Page 1

Passarela / divulgação

1

AGENDA C U LT U R A L Julho Agosto 2012


J U L H O E A G O S T O 2 012 Diálogos, emoções e percepções.... Música Diversidade, escolha criteriosa, ações culturais relevantes e oportunas, dinheiro bem investido; muitos atributos mais identificariam o Projeto Unimúsica, do Departamento de Difusão Cultural da UFRGS, que há 30 anos vem nos oferecendo um saboroso cardápio musical. Música de qualidade, seja de que gênero for, nem sempre é destaque na grande mídia, que, lamentavelmente, privilegia a produção musical em função do seu apelo comercial e, não raro, nos empurra goela abaixo verdadeiro lixo cultural, por vezes, até importado. Não se aprecia o que não se conhece. Daí o mérito de ações como o Unimúsica, que nos permite conhecer uma Spokfrevo Orquestra (Recife/PE), excelente formação instrumental que explora um dos gêneros musicais brasileiros mais autênticos, o frevo. Que muitos “unimúsicas” proliferem por todo o Estado, abrigados em centros universitários e em outras instituições de difusão cultural. José Mariano Bersch, Porto Alegre

Este parágrafo, retirado da página 2 jornal do Correio do Povo do dia 22 de junho, é um dos vários depoimentos que recebemos após a realização de ações promovidas por este setor de cultura da UFRGS, a Difusão Cultural. Por que justamente este foi o escolhido para abrir esta edição de nossa agenda bimensal? Por sintetizar, em poucas palavras, o que acreditamos estar fazendo diariamente em nosso trabalho. A carta de José Mariano Bersch reforça a nossa aposta em proposições culturais que criem as condições necessárias para que as pessoas inventem seus próprios fins e se tornem assim sujeitos da cultura, como sugere o filósofo francês Francis Jeanson. Todo gestor cultural, ao lançar suas programações, parte de certos pressupostos, que são também desejos, vontades, expectativas. Mas o resultado, por mais planejada que seja cada ação, é, no limite, uma incógnita. Pois ele depende, no fundo, das percepções, das emoções e dos diálogos, alinhavados por cada das pessoas que compartilham conosco estas experiências. Claudia Boettcher Diretora

2


Spockfrevo / Marielen Baldissera 3


MÚSICA

U N I M Ú S I C A 2 012 – S É R I E ORQUESTR A S E BIG BANDS Orquestra à Base de Corda

Criada pelo músico e professor Roberto Gnattali em 1998, a Orquestra à Base de Corda, de Curitiba, dedica seu trabalho à pesquisa e à divulgação da música brasileira. A formação singular – violino, bandolim, cavaquinho, viola caipira, violão, violão 7 cordas, piano e percussão – confere ao grupo de instrumentistas paranaenses uma sonoridade bastante particular. O repertório abrangente inclui composições próprias e obras de diferentes períodos da história da música popular do Brasil, em arranjos especialmente elaborados pelos músicos da orquestra ou por artistas como Paulo Bellinati, Maurício Carrilho e Leandro Braga. Em 14 anos de atividade, a Orquestra à Base de Corda já dividiu o palco com convidados de peso; muitos deles estiveram no Unimúsica em edições anteriores do projeto: Mônica Salmaso, Andréa Ernest Dias, Caíto Marcondes, Ná Ozzetti, Renato Borghetti e Carlos Malta. O primeiro álbum da orquestra – o CD Antiquera, produzido em parceria com o violeiro Roberto Corrêa –, foi lançado em 2008. O segundo disco, Nosso som, está em fase de preparação, com lançamento previsto para este ano ainda. Desde 2001, a direção artística da Orquestra à Base de Corda está sob as mãos do violonista, bandolinista, arranjador e compositor João Egashira.

WORKSHOP Data: 04 de julho, quarta-feira Horário: 20h Local: Salão de Atos da UFRGS Av. Paulo Gama, 110 Inscrições: site www.difusaocultural.ufrgs.br, a partir de 25 de junho

ESPETÁCULO Data: 05 de julho, quinta-feira Horário: 20h Local: Salão de Atos da UFRGS Av. Paulo Gama, 110 A retirada de senhas pode ser realizada através da troca de 1kg de alimento não perecível por ingresso, a partir de 02 de julho, das 9h às 18h, no mezanino do Salão de Atos da UFRGS ou pelo site www.difusaocultural.ufrgs.br

Orquestra à Base de Corda / Luiz Cequenil

4


The Brothers Orchestra / divulgação

The Brothers Orchestra Formada em abril de 2010 por iniciativa do trompetista Alex Jardim Prinz, o Anjinho do trompete, a The Brothers Orchestra começou sua trajetória no In Sano, bar da Cidade Baixa de Porto Alegre, onde se apresenta até hoje todas as segundas-feiras. No palco, são vinte músicos divididos em naipes de trompetes, saxofones e trombones, além de bateria, piano, guitarra, baixo e percussão. Nas sessões regulares das segundas-feiras, o repertório é abrangente, podendo incluir clássicos do jazz, sambas e choros brasileiros, trilhas de cinema e ainda algo do pop internacional. Para o concerto do Unimúsica, que contará com a participação da Orquestra Popular da UFRGS e do maestro Marcelo Nadruz, a Brothers vem preparando um programa inédito. Duas novas versões de arranjos criados por Radamés Gnatalli para a orquestra da Rádio Nacional compõem a selação de músicas ao lado de obras de Ary Barroso, Assis Valente, Tom Jobim, Severino Araújo e outros mestres brasileiros.

ENSAIO ABERTO Data: 01 de agosto, quarta-feira Horário: 20h Local: Salão de Atos da UFRGS Av. Paulo Gama, 110 Inscrições: site www.difusaocultural.ufrgs.br, a partir de 23 de julho

ESPETÁCULO Data: 02 de agosto, quinta-feira Horário: 20h Local: Salão de Atos da UFRGS Av. Paulo Gama, 110 A retirada de senhas pode ser realizada através da troca de 1kg de alimento não perecível por ingresso, a partir de 30 de agosto, das 9h às 18h, no mezanino do Salão de Atos da UFRGS ou pelo site www.difusaocultural.ufrgs.br

5


MÚSICA

E R R ATA - P R O J E T O I N T E R L Ú D I O 2 012

Libertango! apresenta uma releitura de Piazzolla “Libertango” é uma das obras mais famosas do músico e compositor argentino Astor Piazzolla (1921 – 1992). Piazolla deixou uma imensa discografia, representativa da Argentina do século XX, mas também da música latino-americana, enraizada nos ritmos africanos, indígenas e europeus.

A proposta central do Grupo Libertango! é recriar o repertório desse artista, que, ao transferir-se para a Itália em 1973, criou novas linguagens musicais, entre elas o conjunto eletrônico. Esta formação possibilitou incitar uma audaciosa expressão musical, com diferentes timbres e instrumentos, em um

6

processo que rompeu paradigmas, comparáveis ao jazz e ao rock.

O espetáculo apresentado pelo grupo Libertango! tem a proposta de refazer a linguagem de liberdade criadas por Piazzolla. Nesta obra, o violinista Vinícius Farina e sua Gig – formada por Julian Texeira (baixo elétrico), Sergio Olivè (piano), Jean Pierre Bianchi (bandoneon) – fazem uma redução do original, dividindo-se nas vozes e as instrumentando neste espetáculo musical. O recital contará com a participação do contrabaixista Diego Fagundes.


Grupo UPA! apresenta sua mistura de voz e percussão corporal no Interlúdio O grupo UPA! é um núcleo musical independente regido por Federico Trindade, cuja ênfase é a música vocal percussiva, apresentando arranjos originais feitos por Pablo Trindade. O grupo é composto por 16 integrantes, dos quais a maioria são estudantes de graduação em Música (UFRGS e IPA). O grupo já participou de festivais internacionais em Montevidéu (2009-2010) e em Itajaí (2011). O espetáculo do grupo UPA! propõe-se a mostrar a essência da música popular, desde o afoxé, maracatu e sambas brasileiros ao candombe uruguaio. Com uma linguagem que foge da música coral tradicional, mistura a voz e o corpo (percussão corporal) como principais instrumentos, acompanhados por um núcleo instrumental formado por dois violões, cavaquinho, baixo, flauta e percussão tradicional.

“LIBERTANGO” E QUARTETO DE JAZZ Data: 20 de julho Horário: 12h30min Local: Palco do Salão de Atos da UFRGS Av. Paulo Gama, 110

GRUPO UPA! Data: 31 de agosto, sexta-feira Horário: 12h30min Local: Sala Fahrion – Prédio da Reitoria da UFRGS Av. Paulo Gama, 110 – 2º andar

divulgação evento / Marielen Baldissera

7


MÚSICA

NÚCLEO DA CANÇÃO Audição comentada com Zé Miguel Wisnik O compositor e ensaísta Zé Miguel Wisnik é o convidado de julho para compor a série de audições comentadas do Núcleo da Canção, em encontro que tem como tema o álbum duplo Indivisível, quarto disco de sua carreira, que foi lançado aqui mesmo na UFRGS, em dezembro de 2011, no encerramento do Projeto Unimúsica, série tempomúsicapensamento. Agora Wisnik e Indivisível retornam à nossa universidade, dessa vez na Sala II do Salão de Atos, onde somos convidados a escutar – o álbum e os comentários de Wisnik sobre a obra – e conversar sobre as canções no universo da obra do compositor e da música brasileira. Produzido por Alê Siqueira, que também assina a produção de discos de artistas como Marisa Monte, Bebel Gilberto e Omara Portuondo o álbum traz vinte e cinco músicas, entre faixas autorais, parcerias e versões, todas cantadas por Wisnik. Cada um dos discos do duplo Indivisível é dedicado a um instrumento principal. O primeiro álbum conta com o piano de Zé Miguel Wisnik para construir o clima mais denso dos arranjos das primeiras treze músicas. Já o segundo, elege a leveza e a precisão do violão de Arthur Nestrovski, que desenha as doze canções seguintes.

8

O Núcleo de Estudos da Canção, parceria do Departamento de Difusão Cultural com o Instituto de Letras e o Departamento de Música do Instituto de Artes, foi criado em 2008 com o objetivo de formar um espaço permanente para a troca de conhecimentos sobre a canção popular brasileira. Os encontros mensais têm formatos diversos, contemplando apresentação de pesquisas, entrevistas e audições comentadas no intuito de estimular a reflexão interdisciplinar sobre essa modalidade artística. O Núcleo da Canção é uma promoção da Pró-Reitoria de Extensão da UFRGS / Departamento de Difusão Cultural e tem a coordenação dos professores Luciano Zanatta e Luís Augusto Fischer.

AUDIÇÃO COMENTADA COM ZÉ MIGUEL WISNIK Data: 06 de agosto, segunda-feira. Horário: 19h Local: Sala II do Salão de Atos da UFRGS Av. Paulo Gama, 110 Inscrições: www.difusaocultural.ufrgs.br Wisnik / Renato Stockler


divulgação espetáculo / Andy Marshall

S O M N O S A L Ã O 2 012 Nenung e o Projeto Dragão Neste ano, o Salão de Atos da UFRGS apresenta a segunda edição do Projeto Som no Salão. Foram 72 trabalhos inscritos no edital voltado para a produção musical brasileira contemporânea de cunho autoral. O edital do Som no Salão é uma forma democrática de estabelecer uma relação com os produtores de conteúdo criativo e um equipamento cultural público, incentivando e difundindo manifestações artístico-musicais autorais que ainda não estão com trajetória consolidada no cenário cultural, promovendo a acessibilidade e, assim, firmando mais uma política cultural da universidade. O projeto compreende quatro noites de quartas-feiras trazendo ao palco do Salão de Atos a diversidade dos selecionados: a banda Serrote Preto, Nenung e o Projeto Dragão, Bandinha Di Da Dó e o grupo Zamba Ben. A abertura do projeto foi no dia 20 de junho, com apresentação do Serrote Preto, numa celebração que reuniu músicos ex-integrantes e da nova geração para relembrar canções marcantes da trajetória da banda. No mês de julho, Nenung e o Projeto Dragão se apresentam no dia 25, quarta-feira, com o show “Sereonato”, uma criação em parceria com o cineasta gaúcho Carlos Gerbase que conta a viagem fantástica do Navio Serenoato, tripulado por poetas “embriagados de lucidez” que naufraga no coração do Oceano Lúdico. O resgate da poesia que abarrotava

os porões do navio origina a aventura musical, uma viagem sonora pelo imaginário onde diversos personagens são trazidos à tona para inspirar, divertir e convidar o público a mergulhar junto, participando do resgate da poesia perdida, no imenso mar de imagens e sonhos que existe em cada pessoa. A fusão de cenografia, projeções e intervenções teatrais e poéticas é somada à poesia e sonoridade singular dos Dragões dando o tom da aventura musicada: blues com toques de rock, black music com raiz brasileira, baladas inspiradas e performances únicas para incitar o resgate da música, da poesia, da arte cotidiana. Um rito sonoro, estético, poético. Os próximos shows do Som no Salão serão no dia 19 de setembro com o lançamento do CD da Bandinha Di Da Dó e encerrando, no dia 24 de outubro, o animado baile do grupo Zamba Ben. Todas as apresentações têm entrada franca e a troca do ingresso pode ser feita com a doação de um agasalho.

SHOW NENUNG E O PROJETO DRAGÃO Data: 25 de julho, quarta-feira Horário: 20h Local: Salão de Atos da UFRGS Av. Paulo Gama, 110 Informações: www.ufrgs.br/salaodeatos

9


MÚSICA

SAL A DO SOM Projeção Sonora de obras eletroacústicas Punctum (2009) – Marcelo Villena

Ç’ôite: Os caminhos de Santiago (2012)

PUNCTUM

Alberto Tusi - Estréia

Peça de música eletrônica composta em 2008 na disciplina Música Eletroacústica I, ministrada pelo Prof. Dr. Eloy Fritsch.

Música eletroacústica do tipo Paisagem Sonora, Ç’ôite é mais que um passeio pela interiorana cidade de Santiago (RS), cidade natal do compositor, ela é uma fagulha de sonho. Os marcos sonoros foram estabelecidos intuitivamente por terem permeado os ouvidos do compositor durante toda infância, fazendo permanentemente parte de sua constituição musical.

