Page 1

Escola Cooperativa V.S. Cosme - Didáxis Número 84 Janeiro 2012

pág. 06

CAMPEONATOS EUROPEU E MUNDIAL DE JOVENS DE XADREZ

pág. 05

pág. 15

pág. 18

Corta Mato Escolar

Alunos EFA República

pág. 14

visitam

Assembleia

Alunos da Escola Cooperativa Vale S. Cosme estagiam nos melhores hotéis do país

Projeto Comenius Diários de Bordo...

“ENERGY - Engaiging and EneRgising generation Youth”

pág. 16

da

Dia do Diploma


02

Ano XXIV

EDITORIAL

O Natal é uma festa com memória na nossa comunidade. Em cada ano, faça chuva ou sol, em cada turma, repete-se o encontro da família, a festa da consoada, com o brilho e a participação intensa de sempre. O Natal é a oportunidade para o desenvolvimento da criatividade nos preparativos e do talento nas actividades culturais, um período para o crescimento da amizade, da alegria, da partilha e, mais do que nunca, do sentido da poupança. Poupança. Até há bem pouco tempo, muitos de nós, certamente otimistas, pensávamos que tudo na vida deveria correr sempre bem, mas hoje sentimos que não é bem assim. Na verdade, a partir de 2011, “mais com menos” é a expressão dos tempos, que aos poucos pas-

nº 85 Janeiro 2012

Jornal O Vale

MAIS COM MENOS, O NOVO CICLO

sou do discurso à prática e abriu portas a um crescerem como pessoas, incluindo os que novo ciclo de vida, marcado pela redução de desfrutam da sua leitura. Acreditamos, por essa evidência, que os recursos e condições de trabalho quotidiano mais exigentes. “Mais com menos” é igual a jovens podem fazer muito mais pela Escofazer o melhor possível, com os recursos dis- la, por si, em múltiplos aspetos. De todos e, poníveis e, admitindo que a realidade não é só em particular dos jovens, é legítimo espeaquilo que vemos mas o que somos, é viver rar, porque deles é o futuro, que sejam a alavanca para um sem desânimo, acusações, lamentações ou 2012, o Ano Novo, já está aí e desenvolvimento fantasias. harmonioso da sopromete destronar 2011, em ciedade, que exige E é neste novo ciclo sacrifícios e desassossego. fundamentalmende limitadas possibiliMesmo assim, “ pelo sonho te o conhecimendades que “O VALE” continua a assumir-se (é que) vamos…” to que os exames avaliam, mas tamcomo um projeto de Escola partilhado, uma bém a capacidade publicação trimestral de empreender e em suporte de papel, com a seriedade habi- inovar e, não menos relevante, a formação tual. No presente número, a ênfase vai para da pessoa, nos valores morais e da cidadaos jovens empenhados, atentos e críticos, que, nia. devidamente orientados, lhe dispensaram, de Na fase genética da sua caminhada para forma colaborativa, cooperativa e lúdica, o uma vida adulta de sucesso, enquanto aprenseu tempo e o seu saber. Esperamos que esta dem a usar as novas redes do cérebro, os joexperiência de aprendizagem ajude todos a vens afirmam a sua identidade, procuram na-

turalmente a novidade, a companhia uns dos outros, correm riscos, mas também revelam falta de sentido do dever e sentido do outro e persistem em comportamentos menos positivos que, além da consumição que provocam, não são de solução fácil. A solução é a “instrução e a formação do caráter, essa parte aprendida da personalidade, espécie de segunda natureza, adquirida através da cristalização de hábitos afetivos, cognitivos e morais “ (Daniel Sampaio). Uma educação assim exige diálogo, disciplina, mão leve e firme. Uma educação assim é responsabilidade dos pais e professores, um trabalho diário, árduo e . 2012, o Ano Novo, já está aí e promete destronar 2011, em sacrifícios e desassossego. Mesmo assim, “ pelo sonho (é que) vamos…” Alcino Faria

CRÓNICAS DOS DIAS INCERTOS «Olá, Fátima, não se esqueça do convite que já lhe fiz antes… Há que manter vivo o nosso jornal, ele faz parte da Escola e é responsabilidade de todos…» Parece-me que foi, mais ou menos assim que o Dr. Alcino, o nosso atual Diretor Pedagógico, me lançou, de novo, o repto de recomeçar os meus escritos que durante tantos anos mantive no Vale. Chamo-lhes escritos, porque nunca os encarei como rígidos ou pretensiosos de poderem influenciar ou constituir opiniões. Saem-me ao sabor da pena, escolhido que é o tema a tratar, no momento. É verdade que o gosto pela escrita me acompanhou desde muito jovem e o apelo que me vem cá de dentro de intervir, conjugam-se perfeitamente, levando-me a discorrer e a partilhar com aqueles que, porventura, quiserem refletir sobre assuntos que nos chegam nestes dias de incerteza, que já roçam a conflitualidade, instalada nos diversos recantos da sociedade portuguesa. Bem, feita esta pequena introdução à laia de explicação para o aparecimento, creio que regular destas crónicas, a verdade é que não tive lata para defraudar as expetativas do Dr Alcino, logo a ele, com quem eu tanto insisti, quando eu própria exercia as funções de diretora do Vale. Lá diz o povo “Amor com amor se paga”. Esta de usar este provérbio até parece despropositado, mas o certo

é que não me surgiu um outro que configurasse Como tudo é efémero… aquilo que pretendo dizer. Aquilo que parecia definitivo, deixou de ser. E então, de que falar? O país, perante políticas discutíveis que aqui Parecia-me uma hipocrisia passar ao lado dos não nos parece conveniente abordar, começa a problemas que temos vindo a sentir, das mudan- vacilar… A palavra crise tomou conta do nosso ças, das adaptações, das incertezas, das angús- vocabulário diário, levantando, a cada dia que pastias… Não poderia deixar de tocar no triste fim de sava uma pontinha de um véu que nada de bom ano letivo, que, tal como todos os acontecimentos nos agoirava. marcantes das nossas vidas, nos acompanham por NÃO HÁ DINHEIRO, NÃO HÁ DINHEIlongos e penosos tempos infindos… RO! Gritavam exauridos os políticos que não 37 anos. É exatamente viram outra forma de estabiConstato que, todos sem lidade social que a de pedir esta a idade da minha/nossa exceção, continuam a uma ajuda externa para a Escola. Minha/nossa porque trabalhar afincadamente resolução dos nossos probleforam/são muitos aqueles que na preparação dos seus alunos mas mais imediatos e… Mais aqui estiveram / estão a defenpara que, como se levantada grave ainda, estes estavam só der a sua bandeira. das cinzas, a nossa Escola, a começar. Quanto orgulho quando víamos a Didáxis ser reconhe- continue a ser o paradigma da Há que fazer reformas, há cida pelas mais altas entidades Excelência no ensino, marca a que que cortar, cortar, cortar… do nosso país. Sim, sim, mes- já nos habituamos e da qual não Mas, na Educação? Ela é a mo as mais altas: Presidentes abriremos mão. máquina que faz rodar o prode Câmara, vereadores, emgresso de um país. Mas sim, presários influentes das várias também na Educação. E sem regiões do país, organismos dinheiro, como realizar proeducativos, Igreja, universidades, direções regio- jetos, como implementar inovação, como formar nais, secretários de Estado, Ministros e até o Pre- professores, como educar com dignidade? sidente da República! Uma panóplia de individuaForam estes os “verdadeiros socos no estômalidades que sempre se mostravam prestigiadas ao go” com que aqueles que nos administram/gerem, serem convidados para a nossa Escola. por aqui, há muitos e muitos anos, sempre com Quem se poderia manter indiferente a esta sucesso reconhecido, se depararam e tiveram de onda de estímulo e reconhecimento social que encontrar soluções. Estas nem sempre foram do proclamou a Didáxis como uma das melhores es- agrado de todos, nomeadamente, daqueles que, colas do país? infelizmente, tiveram de ser dispensados.

Propriedade: Escola Cooperativa de Vale S. Cosme (DIDÁXIS), Avenida de Tibães, nº 1199 – 4770 568 - Vale S. Cosme, Telf. 252910100 / Fax 252910109 Direção: Alcino Faria Paginação e arranjo gráfico: Ana Filipa Braga e João Costa (12.2) Fotografia: Nuno Marinho, Paulo Silva e João Rebelo e António Freitas Redação: Ana Merelim, Joana Antunes, João Rebelo e Juliana Silva Impressão: Naveprinter Colaboradores: Elisabete Dias, Guilherme Fonseca e Ana Patrícia Fernandes. Agradecimentos: José Azevedo

As notícias nos meios de comunicação social não se fizeram esperar e até, aqui e ali reconhecemos um misto de raiva e maldadezinha, dando conta da “situação precária” da Didáxis. Outros auguraram, mesmo, o seu fim anunciado. Vivemos, é verdade, dias menos bons, vimos alguns dos nossos colegas deixarem os seus postos de trabalho. E quantos entre esses, tanto trabalharam em prol de uma escola de sucesso, onde era prestigiante ensinar! Passados que foram os primeiros tempos, tempos de adaptação – afinal uma nova Escola nascera – constato que, todos sem exceção, continuam a trabalhar afincadamente na preparação dos seus alunos para que, como se levantada das cinzas, a nossa Escola, continue a ser o paradigma da Excelência no ensino, marca a que já nos habituamos e da qual não abriremos mão. O futuro? Pois esse é uma incógnita, considerando-o no contexto económico e social de mudança em que vivemos. Há, no entanto, um pressuposto que me parece inabalável – as decisões a tomar serão exclusivamente fruto da “roda dos acontecimentos” e as rodas mudam de rumo consoante as forças que exercem sobre elas. Para concluir esta crónica, não poderia deixar de desejar as maiores felicidades à nova Direção Pedagógica, no traçado e cumprimento dos objetivos, nestes tempos de incerteza. Fátima Andrade (professora)


Ano XXIV

nº 85 Janeiro 2012

Jornal O Vale

“Preciso de um Anjo da Guarda”

“Preciso de um Anjo da Guarda” foi o apelo que a Sara, de apenas 7 anos, e os seus pais fizeram na divulgação das campanhas de dadores de medula óssea para ajudar a Sara. O pesadelo da Sara e dos seus pais começou em setembro quando, após o segundo dia de trabalho, depois das merecidas férias, se depararam ao chegar a casa, com um cansaço estranho e uma palidez repentina da filha. Assim, decidiram levar a filha ao Hospital Privado da Trofa a fim de perceber o que se passava com ela. Ao fim de algumas horas de espera, já de madrugada, foram encaminhados para o Hospital S. João, no Porto, pois os resultados das análises efetuadas indicavam que o estado de saúde da Sara era muito grave. Lá permaneceram durante 3 dias e o pior foi confirmado. Entretanto, a Sara foi internada no IPO (Instituto Português de Oncologia) onde lhe fizeram mais exames e confirmaram que a Sara sofria de Síndrome Mielodisplásico, uma doença rara em crianças, doença que afeta sobretudo pessoas com idade acima dos 60 anos. Na prática, a medula óssea da Sara deixou de produzir plaquetas e glóbulos vermelhos. Deste modo, a cura da Sara passa pelo transplante de medula óssea. Desde setembro que a rotina desta família mudou radicalmente. A Sara deixou de ir à escola e os pais deixaram os seus empregos para a acompanhar nas visitas que faz diariamente ao IPO, para receber transfusões ora de plaquetas, ora de sangue para repor os glóbulos vermelhos, no sentido de evitar que a sua doença “pré-leucemia” passe a leucemia. Quando não precisa de ir ao IPO, a Sara tem aulas em casa com a professora Delfina que foi destacada pelo Agrupamento de Escolas de Arnoso Sta Maria para lhe dar o apoio necessário. Entretanto, surgiu a ideia de organizar uma campanha para dadores de medula óssea, com o objetivo da aumentar a esperança da Sara e de outros meninos, jovens e adultos que se encontrem em situação idêntica. Para que o Centro de Histocompatibilidade do Norte se desloque a uma determinada localidade para fazer a recolha de sangue são necessárias 50 pré-inscrições. De imediato, familiares e amigos inscreveram-se e foi agendada a 1ª recolha no dia 29 de Outubro de 2011. Precisávamos de um espaço para fazer a colheita do sangue, a Didáxis reunia as melhores condições para o fazer. Contactámos o Dr. Alcino Faria, diretor da Didáxis, que se mostrou muito recetivo a ceder as instalações da escola para esta campanha.

No dia 29 de outubro foram centenas os que responderam ao apelo da Sara. Familiares, amigos e muitos anónimos quiseram ajudar. Foram efetuadas 1200 colheitas de sangue, mas ainda ficaram algumas centenas por atender. Assim sendo, foi agendada nova colheita que se realizou no dia 12 de Novembro. Nesta 2ª colheita foram registados mais 526 novos dadores de medula óssea. O balanço foi mais que positivo, pois nas duas campanhas conseguimos mais 1726 novos potenciais dadores de medula óssea.

O balanço foi mais que positivo, pois nas duas campanhas conseguimos mais 1726 novos potenciais dadores de medula óssea. Saliento que estas campanhas só foram possíveis devido à colaboração de técnicos(as) de análises clínicas e de enfermeiros(as) que se voluntariaram para fazer as colheitas de sangue. Muitos destes profissionais de saúde, nos dias das colheitas, estavam de serviço nos respetivos laboratórios de análises clínicas ou hospitais e trocaram os seus turnos para estarem presentes. A todos muito obrigada pois a vossa ajuda foi fundamental. No dia da 1ª campanha os pais da Sara estiveram presentes. O mesmo não aconteceu na 2ª campanha, na qual só esteve presente o pai, pois a Sara foi novamente internada no IPO, uma vez que o seu estado de saúde piorou. Para os pais da Sara, Ana e Jorge, o carinho e o apoio de todas as

03 pessoas que se deslocaram à Didáxis tem sido muito importante nesta fase das suas vidas. A dor de ver a sua filha nesta situação não desaparece, mas o saberem que não estão sós e que há uma multidão a querer ajudar, alivia-os e ajudar a manter viva a esperança da cura da Sara. A medula óssea é a fábrica do sangue. Fica dentro dos ossos e produzem-se lá os glóbulos vermelhos, os glóbulos brancos e as plaquetas. Os glóbulos vermelhos transportam o oxigénio, os glóbulos brancos defendem-nos das infecções e as plaquetas ajudam a coagulação. Não podemos viver sem estas células. Há doentes que têm a sua fábrica do sangue tão doente que precisam de a substituir por outra, precisam de fazer um transplante de medula. Dada a dificuldade de se encontrar duas pessoas iguais nas suas características tecidulares, só um grande movimento de solidariedade pode permitir ajudar os doentes que necessitam de transplante de medula. Como diz a Dra Helena Alves, diretora do Centro de Histocompatibilidade do Norte, “quanto maior for a rede de dadores, maior será a bóia de salvação a quem podem agarrar-

-se as famílias e os doentes”. Todas as pessoas saudáveis, com idade entre os 18 e os 45 anos e peso superior a 50 kg podem ser dadores de medula óssea. Se é saudável pode fazer a sua dádiva todos os dias no Hospital S. João, no pavilhão Maria Fernanda, onde se localiza o Centro de Histocompatibilidade do Norte. Para mais informações podem consultar o site do cedace: www.chnorte.min-saude.pt/ Agradeço do fundo do coração a todos os ajudaram a aumentar a esperança de cura da Sara. Muito obrigada! Elisabete Dias (tia da Sara)


04

Ano XXIV

nº 85 Janeiro 2012

Jornal O Vale

Visita ao AvePark - 3B’s Research Group

No passado dia 27 de outubro a turma de Física do 12º ano, constituída por alunos da 12.2 e 12.3, teve o prazer de visitar o centro de investigação 3B’s, instalado no complexo do AvePark. O AvePark, instituído 10 de Maio de

