Araujo, foi planejar uma estrutura sustentável que utilizasse com consciência os recursos naturais, como a água e a energia. “Acreditamos que a instituição de ensino é o local certo para disseminarmos conceitos e atitudes capazes de privilegiar a sustentabilidade. Aqui na Maple Bear, desde o início, desenvolvemos muitas atividades, tendo o cuidado com o meio ambiente como evidência, estimulando nossos alunos a estarem engajados com essas questões”, afirma Roberta Araujo, diretora-geral da Maple Bear Macaé.

18

O espaço interno da Maple Bear foi ampliado, com a preocupação da sustentabilidade, como a iluminação natural, fruto de uma grande claraboia


A escola disponibilizou, recentemente, o Ensino Fundamental II, também bilíngue, atendendo uma necessidade dos pais de fortalecer a língua inglesa também na adolescência O laboratório de Ciências do Ensino Fundamental II foi uma das novidades geradas pela ampliação da escola

Em um belo dia de sol na Praia do Pecado, as crianças se divertiram bastante, participando das provas com um lindo cenário ao fundo

Foram criados espaços de recreação e convivência para proporcionar um maior bem-estar e integração aos alunos nos períodos livres

No processo de reformulação da escola para ser mais sustentável, foram instalados painéis para captação da energia solar e foi feita a ampliação do sistema de captação da água da chuva

Optar por esse sistema de construção trouxe benefícios, ainda, por ser mais rápido e eficiente, com poucos resíduos a serem descartados, trazendo ainda menos impacto para o dia a dia dos alunos durante a sua realização. A nova estrutura atendeu à demanda de crescimento da escola que, desde 2017, passou a oferecer o Ensino Fundamental II. “Aliar crescimento e sustentabilidade é fundamental. Aqui na escola, nós temos uma horta onde as crianças realizam atividades de e horticultura e Cooking Class, todas orientadas por uma nutricionista. O que é produzido neste espaço, ainda é aproveitado pela empresa terceirizada responsável pela produção da alimentação dos alunos”, ressalta Roberta.

A Maple Bear é referência no ensino bilíngue, atuando em 17 países, com a metodologia canadense. Ao todo são 400 escolas, sendo 200 unidades no Brasil. Em Macaé, a instituição está há 12 anos como pioneira na cidade na educação acadêmica em duas línguas, a partir da imersão completa no idioma. A instituição disponibiliza turmas da Educação Infantil ao Ensino Fundamental II.

Rua José Vicente Soriano de Oliveira, 175 - Novo Cavaleiros - Macaé/RJ Tel: (22) 2765-4729 - www.maplebear.com.br

19


PESSOAS & NEGÓCIOS

Marcas da loja, na Praia Campista, abraçam o novo comportamento feminino de querer usar roupas que passem a sensação de bem-estar em qualquer ocasião

TREINO DE MENINA

Nathalie Longobardi valoriza as peças fitness modernas, confortáveis e com informação de moda Para Renata Rossi as roupas da Treino de Menina são lindas, tanto pra malhar quanto para o dia a dia

A

Por: Leila Pinho / Fotos: Alle Tavares

mulher moderna sabe da importância do exercício físico para a saúde e a autoestima e, mesmo com uma vida muito atribulada, reserva um tempinho para se movimentar. Segundo explica a consultora de moda Elisa Heluany, o conceito de bem-estar é uma macrotendência dos últimos anos. “A moda reflete esse movimento nas redes sociais, nas ruas e nas passarelas. Há algum tempo, estamos acompanhando a tendência do Athleisure (athletic + leisure), que traz o conforto das roupas de atividade física para o look do dia, com informação de moda. O mood esportivo se torna um estilo de vida e não apenas um nicho da moda como conhecíamos”, ressalta Elisa. Não à toa, é possível ver nas ruas de Macaé várias mulheres antenadas com essa tendência, usando peças fitness em situações diversas do dia a dia e não somente nas academias. “Hoje, a mulher quer ter liberdade e voz, usar tênis aonde ela quiser e isso também está ligado a essa tendência, que fez com que essa roupa que antes era só de atividade física invadisse a rua, porque essa mulher quer ter essa sensação de bem-estar, em qualquer ocasião”, pontua a consultora de moda. Proprietária da loja Treino de Menina, na Praia Campista, Lorenna Torquato Barbetto explica como as marcas da loja (Let’s Gym, Legbox e BRO Fitwear) abraçam esse novo comportamento da mulher, atendendo às necessidades de quem deseja malhar bonita e confortável, e quem quer uma peça confortável, com informação de moda, para sair ou até para o trabalho, por exemplo. “Uma calça flare da BRO Fitwear dá pra usar tanto pra malhar quanto pro trabalho. Uma calça jogger, você pode usar pra caminhar e pode também usar no dia a dia com um tênis. Uma t-shirt vale tanto pra academia quanto pro dia a dia”, exemplifica Lorenna. Elisa dá uma dica primordial para as mulheres sobre identificação de estilo. “A resposta é autoconhecimento. É importante se conhecer para transmitir o que você é de verdade”, orienta. Representante Exclusiva das marcas:

Av. Atlântica, 1160 - Loja 3 - Cavaleiros - Macaé/RJ Tel.: 22 99811-1432 @treinodemenina

20

Elisa Heluany explica como a macrotendência de bem-estar se reflete na moda fitness

Daniele da Costa se sente muito à vontade com as roupas da loja para o fitness e o casual


21


PESSOAS & NEGÓCIOS

BRK Ambiental abre suas portas para mostrar que educação ambiental se aprende desde pequeno

No Programa Portas Abertas, as crianças visitam a Estação de Tratamento de Esgoto Mutum, em Macaé

BRK AMBIENTAL MOSTRA QUE SANEAMENTO É COISA DE CRIANÇA

T

Por: Carlos Vinícius Fernandes / Assessoria BRK Ambiental

22

ão importante quanto o conhecimento em Português, Matemática e todas as matérias da grade curricular de ensino, temas como meio ambiente e saúde também devem estar presentes no dia a dia desde os primeiros anos escolares. Afinal, para formar adultos mais conscientes de seu papel como cidadãos, é fundamental que este conhecimento seja trabalhado desde a infância. Por isso, muito além dos serviços prestados em Macaé para implantação e manutenção do sistema de esgotamento sanitário, a BRK busca deixar um outro legado com suas ações socioambientais: a conscientização sobre a importância do saneamento na transformação da vida das pessoas. Para isso, a empresa abre as suas portas aos estudantes e faz de suas dependências e de seus programas verdadeiras extensões da sala de aula. No caso dos pequenos do primeiro segmento do Ensino Fundamental, o aprendizado sobre o tema é lúdico, com direito a apresentação especial e jogos como a “Corrida do Meio Ambiente” e o jogo da memória “Vilões do Esgoto”,

Thainá Araújo foi a autora da melhor redação do concurso “Colorindo o Futuro” de 2018

onde interagem com curiosos personagens como “Bete Cotonete”, “Bolinha Óleo de Cozinha”, “Durval Fio Dental” e “João Algodão”. Já os estudantes dos demais níveis de ensino têm disponível o programa “Portas Abertas”, que conta com palestras e promove visitas à Estação de Tratamento. Desta forma, eles conhecem mais sobre a operação do sistema de esgotamento sanitário e acompanham de perto a atuação da BRK Ambiental no processo de coleta e tratamento de esgoto. “Temos um papel muito importante no processo de educação ambiental, em especial, das futuras gerações. Esses esforços nos ajudam a levantar a bandeira sobre a importância do saneamento básico, pois crianças e adolescentes mais conscientes são multiplicadores de informações essenciais”, destaca Sérgio Trentini, diretor da BRK Ambiental Unidade Macaé. Para saber mais sobre os programas e agendá-los, as escolas interessadas podem entrar em contato com a BRK Ambiental pelo telefone (22) 99878-0023 ou pelo e-mail plantaosocialmacae@brkambiental.com.br.


Maurício Rocha (SECOM Rio das Ostras)

O Projeto Vilões do Esgoto, em Rio das Ostras, ensina de maneira divertida a cuidar do meio ambiente

Os participantes da última edição do concurso Colorindo o Futuro receberam certificados

Transformando vidas

Entre os programas realizados ao longo do ano, um dos destaques na área socioambiental da BRK Ambiental é o concurso “Colorindo o Futuro”. Apesar de ser uma saudável competição com prêmios para os mais bem colocados nas categorias “Desenho” e “Redação”, a intenção é mostrar a importância do saneamento na qualidade de vida e na preservação do meio ambiente. “Através das leituras e pesquisas que eu fiz, enxerguei a importância do saneamento e a necessidade da população colaborar para que a coleta e o tratamento funcionem. Participar do concurso me tornou mais consciente – lembra a autora da melhor redação de 2018, Thainá Araújo dos Santos. De acordo com a coordenadora de Educação Ambiental da Secretaria Municipal de Educação, Rosemere Novaes, esse é o melhor resultado que se pode alcançar: “Com a educação ambiental, plantamos a semente da responsabilidade em cada criança para que sejam adultos conscientes de seu papel no planeta. E mostramos que um mundo sustentável é fundamental para uma vida saudável no futuro”, pontua. Com o tema “Como o saneamento transforma a minha cidade?”, em 2019 o “Colorindo o Futuro” vai contar com crianças de 16 escolas da rede municipal. Os resultados serão conhecidos em uma confraternização realizada em novembro. E a dica de campeã é a seguinte: “Busquem informações e se dediquem. E, além de desenhar ou escrever sobre o tema, levem esse conhecimento para a vida”, aconselha Thainá.

23


PESSOAS & NEGÓCIOS

Serviço de curativos está em expansão e a cidade já conta com a tecnologia com pressão negativa, a mais moderna que existe

O veterinário Alexandre Augusto é diabético e precisou amputar uma parte do pé após um acidente de trabalho. Ele percebe a evolução com o tratamento, que favorece a cicatrização

OXIGÊNIO HIPERBÁRICO

A NOVA UNIDADE DA O2HM COMPLETA 1 ANO E É REFERÊNCIA EM MACAÉ

A

Por: Tathiana Campolina / Fotos: Alle Tavares

24

nova clínica Oxigênio Hiperbárico de Macaé (O2HM) completa um ano em outubro. O setor de ambulatório de curativos é referência no município e está em expansão. A clínica oferece o que há de mais moderno em curativos, a tecnologia com pressão negativa, que acelera a cicatrização, além da laserterapia e a terapia com oxigênio hiperbárico. “A tecnologia com pressão negativa é a mais avançada que existe para curativos cutâneos. Nestes casos, conectamos um aparelho ao paciente, que faz uma pressão localizada e controlada, o que acelera a cicatrização”, explica Cristina Lourenço Brito, enfermeira responsável pelo setor. A enfermeira Vânia Maria Rocha destaca que o objetivo do trabalho é tratar a lesão do paciente e salienta a importância dos tratamentos complementares. “Aqui, nós também trabalhamos a prevenção. O paciente e a família passam por uma consulta de enfermagem, onde orientamos, esclarecemos dúvidas e salientamos a importância do autoexame, principalmente, para os pacientes com pé diabético, onde qualquer lesão mínima pode ser preocupante”, ressalta. Cristina conta que o número de amputações de pacientes diabéticos ainda é grande. “Anatomicamente, o pé diabético fica diferente e a distribuição da pressão no pé acaba abrindo a ferida. O mais preocupante é que o paciente não sente e só vai perceber quando a ferida está aberta”, conta.

As enfermeiras Vânia Maria e Cristina Brito são responsáveis pelas avaliações e pelos tratamentos dos pacientes na O2HM

Para auxiliar ainda mais esses pacientes, a clínica oferece o serviço de podologia, com a profissional Érica Dias Azevedo. O veterinário Alexandre Augusto Gomes de Oliveira é diabético e precisou amputar uma parte do pé após um acidente de trabalho. Ele destaca o atendimento da clínica. “Tenho convicção da importância de um curativo bem feito. Em casa, a gente não sabe fazer e nem avaliar como está o processo de cicatrização. Consigo ver a evolução do tratamento e é muito válido”, reforça. Através de uma parceria entre a clínica e a Orthocampos, que oferece serviços especializados em próteses, órteses e palmilhas ortopédicas, Alexandre encomendou uma bota e um sapato especial para usar e evitar outras lesões. A Orthocampos faz tudo adaptado para o paciente, a fim de evitar recidivas das lesões. “A tendência é a cicatrização ser mais rápida com o uso da bota, além de evitar lesões futuras. Eles vieram, fizeram a medida e, com certeza, vai melhorar a minha qualidade de vida”, frisa o veterinário. CENTRO Rua Dr. Júlio Olivier, 346 - Sala A IMBETIBA Rua Dr. Bueno, 627 Tel. 22 2759-9082 / 99104-3406 E-mail: oxigenoterapia@yahoo.com.br


25


PESSOAS & NEGÓCIOS

Poliana Werneck aprovou o atendimento e a localização da Nane Kids, nos Cavaleiros

Loja multimarcas infantil inaugura no Macaé Mall, nos Cavaleiros, oferecendo variedade para crianças de 0 a 6 anos

A proprietária Ariane Medeiros explica que a loja vende roupas, brinquedos, acessórios e até enxoval para recém-nascidos

NANE KIDS, A MODA PARA OS PEQUENOS

N 26

Por: Leila Pinho / Fotos: Alle Tavares

o finalzinho de julho, o bairro Cavaleiros ganhou uma loja infantil diferente, a Nane Kids, que fica no Macaé Mall, na Rua Joaquim da Silva Murteira, 43. A loja é um ponto de encontro para mamães, familiares e amigos de crianças entre 0 e 6 anos e comercializa várias marcas de qualidade como: Brandili, Mundi, Momi, Carter’s, Cantarola, Ogochi (só pra meninos), Camu Camu, entre outras.

Para Josilene Vitoriano, a qualidade dos produtos é um ponto forte da multimarcas

Segundo explica a proprietária, Ariane B. Medeiros, a loja é a realização de um sonho e todo o serviço de atendimento e venda é direcionado para acolher os consumidores. “Nosso ambiente é agradável, acolhedor e nosso atendimento está sendo muito elogiado”, fala Ariane, que conta, às vezes, com o apoio da filha Jullia na loja. O ponto é excelente não só para quem tem filhos, mas também para quem deseja presentear outras crianças, como é o caso da Elisangela Adario. Ela é cliente da loja e já presentou sobrinhos e filhos de amigas. “A variedade é incrível. Tem muita coisa diferente. Eu não achava Carter’s em Macaé e aqui tem”, fala Elis. As marcas selecionadas pela loja prezam pelo conforto da criança, liberdade


O atendimento da Nane Kids está sendo muito elogiado. A vendedora Neiva atende com atenção e gentileza às necessidades de cada cliente Elisangela Adario elogia a variedade de peças da loja. Ela adorou saber que a Nane Kids vende Carter’s

Para quem busca opções de presente, a Nane Kids oferece muitos itens diferentes

Roberta Verly e o filho Gustavo amaram a loja. Ela comprou camisas sociais da Ogochi

de movimentos e durabilidade. “Temos itens diversificados, tudo bem conectado com a moda infantil. Aqui, você encontra roupas pra menino que quer algo mais descolado ou no estilo arrumadinho, tem look de blogueirinha e atendemos a todos os estilos”, ressalta Ariane. A galocha transparente é um exemplo de calçado infantil que está na moda e a Nane Kids vende. Além de roupas, a loja também tem brinquedos, acessórios, enxoval e itens pra recém-nascidos, etc. O comércio tem ainda espaço para os artesanais, como os bichinhos de crochê que estão sendo muito procurados, kit berço, entre outros. A comunicadora Poliana Werneck de Oliveira elogia a localização e o atendimento. “A loja trabalha com marcas conhecidas, com produtos diferenciados e um preço justo. Tive a oportunidade de conhecer a loja e fiquei surpresa com o ótimo atendimento da Ariane e da Neiva”, conta Poliana. Roberta Verly tem um filho de 4 anos, o Gustavo, e amou a loja. “Tem muita variedade em marcas e o atendimento é excelente. Eu comprei blusas sociais para meninos da marca Ogochi”, conta.

A engenheira de produção Josilene Vitoriano aprovou a qualidade dos produtos e o atendimento. “Você olha para os produtos e simplesmente tem vontade de comprar tudo. E o melhor é que a loja dispõe de produtos para todos os consumidores, desde aquela pessoa que não quer gastar muito, até aquela sem limites”, comenta.

