__MAIN_TEXT__

Page 1

•1


2•

www.divercidades.com


ÍNDICE

44 ADABARBA MODA

Palavra do Editor ................. 06 De Tudo um Pouco .............. 08 Arquitetura & Design ......... 10 Pessoas & Negócios Anderson Siqueira ..................... 14 Map Viagens .............................. 16 Salão Bela Donna ........................ 18 Sandra Rodrigues Fotografia ....... 20 Maxclin ........................................ 22 Marmoraria Macaense ............... 24 Shop Mega Micro ........................ 26 Top Dental ................................. 28 Koni Store .................................... 30 Learning Fun ................................ 32 Arco Íris Petrotintas .................... 34 Especial Dia dos Pais Personal chef ............................... 36 A barba da moda ........................ 44 Os filhos vão estudar fora ............ 48 Alta perfomance no esporte ....... 54 A Cidade Alimentação saudável ................. 58 Starship, a discoteca do Tênis Clube ............................. 66

36

PERSONAL CHEF

58

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

Perfil Fernando Macaé .......................... 72 Delícias de Família Bolo de laranja de Dª Ancyra Pimentel...................... 78 Pessoas Casa do Caminho ........................ 80 Leitor em Foco Irnak Barbosa ............................. 82

66 STARSHIP, A DISCOTECA DO TÊNIS CLUBE

Expediente Colaboradores desta edição A Revista DIVERCIDADES é uma pu- • Gianini Coelho, Leila Pinho, Alle Tavares, Fernanda Pinheiro, Luciene Rangel, Raphael blicação da Formato Publicidade com Bózeo, Fernanda Candal, Alice Cordeiro, Cris Rosa e Júnior Costa. tiragem de 7.000 exemplares, com distribuição gratuita e dirigida. End.: Rua Dolores Carvalho Vasconcelos, 270 - Sala 1 - Glória - Macaé/RJ CEP: 27.937-600 - Tel.: (22) 3717-1000 • Direção geral: Gianini Coelho • Jornalista responsável: Leila Pinho Reg. profissional: MTB/MG 14.017 JP

• Fotografia editorial e Capa: Alle Tavares Publicidade • Gianini Coelho - Tel.: (22) 99985-5645 - www.divercidades.com E-mail: revista@divercidades.com • facebook.com/grupodivercidades •3


4•

www.divercidades.com


•5


Gianini Coelho / Giuseppe Arcimboldo

DE TUDO UM POUCO

A HORA E A VEZ DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

E

m quase todas as conversas entre amigos ou pessoas da família, tem sempre um assunto sobre a última novidade na área da alimentação, exaltando os seus benefícios para a nossa saúde: perda de peso, melhora no funcionamento do organismo, rejuvenescimento, etc. Isso mostra o aumento do interesse da população na hora de se alimentar e comprova o resultado de uma pesquisa, feita pelo Instituto Euromonitor em 2014, onde o Brasil aparece como o quarto maior mercado em venda de produtos saudáveis. Para nossa matéria de capa, entrevistamos pessoas, famílias e comerciantes que estão vivendo este cenário em lados diferentes, mas com uma coisa em comum: a preocupação na hora de escolher os alimentos e produtos para serem consumidos ou vendidos, que sejam mais saudáveis, como: orgânicos, sem glúten, integrais, lights ou, simplesmente, naturais. Descobrimos histórias interessantes de pessoas que tiveram que fazer escolhas, forçadas ou não, na hora de se alimentar, para ter uma vida com mais saúde. Falando em alimentação, uma tendência vem crescendo entre os amantes da gastronomia. O serviço do personal chef conquista espaço entre os macaen-

do de vida que é, aprender a dar valor às coisas e, principalmente, à família. Para os esportistas amadores, mas que gostam de participar de competições nos fins de semana, uma novidade. A medicina do esporte chegou para ajudar a melhorar sua performance e rendimento através de treinamentos específicos e acompanhamento profissional.

ses que querem oferecer um jantar especial, romântico ou para os amigos, no conforto da sua própria casa, mas com um toque especial. Abrilhantando esta edição, aproveitamos a data do aniversário de Macaé para contar a história da Discoteca do Tênis Clube, que marcou a adolescência de gerações no final da década de 1970, de 1980 e no início de 1990. Hoje, a festa anual da Starship, promove o encontro destas gerações e traz de volta as memórias inesquecíveis daquelas noites de domingo. Da pegadinha no braço da menina e do convite para conversar no “murinho da quadra”, onde muitos deram seus “primeiros beijos”. Bons tempos! Para o Dia dos Pais, abordamos assuntos do interesse deles. A barba grande ganha mais destaque e vem conquistando cada vez mais adeptos. Existem tratamentos e produtos específicos para cuidar da higiene e da estética que podem ajudar a manter o estilo. As crianças cresceram e foram estudar fora da cidade. Como os pais, mães e os próprios filhos lidam com a distância neste momento tão importante da vida. Quem já passou por isso, sabe de todas as dificuldades a serem superadas, mas também sabe do grande aprendiza-

Por falar em esporte... No momento em que o time do Macaé Esporte ganha destaque na Série B do Campeonato Brasileiro, levando o nome da cidade para todo o país, saibam que alguém já fez isso antes e deu muito o que falar. Na seção Perfil, apresentamos a história de Fernando Macaé. Confira! Valorizar a história de Macaé. Este é um dos objetivos da DiverCidades. Para isso, criamos uma nova seção chamada “Delícias de Família”, que conta a história das famílias macaenses através das suas receitas tradicionais. Iniciamos com a receita do bolo de laranja e a história de Dª Ancyra Pimentel, contada por seus filhos Arysa, Aryan e Amanda. Na seção Pessoas, contamos a história da Casa do Caminho, criada por Pierre Maciel há 25 anos e que hoje é dirigida pela sua esposa Regina. A instituição oferece assistência sem tornar as pessoas dependentes. Para fechar esta edição do Dia dos Pais e do Aniversário da Cidade, o nosso “Leitor em Foco” é Irnak Barbosa, médico, pai e amante das belezas de Macaé. Boa leitura. Parabéns Macaé e Feliz Dia dos Pais! Gianini Coelho Editor-chefe

ESPAÇO DO LEITOR

A revista está um luxo! Reportagens maravilhosas! Arrasaram” - Silvia Maia

DiverCidades, eu indico para quem gosta de uma boa leitura” “Revista Rubem Gonzaga Almeida Pereira muito da matéria (A volta ao trabalho “Gostei após a maternidade)!”

Pamela Garcia Lima Oliveira Envie seu comentário para: jornalismo@divercidades.com ou facebook.com/grupodivercidades Erramos: 1. Na matéria da Portobello Shop (Edição Dia das Mães/2015, pag. 21), na le-

genda da foto onde lê-se (...) com a arquiteta Lorena, o certo é com a designer de interiores Lorena. 2. Na matéria da Associação Pestalozzi (Edição Dia das Mães/2015, pag. 78) o correto é “Entidade filantrópica completa 42 anos de história com atendimento muito especial” e não 52 anos, como foi publicado.

6•

www.divercidades.com


•7


Marly Simas

DE TUDO UM POUCO

Giovanne Fin, Martinho Santafé e Marcelo Machado no lançamento da exposição, que ficará aberta até agosto na Verbena. Acima, uma das obras de técnica mista sobre MDF

PRESTÍGIO AOS ARTISTAS LOCAIS

C

Por meio da iniciativa dos dois, o ambiente democratiza o acesso às artes plásticas, sendo gratuita a visitação pelo público. Quem tem trabalhos nessa área e interesse em apresentar, deve entrar em contato com Giovanne pelo telefone (22) 98117-0022 ou com Marcelo, (22) 99985-8726. Portanto, os artistas da região podem preparar seus acervos e caprichar na escolha das obras que vão enviar para pré-seleção.

A primeira exposição do ano ficou por conta do artista plástico Martinho Santafé. Martinho pinta desde a década de 1970 e possui trabalho bem conceitual, ligado ao abstracionismo. A exposição fica aberta ao público até agosto. Depois, será a vez do artista Marcelo Vitielo, que expõe a partir de agosto. Além de incentivar o público da cidade a conhecer e prestigiar os artistas locais, os idealizadores também pretendem levar as pessoas a consumirem esta produção. Nobre e elegante, a atitude de levar pra casa uma obra de artista da região, valoriza e fomenta a arte local.

Alle Tavares

om o intuito de mostrar que a arte pode ocupar vários lugares, Giovanne Fin — proprietário da Verbena – Fisioterapia, Estética e SPA — e o arquiteto e designer de interiores Marcelo Machado abrem as portas da clínica com espaço cuidadosamente reservado à arte regional. Um

dos corredores da clínica foi projetado para funcionar como galeria de arte e levar cultura a quem passa pelo local.

O cardápio do Bistrô é preparado pela chef Danúbia Gerscovich (esquerda) e a casa administrada por Carla Corga. A massa é uma das opções a la carte

há opções de pratos com sabores inigualáveis! No menu tem massa, salada, frango, carne, opções sem glúten e até prato infantil. O almoço é servido de segunda a sexta-feira, entre 11h30 e 14h30 e a cada semana, há novos pratos e sabores.

CASA DO LIVRO CAFÉ E BISTRÔ

O

Café da Casa do Livro, no Centro de Macaé, acaba de ganhar um atrativo: agora também é Bistrô. A casa que já comercializava lanches, bolos, tortas,

8•

cafés e outras delícias, está servindo almoço a la carte com cardápio especialmente elaborado pela chef Danúbia Gerscovich. O clima do local é agradável, aconchegante e mais silencioso, propício para quem gosta de almoçar num ambiente tranquilo. Segundo a proprietária da Casa do Livro, Café e Bistrô, Carla Corga, todo dia

A Casa do Livro também está aberta para eventos e festas infantis com temas culturais e possibilita aos convidados desfrutar do excelente clima do espaço. O estabelecimento atende ainda encomendas de bolos e tortas e faz reservas de mesas para grupos. Os interessados nos serviços da Casa do Livro podem entrar em contato com Carla, pelo telefone (22) 2762-9598. www.divercidades.com


•9


ARQUITETURA & DESIGN

Nesta área de lazer de um projeto em Alphaville, Danielle mesclou as linhas retas e modernas da casa com a sinuosidade das curvas da piscina

DANIELLE ATALIBA

A aposta na arquitetura inteligente é o que motiva e impulsiona esta profissional

H

á dois anos e meio em Macaé, Danielle Ataliba já é reconhecida no mercado de arquitetura e urbanismo. Mas não pense que tudo foram flores nessa caminhada. A adaptação ao público foi o que mais exigiu flexibilidade da profissional, que superou os obstáculos e agora colhe os louros de uma carreira bem-sucedida. Natural de Angra dos Reis, Danielle iniciou a faculdade de arquitetura em Volta Redonda e terminou no Rio de Janeiro,

10 •

Por: Cris Rosa • Fotos: Alle Tavares

onde permaneceu após o fim do curso. Na capital, trabalhou em diversas áreas, como paisagismo, aprovação de projetos, legislação, entre outras, o que lhe conferiu experiência para novos desafios. O desejo de mudança a trouxe à Macaé. “Queria sair um pouco da parte administrativa, na qual trabalhei durante muito tempo e migrar para a construção civil. Foi quando conheci a Vilarejo e consegui o meu primeiro emprego na cidade, como arquiteta para atender os clientes da loja”, conta.

Danielle, apesar do pouco tempo de atuação no mercado, já conquistou uma grande cartela de clientes

Fã de desenhos desde pequena, Danielle fazia caricaturas, perspectivas, paisagens, mas nem sempre soube que a arquitetura era sua paixão. “Comecei meio perdida. Fiz engenharia sanitária, depois civil e só então conheci a arquitetura e me identifiquei com o que eu realmente queria, que era projetar espaços”, comenta. www.divercidades.com


A comerciante Célia Peçanha teve sua cobertura toda reformada por Danielle. Materiais rústicos com sofisticação marcam o projeto que teve o acompanhamento da arquiteta

No apartamento do construtor André Assis, espaços interligados dão a sensação de amplitude nos ambientes

Totalmente satisfeita com a profissão, Danielle gosta de trabalhar o conceito de arquitetura inteligente, unindo sustentabilidade e otimização de custos. E foi justamente por ter esse perfil que, no início da carreira, encontrou dificuldades para entrar no mercado. “Macaé tem um perfil diferenciado dos outros lugares. Então, gosto de propor reaproveitamentos, materiais alternativos. O que eu quero é que os meus clientes se sintam satisfeitos. Eles não precisam ter o mesmo material da casa do vizinho, mas consigo chegar a uma proposta semelhante e com resultado até melhor e mais barato. É um desafio para mim e para os clientes”, afirma. Boa parte deste jogo de cintura, Danielle credita ao trabalho na Vilarejo. Na

loja, criava projetos com os mais diferentes orçamentos. “Analisei o perfil das pessoas através do trabalho na loja, senti o termômetro e me inseri no mercado. Com o tempo, acostumaram comigo. E eu gosto dessa diversidade, se tenho um cliente para atender com menos recurso, ele vai ficar satisfeito do mesmo jeito”, acredita. A comerciante Célia Peçanha é um desse clientes satisfeitos e teve sua cobertura totalmente modificada pela arquiteta. “Fiz aquisição de um apartamento e a área externa me preocupava, pois estava muito sem vida. Queria algo que proporcionasse cores, junto com rusticidade e beleza. Encontrei na Danielle uma profissional que soube ouvir, entendeu o que eu buscava e apresentou todo o material especificado, além

Neste projeto de Danielle, no Vale dos Cristais, o pé-direito alto dá destaque à sala de estar

de orientar na compra. Isso sem contar o fato de apresentar todo o projeto em 3D, incluindo a iluminação da área externa. O resultado não poderia ser diferente, fico maravilhoso”, elogia Célia. Danielle foi a vencedora do concurso realizado no I Fórum de Design de Interiores promovido pela empresa, entre os dias 23 e 25 de janeiro deste ano, no Centro de Convenções do Hotel Vilarejo, em Rio das Ostras. Entre 60 profissionais, a arquiteta bateu todas as metas e recebeu uma premiação pelo feito. • 11


12 •

www.divercidades.com


• 13


PESSOAS & NEGÓCIOS

Segundo Anderson Siqueira, as lentes de contato podem tratar casos de dentes com manchas, trincas e descoloração

ANDERSON Em busca do sorriso perfeito SIQUEIRA CRO/RJ: 30183

N

a busca por sorrisos ainda mais bonitos, os pacientes estão procurando recursos que possam deixá-los mais satisfeitos. Para tanto, o dentista Anderson Siqueira sugere dois tratamentos rápidos e com resultados estéticos maravilhosos! Para começar, o clareamento dentário é uma forma de tornar o seu riso ainda mais solto. Segundo o dentista, o tratamento pode ser realizado a laser ou através da utilização de moldeiras. “Nas duas formas, o paciente deve buscar a orientação de um bom profissional para indicar o melhor tratamento para seu caso.” Para quem sofre com problemas estéticos nos dentes, encontrar a solução significa recuperar a autoestima e também o bem-estar. De acordo com o cirurgião-dentista Anderson Siqueira, casos de dentes com manchas, trincas e descoloração podem ser tratados com lentes de contato, “a técnica existe há alguns anos, mas agora virou moda

14 •

Por: Marianna Faria • Fotos: Alle Tavares

pois vários famosos fizeram esse tratamento”, como o jogador Ronaldinho Gaúcho, o cantor Belo, a atriz Flávia Alessandra, a apresentadora Ana Maria Braga e a blogueira Thássia Naves. As lentes de contato são laminados que têm entre 0,2 e 0,4mm de espessura em porcelana (material nobre e muito resistente), são fabricadas de forma personalizada e posicionadas na parte frontal dos dentes, como uma espécie de capa. “Este tratamento é indicado para casos estéticos, proporcionando a alteração de cor, a correção do sorriso e diminuindo em alguns casos o espaço entre os dentes, tornando o sorriso mais bonito sem a necessidade do uso de um aparelho ortodôntico”, afirma Anderson. A dúvida de alguns pacientes é se a lente pode ser utilizada em apenas um dente, mas Anderson explica que nem sempre é possível, “normalmente é realizada aos pares para obter um bom resultado de cor e aparência, sem diferenças entre os dentes vizinhos”.

Existem algumas questões a serem avaliadas, como pacientes com bruxismo, com hábito de roer as unhas ou morder objetos como tampas de caneta, mas para estes, podem ser analisadas facetas mais grossas também. Vale lembrar que a porcelana tem propriedades muito parecidas com as do esmalte do dente, por isso, não é necessário evitar o consumo de determinados alimentos ou bebidas. A manutenção da lente de contato é feita nas consultas de rotina, que devem acontecer a cada seis meses ou, no mínimo, uma vez por ano. Se o paciente ficar interessado mas ainda restarem dúvidas, pode solicitar um molde de estudo ao seu cirurgião-dentista para sua análise e posterior aprovação. Macaé

Av. Atlântica, 1980 - Cavaleiros Tel.: (22) 2757-1313 Campos Rua 21 de Abril, 81 - Centro Tel.: (22) 2723-4879 www.smilex.com.br

www.divercidades.com


• 15


Arquivo pessoal

PESSOAS & NEGÓCIOS

O casal Patrícia e Márcio Bittencourt com os filhos em uma das várias viagens organizadas por Simone ao longo dos 18 anos de atendimento A equipe responsável pelo sucesso dos 10 anos da Map Viagens formada por: Simone, Luis Eduardo, Aline e Claudia

MAP VIAGENS

Agência comemora 10 anos de atendimento personalizado

N

atural de Cabo Frio, Simone Oliveira chegou há 23 anos em Macaé para fazer história no setor de turismo da cidade. Reconhecida pela qualidade do seu atendimento, ela veio para trabalhar em uma agência de turismo de Macaé, onde ficou por 12 anos. Em 2005, decidiu investir em sua própria agência e hoje comemora o décimo aniversário da MAP Viagens. Mais do que conquistar clientes na cidade, Simone fez amigos. “Sempre tive vontade de montar minha própria agência, mas faltava coragem. Apesar de não ter capital para o negócio, eu estava decidida. Fechei um acordo com a dona da loja, que permitiu que eu pagasse o aluguel no mês seguinte, e contei com a ajuda de amigos, como a Adriana Fragoso, para mobiliar o espaço. Logo no primeiro mês, fechei um congresso de medicina para Buenos Aires e pude honrar com todos os meus compromissos”, lembra, destacando que a MAP está no mesmo lugar desde a sua fundação. Nesses 10 anos, a MAP Viagens, assim como outras agências, acompanhou o boom das vendas de pacotes pela internet. O que no início se apresentava

16 •

Por: Alice Cordeiro • Fotos: Alle Tavares

como um forte concorrente virou um aliado. “Hoje é muito fácil pesquisar lugares e ter acesso a pacotes de viagens que, inicialmente, parecem ser vantajosos. Contudo, o que oferecemos, a internet não pode proporcionar. Aqui, o cliente tem segurança na sua compra, sabe a quem procurar em caso de dúvidas. Além disso, oferecemos todo tipo de informação necessária para que a viagem seja um sucesso: detalhes sobre vistos; vacinas; passaporte; os melhores hotéis e bairros para se hospedar, entre outros benefícios que só o contato físico de uma agência possibilita”, assegura. Além de ter um atendimento personalizado, no qual cada destino é pensado de acordo com os gostos dos passageiros, desde os hotéis até os passeios, os clientes contam com as experiências pessoais dos profissionais que atuam na MAP. “Como agente de viagens, tenho a oportunidade de conhecer diversos países e gosto de aproveitar isso para dar dicas pessoais para os clientes. Já estive em quase toda América Latina, em muitas cidades dos Estados Unidos, como Nova York, Orlando, no estado da Califórnia, entre outros. Na Europa, destaco Portugal, Londres, Paris e Espanha”, comenta.

Todas essas qualidades se refletem na vasta cartela de clientes da empresa, repleta de nomes importantes da sociedade macaense, como empresários, políticos e médicos. Entre eles, o casal de cardiologistas Patrícia e Márcio Bittencourt. “Conhecemos a Simone há 18 anos, pois foi com ela que compramos nossa lua de mel. De lá pra cá, nos tornamos clientes fiéis. Hoje, não só eu e meu marido, como nossos filhos Letícia (16), Gabriela (15), Diogo (11) e Thiago (8), viajamos pela MAP”, revela. “Nas viagens, temos acesso direto à Simone. Ela está sempre conectada e disposta a nos ajudar em caso de algum problema ou dúvida durante os passeios. Ao chegar com uma proposta de viagem, ela nos direciona para os locais que melhor atenderão ao nosso perfil, procurando sempre adaptar nossos gostos aos locais que escolhemos visitar”, finaliza Patrícia. “Quando um cliente fecha um passeio, ele está querendo realizar um sonho, quer que tudo seja perfeito. Assim, nos preocupamos em atender suas vontades para que a viagem seja um sucesso. Após a viagem, ligamos para saber como foi e ficamos extremamente realizados ao saber que eles ficaram satisfeitos”, confessa Simone. Entre os serviços oferecidos pela MAP Viagens estão: viagens nacionais e internacionais, translado, reservas de hotéis, cruzeiros, transatlânticos, congressos e todo o suporte necessário.

