Page 1

Vale S. Cosme | Número 96 - Janeiro 2016

ENORME SUCESSO NO CORTA MATO DE 2015 Mais de 1300 alunos!

DIDÁXIS - VALE S. COSME NO TOPO DOS RANKINGS NACIONAIS

Mário Oliveira personalidade do ano para a Federação Portuguesa de Xadrez


Nº96 | JAN | 2016

Jornal O Vale

PÁG.2

EDITORIAL AS NOSSAS ESCOLHAS O passado dá saudades, o presente dissabores e o futuro receios, diz o ditado.

É verdade que nós, os que gostamos de viver com alegria, vivemos o presente, por vezes e aparentemente, mal dispostos, descontentes, contrariados, marcados pela fragilidade e pela contingência de um dia-a-dia atarefado, apressado, stressado. Mas como só o presente podemos viver, há que tudo fazer, para o mudar, com toda a vontade, porque querer é poder. Entretanto, no tempo que passa com a interrupção letiva e enquanto se aguardam os resultados da avaliação, sempre importantes, não podemos deixar de viver intensamente o belo e o bom, os doces sabores, do suave

milagre do Natal e Ano Novo. Estas festas, feitas de vontades, de laços de amor e amizade partilhados, de gestos e atos que dão sentido autêntico à vida e de algum modo nos eximem a um certo vazio, são um valor que permanece afetivamente enraizado na cultura da nossa comunidade escolar. Vivemo-las, é certo, sempre com planos e vontade de um futuro feliz. E este desejo que vive em nós sempre foi a ambição das democracias que, como se vê, quotidianamente, nos media, se veem e desejam, para simplesmente congregar vontades e entendimentos. Quanto ao passado, esse podemos sempre revivê-lo. Do passado temos memória viva e saudades. Num olhar sobre a longa viagem empreendida pelo sonho e pelo espírito de missão, no espaço da educação, formação e cultura, que se tornou o nosso, descobrimos a marca indelével do ousar pensar, do querer e do poder, fruto de Abril que a liberdade inspirou. Foram quarenta anos de escolhas constantes, de ações e decisões, a inventar-se continuamente, a empreender projetos inovadores, adequados ao interesse de uma comunidade que, com o espírito de pertença e de participação, cooperou na construção de uma identidade vincada por luz própria. A autonomia, a iniciativa, a organização de um espaço onde todos, na sua diversidade, crescem, aprendem, projetam vidas e alcançam o sucesso, refletem um projeto educativo diferente, no contexto da cidade educadora. Dado que nunca o muito custou pouco, como caravela à descoberta da distância imprecisa do horizonte, também soube navegar nos baixios e entre ventos e correntes contrários. Estas são virtudes da Didáxis, horizonte de muitas vidas, que longamente esperamos reviver e viver, porque há mais longe por dentro de nós. Todavia, não descansa tranquilo quem vive consciente

dos tempos, atento e aberto a um futuro inquietante. Muito teremos de fazer para formar os jovens na arte de viver em sociedade, no mundo do trabalho e no exercício da cidadania. Hoje, na era do digital, os jovens da aldeia global sentem, pensam, comunicam e aprendem de forma diferente e querem, neste mundo hedonista, desfrutar da vida, mais do que conhecer. Por isso, a tarefa é árdua, contínua e de grande responsabilidade. Dadas as circunstâncias, o desígnio da excelência, o ir mais além, numa perfeição contínua, implica o compromisso e esforço constante de toda a comunidade educativa. Essa é a nossa escolha. Essa será certamente também a escolha de todos os nossos alunos e dos Pais que querem e podem escolher-nos, porque sabemos que nem todos os que o desejam o podem fazer, como seria a nossa vontade. Na verdade, todos nós sabemos o para quê e o por quê das nossas escolhas e, nomeadamente, quando se trata do projeto de formação e de vida dos nossos filhos, avaliamos e escolhemos, conscientemente. Deste modo, evitamos as escolhas do destino e os dissabores do presente, amanhã. Como o sublinha Erich Fromm, (…) não devemos confiar em que alguém nos salve, mas conhecer bem o facto de que as escolhas erradas nos tornam incapazes de nos salvarmos. Mas querer nem sempre é poder. Os Pais que querem e não podem lamentam certamente e nós com eles. Ano novo, vida nova. Que a capacidade de escolha, de decisão e ação, ajude cada um de nós, a partir de dentro de cada um de nós, a transformar o mundo que nos envolve.

7º e o 8º ano sem reprovarem e, no 9º ano, nos exames nacionais, têm positiva, se nas outras escolas do resto do país, com estudantes que à partida tinham o mesmo nível, a percentagem de jovens a fazer o mesmo caminho for mais baixa, então, para o Ministério, a escola A é uma escola que promove o sucesso. No que diz respeito à nossa Escola, face ao tipo de alunos que recebemos no início do 3º ciclo, era esperado que apenas 41% dos nossos alunos não reprovassem nem no 7º nem no 8º e chegassem ao 9º ano com positiva nos exames finais. Pois bem, a nossa escola conseguiu que 58% dos alunos chegassem ao 9º ano sem reprovações, com aquilo a que o ME chama de “percursos limpos”, fazendo com que no 3º ciclo ocupemos o 1º lugar, a nível nacional, deste ranking alternativo que o jornal Público criou a partir de todos os pressupostos já descritos. Penso que é benéfico para as escolas que os rankings não se limitem a elencar as escolas tendo como único critério os resultados dos exames. Um ranking que contemple diferentes variáveis é, certamente, mais justo e espelha de forma mais fiel as diferentes realidades que constituem as escolas. Quando se limitam a comparar realidades completamente distintas, não creio que represente algum contributo para a melhoria das nossas práticas. Relativamente ao bom resultado que obtivemos no “Indicador da Promoção do Sucesso Escolar”, entendo que será consequência de um conjunto de medidas pedagógicas que temos vindo a implementar: desde o reforço do número de

horas nas disciplinas estruturantes de Português e Matemática; o trabalho em equipa feito pelos docentes e que se repercute numa melhor articulação entre os vários níveis de ensino; a aplicação de testes comuns e as aulas de preparação para exames. A par destas medidas, e porque todos sabemos que a aprendizagem não se esgota de todo na sala de aula e nos conteúdos programáticos lecionados, destaco todos os projetos que desenvolvem conhecimentos noutras áreas do saber: o pensamento crítico, o empreendedorismo, a solidariedade, a auto estima e a comunicação. É isso que pretendemos ao introduzirmos a disciplina de Cidadania Ativa em todos os anos, ao criarmos projetos desportivos, o Xadrez, Filosofia com crianças, Ter Ideias para Mudar o Mundo, o Projeto de Literacia Financeira e outros. Por último, e deixo para final o que me parece mais importante, nada disto seria possível sem a dedicação e empenho de todos, um corpo docente dedicado e sempre disponível, alunos, pessoal auxiliar e famílias. Na verdade penso que o mérito é de todos. Funcionamos em equipa tendo consciência de que o sucesso de todos depende da contribuição de cada um.

BOM ANO NOVO! Alcino Faria

RANKINGS ESCOLARES Didáxis líder Nacional no “Ranking do sucesso”

De novo os rankings. Este ano, o Ministério da Educação resolveu introduzir um novo indicador a que chamou “Indicador da Promoção do Sucesso Escolar” que dá origem a um “ranking alternativo” e que posiciona as escolas tendo em consideração, não a média nacional única e absoluta, mas a comparação entre escolas cujos alunos tenham tido desempenhos escolares anteriores semelhantes. Dito de outro modo, e de acordo com as explicações do Ministério da Educação: se na escola A, 40% (esta percentagem é só um exemplo) dos alunos passam o

FICHA TÉCNICA

DESEJO A TODOS UM BOM ANO DE 2016. Isabel Matos Presidente da Direção Pedagógica

Propriedade: Didáxis - Vale S. Cosme, Avenida de Tibães, nº 1199, Vale S. Cosme - V.N. de Famalicão, T. 252 910 100 Direção: Alcino Faria Assessor de Imprensa: Pedro Reis Sá Paginação e arranjo gráfico: Luís Mafalda Impressão: Naveprinter Agradecimento a toda a Comunidade Escolar que colabora com o Jornal O Vale.


Jornal O Vale

Nº96 | JAN | 2016

PÁG.3

LER STONER, JOHN WILLIAMS Depois de no último artigo termos falado de Nabokov, nada poderia ser mais contrastante como trazer-vos este livro de John Williams, autor e obra que permaneceram desconhecidos por demasiado tempo na Europa. Mas esta não é uma escolha inocente – ler estes dois livros tão proximamente torna evidente aquilo que para um estudante de filosofia é quase natural: a tradição europeia é profundamente diferente da intelectualidade americana. Há mais metafísica na Europa, digamos assim, e Nabokov é um excelente exemplo disso. Por contraste, John Williams representa uma linguagem não-metafísica - simples e direta, sem grandes descrições, mas muito elegante. Neste livro, escrito em 1965 mas que só fez a travessia atlântica em 2013, John Williams conta-nos a vida de William Stoner. Há sempre um peso particular nos livros que se propõem apresentar a história de uma vida. Talvez nos cative a imagética do todo: talvez vermos uma outra vida contada desde o nascimento até à morte torne mais fácil darmos sentido à nossa própria vida - percebermos que, apesar de todos os desvios e confusões, há um todo que permanece, que é válido e digno. É isto, então, que podemos encontrar em Stoner, mas numa narrativa particular: apesar de heterodiegética, a narração instala-se a partir do ponto de vista do próprio Stoner, como se fosse ele a contar, na terceira pessoa, a sua

vida. Assim, a informação é-nos apresentada a partir de um ângulo naturalmente parcelar e o olhar que temos das pessoas que vão entrando e saindo da vida do nosso herói é sempre o olhar do próprio Stoner: as ações e motivações dos outros nunca nos são reveladas, temos apenas e sempre a sua perceção. Este aspeto é particularmente notório no que às personagens femininas diz respeito: aqui torna-se evidente o peso de uma tradição falocêntrica que leva Stoner a entender o lugar da mulher sempre em função do homem. E se as expressões faciais masculinas são geralmente percebidas por ele, o adjetivo mais usado em relação às mulheres é “inexpressiva” – como se a incapacidade do homem interpretar uma expressão feminina retirasse à própria mulher a faculdade de expressão. Se toda a literatura é autobiográfica, este livro parece recordar-nos esse aspeto com veemência: tal como Williams, também Stoner é professor de literatura na universidade e encontra nessa profissão a sua identidade. Diz-nos Williams em entrevista: “Lecionar é para [Stoner] um emprego, um emprego no sentido melhor e mais honrado do termo. O emprego deu-lhe um tipo especial de identidade e fez dele quem ele era.” Afinal, foi no ensino e no estudo que encontrou sempre “a única vida que não o traíra” (p. 203). E como em muitos romances, a literatura assume aqui uma forma redentora.

Há quem considere este um livro triste talvez sempre nos comova o fim, sempre nos angustie a morte. Mas é simplesmente a história de uma vida normal. E como Stoner repete para si mesmo nas últimas páginas, “estavas à espera de quê?”. “Desapaixonadamente, lucidamente, contemplou o fracasso que devia parecer a sua vida. Desejara a amizade e a proximidade da amizade que talvez o agarrasse à raça dos seres humanos; tivera dois amigos, um dos quais morrera estupidamente antes de ser conhecido, e o outro retirara-se para tão longe das fileiras dos vivos que… Desejara a individualidade e a paixão todavia conectora do casamento; tivera isso também e não soubera o que fazer com ela e o sentimento acabara por morrer. Desejara amor e tivera amor e abdicara dele, deixando-o fugir para o caos. (…) E desejara ser professor e assim fora e, no entanto, sabia, sempre soubera, que durante a maior parte da sua vida fora um professor indiferente. Sonhara com um tipo de integridade, um tipo de pureza total, mas encontrara o meio-termo e a distração assoladora da banalidade. Ansiara pela sabedoria e, ao fim de tantos anos, deparara com a ignorância. E que mais, pensou. Que mais? O que é que esperavas?, perguntou-se.” (pp. 253-4)

ENTREVISTAS Que género de livros preferes? Creio que são os livros que se adaptam a quem os lê e não o contrário, daí existirem vários géneros literários de que eu goste. Procuro sempre algo que vá de encontro àquilo que eu preciso no momento. Atualmente, estou a ler poesia.

Alexandra Guimarães, 11.1

Porquê ler? E porquê não ler? Nunca me questionei sobre isso, porque sempre gostei bastante de ler. No entanto, creio que há sempre um livro que se lê e se gosta mesmo, mais do que tudo o que anteriormente foi lido. E é essa sensação de realização, proporcionada por um livro em particular, que é capaz de responder a esta questão.

Que género de livros preferes? Não tenho nenhum género preferido, leio um pouco de tudo. Tenho fases em que me apetece ler cada género literário conforme o meu estado de espírito do momento, ultimamente tenho-me interessado por literatura fantástica.