Programa Zupy de vantagens

A Nane Kids conta com um programa de vantagens que é o Zupy. O cliente faz um cadastro e, a cada R$ 1 em compras, ele ganha um ponto. Ariane explica que o acúmulo de pontos vai proporcionar aos clientes não um desconto, como comumente é feito no comércio, mas sim experiências diferentes para o público infantil. “Sobre as experiências, isso é segredo, mas prometo que as mães e as crianças vão se surpreender e adorar”, fala.

MACAÉ MALL Rua Joaquim da Silva Murteira, 43 Loja 5 - Cavaleiros - Macaé/RJ Tels. Whatsapp: 22 99902-4545 / 22 99902-3737 /nanekidsmacae @nanekidsoficial

27


PESSOAS & NEGÓCIOS

A tradição da educação salesiana unida às metodologias inovadoras é a escolha de famílias que buscam a formação integral de crianças, jovens e adultos

Dr. Felipe Bernardes na companhia dos filhos Lucas (à esquerda), Davi (à direita) e da esposa Kátia Rosolen

COLÉGIO CASTELO EXCELÊNCIA E TRADIÇÃO EM EDUCAÇÃO

A

Por: Moira Paula / Fotos: Paolla Itagiba

importância de uma formação integral que une inovação, valores humanos e metodologias educativas fomentam o pensamento crítico e desenvolvem habilidades e competências que promovem o protagonismo da juventude. O Instituto Nossa Senhora da Glória – INSG/Castelo, ao longo de mais de cinco décadas, é a escolha de muitas famílias que desejam uma educação de excelência. E justamente por razão dessa qualidade de ensino, a família do endocrinologista Felipe Bernardes da Costa de Oliveira e da médica do trabalho Kátia Rosolen optou pela formação salesiana e, posteriormente, privilegiar a mesma educação aos filhos Davi e Lucas Rosolen Bernardes (alunos do Maternal III e do 6º ano). “Desde pequeno, eu tive vontade de estudar no Castelo. Sou tetraneto do Visconde de Araújo que construiu o Solar Monte Elísio há 150 anos, para a residência da família. E, a partir das histórias da minha avó, Maria José, sempre tive a curiosidade de viver as experiências que ela me apresentava. Ao ouvir e ver recortes e fotos, criei uma relação de carinho com o colégio, não só pela história da minha família, mas também pela edificação

28

e pelo ensino. Minha mãe estudou e se formou no Castelo. Além disso, meus pais casaram-se na Capela do Colégio. Quando tive a oportunidade, cursei todo o Ensino Médio lá. Me formei e logo consegui entrar para a faculdade de medicina com 17 anos, fruto da formação integral que pude ter. O carinho pelo Castelo se mantém até hoje, pois é uma escola onde a maioria das relações de amizade duram para toda a vida e onde a formação humana é algo tratado com muita responsabilidade pelas irmãs”, revela Dr. Felipe, seguido da esposa Kátia. “Sempre houve a intenção de oferecer aos nossos filhos a vida escolar no Castelo pela identificação com a educação salesiana, pela admiração pelo espaço, onde apesar de ser uma estrutura grande, há um cuidado individualizado com cada aluno e que faz com que nos sintamos em casa”, frisa Kátia, completando que a questão dos valores cristãos também foi um ponto de escolha pela escola. O Colégio Castelo oferta educação do Maternal à Pós-graduação em uma estrutura com mais de 13.841m², que pode ser conhecida pelo insgmacae.com.br/360.

Av. Santos Moreira, n° 445 Miramar - Macaé/RJ www.insgmacae.com.br salesianamacae @insgcastelo Telefone: 22 2791-9500


29


PESSOAS & NEGÓCIOS

O CFE conta com dois campos de futebol society, um para treino de goleiros e estrutura completa para crianças e adolescentes praticarem o esporte

CFE - CLAYTON FUTEBOL ESCOLA

Q

Por: Leila Pinho / Fotos: Alle Tavares

30

uem acompanhou o início do CFE (Clayton Futebol Escola), em 2013, quando as aulas eram dadas na praia, se impressiona com o crescimento e a evolução da escola, que hoje é uma referência de esporte educacional em Macaé. Localizado na Granja dos Cavaleiros, o CFE atende mais de 400 alunos, entre meninos e meninas, conta com dois campos de futebol society, um campo para treino de goleiros e atende o público infantojuvenil de 2 a 17 anos. Segundo explica o professor Clayton Moraes, a escola pratica a educação esportiva com base em cinco princípio: inclusão, diversidade, construção coletiva, educação integral e autonomia. “A nossa escola inclui, a gente traz a criança para a prática esportiva. O nosso foco é desenvolver atletas. Trabalhamos com planejamento e todas as aulas são dinâmicas. Todo dia tem treino diferente”, pontua Clayton. O CFE é a única escola de futebol da região licenciada a aplicar o Método Vi-Va. O método foi desenvolvido pelo Dr. Luiz Roberto Rigolin da Silva para combater o analfabetismo motor, um problema causado pelo uso excessivo da tecnologia, o sedentarismo, entre outras coisas. Alguns clubes nacionais adotaram o Método Vi-Va nas suas escolinhas de futebol, como o Ceará Sporting Club e o Esporte Clube Bahia. “Nós temos uma metodologia própria de ensino, que unimos ao sistema do Vi-Va para proporcionar mais qualidade aos nossos alunos”, ressalta a diretora executiva Catarina Franco. Todos os professores do CFE são profissionais de educação física, registrados pelo CREF1. Além disso, o professor Clayton é licenciado pela CBF Academy (licenças B e C), escola da CBF que forma treinadores de futebol. As novidades mais recentes da escola mostram como a empresa está compromissada com os alunos e suas famílias. Em setembro, o CFE abriu turmas de iniciação esportiva a partir de 2 anos (os pais pediam por isso) e a escola está planejando uma reforma física para construir uma nova sede administrativa mais ampla e confortável. Os filhos da engenheira civil Melissa Motta Cortat, Victor, de 9 anos, e Henrique, de 8, estudam no CFE e amam a escola. “As crianças aprendem

Gerido por Clayton e Catarina, o CFE atende mais de 400 alunos entre 2 e 17 anos

Victor e Henrique, filhos de Melissa Cortat, adoram o CFE e sempre participam dos campeonatos da escola


Toda a equipe de professores e estagiários do CFE é capacitada pelo método Vi-Va. Da esquerda para a direita: Clayton, Catarina, Adriana, Rafael, José Eduardo, Leonardo e Ricardo Fernanda e o marido Igor Alves valorizam a seriedade do trabalho do CFE e, por isso, matricularam o pequeno Davi no Projeto Vi-Va Kids Arquivo

JOGO

A escola desenvolve atletas e também trabalha princípios como visão coletiva e inclusão, realizando campeonatos internos que envolvem as crianças e os pais Arquivo

O professor Clayton é licenciado pela CBF Academy, a escola que forma treinadores de futebol. O projeto social do CFE engloba 40 alunos carentes de Macaé

técnica, respeito, ética, buscam desenvolver a empatia e, acima de tudo, eles têm um cuidado especial com cada aluno. Clayton e sua equipe conhecem, individualmente, o desempenho de cada aluno”, diz Melissa. A médica Fernanda Del Valle Castro Alves matriculou o filho Davi, de 2 anos, no projeto Vi-Va Kids, recém-lançado pelo CFE. “Entendemos o compromisso, a responsabilidade e a seriedade de todo o trabalho desenvolvido na escola. Muito além de ensinar futebol, a escola ensina valores como união, compreensão, amizade, virtudes que para nossa família são essenciais”, fala Fernanda.

Projeto Social

O CFE mantém um projeto social com a parceria de apoiadores, colaborando com a educação esportiva de 40 alunos carentes no município. Os irmãos Samuel e Davi Ferreira Brito são dois dos alunos do projeto. A mãe deles, Joana Paula Ferreira Brito, admira o trabalho do CFE. Ela conta que os meninos estão mais focados nos estudos, porque o CFE requisita o boletim escolar e incentiva os alunos a estudarem. “Quando eu conheci a escola, me surpreendi. Fiquei apaixonada pela didática deles, a maneira que eles pensam a respeito do futebol me impressionou. Vi que a escola é séria, que ela não forma jogadores apenas, mas sim, cidadãos”, ressalta Joana.

Alameda da Lagoa, 110 - Granja dos Cavaleiros Tel: 22 2765-7256 / 22 99824-5764 @Claytonfutebolescola

O CFE tem um planejamento de aulas dinâmicas, assim cada treino é diferente do outro

Joana, mãe de Samuel e Davi, observou que depois de entrar no CFE, os meninos ficaram mais focados no estudo

31


PESSOAS & NEGÓCIOS

A equipe de profissionais da Mentale foi preparada para atender os pacientes de forma humanizada

Centro de Saúde Mental é representante regional de novos tratamentos e apresenta novidades

Dra. Sheila Oliveira, diretora técnica da Mentale, diz que o teste farmacogenético consegue identificar o medicamento ideal para o traramento de cada paciente

MENTALE

OFERECE ESTIMULAÇÃO TRANSCRANIANA E TESTE FARMACOGENÉTICO

C

Por: Renatta Viana / Fotos: Alle Tavares

om um novo conceito de atendimento médico, a Mentale – Centro de Saúde Mental oferece aos pacientes o que há de mais moderno em tratamentos de diversas especialidades médicas e de saúde, com foco em atendimento humanizado. Além das áreas já conhecidas: psiquiatria, geriatria, dermatologia, clínica médica, psicologia (individual e terapia de grupo), nutrição, terapia ocupacional, tratamento para dependência química, fonoaudiologia, fisioterapia e reabilitação, agora a clínica oferece Estimulação Transcraniana e Teste Farmacogenético. Segundo a diretora técnica da Mentale, Sheila Oliveira, o centro é representante regional do que há de mais moderno e eficaz no tratamento da saúde mental. “O Teste Farmacogenético é indicado para todas as pessoas que iniciarão um tratamento medicamentoso ou aquelas que apresentam ineficiência e/ou efeitos colaterais aos medicamentos já prescritos”, explica a psiquiatra. São avaliados 26 genes de nova geração e 79 medicamentos para o sistema nervoso central. A composição dos genes de cada pessoa é diferente e isso faz com que um mesmo medicamento provoque reações diferentes em cada uma delas. Assim, a avaliação genética permite que os pacientes sejam vistos individualmente, tornando o tratamento mais rápido, seguro e eficaz. De forma mais simples, depois do diagnóstico de um transtorno psiquiátrico, o médico vai escolher o melhor remédio dentre os disponíveis no mercado, baseado em sua experiência ou na resposta que o paciente teve ao uso de medicamentos no passado. O método é de tentativa e erro, porém, o teste vai mostrar quais são os melhores medicamentos para determinado paciente e, com isso, se inicia o uso do remédio

32

A Clínica Mentale fica na Imbetiba e oferece aos pacientes o que há de mais moderno em saúde mental

que, geneticamente, está evidenciado que vai trazer resultados de forma mais rápida. A partir de então, se tem uma lista de medicamentos que são os que mais apresentarão bons resultados no paciente. A farmacogenética estuda como as diferenças genéticas entre as pessoas pode afetar a resposta às medicações. “Essa tecnologia é recente no Brasil e é feita por meio de coleta de material com swab no interior da bochecha. Dentro desse DNA, se consegue rastrear particularidades que vão prever o sucesso da medicação”, explica Dra. Sheila. Já a Estimulação Transcraniana, é um tratamento que pode ser utilizado sozinho ou com medicamentos para tratamento da dor crônica (fibromialgia), depressão, transtorno bipolar, pós AVC (reabilitação), Parkinson, transtornos alimentares (obesidade), ansiedade, TOC, entre outros. Através de alta tecnologia, pontos cerebrais são estimulados por aparelho, de forma indolor, em sessões diárias que duram em média 20 minutos, possibilitando tanto o tratamento complementar, quanto tratamento não medicamentoso para diversas doenças. Ainda este ano, a clínica contará com novidades na área de massoterapia e terapias com foco em relaxamento, além de pilates adaptado para deficientes, idosos, pessoas em tratamento psiquiátrico, pilates baby com a participação da mãe, RPG e diversos testes psicológicos. Rua 29 de julho, 34 Imbetiba - Macaé/RJ Tel: 22-2142-0941 / 2772-2059 www.mentalemacae.com.br @macaementale


33


PESSOAS & NEGÓCIOS

Unidade Cavaleiros da clínica possui atendimento totalmente digital e equipamentos modernos

Os três sócios proprietários Cintia Locks, Lissa Arrais e Eduardo Puget investiram na nova unidade, nos Cavaleiros

ORAL RAD CAVALEIROS

A

Por: Renatta Viana / Fotos: Alle Tavares

Oral Rad conta agora com uma nova unidade nos Cavaleiros. Inaugurada em agosto, apresenta uma identidade sofisticada, clean, com ambiente amplo, aconchegante e confortável, desenvolvido e projetado para atender os pacientes e profissionais de odontologia em suas necessidades na área de diagnóstico por imagem oral. Sócios proprietários da nova unidade, Eduardo Puget, Lissa Arrais e Cintia Locks estão empenhados em oferecer o que há de mais moderno no setor para seus clientes, como: tomografia computadorizada; escaneamento intraoral; escaneamento de moldes e modelos; radiografias panorâmica, periapical, interproximal, oclusal e ATM; técnica de localização (corpo estranho, raiz, dente incluso), telerradiografia perfil e PA; análises e traçados cefalométricos; traçado para implante, fotografias intra e extra-orais. Dr. Eduardo fala sobre um dos equipamentos da nova clínica, o Scanner Intraoral (Itero), que faz imagens em 3D que, em alguns minutos, copia os dentes e estruturas adjacentes de forma precisa, rápida e confortável. Essa nova tecnologia substitui a antiga e desconfortável moldagem. Dra. Cintia ressalta a modernidade e a tecnologia de ponta do tomógrafo da Oral Rad. “Por meio dele, temos acesso a um detalhamento melhor da imagem digital, por ser um equipamento HD”. A visualização de cada detalhe faz toda a diferença e ajuda no

34

Dr. Eduardo Puget trabalha na tomografias computadorizadas antes de disponibilizar os laudos, que agora são digitais, para os pacientes

Os pacientes têm acesso a equipamentos de ponta e tudo que há de mais moderno em radiologia oral


Vários dentistas e amigos foram conhecer de perto as novas instalações e celebrar a inauguração da clínica Arquivo

Várias profissionais da área de odontologia da cidade prestigiaram a inauguração da unidade Cavaleiros da Oral Rad

Dr. Maurício Araújo, da MaxClin, aprovou as novas instalações e falou sobre sua satisfação em ser cliente da Oral Rad

Com equipamento de alta precisão, os profissionais de odontologia podem obter detalhamento perfeito da imagem

diagnóstico mais preciso. Além disso, por nossa clínica ser totalmente digital, os nossos clientes têm acesso aos seus exames a qualquer hora ou lugar. Todo o acesso é feito via navegador de internet, onde os exames são disponibilizados no consultório virtual com apenas um clique”, destaca. A equipe participou recentemente do 11º Congresso da Associação Brasileira de Radiologia Odontológica, o CONABRO, que teve como destaque a introdução da Inteligência Artificial na radiologia. Segundo Dra. Lissa, a experiência mostrou que, numa clínica de diagnóstico por imagem, a tecnologia está presente em todas as etapas do dia a dia, e com a inteligência artificial há redução do lead time (que é o tempo total desde que recebemos o paciente, até o momento em que o dentista recebe o exame em mãos). “Trazemos o que há de mais atual e melhor, oferecendo um serviço de qualidade e prontidão ao nosso cliente”, fala Lissa. Dra. Germana Medeiros, proprietária da Clínica Etos e da Clínica EmagreSee, foi uma das convidadas para a inauguração e falou sobre o que mais a impressiona na clínica. “A Oral Rad abraçou Macaé com muito carinho e dedicação. Funcionários altamente capacitados, atendimento personalizado e as melhores tecnologias do mercado. E agora nos Cavaleiros, com o acesso ainda mais fácil para quem quer fugir do trânsito do Centro. A inauguração foi um momento único, quando grandes amigos de profissão se reuniram para celebrar a novidade, relembrar momentos e compartilhar experiências. Desejo muito sucesso a toda a equipe”, diz Germana.

