Page 1

CONTOS IMOR(T)AIS Entre a ficção e a realidade … Volume III


Ficha Técnica Fontes: http://www.casadoscontos.com.br http://www.contoerotico.com Licença:

Advertência: Leitura não recomendada a menores de 18 anos


Índice de conteúdo Contos Imor(t)ais..................................................................................................................................5 UMA GRATA SURPRESA.............................................................................................................5 LOUCURAS DA MINHA VIDA....................................................................................................8 VOYER..........................................................................................................................................12 O TAXISTA!..................................................................................................................................16 ME ARRUMOU UM AMANTE...................................................................................................18 TELE ENTREGA..........................................................................................................................23 RELIGIOSA E ESPOSA DE PASTOR.........................................................................................27 FANTASIAS..................................................................................................................................31 FICANDO MAIS EXPERIENTE.................................................................................................38 TIO CARLOS................................................................................................................................45 UM DIA NO PARQUE..................................................................................................................49 DESPERTAR COM CAFÉ DA MANHÃ ESPECIAL.................................................................53 DE SANTA A SAFADA................................................................................................................57 ATO I.........................................................................................................................................57 ATO II.......................................................................................................................................59 ATO III......................................................................................................................................60 ATO IV......................................................................................................................................62 ATO V.......................................................................................................................................64 ATO VI......................................................................................................................................65 ATO VII.....................................................................................................................................68 ATO VIII...................................................................................................................................70 ATO IX......................................................................................................................................73 SEXO NO SHOPPING..................................................................................................................77 MUNDO DAS AVENTURAS.......................................................................................................79 GOSTAR DE HOMEM.................................................................................................................81 VIZINHO.......................................................................................................................................87 PEDREIRO DE SORTE!!.............................................................................................................90 PAU E LINGUA............................................................................................................................93 FACULDADE...............................................................................................................................95 EROTISMO E SEDUÇÃO............................................................................................................98 PARTE I....................................................................................................................................98 PARTE II.................................................................................................................................101 DESSA VEZ ELE ME SURPREENDEU...................................................................................104 UMA ESPOSA NO JANTAR......................................................................................................108 O ANIVERSARIO.......................................................................................................................121 ASSIM NASCE...........................................................................................................................125 DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO............................................................128 INICIO....................................................................................................................................128 A DESCOBERTA DE CAROL...............................................................................................137 A SURPRESA.........................................................................................................................145 FINAL.....................................................................................................................................151 TAL PAI, TAL FILHO!................................................................................................................158 COMO FAZER UM.....................................................................................................................161 PRÓXIMA ETAPA......................................................................................................................164 SURPRESA DO MARIDO PRA ESPOSA.................................................................................174 SERA QUE É?.............................................................................................................................176 –3-


ATO I.......................................................................................................................................176 ATO II.....................................................................................................................................182 ATO III....................................................................................................................................189 ATO IV....................................................................................................................................190 METERAM DUAS......................................................................................................................194 CASTIGADA..............................................................................................................................197 O AMIGO DO MEU MARIDO..................................................................................................199 ATO I.......................................................................................................................................199 ATO II.....................................................................................................................................200 ABANDONADA.........................................................................................................................203 O CONTO....................................................................................................................................208 ATO I.......................................................................................................................................208 ATO II.....................................................................................................................................224 ATO III....................................................................................................................................236 ATO IV....................................................................................................................................242 ATO V.....................................................................................................................................249 ATO VI....................................................................................................................................255 ATO VII...................................................................................................................................261 SEM PRECONCEITO E SEM VERGONHA.............................................................................266 ATO I.......................................................................................................................................266 ATO II.....................................................................................................................................267 ATO III....................................................................................................................................268 ATO IV....................................................................................................................................270 ATO V.....................................................................................................................................273 ATO VI....................................................................................................................................274 ATO VII...................................................................................................................................276 ONIBUS.......................................................................................................................................281 MARATONA DE DEBI..............................................................................................................284 O Início – 1ª Parte...................................................................................................................284 O Início – 2ª Parte...................................................................................................................293 O Vício....................................................................................................................................306 A Entrega - 1ª Parte.................................................................................................................314 A Entrega – 2ª Parte................................................................................................................321 A Entrega - 3ª Parte.................................................................................................................326 A Chave – 1ª Parte...................................................................................................................334 A Chave – 2ª Parte...................................................................................................................348

–4-


Contos Imor(t)ais UMA GRATA SURPRESA Olá meu nome é Fernando tenho 38 anos sou de estatura mediana, corpo cheinho, cabelos grisalhos, casado com Sara uma morena de 1, 76; seios pequenos a médios (lindos), dona de uma linda bunda larga, iguais aos quadris (perfeito), com uma buceta de tamanho XXG no tamanho, porém muito apertada, de pelos ruivos o que me deixa doido. Bem tudo começou quando um belo dia tento lhes fazer uma surpresa em chegar em casa mais cedo, sem fazer barulho, percebo vindo do nosso quarto uns gemidos, o que me deixou muito furioso e apreensivo do que poderia estar rolando... Meu corpo tremeu e meu coração parecia que pularia pela boca, tirei os sapatos para evitar qualquer tipo de barulho e comecei a caminhar até o nosso quarto, que pela claridade que saia estaria com a porta aberta, apressei o passo e coloquei-me de canto com a porta, quando vejo minha linda Sara completamente nua, recostada na cadeira do nosso PC com as pernas jogadas em cima do móvel todinha arreganhada. Neste momento vejo que a luz da webcam está piscando, sinal que ela está filmando ou gravando a sua transa com o vibrador, fiquei ali só observando onde tudo aquilo iria dar, ou mesmo do que se tratava. Continuava os gemidos e os movimentos ritmados de vai e vem introduzindo o seu homem de borracha, até onde eu via, parecia ser na sua vagina, quando apurei as vistas, vi que a cam estava aberta e transmitindo aquele magnífico filme para um macho que se masturbava freneticamente ao mesmo compasso em que ela metia aquele caralho de borracha nas suas entranhas. O cheiro do sexo já se espalhava pelo quarto o que me deixava completamente excitado, e que neste momento ainda sem perceber já estava também me masturbando, o cheiro, a visão de Sara nua e toda arreganhada, o cara do outro lado a se masturbar… Tudo aquilo me tomou como um filme real e me segurava para não gozar tamanha era minha excitação, sentia uma vontade imensa de me aproximar de Sara e possuí-la naquela posição e fazer com que seu macho virtual visse quem era o homem que realmente estaria a penetrar, aquela que seria dele de forma virtual. Dentro de um instante de lucidez, resolvi não fazer nada e continuar ali a me tocar, até mesmo para saber até onde aquilo poderia ir, e se isso era uma freqüente ou mesmo se este homem não seria um caso dela e eu estaria sendo traído. Sara socava a pica de borracha nas suas entranhas com avidez e logo depois chupava para lubrificar e pirraçar o seu amante virtual, que neste instante gritava e urrava anunciando o seu gozo, como a cam dele estava focada na sua gigante pica, não foi trabalho algum vê-lo ejacular de forma abundante, chegando inclusive a melar a cam, ele tremia e soluçava parecia que a sua glande iria explodir de tão grande que se transformou, Sara mais do que depressa correu e começou a lamber o monitor como que estivesse a lamber a sua pica e sorver o seu esperma, que escorria pelo pau Contos Imor(t)ais - UMA GRATA SURPRESA –5-


abaixo. Sara se apressou em voltar para sua foda e mais que depressa socou, o seu vibrador na boca como se estivesse a chupar o pau do seu parceiro virtual, lambia a cabeça com tanta volúpia, depois enfiava toda na boca dando soluços como quem fosse vomitar e tocava de forma rápida o seu grelo, via seu corpo tremer gritava palavras desconexas, urrava de prazer e acelerava a siririca, quando neste instante ela suspirou forte e anunciou que estaria gozando muito, socou num só golpe o caralho de borracha completamente babado, no fundo da sua vagina, que pelo estado em qu se encontrava não ofereceu nenhuma resistência, indo até encostar as bolas na entrada da sua buceta, ficando num louco vai e vem ao gostoso som de seus grunidos, ficou assim por mais alguns minutos, até que, como se fosse desmaiar saltou da cadeira e jogando-se ao chão... Gozou muito, como jamais tinha visto, gozou de molhar o assoalho e ficou ainda durante algum tempo a se contrair, parecia que a sua buceta tinha vontade própria, tremia e gofava como se estivesse mijando, me deu uma ponta de ciúme ao ver o quanto ela teria gozado. Estava com o meu pau latejando de tanta vontade, mas resolvi continuar escondido e não chamar a sua atenção, me escondi para que ela não me visse, e saí de fininho e retornei para a rua para dar um tempo para ela se recompor e possivelmente pudesse tomar um banho, e eu continuava com aquela imagem na cabeça, fantasiava mil loucuras, e ficava com mais com tesão ainda, decidi ir ao boteco da esquina tomar uma cerveja para aliviar as ideias. Quando depois de uma hora e meia, voltei como se nada tivesse acontecido, entrei porta a dentro e a cumprimentei como de costume, com um caloroso beijo, logo perguntei como havia sido o seu dia e ela ainda trêmula pelo recente gozo disse-me:Normal como todos os outros, sem nenhuma novidade. Se aquilo o que presenciei era corriqueiro acho que nunca haverei de saber, pois não teria coragem de perguntar, disse-lhe que esta noite prometia por que tinha passado o dia inteiro a pensar nela e na nossa cama, sugeri inclusive que ela abrisse uma garrafa do nosso predileto vinho, para que pudesse esquentar ainda mais nossa cama, ela, mais que depressa correu até a adega trazendo de imediato o Chateou que gostávamos oferecendo-se de imediato a me acompanhar no banho, no banheiro começamos com nossas libidinosas brincadeiras, bastou que tirasse a roupa para que ela gemesse e arrepiasse todos os pelos do corpo, com carinha safada se aconchegou e abocanhou o meu pau grosso e latejante... Beijava a glande passando a língua por toda a sua extensão, lambia da cabeça a base do pau, voltando a abocanhar completamente meu pau, saia e cuspia para lubrificar completamente, socava na boca com maestria e com um insaciável desejo de engolir meu pau por inteiro, encostava no fundo de sua garganta e voltava para a cabeça, molhava com sua saliva e socava novamente, ficando assim por intermináveis e deliciosos minutos, quando pedi para que parasse pois queria e muito provar da sua buceta, coisa que ela adorava, deitei-a no box e passei a beijar seu sexo, passando vagarosamente a língua por toda a sua extensão, tirando dela gemidos e arrepios, metia até quando dava minha língua nas tuas entranhas, percorrendo todo o caminho até chegar na sua maravilhosa bunda, onde me demorava em brincar, chicotear e introduzir a ponta da minha língua no seu cu, que ao leve toque começava a piscar e latejar como se pedisse para que eu a possuísse naquele momento, mas minha intensão era tirar o máximo possível de prazer daquela fêmea, lambia as coxas até a virilha num beijo molhado e tremulo de tanto prazer, virava de costas e beijava suas nádegas, subia e beijava ao tempo em que mordiscava suas costas até a altura da nuca, neste Contos Imor(t)ais - UMA GRATA SURPRESA –6-


momento. Sara suplicava em ser penetrada urrava como para o seu parceiro virtual, aquela visão e as coisas que ela gritava, me enchia ainda mais de tezão, não aguentando mais, coloquei-a de frente e passei a enfiar a minha pica já completamente dura na portinha de sua buceta, que tentava jogando o corpo ao encontro do meu pau como se quisesse engolir completamente, pedia para que eu te fudesse com força e se arreganhava, segurava nos grandes lábios para facilitar e arreganhar ainda mais aquela linda buceta, para que eu pudesse enfiar até o fundo dela, que já se encontrava totalmente molhada e amaciada pela foda anterior com seu caralho de borracha. Ficamos neste vai e vem por algum tempo, quando ela me pede para comer seu cu e mais do que depressa eu fui atender o seu pedido, coloquei-a de quatro no box, ajoelhei-me e passei um pouco de creme na entradinha do seu cu, coloquei a cabeça da minha pica, que a esta altura mais parecia um cogumelo de tanta excitação, e devia ter dobrado de tamanho, duvidei inclusive que ela aguentaria ser penetrada daquela forma, mas ainda assim coloquei e forcei um pouco, ela se ajeitou, encostou a cabeça de lado no chão do box e liberou as mãos para poder arreganhar a sua bunda e assim facilitar a entrada da minha pica, que depois que venceu a entrada do seu cu, deslizou de forma suave indo aconchegar-se no fundo, depois de penetra-la completamente, parei um pouco para que ela se acostumasse com a invasão para que logo em seguida começasse no entra e sai, a cada estocado mais profunda. Sara tremia e parecia abrir ainda mais as nádegas como que pedindo mais pica, socava e beijava sua nuca, alternava entre beijos e segurava seus longos cabelos como o cavaleiro a trançar-se nas redias de sua montaria. Sara ia a loucura dizendo palavras desconexas, gritando para que eu te fudesse mais, para que eu socasse minha pica inteirinha dentro de seu cu, dizia o quanto dura e grossa ela estava me sentindo dentro dela, implorando que não parasse e nem tão pouco gozasse agora, que ela queria mesmo era se sentir uma puta, pedia para que eu batesse na sua bunda e mandava-me te chamar de puta, safada, rampeira, vagabunda, e eu batia e xingava e não parava de socar a pica, acelerei o ritmo e anunciei que estaria gozando e gozando como nunca e ela exigiu que terminasse na sua boca e assim o fiz, tirei meu pau de dentro dela, a virei e toquei um punheta ao tempo em que ela lambia e implorava pelo meu esperma na boca, dizia querer me beber todinho, foi quando gritou dizendo do teu gozo, não aguentei e comecei a gozar também, gozei rios de esperma e ela, como prometido, bebeu, chorou de prazer e sugava como um bezerro com fome. Desfaleci de tanto prazer e deitando-me ao teu lado no box com a água morna a banhar-nos e lavar nossos líquido e corpos exauridos de tanto gozar, ao tempo de nos refazermos e retomar as forças para que pudéssemos jantar, beber nosso vinho e recomeçar no nosso quarto, já que a noite muito prometia.

Contos Imor(t)ais - UMA GRATA SURPRESA –7-


LOUCURAS DA MINHA VIDA Sempre gostei de ler, e todos os tipos de leitura, mas nunca tinha lido um livro erótico, não por pudor, até porque já fui garota de programa, mas nunca nenhum livro do gênero ter me chamado atenção! Porém o 50 tons foi tão comentado que atiçou minha curiosidade! Um dia passando numa livraria vi o box com os 3 e comprei! Nessa época, com 2 filhos pequenos e muito agarrados comigo e com Marcos, mesmo tendo a babá morando conosco, eles acabavam empatando foda muitas vezes, com isso nossa média de sexo pelo menos uma vez ao dia caiu pra 4 vezes por semana! No início pros dois ninfomaníacos foi difícil, mas com o tempo nos acostumamos! Nossos pequenos são tudo! Comecei a ler, no início era um livro comum, quando realmente ficou erótico, eu não largava mais deles, mesmo 5 minutos de folga eu lia um pouquinho e quando Marcos chegava em casa eu já estava subindo pelas paredes! Tinha que pelo menos uns amaços nele antes de por as crianças pra dormir, às vezes Marcos já estava dormindo quando entrava no quarto. Mas meu fogo era tanto que eu nem ligava! Levantava as cobertas, abaixava a cueca e iniciava um boquete, ele acordava com o pau duro e tranzavamos! Ele começou a dormir pelado pra facilitar! – Amor, não estou reclamando, aliás estou adorando, mas seu fogo tá mais acentuado! – 50 tons amor! Já acabei o 1°, quer ler? – Mas isso não é livro de mulher? – Pode até ser, mas você pode aprender muita coisa nova! – e olhei com cara de safada! Ele começou a ler, só em casa, pra ninguém mais saber, no início ele custou, porém quando chegou na parte picante ele entendeu minha dica! Um dia, sem me falar, ele pediu pela 1ª vez pra mãe dele ficar com as crianças e a babá num final de semana (eu já não estava amamentando), sem me falar nada, minha sogra topou na hora! Acordei no sábado e vi uma caixa grande de presente em cima da mesinha do telefone do quarto, fui em direção a ela e Marcos me advertiu: – Só mais tarde amor! Minha mãe vai ficar com as crianças e a Lu! Sinti um frio na "espinha", quase via os hormônios saltando de mim! Mesmo sentindo um pouco de pesar de me separar dos meus filhotes! – Deixa eu ver agora! – Não, só mais tarde! Vamos almoçar na minha mãe, as crianças ficam lá e aí eu vou abrir! – Eu quero abrir! – Mas não vai! Eu sou o dominador! Contos Imor(t)ais - LOUCURAS DA MINHA VIDA –8-


Meu tesão perdeu a linha, sentia meu corpo formigando igual quando dei meu 1° beijo, de quando tentei e quando tranzei pela 1ª vez! Depois de tudo que tinha vivido, achava impossível sentir novas sensações! Estava enganada! No almoço, nem conseguia comer direito! Minha cabeça fervilhava de fantasias e um certo medo! Não via a hora de voltar pra casa, nem me importava que iria passar a noite sem meus filhos! Marcos percebeu minha euforia e incorporou o 50 tons! Quando ninguém estava olhando ele tocava minha xaninha, alisava minha bunda, meus peitos e eu com meus hormônios saltitantes, quase com falta de ar! Custamos a irmos embora! Ele sentia prazer em me torturar! Eu estava adorando a situação, mas queria que acabasse logo essa fase! Chegamos em casa: Marcos: – Espera! Abriu o porta-luvas passando o rosto de leve no meu peito, hormônios fervilhantes, tirou uma venda, colocou em mim, saiu do carro, deu a volta, abriu a porta, me deu a mão e disse: – Desce! Confia! Vem comigo! E eu fui! Entramos em casa, ele me beijou, quase me engolindo, abriu meu vestido, tirou deixando cair no chão, fiquei só de calcinha e sandálias! Ele me pegou no colo e me levou pro quarto, me deitou na cama: – Quietinha! – e me deu um tapa não muito forte na coxa que me fez gemer na hora! Ele levantou da cama, andou no quarto, ligou o som, Evanescense, andou mais um pouco, mecheu em alguma coisa (a caixa - pensei), hormônios rodopiando! O que será que ele vai fazer? Escuto um fósforo riscando, sinto-o passando por cima de mim, ele se ajoelhou comigo no meio de suas pernas, um cheiro bom de acácia no ar, ele entorna algo muito quente pelo meu abdomem, tive um espasmo involuntário, soltei um shiiii entre os dentes! O cheiro aumentou, ele começou a esfregar aquele óleo, que já não estava tão quente, fazendo uma massagem, ele foi descendo, retirou minha calcinha, jogou mais daquele óleo quente em minhas pernas, gemi de novo, ele continuou a massagem até meus pés. – Deita de bruço! – ordenou e eu obedeci! Mais óleo quente nas minhas costas, dessa vez em abundância! – Shiiiiiii, ai! – gemi e arqueei as costas! – Quieta! – e um tapa na bunda, desses que marcam – Se mexer ou gritar de novo vai ser castigada! Ui, ele leu mesmo, meu tesão estava incontrolável, hormônios enlouquecidos e descabelados! Queria testá-lo! Ao jogar o óleo quente na minha bunda, mexi de novo, como se não quisesse! Contos Imor(t)ais - LOUCURAS DA MINHA VIDA –9-


– Eu não te disse pra ficar quieta! – em tom ameaçador. Hormônios suicidas! Senti três pontas finas batendo na bunda cheia de óleo, ardia muito, mas não doia tanto, foram 5 chibatadas! Eu o queria de todo jeito, tava quase louca! Ele passou a mão firme na bunda, como um carinho, lambusou os dedos com o óleo e enfiou de uma vez no meu cu! Gritei de novo! Ele me colocou de quatro deu mais uma chibatada e meteu seu pau inteiro no meu cu! Soltei um urro e levei uma chicotada nas costas! Ele não batia com força, era mais uma representação, mas me deixava muito excitada! De repente, ele começa a introduzir um vibrador na minha buceta, ao terminar de colocar ele o liga, era um vibrador giratório com vibrador clitoriano! Explodi em orgasmos, nem sei quantos, assim que ele gozou também, me tirou o vibrador e a venda, me colocou de pé me beijando e me apertando o corpo inteiro com as mãos. – Gotou da surpresa meu amor? – Muito! – Pois está só comçando! Enchemos a banheira, tomamos um bom banho, ardia tudo! Paguei-lhe um boquete e ele saiu, dizendo para eu esperá-lo ali! Escutei algum barulho no quarto e fiquei muito curiosa! Quinze minutos ele entra no banheiro só de calça jeans, abre minha toalha e diz: – Venha, a surpresa está pronta! Sai e ele me enrolou, andando abraçado a mim até o quarto. A única coisa que via de diferente era uma mesinha de madeira com alta com pequenos ganchos fechados nas pernas. – Pra que isso? Essa não tinha no livro! Rsrsrs – brinquei! – Eu sei ser criativo meu bem! Meus hormônios já estavam enfurecidos novamente! Ele me levou até a mesa, pegou 4 pulseiras largas de couro, colocou uma em cada tornozelo e as outras duas nos meus pulsos, observei que nelas haviam mosquetões, ele me deitou de bruços sobre a mesa, a altura era perfeita pra mim! Travou meus tornozelos à mesa, deixando minhas pernas bem abrertas, em seguida travou meus pulsos, quase não movia um músculo! Ele buscou uma vela no criado mudo e jogou sobre meu cusinho o óleo quente, agora eu sabia de onde vinha, não sei se doia ou se ardia, gemi alto. – Calma, já vai passar! Ele fazia alguma coisa atrás de mim, eu não conseguia ver, até que senti o vibrador entrando de novo na bucetinha, ele vai comer meu cu de novo (pensei), mas foi outra coisa que entrou nele: – Que é isso? – Um plug anal que vibra!

Contos Imor(t)ais - LOUCURAS DA MINHA VIDA – 10 -


Ligou os dois, eu gemia verozmente! Ele veio pra minha frente, abriu a calça, seu pau bateu na minha cara: – Chupa! – ordenou! Ele nem precisava pedir... Quando coloquei na boca, ele segurou meus cabelos (que estavam presos num coque desde o banho) e forçou minha cabeça contra seu pau, rápido e ritimado! Tinha vontade de toca-lo, de gritar, mas nada conseguia fazer, gozava muito, já sentindo minhas forças se acabando, Marcos tirou seu pau de dentro de minha boca, foi pra trás, tirou o vibrador, socou sua pica em minha buceta, bombou forte algumas vezes, me arrancando mais um orgasmo e encheu minha buceta de porra, recolocou o vibrador e voltou pra minha frente: – Não deixa cair! Só depois que ficar limpinho que eu tiro – e me deu o pau para limpar com a boca. Nunca foi tão difícil limpar uma pica, meus orgasmos e meu cansaço me impediam de me controlar, e eu ainda estava presa, não dia usar as mãos para expor os locais melados! Quando terminei, ele se abaixou, me deu um beijo quente, soltou minhas mãos, foi pra trás, soltou os pés e só então tirou o vibrador e o plug. Senti um vazio e ao mesmo tempo um alívio. Meu corpo estava mole e formigando, não tinha foças pra sair do lugar, já era noite, ele me levou no colo pro banheiro, me colocou na banheira, a água estava quentinha pois tinha ficado ligada o tempo todo: – Relaxa, já volto! Ai, o que mais ele vai aprontar, eu não aguento mais nada! (pensei) Ele apenas voltou com um copo de suco e um analgésico e me entregou! Tomei, ele entrou na banheira, se sentou atrás de mim, vez massagem nas minhas costas, quando percebeu que eu estava quase desmaiando, me tirou da banheira, me levou pra cama, me secou e disse: – Descansa, sua pressão abaixou muito, manhã a gente continua! Me deu um beijo, deitou ao meu lado, me abraçou e dormimos, no dia seguinte acordei nova, com muita fome, inclusive de sexo…

Contos Imor(t)ais - LOUCURAS DA MINHA VIDA – 11 -


VOYER Tudo começou com uma confissão que fiz à uma amiga e meu mestre acabou tomando conhecimento, dizendo que faria algo sobre isso. Ouvindo isso, fiquei assustada e animada ao mesmo tempo. Ontem à tarde, ele passou em casa e me pegou para irmos fazer coisas aleatórias. Fomos à um pequeno restaurante, em seguida ao shopping e, depois, ao parque. Lá, ele recebeu um telefonema e disse-me que seria melhor irmos andando. O estranho foi que não estávamos voltando para casa, mas reconheci o caminho que ele estava tomando como aquele que leva à casa de M.. M. é uma amiga nossa. Bem, ela é a nossa “amiga colorida” com quem já tivemos alguns ménages. Ela é branquinha e delicada, com um monte de tatuagens, seios pequenos e bumbum bonito. M. é uma das velhas amigas do mestre e ele nos apresentou porque eu estava ansiosa para ter minha primeira experiência sexual com outra garota. Depois de nosso primeiro ménage, M. e eu adquirimos o hábito de ficar de vez em quando, quando nos encontramos aleatoriamente em torno do campus onde nós duas estudamos. É claro que sempre informo ao mestre quando isso acontece e às vezes ele acaba espancando minha bunda por eu ser muito safada. Bem, eu tive uma boa ideia sobre o porquê de estarmos tomando o caminho da casa dela, mas fiquei quieta. A expectativa estava provando ser bastante emocionante já que eu sentia minha calcinha melar e não queria estragar o que quer estivesse por vir. Nós, de fato, chegamos à casa dela e ela nos recebeu vestindo apenas uma blusa larga e um par de meias longas. Mestre e eu entramos e ele tirou um tempo para ir ao banheiro. M. pegou-me pela mão levando-nos para o quarto e começou a me beijar. Seus pais haviam acabado de deixar a casa quando ela ligou para meu mestre e eles estariam fora até o dia seguinte, por isso, teríamos bastante tempo para desfrutar. Notei que M. não estava usando sutiã quando eu agarrei seus deliciosos seios sobre a blusa fofa, mas ela estava com uma calcinha de algodão linda já toda encharcada. Ela me jogou na cama e veio enfiando a mão dentro da minha calça enquanto maliciosamente sorria para mim. Eu puxei sua cabeça e beijei-a lenta e profundamente, explorando toda a extensão de sua boca com a minha língua. Senti seus dedos tentando invadir minha buceta e assim abri um pouco mais as pernas para que ela tivesse fácil acesso. Eu arqueei minhas costas enquanto seus dedos iam fundo dentro de mim e senti meus mamilos tentando perfurar meu sutiã. Naquele momento meu mestre entrou na sala e pigarreou, perguntando o que estava acontecendo. Nós apenas rimos e dissemos que estávamos meio que com tesão. "Eu posso ver isso", disse ele. "Mas não é o que eu quis dizer". Dizendo isso ele deu um olhar perfurante à M. e ela imediatamente se levantou deixando-me deitada na cama sozinha. Ela ainda pediu desculpas, rindo. "Agora é hora de cuidar do seu fetiche, minha menina", ele disse olhando para mim. "Levante-se". E assim eu fiz. Meu mestre veio até mim e me deu um beijo breve, em seguida, amarrou minhas Contos Imor(t)ais - VOYER – 12 -


mãos atrás das costas usando um dos lenços de M. e me posicionou de pé, três passos de distância da cama. Ele desceu e me ajudou a tirar meus sapatos e falou para eu permanecer imóvel até que ele dissesse que eu podia me mover. Meu mestre voltou-se à M., que estava nos observando intrigada, ela não é adepta ao BDSM como nós, mas acha tudo muito interessante. Ele a beijou agarrando seu pescoço e puxando-a para a ponta dos pés, colando-a em seu corpo. Eu senti minha buceta pulsar naquele momento. "Isto é o que você queria, não é?", perguntou-me enquanto se movia ao redor de M., "Me ver com outra garota?", ele cheirou a base do pescoço dela e levantou a cabeça para olhar para mim enquanto sua mão abria caminho para dentro da calcinha de M.. "Então, você não deve se mover até que tenhamos terminado, minha menina". Eu senti minha calcinha molhar ainda mais e os meus mamilos se enrijecerem. Olhei para sua mão descendo pela barriga dela como em câmera lenta. E eu movi a cabeça, de acordo. Meu mestre começou a masturbar-la e eu a vi perder a respiração por alguns instantes. Ele acariciou o seio com a outra mão, por baixo da blusa, enquanto os gemidos de M. começaram a tomar conta da sala. Eles ficaram nisso até as pernas dela começarem a falhar, tamanha sua excitação. Eles, então, despiram-se um ao outro e ela se ajoelhou ante a ele. Meu mestre fez questão de se posicionar de uma maneira que eu poderia ter uma boa visão do que estava acontecendo, e eu estava de fato hipnotizada. O contraste das pequenas mãos dela segurando o pau grande dele, que os dedos mal conseguiam fechar, foi muito excitante. Ela levantou-o e lambeu suas bolas pesadas fazendo o seu caminho até o topo. A visão de sua boca sendo completamente preenchida e o pênis de meu mestre sendo desenhado sob suas bochechas me deu arrepios. Ela chupou-o por alguns minutos até que ele a puxou de volta para cima e levou-a para a cama. Ele deitou-a de costas e se ajoelhou no chão para chupá-la. De onde eu estava, eu tinha uma excelente vista do corpo lindo dela, as pernas jogadas para cima descreviam uma curva excitante e deliciosa com seu bumbum redondo. Eu podia ver meu mestre enterrando seu rosto entre suas pernas, bem como todo o corpo dele posicionado no chão. Pela primeira vez tive a oportunidade de admirar as suas costas fortes arqueadas e sua bunda, enquanto ele chupa alguém. Toda essa vista de ambos estava me deixando louca e tudo o que eu queria no momento era ir direto para lá e me juntar à eles. Pouco depois, ele a posicionou de quatro e começou a lamber sua bunda. Porra, essa é minha parte preferida das preliminares e eu acho que quase gozei com fazendo isso ali, na minha frente. A curva de suas costas enfatizando o bumbum sarado enquanto ele se deliciava naquele cuzinho que eu sabia ser maravilhoso. Seus gemidos estavam por toda parte. Eu podia sentir minhas pernas tremendo um pouco e meus espasmos gritando ciúme. Meus mamilos começando a doer dentro do sutiã. Ela forçava sua bunda contra ele e eu podia ver a expressão de ecstasy em seu rosto. Meu mestre inseriu um dedo em sua bucetinha, movendo-o lentamente, sem descansar sua língua. Pouco depois ele colocou outro, e mais um. A cama já encharcada por culpa dela. M. virou-se. Ela tinha um sorriso enorme e malicioso em seu rosto enquanto puxava meu mestre Contos Imor(t)ais - VOYER – 13 -


para beija-lo violentamente. Sua mão tateando para baixo à procura de seu pênis. Meu mestre começou a acariciar seus seios, mas ela o deteve, continuando com o beijo. M. lenta e firmemente conduziu o pênis dele até a entrada de sua deliciosa buceta. Eu senti meu corpo todo tremendo quando as linhas que desenhavam seus corpos tornaram-se uma só. O cheiro de sexo em todo o ambiente e os seus gemidos transbordando em minha cabeça. Minha própria antecipação dele enfiando seu majestoso pau nela fazendo minhas pernas querer falhar. E quase falharam. Seguindo o exemplo de M., meu mestre estocou profundamente. Eu vi ela arqueando a cabeça para trás enquanto sua boca se abria. Seu gemido foi mudo, no entanto. As estocadas passaram a crescer em velocidade e meu mestre pegou uma das pernas dela para ter mais controle de seu corpo. Tudo que eu queria naquele momento era me tocar. Dar à minha buceta uma pequena pausa do seu sofrimento solitário… será que eu deveria?.. Eu cuidadosamente libertei minhas mãos do lenço e não consegui segurar um suspiro alto quando toquei minha buceta sobre minhas calças. O alívio foi enorme. Minha outra mão, levei até meus seios, massageando meus mamilos doloridos. A sensação eletrizante correndo por todo meu corpo. "Quem lhe deu permissão para fazer isso?", de repente, a voz de meu mestre. Eu abri meus olhos e ele estava lá, com seu pênis profundamente enterrado na buceta de M. e olhando para mim. "Isso não é o que ‘permanecer parada’ significa, minha menina… você sabe disso." "Desculpe, mestre…", eu descansei meus braços ao lado de minhas pernas enquanto eles voltavam à seus afazeres. Eles experimentaram uma grande variedade de posições, do missionário ao 69, de cowgirl para de bruços, à coisas que eu nem sei o nome. Os gemidos de M. iam de alto a baixo, ela loucamente balançando a pernas anunciando seu orgasmo mais do que apenas algumas vezes. Em algum ponto minha buceta começou a contrair por conta própria. Notei pois que o fiz com tanta força que quase me machucou. Lembrei-me então de meus treinamentos de pompoarismo e comecei a reproduzi-los ali, enquanto observa os dois fodendo como coelhos. Eu contraía minha buceta e segurava por cerca de vinte a trinta segundos, alternando entre os músculos internos e externos como se estivesse tentando sugar algo. Trouxe algum alívio da minha agonia, embora a cada contração eu sentia meu mel transbordando, que desperdício… Quando recuperei a consciência vi M. montando ele em minha frente. A forma como eles estavam posicionados me deu uma maravilhosa vista do pau do meu mestre indo todo o caminho dentro e fora. Eu chegaria ao meu limite muito em breve. Não conseguia lembrar quanto tempo fazia que tudo começou. Algumas horas com certeza. Meu corpo inteiro dolorido por ficar parado por todo esse tempo. Meu mestre moveu M. para o lado e a colocou de quatro. Ela mal tinha forças para sustentar o corpo com os braços. As estocadas foram rápidas e profundas, ele também estava em seu limite. Os gemidos e suspiros cresceram mais alto no quarto. Minha buceta contraindo ferozmente, meus mamilos completamente dormentes. Eu furtivamente posicionei minha mão por trás da minha Contos Imor(t)ais - VOYER – 14 -


bunda e comecei a tocar minha buceta esperando que meu mestre não notasse. Assim que olhei para cima novamente, M. estava gozando como louca com meu mestre atirando sua porra dentro dela ao mesmo tempo. Meus olhos pegaram expressões de prazer lascivos no rosto de M. enquanto seu corpo se contorcia todo. Eu caí no chão. "Venha aqui, minha menina”, ouvi meu mestre me chamando. Minhas pernas estavam dormentes e fracas, então eu tive que rastejar para a cama. Quando cheguei lá, ele me disse que eu deveria chupar M. e limpar toda a bagunça que ela tinha feito por mim. Ela estava esparramada pela cama de bruços, uma perna esticada e a outra ligeiramente dobrada, a porra de meu mestre escorrendo para fora de sua buceta. Virei-a com a ajuda dele e segurei suas pernas para cima para começar a lambê-la. Eu bebi cada gota que pude alcançar. Sorver a porra de meu mestre de dentro daquela bucetinha fervente e sentir o sabor do orgasmo dele ao mesmo tempo me deixou ainda mais louca. Mantivemo-nos um tempo deitados na cama, então meu mestre me levou para o chuveiro. M. abandonada em sono profundo. No chuveiro, meu mestre lavou todo o meu corpo, dando uma atenção especial aos meus mamilos desolados. Ele sabe como os meus seios são muito sensíveis e tê-los tão duros dentro do sutiã por tanto tempo foi uma tortura realmente grande. Ele também começou a acariciar meu grelo, e teve que segurar meu corpo de pé quando fez isso, porque eu não conseguia me sustentar por conta própria. Mas me manteve quase à ponto de gozar… controlando seus movimentos para não me levar além disso. Eu não estava autorizada a gozar por uma semana, ele disse. Era para eu ficar com esse dia na cabeça e aproveitar bastante.

Contos Imor(t)ais - VOYER – 15 -


O TAXISTA! Queridos leitores do conto erotico, aqui estou mais uma vez para contar para voceis sobre mais um par de chifres que coloquei no meu marido, desta vez foi com um taxista! Numa madrugada quente, saindo de uma festa que fui sozinha, estava a procura de um taxi para voltar para casa. A noite tinha sido regada a bons goles de vinho e muita musica, dancei animadamente a noite toda. Estava usando um vestido curtinho preto, que deixava transparecer nitidamente minha calcinha pequenina. Fui paquerada por muitos homens nos poucos momentos em que fiquei sozinha. Sempre tinha um garanhao por perto para ver se tinha alguma chance. Enquanto dançava, meu vestidinho subia, deixava bem a mostra minhas coxas lindas e torneadas e a marquinha da calcinha deixava qualquer um de pau duro. Demorei a encontrar um taxi. O taxi que consegui era antigo e o motorista tinha arrancado o banco da frente, para facilitar o acesso dos passageiros. Era um senhor de uns 60 anos e, logo que entrei, ele deu aquela olhada para minhas pernas, que ficaram bem a mostra quando sentei. Sem tirar os olhos das minhas coxas, perguntou para onde iria, indiquei o local e segui viagem em silencio. No caminho o motorista começou a por suas asinhas de fora. A principio, começou a ajeitar o retrovisor focalizando descaradamente em direçao as minhas pernas. Numa parada no semaforo virou-se para olhar de frente e disfarçou uma conversa comigo. Fico extremante excitada quando me imagino ser seduzida por um estranho. Sei que tenho uma bunda linda, pernas torneadas e compridas, boca bonita e uma lingua macia, umida r quente que adora beijar. Tambem sou grande apreciadora de sexo oral gosto de sentir todo o tamanho e volume entre meus labios sedentos. Fiquei excitada imaginando ser comida pelo taxista e nem reparei que ele ja encostava o carro em frente a minha casa, que fica bem no finalzinho de uma rua pouco iluminada e deserta. E foi justamente debaixo de um dos poucos postes que a rua possuia, que o motorista estacionou. A corrida tinha dado uns 50, 00 reais, e rapidamente veio a minha cabeça dizer que precisaria entrar para pegar o dinheiro. O descarado ja estava virado para tras e propos que eu pagasse de outra forma. Sorri para ele e fiquei com as pernas semi-abertas para que o motorista tivesse aquela visao linda dos meus pelinhos saltando pelos buraquinhos da renda da calcinha. O homem ja estava bem a vontade e nem pouco preocupado, me chamou de gostosa, elogiando minhas pernas, meu cabelo e confessando que ficou louco de tesao assim que sentiu o meu perfume e teve a visao das minhas pernas. Sorrindo safadamente passei a alisar as coxas num movimento de vai e vem fazendo com que o motorista ficasse mais abisado. Ja alisando seu pau por cima da calça pediu a mim que abrisse bem as pernas, para que ele pudesse ver melhor minha minuscula calcinha sendo engolida pelos meus labios vaginais. Abri bem as pernas depois de que ele aceitou a condiçao de nao me tocar. Como ele se comprometeu prontamente, fiz uma sessao de exibicionismo de calcinha e fuquei mais excitada quando vi o pau duro daquele motorista sedento pelo meu corpo. Tirei minha calcinha e entreguei a ele. Ele com uma mao alisava o pau duro e com a outra esfregava a calcinha em seu rosto sentindo aquele cheiro gostoso de femea sedenta por sexo. Contos Imor(t)ais - O TAXISTA! – 16 -


Como meu novo amigo estava respeitando as regras estabelecidas, fui me sentindo mais segura e fui me soltando mais. Abri bem as pernas e fiquei enfiando um dedo na minha boceta olhando para o pinto duro bem ali na minha frente. Ele se masturbava e falava coisas do tipo. Puta gostosa abre bem essas pernas para mim. Olha aqui o que eu tenho para voce! Eu estava gostando tanto daquela situaçao que deixei ele olhar o meu cuzinho zpertadinho. Virei-me de costas para ele, me apoiei no encosto do banco e deixei minha bunda bem aberta, para que ele tivesse uma bela visao! De costa passei a rebola devagarinho e ele delirava, gemia gostoso se masturbando. Num movimento rapido me virei, abri ao maximo minhas pernas, enfiei dois dedos na boceta e pedi para ele gozar na minha calcinha. Mal acabei de falar e um jato de esperma voou na direçao da minha calcinha que estava na palma da sua mao. Gozei junto, vendo aquela porra escorrendo e ouvindo ele me chamar de putinha gostosa. Um carro passou na rua e ele tentou se recompor rapidamenete. Falei que estava tudo bem e que nao tinha problema. Ele bem nervoso, com a calcinha encharcada de porra em sua maos, tentou devolver-me mas disse-lhe que aquela calcinha seria um presente para ele. Me recompus descir do taxi, agradeci pela corrida e entre em casa!Quem sabe numa proxima corrida, eu acabe indo um pouco mais alem com ele! E eu acabo dando gostoso para ele dentro do taxi!

Contos Imor(t)ais - O TAXISTA! – 17 -


ME ARRUMOU UM AMANTE Eu (Mirena) e Rafael, mesmo depois de 2 anos de casados nos dávamos muito bem na cama. Rafael é desses homens que gostam de inventar situações embaraçosas só pra apimentar nossa relação. Começou quando ainda éramos noivos... Passeando por uma praça em nossa cidade ele me fez tirar a calcinha e sentar num banco pra ficar batendo fotos com sua câmera digital... Fiquei excitadíssima só de imaginar alguém me pegando de pernas abertas pro meu noivo fotografar minha buceta. Hoje, temos em nosso computador várias fotos gravadas em que eu mostro: bunda; buceta e peitos em lugares públicos... Já chegamos a ser flagrados por idosos em praças públicas. Atualmente, eu com 25 anos e ele com 28, ainda gostamos de aprontar coisas diferentes pra nos deixar bem excitados... Uma delas é de Rafael me levar pro terraço do prédio onde moramos e ficar me comendo atrás da pilastra da caixa d`água. Mas foi depois de boatos de que tinha um tarado andando pelo nosso bairro invadindo casas e até prédios pra estuprar mulheres, e que algumas deram depoimentos de que ele era até muito carinhoso, que minha vida ia mudar drasticamente. Conversando com Rafael sobre o assunto, ele sempre brincalhão me falou que numa situação daquela a mulher nunca devia reagir; por mais legal que fosse o tarado ele podia partir pra agressão. E ainda teve a audácia de me falar: se caso ele entrasse em nossa casa eu deveria ser muito boazinha com o tarado e fazer tudo que ele pedisse. Rimos muito, e Rafael passou a sempre que chegava em casa me perguntar se o tarado não tinha aparecido pra me estuprar... Não levava a sério e até cheguei a comentar na brincadeira: – Acho que vou passar a deixar a janela sempre aberta pra ver se ele aparece... Hahahahaha!… Ele olhando pra mim e também rindo: – Do jeito como você é gostosa; tenho certeza de que ele vai aparecer só pra colocar um chifre na minha cabeça!… Senti um calafrio percorrer todo meu corpo: – Nem brinca meu amor... Não quero nem pensar numa coisa dessas!… Rafael me abraçando e me beijando: – Já disse meu amor... Se acontecer, você tem mais é que obedecer ao tarado; combinado? Pelo sorriso, imaginei que Rafael só podia estar querendo aprontar alguma nova brincadeira comigo. Mas foi justamente num sábado em que estávamos fazendo 2 anos de casados; Rafael chegou do serviço trazendo uma garrafa de champanhe dizendo que íamos comemorar. Depois de bebermos uma boa quantidade de champanhe e depois de Rafael me deixar peladinha na cama; seu celular tocou... Rafael atendeu; e: Contos Imor(t)ais - ME ARRUMOU UM AMANTE – 18 -


– Tudo bem... Em cinco minutos em chego aí!… Fiquei preocupada, mas Rafael dizendo que era da fábrica onde ele tralhava e que era apenas uma pessoa pedindo pra ele levar um documento que já estava no porta-luvas do carro; completou: – Fica assim peladinha meu amor; volto em menos de 10 minutos!... Só sei que a champanhe que tinha me deixado eufórica foi me deixando toda mole que acabei cochilando... Acordei com alguém me sacudindo e quase que tive um troço ao ver um mascarado: com uma touca ninja cobrindo todo o rosto, óculos escuros, camisa de mangas compridas e até de luvas; tapando minha boca: – É melhor você colaborar comigo; prometo que não vou lhe machucar!… Fui relaxando por ter reconhecido a voz de Rafael; mesmo ele tentando disfarçar... Pra mim era mais uma de suas maluquices. Mas quando vi outro mascarado entrando me desesperei e resolvi tentar cobrir meu corpo com um lençol: – Que isso Rafael... Quem é esse outro homem?… O primeiro mascarado que eu tinha certeza de que era o Rafael, me segurando e dando uns tapinhas de leve no meu rosto: – Aqui não tem porra nenhuma de Rafael... Ou você fica caladinha; ou vou lhe dar tanto tapa na cara até te deixar desmaiada!… Veio a dúvida e vendo que ele levantava a mão pra me bater: – Tá bom! Tá bom! O que vocês querem?… – Só queremos nos divertir um pouquinho com você... Fica na posição de quatro; fica!... Fiquei, e o primeiro mascarado; o que eu mesmo na dúvida achava ainda que era o Rafael, subiu sobre a cama atrás da minha bunda e o outro veio na minha frente tirando de dentro da calça uma piroca enorme e cabeçuda: – Chupa minha pica dona... Mas já sabe né; se morder você pode se dar muito mal!... Abri minha boca e deixei que ele enfiasse a cabeça e mais alguns centímetros pra fechar meus lábios e começar a mamar... Enquanto isso, o primeiro mascarado atolou a pica na minha buceta e dando tapinhas na minha bunda; falando pro segundo: – Não falei cara; não falei que ela era muito gostosa?... O segundo segurando minha cabeça e fazendo ele mesmo movimento de vai-e-vem com sua pica na minha boca: – Põe gostosa nisso... Essa deve ser a mais gostosa do bairro!… Contos Imor(t)ais - ME ARRUMOU UM AMANTE – 19 -


O primeiro socando na minha buceta e dando um tapa um pouco mais forte na minha bunda: – Ouviu o elogio que ele te fez sua putinha?... Desse jeito nós vamos voltar outras vezes pra te foder!… O primeiro gemendo e gozando na minha buceta e o segundo tirando a pica da minha boca: – Deixa comer a buceta dela; também!… Foi pra trás de mim, e quando ele começou a enfiar aquela enorme piroca na minha buceta já toda melecada de porra, e o primeiro vindo pra minha frente e eu vendo o relógio em seu pulso tive a certeza absoluta de que era o Rafael... Pensei comigo: Se ele tinha me aprontado aquela e estava gostando de ver outro homem me fodendo; eu ia mostrar pra ele do que eu era capaz: – Hummm! Hummm! Que pau gostoso!... Mete! Mete! Mais! Mais!... Quero gozar! Quero gozar!... O cara era tão bom que mesmo eu gritando que estava gozando ele ainda ficou por mais de 10 minutos socando forte na minha buceta que tive um segundo e delicioso orgasmo antes dele também gozar dentro de mim. Deitei colocando uma toalha debaixo da minha bunda pra aparar a quantidade de porra que saia da minha buceta, e sorrindo toda satisfeita resolvi dar o troco no meu maridinho corno: – Nossa; como foi gostoso... Vocês podem voltar sempre que quiserem; é só tomarem cuidado pro meu marido não estar em casa, ok?… O primeiro chamando o amigo pra irem embora: – Pode deixar que vamos voltar sim; sua vagabunda!... Só fui me lavar e voltei ficando deitada do mesmo jeito que estava antes (peladinha). Mas 10 minutos se passaram pro Rafael entrar no quarto e me beijando; vi que ele tinha trocado apenas a camisa: – Está tudo bem meu amor? Aconteceu alguma coisa diferente enquanto me esperava? – Não! Não aconteceu nada; por quê? – É que eu demorei um pouco e fiquei preocupado!... E virando pro canto: – Só estou com muito sono meu amor... Acho que vou dormir um pouco!... Por dois dias seguidos, Rafael veio me perguntar se eu não tinha nada pra contar pra ele. Na primeira vez eu simplesmente com a cara mais lavada do mundo: – Porque meu amor? Você acha que estou lhe escondendo alguma coisa?

Contos Imor(t)ais - ME ARRUMOU UM AMANTE – 20 -


Ele gaguejou que “não”... Mas na segunda vez, eu olhei bem pra cara dele: – Você é que tem alguma coisa pra me falar; né? Quem é o cara que veio com você naquela noite em que ficaram fingindo que eram dois tarados? Ele sorriu dizendo que tinha achado que tinha me enganado, e que esperava que eu lhe contasse tudo antes de me confessar que tinha sido ele e um amigo de muita confiança... Fingi estar com raiva: – Seu cachorro... Como você teve coragem de fazer aquilo comigo? – É que eu sabia que você ia gostar... E gostou não foi? Eu sentando no seu colo e lhe dando um beijo: – Adorei... Foi a loucura mais gostosa que você já fez comigo; e quando os dois tarados vão voltar aqui em casa? Rafael já tirando minhas roupas pra me foder: – Se você quiser; podemos combinar pra esse final de semana?! Eu ficando de pé sobre o sofá e colocando minha buceta pra ele passar a língua: – Combinado; só que não vai mais precisar de máscaras; né? Quero ver a cara do seu amigo e a sua quando ele estiver me comendo!... Rafael como um cachorrinho passando a língua no meio das minhas pernas: – Essa sua safadeza está me deixando excitadíssimo!... Fomos pra cama e Rafael enfiou seu pinto em todos meus buracos: boca, buceta e cuzinho... Gozei feito uma cadela no cio. Chegou o sábado, eu ansiosa pro Rafael chegar com seu amigo quando tocou o telefone. Fui atender o era o Rafael dizendo que ia ter que ficar mais algumas horas no serviço, mas que eu podia receber seu amigo Igor mesmo antes dele chegar. Igor chegou com a cara mais lavada do mundo e nem bem fechei a porta pra ele me abraçar e me beijar na boca... Me livrei dos seus braços: – Nossa... Você é bem atrevido né?... Ele voltando a me agarrar: – O Rafael me contou que você gostou muito daquele dia, e me autorizou a começar antes dele chegar!... Deixando que aquele lindo safado me beijasse novamente: – Autorizou você fazer o quê? Contos Imor(t)ais - ME ARRUMOU UM AMANTE – 21 -


– Te levar pra cama!... Eu imaginando ter aquela enorme pica novamente: – Já que é assim; então vamos!... Estava um pouco acanhada, mas quando vi aquele homem se despindo e sua enorme piroca dura tratei logo de tirar toda minha roupa e deitar na cama. Igor beijou muito minha boca e mamou bastante nos meus peitos antes de atolar seu pau na minha buceta e me fazer gemer e gritar de prazer: – Ai ai ai ai!!!!... Que pica deliciosa; enfia tudo... Enfia!... Igor dava cada socada que parecia que seu pau ia me atravessar toda e sair pela minha boca... Assim que acabei de ter um delicioso orgasmo; Igor sussurrando ao meu ouvido: – O Rafael me disse que você adora dar a bundinha; é verdade? – É sim... Mas... Mas... Seu pinto é muito grande Igor!... Ele tirando da minha buceta, me virando de bruços e beijando minhas nádegas: – Adoro comer um cuzinho; e não vai ser por alguns centímetros a mais que você vai me negar; né?... Fui empinando a bunda e ficando de joelhos... Igor passou um pouco de saliva na ponta do seu pinto e veio empurrando até começar a entrar. Travei os dentes e deixei Igor enfiar até encostar o saco... Novamente a impressão era de que ia chegar na minha boca aquela enorme piroca. Comecei a gemer alto e escutei a voz de Rafael que entrava no quarto: – Ela também gosta de apanhar na bunda Igor... Dá uns bons tapas nela; dá!... Aproveitei a diga no meu maridinho: – Pode bater Igor... Bate com bastante força na minha bunda!... Veio um tapa e em seguida algumas bombadas e eu fui pedindo pra ele bater cada vez mais forte... Minha bunda passou a arder, e com aquele pauzão indo e vindo no meu buraquinho pela primeira vez tive um orgasmo dando o rabo. Igor passou a ser meu primeiro amante com o consentimento do meu maridinho corno. Mas Rafael também permitiu que eu tivesse relações sexuais com outros homens do nosso círculo de amizades... Só que eu não podia contar que ele sabia.

Contos Imor(t)ais - ME ARRUMOU UM AMANTE – 22 -


TELE ENTREGA Como já relatei em histórias anteriores eu sempre adorei me exibir e provocar e uma de minhas fantasias favoritas era me mostrar para entregadores de tele entrega, adorava pedir Pizza, comida chinesa ou qualquer outra tele entrega e nestas ocasiões sempre esperava os mensageiros quase nua, algumas vezes com camisolas bem curtas e hiper transparentes, às vezes com micro vestidos e sem calcinha e às vezes enrolada somente em uma toalha que geralmente deixava cair de propósito, na ocasião adequada, certa vez ainda estávamos em uma festa com um casal e eu e ela recebemos o entregador praticamente peladas e num clima de chupação e esfregação que deixou o rapaz louco... rs...rs...rs… Mas voltando a história, sempre adorei me exibir e insinuar para os entregadores, mas nunca havia pintado um lance mais ousado ou que tivesse sido criada uma situação real de sexo, até que em certa sexta-feira a noite, estávamos em casa tomando um uisquinho, vendo um filminho pornô e nos preparando para sair e pintou uma certa fome. Como eu estava muito assanhada e excitada, pedi para o Roberto ligar para uma destas tele entregas e encomendar uma pizza grande e algumas cervejas de latinha, pois eu estava a fim de me exibir e então como de costume preparei-me para receber o entregador, colocando apenas uma camisola vermelha hiper curta e transparente, batom da mesma cor, combinando com as unhas e fiquei sem calcinha, completando o look com um sapato de salto super alto. Combinei ainda com o Roberto que ele ficaria no banheiro, espiando por uma fresta da porta e que quando o entregador chegasse, ele manteria o chuveiro ligado como se estivesse tomando banho e que minha idéia era provocar e me exibir completamente ao entregador. Tocaram a campainha da porta e fui atender, olhei pelo olho mágico e vi que era um garotão que devia ter uns 21 ou 22 anos no máximo, moreno, bonito, cabelo comprido de rabinho e muito forte e musculoso, gostei dele a primeira vista, abri a porta e quando ele viu como eu estava vestida, ficou meio desconcertado e sem reação parado na porta e eu o mandei entrar... Ato contínuo gritei para meu marido: – Querido a Pizza chegou! Ao que ele respondeu: – Pegue o dinheiro na minha carteira e pague, pois ainda estou no banho! Ele ainda não havia percebido que eu estava sem calcinha e quando sentei no sofá, peguei a pasta do Roberto e tirei a carteira para pegar o dinheiro escancarei bem as pernas, mostrando minha bocetinha que estava completamente depilada e lógico encharcada de tesão ao garoto que ficou enlouquecido e logo vi um grande volume se formando em suas calças. Tirei o dinheiro, paguei e ao chegar perto dele, pela primeira vez percebi que não queria somente me exibir para ele, amei aquele garotão e queria dar para ele de qualquer jeito e então tomei a decisão de provocá-lo e ver o que dava. Primeiro passei pela sua frente e aproveitei para esfregar a bunda no pau dele que estufava a calça, após fui até a mesa e me curvei para frente, a pretexto de ver se a Pizza estava quente e se era a que havia pedido e com este movimento para frente e devido a camisola ser muito curta, aliado ao fato de estar sem calcinha, fiquei com a bundinha e a bocetinha depilada completamente exposta para ele, percebi então que o rapaz estava desconfortável, não sabia o que fazer e quando começou a se aproximar, fui abrindo o máximo as Contos Imor(t)ais - TELE ENTREGA – 23 -


pernas e me curvando totalmente para frente, deixando meu rabo e chaninha completamente a disposição dele. Fechei os olhos e fiquei na expectativa que ele me agarrasse ou enfiasse a mão, ele parou logo atrás de mim e ficou somente olhando, eu imaginava a visão que ele estava tendo do meu cuzinho exposto e da bocetinha lisinha e sem nenhum pelinho, mostrando a excitação que já escorria pelas minhas pernas, percebi ainda que ele estava lutando contra o desejo de me agarrar e notei quando ele ajeitou o pau extremamente duro por dentro da calça, mas aparentemente o medo e o receio de ser rejeitado ou arrumar alguma encrenca foi mais forte e ele não se atreveu a arriscar nada e ficou na apenas na dele observando. Então realizei o pagamento e fui levá-lo até a porta então coloquei a mão no seu braço e fui conversando. Toda dengosa como uma cadela no Cio, agradeci e falei que ele era um rapaz muito bonito, interessante e gostoso e que eu desde que o tinha visto tinha sentido a maior tesão por ele e tomando a iniciativa passei a mão e agarrei o pau dele por sobre as calças. Ele embora muito nervoso, criou coragem e espalmou a mão na minha bunda e agarrou meus seios, meio assustado e olhando a todo o momento para o banheiro e quando o Roberto fez um ruído um pouco maior, foi saindo porta afora, quando o agarrei pelo braço, agradeci novamente a entrega e lhe dei um beijinho no rosto, quase na boca e disse que no sábado iria pedir pizza novamente e que fazia questão absoluta que fosse ele que viesse fazer a entrega e ele garantiu que não iria perder a oportunidade de me ver novamente e que com certeza iria ser ele, pois estaria trabalhando no outro dia e que aquela era a zona de entrega dele. No outro dia ligamos novamente e fizemos novo pedido, desta vez combinamos que o Roberto ficaria escondido na sala contigua a porta de entrada, no escuro, com a porta fechada e espiando por uma fresta da porta e que se ele perguntasse, eu diria que estava sozinha em casa. Como tinha certeza absoluta que seria o mesmo entregador que viria, resolvi chutar o balde e iria provocá-lo ainda mais que ontem, falei ao Roberto que hoje ele não escapava e que iria comer o garoto de qualquer jeito. rs...rs...rs... O Roberto ainda disse que tudo bem, só devia ter cuidado para não arrumar nem encrenca nem sarna para nós depois. Não quis nem pensar no depois e muito excitada me produzi para matar, coloquei um body preto, hiper transparente, sem nada por baixo e fiquei aguardando ansiosamente o meu garotão. Quando tocou a campainha olhei pelo olho mágico e vi que era um entregador, mas não pude identificá-lo porque ele não havia tirado o capacete de motoqueiro, abri a porta e ele entrou, ainda sem tirar o capacete. Como mesmo de capacete eu o reconheci imediatamente, resolvi entrar no jogo, se era assim que ele queria, tudo bem, o levei até a mesa e ficando de costas e empinei a bunda, o que fez com que o tecido transparente ficasse ainda mais enterrado no meu rabo. Então ele então não resistiu, me agarrou por trás, agarrou meus seios e foi baixando as alças do conjuntinho. Virei-me então e tirando o capacete dele, lhe dei um grande beijo de língua, enquanto já agarrava o pau dele que estava extremamente duro por dentro das calças, enquanto ele me beijava e chupava meu pescoço. Ele olhou em volta e nervosamente perguntou onde estava o meu marido e se eu estava sozinha e eu falei que o Roberto havia dado uma saída, e que iria demorar uns 30 minutos e sem perder muito tempo puxei-o até o sofá, abri o zíper da calça e tirei o pau dele para fora e enfiei tudo na boca. Ele enlouqueceu e ficamos nos bolinando, beijando e arretando e para minha maior tesão, ele me Contos Imor(t)ais - TELE ENTREGA – 24 -


colocou de costas e colocou o pau no meio da minhas coxas, enquanto tirava o resto da minha roupa, me deixando apenas de salto alto. Completamente nua, ele me lambeu todinha e enfiou dedos, mão e língua em todos meus buracos, me beijava de forma alucinada e eu o ajudei a tirar a roupa, depois ficando de quatro no sofá, pedi para que ele metesse em mim tudo de uma só vez, pedi para ele me arrombar, me estuprar e me deixar toda ardida com a presença dele dentro de mim. Ele atendeu meu pedido e colocando o pau na entrada da minha boceta, enterrou todo o pau de uma só vez, sem dó e sem piedade, até que eu senti o saco grande e peludo bater nas minhas coxas, me trazendo uma sensação maravilhosa de submissão e prazer e enquanto me beijava, bolinava e chamava de gostosa, enquanto me fodia, confidenciou que desde o dia anterior não conseguia parar de pensar em mim e que chegou a sonhar que estava me comendo e que nem conseguia acreditar que agora estava realizando este desejo. Eu estava muito excitada e gozei quase que imediatamente e quando percebi que ele estava por gozar, me ajoelhei e coloquei aquele pau gostoso na boca e fiquei punheteando, chupando e passando a língua e mordendo a cabecinha do cacete e olhando nos olhos dele fui percebendo a sensação de prazer e satisfação se aproximando e deixei ele gozar na minha boca e rosto uma enorme quantidade de porra que escorreu pelos cantos da boca, melecando meu rosto e seios. Logo em seguida, ele ficou me abraçando, bolinando, beijando e ficamos como dois namoradinhos e eu coloquei novamente o pauzão dele no meio das minhas coxas e o esfreguei na minha bunda, enquanto rebolava e o deixava novamente em ponto de bala. Ele se dando conta do tempo já transcorrido se vestiu, enquanto eu continuei nuinha da silva, apenas de salto alto e após pagar a pizza e agradecer a entrega perguntei se ele havia gostado da gorjeta? Ele me abraçou novamente e passou a mão em todo meu corpo, tendo especial atenção a minha bunda e as marquinhas que estavam bem salientes, já que havia retornado a pouco tempo de uma temporada de muito sol no nordeste. Falou também que eu era maluca e questionou sobre o tipo de relacionamento que tinha com meu marido e se ele tinha conhecimento do que acontecia nas tele entregas e eu então confidenciei que tínhamos um casamento aberto e que ele sempre me dava força para realizar este tipo de fantasia e até curtíamos muito depois ficar comentando e falando sobre as sacanagens que pintavam no dia a dia e que numa outra vez talvez se ele estivesse em casa, com certeza adoraria participar da farra conosco. Ele disse que não sabia se teria coragem de chegar a tanto e rindo falou que eu havia sido tão generosa e que a gorjeta era tão especial que gostaria que sempre que eu ligasse para pedir alguma entrega de Pizza solicitasse que ele fosse o mensageiro e que iria deixar nome e o telefone para viabilizar e facilitar o contato. Falou ainda que minha bunda era maravilhosa e perguntou se eu gostava de dar o cuzinho, eu falei que adorava e que se ele tivesse disposição e tempo daria até naquela hora mesmo, mas ele falou que infelizmente tinha horários a cumprir e que já havia sido bipado em função da demora excessiva em voltar a empresa, mas que ficaria aguardando ansiosamente um novo pedido. Falei então que estava combinado e que com certeza ligaria outras vezes para fazer novos pedidos, mas que na próxima vez que ele viesse trazer a Pizza, poderia trazer algum outro entregador ou amigo junto para trazer as bebidas, para que não ficasse tão pesado para ele e ainda completei brincando, que neste caso a gorjeta poderia ser maior ainda e quem sabe eu daria a eles meu Contos Imor(t)ais - TELE ENTREGA – 25 -


cúzinho, em uma dupla ou tripla penetração! Comentei ainda que o Roberto já devia estar chegando e que se ele quisesse poderia ficar mais um pouco, mas ele não quis arriscar e disse que iria embora e me agarrando me deu um longo e gostoso beijo de língua, enquanto enfiava os dedos na minha buceta encharcada e os dedos no meu rabo, dizendo que iria sonhar que estava comendo meu rabo e que na próxima vez eu não escaparia de dar o cúzinho para ele. Ele então foi embora e o Roberto saindo da sala, me pegou de jeito, me atirou por sobre o sofá e me chamando de vadia, cadela e vagabunda me deu uns tapas na cara e me forçando a ficar de quatro sobre o sofá, enfiou o pau na minha bocetinha de forma vigorosa, constatando que estava muito ensopada e alargada, simplesmente tirou o pau da frente e enfiou de uma só vez no meu rabo, sem preparação, sem lubrificação, sem nada, me fazendo ver estrelas e me proporcionando mais um gozo maravilhoso, depois bombeando de forma vigorosa e muito rápida, logo me encheu o cuzinho de porra. Após me levou para o banho e me puxando pelos cabelos me forçou a ajoelhar, enfiando o pau na minha boca e a fodendo como se fosse uma boceta, até ejacular rios de esperma na minha garganta e me fazendo engolir tudo, lamber e limpar todinho o pau dele, sem deixar nenhum vestígio de porra, o que eu fiz com o maior prazer e tesão, enquanto já imaginava e planejava quando e como seria o próximo encontro com o meu garotão.

Contos Imor(t)ais - TELE ENTREGA – 26 -


RELIGIOSA E ESPOSA DE PASTOR Hoje, minha vida de casada com Vitor está mil vezes melhor do que alguns anos atrás... Se bem que ainda gosto de enfeitar sua cabeça com um belo par de chifres. Vivendo na roça e sendo assídua frequentadora de um templo religioso, conheci Vitor que iniciava como pastor e com 19 anos aceitei seu pedido de casamento; ele tinha 26. Poucos meses, até hoje não fiquei sabendo o porquê que Vitor foi afastado da igreja e parou de celebrar cultos... Começamos a ter dificuldade financeira pra poder ter pelo menos o básico dentro de casa. Sempre com esperança das coisas melhorarem, passei a usar toda minha simpatia pra conseguir coisas fiado em algumas lojas, no bar e principalmente na quitanda (mercadinho) do português Manuel. Vitor recebeu um pouco de dinheiro como se fosse uma indenização da igreja e resolveu viajar pra outra cidade e tentar conseguir ser pastor em uma congregação diferente. Fiquei sozinha e logo as portas foram fechando pra mim e passei a ter dificuldade pra adquirir as coisas no fiado. Até o Sr. Manuel que vivia se derretendo por mim resolveu cortar meu crédito. Apesar de religiosa sempre soube que tinha um corpão de chamar a atenção: 1,65 mts, 59 kgs, peitos grandes e firmes, uma bunda empinada e um par de coxas roliças que vivia escondendo sob vestidos e saias longas... Como sempre notei que o português vivia me comendo com os olhos, percebi que teria que ser mais flexível pra conseguir alguma coisa dele. Ele que sempre ficava no caixa enquanto um rapazinho seu empregado ia atendendo os fregueses que chegavam, me aproximei fazendo carinha de triste e falando baixo: – Poxa Sr. Manuel; me vende fiado vai... Eu juro que vou pagar quando o Vitor voltar! – Oh pá rapariga Letícia... Estais a me dever um bom dinheiro; tu sabes? Disse que sabia e tornei a prometer que ia lhe pagar até o último centavo... Mas o portuga pão duro resolveu ser duro na queda. Dei uma olhada por todo estabelecimento e vendo que o empregado estava sentado lá na porta e que não havia nenhum freguês, resolvi que tinha que conseguir de qualquer maneira... Levei minha mão por trás do balcão e passei sobre suas pernas acariciando: – Me ajuda Sr. Manuel... O Sr. sabe que eu gosto muito do Sr.; não sabe? Ele arregalou os olhos e segurando minha mão colocou-a sobre onde estava seu pinto... Senti o volume dentro da calça mesmo estando mole: – Oh pá... Se for verdade, podemos começar a conversar sobre o que a rapariga está a precisaire! Estava entrando uma freguesa e antes dela se aproximar do caixa lancei o melhor sorriso que pude pro portuga: – Gosto muito Sr. Manuel... Só que eu não posso me expor na frente das outras pessoas. Paramos de falar até que a freguesa saiu e o rapaz voltou pra porta e sentou na cadeira ficando de costas pra nós. O Portuga pegou minha mão e foi perguntando o que eu estava precisando que ele ia ver o que poderia me arrumar. Nisso, levei um susto quando percebi que ele me fez segurar seu pinto que sem que percebesse tinha colocado pra fora... Tive que continuar segurando e ainda sorrir Contos Imor(t)ais - RELIGIOSA E ESPOSA DE PASTOR – 27 -


pra ele. Continuei conversando e resolvi agradar mais passando a mão... Foi aí que começou a minha curiosidade, tive a impressão que o portuga tinha um pau grande e grosso pelo que senti com minha mão. Sem largar, tive que dar um jeito e chegando mais pra trás do balcão olhei a vara do portuga que devia estar medindo aproximadamente uns 25 cms e tinha uma cabeça muito mais grossa do que o restante. Voltei pra minha posição anterior e comecei a punhetar aquela vara dura que mais parecia uma tora... No início estava me achando uma mulher suja, mas, logo estava gostando de segurar aquele pau que senti minha xoxota se contraindo tanto que passou a me incomodar. Fiquei aliviada quando ele pediu pra esperar e saiu rapidamente pro cômodo que ficava atrás da loja... Provavelmente tinha ido acabar de se masturbar. Consegui uma boa quantidade de mantimento e só voltei na quitanda cinco dias depois já sabendo que ia conseguir mais coisas no fiado. Novamente fizemos o mesmo ritual... Segurei seu pau e fui punhetando levemente até que ele balando baixinho sugeriu que eu voltasse minutos antes dele fechar o estabelecimento prometendo me dar de graça uma boa cesta básica. Fui faltando cinco minutos pra ele fechar e tive a preocupação de entrar rapidamente pra que ninguém percebesse... Sr. Manuel já tinha dispensado seu empregado mais cedo. Ele arriou as portas e quando vi baixando as calças me mostrando aquele enorme pinto, meu pensamento já nem era mais pela cesta básica que ia ganhar, estava louca pra experimentar como era ter um pau daquele tamanho e grossura enfiado na buceta. Quem me visse jamais acreditaria que eu era uma religiosa e mulher de um pastor; botei meus peitos pra fora e segurando o pau do portuga fiz ele chupar bastante meus melões até sentir que minha buceta estava bastante molhada. Tirei minha calcinha e me debruçando sobre umas sacas de batatas levantei minha saia e empinei minha bunda: – Vem Sr. Manuel... Mete na minha buceta; mete! Apesar do velho estar beirando os 60, tinha uma pica tão dura que assim que começou a me penetrar tive que segurar pra não gritar muito alto: – Aaaaiiii! Aaaaiiii! Ai Jesus! Ai Jesus!... Devagar Sr. Manuel; devagar!… Ele parecia um jumento socando na minha buceta e não demorou pra eu ter um estrondoso e delirante orgasmo... O animal do portuga inundou minha buceta com uma quantidade enorme de porra que vasou escorrendo pelas minhas coxas. O portuga passou a lavar uma pequena cesta básica toda semana em minha casa. Eu sabia que mesmo tomando todo o cuidado, sempre tinha alguém que poderia ver o Sr. Manuel entrando na minha casa... Era o risco que eu tinha que correr pra continuar trepando com aquele homem pauzudo. O Sr. Manuel quando me viu pela primeira vez totalmente pelada: – Oh caralho... Tu estais a me deixar louco; vais ter tudo que precisares de mim; é só pedires!... Era simplesmente maravilhoso ter aquele velho tarado me fudendo como seu eu fosse uma égua e ele um garanhão de pau enorme. Mais maravilhoso ainda foi quando ele com aquele seu bigodão chupou minha buceta... Sr. Manuel lambia, chupava e passava o bigode da minha buceta fazendo cosquinhas e me fazendo gozar feito uma vagabunda de zona. Vitor voltou a celebrar cultos em uma nova igreja e passou a me mandar uma boa quantidade de dinheiro... Paguei todas nossas dívidas pela cidade e já sabendo que ia embora com Vitor passei a Contos Imor(t)ais - RELIGIOSA E ESPOSA DE PASTOR – 28 -


não mais me importar das pessoas verem o portuga entrando na minha casa... Mesmo não precisando comprar mais nada fiado, gostava de ficar brincando com a pica gostosa do portuga: beijava, lambia, chupava, punhetava e sentava cavalgando como um louca até gozar e deixar ele gozar tudo que podia dentro da minha buceta. Meses depois, fui embora pra outra cidade com Vitor e tudo começou a melhorar: casa nova, novos amigos e principalmente novos homens me olhando de forma bastante sugestiva (a maioria pastores). Mas foi o pastor Walter, que era o mandachuva de toda congregação e obviamente o chefe de Vitor que foi o mais atrevido de todos. Estávamos um grupo de pessoas juntas conversando após um culto quando Walter carinhosamente colocou um braço sobre meus ombros... Conversa vai e conversa vem, todos tão descontraídos senti que a mão do pastor Walter saiu do meu ombro e foi pro meio das minhas costas... Quando senti descendo discretamente procurei nem me mexer e logo sua mão estava na minha bunda dando uma ligeira apalpada numa das minhas nádegas e uma rápida esfregada. Quando nos encontramos novamente, Walter na maior cara de pau me falou que tinha arrumado um curso de cinco dias pro Vitor fazer em São Paulo e que ele gostaria de me fazer uma visita enquanto estivesse sozinha. Toda dengosa e cheia de sorriso: – Não fica bem uma mulher honesta e religiosa como eu receber um homem enquanto seu marido não está em casa! – Ninguém precisa ficar sabendo Letícia... Só gostaria de conversar com você sobre o futuro do Vitor em nossa congregação. Logo veio o medo dele ser novamente excluído e com muito jeitinho fui perguntando e Walter foi me tranquilizando dizendo que era coisa boa que ele pretendia pro Vitor. – Então está combinado pastor... Vou ficar esperando o Sr. na minha casa! Pra não querer ser muito atrevida, no dia vesti uma saia comprida e uma blusa discreta, mas com um pouco de decote que realçava meus seios. Walter chegou, beijou minha mão e em seguida no rosto. Fui pra cozinha dizendo que ia fazer um café e Walter logo apareceu e aproveitando que eu estava de costas me abraçou por trás levando a mão nos meus dois seios... Sabia que a ida dele na minha casa tinha justamente aquelas intenções; fingindo estar surpresa, mas deixando continuar me apalpando: – Que isso Sr. Walter; sou uma mulher direita e fiel ao meu marido! Ele me beijando na nuca e levando uma das mãos pra suspender minha saia: – Olha Letícia... Se for boazinha comigo, vou fazer o Vitor de dar uma vida de rainha! – Mas isso é pecado Sr. Walter! – Não é não minha gostosa... Sentir prazer nunca é pecado!…

Contos Imor(t)ais - RELIGIOSA E ESPOSA DE PASTOR – 29 -


Nisso minha calcinha já estava nos meus joelhos, me virando passei meus braços pelo seu pescoço: – Vou confiar no Sr... Só não vou querer magoar nunca meu marido; combinado? Já estava sentada na pia e ele terminou de tirar minha calcinha pra em seguida tirar minha blusa me deixando só com a saia toda enrolada na minha cintura... Foi mamando nos meus peitos e passando a mão na minha buceta: – Fiquei louco por você desde a primeira vez que te vi... Você é a mais bonita e a mais gostosa das esposas entre todos os pastores. Fui entregando os pontos e toda cheia de tesão pra dar a buceta: – Vamos lá pra cama pastor... Lá é muito melhor! E não é que aquele velho também sabia dar uma boa fudida em uma mulher? Walter deitou sobre mim e enfiando seu pau na minha buceta ficou por uns quinze minutos socando: por cima, de ladinho e foi terminar me pegando de quatro me fazendo ter dois orgasmos antes de lambuzar minhas costas com todo seu gozo. Só que dois dias depois, ele voltou na minha casa, deu novamente aquela trepada de quinze a vinte minutos me deixando toda mole sobre a cama. Depois tirou um cochilo de quase duas horas e quando acordou me pegou novamente na cama me beijando na boca e mamando nos meus peitos... De pau novamente duro: – Fica de quatro que eu quero comer sua bundinha! – Não Sr. Walter... Isso eu nunca fiz antes!… – Seja boazinha comigo Letícia... Adoro comer um cuzinho; e você tem uma bunda maravilhosa! – Mas... Mas... Vai com cuidado Sr. Walter! O filho-da-puta molhou bastante seu pinto com saliva e ainda debruçou sobre minha bunda cuspindo sobre meu ânus... Quando ele me agarrou por trás e foi empurrando fazendo seu pau duro ir entrando, tive a impressão de que ia ser dividida ao meio. Mesmo berrando feito uma desvairada Walter foi empurrando tudo e ainda ficou socando por vários minutos até gozar feito um cavalo dentro do meu ânus... Dias depois, quando ele meteu novamente na minha bundinha passei a gostar de também dar o traseiro. Vitor foi crescendo como pastor e passou a me levar em suas viagens: Israel, Canadá e até nos Estados Unidos. Com minha convivência com outros pastores e suas esposas fui descobrindo que muitos gostavam de posarem como santos, mas na realidade eram tão depravados que alguns chegavam a participar de bacanais entre eles...