Ana Ferreira, 11.1

Porquê ler? Porque é a única forma de escapar à realidade, fugir à rotina, viver coisas novas sem na verdade as ter vivido, é como se pudéssemos escolher concretamente o que queremos ser naquele momento. Costumo dizer que a realidade em si é aborrecida e insuficiente, os livros que leio ajudam-me a preencher o vazio que sobra dos dias ordinários. Ler um livro é como viver uma outra vida, ser outra pessoa e por isso os livros que lemos de alguma forma moldam-nos, não só a nível de conhecimentos mas também

Como é que a leitura te ajuda a ver o mundo em que vives? Ler possibilita uma nova visão do mundo, na medida em que permite que nos diferenciemos do senso comum. Os livros são capazes de me fazer compreender melhor o mundo em que vivo e, simultaneamente, dão-me a possibilidade de me desligar dele. Não acredito que fosse a mesma se não tivesse conhecido uma determinada personagem, ou se não tivesse vivido uma determinada aventura, por muito que não a tenha realmente vivido; não seria a mesma com duzentas páginas a menos. Considero que as minhas

ideias estão em constante mutação, e é disso que gosto nos livros permitem-me um melhor conhecimento de mim mesma e do mundo em que me insiro sem nunca terminar este processo de autodescoberta.

ao nível do que acreditamos e queremos. Um bom livro com uma história rica é capaz até de nos acrescentar experiência de vida. Ler, porque ler torna-nos pessoas melhores.

de olhar para as situações e de lidar com elas. Muitas vezes basta uma personagem para que a minha opinião mude e para que todo o meu mundo se torne irreversivelmente diferente.

Como é que a leitura te ajuda a ver o mundo em que vives? O facto de ler tantos livros, faz-me estar atenta a pormenores que escapam à maior parte das pessoas. Depois de cada livro vejo o mundo numa perspetiva diferente nunca mais volta a ser o que era antes, seja por causa de uma história verídica ou apenas porque aprendi uma coisa nova sobre sentimentos ou sobre os próprios seres humanos e as suas relações. Alguns livros alteram a forma como vejo o mundo físico porque me dão informações que eu desconhecia, outros mudam a forma como encaro a própria vida porque me mostram outras formas

Se tivesses de escolher um livro ou um autor para te acompanhar numa viagem à volta do mundo, o que ou quem escolherias? Porquê? Escolheria o meu autor preferido, José Rodrigues dos Santos. Posso afirmar com toda a certeza que já aprendi mais com ele e com os seus livros do que com quaisquer outros. Creio que cada vez mais a minha visão do mundo se assemelha à dele e sei que viajar com ele era como viajar com as suas personagens que tão bem conheço e de quem tanto gosto. Tenho a certeza que seria uma viagem agradável e que aprenderia muito.

Se tivesses de escolher um livro ou um autor para te acompanhar numa viagem à volta do mundo, o que ou quem escolherias? Porquê? Apesar de não ser contemporânea de Fernando Pessoa, escolheria viajar com ele. O motivo é simples não seriamos apenas nós os dois, mas também os múltiplos que ele é.


Jornal O Vale

Nº96 | JAN | 2016

PÁG.4

LER LER… VALE A PENA, SE A ALMA NÃO É PEQUENA! As razões que temos para ler são tão estranhas como as que temos para viver, diz-nos Pennac. Na verdade, ao longo da viagem da vida, ouvimos, por vezes, e também lemos, aqui e ali, outras referências alusivas ao tema: o tempo para ler e para amar dilatam o tempo de viver; ler é sonhar pela mão de outrem; ler permite ler o mundo; a virtude paradoxal da leitura consiste em fazer-nos abstrair do mundo para lhe encontrar um sentido; os livros permitem-nos ver o lado escondido do humano; as leituras são o mundo do pensamento, das ligações e dos diálogos; os livros são fonte de cultura, de espiritualidade e, de certo modo, a solução para as crises de natureza diversa que habitam a nossa sociedade; os livros mudam as nossas vidas e revolucionam as nossas consciências… Os livros foram escritos para serem lidos. Não faltam livros nas bancas das feiras, nas livrarias e nas bibliotecas. Todos os dias se escrevem, fazem e vendem muitos livros, o que quer dizer que há leitores. Entretanto, há quem diga que há menos livros e menos leitores, menos livrarias. Mas sabemos também que não faltam exemplos de bons leitores, como a Alexandra, a Ana, que entrevistamos, e muitos e muitos outros alunos. Para a Ana e para a Alexandra, e para muitos outros alunos, ler é um prazer, uma rotina, e já não conseguem viver sem livros, porque ler é o melhor que lhes aconteceu, confessam. Com entusiasmo, estas invejáveis leitoras partilharam com “O VALE” ideias sobre livros e leituras, que podem contribuir para despertar nos outros o desejo de serem leitores ou melhores leitores. Tiveram a felicidade de adquirir hábitos de leitura, desde o berço. Sempre gostaram de ler. Esse gosto devem – no aos pais e aos avós que também lêem (são os pais que, pelo seu exemplo, são os primeiros a modelar a identidade dos filhos), à biblioteca que têm em casa e que vão construindo aos poucos, à biblioteca da Escola, à biblioteca municipal e à frequente troca mútua de livros, porque não podem comprar todos os livros que lêem e que são muitos. Com a alegria estampada no rosto, disseram que gostam de folhear os livros, nas livrarias que frequentam amiúde, que gostam de reler livros pelo prazer de novas descobertas e sensações, que têm por hábito registar num caderno as frases e passagens que mais as encantam e que

se há presentes de que gostam esses são, claramente, os livros. Neste final do ano 2015, tempo de festas e de presentes, recordo a figura de Albert Einstein, cuja biografia reli, a propósito da celebração do Ano Internacional da Ciência que agora termina. Aluno igual a muitos outros, Einstein desde cedo manifestou interesse pelas disciplinas de ciências e outras afins, mas o sistema de ensino, baseado na memorização, fez dele um aluno, de modo geral, distraído, pouco disciplinado, e algo rebelde. Aos onze anos, por iniciativa própria e à margem do programa, começou a ler obras de divulgação científica que Max Talmud, um estudante de medicina, lhe emprestava. Aos doze anos, aconteceu mais um milagre na sua vida (o primeiro foi quando viu pela primeira vez uma bússola): recebeu de presente um livro da geometria euclidiana do plano. Nas suas leituras, procurava os mais diversos pontos de vista que lhe permitissem alcançar um entendimento mais profundo da verdade, recusando simplesmente memorizar princípios não argumentados e, portanto, o princípio da autoridade vigente. Aquelas leituras influenciaram a sua formação intelectual e o seu caráter e determinaram que, mais tarde, Einstein se tornasse numa das maiores personalidades da História e no maior génio da história da ciência, pelas teorias inovadoras que formulou. A Alexandra e Ana, como muitos outros alunos, tiram boas notas, preocupam- se e ocupam-se com o estudo diário, porque têm que fazer exames que exigem muita preparação. Mas o programa e os manuais não significam tudo. Têm tempo para tudo, para estar em rede, para o desporto, para conviver com os amigos e com a família, porque organizam bem esse tempo. É nos períodos de interrupção e de férias que mais intensamente mergulham na leitura. Entretanto, no quotidiano, esse tempo de leitura intensiva dá lugar a curtos momentos na companhia íntima de um o livro, silenciosa mas gratificante, sobretudo, ao deitar. A falta de hábitos de leitura ainda é um problema para alguns alunos. Certamente o foi também para alguns de nós, se bem nos lembrarmos. Despertar o prazer de ler que vive adormecido em cada um é responsabilidade conjunta da Família e da Escola… Ler, vale sempre a pena e, sobretudo, é bom começar cedo. Com efeito, alunos há que julgam que

SONHO DE NATAL Desde muito pequena, tenho um grande sonho de Natal, que é conhecer a terra do Pai Natal, ou seja, a Lapónia. Quando eu era pequena, ficava encantada com as histórias maravilhosas que via nos filmes. Sempre imaginei como seria a fábrica de brinquedos que o Pai Natal tinha. A casa do Pai Natal deve ser grande e rodeada de neve, muito branquinha, com anões, com as renas e o trenó à porta. Todos ajudam o Pai Natal a preparar a entrega das prendas, só numa noite!!! Ele recebe milhões de cartas e tem que dar respostas a todas. Para eu acreditar no Pai Natal, quando era pequena, os meus pais pediam-me para escrever uma carta e, na noite de Natal, deixávamos bolachas junto da chaminé para o Pai Natal comer. Hoje, já sou crescida e sei que são os meus pais que me compram as prendas, mas continuo a gostar de imaginar como será a terra do Pai Natal. Um dia, quando for mais velha, vou gostaria de ir à Lapónia, andar num trenó puxado pelas renas. Alexandra Moreira Turma 5.7

não gostam de ler. Para eles, todos os livros são chatos e por isso desistem facilmente. Têm medo de não compreender ou assustam-se por terem muitas páginas. Alguns só se interessam por jornais desportivos, o que é paupérrimo. Haverá outras razões que ultrapassam o uso do telemóvel ou do computador. Vale a pena descobrir o prazer de ler. Alguns estão mais perto dos livros, do querer ser leitores, mas continuam na sua praia, no seu conforto. O tempo dá para tudo. Com a mente permanentemente dispersa, a prioridade deles é conversar, rir, sorrir, ver, observar o panorama, cantar, cantarolar, sonhar, ou simplesmente viver quietinhos, na inércia do lagarto ao sol ardente. Entretanto, como o calor aperta mais do que nunca, a perspetiva de um banho retemperador desperta-os. Com lágrimas surreais, separam-se de uma parte de si, o telemóvel, levantam-se lentamente, espreguiçam-se e, como a preguiça, caminham, pela areia branca, macia e quente, mas hesitam perante o mar de arestas vivas que, no seu vaivém eterno, persistentemente os desafia. Ao alto, de braços cruzados, lá esticam uma perna, metem o pé na água, enquanto, ao lado, os colegas ainda se retraem. Arrepiados, exclamam (com algum impropério à mistura, que é o mais certo) que fria! Depois de um breve olhar sobre o largo horizonte azul, num vai-não-vai, com esforço e decididos, mergulham, no fundo verde-escuro da água fria, agitada e ruidosa. Entretanto, aos poucos vão descobrindo, com alguma surpresa, que água afinal está boa, uma maravilha. O mergulho resulta num prazer, num sorriso, em novos sentidos que são um estímulo, numa confiança e numa forte vontade de continuar a nadar, persistentemente, em sucessivas braçadas, por ondas e ondas, mar adentro. Estas ondas de espuma branca e fresca, que, de início, eram da altura dos montes que envolvem o nosso Vale, são, há muito tempo, o prazer não só da Ana e da Alexandra, mas também de muitos outros alunos. Ativos, otimistas, livres, estes jovens levam a leitura sério, porque, verdadeiramente, ler vale a pena… Alcino Faria

Experimenta Marmita A Didáxis – Vale S. Cosme, através dos alunos do curso Técnico Restauração variante cozinha pastelaria, realizaram uma atividade, a convite do município de Vila Nova de Famalicão, na casa da juventude, denominada “Experimenta marmita”. Esta atividade tem como objetivo demonstrar que é possível ter uma alimentação saudável de baixo custo, apresentando ementas com valor igual ou inferior a 1 euro com o uso de uma marmita. A ementa incluiu prato principal e sobremesa ou entrada e prato principal. Mais uma vez e à semelhança do ano transato, esta atividade foi um sucesso, com boas ideias e a custos muito reduzidos. A esta atividade assistiram os alunos do curso de técnico de restauração de cozinha pastelaria e de restaurante bar. No 3º dia, estes alunos tiveram oportunidade de aprender mais sobre cozinha, com uma master class dinamizada pelo chef Renato Cunha, permitindo-lhes um maior conhecimento para o futuro.

Ceia de Natal dos B.V. Famalicenses A D i d á x i s e s t eve re p re s e n t a d a n a ce i a d e N a t a l d o s B o m b e i ro s Vo l u n t á r i o s Fa m a l i ce n s e s . D e fo r m a exe m p l a r, a n o ss a e s co l a e o n o ss o Cu r s o ( Té c n i co d e re s t a u ra ç ã o ) p a r t i c i p a ra m n e s t a fe s t i v i d a d e q u e re u n i u à m e s a 4 5 0 p e ss o a s . . Fo i u m a m i ss ã o d i fe re n t e, a n o ss a p re s t a ç ã o fo i junto daqueles que estão em todos os momentos d i s p o n í ve i s p a ra a s o c i e d a d e. U m a b r i g a d a d e 2 8 A l u n o s e 2 P rofe ss o re s o rg u l h o s o s d o d eve r s o c i a l c u m p r i d o e p ro n t o s p a ra n ovo s d e s a f i o s .


Nº96 | JAN | 2016

Jornal O Vale

PÁG.5

INICIATIVAS NATAL SOLIDÁRIO Realizou-se, no passado dia 21 de Dezembro, um almoço de Natal entre os membros da turma 12.1 da Didáxis Vale S. Cosme e os idosos do Lar da Santa Casa da Misericórdia de V.N. Famalicão. Num enorme gesto de solidariedade, estes alunos e a sua respetiva diretora de turma, Prof. Anabela Pinto, decidiram proporcionar um ambiente diferente, nesta quadra natalícia, às pessoas que frequentam o estabelecimento supracitado. Os alunos cantaram três músicas alusivas ao Natal: “A todos um bom Natal”, “Last Christmas” e “Vai Nevar”. No final e já depois de se abrirem as muitas prendas oferecidas pela turma, os próprios idosos fizeram questão de cantar a sua versão da música “Last Christmas”, conjuntamente com os funcionários do lar. Tratou-se, portanto, de uma iniciativa da turma 12.1, que decidiu proporcionar um almoço distinto do habitual aos mais necessitados. Mas não foram só os idosos que saíram a ganhar desta experiência, também os alunos e a professora se sentiram bastante enriquecidos com este encontro que ficou marcado pela partilha e pelo espírito natalício.