Proprietário da MaxClin, Dr. Maurício Araújo prioriza os pedidos de exame pela qualidade da imagem e dos equipamentos que a empresa trabalha, porque é um facilitador no diagnóstico do paciente para definir o tratamento. “O envio digital é um grande ganho, já que o dentista e o paciente recebem o exame por e-mail. Os pacientes sempre nos dão um feedback positivo da Oral Rad por causa da agilidade, dos atendimentos rápidos, fidelizando com a clínica de radiologia. Um trabalho muito bacana, porque há atenção com os dois ‘clientes’, que são o paciente e o dentista. Ambos necessitam de um bom atendimento”, conclui Maurício.

CENTRO Rua Silva Jardim, 33 - Salas 103/104 - Macaé/RJ Tel.: 22 2770-5111 / 22 2793-0905 / 22 99747-0467 CAVALEIROS Av. Nossa Sª da Glória, 1895 - Macaé/RJ Tel.: 22 2021-2858 / 22 99963-2858 www.oralrad.com.br @oralrad

35


PESSOAS & NEGÓCIOS

A clínica Famille é uma fábrica de sorrisos...

CLÍNICA FAMILLE

A

Dra. Thyane Portugal em mais uma especialização nos Estados Unidos. Ela é a principal representante Invisalign em Macaé O Invisalign First foca crianças entre 6 e 10 anos

Por: Leo Fonseca / Fotos: divulgação

clínica Famille é um ambiente especial. Percebe-se facilmente que foi planejada com muito carinho para surpreender os pacientes através de um atendimento humanizado em diversas especialidades da odontologia.

Dra. Thyane Portugal

Além de ser responsável pela clínica Famille, uma das mais belas da cidade, Dra. Thyane Portugal é, hoje, autoridade máxima em Invisalign, que é, sem dúvidas, o recurso mais moderno e tecnológico da ortodontia atual. Frequentar cursos, congressos e workshops no exterior, além da experiência acumulada em 23 anos de profissão, são as razões para que Dra. Thyane seja reconhecida pela Invisalign como única profissional Top Doctor Diamond da região. Pra quem ainda não conhece essa incrível tecnologia, o Invisalign é um tratamento ortodôntico que se utiliza de placas sequenciais removíveis e transparentes, capazes de reposicionar os dentes passo a passo, conseguindo através de um planejamento eficiente, obter um sorriso perfeito em um prazo muito mais reduzido que os aparelhos tradicionais. Dra. Thyane reforça que é impossível não se surpreender com os resultados, e que os “ferrinhos prateados” incomodando a boca, são coisa do passado. Ela recebe pacientes a partir de 6 anos, mas esclarece que o Invisalign é eficaz para qualquer idade. “O custo está cada vez mais acessível, sempre cabendo no bolso de quem quer ser feliz. Um sorriso perfeito não é um sonho, mas uma conquista ao alcance de todos”, ressalta a doutora.

Dra. Maria Cecília Barcelos

36

Saber lidar com crianças é um dom. Interpretar e interagir bem com esse universo tão misterioso e imprevisível é tarefa para poucos. Sem dúvida alguma, a odontopediatria é uma profissão que requer nível máximo dessa capacidade. Amar de verdade essa difícil especialidade é condição indispensável para gerar um atendimento de excelência. Dra. Maria Cecília Barcelos é uma profissional apaixonada pela atividade e logo cedo percebeu que escolheu a carreira perfeita, adequada à sua personalidade. A paciência e carinho que dispensa aos seus “pequenos” são comoventes, e depois de anos atuando ininterruptamente, pode-se afirmar que é uma das mais requisitadas profissionais da cidade. Atualmente atendendo na clínica Famille, Dra. Maria Cecília recomenda que a primeira visita deve ser feita logo no nascimento, para que os pais possam aprender a proteger ao máximo a saúde bucal do bebê. Já quando despontarem os primeiros

A simpatia da Dra. Maria Cecília sempre conquista os seus “pequenos” pacientes

dentinhos, a atenção deve ser redobrada. A partir daí, recomenda-se o retorno a cada seis meses, quando serão feitas as avaliações necessárias. É o período adequado para que qualquer início de cárie e/ou quaisquer outros problemas possam ser identificados e tratados mais facilmente. Esse acompanhamento ao longo de toda infância é fundamental para não só manter os dentes saudáveis, mas criar hábitos que serão importantes para o resto da vida. Rua da Igualdade, 766 Imbetiba - Macaé/RJ Tel. (22) 98814-0338 @clinicafamille


37


38


39


40


41


ESPAÇO TODESCHINI

Em dois projetos diferentes, a designer mostra como as cozinhas planejadas da Todeschini combinaram com o estilo de cada família

Com estilo mais urbano e industrial, os armários em tons amadeirados deram um contraste interessante com a pedra e os revestimentos mais escuros

LORENA CORREA by Todeschini

N

Por: Leila Pinho / Fotos: Alle Tavares

essa edição da Revista Divercidades, a experiente designer de interiores Lorena Correa apresenta dois projetos de cozinha, com estilos bem diferentes, e fala sobre como esse ambiente se tornou um dos mais requisitados da casa. “A cozinha agora é uma área de convívio e é pra muitas pessoas o xodó da casa. Antes, as cozinhas eram menores e isoladas, hoje, as cozinhas são abertas e integradas. Ninguém fica mais isolado cozinhando. E os móveis planejados ajudam muito a valorizar o cômodo, aproveitando bem todos os espaços”, fala Lorena. Cozinha urbana Na cozinha de um apartamento da Praia do Pecado, o perfil da família é completamente diferente. Os moradores gostam de ousar na decoração, curtem tecnologia e inovação, além de adorar receber os amigos. A cozinha tem um estilo bem urbano e industrial, sem deixar de ser acolhedora. Nos armários, predominam os tons de amadeirados e preto. Na parte superior, as portas espelhadas dão um toque de sofisticação. Os nichos amadeirados chamam a atenção dos olhares e, com objetos decorativos, a família mostra um pouco do seu estilo.

42

Cozinha moderna Já em um duplex, na Praia Campista, a designer fez um projeto de ampliação da cozinha. Para atender o estilo de vida dos moradores, que gostam muito de receber amigos e são bem práticos, a

Os armários espelhados dão um toque de sofisticação e os nichos valorizam os itens culinários que também são elementos decorativos

proposta foi de integração com a sala de jantar e estar e uma cozinha moderna e funcional. Os móveis planejados são em tons claros. Há muitos armários e gavetas, que facilitam o acesso aos utensílios. O ambiente tem ótimo espaço de circulação, o que confere uma sensação de leveza. Alguns nichos dão a possibilidade ao morador de


Nesta cozinha moderna, os nichos em tons amadeirados dão a possibilidade dos moradores personalizarem o ambiente com a decoração que mais gostam

O bar, que fica na sala de estar, tem um toque sofisticado e conversa bem com a cozinha dando apoio nos eventos da casa, com o planejado para acomodar vários tipos de copos e taças

usar o espaço para decorar. E o destaque do ambiente fica na torre de eletro, onde está o forno e a TV. “Fizemos um projeto pra encaixar a TV de frente para a mesa. Não atrapalha em nada o funcionamento do forno, é seguro e a moradora adorou essa solução”, comenta Lorena. O bar, que fica na sala de estar, também é um ponto alto deste projeto. Na parte de cima, o planejado contempla locais para acomodar os variados tipos de copos e taças, que além de ser funcional serve como decoração. Na parte de baixo, há uma adega climatizada e algumas gavetas espelhadas. O móvel confere leveza e sofisticação ao ambiente. @lorenagbcorrea / 22 99901-9433.

Silvana Azevedo, à esquerda, é cliente Todeschini há anos e aprovou o projeto de Lorena Correa de uma cozinha moderna, prática e com amplo espaço de circulação

Todeschini Macaé Av. Nossa Senhora da Glória, 689 Praia Campista • Tel: 22 2773-4200

43


ESPAÇO TODESCHINI

Espaço TODESCHINI Texto e fotos: Manuela Duarte

Consultório Dra. Germana Silvestri Em ambientes corporativos, o mobiliário precisa atender algumas características importantes, como versatilidade, resistência, conforto e beleza atemporal. Todas estas características ficam ainda mais evidentes quando falamos da área médica e, pensando nisso, a Todeschini oferece materiais e acabamentos de alta resistência e qualidade, além da beleza e praticidade nos projetos. Isso pode ser visto no projeto do consultório odontológico da Dra. Germana Silvestri, assinado pela arquiteta Lívia Melo. Nele, foi aplicada a lâmina Leblon como revestimento e nos mobiliários. O padrão Leblon, com seu tom amadeirado, contrasta muito bem com o tom claro da lâmina Ouro Branco aplicada no restante do local, trazendo um toque sofisticado e aconchegante, retirando assim aquela sensação de estar num ambiente frio e dando conforto e tranquilidade ao paciente.

A lâmina Leblon da Todechini foi usada como revestimento em contraste com lâmina Ouro Branco da mesa

A dentista Dra. Germana Silvestri tem muita praticidade em usar seu escritório integrado ao seu consultório

A recepção do consultório foi projetada para ser confortável e aconchegante aos pacientes

44

Todeschini Macaé Av. Nossa Senhora da Glória, 689 Praia Campista • Tel: 22 2773-4200

Detalhe dos armários em lâmina Ouro Branco


GLAM BY MUQUICI

by MARCELO MUQUICI VISITA À FÁBRICA TODESCHINI Visitei a fábrica da marca que tem como seu slogan o coração da casa e não podia ser diferente. Traz o aconchego que qualquer família necessita para sua casa ou empresa, auxiliando na criação dos meus projetos com personalização no âmbito da modernidade, design, tendência e credibilidade. SATISFAÇÃO DO CLIENTE • Linha de produção robótica com software que otimiza o processo de chapas, bordas polímeras, esquadro, furações, pintura com sete etapas de aplicação de tinta anulando possibilidade de erro e mantendo um alto padrão de acabamento; • Tecnologia que permite a aplicação de 4 mil opções de cores; • Uma empresa preocupada com a sustentabilidade, compromisso com o futuro das gerações. Por isso, nomeio a Todeschini como uma grande parceira nos meus projetos, com um controle de qualidade que ganha dimensões tão extensas, permitindo ao meu cliente ficar tranquilo e sossegado quanto ao material que chega em sua casa.

O estoque da fábrica da Todeschini impressiona pelo tamanho e pela capacidade de armanezar materiais pra entrega em todo o país

Todeschini Macaé Av. Nossa Senhora da Glória, 689 Praia Campista • Tel: 22 2773-4200

Só a diretoria. Da esquerda para a direita: Rodrigo Arenalles, Nereu Dilson Cozatti, Marcelo Muquici e Tulio Kcock

O show-room da fábrica apresenta vários ambientes com os últimos lançamentos da marca disponíveis para os clientes

Muquici em um momento de descontração na visita à fabrica da Todeschini

45


PESSOAS & NEGÓCIOS

Creche Escola celebra 10 anos de ensino com muito amor dedicado aos alunos

A equipe da gestão administrativa da Primeiros Passos. Da esquerda para a direita: Melissa, Maria de Lourdes, Dennys e, na sequência, a gestão pedagógica: Camilla, Júnia e Giselle

PRIMEIROS PASSOS

O

Por: Juliana Carvalho / Fotos: Alle Tavares

46

A Creche Escola Primeiros Passos é uma empresa familiar. Hellen Mendes (à direita) que contou com o apoio do saudoso pai Paulo Roberto, da mãe Maria de Lourdes e da irmã Melissa (à esquerda) para chegar aos 10 anos de sucesso com muito trabalho e dedicação Arquivo

ano era 2009, e uma família colocava em prática o sonho de unir educação e amor no mesmo espaço. Nascia ali a Creche Escola Primeiros Passos. Dez anos se passaram e a essência de nutrir com afeto e acolhimento o aprendizado do dia a dia continua, somados aos avanços que a experiência trouxe. A diretora da escola, Hellen Mendes, é a idealizadora desse projeto. “Quando meu primeiro filho - Miguel - fez 1 ano, vi a necessidade de uma escola onde ele pudesse aprender brincando, em um espaço acolhedor e estimulante, que proporcionasse a ele vivenciar a infância na sua essência, com profissionais alinhados a essa proposta. Nasceu aí a Primeiros Passos. Minha mãe e minha irmã, educadoras por excelência, embarcaram nesse sonho, e meu pai e grande parceiro, que nutria uma verdadeira paixão pelas crianças, deixou um legado para os filhos e para a grande família que forma hoje a Primeiros Passos”, conta ela, que se encontra na Noruega, em imersão no estudo de campo da educação nórdica, para trazer à escola ferramentas de trabalho amplamente aplicadas nos países de primeiro mundo, o que trará ao currículo da Primeiros Passos um grande e inovador diferencial. A ideia deu tão certo que, pouco tempo depois, em 2011, a instituição teve que se expandir em dois espaços, acolhendo

Na Unidade Baby, na Riviera, as crianças têm entre 4 meses e 2 anos, e as atividades são pautadas nos estímulos sensório-motores


Unidade Baby + Unidade I = duas equipes capacitadas, em união e cooperação, sintonizadas na busca responsável pelo autoconhecimento e em defesa da identidade de uma escola diferente

manutenção dos princípios básicos trazidos desde a fundação. “Vivemos uma fase de maturidade organizacional e pedagógica sem perder a essência de ser uma instituição familiar, muito além de uma empresa”, frisa.

Uma escola de família para família

Renata Monteiro, mãe de Pedro (6 anos) e de Lucas (1 ano e 5 meses), fez uma pesquisa de mercado e se identificou com a filosofia da Primeiros Passos quando matriculou Pedro, com apenas 4 meses

na Unidade I, na Cancela Preta, crianças de 2 a 6 anos, e na Unidade Baby, na Riviera, crianças de 4 meses a 2 anos. Tudo isso para garantir a melhor infraestrutura, adaptada a cada faixa etária. Estimular e capacitar os profissionais que atuam na escola faz parte dos pilares seguidos pela gestão. “Ampliar e reconhecer os valores do nosso grupo, despertar neles o potencial humanizador, nos possibilita ter uma equipe verdadeiramente comprometida e envolvida com o trabalho que realiza. Isso reflete na nossa vida enquanto pessoas e, como consequência, na qualidade do serviço prestado, pois aprimora a habilidade das educadoras no olhar mais amplo e sensível às necessidades individuais das crianças”, explica a coordenadora pedagógica Júnia Mara Alves. Júnia destaca, ainda, a importância da

À frente da Creche Escola Primeiros Passos está a família Mendes, sob a direção de Hellen, Melissa e Dennys, que se juntou ao grupo após o falecimento do pai. Eles contam com o apoio da matriarca Maria de Lourdes. Atividades complementares como o Inglês de imersão - em parceria com a franquia The Kids Club, Aulas de Capoeira, Música, Ballet - em parceria com a Farah Cultural e o Projeto Pepe Bucal, com visitas regulares do dentista à escola, complementam os princípios do cuidar e educar que norteiam as ações da Primeiros Passos. Esse olhar integral para a formação educacional faz a diferença na escolha dos pais. “O Pedro entrou na Primeiros Passos quando tinha quatro meses e meio. Visitamos várias creches e aqui tivemos uma identificação instantânea”, afirma Renata Monteiro, mãe do Pedro, atualmente com 6 anos, e do Lucas, com 1 ano e 5 meses, ambos alunos da escola. O marco dos 10 anos chega trazendo a certeza de que a Primeiros Passos está no caminho certo na construção de uma história sólida no ramo da educação em Macaé. “Para o próximo ano letivo, teremos a primeira turma do 1°ano do Ensino Fundamental I, num momento em que já trilhamos uma longa trajetória pedagógica, pautada na evolução consciente da nossa busca enquanto educadores, e atendendo a uma demanda recorrente dos pais que confiam no nosso trabalho quando o assunto é priorizar uma educação que transforma. Nossa Missão é oferecer uma educação de qualidade, em ambiente acolhedor, que leve a criança à maturação, ao desenvolvimento e à aprendizagem. Nossa visão é, em tudo e com todos, RESPEITAR, AMAR e SERVIR, enquanto trabalhamos as ‘5 Mentes do Futuro’, acreditando na força dos valores na educação”, conclui Dennys Mendes.