Contos Imor(t)ais - RELIGIOSA E ESPOSA DE PASTOR – 30 -


FANTASIAS Chamo-me Cláudia, nome verdadeiro, sou morena, baixinha, pois tenho 1:53 cm. de altura, tipo mignon, seios volumosos, cinturinha fina, bunda grande e pernas grossas e minha bunda arrebitada sempre fez muito sucesso entre homens e mulheres. Hoje tenho 48 anos, mas desde muito jovem sempre tive uma enorme tendência a ser muito putinha e só usava saias e vestidos super curtos e muito transparentes, com mini tanguinhas que não cobriam nem os lábios da xota e ficavam sempre enterradas no meu rabo, fazendo a alegria de quem tinha oportunidade de ver, que era praticamente todo mundo, já que nunca me preocupei em esconder... rs..rs...rs… Meu marido Roberto trabalhou até a pouco, como representante comercial e já contei como nos conhecemos no conto anterior, ele tem 1:81 m. altura, hoje com 55 anos, olhos verdes, esportista e moramos em Porto Alegre, embora estejamos sempre viajando o mundo. Após conversáramos muito sobre o assunto, resolvemos escrever e publicar nossas histórias e aventuras sexuais relatando nossas aventuras e fantasias, detalhar quem somos o que fazemos e como foi o início de nossas transas em swing e menage, por isso resolvemos colocar em forma de contos como foram as nossas iniciações nesses relacionamentos. Tudo começou logo que nos casamos, na época eu tinha em torno de 20 anos e o Roberto 27 e morávamos e desde o início tínhamos plena liberdade de falar sobre tudo e lógico não faltou o questionamento sobre as experiências sexuais de cada um e os relatos das mesma, principalmente na cama enquanto transávamos o que nos trouxe a perspectiva e possibilidade de fantasiarmos sair com outras pessoa. Esta possibilidade começou a nos chamar a atenção e quando comentamos levar adiante esta possibilidade eu aceitei de imediato. Mas, como da idéia a pratica há uma distancia enorme, começamos vendo os prós e contras e enquanto não levávamos adiante o plano, começamos a nos tornar assíduos leitores de revistas especializadas e famosas em sacanagem na época, tipo Fiesta, Big Man e de livros e sites pornográficas. Curtíamos muito os contos e ficávamos fantasiando e lendo durante nossas transas, o passo seguinte foi buscar fitas pornô e assistirmos enquanto transávamos, fantasiando e conversando sobre o que estava ocorrendo na telinha. Depois do nosso casamento o Roberto sempre fez questão de escolher ou comprar as minhas roupas, ele adora que eu use mini saias, roupas transparentes, mini vestidos sem nada por baixo, etc... Adora ainda que eu me exiba e fique mostrando meus seios, rabo e chana para os outros, afinal foi assim que ele me conheceu e se eu já me vestia como uma vagabunda quando solteira, imaginem só com as roupas que ele comprava não ficava dúvida nenhuma, até garotas de programa relutariam em usar as roupas que ele comprava. Nossas aventuras durante longo tempo se resumiram a ficar me exibindo e me mostrando a quem tinha a alegria de estar presente quando eu me mostrava, continuava adorando deixar os homens loucos com minhas pernas, coxas, bunda e seios, adorávamos ir a Lojas de Calçados para experimentar sapatos e eu estava sempre sem calcinhas e me arreganhava toda para o vendedor ver Contos Imor(t)ais - FANTASIAS – 31 -


minha buceta raspada e bem lisinha, ou ainda íamos a postos de gasolina e eu ficava com as pernas escancaradas para que o funcionário visse que eu estava sem nada por baixo, enquanto limpava o vidro dianteiro do carro e olhava o nível do óleo, ocasiões em que tínhamos atendimento mais do que VIP. rs..rs...rs… O meu marido curtia muito estas situações e me incentivava e como já havia comentado no conto anterior, adorávamos trepar em locais públicos, tipo parque marinha, na redenção, em sessões de cinema pornô, em boates, etc..., coisa hoje que se tornou impossível pelo advento do celular com câmera embutida e pela facilidade de estar na internet... rs...rs...rs… Certo dia após muita conversa e relutância resolvemos arriscar e escrevemos para uma destas revistas especializadas colocando um anúncio com fotos, onde manifestávamos nosso desejo de relacionamento com mulheres e casais, também colocamos o mesmo anúncio nos classificados da Zero Hora, quando recebemos então quase quatrocentas cartas durante um período de mais ou menos 3 meses e selecionamos as que mais nos chamaram a atenção para responder. Embora a imensa vontade de levar adiante nossa fantasia, apenas nos correspondemos durante longo tempo com diversas pessoas, pois embora conversávamos e fantasiávamos muito, mas não tínhamos coragem de levar adiante o nosso projeto erótico, principalmente porque meu marido era muito conhecido no meio social. Após muita relutância, indecisões e recuos chegamos a um consenso, o melhor seria iniciarmos saindo com uma mulher, já que é o sonho de todo homem transar com duas mulheres ao mesmo tempo e que eu tinha a maior tesão em saber como me sentiria transando e curtindo uma mulher na cama. Entre as cartas que recebemos, havíamos separado a de uma moça de 18 anos que residia em uma cidadezinha próxima a Porto Alegre e que se chamava Ana, e que quando nos escreveu relatou que sempre sentiu tendências lésbicas, mas nunca havia tido coragem de levar adiante as suas fantasias e que quando viu nosso anúncio sentiu que aquela poderia ser a oportunidade de realizar sua fantasia. Resolvemos então escrever para ela e após algumas correspondências com troca de telefones a convidamos para passar um final de semana conosco em Porto Alegre. Num sábado pela manhã a fomos buscar na Rodoviária de Porto Alegre, e imediatamente surgiu uma empatia mútua, ela era muito bonitinha, baixinha, não devia ter mais que 1:50 cm., loirinha, olhos azuis, corpo bonito, seios enormes, vestia um mini vestido azul que ressaltava mais ainda a cor de seus olhos. Nós a levamos para dar um passeio e ver alguns pontos turísticos de Porto Alegre, no caminho comentamos nossas fantasias, desejos e vontades. A cada momento ficavam mais evidentes as afinidades que existiam entre nós. Ela então nos comentou que adorava sexo, que sempre participava de festas, que já havia participado de surubas, mas que nunca tinha tido a oportunidade de realizar seu maior desejo que era transar com uma mulher e que quando viu minha foto havia ficado muito excitada e que agora ao me conhecer pessoalmente sua tesão havia redobrado. Comentou ainda que morava sozinha e quando a convidamos para passar todo o final de semana conosco, ela disse não haver nenhum problema, aceitando prontamente. Contos Imor(t)ais - FANTASIAS – 32 -


Pegamos então o carro, fomos fazer umas compras e nos dirigimos para uma casa numa praia do nosso litoral. Era mês de junho e estava muito frio, logo na chegada colocamos fogo na lareira. Imediatamente fomos tomar banho e eu voltei com uma camisola super transparente somente com uma mini tanguinha por baixo, a Ana por sua vez veio apenas com uma camiseta que tomou emprestada do Roberto, e o Roberto veio com um calção super largo sem nada por baixo. Deitamos num grande tapete a beira da lareira e continuamos nossa conversa regada a muito uísque e vinho. Não demorou muito e o Roberto estava me agarrando, beijando e bolinando. Quando o clima estava criado, tirou minha camisola e chupava e lambia todo o meu corpo sob o olhar atento da Aninha... Ato contínuo me dirigi até onde ela estava e comecei a acaricia-la no que fui plenamente correspondida… A beijei, levantei a sua camiseta e notei que ela tinha seios grandes e lindos e que estava com os biquinhos completamente duros... lambi e mordi todo o seu corpo dando especial atenção a seus seios que eram maravilhosos… O Roberto se afastou e nos deixou brincando entre nós, sentou em uma poltrona e ficou assistindo a tudo como um espectador privilegiado. Nos beijamos com paixão... nos roçávamos com tesão... liberando todo um desejo que eu mesmo não sabia existir em mim… Eu tirei a sua calcinha e pela primeira vez enfiei minha boca e língua na chana de uma mulher... brincava com seu grelinho a deixando alucinada e descontrolada e ela gozou na minha boca e após veio por cima de mim me beijando, chupando, lambendo... Tirou minha calcinha e também enfiou a língua e os dedos dentro de mim... Foi maravilhoso, gozei na sua boca, com loucura e paixão... Continuamos a nos acariciar e buscamos o Roberto para participar da festa conosco... Nós duas o mordemos, beijamos, ele meteu um mim enquanto eu chupava a Aninha... Ele meteu nela enquanto eu a beijava e lambia.... Fizemos um 69 enquanto ele metia ora numa, ora em outra... Nós duas o chupamos... Eu chupei o grelinho dela enquanto ele a enrabava e depois trocamos de posição e quem teve o cúzinho arrombado por ele fui eu, enquanto ela brincava com a língua na minha chana. Foram dois dias de muita curtição e de muito prazer e foi uma experiência inicial maravilhosa... Por muitos anos continuamos companheiros e saímos diversas outras vezes, depois de algum tempo ela se mudou para um outro Estado e não mais tivemos notícias suas, mas a sua recordação é magica para nós, pois ela foi a responsável pelo início de tudo e nós sentimos até hoje muitas saudades dela. Após esta primeira experiência bem sucedida, nos abriu uma nova porta a ser explorada e continuamos nos correspondendo com diversas outras pessoas, escrevemos e marcamos encontros com diversos casais, mas que acabou não rolando nada, pois não pintou aquela afinidade necessária a um bom relacionamento. Quando já estávamos quase perdendo as esperanças e desistindo, surgiu um encontro com um casal, que se chamavam Zé e Márcia. Encontramos-nos em uma boate e eles eram exatamente o que buscávamos, pessoas que se amavam, estavam de bem com a vida, sabiam o que queriam, não forçaram a barra, levaram a conversa para o lado desejado no momento exato e no final da noite nos convidaram para ir até o apartamento deles. Eles curtiam e adoravam este tipo de relacionamento, nós prontamente aceitamos o convite e lá chegando continuamos a tomar aperitivos sentados em grandes almofadões na sala... Os dois naturalmente e como se não estivéssemos ali começaram a se bolinar, chupar e ficaram nus e começaram a transar entre eles... Nós ficamos olhando maravilhados e meio sem saber o que fazer, tentando criar coragem... Derrepente também estávamos nos beijando Contos Imor(t)ais - FANTASIAS – 33 -


e nos chupando e o Roberto foi tirando minha roupa me deixando nuazinha e cheia de tesão. A seqüência não lembro bem, mas só me lembro que quando me dei conta eu estava sendo beijada e bolinada pela Márcia e ela chupava alucinadamente meus seios.Nos beijamos, chupamos uma a outra e transamos de maneira muito especial. Logo, estava sendo beijada e agarrada pelo Zé, enquanto Roberto estava sendo chupado pela Márcia e em seguida estávamos os quatro em um só bolo onde ninguém era de ninguém. O Roberto tem um pau gostoso de 19 cm., não é muito grosso mas esta sendo pronto para a guerra, mas o Zé parecia um Jumento, principalmente na época que eu não tinha tanta experiência assim e que embora tivesse saído com muitos homens, não tinha nenhum que chegasse nem perto da grossura do pau do meu novo amigo. Hoje, muito mais experiente e rodada, posso dizer que já vi, chupei e senti cacetes bem maiores do que aquele, tanto na buceta como no meu rabinho, mas na época era uma novidade, me assustei só ao ver. Era grande, grosso, cabeçudo de veias salientes e devia ter uns 23 cm. de comprimento por uns 9 ou 10 cm. de grossura. Fiquei alucinada, não resisti e enfiei tudo na boca... Chupei, lambi, mordi, fui chupada... Ele me deitou subiu sobre e meteu lenta e firmemente na minha chana, sem parar, eu tinhas orgasmos múltiplos ao me sentir arrombada e tinha a impressão de estar sendo deflorada novamente. Do meu lado o Roberto metia na Márcia de quatro, fazendo um vai e vem alucinante, aquilo era bom demais e me esvaí em gozos múltiplos. Depois o Zé e o Roberto fizeram uma dupla penetração em nós e quando ele meteu na minha bunda, me fez ver estrelas… Passamos a noite inteira curtindo este nosso novo e gostoso relacionamento e ainda saímos juntos muitas vezes. Depois de certo tempo eles se separaram, mas o Zé ainda ficou como nosso parceiro de festas durante muitos anos, não se casou mais, nem assumiu compromissos sérios, mas sempre trazia amigos e amigas novas para nos conhecer. Aí pintou uma fantasia minha e a vontade de sair apenas com um homem e o escolhido foi o Júlio, um amigo do Roberto de longo tempo e com quem ele já tinha saído várias vezes para festas... A coisa começou de modo meio inocente e em uma conversa numa transa, onde comentei que tinha adorado o tamanho e a grossura do pau do Zé, que tinha ficado impressionada porque nunca tinha visto pau tão grosso e que adoraria dar para ele novamente. O Roberto retrucou dizendo que se havia achado aquilo grande é que não conhecia o pau do Júlio pois dava quase dois do Zé, principalmente em grossura. Não acreditei, lhe disse que adoraria ver se era verdade, principalmente porque este cara sempre estava de olho em mim e ficava bem alucinado sempre que me via além de ter como vantagem ser nosso amigo e ser casado não tendo problemas de pegar no nosso pé. Não comentamos mais sobre o assunto, mas certa noite ele e o Roberto saíram para jogar tênis e na volta o trouxe para tomar uma cervejinha. Ficamos bebendo e conversando e o clima começo a ficar sensual. Eu estava com um vestido branco transparente e uma micro tanguinha sem mais nada e cada vez que cruzava s pernas dava para ver a tanga enterrada na minha chana e os grandes lábios para fora. O Julio estava ficando incomodado e o pau já tinha dado sinal de vida. Em um certo Contos Imor(t)ais - FANTASIAS – 34 -


momento o Roberto perguntou se ele me achava bonita e gostosa, ele falou que sim e o Roberto então pediu para eu levantar e tirou meu vestido, me deixando apenas de tanguinha, me exibindo para o seu amigo que ficou enlouquecido., ato contínuo baixou minha tanguinha e mostrou as marquinhas de sol na minha bunda, que eu cultivava com tanto carinho. O Roberto então lhe confidenciou que queria tirar umas fotos eróticas e sensuais e que também desejava fazer umas filmagens nossas, mas que precisava de um parceiro de fé e confiável para nos ajudar e perguntou se ele topava fazer isso para nós, já que sozinhos não conseguíamos nem tirar as fotos nem fazer as tomadas de vídeo do jeito queríamos. Ele ficou meio constrangido e desconfiado, mas creio que o tesão foi maior e ele topou, percebemos ainda que ele ficou muito excitado. Então fui ao quarto troquei de roupa e voltei com um micro vestido preto e puxei o Roberto para dançar e ele ficou me beijando e bolinando enquanto ia tirando minhas roupas, me deixando somente de salto alto enquanto o Julio fotografava e filmava toda nossa bolinação. Voltei ao quarto várias vezes e fiz desfile com várias roupas sensuais e eróticas que eu possuía, Camisolas, espartilhos, fantasias, maios. Macacões, etc... Para cada roupa trocada eu colocava um sapato de salto alto ou botas de cano longo que ressalvam minhas coxas e bunda… Em algumas ocasiões o Roberto me pegava e enfiava o cacete na minha boca, na minha chana ou esfregava o pau extremamente duro na minha cara e nos meus seios e o Júlio tudo filmava e fotografava… Terminei as roupas disponíveis para desfile voltei à sala nuazinha em pelo, apenas de sapato de salto alto... Então aproveitei e dei um beijinho no Roberto e sentei no colo do Júlio lhe dando um selinho em agradecimento por ser nosso fotógrafo… Notei que ele ficou muito excitado e como por acaso passei a mão no meio de suas pernas e percebi ele estava com o pau que era uma estaca... E adorei o volume que havia se formado no calção. Fui novamente ao quarto, coloquei um mini biquíni branco com um baby dool transparente e voltei a sala, o Roberto agradeceu a sua gentileza em tirar nossas fotos e em nos filmar e em agradecimento o convidou para jantar conosco. Ele relutou em aceitar e disse que era melhor ir para casa, mas me aproximei e disse para ele que poderíamos ver o que tinha sido filmado, enquanto tomávamos um vinho e que alem disso que adoraria ter mais um pouco da companhia dele conosco. Ele não resistiu ao meu convite e aceitou, sugeri então que ele fosse tomar um banho, pois já que ele tinha praticamente o mesmo corpo do Roberto emprestaríamos uma roupa para ele trocar.. Ele foi para o banheiro, deixei ligar o chuveiro, esperei uns minutos e entrei no banheiro sob o pretexto de lhe levar a toalha que ele havia esquecido...Levei um susto pois o Júlio ainda não tinha entrado no chuveiro, mas estava completamente nu e punheteava um pau enorme, grosso e completamente duro, que me deixou maravilhada, era um monstro mesmo e o Roberto não havia exagerado… Era mais grosso que o meu braço, embora não fosse tão grande, fiquei parada olhando aquela maravilha, com as pernas bambas, ele sacudiu e me mostrou perguntando se havia gostado... Como nada falei só fiquei olhando de forma hipnotizada, ele agarrou minha mão e a colocou no monstro e eu comecei a punhetear. Então ele me puxou, me deu um longo e molhado beijo de língua Contos Imor(t)ais - FANTASIAS – 35 -


e me apalpando toda, empurrou minha cabeça de encontro a seu cacete... E eu cai de boca embora a cabeça mal entrasse na minha boca… Tirou a parte de cima do meu biquíni, me levantou como uma pena e tirou também a parte de baixo e me levou para baixo do chuveiro com ele… Eu já estava totalmente entregue e molhadinha de tesão.então ele me encostou na parede, colocou minhas pernas na sua cintura e começou a me enfiar aquele monumento de nervos... Eu colaborava como podia, mas a minha chaninha parecia não ter dilatação para agüentar tudo aquilo… Ele forçou a entrada e eu comecei a gritar e gemer, era muito pau para pouca buceta, estava me arrombando toda, me rasgando, eu me sentia estuprada e estava adorando, gozava aos borbotões. Abri os olhos e percebi o Roberto parado na porta do banheiro, olhando e curtindo e punheteando um pau extremamente duro… Ele gozou um rio dentro de mim, me deixando repleta de porra que escorreu pelas coxas, quando tirou a pica de dentro, parecia que faltava uma parte no meu corpo, me senti vazia, ele terminou o banho e foi para a sala enquanto terminava de me banhar. Saí do banheiro enrolada somente em uma toalha e voltei para a sala, quando deixei cair a toalha e fiquei só de salto alto e completamente nua no meio dos dois e comece a me esfregar neles os deixando loucos... Puxei a cabeça do Júlio e enfiei meus seios na sua boca... Depois esfreguei a minha chana raspadinha na sua cara e comecei a chupá-lo. Enquanto o chupava, o Roberto meteu na minha chana e falou que estava larga, pois o Julio tinha me deixado arrombada, alargada e cheia de porra, então tirou da buceta e meteu no meu rabinho... Brincando comentou que estava apenas preparando caminho para o Júlio me enrabar... Eu a início pensei em recusar, pois fiquei com medo de não agüentar, mas a tesão de experimentar aquele tarugo no meu rabo foi maior e quando chegou a hora fiquei de quatro e pedi para o Roberto passar óleo lubrificante no cuzinho e me preparar para a execução Ele passou bastante óleo, depois ele entrou por baixo de mim e começou a lamber meu grelo e chana e eu fui me abrindo... Abocanhei o cacete do Roberto em um 69 alucinante, enquanto sentia aquela pica cabeçuda procurar a minha portinha de entrada traseira e começar a forçar a penetração… Sentia arrepios de dor e prazer, sentia que estava sendo rasgada, estuprada, me sentia sendo alargada, arrombada, a dor era imensa, mas o tesão e o prazer eram maiores que tudo e o gozo chegava de forma descontrolada e vinha em espasmos imensos. Senti cada milímetro de cacete entrar no meu rabo como se fosse um ferro em brasa e o Roberto tinha uma visão maravilhosa do meu arrombamento, enquanto chupava e mordia meu grelo e fotografava o meu arrombamento anal... Procurei relaxar e ajudar a penetração mexi a bunda, procurei me abrir o máximo possível e senti entrar a metade do monstro. Forcei ainda mais a bunda para trás e finalmente senti entrar tudo, quando o saco grande e peludo bateu nas minhas coxas..Junto com a penetração profunda, veio o gozo, forte, intenso... Sentia que estava me esvaindo em gozo, senti o Roberto encher minha boca de porra e senti o Júlio jorrar uma quantidade inacreditável de porra no meu reto… Meu corpo formigava, estava dormente e não tinha vontade nem de reagir, pensei que havia terminado, mas não, aquela noite ainda foi longa, pois os dois pareciam insaciáveis e me comeram Contos Imor(t)ais - FANTASIAS – 36 -


de tudo que foi jeito possível e imaginável... Meteram na minha chana, me enrabaram novamente, fizeram dupla penetração... Chupei, lambi, os dois gozaram na minha boca, esfregaram a porra nos meus seios e rosto… Lembro que meio que adormeci com o cacete do Roberto na minha chana e com o pinto do Júlio na boca, como se fosse uma chupeta e toda melada de porra, desde o cabelo até os seios. Depois o Julio foi embora, me deixando toda dolorida por vários dias, mas com lembranças maravilhosas, de situações que iríamos repetir outras vezes… Depois destas experiências bem sucedidas, nos sentimos em condições e aptos para realizar outras fantasias e começamos então a pensar em novas situações eróticas. Temos realizado desde então, diversas loucuras, com casais, mulheres, homens, travestis, lésbicas, e sobre muitas destas situações escrevemos histórias que vamos publicar sistematicamente, para deixar registrada nossa experiência, bem como a tesão que tivemos em realizá-las. Ainda hoje, passados tantos anos, mantemos dezenas de amigos, amigas e vários grupos de casais, com quem nos relacionamos periodicamente. Adoramos a vida, adoramos sexo e tudo que é erótico e sensual. Somos realmente casados, temos dois filhos e nos amamos muito e não temos preocupações com traições ou cobranças pessoais, já que temos toda a liberdade do mundo para fazer tudo o que queremos... Nós sentimos realizados com tudo que já conseguimos fazer até agora e nosso relacionamento está cada vez mais solidificado… Esporadicamente, recebíamos alguns emails ofendendo a mim ou ao Roberto, que simplesmente desconsideramos, pois não nos preocupamos com isso, pois percebemos que algumas dessas pessoas que nos criticavam, passavam noites e noites em páginas de sexo ou eróticas, para depois critica-las, mostrando ser hipócritas em não ter coragem de assumir sua sexualidade, sensualidade ou até mesmo bissexualidade. Este texto não chega a ser propriamente uma história e sim um relato pessoal, concluímos ser necessário escrevê-la para que entendessem que todo o começo é difícil e principalmente que quem quer entrar em um relacionamento como este tem que estar muito bem preparado tanto de cabeça como emocionalmente, pois senão o relacionamento simplesmente acaba e o sentimento de culpa aflora de forma irreversível.

Contos Imor(t)ais - FANTASIAS – 37 -


FICANDO MAIS EXPERIENTE Tava outro dia já de noite numa lojinha perto de casa comprando umas coisinhas pra fazer um lanche, quando ouvi uma voz na minha direção: “Olha quem tá aqui!” Era a moreninha que eu tinha encontrado uns dias antes junto com o marido (falei deles no conto “Casal Iniciante na exibição”). Fui até lá, cumprimentei ela e quando ia perguntar pelo marido, eu o vi ali perto. Ela parecia que tinha bebido um pouco, estava alegre. Ele parecia cansado. Perguntei a ela como estavam as coisas, se ela tinha se exibido pra mais alguém... ela disse que não, e que até andou pensando nisso naqueles dias, mas que não tinha feito nada de mais. Mas falou pra mim uma coisa que poderia mudar meus planos pra aquela noite: “O que você achou daquele dia?” “Achei demais, você é uma gata, tem umas pernas bonitas e uma xaninha deliciosa..” Ela me interrompeu: “Quer ver de novo?” “Quero... e você ta querendo me mostrar ela?” “Nem tava pensando nisso, mas depois que eu te encontrei aqui...” “Você que sabe, se bem que você pode mostrar ela pra qualquer um” “Não é a mesma coisa. Um conhecido ficaria com muita intimidade. Um desconhecido pode querer fazer coisas que eu não quero. Você foi legal porque cumpriu o combinado, foi lá, viu, curtiu, e quando eu quis ir embora, você entendeu e respeitou.” “Claro que respeitei. Quem define até onde a gente vai é você, e claro, seu marido” “Pois é, por causa disso deu vontade de mostrar minha xaninha pra você hoje, o que você acha?” “Por mim, acho ótimo. O que seu marido acha?” “É isso que eu tenho que ver. Espera aqui que eu vou lá falar com ele” Continuei fazendo minha compra, mas conseguia ouvir um pouco da conversa. Eles estavam a uns três metros de onde eu estava. Dava ouvir melhor a voz dela, que falava um pouco mais alto que ele. Não consegui pescar a conversa toda, mas algumas coisas que ela disse dá uma ideia do que falavam: “Eu sei que você ta cansado, mas vai ser legal pra você relaxar” Contos Imor(t)ais - FICANDO MAIS EXPERIENTE – 38 -


“Da outra vez eu fiz por sua causa, agora quem quer sou eu” “Eu quero mostrar pra ele! Deixa!” Depois disso, ele pareceu concordar, embora eu ache que foi só pra ela parar de insistir. Ela chegou perto de mim e me chamou pra sair da lojinha. Tive que deixar as compras na loja, sem nem pagar e saí com eles. Ela entrou num carro no lado do carona, e ele no motorista. Ela tava de saia, de uma cor que parece jeans, mas o tecido é mais leve. A blusa era branca bem justa, realçando os peitos e mostrando que tava de sutiã. Ela estava de cabelo preso e sem maquiagem. Toda natural, e mesmo assim era linda. A porta do carro estava fechada, o vidro aberto, e eu estava em pé do lado de fora, olhando pra dentro. Por enquanto só dava pra ver as pernocas dela, que eram lindas, grossas... um tesão. Eu olhava as coxas, o marido olhou pra ela meio impaciente: “E aí?” Ela então levantou a saia. Estava com uma calcinha branca, comum. Daquelas que não são feitas pra seduzir, mas por isso mesmo me deixou ainda mais animado. Adoro a beleza simples e natural, nada forçado. Como o pano da saia era leve, desceu um pouco e tapou a calcinha, pus a mão dentro do carro e levantei a saia dela pra ver um pouco melhor, ela pegou a minha mão e me fez alisar suas coxas. Ela abriu um pouco mais as pernas e eu fui com a mão até a xana. Nessa hora o marido chiou: “Porra, não era só olhar?” Ela me defendeu: “deixa ele...” Falou isso e fechou os olhos relaxando a cabeça pra trás. Nisso, o barulho de pessoas passando fez com que ela abrisse os olhos e ajeitasse a saia. Ela não queria que mais ninguém a visse, nem queria ser vista mostrando a calcinha pra outro cara do lado marido. Quando diminuiu o movimento de gente, ela subiu a saia e abriu as pernas de novo. E novamente fomos interrompidos por pessoas passando. Ela reclamou: “Pô, to louca pra te mostrar tudo, mas não para de passar gente...” Nisso passa um cara que cumprimenta o marido. O fato de ter passado um conhecido mostrava que tava arriscado ficar ali. Aí o marido olhou pra ela e falou: “Melhor ir embora antes que alguém perceba o que está acontecendo aqui” Ela respondeu, meio triste: “Poxa, mas eu nem fiz o que eu queria... amor, a gente podia terminar isso lá em casa...” Contos Imor(t)ais - FICANDO MAIS EXPERIENTE – 39 -


“Não... quero ir pra casa descansar” Eu não falava nada. Mas ela estava realmente querendo: “Poxa amor, ta vendo como você é? Eu faço tudo que você pede... e isso tudo foi ideia sua. Você inventa essa história e agora vai dar pra trás?” “Não é dar pra trás, eu só queria ir pra casa e descansar hoje... além do mais, você nem sabe se ele pode ir lá em casa...” Ela pra mim:“Você pode?” Eu:“Posso” Ela pro marido: “Então... não custa nada...” Ela virou pra mim e mandou eu entrar no carro. Eu entrei. A casa deles era perto. Era uma casa pequena, tinha dois andares. E nós ficamos logo na sala, o primeiro cômodo. Não deu pra ver muita coisa da casa, se bem que eu tava ali pra ver outra coisa. Ele subiu as escadas e disse que ia tomar banho e trocar de roupa. Devia ter chegado há pouco tempo do trabalho. Ela estava cheirosa, perfumada. Sentou do meu lado no sofá. Ele lá do segundo andar gritou: “Não aprontem nada antes de eu chegar não!” Ela não queria muito esperar por ele, e foi logo abrindo as pernas, puxando a saia pra cima e deixando a calcinha toda à mostra. Ameacei ir com a mão, perguntei se podia. Ela sussurrou: “Vem” Eu fui e enchi a mão, alisei, fiz carinho, apertei de levinho. Fui com mão até a coxa, forçando a lateral da calcinha pra levar os dedos diretamente no grelinho, mas a calcinha era apertada e estava atrapalhando. Então ela fez a proposta: “Quer tirar ela?” Não há nada mais excitante no mundo que tirar a calcinha de uma mulher. Especialmente naquela situação, ela com tesão, sendo casada, na casa dela e com o marido em casa... já sem calcinha, ela arreganhou as pernas com tudo. Dessa vez eu conseguia ver tudo nos detalhes. Bem melhor que da outra vez. Ela abria os lábios com as mãos, deixando o grelinho todo aparecendo. Ela estava Contos Imor(t)ais - FICANDO MAIS EXPERIENTE – 40 -


molhada, eu passava a ponta do dedo na entrada da bucetinha e passava no grelinho, ela estava adorando. Quando eu ia com o dedo na entradinha, deixava escorregar de leve a ponta do dedo pra dentro, até que coloquei um dedo todo dentro, e fui comendo a gostosa com o dedo. Ela estava de olhos fechados curtindo muito. Perguntei se eu podia chupar. Ela falou: “Deixa o Carlos chegar, eu quero que ele veja” Aí, eu que tava comendo com o dedo, coloquei mais um e ia metendo forte os dedos de uma mão enquanto esfregava o grelinho com o polegar da outra mão. Ela estava quase gozando. O marido desceu e viu a cena:a mulher dele, vestida, mas toda arreganhada com dois dedos dentro e sendo masturbada com vontade, gemendo muito gostoso. Ele comentou: “caralho, já ta assim? Nem me esperaram?” Ela nem deu bola, só conseguiu falar sussurrando:“Quero fazer xixi!” Eu já estava saindo da frente pra ela poder ir ao banheiro, quando ela implorou:“Não tira o dedo!” “Mas você não vai no banheiro?” “Vem comigo. Não tira o dedo” A gente levantou do sofá e foi caminhado até o banheiro. Eu na frente, andando de costas, com os dedos dentro dela, e movimentando, ela de frente, vinha quase delirando. O marido vinha atrás dela com uma cara de quem não acreditava no que ia acontecer. No banheiro, ela abaixou devagar até sentar no vaso. Meus dedos não tinham saído de dentro, e ela estava em ponto de gozar. Eu estava abaixado na frente do vaso, de olho na xaninha dela, mexendo com tesão os dedos quando eu sinto o líquido quentinho passar pela minha mão, fiquei com muito tesão. Ela começou a gozar alto e o marido já estava tocando uma na porta do banheiro. Ela mijava e gozava loucamente. Eu nunca tinha feito aquilo, mas a experiência era boa. Quando terminou, ela olhou pra mim com cara de satisfeita, eu entendi o recado e tirei os dedos. Ela pegou a duchinha, o sabonete, lavou tudo bem direitinho, secou, levantou do vaso, tirou a saia, ficou só de blusa, sem nada na parte de baixo, foi saindo do banheiro com ar de autoridade, eu fui atrás dela, o marido veio seguindo quando ela falou pra mim: "Agora sim, você vai me chupar!" Quando chegamos na sala, ela sentou, e pôs os dois pés em cima do sofá. Parecia que ia ter um filho, estava completamente aberta. O marido olhou pra ela e perguntou: “Tem certeza?” Ela virou pra mim e chamou: “Vem!” Contos Imor(t)ais - FICANDO MAIS EXPERIENTE – 41 -


Eu fui. Comecei lambendo a parte interna das coxas até a virilha. De um lado e do outro. Fiz isso algumas vezes, até chegar pertinho do grelinho, sentir o cheirinho e passar a ponta do nariz bem de leve nele. Ela ia ficando cada vez mais excitada. Passei a pontinha da língua e ela tremeu toda. Aí eu fui beijando as coxas, a virilha e dei um beijinhos leves na xaninha dela. Ela estava pirando. Beijei o grelinho várias vezes até comer a lamber. Na primeira linguada, ela já soltou um gemido gostoso. Quanto mais eu lambia ela ia se ajeitando mais. Então eu comecei a chupar o grelo, revezava lambendo e passando a língua na entrada da buceta. Coloquei a língua dentro e ela gemeu mais alto. Aí eu comecei a chupar com vontade enquanto ela esfregava a xana na minha cara. Coloquei um dedo dentro dela e continuei a chupar, ela não agüentou muito tempo e gozou de novo. Ela então chamou o marido: “Vem amor, me come!” Ela já chegou com tudo, meteu o pau de uma vez e ficou bombando. Eu sabia que eles estavam começando e não quis forçar a barra pra nada. Eles começaram a trepar forte e nem parecia que se lembravam que eu estava ali. De repente, eles mudam de posição:ele sentou no sofá e ela sentou em cima dele, de frente pro marido e de costas pra mim. Foi maravilhoso ver aquela bundinha redondinha e morena subindo e descendo. Dava pra ver o cuzinho apertado dela, o cabelo amarrado num rabo de cavalo balançando enquanto ela cavalgava com força. Ela gozou bem gostoso, quase gritando de tanto prazer. Parecia que o marido tinha gozado junto com ela, mas não desengataram. Ela me olhou, e viu que eu tava tocando uma no outro lado da sala, e me chamou: “Vem cá!” O marido ficou preocupado: “O que você vai fazer?” Ela não respondeu. Eu cheguei perto e ela ficou olhando pro meu pau. Ela olhou, eu segurei ele pra ela ver, e ela foi chegando perto, trouxe as mãos até bem perto, mas não pegou. O marido viu que ela tava olhando demais e perguntou: “Quer segurar?” Ela perguntou meio sem jeito: “Posso?” E ele: “Você ta querendo mesmo, pega” Acho que o marido estava com ciúmes. Ele só queria exibira esposa, mas ela estava gostando Contos Imor(t)ais - FICANDO MAIS EXPERIENTE – 42 -


demais da brincadeira. Não sei bem se era isso, mas é a impressão que eu tinha. Como a ideia foi dele, agora ele não podia voltar atrás. E estava vendo a mulher dele segurando o pau de outro cara. Ela segurou, olhou, alisou, passou a mão nas bolas, brincou do jeito que quis até que deu umas bombadas. O marido ficando assustado. Ela estava indo cada vez mais longe:uma coisa é por a mão, outra é tocar uma punheta... ele estava nitidamente assustado. De repente, sem pedir nem avisar ninguém ela deu um beijinho na cabeça do meu pau. O marido reclamou meio decepcionado: “Amor...” Ela não quis nem saber, beijou, lambeu, e chupou. Meio tímida no começo, mas depois se soltou. Chupava bem demais. Ela chupava meu pau a poucos centímetros da cara do marido, que olhava a esposa gostosa dele manado e massageando as minhas bolas ainda sentada no pau dele. Ele deve ter ficado excitado de novo, porque ela começou a rebolar no pau dele, sem parar de chupar, e eles foram nessa sacanagem até que ela chupou mais forte e mais rápido gemendo bem gostoso. Era a terceira vez que ela gozava. Ela então tirou o pau da boca, e começou a chupar as bolas. Ela chupava e batia uma punheta gostosa. Aí, eu não agüentei e gozei muito. A porra voou no cabelo, no rosto... Fez uma sujeira danada na cara dela. Mesmo com porra na cara, ela continua uma mulher muito bonita. Ela levantou, e me chamou: “Vem me dar banho!” No banheiro, ela tirou a blusa e o sutiã de costas pra mim. Era engraçado pensar naquilo:eu já tinha visto e chupado a bucetinha dela, já tinha masturbado ela e La já tinha mijado na minha mão, ela já tinha chupado o meu pau e tava com a cara suja com a minha porra (coisa que muito marido nunca fez com a mulher) mas os peitos dela, eu nunca tinha visto. Ela entrou no chuveiro, soltou o cabelo e começou a tomar banho. Abriu bem a xereca pra deixar sair o leite do marido que tava lá dentro. Lavou bem a bucetinha com bastante água e sabão, aí então lavou o rosto, o cabelo, os peitos gostosos. Pequenos, mas redondinhos e com os biquinhos rosados. Ela segurou os peitos e levantou eles, fazendo questão de me mostrar. Perguntou: “Gosta?” “Adorei, nunca tinha visto eles. São deliciosos. Prazer em conhecê-los” Ela riu e me ofereceu pra chupar. Eu fui chupei gostosamente um, depois o outro. O marido só olhava. Ele entrou pra tomar banho, e ela saiu. Se secou demoradamente. E saiu do banheiro. Eu fui atrás dela. Na sala, ela completamente nua e eu vestido nos ohamos, ela chegou bem perto e me beijou. Demos um beijo cheio de tesão enquanto eu deslizava as mãos pelo corpo dela. Quando o marido chegou, viu aquilo e falou: “Beleza, agora a festa acabou. Outro dia tem mais.”

Contos Imor(t)ais - FICANDO MAIS EXPERIENTE – 43 -


Ela provocou: “Ficou com ciúmes?” “Não, quer dizer, um pouco” “Não era o que você queria?” “Era mas ta indo tudo rápido demais” “Achei que você estava gostando...” “Eu estou, mas eu não estava preparado pra ver você sendo chupada...” Ela botou mais lenha na fogueira: “Gostou de me ver chupando um pau? De me ver lambendo um saco? De me ver levando uma gozada na cara?” “Gostei, mas achei que isso fosse levar mais tempo pra acontecer...” “É mas já estamos num ritmo bom. Da primeira vez eu estava com vergonha de mostrar a calcinha. Agora, eu to peladona aqui conversando sem problemas...” Ela virou pra mim e falou: “Querido, foi uma delícia a farrinha de hoje, mas eu não agüento mais nada. Outro dia a gente marca, você volta e aí a festa vai ser boa. Você vai poder comer também.” Ao marido arregalou os olhos. Ela continuou: “Já vou receber você peladinha!” Virou pro marido e fuzilou: “E você não reclama! Que agora eu fiquei com vontade de trepar com ele pra você assistir...” O marido se conformou: “Ta certo, mas outro dia. Hoje eu quero dormir” Fui embora e ainda estou esperando eles me ligarem pra gente continuar.

Contos Imor(t)ais - FICANDO MAIS EXPERIENTE – 44 -


TIO CARLOS Desde muito nova eu era vidrada no meu tio Carlos (irmão da minha mãe). Ele sempre nos convidava pra churrasco em sua casa onde tinha uma bela piscina e sauna seca. Ao ver pela primeira vez aquele homem quarentão lindo e sarado só de sunga comecei a sentir algo inexplicável. Tio Carlos devia ter mais de 1,70 mts e uns 80 kgs de puro músculos e já com cabelos começando a ficar grisalhos. Como normalmente ele só convidava pessoas da família (no máximo 8 a 10 pessoas), sempre tinha algum canto de ficar perto dele sozinha... Comecei fingindo estar distraída pra deixar ele ver um dos meus peitinhos de fora quando estávamos na ducha da sauna enquanto todos estavam lá dentro... Ele só olhou e sorriu pra mim. Na minha segunda e descarada insinuação, brincando de mergulhar, ao passar ao lado dele displicentemente levei a mão e passei justamente onde estava seu pinto... Levantei em seguida e olhando pra ele (longe de todos é claro): – Desculpa tio; foi sem querer. Novamente ele apenas sorriu pra mim. Num domingo, todos já tinham ido embora, minha tia foi dormir e meus pais foram tomar banho lá na ducha antes de irmos embora. Ele na sala sentado no sofá tomando uma cerveja resolvi aproveitar aquele momento e sem pedir sentei no seu colo e abraçando-o lasquei um beijo na sua boca. – Você é louca Joana? Isso não tem cabimento. Nem pensei duas vezes pra tornar a beijar sua boca e falar que era apaixonada por ele. Tio Carlos praticamente me jogou no chão ao me tirar do seu colo, e muito sério: – Não torne a fazer isso menina... Não quero nenhuma confusão pro meu lado; ouviu? Fiquei arrasada por ter sido recusada daquela maneira, que por muito tempo fiquei com raiva do meu tio... Muitas vezes deixei de ir em churrasco que ele nos convidava. Mas, fui crescendo e com o tempo as coisas foram voltando ao normal... Só que eu já não tinha mais aquela fissura por ele; apenas continuava admirando-o como um belo exemplar do sexo masculino. Ele sendo um empresário bem sucedido, deu emprego ao meu namorado Jorge que tinha terminado a faculdade de contabilidade. Eu com 21 anos (aparentava ter no máximo 17 a 18 anos): loirinha, bumbum volumoso e peitinhos médios pra grandes; fiquei noiva. Tio Carlos novamente facilitou pra marcarmos logo o casamento nos oferecendo um dos seus imóveis (apartamento) que tinha acabado de ficar vago por um aluguel bem abaixo do mercado. Eu e Jorge economizando pra nossa lua de mel resolvemos nós mesmos arrumar e pintar o apartamento... Faltava menos de um mês para o casamento. Não sei se foi coincidência; mas, estava sozinha lavando o chão da cozinha quando a campanhia tocou. Eu molhada da cabeça aos pés trajando apenas um shortinho curto e uma camiseta que por estar molhada estava grudada nos meus peitos sem sutiã, só abri quando pelo olho mágico vi que era o tio Carlos. Ele que a muito tempo nem chegava perto de mim, segurou-me pelos ombros e me deu dois beijinhos no rosto. Senti todo meu corpo vibrar que por alguns instantes achei até que aquela antiga Contos Imor(t)ais - TIO CARLOS – 45 -


paixão estaria voltando... Mas procurei segurar a onda. Como já tínhamos colocado uma mesa e algumas cadeiras na cozinha, convidei-o a entrar mesmo com o chão todo molhado oferecendo a ele um refrigerante que tinha levado em caixa de isopor. Nossa conversa levou uns 3 minutos antes dele me puxar pra sentar no seu colo quando passei ao seu lado. Levei um susto: – Que isso tio? – Você lembra quando sentou no meu colo e me beijou? – Lembro sim tio; mas eu era muito nova. Ele com uma das mãos na minha coxa e a outra passando por trás das minhas costas indo até meu peitinho esquerdo apalpando por cima da camiseta. – Então... Não tem vontade de me beijar de novo? Ele aproximava sua boca da minha, e eu toda cheia de pudor. – Mas tio; só que agora eu estou noiva do Jorge. – Ele nunca vai ficar sabendo Joana; é só um beijinho. A merda toda foi que não ficou só no beijinho. Tio Carlos me beijando gostoso foi passando a mão nas minhas coxas e logo estava apalpando minha xoxota por cima do short. Aquele fogo antigo voltou a ser aceso dentro de mim que sem largar da sua boca deixei suspender minha camiseta... Quando sua boca desceu mamando meus peitinhos eu já estava totalmente entregue à aquele homem. Ele me levantando no colo colocou-me deitada sobre a mesa pra em seguida ir tirando meu short. Esqueci totalmente do meu noivo que facilitei e ajudei meu tio me deixar nua sobre a mesa. Tio Carlos tinha resolvido me deixar louca de tesão beijando todo meu corpo e passando sua língua em pontos estratégicos, que não agüentei. – Vem tio, vem me comer; vem! Fiquei olhando abrir sua bermuda e quando vi aquele pau lindo de +- uns 18 cms vindo na direção do meio das minhas pernas percebi que era aquilo que eu queria. Novamente tio Carlos parecendo querer me torturar, ficou segurando minhas pernas um pouco acima do nível da mesa e com seu pau duro ficou só cutucando na minha buceta. – Enfia tio; enfia!!!! Ele com seus dois braços ocupados em levantar minhas pernas tive eu mesma levar a mão e fazer com que seu pau ficasse bem na portinha. – Vai tio; mete! Mete! Nunca tinha tido tanto prazer em sentir um pinto ir me penetrando igual fez meu tio, e nunca tinha tido dois orgasmos numa mesma relação. Tio Carlos ficou socando seu pinto na minha buceta por mais de dez minutos (nunca com Jorge passamos dos três minutos). Quando terminava de gemer gostoso gozando pela segunda vez, senti tio Carlos soltando todo seu leitinho lá no fundo da minha Contos Imor(t)ais - TIO CARLOS – 46 -


buceta. Fiquei apreensiva por ele ter gozado em mim, mas, analisei que Jorge também já tinha gozado várias vezes na minha buceta e nunca aconteceu nada demais. Corri pro banheiro pra me lavar; sorte que já tínhamos instalado o chuveiro, e voltei pra cozinha vendo que tio Carlos nem se deu o trabalho de guardar seu pinto. Sentei (peladinha) no seu colo e beijei muito aquela boca que anos atrás me deixava enlouquecida. Ele me fazendo segurar seu pau que naquele momento estava a meia bomba: – Puta que pariu Joana; você é muito gostosa. Gostoso era ele, que em menos de cinco minutos me beijando e passando a mão pelo meu corpo começava a ficar novamente de pau duro. Perdendo toda minha compostura e sem largar seu pinto fui me ajeitando no seu colo até conseguir colocar minha buceta sobre a cabeça da sua piroca. Nem bem minha buceta engoliu a cabeçorra, grudei minha boca na dele e fui deixando meu corpo descer sentindo todo seu pau dentro de mim. De repente virei uma daquelas putas depravadas fazendo minha buceta subir e descer rapidamente em cima daquele pau delicioso... Não agüentando mais e gritando que estava gozando, ele com suas duas mãos levantou um pouco meu bumbum do seu colo e ficou socando seu pau de baixo pra cima... Não podia existir nada mais gostoso do que aquele homem me fodendo com aquele seu maravilhoso e divino cacete. Somente depois que tio Carlos foi embora é que me dei conta do que estava acontecendo... Traindo meu noivo nas vésperas do nosso casamento. Eu gostava muito do Jorge, mas não podia negar pra mim mesma que aquela paixão que senti um dia pelo meu tio apenas estava adormecida dentro de mim. Dois dias depois, como tio Carlos tinha me dado seu número do celular, resolvi telefonar. – Tio? Sou eu... Hoje estou sozinha aqui de novo. – Já estou indo pra aí Joana... Mas só que vou te levar pra um lugar muito melhor pra ficarmos juntos. Cheguei imaginar até onde ele poderia me levar, e estranhamente não tive um pingo de receio... Parecia até que por aquele homem eu correria todos os riscos possíveis. Dá janela do apartamento vi quando ele encostou seu carro. Desci rapidamente e entrando no carro só dei-lhe um beijinho no rosto... Também não podia dar muito bandeira; rsrsrsrs. Como previa dez minutos depois que saímos da cidade ele entrou com o carro em um motel. Adorei quando ele me deixou peladinha sobre a cama, e também ficando pelado deitou do meu lado me beijando, chupando meus peitinhos e novamente pra me provocar ficou só esfregando seu pau na minha xoxota. – Vai tio... Mete logo; mete! – Pra que tanta presa Joana; temos muitas horas pra ficarmos juntos. Novamente tive que segurar seu pau na portinha da minha buceta até ele resolver me penetrar... Deu uma socada violenta e iniciou um vai-e-vem com toda sua força me fazendo gritar feito uma cadela. – Aaaai tio... Aaaaiiii... Aaaaiiii! Depois de várias socadas, enlacei sua cintura com minhas pernas sentindo que estava vindo meu orgasmo. Contos Imor(t)ais - TIO CARLOS – 47 -


– Goza em mim tio; goza!... Enche minha buceta; enche! Eu gozando, e ele sem parar de socar fui sentindo que ele também gozava. Ficamos deitados por uns 15 minutos em silêncio um fazendo carinho no outro... Eu simplesmente estava maravilhada com todo aquele corpo másculo ali ao meu alcance. Acariciando os pêlos em seu peito, fui descendo a mão até segurar aquele pau que logo começou a reagir... Que delicia ir sentindo a excitação do tio Carlos com seu pinto pulsando na minha mão ficando cada vez mais duro. Tio Carlos ficou de joelhos com meu corpo entre suas pernas e passou a esfregar seu pau entre meus seios fazendo bater no meu queixo: – Lambe um pouquinho Joana; lambe! Ele encostava e eu lambia; puxava pra trás e voltava me fazendo passar a língua novamente. Pra falar a verdade eu nunca tinha veio sexo oral, mas quando ele me pediu pra abrir a boca e foi enfiando quase a metade passei a mamar como se já estivesse acostumada... É que adorei ter aquele pau na minha boca. Faltando exatos 14 dias pro meu casamento, novamente fui com meu tio pro Motel... Achava que tinha que ser a minha despedida; pretendia não mais trair aquele que seria meu marido. Não demorou muito pro meu marido passar a ter uma adoração pelo meu tio Carlos (seu patrão)... Era Deus do Céu e tio Carlos da terra. Um mês de casada, tio Carlos apareceu enquanto Jorge estava trabalhando justamente na sua firma... Tentei resistir, mas tio Carlos me pegou ali mesmo na sala e me deixando peladinha me fez deitar sobre o carpete onde ele me pegando de quatro meteu na minha buceta como se fôssemos dois animais... Novamente adorei ser possuída por aquele homem. Passou a ser normal, tio Carlos aparecer na minha casa pelo menos uma vez na semana e na minha própria cama me fazer sua amante. Quando ele me convidou pra ser sua secretária achei até que não deveria aceitar, mas só que Jorge foi o que mais me incentivou. Não sei como pode um marido ser tão ingênuo como Jorge... A não ser que ele desconfie de alguma coisa mais prefere fingir que está tudo normal. Com o tempo tio Carlos me chamou pra acompanhá-lo de vez em quando em suas viagens e Jorge simplesmente concordava. Tio Jorge já me fodia a torto e a direito dentro do escritório e me fazia muitas vezes chupar seu pau, mas foi num hotel em São Paulo (Jorge achava que ficávamos em quartos separados), que ele meteu na minha bundinha pela primeira vez. Estávamos na banheira do hotel quando ele me fazendo ficar de quatro usou um óleo pro corpo pra passar no meu ânus e também no seu pinto... Vi estrelas, fiquei tonta, berrei feito uma cabrita sentindo aquele pau alargando meu delicado cuzinho. Mas novamente, logo estava adorando ter meu tio socando seu pinto na minha traseira e gozando. Dois anos se passaram e acabei ficando grávida (de quem?)... Mesmo barriguda continuo trepando gostoso com meu tio. Todas mulheres que tem um amante sabe a diferença de sexo entre o marido e o outro: marido normalmente faz aquele sexo tradicional (só pau na xoxota) e o amante quer tudo: sexo oral e sexo anal... Eu pelo menos adoro.

Contos Imor(t)ais - TIO CARLOS – 48 -


UM DIA NO PARQUE Quero iniciar dizendo que a Cláudia é uma mulher muito gostosa e sensual, tem um corpo que deixa qualquer um de boca aberta, em especial a bunda que é arrebitada e chama muito a atenção. Os vizinhos sempre ficam xavecando a Cláudia e babam quando ela passa, principalmente quando saímos e ela usa mini ou micro saias, bem justinhas que realçam ainda mais a sua bunda maravilhosa, que se destaca muito, pois ela possui uma cintura bem fininha e quadris bem largos. Quando começamos a fazer nossas sacanagens, morávamos em Porto Alegre e uma das coisas que eu mais adorava fazer era levá-la para parques, praças e outros locais públicos, como o Parque Marinha do Brasil, Redenção, Saint Hilaire e Pampa Saffari, onde a bolinava dentro do carro e quando surgia oportunidade a comia sobre o capo, ou então enchia a boca dela de porra e ela engolia e lambia meu pau até deixar bem limpinho, como toda vagabunda deve fazer com seu macho. Ele sempre foi muito cadela, puta e vadia e a coisa ficava melhor ainda e dava mais tesão quando percebíamos que tinha alguém olhando e geralmente se masturbando, aí então o clima de tesão multiplicava e ficava quase que insuportável. Geralmente eu a ficava bolinando, passava a mão nas coxas, descia as alças do vestido ou levantava a blusa e ia tirando lentamente toda roupa dela, até a deixar nuazinha ou apenas de tanguinha e sapatos altos, do jeito que eu gosto. Começava dando um banho de língua nela, enfiava a língua na bocetinha, mordia os seios, enfiava os dedos na chana e fazia-a engolir meu cacete até ficar só o saco de fora. Depois a mandava sentar no meu pau ou então a colocava deitada sobre o capô, sempre privilegiando a visão de algum eventual expectador e enfiava o pau na sua chana, cúzinho ou boca, bombeando até enchê-la de porra. Às vezes ficávamos sentados no carro e ela simplesmente ficava me punheteando, chupando e passando a língua na cabeça do pau, até eu explodir em gozo, enquanto ela se masturbava e deixava a porra escorrer pelos cantos da boca para deleite de algum espectador. O engraçado é que geralmente estas pessoas ficavam escondidas atrás de árvores, objetos ou moitas e nós fazíamos de conta que não os estávamos vendo e pouquíssimas vezes alguém se aventurou a ser mais ousado e se mostrar ou então se aproximar mais do carro para ver melhor. Curtimos isto por muito tempo, mas certo dia resolvi fazer uma coisa diferente. Nós já havíamos visto um cara na Redenção que adorava se exibir para todo que passava por ali no final da tarde e/ou inicio da noite, ele se chamava Carlos e tinha um cacete de mais ou menos 24 centímetros de comprimento e muito grosso. Ele já havia mostrado o cacetão, para a Cláudia, várias vezes na Redenção, pois quando íamos nos bolinar em público ele sempre chegava junto e ficava sempre por perto também se exibindo, mas nunca procurou fazer contato. Certo dia, fui sozinho a Redenção e contatei com ele, falando que gostaria de realizar algumas coisas diferentes e que ele seria peça importante nestas fantasias. Perguntei se ele topava, mostrei algumas fotos da Cláudia nuazinha, em poses eróticas, em posições de dupla e tripla penetração, Contos Imor(t)ais - UM DIA NO PARQUE – 49 -


suruba, etc... e ele enlouqueceu, falando que topava qualquer coisa para come-la. Combinamos então que ele deveria estar no Parque Marinha do Brasil, na beira rio, ali onde estão localizados os campos de futebol, em determinado horário e que quando começasse a sacanagem ele deveria tirar o pau para fora e começar a se masturbar e mostrar para a Cláudia e a medida do que fosse rolando ele deveria ir se aproximando do carro e ver o que daria. Se tudo corresse de acordo com o programado ele a comeria ali mesmo no Parque. No outro dia, pedi para a Cláudia colocar uma roupinha bem sexy, pois iríamos ao parque fazer algumas sacanagens, ela vestiu uma mini tanga vermelha, cinta liga e meias de renda também vermelhas e um mini vestido que se abria todo na frente e nos dirigimos ao Parque Marinha do Brasil. Meu saco já estava doendo de tanta tesão, só de imaginar o que estava para acontecer. Chegamos ao parque, estacionei o carro no local combinado, no final do segundo campo, perto das árvores e comecei a boliná-la, fui abrindo o seu vestido e colocando os seios para fora, havíamos voltado do Nordeste e ela estava muito bronzeada. Eu acariciava, chupava os seios, enfiava os dedos na bocetinha e virava aquele bundão maravilhoso para o Carlos ver, pois ele estava escondido atrás de algumas árvores e ela ainda não havia visto. Tirei meu pau para fora e dei para ela mamar, ela adora chupar uma pica, ela lambia, enfiava tudo na boca, tirava passava só a língua na cabecinha, aí eu aproveitei e tirei também sua tanguinha, deixando-a só de cinta liga, meias de renda e sapato alto, dentro do carro e totalmente escancarada na direção ao nosso amigo. Nesse meio tempo o Carlos já estava com o pau que mais parecia uma estaca, completamente para fora e havia saído de trás da árvore, se exibindo descaradamente e batendo uma gostosa punheta. Cochichei no ouvido da Cláudia que tínhamos expectadores e mostrei a cena para ela, que ainda não tinha percebido. Ela olhou e a tesão aumentou mais ainda, para incrementar mais um pouco nossa brincadeira a posicionei de lado no banco, de pernas bem abertas, de frente para o Carlos, e enfiei meu cacete até o fundo, por trás e fiquei imaginando a imagem que meu amigo estava tendo naquele momento. O cacete entrando e saindo daquela bocetinha totalmente aberta e escancarada para ele, perguntei para ela se estava gostando de ver aquele pauzão tão próximo e duro em homenagem a ela e se gostaria de senti-lo mais de perto e ela simplesmente assentiu. Então fiz sinal para que o Carlos se aproximasse e ela ao vê-lo caminhando na nossa direção meio que se assustou e quis se recompor, mas eu disse que não precisava ter medo, pois eu o havia chamado e que estava preparado para qualquer situação. Então sentei no banco do carro com as pernas para fora e a coloquei sentada de costas para mim para que ela tivesse uma melhor visão do que estava ocorrendo. O Carlos se aproximou, ficando a poucos centímetros de onde estávamos e continuou se punheteando. A Cláudia olhava hipnotizada com aquele belo Cacete e então ele foi se aproximando e o ofereceu para a Cláudia. Ela como uma boa vagabunda, não se fez de rogada e agarrou e ficou alisando e acariciando o pau do Carlos, passou a língua na cabeça, em toda a extensão e enfiou tudo dentro da boca, enquanto aumentava as mexidas do rabo sobre meu pau. Não sei como conseguiu goela para engolir tudo, mamou, chupou, lambeu, agarrava o saco, mordia Contos Imor(t)ais - UM DIA NO PARQUE – 50 -


as bolas, esfregava o pau na cara e ficou brincando longamente com o cacete na boca. Após o convidamos para entrar no carro conosco, baixamos completamente o Banco da frente e começamos a dar um banho de língua na Cláudia, ela enlouquecida, não parava de agarrar e chupar a pica do Carlos. Como a conheço bem, sabia que estava alucinada por aquele pauzão e louquinha para ser penetrada e enrabada. Sugeri então que ela fosse para o banco de trás com o Carlos para ficar mais confortável e a vontade, nem precisou do segundo convite, ela foi para trás, puxou o Carlos e sentou direto encima daquele cacetão, enterrando até os ovos. A cena ficou altamente erótica, imaginem a Cláudia de cinta liga, sapatos altos, sentada de costas em cima daquele caralhão, fazendo um vai e vem alucinada enquanto me posicionei para chupar e amassar seus seios e enfiar o pau na sua boca. Depois a posicionamos sentada no banco da frente do carona, com as pernas de fora, sentada no colo do Carlos, com o cacete enterrado até o útero e com a rabo empinado para mim, dei uma linguadas no cúzinho dela, lubrifiquei e comecei a enfiar o meu pau no rabinho dela em uma dupla penetração que a enlouqueceu de vez e que culminou com uma série de orgasmos convulsivos. Não consegui segurar a tesão muito tempo e enchi o cúzinho dela de esperma e o Carlos então que estava cobiçando aquele rabo desde que o viu, disse que iria comer também. Colocou-a de quatro no banco e começou a pincelar o cuzinho com o cacete, ela quis se fazer de difícil, mas foi se abrindo cada vez mais e ele foi enfiando a vara sem dó, de uma só vez e de forma contínua e firme, enquanto eu a segurava. Ela gemia e gritava de dor e tesão, tentou escapar mas não deixamos ela sair e ele numa estocada mais profunda enfiou até o talo, acabando com as últimas preguinhas, se ainda existia alguma, do cuzinho da Cláudia. Ficou bombeando aquele rabo maravilhoso e ela se esvaia em espasmos alucinantes. Quando ele gozou a porra chegou a sair pelos lados e escorreu pelas coxas, enquanto ela ficava caída no Banco do carro, extenuada. Depois que se recuperou, quis mais e ainda transamos com ela de tudo que foi jeito, de frente, de costas, foi enrabada novamente por mim e pelo Carlos, a comemos de quatro, com as pernas levantadas, fora do carro, gozamos na cara e seios dela. Nós estávamos tão concentrados no nosso gozo, que quando percebemos tinham mais dois homens olhando e se masturbando, o que aumentou ainda mais a nossa excitação. Nós a fodíamos e a chamávamos de puta, cadela, Vadia, vagabunda, e ela gozava aos borbotões, com a porra chegando a escorrer em suas coxas. Por último ela chupou o Carlos até ele gozar na sua boca e ele fez questão de melecar os seios e toda a cara dela, dizendo que estava marcando o seu território. Quando chegamos em casa ela comentou que estava toda dolorida e que parecia haver sido estuprada, mas que deveria ter chamado os outros dois expectadores para participar, fato que aconteceu em outras ocasiões.

Contos Imor(t)ais - UM DIA NO PARQUE – 51 -


Estas recordações nos renderam boas trepadas e nos proporcionaram muito prazer ao relembrá-las, durante longo tempo. Depois disso o Carlos se tornou nosso parceiro assíduo e fizemos muitas outras festas em locais públicos e inclusive lá em casa, mas isso fica para outra história. Hoje sentimos muitas saudades daqueles tempos, em primeiro lugar porque não existia, ou pelo menos ainda não era conhecido o advento da AIDS e a transa sem camisinha era muito mais prazerosa, pois a Cláudia sempre fala que não conhece sensação melhor que sentir um jato de esperma batendo no interior da boceta, inundando o rabo dela de porra, ou ainda sentir uma golfada de esperma na garganta, quase a sufocando de tesão.

Contos Imor(t)ais - UM DIA NO PARQUE – 52 -


DESPERTAR COM CAFÉ DA MANHÃ ESPECIAL Bom pessoal, eu estava de férias, e como sempre viajei muito com ou sem dinheiro acabei chegando na casa de uma prima muito amiga de madrugada, sem avisar. Fui recebido pelo marido dela, que pela intimidade e amizade, conversamos rápido e decidimos que eu dormiria alí na sala de tv em um colchão no chão mesmo. Pois não queria acordar ninguem, e ele, iria trabalhar bem cedo, me deu um lençol, o colchão e me disse que TODOS iriam sair bem cedo e que poderia dormir até tarde. Como tinha muita intimidade com todos da casa fiquei numa boa, tirei a roupa e deitei de cueca mesmo, é claro debaixo do lençol, pois sabia que ninguém estaria alí quando acordasse. Só que pela manhã, acordei cedo com os latidos do cachorro e resolví ir usar o pc noquarto do filho adolescente da casa. Fazendo aquela varredura de tarado, encontrei muita putaria, tipo fotos, videozinhos de sexo...etc... eu fiquei num tesão doido e começei me masturbar alí na cadeira quando ouví o portão batendo e uma voz feminina zangando com o cão. Quase morrí de susto e olhei pela janela e ví que a empregada chegava, e caminhava com dificuldade devido ao medo do cão. Pude observar que estava mais gordinha, com um bundão danado e os peitões cheios e lindos como sempre foi. Tive a idéia de me deitar no colchão, com o pau pra cima, duro como estava, apenas com o lençol esticado por cima de forma que destacava ainda mais o volume. Quando ela entrou, fingí que dormia e pude perceber ela fechando a porta e que ficou parada um tempo sem se mexer.Imaginei que estava me observando...deitado e de pau duroo...e como percebia que ela não saia do lugar, fiquei super excitado, a ponto do meu pau latejar...e imaginava ela observando. Bom ela passa pelo colchão devagarzinho, como se não quisesse me acordar e vai para dentro da casa. Me levantei e fui ver, ela trocou de roupa e voltou, foi a cozinha pegou uma xícara de café e caminhou em direção a sala de novo. Eu corrí e me deitei de novo, só que dessa vez sem o lençol por cima, ainda com a rola dura, aquele volume na cueca. Notei que ela veio devagar...quase sem fazer barulho...e parou na porta de novo. Meu coração batia forte, pois tinha medo de estragar a amizade com aquela família pelas atitudes, já que ela era de confiança da casa, não sabia se devia continuar com isso. Mas notava a presença dela alí, e sabia que ela sempre admirava meu corpo....e isso me excitava...até que ela volta para a cozinha. Com o coração a mil, fiquei alí parado pensando se deveria continuar com isso, pois sempre fui afim de fuder a Célia (a empregada), e então decidí que se ela voltasse logo...tava gostando...mas se fosse fazer seu serviço ia me vestir...e não demorou muito ouví ela caminhando de novo. Resolví ir a fundo e desta vez, dei uma punhetazinha e puxei a cueca pra baixo, deixando a cabeçona do pau pra fora e cobrí a cabeça com o travesseiro de forma que ela não via meus olhos...mas eu observava por debaixo do travesseiro. Ela veio e parou dessa Contos Imor(t)ais - DESPERTAR COM CAFÉ DA MANHÃ ESPECIAL – 53 -


vez, e notei que quase engasgou com o café, parou por um instante, mas caminhou bem devagar, sem fazer barulho até perto do colchão, pois eu via seu pé. Parece que observava de perto meu pau...podia sentir sua respiração alterada.Então resolvi dar uma mexida e pegar no pau, como que coçando e apertando ele. Ela saiu rápido e trombou numa mesinha fazendo barulho derrubando uma jarra. Foi quando fiz que acordei e antes que ela terminasse de sair eu perguntei: – Quem está aí? Bem alto...e como ela não respondeu fui atrás dela. Ela estava fingindo lavar louças, me comprimentou mas não se virou, estava com um vestidinho de fino, meio curto, colado no corpo, e aquele bundão que sempre me enlouquecia bem saliente. Conversei pouco com ela e pedí que me fizesse um suco, e me levasse na sala pois estava com dor de cabeça. Ela disse que sim....meia trêmula na voz...aí tive coragem e passei esbarrando o pau na bunda dela, bebí água, e esbarrei de novo o pau nabunda dela de novo...e disse...te espero lá na sala. Fui para o colchão e não aguentei, fiquei batendo uma punheta imaginando oque faria com ela… Quando percebí que ela vinha, tirei a cueca, cobri com o lençol deixando o volume bem a mostra e cobri a cabeça com o travesseiro. Ela chegou, calada...e depois de observar disse:_tá aquí seu suco...e eu resmunguei por debaixo do travesseiro...trás aqui..tô mal...ela veio devagar...ofegante... e quando ela se abaixou eu perguntei: – Já tomou café? Ela respondeu… não… por isso preciso ir… Estava de joelhos colocando o copo no chão quando eu tirei o lençol e ela arregalou os olhos vendo a rola pular...e eu disse: – Que tal começar com leitinho em gostosona safada!!! Antes que ela reagisse… eu a puxei pra cima de mim, e ela para não cair sobre mim, num reflexo que mostrou oque ela queria, segurou meu PAU com as duas mãos. – Porque me trata assim...nunca dei motivo pra ninguem me faltar com respeito… – Nem precisa mais sua gostosa… sempre quis fuder vc ha anos… agora vai toma leitinho vai… Empurrei a cabeça dela para o meu pau. Ela disse… – NUNCA lembre disso seu filho da puta, me pegou no cio, que rola linda e GROOSSA! Começou a beijar meu pau… que latejava duroo.… ela ajoelhou e começou a colocar a cabeça na Contos Imor(t)ais - DESPERTAR COM CAFÉ DA MANHÃ ESPECIAL – 54 -


boca… eu gemia e dizia chupa tesuda safada!!! – MAMA VAI....MAMAAA!!! AHHH q delícia.… Ela ajoelhada seu vestido subiu até as coxas… e pude ver sua calcinha minúscula amarelinha… esfreguei por cima dela com uma das mãos e a outra eu segurava a cabeça dela pra ela não mudar de posição… sua calcinha estava melada...eu arredei de lado… e enfiei dois dedos na buceta inchada dela… que entraram macio… pois estava ensopada..… ela gemia sem tirar o pau da boca...masturbava ela...que me xingava e arrebitava a bunda. Não estava aguentando mais… pois ia gozar… era muito tesão… pedí ela pra sentar nele de costas pra mim… como num passe de mágica, ela levantou o vestido até a cintura e se posicionou com aquele bundão virado pra mim… ajeitou a cabeça na entrada da sua buceta, e antes que eu segurasse nela… já sentou de uma só vez! Nunca ví aquilo, engoliu meu cacete de uma vez só… deu um grito e tremeu toda… ficou sentada por um instante.… meu pau latejava dentro dela que por sua vez fazia uma pressão deliciosa!!! Dei um tapa naquele bundão e um urro, chamando ela de puta deliciosa...e quando segurava sua bunda ajudando ela cavalgar… pude sentir ela gozando… e balbuciava algumas palavras querendo me xingar… eu segurando pra não gozar… tudo tão rápido… e ela gozou demoradamente… depois rebolava e gemia e eu a chamava de cadela deliciosa… até que ela arriou de 4, sentada no meu pau… procurando recuperar as forças… e eu pedí a ela… me dá essa buceta dá cadela, quando ela simplesmente deu uma levantadinha, meu pau saiu duraço de dentro dela, ela apenas chegou pra trás… e sentou na minha cara, esfregou a buceta em mim… e disse… – Toma meu cachorrão louco pauzudo… Eu delirei… e começei a chupar a buceta dela… lambendo tudo… cada gota … sugava o grelo… ela gritava… – Delíciaa… chupaaa… tomaaaa… E me ajudava controlando a buceta na minha boca… uma delícia. Ela começou a chupar meu pau de novo, pois estava de 4 sobre mim… e foi um 69 deliciosooo… ela gozou… gritou… e eu segurandooo até que não aguentei mais. Pedí mandei ela ficar de 4, saí de debaixo dela… e vendo aquele bundão lindoo… mordí ela… passei a lingua no cuzinho dela.… ela gemeu alto e arrebitou toda… eu coloquei a cabeça do pau naquela buceta inchada...e fui empurrandoo devagar… chamando ela de cadela... Ela pedia… – Fode… fode sua cadela gostosão filho da puta… vaiii!!!! COM FORÇAAA...VAAAIII… Aquilo me fez tremer, então começei a socar fundo e com força...vendo aquela bunda linda balançando… meu pau entrando e saindo… uma delíciaa… até que ela sentiu que eu ia gozar, pois meu pau parece que ia explodir… aí ela falou: Contos Imor(t)ais - DESPERTAR COM CAFÉ DA MANHÃ ESPECIAL – 55 -


– Vc disse que ia me dar leitinho… eu querooo… E se virou, foi a continha e eu começei a esporrar na cara dela… ela segurou meu pau e colocou na boca… e mamava… parecia que eu não ia parar de gozar nuncaa… ela sugava… eu empurrei a cabeça dela para trás..ela colocava a lingua pra fora… e esporrei o restinho de porra assim… que – DELICIAAAAAAAA....TOMA CADELA LINDAAA... Quando ela segurava, e colocou ele na boca lambendo ele...me olhando como uma puta...limpandoo, ouvimos o portão bater, carambaa alguém chegava! Levantei ela e a beijei na boca e disse amanhã quero mais tesuda! Corrí pro banheiro… ela pro dela…

Contos Imor(t)ais - DESPERTAR COM CAFÉ DA MANHÃ ESPECIAL – 56 -


DE SANTA A SAFADA ATO I Olá, meu nome é Iris (nome fictício) tenho 40 anos, sou casada e muito feliz. Meus dotes físicos vou apresentar pra vocês posteriormente. O meu marido é um homem lindo, mais velho 6 anos, porem devido sua forma física invejável e seu charme, ele atrai mulheres de todas as idades, é um perigo rsrssr. Ele foi meu primeiro homem, me ensinou muito, despertou em mim uma mulher selvagem e sexualmente louca. Mas nem sempre foi assim. Tive uma criação super conservadora, e sempre tive medo de assuntos relacionados a sexo. Quando namoravamos e a coisa era mais quente, eu ficava muito excitada, mas o medo não me permitia fazer nada. Após o casamento as coisas continuaram assim, ele interessado em diversificar as coisas na cama e eu querendo um papai e mamae básico. Ele nunca reclamou, varias vezes sugeriu, mas eu me fazia de desentendida. As vezes me dava lingeries minusculas, mas eu continuava usando aquelas (calçolas da vovó rsrsrsrs, ) aquelas que são super confortáveis porem super broxantes. O tempo passou e foi sendo muito generoso com meu marido. Ele foi ficando cada dia mais charmoso, e mais atrativo. Cada vez mais mulheres olhavam pra ele e eu percebia o olhar "guloso" delas pra cima dele. Ele sempre me elogiava, me desejava. Eu tenho altura mediana, bumbum farto, coxas grossas, seios médios, e uma xoxotinha que... bem, ja falo dela. Como dizia ele sempre me desejava, mas eu sentia que ele queria algo mais. Ele olhava sites pornos, lia contos eroticos, as vezes me mostrava as fotos dos sites, os videos e ate os contos. Eu fingia que gostava e ate fazia comentarios, mas continuava usando roupas poco sensuais, tendo atitudes puritanas e transando num papai e mamae basico. Há 3 anos atras comecei a me preocupar, pois mesmo que ele continuasse super romantico, carinhoso, começou a me procurar menos, a elogiar outras mulheres (ele nunca fazia isso) e a dar mais bola para aquelas que sempre vinham com conversinhas fiadas para cima dele. Percebi que estava correndo risco, e nao era risco pequeno nao. O dia que tomei minha decisao foi quando ele entrou numa farmacia para comprar um remedio, fiquei no carro, e ele voltou de pau duro. Tentava disfarçar mas eu percebi o volume imenso dentro das calças. Fiquei com muito ciumes e curiosidade, mas sabia que seu eu perguntasse ele ia disconvesar e eu nao descobriria nada. Entao fui conversando devagarinho e depois de algum tempo descobri que ele tinha sido cantado na farmacia por uma mulata (mais tarde conheci) dislumbrante. Comecei a pensar, e vi que estava correndo riscos, pois eu estava reprimindo todo o tesao que eu sentia, e todo o desejo que eu guardava. Nao tive duvidas, comecei a conversar com ele e a observar o que ele gostava. Descobri qeu ele era fascinado por exibicionismo (casada a 10 anos e eu nao sabia que ele gostava tanto, que idiota que eu era). Comecei entao a me exibir. Comecei a sair com saias cada vez mais curtas, calças cada vez mais apertadas e shorts cada vez menores. Me exibia onde podia e me deliciava e ver o pau dele ficar duro, e ele com uma mmistura de ciumes e tesao. Saia de saia sem calcinha, de camisa sem soutien so para deixar aparecer o bico dos seios. Me excitava ver os homens me encarando, afinal Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 57 -


eu sou gostosa, mas o que mais me excitava era ver o meu homem cada vez mais louco de tesao por mim. Comecei a ser mais corajosa, e quando recebia uma cantada devolvia com um sorriso. Onde eu trabalho, tem uns 3 rapazes que sempre morreram de tesao por mim, mas como trabalho direto com a diretoria, eles sempre tiveram medo. Resolvi entao me exibir para eles. Nos corredores, salas de reuniao, estoque, onde eu podia eu me abaixava e mostrava meu bumbum, cruzava as pernas e mostrava minha tanguinha, me abaixava e mostrava os seios. Depois comecei a ser mais direta, e até beijei e me esfreguei (gozei so de me esfregar) com 2 deles. Deixo eles passarem a mao no eu corpo, e ja pedi a eles que se masturbem pra eu ver. Me exibo pra eles e amo ver aqueles jatos de esperma saindo enquanto eles gemem e viram os olhos de prazer e tesao. Um dia descobri que meu marido gostava de ver mulheres se masturbando, vi umas fotos que ele havia visto e esquecido aberto no computador. Eu tinha que fazer alguma coisa, saí e comprei um vibrador, um consolo e outros brinquedinhos, mas quando voltava para casa, lembrei que nas fotos nao havia vibradores nem consolos. Cheguei em casa, fui a geladeira e procurei, mas nao encontrei o que queria. Peguei o carro fui ao mercado e comprei o que eu usaria pra alegrar meu homem. Comprei uma cenoura, um pepino e uma beringela. Nossa que delicia me masturbar com essas 3 hortaliças. Eu estava tao entretida lambendo o pepino com a cenoura socada na xoxota que nao vi quando ele chegou. Ele me viu e ficou no corredor me vendo pelo espelho. Eu gozei muito, e muito forte. Estava ja molinha quando percebi que ele estava me olhando e se masturbando, imediatamente o fogo voltou e comecei a me esfregar, a me tocar, e busquei uma posição onde eu podia ve-lo com o pau na mao, de boca aberta, nao acreditando no que estava vendo. Quando eu enfiei o pepino todo na xoxota eu escutei um gemido alto dele, e sabia que ele havia gozado muito forte. Aquilo me deixou realizada alem do que foi um a delicia me masturbar daquele jeito. Comecei a me masturbar tambem no serviço, e agora eu e meus 3 amiguinhso nos masturbavamos e nos exibiamos. Eles faziam as mais loucas propostas, mas eu dizia a eles que meu objetivo com eles acabava na masturbação. Mas era uma delcia descer para o estoque, e lá eu deixar eles me tocarem, me fazerem gozar, e se masturbarem até gozarem e ficarem satisfeitos ou mais doidos por mim. Nossas trnasas (eu e meu marido) foram ficando mais intensas. Eu me exibia, me masturbava, usava as menores calcinhas possiveis, fui me tornando o que eu sempre quis e ele sempre sonhou, uma safada gostosa e feliz. A uns 3 meses atras percebi que os filmes eroticos que estavamos assistindo (habito que adquirimos e que eu gosto muito) eram de um marido que entregava sua esposa para que outro a possuisse. Fiquei com medo, mas fiquei tambem super excitada. Alias foi o dia que fiquei mais excitada em minha vida. Pensar que ele me entregaria para outro quase me enlouqueceu de tesao. Nao falei nada, fiquei pensando e tramando o que fazer. Conversando com ele descobri que ele tinha umas taras que me deixavam louca. Ele queria transar comigo e outra pessoa, queria me pegar sendo "fodida"por outro, queria lamber minha xoxota cheia de porra de outro macho, queria me ver sentada em um pau, sendo comida por outro, com um pau na boca enquanto masturbava ele. Queria me ver de quatro tendo meu cuzinho (que ainda era virgem) sendo arregaçado por um pau enorme, enquanto ele alisava meu rosto e meus cabelos. Resumindo, ele queria ser corno, corno manso, daqueles mais vadios possiveis. Eu me assustei, mas fiquei super excitada, muito mesmo, sabendo que meu marido desejado por tantas mulheres queria ser meu corninho. Decidi, que realizaria o sonho dele, e nesses ultimos meses realizei cada um deles, mas isso eu Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 58 -


conto pra voces com detalhes outro dia.

