Page 1

DIDÁXIS de S. Cosme, e SUPER 2000 assinam protocolo Vale S. Cosme

Número 90 - Julho 2013

Dr. Leo n el R ocha em

Entrevista

à

D i d á x i s de v a le s . CO S M E

página 04

DIDÁxis

uma escola com asas

“ A D idáxis de

S. C osme

contribui em larga

página 14

DIDÁ XIS 6º Ano consecutivo na F1 in school s

escala para que

F amalicão página 28

seja um

B om M unicipio

para estudar ” página 16

Xad r e z De titulo em titulo

página 24


02 Editorial LAIROTIDE Enquanto o ano escolar, tranquilamente, vai planificando o seu esperado regresso, tal como o Sol promete nascer para mais um dia, eis que os jovens partem: uns cheios de esperança “no amanhã”, outros com a data do regresso marcada. Partem sempre num alvoroço, entre sorrisos e abraços, com vontade de viver as abensonhadas férias, num verão ora excessivamente resiliente, ora salpicado por inclementes picos de calor surpreendentemente abrasador.

ficha técnica

O ano letivo chegou ao seu termo, mas o ano escolar só termina no último dia de agosto. Um ano letivo de intenso trabalho que termina, para muitos alunos, na azáfama das provas finais e exames nacionais. Entretanto, parte importante da cultura de Escola, outras atividades, a que O VALE dá destaque, se vão desenvolvendo. “Descobrir a Minha Escola” é uma semana de atividades lúdicas e uma experiência fundamental para os alunos que optaram por frequentar a nossa Escola.

Jornal ‘O Vale’

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

“ M ET A S : O NOSSO RU M O ” Aumenta a autoconfiança e a autonomia dos jovens e facilita o processo de integração. “Descobrir a minha Escola” é, para os jovens, aprender a sua nova Escola, o primeiro passo para começar com o pé direito um percurso educativo de sucesso. Sabemos que um bom começo vale para toda a vida. Para os Pais / Encarregados de Educação, que têm o direito e o dever de assumir, em primeiro lugar, a tarefa de cuidar da vida, da saúde, da educação, da segurança, da orientação profissional dos filhos, “Descobrir a minha Escola”, é conhecer a identidade da Escola que livremente escolheram, é constatar a capacidade que a Escola, de gestão privada, mas de serviço público, tem de cooperar na educação dos filhos e de lhes garantir a igualdade de oportunidades e a liberdade de escolha, na construção do futuro dos seus educandos. “O Dia do Diploma”, dos alunos que concluíram os segundo e terceiro ciclos, ou seja, a atribuição de prémios de mérito, num reconhecimento público, aos alunos que revelaram excelente comportamentos e obtiveram as melhores classificações, assume-se como um significativo ritual de passagem ao ciclo seguinte, e mostra que trabalhar compensa. Sabemos que as classificações de excelência não dependem apenas da inteligência de cada um, e há muitas formas de inteligência. Sabemos que um aluno excelente é aquele que sabe o que quer, que traça metas, que tem um projeto de realização pessoal e de integração socioprofissional. Sabemos que “neste mundo global é preciso ser bom de mais para ser suficiente (Marivaux). Sabemos que ser excelente implica muita responsabilidade, ser assíduo e pontual, exige determinação, empenho, muito esforço, muita força de vontade, motivação, muito trabalho nas aulas, trabalho de casa, dar tempo ao estudo, descobrir um método, a própria maneira de estudar. Ser excelente implica dar tempo ao lazer e à atividade física que melhora a atenção e a concentração, exige uma alimentação racional. Sabemos que ser bom aluno exige o suporte de professores, com alma, que orientam, animam, inovam, que dão atenção àqueles que não aprendem sozinhos. Sabemos que um aluno excelente exige pais que envolvem e impõem regras. Sabemos que para um aluno ser excelente

ou simplesmente ser melhor, para evoluir, precisa de projetos, como o Fénix que ajuda a dominar as questões básicas de disciplinas estruturantes, como Português e Matemática. Este ano a Escola não sentirá a habitual ausência temporária dos alunos. O projeto“Super-Férias”, um conjunto de atividades diversificadas, divertidas, sem custos para os participantes, abrirá as portas da Escola a dezenas de jovens, no espírito do velho slogan “vá para fora, cá dentro”. Este projeto é o fruto de um trabalho cooperativo e de colaboração da comunidade educativa e certamente uma experiência bem-sucedida, a prova de que uma comunidade pode sempre fazer mais e melhor pelo seu próprio bem-estar. Em tempo de crise e de combate ao desperdício, em que o orçamento para o próximo ano escolar se perspetiva ainda mais minguado, centenas de manuais escolares usados passaram de mãos, sobretudo dos alunos que beneficiam da Ação Social Escolar. Este primeiro ensaio revelou que é imperioso que todos os agentes educativos, se sintam sensibilizados e responsabilizados para a necessidade de manter os manuais em bom estado de conservação: sem rasgos, sem escritos, sem desenhos, sem sublinhados. Também neste final do ano escolar, se tornou claro que, num futuro próximo, os cursos profissionais têm de se enquadrar nas seguintes áreas prioritárias de formação, definidas com base nas necessidades de desenvolvimento da economia nacional: artesanato; comércio metalurgia e metalomecânica; construção e reparação de veículos a motor); indústria dos têxtil, vestuário, calçado e couro; materiais (madeira, cerâmica, cortiça e outros). O novo ano letivo já está na forja e, de acordo com as orientações de uma nova Revisão da Estrutura Curricular, com novos programas e definição de metas curriculares, trará obrigatoriamente mudanças que assentam, nomeadamente, numa prioridade dada aos “conteúdos disciplinares essenciais e na definição de objetivos claros, rigorosos, mensuráveis e avaliáveis”. A noção de competência perde a centralidade no vocabulário educativo, mas não na prática. Com efeito, para que serviria estudar tantas disciplinas, tanta matéria,

se não soubéssemos utilizá-las depois no quotidiano? Para chegar às competências, há que, em primeiro lugar, atingir as metas, com sucesso. Recentemente, um jovem empresário, de sucesso, dizia-me que não admitiu um candidato, habilitado com um curso médio, a um emprego, numa das suas empresas, porque, numa breve entrevista, aquele jovem simplesmente não foi capaz de calcular, sabendo o custo total, quanto tinham pago pelo almoço, individualmente, três pessoas. Este jovem não teria perdido aquela oportunidade de emprego se, quando estudante, Nuno Crato fosse Ministro. Nuno Crato defendia, ainda antes de “ abrir as janelas do Ministério, para deixar sair as más influências”, que os automatismos, a mecanização, são fundamentais e não apenas a compreensão ou o aprender a pensar. Quando possuímos automatismos básicos, como saber de cor fórmulas, definições e a tabuada, não só desenvolvemos certas regiões do cérebro, como reagimos melhor, na vida, no dia - a - dia. Enquanto o ano escolar, tranquilamente, vai planificando o seu esperado regresso, tal como o Sol promete nascer para mais um dia, eis que os jovens partem: uns cheios de esperança “no amanhã”, outros com a data do regresso marcada. Partem sempre num alvoroço, entre sorrisos e abraços, com vontade de viver as abensonhadas férias, num verão ora excessivamente resiliente, ora salpicado por inclementes picos de calor surpreendentemente abrasador. A Didáxis- Escola Cooperativa Vale s. Cosme acaba de completar vinte e cinco anos a “construir o amanhã”. Ao longo de todo este tempo, conseguimos subir a uma grande montanha, mas, como diz Mandela, outras mais há para subir, para alcançar grandes metas que Jean Piaget nos aponta: ”Criar homens que sejam capazes de fazer coisas novas, não simplesmente repetir o que outras gerações já fizeram, homens que sejam criadores, inventores, descobridores; “Formar mentes que estejam em condições de criticar, verificar e não aceitar tudo que a elas se propõe”. Metas: o nosso rumo. Boas férias! Alcino Faria

Propriedade: Escola Cooperativa de Vale S. Cosme, Avenida de Tibães, nº1199, Vale S. Cosme - V.N. de Famalicão, T. 252910100 Direção: Alcino Faria Assessor de Imprensa: Pedro Reis Sá Paginação e arranjo gráfico: Prof.ª Ana Filipa Braga. Impressão: Naveprinter Agradecimentos: José Azevedo, João Costa e a todos os núcleos e departamentos envolvidos, Federação Portuguesa de Xadrez, Associação Yupi.


Jornal ‘O Vale’

ANDRADE

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

PEDRO SÁ

Ao longo do ano, várias foram as iniciativas desenvolvidas na Escola de Vale de S. Cosme para comemorar os 25 anos de existência da segunda escola implementada pela Cooperativa Didáxis. Decorria o ano de 1987 e tornara-se necessário colmatar o vazio acentuado que se fazia sentir, em termos de oferta educativa. Estudadas as perspetivas e indo de encontro às reais carências da população estudantil envolvente, a Didáxis deitou mãos a mais um grande projeto que aí continua de pé e a falar por si. “Com que então, caiu na asneira de fazer na quinta-feira 25 anos… Que tolo. Ainda se os desfizesse, mas fazê-los não parece de quem tem muito miolo… (Quem não reconhece?)… Se tiveram “miolo” ou não, não poderei afirmá-lo, pois o “miolo”, muitos vezes só empata. As grandes obras surgem, quase sempre, num quadro de emergência misturada com coragem e, não raras vezes, quiçá, uma pitada de boa loucura. Mas passemos à obra. E nestes tempos conturbados, que obrigaram a desenterrar a “Grândola, Vila Morena”, perspetivamos aquilo que foi tomar uma decisão que implicaria um grande investimento, mas, com toda a certeza, o alargamento e melhoramento de uma oferta educativa de qualidade, já com larga tradição, nos anais das Escolas do Concelho. 25 anos… 25 anos? 25 anos!!!

Porquê? Neste país perto do oceano Atlântico afinal ainda se pode escolher. Neste País com a cor verde na bandeira, sinal de esperança, explicam-se os porquês. A quem está nessa idade, como o meu sobrinho, torna-se complicado argumentar que os dragões não existem ou que a fada dos dentes ou o pai natal apenas existe no

Ano XXV

nº 90

Opinião

Julho 2013

03

CRÓNICA DOS DIAS INCERTOS:

“25 anos de histórias que foram fazendo HISTÓRIA…“ Corre célere o tempo, qual cavalo sem freio, em busca de um destino desconhecido. Ao fim de 25 anos, passamos em revista os momentos fulcrais que fizeram da Didáxis de Vale de S. Cosme, uma escola de referência dentro do panorama escolar do concelho de Famalicão e mesmo do país. Foi e continua a ser uma escola aberta ao meio, uma escola inclusiva, uma escola onde os verdadeiros valores da democracia, da liberdade e da honra se têm vindo a transmitir às gerações que, aqui, continuam a beber as bases estruturais das suas vidas. Falar dos 25 anos desta Escola, é vivenciar, de novo, os bons momentos e os menos bons. É recuar no tempo, pedindo emprestada a máquina do tempo de Spielberg e trazer ao presente um e outro e mais uns tantos acontecimentos que tanto contribuíram para a construção do tão prestigiado nome desta Escola. Recordemos os primeiros anos… E sobretudo que a memória nunca nos falhe para que possamos atribuir “louros” a todos aqueles que aqui têm o seu percurso inscrito. Professores, funcionários, alunos, os nossos alunos, os mesmos que continuam a ser a razão do nosso trabalho, da nossa dedicação. A todos quantos os que por aqui, começaram a construção do seu futuro, chegando meninos e partindo homens e mulheres, o nosso abraço bem apertado, por nos permitirem fazer parte do seu crescimento, por nos darem tantas razões de orgulho, por nos arrancarem tantas gargalhadas, por nos colocarem (quantas vezes?) uma lágrima teimosa a escorrer-nos pelo rosto, por nos forçarem a acreditar que a gratidão é palavra escrita nos seus dicionários,

escritos com juventude, irreverência, mas também muito carinho. Para quê tentar pintar tudo de doirado se, por vezes, a chuva cai? E como ela tem caído ultimamente neste Portugal tão desencantado, onde o céu, sempre tão azul, começou, repentinamente, a escurecer e o mar a bater violentamente nas rochas das nossas vidas, obrigando-as a acordar para novas e difíceis realidades. Se a Escola já não é a mesma fortaleza de há anos atrás, foi porque teve de acompanhar as mudanças que se operaram a nível nacional e até mundial. Os tempos são de incerteza, mas não é incerto o percurso realizado ao longo destes 25 anos… Na linha dianteira, qual comandante que conhece todos os instrumentos e segredos para manobrar o Barco, esteve e estará sempre, mais ou menos visível, aquele que acreditou, que ultrapassou barreiras, que delegou tarefas, que construiu chefias, que motivou trabalhadores… Aquele que conseguiu granjear o respeito de todos, mesmo dos que, defendendo outras ideias e outros caminhos, reconhecem o seu contributo, a sua perspicácia e a sua liderança – José Fernandes. Ele aí esteve, de pé, nos dias de sol, tanto como nos mais cinzentos. Reconheceu o momento de confiar o leme a outros, o que, no presente, se afigura árdua tarefa. Tão árdua, porquanto alta é a fasquia, e real o objetivo de todos: inscrever na História da Educação a Escola Didáxis que, pelo seu desempenho, pela sua persistência, pelo prestígio que lhe é reconhecido, se projeta longe e se quer

O amor vem de longe nosso imaginário. Mesmo assim, pergunta-me ele. E porquê? Se me perguntasse o porquê de estudar na Cooperativa Didáxis falaria da segurança, dos transportes, da comida nas cantinas, das instalações. Mas o “Guilherme” voltaria à carga e retorquiria. E porquê? Explicaria ponto a ponto. Resposta a resposta. A segurança é fundamental para quem corta o “cordão umbilical” dos seus pais. A segurança é importante para que não haja qualquer inconveniente no percurso escolar. E aí realçava a qualidade dos transportes, cada um com pessoas vigilantes a todos os movimentos dos alunos para que nada corra mal. São eficazes e levam quem de direito aos pontos indicados. Quanto às cantinas, faria o paralelismo com a comida que a Bisavó faz, dia a dia,

o almoço e o jantar com requinte. Falaria que a comida é tão boa como em casa. Que comia com o André e a Ana, seus primos, com um sorriso de quem gosta não só da companhia mas da degustação de um prato feito com amor e carinho. As instalações da Didáxis estão diariamente a ser melhoradas. Há uma preocupação de ir ao encontro dos alunos, pelo que tenho a certeza que ele seria aluno Didáxis caso vivesse na nossa terra podendo comprovar isso mesmo em cada aula de Educação Física, de Matemática ou de Português ou quando tivesse que marcar uma refeição ou reservar os livros. E entenderia que poucas são as Escolas que ofereceriam esta possibilidade. Curioso como é o Guilherme, (diz-se que sai ao tio), iria perguntar pelos professores. Os professores, tio Pedro?

continuada… Pensar-se-á, que, nestes tempos, convém enaltecer aqueles que nos podem valer. (?) Não me coso com essas linhas e não me rebaixaria, aqui, a deixar escrita, uma linha que fosse, se não considerasse ser de inteira justiça trazer à conversa o “cabeça de lista”, desta pequena Escola, que se foi tornando grande, muito pela mão de um homem que delineou um projeto, o pôs de pé e o atirou às águas, levando-o a procurar os novos rumos do conhecimento. As grandes obras não se fazem só no singular. São metodicamente construídas e integradas por cada um de nós. Não é fácil, nos tempos de hoje, mostrar obra. Mas é nos momentos menos bons que se revelam os grandes profissionais, os grandes líderes. É por isso que aqui continuamos. É por isso que aqui queremos estar. Parabéns a todos. Os que já se foram, os que se afastaram, os que, diariamente, se mantém firmes, continuando a semear o conhecimento, a dar amor, a construir o amanhã dos nossos jovens, das nossas gerações, de Portugal. E porque estamos em ano de comemorações dos 125 anos de Fernando Pessoa, permitamme que parafraseie aquele que é considerado, no mundo inteiro, o maior poeta português do século xx. … “Valeu a pena? Tudo vale a pena se a alma não é pequena… Quem quer passar além do Bojador… Tem de passar além da dor…” (Mensagem) Fátima Andrade

Seria muito fácil explicar. Bastaria falar do avô Manel, que ele não conheceu, e do amor que colocava em cada aula. Austero no início para marcar a sua posição, o melhor amigo dos alunos no final do ano. - E porquê? Voltaria a perguntar. - Porque nesta Escola, Gui, quem se dedica ao ensino, faz tudo de corpo e alma, faz com que a aprendizagem seja para além da matéria dada, para além da sala de aula. E é por isso Guilherme que ainda hoje tenho ex professores meus da Didáxis que são meus amigos e que me ensinaram a vida, para além das matérias, que me ensinaram muitos dos valores e ensinamentos da minha vida. E é por isso, Reis Sá Júnior, que, quando cresceres, conhecerás a Didáxis e sorrirás com ela, depois de mais 25 anos de vida. Esta será também o legado que os teus te deixarão porque na Didáxis há uma frase de Séneca que tem toda a razão de ser – “Trabalha como se vivesses para sempre. Ama como se fosses morrer hoje.”