47


PESSOAS & NEGÓCIOS

O digital influencer Rodrigo Oliver costuma recorrer à Cavaleiros para comprar coisas para sua casa, como chuveiro e produtos de piscina, e ítens de decoração

Única loja de variedades para o lar nos Cavaleiros, surpreende pela diversidade de soluções para qualquer tipo de emergência doméstica

CAVALEIROS CASA E LAZER

Q

Por: Leila Pinho / Fotos: Alle Tavares

uem conhece a Cavaleiros Casa e Lazer pela primeira vez se impressiona com a quantidade de itens e variedade também. Essa é a percepção mais comum dos novos clientes da loja, segundo relata o proprietário Vandré Guimarães. Com 4.500 produtos à venda, no estabelecimento é possível encontrar todo tipo de solução para casa como: itens para reparos hidráulicos e elétricos, de iluminação, de informática, de cuidados pessoais, peças decorativas, utensílios diversos de cozinha e para churrasco, organizadores, eletrodomésticos, entre outros. “Além de preço acessível, somos a única loja desse tipo na região dos Cavaleiros e ainda temos 5 vagas de estacionamento. Ouvimos muito dos clientes que eles gostam da loja porque conseguem resolver tudo aqui”, comenta Vandré. A Cavaleiros está sempre renovando os produtos e trazendo as novidades do mercado, que são difíceis de encontrar em outros locais de Macaé. Exemplo disso é o massageador de rosto, muito divulgado pelas blogueiras, que a casa vende. “Na parte culinária, temos muitos produtos diferenciados na linha gourmet como a grelha cooking grate, o injetor de temperos, o maçarico gourmet, etc”, fala Vandré. O chef de cozinha e sócio do Bar da Boca, Leonardo Lopes Lima, de 42 anos, compra vários itens na Cavaleiros para o seu restaurante.

48

O chef de cozinha e sócio do Bar da Boca, Leonardo Lopes, compra vários utensílios de cozinha para seu restaurante na loja, como taças, copos e até mangote de gás

“Copos, taças, mangote pra gás, lâmpadas e material elétrico e hidráulico são coisas que já comprei. Eles têm tudo pra me atender e, melhor, nos horários que os outros não podem me atender”, fala o chef. O digital influencer Rodrigo Oliver, de 31 anos, recorreu à Cavaleiros para comprar chuveiro, bomba d’água, ventilador, material para limpeza de piscina e até decoração pra sua casa. “A loja é super antenada e tem várias utilidades para o dia a dia. Impossível entrar e não se identificar com algo”, opina Rodrigo. A loja funciona todos os dias da semana, de segunda a sábado, das 9h às 19h e, aos domingos, das 9h às 14h. No Instagram, a Cavaleiros sempre atualiza informações sobre os novos produtos.

Av. Nossa Sª da Glória, 2653 Cavaleiros - Macaé/RJ Tel: 22 3311-0090 @cavaleiroscasaelazer


PESSOAS & NEGÓCIOS

Há 14 anos no mercado, showroom da loja oferece o que há de mais moderno em iluminação em Macaé

LUMINÁRIAS DA CIDADE

A

Por: Leila Pinho / Fotos: Alle Tavares

Av. Nossa Sª da Glória, 1443 Cavaleiros - Macaé/RJ Tel.: 22 2757-1021 www.luminariasdacidade.com.br @luminariasdacidade

Aline Falci

o longo de 14 anos, a Luminárias da Cidade conquistou a confiança do público, sendo uma referência de loja pra quem precisa de soluções em iluminação em Macaé. Quem explica um pouco sobre a diversidade de produtos é a proprietária Daniela Guimarães. “Nós temos muito além de lustres, temos fita de LED, painel de LED, lâmpadas de LED variadas, trilhos eletrificados, perfil de LED, embutidos de gesso, entre outras coisas”, pontua Daniela. A iluminação costuma ser um dos pontos mais importantes na decoração de ambientes. Pra quem busca uma iluminação diferenciada para decorar a própria casa ou o escritório, por exemplo, a loja é o local perfeito porque é especializada no assunto. O estabelecimento possui luminárias de diversos estilos: clássico, moderno, contemporâneo, e vários modelos: pendentes, plafons e arandelas. A empresa está sempre se atualizando com as novidades do mercado e trazendo produtos alinhados com as tendências de decoração. Atende tanto necessidades de residências quanto de empresas, clínicas e comércios. Um dos pontos fortes da loja é a credibilidade construída devido à qualidade e durabilidade das marcas que revende. “Temos variedade de cores e tamanhos. Quando o cliente se interessa por um tamanho que não tem na loja, nós encomendamos”, esclarece Daniela. A loja conta com estacionamento e funciona de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 19h e, aos sábados, das 8h30 às 14h.

Nesse projeto, a arquiteta Aline Falci escolher duas luminárias em diferentes pontos para dar movimento e sofisticação ao banheiro

As luminárias e lâmpadas de Led deram personalidade a esta área de lazer projetada por Carla Bacelar

49


PESSOAS & NEGÓCIOS

As bandas são a forma coletiva dos alunos colocarem em prática suas habilidades

Evento anual, novas salas e responsabilidade social estão entre as novidades nos 18 anos da escola

Todo ano, a escola promove o Jam Session, onde cada aluno se apresenta individualmente ou em grupo

TOM

Na Escola Tom, os alunos recebem aulas individualmente. As aulas de bateria têm bastante procura pelos meninos

ESCOLA DE MÚSICA

C

Por: Renatta Viana / Fotos: Raphael Bozeo

ompletando a maioridade agora em outubro, a Escola de Música Tom comemora o amor pela educação musical, promovendo benefícios e desenvolvendo habilidades através dos cursos oferecidos, como: violão, guitarra, baixo, ukulele, cavaquinho, piano, teclado, viola caipira, bateria, canto, musicalização infantil, teoria, harmonia, entre outras metodologias. “A música proporciona bem-estar, aprimoramento da criatividade, das habilidades auditivas, da linguagem e de raciocínio, melhora a autoestima e alivia o estresse em todas as idades, inclusive em crianças bem pequenas”, diz Carlos Alves, diretor da escola. Uma das novidades da escola será no mês de outubro com a Semana Kids, onde há programação específica baby, kids e teen. Diversas atividades internas estão no calendário para alunos a partir de 1 ano e meio de vida. Já em dezembro, acontece o evento anual “Jam Session”, no dia 16, onde cada aluno vai apresentar o seu talento, seja individual ou coletivamente, em um show de talentos para faixa etária de 4 a 12 anos. Já no dia 17, será a vez do “Retrô anos 80”, com apresentações de adolescentes e adultos cantando grandes hits de sucesso da época nacionais e internacionais. Serão apresentações temáticas com participação de bandas. O evento acontecerá no Hotel Gran Nobile e o público estimado é de 400 pessoas, aproximadamente, nos dois dias. Outra novidade é a “Sons Oficina Criativa”, um projeto desenvolvido recentemente pela coordenadora Patrícia Lima, voltado para arte, criatividade, desenvolvimento psicomotor e de habilidades, musicalidade e responsabilidade social, com uso de materiais pedagógicos. E até o final do ano, a escola vai inaugurar mais uma sala especial. Se trata de um estúdio totalmente equipado para ensaios e gravação de bandas da cidade. Já as salas que já existem, estão sendo ampliadas, sem falar no Tom Café, que deixa o espaço ainda mais íntimo e aconchegante para o aluno e para o visitante.

50

A apresentação no palco da Jam Session desenvolve nas crianças as habilidades de se apresentar em público, quebrando a timidez

As aulas de canto despertam o interesse das crianças, principalmente, pela possibilidade de seguirem carreira artística

Av. Nossa Sª da Glória, 1923 Cavaleiros - Macaé/RJ Tels.: 22 2773-3142 22 99736-1496 @escolatom www.escolatom.com.br E-mail: escolatommacae@gmail.com


51


PESSOAS & NEGÓCIOS

Tradicional casa de festas renova o bufê para atender ao estilo de vida mais saudável das famílias e amplia o leque de brinquedos

PLAFT ZOOM, 8 ANOS FAZENDO A SUA FESTA

C

Por: Leila Pinho / Fotos: Jorge Carvalho

52

om aproximadamente 2.000 festas infantis realizadas ao longo de 8 anos de existência, a Plaft Zoom encanta as crianças de Macaé, que se sentem num parque de diversões, e conquista os pais, com ambiente seguro e pacote completo de festa. Conectada com o estilo de vida atual das famílias, a casa investiu em diversas mudanças recentes para atender às necessidades do público. Segundo explicam o gerente geral da Plaft Zoom Otávio Carvalho e a decoradora Joyce Leão, a casa renovou o cardápio e inseriu opções de saladas e entradas. No bufê infantil, incluiu hambúrguer artesanal e sucos naturais. “Hoje, nosso cardápio está mais requintado e nos adaptamos ao estilo de vida mais saudável das famílias. O consumo de refrigerante caiu muito, porque servimos vários sucos feitos na hora, 100% naturais. Além disso, nós criamos um bufê personalizado quando o aniversariante tem algum tipo de restrição alimentar, como intolerância a lactose ou ao glúten”, pontua Otávio. Nos brinquedos, também tem novidades como a parede de escalada e o campinho de futebol (que atrai mais as crianças a partir de 7 anos) e a minicidade com casinha, salão de beleza e mercadinho (que atrai bastante os bebês e crianças de 2 a 3 anos). Um dos diferenciais da casa é que todos os brinquedos podem ser usados também pelos adultos. A Plaft Zoom tem capacidade para receber até 200 convidados, realiza festas de segunda-feira a domingo, tem 15 brinquedos infantis que atendem desde as crianças pequenas até os maiorzinhos, monitores

O gerente da Plaft Zoom Otávio Carvalho e a decoradora Joyce Leão são os responsáveis pelo bom funcionamento da casa de festas

em todos os brinquedos e uma estrutura física que permite aos pais ver os filhos de qualquer ponto da casa. “Nós conquistamos credibilidade. Nesses 8 anos, nunca atrasamos e nunca deixamos de servir bem nenhuma festa. E fazemos tudo: convite, decoração temática, bufê, bolo temático, bolo de corte e doces tradicionais. Eu e a Joyce estamos sempre presentes nas festas, e isso dá muita segurança aos pais”, afirma Otávio. Daniele da Costa Gomes realizou as festas de 3 e 4 anos do filho Vítor Hugo, em 2018 e 2019, na Plaft Zoom. “Meu filho ama aquele lugar e todos os brinquedos que a casa oferece. É muito bom, tanto para crianças pequenas quanto para maiores, e até mesmo para os adultos. É sensacional”, comenta.


Kássia Tomaz e o marido Ítalo Milli comemoraram todos os aniversários dos filhos Lucas e Sofia na casa de festa pela qualidade e confiaça nos serviços

Linandra e Chico Machado com as filhas Paola e Anna. Já é a terceira vez que eles escolhem a Plaft Zoom para comemorar os aniversários das filhas

Daniela da Costa e o marido Vitor comemoraram os aniversários de 3 e 4 anos do filho Vitor Hugo na Plaft Zoom, porque ele adora o espaço

O empresário Eberson Pacheco com a esposa Priscila e os filhos Rafael e Mila. Eles comemoraram o aniversário de 6 anos da Mila com a temática de unicórnio. Tudo feito pela Plaft Zoom

A pequena Anna comemorou seus 4 anos na Plaft Zoom e aprovou os novos brinquedos da casa, como o salão de beleza na minicidade

Kássia Tomaz comemorou todos os aniversários dos filhos Lucas, de 4 anos, e Sofia, de 2. “Eu me apaixonei pela casa e por sua equipe, lá me sinto segura em poder aproveitar a festa e saber que meus filhos estão brincando e sendo monitorados. Me sinto segura em relação ao bufê, sabendo que todos os convidados serão bem servidos. Durante toda a festa, as meninas me

passam o feedback do que está acontecendo. O Otávio está sempre presente e nunca deixou que nada faltasse. Todo fim de festa, me sinto satisfeita, a alegria das crianças é contagiante”, diz Kássia. E já é a terceira vez que Linandra Peixoto Tavares Machado escolhe a Plaft Zoom. Ela comemorou, recentemente, os 4 anos da filha Anna. “Eles cuidam de cada detalhe, sempre preocupados em manter a qualidade e a tranquilidade. É uma relação de confiança”, fala Linandra.

Rua Vinícius de Moraes, 317 Granja dos Cavaleiros - Macaé/RJ Tel.: 22 2773-2128 www.plaftzoom.com.br @plaft-zoom

53


PESSOAS & NEGÓCIOS

Alergias afetam cada vez mais crianças no século XXI e o estilo de vida dos pais pode ajudar a desenvolver a doença

Alan Carvalho com os filhos Alan Filho e Letícia. Os dois são alérgicos e fazem acompanhamento constante com o Dr. Rossy Para o Dr. Rossy Bastos, nos primeiros sinais de manifestação de alergia, como espirro e coriza, os pais devem procurar logo um especialista

BIOANÁLISE LABORATÓRIOS AI MEU NARIZ! ELE PARECE MUITO MAIS UM CHAFARIZ...

A

Por: Tathiana Campolina / Fotos: Alle Tavares

54

lto consumo de alimentos industrializados, higiene domiciliar realizada espaçadamente, exposição precoce a agentes infecciosos, nível elevado de estresse e ansiedade são fatores que têm aumentado o número de doenças alérgicas em crianças. O médico alergista e imunologista, Dr. Rossy M. Bastos Jr, diz que ao detectarem os primeiros sintomas, como congestão nasal, espirros frequentes, crises de falta de ar, alergias cutâneas e pruridos, os pais devem levar a criança ao médico especialista. “Para diagnosticar a doença alérgica, alguns exames podem ser realizados, como os testes alérgicos com o próprio médico ou exames de laboratório como o IgE total e específicos. Para alguns pacientes, orientamos fazer investigação para doenças imunológicas, que são exames laboratoriais que verificam a dosagem de todos os anticorpos, como também dosagem dos subtipos de linfócitos. Podemos solicitar junto, a dosagem salivar de IgA, que é a principal deficiência imunológica das crianças”, explica Dr. Rossy. Alan Carvalho Galante tem dois filhos: Letícia Ferreira de Vasconcellos Galante (9 anos) e Alan Carvalho Galante Filho (6 anos). Segundo o pai, o filho mais novo começou a apresentar, com poucos meses de vida, uma coriza bem parecida com a da irmã. Como ela já fazia um acompanhamento com o Dr. Rossy, resolveu seguir o mesmo protocolo. “Alanzinho tem alergia a poeira, cheiro forte e rinite alérgica oriunda principalmente de mudanças climáticas. Atualmente, ele

faz tratamento com uso de bombinhas e notamos um espaçamento maior entre as crises”, conta. Para descobrir a patologia, Alan Filho fez exame de sangue e o teste por contato. O laboratório Bioanálise realiza todos os exames de sangue para alergia e imunidade, além do IgA salivar. “Recebemos muitos pedidos dos exames de imunoglobulina total e específicos. Normalmente, o médico solicita primeiro o IgE total, que informa se o paciente é alérgico ou não. Depois, ele inicia a investigação, pois pode ser alimentar, ambiental ou medicamentosa”, explica a administradora do laboratório, Fátima Corrêa. Os exames não necessitam de jejum e os imunológicos devem ser coletados até às 17h. Postos de coleta: BÚZIOS Estrada Velha da Usina, 300 - Lj 2 (Shopping Dom Quixote) - Centro Tel: (22) 2623-1081 MATRIZ Rua Visconde de Quissamã, 774 - Lj 1b - Centro - Tel: 22 2796-9800 CAVALEIROS Av. Nossa Sr.ª da Glória, 1789 - Lj 23 (Macaé Palace) - Tel:. 22 2106-6855 PQ. AEROPORTO Rua Tancredo Neves, 734 (Antiga-62) - Tel: 22 2772-5178 IMBETIBA Rua Dr. Luis Belegard, 147 - Tel: 22 2759-1579 RIO DAS OSTRAS Rua Jandira Moraes Pimentel, 326, Centro Tel: 22 2764-6429 QUISSAMÃ Rua Conde de Araruama, 738, Centro Tel: 22 2768-1577 CONCEIÇÃO DE MACABU Rua Rozendo Fontes Tavares, 9, Bocaina Tel: 22 2779-2075