O título faz referência aos materiais empregados na sua construção: sonoridades curtas e de ataques bem definidos, que foram trabalhadas sobre a ideia geral de criar um “contraponto” eletrônico. Bacharel em composição musical pela UFRGS (20062009) sob orientação do Prof. Dr. Antônio Carlos Borges Cunha. Sua produção abrange peças para instrumento solo, formações camerísticas, eletroacústica, eletroacústica mista, música vocal, coral e ópera de câmera. Atualmente é mestrando no curso de música da UFPR na linha de pesquisa Teoria e Criação sob orientação da Profª. Drª. Roseane Yampolschi.

.

.

. . . . ... (2009) – Ricardo Herdt

Uma obra que preza pela simplicidade de seus materiais. Sons em sua maioria secos, percussivos, ora dispostos isoladamente, destacando o caráter rítmico da peça, ora concentrados em uma massa que lhe dá corpo. Os demais são ressonâncias, esses sons extremamente agudos que sempre acompanham o compositor desta obra nos momentos de absoluto silêncio. Ricardo Gabriel Herdt nasceu em Curitibanos (SC). Iniciou seus estudos de graduação na UDESC (Florianópolis), onde cursou por dois anos Licenciatura em Música, tendo ingressado posteriormente na faculdade de Musicologia da Universidade de Leipzig (Alemanha). Foi bolsista do Centro de Música Eletrônica e formou-se em Composição Musical sob a orientação do Prof. Dr. Antonio Carlos Borges Cunha na UFRGS.

Alberto Ritter Tusi nasceu em 1989 em Santiago (RS), estudou na tradicional Escola de Música e Belas Artes do Paraná, local onde tomou gosto pela composição musical. Atualmente cursa o último ano da graduação em composição musical e está produzindo obras que esteticamente remetem à fé e às formas da natureza de sua terra.

Estudo de Túneis (2008) – Ricardo Eizirik Peça eletroacústica em que as motivações estéticas provêm, em parte, de observações pessoais dos túneis da cidade de Porto Alegre, das quais foi extraído a ambientação geral da peça. Em outro nível vêm as questões de estruturação da peça, estruturação essa que corresponde em parte a uma ideia de desenvolvimento contínuo mas “consciente” do que passou. Ricardo S. Eizirik nasceu em 1985 na cidade de Ribeirão Preto. É compositor com atuação extensa na área de Produção Transdisciplinar e Música Erudita Contemporânea. Em 2010 graduou-se em Composição Musical sob orientação do maestro Prof. Dr. Antonio Carlos Borges Cunha. Atualmente realiza dois Mestrados em Zurique, na Suíça – Composição Musical, orientação de Isabel Mundry e Transdiciplinaridade na Zürcher Hochschule der Künste. www. ricardoeizirik.com

PROJEÇÃO SONORA DE OBRAS ELETROACÚSTICAS Data: 21 de agosto, terça-feira Horário: 18h Local: Sala dos Sons – Av. Paulo Gama, 110 2º andar da Reitoria da UFRGS

10


Difusão sonora de obras musicais eletroacústicas do Compositor Luciano Zanatta Aparelho e Composição (2012) Recital onde são apresentadas composições resultantes de um trabalho investigativo em Composição Musical. Explora-se aqui a relação entre “composição” e “aparelho”, onde composição é o resultado de um processo e aparelho é um dispositivo que proporciona um certo tipo de atividade e/ou interação. O programa será composto por sete obras em primeira audição, todas produzidas em 2012. As peças consistem em combinações de hardware e software montadas com vistas a que se obtenha um resultado musical singular – individualizando em cada obra a imbricação composição/aparelho. Esta relação indissociável torna enevoada a separação entre a concepção da obra e a sua realização no tempo, caracterizando-se, pois, cada peça como uma composição-performance. As peças apresentadas neste recital serão espacializadas utilizando os recursos da Orquestra de Alto-falantes da Sala dos Sons, em sistema Hexafônico e 7.1.

Luciano Zanatta nasceu em Porto Alegre em 1973. Estudou Composição na Ufrgs com Celso Loureiro Chaves e Antônio Borges Cunha, obtendo os títulos de Bacharel, Mestre e Doutor em Composição. Participou do grupo o Os Relógios de Frederico, lançando três discos. Gravou também um disco solo chamado Volume 2. Atualmente é professor adjunto do Dep. De Música da Ufrgs.

APARELHO E COMPOSIÇÃO (2012) Data: 17 de julho, terça-feira Horário: 18h Local: Sala dos Sons – Av. Paulo Gama, 110 2º andar da Reitoria da UFRGS divulgação / Sergiu Bacioiu

11


MÚSICA

P R O J E T O VA L E D O Z E E T R I N TA 2 012 E você, conseguiu votar para o Vale? Durante o mês de junho, 12 das 29 bandas inscritas no projeto Vale Doze e Trinta foram pré-selecionadas para a votação do público. Somente as 4 bandas mais votadas irão tocar no campus do Vale, nos meses de agosto a novembro. Sempre na 2ª terça-feira de cada mês, no Campus do Vale da UFRGS, às 12h30.

7.

Picanha de Chernobyll

8.

Presidente Nero

11.

Vegas HR

Desafiamos as bandas e o público a votar pela primeira através do Facebook e, como resposta, obtivemos uma votação acirrada: em apenas duas semanas, mais de três mil votos já haviam sido contabilizados. Através do perfil do Departamento de Difusão Cultural, a galera pode ficar antenada na votação da sua banda favorita e na contagem dos votos. Dia 8 de julho a votação será encerrada, e os 4 grupos mais votados poderão se apresentar no projeto.

12.

Wannabe Jalva

No dia 14 de agosto, 4 das 12 bandas abaixo se apresentarão no Vale, são elas:

9. Revulsônica 10. Superlobos

Curta a página do DDC no Facebook: facebook.com/ddc.ufrgs

VALE DOZE E TRINTA SHOW BANDA SELECIONADA

1.

Clarissa Mombelli

Data: 14 de agosto, terça-feira

2.

Dingo Bells

Horário: 12h30min

3.

Doutor Roberto

4.

Duo In Cix

Local: Praça central Campus do Vale da UFRGS

5. Fantoches

Em caso de chuva, o show será transferido para o

6.

dia 15/08, no mesmo horário.

L’etoile est morte

divulgação espetáculo / Marielen Baldissera

12


CINEMA

JULHO

M - O Vampiro de Dusseldorf

Cinema expressionista alemão Nas três primeiras semanas de julho, a Sala Redenção – Cinema Universitário dedica sua programação a um dos períodos mais ricos em influências da cinematografia mundial: o expressionismo alemão*. Não é uma tarefa fácil delimitar o que vem a ser uma cinematografia expressionista, já que não se trata de uma definição baseada em padrões estéticos rigorosos. A arte expressionista teve influência, como o próprio nome sugere, da pintura. No campo do cinema, o expressionismo alemão teve seu apogeu após a Primeira Guerra Mundial. A Alemanha saía da guerra, além de enfraquecida e completamente empobrecida, humilhada e ressentida. E é dentro deste quadro que sofrerá influência do Expressionismo, um movimento artístico moderno que se contrapõe ao Realismo do século XIX. Tal movimento artístico é influenciado por várias vertentes das artes, que davam vazão ao mundo interior do artista, aos estados da alma e seus tormentos. Dessa forma, o cinema do expressionismo alemão trará como temática justamente a loucura, a angústia, o sobrenatural, a monstruosidade, o grotesco. Quanto ao estilo cinematográfico, o expressionismo alemão é saliente, mas baseado praticamente na mise-en-scène: a cenografia é estilizada, distorcida (a deformação da perspectiva); a interpretação é não naturalista, exagerada, grotesca e teatralizada; a iluminação e trabalhada e com grandes contrastes. Ao contrário do cinema soviético (com sua ênfase na montagem),

no cinema expressionista a montagem e a câmera são até certo ponto neutras para não interferir no privilégio dado à mise-en-scène. Os principais cineastas deste período são: F. W. Murnau, Fritz Lang, Paul Leni, entre outros. O gabinete do Dr. Caligari (1921), de Robert Wiene, é considerado uma das obras-primas do expressionismo alemão. Um dado importante é que o cinema alemão do período é geralmente apontado como o “carro chefe” cultural da instável República Weimar (1919-1933) e, por isso, uma das fontes preparadoras do nazismo, adquirindo em função disso uma ambígua reputação. É preciso, entretanto, salientar que vários cineastas, atores e técnicos alemães foram obrigados a buscar asilo em outros países justamente no período do apogeu do movimento nazista. Com isso, as influências “expressionistas” se espalharam em diferentes pontos do mundo, principalmente nos Estados Unidos. Em nossa mostra, exibiremos filmes de vários importantes diretores do cinema realizado neste período Tânia Cardoso de Cardoso, curadora

* Texto elaborado a partir do artigo: CÁNEPA, Laura Loguercio. Expressionismo alemão. In: História do Cinema Mundial. Fernando Mascarello (Org). Papirus Editora, 5ª edição. Campinas, SP.

13


CINEMA

Mostra Vincent Price Sala Redenção – Cinema Universitário e Arte Sesc – Cultura por toda parte se unem para oferecer mais uma programação de cinema. Nas duas últimas semanas de agosto, para todos que curtem o cinema de horror, teremos uma Mostra Vicent Price. Apesar de ter transitado em vários gêneros ao longo de sua carreira, o ator sempre teve seu nome vinculado aos filmes de horror. Price iniciou sua carreira no teatro na década de 1930, carreira esta que será conciliada, mais tarde, com o cinema. Sua estreia em Hollywood aconteceu após sua consagração no teatro – inclusive, o ator chegou a trabalhar com Orson Welles no Mercury Theater. Sua primeira participação em um filme de horror ocorre em A torre de Londres (1939), no qual atuou junto com outros dois grandes atores de filmes de horror: Basil Rath Bone e Boris Karloff. Em 1940, será o protaginista de Invisible man returns, dirigido por Joe May. Principalmente a partir de 1950, tanto no teatro como no cinema, seus papéis de destaque serão de vilões e de personagens dúbios, mesmo que durante toda sua vida tenha se empenhado para se livrar deste

14

estigma. Vicent Price, logo após atuar em O museu de Cera (1953), um dos papéis mais marcantes de sua filmografia, é acusado, durante a “caça às bruxas” pelo senador MacCarthy, de ser simpático à ideologia comunista. Em função de tal acusação, somente em 1955 Price volta a ter um papel de destaque no longa Os dez Mandamentos, de Cecil B. De Mille, quando interpreta o perverso arquiteto Baka. Em 1958, estrela A mosca de cabeça Branca, uma história que mistura drama, horror e ficção científica. Em 1959, protagoniza dois filmes de William Castle: A Mansão dos maus espíritos – contemplado na mostra – e Força Diabólica. Com estes dois filmes, o autor se firma como uma das grandes referências dos filmes de horror e de mistério. Uma curiosidade importante é que em vários trailers de seus filmes, Price olha diretamente para a câmera e se apresenta para o espectador como o mestre do macabro. Na década de 1960, Roger Corman lança a ideia de um ciclo de filmes baseado em obras obras de Edgar Alan Poe, protagonizados por Vicent Price, que gosta do projeto por ser um grande admirador de Poe.


Price e Corman realizam oito filmes juntos, sendo que O Solar Maldito (1960) foi um grande sucesso. Apesar dos ótimos resultados finais dos filmes produzidos por Corman, este se vê confrontado pela repetição de fórmulas e a solução encontrada foi a adição do humor, como podemos ver em Muralhas do Pavor (1962) e O Corvo (1963), ambos contemplados em nossa mostra. Nos anos 1970, atua em O Abominável Doutor Phibes (1971), de Robert Fuest. No início da década de 1980, Price dedica-se mais às dublagens e narrações do que ao cinema. Faz várias participações como narrador, sendo que a mais conhecida é a que fez, em 1982, da narração do poema macabro presente na faixa de Thriller do álbum de Michael Jackson. De 1981 a 1989, apresenta o programa Mystery!, no qual apresenta histórias de detetives para a televisão. Em 1982, ganha uma homenagem do cineasta Tim Burton, no curta-metragem de animação Vincent, em que faz a narração da história de um menino com ideias sinistras que sonha em ser Vicent Price. Seu último filme, também de Tim Burton, é Edward, mãos de tesoura (1990), no qual

interpreta o pai/inventor de Edward, o jovem que tem tesouras no lugar das mãos. Nessa Mostra estão contemplados oito filmes protagonizados pelo ator entre os anos de 1959 e 1974. Vicent Price morre em 1993, deixando uma filmografia bastante conhecida por todos aqueles que se interessam pelos filmes de horror. É um pouco da trajetória deste cultuado ator que a Sala Redenção – Cinema Universitário e o Arte Sesc – Cultura por toda parte oferecem ao seu público.

A Mostra Vicent Price é uma realização da Sala Redenção – Cinema Universitário e Arte Sesc – Cultura por toda parte. Os filmes da Mostra fazem parte do acervo do CineSesc.

* Texto elaborado a partir do artigo: GAMBA, Janaína. Grite, Grite outra vez! – um estudo de caso sobre o Starsystem e Vicent Price. Porto Alegre, 2001.