NATAL SOLIDÁRIO DA TURMA 11.1 Os quatro sorrisos lindos que podemos ver na foto espelham o bem que faz ser solidário. Em representação dos 27 alunos da turma 1 do 11ºano da Didáxis – Vale S. Cosme, as alunas Inês Brandão, Inês Silva, Maria João Barbosa e Rita Mesquita, foram às compras com uma missão especial. No bolso, uma vez mais, o dinheiro que cada aluno utilizaria na troca de prendas da festa de natal da Escola. Depois de se dirigirem à DIDÁXIS solidária que as informou de que uma determinada família, ajudada em anos anteriores, já não estava a precisar de apoio, trouxeram a missão de transformar a noite de Natal de 4 irmãos numa noite muito diferente. No caminho até ao local escolhido para a missão “Natal 2015”, já se debatiam com entusiasmo as várias opções de acordo com a indicação recebida: brinquedos e material escolar. A escolha do grupo foi: um kit de ciência para os irmãos mais velhos brincarem juntos, um livro de pinturas e materiais de desenho para os mais novos brincarem juntos, material escolar útil e giro, cuja escolha foi feita enquanto comentavam “assim vão gostar ainda mais de estudar”, um “hipopótamo júnior”, que conquistou logo o seu lugar no carrinho, e um carro com comando à distância; também não faltaram os calendários com chocolatinhos para todos. As principais preocupações foram a escolha de brinquedos de acordo com as idades, e a possibilidade de promoverem a partilha entre os irmãos. A grande motivação foi imaginar a alegria dos miúdos na abertura das prendinhas... E, para quem se questiona, sim, também eles vão trocar presentes na festa da Escola. Mas construídos por eles, pensados e criados de acordo com as suas habilidades e com os gostos do “amigo secreto”.

EXPOSIÇÃO E VENDA SOLIDÁRIA DE PRESÉPIOS NA LOJA DACADEMIA DIDÁXIS - VALE S. COSME No dia 20 de novembro, a LOJA DACADEMIA DA DIDÁXIS – Vale S. Cosme, preparou-se especialmente para receber o talento da ceramista Amália Almeida. A comunidade educativa da DIDÁXIS foi, antecipadamente, convidada a fazer uma visita à exposição de presépios e sagradas famílias que a nossa querida ex companheira de trabalho preparou para este evento. Foi muito bonito ver o interesse que as lindas peças pintadas à mão ou decoradas com folha de ouro e prata despertaram naqueles que nos visitaram, tendo a venda ultrapassado as nossas melhores expetativas. Esta iniciativa, inserida no Plano de Ação da DIDÁXIS SOLIDÁRIA, pretende divulgar trabalhos de artistas ligados à nossa comunidade, ao mesmo tempo que se angariam fundos para as causas apoiadas pela DIDÁXIS SOLIDÁRIA. Mais uma vez, contamos com o apoio da Gracinda Almeida, madrinha da DIDÁXIS SOLIDÁRIA, que nos ofereceu as suas deliciosas bolachas que acompanharam o chá que os colegas do Curso de Restauração tão gentilmente prepararam.


Nº96 | JAN | 2016

Jornal O Vale

PÁG.6

INICIATIVAS ACADEMIA DIDÁXIS COLABOROU COM A CABANA SOLIDÁRIA Correspondendo à solicitação da Câmara Municipal de Famalicão através da Divisão da Família, a ACADEMIA DIDÁXIS esteve presente na Praça 9 de abril, junto à Cabana Solidária, para animar esse espaço. No dia 17, a Banda A2D, dirigida pela professora Carla Neves, encantou todos os que se deslocaram ao espaço com lindas melodias de Natal, intercaladas com grandes sucessos da atualidade. No dia 20, foi a vez do CORAL DIDÁXIS, dirigido pela soprano Mónica Pais, emocionar uma plateia de apreciadores do canto lírico e foi bonito ver, no final, as pessoas a pedirem para o grupo cantar sempre mais e mais. No dia 21, a Escola de Teatro da Academia, dirigida pelo professor Carlos Sila, também marcou presença na Cabana Solidária e a todos encantou. No dia 22, o grupo do professor Ruben Araújo, da Academia de Música, fechou com chave de ouro a colaboração da ACADEMIA DIDÁXIS com esta iniciativa solidária. A todos os professores, elementos do Coral DIDÁXIS, alunos e familiares, a DIDÁXIS agradece a grande disponibilidade e generosidade pela colaboração nesta importante atividade da comunidade.

VENDAS SOLIDÁRIAS DE NATAL Pelo segundo ano consecutivo, a DIDÁXIS SOLIDÁRIA organizou uma venda de Natal, na DIDÁXIS – Vale S. Cosme. Preparada no Espaço Novas Oportunidades, a Venda Solidária foi visitada por muitos alunos, docentes, não docentes e Encarregados de Educação que quiseram, dessa forma, associar-se às causas solidárias. Este ano, contamos com a presença da nossa ex-aluna Marta Reina que criou uma empresa de fabrico e venda de bijuteria, a MERAKI. Com uma exposição chamativa, os produtos MERAKI foram muito apreciados e requisitados por todos os que visitaram a Venda Solidária. Oferecemos, ainda, os presépios do Atelier Amália Almeida, as caixas de madeira da professora Manuela Torrinha, as caixas de papel variadas da D. Orquídea e lindos bonecos de lã alusivos ao Natal. Foi mais um evento dedicado à solidariedade, pois uma percentagem da venda destes produtos reverte a favor das causas apoiadas pela DIDÁXIS SOLIDÁRIA. No dia 11 de dezembro, a DIDÁXIS SOLIDÁRIA organizou uma venda de Natal na DIDÁXIS – Riba de Ave. Preparada na sala contígua ao cais de embarque, a Venda Solidária foi visitada por muitos alunos, docentes e não docentes, que quiseram, dessa forma, associar-se às causas solidárias. Os maravilhosos presépios e anjos do Atelier Amália Almeida fizeram um grande sucesso e foram muitos os que fizeram questão de comprar uma peça para enriquecer e embelezar o seu Natal. Para além dos presépios, contamos ainda com uma oferta variada de objetos de bijuteria da marca MERAKI, da Alexandra Cabanelas Cardoso e da Sílvia Nini. Também a Maria João Marques se associou à DIDÁXIS SOLIDÁRIA com os seus maravilhosos postais, caixas de presentes e casinhas iluminadas. Contamos, ainda, com as caixas variadas da D. Orquídea e das lindas caixas de madeira da professora Manuela Torrinha. Todos os visitantes da Venda Solidária ficaram agradados com esta primeira iniciativa da DIDÁXIS SOLIDÁRIA em Riba de Ave. Ficou a promessa de se organizarem mais eventos solidários, ficando o próximo agendado para o Dia dos Namorados.


Nº96 | JAN | 2016

Jornal O Vale

PÁG.7

INICIATIVAS SESSÃO DE FORMAÇÃO INICIAL DO PROGRAMA YOUNG VOLUNTEAM No passado dia 15 de dezembro, teve lugar a sessão de formação inicial enquadrada no programa Young VolunTeam, nas instalações da Didáxis – S. Cosme. O programa Young VolunTeam é uma iniciativa promovida pela Caixa Geral de Depósitos, em parceria com a Sair da Casca e a Entreajuda que visa sensibilizar a comunidade escolar para a prática do Voluntariado enquanto expressão de cidadania ativa. No âmbito da participação neste programa, a Didáxis – S. Cosme formou uma vez mais uma equipa constituída por 12 alunas do ensino secundário: Ana Catarina Azevedo Guimarães (10.2); Ana Catarina Monteiro e Silva (11.3); Ana Clara Sequeira Soares (11.3); Ana Filipa Pereira Ferreira (11.1); Beatriz Carvalho Azevedo (10.3); Beatriz Manuela Jorge Guimarães (10.1); Beatriz Pinto da Costa (10.3); Carla Sofia Sousa Mesquita (11.2);Cláudia Andreia Araújo Faria - 10.1; Maria Luis Carvalho Matos Bezerra (10.2); Maria Moura (11.2) e Rita Sofia Costa Mesquita (11.1). A equipa irá desenvolver as suas atividades no presente ano letivo com a coordenação das professoras Ivone Rodrigues e Maria João Drumond. Com a sessão de formação inicial pretendeu-se sensibilizar as alunas para os conceitos de voluntariado e de voluntário, capacitar os membros da Equipa para as ações de formação que terão de dinamizar juntos dos alunos do 1º, 2º e 3º ciclos bem como fazer um primeiro esboço de possíveis ações de promoção para o voluntariado que serão implementadas na Escola. Estão assim lançados os alicerces para mais um ano de atividades da Equipa Young VolunTeam Didáxis S. Cosme que pretende continuar, uma vez mais, a Dar Mais ao Mundo.

COMEMORAÇÕES 10 DE DEZEMBRO No dia 10 de dezembro, comemorou-se o dia internacional dos direitos humanos. Como esta data não poderia passar despercebia o grupo disciplinar de Filosofia e de EMRC organizaram uma palestra alusiva à temática acima referida, que teve lugar na sala de eventos e contou com a participação de turmas do 2º ciclo e secundário. A convidada que fez a oratória foi a Dr.ª Iris, responsável pela Amnistia Internacional, do núcleo de Famalicão, que divulgou casos graves de desumanidade. Propôs como atividade Uma “Maratona de Cartas” pelos direitos humanos. Esta maratona tem como objetivo levar a cabo uma campanha de alerta e solidariedade internacional, que se traduz no maior evento dos Direitos Humanos do Mundo e que consiste no envio maciço de cartas em defesa de pessoas e comunidades, vítimas de violação dos Direitos Humanos. Os casos foram apresentados, discutidos e a sessão terminou com a assinatura das cartas. São momentos como este que melhor expressam a essência do que é a Amnistia: simples ações individuais que, quando multiplicadas em largos números, podem ter um impacto positivo na situação vivida por pessoas e comunidades em risco de violações dos direitos humanos. Abriu-se uma porta para que todos pudessem ajudar a salvar, pelos menos tentar, vidas com a assinatura de uma carta Agradecemos a participação de todos e relembramos que um gesto faz a diferença.

Foi lançado um desafio por parte das professoras de EMRC aos alunos do 2º ciclo e 7º ano da nossa Escola, para participarem num concurso de presépios. Desafio esse que teve uma grande adesão e os trabalhos apresentados foram muito criativos demonstrando empenho. Este concurso decorreu ao longo dos dias 11 a 17 de dezembro e teve a particularidade de os materiais a utilizar serem recicláveis, uma vez que é preciso ter-se respeito pelo meio ambiente e, assim, de uma forma lúdica as professoras pretenderam sensibilizar os alunos para esta temática, mostrando que se pode reutilizar matérias sem prejudicar a natureza e reforçaram a importância desta quadra natalícia, que tem como principal pilar a família.


Jornal O Vale

Nº96 | JAN | 2016

PÁG.8

INICIATIVAS CORAL DA DIDÁXIS ENCANTOU O PORTO! No dia 12 de dezembro, o CORAL DIDÁXIS encantou a cidade do Porto com as suas lindas canções de Natal. Tudo começou pelas 15h00, na Rua de Santa Catarina, que aquela hora fervilhava de gente a fazer as suas compras para o Natal. Da varanda da Casa da Beira Alta, surgiram as vozes poderosas e afinadas do CORAL DIDÁXIS que obrigaram as pessoas a parar o seu ritmo apressado para ficarem a ouvir «Oh Holy night», «Edelweiss», «Meia noite dada», Adeste Fidelis», «Halleluia to the new born King»… Finda a atuação em Santa Catarina, o grupo encaminhou-se para a Avenida dos Aliados, para iniciar a sua segunda atuação agendada para aquele sábado aquecido com o sol de Inverno. E foi no belíssimo Café Guarani que, mais uma vez, as vozes do Coral Didáxis se fizeram ouvir, encantando todos os presentes. Após um intervalo aproveitado para ensaios, o CORAL DIDÁXIS terminou com chave de ouro as suas atuações, desta vez na Universidade Sénior Contemporânea, no Amial. Sob a direção da maestrina Mónica Pais, o CORAL DIDÁXIS é mais uma aposta cultural da DIDÁXISCooperativa de Ensino e que este ano vai celebrar o seu 10º aniversário.