@bioanaliselaboratorio www.bioanalisemacae.com.br Whatsapp: 22 99259-2691


Revista

D E S TA Q U E D E M A R K E T I N G

COLÉGIO ATLÂNTICO BILÍNGUE, UM CENTRO DE EXCELÊNCIA A escola hoje é uma referência em ensino de qualidade, desde a creche (4 meses) até o pré-vestibular. A grande novidade para 2020 é a parceria com o projeto bilíngue EDIFY, que é o bilinguismo da Cultura Inglesa e da Britannia para escolas particulares, considerado o melhor projeto bilíngue do país INFANTIL BILÍNGUE

ESCOLA DA INTELIGÊNCIA

RESULTADOS

Nova parceria com EDIFY, Método criado pelo Dr. Augusto Cury Escola tem 98% de da Cultura Inglesa desenvolve o emocional dos jovens aprovação no ENEM

55


DESTAQUE DE MARKETING

Arquivo

Escola se consolida em Macaé como um gigante na educação

A equipe do Colégio Atlântico está envolvida com a inteligência emocional dos alunos, coordenada por Luciana Lacerda, de branco à direita

COLÉGIO ATLÂNTICO

O psicólogo e escritor Augusto Cury desenvolveu a Escola da Inteligência e fez uma parceria com o Colégio Atlântico no início de 2019 Alle Tavres

DA CRECHE AO VESTIBULAR, UMA REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO

H

Por: Juliana Carvalho / Fotos: Leandro Foca

Alessandra Lofiego com as filhas Eduarda e Beatriz. Ela percebeu a diferença positiva na relação das filhas com a filosofia da Escola da Inteligência Arquivo

á sete anos, o Colégio Atlântico iniciava sua jornada em Macaé em prol da oferta de uma educação comprometida com o desenvolvimento sadio do conhecimento. Hoje, a escola alcançou o status de ser reconhecida pelo ensino forte, completo e com resultados. O reconhecimento não é à toa. O colégio atende do berçário (4 meses) ao pré-vestibular e coleciona resultados, como o fato de ter 98% de aprovação no Enem, 80% de aprovação em universidades públicas, melhor resultado na prova da UERJ, tricampeã em Matemática e em redação do Enem. O resultado reflete na confiança dos pais. “Este ano, formarei meu terceiro filho no Colégio Atlântico e todos eles estudaram com o Sistema Etapa, tendo ótimos resultados. Todos passaram em diversos vestibulares de universidades públicas, inclusive, o mais novo que obteve, ainda no segundo ano, aprovações em vestibulares, também de universidades públicas”, ressalta Maria Ângela Antunes Magalhães Viana, mãe de Aquiles Magalhães Viana, aluno do 3º ano.

Escola da Inteligência atua na formação emocional dos alunos

56

Iniciado neste ano letivo de 2019, o Programa da Escola da Inteligência idealizado pelo Dr. Augusto Cury - vem conquistando os alunos e colaborando para uma formação completa desses indivíduos que vai muito além das salas de aula. “Pensar antes de agir e reagir”, “Colocar-se no lugar do outro”, “Ser resiliente” são alguns dos conceitos trabalhados que estão contribuindo para que os estudantes tenham mais consciência de seus sentimentos e, assim, maior domínio emocional. “Em seis meses do programa da Escola da Inteligência, percebemos que os alunos estão cada vez mais conscientes e aptos para discernir o que é saudável do que não é e reconhecer que todas as ações têm consequências, sejam elas boas ou ruins. Toda a equipe está envolvida no desenvolvimento das atividades que têm como objetivo a formação da inteligência emocional dos nossos estudantes”, explica Luciana Lacerda, orientadora educacional e coordenadora

Maria Ângela já formou dois filhos no Atlântico pelo Sistema Etapa, que passaram para universidades públicas e já se prepara para formar o filho Aquiles, que está finalizando o 3º ano


Daniele Salgado percebeu a diferença no dia a dia da filha Laura, de 5 anos, depois que ela ingressou no Bilíngue do Atlântico

A coordenadora do Bilíngue do Atlântico, Liz Quintal, com o aluno Pedro Mothé e o professor Mr. Ramon. Com apenas 8 anos, Pedro já faz planos para seu futuro, com base no aprendizado da língua inglesa

da Escola da Inteligência no Colégio Atlântico. “O Colégio Atlântico não tem apenas formado crianças e jovens cognitivamente brilhantes, mas também emocionalmente inteligentes. E isso acontece justamente na era em que, cada vez mais, os desafios profissionais esbarram nos aspectos relacional e emocional. Por isso é tão importante preparar os alunos. Pra nós é uma grande honra ter esta parceria e tenho certeza que os mais beneficiados são nossos filhos, que estão sendo preparados para o século XXI”, declara Camila Cury, Presidente Fundadora da Escola da Inteligência. “Esse é o sexto ano das minhas filhas na escola, num ano muito importante para nossa família, vestibular da Duda. Achei que tanta coisa podia acontecer, ansiedades, medos, insegurança, em virtude do vestibular. Chegamos no segundo semestre e encontro alunos do 3º ano ainda mais unidos, felizes, com garra e força para esta batalha. Percebo na minha filha menor uma tranquilidade em ver a vida, o próximo e o seu futuro. Isso não poderia me deixar mais realizada”, revela Alessandra Lofiego, mãe de Eduarda Goulart (3ª Série do Ensino Médio) e Beatriz Goulart (8º Ano do Ensino Fundamental). A opinião sobre os benefícios é compartilhada pela filha Beatriz. “Esse é o primeiro ano com essa matéria e já consigo ver como mudou minha vida. O que eu mais gosto é que, com a disciplina, podemos mostrar pra escola que não somos apenas máquinas, e sim, seres com emoções que precisam ser lidadas e expostas. É um dos melhores momentos da minha semana”, relata.

também pode ser. Com uma proposta de imersão na língua inglesa, o Atlântico oferece aos seus alunos a oportunidade do contato com o inglês no dia a dia da escola. Há três anos, a instituição trabalha com um modelo próprio de ensino, com profissionais altamente capacitados e fluentes no idioma. A coordenadora do Bilíngue, Liz Quintal, revela que o sistema de ensino desenvolve projetos em que os alunos são inseridos em temáticas diversas, incluindo as datas comemorativas americanas mais famosas como: Thanksgiving (Dia de Ação de Graças), Halloween (Dia das Bruxas), entre outras. “O inglês é um idioma universal e contar com um sistema de ensino bilíngue contribui, e muito, para a formação completa dos nossos alunos”, afirma Liz, acrescentando que a capacitação oferecida no Colégio Atlântico inclui preparatório para certificações internacionais como a da Universidade de Cambridge, uma das mais importantes instituições do mundo. Com apenas 8 anos, Pedro Mothé já faz planos com o inglês que vem sendo aprendido na escola. “Gosto muito de fazer as atividades, das aulas, de músicas. O inglês vai me ajudar muito quando eu for trabalhar fora do país”, afirma o menino que está no 3º ano e faz o bilíngue na modalidade integral. Daniele Salgado percebeu a diferença no dia a dia da Laura, de 5 anos, depois que a filha passou a fazer parte do ensino bilíngue. “Ela se adaptou muito bem e sinto que foi um estímulo a mais ao desenvolvimento dela, até mesmo nas atividades em casa”, destaca a mãe.

Escola Bilíngue: quando falar inglês faz parte do dia a dia

Se aprender é natural, aprender a falar inglês

Nova parceira com o Edify da Cultura Inglesa e Britannia

A partir de 2020, o Atlântico trabalhará com uma nova parceira, o Edify, programa bilíngue da Cultura Inglesa e da Britannia. O Edify propõe o inglês como um fio condutor para o desenvolvimento de habilidades essenciais no século XXI. “Nas aulas, a língua é uma ferramenta de aprendizagem. A formação linguística, combinada a uma abordagem multidisciplinar, material didático de excelência, além de aulas, oficinas e projetos inovadores desenvolvem em nossos alunos habilidades que não cabem apenas na sala de aula”, revela Liz. Criada por uma equipe pedagógica com anos de experiência, o programa nasceu dentro das escolas e visa conhecer e compreender os desafios e necessidades das instituições parceiras. Hoje, o Edify conta com mais de 15 mil alunos, distribuídos em 10 estados e mais de 60 escolas. Seus materiais contam com recursos impressos, digitais e kits de sala de aula, e visam desenvolver várias habilidades nos alunos, como: falar em público, Storytelling, estimulando a produção de conteúdo.

57


DESTAQUE DE MARKETING

Acolhimento e cuidado com educação bilíngue

Simulação em 3D das instalações da creche. Um ambiente lúdico e amplo, com cores e formas, que são estímulos visuais para os pequenos

VOVÓ CAROLA BERÇÁRIO E CRECHE ESCOLA

No berçário da Vovó Carola, os espaços e mobiliário foram projetados e decorados para trazer calma e aconchego para os bebês

A

Por: Juliana Carvalho / Fotos: Leandro Foca

58

Creche Vovó Carola chega em Macaé trazendo uma proposta de acolhimento completo para bebês, incluindo o primeiro contato com a língua inglesa, já que o espaço terá metodologia bilíngue. A unidade está em fase de finalização no bairro Vivendas da Lagoa e deve começar a receber as matrículas no fim deste ano para o inínico das atividades no primeiro semestre de 2020. A diretora, Lígia Gilce Neves Ferraz, traz para a creche toda a sua experiência ao longo de mais de 40 anos dedicados à educação. “Estamos preparando um lugar que consiga atender os pequenos em todas as suas necessidades de aprendizado e desenvolvimento na primeira etapa da infância”, afirma. A creche contará com toda a infraestrutura para o atendimento de crianças a partir dos 4 meses até os 2 anos e 11 meses: sala para psicomotricidade, brinquedoteca, sala de leitura, berçário e ainda um lactário, espaço especialmente destinado às mães que ainda estão amamentando. Outra novidade é o Ateliê, local específico para a produção de artes, onde os pequenos poderão aflorar suas habilidades artísticas, contribuindo para o seu desenvolvimento motor e cognitivo. Natália Lopes está na expectativa para o início das atividades da creche. Mãe de primeira viagem de Joaquim, de 1 ano e 4 meses, ela ressalta que encontrar um lugar de confiança para deixar o filho é fundamental para que ela tenha tranquilidade para poder retornar ao mercado de trabalho. “É muito importante saber que ele estará sendo bem cuidado, tendo ainda o inglês

A mãe de primeira viagem, Natália Lopes, já matriculou o pequeno Joaquim, de 1 ano, na creche Vovó Carola, aos cuidados da diretora Lígia Ferraz, que possui mais de 40 anos dedicados à educação

como um grande diferencial”, destaca. A Creche Vovó Carola terá a abordagem educacional Reggio Emilia, que coloca a criança como protagonista do processo de aprendizado. A língua inglesa estará presente no dia a dia das crianças por meio de interações lúdicas como músicas infantis, contação de histórias e outras atividades adequadas a cada faixa etária. A preocupação do bem-estar infantil está presente ainda na escolha do profissionais multidisciplinares que atuarão na unidade, incluindo uma enfermeira, além do suporte de especialistas como pediatra e nutricionista.


59


MATÉRIA DE CAPA

Arquivo Ceduco

Cada vez mais interessadas pelo fantástico universo culinário, as crianças dão asas à criatividade e fazem do ato de cozinhar uma divertida brincadeira

Na escola de gastronomia Ceduco, mais de 190 crianças já fizeram o curso. Aldir Gaspar (ao lado), do Ceduco, conta que os cursos de minichefs têm muita procura

OS MINICHEFS GANHAM ESPAÇO NA COZINHA Por: Leila Pinho / Fotos: Alle Tavares

60

Por: Leila Pinho / Fotos: Arquivo


Nicole França ama preparar sobremesas e, agora, está na fase das receitas mais complexas como o cheescake de frutas vermelhas que já é sucesso na família dela

P

rofissionais que atuam no ramo da gastronomia comentam que a curiosidade das crianças não é de agora. É o que diz o proprietário do Ceduco - Escola de Gastronomia, Aldir Gaspar. Há 6 anos, quando inaugurou o Ceduco em Macaé, ele percebeu a tendência e abriu cursos voltados só para os pequenos. Segundo Aldir, mais de 190 crianças já passaram pela escola. “Desde 2013, os cursos de minichefs sempre tiveram muita procura. As aulas são lúdicas e têm o objetivo de despertar o interesse das crianças. E vejo que os pais gostam, eles querem incentivar os filhos até mesmo para, quem sabe, seguirem uma carreira no futuro”, observa Aldir. Ele explica que há 12 opções de cursos, entre eles: chocolate, biscoitinhos, confeitaria, brigadeirinhos, hambúrgueres, massas, lanches, etc. E as aulas são para níveis diferentes de dificuldade. “Tem criança que, com 7 anos, já faz bolo. Essas têm mais habilidade e precisam de conhecimento pra se desenvolver”, pontua. Influenciados pelas referências familiares, programas de TV e a mídia, algumas crianças deixam claro, aos pais, um interesse peculiar pela gastronomia. Assim como Nicole, Nuno Mozeur Siqueira, Igor Pereira e as irmãs Laura de Almeida Araujo e Luísa de Almeida Araujo são crianças e adolescentes que se aventuram na cozinha. Essa garotada solta a criatividade sem medo de ser feliz, faz testes e combinações de ingredientes e transforma o cozinhar em uma grande brincadeira.

Doces da Nicole

Com apenas 8 anos, Nicole França surpreendeu os pais quando disse que queria ser chef pâtissier (chef confeiteiro). Enquanto muitas crianças nem sabem o que significa isso, Nicole já se imaginava estudando na França e fazendo uma das coisas que ela mais gosta: cozinhar doces. Hoje, com 14 anos, a menina já não pensa mais em seguir essa profissão, mas continua adorando inventar delícias, testar sabores e encantar paladares. É a mãe da Nicole, Elizangela França, de 47 anos, quem

A paixão pela culinária levou Nicole a escrever um livro sobre o sonho de uma menina em conhecer o chef Claude Troisgros

conta que o interesse da menina surgiu muito cedo. “Com 2 anos, ela já brincava na cozinha, abria as gavetas, mexia na fruteira e tudo que a gente ia preparar, estava lá a Nicole do lado”, relembra. Aos 8 anos, ela já ligava o forno e fazia cursos de culinária. “Ela queria aprender. Ou eu ensinava ou ela ia se queimar. Então, eu ensinei passando pra ela toda a questão da segurança, porque esse é o nosso papel, o de orientar”, argumenta Elizangela.

Eu gosto muito de cozinhar. Esse é o meu hobby. Quando eu estou triste, vou pra cozinha e faço um bolo. Coloco uma musiquinha e fico mais calma. Me sinto bem fazendo isso NICOLE FRANÇA Minichef Pâtissier

61


MATÉRIA DE CAPA Na preparação do bolo vulcão das irmãs Luíza e Laura Almeida tem ingredientes com o toque delas, como o morango por cima da calda

Nuno Siqueira gosta de preparar comidas incomuns para o paladar infantojuvenil, como esse ceviche

62


Rita Davis

O mais importante é despertar, na criança, o interesse pelo hábito de cozinha e pelo alimento, principalmente nos dias de hoje, de alimentação rápida e alimentos processados. Sendo estimulada no universo da cozinha, a criança vai crescer com interesse maior em experimentar e desenvolver o paladar de forma sadia JOELMA CELESTRINI Chef de cozinha

A chef Joelma Celestrini explica que as pessoas estão encarando a cozinha de forma mais lúdica, o que estimula as crianças a querer cozinhar

O primeiro doce dela a conquistar fãs foi o bolo preto, por volta de 9 anos. Ela acrescentou açúcar mascavo e cacau em pó na receita. Várias pessoas e o Seu Carlinhos (o vizinho) provaram do bolo. E foi só elogios. Seu Carlos foi quem batizou o bolo quando disse: “Que bolo preto gostoso!”. Assim, o bolo da Nicole virou bolo preto. “É muito bom, tem gosto de café e fica bem molhadinho e fofinho”, fala Nicole. Depois dessa, foram várias as receitas deliciosas, como o bolo que ela fez para a professora de português: um naked cake de brigadeiro que fez sucesso na escola. Em 2015, a garota levou o encantamento gastronômico para uma atividade escolar. Ela produziu um livro que contava a história de uma menina que queria conhecer o chef Claude Troisgros. Agora, Nicole está na fase das sobremesas mais complexas, como o cheescake de frutas vermelhas. A adolescente recebeu a equipe da Divercidades com essa sobremesa e mostrou que entende mesmo do assunto. O cheescake estava crocante no fundo, cremoso e aerado no meio, com uma geleia de doce equilibrado com pedaços de frutas e um leve azedinho. Gostinho caseiro, de doce feito com carinho. Para a adolescente, as preparações são um jeito de deixar tudo mais leve. “Eu gosto muito de cozinhar, esse é o meu hobby. Quando eu estou triste, vou pra cozinha e faço um bolo. Coloco uma musiquinha e fico mais calma. Me sinto bem fazendo isso”, comenta Nicole.