2004, está situado em Guimarães, mais concretamente na vila de Caldas das Taipas. Representa um investimento de cerca de 9 milhões de euros, cobrindo uma área total de 80 hectares e apontam os estudos que poderá gerar cerca de 4000 empregos até 2020. É aqui que está instalado o 3B’s Research Group, que se dedica à investigação na área dos polímeros, com particular foco na utilização destes materiais na medicina. O 3B’s Research Group foi fundado em 1998 na Universidade do Minho e conta com a colaboração de investigadores nas mais diversas áreas científicas. É actualmente dirigido por Rui Reis e lidera uma rede internacional de laboratórios, o European Institute of Excellence on Tissue Engineering and Regenerative Medicine, que se estende por 13 países e 22 centros de investigação. A nossa visita a este centro permitiu-nos ver de perto uma ínfima parte do

trabalho que é lá desenvolvido todos os dias, por uma empenhada equipa de cientistas, oriundos de vários pontos do globo. Seguindo as elucidações dos investigadores que nos conduziram na visita às instalações, fomos expostos a uma realidade que é conhecida por poucos: faz-se em Portugal investigação ao mais alto nível, numa área muito promissora, que poderá revolucionar a forma como são tratados certos problemas de saúde. Foi uma verdadeira honra conhecer por dentro, ainda que só uma pequena amostra, um fervilhante centro de investigação que poderá dar resposta a muitos dos enigmas que a medicina regenerativa ainda empossa. Aluno: David Figueiredo Prof. : Paulo Oliveira DCFN-FQ

Dia Mundial da Música No dia 3 de outubro celebramos o dia Mundial da Música (1 de Outubro). Nesse dia fizemos um mini-espetáculo na sala de eventos, onde as turmas 5º2 e 5º4 cantaram a música “ A nova Escola”. Outros colegas tocaram com instrumentos musicais e cantaram algumas músicas. Foi uma das primeiras atividades que realizamos desde que entramos no 5º ano e gostamos imenso! Adoramos festejar o dia mundial da música! Catarina Azevedo e Diana Ferreira, “Foi divertido participar. A minha mãe “Gostei muito de cantar com os meus veio ver-me e adorou.” colegas e diverti-me à grande!” Hugo Andrade Turma 5º4

Fábio António Oliveira Turma 5º2

“Gostei muito que a minha mãe me “Foi muito bom apresentar o dia Munviesse ver aqui na escola. Adoro música!” dial da Música na Didáxis.” Mariana Vale Turma 5º4

Ana Fernandes Turma 5º4

“Foi fantástico! Foi um espetaculo “ Adorei o facto de me terem convicom muita animação e sobretudo, com dado para ir celebrar este dia tão especial. muita Música.” Foi fantástico!” Nuno Ferreira Turma 5º2

Andreia Catarina, Turma 5º4

Uma tarde de Astronomia

No dia 9 de novembro o Planetário Portátil do Porto veio à nossa escola. Foi na sala de Eventos, durante três sessões, que os alunos do 7º ano de escolaridade assistiram à apresentação do planetário. As sessões foram orientadas por dois monitores que proporcionaram uma visão de um céu luminoso com milhares de estrelas, uma viagem pelos oito planetas principais do sistema solar e abordaram também outros temas específicos da Astronomia. Os alunos do 7ºano acompanharam uma viagem de quarenta minutos que desvendou muitos dos misteriosos se-

gredos do nosso Universo. Esta atividade proporcionou a visualização de corpos celestes difíceis de observar no céu devido à poluição luminosa. Além disso, os conhecimentos dos alunos aumentaram na medida que aprenderam a observar o céu nocturno: agora os alunos conseguem localizar mais facilmente as principais constelações do HN e a Estrela Polar. Um pouco mais sobre o Planetário Portátil: O Centro da Astrofísica da Universidade do Porto adquiriu em 1990 um planetário portátil que leva às escolas básicas e secundárias, um pouco por todo o país. O objetivo deste projeto é levar a Astronomia às escolas, mesmo a partir dos quatro anos de idade. Desde 1991 foram abrangidas por este programa mais de 176 mil crianças. Foi uma tarde de conhecimento onde todos saíram mais enriquecidos! Turma 7.8

“Adorei o espetáculo do dia mundial da Música porque foi a primeira vez que pisei o palco da sala de eventos.” Gabriela Cruz Turma 5º2

“Semana do Movimento”

O Departamento de Educação Física e Desporto Escolar (DEFDE), organizou para toda a comunidade escolar da Escola Cooperativa Vale S. Cosme, a “Semana do Movimento. Entre os dia 9 e 11 de Novembro, diversas actividades foram realizadas, com o objectivo de sensibilizar a comunidade para a prática da actividade física e para a importância da aquisição de hábitos de vida saudável: aulas de grupo de “Jump Fit” (Fit Club ATC), “Dança contemporânea” (Prof Maria João), “Combat” (Prof. Sara Ferreira), “Brazilian JIU Jitsu” (Prof. José Lima), “Bateria de

Testes Fitnessgram” (Profs. Dep. Educação Física) e um Torneio de Basquetebol (ATC). Pretendia-se incentivar os alunos a conciliar o desporto com a vida académica e a combater a obesidade. A “semana do movimento” proporciona uma série de experiências aos nossos alunos que de outra forma não as teriam. E com esta oportunidade acabam por ficar a conhecer uma grande diversidade de formas de praticar exercício físico, podendo assim escolher o que mais lhes agradar. Departamento de Educação Física e Desporto Escolar


Ano XXIV

nº 85 Janeiro 2012

05

Jornal O Vale

FOMOS AO TEATRO… Turmas 9.1 e 9.7 no Teatro Circo

No passado dia 24 de novembro, os alunos das turmas 9.1 e 9.7, acompanhados das respetivas professoras de Língua Portuguesa, deslocaram-se ao Teatro Circo, a Braga, onde assistiram à representação da peça Auto da barca do Inferno de Gil Vicente, encenada pela Companhia de Teatro de Braga. Em geral, a experiência foi bastante positiva, apesar de uma das personagens preferidas, Joane, o parvo, ter deixado um bocadinho a desejar, por ser tão “apagadinho”. Já o Diabo, um verdadeiro diabrete, fez as delícias do pessoal, de tão travesso e ousado que era. Ficou por saber se Gil Vicente teria achado graça ao Anjo, que mais parecia a Brísida Vaz, mas nós achamos! O que é preciso é inovar e reinventar!!! Depois da peça, tivemos oportunidade de visitar a “Centésima Página”, (um conceito inovador de livraria cuja visita recomendamos); lanchar no McDonald’s; e passear pela zona histórica de Braga! Ah! E ainda comemos umas castanhas assadas quentinhas, que estavam uma delícia! Uma experiência a repetir!

Demonstração do Projeto F1 In Schools No dia 16 de Novembro, Quarta-Feira, durante todo o dia, realizou-se na Escola Cooperativa de Vale S. Cosme, mais uma demonstração do Projeto F1 In Schools. O concurso F1 in Schools nasceu em Londres apoiado pelo "patrão" da F1, Bernie Eccleston, e teve como padrinho na última edição o campeão do mundo, Lewis Hamilton. O projeto consiste num desafio educacional que implica a construção de um F1 em miniatura, destinado a jovens entre os 9 e os 19 anos. Os parâmetros de avaliação serão semelhantes aos que ocorrem na Fórmula 1: design, velocidade, resistência no túnel de vento e modelo de negócio. Este formato permite aos jovens entrarem em contacto com matéria do plano de estudos de uma forma inovadora, com um ambiente de aprendizagem

atrativo, que permite despertar o interesse dos jovens para as áreas da engenharia, ciência e tecnologia. A Escola Cooperativa de Vale de S. Cosme é uma referência a nível Regional e Nacional, Tricampeã Regional e 2º lugar Nacional na última edição, os objetivos para este ano são o 1º Lugar na prova Nacional e a presença na prova Mundial, a organização esta a realizar todos os esforços para divulgar e reunir as melhores equipas. A organização agradece a todos a colaboração prestada e realça o empenho e dedicação dos elementos das equipas Ligh Year (Ricardo Costa, João Melo, Pedro Ferreira e Marvin Tortas) e Legacy (Pedro Gomes, Pedro Ribeiro e Raul Machado) em toda a logística da demonstração.

A organização: Rui Cancelinha

Atividade Especial

Os alunos com Necessidades Educativas Especiais (NEE) resolveram vender pipocas como forma de angariar dinheiro para a visita de estudo que vão realizar no final do ano letivo. Esta atividade superou todas as expectativas que estes alunos tinham para esta iniciativa, o que levou a realizá-la mais do que uma vez. Para além disso, conseguiu-se envolver um grande número de alunos da nossa escola, juntamente com os alunos NEE, levando-os a compreender o seu espaço, a sua importância e necessidade. Estes alunos receberam grandes elogios pelo seu trabalho, dedicação e esforço. A sala onde decorreu esta atividade mostrou a todos os alunos da escola uma enorme vontade de participação e colaboração neste projeto e gerou um desejo de terem também um espaço tão acolhedor, divertido e agradável, como é, esta sala tão especial. Participação de: Ricardo Araújo 8º5 Paulo Seara 9º7 Pedro Rocha 7º3 Paulo Ferreira 8º5 André Seara 9º7 José Filipe 9º2

Coordenadora do Apoio Educativo Ana Isabel Carvalho

Alunos EFA visitam Assembleia da República Os adultos do curso EFA (Educação e Formação de Adultos) diurno de nível secundário da Escola Cooperativa de Vale S. Cosme - Didáxis realizaram uma visita de estudo no dia 25 de novembro à Assembleia da República, acompanhados pelos docentes do domínio da cidadania e profissionalidade (CP) e pela mediadora. O grupo assistiu ao plenário, onde estava a decorrer uma sessão cujo conteúdo era a aprovação do Orçamento de Estado na especialidade. O debate foi aceso! Apesar da azáfama, verificaram-se outros pontos de interesse nos deputados. A agitação era grande e os discur-

sos sucediam-se perante as atenções de todos aqueles que estavam nas galerias, boquiabertos com o desenrolar dos trabalhos. Depois de assistir a esta sessão, o grupo foi recebido por três deputados eleitos pelo distrito de Braga e pertencentes a diferentes partidos, dos quais PSD, CDS-PP e PS, Dr. Paulo Oliveira, Dr. Altino Bessa e Dr. Nuno Sá, respetivamente. Após uma breve introdução acerca da sua condição de deputados, em que expuseram o modus operandi dessa profissão, estes ficaram à disposição do grupo para esclarecerem algumas dúvidas. Muitas perguntas foram feitas, nomeadamente, como é possível viver, somente, com 485.00€ mensais e quais as possíveis saídas profissionais destes adultos que ficarão desempregados em meados do mês de dezembro, pois o curso está para findar. À primeira questão responderam “nem imagino”, enquanto que à segunda, deixaram em aberto alternativas, apesar de escassas, na atual conjuntura de dificuldades económicas europeias. De seguida, o grupo dirigiu-se ao Mosteiro dos Jerónimos para fazer uma visita cultural.

Aqui, teve a oportunidade de visitar os túmulos de Fernando Pessoa, de Luís Vaz de Camões, de Vasco da Gama e de Alexandre Herculano, nomes incontornáveis da História de Portugal. Para finalizar este dia em beleza, os viajantes foram provar os deliciosos e célebres pastéis de Belém. Posteriormente, efetuaram a viagem de regresso. Coordenador do Centro Novas Oportunidades, Carlos Brandão


06

Ano XXIV

nº 85 Janeiro 2012

Jornal O Vale

CAMPEONATO MUNDIAL DE JOVENS DE XADREZ Alice e Inês Machado Oliveira Brilham

Inês Oliveira (esquerda), Alice Oliveira (direita)

Decorreram de 17 a 27 de novembro, na cidade de Caldas Novas em Goiás, no Brasil, o Campeonato Mundial de Jovens de Xadrez 2011 nos escalões Sub-08, 10, 12, 14, 16 e 18. Este evento contou com cada um dos escalões subdivididos nas categorias absoluto e feminina, 451 mulheres e 609 homens, que disputaram 9 partidas para definir cada um dos doze títulos mundiais… Alice Machado Oliveira, atual 13ª melhor jogadora da Europa, atleta famalicense do NXVSC-Didáxis alcançou um resultado brilhante e foi o grande destaque da delegação portuguesa: 12º lugar no escalão Sub-08, 6 pontos em 9 possíveis, com os mesmos pontos que a 6ª classificada. Com esta performance Alice Machado Oliveira entrará no ranking Elo FIDE (sistema de pontuação Mundial de força de jogo) e denotou uma evolução considerável desde o Campeonato da Europa, disputado no passado mês de Setembro, pois

Alice Machado, melhor atleta da delegação portuguesa brilhou no Mundial de Xadrez de Jovens

classificou-se no 4º lugar entre europeias. Assaubayeva Bibissara natural do Cazaquistão sagrouse Campeã Mundial Sub-08 conquistando 8 pontos em 9 possíveis, num torneio que contou com 60 participantes. Inês Machado Oliveira, também, atleta famalicense do NXVSC-Didáxis alcançou um resultado histórico: 21º lugar no escalão Sub-16, 5.5 pontos em 9 possíveis, com os mesmos pontos que a 16ª classificada. Com esta performance Inês Machado Oliveira somou mais 19 pontos de Elo Fide e superou largamente os objectivos inicialmente traçados. Ziaziulkina Nastassia, Mestre Internacional Feminina, natural da Bulgária sagrou-se Campeã Mundial Sub-16 conquistando 7.5 pontos em 9 possíveis, num torneio que contou com 90 participantes. A delegação portuguesa contou com o apoio técnico do Mestre Internacional António Fróis e de Paulo Costa e a

participação de mais 4 atletas: José Veiga (Sub-08: 3.5 pontos, 64º lugar em 86 participantes), Henrique Aguiar (Sub-14: 4.5 pontos, 61º lugar em 132 participantes), João Vicente (Sub-16: 4 pontos, 70º lugar em 104 participantes), Pedro Neves (Sub-18: 5.5 pontos, 25º lugar em 93 participantes). Mais informações: http://nxvscdidaxis.blogspot.com http://wycc2011.com/ Professor responsável NXVSC-Didáxis: Mário Oliveira

CAMPEONATO DA EUROPA DE JOVENS DE XADREZ NXVSC-Didáxis lidera em representatividade Alice Machado Oliveira é 13ª da Europa em Sub-08

Terminou o Campeonato Europeu de Jovens em xadrez que teve lugar entre 10 e 20 de setembro na cidade búlgara de Albena. Portugal marcou presença com 11 atletas em todos os escalões com excepção do Sub-12 onde não teve nenhum representante feminino ou masculino. A comitiva foi chefiada pelos Mestres Internacionais de Xadrez, Rui Dâmaso e Sérgio Rocha. O clube mais representativo na delegação portuguesa foi o jovem clube famalicense Núcleo de Xadrez Vale S. Cosme - Didáxis com a participação de quatro atletas: Alice Machado Oliveira (Sub-08 Femininos), Ivo Dias (Sub-14 Absoluto), Inês Machado Oliveira (Sub16 Femininos) e Luis Silva (Sub-16 Absoluto). De uma forma geral, os nossos representantes defrontaram quase sempre jogadores mais categorizados obtendo um comportamento digno de registo. O grande destaque vai para Alice Machado Oliveira que conquistou o 13º lugar feminino em sub-08 (5,5 pontos em 9 possíveis) em 50 participantes, com uma prestação claramente acima do que o seu ELO preveria, já que era a 30ª designada no início do Torneio. Esta foi a sua primeira participação num Europeu e deveu-se à conquista do título nacional absoluto e feminino, na presente época, no escalão sub-08. Também, é de realçar a prestação de Inês Machado Oliveira,

atual Campeã Nacional do seu escalão, que cumpriu com os objetivos inicialmente traçados obtendo uma performance de 50% (4,5 pontos em 9 possíveis) classificando-se em 37º lugar em 75 participantes. Desta forma, estas duas jovens atletas famalicenses participarão no próximo mês de novembro, entre os dias 17 a 27, no Campeonato Mundial de Jovens, que decorrerá no Brasil em Goiás, face aos excelentes resultados que têm vindo a obter! A nível absoluto Ivo Dias (Sub-14, 92ª cabeça de série em 104 participantes) e Luis Silva (Sub-16, 68º cabeça de série em 94 participantes) obtiveram 3,5 pontos em 9 possíveis classificando-se em 79ª e 75ª lugares, respetivamente. O objectivo inicial de atingir uma performance de 50% não foi cumprido ficando a certeza de uma experiência positiva e enriquecedora em competições internacionais. Na delegação portuguesa destacaram-se David Martins, Sub-14, (Clube Amador de Mirandela; 6,5 pontos em 9 possíveis) que é, a partir de hoje, o 10º melhor jogador da Europa no seu escalão e o matosinhense Jorge Ferreira (Grupo Desportivo Dias Ferreira; 5,5 pontos em 9 possíveis) que alcançou o 21º lugar e foi o único jogador luso que conseguiu evitar a derrota em todos os jogos disputados. O Distrito de Braga esteve representado, também, pela atual campeã nacional Sub-14, Mariana Silva (Clube de Xadrez João de Meira) obtendo 2 pontos em 9 possíveis classificando-se em 76º lugar em 79 participantes. O NXVSC-Didáxis gostaria de endereçar um sincero agradecimento à Associação de Pais da Escola Cooperativa Vale S. Cosme - Didáxis, à Cooperativa de Ensino Didáxis e à Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, pelo patrocínio a estes atletas famalicenses, bem como, ao apoio prestado pelos Encarregados de Educação dos atletas e à Federação Portuguesa de Xadrez.