ATO II Eu contava para voces que aprendi a me exibir (ele gostava) e fazia isso de modo muito safado e com muita vontade. Acostumei a mostrar meus peitos, minhas tanguinhas, minhas coxas para homens gulosos que olhavam minha silhueta, meu corpo e se excitavam, e confesso que cada um que se exictava eu me excitava tambem. Passei a usar um pouco mais de maquiagem, principalmente ao redor dos olhos, para deixa-los marcantes e profundos, para que todo homem que me olhasse me desejasse. Troquei minhas saias por saias com cortes laterais, longas de tecidos leves e marcantes, transparentes e até minis e micros saias que valorizavam minhas cochas grossas e roliças. Usava o cabelo solto sobre o rosto para junto com um sorriso safado fazer com que os homens me olhasse e me desejassem. Usava blusas curtas que mostravam a barriguinha e com calça de perfil baixo (e muito baixo) mostrava a marquinha do sol nas laterais. Camisetas lisas básicas sem soutien, com jeans e shortinhos era o que eu mais gostava, ainda mais com um tamanquinho, me sentia a putinha, e quando meu amado elogiava ou se excitava, minha bucetinha melava tanto que escorria pelas coxas. Aprendi tambem a me masturbar, afinal isso enlouquecia meu marido, então eu me masturbava usando os dedos, vibradores e os mais diversos objetos. Já me masturbei com cabo de escova de cabelo, com cenouras, pepinos, beringelas. Já soquei na minha xoxota garrafa. Já me masturbei com os pes de uma cadeira, e esfregando no corrimao da escada do predio onde moro, e sempre fiz de modo que ele me visse, para ver sua loucura e tesao em me ver totalmente entregue aos meus prazeres. Viciei em me exibir para amigos de trabalho, e ve-los se masturbando por mim enquanto me alisavam dos pes a cabeça. Só que o que me incomodava era o sonho do meu marido em me ver sendo possuida por outro homem. Resolvi abrir meu coração e conversar com ele. Contei que estava desconfiada que ele queira isso. A conversa me dava um frio imenso na barriga e uma coceirinha na xoxota. Ficava imaginando suas respostas, mas antes decidi que precisava contar pra ele o que eu fazia com meus amigos. Uma noite, enquanto tomavamos uma bebidinha abraçados assitindo um filme, comecei a contar minhas safadezas. Com cuidado, pra ver se ele nao teria uma crise de ciumes fui contando os detalhes e ate aumentando e inventando novas aventuras. Foi uma delicia ver seu pau ficar muito duro, e a cara de raiva e ciumes me deixava enlouquecida. Quando contei que os amigos de trabalho me alisavam e se masturbavam pra mim, ele enlouqueceu, quiz ficar bravo, mas eu olhei pra ele com um olhar de cachorrinho sem dono e perguntei? Vc me ama e quer me ver feliz? Ele disse sim e eu pedi pra ele só me ouvir. Ele se deitou e ficou ouvindo e fui contando os detalhes (alguns inventados) e enquanto contava aconteceu algo que eu sonhava, havia lido, mas nunca havia conseguido, fiz ele gozar sem encostar nele nenhum dedinho. E ve-lo, gemendo e se contorcendo, tao fragil, tao dominado, fez com que eu me sentisse forte, gostosa, fez com que eu o amasse mais e decidisse que iria dar a ele todo o prazer que meu corpo gostoso poderia oferecer. Quando ele ia gozar, eu perguntei:Você quer ser meu corninho? Ele balançou a cabeça. Eu senti um frio na barriga, um tesao igual nao tinha sentindo ainda. Peguei nas maos dele, levei até meus seios Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 59 -


e disse:Se quer que eu te ponha chifres vc deve pedir, voce deve dizer que vc e um corno e quer que sua puta seja possuida, fodida por outro pau. Ele olhou pra mim sem jeito, nao sabia se dizia ou nao, eu com a xoxota coçando, cada vez mais ensopada e quando ele me disse:Por favor me faça de corno, foda com algum negrão pauzudo, deixe ele gozar na sua cara, no seu peito...Eu explodi de tanto tesao. Tive um orgasmo, olhando para aquele homem gostoso que sempre foi desejado por mulheres, se humilhando de tanto tesao por mim. Me senti tao poderosa, que o agarrei, arranquei seu shorts, abaixei minha tanguinhas (ja havia tirado outras peças) e sentei em seu pau e cavalguei como uma vadia louca e desesperada. Gozei tão forte, mas tão forte que cai de lado e nem me importei se ele havia gozado ou nao. Para uma mulher que aprendeu a dar prazer para o marido, usa-lo como objeto do meu prazer foi algo que amei e prometi a mim mesmo que nunca deixaria de fazer. Após gozarmos eu disse a ele que precisava entender uns detalhes, comecei entao a perguntar e cada resposta mais me acendia o fogo...

ATO III A cada pergunta que eu fazia eu sentia minha cabeça ficar quente, minha barriga gelada e minha xoxota coçando. Ele estava entregue, o meu macho, meu homem estava completamente a minha vontade. Ele não sabia que meu objetivo era satisfaze-lo, mas ver aquele homem entregue me fazia sentir poderosa, gostosa, desejada e linda, muito linda. A primeira coisa que definimos foi como começariamos, e decidimos que ele iria ver uma exibição minha e u uma festinha com meus amigos. Escolhemos o dia e eu me preparei. Comeceu com uma bateria de bronzeamente natural e artificial para aumentar as marquinhas que ja possuia. Fui a um cabeleireiro fiz os pés e as mãos alem de uma depilação quase zerinho. Deixei somente uma moitinha ralinha de pelos em cima. No dia marcado tomei um super banho, vesti uma saia preta de couro com zíper atras que se aberto me deixaria nua. Um conjunto de lingerie de renda vermelho, uma de um vermelho vivo e muito transparente, fiz uma maquiagem pesada, afinal nao poderia ser reconhecida, coloquei um super salto (que ajudou a arrebitar meu bumbum). Quando cheguei na sala, ele estava me esperando de bermuda e camiseta para me levar pra me exibir, quando me viu ficou de pau duro imediatamente. Percebi seu olhar guloso, mas vi tambem que o monstrinho do ciumes ja estava forte dentro dele. Ele se controlava, me perguntou seu eu nao deveria ser mais discreta, perguntou seu eu nao queria desistir mas quando disse que aquilo era o que EU queria e que se ele nao me levasse iria de taxi, ele resmungou mas se deu por vencido. Ensinuou que queria me possuir, mas afirmei que ele só faria depois que eu me exibisse. Haviamos combinado dele me levar num local onde passava muitos carros, havia mitos barzinhos, me deixar no local e se afastar o suficiente para me ver atuando. Desci do carro, e andei menos de 5 metros já havia recebido buzinadas, e 2 carinhas numa moto já haviam parado e me secado. Eu estava com um frio na barriga um tesao imenso, mas imaginar que ele estaria dentro do carro me vendo e se roendo de tesao e ciumes me enlouquecia. Entrei num barzinho que sabiamos que era proprio para caçadores e caçadoras. Me sentei numa mesa num local visivel para ele, que estava estacionado de frente, do outro lado embaixo de uma arvore que nao permitia ver se havia alguem dentro do carro ou nao. Sentei, cruzei as pernas e deixei minhas coxas gorssas e bronzeadas a mostra. O garçom veio me servir e pedi um cerveja. Logo sentou um cara ao meu lado. Perguntou se eu estava sozinha, se podia ficar somente durante uma cerveja. Sorri e disse Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 60 -


que seria um prazer, destacando a palavra prazer. Ele sentou, era um vendedor, que estava de passagem pela cidade. Na hora pensei que bom, pois correria menos risco. Começamos a conversar e ele tinha uma lábia danada, uma papo gostoso, e nao demorou ja estavamos sentados lado a lado. Fiz questao de ficar do lado que meu marido pudesse me ver do carro. Eu olhava para o carro e sorria, um sorriso que dizia:"Estou adorando" e imaginava meu marido de pau duro, morto de ciumes batendo uma punheta. Logo rolou o primeiro beijo, e ele naos e fez de rogado, começou a alisar minhas coxas. Eu estava muito excitada, toda arrepiada, e com a buceta meladinha. Ele beijava muito gostoso. Lambia meu pescoço, minha orelha, alisava meus seios, e eu percebia que ele estava com o pau muito duro. Varias vezes ele me convidou para irmos para um lugar mais sossegado, eu dizia que ja iriamos. Então aconteceu o que eu mais queria, meu marido ligou (haviamos combinado que se ele nao aguentasse ligaria) quando ele ligou, eu desliguei e nao atendi. Ele ligou de novo e de novo. Meu amigo me perguntou se eu nao iria atender, eu disse que era meu ex que estava atras de mim, e ele me deu uma ideia que eu amei. Atende e deixe ligado para ele ouvir. Fiz isso, atendi. Meu marido ja havia gozado 2 vezes, e estava desesperado pra me comer, fingi que desliguei e coloquei o celular entre nós. Eu ficava louca imaginando meu marido ouvindo os beijos, as lambidas, e as frases picantes que nos 2 diziamos. Eu nao poupava elogios a ele e criticas ao meu ex, como por exemplo, peguei no pau dele e disse: "Nossa que tora deliciosa. Isso é um pau de verdade, nao aquela coisinha do meu namorado". Eu podia imaaginar o ciumes, a raiva e o tesao que ele estava. Quando meu amigo enfiou a mao em baixo da minha saia e alisou minha xoxota, nao tive duvidas, comecei a inplorar pra ele me fazer gozar Eu dizia soca esse dedo em mim gostoso, soca forte. Sente minha buceta enxarcada, e ele socava sem dó. Eu masturbava ele por cima da calça e quando fiz ele gozar na roupa e melar tudo, gozei forte. Meu amigo perguntou se poderiamos sair dali, eu disse que estava louca pra trepar com ele, ele pediu um tempo pra se limpar no banheiro e pagar a conta. Quando ele saiu eu corri para o carro. Quando entrei, era muita porra. Meu marido estava com a mao suja de porra, o volante sujo de porra, o celular sujo de porra, nao tive duvida. Comecei pelo pau dele, depois a mao, depois o volante, o celular, lambi tudo, deixei tudo limpinho. Saimos dali, e nao conseguimos nem chegar em casa. Paramos no primeiro terreno, descemos do carro, ele me deitou no capô do carro, e me fodeu com força, com muita força que senti o pau dele lá no fundo me cutucando. Gritei de prazer, mesmo que sentisse uma dorzinha (afina lo pau estava muito fundo), e gozei, com ele puxando meu cabelo (e puxava com força) e batia na minha bunda e na minha cara. Adorei sentir toda aquela raiva que o ciumes havia produzido, sendo descontada com tapas na bunda, na cara e a violencia com que fui possuida. Terminamos entramos no carro e dormimos no banco abraçados por mais de 2 horas. Eu só acordei no estacionamento do predio em que moravamos. Ele todo carinhoso me acordou, me levou para o quarto, me fez chupar seu pau ate gozar, o que eu fiz com muito carinho, cuidado e prazer e depois Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 61 -


dormimos. No outro dia, estava com a cara e o bumbum inchado de tanto apanhar, a buceta toda ralada, mas estava realizada. Só que agora precisavamos ir para o proximo passo

ATO IV Na manhã seguinte ele estava todo sem graça por ter deixado meu bumbum e meu rosto meio inchado, e a xoxota toda ralada. Veio com gelo, e cafe na cama. Eu não estava aborrecida, pelo contrário estava muito feliz, afinal eu tinha provocado tanto ciumes, que o tinha enlouquecido, e vamos ser sinceros, uma safada como eu precisa apanhar né? Alem disso eu tinha sentido um tesao indescritivel apanhando daquele macho descontrolado de ciumes de tesao. Cada tapa doía, mas o prazer que produzia...ufa! Só de relembrar ja estou querendo deixa-lo com ciumes de novo pra apanhar e sentir tanto prazer. E depois de tanto prazer, ainda ter café na cama, paninho gelado no rosto e no bumbum (o rosto nem marcou, agora a bunda esta inchada) valia a pena. A noite voltamos a conversar. Eu comecei devagar pois ele estava calado, e quando falou foi pra me pedir desculpas pelo descontrole. Eu na hora ja usei isso pra dizer:Desculpe se puder repetir. Ele sorriu e abaixou a cabeça. Quando me olhou me perguntou, o que você quer fazer? Eu disse:Quero me exibir, que ainda nao me exibi e tem meus amigos. Ele ficou de pensar. Eu fiquei super ansiosa aguardando a resposta dele. Passamos uns 4 dias sem falar no assunto, alias nesses 4 dias nem transamos, tive que me resolver com meus brinquedos, hortaliças, pés de cadeiras, cabos de escovas, etc. No fundo eu tinha medo que ele tivesse se magoado, mas eu havia mudado, eu nao era mais uma santa de "Calçolas" eu era uma vadiazinha de tanguinha rsrsrsrs. Na quinta a noite, ele veio carinhoso e eu já fui direta, perguntei:Quando vou poder brincar com meus amigos pra vc ver? Ele pensou e disse:Vc que sabe. Marcamos para semana seguinte. Seria na terça feira, dia mais tranquilo no escritorio e lá no almoxarifado que era meu ninho de safadezas. Na sexta combinei uma super putaria com meus amigos, avisei que na terça eles teriam uma surpresa. Nosso fina de semana foi gostoso, mas nada que justificasse nossas ultimas transas. Eu ja estava com saudades de putaria, ciumes, safadezas, etc. Na terça me arrumei para o trabalho, vesti uma calça super justa, sem calcinha, uma camisa com botoes frontais, que aproveitei para deixar aberto valorizando meus seios que elevei com um soutien com bojo (apesar que eles sao firmes e grandes), num decote super sensual. Prendi o cabelo para que meu querido nao tivesse dificuldade de ver meu rosto durante a sacanagem. Chegamos ao meu trabalho, ele é conhecido de todos e como as vezes pegamos coisas no almoxarifado, ele deixou o carro no estacionamento e entramos juntos. Fui com ele ate o almoxarifado, arrumei um lugar escuro num canto onde ele estaria super seguro, tranquei o almoxarifado e subi para minha sala. O dia estava calmo, tudo funcionando bem, entao liguei para meus amigos avisando que iria descer para o almoxarifado. Eles desceram primeiro e ficaram lá embaixo conversando. Meu marido ouvia tudo, eles falavam como eu era gostosa, como eu tinha um corpo delicioso, e como ele era corno manso. Faziam piada com o pau dele, com o jeito dele e tudo mais. Teve uma hora que ele quase saiu e partiu pra cima deles, mas a vontade de ver a festinha era maior. Tinhamos levado uma camera que filma com pouquissima luz, e ela estava Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 62 -


montada entre as caixas. Eu desci e quando abri as portas senti um frio na barriga e meu tesao escorrer pelas pernas. Sabia onde meu marido estava, olhei lá e acho que vi, talvez tenha imaginado, ele me olhando ansioso de pau muito duro. Cheguei cumprimentei cada um dos 2 (um havia faltado ao serviço) com um beijo no rosto e disse vamos começar? Eles sabia o que significava. Imediatamente eles tiraram a pica pra fora e começaram a se masturbar. Eles tinham o pau muito maior do que do meu marido, e eu sabia que isso o deixaria muito puto. Fui abrindo a camisa devagarinho, me alisando, apertando meus seios, e quando eu tirei eles pra fora do soutien, um deles veio imediatamente tocar neles, o que impedi. Disse que deveria ter calma. Tirei a camisa, fiquei nua da cintura pra cima e comecei a rebolar e a tirar minha calça. Eles ja estavam loucos e se masturbavam freneticamente. Quando viram que estava sem calcinha eles deliraram. Fiquem em pé com as calças arriadas até o joelho, com as pernas abertas e deixei que eles me tocassem. Eles começaram a alisar minha bunda delciosa, a xupar meus seios, a tocar minha xoxota. Eu olhava para meu maridonas caixas virava os olhos, fazia caras e bocas e dizia a eles que eles eram meus machos gostosos. Depois que me alisaram bastantem sentei numa caixa e abri bem as pernas e comecei a me masturbar. Eu estava ensopadissima, que escorria pela xoxota. Eles me olhavam como se nao acreditassem, boca aberta, o pau explodindo. Fui ficando cada vez mais louca, fiquei completamente nua, fui para bem perto das caixas onde meu marido estava, na realidade estavamos a menos de meio metro. Eu podia ve-lo. Debrucei sobre as caixas abri as pernas e disse aos meus amigos, hoje eu disse que tinha surpresa, entao venham, podem me xupar a vontade. Meu marido sussurrou que isso nao estava combinado, e eu falei com muito medo e mais tesao ainda: "Cala a boca seu corno e veja sua mulher se fodida". Meus amigos ja estavam tambem nus e um ja se abaixou e começou a lamber minha xoxota com tanta vontade, melando toda a cara dele, o outro alisava meu corpo, e eu me contorcia toda de tesao, e comecei a gozar. Gozei 2 vezes direto com eles trocando, cada hora um me lambia e xupava. Eu fiquei tao louca, quando olhei para meu marido se punhetando, que coloquei um dos meus amigos sentado na caixa que eu estava debruçada, ele de costas para meu marido, eu de frente olhando no olho dele e comecei a mamar meu amigo. Foi o primeiro pau que xupei fora do meu marido e quero dizer que e maravilhoso sentir aquele pedaço de carne dura e quente dentro da boca. Ele nao acreditava, gemia alto, me chamava de gostosa, e eu olhava no olho do meu marido e sorria. O outro embaixo de mim me xupando, eu mamando e meu marido olhando e punhetando. Efoi muito bom quando senti aquele jato quente encher minha boca e garganta. Olhei para meu marido e abri a boca cheia de porra pra ele ver quanto leitinho na minha boca. Meu amigo estava mole, eu fui deilhe um beijo na boca bem melado e bem tesudo e gemendo mandei ele me xupar. Ele sentou no chao embaixo de mim e começou a me xupar. O que estava me xupando veio para ser xupado, mas olhei pro meu marido dei um sorrisinho, vi o olhar desesperado dele e disse para meu amigo:Quero vc me fodendo, vai logo viado. Ele nao teve duvidas, enfiou aquele pau imenso de uma vez, eu gemi, e quando eu sentia que a lingua de um que me xupava encostava a lingua no pau do outro que me comia, eu enlouquecia. Ele gozou rapidinho. Eu gozei antes, com eles me xupando, gozei enquanto ele me xupava, e gozei sendo fodida por tras. Estavamos os 3 moles. Meu marido estava desesperado. Nos limpamos (como deu) vestimos a roupa e subimos para o trabalho. Deixei a porta aberta para meu marido sair e ir embora.

Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 63 -


Apos uns 15 minutos ele disse que estava em casa me esperando para assistirmos juntos o video.

ATO V Eu fiquei o dia todo no trabalho, mas a safadeza nao saia da cabeça. Eu ficava imaginando se meu marido estaria bravo, se estaria nervoso. Eu imaginava chegar em casa, e a casa vazia e ele ter ido embora, imaginava eu chegar e ele com outra, tudo me torturava, mas o prazer que eu havia sentido era algo tão forte e tão intenso, que minha bucetinha ainda coçava de prazer e vontade de receber outra pica. A tarde liguei em casa e meu marido nao atendeu, liguei no celular e estava fora de área, aquilo me deu um desespero muito grande. Quase nao trabalhei a tarde. Terminando o expediente corri pra casa. Quando sai do elevador (moro no 11o. andar) a porta de casa estava aberta, fiquei apavorada imaginando o pior. Já havia bolado todas as desculpas e promessas pra que ele nao me deixasse, mesmo que no fundo eu queria era continuar sendo safada e experimentando de tudo. Entrei em casa e vi um lindo buque de rosas, a mesa arrumada, e quando o encontrei recebi de presente um lindo par de brincos, belissimos e muito, muito caro. Dei um sorriso, ele me abraçou e disse que me amava, e antes que eu falasse qualquer coisa me disse que havia amado minha safadeza, apesar que na hora teve que se segurar para nao me dar um soco na cara. Ele estar tranquilo, me deixou leve. Parecia que eu estava flutuando. Eu poderia continuar sendo um "puta"e tendo meu amado ao meu lado, curtindo e me apoiando. Após um lanchinho gostoso, um banho com muitos beijos e passdas de mao, e confesso que ninguem tem uma mao mais gostosa do que a do meu maridao, fomos para a cama assistir o filme erotico "Eu e meus dois machos". Nossa fiquei assustada, eu sou puta demais kkkkkkkkk. Minha cara, meu jeito, meus gemidos, o que eu falava, os palavroes, a rebolada, a cara suja de porra, o jeito que eu sugava o pau do meu amigo, o jeito que eu olhava pro meu marido enquanto era enrrabada por tras, o olhar de desprezo que eu lançava para ele, o olhar guloso que eu olhava para o pau dos 2 amigos, o jeito de cadela que eu lambia a porra no pau deles, tudo me deixou muito, muito assustada, mas com muito tesao. Nao conseguia olhar pra ele, tentei abaixar o volume, mas ele fazia questao de deixar o volume alto e ouvir eu dizer:"Fode essa cadela", "Eu sou uma puta gostosa", "me fode porque meu marido é um corno e é um frouxo", "fode essa bucetinha melada que precisa de um pau e não daquele pintinho que tenho em casa"e muito mais. As frases me excitavam muito, mas tambem me deixavam insegura. Mas quando vi que embaixo da bermuda o pau dele estava explodindo, fui me soltando, e quando tive corajem perguntei pra ele:Fui puta demais? Ele me disse:Vc foi perfeita, alias vc é perfeita. Ah, nao tive duvida, me soltei, me lancei no pescoço dele, dei-lhe um super beijo de lingua, arranquei a bermuda dele, e fiz o melhor boquete da minha vida. Eu lambi, o pau, as bolas, lambi o cuzinho dele (ele gemeu de prazer) xupei o pau dele, e quando vi que ele ia gozar eu suguei, mas suguei com tanta vontade que ele gozou como animal, e gozou muito, pois ate engasguei com tanta Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 64 -


porra. Ele ficou mole, eu esperei uns minutos enquanto alisava o peito e braços dele, e comecei outro boquete, num instante estava duro e endureceu na minha boca, comecei outro boquete, mas ele disse que queria mais, queria me ver se masturbando, eu faria tudo pra ele (no fundo fazia tudo era pra mim) ele mandou eu escolher com o que me masturbaria, e eu sabia que ele gostava de coisas radicais, peguei no quarto uma cadeira, virei ao contrario, coloquei uma camisinha e comecei a trepar com a cadeira, que delicia, nao a cadeira, pois os pes eram quadrados e ate machucavam, mas que delicia a cara de tesao dele me olhando. A cara dele me enlouqueceu e eu, pasmem, gozei com uma cadeira, acho que estou puta demais. Gozei com a cadeira e implorei o pau dele, ele me deitou de bruços e me fodeu, fodeu com força e vontade, e que delicia, gozei com o peso dele nas minhas costas, apertando minhas tetas, puxando meus cabelos e fudendo minha bucetinha. Gozamos juntos e caimos um para cada lado. Ele dormiu, eu levantei, tomei banho e fui rever a filmagem, o que me levou a bater mais 2 punhetas e gozar deliciosamente. Ele acordou quando eu ja ia dormir e passando a mao pelo meu corpo me perguntou:o que faremos agora?

ATO VI Eu sorri e disse que meu plano era dormir, ele me fez um carinho e me deixou dormir. No dia seguinte acordei com um fogo imenso. Havia sonhado os mais diferentes sonhos eroticos. Quando olhei para cadeira com camisinha, comecei a rir de tanta doideira, mas era bom, afinal nos 2 estavamos nos curtindo, nos amando, e gozando feito loucos. Eu o acordei com o café na cama, ovos, café, torrada, frutas, tudo para fortalecer meu macho. Tinhamos que trabalhar mas ninguem estava afim, mas como dinheiro nao dá em árvore resolvemos sair para a luta. Passamos o dia todo mandando SMS um para o outro, recados picantes, frases romanticas, vontades eroticas, e quando chegou a hora do meio dia eu estava louca pra trepar com ele. Passei a tarde toda planejando coisas pra fazer com ele ou para ele em casa. Fiz uma listinha, algumas já havia feito, outras não. 1) Iria acorda-lo com um super boquete 2) Iria acorda-lo esfregando minha xoxota no corpo e na cara dele 3) Iria memasturbar mais vezes e em lugares mais visiveis para ele e para os vizinhos 4) Iria arrumar um "amante pela internet" ligar o note na TV e fazer uma exibição com direito a streep, masturbação, etc para ele assistir pela TV 5) Gravaria algumas vezes eu me masturbando com os mais diferentes objetos e mostraria para ele etc, etc.etc Quando cheguei em casa a tarde, ele me disse:Se arruma que hoje vc vai realizar um sonho meu. Eu Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 65 -


perguntei qual era e ele nao queria dizer, entao eu disse que só realizaria se ele depois realizasse um sonho meu. Ele pensou e topou. Meu medo era envolver outra mulher em nosso relacionamento, pois mesmo sendo liberal e cabeça aberta, ainda continuo muito, mas muito ciumenta. Tomei banho e quando fui me arrumar perguntei a ele:Devo me arrumar como uma Lady ou uma safadinha? Ele sem exitar respondeu:Se arrume como uma cadela no cio. Nao gostei da resposta, achei meio seca demais, mas já que ele queria "guerra", ele teria "guerra". Coloquei um shorts de couro preto que deveria ser uns 3 numeros menor do que eu (que dificuldade para vestir), uma blusa branca muuuuuito transparente sem soutien, uma sandália plataforma de 13 cm e me maquiei com destaque para a boca que queria que ficasse mais carnuda e suculenta e para os olhos pois queria um olhar fatal. Entrei na sala rebolando, e ele olhou sorriu e disse:que cadela vc esta? O jeito meio frio dele falar me assustava, mas a insegurança me excitava, entao topei fazer o que ele quizesse do jeito que ele quizesse, afinal eu teria a minha vingança. Pegamos o carro e saimos, rodamos por quase 40 minutos e chegamos a um motel 5 estrelas. Entramos e ele ja tinha reservado a suite mais cara, pedido muito champagne e outros adereços para uma orgia. Ao entrarmos ele disse que a suite era pra voyeurismo (eu nao sabia o que era, mas me fiz de entendida) e que ele estaria num quarto ao lado, e pelo grande espelho (uma parede inteira era só de espelho) ele iria me observar. Me perguntou se eu queria ir embora, eu sorri e disse que nao, Que estava curtindo muito, e que iria adorar tudo que ali acontecesse. Só lamentava que nao poderia ver as reações dele, mas ele me disse que havia trazido a filmadora com tripé, e que filmaria toda reação dele e depois eu poderia ver junto com o filme, pois ele havia instalado 3 cameras bem escondidas para pegar todos os lances que ali ocorreriam. Disse que eu ficasse a vontade e esperasse que o show ja iria começar. Entrou no quarto atras do grande espelho que para ele era uma parede transparente, e eu fiquei ali sentada sozinha. Liguei a Tv me encostei no travesseiro tomei uma taça de champagne que haviamos aberto na chegada e quando estava pensando em ir para a banheira, a porta se abriu e entrou um homem de 40 e poucos anos, muito educado, vestido de terno e gravata, extremamente charmoso e educado e disse que estava ali com uma missão, me fazer sentir todo o prazer que uma mulher pode sentir. Fiquei arrepiada, olhei para o espelho e podia imaginar o sorriso nervoso na cara do meu marido. Resolvi me soltar, ele sentou ao meu lado e começamos a nos beijar. Ele me disse que alguem que me amava muito tinha dado todas as orientações e que eu poda relaxar. Como ja tinha tomado umas 3 taças de champagne, e como gosto de curtir a vida principalmente amo putaria, resolvi me soltar. LEvei a mao no pau dele que ja estava duro, e começamos a dar um malho sensacional, maos pelo corpo, lingua pelo pescoço e orelha, beijos de tirar o folego. Ele me deitou e começou a me chupar, e como chupava, nunca ninguem havia me chupado daquele jeito, nao sei nem descrever os movimentos que ele fazia com a lingua e a boca, mas me fizeram Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 66 -


gozar ate ficar mole e louca por muito mais. Ele entao me disse que eu deveria ter meus olhos cobertos com uma venda e que se eu tirasse tudo estaria desfeito, entendi que era orientação do meu marido, pois ele me havia dito que se algo saisse diferente do planejado ele entraria no quarto e acabaria com tudo, como confio nele, completamente deixei rolar. Ele vendou meus olhos, e vc sabe que com os olhos vendados, tudo é muito mais picante, mais excitante, mais gostoso. Recebi entao uma massagem erotica deliciosa que me fez relaxar, mas fez com que enlouquecesse de tanto tesao. Ele entao mandou eu esticar os braços pra cima e quando eu fiz, ele num movimento rapido me algemou na cama. Eu disse que nao tinha certeza se queria aquilo, mas ele com uma voz mansa me tarnquilizou e disse para confiar. Resolvi relaxar e deixar rolar, mas nao e nada facil estar algemada e com os olhos tapados, foi quando ele me colocou algo sobre a boca que nao me atrapalhava respirar mas abafava demais qualquer som que eu fazia. Eu estava assustada, mas quando a lingua recomeçou na minha xoxota eu fui relaxando, relaxando, e gemia, só gemia. De repente me assustei pq percebi que havia mais do que duas maos me tocando. Bem pensei que era meu marido. Uma lingua na xoxota, uma lingua nos meus peitos, maos pelo corpo, uma delicia. Tudo no escuro, presa e em silencio. As sensações se multiplicam por 100. Senti a cabeça de um pau (e pela cabeça era grande) esfregando freneticamente a portinha da minha bucetinha. Que loucura que tesao, e a lingua continuava na minha teta, e uma lingua alisava meu grilinho. Nao entendi, mas estava adorando. Senti duas maos fortes levantar meus quadris e colocar um travesseiro de apoio nas costas e alguns segundos depois senti que havia uma lingua socando no meu cuzinho e uma xupando minha buceta, alem da lingua nos meus peitos. Fiquei apavorada, mas presa, vendada e com aquela coisa na boca nao tinha o que eu fazer. De tempos em tempos ele me dizia fica tranquila ele esta controlando tudo. Entendi que meu marido estava ali junto. Recebi entao uma chupada na buceta que me enlouqueceu, eu ja estava gritando (e aquela droga abafava meus gritos) implorando pra ser comida, quando senti que minha cintura foi levantada e um dedinho foi enfiado no meu cuzinho, depois 2, ele foi bem massgeado, eu sabia o que significava, e logo senti a cabeça de um pau forçando a entrada. Nunca havia dado o cuzinho antes, mas sabia que precisava relaxar, relaxei, e sentir que entrou mais um pouquinho, doia, mas a lingua no grilinho, as maos pelo corpo, a xupada nos seios, tudo me fazia sentirmais tesao do que dor. Senti entao de novo aquela cabeçona na minha xoxota. Me deu um frio na barriga, pois estavam fazendo em mim um DP. Fui sentindo eles bombando, um no cuzinho e um na xoxota, devagarinho, aos poquinhos, eu fui ficando mais louca, mais louca e quando percebi os 2 estavam fudendo com toda a violencia possivel enquanto eu tinha meus peitos chupados, e os bicos deles mordiscados de leve. Nao sei quanto gozei, mas sei que alguem gozou na minha bunda pois senti o jato quente dentro do cuzinho e na minha barriga. Eu estava mole, quando senti uma lingua macia me lavando, banho de gato sabe? Me lambeu todinha, limpou meu cuxzinho, minha barriga, minhas coxas, escutava quando xupava a pica deles e quando voltou a me chupar reconheci que tinha sido a lingua da ultima xupada que havia tomado. Que delicia, que tsao, que loucura, eu estava de novo explodindo de tanto tesao, quando me tiraram a venda, eu eu vi, era uma mulata linda, com o corpo escultural, que me chupava enquanto meu 1 amigo a comia. Do lado dele um outro homem, mais jovem e pelo pau entendi que foi o que comeu Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 67 -


minha buceta estava mole deitado num sofá. Só que na poltrona em frente havia um negro, musculoso, forte e com um pau enorme e grosso que precisava de suas 2 maos para masturbar, e ele tinha s maos enormes. Quando ela me deixou extremamente lubrificada ele se levantou e veio pra cima de mim, quis gritar, mas o som saia abafado, olhei para o espelho mas nao obtive resposta, estava amarrada, e senti entao aquea cabeça enorme, parecia uma cebola encostar na minha xoxotinha. Grite pra ele ter carinho, ele sorriu e disse que eu nunca mais seria a mesma. Ele foi bem devagar, eu olhava os outros dois fudendo violentamente a mulata e aquilo me exitava, e ele foi tao carinhoso que quando percebi aquele mastro estava dentro de mim me dando um prazer que nao consigo escrever. Ele começou entao a bombar, cada bombada eu pensava que ia morrer de tesao, ele foi aumentando a velocidade das bombadas, eu ficando mais louca, eu olhava pelo espelho do teto e nao acreditava que tudo aquilo entrava dentro de mim me dando tanto prazer. Nesse momento soltaram minhas maos, eu abracei o negro, bati, arranhei, arranquei auqlea coisa da minha boca, gritei, apertei, e gozei, gozei, gozei, gozei, gozei e ele num movimento brusco tirou o mastro de dentro de mim e gozou em minha barriga. Era um banho. Foi porra no rosto, no peito na barriga, nas coxas, era porra demais. A mulata veio lamber imediatamente, eu fechei os olhos, e acho que cochilei. Quando acordei estava sozinha no quarto com meu marido ao meu lado com um sorriso malicioso. Eu estava toda ardendo, mas completamente realizada. Olhei pra ele e disse:Tem troco

ATO VII Ele sorriu para mim, me pediu para tomar um banho para irmos embora. Antes disso me deu um forte e demorado abraço. Não foi muito facil levantar e tomar banho. Eu estava completamente exausta. Minha xoxota estava esfoladíssima, meus peitos doendo, meu cuzinho, pobre do meu cuzinho, estava arregaçado. Alem do mais, quem já gozou tanto e tanto e tantas vezes sabe que o corpo todo fica sensivel. Acho que devia as grandes descargas de adrenalina e endorfina, eu sentia uns arrepios, sentia uns choques de tesao, e toda a minha pele estava sensivel ao toque. Tomei um longo e gostoso banho na banheira de hidromassagem. Tive uma dificuldade imensa de vestir o shortinho, pois estava toda dolorida, mas devagar me arrumei, entrei no carro, e voltamos pra casa. Fui direto para a cama. Parecia que havia trabalhado no serviço pesado por umas 12 horas kkkkkkk nao estava acostumada. Dormi profundamente e bem. Acordei na manha seguinte e meu marido ja havia se levantado. Quando cheguei a cozinha ele estava pronto, me deu um beijo no rosto e saiu para o trabalho. Fiquei em casa me lembrando do ocorrido, das xupadas, da DP, do pau daquele negro maldito e delicioso que me arregaçou, pensei tanto que precisei me masturbar pra acalmar meu fogo. Me arrumei como uma santa e fui trabalhar. Estava com a cabeça longe. Tentei me concentrar no trabalho mas nao conseguia. Liguei para meu marido nao atendeu, enviei um SMS nao obtive resposta, enviei email e ele nao retornou. Foi um dia longo e chato. Aproveitei para planejar minha vingança, mas nao conseguia pensar em nada tão exotico, tão gostoso. Após o expediente sai com 2 amigas tomamos um chopinho e fui para casa, curiosa para conversar com meu marido. Quando cheguei, ele nao estava, havia um bilhete que havia saido com um amigo. Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 68 -


Fiquei de bobeira em frente a TV, navegando na net, até que ele chegou e foi direto para o banho. Achei estranho pois nem me olhou. Ao sair do banheiro, tentei puxar conversa sobre o dia anterior e ele desviou o assunto. Falamos sobre outras coisas como trabalho, negocio, viajem, etc mas quando tentei falar sobre nossa (minha) orgia, ele fugiu do assunto. Pensei que ele pensava que eu tinha ficado brava ou magoada, entao resolvi dizer para ele que eu havia adorado a surpresa. Falei pra ele que 2 picas dentro de mim foi muito bom. Disse que ser lambida e xupada por outra mulher foi perfeito e elogiei longamente aquele mastro negro que havia me arregaçado. Imediatamente ele fechou a cara e saiu do quarto. Fui atras dele, e com muita surpresa e profunda alegria (adoro isso) percebi que ele estava enlouquecio de ciumes. Ele havia bolado tudo, mas agora estava doido de ciumes. Fiquei super feliz, com uma pontinha de medo confesso, mas disposta a manter e aumentar o ciumes dele. Tentei puxar o assunto mais umas 2 vezes e ele nao quis. Entao me calei. Após uns 40 minutos quando vi que ele estava mais calmo, retomei meus ataques e provocaçoes. Pedi as filmagens para ver. Ele imediatamente me perguntou pra que eu queria a filmagem. Eu olhei para ele, dei um sorrisinho muuuuuuito safado e com a cara mais safada, mais puta que pude fazer eu disse: – Quero me ver sendo fodida, lambida, arregaçada e quero me masturbar muito assitindo. Ele enlouqueceu, ficou vermelho, fechou a cara, olhou para um lado, para o outro, nao sabia o que dizer, abriu a boca e nao saiu som. Abaixou a cabeça pensou um pouco e disse:A filmagem nao ficou boa. Nao tive duvida, encarei ele e disse:Nao acredito que meu corninho nao conseguiu filmar direito todo o prazer de sua mulherzinha gostosa e safada. Nao deveria ter dito isso. Ele se levantou e saiu batendo a porta. Fiquei insegura, com medo dele perder o controle (algo que nunca aconteceu em nosso relacionamento) mas tambem fiquei com um enorme tesao em ve-lo assim louco de ciumes, alem de me sentir poderosa, gostosa e safada. Quando ele chegou eu estava dormindo, mas acordei quando ouvi um barulho na sala. Fui bem quietinha ver o que estava acontecendo e la estava ele assistindo a filmagem, se masturbando violentamente e me xingando de puta, de gostosa de cadela safada e dizendo que me amava. Assisti um pouquinho a filmagem e era impressionante quanto tesao, quanta sacanagem e putaria naquela tela. Na hora ensopei de escorrer pelas pernas, fiquei louca pra entrar na sala e pedir pra ele me foder, mas corri para o quarto e fui dormir. Ele demorou tanto que nao sei que horas ele deitou. No outro dia levantei mais cedo que ele e encontrei a sala toda em desordem. A Tv ligada, uma garrafa de wiske no chao pela metade, copo na mesa com dose dentro, e muito, muito papel higienico cheio de porra seca. Ele deve ter bebido e se masturbado demais. Me senti poderosa, gostosa, safada, mas resolvi dar um tempo para as coisas se acalmarem. Resolvi que a melhor tecnica era fingir. Entao comecei a agir como santinha. Calcinhas maiores, roupas menos decotadas e menos justas, menos maquiagem, cinversas menos picantes, mas minha buceta insistia em viver meladinha e meu cuzinho coçando. No trabalho nao mudei nada, continuava me exibindo, me masturbando, xupando e fudendo com meus amigos. Continuava me masturbando pensando na orgia que eu participara, mas perto dele eu agia como a santa apaixonada, afinal nao posso perder esse homem por nada, pois alem de ama-lo, ele e carinhoso, e gostoso e é corno manso. Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 69 -


Foram semanas complicadas. Eu nao forçava nada e na hora do sexo, ele sempre começava romantico mas em algum momento, acho que ele lembrava das imagens de eu sendo fodida por varios machos, lembrava da pica do negao me arregaçando, e ele enlouquecia, metia em mim com gosto, com força com tesao. Eu amava isso. Ele com raiva, com tesao e com ciumes de mim. Por isso eu gosava, sentia ele gozar, mas nao dizia nada. Tentei uma ou duas vezes falar no assunto mas vi que ele ainda estava louco de ciumes, e uma coisa que aprendi é saber quando provocar. Resolvi que iria esperar ele se soltar de novo, mas que enquanto isso eu iria foder com meus amigos, me masturbar demais, ser feliz. Um dia ele chegou em casa e disse que queria me fazer 3 perguntas. Eu disse claro pode fazer. Ele me disse seja absolutamente sincera. Eu prometi que seria, e seria mesmo. Vieram as perguntas: 1) Voce me ama como amava anteriormente Eu precebi que alem de ciumes ele esta inseguro. respondi olhando nos olhos dele. "Amo mais do que antes e menos do que vou ama-lo amanha." Ele deu um sorrisinho amarelo e me perguntou: 2) Vc curtiu aquela festinha? Eu fiquei com medo. O que responder? Se digo que não gostei e ele quer ouvir que gostei estrago tudo. Se digo que gostei e ele queria ouvir que nao gostei, estrago o casamento. Resolvi falar a verdade. Olhei pra ele e disse:"Gostei demais, me masturbo todo dia pensando naqueles machos gostosos. Naquelas picas duras, naquela mulata me lambendo. Penso em voce vendo e ficando puto com isso, me masturbo imaginando sua raiva. Fecho os olhos e vem na minha mente aquele cacete imenso me arregaçando. Consigo sentir na boca o sabor gostoso daqueles cacetes". Ele de cabeça baixa perguntou? 3) Eu ser corno te incomoda? Eu sorri, sentei no colo dele e disse:"Eu amo vc ser meu corninho, adoro foder com todos os machos, adoro ver sua carinha desesperada, adoro ser puta de outros homens, adoro te meter chifres, adoro sentir teu pauzinho num buraco feito por uma pica de verdade, adoro quando voce arruma machos pra me foder, gosto de meter chifre em vc, de te humilhar, de foder com vc quando vc esta com raiva e com ciumes, mas amar eu amo voce". Ele disse: Entao vou pagar o que eu te devo

ATO VIII Eu pensava que ele nunca mais tocaria naquele assunto, pensava que tinha até esquecido de que aceitaria que eu fizesse com ele alguma coisa diferente para devolver o que ele fizera comigo me entregando a uma mulher e 3 homens numa tarde/noite de loucuras e muito prazer. Fiquei pensativa. Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 70 -


Na hora me surgiu na cabeça mil planos, mas e o ciume dele? Resolvi que o melhor seria dar-lhe um gostoso e molhado beijo, e deixar para pensar nisso depois. Agarrei-o pelo pescoço e o que era para ser um beijo gostoso e molhado nao parou por aí, pois ele agarrou meu bumbum, começou a alisar minha barriga, meus seios, a morder minha orelha. Rapidamente estava com a mao direita na minha xoxotinha e com um dedinho massageava meu grilinho. Eu me exitei rapidamente, e logo depois ja estava de quatro e ele metendo na minha xoxotinha por tras (minha posição pridileta) enquanto batia no meu bumbum e me chamava de gostosa e safada. Apos gozarmos, ele foi tomar banho e eu fiquei pensando o que fazer e como fazer. Gostaria de arrancar dele todo o prazer que ele pudesse me dar, gostaria de deixa-lo o mais louco de ciumes possivel, mas nao poderia correr riscos de perde-lo e voce sabe como sao os homens... machoes, bravos, teimosos. Ele saiu do banho e foi para a sala e eu fiquei pensando como faria e decidi o que fazer e que começaria imediatamente. Entrei imediatamente em um site de relacionamentos e comecei a conversar, em pouco tempo estava batendo papo com um cara casado, gostoso, safado e disposto a muita sacanagem. Fui me soltando e logo estava me exibindo e vendo ele se exibir pela web cam. Eu me masturbava com vontade e nem percebi quando ele entrou no quarto e me pegou nuazinha com dois dedos na xoxota, com as pernas bem abertas em frente ao notebook. Eu rebolava, gemia e remexia o corpo porque estava gozando. Nao era o mesmo gozo de um pau dentro da minha xoxota, mas gozar é gozar nao importa quando, onde e como. Quando relaxei, vi que ele estava com o pau duro me olhando e disse:Vc nao havia acabado de gozar comigo? Eu sorri como se estivesse muuuuuuuito envergonhada e falei:Foi pouco pra mim, precisava de mais. Ele fez uma carinha de desapontamento, e voltou para sala. Eu deitei e dormi gostoso pensando em tudo o que faria. Acordei e já tinha minha decisao, eu precisava acostuma-lo a sentir ciumes e a se submeter aos meus caprichos sexuais e as minhas taras, entao eu faria com ele um treinamento que ele nem sentiria. Eu faria muitas coisas diferentes e que eu amo fazer e se nao fizesse eu fingiria que havia feito para que ele aprendesse a sentir e controlar seu ciumes. Comecei falando pouco, mas sempre, do ocorrido e da minha alegria em receber um DP, do meu prazer em ter sido chupada por uma linda mulata e pelo tesao que foi aquela tora me arregaçar. Eu percebia que ele ia ficando menos desconfortável, com menos ciumes, e até gostava da idéia. Outra coisa que eu fiz foi me exibir muito. Como eu havia retrocedido nas roupas e maquiagens, fui devagar. Fui aumentando gradativamente o decote, diminuindo o tamanho das saias e ajustando as caalças. Fui tambem voltando a me maquiar e valorizar aquilo que no rosto mais atrai os homens, lábios sensuais e olhar safado. Me exibia a todos os lugares que iamos. No supermercado, eu ia com saias curtas e justas para me abaixar quando houvesse homens por perto, ou ia de calça justa e rebolava atraindo os olhares. Nos passeios eu ia com decotes avantajandos para que meus deliciosos peitos fossem desejados. Saiamos para o shopping e eu me arrumava de um jeito que eu sabia que todos estariam me olhando. Nao de um jeito vulgar, mas extremamente sensual. Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 71 -


Quando ia abastecer meu carro, mesmo que ele estivesse junto eu fazia questao de dirigir, ir com uma micro mini saia, sem calcinha, e mostrava para o atendente do posto, e ve-lo se excitar me enlouquecia. No predio onde moravamos, passei a andar pelas dependencias com shorts minusculos e blusinhas, deixando homens e rapazes excitados ao me verem. Nao perdia oportunidades dentro do elevador com um vizinho de sorrir para ele e depois secar o pau dele, mesmo que ele ficasse sem graça. Ia na varanda atras do apartamento só de tanguinha para estender uma toalha ou buscar alguma peça de roupa. Ficava na sala com as portas da varanda aberta de shortinhos, de tanguinha e camiseta e outras vestimentas que atraiam o olhar dos visinhos do bloco da frente que até binoculos adquiriram para me ver. Arrumava desculpa para ir buscar coisas que havia esquecido "no carro" com micro shorts e mini blusas sem soutien, para que as mulheres me odiassem de inveja e os homens me desejassem. No trabalho adquiri o habito do olhar. Para cada homem que olhava eu pensava e enquanto pensava mantia o pensamento "Quero trepar com vc"e deixava que meus olhos e a linguagem corporal falasse. Até meu chefe começou a ir muito a minha sala e sair de la com o pau duro mesmo que falassemos somente de trabalho. Quando iamos a praia, usava biquinis que faziam meninos e homens quebrarem o pescoço para me olharem. Ia nas praças de alimentação com mini saia sem calcinha e sempre sentada de frente para casais ou grupo de rapazes para mostrar minha xoxotinha deliciosa. Em casa, trocava email, SMS, MSN, Skype e telefonemas, picantes e eroticos com amigos, amantes, conhecidos e desconhecidos. Pedia pra meu marido me foder como se fosse o negao pausudo ou um dos meus amigos do trabalho. Falava com ele sobre as maiores putarias e mais pesadas sacanagens e dizia do meu desejo de ser uma puta. Contava pra eles minhas transas e putarias (sempre controlando e balanceando o tesao e o ciumes), e quando nao havia ocorrido nada eu inventava. Brincava de cobrar pra transar com ele, e dizia que era uma fantasia de ser uma puta de verdade. Me masturbava descaradamente, e no meio da noite fazia questao de me masturbar e gemer bem alto para ele acordar enquanto eu me tocava pensando em outro macho. Chegava em casa com a calcinha marcada com porra seca, e deixava "sem querer"num local onde ele pudesse ver

Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 72 -


"Disfarçadamente" marcava encontro com os amigos e amantes Aparecia com roxos na pele, em varias partes do corpo, marcas de xupadas delciosas que recebia, o que eu mesmo fazia para ele sentir ciumes, Convidava ele para assistir filmes eroticos, mas escolhia filmes onde o marido era corno e a mulher era possuida por varios machos, Enviava contos pra ele por email e comentava sobre os contos com ele em nossas conversas, Tudo isso eu fiz gradativamente, demorou quase 3 meses e sempre cercado com muito carinho de declaraçoes de amor, pois eu queria que ele estivesse pronto para a maior putaria da minha vida. Quando eu percebi que minhas atitudes o excitavam mas nao o enlouqueciam de ciumes, nem o faziam ter explosoes de raiva resolvi que havia chegado o momento. Eu começaria a propor apostas, isso mesmo, apostas

ATO IX Nós mantinhamos desde que namorávamos o habito de apostar. Coisas bobas. Apostavamos no esporte, no casal da novela, na propaganda que ia passar na TV, etc e quem perdia, pagava a conta, deixava o outro dirigir (só ele tinha carro), lavava a louça, etc. Agora meus planos eram mais... eróticos. Eu queria apostar com ele, putarias e sacanagens. Ele sempre odiou perder e geralmente, ou quase sempre ele vencia. Entao teria que ter muitos cuidados, pois eu poderia ser derrotada e me dar mal. Num domingo pela manha, iriamos sair para uma volta e eu propus uma aposta. Disse a ele que o primeiro cara que me olhasse e encarasse eu coneguiria o telefone dele em menos de 5 minutos, ele propos 2 minutos e fechamos a aposta em 3 minutos. Quem ganhar escolhe o que o outro pagaria, mas combinamos que deveria ser pagamentos sexuais. Saimos do apartamento, eu estava vestido "pra caçar" ele olhava pra mim e ria. Nós resolvemos ir ao clube que eramos socios e eu fui bem quietinha torcendo para nao ser um padre, um cara com a esposa, ou um puritano. Chegamos no clube, fiquei enrolando no carro, e quando vi uns carinhas vindo em direçao ao estacionamento, enrolei na cintura a saia que ja era curta, calcei meu chinelinho e sai rebolando, ele só dava risada. E de modo incrivel os carinhas passaram e nem me olharam. Ele chorava de rir. Veio andando atras de mim, dizendo que eu nao ganhava apostas, nesse momento eu olhei e sentado num bar do clube um cara olhava tao fixo que imaginem, fiquei sem graça. Olhei pra ele, nao me fiz de dificil e fui direto falar com ele, meu marido olhou pra mim e mostrou o relogio dizendo que ia marcar o tempo. Cheguei puxei conversa, e como nao podia enrolar, com poucas palavras disse que vi como me olhava e que se ele me desse o numero de telefone eu ligaria. Ele me olhou e disse que daria o telefone se eu primeiro chamsse aquele "gato"que me acompanhava e apresenta-se a ele. Ele estava secando era meu marido, saí com muuuuuita raiva, meu marido ria de mim, eu fiquei tao brava que voltei para o carro, e quis ir para casa. Ele veio calmamente, e começou a me provocar, ele sabe que tambem odeio perder, e que sou ciumenta. Ele entao me disse:

Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 73 -


Perdeu? – Sim – Pagamento é sexual? – É fala logo – Quero vc vendo aquela mulata que te lambeu, mamando meu pau bem gostoso Eu quase tive um infarto. Eu nao ia aguentar, nao aceitava que ninguem encostasse nele, e se isso acontecesse ele seria corno e eu corna, e isso eu nao aceitava. Mas nossas apostas eram sagradas. Tentei trocar, ofereci favores sexuais, ele somente ria da minha cara. Tive que aceitar. Ele pegou o celular ligou e dali fomos ate um apartamento perto do nosso, ela ja estava esperando de shortinho e soutien, Eles pareciam intimos, e isso me matava. Ele entrou me pediu pra sentar numa poltrona, e ela olhando pra mim sorrindo disse:Hoje é dia dele ser feliz. Se abaixou, tirou o pau dele fora da bermuda e começou um boquete que me fez invejar. Sempre xupei muito bem, todos dizem que minha boca é maravilhosa, mas ela, lambia com tanto jeito, engolia com tanta vontade (eu sentia enjoo quando engolia muito fundo, ela nao), lambia as bolas, mamou tao bem que ele logo gozou. Ela engoliu tudo. Olhou pra mim, sorriu e disse:Gostei mais do pau dele do que da sua bucetinha, linda. Eu havia ficado excitada vendo ele gemer, mas estava com muito ódio de ter sido obrigada a ver. Ele a pagou, o que me deixou mais revoltada ainda e saimos. Entramos no carro, eu queria apostar de novo. Ele nao foge de apostas me mandou escolher o que eu queria apostar. Nao me vinha nada na cabeça, pensei em apostar que eu pegaria um cara qualquer, (com o odio que eu estava dele sendo xupado eu treparia com o primeiro que aparecesse so para me vingar), pensei em apostar algo na area esportiva (sempre tem um jogo, um evento um campeonato pra apostar), pensei varias coisas e nada vinha a cabeça. Resolvemos ir almoçar. Quando paramos na churrascaria eu pensei, olhei pra ele e disse com uma carinha de santa:"Aposto que hoje nao estão servindo cordeiro". Ele olhou pra mim, e riu muito. Perguntou seu eu tinha certeza de que queria apostar aquilo. Eu disse que tinha certeza absoluta. Aceitou a aposta e advinhe? Isso mesmo. Me dei mal de novo. Nem almocei direito. Nao quis sobremesa. Queria ir para casa. Chegamos em casa, ele disse:Pronta para pagar a aposta? Fiquei feliz pois achei que eu faria parte do pagamento. Ele disse, vou dar 1 telefonema, vc se arruma, pega a filmadora e vamos. Fui me produzi toda, calça jeans com lycra coladérrima, mini blusa, cabelo solto, maquiagem, peguei a mochila da filmadora, respirei fundo e disse pra mim mesmo, vamos pagar a aposta. Entrei na sala, ele estava sentado no sofá jogando video game. Me Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 74 -


olhou nao deu bola, e saimos. Ele dirigiu para o mesmo motel onde algumas semanas antes ele me filmara fazendo um DP, sendo arregaçada por um negao pauzudo, e muito mais festa. Chegou pagou a mesma suite, entramos, ele foi na sala atras do espelho, montou a filmadora, eu estava excitadissima, ja estava meladinha, pensando em todas as sacanagens que ele faria comigo. Meu cuzinho estava coçando, meus peitos durinhos. Ele acabou de montar, testou, me mandou entrar sentar numa poltrona e observar. Saiu e trancou por fora, e eu fiquei lá esperando. Ele foi tomar banho e enquanto ele tomava banho chegaram 2 mulheres (aquela mulata que eu odeio) e uma amiga, japonesa linda. Elas estavam vestidas sensualmente com saias e blusas curtas e justas, sandalias que valorizavam os pés lindos que possuiam, uma maquiagem leve porem marcante. Ele saiu do banheiro enrolado numa toalha, falou poucas coisas no ouvido delas, elas olharam para o espelho e começaram a rir. Depois subiram na cama e começaram a se beijar, eram beijos intensos e molhados, ele sentou num divã e começou a alisar o pau que estava super duro. Eu sentia uma mistura de tesao, raiva, ciumes, vontade... E elas se divertiam. Foram tirando a roupa peça por peça até estarem completamente nuas. Aí se deitaram e comecaram um 69 enlouquecedor. Elas se xupavam, gemiam, enfiam o dedo no cuzinho da outra. Uma loucura de prazer e tesao. Meu marido continuava tranquilamente alisando o pau. Eu olhava e nao acreditava. Era uma aula de 69 pra mim. Eu estava aprendendo como fazer. Elas gozaram na boca uma da outra, e entao a mulata levantou, pegou meu marido pela mao e o levou para a cama. Ele se deitou com a cabeça em minha direção e a japonesa veio, arreganhou bem a xoxota e sentou na cara dele. Eu fiquei doida, cada vez que ela esfregava a buceta na cara dele, gemia e olhava pra mim com cara de "seu macho ta me xupando"eu ficava mais doida ainda. Ja havia esmurrado o vidro, chutado a porta e a unica coisa que ele dizia era "Se vc quebrar, vc vai pagar". A mulata veio e sentou na vara dele e começou a cavalgar, e as duas olhavam pra mim e riam. A japonesa logo gozou sentada na cara dele, aí ela se levantou pois ele continuava deitado com a mulata cavalgando ele, começou a beija-lo ao contrário, virou a bunda para mim e ele começou a enfiar um, dois, tres dedos no cuzinho dela. Eu sentia meu cuzinho piscando de tesao e de vontade. Imagina ele enfiando 3 dedos no meu cuzinho. A mulata entao saiu de cima dele, e ele sentou na beirada da cama de frente pra mim, e a japonesa sentou ao contrario e começou a foder gostoso com ele. A cara de prazer que ele fazia me enlouquecia de tesao e raiva. Nem percebi a mulata chegar com um consolo (enorme) e enfia-lo todinho no cu da japonesa. Eu ouvia os gritos de prazer delas, eu via elas gozando, eu vi ele gozar e elas lamberem tudo e depois se beijarem demoradamente. Quando ele amolecia elas faziama a parte delas para que endurecesse novamente e a putaria recomeçasse. Ele fodeu a boca das duas, a buceta das duas e cuzinho das duas. Foram quase 2 horas de tortura. Tomaram banho juntos, eu nao vi, pois da sala onde estava nao dava pra ver o banheiro, so ouvia os gritinhos e os risos. Sairam os 3, se beijaram e ele pagou as duas (e pagou caro, pois eu faria tudo de graça) na frente do vidro. elas olharam para o espelho, me enviaram beijinhos e se foram. Ele abriu a porta eu fui pra cima dele, pois estava louca de ciumes e doida pra foder com ele, mas Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 75 -


ele me segurou, me beijou e disse que estava com o pau muito ralado e nao seria possivel fazermos nada. Xinguei ele de todos os palavroes que eu sabia, ele me olhava ria, e dizia:Veja se agora aprende a nao apostar. Pagou o motel (pagou caro) entramos no carro e fomos para casa, ele puxando conversa sobre as duas e eu emburrada. Chegamos em casa ja era noite, ele disse que ia ver um filme em DVD, tomar uma bebidinha pra relaxar, eu subi para o quarto, doida da vida. Depois de meses preparando ele para para nao ter ciumes, eu que estava enlouquecida de ciumes. Mas eu nao podia deixar que ele percebesse minha loucura. Demorei pra dormir pensando. Tive entao uma ideia para apostar com ele e desse jeito ele nao teria como escapar. Virei pro canto e dormi tranquila. Acordamos e fomos para o trabalho, ele com um sorrisinho maldoso, comentava que a calça machucava o pau dele, que estava ralado, eu olhei pra ele, minha vontade era voar no pescoço dele, mas me segurei e disse que tinha uma pomadinha pra tirar a dor do ralado... ele sorriu e disse que uma boquinha macia seria o ideal, eu ia dizer pra ele pedir pra uma de suas "amiguinhas" resolverem o problema, mas fiz diferente, me ajoelhei, abri o ziper, tirei o pau dele pra fora e fiz um super boquete. Senti o jato na minha boca, ele sentou numa cadeira, eu levantei, escovei os dentes, dei um beijaço de lingua nele e fui pro trabalho. Ele passou o dia todo me enviando emails e SMS de sacanagens e putarias, eu respondia como se estivesse maluquinhas, mas so queria que ele falasse em aposta. Como homens são previsiveis, nao era 3 da tarde quando ele enviou um SMS "e as apostas desistiu? Só porque eu estou vencendo? kkkkkk" Respondi com outro SMS "Quer apostar?" Ele respondeu que queria, e eu disse que era pra ele me esperar num barzinho que frequentavamos e eu sempre me exibia nele, fariamos uma Happy hour, e eu diria a aposta. Ele me enviou um SMS dizendo que ja estava excitado…

Contos Imor(t)ais - DE SANTA A SAFADA – 76 -


SEXO NO SHOPPING Oi meus amigos. O que vou contar agora, aconteceu ontem a noite. Cheguei de viajem na quinta feira tarde (Para entender melhor, leia meus contos anteriores). Meu maridinho estava me esperando. Fomos para casa e a noite tivemos uma festinha bem quente. Acho que ele estava precisando da minha boquinha, da minha bundinha, da minha xoxotinha depiladinha. Bem nao e disso que vou falar. Na sexta a noite fomos ao Shopping acho que ele queria me dar uns presentes. Quero deixar muito claro para todos que eu AMO meu marido, ele e tudo para mim, so que eu nao sou mulher para um homem so. Eu sou mulher para muita festa, muito sexo, muito Frazer Bem chegamos ao Shopping eu estava com uma sainha rodadinha, uma camisetinha branca basica e sandalhinhas. Com um detalles, sem calcinha, pois queria fazer uma surpresa para meu marido ou quem sabe se achasse um novo amiguinho… Fomos a varias lojas, ele nao sabia bem o que queria me dar. O Shopping ja estava para fechar quando fomos a uma ala do Shopping que estava bem vazia, os corredores e as lojas. Fomos a uma Loja onde ao entrar olhei para o vendedor que era um gato. Loiro, 1, 85m, musculos bem definidos, cabelos escuros e olhar masculo. Na hora encarei e na minha cabeça veio um monte de coisas que faria com ele. Como estava acompañada ele nao me deu muita bola. Vi que nao ia rolar nada entao decidí me exibir. Meu marido resolveu experimentar algumas peças e eu decidi que era hora de fazer algo. Meu marido pegou uma serie de roupas e levou para o vestiario par a experimentar, e eu, me apoiei em um balcao e comecei a danzar mexendo meus pezinhos de um lado para outro, enguanto ouvia musicas no ipod. Me movimentava lento e sensualmente para chamar a atençao daquele gato. As vezes ficava na Ponta dos pes, pois sabia que algo mais ficaria tentador. Em um desses momentos olhei para tras e ele estava me secando. Olhos esbugalhados, boca semi aberta, e pasmem, um volume imenso nas calças. Que alegria fiquei, nem disfarcei. Me virei, fingi que ia pegar uma peça no alto de uma prateleira e fiquei bem na Ponta dos pes. Sei que ele viu a curvinha do meu bumbum, pois ele chegou por tras e se ofereceu para me ajudar. Qdo senti aquela coisa dura encostar no meu bumbum dei uma reboladinhae disse: – Que gostoso. Virei para ele, e ouvi algo que goste. Ele me disse: – O que a deusa precisa? Eu respondi: – Prazer. Meu marido saiu do provador e fomos ver algumas camisas, eu do lado do meu marido, ele olhando as camisas e o vendedor alisando, e me passando a mao toda hora que dava. Eu sorria, rebolava. Meu marido como é muito concentrado nao percebia nada, pois estava analisando as peças para Contos Imor(t)ais - SEXO NO SHOPPING – 77 -


escolher. Nesse momento, meu marido o chamou, entregou umas peças que nao havia gostado e pediu outras. Ele foi pegando as peças pelas lojas e enguanto procurava nao tirava os olhos de mim. Eu aproveitava continuava dançándo e quando dava esfregava as maos no meu Corpo Numa dança sensual provocativa. Ele entregou as peças, meu marido foi ao provador e ele veio em minha direçao, me colocou num ponto cego da Loja, um lugar onde nao seriamos vistos pelos espelhos e me deu um beijo de tirar o folego. Aquele homem me abraçando, e me beijando com vontade me deixou maluquinha. Enquanto ele me beijava, levei a mao e por cima das calças alisei seu pau. Ele gemeu, e me apertou contra o Corpo dele. Eu o empurrei, olhei para o vestiario, vi que a porta estava fechada, levei meu amigo para tras do balcao, me ajoelhei, abri o ziper dele e tirei aquela delicia para fora. Olhei aquela cabezona e nao tive duvida, engoli o mastro. Que delicia de carne quente e dura. Engoli, suguei, mamei, lambi enguanto olhava para ele frágil na minha mao revirando os olhos. O medo do meu marido nos pegar e se pega mata os dois, e o olhar de desespero e prazer do meu vendedor gostoso me dava coragem para continuar, afinal gosto de viver perigosamente. Quando estava feliz com aquela rola na boca, meu marido abre a porta do provador e olha para o vendedor, ele nao me via pois eu estava agachada atrás do balcao, mamando seu pau, mas ele olhou e perguntou:Vc viu minha mulher? Gelei na hora, pensei que ia estragar tudo, mas o medo fez o pau dele ficar mais duro ainda, e isso me deu um tesao danado. Passei a sugar com mais vontade e quase gozei quando meu vendedor querido respondeu:Acho que ela foi ao banheiro. Meu marido fechou a porta e nao tivemos duvidas. Fiquei em pè, levantei a saia, como estava sem calcinha facilitou muito, e dirigi aquele pica deliciosa para minha xoxotinha. Ele tava louco, olhava para o vestiario, me agarrava, nao sabia o que fazer. Me pegou pela cintura, me encostou na parede e me fodeu com gosto. Meteu forte. Tao forte que na hora eu gemi alto, o que fez meu marido preguntar por mim, e meu vendedor mesmo me fodendo, com o pau enterrado em mim, arrumou forma para dizer: – Ela ainda nao voltou senhor. Que delicia, ser fodida desse jeito. Gozei forte, respirando apressado, com aquelas maos enormes apertando minha bunda. De repente senti aquela porra quente inundar meu buraquinho. Que sensaçao boa. Ele amoleceu os braços e me pos nos chao, mas ainda deu tempo para 2 gatinhas que estavam entrando na loja virem meu bumbubm sem calcinha e o pau do meu amigo sendo guardado. Meu marido alguns segundos depois saiu do vestiario dizendo que nao levaria nada e pedindo desculpas ao vendedor, que disse, logico, que nao haveria problemas e que poderia voltar quantas vezes quisesse. Saimos sob os olhares boquiabertos das gatinhas que nao entendiam como uma mulher mais velha como eu conseguia arrancar suspiros e olhares daquele gato. Fomos andar pelo Shopping, nas minhas pernas escorria porra quente. Eu abraçadinha com meu maridinho amado, fomos procurar mais lojas e mais aventuras.

Contos Imor(t)ais - SEXO NO SHOPPING – 78 -


MUNDO DAS AVENTURAS Meu nome é Gustavo, tenho 52. Casado com Sonia, de 49 anos. Não se enganem pensando que pela idade ela não vale mais nada. Sonia tem as pernas torneadas. Coxas grossas, bundinha empinada e cintura fina. Os seios bem calibrados por 230 ml de silicone. Loira de olhos castanhos. É de causar inveja em muitas mocinhas por aí. Somos casados a 28 anos e decidimos agitar a nossa vida depois que a nossa caçula foi morar em Florianópolis para cursar Arquitetura. Sempre fizemos planos do que fazer depois que os filhos crescessem. Falamos em viajar, em passear em perder a hora e não dar satisfações a ninguém, mas um dia depois de bastante caipirinha, tomei coragem e falei pra ela que eu não queria deixar a vida passar sem viver aquelas loucuras que deixei de fazer na juventude. Quando nos conhecemos, eu tinha 19 e ela 16. Namoramos, noivamos e casamos sem viver as aventuras que a vida de solteiro nos oferecia. Sexo sem compromisso, ficar só por ficar. Coisas que a gente vê a juventude de hoje fazer. Lembro que quando começamos a transar, fodíamos a noite toda. No dia seguinte o pau doía, mas a satisfação era impagável. Sonia se apavorou, mas com a voz embargada, me disse que embora me amasse, também tinha curiosidade de fazer sexo com outro homem, mas que isso só iria acontecer caso nos separássemos ou ela ficasse viúva. O que graças a Deus a inda não aconteceu. Então por que não fazermos uma aventura juntos enquanto dá? Começamos falando das nossas fantasias. Eu confessei a ela que sempre gostei que ela vestisse roupas insinuantes, curtas ou transparentes e ela disse que sempre gostou de ser observada, que sempre fantasiou transar com pessoas observando. As brincadeiras começaram a ficar boas quando ela passou a pedir o meu palpite nas suas roupas nas nossas saidinhas para namorar. Certo dia, remexendo em casa, ela encontrou umas roupas de nossa filha, e entre elas uma calça que ela usava pra fazer academia. Ela só me mostrou e na hora eu ordenei:- Veste! Era uma calça de lycra branca, que geralmente nossa filha usava com uma camiseta que cobria a bunda, mas Sonia estava de top e a calça ficou atochada na bunda e na boceta. Foi aí que me veio a primeira grande idéia e ela aceitou sairmos pra ela se mostrar um pouco. Estando bastante tímida, ela só se descobria quando passávamos ao lado de veículos mais altos, como ônibus e caminhões. Teve um momento em que pedi para ela deitar o banco e fingir que estava dormindo. Aí o bagulho ficou nervoso! Aquela pomba inchada mordendo a calça branca era de apavorar! Quando parávamos nas sinaleiras, eu escolhia ao lado de quem parar e conseguia ver a reação dos motoristas. Tinha cara que chegava a buzinar eu fingia que nem era comigo. Que tezão! O auge desta aventura foi quando já estava anoitecendo e resolvemos voltar pra casa, mas antes, paramos numa loja de conveniências para comprar refri e chocolate. Ela não queria descer, mas eu insisti, afinal estávamos num lugar onde ninguém nos conhecia. Foi incrível! Os frentistas pararam Contos Imor(t)ais - MUNDO DAS AVENTURAS – 79 -


para ver ela desfilar. Teve um cara que já estava saindo do posto e chegou a descer do carro fingindo estar ao celular só pra voltar à lojinha para ficar secando ela. Quando ela saiu em direção ao carro ele veio quase até o nosso carro para continuar tarando aquela bunda gostosa. A experiência foi boa, e quando chegamos em casa eu castiguei ela de tanto foder. Depois deste dia, ganhamos confiança na brincadeira de se mostrar para os outros e já fizemos outras vezes rodando pela cidade, mas o melhor mesmo é brincar disso na estrada. Certa vez fomos visitar nossa filha em Florianópolis. Descendo a Serra antes de chegar em Santa Catarina tinha uma obra e o transito estava lento. Neste dia ela estava com um vestidinho preto de saia rodada e já vínhamos brincando na estrada até ali, quando nos deparamos com o engarrafamento, ela amarelou, mas eu insisti que ela permanecesse com as pernas no painel do carro. Tinha lugar em que emparelhávamos com caminhões. Ela fingia dormir e eu fingia não ver os caminhoneiros se esticando para poder observá-la. A fila se arrastou por uns 30 minutos e teve um momento em que pus a mão sobre a coxa esquerda dela, quase na virilha, ou seja, a coxa aparecia completamente e com um pouquinho mais de esforço o cara podia ver a calcinha dela sumindo no meio da bunda. Um pouco mais a diante a convenci de tirar a calcinha, mas continuar ali, quietinha, fingindo dormir. Nossa como ela estava molhada… Morrendo de tesão ela não exitou e forçou a minha mão na xoxota dela, e naquelas dedadas frenéticas ela gozou de olhos abertos vendo um caminhoneiro nos assistir. Agora, sempre que viajamos, ela usa vestidinhos, ou senão calças ou shorts atochados na boceta para mostrar um pouquinho mais para os caminhoneiros. Já perdemos a vergonha de dizer um para o outro o que gostamos e temos vontade de fazer. Falta agora é criar coragem para deixar outras pessoas, além de observarem, participarem da nossa relação.

Contos Imor(t)ais - MUNDO DAS AVENTURAS – 80 -


GOSTAR DE HOMEM Ainda nem tinha tido meu primeiro namorado; apenas pensava em começar quando via minhas colegas beijando seus namoradinhos, comecei uma amizade muito forte com Tânia. Passei a dormir muitas vezes em sua casa, em seu quarto e também a tomarmos banho juntas. Já tínhamos vários meses de amizade, quando Tânia me pediu pra esfregar a bucha nas minhas costas. Ela carinhosamente foi passando, chegou na minha bundinha e esfregando dentro do meu rego foi até na minha bucetinha deixando a bucha cair no chão continuando passando só os dedos. Achei que fosse apenas uma brincadeira e aceitei. Quando ela me perguntou se eu estava gostando, disse que "sim" (realmente estava) e ela em seguida colocou a boca num dos meus peitinhos e começou a chupar. Resumindo: Tânia me levou pro seu quarto, chupou minha bucetinha por vários minutos me fazendo ter o meu primeiro orgasmo... Fiquei apaixonada por Tânia, e quando fiz o mesmo com ela (chupei sua bucetinha) simplesmente também adorei... Até esqueci da minha vontade de arrumar um namoradinho. Depois da Tânia, namorei mais duas. Eu sabia que era uma menina bonita e que tinha um corpo também muito bonito: Peitinhos e bundinha volumosos e durinhos, coxas grossas e lábios carnudos; por isso, eu acabava me apaixonando por meninas também muito bonitas e bastante gostosinhas. Família de classe média, não demorou pra eu desconfiar de que meus pais já sabiam que eu gostava de mulher. Eles nada falavam, e procuravam aceitar quando eu levava minha atual pra dormir comigo em casa. Meu pai era desses homens que chamava a atenção: 40 anos, tipo galã, alto e forte. Minha mãe também era uma mulher de 39 anos e muito bonitona (tive quem puxar). Os dois viviam brigando por ciúmes um do outro... Eu nunca sabia quem tinha razão, e procurava não me meter já que eu tinha meus segredinhos que eles com certeza sabiam. Já estava com mais de 19 anos (ainda virgem) e o meu caso estava sendo com a Soninha (18): loira de olhos azuis, bundão empinado, peitos fartos e uma buceta com lábios carnudos que era uma delícia. Eu fiquei muito mais chocada do que meu pai (acho que ele já esperava), quando minha mãe saiu de casa pra ir morar com seu chefe (um velho de aproximadamente 60 anos - rico)... Minha mãe sempre teve a mania de querer ser rica. Alguns meses morando sozinha com meu pai comecei a desconfiar da aproximação exagerada dele com a Soninha. Quando Soninha não aparecia (principalmente nos finais de semana), ele logo vinha me perguntar se tinha acontecido alguma coisa entre nós duas... Já se cumprimentavam com abraços e beijinhos no rosto. Quando cheguei em casa de repente e encontrei Soninha deitada no sofá com a cabeça no colo do meu pai que lhe fazia carinhos nos cabelos, fiquei com muito ciúmes... Brigamos, e Soninha me jurou que não tinha nada mais do que carinho entre eles. Aparentemente procurei esquecer aquele meu ciúme, até o dia em que eu programara uma excursão em um museu na cidade do Rio de Janeiro com a turma da faculdade, e Soninha apareceu sábado bem cedo trazendo uma mochila com algumas roupas. Como ela já sabia dessa minha ausência em casa, disse que tinha vindo somente pra se despedir de mim... Mas a mochila estava lá sobre o sofá da sala. Ao chegar o táxi que me levaria, me despedi do meu pai e de Soninha já com a pulga atrás de orelha. O táxi se estava quase chegando no ponto onde encontraria com a turma (faltava ainda uma hora pra saída do ônibus), resolvi pedir o motorista do táxi voltar até em casa. Silenciosamente entrei e fui direto abrindo a porta do quarto do meu pai; que pra minha sorte estava somente Contos Imor(t)ais - GOSTAR DE HOMEM – 81 -


encostada. Os dois pelados na cama com meu pai aparentemente socando a pica na vagina da Soninha; ficaram estáticos me olhando parada na porta. Virei as costas e fui saindo com os dois gritando pra que eu voltasse... Ainda vi meu pai totalmente pelado chegando perto quando eu saía pela porta da rua. Foi o pior passeio que eu fiz na minha vida... Fiquei emburrada o tempo todo e rezava pra hora da volta demorar chegar; ainda não sabia como ia chegar em casa. Chequei umas 10 horas da noite, passei direto pelo meu pai que estava na sala, indo pro meu quarto. Tomei um banho, e quando já estava deitada pensando que não ia mais querer ver a Soninha na minha frente, e também na figura do meu pai peladão (ainda de pau duro) correndo atrás de mim, quando ouvi batendo na porta. Abri e voltei a deitar com meu pai sentando na cama ao meu lado. Ele fazendo carinho nos meus cabelos começou a falar sobre o que tinha acontecido, e que, não era pra eu ficar com raiva dele e nem da Soninha, que ela apesar de tudo era apaixonada por mim e estava com medo da gente terminar nosso relacionamento. Meu coração batia acelerado; era a primeira vez que eu estava conversando com meu pai sobre meu relacionamento homossexual. Respondi que depois do que vi, seria difícil aceitar ficar ainda com a Soninha. Ele sorrindo, disse que a culpa era dele, e que ele é quem tinha forçado a barra pra transar com ela. – Mas ela tava aceitando, não é pai? – Sim filha, mas era só sexo; ela gosta mesmo é de você! Fiquei em silêncio, e ele reclinando e me enchendo de beijos no rosto (isso também era a primeira vez). – Faz isso por mim, faz... Vamos ficar nós três numa boa. – Como assim pai, aceitar vocês continuarem a transar? – É isso mesmo Fabiana, mas você não precisa ficar com ciúmes. Foi assim algo até certo ponto constrangedor quando ele começou a justificar, que desde quando minha mãe saiu de casa ele estava sem fazer sexo e que, se eu continuasse com a Soninha, ele poderia transar com ela de vez em quando sem atrapalhar nosso relacionamento. Eu que já vinha tendo um medo muito grande dele arrumar outra mulher e colocá-la ali dentro de casa, comecei a pensar naquela proposta absurda... Ainda pensava, quando ele novamente me dando alguns beijos. – Já pensou que podemos ficar nos três juntos na cama? Dei-lhe alguns tapinhas no seu braço. – Paaaiiiii????? O que você tá falando, hein? Ele riu dizendo que já tinha pensado naquilo antes, mas que sabia que eu nunca ia topar um tipo de brincadeira como aquela... Depois me perguntou se pelo menos eu ia continuar com a Soninha. Falei que primeiro ia conversar com ela... Demorei a dormir pensando e imaginando a cena: eu, meu pai e a Soninha pelados na cama e eu os vendo transando. Liguei pra Soninha, e ela quando ouviu minha foz começou a chorar. Ficamos conversando por Contos Imor(t)ais - GOSTAR DE HOMEM – 82 -


mais de meia hora, e dei a entender que aceitava dela continuar a transar com meu pai também... Na realidade, a filha da puta era muito gostosa pra gente terminar assim sem mais nem menos: eu adorava aquela sua bucetinha carnuda, e também adorava aquela língua safada que me beijava e me chupava fazendo ter deliciosos orgasmos. No outro final de semana, eu e Soninha ficamos por mais de duas horas na cama fazendo as pazes: muitos beijos na boca, uma mamando nos peitinhos e também chupando a xota da outra. Estávamos nos recuperando ainda da nossa batalha, quando virei a Soninha. – Quer ir lá transar com meu pai? – Hããããããaã??? – Vai lá sua boba, aproveita que ele deve está ainda lá na sala. Fiz aquela proposta por dois motivos: uma era pra agradar meu pai, a outra era mais a curiosidade de ver os dois novamente... Tinha quase certeza de que meu pai não ia trancar a porta do seu quarto. Só que nem precisou ir até o quarto... Apenas cinco minutos depois que ela saiu nua e enrolada em um lençol, fui espiar e vi que ali mesmo na sala eles já começaram a pegação. Soninha sem o lençol parecia estar sentada de frente no colo do meu pai pulando feito uma descontrolada. Fui me aproximando, e mesmo vendo que meu pai me via, cheguei bem perto a ponto de ver a buceta da Soninha subindo e descendo no pau grande e grosso do meu pai. – Ai Sr. Geraldo; Ai! Ai!... Que pau delicioso... Hummmm! Hummmm!… Percebi quando Soninha ficou sentada e quase caindo pra trás com meu pai segurando-a pelas costas e mamando nos seus peitos... Ela estava tendo um orgasmo. Ele levantou com ela no colo e sem deixar seu pau sair de dentro colocou-a sentada no braço do sofá e recomeçou a socar na buceta cada vez mais forte até tirar e esporrar sobre suas coxas... Achei a pica do seu pai lindíssima. Fui junto com Soninha até o banheiro, e depois dela se lavar, veio me dar um beijo na boca me agradecendo por ter deixado transar com meu pai. Isso voltou a acontecer em outros finais de semana; eu ficava um pouco com Soninha pra depois ela ir pra sala ou pro quarto trepar com meu pai... E os dois gostavam que eu ficasse olhando. Mas veio o final de semana que Soninha não pode vir, e eu fiquei sentada na sala com meu pai que lamentou descaradamente comigo que ia sentir falta de transar com a Soninha. Não sei por que "cargas d´águas" resolvi deitar colocando minha cabeça sobre uma das suas coxas. Ele, conversando de que estava achando muito bom eu deixar transar com a Soninha e ainda ficar assistindo, suspendeu um pouco minha camiseta e ficou acariciando minha barriga. Quando senti sua mão subindo na direção dos meus peitinhos, fiquei sem reação... Eu que quase nunca usava sutiã (não gostava), senti sua mão envolvendo um dos meus peitos e apalpando levemente. Não que estivesse ruim, mas era estranho aquele carinho de homem... Logo ele veio com a proposta. – Dorme hoje comigo. Fiquei de barriga pra cima pra olhar diretamente pra ele, que aproveitou pra suspender mais ainda a camiseta deixando meus seios pra fora, continuando a apalpá-los... Não hesitei em falar. – Mas você sabe que eu só gosto de mulher!