O Abominável Dr. Phibes

15


CINEMA

AGOSTO Mostra Stanley Kubrick

Nas três primeiras semanas de agosto, a Sala Redenção – Cinema Universitário dedica sua programação ao diretor Stanley Kubrick. A relação de Kubrick com as imagens começa pela fotografia, quando seu pai lhe dá uma graflex profissional aos 13 anos. Aos 16 anos torna-se fotógrafo da Look. Foi essa relação com a fotografia que o levou a pensar em trabalhar com cinema. Primeiro como fotógrafo, mas, com o tempo, ele passa a querer realizar e montar seus próprios filmes. O cineasta começa sua carreira como realizador com o curta-metragem Day of fight (1950), considerado muito bem-concebido para um primeiro filme, com fotografia e enquadramentos perfeitos. Em 1956, já em Hollywood e como sócio do produtor James B. Harris, realiza seu primeiro filme de estúdio, O grande golpe. Em 1957, lança Glória feita de sangue, uma adaptação do romance de Humphrey Cobb, Path of gloria. Na sua estreia, o filme causou controvérsias em boa parte do mundo, inclusive sen-

16

do proibido na França até 1974. Em 1959, recebe o convite de Kirk Douglas para filmar Spartacus (1960), após o diretor Anthony Mann ser demitido. Este seria seu primeiro longa colorido. Kubrick enfrentou muitos problemas na realização do filme e mesmo que tenha obtido grande sucesso, não considerava este como um de seus filmes, já que seu poder sobre ele foi limitado. Após este filme, realiza Lolita (1962), uma adaptação do romance de Vladimir Nabokov, filmado na Inglaterra. O filme foi alvo de várias críticas, mas Kubrick conseguiu fazer o filme sem muita interferência dos estúdios e dos censores. Este foi o último realizado em associação com o produtor James B. Harris, quando Kubrick começa, então, a produzir seus próprios filmes. O primeiro deles é Doutor Fantástico (1964), baseado no livro Alerta Vermelho, do escritor Peter George. Preocupado com a guerra nuclear, Kubrick lê muito sobre o assunto, mas chega à conclusão de que, na realida-


de, ninguém sabia nada de concreto sobre o tema e que tudo era um perfeito absurdo. De uma história séria sobre a questão, o cineasta cria uma sátira de humor negro. Em 1968, lança 2001: uma odisséia no espaço, baseado no livro de Arthur C. Clarke. O filme é considerado um poema visual sobre a evolução do homem – para alguns uma experiência mais visual do que verbal. Com tal filme, Kubrick ganha o Oscar de melhores efeitos especiais (único Oscar que ganhará durante toda sua carreira). Seu próximo longa, um dos mais conhecidos de sua filmografia, é Laranja mecânica (1971), baseado no romance de Anthony Burgess. Com ele, encerra-se a trilogia futurista. Em 1975, lança Barry Lyndon, baseado no livro de William Makepeace Thackery, um de seus filmes mais subestimados e incompreendidos. Nele, o diretor resolveu retratar o século XVIII, utilizando a sua luz natural, isto é, a luz de velas. Com uma lente feita pela NASA para ser utilizada na lua, ele adaptou a câ-

mera a ela. Em 1980, Kubrick se aventura pelo terror e filma O iluminado – baseado em um best-seller de Stephen King. As críticas negativas foram compensadas pelo grande êxito de bilheteria, e o cineasta volta a filmar em 1987 com Nascido para matar, adaptação do livro de um ex-militar, Gustav Hasford, sobre a guerra do Vietnã. O filme concentra-se na tentativa do soldado Joker para manter sua sanidade mental num ambiente de loucura e descontrole. Seu último filme, De olhos bem fechados é baseado no romance Rhapsody – a dream novel de Arthur Schnitzler – é de 1999. A fotografia deste filme, seu ritmo lento, os movimentos de câmera e os amantes atormentados lembram os filmes de Michelangelo Antonioni. Logo após a finalização de tal filme, no dia 7 de março de 1999, Stanley Kubrick morre durante o sono aos 70 anos.

Kubrick no set de gravação

17


CINEMA

Cinema e Jornalismo Esportivo Nas duas semanas finais de agosto, a Sala Redenção – Cinema Universitário conta com mais uma programação especial. A temática em questão é jornalismo esportivo. Convidamos Marcelo Pizarro Noronha – pós-doutorando em Antropologia Social e especialista em Jornalismo Esportivo pela UFRGS – para criar de forma conjunta a programação do ciclo Cinema e Jornalismo Esportivo. No texto que segue, Noronha faz uma pequena introdução a respeito do tema. Nos próximos anos, o Brasil sediará dois megaeventos esportivos. Estamos falando da Copa do Mundo (2014) e dos Jogos Olímpicos (2016), espetáculos de ampla cobertura midiática em termos internacionais, que envolvem inúmeros atores e questões. Por meio do futebol, por exemplo, podemos problematizar temáticas, tais como a da identidade, a da religiosidade e a do racismo. O chamado “esporte das multidões” pode ser considerado um fato social, uma vez que está inserido em diferentes dimensões culturais e políticas, bem como uma metáfora da globalização (como diriam alguns importantes historiadores), por conta das constantes transferências de jogadores em nível continental. É crescente a quantidade de sociólogos e de antropólogos que fazem do esporte um objeto de investigação, ora estranhando práticas esportivas, ora se apaixonando por elas.

18

Existem também pesquisadores (embora em menor número) que tratam o esporte como alienação, por compreenderem o corpo atlético como mercadoria. Os estudos de gênero também se debruçam sobre o campo esportivo, questionando papéis sociais e sexualidade(s). São muitos os olhares – e os sentimentos – sobre o universo do esporte e, por esse motivo, queremos possibilitar com este ciclo a discussão sobre os modos como ele é representado, sobretudo no cinema. Os filmes escolhidos lidam com alguns dos elementos simbólicos que constituem o campo esportivo, sabidamente produtor de mitos e de rituais de passagem que fazem dos atletas verdadeiros heróis (ou vilões, em alguns casos). A avaliação destas obras sugere a reflexão sobre os discursos midiáticos, que diariamente alimentam o nosso imaginário, por meio de suas notícias, contribuindo para a construção e para a desconstrução de ídolos. Para tanto, temos que reconhecer o esporte como linguagem e como arte, capaz de encantar e de mover bilhões de pessoas – e de dólares – em torno de uma bola, de um estádio, de uma raia, de uma televisão. Este é um convite não apenas aos jornalistas especializados, mas a todos aqueles que tratam o esporte como um fenômeno cultural. Boa parte da programação deste ciclo aborda o futebol,


Invictus

devido à proximidade da Copa do Mundo e à relevância deste esporte para o país. O boxe também integra a seleção de filmes, caracterizando-se como uma modalidade comumente representada de forma dramática, sendo o lutador, vencedor ou não, alguém que geralmente sofre muito para manter-se em pé no ringue, que é uma alegoria da sua própria vida. O basquete, o futebol norte-americano e a queda de braço compõem os outros esportes que serão abordados no ciclo. De modo geral, as principais personagens de cada filme selecionado fazem do esporte, no contexto das obras, um trabalho e uma catarse, pois, em meio às práticas esportivas (incluindo treinamentos), questionam suas escolhas e suas trajetórias de vida, sendo o esporte um caminho de superação para problemas pessoais e familiares. Não é raro, nos filmes que dialogam com o esporte, presenciarmos tragédias e redenções, derrotas e vitórias, como num jogo, torneio ou campeonato. Os adversários dos nossos atletas-heróis muitas vezes são eles próprios, o que lhes exige um grande esforço em busca do autoconhecimento. A análise dos filmes, ou mesmo o sentir sobre eles, implica a atenção sobre diferentes elementos que fazem parte das obras, como a música. Filmes como Rocky, um lutador (1976) e Carruagens de fogo (1981), por

exemplo, que não fazem parte do ciclo, mas que nem por isto devem deixar de ser mencionados, por se tratarem de clássicos, tornaram-se famosos, em parte, por conta da sua trilha sonora. O figurino, a fotografia, enfim, as várias linguagens presentes no cinema – esta generosa arte, que acolhe tantas outras –, precisam ser exploradas. Retomando a questão do esporte como arte, chamamos a atenção para um texto de Ziraldo* (Pelegrino & Petrônio), que atribuiu a Pelé o dom de ser simultaneamente um jogador e um artista – um bailarino! O jornalismo esportivo, por vezes, trilha este poético (e também ideológico) caminho, colaborando, por meio de suas narrativas (visuais, sonoras, outras) para a “espetacularização” do esporte, divinizando e/ou demonizando confederações, atletas e clubes, mas, sobretudo, compartilhando com o seu imenso e diversificado público a paixão pelo esporte. Curadoria de Tânia Cardoso de Cardoso e Marcelo Pizarro Noronha

* PINTO, Ziraldo Alves. Pelegrino & Petrônio. São Paulo: Melhoramentos, 1990. Coleção Corpim.

19


CINEMA

JULHO Mostra Expressionismo Alemão

O GABINETE DO DR. CALIGARI 02 de julho – 2ª feira – 16h 04 de julho – 4ª feira – 19h (Das Cabinet des Dr. Caligari, 1912, Alemanha, 78 min.) Dir. Robert Weiner Num pequeno vilarejo da fronteira holandesa, um misterioso hipnotizador, Dr. Caligari, chega acompanhado do sonâmbulo Cesare, que, supostamente estaria adormecido por 23 anos. À noite, Cesare perambula pela cidade, concretizando as previsões funestas do seu mestre. Clássico do horror e um dos melhores já feitos de todos os tempos. A gênese do estilo expressionista no cinema.

NOSFERATU

FAUSTO

03 de julho – 3ª feira – 19h 05 de julho – 5ª feira – 16h (Nosferatu, 1922, Alemanha, 94 min.) Dir. F. W. Murnau Hutter (Gustav von Wangenheim), agente imobiliário, viaja até os Montes Cárpatos para vender um castelo no Mar Báltico cujo proprietário é o excêntrico conde Graf Orlock (Max Schreck), que na verdade é um milenar vampiro que, buscando poder, se muda para Bremen, Alemanha, espalhando o terror na região. Curiosamente quem pode reverter esta situação é Ellen (Greta Schröder), a esposa de Hutter, pois Orlock está atraído por ela.

06 de julho – 6ª feira – 19h 09 de julho – 2ª feira – 16h (Eine Deutsche Volkssage, 1926, Alemanha, 116 min.) Dir. F. W. Murnau Dividido em duas partes, o filme recria o pacto de Fausto com Mefistófoles (do clássico literário homônimo) e, no segundo momento, o drama de Goethe, a tragédia de Gretchen. Situando a ação no final da Idade Média, Murnau concebe uma atmosfera mística a partir dos contrastes de iluminação, que remetem à pintura de Rembrandt.

O GOLEM 02 de julho – 2ª feira – 19h 03 de julho – 3ª feira – 16h (Der Golem, 1920, Alemanha, 98 min.) Dir. Paul Wegener O Golem, mito de uma lenda judaica, é um ser de barro que ganha vida quando um mago usa a mágica de um antigo livro da Cabala. O monstro de barro, interpretado pelo próprio diretor Paul Wegener, foi criado para proteger os judeus dos ataques antissemitas. Paul Wegener já tinha levado duas vezes o mito do Golem para o cinema. Esta terceira versão é, sem dúvida, a mais bela, brilhantemente iluminada e fotografada pelo célebre fotógrafo do expressionismo alemão Karl Freund. Este filme influenciou vários filmes de Hollywood, especialmente Frankestein.

20

DR. MABUSE: O JOGADOR A ÚLTIMA GARGALHADA 05 de julho – 5ª feira – 19h 06 de julho – 6ª feira – 16h (Der Letzte Mann, 1924, Alemanha, 91 min.) Dir. F. W. Murnau A Última Gargalhada é um dos mais notáveis trabalhos artísticos do movimento expressionista. O ator Emil Jannings interpreta o papel de um porteiro, cuja felicidade se desfaz quando ele é aposentado de seu cargo, que outrora o trouxera alegrias e orgulho.

09 de julho – 2ª feira – 19h 10 de julho – 3ª feira – 16h (Dr. Mabuse: der Spieler, 1922, Alemanha, 297 min.) Dir. Fritz Lang Líder de uma quadrilha, Dr. Mabuse planeja um grande golpe: o roubo de informações privilegiadas da bolsa de valores. Depois de usar seus poderes psíquicos em um golpe no jogo de cartas, Mabuse começa a ser investigado pelo Comissário Von Wenk. Mas as poucas pistas fazem com que o comissário procure alguém para ajudá-lo no caso.


METRÓPOLIS

OS MIL OLHOS DO DR. MABUSE

O GATO E O CANÁRIO

12 de julho – 5ª feira – 16h (Metropolis, 1926, Alemanha, 119 min.) Dir. Fritz Lang Metrópolis se passa em 2026. A população está dividida em duas classes: a elite dominante e a classe operária, que vive num mundo subterrâneo, escravizada pelas monstruosas máquinas que fazem a cidade funcionar a todo vapor. Uma revolução operária é planejada, mas sempre impedida por Maria, uma espécie de “líder pacifista” dos trabalhadores, que acha que tudo poderá ser resolvido quando as duas classes se unirem para o bem comum. É quando o chefe da cidade pede a um cientista maligno que construa um robô à imagem e semelhança dela, para que possa gerar a discórdia entre os trabalhadores.

13 de julho – 6ª feira – 19h 16 de julho – 2ª feira – 16h (Die 1000 Augen des Dr. Mabuse, 1960, Alemanha Ocidental/França/ Itália, 103 min.) Dir. Fritz Lang Mabuse regressa para destruir o mundo de vez. Através de uma rede de televisão, ele vigia os clientes de um luxuoso hotel com o objetivo de roubá-los e matá-los. O milionário Trevors e a Interpol se unem então para capturá-lo. Último filme de Fritz Lang e de sua trilogia Dr. Mabuse.

17 de julho – 3ª feira – 19h 18 de julho – 4ª feira – 16h (The Cat and The Canary, 1927, EUA, 84 min.) Dir. Paul Leni Após 10 anos da morte de um homem rico, seu testamento traz a condição de que a herdeira somente receba sua fortuna se for considerada sã, ou então outra pessoa fica com a herança, cujo nome estaria em um envelope selado. Mas o sumiço do advogado, antes que se revelasse a identidade desta outra pessoa, é o primeiro de uma série de eventos misteriosos.

M – O VAMPIRO DE DUSSELDORF 12 de julho – 5ª feira – 19h 13 de julho – 6ª feira – 16h (M − Eine Stadt sucht einen Mörder, 1931, Alemanha, 117 min.) Dir. Fritz Lang No final da década de 1920, um assassino de crianças aterroriza uma cidade alemã. A polícia sai à procura do infanticida, deixando as ruas repletas de tiras, ameaçando as atividades criminosas do submundo do crime. A bandidagem organiza-se e captura o assustado assassino, levando-o para um julgamento onde decidirão se o entrega a justiça ou o condena à morte.

O GABINETE DAS FIGURAS DE CERA 16 de julho – 2ª feira – 19h 17 de julho – 3ª feira – 16h (Das Wachsfigurenkabinett, 1924, Alemanha, 65 min.) Dir. Paul Leni, Leo Birinsky Um jovem poeta é contratado por um museu de cera para escrever as biografias de três grandes criminosos: o califa Harun al Raschid; Ivan, o Terrível; e Jack, o Estripador. Uma das obras-primas do expressionismo alemão. Três visões diversas e independentes da maldade humana, narradas de formas variadas e em episódios de tamanho desigual.

O HOMEM QUE RI 19 de julho – 5ª feira – 19h 20 de julho – 6ª feira – 16h (The Man Who Laughs, 1928, EUA, 110 min.) Dir. Paul Leni Baseado no romance de Victor Hugo, o filme enfoca o herdeiro de um ducado, Gwynplaine (Conrad Veidt), sequestrado quando garoto e, por ordem do rei, desfigurado num perpétuo riso forçado; ele se torna uma atração de circo, famoso palhaço.