ESTÁGIO AP Os estagiários do mestrado de MEAV da Universidade Católica de Braga, orientados pela professora Otília Loureiro, e contando com a participação dos alunos das turmas 8º3; 8º1; 9º5 e 9º6, na disciplina de Educação Visual, desenvolveram algumas decorações Natalinas na nossa Escola. De entre os elementos decorativos, destaca-se o presépio tridimensional que presenteia os nossos alunos, logo à entrada, com um cenário de beleza , ternura e brilho. A árvore de natal que preenche o espaço do ENO prima pela originalidade e bom gosto, assim como a ornamentação de uma árvore em frente à sala dos professores muito ecológica. Muitos outros espaços foram agraciados pelo trabalho fantástico deste grupo tão dinâmico. Um Bem-haja A Orientadora Otília Loureiro


Jornal O Vale

Nº96 | JAN | 2016

PÁG.9

INICIATIVAS PROJETO MÃOS LIMPAS O projeto Mãos Limpas, apoiado pela Associação de Pais da nossa Escola, através da candidatura aprovada no concurso Ciência Viva “Pais com Ciência”, continua no terreno. Este ano, conta com a participação dos delegados de 5º ano que vão participar nas pesquisas laboratoriais de microrganismos com os colegas mais velhos, e dinamizar workshops junto dos seus colegas. A Ana Raquel e a Mariana da turma 5.6 e o Hugo e a Beatriz da turma 5.5 já estão muito ativos na promoção dos hábitos de higiene das mãos como gesto de prevenção da transmissão de doenças infeciosas. Para acompanhares as novidades deste projeto podes consultar a página da rede social Facebook em “Didáxis V. S. Cosme - Operação Mãos Limpas”. E não te esqueças: p rotege-te m antendo as m ãos lim p as e longe dos teus olhos, b oca e nariz!

DIDÁXIS COM 3º LUGAR E MENÇÃO HONROSA No dia 23 de outubro, realizou-se a cerimónia de entrega de prémios do concurso “O Meu Projeto é Empreendedor”, promovido pela Câmara Municipal de V. N. Famalicão. Em seis projetos submetidos a concurso pelas duas escolas, a Didáxis recebeu um 3º lugar e uma menção honrosa. O 3º lugar desta edição foi para o Projeto Hidroponic System, do Curso Profissional de Energias Renováveis, que consiste num sistema simples e prático para cultivo de frutos e vegetais. Está assim de parabéns o formando José Almeida e o seu orientador, professor Vítor Ribeiro. Também vencedor de uma menção honrosa, por parte do júri, foi o projeto ITOUR, do Curso Profissional de Turismo Ambiental e Rural, realizado pelas formandas Sara Rocha e Sofia Ferreira, orientadas pelos professores Abrão Costa e Carla Susana. Recordo que a Didáxis contou ainda com mais quatro projetos, três deles do curso Técnico Profissional de Eletrónica Automação e Computadores da Didáxis Vale S. Cosme (“Máquina XYZ”, “Máquina de corte de borracha” e “Empilhador Automatizado”) e um do curso Técnico de Apoio Psicossocial, o projeto “Start Difference”, da Didáxis de Riba de Ave. Esta cerimónia contou com as presenças do vereador da Educação e do Empreendedorismo, Leonel Rocha, do Diretor do Centro de Emprego do Baixo Ave, Domingos Sousa, e dos representantes das três entidades patrocinadoras: a Continental Mabor, a CEVE – Cooperativa Elétrica do Vale d’Este e a ACIF – Associação Comercial e Industrial de Famalicão, para além das direções pedagógicas das duas Didáxis, no apoio aos seus alunos.

DIDÁXIS - VALE S. COSME CELEBRA O DIA DO DIPLOMA DO ENSINO SECUNDÁRIO No passado dia 30 de outubro, comemorou-se o Dia do Diploma dos alunos finalistas do Ensino Secundário de 2012- 2015. A alegria do reencontro com os amigos de tantos e tantos anos foi a tónica desse final de tarde outonal, pois muitos colegas já não se viam desde o final do ano letivo anterior uma vez que já se encontram a frequentar o ensino superior ou a trabalhar. Intercalado com bons momentos de dança, música e poesia, os alunos das turmas do Curso de Ciências e Tecnologias e dos Cursos Profissionais foram homenageados por terem concluído mais uma etapa fundamental da sua escolaridade. Foram, ainda, homenageados os alunos que obtiveram classificações excelentes, ao longo dos três anos, e os alunos melhores classificados nos vários concursos matemáticos promovidos pelo Departamento de Matemática. Contamos com as intervenções da Dra Isabel Matos, Dra Marta Ribeiro e do Senhor Vereador da Educação, que, na qualidade de convidado de honra, encerrou a cerimónia. Agradecemos à Academia de Música, à Escola de Teatro e à Escola de Dança da ACADEMIA DIDÁXIS o brilhantismo das atuações dos seus alunos e os belos momentos proporcionados. Agradecemos à aluna Marta Parente a sua disponibilidade para fazer a apresentação da cerimónia. Terminamos parafraseando o poema 5 minutos do Boss AC, declamado pela Rita Oliveira « 5 minutos chegam para muita coisa mudar» para desejar que as mudanças verificadas nas vidas dos nossos alunos de sempre os conduzam a um futuro promissor e à concretização dos seus projetos de vida.


Jornal O Vale

Nº96 | JAN | 2016

PÁG.10

VISITAS DE ESTUDO VISITA DE ESTUDO AO CENTRO DE ENGENHARIA BIOLÓGICA DA UNIVERSIDADE DO MINHO No passado dia 25 de novembro, no âmbito das comemorações da semana da Ciência e da Tecnologia, o Centro de Engenharia Biológica da Universidade do Minho abriu as portas ao ensino secundário e a turma 11.1 teve uma aula muito diferente, num laboratório de investigação, com cientistas que os orientaram num conjunto de sete workshops. O grupo, que ficou no workshop 1 - O poder das enzimas dos frutos e legumes “Vamos descobrir do que são capazes”, descobriu o poder da catálase como neutralizador do peróxido de hidrogénio que o nosso corpo produz. No workshop 2 - O lado negro dos bolores - “Vamos conhecer as suas toxinas”, foi possível aprender a analisar toxinas produzidas por fungos através de técnicas cromatrográficas. Um terceiro grupo esteve a aprender como se cultiva e introduz uma microalga na nossa alimentação, no workshop - Chlorella vulgaris – Do biorreactor ao prato, o percurso de um superalimento. Ainda no campo da produção alimentar, o grupo que trabalhou no workshop 4 - “Bora lá comer as embalagens” aprendeu que há materiais que se podem usar para produzir embalagens comestíveis com diferentes cores e sabores. Energias alternativas fazem parte do nosso dia-a-dia, e as bactérias

também, e o quinto grupo aprendeu a montar uma célula de combustível microbiana e avaliar a corrente elétrica gerada, no workshop 5 - Bactérias que produzem electricidade. O workshop 6 - Vírus que matam bactérias permitiu observar a atuação de vírus numa suspensão bacteriana. O grupo que ficou a trabalhar no workshop 7 - À descoberta do DNA teve a oportunidade de isolar DNA de banana e de kiwi, num processo semelhante ao utilizado na Escola, mas com recurso a tecnologia mais avançada. Testemunho: O workshop número 1, “O poder das enzimas das frutas e legumes: Vamos descobrir do que são capazes”, consistia em descobrir a catálase, uma enzima que já nos é familiar, e as suas propriedades. No que concerne aos conhecimentos científicos, foi uma experiencia enriquecedora, no sentido em que tivemos a oportunidade de manejar aparelhos que, num laboratório da Escola, não utilizamos regularmente e, para além disso, chegamos também a uma conclusão experimental sobre a catálase, a enzima em estudo, uma enzima encontrada na maioria dos organismos, que, por exemplo, é responsável pelo cabelo grisalho.

A um nível pessoal, podemos sentir um verdadeiro espirito de equipa num laboratório profissional e estivemos ainda à conversa com alguns dos profissionais da universidade, acerca do curso e da sua diversidade de oportunidades de carreira, da sua satisfação profissional e, como não poderia deixar de ser, pedimos também algumas dicas para o nosso futuro que pode muito bem passar pela UMinho. Adriana Rodrigues, Inês Brandão, Maria Pimenta e Sara Pinheiro, turma 11.1

DIDÁXIS FALOU ESPANHOL... EM ESPANHA! Um grupo de vinte e sete alunos, do Ensino Secundário Regular da Didáxis-Vale S.Cosme, realizou uma visita de estudo a Espanha, durante o fim de semana, de 27 a 29 de novembro. Os alunos foram a Pontevedra e, além de conhecerem uma nova cidade e de descobrirem uma cultura diferente, puseram em prova os seus conhecimentos da língua espanhola, em contexto. Uma experiência inesquecível! O grupo foi recebido, na sexta-feira, por Javier Feteira, diretor do CECPontevedra, que logo os levou ao Hotel Comercio onde os esperava uma “cena” (jantar) tipicamente espanhola. No dia seguinte, sábado, iniciaram-se os trabalhos, tendo os alunos começado pelo curso no Centro, acompanhados por um professor espanhol que os levou a interagir na língua do país. De tarde, foi feita uma visita guiada à cidade e ao museu de Pontevedra. O domingo foi o último dia da visita e não poderia começar sem um “desayuno” espanhol, com os famosos “churros”. Na viagem de regresso, os alunos colocaram em prática os conhecimentos adquiridos na unidade temática “Ir de Compras”. Onde? No centro comercial de Tui… A visita não teria sido tão divertida sem o apoio do motorista da empresa Passeio Divinal, o senhor Manuel Simões, e do professor Hélder Soares que acompanharam sempre o grupo, não só no transporte, mas também nas aventuras e desventuras que uma visita de estudo pode oferecer! A professora responsável: Carina Soares

UMA VISITA À UNIVERSIDADE LUSÍADA CURSO TÉCNICO DE ELETRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES O s a lu n o s d o 2º e 3 º a n o d o Cu rso de Téc n i co d e El e t ró n i ca Au tom aç ão e Co m p ut a d o re s visita ram , recen teme n t e, a un i versida de L u s í ada de Fa m a l i c ã o, a fim de part i c i par na a t i v i d a d e “O Fu tu ro d a I n tern e t : We b 2 . 0 , semân ti c a e as n ov a s n o r m a s HTML5 e C SS 3” , i n t egra d a n a Seman a da C i ên c i a & Te c n o l o -

gi a , o rga n i zad a p e la Fac uld ad e d e E n ge n h ar i as e Te c nologi as . E st a fo i um a op or t uni d ad e d e a p rox i m a ç ã o à re ali d ad e d o e nsi n o sup e r i or e d a i nve s t i gaç ão c i e n t í f i c a . A vi s i t a p e r mi t i u t amb é m o co n t ac t o com e s p e c i ali s t a s d e d i fe re nt e s áre as d e conhe c i m e n t o e d e s p e r t ou os alunos p a ra n ov a s áre as d e for maç ão.


Nº96 | JAN | 2016

Jornal O Vale

PÁG.11

VISITAS DE ESTUDO VISITA DE ESTUDO AO PARQUE BIOLÓGICO DE GAIA No passado dia 6 de novembro a turma 8.6 teve uma aula de Ciências Naturais muito diferente. Os livros foram substituídos pela natureza, a sala de aula ficou enorme, do tamanho do Parque Biológico de Gaia, e os conteúdos programáticos dos ecossistemas ganharam vida. Foi uma tarde bem passada, com muita animação, descobertas, e a possibilidade de observar muito do que está a ser estudado, e também o que está ainda por desvendar, no livro de ciências.

INICIATIVAS MAGUSTO O magusto de S. Martinho na Escola Didáxis – Vale S. Cosme foi muito participado e divertido por parte dos alunos do 2º Ciclo e dos alunos NEE/CEI. Com o objetivo de promover o conhecimento das tradições, sensibilizar a preservação e limpeza da natureza e promover a criatividade, autonomia e sentido de responsabilidade entre os alunos, o magusto contou até com o salto à fogueira, perto do pombal da Escola. Também os “cartuchos” para transportarem as tão esperadas castanhas foram feitos pelos próprios nas aulas de Educação Visual e Educação Tecnológica apelando à originalidade de cada um. Algumas turmas tiveram oportunidade de experimentar jogos tradicionais e populares como “tração com corda, corrida de sacos, barro do lenço e saltar à corda”. Foi uma manhã diferente, com a oportunidade de experimentar as castanhas assadas, num convívio salutar.

HALLOWEEN - EXPOSIÇÃO E CONCURSO Os professores de Inglês, da Escola Didáxis – Vale S. Cosme, dinamizaram, mais uma vez, a atividade do Halloween, no âmbito de um ensino que não se limita à transmissão de conteúdos na sala de aula, mas assenta, também, na vivência da cultura dos países anglo-saxónicos. Esta atividade consistiu na organização de uma exposição de Colheres de pau e de Chapéus alusivos à data, elaborados pelos alunos do quinto e sexto ano, respetivamente. Esta exposição esteve patente no ENO, como habitualmente, do dia 27 de outubro a 2 de novembro, dando um colorido particular a este espaço, no âmbito do sombrio e aterrorizador associados à data. Os alunos empenharam-se, como só eles sabem, nos trabalhos elaborados, tendo deslumbrado toda a comunidade com os assustadores resultados. Os três melhores trabalhos de cada ano foram premiados e todos os participantes receberam um diploma e um chocolate, para premiar o esforço e o empenho demonstrados. Os vencedores foram: Colheres de pau: Inês Rego-5º5 | Francisca Rodrigues-5º2 | Maria Moreira-5º7 Chapéus: Ana Silva -6º2 | Simão Moreira-6º7 | Diogo Costa-6º2 Happy Halloween! Departamento de Línguas Estrangeiras Professor: Hélder Rodrigues


Nº96 | JAN | 2016

Jornal O Vale

PÁG.12

DESPORTO CORTA-MATO Mais de 1300 alunos! Este ano, mais uma vez, o Corta-mato da Didáxis foi um sucesso. O dia esteve perfeito, com imenso sol e boa temperatura para dezembro, mas o mais importante foi a participação e a presença de todos. A Didáxis, representada pelas duas escolas (Vale S. Cosme e Riba de Ave), o agrupamento de Pedome, o Colégio Internacional de Braga e a Mais Plural associaram-se a este evento que se revelou um sucesso, com mais de 1300 alunos presentes. O Parque da Devesa em Vila Nova de Famalicão, com condições de excelência, foi o sítio ideal para se realizar esta prova. Um parque multifacetado que permite aliar a atividade física com o divertimento de todos os jovens presentes. O envolvimento da comunidade escolar e a rede de transportes própria da Didáxis, que se continua a revelar mais do que eficiente, fizeram com que as provas corressem da melhor forma. Ficaram selecionados os alunos que representarão as escolas no corta-mato distrital e multa qualidade foi evidenciada nos tempos finais. Graças ao empenhamento extraordinário de todos os alunos, as suas prestações têm-lhes valido classificações excecionais. O grupo de Educação Física está de parabéns por esta organização e agradece todo o esforço e empenho.

LUGARES NO PÓDIO : Infantil A F – geral – Inês Rego – 3º lugar Infantil A M - geral – Francisco Mendes – 1º lugar; - Daniel Azevedo-2º lugar; - Lourenço Martins-3º lugar; Infantil B F – geral - Diana Costa - 1º lugar; - Maria Ribeiro – 2º lugar; Infantil B M – geral – André Sousa – 2º lugar; Iniciado F - geral – Sílvia Morais – 2º lugar; - Inês Rodrigues – 3º lugar; Iniciado M – geral – Samuel Ferreira – 1º lugar; - André Silva – 2º lugar; Juvenil F – geral - Filipa Costa – 1º lugar; Juvenil M – geral - Bruno Oliveira – 2º lugar; - Nuno Ribeiro – 3º lugar; Júnior F – geral – Andreia Rocha – 1º lugar; - Maria Carvalhal – 2º lugar; Júnior M – geral – Nuno Costa – 1º lugar; -Jorge Pereira – 2º lugar; - Ricardo oliveira – 3º lugar;


Nº96 | JAN | 2016

Jornal O Vale

DESPORTO MÁRIO OLIVEIRA GALARDOADO NA 20ª GALA ANUAL DO DESPORTO A Confe deraç ão do D e sp o r t o d e Po r t uga l e m pa rceri a co m o G ove r n o Po r t uguê s, o Institu to Po rtu g u ês d o D e sp o r t o e J uve n tu de, Cas i n o E s t o ri l e o ut ra s e n t i d a d e s de re levo, o rg an i za a n ua l m e n t e a G a l a do D espo rt o co m o o b je t i vo d e p re m i a r e re conh ecer a excelê n c i a d o s re sul t a d o s despor t i vo s em c ada a n o o b t i d o s. É re co n h eci da a i m po rt â n c i a d e st a G a l a p o r mo s trar o m éri to e a t e n a c i d a d e d o s a t l e tas , diri gen t es e t é c n i co s n a c i o n a i s n a procu ra d o s u cess o e m t o d a s a s m o d a l i dade s d es po rt i v as . No pa ssad o di a 11 de N ove m b ro re a l i zo u-se, n o Cas i n o E s t o ri l , Ca sc a i s, a 2 0 ª e d i çã o de s t a t ão pres t i gi a d a ga l a q ue a ssi na lo u e t o m o u co m o t e m a d e ce l e b ra ç ã o a s du a s d éc ad as d e ex i st ê n c i a e p e rsi stência na co n g rat u l a ç ã o d e t a n t o s h e ró i s Por tu gu es es . A g al a co n t o u co m a p re se n ça de di vers as en t i d a d e s p ro e m i n e n t e s do Gove rn o e do D es p o r t o N a c i o n a l . Má rio Ol i vei ra, profe sso r re sp o n sáve l pelo C lu be de Xad rez d a A sso c i a ç ã o A c a démica da D i dáx i s , C X - A 2 D, v i u h o n ra d o e pre mia d o t o do o s eu e sfo rço e p rof i ssi o na lis mo q u e mo s t ra n o X a d rez e p e l o d e senvo lv i men t o da m o d a l i d a d e n o p a n o ra ma loca l e n ac i o n al , re ce b e n d o o p ré m i o de “Mé ri t o D es po rt i vo - Pe rso n a l i d a d e d o Ano 2015” . Nas pal av ra s d a o rga n i za ç ã o, e s te pré mi o é “ atri buí d o p e l a Co n fe d e ra çã o do D es po rt o de Po r t uga l so b p ro p o sta da s Federaçõ es D e sp o r t i v a s N a c i o n a i s à s entidades q u e s e d e st a c a ra m e m e l h o r re pre s en taram as d i ve rsa s m o d a l i d a d e s” tendo, de fo rm a i ne q uí vo c a , co n t r i b uí do para a evo l u ç ão d o p a n o ra m a so c i a l e despor t i vo n ac i o n al . Nu m a n o de s u cess o s d e sp o r t i vo s, o Cl ub e de X ad rez da D i dá x i s re ce b e t a m b é m , a través de M ári o Ol i ve i ra , re co n h e c i m e n to pela co n d u t a e p rof i ssi o n a l i sm o d o s seu s re s po n s ávei s q ue p ro p o rc i o n a m sucesso e al eg ri as a tan t o s a t l e t a s. A comit i v a da A2D fez- se re p re se n t a r p o r Má rio O l i vei ra e M N B r un o G o m e s q ue se deslo caram ao E s to ri l p a ra m a i s um m a rco histór ico do j ovem c l ub e fa m a l i ce n se. Com 12 an o s d e ex i s t ê n c i a , o Cl ub e d e X a drez A2D pres en c i o u m a i s um suce sso. H á qu e re co rdar q u e as v i t ó r i a s ga n h a m - se dentro d o t abu l ei ro m a s o s suce sso s p re param-se fo ra d el e, e q ue t o d o s o s êx i t o s despor t i vo s co l et i vo s o u i n d i v i d ua i s d o s dive rso s j oven s e ad ul t o s q ue d efe n d e m a s co re s do c l u be s e m p re t i ve ra m co m o denomin ado r co mu m a p re se n ç a d e M á r i o O live ira co mo res po n sáve l p e l a ex i st ê n cia , o rg an i zaç ão e am b i ç ã o d e st e n úc l e o. Ma is u m a v i tó ri a, m a i s um m o m e n t o d e org u lh o em q u e to do s o s e nvo lv i d o s n e ste proje t o reco n h ece m a M á r i o O l i ve i ra to do o m éri to e i mpo r t â n c i a .

Muitos parabéns, um prémio merecido e justo! Capitão do Clube de Xadrez Associação Académica da Didáxis: Mestre Nacional de Xadrez Bruno Gomes

PÁG.13


Nº96 | JAN | 2016

Jornal O Vale

PÁG.14

DESPORTO 2º TORNEIO INTERNACIONAL DE XADREZ MOSTEIRO DE TIBÃES Ivo Dias classificou-se em 2º lugar em igualdade pontual com vencedor André Sousa O Mosteiro de São Martinho de Tibães recebeu a 2ª edição do Torneio internacional de Xadrez organizado pelo Clube de Xadrez de Braga, nesta que se tem tornado a sua “casa” predileta para a realização de eventos de xadrez de enorme prestígio na cidade de Braga. Desde cedo que o evento se destacou pela positiva, com jogadores e acompanhantes a serem recebidos como reis e rainhas pela Organização, Mire de Tibães e o Mosteiro de Tibães , num Welcome Drink na sala de convívio da hospedagem do Mosteiro de Tibães. De seguida, era chegado o momento dos jogadores demonstrarem em frente ao tabuleiro todo o seu saber, fruto de anos de estudo deste nobre jogo, o xadrez. Foram 7 rondas jogadas de sexta a terça-feira, 8 de dezembro, onde se associou a cultura ao desporto de competição, numa sala belíssima para se jogar xadrez, nas antigas cavalariças do Mosteiro de Tibães.

cional André Sousa, tomando a dianteira na classificação geral. Na sua alçada, estava Yaroslav Minakov (CXB) que o defrontou e venceu na 6ª ronda, subindo assim ao 1º lugar da geral. À 7ª ronda, último dia de prova, os lugares do pódio ainda estavam por definir, pelo que se viveram momentos de enorme pressão e ansiedade… Na primeira mesa, o jovem atleta famalicense CM Ivo Dias (CX A2D) fez valer o seu favoritismo, com uma vitória tangencial, perante Yaroslav Minakov e na 2ª mesa André Sousa foi feliz após Luís Romano (CX A2D) largar uma Torre num lance numa posição bastante complexa. Desta forma, graças aos critérios de desempate o pódio absoluto foi definido do seguinte modo: André Sousa (GD Dias Ferreira, 6 pontos), Ivo Dias (CX A2D, 6 pontos) e Yaroslav Minakov (CXB; 5,5 pontos).

A delegação do CX A2D foi representada por mais 5 atletas: Luís Romano (4º lugar ex-aqueo; 5 pontos); Mariana Silva, Inês Silva e Henrique Peres (9º lugar ex-aqueo) e Carlos Dias (18º lugar ex-aqueo, 3 pontos). A 3ª edição do Torneio de Xadrez no Mosteiro de Tibães tem já data marcada e promete regressar para o ano de 1 a 8 de dezembro de 2016. Mais informações: http://www.chess-results.com/tnr191663.aspx?lan=10&art=1&rd=7&turdet=YES&flag=30&wi=984 Professor responsável CX A2D: Mário Oliveira.

Mas não foram só os graúdos que tiveram o prazer de jogar xadrez no Mosteiro. Paralelamente, na tarde de 7 de dezembro as crianças do jardim-de-infância do Carrrascal tiveram a oportunidade de contactar pela primeira vez com o jogo, numa iniciativa conjunta pela Junta de Freguesia de Mire de Tibães e o CXB, pretendendo sensibilizar a comunidade para as vantagens que o xadrez introduz no ensino-aprendizagem das crianças. No que concerne ao torneio, dois dos candidatos a ganhar o torneio, o CM Ivo Dias e o NM André Sousa defrontavam-se à 4ª ronda, tendo saído vencedor o recém Mestre Na-

XIII MEMORIAL LIMA TORRES Carlos Novais vence e convence em Barcelos Decorreu no passado dia 12 de dezembro, na Escola Secundária Alcaides Faria - Barcelos, o torneio de Xadrez XIII MEMORIAL LIMA TORRES, uma justa homenagem a um ícone do Xadrez Distrital e ilustre cidadão de barcelense: Engenheiro Lima Torres (1916-2002). Este evento, que este ano contou com 78 participantes, foi organizado pelo clube Campismo Caravanismo de Barcelos e contou com o apoio da Academia de Xadrez de Barcelos, Agrupamento de Escolas Alcaides de Faria, Associação de Xadrez do Distrito de Braga, Câmara Municipal de Barcelos, União de Freguesias de Barcelos, Vila Boa e Vila Frescainha (São Martinho e São Pedro). Com arbitragem de Filipe Costa e direção de prova a cargo de Luís Massa, este evento histórico viveu mais uma vez emoções fortes até ao cair da seta do relógio, pois esta prova foi disputada em sistema suíço, com 7 sessões a um ritmo de 15 minutos por jogador. O grande vencedor foi o jovem atleta famalicense, Carlos Novais, que na sua estreia pelo Clube de Xadrez A2D , alcançou uma performance invicta: 6,5 pontos em 7 possíveis! O pódio absoluto completou-se com dois atletas, Alexandre Mano e Artur Lemos, do GDR Amigos de Urgeses que alcançaram 6 pontos. O CX A2D fez-se representar ainda por Simão Barroso que alcançou o 14º lugar ex-aqueo e revelou o excelente momento de forma que atravessa. Este evento ficou marcado por um agradável jantar-lanche de convívio oferecido a todos os participantes que receberam ainda uma lembrança para mais tarde recordar. Mais informações: http://www.chess-results.com/tnr199156.aspx?lan=10&art=1&fed=POR&flag=30&wi=821 Professor responsável CX A2D: Mário Oliveira.


Jornal O Vale

Nº96 | JAN | 2016

DESPORTO CIRCUITO NACIONAL SEMIRRÁPIDAS DE XADREZ CX A2D vence coletivamente o I TORNEIO CIDADE BARCELOS. João Romano e Rui Pedro Gomes alcançam pódio absoluto. No passado dia 26 setembro, decorreu 1ª edição do Torneio Cidade de Barcelos, integrado no Circuito Nacional de Semirrápidas 2014/2015! Foi a 8ª de 9 provas de apuramento e contou com a participação de 69 jogadores. Com este evento escaquístico, subiu para 689 o número de inscrições em provas do CNSR, nos 8 torneios já realizados. A prova foi disputada em sistema suíço a 8 rondas, numa longa e interessante prova que animou a cidade de Barcelos. Em 1º lugar, de forma expectável posicionou-se o nº1 do ranking nacional absluto, Mestre Internacional Jorge Ferreira (GD Dias Ferreira, com 175 euros de prémio monetário), com 7,5 pontos em 8 possíveis. Em 2º lugar, com 6,5 pontos, classificou-se o jovem atleta famalicense, João Romano (CX A2D, 100 euros de prémio monetário e 20 euros do 1ºlugar por escalão 1600<elo<1799), assumindo-se como a grande revelação do Torneio, pois à partida era o 23º cabeça de série e alcançou 6 vitórias, 1 empate e apenas 1 derrota! Em 3º e 4º lugares , classificaram-se, de acordo com os critérios de desempate, Simão Pintor (6,5 pontos; GX 113) e Sergey Demyanchiuk (6,5 pontos; CX Braga), respetivamente. Também de Vila Nova de Famalicão, Rui Pedro Gomes (CX A2D, 25 euros de prémio monetário), atual Vice-Campeão Distrital de Semirrápidas, deu continuidade ao excelente momento de forma que atravessa ao fechar o pódio absoluto em 5º lugar, com 6 pontos. Contribuindo para um desempenho coletivo de excelência do Clube de Xadrez A2D, estiveram ainda em evidência os jovens atletas famalicenses, MF Luís Silva (6º lugar), CM Ivo Dias (7º lugar) e CM Bruno Gomes (99º lugar), todos com

6 pontos em 9 possíveis. Para além do 1º lugar por Equipas, o CX A2D foi o clube mais representado (11 atletas), pelo que teve direito a um prémio monetário de 25 euros. O CX A2D fez-se representar por mais 6 atletas que obtiveram prestações meritórias: Adriano Macedo (5 pontos; 16º lugar), Inês Silva (5 pontos; 22º lugar), José Santos (4 pontos; 29º lugar), Bruno Ribeiro (4 pontos; 30º lugar), Simão Barroso (4 pontos; 37º lugar), Vítor Carvalho (3,5 pontos; 45º lugar). No que diz respeito à FASE FINAL DO CN SR 2014/2015, que se realizará no próximo dia 15 de novembro, em Mirandela, o MF Luís Silva cimentou a liderança com 635 pontos e o Capitão do CX A2D, CM Bruno Gomes, assegurou matematicamente a presença nos “oito finalistas”, ao posicionar-se em 5º lugar (340 pontos), quando falta apenas um Torneio de Apuramento (Cela, 18 de outubro).

Mais informações: http://www.chess-results.com/tnr187290.aspx?lan=10&art=1&fed=POR&flag=30&wi=821 http://www.fpx.pt/web/files/provas/CirNSR1415_Classificacoes.pdf http://www.fpx.pt/web/nacional/historico/2014-2015/circuito-nacional-de-semi-rapidas#barcelos

ENCERRAMENTO DA ÉPOCA DISTRITAL EM BELEZA CX A2D Pentacampeão da Supertaça AXDB

Decorreu, no passado dia 27 de setembro, a 7ª edição da Supertaça da Associação de Xadrez do Distrito de Braga, na sede do Clube de Xadrez de Braga na Rua dos Barbosas, 155 – Loja 24. Nesta competição por Equipas tiveram direito a participar a equipa Campeã Distrital por Equipas, GDR Amigos de Urgeses, e a equipa vencedora da Taça Associação de Xadrez do Distrito de Braga, os primodivisionários Clube de Xadrez A2D, relativamente à época 2014/2015. Neste evento, disputado a quatro tabuleiros e arbitrado por David Fernandes, Presidente do CX Braga, o favoritismo inicial pertencia à jovem equipa famalicense. Após três horas de jogo, o favoritismo imperou nos 2º e 4º tabuleiros, com vitórias convincentes do Capitão do CX A2D, CM Bruno Gomes, e de Luís Romano, perante os experientes atletas José Monteiro e Alexandre Mano. Porém, no 1º tabuleiro o MF Luís Silva caiu em apuros do tempo no relógio, o que foi aproveitado da melhor forma pelo MN Paulo Pinho reduzindo-se a vantagem para 2-1… O jogo decisivo decorreu no 3º tabuleiro e o jovem Mestre famalicense, Ivo Dias, teve de mostrar os seus melhores argumentos, no final desta partida, para assegurar um empate precioso, perante João Sequeira Costa. Desta forma, o resultado final foi 2,5-1,5, refletindo as fortes emoções vividas no tabuleiro, até ao cair da seta em cada relógio! Esta vitória representa mais um marco nos doze anos de história do Clube de Xadrez A2D que encerra a época desportiva 2014/2015 de forma IMPERIAL! Mais informações: http://www.chess-results.com/tnr188913.aspx?lan=10

PÁG.15


Jornal O Vale

Nº96 | JAN | 2016

PÁG.16

DESPORTO CAMPEONATO DO MUNDO DE JOVENS DE XADREZ Ivo Dias e Inês Silva obtêm a melhor prestação da seleção nacional O Campeonato Mundial de Jovens Sub-08 a Sub-18 2015 decorreu na Grécia, em Porto Carras- Halkidiki, de 24 de outubro a 6 de novembro e contou a presença de 15 atletas da Seleção Nacional de Jovens. Este evento escaquístico foi a maior prova internacional de jovens do ano 2015, onde estiveram presentes os grandes talentos mundiais do xadrez, participando 1600 jovens de mais de 80 países diferentes, no total de 12 provas (6 escalões desde os Sub-08 aos Sub-18, cada um deles na categoria de Absoluto e Feminino). Esta participação foi antecedida da Concentração da Seleção Nacional de Jovens, realizada nos dias 28 e 29 de agosto em Oeiras, onde toda a delegação esteve presente, a preparar a participação nesta prova internacional. A equipa técnica foi constituída pelos Mestres de Xadrez MI Jorge Ferreira, WMF Margarida Coimbra, MN Pedro Rego e MI Sérgio Rocha. Integrados na Seleção nacional de Jovens marcaram presença 3 jovens atletas famalicenses, atuais Campeões Nacionais nos seus escalões: CM Ivo Dias (Sub-18), Mariana Silva (Sub-18 Feminino) e Ana Inês Silva (Sub-14 Feminino). O grande destaque foi mais uma vez para Vila Nova de Famalicão, já que os dois melhores atletas da Seleção Nacional foram Ana Inês Silva e Ivo Dias. Ana Inês Silva, a mais jovem Campeã Nacional Sénior, classificou-se em 38º lugar, ex-aqueo em 125 participantes, obtendo 6 pontos em

11 possíveis. A Campeã Mundial Sub-14 foi a indiana WMF R. Vaishali com 9,5 pontos em 11 possíveis (8 vitórias e 3 empates), mantendo a invencibilidade nesta prova. Ivo Dias, no torneio mais competitivo e exigente, exibiu-se em grande forma ao posicionar-se em 35º lugar ex-aqueo em 116 participantes, alcançando também 6 pontos em 11 possíveis. Desta forma, com um ganho de 12 pontos de elo FIDE, o Mestre de Xadrez português mais jovem aproximou-se, de forma sustentada, do título de Mestre FIDE. O Campeão Mundial Sub-18 foi o iraniano Masoud Mosadeghpour que obteve uma performance invicta, conquistando 9,5 pontos em 11 possíveis (8 vitórias e 3 empates). O Clube de Xadrez A2D foi ainda representado por Mariana Silva, penta campeã nacional jovem, que não foi feliz nas três últimas sessões pelo que se classificou em 70º lugar em 80 participantes. A Campeã Mundial Sub-18 foi a indiana WMF M. Mahalakshmi com 9 pontos em 11 possíveis (8 vitórias, 2 empates e 1 derrota). O Clube de Xadrez A2D gostaria de endereçar um sincero agradecimento à Cooperativa de Ensino Didáxis e à Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, pelo patrocínio dado a estes atletas famalicenses, bem como, aos Encarregados de Educação dos atletas e à Federação Portuguesa de Xadrez pelo apoio prestado.

CLASSIFICAÇÃO FINAL

Anotação: Desempate 1: Número de pontos por jogo (V=3; E=2; D=1). Desempate 2: Confronto direto entre duas equipas empatadas. Desempate 3: Número de pontos nos tabuleiros. Desempate 4: Desempate Sonneborn - Berger-

Mais informações: http://www.wycc2015.org/ http://www.fpx.pt/web/internacional/mundiais/2015/campeonato-mundial-de-jovens http://chess-results.com/tnr187413.aspx?lan=10&art=0&fed=POR&flag=30&wi=821 Professor responsável CX A2D: Mário Oliveira

CAMPEONATO NACIONAL EQUIPAS DA 1ª DIVISÃO Didáxis assegura a manutenção e causa sensação

A 1ª Divisão do Campeonato Nacional por Equipas 2014/2015 decorreu em Matosinhos, no Axis Porto Hotel, entre os dias 16 a 22 de agosto. Durante uma semana de alto nível competitivo de Xadrez, as 10 equipas mais fortes de Portugal defrontaram-se a quatro tabuleiros adotando-se o “sistema de todos contra todos a uma volta”, jogando-se 9 sessões. O grande momento do Xadrez nacional coletivo teve como grande vencedor a Academia de Xadrez de Gaia, cabeça de série nº1, conquistando o seu sétimo título nacional, com uma performance invencível: 8 vitórias e 1 empate. O pódio ficou definido com o GD Dias Ferreira, cabeça de série nº3, e a AA Coimbra, cabeça de série nº2, ao classificaram-se em 2º e 3º lugares, respetivamente. Em 4º lugar classificou-se a equipa sensação desta prova, o jovem clube famalicense Clube de Xadrez A2D que era à partida o 8º cabeça de série, pois a partir da 5ª sessão lutou até ao final pelo 3º lugar do pódio absoluto, quando as expetativas iniciais passavam apenas por garantir a manutenção na Elite Nacional de Clubes. Em 5º, 6º e 7º lugares posicionaram-se os clubes FC Barreirense, ADCR Mata do Benfica e GX Porto, respetivamente, o que lhes permitiu assegurar a manutenção. Desta forma, o CX A2D atingiu o objetivo maior, a que se propôs em 2014/2015, ao garantir pelo segundo ano consecutivo a presença na 1ª Divisão Nacional por Clubes na próxima época xadrezística em 2015/2016. Chefiados pelo professor responsável do CX A2D, Mário Oliveira, os “heróis” famalicenses foram o Mestre FIDE Luís Silva (1º tabuleiro; 6,5 pontos em 9 jogos), o CM Bruno Gomes (2º tabuleiro

e Capitão; 4,5 pontos em 8 jogos), CM Ivo Dias (3º tabuleiro; 4,5 pontos em 9 jogos) e o 4º tabuleiro foi ocupado por Luís Romano (2 pontos em 5 jogos) e Adriano Macedo (3,5 pontos em 5 jogos). Neste evento escaquístico, a nível individual, é de realçar as excelentes performances individuais do MI Jorge Ferreira (GD Dias Ferreira) que obteve a primeira norma de Grande Mestre e do jovem atleta famalicense MF Luís Silva (CX A2D) que obteve a segunda norma das três necessárias para se sagrar Mestre Internacional. Estava, também, em disputa a fuga aos 3 lugares de despromoção à 2ª Divisão Nacional, a qual as equipas do CX Montemor-o-Velho, AEJ S. João da Madeira e Santoantoniense FC não conseguiram evitar, voltando estas duas últimas à 2ª Divisão, depois de terem sido promovidas a época passada à 1ª Divisão. Na próxima época, 2015/2016, juntar-se-ão ao CN Equipas da 1ª Divisão as recém-promovidas equipas GX 113, Casa do Xadrez e Sporting CP, depois de terem conquistado o 1º lugar em cada uma das três séries da 2ª Divisão. Mais informações: h t t p : / / w w w. f p x . p t / we b /c o m u n i c a c a o / noticias/72-destaques/793-cn-equipas-2014-2015-1-divisao http://www.chess-results.com/tnr155740. aspx?lan=10&art=0&turdet=YES& flag=30&wi=984 http://xadrezdidaxis.blogspot.pt/2015/08/dccxxix.html


Jornal O Vale

Nº96 | JAN | 2016

PÁG.17

DESPORTO TAÇA NACIONAL ASSOCIAÇÕES DE XADREZ CX A2D vice-campeão nacional

A Classificação Final ficou assim ordenada: 1º CX MONTEMOR-O-VELHO/CTGA 2º CX A2D 3º AEJ S. JOÃO DA MADEIRA 4º CP BOMBARRAL 5º GX PORTO 6º ADRC MATA DE BENFICA

AO ATAQUE

Mais informações: http://www.chess-results.com/tnr186585.aspx?lan=10 h t t p : / / w w w . f p x . p t / w e b /c o m u n i c a c a o / n o t i c i a s / 72-destaques/796-taca-nacional-das-associacoes-2014-2015-bombarral

I. BRANCAS

II. PRETAS

III. PRETAS

IV. PRETAS

MF Luís Silva

Soluções: I. 1.Ce8! . II. 1...Cxe3 . III. 1...f5 é o único lance vitorioso . IV. 1...Td4 2.Dxe6 Dxe4 3.Dxe4 Txe4 4.Bxc5 Rxf7 e a qualidade a mais garante um final vitorioso para as negras .