Rua Teixeira de Gouveia - Galeria 846 - Lj 09 - Centro - Macaé Tel.: (22) 2770-5425 - www.mapviagens.com.br

www.divercidades.com


• 17


Bela Donna

PESSOAS & NEGÓCIOS

Sofisticado e ao mesmo tempo acolhedor, o novo salão Bela Donna é mais amplo, moderno e confortável

BELA DONNA Salão inaugura sua nova loja com espaço mais amplo, sofisticado e com muito conforto Por: Leila Pinho • Fotos: Alle Tavares

18 •

Ricardo, Érica e Erivelto comandam o salão com muito profissionalismo

H

á 3 anos nos Cavaleiros, o Salão Bela Donna mudou de local e inaugurou uma loja cheia de charme e com muito conforto para os clientes, no mesmo bairro. A mudança no endereço foi sutil, já que o salão permanece na mesma rua, a Joaquim da Silva Murteira, porém em número diferente. Mas, na estrutura, ocorreu a verdadeira transformação.

O novo espaço é mais amplo — são 480m², enquanto no antigo eram 180m² —, tem pé-direito alto, mobiliário moderno, ambiente sofisticado e mais apropriado para receber um maior número de pessoas. É elegante, sem perder a capacidade de acolhimento. Segundo um dos sócios do salão, Erivelto Leite, os clientes se sentem à vontade no local porque são bem recebidos e o clima é agradável. “Não fazewww.divercidades.com


A atualização profissional é constante entre os cabeleireiros do salão

A loja de sapatos e acessórios femininos, de Michele El Hage, é novidade do Bela Donna

sócios da empresa. “Os nossos clientes se surpreenderam com o tamanho e o conforto. Existe uma relação de carinho com o cliente, esse é o nosso diferencial”, fala Erivelto. A empresária Ana Cláudia Guimarães vai ao salão no mínimo duas vezes por semana. No Bela Donna, ela faz coloração, hidratação, unha e drenagem linfática. “O atendimento é excelente e o novo salão ficou muito bonito, confortável e aconchegante. Dá pra sentir o calor humano e o carinho dos donos com a gente”, conta Ana Cláudia.

A equipe de manicures faz, desde a pintura mais tradicional, até as unhas de acrigel

NOVIDADES

Ana Cláudia Guimarães é cliente de Erivelto há mais de 10 anos

com mais privacidade e de forma que se sintam bem no local. Também tem lugar para as noivas, com serviços de maquiagem, penteado, etc. Sob coordenação de Norma Nunes, o espaço de estética na parte superior do salão, oferece vários serviços

mos distinção. Todas são recebidas da mesma forma. Temos clientes antigas e também pessoas com ocasiões especiais como é o caso das formandas ou madrinhas que querem fazer penteado e maquiagem”, ressalta o cabeleireiro. O salão oferece diversos serviços de cabelo como coloração, escova, penteado, corte, hidratação e, ainda, maquiagem. As manicures e pedicures fazem desde o tipo mais tradicional de pintura de unhas até técnicas como unha de acrigel e porcelana, por exemplo. Além disso, tem os pacotes para madrinhas, debutantes e formandas que contempla toda a preparação para festa com direito a espaço mais reservado. Assim, elas curtem o grande dia

Os profissionais que atuam no Bela Donna passam por treinamentos periódicos como cursos, workshops e especializações. Essa é uma das formas de manter a equipe sempre atualizada para oferecer tratamentos modernos e com melhores resultados, já que no mercado da beleza as novidades surgem com maior velocidade. Outro diferencial é a padronização na maneira de atender o cliente e de executar o serviço. Os cabeleireiros são capacitados para usar os produtos profissionais da Lóreal, Wella e Schwarzkopf, algumas das melhores marcas do mercado de beleza. De acordo com Erivelto, a clientela aumentou bastante ao longo dos anos, o que gerou uma expectativa por espaço maior. Ricardo Sampaio e Érica Rocha Drumond Cortes, também são

Com tanta área, no novo salão coube até uma loja de sapatos e espaço de estética, que são novidades. A loja comercializa calçados multimarcas, nacionais e internacionais, e acessórios femininos como bolsas, cintos e óculos. À frente da administração da loja está Michele El Hage. No segundo andar do salão, um ambiente foi preparado para ser a seção de estética do Bela Donna, que está sob responsabilidade de Norma Nunes. Seguindo a mesma lógica de comodidade, o objetivo é facilitar o acesso a alguns serviços e otimizar o tempo das clientes. Entre os tratamentos de estética corporal oferecidos estão: drenagem linfática pré e pós-operatório, massagem estética, hidratação corporal, banho de lua, endermologia, microcorrente, ionização, desincruste, massoterapia, alta frequência e tabassoterapia. Já a lista de tratamentos faciais contempla higienização profunda, hidratação, revitalização e tratamento de acne. Rua Joaquim da Silva Murteira, 46 Cavaleiros - Macaé/RJ Tel.: (22) 2773-3806 facebook.com/beladonnaoficial

• 19


Alle Tavres

PESSOAS & NEGÓCIOS

Nos ensaios, Sandra utiliza um equipamento que reproduz som similar ao do útero

Sandra faz parte de uma associação americana especializada em Newborn, a NAPCP (National Association of Professional Child Photographer)

SANDRA RODRIGUES Fotógrafa especializada em Newborn registra momentos fofos, com todos os cuidados que o bebê necessita Por: Fernanda Pinheiro • Fotos: Sandra Rodrigues

E

m 2001, a mineira de Belo Horizonte, Sandra Rodrigues, mudou-se de Brasília (onde morou por mais de 20 anos) para o Rio de Janeiro, transferida pela empresa em que trabalhava. Com formação em Administração de Empresas e MBA em Negócios, há 13 anos, em sua lua de mel, foi presenteada pelo marido com a sua primeira câmera fotográfica profissional (ainda analógica – de filme) e não pensou duas vezes. Partiu em busca de realizar o sonho de se tornar uma fotógrafa profissional. Iniciou com cursos básicos e não parou de investir em conhecimento, especializações, equipamentos e muitos ‘cliques’! “Amo o meu trabalho, me sinto totalmente feliz e realizada quando estou com os meus clientes. Nos divertimos e colocamos nas imagens as emoções

20 •

do momento que eles estão vivendo. É incrível poder contar essas histórias através da minha fotografia!”, comenta. Sandra teve contato com a fotografia Newborn em 2012 durante um curso que participou. O estilo é muito difundido nos Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha e Austrália e, agora, está caindo no gosto dos brasileiros. “A fotografia de recém-nascidos é um estilo que tem por objetivo retratar os pequeninos nos primeiros dias de vida. Informações sobre a fisiologia do bebê, formas de posicioná-los, temperatura do ambiente, tipos de acessórios e roupinhas que podem ser utilizados dentre muitos outros detalhes importantes, são fundamentais para garantir aquilo que é a nossa prioridade: a segurança e o bem-estar dos bebês”, explica. A fotógrafa passou por um intenso treinamento antes de iniciar no estilo Newborn. Desde 2012, vem investindo pesado nessa área. Já passou por cursos com fotógrafas renomadas no Brasil, como Daniela Margotto e Simone Silverio, assim como a canadense Stephanie Robin e a australiana Kelly Brown, além de congressos e palestras específicas da área. Sendo, inclusive, membro da NAPCP, uma associação internacional de fotógrafos infantis. “Entre 5 e 15 dias, temos mais chances de conseguir um resultado satisfatório, uma vez que os bebês costumam ter um sono mais profundo e por mais tempo, não ter cólicas e serem mais maleáveis. É fundamental sabermos posicioná-los de forma segura, tendo o máximo cuidado até mesmo na forma

A fotógrafa busca transmitir, pelas fotos, toda a alegria e amor que envolvem o momento vivido pela família

de pegá-los, para evitar hematomas ou deslocamentos de membros. Em alguns casos, precisamos fazer montagens com imagens, porque há poses que não devem ser feitas sem que a cabecinha do bebê seja apoiada por um adulto, pois podem trazer lesões até mesmo na coluna cervical dele”, revela. Os ensaios duram cerca de 4 horas. São feitos com acessórios próprios para recém-nascidos e na casa do cliente, para a comodidade da mamãe, que muitas vezes passou por uma cesariana; e do próprio bebê, que não precisa ser deslocado para o estúdio. Sandra trabalha com máscara cirúrgica, aquecedor de ambiente e todos os acessórios higienizados conforme orientação pediátrica. “Busco em minhas imagens contar histórias, expressar o sentimento dos casais grávidos, das crianças e das famílias, naquele momento tão especial de suas vidas. Nada de imagens vazias e sem sentido, quero que sintam o amor e a alegria daquele momento fotografado sempre que olharem para as imagens”. finaliza Sandra.

Tel.: (22) 99253-6655 www.sandrarodrigues.com.br facebook/SandraRodriguesFotos

www.divercidades.com


• 21


PESSOAS & NEGÓCIOS

Arquivo

As nutricionistas Cristina e Cinthia mostram como tratar o distúrbio por meio dos fitoterápicos e plano alimentar adequado

O psiquiatra Adriano e as psicólogas Emmanuelle e Diessika trabalham em conjunto no tratamento da ansiedade

De acordo com o dentista Maurício, o bruxismo pode ser efeito da ansiedade

MAXCLIN

Clínica possui equipe multiprofissional para tratar o mal do século, a ansiedade

C

Por: Leila Pinho • Fotos: Alle Tavares

hamada de o mal do século, a ansiedade atinge milhares de pessoas e se torna cada vez mais frequente entre as populações das grandes cidades. Comum na vida moderna, o distúrbio pode causar dificuldades de a pessoa lidar com determinadas situações do dia a dia e ainda apresentar sintomas como aumento ou perda de apetite, insônia, cansaço, irritação, falta de concentração, entre outros. A doença pode se manifestar de diversas formas e, em muitos casos, o tratamento precisa da atuação de vários profissionais de saúde. Na MaxClin, a equipe capacitada dispõe de diversos especialistas para identificar as causas da ansiedade e oferecer os tratamentos mais adequados de acordo com cada caso. Segundo a psicóloga Diessika Oleari e a neuropsicóloga Emmanuelle Machado P. Peixoto, uma das possibilidades de tratamento é por meio da psicoterapia. “À medida que a terapia evolui, os sintomas da ansiedade são reduzidos e até excluídos. Como resultado, vemos uma melhora na qualidade de vida do paciente”, fala Diessika. Como diferencial, a clínica oferece uma bateria de exames neuropsicológicos que fornecem informações mais detalhadas sobre o problema vivido pelo paciente. “É isso que vai nortear o tratamento. Através dos exames, vamos definir se o paciente vai fazer psicoterapia ou reabilitação neuropsicológica, por exemplo”, explica Emmanuelle. Há ainda casos em que a participação de um psiquiatra é fundamental. Conforme explica Adriano Machado (psiquiatra), o trabalho em conjunto com a psicoterapia pretende afastar as causas da ansiedade. “Para alguns pacientes é fundamental que o tratamento multidisciplinar esteja associado à terapia com psicofármacos”, fala Adriano. Para os que apresentam sintomas relacionados à alimentação, as nutricionistas Cinthia Lopes (especialista em nutrição funcional e fitoterapia) e Cristina Rezende (nutricionista funcional e esportiva) adequam o plano alimentar do paciente para reduzir os reflexos do distúrbio nos hábitos à mesa. “No tratamento de ansiedade, indicamos muitos chás relaxantes, fitoterápicos (uso de plantas medicinais) e alimentos que estimulam a produção do hormônio do prazer (serotonina – neurotransmissor ligado à sensação de prazer) como 22 •

Segundo a endocrinologista Lutieska, a integração de vários especialistas é fundamental para o sucesso do tratamento

a banana, porque são ricos em triptofano”, esclarece Cristina. “Um dos problemas da ansiedade é que ela pode ser traduzida para nossa alimentação como fome intensa e compulsão por doces, por isso para controlar a ansiedade é preciso modificar a alimentação como um todo. O uso de fitoterápicos são para auxiliar no tratamento juntamente com o plano alimentar personalizado que é feito para o paciente, lembrando sempre a importância de avaliar a individualidade de cada um’’, pontua Cinthia. A endocrinologista Lutieska Fujihima explica que é comum os pacientes obesos terem a ansiedade como um dos fatores associados à doença. Ela pontua que os atendimentos multidisciplinares são fundamentais para o sucesso do tratamento da ansiedade. “Esse é um grande diferencial da nossa equipe!”, fala Lutieska. E quem imagina que a ansiedade pode gerar problemas nos dentes? De acordo com a explicação do dentista Maurício Araújo, acontece. O ato de ranger e apertar os dentes, popularmente conhecido como bruxismo, pode ter relação com a ansiedade. “Nesses casos, podemos tratar com botox, placa miorrelaxante e até medicação”, esclarece Maurício. Ele ressalta que a odontologia vai tratar os sintomas, mas que é imprescindível o paciente continuar o tratamento com outros profissionais com o objetivo de atingir as causas do problema. Receita que combate a ansiedade por Cinthia Lopes

SHAKE DE BANANA

Bata no liquidificador: 1 banana (se quiser deixar mais cremoso use a banana congelada), 150 ml de leite de amêndoas, 1 colher (sopa) de aveia, 1 colher rasa (sopa) de cacau em pó e 3 a 4 pedrinhas de gelo. Depois de pronto, sirva com nibs de cacau. Rua Bariloche, 24 - Cavaleiros Macaé/RJ - Tel.: (22) 2773-4921 facebook.com/maxclin www.clinicamaxclin.com.br

www.divercidades.com


• 23


PESSOAS & NEGÓCIOS

MARMORARIA MACAENSE

Aos 49 anos, empresa se reinventa, faz investimentos em infraestrutura e inaugura amplo showroom

A

os 68 anos, Ademar Gomes de Azerêdo conta, com humildade, sobre os anos dedicados à Marmoraria Macaense. Apesar das dificuldades iniciais, o empresário transformou uma pequena empresa em referência no seu segmento. Hoje, às vésperas de completar 49 anos, a serem celebrados em setembro, a marmoraria recebe novos investimentos em sua infraestrutura e ganha um novo fôlego em sua administração que passa a contar com os genros de Ademar, Edson Gonçalves Carneiro da Silva, de 32 anos, e Felipe Barreto de Sousa, 37 anos, que dividem sociedade com o sogro. 24 •

Por: Alice Cordeiro • Fotos: Alle Tavares

“Comecei a trabalhar aqui sem entender nada de mármore. O início foi muito difícil, pois tínhamos que fazer tudo manualmente. Não existiam as máquinas que temos hoje e nem a variedade de pedras. Quando cheguei, a empresa tinha dois anos de fundação e, dois anos depois, comprei minha primeira parte na sociedade. Em 2014, meus genros demonstraram interesse e hoje posso contar com eles para tocar o negócio”, lembra seu Ademar que, mesmo sem estar à frente da parte administrativa, está sempre na loja para auxiliar os sócios.

Acompanhado dos genros e sócios, Felipe Barreto (em pé, à esquerda) e Edson Gonçalves (em pé, à direita), Ademar Gomes (sentado) apresenta a nova Marmoraria Macaense com suas pedras especiais, entre elas, Quartzo, Primes, Nanoglass e Ônix

contador e cirurgião buco-maxilo respectivamente, mergulharam no mundo do mármore e granito para aprender um pouco mais sobre o mercado. Após o período de ambientação, identificaram as principais necessidades da empresa. “Organizamos a produção, para dar agilidade à entrega dos pedidos, investimos ainda mais em nossos funcionários e inauguramos um novo showroom, ampliando o espaço de atendimento aos clientes e aumentando a oferta de produtos expostos. Além disso, passamos a oferecer um estacionamento exclusivo”, explica Edson Gonçalves. A nova loja, inaugurada no início de julho, passou de 24 m² para 65 m² e ganhou nova fachada, com arquitetura moderna e clean, com aplicação de materiais nobres, como o mármore Travertino Turco. O interior recebeu aplicações diferenciadas, desde os revestimentos até o mobiliário, mostrando a versatilidade das pedras que podem, facilmente, ser combinadas com a decoração do ambiente. As mesas de atendimento, por exemplo, ganharam iluminação que transparece no ônix utilizado na confecção.

“A prioridade do projeto foi proCom o novo desafio, Edson e Felipe, porcionar mais espaço, funcionalidade, www.divercidades.com


Os ambientes da nova loja foram projetados especialmente mesclando pedras naturais e industrializadas

Projetos exclusivos, como móveis de mármore, também são confeccionados pela marmoraria

conforto e beleza para os clientes e funcionários. Além disso, mostramos os diferentes materiais que a empresa beneficia e vende, de forma elegante e atual, apontando tendências de uso para os novos e também novas aplicações para os já conhecidos”, detalha o arquiteto responsável pelo projeto, Frederico Guedes. Mais do que cuidar do exterior e reestruturar a produção, os novos sócios investiram no cuidado com o meio ambiente ao implantar estratégias para o gerenciamento de resíduos. “Somos responsáveis pelo beneficiamento das pedras, com isso, transformamos as grandes placas que recebemos em peças prontas para serem aplicadas nas obras dos clientes. Assim, identificamos a necessidade de nos adequarmos às normas ambientais, desde a reutilização da água até o controle da poeira gerada no processo, entre outras etapas que nos garantirão o licenciamento ambiental. Acreditamos que uma empresa de sucesso é aquela que esteja alinhada às questões ambientais”, explica Felipe Barreto. “Após conquistarmos o certificado, investiremos em novas tecnologias para a produção, que garantirão ainda mais agilidade ao processo e permitirão novas possibilidades de compor as peças. Para alcançamos nossas metas, sempre nos espelhamos no Ademar, pois queremos fazer o mesmo que ele fez: pegar uma empresa que já existia e transformar em algo ainda maior e de sucesso. Para isso, essas reestruturações são fundamentais”, conta Edson, acrescentando que a Marmoraria Macaense faz entregas para diversas regiões e possui como diferencial a quantidade de produtos em estoque. Para atender aos diferentes projetos, a marmoraria investe em todos os tipos de pedras, desde as mais tradicio-

O arquiteto Frederico Guedes, responsável pelo novo projeto, mostra as bancadas em ônix que foram confeccionadas com iluminação interna

Os granitos especiais dão um ar de sofisticação aos ambientes, como no Royal Atlântica Hotel

nais, como as nacionais, até as importadas, como Quartzos, Primes, Nanoglass e Ônix, entre outras. Além disso, o seu portfólio conta com cubas para banheiros e cozinhas, cooktops e projetos exclusivos, como móveis e outras possibilidades. Cliente da Marmoraria Macaense há mais de 30 anos, a rede de Hotéis Royal by Rede Mirador não teve dúvidas ao escolher a empresa macaense como fornecedor de todas as pedras instaladas no Royal Atlântica Hotel, inaugurado em junho de 2015. “Meu pai é cliente do senhor Ademar desde os pequenos hotéis onde trabalhava, no Rio de Janeiro. Quando iniciamos nossa primeira construção em Macaé, o Royal Macaé Hotel, retomamos nossas solicitações e não paramos mais. Nos últimos tempos, acompanhamos de perto a entrada do Edson e do Felipe na firma, e o que já era ótimo ficou ainda melhor, pois eles estão realizando um trabalho de modernização e ampliação, investindo ainda mais na empresa”, conta a diretora operacional dos Hotéis Royal by Rede Mirador, Isabel Tuñas.

Isabel Tuñas, diretora operacional da rede de Hotéis Royal, que é uma antiga cliente da marmoraria. O último projeto foi o Royal Atlântica Hotel

Isabel explica que no Royal Atlântica Hotel foram utilizados mais de oito mil metros quadrados de pedras, entre diferentes tipos de mármores, granitos e quartzitos, em especial, os exóticos. “Acreditamos que os revestimentos são a base da beleza e luxo do hotel. A Marmoraria Macaense compreendeu plenamente nossos desejos e sempre nos apresentava materiais diferenciados para atender às nossas expectativas”, finaliza a diretora e filha do diretor geral dos Hotéis Royal, José Tuñas.

Rua Alcino Brandão, 17 - Centro Macaé/RJ - Tel.: (22) 2762-0078 www.marmorariamacaense.com.br • 25


PESSOAS & NEGÓCIOS

Os sócios Anilson e Augusto. Empreendedores de sucesso em 15 anos da Mega Micro em Macaé

A nova loja possui 1.200m² distribuídos em 3 andares, com show room com o que há de mais moderno em celulares, computadores, games, além de serviços de manutenção e assistência técnica

SHOP MEGA MICRO Empresa comemora 15 anos com nova sede, novo nome e nova estratégia de crescimento

Q

uem passa pelo prédio moderno e imponente na Rua Teixeira de Gouveia, 1487 não imagina que a Shop Mega Micro começou com um escritório na casa de um dos fundadores. Hoje, ao completar 15 anos, a loja mostra que está no mercado para competir com os maiores de seu segmento. Anilson Araújo Júnior, 36 anos, e Augusto Frossard, 33, diretores comercial e técnico, respectivamente, chegaram a Macaé em 2000 com o objetivo de construir uma carreira sólida e rentável na Capital do Petróleo. Para isso, ofereciam o serviço de vendas e manutenção de computadores de porta em porta. O bom atendimento fez sucesso e a qualidade do serviços se espalhou rapidamente. “Começamos com um home office e, logo depois, abrimos um escritório comercial de 10m². Com o aumento da demanda, nos transferimos para uma loja de 30m² e depois para nossa última de 250m², ao lado da Igreja Nossa Senhora de Fátima”, lembra Anilson. Hoje, a empresa está situada em um prédio próprio de 1.200m², distribuídos em três andares, com estacionamento e rampa de acessibilidade. A mudança faz parte da nova estratégia de crescimento que inclui a implantação de e-commerce e a abertura de franquias, além da ampliação dos serviços já oferecidos. Com um novo plano de negócios, os sócios

26 •

Por: Alice Cordeiro Fotos: Alle Tavares

A Sala Home traz para o consumidor um modelo de “casa do futuro”, onde pode-se controlar todo o imóvel pelo celular

perceberam a necessidade de adotar um nome que representasse toda a gama de serviços oferecidos. “A empresa deixou de ser apenas uma loja e passou a ser um Centro de Negócios, por isso optamos por acrescentar a palavra Shop que mostra a segmentação de todos os nossos investimentos, criando novas marcas como: Shop Service, Shop Gamer, Shop Gráficos, Shop Automação, entre outros”, explica o diretor, ressaltando que no primeiro semestre de 2016, a empresa já terá inaugurado sua primeira franquia e estará presente com o e-commerce atendendo todo o Brasil. Os investimentos e o empenho dos sócios ganharam o reconhecimento dos principais fornecedores de TI e das revistas especializadas. Segundo eles, a Shop Mega Micro é a maior empresa de TI do estado e está entre uma das cinco maiores do país. “Os títulos foram concedidos por um conjunto de fabricantes do setor, entre eles, as empresas The Leadership Group, Lacerda Sistemas de Energia, Comtac, Epson, HP, Harman JBL, Bematech, Intelbrás e Eset Antivírus”, explica o diretor comercial. TECNOLOGIA AO ALCANCE DE TODOS O primeiro andar do prédio comporta todos os 15 mil itens “degustáveis”, destinados ao varejo. Entre eles iMacs, Mac books, iPhones e acessórios da Apple; câmeras fotográficas, como a Go Pro; smartphones, impressoras, home theaters, diversos jogos de Xbox/Ps4

e consoles; e demais acessórios destinados à tecnologia e telefonia. Outro destaque é a Sala Home. “Este é um espaço único em Macaé. Aqui, temos uma sala de estar privada, que simula a casa do cliente, onde ele pode escolher a melhor forma de instalação de seu equipamento de áudio e TV. Além disso, também realizamos toda a automação da casa. Com isso, o cliente pode acionar as cortinas, a iluminação e até mesmo o portão da casa através de seu celular”, descreve, acrescentando que os demais andares estão destinados aos serviços de manutenção (Shop Service), telemarketing, e-commerce, salas de treinamento, estoque e financeiro. “Além do varejo, estamos preparados para atender desde os pequenos empresários até as multinacionais, pois oferecemos todas as soluções em tecnologia necessárias para uma empresa”, explica. De acordo com Anilson, um dos diferenciais da empresa é ter os proprietários sempre à frente do negócio, estando atentos às necessidades dos clientes. “Nossos funcionários passam por treinamentos duas vezes por semana e muitas vezes realizam cursos com nossos fornecedores”. Com isso, garantimos que o cliente terá uma incrível experiência em nosso atendimento”, finaliza. Rua Teixeira de Gouveia 1487 - Centro - Macaé/RJ Tel.: (22) 2759-4132 www.shopmegamicro.com.br

www.divercidades.com


• 27


PESSOAS & NEGÓCIOS

Laura Tinoco atualmente faz Pilates e está há 22 anos na academia

As dentistas Márcia Coutinho e Ana Paula Viana completaram 1 ano de sucesso à frente da Top Dental

A Top Dental conta com uma equipe multidisciplinar na saúde dental para atender por completo toda a família. Da esquerda para a direita: Felipe, Mayra, Alana, Chafique, Márcia e Ana Paula

TOP DENTAL

Com várias especialidades, clínica cuida da saúde bucal do paciente por completo

D

esde maio de 2014, a Top Dental oferece serviços odontológicos com qualidade e respeito ao paciente. Com as dentistas Ana Paula Viana e Márcia Coutinho à frente da gestão, a clínica cresceu e agora oferece tratamento global. Isso quer dizer que o paciente encontra, no local, serviços para cuidar da saúde bucal por completo. “O tratamento global é uma grande vantagem para o paciente porque cada caso é discutido por vários profissionais e o melhor planejamento é apresentado. Isso, sem contar que aqui na Top Dental, a pessoa não precisa se deslocar porque resolve tudo num único lugar”, explica Ana Paula. A Top Dental conta com seis profissionais, além de estrutura adequada, equipamentos modernos e ambiente humanizado. O espaço é climatizado e tem espaço kids, com brinquedos 28 •

Por: Leila Pinho Fotos: Alle Tavares

e livros, para as crianças se distraírem enquanto aguardam o atendimento. As salas da clínica são confortáveis e com o atendimento individualizado, os pacientes se sentem mais à vontade. Entre as especialidades odontológicas oferecidas tem a clínica geral que atua através da prevenção como limpezas, tratamentos curativos e restauradores com orientações gerais sobre higiene bucal. Há ainda a ortodontia e ortopedia dos maxilares que corrigem as más oclusões, como os dentes tortos, e evitam possível má-formação óssea. Nessa área, a clínica oferece serviço de ortodontia diferenciado e inovador com o sistema de braquetes autoligados metálicos e estéticos (invisíveis). Também conta com especialistas em endodontia, muito conhecida como o tratamento de canal; implantodontia que possibilita a substituição de um elemento dentário perdido ou área sem dentes através da reimplatação de pinos de titâ-

nio, devolvendo uma correta mastigação, estética e odontopediatria que cuida da saúde bucal das crianças com a utilização de sedação consciente com oxigênio e óxido nitroso. Complementam os serviços, a cirurgia que é bastante utilizada nos casos de remoção de sisos inclusos ou erupcionados, remoção de dentes ou raízes fraturadas e remoção de freios labiais e a dentística, área de atuação responsável por reconstruir os dentes através de restaurações e facetas, além do tratamento de clareamento dental. Pessoas de todas as faixas etárias e até crianças com deficiência são atendidas. Na sala de atendimento específico para crianças, o teto do consultório tem desenhos que além de distrair os pequenos, também ajudam a relaxar. Como, culturalmente, a ida ao dentista costuma deixar as pessoas um pouco tensas, esses artifícios contribuem para que a experiência se torne mais agradável para o paciente, principalmente para as crianças. “Temos como diferencial a aplicação de toxina botulínica, hoje bastante utilizada para tratamentos estéticos como o sorriso gengival e para tratamentos da DTM”, afirma Márcia. A equipe Top Dental está comprometida em trazer o melhor atendimento e serviço. O objetivo principal é atender às necessidades e buscar as soluções que se adequem aos seus clientes.

Tropical Plaza Shopping Av. Rui Barbosa, 698 - Sala 610 - Centro - Macaé/RJ Tel.: (22) 2762-9500 / (22) 99825-4766 E-mail: topdental2014@gmail.com facebook.com/vianaclinicaodontologica.viana Convênios: Petrobras / Amil / Bradesco / Unimed Odontológica / Odontoprev Resp. Técnica: Dra. Ana Paula Borges Viana/CRO-RJ 33031

www.divercidades.com


• 29


PESSOAS & NEGÓCIOS

O casal André e Carla investiu na franquia e colhe os bons resultados com duas lojas na cidade

KONI STORE O japa fora da caixa com muito sabor, irreverência e a praticidade da comida rápida

C

om pouco mais de 5 anos em Macaé, o Koni Store conquistou os clientes que curtem um japa fora da caixa, o jeito Koni de fazer comida japonesa rápida, prática e muito jovial. O restaurante tem duas unidades na cidade, a mais antiga que fica na orla da Praia dos Cavaleiros e outra no Shopping Plaza Macaé. A proposta da rede é despojada, irreverente e ótima pra quem quer fazer uma refeição mais rápida e saborosa. O Koni Store foi criado em 2006, no Rio de Janeiro, por jovens cariocas e rapidamente virou um sucesso gastronômico. Hoje, mais de 100 lojas da marca estão espalhadas por vários 30 •

Por: Leila Pinho • Fotos: Alle Tavares

estados brasileiros. De acordo com os proprietários das unidades de Macaé, Carla Mattos e André Borges, o Koni é o point dos jovens da cidade e a casa costuma ficar bem movimentada toda sexta-feira. O mobiliário do local e até a música que toca no interior do restaurante são cuidadosamente pensados para combinar com o estilo de vida dos clientes. “A gente vê que a garotada se sente super à vontade aqui no Koni”, ressalta Carla. No cardápio do Koni tem comidas divercificadas para refeições em vários momentos do dia. Tem desde um lanchinho rápido até o almoço. Konis, rolls, yakisoba, sashimi, tirashi, kombos, kombinados, saladas, sobremesas, prato fei-

O koni de morango com Nutella é a sobremesa predileta de Daniela

to e bebidas são as opções do menu. Os lanches mais pedidos das unidades de Macaé são o Koni Philadelphia que vem com salmão, cream cheese e cebolinha e o Roll Croc Hot com makimono crocante com salmão especial, camarão, cebolinha e cream cheese. www.divercidades.com


O kombinado é ótima pedida para quem gosta de variedade

A proposta despojada do Koni também está presente na loja do Shopping Plaza

O Koni Philadelphia é um dos mais vendidos no Koni Store de Macaé

A equipe é preparada para servir a comida japonesa com agilidade

Além dos itens do cardápio, o restaurante realiza promoções atrativas e vantajosas para o consumidor. No mês de junho, por exemplo, a cada compra acima de R$ 13,50, o cliente ganhava um koni de Nutella com morango. Todo fim de mês tem alguma promoção de estímulo para experimentar outras delícias. Carla afirma que, no início do segundo semestre deste ano, haverá alterações no cardápio, com incremento de refeições. “Vem coisa boa por aí”, fala. Fã da marca, a advogada Daniela Barroso, de 35 anos, vê na praticidade das refeições do local uma grande vantagem. “Adoro japonês. O bom é que no Koni é bem rápido. Eu chego, peço a comida e em 10 minutos já está na minha frente. Com os compromissos do dia a dia, muitas vezes não dá pra almoçar e como malho na academia ao lado (nos Cavaleiros), fica bem mais fácil passar lá e pedir um japa”, conta Daniela. Entre os pratos preferidos dela, o koni de salmão completo e o kombinado com sashimi e roll estão no topo de lista. Já quando o assunto é sobremesa, ela

O cardápio do Koni tem 9 tipos de rolls, como o Croc Hot com makimono crocante com salmão especial e camarão, cebolinha e cream cheese

não tem dúvida. “O koni de Nutella com morango. Nossa! Essa sobremesa é uma perdição de tão gostosa”, fala aos risos. KONI DE NUTELLA COM MORANGO O koni de Nutella com morango faz muito sucesso entre os clientes da cidade. De acordo com Carla, quando a franquia promove competições para ver quem vende mais determinado lanche, as unidades de Macaé batem recorde de vendas desta sobremesa em relação a outras lojas franquiadas. “Tem gente que vem aqui só pra comer o koni de morango com Nutella”, fala. Há outras variações do doce como banana com Nutella. Tem versões mini e grande. PROGRAMA DE FIDELIDADE O Koni Store encontrou um jeito prático, ecológico e moderno de lançar o programa de fidelidade. O Bonuz funciona por meio do smartphone. O consumidor baixa o aplicativo, que funciona no sistema Android e iOS, e fotografa as notas fiscais sempre que

A franquia de Macaé bate recorde de vendas do koni de Nutella com morango

comprar algo no restaurante. Ao enviar a imagem do cupom fiscal, o consumidor acumula pontos que viram selos. Juntando seis selos, o cliente pode trocar por um koni ou roll no sabor que ele quiser. Além disso, o aplicativo também oferece mimos especiais. Quando o cliente recebe a informação que ganhou, é só ir até a Koni Store mais próxima para se deliciar com o presente. O Koni dos Cavaleiros funciona todos os dias da semana, das 11h às 0h. Já a loja do Shopping Plaza Macaé fica aberta de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h e, aos domingos, das 11h às 22h. Praia dos Cavaleiros

Av. Atlântica, 2946 - Loja 2 Tel.: (22) 2772-1398 Shopping Plaza Macaé Praça de Alimentação - Lj. 152 Tel.: (22) 98141-2924

• 31


PESSOAS & NEGÓCIOS

Há três anos, Susyane e Juliane, constroem a história de sucesso da franquia em Macaé

No método diferenciado de ensino da escola, as crianças aprendem com estímulos sonoro, oral e visual

Fabiana com seus filhos João e Aldo. Ela já conhecia o método da franquia de Fortaleza e fez questão de matriculá-los em Macaé

LEARNING FUN

Desenvolvendo a verdadeira inclusão, franquia ensina outro idioma sem diferenciar crianças

A

impressão que se tem quando entramos na escola de inglês Learning Fun, em Macaé, é que lá funciona um curso de inglês como vários outros que existem no mercado. Entretanto, quando a diretora Juliane Cassola explica que o método foi desenvolvido para atender crianças a partir dos 8 meses de idade e relata como os pequenos aprendem outra língua, a diferença começa a aparecer. “Como o próprio nome já diz, aqui nossos alunos aprendem inglês se divertindo, de forma bem lúdica. Nós respeitamos o tipo de inteligência de cada criança, potencializando seus conhecimentos, despertando o gosto pela aprendizagem de uma outra língua e trabalhando as habilidades necessárias em cada faixa etária”, explica. 32 •

Por: Fernanda Pinheiro • Fotos: Alle Tavares

“Oferecemos um método diferenciado de ensino. Até os 6 anos, os alunos aprendem com estímulos sonoro, oral e visual. A partir dos 7 anos, incluímos a parte escrita, onde o aluno é, então, alfabetizado em inglês”, acrescenta Susyane Barreto, também diretora da franquia em Macaé. O método Learning Fun está completando 3 anos na cidade e vem crescendo, atuando também em escolas parceiras através de assessorias ou terceirização, além do programa bilíngue, que é uma imersão diária em inglês. INCLUSÃO SOCIAL EM INGLÊS Mãe de João, de 4 anos, e de Aldo Vinícius, de 6, a cearense Fabiana Márcia Alves Duarte Lima chegou em Macaé há dois anos. Como já conhecia o método Learning Fun, resolveu matricular seus filhos na escola. Aldo, o mais velho, é auto-

didata, aprendeu a ler sozinho aos dois anos e oito meses e sempre necessita de novos estímulos. João, o caçula, é autista leve e também autodidata. Demorou a falar, e quando começou era tudo ecolalia (repetição) e em inglês. “Como toda mãe de criança atípica sabe, muitas escolas, apesar de se dizerem inclusivas, não estão dispostas e/ou preparadas a atender as necessidades dessas crianças, de forma a promover sua evolução pedagógica e social com qualidade, aproveitando e estimulando suas aptidões. Nós encontramos isso na Learning Fun, eles nos surpreenderam. Os resultados são visíveis: a ecolalia e as estereotipias, que são momentos introspectivos, onde o autista fica olhando para a mão, por exemplo, diminuíram, o círculo de amizade aumentou, o vocabulário cresceu nos dois idiomas, pois o diálogo é estimulado nas aulas. As ferramentas, o método da Learning Fun e o afeto da equipe são uma terapia extra e, no caso dos meus filhos, foi aprovada pela fonoaudióloga, pela terapeuta ocupacional e pela neurologista que acompanham a evolução deles”, revela Fabiana. Ludmila Miranda de Paula Fritzen, a professora da escola, também reforça estes diferenciais de ensino. “Se me perguntarem o que faço de diferente para ensinar algo ao João durante as nossas aulas, respondo que além do método da escola e ajudar no processo, ensino aos meus alunos com muito amor e paciência, percebendo as necessidades de cada um deles”, finaliza a professora. Rua João do Patrocínio, 248 Riviera Fluminense - Macaé/RJ Tel: (22) 2773-2963 www.learningfun.com.br

www.divercidades.com


• 33


PESSOAS & NEGÓCIOS

A loja localizada na Rua Tenente Coronel Amado, oferece o serviço de entrega para maior comodidade dos clientes

Os primos José Luiz, Susana e Marta González administram a Arco Íris e e acompanham de perto o atendimento ao cliente

ARCO ÍRIS PETROTINTAS Por: Cris Rosa• Fotos: Alle Tavares

34 •

Empresa completa 30 anos de bom atendimento e lança a venda on-line

T

udo começou com uma padaria, que com o passar do tempo deu lugar a uma loja de tintas e materiais de construção. O ano era 1985 e o empreendimento tinha a frente Manoel González Veiga e o sobrinho José González. Os anos passaram e a nova geração da família assumiu o comando da empresa. Hoje, as primas Susana González e Marta González Cordeiro, junto com José Luiz González, www.divercidades.com


A equipe de venda da loja atende desde construtores até a indústria de petróleo e gás

No início do negócio, a loja vendia, além de tintas, material de construção, tubos e conexões

a gente consegue observar o que o cliente precisa e tem como corrigir as falhas. Além disso, criamos um vínculo com o cliente. É um pouco mais cansativo, mas ao mesmo tempo a gente se sente mais seguro e tem um feedback diretamente de quem compra na loja”, observa.

A Arco Íris inovou no mercado com a venda pela internet para facilitar a vida dos seus clientes

dão continuidade ao negócio da família. “Começamos com uma padaria. Depois, nossos pais decidiram fechá-la e abriram a loja Arco Íris Petrotintas. No início, além das tintas imobiliárias e automotivas, vendíamos material de construção, tubos, conexões, e telhas. Porém, depois de um tempo, nosso foco passou a ser apenas a venda de tintas”, lembra Susana. Com a ebulição do mercado offshore, em meados do ano 2000, os sócios perceberam que era hora de focar também nas empresas do ramo de petróleo sediadas em Macaé. Na época, Susana, que havia começado na empresa há pouco tempo, assumiu a função de atender a essa demanda. “Assim que comecei a trabalhar na loja, resolvemos direcionar nosso atendimento às empresas de petróleo. Fizemos visitas, resgatamos clientes antigos e aos poucos conquistamos o nosso espaço nessa área. Hoje, temos uma sala para atender as empresas e fazer cotações”, conta Susana. Como toda empresa familiar, o orgulho de levar adiante a história cons-

Cliente da loja há mais de 20 anos, Valcir elogia o atendimento recebido

truída pelos pais é o que motiva os sócios. Formados em áreas diferentes – Publicidade e Propaganda e Administração - os três primos enxergaram na empresa a oportunidade de crescer na carreira que escolheram, sem deixar de lado a tradição. “Hoje, nós três administramos a loja, que conta com 15 funcionários. Marta atua no financeiro, José Luiz no controle de materiais e eu na parte de marketing e publicidade. A gente se divide, faz de tudo um pouco”, explica Susana. Há 15 anos na loja, a publicitária destaca que o grande diferencial da Arco Íris Petrotintas é a presença constante de, pelo menos, um dos sócios no estabelecimento. O bom atendimento e o contato direto com o cliente é o que mais prezam. “Somos uma empresa familiar e por isso sempre tem um de nós três presente. Acho muito importante porque

Valcir Antônio Ribeiro é cliente da loja há bastante tempo e afirma que a preocupação com a qualidade no atendimento e o bem-estar do cliente é o que o faz ser fiel à Arco Íris Petrotintas: “O atendimento é muito bom e o preço também, sem falar na qualidade do produto e as facilidades de pagamento. Todos esses fatores contribuem para que a loja se diferencie no mercado, não é à toa que sou cliente fiel há mais de 20 anos. A gente se sente valorizado”, afirma. VENDAS ON-LINE Para comemorar o sucesso de 30 anos da empresa, a Arco Íris Petrotintas saiu na frente e lançou um site de e-commerce (comércio na internet). Dessa maneira, os clientes não precisam sair de casa para comprar seu material. Tudo pode ser feito diretamente pelo site da loja (www.arcoiristinta.com.br) e a entrega é feita no endereço desejado. “Hoje, o nosso cliente tem essa opção como um diferencial de mercado. Muitos não têm a disponibilidade de ir à loja em horário comercial, seja porque trabalham ou outros motivos, então o nosso objetivo é atingir essa pessoa que tem a necessidade de comprar, mas não tem tempo”, finaliza Marta.

Rua Tenente Coronel Amado, 195 - Centro - Macaé/RJ Tel.: (22) 2762-7434 www.arcoiristinta.com.br • 35


GASTRONOMIA

Em sua casa, Marcella Suisso e Alessandro Moreira saboreiam um jantar especial preparado pelo chef Mauro Dias sua esposa Cristina, do Domma Restaurante

PERSONAL CHEF

Q

uando você pensa em ter uma noite romântica com seu marido, ou um jantar agradável com os amigos, saborear uma comida especial, feita por um chef, degustar um bom vinho e ouvir uma boa música, aonde você se imagina? Muitos responderão: em algum restaurante sofisticado de Macaé, mas uma minoria já pensa em fazer isso em casa. Como? São os personal chefs que chegaram para revolucionar a arte de receber.

Amantes da gastronomia buscam profissionais que transformem Famosos nas capitais brasileiras e, prina cozinha de casa em um cipalmente, nos Estados Unidos e Europa, esses profissionais transformam a cozinha da casa dos clientes em um verdadeiro restaurante gourmet restaurante, com todo o glamour e sofisPor: Alice Cordeiro• Fotos: Alle Tavares

36 •

www.divercidades.com


Com o maçarico à mesa, o chef finaliza a torre de legumes com queijo derretido, servido como entrada

A massa folhada trançada ao molho de alcaparras escondia um saboroso salmão

ticação necessários e a comodidade de permanecer no aconchego do lar. Quem contrata esse serviço é apaixonado por comer e beber bem. Mais do que quantidade, a busca é pela qualidade. Esse encantamento pela cozinha tem recebido cada vez mais destaque no Brasil e no mundo. Com o aumento do interesse, houve também o crescimento do número de chefs no Brasil. Muitos deixaram uma carreira consolidada em busca de satisfação profissional atrás do fogão. Este é o caso de Mauro Dias, do Domma Restaurante, Joelma Celestrini, da Gampei Gastronomia, e Bell Mellsert, da Casa da Bell. Em comum, todos têm a paixão pela gastronomia e oferta de um serviço personalizado.

Formado em Educação Física, Mauro Dias se encantou pela gastronomia quando viu um amigo preparar um peixe, em 2010. De lá pra cá, se especializou em culinária e, em 2013, montou o Domma Restaurante. “Com o Domma, começaram a surgir propostas para fazer jantares exclusivos, seja no restaurante ou na casa do cliente”, explica. Para conseguir manter a qualidade que o serviço exige, Dias faz eventos para grupos pequenos, muitas vezes aniversários, recepção de familiares que voltam de uma longa viagem, encontro de amigos e jantares românticos, por exemplo. Apaixonada por gastronomia e por receber amigos em casa, a gerente comercial Marcella Suisso, de 29 anos, utiliza frequentemente o serviço de chef em casa. Em maio, fez uma surpresa romântica para o marido, o empresário Alessandro Moreira, de 44 anos. Contratou Mauro Dias para elaborar um jantar especial. Na ocasião, foi servida uma torre de legumes com queijo derretido no maçarico como entrada, uma massa folhada trançada ao molho de alcaparras como prato principal e brownie com sorvete de sobremesa.

A cozinha de Marcella se transformou em restaurante por um dia nas mãos do chef Mauro Dias

DIFERENTE DA MAIORIA DOS RESTAURANTES, O CHEF NÃO TEM UM TEMPERO PRONTO. ELE FAZ TUDO NA HORA PARA O SEU EVENTO, DESDE O MOLHO, ATÉ A MASSA” MARCELLA SUISSO

“Eu adoro cozinhar e sempre acompanho o chef quando ele está na minha • 37


SYLVIA RITZMANN CABRERA casa. Diferente da maioria dos restaurantes, o chef não tem tempero pronto. Ele faz tudo na hora para o seu evento, desde o molho até a massa. Isso interfere no sabor da comida, que fica mais gostosa”, destaca. Consumidora assídua do serviço, Marcella conhece quase todos os chefs que atendem em domicílio. Para cada evento, sabe quem vai contatar. Segundo ela, o valor do serviço pode ser comparado a um jantar em um restaurante sofisticado, com o benefício de ter uma comida mais personalizada e com qualidade superior. “Passei a utilizar o serviço depois que meu filho nasceu, pois os restaurantes da cidade oferecem pouco entretenimento para as crianças. Com o personal chef, tenho a comodidade de estar na minha casa, sem me preocupar com meu filho, e saboreio uma comida maravilhosa, harmonizada com um vinho para mim e uma cerveja para o meu marido”, detalha Marcella. Já a empresária Sylvia Ritzmann Cabrera, de 43 anos, sempre pensou que este seria um ótimo serviço e sonhava encontrar alguém que o oferecesse em Macaé. Ano passado, o desejo foi concretizado ao descobrir a chef Joelma Celestrini, da Gampei Gastronomia. “Contratamos a Joelma, pela primeira vez, para o aniversário do meu marido 38 •

A chef Joelma Celestrini, da Gampei Gastronomia, trouxe a Espanha para Macaé através de uma paella feita para celebrar os 80 anos da mãe de Sylvia Ritzmann

e gostei tanto do serviço que a chamei para a festa de 80 anos da minha mãe. Hoje, sou cliente fiel”, conta Sylvia, lembrando que no aniversário do seu marido, a Gampei transformou o salão de festas do condomínio em outro ambiente, um local mais agradável, aconchegante e intimista. Já para a festa de sua mãe, Joelma trouxe a Espanha para Macaé através de uma paella. Assim como Sylvia, Joelma conquistou, pela boca, o coração de mais de 1.300 seguidores em sua página no Facebook. Além de colecionar curtidas, a chef tem uma agenda recheada de eventos. Apesar de todo o sucesso, o mergulho no mundo gastronômico começou em 2013, quando decidiu largar uma carreira sólida no jornalismo em troca da culinária. “Sempre cozinhei em casa, mas apenas em 2013 passei a tratar o hobby como profissão. Cursei gastronomia na Candido Mendes de Nova Friburgo e, em 2014, consegui meu primeiro cliente. De lá pra cá não parei mais”, conta Joelma, entusiasmada.

Fotos evento Sylvia: arquivo Joelma Celestrini

OS CONVIDADOS SE SENTIRAM LISONJEADOS, POIS PERCEBERAM O CUIDADO QUE TIVE AO TRAZER UMA PESSOA ESPECIALIZADA, QUE FARIA CADA PRATO COM O CARINHO QUE ELES MERECIAM”

DA MONTAGEM DO CARDÁPIO À LIMPEZA DA COZINHA Ao serem contratados, os profissionais fazem uma entrevista com seus clientes para conhecer seus gostos e dos convidados, saber se existe alguma restrição alimentar ou cultural. Depois disso, A chef Bell Mellsert acompanhada de seu marido Gustavo Mendonça, leva requinte e sofisticação aos eventos

Preparada para atender até 70 pessoas, Joelma diz que a procura por esse serviço tem aumentado. “As pessoas querem fugir dos restaurantes, pois não apresentam muita variedade no cardápio. Além disso, buscam o conforto e a segurança de seus lares sem abrir mão de comer bem. Por isso, a procura por profissionais qualificados, que oferecem comida de alto nível gastronômico, com harmonização de bebidas têm crescido”, acredita. www.divercidades.com


Sylvia realizou um sonho ao conhecer os serviços de personal chef de Joelma Celestrini

sugerem o cardápio. A partir daí, tudo fica por conta do chef, desde a compra dos ingredientes até a limpeza da cozinha. Além de cozinhar, a maioria dos profissionais está preparada para oferecer serviços adicionais como a harmonização com bebidas, aluguel de louças e até decoração do ambiente. Formada em gastronomia pela Estácio de Sá em parceria com Alain Ducasse Formation, Isabel Mellsert, ou simplesmente Bell Mellsert, acredita ter sido a primeira chef a inserir esse serviço em Macaé. Formada em fisioterapia, Bell largou a carreira para fazer sucesso na cozinha. Visionária, ela passou a atender na casa dos clientes macaenses em 2012, quando, depois de se formar no Rio e trabalhar em diversos restaurantes da capital, optou por retornar à sua cidade natal e viu no serviço de personal chef uma oportunidade. “Muitas vezes, o primeiro contato com o cliente acontece no local do evento, assim, consigo ver o tamanho da cozinha, saber se é possível preparar tudo na casa dele, se ele tem os utensílios necessários ou se terei que levar tudo para o local”, explica a chef. Isabela Pereira da Silva Catharino, de 45 anos, adora reunir familiares e amigos. Gosta tanto que destinou um andar inteiro de seu apartamento para receber. Aconchegante, o espaço é repleto de sofás e mesas que nos convidam a saborear algo delicioso acompanhado de uma longa e agradável conversa, o que faz periodicamente com suas amigas. “Uma vez por mês, elegemos uma anfitriã que irá preparar um evento com um tema surpresa. Dessa vez, optei por oferecer um jantar especial com a Bell, chef que adoramos”, revela, acrescentando que, com o serviço, está livre para dar atenção aos seus convidados sem se preocupar com o que irá ser servido. “Faço um cardápio exclusivo para cada evento, pois acredito que nenhum cliente é igual ao outro. Durante o passeio gastronômico, sirvo um amusebuche, que são pequenas porções de algo muito impactante, ou muito doce ou muito apimentado, que traz o convidado para o momento e o prepara para o cardápio que será servido”, explica Bell. • 39


ISSO É MUITO GLAMOUROSO, POIS ESTOU EM CASA, COM MEUS AMIGOS, OUVINDO UMA BOA MÚSICA, SABOREANDO UMA COMIDA MARAVILHOSA E UM VINHO ESPECIAL” ISABELA PEREIRA CATHARINO

Os detalhes fazem parte da apresentação dos pratos, que precisam chegar impecáveis à mesa

40 •

De blusa vermelha à esquerda, a empresária Isabela Catharino fez uma surpresa para suas amigas ao contratar a chef Bell Mellsert. O grupo, que se reúne mensalmente, se encantou com os pratos preparados pela chef

“Ao contratar um profissional confiável, como a Bell, sei que não terei problemas. Posso deixar tudo nas mãos do chef. Isso é muito glamouroso, pois estou em casa, com meus amigos, ouvindo uma boa música, saboreando uma comida maravilhosa e um vinho especial. Tudo isso com total privacidade, sem tumulto e surpresas desagradáveis”, revela Isabela. O CHEF, UMA ATRAÇÃO À PARTE Quem procura um chef de cozinha, quer fugir do esquema de bufê, no qual as comidas são preparadas em grande quantidade. Mais do que agradar aos clientes, o serviço encanta seus convidados. “O chef foge do tradicional, do que estamos acostumados a ver em eventos. Os convidados se sentiram lisonjeados, pois perceberam o cuidado que tive ao trazer uma pessoa especializada, que faria cada prato com o carinho que eles mereciam”, conta Sylvia. O cardápio que será servido gera ansiedade e curiosidade entre os convidados que esperam comer algo extraordinário. Sabendo disso, os chefs não deixam a desejar. Durante o jantar na casa de Isabela Catharino, por exemplo, foi servido como entrada salada encantada (folhas sortidas com peraconfit cozida em vinho tinto e pipoca selvagem), como prato principal camarões proibidos (camarões VG grelhados e flambados com ervas frescas de Provance, arroz negro e abacaxi caramelizado), e de sobremesa Frozen Lampião

& Maria Bonita Derretida (goiabada da vovó derretida com sorvete de tapioca), tudo isso acompanhado da chef, que explicou cada prato, matando a curiosidade dos convidados. “Estou preocupada em dar o meu melhor para os clientes e, para isso, a minha comida tem que ser perfeita, com os melhores ingredientes, utilizando pouca gordura e fazendo uma apresentação impecável dos pratos”, explica Bell Mellsert. Joelma Celestrini acredita que a figura do chef virou um atrativo à parte, já que os programas televisivos deram notoriedade à profissão. “O sucesso da gastronomia nos colocou em destaque e muitas vezes somos o centro das atenções do evento. Muitos pedem para que eu explique um prato, outros gostam de acompanhar a produção, saber uma dica de cozinha, descobrir o ‘pulo do gato’ em uma receita”, conta a chef, que mantém um serviço de entregas em domicílio, tudo com quantidade limitada para manter o padrão de qualidade. “Com um chef, nem um churrasco é o mesmo. O Mauro fez um churrasco aqui em casa e encantou com os detalhes. O queijo coalho, por exemplo, era servido com mel e tinha uma apresentação elegante. Já os tradicionais drumets ficaram fantásticos com um molho especial. Tudo isso só é possível porque eles têm amor pela cozinha e isso passa para o alimento”, acredita Marcella Suisso. www.divercidades.com


• 41


42 •

www.divercidades.com


• 43


TENDÊNCIA

A BARBA DA MODA

Diferentes estilos de barba tomam conta das ruas e fazem sucesso entre os homens

D

esgrenhadas, ralinhas, por fazer... e aquelas tipo lenhador então? Nos últimos tempos, os barbudos invadiram editoriais de moda, catálogos, propagandas, cinema. E as ruas também. Eles aparecem com os pelos espessos estilizados de diversas formas que variam das mais simples “barbas por fazer” aos estilos mais históricos. A barba acompanha a história da humanidade, e isso não é nenhuma novidade. Ela era a marca de filósofos e ermitões dos impérios Grego e Romano; virou um símbolo obrigatório da doutrina cristã da Renascença e apare44 •

Por: Fernanda Pinheiro • Fotos: Alle Tavares

ce nas principais obras de arte desse período. Alguns sociólogos afirmam que a volta dos barbudos traz uma espécie de “renascimento” de um homem em busca de espiritualidade, mais próximo à natureza e ao mesmo tempo conectado com o mundo – um herói da cultura livre que chega a ser uma inspiração. Esse homem também vive um contraponto de extremismo, sua barba pode indicar revolta e desleixo. Teorias à parte, hoje a figura do homem barbado também contribui para uma “re-virilização” de uma sociedade na qual as fronteiras dos gêneros têm sido vencidas. Enquanto a androgenia

Além dos cuidados em casa, Fernando vai ao cabelereiro a cada 15 dias. Para ele, a barba é muito mais que só pelos, é um estado de espírito

é cada vez mais comum, os barbudos chegam num contra movimento. “A moda da barba chegou para contrastar com os vaidosos “metrossexuais”. Eles raspam todos os pelos do corpo e adoram um cosmético”, comenta o cabeleireiro Rodrigo Arcanjo. Rodrigo tem razão. No início dos anos 2000, a vaidade bateu na porta do mundo masculino: nasciam os “metrossexuais”, aqueles que não precisam pedir emprestado para a namorada um creme ou produto de cabelo porque já têm o seu, talvez, até um melhor que o dela. Eram os homens super vaidosos e que não tinham o menor receio de assumir isso. Agora, entretanto, fala-se de um outro tipo de macho – um que está no extremo oposto do “metrossexual”: o “lumbersexual”. A palavra, criada a partir de “lumberjack”, que significa lenhador, descreve os homens rústicos, tanto no look, quanto no estilo de vida. www.divercidades.com


No mercado, já é possível encontrar produtos específicos para cuidados com a barba

É isso mesmo, eles parecem com lenhadores. Em suas roupas de couro, jeans, lã, xadrez e flanela, barbas espessas e cultivadas ao natural, você até consegue imaginar ele segurando um machado ou abrindo uma garrafa de cerveja com os dentes. É aquele cara que constrói os próprios móveis, está sempre em contato com a natureza selvagem e caça e planta tudo o que come. Ou pelo menos parece ser assim. A barba, claro, é marca registrada desse novo homem. A empresária Adriana Moraes, proprietária do Gorgeous de Macaé, tem apostado alto nos barbudos. Tanto é que ela, junto com seu marido, o também empresário Nelson de Almeida, criaram no salão um espaço reservado para o público masculino. Apesar de morarem nos Estados Unidos, gerenciam de perto as tendências da moda

e enviam, diariamente, suas diretrizes gerenciais para o salão de Macaé. No espaço, os clientes recebem massagem nos cabelos, na barba, ouvem dicas de como tratar dos fios, descobrem qual barba se adapta melhor a sua estrutura de rosto, entre outras informações. “Aqui, por dia, atendemos cerca de sete homens. Eles vêm aqui cortar o cabelo, cuidar de suas barbas e receber outros cuidados. Cuidar da barba é mais importante do que cuidar do cabelo. A barba pega mais impurezas, se resseca com mais facilidade, tem maior tendência à caspa. É necessário lavá-la diariamente com sabão neutro ou shampoo específico. O pente especial de madeira para aqueles com barba mais comprida é essencial para o acabamento perfeito. Modeladores para barba também são uma ótima pedida”, completa Rodrigo, que é o responsável, no salão, por este público.

SEMPRE USEI BARBA. NÃO ACREDITO NA MODA, QUE É UMA COISA CÍCLICA, QUE PASSA. PARA MIM, TEM A VER COM O INTERIOR DA PESSOA, O QUE ELA REPRESENTA PARA OS AMIGOS E FAMÍLIA. A BARBA MOSTRA QUEM EU SOU”

SANDRO SANTOS PRADO

• 45


O estilo da barba de Marcelo é rústico e já alcança os 5 cm

Para Sandro, o desenho da barba representa a personalidade de um homem

QUEM CONSEGUE

‘CULTIVAR’ UMA BARBA BEM CUIDADA E CONSIDERÁVEL, TEM PERSONALIDADE E PRINCIPALMENTE AUTOCONFIANÇA, SEM CONTAR O RESPEITO QUE CONQUISTA”

MARCELO MENEZES

O PODER DOS PELOS O técnico em segurança do trabalho Sandro Santos Prado acredita que o desenho de uma barba representa a personalidade de um homem. “Sempre usei barba. Não acredito na moda, que é uma coisa cíclica, que passa. Para mim, tem a ver com o interior da pessoa, o que ela representa para os amigos e família. A barba mostra quem eu sou. Tanto é que as pessoas acham muito estranho quando tiro”, comenta. O filho de Sandro, Cauê, de 6 anos, concorda com o pai: “Acho a barba dele bem bonita!”. Quando Fernando Magalhães resolveu vir para Macaé, há quase um ano, resolveu mudar também o visual. Começou a pesquisar sobre os variados estilos e, depois de convencer a namorada a compactuar com a ideia do barbão, entrou de cabeça na aventura. “De janeiro para cá, ela virou um hobby. Tenho shampoo, condicionador e modelador. Como ela está grande, com quatro centímetros e meio, tenho que mantê-la aparada e cuidada, pois em meu trabalho lido pessoalmente com diretores e gerentes de grandes empresas do ramo de petróleo e gás”, explica o supervisor de saúde e segurança. Fernando vai, quinzenalmente, ao

46 •

salão para cuidar de sua barba. Adepto do estilo ducktail de ponta fina, afirma que barba é um estado de espírito. “Ela passa confiança, credibilidade e sabedoria. É assim desde os primórdios da história da humanidade. Agora, ter barba não significa ficar desleixado. É preciso ter higiene e vaidade para deixá-la apresentável. E se engana quem acha que as mulheres não gostam dessa cara de virilidade!”, complementa. Para o carioca Marcelo Menezes de Oliveira, a barba é um exercício diário de paciência e autoconhecimento. “Quem consegue cultivar uma barba bem cuidada e considerável, tem personalidade e principalmente autoconfiança, sem contar o respeito que conquista”, comenta Marcelo. O técnico de operações tem cerca de 5 cm de barba, e quando perguntamos o estilo da sua, ele responde: rústico. Começou a deixar os pelos do rosto crescerem em fevereiro desse ano, e a esposa, Andreia Tisse Olive, aprovou a mudança. “Ela faz até cafuné na hora de dormir!”. Quanto aos produtos para cuidado diário, Marcelo não descuida: usa shampoo e bálsamo de barba, hidrata com óleo específico e controla os fios rebeldes do bigode com cera, além de pentear sempre que necessário. “Sou vaidoso na medida certa!”, explica. www.divercidades.com


ALGUNS TIPOS DE BARBA THE FULL BEARD (barba cheia) Barba mais cheia, mas não tão comprida, bigode, região do queixo e laterais crescendo por igual, cobrindo boa parte do rosto. THE SHORT BOXED BEARD Uma boa pedida pra quem curte usar barba, mas precisa estar com ela sempre bem feita, alinhada! Muito comum de ver no mundo corporativo, pra quem trabalha em escritório, em áreas mais tradicionais, mais formais! O estilo “Short Boxed” tem a característica de ser quase uma Full Beard (barba cheia), mas bem esculpida, com as linhas demarcadas, região da bochecha (maçã do rosto) e do pescoço livres, raspadas! THE DUCKTAIL Consiste em ter as laterais mais baixas, mais rentes ao rosto e ir crescendo em direção à região do queixo. Aí, fica a gosto de cada um o comprimento. STUBBLE BEARD (Barba rala) Tipo de barba por fazer! O legal é você definir as partes do rosto que você quer manter a barba, definir também o comprimento que vai deixar, um bom aparador com opções de pentes vai te ajudar! THE OLD ENGLISH A principal característica desse estilo de barba é o mix de características, ele incorpora um pouco da barba cheia, da short boxed, da ducktail, enfim! Deixe sua barba crescer para cobrir seu rosto inteiro, mas raspe a região das bochechas (maçã do rosto), dando um destaque e deixando alinhado! • 47


Gianini Coelho

COMPORTAMENTO

Antônio Luiz, Luíza e Luciene matam as saudades de Joanna (de blusa branca) também pelas redes sociais

LONGE DE CASA, MAS PERTO DO CORAÇÃO Como ficam pais e filhos que precisam conviver com a distância uns dos outros por conta dos estudos Por: Fernanda Candal • Fotos: arquivo pessoal

48 •

U

m dia, eles estavam ali bem perto. Pequenos, correndo alegres por toda a casa. Sempre cheios de novidades. E entre descobertas e aprendizados, foram crescendo. De repente, completam 18 anos. Terminam os estudos e partem para a escolha da profissão, e, dentre as muitas mudanças que acontecem nesse momento, está, para alguns, a saída de casa para outras cidades. Aos pais, adaptar-se à nova realidade é uma imposição natural da vida. A famosa síndrome do ninho vazio é enfrentada com disposição por eles, que entre WhatsApp, redes sociais e telefonemas, preenchem a lacuna deixada pelos rebentos. A jornalista Luciene Rangel e o marido, o engenheiro Antônio Luiz Santos, fazem parte dessa geração de pais antenados nas mídias sociais. “Todo dia, acordo dando um bom dia para a Joanna”, diz. Ela conta que sabia desde quando a filha era pequena que o seu caminho seria trilhado fora de Macaé, já que a menina sempre pareceu ter um www.divercidades.com


Joanna faz medicina pela Uerj, no Rio de Janeiro, e tem rotina intensa de estudos

espírito alado. “Joanna pensa grande, quer contribuir para o bem da humanidade. Sair da nossa cidade era natural no curso da sua vida”, afirma. Joanna passou no vestibular de medicina no início desse ano para a Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj). A mãe imaginava que o sofrimento de estar longe da filha, que hoje mora na capital fluminense, seria

maior. “Nossa saudade é amenizada pela facilidade de comunicação. Nos falamos diversas vezes ao dia. Acordo com o seu bom dia e durmo com seu boa noite.”

JOANNA PENSA GRANDE, QUER CONTRIBUIR PARA O BEM DA HUMANIDADE. SAIR DA NOSSA CIDADE ERA NATURAL NO CURSO DA SUA VIDA” LUCIENE RANGEL

Para a menina de 18 anos, a saída de casa que parecia ser óbvia e fácil, acabou sendo uma das decisões mais difíceis a serem tomadas. “Escolher sempre significa abrir mão de algumas

• 49


50 •

A cada 15 dias, a família se encontra para matar a saudade. Da esquerda para a direita: Lucas, Marcos, Luzia e João

Lucas e Vivian Athayde, também de Macaé, fazem pré-vestibular para entrar na faculdade de medicina no Rio

coisas e, dessa vez, eu estava abrindo mão de boa parte do mundo que eu tinha conhecido”, fala. Joanna conta que a família sempre a apoiou e faz o possível para viabilizar os seus sonhos e da irmã Luíza, de 16 anos. “A maior prova disso foi que no ano passado eles determinaram que seria o ano da Joanna, ou seja, não mediram esforços para me levar às aulas de domingo e às

dá uma parada para o jantar, feito pela mãe (o envio de comidas congeladas pelos pais é uma prática comum para estudantes que moram fora de casa) e por ela – o arroz é por sua conta. Também lê a Bíblia – “um estímulo diário que dá a força que nem sempre temos”, - e volta à rotina dos estudos. “Geralmente, durante o jantar paro para ver os programas de TV que sei

provas. Entenderam o estresse que eu passava com o vestibular. Eles sempre são incansáveis quando se trata em dar apoio”, lembra. A universitária tem uma rotina puxada. Acorda todos os dias às 6 horas da manhã e vai dormir bem tarde. Passa o dia todo na faculdade, já que seu curso é em horário integral. À noite,

www.divercidades.com


MORANDO COM OS MEUS PAIS, NÃO TINHA NOÇÃO DE COMO A VIDA É CARA, COMO EXISTIR É CUSTOSO. ISSO ME FAZ DAR MUITO VALOR PARA O ESFORÇO DELES” LUCAS SANTANA THOMAZ que meus pais estão vendo”, diz ela, acrescentando que a intensidade dos estudos também a ajuda a amenizar a saudade da família. “Parece bobagem, mas descobrir formas de ajudar e fazer a diferença, por meio da medicina, me motiva sempre que a saudade aperta”, afirma. CORRENDO ATRÁS DOS SONHOS O estudante Lucas Santana Thomaz, 18 anos, acredita que a experiência de ir para outra cidade é única, principalmente para quem está na sua faixa etária. “A gente sai da nossa zona de conforto. Deixar o nosso ambiente de proteção não é fácil, por isso tornei a insegurança, a saudade e a própria solidão como necessárias para o meu crescimento”, diz. O jovem que foi para o Rio de Janeiro no início desse ano para fazer curso pré-vestibular, fala que o mais difícil é chegar em casa, depois de um dia intenso de aulas e não ter o abraço dos pais, a assistente social Luzia Santana e o funcionário público Marcos José Thomaz, e do irmão João Marcos. Lucas que tenta uma vaga para medicina, diz que algumas atividades passaram a fazer parte da sua rotina como lavar roupa e fazer comida. Também percebeu que o custo de vida é bem alto. “Morando com os meus pais não tinha noção de como a vida é cara, como existir é custoso. Isso me faz dar muito valor para o esforço deles.” A mãe do estudante, Luzia, conta que percebeu o amadurecimento do filho desde a sua ida para o Rio de Janeiro. “Deixar ele sozinho, pela primeira vez, e voltar para Macaé, foi um momento muito angustiante, de partir o coração. Porém era necessário, pois a decisão de estudar fora foi minha e dele”. Luzia fala que a adaptação do filho, num primeiro momento, foi de novidades, descobertas e autoafirmação, mas que depois veio a saudade dos familiares. “Ele demonstrou a necessidade de estarmos mais presentes no Rio. E, como não pode vir sempre aqui, por conta da intensidade dos estudos, vamos para lá a cada 15 dias. Até hoje, sentimos muito a sua falta. É uma lacuna que não se preenche. São saudades do bom dia, do café da manhã à mesa, do beijo, da benção antes de dormir.” Para Lucas, a grande lição já aprendida aos 18 anos é que o seu futuro depende só de si e de suas ações, e que a família precisa ser valorizada. “Morando sozinho per• 51


A distância da família agora vai ficar maior ainda. Vinícius, de vermelho ao centro, está indo para Portugal fazer intercâmbio, depois de ter conseguido a oportunidade na PUC do Rio, onde estuda jornalismo

É DIFÍCIL TER UM FILHO EM CADA CIDADE, POIS ISSO DIFICULTA OS ENCONTROS. OS HORÁRIOS SÃO DIFERENTES. TODOS NÓS SENTIMOS MUITO A FALTA UM DO OUTRO...”

WILMA SOUZA FIORETTI BENTO

cebi o valor que os meus pais têm. Eles realmente são especiais”, afirma ele, acrescentando que optou pela carreira de medicina para fazer a diferença na vida das pessoas e da sociedade. PARTINDO PARA O VELHO CONTINENTE A professora Wilma Souza Fioretti Bento sempre soube que o momento da partida dos filhos de casa se daria por conta dos estudos, já que as oportunidades de educação em outras cidades são maiores. Então, quando o filho mais velho, Vinícius, na época com 18 anos, passou no vestibular de comunicação social para a Pontífica Universidade Católica (PUC), no Rio de Janeiro, a notícia de que ele iria embora se deu de forma tranquila. “Já era programada e esperada”, conta. O que ela não contava era que, do Rio, o filho partiria para uma nova experiência: morar fora do país, mais especificamente em Portugal. “A preocupação sempre existe. Mas é mais uma etapa na formação profissional dele. A distância e a saudade vão ser grandes, porém a satisfação em proporcionar essa oportunidade para ele é bem maior”, fala ela, que para matar a saudade se comunica via WhattsApp. “Eu e meu marido trabalhamos muito e ainda tem os cuidados com o Guilherme, o meu caçula. O WhatsApp facilita muito a nossa comunicação.” Para Vinícius, de 21 anos, o momento é de ansiedade. Ele conta que, pela

52 •

primeira vez, vai para fora do país e que a experiência é determinante para o seu futuro. “Será um divisor de águas”, comenta. O universitário fala que sempre foi um sonho morar em outro país, viajar e conhecer novos lugares, porém a vaga para o intercâmbio acadêmico na Universidade Autônoma de Lisboa, simplesmente aconteceu. “Soube da oportunidade, vi que me encaixava no perfil e critérios, e consegui a vaga”, explica. Vinícius irá para Portugal em setembro. Para lá, levará as lições que aprendeu morando sozinho no Rio de Janeiro. “Foi um choque de realidade quando vim para o Rio, tanto na praticidade do dia a dia, quanto na responsabilidade com as tarefas. Tive que optar, priorizar as atividades e ser responsável pelos meus atos. Depende de mim, e é claro da formação que os meus pais me deram, eu decidir o que vai contribuir para o meu futuro ou não. Tudo posso, mas nem tudo me convém”, enfatiza. Wilma e o marido, o advogado Carlos Fioretti, ainda têm mais dois filhos e vivem a mesma situação com um deles, a estudante de arquitetura, Angélica, de 19 anos, que mora em Campos dos Goytacazes. “É difícil ter um filho em cada cidade, pois isso dificulta os encontros. Os horários são diferentes. Todos nós sentimos muito a falta um do outro, mas acredito que estamos preparados para isso”, explica ela, acrescentando que, para estar presente na vida dos meninos, faz congelados para eles levarem para as suas respectivas moradias. “É uma forma de cuidar, de dizer que amo. Quem não gosta de uma comidinha da mamãe”, brinca ela, já programando a próxima viagem em família. “Iremos para Portugal passar as festas de fim de ano juntos.” www.divercidades.com


• 53


QUALIDADE DE VIDA

Esportistas amadores buscam auxílio da medicina do esporte para mudar hábitos e se transformar em atletas de alto rendimento Por: Júnior Costa • Fotos: arquivo pessoal

V

ocê já se perguntou qual o limite do seu corpo? Há quem diga que a máquina mais perfeita já criada pode ultrapassar barreiras extremas e alcançar resultados antes inimagináveis. Foi isso que aconteceu com três profissionais de Macaé, um dentista, um engenheiro e um técnico em manutenção. Os três aliaram medicina esportiva e alimentação balanceada à prática de exercícios, para aumentar o desempenho nos esportes favoritos, seja com a finalidade de competir ou apenas por hobby. Dois deles tornaram-se atletas de alto rendimento e o outro garante que os benefícios na sua atividade profissional superaram as expectativas.

ALTA PERFORMANCE NO ESPORTE 54 •

Rodrigo deixou para trás uma vida nada saudável e encarou o triatlo, competição que exige muito de quem a pratica

A história que mais se destaca é do dentista Rodrigo Junger, de 32 anos. Há dois ele pesava 92 kg, roncava, bebia muito e perdia noites de sono. No último dia 31 de maio, atingiu o ápice da sua nova vida, participando pela primeira vez de uma prova de Ironman, em Florianópolis. Competição apontada por muitos como a mais dura no mundo do triatlo. Foram 10 horas e 26 minutos de prova, correndo, nadando e pedalando. No último quilômetro, as lágrimas não foram contidas. Ao ver a linha de chegada, Rodrigo chorou ao dedicar a sua “viwww.divercidades.com


Alle Tavares

Para voltar aos tatames, Andrei buscou ajuda com o médico do esporte Alessandro Mitraud

tória” para as gêmeas Maria e Clara, nascidas dez dias antes da prova. “Quando me inscrevi, a minha esposa Larissa ainda não estava grávida. Pensei em não participar da prova, por causa do parto, mas a Larissa me incentivou muito”, lembra. Aliás, Larissa Lessa foi a principal responsável pela transformação de Rodrigo. “Bebia todos os dias, saía para balada, não dormia direito e roncava muito. Até que ela me deu um ultimato. O irmão dela é triatleta e comecei a treinar. Não sabia nem nadar direito. Tive que fazer aula para aprender. Agora, acordo quatro da manhã para treinar e não quero parar nunca mais. Vale muito à pena”, contou. Fôlego não falta para ele, que já faz planos para o futuro. Depois de Florianópolis, Rodrigo vai embarcar para o Panamá, país da América Central. Lá, participará, novamente, de uma prova de Ironman. Essa, no entanto, é uma das provas mais completas e concorridas do mundo. Após um ano fora do circuito mundial, o Ironman do Panamá retorna ao calendário da modalidade. Desta vez, no entanto, como Campeonato Pan-americano, que acontecerá em 31 de janeiro de 2016. Os atletas profissionais vão competir pelo prêmio de US$100 mil e por pontos importantes, enquanto os amadores estarão focados em 30 vagas para o mundial de Ironman 70.3, em 2016. Para isso, Rodrigo treina forte sob orientação de um técnico argentino. A prova será apenas em janeiro do ano que vem, mas a competição já começou para ele. “As inscrições são muito concorridas. Usei três computadores para fazer a minha de Florianópolis. Tirei 15 dias para descansar, mas já estou treinando. Nas contas que fiz depois da prova de maio, treinei 3.500 km de pedalada, 700 km de natação e 120 km de corrida. Foram três meses muito puxados. Treinamos até a antevéspera, um pouco mais leve, mas treinamos”, ressalta. Para chegar lá, ele conta com a orientação de Alessandro Mitraud, médico do esporte e especialista em alimentação e suplementação esportiva. “Procurei o médico para me orientar na alimentação e suplementação. Tem dia que meu prato dá um quilo. Como muito e não é suficiente. É preciso tomar um multivitamínico, porque o treino é puxado. No sábado, por exemplo, são 180 km de pedalada sem parar”, explica Rodrigo. • 55


O médico do esporte, aliás, é o ponto em comum entre Rodrigo e Andrei Barreto. Aos 36 anos, o técnico em manutenção Andrei Barreto buscou a orientação do especialista em medicina esportiva para voltar a disputar nos tatames. Faixa preta em jiu-jítsu, o lutador estava parado há dois anos, longe das competições. Em julho, ele terá pela frente o Campeonato Internacional Máster e Sênior, entre os dias 23 e 26, no Rio. “Procurei o Dr. Alessandro para melhorar meu desempenho nos treinamentos e rendimento na competição. Estamos fazendo um levantamento completo. Pela primeira vez, me submeti a uma análise como essa. Retirei 40 amostras de sangue e mapearam todo o meu corpo”, revela Andrei. Após dois anos longe dos holofotes das competições, Andrei garante que foi a “molecada” que o incentivou a voltar a lutar. “Meu aluno agora é meu treinador. Eles estão se preparando para disputar nessa prova e me incentivaram a voltar. Tomei isso como meta e resolvi treinar”, emenda. “As pessoas que me procuram são as mais diversas e com objetivos bem diferentes, mas todas descobriram que o esporte vicia. Rodrigo, por exemplo, começou porque estava sedentário, cansado e queria mudar de vida. Não dispensava uma picanha. É um caso sensacional de mudança de vida. Não o vejo mais como um atleta amador e sim como um atleta de alto rendimento, com ótimos resultados”, comenta o médico Alessandro Mitraud. Mario Figueira seguiu o mesmo caminho. “Não tinha a pretensão de ser um atleta de alta performance, mas queria aperfeiçoar meu fôlego e aumentar o rendimento dentro do esporte e também no meu dia a dia.” Aos 34 anos, ele garante que a vida mudou e para melhor. Mesmo com a agenda cheia de tarefas e com muito trabalho, garante que consegue tempo para surfar, fazer wakeboard e até esquiar quando viaja a trabalho ou de férias. “Não sou profissional. Mas mesmo assim busquei o acompanhamento desses profissionais, o médico do esporte e um personal, para acompanhar meus passos e movimentos. Com isso, me sinto pronto para praticar as modalidades que mais me identifico. Estou sempre disposto a hora que quero e preciso praticar as atividades”, revela Mario. Ele afirma que buscou o aumento da performance no esporte, mas acabou também sentindo os benefícios da mudança de hábitos e da rotina de 56 •

Para melhorar o rendimento nos esportes que pratica, Mario procurou a medicina esportiva e a orientação de um personal

Faixa preta em jiu-jítsu, Andrei volta a competir agora em julho

treinamentos no seu trabalho. “Muda tudo. Vale muito à pena investir na qualidade de vida. Quando iniciei, estava pensando em melhorar meu rendimento no esporte, quando eu praticasse. Mas no dia a dia também mudou. Você acaba se sentindo mais disposto, com fôlego renovado todos os dias. Isso me motiva também a continuar os treinos e o acompanhamento com o médico do esporte”, destaca. A meta atingida por Mario, Andrei e Rodrigo é possível também para todas as pessoas, segundo Alessandro Mitraud. Porém, o médico faz um alerta para quem pretende iniciar sem acom-

panhamento profissional. “Se o atleta de alto rendimento não treina sozinho, por que o amador vai treinar? A avaliação física, antes de começar, é importantíssima para evitar a morte durante uma atividade”, alerta. “Os dois pilares da vida saudável são: boa alimentação e exercícios. São dois hábitos que combinados mudam a vida da pessoa para melhor. As pessoas me procuram para começar e depois descobrem que o esporte se transforma em um vício, do bem. Mas o acompanhamento de um profissional é essencial se a pessoa quer obter os resultados desejados”, conclui o médico. www.divercidades.com


• 57


MATÉRIA DE CAPA

COMER BEM PARA VIVER MAIS E MELHOR

Lidiane prepara o naked cake sem glúten e sem lactose. Para atender aos adeptos da alimentação saudável, ela usa ingredientes especiais

58 •

www.divercidades.com


O Brasil é o quarto país, do mundo, que mais vende produtos saudáveis, conforme dados do instituto Euromonitor

Segundo a nutróloga Mirele, quanto mais colorido for o prato com legumes, verduras e hortaliças, melhor

Integral, orgânico, zero açúcar, sem glúten, sem lactose, detox... Com benefícios comprovados, a “comida saúde” motiva a mudança de hábito das famílias de Macaé e incentiva a abertura de novos negócios

C

arrinho de compras à mão, lista conferida, é hora de pegar os itens que vão abastecer a despensa de casa pelo próximo mês. Nas voltas pelos corredores do supermercado, a mãe procura por biscoitos integrais, sal rosa (com menor teor de sódio), pão sem glúten, achocolatado diet, lê os rótulos das mercadorias em busca dos menos calóricos e com menores índices de gordura, e dá preferência às frutas, aos legumes e às hortaliças orgânicas. Não se assuste se algum aspecto dessa cena lhe soar familiar. As famílias brasileiras estão mudando seus costumes e priorizando os alimentos amigos da saúde. Basta olhar as gôndolas e observar! Os produtos de linha saudável ocupam hoje, espaços antes habitados pelas guloseimas. O

Por: Leila Pinho • Fotos: Alle Tavares

comportamento está diferente porque as pessoas querem comer bem para viver mais e com mais qualidade de vida. A lista de benefícios da alimentação saudável é extensa: aumenta a imunidade, melhora o aspecto do cabelo e da pele, a função cognitiva, a linha de raciocínio, contribui para o bom funcionamento gastrointestinal, ajuda a dar mais disposição para realizar as atividades do dia a dia, além de auxiliar na prevenção de várias doenças, ressalta a nutróloga Mirele Macêdo Tavares Caldas, médica que atua em Macaé. “A pessoa que se nutre bem ganha outra vida”, fala Mirele. Para a empresária Laíse Porto Avena, 54 anos, a vida realmente se transformou. Com 55 quilos a menos, ela descobriu prazeres que o corpo ante-

rior (com 138 quilos) não a permitia experimentar. “Hoje, eu uso colar, cruzo as pernas, entro em qualquer loja e encontro roupas pra mim”, conta, às gargalhadas. Desde muito nova, Laíse fez todo tipo de dieta e sempre acabava com o efeito sanfona, emagrecia e engordava. Em 2013, ela passou mal por causa da vesícula e teve orientação médica para operar. Na época, a empresária optou por tirar a gordura e derivados do leite da alimentação e o resultado a fez refletir sobre sua saúde. “Quando perdi 22 quilos em oito meses, sem fazer dieta, eu despertei. Eu comia errado, escolhia os mais calóricos. Se eu focasse poderia perder muito mais peso”, recorda. Justamente após a cirurgia, em momento muito delicado, a vida dela deu outra virada. “Tive um abscesso e precisei drenar. Senti muita dor, me falaram que eu tinha 14 cm de camada de gordura dentro da barriga e que esse local não tem irrigação. Por causa disso poderia ter uma infecção generalizada. Foram 15 dias de muito sofrimento.” Depois disso, Laíse procurou a nutróloga Mirele. Atualmente, ela segue um programa de reeducação alimentar com acompanhamento médico, que está contribuindo muito para o seu emagrecimento, com saúde. Ela come de tudo, proteína, carboidrato, açúcar, etc. Mas apenas a quantidade necessária por dia. Como possui quatro hérnias de disco, os exercícios que a empresária pode fazer são limitados e os novos hábitos à mesa são os grandes respon• 59


Com adoção de hábitos saudáveis à mesa, Laíse perdeu 55 quilos e ganhou mais qualidade de vida

sáveis pelo bem-estar dela. “Eu não estou de dieta, porque é temporário. Faço escolhas. Isso já é um olhar diferenciado. Eu não perdi peso, eu ganhei saúde”, fala. Com sorriso largo, astral contagiante e muita determinação, ela é prova viva de que qualquer um pode mudar a forma de se nutrir e encontrar prazer em comer bem. “Quando eu cortei as coisas gordurosas da minha vida, meu paladar se adaptou e mudou muito.

EU NÃO ESTOU DE DIETA, PORQUE DIETA É TEMPORÁRIA. FAÇO ESCOLHAS. ISSO É UM OLHAR DIFERENCIADO. EU NÃO PERDI PESO, EU GANHEI SAÚDE” LAÍSE PORTO AVENA 60 •

Com substituições de ingredientes, Dani cria receitas deliciosas e super saudáveis como a paçoca diet

Meu almoço hoje tem abobrinha, couve-flor, brócolis, couve, rúcula que eu amo (risos) e alguns legumes — escolho sempre os com menos açúcar —, uma proteína e peixe”, conta Laíse. Sem grandes pretensões estéticas e muita expectativa com a melhoria na qualidade de vida, ela ainda espera pesar 76 quilos. E, com essa história, ninguém há de duvidar que ela vai conseguir. COMIDA SAÚDE E O PRAZER EM VIVER BEM Para a comerciante Daniele Biglia Magalhães, de 34 anos, toda a riqueza dos nutrientes entrou de vez no dia a dia da família. Em 2014, Dani — como é chamada pelos amigos — procurou uma nutricionista porque seus exames estavam muito ruins. A partir de então, ela, o marido Carlos e os dois filhos Bruna e Bernardo conheceram várias formas de nutrição com muito sabor. Na geladeira e despensa da família tem sempre alguma receitinha caseira deliciosa e super saudável. Dani aprendeu, pesquisando na internet, a preparar refeições mais leves, fazendo substituições. “Tem muita receita que é fit, mas nem tanto. Eu vejo os ingredientes e vou fazendo adaptações, uso óleo de coco que é melhor, troco a farinha integral por um mix de farinhas, uso alfarroba em vez de chocolate 70% e vou fazendo experiências. Tipo uma alquimia”, explica, rindo. No caderno de receitas dela, a paçoca diet faz muito sucesso. Super simples de fazer, leva amendoim torrado e processado, pitadas de sal rosa do Himalaia — com menor teor de sódio que o sal de co-

O prato ideal é composto de ¼ de proteína, ¼ de carboidrato e ½ de legumes e verduras

zinha — e adoçante xilytol — com baixo índice glicêmico e quase a metade das calorias do açúcar comum. Esse novo estilo de vida estimulou Dani a abrir uma loja de produtos naturais nos Cavaleiros, a Body Clean. Segundo esclarece a nutróloga Mirele, a alimentação saudável está associada ao prato colorido. Como exemplo para uma pessoa sadia, a médica exemplifica o almoço ideal (veja foto do modelo de prato acima): “divida o prato em quatro, sendo 1/4 de proteína (de preferência alternando entre carne branca, vermelha e ovo ao longo da semana) e 1/4 de carboidrato. Sugiro ousar um pouco, escolha o arroz integral ou outros cereais e leguminosas como a batata baroa, inhame, quinoa, grão de bico, etc. Isso vai conferir mais variedade de nutrientes ao prato. E para 1/2 restante coloque legumes e verduras e, lembre-se, quanto mais cor nessa parte do prato, melhor”. www.divercidades.com


Quando lancha na rua, Helena dá preferência à omelete, à tapioca e aos sucos detox, os preferidos dela

Conforme a médica, todos os grupos da pirâmide alimentar são fundamentais para a nutrição humana e devem ser consumidos na quantidade ideal, sem excessos. Recentemente, a pirâmide foi redesenhada e teve a inclusão, por exemplo, de arroz integral, folhas verde escuras, etc. Cada pessoa tem particularidades e saber identificar quais comidas vão suprir melhor o organismo dos nutrientes necessários é uma das chaves do segredo. Em regra geral, os baixos níveis de gordura, açúcar e sódio auxiliam no equilíbrio alimentar, além de prevenir várias patologias. Com esse intuito, o Ministério da Saúde firmou compromisso com a Associação das Indústrias da Alimentação (Abia) para diminuir a quantidade de sódio nos alimentos processados e conseguiu, em três anos (2011-2014), retirar 7.652 toneladas de sódio de diversos produtos. As refeições moderadas fazem parte da vida de Helena Martins Maltez, 26 anos, desde muito nova. “Com 15 anos, parei de tomar refrigerante e nunca mais bebi. Quando comecei foi um sacrifício, mas hoje não tenho a menor vontade.” A suspensão de outros alimentos muito calóricos entrou para a rotina de vida da jovem. Como consequência, o corpo de Helena mudou pra melhor e o organismo todo passou a funcionar muito bem, benefícios que são mantidos atualmente. Além disso, ela se movimenta bastante através da malhação, da corrida, do cross fit, entre outras atividades. Manter tudo em harmonia é a parte mais desafiadora, na opinião de Helena. “Minha dificuldade é não ter horários certos. Antes, eu levava todas as refeições do dia para o trabalho”, diz. Quando não consegue levar a comida de casa, ela vai aos locais em sintonia com seu estilo de vida. Lanchinhos rápidos de omelete ou tapioca, acompanhados de sucos detox, costumam ser os preferidos. Na família da empresária Daniela Guimarães, 40 anos, a dieta equilibrada acompanha as refeições dela e dos três homens da casa: os filhos Davi, de 10 anos, Pedro, de 16, e o marido Vandré, de 43 anos. Mas, há 5 anos, quando Davi foi diagnosticado com diabetes tipo 1, todos precisaram se adaptar à vida com pouquíssimo açúcar e à insulina. A restrição fica com o doce, mas para os alimentos nutritivos é tudo liberado. • 61


A feirante Vera Grijó cultiva banana, mandioca, entre outros alimentos, sem uso de agrotóxico

Família Guimarães reunida: Daniela, Davi, Vandré e Pedro. A atividade física também contribiu muito para o bem-estar de Davi (com a bola), que é diabético. Ele faz futebol, natação e surfe

NA ÉPOCA DA REVELAÇÃO DA DIABETES, NÓS TODOS NOS PRIVAMOS DE COMER DOCE, ATÉ PARA O DAVI NÃO SENTIR TANTA VONTADE. MAS, HOJE, TUDO É MUITO NATURAL. NÃO SOFREMOS POR ISSO, JÁ FAZ PARTE DA NOSSA ROTINA” VANDRÉ GUIMARÃES 62 •

Conforme relata Vandré, os quatro se adequaram tão bem aos novos costumes que não sentem falta das guloseimas açucaradas. “Na época da revelação da diabetes, nós todos nos privamos de comer doce, até para o Davi não sentir tanta vontade. Mas, hoje, tudo é muito natural. Não sofremos por isso, já faz parte da nossa rotina”, fala. Os filhos, ao contrário de muitas crianças, aprenderam desde cedo a comer de forma balanceada, gostam de frutas, verduras e legumes. A mesa do almoço da família Guimarães é cheia de cor, alimentos in natura e muito sabor. “A nossa maior dificuldade foi adaptar a rotina dele (Davi) à insulina — a criança precisa de doses diárias de insulina. Porque uma dose errada pode baixar muito a glicose, causar convulsão e outros problemas se não for socorrido a tempo”, comenta Daniela. Seguir à risca os horários das refeições, na família dela, não é uma chatice de mãe e sim necessidade fisiológica. “Davi não pode passar de três horas sem comer, se não a glicose dele abaixa e o deixa fraco e sonolento. Ele pode até perder a consciência”, esclarece Daniela. Horários controlados e alimentos balanceados trazem benefícios aos quatro, como mais disposição, peso controlado e possibilidade de uma vida longa. O bem-estar de Davi se revela não só na nutrição, mas em outros costumes. Muito ativo, ele adora praticar esportes. Faz natação, surfe e futebol.

Simone compra alimentos na feira livre de sábado porque é mais saudável

PROCURA-SE ORGÂNICO Os orgânicos estão sendo cada vez mais procurados pelos consumidores. Cientificamente comprovada, a utilização de agrotóxicos no cultivo de alimentos está associada a vários tipos de cânceres e outras doenças, conforme esclarece a nutróloga. Já os orgânicos têm melhor valor nutricional, com mais vitaminas e minerais. Em Macaé, ainda não existe nenhuma produção orgânica certificada. Pela legislação brasileira (Lei 10.831/03), para ser considerado orgânico, o alimento necessita de certificação. No entanto, a feira livre da Associação dos Feirantes de Macaé (AFEM) que acontece todo sábado ao lado da Casa e Vídeo, no Centro, já virou referência de venda de alimentos produzidos sem ou com pouco uso de agrotóxico. De acordo com o engenheiro agrônomo da Secretaria de Agroeconomia de Macaé, João Flores, grande parte dos agricultores familiares da cidade está em processo de transição, deixando de utilizar os aditivos químicos, mas, ainda estão longe de ter acesso ao selo orgâwww.divercidades.com


Lila percebeu o bom momento do mercado e abriu o Empório Nutrição e Saúde

nico porque custa caro e o volume de produção não compensa esse custo. Quase todo sábado, a contabilista Simone King, de 42 anos, vai à feira livre. “A gente percebe a diferença quando não tem agrotóxico, principalmente no tomate e na banana, que fica muito mais docinha. Compro na feira porque sei que é muito mais saudável”, fala Simone. A feirante Vera e seu marido Milton Grijó são agricultores de Córrego do Ouro, do sítio do Oratório, e comercializam frutas e legumes na feira. “A gente não usa nada químico. Raramente a plantação dá praga e quando pega a gente corta o pé. Meu marido aprendeu a fazer assim com o pai dele e a gente vai mantendo”, explica Vera. De olho no interesse do consumidor pelos orgânicos, a dona do restaurante La Fazendinha — na Praia Campista —, Márcia Guesse, abriu uma seção na casa onde oferece produtos com o selo. “Macaé tem carência desses alimentos porque não tem produto certificado aqui. E, além disso, também vendo alimentos de Macaé que são agroecológicos, de fazendas sustentáveis, mas sem certificação”, comenta. A ASCENSÃO DOS NATURAIS Andando pelas localidades mais comerciais de Macaé, como Centro, Imbetiba e Cavaleiros, fica nítido que novos estabelecimentos com propostas de comida saudável estão surgindo. A realidade local, resguardadas as devidas proporções, reflete uma tendência nacional.

No restaurante La Fazendinha, Márcia incluiu uma seção para venda de alimentos orgânicos

O Brasil é o quarto país do mundo que mais vende produtos saudáveis (dado de 2014), segundo o instituto de pesquisa do mercado internacional Euromonitor. Esse mercado movimentou cerca de 35 bilhões de dólares no ano passado, somente no país. Ligada na ascensão do segmento e nos comentários dos pacientes, a médica Elizângela Araújo Terra Valente — mais conhecida como Lila — abriu em março deste ano o Empório Nutrição e Saúde, no Centro de Macaé. A loja vende produtos industrializados integrais, orgânicos, sem glúten, sem lactose, etc. “A gama de público é bem ampla. Tem gente da academia, pacientes de nutricionistas, diabéticos, hipertensos e até gente curiosa”, fala. Um pouco antes de os bons hábitos à mesa serem tão difundidos como hoje, Márcia do La Fazendinha apostou forte, há 8 anos, nesse estilo de alimentação. “O uso de óleos no preparo é bem reduzido e priorizamos o óleo de coco e o óleo de palma, sem reutilização. Temos o forno combinado que cozinha por convecção, preservando a hidratação e suculência dos alimentos. Funciona como se fosse aquela airfryer, só que de uma forma muito mais profissional. Os temperos são os verdes, naturais. Aqui, não entra glutamato monossódico (realçador de sabor)”, afirma Márcia. A proprietária da Sanduicheria Bem Natural, Viviane Macedo, abriu a lanchonete em 2012 com o objetivo de

oferecer lanches mais nutritivos, nos Cavaleiros. Ela percebe adesão crescente pela nutrição mais leve. “Conforme as pessoas vão entendendo que podem comer melhor e com sabor, o interesse aumenta”, pontua. Viviane observa ainda comportamento comum entre os clientes, o de dar preferência por ingerir na rua aquilo que, geralmente, é habitual dentro de casa. Entre os itens do cardápio do Bem Natural mais vendidos, a tapioca tem lugar cativo. Já a profissional autônoma Lidiane Manhães Silva Ribeiro, descobriu por estímulo de sua professora de dança que o prazer de fazer bolos fitness poderia se tornar um bom negócio. No início, há três anos, ela fornecia bolos para um estabelecimento. Mas a iniciativa foi dando certo, crescendo e no ano passado ela criou a própria marca, a Empório Natural Bolos Caseiros. Hoje, Lidiane fornece para cinco estabelecimentos de Macaé e atende por encomenda. Ela produz bolos, empadões, kibes, tortas salgadas com versões integrais, sem glúten, sem lactose e diet. “A maioria das pessoas que compra meus produtos, muda os hábitos alimentares para emagrecer. Mas também tem mãe preocupada em tirar o industrializado do dia a dia do filho e as pessoas com restrição alimentar”, fala. Como todo mercado promissor, as inovações surgem aos montes. Não raro, os empresários e profissionais atuantes na área são surpreendidos por consumidores pedindo mercadorias que ainda não chegaram em Macaé ou • 63


De acordo com Viviane, do Bem Natural, as pessoas estão se interessando pela alimentação saudável e descobrindo que ela pode ser muito gostosa

TEM GENTE QUE TEM AVERSÃO A CARBOIDRATO E DEIXA DE COMER, POR CONTA PRÓPRIA (...) (...) MAS ISSO NÃO É BOM PORQUE ACABA RETIRANDO VÁRIOS GRUPOS ALIMENTARES QUE SÃO IMPORTANTES. OS EXCESSOS SÃO PERIGOSOS” MIRELE MACÊDO T. CALDAS

64 •

contando sobre tecnologias recentes. No Empório Nutrição e Saúde, refis e bases (similares aos filtros para galões) para armazenamento de água potável mostram a novidade da água funcional, a água alcalina ionizada. Os equipamentos funcionam de forma a retirar quase totalmente o cloro presente, diminuindo a presença de metais tóxicos e purificando a água. A água alcalina leva ao equilíbrio do pH sanguíneo, previnindo doenças crônico degenerativas e favorecendo o aumento dos níveis de produção de energia celular. Também promove a remoção de resíduos ácidos do metabolismo, facilitando a hidratação celular seis vezes mais rápido do que a água normal. UM ALERTA AOS SAUDÁVEIS EM EXCESSO E AOS MODISMOS Pode soar estranho, mas o exagero nos hábitos alimentares saudáveis também provoca mal ao organismo. Fenômeno relativamente recente, típico da vida moderna, ocorre entre as pessoas obcecadas em comer bem, é o que a medicina chama de ortorexia. O distúrbio alimentar está se tornando mais comum hoje. Segundo explica a nutróloga, pessoas que sofrem desse mal têm preocupação exacerbada com a comida e adotam medidas radicais, como deixar de ingerir alguns alimentos. “Tem gente que tem aversão a carboidrato e deixa de comer, por conta própria. O mesmo ocorre com a proteína, a gordura, etc. Mas isso não é bom porque acaba retirando vários grupos alimentares que são importantes. Os excessos são perigosos”, alerta Mirele.

Os 3 filtros transformam a água filtrada em água alcalina ionizada, que leva ao equilíbrio do pH sanguíneo e previne doenças

Muito em voga na mídia, entre os grupos de academias e os adeptos da vida mais leve, o sem glúten e o sem lactose parecem ter virado uma febre. Para quem segue os modismos, vale outro toque. “Equilíbrio é tudo na alimentação”, fala a nutróloga. Ela aconselha a não suspender a ingestão de alimentos, sem orientação médica ou de profissional de saúde. No caso de Helena Martins, a decisão de retirar o glúten das refeições veio após a realização de alguns exames que atestaram intolerância à proteína. “Quando como glúten tenho a sensação de inchaço e de mal-estar, sinto que não me faz bem”, conta Helena. Muita gente confunde, mas, alergia e intolerância são coisas diferentes. A alergia é uma reação adversa que está relacionada ao sistema de defesa do organismo (imunológico). Ao ingerir determinado alimento, o corpo entende aquela substância como estranha e produz reação alérgica que pode ser manifestada como irritação na pele, coceira, etc. Devido à alergia, a ingestão de alguns alimentos é proibida. Já a intolerância é uma reação adversa sem ligação com o sistema imunológico. Nesses casos, a deficiência de enzimas impossibilita a digestão de certos nutrientes. Mas, comer o alimento não é proibido, o paciente tolera comer determinada quantidade. Por tudo isso, pensar na alimentação como forma de ter saúde, deixa de ser uma tendência e passa a ser uma necessidade para melhorar a qualidade de vida das pessoas. Boas escolhas! www.divercidades.com


• 65


Érica Marinho

MEMÓRIA VIVA

A festa Starship é promovida por Paulo Moraes no Tênis Clube e favorece o encontro de gerações, reunindo, uma vez no ano, os amantes dos anos 80

STARSHIP, A DISCO QUE MARCOU GERAÇÕES Recordar é viver e, sem sombra de dúvida, o Tênis Clube foi palco de boas lembranças da juventude dos anos 80

Q

uem hoje está na casa dos 40 e 50 anos sabe o que significou o fim da década de 1970 e boa parte dos anos 1980. Numa palavra: vida! Os jovens precisavam de quase nada para ser feliz. Bastava estarem reunidos e uma boa música tocando. E aí, estamos falando de MPB, dance music, funk (black music) e rock roll, ritmos que marcaram gerações. 66 •

Por: Luciene Rangel • Fotos: Arquivo Paulo Moraes

Paulo Moraes e Darlene Carneiro, na Praia do Pecado, que era o point da geração dos anos 80

A telenovela global Dancin’ Days dava o tom musical, fazendo as pick ups fervilharem com Rita Lee, Djavan, Jorge Ben, Guilherme Arantes, Gilberto Gil, The Commodores, Santa Esmeralda, Harmony Cats e tantos outros que, só de lembrar, dá vontade de levantar e dançar.

então presidente José Vieira Almeida Junior, “Zé da Ilha”, a partir da vivência de um filho no Costa Brava, clube carioca que bombava com boates. Tacada de mestre! Até 1984, a Discoteca do Tênis Clube, a Starship, era parada certa entre a maioria dos jovens.

Em Macaé, o ponto de encontro para dançar era o Tênis Clube que, desde julho de 1979, abriu seus salões para receber a sociedade. O movimento foi iniciado no ano anterior, pelo

À frente, estavam os irmãos Paulo e Luiz Moraes que, apesar da pouca idade na época, traziam uma bagagem musical de “gente grande”. O Tênis Clube iniciou a estruturação dos espaços, que www.divercidades.com


Equipe Staship na cabine do DJ: Paulinho Moraes, Ricardo Aeróleo, José Carlos, Waguinho Breves e José Cláudio

A Starship trouxe para Macaé os movimentos de vanguarda da época, como o I Festival de Música Popular Brasileira

O surf já era o esporte muto praticado na época e reunia a “galera” na Praia do Pecado

receberam equipamentos de som e luz de última geração, acompanhando o que rolava de mais top nos grandes centros. No início, o movimento começou tímido, com pouca frequência, sendo necessária estratégia circense pelas ruas da cidade para arrebanhar a juventude. Deu certo! Os dois espaços do clube encheram, com MPB tocando no salão térreo e ritmos internacionais no segundo andar. Foi tão frenético que a programação começava na quinta-feira, seguindo até domingo, atendendo, assim, todas as idades. “A discoteca do Tênis tinha uma pegada futurista. Estávamos antenados com o que de mais moderno, musical-

mente, rolava no mundo e trazíamos para Macaé”, afirma Paulo Moraes que, nos últimos anos, tem promovido eventos no Tênis Clube, “Starship’s”, para reunir a sociedade. “AUMENTA QUE ISSO AÍ É ROCK‘N’ROLL” O salão superior do Tênis tremia com rock‘n’roll e funk. Os simpatizantes de cada estilo musical se alternavam na pista a cada rodada do ritmo de sua preferência, tendo, é claro, um ou outro que permanecia curtindo tudo.

A DISCOTECA DO TÊNIS TINHA UMA PEGADA FUTURISTA. ESTÁVAMOS ANTENADOS COM O QUE DE MAIS MODERNO, MUSICALMENTE, ROLAVA NO MUNDO E TRAZÍAMOS PARA MACAÉ” PAULO MORAES

“Nesta época nossa pequena turma já estava contaminada com o vírus do rock‘n’roll. Paulinho Moraes era muito • 67


Gianini Coelho

Susana Gonzalez

Aderson Júnior chegava caracterizado como Angus Young, vocalista do AC/DC, na hora do rock pesado no fim da noite

A IMPORTÂNCIA DA STARSHIP PARA MACAÉ ULTRAPASSA O STATUS DE EQUIPE DE SOM OU MESMO DE EMPRESA DE ENTRETENIMENTO, PARA SE TRANSFORMAR NUM FENÔMENO CULTURAL E SOCIOLÓGICO” ADERSON FERREIRA JÚNIOR 68 •

Dividindo espaço com os roqueiros estavam os funkeiros, com o molejo Black Music. E é Alfredo Manhães quem recorda: “Desde os 15 anos, frequentei a Starship. Já tinha uma vivência musical pois, desde os 9 anos, fazia hi-fi’s (festa com DJ), nas casas dos amigos por puro prazer. A Black Music era forte na época, mas não no Tênis e sim no Fluminense e no Ypiranga. Com a Starship, passou a ser tocada e aos poucos apreciada”, revela Alfredo, mencionando alguns destaques como O’Jays, The Jackson 5, The Whispers, Earth Wind & Fire, Michael Jackson e Barry White, Tim Maia, Lady Zu e Totó e as Frenéticas. A turma, no mais alto estilo, usava paletós e camisas, levando para a pista todo swing e charme do contrabaixo. Nos anos 80, o formato da discoteca foi sendo alterado para receber uma turma mais nova. Eram os caçulas que passaram a frequentar a discoteca acompanhando os irmãos mais velhos. Foi nessa época que o clube concentrou o movimento no salão térreo, passando a tocar de tudo um pouco. Os 30 minutos finais eram reservados para rock‘n’roll: Iron Maiden, Judas Priest, Deep Purple e Led Zeppelin viraram hinos. No salão, havia muitos roqueiros com suas calças de couro, spikes nos acessórios, respeitando estilos e tendências das bandas da época. “A importância da Starship para Macaé ultrapassa o status de equipe de som ou de empresa de entretenimento, para se transformar num fenômeno cultural e sociológico”, exalta Aderson.

Arquivo pessoal

simpático ao ritmo e foi aumentando o tempo para esse estilo. Lembro-me quando ele lançou “You Shook Me All Night Long”, do AC/DC, que era muito pesado para os padrões da época. Foi pauleira!”, recorda Aderson Ferreira Júnior, até hoje, um apreciador do estilo e que foi à primeira e à última discoteca do Tênis.

O casal Fabíola e Miguel ontem e hoje. Namoro e boas lembranças

Fabíola e Miguel: namoro e boas lembranças da época

DA PISTA ÀS PICK UP’S O swinge do funk ainda corre nas veias de Alfredo Manhães que permitiu que muitos outros ritmos passassem a fazer parte de sua vida musical. A discoteca dele é bárbara e cultuada com certa rotina por ele, familiares e amigos que dividem o prazer de apreciar boas canções. A música o levou das pistas aos bastidores da discoteca. Alfredo conta que, certa vez, uma pick up da Starship deu defeito e ele ofereceu uma sua para suprir. Nessa época, ele já era dono de alguns equipamentos de som, comprados juntamente a LP’s, a partir de sua economia com transporte e alimentação. “Quando a discoteca desceu, aconteceu de um dia precisarem de um equipamento. Ofereci o meu. A partir daí, fui convidado a operar o som, coisa que sempre me deu muito prazer”, diz ele, mencionando que essa foi a primeira vez que trabalhou como discotecário. www.divercidades.com


Alle Tavares

Márcia dividia Alfredo com as pick up’s da Starship, onde deram o primeiro beijo

“A Starship influenciou comportamentos e amizades. Era ponto de referência para a noite macaense. Falar da discoteca do Tênis é falar de saudade”, arrematou Alfredo. AH, SE O MURINHO FALASSE! Falar da discoteca do Tênis é também recordar do murinho branco que cer-

cava a quadra. Era onde os casais se encontrar. Foi lá, que muitas boas histórias começaram, como a de Miguel e Fabíola Silva Santos, casados há 24 anos e com uma caminhada juntos que já passa dos 30. “A gente se conheceu no Baile do Havaí, no Tênis Clube. Foi a primeira troca de olhares. Mas foi na discoteca

A STARSHIP INFLUENCIOU COMPORTAMENTOS E AMIZADES. ERA PONTO DE REFERÊNCIA PARA A NOITE MACAENSE. FALAR DA DISCOTECA DO TÊNIS CLUBE É FALAR DE SAUDADE”

ALFREDO MANHÃES

• 69


Alle Tavares

Érica Marinho

Paulo Moraes entre amigos: Frances e Gérson Martins, Keila e Pierre Gentil. Paulinho é mentor e guerreiro para que a Starship esteja sempre viva

Casé nas escadas do Tênis Clube. Frequentador assíduo na discoteca aos domingos

A STARSHIP Miguel, entusiasmado pelas boas lembranças, conta que os irmãos Paulo MARCOU TODA e Luis praticamente moravam no Tênis, onde os jovens se reuniam, fora do hoUMA GERAÇÃO. rário da discoteca, para ouvir música e jogar conversa fora. HAVIA UM “Paulinho e Luis participaram de alguns almoços na casa de minha avó Dega. CONVÍVIO Eles foram abraçados pelos macaenses”, disse Miguel, completando: “A Starship SAUDÁVEL DOS marcou toda uma geração. Havia um convívio saudável entre os jovens. Era lá que nos encontrávamos” recorda. JOVENS. ERA FAMÍLIA STARSHIP LÁ QUE NOS “Fui ao primeiro e ao último dia da compartilha Carlos José MatENCONTRÁVAMOS” Starship”, tos de Andrade (Casé) que, com sua

70 •

MIGUEL SILVA SANTOS

animada turma, ocupava quase que em tempo integral, a pista da Starship.

que começamos a ficar e, claro, no murinho branco. Eu tinha que ir embora às 22h30 e Miguel chegava as 22 h. Quando ele entrava, era como fosse um deus grego e sinto isso até hoje”, emociona-se Fabíola, mãe de Igor, 23 anos, Mateus, 19, e das gêmeas Marina e Vitória, 13.

A discoteca do Tênis Clube era alegria, congraçamento, energia deliciosa, segundo Casé. Ele recorda que esse movimento tinha acabado de explodir no mundo e que já frequentava festas no Rio com essa energia.

Muitas recordações povoam a relação do casal, que venceu, por aclamação do público, um concurso de dança durante uma discoteca. Como prêmio, eles ganharam um cinto da Leni Modas, loja de moda feminina da época, na Galeria Carapebus.

“Dançava o tempo todo. Donna Summer, Michael Jackson... lotavam a pista, que vibrava com o som de excelente qualidade da Starship. Tinha uma turma que não perdia uma discoteca: Valtinho, Ripinho, Glaucia e Gisele Mussi, Lenine, Adriana Fragoso, Cesar, Aderson, Flávio

Lousada, Valzinho, Vânia Bandeira, Taninha e tantos outros. Na época, dois franceses passaram por Macaé, Jean-Marc e Allan Devret. Foi também aí que chegaram Patrick e Philipe Bogue”, lembra. Para Casé, que não perdeu nenhuma edição da Starship dos últimos anos, a festa resgata, reúne. É alegria e oportunidade de reviver uma época marcada por música e boas experiências. Paulo Moraes recorda algumas pessoas que fazem parte da história da Starship e que foram cruciais, em muitos momentos, para que fosse o sucesso que foi. “Luciene Aguiar, Bizuca e Laise Porto foram incansáveis. Falar de Starship é falar de Léo Machado, Mauricio Paraguassu, Everest, Casé, Cacá Rangel, Isis Maria e Luiz Fernando, gente que me marcou e marcou essa festa linda”, disse Paulo, afirmando que “a Starship ampliou horizontes, oportunizou amizades, encontros, relacionamentos, reunindo gente antenada e sempre com bons conceitos”. A Starship está na memória afetiva dos que a frequentaram, mas também na bagagem de vida de gerações que não estavam na época, mas que, de tanto ouvir seus pais e pessoas próximas, parecem ter vivido. Trinta e um anos se passaram do seu término e o movimento continua vivo. Serão as músicas, as pessoas, o espaço, a energia, as relações? www.divercidades.com


• Paralamas do Sucesso, Engenheiros do Hawaii, João Penca e seus Miquinhos Amestrados foram alguns dos shows trazidos pela equipe Starship. • Antes da Starship,os bailes dos clubes eram animados por conjuntos como o The Rells, no Ypiranga; o L-Bossa, no Fluminense; e o Placa Luminosa, no extinto Atlético. • A parede de fundo da discoteca, onde ficava a cabine do DJ, era decorada por um painel do artista plástico macaense Marco Aurélio.

Um detalhe do painel do artista plástico macaense Marco Aurélio, que decorava a parede da discoteca

Será a sensação de que nada substituiu, à altura, a programação? Muitas perguntas, muitas saudades. E enquanto se busca equivalências, a solução é curtir o encontro anual na Starship que, felizmente, Paulo Moraes proporciona, não deixando apagar as boas lembranças, muito menos permitindo que haja uma última dança. CURIOSIDADES • Starship – Nave estelar. • Em 1979, o centro da cidade tinha apenas um transformador, o que acabou por definir o início da discoteca para as 20 h. Assim, o som podia ser ligado sem afetar a alimentação de energia das residências. • A fumaça da Starship, que dava a sensação de nevoeiro, era de gelo seco, que vinha semanalmente do Rio de Janeiro, aquecido em resistência de 5.000 Watts.

• Grupos de rock que bombaram na época - Barão Vermelho, Biquini Cavadão, Blitz, Camisa de Vênus, Capital Inicial, Engenheiros do Hawaii, Herva Doce, Ira!, Kid Abelha e os Abóboras Selvagens, Legião Urbana, Nenhum de Nós, Paralamas do Sucesso, Plebe Rude, RPM, Titãs e Ultraje a Rigor. • Cantores e cantoras destaques – Celso Blues Boy, Eduardo Dussek, Guilherme Arantes, Kiko Zambianchi, Léo Jaime, Lobão, Lulu Santos, Marina, Pepeu Gomes e Baby Consuelo, Rita Lee, Ritchie e Vinícius Cantuária. • Alguns sucessos internacionais – Madonna, Michael Jackson, A-Ha, The Bolshoi, Bruce Springsteen, Cindy Lauper, Culture Club, The Cult, The Cure, David Bowie, Dire Straits, Eric Clapton, George Michael, James Taylor, Kiss, Lionel Richie, Nina Hagen, Paul Mc Cartney, Phil Collins, The Police, Prince, Queen, U2, Rod Stewart, Simple Minds, Simply Red, Tears for Fears, Supertramp, Sting, The B-52’s, Duran Duran, The Go Go’s, Genesis, UF40, Men at Work e Tina Turner.

• 71


Alle Tavares

PERFIL

FERNANDO MACAÉ

Hoje a relação de Fernando com a bola se dá na prática do Futevôlei e também do Tênis

Europa, seleção e grandes clubes do cenário nacional: o maior jogador de futebol da cidade levou o nome de Macaé para várias partes do mundo

Apesar das circunstâncias, Lili Alencar prova que a beleza da vida está em se sentir bem consigo mesma

Por: Raphael Bózeo• Fotos: Arquivo

O

talento com os pés fez Fernando Macaé levar o nome da cidade para o Brasil inteiro e o exterior. Com uma grande carreira no futebol, passou por clubes tradicionais como o Botafogo, o forte Bangu da década de 1980 e o Cruzeiro, além da Seleção Brasileira Sub-20 e o futebol europeu. Fernando colecionou sucessos e realizou o sonho de criança: jogar no Maracanã. Fez muitos gols e ganhou títulos. No fim da carreira, não aguentou de saudade e voltou para a Princesinha do Atlântico. Antes de parar, ainda ajudou o Macaé Esporte, na época Botafogo de Macaé, a conquistar o primeiro título da sua história: a Série C do Campeonato Carioca, em 1998. Curiosamente, Fernando não nasceu em Macaé. Natural de Campos dos Goytacazes, chegou com apenas três meses de vida na cidade. Os primeiros 72 •

chutes foram no Colégio Castelo, onde ganhou o apelido de Ferrugem, por ser ruivo. Aos 14 anos, dividiu as peladas de futsal com os gramados, jogando no antigo time da “SONY”, que fez história entre os jovens macaenses no final da década de 1970. Depois, atuou pelo Ypiranga Futebol Clube e rapidamente despertou o interesse dos olheiros. Fazia uma barbaridade com a bola. O craque macaense logo recebeu convites. Fez testes para as categorias de base do Vasco e do Flamengo, mas acabou não ficando. E o brilho não demorou para ser reconhecido, tanto que foi convidado, aos 16 anos, para jogar no Cruzeiro. E foi lá, em Belo Horizonte, que o menino Fernando ganhou o sobrenome Macaé.

No Ypiranga Futebol Clube de Macaé, chamou a atenção dos olheiros por sua habilidade com a bola

“Eu estava no juvenil e um diretor do Cruzeiro me chamou e disse que Fernando tinham muitos, Macaé alwww.divercidades.com


Fernando no time juvenil da “Sony”, que marcou a juventude macaense no final da década de 1970 em Macaé (primeiro à esquerda abaixado)

guns, e Fernando Macaé só existiria um. Aí pegou. E por onde eu passei, até fora do Brasil, fui conhecido assim”, lembra. No time celeste, ele se profissionalizou logo aos 17 anos. Não demorou para ser convocado para a Seleção Brasileira Sub-20 e disputou a Copa João Havelange, em 1982, no México. Defendeu o país ao lado de jogadores que se consagraram anos depois como, por exemplo o ex-volante e técnico da Seleção Brasileira Dunga, campeão mundial em 1994, e o ex-meia Geovani (ex-Vasco e Seleção). MELHOR FASE NO BANGU Ainda muito novo, não teve uma sequência de jogos muito grande no time celeste. Como o contrato estava chegando ao fim, surgiu a oportunidade de deixar o clube. Acabou trocando o Cruzeiro pelo Bangu, em1983. E foi no alvirrubro carioca que viveu a grande fase da carreira. Participou de um dos melhores anos da história do clube, em 1985. Uma campanha arrasadora fez a equipe chegar na final do Campeonato Brasileiro em uma decisão diante do Coritiba no Maracanã. Era o último dia do mês de julho daquele ano, e o maior palco de futebol do mundo estava completamente lotado. Curiosamente, muitos torcedores de equipes grandes do Rio foram ao estádio apoiar o Bangu: “Tínhamos um grande time e era normal vencer os grandes. A gente nunca perdeu em Bangu, sempre ganhamos em casa nesses três anos. O futebol carioca era muito forte, não só com os grandes. Lembro que ganhamos o carinho de todos da cidade. Naquela final, tinha torcedores de Flamengo, Vasco, Fluminense e Botafogo. Ganhamos um apoio de ser considerado o segundo time de todos. Estava lindo o estádio”, recorda. Após um empate dramático por 1 a 1 no tempo normal (gols de Índio para o Coritiba, e Lulinha para o Bangu), o jogo foi decidido nos pênaltis. Os curitibanos foram superiores e venceram por 6 a 5. No mesmo ano, a equipe de Fernando Macaé desbancou o Flamengo, o Vasco e o Botafogo, e chegou à decisão do Estadual do Rio diante do Fluminense. Precisava de um empate para levantar a taça e abriu o placar com Marinho, em falta sofrida por Fernando no início do jogo. O Fluminense virou para 2 a 1, mas um pênalti não marcado para o Bangu, no último lance do jogo, evitou que a história fosse escrita de forma diferente. • 73


No time juvenil do Cruzeiro, em 1981, teve o início da sua vitoriosa carreira

Com uma média de 30 mil acessos mensais, o blog da Lili já virou queridinho das aficcionadas por dicas de beleza

Pela Seleção Brasileira Sub-20, disputou a Copa João Havelange, em 1982, no México No Bangu de 1985, Fernando foi um dos destaques. Como na goleada histórica de 6 x 2 contra o Flamengo em pleno Maracanã

FOI UMA SITUAÇÃO COMPLICADA, PORQUE O FLAMENGO NÃO HAVIA DEFINIDO TUDO. E POR OUTRO LADO, FOI DIFÍCIL DIZER NÃO A UMA PROPOSTA MUITO BOA DO BOTAFOGO” FERNANDO MACAÉ 74 •

Foram dois vice-campeonatos no mesmo ano. Certamente, um gosto amargo, mas mesmo sem ter conquistado título no Bangu, Fernando Macaé garante que não lamenta. Pelo contrário, tem orgulho de ter marcado o nome naquele modesto clube, que jogou como grande naquele período: “Aquele time foi campeão, posso falar tranquilamente.” Jogou no Maracanã e marcou muitos gols, vários contra grandes equipes. Venceu o Flamengo cheio de craques por 6 a 2 no Maracanã, em 1983, ano em que o rubro-negro foi campeão brasileiro, e ainda deixou o dele na rede. FLAMENGO X BOTAFOGO Após uma campanha fantástica em 1985, Fernando Macaé viveu uma história curiosa. Foi cobiçado por diversos clubes e o Flamengo, seu time de coração, entrou forte para contratá-lo. Foi até a Gávea e, mesmo sabendo que faltavam alguns detalhes para serem resolvidos, foi anunciado como novo reforço do time com a maior torcida do país. Tudo certo para vestir o famoso “Manto Sagrado”. Mas uma reunião nos bastidores mudou tudo. O então presidente do Botafogo Emil Pinheiro soube da negociação e entrou na jogada. Fez uma

manobra rápida com o mandatário do Bangu, seu amigo Castor de Andrade, e mudou o destino de Fernando. Encontrou com o meia minutos depois em que deixou a sede rubro-negra e fez uma proposta irrecusável. O acerto foi feito durante a madrugada. No dia seguinte, todos os jornais anunciavam: Fernando Macaé é do Flamengo. Como restavam alguns detalhes e houve uma precipitação por parte da diretoria rubro-negra, além de o contrato não estar assinado, o meia fez uma outra escolha. Na manhã seguinte, a imprensa estava esperando-o em um clube, e ele estava indo para General Severiano treinar pela primeira vez no Botafogo. “Foi uma situação complicada, porque o Flamengo não havia definido tudo. E, por outro lado, foi difícil dizer não a uma proposta muito boa do Botafogo. Conversei com a diretoria do Flamengo, mas não gostaram muito. Foi uma escolha que tive que fazer e não me arrependo”, lembra Fernando. ÍDOLO EM PORTUGAL Após uma boa passagem pelo Botafogo, Fernando foi negociado com o futebol suíço, onde atuou por um ano. Logo depois, foi para Portugal, país onde virou ídolo. Jogou nove anos no país e em diversos clubes, mas no www.divercidades.com


A polêmica passagem do Bangu para o Botafogo foi destaque em toda a imprensa brasileira na época

Belenenses, tradicional clube lusitano onde jogou por três anos, participou da conquista do título da Taça de Portugal na temporada 1988/89, ao vencer o Benfica na final por 2 a 1. Como foi o último título da equipe até hoje, Fernando e aquela geração vitoriosa ficaram imortalizados. Dezenas de fotos lembram aquela festa no estádio. “Foi o último título de expressão e, até hoje, não ganhou mais nada. Essa conquista foi muito grande, muito importante. Vencemos o Benfica na decisão, estádio lotado. Ainda não voltei lá depois, mas é algo que eu vou fazer. Tenho que voltar.” Uma história curiosa aconteceu na França. O ex-prefeito de Macaé, Silvio Lopes e o seu filho Glauco, ex-deputado estadual, estavam em um restaurante. Em uma conversa com um garçom português, disseram que eram de Macaé. O atendente prontamente disse que conhecia só um Macaé, o Fernando, do Belenenses. “Essa história é bacana. Quando eles voltaram da Europa, me falaram desse papo com o garçom. Engraçado que o rapaz não sabia que Macaé era exatamente uma cidade, mas já tinha escutado por causa do meu nome. Foi curioso eles encontrarem na França”, comenta Fernando. VOLTA A MACAÉ Após brilhar fora do país, o meia ainda passou por Coritiba, Botafogo-SP e Americano de Campos. Resolveu parar de jogar e voltou para a sua cidade de coração. Começou a empreender, abriu uma loja e já trabalhava com construção civil, mas a paixão pelo futebol jamais foi deixada de lado. • 75


Em Portugal, jogou em vários clubes, mas foi no Belenenses que virou ídolo, ao conquistar a Taça de Portugal, em 1988/89

Em 1998, o então Botafogo de Macaé estava na Terceira Divisão do Futebol Carioca. Já aposentado, Fernando foi convidado para participar do grupo. O ex-jogador Ferreira, que atuou na Seleção Brasileira de base, era o técnico. E, em uma conversa com Mirinho, ele resolveu começar a treinar. Seria uma figura importante naquele processo. Alguém escolhido para ajudar no início de uma história vitoriosa. Ele topou e deu certo. Foi campeão, levantou a taça e levou o time para a Segundona. “Ali não foi nada forçado. Foi acontecendo de forma natural. Era um lazer com responsabilidade. As coisas foram acontecendo e viramos uma família. Foi muito legal ajudar e contribuir para a minha cidade”, conta.

76 •

O gostinho foi tão bom que Fernando ficou mais um ano no clube. Em 1999, disputou a Segunda Divisão e participou da campanha do vice-campeonato. Por pouco não levou o time para a Série A do Rio. Ainda passou por um outro clube na cidade, o Independente, e disputou alguns campeonatos. Em uma oportunidade, até foi técnico do Macaé Esporte. Fernando parou de jogar. Tem um restaurante na Praia dos Cavaleiros, adora ouvir música, mas não joga mais as famosas peladas. Trocou a prática do futebol por outros dois esportes: o inseparável futevôlei na praia dos Cavaleiros, praticamente todo fim de semana, e o tênis. Mas se não pratica mais a modalidade que tanto ama, um

SONHO EM SER TREINADOR DE FUTEBOL, EM TRABALHAR DIRETAMENTE. ACHO QUE POSSO CONTRIBUIR UM POUCO COM O APRENDIZADO QUE TIVE AO LONGO DESSES ANOS” sonho ainda o move, e ele acredita que um dia vai realizar. “Sempre que falo sobre isso, vem algo no meu coração. Sonho em ser treinador de futebol, em trabalhar diretamente. Acho que posso contribuir um pouco com o aprendizado que tive ao longo desses anos. Tudo tem seu tempo. Sempre fui um cara equilibrado e me organizei para viver uma vida boa”, conclui. Um jogador vitorioso, um macaense que, mesmo sem nascer aqui, rodou o mundo e voltou para casa. Um craque, que assim como todo bom filho, à casa retorna.

www.divercidades.com


• 77


Arquivo pessoal

DELÍCIAS DE FAMÍLIA

Dona Ancyra Pimentel começou a fazer o bolo na década de 1950

Amanda, Arian e Arysa Pimentel (da esquerda para a direita) revivem as histórias que fizeram o bolo de laranja o preferido de sua mãe e de toda família

O pulo do gato está na calda, deve estar quente ao receber as claras em neve

FAMÍLIA PIMENTEL Bolo de Laranja Filhas revelam os segredos do bolo preferido de Ancyra Gonçalves Pimentel

D

a calçada já era possível sentir o cheiro da história que estava por vir. Arysa Pimentel recebeu a equipe da DiverCidades de portas abertas e uma mesa farta de lembranças. Apesar dela achar que ia passar “apenas” a receita de um tra78 •

Por: Alice Cordeiro • Fotos: Alle Tavares

dicional bolo de família, presenteou a todos com um pouco da trajetória de uma ilustre personagem macaense. Além dela, seus irmãos Arian e Amanda contaram os segredos por trás do famoso bolo de laranja que faz sucesso na família Pimentel desde

Com duas cores, o bolo de laranja está presente nos principais eventos da família

a década de 1950, quando começou a ser feito pela sua mãe Ancyra Gonçalves Pimentel, reconhecida professora de matemática da cidade. Nascida em 1906, Ancyra casou-se com Ary Luiz de Schueler Pimentel em 1932. Moraram por 14 anos na www.divercidades.com


O Bolo de Laranja é uma tradição da família Pimentel. Aryza se sente realizada por passar a receita para as futuras gerações

Barra do Sana, onde tiveram seus cinco filhos: Naíra, Arian, Amanda, Arysa e Ary Luiz (já falecido). Em 1945, foram para São Paulo onde ficaram por 5 anos, até retornarem a Macaé. Por aqui, Ancyra deu aula em colégios como Mathias Neto e Luiz Reid até a década de 1960.

ocasiões, o bolo de laranja é a atração principal. “Toda vez que como esse bolo fico emocionado, pois me lembro da trajetória da nossa família até os dias de hoje”, conta Arian.

Diferente da maioria dos bolos de laranja, que levam apenas raspas e o suco da fruta, este leva os gomos em sua calSegundo suas filhas, Ancyra não da. Além disso, é bicolor, com uma parcostumava passar muito tempo na te de laranja e outra de chocolate. cozinha, mas em ocasiões especiais “Por ser diferente, este bolo sempreparava o bolo preferido da família. “Mamãe gostava de dar aulas, de pre chamou a atenção de todos que política e dos bailes da cidade. Ela comiam e, apesar de passarmos a não passava muito tempo na cozinha, receita, muitos não a acertavam. O mas esse bolo ela gostava de fazer”, pulo do gato está na calda, que deve conta Amanda. “Lembro-me dela ba- estar quente para receber as claras tendo as claras e misturando o bolo em neve”, revela Arysa, dispensando para o casamento de um sobrinho do a batedeira e transformando as claras meu pai, Adir Schueler. Na época, os em neve com um batedor manual. casamentos não eram tão requintaDa receita original, as filhas da dos como os de hoje e era costume professora Ancyra acrescentaram fazer um bolo simples, mas especial. Muitas vezes, esse era o escolhido”, mais ovo e manteiga. “Sentimos que isso o deixaria mais fofinho”, explica lembra Arysa. Amanda. Apesar de ser o queridiSe fosse viva, Ancyra teria 109 nho da família, o quitute continua a anos e uma família composta por 17 ser feito apenas pelas irmãs Pimennetos, 31 bisnetos e três trinetos. tel. “Nossas filhas sabem que gostaUnidos, eles procuram se encontrar mos de fazer a receita e deixam por periodicamente, principalmente no nossa conta. Mas se precisar, elas sítio do seu Ary, na Barra do Sana, também colocam a mão na massa”, hoje mantido pelo filho Arian. Nessas finaliza Arysa.

BOLO DE LARANJA MASSA Ingredientes: •300 gramas de manteiga; •3 xícaras de açúcar; •6 gemas; •3 claras em neve; •5 xícaras de farinha de trigo; •2 xícaras de leite; •Raspas de 5 laranjas (atenção para não ralar a parte branca); •2 colheres de sopa de chocolate em pó; •2 colheres de sopa de fermento. Preparo: Bata em creme, o açúcar, a manteiga, as raspas das laranjas e as gemas. A esse creme, junte as claras batidas em neve, a farinha de trigo e o fermento, acrescentando o leite aos poucos. Com a massa pronta, separe metade em outra tigela. Em uma delas, coloque 2 colheres de chocolate em pó, misture bem. Em uma forma untada e polvilhada com trigo, coloque partes da massa alternadas. Uma concha da parte clara e outra da parte escura. Faça isso com rapidez, para que uma cor não entre na outra, o que pode ocorrer. GLACÊ PARA RECHEIO E COBERTURA Ingredientes: •12 laranjas cortadas em pedaços, apenas os gomos, sem as partes brancas que cobrem os gomos (corte como se fosse para uma feijoada); •3 xícaras de açúcar cristal; •3 colheres de chocolate em pó; •2 claras em neve. Preparo: Cozinhe as laranjas com o açúcar e o chocolate em fogo baixo. Esse processo dura entre 2 a 3 horas, dependendo do fogão. Quando engrossar e soltar da panela, junte as claras em neve, com a calda ainda quente, mas com o fogo desligado. Corte a massa ao meio e recheie com a metade do glacê. A outra metade será a cobertura do bolo. • 79


PESSOAS

O trabalho realizado por Pierre e Regina tem como base o fortalecimento da família e a oferta de oportunidades

CASA DO CAMINHO

J

á diz o ditado popular que “não basta dar o peixe, é preciso ensinar a pescar”. E é sob essa ótica que a Casa do Caminho atua em Macaé, oferecendo assistência social a crianças, jovens e adultos através de incentivos como o trabalho, as artes e a educação.

e do Adolescente de Macaé e no Conselho Municipal de Assistência Social. Naquela época, o trabalho era voltado para a conscientização ambiental, já que o público assistido era composto, em sua maioria, por famílias oriundas de comunidades agrícolas que habitavam o local, hoje denominado Ajuda.

Tudo começou com um grupo de amigos, denominado Grupo Verdade, que promovia visitas às favelas da cidade, ainda no ano de 1989. Segundo conta Pierre Maciel, um dos fundadores do espaço e que, atualmente, trabalha como secretário da casa ao lado da esposa Regina Célia Ribeiro, que é a presidente, o objetivo era ajudar nas questões sociais mais críticas.

Acompanhando o crescimento do bairro, a Casa do Caminho sofreu transformações ao longo dos anos. O público mudou de perfil e cresceu o número de pessoas assistidas - atualmente, a maioria das famílias é composta por mães solteiras migradas da região nordeste do país. O que não mudou foram as prioridades: oferecer oportunidades e fortalecer a família com foco na criança e no adolescente, tornando-os responsáveis e colaborando para sua integração na sociedade.

Unindo forças, o grupo de voluntários resolveu então fundar, em outubro do mesmo ano, a Casa do Caminho, Organização Não Governamental (ONG) de utilidade pública municipal, estadual e federal, registrada no Conselho Municipal dos Direitos da Criança 80 •

Há 25 anos em Macaé, instituição oferece assistencialismo sem tornar as pessoas dependentes

“A gente sabe que só o assistencialismo não leva ninguém para frente. A pessoa precisa ser independente. Por isso, promovemos a inclusão e o de-

Por: Cris Rosa • Fotos: Alle Tavares

senvolvimento social a partir de projetos de iniciação à profissionalização. E mais do que isso, queremos que a casa seja um refrigério para estas pessoas”, destaca Pierre. Situada em um espaço físico privilegiado, em uma enorme área verde, a instituição oferece cursos de violão, flauta, percussão, violino, educação ambiental, informática, costura, artesanato e pintura em tecido. Atualmente, são atendidas cerca de 90 famílias e 150 crianças e adolescentes. Há também atividades de orientação para gestantes com apoio através de palestras com voluntários e atendimento odontológico para crianças e adultos. Entre os projetos em andamento, o “Levando a Vida na Flauta” atende 50 crianças e adolescentes na faixa etária de 8 a 16 anos, com atividades de orquestra de flauta doce, oficinas de conscientização ambiental e acompanhamento social das famílias dos inscritos no projeto. A Casa do Caminho conta ainda com atiwww.divercidades.com


O que é vendido no bazar da Casa do Caminho vira recurso para as ações sociais Divulgação

Divulgação

A instituição mantém amostras de vários tipos de árvores, como a cerejeira

Cerca de 90 famílias e 150 crianças e adolescentes são atendidos pela ONG

Evento de evangelização reuniu crianças de diversas famílias

vidades doutrinárias como reunião de tratamento emocional, tratamento à dependência química e educação mediúnica. No local, funcionam também duas escolas, em espaços alugados pela Prefeitura Municipal de Macaé.

é algo rentável”, avalia Pierre.

CONSCIENTIZAÇÃO As atividades de conscientização ambiental têm espaço garantido na Casa do Caminho. Isso porque toda a diretoria acredita que é fundamental que as crianças aprendam, desde pequenas, o valor da terra. “No Dia do Meio Ambiente, promovemos um plantio de mudas para a revitalização da horta. Além das crianças aprenderem a importância do cuidado com a terra, o que é produzido serve para o nosso consumo”, conta Pierre. A questão ambiental é levada tão a sério que a instituição mantém amostras de todo tipo de árvore de reflorestamento rentáveis, baseada no conceito de Poupança Verde. “A nossa ideia é que seja criada uma frente de trabalho junto aos produtores rurais do município para valorizar também o plantio. Os benefícios são inúmeros, como o sequestro de carbono, a preservação da fauna, dos mananciais, sem contar que

A entidade também reivindica a criação do PREA (Parque Recreativo Ecológico da Ajuda), já instituído por lei através do decreto legislativo 163/2009. “O parque seria o resgate de um ambiente que não existe mais, onde as crianças poderiam ter um espaço para entretenimento, liberdade. Os benefícios seriam não só para os moradores da Ajuda, mas para toda Macaé, que não possui um parque urbano”, acredita Pierre. Mesmo sem a criação do parque, pequenos reflexos do cuidado e carinho com o Meio Ambiente já podem ser percebidos. Animais como jacu, coelho, preás, gaviões e passarinhos que não eram comuns no local estão aparecendo. “É como se fosse um oásis. O parque serviria também para o turismo, ia fazer diferença na cidade”, argumenta o secretário. VOLUNTÁRIOS O trabalho na instituição é feito por 50 voluntários, exercendo as mais variadas atividades, com ajuda de 12 funcionários. Uma dessas voluntárias é Delma Ramos,

que trabalha desde 2008 no bazar que a instituição mantém como fonte de renda. “Todas as peças à venda estão em boas condições e o que arrecadamos é usado nas necessidades primárias da casa ou na ajuda emergencial a alguma família”, contou. O bazar funciona de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 10h. Quem não pode ajudar disponibilizando parte do tempo, pode contribuir com auxílio financeiro para manter a instituição de pé. De acordo com Pierre, doações como as de cestas básicas e leite em pó só são possíveis graças à colaboração das pessoas. “Não temos subvenção pública desde 2011, mas temos o apoio da Campanha da Solidariedade dos funcionários da Petrobras, da Associação de Motociclistas de Macaé e, ainda, um convênio com o Fórum, onde as pessoas que cumprem penas alternativas doam cestas básicas para a instituição”, comenta o secretário. Os recursos ainda estão abaixo das necessidades e por isso toda ajuda é bem-vinda. As doações são feitas em parceria com o Banco do Brasil e Santander, através de desconto direto na conta corrente. Quem quiser conhecer mais o trabalho da Casa do Caminho pode entrar em contato pelo telefone (22) 2796-4545 ou pelo e-mail: casa@casadocaminhomacae. org.br • 81


Alle Tavares

LEITOR EM FOCO

Com profissionais do HPM e alunos de medicina, Irnak participou so VI Mutirão de Cirurgia Pediátrica Na UFRJ (campus Macaé), Irnak coordena o curso de medicina

IRNAK BARBOSA,

médico e amante das belezas de Macaé

A

história de Irnak Marcelo Barbosa com Macaé passa pelos corredores do HPM (Hospital Público Municipal Dr. Fernando Pereira da Silva). Foi justamente por causa da construção do hospital, em 2004, que Irnak veio para Macaé. Como é médico cirurgião pediátrico, ele foi convidado a integrar a equipe de cirurgiões pediátricos do hospital. Mas só em 2005, ele fez morada em Macaé trazendo as filhas Luisa e Marina e a esposa Cristiane, fonoaudióloga. Natural do Rio de Janeiro, Irnak já morou junto com a esposa em Nova Friburgo, onde teve as duas filhas. “Cristiane é muito companheira. Ela topou vir para Macaé e aprendeu a conviver com os familiares distantes. Ela é muito realizada no que faz e construiu seu espaço”, diz Irnak, com orgulho. Com serenidade, ele conta sobre as filhas. “São muito saudáveis. Praticam dança e são muito tranquilas. A mais velha (Luisa) está naquele período de definir que profissão seguir.” As oportunidades de trabalho levaram Irnak a construir outro laço na cidade, no meio acadêmico. Atualmente, ele é coordenador da Faculdade de Medicina da UFRJ, campus Macaé. Essa atividade traz grande alegria à vida dele. O coordenador 82 •

Por: Leila Pinho • Fotos: arquivo pessoal

comenta com orgulho que a primeira turma de medicina formará em julho deste ano. No trabalho, Irnak divide o seu tempo entre o consultório e a universidade.

Passear com a família e amigos faz parte dos programas de lazer de Irnak

Nos momentos de lazer, os encontros na casa dos casais amigos são certos. “Eles, assim como a gente, não têm família em Macaé. Então, gostamos muito de reunir e viajar juntos. Eles se tornaram a nossa segunda família”, conta. Também são agradáveis os passeios em contato direto com a natureza. O médico gosta ir à Praia do Pecado e à Praia das Pedrinhas. “Adoro andar de bike na orla da Praia Campista até a Lagoa de Imboassica”, fala. Na orla dos Cavaleiros, a família de Irnak se delicia com as delícias da comida mexicana e japonesa. As idas ao Sansai e ao Sueste são habituais. A região serrana de Macaé é um capítulo à parte nos programas da família dele. Todos curtem as belezas naturais da localidade, com cachoeiras e estilo de vida bucólico. Irnak acredita que a Serra de Macaé tem muito potencial para crescer. Os benefícios do litoral de Macaé são apreciados pela família toda. Ele conta que a esposa e as filhas gostam de morar perto da praia, de fazer caminhada e gozar dessa sensação de vida saudável.

Ele se sente muito bem em contato direto com a natureza

PINGUE-PONGUE Em Macaé, adoro ir... ao Sansai. Um sonho... um mundo melhor. Uma frase... respeitar o próximo. Filme... “A Vida é Bela”, de Roberto Benigni. Livro... “Pedagogia do Oprimido”, de Paulo Freire. Minha inspiração... é me conhecer cada vez mais. Comida predileta... a japonesa. Meu hobby... cultivar bonsai. www.divercidades.com


• 83


84 •

www.divercidades.com

Profile for Revista Divercidades

Revista Divercidades Julho/2015  

A matéria desta edição é sobre alimentação saudável e como o comportamento das pessoas está mudando em prol da qualidade de vida. Também tem...

Revista Divercidades Julho/2015  

A matéria desta edição é sobre alimentação saudável e como o comportamento das pessoas está mudando em prol da qualidade de vida. Também tem...

Advertisement