21


CINEMA

O ESTUDANTE DE PRAGA

A QUEDA DA CASA DE USHER

DR. MORTE

20 de julho – 6ª feira – 19h (Der Student Von Prag, 1926, Alemanha, 91 min.) Dir. Henrik Galeen Balduin, jovem estudante, exímio esgrimista, enfrenta problemas financeiros que o impedem de cortejar a condessa pela qual se apaixonou. Mas um homem sinistro surge, oferecendo uma solução para seus problemas e exigindo, em troca, sua sombra.

23 de julho – 2ª feira – 19h 24 de julho – 3ª feira – 16h (House of Usher, 1960, EUA, 79 min.) Dir. Roger Corman Baseado em uma história de Edgar Allan Poe, o filme narra a história de Philip Winthrop, que chega à mansão Usher com o intuito de levar sua amada, Madeline, para sua cidade. Chegando lá ele confronta-se com o irmão dela, Roderick, que vai revelando, um a um, os aterrorizantes segredos de sua família.

26 de julho – 5ª feira – 19h 27 de julho – 6ª feira – 16h (Madhouse, 1974, EUA, 91 min.) Dir. Jim Clark O mestre do macabro, Vicent Price, une-se a outro ator especialista em filmes de horror, Peter Cushing, para formar a dupla de protagonistas nesta fantasia do medo que envolve uma série de assassinatos durante a produção de um filme para TV. Um digno filme de horror com toque de mistério. Uma autoparódia divertidíssima, deixando Vincent Price muito a vontade para interpretar um personagem que ele incorporou durante quase toda a sua vida.

Mostra Vincent Price

MURALHAS DO PAVOR

A CASA DOS MAUS ESPÍRITOS 23 de julho – 2ª feira – 16h 25 de julho – 4ª feira – 19h (House on Haunted Hill, 1959, EUA, 75 min.) Dir. William Castle Frederick Loren (Vincent Price) é o dono de uma sinistra mansão em uma sinistra colina, que oferece 10 mil dólares para cada um dos seus inimigos se eles concordarem em passar uma noite na casa. Frederick dá para cada um dos seus convidados um pequeno caixão contendo uma arma. Ele então começa a acionar diversos dispositivos para amedrontar seus convidados e fazê-los usar suas armas. Porém, por mais estranho que possa parecer, ele não é o mais maquiavélico das pessoas da casa. Esta honra vai para Annabelle Loren (Carol Ohmart), sua mulher, e o Dr. David Trent (Alan Marshal), seu amante.

22

AS SETE MÁSCARAS DA MORTE

24 de julho – 3ª feira – 19h 26 de julho – 5ª feira – 16h (Theater of Blood, 1973, Inglaterra, 104 min.) Dir. Douglas Hickox Edward Kendall Sheridan Lionheart pensava ser um dos melhores atores shakesperianos de seu tempo, mas na verdade era medíocre e suas atuações exageradas. Para vingar-se de seus críticos, ele e sua filha, Edwina, traçam um plano para matar um a um. Assim, todos os que falaram mal da atuação de Edward são mortos da mesma forma que os personagens de Shakespeare.

27 de julho – 6ª feira – 19h 30 de julho – 2°feira – 16h (Tales of Terror, 1962, EUA, 99 min.) Dir. Roger Corman O mestre do macabro Vicent Price, une-se a outro ator especialista em filmes de horror, Peter Cushing, para formar a dupla de protagonistas nesta fantasia do medo, que envolve uma série de assassinatos durante a produção de um filme para TV. Um digno filme de horror, com toque de mistério. Uma auto-paródia divertidíssima, deixando Vincent Price muito a vontade pra interpretar um personagem que ele incorporou durante quase toda a sua vida.


NO DOMÍNIO DO TERROR

O CORVO

30 de julho – 2ª feira – 19h (Twice-Told Tales, 1963, EUA, 104 min.) Dir. Sidney Salkow Trilogia de episódios baseada em contos de Nathaniel Hawthone: “Dr. Heidegger’s Experiment” (cientista desenvolve uma fórmula para o rejuvenescimento, mas com conseqüências assustadoras); “Rappaccini’s Daughter” (versão bizarra de “Rapunzel”); “The House of the Seven Gables” (adaptação de um filme que o próprio Vincent Price fez nos anos 1940).

31 de julho – 2ª feira – 19h (The Raven, 1963, EUA, 83 min.) Dir. Roger Corman Baseado no poema gótico de Edgar Allan Poe, conheça um dos maiores clássicos do terror B de todos os tempos. A história é sobre dois bruxos que duelam pela supremacia na magia. No elenco, um Jack Nicholson ainda em início de carreira.

PARCEIROS DA SALA REDENÇÃO Com AD – Sessões comentadas

EM TEU NOME

O ABOMINÁVEL DR. PHIBES 31 de julho – 2ª feira – 16h (The Abominable Dr. Phibes, 1971, USA, 94 min.) Dir. Robert Fuest Homem tem o rosto desfigurado no mesmo acidente de carro em que sua esposa morre. Convencido de que a culpa é da equipe médica que a atendeu, ele sai em busca de vingança.

04 de julho – 4ª feira – 9h (2009, Brasil, 102 min.) Dir. Paulo Nascimento No início dos anos 1970, o Brasil vivia o endurecimento da ditadura militar. A sociedade se organizava e resistia das mais variadas maneiras. Alguns grupos políticos optaram pela luta armada para enfrentar o regime. Neste contexto surge Boni, um estudante de engenharia de origem humilde que adere à luta armada, mas carrega dúvidas e medos a respeito de sua escolha. Boni teme pela família, pela namorada e pelo futuro, que parece mais incerto a cada dia. Como tantos, é preso, torturado e banido do país ao ser trocado por um embaixador suíço no chamado Grupo dos 70. Baseado na história real de João Carlos Bona Garcia.

CineDHebate Cineastas A América de Frank Capra

SUA ESPOSA E O MUNDO 04 de julho – 4ª feira – 16h (State of the Union, 1948, EUA, 124 min.) Dir. Frank Capra Tracy vive Grant Matthews, um magnata que decide concorrer à indicação do Partido Republicano para Casa Branca. Antes de dar o pontapé inicial na campanha, porém, ele reata o casamento com a esposa Mary, interpretada por Hepburn. Mary aceita acompanhar o marido na corrida eleitoral mesmo sabendo que ele mantém um caso com a jornalista Kay (Angela Lansbury). Mas a mulher começa a questionar essa decisão quando percebe que o marido negligencia seus valores e crenças para conseguir mais votos. CineDHebate Direitos Humanos

CLUBE DA LUTA 11 de julho – 4ª feira – 19h (Fight Club, 1999, EUA/Alemanha, 139 min.) Dir. David Fincher Jack é um executivo yuppie, trabalha como investigador de seguros, mora confortavelmente, mas sua ansiedade o faz conviver com pessoas problemáticas, como a viciada Marla Singer, e a conhecer estranhos como Tyler Durden. Misterioso e cheio de ideias, Tyler apresenta para Jack um grupo secreto que se encontra para extravasar suas angústias e tensões através de violentos combates corporais.

23


CINEMA

Seda

BREGA S/A 04 de julho – 4ª feira – 14h 10 de julho – 4ª feira – 14h (2009, Brasil, 60 min.) Dir. Gustavo Godinho e Vladimir Cunha Feito por artistas pobres, gravado em estúdios de fundo de quintal e com relações profundas com a pirataria e a informalidade, o tecnobrega é a trilha sonora da periferia da cidade, uma espécie de adaptação digital da música romântica dos anos 70 e 80. No filme, vemos a relação entre o tecnobrega e a popularização da tecnologia a partir do final da década de 90, bem como a maneira como esse estilo musical se associou à pirataria para criar uma rede de distribuição alternativa ao modelo proposto pelas grandes gravadoras.

ARGUS MONTENEGRO E A INSTABILIDADE DO TEMPO FORTE 06 de julho – 6ª feira – 14h 12 de julho – 4ª feira – 14h (The Raven, 1963, EUA, 83 min.) Dir. Roger Corman Argus Montenegro, no início dos anos 60, participou das noites musicais, tocando com grandes nomes da música, tais como Sérgio Mendes e Tom Jobim. Hoje ele se recupera de um acidente que o afastou das apresentações público há cinco anos. Possuidor de um talento natural para contar histórias, narra a sua trajetória e a da música no Brasil nos últimos cinquenta anos.

História da Arte e Cinema: Heterotopias

ARTEMÍSIA 18 de julho – 4ª feira – 19h (Artemisia, 1997, Alemanha/França/ Itália, 98 min.) Dir. Agnès Merlet O filme Artemísia é uma narrativa sobre a vida da primeira mulher a ser admitida na Accademia delle Arti Del Disegno, de Florença. Comentadores: Ana Flávia Oliveira (Doutoranda Letras – UFRGS). Luís Edegar Costa (professor do Instituto de Artes – UFRGS) Assufrgs no matiné

PRAÇA SAENS PEÑA 05 de julho – 5ª feira – 14h 11 de julho – 3ª feira – 14h (2008, Brasil, 100 min.) Dir. Vinícius Reis Paulo e Teresa vivem um casamento sólido. Juntos com a filha Bel, eles formam uma típica família de classe média brasileira. Ambos cultivam o sonho da casa própria, mas o orçamento apertado apenas paga as contas. Quando Paulo aceita uma proposta para escrever um livro sobre a Tijuca, bairro em que residem, o que era para ser um alento acaba transformando-se em uma crise familiar colocado em risco um relacionamento de 20 anos.

24

O PALHAÇO OS OLHOS FECHADOS DA AMÉRICA LATINA 09 de julho – 2ª feira – 14h 13 de julho – 6ª feira – 14h (Los ojos cerrados de América Latina, Argentina, 2007, 84 min.) Dir. Miguel Mirra O filme percorre uma América Latina submetida ao saque e poluição das empresas multinacionais. Fruto da colaboração entre vários cineastas, o filme aborda questões como a soja, a mineração a céu aberto, a monocultura e a depredação de solos e matas, entre outros.

25 de julho – 4ª feira – 16h (2011, Brasil, 90 min.) Dir. Selton Mello Benjamim trabalha no Circo Esperança junto com seu pai, Valdemar. Juntos, eles formam a dupla de palhaços Pangaré & Puro Sangue e fazem a alegria da plateia. Mas a vida anda sem graça para Benjamin, que passa por uma crise existencial e assim pensa em abandonar sua trupe. Debatedor: Evandro Cardoso


2012 e o fim do mundo: os 13 cavaleiros do apocalipse

ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA 07 de julho – sábado – 15h30 (Blindness, 2008, Canadá/Brasil/ Japão, 121 min.) Dir. Fernando Meirelles Há uma inédita e inexplicável epidemia de cegueira. Isolados em quarentena e sem apoio do Estado, as pessoas passam a lutar por sua sobrevivência, expondo seus instintos animais. Nesta situação a única pessoa que ainda consegue enxergar é a mulher de um médico, que juntamente com um grupo de internos tenta encontrar a humanidade perdida. Comentadores: Luís Augusto Fischer (UFRGS) e Luiz Roberto Lima Barbosa (IFSUL)

2012 21 de julho – sábado – 15h30 (2009, EUA, 158 min.) Dir. Roland Emmerich Um cataclismo global eminente ameaça o planeta. Enquanto isso, o escritor Jackson Curtis (John Cusack) leva sua vida de marido separado, pai de dois filhos. Ao levar os filhos para passear, ele descobre os primeiros sintomas da destruição do planeta. Comentadores: Gerson Wasen Fraga (UFFS) e José Orestes Beck (Rede Municipal de Tapes)

O SACRIFÍCIO 14 de julho – sábado – 15h30 (Offret, 1986, França/Reino Unido/ Suécia, 142 min.) Dir. Andrei Tarkoviski Família burguesa sueca celebra o aniversário do patriarca Alexander, escritor e ator aposentado. Esta celebração será marcada para o resto da vida de cada membro da família: na televisão anuncia-se uma catástrofe nuclear. A crise familiar é alimentada pelo desespero, dúvida, angústia física e moral de cada um. Comentadores: Anderson Zalewski Vargas (UFRGS) e Rafael Hansen Quinsani (UFRGS)

AS INVASÕES BÁRBARAS 28 de julho – sábado – 15h30 (Les invasions barbares, 2003, Canadá/França, 99 min.) Dir. Denys Arcand Perto do fim de sua vida, Rémy recebe a ajuda de amigos e de seu filho, de quem sempre fora afastado. Ele revive vários momentos de sua vida, sempre através de diálogos, ao mesmo tempo em que seu filho tenta sua cura através de um ilegal tratamento com drogas. Comentadores: Cesar Augusto Barcellos Guazzelli (UFRGS), Temístocles Cezar (UFRGS), Cláudio Pereira Elmir (UNISINOS) e Maria Luiza Martini (UFRGS). Ensaio sobre a Cegueira

25


CINEMA

AGOSTO Mostra Stanley Kubrick

O GRANDE GOLPE 02 de agosto – 5ª feira – 16h (The Killing, 1956, EUA, 85 min.) Dir. Stanley Kubrick Após sair da prisão, Johny Clay elabora um grande plano para um assalto que pode render a ele e a seus companheiros a soma de US$ 2 milhões. E o melhor: ninguém sairá ferido! O problema acontece quando o amante da esposa de um dos integrantes do grupo do assalto resolve se meter onde não é chamado.

LOLITA

BARRY LYNDON

03 de agosto – 6ª feira – 19h 06 de agosto – 2ª feira – 16h (Lolita, 1962, Reino Unido, 152 min.) Dir. Stanley Kubrick Erudito professor universitário britânico vai trabalhar nos Estados Unidos e lá fica tão obcecado por uma ninfeta de 14 anos que casa com sua mãe para estar próximo dela. Porém, quando a esposa morre atropelada ele acredita ser o momento adequado para seduzir a enteada, mas algo acontece que pode prejudicar seus planos.

07 de agosto – 3ª feira – 16h (Barry Lyndon, 1975, Reino Unido, 183 min.) Dir. Stanley Kubrick No século XVIII, um aventureiro irlandês, por ter transgredido a lei, vê-se obrigado a deixar seu país e tornar-se espião, soldado e jogador. Seu principal objetivo de chegar até a aristocracia através do casamento é alcançado, mas, apesar de um período de felicidade, um triste destino o aguarda.