Contos Imor(t)ais - GOSTAR DE HOMEM – 83 -


– Eu sei filha, mas não é pra que está pensando; quero apenas ter um pouco de carinho com você. E a merda era que eu estava gostando dele bolinar nos meus peitinhos. Mas fiquei acanhada pela mancada que dei achando que ele queria sexo comigo... Meio atrapalhada, acabei falando o que não devia. – Sabe o que é pai? É que eu ainda sou virgem!… Ele me olhou assustado. – Caaaaralho; é mesmo? Achei que pelo menos você tivesse transado com algum namoradinho antes. – Nunca namorei um homem pai; só mulheres. Ele me segurando levantou-me do seu colo e deu um beijinho em cada um dos meus peitinhos e depois me deu um selinho. – Eu sei filha, e você pode contar comigo sempre, ok? Terminei de levantar e fui pro meu quarto onde fiquei louca pra ter a Soninha ali pra chupar minha buceta e me fazer gozar bem gostoso... Meu pai tinha me deixado com muito tesão. Fiquei praticamente uma hora deitada pensando se ia até o quarto do meu pai, ou se não ia. Ainda relutava sobre ter uma relação mais íntima com um homem, mas, mesmo pensando assim, acabei jogando sobre meu corpo que só tinha a calcinha, uma camisola bem curtinha e fui sabendo que meu pai já estava deitado. Entrei, e sem mesmo ele me pedir, subi na cama e deitei do seu lado colocando minha cabeça sobre seu peito e meu braço sobre seu ombro. Ele fazendo carinho no meu braço, desceu a mão pra minha coxa e ficou alisando-a subindo a camisola chegando perto da minha calcinha. – Paiiiii?… Ele voltou a me dar um selinho. – Deixa eu ver você peladinha, deixa? Eu achava que precisava resistir, mas quando ele puxou minha calcinha acabei deixando já que ele tinha me dito que não pretendia sexo comigo. Sentei na cama pra ele em seguida tirar minha camisola e realmente me deixar peladinha ali na sua frente. – Porra; que corpo lindo!... Deixei ele deitar meu corpo pra em seguida colocar a boca no meu peitinho e chupar sugando o biquinho. – Não! Não! Nããããooooo pai; não faça isso comigo. Foi beijando minha barriga e descendo até o meio das minhas pernas... Fiquei travada sabendo o que ele pretendia fazer. Mas ele, forçando fez eu abrir as pernas pra em seguida alcançar minha bucetinha com sua boca... Bastou umas cinco passadas de língua na minha buceta pra começar a achar uma delicia aquelas lambidas e chupadinhas no meu grelinho. Ele pra me sacanear, vendo que eu estava já bastante molhadinha, parou e suspendendo a cabeça me olhar.

Contos Imor(t)ais - GOSTAR DE HOMEM – 84 -


– Quer mais filha, quer? – Quero pai, quero!... Chupa! Chupa!… Foi a primeira vez que tive dois orgasmos seguidos. Ele deitando ao meu lado e sacando de dentro do short seu pau duro. – Agora chupa você meu pau, chupa! – Mas pai, nunca chupei um pinto! – Chupa só um pouquinho filha; vai! Fechei os olhos, e com um certo nojo encostei meus lábios e abrindo só chupei a cabeça... Era um gosto diferente de uma buceta, mas também não era ruim. Desci um pouco mais os lábios e não demorou pra engolir mais da metade e ficar chupando... Só parei quando ele gritou que ia gozar. Acordei na minha cama e vi que estava ainda peladinha... Acho que dormi na cama do meu pai, e ele me levou pro meu quarto. Era domingo, e fiquei triste dele ter saído... Queria ver o que ele ia falar da noite anterior. Voltou na hora do almoço trazendo alguma coisa pra nós comermos; mas antes me levou pra tomarmos banho juntos. Era estranho eu ter tido sempre uma companhia feminina, e passei de repente gostar de ficar ali peladinha junto com meu pai olhando pro seu imenso pau duro. Novamente tentei resistir, mas num impulso levei a mão segurando e dando vários beijinhos no seu pau e algumas lambidas... Ele me pediu pra sair do Box e ir apoiar minhas mãos na pia. – O que você vai fazer pai? Ele esfregando seu pau na minha xoxota por entre minhas pernas. – Deixa o papai meter em você! – Não pai; tenho medo! – Então na bundinha, deixa? – Vai doer pai! Ela passando a mão num pote de óleo pro corpo. – Se doer muito, você pede que eu tiro. Ele passou bastante óleo na ponta do seu pinto e veio me segurando por trás. Segurei firme na borda da pia, e empinada senti meu buraquinho sendo alargado... Doeu, mas mesmo gemendo com um pouco de dor, agüentei até ele colocar tudo dentro da minha bundinha. – Você é muito gostosa filha; você precisa começar a gostar de homem. Amei ter a tora do meu pai dentro do meu corpo indo e vindo repetidamente até ficar parado e gozando. Almoçamos, dormimos e três horas depois acordei ainda com o rabo ardendo. Desde a Contos Imor(t)ais - GOSTAR DE HOMEM – 85 -


hora que ele comeu minha bundinha e eu gostei, passei a analisar a possibilidade de deixar ele comer também minha bucetinha. E foi a noite, quando estávamos na cama dele peladinhos com ele chupando minha buceta e que me descontrolei mesmo antes de vir meu orgasmo. – Tira minha virgindade pai, tira? – Tem certeza que você quer? Confirmei, e ele mais que depressa se ajeitou entre minhas pernas colocando a cabeça da sua piroca entre meus lábios vaginais começando a forçar... Senti nitidamente meu cabacinho se rompendo e aquela coisa grossa arregaçando minha bucetinha que já sangrava. Foram mais de cinco minutos com ele bombando na minha bucetinha dolorida até eu ter o meu mais delicioso orgasmo... Em seguida levei um banho de porra. Eu e Soninha continuamos juntas, só que com nós três na cama... Era uma delícia ficar nos peitinhos da Soninha ou na sua buceta e levando ao mesmo tempo a pica do meu pai na buceta.

Contos Imor(t)ais - GOSTAR DE HOMEM – 86 -


VIZINHO Quero dividir com vocês o que me ocorreu após ter trabalhado e ido a faculdade e voltava para casa, na epoca tinha 18 anos não podia dirigir, ai encarava o onibus. Entrei no ônibus que já estava lotado e fiquei em pé, como quase sempre ocorria. Não demorou muito e a minha bundinha empinada sob a sainha chamou a atenção de um homem mais velho que se posicionou atrás de mim, eu cansada e sendo chacoalhada para todo lado e de repente sinto que ele encostou de leve na minha bundinha, imediatamente senti um arrepio que subiu até a minha nuca, deixando meus pelinhos em pé, nunca tinha sentido aquilo no ônibus e não sei por que estava sentindo agora. Conforme o ônibus balançava ele foi encostando em mim e ficando mais ousado. O cara foi me apertando cada vez mais e quando alguém passava ele aproveitava e me prensava contra o banco. Como não tinha para onde ir, ele me encoxava gostoso e nem desencostava mais. Senti o pau dele crescendo mesmo sob a calça e imaginei que deveria estar duro como uma rocha e isso me deu muito tesão e a minha bucetinha ficando molhada era a prova de que eu estava gostando da brincadeira. Então, cheio de tesão, ele cochicou no meu ouvido que a minha bundinha era muito gostosa e que estava de pau duro, instintivamente empinei a bunda e ele gemeu no meu ouvido e me chamou de safada. Passou a me encoxar descaradamente, o pessoal que tava sentado no banco percebeu que tava acontecendo algo e também ficaram de pau duro, com inveja do taradão que me encoxava se deliciando com a minha bundinha redondinha e empinada. Me assustei quando ele falou que queria tocar na minha bucetinha e em seguida senti sua mão deslizando pela minha bunda e descendo até a entradinha da minha bucetinha, passou o dedo sobre a calcinha e com incrível habilidade puxou a calcinha com um dedo enquanto o outro tocou a entradinha totalmente molhada da minha bucetinha. Tive que me conter para não gemer gostoso e não dar bandeira do que acontecia, isso durou um bom tempo, até que ele disse que tinha que descer e acho que o safado deve ter até gozado dentro da calça dele de tanto tesão que estava. Fiquei na minha e discretamente arrumei minha calcinha e desci quase no ponto final e fui para a minha casa com a bucetinha pegando fogo, tomei um banho e bati uma siririca pensando no pau do cara e gozei deliciosamente, mas precisava de um pau de qualquer jeito, tinha que dar para alguém e tinha que ser hoje! Rsrsrs Quando anoiteceu, lá pelas 23 horas, escutei o meu vizinho chegar e dei uma desculpa para minha mãe de que ia assistir televisão na casa dele. Coloquei uma calcinha provocante e uma mini-saia com uma blusinha bem leve, que mostrava meus seios pequenininhos mas muito provocantes. Toquei a campainha e o meu vizinho, Carlos, atendeu e eu perguntei se podia entrar para assistirmos um programa que ia passar na tv. Ele que sempre foi tarado por me comer e eu nunca deixei, a gente costumava assistir filmes juntos e às vezes ele pegava nas minha coxas e nos peitinhos e eu tirava a mão dele, ele colocava também Contos Imor(t)ais - VIZINHO – 87 -


a minha mão no pau dele, eu apertava e depois tirava a mão e ficávamos nessas brincaeiras mas sem ir adiante. Pediu para eu entrar e me disse que iria tomar um banho pois tinha acabado de vir do trabalho, eu fiquei esperando na sala da casa dele, e percebi que a família dele tinha se deitado, pai, mãe e irmã, então dei um pulo no banheiro com uma desculpa de que estava apertada, como a porta estava só encostada, entrei e o Carlos sorriu e virou de frente para que eu pudesse ver melhor o pau dele que começou a ficar duro, então ele me pediu para mostrar os peitinhos para ele, eu levantei a minha blusa e ele olhava e punhetava o pau bem devagar, esticou a mão molhada e pegou no meu seio, eu disse: – Calma lá, é só para olhar E ri da cara de tarado que ele fez. Então ele pediu para virar de costar e ficar de quatro sobre a tampa da privada e mostrar a bundinha, como eu estava cheia de tesão nesse dia, imediatamente fique na posição e levantei minha sainha bem devagar, ele ficou completamente tarado e punhetava mais rápido, pediu para mostrar a bucetinha e eu puxei meu fio dental para o lado e ele teve uma visão total da minha bucetinha novinha, desligou o chuveiro na hora e eu fui para a sala esperá-lo. Em seguida o Carlos apareceu de calção e camiseta e sentou ao meu lado, eu fingindo que assistia televisão e que estava muito interessada no filme, ele começou a passar a mão nas minhas coxar e me beijou, eu correspondi por 3 segundos e disse que ele tinha namorada e que ela era ciumenta, Carlos nem ouviu o que falava, foi pegando nos peitinhos e me beijou de novo e eu no joguinho de deixá-lo excitado e então tirava a mão dele, ele vinha de novo e passava a mão nas minhas coxas, seios, barriga, beijava meu pescoço e então pegou na minha mão e disse: – Olha como está duro E colocou-a sobre o pau dele que mesmo dentro do calção deu para sentir que pulsava como se fosse explodir de tão duro. Meu tesão foi a mil nessa hora, mas eu continuava fazendo o joguinho da "santa puta", apesar de já estar mais puta do que santa..rsrsrs Carlos então me falou que estava louco para comer a minha bucetinha que eu era uma delícia, gostosa, que vivia provocando ele, deixando de pau duro e caindo fora, essas coisas que os homens dizem quando querem comer a gente, eu disse que não podia dar a bucetinha para ele, mas ia chupar o pau dele, então levei minha boquinha até a cabecinha do pau e coloquei a minha linguinha nela e fui descendo até o saco, ficava chupando as bolas dele e subia de novo até a cabecinha, ele não aguentando mais empurrou a cabeça na minha boquinha, mas ela mal cabia e fiquei chupando o pau dele por uns 15 minutos e então ele disse que tinha que me comer de qualquer jeito e eu consenti que ele podia colocar o pau nas minhas coxinhas, ele abriu um sorriso, deitou no sofá já peladão e eu deitei de costas para ele, ele passou a mão na minha bucetinha e viu que estava totalmente molhada, escorrendo de tesão e disse: – Sua bucetinha tá querendo o meu pau, veja! E me mostrou o dedo melecado de meus sucos vaginais e então colocou o dedo na boca e chupou com gosto, em seguida abriu minhas pernas e colocou o pau dele no vão das minha coxas, bem encostado na bucetinha, senti um arrepio percorrer toda a minha coluna vertebral e Claudio bombava devagar, curtindo o contato da minha bundinha de encontro a ele, eu sentia o saco Contos Imor(t)ais - VIZINHO – 88 -


encostar nas minhas coxas e a cabeça do pau dele aparecia na frente enquanto esfregava no meu grelhinho, estava muito bom e eu quase gozei de tão gostoso. Ele pegava nos meus peitinhos e bombava nas minhas coxinhas, então pediu para colocar só a cabecinha na bucetinha por que queria sentí-la pelo menos uma vez, eu disse que podia, mas ia ficar segurando o pau dele com a minha mão para que ele não empurrasse tudo para dentro, ele concordou e peguei no pau duro e grosso dele e coloquei a cabecinha na entradinha da bucetinha, senti um choque de tesão e o Carlos o gemia e dizia que eu era uma putinha gostosa e safada, que tava louca para dar para ele, que ia foder gostoso a minha bucetinha e depois iria gozar na minha boca, eu fiquei com mais tesão ouvindo aquilo e sentindo a cabecinha do pau me foder, até que não aguentei mais e soltei o pau dele, imediatamente ele empurrou tudo para dentro e eu gemi gostoso, finalmente estava dando a bucetinha para um caralho gostoso que me fodia maravilhosamente bem. Carlos começou a bombar sem parar, o pau dele entrava e saia da minha bucetinha apertada escorregando gostoso devido à superlubrificação da perseguida, ficou me fodendo um bom tempo e eu disse para não gozar dentro de jeito nenhum, que se ele quisesse poderia gozar na minha boca (melhor na boca do que ficar grávida de bobeira), em seguida ele tirou o pau de uma vez, se levantou como um raio e enfiou o pau melecado na minha boca e gozou na minha garganta, eu tirei o pau dela da boca e levei outra gozada no rosto, então coloquei o pau na boca e fiquei curtindo o pau dele latejar e derramar as últimas gotas, fiquei chupando ele e com o dedo na minha bucetinha em batia uma siririca até que gozei, satisfeita, o pau do Carlos foi amolecendo e eu aproveitei para limpar o rosto, beijá-lo e disse que estava indo embora. Voltaria muitas vezes para "assistir filmes" com ele, mas sempre fazia o joguinho do "não quero dar" e isso deixava ele ainda mais tarado, mas nem sempre eu dava para ele, às vezes fazíamos um 69 e ele chupava a minha bucetinha enquanto eu chupava o pau dele até gozarmos, ou ficava batendo punheta e chupando o pau dele, enquanto ele pegava nos meus peitinhos e eram sempre brincadeiras gostosas pois ele estava quase noivo e eu não queria problemas com a namorada dele e queria só me divertir.

Contos Imor(t)ais - VIZINHO – 89 -


PEDREIRO DE SORTE!! Olá, me chamo Fernanda, sou bem jovem, tenho cabelos lisos e compridos, pele clara, macia e bem lisinha, olhos claros, sou magra mas não muito, tenho coxas grossas, bumbum grande e arrebitado, seios fartos claros e bem macios. Moro em uma cidade de Porto Alegre. O que vou contar aqui é um relato, ou seja, realmente aconteceu comigo. Hoje é quinta, estamos no mês de janeiro de 2012, o que vou relatar aconteceu comigo essa semana e ainda está acontecendo. Moro com meus pais, costumamos viajar todo inicio de ano, porém como tive que recuperar uma matéria no colégio não pude viajar com meus pais. Fiquei em casa estudando e me divertindo da maneira que pude. No dia que meus pais viajaram fiquei em casa descansando, eles haviam saido de madrugada, acordei com eles e voltei a dormir, estava em um sono gostoso, quando tocou a campainha de casa, coloquei um roupão, pois costumo dormir com um shortinho muito curto e uma blusinha transparente, ao abrir o portão me deparei com minha vizinha que estava saindo para o trabalho, ela me cumprimentou e perguntou se meus pais estavam, falei que não que tinham viajado e só voltariam na segunda dia 17/01, ela ficou meio preocupada, disse que precisava de um favor deles, mas já ia indo embora quando perguntei se poderia ajudar. Ela disse que havia contratado um pedreiro para fazer um serviço no muro do quintal dela e se havia algum problema ele ter que entrar no meu quintal de vez em quando e arrumar o nosso lado também. Falei para ela que sem problemas, para ela ficar tranquila que ele poderia trabalhar ali sim, nos despedimos e voltei para a cama tirar outro cochilo. Passado algum tempo acordei com um barulho no quintal que não me deixava dormir, coloquei o roupão e fui até a janela da cozinha, quando vi era o pedreiro que estava mechendo no muro, ele me viu e pediu desculpas, mas falei que tudo bem e fiquei ali olhando ele trabalhando, era um homem de 52 anos mais ou menos, estatura média, um pouco mais baixo que eu, bem gordo de pele clara, era tão gordo que através da camisa dele dava para ver sua barriga quase que estourando os botões de tão grande. Percebi que ele me encarou nos olhos e tentou direcionar o olhar para meu corpo, porém como eu estava de roupão ele não viu nada. Tomei meu banho, saí, coloquei um shortinho pequeno, pois gosto de usar roupas curtas quando estou sozinha, coloquei um shortinho branco de bichinhos, bem curto e apertado, daqueles que o bumbum quase sai todo pra fora, uma calcinha pequena e branquinha, e um topzinho rosa sem sutiã, liguei o rádio do quarto de minha mãe e como sempre subi em cima da cama e comecei a dançar, quando dei por mim, olhei para o reflexo do espelho do quarto de minha mãe e vi o pedreiro que havia ido no banheiro dos fundos, me olhando pela janela, fiquei assustada, desci da cama e sai do quarto. Fui para o meu quarto com o coração batendo acelerado, meio com vergonha e medo de ter visto ele me secando dos pés a cabeça, passado uns 5 minutos ele bateu na porta da cozinha e estava me chamando, coloquei um roupão por cima e fui ver o que ele queria, chegando lá ele ficou tentando olhar para dentro do meu roupão mas não conseguiu, pediu um copo dágua e aproveitou a oportunidade para me perguntar o nome e a idade, me perguntou se fiquei assustada por ele ter me visto na janela, eu disse que sim, ele disse para não me preocupar, virou para mim e perguntou se poderia falar outra coisa, eu disse que sim, ele me virou e disse que nunca tinha visto alguem Contos Imor(t)ais - PEDREIRO DE SORTE!! – 90 -


dançando aquela música com um corpo igual ao meu, e me disse que eu era igual aquelas garotas que dançam na tv que deixam qualquer homem doido no sofá de casa. Um calor tomou meu corpo, e ainda ouvindo uma outra música comecei a dançar na frente dele. Ele me virou e disse que não estava igual pois eu estava de roupão, olhei bem para ele, era feio, gordo, tinha mãos grossas de pedreiro, dava pra ver sua barriga, sua roupa rasgada, e isso me deixou ainda mais excitada, comecei a tirar o roupão e dançando virei de costas rebolando enquanto descia o roupão e tirava do meu corpo. Ele me viu de costas, e me perguntou, menina, realmente tens essa idade? eu disse que sim e perguntei por quê, ele me disse que nunca que havia visto uma garota da minha idade com um bumbum grande daquele jeito. Joguei meus cabelos para o lado, me aproximei de costas pra ele, segurei sua mão, e coloquei ela no meu bumbum, que rapidamente ele apertou, e naquele aperto, um fogo me tomou e foi subindo pelo meu corpo, comecei a dançar novamente, rebolando em suas mãos, logo ele colocou a outra mão e ficou apertando meu bumbum de todas as maneiras, dizia, que bumbum grande, rebola, rebola mais pra mim menina, quando rebolei mais, perdi o equilibriou e cai de bruços na cama. Ele aproveitou, tirou a camisa e me disse para não levantar, fiquei ali mesma, de bruços deitada, ele veio de frente para meu rosto na cama, desabotou e abaixou o ziper da calça, segurou minha mão e fez com que eu tocasse seu pipi por cima da cueca. Fiquei meio com receio, mas toquei e percebi que logo aumentou de tamanho ficou mais duro, aumentou e começou a sair por fora da cueca dele, fiquei assustada de tão grande, mal cabia dentro da sua cueca, fiquei excitada, e logo percebi que minha calcinha havia molhado, e meu bumbum ficou gelado desejando ser tocado por aquele brinquedinho enorme que havia descoberto. Deitada ali de bruços, ele começou a beijar minhas coxas, beijar meu bumbum, e apertar ele bem forte, dizia que era grande, macio e que nunca havia se deliciado com um bumbum gostoso igual ao meu, fiquei rebolando e dando risadinhas para provocar ele, ele se levantou, pegou um travesseiro, e colocou por baixo da minha cintura fazendo com que meu bumbum ficasse empinado, começou a beijar minhas costas e foi descendo até meu bumbum, fiquei doida, completamente louca, sentindo um homem tocar meu corpo virgem, e o fato dele ser gordo e feio, me excitava mais ainda, estava me deliciando quando senti ele abaixar minha calcinha e tirá-la do meu corpo, começou a beijar meus pés, foi subindo até minhas coxas, começou a morder até chegar em meu bumbum onde lambeu, beijou, mordeu, apertou, fez de tudo, de repente, senti sua ausência por uns segundos, e quando menos esperava, senti sua barriga em minhas costas e seu pau enorme cutucando meu bumbum se esfregando nele, até que começou a entrar em meu bumbum, foi enfiando devagar, senti uma dorzinha, mas empinada em cima daquele travesseiro, estava bem relaxada e ele se aproveitou e foi enfiando no meu bumbum com facilidade. Meu corpo tremia, comecei a gemer enquanto ele ia enfiando cm por cm bem devagarzinho, quando entrou tudo ele começou a fazer um vai e vem bem devagar, bem gostoso e com o tempo, foi acelerando, ficando mais forte e feroz, não resisti comecei a gemer bem alto, sentindo seu pinto entrando em meu bumbum, ele fazendo bem forte e rápido, senti cm por cm entrando e saindo, comecei a gemer mais ainda, quando ele me segurou pelos cabelos, fazendo com que eu arrebitasse mais o bumbum e ele conseguisse enfiar tudo, ficamos ali grudados, eu gemia, suava, delirava, e o sr. pedreiro foi fazendo movimentos mais fortes e mais rápidos, quando de repente, ele parou e ficamos ali grudados, senti que ele segurou mais forte em meu cabelo e na minha cintura, achei que havia acabado, quando senti um liquido quente escorrendo pra dentro do meu bumbum e me deixando toda melada, feito isso ele sussurrou em meu ouvido, gozei minha putinha, eu, que nunca sequer havia pensado em fazer ou ficar em agarras com garotos da minha idade, havia acabado de Contos Imor(t)ais - PEDREIRO DE SORTE!! – 91 -


ter sido tomada com prazer pelas mãos de um coroa. Quando achei que havia terminado ele foi para o banheiro, demorou uns quinze minutos e voltou, olhei, e o seu pinto estava mole, ele virou para mim e perguntou se eu era virgenzinha, eu disse que sim, ele veio me virou, começou a lamber minhas coxas e foi até minha xaninha, começou a lamber, morder, até que eu fiquei totalmente ensopada, ele deitou em cima de mim, e devagarzinho foi colocando dentro de mim, senti, quando ele entrou, e perdi minha virgindade, gemi bem alto de tesão, doeu um pouquinho mas, gozei só de sentir ele entrando, foi quando ele começou a me xingar novamente, e fazer movimentos que me deixavam ainda mais molhada, meus olhos viravam, quando pensei que já estava bom, ficou mais rápido, enrolei minhas pernas em suas costas e gozei, uma sensação gostosa, maravilhosa, eu gemia e rebolava enquanto gozava, ai ele saiu, e disse que pra não ter perigo de me engravidar, não ia gozar, se ajoelhou em minha frente e fez com que eu ficasse de gatinhos de frente pra ele, me segurou pelos cabelos e disse que iria me ensinar a chupar, pegou meus cabelos e foi esfregando seu pau em meu rosto até entrar em minha boca, me ensinou a fazer movimentos com a boca e a lingua, fiquei chupando, não sabia como fazer, portanto eu babava muito e engolia tudo, no inicio achei horrivel mas fui me acostumando, até que passado uns 5 minutos, senti aquele liquido quente escorrendo dentro da minha boca, e ele dizendo, ai, safadinha, engole, sem pensar muito, engoli, e senti escorrendo pela minha garganta, nos deitamos e ficamos abraçadinhos ali. Até agora não aconteceu nada ainda, mas ele continua trabalhando aqui em casa.

Contos Imor(t)ais - PEDREIRO DE SORTE!! – 92 -


PAU E LINGUA Meu nome é Fernanda, mas podem me chamar de Fê, tenho 19 aninhos. Tenho uma condição financeira bem mediana, o que me possibilita poder ter uma empregada para organizar minha bagunça e limpar meus lençóis gozados rsrsrs. Moro na casa de minha mãe, ela é viúva (infelizmente) e como trabalha o dia todo, vivo sozinha, isso quando ela não tem que viajar e me deixa de fim de semana sozinha... Que foi quando aconteceu o que vou relatar. Moramos numa casa media, mas temos um jardim e pelo menos a cada 15 dias vem o jardineiro podar a grama e organizar o jardinzinhu... Como eu falei no meu primeiro conto, eu acho uma delicia ficar nua durante o dia, e por isso fico assim sempre. Cheguei em casa na hora do almoço e encontrei um bilhetinho da minha mãe na geladeira falano que ela tinha ido trabalhar e que voltava na segunda feira, e isso foi numa sexta feira sabe… Daí nisso encontrei Antonio no jardim podando a grama e acenei e subi pro meu quarto, onde Thor já me esperava querendo me dar um chá de lambida gostosa… Mas eu estava com a buceta com pelos rasos e tinha que me depilar, então coloquei o Thor para fora e fui tomar um banho e raspei minha xaninha, deixando lisinha e sem nenhum pelinho... Saí do banho e deixei Thor entrar. Fechei a cortina da janela e tranquei a porta com a chave e me deitei na cama pelada, deixando Thor subir e vir me dar uma chupada. Que delicia... a chupada de Thor era forte, quase entrava na minha buceta, era quente e macia... Hm que delicia, gostoso... eu falava – Vai Thor, chupa essa buceta delicia… Ele me chupava forte, daí eu fiquei de quatro e deixei que aquela língua quente passasse da minha buceta até meu cuzinho, ai que delicia... minha buceta latejava, pedindo por pica... mas eu tinha medo de dar pro Thor porque cachorro trava o pinto... mas gozei deliciosamente naquela língua, naquele chá de buceta bem dado que o Thor me deu.... me estiquei na cama e deixei ele me chupar e limpar o gozo e limpar minhas tetas, que estavam durinhas e gozei de novo... Thor me limpou… Entao uma batida muito brusca foi dada na porta do meu quarto!!!!.... eu estava perdida de tanto tesao (sério) e mole após gozar e abri a porta sem virificar quem era e era Antônio... Ele me olhou e secou minhas testas e buceta, e depois desviou o olhar e disse – Eu vo esperar la embaixo, sua mãe disse que o pagamento esta com vc Ele saiu e eu lembrei que o dinheiro estava na minha bolsa e peguei e então pensei “quero uma pica e tem que ser a do Antonio”.... eu queria muito dar, queria um pau me arrombando inteira, então tomei uma ducha rápida e desci peladinha até a sala... chegando lá Antonio me olhou e alisou o pau Contos Imor(t)ais - PAU E LINGUA – 93 -


devagarinho e eu cheguei e tomei coragem e disse com coragem – Pensei em te da o pagamento de outro jeito Então eu fui até o colo do Antonio e me sentei, encaixando minha buceta naquele pau poor cima da calça e roçando... Antonio estava chegando a suor, sal e ferruge com grama... cheiro de macho... Antonio levou as mãos ate minhas tetas e apertou os biquinhos e ele disse – Vc tem certeza dona?? Eu continuei roçando a buceta naquele pau por cima da calça jeans suja e ele levou a Mao até minha buceta e massageou meu grelo... então ele me jogou no sofá e olhou minha xana m eu falei: – Eu so quero que vc veja se minha xana esta bem depilada Mordi a boca fazendo uma cara de piranha e Antonio alisou minha buceta... – Ta boa assim dona Então eu falei – Fode essa buceta fode me come delicia me come Ai o Antonio tirou a roupa e revelou aquele pau delicioso e começou a roçar o pau na minhas testas, batendo uma e eu levei um dedo ate minha buceta e enfiei um dedo, fazendo um vai e vem... Daí o Antonio agaixou e começou a me chupar... Nisso o Thor apareceu e foi enfiando a língua na minha buceta junto com Antonio me dando uma chpada deliciosa... daí eu me arreganhei inteira, gozando delicoosamente.... Antonio me colocou de quatro e me deu um tapa na bunda, enfiando o pau bruscamente na minha buceta e me rasgando inteira... e começou um vai e vemdelicioso... Thor começou a tentar me chupar e então Antonio me puxou pelo cabelo e me deu um tapa na bunda e mordeu minhas costas, me colocando no braço do sofá de ladinho e voltou a meter na minha buceta... Thor teve acesso a minha buceta e começou a chupar meu grelo enquanto Antonio metia aquele pauzao na minha buceta... e aquela tortura continuou até que eu gozei e antonio tirou o pau e gozou na minha cara, me virou e me deu uma surra na bunda e enfiou a ponta do pau no meu cuzinho e eu gritei de dor e então Thor veio e me chupou na buceta e eu e Antonio gozamos gostoso, ele tirou o pau e jorrou na minha cara e depois dessa trepada foi embora…

Contos Imor(t)ais - PAU E LINGUA – 94 -


FACULDADE Sou a Paula e quero dividir com vocês minhas aventuras. Na época da faculdade haviam poucos rapazes na minha sala e na maioria das vezes em que fazíamos trabalhos em grupo só haviam mulheres em nosso grupo. Estávamos em final de semestre e tínhamos um trabalho muito longo pra fazer. Éramos em cinco mulheres e resolvemos dividir as tarefas para conseguirmos entregar o trabalho dentro do prazo dado pela professora. Numa tarde de sábado resolvemos nos encontrar para finalizarmos tudo, pois a apresentação seria na semana seguinte. Era quase fim de ano e fazia muito calor naqueles dias. Eu estava com uma minissaia, uma calcinha minúscula e um top que deixava minha barriguinha a mostra. Nos encontramos no apartamento de uma das meninas do grupo que morava sozinha, a Renata, uma loira escultural, muito bonita, cortejada por todos os rapazes da faculdade. Fui a primeira a chegar e vi que Renata também estava bem à vontade com um shortinho e uma camiseta regata. Logo em seguida chegaram as outras meninas:A Lu que estava com um vestido florido, a Carlinha, que chegou muito cheirosa e por fim a Andréia que estava com uma saia e uma camisete. Todas estavam vestidas de acordo com a estação, porém eu e a Renata estávamos mais à vontade. Iniciamos nossas atividades e conversavamos sobre muitas coisas, sobre a formatura que se aproximava, sobre as matérias que ainda teríamos prova e coisas do tipo. A hora passou bastante rápido e logo as meninas tinham terminado suas partes e só faltava eu concluir a minha. Notei Renata conversando com as meninas enquanto eu estava no computador finalizando minha parte. Renata voltou para a sala e logo as outras também voltaram. Andréia disse que teria que ir embora e com um sorriso maroto se despediu de nós. A Carlinha e a Lu olharam para Renata, piscaram para ela e trataram de inventar uma desculpa qualquer e saíram sem mais justificativas. Achei normal, afinal elas já tinham terminado suas partes no trabalho, só não estava entendendo aqueles olhares maliciosos. Enfim ficamos eu e Renata. Ela disse que iria tomar um banho e que era para eu ficar à vontade pois logo voltaria. De onde eu estava era possível ver o banheiro. Renata fez questão de deixar a porta aberta e continuava conversando comigo enquanto tirava a roupa. Sem que eu percebesse comecei a acompanhar seus movimentos enquanto ela se despia. Nunca tinha estado com uma mulher e até então meu negócio era homem. Aliás eu gozava muito com meu ex-namorado. Mas aquela situação estava realmente mexendo comigo e comecei a fantasiar coisas. Quando ela terminou seu banho, se enrolou em uma toalha e se aproximou de mim. Tentei disfarçar mas ela percebeu minha inquietação. Eu já havia terminado meu trabalho e ela perguntou se eu não gostaria de tomar um banho também. Eu estava muito cansada e achei que seria uma boa idéia tomar um banho para relaxar um pouco. Enquanto eu tomava meu banho, Renata providenciou uma roupa limpa para mim. Só que percebi que ela trouxe apenas uma calcinha e mais nada. Vesti a calcinha e fui procura-la para que ela me desse algo mais para vestir, mas ela disse que estava muito calor e se eu não gostaria de permanecer daquele jeito. E eu sem perceber acabei aceitando sua sugestão. Então Renata foi até a cozinha e Contos Imor(t)ais - FACULDADE – 95 -


voltou com uma garrafa de champagne e duas taças nas mãos. Ela abriu a garrafa e encheu as duas taças. Nos sentamos no sofá e começamos a conversar. Eu estava confusa em meus pensamentos sem saber se era fantasia da minha cabeça ou se realmente estava rolando algo entre nós. Eu perguntei a Renata como ela se sentia sendo desejada por todos os rapazes da faculdade e ela me revelou que não gostava da situação pois na verdade ela preferia estar com uma mulher. Diante daquela resposta tive certeza de que não era fantasia da minha parte. Tomamos quase toda a champagne e estávamos muito alegres, rindo de tudo. Ela se aproximou de mim e disse que eu era muito bonita. Fiquei um pouco sem graça e retribui o elogio dizendo que ela também era linda. Ela passou a mão pelos meus cabelos, me acariciou no rosto e foi se aproximando falando coisas no meu ouvido. Eu estava toda arrepiada e um tesão incontrolável percorria meu corpo. Ela tocou meus lábios suavemente e depois me beijou com muita paixão. Eu correspondi a seus beijos enquanto dizia que aquilo tudo era loucura. Renata me tranqüilizou e disse para nos entregarmos as nossas sensações e foi o que fizemos. Renata levantouse e desenrolou a toalha de seu corpo. Pela primeira vez na vida tinha uma mulher nua tão próxima de mim. Ela me deitou no sofá, tirou minha calcinha e ficou me beijando e dizendo que meu corpo era lindo. Beijou meus seios e foi descendo por minha barriga, até chegar na minha bucetinha. Ela afastou um pouco minhas pernas e começou a me chupar. Sua língua era deliciosa e aquela sensação de ter uma mulher me chupando era indescritível. Ela chupava com muito tesão, enfiava toda sua língua em minha xaninha e eu me derretia de prazer. Quando ela introduziu seu dedo em mim e continuou chupando meu grelinho não agüentei e gemi muito gostoso. Percebendo que eu gozaria logo, Renata intensificou os movimentos e logo eu estava gozando na boca de outra mulher. Foi o orgasmo mais gostoso da minha vida até então. Diante de tudo aquilo fiquei interessada em saber como seria chupar uma buceta e Renata me deu a chance de saber. Eu queria muito retribuir a ela todo aquele prazer que eu acabara de ter. Fomos para o tapete e comecei a beijar Renata. Ainda podia sentir o gosto do meu gozo em sua boca. Fui beijando seus seios que eram lindos, uma perfeição. Desci por sua barriguinha, beijei seu umbigo e fui seguindo aqueles pelinhos loiros que me conduziram até aquela buceta maravilhosa. Ela era muito cheirosa. Seu perfume se misturava com o cheiro inconfundível de uma buceta sedenta por sexo. Comecei lambendo seu grelinho e seus lábios. Que sabor delicioso tinha aquela xaninha e eu sem conhecer aquilo tudo. Suguei seu clitóris com força e ela começou a gemer me pedindo para continuar. Percebi que ali era o ponto onde eu deveria me concentrar e tratei de fazer com muita vontade. Abri sua bucetinha com as duas mãos e enfiei minha língua bem fundo nela. Renata gemia como louca. Eu não via a hora daquela mulher gozar na minha boca. Ela me pediu para enfiar o dedo em seu cuzinho pois ela queria gozar. Assim que enfiei meu dedo em seu cu ela começou a rebolar e gritar. Ela segurava em meus cabelos dizendo para não parar. Eu podia sentir que ela estava prestes a gozar então pedi que ela gozasse em minha boca pois queria que ela fosse a primeira mulher de quem eu sentiria o gozo. Ela me brindou com seu néctar maravilhoso. Minha cabeça estava a mil e a sensação de ter uma outra mulher gozando na minha boca me fez gozar novamente. Estávamos exaustas no chão. Nos abraçamos e tiramos um breve sono. Ao acordar beijei novamente aquela boca deliciosa e agradeci por tudo. Ela disse que não precisava Contos Imor(t)ais - FACULDADE – 96 -


agradecer e com um sorriso no rosto disse que em breve teríamos mais noites como aquela, afinal nossas amigas também iriam me provar. Finalmente entendi porque elas tinham saído tão apressadamente. Estava tudo combinado entre elas. Renata me revelou que ela e nossas amigas se amavam regularmente e que apostaram para ver quem me pegaria primeiro. Depois dessa noite tivemos outras na companhia das demais.

Contos Imor(t)ais - FACULDADE – 97 -


EROTISMO E SEDUÇÃO PARTE I Chamo-me Rick, e a história que vou contar a vocês passou-se comigo há algum tempo, na grande são Paulo. Tive diversas experiências depois, e ainda hoje estou totalmente aberto a novidades, mas esta que vou relatar, com certeza, nunca abandonará a minha memória. Ledo e prazeroso engano era o meu, na época, em achar que as diversas aventuras inusitadas, pelas quais eu já tivera passado, eram praticamente tudo o que eu poderia ter explorado em termos de sexualidade e prazer. Foi em 1994 e eu contava 25 anos de idade. Era uma época muito interessante porque a internet acabava de deixar os ambientes estritamente científicos e acadêmicos no Brasil para difundir-se, pouco a pouco, entre os particulares. Lembro-me que estávamos numa tarde fria no mês de julho. Eu, estudante de engenharia naquela época, sem ter muito o que fazer, encontrava-me passando o tempo no laboratório de informática. Como às vezes fazia, acionei as salas de bate-papo (chats), e na espreita de alguma aventura fui diretamente para as de sexo virtual. Em delas, uma mulher com o estranho nick de “ninja/25/sp” apareceu para conversar comigo. No início estranhei muito o nick e estranhei mais ainda quando ela se descreveu para mim como sendo uma maravilhosa mulher de pele clara, cabelos negros lisos até o meio das costas, em torno de 1.70 de altura e 56 kg muito bem distribuídos... vestindo apenas uma tanguinha preta com correntinhas de metal prateado e um par de luvas igualmente escuras. Mesmo achando aquilo estranho e improvável prossegui, visto que ela tinha uma conversa envolvente que me fazia entrar num clima de total excitação. Algum tempo depois, quando percebi que já estávamos totalmente no clima, pedi a ela se era verdadeira a sua descrição, no que ela respondeu perguntando-me se eu duvidava. Falei-lhe que sim, e ela intimoume, paulatinamente, para conferir pessoalmente. Neste ponto o rumo da conversa mudou e um tanto de apreensão tomou conta de mim. Como demorei-me um pouco mais para responder, ela insistiu se a minha descrição, que eu havia lhe passado anteriormente, era realmente verdadeira... Quando eu lhe disse que sim ela me intimou novamente, falando que estava muito excitada comigo e que queria se satisfazer de verdade. Hesitei, mais excitado que nervoso, percebendo a atmosfera picante que se formava, mas aceitei e tentei intimidá-la pedindo-lhe onde ela estava. Qual não foi a minha surpresa quando ela me passou o endereço pedindo para eu me preparar e estar lá exatamente às 19horas. Restava-me também a opção de não acreditar naquilo tudo e talvez deixar de viver esta experiência, mas tomei justamente a decisão oposta:fui para casa, tomei um banho e parti para lá. Faltando dez minutos para as 19 horas cheguei na pequena rua que ela me indicara. Localizava-se em um bairro industrial retirado, próximo de um imenso viaduto. Havia somente construções antigas, casarões, depósitos e alguns galpões pertencentes a uma antiga fábrica, já há muito abandonada. Circulei alguns minutos sem conseguir encontrar o endereço. Como era inverno e já estava escurecendo, fiquei com receio daquele local e, quase a ponto de desistir, me aproximei de um dos casarões, percebendo que pendia, junto a uma porta bem depredada, um número em uma placa de madeira. Conferi e era ali. Agora só me restavam duas opções:desistir ou prosseguir. Segui o conselho do meu pênis e optei pela segunda. Como a porta não estava travada entrei, e assim que a porta terminou de ranger notei que nada havia além de um silêncio abissal e de uma escadaria de madeira rústica. Cheguei ao primeiro andar e Contos Imor(t)ais - EROTISMO E SEDUÇÃO – 98 -


quando consegui acender a luz, constei tratar-se de um depósito abandonado, com algumas caixas, escadas, uns tapetes enrolados e muita poeira. Como não havia ninguém continuei pela escadaria rumo ao segundo andar. As escadas terminavam justamente em uma porta fechada, de madeira crua sem pintura. Deixando o medo de lado, abri a porta e entrei. A cena que vi foi inesquecível. Tratavase de uma espécie de sótão. As paredes eram de tijolo a vista, sem reboco e escurecidas pelo tempo. Ao lado direito havia três janelas grandes, em meia lua, sem cortinas. O teto não tinha forração, dando diretamente nas telhas. Do madeirame pendiam lustres metálicos com lâmpadas acesas. Em um dos cantos, algumas peças antigas de maquinários, no centro um enorme tapete ao lado de um sofá, e no outro uma mesa com computador. O ambiente era aquecido e à medida que eu caminhava tudo ficava ainda mais exótico. Somente deparei com a minha deusa quando dobrei uma parede de madeira que havia logo adiante. Ela era muito mais do que havia descrito. Por raras vezes eu me encontrei com uma mulher tão maravilhosa, ao vivo, a cores e naqueles trajes. Ela olhou fixamente para mim e fez sinal com o dedo para que eu me aproximasse. Fui caminhando lentamente e quando cheguei cerca de uns três metros dela, fez sinal para que eu parasse. Jogou seus cabelos para trás, ergueu levemente um dos braços e com a outra mão acariciou seu seio direito, murmurando: – Você demorou um pouco... mas estou vendo que valeu a pena ter te esperado... Eu adoro isso... Ela trajava uma tanguinha preta, tipo fio dental, da qual pendiam lindas correntinhas prateadas em forma de anéis. Nos pés, um salto alto negro, levemente brilhante. Sua bundinha estava de fora, totalmente arrebitada e seus seios eram firmes, verdadeiras obras de escultura. Sobre cada um dos biquinhos havia presa uma estrela metálica, prateada, encobrindo as auréolas. Seus cabelos negros estavam molhados e seu corpo parecia recém saído de um banho. Dois brincos circulares, prateados e grandes, pendiam das orelhas. Nas mãos trajava delicadas luvas de couro preto. No rosto, uma venda preta estava posicionada de modo a encobrir exatamente sua boca e nariz, deixando à vista um belo par de olhos negros vivos e brilhantes, que me secavam sem parar, acompanhando todas as minhas impressões. Ela veio lenta e insinuantemente em minha direção, me encarou por mais alguns instantes e finalmente fez seus lábios se encontrarem aos meus, mas sem tirar a venda, ordenando ainda que eu não me mexesse. Na seqüência desabotoou a minha camisa enquanto passava suas mãos enluvadas em meu pescoço, meus braços e minhas pernas. Pouco a pouco a minha apreensão passou e o tesão voltou a tomar conta de mim. Continuou abrindo a minha cinta e o zíper da minha calça, fazendo saltar em suas mãos um membro totalmente duro e quente, o qual ela acariciou de leve com as mãos, para em seguida novamente se levantar, pedindo para que eu lhe retirasse a máscara e as luvas. Assim que pude admirar aquele rosto lindo e aqueles lábios carnudos entreabertos, não tive outra reação senão beijá-la intensamente enquanto com as mãos percorria todo o seu corpo, sentindo o frescor daquela pele e a delícia daquelas curvas perfeitas. Ela não se conteve e começou a gemer baixinho, principalmente quando eu coloquei uma das mão debaixo daquela exótica tanguinha, alcançando uma xoxotinha depilada e úmida. Livre da máscara e das luvas, ela começou a beijar meu pescoço, meu peito, minha barriga enquanto com os pés afastava a minha calça até o chão. Quando aqueles dedinhos delicados começaram a acariciar meu pênis, tive de me conter para não gozar ali mesmo. O melhor foi quando ela se ajoelhou na minha frente e começou a passar a sua língua dura e hábil por ele, primeiro de leve, depois variando na intensidade e nos movimentos. Quando eu estava próximo a gozar, ela com incrível aptidão tornava os movimentos mais suaves, repetindo isso por diversas vezes. Não Contos Imor(t)ais - EROTISMO E SEDUÇÃO – 99 -


agüentando mais de tesão, avancei afastando seus cabelos com as minhas mãos e beijando suas orelhas, pescoço, nuca... Ela então retirou as duas estrelas metálicas que encobriam os bicos dos seus seios e conduziu a minha boca até eles, continuando a acariciar o meu pênis com as mãos. Na hora em que ela percebeu que eu não iria mais conseguir ficar sem gozar, deitou sobre o tapete e me fez ficar de joelhos para ela, punhetando e lambendo meu pênis, o qual estourando de tesão, ejaculou fartamente molhando deliciosamente seus dois seios, empinados e duríssimos. Fiquei mais um pouco ali, naquela posição, enquanto ela se masturbava de levinho, molhando seus dedinhos nos líquidos que umedeciam a sua xoxotinha e conduzindo os mesmos de encontro aos meus, sobre o seu corpo. Fiquei ali, por alguns instantes, observando mais aquela mulher maravilhosa e molhada com os meus líquidos. Ela, percebendo meu entusiasmo, sorriu maliciosamente, apontou para uma cômoda próxima e pediu para que eu trouxesse o objeto que estava lá dentro. Quando abri a gaveta entendi do que se tratava:enrolado em uma toalha cinza, um par de algemas. Tratava-se de dois braceletes lindos, cor de prata, presos por meio de uma corrente de argolas na mesma tonalidade. Ela tomou o objeto, levantou-se e me conduziu pela mão até logo adiante, onde havia uma espécie de grade que ia até o teto, separando os ambientes. Encostou-se na armação, de frente para mim, cruzou as pernas e habilmente jogou seus braços para trás da cabeça, pedindo para que eu a algemasse ali, junto à grade. – Quando você me desamarrar, vai poder fazer o que quiser comigo, mas antes disso, quero provar todas as suas habilidades... - disse ela sorrindo de forma maliciosa. Comecei com um beijo molhado naquela boca gostosa, descendo minha língua em seguida pelo seu pescoço, atingindo o contorno dos seus seios e as auréolas, que mordisquei levemente... enquanto com as mãos apalpava a sua bundinha e a sua xoxotinha totalmente úmida. Depois, com as minhas duas mãos fiquei percorrendo os braços desnudos e presos dela, enquanto descia minha língua em direção à minha tão esperada grutinha... mas antes percorri sua coxa e sua virilha com a minha boca para deixá-la mais excitada. Com os dedos por trás da tanguinha que ela ainda vestia, descobri o encaixe e desabotoei, terminando de arrancar aquela peça somente com a boca, enquanto ela contorcia as suas pernas de encontro a meu corpo. A xoxotinha daquela mulher era digna de uma verdadeira deusa:uma rachinha depiladinha, nas dimensões exatas do pecado. Seu cheiro era maravilhoso, selvagem e fresco, de modo que não hesitei por chupá-la com um gosto e prazer indisfarçáveis. Quando ela estava quase gozando e implorando por mais, castiguei-a com seu próprio método:diminui os movimentos e comecei a explorar sua bundinha arrebitada com a boca e as mãos, passeando meu dedinho levemente pelo seu cuzinho. Pouco depois voltei para a xoxotinha, afastei seus contornos com a minha língua e coloquei seu grelinho inchado de tesão entre os meus lábios, fazendo movimentos circulares, até que ela não resistiu mais e começou a gemer desesperadamente. A cena era paradisíaca:ela com ambos os braços presos na grade, contorcendo-se e tendo um orgasmo repetidamente atrás do outro. Quando me dei por satisfeito, lambi seus seios novamente e fiquei ainda alguns minutos acariciando sua xoxotinha com os meus dedos. Seus olhos brilhantes e cheios de tesão novamente me secaram. Quis desamarrá-la, mas ela me deteve. Olhando fixamente para o meu pênis duríssimo, encostou mais o corpo na grade, gemeu e abriu as pernas me oferecendo sua grutinha ensopada. Não pensei duas vezes e em um instantes invadi aquele corpo delicioso. Enquanto ela cravava seus dentes no meu pescoço tentando resistir ao prazer, eu a encoxava, penetrava e apalpava todo o seu corpo, procurando intensificar ao máximo o tesão incontrolável que tomava conta de nós. Ela pressionava meu penis com a sua vagina com tanta maestria que em instantes gozei intensamente, beijando a sua boca, empurrando seu corpo Contos Imor(t)ais - EROTISMO E SEDUÇÃO – 100 -


contra a grade e segurando seus dois braços presos com as minhas mãos. Somente então ela permitiu que eu a desamarrasse. Veio até mim, me abraçou e me beijou novamente. Desta vez um beijo suave e bem demorado. Como eu a tinha feito gozar intensamente e repetidas vezes, ela murmurou que eu merecia algo a mais e me conduziu até um sofá, onde me deitou de costas e fez uma deliciosa massagem. Logo virei de frente deixando que as suas mãos se concentrassem novamente em meu pênis, que em seguida foi chupado e lambido, enquanto ela acariciava meu peito com as mãos. A suavidade daquela língua e daqueles lábios em meu membro, após eu ter gozado por duas vezes, causaram-me uma sensação indescritível de prazer. Em seguida ela veio e subiu sobre mim, cavalgando gostoso e alternando seus movimentos:ora jogava seus braços e cabelos para trás, mexendo no clítóris com um dos dedinhos, ora forçava meu pênis mais fundo em sua xoxotinha, reclinando-se para frente, me beijando na boca e olhando fixamente meus olhos. Pouco depois, gozamos novamente, desta vez juntos, ela inclinada sobre mim, sem nenhum espaço entre os nossos corpos. Depois daquele dia minha vida voltou ao normal. Em alguns momentos cheguei a duvidar da veracidade da minha própria história, e em outros eu tinha dúvidas se havia sido sonho ou não. Meses depois voltei a me encontrar com ela, e somente então compreendi o porque daquilo tudo, entendi o significado daquele local quase abandonado e daquela mulher maravilhosamente excitante e exótica, bem como a razão daqueles prazeres que nunca mais se repetiram.

PARTE II No final da parte I deste conto, eu havia relatado a vocês que meses depois eu voltara a me encontrar com ela, e somente então compreendera o significado daquele local quase abandonado, daquela mulher maravilhosamente excitante, e a razão daqueles prazeres que nunca mais se repetiram. Foi assim: Cerca de um mês após, quando eu já estava consciente de que aquilo tudo realmente ocorrera, de que não havia sido apenas um sonho, resolvi procurá-la. Fiquei com receio de retornar ao estranho local, mas não me restava outra alternativa porque eu nada possuía além daquele endereço. Cheguei a consultar o serviço de informações na busca do telefone dela por duas vezes, e em ambas fui informado de que aquele endereço não constava na lista. Numa terça-feira pela manhã tomei coragem e me dirigi para lá. A rua estava deserta, sequer um carro estacionado. A casa semi-abandonada era a mesma, e a porta, desta vez, encontrava-se trancada. Bati repetidamente por algumas vezes sem imaginar quem viria para me atender, mas não obtive resposta. Esperei alguns instantes e recomecei a bater quando escutei uma janela de madeira ranger abruptamente. Fiquei mais um pouco e como ninguém apareceu resolvi que retornaria em um outro dia. Já estava entrando no carro quando a porta se abriu e uma loira pediu o que eu desejava. Expliquei-lhe a situação, ela tomou o meu número de telefone e sorrindo falou em tom misterioso que retornariam em breve. Dito e feito. Dois dias depois, no fim da tarde, o telefone tocou. Reconheci a voz da minha deusa de cabelos negros imediatamente. Até quis conversar um pouco, dizer que estava com saudades, etc., mas ela me interrompeu: – Ricky, queremos você aqui hoje no mesmo horário… Contos Imor(t)ais - EROTISMO E SEDUÇÃO – 101 -


Assim que eu lhe afirmei que iria, ela desligou o telefone. Faltavam apenas duas horas e as palavras dela não me saíam da mente... “queremos...” Quando eu finalmente entendi que este plural provavelmente se referia a ela e àquela mulher maravilhosa que me atendera à porta, não hesitei. Me arrumei e cheguei no horário marcado. Exatamente como eu imaginara. Em instantes fui atendido pela loira que não me saída da mente. Cumprimentei-a sem conseguir parar de admirar sua exuberância. Devia ter cerca de 1.70, era magra, tinha seios fartos, olhos verdes, um cabelo loiro ondulado que lhe descia pelas costas, vestia um roupão prateado e um par de saltos pretos, apesar de estarmos em pleno inverno. Seus cabelos molhados e o frescor de sua pele molhada me deixaram nas nuvens. Quando percebi já havia subido todas as escadarias. Lá em cima o ambiente era o mesmo, exótico e aquecido. A loira trancou a porta e eu lhe pedi onde estava a morena. Ela respondeu com um gesto sacana, tapando a minha boca com um dedo, para se apoiar no meu ombro e com a outra mão desamarrar seu roupão, que caiu no chão. Pude então ver que ela tinha um corpo simplesmente escultural, ainda mais embelezado pelo biquini preto tremendamente sexy que vestia. Percebendo a minha admiração e a minha expressão de completo desejo, ela me abraçou por trás, beijou o meu pescoço, lambeu a minha orelha e me conduziu para mais adiante, me deixando sobre aquele mesmo tapete que ocupava o centro da sala. Foi quando apareceu a minha já conhecida deusa morena. Desta vez ela estava diferente mas igualmente linda:vestia apenas um bikini tipo fio dental branco e seus cabelos também estavam molhados. Veio em minha direção e me cumprimentou com um longo abraço e um gostoso beijo de língua, para em seguida se dirigir até a loira e, para a minha surpresa, beijar-lhe na boca da mesma forma. Fiquei totalmente excitado vendo aquelas duas deusas se beijarem e se acariciarem, e não resisti de tesão quando elas vieram até mim, começaram a me beijar e retiraram toda a minha roupa. Quando eu fiquei somente de cueca, a loira ficou beijando o meu pescoço enquanto a morena beijava meu peito e minha barriga e apalpava meu pênis com as mãos, retirando-o da cueca. Assim que ela começou a passar a língua e a chupar a cabecinha do meu pênis, puxei a loira de frente para mim e lhe dei um gostoso beijo de língua, lhe acariciando as costas. Em seguida ela foi descendo, terminou de retirar a minha cueca com os pés e começou a lamber o meu saco, juntando-se à morena me já me chupava. Logo depois elas revezaram, e o ponto máximo foi no momento em que as duas se beijavam tendo entre as suas bocas o meu pênis. Quando perceberam que eu iria gozar pararam imediatamente e puxaram delicadamente meu saco para trás, impedindo meu orgasmo. A minha deusa morena subiu e me falou ao ouvido que era hora de cuidarmos da loira... sorriu naquela sua forma maliciosa e começamos a tratar daquela beldade em forma de mulher. Enquanto elas se beijavam e se acariciavam, eu ia lambendo cada centímetro daquele corpo delicioso, arrancando com os dentes seu bikini. Assim que retirei a parte que cobria os seios, a morena começou a beijá-los e a lamber seus contornos, enquanto eu ia descendo mais, arrancando a parte de baixo, lambendo a virilha, para finalmente chegar à tão sonhada xoxotinha. Deitamos. Comecei a chupá-la enquanto a morena a beijava e lhe acariciava os seios. Ela pedia mais e logo teve uma série de orgasmos seguidos. Mesmo assim eu não parei de chupá-la. A morena me abraçou por trás punhetando meu pênis devagarinho, e logo em seguida a loira se levantou e começou a beijar meu pênis novamente. Nisso a morena deitou, tomou meu pênis para chupar e a loira começou a chupála na xoxotinha, apertando seu grelinho e acariciando seus seios com as mãos. Um pouco antes da minha morena gozar, ela murmurou no meu ouvido que me queria dentro. Eu Contos Imor(t)ais - EROTISMO E SEDUÇÃO – 102 -


entendi e prontamente me deitei sobre o tapete. Ela sentou em cima do meu pênis, encaixando devagarinho na sua xoxotinha molhada enquanto gemia gostoso. A loira, muito experiente, sentou de joelhos com a xoxotinha exatamente sobre a minha boca e elas, uma de frente para a outra, começaram a se beijar, os bicos dos seios se encontrando e se roçando duríssimos, e enquanto se beijavam gemiam, a morena com as minhas estocadas em sua bucetinha e a loira com os movimentos da minha língua na sua rachinha. Não demorou para que nós três gozássemos juntos e muito intensamente. Sentei então do sofá e as duas começaram a lamber o meu pênis, deixando-o limpo e sequinho. Como ele não dava sinais de cansaço e continuava em riste total mesmo após ter ejaculado, pedi para que me chupassem novamente, o que fizeram juntas, até eu estar a ponto de gozar novamente. Fiquei de pé e as duas sentaram com seus rostos deliciosos e seus corpos nus, como que querendo disputar meus líquidos, prestes a jorrarem. Punhetei meu pênis mais um pouco e desta vez tive um orgasmo múltiplo (possível quando o pênis não amolece entre uma ejaculação e outra), gozando todos os meus líquidos sobre os seus seios, os quais elas lamberam com indisfarçável prazer para então se beijarem, sugando cada gota deles que ainda restava. Caímos exaustos sobre o sofá. Fiquei sabendo, finalmente, o segredo daquelas misteriosas mulheres naquele local exótico. A morena tinha 25 anos e conheceu a loira, que tinha 29, numa viagem para Nova York, em uma boate GLS. O fato das duas serem brasileiras fez com que o contato e a intimidade se tornassem mais rápidos. O local pertencia à loira, que o tinha recebido como parte de uma herança. A morena era fascinada por artes marciais e tinha este tipo de fetiche, inclusive as roupas que ela usou comigo no primeiro encontro foram compradas também em NY. Nenhuma delas morava no casarão, que por sinal estava à venda. Enquanto não aparecia um comprador, elas o utilizavam para a realização de suas fantasias sexuais. Fui embora esperando que elas me ligassem novamente, mas tal fato não ocorreu. Nunca mais as vi. Um dia ainda voltei lá, no intuito de procurá-las, mas encontrei a casa passando por reformas. Fui informado pelo novo adquirente que elas haviam voltado para Nova York.

Contos Imor(t)ais - EROTISMO E SEDUÇÃO – 103 -


DESSA VEZ ELE ME SURPREENDEU Olá queridos amigos e amigas do site, volto para agradecer a todos que leram meus contos, e com carinho comentaram e votaram. Muito obrigado, pois só assim vocês me incentivam a continuar narrando minhas aventuras deliciosas com meu amor (Medico T ), nos contos dele, ele também relata algumas passagens, tenho certeza que vocês também vão gostar. Mas o que vou contar hoje aconteceu agora em janeiro de 2013. Cheguei em São Paulo regressando de mais uma jornada de trabalho, em uma segunda feira fria e chovia muito, talvez vocês estranhem em pleno verão fazer frio mas era assim que estava São Paulo naquela tarde. Cheguei no fim da tarde fui até o estacionamento pegar o carro, mas a chuva me pegou no meio do caminho e me molhou um pouco. estava super cansada, cheguei em casa e corri entrar na net pra ver se ele estava online, ele tinha acabado de deixar uma mensagem, que iria até a casa da mãe, e quando voltasse me ligaria se eu estivesse dormindo. Então fui tomar um banho quente pois estava molhada da chuva, comi alguma coisa e deitei, não estava me sentindo bem, com alguns calafrios e dor no corpo, imaginei que fosse pegar uma gripe. Por volta da meia noite ouvi meu celular tocar atendi sonolenta, era ele perguntou se eu estava dormindo, respondi que sim pois não estava me sentindo muito bem, falei a ele que estava com dor no corpo, ele então disse: – Ha !!! Minha menina queria estar ai para cuidar de você Conversamos um pouco então nos despedimos e adormeci. No dia seguinte por volta das 10, 30 da manha, meu celular tocou, atendi era ele querendo saber como eu estava, se havia melhorado, disse que sim mas ainda estava na cama então ele disse: – Ai que gostoso amor queria estar ai com vc pra te beijar todinha chupar essa bucetinha gostosa e fazer vc gazar muito na minha boca, minha menina safadinha A conversa tomou tal rumo que qd dei por mim nós dois estávamos tão exitados que gozamos, foi algo tão intenso que não parecia que eu estava em São Paulo e ele no Paraná, ficamos mais um pouco conversando trocando palavras de carinho quando a secretária dele avisou que o paciente havia chegado, nos despedimos com a promessa de falarmos a noite e fazer amor bem gostoso. Naquele dia passei o dia inteiro em casa pois estava chovendo muito, a tarde entrei no msn, e lá estava ele online começamos conversar entre uma consulta e outra. Entre uma e outra conversa ele sempre me pergunta quando vou voar, para onde e o horário. Naquela semana mais precisamente na quinta feira eu voaria para Fortaleza na parte da manha, então ele me disse que chegaria em São Paulo para o curso dele na quinta a tarde, ele estaria vindo um dia antes para a gente ficar um pouco junto. Ficou chateado e disse:

Contos Imor(t)ais - DESSA VEZ ELE ME SURPREENDEU – 104 -


– Poxa amor estou com tanta saudade resolvi antecipar minha ida pra ficarmos juntinho, quero te comer gostoso minha putinha...eu disse:eu também quero amor mas tenho que cumprir escala, estou louca pra dar pra você meu macho tesudo quero gozar muito nesse pau gostoso Ele me interrompeu dizendo: – Ai amor já estou de pau duro so de pensar em comer seu cuzinho No final da conversa acabamos gozando novamente… A quinta feira chegou levantei cedo me arrumei e fui em direção ao aeroporto de Cumbica (ou para quem não conhece Guarulhos), no horário previsto embarcamos e começamos os procedimentos para receber os passageiros. Neste dia, enquanto outros colegas cuidava da acomodação dos passageiros (meio perdidos) eu estava na galley traseira tomando outras providencias para que nossa decolagem corresse com tranquilidade. Tudo correu perfeitamente, após a decolagem eu estava arrumando as bebidas copos guardanapos no carrinho, quando ouço uma voz atrás de mim: – Como esta minha menina? Eu gelei, me virei e lá estava meu amor com um botão de rosa vermelha na mão e com um sorriso lindo me disse: – Essa rosa é para a comissária mais linda e gostosa que conheço.… E aproveitando que estávamos sozinhos nos beijamos rapidamente. Perguntei que ele estava fazendo ali, já que deveria estar em São `Paulo não em Fortaleza, então com uma voz maliciosa ele disse: – Você não sabe que pra comer minha putinha gostosa eu faço qualquer loucura ? Falei pra ele: – Mas vc tem que estar em saõ paulo amanha cedo para seu curso !!!! Então ele me disse que já tinha feito reserva para o voo as 6 da manha direto para São Paulo, e que eu deveria ligar pra ele avisando em qual hotel eu ficaria, pra ele se hospedar também. Assim fizemos, chegando no hotel avisei, e ele se hospedou também. Depois de me acomodar no quarto que por azar eu estava dividindo com as outra 2 colegas. Liguei pra ele falando que estava acompanhada no quarto: – Não tem problema amor aqui tem uma cama enorme só pra nos dois., Avisa suas colegas que vc não vai passar a noite ai, e venha pro meu quarto, seu macho esta te querendo gostosa.

Contos Imor(t)ais - DESSA VEZ ELE ME SURPREENDEU – 105 -


Mais que depressa avisei as meninas e fui para o quarto do meu amor. Quando cheguei bati na porta ele abriu entrei e ele ja me abraçou e nos beijamos, a saudade era tanta que ja fomos tirando a roupa um do outro, sem parar de nos beijar. Ainda abraçada a ele, fomos em direção da cama que por sinal era grande mesmo, deitamos e ele acariciava meu corpo com muito carinho beijava meu rosto mordia meus lábios levemente, e dizia bem baixinho em meus ouvidos que me amava que não se imaginava longe de mim. Com muito carinho começou a beijar meu corpo todo e sua mão corria entre minhas pernas chegando até minha bucetinha que ja estava molhada de tesão que aquele homem me dá, é muito bom me sentir amada e protegida por ele. Ele foi subindo com a mão e pegou na minha bucetinha e começou a dedilhar enquanto chupava meus seios, eu gemia de tesão e pedi pra ele me comer pois não aguentava de vontade de sentir aquele cacete dentro de mim, ele então me deu um beijo olhou no meus olho e disse: – Essa buceta gostosa quer o pau do seu macho minha safadinha quer? Eu respondi: – Quer sim meu tesão, faz ela gozar gostoso ela é só sua fodi ela gostoso… Ele então penetrou aquele cacete duro em mim que fui as nuvens, como é gostoso fuder com ele, depois fiquei de 4 e ele metia o pau na minha buceta bem fundo que eu sentia as bolas dele baterem em meu grelo que me deixava mais louca ainda eu pedia: – Fode sua puta safado come sua vadia bem gostoso mete esse cacete na buceta que é só suaaaaaaa. Neste momento nós gozamos eu senti quando ele chegou aõ limite e gozou enchendo minha buceta com uma enxorrada de porra, foi algo maravilho, pois parecia que era a primeira vez que transávamos, que delicia de gozo. Ficamos deitados abraçados por um bom tempo, até que ele disse para irmos tomar banho para sairmos pra comer alguma coisa pois ele e nem eu havíamos almoçado. Então fomos aõ banheiro ele pegou o sabonete e começou a passar em mim e beijava minha boca, foi se abaixando e disse que lavaria minha buceta, mas com a lingua, me arrepiei.....ele me escostou na parede colocou uma perna em seu ombro e começou a lamber minha buceta que gostoso ele dizia: – Goza na boca do seu macho gostosa... eu delirava de prazer, sentindo aquela lingua explorar minha buceta, ele lambia e esfregava o rosto nala, enfiava no meu cuzinho e voltava a lamber e mordiscar meu clitoris, nao aguentando mais de tanto tesao gozei alucinadamente na boca dele, que chupou todo meu gozo, depois me ajoelhei e chupei o cacete dele que ja estava duro como pedra então ele pediu: – Me da seu cu minha puta quero arrombar esse cú com meu pau e foder bastante ate encher ele de porra.