Mais informações: http://eycc2011.eu/ http://chess-results.com/tnr55709.aspx http://xadrez64.com/noticia/1224

Professor responsável NXVSC-Didáxis: Mário Oliveira.


Ano XXIV

nº 85 Janeiro 2012

07

Jornal O Vale

Entrevista a Inês Machado Oliveira e Alice Machado Oliveira Por Rui Pedro Gomes

Alice: Sinto-me bem, sei que tenho muito para aprender e o meu objectivo é ser Grande Mestre o mais cedo possível

As entrevistadas escolhidas são dois nomes já conhecidos no panorama desportivo da nossa escola, pelas ilustres conquistas que têm tido no xadrez, quer a nível do desporto escolar, quer a nível da competição federada no plano nacional. Mas o histórico desportivo destas duas praticantes da modalidade não se prende a fronteiras, e pôde/ tem podido ser alargado de forma nobre e enriquecedora através das suas participações em eventos internacionais, como sejam o Campeonato da Europa de Jovens e o Campeonato do Mundo de Jovens. São elas as irmãs Maria Inês Machado Oliveira, aluna do 10º ano da Escola Cooperativa de Vale S. CosmeDidáxis, e Maria Alice Machado Oliveira, um “pupilo” acolhido pela Escola e que muito tem para nos enaltecer! Aqui ficam algumas das conquistas mais relevantes das atletas: É atualmente a campeã nacional absoluta sub-08, a 12ª melhor jogadora do Mundo no escalão sub-08, 13ª Classificada no Europeu, vice-campeã distrital feminina em 2010 e vicecampeã Distrital Absoluta também em 2010 e recentemente campeã Nacional de Semi-rápidas de sub-08 Inês detém o 21º lugar no xadrez Mundial Feminino no escalão sub-16, foi 37ª classificada no Europeu do mesmo escalão, é a actual campeã Nacional do seu escalão, quer na vertente de ritmo de jogo lento, como semi-rápido.

I: Normalmente, eu aconselho-os a não desistirem, a lutar até ao fim do jogo, a tentarem concentrar-se ao máximo durante a partida e a jogarem com calma, sem se precipitarem, porque normalmente num jogo de xadrez temos bastante tempo para decidirmos as nossas jogadas. RG: Alice, sabemos que em tua casa se respira xadrez! Não só a Inês, mas como a tua irmã mais nova, a Elisa, e os teus pais praticam a modalidade! Tudo aponta para que as três irmãs cresçam muito no xadrez nacional. O que achas de poderes jogar, em torneios, com a tua família? De que modo isso te incentiva? A: Como gosto de estar perto da minha família, gosto de torneios em que possamos jogar todos.

Rui Gomes (RG): Alice, já ninguém pode negar que és uma promessa do xadrez nacional! Queres contar-nos um pouco do teu primeiro contacto com as 64 casas e da forma como começaste a envolver-te cada vez mais?

efeito, no Europeu classifiquei-me em 37ª e nos Mundiais subi para 21ª, uma ascensão significativa. Para o ano, tenho como objectivo representar Portugal nas Olimpíadas Femininas Absolutas, e a nível mundial sub-16, ficar nas dez primeiras.

RG: Inês, em termos mais pedagógicos, de que forma é que o xadrez contribuiu/tem contribuído para o teu desenvolvimento cognitivo e de carácter, que se reflectem de forma extremamente positiva no desempenho escolar?

Alice (A): Comecei a jogar xadrez aos 6 anos de idade por influência da minha irmã Inês, tendo aprendido as regras do jogo com o meu pai e o Prof. Mário. Gostei do xadrez, da participação em torneios e os resultados começaram a aparecer.

RG: Alice, és actualmente a 12ª segunda melhor jogadora do mundo do teu escalão! Como te sentes, sabendo que a tua “vida” no xadrez ainda é tenra, o que te garante uma grande margem de progressão? Quais são os teus objectivos?

RG: Inês, classificaste-te recentemente em 21º lugar no Campeonato Mundial de Jovens Feminino. Sabemos que és orientada actualmente pelo Grande Mestre Canadiano Kevin Spragett. Como vês a tua ascensão no xadrez, agora que alargaste os teus horizontes para o panorama internacional? Sentes que o teu investimento de tempo na modalidade tem vindo a ser produtivo na conquista de novos títulos?

A: Sinto-me bem, sei que tenho muito para aprender e o meu objectivo é ser Grande Mestre o mais cedo possível. Actualmente conto com a ajuda do Prof. Mário e do GM Kevin Spraggett para melhorar o meu jogo. No passado o Caramez também me ajudou muito. A minha irmã Inês, o Luís Silva, o Ivo Dias, o Rui Pedro, o Bruno Gomes e outros meus colegas da Didáxis, por vezes, também me dão alguns ensinamentos.

I: Com o xadrez a minha capacidade de concentração tem aumentado bastante, também costumo ficar mais calma em situações de pressão, conseguindo tomar decisões apropriadas na vida real e faz-me ter mais confiança em mim mesma. Também desenvolveu as minhas capacidades de memória, lógica e concentração.

Inês (I): Sem dúvida que quanto mais tempo aplicamos na prática e estudo da modalidade, melhor é o nosso desempenho competitivo. E comigo não foi diferente. A partir do momento que comecei a treinar com o GM Kevin Spraggett comecei a dedicar mais tempo ao xadrez, e os resultados no panorama internacional melhoraram. Com

RG: Inês, a tua história xadrezista conta já com vários anos. Actualmente integras a primeira equipa da nossa escola, facto que advém dos resultados que tens vindo, em crescendo, a alcançar. O que aconselhas ao praticante que busca incentivo para progredir?

RG: Para finalizar, o que é que vos atrai no xadrez, que vos confere esta “sede” de progresso? Ainda, porque, acima de tudo, o gosto comanda a vontade, de que forma acharam o xadrez um jogo que vos “encha as medidas”? I: O xadrez é um jogo que nos estimula o pensamento e onde nos deparamos sempre com novas e inúmeras possibilidades. Os jogos que eu faço são sempre diferentes. A: Sinto uma paixão grande pelo jogo, cada lance é um puzzle onde se deve encontrar a melhor solução. E todos os puzzles são diferentes!..

ALICE MACHADO OLIVEIRA E INÊS MACHADO OLIVEIRA

HOMENAGEADAS PELO SR. PRESIDENTE DA CAMARA MUNICIPAL DE VILA NOVA DE FAMALICÃO, ARQUITETO ARMINDO COSTA

Arquiteto Armindo Costa, Sr. Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, entregou bandeira do município às jovens atletas famalicenses que vão participar no Campeonato Mundial de Xadrez que decorrerá, no Brasil, do dia 17 a 27 de novembro. As xadrezistas federadas, no NXVSC-Didáxis, foram recebidas no gabinete do Sr. Presidente da CMVNF, no dia 4 de novembro às 11h30m, acompanhadas pelo Encarregado de Educação, Professor responsável do NXVSC-Didáxis e Presidente da Direção Pedagógica. Reportagem fotográfica: António Freitas.


08

Ano XXIV

nº 85 Janeiro 2012

Jornal O Vale

CAMPEONATO DISTRITAL SEMI-RÁPIDAS

INDIVIDUAL E EQUIPAS LUIS SILVA VENCEDOR ABSOLUTO NXVSC-DIDÁXIS CLASSIFICA-SE EM 3º LUGAR O Núcleo de Xadrez de Vale S. Cosme - Didáxis assinou no passado fim de semana mais uma bela página da sua história face aos resultados obtidos no Campeonato Distrital Absoluto de Semi-Rápidas (20 minutos de reflexão para cada jogador acabar a partida) Individual e por Equipas. O Torneio Individual decorreu no dia 5 de novembro, em Joane, organizado e arbitrado pela Associação de Xadrez do Distrito de Braga e pelo clube anfitrião Clube de Xadrez da Escola EB 2,3 Bernardino Machado. Este Campeonato contou com o apoio da AXDB e da Escola E.B. 2,3 Bernardino Machado. O jovem famalicense, com 6 vitórias e 2 empates, Luís Miguel Neves da Silva (NXVSC – Didáxis) venceu a prova, mercê da vitória no confronto directo com o segundo classificado, o russo Anatoli Khodorov, jogador do clube vimaranense Clube de Xadrez João de Meira. O último lugar do pódio foi ocupado por Ricardo Cardoso, ex-jogador do NXVSC-Didáxis, e atualmente filiado pelo clube bracarense Apaxes en Passant, ficando a escasso meio ponto da liderança. Este torneio mostrou um elevado nível de competitividade e combatividade denotando uma considerável evolução dos atletas famalicenses do NXVSC-Didáxis, sendo que, cinco deles classificaram-se nos dez primeiros lugares: Luis Silva (1º classificado; 6 pontos), Ivo Dias (4º classificado; 6 pontos) e Yaroslav Minakov, Pedro Ferreira e Rui Pedro Gomes (6ºs classificados ex-aqueo; 5,5 pontos).

O Torneio por Equipas decorreu no dia seguinte, 6 de novembro, adoptando-se o Sistema Suíço de 7 sessões, onde cada ronda era disputada por 4 tabuleiros de cada clube. A prova contou com a participação de 64 jogadores, distribuídos por 16 equipas do Distrito de Braga, 4 das quais pertenciam ao NXVSC - Didáxis o que constituiu um recorde em termos de participação numa prova distrital por equipas. A equipa vimaranense Clube de Xadrez João de Meira A era a primeira cabeça de série, e venceu a prova com 6 vitórias e um empate. Com os mesmos pontos, mas com pior coeficiente de desempate, classificou-se em 2º lugar a equipa A do Grupo Desportivo Amigos de Urgeses, 3ª cabeça de série designada. O pódio ficou completo com a equipa A do NXVSC-Didáxis (4º cabeça de série à partida) com 4 vitórias, 1 empate e 2 derrotas. Desta forma, a equipa A do NXVSC-Didáxis fez-se representar por Luis Silva (1º tabuleiro; 5 pontos em 7 jogos), Yaroslav Minakov (2º tabuleiro; 2,5 pontos em 7 jogos), Bruno Gomes (3º Tabuleiro; 5 pontos em 7 jogos) e Inês Machado Oliveira (4º tabuleiro; 5 pontos em 7 jogos) totalizando 17,5 pontos em 28 possíveis. As equipas B, C e D do NXVSC-Didáxis classificaram-se, respetivamente, em 4º, 8º e 12º lugares. Professor responsável NXVSC-Didáxis: Mário Oliveira.

CAMPEONATO NACIONAL DE JOVENS DE SEMI-RÁPIDAS NXVSC-DIDAXIS DOMINA XADREZ JOVEM NACIONAL

Decorreu no passado dia 12 de Novembro, em Torres Novas, o Campeonato Nacional Jovem de Xadrez federado, na vertente Semi-Rápidas (20 minutos para cada jogador acabar a partida). Este campeonato contou com cerca de duas centenas de participantes distribuídos pelos escalões Sub-08, Sub-10,Sub-12, Sub-14, Sub-16, Sub-18 e Sub-20. O NXVSC - Didáxis foi representado por 9 alunos que alcançaram resultados individuais surpreendentes! Os grandes destaques desta delegação foram os títulos nacionais femininos alcançados pelas irmãs Machado Oliveira: Inês nos Sub-16, Alice nos Sub-10 e Elisa nos Sub-08. Elisa Machado Oliveira (4 pontos em 7 jogos), para além do título feminino, classificou-se num brilhante 4º lugar absoluto em que Anton Maslov (Ferroviários do Barreiro) sagrou-se campeão invicto. Alice Machado Oliveira (6 pontos em 7 jogos) ainda sonhou com a dobradinha, pois foi a match de desempate (jogos de rápidas de 5 minutos para cada jogador acabar a partida) com os atletas José Veiga (Academia Xadrez de Gaia) e João Silva (Colégio Português - Aveiro). No entanto, teve que se contentar com o 3º lugar, medalha de bronze e o vencedor do match acabou por ser José Veiga. Inês Machado Oliveira disputou um lugar no pódio até à última ronda. Todavia, classificou-se no 4º lugar absoluto, após uma derrota na última sessão. Com uma performance 100% vitoriosa, David Martins (Clube Amador de Mirandela) não deu qualquer hipótese à “concorrência”, conquistando mais um título absoluto de jovens, desta vez, no escalão Sub-16. Ivo Dias (6 pontos em 7 possíveis), também, esteve em grande destaque, no escalão Sub-14, conquistando o seu primeiro vice-título nacional absoluto de jovens perdendo apenas com o campeão Henrique Aguiar (Clube dos Gali-

tos - Aveiro). Carlos Azevedo (4 pontos em 7 possíveis) e Rui Barreira (3,5 pontos em 7 possíveis), no seu primeiro ano neste escalão, obtiveram classificações promissoras: 26º e 28º lugares, respetivamente. Na categoria Sub-18, Luis Silva (5 pontos em 7 possíveis) lutou pelo título absoluto até ao último instante, mas um empate com o campeão Volodimir Ulyanovsky (Barreirense) na última sessão fez com que alcançasse o 3º lugar. Rui Pedro Gomes (4,5 pontos em 7 possíveis) classificou-se em 4º lugar ex-aqueo e, desta forma, confirmou o excelente momento de forma neste arranque da época desportiva. Luis Romano, no escalão máximo Sub-20, defendia o título conquistado na época transata. Durante as cinco primeiras sessões a revalidação do título poderia ser assegurada, mas duas derrotas consecutivas nas 6ª e 7ª rondas fizeram contentar-se com o 4º lugar absoluto, afastando-o do pódio absoluto. Desta forma, dos 14 títulos nacionais em disputa, o NXVSC-DIDÁXIS arrecadou, pelo segundo ano consecutivo, o maior número de troféus, três, liderando o Xadrez Jovem Federado a nível nacional na vertente semi-rápidas. Estes resultados resultam do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido na formação de novos valores na aprendizagem deste mui nobre desporto – ciência na Escola Cooperativa Vale S. Cosme – Didáxis, resultando no corolário de uma aposta contínua no Xadrez Jovem que tem vindo a ser feita desde que o N.X.V.S.C. – Didáxis foi criado, permitindo sonhar com um clube cada vez mais forte, consolidando-se no panorama escaquístico nacional. Estão de parabéns todos os Jogadores do N.X.V.S.C.-Didáxis, Encarregados de Educação, Professores responsáveis, Direcção Pedagógica da Escola Cooperativa Vale S. Cosme – Didáxis e a Cooperativa de Ensino Didáxis.