04 Iniciativas

Jornal ‘O Vale’

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Iniciativa Empresa na Escola

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

Didáxis de S. Cosme e Super 2000 assinam protocolo

A Didáxis de S. Cosme e a empresa “A Super 2000” assinaram um protocolo no âmbito da iniciativa “Empresa na Escola”, com o apoio da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, parte integrante nestes protocolos. Esta empresa, já com 20 anos de existência, tem por base trabalhadores que realizaram a sua escolaridade na Didáxis de S. Cosme, sendo um bom exemplo de como as empresas e as escolas podem estar de braço dado não só nas pontes “escola/ trabalho” mas também na formação em contexto de trabalho visto que diversos alunos da Didáxis estagiam na “A Super 2000”.

Depois de três músicas interpretadas pelo núcleo da escola comandados pela prof. Carla Neves e de dois pequenos vídeos sobre a formação em contexto de trabalho e sobre a empresa em causa, o diretor da Didáxis de S. Cosme, Alcino Faria, enalteceu a “ formação em contexto de trabalho como parte integrante na valorização alunos e, embora ainda muito haja para fazer, a Escola já tem dado passos seguros para que essas parcerias beneficiem em alunos”. Também o sócio gerente da empresa A Super 2000, Joaquim Peliteiro, falou sobre o seu percurso como empresário e da importância que a Didáxis tem tido na formação dos seus funcionários referindo

V i t r i n as

ao

VIVO

A turma do terceiro ano do Curso Profissional de Técnico de Comércio, na disciplina da componente de formação técnica, Comunicar no Ponto de Venda, no módulo “ Técnicas de Vitrinismo”, planeou e criou um conjunto de materiais decorativos para a execução de quatro vitrinas com manequins vivos. Em pequenos grupos de trabalho e de acordo com os nossos gostos, cada grupo escolheu uma atividade comercial, um produto/ serviço e um tema para a sua vitrina. Assim, surgiram quatro vitrinas sobre atividades como Perfumaria, Agência de Viagens, Vestuário e Artigos de Praia. Sabendo que, hoje em dia é necessário surpreender o consumidor estimulando-o à compra, o produto final foi apresentado no dia 13 de maio, onde se surpreendeu a comunidade educativa com vitrinas criativas e inovadoras. Esta foi mais uma experiência enriquecedora, onde tivemos a oportunidade de desenvolver técnicas de vitrinismo e estimular a criatividade, mostrando a componente prática deste curso profissional. Os alunos do 3º ano do Curso Profissional de Técnico de Comércio

“os estágios que ainda hoje temos com os vossos alunos e uma grande parte dos nossos funcionários terem tido o seu percurso escolar na Didáxis, sendo este mais uma boa parceria”. Também o vereador da Educação, Leonel Rocha, evidenciou a importância deste protocolo assinado pelas três entidades evidenciando “a importância destes protocolos na vida futura dos alunos de diversas escolas e de diversas empresas, que assim podem ganhar mão de obra mais qualificada”. Numa segunda parte desta sessão, António Rochete, professor doutor da Universidade de Coimbra, foi o orador no fórum “Projeto Educativo Local” tendo revelado a parceria que está a realizar com a Câmara de Famalicão num claro estudo para melhorar o Ensino local e evidenciar os problemas que se vão sentir no futuro. Aliás, o facto de Famalicão vir a poder perder população jovem, à semelhança do País, “assustou” a plateia tendo sido enaltecido que algumas soluções futuras terão sido adaptadas à nova realidade. Este foi o primeiro passo num projeto que espera ter a sinergia de toda a comunidade envolvente com as escolas, tendo para isso ficado referenciado que a opinião de todos os intervenientes socialmente é importante. O Vale


Jornal ‘O Vale’ Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Iniciativas

Julho 2013

05

O 25 de abril de 1974 no «Vale»

O grupo disciplinar de História e Geografia de Portugal/História preparou, mais vez, uma atividade para comemorar o 25 de abril de 1974 na nossa Escola. O objetivo primordial desta atividade foi relembrar à comunidade escolar os

principais acontecimentos de um dia que alterou significativamente a vida dos portugueses. Por detrás dos acontecimentos do 25 de abril de 1974 estão mais de 40 anos de um regime autoritário, que governava em

palestra

ditadura e fazia uso de todos os meios ao seu alcance para reprimir as tentativas de transição para um estado de direito democrático. As atividades tiveram início com um grupo de alunos, devidamente caracterizados (os soldados e a «Celeste»), a distribuir pela escola os cravos representativos deste acontecimento. O cravo tornou-se o símbolo da Revolução de Abril de 1974, pois, nesse dia, as pessoas começaram a juntar-se nas ruas para apoiar os soldados revoltosos e a D. Celeste, que tinha ido comprar cravos, começou a distribuí-los pelos soldados que depressa os colocaram nos canos das espingardas. Esta atividade culminou, na sala de Eventos, com o visionamento do telejornal

transmitido no dia 25 de abril de 1974 e a audição de algumas músicas revolucionárias, nomeadamente «Grândola Vila Morena» e «Depois do Adeus». O grande entusiasmo, alegria e empenho que os alunos manifestaram na realização da atividade é sempre um motivo de orgulho para a Escola, mais concretamente, para os docentes do grupo de HGP/HT, que dinamizaram a referida atividade. As professoras responsáveis, Gabriela Faria e Noémia Pena

com o

Prof. Dr. Armindo Freitas-Magalhães

Foi dia 29/05/2013 que o Senhor Diretor do Laboratório de Expressão Facial da Emoção (FEELab/UFP), da Faculdade de Ciências da Saúde (FCS), da Universidade Fernando Pessoa (UFP), Professor Doutor FreitasMagalhães, visitou a Escola Cooperativa de Ensino Vale S. Cosme – Didáxis na condição de palestrante convidado pelo The Arkman Group. Numa palestra animada e descontraída, o Dr. Freitas-Magalhães explicou sucintamente toda a sua pesquisa bem como reconhecimentos e trabalhos importantes onde consta o seu nome. Entre eles, figuraram o seu novo projecto ANAEFE que irá cooperar, possivelmente, com a justiça portuguesa.

Em uma hora e quarenta minutos de palestra nada maçadores, houve ainda tempo para a explicação de diversos conceitos ligados à expressão facial, bem como para o merecido destaque ao trabalho fantástico do FEELab. Seguiu-se uma sessão de perguntas e o final da palestra que se revelou um enorme sucesso. O The Arkman Group teve ainda o prazer de oferecer o almoço ao Dr. Armindo FreitasMagalhães e ter a oportunidade de ver consigo partilhadas algumas das histórias do Dr. Freitas-Magalhães, de quando este estava presente num invejável círculo de escritores portugueses e era conhecido como o “Benjamin”.” João Rebelo

Concurso O + E uropeu O dia 09 de Maio foi é a data que assinala o aniversário da histórica “Declaração Schuman”, apresentada em 1950 pelo então ministro francês dos Negócios Estrangeiros, Robert Schuman que propunha a criação de uma Europa organizada através de uma nova cooperação política, um requisito indispensável para a paz nos países europeus e foi assinalado de norte a sul de Portugal

com um leque de incitativas, desde colóquios e seminários, até concertos de música, exibições de filmes e a entrega do Prémio Jacques Delors. Na Cimeira de Milão de 1985, os Chefes de Estado e de Governo decidiram consagrar o dia 9 de maio como “Dia da Europa”. Os festejos e atividades deste dia proporcionam uma oportunidade de aproximação dos

cidadãos europeus ao conceito de europa unida e dos povos da União entre si. Tal como nos anos lectivos anteriores o grupo disciplinar de Geografia associouse a esta comemoração, desenvolvendo atividades de informação e sensibilização para a comunidade educativa, nomeadamente através de mais uma edição do concurso – O + Europeu – dirigido a todas as turmas de 2º e 3º ciclo e ainda para os CEF – Cursos de Educação e Formação. Esta iniciativa permite que os alunos coloquem em prática os conhecimentos adquiridos, sobre a União Europeia, nas aulas de Geografia.

Alunos e professores participarem com entusiasmo na iniciativa, demonstrando de forma unânime o seu contentamento pelo sucesso do concurso. Professora: Susana Lobo


06 Iniciativas

Jornal ‘O Vale’

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

AVALIAÇÃO PARTILHADA COM ” PASSERELLE” À MISTURA TURMA 7.9 APRENDE VOCABULÁRIO RELATIVO AO VESTUÁRIO E É AVALIADA PELA PROFESSORA E FAMILIARES

No final do ano letivo, o cansaço já se faz sentir, mas é necessário que as actividades e respetiva avaliação se façam. Assim, os alunos da 7.9 tiveram, no penúltimo dia de aulas, um desfile, com as roupas por eles escolhidas, com o objetivo de mostrarem aquilo que tinham aprendido inserido no tema “LA MODE”. Para que a atividade fosse encarada com responsabilidade, por parte dos alunos, foram convidados a Representante dos Encarregados de Educação e dois destes. Cada um dos alunos desfilou, indicando as peças de vestuário e calçado que tinham colocado e tudo isso EM FRANCÊS. Foi com grande alegria que todos , sem exceção, mostraram que podem fazer o que quiserem, desde que para isso se empenhem. Foi um momento engraçado e ao mesmo

tempo pedagógico. No final, como é normal em qualquer atividade, foi pedida a classificação aos convidados que, sem hesitarem atribuíram “6” a todos os alunos. Feitas as contas, a professora da disciplina atribuiu, como nota final “5”. E foi um”5” bem merecido! A turma e professora agradecem as presenças da Sra D. Carla Rodrigues e Dr Ulisses, os quais também participaram na

classificação dos alunos.

A Turma7.9

P L A Y FO R P E AC E

No dia 21 de maio, as turmas 5.2, 8.5 e alguns alunos da turma 6.4 tiveram o privilégio de participar numa iniciativa que a todos nos encheu de orgulho “Play for Peace”.

Este movimento pela paz contribuiu para que pensássemos, cada vez mais, que a paz deve prevalecer todos os dias, em todas as situações e em todos os momentos. Infelizmente, vivemos num período em que a guerra está constantemente em

palco! Guerra nas famílias, nos jovens, nas crianças, nos idosos… A participação nesta actividade levounos a pensar que pequenos gestos de carinho e de abertura ao diálogo poderão levar-nos a ter no futuro mais civismo.

Viva a paz!

Turma 8.5

D ia d o A r t e s ã o No dia 3 de maio o Núcleo das Artes Decorativas promoveu, na nossa escola, a comemoração do Dia do Artesão. Tivemos entre nós quatro artesãos que nos presentearam com demonstrações das técnicas utilizadas na realização dos seus trabalhos, entre elas cestaria, trabalhos em madeira e tapeçaria. Os alunos do núcleo participaram com a venda de artigos elaborados por eles e demonstraram as técnicas de fazer sabonetes e velas de óleo reciclado. Fica aqui o nosso agradecimento aos alunos da turma 1Smesa, que nos serviram um chá de ervas da

nossa escola, e aos alunos da turma 2Smesa que confecionaram umas deliciosas bolachas de manteiga. Esta atividade teve como objetivos: comemorar o “Dia do Artesão”; dar a conhecer as atividades de alguns artesãos do nosso Concelho; demonstrar algumas técnicas associadas às Artes Decorativas pelos artesãos convidados; reviver tradições legadas pelos nossos antepassados; promover o trabalho dos alunos e incentivar o uso das tradições.´ Manuela Torrinha e Vitor Machado


Jornal ‘O Vale’ Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Iniciativas

Julho 2013

Didáxis Formações Modulares

A Didáxis promoveu Formações Modulares Certificadas (FMC) de técnicas de manicura e pedicura, integradas na área de Cuidados de Beleza. Com o objetivo de possibilitar às formandas conhecimentos que lhes permitam uma carreira na área de estética, a ação de formação incidiu na aplicação de técnicas de tratamentos estéticos, com o recurso às novas tecnologias no tratamento e embelezamento de unhas. Durante as sessões, as formandas foram dotadas de conhecimentos sólidos sobre “ a anatomia das mãos e dos pés

e técnicas de manicura/pedicura que até então desconheciam”, refere Rosa Sá, formanda da ação de formação. Também Anabela Miranda considerou a formação “muito útil”, pois aprenderam imenso “sobre doenças das unhas e a saber avaliar situações que passavam despercebidas”. O curso correspondeu às expectativas das formandas que veem na formação uma mais-valia e consideram que lhes poderá proporcionar um futuro profissional nesta área, como refere Paula Fernandes, entre outras formandas. Um dos principais objetivos desta formação é, de facto,

07

possibilitar a criação de uma carreira profissional e satisfazer o interesse e curiosidade dos formandos pela área dos Cuidados de Beleza. É de salientar o dinamismo e bom ambiente em que as sessões decorreram, tendo as formandas revelado bastante interesse em frequentar os restantes módulos que se inserem nesta formação modular certificada: técnicas de depilação e técnicas de epilação. No caso de pretender frequentar ou obter alguma informação adicional contate-nos através dos números de telefone 252900456 (Riba de Ave) ou 252910106 (S. Cosme), ou através do nosso site www.didaxis.pt. Prof. Carlos Brandão

O Primeiro ano da E scolinha de F utsal da Didáxis

A Escolinha de Futsal foi criada este ano com o propósito de fornecer aos alunos da nossa escola uma opção de praticar o desporto de que gostam e fazer exercício físico fora das actividades letivas, mas no espaço escolar. A escola de futsal proporcionou a prática regular da actividade física aos 30 alunos que estiveram inscritos, promoveu o espirito de equipa e o sentido de pertença. Queremos que as famílias vejam a escola Cooperativa Vale S. Cosme como um local para os filhos prosseguirem estudos mas também onde se possam desenvolver

integralmente como indivíduos, temos como objectivos a existência de um sentido de pertença e a abertura da escola para a comunidade, que esta seja um local onde as famílias podem estar juntas e disfrutar de tempo de qualidade que tanto faz falta hoje em dia, desejamos que a escola seja a segunda casa dos nossos alunos. Temos de destacar para além, do elevado número de praticantes neste primeiro ano, o facto de a escolinha ter contado com uma participação entusiástica de um grupo de meninas, que todas as semanas estiveram com maiores ou menores dificuldades

a praticar na escola a sua modalidade desportiva de eleição. Queremos no próximo ano continuar a crescer, melhorar as condições e a organização da escolinha de Futsal, para que os nossos alunos disfrutem da escolinha na totalidade. Este ano pela primeira vez, foi realizado na nossa escola um torneio de Futsal no último dia de aulas, onde estiveram em actividade os alunos da escolinha de futsal. Não podemos esquecer e temos de agradecer o inestimável apoio para a compra de material para a escolinha de Futsal, dado

Participação na Feira Medieval de S. Martinho O Núcleo das Artes Decorativas e o Núcleo de Tapeçaria Bordada e Vestuário participaram na Feira Medieval de S. Martinho nos dias 11 e 12 de maio. A organização da feira colocou ao dispor do núcleo um espaço onde os alunos expuseram e venderam trabalhos realizados no núcleo. Esta atividade teve como objetivos: participar na “Feira Medieval de Vale S. Martinho”; dar a conhecer trabalhos realizados pelos nossos alunos; promover a nossa escola; vender produtos realizados pelos alunos; incentivar o uso das tradições e colaborar com o guarda-roupa do núcleo Tapeçaria Bordada e Vestuário. Manuela Torrinha e Vitor Machado

pela Associação de Pais da nossa escola, que sem dúvida tornou a escolinha de Futsal mais capaz para atingir os objectivos a que se propôs. Assim sendo queremos convidar os alunos da nossa escolinha de Futsal, para no início de Setembro fazerem a renovação da inscrição e queremos também convidar os que este ano não tiveram oportunidade de participar na festa do futsal, que se inscrevam no próximo Setembro. Saudações Desportivas Nuno Moinhos


08 Opinião

Jornal ‘O Vale’

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

E U SO U . . .