Contos Imor(t)ais - DESSA VEZ ELE ME SURPREENDEU – 106 -


Me coloquei em pé com as mãos apoiada na parede empinei a bunda e ele foi introduzindo aquele pau maravilhoso em meu rabo, sentia cada centímetro entrar me deixando maluca de tesão, esse homem sabe como comer um cuzinho, meteu gostoso, beijava minhas costas enquanto metia aquele colosso em minha bunda, enquanto comia meu cú passava o dedo no meu grelho que me deixando louca, anunciei que ia gozar de novo e ele acelerou os movimentos e assim gozamos juntos novamente. Saímos do banho nos vestimos e fomos jantar, afinal passamos a tarde toda transando…

Contos Imor(t)ais - DESSA VEZ ELE ME SURPREENDEU – 107 -


UMA ESPOSA NO JANTAR Tenho 37 me chamo Luciana e meu marido chama-se Rogério e tem 34 anos. Temos uma pequena loja na cidade e somos bem conhecidos socialmente. Estamos casados há 8 anos e temos dois lindos filhos, somos uma família muito feliz. Eu sou loira, tenho l,60 a peso 55 quilos, meus olhos são azuis e tenho seios médios e bem empinadinhos, assim como minha bundinha, que é a minha marca pessoal e mais chama a atenção. Quando jovem, eu me sentia constrangida pelos olhares que despertava na rua, na escola e por onde passava, todos mexiam comigo e isso me deixava muito envergonhada. Eu e meu marido sempre tivemos toda a liberdade um com o outro. Na cama, o nosso relacionamento era aquilo que se poderia classificar como ótimo. Uma vez logo no início do nosso casamento, ele tentou praticar sexo anal comigo mas eu senti dor e recusei. Depois daquele dia, talvez com receio de me deixar aborrecida, nunca mais insistiu no assunto. Fazíamos sexo praticamente todos os dias. Uma das fantasias de meu marido que no início me deixou preocupada mas que, com o passar do tempo, passou a ser a "nossa" fantasia era a do “ménage-a-trois”, mas entre fantasiar e realizar as nossas fantasias, existe uma grande distância... Aquilo vinha em nossas cabeças sempre que ficávamos excitados durante as nossas transas e sempre sussurrávamos em nossos ouvidos como seria bom compartilhar a nossa cama e as nossas loucuras com uma terceira pessoa. Embora fantasiar um ménage-a-trois nos levasse ao auge do tesão eu preciso esclarecer que sou uma mulher super ciumenta e que nunca aceitei, nem ao menos por fantasia ou brincadeira, que um dia pudéssemos compartilhar a nossa cama com uma outra mulher. Isto ficou bem claro na nossa relação desde o inicio, muito menos, permitir que meu marido saísse com outra para fazer qualquer tipo de programa que envolvesse sexo ou sentimentos amorosos. Neste ponto eu sou radical e aviso: se acontecer, eu viro bicho. Estávamos indo muito bem com esta maneira de condimentar as nossas relações até que conhecemos Marcos em um curso sobre vendas que acontecia na cidade naquela semana. Embora eu não esteja ligada diretamente ao assunto da palestra, acabei acompanhando o meu marido para participar do evento. Marcos era um gerente de vendas de uma empresa multinacional e havia sido contratado para implantar um novo sistema de vendas na empresa no estado e estava ali representando a diretoria da mesma. Bem mais velho que nós, era moreno, 1,80m uns 90Kg e aparentava ser bem experiente na vida. Assim que chegamos, ele nos foi apresentado por uma de minhas colegas, a Kátia que havia trabalhado comigo em uma outra loja. Minha colega pediu-nos para ficarmos fazendo companhia para ele por alguns minutos pois ela estava muito atarefada com a organização do evento. Enquanto ficamos conversando com Marcos, notei que ele não tirava os olhos de mim. Meu marido também percebeu e, depois que minha colega voltou para chamar o Marcos para irem sentar-se em outro lugar, reclamou comigo dizendo que eu estava muito assanhada e que, enquanto ficara conversando com o Marcos eu mantive um sorriso constante e sacana no rosto. Respondi brincando que, afinal de contas, o cara era um "gato" e que eu não era de ferro. Notei que meu marido ficou bravo com a minha resposta a me devolveu um olhar de raiva, e a conversa morreu por aí. Contos Imor(t)ais - UMA ESPOSA NO JANTAR – 108 -


A palestra terminou por volta de 23 horas e nós dois saímos dali com uma fome danada pois ainda não tínhamos jantado. Fomos direto para uma pizzaria. Enquanto aguardávamos que o garçom nos atendesse, minha colega de trabalho adentrou ao recinto acompanhada por Marcos e mais 2 amigos, ao nos verem, seguiram na direção da nossa mesa. Percebi um ligeiro desconforto em meu marido mas ele foi muito gentil. Levantou-se reorganizando nossos lugares e convidou-os para ficarem conosco. Fizemos os nossos pedidos e logo estávamos saboreando deliciosos pedaços de pizza, acompanhados por duas garrafas de um vinho branco super gelado. Meu marido, que a principio estava meio calado, foi se descontraindo conforme fomos conhecendo melhor o acompanhante de minha colega. Depois de alguns momentos de papo, ficamos sabendo que ele era primo da Kátia e meu marido descobriu que ele e o Marcos tinham muitas coisas em comum. Ambos tinham nascido em São Paulo e torciam para o mesmo time. O Marcos disse tinha morado no Rio de Janeiro durante os últimos 20 anos, dai o seu sotaque delicioso. Ambos praticavam corrida, gostavam de futebol, carros e de filmes de aventuras. Marcos nos disse que era solteiro, tinha 44 anos, e que tinha alugado um apartamento de cobertura num prédio recém construído em nossa cidade. Enquanto a conversa fluía e o vinho era degustado, a perna de Marcos roçou na minha, por diversas vezes. Nas primeiras vezes, bati em retirada mas depois eu deixei rolar e foram muitas as vezes em que ele esfregou sua coxa direita na minha coxa esquerda, mal coberta pela mini saia que eu estava usando, sem contar as encaradas que ele me dava. Com medo que o meu marido percebesse alguma coisa, lembrei ao Rogério que já estava ficando tarde, que os nossos filhos estavam sozinhos em casa e que a gente devia continuar o papo num outro dia. Na saída, ao nos despedirmos, já nos dirigindo para os nossos carros, Marcos nos convidou para jantar na semana seguinte em sua casa. Rogério entrou no automóvel e dirigiu calado até chegarmos em casa. Já deitados, começamos a falar sobre a noite e, de repente, ele me perguntou se eu tinha sentido alguma coisa pelo Marcos. Fiquei meio assustada mas, não sei se foi porque eu estava meio de pilequinho, respondi que sim. Que, pra falar a verdade, eu tinha ficado interessada por aquele homem. Aproveitando o embalo, disse também que eu tinha ficado muito excitada com o interesse que ele também havia demonstrado por mim. Enquanto eu ia falando, fui me enroscando nele a acabamos tendo uma transa deliciosa. Três dias depois, Kátia me ligou dizendo que o Marcos tinha se simpatizado muito conosco a que ele havia pedido o número do nosso telefone para nos convidar para jantar na próxima sexta-feira, dia em que ela, infelizmente, teria que estar viajando para Brasília. À noite, ele ligou em casa e conversou muitos minutos com meu marido. Ele então anotou o endereço e o telefone de Marcos e ficou de confirmar se haveria condições da gente estar na cidade no dia do jantar. Quando desligou, notei que Rogério ficou meio estranho. Fiquei na minha, só imaginando o que passara pela sua cabeça. No dia marcado para o jantar, meu marido me ligou do escritório perguntando se eu estava a fim de irmos jantar no apartamento de Marcos. Eu respondi que sim. Que não via nenhum inconveniente e Contos Imor(t)ais - UMA ESPOSA NO JANTAR – 109 -


que poderia até ser divertido conhecer gente nova. Às 2l horas daquela sexta-feira nós estávamos entrando no apartamento do Marcos. Meu marido foi vestindo um jeans e uma camisa branca. Eu caprichei um pouco mais, vesti uma sainha preta que cobria até um pouco acima do joelho e uma blusa de seda rosa com roxo, ambas peças feitas com um tecido bem macio e fino. Por baixo, apenas uma calcinha da cor da pele, bem pequena, praticamente um fio-dental. Arrematei tudo isso com um salto bem fino e bem alto que deixava o meu já saliente bumbum mais empinado ainda, marcando bem a minha calcinha. Era uma roupa extremamente sexy. Assim que chegamos, fiquei surpresa ao verificar que nós estávamos sozinhos e que nós éramos os únicos convidados para o jantar. Fiquei até meio intimidada mas depois do primeiro cálice de vinho eu já estava solta a rindo de tudo que falávamos. Meu marido e o Marcos logo se entrosaram e conversavam muito. Estavam tão entusiasmados com o papo que eu fui até ao terraço e fiquei um longo tempo sozinha admirando a cidade vista do alto. Notava que entre os papos Marcos me observava, certamente olhando para minhas pernas e bunda. Uma meia hora depois, Marcos nos chamou para a mesa que estava colocada na sala de jantar. Ele mostrou-se um excelente anfitrião. A mesa estava muito bem posta e ele revelou ser um grande cozinheiro. Serviu-nos um peixe delicioso que foi acompanhado por três garrafas de um famoso vinho alemão. Depois do jantar o clima já estava totalmente descontraído e nós fomos todos para a confortável e ampla sala de estar, com uma bela porta de vidro para sacada de onde se via a cidade toda. A sala era decorada com extremo bom gosto e havia um enorme espelho de cristal que tomava uma parede quase inteira. Foi neste espelho que vi que o meu rosto estava afogueado. Realmente, eu estava ansiosa e excitada por estar ali com dois homens que, eu sabia, estavam a fim de me foder. Deixei-me cair em um macio sofá, meu marido sentou-se numa poltrona e Marcos colocou um CD bem romântico para rodar. Depois encheu nossos copos com mais vinho e sentou-se na outra ponta do sofá. O assunto, cada vez mais descontraído, logo resvalou para a vida do homem solteiro. Marcos sorriu e disse que era uma barra. Às vezes a solidão batia doído mas que até então, não tinha encontrado a sua alma gêmea. Rogério, meio irônico, perguntou-lhe o que seria uma alma gêmea para ele. Ele, sem titubear, olhou bem para mim a disse: – Em primeiro lugar, ela teria que ser linda, charmosa a sexy como a Lu e, depois, teria que acompanhar todas as minhas loucuras Eu fiquei rubra e meu marido, sorrindo, quis saber quais seriam essas loucuras, ele disse – Bem – Eu estou solteiro até hoje porque ainda não encontrei uma mulher que, ao mesmo tempo em que fosse tudo isso que eu já falei, ainda tivesse os mesmos ideais que eu. Ideais de liberdade que, Contos Imor(t)ais - UMA ESPOSA NO JANTAR – 110 -


acredito, tornariam o casamento muito mais atraente. – Como assim?, quis eu saber – Quais seriam esses tão misteriosos ideais de liberdade? – Olha!, ele começou a explicar, – O casamento, tal como está organizado hoje, é uma chatice. O sentimento de posse que um cônjuge desenvolve em cima do outro, o ciúme e a rotina, acabam com o tesão. Depois de pouco tempo ficam os dois amargando suas frustrações e enrustindo seus desejos mais secretos. Eu troquei um rápido olhar com meu marido e vi que ele continuava sorrindo meio que sem graça. Criei coragem e disse: – Marcos!, eu e o Rogério não somos assim não, sabe? nós temos consciência de que é preciso apimentar a nossa relação para não cairmos na rotina e não temos essa de ficar pegando um no pé do outro, não. Ele, olhando para o meu marido, disse: – Dá pra perceber que vocês formam um casal feliz, realizado a liberado… – Olha, disse meu marido, – Não é bem assim não. A Lu está dizendo apenas que a gente tem essa consciência mas, na verdade, ainda não colocamos a teoria na prática, isso requer cautela. Veja você que a nossa cidade é bastante provinciana. Aqui a gente não tem com quem compartilhar esse tipo de liberdade. Infelizmente, não estamos no Rio de Janeiro, meu caro… – Isso eu compreendo, Marcos emendou, – Estou aqui há uns 3 meses e já deu pra notar a marcação do pessoal – Pois é, disse eu, – Imagine a gente, com uma família do tipo da nossa... na boca do povo. Marcos sorriu e disse:

Contos Imor(t)ais - UMA ESPOSA NO JANTAR – 111 -


– É isto aí!, gente como a gente tem que se unir, se proteger e se respeitar. Fiquei muito feliz em conhecer vocês e espero que essa nossa amizade prospere sempre. – Então, meu amigo, disse meu marido, – Por que você não abre outra garrafa pra gente selar a nossa amizade Todos nós rimos e Marcos se levantou para ir até a geladeira. Enquanto ele foi cuidar de buscar mais vinho, meu marido veio até mim e, me erguendo do sofá, pegou-me pela cintura dando início a uma dança bem lenta. Quando Marcos voltou nós estávamos enroscados um no outro, quase parados, dançando bem devagar. Eu abraçada ao seu pescoço e ele me segurando quase na altura das nádegas. Marcos tornou a encher os nossos copos que estavam abandonados num aparador e, sentando-se no sofá ficou olhando para nós. Acho que quando foi buscar o vinho, ele deve ter mexido em algum tipo de controle pois eu tive a impressão que a iluminação tinha ficado mais suave... mais erótica, sei lá!... Enquanto nos movíamos lentamente pelo espesso carpete, meu marido sussurrava em meu ouvido: "- Dessa vez, você não vai conseguir escapar". E eu sorria e sussurrava no dele: " - Querido, quem disse pra você que eu quero escapar de alguma coisa? " Ao ouvir isso meu marido beijou-me calorosamente e fez as suas mãos deslizarem até ao meu traseiro começando um movimento com as mãos, fazendo o tecido leve da saia escorregar sobre minha calcinha. Eu podia sentir o seu cacete totalmente duro entre as minhas pernas e sua excitação, ele então foi descendo a sua boca pelo meu pescoço até meu colo, quase fazendo um dos meus seios saltarem para fora da blusa. Entreabri os meus olhos e notei que Marcos estava se alisando por cima da roupa e que o seu membro já estufava a sua calça. Foi neste instante que o CD chegou ao final. – Que pena... agora que estava ficando gostoso, eu disse sorrindo para eles. Meu maridinho me olhou cheio de tesão e disse: – Por isso não!, se é isso que você quer, deixa comigo… e partiu em direção ao equipamento para colocar um novo CD. Eu fui até ao aparador a tomei mais um pouco de vinho. Voltando para o centro da sala, fiquei dançando ao som de uma música imaginária, gingando sensualmente os meus quadris na frente de Marcos que tentava disfarçar o imenso volume que se formara em sua roupa. Quando o som voltou a invadir o ambiente eu estendi os meus braços na sua direção e disse: – Vem que agora é sua vez de me fazer ficar doidinha… Ele olhou na direção do meu marido foi quando eu vi que o meu marido fez aquele clássico sinal de Contos Imor(t)ais - UMA ESPOSA NO JANTAR – 112 -


"positivo" para ele. Então, sem tentar disfarçar a sua ereção, Marcos veio na minha direção e, tomando-me delicadamente em seus braços, começou a me embalar, a um som super romântico que meu maridinho havia escolhido para nós. Fui aos céus, não sabia o que fazer, e em um ato impulsivo imediatamente abracei-o pelo pescoço com as duas mãos entrelaçadas em sua nuca e o puxei para mim. Senti um verdadeiro dilúvio em minha calcinha quando ele desceu a sua mão esquerda pelas minhas costas passando pela minha bunda, até chegar na minha coxa. Colocou sua mão por baixo da saia da minha saia, segurando-me, diretamente pela bunda, fazendo-me sentir pequena em seus braços. Fiquei com medo da reação do meu marido, pois não tínhamos combinado nada sobre a possibilidade de um envolvimento concreto com Marcos. Então, meio com medo, entreabri os meus olhos a vi um Rogério super excitado, que se dirigia para o sofá, se acomodando por entre as almofadas, dando início a uma bela e lenta punheta sobre a calça. Fui à loucura. Desprendi a mão direita da nuca do Marcos e comecei a abrir os botões da sua camisa enquanto ele, muito delicadamente, começou a desabotoar a minha blusa e soutien que, lentamente, foi tirando do meu corpo. Marcos olhou, encantado, para os meus seios durinhos e com a boca começou a chupar os meus mamilos, ele levou uma de suas mãos para soltar o cinto que prendia a minha saia em minha cintura. Aí, completamente sem sustentação, a saia começou a descer. Conforme a gente ia se esfregando um no outro ela foi escorregando ate cair e ficar enroscada em meus pés. Eu, simplesmente, chutei-a na direção do meu marido que sorriu para mim, enquanto a pegava e levava ao rosto para sentir o meu perfume. Eu, só de calcinhas, continuei enroscada no Marcos que, agora, debruçado em meus ombros, se esfregava em meus seios e com as mãos já enfiadas dentro de minha calcinha, alisava a minha bundinha empinada. Ao mesmo tempo que comprimia minha xoxota contra o seu cacete, apoiada pelas suas duas mãos em minha bunda, arqueei o corpo para trás e fui acabando de tirar a sua camisa. Depois, comecei a abrir o seu cinto e o zíper de sua calça e busquei seu beijo com a minha boca. Nos beijávamos como dois namorados que não se viam a muito tempo. Com a mão direita busquei seu pênis por dentro da cueca e lentamente o masturbava. Entre abri meus olhos e via meu marido sentado só nos observando, aquilo me excitava ainda mais. Enquanto o beijava como uma bezerrinha faminta, utilizando as mãos, livrei Marcos de toda a sua roupa. Foi enquanto eu tirava a roupa do Marcos que percebi duas outras mãos entrando no jogo. Senti um arrepio quando vi que o meu marido tinha se aproximado por trás de mim e que estava enroscando os seus dedos, suavemente, no elástico da minha calcinha. Lentamente, ele foi puxando a pecinha para baixo e aos poucos, a minha bundinha foi ficando exposta. Senti que meu marido começou a beijar minha nuca e foi descendo até chegar nas minhas nádegas, eu caprichei ainda mais nos beijos molhados que eu estava dando no Marcos. Ao terminar de tirar minha calcinha, Rogério virou meu rosto e deu-me um beijo molhado, o que me deixou super excitada e arrepiada. Notei que o meu marido voltou para o sofá e recomeçou a sua masturbação, ora cheirando a minha calcinha, ora envolvendo com ela o seu cacete. Quando Marcos já estava totalmente nu, puxei-o para o chão e ele deitou-se com as costas sobre o carpete ficando com o cacete bem duro, lustroso pelo esperma que começava a sair mostrando seu imenso tesão. Estava se camisinha e não sabia se deveria fazer sem, afinal mal conhecia aquele homem. Olhei para meu marido e pedi a ele com muito amor e carinho um preservativo, ele então me disse. Contos Imor(t)ais - UMA ESPOSA NO JANTAR – 113 -


– Se você quer desfrutar de uma aventura, tem que ser por completo, sem proteção! Aquilo me deixou chocada, mas ao mesmo tempo alucinada, como meu tesão falava mais alto, não resisti e topei o jogo que meu marido propôs. Então segurei aquele lindo mastro entre os meus dedos da mão esquerda, apoiei-me com a mão direita em seu peito e, fui lentamente abaixando e encaixando seu caralho dentro da minha boceta. Eu estava de costas para o meu marido mas conseguia vê-lo através do imenso espelho que compunha a decoração do ambiente. Meu marido ainda acariciando o seu próprio pau, não perdia um só lance. Quando eu percebi que a cabeça do pau do nosso amigo estava encaixada bem na portinha da minha boceta eu, levei a mão esquerda também para o peito do Marcos e fui rebolando e descendo a minha bundinha, bem devagarzinho, fazendo questão de deixá-la bem empinada, forçando o cacete de Marcos para trás, de maneira que o meu rego ficasse bem aberto, expondo-me ao máximo ao olhar transfigurado de meu marido. Demorei mais de 3 minutos para engolir toda aquela cobra. Quando senti as bolas de seu saco encostadas na minha bunda, comecei um movimento delicioso, rebolando lentamente. O Marcos, percebendo o espetáculo que estávamos proporcionando ao meu marido, pegou-me pelas duas nádegas e abriu a minha bunda até onde pode. Esticou o dedo médio até alcançar a minha boceta e, depois de lambrecá-lo bastante na minha umidade viscosa, levou-o até ao meu cuzinho e ficou brincando com ele, bem delicadamente penetrando-me na boceta e cuzinho, confesso que senti uma sensação muito gostosa. Foi uma loucura. Eu fiquei naquele senta-levanta, engolindo e pondo para fora o cacete do Marcos na minha bocetinha, por mais de 15 minutos. Tinha momentos em que Marcos me segurava em cima, deixando só a cabecinha de seu caralho encaixada na minha boceta e eu ficava louca de vontade de tragar aquele cacete até ao talo. Nessa hora, gemendo, eu pedia pra ele com voz de choro: – Não faz assim comigo... E, então, num solavanco, ele me puxava para baixo com força, ao mesmo tempo em que, arqueando o seu corpo, enterrava-se todo e de uma só vez bem no fundo de mim, entupindo completamente aquela xoxota que, até então, só conhecia o cacete do Rogério. A sensação de estar experimentando um pica diferente me deixava completamente alucinada. Perdi a vergonha. Gemia como uma louca. Esqueci que meu marido, ao qual eu tinha sido totalmente fiel até àquele dia, estava ali, logo atrás de mim, vendo eu me comportar como uma puta, devorando aquele lindo macho que eu nem conhecia direito. Fui acelerando os meus movimentos e, entre gemidos e espasmos de ambas as partes, eu e Marcos tivemos um orgasmo inesquecível. Foi um orgasmo de cinema. Esgotada, arriei-me por cima do Marcos e fui deitando-me ao seu lado. Estava tão relaxada e saciada que fui apagando. Acabei cochilando com a cabeça apoiada no braço daquele homem que me fizera gozar tão intensamente. Nem sei quanto tempo dormi. Contos Imor(t)ais - UMA ESPOSA NO JANTAR – 114 -


Quando acordei, me dei conta de que alguém havia colocado uma almofada sob minha cabeça e estendido um lençol sobre o meu corpo. Eu sentia que a minha boceta estava inchada e toda esporrada. Ouvi vozes. Coloquei apenas minha calcinha e fui ver o que era. Meus dois homens, já bem compostos, estavam sentados no terraço, conversando sobre seus assuntos preferidos. Eles já tinham tirado a mesa, empilhado a louça dentro da pia da cozinha e estavam tomando um licor. Fiquei um bom tempo olhando para eles, com muita ternura e me sentindo muito feliz por eles terem se dado tão bem e, porque não, fazendo mil planos para o futuro. Quando a conversa foi morrendo eles voltaram para a sala aonde eu estava, Marcos sentou-se no sofá ao meu lado esquerdo. Perguntou como eu estava e se estava tudo bem, disse que sim e olhei para meu marido que, em um ato contínuo disse: – A festa hoje é sua amor, aproveite o quanto quiser. Meu coração então voltou a palpitar, especialmente quando Marcos se aproximou de mim. Com o seu braço direito, enlaçou-me pelos ombros e puxou a minha cabeça em sua direção para me dar um beijo tão profundo e gostoso que as nossas línguas ficaram enroscadas por muito tempo. Eu tinha cruzado a minha perna direita por sobre a esquerda e, comecei a enfiar os dedos do pé por baixo de sua calça folgada, tentando puxar os pelos de sua perna. Ele levou sua mão esquerda sobre a minha coxa, subindo suavemente, até chegar ao quadril e abarcar grande parte da lateral da minha bunda. Eu já estava começando a gemer dentro da sua boca. Ele aproximou sua boca do meu ouvido direito e sussurrou – Lu, você me deixou maluco com essa bundinha linda". Quase que eu tive um ataque cardíaco naquela hora. Meu marido apenas observava sentado na poltrona a frente. Fiquei meio assustada mas, gostei de saber do efeito que tinha causado nele. – Ah é, o que você recebeu não foi suficiente? eu disse em seu ouvido, com uma voz bem safada. – Eu gostaria de conhecer você inteirinha. disse ele. Eu estava completamente arrepiada e falei: – A gente pode até tentar mas eu, vou te avisar, nunca experimentei fazer desse jeito – Jura!? quis ele saber – Juro! Contos Imor(t)ais - UMA ESPOSA NO JANTAR – 115 -


sussurrei dentro do seu ouvido. – Puxa! então, quer dizer, que serei um privilegiado? –Será!, mas como eu disse, não sei se vou agüentar porque, além da falta de prática, eu já vi que você é maior do que aquilo que eu conhecia por normal. – Isso não será problema" disse ele – Você já deve ter ouvido falar que tamanho não é documento, não é? o importante é a técnica." Ele disse sorrindo. – Ah é!? quer dizer então que você é um especialista? Perguntei num cochicho – Eu não quis dizer isso. Quis dizer que eu quero, que eu tenho vontade, que eu gostaria muito e que, tenho certeza, você vai gostar. Enquanto eu levava a minha mão direita para cima do volume já formado em sua calça e beijava, bem de leve a sua orelha, falei bem baixinho, com a voz mais sexy que eu sabia fazer: – Fala logo! o quê você quer fazer comigo?!... Ele apertou a minha bunda com sua mão forte e falou com a voz embargada: – Eu quero ensinar você a transar essa bundinha gostosa que você tem. Meu marido estava quase gozando com a cena. – E se doer ou se eu não gostar?… perguntei-lhe – A gente para e não se toca mais neste assunto que, aliás, foi você quem provocou sendo tão gostosa assim. Eu dei um sorriso e ao mesmo tempo que levantava o puxava pela mão, fiquei na ponta dos pés e dei-lhe um beijo bem gostoso em sua boca. Por eu ter ficado na ponta dos pés, minha bundinha ficou bem empinadinha e totalmente exposta. Marcos a envolveu com as duas mãos e me deu um puxão para cima, tirando completamente o apoio dos meu pés. Então eu aproveitei o empuxo e enlacei-o com minhas pernas, na altura de sua cintura e, fiquei grudada em seu colo. Ele, segurando firme em minha bunda, foi andando e me carregando no colo até seu quarto. Chegando lá me deitou na cama e se dirigiu ao banheiro, meu marido se aproximou e sentou em um Contos Imor(t)ais - UMA ESPOSA NO JANTAR – 116 -


pequeno sofá ao lado da cama, me virei para o lado direito para olhar meu marido nos olhos, deixando minha bunda virada para a saída do banheiro onde Marcos estava. Perguntei ao meu marido se era isso mesmo que ele queria, e ele me disse que era o que ele mais desejava naquela noite. Marcos saiu do banheiro todo nú com seu mastro em riste, e ao me ver com bunda virada para ele não resistiu e foi para o meio das minhas nádegas, beijando-as, lambendo-as e acariciando-as, então começou a tirar a minha calcinha bem devagarinho e eu tive que dar umas reboladinhas e uma levantadinha nas ancas para que ele pudesse me deixar peladinha. Depois ele me virou de frente para ele e se debruçou sobre mim me beijando toda. Começou pela testa, olhos, boca, mordeu de leve o meu queixo, e depois foi descendo com sua língua ágil, titilando os meus já eriçados mamilos. Depois ele pegou as minhas mãos e as colocou sobre os meus seios enquanto ia com sua boca mais para baixo, acariciando com a língua ao redor do meu umbigo e se aproximando, cada vez mais do meu sexo. Eu, que tinha entendido a sua mensagem, comecei a acariciar os meus próprios seios e a perceber que o meu tesão estava a mil. A língua do Marcos já estava em minhas virilhas e eu já tinha aberto minhas pernas ao máximo. Ele puxou uma almofada para baixo de minha bunda e foi empurrando ela para cima até que ela ficasse quase por baixo de minhas costas. Depois ele pegou mais duas outras almofadas e, agora sim, usou-as para levantar bem a minha bunda, de maneira que não só a minha xoxota ficasse exposta mas, também, o meu cuzinho. Quando a operação chegou nesse ponto, a língua do Marcos que não tinha parado nem um segundo, já estava tocando o meu clitóris. Bem de leve, sem nenhuma pressa. Vez ou outra ele dava uma lambida mais "pesada" usando a língua inteira e passando-a por toda a minha boceta mas logo ele voltava a trabalhar somente com a pontinha dela e somente do meu botãozinho. A umidade de minha bocetinha estava aumentando rapidamente e eu já tinha gozado umas duas vezes naquela boca, quando percebi que a língua estava descendo mais um pouco. Notei que Marcos, com as duas mãos, abriu a minha bundinha e começou a lamber diretamente o meu cuzinho. Tive uma sensação que nunca tinha sentido antes. Foi demais. Logo ele voltou para a minha bocetinha e, em seguida, voltou para o meu cuzinho. Enquanto ele lambia o meu cuzinho, eu percebia que ele roçava o meu clitóris com o nariz. Isso, para mim, estava sendo uma experiência inédita. De repente, senti que um dedo estava sendo introduzido na minha boceta, indo buscar o meu mel em suas partes mais profundas. Depois, o mesmo dedo, levava o mel até à portinha do meu ânus onde era depositado. A coisa estava ficando tão gostosa que num gemido, sem que ele tivesse que pedir nada, eu disse a ele que o queria e ofereci minha bunda em sacrifício. Mas Marcos não tinha pressa. Primeiro ele se reacomodou, pegou uma das minhas mãos e dirigiu os meus dedos para a minha própria boceta. Enquanto eu acariciava o meu grelinho, ele reorganizou as almofadas colocando, agora mais uma em baixo das minhas costas, tudo isso, sem parar de lamber a minha boceta e o meu cu, sem deixar de ir buscar com os seus dedos, que se misturavam com os meus, o melzinho lubrificante para transportá-lo para o meu cuzinho. Eu pensava comigo: “Meu deus, que coisa gostosa! como eu pude ficar tanto tempo sem isso?…” Eu já estava ansiosa por levar um pau na bunda. Eu já estava quase no ponto de gritar com ele para que ele me enrabasse logo. Quando eu já estava quase louca de tesão, ele começou a aprofundar um dedo no meu traseiro. Foi delicioso. Aquele dedo foi entrando e me provocando uma sensação Contos Imor(t)ais - UMA ESPOSA NO JANTAR – 117 -


muito gostosa. Ele ficou brincando com aquele dedinho durante alguns minutos. Depois ele tirou o dedo. Eu reclamei: – Não tira não, meu bem... está gostoso!" Marcos fez que não ouviu. Voltou a atacar com a sua língua. Pouco depois ele veio novamente com o dedo. Só que agora eram dois. Ele começou a fazer uma leve massagem com eles na portinha do meu cu e, bem devagarzinho, foi enfiando eles dentro da minha bundinha. Soltei um urro de prazer. – Que tesão, Marcos, que coisa boa meu bem… – Você quer que eu faça isso?" ele perguntou – Claro! eu estou doidinha de vontade de sentir você na minha bunda – Você não quer o Rogério? Você não quer reservar o cabacinho deste cuzinho lindo e gostoso para o seu maridinho? – Nããoo!", gemi eu, "eu quero dar a minha bundinha agora e quero dar pra você. Foi você quem me fez ficar com tesão. Então merece comer ele primeiro que qualquer outro. Vaaii loogo amor... não sacaneia ... Ele ergueu seu corpo e pediu para eu abrir bem as pernas (como na posição frango assado) e jogálas para cima, deixando o quadril e a bundinha bem pro alto por conta das almofadas. Depois, pegou as minhas duas mãos e, colocando-as em minha vagina, pediu para que eu mesma me masturbasse enquanto ele dirigia seu mastro para o meu cuzinho. Enquanto assim eu fazia, ele comentou que a visão das minhas mãos com as minhas duas alianças, uma de brilhantes e a tradicional de ouro, na mão esquerda, tocando meu sexo davam a ele o maior tesão do mundo. Ele foi se aproximando, com a mão direita, segurando a cabeça do seu pau, e posicionando-a bem no meu cuzinho. Ele me orientou para ficar bem calma e relaxada. Depois ele foi pressionando bem devagar até sentir que as preguinhas do meu cuzinho cedessem e dessem passagem para aquela enorme pica. Senti uma dorzinha muito ligeira que logo se dissipou em tesão. Marcos tinha ficado parado, sem forçar a passagem, somente com a glande dentro do meu ânus. Aí eu ouvi sua voz sussurrante perguntar: – Tá doendo, amor? – Não, meu amor! pode ir mais!… E foi o que ele fez. Suave e firmemente, Marcos fez deslizar aquele monstro inteirinho para dentro do meu cu. Pegou minhas coxas e me puxou contra ele, fazendo minhas nádegas colarem em seu corpo… Estava extasiada com a situação, e quase que gemendo pedi para o meu marido se aproximar e com Contos Imor(t)ais - UMA ESPOSA NO JANTAR – 118 -


minha mão direita procurei o pênis dele e comecei a punhetá-lo enquanto Marcos me penetrava no ânus, fechei os olhos de tanto tesão. Quando senti que os dedos do meu marido agora se entrelaçavam aos meus entrando e saindo de dentro da minha vagina, eu disse, num sussurro: "Que delicia! se eu soubesse que assim fosse gostoso, eu já tinha pedido pro Rogério isso há muito tempo." Marcos então parou e ficou com sua piroca enterrada dentro do meu rabo, debruçou-se sobre mim mordendo e beijando meus mamilos, por uns 30 segundos enquanto meu marido colocava 3 dedos dentro da minha boceta completamente ensopada. Depois, em um rápido movimento Marcos tirou tudo e pediu para que eu ficasse de quatro, prontamente atendi enquanto ele posicionava somente a cabeça do seu cacete no meu buraquinho. Meu marido sentou na cabeceira da cama e voltou a se masturbar. Eu então fui arrebitando a bunda e empurrando ela para trás, até conseguir tragar aquela delicia de pau para dentro do meu rabo novamente. Dali pra frente, foi só prazer. Marcos fodeu no meu cu por quase 20 minutos. Quando ele percebia que ia gozar, ele parava um pouquinho, novamente com a cabecinha encaixada só na portinha. Eu, que já tinha entendido a manobra, dava um tempinho para ele se segurar e depois, lentamente, voltava a engolir novamente aquele poste de carne pela minha estreita passagem traseira. Enquanto ele fodia o meu rabo ele, também, mordia a minha nuca e alisava minhas coxas e nádegas. Quando eu percebi que ele ia gozar, procurei apertar o pau dele com o meu cuzinho recém descabaçado e pedi: – Goza no meu cuzinho!, Goza dentro, enche ele com a sua porra, meu amor! Mal acabei de chamar o Marcos de meu amor, o meu marido não resistiu e gozou na sua mão, Marcos também não aguentou e entupiu o meu cu com a sua ejaculação. Caímos exaustos na cama... Recolhi a minha roupa que estava espalhada pela casa e fui ao banheiro onde tomei um reconfortante banho. Só depois de me arrumar, apareci no terraço para chamar meu marido para irmos embora. Eles ainda esticaram a conversa um pouco mais, mas logo se levantaram e começamos a nos despedir. Marcos me deu um suave beijo nos lábios a me disse: – Muito obrigado por tudo – De nada eu respondi – Nós é que agradecemos a sua hospitalidade, esperamos poder retribuir a visita algum dia. Meu marido entrou na conversa e disse: – Podem marcar pra ontem, se quiserem, pois da próxima vez, eu não quero acabar na mão. Todos nós gargalhamos e eu e o meu maridinho fomos para casa felizes por termos realizado a nossa Contos Imor(t)ais - UMA ESPOSA NO JANTAR – 119 -


fantasia. Enquanto nosso carro deslizava pelo caminho da nossa casa, eu disse, numa voz bem suave, quase rouca: – Amor, não quero que você fique magoado comigo, mas eu tenho que confessar a você que eu gozei muito, aliás, eu gozei tanto que eu pensei até que fosse morrer! Ele deu uma risada e disse: – Meu bem, nós viemos aqui pra isso, não foi? Eu ficaria aborrecido se você me dissesse, agora, que não tinha gozado, que não tinha gostado ou coisa parecida. Se você gostou, normal! – Eu não gostei... Eu adorei..." foi a minha resposta. – Só fiquei aborrecida por você não ter participado. Por que você não chegou junto? Você não dizia que queria fazer um "menage a trois" comigo e com um outro homem?" Aí, ele me deixou muito feliz ao responder: – Meu bem, quem disse que eu não participei? Eu também gozei bastante. Eu fiquei quase doido de tesão. E fui, sonolenta, lembrando todo o agito da noite de sexta, das carícias, dos beijos, das sensações... Eu estava feliz! Muito Feliz!

Contos Imor(t)ais - UMA ESPOSA NO JANTAR – 120 -


O ANIVERSARIO Meu nome é Fernanda, já sou uma mulher madura, tenho meus 27 anos. Sempre tiver um belo corpo, sempre gostei de academia. Sou alta com 1.70mt. e com 58kg. bem distribuído, pele branca de cabelos loiros de olhos castanhos claros. Um bumbum bem durinho de da agua na boca, seios grandes e muito gostosos!!! O que eu vou contar aconteceu quando eu tinha 17 anos... Sempre fui muito tarada, depois da minha primeira vez eu fiquei mais louca hehehe... Mais em fim, eu estava namorando um rapaz de 18 anos, nossa relação não ia bem, soube que ele estava me traindo com uma das minhas amigas, queria da o troco só não sabia com quem.. Depois de algumas semanas ele venho na minha casa anoite me convidando para ir ao aniversario de um amigo novo dele, que seria na casa desse rapaz, aceitei me arrumei toda provocante com um vestidinho colado com uma calcinha bem sex, minha mãe não queria deixar eu sair assim, mais insisti muito para ela deixar. Com aquela roupa eu sabia quer ia deixar os homens babando hehehe. Chegando na casa dele fui apresentada a o aniversariante. – Oi prazer Fernanda, meus parabéns! – Olá o prazer é todo meu. Observei que ele me olhou dos pés a cabeça, a casa tinha muita gente, a maioria eu não conhecia, passa tempo, meu namorado fica na sala jogando videogame com os amigos e eu conversando com umas garotos que nem conhecia direito, aquilo já tava me deixando com muita raiva, ai já que ele queria assim comecei a bolar um plano para ficar com o amigo dele. Vi que o aniversariante estava indo pra cozinha, fiquei perto da porta esperando ele voltar. – Oi você pode me ajudar ? – Ho claro! que sim.. – É por que eu gostaria de ir ao banheiro e eu queria saber se tem outro, por que esse tem muitas meninas esperando, e eu to apertada. – Tem sim, venha comigo. Fui seguindo ele ate o fim do corredor chegando até uma porta, entrando logo vi quer entra o quarto dele. – O banheiro é ele pode entrar. – Ah obrigado.

Contos Imor(t)ais - O ANIVERSARIO – 121 -


Ele não tirava o olho de me, ate pensei quer ia entra no banheiro comigo hehehe. Após fazer xixi tirei a calcinha e deixei ao lado da toalha dele, ao sair do banheiro vi ele sentado na cama. – Obrigado agora sim posso ficar mais a vontade. – Pode sim, que conversa um pouco? – Sim! Sentei na cama, e conversamos sobre um pouco de cada coisa.. – Nossa conversa tá boa mais tenho quer ir, meu namorado pode ta me procurando. – Ah que pena, mais tudo bem, pode indo na frente vou ao banheiro, já já chego la. Quando levantei ele não tirou o olho da minha bunda, fiquei excitada com aquilo. Chegando na sala vi que ele ainda estava jogando, vi que ele nem sentiu minha falta, aquilo me encheu de raiva mais ainda. Voltei e fui em direção a saída, só senti aquela mão segurando meu braço por traz. – Você já vai embora!? – Vou sim. – Você não pode ir embora, você esqueceu uma coisa no meu quarto vamos lá buscar. O sorriso safado no rosto dele não negava o que ele queria, mais fui como se não tivesse entendendo nada, ao entrar no quarto dele vi a calcinha em cima da cama. – Como você sabe que é minha ? – É muito simples se ela não for sua, você vai estar usando uma agora! Quando ele falou isso meu coração começou a bater mais rápido . Ele se sentou ao meu lado e colocou a mão em cima da minha perna e perguntou. – Então posso ver se estar com calcinha ? Fiquei sem saber o quer dizer só sentindo aquela mão subindo entre minhas pernas. Eu quis fechar minhas pernas mais ele com a outra mão abriu mais minha pernas e senti os dedos dele sobre minha bucetinha, me arrepiei toda na hora! – Humm.. então a calcinha é sua! Por que você tirou ela e deixou no meu banheiro em ? Contos Imor(t)ais - O ANIVERSARIO – 122 -


Enquanto ele falava isso ficava brincando com seus dedos sobre minha bucetinha. – Eu quis deixar ele de presente pra você. – Então por que num me dar isso aqui em vez da calcinha!? Eu já tava louquinha com ele bulinando minha bucetinha com a mão, não demorou muito ate ela ficar molhadinha, ele se levantou trancou a porta e se agachou de frente pra me, e com as mãos abriu mais minhas pernas e com a cabeça foi em direção a minhas pernas, comecei a sentir aquela língua gostosa na minha bucetinha, ela entrava e saia e ele fazia coisas com ela que eu nunca tinha sentido antes, eu já estava muito excitada gemia muito, de repente eu sinto ele colocando um dos dedos e ainda chupando ela ao mesmo tempo. Foi a primeira vez que eu gozei na boca de um homem. Logo em seguida ele tirou minha roupa e começou a mama em meus seios, enquanto isso eu começava a abri sua calça ele ficou de pé, por que já imaginava o quer eu queria, fiquei sentado na coma e desci a calça dele ate o chão já da cueca já dava pra ver o volume quer só aumentava, com minha mão começava a aperta-lo e dava mordidas em cima dele mesmo por cima da cueca, continuava e ia descendo ao poucos a cueca dele ate começa a amostrar aquele pauzão gostoso, passava a língua sobre ele deixando todo meladinho, ao tira ela por completo ele segurou seu pau e ficou batendo ele no meu rosto e dizendo: – Quer mama ele quer! Safadinha! – Quero sim!!! agora minha vez de te deixar louco! Segurei aquele pau gostoso com uma das mãos e comecei a chupa-lo feito uma louca, ele gemia muito, eu brincava com a cabecinha, chupava pendendo que dava estralos, só ouvi quando ele falou: – Para!!! não quero gozar na sua boca quero gozar dentro de você! Ele colocou a camisinha, enquanto eu subia em cima da cama ficando deitada, logo ele ficou em cima de me e segurou minhas pernas abrindo-as, logo começou a colocar seu pau na entradinha da minha bucetinha, e foi coloca cada vez mais, comecei a gemer! ! ! – oooooaaah!!! que deliciaaa!! – Está gostando ne safada vou colocar tudim ai mesmo quer você vai gostar! Ele começou a colocar com mais força ate eu sentir seu saco batendo em me, nosssssa nessa hora eu gemia tão alto como uma desesperada!!! Ele me colocou de ladinho, ate eu ouvi ele falar no meu ouvidinho: – Quero te comer de 4 bem gostoso! Em ouvir isso nem pensei 2 vesses fiquei de 4 e empinei minha bunda pra ele, com as mãos ele Contos Imor(t)ais - O ANIVERSARIO – 123 -


abri-o bem e foi colocando aquele pauzão gosto dentro de me, nem demorou pra ele já começar a socar com força, eu gemia ainda mais quando ele batia no meu bumbum ficava louca!!! Ele segurava e apertava minha cintura, ai já mi via gozando de novo as pernas já bambas, não demorou muito para ele gozar também, segurou mais forte minha cintura e gemeu gostoso. Deitados sorrindo quando de repente toque de mensagem eu vou ver e era meu namorado perguntando onde eu tava, escrevi que estava no banheiro e quer já tava saindo. Me arrumei rápido, despedir dele, deixei ainda a calcinha de presente para ele hehehehe. Sair vi meu namorado, fomos embora ao chegar em casa ele ainda queria me pegar no carro mais não deixei falei pra ele que estava cansada hehehe.

Contos Imor(t)ais - O ANIVERSARIO – 124 -


ASSIM NASCE APRESENÇÃO Chamo-me Natália, sou morena tenho 35 anos, casada, coxas grossas, bumbum grande e gostoso, seios médios e deliciosos, cabelo preto e olhos negros, sou simpática e amo fazer amizades, tenho uma filha de 18 anos e um filho de 16. Apesar de ter tido dois filhos, ainda me considero gostosa, gosto de sexo, gosto de provocar, sou exibicionista por natureza, sempre fui e sempre serei uma putinha. MINHA ADOLECÊNCIA Sou de uma família muito humilde de uma região muito carente do Brasil. Meu pai e minha mãe eram agricultores, morávamos em uma zona rural, onde as casas eram distantes uma das outras, meus pais além de mim, tiveram meu irmão que é quase dois anos mais novo que eu. Sempre fui muito precoce, sempre usei shortinhos provocantes e mini saias que às vezes até deixavam aparecer a poupinha da minha bundinha gostosa, alias sempre tive bundinha gostosa, por onde passava percebia os olhos maliciosos dos trabalhadores rurais. Meus pais saiam de madrugada para o campo e só voltavam quando o sol já estava se pondo, então eu e meu irmão vivíamos praticamente sós, nossa casa só tinha quarto e cozinha e o banheiro era fora da casa, sempre tomei banho com meu irmão, nunca aconteceu nada de mais, mas assim que meus peitinhos começaram a ficar grandinhos, e minha bucetinha começou a ficar peludinha, pois eu já era uma menina mulher, percebi suas reações mudarem ao me ver nua, algumas vezes ele virava se de costas para mim quando estávamos tomando banho e se masturbava, eu percebia mas não falava nada, até que um dia eu estava de costas para ele, quando senti ele esfregar sua piroca na minha bundinha, fiquei brava com ele e nunca mais tomamos banho juntos. Brincávamos praticamente o dia todo com as outras crianças da região, das meninas sempre fui a que gostava mais de brincar com os meninos, tinha uns espertinhos que viviam me passando a mão, pegando nos meus peitinhos quando estávamos tomando banho no rio, mas nunca deixei passar disso, eu tinha muito medo do meu pai, um sujeito grande, mulato, forte e bravo, fazíamos de tudo para não apanhar dele, pois a surra era muito dolorida. MEU PAI COMENDO A MINHA MÃE Dormíamos todos no mesmo quarto, nosso quarto era muito apertado, meus pais na cama de casal e eu e meu irmão em um beliche, ele em cima e eu na parte de baixo. O quarto ficava escuro, mas a luz da cozinha ficava acesa, em uma noite muito quente, não me lembro à hora, mas já era de madrugada, escutei alguns gemidos, abri meus olhos lentamente e percebi meu pai comendo a minha mãe, minha mãe por baixo e meu pai por cima, estavam fodendo em um “papai e mamãe”, meio assustada continuei olhando, eu estava a um metro deles, podia ver tudo e sentir até a respiração deles, percebi que meu pai era muito viril apesar de ter uns 44 anos, comecei a sentir um calor e minha bucetinha começou a piscar, mesmo sabendo que era errado, acabei ficando excitada com a cena de meus pais fodendo.

Contos Imor(t)ais - ASSIM NASCE – 125 -


Coloquei minha mão por de baixo da minha calcinha e comecei a me masturbar escutando os gemidos de meus pais, como o quarto era muito apertado dava para sentir até o cheiro de sexo, não demorou muito meu pai gozou mamando nos seios de minha mãe, ele se levantou eu me assustei, fechei os meus olhos e não pude ver o tamanho de seu pau, ele ficou de costas para mim e tirou à camisinha, minha mãe se limpou com uma toalha e em fim foram dormir. Como eu tinha ficado muito excitada e continuava com meus dedos na minha bucetinha, continuei a me masturbar lentamente, para que meus pais não percebessem o que eu estava fazendo, então depois de alguns minutos tive o meu primeiro gozo, foi a sensação mais gostosa que tive na minha vida até então, nunca tinha sentindo nada igual, pena que não pude gritar e desabafar tudo que estava sentindo naquele momento. A NOITE EM QUE FUI DESCOBERTA Depois da primeira vez que vi meus pais trepando, todas as noite ficava acordada para ver se acontecia algo, não era sempre que eles trepavam, as vezes 2 ou 3 vezes por semana no máximo, eu lógico me viciei em observar os meus pais trepando, eu não sei se meu irmão também observava, mas é bem provável que sim, todas as noites em que eles trepavam eu me masturbava, foi assim que comecei a conhecer o sexo propriamente dito. Em uma noite, lembro- me que chovia muito, meu pai estava comendo minha mãe de quatro, ela estava debruçada com o rosto no travesseiro com a bunda empinada e meu pai socava nela sem dó, ela se segurava para não fazer barulhos, como a casa estava toda fechada por causa da chuva, era verão estava muito abafado, meu pai suava muito, seu corpo até brilhava com a pouca luz que entrava no quarto, fazia uns 30 minutos que eu já estava observando o meu pai e minha mãe fazendo sexo e me masturbando ao mesmo tempo, quando levanto os meus olhos em direção ao rosto do meu pai, ele estava olhando para mim e sorrindo, eu fechei os meus olhos e fingi que estava dormindo, mas tinha a certeza que ele tinha me descoberto, ele continuou e quando gozou foi tão intenso que desta vez ele não se segurou e gemeu alto, acho que a certeza que ele tinha que eu estava vendo tudo aquilo o deixou cego de tezão VIROU UM TARADO Passando aquela noite, meu pai não me disse nada, nem tocou no assunto comigo e isto me dava vergonha e medo dele ao mesmo tempo, mas ele começou a me tratar com mais carinho, com a desculpa que o quarto estava apertado de mais e de que meu irmão já estava grandinho, ele desmontou o beliche e montou a cama do meu irmão na cozinha. A partir daí eu meu pai e minha mãe dormíamos no quarto trancados e meu irmão na cozinha, e com a desculpa que quando precisássemos se levantar para fazer algo, ele mesmo construiu um abajur, ele passou a comer a minha mãe todos os dias e ficava olhando para mim, eu fingia estar dormindo, mas ele passou a gemer mais alto no quarto, isto me excitava muito e eu acabava olhando, minha mãe pedia para ele ter calma, pois tinha medo que eu acordasse, mas ele não dava ouvidos a ela, até mesmo por que ele sabia que eu estava acordada, foram vários meses assim, ele nunca mexeu comigo, acho que se excitava só de saber que eu estava observando ele todas as noites rasgando a buceta da mamãe. Teve uma noite que ele estava muito excitado e fodia a mamãe com vontade, eu ali fingindo que estava dormindo, mas observando tudo, percebi quando ele pegou um vidrinho daqueles Contos Imor(t)ais - ASSIM NASCE – 126 -


condicionadores que se usava muito na época o neutrox, aquele amarelinho, ele colocou ela de quatro cochichou no seu ouvido, ela então resmungou, disse a ele que iria doer, ele a mandou calar a boca, ajeitou o abajur mais perto dele, foi ai que percebi o tamanho da jeba que ele tinha, uma vara cabeçuda, grande e grossa, Por isso mamãe resmungou, meu pai estava prestes a enfiar aquela anaconda no cuzinho da mamãe, que pelo jeito era virgem, pois ela repetia a toda hora que iria doer. Com a iluminação mais perto dele, acho que ele queria que eu visse aquela tora, lambuzou todo o seu mastro com o tal de neutrox, e foi se dirigindo para o cuzinho da minha mãe, quando começou a entrar ela já chorava e pedia para ele parar, ele só a mandava calar a boca, foi quando minha mãe não agüentou, e arriou as penas, ficou deitada de bruços e meu pais socando sem dó aquela tora no cuzinho da minha mãe que chorava e pedia para ele parar, foram vários minutos assim até que ele gozou gemendo e olhando para mim, que continuava ali, fingindo que estava dormindo, mas muito excitada e me masturbando por debaixo da coberta. Vi quando ele puxou aquela coisa para fora do cuzinho da mamãe, parecia que não acabaria mais de sair de dentro da minha mãe de tão grande que era, naquela noite eu gozei intensamente feito uma putinha.

Contos Imor(t)ais - ASSIM NASCE – 127 -


DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. Olá a todos, meu nome é Ângela, morena clara, olhos verdes, 1,65m, 29 anos, 58 kg, médica cardiologista. Meu marido se chama Carlos, 43 anos, moreno claro, 1.75m, 88 kg, executivo de uma multinacional. Desde o início do nosso casamento optamos por um relacionamento aberto e podemos afirmar com convicção que somos muito mais felizes que a maioria dos casais que juram perante Deus amor eterno. Juram de serem fiéis uns aos outros até que a morte os separe, mas, basta surgir uma oportunidade para jogarem por terra o juramento sagrado e viverem num mundo de traições e contradições. O que passo a escrever a seguir é a história de um casal amigo, Ana Carolina e Marcos que hoje também fazem parte do nosso pequeno e seleto grupo que compartilham conosco momentos inesquecíveis de aventura e prazer. Por ser uma história muito longa, passarei a contar por partes para não ficar muito cansativa a leitura. Ana Carolina a “Carol” como gosta de ser chamada, é uma leitora assídua de contos eróticos, portanto não tive como negar quando me pediu para que contasse sua história. Vou tentar escrever de maneira sucinta e explícita para não tirar a originalidade e veracidade dos fatos.

INICIO Quando meu marido chegou em casa radiante de alegria tive esperança que nossos dias de sofrimentos estavam chegando ao fim. Mesmo vindo de uma família humilde nunca tínhamos passado por uma crise tão ruim como a que estávamos atravessando. Não era por falta de procurar o que fazer, pois saíamos cedo todos os dias atrás de emprego, mas por termos pouco estudo e sem capacitação alguma no mercado de trabalho, o não se tornou uma constante em todas as oportunidades de novos empregos. Perdi a conta de quantas vezes tivemos que fazer uma refeição ao dia por não ter nada para cozinhar. Por mim teria desistido de tentar a vida na cidade grande para voltar ao campo, pois lá pelo menos era sofrido, mas tínhamos alimentos para por na mesa, além de estarmos perto de nossas famílias. A grande experiência que tínhamos na lavoura de pouco valia aqui na cidade grande. Nós vivíamos de alguns bicos que meu marido fazia indicados por conhecidos que sabiam das dificuldades que passávamos, enquanto eu me virava como diarista em casas de famílias, mas o que recebíamos mal dava para pagar aluguel, luz, água e demais despesas pessoais. Tinha apenas 18 anos e Marcos 28 quando casamos. Desde menina sempre fui apaixonada por ele, minha família no começo foi contra nosso namoro por ele ser 10 anos mais velhos do que eu, mas com o tempo conhecendo melhor o Marcos mudaram de opinião e abençoaram nosso casamento. Marcos além de ser responsável, trabalhador, também é um homem lindo de morrer. 1,85m, 90 kg, moreno claro, olhos verdes, forte, corpo definido não forjado em academias de musculação e sim pela lida dura no campo. O que mais adorava no meu marido era o censo de humor, Marcos tinha facilidade de me fazer sorrir mesmo quando estávamos atravessando a pior fase da nossa vida. Outra de sua qualidade era lutar por aquilo que queria, nos dois anos que estávamos junto já conhecia o suficiente para saber que desistir de seus sonhos era algo que sequer passava pela cabeça.

Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 128 -


Vou falar um pouco sobre mim. Sou morena clara, 1,65m, olhos castanho claros, cintura fina, pernas e coxas bem torneadas, a minha bunda é a parte do corpo que mais gosto, nada a mais nem a menos, a medida certa para a minha estatura. Os meus seios são médios em formatos de peras, e por ainda não ter filhos continuam durinhos, modéstia a parte, me considero uma mulher bonita. Se fosse uma mulher fácil estaria bem melhor, pois cantadas, elogios e gracinhas ouvia todos os dias, inclusive minha maior dificuldade era lidar com isso. Nas casas em que trabalhei como diarista, os homens bastava uma oportunidade de ficar a sós comigo me cantavam descaradamente, às vezes tinha que ameaçar contar para suas esposas para me livrar dos mais afoitos. Em uma casa em que trabalhei um senhor já com seus 60 e tantos anos, loiro, alto, cabelos grisalhos, até que bonitão, teve a ousadia de sair do banheiro com um imenso cacete meio duro na palma da mão e na minha frente ficou alisando e apertando aquele trambolho me comendo com os olhos com a maior cara de safado. Por um momento fiquei paralisada sem saber o que fazer olhando para o descaramento daquele velho asqueroso se mostrando de forma tão ridícula, bastou perceber sua esposa se aproximando ele sorriu pra mim e disfarçadamente saiu da sala. Para uma menina criada no interior educada por um sistema rígido, aquilo era o fim dos tempos, não imaginava que poderia ter alguém no mundo tão cara de pau para agir daquele jeito na frente de uma jovem que tinha idade para ser sua neta, ainda mais com sua esposa a poucos metros de onde estávamos! Passado o susto, dei uma desculpa pra dona da casa e fui embora sem ao menos receber pelo serviço que tinha feito. Na volta pra casa ia imaginando o que poderia acontecer se Marcos ficasse sabendo, me deu até um calafrio na espinha. Não que fosse ignorante em relação a sexo, pelo contrário, meu marido me ensinou a ser bem safadinha. Dentro do nosso quarto, o céu é nosso limite. Quando Marcos todo sorridente me abraçou dizendo que nossos dias ruins estavam por acabar, senti certo alívio no coração por não ter que rever aquele velho asqueroso se mostrando para mim de forma tão idiota, nojenta e vulgar. Fiquei super feliz quando meu marido disse que estávamos prestes a sermos contratados para cuidar de uma chácara nas redondezas de Curitiba, pois um industrial muito rico dono de uma metalúrgica de renome na capital, estava com dificuldade de arranjar um casal jovem, sem filhos que tivesse experiência no campo. Marcos disse que a moça do RH falou que tínhamos o perfil ideal de quem o industrial estava procurando, só faltava à maldita da entrevista para que começássemos a trabalhar, e o melhor de tudo era que eu também teria meu salário para trabalhar na casa do patrão. Chegou o dia da entrevista, tanto eu como Marcos, estávamos ansiosos e com os corações nas mãos de medo de sermos recusados pelo tal industrial. A entrevista foi marcada no local em que trabalharíamos caso fôssemos aprovados. Coloquei meu melhor vestido, um pretinho básico pouco acima do joelho que delineava meu corpo. Caprichei na maquiagem cuidando dos exageros, pois não queria parecer vulgar, pelo contrário, queria causar uma boa impressão nos nossos “futuros patrões”. Marcos também caprichou no visual, vestiu um jeans, uma camisa social bege de manga comprida e sapato social, meu marido como sempre estava um gato, quando me viu, pelo sorriso no rosto percebi que também estava agradando. Chegando ao local ficamos maravilhados pela beleza do lugar. A casa enorme parecia de novelas, Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 129 -


uma verdadeira mansão cercada por árvores altas e frondosas. O chão era todo coberto por um gramado que mais parecia um imenso tapete verde e ao lado da casa uma enorme piscina. Pra nós aquilo tudo era um sonho, eles viviam em um mundo totalmente diferente do nosso. Comentei com meu marido, é tudo tão maravilhoso, só falta serem uns metidos a bestas que gostam de humilhar os empregados. Marcos balançou a cabeça concordando, mas ficou em silêncio admirando aquele paraíso. Fomos recebida por uma senhora sorridente e educada que nos levou até um escritório enorme todo decorado. Atrás da mesa havia uma estante repleta de livros, e na parede vários quadros lindos e de muito bom gosto. Fiquei imaginando o valor de cada um deles. Nossas mãos estavam suadas tamanha o nervosismo tanto meu quanto do meu marido. Der repente entra um casal de meia idade, todo sorridente fazendo de tudo para nos deixar bem à vontade. O primeiro a se apresentar foi o Sr. Augusto, um senhor da altura do Marcos, mais ou menos 55 anos, branco, corpo atlético, cabelos grisalhos, olhos negros, resumindo, um homem bonito, educado e encantador. No rosto daquele senhor irradiava simpatia, deu pra perceber logo de cara que de ranzinza não tinha nada, pelo contrário, mostrou ser uma pessoa muito humilde em relação aos bens em que possuía. Dona Lúcia uma senhora loira, mais ou menos 1,70m, olhos verdes, um corpo esculpido em academias, seios siliconado, mas sem exageros. Sua pele bem cuidada combinava com o bom gosto de se vestir. Olhando para aquela mulher, ninguém daria mais que trinta anos, mesmo já tendo passado dos quarenta. Eles faziam um casal perfeito, tanto dona Lúcia como seu Augusto faziam de tudo para que sentíssemos em casa. Assim que fomos apresentados, percebi de imediato que tinha agradado o Sr Augusto, pois o peguei vária vezes disfarçadamente com os olhos nas minhas coxas e nos meus seios. O decote do meu vestido não era tão cavado, mas dava para ter uma ideia do que estava escondido dentro dele. Marcos conversava animadamente com seu Augusto e dona Lúcia. Tudo levava a crer que tínhamos caído no gosto do casal. Quando seu Augusto e dona Lúcia disseram que éramos o casal que estavam procurando, não tive como esconder as lágrimas que teimavam em cair dos meus olhos, Marcos me abraçou também felicíssimo. Dona Lúcia toda amável pegou em nossas mãos olhando em nossos olhos disse: – Meninos, a partir de hoje vocês vão fazer parte desta família, por isso não nos decepcionem, tenho certeza que seremos muitos felizes em nossa convivência. Seu Augusto aproveitando a deixa olhou pro meu marido e falou: – Nossa política é dar oportunidade a todos nossos colaboradores, aliás, estão substituindo um casal que hoje ocupam cargos de confiança na metalúrgica. Se for de seu interesse temos convênio com o SENAI, à empresa cobre as despesas com o curso que escolher, pense sobre o assunto e se estiver interessado fale comigo. Seu Augusto chamou um vigilante e ordenou que nos mostrassem a casa onde iríamos ficar. Também mandou anotar nosso endereço para que no dia seguinte mandasse um caminhão buscar nossa mudança. A casa era bem aconchegante, com duas suítes, sala, copa, cozinha, e um banheiro no corredor. Ao fundo ficava uma edícula com churrasqueira, mais um banheiro e um quarto que servia como Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 130 -


lavanderia. Todos os cômodos eram espaçosos e bem arejados, o acabamento era como tudo naquele lugar, impecável. Marcos e eu andávamos de um lado para outro como criança em um parque de diversão. Falei pro Marcos: – Não temos tantos moveis para encher essa casa. Marcos falou que aos poucos iríamos comprando, e logo estaria toda mobiliada. Marcos disse que assim que nos instalássemos na nova moradia, iria matricular-se no curso de tornearia e que nunca mais passaríamos por necessidades novamente. No dia seguinte pela manhã o caminhão encostou-se à frente de casa, não tínhamos muito que levar, portanto em pouco tempo deixávamos o barraco em que morávamos para recomeçarmos em um lugar onde nunca teríamos vergonha em receber nossos parentes e amigos. Com certeza nosso novo emprego seria um divisor de águas em nossa vida. Após termos nos acomodados na casa, percebemos que os nossos moveis não combinavam de jeito algum com o padrão do imóvel, mas no momento estávamos com o saldo zerado no banco. Marcos ficou encarregado de manter o terreno sempre limpo, o gramado bem aparado e o mais importante era uma horta gigante com uma variedade enorme de hortaliças que abasteciam a casa e o restaurante da metalúrgica. Eu como combinado fui trabalhar na casa dos patrões. Na casa trabalhava uma cozinheira, duas senhoras que cuidavam da limpeza, eu fiquei como camareira e serviços gerais. Todos me receberam muito bem, sempre amáveis e atenciosos comigo principalmente o Sr. Augusto. Não demorou muito para perceber que o casamento deles era um casamento de fachada, fiquei sabendo que houve muito interesses das duas famílias em juntar suas fortunas. Dona Lúcia vivia mais fora do que em casa, viajava o tempo todo, tinha mês que mal via ela, pois quando não estava viajando, preferia ficar na cobertura que tinham em um bairro nobre da cidade, seu Augusto ao contrário da esposa, adorava a chácara. Com o passar do tempo fui notando que seu Augusto dedicava uma atenção especial a mim. No começo achei normal, pois achava que estava tentando me agradar, mas as mulheres tem o dom de captar algo diferente no ar, então comecei a me policiar para deixar bem claro que era uma mulher de respeito e que amava meu marido, mas mesmo assim as investidas do Sr. Augusto continuavam. Certo dia estava arrumando o quarto do casal e distraidamente me agachei para organizar os chinelos e pegar algumas roupas que estavam espalhadas pelo chão, levei um susto enorme e me levantei rapidamente quando vi seu Augusto parado na porta me observando. Fiquei vermelha de vergonha porque naquele dia estava usando uma saia curta, com certeza ele teve uma bela visão da minha bunda e da calcinha que usava, pois não tinha como ignorar o volume que formou na calça social que ele usava naquele dia. Quando fui sair do quarto pedi licença ao Sr Augusto, mas ele ficou imóvel me observando. Como ele não saía do lugar, mesmo me encolhendo o máximo que podia, não tive como escapar de algo duro espetando minha bundinha. Na hora lembrei-me do velho tarado que se masturbou na minha frente e pensei comigo: Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 131 -


“Os homens são todos iguais, pensam que as mulheres são meros objetos de prazer que usam e depois jogam fora”. Puta da vida olhei pra ele e falei: – Sr. Augusto, não gostei nem um pouco do que acabou de acontecer aqui, o Sr sabe muito bem que eu e o Marcos precisamos demais deste emprego, mas nem por isso vou me sujeitar às safadezas que passam por sua cabeça. O Sr sabe muito bem que sou casada e respeito meu marido, nem quero imaginar o que acontecerá quando ele souber que está dando em cima de mim. – Sei muito bem o que senhor quer comigo. Seu Augusto me abraçou carinhosamente por trás fazendo questão que sentisse seu membro rígido cutucando minha bundinha. Colou sua boca em meu ouvido e com voz suave quase sussurrando me disse: – Calma princesa! Não sei o porquê desse escândalo todo, é muito normal um homem sentir atração por uma mulher jovem e bonita como você, seu marido é um homem de muita sorte e o invejo por isso, sabia? – Sei que gosta do seu marido e isto é muito louvável! Acho bonito o amor de vocês, mas o que quero que entenda é que somos pessoas livres e ninguém é propriedade de ninguém! – O tempo fará você perceber que a vida será bem melhor quando as pessoas conseguirem diferenciarem amor e sexo. Meu coração disparou e minhas pernas amoleceram sentindo aquele homem todo cheiroso com fala mansa, me abraçando, se esfregando na minha bunda e eu ali completamente indefesa sem saber o que fazer. Ele continuou: – O mundo às vezes oferece oportunidades que devemos agarrar com unhas e dentes, pois poderá ser a única em toda uma vida. – O sucesso assim como o fracasso caminha lado a lado, o que definirá entre um e outro são as escolhas que fazemos ao longo do tempo. Antes de me soltar seu Augusto levou as mãos nos meus seios por cima da camiseta apertando os delicadamente, me forçando contra seu corpo falou: – Princesa, pense bem antes de tomar decisões precipitadas, pois poderá se arrepender no futuro! – Promete que vai pensar com carinho sobre o que te disse? Um nó na garganta me impedia de responder as perguntas que seu augusto me fazia. Sentia-me como uma fera acuada nos braços daquele homem sedutor que continuava acariciando meu corpo tocando nas minhas partes íntimas como se fosse à coisa mais natural do mundo. – Fala alguma coisa princesa, não precisa ter medo de mim, não vou fazer mal algum pra você, confia em mim! Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 132 -


Por mais que tentasse não conseguia responder, quanto mais encarar aquele homem que fazia meu corpo arder por dentro, então fiquei imóvel olhando para o chão enquanto flutuava sentindo aqueles braços fortes me apertando de encontro ao seu corpo. – Princesa, amanhã é domingo, Lúcia está fora e não tenho nenhum compromisso agendado, então farei uma visita para ver como ficou a casa de vocês está bem? – Vou ficar a noite toda imaginando você todinha nua ao meu lado na cama. – Agora vai princesa! Vai pra casa cuidar do seu maridinho! Até amanhã. Quando cheguei a nossa casa dei graças a Deus por Marcos já ter saído para o curso, pois não tinha mais lágrimas em meus olhos de tanto que já tinha chorado. Com certeza meus olhos vermelhos me denunciariam e Marcos ia querer saber o motivo por chegar naquele estado. Estava na dúvida se contaria pro meu marido ou não. Demoramos tanto tempo para conseguir o emprego e Marcos estava tão feliz trabalhando e estudando! Estava decidida, com certeza arranjaria uma maneira de lidar com Seu Augusto. Se fosse aos dias de hoje não hesitaria em denunciá-lo por assédio sexual, mas na época achei que não seria uma boa ideia, pois a corda sempre arrebenta do lado mais fraco, sem contar que ainda poderia sair prejudicada no final daquela história. Sempre quando meu marido chegava, já estava dormindo, mas naquela noite não consegui pregar os olhos. Quando Marcos entrou e me viu acordada, todo feliz me abraçou dizendo que seu Augusto ia liberá-lo na parte da tarde quando fosse fazer o estágio, e o melhor que não descontaria do salário as duzentas horas que o curso exigia. Deu-me uma dor no peito ver meu marido todo feliz fazendo planos para o futuro, mal sabia ele o preço que eu teria de pagar para que ele realizasse seus sonhos. Aquela noite pra mim foi um martírio, me virava na cama e não conseguia fechar os olhos pensando em tudo que seu Augusto me disse. Tinha medo de tomar a decisão errada, mas de uma coisa tinha certeza, não queria voltar ter a vida que levávamos antes de irmos pra chácara, além do mais, não seria tão ruim assim atender os caprichos do Sr Augusto, afinal ele não era de se jogar fora. Pensei em quantas mulheres não daria tudo para ter um homem como ele aos seus pés, só não sabia se na hora h teria coragem de levar adiante, pois Marcos até o momento tinha sido o único homem em minha vida. Quando me casei não sabia quase nada sobre sexo, pois esse assunto era tabu em casa. Só fui sentir prazer de verdade mais ou menos uma semana após ter perdido meu cabacinho, sentia muita dor, pois o pau do meu marido era um pouco acima da média. No início tinha nojo quando Marcos pedia para chupar seu pau. Rezava para que não pedisse para comer meu cuzinho, pois toda tentativa acabava em desistência por ainda não estar preparada para aguentar aquela tora dentro do meu anelzinho, a dor era quase insuportável, mas o que nós mulheres não fazemos para agradarmos nossos homens não é mesmo? Só eu sei como sofri pra conseguir aguentar 20 cm de pau no meu rabinho, coisa que hoje não conseguiria viver sem. Hoje adoro dar meu cuzinho pro meu maridinho, assim como também adoro chupar seu pau. Quando Marcos goza na minha boca faço questão de olhar pra ele enquanto engulo todinho. Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 133 -


Quando dei por mim, estava com os dedos na minha bucetinha me masturbando pensando no Seu Augusto esfregando seu pau na minha bundinha e me dizendo coisas nos ouvidos. Pelo que senti, aquele homem era dono de uma senhora ferramenta. Gozei bem gostoso imaginando seu Augusto arrombando minha bucetinha e nem me senti culpada por trair meu marido em pensamentos, o que mais me preocupava era o que seria de mim se Marcos descobrisse. O que meus pais achariam em saber que tinha uma filha putinha, pois pra eles mulher que trai marido é vagabunda. Dormi com minha bucetinha ensopada pensando como seria o pau do meu patrão. Acordei um pouco tarde no domingo. Quando ouvi a voz do Sr Augusto na sala me lembrei da visita que ele falou que nos faria, aí sim me bateu certo arrependimento e me senti um pouco culpada pelos pensamentos que tive a noite com ele. Enquanto o Sr Augusto esteve em casa evitei o máximo olhar em seus olhos, mas toda hora que meu marido se distraía, ele não tirava os olhos de mim tentando adivinhar o que se passava na minha mente. De uma coisa ele tinha certeza, não tinha contado nada pro Marcos, se não a conversa que estavam tendo seria bem diferente. Marcos fez questão que Sr Augusto almoçasse conosco. Senti um pingo de ironia em seu rosto quando ele olhou para mim e disse sorrindo que não era tolo a ponto de recusar, pois minha comida deveria ser ótima. Já era tarde quando seu Augusto foi pra sua casa. Quando ele saiu, senti um pouco envergonhada por nossos moveis serem bastante usados, mesmo porque ele estava acostumado com tanto luxo. Seu Augusto viajou a negócios e só retornou uma semana depois. Quando o vi chegando senti um calafrio na minha barriga, aquele homem com certeza me perturbava, ainda mais sabendo que não tinha contado nada pro meu marido sobre a conversa que tivemos. Seu Augusto entrou em casa, cumprimentou uma por uma de suas empregadas, e quando chegou a mim disse: – Tudo bem princesa? Acompanhe-me até o quarto, pois quero que desfaça minhas malas. Sabia que era apenas um pretexto para ficar a sós comigo e não tinha como recusar, portanto o segui com o coração na boca já prevendo o que estava prestes a acontecer. Foi só entrar no quarto seu Augusto fechou a porta e me abraçou me apertando contra seu corpo. Seu Augusto tentou me beijar, mas não permiti que sua língua entrasse em minha boca. Suas mãos passeavam por meu corpo habilmente. Enquanto uma mão apertava meus peitinhos à outra desceu para a minha virilha. Logo senti minha bucetinha sendo empalmada, apertada e eu flutuava no ar sem saber como reagir. Quando senti seus dedos penetrando fundo na minha bucetinha resolvi dar um basta, pois estava perdendo o controle da situação. Empurrei Seu Augusto que estava com a boca nos biquinhos dos meus peitinhos e disse já quase sem fôlego: – Pare com isso seu Augusto, isto já foi longe de mais! – Não é certo o que estamos fazendo! – Se dona Lúcia descobrir ela vai me matar! Como vou encarar meu marido quando ele descobrir nossa safadeza?

Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 134 -


Seu Augusto angustiado me disse: – Já falei pra você não se preocupar com a Lúcia! – Se é disso que tem medo, se acalme! Nós temos um relacionamento aberto, tanto eu como ela, temos total liberdade para escolher nossos parceiros! – Quando a Lúcia ficar sabendo, será a primeira a nos apoiar, afinal vocês estão trabalhando conosco hoje foi por consentimento dela, pois é ela que escolhe quem trabalha em nossa casa. Com o coração acelerado e também gaguejando disse ao Seu Augusto: – Mas e o Marcos? Ele não é liberal assim como vocês, ele será capaz de nos matar se pegar a gente na cama. – Ele só vai saber se você contar princesa! – Sr. Augusto, pensei e repensei mil vezes em tudo o que o senhor me disse naquele dia. Juro que estou tentando, mas está sendo muito difícil pra mim! – Prometo que quando estiver preparada será diferente, basta o senhor ter um pouco mais de paciência comigo. – Princesa, você terá todo o tempo que precisar, mas, por favor, agora você não pode me deixar neste estado. Seu Augusto pegou minha mão e colocou sobre seu pau. Senti em minha mão a quentura daquele pau enorme com a cabeçona vermelha e veias da grossura dos meus dedos em toda a sua extensão. Minha mãozinha mal conseguia fechar em torno daquele mastro. Era a primeira vez que sentia em minhas mãos o caralho de um homem que não fosse o do meu marido. Comparando com o do meu marido, a diferença era a grossura, aquelas veias estufadas e alguns centímetro a mais, olha que meu marido tem 20 cm de pau medido e conferido por mim. Seu Augusto olhando nos meus olhos disse: – Princesa, claro que te entendo, mas você também tem que me entender! – Veja meu estado, você não vai me deixar assim, vai? Vendo aquele colosso na minha frente, me ajoelhei e comecei a lamber aquela cabeçona, mas o sentimento de culpa fez que me travasse e não conseguisse de jeito nenhum continuar. – Me desculpe seu Augusto, não vou conseguir! – Por Favor, dá mais um tempo pra mim! – Eu juro que estou tentando, mas não estou conseguindo! Chorando pedi que me deixasse ir pra casa. Naquela hora vi que seu Augusto era um homem descente, pois me abraçou carinhosamente e disse: Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 135 -


– Está bem querida, eu sei que está sendo difícil pra você, prometo que não vou te forçar a nada, mas eu preciso me aliviar veja como você me deixou! – Só te peço que também ceda um pouquinho tá bom? Fiquei imóvel vendo aquele homem maravilhoso se ajoelhar na minha frente, levantar minha saia e descer minha calcinha delicadamente. Meu coração acelerou seus batimentos, pois era a primeira vez que ficava seminua na frente de outro homem. Após ter tirado minha calcinha seu Augusto ficou algum tempo admirando minha bucetinha inchada e totalmente raspadinha. Vendo-me naquele estado, sem tirar os olhos da minha bucetinha me disse: – Ela é linda princesa, é do jeitinho que imaginava! – Me desculpe, mas não vou aguentar ficar só olhando, posso dar um beijinho nela? Deixa por favor! Vendo que continuava imóvel feito uma estátua na sua frente, chegou bem perto e ficou algum tempo sentindo meu cheiro. Antes de se levantar senti sua boca na minha xotinha e sua língua tentando abrir passagem entre os grandes lábios, me afastei rapidamente e disse: – Seu Augusto, o senhor prometeu que não ia me forçar a nada! – Pare, por favor! – Me desculpe princesa, não consegui resistir, você é muito gostosa. Seu Augusto se levantou, me pegou no colo e me sentou na beirada da cama levantando minha saia e abrindo minhas pernas. Eu fiquei ali com minha bucetinha inchada escancarada enquanto ele alisava seu enorme pau com minha calcinha no nariz. Às vezes seu Augusto parava e lambia a parte da calcinha que cobria minha bucetinha, confesso que dessa vez não senti raiva e nem nojo vendo Seu Augusto se masturbando na minha frente, pelo contrário, senti excitação pelo poder que exercia sobre aquele homem poderoso agindo como um adolescente alucinado se masturbando enquanto cheirava minha calcinha. – Abra mais um pouco as pernas princesa! Como você é linda! – Que cheiro delicioso tem sua bucetinha!!! Eeeeuuu vou gozar!!!!! Aaaiiii! Vi vários jatos de porra golfar da cabeçona daquele caralho lavando minha calcinha. – Nossa princesa, sem dúvida alguma foi a melhor punheta que toquei em toda a minha vida, juro que nunca gozei tão gostoso me masturbando. Seu Augusto se aproximou de mim, se ajeitou entre minhas pernas, me abraçou carinhosamente Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 136 -


beijando meu pescoço. Quase que mandei tudo às favas e deixei ele me comer quando senti a cabeçona do seu pau enorme tocando na entrada da minha bucetinha. Seu Augusto ficou algum tempo abraçado em mim e antes de cair na cama deu minha calcinha encharcada com sua porra. Levantei-me sem dizer nada e fui ao banheiro do quarto me arrumar. Nossa! Minha bucetinha estava alagada por ter visto aquele homem maravilhoso se masturbando na minha frente. Como já disse antes, adoro quando meu marido goza na minha boca, então vendo minha calcinha completamente ensopada, não resisti e levei a minha boca a parte que tinha mais gala e suguei uma quantidade razoável. Senti que o gosto da porra do seu Augusto era mais adocicado que a do Marcos. Fiquei na dúvida, mas não resisti e acabei engolindo toda a gala que estava na minha boca. Após ter me arrumado saí do banheiro e seu Augusto ainda estava deitado de barriga pra cima com seu cacete meio mole caído sobre sua barriga, aquele treco mesmo mole quase chegava ao seu umbigo. Despedi-me do seu Augusto e agradeci por não ter me forçado a dar pra ele naquele dia e fui pra casa. No caminho ia pensando que aos poucos meus paradigmas estavam sendo quebrados, pois também era a primeira vez que sentia em minha boca a porra de um homem que não fosse meu marido. Naquela noite tomei um bom banho, coloquei meu melhor lingerie, me perfumei e esperei meu marido chegar. Quando abri a porta e Marcos me viu naquele estado, nem jantou direito tomou um banho rápido e fizemos amor à noite inteiro. No outro dia estava com minha bucetinha e meu cuzinho assado de tanto levar rola, mas, no entanto, me sentia uma mulher saciada e feliz por ter dois machos maravilhosos que não mediriam esforço para apagar o fogo da minha bucetinha.

A DESCOBERTA DE CAROL Dona Lúcia passou a frequentar mais a chácara mesmo quando seu Augusto estava ausente tratando de negócios. Certo dia estava no quarto do casal organizando as gavetas quando ela entrou e me perguntou: – Daí querida, esta gostando de trabalhar aqui? – Estou adorando dona Lúcia, espero que a senhora também esteja gostando do meu serviço. – Claro que sim querida, eu e o Augusto estamos muito contente com você e com seu marido. – E o Augusto, está dando muito em cima de você? – Vocês estão se dando bem? Olhei pra ela apavorada e disse: – Como dona Lúcia? Dona Lúcia Vendo o medo estampado em meu rosto, me acalmou dizendo: – Calma minha filha! Não precisa ficar com medo de mim! Conhecendo meu marido, sei que nunca perderá uma oportunidade pra te levar pra cama, por mim tudo bem, só depende de você! – Mas a senhora não ama seu marido? Não tem ciúmes dele com outras mulheres?

Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 137 -


– Não, quando eu escolho a mulher pra ficar com ele. – Como assim? – Querida, quando contratei você sabia que seria a mulher perfeita pra me substituir nos momentos ausentes. Você é jovem, linda, inteligente e mesmo com esta carinha de anjo não consegue esconder a putinha que existe dentro de você, e olhe que não acostumo me enganar heim? Dona Lúcia me abraçou carinhosamente, beijou meu rosto e disse: – Cuida bem do nosso homem querida! Estamos contando contigo! Quando dona Lúcia saiu do quarto fiquei embasbacada pensando comigo; “Que horror, os ricos são mesmo estranhos, imaginem se teria coragem de oferecer meu marido pra outra mulher”! Nunca teria coragem de contratar uma mulher para ter relações sexuais com Marcos, eu heim! Quando seu Augusto entrou em casa após ter retornado da viagem, estava na sala ao lado da dona Lúcia. Ele a cumprimentou com um beijo na boca depois me abraçou e disse: – Como estão as mulheres da minha vida? Quando foi beijar minha boca virei o rosto, mesmo assim ele pegou no meu queixo e me deu um selinho na frente da esposa, quando se retirou, deu uma tapinha na bunda da Dona Lúcia e não perdeu a oportunidade de apertar a minha também, neste momento percebi que realmente eles falavam a verdade sobre o tal relacionamento aberto. Percebi que ali cada um corria atrás da sua presa. Fiquei meio indignada no início, mas quem sou eu para condená-los se pareciam tão felizes! Pensava comigo; Será que dona Lúcia também está dando em cima do Mário? Ultimamente Mário andava meio cabisbaixo, já não fazia brincadeiras como antes, mas mesmo que estivesse tendo um caso com dona Lúcia não poderia criticá-lo, pois só não tinha sido ainda penetrada pelo pau do seu Augusto, mas mesmo assim a traição já estava consumada. O ar de cumplicidade de Seu Augusto e Dona Lúcia me fazia sentir um pouco aliviada, mas meu marido nem imaginava o que estava se passando naquela casa. Dona Lúcia não perdia uma oportunidade para me jogar na cama com seu marido, mas mesmo tendo vontade, o sentimento de culpa me impedia de dar a minha bucetinha para ele. Certo dia quando fui limpar a sala, Dona Lúcia e Seu Augusto conversavam animadamente. Quando entrei, abaixaram o tom de voz para que não escutasse o papo deles. Dona Lúcia logo se retirou e seu Augusto ficou ali lendo jornal enquanto eu continuava a faxina. Uns trinta minutos depois o celular do seu Augusto toca e após atender seu Augusto mandou chamar o Marcos, pois precisava falar urgente com ele. Passei em casa, mas Marcos não estava lá. Procurei pelo quintal também não encontrei, então só poderia estar na horta. Para chegar à horta, tinha que atravessar um bosque que ia se afunilando até formar uma estrada com mata mais densa, uns 100 metros adiante se abria um campo onde começava os canteiros de hortaliças. No lado direito do terreno tinha um barracão onde ficava as ferramentas e na frente do depósito, tinha uma área coberta com várias mesas de cimento com banquetas em volta.

Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 138 -


Ao me aproximar não vi meu marido, mas ouvi a voz da dona Lúcia, então pensei comigo; “neste mato tem coelho”, pois ela não tinha motivo para estar ali naquela hora. Agucei meus ouvidos e fui me aproximando em silêncio, logo escutei dona Lúcia dizendo: – Uiiiii!!!! Que delícia!!! Não pare, continue assim!!! Ai como é bom! Meu coração disparou, pois não precisava ser muito inteligente para saber o que estava acontecendo ali. Por um instante fiquei parada sem saber se chorava se fazia um escândalo ou se voava naquela piranha de luxo estrangulava e arrancava seus cabelos. Mil coisas passaram por minha cabeça naquela hora, mas ao mesmo tempo achava que Marcos estava sendo assediado por dona Lúcia assim como eu estava sendo assediada por seu Augusto. Seu Augusto mesmo tentando disfarçar deixava bem claro, ou aceitaria seus termos ou teríamos que arranjar outro emprego. Estava louca para ver o que estava acontecendo, mas não tinha certeza se suportaria ver meu marido enrabando outra mulher, como os gemidos continuavam, minha curiosidade foi maior que minha resistência. Com cautela caminhei até o bosque e procurei um lugar que pudesse ter uma boa visão dos dois. Filhos das putas foram às únicas palavras que me veio à boca quando vi dona Lúcia sentada na mesa com as pernas arreganhadas e Marcos ajoelhado com a boca na sua buceta. A vaca não parava de gemer e se contorcia toda como cobra mal matada. De onde estava não dava para ouvir muito bem o que estavam falando, mas uma imagem vale mais do que mil palavras. Vi quando dona Lúcia segurou na cabeça do Marcos e esfregou sua buceta na cara dele, com certeza aquela piranha estava gozando na boca do meu marido. Após aquela vaca ter gozado trocaram de lugar e agora era dona Lúcia que tentava engolir o pau do Marcos que fodia sua boca como estivesse comento sua buceta. Minha raiva aos poucos foi diminuindo e quando dei por mim estava com três dedos enfiados na minha bucetinha vendo meu marido fodendo a boca da nossa patroa. Vi quando dona Lúcia se levantou, apoiou suas mãos na mesa e empinou sua bunda para que Marcos metesse o cacete nela. De onde estava só ouvia os gemidos daquela vaca quando gozava no pau do meu marido. Marcos não demorou em encher a buceta daquela vagabunda de porra. Saí sem que percebesse minha presença com ódio e ao mesmo tempo aliviada por não ser a única culpada naquele enredo que tinham tramado pra nós. Com certeza foi armação do Seu Augusto e Dona Lúcia para que pegasse Marcos em flagrante, também era óbvio que dona Lúcia sabia que estava sendo observada por mim, pois às vezes ela exagerava nos gritos quando Marcos arregaçava sua buceta. Voltei pra casa furiosa decidida a dar o troco no meu marido. Poxa, quantas vezes me segurei ao máximo para não cair de boca no pau do Seu Augusto! Quantas vezes não desejei aquele caralho enorme arrombando minha bucetinha! Quantas vezes não pensei em deixar seu Augusto chupar minha bucetinha em vez de ficar cheirando minha calcinha enquanto se masturbava, mas não, a idiota aqui preferiu ficar a distância com a buceta escancarada sedenta por rola vendo aquele homem delicioso se acabando na punheta, tudo por se sentir culpada em desrespeitar o maridinho! Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 139 -


Será que ele pensava em mim quando estava fodendo a vaca da nossa patroa? Naquele dia tirei o resto da tarde de folga, resolvi ficar em casa esperando meu marido só pra ver sua reação quando me visse. Marcos chegou a nossa casa quase no horário de ir para o curso. Senti certa inquietude por parte dele, por certo estava lutando para que não percebesse nada de estranho. Abracei-o e disse: – Tudo bem amor? Como foi seu dia, muito cansado? – Hoje foi puxado amor, se não tivesse prova ia faltar no curso, pois estou exausto. Pensei comigo; estaria também se tivesse dado minha buceta a tarde toda para o patrão. Marcos tomou seu banho, fez um lanche rápido e saiu. Fiquei na janela pensativa observando meu marido no ponto de ônibus que ficava em frente a entrada da chácara. Com certeza seu Augusto estava nos espionando, pois foi só o Marcos entrar no ônibus e o tempo de tomar um banho, ouvi alguém me chamando. Vesti um roupão e fui ver quem era, quando abri a porta não fiquei nem um pouco surpresa em ver seu Augusto ali parado tentando ler meus pensamentos. Fingindo certa preocupação me perguntou o que tinha acontecido por Marcos não ter ido falar com ele, e porque tinha sumido a tarde toda. Disse a ele: – Sr. Augusto, tenho certeza que sabe muito bem o que aconteceu, afinal foi o Sr e dona Lúcia que armaram tudo não foi? – Princesa! Só queríamos provar que seu marido não é tão fiel como você pensa, a Lúcia me contou tudo, até que viu você espionando os dois a distância, por certo gostou do que viu se não teria armado o maior barraco, mas sabemos que não foi isso que aconteceu não é mesmo? – E agora, ainda vai continuar bancando a difícil? – Vai me mandar entrar ou vai me deixar aqui do lado de fora feito um dois de paus, prometo que não vou te morder, a não ser que você implore para que te morda, disse sorrindo. – Desculpe-me seu Augusto, por favor, entre, só não repare meus trajes! – Que isso princesa, você está linda neste roupão se bem que ficaria bem melhor sem ele. – O senhor não tem jeito mesmo, não perde uma oportunidade para me azarar. – Não custa tentar, quem sabe uma hora você não abaixa a guarda e deixa eu me acabar neste corpinho delicioso. – Sente-se seu Augusto, vou preparar um cafezinho fresco pro senhor. Deixei seu Augusto na sala e fui pra cozinha pensando; e agora meu Deus, o que faço? Dai-me coragem se ele tentar alguma coisa. Dito e feito, assim que me virei, seu Augusto estava encostado na porta da cozinha me observando em silêncio. Via o desejo estampado em seu rosto. Uma sensação estranha percorreu pelo meu corpo, estava com medo do que poderia acontecer a qualquer momento.

Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 140 -


Minhas pernas tremeram quando ele veio em minha direção, parou na minha frente olhando nos meus olhos e sem dizer nada levou as mãos até minha cintura e desatou o nó que prendia meu roupão. Fiquei com meus peitinhos e minha bucetinha totalmente exposta para que seu Augusto admirasse com aquele seu olhar pidão. Senti meu sangue ferver e circular por meu corpo deixando minha pele em um tom avermelhado. Após um longo silêncio, seu Augusto me disse: – Nossa princesa, poderia ficar a noite inteira te admirando, adoro o formato dos seus peitinhos, adoro ver sua bucetinha inchadinha e toda raspadinha, adoro seu corpinho de menina mulher, resumindo, adoro tudo em você, veja o estado que você me deixa sem ao menos te tocar, mostrando seu pau que fazia um volume enorme por dentro da calça. Enquanto olhava para aquele monte de nervos quase furando sua calça, seu Augusto se aproximou e suas mãos pegaram em meus peitinhos e ficou apertando delicadamente, desta vez correspondi seu beijo, pois quando seus lábios tocaram nos meus, nossas línguas travaram uma batalha dentro de nossas bocas, aquele homem realmente sabia como tirar o fôlego de uma mulher. Desta vez também não impedi que suas mãos explorassem meu corpo, pelo contrário, quando chegou sobre minha bucetinha abri um pouco as pernas facilitando para que seus dedos explorasse profundamente o interior da minha grutinha que até o momento só meu maridinho conhecia, e pela segunda vez gozava nos dedos do seu Augusto, o líquido do meu prazer se fazia ver na mão do meu novo macho. De tão molhada que estava, ouvia se ruídos que vinham de dentro da minha bucetinha enquanto aqueles dedos incansáveis me brindavam com mais um orgasmo. Meu corpo se arrepiava quando sentia a boca do Seu Augusto mordiscando e chupando suavemente meu pescoço. Ia ao céu e voltava cada vez que sua língua serpenteava dentro dos meus ouvidos. Estava completamente entregue aquele senhor que aos poucos ia me dominando por inteira. Atordoada dizia: – Aaii que delícia seu Augusto, só toma cuidado para não deixar marcas no meu pescoço e nos meus peitinhos, se não como vou explicar para o Marcos? – Calma minha gostosinha, não se preocupe ok? Jamais te prejudicaria, se bem que minha vontade é de te morder todinha. Seu Augusto suspirou quando sentiu minhas mãos abrindo o zíper adentrando em sua calça e apertando seu caralho enorme e quente. Sentia na mão um líquido pegajoso que saía do orifício do seu pau enquanto suavemente iniciava uma punhetinha nele. Achei que já estava na hora de retribuir o prazer que estava recebendo então me ajoelhei a sua frente, libertei aquele monstro de dentro da calça e antes de levar a boca deslizava minha mão por toda extensão do seu pau que estava duro como uma pedra. Poucas vezes vi meu marido com uma ereção como aquela. Fiquei algum tempo alisando e admirando aquele falo, seu Augusto parecia não acreditar quando minha língua tocou a cabeça do seu pau tentando sorver aquele líquido salgadinho e viscoso que saía do orifício central, quando coloquei a cabeça do seu pau na minha boca, seu Augusto fechou os olhos e me disse: – Que delícia princesa, chupa o pau do seu patrãozinho!!! Chupa assim bem gostoso, aiii!!! Que delícia de boquinha! Não pare, continue! Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 141 -


Mal conseguia agasalhar aquela tora na minha boquinha, segurava com as duas mãos e chupava com gosto aquela cabeçona rosada em forma de cogumelo. Enquanto tentava engolir o máximo que podia, uma de minhas mãos punhetava aquele pau enorme cheio de veias e com a outra mão acariciava seu saco. Assim como tudo naquele homem era enorme, com seus testículos também não poderia ser diferente, suas bolas enchiam minha boquinha e como forma de agradecimento alternava mordidinhas de leves em cada grão daquele homem maravilhoso tentando dar a ele o máximo de prazer. Já estava começando a sentir câimbra na boca de tanto chupar aquela tora descomunal. Temendo que meu marido pudesse me pegar com a boca na botija, tirei o pau do seu Augusto da boca, olhei nos olhos dele e disse; – Goza logo seu Augusto! Minha boca já está doendo e o Marcos pode chegar a qualquer momento! – Calma princesa, ainda falta quase duas horas para seu marido chegar, relaxa. Sabia que Marcos ainda demoraria a chegar, mas quis apressá-lo. – Princesa, eu não saio daqui enquanto não sentir o gosto da sua bucetinha na minha boca, quero engolir gota por gota de tudo que sair desta bucetinha deliciosa enquanto for chupada por mim. Seu Augusto me pegou no colo, me sentou na pia da cozinha, tirou minha calcinha, abriu minhas pernas, se ajoelhou e caiu de boca na minha bocetinha. Confesso que Marcos nunca me chupou daquela maneira, a agilidade da língua daquele homem e a experiência que adquiriu ao longo da vida, fazia com que ele acertasse em cada ponto que deveria ser tocada, a sucessão de orgasmo era inevitável, nunca pensei que pudesse gozar tantas vezes na boca de um homem. Em pouco tempo já estava quase sem fôlego e com o corpo mole de tanto gozar. Lembrei-me novamente do meu marido e disse: – Seu Augusto o Marcos já esta para chegar, vamos continuar amanhã na sua casa, prometo que farei tudo que o senhor quiser! – Por favor, seu Augusto, vamos parar por enquanto! – Ainda temos um pouco de tempo princesa relaxa, amanhã terei que viajar novamente. – Prometo que serei rápido, não posso sair assim deste jeito, você me enlouquece princesa. – Então seja breve seu Augusto! Por favor! Estou ficando com medo que o Marcos chegue a qualquer momento. – Tá bom querida, então vou me apressar. Seu Augusto se ajeitou no meio das minhas pernas, cuspiu na cabeça do seu pau molhando bem, quando senti a quentura do seu gigantesco cacete na entrada da minha bucetinha senti um frio na barriga. Aos poucos fui sentindo minha bucetinha se abrindo ao máximo para suportar a grossura daquele intruso que aos poucos ia ocupando todo o espaço dentro dela. Seu Augusto ia metendo devagar até que senti aquela cabeçona forçando meu útero, então agarrei em seu pescoço e gemia em seu ouvido pedindo para ir devagar até me acostumar. Aos poucos seu Augusto iniciava um vai e Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 142 -


vem lentamente e quando me senti mais a vontade, abracei seu corpo e pedi: – Me avise quando for gozar seu Augusto, pois não quero que goze dentro de mim! – Aaiii!!! Que delícia!!! Como seu pau é gostoso!! Goza logo, não estou mais aguentando!!! Goza por favor! Quando pensei que seu Augusto estava preste a gozar, com o pau ainda atolado na minha bucetinha pegou pelas minhas pernas e me levantou, para ajudar cruzei minhas pernas na sua cintura e agarrei forte em seu pescoço enquanto ele engatado em mim foi andando em direção a sala. Achei que ele queria me levar para o sofá, mas ele passou direto e foi em direção ao meu quarto. – O que está fazendo seu Augusto!! Isso é loucura, o senhor tem que ir embora! Por favor, goza logo pra ir para sua casa. Quase chorando implorei: – Seu Augusto, se o senhor continuar com isso, acaba aqui agora mesmo! – O Senhor nunca mais vai comer minha bucetinha! – Tá bom princesa, só me diga qual é o seu lado da cama! – O lado esquerdo, por quê? – Calma princesa, eu só quero foder sua bucetinha no mesmo lugar que o corninho do seu marido te fode todas as noites. Com o pau ainda atolado na minha buceta me deitou de costa na cama sem tirar de dentro, pediu para que abrisse as pernas e levantasse o joelho. Seu Augusto se ajeitou no meio das minhas pernas e novamente começou a bombear forte na minha bucetinha no melhor papai e mamãe que já tinha feito na minha vida. Enquanto sentia seu pau entrando e saindo na minha bucetinha, ele dizia em meu ouvido: – Seu maridinho fode gostoso sua bucetinha como te estou fodendo? – Está sentindo meu pau no fundo da sua bucetinha está? – Está gostando que sua bucetinha esteja sendo arrombada por um macho de verdade? Ainda Agarrada em seu pescoço dizia: – Estou adorando ter seu pau arrombando minha bucetinha!!! Me fode gostoso!!! Assim!!! Aaai!!! Eu vou gozar!!!! Que gostoso!! Fode sua putinha fode! Uuuiii que delícia de pau!!! – Não vai gozar dentro tá bom? Aaaiiiii! – Posso gozar na sua boquinha? – Pooode, mas Goza logo!! O Sr está acabando comigo!

Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 143 -


Seu Augusto continuou castigando minha bucetinha, nesta altura até tinha esquecido que estava quase na hora do meu marido chegar. Enquanto fodia minha bucetinha alucinadamente, seu Augusto abocanhava meus peitinhos e chupava como uma criança faminta. Sua boca revezava entre meus peitinhos e meu pescoço. – Sr. Augusto, não estou mais aguentando o senhor está acabando comigo, goze logo, por favor!!! Seu Augusto me abraçou forte dizendo: aos gritos – Eu vou gozar!!! Que bucetinha apertadinha!!! Que delícia!!! Eu vou gozar!!!! Uuiiii!!!! Seu Augusto aguentou o quanto pode com seu pau dentro da minha bucetinha, então retirou rapidamente e levou na minha boca, foi o tempo de abri-la e senti a primeira golfada forte batendo na minha garganta, em seguida mais quatro jatos encheram minha boquinha de porra. Como sempre faço com meu marido, olhei firme nos olhos do seu Augusto, abri a boca mostrando pra ele a quantidade enorme de porra que estava dentro e engoli todinha. Abri bem a boca novamente para que visse que estava vazia, então coloquei seu pau novamente na boca e chupei todo o restinho de porra que tinha ficado deixando o limpinho. Seu Augusto me deu um beijo na boca e disse; – Como você é gostosa minha putinha!! Adorei foder sua bucetinha na cama do seu maridinho. – Agora vai para sua casa seu Augusto, realmente está na hora do Marcos chegar. Antes de sair seu Augusto abriu novamente minhas pernas e ficou admirando minha bucetinha toda vermelha e inchada de tanto levar pau, ainda não satisfeito arreganhou bem ela, enfiou três dedos dentro, retirou e levou a boca sugando a mistura do nosso gozo. – Até logo minha gostosinha, não vejo a hora de foder sua bucetinha novamente! Antes de sair, outra vez seu Augusto abriu minhas pernas deu um beijinho na minha bucetinha e foi pra sua casa. Fiquei deitada exausta sobre a cama pensando na foda maravilhosa que tinha acabado de dar, pena que tivemos tão pouco tempo. Acho que dei uma cochilada e levantei assustada assim que ouvi o barulho do ônibus parando no ponto, me apavorei ainda mais quando vi a enorme mancha que tinha ficado sobre a cama, foi só o tempo de trocar de lençol ouvi os passos do meu marido se aproximando. Marcos entrou em casa bem na hora que tinha acabado de vestir meu roupão. Tenho dúvidas se meu marido não sentiu cheiro de sexo e o gosto de porra na minha boca quando me beijou. Tentando agir naturalmente disse a ele: – Nossa amor, peguei no sono vendo a novela que até me esqueci de tomar banho e rapidamente entrei no banheiro fechando a porta. Minhas pernas ainda estavam moles e minha bucetinha ardida de tanto meter com seu augusto! Tenho certeza que meu maridinho percebeu que tinha rolado alguma coisa diferente na sua ausência naquela noite, mas preferiu ficar calado, pois ele também tinha culpa no cartório. Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 144 -


A SURPRESA No dia seguinte estava morrendo de vergonha de me encontrar com seu Augusto, dei graças a Deus por ele já ter saído quando cheguei à sua casa. Dona Lúcia assim que me viu, abriu um enorme sorriso me pegou pelas mãos e me arrastou para o seu quarto. Assim que entramos me abraçou toda feliz e me disse: – Obrigada querida, sabia que não ia nos decepcionar! Peço desculpa pelo que viu na horta, mas tinha que fazer alguma coisa para te provar que seu marido de santo não tem nada, na primeira oportunidade que teve não hesitou em momento algum em me levar pra cama. Inclusive a nossa primeira vez foi na sua cama, a mesma que você gozou várias vezes no pau do Augusto, ele me contou tudinho! – Tinha certeza absoluta que você era uma safadinha, apenas não tinha tido ainda uma oportunidade para revelar a putinha que estava escondida dentro de você. Não vou dizer que não estava com raiva da dona Lúcia, pois fechava os olhos e ainda via ela com as pernas arreganhadas oferecendo sua buceta para meu marido chupar. – Dona Lúcia! Gostaria de deixar as coisas como estão, não quero que Marcos saiba sobre eu e seu Augusto, assim como vou continuar fingindo que não sei de nada sobre a senhora e ele. – Claro que sim querida! Eu te entendo perfeitamente, pode ficar tranquila que se depender de mim e do Augusto as coisas vão continuar como estão, está bem meu amor? Dona Lúcia me abraçou me beijou e saiu. Nos dois dias seguintes não vi nem a dona Lúcia e nem seu Augusto. Estava molhando as flores na varanda quando vejo um caminhão baú entrando na chácara e parando na frente de casa. Pensei comigo; nossa! Será que vão nos mandar embora? Afinal já tinham conseguido o que queriam! Meu coração batia acelerado tentando achar um motivo por aquele caminhão estar parado em frente de casa com três homens indo de um lado para outro gesticulando e conversando animadamente. Logo vi o carro da dona Lúcia se aproximando da casa principal, estava super apreensiva já esperando pelo pior, pois nunca se sabe o que passa pela cabeça desses riquinhos. Dona Lúcia desceu do carro, veio até mim, e disse: – Querida, chame o Marcos e tirem o dia de folga para ajeitar os móveis novos que eu e o Augusto compramos pra vocês, espero que goste eu mesma que escolhi. – Nossa dona Lúcia, não precisava tudo isto! – Vai querida! Vocês fizeram por merecer, não se preocupe com seu trabalho. Não volte aqui enquanto não terminar de ajeitar sua casa está bem? Respirei aliviada em saber que estava tudo bem. Quando cheguei em casa, Marcos já estava lá meio Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 145 -


perdido sem saber direito o que fazer. Aos poucos fomos tirando os moveis velhos e ajeitando os novos no lugar. Aqueles móveis eram um sonho, jamais poderíamos comprar algo igual. O sofá enorme e confortável se destacava na nossa sala. A mesa era lidíssima com oito cadeiras todas com estofados combinando com o sofá, sem falar na pia, geladeira, fogão, exaustor, máquina de lavar roupa, lava louças, resumindo, tudo que uma família precisa numa casa para viver confortavelmente. Entre todos os moveis, o que mais me impressionou foi o tamanho e o conforto da cama nova que ganhamos. Acho que a dona Lúcia e o seu Augusto não gostaram da experiência que tiveram na nossa cama velha. Entrei no quarto e fiquei parada olhando para aquela enorme cama imaginando quantas horas de rola a coitada da minha bucetinha teria que aguentar para pagar aquilo tudo, claro que Marcos também ajudaria com a dona Lúcia, a dúvida era; Será que ele irá conseguir dar contas de nós duas? Pois mesmo obtendo orgasmos múltiplos com o pau enorme do seu Augusto, não dispensaria meu maridinho de maneira alguma. Dona Lúcia sempre arrumava um jeito para ficar com Marcos. Certo dia ela inventou uma viagem de carro para São Paulo e fez questão que Marcos fosse dirigindo. Era óbvio que queria ficar três dias desfrutando do pau do meu maridinho. Já não me importava mais, pois tinha me acostumado com o rumo que nossas vidas tinham tomado. Assim que dona Lúcia e Marcos pegou a estrada, seu Augusto me ligou dizendo que passaria a noite comigo para inaugurar a cama nova, tinha certeza que ele e dona Lúcia tinham tramados a viagem para ficarem a sós conosco. De maneira alguma contrariaria meus patrõezinhos, pois na casa deles realmente passei a ser tratado como princesa. Meu salário tinha sido triplicado, o valor das joias e das roupas de grifes que eu e Marcos ganhávamos era muito maior que o salário que recebíamos. A noite fui pra casa, tomei um belo banho, raspei minha bucetinha, me perfumei toda e a pedido do seu Augusto o esperei na sala só com o roupão que usei na primeira vez que transamos na minha casa. Da janela da sala vi seu Augusto se aproximando sorrateiramente evitando que os vigilantes o vissem entrando, com certeza eles sabiam que ele comia minha bucetinha quando quisesse, mas por medo de perder os empregos faziam de conta que não sabiam de nada, sempre me trataram com muito respeito. Assim que entrou, seu Augusto desatou o nó que segurava meu roupão, mordeu meus peitinhos enquanto uma de suas mãos apertava a testa da minha bucetinha. Desta vez ele se livrou do meu roupão deixando cair ao chão, me pegou no colo, me levou pro quarto e me deitou sobre a cama que tinha nos presenteado. Sua boca brincava com os bicos dos meus peitinhos e seus dedos dedilhava meu grelinho tirando tremores do meu corpo. Agora livre do sentimento de culpa e com todo o tempo que precisávamos me entreguei de corpo e alma para aquele homem que me dava tanto prazer. Eu correspondia a cada toque, a cada carícia, a cada novo orgasmo que aquele homem experiente me proporcionava. Depois de gozar várias vezes na boca do patrãzinho, chegou a minha vez de devolver a ele todo o prazer que tinha me proporcionado até o presente momento. Levantei-me da cama, carinhosamente virei seu Augusto de costa e comecei lambendo aquela cabeçorra que mal cabia na minha boca. Achava desproporcional a cabeçona daquele cacete, a natureza realmente tinha sido generosa com o patrãozinho.

Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 146 -


Seu Augusto gemia enquanto sugava seu pau. Brincava com minha língua naquela cabeçorra, depois engolia o quanto podia dando mordidinhas, engolia novamente ora brincando com seus testículos depois voltava pra cabeça outra vez. Quando abocanhei seu pau o Maximo que pude, Seu Augusto por instinto forçou a entrada ainda mais na minha boca atingindo minha garganta, me engasguei e quase vomitei, então com uma mão segurei seu cacete enquanto chupava só a parte que sobrava controlando suas investidas. Descia com a língua até seu saco e chupava levemente, colocava seus grãos na minha boca brincava um pouco e depois voltava chupando até chegar à cabeça e engolir de novo. Quando novamente abocanhei seu pau, e comecei a punhetá-lo, Seu Augusto não aguentou e inundou minha boca de porra sem antes me avisar, quando pensei que tinha acabado, fui surpreendido por mais uma golfada que atingiu meu rosto. – Desculpe-me princesa! Não deu tempo de avisar. Olhei pra ele com a cara e a boca cheio de porra, e engoli. Limpei com a mão um filete de porra que escorria pelo meu rosto e levei até minha boca sugando-a deixando limpinha. Sorri pro meu patrãzinho dizendo que estava desculpado e voltei para limpar os vestígios de porra que ainda restavam no seu cacete. Estava louca de vontade de sentir aquele pau dentro da minha bucetinha, mas seu Augusto precisava de um tempo para recuperar as forças, afinal já era quase um sessentão. Deixei Seu Augusto na cama e fui pegar uma taça de vinho para relaxarmos um pouco. Deitei ao seu lado na cama e enquanto conversávamos ia brincando com seu pau punhetando lentamente. Seu Augusto com a boca colada no meu ouvido dizia: – Você ainda vai acabar comigo minha gostosinha. – O Sr acha? Quer que eu pare? Disse sorrindo. – Nem pense nisso gatinha, hoje quero ver você gemer com meu pau no seu cuzinho! – Quem disse que vou dar meu cuzinho pro senhor? – Não sou louca de deixar o senhor enfiar esse negócio gigante nele! – Ele não vai aguentar coitadinho! – O Sr não tem dó da sua princesinha? – Princesa, você só não vai aguentar como irá implorar para que eu ponha tudo no seu cuzinho! – Não sei não seu Augusto, o senhor vai ter que fazer por merecer, afinal quem sentirá dor será eu não o senhor! Ajoelhei-me entre suas pernas e voltei a chupar aquela delícia de pau até deixar em ponto de bala novamente, então seu Augusto me deitou de costa, abriu minhas pernas, escancarou minha bucetinha e caiu de boca me arrancando suspiro cada vez que mordia meu grelinho e enfiava fundo Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 147 -


a sua língua na minha xotinha. Seu Augusto em pouco tempo descobriu todas as partes do meu corpo que deveria ser tocada, era incrível a facilidade que aquele homem tinha em me fazer gozar. Cada vez que gozava apertava sua cabeça na minha bucetinha e esfregava na sua cara deixando toda lambuzada pelo meu gozo. – Por favor, seu Augusto, coma minha bucetinha não estou aguentando mais!! Fode sua putinha fode!!! – Arromba minha bucetinha eu te imploro!!! Seu Augusto se ajeitou entre minhas pernas, segurei em seu pau direcionando para a entrada da minha bucetinha e senti aquela tora entrando ocupando todo o espaço da minha xotinha até sentir a cabeçona da sua rola tocando meu útero. Devido ao meu estado de excitação minha bucetinha não ofereceu resistência alguma aquele invasor, na verdade, ela já estava laceada, pois não era a primeira vez que recebia aquele falo dentro dela. Aos poucos seu Augusto foi iniciando um vai e vem cadenciado. Minha bucetinha agora bem mais lubrificada recebia com certa facilidade aquela pica maravilhosa que me fazia gemer quando ele socava fundo e forte em mim. – Uuiiii Seu Augusto!!! O senhor está me matando! – Não aguento mais... Vou gozar... Aaaaiiiii!!!! Meus joelhos começaram a tremerem, minhas pernas bambearam e meu corpo foi invadido por uma onda de calor e frio ao mesmo tempo. Seu Augusto percebendo que estava gozando, com suas mãos fortes e másculas, empalmou meus seios, me segurou firme e me estocou forte e profundamente me apertando contra seu corpo enquanto gozava deliciosamente com aquele enorme caralho atolado na minha bucetinha. – Que delícia seu Augusto! Como é gostoso sentir seu pau na minha bucetinha! – O senhor me deixou com o corpo todo mole de tanto gozar! – Ainda vai me deixar mal acostumada heim? – Que bom que está gostando princesa! Você é muito gostosa, adoro meter nesta sua bucetinha apertadinha. – Tive que me segurar o máximo para não gozar novamente, pois quero gozar no seu cuzinho! – Você vai dar ele pra mim, não vai? – Vai deixar seu patrãozinho comer seu rabinho? – Eu sonhei a noite toda com isso.

Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 148 -


Já estava acostumada a dar meu cuzinho pro meu marido, mas não custa jogar um charminho não é mesmo? Os homens adoram quando nos fazemos de difícil e não é qualquer mulher que aguenta o pau do seu Augusto no rabo! – Tá bom, mas se doer o senhor promete que para? – Claro que sim princesa, não quero te machucar, só quero te dar prazer! – Se o senhor prometer que não vai me machucar eu deixo, mas terá que ir bem devagar, pois ele não está acostumado com um pauzão enorme e grosso como o do senhor! – Pode deixar princesa, vou fazer você implorar para meter tudo no seu cuzinho, você vai ver! – Seu marido gosta de comer o cuzinho da princesa? – Gosta né! Diga-me um homem que não gosta de comer o cuzinho da esposa? – Dona Lúcia deixa o senhor comer o cuzinho dela? – Aquela adora gozar com um pau no rabo! Seu Augusto me colocou de quatro na cama, abriu minha bundinha, salivou meu cuzinho, enfiou um dedo dentro e começou tirar e por. Quando sentiu que estava mais relaxada colocou mais um dedo no meu buraquinho e fazia movimentos circulares para amaciar minha parede anal. Quando sentiu que meu cuzinho estava laceado, seu Augusto encostou aquele mastro na entrada do meu anelzinho e tentava me penetrar. – Aiiiii!!! O senhor está me machucando seu Augusto!! – Antes passa alguma coisa pra lubrificar, assim não consigo!! Está doendo demais! – Aiiiii seu Augusto!!! Que grosso!!! – Dóóóióóóiiiii... Uuiii!!! Devagar!!! Pelo espelho seu Augusto via a agonia estampada no meu rosto, mas sabia que estava gostando de sentir a dor de ser enrabada... – Quer desistir princesa? – Nãããõooo!!! Só espera um pouquinho se não, não aguento! – Uiiii!!! Que pintão grosso que o senhor tem Aaaiii!!...Está doendo muito! – A princesa quer que eu tire um pouquinho? – Só um pouquinho, mas não tira tudo não!

Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 149 -


– Tá bom assim? Quer que eu tire mais? – Não Sr. Augusto, agora só quero que pare um pouquinho. Eu empinei mais minha bundinha enquanto por baixo, com meus dedinhos acariciava minha bucetinha toda melada elevando meu tesão para aguentar o cacetão do seu Augusto todo dentro do meu cuzinho. Quando senti que estava no ponto, arrebitei mais minha bundinha e falei: – Agora seu Augusto!!! Mete mais um pouquinho!!! – A princesa quer que ponha mais no cuzinho? Quer? – Quero seu Augusto... Mete mais um pouquinho!!! Aaaiiii... Dói mas é gostoso. – Ai que pintão enorme, o senhor está arregaçando com meu cuzinho. – Tá gostando de ter seu cuzinho arregaçado princesa? – Aaaiii!!! Dói mas é bom!!! Passado o medo inicial, e eu com a metade daquele mastro no meu cuzinho, após algum tempo comecei a mexer minha bundinha devagarzinho, seu Augusto então aproveitou e botou tudo para dentro numa estocada só. Como não estava esperando, dei um grito e comecei a chorar baixinho pedindo pro Seu Augusto parar um pouco. – Desculpe-me princesa, não pude resistir! Quer desistir? – Não!!!! Aiiii!!! Só da mais um tempo para me acostumar. Seu Augusto pegou na minha mãozinha e levou na minha bundinha pra eu verificar que só estavam suas bolas do lado de fora. – Nossa!! Eu exclamei, começando a soltar-me mais, arriscando uma mexidinha e, já bem mais relaxada, fazendo acontecer o vai-e-vem. Depois de certo tempo com o entra e sai daquela tora no meu cuzinho, comecei a sentir um ardume no reto, não era uma dor insuportável e sim um misto de dor e prazer. Seu Augusto como um alucinado, sem pena de mim, socava todo seu caralho alargando mais meu anelzinho até seu saco bater na minha bucetinha. Seu Augusto gozou tanto que chegou a vazar e escorrer pelas minhas pernas. Neste dia não consegui gozar pelo meu cuzinho devido ao incômodo causado pela pressão que o pau do seu Augusto fazia nele. Assim que gozou, Seu Augusto deitou sobre mim com o pau atolado no meu rabo. Conforme seu pau amolecia ia saindo aos poucos, quando saiu totalmente senti um vazio enorme dentro de mim. Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 150 -


– Obrigado princesa, sabia que você não iria me decepcionar, você simplesmente é maravilhosa, adoro sua bucetinha apertadinha, adorei comer seu cuzinho, foi o mais apertadinho que comi até agora. – Princesa, fica comigo que não se arrependerá... Não estou pedindo pra largar seu marido, não me importo de dividir você com ele, só não imagino minha vida sem você daqui pra frente. Nos três dias que Marcos ficou fora com dona Lúcia, todas as noites recebia a visita do seu Augusto na minha cama, e cada noite que passávamos juntos era uma sessão de sexo interminável. Minha bucetinha vivia inchada de tanto levar vara, sem contar o ardume no meu cuzinho, que agora mais acostumado ainda sofria para aguentar o pau do seu Augusto.

FINAL O tempo foi passando e nossos encontros viraram rotinas. Tinha plena certeza que Marcos sabia que estava dividindo sua esposinha com seu patrão, assim como sabia que estava dividindo ele com a patroa, mas até o momento não tínhamos conversado sobre o que estava acontecendo com a gente. Toda vez que tentava tocar no assunto, Marcos dava um jeito de mudar o rumo da conversa. Então deixei rolar, afinal estava sendo convenientes para nós dois. Nossa vida mudou da água para o vinho. Assim que Marcos concluiu o curso profissionalizante começou a trabalhar na metalúrgica e não parou mais de estudar. Também prestei vestibular e nem acreditei que após tantos anos parados consegui entrar pra faculdade. Eu fazia administração e Marcos engenharia mecânica, me formei um ano antes que o Marcos. Após a festa da minha formatura quando chegamos a nossa casa, quase surtei com o presente que me esperava na garagem, afinal era meu primeiro carro, não vou dizer a marca nem o modelo, só posso afirmar que não era popular e nem nacional. No ano seguinte no anfi teatro da faculdade ao lado do seu Augusto e dona Lúcia, chorávamos de emoções e orgulho ao ver Marcos também emocionado levantando seu canudo apontando pra nós dedicando seu sucesso às três pessoas mais importantes da sua vida. Em pouco tempo conseguimos comprar nosso apartamento no mesmo prédio que Seu Augusto e dona Lúcia tinham sua cobertura, claro que eles facilitaram pra podermos comprar, pois ainda não tínhamos condições de adquirir um imóvel naquela região, sem contar que era um apto por andar, e o nosso ficava abaixo do deles. Nossa carreira profissional ia se deslanchando cada vez mais. Marcos já ocupava cargo na diretoria da empresa enquanto eu assessorava seu Augusto e dona Lúcia. Na faculdade nossas mentes foram se abrindo e percebemos que a única coisa que estávamos fazendo de errado era ocultar um do outro o tesão que sentíamos eu por seu Augusto e ele por dona Lúcia, então de comum acordo decidimos nos rendermos aos prazeres da carne e assumirmos de vez a nova condição de vida que o destino caprichosamente tinha nos presenteado. Assim que contamos para seu Augusto e dona Lúcia sobre nossa decisão, eles vibraram de alegria e Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 151 -


naquele mesmo dia pela primeira vez dei minha bucetinha pro seu Augusto na sala enquanto ouvia os gemidos da dona Lúcia sendo arrombada pelo pau do meu marido no quarto ao lado. Assim que seu Augusto encheu minha bucetinha de porra, fomos até a porta do quarto bem na hora que dona Lúcia estava sorvendo a última gota que tinha ficado no pau do meu marido. Marcos olhou pra mim me beijou e sorriu vendo o gozo do seu Augusto ainda escorrendo por minhas pernas. O fato de não termos mais segredos um com o outro fez sumir aquele peso na consciência que ficava toda vez que seu Augusto me comia. A partir daquele dia o amor que tinha pelo Marcos aumentava cada vez mais, e podia ver em seus olhos que o sentimento dele também era recíproco. Com o tempo novas amizades foram surgindo e foi através de dona Lúcia e seu Augusto que conhecemos os casais Carlos e Ângela, Paulo e Adriana. Assim como nós, também eram casais liberais que alcançaram o sucesso ainda jovem, os únicos emergentes no meio era eu e Mário. Carlos é executivo bem sucedido em uma multinacional. 43 anos, 1,75m mais ou menos, moreno claro, cabelos castanhos, um olhar profundo que atinge a alma da gente. Carlos está um pouco acima do peso, mas é um homem lindo, educado, um amor de pessoa. Sua esposa a Ângela é médica cardiologista, seu Augusto e dona Lúcia são seus pacientes. Ângela é uma morena clara, 29 anos, 1,65m, cabelos castanhos escuros, olhos verdes, 58 kg bem distribuídos em um corpo perfeito. Resumindo, Ângela é uma mulher linda, dinâmica e divina, sem contar que também tem o dom de escrever, afinal é através dela que este conto se desenvolveu. Ângela e Carlos formam o casal aventura.ctba que tem vários contos eróticos maravilhosos. Paulo e Adriana são primos da Ângela e do Carlos. O que posso falar sobre Paulo e Adriana, é que formam o casal mais lindo que já vi em toda minha vida. Somos felizes por tê-los no nosso círculo de amizades e algo mais. Paulo é um gigante com 2,00 de altura. 109 kg, moreno, pernas torneadas, uma bundinha linda de morrer, braços fortes, abdômen definido, uma caixa torácica de fazer inveja a qualquer homem. Paulo é um belo exemplar de macho, resumindo, um homem lindo por dentro e por fora, sem contar a preciosidade que ele carrega entre as pernas. Adriana além de ser uma mulher muito linda tanto de corpo quanto de rosto, ela é extremamente simpática, alegre, e extrovertida. Adriana é morena clara, 1,75m, cabelos encaracolados um pouco abaixo dos ombros, olhos cor de mel, lábios carnudos, peitos bundas e peso na medida certa, nem a mais nem a menos, a mulher gostosona como os homens costumam dizer. Adriana é o tipo de mulher que se quiser, tem qualquer homem aos seus pés, é só estalar os dedos que eles vêm correndo como cachorrinhos ao seu encontro abanando o rabinho. Eu não a culpo, pois ela é realmente encantadora. Paulo e Ângela são donos de uma famosa agência de modelos. Estava formado nosso pequeno e seleto grupo de casais cujo objetivo era viver intensamente cada Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 152 -


momento, sem preconceitos, ciúmes, e tabus. Entre nós o prazer estava acima de tudo, nosso lema é: Gozar e ser feliz. Quando nos reunimos é normal a troca de casais entre nós. Claro que temos nossas normas e devem ser respeitadas. Somos contra as orgias onde os casais se juntam e formam aquelas baixarias. Podemos até trocar de parceiros várias vezes nos nossos encontros, mas só que de maneira ordeira e cada casal em quartos separados, exceto no batismo e quando for de comum acordo com os casais envolvidos resolverem fazer duplas penetrações nas suas esposas. Antes de sermos batizado no grupo de casais, tanto eu como meu marido tivemos que fazer uma bateria de exames para atestar que estávamos livres de quaisquer DST, o mais legal de tudo foi que todos os casais que formavam o grupo nos apresentaram os exames deles também. Eu e Mário aguardávamos ansiosos o dia da nossa iniciação. Só de pensar que minha bucetinha ia conhecer mais paus me molhava todinha. Minha maior expectativa era em relação ao Paulo, pois se sofri para me acostumar com o pau do meu marido e depois mais ainda para aguentar o pau do seu Augusto no meu cuzinho, imagina o que me guardava, pois sua cotação entre as mulheres do grupo era alta. Dava pra imaginar vendo o volume que formava na frente da sua calça. Sem contar que a fama do Carlos era fazer as meninas atingirem múltiplos orgasmos fodendo seus cuzinhos. Acredito que Mário também contava os dias para poder foder a bucetinha e o cuzinho da Adriana e da Dra Ângela. Nossa, eu não cansava de admirar a beleza delas, cada uma com uma beleza diferente, mas todas lindas de morrer. Será que me achavam linda também? A resposta veio quando fui ao banheiro de um restaurante em que jantávamos. Ao entrar ouvi a Adriana e a Ângela comentando com dona Lúcia: – Nossa! Vocês repararam na Carol? Ela é perfeita! – Realmente ela é linda demais, quem dera tivesse aquela pele, aquela bunda! Aquele corpinho! Disse dona Lúcia. – Eu e o Augusto levamos anos para achar a Carol e o Mário. – Os homens estão babando, loucos para entrarem naquelas carnes. – O Paulo diz que quer vê-la gemendo na sua vara, será que ela vai aguentar ele no cuzinho? Disse a Adriana sorrindo. – Não subestime a Carol!!! Augusto fala maravilhas sobre ela. – Meu Deus, e o Mário? Que espetáculo de homem!!! O que é aquilo, Jesus! – Meninas, ele realmente é muito gostoso!!! Vocês vão adorar a pica dele nas suas bucetinhas e nos cuzinhos também, que fôlego tem aquele homem!!

Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 153 -


Vocês imaginam onde foi parar minha alta estima ouvindo aquilo das bocas daquelas beldades! Tossi para elas perceberem minha presença, fiz minhas necessidades e fiquei entre elas para retocar o batom. – Estávamos falando em você quando entrou disse dona Lúcia. – Ha é? Espero que estejam falando bem! Disse sorrindo. Todas riram do meu comentário. – Claro que sim querida, e todas sorridentes voltamos para a mesa. Era ainda quarta feira e eu estava ansiosa para que chegasse logo o sábado para o tão esperado batismo. Nem dona Lúcia nem a Adriana muito menos a doutora Ângela evitava fazer comentários sobre o tal batizado. Mário também não conseguiu tirar nada dos homens, a única coisa que nos adiantaram era que o encontro seria na cobertura do seu Augusto e dona Lúcia. Finalmente chegou o sábado tão aguardado. Tirei o dia para ir ao cabeleireiro, manicure, pedicure, depilação, massagem e uma caprichada higiene anal para não passar vergonha com os homens, principalmente o Paulo que era o mais avantajado entre eles. Queria-me sentir linda leve e solta para os novos amores da minha vida. Mário também caprichou no visual. Cada ano que passava Mário ficava mais lindo. Sentia-me orgulhosa em tê-lo como companheiro, marido amante e parceiro nas nossas aventuras. Acho que toda mulher gostaria ter um homem como ele para ser seu companheiro para a vida toda. Antes de me vestir, olhei no espelho e adorei o que vi. Meus peitinhos em formatos de peras continuavam durinhos. Minhas pernas torneadas combinavam com minhas coxas grossas que sustentava uma bundinha dura delineada por uma cintura fina. Totalmente depilada, minha bucetinha saliente mostrava toda sua forma em alto relevo destacando ainda mais a rachinha que protege meu clitóris, os grandes e os pequenos lábios. Não querendo ser narcisista, mas realmente ainda não tenho o que me queixar em relação a beleza. Após pulverizar meu corpo com um delicioso e inebriante perfume, escolhi uma calcinha preta com a frente semitransparente que destacava mais o formato da minha bucetinha que teimava em morder aquele fino tecido dividindo-a em duas partes. Coloquei um vestidinho preto bem justo ao corpo com o comprimento um pouco acima dos joelhos. Um decote generoso deixava amostra uma boa parte dos meus peitinhos e para finalizar, uma sandália com saltos altos fazia realçar ainda mais minha silhueta. Meu marido quando me viu disse: – Uauuu!!! Você está vestida para matar!!! Meu Deus que tesão de mulher é essa? – Tem certeza que é a Carol minha esposa? – Seu bobo!!! Não sou tudo isso que está dizendo! Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 154 -


– Está falando isso só pra me agradar não é? – Claro que não querida, você está simplesmente maravilhosa, um verdadeiro tesão, Se tivéssemos mais tempo te comeria aqui agora! – Você também está um gato! As mulheres vão te devorar!!! Na hora marcada, pegamos o elevador e subimos para a cobertura do seu Augusto. Quando chegamos já estavam todos na sala tomando vinho na maior expectativa. Adriana, a Ângela e a dona Lúcia estavam como sempre lindas e maravilhosas. Os homens também capricharam no visual. Após algumas taças de vinhos, nossa anfitriã pegou na mão do Marcos e o levou até a suíte onde ele logo seria abatido por elas. Dona Lúcia o deixou lá e voltou para a sala. – Está preparada para os melhores orgasmos da sua vida querida? – Estou um pouco nervosa, mas ansiosa para que comece logo. Dona Lúcia chamou as meninas e fomos abraçadas para a suíte onde iria ficar. Chegamos a um quarto enorme com uma hidro gigante e uma imensa cama redonda coberta por um lençol azul bem claro de cetim que resplandecia com o clarão que saia das luminárias a meia luz. As mulheres capricharam na arrumação, se queriam me impressionar com certeza conseguiram. Confesso que fiquei bastante nervosa quando dona Lúcia e as meninas se aproximaram de mim e começaram a me despir. Dona Lúcia vendo meu ar de preocupação passou carinhosamente a mão no meu rosto e disse: – Não precisa se preocupar querida, confia em nós! – Tenho certeza que você vai guardar esta noite para o resto da vida meu bem; Disse a Dra. Ângela. – Hoje é o seu grande dia querida você vai arrasar! Disse a Adriana com um sorriso maravilhoso estampado no rosto. Aos poucos foram me despindo e me deixaram só de calcinha. – Nossa, caprichou em querida! Disse a Adriana. As três olharam para a minha bucetinha totalmente sem pelos e sorriram. – Os homens vão adorar o banquete que estamos preparamos pra eles. Dona Lúcia foi até o closet e voltou com uma camisola de seda transparente, me vestiu, levantou o lençol e pediu que me deitasse. Assim que deitei a Dra. Ângela me cobriu e diminuiu ainda mais o Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 155 -


clarão das luminárias deixando o quarto uma penumbra, não dava para enxergar quase nada naquele ambiente, e pra completar a Adriana colocou uma venda nos meus olhos e pediu que não tirasse, pois fazia parte do ritual. Antes de sair as três me abraçaram e me beijaram. Dona Lúcia disse: – Relaxa e aproveita querida! – Tenha muitos orgasmos; disse a Dra. Ângela sussurrando em meus ouvidos. – Fique sossegada que nós três também vamos cuidar direitinho do seu maridinho. Quando as meninas saíram do quarto, fiquei naquela escuridão total. Cheguei até a pensar em tirar a venda dos meus olhos, mas para não estragar a surpresa resolvi seguir conforme tínhamos combinados. A ansiedade e a expectativa do que iria acontecer comigo, me fez viajar em pensamentos no tempo em que eu e meu marido chegamos em Curitiba. Naquela época chegamos a passar fome por não ter nada em casa para cozinhar, mas mesmo assim eu e Mário éramos felizes. Lembro que tínhamos uma vida sexual intensa, mas tudo dentro dos padrões do matrimônio cristão. Eu já tinha visto alguns filmes pornôs, tinha até algumas fantasias na cabeça, mas o medo de perder meu marido me impedia até em pensar no assunto quanto mais realizá-las. A vida da muitas voltas. Há dez anos, quem diria que aquela caipirinha semianalfabeta que chegou até a passar fome. Aquela menina bobinha, puritana, que repudiava os assédios dos maridos nas casas que trabalhava como diarista, estaria hoje inserida na alta sociedade, no quarto de uma cobertura, deitada em uma cama enorme seminua, esperando para ter sua bucetinha e seu cuzinho arrombados por três homens lindos, ricos e bem dotados, sem contar que no quarto ao lado meu marido estava na mesma situação esperando para ser devorado por três lindas mulheres. Meus pensamentos se dispersaram no momento que ouvi a porta se abrindo, e silenciosamente os homens foram se aproximando da cama onde estava deitada. Por estar com os olhos vendados não conseguia ver nada, só sentir os perfumes dos meus novos amantes. Um eu já conhecia pois foi eu mesmo que dei de presente no aniversário, os outros dois ainda não conseguia identificar de quem era. Meu coração veio parar na boca quando senti alguém puxar o lençol me deixando totalmente descoberta. Como gostaria de ver as caras deles me devorando com os olhos. Minha vontade era arrancar aquela venda dos olhos e abocanhar o primeiro cacete que visse pela frente, mas tinha que seguir o ritual impostos por todos do grupo. Logo senti uma boca mordiscando os biquinhos dos meus peitinhos e um par de mãos subindo por minhas pernas acariciando minhas virilhas e fazendo pressão na minha bucetinha que há essa hora já estava começando a babar. A boca que brincava com meus peitinhos não parava momento algum. Quando senti a mão que estava em baixo arredar minha calcinha para o lado e um dedo enorme penetrar na minha bucetinha enquanto uma língua serpenteava meu grelinho já tive meu primeiro orgasmo. Após perceberem meu primeiro gozo, fui surpreendida por um enorme cacete procurando minha Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 156 -


boca que não hesitei em abri-la bem para abocanhar aquele monte de nervos que cadenciamente ia fodendo minha boca como estivesse fodendo minha bucetinha. Agora estava completo o trio que iria arregaçar com todos os meus buraquinhos. Pelo tamanho e pelo perfume, sabia que quem estava fodendo minha boca era o seu Augusto, ainda não sabia quem era que estava chupando meus peitinhos e nem aquele que agora carinhosamente tirava minha calcinha me deixando completamente nua a mercê daqueles três lindos e maravilhosos homens. Completamente alucinada, eu segurava no pau que estava na minha boca e engolia o que podia depois voltava lambendo as laterais até chegar no saco e engolir aquelas bolas gigantes que mal cabia na minha boquinha. A sensação de ter um pau na boca, uma boca deliciosa percorrendo seu corpo e chupando seus peitinhos, uma mão com dois dedos dentro da sua bucetinha enquanto outra língua brinca com seu grelinho é indescritível, é um orgasmo atrás do outro. Ainda não tinha sido penetrada por nenhum pau, mas já tinha perdido as contas de quantas vezes tinha gozado. O meu corpo tremia a todo instantes e meus algozes não me dava tempo de renovar o fôlego e me levava a completa loucura. Até o momento eu só gemia e gozava. O que mais me incomodava, era o silêncio dos três homens que estavam ali me dando tanto prazer. Depois de algum tempo, o que estava chupando minha bucetinha parou e o que estava chupando meus peitinhos ocupou o lugar dele. Como estava deitada de costa, quem foi para minha bucetinha fez que levantasse os joelhos, abriu bem minha xotinha separando bem meus grandes lábios e senti sua linha se aprofundando na minha buceta. Ele tirava a língua e sugava forte fazendo todo meus fluídos parar na sua boca enquanto ele engolia e estralava a língua para saber o que estava acontecendo. Seu Augusto não cansava de fuder minha boquinha, quando senti quem estava na minha bucetinha se ajeitar nos meios das minhas pernas e direcionar seu pau na entrada e ficar batendo a cabeça em meu grelinho fiquei em alerta, pois não sabia qual pau me iria fuder por primeiro. Quando senti aquele pau deslizando suavemente para dentro da minha bucetinha, pude perceber que era o Carlos que estava na minha xotinha, pois mesmo sendo um pau comprido não tinha a grossura do pau do Seu Augusto e nem o tamanho e a grossura do pau do Paulo. Agora mesmo eles me fodendo

Contos Imor(t)ais - DESCOBRINDO O PRAZER COM O SR. AUGUSTO. – 157 -


TAL PAI, TAL FILHO! Depois de acertar os alugueis atrasados com o seu José, comecei a ajudar-lo na mercearia, as vezes ele saia e me deixava tomando conta da venda, sempre com minha filha recém nascida ao meu lado no carrinho, pois no momento não podia contar com ninguém para ficar com ela, e além disso as férias do meu irmão tinham acabado e ele já voltara para casa, praticamente virei funcionária do seu José, além de me ajudar com a comida me ajudava com os descontos dos aluguéis em troca de uma boa fóda, eu já estava me tornando uma putinha de verdade, não foram poucas as vezes que dei para o seu José em troca das compras e das quitações dos aluguéis, tinha que ser assim, afinal eu estava sozinha e não poderia contar com ninguém por enquanto. A esposa do seu José na época tinha mais ou menos cinqüenta anos, um dia ela teve que ir ao médico, estava com muitas dores em uma das pernas, foi constatado uma trombose grave, e ela acabou sendo internada, ficando lá por vários dias. O seu José ficava durante o dia no hospital e a filha dele, que era casada e morava não muito longe ficava durante a noite, neste meio tempo ele me fez um convite, pediu me que enquanto sua mulher estivesse internada eu fosse dormir em sua casa, e que fizesse a janta e cuidasse da casa também, já que ninguém iria aparecer, pois a única parente mais próxima era a filha que a noite ficaria no hospital com a mãe, acabei aceitando o convite, acabei virando esposinha do seu José durante a internação de sua esposa, de dia eu ficava na mercearia, a noite cuidava da casa dele e dele é claro, pois o safado era só chegar em casa e já me atacava, parece que ficava pensando nisso o dia todo ao invés de se preocupar com a esposa, me fodia todas as noites, o velho safado!, eu estava adorando, a casa dele era muito confortável. Então em uma manhã sem avisar, após o seu José ir para o hospital, alguém chama no portão, para minha surpresa era o filho do seu José que veio sem avisar, ele morava em outra cidade, e não avisou nem o próprio pai que viria ver a mãe, gelei na hora, ele já chegou entrando e foi logo para o quarto do pai, minha filha estava dormindo no cantinho improvisado no chão, e a cama toda bagunçada, minhas roupas penduradas por todo o quarto, calcinhas no banheiro, logo ele percebeu que eu era a putinha do papai dele. Lógico que ele não deixaria passar essa, e logo perguntou se eu estava dormindo lá, respondi que sim, que o pai dele me pediu para tomar conta da casa enquanto a esposa estivesse internada, ele sorriu e me disse saber o quanto o pai era safado, e que eu não ficasse com vergonha e que mais tarde conversaria melhor comigo, pois ele já iria para o hospital visitar a mãe. UMA PUTA DE VERDADE Bom, chegando a noite, preparei a janta, deixei a casa em ordem, pai e filho chegaram do hospital, jantamos, eu fui dormir em meu quartinho que ficava no mesmo quintal da casa, eu queria deixar pai e filho a vontade e me comportei como se nada tivesse acontecido. Na manhã seguinte os dois foram para o hospital, eu abria o armazém do seu José por volta das dez da manhã, por volta das oito da manhã alguém bate na minha porta e para minha surpresa era o filho do seu José, ele inventou a desculpa de que tinha que passar em um lugar antes e conseguiu despistar o pai, o filho era safado igual ao pai mesmo, pediu me para entrar, sentou se, fiz café, papo vai, papo vem, ele me disse que o pai sempre teve amante, mas ele não acreditava que o velho tinha Contos Imor(t)ais - TAL PAI, TAL FILHO! – 158 -


arrumado uma tão novinha e tão linda, me perguntou quanto ele me pagava, disse que sabia de todos os rolos do pai, eu expliquei que ele me ajudava, pois eu não tinha ninguém, expliquei a minha situação, foi quando ele me perguntou quanto eu cobraria dele. Eu sem jeito disse que não fazia programas, ele insistiu, me disse que conhecia uma casa não muito longe da li, e que tinha certeza que eu me daria muito bem no ramo, pois eu era novinha, linda e gostosa, disse que conhecia o dono do local e que se eu topasse ele me apresentaria a ele. Ele percebeu o meu interesse, foi chegando mais perto, me alisando, fui me excitando, ele percebeu, logo me beijou, segurou meus seios por cima da camiseta, passou a mão pela minha bundinha, me abraçou forte, pude sentir o tamanho daquele mastro, que só faltava rasgar a calça jeans, eu já estava encharcada, meladinha de tesão, ele tirou minha camiseta, começou a sugar os meus biquinhos durinhos de tesão, tirou a camisa, abaixou a calça, tirou a cueca, foi então que pude ver o tamanho da encrenca que eu me metera, era tão grosso seu pau, a cabeça parecia a do pau do pai dele, mas o resto era grosso, não sabia se aquilo tudo caberia em minha bucetinha, mas fui ficando cada vez mais melada, meus sucos se escorriam pelas coxas. CHOREI, MAS AGUENTEI TUDO Ele se abaixou, tirou a minha calcinha, me deitou na cama, foi muito carinhoso comigo, chupou a minha bucetinha bem devagar, parecia querer sentir o gosto e degustar todo o sabor dos meus fluidos do prazer, eu gemia muito a essa altura, cada enfiada de língua era um gemido que eu dava, o safado enfiou o dedo na minha grutinha, enfiou o outro e com a língua fazia um trabalho de primeira, fazia tempo que eu não sentia tamanho prazer, eu não agüentei, senti meu primeiro gozo chegar, mexi o meu quadril, ele percebendo, começou a me chupar mais forte, eu gritei, gozei em sua língua, ele parecia se deliciar com o meu mel, lambia sugava todinho o meu suco, não desperdiçou nem uma gota. Quando ele percebeu que recobrei os meus sentidos, me pôs sentada na cama, e me fez abocanhar aquela tora, aquele pedaço de carne que mais parecia um pedaço de aço, começou a foder a minha boquinha, eu chupava sugava, as vezes nem conseguia respira direito de tão fundo que aquela tora entrava em minha garganta, eu engasgava, as vezes me dava ânsia, mas eu seguia firme e forte, ele urrava e gemia de prazer, parecia o pai quando estava excitado, ele fechava os olhos e me chamava de puta safada, galinha, cadela, não agüentando mais de tesão, me pôs de quatro, passou a cabeça gigante de seu pau em minha racha, esfregou, lambuzou a entrada com o suco que escorria de seu pau, o pau dele babava tanto, que parecia que ele estava gozando, em duas estocadas ele enfiou tudo, eu gemi de dor e prazer, minha bucetinha ainda era apertada, aliás até hoje ela é apertada, ele começou a bombar devagar, foi aumentando a velocidade, começou a me penetrar com força e bem fundo, parecia um lobo fora do controle, seus olhos viravam, parecia estar possuído, seu pau babava tanto dentro da minha grutinha que escorria pelas minhas coxas, ele começou a tirar e enfiar de novo, fez este movimento por várias vezes sem parar, isso me deixava louca, gozei novamente, desta vez sem anunciar o gozo, ele percebeu, ficou mais louco ainda, qual macho não fica, quando uma fêmea goza em seu pau, não acreditei quando de repente ele sem avisar tirou o pau da minha bucetinha e pincelou o meu cuzinho, eu tentei resistir mas não teve jeito, começou a entrar forçado, doía, eu comecei a chorar, ele foi bem carinhoso, foi colocando aos poucos, quando entrou a metade eu já via estrelas, mas agüentei firme e forte, comecei a rebolar a minha bundinha, eu gemia e chorava, mas foi entrando tudo, foi quando senti que o saco dele bateu em minha bucetinha, ele deu mais algumas estocadas lentas em meu cuzinho praticamente virgem ainda, pois até aquela data o seu pai, era o único homem que tinha entrado ali, e não agüentando mais, começou a urrar, apertou Contos Imor(t)ais - TAL PAI, TAL FILHO! – 159 -


os meus seios bem forte e gozou, me inundou desesperadamente, era tanta porra que senti meu útero enchendo todinho, ainda bem que tomava pílula, se não teria mais um filho em pouco tempo. Ele tomou um banho, nos beijamos, ele disse que se eu quisesse, me apresentaria para o seu amigo, e que eu seria uma bela puta, e que ganharia muito dinheiro, me deixou uma boa grana em cima da mesa e foi para o hospital se encontrar com o pai.

Contos Imor(t)ais - TAL PAI, TAL FILHO! – 160 -


COMO FAZER UM Eu era secretária de um casal amigo, que eram amigos de Armando, e vim a conhecê-lo no dia do lançamento de um livro, eu tinha 18 anos e era meu 1º dia de meu 1º emprego, estava sozinha na sala pois meus patrões e amigos se atrazariam, mas eis que no horário devido chegou Armando, ele era alto,loiro, muito bonito, vestia um terno elegante e era de uma educação sem par, eu tenho cabelos pretos, olhos azuis, cintura fina quadril largo e todos falam que sou linda. Ao chegar ele se apresentou em seguida deu as boas vindas ao meu novo emprego, aquele homem me tocou fundo e parecia que eu a ele, parecia um encantamento, mas foram chegando outras pessoas e nossa conversa foi se dissipando. Incrível as pessoas que chegavam todos o cumprimentavam, pessoas conhecidas da sociedade, do mundo artístico (entre elas Rita Lee) do mundo científico, médico e empresarial, perguntei ao meu patrão quem era ele, ele olhou e disse: É o Armando Gottorp, pessoa ótima de grande conhecimento e de uma simplicidade impar, só que deve ser bem mais velho que você! Isso não me importava, eu olhava p/ ele e sempre tinha uma menina o paquerando como a filha do rei da ligerie de 18 anos, as filhas de um industrial que pareciam bem mais novas, uma empresária do ramo da moda, uma dentista multimilionária e muitas outras mulheres das mais variadas idades, foram horas de bate papo e de vez em quando ele vinha até mim e trocava algumas palavras, mas seu olhar deixou claro que estava interessado em mim; ao se despedir deu seu cartão e eu burra não liguei, pelo contrário me envolvi com pessoas que só queriam me usar, ate que depois de 3 meses lembrei de telefonar p/ ele que haveria uma palestra, liguei p/ o nº particular e só atendia secretária eletrônica, liguei p/ o celular telefone fora de área, liguei então para sua firma e a secretária atendeu dizendo que ele tinha viajado para a Europa e ficaria alguns meses a negócios, tive a cara de pau de perguntar para onde e a secretária perguntou meu nome e de onde era, quando disse ela descreveu o etinerário;-Vai a Paris por alguns dias, depois Suécia, Noruega, Dinamarca, Alemanha, Suiça, Austria, Republica Tcheca, Italia, Monaco e depois volta a Suécia e França, fora os países não programado; perguntei quanto tempo demoraria e ela falou: – Pelo menos uns 3 ou 4 meses!… Quase chorei quando lembrei que antes de se despedir e dar o cartão, ele perguntou se gostaria de viajar por um tempo a Europa, ele precisaria de uma pessoa para ajudá-lo com as programações e agendamentos, e gostaria que eu fosse. EU DISPENSEI ESSA CHANCE POR CAUSA DE UNS BABACAS QUE SÓ ME DERAM ABORRECIMENTO! Acho que deixei um recado por semana na secretária eletrônica dele, e mais uns 3 com a secretária da firma. Passados 4 meses ele chegou lá para uma palestra e conversamos sobre a viagem, qdo chegavam as meninas que davam em cima dele eu cortava ou atrapalhava o assunto, depois da palestra ele foi o último a sair e perguntou quando era mais fácil encontrar-me livre para conversarmos em paz, eu disse que dali a 2 dias pela tarde estaria livre. Nesse dia ele chegou no horário e eu me atrasei, mas tinha um porteiro lá que disse que eu não iria, mas ele disse que esperaria assim mesmo; finalmente cheguei, e lá estava ele dentro do carro me aguardando, fiz com que entrasse e como estava atrasada tive de arrumar os livros e os computadores para o dia seguinte, e ele até me ajudou, e ví que reparava muito em meu corpo, eu Contos Imor(t)ais - COMO FAZER UM – 161 -


estava de calça e blusa branca, e minha mini calcinha e soutien eram lilases e com a transparência do branco aparecia minha roupa íntima e meu corpo, juro que estava com muito tesão e a fim dele, e quando terminei parecia que ele is me convidar para algo, mas tomei a dianteira e falei com sinceridade: – Eu nunca fiz isso, mas você mexe comigo e gostaria de ir com você a um motel! Não pense errado é que não aguento mais! Ele topou na hora, e saimos a busca de um motel, logo chegamos a um bem famoso e entramos, a suite tinha 2 pavimentos e o convidei para tomar um banho logo após dar um beijo nele e tirar a roupa, na jacuzzi já ví o tamanho da rola dele e numa iniciativa sem precedentes comecei a fazer um boquete, até deixá-lo bem excitado qdo tirei o pau da boca ele me virou e enfiou a rola em minha xota na banheira, mas lembramos da camisinha nos enxugamos e fomos para a cama, ele me comeu em várias posições e já era tarde qdo lembrei que tinha de voltar p/ a casa de minha tia nos despedimos com um beijo longo e molhado. No dia seguinte telefonei pedindo desculpas pela minha ousadia e depois de novo estávamos em outro motel, e tudo bem, foi qdo ele começou a frequentar a casa de minha tia e ele leu uma revista que tinha sobre swing, menage e gang bang, perguntou se tinha essas fantasias, eu respondi que me deixava curiosa, mas ele confidenciou que se tivesse uma mulher que ele amasse e ela a ele e tivessem cumplicidade não via nada de errado, namoramos, brigamos e transamos muito nesses meses e durante uma briga me afastei dele por uma semana e dei p/ um cara; qdo voltamos fiz questão de contar e ele queria saber como foi e eu apimentei mais a história, o que acabou me convencendo em ir a uma casa de swing. Acabamos fazendo troca de casais e pedi p/ transar com um cara que me paquerava com ele só assistindo, ele relutou, mas minha lábia venceu, fiz oral com o cara como tinha feito com todos os outros e o cara me comeu enquanto meu candidato a corno apreciava minha performance. Quando terminamos fui até ele o beijei na boca e transamos. Os meses passaram e fui dando as cartas no jogo sexual, Fiquei uns dias na casa de meus pais e recebi a cantada do cabelereiro, que começou falando de sexo, piadas pesadas e em seguida me disse que eu era a mulher que ele mais desejava, a mulher do cara estava viajando e fui para a casa dele e trepamos de todas as formas e maneiras, e combinamos outras vezes. Acontece que o cabelereiro ao invés de ficar quieto contou a outras cabelereiras e amigos(as) e isso chegou aos ouvidos de minha irmã; fui a outra cabelereira que confirmou tudo! meu agora noivo e marido em 3 meses iria acabar descobrindo. Ele chegou a cidade e eu evitei que fosse a casa de meus pais, ficamos em um hotel, e para contar estava difícil, comecei falando que um cara me passou a cantada, e depois de muitas perguntas disse que estava a fim de dar p/ o cara, ele estava quase deixando, mas percebeu algo errado e afirmou: –Você deu para outro homem e escondeu de mim! Pior que fiz, neguei e lembrei que ele pediu para ser sincera e estava sendo, para ele foi fácil descobrir tudo e não deu p/ mentir mais. Ele conhecia o cara e me pediu uma coisa que aceitei: No dia seguinte ele foi ao cabelereiro e procurou por ele para cortar seu cabelo, para surpresa dele o André(cabelereiro) saiu de uma sala reservada com uma amiga minha casada e da Congregação Cristã e que Armando conhecia muito bem a ela e ao marido, deu para ver o vestido mal fechado e o que parecia porra em um dos joelhos dela, fora o cabelo meio desarrumado. Armando teve certeza que André tinha também fodido minha amiga evangélica casada, André nem o olhava nos olhos muito menos a funcionária que sabia de tudo, tentou disfarçar perguntando que fazia por ali (era o dia que eu ia ser fodida por ele de novo): Contos Imor(t)ais - COMO FAZER UM – 162 -


– Vim cortar meu cabelo, ora! E começou André a cortar, só que não sabia que Armando me obrigou em ir até lá, vestindo a saia mais curta que encontrasse, blusa branca exageradamente decotada e sem soutien e toda produzida como se fosse para o encontro na casa dele ou no motel, só que me atrasei para me produzir, eu devia chegar na hora em que André cortava o cabelo de Armando para me insinuar enquanto Armando estava de costas, deixar ver meus mamilos e outras provocações, estava com raiva dele ter contado tudo, mas ainda com vontade de outra trepada com André. Qdo cheguei Armando já estava de cabelo cortado e André estava no balcão, cumprimentei Armando com um beijo bem apimentado (ele me disse que tinha algo a contar) e em seguida fui cumprimentar André, como sempre com um beijo no rosto só que de propósito atingiu parte de sua boca e voltei p/ conversar com Armando, fizemos de conta que ele nada sabia, mas quando contou de minha amiga casada da Congregação Cristã, encaixou um monte de coisas, ele comia toda freguesa bonita fosse casada, noiva ou namorando, lembrei dela com André dentro da loja dela, e de outras .... que cara filho da puta! me usou, conhecendo meu noivo, me fez trair e talvez arruinado meu casamento! Armando mandou eu continuar o jogo como ele não estivesse lá e eu lhe desse toda bola do mundo, fui conversar com ele toda meiga, pedia p/ trocar dinheiro, abaixava em frente a ele p/ ele ver que estava sem soutien e mostrar meus bicos deliciosos através do decote e pela blusa branca marcante, dei uma desculpa para ele me arrumar o cabelo, ele parecia estar com medo, enquanto esperava sentei em frente a ele e descruzei e cruzei as pernas como em atração fatal e por fim ele veio, falei que não precisava do avental pois estava calor, mais uma vez o provoquei a mando de meu agora corno manso, e várias vezes "virando" a página da revista esbarrava em sua rola que já estava dura, já era tarde e a cabelereira auxiliar e a manicure despediram-se, ficamos só nós no salão e ele terminou meu cabelo, aí pedi para ir ao banheiro enquanto ele começava a fechar o salão, o banheiro ficava depois da sala em que ele comia as freguesas, esperei um pouco e chamei o Armando dando um gritinho, e armando chamou o André, quando ele entrou correndo eu estava nua esperando por ele, que ficou paralisado, principalmente qdo Armando lhe falou: – Então André voce fodeu ela uma vez e ela gostou e combinou que hoje transariam de novo, quero que façam isso na minha frente, talvez eu aprenda algo de novo! Ele tentou negar, não sabia se ia apanhar, mas acabamos convencendo ele, eu nua turei seu pau pra fora enquanto Armando tirava as roupas de André, ele tentou resistir e negar aí falamos das pessoas que ele contou e do envolvimento dele com nossa amiga casada, ele começou a deixar fazer o boquete, ainda beijei Armando nessa hora e voltei ao boquete e qdo André não aguentou mais começou a me comer mesmo sem camisinha, ficamos cerca de 2 horas metendo até gozar dentro de minha boceta, ai beijei Armando, fiz ele gozar em mim e depois pedi que me lambesse a boceta com a porra dos 2, ele acabou cedendo e eu tive certeza que aquele corno manso seria meu para sempre! De fato, nos casamos 2 meses depois e em plena lua de mel o trai no hotel com um coroa charmoso do quarto ao lado. Toda vez que alguem quer me foder e eu quero dar aviso meu marido corno manso e ele deixa desde que eu conte todos os lances para ele e ele me come gostoso…

Contos Imor(t)ais - COMO FAZER UM – 163 -


PRÓXIMA ETAPA Vou deixar umas coisas bem esclarecidas: a) Nós somos um casal real e nossas experiências aqui contadas são verdadeiras, mudamos apenas os nomes das pessoas. b) Acho q qdo as histórias foram realmente vivenciadas, dá p/ perceber e p/ a gente q narra coisas q ocorreram é uma forma de exibicionismo, e proporciona mais tesão. c) "Sérgio" é meu marido, e lê tudo q escrevo sobre ele, e aprova, ele mesmo se diz um CORNO MANSO, mas na verdade ele autoriza minhas aventuras com outros(as), assim como eu permito q ele saia com outras, nunca escondemos nada, portanto na verdade, NÃO HÁ TRAIÇÃO, se houvesse, eu também seria uma CORNA MANSA! … Passados alguns dias, comecei a ser assediada por, um antigo amigo de escola, um antigo namoradinho de adolescência e um primo bem safado,fora os caras q nem me lembrava ou conhecia; algo tinha mudado muito; Eu estava me sentindo como uma cadela no cio! E já estava considerando a possibilidade de transar c/ algum deles, ou quem sabe?, até c/ todos, mas sempre avisando o Sergio, ele merecia saber, então contei a ele sobre todos q me deram pelo menos uma ou mais cantadas diretas, Ele ficou pensativo e me perguntou: – Flávia, seja sincera, eu não te satisfaço? Você quer meter c/ outros? – Claro q sim amor! Você me satisfaz! E muito! É q eu..., bom eu... gostaria de ter outras experiências sexuais com outros homens antes de firmarmos o namoro, ficarmos noivos ou casar! Você me deixaria sair e transar com outros? Eu os indicaria e você me falaria com qual eu poderia transar.… – O que vc acha? – Humm! Dar permissão para minha namorada foder c/ outro cara? – Já deu p/ o Nicolas! Ele que te iniciou no sexo oral, sexo anal e em outras coisas q você nem deixava eu fazer..puxa!..., né? – Só se for um cara escolhido por mim e na minha frente! – Lembre q nem todo homem vai entender essa de você me ver dando p/ ele! – Isso é! Ele me falou q pensaria no assunto e me responderia se dava o consentimento ou não; eu disse que esperaria a resposta dele ansiosa e não deu outra: transamos muito gostoso, o pau dele é grande, mas o de Nicolas me fodia mais gostoso, por que seria? Talvez por ter sido ele a causa direta e indireta de eu ter sido feita mulher? Eu tinha de saber! e como? Dando p/ outros moleques, garotos, jovens ou homens novos, homens maduros, sei lá!; aí eu saberia a diferença. Continuamos nossa transa, e Sérgio me fez gozar muito, pouco depois voltei p/ casa, jantei c/ meus pais, e logo depois do jantar toda meu telefone e ví q era o nº do Nicolas, eu fui ao meu quarto e o atendi: Contos Imor(t)ais - PRÓXIMA ETAPA – 164 -


– Oi Nicolas! Como vai? Tudo bem? – Tudo bem! Exceto pela solidão! – Por que solidão? Que aconteceu? E a Marta? – Não! Comigo e a Marta está tudo bem! É q ela viajou para entregar pessoalmente os convites de casamento. Falei com ela a pouco e assim q desliguei, liguei p/ você, foi idéia dela! – Idéia dela..., pra que? – É que eu falei p/ ela q estava c/ saudades, e vontade de transar e ela sugeriu você! – Mas P/ que me sugeriu? – Para transarmos! Ela já nos deu carta branca e o Sérgio combinou q comigo estava livre a qualquer hora, né? Posso ir te buscar agora? – Pode! Veio bem a calhar, assim a gente conversa sobre umas outras coisas, acho q você pode me ajudar! Esteja aqui daqui....15 minutos! – Vai avisar o Sérgio? – Não agora! depois comento c/ ele... Até mais, beijos! – Beijos minha gostosa! Aquilo me ativou e fui me preparar rapidinho, assim q escutei a buzina discreta dei um chau e saí. Ninguém próximo então nos cumprimentamos c/ um beijo na boca, e ele me levou a um motel q eu ñ conhecia, já éramos íntimos o bastante p/ já ficarmos nus assim q entramos no quarto, o empurrei por brincadeira na cama e comecei a chupar aquele pau duro, logo depois já me ajeitei e cavalguei seu pau, ele estava muito afim mesmo, urrava, gemia enquanto eu cavalgava, rebolava e subia e descia naquele pau, ele me pegou pela cintura e me dirigia aos movimentos mais desejados, gozei de novo mais com ele do q com Sérgio. E antes de mudarmos de posição para ele me foder mais a boceta, ele me perguntou: – Está a fim de me dar o rabinho? – Se você quiser é pra já! – Quantas vezes você já deu o cu p/ o Sérgio depois q eu te arrombei? – Nenhuma!É como eu disse qdo vc me tirou o cabaço do cu:por enquanto meu cu é só seu! Isso o deixou mais desejoso de me possuir por inteira, aliás era o amigo de meu namorado o único homem q até agora me possuiu inteiramente, e p/ excitá-lo ainda mais lhe disse: – Lembra quem foi o 1° homem q me viu toda nua=você Contos Imor(t)ais - PRÓXIMA ETAPA – 165 -


– Quem foi o 1º homem que mexeu em meus seios?=Vc! – O 1º a me chupar os seios=Vc! – O 1º a me alisar a boceta=Vc – Quem foi o 1° a me masturbar?=Vc – O 1° a me dar um beijo de língua p/ valer=Vc – O 1º a me fazer pegar em uma rola= Vc – O 1° homem que masturbei=Vc – O 1º homem que fez sexo oral comigo=Vc – O 1º que enfiou o dedo e lambeu meu cu=Vc – Em quem eu fiz meu primeiro boquete=em vc! – Quem foi o primeiro q me penetrou a boceta c/ o dedo e rompeu meu hímen quase inteiro?= Vc – E o único que me comeu o cu=Vc – Quero dizer que vc é o único homem q fez de tudo comigo e ainda tirou duplamente minha virgindade, no cu e na boceta, sou uma mulher agora graças a vc Nicolas! – Esperaí! Na boceta só enfiei o dedo, senti seu cabaço e depois meu dedo passou pelo orifício do cabaço e... – E saiu c/ sangue! Tecnicamente foi vc quem me deflorou, o Sérgio só terminou o final do serviço q vc começou! Foi vc tirou meu cabaço! – Pensando bem, você tem razão,o sangue q saiu no meu dedo não era pouco e senti algo abrindo, ou rompendo lá dentro! – Viu como sou toda sua! Obrigada por me fazer mulher, meu amante consentido! Nos beijamos demoradamente, e minhas últimas palavras o deixaram tesudo e já ia me penetrar atrás qdo disse feliz: – Você é toda minha! Seu cu é meu! eu te fiz mulher! E você é minha amante de verdade! Puxa! ainda não tinha caido a fixa de tudo isso! Agora vou foder esse meu cu!!! – Vai meu amante! Fode o cu da putinha q vc fez! Isso o deixou muito tesudo a ponto de me penetrar quase de uma vez, dei um grito e ele começou a me foder o rabo e dizia: – Vou comer esse seu rabinho maravilhoso, ele é muito mais gostoso de foder q o da Marta! Contos Imor(t)ais - PRÓXIMA ETAPA – 166 -


E socava o pinto em mim sem dó, eu gemia gritava e comecei a notar q sentia um prazer no rabo, parei de mexer em meu clitóris e senti q tinha prazer um pouco menor, mas c/ certeza sentia prazer no meu rabo, tanto que assim q ele esporrou eu gozei sem tocar no grelo, foi bom demais! Voltamos a nos beijar de forma um pouco diferente, eu sentia q tinha paixão pela parte dele, tratei depois do beijo de tirar a camisinha e lamber toda sua porra que restava no pau que pulsava vigorosamente e aí perguntei por curiosidade – Você falou que meu cu é mais gostoso q o da Marta; isso é verdade? – Pois é..., a resposta verdadeira? É muito melhor q o rabo da Marta! Ele agasalha meu pau, parece que me segura..., é muito melhor ainda mais agora! Depois q o Sergio fodeu o rabo da Marta, ele ficou mais..., aberto, mole, não sei! Só sei q depois que possui você ela perdeu a graça nisso! – Lembra q vcs vão se casar! – Mas aí eu tenho vc! ou não?Afinal somos amantes oficiais! – Sempre serei sua! sua amante, sua putinha, o q vc quiser, ...até esposa eu aceitaria... e se eu puder deixar meu cu só p/ vc, ele será só seu! – O que vc disse? até esposa aceitaria? foi isso? – É! Verdade! Mas mudando de assunto estou c/ uns problemas... – Que problemas? posso ajudar? – Acredito que sim! Vamos lá: Como vc sabe só tive a vc como homem e o Sergio, mas... CONTEI TODA HISTÓRIA DE QUERER CONHECER OUTROS HOMENS e que Sérgio estava p/ deixar, mesmo sem a presença dele... – Mas como posso te ajudar? – Vc deve ter amigos discretos com quem eu possa sair, lembro de vc comentar que já tinha entregado a Marta a um amigo, e conheceu uns caras e suas namoradas, que topariam fazer troca de casais discretamente, ou chegaram a fazer...não lembro! – Então minha menininha quer dar p/ outros com consentimento do namorado e futuro noivo! E o meu consentimento? – Como assim? – Brincadeira! Se vc me prometer em tentar não dar o cu p/ eles, posso apresentar alguns! Tem o q fodeu a Marta, mas na verdade ñ foi 1 vez, foram mais de 20 e ninguém descobriu. A Marta desde q teve sua 1ª relação sexual comigo até hoje já esteve na minha frente com pelo menos uns 20 homens diferentes, uns poucos foram só uma vez e a maioria deles meteu nela de 2 a 20 vezes. – Então aquilo de despedida de solteiros e experimentar troca antes de casar foi mentira? – Em parte sim! Mas Marta soube q Sergio tinha um pauzão e queria sentir, mas qdo ví vc logo quis Contos Imor(t)ais - PRÓXIMA ETAPA – 167 -


te possuir todinha! Novamente nos beijamos e era dia de semana, tinhamos de andar rápido. Ele me deu o telefone do cara que fodia a Marta, e de outros. Me levou p/ casa e entrei pensando se já contava tudo ao Sergio ou deixava p/ depois. No dia seguinte fui ao club c/ 1 dos bikinis q Sergio me deu, ele só chegaria mais tarde, então aproveitei e me exibi p/ uns garotos q estavam lá. Dali a pouco o rapaz mais novo deles veio a mim e falou baixinho: – Meus amigos estão loucos por vc, mas p/ fazer pouco de mim, me forçaram e duvidaram q vc deixaria eu passar bronzeador em vc, eu posso? Olhei disfarçadamente c/os óculos escuros p/ os rapazes q esperavam p/ zombar do mais novo, pensando q eu iria negar! Meu irmão já tinha passado por isso, sabia como era chato! Mas ao invés de negar, arregacei mais ainda a parte de cima e a de baixo do bikini e aceitei q ele me passasse, na verdade protetor solar, e murmurei a ele: – Vc vai passar do jeito q eu for te mandando, tá! Nada de pressa, movimentos circulares ou vai e vem c/ a mão, vou ficar de costas p/ vc começar, eles nunca mais vão duvidar de você, está bem! Siga minhas instruções! E passe bem sensualmente, sabe que é isso? – Sei! E obrigado moça! – Mais uma coisa! Não olhe para eles, faz de conta q só estou eu aqui e sou sua namoradinha, entendeu? – Entendi! Me virei de bruços e pedi p/ ele começar do pescoço, e não é q o rapaz levava jeito! Depois passou nas costas, nos braços, nas pernas e ele exitou... aí eu falei baixo p/ ele, pode passar nas coxas, inclusive na parte interna, suas mãos tremiam um pouco, mas foi realizando sua façanha, olhei p/ os outros amigos gozadores, estavam todos babando, um queria vir e tomar o lugar dele, mas foi contido; qdo as mãos dele me tocaram na parte interna das coxas, a parte de baixo do bikini deixava uma pequena parte da minha boceta a mostra, e o pior, aliás O MELHOR! Eu gozei sentindo aquelas mãos me acariciando e quase tocando em minha xoxota, pedi p/ ele ir até a parte de baixo do bikini, e ele ñ só foi até lá como ultrapassou um pouco....foi muito bom! Era hora do outro lado e ao me virar o bico do seio esquerdo ficou de fora por uns segundos(ele, sua turma e outras pessoas viram), eu arrumei e deitei de frente p/ o garoto terminar o serviço, nem meu namorado chegou a passar protetor em mim dessa forma! Ele seguia minhas instruções e em certo momento vi o pinto dele durinho por baixo do calção, e pedi p/ começar pelos ombros, depois braços, depois colo, perto dos seios(na verdade em boa parte deles!), barriga e qdo ele chega nos quadris olhou p/ minha boceta, quase toda exposta e depilada(A FAIXA CENTRAL QUE FICOU DEVIA TER UNS 3 CM DE LARGURA), mas o retrátil (cortininha) da parte de baixo, bem estreitado de propósito, fez c/ q parte do tecido entrasse em minha xoxota, deixando a mostra toda a forma de minha raxa, mas ele continuou a me passar protetor nas coxas meio constrangido por perceber q vi seu pau duro(acho q todos os homens que espiavam aquilo deveriam estar de pau duro), então conversei com ele de forma bem delicada, carinhosa e parecendo uma pré adolescente conquistando seu 1º amor:

Contos Imor(t)ais - PRÓXIMA ETAPA – 168 -


– Qual é o seu nome? – Guilherme moça! – Não precisa me chamar de moça, afinal só sou um pouco mais velha q vc! Me chame pelo meu nome, eu sou a Flávia ! E estendi a mão, ele a pegou p/ cumprimentar, e aí a segurei um pouco e disse: – Sabe que você é um "rapaz" muito bonito e educado! – Obrigado mo.., Flávia! – Topa tomar um sorvete por minha conta alí no quiosque, Guilherme! Antes preciso te falar uma coisa Guilherme... – Pode falar ..Flávia! – Me desculpe, mas seu calção abriu e eu vi seu pinto, como ele é bonito e grande! Sua namorada deve gostar! – Você achou ele grande? – Grande e muito bonito, se eu fosse sua namorada sempre ia querer pegar nele! – Eu não tenho namorada.... – Essas meninas devem ser umas tontas, um rapaz bonito e educado como você, que sabe massagear uma garota e deixar ela c/ muita vontade de... – Vontade de que? – De te beijar, ficar com você, e depois sentir nas mãos esse pau maravilhoso q vc tem(Já bastava p/ inflar o ego do "rapaz") – Você faria isso comigo? – Claro que sim!Mas não aqui...(falei em seu ouvido) é q tenho namorado, e ele tem amigos aqui... – Podemos ir a minha casa, é aqui em frente ao club! meus pais estão na casa da minha vó e só voltam a noite. Não é que o tímido "homenzinho" estava agora a fim de mim! Eu o olhei mais atentamente e vi q era bonito, sensível e um pouco solitário. Levantei, vesti um sarongue e nem tomemos sorvete fui com ele direto a sua casa, ninguém nos seguiu nem viu, entramos e logo fui pegando no pau dele que estava maior que na piscina, e alisei com muito carinho, ele pulsava de tesão, e o meu Guilherme foi que me beijou na boca, retribui c/ a lingua e ele continuou, nossas linguas se massageavam, ele aprendeu rápido! Contos Imor(t)ais - PRÓXIMA ETAPA – 169 -


Sua mão já estava tocando minha boceta por dentro, tirei a parte de cima e pedi que me chupasse, meio sem jeito no começo, mas seguindo o q lhe mandava pegou o jeito, não sei se eu soltei, ou foi ele, ou acidentalmente minha parte de baixo estava no chão, como eu digo:AGORA NÃO TEM VOLTA, É IR EM FRENTE! Perguntei onde era o quarto dele, p/ ficarmos lá, ele me levou pela mão de uma maneira tão dócil, que parecia um amante profissional, fechamos a porta, me deitei na cama, tirei seu calção, e deitando sobre mim comecei a sentir, aquele juvenil caralho me penetrar, eu ajudei e logo ele estava inteirinho dentro de mim, e ele socou a rola a sua maneira até me fazer sentir sua porra escorrer p/ dentro de minha boceta, eu sempre gozo qdo sinto isso, e dessa vez não foi diferente, e ainda ele saboreava meus mamilos. Ele tirou de mim seu pau e eu o saboreei dedicadamente, lambendo a porra como havia, como fiz c/ meu amante Nicolas na noite anterior. Ele gozou um pouco rápido q é perfeitamente normal em um "rapaz" sem sexo por muito tempo, mas sabia q ficaria duro de novo, ele não estava acostumado c/ aquele tipo de sexo, mas continuei a chupar até q a pica dele estava dura de novo. Fiquei de 4 e o guiei p/ me penetrar, e logo estava ele bombando dentro de mim, e ficou bastante tempo, eu era a sua 1ª "namorada" e ele acabou acostumando e mais uma vez gozou dentro de mim! Fomos tomar um banho e depois nos vestirmos, pois meu namorado estava p/ chegar ao Club. Nos despedimos com um longo beijo e prometi que haveria mais, ao q ele respondeu: – Flávia! Te amo! Agora meus amigos vão ficar de cabeça inchada, mas não vamos contar nada do que aconteceu aqui, tá bom? – Combinado Guilherme! A gente se vê de novo! Dei outro beijo e voltei ao club, lembrando não só do Guilherme, do Nicolas ou dos amigos do Nicolas q eu queria experimentar, mas lembrei de Sergio e de como contaria p/ ele tudo que aconteceu nas últimas 24horas, certamente eu contaria... Mas uma coisa me tocou bem dentro de mim: "Eu até a poucos dias era uma moça virgem c/ um namoro no começo e q se vestia como uma freira, agora tinha dado p/ um cara q acabei de conhecer, tinha dado na noite anterior p/ o amigo de meu namorado, que todos nós acetamos chamarmos de meu amante, e tinha em casa uma lista de uns 15 caras p/ quem estava para dar e, fora isso, estava cedendo as investidas de um ex colega, de ex namoradinho da adolescência e de um primo bem safado, mas gostosão, eu estava descontrolada sexualmente, me achei uma tarada, e de alguma forma tinha de contar ao Sergio. Cheguei novamente a piscina, e só vi 3 dos amigos de Guilherme, que se cutucaram qdo me viram, acho q imaginavam o q teria acontecido depois sumimos...; e lá estava Sérgio com chapeu Panamá, óculos Giorgio Armani, e demais complementos, ele logo me perguntou: – Por onde vc andou? Não sei de vc desde ontem a tarde! – É uma longa e erótica história. Prefere ouvir agora ou qdo estivermos na cama?