Títulos Alcançados: Elisa Machado Oliveira: Campeã Nacional SUB-08 Alice Machado Oliveira: Campeã Nacional SUB-10 Inês Machado Oliveira: Campeã Nacional SUB-16 Ivo Dias: Vice-Campeão Nacional SUB-14 Luís Silva: 3º Lugar no Campeonato Nacional SUB-16 Luís Romano: 4º Lugar no Campeonato Nacional SUB-20

Mais informações:

http://chess-results.com/tnr59582.aspx?art=1&lan=10&fed=POR&turd et=YES

O professor responsável NXVSC-Didáxis: Mário Oliveira.


Ano XXIV

nº 85 Janeiro 2012

09

Jornal O Vale

CAMPEONATO DISTRITAL SEMI-RÁPIDAS

INDIVIDUAL E EQUIPAS LUIS SILVA VENCEDOR ABSOLUTO NXVSC-DIDÁXIS CLASSIFICA-SE EM 3º LUGAR

O Núcleo de Xadrez de Vale S. Cosme - Didáxis organizou no passado dia 16 de dezembro de 2011, na Sala de Eventos da Escola Cooperativa Vale S. Cosme – Didáxis, o IX TORNEIO DO VALE (1º Encontro Distrital Escolar - Série C), integrado no Programa das Actividades do Encerramento do 1º Período. Este Torneio dirigia-se aos alunos da Escola Cooperativa Vale S. Cosme, Escola E.B. 2,3 Ribeirão, Escola E.B. 2,3 Nuno Simões (Calendário) e Escola E. B. 2,3 Bernardino Machado (Joane). Luís Silva (NXVSC – Didáxis, turma 11.2) foi o grande vencedor com uma performance invicta: 6,5 pontos em 7 jogos! Em 2º, 3º, 4º e 5º lugares classificaram-se Ivo Dias (6 pontos; turma 8.7), Rui Pedro Gomes (6 pontos; turma 12.2), Inês Machado Oliveira (5,5 pontos; turma 10.2) e Nuno Campos (5,5 pontos; turma 12.2), todos alunos do NXVSC - Didáxis. Como os prémios não podiam ser acumuláveis a vencedora feminina foi a atleta do NXVSC-Didáxis, Alice Machado Oliveira, atual 6ª melhor jogadora do Mundo na categoria Sub-08, (5 pontos; 8º lugar absoluto). Os vencedores por categorias foram: Simão Barroso (Infantil A, NXVSC-Didáxis), Pedro Simão (Infantil B, Escola EB 2,3 Nuno Simões), Luís Cunha (Iniciado, Escola EB 2,3 Bernardino Machado), João Guerra (Juvenil, NXVSC-Didáxis) e Nuno Miguel Silva (Júnior, NXVSC-Didáxis). Este evento registou uma grande adesão de toda a comunidade escolar e contou com a presença do Assessor do Sr. Vereador do Desporto, Dr. Hugo Mesquita, bem como, da Presidente da Associação de Pais da Escola Cooperativa Vale S. Cosme – Didáxis, Brígida Azevedo. Esta iniciativa, que contou com a presença de 67 jogadores, pretendeu dar continuidade à campanha de sensibilização e motivação para a prática do Xadrez, levada ao cabo desde o início do ano lectivo 2010/2011, tendo como principal objectivo criar uma competição saudável entre os alunos do concelho de Vila Nova de Famalicão. Esta competição foi coordenada e arbitrada pelos professores Mário Oliveira (Didáxis – Vale S. Cosme), Carlos Dias (Escola E.B. 2,3 Bernardino Machado), Nuno Sousa (Escola E.B. 2,3 Calendário) e José Cunha (Escola E.B. 2,3 Ribeirão). De salientar que o evento contou com a presença do atleta do NXVSC-Didáxis e ex-aluno da Didáxis-Vale S. Cosme, Bruno Gomes, atual Campeão Distrital Absoluto de Lentas, que realizou no final do Torneio simultâneas com os alunos da Escola Cooperativa Vale S. Cosme – Didáxis.

Quadro de Honra Classificação Geral 1º - Luís Silva 2º - Ivo Dias 3º - Rui Pedro Gomes 4º - Inês Machado Oliveira 5º - Nuno Campos Classificação Feminina

1º - Alice Machado Oliveira 2º - Catarina Machado 3º - Elisa Machado Oliveira

Classificação Infantil A 1º - Simão Barroso 2º - Afonso Azevedo 3º - João Ferreira

Classificação Infantil B 1º - Pedro Simão 2º - Rui Barreira 3º - Carlos Azevedo

Classificação Iniciado 1º - Luís Cunha 2º - Viktor Zombori 3º - Luís Costa

Classificação Juvenil 1º - João Guerra 2º - Bruno Silva 3º - Luís Fernandes

Classificação Júnior 1º - Nuno Silva 2º - Marcos Ribeiro 3º - Pedro Ferreira


10

Ano XXIV

nº 85 Janeiro 2012

Jornal O Vale

Sem Euro Nem Beira

Guilherme Marques da Fonseca guilherme.fonseca@mises.org.pt

Ex-aluno da Didáxis Escola Cooperativa de Vale S.Cosme; Estudante de Economia da Universidade Católica Portuguesa; Investigador Junior Member pela Universidade do Porto – ShARE, Macroeconomics Knowledge Network; Membro do Instituto Ludwig von Mises Portugal; Ex-Deputado Português do European Youth Parliament; Há já um ano que escrevo acerca da necessidade de ser mantida uma Zona Euro viva e de boa saúde, com Portugal a fazer obrigatoriamente parte dela. Tenho-o feito pois reconheço a catástrofe económica que sucederia se eventualmente o Euro deixasse de ser a moeda oficial portuguesa. Disse no passado que para isso acontecer, teríamos de chegar “ao fim da linha”. Hoje mantenho a mesma posição, mas já só faltam alguns apeadeiros! De 2009 para 2010, a taxa de crescimento real do PIB da Zona Euro aumentou 2,3 pontos percentuais. Este acontecimento volátil, entre outros jogos de interesses dúbios relacionados com a crise da dívida soberana, motivou os tecnocratas da União Europeia a criarem mais moeda, aumentando assim a quantidade de dinheiro disponível nos países utilizadores do Euro como moeda oficial, com intuito de oferecer representativi-dade monetária ao suposto aumento de riqueza na Europa. Este acto criminoso que tenho vindo a denominar de “ligar a impressora” (dado que mais não faz do que imprimir notas - em sentido prático) levou-nos, em acréscimo com outros acontecimen-tos voluntários e involuntários, a uma inflação de rápido aumen-

to - de 0,3% em 2009 para 1,6% em 2010, tendo atingido no passado mês de Novembro o valor de 3 pontos percentuais. Em paralelo, tentámos combater a questão da dívida soberana com subidas nos impostos, o que nos levou a uma diminuição abrupta no PIB: Dito em bom português, acabámos por ficar sem pau nem bola, pois nem temos na Zona Euro uma taxa de inflação baixa como a que tínhamos há bem pouco tempo (e que era inveja de muitos países pelo mundo fora), nem um crescimento económico razoável. Neste cenário circular, o BCE vê-se com pouca ou nenhuma margem de manobra para responder à crise do Euro através dos mecanismos convencionais da U.E. Parece-me evidente: O euro já não serve à economia portuguesa e às suas características (se é que alguma vez serviu). As moedas raramente se “extinguem”, apenas se afundam em utilidade e/ou valor, levando consigo o bem-estar dos povos que delas fazem uso. Ora, compete-nos enquanto povo saber que caminho pretendemos seguir: Ou uma manutenção inevitavelmente federalista de uma moeda única podre que já não serve os interesses de Portugal, ou a preparação de um menos mau regresso – tanto

quanto possível – ao Escudo. Tendo sempre presente que esse dito regresso seria duríssimo, é possível equacionar-se uma série de medidas que poderão suavizar a difícil troca (não a conseguindo no entanto tornar “leve” por si só). Importa reparar que o fim de Portugal no Euro não seria o fim do país na Europa: Maurice Schuman, Konrad Adenauer e Alcide de Gasperi, fundadores da União Europeia, nunca quiseram verdadeiramente uma U.E. maior do que aquilo para o qual foi inicialmente desenhada – livre circulação de bens, livre oferta de serviços, movimentação livre de capitais financeiros e emigração livre - desenganem-se os (pseudo) europeístas convictos na matéria. O nosso país tem 868 anos de quedas e ressurgimentos, e o regresso ao Escudo trará apenas mais um de muitos ciclos económicos negros da nossa história. No entanto, libertar o nosso país de uns terrivelmente próximos “Estados Unidos da Europa” sediados em Berlim e liderados pela dupla “Merkozy”, não é um dever nosso enquanto portugueses, mas sim enquanto autodenominados apoiantes da liberdade – sem rodeios ou Eurobonds pelo caminho…

LITERACIA FINANCEIRA As fases do ciclo económico e a crise económica Os ciclos económicos (flutuações regulares no nível de actividade económica durante um determinado período de tempo) são constituídos por 4 fases: Prosperidade (ponto alto), Recessão, Depressão (ponto baixo) e Retoma. Segundo Samuelson, os ciclos económicos envolvem uma alternância de períodos de crescimento relativamente rápido do produto (retoma) com períodos de relativa estagnação ou declínio (recessão). Deste modo, a recessão é caracterizada pela diminuição do PNB real. Normalmente, quando uma economia atravessa um período de recessão, apresenta como característica a redução do consumo das famílias e como consequência

a produção cai, ou seja, as compras dos consumidores reduzem-se acentuadamente enquanto que as existências em armazém aumentam inesperadamente, logo as empresas cortam na produção e o PIB real acaba por diminuir assim como o investimento Outra das características de uma economia em recessão é a redução da criação de emprego e a contenção salarial, ou seja, devido à diminuição do consumo e produção, a procura de trabalhadores cai, ocorre a redução de horários, seguida de dispensas temporárias e dá-se, assim, o aumento da taxa de desemprego. De seguida, ocorre estagnação dos preços (a inflação diminui), devido à redução do consumo a inflação abranda.

Por fim, os lucros das empresas reduzem-se acentuadamente e as cotações das acções acabam por entrar em queda. É importante referir que a crise económica decorre durante uma depressão. Pode tratar-se de uma crise generalizada com quebra de todos os índices ou de crises que afectam em especial certos sectores (crise da oferta, crise da procura). Uma crise económica pode definir-se como uma ruptura de equilíbrio entre a oferta e a procura de bens e serviços que provoca uma depressão da conjuntura económica. A manifestação mais gritante da crise é a queda da produção ou, pelo menos, uma forte redução da sua taxa de crescimento. Por outro lado, fala-se de crise de sub-

13 a 22 de fevereiro - Exposição de Máscaras 24/02 - PEGIA (Project for Excellence in Getting Ideas Across)

27/02 - Forum Local de Educação: Tema “Saúde Escolar e Alimentação Saudável” 27, 28 e 29 de fevereiro - Semana das Línguas Estrangeiras 5 a 9 de março - “Semana da Leitura” 18 a 23 de março - Visita das delegções da alemanha, lituânia e roménia 17/03 - Dia do Pai 23/03 - Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos (Fase Escola) 28/03 - SARAU CULTURAL

sistência sempre que um grupo social não possa satisfazer as suas necessidades básicas e de bolha financeira ou bolha especulativa quando as acções são negociadas a um preço muito superior ao do seu valor intrínseco até deixarem mesmo de ser compradas, e caiem a pique. As expansões (retoma) são as imagens simétricas das recessões, em que cada um dos factores referidos anteriormente nas características típicas de uma recessão funciona em sentido oposto, ou seja ocorre o aumento do consumo e da produção, assim como o aumento do investimento e mais tarde a inflação poderá aumentar e por fim as acções acabam por subir. Kevin, Nuno e Carlos (12º 3)

agenda

2.º Período


Ano XXIV

nº 85 Janeiro 2012

11

Jornal O Vale

«Direitos Humanos: realidade ou ficção?»

Comemora-se no dia 10 de dezembro o Dia Internacional dos Direitos Humanos, exatamente por ter sido essa a data da aprovação da Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) pela Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU). Por convite da professora Andrea Barbosa, decidi trazer para a palestra comemorativa desta data uma reflexão sobre a natureza e fundamentação dos direitos humanos. O objetivo da conferência foi o de apresentar, por um lado, o contexto histórico do jusnaturalismo moderno, e, por outro, dar a conhecer a proposta de um autor norte-americano contemporâneo: Richard Rorty. E para tal, parti de duas perspetivas de como encarar a questão dos direitos humanos: quer como algo que tem uma existência real e efetiva, quer como teoria que deve servir um propósito concreto mas que foge à necessidade de fundacionalizar (no sentido de encontrar um fundamento) para os direitos humanos. Apresentarei, de forma breve, as ideias principais da palestra: A teoria dos direitos humanos foi utilizada pelos autores liberais dos séculos XVII e XVIII como instrumento para fundamentar o liberalismo que eles procuravam opor ao absolutismo monárquico. Estes autores, na medida em que pretendiam defender uma esfera de liberdade do indivíduo face ao Estado, defenderam que o homem, por ser dotado dessa categoria especial de ser humano, era detentor de um conjunto de direitos que constituiriam limites à atuação do próprio Estado. Surgem, assim, consagrados os chamados direitos de primeira geração, ou direitos civis e políticos (direitos e liberdades fundamentais, como o direito de tratamento igual perante a lei, a liberdade de expressão, etc.). O advento das revoluções industriais levou à proliferação, ao longo do século XIX, das ideias socialistas, que deram origem à segunda geração de direitos, que exigia do Estado, já não uma postura de não-intervenção, mas, pelo contrário, de regulação ativa e promoção dos direitos económicos, sociais e culturais, que se foram proliferando por todo o século XX (direito à educação, ao trabalho, à habitação, à saúde, etc.). [Já os direitos de 3.º geração correspondem a direitos coletivos, como o direito a um desenvolvimento sustentável ou o direito de viver em paz.] Este conjunto de direitos ficou consagrado na Declaração aprovada pela ONU em