N

asci e, como manda a genética, saí baixinha, como os meus pais. Se o meio envolvente é o que esculpe psicologicamente as pessoas, então posso dizer que até tive sorte. Desde pequena que me conheço como sou agora, baixinha, gorda, de cabelo castanho estranhamente encaracolado e tenho uns olhos castanhos pequenos, ligeiramente míopes. O nariz grande, esse sim, é típica marca de família. Apesar de tudo, não me acho assustadoramente feia, mas também não tenho essa opinião sobre ninguém. Aparências nunca me magoaram os olhos, enquanto que às vezes certas personalidades me magoam a alma. Não sou uma pessoa de julgar os outros e tenho o defeito de, às vezes, os tolerar de mais, por pensar que talvez tenha o dever de aceitar as pessoas para ser aceite. Não gosto de estar zangada com ninguém nem de discutir furiosamente, a menos que seja criticamente preciso, mas faço de tudo para o evitar. Tenho um fascínio enorme pelo conhecimento do nosso planeta, pelas paisagens, pelas pessoas e pela variedade de tradições e costumes. O meu maior medo é crescer e aperceberme que não fui tão feliz como gostaria de ter sido. Ana Silva 10.1

T

alvez, não sei dos cinco qual foi o primeiro, mas não quero tornar isto chato para vocês, então falar-vos-ei do primeiro, o olfato. Considero-o o primeiro, talvez por ser o que mais me recordo. Na sala a brincar com os animais da quinta e aquele cheiro que vinha a esvoaçar pela cozinha fora. Era a comida que ela fazia. Lembro do cheiro do

trabalho do pai, cheiro intenso, forte,” mas de que eu gostava”.”Tinta”, “ diluentes” diziam eles. Sempre que lá entrava imaginava-me assim no futuro, a trabalhar numa oficina, com muitos carros. Vivi uma infância feliz. Não sei bem agora, mas provavelmente será a audição. Apesar de feliz e maravilhosa, na minha infância também houve tempo para ouvir umas lições, uns raspanetes devido às traquinices. Sempre ouvi com grande atenção os valores, as raízes de que hoje sou feito. A minha personalidade? Muito subjetivo… uns acham-me talvez arrogante, outros vaidosos, sempre com as manias da superioridade. Mas por mim, e sim, sou quem realmente interessa, sou simpático, sempre brincalhão, tentando pôr os outros a sorrir. A visão. As aparências, as ilusões. Quando olho no espelho, vejo um homem de 1,85m de altura, magrinho, muito fraco, loiro de olhos azuis. Não me considero propriamente feio, nem muito lindo, deixo que sejam eles a decidir este importante fator na mente deles, porque o intelecto sempre se sobressairá ao físico. Com a adolescência a passar, começa a despertar o paladar, este é o sentido talvez dos últimos a conseguires completar na sua verdadeira essência. O paladar do primeiro beijo apaixonado, o gosto amargo da desilusão, o gosto torrado do que poderias ter feito e não fizeste, o gosto das lágrimas que te escorrem dos olhos até à língua, mas também as doces alegrias do amor correspondido e o gosto a açúcar das gomas. E o ultimo. O tato, associado ao toque. Mas olho para o toque como algo que quero realizar, algo para agarrar, tocar, um objetivo, o sentido para o qual vivo! Tenho na mente grandes ambições. Ter filhos, emprego, uma mulher, mas neste momento, não é nada disso. Acho que 007 ou piloto de naves espaciais no mundo da brincadeira. Ainda não me encontrei, é algo

que quero fazer a longo prazo, e hoje o homem de 1,85m de altura, loiro de olhos azuis e intelectualmente desenvolvido prefere brincar aos escritores, e esperar que daqui a 70 anos vos volte a escrever a conclusão e o sentido da vida que descobri nesta longa jornada. Carlos Braga 10.1

E

u, Camões, me confesso. A minha vida, a minha obra, a minha época E AS MENTIRAS. Bom, na passada terça-feira, estava eu muito relaxado em casa sentado a minha nova cadeira que comprei no IKEA, quanto recebi um telefonema da minha querida irmã, a dizer que precisava que ficasse a fazer de “baby sitter” da minha sobrinha Maria. Fui então ai que reparei que nos seus livros de escola diziam enumeras mentiras e fofocas acerca da minha pessoa, e por isso decidi repor toda a verdade. Sei que podem achar estranho, o facto de estar a escrever esta autobiografia, mas a verdade é que nunca cheguei a morrer (como muitos o dizem).Reformei-me da minha vida de escritor e emigrei para os Estados Unidos, onde me encontro agora a trabalhar com o FMI. Apareceram-me cá em casa um dia destes e disseram “Luís, sabemos que deixas-te os portugueses e como tu sabes estão a passar uma daquelas crises valentes, precisamos de ti para os lixar a todos”. A princípio até recusei, mas como a minha reforma é bastante pequena, acabei por aceitar. Tenho neste momento 489 anos e, completarei os meus 450 no dia 24 de Março, dia em que nasci, dessa forma nasci em 1523, não entre 1524 e 1525 (como muitos o dizem). Sou um viciado em computadores, PlayStation e resistas cor-de-rosa, coisas que no Renascimento seria impossível de

ALUNOS DA 7.10 Pintam tela para Centro Social e Paroquial de Vale S. Cosme No dia 27 de junho, um representante dos E.E., o diretor de turma, a professora de Oficina de Expressões e uma aluna da turma 7.10 dirigiram-se ao Centro Social e Paroquial de Vale S. Cosme para entregar uma tela feita pelos alunos desta turma. O grupo contou com a simpática receção da Dra Inês Simões, diretora dos serviços do Centro, que o acompanhou até à área de geriatria onde a tela ficará colocada. Os alunos responsáveis pelo trabalho ficaram muito sensibilizados com esta iniciativa. O gesto foi sentido de modo especial por um desses alunos, uma vez que a avó frequentava o Centro, o que fez com que os alunos manifestassem a vontade de serem eles próprios a pintar a tela. Otília Loureiro e Vítor Fernandes

fazer, por esse motivo é que não gosto que digam que o Renascimento foi uma altura “angelical”, pois não o era. Continuo a levar vida de boémio, todas a noites que o Benfica joga, vou ao café e bebo umas cervejas com os amigos, mas não me meto em confusões, nem brigas (como muitos o dizem), até dizem que perdi o meu olho em Guerra contra os Mouros, na verdade perdi-o num clássico Porto vs Benfica. No café apostei com o Vasco que arrancava o olho se o meu Benfica perdesse, como perdeu tive de o arrancar, foi então que fiquei sem olho. A minha viagem com os portugueses para India, não foi para descoberta da maravilhosa India (como muitos o dizem), foi um tremendo retiro amoroso. Conheci a Mona Lisa, quando completei os meus 18 anos de idade. Mal a conheci, soube que iria ser minha esposa, digamos que foi “amor á primeira vista”, porém ela traiu-me com um tal de Leonardo da Vinci e um código secreto, que nunca cheguei a perceber bem. Por esta razão parti para me refugiar, e escrevi o célebre poema “ O amor é fogo que arde sem se ver, é ferida que dói e não se sente (…) “ , também “Os Lusiadas” que se tornaria o meu maior êxito mais tarde, tudo isto inspirado na minha musa, a Mona Lisa! Após o fim da viagem, fugi logo para os Estados Unidos, fingi a minha morte no dia 10 de Junho e até tive direito a dia nacional, sempre tive jeito para ator. Como me sentia sozinho e abandonado, liguei a Mona Lisa e disse “ Mona, volta para mim!”, ela aceito logo e fugimos então em busca de uma vida melhor. Somos felizes aqui, eu jogo PlayStation e ela cozinha! Agora que já sabem, toda a minha verdadeira historia, espero que digam as vossas “escolinhas” e “professorazinhas”, que não passo de um velho “cool” que gosta de jogar PlayStation e que vive às custa do estado português. Marta Antunes 10.1


Jornal ‘O Vale’ Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Iniciativas

Julho 2013

09

DIA DA FAMÍLIA

A Associação de Pais e Encarregados de Educação (APEE) da Escola Cooperativa Vale S.Cosme. em conjunto com a Direcção Pedagógica da Escola, comemorou o dia da família no dia 18 de Maio com um conjunto de atividades de lazer, informação e partilha, com o propósito de fomentar a vida em família, a base do sucesso dos todos os alunos, e de toda a comunidade escolar.

No dia 18 de Maio de 2013, celebrou-se o Dia da Família na Escola na Escola Cooperativa Vale S. Cosme. Associação de Pais e Encarregados de Educação (APEE) em conjunto com a Escola, desenvolveu todo um conjunto de atividades lúdicas, culturais, recreativas e desportivas. O objetivo do Projeto foi desenvolver um trabalho coletivo no ambiente escolar, destacando a importância da participação da família no processo de ensino-aprendizagem como parceiros e colaboradores, estimulando o desempenho satisfatório do aluno e fortalecendo a autoestima. O evento aconteceu dentro do recinto escolar, estendendose à parte de exterior da escola, caso da caminhada que se realizou fora da Escola. O Dia da Família contou com a participação de diversos convidados, entre eles, as enfermeiras Arminda e Enfermeira Lurdes do Centro de Saúde de Vila Nova de Famalicão responsáveis pelo Projeto “Saber beber”, o Ginásio FitnessUp na pessoa do Prof. Rogério Franco, instrutor e criador da disciplina de DanceUp, da Professora Mª João Drumond e das Responsáveis pelo Projeto “Mãos Limpas” Paula Ramos, Ana Mafalda Mesquita, Sara Marçal, três estudantes da Licenciatura de Ciências da Nutrição, O Dia da Família contou ainda com o apoio do Estagiário Profissional Rui Cruz, licenciado em Criminologia, responsável por um projecto a nível da Indisciplina na Escola. A atividade foi bem recebida por todos os participantes e todos se divertiram na caminhada que começou na freguesia de Pousada de Saramagos e se prolongou durante 2 horas e 30 minutos até ao recinto da Escola. Os participantes da caminhada contaram ainda com mais uma surpresa, que foram dois cavalos trazidos pela empresa NaturEquestre. Então, toda a gente que acompanhava a caminhada teve a hipótese de montar a cavalo desde elemento mais velho ate ao mais novo do grupo. Logo a seguir à caminhada, os convidados puderam disfrutar de uma sessão de alongamentos e relaxamento, em pequenos grupos, conduzida por uma fisioterapeuta da Clinica Esfera Saúde. O resto da manhã foi dedicado a palestras, à iniciativa “Saber Beber”, da Responsabilidade da Enfermeiras do Centro de saúde De V.N.F., que tem com principal objectivo a promoção de comportamentos saudáveis no que concerne ao consumo de bebidas alcoólicas. E ao projecto “Mãos Limpas”, que tem como principais objectivos: a abordagem

dos 4 passos essenciais para uma alimentação segura e as regras para uma correta lavagem das mãos. Logo de seguida, foi a hora do almoço, um almoço descontraído e que foi o momento para todas as famílias e organizadores conviverem um pouco. O almoço foi acompanhado pelo miniconcerto a cargo da professora Carla Neves e dos seus alunos que brindaram os convidados com alguns temas como “Desfado” de Ana Moura, “Imagine” John Lenon, “Sorte Grande” de João Só e Abandonados, e muitas mais musicas. A tarde começou com a aula de “Dance Fusion” orientada pelo Prof. Rogério Franco, que chamou atenção de grande parte dos participantes que acharam esta disciplina uma boa maneira de descontrair e iniciar as atividades da parte da tarde. As atividades continuaram com a “Caça ao Tesouro” que contou com uma adesão de todos os participantes que se juntaram em grupos e unindo-se em família e seguiram uma série de pistas para desvendar todos os mistérios que os levariam ao tão desejado Tesouro. No fim do dia, o Sr. Carlos Guerra, Presidente da APEE, fez os agradecimentos a todos os Colaboradores e Convidados, e deu a atividade como encerrada. No Dia 15 de maio de 2014, voltaremos com novas atividades! Rui Cruz

Participantes no Concerto Abertura: poema musicado -Sr. António Azevedo (recita o poema) -Prof. Carla Neves (acompanhamento em piano) Interpretação de dois temas: “Desfado” Ana Moura “Menina estás à janela” Interpretes: Catarina Azevedo (canta) Carlos Costa (toca e canta) Interpretação de vários temas: 1-“A pele que há em mim” Márcia com J.P. Simões 2- “Imagine” John Lenon 3- “Anzol” Rádio Macau 4- “Bubbly” Colbie Caillat 5- “Sorte Grande” Interpretes: - Daniel Carvalho (canta e toca guitarra) - Tânia Ferreira (canta e toca guitarra) - Ana Arantes (canta) - Ana Barbosa (canta) - Inês Silva (canta) - Margarida Santos (canta) - Maria Mesquita (canta) - Mara Pinto (canta) - Pedro Ferreira (canta) Interpretação de um tema: 1-“beneath your beautiful” Emeli Sandé e “Use Somebody” King of Leons Interpretes: - Frederico Correia (toca guitarra) - Izabella Silveira - Ana Arantes Interpretação de um tema 1-“Rei Leão” Interpretes: - Rita (flauta transversal) - Rosa (clarinete)

A APEE quer agradecer a todos, Alunos, Encarregados de Educação, Professores, Colaboradores da escola, Convidados e à Direção da Escola o empenho colocado na organização deste evento.


10 Visitas de Estudo

Jornal ‘O Vale’

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

Visita de Estudo ao Porto

Alunos visitam Museu do Papel Moeda No dia 12 de junho de 2013, as turmas do primeiro ano dos Cursos Profissionais de Técnico de Marketing e de Restauração, realizaram uma visita de estudo ao Museu do Papel Moeda, no Porto. Esta visita de estudo foi realizada no âmbito da disciplina de Economia. A missão deste museu é adquirir, conservar, expor e divulgar uma coleção de papel fiduciário português, enquanto símbolo de património e identidade nacional. Os alunos assistiram a um vídeo com a evolução da moeda. Seguidamente, realizaram uma visita guiada, pela Dra. Sónia, à Exposição de Papel-moeda. Esta exposição apresenta a história do dinheiro de papel enquanto património fiduciário português, com o fim de preservar os testemunhos da evolução económica, social e cultural de Portugal. A exposição é constituída por diversas coleções: apólices do Real Erário (a coleção apresenta um exemplar muito raro, uma apólice de 2.400 Reis de 1797 da primeira emissão do Empréstimo, único exemplar conhecido). E ainda notas de Portugal continental e ex-colónias, cheques, ações, lotarias, papel selado, letras e a mais completa coleção de cédulas que há em Portugal. Os alunos assistiram ainda a uma visualização pormenorizada de notas e moedas, na sala de parede interativa.

VISITA à Fundação Cupertino de Miranda em Vila Nova de Famalicão

O núcleo de estágio do mestrado em ensino de artes visuais (Facfil/Univ. Católica de Braga) da faculdade de filosofia da Universidade Católica realizou no passado dia 26 de Abril, sob a orientação da professora Maria Otília Loureiro (Didáxis Vale S, Cosme) uma visita de estudo com as turmas de trabalho à Fundação Cupertino de Miranda em Vila Nova de Famalicão. Esta possui um riquíssimo património artístico de arte moderna e contemporânea, com especial destaque para o surrealismo português. O evento possibilitou que os alunos conhecessem de perto o património da sua terra, permitindo a valorização da história e vida dos seus antepassados. Ao nível educativo o contacto com a arte para além de ser um fator motivacional, constitui um ponto de grande relevância para a educação integral do ser humano. Este mesmo tema é patente nos painéis de azulejo que revestem a torre principal, da autoria de Charters de Almeida (n. 1935).

No interior do edifício foi visitada a biblioteca especializada no movimento artístico surrealista. Aqui foi possível encontrar obras pessoais únicas de Cruzeiro Seixas, Ernesto Sampaio e Mário Cesariny. A visita prosseguiu no museu onde foi destacada entre outras a obra-prima do simbolismo português: o tríptico “A Vida” de António Carneiro. A finalizar a visita, os alunos inspirados por tudo o que tinham visto, experimentaram a técnica de pintura “Aquamoto” desenvolvida por Mário Cesariny. A técnica consiste em dois momentos, começa-se por realizar um desenho livre a tinta-da-china com pouca tinta. Depois de seca, faz-se um novo desenho ou mancha com bastante tinta no mesmo suporte. De seguida, a folha é submergida numa tina com água, dando origem uma gradação de cinzentos muito interessantes. A transformação da mancha pode ser controlada com o manuseamento da folha no interior da água. A atividade de carater experimental foi do agrado dos

alunos pois permite a total liberdade de expressão de uma forma rápida e simples. Este tipo de atividades constitui um grande contributo na construção da identidade de cada aluno, assentando num desenvolvimento abrangente e equilibrado, gerador de seres mais completos e capazes. Professora Orientadora | Maria Otília Loureiro Mestrandos | Filipe Ferreira | Hélder Machado


Jornal ‘O Vale’ Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Opinião

Julho 2013

11

Murilo Carvalho, O R a s t ro d o J a g u a r por ana

Nascido em Minas Gerais, Brasil, Murilo de Carvalho é jornalista e escritor e venceu, com O Rastro do Jaguar, a primeira Edição do Prémio Leya. Importa não nos impressionarmos com a dimensão robusta do livro; a verdade é que se lê de um só trago. O autor construiu a narrativa a partir de duas histórias-chave que poderiam ser consideradas individualmente, mas que, na obra, se cruzam e entrecruzaram numa dinâmica perfeita. Por um lado, a guerra travada entre o Paraguai e uma tríplice aliança que reuniu Brasil, Argentina e Uruguai – o mais relevante conflito da história da América do Sul, um continente que, como diz o autor, é “de muitas revoluções e poucas guerras”. Este conflito durou pouco mais de cinco anos (18641870) e traduziu-se numa destruição quase total do Paraguai: o país perdeu mais de metade da sua população (600 mil mortos, num total de 1 milhão) quase totalmente de origem guarani (e, nesse sentido, a guerra traduziu-se na dizimação de uma etnia), e viu “toda a sua infraestrutura destruída, incluindo a marinha, as indústrias e as fazendas. Sobraram, no país, praticamente, as mulheres, as crianças e os velhos. Toda a sua juventude foi destroçada. Até hoje o Paraguai não recuperou e mantém-se como um dos países mais pobres da América do Sul.” (nota inicial do autor) É essa população guarani que permite a ligação com a segunda estória: o relato narra a vida de um francês de origem índia (levado para França enquanto criança) e a procura deste pela sua identidade (“Saber quem somos é o início de uma caminhada. Aonde nos levará?”, p. 307), e pelos mitos que fazem a história de cada um de nós (“os responsáveis pela compreensão da natureza e, em última instância, pelo entendimento da

patrícia fernades

própria essência do homem”, p. 432). Essa procura leva-o à América [do Sul], palco de um dos maiores crimes praticados pela civilização europeia – a destruição dos povos indígenas por portugueses e espanhóis, que desde a sua chegada procuraram impor a sua religião, os seus costumes, a sua organização social e política. Crimes que perduraram por séculos, conduzindo ao quase total desaparecimento dos povos índios. O relato é feito na transição para o século XX e, por isso, todas as grandes questões que os intelectuais do século XIX colocaram, corporizando o espírito do romantismo, estão presentes: após o fracasso na concretização dos ideais da Revolução Francesa, o ‘Novo Mundo’ poderia significar a possibilidade de refletir sobre as certezas da civilização europeia – poderiam, afinal, existir outras formas de organização social igualmente legítimas? “Vinha com a esperança de que o novo homem que a Revolução Francesa não soubera ou não quisera criar poderia estar escondido ali, nas selvas, no coração de uma nação ainda em comunhão com as florestas, com os rios, com as montanhas.” (p. 223) Serão, porventura, ainda melhores do que as europeias, na medida em que assentam em ideias de respeito pela igualdade, comunhão com a natureza e liberdade natural? “O desejo de conhecer um povo cujas ideias sobre o mundo fossem mais puras e primitivas, sem talvez os vícios que a humanidade acumulara ao longo de sua história cultural.” (p. 254) Afinal, onde está a linha que traça a fronteira entre o que é ‘civilizado’ e o que é ‘selvagem’? Que sentido terá a vida se se resume a apenas “acordar cedo e ir para o campo, capinar para os colonos as plantas do milho, as roças de mandioca, as ervas estranhas como o arroz e o trigo; as frutas da uva e da manga; colher, ceifar, encher paióis

COMENIUS... .!