GLÓRIA FEITA DE SANGUE DR. FANTÁSTICO A MORTE PASSOU POR PERTO 02 de agosto – 5ª feira – 19h 03 de agosto – 6ª feira – 16h (Killer’s Kiss, 1955, EUA, 67 min.) Dir. Stanley Kubrick Em Nova York, um lutador de boxe conhece uma dançarina quando esta é atacada por seu patrão e amante. Este acontecimento acaba provocando o envolvimento dos dois, mas o amante preterido, dominado pelo ciúme e pelo ódio, manda matar seu rival. Entretanto, em virtude de um equívoco, os capangas matam a pessoa errada.

26

06 de agosto – 2ª feira – 19h (Dr. Strangelove or: How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb, 1964, Reino Unido, 95 min.) Dir. Stanley Kubrick Um general completamente insano, Jack Ripper, ameaça, durante uma reunião entre nações, neutralizar a URSS com bombas nucleares, o que poderia gerar um holocausto fulminante na Terra. Todos os outros membros fazem de tudo para evitar. Entre eles está o ator Peter Sellers, que retrata três das pessoas que podem impedir a tragédia: o capitão britânico Mandrake, o presidente norte-americano Merkin Muffley e o alemão bêbado Dr. Fantástico.

09 de agosto – 5ª feira – 16h (Paths of Glory, 1957, EUA, 85 min.) Dir. Stanley Kubrick Quando soldados franceses nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial recusam-se a continuar um ataque aparentemente impossível de se vencer, seus superiores resolvem levá-los à corte marcial. Finalmente é decido que três soldados serão escolhidos para servirem de exemplo, mas o coronel Dax (Kirk Douglas) não concorda e decide interceder de todas as formas para tentar suspender esta insana decisão.


LARANJA MECÂNICA

O ILUMINADO

SPARTACUS

09 de agosto – 5ª feira – 19h 10 de agosto – 6ª feira – 16h (A Clockwork Orange, 1971, Inglaterra, 137 min.) Dir. Stanly Kubrick O anti-herói do filme é Alex DeLarge, um jovem líder de uma gangue de delinquentes, amantes de leite, drogas e música clássica tem por diversão bater, estuprar, matar... Enfim, cometer qualquer brutalidade que tenha vontade, não se importando com as leis ou o senso humanitário. Quando finalmente é pego pela polícia, sofre um tratamento duro de reabilitação. Quando Alex volta às ruas, totalmente regenerado, passa a sofrer com aqueles que

13 de agosto – 2ª feira – 19h 14 de agosto – 3ª feira – 16h (The Shining, 1980, Reino Unido, 120 min.) Dir. Stanley Kubrick Durante o inverno, um homem (Jack Nicholson) é contratado para ficar como vigia em um hotel no Colorado e vai para lá com a mulher (Shelley Duvall) e seu filho (Danny Lloyd). Porém, o contínuo isolamento começa a lhe causar problemas mentais sérios e ele vai se tornado cada vez mais agressivo e perigoso, ao mesmo tempo em que seu filho passa a ter visões de acontecimentos ocorridos no passado, que também foram causados pelo isolamento excessivo.

16 de agosto – 5ª feira – 16h (Spartacus, 1960, EUA, 184 min.) Dir. Stanley Kubrick Spartacus, nascido e criado escravo, é vendido para um treinador de gladiadores para disputar duelos mortais. Rebelde, consegue formar um grupo e libertar-se, tornando-se líder dos escravos e trazendo problemas a Roma.

antes eram as vítimas.

DE OLHOS BEM FECHADOS

2001 - UMA ODISSÉIA NO ESPAÇO 10 de agosto – 6ª feira – 19h 13 de agosto – 2ª feira – 16h (2001: A Space Odyssey, 1971, Reino Unido/EUA, 137 min.) Dir. Stanley Kubrick Desde a “Aurora do Homem” (a pré-história), um misterioso monolito negro parece emitir sinais de outra civilização interferindo no nosso planeta. Quatro milhões de anos depois, no século XXI, uma equipe de astronautas liderados pelo experiente David Bowman (Keir Dullea) e Frank Poole (Gary Lockwood) é enviada a Júpiter para investigar o enigmático monolito na nave Discovery, totalmente controlada pelo computador HAL 9000. Entretanto, no meio da viagem, HAL entra em pane e tenta assumir o controle da nave, eliminando um a um os tripulantes.

NASCIDO PARA MATAR 14 de agosto – 3ª feira – 19h 17 de agosto – 6ª feira – 16h (Full Metal Jacket, 1987, EUA, 116 min.) Dir. Stanley Kubrick Um sargento (R. Lee Ermey) treina de forma fanática e sádica os recrutas em uma base de treinamentos na intenção de transformá-los em máquinas de guerra para combater na Guerra do Vietnã. Após serem transformados em fuzileiros navais, eles são enviados para a guerra; quando lá chegam se deparam com seus horrores.

17 de agosto – 6ª feira – 19h (Eyes Wide Shut, 1999, Reino Unido, 159 min.) Dir. Stanley Kubrick Alice, curadora de arte, é casada com o doutor Bill Harford. Juntos formam um casal perfeito. Porém, depois de participarem de uma festa, Alice confessa ter tido atração e fantasias sexuais com outro homem, que também estava na festa. Os dois começam a discutir e Bill passa a se perguntar o porquê disto estar acontecendo com ele, então ele vai procurar seu amigo Nick Nightingale, que irá lhe mostrar um mundo de fantasias e jogos sexuais.

27


CINEMA

Cinema e Jornalismo Esportivo

INVICTUS 20 agosto – 2ª feira – 16h (2009, EUA, 133 min.) Dir. Clint Eastwood Invictus acompanha o período em que Nelson Mandela (Morgan Freeman) sai da prisão em 1990, torna-se presidente em 1994 e os anos subsequentes. Na tentativa de diminuir a segregação racial na África do Sul, o rugby é utilizado para tentar amenizar o fosso entre negros e brancos fomentado por quase 40 anos. O jogador Francois Pienaar (Matt Damon) é o capitão do time e será o principal parceiro de Mandela na empreitada.

O LUTADOR

O VENCEDOR

21 de agosto – 3ª feira – 16h (The Wrestler, 2008, EUA, 109 min.) Dir. Darren Aronofsky Randy Robinson é um lutador profissional aposentado que continua a competir no circuito independente tentando voltar à elite para um último combate com seu antigo rival. O filme foi vencedor de Leão de Ouro no Festival de Veneza.

23 de agosto – 5ª feira – 16h (The Fighter, 2010, EUA, 116 min.) Dir. David O. Russell Dicky Ecklund (Christian Bale) teve seu auge ao enfrentar o campeão mundial Sugar Ray Leonard em uma luta de boxe, colocando a pequena cidade de Lowell no mapa. Até hoje ele vive desta fama, apesar de ter desperdiçado a carreira devido às drogas. Micky Ward (Mark Wahlberg), seu irmão, tenta agora a sorte no mundo do boxe, sendo treinado por Dicky e empresariado por Alice (Melissa Leo), sua mãe. Só que a família sempre o coloca em segundo plano em relação a Dicky, o que impede que Micky consiga ascender no esporte. A situação muda quando ele passa a namorar Charlene Fleming (Amy Adams), que o incentiva a deixar a influência familiar e tratar a carreira de forma mais profissional

BOLEIROS – ERA UMA VEZ O FUTEBOL

À PROCURA DE ERIC 20 agosto – 2ª feira – 19h (Looking for Eric, 2009, Inglaterra, 116 min.) Dir. Ken Loach Divorciado, na meia-idade, guardião de dois enteados depois que a mulher o deixou, Eric, o carteiro, tem problemas como solidão, dinheiro, bebida e o envolvimento de um de seus garotos com gangsters. Seu ídolo, Eric Cantona, começa misteriosamente a aparecer-lhe, guiando-o com conselhos que o levam a mudar de atitude e enfrentar tudo isso e ainda uma velha questão do passado: uma pendência com o primeiro amor, Lily.

28

21 de agosto – 3ª feira – 19h (1997, Brasil, 98 min.) Dir. Ugo Giorgetti Em um bar de São Paulo, um grupo de jogadores de futebol aposentados se reúne para aquelas conversas longas, desconexas e descompromissadas. Essas conversas ocupam aquele período de tempo difícil de preencher, umas duas ou três horas que são, ao mesmo, tempo fim de tarde e começo de noite.

HOMEBOY – Chance De Vencer 23 de agosto – 5ª feira – 19h (Homeboy, 1988, EUA, 110 min.) Dir. Michael Seresin Johnny Walker (Rourke), cowboy à beira do fim da carreira, tenta agora a sorte nos ringues como lutador de boxe amador. Suas lutas não chegam a empolgar, mas chamam a atenção do malandro Wesley Pendergass (Walken) que se afeiçoa a Walker e planeja usá-lo em um lucrativo golpe. Walker, por sua vez, só tem olhos para o ringue e para Ruby (Debra Feuer), por quem está apaixonado. Mas um soco bem dado poderá fazer seus sonhos ruírem...


LINHA DE PASSE

MEU NOME É JOE

HOOLIGANS

24 agosto – 6ª feira – 16h (2008, Brasil, 113 min.) Dir. Walter Salles e Daniela Thomas Reginaldo (Kaique de Jesus Santos) é um jovem que procura seu pai obsessivamente. Dario (Vinícius de Oliveira) sonha em se tornar jogador de futebol, mas, aos 18 anos, vê a ideia cada vez mais distante. Dinho (José Geraldo Rodrigues) dedica-se à religião. Dênis (João Baldasserini) enfrenta dificuldades em se manter, sendo também pai involuntário de um menino. Os quatro são irmãos e precisam lidar com as transformações religiosas pelas quais o Brasil passa, assim como a inserção no meio do futebol e a ausência de uma figura paterna.

27 agosto – 2ª feira – 16h (My name is Joe, 1998, Escócia, 105 min.) Dir. Ken Loach O filme se passa na área mais pobre de Glasgow, onde Joe Kavanagh (Peter Mullan) é o treinador do pior time de futebol de desempregados da Escócia. Joe parou de beber há dez meses e frequenta o Alcóolicos Anônimos. Conhece a assistente social Sarah (Louise Goodall) e os dois se sentem atraídos. Mas é aí que os problemas realmente começam.

28 agosto – 3ª feira – 16h (Green Street Hooligans, 2005, Inglaterra, 109 min.) Dir. Lexi Alexander Expulso injustamente de Harvard, o americano Matt Buckner (Elijah Wood) vai para a casa da sua irmã em Londres. Lá, ele faz amizade com o seu perigoso cunhado, Peter Dunham (Charlie Hunnam), e é apresentado ao submundo dos hooligans do futebol inglês. Matt aprende a marcar o seu território através da amizade que desenvolve neste mundo secreto e violento. Hooligans é uma história de lealdade, confiança e algumas vezes das brutais consequências de estar vivendo no limite.

HOMENS BRANCOS NÃO SABEM ENTERRAR 24 agosto – 6ª feira – 19h (White Men Can’t Jump, 1992, EUA, 115 min.) Dir. Ron Shelton Billy Hoyle (Woody Harrelson) e Sidney Deane (Wesley Snipes) se consideram os melhores jogadores de basquete de Los Angeles. Eles decidem unir forças e passam a enganar seus competidores, fingindo que Billy nada sabe sobre o esporte. Só que, na quadra, eles arrasam ao aplicar um jogo rápido e repleto de brincadeiras. Entretanto, a parceria pode chegar ao fim devido a gângsters que estão atrás de Billy, que lhes deve dinheiro.

FALCÃO - O CAMPEÃO DOS CAMPEÕES 27 agosto – 2ª feira – 19h (Over the Top, 1987, EUA, 93 min.) Dir. Menahem Golan Quando descobre que sua ex-mulher (Susan Blakely) sofre de uma doença incurável, Lincoln Hawk (Sylvester Stalonne), caminhoneiro e ex-lutador, tenta reconquistar o amor do filho do casal (David Mendenhall), educado em um colégio militar e fortemente influenciado pelo avô materno (Robert Loggia).

CAMPEÃO 28 agosto – 3ª feira – 19h (The Champ, 1979, EUA, 121 min.) Dir. Franco Zeffirelli Billy Flynn (Jon Voight) é um ex-campeão do boxe, mas que agora está na pior, afundado nas bebidas e nos jogos. Porém, seu filho T. J. (Rick Schroder) acredita no potencial de seu pai, sabe de sua condição, mas nunca deixa de afirmar que ele é seu eterno campeão. Refilmagem de um filme homônimo de 1931, foi indicado ao Oscar de Trilha Sonora Original. 29


CINEMA PARCEIROS DA SALA REDENÇÃO

UM DOMINGO QUALQUER

FUGA PARA A VITÓRIA

30 de agosto – 5ª feira – 16h (Any Given Sunday, 1999, EUA, 156 min.) Dir. Oliver Stone Não importa quem você é nem o que você faz para sobreviver. Tem sempre alguém mais jovem, mais rápido e mais forte bem atrás de você. Um íntimo olhar sobre os bastidores do futebol americano, passando desde os jogadores até os treinadores, a mídia e os donos de times, que controlam o jogo como um grande negócio que lucra milhões de dólares todo ano.

31 de agosto – 6ª feira – 16h (Victory, 1981, EUA, 116 min.) Dir. John Huston Em um campo alemão de prisioneiros de guerra, o major Karl von Steiner (Max Von Sydow), que já tinha pertencido à seleção alemã de futebol, tem a ideia de fazer um jogo entre uma seleção dos prisioneiros aliados liderados pelo capitão John Colby (Michael Caine), um inglês que era um conhecido jogador de futebol. Colby também teria a tarefa de selecionar e treinar o time, para enfrentar o time alemão no Estádio de Colombes próximo de Paris. Enquanto os nazistas, com exceção de Steiner, planejam fazer de tudo para vencer o jogo e assim usar ao máximo a propaganda de guerra nazista, os jogadores aliados planejam uma arriscada fuga durante a partida.

MUNIQUE 30 de agosto – 5ª feira – 19h (Munich, 2005, EUA, 163 min.) Dir. Steven Spielberg O filme revive o massacre dos 11 atletas israelenses por terroristas nas Olimpíadas de Munique em 1972. Um grupo de agentes israelenses tem o objetivo de procurar e exterminar os responsáveis por esse ataque.