1948. Não podemos esquecer que ela resultou, em grande medida, do que aconteceu durante a II Guerra Mundial (a “limpeza étnica” promovida pelo regime nazi). Perante o espanto e o assombro dos crimes cometidos contra a comunidade judaica (mas também contra comunistas, homossexuais, ciganos, etc.), os países sentiram necessidade de fazer aprovar um documento que pudesse ser erguido por qualquer cidadão contra o seu Estado, exigindo dele o seu cumprimento. E é este documento que é enunciado hoje como a linha orientadora da atuação dos países que se pretendem desenvolvidos. Contudo, e como é evidente, este tipo de afirmação carrega uma certa hipocrisia: a Declaração existe mas todos os dias ela é violada em algum país do mundo, mesmo por aqueles que são geralmente considerados os países mais desenvolvidos (seja nos sistemas prisionais, na discriminação da mulher no mundo de trabalho, ou mesmo a liberdade dos pais de escolherem a escola para os seus filhos, algo que nos é tão caro). Para além disso, alguns críticos da DUDH chamam a atenção para o facto de ela representar uma visão ocidental (euro-

peia e norte-americana) daquilo que são ou devem ser os direitos humanos (e isto apesar da base alargada de consenso junto de várias comunidades étnicas na sua formulação). Acresce a estes dois aspetos, o facto mais filosófico para que chamam repetidamente a atenção os filósofos que representam uma certa perspetiva pragmática ou pós-moderna. Falar em Declaração dos Direitos Humanos pressupõe que se chega a um consenso quanto àquilo que é o objeto de aplicação desses direitos. Significa que é necessário chegar a consenso quanto ao que é o homem! É claro que podemos dizer “O Diogo é um homem.” e utilizar este tipo de exemplo para responder àquela questão. Mas sentimos logo que isso não

basta: o Diogo não é todos os homens e não pode representar todos os homens. Porque todos os homens são diferentes e a sua “humanidade” dependerá sempre do contexto histórico e espacial em que vivem. O homem do século XXI não é evidentemente igual ao homem que viveu no século XVI; a criança que vive hoje, rodeada de luxos e facilidades, num país europeu desenvolvido não é obviamente igual à criança que vive em pobreza indecente num país africano… Desde sempre os filósofos procuraram encontrar a essência, aquele ingrediente que nos permite traçar a fronteira entre aquilo que é humano e aquilo que não é. O problema é que essas fronteiras são constantemente postas em causa pelos estudos científicos, da antropologia à biologia. Aqui entra Rorty: num artigo apresentado em 1993, intitulado «Human Rights, Rationality, and Sentimentality», Rorty defende que esses esforços de tentar encontrar a essência da humanidade nos distraem do que é verdadeiramente importante. Em vez de procurarmos resposta à pergunta “O que é o homem?”, Rorty defende que nos deveríamos concentrar, antes, em fazer perguntas como “Que tipo de mundo podemos preparar e deixar para os nossos netos e gerações seguintes?” Esta é a visão pragmática que nos impele

a chegar a consensos úteis, mais do tentar encontrar a “verdade”. Chamei a atenção para o facto de a ciência andar nessa busca incansável pela verdade; mas parece-me que tal busca é infrutífera. Afinal, aquilo que podemos conhecer é sempre limitado ou determinado por “aquilo que podemos conhecer”, i. e., por aquilo que as nossas estruturas cognitivas nos permitem conhecer. Afinal, o gato corre atrás da bola… E mais: que certeza temos de que as leis físicas se continuarão a aplicar amanhã? Ou, nas palavras de Hume, como saberemos que o dia nascerá amanhã? Voltemos a Rorty: ele não nega que os direitos humanos sejam, efetivamente, um instrumento fundamental para nos respeitarmos uns aos outros e promovermos uma atitude de simpatia para com o sofrimento do outro. O problema é que, enquanto andamos preocupados em definir o que é o homem, os direitos humanos são violados exatamente por aqueles que não vêem o outro como um homem (os nazis não viam os judeus como verdadeiros homens, tal como os esclavagistas não consideravam que os negros fossem dotados de “humanidade”). Para que os direitos humanos sejam realmente eficazes então devemos promover uma educação sentimental: deveremos ler as histórias que contam o que é ser condenado a uma câmara de gás só por causa da tua religião, ou condenado a ser escravo só porque a tua cor de pele é diferente. Quando ouvimos essas histórias, quando vemos esse tipo de filmes ou lemos esse género de livros, então conseguimos colocar-nos “no lugar do outro” e sentir o seu sofrimento, sentir simpatia por ele. E aí sim poderemos ultrapassar o obstáculo que nos impede de ver o outro como um semelhante e conseguiremos compreender que o outro é igual a mim, sofre com o que eu sofro, quer a vida boa que eu tenho e é minha obrigação respeitar e promover esse interesse. A ideia central de Rorty não podia ter melhor auditório: a sua preocupação centrada na educação visava sobretudo os mais jovens, aqueles a quem pertence o futuro. E uma educação sentimental garante, segundo ele, que esses jovens façam um futuro melhor. Patrícia Fernandes


12

Ano XXIV

nº 85 Janeiro 2012

Jornal O Vale

No dia 7 de novembro, a Didáxis homenageou todos os delegados, representantes dos Encarregados de Educação e Diretores de Turma, numa cerimónia que encheu completamente a Sala de Eventos. Para além das reuniões com os Diretores de Turma, a Direção Pedagógica reúne com os delegados e os representantes dos EE para ouvir os seus contributos e sensibilizá-los para a importância do cargo que desempenham e do quanto a Escola espera deles enquanto parceiros na tarefa educativa. Temos consciência que a turma é a célula central de uma escola e o seu sucesso significa o sucesso de cada aluno individualmente, da sua família e da Escola enquanto instituição.

Num temp mais o jovem solicitações vi riados quadra acabando com que a família penhavam na torna-se cada a escola traba o apoio e col lia e da comu Daí a ênf participação d na concretizaç to educativo, de responsabi seguiremos qu lar e social s para todos o Ao aluno -lhe fornecid integral onde valores da


Ano XXIV

po em que cada vez m é seduzido por indas dos mais vaantes da sociedade, m o espaço central e a escola desema sua formação, a vez mais difícil alhar sozinha sem laboração da famíunidade em geral. fase que damos à dos pais e alunos ção do nosso projepois só na partilha ilidades é que conue o sucesso escoseja uma realidade os nossos alunos. da DIDÁXIS éda uma educação e prevalecem os solidariedade, do

nº 85 Janeiro 2012

Jornal O Vale

respeito, do esforço e do reconhecimento do mérito. Para nós, é fundamental que em cada turma se forme uma equipa colaborativa cujo primeiro responsável é o Diretor de Turma, seguido dos Delegados de Turma e do Representante dos Pais/Encarregados de Educação. É nessa colaboração estreita que a Direção Pedagógica aposta para que se possam alcançar os patamares de sucesso pretendidos por todos. É com essa colaboração que contámos, como o demonstra a percentagem de presenças dos EE em reuniões com os Diretores de Turma cuja média ultrapassa os 80%, atingindo, em certos anos, os 100%. Maria Emília Cardoso, vice-presidente da direção pedagógica

13


14

Ano XXIV

nº 85 Janeiro 2012

Jornal O Vale

Alunos da Escola Cooperativa Vale S. Cosme estagiam nos melhores hotéis do país Pelo segundo ano consecutivo, a Escola Cooperativa Vale S. Cosme colocou os alunos do Curso Profissional de Restauração nos principais hotéis e restaurantes do país. Márcio Santos e Fábio Silva, a estagiar no Hotel CS Madeira, no Funchal, consideraram que “a experiência foi inesquecível e permitiu aprofundar os conhecimentos que foram adquiridos ao longo dos três anos de Curso.” Carlos Afonso, que estagiou no Hotel Pestana Porto Santo, chamou a atenção para o facto de este tipo de estágio abrir oportunidades únicas no mundo do trabalho, pois quando o estágio corre bem, as empresas querem assegurar que o estagiário permaneça com elas. “Foi o que aconteceu comigo”, reconheceu o aluno

de 21 anos. O Algarve é igualmente um petisco

desejável para estes alunos: Cátia Cardoso e Daniela Araújo estiveram no Hotel Alba Resort & SPA: “depois de três anos de formação, terminar desta forma foi inesquecível!”

Também os restaurantes do concelho de Famalicão recebem, todos os anos, vários estagiários: Restaurante Fondue, Churrascão do Minho, Tanoeiro, Lafões, Átrio da Vila e Massimo são/estão sempre recetivos a proporcionar experiência de trabalho a estes jovens. Os alunos dos Cursos Profissionais têm de completar o seu currículo com uma Formação em Contexto de Trabalho de 420 horas. O bom nome da Escola e o ótimo trabalho desenvolvido permitem abrir as portas dos grandes hotéis e restaurantes a estes alunos, que saem bem preparados para o mundo do trabalho. Professor José Paulo Barbosa

Curso Profissional de Restauração “Um outro olhar” - Entrevista desempenhando as funções que lhes foram destinadas com empenho, maturidade e responsabilidade. Estão bem preparados para o contexto de trabalho? No caso dos três formandos que estiveram presentes na nossa unidade, sim, estão bem preparados, no entanto um reforço na aprendizagem das línguas estrangeiras, nomeadamente no inglês, seria sempre uma mais-valia para eles. São os estágios o complemento que faltava para estes alunos, a nível prático? Acreditamos que sim, para que tenham contacto com a realidade da profissão que estão a ser formados, criem boas práticas de serviço e conheçam os variados tipos de clientes, principalmente de outras culturas.

Nome: Margarida Antunes Unidade Hoteleira: Vila Galé Marina Função: Directora Geral Em termos de qualidade dos formandos da Didáxis, qual é a sua opinião? Durante o período de estágio revelaram estar bem formados o que facilitou a sua integração no contexto da secção de estágio assim como na empresa Vila Galé SA,

Se precisassem de alguém para o serviço designado no estágio, julga que estes alunos estavam aptos para a função e para serem contratados pela vossa unidade? Sim, caso disso foi a contratação dos formandos Ana Maria e Eduardo Saldanha, embora se outra vaga existisse, o Tiago também seria contratado, distinguidos por entre o grupo de outros formandos presentes na nossa unidade. Estas oportunidades para estes alunos são benéficas para a aprendizagem futuro e a sua inclusão no mercado de trabalho?

Evidentemente que sim, todo o processo prático, complementar da aprendizagem teórica, é benéfico para aumentar o valor do formando enquanto futuro profissional. É uma evidência mais visível do seu desempenho e uma abertura para ao mercado de trabalho, não só na empresa onde realiza o estágio, como também como referência para outras empresas. Sabendo as dificuldades que existem no mercado de trabalho, são estes os cursos que podem solucionar a falta de formação que ainda existe em Portugal? Sim, se os formandos escolherem os cursos com motivação e ambição de virem a ser bons profissionais, na área do curso e não só como uma opção para terminarem o seu percurso no ensino. Uma palavra para os seus formandos oriundos da Didáxis… Benvindos à equipa Vila Galé Marina! O nosso muito obrigada pelo vosso desempenho e oportunidade de nos deixarem ensinar o que é ser profissional na hotelaria do Algarve. Revelaram-se formandos com boas potencialidades e motivados para seguirem a profissão que escolheram. Votos de muitos sucessos!

Palestra Empresas de Sucesso

No dia 29 de novembro, os Cursos Profissionais Técnico de Comércio e de Marketing dinamizaram a Palestra Empresas de Sucesso – sendo a instituição convidada a Universidade Lusíada. O tema desta palestra foi sobre Marketing Relacional e teve como convidada a Prof. Doutora Raquel Reis, Doutorada em Marketing pela University of Sheffield, Inglaterra e docente de Marketing e Publicidade na Universidade Lusíada de V.N. Famalicão. A palestra teve início com uma breve apresentação dos diferentes conceitos de marketing onde nos foi referida a necessidade de implementar o Marketing Relacional. Ao longo da palestra foi salientada a importância da conquista de novos clientes, bem como a manutenção dos clientes já existentes, como objetivos essenciais de qualquer organização. Hoje em dia, as organizações devem utilizar as práticas de Marketing Relacional, como uma ferramenta poderosa na satisfação dos clientes, cada vez mais exigentes e com mais expectati-

vas. As empresas devem estar preparadas para acompanhar as exigências dos seus clientes, prestando-lhes mais serviços e de melhor qualidade. Assim, é essencial que as empresas estejam focalizadas “verdadeiramente” nos seus clientes e nas suas necessidades individuais. Com esta palestra concluímos que o Marketing Relacional tem como objetivo adaptar, de forma sustentada, a estratégia de marketing a cada tipo de mercado/clientes. É fundamental que, as empresas utilizem mais uma abordagem de marketing baseada num entendimento claro e preciso das necessidades, preferências e perceções dos seus clientes do que em meras presunções do que o cliente “deve ter” ou “deve querer”. As empresas devem aprender a ouvir os seus clientes! Os alunos do 3º ano do Curso Profissional de Técnico de Marketing

Eduardo Saldanha, Ana Mª Marques e Tiago Carneiro


Ano XXIV

nº 85 Janeiro 2012

15

Jornal O Vale

Feira do livro

ajuda da turma 11.2, esta atividade envolveu todas as turmas, todos os alunos visitaram e efetuaram as suas compras de livros. Tendo como objetivo principal contribuir para a expansão do conhecimento literário dos alunos, a viagem pelo mundo dos livros revelou-se, mais uma vez, um sucesso. Vimos os alunos motivados e interessados pela leitura e pelas escolhas de livros de qualidade. Assim, durante esta semana pudemos contar com participações variadas, o que muito contribuiu para a diversidade da Feira do Livro. Logo no primeiro dia, a professora Anabela Pinto apresentou o livro da sua autoria, “Era uma vez um cervo”, e ficámos a saber que em breve sairá outro. Num diálogo De 12 a 15 de dezembro de 2011, realizou-se na nossa Es- descontraído com os alunos, o jogo de pergunta e resposta foi cola, no Centro de Recursos, a nossa “Feira do Livro”. Orga- uma constante. A Professora Ana Maria Costa presenteou os nizada pelo Departamento de Língua Portuguesa, e com a presentes no dia seguinte, recitando alguns poemas de Natal;

mais uma vez ficou provado que os mais novos sabem ouvir poesia. No último dia, os alunos Marvin Tortas, com o livro “Paga o que deves”, e Pedro Ferreira, com “Eu amo você”, ambos da autoria de Nilton, prepararam uma atividade divertida e original decorrente das suas interpretações dos dois livros. Podemos concluir que esta atividade foi, mais uma vez, um dos pontos altos da nossa escola devido à colaboração de todos os professores e das suas respetivas turmas, que abraçaram cada momento com orgulho e satisfação por verem virar mais uma página do nosso grande livro. Bruno Azevedo, Inês Pinheiro, João Melo, Joana Oliveira e Vânia Silva 11.2

Natal na Escola

Todos os anos, mal se inicia o mês de Dezembro, é tradição a nossa escola engalanar-se de uma forma especial para comemorar o Natal. Luzes, presépios, velas, musgo, música ambiente, anjos... tudo nos transporta para este período tão especial que enche de alegria o coração dos nossos alunos e faz com que os seus olhos brilhem ainda mais intensamente. No último dia de aulas do primeiro período, os alunos, devidamente ensaiados pelos professores Carlos Silva e Carla Neves, apresentaram um bonito espetáculo na Sala de Eventos com muita música e representações teatrais, que a todos agradaram. O ponto mais alto é o almoço ou o

jantar do Natal, para as turmas do básico sua sala, criando ambientes maravilhosos criatividade/originalidade e o empenho ou o para as turmas do secundário. onde todos sentem o espírito natalício. na realização dos materiais decorativos. Este ano, as turmas vencedoras, por ano, foram as seguintes: 5.1; 6.9, 7.5, 8.1, 9.4 e 2 JEV. No dia 17, os professores e o pessoal não docente comemoraram o seu Natal com uma ceia. Mais uma vez, o CORAL DIDÁXIS, abrilhantou o evento com as suas canções maravilhosamente interpretadas e superiormente dirigidas pela maestrina Mónica Pais. Para dar ainda mais alegria à atividade, Os alunos, juntamente com os Mais um Natal que deixa na nossa memória seus Diretores de Turma e, em muitos realizamos o Concurso Espaço Brilhante», recordações de amizade e companheirismo casos, com a ajuda suplementar dos onde um júri avalia as salas de todas que esperemos perdurem ao longo de 2012. representantes dos Encarregados de as turmas do básico (regular e CEF), Educação, empenham-se no arranjo da de acordo com o sentido estético, a

C orta M ato E scolar

No dia 15 de Dezembro a Didáxis, organizou a grande festa do atletismo, o Corta Mato Escolar. A Escola Cooperativa de Vale S. Cosme, recebeu nas suas instalações a Escola irmã, a congénere de Riba de Ave, para uma grande Jornada de Atletismo que teve início às 10h e prolongou-se até perto das 13h. Está atividade contou com um recorde de participantes, foi sem dúvida a atividade com maior número participantes da Cooperativa, estiveram presentes cerca de 830 alunos. Esta foi uma grande organização do Departamento de Educação Física e Desporto Escolar, que contou com a preciosa colaboração da Direção Pedagógica e da Direção Administrativa, pois sem esta colaboração não seria possível o transporte dos alunos de Riba de Ave para S. Cosme. Contou ainda com a ajuda do curso de Educação e Formação Jardinagem e Espaços Verdes, para limpeza e ajustes no percurso a realizar pelos alunos. Participaram também na organização um número significativo de alunos que foram essenciais em várias tarefas que lhes foram destinadas. Esta prova devido a parte do percurso ser realizado nas imediações da Escola Vale S. Cosme, contou ainda com a preciosa colaboração da Policia Municipal e dos Bombeiros de Vila Nova de Famalicão. Temos de destacar também a colaboração da Associação de Pais, da Escola Cooperativa

de Vale S. Cosme, pois enriqueceu a prova com a generosa contribuição para os prémios entregues aos melhores classificados. De salientar a adesão de alunos e professores que não estando diretamente implicados na prova estiveram

presentes para apoiar e incentivar todos os atletas. No final da prova, depois do excelente trabalho do Departamento de Educação Física e Desporto Escolar na organização, ficou o sentimento de dever cumprido, a prova serviu os seus objetivos, correspondeu às expetativas de todos e todos se divertiram. Esta atividade serviu ainda para estreitar ligações

entre Professores, Alunos e Diretores das duas Escolas da Cooperativa didáxis. Para o final o mais aguardado, a honra aos campeões: Infantil A Feminino 1º Bruna Duarte - Riba de Ave; 2º Inês Lima - S. Cosme; 3º Ana Costa - S. Cosme. Infantil A Masculino 1º Vítor Pinto Riba de Ave; 2º André Barbosa – S. Cosme; Samuel Ferreira – S. Cosme; Infantil B Feminino 1º Susana Malheiro – S. Cosme; 2º Susana Faria – Riba de Ave; 3º Filipa Costa S. Cosme. Infantil B Masculino 1º Paulo Nogueira – S. Cosme; 2º Carlos Marinho – S. Cosme; 3º Domingos Almeida – Riba de Ave. Iniciados Femininos 1º Joana Rodrigues – Riba de Ave; 2º Ana Fernandes Riba de Ave; 3º Beatriz Passos – S. Cosme. Iniciados Masculinos 1º Bruno Oliveira – S. Cosme; 2º Ricardo Ribeiro – Riba de Ave; 3º João Marques – Riba de Ave. Juvenis Femininos 1º Ana Ribeiro – Riba de Ave; 2º Ana Fernandes – S. Cosme; 3º Juliana Silva – S. Cosme. Juvenis Masculinos 1º Francisco Rodrigues – S. Cosme; 2º Carlos Azevedo – S. Cosme; 3º Fernando Silva – S. Cosme. Juniores Femininos 1º Helena Rodrigues – Riba de Ave; 2º Juliana Gomes – Riba de Ave; 3º Julie Cunha – Riba de Ave. Juniores Masculinos 1º João Pereira – Riba de Ave; 2º José Costa – Riba de Ave; 3º Pedro Sousa – Riba de Ave. Saudações desportivas Departamento de Educação Física e Desporto Escolar.