Chefinhas irmãs

Os fins de semana são perfeitos pras irmãs Laura de Almeida Araujo, de 11 anos, e Luíza de Almeida Araujo, de 8 anos, prepararem bolos, o que elas mais gostam de fazer. Enquanto separavam os ingredientes do bolo vulcão, especialmente pra entrevista com a equipe da DiverCidades, Laura contava que essa receita tem toques especiais das duas. “O nosso leva morango por cima que é a nossa fruta preferida”, pontua. “É divertido quando a gente parte a fatia e sai um montão de calda”, fala Luíza. A mãe delas, a empresária Fernanda de Almeida Araujo, de 37 anos, recorda que desde pequena Laura era curiosa na cozinha. Segundo a mãe, Laura também foi influenciada pela chef Joelma Celestrini, que até já realizou uma oficina de culinária no aniversário de 8 anos de Laura. Já Luíza foi influenciada pela irmã mais velha.

Fernanda deixa as filhas se divertirem, mas sempre com supervisão. É a mãe que abre e fecha o forno e dá aquele auxílio pras meninas não se machucarem. Ela conta que as garotas têm vários utensílios de cozinha, livros e que fazem muitas gostosuras. “O bolo delas é melhor que o meu”, opina a mãe. O gosto pela gastronomia rende ainda a boa convivência familiar. A mãe entende o entusiasmo das filhas como mais um motivo pra unir ainda mais a família. “Nós sempre tivemos o hábito, eu e meu marido, de tirar o fim de semana pra dedicar à família. E, domingo, era o dia de jogo. Agora, esse interesse pela culinária é uma nova atividade que serve pra unir todos nós”, comenta Fernanda.

Sabores exóticos do Nuno

Logo nos primeiros anos de vida, Nuno Mouzeur Siqueira, hoje com 12 anos, teve uma forte restrição alimentar. Ele não podia comer vários alimentos como leite, ovos, etc. Por conta da restrição, ele cresceu experimentando coisas que a maioria das crianças da idade dele não provavam. Conforme conta a mãe dele, a dentista Camila Mouzeur, de 41 anos, a avó do Nuno fazia algumas receitas com ingredientes diferentes e o menino já demonstrava interesse pelo universo culinário. Muito criativo e falante, Nuno mostra um grande interesse pelo que não é trivial. O prato que ele escolheu fazer pra mostrar seu talento à equipe da Divercidades foi um ceviche, refeição pouco comum ao paladar infantojuvenil. Nuno explica com detalhes como preparar a refeição, desde a ordem da mistura dos ingredientes até detalhes como o corte do peixe. “Eu gosto de bagunçar tudo e me divertir fazendo comida. O mais interessante é essa parte, se divertir fazendo a comida pra depois se divertir ainda mais comendo”, opina o garoto. “Ele gosta de ir a restaurantes e provar coisas diferentes, sempre quer algo exótico”, relata Camila. Na listinha de comidas fora do padrão, Nuno já provou: lagosta, língua de boi, testículo de boi, coelho, javali e jacaré. “Gosto muito de vegetais também, como tudo cru e não tô nem aí”, diz, aos risos.

Conselhos de chef para os pais dos chefinhos

Para a chef Joelma Celestrini, o interesse das crianças em participar de atividades culinárias é muito comum e encarado por elas como uma brincadeira. Ela reconhece a influência das mídias, programas de TV e popularização da gastronomia

63


MATÉRIA DE CAPA Assim como o pai Júlio Pinto, Igor ama carnes e já sabe bastante sobre o modo de preparo e ponto

64

Segundo explica a diretora pedagógica Liliane Souza, o Colégio Souza investiu na cozinha experimental como espaço de imersão, onde a criança pode aprender conceitos de qualquer disciplina


como meios de mostrar aos meninos e meninas que cozinhar não é algo tão complexo. “Isso acaba abraçando as crianças de alguma forma. A cozinha passou a ser encarada como um espaço mais lúdico e mais recreativo, o que estimula muito as crianças no ato de cozinhar”, observa. A chef entende que a curiosidade deve ser incentivada pelos pais, com benefícios pra saúde dos filhos. “O mais importante é despertar, na criança, o interesse pelo hábito de cozinhar e pelo alimento, principalmente nos dias de hoje, de alimentação rápida e alimentos processados. Sendo estimulada no universo da cozinha, a criança vai crescer com um interesse maior em experimentar e desenvolver o paladar de forma sadia”, salienta Joelma. Quanto aos cuidados com utensílios cortantes, fogo e forno, ela sugere ações simples como avaliar os riscos pra cada atividade, analisar a capacidade da criança de acordo com a idade, ter cautela no manuseio dos itens e evitar a exposição ao calor. “Recomendo introduzir a cozinha em hábitos simples como pegar os ingredientes e lavar, independente da idade. É óbvio que elas vão querer fazer as coisas mais arriscadas. Por isso, indico aos pais que têm crianças menores de 8 anos, que comprem utensílios de brinquedo ou de silicone. Assim, enquanto o adulto corta um ingrediente de verdade, a criança fica do lado brincando de cortar. No mais, é sempre ter atenção e monitorar a criança”, sugere.

Assados do Igor

A diversão da cozinha de Igor Pereira Antunes, de 11 anos, está nos assados, ou melhor, na churrasqueira. Os melhores sabores para ele estão nas carnes. “Eu gosto mais de picanha, porque não gosto tanto de gordura. Também adoro filé mignon, chorizo e carne de hambúrguer”, diz Igor. O interesse do menino começou quando os pais, Fabiana Loureiro e Júlio Pinto, começaram a empreender na gastronomia, por volta dos 6 anos dele. Já era um hábito da família fazer churrasco e reunir os amigos. Depois que

abriram negócios nessa área, os churrascos ficaram mais frequentes e profissionais. O garoto foi tomando gosto e se interessando por churrasco. “O Igor tem essa iniciativa, ele participa muito, gosta de ajudar o pai. Ele vai aos cursos (de churrasco que o pai dá) e gosta. Isso é dele mesmo”, afirma Fabiana. “Ele come bem carne e tem o paladar apurado. Pra ponto da carne, ele é chato. De vez em quando, ouço uma reclamação de que eu errei o ponto”, conta Júlio, em tom de brincadeira. Criterioso, Igor já sabe como assar uma carne e ensina até como fazer uma picanha mal passada. Ele conta como é o passo a passo com o apoio da mãe. “Você coloca a carne na churrasqueira e muda ela de posição pra não queimar, depois que estiver assada, tira da churrasqueira e deixa ela descansar, pra não soltar o suco e, por último, coloca a flor de sal . E está pronto”, explica o garoto.

Minichefs aprendem brincando

Numa escola de ensino regular de Macaé, a cozinha também entrou na roda do aprendizado. Em 2016, o Colégio Souza fez uma ampliação e construiu a “Cozinha Experimental”. A diretora pedagógica do Souza, Liliane Souza, explica que a escola aplicou uma pesquisa geral entre os alunos, e descobriu algo que também motivou a criação desse espaço. “Eles falaram que não tinham experiências na cozinha, que não conseguiam fazer algo na cozinha. E os próprios livros didáticos sugerem que a criança viva esses momentos. E a criança hoje quer se sujar na cozinha, ela quer ser provocada”, conclui a diretora. Liliane afirma que a Cozinha Experimental é inserida dentro de um projeto pedagógico, no qual todos os professores podem usar o espaço e associar aos ensinamentos de sua matéria. “É um espaço de imersão e a aprendizagem acontece lá dentro. Quando os alunos estão nesse espaço de imersão, eles têm melhores resultados. Eles aprendem fazendo e experimentando”, ressalta Liliane.

65


TENDÊNCIA

Um jeito divertido de desenvolver os pequenos

Para Jéssica Espíndola, mãe de João, com os brinquedos educativos, o brincar do filho fica mais leve e criativo

BRINQUEDOS EDUCATIVOS

E

Por: Leila Pinho / Fotos: Alle Tavares

m um apartamento em Macaé, no quarto do pequeno João Espíndola, de 3 anos, tem brinquedos de todos os tipos, desde boneco do Superman até blocos de madeira de encaixe. Pra ele, tudo é diversão e brincadeira. E a mãe, a empresária Jéssica Espíndola, de 33 anos, gosta de atender a preferência do filho (pelos super heróis) e as preferências dela (pelos brinquedos educativos). “A questão do brinquedo acompanha a fase da criança. Hoje, o João está na fase dos super heróis. Por mim, eu daria mais os educativos, porque eles são importantes para o desenvolvimento. Mas eu procuro encontrar um equilíbrio”, fala. Observadora, a mãe comenta que vê muitas diferenças no brincar do João quando ele interage com diferentes tipos de brinquedos. Segundo ela conta, ao brincar com bonecos de super heróis, o menino tende a reproduzir diálogos que vê nos desenhos que assiste. Já o brincar com os brinquedos educativos é mais livre e criativo. “Vejo que ele é mais estimulado a criar as brincadeiras da cabeça dele. Não tem nada pronto, ele cria a conversa e solta mais a imaginação. E usa menos os brinquedos de forma convencional. Por exemplo: um palitinho pode virar um personagem, não necessariamente tem que ser um boneco pra ser um personagem”, conta Jéssica.

66

A psicopedagoga Sávia Crespo explica que todo brinquedo tem a função social de despertar e estimular habilidades

Segundo explica a psicopedagoga Sávia Orlando Crespo, do ponto de vista da psicopedagogia, todo brinquedo tem a função social de despertar e estimular qualquer habilidade. Ela exemplifica como brinquedos tão comuns, na primeira infância, são educativos, como bola, chocalho, fantoche, etc. “Esses brinquedos trabalham o discernimento dos sons, cores, formas e texturas. Eles estão educando, despertando e construindo na criança, as habilidades que ela precisa”, esclarece a psicopedagoga. Para cada fase da vida da criança, é esperado que ela desenvolva determinadas habilidades e os brinquedos ajudam muito nisso. “O processo de aprendizagem tem etapas a serem construídas e superadas. Cada estágio desse tem especificidades. Na avaliação neuropsicopedagógica, a gente vê em que estágio a criança está, porque isso determina como ela está construindo o conhecimento dela”, esclarece Sávia.


Sílvia Pathioni, da Serelepes Brinquedos, começou com o e-commerce e, devido à grande demanda, acabou investindo em uma loja física especializada em brinquedos educativos Com a brincadeira chuva de letrinhas, a mãe Thais Pimentel associa a diversão do Paulo Henrique com o aprendizado

A interação entre pais e filhos, no brincar, é fundamental. Ela explica ainda como, na brincadeira, os pais podem observar o comportamento dos pequenos, com bastante atenção e ajudá-los a se desenvolver até nos aspectos de interações sociais. “Com o olhar psicopedagógico, uma criança por exemplo que não tem tolerância pro erro, que não sabe perder no jogo, na escola ela se comporta assim também”, diz. A dica que ela dá aos pais, neste caso, é logo no início da brincadeira falar as regras do jogo e fazer a criança repetir as regras. A fisioterapeuta Thais Pimentel Santos, de 39 anos, aproveita o tempo livre e se dedica a brincar com o filho, Paulo Henrique Pimentel Santos Braga, de 4 aninhos. A mãe gosta de juntar a diversão com aprendizado. Ela exemplifica a brincadeira da chuva de letrinhas que o filho adora. “A gente joga pra cima todas as letrinhas e aí eu peço pra ele achar as letras. -Acha o C, acha o A. E, aí vira uma bagunça, ele gosta muito e assim fica mais fácil dele aprender, porque fica divertido. É uma forma prazerosa de ensinar o alfabeto”, pontua Thais. Na opinião de Thais, mesmo com a rotina intensa de trabalho, os pais podem aprender a lidar com o tempo e com as prioridades. “Usar esse tempo não de forma quantitativa, mas qualitativa com a criança, não só com carinho, amor e atenção, mas também com instrução, com bate-papo, porque assim a gente vai preparando a criança pro que ela vai receber no mundo lá fora”, fala a mãe.

Mercado dos brinquedos

Quando a empresária Sílvia Pathioni abriu o e-commerce Serelepes (especializado em brinquedos educativos e pedagógicos), sediado em Macaé, com vendas para o Brasil

inteiro, se surpreendeu com a demanda. “Muitos profissionais de saúde que trabalham com atendimento infantil compram e muitos pais que têm crianças com algum tipo de atraso no desenvolvimento também compram”, fala. Ela conta que os clientes de Macaé e região pediam por uma unidade física em Macaé e, por isso, a marca abriu uma loja física no Centro da cidade, recentemente. Para Sílvia, o aumento do interesse por esses brinquedos tem a ver com outros fatores, além da vontade dos pais de diminuir o acesso dos filhos aos eletrônicos. “O aumento da conscientização da necessidade de inclusão está ajudando.

Esses brinquedos trabalham o discernimento dos sons, cores, formas e texturas. Eles estão educando, despertando e construindo na criança, as habilidades que ela precisa SÁVIA ORLANDO CRESPO Psicopedagoga

67


TENDÊNCIA

Ronaldo Carvalho, da Três Tês Brinquedos, se inspira em métodos de aprendizagem para criar brinquedos que estimulem mais o desenvolvimento de habilidades

O gerente da Ri Happy Macaé, Júnior, conta que um dos motivos dos pais procurarem os brinquedos educativos é oferecer uma opção alternativa às tecnologias

68

A partir do momento que você precisa incluir e desenvolver mais o tema autismo, por exemplo, os adultos ficam mais interessados em acertar na escolha do brinquedo, procuram ajuda de um profissional e, assim, essa mãe e esse pai são mais estimulados a comprar brinquedos educativos e pedagógicos”, esclarece Sílvia. Influenciado por vários métodos de aprendizagem e desenvolvimento infantil como Montessori, Pikler, educação construtivista, ente outros, Ronaldo Carvalho cria brinquedos artesanais diversos tendo a madeira crua como base. “O brinquedo de madeira é ilimitado se você aproveitar a mente e a imaginação da criança”, fala Ronaldo, da Três Tês Brinquedos. Ele pontua que o objetivo principal do brinquedo é proporcionar diversão. “Eles não podem atrapalhar a criança a brincar. Se junto com a diversão, puder agregar na educação, no desenvolvimento, com estímulos, ótimo”, fala. Um dos brinquedos que ele já desenvolveu é o painel sensorial (indicado para crianças de 3 anos). O painel possui vários itens como buzina, alavancas, portinha,

cadarços, etc. Além de entreter, estimula a imaginação da criança e pode trabalhar a coordenação motora, a percepção auditiva, a noção espacial e sensorial, a noção de tempo e resposta, entre outras coisas. Ronaldo comenta que muitos pais se interessam por esse tipo de brinquedo porque lembram da própria infância e sentem vontade de proporcionar aos filhos momentos de diversão que fogem da tela. “Tem muitos pais preocupados, vendo a necessidade de ver o filho brincar mesmo e não só ficar assistindo, tirar a criança da tecnologia. Nessa relação com os brinquedos de madeira, a criança cria um microuniverso e isso faz com que ela se desenvolva”, fala Ronaldo. Na unidade Macaé de uma das maiores redes varejistas de brinquedos do Brasil, a Ri Happy, os consumidores também buscam por isso. Conforme fala o gerente da loja, Francisco Moraes Ribeiro Júnior, pelo menos 30% dos brinquedos da unidade são voltados para desenvolver habilidades. “Os pais têm a percepção de que esse tipo de brinquedo é melhor para o desenvolvimento da criança e também porque querem tirar o filho do contato frequente com a tecnologia”, fala Júnior. Seguindo essa preferência, ele cita que os pais têm procurado muito pelos brinquedos de madeira e fala ainda de outros tipos como os de encaixe, chocalhos, instrumentos musicais, brinquedos para brincar no banho, cabaninhas, etc.