De

É com muita satisfação que venho anunciar a aprovação de dois projectos europeus para a nossa escola. Projetos estes que, espero eu, tragam um dinamismo diferente e inovador para todos. Em primeiro lugar vamos usufruir da companhia de um Assistente Comenius que vem da Turquia para trabalhar connosco, em Inglês, principalmente, mas que também poderá dar um “saltito” até às aulas de Espanhol. Este professor estará por cá durante cerca de quatro meses e vai trabalhar com alunos e professores do Departamento de Línguas Estrangeiras, mais de perto, e com toda a comunidade escolar de uma forma geral. No fim destes quatro meses estaremos todos, com certeza, mais ricos em termos de aprendizagem de uma cultura bem diferente da nossa. Temos que fazer jus à nossa fama e, acolhê-lo da melhor forma. Em segundo lugar venho também anunciar a aprovação de um projeto multilateral Comenius com o título “Only aware can act fair”. Subjacentes a este tema estão tópicos muito pertinentes e atuais como a sustentabilidade do mundo de trabalho, os direitos humanos, a consciencialização social e da justiça. Trata-se da construção de uma sociedade mais solidária

e silos, recolher a bosta dos cavalos e bois para cobrir a terra onde plantar sementes; comer, ao sol alto, o milho cozido e sem sabor no prato de angu com banana; esticar o corpo no escurecer, cansado e sem alegria, sem desejo de namorar a mulher, que dorme exausta na esteira.” (p. 182) É, de facto, o confronto entre duas visões distintas da vida: “Havia os brasileiros desejosos de construir seu país segundo o modelo herdado dos europeus; precisavam de território para instalar seus colonos, construir suas cidades, abrir estradas, implantar o que consideravam sua civilização. Havia os botocudos, senhores daquelas terras desde tempos imemoriais, que não aceitavam o tipo de civilização que os brancos europeus julgavam adequada; não compreendiam porque deveriam deixar de viver livres pela mata, sem povoações fixas, sem que tivessem obrigatoriamente, um território delimitado. Para quê cultivar roças e criar animais, se bastavam os pequenos campos de mandioca, as frutas que nasciam graciosamente nas árvores, a caça farta, os peixes do rio? De um lado, os brasileiros dispostos a enfiar alma adentro a crença cristã na salvação e no deus único; de outro, os botocudos, que não aceitavam a ideia de que existisse um criador distante das criaturas e que houvesse qualquer necessidade de esse criador vir expiar pecados que os homens, com certeza, não haviam cometido.” (p. 187) Infelizmente o projeto ‘civilizacional’ europeu demorou a questionar (ainda demora?) a sua autoridade: “À medida que vou compreendendo melhor esta língua e este povo, aumentam meus temores. Não há possibilidade de serem aceitos por esta sociedade moderna que, cada vez mais, reforça seus valores científicos e qualifica de superstição tudo aquilo que não consegue comprovar em seus laboratórios. E sabe o que significará isso? Os guarani não terão

espaço nessa sociedade científica, onde as leis da matemática e da física irão reinar absolutas.” (p. 339) E que ser humano é este que, em vez de um aperfeiçoamento gradual, parece repetir sempre os mesmos erros que o levam à guerra, à morte, à destruição de seus semelhantes? “Seríamos uma espécie que não dera certo na evolução da natureza? Qual o prazer de matar?” (p. 504) Estas são reflexões que valem a pena fazer, ainda mais hoje, quando vivemos um momento não só de crise económica e financeira, mas sobretudo cultural, social, civilizacional. Aonde nos trouxe a loucura desenfreada do modelo capitalista ocidental?! Ainda que as reflexões de Pereira, o narrador da história, acabem por resultar coerentes com o espírito romântico da época: “Eram apenas os mesmos homens perdidos em seus sonhos, enfraquecidos por inimigos mais poderosos: a triste condição humana.” (p. 417)

Edição Leya, 2009, pp. 563 (disponível em Ebook e Livro de Bolso preço económico)

volta à nossa escola e justa, o que evidentemente passará pelas mãos dos jovens de hoje. Este projecto vai envolver toda a comunidade escolar e destina-se a todos os alunos do secundário de Ciências e Tecnologias e Cursos Profissionais. Várias actividades terão que ser desenvolvidas e levadas a cabo por todos os alunos participantes tais como: mobilidades, artigos para o jornal, um flash mob, trabalhos de apresentação da nossa escola, acolhimento de colegas estrangeiros…. , enfim muito trabalho mas que será muito compensador. Conto com o vosso entusiasmo, alegria, espírito inovador, empreendedor e aberto, sentido de aventura e, de descoberta. E podem estar certos de que: se vão divertir, aprender muitas coisas novas fazer muitas amizades e abrir horizontes. Coordenadora de projectos Maria João Castro


12 Iniciativas

Jornal ‘O Vale’

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

“Super Férias” Um mês diferente na Didáxis Didáxis de S. cosme abre as portas nas férias

Objetivos Alimentar

cumpridos em colaboração com o

Banco

Foi um mês de aventuras, partilha, ensinamento, convívio, e várias emoções e vivências pessoais. Um mês na Didáxis de S. Cosme com 50 crianças e jovens que tiveram oportunidade de ter umas férias diferentes e de todos os dias, em colaboração com o Banco Alimentar, que assegurou as refeições, assim como a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão e a Didáxis. Segundo a coordenadora do projeto, Yolanda Machado, “foram dias divertidos e cansativos que se revelaram enriquecedores para todos os quanto colaboraram, desde dos alunos até aos professores e às diversas entidades. A semente está está semeada e espero que todos nos passamos sentir felizes por esta participação e colaboração.” O projeto contou com a colaboração imprescindível de uma equipa de voluntários, constituída na sua maioria por professores e pais, que colocam em prática toda a logística necessária. Ao longo de um mês tiveram oportunidade de participar em torneios de futebol, aulas de natação, hipismo, arte marcial e jiu-jitsu; participar em oficinas de artes onde se inclui a culinária, trabalhos manuais, informática, yoga, música, dança, teatro para além de uma ligação ao escutismo e diversos jogos educativos. As visitas ao exterior também fizeram parte do programa, nomeadamente a visita ao Regime de Cavalaria de Braga, o Estádio Axa e a quinta pedagógica de Barcelos.

Profundamente emocionada e agradecida por uma semana diferente proporcionada pela Didáxis, Yolanda Machado agradeceu a diversas pessoas com aos seus colegas; Manuela Torrinha , Quitéria , António , Paula Pereira , José Lima e a Jacinta que colaboraram mais diretamente com as crianças mas também à professora Marina, Eva, Joaquim ,Paula e Francisco Carvalho, Carlos Vale e a todos os funcionários e em especial aos da Secretaria aos e ainda a Pedro Reis Sá. Sem descurar ninguém a professora Yolanda agradece ainda à Drª Emília e ao Drº José Fernandes, para além dos jovens, das Mães ( Dª Beatriz e Dª Conceição ) as Monitoras ( Cátia e Catarina ) e as monitoras “ colaboradoras “ ( Elisa , Marlene , Rita e Catarina ) e monitores (André e Diogo). Um mês diferente para 50 crianças na Didáxis de S. Cosme.


Jornal ‘O Vale’ Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

Iniciativas

13

DIDÁXIS – S. COSME – Uma Escola com muitos pontos fortes

No sábado, dia 25 de maio, os pais e alunos do 9º ano foram desafiados pela Direção Pedagógica a passarem a tarde na escola, para, em conjunto com as Diretoras de Turma, as Psicólogas e os professores que habitualmente lecionam o Secundário Ciências e Tecnologias e os

Cursos Profissionais, refletirem sobre os pontos fortes que a DIDÁXIS S. Cosme oferece a todos aqueles que a escolherem para frequentar o Ensino Secundário. A receção foi feita por um grupo de alunos que cantaram e encantaram todos os presentes com a harmonia das suas vozes e a sua competência musical. De seguida, foi projetado um filme «DIDÁXIS S. Cosme – uma escola com muitos pontos fortes» onde foram realçados aspetos como a segurança, a proximidade com os alunos e as famílias, os espaços livres, a cultura do mérito e da excelência, a diversidade de percursos formativos e a competência e dedicação da equipa de professores, entre outros. No momento dedicado aos testemunhos, as ex alunas Carla Martins e Vanessa Claro falaram da sua feliz experiência enquanto alunas da DIDÁXIS S. Cosme e da competente preparação que receberam por parte dos professores e que lhes tem permitido encarar os desafios do ensino superior com confiança. A equipa de professores presentes disponibilizou - se para ajudar os pais e alunos a esclarecer as suas dúvidas e

para lhes transmitir confiança na escola e na competência dos professores que lecionam o ensino secundário. Este momento de conhecimento e aproximação aos professores do ensino secundário foi muito apreciado pelos pais e alunos, que agradeceram muito a disponibilidade. Após uma visita guiada aos espaços destinados aos cursos do Ensino Secundário (salas, laboratórios, oficinas, restaurante pedagógico…) todos os participantes foram presenteados com um magnífico lanche confecionado pelos alunos de Restauração. Esta iniciativa foi muito valorizada por todos aqueles que acederam ao convite e os pais e alunos sentiram que valeu a pena passar a tarde de sábado na escola com as atenções voltadas para o futuro e a nova etapa da vida dos seus filhos. A Direção Pedagógica quer agradecer a colaboração e empenho das Diretoras de Turma do 9º ano presentes, do Gabinete de Psicologia, dos alunos e professores de RESTAURAÇÃO, TEAC e COMÉRCIO, dos professores das diversas disciplinas do Secundário, da D. Célia, da professora Carla Neves e do grupo de cantores, das ex alunas Carla e Vanessa e de todos aqueles que, de alguma forma, colaboraram com esta iniciativa. Maria Emília Cardoso

6.ª FORMAÇÃO PARENTAL – M ais família M ais jovem

Fazendo face a um quotidiano cujas rotinas são cada vez mais exigentes, são muitas as famílias que necessitam de oportunidades de fortalecimento das suas competências no que diz respeito à parentalidade. Acreditando que pais competentes e por sua vez mais confiantes conseguem promover o desenvolvimento integral dos seus filhos, ajudando-os a serem mais felizes, a DIDÁXIS está a promover uma ação de formação baseada no Programa Mais Família Mais Jovem, cujos destinatários são um grupo de professores e psicólogas das duas Escolas da Cooperativa. Coordenada pela Professora Doutora Maria Filomena Gaspar, da Universidade de Coimbra, esta formação tem por objetivo dotar os formandos de competências no âmbito da formação parental, para, posteriormente, serem eles próprios coordenadores de ações de formação junto dos pais da nossa comunidade educativa. Para dar corpo a esta aposta na parentalidade, a DIDÁXIS S. Cosme, atendendo à solicitação da Câmara Municipal de Famalicão, tem realizado, desde 2008, formações parentais «Mais Família Mais Criança» e «Mais Família, Mais Jovem». Neste ano letivo, mais uma vez, os pais inscritos estão a receber ferramentas que os ajudem a serem mais seguros e competentes para lidarem com os desafios que os seus filhos adolescentes lhes colocam.

A formação decorre entre os dias 14 de maio e 2 de julho, às terças-feiras, das 19h00 às 22h00. As caraterísticas dos pais eficazes, o poder da atenção positiva e do elogio, a importância de definir regras e estabelecer limites, o bater, os problemas dos maus resultados escolares e das más companhias… são alguns dos assuntos abordados e refletidos pelo grupo participante na formação. Resta acrescentar que esta formação é ministrada em regime de voluntariado pelas professoras Emília Cardoso, Dália Liberato, Judite Fonseca, Gabriela Faria e Quitéria Campos. A Equipa da Parentalidade é ainda composta pelas professoras Fátima Passos, Susana Costa, Manuela Fonseca e Vitor Machado, que estão disponíveis para atendimentos individuais, sempre que os pais ou as famílias necessitem de algum apoio. No site da Escola, temos, ainda, um separador dedicado à Formação Parental para consulta dos interessados. A Equipa de Formação Parental


CARDOSO

14 Primeiro Plano

Neste ano letivo, o projeto «Uma escola com asas» voou ainda mais alto e atingiu um maior número de participantes. Alunos e acompanhantes dos 6º, 9º e 12º anos tiveram oportunidade de participar nas visitas de final de curso que a DIDÁXIS S. COSME organiza. Começando pelos mais pequeninos, entendemos que seria bom repetir a experiência do ano anterior e levamos os alunos do 6º ano à Galiza. Para além de servir para estreitar laços de companheirismo entre todos os alunos e Diretores de Turma e de contribuir para aumentar a sua autonomia, esta visita tinha também o objetivo de levar os alunos a perceberem melhor as ligações históricolinguísticas e afetivas existentes entre essa província espanhola e o Minho. Os alunos visitaram Santiago de Compostela, o maior centro de peregrinações da Idade Média, e

DIDÁXIS

Jornal ‘O Vale’

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

U ma E scola

depois rumaram a Sanxenxo e Portonovo, onde passaram a tarde, a noite e o dia seguinte, muito bem instalados no Hotel Cabicastro. O 9º ano passou uma semana em Madrid. Foi, igualmente, uma excelente oportunidade de crescimento e um bom ensaio de autonomia para os mais de cem alunos participantes. A capital espanhola é um local excelente para se organizar uma visita deste género pois reúne cultura, animação, desporto… Os alunos tiveram oportunidade de visitar um dos maiores museus de arte do mundo, o Museu do Prado, onde puderam apreciar quadros de grandes mestres mundiais da pintura como Velasquez, Rembrant, Goya, Bosh, El Greco, Murillo, Rubens, Ticiano, Brueghel, Durer, Botticelli, Caravaggio … entre muitos outros. Visitámos ainda o Palácio Real e o Palácio do Escorial, lugares importantes que perpetuam a memória da grandeza do passado do Império Espanhol. Mas uma das visitas mais apreciadas foi sem dúvida ao Estádio Santiago Bernabéu e ao Museu do Real Madrid, a equipa com mais títulos desportivos. Por último, registámos o maravilhoso dia passado no Parque de Diversões Warner Brothers onde os mais corajosos e destemidos tiveram oportunidade

de testar essas suas caraterísticas até ao limite, andando em todas as diversões radicais. O convívio entre alunos e professores acompanhantes foi muito bom e numa das noites procedemos à eleição da Miss e do Mister «DIDÁXIS em Madrid» cujos dignos vencedores foram a Catarina Azevedo da 9.4 e o Jorge Pinho da 9.2. Os outros alunos participantes no concurso também mereceram os nossos maiores aplausos. O projeto «Uma escola com asas» teve este ano a participação dos alunos finalistas do 12º ano de Ciências e Tecnologias e dos Profissionais. Finalmente, conseguimos que estes alunos esquecessem as visitas a Loret del Mar e locais afins e se interessassem por um projeto verdadeiramente audacioso e marcante na sua vida. A partir de um aluno da 12.2, o Marvin, foi possível reunir um grupo nunca imaginado de mais de 80 pessoas, entre alunos, professores, familiares e amigos, rumo ao Mediterrâneo no maravilhoso barco de Cruzeiros Liberty of the Seas da Royal Caribean. Os participantes visitaram Barcelona, Villefranche sur Mer, Mónaco, Roma, Civitavechia, Livorno e Florença, enriquecendo de uma forma extraordinária a sua cultura e alargando o seu conhecimento