30

O RESGATE DE UM CAMPEÃO 31 de agosto – 6ª feira – 19h (Resurrecting the Champ, 2007, EUA, 112 min.) Dir. Rod Lurie O repórter esportivo Erik (Josh Hartnett), salva um sem-teto e acredita que ele seja Bob Satterfield (Samuel L. Jackson), uma lenda do boxe, que todos acreditavam estar morto. Assim, surge para o jovem a oportunidade de uma grande matéria, resgatando a história de um campeão. Esta jornada do ambicioso repórter transforma-se em uma viagem pessoal, na qual ele reexaminará sua própria vida e seu relacionamento com a família.

Com AD – Sessões comentadas

ZONA DESCONHECIDA 01 de agosto – 4ª feira – 19h (2009, Brasil, 52 min.) Dir. Ariana Chediak Zona desconhecida um documentário sobre uma mulher que não pode mover o corpo desde um acidente em 1994. Além disso, conta a história da cineasta – um terapeuta que começou a registrar seu primeiro passo. O paciente não pode andar de novo, mas foi a diretora que encontrou uma maneira de passar para uma nova fase em sua vida. CineDHebate Direitos Humanos

VERDADES E MENTIRAS 08 de agosto – 4ª feira – 19h (F for Fake, 1973, França/Irã/Alemanha, 89 min.) Dir. Orson Welles Último filme dirigido por Orson Welles. O diretor investiga o excêntrico falsificador de arte Elmyr de Hory e seu confidente Clifford Irving, cuja biografia de Howard Hugles surgiu como a principal falsificação da década de 1970. Voltando a câmera para si mesmo, Welles se lembra de como ele forjou uma carreira no teatro, quando adolescente, e como provocou histeria com seu “War Of The Wolrds”, um programa de rádio que noticiou uma invasão alienígena.


História da Arte e Cinema: Heterotopias

Cinema e Terapia

A CULPA É DO FIDEL

PARENTE É SERPENTE

MOÇA COM BRINCO DE PÉROLA

01 de agosto – 4ª feira – 16h (Parenti Serpenti, 1992, Itália, 105 min.) Dir. Mario Monicelli Durante a tradicionalíssima festa de Natal da família Colapietro, a alegria é interrompida quando a matriarca declara que ela e seu marido estão muito velhos para ficarem sozinhos naquela enorme casa. Comunica, então, uma decisão irrevogável: vai pôr a casa à venda e morar com um dos filhos. Mas, é claro, nenhum deles quer dar abrigo aos pais, e o que era para ser apenas mais uma ceia de Natal, acaba se tornando uma grande confusão de consequências tragicômicas. Debatedora: Mara Lúcia Rossato

15 de agosto – 4ª feira – 16h (La faute à Fidel, 1996, França/Itália, 99 min.) Dir. Julie Gravas Anna (Nina Kervel-Bey) tem nove anos e vive uma vida tranquila e confortável com seus pais, Marie (Julie Depardieu) e Fernando (Stefano Accorsi), sua babá e seu irmão caçula, François (Benjamin Feuillet). Mas sua vida bem organizada irá se complicar com a prisão de um tio espanhol, que era comunista convicto, e uma visita ao Chile do recém-eleito Salvador Allende. Debatedora: Maria Aparecida Dib

15 de agosto – 4ª feira – 19h (Girl with a Pearl Earring, 2003, Reino Unido/Luxemburgo, 95 min.) Dir. Peter Webber Num conjunto pequeno de quadros, cerca de trinta e seis, pintados num período de vinte anos, Johannes Vermeer (1632-1675) deu ao espaço da intimidade relevância expressiva e significação incomuns. Para isso, lançou mão de uma luz singular que define e ultrapassa a dimensão empírica de suas figuras. A imagem cinematográfica do filme A moça com brinco de pérola persegue essa intimidade e permite nos aproximarmos dos elementos que fazem a obra de Vermeer tão particular. Comentadoras: Rosane Vargas (Jornalista pela FABICO - UFRGS e Bacharelanda em História da Arte pela UFRGS). Ana Laura Benacchio (Graduada em Letras e Especialista em Letras e Cultura Regional pela UCS. Bacharelanda em História da Arte pela UFRGS).

MINHA VIDA DE CACHORRO 08 de agosto – 4ª feira – 16h (Mitt Liv Som Hund, 1985, Suécia, 101 min.) Dir Lasse Hallström A história do menino Ingemar que, devido ao agravamento da saúde de sua mãe, é enviado para casa de parentes numa vila no interior da Suécia, nos anos 1950. No início, Ingemar tem dificuldades de se adaptar à nova vida e superar as saudades da mãe e do irmão. Com o tempo, acaba por viver experiências que o marcarão pelo resto da vida. Debatedora: Suely Britto

GABY: UMA HISTÓRIA VERDADEIRA 22 de agosto – 4ª feira – 16h (Gaby: A true story, 1987, EUA/México, 110 min.) Dir. Luiz Mandoki Gabriela Brimmer nasceu com paralisia cerebral e só conseguia mexer seu pé esquerdo. Ela começou a usar esses movimentos para se comunicar e conseguiu se tornar uma reconhecida escritora e poetisa, desenvolvendo toda uma luta para obter sua integração social, não desistindo diante das dificuldades encontradas. Debatedor: Paulo Kroeff

31


CINEMA

Cinema e Pensamento Africano

Assufrgs no matiné

DOCUMENTOS DE IDENTIDADE

CHEGA DE SAUDADE

22 de agosto – 4ª feira – 19h (Pièces d’identités, 1998, Congo, 97 min.) Dir. Mweze Ngangura Manicongo, o rei dos Bakongo, decide ir à Bélgica para reencontrar Mwana, a filha que partira aos oito anos para estudar, e com quem perdeu contato. As lembranças de sua primeira viagem, nos tempos da colonização, são ofuscadas por um profundo choque cultural. Em meio ao preconceito da sociedade europeia e a indiferença dos seus compatriotas, ele acaba por vivenciar o melhor e o pior da diáspora africana Apresentação do texto de Gerson Geraldo Machevo: A reconstrução do discurso identitário africano em Valentin Yves Mudimbe (2007).

29 de agosto – 4ªfeira – 16h (2007, Brasil, 92 min.) Dir. Laís Bodanzky História ambientada durante uma noite de baile num clube de terceira idade em São Paulo. A trama começa ainda com a luz do sol, quando o salão abre suas portas, e termina ao final do baile, pouco antes da meia-noite, quando o último frequentador desce a escada. O espectador acompanha, em uma única noite, os dramas e as alegrias de cinco núcleos de personagens frequentadores do baile. Mesclando comédia e drama, Chega de Saudade aborda o amor, a solidão, a traição e o desejo, num clima de muita música e dança. Debatedora: Martha Royer

TSOTSI: INFÂNCIA ROUBADA 29 de agosto – 4ª feira – 19h (Tsotsi, 2005, África do Sul, 90 min.) Dir. Gavin Hood O impiedoso líder de uma gangue de jovens delinquentes dos arredores de Johanesburgo, órfão desde a infância, sem memória do seu passado, dispara sobre uma mulher para roubar-lhe o carro, e sem saber leva consigo um bebê recém-nascido que estava no banco traseiro. A situação que se instaura força-o a reavaliar sua trajetória pessoal e seu modo de vida. Apresentação do texto de Achille Mbembe: As formas africanas de auto-inscrição (2001). Chega de Saudade

32


PROJETOS ESPECIAIS

UFRGS LITOR AL NORTE F E S T I VA L D E I N V E R N O MARÉ DE ARTE

O Projeto O Festival é um encontro para viver a diversidade cultural do Litoral Norte do Estado através das experiências artísticas, culturais produzidas na universidade e nas comunidades. Durante oito dias, uma onda cultural tomará conta da cidade litorânea de Tramandaí, onde serão oferecidas oficinas e espetáculos para os participantes de todas as idades, que terão acesso a diversos suportes artístico-culturais.

“cada um é um milhão”. Não só a escola; não só a universidade. Somada a elas, toda a comunidade também está presente na nossa formação: seus mitos, seus ditos, ofícios e saberes, que, quando compartilhados, são o amálgama de nossos vínculos, expressos nesse evento através dos espaços criados.

O Festival é inspirado na palavra-conceito da língua zulu, ubuntu que traduzida significa “sou quem sou por aquilo que todos somos”. Tal expressão nos convoca a refletir sobre as nossas alteridades e exprime o vínculo universal de compartilhamento que conecta toda a humanidade:

MARÉ DE ARTE Data: De 29 de julho a 5 de agosto de 2012 Local: Centro de Eventos Tramandaí (RS) Plataforma / divulgação

33


PROJETOS ESPECIAIS

As Oficinas

PINLUX: construção de câmeras fotográficas A oficina de pinlux tem como objetivo dar vida à ideia de autonomia do processo fotográfico através da construção de uma câmera funcional pelo próprio aluno, para ser utilizada nas práticas fotográficas de sala de aula. Também busca uma reflexão sobre a sofisticação, cada vez mais automática, das tecnologias digitais. A oficina propõe a construção de câmeras fotográficas funcionais (cada aluno constrói a sua), a partir de caixas de fósforos ou outro tipo de caixa de papelão. Coordenação Myra Gonçalves Público-alvo: Infanto-juvenil e adultos Segunda-feira, 30/07, às 10h00 e às 14h00.

INICIAÇÃO TEATRAL Para criar e recriar o universo de fantasia através da expressão corporal, os estudantes do grupo Teatro Pesquisa e Extensão realizam esta oficina. Coordenação Grupo Teatro Pesquisa e Extensão. Público-alvo: maiores de 16 anos Sexta-feira, 03/08, e sábado, 04/08, às 14h00.

34

DO OBJETO AO ARTEFATO

PAINEL CERÂMICO

Transformação realizada pelas mãos das artesãs do Litoral que compartilham nesta oficina suas artes de fazer. Seis oficinas diferentes com escamas de peixe, conchas, latinhas e madeira. Coordenação Terezinha de Souza Santos De segunda-feira, 30/07, a sábado, 04/08, sempre às 14h00.

A experiência é o que nos toca. São coisas vistas, ouvidas, vividas. As oficinas transformam e perpetuam seus significados pois, através de um trabalho coletivo, propõe a construção de Painel Cerâmico para posterior instalação. Coordenação: Rodrigo Nuñez Público-alvo: Toda a comunidade De segunda a sexta às 10h00 e às 14h00, e sábado, às 14h00.

PROJETO TALHANDO CIDADANIA Com um importante trabalho na comunidade de Tramandaí, o grupo compartilhará suas experiências nas oficinas. Coordenação de Mauro Oliveira De terça-feira, 31/07, a quinta-feira, 02/08, sempre às 14h00.

IMPROVISAÇÕES MUSICAIS Atividades estimuladoras da criatividade, da concentração e da vinculação de conteúdos emocionais não expressos pelos meios usuais de comunicação. Oferecida pelo Núcleo de Música Improvisada, que reúne os interessados em realizar experimentações musicais, gravar e eventualmente debater sobre o material produzido. Esta prática apresenta-se como uma nova corrente dentro do desenvolvimento da música. Coordenação: Adolfo Almeida Junior Público-alvo: Toda a comunidade Sábado, 04/08 às 10h00 e às 14h00.

RITMOS E RITMOS Xote, xaxado, frevo ou forró. Bailemos e cantemos a cultura popular! Nesta oficina oferecida pelo Grupo de Brincantes Paralelo, todos podem vivenciar as diversas danças e ritmos brasileiros. Coordenação: Jair Felipe Umann Público-alvo: toda a comunidade Quinta-feira, 02/08, às 10h00 e às 14h00, e sábado, 04/08, às 14h00.

DANÇAS TRADICIONAIS GAÚCHAS Nestas oficinas as Danças Tradicionais Gaúchas ocupam um lugar de protagonismo na educação. São trabalhadas de forma lúdica, a importância cultural destas tradicionalidades. Coordenação: Malu Oliveira Público-alvo: Infanto-juvenil Sexta-feira, 03/08, às 10h00 e às 14h00


O QUE VAIS SER QUANDO CRESCER? As brincadeiras na infância nos acompanham pela vida toda. Neste conjunto de oficinas o grupo de Brinquedistas do Programa de Extensão Universitária “Quem Quer Brincar?”, explora o universo lúdico de diversas maneiras. Coordenação de Tânia Fortuna. Público-alvo: adultos – educadores em geral e estudantes na área de Educação.

O UNIVERSO DE DARWIN: os delicados elos que nos unem Ao longo da história, a relação entre o homem e o seu meio foi item de fundamental importância na chamada luta pela sobrevivência. Este longo caminho é cheio de controvérsias, contradições e paradoxos. Neste conjunto de oficinas oferecidas pelo CECLIMAR – UFRGS, os participantes podem experienciar esta complexa relação e seus delicados elos de conexão.

Cantigas de roda, de paz, de povos!!!

Perigo no Mar: LIXO

Resgate das cantigas de rodas de diferentes povos e culturas. A oficina será vivencial, onde cantaremos e conversaremos sobre as histórias dessas cantigas de rodas. Terça-feira, 31/07, às 10h00 e às 14h00.

Conhecendo os animais marinhos do nosso litoral

Os Brinquedos na História O objeto desta conversa com educadores é a história dos jogos e brincadeiras da Antiguidade Clássica e da América Pré-Colombiana até a era digital. É um convite à reflexão sobre a cultura lúdica contemporânea acompanhada de sensibilizações e vivências de brincadeiras. Segunda-feira, 30/07, às 10h00 e às 14h00 e, sábado, 04/08, às 14h00.

Brinquedos e Brincadeiras em Movimento Sentir, tocar, explorar, encantar-se! Dirigida especialmente para educadores, esta oficina propõe uma vivência de jogos e brincadeiras através do acervo lúdico. Quarta-feira, 01/08 às 10h00 e às 14h00.

Tubarões: vilões ou vítimas O legado dos botos da barra A vida dos invertebrados A importância das Dunas Lobos e leões-marinhos Botos, baleias e golfinhos Quem são os pinguins? Tartarugas marinhas e de água doce do Rio Grande do Sul. Visitação ao Museu de Ciências Naturais da UFRGS Coordenação: Cariane Campos Trigo Público-alvo: alunos de Ensino Fundamental e Médio e toda a comunidade De segunda-feira, 30/07, a sexta-feira, 03/08, às 10h00 e às 14h00.