Contos Imor(t)ais - PRÓXIMA ETAPA – 170 -


– Na cama! Mas me diga: Você se exibiu aqui? – Claro! E como! – E aqueles carinhas? Por que olham tanto p/ cá? – Porque dei muita atenção ao amigo deles que eles queriam zoar! Aí massageei o ego do menino e nem dei atenção aos babacas dos amigos dele! – Algo me diz q isso terminou numa cama! – Humm!É! Mas os detalhes só depois.... Quero te perguntar uma coisa Serginho... – Pergunte. – Você me prefere assim como sou agora ou como era antes? – Agora está bem melhor! Prefiro assim! – Mesmo que eu saia com meu amante(o Nicolas) e esteja a fim de experimentar outros homens? Acho que você deve pensar de mim:"ELA VIROU UMA PUTA!" – E falando nisso, eu fiquei de te dar uma resposta, que ia pensar no assunto, e procurei uma melhor solução para esse caso...., Acho que vou te dar um tempo, p/ vc foder c/ todos os q desejar, faz de conta que brigamos e desmanchamos o namoro, você trepa com quantos quiser e sempre tomando cuidado com as DST e usar camisinha. – Mas eu não usei camisinha com o Nicolas nem com o Guilherme(EPA!ESCAPOU!) – Foi com esse Guilherme q vc transou hoje? esse não conheço, nem vc nunca falou. – Está bem! Era p/ falar depois. Ontem meu amante me levou p/ o motel me fodeu todinha, e me arrumou os nomes de uns caras discretos que Foderam a Marta na frente dele e não sairam por aí contando p/ todo mundo, E hoje conheci o Guilherme, esses 3 que nos olham são alguns dos amigos dele... – Hum! Gente nova no pedaço! e o que fizeram? – Ele me passou protetor solar em todo corpo e depois fomos a casa dele iniciar ele numas trepadas comigo! Acho melhor darmos um tempo mesmo! – Calma! espere um pouco, volto já! Ele saiu e sumiu de vista, achei q nunca mais is ver o meu Sergio, na verdade, eu não queria dar um tempo, queria ele, e algumas experiências extras... Para minha surpresa Sergio volta com meu primo safado(era nele q pensava em dar 1º), chegam até mim e Sergio comenta, -Como é Valdir, não vai cumprimentar sua prima? Olha que beleza ela está nesse bikini!

Contos Imor(t)ais - PRÓXIMA ETAPA – 171 -


Fiquei paralizada, não sabia q dizer, mas meu safdo primo sabia: – Priminha querida! Como vc mudou! Está uma delícia! Me segurou na cintura como quem vai segurar a fêmea para penetrar, e me deu 3 beijos no rosto o último bem demorado e me encochando de frente, senti seu volume, ele me queria e pela cara, agora! Conversamos sobre as minhas mudanças, e ai Sergio o desafiou: – Você seria capaz de transar com essa sua prima? olha q é incesto! – Incesto nada! Eu transo agora com ela se você duvidar! Sergio provocou de novo: – Duvido mesmo! Vamos a um motel para ver! – Vamos já! disse ele Pouco conversamos no caminho, mas ao sair do club Guilherme nos viu e me mandou um beijo com os lábios. Chegando ao motel, meu primo foi o 1° a tirar a roupa e seu pinto duro e meio torto, apontava p/ mim, ele me ajudou a tirar a pouca roupa q eu usava, e caiu de boca em minha Boceta, bem q ele tinha fama de safado, e usou todo tipo de safadeza q eu conhecia e outras que conheci naquela hora. Mesmo tendo gozado com o Guilherme 2 vezes há pouco tempo, eu logo fiquei molhadinha! Ele virou e enfiou seu pau em minha boca, eu me senti a garganta profunda, enquanto Sergio, já nu, nos observava. Meu priminho safado me virou e ficamos num 69 de dar gosto, desviramos ele me colocou de 4, vestiu a camisinha e fodeu a boceta da prima desejada do momento(ele fodeu outras primas e 1 sobrinha) E começou a falar: – Leva vara minha priminha linda! Leva! Devia ter metido nessa boceta qdo vc era adolescente e ficava de olho em mim! Sente o pau do seu primo sua piranha! Valdir se dirige a Sergio e diz: – Está duvidando ainda que ia foder minha prima? Olha como a puta de sua noiva rebola em meu caralho! Vai putinha rebola, rebola minha vaquinha! Eu não aguentei e comecei: – Vc é meu primo favorito, não via a hora de dar p/ vc! Me fode toda Valdir! Fode sua priminha! Deixa meu corninho ver sua futura mulher mexer a bunda com seu cacete enfiado! – Era isso q vc queria, né putinha! Agora recebe meu apu todo dentro de você!

Contos Imor(t)ais - PRÓXIMA ETAPA – 172 -


– Aiii! Vai, mete mais rápido Valdir, q eu quero gozar! – Vamos lá! Goza priminha Goza gostosa...aaaaaahh E gozamos gostoso mesmo! Descansamos e aí era a vez do Sergio, e propôs uma DP, começou ele a meter um minha boceta, entrou tudo e agora era Valdir q iria foder meu cu. Claro q lembrei da promessa q fiz a Nicolas p/resguardar meu cu só p/ ele, se possível; mas agora não era possível! Sergio na frente e Valdir por trás, minha DP estava completa! Sergio não usou camisinha para meter em nina boceta, e para nossa surpresa, meu primo Valdir lambeu tudo! Nos despedimos de novo em frente ao club e voltamos a nossas casas. Tinha mais coisas em minha mente, mais experimentos sexuais a realizar, mas as hoje: Transei naquele dia com mais 2 machos q nunca havia metido com eles!

Contos Imor(t)ais - PRÓXIMA ETAPA – 173 -


SURPRESA DO MARIDO PRA ESPOSA Eu sou ruiva natural, olhos verdes, peitos médios, e bunda grande, o conto se passa no ano de 2001, primeiro ano de casada com meu ex marido Paulo, branco de cabelos lisos e negros, grande boca carnuda e vermelhinha e olhos hipnóticos azuis, um verdadeiro deus grego, além de ser alto e ter um cacete muito, muito, mas, muito gostoso, e ser super liberal. Depois de três dias que Paulo fechou o contrato com a empresa alemã ele teve que ir a Alemanha pra resolver algumas documentações lá, afinal a empresa não estava contratando a outra, mas, sim estava acontecendo uma fusão, onde as duas empresas seriam uma só. No dia antes de meu marido viajar ele me levou pra jantar em um belo restaurante da cidade de São Paulo e me levou depois pra um motel maravilhoso, ficaríamos longe por uma semana, o que pra nós seria uma eternidade afinal todos os dias tínhamos fodas maravilhosas, sem contar quando tínhamos companhia. Chegando no motel, eu amarrei meu marido na cama e comecei a fazer um stripper pra ele, que já estava completamente nú, adoro poder ver a excitação que eu causo nos homens vendo seus cacetes ficarem duros só de me observar, fui dançando e provocando meu macho, que quando ficou duro como uma pedra cai de boca, dei uma bela linguada na sua cabecinha fazendo meu homem gemer de tesão, desci lambendo todo o seu cacete até chegar em sua bolinhas, e fiquei um tempo brincando com elas, absorvendo uma na boca e deixando a outra, e revezando enquanto tocava uma punheta, larguei das suas bolinhas e enfiei seu grande pau duro de uma só vez, sentindo bater em minha garganta, e comecei a foder minha boca com aquele cacete delicioso, senti que Paulo iria gozar e parei meu boquete. Fui até sua cabeça, dei-lhe um beijo caloroso onde fiquei mais acesa do que já estava e abrindo minhas pernas sentei em cima de seu cacete, vendo meu macho morder seus lábios de tesão comecei a cavalgar naquela pica dura, e mandava ele me xingar, me fazendo ficar com mais tesão e cada vez mais rebolar mais forte em cima dele, ainda rebolando em cima de sua pica soltei suas mãos, e como uma criança com sede Paulo veio direto em meus seios chupando com toda vontade do mundo me fazendo gozar freneticamente perdendo todas as minhas forças, ele me virou de bruços pegou um pouco do meu suquinho passou no meu cuzinho e enfiou aquele cacete todo de uma só vez, me fazendo gemer de dor, empinei um pouco meu rabo, acostumando com seu cacete enfiado e comecei a rebolar minha bunda no seu pau, Paulo me xingava cada vez mais, e jorrou sua porra dentro do meu cuzinho, na mesma hora me virando e começando um oral em mim delicioso, me fazendo gozar em sua boca. Após meu gozo Paulo me abraçou e disse eu ser a mulher de sua vida, afirmando que me amava, que sentiria muita falta da sua vadia, e que tinha uma surpresa pra mim, se levantando da cama, fiquei apreensiva, sempre as surpresas de Paulo me deixavam louca de tesão e molhada de orgasmos, ele me trouxe um vibrador maior que o que eu tinha e disse que era pra todos os dias eu fazer um filme e lhe enviar pela internet pra ele ver sua putinha e gozar com ela todos os dias mesmo longe. Dei um beijo amoroso em Paulo e fomos tormar banho juntos, primeiro eu o ensaboei todinho, parando especialmente em sua pica deixando do jeito que eu gosto, depois ele me ensaboou me tocando uma siririca deliciosa, como ele é bem maior que eu, subi em sua cintura dando lhe um Contos Imor(t)ais - SURPRESA DO MARIDO PRA ESPOSA – 174 -


beijo gostoso, e encaixei minha buceta no seu cacete fazendo Paulo me fuder ali embaixo do chuveiro, eu gritava como louca, e Paulo me dava uns tapas na bunda, louco de tesão me levou encaixada nele pra cama e me jogou na cama me colocando de quatro, e enfiando seu cacete de uma só vez me deu a primeira estocada em minha buceta, fazendo meu corpo todo tremer de tesão, ele naquela hora parecia um bicho, me fudia como se nunca mais fosse ter uma mulher na cama, eu como boa vadia rebola e mandava ele meter mais, ele quis gozar por umas três vezes, parando seus movimentos e segurando seu gozo ele me fez gozar umas quatro vezes nesta brincadeira Viramos em um 69, adorooooo chupar pica, ele meteu o vibrador no meu cuzinho e ficou me chupando me fazendo delirar de prazer e orgulho do meu macho, e gozou me enchendo de seu leite delicioso. deitamos abraçadinhos e acabamos dormindo, acordando apenas pra ir pra casa, tomamos banho juntos, dando uma rapidinha e Paulo se foi para outro país por uma semana.

Contos Imor(t)ais - SURPRESA DO MARIDO PRA ESPOSA – 175 -


SERA QUE É? ATO I Nasci em uma cidade pequena e ao ficar mocinha era a garota mais desejada da cidade, era pré adolescente ainda, e sabem como é em cidade do interior, se facilitar vem primo, vizinho, amigo de irmão tentar te tirar o cabaço, e a quantidade de meninas menores grávidas é muito grande, uma triste realidade no Brasil. Para evitar isso meus pais resolveram me mandar p/ a casa de uma tia avó, para morar e estudar em escolas mais completas, alem da mesada que me mandavam pagavam escolas, aula de inglês, computação, até que entrei na Faculdade de Enfermagem da USP(Medicina de Pinheiros) Fiz residência mas me apaixonei pela Psicologia, como já era formada entrei no 3º ano e me formei em psicologia Clínica, especializando em Sexualidade e comportamento sexual, e hoje faço terapia de casais. Nesse meio tempo, durante a residência conheci um dos projetistas do hospital, namoramos e acabamos nos casando. Nos mudamos para um dos apartamentos dele em Moema. E desde o namoro falávamos de fantasias sexuais, eu gostaria de ver ele com um travesti, com uma amiga e nós com um casal, Já as dele, como a da maioria dos homens era ver a esposa transando com outro na frente dele, ménage à trois com outra mulher e talvez c/ outro homem. Como em Moema existem vários clubs de swing fomos conhecer alguns e realizamos algumas fantasias que relatarei em outros contos; o que interessa neste é o primo! Recebemos um telefonema de um primo uns anos mais novo que eu e disse que viria a São Paulo com a namorada pois já tinhamos convidado os pais dele e ele há anos, para a conhecermos e ela conhecer São Paulo e sua vida noturna, pois acabara de fazer 18 anos. Ele teve problemas com o carro e eles vieram de ônibus e fomos recebê-los na Rodoviária. Durante a ida até Moema fiquei conversando com meu primo que estava no banco atrás do "Mareco" e fiquei virada para ele SEM SABER que o cinto de segurança havia puxado minha blusa deixando meu priminho se deliciar com a visão do bico de um de meus seios, fora o decote. Eu via a namorada dele se ajeitando no banco e parecia estar olhando maravilhada para a cidade pelo parabrisa dianteiro, de vez em qdo trocava umas palavras com ela, e foi numa dessas que notei que por baixo daquela blusa branca transpassada ela estava sem soutien, e seus bicos apareciam ocasionalmente na folga do decote, e logo imaginei: {Puxa! meu primo é um cara de sorte a namorada é linda e tem seios pequenos, mas maravilhosos! Deve estar sem soutien porque resolveram se divertir durante a viagem de ônibus (o que é comum entre muitos casaizinhos)} Mas notei que ela além de estar c/ a mão em cima do pau de meu primo, flertava sutilmente com meu marido, tanto que qdo ela deixava os bicos dela no campo de visão do espelho retrovisor e meu marido olhava, sua mão esfregava o pau de meu primo que já estava duro em ver meus seios sem eu Contos Imor(t)ais - SERA QUE É? – 176 -


notar e o toque de sua namorada, só aí percebi pelo plhar de meu primo que ele estava vendo meus bicos, mas como a namorada dele se exibia p/ meu marido, deixei rolar! No apto, eles nos perguntaram se podiam dormir no mesmo quarto… – "Dette" o primo é seu e vc é que resolve! disse meu marido. Acabei deixando, mas pedi p/ usarem camisinha, levaram as malas p/ o quarto, "Mareco" foi tirar umas roupas da lavadora e as colocar na secadora e a namorada de meu primo foi tomar um banho (só que ainda não sabia o que ela fez) e fui ajudar meu primo c colocar as roupas nos armários, eu estava de saia e blusa decotada e em determinado momento ele me agarrou por trás e enfiou a mão dentro de minha blusa acariciando meus seios;fiquei surpresa mas d=falei para ele ir com calma, eis q olho pelo espelho da penteadera e vejo meu marido que a principio pareci querer dizer algo nos espiando surpreso também, dei uma piscada para ele e ele retribuiu, o que significava deixar ver até onde ia, logo meu priminho me deu um baita beijo na boca que retribui, ele baixou minha blusa e chupava meus seios e não vi meu marido, que chegou depois na hora que fazia um boquete p/ meu primo, meu marido ficou no canto da porta de onde meu primo não veria até ver que ele tinha gozado em minha boca,e sumiu! Ele me elogiou, falou que era muito desejada na cidade, inclusive por, ele e eu tinha realizado parte de seu sonho de adolescente e falei que era ora de eu sair do quarto. Depois meu marido contou que não teve a ma sorte que eu, mas ele estava na lavanderia qdo a namorada foi tomar banho, e notou que ela escolheu aquele banheiro cuja janela dava na área de serviço e abriu ainda mais a janela, e tirou a roupa, meu marido apagou a luz da lavanderia e além de vê-la nuazinha, via seu reflexo no espelho que ela abriu no ângulo perfeito, foi qdo ele saiu p/ me avisar e viu meu primo me bolinando e olhou-nos por um tempo e saiu p/ ver a putinha interiorana, mas o vapor já não deixava ver nada e foi qdo ele voltou e me viu pagando um boquete pro priminho. Aí foi meu primo tomar banho e a safadinha que tinha passado só de toalha por nós, me chamou ao quarto p/ ajudar a escolher uma roupa, era desculpa só p/ mostrar aquele corpinho escultural, pois estava nua e de porta aberta, e ela notou q meu marido seu uma olhadela pela porta, e continuou fingindo que não o viu (q safadinha!) Finalmente depois de todos prontos fomos jantar, ela sentou a frente de meu marido e meu primo a minha, ele se comportou, mas notei um movimento estranho em meu marido, ela tinha esticado a perna e colocado o pé no meio das pernas de meu marido que tirou o pé do chinelo e colocou o dedão do pé na boceta dela, sim! ela estava sem calcinha! Aí comecei a pensar como esses 2 tarados resolveram se hospedar conosco, parecia que sabiam algo de nossa vida sexual secreta. Terminou o jantar deixamos as louças na pia pois a diarista viria no dia seguinte, sábado, e fomos ver TV. Fiquei ao lado de meu marido em um sofá de mini saia e mini blusa, meu marido de bermuda e camisa de linho, pois estava quente, a namoradinha estava quase como eu, mini saia e uma blusinha transpassada mini. Assistimos ao noticiário com provocações veladas, e o mesmo na novela, fomos depois mudando de canal e aí meu marido parou em um documentário cujo assunto era...SWING! Parecia coisa combinada! Todos assistimos e notava a excitação dos 2 escutando os depoimentos, e acho que combinaram qdo Contos Imor(t)ais - SERA QUE É? – 177 -


meu primo perguntou: – Amor você aceitaria ir a um encontro de swing? – Ah! Não sei! Depende de com quem ir e com quem fazer, não sei se teria coragem! Se teria coragem?pensei eu; na frase "depende de com quem ir e com quem fazer" já deu a resposta que iria com certeza! Aí sem nós esperarmos meu primo perguntou-nos: – Vocês já fizeram ou fazem swing, não é? – Quem disse uma coisa dessas p/ vc? – Ah foi uma pessoa que conheço que disse que viu você Dette! – Quem é essa pessoa? – Ah! É lá da cidade, ele disse que você não conheceu ele e deixou ele te beijar e chupar seus peitos e qdo iam adiante, pois ele estava de pau p/ fora e vc pegando nele, vc deve ter reconhecido ele e saiu da sala, até ele falou que você levantou uma blusa rosa com brilhos p/ que ele chupasse seus seios..., e… Nessa hora meu marido que tem ótima memória interrompeu: – Se ele a viu lá, como ele estava acompanhado? – Ele disse que estava sozinho... e só falou dela – Eu me lembro muito bem desse cara e da namorada dele! falou Mareco com toda paciência do mundo… – Namorada? ele disse que estava só e a prima o chamou p/o sofá, se ofereceu p/ ele! Mareco já estava ficando atiçado e respondeu: – Esse cara tinha cabelo da cor do meu, usa óculos para ler talvez, poi estavam no bolso da blusa dele, usava uma polo Branca, verde e bordo em faixas e a namorada dele é loira, olhos verdes, tem uma pequena pinta sobre a sobrancelha direita, outra no queixo, uma tatuagem de uma rosa entre os seios e uma pinta abaixo do mamilo esquerdo, cicatrizes pequenas sob os seios, coisa de quem colocou silicone, e uma pequena cicatriz entre as coxas perto da vagina, querem mais detalhes?, ele usa um brinco de brilhante na orelha direita, mais detalhes ou já sabem de quem estou falando? A namorada do primo respondeu: – É o João Eduardo e a Isabel, ela é minha amiga e já namorou com o "primo"; vamos juntas ao club e ela tem tudo isso!, como você sabe "Mareco? Eles casaram há pouco mais de 6 meses porque ela engravidou! – Se você ouvir a verdadeira história irá saber a verdade; disse meu marido, nem me atrevi a interrompê-lo, ele ia chegar nos pontos exatos: Contos Imor(t)ais - SERA QUE É? – 178 -


– Fazem uns 8 meses,Dette e eu resolvemos ir a um club de swing aqui perto, só para nos curtirmos, vendo os outros também, mas se outras pessoas que fossem compatíveis e houvesse consenso não tem porque não faríamos uma troca de casais, estávamos os 2 nos curtindo em uma sala coletiva na beirada de uma cama e não sofá como ele disse, outra coisa, eles é que se chegaram a nós,pediram p/ fazer uma troca e como eram muito jovens e de boa aparência, demos espaço, essa Isabel sentouse ao meu lado e tomou iniciativas fazendo João começar as dele, eu beijava isabel, ele beijava a Dette, mas ela não conheceu ele nunca! Ele estava tentando baixar a blusa rosa da Dette e ela mostrou a ele que levantando era mais fácil e ví os seios maravilhosos de Dette serem chupados por um moleque de uns 18 anos, a blusa dela era igual a de sua (disse p/ a namorada do primo) e foi fácil de abrir e chupar seus seios, ela já tinha colocado meu pau p/ fora e enqto João se deliciava em chupar os seios de sua desejada conterrânea, minha mulher, que realmente alisava o pinto do cara, ma a namorada dele Isabel, já estava com a blusa solta, sem saia e sem calcinha me fazendo um boquete, e me puxando falando: "-Vamos meter?" E eu realmente ia, pois já estava com a camisinha na mão, e deitando ela de costas que abria a boceta p/ que eu a penetrasse, afastando a camisinha, e só foi aí que o João, que agora sei que pensou que ia foder a "Dette e sua namorada só ia ficar olhando, não contava que ela tinha um marido, e que sua namorada é que ia ser fodida na frente dele! Não pensei que Mareco iria usar uma linguagem sexual tão explicita com meu primo, e sua namorada, mas notei que ela estava gostando daquilo..., e meu primo também, sabia que estava imaginando ele me fodendo, pois boquete já tinha feito nele..., e continuou Mareco: Ele se levantou agarrou ela pelo braço e fugiu da sala, para nosso espanto e de outros casais, ele perdeu a chance de um sonho de metade da cidade de vocês que é, comer a Dette..., mas eu sabia que ela ia dar um jeito de voltar.... tive um forte pressentimento, se eles sairam, iam brigar e ele a ofenderia por ela ter frustrado a foda dos sonhos dele, e ter sido uma vadia comigo!(a namorada de meu primo deve ter tido um orgasmo, pois agiu como tal) Então comtinuamos por lá e um belo casal que viu tudo veio conversar sobre o acontecido e com eles realizamos uma troca de esposas! Depois nós transamos muito gostoso e Dette até hoje nem sabia quem era o imbecil, agora sabe que era o tal João. – Caramba! Disse meu primo, tudo é bem diferente do que ele se gabava… Continuando meu raciocínio daquele dia; -Se eles brigaram, e Dette conhece bem disso, ela iria dar p/ outro na 1ª chance, pois o namorado a tirou na reta final, então perguntamos na portaria sobre os 2 e o porteiro nos falou, que; - ele a arrrastou p/ fora e ela falou que ia votar p/ a casa dele e ele pegou o carro efoi embora, pouco depois ela entrou sozinha e pediu p/ não falar ao namorado,mas estã ai dentro, andamos pelo club e a encontramos sendo chupada por um casal, chegamos perto e ela nos reconlheceu, me beijou e com estava nua, afastou o casal e me pediu p/ penetrá-la, coloquei a camisinha, mas ela de propósito a furou com as unhas, coisa que contei a Dette depois, e acabei gozando dentro dela, escorreu porra da boceta dela, mas Dette não tinhanotado, até que resovemos Contos Imor(t)ais - SERA QUE É? – 179 -


ir a sala de treliça e apagar as luzes p/ fazer um ménage, ela e Dette conversaram ela disse que ele era seu noivo e qdo ela saiu p/ ele ir atrás dela ele a abandonou, muito escuro, mas vi as 2 se beijarem, faerem um 69 até que chegou a minha vez e Isabel me falou no ouvido:-"sem camisinha e estou em período fértil sem tomar pílula há uma semana!" – No calor da situação fiz sexo vaginal com ela sim! E ela poderia ficar grávida de mim! Meu primo completou o raciocínio: – Isso foi há 8 meses, eles se casaram há 6 meses, mas ela contou p/ minha namorada qu estava de 9 semanas de gravidez e falsificou o exame para gravidez de 6 semanas, que foi qdo voltaram e transaram, e ele casou pensando q o filho era dele! Cara! você está para ser pai daqui a 1 mes e o corno do João vai pensar que o filho nasceu com pouco mais de 8 meses! Genial! bem feito p/ os 2 fdp! – Calma! Completava Mareco, lembre que ela pode ter dado p/ outro antes ou depois de mim! Isso é! concordaram todos! Ai eu aproveitando as palavras safadas, e falando sério, com vontade de dar p/ meu primo, mudei o papo: – Bom, já sabem que realmente somos swingers, e eu já sei que vcs estão loucos p/ conhecer um club de swing, Certo?(concordaram com a cabeça), então que tal irmos amanhã? amanhã é sábado e é o melhor dia em 3 casas de swing, vamos escolher a "tal", que é a melhor, e vão sem nenhuma expectativa, como se fossemos só para ver os outros, conhecer, ver o show e beber um pouco, todos temos mais de 18 anos e poderemos fazer o que quizermos com quem quisermos desde que haja concordância da outra parte (nesse momento olhei na direção da rola dura do meu primo debaixo da bermuda e passei maliciosamente a língua no lábio superior, o pau dele cresceu mai e chegou a se movimentar, ele seria meu amante, mesmo que por 1 noite!), tem outro codigo no swing= ninguém é obrigado a fazer o que não deseja! Aí falou Mareco: – Então é melhor irmos dormir par estarmos prontos para amanhã, lá a coisa rola até domingo pela manhã, vão os 2 (meu primo e sua vadiazinha) transarem bem gostoso, mas guardem energia para amanhã! Nos despedimos e fomos cada casal p/ sua suite, é clao que eu e o Reco transamos pensando em tudo, mas num momento de silêncio pudemos ouvir a vadiazinha gemendo e muito, até gozar. Nós acabamos e achamos melhor dormir... minutos depois vi que Reco estava dormindo, e eu pensando muito nas sacanagens e lembrando de quase ter realizado o desejo de meu primo, pagando um boquete p/ ele e engolindo sua porra, lamentava não ter ido até os finalmentes, mas ele foi a pessoa de minha cidade que foi mais longe comigo, antes tinha sido o Joãoq nem sabia quem era, e pensei que João devia ter deixado a cisa rolar, afinal mesmo seu pau parecendo uma chupeta devia ser gostoso de ser chupado e entrado em mim..., por que saiu João? Aí virou chifrão! Mas sabia q o filho poderia não ser de meu marido, mas me passava pela cabeça, se eu encontrasse o João, iria Contos Imor(t)ais - SERA QUE É? – 180 -


transar com ele sem camisinha, mas por que esperar uma rara possibilidade? Tinha meu primo em minhas mãos e loco p/ me comer, com ele eu faria sem camisinha com certeza! Olhei p/ o relógio e eram 03:15h, Reco dormia deu até uma roncadinha, mas eu não o cutuquei como faço nesses casos, deixei-o dormindo e sai de nossa suite de mansinho, curiosa p/ saber se meu primo estava transando com a namorada ainda, a porta estava entreaberta e pude olhar dentro e vi a putinha dele dormindo profundamente, e ele? Nesse momento dedos me cutucam o ombro e me viro, nem deu tempo de pensar em nada meu primo me tacou um beijo na boca me puxando p/ o corredor, o outro quarto que estava vazio estava de porta aberta e ele me orientou até lá enquanto nossas línguas trocavam de boca, eu estava com uma espécie de baby doll que ele arrancou por cima e eu tirava a calcinha, ele encostou a porta do quarto sem fechar totalmente p/ evitar ruidos,e me jogou na cama nua, aí ví na pouca luz que ele estava nu também, estava de costas na cama isso significava que a iniciativa seria dele, beijou e lambeu minhas coxas até me deixar bem molhada, chupou minha boceta que devia estar com a porra do Reco, mas ele não ligou, gozei na boca dele assim com ele gozou na minha, sabia que eu estava colocando chifre no Reco, pois não tive a concordância dele, nem liguei para isso, me deixei levar, e como ninguém é obrigado afazer o que o outro não quer, nós 2 sabíamos o que queríamos, foi quando ele ia pegar a camisinha para me foder, que eu falei: –Sem camisinha! Quero sentir seu leite dentro de mim!; Ele começou a deliciosa penetração, enquanto me beijava apaixonadamente, me sugava os seios, ficamos um tempão assim com ele me socando e antes q ele gozasse pedi p/ me foder de 4, ele não podia dar os tapinhas que eu adoro, mas as puxadas de cabelo ele deu, estava ótimo! Me lembrei de qdo era adolecente e depois moça e ia visitar minha família via aquela criança, depois adolescente e depois jovem me olhando com cara de desejo, e essa criança, adolescente, jovem era agora o homem que me comia, e eu era a mulher dos sonhos dele, as socadas ficavam cada vez mais vigorosas a ponto de fazer barulho de um corpo batendo no outro, colocamos uma toalha entre os 2 para evitar isso, e continuamos até gozarmos juntos, com a pica dele dentro de mim e sentindo p sei delicioso sêmem quente dentro de mim! Coloquei a toalha p/ não pingar na cama, ele voltou a lamber minha boceta até onde pode tirar seu leite de mim, qdo acabou, eu levantei encostei mais a porta p/ ascender a luz e ver se nada manchou a cama, qdo vejo ele deitado de costas e de pinto duro me convidando p/ uma cavalgada, sentei de frente para ele e de costas p/ a porta e cavalguei meu primo com se fosse meu último homem, meus seios dançavam e eles os acariciava, foi assim até gozarmos de novo, qdo me deitei sobre ele dando-lhe um grande beijo, e pensei: "Que se foda! trai meu marido, coloquei chifre nele, só não sei se conto qdo eles voltarem ou nunca vou contar, dar dele proibir de ver meu primo! E eu o quero!” Aí falei carinhosamente em seu ouvido: – Primo meu amor! Quero ser sua amante, você aceita? Sim respondeu ele e novamente demos um longo beijo, bem longo, até eu dizer: – É melhor voltarmos aos nossos companheiros, antes que um deles acorde e dê falta de nós!

Contos Imor(t)ais - SERA QUE É? – 181 -


– Claro! vamos colocar se baby doll, eu já estava nú, nem usei pijama! Apagamos a luz e saimos do quarto, e nos dirigimos aos nossos, não antes de outro beijo devorador! Voltei e meu marido estava na mesma posição fazendo aqueles ruidinhos, quase ronco, deitei-me e desta vez dormi, contente por ter realizado uma fantasia antes do previsto!

ATO II Eu Tinha Transado muito com meu primo, enquanto meu marido dormia no nosso quarto e a namorada de meu primo no que eles estavam hospedados, e já era quase manhã de sábado qdo adormeci pensando que na verdade aquilo foi fazer amor, envolveu sentimentos,e dormi... mas sem saber o que aconteceu enqto dava p/ o priminho (prometo que esclareço depois!) Nossa diarista chegou e foi meu marido que teve de abrir a porta, pois eu dormia de tanto gozar. Só lá pelas 11h é q levantei, fui fazer minha higiene, e tomar café, meu primo estava terminando enqto sua namorada conversava baixinho c/ meu marido na sala íntima(ou escritório)nem tomei café direito pq meu primo já estava me bolinando, mas acabamos indo a sala e perguntamos a razão de tantos segredinhos? "Mareco" ou Recoassim q chamo meu marido fez sinal p/ entrarmos e fecharmos a porta, e disse: – Estamos conversando sobre hoje a noite, o swing, vcs desistiram? Nós não! Vamos nem que seja sozinhos...rsrsrs – Claro que não desisti!disse meu primo – Eu também não! Falei Meu marido fez sinal p/ ficarmos mais juntos p/ falar baixinho e a diarista ñ ouvir, disse estava conversando c/ a "Priscila"(assim começarei a chamar a namorada de meu primo a partir de agora)sobre as roupas mais adequadas p/ vocês vestirem hoje, eu contei a ela o que pode rolar lá c/ outros casais, mesmo sem troca e, ela disse p/ mim q se o"Roberto"(assim passarei a chamar meu primo a partir de agora)permitir q ela seja tocada, gostaria de não ter muitas dificuldades! – Que tipo de dificuldades?Vc quer ser tocada por outros? falou Roberto. – Dificuldade de levantarem ou baixarem o soutien ou a calcinha, e a gente se machucar! Qto a sua 2ª pergunta, se tiver um cara q me excite, quero ser tocada sim! Não vai arrancar pedaço! Roberto ficou excitado c/ a resposta da namorada, mas fez o tipo ciumento, então resolvi intervir: – Acho ótima idéia! Eu posso ir com a mini saia branca, sem calcinha, e de blusa vou levar a mesma que o amigo deles João. disse q me viu, só preciso encontrá-la pois não uso há tempos, ou ir com a camisa de voil transparente vermelha, que excita os homens! – Vai com a rosa com brilhos! pediu "Roberto"-afinal quero ver o que o Corno do João viu! Sabia q ele falaria algo assim! Continuei: Contos Imor(t)ais - SERA QUE É? – 182 -


– "Priscila! E vc como vai? Vi um monte de roupas bem provocantes que vc trouxe. – Ah! Você me ajuda a escolher na hora, tá? – OK! Combinado! E correu o dia com provocações sensuais, sexuais e algumas passadas de mão disfarçadas entre nós, e qdo a empregada saiu, fomos os 4 descansar p/ a jornada que começaria depois das 22h e só terminaria no domingo, sei lá a que horas; até que às 21h achamos melhor começar a nos vestirmos para o evento. Saimos os 2 casais pouco depois das 22h e em 10minutos estávamos lá, pagamos os ingressos de 2 casais e entramos, e eu fui a guia do Roberto e da Priscila, mostrando as salas coletivas, as salas de treliça, os quartos privativos, o aquário(sala com 1 parede de vidro onde de 2 a 5 casais podem se fechar e se exibir a todos que desejem os verem, e c/ uma cortina, caso queiram mais privacidade) a sala da Gang Bang, outras acomodações, o labirinto(onde geralmente fica mais apagado doque c/ flashs de luz), sala de toque(c/ buracos de uma sala p/ outra), e os 3 ambientes com mesas,a pista de dança e show, e o canto da penitência(eu q dei esse nome por causa de ver algumas cenas de SM lá); acabamos indo para nossa mesa. É obvio que sendo um pouco cedo ainda tinha pouca gente e pouca coisa acontecendo, mas levei uma deliciosa chupada nos peitos no labirinto e 2 passadas de mão, e Priscila me disse antes de irmos p/ a mesa que um cara pegou na mão dela ea conduziu até seu cacete, duro, e logo depois uma passada de mão e 1 chupada no pescoço por trás enqto o cara acariciou seus seios, isso foi rápido mas eu e Recovimos, então perguntei o que ela sentiu, ela falou p/ mim e "Mareco" Me assustei, tive vontade de recusar ou sair, mas depois do que vi o Roberto fazendo(??que seria??), achei melhor curtir a safadeza… Aos poucos o local foi se enchendo e Roberto me convidando p/ dar uma volta p/ ver se já havia animação(já queria me comer de novo, claro!) mas falei p/ q aguardacemos o show, aí a coisa começava a ficar animada. Continuamos com drinks fracos e petiscos e começou o show, eram 2 casais em uma encenação de 1 swing, em determinado momento convidam quem quer participar, vi 2 mulheres, uma de mais de 40anos, mas corpo escultural e outra que nem parecia ter 18 anos que hesitou mas o marido(vi as alianças) a incentivou, os 2 artistas foram tirando peça por peça delas, sempre perguntando aos maridos qdo era p/ parar. A de 40 anos ficou só de tanga, mas a casadinha nova foi até o fim, toda nua e ainda ficou de sanduiche entre o pau dos 2 artistas(ou dançarinos, ou stripers, sei lá!), aí terminado o show, e vendo muita gente saindo das mesas, e indo as mais diversas direções, na 3ª sala com mesas estava a moça q ficou nua cavalgando no pau do marido, no sofá da mesa, e outro casal iam começar algo, circulamos na salas coletivas aquário, onde 3 casais, 2 deles muito novos, dá p/ ver que eram só namorados, a menina de seios pequenos apoiada no vidro de boceta raspadinha eqto o cara casado enxiava por trás dela! Que tesão! Maior ainda qdo senti a mão de meu primo entre minhas coxas e enfiando um dedo em meu grelo!! ao mesmo tempo um pensamento importante: casais de namorados, com 18 anos recém feitos irem a um local onde deveria ter casais casados ou com compromisso bem alicerçado? Em pouco tempo esses namoros com swing pre-maturo acabam se desgastando! escrevo isso porque já atendi várias(os)jovens de 18 a 21 anos que o namoro de anos acabou depois de irem fazer Contos Imor(t)ais - SERA QUE É? – 183 -


swing!!!! mas meu primo"Roberto" e sua namorada estavam no mesmo caminho!… Voltando ao aquário: A jovem namorada estava sendo fodida pelo cara de uns 40 anos e seu namorado recebia um boquete da mulher do outro casal, enqto o namorado dela já estava para foder a mulher do cara de 40 anos (devia ter uns 30 anos, mas os outros aparentavam no máximo 18 anos, foi qdo viu q "Priscila' estava entretida c/ o que via, e um casal de conhecidos convidou Reco para um ménage, que Roberto falou em meu ouvido: – Vamos meter? Acenei q sim c/ a cabeça e Reco consentiu discretamente, ele queria que Roberto pensasse que eu estava colocando chifre nele com meu primo e o ego dele iria subir as nuvens assim como seu tesão, já esperava irmos p/ uma das salinhas de treliça, que tem porta que tranca e pode-se apagar a luz, mas me levou p/ a sala coletiva mais cheia (ele sabia q tínhamos conhecidos em todo o club) e eu vi casais conhecidos, alguns reparariam na ausência de meu marido, sentou e me colocou de frente p/ ele sentada em seu colo, e puxou p/ cima minha blusa rosa de malha brilhante(esse era um fetiche que envolvia suas fantasias comigo desde q o João contou que me chupou) deixando meus seios de bicos róseos a mercê de sua boca, um casal se aproximou p/ participar, mas ele educadamente falou q daqui a pouco..., Eles ficaram só nos observando, eu estava molhada de tesão e o fdp do meu primo, mesmo sabendo que estava sem calcinha, esqueceu de tirar a rola p/ fora pois já estava na posição que poderia ser comida por ele, me esfreguei a ponto dos lábios de minha xana começarem a doer sobre a braguilha dele, e nada! Ele estava realizando seu fetiche com minha blusa, então arranquei a blusa colocando na cabeceira do sofá, e todos que estavam perto admiravam meus firmes e belos seios médios com bicos róseos, querendo tocá-los e muitos o fizeram até depois de dar um beijo em meu primo e abrir sua blusa fui descendo até abrir sua bragueta e tirar a muito custo aquela rola dura e pronta p/ o sexo, fiquei de 4 chupando o pau dele, e minha saia ao escorregar sobre Roberto foi p/ cima deixando a mostra p/ trás minha bunda e minha boceta que já estava sendo chupada por um cara q fez sinal p/ meu primo que consentiu, o cara me chupava e enfiava um dedo na xana e outro no ânus, eu já imaginava a próxima etapa qdo ele pediu p/ aquele casal me chuparem os seios. Eu estava em contato físico-sexual com 4 pessoas até o cara que me chupava colocar camisinha e começar a me penetrar e meu primo deixar! Essa eu não esperava! Ele agora era voyeur do cara que fodia sua prima-amante, e antes dele naquele dia, me senti usada, mas gostando de ver ele dando uma de meu dono e isso me fez gozar,e nesse momento me pareceu ver meu marido na porta, ou a priscila, não! Era fruto de tesão p/ mim, antes do cara gozar, o priminho falou com ele que deitou-se de costas e reintroduziu o pênis em mina boceta, eu gemi alto e qdo dei por mim uma língua quente entrava em meu cuzinho, me fazendo gemer de prazer, em seguida era algo frio, entendi, lubrificante! Mal percebi e meu cu começava a ser comido por meu primo, doia muito mas deixei e ele bombava em meu cu (nunca dei o rabo p/ outro que não fosse meu marido, e ainda na frente de todo mundo)!, estava fazendo uma Dupla Penetração (DP) que logo virou tripla pois o marido (aquele casal), me ofereceu seu caralho p/ chupar, abocanhei na hora! Era uma TP! me fizeram gozar nua com 3 homens e na frente de todos que nos apreciavam Pedi p/ o cara gozar na minha cara e não na boca, e assim sai até o banheiro, nua de sandálias prateadas, blusa e saia na mão passando por um monte de homens e mulheres, até chegar ao banheiro p/ me lavar, não sei qto tempo fiquei lá, aí escutei meu primo me chamar pelo nome, aí sai já de blusa rosto limpo e em baixo também, ainda tive de escutar do cretino: Contos Imor(t)ais - SERA QUE É? – 184 -


– Priminha! Por que não usou o gel e as toalhas de papel da sala? – Devia te mandar p/ a puta que o pariu! Aliás Vá tomar em seu cú seu merdinha! Era p/ vc me comer a sós ou até diante de outro casal, até fazermos uma troca sem penetração; depois íamos nos juntar com a Priscila e o Reco p/ nós fazermos sexo uns diante dos outros e na 1ª chance faríamos uma troca usando camisinha p/ disfarçar! Você pensa igual aquele casal idiota que estava no aquário, mal começa a namorar e ao invés de conhecer a namorada prefere ver ela sendo fodida por qualquer um! Vai lavar esse pinto que me colocou no cú e me esqueça! Negligente! – Desculpe, eu não sabia como era..., foi o calor do tesão… – Vai lavar esse pinto mole ou quer que te mostre como faz? Moleque irresponsável! Abri a porta do banheiro e sai p/ achar Priscila e o meu marido, pois o casal q estava com ele já estavam com outro casal. Cheguei ao aquário e não vi Priscila, mas lá dentro estavam outros casais com exceção de um dos casais jovens, prestei atenção e mais uma vez outro moleque entregava a namorada p/ outro comer só p/ se dizer swinger aos 18 anos, e tinha uma outra jovenzinha sendo comida por outro coroa de uns 50 anos, mas essa até que tinha sorte, aquele coroa sabia como tratar uma mulher, certamente ele se dedicava a ela e lhe proporcionava muito tesão, enqto o bundão do namorado dela só observava ignorando uma mulher que o masturbava, aí fui contar quantos casais estavam lá, até pensei q Priscila se cansou e entrou lá, eram 6 casais e outra mulher só, mas admirava como aquele coroa sabia foder e dar satisfação a uma mulher! Em certo momento ele me olhou e deu uma piscada, eu não perdi tempo coloquei miha mão enterrada em minha saia, olhei o pau dele socando a moça lambi os lábios e lhe mandei um beijo, ele foi muito sutil, mas fez sinal p/ nos falarmos depois. Eis que chega o idiota de meu primo: – Nossa! a coisa aí está boa! Me desculpe, foi o tesão eo lugar! Cadê a Priscila? – Ah! se ela for esperta deve estar em alguma salinha reservada dando p/ um coroa como esse que sabe como tratar uma mulher! Ele olhou e vi que estava admirado com a cena, e o coroa sorriu p/ ele assim como a garota que gozava c/ a pica dele inteira nela, e o namorado só olhando...Aproveitei e disse: – Meu marido sabe me tratar e todas as mulheres que conheço e transaram com ele querem repetir a dose; é bom ficar olhando, mas tem que saber como fazer direito, é a experiência sim, mas tambem é o respeito e afinidade com a companheira, seja ela quem for no momento! Naquele momento o coroa terminou, tratou a jovenzinha como uma rara jóia a ser limpa com carinho, de relance fez sinal p/ eu esperar, abraçou e beijou a menina, foi até uma moça de pouco mais de 20 anos que transava c/ outro cara, vestiu a roupa, saiu da sala e veio até mim! – Olá bela menina Dos cabelos loiros e olhos claros! Não pude deixar de te admirar lá de dentro! – Olá! Eu também estava te admirando, é um dos poucos daqui que sabe como tratar uma mulher! Meu primo ficou vermelho, e com raiva de que eu estava sendo cantada por um cara com vinte e Contos Imor(t)ais - SERA QUE É? – 185 -


tantos anos mais velho que eu e eu estivesse dando bola… – Meu nome é Brad! E venho aqui de vez em quando, e aquela linda ruiva que você vê lá é minha esposa Sametrad, nome nórdico antigo. Esse é seu marido? – Não ele é meu primo e estamos esperando a namorada dele, meu nome é "Dette". – Seu marido está aqui? – Estava com um casal amigo, mas teve de sair um pouco… – Teria problema se nós nos conhecermos melhor em um lugar mais tranquilo? – Por mim não! Mas nós temos aquele pacto, ele precisa de minha autorização e eu a dele! – Igual eu e minha esposa, tanto que ao falar com ela naquela hora ela deu permissão de que eu transe com vc! – Legal! Gostei! Agora só falta meu marido..., não sei a que hora ele volta… Toquei com minha mão o pau dele por cima da calça, e ele retribuiu enfiando sua mão no meio das minhas coxas, qdo sentiu q estava sem calcinha seu pau até latejava enquanto eu o acariciava, ficamos naquela bolinação até meu primo dizer q ia procurar Priscila e saiu, o cara enfiou um dedo em minha boceta e eu até gemi, aquilo ia acabar em sexo nem que fosse no aquário na frente de todo mundo..., mas preferi abrir o jogo c/ ele: – Estou doidinha p/transar c/ vc, vc mexeu comigo cara!Sinta como estou molhadinha..., mas ....agora não dá, me dê seu telefone, ou marcamos outro dia aqui… – Tudo bem! Entregou um cartão e me pediu um abraço, concedi! Foi um abraço forte,apertado e gostoso principalmente sentindo aquela pica dura esmagando minha boceta, me deu um selinho e saiu. Achei melhor sair dali, e dei só uns 3 ou 4 passos e dei de cara c/ meu marido me olhando, peguei na mão dele e o puxei p/ fora de lá antes que Brad nos visse. Eu queria transar com Brad, mas aquele dia é p/ ser de meu primo, já estava quase o perdoando, aí meu marido me perguntou: – O que foi aquilo? – Aquele é o Brad!me achou bonita e interessante e veio conversar comigo, só conversou? Eu sou a psicóloga mas meu marido só pode ser paranormal, e acabei cometendo meu 3º erro em menos de 24 horas: – É !só conversamos e ele deu até o cartão dele, dá p/ guardar p/ mim, a mulher dele é jovem e linda só q tem nome esquisito, Sametrad… – E desde qdo só p/ conversar precisa pegar no pau do cara e deixar ele te tocar intimamente..., e ainda na frente de seu primo e de gente que conhecemos, que dirá seu primo?

Contos Imor(t)ais - SERA QUE É? – 186 -


– Acho q ele nem notou...(4ª besteira) Não deve ter notado vc mandar beijinhos pro cara, nem deve ter notado a pica que vc chupou na sala, nem notou que outro te comeu a boceta 2 vezes, nem que um desconhecido gozou na sua cara, muito menos notou que comeu seu cu sem permissão e vc deixou!!!! Piranha safada e mentirosa! Quase cherei de verdade pelas cagadas que fiz, mas indaguei; – Lembra que vc permitiu que eu vá transar com meu primo, e eu permiti vc com a Priscila! Vamos realisar hoje essa fantasia… – Realizar o que já foi realizado? Aí gelei, se falasse que ainda não tinha transado com meu primo poderia agravar a coisa.… – Como assim já realizado? – Vai continuar mentindo ou falar a verdade? Caiu a fixa! A possibilidade dele me ter visto com meu primo no quarto era real, então melhor falar a verdade: – Eu e ele transamos no apto ontem de madrugada! – 3 vezes e sem camisinha! Vc toma pílula, mas pílula não evita doenças!!! Meu mundo caiu! Acho que ele era capaz até de pedir o divórcio, afinal eu fui, infiel, mentirosa, promiscua e oferecida a outros homens, sem pedir consentimento dele, esconder coisas dele já não era confiável, cúmplice, sincera entre outras coisas, fiquei sem ação, até ele falar: – Sabe como se paga um chifre colocado? Com outro chifre colocado! E como se paga uma mentira, falando a verdade! – Não entendi! – Ontem enquanto vc transava sem permissão com seu primo, fui até Priscila q acordou fácil e cheia de dengos, mas ao invés de comer ela na hora fomos devagar e vimos vcs no auge da sacanagem, ela ficou p da vida e me levou até nosso quarto e transamos lá sem camisinha! Voltamos e vcs nã pareciam perceber q o tempo passa, fomos ao quarto deles e fizemos amor até gozar dentro dela de novo! Qdo voltamos p/ espiá-los já estavam acabando a última trepada e fomos deitar. Vc dormiu sobre meu leite com o mel dela e seu primo fez a mesma coisa...CHIFRE TROCADO NÃO DÓI! E hoje enqto vc estava em sua orgia particular com 3 homens comi a Pricila no labirinto, na sala treliça e na sala coletiva que vc estava, pena que não nos viram! – Isso é verdade? – Pergunte a ela se duvidar, mas ela vai chegar daqui a pouco com o corno do Roberto, vai me dar um beijo no rosto, dizendo que entrou no labirinto sozinha e qdo abusaram dos toques saiu de lá e ficou observando uma Gang bang, e se trancou numa sala de treliça apagando as luzes até ver um de nós passar que agora será o corninho de seu primo! Espere e verá! Contos Imor(t)ais - SERA QUE É? – 187 -


Fiquei parada lá sem ação parecia um pesadelo, não devia ter agido assim. como iria reconquistar a confiança de meu marido...; nesse momento chegam Pricila e meu primo dando um oi e beijando o rosto de meu marido e disparou: – Nossa! Vcs hein gente? Fiquei vendo aquele pessoal no aquário sózinha, então fui ao labirinto p/ sentir como era, fui apalpada de todo jeito e me mandei de lá,Passei pelas salas coletivas onde tinha suruba de todo jeito até chegar nos fundos onde tinham 2 mulheres e um montão de homens fazendo Gang Bang, me ficaram olhando depois de um tempoe convidaram p/ entrar, fugi de lá e encontrei uma sala de treliça que 2 casais acabavam de sair, entrei só, fechei a porta e apaguei a luz, esperando que um de vcs passasse por lá até que meu "noivinho" me salvou! Mareco olhou p/ mim com cara de quem sempre diz: eu nunca minto!!!, o que é uma verdade. Roberto me olhou,devia pensar q estava dando pro coroa, e me viu disponível e com o marido, então presumiu q nada havia mudado, mas havia mudado, pedi licença e fui falar com meu marido; – Olha ! Não te culpo se nunca mais vai confiar em mim, se quiser se separar de mim, ou outra atitude mas hoje e nos próximos dias vou fazer de tudo p/ te compensar,e quem sabe voltar a ser digna de sua confiança, errei feio, pisei na bola, desonrei um pacto. Vamos tentar ir a uma sala ou quarto privativo e transarmos, depois fazermos uma troca, mas meta com tudo na Priscila sem camisinha, e faça isso por alguns dias enqto estiverem em casa, meu primo é quase estéril mas os pais não contaram a ele, aproveita e engravida a namorada, que agora ele chamou de noiva, e ele que se foda com a família dela e a minha! Voltei e propus: Estava conversando com o Mareco em irmos todos a uma sala e transarmos nós 4 na frente um do outro sem troca e depois agente pode estudar uma troca de casais! – Demorô! Falou Priscila – Vamos lá ! disse Roberto Mareco nos conduziu a sala onde tinha gente que já me viram c/ meu primo, me deixou nua o mesmo fazendo Roberto c/ Pricila e transamos gostoso, nos beijamos, e aí p/ surpresa de todos foi Priscila quem disse: – Vamos trocar! Estou louca para sentir este primo! Abri caminho e ela sentou no pau dele de frente e começou a cavalgar, meu primo me agarrou e me fez cavalgar só que de costas p/ ele, nenhum dos 2 usou camisinha e ninguem disse nada! Gozei mais umas 2 vezes com meu primo, e percebia priscila sentir orgasmos multiplos, e numa leitura labial e até pude ouvir um pouco, ela dizia a meu marido: – Eu te amo! Me fode amor! agora nós somos um do outro, me faça um filho! Meia ciumenta aguentei aquilo tudo enqto o corno de meu primo pensava q estava sendo o máximo comigo… Contos Imor(t)ais - SERA QUE É? – 188 -


Num momento olhei p/ a porta e vi o coroa com a mulher nos observando, ele fez um sinal de positivo e sinal de:me telefone! Fiz 1 OK p/ ele as vistas de meu marido. Era hora de ir embora, saimos já pela manhã e chegamos ao apartamento e dormimos os 4 em nosso quarto em nossa cama King Size. De noite já começamos a transar uns na frente do outro e muitas trocas durante toda aquela semana, até eles irem embora, prometeram que voltariam, com a aprovação de meu marido e minha e voltaram mesmo depois de casados e do nascimento do filho dela! Mas continua minha dúvida: Transar com primo ser que é incesto?

ATO III Qdo meu primo Roberto e sua Noiva Priscila voltaram p/ o interior, pedimos p/ eles não contarem nada a ninguém(mas sabem como o pessoal do interior é linguarudo)exceto aquele fdp do João e a agora sua esposa Isabel. Ele tinha de saber q tinha acontecido entre a, na época, noiva dele e meu marido. Naqueles dias, sempre q transávamos comentavamos dos dias maravilhosos c/ meu primo e sua agora noiva Priscila! Acabamos resolvendo visitar meus pais, meus tios e meu primo na semana seguinte; chegamos lá almoço, jantar em família e meu primo com Priscila(falei c/ meu marido q estava a fim de matar a saudades de poucos dias, ele deu o OK), que nos convidou a visitarmos as obras da futura casa deles. Chegando lá era uma casa boa em fase de acabamento, mas c/ portões e janelas já colocados, mal ele acabou de mostrar e qdo virou p/ mim estava de blusa aberta e dei o maior beijo nele não vimos o Reco e Priscila, mas já imaginamos q estavam fazendo..., então vamos lá! Ele me deixou de 4 e me lambia por trás e logo começou a me penetrar qdo entram meu marido e Priscila ainda vestidos..., que disseram: – Como vcs são safados! Nem esperaram a gente!disse Reco. – Tenho de foder a boceta de sua mulher agora, pode ser que não tenhamos outra chance; olha como a putinha de minha prima gosta de sentir meu caralho! Roberto nunca tinha falado assim c/ meu marido, mas ele fez o mesmo c/ Priscila até gozarmos muito, e estava na hora de almoçarmos na casa de meus pais. Nos limpamos e tomamos um meio banho lá, e depois do almoço vimos q meu primo tinha razão, chegaram outros parentes e só pudemos sair de lá qdo voltamos p/ São Paulo. Na 2ª feira, falei com meu marido e telefonei p/ o coroa do club de swing Brad, quem atendeu foi sua jovem esposa Sametrad e disse que ele ainda não havia chegado, mas foi muito educada, Contos Imor(t)ais - SERA QUE É? – 189 -


falando q lembrava de mim do club, q eu era maravilhosa(ela também era) e se eu curtia swng e que mais… Depois de 45 minutos de conversa, ela me cativou tanto q tinha vontade de encontrá-los o mais breve possível, dei o nº de meu celular p/ ela e nos despedimos. Falei c/ meu marido e ele deu sinal verde p/ marcarmos uma hora com eles, mesmo fora do club. Brad liga meia hora depois e falando comigo, me elogiou, falou q nos viram na sala coletiva fazendo troca, e começou a esticar o papo safado tanto que em dado momento eu me masturbava na frente de meu marido, enqto ele descrevia as sacanagens q faríamos nos encontrando, falei p/ ele q colocaria no viva voz e ele q faria o mesmo p/ q nossos companheiros escutassem… foi a 1ª vez que fiz sexo pelo telefone, e gozei c/ meu marido me comendo da forma q Brad descrevia..., depois de 1 hora de sexo pelo telefone e dele e a esposa e eu e meu marido termos feito um swing telefônico, vimos q era hora de nos encontrarmos pessoalmente. Tem um motel que atende casais swingers, e seria lá que iríamos nos conhecer carnalmente! Combinamos que seria na 4ª feira.....

ATO IV Como relatei anteriormente, transamos c/ meu primo e sua noiva em nossa cidade, e isso ocorreria(e ocorre ainda)muitas vezes. Voltamos p/ São Paulo e resolvi na frente do marido ligar p/ o coroa maravilhoso q conheci no club de swing(Brad e Sametrad) e um estava a fim do outro. Telefonei e depois de uma conversa formal, ambos colocamos o telefone no viva voz p/ fantasiarmos uma transa, e o que ele dizia que estava fazendo comigo meu marido fazia e eu o chamava de Brad, o coroa que poderia ser meu pai(sinal de incesto contido?), e o que eu dizia q estava fazendo c/ ele Sametrad fazia em meu lugar e ele a chamava de Dette. Não sabia da parte deles, mas sendo minha 1ª vez em fazer sexo por telefone com outro e o marido assumindo o lugar foi 1 experiência muito, intensa, gratificante e nos abriu mais ainda os caminhos para um encontro real com eles e nos abrirmos mais com casais q conhecemos como a Tânia e Walther ou Berenice e Arnaldo, mas nos interessava agora era ver o coroa Brad em ação comigo, como fez com outras no club e o toque sexual q me deu naquele dia; me arrependia de não ter aceitado o convite dele p/ entrarmos no aquário ou irmos p/ um lugar mais escondido, mesmo c/ sem o OK de meu marido e ele estar nos observando...; mas agora já estava tudo consentido p/ fazermos de tudo! O sexo por telefone mexeu com meu marido mesmo! No dia seguinte pela manhã, Brad ligou e disse q queria me ver naquele dia mesmo e a sós(claro q me excitou, mas agora tinha de fazer tudo conforme nosso código) eu estava no consultório e só estaria livre lá pelas 16h, mas recusei, dizendo q só sairia a noite de lá, e voltaria p/ casa(fica a 3 quadras)e precisaria da autorização de meu marido e q eu prometi que seriam os 2 casais a se encontrar… Brad sugeriu então nos encontrarmos em determinado motel q também atende casais swingers, disse q era boa idéia e nos falaríamos no dia seguinte. Com certeza não daria p/ aguentar até o sábado no Contos Imor(t)ais - SERA QUE É? – 190 -


club. Falei c/ meu marido Reco a noite q o cara parecia querer me comer sozinha c/ ele, ou estaria me testando, pois tem aquele lance em clubs de swing de caras q levam prostitutas e caso de um que levava a irmã, e as apresentavam como esposas. No dia seguinte liguei p/ ele e combinamos, as 19:30 numa praça antes do motel; chegamos as 19:15h e o carro deles já estava lá, saimos do carro e eles também e nos cumprimentamos, 1° foi Sametrad(vou chamar de Same) que me deu 2 beijos no rosto e foi p/ meu marido, e depois foi Brad q me beijou no rosto mas nos 2 cantos da boca e quase sem eu perceber levou de leve minha mão a encostar em sua rola q já estava dura. Eles foram c/ o carro na frente e pediram a suite c/ 2 camas de casal e sauna, e para lá nos dirigimos, saimos do carro e entramos na suite, q era muito boa, 2 camas e 2 sofás, desa com 6 cadeiras, sauna, piscina, jacuzzi, pista de dança e muitos espelhos. Confesso q naquele momento fiquei travada e assustada, era nosso 1º encontro num motel c/ 1 casal q não conhecíamos praticamente, e todos devem ter notado pois partiu de meu marido me chamar p/ tomarmos um banho e vestirmos os roupões, Brad e Same falaram q iriam depois e deitaram-se em 1 das camas(com certeza notaram q eu não estava a vontade, quando saimos da ducha juro que esperava vê-los nus nos aguardando, mas só disseram : – Agora é nossa vez! Passados uns 10 minutos e com meu marido chupando meus seios e enfiando o dedo em minha vagina p/ me deixar relaxada e eu começava a bater uma p/ ele, saem os 2 vestidos com roupão e me veem de roupão totalmente aberto, seios e boceta a mostra. Brad sentou a meu lado e Same ao lado de Reco pegando em minha mão e ajudando eu a bater uma punheta p/ meu marido enqto Brad me despia suavemente do roupão e beijava minha nuca, minhas costas, passou a mão em minhas coxas até ele e Reco estarem me tocando na boceta, aí senti uma cabeça entre minhas pernas, era Same que começava a me chupar com carinho e firmeza, os 2 deixaram ela cuidando dessa minha parte e cada um beijava um seio meu, gozei na hora na boca de Same enquanto cada mão minha pegava na rola de cada um deles.... Quem será o 1º a me foder, pensava eu, aí meu marido começou a lamber minha xoxota, Same os meus peitos e Brad começou a me beijar, de repente toda a sua língua estava em minha boca, q me fez punhetá-lo mais rápido, enqto sua mão ia me abraçando, já não tinha dúvida em quem me foderia 1º, Same já havia colocado a camisinha no marido, e o meu q preparou o terreno da minha grutinha, afastou da mesma p/ q o coroa me possuísse na sua frente, me estiquei de costas e o beijo não parou até Same guiar a rola do marido em mim e começar a penetração, ele socou até encostar em meu fundo e aí tirou tudo (por que???pensei) e indicou p/ meu marido me penetrar enqto ele lambia meu cu e sua mulher beijava meu marido, e nem sei como, logo estavam Reco e Same transando de frente, e a coisa estava quente! Parece q subestimei a jovem ruiva, e já tinham mudado de posição qdo notei que Brad só observava a mulher sendo fodida por outro, ia toma a iniciativa qdo ele fez o sinal p/ aguardarmos… Não sei qtas vezes eles gozaram, mas pareciam estar se dando bem, enqto Brad colocou meu roupão e o dele(ué? desistiu?) e ficarmos em pé frente a frente mas observando a foda dos 2, ele pegou em minha mão e fez c/ q pegasse no pau dele por cima do roupão, em seguida levantou a parte da frente de meu roupão o suficiente para tocar em minha xoxota, enfiou um dedo e eu já estava sacando, qdo ele confirmou:

Contos Imor(t)ais - SERA QUE É? – 191 -


– Lembra no club? começamos assim e não terminamos, desta vez vamos até o fim! Você quer ir a um cantinho p/ ficarmos mais a vontade? – Quero! respondi eu meigamente, era q queria ter feito naquele dia.… Ele me levou até um cantinho c/ 1 mureta ao lado da pista de danças e enfiou agora 2 dedos dentro de mim enquto eu já tirava p/ fora seu pau, já nos beijávamos e el c/ uma mão em minha xoxota e outra em meus peitos, fechava os olhos de prazer, a mulher dele e meu marido nem sei q faziam, mas sabiam q queríamos um momento a sós, sem eles nos verem! Eu já tinha passado além do tesão,tirei o roupão, qdo ele se abaixou e chupava minha boceta(era eu que queria fazer isso c/ ele antes) até gemer de orgasmo, foi qdo ele se levantou já nu e me ofereceu a pica p/ chupar, tive uma cliente q acabou me despertando o interesse em fazer boquete, e eu procurei a imitar, chupei c/ tanta vontade q ele gozou dentro de minha boca, e sem saber o q fazer achei melhor engolir! Isso o deixou satisfeito, aí pensei(ele estava c/ camisinha...onde está? será q vai me foder sem?)em fazer ele me comer a boceta até gozarmos, nesse momento ele tirou uma nova do bolso do roupão, colocou, forrou o chão c/ os roupões me colocou de 4 e começou a me foder como fez com aquela jovenzinha no club..., o coroa sabia todos os truques p; fazer a gente querer mais, eu rebolava no pau dele (coisa q quase não fazia) e cada socada cuidadosamente planejava era mais prazer q me proporcionava, e saber q o marido não via(como teria acontecido no club), mas tinha dado sinal verde p/ tudo, me dava uma maliciosa sensação de traição. Eu sempre discreta já gemia alto c/ aquela pica me comendo muito gostoso, aí me colocou de pé em frente a um espelho e fez comigo o q fez c/ a menina do club, aquele caralho me fodendo por baixo, e vendo aquilo no espelho aumentava o tesão, e me imaginei de um dia no club entrar c/ ele no aquário e me comer assim, eu apoiada no vidro e meu marido nos vendo do lado de fora...impossível? agora sei que não! Gozamos assim de pé qdo vi escorrendo por minha perna a porra dele, a camisinha tinha estourado! Ele me perguntou se tomava pílula, se tive alguma DST? Disse q tomava pílula e nunca tive uma DST. Ele me disse q era muito preocupado com isso e como eram liberais os 2 faziam exames periódicos. Fiquei um pouco mais relaxada, ele me colocou de 4 e começou a lubrificar meu cú(de onde ele tirava tudo isso? só aí ví q estava tudo no canto da mureta)eu protestei falando q não fazia anal(era mentira minha), e ele já com 3 dedos me massageando KY dentro do ânus disse: – Então vai fazer hoje! Esse seu cuzinho precisa ser despertado! Colocou a camisinha e começou a rasgar meu já rasgado rabo, mas só tinha dado p/ meu marido e meu primo. Realmente esse coroa era safado, experiente, danadinho e muito gostoso, foi a melhor comida de rabo que levei e agora tive certeza, pela 1ª vez gozei no cú, sem ajuda adicional! Resolvemos tomar um banho juntos e já estavam na Jacuzzi, Reco e Sametrad se curtindo, tomamos 1 chuveirada com ele me lavando todinha e eu a ele e entramos na jacuzzi, qdo ele me entregou a meu marido e meu marido entregou a mulher dele, nunca imaginei tanta civilidade entre "cornos", afinal 1 não viu a sua mulher ser totalmente comida pelo outro. Dai os 2 casais como num ensaio fizeram 69 com os pares certos e sexo também! O dia seguinte era dia de semana e já era mais de meia noite, saimos de lá já nos despedindo com beijos na boca uma no marido da outra, eles só se abraçaram, mas aí fui até Same e ela correspondeu c/ um demorado beijo de língua. Concordamos que tínhamos muito a explorar entre nós 4 e fomos cada casal p/ sua casa. Contos Imor(t)ais - SERA QUE É? – 192 -


Eu e Reco combinamos que os reencontraríamos e ele só lamentou não ter me visto fodendo com o coroa, e até chegou a afirmar que eu deveria ter entrado no aquário com o coroa, assim ele teria me visto eu sendo comida, aí lembrei a ele q só não fui p/ o aquário ou outro canto com o cara pq não tinha a permissão dele, e aó ele me relembrou que não me deu permissão de pegar no pau do cara e deixar ele levantar minha saia, me bolinar e colocar o pau entre minhas pernas, pensei..ele tem razão! E ainda deixei o cara beijar meus peitos e me beijar,,, agi mal no club; então procurei o reconfortar; – Mas hoje vc ao invés de me castigar, me deixou ficar a sós com ele sem nos olhar, cumpriu o q prometeu, tenho o marido mais legal do mundo! Vamos lembrar que eu posso na próxima ida ao club, entrar no aquário com o Brad e vc ver de fora o que eu e vc vimos ele fazendo com a menina! Não ia ser legal? Meu marido e outros homens a fim de me foder e me vendo nuazinha sendo fodida por um coroa gostoso! Vc toparia isso? – Hummmm....! Quem sabe! Não sei não… – Pode ser neste sábado se vc quiser! – Quanta diferença amor! Vc dizia q não tinha vontade de beijar outro qdo falei de swing, e agora é uma exibicionista safada, além duma putinha sem pudor algum! É com primo, com desconhecido, com coroa que poderia ser seu pai, com outra mulher… Criei uma esposa safada e sem vergonha! – Pois é ! aculpa foi sua...rsrsrs..., mas vc prefere assim ou como antes? Ele me olhou rapidamente, enfiou a mão entre minhas coxas e respondeu: – Assim! – Então daqui a 3 dias vai me ver naquele aquário me exibindo a todos os homens e mulheres, enquanto o Brad(meu substituto de pai?) me traça e eu gozo aos rodos! – UmHum....., corajosa! Chegamos em casa e mesmo sendo de madrugada fizemos amor de novo com a imaginação voltada p/ o próximo sábado!