16

Ano XXIV

nº 85 Janeiro 2012

Jornal O Vale

“Uma escola com asas”

As escolas são espaços de crescimento, de aprendizagem, mas a aprendizagem não se confina ao espaço tradicional da sala de aula e a escola deve encontrar formas diversificadas para ajudar o aluno a descobrir o mundo que o rodeia. A Didáxis privilegia uma formação integral do aluno e, para a conseguir, proporciona experiências enriquecedoras, no sentido de confrontar os alunos com outras culturas e outras realidades geográficas. Assim, temos organizado visitas de estudo e de confraternização no final do 2º e 3ºciclos e do Ensino Secundário. Essas viagens têm proporcionado aos alunos vivências marcantes na sua caminhada pessoal e enriquecedoras experiências de grupo: Açores, Madrid, Paris, Madeira, Lisboa, Algarve, Óbidos, …são alguns dos destinos que os alunos da DIDÁXIS têm percorrido. Para este ano letivo, o 9º ano tem duas viagens: a Sevi-

Para além das visitas de estudo, a Didáxis integra o projeto da União Europeia Comenius. Este projecto pretende sensibilizar os jovens para as questões das energias renováveis. Os nossos alunos já visitaram a Alemanha, a Roménia e, de 2 a 6 de lha e a Londres. O 6º ano desloca-se a Sanxenxo, numa visita outubro passado, a Lituânia, onde puderam presenciar realidaque pretende reconhecer a importância do rio Minho como des sociais e escolares muito diferentes das suas, enriquecendo, elemento de ligação das comunidades galegas e minhotas. assim, o seu conhecimento da União Europeia e preparando-se para o exercício de uma cidadania mais atenta e responsável. De 18 a 23 de março, será a vez da Didáxis acolher o referido grupo de países que integram o projeto Comenius e proporcionar-lhes um melhor conhecimento da realidade portuguesa. Ocasiões não faltam para os nossos alunos voarem mais alto, levando-os para fora dos muros da escola e das fronteiras do país, em viagens de aprendizagens certamente muito significativas. significativas.

Maria Emília Cardoso, vice-presidente da direção pedagógica

Dia do Diploma

No dia 30 de setembro último, comemorou-se mais um final de um ciclo, simbolizado pela entrega de Diplomas aos alunos que concluíram o 12º ano de Escolaridade do Ensino Regular e dos Cursos Profissionais e dos alunos que mais se destacaram pela excelência do seu desempenho. Nesta cerimónia tivemos a presença simpática dos Exmos Srs Presidentes da Direção Administrativa, José Fernandes, e Pedagógica da Didaxis,Alcino Faria, do Exmo Sr. Presidente da Junta de Freguesia de Vale S.Cosme, Ilídio Vilaça, do Exmo Sr. Vereador do Pelouro da Educação e Desporto da Câmara M. de V.N Famalicão, Doutor Leonel Rocha, e, da Exma Sra Diretora Adjunta da Direção regional da Educação Norte, Mestre Isabel Maria Cruz,

que muito nos honraram com a sua presença. A cerimónia começou com uma sessão de boas vindas aos presentes e a apresentação de um “miminho” aos alunos finalistas que tiveram deste modo a oportunidade de reviver alguns momentos vividos na nossa Escola, através de um powerpoint e de um poema que os transportou para o mundo das emoções. Numa Escola que trabalha para a excelência, a valorização do mérito dos seus alunos é fundamental, para que toda a comunidade conheça todos aqueles que se distinguiram nos mais variados aspetos. Para além dos conhecimentos curriculares, os nossos alunos são incentivados a adotar em comportamentos cívicos e ao longo do ano, um grupo de alunos conseguiu distinguir-se, de entre os

P a l estr a A ut i s m o No dia 27 de outubro, os alunos do segundo ano dos Cursos Profissionais de Técnico de Comércio e Restauração organizaram uma palestra subordinada ao tema “Autismo e Epilepsia”. Os alunos convidaram a Dra. Vera Araújo e a Dra. Teresa Moreira, ambas psicólogas. Também convidaram o Sr. Rui Araújo e a Dra. Fernanda Sá, em representação dos Bombeiros Voluntários Famalicenses. O tema Autismo foi analisado pelas psicólogas como sendo um distúrbio de desenvolvimento, permanente e severamente incapacitante. Os autistas querem brincar,

e

demais, pelo seu comportamento verdadeiramente exemplar, pelo que a Direção Pedagógica resolveu publicamente distingui-los com o diploma “Mérito Didaxis”. Foram, assim, distinguidos os seguintes alunos: Márcio António Santos, do Curso Técnico de Restauração que obteve a classificação final de 17 valores Do curso Científico Humanístico de Ciências e Tecnologia: João Pedro Reis; Diogo Araújo Pinto; Luís Horácio Costa; Inês Eduarda do Carmo; Helena Sofia Martins; Francisco Guilherme Fonseca, todos com a classificação final de 18 valores. Bárbara Correia e Diana Correia, ambas com 19 valores e João Pedro Guimarães, com a classificação final de 20 valores. Depois de um momento cultura em que foi apreciada a arte de dançar de duas alunas da nossa Escola, seguiu-se o momento mais esperado por todos: a entrega do Prémio de Mérito do Ministério da Educação aos melhores alunos dos cursos de Ciências e Tecnologias, e dos Cursos Profissionais, do ano letivo 2010-2011, os brilhantes alunos, João Pedro Guimarães, com a classificação final de 20 valores, do curso Científico Humanístico de Ciências e Tecnologia e Márcio António Santos, do Curso Técnico de Restauração que obteve a classificação final de 17 valores. Ao proceder à entrega destes Prémios, a Senhora Diretora Adjunta da Direção regional da Educação Norte, Mestre Isabel Maria Cruz, enalteceu o trabalho realizado pelos alunos, e elogiou a nossa Escola pelo que tem feito ao longo destes anos, pela qualidade do ensino na nossa região, pelo crescimento visível e pelo empenho dos seus Docentes e Direção Pedagógica, que resultam em práticas pedagógicas adequadas e que a colocam em destaque entre os seus pares. Professora Ana Maria Costa

Epilepsia

Poema de Natal Este Natal Vai ser muito excitante Com pão de ló e bolo rei E uma árvore radiante. O melhor dos natais Está agora a chegar. Uns esperam sentados Outros, a brincar. As casas estão bonitas. É um dia especial. Toda a gente no munido Celebra o Natal. O Natal vem aí. Estamos todos contentes. Vem uma pessoa velhinha Que nos traz muitos presentes. No Natal deste ano, As prendas são baratinhas, Porque o Pai Natal Tem menos moedinhas. Estamos muito felizes Ao calor da lareira. Os adultos conversam E os pequenos na brincadeira. O Natal é para todos Uma época de alegria. Há muitos sorrisos E muita simpatia. André Agra 5.1

mas não sabem como o fazer. O portador de autismo consegue cheirar, ver e ouvir mais do que as outras pessoas. A nossa aluna, Andreia Sousa, leu um texto que testemunha a sua história de vida como autista, o que nos sensibilizou a todos e nos permitiu compreendê-la melhor. O tema Epilepsia foi abordado pelos Bombeiros Voluntários Famalicenses como sendo um distúrbio no cérebro. Foram-nos indicadas medidas de Esta palestra permitiu-nos melhorar os nosatuação, no caso de estarmos perante este problesos conhecimentos sobre o tema Autismo e Epima. Nestes casos devemos manter a calma e afaslepsia, e aprender algumas medidas de atuação. tar os objetos que estão mais próximos da vítima. Alunos do 2.TCom


Ano XXIV

nº 85 Janeiro 2012

17

Jornal O Vale

“A cultura em movimento”

Viagem pelas palavras

Uma nova forma de fazer cultura em contexto escolar.

Grupo Cultural Divulga Informação Num Conceito Inovador

Patrícia Fernandes

Vargas Llosa, Travessuras da Menina Má Sempre considerei os autores sul-americanos magníficos contadores de histórias… E foi sempre isso que procurei nos livros de Isabel Allende, García Márquez, Luís Sepúlveda. Sei que quando me sento com um desses livros, sou levada para uma magnífica história de aventuras e desventuras, que nos faz conhecer os personagens tão bem ao ponto de parecerem reais, ao ponto de sentirmos que os conhecemos, ao ponto de partilharmos as suas preocupações e amores, tristezas e sonhos. Quando me ofereceram, há uns tempos, um livro de Vargas Llosa, não estava exatamente à espera do mesmo. Já tinha ouvido falar do autor, mas nunca o tinha lido. Como foi Prémio Nobel em 2010, as prateleiras encheram-se dos seus livros. E com a atitude cética que um bom aprendiz de filosofia deve ter, suspeitei sempre que esses truques comerciais servissem só para esconder mais um autor entre os mil que enchem as livrarias… Pois bem, foi então sem grande expetativa que comecei Travessuras da Menina Má, um título obviamente sugestivo, mas sem promessas profundas… Mas bastou passar os olhos pelas primeiras linhas para ter ficado profundamente mergulhada na história de Ricardo Somocurcio, o narrador, que tendo nascido no Perú, cedo concretizou o sonho de infância de viver em Paris, porque em Paris, sim, haveria de ser feliz. Trata-se de uma obra de ficção, mas o autor não recusa um certo toque autobiográfico… A menina má é obviamente a personagem central do livro… Faz e desfaz a vida de Ricardito, no meio de coincidências que vão tecendo a nossa vida. Mas a viagem que a história nos promete não é só, nem principalmente, ao amor louco e imbecil de um menino bom. A viagem leva-nos à Europa da segunda metade do século XX, aos movimentos comunistas que clandestinamente se passeavam entre cortinas de ferro e oceanos atlânticos; a Paris dos anos 60; a Londres dos anos 70, entregue ao amor livre; a Tóquio que estranha e entranha; e a Madrid em transição política nos anos 80. Tudo isto enquadrado por uma bela história de amor, e referências constantes aos grandes pensadores dessas décadas. A forma simples e agradável com que a história é tecida, torna impossível não se tornar um daqueles-livros-da-nossa-vida… O problema deste tipo de livros é criar uma grande expectativa em relação aos próximos. Mas vá lá, há riscos que valem a pena correr… Mario Vargas Llosa, Travessuras da Menina Má, Lisboa, D. Quixote, 2006, pp.376

Em ambiente de crise económica, financeira e mesmo de valores, surge a premência de, não nos alheando dos problemas do país, encontrarmos, antes, soluções que possam configurar a ultrapassagem dos obstáculos, de encontrar soluções, mesmo que estas se vislumbrem longínquas. Dentro destes pressupostos, e considerando que a cultura é o pilar de uma sociedade civilizada, na escola Cooperativa de Vale, arregaçamos as mangas, dizendo não ao ficar à espera de dias melhores , e criámos o Grupo Cultural que, entre outros, tem como objetivo principal partilhar cultura, nos mais diversos âmbitos, em que aquela se insere. A escola é, e será sempre, o lugar de excelência à transmissão dessa cultura. O GRUPO CULTURAL , constituído por alunos das turmas 9.5, 8.6 , 7,7, a que se juntarão também seis encarregados de educação, ligados às mais variadas áreas de atividade, e as professoras e funcionária que, ora, estão responsáveis pelas actividades decorrentes na biblioteca, terá como tarefa, todas as segundas feiras, a partir da 13h30m, levar às salas de aula (que previamente serão informadas dessa visita), pedacinhos de cultura que configurarão quer, mais uma achega à motivação à leitura dos clássicos portugueses, dos escritores emergentes de qualidade, da suas obras, das novidades literárias, quer informações temáticas que se revistam de interesse para serem divulgadas no seio da comunidade educativa. O Grupo começou a sua actividade no

A

apresentação foi objectiva e motivante. Os alunos permaneceram, desde o início, curiosos e interessados. Esta actividade parece-nos mais uma iniciativa necessária para incrementar o gosto pela leitura, facilitando aos alunos escolhas acertadas e adequadas à sua faixa etária”.

dia 31 de outubro, tendo sido seleciona- concelho e comunidade educativa , em dos para apresentação nas salas de aula, geral. os escritores José Saramago, através da A organização estará a cargo da Bibobra editada após a sua morte, “CLARA- lioteca da Escola e dos Encarregados de BOIA” e o último trabalho de José Luís Educação, que , ao longo do ano, dinamPeixoto “ABRAÇO”. izarão este projeto ao lado dos seus edu“ABRAÇO” é mais uma obra deste candos. genial escritor de 40 anos, que o País e Ao longo do périplo feito nos meses já o mundo reconhece como uma das outubro, novembro e dezembro pelas grandes apostas da literatura internacio- salas de aula, foram muitas as reações a nal. esta iniciativa, bem como aos vários auJosé Luís Peixoto ganhou o prémio tores/obras apresentados e dos quais os José Saramago em 2001, com o romance professores, presentes nas salas ,nos fiz“Nenhum olhar”, sendo que o mesmo eram chegar e que aqui deixaremos um foi incluído na lista do Financial Times, breve registo: como dos melhores livros publicados em Inglaterra, no ano de 2007. m belo exemplo apresentado por O seu romance “Cemitério de pianos” estas jovens! Parabéns.” recebeu o Prémio Cálamo Outra Mirada, Judite Fernandes. em Espanha em 2007. Em 2008, recebeu o prémio de Poesia Daniel Faria. s alunas Rita e Susana, da turma Os seus romances estão já publicados 9.5, apresentaram muito bem o autor em Espanha, Inglaterra, Itália, França, moçambicano, Mia Couto” Finlândia, Holanda, Brasil, e Estados Paulo Oliveira Unidos, entre outros países, estando traduzidos num total de 28 idiomas. dorei a iniciativa. Não sabia Desta forma, o Grupo Cultural continuará o seu périplo pelas salas de aula que Mia Couto é biólogo como eu! Vou levando informação literária, e dando a aceitar a sugestão de leitura.” Sara Soares. conhecer autores e obras que, de outra forma poderiam passar despercebidos dentro da Escola. Esta iniciativa das segundas feiras ostei muito da apresentação da culminará com a intitulada atividade biografia de Mia Couto, pelas alunas “Encontros de dizer e de divulgar” que Rita e Susana. Fiquei deslumbrada terá lugar no dia 23 de Abril (Dia Muncom a apresentação,” dial do Livro), para o qual serão conviLurdes Azevedo. dados escritores, entidades culturais do

U A

A

G

H

oje a turma 7.7, na aula de E.V. teve o privilégio de receber três alunos para nos presentearem com a leitura de um texto muito adequado à nossa idade. O tema em destaque foi “ a anorexia nas jovens”. Consideramos que eata informação foi mais um alerta importante para a forma como , por vezes nos vemos e como nos deixamos influenciar.”