Contando e Brincando: uma viagem através das histórias infantis Um convite à experimentação. Nesta oficina, os educadores e estudantes da área da Educação, podem, através da vivência coletiva, experienciar o vínculo entre o lúdico e a contação de histórias. Segunda-feira, 30/07, e sábado, 04/08, às 14h00.

35


PROJETOS ESPECIAIS

TERRA COMO UM GRÃO DE PIMENTA Nossa casa, o planeta Terra, é apenas um grão de pimenta no espaço, girando em torno de uma bola – o Sol. Esta oficina apresenta uma visão espacial do Sistema Solar, utilizando uma escala matemática que permite que se tenha uma ideia aproximada do tamanho dos planetas e, também, das distâncias entre suas órbitas. Usa-se uma noz para simular o tamanho, em escala, do maior planeta do Sistema Solar – Júpiter – e um grão de gergelim corresponde ao menor deles, Mercúrio. Os outros planetas são bem representados por avelã, amendoins e grão de coentro. É uma atividade prática que impressiona pessoas de todas as idades: a “distribuição” dos astros do Sistema Solar. Coordenação: Maria Helena Stefani Público-alvo: Qualquer faixa etária, professores e alunos de Ensino Fundamental e Médio, deficientes visuais. De quarta-feira, 01/08, a sexta-feira, 03/08, às 10h00 e às 14h00.

GIOCA BAMBINO

TERAPIA COMUNITÁRIA

O objetivo desta oficina é proporcionar o contato com a língua italiana através de brincadeiras infantis e jogos, confeccionados especificamente para o ensino do Italiano como língua estrangeira. Os participantes terão a oportunidade de manusear os materiais e participar de diferentes atividades lúdicas. Venha “brincar” com a língua italiana! Coordenação: Daniela Norci Schroeder Público-alvo: Toda a comunidade interessados na língua italiana Sexta-feira, 03/08, 14h00, 15h00 e 16h00

A Terapia Comunitária é um espaço comunitário no qual se procura partilhar experiências de vida e sabedorias de forma horizontal e circular. Cada um torna-se terapeuta de si mesmo, todos se tornam corresponsáveis na busca de soluções e superação dos desafios do cotidiano em um ambiente acolhedor e caloroso. Coordenação: Margareth Santoro Público-alvo: Terceira Idade Quarta-feira, 01/08, às 14h00.

OFICINA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE Grupo da Linhaça de Educação em Saúde compartilha reflexões e trocas de experiências na busca de alternativas para alcançar melhores qualidades de vida. O grupo visa proporcionar aos seus integrantes a autogestão da saúde, utilizando o óleo e a semente de linhaça como alimentos funcionais e a Pirâmide Alimentar Mediterrânea, aliados à prática de exercícios físicos diários. Coordenação Homero Santoro Público-alvo: Toda a comunidade Quinta-feira, 02/08, às 15h00.

TARRAFEANDO Entre as Redes e Tarrafas, o Pescador a ensinar. A Oficina compartilha com todos os participantes a arte de tecer a rede. Coordenação: João Publico Alvo: Toda a comunidade Quinta-feira, 02/08, às 14h00.

36

CONVIVÊNCIAS 2012 Rodas de conversas dos estudantes da Universidade com Estudantes do Ensino Médio Litoral Norte apresentando os cursos da UFRGS e trocando experiências e conhecimentos. Coordenação: José Antônio dos Santos e Patricia Xavier Público-alvo: Estudante de Ensino Fundamental e Médio De segunda-feira, 30/07, a sexta, 03/08, sempre às 14h00.

HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA NA ESCOLA A oficina busca refletir sobre algumas possibilidades de ensino e aprendizagem das temáticas referentes ao ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana no currículo escolar no cotidiano das escolas. Coordenação José Antônio dos Santos Público-alvo: Professores Segunda e terça-feira, às 10h00, quarta, às 10h00 e às 14h00, e de quinta a sábado, às 14h00.


MUSICALIZAÇÃO: TAMBORES CANTORIAS E CIRANDAS A oficina é concebida de forma a resgatar a ancestralidade rítmica do ser, explorando sensorialmente um universo de sons e silêncios com produção de materiais sonoros. Coordenação: Gisele Frufrek Público-alvo: Público em geral, profissionais da educação, arte-educadores. De quarta, 01/08, a sábado, 04/08, sempre às 14h00.

SOB A LUZ DAS ESTRELAS

SIMPLIFÍSICA

A cada noite iremos explorar o céu noturno observando os astros celestes visíveis, entre eles a Lua, planetas e aglomerados estelares. As observações do céu serão feitas através de telescópios e binóculos orientadas pela equipe do Observatório Educativo Itinerante (OEI). Coordenação: Daniela Pavani Público-alvo: Toda a comunidade De quinta-feira, 02/08, a sábado, 04/08, a partir das 19h00.

A Física bem de perto. Neste conjunto de palestras exibidas em DVD, os professores do Instituto de Física mostram a Física no cotidiano, facilitando a compreensão do conteúdo científico. Coordenação: Walberto Chuvas Público-alvo: público em geral, estudantes a partir da 8ª série do Ensino Fundamental, professores. De segunda-feira, 30/07, a sexta-feira, 03/08, às 10h00 e às 14h00.

BRINCAR, ALEGRAR E

AVENTUREIROS DO UNIVERSO

ARTE E CONSCIÊNCIA

APRENDER

Oficinas de astronomia no qual estudantes de todas as idades terão oportunidade de explorar o universo que nos envolve. Os temas desenvolvidos são sobre as “Tempestades Solares”, “Plutão e o Sistema Solar”, “Surgimento da vida e a busca por planetas fora do Sistema Solar”. Coordenação: Daniela Pavani Público-alvo: Estudantes de Ensino Fundamental e Médio De quinta-feira, 02/08, a sábado, 04/08, às 14h00.

Reciclagem é o aproveitamento de materiais que seriam descartados para a criação de um novo produto. Aqui reciclar ganha novo significado: os participantes são convidados a transformar a sucata em objeto de arte. Coordenação: Ethel Suzete Haas Público-alvo: Toda a comunidade De segunda-feira, 30/07, a sábado, 04/08, sempre às 14h00.

A oficina tem por objetivo socializar e relembrar brincadeiras antigas com o uso dos jogos de circo e brinquedos feitos com material reciclável. Uma roda de brincadeiras e memórias que desenvolvem habilidades motoras através da ludomotricidade. Coordenação: Liana Cristina Pinto Tubelo e Janete Pícoli De Almeida Público-alvo: Toda a comunidade De segunda-feira, 30/07, até sábado 04/08, sempre às 14h00.

37


PROJETOS ESPECIAIS

OFICINA DAS CORES Pintoras da Associação dos Artistas Plásticos de Imbé e Tramandaí Os alunos são orientados por voluntários para desenvolverem pintura em tela utilizado tinta acrílica e óleo. No processo de criação, os alunos pesquisam a própria emoção, libertam-se da tensão, organizam pensamentos, sentimentos, sensações e formam hábitos de trabalho. Coordenação: Laci Woltz da Rocha Público-alvo: Toda a comunidade De terça-feira, 01/08, a sexta, 03/08, das 14h00 às 17h00.

MARÉ BAILLARIUM As Oficinas Maré Baillarium de Danças terão vários profissionais da Escola de Danças. Uma mistura de ritmos e estilos oferecidos para celebrar a diversidade cultural brasileira para diferentes públicos. Público-alvo: danças de salão, ritmos, dança do ventre, jazz e maxixe, adolescentes e adultos, maturidade atividade ativa, terceira idade, free dance, infantojuvenil. De segunda-feira, 30/07, a sexta, 05/08, sempre às 14h30.

OFICINA DE MÚSICA ELETRÔNICA Os participantes trabalham em circuito praticando com os instrumentos eletrônicos, como Theremin, Minimoog, Nord Modular, Percussão Eletrônica.

38

Apresentações

QUEM CANTA SEUS MALES ESPANTA O canto coral é um canto coletivo que está entre os primeiros registros sonoros. Ao longo da história são observadas diferentes formações nas diversas sociedades. Um pouco desta história, através de técnicas vocais são vivenciadas nas oficinas oferecidas pelo Coral da UFRGS e Coro do Colégio Aplicação. Domingo, a partir das 14h00.

Coro do CAP Músicas de diversos estilos e nacionalidades compõem esta apresentação do Coro na qual a plateia participa. O Coro é composto por alguns segmentos da UFRGS e da comunidade do entorno do Colégio de Aplicação. Coordenação Martha Costa Guterres Paz

Coral da UFRGS Inicialmente concebido para a interpretação de obras sinfônicas, o Coral da UFRGS ganhou uma de suas maiores marcas através da dedicação à música a cappella: a versatilidade musical. Seu repertório abrange peças de todas as épocas e estilos musicais – renascentista, barroco, contemporâneo, popular, folclore nacional e internacional –, buscando a sensibilização do público para a riqueza cultural e artística da música coral. Coordenação Paulo Parisi

DANÇANDO PARA A VIDA Alegres coreografias celebram a vida através da “Dança para a Terceira Idade”, que tem como objetivo propiciar uma atividade física prazerosa ao idoso, estimulando agilidade, força, equilíbrio e memória, além de promover inclusão social. Através das coreografias propostas, também produz uma integração com o público jovem que vislumbra a possibilidade de chegar à velhice com a auto-estima elevada, saúde e alegria. Coordenação Margareth Santoro Terça-feira, 31/07, às 15h00.

CONTANDO HISTÓRIAS: OS MITOS DE CRIAÇÃO O grupo “Quem conta um conto” narra a criação do mundo sob a perspectiva de diferentes culturas: a versão iorubá, a versão registrada no livro Gênesis da bíblia católica, a versão dos antigos gregos e a versão do povo guarani. A temática da diversidade cultural e das diferentes representações da cultura popular são trazidas ao público no momento da narração de histórias. São propostas práticas de narração oral e de criação de personagens narradores tendo em vista a diversidade étnico-cultural. Coordenação: Ana Tettamanzy Público-alvo: Toda a comunidade Sábado, 04/08, às 15h00, e domingo à tarde.


DE GERAÇÃO PARA GERAÇÃO

Chora Makamba Exibição do documentário seguido de debate e apresentação da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário de Tavares. O grupo atua na preservação e visibilidade da memória cultural representada pelo ritual do “Ensaio de Promessa de Quicumbi”. Coordenação: Janaina Lobo Sábado, 04/08, às 17h00.

Maçambique de Osório Apresentação seguida de debates, com o grupo que realiza a Festa de Maçambique: festa em louvor à Nossa Senhora do Rosário. O Maçambique de Osório representa uma das mais singulares manifestações das tradições culturais da cidade de Osório. Sábado, 04 de agosto, às 15h00.

O que você foi quando era criança? O circo acabou. As personagens não buscam o divertimento. Elas buscam quase desesperadamente, através do consumo, o conforto. Não há motivos para rir. É preciso acreditar em uma nova forma de salvação. O palhaço perdeu seu emprego e nós estamos perdendo os nossos. É obrigação do palhaço receber nossa arrogância. O palhaço não é engraçado. Cabe a ele engolir nossa fúria. Daremos uma festa para um palhaço que não foi convidado. Já não nos importa a felicidade, apenas parecermos felizes. Estamos no mesmo barco, que sabidamente afunda. Só nos resta uma boa poltrona para que possamos, de forma confortável, aguardar que as águas nos libertem. O palhaço enfia a cabeça no balde e a mantém submersa por cinco minutos. A água não mais purifica, apenas abafa o mundo. Às personagens restam apenas lembranças. Vagas, imprecisas, que não se compartilham. Terça-feira, 31/07, quinta-feira, 02/08 e sábado, 04/08, sempre às 16h00. Autor: Lourenço Mutarelli Orientação: Mirna Spritzer Elenco: Alessandra Souza; Jessica Christmann ; Juliano Rabello; Kevin Brezolin Diego Acauan; Luiza Dalla Lasta ; Renata Stein.

GRUPO THOLL APRESENTA EXOTIQUE “(...)A nave da felicidade esta acionada para todos nós decolarmos, viajarmos juntos em uma grande descoberta, aproveitando para olhar profundamente o mundo à nossa volta, detalhe por detalhe, e captar em nossa mente tudo aquilo que nos faz rir, ou chorar, mas nunca agirmos com indiferença ao nosso redor. Precisamos ter visão de que somos todos iguais e que, antes de tudo, temos que nos sentir extremamente vivos!” João Bachilli, diretor geral Segunda-feira, 30/07, às 20h00.

ESPETÁCULO DA ORQUESTRA POPULAR DA UNIVERSIDADE Criada em 2011, através de um convênio entre UFRGS e Secretaria de Cultura do Estado do Rio Grande Sul, a Orquestra Popular da UFRGS tem como objetivo criar um ambiente para execução instrumental de música popular dentro da universidade. Com 18 integrantes, a big band atua profissionalmente desde 2010, sob regência do maestro Marcelo Nadruz. A direção artística é de Alex Prinz e a coordenação desse projeto de Extensão do Departamento de Música é do professor Amauri Lablonovski. Domingo, 29/07, às 17h00.

Direção: Ander Belotto

39


PROJETOS ESPECIAIS

RECITAL DO PROJETO

GRUPO TCHÊ

CINE MARÉ DE ARTE

INTERLÚDIO

As Danças Gauchas são muito significativas par todos nós. São ritmos e movimentos que expressam importante aspecto de nossa cultura.

Diariamente às 17h

“As palavras estão muito ditas/e o mundo muito pensado./Fico ao teu lado./Não me digas que há futuro/ nem passado./Deixa o presente – claro muro/sem coisas escritas”. O interlúdio* é isso, uma parada para uma conversa através da música. São recitais de estudantes e egressos do Instituto de Artes que apresentam obras relevantes da literatura musical. Curadoria: Leonardo Winter Sexta-feira, 03/08, às 15h00 e domingo, 05/08, à tarde.

EDIÇÃO ESPECIAL DO PROJETO VALE DOZE E TRINTA O projeto é um espaço de convivência da comunidade universitária e de experimentação para os novos grupos musicais. Leva este nome, pois acontece na praça central do Campus do Vale da UFRGS. O palco recebe apresentações de alunos e servidores da universidade. Segunda-feira, 30/07, às 15h00.

SARAU BEATLES O sonho não acabou ’’você até pode dizer que eu sou um sonhador, mas eu não sou o único, espero que um dia você se junte a nós e o mundo será um só!’’ (“Imagine” – John Lennon). O grupo formado por Marcelo e Tiago com o apoio luxuoso de Cléber Safi e Homero Santoro Quinta-feira, 02/08, às 15h00.