69


VIDA

Geração Alpha, a primeira 100% conectada, desafia a educação dos pais e professores e surpreende pela inteligência

Marcela Zukeran não deixa o celular à disposição da sua filha Laura, de 3 anos. Ela estabeleceu limites em casa desde muito cedo

Por: Tathiana Campolina / Fotos: Alle Tavares

70

A psicóloga Bianca Comério ressalta a importância dos pais terem controle sobre a alta exposição das crianças nas redes sociais

Arquivo Bianca

QUE CRIANÇAS SÃO ESSAS?


Estudos mostram que as crianças da geração Alpha são as mais inteligentes que já nasceram até hoje. Observamos que elas são mais curiosas, aprendem muito rápido, estão abertas a mudanças, se adaptam muito mais fácil ao novo e possuem menos barreiras de preconceito BIANCA COMÉRIO Psicóloga

Priscila Barcelos e a filha Isabela, de 4 anos, com a guitarra autografada por Bell Marques, da banda Chiclete com Banana. Por conta do seu canal no Youtube, feito aos 2 anos de idade, a menina conseguiu realizar o sonho de conhecer seu ídolo

O

professor de sociologia e história, Thiago Jandre Garcia, que trabalha com educação há 14 anos, explica que as pesquisas colocaram 2010 como um marco do início dessa nova geração, mas alguns estudiosos questionam um pouco essa data para mais ou para menos. O fato é que a geração Alpha é a primeira no mundo que nasceu ultraconecatada e as crianças de hoje possuem acessos e características que desafiam a educação, tanto de pais, quanto de professores. “A geração Alpha tem modos e maneiras de interagir de formas diferentes. Atualmente, eles são muito estimulados, interagem com múltiplas plataformas, são mais independentes, têm acesso ao conhecimento de formas variadas e as famílias de hoje são mais planejadas. Os pais estão preferindo ter filhos mais tarde e, com isso, têm condições de proporcionar um acesso maior à tecnologia a seus filhos”, relata Thiago. No entanto, ele salientou que acesso às informações é diferente de aprendizado. A psicóloga Bianca Comério acrescenta. “Estudos apontam que as crianças da geração Alpha são as mais inteligentes que já nasceram até hoje. Observamos que elas são mais curiosas, aprendem muito rápido, estão abertas a mudanças, se adaptam muito mais fácil ao novo e possuem menos barreiras de preconceito”, diz. E todas essas características realmente foram relatadas pelas famílias entrevistadas para essa matéria. A preocupação dos pais também é característica comum dos nossos entrevistados.

Os médicos Marcela e Eduardo Zukeran, pais da Laura (3 anos), chegaram a um consenso para introduzir a tecnologia na educação da filha. “Quando a gente vai ter um filho pela primeira vez, temos uma série de expectativas em relação a como educar e sempre falamos: ‘meu filho não vai assistir desenho, não vai ver filme’, mas a realidade nos mostrou que precisamos nos adaptar às possibilidades que o mundo nos traz”, conta Marcela. Ela revela que começou a introduzir a tecnologia, a mostrar os desenhos para a filha aos 11 meses, mais cedo do que imaginava, e que hoje há limites bem estabelecidos na sua casa. “O celular e o tablet não ficam à disposição da Laura, pois sabemos que se deixarmos, podemos perder o controle. No entanto, não a privamos de conhecer essa tecnologia que faz parte do desenvolvimento e que caracteriza essa geração”, afirma. Marcela diz que a filha pode ver desenho na televisão uma hora por dia e, nos fins de semana, o celular e o tablet são autorizados, mas também por tempo limitado. “Isabela Bellzeira”, este é o canal do Youtube da Isabela Barcelos (4 anos) criado pela sua mãe, a servidora pública Priscila Barcelos. Os vídeos levaram a pequena a conhecer o seu ídolo, Bell Marques, em maio deste ano. “Tudo começou quando nós fomos para o carnaval de Salvador em 2017. Isabela tinha 2 anos, e quando ela viu o Bell Marques, se apaixonou e começou a pedir para vê-lo e a cantar as músicas. Foi aí que eu tive a ideia de criar o canal para colocar os vídeos dela cantando. Inicialmente, era para a família ver, mas depois comecei a mandar os links do canal para a produção do Bell. Quando ele veio fazer um show em Campos fomos convidados a ir conhecê-lo”, conta. Priscila disse que foi um momento especial para a família. “Todos da equipe dele já conheciam a Isabela. Quando cheguei no horário marcado e fui falar com o segurança, ele já sabia quem éramos e ainda pegou o celular para mostrar que via o canal. Para Bell Marques, foi um choque ver uma criança de 4 anos com uma blusa dele e uma guitarra na mão”, revela. A servidora garantiu que a filha adora. “Ela pede para mostrar o canal para nossos amigos e fica perguntando quando vai ver o Bell Marques novamente”, diz. A psicóloga explica que está cada vez mais comum a

71


VIDA Ângelo Spinelli e Michelly Blaudt com os filhos Matheus de 11 anos e Bernardo de 2. Os pais procuram estimular outras atividades para os filhos além do mundo digital

exposição das crianças nas redes sociais, mas ainda não há conhecimento do resultado dessa exposição. Os pais precisam ficar atentos para a criança não desenvolver transtornos relativos à imagem. Priscila explica que ela e o marido, o técnico de segurança Bueno Medeiros, sempre estimularam a filha, mas hoje eles se preocupam com o conteúdo do Youtube e sempre priorizam a conexão da televisão. “Acompanhamos os desenhos que ela gosta e nós que escolhemos o que ela vai ver”, conta. Ângelo Spinelli, engenheiro, e Michelly Blaudt, administradora, têm dois filhos, Matheus, que está no limiar da geração Alpha, com 11 anos, e Bernardo, de 2 anos. Eles contam a diferença que percebem entre ambos. “Com o Matheus, conseguimos segurar mais e ele foi pegar o celular com 9 anos. Já o Bernardo tem acesso desde bebê e já vai passando e escolhendo o que quer”, diz. Michelly revela que teve uma época que o filho mais novo estava ficando muito com o celular na mão. Ela e o marido resolveram colocar Netflix e matricular o menor na escola. A partir daí, tudo mudou. “Começamos a incentivar mais a televisão e nos surpreendemos, pois o Bernardo prefere filmes longos e só pede telefone quando vê o irmão mexendo. Além disso, a escola ajuda muito, já que ele fica um período do dia no colégio e o outro, em casa, e ainda tem a hora do sono”, explica. Ângelo reforça que descobriram o segredo: manter as crianças ocupadas. “Se ficar em casa, principalmente o mais velho, vai querer ficar conectado. Mas temos sorte, o Matheus ama esporte e incentivamos muito”, ressalta. Os pais dizem que nunca proibiram ou limitaram o uso da tecnologia, mas há algumas regras em casa. “Sabemos a senha dos equipamentos do Matheus e sempre pegamos para

72

monitorar, é proibido jogar ou mexer no computador no quarto com as portas fechadas e, na hora do almoço e após às 21h, eles não podem ver vídeos”, relata. Michelly acrescenta que a preocupação maior é com o filho mais velho e já vê algumas consequências do mundo digital. “O Matheus é muito curioso, gosta de pesquisar e conversa como adulto, isso às vezes assusta. Por outro lado, acho que ele recebe muitas informações e isso está deixando ele muito ansioso. Já começamos a ficar atentos para essa questão”, afirma. Bianca ratifica que essa ansiedade é uma consequência preocupante dessa geração. “Eles têm muita dificuldade em lidar com o tempo, pois o mundo virtual é muito rápido e a realidade nem sempre acompanha a velocidade digital. Esse conflito gera muita ansiedade e os pais realmente devem ficar atentos. Um outro ponto importante que devemos destacar é que a geração Alpha tem dificuldade em separar o que é real do virtual. Hoje, é muito fácil para a criança substituir o amiguinho pessoal pelo amigo virtual”, declara. Thiago frisa que, ao contrário do que muitos fazem, não se deve comparar essa geração com as anteriores. “Não tem comparação. É preciso enxergar o hoje, essa nova maneira de interagir e respeitar o lugar de fala deles. Ao contrário do que muitos pensam, as crianças de hoje leem muito, mas elas escolhem o que querem consumir. É preciso orientar, esse é o papel dos pais e professores de hoje”, afirma. O professor finaliza com um questionamento: “Estamos muito preocupados com a presença da tecnologia, mas já pararam para pensar que esta geração é que vai precisar lidar com ameaças como a falta de alimentos, a falta d’água? Será que estamos preparando essa geração para enfrentar os problemas sociais?”, conclui.


73


FAMÍLIA

Entre divertidas fotos e vídeos, os pequenos descobrem que podem influenciar feito gente grande

Inspiradas em influencers como a adulta Catharina Bersot, as meninas Ana Clara Almeida (à esquerda) e Esther Taveira também usam as redes sociais para influenciar

MANHÊÊÊÊÊÊÊÊ, EU QUERO SER INFLUENCER...

S

Por: Leila Pinho / Fotos: Alle Tavares

74

e até bem pouco tempo era improvável ouvir uma criança dizer que quer ser influencer digital, agora é normal. Os chamados nativos digitais da geração alpha (nascidos a partir de 2010) consomem conteúdo pelo Youtube, redes sociais e seus ídolos estão nessas plataformas. Nada mais natural que eles sonhem com isso. Mas, e os pais? O que fazem quando os filhos manifestam o desejo de se tornar um influenciador? A digital influencer Catharina Bersot, que é uma inspiração para muitos influenciadores mirins, percebe o aumento de interesse das crianças pela atividade de influenciar na internet, indica aos pais para ficarem de olho na atividade dos filhos,

nas redes sociais. “Tem que monitorar tudo. Marcar em cima. Tem muita gente ruim que não tem responsabilidade do que posta”, aconselha. Na opinião dela, a percepção das pessoas sobre o trabalho de influenciador digital está mudando. “Muitas pessoas viam, e muitas ainda veem, a internet como uma brincadeira. Quando elas começam a entender que isso é um trabalho e dá para se sustentar com o valor dos serviços, tudo muda. As pessoas te olham de outra forma e passam a te admirar”, diz a influencer. Com a Ana Clara Almeida, de 8 anos, a atividade de influencer foi surgindo aos poucos. Ela começou participando de um evento, em 2017, onde foi apresentada como


Esther Taveira foi Miss Baby Macaé em 2018 e começou a influenciar na rede. Hoje, ela tem mais de 5.900 seguidores no Instagram e participa de eventos, como a mostra de noivas “Fair Day”

blogueirinha. E, a partir daí, a menina começou a ganhar mais seguidores no Instagram. A mãe dela, Francinne Almeida, de 24 anos, acompanha tudo. Concilia os estudos dela com o trabalho, administra os compromissos da filha e monitora todos os contatos feitos através das redes sociais. Francinne conta que essa atividade surgiu em um momento da vida dela e da filha que acabou desempenhando um importante papel de socialização. A família de Francinne veio de Juiz de Fora e não conhecia ninguém em Macaé. A mãe desenvolveu depressão e Ana também teve impactos na saúde emocional. Com a atividade de influencer, a menina teve a oportunidade de conhecer mais pessoas e se socializar. A Ana tem mais de 4.000 seguidores no Instagram (@anaclaraalmeidablog) e também um canal no Youtube (Ana Clara Almeida Blog). “Eu amo. Adoro tirar fotos e, quando acaba, ainda quero fazer mais”, fala Ana. Na rotina da influenciadora, a mãe organiza horário pra tudo. De manhã, a garota estuda, depois do almoço faz os deveres e os compromissos de trabalho ficam pra tarde. Às vezes, tem sessão de fotos, às vezes algum desfile e, quando Ana quer, tem gravação de vídeo, seja um stories pra divulgar produtos de parceiros ou vídeo em casa pra falar do que ela quiser: como slime, por exemplo. Francinne pontua que deixa Ana ser influenciadora porque sabe que a filha gosta. “Eu respeito a vontade dela. Se quer gravar vídeo grava, se não quer não grava. Eu sempre falei com ela que vamos continuar até o momento que for confortável pra ela”, fala a mãe. O que começou de forma despretensiosa, hoje ganhou mais profissionalização. Francinne relata que pesquisou como os influencers cobram pelos serviços e hoje já trabalha com mídia kit (uma apresentação do trabalho da influencer

Francinne, mãe de Ana Clara Almeida, administra a atividade da filha nas redes sociais, inclusive registrando seus trabalhos para postar

Muitas pessoas viam, e muitas ainda veem, a internet como uma brincadeira. Quando elas começam a entender que isso é um trabalho e dá para se sustentar com o valor dos serviços, tudo muda. As pessoas te olham de outra forma e passam a te admirar CATHARINA BERSOT Digital Influencer

que mostra seu perfil, o nicho de atuação e dados). “Antes (em 2017), era só permuta. Mas aí vimos que os parceiros conseguiam fazer vendas por conta do trabalho da Aninha e aí começamos a receber dinheiro (2018). De lá pra cá, tivemos 40 parcerias”, fala Francinne. Já para a influenciadora mirim Esther Taveira Medeiros, de 6 anos, a história começou nas passarelas. Com 4 anos, ela já tinha participado do Miss Baby Macaé, em 2016, ficando em

75


FAMÍLIA

Gianini Coelho

Apaixonado por games, Teo, de 9 anos, conta com o apoio dos pais Marcia e Kleber Berti para manter um canal no Youtube sobre jogos. Kleber ajuda o filho editando os vídeos num estúdio de gravação montado na antiga sala da família

3º lugar no concurso. Depois disso, várias lojas convidaram a menina para desfilar e ela também participou de outros concursos de beleza. “Então, as menininhas perguntavam como ela começou a desfilar e queriam saber de onde era o look dela. Foi aí que despertou esse interesse”, conta a mãe de Esther, Alana Taveira, de 37 anos. No ano passado, Esther disputou o concurso de beleza local novamente e foi eleita Miss Baby Macaé 2018. “Eu amo desfilar porque eu me divirto. Eu me sinto bem, como se eu fosse uma princesa”, fala a pequena influencer. A mãe conta que, antes mesmo de se tornar influenciadora, a menina brincava de se filmar com o celular e adorava fazer poses para fotos. A mãe administra a rotina de Esther e não deixa as atividades de influencer atrapalhar nos estudos e no balé. A menina participa de desfiles, eventos e faz fotos pra divulgar looks de parceiros. “É como se ela estivesse brincando. Quando ela experimenta roupas de princesa, ela acha que aquilo é uma brincadeira”, fala a mãe. Atualmente, Esther conta com mais de 5.900 seguidores no Instagram. “Tem a parte do compromisso. Tem hora de gravar, tem hora de experimentar roupa. Mas ela é criança. Às vezes, fala que não quer e eu não insisto”, diz Alana.

Os meninos também influenciam

Nem só de moda vive um influencer. Apaixonado por games, o pequeno Teo Berti, de 9 anos, tem um canal no Youtube, o Teo Berti (TvTa), que usa para dar dicas de como passar de fases e muitas outras coisas do universo dos jogos e também da vida dele. Ele começou a gravar vídeos

76

em 2017, incentivado pelo pai. “O pai dele (Kleber Berti) é programador e também joga. Lá em casa, tem guerra de controles porque os dois gostam muito de games. Então, o pai falou pra eles criarem o canal”, conta a mãe de Teo, a empreendedora Marcia Brito, de 45 anos. “Eu assistia muitos vídeos. Daí, comecei a gostar e fiquei imaginando que seria legal ter uma canal pra mostrar isso pras pessoas”, conta Teo. Com a ajuda do pai, Teo grava vídeos que mostram os macetes que usa e os caminhos mais curtos pra passar de fases. “A minha maior conquista no canal foi zerar uma fase do Cuphead em 6 minutos. Tenho um vídeo que mostra isso. É muito legal mostrar pras pessoas e dar dicas para elas jogarem melhor. Mas, o mais legal é jogar, é muito divertido”, fala o garoto. Teo quer se divertir e usa o canal pra falar do que gosta e explorar suas habilidades, sem grandes pretensões com relação à audiência. A mãe dele observa o envolvimento do garoto com os vídeos, sob uma perspectiva de aprendizagem. “A gente pensa nisso como um fator pra ele se desenvolver. Vejo que o raciocínio dele é rápido, que ele não tem vergonha de falar, ele gosta de se relacionar com as pessoas e isso é um grande ganho de relacionamento que ele tem”, pontua Marcia. Ela conta que Teo já fez curso de programação de jogos e, agora, está aprendendo com o pai a editar vídeos. Os pais deixam o menino à vontade para gravar quando quiser e o estimulam a fazer várias outras atividades, mantendo uma rotina normal para uma criança dessa idade. Teo estuda, pratica esportes e costuma gravar só aos sábados e domingos. “Ele não tem nenhuma obrigação nisso. O que a gente quer é que ele se divirta”, fala Marcia.