G

ostei muito da ideia e da disponibilidade dos alunos.Considero que a selecção foi positiva um autor para alunos mais experientes e outro para os mais pequeninos. Gostaria que passassem por cá mais vezes, porque precisamos de “guerreiros” nesta luta do ler+.”

T

odos os projectos que videm promover a leitura são excelentes e este ainda mais pelo facto de ser feito de alunos para alunos. Parabéns, por esta iniciativa.” Judite Fonseca Recebemos, ainda, por e- mail uma mensagem de estímulo e de apreço a este projeto, incentivando-nos a torná-lo extensível a toda a Escola, pela importância

com que se reveste, da parte da professora Emília Cardoso. Nota: Todos os livros , revistas ou jornais que estiveram na base da se-

lecção da informação divulgada, estarão disponíveis na Biblioteca da Escola. Alunos da turma 9.5 (Susana, Catarina Silva, Ana Seara, Rita, Gonçalo…)

Didáxis - apresentação do SolidWorks No dia 13 de outubro, a equipa “Light Year”, composta por 4 alunos da Escola Didáxis Vale São Cosme, estive presente no grande evento nacional de lançamento do SolidWorks 2012, organizado pela Sqédio no Centro Multimeios de Espinho. A Equipa brindou os participantes do evento,

com a apresentação do seu Projecto F1 NAS ESCOLAS, no espaço dedicado ao “Case Study”. Mais Informações em:

http://www.sqedio.com/site/index.asp.


18

Ano XXIV

nº 85 Janeiro 2012

Jornal O Vale

Comenius

“ENERGY - Engaiging and EneRgising generation Youth” Terceira mobilidade, … terceira aventura … Lituânia como destino, mais precisamente a cidade de Kaunas. A aventura começou às três da manhã do dia 2 de outubro quando a comitiva da Didáxis saiu com destino ao norte da Europa. Saímos de Portugal num clima de verão retardado para irmos de encontro do outono que no nosso pais parecia não querer chegar. Pessoalmente esta mudança de temperatura soube-me mesmo bem, gosto da mudança das estações, que para mim representam ciclos cumpridos. A calendarização da mobilidade foi excelente., não implicou um esforço adicional dos nossos alunos uma vez que o ano letivo mal tinha começado. O entusiasmo da comitiva portuguesa era grande – para todos o país em causa era uma completa novidade. E, veio a revelar-se uma excelente novidade. Sendo um país pequeno a paisagem é homogénea. É muito plano cheio de lagos e árvores que se reflectem nesses espelhos de água. Há cenários de autênticos postais ilustrados, principalmente por causa das cores outonais de vários tons de vermelhos, amarelos e castanhos. A cidade de Kaunas também foi uma agradabilíssima surpresa. Apesar de uma parte mais elevada é uma cidade bastante

plana e extensa. Tem um centro histórico muito agradável e tivemos oportunidade de o descobrir quer em visita guiada, quer por nós próprios no nosso tempo livre. Durante a semana visitamos também a cidade de Kretinga onde alargamos os nossos conhecimentos sobre energia eólica. Num outro dia fomos até à capital, Vilnius, cidade muito charmosa e bonita onde percorremos o centro histórico a pé e visitamos o museu da energia. Aí, depois de uma visita guiada, divertimo-nos imenso numa sala interativa. Pudemos verificar, por exemplo, o nosso peso em Marte, em Júpiter e na Lua. Grandes surpresas… e grandes gargalhadas…!! Enfim, a semana decorreu com uma data de atividades, e a destacar fica mais uma vez o excelente relacionamento que os nossos alunos conseguem com os colegas dos diferentes países, bem como a seu desempenho e autonomia na língua inglesa. Quanto a nós professores, temos a agradecer todas as atenções de que fomos alvo por parte dos colegas da escola lituana. Fomos muito bem recebidos, rodeados de atenções e podemos dizer que, nesta mobilidade, nada coreu mal.

O país é muito diferente de Portugal, mas também muito interessante. As pessoas que nos acolheram eram muito atenciosas e gostaram de nos ter na sua casa, e como família de acolhimento estão aprovadas. Estavam realmente interessados em conhecer o nosso país e de saber os nossos costumes e tradições, e saber o lugar onde os filhos iriam estar futuramente durante uma semana. Os jovens da Lituânia que nos acompanharam na semana toda eram realmente muito divertidos, gostaram bastante de se divertir connosco, e acolheram-nos muito bem. Na Lituânia vê-se que o sector da energia tem vindo a progredir, visitamos uma central eólica e vimos também energia do gás natural. O uso da língua inglesa logicamente foi

frequente e serviu para comunicar com todas as pessoas que conhecíamos e também com a nossa família de acolhimento. As amizades foram muitas, não só do país em que nós encontrávamos mas também da Alemanha e da Roménia. E também de Portugal, pois foram alunos da outra escola que não conhecíamos. São pessoas realmente fantásticas e que nos trataram muito bem. Conhecemos várias culturas e tradições e apreciamos saber como tudo é tão diferente. É uma experiência a repetir, e será muito agradável receber em nossa casa e mostrar as nossas culturas e tradições que provavelmente eles vão gostar como nós gostamos das deles.

Muito obrigada Lituânia Maria João Castro

Ana Cristina Azevedo

Didáxis Cooperativa de ensino de Riba de D’Ave.

Third mobility... third adventure ... Lithuania as a destination, more specifically the city of Kaunas. The adventure began at three a.m. October 2nd when Didáxis group left in direction to the northern Europe. We left Portugal with a late summer weather to find Fall, which in our country seemed not wanting to arrive. Personally, this temperature change was very good , I like the changing of seasons, which represents, to me, complete cycles. The mobility’s schedule was excellent. It did not represent an additional effort to our students since the school year had barely begun. The enthusiasm of the Portuguese delegation was great - for all, this country was a complete novelty. And it turned out to be an excellent one. Being a small country the landscape is homogeneous. It is very flat full of lakes and trees that are reflected in these lakes. There are scenarios of authentic postcards, mainly because of the autumnal colours of various shades of red, yellow and brown. The city of Kaunas was also a very pleasant surprise. Although the city has an elevated part, most of it is fairly flat and wide. It has a very nice old town and we had the opportunity to discover it both in a guided tour and either by ourselves in our free time.

During the week we also visited Kretinga village where we extended our knowledge about wind energy as we visited a wind park. Another day, we went to the capital city of Vilnius which is very charming and beautiful. We took a walk through the historic center and visited the museum of energy. There, after a guided tour, we had a blast in an interactive room. We verified, for example, our weight on Mars, Jupiter and on the moon Big surprises,... big laughs...!! Well, the week went on with many other varied activities, but once again one of the highlights was the excellent relationship that our students got with their colleagues from different countries, as well as, their performance and autonomy in the English language. As for the teachers, we have to thank all the attentions and kindnesses that we received from the Lithuanian teachers, students and their families. We were all, very well received, surrounded by attentions and we can say that in this mobility nothing went wrong.

The country is very different from Portugal, but also very interesting. The people who welcomed us were very helpful and we felt that they liked to have us in their homes, and as host families they are approved. They were really interested in learning about our country and to know our habits and traditions, and know where their children would be the future Portuguese mobility. Young people in Lithuania who were with us the whole week were really funny, we got along with each other very well. In Lithuania we could witness that the energy sector is making progress, we visited a wind farm and we also learned more about natural gas energy. The use of English was, of course, the connection to communicate with everyone

we met and also with our host family. The new friendships were many, not only with students from the host country but also from Germany and Romania; and also from Portugal, as we were students from two schools and we didn’t know each other before. We met really fantastic people and they took good care of us. We were in touch with several cultures and traditions that we liked to know how everything is so different. It is an experience to repeat, and it will be very nice to receive them in our home and show our culture and traditions and they probably will like us , as we liked them.

Thank You Lithuania Maria João Castro

Ana Cristina Azevedo

Didáxis Cooperativa de ensino de Riba de D’Ave.


Ano XXIV

nº 85 Janeiro 2012

19

Jornal O Vale

Diários de Bordo... Alunos da Didáxis na Lituânia: Ao todo éramos 8 pessoas, 6 alunos (3 de Riba de Ave e 3 de S. Cosme) e 2 professores (1 de Rriba de Ave e 1 de S. Cosme), a nossa aventura começou na madrugada de 2 de Outubro de 2011, com viagem para a Lituânia um dos quatro países que integram o projeto Comenuis no âmbito das energias renováveis. Chegamos à Lituânia e vimos um país diferente do nosso, com muitas zonas em construção para melhorar o nível de habitações e estradas, as famílias que nos iam acolher foram-nos buscar à estação de Kaunas e conhecemo-nos lá. Depois fomos para a casa dos nossos novos amigos onde iríamos ficar durante essa semana. Durante todo o tempo trocamos impressões culturais, e falamos sobre o que gostávamos, depois fomos ter com os outros alunos que vieram de outros países e demonos muito bem uns com os outros, ficaram amizades para sempre. Durante o resto da semana fizemos visitas, encontrávamo-nos na escola reuníamonos e seguíamos para as actividades pro-

Lithuania is a very small country in rapid development. People were very friendly and the family where I stayed was very welcoming always with a smile and always asking if we wanted something else. This project is about the alternative energy. Lithuania is making a big investment in these energies since it is promised to close their nuclear power plant, and with this change, Lithuania is now facing problems of lack of energy. We explored a wind energy park visiting some fans, and a gentleman in charge of that park explained to us how it works, the amount of energy produced and where energy is stored. Lithuania language is Lithuanian, which was not a big problem as we used the English language as a way of global communication, which was a very rewarding experience because we developed our

Carlos Valente

Altogether we were eight people, six students (three from Riba d’Ave three from St. Cosme and 3) and two teachers each one from each school ;our adventure began in the morning on the 2nd October 2011 with a trip to Lithuania the third country of the four that belong to the project Comenuis in renewable energies. We went to Lithuania and found a completely different country from our own, with many construction areas to improve the level of housing and roads. It is a country in the process of development. The host families met us at the station, in Kaunas and we knew each other there. After a while we went to our new friends’ house where we were going to stay for that week. During that time we exchanged cultural impressions, and talked about our different lives and experiences; then we met the other students who came from other countries and we noticed we were getting very well with each other, I think we are going to be friends forever. During the rest of the week we did sev-

eral studying visits, we accomplished all the activities planned by the Lithuanians, we visited the wind farm and also visited cities, Kaunas, where we were staying during the week and the capital Vilnius. These main cities are very beautiful. By the end of the working day we all got together to have fun with each other, and we had many moments that will remain forever in our memories. Using the universal language ,English,, was one of the most important things we did, because we had to communicate with the other students in English and so we could develop this language which is so important, we could all communicate without big problems. The last day was the hardest one because we had done very strong friendships and of course it was time to say goodbye there were many tears because we knew that we would only meet each other in 2012. It was the most difficult moment of our adventure, and of course, we are willing to receive them because we'll be together again. Carlos Valente

vocabulary in this language. Another advantage was making new friends and meeting new people, not only Portuguese but also Lithuanians, Germans and Romanians, as we were together almost all the time and learned more about their culture and we also learned a few words in their language. On this mobility we did several visits: to the capital, Vilnius and suburbs where we could see and visit some museums and the major symbolic monuments of this country. With all this, I hope that when these people get here they can all feel so welcomed as they made me felt when I receive them in my house, what it is going to happen during the next term. It was a very rewarding and fun experience. Miguel Ferreira

A Lituânia é um país bastante pequeno, e em rápido desenvolvimento. As pessoas eram bastante simpáticas e a família onde eu fiquei era bastante acolhedora sempre com um sorriso nos lábios e a perguntar se queríamos mais alguma coisa. O tema desta viagem eram as energias alternativas, a Lituânia está a fazer um grande investimento nestas energias pois comprometeu-se a fechar a sua central nuclear, com o fecho da mesma tem agora problemas com a falta de energia. Nós exploramos a energia eólica, visitamos algumas ventoinhas e foi-nos explicado o seu funcionamento, como a quantidade de energia que produziam e onde esta era armazenada. A língua da Lituânia é o lituano, o que não foi um grande problema, utilizamos a língua inglesa como meio de comunicação global, o que foi uma experiencia bastante

recompensadora pois desenvolvemos o nosso vocabulário nesta língua. Outra das vantagens foi fazer novos amigos e conhecer novas pessoas não só portugueses mas também lituanos, alemães e romenos, como estivemos bastante tempo juntos pudemos conhecermo-nos e saber mais sobre a sua cultura e aprender algumas palavras na sua língua. Nesta visita pudemos fazer varias visitas: à capital e arredores e visitamos alguns museus e monumentos importantes e simbólicos deste país. Com tudo isto, espero que quando receber alguma destas pessoas elas se sintam bem e á vontade como me fizeram sentir quando me receberam, o que acho que vai acontecer durante o segundo período. Foi uma experiencia bastante recompensadora e divertida. Miguel Ferreira

gramadas pelos lituanos: fomos visitar a central eólica e visitamos também cidades, Kaunas, onde ficamos alojados durante essa semana e a capital Vílnius, cidades que tinham uma grande beleza, no fim das actividades reuníamo-nos todos e aproveitávamos para nos divertirmos uns com os outros, e tivemos muitos momentos que irão ficar para sempre na nossa memória. A utilização da língua universal (inglês), foi uma das coisas mais importantes que fizemos, pois tivemos de comunicar com os outros alunos em inglês e assim também pudemos desenvolver esta língua tão importante; todos nós conseguimos comunicar sem grandes dificuldades. O último dia foi o mais difícil pois fizemos amizades muito fortes e claro que na hora de dizer adeus apareceram muitas lágrimas pois sabíamos que só nos iríamos encontrar em 2012. Foi o momento mais difícil da nossa aventura, e claro estamos desejosos de os receber pois vamos estar novamente todos juntos.