Ano XXV

com

nº 90

Julho 2013

A sas

do mundo. Mas, naturalmente, o prato forte desta maravilhosa visita foi mesmo o navio que era uma autêntica cidade flutuante sobre as águas do Mediterrâneo, com restaurantes, discotecas, cafés, bares, teatros, salões de jogos, casino, lojas, avenidas, piscinas, solários, jacuzzis, campos de basquete, pistas de manutenção, piscina de ondas… enfim, um verdadeiro paraíso de diversão onde todos encontraram a melhor forma de passar essa semana extraordinária. Como balanço destas três visitas fica, mais uma vez, o registo do excelente comportamento dos nossos alunos. Ano após ano, sentimo-nos cada vez mais animados a prosseguir com este projeto pois temos consciência que estamos a proporcionar aos alunos participantes experiências muito marcantes cujas memórias felizes os acompanharão pela vida fora e ajudarão a cimentar o lugar especial que a DIDÁXIS S. Cosme ocupará para sempre nas suas vidas. Para o ano, se Deus quiser, o Projeto «Uma escola com asas» voará para novos destinos e com novos participantes, mas sempre com os mesmos objetivos a cumprir. Maria Emília Cardoso


Jornal ‘O Vale’ Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Primeiro Plano

Julho 2013

15

um projeto educativo partilhado Sendo a DIDÁXIS uma escola construída por todos quantos nela trabalham e estudam é também uma escola integradora e empenhada na construção de redes de colaboração e partilha. Os Delegados de Turma e os Representantes dos Encarregados de Educação continuam a ser os nossos parceiros privilegiados na concretização do nosso Projeto Educativo. Ano após ano, um grupo de alunos e um grupo de Pais disponibilizam-se para exercerem o cargo de representantes da sua turma. De uma forma generosa, esses alunos e EE colaboram com os Diretores de Turma e com a Escola no sentido de construírem um clima construtivo e positivo que propicie um ambiente educativo e humano facilitador do sucesso. A DIDÁXIS S. Cosme quer, mais uma vez, agradecer publicamente aos Delegados de Turma, Representantes dos EE e Diretores de Turma a importante colaboração na consecução do seu Projeto Educativo que se quer cada vez mais Partilhado por todos. Maria Emília Cardoso


16 Primeiro Plano

Jornal ‘O Vale’

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Dr. Leonel Rocha

em

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

Entrevista

vereador da educação da câmara municipal de vila nova de famalicão A Didáxis de S. Cosme contribui em larga escala para que Famalicão seja um “Bom Município para Estudar”...

O Vale: Dr Leonel Rocha agradecemos a sua disponibilidade para responder às nossas questões e para, dessa forma, se associar às comemorações dos 25 anos da DIDÁXIS-S. Cosme. Conhecendo tão bem a nossa escola e o meio em que ela está implantada, que importância atribui a este projeto educativo? Dr. Leonel Rocha: A Escola Cooperativa Didaxis de S. Cosme surgiu há 25 anos atrás com o intuito de colmatar uma lacuna de oferta educativa estatal no Vale do Este. Tal como é apanágio da Didáxis, a Escola que entretanto foi crescendo não se preocupou apenas em ser uma resposta a prazo, mas preocupou-se em ser uma excelente resposta educativa, preparando os cidadãos daquela zona concelhia e de muitos outros cidadãos que a procuraram para exercerem a sua cidadania ativa. Preocupou-se em construir um Projeto Educativo capaz de envolver todos os parceiros da sua zona de implantação, de forma a otimizar recursos e a complementar a educação formal das suas crianças e jovens com outras educações não formais. Preocupou-se em fazer boas relações de vizinhança com as outras escolas, sendo, por isso, um importante parceiro da Rede Local de Educação e Formação de Vila Nova de Famalicão, ao nível de todos os outros parceiros. Tal como acontece com as outras escolas do concelho, a Didáxis de S. Cosme contribui em larga escala para que Famalicão seja um “Bom Município para Estudar”.

O Vale: A Câmara Municipal de VNF tem uma política educativa com objetivos muito bem traçados. Como classifica o contributo da DIDÁXIS S. Cosme para a consecução desses objetivos? Dr. Leonel Rocha: Os objetivos principais da política Educativa do Município de Famalicão é conseguir o sucesso educativo de todos os alunos, ajudando-os a motivarse para a escola e para os melhores resultados possíveis, de forma a tirarem da escola e das outras aprendizagens complementares o necessário para que se tornem cidadãos ativos e com sucesso profissional e pessoal. Didáxis de S. Cosme tem sempre interpretou bem os desígnios preconizados pela Câmara e sempre defendeu tais objetivos, pois também são os seus. Como tal, foi sempre um contributo valioso e empenhado, com ações concretas e contínuas, para que o sucesso dos seus alunos seja alcançado. O Vale: Pode traçar-nos alguns cenários para o futuro da educação no município de Vila Nova de Famalicão? Dr. Leonel Rocha: Vila Nova de Famalicão, tal como o resto do país, está a enfrentar uma baixa de natalidade que, naturalmente, se vai repercutir nas escolas, com o abaixamento do número de alunos. Porém, com o trabalho que se desenvolveu no nosso Município, no âmbito da educação, da cultura, do desporto e das condições que proporcionam melhor qualidade de vida, acompanhado pelo empenho das nossas escolas na execução de um Projeto Educativo, com

vista a fazer de Famalicão uma referência educativa, tenho a certeza que seremos preferidos pelos alunos e pais que quiserem dar as melhores condições de estudo e de crescimento integral aos seus filhos. O trabalho em educação é essencialmente de semear… Quanto mais e melhor se semeia, melhores frutos se pode colher. Tendo em conta as “sementeiras educativas” que têm sido feitas por todos os agentes, estou convencido que vamos vencer, em Famalicão, as dificuldades que o país em geral está a enfrentar. Vou dar dois exemplos, a prepósito da educação no nosso concelho, que fazem de nós uma referência e uma atração: o ensino da música – com o ensino articulado proporcionado por duas academias e com a Escola Profissional Artística Artave, somos muito procurados e estamos a ser uma importante fonte dos cursos superiores de música e dos projetos musicais existentes em Portugal e no mundo; Ensino Profissional – com o trabalho que se foi desenvolvendo em rede, com a importância que se deu a este tipo de ensino, como sendo estratégico para o nosso concelho, temos a melhor rede de cursos profissionais e somos procurados por muitos alunos de fora de Famalicão. O futuro da educação do município está bem salvaguardado com o trabalho que os todos os parceiros educativos, incluindo a Câmara (entidade coordenadora da Rede Local e um motor que procura impulsionar e potenciar o que se faz de bem).


Jornal ‘O Vale’ Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

O Vale: A DIDÁXIS S. Cosme é uma escola que pertence ao universo do ensino particular e cooperativo com contrato de associação. Ao longo destes 25 anos de existência, sempre contou com o apoio da CMVNF para implementar o seu projeto educativo. No pressuposto de mantermos a preferência de muitos pais/EE, podemos continuar a contar com a CMVNF como nossa grande parceira? Dr. Leonel Rocha: Não tenho dúvidas que a instituição Câmara estará ao lado da Didáxis, como parceira educativa. Apenas posso garantir que o empenho, dedicação e apoio será, como até ao momento, incondicional, se a política educativa deste executivo tiver continuidade, a partir de 29 de setembro próximo.

O trabalho em educação é essencialmente de semear…

Primeiro Plano

17

Aveludado de Abóbora Número de porções: 10 pax Tempo de preparação. 30 min

O Vale: Para terminar, e agradecendo mais uma vez a sua disponibilidade, pedimos que enderece uma mensagem a toda a comunidade educativa da DIDÁXIS S. Cosme. Dr. Leonel Rocha: Desejo a toda a comunidade educativa da Didáxis de S. Cosme os parabéns pelas bodas de prata que está a celebrar e espero que, impulsionados por estas celebrações, continuem a dar o vosso importante contributo para fazermos de “Vila Nova de Famalicão uma Boa Escola”.

Método de confecção:

1. Colocar a panela ao lume; 2. Adicionar 0,150 gramas de manteiga; 3. Juntar 1.500 gramas de abóbora aos cubos; 4. Deixar refogar; 5. Adicionar água ou caldo; 6. Juntar 1 grama de farinha de arroz; 7. Mexer bem; 8. Temperar com sal; 9. Deixar cozer; 10. Passar por mix ou chinês; 11. Deixar ferver; 12. Retirar do lume e reservar; 13. Juntar gemas, natas e mexer.

Montagem do prato:

1. Cortar os pimentos em cubos pequenos e picar bem a salsa: 2. Colocar a sopa no prato e adicionar os pimentos e a salsa ao gosto de cada um. Turma 1.TR


18 Opinião

Jornal ‘O Vale’

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

FIRST LEGO LEAGUE: “UM DESPORTO PARA A MENTE” A Faculdade de Engenharia da Universidade Católica Portuguesa (FEUCP) recebeu o torneio nacional da First Lego League no passado dia 22 de Junho. O torneio faz parte de um programa mundial que impulsiona jovens dos 9 aos 16 anos a desenvolverem soluções robótica inovadoras para melhorar a qualidade de vida da população. Este projeto tem como objetivo entusiasmar as crianças para a ciência, tecnologia e engenharia. Este ano, a edição nacional conta com o apoio da FEUCP, LEGO, Portugal-Didactico, Multislide, SAPO, SUMOL+COMPAL e BlastingFM. Senior Solutions é a temática de 2013. O desafio é desenvolver soluções inovadoras que melhorem a qualidade de vida a idosos, otimizando algo que já exista, usando algo que existe de uma nova maneira ou inventando algo completamente novo, utilizando materiais LEGO MINDSTORMS para projetar, construir e programar robots. Na sua primeira participação neste evento, os alunos da Didáxis de Vale São Cosme brilharam com a conquista de 2 troféus. O primeiro e segundo lugar para Troféu Espírito de Equipa e Valores da FLL. Criada em 1998, a FLL conta a nível mundial com a participação de 170.000 crianças, provenientes de 59 países.

D idá x i s t e m R o b ó t i c a

como disciplina oferta de escola A Faculdade de Engenharia da Universidade Católica Portuguesa (FEUCP) recebeu o torneio nacional da First Lego League no passado dia 22 de Junho. O torneio faz parte de um programa mundial que impulsiona jovens dos 9 aos 16 anos a desenvolverem soluções robótica inovadoras para melhorar a qualidade de vida da população. Este projeto tem como objetivo entusiasmar as crianças para a ciência, tecnologia e engenharia. Este ano, a edição nacional conta com o apoio da FEUCP, LEGO, Portugal-Didactico, Multislide, SAPO, SUMOL+COMPAL e BlastingFM. Senior Solutions é a temática de 2013. O desafio é desenvolver soluções inovadoras que melhorem a qualidade de vida a idosos, otimizando algo que já exista, usando algo que existe de uma nova maneira ou inventando algo completamente novo, utilizando materiais LEGO MINDSTORMS para projetar, construir e programar robots. Na sua primeira participação neste evento, os alunos da Didáxis de Vale São Cosme brilharam com a conquista de 2 troféus. O primeiro e segundo lugar para Troféu Espírito de Equipa e Valores da FLL. Criada em 1998, a FLL conta a nível mundial com a participação de 170.000 crianças, provenientes de 59 países. Professor orientador do Projeto, Rui Cancelinha.

Texto de opinião O aumento da indisciplina nas salas de aula evidencia a falta de motivação dos alunos em aprender, mas pode também resultar da adoção menos profícua e indicar-nos uma escolha menos correta de metodologias de ensino. O processo de motivação parte, pois, do princípio de que existe uma necessidade (motivo) que desencadeie uma ação, dandolhe direção para alcançar um objetivo. Motivar, etimologicamente, significa provocar atividade no indivíduo. O processo que se desenvolve no interior do indivíduo e o impulsiona a agir, mental ou fisicamente, em função de um objetivo. Sempre que o aluno está motivado, encontra-se disposto a despender esforços para alcançar os objetivos. Quanto mais se está motivado, maior é a atividade e mais produtiva. Assim, a indisciplina observada hoje nas escolas está, provavelmente, relacionada com a falta de motivação dos alunos. Os alunos estão numa sala de aula e não compreendem bem para que servem os conteúdos abordados. Neste seguimento, um professor capaz de motivar os seus alunos, levando-os a envolver-se pelos assuntos ou atividades da aula, também deverá aprender a valorizar

A indisciplina na sala de aula

esse processo e a levar o aluno a ter gosto pelas ações realizadas à medida que o conhecimento vai sendo adquirido. Devese salientar que o elogio, pode produzir um efeito eficaz na motivação, pois consiste num reforço positivo a respeito do desempenho do aluno. O professor regula o nível de motivação dos alunos através da escolha das atividades propostas e também dos processos de avaliação e informações sobre o desempenho dos alunos nas atividades realizadas. Por isso, se o professor quiser promover a motivação, deve planear tarefas adequadas ao aluno, isto é, atividades que ofereçam perspetivas de êxito com esforço médio. Se a tarefa é difícil demais para o aluno, não será possível estabelecer metas que sejam razoavelmente atingíveis e não será possível atribuir o fracasso à falta de esforço, que estará diretamente relacionada à falta de capacidade, gerando sentimentos de incompetência, insegurança, ansiedade e frustração. Por outro lado, a realização de desafios mais fáceis favorece a perceção de autoeficácia nas fases iniciais da aquisição de novas habilidades, mas, posteriormente, se for mantido o baixo nível de dificuldade

das tarefas apresentadas, elas deixam de representar um desafio, podendo trazer prejuízos à motivação. Sendo a motivação dos alunos muito importante, na escolha da estratégia do professor, então a sua avaliação deve ter em conta uma definição de tarefas que contenham partes relativamente fáceis para todos e partes mais difíceis, que possam ser atendidas somente pelos melhores; com isso, todos têm desafios e todos têm capacidade de executar; ter em atenção diferentes ritmos de aprendizagem; propor actividades suplementares, de enriquecimento e interesse; permitir que, por vezes, os alunos possam escolher o tipo de tarefa; permitir que cada um siga seu ritmo próprio, sem qualquer pressão para que todos concluam juntos; e alternar trabalhos individuais com trabalhos em pequenos grupos. Em jeito de conclusão, a aprendizagem processar-se-á em melhores condições se o aluno considerar o conhecimento ou a tarefa útil, se conseguir prever que obterá êxito, estimulando seus sentimentos de competência e eficácia e se a realização da atividade produzir alguma satisfação pessoal.

Como docente tenho-me debruçado e refletido sobre este assunto e sinto que cada vez mais os alunos têm comportamentos inadequados e perturbadores, o que se repercute num sucesso pouco significativo. Por vezes é difícil promover a atenção e o gosto em aprender, pois os alunos revelam-se pouco empenhados. Tenho consciência que o grande desafio do professor é conseguir que os alunos se sintam motivados para aprender e, assim, prevenir a indisciplina, promovendo na sala de aula um ambiente que facilite o respeito entre colegas e que consigam envolver-se ativamente e com entusiasmo nas atividades propostas que exijam concentração e esforço para aprender. Esta deve ser uma preocupação constante de um docente, tentar proporcionar um ambiente agradável e de entreajuda para que os alunos se envolvam no seu ato de aprendizagem e ganhem estímulo em alcançar o sucesso escolar, valorizando as pequenas tarefas escolares e o empenho destes alunos.