77


PERFIL TEEN

Com uma história de superação inspiradora, o macaense Sillas Andrade sobe nos pódios da vida

SILLAS, O ATLETA DA RESILIÊNCIA Por: Leila Pinho / Fotos: Alle Tavares

U 78

m macaense persistente tem mostrado que uma história de superação se faz com muita dedicação, resiliência e fé. O nome dele é Sillas Andrade, atleta de bicicross, de 14 anos, que não para diante das dificuldades. Ele surpreende com a alta performance no esporte, e sua história de vida também causa a mesma impressão. Ainda muito pequeno, Sillas enfrentou uma grande batalha. Segundo conta sua mãe, a professora Jane Andrade Alves, logo nos primeiros anos de vida, o menino foi diagnosticado com fibrose cística, uma doença rara. Por conta da doença e de outros problemas de saúde, Sillas precisou ser internado diversas vezes e fazer vários tratamentos. “Dos 2 aos 6 anos foi uma luta”, lembra Jane. Ele teve problemas respiratórios, muitas alergias e tudo tinha relação com a fibrose cística. A família de Jane fez tudo que podia pra que o menino pudesse ter uma vida normal.

Sillas com a mãe Jane Andrade. Ela sempre incentivou e estimulou o filho a superar suas limitações e conquistar seus objetivos

Dos 6 aos 10 anos, Sillas praticou natação e a atividade contribuiu muito com a sua qualidade de vida. E foi aos 10 que um encontro com a bike marcou o início de uma grande transformação na vida do garoto. Sillas e a família estavam voltando de um culto no Parque Aeroporto e ele viu pessoas treinando na escolinha de bicicross. Pediu pra ver o que estava acontecendo e, pouco depois, já estava na escolinha. Em 2015, ele começou a treinar e logo, se destacou pelo desempenho. Numa


Sillas está escrevendo uma história de sucesso ao longo da sua curta e vitoriosa carreira. Hoje, ele é o primeiro colocado no ranking nacional da sua categoria no bicicross

A psicóloga Rosângela de Oliveira ressalta que o apoio familiar é fundamental para que as crianças consigam ou não superar seus desafios

@jubinsk

das primeiras competições que participou, em Minas Gerais, Sillas ficou em 3º lugar. A partir daí, colecionou troféus (50), medalhas, 26 pódios e viagens a várias cidades, do Brasil e do exterior, para competir. “Por conta da saúde, Sillas ficou com defasagem escolar. Do 5º ao 6º ano, ele era visto na escola como o burro, o lento. Ele sofreu bullying e foi estigmatizado. O bicicross entrou na vida dele com uma função resgatadora e terapêutica. No 7º ano, ele estourou e, no 8º ano, já era um atleta. As notas melhoraram e tudo melhorou junto”, fala orgulhosa, Jane. Em 2016, novamente a saúde colocou uma prova na vida de Sillas. Ele descobriu um tumor no olho esquerdo e teve que fazer uma cirurgia para retirada desse tumor. Por causa da recuperação, ficou 4 meses afastado do bicicross. Sillas perdeu a visão esquerda, mas não a vontade de vencer. Ele não pensava em outra coisa que não fosse voltar a competir. E, mesmo sem a visão esquerda, venceu mais uma batalha. O garoto voltou às competições em 2017 e ocupou novos pódios depois disso. Mas, os desafios não pararam

de surgir. Em 2017, Sillas precisou fazer mais uma cirurgia para ativar o nervo óptico e ficou mais três meses sem poder treinar. Se recuperou e, mais uma vez, conseguiu vencer os desafios da vida e do esporte. Recentemente, numa competição em Sorocaba, ele se acidentou e quebrou o braço e o punho.Agora, está se recuperando, passa bem e já tem novas competições programadas para setembro. Para Sillas, o esporte proporciona sensações únicas, ele se sente livre e mais forte. “Eu vi que eu consigo, que tenho capacidade, que tenho potencial e que posso fazer. Com tudo o que aconteceu, eu fui ganhando confiança”, fala o garoto. Sillas conta com 11 apoiadores e 6 patrocinadores, mas, mesmo assim, os recursos ainda são pequenos frente aos custos que o atleta tem para competir. A família se dedica muito para que ele participe dos campeonatos. Jane, o marido e o filho viajam frequentemente para as competições e os gastos com viagens (grande parte no carro da família) são altos. “A gente vê a super ação de Deus na vida dele. Deus deu a Sillas um espírito de resiliência”, fala a mãe. “A gente aprende sobre resiliência vivendo e observando as próprias emoções. Para desenvolver resiliência é preciso se conhecer”, fala a psicóloga especializada em Terapia Cognitivo Comportamental, Rosângela de Oliveira. A psicóloga também orienta sobre o importante papel da família para ajudar jovens como Sillas a superarem as dificuldades da vida. “Tudo vai depender muito do contexto do adolescente, das crenças e dos valores que foram passados pra ele. O apoio familiar impacta diretamente em conseguir ou não superar os desafios. O apoio familiar é fundamental”, fala Rosângela. Com o apoio do pai e da mãe, muito treino, ele vai vencendo os obstáculos um a um e não perde de vista os seus sonhos. “Meu sonho é estar na final de uma Olimpíada e na final de um mundial de bicicross. Eu preciso treinar pra isso e tenho fé que vou conseguir”, fala. Se, com 14 anos, ele já é o 1º colocado no ranking nacional de bicicross de sua categoria, imagina só a história que ele ainda vai escrever.

79


PERFIL

Educadora apaixonada, ela contribuiu para fazer do Polivalente uma escola pública de referência que marcou gerações

ÂNGELA MARIA PESSANHA LIMA

A família de Ângela deu o suporte para ela fazer a diferença na vida da comunidade escolar. Junto dela, estão o marido Mozart, o filho Leonardo, a nora Jaqueline e o neto Rafael

Q

80

uem viveu em Macaé nas décadas de 1980 e 1990, certamente se lembrará que, naquela época, a Escola Estadual Polivalente Anísio Teixeira viveu seus anos áureos, sendo uma escola pública respeitada e admirada pela comunidade. Se essa escola conquistou a confiança dos macaenses, com ensino de referência, uma grande contribuição para isso veio do apaixonado trabalho da educadora Ângela Maria Pessanha Lima. Ângela foi diretora do Polivalente por 33 anos. Ela acompanhou a construção do colégio em 1978, sendo a primeira diretora quando foi inaugurado, em 1979. As suas recordações ajudam a entender que o Polivalente praticou um ensino revolucionário, integrando cultura, arte e várias outras áreas de conhecimento. “O Polivalente foi feito para fazer uma sondagem de aptidões dos estudantes, além da educação geral (português, matemática, etc), eles tinham aulas de técnicas agrícolas, técnicas comerciais, educação para o lar e artes industriais. Nós cuidávamos dos interesses dos jovens, eles tinham aula teórica e prática. Todos os professores passavam por treinamentos e, até gente de colégio particular, queria ir pro Polivalente. Todo mundo queria estudar lá”, recorda Ângela. O amor pela educação marcou sua vida desde pequena. Ainda criança, Ângela saiu de sua cidade natal (Santa Maria Madalena) para estudar em Niterói, em um colégio interno. “Terminei o curso Normal lá e, quando fiz 17 anos, já entrei pro magistério. Passei no concurso do Estado do Rio e me tornei servidora pública. Eu sempre amei a educação, gostava de cuidar do outro. Se eu sou o que sou hoje, agradeço ao colégio onde eu estudei”, destaca. Ao falar dos projetos que realizou no Polivalente, revisitando as fotos e arquivos que guardou ao longo de mais de 30 anos, os olhos brilham. Ângela tem a convicção de que os projetos pedagógicos multidisciplinares fizeram do Polivalente um colégio de vanguarda. “A dança abre caminhos, o coral abre

Alle Tavares

Por: Leila Pinho / Fotos: arquivo pessoal

Ângela já tem um livro pronto sobre as histórias dela e do Polivalente e, aguarda aporte financeiro para publicação

A Banda Musical do Polivalente (o xodó de Ângela) conquistou mais de 107 troféus e formou músicos


Mario Band’s

Em 2011, o Polivalente foi a única escola da cidade que permitiu a um aluno manifestar sua arte

caminhos e tínhamos tudo isso na escola. A cultura é que fez o Polivalente deslanchar. Ajudou os alunos a entenderem o que eles queriam ser”, comenta. Até o toque que marcava a mudança de tempos (das aulas) era diferente na escola. Enquanto os outros colégios usavam uma campainha, no Polivalente tocava música, geralmente temas de filmes. Quem frequentou a escola dos anos 1980 ao início da década de 2010, vai recordar de como os espaços eram bem cuidados e diversificados. Havia sala de dança, horta, espaço para aulas de teatro e aulas de música, etc. Muitas pessoas também lembrarão de como os desfiles cívicos do Polivalente eram diferentes. Em datas comemorativas, os estudantes desfilavam abordando o folclore, as danças típicas regionais, entre outras temáticas. Em 2011, a escola chamou a atenção até nos muros. A educadora conta que, neste ano, um ex-aluno do Polivalente foi a várias escolas de Macaé pedir para grafitar no muro da escola. Apenas um colégio permitiu que ele expressasse sua arte, e foi o Polivalente. O nome do artista é Marlon Muk, grafiteiro hoje reconhecido em Macaé. “Ele era aluno nosso e eu deixei ele desenhar o muro porque ele estava se profissionalizando”, recorda Ângela. Em 33 anos, Ângela passou por muitas mudanças: de governos, de realidades econômicas e de mudanças sociais. Com firmeza e disciplina, ela persistiu se dedicando para que o ensino público do Polivalente desse aos alunos, o melhor. Em 1994, quando a escola foi municipalizada, ela estava lá. Foi eleita diretora (eleições diretas) por cinco vezes e não desanimou. Para manter os projetos pedagógicos da escola e o alto nível do ensino, Ângela usou as habilidades não só de educadora, mas também as de líder e de empreendedora. Ela contou com o apoio dos professores, dos pais e de toda a comunidade escolar. Realizou diversos eventos sociais para angariar recursos que pudessem manter as atividades da escola, já que somente com a verba pública não seria possível. Foram muitas festas e atividades realizadas, como: festa junina, angu à baiana, Garota Polivalente,

Ângela exibia com orgulho o escudo do Polivalente, que ela e o marido criaram. O escudo faz referência ao ensino diferenciado da escola, com a grade dentada, que remete às artes industriais e o chapéu alado, que remete às técnicas comerciais

bingos, rifas, etc. Empresários do comércio da cidade e pais de alunos também apoiavam a escola, doando recursos. Com ações como essas é que foi possível manter a Banda Musical Polivalente, uma das paixões de Ângela e motivo de muito orgulho para a história do colégio.

Banda Musical Polivalente

A história da Banda Musical Polivalente está entranhada com a história da própria escola. A banda surgiu em 1979, ano de inauguração do colégio, e conquistou mais de 107 troféus, tendo contribuído com o despertar para a música, a descoberta de habilidades artísticas e a formação de alunos. Participou de diversos concursos de música e realizou concertos, como no Teatro Municipal de Macaé. “Em 1999, nós fomos convidados a participar do III Festival Internacional de Música para a Juventude em Zurich, na Suíça. No Brasil todo, só duas bandas receberam esse convite, e nós não pudemos ir porque não tínhamos dinheiro”, recorda a diretora.

Família

Casada com Mozart de Souza Lima desde 1966, Ângela encontrou nele não só o amor, mas um grande companheiro. Ele teve participação ativa em vários projetos que Ângela tocava no Polivalente. O emblema do colégio foi criado por ela e o marido, que a apoiou em diversos momentos. Com ele, a educadora teve um filho, Ângelo Leonardo Pessanha Lima, geólogo, de 52 anos, e o neto Rafael, de 17 anos. Ela fala com carinho e muito amor da família, que mora na cidade.

Livro

As memórias da diretora e um rico acervo de fotos e documentos merecem ser compartilhados com outras gerações de Macaé, porque ajudam a contar um pedaço da história da cidade. Por isso, Ângela já tem um livro pronto, aguardando só a edição final e o aporte financeiro de patrocínio para conseguir editar e publicar a obra.

81


GENTE QUE FAZ

Ação social leva carinho, esperança e apoio para pessoas em tratamento do câncer, em Macaé

Maria, Edileia, Suzane, Rosineia, Ana e Valéria são voluntárias do projeto Renascer, que tem várias ações sociais, como a coleta de cabelos para confecção de perucas. O Salão Bela Donna é um dos pontos de doação de cabelos

GRUPO RENASCER COSTA DO SOL

A

Por: Leila Pinho / Foto: Alle Tavares

82

o longo de um tratamento de câncer, que iniciou em 2014 em Macaé, Suzane Antunes conviveu com várias pessoas que passavam pela mesma experiência e despertou um olhar mais solidário para as pessoas nessa situação. Junto de outras mulheres, Suzane iniciou um importante trabalho social com o grupo Renascer Costa do Sol, em 2016, que apoia pessoas em tratamento da doença na cidade, no Centro Oncológico de Macaé (situado no Hospital São João Batista) e no Instituto de Oncologia de Macaé. “O nosso objetivo é ajudar as pessoas que tratam câncer, tanto no serviço público quanto no particular. Nós ajudamos com doações e com visitas. Essas pessoas precisam de apoio emocional, precisam de palavras de esperança e de força para continuarem lutando. Elas precisam de carinho”, reforça Suzane. O Grupo Renascer faz um trabalho filantrópico com atuação de pessoas voluntárias e apoio da comunidade macaense. Diversas ações são realizadas, entre elas: visitas semanais nas duas unidades oncológicas, doações de hidratantes de pele e protetores solares (importantes para pacientes em tratamento), almofadas terapêuticas, doação de lenços, doação de cabelos e confecção de perucas (para quem perdeu os cabelos), entre outras coisas. Suzane explica que as almofadas terapêuticas são feitas por voluntários como ela e são confeccionadas em forma de coração. Além

O Grupo Renascer foi homenageado na Câmara Municipal de Macaé, recebendo o apoio do oncologista Dr. Sávio Mussi no Dia Internacional de Prevenção do Câncer de Mama

de servir como um encosto confortável, o objeto leva carinho e afeto para quem o recebe. “Já fizemos mais de 400 almofadas e distribuímos”, conta Suzane. A doação de cabelos é uma das ações fortes do grupo e tem nome: Fios do Bem. “As pessoas nos procuram para doar cabelos e deixam a doação no Instituto de Oncologia ou na Oncologia do São João Batista. Nós coletamos e com o apoio do Instituto Sawanna Por Todos, as perucas são feitas em Campos e retornam pra Macaé. Aqui, emprestamos as perucas aos pacientes”, explica. O Grupo Renascer arrecada donativos e faz a diferença na vida dessas pessoas que estão fragilizadas pela doença. Quem tiver interesse em colaborar com a ação social pode fazer doações de cabelos, de hidratantes e protetores solares, de feltro e, ainda, de tecido de tricoline 100% algodão e de enchimento (encontrado em armarinho) para confecção das almofadas terapêuticas. Para doar, basta entrar em contato com o Renascer pelo Facebook.com/ gruporenascercostadosol


83


84

Profile for Revista Divercidades

Edição 51 DVCD - Revista Divercidades  

Nesta edição, especial do Dia das Crianças, apresentamos matérias que têm despertado o interesse e a atenção das crianças.Informações úteis...

Edição 51 DVCD - Revista Divercidades  

Nesta edição, especial do Dia das Crianças, apresentamos matérias que têm despertado o interesse e a atenção das crianças.Informações úteis...

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded