__MAIN_TEXT__

Page 1

•1


2•

www.divercidades.com


•3


ÍNDICE

DA 54 MÃES SUPERAÇÃO

Palavra do Editor ................. 08 Pessoas & Negócios ............ 12 Visage ........................................ 14 Restaurante Maral ..................... 16 Embriovida .................................. 18 Portobello Shop .......................... 20 Grupo Colaneri ........................... 22 Q.I. Med .................................... 24 Benedito Restaurante .................. 26 RHMed ...................................... 28 Corpo e Movimento .................... 30 Ultracor ....................................... 32 Fisk Centro .................................. 34 Brasil Brokers .............................. 36 MaxClin ....................................... 38 Especial Dia das Mães

46

VOLTA À FORMA APÓS O PARTO

Sexagem Fetal .............................. 42 Volta à forma após o parto ......... 46 Mães da superação ........................ 54 Volta ao trabalho ........................... 60 A Cidade Pedala, Macaé .............................. 64 Bico da Coruja ............................. 72

64 PEDALA, MACAÉ!

Perfil Lili Alencar .................................. 76 Pessoas Associação Pestalozzi .................. 78 Leitora em Foco Heloísa Carneiro ....................... 82 Expediente: A Revista DIVERCIDADES é uma publicação da Formato Publicidade com tiragem de 7.000 exemplares, com distribuição gratuita e dirigida. End.: Rua Dolores Carvalho Vasconcelos, 270 - Sala 2 - Glória - Macaé/RJ CEP: 27.937-600 - Tel.: (22) 3717-1000 • Direção geral: Gianini Coelho • Jornalista responsável: Leila Pinho Reg. profissional: MTB/MG 14.017 JP 4•

72

BICO DA CORUJA

Colaboradores desta edição: • Gianini Coelho, Leila Pinho, Alle Tavares, Fernanda Pinheiro, Juliana Carvalho, Raphael Bózeo e Fernanda Candal. • Fotografia e Capa: Alle Tavares

Publicidade: • Gianini Coelho - Tel.: (22) 3717-1000 - 99985-5645 - www.divercidades.com E-mail: revista@divercidades.com facebook.com/grupodivercidades www.divercidades.com


•5


6•

www.divercidades.com


•7


PALAVRA DO EDITOR

MÃES CURIOSAS, BELAS, FORTES E TRABALHADORAS

N

ão tem como negar. O Dia das Mães é a data comemorativa mais significativa para o comércio, para os consumidores e para nós, profissionais de comunicação e de mídia. Acho que até mais que o Natal, de tão forte que é o nosso sentimento por estas mulheres maravilhosas que nos deram a vida e nos criaram com todo amor e dedicação que só uma Mãe pode ter pelo seu filho. Este amor que embala, ensina, repreende, vibra, passa a mão na cabeça e nos consquista desde que ganhamos nossas primeiras noções de consciência e da grandeza desta relação, que é eterna e única. Por estas e outras razões, na hora de fecharmos a pauta desta edição, a primeira do ano, foi difícil não pensar em assuntos do interesse delas. Já que este universo é vasto e está, frequentemente, em destaque nas editorias de saúde, comportamento, tendências das principais mídias nacionais.

Para as mamães que não conseguem esperar os 4 primeiros meses para saber qual será o sexo do neném, mostramos que o exame da Sexagem Fetal pode ser a solução imediata para solucionar esta dúvida a partir da oitava semana. Depois do nascimento do tão esperado(a) filho(a), as mães se deparam no espelho com seu reflexo e se perguntam: “Será que vou conseguir voltar à minha forma de antes?” Claro que sim! Descobrimos mamães macaenses que já passaram por este dilema e conseguiram ficar iguais ou até mesmo mais bonitas do que antes. Ouvimos também nutricionistas e educadores físicos para mostrar que tão importante quanto à busca pela beleza, é a preocupação com a saúde da mãe e principalmente do bebê. Mas, para algumas mães, a gravidez ou a criação dos filhos pode ser um momento tenso e difícil. Diferente da

expectativa de uma situação normal, sem problemas. É nesta hora que a força destas mulheres de fibra e donas de um amor imenso vem à tona e nos mostra como somos pequenos diante das provações do dia a dia destas “guerreiras”, que superam todas as dificuldades, emocionais ou físicas, para criar e amar com intensidade a conquista desta maternidade tão sonhada. São lições que nos ensinam o valor da vida. Já para as mamães que trabalham, o fim da licença-maternidade é um momento difícil. Após meses se dedicando somente àquela “coisinha linda”, é hora de voltar ao mercado de trabalho. Seja como funcionária ou empresária, elas precisam retornar à sua rotina profissional, lidando com todas as preocupações e desafios desta nova fase de suas vidas. Considero Macaé como minha “Cidade Mãe”, pois me acolheu quando cheguei aqui ainda criança, me deu amigos, trabalho, e ainda belas paisagens para contemplar. Neste contexto, a DiverCidades aproveita esta edição para mostrar um pouco mais da nossa cidade. O uso da bicicleta como meio de transporte tem aumentado entre aqueles que não aguentam mais o trânsito ou que aproveitam a bike para fazer exercício. Esta é a nova tendência mundial que está começando a ganhar força por aqui. A prefeitura tem investido nas ciclovias, mas ainda não é suficiente. Algumas pessoas estão se juntando para ajudar neste processo, como o grupo Mais Ciclovias, que se organiza nas redes sociais e compartilha suas experiências sobre o tema. Confiram! Boa leitura e Feliz Dia das Mães! Gianini Coelho Editor-chefe

ESPAÇO DO LEITOR

A revista tá linda. Ficou divina, perfeita, um luxo. Matéria incrível. Adorei! As fotos são um caso à parte, sensacionais! Parabéns pelo belo trabalho que expõe à população com riqueza e variedade de informação.” - Poliana Gorni

Parabéns a todos, as matérias ficaram ótimas. Continuem daí para melhor!!!” Aurora Pacheco

Amei a capa. Parabéns!” Carol Vasconcellos Gian Rabello Envie seu comentário para: jornalismo@divercidades.com ou facebook.com/grupodivercidades 8•

www.divercidades.com


•9


10 •

www.divercidades.com


• 11


PESSOAS & NEGÓCIOS

SANDUÍCHE ARTESANAL NA BELLA PIZZA

C

A pizzaria possui um ambiente acolhedor, que vem conquistando os moradores do Mirante e bairros vizinhos

Os sanduíches são muito bem servidos e vêm com uma porção de batatas fritas

om 12 tipos de sanduíches artesanais, a Bella Pizza que fica no Mirante da Lagoa está atraindo os paladares que gostam de um bom “fast-food”, mas com jeitinho bem caseiro. Segundo a dona do estabelecimento, Sueli Aguiar Lemgruber Costa, todas as carnes dos hambúrgueres são moídas e temperadas na casa. Sueli conta que se inspirou no tradicional bar carioca “Cervantes” para criar o cardápio. O tradicional pão redondo é especial. Os sanduíches são generosos, do tipo que mata a fome mesmo e têm como acompanhamento as batatas fritas. A Bella Pizza serve ainda sanduíches com pão baguete com filé mignon ou de pernil com abacaxi, que são uma delícia. A casa funciona de terça-feira a domingo, das 18h às 0h e faz entrega em domicílio em vários bairros da região centro-sul de Macaé. Tel.: (22) 2757-0060 / 99606-8382

Marluce oferece ótimas opções para presentear as mamães com muito aroma e beleza

ARMAZÉM AROMA E BELEZA 12 •

S

abonete com cheiro de fruta, textura suave e aroma marcante que parece muito familiar. O Armazém Aroma e Beleza de Macaé vende produtos da marca Raisa que são feitos de forma artesanal e combinam muito com quem preza pelas linhas mais naturais. Segundo Marluce Leite, dona da loja, a matéria-prima é de alta qualidade e tem quase nada de conservantes. O armazém comercializa várias linhas de produtos como a corporal, facial,

para banho, banheira, linha ambiente e linha para homens. A loja monta diversos kits para presentear, inclusive para o Dia das Mães. O Armazém fica no Bairro da Glória, na Rua Dolores Carvalho Vasconcelos, 270. A loja funciona de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h30 às 17h30. Tel.: (22) 98120-8654 www.divercidades.com


• 13


PESSOAS & NEGÓCIOS

VISAGE

Saúde, beleza e bem-estar A fachada da clínica chama a atenção de quem passa pela Rodovia Amaral Peixoto

Espaço une clínica médica a tratamentos de beleza e estética nos Cavaleiros

A

Por: Fernanda Pinheiro • Fotos: Alle Tavares

palavra francesa visage que, no bom português significa rosto, foi escolhida pela dermatologista Michele Monteiro para representar seu sonho de unir beleza, saúde e bem-estar em um só lugar. “Como sempre trabalhei com beleza, imaginava um espaço que pudesse agregar todos os serviços que minhas pacientes utilizavam e constantemente precisavam”, explica.

O salão é uma ótima opção para as mulheres cuidarem da beleza num ambiente charmoso e sofisticado

Michele, junto com seu marido, o pneumologista e médico do sono Gleison Guimarães, começaram então a criar um projeto de uma clínica completa, com serviços de estética e clínica médica, além de lojas e café, tudo para proporcionar um ótimo momento para os pacientes e clientes. Localizada na Praia dos Cavaleiros, local de fácil acesso e longe do burburinho do centro da cidade, a Visage foi inaugurada no dia 5 de março deste ano e conta, em seu primeiro piso, com salão de beleza, uma clínica de vacinas (pioneira neste serviço no bairro) e com a loja Vitalité – especializada em produtos hipoalergênicos, dermocosméticos e roupas com proteção ultravioleta – e o Visage Café, espaço charmoso e aconchegante. 14 •

No segundo andar fica o espaço para relaxamento e massagens modeladoras

www.divercidades.com


O Visage Café é uma ótima opção para os clientes da clínica, do salão e também para o bairro

O Residencial Edgard Degas, na Morada das Garças está entrando na fase de acabamento e tem previsão de entrega para o fim deste ano

Michele Monteiro é a idealizadora do espaço moderno que associa saúde, beleza e bem-estar em um só lugar

A clínica dermatológica oferece exames e tratamentos especializados no próprio espaço

No segundo piso ficam os consultórios médicos, além do espaço voltado para as massagens relaxantes, como drenagem linfática, terapia com pedras, massagens modeladoras, massoterapia e podologia. A clínica também possui a terapia capilar com laser, prática única na região, onde a própria Michele faz o acompanhamento do paciente. “O produto é aplicado pelo terapeuta capilar e ativado pelo laser. Depois finalizamos com uma escova. O tratamento é indicado para queda de cabelo, psoríase e caspa. São 10 sessões, uma a duas vezes por semana. A diferença da Visage para outros centros de estética é que sempre existe uma dermatologista por trás dos serviços de beleza, orientando os tratamentos e garantindo a qualidade de todos eles”, informa Michele.

O setor de laser do espaço conta com aparelhos modernos, únicos em Macaé, como o Light Sheer Duet e o Fraxel Dual, Multiwaves, entre outros. A área cuida de flacidez, epilação (depilação a laser), gordura localizada, rejuvenescimento, estrias, cicatriz de acne, entre outros tratamentos.

Ana Cristina Gama tem o espaço da Vitalité na Visage, que é uma parceria de sucesso

A comerciante Camille Mendes é macaense e conheceu a Visage por meio da área de dermatologia da clínica. Hoje, ela frequenta o salão de beleza do espaço e faz suas unhas toda semana com uma das profissionais de lá. “Já ouvia falar da Michele e de sua competência como médica dermatologista antes mesmo de virar paciente dela. Adorei a ideia de juntar estética, beleza e clínica médica em um só lugar. Macaé estava mesmo precisando de serviços como esse”, opina.

“Já fiz vários tratamentos com a Dra. Michele e faço muitos elogios à ela para todos que perguntam. Na Visage, temos um atendimento diferenciado mesmo”, explica Frances.

A advogada Frances Barboza, esposa de Gerson Barboza, proprietário do restaurante Lucca, elogia o atendimento dos profissionais da Visage e alega que igual à clínica, somente em capitais como Rio de Janeiro e São Paulo.

CLÍNICA DE SAÚDE

“Temos cerca de 20 funcionários trabalhando na Visage, inclusive profissionais de segurança. A seleção de todas essas pessoas foi bem completa. Escolhemos especialistas confiáveis e capacitados, já conhecidos no mercado. A esteticista que trabalha comigo já passou por diversos cursos e está sempre sendo treinada por mim. Já no salão de beleza, investi em profissionais com treinamento completo em colorometria e balaiagem, entre outras especialidades”, complementa Michele.

Entre as especialidades disponíveis na Visage estão a dermatologia, pneumologia, pediatria, medicina do sono, medicina do esporte, prática ortomolecular, angiologia e otorrinolaringologia.

Rua Robert Francis Kennedy, 13 - Cavaleiros - Macaé/RJ Tel.: (22) 2793-0486 / 3717-1722 / 9988-21015 facebook.com.br/visagemacae

“Nosso objetivo aqui, na Visage, é agregar qualidade de vida aos nossos pacientes. Escolhemos a dedo o local da clínica, os funcionários, os tratamentos e os equipamentos de alta tecnologia. Realmente, estamos oferecendo algo que ainda não existe na cidade”, complementa Michele.

• 15


PESSOAS & NEGÓCIOS

A ALTA COZINHA DO RESTAURANTE MARAL Medalhão de Filé ao vinho do porto com musseline de baroa

Rubens Gonçalo mescla técnicas e ingredientes de várias partes do mundo e surpreende o paladar dos clientes

Filé de pescada com purê de banana da terra, com pesto de coentro, achovado e pitalha, com caviar de sagu

O chef Rubens Gonçalo aposta em carteNorequintado, jantar, Rubens oferece um menu à la com pratos como o salmão pratos sofisticados e trabalha na ao molho teryaki, cordeiro com purê de batata baroa e o confit de pato com purê de feijão reestruturação do cardápio branco, marmelada de repolho roxo e abacaxi Por: Fernanda Pinheiro Fotos: Alle Tavares

C

om um sorriso largo, o chef Rubens Gonçalo é daquelas pessoas que exalam amor pela profissão. No salão do restaurante Maral, ele comenta sobre sua experiência na gastronomia, história que passa por países como Espanha, Peru, além do Brasil. Seu estilo, apesar da formação em cozinha francesa, tende ao ‘fusion’, onde o cozinheiro mescla técnicas e ingredientes de várias partes do mundo. “A mistura para mim é interessante pois, como trabalhei com chefs contemporâneos, aprendi a gostar de incluir transformações na cozinha, tanto para finalizar pratos como para

O cardápio do happy hour conta com grande variedade de drinks

16 •

executar técnicas da cozinha molecular. Aqui, eu uso muitos ingredientes brasileiros e mexo em suas estruturas, surpreendendo os paladares e sensações dos clientes”, comenta. Natural da cidade de São Luís, Maranhão, Rubens está há 16 anos no Rio de Janeiro, onde se formou em Gastronomia e Nutrição. Sua carreira teve início no Sheraton RJ, onde ficou por 10 anos. De lá pra cá, trabalhou três meses no W Hotel, na cidade de Barcelona, onde pegou para si o amor pela cozinha mediterrânea. Em Macaé, o chef chegou há três meses, e já estuda reestruturar o cardápio do restaurante do Four Points Sheraton, o Maral. “Estamos em uma missão de resgate do restaurante do hotel, pois ele muitas vezes fica vinculado ao Sheraton e as pessoas pensam que só servimos aos hóspedes, não ao público em geral, o que não é verdade”, explica Rubens. Com muitos clientes de empresas offshore, o restaurante serve, no almoço, um bufê com cerca de três proteínas, uma massa com um mollho e cinco guarnições, sempre diferentes a cada dia. Para o fim de tarde, o Maral aposta em um happy hour das 17h às 20h, com petiscos como bolinho de bacalhau e escondidinho de carne seca e queijo coalho.

ao melaço. Para aqueles que buscam algo mais leve, a cozinha cria uma salada caprese com moçarela de búfala empanada e confit de tomate cereja, farofinha de pinoli e pesto. Aos clientes que não comem carne, Rubens disponibiliza cerca de sete pratos vegetarianos, entre eles, o tradicional minestrone, espécie de caldo italiano a base de legumes. Para atestar sua cozinha autoral e fusion, o chef apresenta o peixe do dia empanado na farinha de milho tipo flocão, purê de banana da terra com pesto de coentro anchovado e caviar de sagu. Para finalizar, um azeite de cúrcuma, que é o parente brasileiro do açafrão. “O cliente também pode chegar e pedir um menu sugestão do chef, que é alterado toda semana”, complementa. Seguindo as tendências mundiais, a gerente de A&B e bartender Flávia Sirioud também está reestruturando o bar do Maral e apostando nos coquetéis que são mania no exterior. Vindo de Genebra, na Suíça, a macaense adora as bebidas com infusões de gengibre e baunilha. “Aqui no Brasil, ainda não temos uma cultura forte de valorização dos drinks como lá fora, mas estamos trabalhando para que os clientes daqui experimentem e aprovem essas delícias!”, comenta Flávia.

Rua Dolores Carvalho Vasconcelos, 110 Glória - Macaé/RJ - Tel.: (22) 2106-2661

www.divercidades.com


• 17


PESSOAS & NEGÓCIOS

O restaurante passou por uma reforma este ano e dobrou seu espaço

EMBRIOVIDA MACAÉ

Os especialistas Ellayne, Bernardo e Adriano estão à frente da clínica

A clínica possui uma variedade de exames e tratamentos para reprodução humana

Primeira clínica de reprodução humana de Macaé é inaugurada, trazendo esperança para casais que querem engravidar e se tratar sem sair da cidade

O

Por: Leila Pinho Fotos: Alle Tavares

s casais em busca de tratamentos para conseguir engravidar agora têm um lugar de referência em Macaé, a Embriovida. Esta é a primeira clínica de reprodução humana da cidade, inaugurada em fevereiro deste ano, e a única que cobre outros municípios da região como Rio das Ostras, Conceição de Macabu, Quissamã e Carapebus. A embriologista Ellayne C. Queiroz de Castro, o ginecologista e obstetra e infertileuta Bernardo Tostes L. Soares e o ginecologista e endoscopista ginecológico Adriano dos Santos Lima estão à frente do negócio e oferecem, na clínica, assistência multidisciplinar em reprodução humana, com qualidade, ética, segurança e humanização. Estruturada com equipamentos modernos e instalações adequadas, a Embriovida tem profissionais especializados na área e oferece ampla variedade de exames e tratamentos avançados. “Entre os serviços disponíveis há consultas com infertileuta, endoscopista, ginecologista, obstetra, urologista, nutricionista, psicólogos, congelamento de sêmem e óvulos, indução de ovulação, inseminação artificial e fertilização in vitro, ultrassonografia especializada em infertilidade e diversos exames de andrologia como fragmentação de DNA do espermatozoide, processamento seminal (diagnóstico e terapêutico), espermograma com avaliação morfológica, critério estrito de Kruger, índice de normalidade acrossomal, testes de vitalidade (Endtz e hiposmótico), capacitação com meio de cultura. A Embriovida é o único lugar de Macaé que realiza muitos dos testes de andrologia. Segundo explica Bernardo, a opção por congelamento de sêmen ou óvulos tem razões diversas. “Tem paciente que quer fazer vasectomia, mas quer congelar o sêmen caso venha a mudar de ideia e queira ter filhos. Tem também casos de homens e mulheres com câncer tratáveis que querem preservar o óvulo ou sêmen”, esclarece o infertileuta. Quem usa a clínica tem o benefício de fazer os exames de forma mais apropriada e especializada também. Para as mulheres que pas18 •

Silvia Maia mostra com orgulho o pequeno Bernardo, cujo nome também serviu como homenagem ao médico

A Embriovida congela sêmen e óvulos

sam por tratamento de reprodução humana, por exemplo, é preciso fazer muitos exames de ultrassom em dias específicos e a Embriovida realiza todos na data indicada, mesmo que seja no fim de semana. Além disso, como os exames são feitos por especialistas em infertilidade, a avaliação é mais detalhada, o que influencia diretamente na definição do tratamento mais adequado. Ellayne destaca, também, a forma como os pacientes são recebidos. “Nós acolhemos o casal, damos toda a orientação e suporte para que os dois se sintam confortáveis e seguros de que terão um bom atendimento”, fala a embriologista. A paciente Silvia Mateus Maia, de 37 anos, se tratou com o médico Bernardo entre 2013 e 2014 e conseguiu gerar o pequeno Bernardo, que nasceu em dezembro de 2014. O nome da criança também serviu como homenagem ao médico que ajudou Silvia e o marido a concretizarem um sonho. “Dr. Bernardo viu que eu ovulava, certificou que os exames estavam bons e me pediu paciência, ele me orientou a seguir todos os passos para engravidar. Uma clínica séria faz isso. Ele me passou segurança, me deu esperança e deu certo”, conta Silvia. “Com segurança e seguindo todos os procedimentos médicos, adotamos o tratamento mais adequado de acordo com cada caso”, fala Bernardo. Adriano pontua ainda que várias avaliações são feitas de modo a aumentar as chances de sucesso do tratamento. “Por isso, cada serviço é fundamental e realizado de forma interligada, ajudando a esclarecer melhor o motivo da dificuldade de engravidar”, ressalta. Rua de Santana, 169 - Centro - Macaé/RJ Tel.: 22 2772-1141 - E-mail: embriovidamacae@gmail.com www.embriovida.com.br

www.divercidades.com


• 19


PESSOAS & NEGÓCIOS

A franquia é reconhecida, nacionalmente, como marca de revestimentos de grande qualidade

PORTOBELLO SHOP Marca exclusiva de revestimentos de alto padrão traz para Macaé design sofisticado e linhas cerâmicas alinhadas com as novas tendências Por: Leila Pinho • Fotos: Alle Tavares

20 •

Fabia e Patrick acreditam que Macaé merece contar com a qualidade da cerâmica Portobello

D

esde janeiro deste ano, Macaé ganhou uma loja de porcelanatos e revestimentos cerâmicos de alto padrão, a Portobello Shop. Com mais de mil tipos de revestimentos cerâmicos, a empresa seduz pela variedade, qualidade do material, design sofisticado e alinhamento com as novas tendências. A empresa possui mais de 130 lojas em vários Estados brasileiros com produtos exclusivos. www.divercidades.com


O arquiteto Jairo aprova a bancada de porcelanato, exclusividade da Portobello Shop

O resultado da parceria entre Fabia e Patrick com a designer de interiores Lorena e Felipe da Modus Vivendi está na beleza dos ambientes decorados

Os franqueados da loja, o casal Patrick Wolkoff e Fabia Pedroso Gama, explicam que a ideia de abrir o negócio surgiu de uma percepção sobre esse nicho de mercado. “Via muita gente falar que ia ao Rio de Janeiro pra comprar revestimento. Pesquisei algumas franquias e vi que a Portobello Shop fazia falta aqui em Macaé. Os produtos são tão bons que quase se vendem sozinhos”, afirma Patrick. A ampla loja da Portobello Shop Macaé tem espaços decorados em parceria com a Modus Vivendi, que expõe suas mobílias e peças de decoração. Felipe Ribeiro, da Modus Vivendi, e a designer de interiores Lorena Correa contribuíram montando esses ambientes. “A Portobello é uma empresa de revestimento de renome. A loja agrega muito e Macaé precisava dessa novidade”, afirma Lorena. Algumas linhas de produtos do ano 2015 estão encantando arquitetos, designers e clientes, como as que reproduzem pedras. Entre as novidades, tem revestimentos com conceito retrô. É o

Mais de mil tipos de revestimentos cerâmicos compõem o portfólio que podem ser apreciados em alguns ambientes montados na loja

Os ambientes decorados auxiliam os clientes a visualizar as aplicações dos revestimentos

A equipe da loja é preparada para esclarecer as dúvidas do cliente

caso do cobogó, revestimento vazado que é uma das apostas do ano. Os tacos de madeira também ganharam uma repaginada e figuram em uma das linhas da Portobello Shop. O cliente que leva pra casa o revestimento da Portobello Shop conta ainda com a comodidade e segurança de ter 5 anos de garantia.

personalizada e que pode servir como bancada de pia, de cozinha, do espaço gourmet e até mesa.

O suporte de outros serviços da empresa também faz a diferença. “Nós vendemos a realização de um sonho e temos a solução por completo. Se o cliente quer trocar o piso, nós vamos à casa dele, medimos o espaço, fazemos o projeto em 3D com o revestimento selecionado e ainda orientamos, se houver necessidade”, fala Patrick. A equipe da Portobello Shop é qualificada para indicar ao cliente sobre que tipos de revestimentos são mais indicados para cada ambiente e, ao mesmo tempo, deixá-lo à vontade para fazer suas escolhas. BANCADA EXCLUSIVA FEITA COM REVESTIMENTO A bancada feita com revestimento é um produto inovador, expertise da Portobello Shop. Em Macaé, essa é a única loja que produz. O cliente escolhe o tipo de revestimento, a loja faz o projeto da bancada no tamanho solicitado e leva já montada para a casa do cliente. O resultado é uma peça única,

As vantagens são muitas. A bancada de revestimento é mais barata do que a feita de pedra, mais fácil de limpar, não absorve líquidos e dá um charme todo especial ao ambiente. “Todo mundo está acostumado com o granito. Então, usar esse produto que é uma peça de porcelanato é sensacional. Aumenta muito o leque de opções para bancadas”, afirma o arquiteto Jairo Schwartz. ACOLHEDORA COMO MADEIRA E PRÁTICA COMO CERÂMICA Entre as linhas mais apaixonantes da Portobello Shop, as que remetem à madeira são sucesso garantido. A empresa reproduz diversos tipos de madeira em pisos cerâmicos e o resultado impressiona. “A madeira traz esse conceito do conforto, do aconchego, do calor. O revestimento que simula a madeira traz a praticidade do revestimento cerâmico e o acolhimento da madeira. Junta o moderno com o antigo”, explica Patrick.

Av. Rui Barbosa, 1760 - Loja 1 Alto Cajueiros -Macaé/RJ Tel.: (22) 2770-4716 www.portobelloshop.com.br f a c e b o o k . c o m / Po r t o b e l l o S h o p - M a c a é

• 21


PESSOAS & NEGÓCIOS

A cada 100 carros vendidos na cidade, 10 são da Citroën Cannes em Macaé

A loja da Kia Koremac, no bairro Costa do Sol. Grupo aposta no seu maior diferencial, a personalização do atendimento aos clientes

Em 2014, construíram uma nova concessionária Kia Koremac em Campos, com novo prédio seguindo o padrão internacional da marca. “Somente nestas três lojas da região, vendemos cerca de 70 carros novos e 50 seminovos ao mês”, complementa Carlos Neto.

Da esquerda para a direita: Carlos Neto, Diogo Giraldi, Aexandre Figliagi e Ivan C. Colaneri estão à frente do Grupo Colaneri em Macaé

GRUPO COLANERI, 26 ANOS DE TRADIÇÃO

Serviços personalizados marcam a excelência no atendimento das concessionárias Kia Koremac e Citroën Cannes em Macaé

F

Por: Fernanda Pinheiro • Fotos: divulgação

oi no interior de São Paulo, mais especificamente na cidade de Capivari, que o grupo Colaneri iniciou sua história. Composto pelo sócio investidor Ivan Cortellazzi Colaneri e seus genros Diogo Giraldi, Carlos Bordieri Neto e Alexandre Figliagi, a empresa familiar possui, hoje, 25 concessionárias espalhadas pelo Brasil, entre Citroën, GM, Fiat e Kia. “Apesar de ser um grupo novo, devido ao desmembramento do grupo familiar no interior de São Paulo – o grupo Colaneri foi fundado em 2010 – nossa família está no ramo de automóveis desde 1989. Meu sogro, Ivan Colaneri, possui grande experiência, sendo concessionário Volkswagen em Capivari e Monte Mor, em São Paulo, desde aquela época”, explica Diogo. A primeira loja aberta no Rio de Janeiro foi a Citroën Cannes em Macaé, em 2010. Depois de analisar o mercado, o grupo viu que o local estava aquecido para o negócio da família e, desde então, a expansão vem acontecendo gradativamente. “Passamos a ter um resultado muito bom na cidade. Com relação a uma de nossas lojas, por exemplo, nosso ‘marketshare’ foi de 10.1 em média nos últimos anos, ou seja, a cada 100 carros vendidos em Macaé, 10 são Citroën”, continua. Com o sucesso, o grupo resolveu abrir, em 2011, na cidade de Campos dos Goytacazes, um showroom da Citroën. E, em 2014, a primeira concessionária plena da cidade, com prédio próprio, instalações de oficina e venda de automóveis da marca francesa destaca ainda mais o bom desempenho da família na região norte fluminense. Já em relação à marca Kia, os Colaneri tiveram oportunidade de comprar três lojas plenas – em Macaé, Cabo frio e Campos – no ano de 2012. 22 •

Com 97 funcionários, a empresa faz questão de investir cada vez mais em seu maior diferencial, que é a personalização dos serviços oferecidos aos clientes. Ao perceber que a mão de obra na região era escassa, o Grupo resolveu abrir uma empresa especializada em funilaria e pintura, com cabine profissional e capacidade para reparo de cerca de 70 carros ao mês, somente para atender suas concessionárias. As oficinas das lojas da região norte fluminense atendem, mensalmente, cerca de 1000 carros. “Como somos uma empresa familiar, os três sócios dirigem, pessoalmente, os principais setores do negócio. Desta forma, o Diogo gerencia a parte do pós-venda e marketing, Carlos Neto acompanha de perto a parte comercial e eu cuido da administração como um todo. A fim de profissionalizar ainda mais o negócio, o Sr. Ivan nomeou, recentemente, sua esposa como Presidente do Grupo, e trouxe de São Paulo um executivo para ocupar o cargo de superintendente. Com o rápido crescimento, é fundamental que o nosso negócio possua uma gestão cada vez mais profissional. Todas as nossas lojas são completas, com venda de veículos novos e seminovos, e também contam com a parte do pós-venda. Possuímos uma equipe treinada, qualificada e com ampla experiência no mercado de automóveis. Possuímos funcionários em nossa equipe com nível máximo em treinamento junto a Kia Motors do Brasil e Citroën”, contextualiza Alexandre. O trabalho sério da empresa faz com que os números sejam favoráveis. De 2011 a 2014, foram mais de 2 mil carros vendidos na região, e o Grupo contou com 85% de clientes totalmente satisfeitos. Em uma de suas bandeiras, a empresa alcançou a marca de segunda concessionária brasileira com índice de 92% de total satisfação. “O sucesso, primeiramente, é graças ao bom Deus que tem nos abençoado e, em segundo lugar, ao trabalho, pois nos dedicamos dia a dia em satisfazer nossos clientes da melhor forma possível e a maior satisfação é poder ver isto de perto, em cada negócio fechado”, finaliza Diogo. Av. Aluísio da Silva Gomes, 650 Granja dos Cavaleiros - Macaé/RJ Tel.: (22) 2773-5666 / 2106-9900 Rua Casimiro de Abreu, 181 Costa do Sol - Macaé/RJ Tel.: (22) 2106-1005 www.grupocolaneri.com.br

www.divercidades.com


• 23


PESSOAS & NEGÓCIOS

Quem faz exames na Q.I. MED já sai da consulta com o laudo em mãos

Os médicos Guilherme, Newton e Gustavo estruturaram a clínica para ser uma referência de serviço diferenciado de ultrassom, em Macaé

Q.I. MED

Clínica oferece diagnósticos por imagem e medicina fetal com atendimento humanizado

A

Por: Leila Pinho • Fotos: Alle Tavares

junção de três médicos amigos e colegas de profissão, com a iniciativa de oferecer atendimento humanizado aos pacientes, fez surgir em Macaé a Q.I Med Diagnósticos por Imagem e Medicina Fetal. O ginecologista e obstetra e especialista em medicina fetal, Gustavo Pinheiro e os radiologistas certificados pelo Colégio Brasileiro de Radiologia Newton José Filho e Guilherme Brandão se uniram com este objetivo. Apesar de a clínica já existir desde março de 2014 sob o comando de Gustavo, foi em setembro do mesmo ano que o rol de exames ficou mais completo com a chegada de Newton e Guilherme. A Q.I. Med realiza exames de ultrassonografia de vários tipos como: geral, intervencionista (biópsias e punções), vascular, pediátrico e musculoesquelético, bem como a ultrassonografia em medicina fetal. “A nossa ideia é que a clínica seja uma referência em ultrassom porque o serviço é diferenciado. Nós nos completamos na parte de ultrassom. Cada um tem uma capacidade de fazer muito bem determinados tipos de exames”, ressalta Guilherme. Quem está habituado a fazer exames se surpreende de forma positiva quando descobre que vai sair da Q.I. Med já com o laudo em mãos. Essa agilidade gera vários benefícios para o paciente: o de não precisar retornar à clínica para buscar o teste, dá mais tranquilidade porque diminui a expectativa e angústia sobre o resultado e auxilia muito o médico que acompanha o caso a tomar as decisões necessárias para proceder com o tratamento do paciente, de forma rápida. ATENDIMENTO HUMANIZADO Segundo Newton, a humanização no atendimento ao paciente é uma prática permanente na clínica. “Quando eles chegam são tratados pelo nome. Entendemos que eles não são um exame ou apenas um número. São pessoas. Toda a equipe de profissionais da clínica foi orientada para 24 •

Para a cliente Cássia Pires, o acolhimento é o ponto forte da clínica

que o paciente fosse tratado dessa forma”, pontua Newton. Toda pessoa que usa serviços médicos e de saúde já está habituada a esperar para ser atendida. Na Q.I. Med, a recepcionista informa o paciente sobre o tempo previsto para seu atendimento ser realizado. Essa conduta é uma forma de respeitar o paciente e mostrar a preocupação da equipe em cumprir os horários. A técnica de enfermagem Cássia Pires Rocha, de 56 anos, fez uma punção na tireoide na Q.I. Med e ficou encantada com o atendimento. “Me chamou a atenção o acolhimento. A equipe é muito bem estruturada, o atendimento é bem feito tanto na parte pessoal, com humanização, como na parte profissional, com os médicos fazendo os exames e transmitindo toda a tranquilidade”, fala Cássia. CONSULTAS EXCLUSIVAS “A humanização está ligada ao bom atendimento, e bom atendimento requer tempo. Por isso, na Q.I. Med nós fazemos a consulta exclusiva. Isso significa que o tempo da consulta é do paciente, exclusivamente dele. Então, nós conversamos com o paciente, tiramos alguma dúvida eventual e amparamos essa pessoa”, fala Gustavo. A clínica está situada no Centro Médico, no Centro da cidade, e atende aos convênios Unimed, Petrobras e, ainda, de forma particular. Rua Velho Campos, 279, sala 102 Centro Médico - Macaé/RJ Tel.: (22) 2773-2811 facebook.com/qimeddiagnosticos

www.divercidades.com


• 25


PESSOAS & NEGÓCIOS

BENEDITO O restaurante abre sempre após às 18hs e o nome foi uma homenagem ao músico macaense Benedicto Lacerda

Restaurante completou dois anos de boa comida e ambiente acolhedor

O

Por: Fernanda Pinheiro • Fotos: Alle Tavares

s irmãos André e Cristhovão Neves vieram de Minas Gerais há 13 anos com sua família, que na época investiu no comércio, abrindo a Estação da Moqueca, no bairro Miramar, cuja especialidade é frutos do mar. Com o sucesso, esticaram o legado e abriram o Estação da Praia, na Praia dos Cavaleiros. Há dois anos, André, Cristhovão e o então, na época, amigo empresário Luiz Paulo Brotto, extraíram de Minas a ideia de um bar, que oferecesse churrasco a peso, mesa de frios e boa bebida. Iniciou-se então a nova parceria. Luiz Paulo é proprietário do restaurante Sabor de Minas, que fica no polo offshore e do recém inaugurado Sunset Grill, no Centro da cidade. Os sócios conseguiram então, um belíssimo espaço no Bairro da Glória e juntamente com o arquiteto Marcelo Muquici, fizeram um projeto com uma decoração diferenciada, que mescla o rústico e o moderno para abrir o novo negócio. O espaço convida quem está de fora a entrar. Quando pararam para pensar em um nome para o lugar, lembraram do compositor, flautista e maestro Benedicto Lacerda e os sócios acharam interessante fazer esta homenagem.

26 •

Os sócios André, Luiz Paulo e Cristhovão. A casa oferece uma carta especial para os amantes da cerveja

“Benedicto Lacerda era macaense, e achamos interessante fazer essa homenagem, até porque, muitos da cidade não conhecem ou não sabem que ele nasceu aqui”, comenta André. Mesmo sem o sobrenome do compositor, o local tem fama de sempre contar com boa música e algumas parcerias interessantes, como com o Teatro Municipal e o SESI Cultural. O Benedito, hoje, tem 130 lugares e abre suas portas após as 18hs, sendo uma ótima opção para o www.divercidades.com


O casal Fernanda e Vagner frequenta o Benedito desde a abertura

A equipe do restaurante está sempre pronta para atender aos clientes

Clube da Cachaça, do Whisky e da Vodka, onde os clientes podem adquirir a garrafa, consumir e manter muito bem guardada no estabelecimento, podendo usufruir sempre que for ao local. Ainda temos um projeto de fazer nossa própria cerveja”, fala Cristhovão. E por falar em cerveja, a casa oferece 35 rótulos e chama a atenção de apreciadores. Entre elas, estão a Colorado, a belga Delirium e a inglesa BadgerFlyer. Costelinha de Porco com Fritas, acompanhada de molho barbecue

Pão de Alho com Picanha e os drinks de frutas da estação

French Rack com geléia de hortelã

happy hour, quando os drinks de frutas frescas fazem o maior sucesso. “Trabalhamos com a sazonalidade das frutas, então criamos drinks de caju, tangerina, lichia, lima da pérsia, carambola e frutas da estação. O Benedito difere seu serviço com o

A Belga Kwak e sua história pra lá de interessante também está presente na carta do Benedito. Criada na época de Napoleão, por volta de 1971, ela era muito apreciada pelos cocheiros. Porém, pela lei local, os cocheiros não podiam deixar as carruagens e seus cavalos pelas ruas para poder ir tomar sua cervejinha diária. Pauwel Kwak, então, inventou um copo que poderia ser acoplado a um suporte instalado na carruagem e assim todos os cocheiros que estivessem com sede poderiam levar seus copos até a porta da cervejaria e pedir para ele ser preenchido com o líquido, sem sofrer punições. “Também oferecemos uma boa carta de vinhos, além de mais de 40 rótulos de cachaças. Tentamos oferecer qualidade e variedade aos nossos clientes”, explica André. A casa conta com 18 funcionários, que são constantemente treinados em boas práticas e desenvolvimento de equipe. Entre as delícias do cardápio, estão os hambúrgueres artesanais de carne e filé mignon e o especial pão de alho com tempero especial da casa, que é uma ótima opção de entrada e para acompanhar qualquer uma das carnes. “O legal de nosso churrasco a peso é que o cliente pode escolher a quantidade que quer consumir, além de escolher também a forma como é preparado. “A casa tem, como as mais requisitadas, opções de filé ao alho, maminha com

queijo e a suculenta picanha nobre”, complementa Luiz Paulo. O Benedito serve um “french rack” (costelinha de cordeiro), entre outros cortes de cordeiro, possui opções como a linguiça croc (linguiça defumada, envolta por uma batatinha chips), acompanhada pelos molhos quatro queijos ou barbecue. A casa também oferece o delicioso salmão feito na brasa, acompanhado por batatinhas e alcaparras e o típico queijo coalho com mel, além de espeto de coraçãozinho e linguiças. A advogada Fernanda Marques Rodrigues nasceu em Brasília e mora em Macaé desde pequena. Casada com Vagner Moreira de Lima, ela é frequentadora assídua da casa, desde sua inauguração. “Vou ao Benedito desde o primeiro dia e, desde o início, acredito que o diferencial da casa é o serviço de carne e peixe pesados na hora, que até então não existia na cidade. Além disso, a variedade de cervejas importadas também nos atrai, pois não encontramos em outros bares. Nós costumamos pedir o salmão ou a isca de salmão e sempre degustamos uma cerveja importada diferente. O ambiente da casa é acolhedor e sempre escolhemos o lugar pra estar com amigos e familiares nas comemorações ou até mesmo num happy hour. A decoração é linda e sofisticada e torna o lugar ainda mais agradável. O que difere o Benedito dos outros restaurantes é o serviço prestado, a comida sempre maravilhosa e a cerveja gelada!”, finaliza Fernanda.

Rua Dolores Carvalho Vasconcelos, 2 - Bairro da Glória - Macaé/RJ Tel.: (22) 2773-5712 facebook.com/BeneditoBarGrill

• 27


PESSOAS & NEGÓCIOS

Moderna, climatizada e de fácil acesso, a empresa tem estrutura adequada para realizar serviços de medicina ocupacional e segurança no trabalho

Leonardo, Eliane e Lúcio (da RHMED) contam com a parceria e o apoio do médico macaense Carlos Emir Júnior

RHMED Com inteligência e tecnologia de

ponta, empresa se instala em Macaé focada em soluções de qualidade para a saúde ocupacional e segurança no trabalho

A

conceituada RHMED (empresa de saúde ocupacional e segurança no trabalho) abriu uma nova unidade em Macaé, com modernas instalações. Com mais de 20 anos no mercado brasileiro, começou a funcionar em março deste ano oferecendo as seguintes avaliações: médica especializada, médica ocupacional, psicológica, odontológica, em cardiologia, em oftalmologia, além de exames de diagnóstico por imagem e laboratoriais complementares. Uma das vantagens da RHMED é ter estrutura que oferece comodidade e segurança aos funcionários da empresa que contratou o serviço. Isso porque várias avaliações são feitas no mesmo lugar, otimizando o tempo do trabalhador e também da companhia. O foco é oferecer soluções para organizações com tecnologia de ponta para a execução dos serviços com maior complexidade. Segundo explica a diretora geral Eliane Maria Aere, a RHMED atua com inteligência na realização e gestão dos processos relativos à saúde ocupacional e segurança no trabalho, assim como no planejamento e no suporte. Na prática, isso significa que a empresa faz desde documentos básicos, como o PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais) e o ASO (Atestado de Saúde Ocupacional), assim como orienta os clientes

28 •

Por: Leila Pinho • Fotos: Alle Tavares

quanto ao cumprimento da legislação.

A equipe de profissionais é apta a prestar atendimento bilíngue: em português e inglês

“Temos serviços que cobrem as 36 normas regulamentadoras de segurança do trabalho e seguimos os protocolos internacionais que são adotados principalmente pelas multinacionais do ramo offshore”, ressalta Lúcio Costa, diretor de produto e operações. O diretor administrativo e financeiro, Leonardo Albuquerque, pontua que o atendimento da clínica também é diferenciado. “Selecionamos pessoas com o nosso perfil e o nosso DNA para trabalhar aqui. São funcionários que vão preservar nosso nome e prestar excelentes serviços. A equipe é apta a fazer atendimento bilíngüe: em português e inglês”, fala Leonardo. O cardiologista macaense Carlos Emir Júnior é parceiro da empresa. “A RHMED está demonstrando que acredita na cidade, investindo nessa unidade e trazendo todo o seu conhecimento. Espero que essa parceria seja frutífera”, diz o médico. A RHMED oferece ainda uma rede credenciada de mais de 2 mil estabelecimentos, entre clínicas e laboratórios, em todo o território nacional. ESTRUTURA Além de bem equipadas, as instalações são totalmente climatizadas e acessí-

A clínica conta com equipamentos modernos para a realização dos exames

veis. O ambiente agradável e organizado proporciona conforto e bem-estar. Há salas de medicina do trabalho, de audiometria, de teste ergométrico, de psicologia, de odontologia, de coleta de sangue, de testes cardiológicos e, ainda, banheiros e vestiário. Em breve, mais uma sala estará pronta, a de raio X. “Fazemos um convite para que conheçam a nossa unidade de Macaé. Nós sabemos que as empresas daqui dão valor aos serviços de qualidade e queremos mostrar como faremos isso”, fala Eliane.

Rua Alfredo Backer, 252 - Centro - Macaé/RJ Tel.: (22) 2762-2222 www.rhmed.com.br

www.divercidades.com


• 29


PESSOAS & NEGÓCIOS

Laura Tinoco atualmente faz Pilates e está há 22 anos na academia

Os empresários e professores Adriano e Anna Paula, completam 29 anos de uma história de sucesso

CORPO EM MOVIMENTO CONTÍNUO

Os professores do Studio Move, novo espaço da academia

Academia completa 29 anos investindo em capacitação de seus profissionais e novidades para os alunos

O

s macaenses Adriano da Silva Marques e Anna Paula Fonseca Marques se orgulham de contar como tudo começou. Em uma pequena academia na Av. Rui Barbosa, no Centro de Macaé, Adriano, que é educador físico, tinha em torno de 100 alunos quando começou e trabalhava muito para expandir o seu sonho. “Nós nos conhecemos nesta época, então namoramos e nos casamos, e construímos uma nova Corpo e Movimento onde ela é hoje. O trabalho aumentou, fomos aos poucos construindo a piscina, depois os outros andares da academia. Tudo muito devagar, com muito esforço e luta. Nos orgulhamos muito, de hoje termos todo esse espaço, voltado pra saúde e atividade física”, comenta Anna. 10 ANOS DO STUDIO PILATES A academia conta com um completo estúdio de Pilates, prática que começou com um trabalho de reabilitação de coluna que Adriano estava executando. O profissional se apaixonou pela técnica e se formou no curso da PhisioPilates. “Os principais objetivos do Pilates, na minha opinião, são a reeducação postural, adquirida com o fortalecimento do Core (abdômen, glúteo e toda a coluna), respiração, consciência postural e mobilização de toda articulação”, afirma Adriano.

30 •

Por: Fernanda Pinheiro • Fotos: Alle Tavares

A fisioterapeuta e professora de Pilates, Karla Froede Brito Duarte, trabalha na Corpo e Movimento há 5 anos. “O Pilates é um exercício completo. A prática não possui contraindicação e pode ser feita até por crianças”. No estúdio, a fisioterapeuta trata de hérnia de disco, dores na lombar e cervical, lesões musculares e alguns problemas posturais. Mas ela também frisa que Pilates não é só tratamento! “Temos também o Pilates “Fitness”, voltado para quem procura um corpo mais modelado e melhora o condicionamento físico”, comenta. A aluna Angela Flores frequenta a academia há oito anos. Preocupada com a forma física, pegava pesado nos aparelhos de musculação até que sua escoliose começou a preocupá-la. Depois de algumas sessões de RPG, resolveu mudar de atividade. “Comecei no Pilates há muito pouco tempo e minha respiração já mudou, sinto minha coluna mais alongada e com uma consciência postural melhor.” NOVIDADES A Corpo e Movimento também oferece um estudio personalizado, chamado Studio Move. Sala climatizada, com treinamento funcional, musculação, ergometria e todo conforto. O aluno é atendido por uma equipe de profissionais altamente capacitados, com licenciamento e pós-graduação. De forma personalizada, de

acordo com a fisiologia e objetivo de cada um, estes profissionais trabalham de forma individualizada e segura. Dois fisioterapeutas também fazem parte da equipe, tudo para garantir a excelência do serviço oferecido. “É uma academia que faz um trabalho sério. Nos importamos com o bem-estar do aluno. Adriano trouxe capacitação para dentro da própria academia, tudo para obter uma equipe realmente treinada”, finaliza Cassius Lima, professor pós-graduado em prescrição de exercícios para grupos especiais. A aluna Laura Tinoco de Paula Ramos frequenta a Corpo e Movimento há 22 anos e costuma brincar que é a aluna mais antiga da academia. “Sou fiel à casa, sempre fiz as aulas de ginástica localizada, alongamento e as aulas de dança que a academia oferece, como a Zumba. Como tenho 1,76m, minha postura sempre foi péssima, e os exercícios do Pilates e do Studio Move me ajudaram muito com isso, aumentando minha autoestima e me achando mais bonita”, fala Laura. A academia conta com mais uma novidade. A Escola de Natação Corpo e Movimento adquiriu sua própria metodologia de ensino, com o intuito de alcançar objetivos importantes nos 4 nados, melhor acompanhamento no aprendizado do aluno e padronização de ensino de toda a equipe de professores, sob a coordenação de Fernando Brazil. “Nossa equipe está muito bem capacitada. Fazemos treinamentos constantes e avaliações semanais durante as aulas”, finaliza o professor. Rua Prefeito Moreira Neto, 32 Centro - Macaé/RJ Tel.: (22) 2762-1402 www.corpoemovimento.com.br

www.divercidades.com


• 31


PESSOAS & NEGÓCIOS

ULTRACOR

Divulgação

A clínica, localizada nos Cavaleiros, foi projetada para atender às necessidades médicas do público macaense no mesmo local

Os médicos e empresários (da esquerda para a direita): André Vieira Maia, Luiz Tenório Cavalcante da Silva, Laura Pessanha e Luiz Chiareli Júnior

Clínica agrupa centro de exames complementares e clínica médica em um só lugar, com atendimento e estrutura de primeiro mundo

F

oram ideais em comum que levaram o neurologista André Vieira Maia, o cardiologista Luiz Tenório e os radiologistas Laura Pessanha e Luiz Chiareli a pensarem, em outubro de 2013, em abrir uma clínica única, que agrupasse tanto o setor de exames de 32 •

Por: Fernanda Pinheiro Fotos: Alle Tavares

imagem como a parte de clínica médica. Com o slogan ‘alta tecnologia investindo no velho método: ouvir você’, o objetivo dos sócios fundadores era um só: conhecer a fundo o paciente, como os médicos de antigamente faziam. O resgate do atendimento humanizado é o pilar da Ultracor.

“Pesquisamos o mercado regional e percebemos o óbvio: atualmente, existem clínicas especializadas em imagem, clínicas com a especialidade voltada para a cardiologia e os consultórios médicos. Todo o serviço de saúde é fragmentado, obrigando o paciente - que muitas vezes já está estressado por determinado problema de saúde - a ter que correr vários lugares para conseguir um diagnóstico único”, explica um dos diretores da Ultracor, Luiz Tenório. “Pela minha experiência, as pessoas estão cronicamente sendo maltratadas, seja no trânsito, nas lojas, nas farmácias, em clínicas médicas. Não existe mais olhos nos olhos, respeito. Aqui, pensamos nos detalhes”, complementa Laura. Depois de avaliarem vários serviços semelhantes nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e até algumas clínicas no exterior, o grupo iniciou o projeto e inaugurou a Ultracor, em março deste ano, na praia dos Cavaleiros, Macaé. O local, segundo Laura, foi escolhido a dedo. “Escolhemos a Praia dos Cavaleiros, pois também pensamos no bem-estar do paciente na hora de escolher vaga de estacionamento, evitar um trânsito mais complicado do centro da cidade e até mesmo pela beleza e tranquilidade que o local transmite”, explica. www.divercidades.com


A clínica conta com 15 funcionários e já atende cerca de 60 pacientes, em somente duas semanas de abertura. São 500 m² com logística de atendimento de cerca de 40 pessoas por vez. Três consultórios atendem as especialidades médicas cardiologia, arritmia, neurologia e neurofisiologia. Todo o pessoal passou por uma fase de seleção e recebeu treinamento corporativo em atendimento de saúde ao público. A Ultracor está em fase de licenciamento de convênio com as principais empresas de plano de saúde do mercado. CLÍNICA DE IMAGEM Equipamentos de última geração, operados por profissionais especializados garantem a qualidade dos serviços oferecidos pela Ultracor

Os radiologistas Laura Pessanha e Luiz Chiareli coordenam toda a parte de exames de imagem da clínica. Lá, é oferecida a ressonância magnética de alto campo 1,5 T. Esse exame pode ser feito com ou sem sedação. Para pacientes que usam marcapasso, o próprio cardiologista Luiz Tenório faz a orientação e programação do aparelho. Só a Ultracor realiza os exames de artroressonância e ressonância do miocárdio, além do tilt test. A ultrassonografia, o eletroencefalograma, o holter de 24 horas ou de sete dias – um aparelho que acompanha os batimentos cardíacos do paciente –, teste ergométrico, o tilt table test, avaliação de disautonomia, ecocardiograma e o dopler vascular também estão na lista de exames que a clínica oferece aos pacientes. CLÍNICA MÉDICA

A infraestrutura da clínica foi pensada para atender com conforto e praticidade às necessidades do público

Além da cardiologia e clínica, o médico Luiz Tenório também é especializado em arritmia, uma área que desvenda os distúrbios elétricos do coração, como, por exemplo, o mal súbito, que pode atingir jovens e atletas. Ele também acompanha e coordena todos os exames da área, agilizando o processo e diminuindo o tempo de entrega do resultado. “Aqui, tenho autonomia para realizar todos os exames que preciso e, se for o caso, levar o paciente para a cirurgia”, comenta Luiz. Já o neurologista André Vieira Maia também tem a neurofisiologia como especialização, um braço da neurologia que estuda mais a fundo certas patologias e suas partes funcionais. A Ultracor é o único lugar em Macaé que realiza exame de eletroencefalograma em crianças e com sedação.

A equipe de profissionais da clínica foi treinada para fazer um atendimento humanizado e de primeiro mundo

O técnico em contabilidade Luiz Carlos Pereira nasceu em Campos dos Goytacazes, mas mora em Macaé há 62 anos. Desde o mês de dezembro, aguardava a inauguração da Ultracor. “Precisava fazer um exame chamado tilt test, indicado pelo meu médico. Em Macaé, não existia nenhuma clínica que realizasse esse tipo de exame. O atendimento superou as minhas expectativas. O doutor Luiz Tenório me atendeu em seu consultório e gostei muito de seu profissionalismo e atenção comigo. A cidade estava precisando de uma clínica deste porte, pois o município carece de boas empresas desse tipo”, comenta Luiz Carlos. A Ultracor atende de segunda a sexta-feira, das 8h às 19h e fica localizada na rua Acapulco, 47, Cavaleiros. Rua Acapulco, 47 - Cavaleiros - Macaé/RJ Tel.: (22) 2762-2627 www.ultracor.com.br E-mail: atendimento@ultracor.com.br facebook.com/clinicaultracor

Luiz Carlos aprovou os serviços e o atendimento da Ultracor

• 33


PESSOAS & NEGÓCIOS

Clarissa Reid preparou um ambiente diferenciado para receber os novos alunos

A nova unidade do Fisk vai atender o público do centro de Macaé que busca qualidade no aprendizado de línguas

NOVA ESCOLA FISK NO CENTRO DA CIDADE

Os ambientes do curso foram especialmente preparados para receber as crianças

Filial conta com os mesmos cursos oferecidos na Unidade Riviera

A

s macaenses Carina e Clarissa Reid inauguraram, dia 9 de março, mais uma escola de línguas Fisk na cidade de Macaé. Apostando no crescimento que a primeira escola das duas sócias diretoras teve no último ano, as irmãs investiram em um imóvel familiar, localizado na rua Alcindo Brandão, para expandir o negócio. O centro de ensino já formou 15 milhões de alunos em todo o Brasil. São mais de 1000 unidades espalhadas em todo o território nacional e em países como Argentina, Angola, Bolívia, Chile, EUA, Japão e Paraguai. Aqui em Macaé, as duas unidades administradas por Carina e Clarissa oferecem cursos de inglês e espanhol. Os professores incentivam a conversação desde a primeira aula e os alunos contam com material didático digital com atividades interativas, Cyber Fisk – que é uma plataforma online para praticar onde 34 •

Por: Fernanda Pinheiro• Fotos: Alle Tavares

e quando quiser – intercâmbio, entre outras oportunidades. “Tenho experiência de mais de 20 anos no ensino de línguas. Eu e minha irmã nos formamos na Fisk e tivemos o cuidado de estruturar tanto a parte física quanto a parte teórica dos cursos oferecidos em nossa primeira loja, a do bairro Riviera, de maneira a oferecer o máximo de qualidade aos alunos. Hoje ,atendemos a 320 alunos nesse bairro”, explica Clarissa. As duas unidades também oferecem inglês para crianças a partir dos 4 anos de idade. Por meio de um método divertido e lúdico, que estimula a criatividade e a prática do idioma, o curso desenvolve as habilidades dos pequenos desde cedo. “O legal desse curso é que possuímos uma estrutura infantil bem diferenciada. Para se ter uma ideia, a criançada vai para a cozinha aprender a fazer

A marca Fisk é reconhecida como sinônimo de qualidade

bolo! Assim, fica mais fácil aprender!”, completa Clarissa. As diretoras esperam, com a nova unidade, superar o número de alunos da unidade Riviera, pois acreditam que a demanda criada no Centro será maior. A nova escola Fisk conta com cinco salas e um espaço de artes. Cada sala tem limite de oito alunos, o que faz com que o ensino fique personalizado.

Unidade Centro Rua Alcindo Azevedo Brandão, 15 - Tel.: (22) 2142-1087 Unidade Riviera Rua Pref. Cláudio Moacir, 66 - Tel.: (22) 2762-6378 E-mail: creid@fiskmacae.com.br www.facebook.com/macaefisk

www.divercidades.com


• 35


PESSOAS & NEGÓCIOS

Localizada na Rodovia Amaral Peixoto, na entrada da Praia do Pecado, a Brasil Brokers trouxe para Macaé serviços imobliários de excelência

Com experiência no mercado imobiliário da cidade, Ricardo Stolf se tornou sócio da unidade de Macaé em 2014

BRASIL BROKERS

Grande grupo imobiliário se instala em Macaé com jeito inovador de fazer negócios e muito profissionalismo

Q

Por: Leila Pinho • Fotos: Alle Tavares

uem quer comprar ou vender imóvel, alugar ou investir em Macaé encontra na Brasil Brokers o parceiro perfeito para fazer negócio com segurança e muito profissionalismo. A unidade Macaé entrou em operação em agosto do ano passado trazendo toda a expertise que a empresa possui no ramo imobiliário para realizar os sonhos dos clientes e garantir boas relações comerciais. E a marca já acertou na escolha da localização da imobiliária que fica na Praia do Pecado, pertinho do Terminal Lagoa. A Brasil Brokers é um dos maiores grupos de venda de imóveis do país, com jeito jovem e inovador de liderar. A empresa investe em ferramentas de pesquisa e inteligência imobiliária, e capacitação frequente de seus profissionais. Com credibilidade e reconhecimento no mercado, já fez mais de 700 mil clientes e concluiu a venda de mais de 48 mil imóveis. Aliado a todos esses atributos, a unidade Macaé está sendo dirigida por Ricardo Stolf, profissional com ampla experiência no mercado imobiliário da cidade e que já esteve à frente da gestão da Capital e também da O2. Ricar36 •

Cerca de 70 corretores atuam na Brasil Brokers, atendendo clientes de Macaé e Rio das Ostras

do, Márcio Murad e Bruno Serpa Pinto são sócios da Brasil Brokers Macaé. “Acreditamos na cidade, na região e temos confiança no mercado. Por isso, estamos investindo em qualificação profissional para sempre oferecer serviços de excelência”, afirma Ricardo. Casas, apartamentos, flats, salas comerciais, terrenos e muitos outros são vendidos e comprados por meio da Brasil Brokers. A empresa vende imóvel novo, usado, na planta e aluga. Os clientes contam ainda com a grande vantagem de poder comprar em outras partes do Brasil, sem sair de Macaé. Isso é possível graças à tecnologia e integração de todo o banco de dados da companhia. De Macaé, uma família consegue comprar ou alugar um apartamento para o filho que vai estudar fora, por exemplo. Os clientes contam ainda com todo o suporte jurídico especializado. A Brasil Brokers também oferece divulgação mais abrangente para os imóveis, já que possui parceria com sites de classificados como Zap e VivaReal, além de redes imobiliárias. No site www.brasilbrokers. com.br, os anúncios são atualizados com frequência e os canais de comunicação com os clientes são fáceis e ágeis.

PROFISSIONALISMO, TREINAMENTO E FOCO EM RESULTADOS Cerca de 70 corretores atuam na empresa, atendendo clientes interessados em imóveis de Macaé e Rio das Ostras. Segundo Ricardo, um dos diferenciais da marca é capacitar periodicamente a equipe de vendas. Existe um programa específico para capacitação, chamado de Centro de Excelência Brasil Brokers (CEBB). “O processo de aprendizagem é muito importante e encurta o caminho para o resultado”, fala Ricardo. Há mais de 40 cursos e treinamentos sobre o mercado imobiliário, sempre com foco em capacitar os corretores a prestarem serviços imobiliários de excelência. Ele explica que essa dedicação se reverte em boa qualidade de atendimento, de captação de imóveis e clientes compradores e vendedores, satisfeitos.

Loja Macaé

Rodovia Amaral Peixoto, Km 172,8 - Na entrada da Praia do Pecado - Tel.: (22) 2796-2050 Loja Rio das Ostras Av. Jane Maria Martins Figueira, nº 95 - Loja 3 Jardim Mariléia - Tel.: (22) 2764-4350 www.brasilbrokers.com.br/macae

www.divercidades.com


• 37


PESSOAS & NEGÓCIOS

O dentista e empresário Maurício Araújo mantém viva a prática do bom atendimento, técnico e pessoal, para toda a família macaense

H

á mais de 6 anos cuidando da saúde da família macaense, a MaxClin reforça o compromisso com os clientes oferecendo vários serviços com alto padrão de qualidade. Quem é paciente da clínica sabe como é bom poder contar com dentistas, médicos, psicólogas, nutricionistas, fonoaudiólogos e fisioterapeutas em um único lugar, com comodidade, segurança, tecnologia de ponta e muito conforto.

Localizada nos Cavaleiros, a MaxClin cuida da saúde humana de forma global

MAXCLIN

Em ambiente agradável e preparado para receber os pacientes, clínica cuida por completo da saúde da sua família Por: Leila Pinho• Fotos: Gianini Coelho

38 •

Segundo o responsável técnico e idealizador da MaxClin, Maurício Araújo, a clínica é um centro multidisciplinar de saúde que, como informa o slogan, tem o objetivo de cuidar dos pacientes por completo. “A família é atendida em várias especialidades dentro do mesmo espaço, isso facilita a vida das pessoas. Enquanto a mãe está na nutricionista, o filho consulta com o dentista”, exemplifica. “Além disso, o paciente pode se tratar com vários profissionais dentro da clínica, o que facilita a integração tanto nos diagnósticos quanto nos tratamentos. “Por termos muitos especialistas reunidos, temos a oportunidade de trocar informações e complementar conhecimentos sobre cada caso, assim tratamos a saúde do paciente como um todo e não apenas o problema inicial que o trouxe até nós.” Maurício ressalta que, desde o início, quis montar em Macaé um centro de saúde baseado na qualidade em todos os aspectos. “Temos isso como diferencial. O ambiente é organizawww.divercidades.com


A equipe de dentistas é formada por (da esquerda para a direita): Mariana Rangel (Ortodontista), Jaqueline Matheus (Clínica), Márcia Coutinho (Ortodontista), Maurício Araújo (Mestre em Reabilitação Oral), Henrique Ribeiro (Implantodontista), Janaína Aguiar (Clínica) e Mayra Requeijo (Clínica)

Os profissionais de saúde que atuam na MaxClin são (da esquerda para a direita): Diéssika Oleari (Psicóloga), Cristina Rezende (Nutricionista), Emmanuelle Machado (Neuropsicóloga), Cinthia Lopes (Nutricionista), Lutieska Garrone (Endocrinologista), Mariah Barros (Fisioterapeuta), Aline Simões (Fonoaudióloga) e Adriano Machado (Psiquiatra)

Na parte odontológica, a MaxClin conta com todas as especialidades, oferecendo diversos tratamentos, como implantes, clareamento a laser, aplicação de toxina botulínica, lentes de contato, aparelhos autoligados e estéticos, próteses dentárias, dentre outros. Para cuidar do corpo e da mente, a clínica dispõe ainda de médicos especializados em endocrinologia e psiquiatria, e profissionais de saúde como nutricionistas funcionais, psicólogas, neuropsicólogas, fonoaudióloga e fisioterapeuta. Todos os profissionais seguem o mesmo padrão de atendimento, com qualidade técnica, humanização e respeito aos pacientes. Tratamentos diferenciados junto com estrutura e ambientes adequados garantem a satisfação de quem usa a clínica. Na última pesquisa realizada com os pacientes, o índice de satisfação foi de 93%. Como resultado da alta aprovação, a maioria dos participantes da pesquisa respondeu que indica a MaxClin para outras pessoas. O atendimento da MaxClin passa por constantes treinamentos e é atestado por uma pesquisa de satisfação do cliente

A família do empresário Sérgio Tanaka, de 49 anos, é prova disso. Ele, a esposa Helena Yoko Ishibashi e os dois filhos consultam na MaxClin desde a inauguração. Dentistas, médicos e nutricionistas são algumas das especialidades utilizadas pela família. “Eles são excelentes profissionais, super detalhistas. A forma como atendem me chama a atenção. Eles têm cuidado, são muito organizados e a limpeza da clínica dá uma segurança. A gente percebe que tem qualidade e tudo é bem feito”, fala Sérgio. RENOVAÇÃO DA MARCA Recentemente, a MaxClin fez uma reformulação na sua identidade visual, tornando a marca mais moderna e conceitualmente mais alinhada com a filosofia e os princípios da empresa. “A nova logomarca é uma mandala estilizada (símbolo da integração e da harmonia), que, junto com a cor escolhida (verde), representa a saúde e a busca pelo equilíbrio mental e físico”, explica Maurício. O elemento traz esse conceito de bem-estar global que simboliza o efeito prático que os serviços da MaxClin proporcionam aos clientes.

Clientes fiéis da MaxClin, os membros da família de Sérgio Tanaka elogiam o cuidado e profissionalismo dos especialistas

do e preparado diariamente para proporcionar o bem-estar dos nossos clientes. Os consultórios são estruturados com modernos equipamentos e nosso corpo clínico está constantemente se atualizando para oferecermos tratamentos de ponta”, fala Maurício.

E tem mais novidades este ano. O site da empresa foi reformulado e além de informações completas sobre a clínica, também disponibiliza acesso direto à pesquisa de satisfação e uma central de pré-agendamento de consulta. Tudo para facilitar o dia a dia dos pacientes e manter o propósito de cuidar de todos por completo. Rua Bariloche, 24 - Cavaleiros - Macaé/RJ Tel.: (22) 2773-4921 facebook.com/maxclin

www.clinicamaxclin.com.br

• 39


40 •

www.divercidades.com


• 41


SAÚDE

SEXAGEM FETAL

Será que é menino ou menina?

As filhas Bruna, à esquerda, e Paula, à direita, estimularam a mãe Deise a fazer o exame. As duas estavam super curiosas para saber o sexo do bebê

Para as grávidas muito ansiosas e com mil projetos para a chegada do bebê, a sexagem fetal é uma ajuda e tanto no planejamento

D

Por: Leila Pinho • Fotos: Alle Tavares

izem que as grávidas são super curiosas. Perguntam, futucam, pesquisam e vão em busca de toda e qualquer informação sobre seus bebês. Elas querem mesmo é saber tudo o que se passa com a criança, e querem saber cada vez mais cedo e mais rápido. Não é de assustar que muitas gestantes já tenham conhecimento sobre o exame de sexagem fetal, que identifica o sexo do bebê a partir da 8ª semana de gestação. É tão precoce que em muitos casos, a mulher acaba de descobrir que está grávida e duas ou três semanas depois já tem a certeza se terá um menino ou menina. Com a fonoaudióloga Deise dos Santos Cândido Coelho, de 40 anos, foi exatamente assim. Ela descobriu a gravidez na 6ª semana de gestação. Quando estava na 8ª semana, fez o teste e recebeu a notícia de que seria mãe de uma garotinha, a Clara. Mas, na casa dela, a ansiedade não tomou conta da mãe e, sim, das duas filhas, Paula de 11 anos e Bruna, de 12. “Eu acabei fazendo o exame pelas meninas e não por mim. As minhas filhas ficaram muito ansiosas, elas queriam que o bebê fosse uma menina e só de42 •

Após o nascimento de Clara, a casa de Deise e Leandro é só alegria

www.divercidades.com


sexo bem no início da gestação. Os pais costumam adorar, afinal, a informação é muito útil para quem precisa preparar tudo para a chegada do neném. A experiência fez Deise dar outras prioridades para as questões mais práticas ligadas ao nascimento. Enquanto nas duas primeiras gestações ela adiantou a compra do enxoval, na terceira foi diferente. As roupinhas da Clara só foram compradas no final da gravidez. “Saber que eu teria a Clara foi importante porque precisava fazer obra em casa. Com toda essa mudança, eu pude me planejar com mais tempo e me preocupei mais em fazer o quarto”, fala a fonoaudióloga.

Logo quando souberam do resultado, Mariana e seu marido Magnun foram à loja comprar a primeira roupinha de Yasmin

pois de sair o resultado, elas relaxaram”, conta Deise. Ela se recorda do momento de alegria quando fez a revelação para as filhas. “Fizemos uma reunião no almoço e contamos. A primeira reação da Bruna foi chorar, ela chorou de emoção”. Para ela, fazer a sexagem fetal foi uma novidade. Na gravidez das duas primeiras filhas, a descoberta do sexo veio por meio

do ultrassom, exame mais convencional. Seja para fazer o enxoval do bebê, para programar festinhas como chá de fralda, chá de revelação e tantas outras relacionadas à gravidez, para escolher o nome com antecedência ou fazer reformas no quarto da criança. Motivos não faltam para desvendar o mistério do

Muito curiosa e ansiosa por natureza, a enfermeira do trabalho Mariana Mitiko Hitomi, de 29 anos, fez o teste na 8ª semana. Gestante pela primeira vez, assim que soube da gravidez, ela se programou para fazer a sexagem fetal. A expectativa era tão grande que Mariana já havia sonhado diversas vezes que estava fazendo o exame, ora recebendo a notícia de que teria uma menina e ora um menino. “Minha amiga já tinha feito esse exame e o resultado deu certinho que era um menino. Fiquei confiante e quis fazer também. Se tivesse um teste para saber o sexo do bebê antes da gravidez eu, com certeza, faria”, brinca.

• 43


SABER QUE EU TERIA A CLARA FOI IMPORTANTE PORQUE EU PRECISAVA FAZER OBRA EM CASA E PUDE ME PLANEJAR COM MAIS TEMPO”

Michel Teicher pratica o SUP há uns três anos e incentivou a esposa a acompanhá-lo

A ginecologista e obstetra, Alessandra Lofiego, costuma indicar o teste quando a gestante está muito ansiosa

DEISE DOS SANTOS C. COELHO Quando o tão esperado resultado chegou nas mãos da enfermeira, a primeira ação dela foi ir a uma loja de moda infantil e comprar a primeira roupinha da Yasmin. Essa foi a notícia que ela precisava receber para escolher a decoração do quarto, comprar os móveis e dar cor e forma a todos os objetos e coisinhas que farão parte da vida da filha que vai chegar. SIMPLES COMO UM EXAME DE SANGUE Basta colher um pouquinho de sangue da mãe para fazer o exame de sexagem fetal. Muito simples, não exige preparo algum, nem jejum e não tem contraindicação. Rápido e fácil, a gestante sente apenas o incômodo da picadinha da agulha e pode solicitar o procedimento ao médico. A taxa de acerto é bem alta e gira em torno de 99%. O resultado sai em cerca de 5 dias úteis, em alguns laboratórios de Macaé. Graças à descoberta médica de que existe quantidade significativa de DNA fetal no sangue da mãe — feita pelo cientista chinês Y. Dennis Lo —, o biólogo molecular brasileiro José Eduardo Levi desenvolveu um teste que identifica qual é o sexo do bebê através de análise do sangue da mãe, o exame de sexagem fetal. O teste é relativamente recente e começou a ser realizado no Brasil desde 2003. De acordo com a bióloga do Laboratório de Análises Clínicas Bioanálise, Thais de Souza Pinho, o indicador do sexo do bebê é o cromossomo. Se a criança for do sexo feminino só pode ter o cromossomo XX e, se for masculino, XY. “Por métodos moleculares, detecta-se o cromossomo no sangue da mãe. Como a mãe é XX, se for identificado 44 •

Segundo a bióloga Thais Pinho, a taxa de acerto do exame é de cerca de 99%

o Y é um menino, se não detectar o Y é uma menina. Isso vale para os casos de gestação de somente um bebê”, explica Thais. Já nos casos de gravidez de gêmeos, o teste não é preciso, pois apenas sinaliza se há ou não meninos. Se não houver cromossomo Y é possível afirmar que os bebês são meninas, porém, se o Y for detectado, não dá para saber o sexo das outras crianças, podendo ser menino ou menina. O procedimento é realizado apenas pela rede privada e nos laboratórios de Macaé custa entre R$ 450,00 e R$ 600,00. Apesar de a sexagem fetal não fazer parte da rotina de pedidos de exames do pré-natal, em alguns casos, o médico pode solicitar de acordo com as necessidades da paciente e, também, para acalmar os ânimos. A ginecologista e obstetra Alessandra Lofiego, costuma indicar apenas quando a grávida está muito ansiosa. “Geralmente, a gente não oferece o exame. Se a paciente tem condições de pagar e quer muito saber o sexo, pode realizar o teste sem problema nenhum”, explica.

Para a médica, as gestantes estão ficando mais ansiosas e muitas delas já chegam no consultório sabendo da existência da sexagem fetal. “É cada vez mais raro uma grávida não querer saber o sexo do bebê. Até hoje, só tive duas pacientes que não quiseram”, fala Alessandra. Há outros tipos de procedimentos para conhecer o sexo do bebê, entre eles, o mais convencional é a ultrassonografia, geralmente realizada a partir da 12ª semana de gravidez. MENINO OU MENINA, QUE VENHA COM SAÚDE Em meio a tantos pensamentos sobre como será o bebê e junto com a grande expectativa do nascimento, os pais passam por muitas descobertas. Mas nenhuma comprovação costuma deixá-los mais tranquilos do que ver a criança nascer bem e cheia de vida. “Nem eu nem meu esposo tínhamos preferência de sexo, eu sempre quis que viesse com saúde”, fala Deise. www.divercidades.com


• 45


SAÚDE

VOLTA À FORMA DEPOIS DO PARTO Com determinação e paciência é possível reconquistar um corpo esbelto e com saúde Por: Fernanda Pinheiro • Fotos: Alle Tavares

46 46 ••

Para Fernanda, o cuidado com a alimentação foi fundamental para www.divercidades.com controlar o peso


N

o mundo pós-moderno, repleto de tecnologias e falta de tempo, uma coisa ainda se mantém intocada: a sensação de plenitude de uma mãe ao receber nos braços, pela primeira vez, seu pequeno ou sua pequena. Talvez seja a emoção mais poderosa que um ser possa experimentar em toda a sua vida. Toda essa experiência maternal, entretanto, vem carregada de muitos outros ‘poréns’. É fato que a gestação deixa vestígios no corpo e na autoestima da mulher. De todos estes vestígios, o ganho de peso e a luta para se voltar à antiga forma é, sem sombra de dúvidas, o que mais assusta as mulheres. “As mulheres mais jovens são extremamente competitivas. Elas querem continuar bonitas e não medem esforços para conseguir isso, mesmo após darem à luz”, comenta a ginecologista Fernanda Moraes de Andrade Moura Sá. Ainda segundo a ginecologista, o aumento de peso recomendado na gravidez – que normalmente é de 10 a 12 quilos – leva em consideração o estado nutricional da mulher antes mesmo da gestação. Ou seja, se a gestante, antes de engravidar, encontrava-se em seu peso adequado ou não. Portanto, esse

aumento de peso pode variar de 6 a 16 quilos. Se a paciente engravidar em condições de peso ideal (IMC dentro da normalidade), o ganho de peso esperado durante toda a gestação é de 10 a 12 quilos. Mas, se ela já se encontrava fora do peso ao engravidar, o risco de engordar mais do que 12 quilos aumenta. Fernanda Moraes tem três filhos. Bruna, a mais velha, tem seis aninhos. Lara, a do meio, tem dois, e o caçula, Diogo Antônio, está com sete meses. Apesar de ser muito vaidosa, Fernanda não conseguiu, em nenhuma das suas 3 gravidezes, manter uma rotina de exercícios. “Sempre passava muito mal, enjoava. No início sempre tentava, mas nunca deu certo. Por conta disso, a única forma que encontrei de não engordar muito foi cuidar da alimentação, além de fazer drenagem linfática, que acaba auxiliando na redução do inchaço”, explica. Com a Bruna, Fernanda engordou mais do que 12 quilos. “A minha rotina era muito difícil, morava no Rio de Janeiro, estava terminando minha residência, não tinha família por perto...Nas outras duas, engordei só 10 quilos em cada. Já morava em Macaé e tinha minha mãe por perto, que sempre me ajudou muito a controlar minha gula!”, completa.

ACHO QUE A ROTINA DE TER UM RECÉM-NASCIDO EM CASA, O ESTRESSE EMOCIONAL PELO QUAL A GENTE PASSA E, CLARO, A AMAMENTAÇÃO FAZEM COM QUE A GENTE PERCA PESO RÁPIDO” FERNANDA MORAES

• 47


NOS DIAS EM QUE FAÇO ACADEMIA, SOU OUTRA MULHER: TENHO DISPOSIÇÃO PARA TUDO, FICO DE ÓTIMO HUMOR! É IMPRESSIONANTE COMO A ROTINA DE EXERCÍCIOS É IMPORTANTE PARA A AUTOESTIMA”

FERNANDA PETRIELLE 48 •

A personal trainer Taiane montou um treino para Fernanda fortalecer partes do corpo essenciais na hora do parto

Apesar de querer retomar a rotina de exercícios e dieta logo depois do nascimento do bebê, as mães devem ouvir seus médicos e atentar para a importância de continuar a ter uma alimentação rica e balanceada, isso para que o neném cresça e ganhe o peso adequado. “Logo no primeiro mês de vida dos meus três filhos, eu já emagrecia e voltava ao peso de quando fiquei grávida. Acho que a rotina de ter um recém-nascido em casa, o estresse emocional pelo qual a gente passa e, claro, a amamentação fazem com que a gente perca peso rápido”, complementa Fernanda. Bem, existem algumas mulheres que não têm a sorte de emagrecer com essa facilidade. Pode ser o caso das mães que, por algum motivo, não conseguiram amamentar, por exemplo. Ainda assim, é importante seguir uma dieta alimentar sem muitos cortes, pois a rotina materna nos primeiros meses do bebê é puxada e exige muito da mulher. AMAMENTAÇÃO, MITOS E DESEJOS Todo mundo sabe, mas não custa reforçar. Amamentar faz muito bem para

o bebê e para a mãe também. O leite humano tem propriedades que a indústria hoje, com toda a tecnologia mundial, ainda não consegue reproduzir, principalmente na parte imunológica. Estudos mostram que o leite materno estimula o desenvolvimento cerebral no primeiro ano de vida. E isso já é comprovado há mais de 30 anos, mas novos estudos surgem para reforçar essa constatação. O momento da amamentação aumenta o vínculo entre mãe e filho e colabora para que a criança se relacione melhor com outras pessoas. Para a mulher, ajuda no desprendimento da placenta, contribuindo para a volta do útero ao tamanho normal. Com isso, também evita o sangramento excessivo e, consequentemente, que a mãe sofra de anemia. Para conseguir produzir leite e desfrutar de todos estes benefícios, a mamãe deve ingerir muito líquido, como água, sucos e leite. Bebidas gasosas como refrigerante, alcoólicas e com cafeína devem ficar de fora da mesa. É recomendável uma dieta contendo entre 50% a 60% de carboidratos, 25% a 30% de gorduras e de 15% a 20% de proteínas. Tudo isso deve ser ingerido de forma fracionawww.divercidades.com


“Não é novidade para elas que a alimentação saudável e o ganho de peso gestacional adequado refletem tanto na saúde do bebê quanto no transcorrer mais tranquilo da gestação, e desta forma, procuramos ajustar e corrigir os hábitos alimentares delas, sempre levando em consideração seu estado nutricional, suas queixas e sua rotina. Após o parto, é fundamental que as mulheres tenham uma alimentação saudável e variada para manterem a sua saúde e para que o leite produzido por elas ofereça todos os nutrientes que o bebê necessita. Sabemos que mães com consumo deficiente de nutrientes como vitamina A, vitaminas do complexo B e iodo produzem leites com menor aporte destes, podendo vir a prejudicar o crescimento e o desenvolvimento do bebê. Desta forma, o emagrecimento no pós-parto deve ser lento e gradual a fim de não interferir na saúde materna e, consequentemente, na produção de leite e na saúde do bebê”, ensina Júlia. Para a nutricionista Julia, a alimentação saudável e variada após o parto faz com que o organismo produza o leito materno com os nutrientes necessários

da em, mais ou menos, cinco refeições por dia. Segundo especialistas, somente o ato de amamentar faz com que a mulher perca cerca de 4 quilos por mês.

Segundo a nutricionista Julia Geminiani Andrade Baptista, as principais dúvidas das gestantes quando vão ao seu consultório são relacionadas ao que é permitido ou não comer ao longo da gestação e no período de amamentação, além, é claro, do medo de ganharem peso de forma excessiva.

A nutricionista ainda explica que a mulher, nesta fase, deve ingerir diariamente o mínimo de 2 litros de água. Alimentos fonte de cálcio devem ser consumidos de duas a três vezes ao dia, sendo eles o leite e o iogurte, dando preferência aos desnatados, e aos queijos magros como cottage e ricota.

• 49


PARA

MANUTENÇÃO DO PESO, PROCUREI ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL E ESPORTIVA. FIZ ATIVIDADE FÍSICA COM MEU PERSONAL E PROCUREI FAZER CAMINHADAS NA PRAIA REGULARMENTE. ACHO QUE ISSO FOI FUNDAMENTAL PARA O RETORNO DAS MINHAS MEDIDAS” MILENA MONTEIRO

Milena Monteiro e Manuela. Orientação nutricional e exercícios regulares ajudaram a voltar à forma, depois do parto

50 •

“O consumo de gorduras deve ser limitado! Por serem muito calóricas, elas atrapalham a perda de peso. É fundamental também atentar para o tipo de gordura consumido pela mãe, uma vez que este será o tipo de gordura presente no leite materno, assim, deve-se evitar alimentos fonte de gorduras saturadas como carnes gordas, pele de aves, queijos amarelos, sorvetes e dar preferência ao consumo de alimentos ricos em ômega 3, presente em peixes como sardinha e arenque, nas nozes, semente de chia e linhaça, além do óleo de canola. O ômega 3 vem sendo relacionado com a melhora do desempenho cognitivo da criança. A mulher deve ter cuidado com os mitos em torno da amamentação, como o consumo de canjica e cerveja preta para aumentar a produção de leite. A canjica influenciará negativamente na perda de peso, já o consumo de bebidas alcoólicas é totalmente contraindicado ao longo da gestação e da amamentação pelos riscos que podem trazer www.divercidades.com


ao bebê. O maior estímulo para a produção do leite é a sucção da criança, quanto mais ela mamar, mais leite a mãe produzirá”, complementa. A bióloga e estudante de administração Fernanda Petrielli está no quinto mês de gravidez. Ela espera por Isadora, e seu filho Lucas, de 4 anos, não vê a hora de conhecer a irmãzinha. Nos primeiros três meses, Fernanda sentiu muitos enjoos e teve que ficar de repouso. Depois que a indisposição passou, ela logo procurou por uma especialista em atividade física para gestantes, na academia Pró-Quality, na Praia dos Cavaleiros, Macaé. A partir daí, Fernanda malha dois dias na semana, e também aposta em drenagem linfática contra os inchaços. “Nos dias em que faço academia, sou outra mulher: tenho disposição para tudo, fico de ótimo humor! É impressionante como a rotina de exercícios é importante até para a autoestima! Aquelas variações de humor tão presentes nas grávidas comigo não acontecem, e acho que também tem a ver com os meus exercícios”, explica. Fernanda comeu de tudo durante a gravidez de Lucas e agora, grávida de Isadora, continua boa de boca. “Minha refeição predileta é o café da manhã. Leite, pão com queijo branco, bolos de frutas, iogurte com cereal. Nas demais refeições apenas incluí mais verduras e legumes à rotina. Depois da academia, costumo tomar uma vitamina de frutas ou uma tapioca, que adoro!”, complementa. Com o intuito de tentar o parto normal, Fernanda e sua personal trainer, a especialista em atividades físicas para gestantes Taiane Scheffer, focam em um treinamento com o objetivo de fortalecer algumas partes do corpo essenciais na hora do parto. “Trabalho 20 minutos de aeróbico e 40 minutos de fortalecimento de músculos como, por exemplo, o períneo. Meu objetivo é manter a minha saúde e me preparar para o momento do parto. Com este fortalecimento, minha recuperação tende a ser mais rápida também”, explica. “Como a minha especialização é em treinamento funcional focado em grupos especiais, como gestantes, hipertensos e diabéticos, sei exatamente o que cada aluno precisa. O treino da Fernanda envolve exercícios para o corpo todo, dando maior ênfase no core, que envolve as musculaturas do quadril e abdômen, além de uma boa atividade aeróbica, sendo todos os exercícios adaptados conforme o crescimento da barriga para a gestante ter um maior conforto. A atividade física nessa fase da vida da mulher é essencial, pois faz com que ela mantenha o peso ideal para o seu corpo, prevenindo a pressão alta, a diabetes gestacional, melhorando o equilíbrio e as suas atividades diárias”, complementa Taiane. A dentista Milena Monteiro seguiu à risca essas orientações e durante a sua gravidez ganhou poucos nove quilos. A pequena Manuela nasceu dia 4 de fevereiro de 2015, e o corpo de sua mãe já voltou ao que era antes. “Não senti enjoo em nenhum momento da gravidez. Para manutenção do peso, procurei orientação nutricional e esportiva. Fiz atividade física com meu personal e procurei fazer caminhadas na praia regularmente. Acho que isso foi fundamental para o retorno das minhas medidas. Engordei, em média, 1kg por mês. Durante a gravidez, procurei me alimentar de forma mais • 51


saudável, ingerindo mais frutas e comidas saudáveis, mas não abri mão de comer guloseimas, só que em quantidades controladas”, explica. PACIÊNCIA É A PEÇA-CHAVE Não fique angustiada querendo retornar e conseguir um corpo escultural. Respire e curta este momento pra lá de especial seu e de seu pequeno. Siga as orientações do seu médico e, caso esteja tendo dificuldades na alimentação, procure um nutricionista. Tenha paciência com você mesma e dê tempo ao seu corpo, ele voltará ao que era antes! E o mais importante: não deixe de valorizar o seu corpo nessa fase, aproveite para focar na determinação de voltar ao seu peso, sem neuras, numa boa. Ficar com os seios caídos, barriguinha saliente, flácida e com excesso de gordura são os maiores temores das mamães. Mas é possível ficar esbelta novamente sem ter que pensar em cirurgia, basta ter muita disposição e encarar um cardápio balanceado e uma rotina de atividades físicas. Veja algumas dicas: CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO DEPOIS DA GRAVIDEZ Para voltar à forma depois da gravidez, faça pelo menos cinco refeições ao dia a cada três horas. Se você se alimentar corretamente e respeitar os intervalos, não vai sentir fome ao longo do dia. Durante a amamentação, é importante acrescentar na dieta alimentos com muita proteína e minerais como o ferro, encontrado em carnes vermelhas, peixes, gema de ovo, grãos integrais, espinafre, cereais matinais e legumes. Resista à tentação dos doces e frituras, coma muitas frutas, legumes e verduras. Além de serem excelentes fontes de vitaminas e fibras, eles auxiliam no bom funcionamento intestinal e dão a sensação de saciedade. E o melhor de tudo, as fibras têm baixo valor calórico. A lista de benefícios das frutas, legumes e verduras para a dieta depois da gravidez não para por aí. Eles também possuem bastante água, o que facilita a hidratação do organismo.

Algumas regiões do corpo como o abdômen, peito, costas e a lombar precisam de exercícios de enrijecimento para tonificar os músculos. Alterne exercícios aeróbicos com a musculação, assim você perde peso e ainda deixa tudo durinho. A drenagem linfática é um dos procedimentos indicados para antes, durante e depois da gravidez. A massagem estimula o organismo a eliminar líquidos e toxinas. Amamentar ajuda a emagrecer, pois faz o corpo consumir gorduras, gastar energia e queimar calorias. Portanto, amamente seu bebê sem restrições.

Manter o corpo hidratado depois do nascimento do bebê é importantíssimo tanto para ajudar na produção de leite como também para manter a forma. Beba dois litros de líquido por dia, pode ser água, chá, sucos ou água de coco. Uma boa dica é o chá verde, por exemplo, que reidrata o organismo e ainda ajuda a eliminar gordura e impurezas.

Listamos mais oito dicas para ajudar você a perder a barriga pós-gravidez sem sofrimento, confira:

PRATIQUE EXERCÍCIOS DEPOIS DO PARTO

• Não espere ficar faminta para comer, prefira comer uma porção pequena a cada três horas;

Depois do parto, nada de correr para a academia e ficar horas fazendo exercícios. Atividades muito intensas podem interferir na produção do leite e o corpo precisa de um tempo para se adaptar a essa nova fase. As caminhadas são um ótimo exercício para quem quer retomar a rotina, e a nova mamãe pode aproveitar para fazê-la na companhia do bebê. Um período de 30 minutos de caminhada por dia pelas ruas do bairro, por exemplo, já dá resultados. A barriga é a parte do corpo da mulher que mais sofre com a gravidez. Os abdominais são sempre uma boa pedida e podem ser feitos em casa. Comece com apenas 10 por dia e vá aumentando a quantidade de acordo com os limites do seu corpo. 52 •

A prática de atividade física moderada após o parto é fundamental para a mulher retornar à forma com saúde

• Amamente porque assim você pode perder até 500 calorias por dia; • Faça exercícios físicos como yoga e ginástica pós-parto;

• Substitua guloseimas e chocolates por frutas quando estiver com vontade de comer algo doce; • Prepare comida para vários dias para evitar cair na tentação de comer “fast-food” ou comida congelada; • Aumente a ingestão de fibras, com alimentos como pão integral e frutas; • Prefira as carnes magras como peixe e frango; • Peça o apoio de quem mora com você para que todos cooperem com o seu novo estilo de alimentação. www.divercidades.com


• 53


CAPA

MÃES DA SUPERAÇÃO Com criatividade, Luzanira venceu vários obstáculos, como o de ensinar os filhos a andarem apoiando em sua cadeira de rodas

Conheça a história de três mulheres que viveram a maternidade superando seus próprios limites físicos e emocionais Por: Fernanda Candal • Fotos: Alle Tavares

54 •

www.divercidades.com


L

uzanira, Kassandra e Mariliza não se conhecem. Uma é fluminense, a outra mineira e a última paulista. Se não morassem na mesma cidade, tivessem a mesma faixa etária ou fossem mães, poucas seriam as semelhanças. Mas um fato em comum as une: a superação. Todas têm em suas histórias de vida um misto de esperança, alegria e determinação que as faz caminhar diariamente em direção à felicidade. LUZANIRA, SEGUINDO EM FRENTE, SEM OLHAR PARA TRÁS Luzanira de Souza e Souza, 38 anos, teve uma paralisia infantil aos três meses, que a impediu de andar. Em uma cadeira de rodas desde sempre, ela aprendeu a lidar com as adversidades que a vida lhe impôs. “Como nasci assim, tudo que eu aprendi a fazer foi em cima de uma cadeira de rodas, então, nunca encontrei dificuldades para nada”, conta. Quando tinha 15 anos, recebeu um diagnóstico que não poderia ter filhos, porque tinha um útero pequeno. Aos 19, se casou e dois meses depois descobriu que estava grávida. A gestação, que a princípio era considerada delicada, foi tranquila. O filho Maicon Douglas nasceu de uma cesariana.

Meses depois, se separou e se casou novamente. Não demorou muito e engravidou de novo, dessa vez de uma menina, a Quetelin. “Minhas duas gestações foram ótimas. Quando meus filhos nasceram, fazia tudo: dava banho, lavava suas roupinhas, arrumava a casa. Tive dificuldades como qualquer outra mulher teria, mas nada que fosse impossível de realizar. O que eu não conseguia fazer, pedia ajuda à minha mãe ou ao meu marido”, diz ela, que ensinou os filhos a andarem de uma forma bem inusitada. “Colocava eles para se segurarem na minha cadeira, que servia como uma espécie de andador. O método deu tão certo que aos nove meses os dois já andavam”, gaba-se. Atualmente, ela é proprietária de um pequeno comércio no bairro Virgem Santa. Animada, gosta de dançar e jogar basquete no time paraolímpico de Macaé. Seu tempo ainda é dividido com os cuidados com a mãe adoentada. “A gente tem que ser do jeito que é. Nunca dei confiança para o que falam de mim. Se alguma coisa não deu certo, bola para frente. Nunca devemos desistir de nada. Esse é o meu lema para ser feliz.”

A GENTE TEM QUE SER DO JEITO QUE É. NUNCA DEI CONFIANÇA PARA O QUE FALAM DE MIM. SE ALGUMA COISA NÃO DER CERTO, BOLA PRA FRENTE. NUNCA DEVEMOS DESISTIR DE NADA. ESSE É O MEU LEMA PARA SER FELIZ” LUZANIRA DE SOUZA

• 55


ERA COMO SE FOSSEM DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS. ENQUANTO VIVIA O MOMENTO MAIS FELIZ DA MINHA VIDA, EU PASSAVA PELA PIOR COISA DO MUNDO” KASSANDRA MAGIOLO

Dilza Taranto, da Petrobras, segue um estilo mais despojado e aposta nas cores para conferir mais leveza ao visual

KASSANDRA, O MILAGRE DA CRIAÇÃO A técnica de enfermagem Elisângela Kassandra Gomes Claro Magiolo, 37 anos, sempre sonhou em ser mãe, por isso, assim que casou não demorou muito para realizar o desejo. A descoberta da gravidez veio junto com outra notícia que traria uma mudança radical em sua vida. Um câncer de mama. A doença constatada aos três meses de gestação, não trazia riscos para o neném, porém deixava Kassandra bem fragilizada. “Era como se fossem dois pesos e duas medidas. Enquanto vivia o momento mais feliz da minha vida, eu passava pela pior coisa do mundo”, conta ela, que já havia perdido a mãe com o mesmo problema. Kassandra fez uma mastectomia radical de uma das mamas e parte do tratamento da quimioterapia foi feito durante a gestação. “Foi um período muito difícil. Durante algum tempo, nem era fácil me olhar no espelho, pois também havia perdido os cabelos. A minha fé foi o respaldo para que eu pudesse aguentar toda aquela situação”, lembra. A pequena Liz nasceu no tempo certo, com 39 semanas e perfeita. Quinze dias após o parto, a técnica de enfermagem voltou a fazer a quimioterapia. Logo depois, começou na radioterapia. O tratamento acabou quan56 •

Louise visitou, junto com os amigos do intercâmbio, a London Eye (espécie de roda gigante que fica em Londres, na Inglaterra)

Com muita fé, Kassandra enfrentou os riscos da gravidez durante o tratamento do câncer e gerou Liz, chamada pela mãe de bebê milagre

do a menina estava com 1 ano e meio, e MARILIZA, “MATANDO UM LEÃO POR DIA” Kassandra foi diagnosticada curada. “Aprendi a me tornar um ser humano melhor. Sempre acreditei na cura, pois confio muito em Deus. Durante esse tempo, contei com o apoio do meu marido Dirceu. Ele me ajudou em tudo. Enquanto, durante o tratamento, eu me achava feia - imagina sem uma das mamas e cabelos - , ele dizia que estava linda. Ele me via com os olhos do amor e isso me ajudou a superar esse momento difícil”, conta emocionada.

A jornalista Mariliza Rodrigues de Souza, ou simplesmente Liza, tem 37 anos. A maternidade nunca foi um dos seus projetos de vida. “Como sempre soube que tinha uma má formação do útero e que, por isso, poderia não engravidar, não alimentava muito o desejo. A vontade só começou depois de completar 30 anos. Talvez por isso, a notícia da gravidez foi recebida com surpresa”, fala.

Hoje, Liz tem dois e meio, e Kassandra já voltou a trabalhar. Ela agora se prepara para um próximo desafio: ser mãe novamente. Os nomes já estão até escolhidos: Miguel ou Letícia. “A minha filha me salvou antes mesmo de nascer. Só tenho a agradecê-la por tudo que fez por mim antes dela vir ao mundo”, afirma.

A felicidade veio acompanhada de uma série de cuidados que ela deveria ter durante esse período: repouso total e nada de estresse. O que ela perceberia, futuramente, que seria o início de uma série de superações pelas quais passaria. A pequena Alice não demorou muito a nascer. Chegou ao mundo com 31 semanas, ficando na www.divercidades.com


É UM MUNDO QUE A GENTE NUNCA OUVE FALAR ATÉ PASSAR POR ELE. UM MISTO DE PREOCUPAÇÃO COM MUITA NOVIDADE, ENSINAMENTO E DESCOBERTAS DIFERENTES” Liza se desdobra em várias atividades para dar toda a assistência que a filha Alice necessita

MARILIZA RODRIGUES DE SOUZA

• 57


VI MUITAS MULHERES

SUPERAREM SITUAÇÕES DIFÍCEIS. A HISTÓRIA DE MUITAS DELAS SÓ FOI MODIFICADA PORQUE ELAS NÃO ACEITARAM O QUE A SOCIEDADE IMPÔS COMO PERFEITO OU DESEJÁVEL” De acordo com a psicóloga Sônia Mussi, as mães também precisam desconstruir a idealização dos filhos para amá-los como são

Unidade de Tratamento Intensivo um pouco mais de um mês.

so, faço. É como seu matasse um leão por dia mesmo.”

Os cuidados com a menina eram comuns aos bebês prematuros. Fisioterapia e visitas mensais ao pediatra para acompanhar o desenvolvimento. Aliados ao trabalho diário dela como jornalista e as idas e vindas à creche para deixar a neném. Em meio a esse corre-corre normal dos tempos modernos, Liza recebeu a notícia que a filha era autista. “Foi uma surpresa estranha. É um mundo que a gente nunca escuta falar até passar por ele. Um misto de preocupação com muita novidade, ensinamento e descobertas diferentes. No fundo é interessante, uma realidade bem fora do comum”, explica.

A alegria da Luzanira, a fé da Kassandra e a determinação da Liza são comuns em mulheres que passam por situações de superação. Segundo a psicóloga Sônia Regina Mendes de Paula Mussi, muitas têm que transformar a realidade difícil em que vivem em obstáculos a serem vencidos. “Eu posso acreditar no pensamento ruim e transformá-lo em uma verdade absoluta, ou modificá-lo de forma a construir uma nova história para a minha vida”, informa.

O dia a dia da jornalista não é dos mais fáceis. Sem familiares por perto para ajudar, ela se desdobra junto com o marido Rômulo nas atividades que a filha precisa fazer: fonoaudiologia, terapia ocupacional, natação, psicóloga e psicomotricidade. “É uma loucura porque trabalho o dia inteiro. Deixo a hora do almoço para o meu pilates, as idas ao banco, manicure e ao médico, quando preciso. Ou seja, não consigo mesmo ficar parada”, brinca. Além dos cuidados com a Alice, Liza ainda acha tempo para cumprir as tarefas diárias. “Tenho três cachorros e um chinchila. Além disso, têm as tarefas domésticas”, diz. Para cumprir a agenda intensa, ela dá a receita. “Não pen58 •

SÔNIA MUSSI

Especializada em psicologia perinatal e terapia cognitiva e comportamental, Sônia explica que outro grande fator a ser vencido pelas mulheres é a idealização dos filhos. “Há mães que pensam que os filhos herdarão as melhores características genéticas de seus familiares. Então, de repente, quando se deparam com uma criança que não foi aquela imaginada, ela demora um pouco mais em criar um vínculo satisfatório com o seu filho. Quando isso acontece, temos que desconstruir o que idealizamos para amarmos aquele bebê que geramos”, explica ela que, durante os quatros anos que trabalhou na ala materno-infantil de um hospital público, ajudou a cuidar de casos bastante críticos. “Vi muitas mulheres superarem situações difíceis. A história de muitas delas só foi modificada porque elas não aceitaram o que a sociedade impôs como perfeito ou desejável”.

CULPA MATERNA Sônia ainda explica que, atualmente, as pessoas de uma forma geral responsabilizam as mães por todos os problemas que acontecem com os filhos. A chamada culpa materna – que gera muita ansiedade e sentimento de não dar conta de educar e cuidar daquela criança - de acordo com ela, tem levado muitas a entrar em conflito. “A mulher saiu de casa e tem menos tempo para se dedicar à família, então ela já carrega esse peso. Para prosseguir e conseguir criar os seus filhos, ela terá que encontrar um equilíbrio entre afeto, cuidado e limite, para assim superar suas culpas emocionais”, fala acrescentando que, muitas vezes, é necessário admitir os sentimentos de medo e frustração na maternidade, principalmente durante a gestação. “Ainda existe um preconceito grande quando se fala em algum problema psicológico durante a gravidez.” Em relação aos traumas emocionais deixados nos filhos dessas mulheres, a psicóloga acredita que, dependendo de como são criados, eles enfrentam a vida também de uma forma diferente. “Temos que fazer alguma coisa por nós mesmos, sem esperar nada em troca dos outros. Os filhos devem ver os obstáculos que enfrentamos para os gerar com amor, dedicação, carinho e superação por meio de nossas ações e não pelas nossas lamúrias ao contarmos as situações difíceis que passamos para tê-los e educá-los”, deixa o recado. www.divercidades.com


• 59


COMPORTAMENTO

Para Juliana, o retorno ao trabalho ocorreu sem todo o drama esperado

A VOLTA AO TRABALHO APÓS A MATERNIDADE Depois do parto, as mães iniciam uma rotina de vínculo quase que exclusiva com o bebê. Passados alguns meses, é hora de voltar ao trabalho e aí... Por: Juliana Carvalho • Fotos: Alle Tavares

H

istoricamente, o lugar das mulheres sempre foi muito bem definido. Suas obrigações eram única e exclusivamente, cuidar dos filhos e das atividades domésticas. Na década de 1960, a chegada no mercado das primeiras pílulas anticoncepcionais trouxe consigo uma revolução não apenas na forma de se pensar a experiência sexual, como também, na forma de como a mulher passaria a se comportar dentro 60 •

da sociedade, podendo escolher, a partir de então, em que momento engravidar, quantos filhos ter e, até mesmo, não ter filhos. A mudança de comportamento, sentida principalmente no acesso ao mercado de trabalho, fez com que, cada vez mais, as mulheres focassem em suas carreiras profissionais. Mas, quando o instinto maternal fala mais alto e a vontade de ser mãe se torna uma encantadora rea-

lidade, a gente se depara com um novo desafio: como retornar ao trabalho após a licença-maternidade? Como aceitar que uma ligação tão íntima como a de uma mãe e seu bebê seja interrompida para a retomada da rotina de trabalho? O que fazer com o sentimento de culpa por “abandonar” seu filho? Todos esses questionamentos, sem dúvida, com maior ou menor intensidade, pairam na cabeça de quem está prestes a passar pela experiência. Digo isso, baseada por vivência própria. Quando Davi nasceu, há pouco menos de um ano, parece que, por alguns instantes, o mundo parou. Tudo ao meu redor era focado nele e para ele. Meus dias não eram mais contados a partir de horas, mas sim pelos intervalos de mamadas, trocas de fraldas, banho e sono, bem pouco sono. Mas, em pouco tempo, toda essa rotina se tornou algo natural. Na verdade, eu fazia esforço para me lembrar quem eu era antes de me ocupar com aquele serzinho tão dependente. Mas, como que em um estalar de dedos, passaram-se sete meses e o meu prazo da licença-maternidade e das férias havia acabado. Era hora de encarar o retorno ao trabalho. www.divercidades.com


Para a gerente de RH Silvia Perez o desafio é ter equilíbrio e não se culpar

Dias antes, confesso, o coração começou a apertar, não conseguia me imaginar ficar horas sem ver meu filho, sem alimentá-lo e cuidar dele como de costume. Será que as pessoas fariam isso bem? Deixariam ele com fome? Saberiam dar carinho quando o choro fosse apenas manha? Eu tentava me fazer de forte, mas me pegava chorando várias vezes por saber que aquele momento tão único estava prestes a acabar. No entanto, bem diferente de como eu imaginava, o primeiro dia de trabalho, após a licença, transcorreu sem grandes percalços, choros ou apertos no coração. As atividades fora do lar me fizeram sentir produtiva, um sentimento que me fez bem. Me relacionar com o “mundo lá fora” de novo me mostrou que era possível, sim, conciliar as múltiplas funções que a vida moderna nos impôs. A MAMÃE ESTÁ DE VOLTA AO TRABALHO, E AGORA? A gerente de Recursos Humanos (RH), Silvia Pachioni Perez, sabe bem o que é conviver com o momento, tanto profissionalmente, quanto na vida pessoal. “Primeiro, é preciso trabalhar o sentimento de “culpa” da mulher, por não estar em casa cuidando do filho e estar voltando para o trabalho. Eu senti até um certo alívio por ter de voltar à minha rotina de convívio com adultos. Na verdade, o meu sentimento de culpa era porque as pessoas me falavam “você deve estar arrasada de voltar a trabalhar e deixar seu filho em casa” e, na verdade, eu não me sentia assim. Tinha saudades dele, claro, mas me sentia bem tendo que me arrumar de manhã para trabalhar e não ficar dentro de casa”, afirma Silvia, cujo filho acaba de completar dois anos. Atuando há 12 anos na área, Silvia revela que a mulher precisa se conscientizar que a chegada do bebê traz mudanças significativas na relação com o trabalho. “É preciso ter claro que você não será mais a mesma profissional de antes. Não vai mais tirar “nota 10” em tudo. Eu sempre trabalhei bastante, até mais tarde, fins de semana e isso mudou. Se meu filho fica doente, ele passa a ser a prioridade de tudo. Então, a mulher precisa aceitar, em vez do 10, tirar uma nota 6 ou 7 em todos os seus pilares (mãe, esposa, mulher e profissional). O maior desafio é exatamente esse, entender que precisa ter esse equilíbrio e não se culpar”, ressalta. • 61


Ser dona do próprio negócio facilita o convívio de Gabriele e Valentina. A pequena almoça todos os dias ao lado da mãe

O empregador também precisa entender esse período de transformação pelo qual a mulher está passando, mudança essa que começa desde a gravidez. “A gravidez exige a ida a médicos e exames para fazer, o corpo está sofrendo grandes mudanças e isso atingirá a entrega no trabalho. Após o nascimento, o cansaço, noites em claro, dúvida se é melhor continuar trabalhando ou sair para cuidar do filho, consultas em pediatra, tudo isso passa a fazer parte da vida da mãe. E não tem como a empresa ignorar isso. Até a criança com-

SEMPRE DÁ UM SENTIMENTO DE CULPA, SAUDADE, MAS VOLTAR AO TRABALHO NÃO FOI NADA TRAUMÁTICO. LIDEI COM MUITA SERENIDADE E TRANQUILIDADE” GABRIELE FRASÃO - EMPRESÁRIA 62 •

pletar dois anos, precisa de uma atenção redobrada, fica bastante doente e as faltas são inevitáveis”, pontua Silvia. PASSANDO PELA EXPERIÊNCIA A empresária Gabriele Frasão soube lidar sem grandes traumas com o retorno às suas atividades. Quando sua filha tinha apenas três meses, Gabriele decidiu voltar ao trabalho e, antes mesmo desse período, ela, que é dona de um restaurante, mantinha de casa o contato com os fornecedores e a administração do negócio. “Durante os meses em que fiquei somente em casa, percebi que realmente não faz parte do meu perfil ficar sem trabalhar. Quando Valentina estava com dois meses consegui uma babá e ficamos um mês em adaptação. Logo depois, comecei a retomar, gradativamente, a rotina”, conta Gabriele que trabalhou até o dia do parto. O fato de ser dona do próprio negócio foi um facilitador, mas isso não diminuiu a saudade de estar com a pequena. “Sempre dá um sentimento de culpa, saudade, mas voltar ao trabalho não foi nada traumático. Lidei com muita serenidade e tranquilidade”, afirma. Já Katia Hammar sofreu, e muito, quando seu período de licença terminou. A ideia de ficar fora do convívio intenso com a filha fez com que Kátia chegasse a pedir demissão da multinacional em que atuava na área administrativa. “Eu sempre quis ser mãe e

Katia com Maria Cecília. Apesar do sofrimento, para a mãe, voltar ao trabalho foi a decisão mais acertada

quando Maria Cecília nasceu foi a realização de um sonho. Já no sexto mês da licença, começou a me bater uma angústia, comecei a pesquisar creches, visitei todas as unidades da cidade e depois de avaliar qual seria a melhor, na hora de fazer a matrícula, meus olhos já encheram de lágrimas”, relembra. O primeiro dia de Maria Cecília na creche foi repleto de choro, mas não foi a menina que ficou inconsolável e sim a mãe. Katia pensou duas vezes se voltaria com a menina no dia seguinte ou não. “Ficava imaginando que se acontecesse alguma coisa com ela e eu não estivesse por perto não iria me perdoar. Mas meu marido ponderou comigo e insistiu para que continuássemos levando”, afirma. Logo depois, quando chegou a hora de voltar ao trabalho, Katia estava disposta a não voltar para a rotina que incluía viagens para outras cidades e até fora do país. “Comecei a avaliar outras possibilidades de trabalho como, por exemplo, trabalhar por conta própria, fazendo bolos caseiros ou alguma outra atividade que fosse menos estressante e que me permitisse ficar mais com a minha filha. Cheguei para a minha chefe e pedi demissão. Por sorte, ela não aceitou e me deu mais um mês de férias para que eu pudesse repensar. Nesse tempo, consegui me acostumar melhor www.divercidades.com


com a ideia e pensar no que seria mais adequado para minha filha, principalmente porque, através do meu trabalho, estaria oferecendo a ela melhores condições de vida e futuro. Isso pesou bastante na minha decisão”, avalia. Passado o período, Katia conseguiu finalmente voltar ao trabalho e, segundo ela, foi a melhor coisa que poderia ter feito. “Hoje, vejo o quanto foi importante para mim e para Maria Cecília retomar a minha vida profissional. Ela se desenvolveu mais, ficou mais independente. Fiquei muito receosa porque as pessoas me diziam que eu não ia ver minha filha andar, falar pela primeira vez, mas tudo isso não passou de mito e percebo o quanto a minha atitude foi a melhor escolha para todos nós.” Mas, para adequar o trabalho à nova vida de mãe, Katia impôs como condição que as viagens não ultrapassem o período de uma semana e que sejam para destinos mais próximos. A prova de fogo da família aconteceu em outubro de 2014, quando a pequena estava com apenas 1 ano e três meses e Katia precisou se ausentar para um treinamento no Panamá por uma semana. A primeira vez longe da filha não foi uma experiência fácil, mas mostrou a maturidade de ambas nesse relacionamento que é eterno.

Com a participação cada vez mais presente das mulheres no orçamento familiar é preciso superar, em muitos casos, o desejo de permanecer em casa. “Nesse contexto fica difícil pedir demissão. Quando o filho chega, aumentam-se ainda mais os gastos e não tem como simplesmente largar tudo. Tenho amigas que decidiram ficar em casa para cuidar dos filhos e elas também não são 100% felizes. Sentem falta de ser profissional, de ter coisa diferente para contar. No final, nunca estaremos 100% satisfeitas, independente da escolha”, avalia Silvia Perez. Esse novo cenário social ampliou ainda mais a importância da participação do pai na rotina familiar. Não é raro os lares em que o casal divide as tarefas igualitariamente, incluindo os cuidados com o bebê. “Precisamos mudar o pensamento, pois com pai e mãe trabalhando fora, o envolvimento do pai é inevitável. E as empresas precisam começar a entender que, em muitos casos, o pai que deverá faltar para levar o filho ao médico ou ficar em casa acompanhando o filho. Isso não é mais uma obrigação só materna”, conclui a gerente de RH. As mães sabem que a tarefa de aliar vida profissional à maternidade não é

QUANDO O FILHO CHEGA, AUMENTAM-SE AINDA MAIS OS GASTOS E NÃO TEM COMO SIMPLESMENTE LARGAR TUDO” SILVIA PEREZ - GERENTE DE RH fácil, requer muito esforço e dedicação. No entanto, os exemplos estão aí em todos os lugares e nos dão prova de que o elo estabelecido entre uma mãe e um filho é capaz de superar as barreiras da falta de tempo, do estresse, da correria, porque a gente sabe que, no final do dia, um sorriso e um olhar amoroso fazem tudo isso valer a pena!

• 63


A CIDADE

PEDALA, MACAÉ!

Por incentivo dos amigos da escola, Hugo adotou a bike elétrica como seu principal meio de transporte

Do ponto de origem ao destino, tem muita gente escolhendo chegar lá pedalando. Enquanto a qualidade de vida estimula o uso da bicicleta, a estrutura cicloviária da cidade ainda precisa de mais investimentos Por: Leila Pinho • Fotos: Alle Tavares

64 •

G

randes cidades no Brasil e mundo afora tentam encontrar soluções viáveis para tornar o tráfego mais eficiente e aproximar as pessoas. A cultura do automóvel já indica, há bastante tempo, a necessidade urgente de alternativas de mobilidade urbana. Somente em Macaé, a frota de veículos emplacados aumentou mais de 58% nos últimos 6 anos. Em 2008, eram 69.514 e, em 2014, o número saltou para 109.854, de acordo com as estatísticas do Departamento de Trânsito do Rio de Janeiro (Detran RJ). www.divercidades.com


A fauna e a flora da Lagoa de Imboassica foram registradas em um livro, lançado em 2008, pelos fotógrafos Rômulo Campos e Cláudia Barreto

Para Saulo e Mauro, a opção pela bike para ir trabalhar só trouxe benefícios

melhor. Uma das soluções surge sobre duas rodas, guidão e pedais. É a bicicleta, modal mais democrático e amigo da saúde humana e do planeta.

Gianini Coelho

O volume pode ser ainda maior, já que todos os dias veículos vindos de outros lugares como Rio das Ostras, Conceição de Macabu, Carapebus, entre outros, se locomovem em Macaé. Na contramão do aumento da frota está o desenvolvimento da estrutura viária da cidade, que está investindo no setor, mas precisa acelerar o ritmo. Há muito mais carros, mas as vias são as mesmas. A tarefa não é fácil, nem simples, mas muitos municípios estão descobrindo como certo meio de transporte movido à propulsão humana pode contribuir, e muito, para o tráfego funcionar

A bike, que historicamente sempre teve muitos adeptos em Macaé, ganha cada vez mais força. Quem viveu na cidade nas décadas de 1970 e 1980, com certeza se lembra da grande quantidade de bicicletas paradas com o pedal apoiado no meio-fio na Av. Rui Barbosa e Teixeira de Gouveia. Hoje em dia, tem muita gente optando por ela na hora de se deslocar pela cidade. Há quem use para trabalhar, passear, praticar esporte, fazer compras, ir ao médico, visitar um amigo ou simplesmente pelo prazer de sentir o ventinho bater no rosto. Desde 2013, o engenheiro eletricista Saulo Borges de Souza, 37 anos, mudou sua rotina. Ele adotou a bicicleta como meio de locomoção e pedala cerca de 6,5 km para chegar ao trabalho. O trajeto é feito em 30 minutos, o mesmo tempo que ele gastava quando ia de carro. Saulo mora no bairro São Marcos e trabalha na Petrobras, na Imbetiba. Para o engenheiro, na lista de benefícios da troca, a saúde está na primeira linha. “Tem outras coisas. Eu economizo combustível e estacionamento, não tenho despesas com manutenção de carro, levo menos tempo pra chegar

aos lugares e não poluo o meio ambiente. Outra coisa muito boa: eu sei exatamente quanto tempo vou gastar, isso sem contar que chego no trabalho sem estresse”, diz Saulo.

EU PERCEBO A

CIDADE MELHOR. CURTO A PAISAGEM. ENCONTRO CONHECIDOS, FALO COM AS PESSOAS. (...) A BIKE CONECTA MAIS A GENTE COM O LUGAR”

MAURO LAMIM - “CICLOATIVISTA” • 65


Arquivo pessoal

Apaixonada por bicicleta, Alessandra fez duas tatuagens em homenagem ao transporte. Ela pratica mountain bike e pedala na cidade esporadicamente

O técnico de automação Luiz Mauro Muzzi Lamim, de 52 anos, também pedala para chegar ao trabalho. Para ele, as vantagens não se resumem à agilidade. “Eu percebo a cidade melhor. Curto a paisagem. Encontro conhecidos, falo com as pessoas e os outros me veem. A bike conecta mais a gente com o lugar”, observa Mauro Lamim, como é mais conhecido. Já Hugo Borges da Rocha Nunes, de 16 anos, tem a bike como meio de transporte para quase tudo. É com ela que o garoto vai ao colégio, trabalha, pega praia e faz outras atividades. Como na escola vários colegas têm bike elétrica, ele se sentiu estimulado e também começou a usar. “Eu via pelos meus amigos como era bom andar de bicicleta. Pra mim é ótimo por causa da independência, não necessito esperar por ônibus, nem dependo do carro. Vou pra qualquer lugar, sem precisar de ninguém”, conta o adolescente. A corretora de imóveis Alessandra Oliveira de Araújo, 37 anos, alimenta verdadeira paixão por bicicleta, tanto que possui duas tatuagens em homenagem ao veículo. Ela prefere mesmo é praticar mountain bike, mas acaba pedalando na área urbana de Macaé. “Gosto do vento no rosto, de encontrar com as pessoas no meio do caminho. Sinto que é uma coisa que une”, fala Alessandra. ELES ESCOLHEM IR DE BIKE Aquela velha concepção de que o ci66 •

Fabiano trocou o carro pela bike para se deslocar para o trabalho e não se arrependeu

clista utiliza a bike por questões financeiras ficou ultrapassada. Muitas pessoas de condições socioeconômicas favoráveis mostram haver outros motivos. Em muitos casos, a adoção passa pela mudança de comportamento, de conceito, de revisão de valores e mais consciência ambiental. “Vejo que algumas pessoas ainda olham o ciclista com certa discriminação, acham que o cara não tem dinheiro para ter um carro ou moto e, por isso, usa a bicicleta”, opina o comerciante Fabiano Fernandes dos Santos (mais conhecido como Biano), de 42 anos. Refletindo, ele chegou à conclusão de que trocar quatro rodas por duas foi um excelente negócio. Em janeiro deste ano, Biano decidiu vender o carro e assumir a bike como seu principal meio de locomoção. O comerciante fazia o caminho de casa para o trabalho em cerca de 6 minutos, quando ia de carro. Ele mora na Imbetiba e trabalha no Centro. Sobre duas rodas, o tempo era de aproximadamente 5 minutos. Ele avaliou ser mais vantajoso pedalar. “É muito menos estressante no dia a dia. Saindo de casa, eu percebo os passarinhos, presto atenção nas pessoas, encontro amigos, paro e converso.” Biano vai se mudar em breve para os Cavaleiros e já definiu que vai manter sua rotina. Substituição parecida fez o gerente de Qualidade Segurança Meio Ambien-

te e Saúde, Marcel Pereira Barbosa, de 34 anos. Ele mora da Praia do Pecado e trabalha nos Cajueiros. Quase sempre sai de casa para o trabalho de bicicleta, mas pedala mesmo só na volta para o lar. Como ele tem bike elétrica, aproveita a ida para ligá-la e deixa o esforço físico para a volta. Em boa parte do percurso, ele utiliza a ciclovia que une a Lagoa de Imboassica à Praia Campista. Marcel só tira o carro da garagem em dias de reuniões em locais mais distantes. “Eu tinha uma rotina frequente de atividade física e quando mudei de emprego acabei virando um sedentário forçado. A minha opção é uma estratégia para voltar a fazer atividade”, conta Marcel. Outro entusiasta da bicicleta é o prefeito do município, Dr. Aluízio Júnior. Ele afirma que vários fatores o levam a pedalar, entre eles, a liberação de endorfina que proporciona bem-estar e reduz o estresse. “Além disso, vivemos em uma cidade com belos cenários, que é bastante fresca, ou seja, é uma distração e um ganho na qualidade de vida. Por tudo isso e pelos fatores ambientais e de trânsito, utilizo e aconselho todos a utilizarem este meio de transporte”, diz o prefeito. De olho na tendência e no futuro, o comerciante Paulo Roberto de Oliveira Lopes montou uma loja totalmente voltada para esse público. A Bike Style, primeiro estabelecimento de Macaé www.divercidades.com


Rui Porto Filho

A sensação de bem-estar é um dos fatores que leva o prefeito de Macaé a pedalar

direcionado a esse nicho de mercado, além de vender produtos e serviços para o ciclista, se preocupa em dar suporte. A loja tem lanchonete, roupas e acessórios afins, oficina de pequenos reparos, espaço para estacionar

O USO DO TRANSPORTE ESTÁ CRESCENDO E A MENTALIDADE DAS PESSOAS MUDANDO. O PESSOAL ESTÁ PERCEBENDO ISSO COMO UM POTENCIAL DE QUALIDADE DE VIDA”

bicicletas e duchas para os ciclistas. “O uso do transporte está crescendo e a mentalidade das pessoas mudando. O pessoal está percebendo isso como um potencial de qualidade de vida”, fala Paulo. Sua filha, a administradora do PAULO OLIVEIRA - COMERCIANTE

• 67


Atualmente, a cidade tem 20,7 km de malha cicloviária

Paulo e Lívia apostam no aumento de ciclistas e abriram a primeira loja da cidade totalmente voltada para esse público, a Bike Style

negócio, Lívia Paiva Lopes, explica que a ideia é ser um ponto de apoio para o ciclista, onde ele possa consertar a bike, deixá-la estacionada para resolver alguma questão, tomar uma ducha, etc. “Montamos a loja seguindo o conceito da sustentabilidade que tem tudo a ver com bicicleta. Nossa estrutura é feita de contêineres e usamos vários mate-

riais recicláveis como paletes e cabos de vassoura”, ressalta Lívia.

MUITA GENTE DEIXA DE ANDAR DE BIKE POR CAUSA DA FALTA DE SEGURANÇA. QUANDO A GENTE COMEÇA A PEDALAR MAIS É QUE PERCEBE COMO FALTA INFRAESTRUTURA EM MACAÉ” SAULO BORGES - “CICLOATIVISTA” 68 •

AS MUDANÇAS QUE OS CICLISTAS REIVINDICAM Mauro Lamim e Saulo Borges acreditam muito na contribuição do modal para a vida das pessoas e para o tráfego. “Cicloativistas”, eles fazem parte do grupo Mais Ciclovias (facebook. com/maisciclovias) criado para estimular o uso desse meio de transporte na estrutura urbana, com segurança. Os dois também integram um grupo de trabalho formado entre usuários e prefeitura de Macaé, que discute a realidade cicloviária e busca soluções. Foi uma iniciativa deles criar o mapa cicloviário de Macaé, que pode ser acessado pela internet (www.ta.org. br/ciclomacae), desde abril de 2014. O mapa, realizado com o apoio técnico da Rede Transporte Ativo, é um instrumento muito útil para quem pedala na cidade e traz informações como onde estão as ciclovias e “ciclofaixas”, os pontos onde há bicicletários, lojas de bicicleta, oficinas, entre outros dados. O modelo é colaborativo e os próprios usuários que conhecem a localidade podem contribuir enviando informações novas através do site. Saulo avalia que ainda há muito a se fazer para melhorar a estrutura cicloviária do município. “Muita gente deixa de andar de bike por causa da falta de

segurança. Quando a gente começa a pedalar mais é que percebe como falta infraestrutura em Macaé”, diz. Atualmente, Macaé tem 20,7km de ciclovias e “ciclofaixas”, sendo que a maior parte está concentrada na região centro-sul da cidade. Fora desse eixo, apenas o bairro Parque Aeroporto (região norte) possui estrutura cicloviária. A maior parte da população da região norte fica sem suporte para pedalar com segurança. São sete rotas diferentes: Linha Verde, Rodovia Amaral Peixoto (entre Canela Preta e Bairro da Glória), Linha Vermelha, Orla Marítima (entre Praia Campista e Praia do Pecado), Estrada da Infraero, Parque Aeroporto e Imbetiba. Mas ainda falta integração. “Infelizmente, Macaé ainda não tem uma rede de ciclovias e “ciclofaixas” que dê a segurança que a gente precisa. A rede é desconectada e o grande problema para os ciclistas é chegar até a ciclovia”, fala o consultor da Petrobras e técnico em eletrônica, Carlos José Monteiro, de 51 anos. Carlos é ciclista desde criança e faz parte do grupo Macaé Pedal, que conta com quase 800 membros. Atualmente, ele só pedala mesmo em momentos de lazer e para se exercitar. Toda semana, Carlos reúne ciclistas em pedais noturnos. Às quartas-feiras, a partir das 19h30, uma turma de ciclistas se encontra no Posto BR, na Praia www.divercidades.com


Campista, e vai até a Lagoa de Imboassica. Outros passeios como esse são feitos, em outros dias da semana. A PRECARIEDADE DA ESTRUTURA CICLOVIÁRIA Se atualmente, mesmo com o espaço urbano precário, muitas pessoas já preferem a bicicleta, a adesão pode aumentar bastante quando o poder público investir na malha cicloviária. A segurança estimula o uso. “Sem segurança vai ser difícil alguém deixar o carro em casa e preferir a bike”, opina Carlos Monteiro. Uma pesquisa recente da Secretaria de Mobilidade Urbana de Macaé revelou alguns dos pontos onde existe maior circulação de ciclistas. São eles: Rodovia Amaral Peixoto (no acesso à Estrada da Infraero, no trevo da Cancela Preta, no trevo do Bairro da Glória e no trevo de acesso ao bairro Novo Cavaleiros), Avenida Presidente Sodré (conhecida como Rua da Praia), entorno da Praça Veríssimo de Melo, Avenida Evaldo Costa (antiga Ayrton Senna), Rua Télio Barreto na Aroeira, Linha Vermelha e Rua Silva Jardim (acesso à Linha Vermelha). Dos 10 trechos citados, apenas dois têm ciclovias (Rodovia Amaral Peixoto no trevo do Bairro da Glória e Linha Vermelha) e um possui calçada que acaba sendo compartilhada por pedestres e ciclistas (na Avenida Evaldo Costa).

Para Carlos Monteiro, a estrutura cicloviária da cidade ainda não oferece a segurança necessária

Conforme os dados da secretaria, entre 2010 e fevereiro de 2014, o maior número de acidentes envolvendo ciclistas foi registrado no Centro. Dos 160 acidentes ocorridos no período, 57 aconteceram na área central. Os números são referentes aos boletins de ocorrência de acidente de trânsito da secretaria e do 32º Batalhão da Polícia Militar e não incluem acidentes nas rodovias estaduais que passam pelo município. O Centro é uma região onde existe grande circulação de ciclistas e nenhuma estrutura cicloviária.

A REDE CICLOVIÁRIA É DESCONECTADA E O GRANDE PROBLEMA PARA O CICLISTA É CHEGAR ATÉ A CICLOVIA”

Esse e outros dados contribuíram para a criação do Plano Cicloviário de Macaé, que prevê diversas mudanças. Segundo o secretário de Mobilidade CARLOS MONTEIRO - CICLISTA Urbana de Macaé, Evandro Esteves, foram projetadas 15 rotas ciclísticas. “Em um prazo curto, vamos conseguir entre- Centro, Imbetiba, Parque de Tubos, engar esses projetos. Pretendemos até o tre outros. final desta gestão, no prazo de um ano O Plano Cicloviário prevê conectar e meio, integrar os bairros mais extremos da cidade através de “ciclofaixa” e as ciclovias e “ciclofaixas”, sem que necessariamente elas sejam contínuciclovia”, afirma Evandro. as, conforme esclarece o secretário. Cumprindo o planejado, a malha ci- “Pretendemos interligar o Miramar e cloviária do município vai triplicar de ta- o Visconde de Araújo tanto à Imbetiba manho, serão mais 46,3km. Junto com quanto aos Cavaleiros. Vamos retomar os 20,7km já existentes, Macaé terá o circuito mais tradicional do ciclismo 67km de rotas ciclísticas. Os caminhos funcional de Macaé, que era das pesvão contemplar bairros e regiões como soas que trabalhavam na Leopoldina Lagomar, Engenho da Praia, Ajuda, Vir- e moravam no Visconde ou no Miragem Santa, Botafogo, Malvinas, Aroeira, mar”, explica Evandro.

Ciclistas do grupo Macaé Pedal fazem passeios noturnos, no município, toda semana

• 69


Divulgação - J Pavani

A falta de acostamento e a alta velocidade dos veículos nesse trecho da Rodovia Amaral Peixoto expõem os ciclistas ao perigo

LAGOA E GALOPE, O TRECHO DO PERIGO Entre os locais mais perigosos para pedalar, muitos usuários apontam o trecho entre a Lagoa de Imboassica (no acesso à Praia do Pecado) e a Churrascaria Galope. Naquela parte, não há acostamento na Rodovia Amaral Peixoto e os carros trafegam em alta velocidade. “Ali tem muito fluxo de trabalhadores de bike, o ponto é crítico”, fala Mauro Lamim.

PRETENDEMOS ATÉ O FINAL DESTA GESTÃO, NO PRÓXIMO UM ANO E MEIO, INTEGRAR OS BAIRROS MAIS EXTREMOS DA CIDADE ATRAVÉS DE “CICLOFAIXAS” E CICLOVIAS”

EVANDRO ESTEVES - MOB. URBANA 70 •

Marcel carrega a bike elétrica para ir ao trabalho e, na volta, prefere seguir pedalando para casa

Carlos Monteiro usou, por quase 10 anos, a bicicleta para trabalhar. Ele ia do Mirante da Lagoa até a Imbetiba, pedalando. “Há uns oito anos, o trânsito de Rio das Ostras pra Macaé ficou impossível, as pessoas ultrapassavam pelo acostamento e eu decidi não arriscar minha vida. Larguei a bike e passei a ir de moto”, conta. A criação de estrutura cicloviária na região do Parque de Tubos é uma solicitação antiga e está no planejamento da prefeitura. Mas algumas características do local impõem obstáculos. Em grande parte do trecho da RJ-106 (Rodovial Amaral Peixoto), entre a Lagoa de Imboassica e a Galope, a via é circundada pela linha férrea e pela lagoa. Porém, há determinado local onde a lagoa está em um dos lados da estrada e do outro existe um canal extravasor. “Estamos discutindo a forma mais conveniente de levar a ciclovia ao Parque de Tubos. Talvez, o nosso maior desafio em termos construtivos de ciclovia e “ciclofaixa” é atravessar aquela parte da lagoa”, esclarece o secretário. RESPEITO, UMA VIA DE MÃO DUPLA Uma cidade mais amiga do ciclista também depende da boa convivência entre os vários usuários do trânsito e da educação da sociedade. O respeito é uma via de mão dupla, onde todos têm direitos e deveres. No verão, quando a orla da Praia dos Cavaleiros fica muito movimentada, Carlos observa que muitos pedestres usam a ciclovia sem consciência. Ele con-

ta ver pessoas caminhando nesse espaço, mesmo com o calçadão logo ao lado, e até batendo papo na ciclovia. “Tem ciclista que briga, grita. Eu procuro orientar, mesmo sabendo que estou certo. Aciono a buzina, peço licença e agradeço. Não adianta querer o afrontamento. Eu não vou ganhar a pessoa sendo mal educado. Temos que tentar ser educados para que os outros entendam que ali é um local para o ciclista”, conta. Irregularidades como motoristas estacionando ou circulando em ciclovias e “ciclofaixas” não são difíceis de serem vistas em Macaé. O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) estabelece que estacionar veículos em ciclovias é infração grave, que cabe multa e até remoção do veículo. Já trafegar em ciclovia é infração gravíssima. O contrário também acontece. Tem ciclista que invade a calçada, não atravessa na faixa e pedala de forma ofensiva. “Se tem ciclovia é para usar. O ciclista precisa respeitar as leis de trânsito como todo mundo”, argumenta Marcel Pereira. “Às vezes, eu vejo a falta de consciência. Gente andando na contramão, em cima de calçada e atravessando fora da faixa”, fala Alessandra Oliveira. Ela se preocupa em pedalar seguindo as regras até por questão de segurança. A corretora de imóveis está sempre de capacete, prefere pedalar na mão de direção certa e utiliza as ciclovias. Conforme rege o CTB, o ciclista deve transitar no mesmo sentido de circulação regulamentado nas vias urbanas, quando não houver ciclovia, “ciclofaixa” ou acostamento. www.divercidades.com


• 71


CULTURA Divulgação - Bico da Coruja

As rodas de samba e chorinho acontecem toda quarta e é uma boa pedida para os amantes da boa música

BICO DA CORUJA Um bar que tem no cardápio alegria, simplicidade, amizade, além de muito samba e chorinho Por: Raphael Bózeo • Fotos: Allle Tavares

O

s versos de uma das músicas mais tradicionais do Bico resumem um pouco desse lugar especial de Macaé. “Quem chega no Bico da Coruja encontra uma roda de bambas.” É um cantinho que respira boa música e com um clima completamente diferente. Por coincidência do destino, o nome da rua onde fica localizado o Bico da Coruja é em homenagem ao maior músico da história da cidade, reconhecido mundialmente: Benedito Lacerda, um dos ícones do chorinho, e grande parceiro de Pixinguinha. Lá no Bico da Coruja é assim: toda quarta-feira um grupo de amigos se reúne para tocar boas músicas. Alguns ganham a vida na noite, outros são das mais diversas profissões. Há médicos, advogados, servidores públicos, empresários e gente de tudo quanto é jeito.

72 •

O dono do bar Walace Agostinho com o filho Cizinho, o gosto pela música é herança de família

www.divercidades.com


Coincidência ou não, o bar fica localizado na Rua Benedito Lacerda, músico macaense que foi parceiro de Pixinguinha

Mas uma coisa é certa nessa turma: o Bico é o ponto de encontro para um bom papo e divertimento. Além da tradicional Sardinha na Pressão, que só o dono tem a receita, chorinho e samba estão sempre no cardápio, e para Walace Agostinho, dono do bar, a qualidade do que se ouve interfere diretamente nas pessoas que frequentam o local. “A própria qualidade da música seleciona as pessoas que vão ao Bico. Aqui, o nível é alto e isso atrai pessoas que gostam desse tipo de música. Não pode falar alto para não atrapalhar, tem que se comportar direitinho”, conta Walace. Frequentador assíduo, o empresário Marcelo Merrel sabe aonde ir quando quer encontrar os amigos com som de qualidade. “Além de ser um espaço que congrega amizade, a gente sabe que as pessoas que estão ali são pessoas comprometidas no contexto, são profissionais, pessoas de bem, e fazem dali um encontro de amigos”, fala Merrel. A história do bar é completamente ligada à da música. Inaugurado em 1983, quando Walace resolveu parar de viajar como motorista para abrir um estabelecimento, o Bico da Coruja recebeu no ano seguinte dois irmãos, ambos músicos, vindos de Niterói. O médico César e o advogado Celso chegaram na cidade e só queriam um local para se distraírem no intervalo do trabalho. Os anos se passaram e o grupo cresceu. Testaram todos os dias da semana para saber qual era o melhor para os encontros. Mas o único que vingou foi a quarta-feira. Sabe por quê? “Trabalhávamos muito na época e acho que a quarta foi o melhor dia porque era exatamente no meio da semana. Dava aquele respiro no meio para que a gente terminasse o trabalho bem”, brinca César. Amantes do samba e do chorinho, os músicos do Bico têm um ídolo em comum. O cantor e compositor João Nogueira sempre foi referência para todos eles. E um dos momentos mais marcantes da história do Bico foi quando o grupo abriu um show do João, no Clube Cidade do Sol, em 1999, poucos meses antes do falecimento dele. E José Medeiros, frequentador assíduo e grande fomentador dos eventos da turma, lembra com carinho de como foi a pre• 73


Divulgação - Bico da Coruja

Edson (Batata) com o filho Daniel, companheiros de cavaquinho no Bico da Coruja A roda de samba é bem democrática integrando vários instrumentos com alegria, descontração e muito bate-papo entre os frequentadores

paração. “Na véspera daquele dia, o grupo todo estava morrendo de medo de abrir o show do João. Quase não entraram no palco. Aconteceu até uma coisa bacana no dia. Uma das músicas do Bico tem o seguinte verso: ‘César na quarta canta a noite inteira, homenageando João Nogueira’. João ouviu quando estávamos ensaiando e foi falar com a turma.” Mas nem todo mundo pôde ir ao inesquecível show. O bancário Edson Assis, o Batata, precisou cuidar do filho Daniel, então recém-nascido, e não

A PRÓPRIA QUALIDADE DA MÚSICA SELECIONA AS PESSOAS QUE VÃO AO BICO. AQUI O NÍVEL É ALTO E ISSO ATRAI PESSOAS QUE GOSTAM DESSE TIPO DE MÚSICA” WALACE AGOSTINHO 74 •

esteve presente. Estava em Niterói cuidando do pequeno. Se por um lado ele perdeu a chance de tocar com um ídolo, ganhou um presente anos depois. O pequeno Daniel cresceu e hoje é companheiro de cavaquinho do pai nas quartas no Bico. “Foi engraçado que não fui ao show por causa dele. Mas a recompensa veio depois”, brinca. E como surgiu o nome Bico da Coruja? Walace lembra com carinho do finado amigo que deu origem ao nome, e conta que nem ele aprovou logo de início. O nome pegou tanto que Walace tem uma coleção de corujas e garante que não comprou nenhuma. Todas ele ganhou de presente dos amigos.“Um amigo chamado Tidinho Monteiro chegou aqui e disse que tinha um bar em Trajano de Moraes que se chamava Bico da Coruja. Disse que parecia muito com o de lá e que aqui seria o nosso Bico da Coruja. Eu não gostei, mas ele falava tanto que acabou pegando. E o nome do grupo veio de tabela”, brinca Walace. Entre outros registros importantes, o Bico da Coruja já gravou dois CDs. Hoje, o grupo musical não se apresenta fora do bar, mas, já participou da abertura do Teatro Municipal de Macaé e de shows na Praia dos Cavaleiros, por exemplo. Eles nunca receberam cachê pelos shows, que sempre eram convertido em cestas básicas para doação. Quem quiser ouvir o Bico da Coruja precisa ir ao bar nas quartas. O grupo, na verdade, é uma grande roda de choro

O empresário Marcelo Merrel é frequentador assíduo e adora encontrar os amigos no Bico

e samba. O nível dos músicos é altíssimo, mas há sempre um espacinho até para quem chega pela primeira vez e quer fazer bonito. Um bar do presente que está na memória de Macaé. Local que recebeu grandes músicos do país, mas que nas quartas-feiras, transforma uma simples noite em momentos inesquecíveis, movendo os corações com melodias centenárias e composições próprias. Isso é o Bico da Coruja, como diria o verso: “É um lugar completamente diferente”. Só indo para saber e se encantar com a música e história macaense. www.divercidades.com


• 75


PERFIL Divulgação

LILI ALENCAR E A REAL BELEZA DA VIDA Produtos para o cabelo, pele, batons, esmaltes e uma infinidade de dicas preciosas. Esse mundo cor-de-rosa permeia os dias de Lilian de Souza Alencar, mais conhecida como Lili Alencar

C

Por: Juliana Carvalho • Fotos: Alle Tavares

om 32 anos, a jovem de sorriso largo, descobriu através do seu blog uma maneira de se sentir mais viva, bonita, contribuir para o dia a dia de outras pessoas e conviver de forma mais leve com uma doença grave no coração. Aos 23 anos, ao realizar exames admissionais para tomar posse em uma vaga de concurso, Lili Alencar descobriu algo que mudaria para sempre a história da sua vida. Ela era portadora de uma doença que traria consigo uma série de limitações e transformações. A descoberta da Miocardiopatia Dilatada, doença que impede o coração de bombear sangue adequadamente para o corpo causando, entre outras coisas, a insuficiência e arritmia cardíaca, fez o mundo de Lili desabar. “Logo de cara, o médico me disse que eu teria apenas cinco anos de vida. Era uma sensação de perda da juventude, do sonho de ser mãe, minha vida seria regrada por um série de limitações. Fiquei muito triste, senti que estava chegando no estágio final da minha história”, revela Lili. Enfermeira de profissão, Lili conta que achava que todos os sinais e sintomas que seu corpo apresentava estava relacionado ao estresse da rotina puxada de serviço. “Conhecia a doença, cuidava de pessoas com esse problema, mas nunca imaginei que eu sofria disso. As palpitações que sentia, o cansaço ao fazer qualquer esforço, tudo isso eu atrelava ao meu trabalho e a minha própria personalidade, já que desde sempre me queixava de estar cansada”, afirma. Em meio a um turbilhão de sentimentos, o que poderia se transformar em depressão, deu forças para que Lili se redescobrisse uma nova mulher. Uma mulher que, até então, não ligava muito para a vaidade, adepta de cuidados práticos, deu lugar a uma pessoa vaidosa, atenta a cada detalhe. Neste momento, Lili resolveu que era hora de aproveitar cada segundo, de viver com mais qualidade e beleza. “Recebi uma força que nem sei de onde veio. Resolvi que tinha que me aceitar como era e, mesmo com o problema grave, eu não era uma coitada e sim uma mulher especial. A forma como comecei a me sentir fez com que eu me tornasse um espelho para as outras pessoas.” O NASCIMENTO DO BLOG A nova e vaidosa Lili era sempre questionada pelas amigas sobre que produtos usar e estava sempre por dentro das novidades. Do boca a boca aos textos do blog foi um processo natural. O post sobre como recuperar 76 •

Apesar das circunstâncias, Lili Alencar prova que a beleza da vida está em se sentir bem consigo mesma

o cabelo danificado, com relatos da experiência que sofreu após uma má sucedida coloração de mechas em 2014, tornou o blog Lili Alencar famoso entre as adeptas de um bom guia de beleza. Ainda hoje, o link “9 passos para recuperar um cabelo extremamente danificado e fragilizado” aparece em primeiro lugar no ranking mundial do Google, quando se busca por esse assunto. Com uma média de 30 mil acessos mensais, mais de 17 mil curtidas na página do Facebook e outras centenas de seguidoras em outras redes sociais, Lili já se consagrou no ramo dos cosméticos, sendo procurada como a queridinha entre diversas marcas que lhe enviam produtos de presente para que, quem sabe, tenham a sorte de fazer parte dos comentários positivos da blogueira. “Tenho um retorno muito bacana das pessoas que me acompanham e dos fabricantes dos produtos. Além dos comentários no blog, recebo uma média de 10 e-mails por dia com pessoas me fazendo perguntas e pedindo conselhos até mesmo sobre assuntos extra blog. Acho muito legal essa oportunidade de poder dividir com as pessoas experiências reais. Pretendo escrever com cada vez mais frequência e qualidade”, comenta. www.divercidades.com


Com uma média de 30 mil acessos mensais, o blog da Lili já virou queridinho das aficcionadas por dicas de beleza

A credibilidade do blog é comprovada por vivências reais que Lili faz questão de compartilhar com seus seguidores

Cada post é feito de forma objetiva e descontraída, atrativos que fidelizam os leitores

Moradora de São Paulo, Cristina Silva é uma das seguidoras assíduas do blog. “Descobri o blog por curtidas de amigos no Facebook. Me encantei pelo visual clean da página e pelas postagens bem curtas e diretas. O blog virou uma referência para mim. Gosto da objetividade e clareza do texto, do bom humor e das dicas sempre muito boas. Já comprei produtos por indicação da Lili e deu super certo”, afirma Cristina, acrescentando que outra razão que a faz visitar sempre o blog é a atenção com que Lili responde seus comentários e as dicas de produtos para todos os bolsos. “Ela é acessível, muito direta nas colocações, não é mulher de ‘mimimi’. Isso passa a sensação de credibilidade, que é fundamental em uma blogueira”, destaca.

cardíaca e, até mesmo, a uma morte súbita. Mas nada disso impede Lili de irradiar alegria, de fazer planos e sonhar. “Os médicos me disseram que se não implantasse o desfibrilador poderia morrer a qualquer momento. Depois de implantado, eu segui com a minha vida. Continuei fazendo provas e passei em vários concursos. Fiz pós-graduação em cardiologia e participo ativamente das escolhas que envolvem o meu tratamento”, revela Lili, que se prepara para, futuramente, entrar na fila de transplante de coração.

de, que a vida é realmente bela.” Além das postagens no blog, Lili anda às voltas com os preparativos para o casamento marcado para junho. O relacionamento, com o noivo Gustavo Pozzatti é outro estímulo que torna os dias de Lili mais doces, com pitadas de amor que se misturam com recados e mensagens espalhadas pela casa. Superação é a palavra da minha vida. Nada na minha vida foi, ou veio, fácil. A doença não me deu opções, a única que tive foi de ser forte. Meus problemas não me diminuíram, pelo contrário me fizeram encontrar meu amor-próprio”, destaca Lili.

UMA VIDA DE SUPERAÇÃO Atualmente, Lili convive com um desfibrilador interno para evitar a arritmia cardíaca, que pode levar a uma parada

A força da Lili serve de inspiração para toda a família. A irmã, Fernanda Alencar, a define como uma guerreira. “Depois do diagnóstico, nós (os pais e os outros dois irmãos) nos unimos muito e buscamos nos adaptar à nova realidade. A minha irmã é um exemplo para todos nós que, às vezes, reclamamos da vida até mesmo por pequenas coisas. Ela, com todas as limitações e turbulências, consegue mostrar, com toda a sua força de vonta-

Dos cinco anos dados pelo médico, já se passaram 10 e que venham muitos outros, Lili, porque a vida é uma caixinha de surpresas. Felizes daqueles que conseguem alcançar, assim como você, a plenitude de saber que cada momento é único, e assim, conseguir fazer com que seus dias valham realmente a pena!

• 77


PESSOAS

Divulgação

A Pestalozzi de Macaé nasceu da iniciativa de Oneida Terra com o apoio de amigos macaenses

A oficina de carpintaria na década de 1990, com o instrutor Manoel Agostinho Stutz, à esquerda, Oneida Terra, ao centro, de óculos e o instrutor Manuel Batista de Souza, à direita, que trabalha na oficina até hoje

Entidade filantrópica completa 52 anos de história com atendimento muito especial

Por: Juliana Carvalho • Fotos: Alle Tavares

Q

uando a gente ouve um nome, muitas vezes não consegue ter noção do que isso representa ou significa. Sem dúvida, você já deve ter ouvido falar em Pestalozzi ou Associação Pestalozzi. E a história da fundação em Macaé é permeada de força de vontade e solidariedade. O ano era 1931, nascia então Oneida Mello Terra, uma macaense que desde pequena mostrou que tinha vindo ao mundo com uma missão especial. Aos sete anos, Oneida já se preocupava com o próximo e ajudava os menos favorecidos no bairro em que morava com os pais. Filha de uma família grande, aos 13 anos começou a trabalhar para ajudar na criação de

78 •

seus 10 irmãos. Anos mais tarde, com o nascimento de seu filho mais novo Antônio Cláudio Melo, com uma deficiência intelectual, Oneida pôde exercer sua mais nobre empreitada: contribuir para que centenas de pessoas com deficiência pudessem ter atendimento médico digno, acesso a uma educação inclusiva e, assim, poder superar limitações. Foi assim, movida pela vontade de ajudar ao próximo e motivada pela condição de seu filho, que Oneida reuniu amigos e fundou em 15 de abril de 1973 a Associação Pestalozzi de Macaé, com o apoio sempre presente de seu esposo, Antônio Azevedo Terra. A entidade beneficente possui um histórico de mais de 70 anos de atuação no Brasil. O nome é uma homenagem a

Lívia Terra faz parte da nova geração da família que se dedica na manutenção da Pestalozzi

Johann Heinrich Pestalozzi (1746/1827), considerado um dos maiores educadores da era moderna. Em Macaé, o local, atualmente, atende 120 crianças, sendo 40 em atendimento escolar e 80 com atendimento ambulatorial nas especialidades de fonoaudiologia, fisioterapia, psicologia, dentista e neuropediatria. Oneida esteve envolvida com a Pestalozzi Macaé até 2012, quando se afastou da diretoria para tratamento de saúde, vindo a falecer em 2013. O seu trabalho à frente da instituição deixou um legado que, até hoje, é seguido por alguns de seus familiares, como o caso de seu filho mais velho Carlos Levi Terra, que atualmente responde pela prewww.divercidades.com

Divulgação

ASSOCIAÇÃO PESTALOZZI


“Acho que meu envolvimento foi natural e inevitável. Desde muito nova meus pais me traziam para a Pestalozzi, tenho fotos minha criança junto com as obras da unidade. É um trabalho tão bonito que não tem como não se envolver e não se esforçar para que permaneça”, afirma Lívia que divide o seu tempo do trabalho como arquiteta com as atividades do local.

A equipe de funcionários da Pestalozzi se destaca pelo trabalho dedicado e atencioso que realiza

sidência, a sobrinha Lívia Terra, tesoureira, a irmã Telma de Mello Santos e o cunhado Nelson Sarzedas, que atuam na coordenação de projetos. “Meus pais sempre tiveram um envolvimento muito grande com as causas sociais. Desde criança, nos acostumamos a conviver com essa filosofia de ajudar ao próximo sem querer nada

em troca. Tivemos, ao longo da vida, inúmeros ‘irmãos’, crianças que minha mãe levava para casa para ajudar a criar. Eles sempre se preocuparam em poder fazer mais pelo outro. Minha mãe, durante toda a vida e meu pai até pouco tempo também, só parou por conta da idade mesmo, já que agora tem 82 anos e fica mais debilitado”, conta Carlos Levi.

Durante uma visita na Pestalozzi é impossível não perceber que, apesar dos poucos recursos, cada cantinho do lugar é bem cuidado, limpo e organizado. Cada sala possui uma destinação específica que retrata bem a dedicação de cada funcionário. Todo esse carinho é sentindo de perto pelos beneficiados e seus pais. Deucira de Oliveira sabe bem a importância do local para o seu filho Mateus Oliveira Silva, de 12 anos. O menino convive com as sequelas de uma meningite que o deixou com a mentalidade de uma criança de cinco anos. “Aqui ele teve um desenvolvimento motor e na fala muito grande, além da socialização. O que eu espero dele é que ele possa se desenvolver mais e mais, cada pequena conquista é uma grande vitória para nós”, emociona-se Deucira. E o próprio Mateus faz questão de deixar claro como se sente na Pestalozzi. “Aqui, eu me sinto muito bem e feliz, gosto muito de brincar com os meus

• 79


Flávia e Izaque, o amor na superação das limitações

A fisioterapia é um dos serviços oferecidos gratuitamente no local

Para Deucira, na Pestalozzi, Mateus desenvolveu habilidades e socialização

amigos, desenhar”, conta o menino, que se destaca pelas maquetes que cria. Flávia Magalhães Viana é outra mãe que conta com a Pestalozzi para o auxílio no desenvolvimento de seu filho Izaque Emanuel, de três anos, que sofre de uma síndrome rara, a Pallister Killian, que provoca um retardo mental, motor e na fala. “Como tinha uma filha mais velha, percebi que o desenvolvimento do Izaque não estava normal. A partir daí,

DESDE MUITO NOVA, MEUS PAIS ME TRAZIAM PARA A PESTALOZZI. É UM TRABALHO TÃO BONITO QUE NÃO TEM COMO NÃO SE ENVOLVER E NÃO SE ESFORÇAR PARA QUE PERMANEÇA. ” LÍVIA TERRA 80 •

foi uma busca de médico em médico até o encontro do diagnóstico correto. Após a indicação de uma vizinha, resolvi procurar a Pestalozzi. Aqui, ele tem sessões de fonoaudiologia e fisioterapia. Foi uma porta muito importante que se abriu para nós. O trabalho que fazem aqui contribui para os avanços dele. Acredito muito na potencialidade do meu filho e sei que, com os estímulos corretos, ele vai evoluir cada vez mais”, ressalta Flávia. Atualmente, a Pestalozzi Macaé conta com o apoio de parceiros para continuar suas atividades. Entre eles, estão a Prefeitura de Macaé, funcionários da Unimed, doações da sociedade civil e funcionários da Petrobras, cuja contribuição voluntária, feita diretamente na folha de pagamento, corresponde a mais de 55% da receita da instituição. Ainda assim, a administração dos recursos passa por um momento delicado. “Todo mês ficamos com um déficit que não conseguimos cobrir, temos o nosso bazar, realizamos eventos, mas precisamos de mais apoiadores a fim de que consigamos manter a qualidade dos serviços oferecidos”, revela Lívia. A dificuldade financeira também é abordada por Carlos Levi que destaca, ainda, a importância da ação da família para manutenção do lugar. “Atravessamos uma fase bem complicada, com diminuição dos recursos públicos na subvenção e falta de colaborações fixas que consigam suprir todos os gastos. Sinceramente, acredito que se não fosse a força de vontade da nossa família em não deixar o legado da minha mãe morrer, a Pestalozzi já teria fechado”, pontua. O bazar, que vende roupas usadas a preços convidativos, foi uma das alternativas encontradas para que o local

tivesse mais uma fonte de renda. “Colocamos à venda somente peças que estejam em plenas condições de uso. Temos tanto cuidado que já contamos com clientes fixos que ficam à espera de quando chegam novas doações. O valor arrecadado é mais uma ajuda para suprir nossas despesas”, conta Lívia, que também planeja outras ações como jantares beneficentes como forma de arrecadar recursos. O bazar da Pestalozzi é de segunda a sexta, das 7h30 às 11h30 e das 12h30 às 16h30. “Temos um trabalho importante sendo realizado aqui, que traz contribuições significativas para o dia a dia das pessoas, que encontram nos serviços oferecidos e na interação com os colegas, uma forma de superar suas próprias limitações. Isso que nos motiva e que contagia outras pessoas, como a doutora Lívia Lobo, que participa como voluntária, oferecendo gratuitamente consultas na especialidade de neuropediatria”, constata Lívia Terra, que assim como seus pais, mantém o trabalho sendo passado para as futuras gerações, já que seus filhos, Mateus, de dois anos e a pequena Mariana, com apenas dois meses, já a acompanham nas idas à Pestalozzi. Também participa dessa nova geração de entusiastas a neta de Oneida, Oneida Terra Neta. Uma história marcada pelo amor ao próximo e por acreditar na capacidade do ser humano de ir além, assim a Pestalozzi Macaé segue contribuindo para uma sociedade mais inclusiva, em que as dificuldades são encaradas como desafios a serem superados! Quem quiser conhecer o trabalho e colaborar com a Pestalozzi Macaé, é só entrar em contato pelo tel.: 22 27620300 ou pelo e-mail: pestalozzi. macae@yahoo.com.br www.divercidades.com


• 81


LEITORA EM FOCO

HELOÍSA CARNEIRO, talento macaense na arquitetura Por: Leila Pinho Fotos: Arquivo pessoal

As reuniões com a família de Macaé são sempre animadas

H

No Museu do Louvre, Heloísa recebeu o prêmio Visionare

eloísa Carneiro saiu de Macaé quando tinha 15 anos para morar em Niterói, mas Macaé nunca saiu dela. Os laços de afeto e relacionamento que a arquiteta macaense tem com a cidade não se desfazem com o tempo. Muito pelo contrário, são fortalecidos. Motivos ela tem aos montes para continuar amando esse lugar. Moram aqui os pais dela, Bernardo e Jane, a irmã Gisele, os avós, sobrinhos e muitos amigos. “Meus melhores amigos são todos de Macaé. Tenho muita saudade da época da noite de Macaé, na Imbetiba (na adolescência dela). Era tranquilo, prazeroso, todo mundo morava perto e a beleza que eu via na praia não existe mais hoje”, recorda. Toda segunda e terça-feira, Heloísa está em Macaé para tocar seus projetos de arquitetura, no município. Nesses dias, o cafezinho gostoso na casa da mãe e o reencontro com os macaenses de nascença e de coração são certos. É na casa dos pais que ela acompanha as novidades noticiadas na Revista DiverCidades. “Papai tem sempre uma revista em casa”, fala. Sobre um dos lugares que ela mais gosta de visitar, não há dúvida. “Tem um sítio na serra, em Areia Branca, que amo ir. Já na cidade, adoro a Immense. Reformei a loja diversas vezes e, às vezes, vou lá nem que seja só pra passar. Gosto bastante da Galeria Carapebus porque lá revejo muita gente da minha época”, fala Heloísa. Arquiteta dedicada e apaixonada pelo que faz, ela está sempre cheia de projetos. “Estou iniciando os desenhos de um grande hotel que ficará na Cancela Preta. É um empreendimento de peso para a cidade”, conta. No ano passado, Heloísa recebeu o prêmio Visionare da rede de lojas Orlean que levou 50 arquitetos para visitar o Museu do Louvre (Paris) em uma noite exclusiva só para eles, com direito a guia exclusivo. Só neste ano, ela recebeu o prêmio DellAno Best 2015 e irá viajar para Hong Kong e Xangai. 82 •

A loja Immense, reformada várias vezes por Heloísa, é um dos locais que ela mais gosta de estar em Macaé

Defeito: centralizadora Cor: branco Gosto de... amor Não gosto de... falsidade Família é... tudo Amizade é... rara No tempo livre gosto de... estar com a minha família Ocupo o tempo com... trabalho Livro especial... “O vendedor de sonhos”, de Augusto Cury Filme que me marcou foi... “Em algum lugar do passado” Viagens que marcaram... Veneza Músicas... as do Legião Urbana Ritmos... depende do momento Dá água na boca... trufa Momento marcante... nascimento do meu filho Não saio de casa sem... telefone Sinto-me realizada quando... finalizo uma obra e o cliente está realizado Projetos... viver Pensamentos... “Mais amor, por favor” www.divercidades.com


• 83


84 •

www.divercidades.com

Profile for Revista Divercidades

Revista DiverCidades Dia das Mães 2015  

Essa edição traz como matéria de capa histórias de superação na maternidade. Tem ainda reportagens sobre o Bico da Coruja (reduto do choro m...

Revista DiverCidades Dia das Mães 2015  

Essa edição traz como matéria de capa histórias de superação na maternidade. Tem ainda reportagens sobre o Bico da Coruja (reduto do choro m...

Advertisement