Jornal ‘O Vale’ Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

Publicidade

19


20 Línguas Estrangeiras

Jornal ‘O Vale’

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

II EDIÇÃO CONJUNTA DO FESTIVAL DA CANÇÃO TEVE LUGAR NA ESCOLA DIDÁXIS EM RIBA DE AVE M U IT O “ G L A M O U R ” E Q U A L I D A D E D O S C A N D I D A T O S P A RTI C I P A N TE S O F ERE C ER A M N O ITE M U S I C A L I N E S Q U E C Í V E L Batiam as 9 horas, do dia 31 de maio, e os últimos acordes faziam-se ressoar pelo magnífico cenário, todo ele centralizado em redor do “Espelho d’água”, como que a chamar os muitos espectadores que, mais uma vez, não quiseram perder o magnífico espetáculo que, pela segunda vez, foi promovido pelos Departamentos de Línguas Estrangeiras, das duas escolas da Didáxis. À hora marcada, a Dra Irene Alferes tomou a palavra para dar as boas vindas a todos os presentes, incentivando os participantes, que estavam nervosos, mas devidamente vestidos para o certame, a darem o melhor de si. Antes da entrada dos concorrentes em palco, tivemos o prazer de ouvir o Coro da Didáxis de Riba d’Ave, devidamente ensaiado pelo professor Manuel Afonso. “Imagine”, de John Lennon, foi interpretado pelo Daniel Carvalho, da Escola de S. Cosme, que aliás também fez o acompanhamento musical. Seguiram-se-lhe Catarina Castro e Andreia Martins, da Escola de Riba d’Ave, com o tema “This is me”, tendo como acompanhantes musicais, os colegas Luís Gonçalves; Joana Rodrigues; Inês Machado; Patrícia Costa; Inês Malheiro; Luís Lopes e Nuno Lopes. “Dynamit”, de China Anne Mcclain, foi interpretado por Ana Rita Barbosa, acompanhada pelo Daniel Carvalho, ambos da escola de S.Cosme. “Unfaithful”, de Rihanna, foi um tema bastante aplaudido. As intérpretes foram Andreia Fernandes e Margarida Soares, que se fizeram acompanhar por uma autêntica banda musical, constituída por alunos de Riba de Ave. “Everytime we touch”, de Cascada, foi defendida pelas alunas Inês Gomes e Ana Ribeiro, acompanhadas pelos colegas, nos instrumentos, Nuno Cunha, Joana Rodrigues, Inês Malheiro, Ana Silva, Bruna Duarte, Luís Lopes e Nuno Alves. O festival seguiu sempre com grandes aplausos da parte do público, com o tema “Killing Me Softly”, de Roberta Flack, interpretado pela aluna Tânia Ferreira que também fez o respetivo acompanhamento musical. “Heaven”, de B. Adams, interpretado pelo aluno José Rios, acompanhado pelos já citados músicos de serviço, que mostraram a toda comunidade, ao longo da noite, como se toca. “Real All About it”, de Emeli Sandé teve como intérprete Ana Merlim, que se fez acompanhar pelos colegas músicos, Rui Mesquita e João Rebelo, da Escola de S. Cosme. “Sweet Dreams”, de Marilym Manson, coube à Joana Osório, que fez uma grande

prestação, com este tema de difícil interpretação. E, propositadamente para o fim do texto, ficaram as três prestações mais votados e as mais apreciadas pelo júri, tendo ganho o terceiro prémio, “Secrets” de One Republic, cuja intérprete, Isabella Silveira, foi acompanhada pelo músico Frederico Correia, ambos da Escola de S.Cosme. O segundo prémio foi atribuído ao tema “My Immortal”, de Evanescence, interpretado pela aluna Ana Rita Machado, de Riba d’Ave, acompanhada pelos músicos João Maurício, Patrícia Costa, Inês Malheiro, Ana Silva, Bruna Duarte, Luís Lopes e Nuno Alves, e que presenteou o público com uma prestação melodiosa, onde foram notórios os grandes dotes de cantora da Ana Rita. O primeiro lugar foi arrebatado pela aluna da Escola de S. Cosme, Sofia Costa, acompanhada pelo aluno Rafael Pereira, que defendeu, com toda a garra um tema em francês, “Qui je suis” de Caroline Costa, de difícil execução, mas que não lhe causou qualquer receio. Foi uma cantora serena, onde a melodia se conjugou com a bela língua de Baudelaire. Para abrilhantar ainda mais a noite, assistiu-se, enquanto o júri decidia, a duas danças de salão executadas pelos alunos de S. Cosme, Margarida Araújo e Gil Veloso. Para o evento foram convidados como júri do certame, o Professor Orlando Grossegesse, Diretor da BabeliUM, da Universidade do Minho, como Presidente, a Dra Irene Alferes e a Dra Emília Cardoso, das Direções Pedagógicas das escolas da Didáxis, o Sr. António Azevedo, da Associação de Pais de S. Cosme, o Sr. Paulo Faro, um Encarregado de Educação de S.Cosme, e José Pedro Pereira, um aluno da Escola de Riba de Ave. A apresentação da atividade esteve a cargo das alunas Ana Patrícia Freitas, em francês, da turma 8.1, da Escola de Riba de Ave, e Maria Inês Rocha, em inglês, da turma 8º7, da Escola de S. Cosme. Todos os participantes receberam Certificados de Participação, sendo que ao primeiro classificado foi atribuído um cavaquinho e livros ao segundo e terceiro lugares. Aos três premiados foi, ainda, oferecido um curso de línguas na BabeliUM -Centro de Línguas –“Verão das Línguas”, em julho de 2013, a realizar na Universidade do Minho. O Evento foi encerrado pelo Diretor Pedagógico da Escola de S. Cosme, Dr Alcino Faria, que elogiou todos os participantes, agradecendo ao júri e à organização. Esta a cargo das Coordenadoras dos Departamentos de Línguas Estrangeiras das duas escolas, professoras Odília Silva, da Escola de S. Cosme, e Maria de Fátima Azevedo, de

Riba de Ave, que contaram com a preciosa colaboração dos Departamentos de Expressões Artísticas, da Escola de Riba de Ave, e Expressões e Tecnologias da Escola de S. Cosme. “Foi, sem dúvida, uma parceria de sucesso entre as duas escolas da Didáxis, a que se pretende dar continuidade…”palavras da Coordenadora do Departamento de Línguas Estrangeiras da Escola de S. Cosme, professora Odília Silva, que aproveita o ensejo para agradecer a todos quantos contribuíram para o êxito desta iniciativa.


Jornal ‘O Vale’ Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

FESTIVAL DA CANÇÃO

Testemunhos das Alunas que Arrebataram os Três Primeiros

“Embora tenha sido a segunda vez consecutiva que participei neste concurso, este ano, surpreendendo muita gente, cantei em Francês. Foi um grande desafio para mim. Com a ajuda e colaboração da minha professora de Francês, Dra Odília Silva, que escolheu a canção e me ajudou na pronúncia, da professora de música, Dra Carla Neves, para o arranjo musical e ainda do colega Rafael Pereira que me acompanhou na guitarra clássica, apresentei-me então, no Festival da Canção em Riba d’Ave. Um grande obrigada, aos meus amigos e família que, como sempre, me apoiaram, mais uma vez. Parabéns a todos os participantes! Foi uma noite fantástica, graças a todos vocês!”

Sofia Costa, 1ºlugar (turma 8º8, Didáxis de S.Cosme)

“Participar no Festival da Canção das Línguas Estrangeiras foi extraordinário. Lembrar-me-ei deste evento, durante muitos anos, quiçá para sempre. Desde que começaram os ensaios até ao último segundo do espetáculo, adorei imenso. Espero que esta atividade não acabe e se realize por muitos anos. Agradeço ao professor Manuel Afonso que sempre me ajudou na parte vocal e aos meus colegas que me acompanharam na parte instrumental. Para mim a música é tudo e não poderia viver sem ela.”

nº 90

Línguas Estrangeiras

Julho 2013

21

CIN E E s p a ñ ol No passado dia 15 de maio decorreu a atividade “Cine Español” na sala de eventos. Esta atividade foi organizada pela turma 9.5, com a participação das turmas 10.2 e 11.2 com a apresentação de curtas-metragens e da turma 9.7 que assistiu à apresentação e entrega dos prémios. Os alunos destas turmas prepararam, ao longo do 2º período, algumas curtas-metragens, das quais só 4 chegaram à final: “Los españoles”, da turma 10.2, “Huéspedes inesperados”, também da turma 10.2, “Los mafiosos”, da turma 11.2 e “La casa de los hombres” da turma 11.2. Apesar de só terem chegado estas 4 à final, estão todos os participantes de parabéns pelas curtas-metragens apresentadas, uma vez que todas evidenciaram bastante empenho e qualidade. Na final, o júri constituído pelos alunos Maria Miguel Carvalho (9.5), Telmo Rocha (9.5), Miguel Mendes (9.5) e André Marinho (9.5) elegeram as curtas-metragens “Los españoles ” da turma 10.2 e “La casa de los hombres” da turma 11.2. Toda esta cerimónia esteve a cargo da turma 9.5 que a preparou com todo o entusiasmo e dedicação. ¡Enhorabuena a todos!

Ana Rita Machado, 2ºlugar (turma 8º1, Didáxis de Riba d’Ave)

“O Festival significou, acima de tudo, uma intensificação das minhas capacidades e da minha união com a turma. Este evento demoveu o meu ser a um aumento potencial das minhas capacidades através da possibilidade do autoconhecimento, bem como da aquisição de novas experiências, mas também me mostrou o quão bonito são as relações humanas e a amizade, pois pude presenciar o apoio e a dedicação de todas as maravilhosas pessoas que torceram por mim. Desta forma, consegui ter a perceção do que é realmente importante para ser feliz.”

Isabella Silveira, 3ºlugar (turma 10º1, Didáxis de S.Cosme)

ENGLISH CLUB promove 5 O’CLOCK TEA O English Club organizou, no dia 20 de maio, um 5 o’clock tea. O chá, acompanhado de sumos e bolos sortidos, foi servido no início da reunião da Direção Pedagógica com os Diretores de Turma e os Representantes dos Pais/ Encarregados de Educação, que se realizou na sala de eventos da nossa escola. Durante o chá, os membros do núcleo brindaram os presentes com a interpretação, acompanhada à flauta, de três músicas inglesas: “Big World”, “No woman no cry”, e “Englishman in New York”. O English Club aproveita para dar os parabéns aos membros do núcleo pelo bom trabalho realizado e para agradecer à Professora Emília Cardoso pelo apoio dado à atividade, aos Professores Paula Pereira e Vítor Fernandes por terem ajudado a preparar os alunos, à Professora Maria José Reina pela decoração do espaço e à D. Célia pela colaboração prestada. A Responsável pelo English Club Eduarda Garcia Fernandes


22 Saúde

Jornal ‘O Vale’

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

Promoção e Educação para a Saúde

N

a Escola Cooperativa de Vale S. Cosme, as atividades desenvolvidas no âmbito da Promoção e Educação para a Saúde têm tido presente a visão da mesma referenciada na Carta de Ottawa - o processo que visa aumentar a capacidade dos indivíduos e das comunidades para controlarem a sua saúde, no sentido de a melhorar. Sabemos que a prevenção e/ou redução de problemas de saúde crónicos, relacionados com o consumo de substâncias nocivas, com a transmissão de agentes patogénicos, com hábitos alimentares e de atividade física deficitários, pode ser conseguida através de programas de saúde escolar. Estes programas devem, na medida do possível, ser da responsabilidade de todos os agentes educativos. Pretendemos que os actores adultos deste processo sejam mediadores, orientadores, facilitadores da integração/ aplicação de saberes, da área da saúde, que se querem

Operação Mãos Limpas O projeto tem dois objectivos, que se interligam e abrangem toda a comunidade escolar da Didaxis Vale de S. Cosme. São eles, promover o conhecimento científico na área da microbiologia e aumentar os níveis de higiene dos nossos alunos e comunidade educativa. Pretende-se ainda promover: - o conhecimento científico na área da microbiologia, realizando trabalhos de campo e ensaios laboratoriais; - o aumento da prevalência do hábito de lavar as mãos depois de utilizar a casa de banho e antes do almoço; - o conhecimento da técnica de lavagem de mãos; - o reconhecimento que as mãos podem ser um veículo de transmissão de microrganismos; - o reconecimento da importância da higiene pessoal na manipulação dos alimentos.

w w w

.

componente fundamental naquele que é o projecto global da formação dos nossos jovens ao longo do seu percurso escolar - motivo pelo qual a formação de professsores e restantes funcionários tem sido uma constante neste processo. Este processo que tem como objetivo dotar os jovens do tão almejado “empowerment”, ou seja, da consciência do poder que têm sobre a sua saúde individual e da capacidade para a melhorar, não será bem sucedido se não for implementado em parceria com as famílias dos nossos alunos. Estamos conscientes do papel fundamental dos Encarregados de Educação no êxito da implementação de programas educativos. O envolvimento das famílias, porque permite às escolas uma aproximação de valores evitando ruturas culturais que prejudicam a aprendizagem é, por isso, prioritário. Atualmente a ECVSC tem como temas centrais, a serem trabalhados com recurso a programas criados e coordenados pela ARS Norte e implementados com a articulação das

PRESSE Programa Regional de Educação Sexual em Saúde Escolar Este programa destina-se a todos os alunos, professores, funcionários e encarregados de educação. No contexto PRESSE, são trabalhados os seguintes temas: afectividade, género, assertividade, auto-estima, higiene corporal, sexualidade e puberdade, reprodução humana, VIH-SIDA e outras IST. (mais informação em http://portal.arsnorte. min-saude.pt/portal/page/portal/presse )

equipas de Saúde Escolar, a educação sexual, a prevenção do tabagismo, e a alimentação através, respectivamente, dos programas PRESSE (programa regional de educação sexual em saúde escolar), PELT (projecto escolas livres de tabaco) e PASSE (programa alimentação saudável em saúde escolar). Servem os presentes programas de promoção de saúde (cada um com a sua metodologia e momentos de avaliação definidos) como linha condutora e facilitadores da acção do Diretor de Turma e respetiva equipa pedagógica no âmbito de diferentes áreas da Saúde. Durante este ano letivo, teve ainda início um projeto de promoção de hábitos de higiene – Operação Mãos Limpas – em resultado de uma candidatura da Associação de Pais e Encarregados de Educação ao concurso “Pais com Ciência” da Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica (Ciência Viva).

Prof. Maria João Drumond

GIA Gabinete de Informação e Apoio ao Aluno O Gabinete de Informação e Apoio ao Aluno é um espaço onde todos os alunos podem consultar informação adequada à sua idade e com rigor científico no âmbito da educação para a saúde e da educação sexual assegurado por profissionais com formação nesta área. Os alunos contam, de acordo com o horário afixado na porta do gabinete, com a presença de professores e/ou enfermeiras que dinamizam este espaço de acordo com a legislação em vigor, estabelecendo parcerías com os serviços necessários para que os alunos encontrem resposta adequada às suas dúvidas e/ou problemas.

didaxis.

o r g


Jornal ‘O Vale’ Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Saúde

Julho 2013

23

Promoção e Educação para a Saúde

PELT Programa Escolas Livres de Tabaco

Tendo como público alvo os alunos do 3º ciclo (este ano envolveu apenas as tumas de 7º ano) é um programa que visa incluir a prevenção e controlo do tabagismo no curricula escolar, promover a cessação tabágica junto da comunidade escolar, formar os professores em tabagismo, e dotar os alunos de competências para a adopção de estilos de vida saudáveis.

PASSE Programa Alimentação Saudável em Saúde Escolar

O PASSE é um rograma de promoção de hábitos limentares saudáveis que tem em conta não só o sentido de mudança dos conhecimentos e comportamentos dos alunos, mas também as 5 dimensões das escolas promotoras da saúde: organizacional, curricular,psicossocial, ecológica e comunitária. Na ECVSC o PASSE tem sido implementado nas suas dimensões organizacional e ecológica,, trabalhando-se essencialmente a oferta alimentar. (mais informação em http://www.passe.com.pt/)

Núcleo

de

Dança

Não Posso Adiar o Amor Não posso adiar o amor para outro século não posso ainda que o grito sufoque na garganta ainda que o ódio estale e crepite e arda sob montanhas cinzentas e montanhas cinzentas Não posso adiar este abraço que é uma arma de dois gumes amor e ódio Não posso adiar ainda que a noite pese séculos sobre as costas e a aurora indecisa demore não posso adiar para outro século a minha vida nem o rneu amor nem o meu grito de libertação Não posso adiar o coração António Ramos Rosa (1924-2013), in “Viagem Através de uma Nebulosa”

O núcleo de dança começou no dia 23/04/2013. Todas as aulas que fizemos foram uma diversão, onde todos os nossos amigos nos ajudaram tal como o professor. O professor ensinou-nos uma dança muito engraçada e feita só para nós. A dança não só é fixe como também é divertida, mas é muito mais divertida quando dançamos juntos e com alegria. Neste núcleo não só aprendemos a dançar como aprendemos que não podemos desistir à primeira, mas sim tentar até conseguir obter os nossos objetivos.

Não só aprendemos isso como também aprendemos tudo sobre a dança e conhecemos novos colegas. A dança que o professor nos ensinou apresentamola na sexta-feira dia 14/06/2013 no pavilhão da escola. Um pouco nervosas apresentamos a dança, foi divertido e conseguimos que a dança fosse um sucesso. Convidamos todos os colegas da escola a participar neste núcleo. Trabalho realizado por: Susana Faria-Turma 5.1. Jéssica Aguiar-Turma 5.1.


24 Xadrez

X

Jornal ‘O Vale’ Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

ADREZ

Bruno Gomes C ampeão D istrital A bsoluto de xadrez !

A mais importante prova do calendário distrital 2012/2013, Campeonato Distrital Individual Absoluto de Braga, iniciou-se no dia 25 de maio, em Guimarães na Escola EB 2,3 João de Meira, e prolongou-se até ao dia 15 de junho, na Escola Cooperativa Vale S. Cosme-Didáxis, com a realização de uma jornada dupla (6ª sessão e 7ª sessão).

Contando com a participação dos 22 melhores atletas do Distrito, após a realização das 7 sessões previstas, o grande destaque vai para o jovem atleta Bruno Gomes que veste as cores do NXVSCDidáxis que obteve 6,5 pontos em 7 possíveis, com uma performance invicta! Desta forma, Bruno Gomes, atual Vice-Campeão Distrital Absoluto, conquistou o maior Título Distrital Absoluto Individual de Xadrez pela segunda vez depois de o ter conquistado há duas épocas! Nas duas últimas sessões, Bruno Gomes não deu qualquer hipótese à concorrência com duas vitórias convincentes perante os

seus colegas de equipa Carlos Marco Pereira e Rui Pedro Gomes, respectivamente. O NXVSC-Didáxis mostrou o seu domínio avassalador neste torneio, ao posicionar quatro atletas nos cinco lugares cimeiros na tabela classificativa: Luís Romano sagrou-se Vice-Campeão Distrital a escasso meio ponto da liderança; Ivo Dias e Carlos Marco Pereira ocuparam o 4º e 5º lugares, respectivamente. José Monteiro (Grupo Desportivo Recreativo Amigos de Urgeses) ocupou o 3º lugar do pódio obtendo 5 vitórias e averbando apenas 2 derrotas com o 1º e 2º classificados. A delegação do NXVSC-Didáxis foi constituída por mais 3

atletas: Rui Pedro Gomes (4 pontos; 7º lugar), João Romano (3,5 pontos; 10º lugar) e Carlos Azevedo (20º lugar; 2 pontos). De sublinhar que este torneio foi o corolário de muito trabalho dos atletas do NXVSC-Didáxis, nomeadamente dos treinos ministrados às sextas à noite que visaram uma preparação adequada para os campeonatos que decorreram ao longo da época desportiva 2012/2013. Mais informações: http://www.chessresults.com/tnr102082.

CAMPEONATO DE JOVENS SEMI-RÁPIDAS POR EQUIPAS NXVSC - DIDAXIS SAGRA-SE CAMPEÃO NACIONAL A Federação Portuguesa de Xadrez, em cooperação com a Academia de Xadrez do Instituto Pedro Hispano-Soure, organizou mais uma prova para o Calendário Nacional de 2012/2013: o Campeonato Nacional de Jovens, Sub-08 a Sub-20, de Partidas Semi-Rápidas por Equipas. Este evento realizou-se no Pavilhão Municipal de Alfarelos/Granja do Ulmeiro com a presença de cerca de 130 jovens jogadores nos escalões dos Sub-08 aos Sub-20 em representação de 10 clubes nacionais, num total de 27 equipas. O Núcleo de Xadrez Vale S. Cosme-Didáxis fez-se representar por três equipas: uma equipa na competição que reuniu os atletas mais jovens, até aos 12 anos, e duas equipas no campeonato mais competitivo que reuniu atletas com idades compreendidas entre 13 e 20 anos.Foi com grande satisfação que o NXVSC-Didáxis,vincou a sua superioridade ao conquistar o título coletivo no escalão Sub-14 a Sub-20 com uma performance 100% vitoriosa: 7 vitórias em 7 sessões disputadas! A equipa A do NXVSC-Didáxis foi constituída por: Luís Silva, Inês Machado Oliveira, Ivo

Dias e Rui Pedro Gomes. A equipa B do NXVSCDidáxis lutou até à ultima sessão por um lugar no pódio, mas uma derrota por 3-1, com a equipa da Academia de Xadrez António Mamede Diogo (sagrou-se Vice-Campeã Nacional), ditou que se classificasse em 9º lugar. Mariana Silva; , António José Ribeiro, João Romano e Pedro Ferreira foram os atletas que formaram a equipa B. No Campeonato, por Equipas, que reuniu os atletas dos escalões de Sub-08 a Sub-12, o NXVSC-Didáxis posicionou-se, também, em 9º lugar após uma derrota por 3-1 com a primeira equipa da AssociaçãoAcadémica de Coimbra A equipa mais jovem do NXVSC-Didáxis foi constituída por: Alice Machado Oliveira, Inês Silva, Simão Barroso e Luís Amorim. A grande vencedora neste torneio foi a primeira equipa do Clube de Xadrez do Colégio Português.

Ataque ao roque (Jogam as Brancas) DIAGRAMA 04

DIAGRAMA 02

DIAGRAMA 03

DIAGRAMA 06

Soluções: Para o diagrama 1: [ 1.Bxh7+,Rxh7 ; 2.Dh5+,Rg8 ; 3.Bxg7,f6 ; 4.Dh8+,Rf7 ; 5.Bxf8,Bxf8 ; 6.Dh5 ] Para o diagrama 2: [ 1.Cxd5,Cf6 ; 2.Cxe7+,Dxe7 ; 3.Dh4,Dd6 ; 4.Tae1,Bg4 ; 5.Te7,Tfe8 ; 6.Bxf6 ] Para o diagrama 3: [ 1.Cxc5,Ta7 ; 2.Ce6+,Re8 ; 3.Tg8+,Rf7 ; 4.Dg6+ ] Para o diagrama 4: [ 1.Txf6+,Re8 ; 2.Tf8+,Rd7 ; 3.Txd8+,Txd8 ; 4.Dg5,Rc8 ; 5.Cxe7+ ] Para o diagrama 5: [ 1.Bxh7+,Rf8 ; 2.Txf7+,Rxf7 ; 3.Dh5+,Rf8 ; 4.Cf4,Df5 ; 5.Tf1 ] Para o diagrama 6: [ 1.Dxh5,gxh5 ; 2.Bh7++ ]

DIAGRAMA 01

DIAGRAMA 05


Jornal ‘O Vale’ Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

X

ADREZ

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

Xadrez

25

NÚCLEO DE XADREZ VALE S. COSME

FINAL FOUR DA TAÇA PORTUGAL DE XADREZ N X V S C - D I D Á X IS SON H O U COM A F INAL ACA D EMIA D E X A D RE Z D E G AIA V EN C E C ATE G ORICAMENTE

A 35ª edição da Taça de Portugal por Equipas referente à época 2012/2013, teve no passado fim de semana, nos dias 18 e 19 de maio de 2013, a realização da Final Four, composta pelos dois jogos das Meias-Finais e da Final. Este evento é considerado o segundo mais importante do calendário competitivo coletivo, depois da 1ª Divisão Nacional por Equipas-Fase Final. Desta forma, no passado fim-de-semana, Vila Nova de Famalicão foi a capital do Xadrez Nacional, contando este Campeonato com a organização do Núcleo de Xadrez Vale S. Cosme - Didáxis e da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão. As eliminatórias tiveram lugar na Casa do Território, situada no Parque da Devesa, constituindo-se como um equipamento cultural e inovador do município famalicense. No dia 18 de maio decorreu a Meia-Final, às 15 horas, cujo o sorteio ditou os encontros entre as equipas da Academia de Xadrez de Gaia e Clube dos Galitos; NXVSC-Didáxis e Clube TAP (Lisboa). No primeiro encontro da Meia-Final a equipa gaiense cilindrou por expressivos 4-0 a jovem equipa aveirense dos Galitos vincando, mais uma vez, o favoritismo desde o início desta competição! No se-

gundo encontro da Meia-Final, após três horas e meia de jogo, a equipa da “casa”, NXVSC-Didáxis, contrariou o favoritismo nos dois primeiros tabuleiros dos Mestres da TAP: Luís Silva e Bruno Gomes empataram com o Mestre Fide, Vasco Diogo, e o Mestre Nacional, Pedro Rego, respetivamente. Na meia hora seguinte, continuaram a viver-se fortes emoções até ao último minuto em que uma vitória de António Silva (NXVSC-Didáxis), no quarto tabuleiro, perante Pedro Martins (Clube TAP), ainda fez sonhar a jovem equipa famalicense com o acesso à “desejada final”… No entanto, os “nervos de aço” de Bruno Andrade (Clube TAP) foram determinantes garantindo uma vitória diante a jovem mestre famalicense WCM Inês Machado Oliveira, igualando a eliminatória em 2-2, e assegurando à equipa lisboeta a passagem à Final da Taça de Portugal de Xadrez por vitória num tabuleiro superior! No dia 19 de maio, às 15 horas, decorreu a Final e mais uma vez o resultado desta eliminatória foi determinado nos terceiro e quarto tabuleiros: os Mestres da TAP contrariaram o favoritismo dos Mestres da AXG com dois empates nos dois primeiros tabuleiros (MI Ruben Pereira empatou com MF Vasco Diogo e MI Manuel Pena empatou com o

MN Pedro Rego). Bruno Andrade e Pedro Martins do Clube TAP não conseguiram contrariar a supremacia dos Mestres Internacionais António Fróis e Roberto Paramos fixando-se o resultado final em 3-1 a favor da equipa gaiense! A Academia de Xadrez de Gaia sagrou-se vencedora da 35ª edição, voltando a vencer esta competição que lhe fugia desde 2006, somando o seu 4º título, frente a um Clube TAP que procurava a sua primeira vitória nesta competição. Na cerimónia de encerramento foi enaltecido de forma consensual o elevado nível de organização que caracterizou o evento Final Four da XXXV Taça de Portugal de Xadrez e contou com a presença do Professor responsável do NXVSC-Didáxis, Mário Oliveira, do Presidente da Direção Administrativa da Cooperativa de Ensino da Didáxis, José Fernandes, do Presidente da Federação Portuguesa de Xadrez, Francisco Castro e do Vereador da Educação e Deporto da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Leonel Rocha.

T A Ç A D E PORTUG A L 2 0 1 2 / 2 0 1 3 NXVSC - DIDÁXIS NOS 1/16 AVOS DE FINAL

Integrado no Programa da organização do evento Final Four da Taça Portugal de Xadrez, decorreu, na manhã de 19 de maio, o I Torneio de Rápidas no Vale do Xadrez, aberto a jogadores federados e não federados. Este Torneio constituiu uma oportunidade única dos jovens atletas do distrito de Braga terem a possibilidade de defrontarem e conviverem com Mestres do “jogo das 64 casas”. Nas sete sessões animadas por um convívio saudável entre os 30 atletas participantes, o Mestre Nacional Pedro Rego (Clube TAP) não deu hipótese à “concorrência” posicionando-se em 1º lugar isolado (6,5 pontos) de forma convincente! A escasso meio ponto da liderança, posicionou-se Simão Pintor (Grupo Desportivo Dias Ferreira) com apenas uma derrota (6 pontos). O 3º lugar foi ocupado por quatro atletas que obtiveram 5 pontos e ficaram ordenados da seguinte forma, de acordo com os critérios de desempate: Luís Romano (NXVSC-Didáxis), Luís Silva (NXVSC-Didáxis), José Monteiro (Grupo Desportivo Recreativo de Urgeses) e Ivo Dias (NXVSC-Didáxis). A grande vencedora na categoria feminina foi Inês Silva (NXVSC-Didáxis) e em 2º e 3º lugares femininos classificaram-se Mariana Silva (NXVSCDidáxis) e Rosa Martins (Clube de Xadrez Afonsino). Finalmente os vencedores por escalão foram: Sub-08, Beatriz Oliveira (NXVSC-Didáxis); Sub-10, André Cardoso (NXVSC-Didáxis); Sub-12, Simão Barroso (NXVSC-Didáxis); Sub-14, Carlos Azevedo (NXVSC-Didáxis); Sub-16, Ivo Dias (NXVSC-Didáxis); Sub-18, Nuno Marques (NXVSCDidáxis) e Sub-20, Pedro Ferreira (NXVSC-Didáxis).

A cerimónia de encerramento contou com a presença do Presidente da Direção Pedagógica da Didáxis – Vale S. Cosme, Alcino Faria, bem como, da Vice-Presidente da Direção Pedagógica, Emília Cardoso e do Presidente da Associação de Xadrez do Distrito de Braga, Carlos Dias. No final, todos foram unânimes ao considerarem que os Torneios Escolares de Xadrez têm rasgado horizontes, fomentado partilha de experiências e sensibilizando a comunidade escolar para a pertinência desta atividade desportiva no livre, harmonioso e integral desenvolvimento da personalidade dos alunos e, consequentemente, no desenvolvimento da sociedade. Alcino Faria enalteceu no seu discurso “o apoio da Camara Municipal de Vila Nova de Famalicão e da associação de Pais e Encarregados de Educação da DidáxisVale S.Cosme, o empenho dos professores responsáveis do NXVSC-Didáxis, alunos do curso profissional 3.TM que elaboraram um pin alusivo ao evento Final Four da Taça Portugal de Xadrez, aos alunos do 2º ano do Curso de Educação e Formação Serviço de Mesa e Encarregados de Educação que contribuíram decisivamente para a consecução desta atividade que se saldou num enorme sucesso”!

A Câmara Municipal de Vila Nova de Famlicão homenageou a jovem equipa famalicense pelo título nacional coletivo (1ª Divisão-Fase Apuramento) conquistado na presente época desportiva! Parabéns!

O professor responsável pelo NXVSC - Didáxis: Mário Oliveira.


26 Matemática DID Á XI S C AMPEONATO i n t e r - e sc o l a s

Jornal ‘O Vale’

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

III CAMPEONATO INTER-ESCOLAS O Sucesso Repete-se!

A Equipa do Projeto Escola Virtual da Porto Editora e a Didáxis-Cooperativa de Ensino de Riba de Ave organizaram, no dia 14 de junho, o III Campeonato Inter-Escolas da Didáxis, ao qual os alunos da Didáxis – Escola Cooperativa de Ensino de Vale S. Cosme se deslocaram a Riba de Ave para participarem no mesmo campeonato. Dividido em duas competições, nas disciplinas de Matemática e Língua Portuguesa, o torneio visava a melhoria da qualidade da aprendizagem nestas áreas e constituiu o culminar de todo o trabalho desenvolvido pelos professores e alunos da Cooperativa de Ensino Didáxis, ao longo do terceiro período letivo. Durante uma manhã, cerca de três centenas de alunos das duas Escolas da Didáxis colocaram em prática os conhecimentos de Matemática e Português realizando uma prova com recurso às tecnologias, mais precisamente na Plataforma da Escola Virtual da Porto Editora. Estas provas eram compostas por 10 níveis, com tempo limite para a resolução das mesmas, procurando estimular nos jovens o saber pensar em ambas as disciplinas. Depois da realização das mesmas deu-se a cerimónia da entrega dos prémios. Neste evento contou inclusive com a participação de Alcino Faria, Presidente da Direção Pedagógica de Vale S. Cosme, e de José Lopes, Vice-Presidente

Matemática em Jogo 2013 Realizou-se no passado dia 30 de maio, na Escola Cooperativa de Vale S. Cosme, uma das quatro semifinais do campeonato “Matemática em jogo” organizado pela Câmara Municipal de V. N. de Famalicão em colaboração com a Didáxis-Vale S. Cosme. Num saudável ambiente competitivo, os alunos do 4º ano, do 1º ciclo das Escolas do Agrupamento D. Maria II, mostraram os frutos dos treinos desenvolvidos ao longo do ano letivo. Foram selecionados para a final a realizar no dia 6 de junho, os alunos:

Semáforo 1º Daniela Silva – EB1 Lagarinhos 2º Joana Santos – EB1 Carvalho 3º Afonso Faria – EB1 Estrada 4º Rafael Lima – EB1 Arnoso Santa Eulália

da Direção Pedagógica de Riba de Ave. Esta deixou um agradecimento à Porto Editora pelo empenho e dedicação num projeto de educação, cujo objetivo é disponibilizar a toda a comunidade educativa métodos de estudo e acompanhamento mais atrativos e eficazes, focados para o sucesso escolar dos alunos.

D ida xis S. C osme O rganizou F ase P reliminar Pontos e Quadrados 1º Ricardo Pereira – EB1 Mões 2º João Almeida – EB1 Requião 3º Pedro Carneiro – EB1 Lagarinhos 4º Sara Pereira – EB1 São Cosme Ouri 1º Leonor Oliveira – EB1 Gavião 2º Maria Bastos – EB1 Mões 3º Ana Raquel Araújo – EB1 Arnoso Santa Eulália 4º José Silva – EB Louro/Mouquim


Jornal ‘O Vale’ Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Canguru

Ano XXV

nº 90

Matemática

Julho 2013

Nacional 2013

Matemático

Alunos da Didáxis destacam-se pelo quarto ano consecutivo a nível nacional

220 alunos da Escola Cooperativa Vale S.

Cosme – Didáxis participaram no passado mês de abril no Concurso Canguru Matemático Sem Fronteiras que assume um caráter internacional, na medida em que é uma das atividades da Associação Canguru Sem Fronteiras, que reúne personalidades do Mundo da Matemática de 46 países. Este evento consiste numa única prova de escolha múltipla com cinco categorias, de acordo com as idades dos alunos: Escolar (5º e 6º anos), Benjamim (7º e 8º anos), Cadete (9º ano), Júnior (10º e 11º anos) e Estudante (12º ano). O nível de dificuldade em cada prova aumenta ao longo dos três grupos de questões, mas, em simultâneo, pretende-se que os alunos aumentem também o seu interesse e percebam que conseguir resolver os problemas propostos é uma conquista pessoal muito recompensadora. A organização deste concurso, em Portugal, está a cargo do Departamento de Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra com o apoio da Sociedade Portuguesa de Matemática. Foi com satisfação que o Departamento de Matemática da Didáxis - Vale S. Cosme tem a honra de tornar público que o aluno Luís Fernandes (12º ano da turma 2) sagrouse Vice-Campeão Nacional da mais alta categoria, Estudante-12º ano em 447 participantes! De realçar, também, que mais 4 alunos do 12º ano se classificaram no top-20 nacional: Rui Mesquita (12.1, 3º lugar), Luís Silva (12.2, 7º lugar), Marta Sampaio (12.1, 10º lugar) e Paulo Dinis (12.1, 14º lugar). No escalão Júnior, que contou com 3095 alunos participantes, o grande destaque foi o 16º lugar nacional obtido pela aluna Bárbara Passos da turma 2 do 10º ano.