Entre os dias 17 e 18 de outubro, decorreu a última prova do calendário nacional referente à época 2014/2015: II Taça Nacional das Associações de Xadrez. Este evento escaquístico decorreu no Hotel Comendador no Bombarral com o apoio do Clube local de Xadrez, CP Bombarral, e juntou os vencedores das Taças Distritais na procura de mais um título nacional que foi conquistado o ano passado pelo Sporting CP. Estiveram presentes 6 equipas dos distritos de Braga, Porto, Aveiro, Coimbra, Leiria e Lisboa e à semelhança da época passada. A prova realizou-se em formato eliminatório, com apuramento de todos os lugares da classificação. O jovem clube famalicense Clube de Xadrez A2D causou sensação, ao eliminar nos Quartos-de-final, a cabeça de série nº 1, o GX Porto, pela margem mínima 2,5-1,5, após garantir 3 empates nos três primeiros tabuleiros e com vitória decisiva no 4º tabuleiro de Adriano Macedo perante o experiente José Rodrigues. Na Meia-Final os atletas famalicenses cilindraram a equipa da casa, CP Bombarral, por 4-0, obtendo um pleno de vitórias nos quatro tabuleiros em disputa. Chegados à eliminatória final, defrontaram-se duas equipas primodivisionárias, CX A2D e CX Montemor-o-Velho/CTGA, e desta vez a equipa do Distrito de Coimbra foi mais feliz ao vencer por 3-1, depois do ano passado ter ficado em 2º lugar. A equipa principal do Xadrez da Didáxis obteve um resultado histórico, na disputa da sua primeira Final do Xadrez Nacional, pois na época passada classificou-se em 6º lugar, evidenciando uma ascensão consistente em relação a épocas transatas. Os atletas que escreveram mais uma bela página na história do Xadrez Famalicense foram: MF Luís Silva (1º tabuleiro; 2 pontos em 3 jogos); CM Ivo Dias (2º tabuleiro; 1,5 pontos em 3 jogos); Luís Romano (3º tabuleiro; 1,5 pontos em 3 jogos) e Adriano Macedo (2,5 pontos em 3 jogos).


Jornal O Vale

Nº96 | JAN | 2016

PÁG.18

DESPORTO PRIMEIRO JOGO NO CAMPEONATO DE FUTSAL DA AF BRAGA No dia 18 de outubro de 2015, a equipa de Iniciados de Futsal da A2D -Didáxis realizou, no Pavilhão da Didáxis – Vale S. Cosme, o primeiro jogo Federado no Campeonato de Futsal da AF Braga. Depois de termos participado nos dois anos anteriores com as equipas de benjamins e infantis no campeonato da Liga de Futsal de V.N. de Famalicão, o Futsal da A2D – Didáxis inicia o seu percurso no Futsal da AF Braga. Apesar de o Resultado 2-5 frente à formação de futsal de Celorico de Basto, este desafio serviu para os atletas perceberem e compreenderem as dificuldades que se apresentam neste campeonato Federado. Todas as equipas são competitivas e todos querem os melhores resultados nos jogos, o percurso é longo, pois esta competição realiza-se todos os sábados ou domingos e termina em junho de dois mil e dezasseis. Até lá, a equipa e os atletas vão percorrer um caminho intenso de trabalho e dedicação, tendo em vista o seu crescimento como atletas e como pessoas. O desejo é que no fim do campeonato, seja possível dizer que cumprimos os nossos propósitos e que queremos continuar a crescer. Saudações Desportivas Nuno Moinhos

DIDÁXIS VENCE TORNEIO AEEP No dia 21 de outubro de 2015, a equipa de Infantis de Futsal da Didáxis - Vale S. Cosme participou no 1º Convívio AEEP Futsal da época 2015/2016. No convívio participaram as seguintes seis escolas; Alfacoop – Externato Infante D. Henrique, que foi a escola que acolheu o Convívio, o Colégio do Minho, o Instituto Nuno Álvares, o Colégio Santa Teresa de Jesus, o Colégio Liceal St. Maria Lamas e a nossa escola Didáxis – Vale S. Cosme que foi a escola Vencedora. Os jogos do Torneio realizaram-se em dois pavilhões, o Pavilhão do Externato Infante D. Henrique e o Pavilhão de Tebosa. Em cada um dos pavilhões estiveram em ação três equipas, sendo que a vencedora de cada um dos grupos foi disputar a Final ao Pavilhão do Externato Infante D. Henrique. A final foi disputada entre a equipa da nossa Escola, Didáxis – Vale S. Cosme, e a equipa da casa que acolheu o torneio. No final a sorte sorriu à nossa equipa, pois conseguimos vencer por 0-1 a equipa anfitriã. Os nossos atletas fizeram um grande torneio e mereceram a vitória. Saudações desportivas Nuno Moinhos

INFANTIS VENCEDORES DA 1ª JORNADA LIGA AEEP No dia 20 de novembro, a equipa de Infantis d e F u t s a l d a D i d á x i s - Va l e S . C o s m e , p a r t i cipou na 1ª Jornada da liga AEEP Futsal da época 2015/2016. Na 1ª jornada participaram as seguintes três escolas: Colégio do Minho, que foi a escola que acolheu o Convívio, o Instituto Nuno Á l v a r e s e a n o s s a E s c o l a , D i d á x i s – Va l e S . Cosme. O s j o g o s d o To r n e i o r e a l i z a r a m - s e e m d o i s r e c i n t o s , u m i n t e r i o r, o n d e j o g a r a m o s I n f a n t i s e , u m e x t e r i o r, o n d e j o g a r a m o s I n i c i a d o s . Te n d o e m c o n t a a s d i f i c u l d a d e s e n c o n t r a d a s n o p i s o e x t e r i o r, p a r a o q u a l n ã o c o n s e g u i mos o calçado adequado, a equipa de Iniciados realizou um torneio dentro das expect a t i v a s e f i c o u e m t e r c e i r o l u g a r. A e q u i p a de infantis sagrou-se vencedora, realizando um excelente torneio, tendo ganho por 0-3 ao Colégio do Minho e 0-4 ao Instituto Nuno Álvares. To d o s o s a t l e t a s m o s t r a r a m o s e u e m p e n h o e a sua evolução continua a ser positiva. Estes torneios têm servido para dar mais experiência e têm permitido uma evolução mais rápida de todos.


Nº96 | JAN | 2016

Jornal O Vale

DESPORTO A2D DIDÁXIS BATE VITÓRIA SC POR 4-2 A equipa de cadetes de ténis de mesa da A2D é líder isolada. Concluída a primeira volta do Campeonato Distrital de Cadetes da Associação de Ténis de Mesa de Braga, a equipa da Didáxis permanece invicta com cinco vitórias. A equipa da A2D é constituída pelos alunos/ atletas Mário Silva, Pedro Maia, Simão Cunha e Simão Fernandes. Em segundo lugar estão três equipas: A.D.R. Outeirense, C.P. Alvito e C.P. Vizela, todas com duas derrotas. A equipa sénior também se tem evidenciado pela positiva em relação à época passada. Terminada a primeira volta do Campeonato Distrital, a equipa da Didáxis está em sexto lugar. Destaque para a conquista da primeira vitória, obtida em Guimarães, frente ao Vitória SC por 4-2. Pela equipa da Didáxis alinham os seguintes alunos/atletas: Joel Costa, Jorge Carvalho, Jorge Correia e Ricardo Sampaio (ainda juniores) e os atletas seniores Cristiano Silva e Paulo Silva. De salientar que esta é apenas a segunda temporada do clube. É notório o crescimento substancial dos atletas da A2D tendo vindo a alcançar cada vez melhores resultados. No dia 23 de janeiro de 2016 realizar-se-á o 2º Torneio Aberto de Ténis de Mesa DIDÁXIS. O seu inicio está marcado para as 09h30 e decorrerá durante todo dia no pavilhão da Didáxis – Vale S. Cosme.

COLUMBOFILIA Mensageiros S. Cosme encerram campanha desportiva 2015 vencendo o campeonato interescolar em Mira Depois do brilhante e inesperado 2º lugar no Derby de Riachos (1º entre escolas e associações) e do excelente 6º lugar no Derby de Faro, os Mensageiros de S. Cosme terminaram da melhor forma possível a campanha desportiva 2015 alcançando os 1º e 3º lugares no campeonato interescolar promovido pela Federação Portuguesa de Columbofilia, nos pombais de Mira, ao mesmo tempo que decorriam outras provas internacionais, nomeadamente o campeonato europeu da especialidade. Esta classificação teve ainda mais significado pelo facto de, no dia da prova, terem regressado apenas 19% dos pombos largados. Relativamente ao campeonato interescolar, o único pombo regressado no dia da prova era dos Mensageiros. Nos dias seguintes regressaram mais alguns. Nos últimos anos, com a reestruturação do Núcleo de Columbofilia, a aposta na competição passou a ser essencialmente nos derbys, que se realizam em várias partes do país, onde os pombos são tratados e treinados todos da mesma forma, no mesmo pombal e onde é destacado o valor real de cada pombo, apesar do fator sorte estar sempre presente na prova final. O que é um Derby? Com o aumento significativo de desistências de columbófilos, por razões inerentes à falta de disponibilidade e dificuldade de instalação de pombais, surgiram há uns anos a esta parte várias organizações de derbys, que não são mais do que campeonatos de pombos de vários columbófilos, que são enviados desde tenra idade (aproximadamente um mês de idade) para serem aduzidos, tratados e treinados num pombal único, com capacidade para centenas ou até milhares de pombos, mediante o pagamento de uma taxa de inscrição. Neste sentido, todos os pombos usufruem de condições idênticas e depois de várias largadas para exercitar e treinar o sentido de orientação, são soltos a uma distância de 400 a 500 kms, em direção ao pombal onde foram alimentados, treinados e acarinhados durante 4/5 meses. No final, os pombos são leiloados e uma parte da receita reverte a favor do proprietário. Os Mensageiros de S. Cosme têm sido convidados a participar em alguns destes derbys, nomeadamente em Mira e em Riachos, em competições destinados a escolas e associações. Projeto columbofilia para alunos com NEE. Pela primeira vez, no presente ano letivo, foi incluído no horário de alguns alunos com NEE o projeto Columbofilia (Criação de Aves), duas horas por semana, para poderem ter contacto com estas aves, que têm estatuto de utilidade pública, e que são autênticos exemplos de esforço, abnegação e amor à casa e família que os acolheu (pombal). Nestes tempos, os alunos ficarão a conhecer o modo como se alimentam, reproduzem e se preparam para as provas. Ficarão também a conhecer a forma de prevenir determinadas doenças, incluindo a vacinação anual obrigatória, e participarão na limpeza e manutenção do pombal.

PÁG.19


Jornal O Vale

Nº96 | JAN | 2016

PÁG.20

DESPORTO TORNEIO DE FUTEBOL SOLIDÁRIO Em Cidadania Ativa, a turma 10.1 decidiu trabalhar a solidariedade e voluntariado, elaborando um projeto a que chamaram: «Nós ajudamos, e tu?», cujas atividades reverterão a favor do IPO. Uma das ações mais importantes foi a realização de um Torneio de Futebol solidário que se revestiu de enorme êxito, com uma grande adesão dos alunos, porque todos se sensibilizaram com a grandeza da causa. Com a colaboração dos professores de Educação Física e da Diretora de Turma, professora Sofia Rios, foi possível concretizar este objetivo solidário, um entre outros que a turma 10.1 pretende levar a cabo, ao longo deste ano. A DIDÁXIS SOLIDÁRIA está a enraizar-se cada vez mais nas práticas da nossa comunidade e este ano vamos lutar pelo galardão de escola mais solidária do país, sem vaidade, mas com a força do amor ao próximo.