Students from Lithuania Didáxis


20 Diários de Bordo... Labas! (=Olá!) Depois da ida à Roménia no ano letivo anterior, foi me dada a oportunidade de voltar a participar numa deslocação do projecto Comenius, no âmbito das energias renováveis, desta vez à Lituânia. Apesar de, pela experiência, saber que iria ser mais uma grande viagem, cheia de oportunidades, não sou capaz de traduzir por palavras o quão sensacional é passar uma semana em intercâmbio. Sendo este um projecto que envolve 4 países, com deslocações a cada um deles, na Lituânia, o primeiro dia foi um reencontrar de pessoas que me tinham marcado e que deixaram muita saudade, com um número interminável de abraços e sorrisos, este dia foi passado em festa, e como no grupo português havia gente que nunca tinha participado num projecto deste género, tratamos logo de inseri-los neste ambiente fantástico, e de lhes mostrar os frutos das nossas deslocações anteriores. Nesse mesmo dia, fomos inseridos numa família de acolhimento, com a qual iríamos passar o resto da semana, e partilhar experiencias a fim de conhecermos um pouco da cultura Lituana e eles um pouco da nossa. Rapidamente todas as caras se tornaram familiares, e os dias seguintes foram todos aproveitados até ao último milésimo. Começando de manhã bem cedinho, dirigíamo-nos à escola, onde nos reuníamos todos. Daí seguíamos para as actividades relacionadas com as energias renováveis,

Mais uma fantástica semana Para mim já não é novidade este projecto Comenius, sendo que já participei nele na primeira incursão à Alemanha. E mais uma vez, fiquei completamente deslumbrado, com o que encontrei neste país até à pouco tempo desconhecido para mim, chamado Lituânia. As diferenças relativamente à Alemanha são enormes, a nível de condições rodoviárias, e ligações urbanas, a Alemanha apresenta-se bastante melhor, mas apesar destas diferenças existe algo que permanece imaculadamente igual ,a hospitalidade de quem nos acolhe, no seu país, na sua cidade, nas suas casas, na sua própria família. É muito fácil esquecermo-nos que estamos fora das nossas casas, pois as famílias que nos acolhem tratam-nos como seus próprios filhos. Esta semana foi ótima para descobrir outras

Ano XXIV

entre elas a visita a uma central eólica e a outras centrais de energia, e em visitas a cidades Lituanas: Kaunas, a cidade onde estávamos alojados, e Vilnus, a capital; cidades estas com uma grande beleza, sempre lotadas de jovens e bom ambiente. Depois destas actividades o final do dia era passado em reunião com Lituanos, Romenos e Alemães, sempre num ambiente fenomenal; com a adrenalina e a boa disposição em alta, passamos momentos com grandes gargalhadas, momentos com muita diversão, momentos de recordações, momentos que seremos incapazes de esquecer. Uma semana como esta, não só é uma semana completamente fora do padrão, ou da rotina, como é também aquela em que aprendemos uma maior diversidade de coisas, desde pequenas expressões em outras línguas, até à aquisição de novos hábitos que não os nossos durante este período de tempo. Também o inglês se torna um dos nossos melhores amigos, e nestes casos, ate saber apenas algumas palavras conta, no entanto todos nos fomos capazes de comunicar sem dificuldades! Por fim, depois de uma semana com um ritmo alucinante, o último dia foi passado num estado de nostalgia e saudade, com lágrimas á mistura não dissemos adeus mas sim um “até já” com esperança de mais um reencontro. Regressamos a Portugal de malas cheias, mas também cheios de conhecimentos e de histórias para contar. Paulina Costa

gentes e costumes, mas também para aprendermos um pouco mais acerca das energias renováveis, sendo que desta vez abordamos o tema das energias verdes, e dos parques de vento (energia eólica). É nestas alturas que nos apercebemos do verdadeiro valor de uma língua como o inglês, que nos permite, comunicar facilmente com pessoas de outros países com línguas diferentes; é a língua inglesa que permite que o mundo se torne de alguma forma, uma aldeia global. É por todas estas razões que mal posso esperar, por acolher os meus novos “irmãos” de outro país, na minha casa, aconselho a todos os que tiverem oportunidade de realizar este tipo de acolhimento, quer seja em projectos deste género, ou fora deles, a o fazerem, porque são experiencias realmente únicas, são ligações que permanecem para toda a vida. Tiago Ferreira

nº 85 Janeiro 2012

Labas! (=Hello!) After going to Romania in the previous academic year, I was given the opportunity to participate again in a mobility of the project Comenius, in the aim of renewable energies, this time to Lithuania. Because of my first incursion in the Comenius Project, I could know that it would be another great experience and full of opportunities, I am not capable of describing through words how fantastic it is to spend a week in exchange. As this is a project which evolves four countries, with dislocations to each one of them, the first day was a reunion with people with whom we got along the most and that we missed a lot, with a huge amount of hugs and laughs, this day was all party, and as in our group we had some people who had never participated in a project like this, we soon introduced them in the amazing atmosphere, and showed them the fruits of our previous dislocations. In this very same day, we met our hostel family, the one with whom we would spend the rest of the week, and share some of each other’s habits and culture. Very quickly all the faces became familiar, and the following days were all taken till the last minute. Starting in the morning very soon, we went to the school where we all would meet. From there we went to do a lot of activities related to renewable energies, among them, a visit to a wind farm and other power stations, and we

Another amazing week It’s not new for me this Comenius Project, because I have already participated on it, when it took place in Germany. And again I was surprised with what, I have found in this amazing country, named Lithuania. Comparative to Germany, German urban connections and public transports are a little bit better than in Lithuania. Despite all this, one thing is the same, the amazing hospitality of all the Lithuanian people, and mostly of our host families, that treated us like their own sons. This week was fantastic; to know Lithuanian people and culture, but not only, we studied a little more about renewable energies, and this time the thematic was the green energies and wind parks. It´s in projects like this one that we realize, what is the true importance of the English

Jornal O Vale

also visited some cities like Kaunas, the city were we were living, and Vilnus, the capital of Lithuania, both of them with a lot of beauty, full of young people and with a nice environment. After these activities the end of the day was usually spent in reunion with the Lithuanian, Romanian and German students, always with an excellent vibe, with adrenalin and good mood, we spent moments of laughing, moments of great fun, moments of memories, moments that we will never be able to forget. One week like this is not only a week completely out of the standard, or routine, but it is also a week in which we learn a huge and varied amount of things, from little expressions in other languages, to gathering new habits, that are not our own, during this period of time. English also became one of our best friends, and in this case, even knowing just a few words counts, however we were all capable to communicate without any problems. At last but not least, after a week of breakneck pace, the last day was spent in a state of nostalgia and longing; with tears mixed we didn’t say goodbye but a “see you later” with the hope of meeting soon. We returned to Portugal with full bags, and also full of new knowledge and new stories to tell. Paulina Costa

language. The English language allows us to be connected with people from all over the world, and this is amazing because with this skill you can learn all about the other cultures, and know different people. These are some of the reasons because I can´t wait to welcome my new friends in my own home, It is an amazing experience that I will never forget, and everyone should have this experience by themselves, It is amazing.


Ano XXIV

nº 85 Janeiro 2012

21

Jornal O Vale

Diários de Bordo... A Lituânia é um país completamente diferente do nosso tanto a nível de cultura como de rotinas. É um país frio, no entanto na altura em que lá estivemos a temperatura manteve-se amena, não baixou dos 10 graus nem excedeu os 15. A cidade de Kaunas é bonita e limpa e tem muitos monumentos interessantes para visitar. A família que nos acolheu na Lituânia foi espectacular, eram pessoas extremamente simpáticas, fizeramme mesmo sentir em casa. Com esta visita apercebi-me da importância da energia eólica, uma vez que esta, é uma energia verde. A utilização deste tipo de energia permite-nos assegurar um ambiente e futuro mais sustentável. Esta energia é produzida através de um recurso natural não poluente. Apercebi-me mesmo que a língua Inglesa é muito importante para a comunicação fora do nosso país. Apesar de ter sido só uma semana, foi o suficiente para nos sentirmos

mais à vontade para falarmos Inglês. Acho que foi uma excelente oportunidade para desenvolver e adquirir vocabulário. Situações como em restaurantes ou cafés em países com uma língua tão diferente da nossa, o Lituano, só mesmo uma língua universal como o Inglês para nos fazermos entender. Tenho a certeza que esta experiencia me vai ser muito útil em futuras situações profissionais e pessoais. As amizades criadas tornaram-se muito fortes e tenho a certeza que vão ficar para o resto da minha vida. Vivemos momentos intensos de convívio. Foi muito interessante partilhar as nossas vivencias com pessoas de culturas diferentes da nossa. Estou ansioso que chegue a altura para poder estar novamente com estas novos amigos. Poder partilhar um pouco da nossa cultura e mostrar o que de melhor há na nossa região. João Delgado

Lithuania is a completely different country from Portugal, in terms of culture and daily routine. The weather is cold, however when we were there the temperature was mild, between 10 and 15 degrees. The city of Kaunas is beautiful and clean and there are a lot of interesting monuments to visit. The family which received us was fantastic and welcoming, I felt as if I was at home. With this trip I realized how important wind energy is, being a green energy. With this kind of energy we can assure a better future and sustainable environment. This energy is produced with a natural non pollutant resource. Now I know how English is important for communication in foreign countries. It was only a week, but it was enough to talk with more confidence. I think it was an excellent opportunity to develop the language and vocabulary. Only with a global language such as English we can

help each other in communication and understanding in restaurants or coffees in such different countries like this one. I am sure that this experience will be very useful in my future both in personal and professional situations. We create a strong friendship among each other for the rest of our lives. We experienced amazing times, it was very interesting to share our stories with so different people. I’m looking forward to meeting these new friends once again. To show them all the amazing places in our region and a little bit of our culture.

Pela primeira vez participei neste tipo de mobilidade, e foi com agrado que aceitei acompanhar os alunos a Kaunas, Lituânia. Foi uma experiência bastante enriquecedora, destacando fundamentalmente a possibilidade de conhecer a Lituânia, sua história, costumes e as suas gentes, o intercâmbio entre alunos e professores participantes, e a realidade energética na Lituânia. Desde logo, foi fascinante conhecer a lituânia, onde as cidades de Kaunas e a capital Vilnius são muito bonitas, tranquilas e carregadas de marcos históricos. No entanto, foi a ilha de Trakai que mais me encantou pela sua beleza. Interessante foi constatar as marcas deixadas nestas cidades pelas guerras, mas principalmente, as marcas que as guerras e a independência deixaram nas pessoas, e de que modo essas marcas influenciam o modo de vida e de estar dos Lituanos. Portugueses, Lituanos, Romenos e Alemães formaram um grupo unido onde se gerou laços de amizade, possibilitando a alunos e professores uma partilha aberta de experiências, vivências e costumes. Se esta mobilidade foi importante para os alunos, no intercâmbio com os outros alunos participantes, com as famílias de acolhimento e a comunidade local, também o foi para os professores na medida em que trocaram ideias sobre projetos, sobre as realidades escolares e metodologias de ensino em cada um dos seus países. Envolvidos no tema da mobilidade, ficamos a conhecer a relação que os Lituanos têm com a energia, tendo em conta que nas diversas guerras era as centrais elétricas as

mais afetadas. Uma das principais apostas da Lituânia no que concerne à energia renovável prende-se com a energia eólica, a qual ficamos a conhecer melhor na visita à “Wind Energy Power Station” em Kretinga. Tivemos a oportunidade de conhecer todo o processo da produção de energia eletrica através da energia do vento, as percentagens de eficiência, custos de produção, visitando desde as centrais eólicas até à central de tratamento da energia. Sendo a próxima mobilidade em Portugal, fica em jeito de desafio, a responsabilidade de acolhermos todos os participantes com a mesma simpatia e organização que fomos acolhidos. I first took part in this type of mobility, and I was very pleased to go with our students to Kaunas, Lithuania. It was a very enriching experience, putting the spotlight in the great possibility of knowing Lithuania, its history, customs and its people, the exchange between students and teachers, and the knowledge acquired about the energetic reality in that country. It was fascinating to travel around Lithuania, to know its capital, the city of Vilnius, and Kaunas, its second city. They seem to be very beautiful, peaceful and full of historical landmarks. However, it was the island of Trakai which charmed me most for its beauty. It was interesting to see the marks left by the wars in these cities, and also the feelings of nationality caused by the conquest of the recent independence, and how these marks affect their way of life and being. Prof. Pedro Dinis

Portuguese, Lithuanians, Romanians and Germans formed a united group where friendships were created, allowing students and teachers an open sharing of experiences and habits. If this mobility was important for the students, mainly because of the exchange with the other students from other nationalities and because of the contact with the host families and the local community, it was also important for teachers as ideas about projects and about

regard to renewable energy , is related to wind energy, about which we learned in a visit to the "Wind Energy Power Station" in Kretinga We had the opportunity to learn about the entire process of production of electricity by wind energy, the percentages of efficiency, production costs, as we visited from the wind farms to the treatment plant's energy. Being the next and last mobility of the “Energy” project in Portugal, we have the

different school realities, like learning and teaching methodologies of each country, were exchanged. Involved in the mobility’s theme, we became aware of the relationship that Lithuanians have with energy, bearing in mind that during the war periods the electric plants were the most affected. One of the main challenges of Lithuania, with

challenge and the responsibility of hosting all the participants with the same kindness and organization as Lithuania received us.

João Delgado

Prof. Pedro Dinis


22

Ano XXIV

nº 85 Janeiro 2012

Jornal O Vale

O Cantinho das Línguas Inglês

Francês

Noël

Le noël, C´est magnifique. Tout E la famille se réunit. On Se donne des cadeaux. Tout le monde est heureux. ON mange de la dinde de Noël. On déguste plusieurs desserts. LEs enfants rêvent avec Le père-Noël. Alunos da turma 3ºTR

Trouve les mots ci-dessous dans la soupe de lettres.

Espanhol

Pasatiempos

HORIZONTAL 1. Conjunto de maletas, baúles, etc. Que se lieva en los viajes. 2. Lugar por donde circular el tren para ir de un lugar a otro. 3. Cama doble formada por dos camas colocadas una encima de otra. 4. Vagón de tren con camas para dormir (2 palabras). 5. Viajero que va en un vehículo. VERTICAL 1. Persona que conduce un avión. 2. Persona que comprueba si el viajero tiene su billete. 3. Lugar del que despegan y en el que aterrizan los aviones en los aeropuertos. 4. Lugar en el que se despachan los billetes. 5. Mujer que atiende a los viajeros en un avión.

A Professora Odília Silva


Ano XXIV

nยบ 85 Janeiro 2012

Jornal O Vale

23


24

Ano XXIV

nº 85 Janeiro 2012

Jornal O Vale

OLIMPÍADAS PORTUGUESAS DA MATEMÁTICA (FASE ESCOLA) As Olimpíadas Portuguesas de Matemática (OPM), organizadas anualmente pela Sociedade Portuguesa de Matemática, são um concurso de problemas de Matemática, dirigido aos estudantes dos 2º e 3º ciclos do ensino básico e também aos que frequentam o ensino secundário, que visa incentivar e desenvolver o gosto pela Matemática.

O sucesso repete-se!

Os problemas propostos neste concurso fazem sobretudo apelo à qualidade do raciocínio, à criatividade e à imaginação dos estudantes. Desta forma, estes são fatores importantes na determinação das classificações o rigor lógico, a clareza da exposição e a elegância da resolução. As OPM não têm como objectivo fundamental testar a quantidade de conhecimentos acumulados. No entanto, o desenvolvimento mental inerente à idade dos participantes e a própria maturidade matemática que decorre do aprofundamento das matérias escolares faz com que seja necessária a separação dos participantes em cinco níveis, designados por: Mini-Olimpíadas (3º e 4º anos), Pré-Olimpíadas (5º ano), Júnior (6º e 7º anos), Categoria A (8º e 9º anos) e por Categoria B (Ensino Secundário). Decorreu no passado dia 9 de novembro, na nossa Escola, a 1ª eliminatória das XXX Olimpíadas Portuguesas da Matemática, tendo participado alunos de 25 turmas do 5º ao 12º anos de escolaridade, no total de 170 alunos constituindo um record de participação! Este evento faz parte do Plano Anual de Atividades da Escola Cooperativa de Vale S. Cosme – Didáxis e foi promovido pelo Departamento de Matemática. Observando a tabela de resultados é de destacar as classificações dos melhores alunos por Categoria: Categoria Pré-Olimpíadas: 1º Simão Martins (5.4); 2º Nuno Ferreira (5.2); 3º ex-aqueo André Costa (5.7) e Marta Rodrigues (5.1); 4º ex-aqueo Joana Coelho (5.2) e Hugo Bessa (5.2) 5º ex-aqueo Diana Silva (5.4) e André Barbosa (5.1).

Categoria Júnior: 1º Paulo Brandão (6.7); 2º Carminda Carneiro (6.1); 3º Ana Isabel Costa (6.1) 4º João Sampaio (6.7); 5º Hugo Fernandes (6.4). Categoria A: 1º Ana Catarina Martins (9.1); 2º Beatriz Correia (9.4); 3º ex-aqueo Miguel Mendes (8.6), Diogo Soares (9.1) e Patrícia Silva (9.7).

Categoria B: 1º João Guerra (12.2); 2º Luís Silva (11.2); 3º Renato Salgado (12.2); 4º Tiago Oliveira (12.2) e 5º Pedro Ferreira (12.2).

Para todos os interessados em continuar treinar para a próxima edição ou para a seguinte eliminatória (11 de janeiro de 2012) visitem: http://www. spm.pt/olimpiadas/, onde podem ser consultadas várias informações relevantes sobre este evento. Um agradecimento a todos os intervenientes nesta iniciativa, pela participação e colaboração nas várias atividades desenvolvidas e que tornaram possível o grande êxito verificado. Coordenador de Departamento de Matemática: Mário Oliveira

Jornal O Vale Nº 85  

Escola Cooperativa V.S. Cosme - Didáxis