Na categoria Cadete, é de destacar o 64º lugar nacional (5535 participantes) obtido pelo vencedor na Fase Escola, alcançado por Bruno Rocha (9.7). Duarte Oliveira (8.3) classificou-se em 104º lugar em 16589 participantes na categoria Benjamim e João Antunes (6.8) posicionou-se num brilhante 11º lugar (26 909 participantes)! A Associação Canguru sem Fronteiras tem como objetivo promover a divulgação da matemática elementar por todos os meios ao seu alcance e, em particular, pela organização anual do Concurso Canguru Matemático sem Fronteiras, que terá lugar no mesmo dia em todos os países participantes. Pretende-se, deste modo, estimular e motivar o maior número possível de alunos para a matemática e é um complemento a outras atividades, tais como Olimpíadas da Matemática. O Concurso “Canguru Matemático” contribui para a popularização e promoção da matemática nos jovens.

27

CAMPEONATO NACIONAL DA I DIVISÃOFASE APURAMENTO NXVSC-DIDAXIS VENCE TÍTULO COLETIVO

Decorreu no passado fim de semana as duas últimas sessões do 55º Campeonato Nacional da I-Fase Apuramento, II e III Divisões por Equipas no formato concentrado em Matosinhos ( 2ª Divisão - Série A, 3ª Divisão - Série A, 3ª Divisão - Série B e 3ª Divisão - Série C), Torres Novas (-2ª Divisão - Série B, 3ª Divisão - Série D), Barreiro (2ª Divisão - Série D, 3ª Divisão - Série F e 3ª Divisão - Série G) e finalmente em Sintra ( 1ª Divisão - Fase de Apuramento, 2ª Divisão - Série C e 3ª Divisão - Série E). A segunda e terceira equipas do NXVSC-Didáxis com a manutenção já assegurada na 3ª Divisão Nacional-Série A brilhou nas duas últimas jornadas com duas vitórias e, desta forma, asseguraram o 2º e o 3º lugares, obtendo 15 e 14 pontos, respetivamente. O grande vencedor desta série foi a equipa B do Grupo Desportivo Recreativo de Urgeses (17 pontos). No entanto, as atenções estavam todas voltadas para Sintra, pois a primeira equipa do NXVSC-Didáxis , a duas sessões do final do Campeonato, estava classificado em 4º lugar, mas com a ambição de conseguir o apuramento para o Campeonato Nacional Coletivo da I Divisão-Fase Final: as duas primeiras equipas classificadas garantiam o “passaporte” na próxima época escaquística… No sábado, 6ª sessão, após vitórias brilhantes do capitão Bruno Gomes, 2º tabuleiro, perante o Mestre Nacional Carlos Carneiro (Escola Profissional de Gaia) e Ivo Dias, 4º tabuleiro, a Miguel Ferreira (Escola Profissional de Gaia). No 1º tabuleiro, bastou a Luís Silva empatar diante o Mestre Nacional José Alves dos Santos (Escola Profissional de Gaia) para confirmar a vitória por 2,5-1,5 à equipa gaiense, que era líder do Campeonato (a WCM Inês Machado Oliveira perdeu com o jovem promissor gaiense José Margarido). Para domingo, 7ª e última sessão, com outros resultados surpresa a acontecerem na 6ª sessão, entre os 8 clubes participantes, estavam classificadas em 1º lugar cinco equipas: Escola Profissional de Gaia, NXVSC-Didáxis, Clube EDP, AC Luís de Camões e Grupo de Xadrez do Porto!... Perante o Sport Operário Marinhense, o NXVSC-Didáxis confirmou o seu favoritismo com duas vitórias cruciais de Bruno Gomes (a Carlos Nobre) e da WCM Inês Machado Oliveira (a Miguel Oliveira) no 2º e 3º tabuleiros, respetivamente. Ivo Dias, no 4º tabuleiro, numa jornada de fortes emoções foi derrotado por Ricardo Oliveira… Com a necessidade de depender apenas de si para assegurar o apuramento, o 1º tabuleiro do NXVSCDidáxis, Luís Silva, revelou toda a sua mestria e frieza no “jogo das 64 casas” com uma vitória contundente a Daniel Silva e fechando, desta forma, o resultado a favor da jovem equipa famalicense por 3-1! Desta forma, beneficiando de melhor coeficiente de desempate, o NXVSC-Didáxis conquistou o título coletivo de CAMPEÃO NACIONAL DA I DIVISÃO NACIONAL DE XADREZ-FASE APURAMENTO! Contando com nove anos de existência, esta é sem dúvida a maior conquista alcançada pelo jovem clube famalicense, constituindo mais um feito inédito para o NXVSC-Didáxis: um clube Escolar de Xadrez (vertente federada) formado, essencialmente, por alunos e ex-alunos, Encarregados de Educação e Professores da Didáxis-Vale S. Cosme! O professor responsável pelo NXVSC - Didáxis: Mário Oliveira.


28 Iniciativas

Jornal ‘O Vale’

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

DIDÁXIS 6º Ano consecutivo na fi n a l Na c i o n a l F 1 i n s c h o o l s a EQUIPA

Na passada quinta e sexta-feira, Vila Nova de Famalicão foi o palco nacional da final do projeto “F1 in Schools Fórmula 1 nas Escolas”, promovido pelo Citeve. A final decorreu na sede do agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco. O F1 in Schools é considerado o maior projeto pedagógico e de empreendedorismo jovem do mundo, relacionado com a inovação e engenharia, envolvendo mais de 9 milhões de alunos. Trata-se de um desafio multidisciplinar, no qual estudantes com idades entre os 9 e os 19 anos correm com miniaturas de automóveis de F1 construídos em madeira balsa e propulsionados a ar. O desafio inspira os estudantes a utilizarem novas tecnologias para a aprendizagem de física, aerodinâmica, conceção, construção, desenvolvimento de marcas, grafismo, patrocínios, marketing, trabalho de equipa/liderança, competências de comunicação e estratégia financeira, “aplicando-os de forma prática, imaginativa, competitiva e entusiasmante”. Na final nacional, estiveram em competição 15 equipas, representando cerca de 100 jovens dos concelhos de Cantanhede, Fafe, Famalicão, Leiria, Marinha Grande, Paredes, Porto, Gaia e Viseu. A Didáxis Escola Cooperativa Vale São Cosme esteve representada pela equipa NHSports, composta pelos alunos Diogo Monteiro, Marco Costa, Nuno Araújo e Pedro Almeida, do curso Técnico Profissional de Eletrónica Automação e Computadores. Que este ano participaram pela primeira vez neste desafio É de realçar o empenho e a motivação que os alunos da nossa Escola tiveram neste projeto. A fina mundial desta competição, será realizada em Houston (Texas), nos Estados Unidos da América. Professor orientador do Projeto, Rui Cancelinha.

A Equipa, com cinco alunos do Curso Técnico Profissional de Automação e Computadores, vai representar a Didáxis V. S. Cosme na Final Nacional do projeto “F1 in schools” . A equipa construi um carro de Formula 1 em miniatura que é movido por uma pequena botija de hidrogénio colocada na traseira do carro, que foi o mais rápido na final regional do CITEVE. O projeto envolve outras áreas, a estratégia de marketing, a construção de um portefólio e a criação de um stand. Os “NG TEAM” (Marco Costa, Marco Faria, Nuno Araújo, Pedro Rodrigues e Pedro Almeida), ficaram classificados em 3º Lugar na final regional do “F1 in schools” competição que envolveu 15 equipas, do norte do país. É a primeira vez que esta equipa participa e com um saldo muito positivo. O projeto “F1 in scools” está inserido no Pense Industria e destina-se a estudantes com idades entre os 9 e 19 anos de idade. Decorre nas horas não letivas e pretende impulsionar os alunos para a utilização das tecnologias e parra a aprendizagem da Física, assim como a construção e desenvolvimento de marcas. Por outro lado, o trabalho em equipa, a liderança, a comunicação e a estratégia financeira são também áreas que os alunos abordam e nas quais têm de trabalhar. Cada equipa têm de criar uma identidade e avançar com o design do protótipo, para a aerodinâmica e modelação tridimensional, havendo também a etapa da maquinagem. Depois disto, segue-se a pintura, construção, por fim, a corrida. Professor orientador do Projeto, Rui Cancelinha.


Jornal ‘O Vale’ Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

Iniciativas

29

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES E TECNOLOGIAS promove

Integrado nas comemorações dos 25 anos da Escola Didáxis, de Vale de S. Cosme, teve lugar, no passado dia 29 de maio, mais uma iniciativa deste Departamento, sob a coordenação da professora Otília Loureiro. O tema muito apelativo, motivou os alunos, que inspirados pela data que, ora, se comemora, trouxeram para as telas a cor, o acontecimento marcante, a nível nacional, associando-o a cada um dos anos vividos na nossa Escola. Assim, o dia 29 de maio foi o escolhido para a apresentação dos trabalhos realizados pelos alunos. O Departamento de Expressões e Tecnologias abriu à comunidade educativa a exposição subordinada ao tema

CONCURSO DE PINTURA “25 anos – 25 acontecimentos”. Esta iniciativa contou ainda com uma participação musical e instrumental, levada a cargo pelos nossos talentosos alunos, sob a orientação das professoras Carla Neves e Paula Pereira. No decorrer desta abertura solene, pudemos contar com as presenças das direcções Pedagógica e Administrativa da escola e com as sempre prestigiantes colaborações do Sr.º Vereador da Cultura, Dr. Paulo Cunha, o representante da associação de pais, Sr. António Silva. Os professores e alunos associaram-se a esta iniciativa, tornando-a mais enriquecedora, com a massa humana que se desenhou. No final do evento, foram atribuídos prémios aos alunos que apresentaram os melhores trabalhos de pintura “25 anos – 25 acontecimentos”. 2º ciclo : 1º prémio João Miguel da turma 6º7 2º prémio Sofia Morais da turma 5º2 3º prémio Mariana Veloso da turma 6º6 3 ciclo: 1º prémio: Sofia Costa da turma 8º8 2º Prémio: Ana Cunha e Sara Amorim da turma 8º8 3º prémio: Adriana, Catarina e Rita da turma 9º4

Pedagógica, Emília Cardoso, pelo coordenador do Departamento de Expressões e Tecnologias, Otília Loureiro e um representante do jornal “O Vale”, Pedro Reis Sá e pelo representante da associação de estudantes Luís Barroso. Os professores responsáveis por esta actividade Manuel Antunes e Otília Loureiro, agradecem a todos os que participaram/ colaboraram para que fosse possível realizar uma atividade com tanta qualidade. Muito obrigada e bem hajam.

A coordenadora Otília Loureiro

O Concurso de Pintura: “25 anos – 25 acontecimentos” pretendeu: 1. Incentivar os alunos a participar na atividade escolar; 2. Sensibilizar os jovens para a capacidade de observação do meio que o rodeia; 3. Desenvolver e valorizar competências técnicas e de criatividade no âmbito da pintura. Foi a seguinte a constituição do júri, a quem deixamos, aqui, os nossos agradecimentos. António Silva, da Associação dos pais, pela Direcção

A Didáxis V. S. Cosme alcança o 3º Lugar no 7º Grande Prémio Frei Gil A Didáxis Escola Cooperativa Vale São Cosme, conseguiu o 3º Lugar, do 7º Grande Prémio Frei Gil, com a participação da equipa “Didáxis Solar”, constituída pelos alunos: Pedro Barbosa e José Nogueira do 2º Ano do Curso Técnico de Eletrónica Automação e Computadores, na categoria Rainha C, dos Barcos Solares. Classificação Geral: 1º Lugar - Colégio Frei Gil 2º Lugar - Colégio Frei Gil 3º Lugar - Didáxis Escola Cooperativa Vale São Cosme Este concurso nacional é um projeto que visa a promoção da energia solar fotovoltaica ao nível da comunidade escolar, incentivando a construção e a competição entre protótipos de carros e barcos solares construídos por alunos de todo o país. Professor orientador do Projeto, Rui Cancelinha.


30 Passatempos

Jornal ‘O Vale’

Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

FRANÇAIS

A Prof(a): Odília Silva

Regarde bien les deux images et trouve les sept différences

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

Mets les mots suivants en ordre:

LES VACANCES

Trouve, dans la grille, tous les mots qui sont à droite

Solutions: soleil / sable / château / parasol / coquillage/ ballon / bronzer / piscine (pôr as letras invertidas)

ESPANHOL TORTILLA DE PATATAS Se pelan y se lavan las patatas (se calcula una patata grande por persona). Se cortan en láminas no muy grandes. Se fríen las patatas en aceite abundante. Para hacer la tortilla es muy importante que las patatas estén blandas y no crujientes. Para eso hay que freírlas a fuego bajo y en una sartén tapada durante unos 10 minutos. En un recipiente grande (por ejemplo una ensaladera) se baten los huevos (se calcula un huevo por persona). Se echa sal. Cuando las patatas ya están blandas, se sacan de la sartén y se escurren de aceite. Entonces se mezclan bien con los huevos batidos y se deja reposar unos 5 minutos. Mientras la mezcla de los huevos y las patatas reposa, se pica media cebolla en trozos muy pequeños y se fríe con un poco de aceite durante 5 ó 10 minutos. Cuando está lista, se echa a la mezcla. En una sartén un poco profunda se echan 2 cucharadas de aceite. Cuando está caliente, se echa la mezcla de las patatas, los huevos y la cebolla y se fríe a fuego medio. Después de un par de minutos en la sartén se da la vuelta a la tortilla (cuidado aquí, hacerlo en el aire es difícil si no sabes, utiliza un plato; es menos elegante pero más seguro). Es conveniente echar un poco más de aceite a la sartén cuando se da la vuelta porque si no, la tortilla se puede pegar. Cuando la tortilla está hecha por los dos lados, ya se puede comer. ¡Buen provecho!

A Prof(a): Carina Soares


Jornal ‘O Vale’ Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

Passatempos

INGLÊS

A Prof(a): Mª Eduarda Fernandes

Colour the above picture according to the instructions. Colour the above picture according to the instructions. 1.1.Colour boys’boys’ hair brown. Colourthethe hair brown. Colourthethe hair black. 2.2.Colour girls’girls’ hair black. Colour the men’s hair light brown. bove picture according to the instructions. 3.3.4.Colour the men’ s hair light brown. boys’ hair brown. Colour the flip flops pink. girls’ hair black. flip flops pink. green. men’s 4. hair lightthe brown. 5.Colour Colour the goggles flip flops pink. 6.Colour Colourthethe ball green. red and black. goggles green. 5. goggles ball red and black. 7. Colour the water light blue. water light blue.the ball red and black. 6. Colour rything 8. else with colours you like. Colour everything else with colours you like. 7. Colour the water light blue. 8. Colour everything else with colours you like.

Colour Colour the the above above picture picture according according to to the the instructions. instructions. 1. 1. Colour Colour the the boys’ boys’ hair hair brown. brown. 2. 2. Colour Colour the the girls’ girls’ hair hair black. black. 3. 3. Colour Colour the the men’s men’s hair hair light light brown. brown. 4. 4. Colour Colour the the flip flip flops flops pink. pink. 5. 5. Colour Colour the the goggles goggles green. green. 6. 6. Colour Colour the the ball ball red red and and black. black. 7. 7. Colour Colour the the water water light light blue. blue. 8. 8. Colour Colour everything everything else else with with colours colours you you like. like.

31


32 Ultima

Jornal ‘O Vale’ Escola Cooperativa de Vale S. Cosme

I niciativa “ d e s c o b r i r

Ano XXV

nº 90

Julho 2013

a minha escola”

Didáxis recebeu futuros alunos A Didáxis, nos seus dois pólos, Escola Cooperativa de Vale S. Cosme e Escola Cooperativa de Riba de Ave, promoveu a iniciativa “Descobrir a Minha Escola”, de 8 a 11 de Julho. Esta semana, dedicada aos alunos que vão frequentar o 5º ano no próximo ano lectivo, tem como objectivos contribuir para a boa integração destes alunos nas respectivas escolas e na turma, desenvolver a confiança e a autonomia, conhecer a escola e as suas regras de funcionamento e promover o convívio entre alunos. Os encarregados de educação tiveram ainda oportunidade de saber mais sobre projectos implementados nas escola, como o projecto Fénix.

Os alunos realizaram actividades relacionadas tanto com as disciplinas que fazem parte do seu currículo como com alguns dos núcleos escolares, como teatro, xadrez, a dança e a música, bem como artes plásticas. Os novos alunos iniciaram esta nova etapa, dando-lhes a oportunidade de conhecer os professores que os orientarão neste seu percurso. Nas duas escolas, todos alunos tiveram oportunidade de mostrar aos seus encarregados de educação o que fizeram ao longo da semana numa pequena festa onde mostraram os seus atributos na música, na dança e no teatro. Este foi o primeiro passo para uma integração plena a uma realidade diferente.

Jornal O Vale - Número 90  

Jornal O Vale - Número 89

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you