40

Sábado, 04/08, às 17h00.

RITMOS E RITMOS: BRINCANTES DO PARALELO 30. Nesta apresentação o Grupo convida a todos que participaram nas oficinas para dançar e se divertir. Quinta-feira, 02/08, às 15h00.

CAPOEIRA Leandro Miranda, Mestre “Baiacu” e seu grupo convidam a todos para assistir e participar desta apresentação de Capoeira intitulada Puxada de Rede. Domingo, 05/08, às 14h00.

CHÃO DE AREIA Espetáculo do Premiado Grupo que nos trás belíssimas canções deste pedaço de mundo. Gaúchos do Litoral celebrando a tradição e aquecendo os corações. Domingo, 05/08, às 15h00.

ADRIANO LIMA O TROVEIRO DAS ESTRELAS Venha se encantar com as mais belas músicas do Cancioneiro Gaucho com este renomado cantor. Domingo, 05/08, às 16h00.

O MÁGICO DE OZ (The wizard of Oz, EUA, 1939, 102 min) Dir. Victor Fleming Após um tornado em Kansas, Dorothy vai parar com sua casa e seu cachorro na fantástica Oz, onde as coisas são coloridas, bonitas e mágicas. Porém, o seu maior desejo é retornar de volta para casa. Para isso ela deve encontrar um mágico, que lhe mostrará como realizar esse seu desejo. Para chegar até ela, contudo, Dorothy viverá uma aventura inesquecível através do caminho de tijolos amarelos.

TEMPOS MODERNOS (Modern times, EUA, 1936, 83 min) Dir. Charles Chaplin Um trabalhador de uma fábrica sofre um colapso nervoso por trabalhar de forma quase escrava. Ao se recuperar, encontra a fábrica fechada e, confundido com o líder de uma greve, acaba preso. Saindo da prisão, encontra uma jovem.

JANELA INDISCRETA (Rear window, EUA, 1954, 114 min) Dir. Alfred Hitchcock Com a perna quebrada, o fotógrafo L. B. Jeffries não pode sair de seu apartamento. Para passar o tempo, observa seus vizinhos através da janela com uma lente teleobjetiva e se convence que um deles mata a própria esposa e desaparece com o corpo. Um dos mais famosos filmes de suspense já feitos, dirigido pelo mestre do gênero, Alfred Hitchcock.


CASABLANCA

O FILHO DA NOIVA

CENTRAL DO BRASIL

(Casablanca, EUA, 1943, 102 min) Dir. Michael Curtiz Casablanca é a rota obrigatória de quem está fugindo dos nazistas na Segunda Guerra Mundial. É lá que Rick Blaine (Humphrey Bogart) cuida de um night club e ajuda fugitivos de guerra, apesar da pressão a favor dos alemães. No mesmo local ele reencontra Ilsa (Ingrid Bergman), sua ex-amante que partiu seu coração. Ela agora está com o marido, Victor (Paul Henreid), um homem da resistência francesa que precisa da ajuda de Blaine para fugir dos nazistas. O amor entre Blaine e Ilsa renasce e eles precisam decidir: ele a ajuda a fugir com o marido? Ela segue com seu marido ou fica em Casablanca com Blaine?

(El Hijo de la Novia, Argentina, 2001, 124 min) Dir. Juan Jose Campanella O filme conta a história de Rafael Belveder, um homem em crise que vive sob a sombra do pai, não visita a mãe há tempos, sua ex-esposa o critica por não cuidar da filha como deveria e ele tem de se comprometer com a namorada. Mas após um leve ataque cardíaco, Rafael reencontra o amigo de infância, Juan Carlos, que o ajuda a reconstruir o seu passado e ver o presente com outros olhos.

(Brasil, 1998, 112 min) Dir. Walter Salles O filme conta a comovente e emocionante história de Dora, uma mulher que passa seus dias escrevendo cartas para analfabetos na estação Central do Brasil. Uma de suas clientes é Ana, que vai escrever uma carta com seu filho Josué, um garoto de nove anos que sonha em encontrar o pai que nunca conheceu. Na saída da estação, Ana é atropelada e Josué fica abandonado. Mesmo a contragosto, Dora acaba acolhendo e menino e envolvendo-se com ele. Termina por levar Josué para o interior do nordeste à procura do pai. À medida que vão entrando pelo país, esses dois personagens, tão diferentes, vão se aproximando. Começa, então, uma jornada fascinante ao coração do Brasil e uma viagem profundamente emotiva ao coração de cada um dos personagens do filme.

CINEMA PARADISO (Nuovo Cinema Paradiso, Itália, 1989, 155 min) Dir. Giuseppe Tornatore Em Roma, Salvatore di Vitto, um cineasta bem sucedido recebe um telefonema de sua mãe informando que Alfredo está morto. O nome de Alfredo lhe traz lembranças de sua infância e principalmente do Cinema Paradiso, para onde Salvatore, então chamado de Toto, fugia sempre que podia. Ali o menino, fascinado pela magia do cinema, fazia companhia ao bom Alfredo, o projecionista. De menino travesso a jovem sonhador, Toto aprende a amar o cinema através das mãos de Alfredo. Mas após um caso de amor frustrado com Elena, filha do banqueiro, ele deixa sua pequena cidade para tomar o caminho de Roma. Ele só retornará 20 anos depois, com a morte de Alfredo, para enfrentar as lembranças de sua infância.

AS BICICLETAS DE BELLEVILLE (Les triplettes de Belleville, França, 2003, 80 min) Dir. Sylmain Chomet Adotado pela sua avó, Madame Souza, Champion é um menino solitário. Reparando que o garoto fica mais feliz em uma bicicleta do que em qualquer outro lugar, Madame Souza põe Champion em um rigoroso treinamento. O tempo passa e ele se torna merecedor de seu nome, passando a fazer parte do famoso circuito de corridas de bicicleta francês, o Tour de France. Durante a disputa, dois homens misteriosos sequestram o jovem rapaz.

Programação sujeita a alterações.

41


ARTES VISUAIS

P E R C U R S O D O A R T I S TA Do percurso de um artista – sobre a experiência em ajudar a reconstruí-lo No primeiro semestre em que entrei no Instituto de Artes da UFRGS, no ano passado, fui aluna na disciplina de desenho do professor Flávio Gonçalves. Já conhecia um pouco do artista, que respeito tanto quanto o professor que ele foi – e talvez ainda será algumas vezes – pra mim; muito mais do que o desenho como trabalho finalizado, boa parte da noção de importância do processo, do valor do material e da memória do suporte foi ele quem me ensinou. Tudo isso nunca através de alguma explicação, é claro, pois o professor Flávio não é muito de explicar. Ou concorda, ou discorda (e se ele o faz, é quase sempre só com um aceno de cabeça). Foi essa a primeira impressão que eu tive quando aceitei a oportunidade de trabalhar como bolsista dele no Projeto Percurso do Artista, realizado pelo Departamento de Difusão Cultural da UFRGS. Isso vai ser um desafio, pensei. Como eu vou me aproximar dos trabalhos produzidos ao longo de toda a jornada de um artista tão denso e pessoal? Sim, pessoal. Para quem o conhece, e sabe o quanto ele é reservado em relação ao seu íntimo, é estranho descobrir que muitos dos elementos gráficos tantas vezes repetidos e revisitados em seus desenhos fazem parte de um inventário particular, e revelam muito de quem ele foi quando criança. Acredito que esse período de releitura e catalogação foi tão revelador a mim quanto a ele! Em resumo, adorei essa experiência. Revi – uma vez mais, de tantas que virão – sobre a fatura do trabalho; sobre a seriedade e o foco que um desenho pede; sobre o cultivar esse desenho e estudá-lo,

42

saber dele todos os detalhes e estar consciente de todas as decisões tomadas a seu respeito. Poucas são as pessoas, mesmo no curso de Artes Visuais, que entendem realmente essa imersão. É um estado de eterna busca, e por consequência, afastamento do que é zona conhecida e confortável. Até conversamos (!) sobre isso algumas vezes. (Estou brincando... ele fala pouco comparado a mim, só isso). A exposição, produto deste trabalho conjunto (e em conjunto com mais tantas outras pessoas, que ao lerem este texto saberão que falo e agradeço a elas), pode ser visitada até dia 03 de agosto na Sala Fahrion (Prédio da Reitoria da UFRGS). A meu ver, a mostra reflete claramente esse comprometimento do prof. Flávio frente à sua pesquisa como artista, e por poder compartilhar desse resgate, me sinto muito sortuda. Parabéns aos envolvidos pela iniciativa e desenvolvimento deste projeto, que enriquece a todos que o prestigiam e proporciona ao próprio artista essa visão ampla sobre toda sua trajetória. Letícia Arais Lopes, junho de 2012

PERCURSO DO ARTISTA Data: 24 de agosto, de segunda a sexta-feira Horário: das 10 às 18h Local: Sala Fahrion – Prédio da Reitoria da UFRGS Av. Paulo Gama, 110 – 2º andar


43


TE ATRO

T E AT R O P E S Q U I S A E E X T E N S Ã O O que você foi quando era criança? O circo acabou. As personagens não buscam o divertimento. Elas buscam quase desesperadamente, por meio do consumo, o conforto. Não há motivos para rir. O riso é apenas um espasmo. É preciso acreditar em uma nova forma de salvação. O palhaço perdeu seu emprego. Nós estamos perdendo o nosso. É obrigação do palhaço receber nossa arrogância. O palhaço não é engraçado. Cabe a ele engolir nossa fúria. Daremos uma festa para um palhaço que não foi convidado. Já não nos importa a felicidade, apenas parecermos felizes. Estamos no mesmo barco, que sabidamente afunda. Só nos resta uma boa poltrona para que possamos, de forma confortável, aguardar que as águas nos libertem. Às personagens restam apenas lembranças. Vagas, imprecisas, que não se compartilham. Dividem o mesmo espaço, mas não o mesmo tempo.

O espetáculo é originado na disciplina de Atuação IV, com orientação de Mirna Spritzer, adaptação de uma peça do renomado escritor, ator, dramaturgo e autor de histórias em quadrinhos Lourenço Mutarelli. A direção é de Ander Belotto e conta com o seguinte elenco: Alessandra Souza; Jessica Christmann ; Juliano Rabello; Kevin Brezolin; Diego Acauan; Luiza Dalla Lasta; Renata Stein.

O QUE VOCÊ FOI QUANDO ERA CRIANÇA? Data: Todas as quartas-feiras de agosto, sempre às 12h30 e 19h30 Local: Sala Alziro Azevedo Av. Salgado Filho, 340, Centro

Quadrinhos / Marina Oliveira

44


LOCALIZAÇÃO

AS AR

ME

NT

O

LE

ITE

R U A EN G . LU IZ EN G LE R

T

RU

RU

RU

INSTITUTO DE QUÍMICA

A

B

B

C

D

E

.P AV

L AU

O

GA

MA

CAMPUS CENTRAL A – Sala Qorpo Santo B – Sala Redenção – Cinema Universitário C – Salão de Festas D – Sala Fahrion E – Salão de Atos Entradas Principais Entradas Secundárias

ENDEREÇOS Sala Qorpo Santo / Sala Redenção – Cinema Universitário – Av. Eng. Luiz Englert, s/n°, Centro Histórico Salão de Festas / Sala Fahrion – Av. Paulo Gama, 110, 2° andar da Reitoria – Campus Central Salão de Atos – Av. Paulo Gama, 110

A

CAMPUS DO VALE A – Parada de Ônibus B – Praça Campus do Vale Caminho da Parada até a Praça do Campus

INFORMAÇÕES GERAIS DEPARTAMENTO DE DIFUSÃO CULTURAL Endereço: Av. Paulo Gama, 110 – Mezanino do Salão de Atos – Campus Central Fone: (51) 3308 3933 ou (51) 3308 3034 E-mail: difusaocultural@ufrgs.br Website: www.difusaocultural.ufrgs.br Entrada e inscrição em eventos: agendamento pelo site ou no local Horário de Funcionamento: das 8h às 18h, aberto ao meio-dia.

45


Universidade Federal do Rio Grande do Sul Reitor Carlos Alexandre Netto

! !

Difunda essa cultura de forma consciente

Vice-Reitor e Pró-Reitor de Coordenação Acadêmica Rui Vicente Oppermann

LEIA E PASSE ADIANTE

Pró-Reitora de Extensão Sandra de Deus

Seja amigo do DDC no facebook

Vice-Pró-Reitora de Extensão Jussara Smidt Porto

FACEBOOK.COM/DDC.UFRGS

Diretora do Departamento de Difusão Cultural Claudia Mara Escovar Alfaro Boettcher

e nos siga no twitter @UFRGS_DIFUSAO

Equipe do DDC Carla Bello – Coordenadora de Projetos Especiais Edgar Wolfram Heldwein – Administrador da Sala Redenção – Cinema Universitário Juliana Mota – Coordenadora e curadora do Projeto Vale Doze e Trinta Lígia Petrucci – Coordenadora e curadora do Projeto Unimúsica Sinara Robin – Coordenadora do Projeto Reflexão Tânia Cardoso de Cardoso – Coordenadora e curadora da Sala Redenção – Cinema Universitário Bolsistas Diego Carneiro Fernanda Castilhos Giulia Barão Júlia Cabral Laura Spina Marielen Baldissera Marina Alvarez Maurício Lobo Raquel Pianta Projeto gráfico Katia Prates Revisão Priscila Monteiro Diagramação Marina Alvarez Crédito imagens p. 13 – cena do filme M - O vampiro de Dusseldorf; p. 14 e 15 – cena do filme O Abominável Dr. Phibes; p. 14 e 16 e 17 – Kubrick no set de gravação; 18 e 19 – cena do filme Invictus; p. 25 – cena do filme Ensaio Sobre a Cegueira; p. 32 – cena do filme Chega de Saudade. Programação sujeita a alterações. Sala Redenção – Cinema Universitário Apoio Os filmes da Mostra Vincent Price fazem parte do acervo do CineSesc.

46


apoio cultural 47


Departamento de Difusão Cultural Universidade Federal do Rio Grande do Sul Mezanino do Salão de Atos UFRGS Av. Paulo Gama, 110 Porto Alegre – RS (51) 3308.3034 e 3308.3933 difusaocultural@ufrgs.br www.difusaocultural.ufrgs.br

48


Agenda Julho Agosto  

Agenda Cultural dos meses de julho e agosto de 2012

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you