ENTREVISTA DESPORTIVA Filipa Araújo Costa reside no Louro, pratica karaté (Artes Marciais – Alex Ryu Jitsu) desde os oito anos. Começou por fazer uns treinos de experiencia, mas aos poucos o gosto pelo karaté foi aumentando. Confessa que é uma desportista que é bastante exigente consigo própria, física e psicologicamente, mas a força de vontade supera tudo. Atualmente aperfeiçoa o seu estilo, com o objetivo de manter uma evolução constante, mesmo sabendo que a perfeição não existe. Tentando assim, num futuro próximo, subir de graduação. Como e quando surgiu o gosto pelo karaté? O meu pai, aos meus oito anos, achou que eu tinha aptidão para o desporto, e por intermédio uma terceira pessoa me levou até ás Artes Marciais. O que mais te atraiu nesta modalidade desportiva e mais te motiva para seres cada vez melhor? O que mais me atraiu foi a possibilidade de poder descarregar todas as minhas energias e conseguir o autocontrolo, tendo também uma motivação extra, a de um dia poder passar estes ensinamentos a outros. Em que campeonatos tens participado? Ao longo dos tempos participei em campeonatos a níveis regionais, nacionais e mundiais de vários estilos, entre eles Alex Ryu Jitsu, Kempo Chinês…em estilo light e semi-contact. Qual a tua categoria atual? Neste momento encontro me no 2º KYU (cinto castanho, 1ª lista dourada). Que treinos realizas diariamente? Pratico este desporto três vezes por semana, durante uma hora e meia. Na véspera das competições passo para quatro treinos semanais. Que pensas dos fumadores? No karaté, para além de ensinarem o autocontrolo, ensinam também aos praticantes a seguirem bons hábitos, fazendo assim com que estes não ganhem os maus hábitos do tabaco. Há muitos bons exemplos de fumadores que por praticarem Artes Marciais abandonaram os vícios tabágicos. Que motivos te levaram a representar a tua atual academia? Os horários compatíveis com os meus, a dinâmica dos trei-

nos, o empenho, a humildade, a dedicação e os bons princípios do mestre. De que forma a tua atual academia te tem ajudado na tua prestação, como atleta? Tem-me apoiado de uma forma extremamente positiva, tanto na prática desportiva, como também nos bons alicerces para o meu dia a dia. A tua família tem-te apoiado incondicionalmente? A minha família é quem mais me tem apoiado, tanto nas competições, como nos treinos, até diariamente, dizendo-me assim para nunca desistir daquilo que realmente me faz feliz. A minha família tem sido o meu porto seguro, ao longo dos tempos. A Escola sempre teve em atenção a tua condição de praticante de karaté? Sim. Como pensas superar os teus limites, numa modalidade tão concorrida, exigente e desgastante? Decicando-me, treino a treino, a “150%”. Diz-nos quais foram os teus resultados nesta época. Em Março tive uma prestação de vice-campeã num campeonato regional, duas semanas depois sagrei me campeã no mundial tanto em light-contact, como em semi-contact e, por fim, participei no nacional, onde também atingi o primeiro lugar, do meu escalão. Qual o atleta que mais admiras, a nível nacional e internacional? Tenho como referência o Cristiano Ronaldo, pelo seu empenho e dedicação, pois nunca está satisfeito, querendo ser sempre melhor. Após ter atingido o patamar mais elevado exige sempre mais de si mesmo. Como vai o teu treino diário como forma de preparação para a verdadeira competição? Vai-se desenrolando naturalmente, fruto também, da minha vasta experiência. Em que pensas, enquanto combates? Penso que tenho que superar todos os meus objetivos, e que não posso perder, pois ficarei desiludida comigo mesma. Venceste as provas do Desporto escolar. Qual foi a tua sensação? Tenho vindo a vencer umas e a perder outras, ficando

por vezes desolada, por não ter conseguido vencer como estava nos meus objetivos. Tens o sonho de ser atleta profissional? Desde pequena que sonho com isso. Para terminar, gostarias de deixar uma mensagem à educativa da nossa Escola? Gostaria que continuassem a apoiar e a ajudar-nos, cada vez mais, na realização dos nossos sonhos, pois a realização dos alunos e a felicidade destes, na vida futura, é o maior retorno, promoção e marketing que uma escola pode ter. Professor: António Batista


Jornal O Vale

Nº96 | JAN | 2016

PÁG.21

ARTES AMCC NA DIDÁXIS DE VALE S. COSME A Escola de Música da Academia Didáxis - Vale S. Cosme nasceu a 12 de janeiro de 2015 e neste momento é frequentada por mais de oitenta alunos. Com o intuito de alargar horizontes, a coordenada e professora de música, Carla Reis Neves, convidou a Academia de Música de Costa Cabral (AMCC), que possui ensino artístico especializado da música e que tem sido berço de diversos alunos que se têm vindo a destacar a nível musical, obtendo vários prémios nacionais e internacionais. Os alunos da AMCC realizaram dois Concertos Pedagógicos para apresentação de novos instrumentos a integrar no panorama musical da Academia de Música da Didáxis de S. Cosme. Este convite surgiu no âmbito da atividade “Descobrir a minha escola” com o intuito de promover e divulgar a aprendizagem dos instrumentos de sopro. Esta atividade decorreu na sala de eventos, na Didáxis de Vale S. Cosme, e os alunos da AMCC apresentaram um vasto repertório clássico aos alunos

de 5º ano que pretendiam vir a frequentar a nossa Escola. Os alunos da AMCC estiveram distribuídos em três grupos de música de câmara: Quarteto de Saxofones, Quinteto de Trompetes e Quinteto de Sopros, tendo a apresentação dos naipes de sopro sido realizada pelo Diretor Administrativo e Pedagógico da Academia de Costa Cabral, o maestro Francisco Ferreira. Esta atividade encantou toda a comunidade educativa presente, brindada pela harmonia e a elegância na interpretação dos vários temas musicais. Foram momentos culturalmente nobres e os alunos da AMCC receberam um caloroso aplauso da plateia entusiasta. Em nome da Escola de Música da Academia Didáxis de Vale S. Cosme agradeço a disponibilidade, simpatia e o excelente desempenho cultural. Carla Reis Neves Coordenadora e professora da Escola de Música

ENSAIOS ABERTOS A Casa da Juventude de Vila Nova de Famalicão recebeu duas promessas musicais: A bandas A2D e os Sleeping Forest. O grupo A2D, oriundo da Didáxis – Vale S. Cosme, e orientado pela professora Carla Neves, deu um grande espetáculo. Aliás, todo este ensaio foi musicado por covers que deram ao público que encheu a casa da juventude motivos para participar. Constituído por alunos da Didáxis, esta banda foi muito aplaudida, demonstrando cada vez mais maturidade, na sua qualidade musical. Já os Sleeping Forest, oriundos da Trofa e ligados “umbilicalmente” à

professora Carla Neves, demonstraram poder, a breve prazo, ser uma revelação Nacional. Com boa disposição e um reportório que visa todo o tipo de música, os Sleeping Forest começam a ser um caso sério na música portuguesa. Com presença de palco e um grupo de fiéis seguidores, esta banda da Trofa conta com um famalicense como baterista. São dos grupos de música para serem seguidos atentamente e que tiveram oportunidade neste “ensaio aberto” na casa da Juventude de o demonstrar.

UMA VEIA ARTÍSTICA No dicionário, a palavra arte é definida por: “Forma de comunicarmos com a nossa via artística e emocional; maneira de expressarmos os nossos sentimentos”. Para mim, a arte é tudo isso e mais alguma coisa… Na minha opinião, a arte serve para comunicarmos os nossos sentimentos, pensamentos, por aí adiante. Mas a arte não é só pintura, é música, cinema, teatro, dança,… que, para muitas pessoas, faz parte das suas vidas. Outos, porém, defendem que a arte não tem relevância nas suas vidas. Quando uma pessoa quer ser médica ou engenheira, a arte não tem lugar nas sus vidas, pois a pessoa só quer ter notas excelentes para entrar no curso desejado e observam a arte

A ARTE E A SUA IMPORTÂNCIA como um desperdício do seu precioso tempo. Contudo, muitas pessoas ficaram famosas na área das artes, mais os mais conhecidos são: Pablo Picasso (pintura); Steven Spielberg (cinema); Paul McCartney (música), entre outros. Eu penso que sou uma pessoa mais dedicada às artes, pelo facto que toco inúmeros instrumentos (como guitarra, flauta, bateria e um pouco de piano) e adoro pintar e desenhar. Em suma, a arte não devia ser vista como um passatempo, mas sim como uma forma de expressar emoções. Composição do teste de Português Sofia Oliveira, 8.5

A arte, no meu ponto de vista, é uma marca da presença humana no planeta Terra. Sem ela, a vida seria mais aborrecida! A meu ver, a arte não é apenas a pintura, como muita gente pensa. Há inúmeras formas artísticas como a música, o teatro, a dança, a escultura, a arquitetura, o cinema, a fotografia e muitas outras. Mas, afinal, o que define uma expressão artística? Bem, não existem regras definidas que para esta classificação, mas no meu ponto de vista, é tudo o que tem admiradores, desde as pinturas rupestres até aos jogos de vídeo. Há quem considere a arte um aspeto indispensável à vivência humana, justificando-se pelo facto da arte ser uma forma de lazer, mas também há quem não pense o mesmo, visto que quem estuda arte não tem muitas opções de emprego. Respeitando todas as opiniões, penso que a arte é importante por vários motivos. Através da escultura, pintura e outros trabalhos artísticos

antigos, conseguimos descobrir características das sociedades anteriores como, por exemplo, os homens das cavernas da Idade da Pedra relatavam o seu dia a dia através das pinturas que produziam nas paredes das suas cavernas. Ela é uma maneira de deixar a imaginação fluir, deixando-nos levar pelo pincel, pelo lápis ou outro material. Concluindo, a arte é, na minha opinião, importante, deslumbrante e inspiradora. E o leitor, o que pensa acerca desta?

Tiago Marques, 8.5


Nº96 | JAN | 2016

Jornal O Vale

PÁG.22

LÍNGUAS ESTRANGEIRAS FIND THE DIFERENCES

MOTS CACHÉS

Regarde les deux images et trouve les dix différences


Nº96 | JAN | 2016

Jornal O Vale

PÁG.23

LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PASATIEMPO DE NAVIDAD

Hace una rima para tu familia. ¡Feliz Navidad! Profe Carina Soares Profe Martina Barbosa


Nº96 | JAN | 2016

Jornal O Vale

PÁG.24

INICIATIVAS EMPILHADORAS AUTOMÁTICAS. UM PROJETO INOVADOR! CURSO TÉCNICO PROFISSIONAL DE ELETRÓNICA AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES

Desde sempre que ouvimos falar de acidentes de trabalho e com empilhadores essa realidade também existe. Diversos são os vídeos na internet com este tipo de acidentes, quase sempre com alguma piada, e para evitarmos isso procurávamos uma solução. Ao pesquisarmos sobre o assunto, surgiu-nos a ideia de incluirmos alguém que não poderia fazer parte desta profissão devido à mobilidade reduzida. Pessoas com mobilidade reduzida devem ter as mesmas oportunidades e desta forma e com este nosso projeto ninguém ficará excluído. Aliás, testamos diversas formas de o pôr em prática e, como as pessoas com mobilidade reduzida possuem uma maior sensibilidade nas mãos, conseguiram manusear mais facilmente as “teclas” de comando do nosso protótipo. Este projeto consiste na construção de um protótipo de um empilhador automatizado, e no desenvolvimento de software capaz de realizar o seu controlo remoto. O projeto está dividido em duas partes: Desenvolvimento de Software e Hardware. Todos os movimentos do protótipo foram adicionados servo motores, que agiliza o movimento. Para o seu controlo, foi utilizado um micro controlador que comunica com o software via rádio frequência. O protótipo é capaz de realizar o transporte de cargas perigosas, sem por em risco de vida o seu operador e de permitir ter, pela primeira vez, um trabalhador com mobilidade reduzida a “conduzir” um empilhador. O protótipo é controlado através de um software, realizado exclusivamente para o mesmo, com funções simples. O software comunica com o protótipo através de Rádio frequência, com recurso a dois módulos Xbee. O empilhador pode ser controlado a uma distância segura de 100m. Podemos assegurar que a condução do empilhador, sem ser à distância, pode-se tornar perigosa, e resultar em acidentes seja por causa da carga que poderá conter materiais perigosos ou por causa do veículo. Desta forma, adaptamos este protótipo para que a sua condução fosse realizada à distância e pudesse permitir a inclusão de pessoas com mobilidade reduzida nesta profissão, algo inovador e mais uma “barreira” quebrada perante uma adversidade física. Neste momento procuramos parceiros que nos possam custear a última fase do projeto que é a concretização de um empilhador elétrico adaptando esta tecnologia. Para além disso, este protótipo está “funcional” e por isso estamos disponíveis para continuarmos a apresentá-lo em diversos concursos, empresas e certames, permitindo que chegue a um maior leque de pessoas.

Embora o “feedback” tenha sido muito positivo, ainda não o conseguimos concretizar. Mesmo assim e como o nosso caminho foi longo não perdemos a “esperança”. Em primeiro lugar, tivemos a ideia e apresentámo-la aos nossos professores, Carlos Vale, José Lima e Rui Cancelinha, que viriam a ser nossos orientadores na PAP (Prova de Aptidão Profissional) e nos motivaram e ajudaram na concretização do protótipo. Na PAP, tivemos 18 valores, o que nos satisfez. Porém, o que nos deixou mais contentes foi o facto de termos tido 20 valores na inovação, pois queríamos ser empreendedores e fazer algo que nunca foi feito. Da PAP até ao concurso “O meu projeto é empreendedor”, organizado pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, foi um pequeno passo. Passamos a prova de seleção e

conseguimos o acesso aos 10 finalistas. Mesmo sem termos vencido, ficamos agradados pela aceitação do projeto por todas as entidades que visitaram o nosso espaço. Como dissemos atrás, ainda não perdemos a esperança de, no futuro, concretizarmos a ideia e o protótipo. Nessa perspetiva, vamos concorrer a mais um concurso (prémio Fundação Ilídio Pinho – Ciência na Escola). Uma coisa que prometemos é nunca desistir!

Alunos: João Manuel Cruz da Silva; Nelson Pedro Gomes Costa

Jornal O Vale - Número 96  

Didáxis V. S. Cosme

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you