Contos Imor(t)ais - SERA QUE É? – 193 -


METERAM DUAS Sábado passado havia combinado com meu marido de sairmos pra dançar um pouco, gosto muito de dançar, mas lá pelas 8 da noite ele chegou em casa e disse que estava muito cansado e que não queria sair mais não, preferia ficar em casa e ir dormir… disse que tudo bem, mas eu estava querendo sacudir o esqueleto, me movimentar, e não apenas ir pra cama dormir… Lguei pras minhas amigas e elas me disseram que elas tinham combinado de irem pra Lapa dançar e se divertir um pouco, fiquei feliz e disse que eu iria com elas, tambem queria dançar e me divertir… por volta de 9 e pouco meu marido foi dormir e eu fui pra casa da Pollyana onde tínhamos marcado de nos encontrar, logo depois que cheguei tambem chegou a Natália e a Bárbara, batemos um pouco de papo e lá pelas 10:30 fomos pegar taxi, porque elas 3 bebem muito e não queríamos dirigir carro… Pegamos 2 taxis, porque 4 num só iria ficar muito apertado...chegamos na Lapa e logo elas começaram a beber latinhas de cerveja, eu não bebo, ficamos só batendo papo e rolando piadas e papo de sexo… resolvemos ir pra um salão dançar, mau chegamos e uns rapazes foram tirando nós 4 pra dançar… Polly, Babi e Nat já estavam bem alegres, e eu não quis nem saber, fiquei dançando direto, cada hora com um carinha diferente, elas paravam pra beber e voltavam pro salão, assim a noite foi se passando… Por volta de 2 da manhã elas já estavam as 3 de porre enrolando a lingua, então 3 rapazes foram levando elas embora pra uma picape, fui atrás e falei com elas, mas elas mau me reconheceram, estavam rindo muito e entraram na picape com os rapazes e se foram, voltei pro salão, estava batendo muito papo com um carinha sarado bonitão chamado Fred, ele não deixava nenhum outro cara se aproximar de mim, ele estava bebendo devagar e senti que ele estava a fim de me pegar, pelos papos e pela ousadia dele de me encoxar e se esfregar em mim o tempo todo, mas resolvi dar corda, e passei a me esfregar tambem nele, estávamos dançando forró e ele me agarrou por trás, aproveitei e esfreguei bem minha bundinha no monte nas calças dele, senti que ele estava excitado, e confesso que eu tambem estava, elas deveriam estar transando e eu tambem queria transar… O Fred me chamou pra irmos pra outro lugar pra podermos ficar a sós, eu topei, mas então apareceram 2 outros rapazes com caras de nerds, bobos e meio babacas, que não tinham ganho ninguem a noite toda, eles estavam os 3 juntos… fiquei sem saber o que fazer e o Fred tambem, chamei eles lá pra fora do salão pois estava muito barulho, eu estava doida por sexo, então pensei: "Os caras são nerds, mas têem pica!!!!" Então disse pro Fred: "Parece que seus amigos não ganharam nenhuma garota a noite toda, acho que eu dou conta dos 3, vamos pro seu ap!!!" Eles todos ficaram surpresos com o que eu disse, e eu tambem depois que falei… mas já eram 2 da manhã e eu queria ir embora, transar um pouco e ir dormir… peguei um taxi com o Fred e os outros dois, Diego e Bruno, foram em outro taxi logo atrás, chegamos no endereço em Botafogo e subimos pro ap os 4 no elevador, Fred já me agarrando e passando a mão pelo meu corpo, mau entramos no ap e os 3 foram me agarrando e tirando minha roupa, eram 6 mãos passeando pelo meu corpinho, Contos Imor(t)ais - METERAM DUAS – 194 -


uma sensação deliciosa, eu já estava molhadinha, Fred me fez ajoelhar e logo tinham 3 picas na minha frente pra chupar, Fred era o maior pau e bem grosso e foi logo colocando na minha boquinha, fiquei segurando e punhetando as outras picas… mas eles queriam logo meter… Diego tinha um pau normal e foi deitando no sofá e mandou eu sentar no seu pau, entrou na minha xaninha gostoso, Fred veio logo por trás e passou bastante saliva no meu cuzinho e no seu pauzão e encostou na portinha e fui sentindo a penetração no meu cuzinho, caí deitadinha em cima do Diego pela dorzinha, Fred meteu com força, e logo o Bruno me deu seu pau pra chupar, era tamanho normal mas bem grosso, eram 3 cacetões dentro de mim e nem podia gemer pois estava de boca cheia, tive logo um orgasmo e depois outro, até que eles gemendo muito começaram a gozar dentro de mim, os 3 gozaram muito e ficaram parados dentro de mim, eu dando chupadinhas e lambidinhas no pau do Bruno… foram tirando de dentro e foram mudando de posição, Fred resolveu ficar deitado no sofá pra descansar, eu fui sentando no pauzão dele, entrou até meu útero, Bruno veio metendo no meu rabinho tambem com força, e o Diego me deu seu pau pra chupar, foi outra foda gostosa eu recebendo 3 pirocas dentro de mim, os 3 falavam muita sacanagem e me fudiam gostoso, tive mais 2 orgasmos deliciosos até que eles tambem gozaram dentro de mim… ficamos todos ali parados, eu dando lambidinhas no peru do Diego… eles foram tirando e foram se sentando no sofá e nas poltronas pra descansar um pouco, eu fiquei de lado no sofá com a cabeça no colo do Fred… depois de algum tempo fui ao banheiro me limpar, voltei pra sala pensando em me vestir pra ir embora, mas os rapazes queriam mais… Fred me chamou pra chupar o pau dele e depois mandou eu chupar o pau dos outros dois rapazes, fui chupando e os 3 ficaram de pau duro novamente… Bruno foi se deitando no sofá e mandou eu me sentar no pau dele, fui me sentando com a bucinha no seu pau, entrou gostoso, o Diego veio pra trás de mim, e antes de meter ele disse pro Bruno tirar o pau da minha xotinha e meter no cuzinho, foi o que ele fez, tirou seu pau da minha xaninha e foi metendo no meu rabinho, vi o Diego passando bastante saliva no seu pau e senti quando ele encostou a cabeça na entrada do meu cu já preenchido pelo pau do Bruno, ele fez força e pareceu que meu cu estava se rasgando, foi uma dor imensa, mas ele meteu seu cacetão junto com o do Bruno no meu cu, era uma dor imensa mas um prazer gigante, não sei explicar, mas parecia um prazer gigante que nunca havia experimentado antes, eles começaram a bombar juntos num vai-e-vem dentro do meu buraco, parecia um vulcão prestes a entrar em erupção quando senti uma explosão de prazer dentro de mim e tive um super orgasmo hiper intenso, ao mesmo tempo os dois começaram a gemer alto e gozaram muita porra que ficou vazando do meu cu e até sujou o sofá… Ficamos os 3 ali parados por um longo tempo esperando o coração voltar aos batimentos normais, o Fred ficou o tempo todo parado do lado da gente só olhando a loucura toda!!!! Bruno e Diego foram tirando e eu pude cair deitadinha de lado no sofá com as pernas encolhidas, fui ao banheiro me limpar, mas quando olhei no grande espelho do banheiro me assustei com o rombo no meu cu, dava pra meter uma mão!!!!! mas me limpei todinha e voltei pra sala decidida a me vestir e ir embora...mas o Fred me segurou e disse: "Agora eu tambem quero esse cuzinho engolidor de pica que vc tem!!!!" E mandou eu ficar de 4 ali no tapete do sofá, obedeci e empinei a bundinha pra ele, ele foi logo metendo o peruzão no meu cuzinho arrombado, me enrabou gostoso e até tive um orgasmo enquanto me tocava no grelinho, ele gozou e foi tirando, mas mandou eu continuar ali de 4 com a bundinha empinadinha pra ele, então ele disse que queria ver quantos dedos conseguia meter no Contos Imor(t)ais - METERAM DUAS – 195 -


meu rabo, ele foi metendo logo 4 dedos, me alargou bastante, então o Bruno e o Diego que estavam em pé ao lado observando tudo, fizeram uma expressão de espanto, e eu senti uma dor gigante no cu, Fred então falou pra mim: "Soninha, meti minha mão toda no seu cu!!!!!" E ficou num mete e tira por algum tempo, a dor gigante se transformou em prazer gigante, comecei a me tocar e a sensação de prazer foi aumentando até que explodi num orgasmo super intenso de novo, Fred até parou a meteção de mão por tão alto que eu gemi...eu caí deitadinha de lado ali no tapete com as pernas encolhidinhas… não tinha mais força nenhuma pra me mexer, eles me elogiaram muito dizendo que eu era muito mulher pra aguentar tudo aquilo e ainda ter orgasmos… mau podia falar, mas sorrindo disse que eles é que eram loucos... Depois de algum tempo, me levantei e fui ao banheiro me lavar de novo, mas dessa vez fui logo dizendo que chega, que tinha que ir embora, me vesti e pedi ao Fred pra ir comigo lá embaixo pra pegar um taxi, pois já eram 5 da manhã… peguei o taxi, cheguei em casa e meu marido estava dormindo, fui pro banheiro e tomei um bom banho quente relaxante e demorado, me deitei na cama e apaguei… no dia seguinte contei tudo pro Paulo meu marido, ele disse que eu era louca, mas mandou eu me ajoelhar na cama e ficar de 4, abaixou meu shortinho e a calcinha pra ver o estrago, ficou admirado com o que viu, e me disse: "Mulher, seu cu parece cu de puta de rua, está lindo!!!!! de agora em diante tambem vou querer meter a mão no seu cuzinho!!!!!!" E ficamos rindo...

Contos Imor(t)ais - METERAM DUAS – 196 -


CASTIGADA Que eu sou uma peste, isto eu já sei, mas que meus desatinos me levariam a uma punição devassa isto eu jamais previ. Eu havia saído algumas vezes com Guilherme e na verdade não foi nada que saciasse as labaredas do meu fogo. E resolvi partir em busca do que me saciasse como mulher. Hoje pela manha ele chegou no escritorio e pediu que eu fosse até sua construtora no final da tarde. O olhei pensando o que de bom poderia acontecer se até então nada havia motivado a mudar meus conceitos sobre ele. Mas como boa curiosa aceitei prevendo que até poderia ser legal dar uns amassos e ficar naquela sensação gostosa de calcinha molhadinha. Ele se despediu com um até mais tarde e eu retornei a rotina sem muito interesse. As dezoito bati o cartão, desci a garagem peguei meu carro e segui para a construtora. Achei estranho quando toquei o interfone e ele pediu que eu entrasse pelos fundos. O obedeci e fui em direção a porta dos fundos, silêncio total quebrado apenas pelo som do meu salto em atrito com o piso. Abri a porta e fui caminhando pelo corredor escuro ate a sala dele. Quando abri a porta, que surpresa ele estava acompanhado de um homem o qual não conhecia. Um calafrio perverso percorreu minha espinha e sem esperar minha reação ele me agarrou com volupia. Suas mãos foram abrindo os botões da minha camisa, os estorando diante de uma presa descumunal. Ele tirou minha roupa sem pudor algum me deixando apenas de lingerie. Me segurando pelos braços me jogou sobre o sofá e outro sujeito se aproximou. Os olhos dele faiscavam um tesão despudorado e me pegando pelos cabelos abriu a calça e me fez chupa-lo.A adrenalina da perversão me deixava ensandecida, sentia meu corpo em chamas. Abocanhei a rola daquele homem chupando alucinada, enquanto ele gemia gostoso. Guilherme se ajoelhou e puxando minha calcinha de lado começou a lamber meu grelinho, a enfiar a lingua na minha bocetinha. De repente eu estava sendo dominada por eles e apreciando, desejando servi-los. Mas Guilherme estava disposto a me sacrificar, se despiu e me obrigou a chupa-lo. Fiquei revisando entre aqueles cacetes duros e famintos, punhetava um e mamava o outro. Quando eu manifestava o desejo de algo, Guilherme me impedia e me fazia obedece-lo. Aquele homem desconhecido sobre o comando dos olhos do Guilherme tirou minha lingerie e me fez deitar no sofá. Deslizou sua boca quente por meus seios enquanto sua mão entrava e saia da minha bocetinha me fazendo urrar. Guilherme me pegou pelos cabelos, mordeu meus labios depois me bateu na cara dizendo e disto que gosta sua ordinária. Eu nada disse com medo de sua reação e neste momento ele enfiou seu cacete na minha boca dizendo chupa, chupa gostoso pro teu macho. Ah, como eu adorei mamar aquela rola e ve-lo se entregando a minha volúpia. Mas o homem desconhecido nos interferiu e assumindo o comando me mandou ficar de quatro. Contos Imor(t)ais - CASTIGADA – 197 -


Guilherme apenas disse o obedeça delicia e assim fiquei com a bundinha impinada para saciar aquele devasso desconhecido. E o safado me deu palmadas na bunda que estalavam no ar, pensando que ele meteria sua grossa rola no meu rabo comecei a roçar meus dedos na minha bocetinha melada. Mas para minha surpresa Guilherme veio e estocou seu delicioso cacete na minha racha, estocava forte me puxando pelo quadril. Gemi enlouquecida e o desconhecido veio e me beijou a boca depois começou a punhetar seu cacete me fazendo apenas lambe-lo. Lambi alucinada, salivando para mama-lo e quando ele ficou todo melado, ele sorriu diabolicamente. Extremeci diante de sua afirmativa, agora sim o mais gostoso vai começar. Guilherme deu a voz de comando, me dizendo agora voce não ira mais reclamar do meu desempenho. E ordenando para o desconhecido pediu a este que se deitasse no macio tapete. Prosseguiu dizendo quero que nos olhe, que veja o quanto esta mulher e devassa e gulosa. E continuo metendo na minha bocetinha, até que não aguentando mais o tesão pedi a ele os quero dentro de mim. Dando uma sonora gargalhada ele me disse delicia, assim que gosto obediente e putana. Os olhos do desconhecido estavam vidrados em nos e quando me levantei do sofá e fui até ele, me puxou me fazendo se sentar sobre sua rola. Num encaixe perfeito minha bocetinha engoliu seu mastro e eu fiquei estocando ele com força na minha racha faminta. Neste momento Guilherme se aproximou lambendo meu pescoço, sussurrando obscenidades. O olhei safadamente e pedi venha meu macho, sacia meu fogo que hoje sou tua. E ele com o pau duro e latejante roçou meu rabo, gemi dizendo aiiii que gostoso. Ele retrucou mais gostoso sera o que farei, e foi enfiando a cabeçorra no meu orificio apertadinho, me fazendo dar gritinhos de dor e tesão. Quanto eu mais gemia e gritava ele forçava me arrombando as pregas e estocando sem do. De repente lá estavam aqueles dois homens dentro de mim, me proporcionando um devasso prazer. Metiam gostoso, estocando sem do em meus orificios me deixando toda melada. Em extase meu corpo extremecia, sentia meu corpo arder num tesão maravilhoso quando recebi os jatos de porra do Guilherme no meu rabo. Ofegante e suado ele se levantou dizendo ainda não acabou, hoje voce não levara melzinho na bocetinha, saia da ai agora. Um tanto trêmula o obedeci e neste instante ele disse fique de joelhos meu amigo vai se sentar no sofá e voce vai engolir toda a porra dele. Euforica e sedenta adorei sua ideia, e quando o desconhecido se levantou indo se sentar no sofá de joelhos comecei a lamber seu cacete. Ele arfava selvagemente e diante deste devasso comecei a morder a cabeçorra, a deslizar a lingua por seu mastro e depois a chupar suas bolas manhosamente. J á não controlando seus impulsos ele me pegou pelos cabelos e me fez abocanhar seu cacete e chupa-lo freneticamente até que sua porra jorrou em minha boca. Guilherme que a tudo observava neste instante disse engole, engole tudo gostosa, o obedeci lambendo os labios. Eles depois desta farra me ajudaram a me vestir e fui obrigada a colocar sobre minha camisa um sueter, pois com a furia do Gui alguns botões se soltaram. Antes que eu saisse da construtora Guilherme me disse voce foi uma boa menina, amanhã a quero aqui no mesmo horário. Apenas sorri, as surpresas e emoções haviam sido por demais intenças para que dissese algo naquele momento. Enquanto eu dirigia para casa, somente uma certeza em meus pensamentos jamais colocaria em duvida o poder de um homem.

Contos Imor(t)ais - CASTIGADA – 198 -


O AMIGO DO MEU MARIDO ATO I Bom como é a primeira vez que escrevo aqui vou me apresentar. Meu nome é Gabriele mas me chamam de Gaby. Tenho 27 anos 1,62 de altura, e 55kg, cabelos loiros e sempre com a pele bronzeada .Meus peitos não são muito grandes mas já penso em por silicone. Tenho uma bunda de média pra grande e coxas grossas. Quase sempre recebo cantadas e elogios por onde passo. Apesar de já ter 2 filhos me considero gostosa e atraente. Sou casada a 6 anos como Renato. El e tem 31 anos, 1,80 de altura é bem gostoso e tem um pau delicioso de uns 19 cm… Bem sempre tivemos uma vida normal na nossa cidade interior do RS, e minha vida sexual sempre foi boa, afinal meu marido é muito safado na cama. Mas a alguns meses aconteceu algo que me marcou e de certa forma melhorou ainda mais meu casamento. Meu marido tem um amigo, o Eduardo, que foi morar a tempos no Paraná e nos liou que estava de passagem pela nossa cidade, e então ele o convidou para ficar 2 dias em nossa casa. Como nossos filhos estavam na casa dos avós, não vi problema algum. Ele chegou em uma 5ª feira véspera de feriado. Já era tarde da noite. Apenas nos cumprimentamos, ele entrou pediu se podia tomar um banho, disse que estava cansado e queria dormir. Achei Edu normal, era bonito, tinha mais ou menos 1,78 e parecia malhar muito. Fomos dormir e deixamos para conversar no outro dia. Acordei, coloquei um shorts bem curto e uma blusinha como sempre fico em casa até porque estava muito quente, tomamos um café e nisso Edu acordou. Ele colocara uma bermuda e uma regata, na qual conferi mesmo que ele tinha um belo corpo. Conhecemo-nos um pouco melhor, afinal não o conhecia ainda. Renato e ele conversavam muito lembravam a época em que saiam nas festas, e de outros tempos. Volta e meia via Edu me olhar parecia me comer com olhos. De certa forma eu gostava, afinal que mulher não quer se sentir desejada? Como fazia calor, começamos a beber cerveja logo depois do almoço. Levamos Edu dar uma volta pela cidade e voltamos quase a noitinha. Continuamos a beber e notei que meu marido já piscava no sofá. Eu e Edu riamos e continuamos bebendo. Também não sou muito forte e já começava a ficar tontinha. Avisei que iria dormir, meu marido disse que também iria, Edu tomou mais uma e também foi. De madrugada, acabei acordando com um barulho e não consegui mais dormir, era Edu que havia ido ao banheiro. Como sempre deixo a porta meio aberta, e vi quando ele passou. Na volta, fingi estar dormindo e vi ele parado na porta me olhando, afinal não durmo coberta. Ele me olhava e alisava o pau sobre a cueca. Nossa realmente ele era muito gostoso. Não dei bola, achei que ele iria sair e virei de lado, com a bunda para ele, pra provocar um pouquinho rsrsrsrsr.....mas quando percebo, ele estava ao meu lado de pé ...me olhava de cima a baixo. Fingi que dormia pesado, queria ver onde isso ia dar. Fui ficando excitada, outro homem me olhando em minha intimidade. Ele tocou de leve em meu ombro, depois um pouco mais forte. Fingi que dormia...ele então chegou perto de minha bunda, começou a cheirar, passar a mão de leve… eu dormia muito pesado para perceber rsrsrsr, pensei em terminar brincadeira, mas ele abusando mulher do amigo, com ele dormindo no lado, me deixou muito louca. Contos Imor(t)ais - O AMIGO DO MEU MARIDO – 199 -


Ele então começou a passar a mão massageando minha bunda, então me virei de bruço com a perna esticada, formando o numero 4. Tava muito gostoso, ele passava a mão por cima da minha calcinha, alisava minha bucetinha, que já estava ensopada. Tava uma tortura, queria gemer,ter aquele macho dentro de mim, mas via meu marido o lado e já não pensava direito. Ele afastou minha calcinha e enfiou um dedo. Quase gozei. Passou a lamber, chupar...eu já gemia baixinho. Nisso meu marido se virou na cama, Edu se assustou e levantou, mas quando ia sair puxei-o pelo braço… ele se deitou no meu lado atrás de mim. Me virei, nos beijamos… o pau dele parecia explodir dentro da cueca… tirei ele pra fora... nossa…. que delicia! Me virei de costas para ele e guiei ele até minha bucetinha, lisinha, ensopada de tesão.… ele penetrou, me preencheu toda… ia estocando devagar e aumentava… que delicia!! Arrebitei mais a bunda pra ele e abracei meu marido...ia rebolando junto.. ele beijava meu pescoço… to, um leitinho quente no bem no fundo. me virei, nos beijamos e ele foi pra sua cama… me virei realizada, me sentindo viva.… abracei meu marido e me bateu um remorso… pensei no que fiz… trai meu marido com seu amigo... abraçado a ele… mas não acaba ainda...

ATO II Depois que o Edu me comeu na minha cama, com meu marido no lado, não consegui dormir. O sentimento de culpa, o remorso por ter traído meu marido que eu amo tanto... tentei encontrar motivos, talvez a ousadia de Edu em me provocar... não sei… acabei cochilando um pouco. De manhã acordei, vi que Renato e Edu tomavam café e conversavam animadamente. Cara de pau, comeu a mulher do amigo e ainda ria com ele! Fui tomar um banho, estava ainda toda melada da porra do Edu, me ensaboava, me sentia uma puta… o remorso… o sentimento de culpa.. mas quando me lembrava me dava um tesão imenso… uma confusão na minha cabeça... lembrava o pau dele ...Terminei, coloquei um vestidinho leve... fui até a cozinha, dei um beijo no marido, cumprimentei Edu, morria de vergonha… Mais tarde enquanto eles conversavam fui preparar o almoço... pedi pro Renato ir ao mercado em frente de casa comprar algumas coisas que faltavam.... estava na pia, Edu me agarrou por trás... pedi pra ele parar… queria e não queria ao mesmo tempo.... ele beijava meu pescoço, passava a mão em minha bunda por baixo do vestido, alisava minha bucetinha... não resisti.... evirei o beijei... alisava seu cacete duro por cima da bermuda e ele com o dedo enfiado na minha xaninha.... eu marido voltou… paramos... me perguntava porquê não conseguia resistir a esse macho... quando Edu foi tomar banho, meu marido me atacou.. me beijava passava a mão em mim... retribui… peguei seu cacete... delicia.... acabamos fazendo uma rapidinha na cozinha.... mesmo estando muito confusa com tudo, decidi que nessa noite queria ter esses dois machos gostosos pra mim... mas como? Fui arquitetando um plano, e claro, cada pouco faltava algum coisa e um marido ia no mercado... Edu entendia e me atacava...rsrsrsrs Como a tarde começou a chover e eles queriam assistir o jogo do time deles, fui fazer as unhas... De noitinha pedi para fazerem uns petiscos na churrasqueira... caipirinha... cerveja.... acabamos, entramos e decidi que era hora de por meu plano em pratica... disse que queria assistir um filme... sabia que no pendrive do Renato sempre tem uns filmes pornôs que assistimos. Fui passando para achar um, passei por eles e disse: Contos Imor(t)ais - O AMIGO DO MEU MARIDO – 200 -


– Amor, que tal assistirmos esses? Será o que o Edu não se importa? Edu respondeu: – Fiquem a vontade! Meu marido concordou. Coloquei o filme e por coincidência (rsrsrsr) era um que tinha 2 homens e 1 mulher....assistimos... estava muito excitada... quando começou a dp na tv, comentei....será que é gostoso? Se sentir preenchida por 2 machos! Renato me olhou e com uma naturalidade que me espantou e me pede. Gostaria de experimentar? Olha para Edu e diz: – Topa? Edu me deu uma olhada, ficou meio sem jeito mas concorda... ele chamou ele para junto com nos no mesmo sofá... Renato me beija… começa me passar a mão... comecei a alisar seu cassete... Edu passava a mão em minhas coxas... me irei pra ele e o beijei... Renato tirou a roupa, baixou as alças do meu vestido, tirou meu sutiã e começou a chupar meus peitos… nossa que tesão… beijando um e outro me chupando... fomo para nossa cama, tirei a roupa e Edu a dele… continuei beijar Edu e Renato por trás beijava meu pescoço... deitei na cama, o Re começou a chupar minha bucetinha sem nenhum pelinho, encharcada de tesão... Edu me deu seu pau... coloquei na minha boca, mal cabia… chupei… já não tinha mais aquele sentimento de culpa… ele segurou minha cabeça e ia fodendo minha boca… meu marido começou a me comer… uma delicia... que paus!!! Que homens!!!! Invertemos. Comecei a cavalgar em Edu e a chupar o pau do Re… rebolava muito naquele cacete delicioso...gozei... queria mais... fiquei de 4, meu marido se colocou por trás e metia… começou a esfregar o dedo em meu cuzinho… lubrificou ele e começou a forçar o cacete… foi entrando devagar… fazia tempo que não dala ele. Senti um pouco de dor, sem tirar o pau do Edu da boca ia gemendo… senti suas bolas bater na minha bunda.. arrebitei mais...rebolava... O Re pediu pro Edu comer o cuzinho da esposa...Come prova ele...sei que vc queria comer ela desde que chegou… Fiquei de ladinho... Ele me penetrou de uma vez só...dei um gritinho... o Re enfia seu pau na minha boca… parecia que ver sua esposinha com outro fez seu pau duplicar.... ele se deitou, pediu pra eu cavalgar ele… sentei no pau... Ele me olha e fala: – Tá na hora de se sentir preenchida por dois machos... vamos Edu, vamos tirar a curiosidade dela… Com o pau do marido na buceta, me arrebitei e senti Edu pincelando meu cú... quando ele me enrabou, vi estrelas, mas não de dor, e sim de prazer… algo que nunca tinha sentido… dois machos me comendo ao mesmo tempo… (mulheres, quando tiverem oportunidade, façam! vale a pena) os movimentos se alternavam, um entrava outro saia… fui a loucura… ficamos uns 10mim assim.… Contos Imor(t)ais - O AMIGO DO MEU MARIDO – 201 -


anunciei que ia gozar… Gozei... gozei muito… Edu e o Re também acabaram gozando, ao mesmo tempo...meu cú,minha xaninha...inundados de porra...escorria pela minhas pernas...me deitei exausta... dormi feliz no meio dos dois, abraçada no marido e Edu me abraçando por trás. realizada me sentindo uma outra mulher … De manhã cedo Edu acordou, ia pegar o ônibus, acabou me comendo de novo… de ladinho como na primeira noite… (meu marido não sabe que ele e comera naquele dia) gozamos… ele foi tomar banho… acordei meu marido...tomamos banho levamos Edu na rodoviária. Combinamos que a cada passagem dele pela cidade, ficaria na nossa casa. De noite fiz amor a noite toda com meu marido.

Contos Imor(t)ais - O AMIGO DO MEU MARIDO – 202 -


ABANDONADA Andava muito preocupada com Eduardo, meu filho, que era muito introvertido e só tinha amizades no colégio; ainda assim muito poucos. Notei que ele ficou ainda mais fechado quando seu pai saiu de casa pra morar com outra mulher bem mais nova do que eu (20 anos)... Até comigo Edu conversava pouco; vivia trancado no seu quarto usando o computador até de madrugada. Quase tive um troço, quando ao pegar as roupas sujas no banheiro sujei minha mão com uma gosma que estava grudada na minha calcinha, e examinando direito deduzi que era esperma e que só podia ser do meu filho. Sem saber o que fazer, fiquei calada e passei a examinar diariamente minhas calcinhas e quase todos os dias tinha alguma suja novamente. Passei a imaginar meu filho se masturbando pensando em sexo comigo, e, como eu andava carente comecei a ficar excitada e ao mesmo tempo me sentindo suja por pensar aquelas coisas com meu filho. Mas como dizem que o capeta atenta, limpando o banheiro soquei o cabo da vassoura no vidro da janela (que dava pra área) abrindo um buraco de mais ou menos uns 5 cm. Eu poderia até no mesmo dia ir à vidraçaria e pedir pra trocar o vidro... Mas acabei que tive a absurda idéia de deixar daquele jeito por algum tempo. Chegou a noite (nesse mesmo dia) e quando Edu foi tomar seu banho, como uma adolescente curiosa fui pra área e sem acender a luz fui espiar meu filho pelo buraco. Edu, assim que ficou totalmente nu abriu o chuveiro e foi até o cesto de roupas pegando uma calcinha, cheirando minha calcinha e movimentando a mão no seu pinto que foi crescendo e ficando num tamanho impressionante. Fazendo muitos anos que não via meu filho pelado, fiquei pasma vendo aquele tamanho que era quase o dobro do pai dele; e Edu envolvendo seu pinto com minha calcinha começou freneticamente a se masturbar por uns 4 ou 5 minutos até soltar dentro do vaso todo seu gozo... Fiquei com minha buceta tão molhada que o liquido escorria pelas minhas coxas. Mas somente dois dias depois é que fui perceber que Edu tinha descoberto que o vidro estava quebrado e que podia também me espiar tomando banho... E no fundo era isso que eu estava desejando. Fingi que não percebi que ele estava na área, e tentando controlar meu nervosismo deixei de propósito a cortinha do box aberta fazendo questão que ele visse lavando minha buceta virada de frente e depois de costas esfregando meu bumbum... Depois me arrependi. Mas no dia seguinte estava eu lá novamente sabendo que ele me espiava e querendo me exibir pra ele... Eu com meus 39 anos sabia que tinha um corpo certinho de fazer inveja a muitas garotinhas: miúda, magrinha, seios pequenos e bumbum cheinho e ainda firme. Passado uns 4 dias, com minha excitação no limite, entrei pro banho e assim que fiquei nua (percebi Edu já na área), abri a porta do banheiro e gritei por ele... Deixei a porta aberta com uma pequena fresta e abrindo o chuveiro entrei no box. Edu chegou na porta: – O que foi mãe??? – Pega minha toalha que está lá no varal??!! Menos de dois minutos: – Vou deixar aqui na porta! Contos Imor(t)ais - ABANDONADA – 203 -


– Pode entrar filho; coloca aqui perto de mim! – Posso entrar mesmo? – Claro que pode Edu; nunca que vou ter vergonha de você! Deixei a cortina do box aberta até o meio, o suficiente pra eu vê-lo e ele também ver um pouco de meu corpo bem de perto. Edu todo sem jeito ao colocar a toalha pendurada deu uma olhada em mim de cima em baixo; e quando ele já ia sair: – Quer ficar aqui e esperar eu terminar meu banho? – Mas mãe... Eu não sei se devo... É que eu fico sem jeito!… Escancarei a cortina e pegando a toalha sai do box ficando bem ao seu lado; sorri: – Eu é que tinha que ficar sem jeito perto do você; e não você por minha causa, não é? Ele estava apavorado, mas quando lhe dei a toalha e pedi pra enxugar minhas costas, mais que depressa ele começou a agir. Depois das costas, Edu foi ficando empolgado e desceu pro meu bumbum e o enxugou descaradamente; e foi ele mesmo quem pediu: – Quer que eu enxugue também na frente? Virei, e ele parecendo ficar desinibido rapidamente teve a ousadia de enxugar meus seios, minha barriga e em seguida passando a toalha entre minhas pernas deu algumas esfregadas na minha xoxota. – Nossa filho; parece que gostou de ajudar a mamãe, não é? Ele tentando esconder sua virilidade colocando a toalha na frente; abriu um sorriso: – Caramba mãe; você tem um corpão muito maneiro! Peguei sua mão e a coloquei sobre meu seio: – Gostou do corpo da sua mãe, é? Ele apalpou, e largando a toalha cair no chão levou a outra mão no outro seio: – Noooossa, que legal mãe...! Eu olhando pro volume formado na sua bermuda: – O que é isso ai Edu? Ele largando dos meus seios pra esconder com as mãos e virar de costas pra sair do banheiro... Segurei-o pelo braço e o forcei a virar de frente pra mim de novo: Contos Imor(t)ais - ABANDONADA – 204 -


– Larga de ser bobo Edu; eu sei o que é isso! – Desculpa mãe, é que não deu pra segurar! – Segurar o quê Edu; perto de mim, nada de querer esconder... Deixa ver como ele está; deixa! – Mas... Mas... Mããeeeee??!!!!! – Só quero te ajudar filho; eu sei como vocês fazem quando ficam assim...! E ele mesmo envergonhado deixou abrir sua bermuda e puxar seu imenso pinto pra fora... Senti um fogo tomar conta de todo meu corpo quando segurei o pau duro do meu filho. Levantando a tampa do vaso: – Chega aqui perto Edu; deixa a mamãe fazer pra você! Comecei a movimentar minha mão firme e compassada mexendo com a pele do seu pinto: – Nooooosssaaaaa! É muito gostoso mãe! Hummmm! Hummmm! Aaaaahhhhh! Aaaaahhhhh!… – Vai filho! Vai! Goza pra mamãe ver! – Já vou gozar mãe! Jááááááá voooouuuuuu goooooozarrrrrrrr...!!!!! Como era eu que o estava masturbando, o primeiro jato foi bater na tampa do vaso como um torpedo, pra só depois acertar o restante no lugar certo. – Gostou? – Caramba; foi de mais mãe... Maneiraço!!!! Só que eu tive que ir pro meu quarto, e depois de quase 20 anos toquei novamente uma siririca gozando feito uma vaca. Não pensei que Edu fosse ficar tão sem vergonha... A noite quando chegou do colégio e me vendo de camisola: – Ué mãe; você já tomou banho? – Já... Por quê? – Queria te ver de novo tomando banho! O fogo novamente foi dominando meu corpo que senti minha buceta até palpitando... Tentei resisti à tentação, mas não consegui: – Vai você tomar banho; que eu já vou lá! Acho que Edu queria que eu o masturbasse novamente; mas era eu que queria muito mais... Tava carente de um pau de verdade na minha buceta, e o do meu filho estava me deixando louca. Só dei Contos Imor(t)ais - ABANDONADA – 205 -


tempo pra ele ficar pelado pra entrar no banheiro e ver o safadinho já de pau duro me esperando. Fiz um pouco de carinho no seu pinto: – Quer que a mamãe fique também pelada? – Claro que eu quero... Você deixa beijar seus peitos? Tirei a camisola e a calcinha: – Mamãe deixa você fazer tudo que quiser; tá bom? – Tudo mesmo mãe? – Tudo filho... Faz de conta que eu sou aquela garota que você deseja muito! E o danadinho não só beijou como mamou sugando meus mamilos me deixando mais louca ainda: – Quer enfiar ele na mamãe? Fiquei de joelhos sobre a tampa do vaso e apoiando as mãos na parede fui explicando de como ele tinha que fazer... Tinha certeza de que era a primeira vez dele: – Assim mesmo Edu; agora empurra; empurra tudo pra dentro da mamãe! Foi como se eu voltasse lá nos meus dezessete anos quando levei pau na xoxota pela primeira vez... Felicidade total sentindo aquele mastro entrando pra dentro de mim. Edu deu umas dez socadas e por incrível que pareça começamos a gozar ao mesmo tempo... Um delicioso orgasmo enquanto ia sentindo meu filho despejando todo seu esperma no fundo da minha buceta. Tomamos banho juntos, e Edu foi explorando todo meu corpo com as mãos enquanto eu ia fazendo carinho no seu pinto: – Você deixa de novo mãe? Não tinha passado nem dez minutos e ele estava novamente tendo uma ereção. Naquele momento resolvi voltar no tempo e fazer tudo que gostava de fazer com o meu primeiro namorado... Meu exmarido foi o segundo, e sempre fizemos sexo tipo papai e mamãe. Fiquei de joelhos da frente do meu filho e pra não assustá-lo comecei a beijar seu pinto e a lamber antes de abrir a boca e engolir um terço daquela enorme pica e começar a chupar: – Caaaaaralho mãe... O que está fazendo? Não tive nem como responder; continuei mamando gostoso e Edu segurando minha cabeça com suas mãos começou a gemer até gozar novamente inundando minha boca de porra. Edu virou um tarado que queria sexo várias vezes no dia; chegou a me comer e a gozar em mim 5 vezes começando de manhã no café e terminando 11 horas da noite na minha cama... Fiquei com minha buceta esfolada nesse dia. Mas o pior foi quando cismei que tinha que dar minha bundinha pro meu filho. Novamente na cozinha, quando o safadinho tirou minha calcinha, sentei sobre a mesa e fui ensinando ele a chupar minha buceta... Edu logo pegou o jeito e lambeu tão gostoso que Contos Imor(t)ais - ABANDONADA – 206 -


rapidamente tive um esplendoroso orgasmo; e quando ele veio pra meter na minha buceta, pedi pra ele esperar, e pegando um vidro de óleo vegetal passei bastante na cabeça do seu pinto e o levei até a sala onde fiquei de quatro sobre o sofá e pedi pra ele enfiar no meu rabo. Tendo também minha última vez ainda quando solteira, confesso que vi estrela quando meu filho enfiou sua espada até o fim e iniciou um vai e vem até um pouco violento. Desde quando perdi minha virgindade; aos dezessete, nunca tinha feito sexo com tanta intensidade como estava tendo com meu filho... Mas se ele está feliz e eu também, vamos deixando rolar.

Contos Imor(t)ais - ABANDONADA – 207 -


O CONTO ATO I Olá, tomei muita coragem de começar a escrever esse relato pois eu precisava soltar o que esta preso em mim e como se trata de um assunto um pouco polemico não tenho como compartilhar. Espero que aqui consiga compartilhar com alguém. O que ocorreu comigo foi desde o início desse ano e de lá pra cá as coisas mudaram muito em minha vida. Vou me apresentar: Me chamo Fátima tenho 40 anos, sou morena clara e baixinha tenho 1,62 de altura, meus cabelos são castanho claro e lisos até meu ombro, tenho um corpo muito bonito, não sou magrinha mas meu corpo chama muita atenção pois por ser baixinha tenho um bumbum relativamente grande pela minha estatura e os meus seios são médios e não estão muito caídos. Há algum tempo atrás eu tive um relacionamento com um homem casado, onde eu era sua amante na época e desse relacionamento eu tive um filho, Ricardo um filho muito bom e trabalhador hoje com seus 22 anos, Rick, assim como eu o chamo um rapaz muito tímido e pouco sai de casa, teve uma namorada, a qual eu conheci, mas depois não apareceu mais com nenhuma. Bom como todas as mães que acham seus filhos lindos, eu acho o meu também. Mas olhando como homem meu filho não é um rapaz de chamar muita atenção. Talvez não tenha tanto sucesso assim, pois ele é um rapaz bem alto 1,91 e magro moreno claro cabelos curtinhos e olhos castanhos. Depois que meu filho nasceu acabamos rompendo o caso e o pai do meu filho não assumiu, mas de um jeito acabou dando uma força pra mim no começo de tudo. Eu e meu filho moramos em uma casa muito humilde nos fundos da casa dos meus pais onde tem apenas três cômodos: uma cozinha, meu quarto e uma sala onde meu filho dorme. Vivemos muito bem e somos muito apegados onde conversamos de tudo: sexo, drogas, trabalho e muito mais. Andamos em casa muito à vontade, eu sempre com as minhas calcinhas e blusas e meu filho de short. Quando eu estou só, gosto de andar nua! Eu e meu filho dividimos o guarda-roupa e às vezes o vejo de cueca. Meu filho também me vê com as minhas calcinhas que às vezes não ando em casa por se tratar de calcinha mais sexy. Depois desse relacionamento tive alguns namorados, sou uma mulher muito família e não saio com qualquer homem e também nunca trouxe um homem pra dentro de casa, mantendo meu caráter de boa mãe e de uma mulher de família. Mas adoro sexo e quando estou transando me entrego toda, pois dentro de quatro paredes e de porta fechada, acho que tudo vale para um boa transa. Considero-me uma mulher muito “caliente” quando se trata de sexo e, como qualquer pessoa, adoro me masturbar tanto no chuveiro como em minha cama e também adoro gemer quando faço isso, mas sempre procuro me masturbar quando meu filho não esta em casa. Claro que já aconteceu de me masturbar com ele em casa, como em uma madrugada que estava me masturbando praticamente de quatro na cama e acabei gemendo um pouco mais alto e percebi que meu filho havia acordado. Só deu tempo de puxar o lençol e me cobrir. Disse a ele que estava tendo um sonho. Bom, essa é minha vida que levo, mas o que vou contar é outra coisa: No inicio desse ano eu e meu Contos Imor(t)ais - O CONTO – 208 -


filho compramos um computador que ele sempre queria e nesse ano conseguimos comprar. Meu filho não saia da frente desse computador e eu via várias vezes ele de dia e até mesmo de madrugada. Mas um belo dia cheguei em casa um pouco mais cedo do que de costume e, quando entro na sala, reparo com uma cena nunca vista antes, meu filho praticamente nu sentado com seu pau na mão masturbando-se e vendo um filme pornô no computador! Eu fiquei pasma nem tanto por ele se masturbar vendo o tal filme, mas sim pelo tamanho do pau do meu filho. Ele sentado segurando seu pau pela base dele totalmente parado assim como eu, que não conseguia desviar meu olhar do pau do meu filho ouvindo os gemidos da moça que transava no filme, eu tentei dizer alguma coisa, mas só olhava pro pau do meu menino, e depois de alguns segundos acabei pedindo desculpas dizendo que não deveria entrar sem avisar nada. O meu filho também acabou pedindo desculpas e saiu em direção ao banheiro. Fiquei totalmente pasma dizendo comigo mesmo, “nossa que pauzão, nunca vi nada parecido” e realmente nunca tinha visto um pau daquele tamanho, fui ao meu quarto e me sentei na cama lembrando-me da cena e do pau do meu filho que parecia não sair de minha cabeça, peguei minha toalha e roupa e fiquei esperando meu filho sair do banho que depois de alguns minutos ele aparece no quarto pra se trocar, todo tímido e de cabeça baixa. Olhei pra ele e disse que iria me banhar. No banho me pegava pensando no que tinha visto e repetia comigo mesmo “Nossa que pau enorme tem o meu filho” e não conseguia tirar da cabeça o tamanho do pau dele e confesso que nesse momento me senti um pouco excitada pelo que tinha visto, mas acabei saindo do banho logo e fui fazer a janta. Estava muito silencioso em casa meu filho vendo TV e nada dizia e fazendo a janta e depois de alguns minutos com a janta pronta o chamei pra jantar. Jantamos muito quietos sendo que, normalmente, estamos sempre conversando e brincando um com o outro, mas nessa noite foi diferente. Depois de a terminarmos meu filho tirou a mesa e começou a lavar as louças. Eu saí de lá um pouco, mas logo voltei, mas mudos permanecemos. Eu guardava as louças e meu filho lavava e secava as restantes. E então resolvi quebrar aquele clima chato e logo falei do assunto ao meu filho “Filho querido, o que você fazia é totalmente normal pra um homem e principalmente para um rapaz na sua idade não precisamos ficar tímidos um com o outro, pois já falamos disso só que hoje acabei sem querer, te flagrando!” Meu filho, ainda encabulado diz, “Eu sei mãe, mas fico meio constrangido pelo o que aconteceu.” Sorri a ele e disse “Eu sei querido, pois já aconteceu comigo também!” Quando disse isso meu filho pareceu surpreso e me perguntou “É mesmo mãe, a avó já te viu alguma vez” Então respondi com um sorriso no rosto “Pior querido quem viu foi seu avô” que se trata de meu pai,

Contos Imor(t)ais - O CONTO – 209 -


Meu filho, um pouco mais animado, me perguntou de como foi e como tinha resolvido e eu disse “Bom filho eu também às vezes me excitava. Claro que na época não tinha um PC, mas seu avô tinha algumas revistas de sexo que eu sempre olhava e me excitava e adorava me masturbar na minha cama e uma noite, antes da janta, meu pai que é seu avô acabou entrando no quarto pra me chamar me dando o maior flagrante.” Vi meu filho mais animado com o que disse e então disse mais a ele “Depois dessa cena meu pai pediu pra minha mãe conversar comigo assim como estamos fazendo, mas acabei ficando sem falar com meu pai quase um mês, e não quero que isso aconteça conosco tá bom? Você promete?” Meu filho sorridente disse: “Sim.” Naquela noite conversamos mais um pouco e depois fomos dormir. Eu costumo dormir sempre só de calcinha e nessa noite não foi diferente. No meio da noite acabei lembrando do pau do meu filho e me pegava com os seguintes pensamentos: “Nossa que pauzão o Rick tem, eu nunca havia visto um pau daquele tamanho, quanto será que mede o pau do Rick” Eu estava totalmente curiosa em relação a isso e não conseguia tirar da minha cabeça a cena que tinha visto do meu filho segurando aquela vara enorme. Não consegui dormir e no meio da noite resolvi ir ao banheiro onde teria que passar pelo meu filho e fui apenas de calcinha e vi meu filho dormindo de bruços em sua cama, passei por ele e antes do entrar no banheiro fiquei olhando pra ele pra ver se via mais alguma coisa que foi em vão. Voltei pra cama e quando voltei me sentia totalmente excitada com o que havia acontecido, sentia meus peitos duros com os biquinhos arrepiados sentindo um tesão fora do normal! Senti minha bocetinha já molhada, comecei a acariciar meus peitos e abaixei minha mão até minha bocetinha e comecei a me masturbar, tendo em mente meu filho sentado punhetando seu pauzão e me contorcia toda me masturbando gostoso soltando uns gemidos discretos e não agüentei mais e tirei minha calcinha de vez abrindo minhas pernas e me masturbava gostoso. Virei-me de bruços e massageava minha bocetinha com a minha mão por debaixo do corpo. Acabei gozando bem gostoso naquela noite como nunca havia gozado assim. Os dias foram se passando e me masturbei muita vezes depois daquela noite. Eu tentava sempre ver algo, mas tudo em vão, confesso que às vezes provocava quando eu colocava uma calcinha bem sexy e enfiadinha na bundinha, teve um dia que, ao sair do banho eu puxei bem a toalha onde deixei a mostra a poupa de minha bundinha e quando passei pelo meu filho e antes de entrar no quarto olhei pra trás flagrando meu filho olhando pra minha poupa da bunda que parecia da toalha eu dei um sorriso a ele deixando a entender que o vi me olhando. Nessa mesma noite resolvi aparar os pelos da minha boceta onde deixei um pequeno triângulo de pelos com a medida de cada lado de um dedinho e coloquei um shortinho branco que está bem usado e totalmente agarrado e transparente por ser muito usado e coloquei esse short sem calcinha, que dava pra ver direitinho os cabelinhos da minha boceta e fui pra sala, meu filho quando meu viu acabou percebendo, pois o vi olhar diretamente para a minha boceta. Fiquei um tempo ali na sala Contos Imor(t)ais - O CONTO – 210 -


com ele, pois tentava ver alguma reação dele. Às vezes, eu mexia no meu short deixando ele cada vez mais curto e em certo momento somente com a luz da TV, mexi em meu short e vi meu filho olhando diretamente a minha boceta! Eu olhei pra ele e dei um sorriso tirando minhas mãos pra ele poder olhar para os cabelinhos da minha boceta. Meu filho voltou a olhar e sempre que o via olhando, eu dava um sorriso a ele que ficava todo sem jeito. Depois de certo tempo, acabei dizendo que iria dormir, dei um beijo de boa noite em meu filho e fui pra cama desiludida em não ver mais nada, pois gostaria de ver aquele pauzão de novo. Fazia uma noite muito quente e dentro de casa estava quente demais, acabei indo deitar nua e abri a minha janela pra entrar algum ventinho, mas depois de certo tempo acabou entrando uma barata o que me fez dar um grito e levantar-me da cama rapidamente e quando estava tentando ver onde essa bendita barata estava meu filho aparece e acende a luz do quarto me vendo totalmente nua e de costa pra ele meu filho pergunta: “O que aconteceu mãe” Eu desesperada digo, “Ah filho entrou uma barata no meu quarto e eu não sei onde estar” E ainda nua olhei pra trás vendo meu filho apenas de cueca onde percebi seu pau meio duro pelo volume que fazia, quando a barata resolveu aparecer eu abracei meu filho dizendo, “Ah filho mata ela vai, se não eu não vou dormir” Ainda abraçada no meu filho dei uma olhada no volume de sua cueca e sorri a ele que saiu atrás da barata saí do quarto e fui sala onde passou uns segundo e meu filho disse que já havia matado a barata e voltou a sala onde sorri a ele ainda nua e voltei ao quarto dizendo “Vou fechar essa janela” Meu filho me olhando disse pra fechar mesmo. Sorri a ele apagou a luz e me deitei. Nessa noite além do calor, eu estava completamente excitada e como estava nua comecei a me masturbar e lógico pensando no pauzão do meu filho, tava tão gostoso que resolvi ficar de 4 enquanto me masturbava pois adoro me masturbar assim e comecei a gemer gostoso e um pouco mais alto do que do costume pois estava tão excitada que acabei perdendo o controle que gemia bem gostoso, “ahhhhhhhhhh ssssssssss aaaaiii sssssssss hummm que tesão hummmmmmm” Massageava bem gostoso minha bocetinha que já estava toda molhadinha, eu ficava imaginando meu filho se punhetando em minha frente e ficava admirando aquele pauzão enorme, me masturbava de 4 na cama massageando minha boceta e enfiando meus dedos nela me sentindo excitada gemendo gostoso e com muito prazer, “ahhhhhhh ssssssss hummmmm que tesão gostoso hummmm” Me sentia toda excitada passando minha mão na minha boceta molhada e gemendo com muito Contos Imor(t)ais - O CONTO – 211 -


prazer em um tom um pouco mais alto do que o costume e no meio da minha masturbação percebo um barulho vindo da sala, continuei a esfregar a minha boceta e olhei pra porta onde vi meu filho parado, estava um pouco escuro mas acho que dava pra ele me ver se masturbando, mesmo assim continuei com se não o visse ali onde gemia bem gostoso e agora um pouco mais alto sentindo ainda mais excitada pela presença do meu filho, “ahhhhhhhh hummmmmm sssssssssssss aii que tezão hummmmmmm ssssssssssssssss” Ainda de 4 e me masturbando dou uma olhada para a porta e vejo meu filho parado onde deu um passo mais a dentro do quarto e acendeu a luz novamente e disse com um tom irônico: “De novo uma barata” Meu filho ao acender a luz ficou me olhando espantado que de onde estava me via de lado onde estava de 4 então olhei de lado me demonstrando espantada e disse meia ofegante, “sssss não filhoo, dessa vez nãooo” Continuei de 4 olhando meu filho onde comecei olhar pro pau dele que estava meio duro debaixo da cueca e então dei um sorriso ao meu filho e fui tirando a mão da minha boceta onde fui me deitando na cama de bruços e olhando ao meu filho que parado fixo olhando ao meu corpo, meu filho acho que se tocou do que estava acontecendo e foi ficando de lado dizendo, “Ah, desculpe mãe pensei que fosse a barata de novo!” Eu sorri a ele e disse “Ah tudo bem querido, não tem problemas” Meu filho começou a sair do quarto, eu fiquei ainda deitada com vontade de falar com ele mas confesso que também fiquei meia sem jeito depois que o tesão foi abaixando e então me cobri pensando no que tinha acontecido e resolvi dormir que de manhã conversaria com meu filho de cabeça fresca. ATO II Naquela noite fui dormi pensando no que havia acontecido, onde fiquei pensando comigo mesma o que meu filho estaria pensando. Na manhã seguinte era um sábado e o dia parecia estar muito bonito, resolvi levantar quando era oito da manhã e, como estava nua, coloquei apenas uma camiseta e fui em direção ao banheiro e ao passar na sala me deparo com meu filho ainda dormindo em sua cama. No banheiro escuto meu pai entrar em casa e conversar com meu filho, e quando saí do banheiro, meu pai me olha e diz que vai levar meu filho pra fazer um serviço com ele. Achei normal e logo eles saíram. Aproveitei que iria ficar sozinha e comecei a fazer uma bela faxina em casa, o que me tomou o dia inteiro. Depois de terminado resolvi tomar um banho e quando sai do banheiro, já sai nua! Como já disse, eu adoro andar nua em casa onde fiquei por alguns instantes passeando pela casa toda peladinha. Coloquei uma calcinha branca bem sexy e toda enfiadinha em minha bundinha, e blusinha que mal cobria minha barriga. Deitei-me no sofá onde fiquei esperando meu filho chegar, Contos Imor(t)ais - O CONTO – 212 -


o tempo ia passando e me sentia muito excitada e logo comecei a passar minha mão em meu corpo, era nítido os bicos dos meus peitinhos duros que quase furava minha blusinha, fui descendo minha mão até minha boceta onde fiquei massageando por cima da calcinha me sentido super excitada, logo já estava passando a mão por dentro da minha pequena calcinha onde começava massagear minha bocetinha que já estava molhadinha pela minha excitação. Fiquei por alguns minutos massageando minha boceta, foi quando escuto a porta abrir e meu filho entrando em casa dando praticamente de frente comigo e como estava: deitada no sofá com a minha mão por dentro da calcinha. Meu filho fica ali parado alguns instantes e vai entrando. Nisso, eu vou tirando minha mão de dentro da calcinha e começo a me sentar no sofá. Pergunto ao meu filho como foi o seu dia e ele, meio constrangido, diz que foi tudo bem. Pergunto se já havia comido e meu filho diz que almoçou com meu pai e foi ao banheiro. Depois de alguns minutos meu filho sai do banho vestindo um short, desses de jogador de futebol e ficou ali arrumando suas coisas e nós dois muito quietos, coisa que odeio, pois adoro conversar e ainda mais com meu filho. Puxo assunto sobre o trabalho que fez com meu pai onde rendeu alguns minutos de conversa. Meu filho se sentou no sofá ao meu lado e ainda ficamos conversando com eu sempre puxando assunto, já tínhamos falado bastante e não havia o que falar, e então comecei a conversar com ele sobre a noite passada quando disse, “Agora estamos quites hein!” Meu filho ficou meio sem entender e então eu disse “Peguei você se masturbando e ontem, foi você quem me pegou” Meu filho sorriu timidamente e então comecei a ter uma conversa bem legal sobre sexo, “Então filho, você se masturba sempre?” Meu filho meio tímido diz, “Ah, quase todos os dias” Eu aproveitando que meu filho estava tendo essa conversa comigo pergunto, “É mesmo filho? isso é legal, estimula muito o sexo!” Meu filho apenas sorriu e então disse, “Eu, quando era mais nova também me masturbava praticamente todos os dias, às vezes até duas vezes” Sorri e meu filho também sorriu pra mim dizendo: “É mesmo mãe, caramba não imaginava isso de você” Eu então respondo: Contos Imor(t)ais - O CONTO – 213 -


“Porque filho? Apesar de mulher eu também tenho meus desejos sexuais e ainda mais novinha. Eu adorava” Meu filho se mostrando mais calmo começa a entrar na conversa comigo, naturalmente, dizendo: “E você fazia aonde mãe?”, eu respondo: “ ah, filho sempre no meu quarto mas as vezes eu me masturbava no quartinho onde meu pai guardava as coisas dele, pois ali tinha uma caixa cheia de revistinha de sexo” Meu filho sorrindo diz, “É mesmo mãe, o vô tinha revista de mulher pelada e a avó não sabia disso” Respondi rindo ao meu filho, “não era revista de mulher pelada, era revista de sexo mesmo tinham algumas de quadrinhos mas tudo de sexo com transas e tudo mais” Meu filho meio espantando diz “É mesmo mãe? Caramba!” Rindo pra ele digo, “Sim, é mesmo, e sua avó sabia sim pois as vezes via ela escondendo as revistas” Meu filho, sorriu para mim ao escutar eu dizer “Depois que meu pai me pegou me masturbando aquela vez, eu e minha mãe sempre conversávamos, mas era uma conversa sem graça! Sabe? por isso que quero conversar com você sobre esse tema. Eu acho, que algumas mães deveriam falar com seus filhos também” Meu filho sorrindo diz, “É meio constrangedor, mas é legal” Bom, depois de ouvir isso aí, comecei a falar de tudo mesmo e abrindo o jogo pro meu filho, “Isso mesmo, sabe depois que meu pai me flagrou ficamos quase um mês sem nos falar mas depois foi votando ao normal e um dia meu pai veio pegar alguma coisa em casa e deve ter ouvido meus gemidos. E como achava que não tinha ninguém em casa, eu estava lá me masturbando em minha cama, quando meu pai entrou me flagrando novamente” Meu filho riu dizendo,

Contos Imor(t)ais - O CONTO – 214 -


“Nossa mãe, de novo!” Sorri a ele e ficamos rindo um pouco e logo disse, “É filho! De novo e dessa vez eu estava peladinha e quando meu pai entrou no quarto eu estava de 4 na cama só que eu não estava de lado, que nem você me viu ontem. Eu estava de costas pra porta e, então, quando meu pai entrou no quarto ele viu tudo o que tinha direito!” Meu filho ria muito quando eu contava a ele, tirando sorriso meus também! E eu fui dizendo mais: “E quando meu pai me viu, ele foi abaixando a cabeça, dizendo: “ Filha! De novo!!! Você precisa trancar essa porta!” Eu, toda desesperada fui levantando me cobrindo com o lençol e não disse nada apenas fui sentando na cama olhando pra cara do meu pai, que balançou a cabeça e saiu dizendo: “Fecha essa porta!...” Eu e meu filho riamos desse acontecimento, onde disse a ele, “Hoje eu dou risada mais naquele dia eu só sabia chorar, pensando o que meu pai iria fazer, mas seu avô acabou sendo um pai muito bom pra mim, pois logo que me vesti meu pai me chamou pra conversar e disse que tinha avisado pra minha mãe conversar comigo, mas que ele que iria conversar e naquele dia meu pai conversou muito comigo sobre sexo e masturbação!” Meu filho, meio surpreso diz, “É mesmo mãe? O vô conversou com você também” eu respondo, “ Sim filho! Seu avô conversou comigo e acho que foi uma das melhores conversas, pois falar de sexo com outra mulher, mesmo sendo sua mãe, é até bom, mas com o pai é bem melhor pois ele soube conversar e antes de sair ele me deu uma sacola onde pediu pra não abrir na frente dele e quando meu pai saiu eu vi que tinha três revistas de sexo dentro onde pareciam alguns casais transando” Meu filho, espantado, diz: “Nossa mãe! É serio ele fez isso mesmo?” Eu respondi: “Fez filho, por isso que digo que conversar sobre sexo com o sexo oposto acho melhor, pois ali aprendi muitas coisas” meu filho ainda espantado diz,

Contos Imor(t)ais - O CONTO – 215 -


“E depois? Como foram as coisas?” Eu respondi a ele: “Muito bem filho, pois depois de uma semana que meu pai havia dado as revistas para mim, ele voltou a conversar comigo, perguntando se eu tinha lido as revistas e foi onde nós começamos a ter uma conversa de sexo, onde ele me dizia que aquilo era sexo, que todo mundo se sente excitado e que era normal eu começar a ter esse sentimento. Que, pra um mulher, a melhor coisa é se masturbar do que sair dando pra qualquer um!” Na verdade filho, seu avô me segurou em casa pra não acontecer o que acontece muito hoje em dia” Meu filho, ainda surpreendido, diz: “Nossa mãe! Tiro o chapéu pro meu avô, viu? Porque ele soube o que fazer e conseguiu te segurar em casa, né?” Eu, sorrindo ao meu filho digo: “É verdade! E só fui perder a virgindade com 19 anos, com seu pai, onde depois de um tempo fiquei grávida de você”. Meu filho ficou super surpreso com tudo o que havia dito e me disse: “E como eram essas revistas, mãe? O que tinha nelas?” eu respondi a ele sorrindo, “De tudo filho, era sexo puro tinha sexo anal, vaginal oral, tinha também dupla penetrações e no final as mulheres sempre saiam todas gozadas” Sorri ao meu filho que riu do que eu falei e me pergunta: “O vô só deu aquelas três a você mãe?” Eu respondi ao meu filho: “Não querido, meu pai sempre me trazia uma ou outra e sempre fazia uns comentários tipo, essa é boa essa eu não gostei muito” Sorria a meu filho quando falava e, nesse momento, me sentia bem excitada, lembrando do meu passado onde sentia minha boceta molhada conversando com meu filho, e então disse a ele: “Agora vamos falar um pouco de você, filho. Você com certeza já transou, né?” Meu filho, meio tímido diz: “Ah mãe, já sim mas não foram muitas vezes” Eu, meio espantada disse: Contos Imor(t)ais - O CONTO – 216 -


meio cabisbaixo disse: “Ah…. a gente transava mas era quase que só duas vezes por mês!” Eu, ainda surpresa, insisti na pergunta quando ele me disse: “A Cíntia dizia sentir muita dor, depois que a gente transava.” E, então, percebi o que a incomodava, pois meu filho tem um pau muito grande e, talvez por isso, a machucava. Sorri a o meu filho e disse: “É mesmo filho! E foi só com ela que você transou?” Meu filho, timidamente, foi dizendo: “Não mãe, transei com três garotas” E, então, perguntei ao meu filho: “E as três sentiam dores, depois?” Meu filho responde: “Não, na verdade quem não reclamava era uma garota da escola que gente sempre transava.” Eu me pego pensando comigo mesma essa ai é esperta! Fiquei ainda conversando sobre sexo com meu filho, onde começamos a falar de transas: “E você, filho, que posição você gosta?” Meu filho, espantado, meio sem jeito de falar, e sorrindo timidamente, não diz nada e então, eu digo, pra fazer ele falar: “Ah! Vai filho, fala, olha eu vou te falar a minha, eu adoro dar de 4, acho uma posição muito gostosa!” Meu filho, ainda sorrindo, diz pra mim: “É… também gosto mas eu prefiro a cavalgada” Eu sorri a ele e disse: “Hummm, você tem bom gosto filho, é umas das minhas favoritas” Meu filho sorri pra mim dizendo: “É mesmo mãe, eu gosto muito. Acho excitante ver a mulher em cima”

Contos Imor(t)ais - O CONTO – 217 -


Sorri ao meu filho dizendo: “Eu adoro cavalgar, com o cara todo deitado na cama e ficar pulando em cima dele. É bem excitante mesmo!” Meu filho se mostrou todo surpreso e somente ria e respondia às minhas perguntas, sempre tímido: “E você, filho, gosta de fazer oral?” Meu filho, tímido, responde: “Gosto sim mãe. Na verdade, era o que a Cíntia mais gostava” eu sorri a ele dizendo: “É mesmo filho? Ela gostava de ser chupada, então?” Meu filho riu e me fez a mesma pergunta e eu disse: “Adoro filho! É uma sensação muito prazerosa, adoro que me chupem todinha!”, sorri olhando o meu filho que abaixou sua cabeça todo tímido. Minha boceta estava toda molhada e quando olhei pra baixo notei minha calcinha molhada e, como era branca, dava pra perceber minha excitação. Notei que meu filho olhava pro meus peitos e que meus bicos quase furavam o tecido da blusinha. Como estava super excitante aquele papo com meu filho, resolvi dar uma provocada nele, e me levantei perguntando ao meu filho se ele queria uma água onde respondeu que não e saí em direção à cozinha, deixando meu filho olhar pra minha bundinha que estava com a calcinha toda atolada. Quando voltei, me sentei de frente pra ele e apoiava minhas costas na lateral do sofá, dobrando minha perna esquerda em cima do sofá, deixando a direita com o pé no chão. Nessa posição, minha boceta ficava de frente pro meu filho onde dava pra ele perceber a minha calcinha molhada de excitada! Volto o a falar com ele: “E a Cíntia, filho, ela te chupava também?” Meu filho diz meio decepcionado: “Não muito viu mãe, ela até chupava, mas percebia que não gostava” eu espantada disse, “Nossa mas que menina sem graça filho, não gosta de nada, só o que é bom pra ela!” Meu filho meio sem o que falar apenas gesticula com os ombros e depois me diz: “E você mãe, gosta?” Contos Imor(t)ais - O CONTO – 218 -


Dei um sorriso ao meu filho e olhando pra ele disse, “É a parte que eu mais gosto de fazer quando transo”, ainda sorrindo ao meu filho que fica meio sem o que dizer eu digo mais: “Principalmente quando goza na minha boca!” Meu filho, todo espantado e tímido, não sabendo o que dizer ou fazer diz: “Você gosta mãe?” eu respondo sorrindo olhando pra ele: “Nossa, filho eu adoro!” Meu filho tímido diz: “Você é daquelas que quando está transando e percebe que o cara vai gozar, pede pra ser na boca?” Eu respondo ao meu filho: “Ah querido, nem sempre. E depende do cara também, eu adoro ser gozada em todo lugar, na bunda nos seios, na barriga em cima da boceta e claro no rosto!” Meu filho, me olhando surpreso e rindo. Foi quando eu disse a ele: “Mesmo quando estou transando com um cara que usa a camisinha, na hora dele gozar, eu peço pra tirar e gozar em cima de mim!” Meu filho sorria e eu perguntei a ele, “Aposto que a Cíntia nunca deixou você gozar nela, né filho? Na boca, muito menos ainda, né?” Meu filho, sorrindo mas demonstrando decepção, diz: “É sim mãe, só uma vez que agente transava sem camisinha, e pra não gozar dentro dela, acabei tirando e gozei em cima do bumbum dela!” Sorri para o meu filho e disse: “Hummmm, que gostoso! Adoro que gozem em meu bumbum!” Sorri ao meu filho e comecei a fazer carinhos em minha coxa bem próximo a minha boceta e percebo meu filho olhando pra minha boceta que pela calcinha mostrava ela toda molhadinha. Quando eu olho pro shorts do meu filho, noto que ele está com seu braço por cima demonstrando que seu pau ficou duro e como seu short era meio folgado, dava pra ver o pau dele duraço. Disfarçadamente dou um sorriso a ele e tento manter ele de pau duro, pra poder ficar olhando e, Contos Imor(t)ais - O CONTO – 219 -


então, pergunto: “Foi só dessa vez filho, que você gozou no bumbum dela?” Meu filho me olha e diz: “Foi sim mãe.” E então, digo a ele: “E ela nunca fez uma punhetinha pra você?” Meu filho, meio tímido, mas sorrindo diz, “Ah isso sim é o que ela mais fazia.” Sorri a ele e disse: “Mas ela te punhetava até você gozar?” Meu filho me diz, “Ah sim mãe isso sim.” Então eu disse: “Aposto que ela corria pro banheiro quando você gozava!” Meu filho, soltando um belo sorriso diz: “Nossa mãe! Como sabe de tudo isso?” Eu respondi a ele: “Ah filho, pelo o que falou dela dar pra saber, né? Ela não gosta de nada!” Meu filho sorri pra mim me ouve dizer: “Pois quando estava na TPM, eu adorava pagar uma punhetinha e ficava punhetando ate gozar e depois ficava passando a mão nele todo pra cima e pra baixo sentindo todo o esperma!” Quando disse isso, fiquei gesticulando ao meu filho, notando o pau dele super duro por debaixo daquele short. Ele foi me dizendo que viu uma mulher fazer isso em um dos filmes que assistiu. Perguntei a ele se tinha algum filminho no computador e ele me disse que sim, e então disse a ele se poderia ver que depois eu pegava algumas revistas que via antigamente pra ele pois sabia onde meu pai havia guardado. Meu filho ficou meio tímido com isso, mas depois de um tempo acabou aceitando. Quando meu filho se levantou do sofá seu pau ficou nitidamente duro por debaixo do short e, claro, Contos Imor(t)ais - O CONTO – 220 -


olhei fixamente no pau dele e fui me levantando pra irmos ao computador. Dei um largo sorriso para o meu filho. Meu filho ligou e logo colocou em um filminho onde a mulher estava pagando uma punhetinha pro cara e o cara gozava em suas mãos e seios e então eu disse: “Hhummm, que delicia assim é muito gostoso!” Meu filho sorriu e colocou mais um filminho. Dessa vez o cara gozou na bundinha da moça e eu fiz o mesmo comentário com meu filho. Olhei pra ele e fui descendo meu olhar até o pau dele que já estava bem duro nessa hora. Meu filho me percebeu olhando e dei um sorriso para ele e pedi pra colocar mais um filminho. Ele colocou um onde o cara gozava no rosto da mulher e meu filho me diz: “Assim que você gosta mãe?” Sorri pra ele e disse: “Sim querido! É assim que eu gosto!” Olhei na direção do seu pau, super duro, e sorri a ele que colocou mais um, onde um cara comia a moça e quando foi gozar tirou a camisinha e gozou em cima dela! Sorri para o meu filho e disse: “Que delícia, filho! Eu também adoro que gozem assim em mim!” Meu filho sorriu e eu perguntei a ele: “Você tem um onde a mulher está dando de quatro?” Meu filho sorriu e começou a procurar em sua pasta que tinha alguns vídeos e colocou um onde a mulher era comida de quatro, no sofá. Quando vi aquela cena, por instinto, passei minha mão por cima da calcinha onde acariciei a minha boceta com vontade! Meu filho olhou e eu sorri para ele e ainda deixei minha mão na bocetinha! Percebi meu filho mexendo em seu pau e olhei pra ele e pro pau dele que parecia furar aquele short, meu filho mostrou mais alguns filminhos e voltamos a sentar no sofá, e então eu disse: “Você tem uma bela coleção, hein filho?” Meu filho sorriu pra mim. Voltei a olhar pro pau dele, duro debaixo do short e sorri pra ele, que percebeu o meu olhar e, depois de alguns segundos, tomei coragem e disse: “Você tem uma bela ferramenta aí debaixo, sabia filho?” Meu filho sorriu meio encabulado, e então eu disse: “Por isso que a Cíntia sentia dor!” Fiquei olhando fixamente pro pau dele e já não pensava mais em nada. E então, disse ao meu filho: “Você já mediu ele filho?” Contos Imor(t)ais - O CONTO – 221 -


Meu filho, meio tímido, diz que sim e eu toda curiosa digo: “Quanto ele mede filho?” Meu filho não queria falar e de tanto eu insistir, ele me disse, “Ah mãe, da ultima vez que medi, deu 26 cm” Eu fiquei pasma com o que me disse. Arregalei os olhos e olhando pro pau dele disse: “Uauuuuuu, nunca vi um pau com esse tamanho!” Meu filho ficou calado e apenas sorriu. Vi ele olhar pra minha calcinha, em direção à boceta e sorri pra ele, dizendo: “Filho, posso te pedir uma coisa?” Meu filho sorrindo disse que sim e, então, eu disse: “Posso ver ele pra fora desse short?” Meu filho sorriu e ficou dizendo que não… Insisti mais um pouco e meu filho sorriu pra mim e começou a tirar o short. Quando o pau dele apareceu, ele saltou pra fora deixando ele todo duro que parecia deitar em toda sua barriga. Minha boceta palpitava e eu a sentia toda molhada ao ver aquele pauzão todo duro na minha frente. Eu olhava fixamente e sorria ao meu filho dizendo: “UUAAauuuuu que pauzão você tem filho!” Meu filho sorria e me via passando a mão na minha boceta. Sorri ao meu filho que me viu colocando a mão por dentro da calcinha massageando minha boceta. Sorri ao meu filho que me via me masturbando ao lado dele e então eu disse: “Quer ver minha bocetinha filho?” Meu filho sorriu balançando a cabeça e então puxei a calcinha de lado e mostrei minha bocetinha ao meu filho que pegou em seu pau e começou a se punhetar, bem devagar, olhando minha bocetinha molhadinha! Sorri ao meu filho e, olhando pro pau dele, disse: “Posso pegar no seu pau filho?” Meu filho apenas sorriu e, então, fui em direção ao pau dele e fui passando apenas o dedo indicador em todo o seu pau. Ia da cabeça até o seu saco e subia e descia, me maravilhando com o tamanho do pau dele. Logo passei os dedos na cabeça do seu pau e com minha mão toda fui descendo… Apenas deslizando a mão em seu pau sentindo aquele monstro palpitante, dizendo: “UUAAauuuuuuu! Que pauzão você tem, filho, eu nunca vi nada parecido” Contos Imor(t)ais - O CONTO – 222 -


Sorri a meu filho e agarrei com toda a vontade no pau dele e comecei a punhetar bem gostoso e devagar. Subia e descia minha mão naquela vara enorme. Eu gemia e dizia; “sssssssssssssss ahhhhhhhh… Vou fazer o que naquele dia eu te atrapalhei tá bem? ssssssssssss hummmmmmmm que pauzãooo ssssssssssss” Punhetava gostoso o pau dele, subindo e descendo cada vez aumentando o ritmo da punheta. Ele me olhava gostoso, pedi pra ele sentar de lado no sofá onde sentei no meio de suas pernas e disse: “Assim é melhor. Dá pra você passar sua mão em mim” Sorri pra ele que não perdeu tempo e começou a passar a mão em mim, começando pelos meus peitinhos e foi passando sua mão por dentro da blusinha. Eu o senti massagear meus biquinhos, me fazendo gemer gostoso pra ele enquanto o punhetava: “sssssssss delícia, filho hummmmmmm sssssssssss!” Meu filho foi descendo a mão ate minha boceta onde senti que ele massageava ainda por cima da calcinha… De repente ele a puxou de lado e senti sua mão na minha boceta. Gemi gostoso ao sentilo massageando direto na minha xana: “ahhhhhhh deliiiiiiicia filhoo ssssssssss hummmmmm ahhhhhhhhhhhhh sssssssssss” Sentia-me muito excitada com meu filho me masturbando e eu punhetando seu pau delicioso e, nesse momento, eu movimentava, cada vez mais rápido, minha mão subindo e descendo num velocidade com muita vontade punhetando seu pau sentindo minha boceta ser massageada pelo meu filho, onde sentia que ia gozar e fui dizendo: “Continua filho continua que eu vou gozar” Sentindo meu filho massagear minha boceta, quando começo a gozar gemendo gostoso: “ahhhhhhhhhhhhhhhhh sssssssss que tezão hummmmmmm ahhhhhhhhhh ssssssssssssss delícia hummmmmmmmmmmmmmm ahhhhhhhhh ssssssssssssss” Meu filho massageava minha boceta enquanto eu gozava gostoso em sua mão, sorri ao meu filho e disse, “Agora é sua vez! Vem gozar gostoso aqui na minha mão vem!” Punhetava sem parar o pau dele. Quando meu filho disse pra não parar que iria gozar, eu aumentei a velocidade e dizia, “Isso, vai,, goza gostoso goza, goza filho goza sssssssss” Meu filho começou a gozar, jorrava porra de seu pau que pulava pra todos os lados fazendo meu filho soltar um gemido gostoso enquanto gozava tudo em mim, deixando minha mão toda Contos Imor(t)ais - O CONTO – 223 -


lambuzada de porra e minha barriga, onde o esperma jorrava de seu pau, me deixando toda lambuzada. Sorria para o meu filho e dizia, “Uauuuuu… Que pau delicioso você tem, filho, e como goza gostoso!” Meu filho sorriu e eu, devagar, punhetava seu pau sentindo toda a porra na minha mão! Soltei o pau dele, sorri para meu filho e espalhei sua porra pela minha barriga descendo até a boceta. Depois tirei minha blusa deixando meus peitos pra fora onde fui passando o restante do esperma em meus seios! Sorri para meu filho e peguei em seu pau que, ainda grande, mas já meio mole passei em meus seios fazendo meu filho sorrir. Ficamos mais um tempo assim depois e saímos pra nos banharmos, onde fomos juntos e no banho ficamos nos encoxando, onde passei minha bundinha em todo seu pau.

ATO II Naquela noite fui dormi pensando no que havia acontecido, onde fiquei pensando comigo mesma o que meu filho estaria pensando. Na manhã seguinte era um sábado e o dia parecia estar muito bonito, resolvi levantar quando era oito da manhã e, como estava nua, coloquei apenas uma camiseta e fui em direção ao banheiro e ao passar na sala me deparo com meu filho ainda dormindo em sua cama. No banheiro escuto meu pai entrar em casa e conversar com meu filho, e quando saí do banheiro, meu pai me olha e diz que vai levar meu filho pra fazer um serviço com ele. Achei normal e logo eles saíram. Aproveitei que iria ficar sozinha e comecei a fazer uma bela faxina em casa, o que me tomou o dia inteiro. Depois de terminado resolvi tomar um banho e quando sai do banheiro, já sai nua! Como já disse, eu adoro andar nua em casa onde fiquei por alguns instantes passeando pela casa toda peladinha. Coloquei uma calcinha branca bem sexy e toda enfiadinha em minha bundinha, e blusinha que mal cobria minha barriga. Deitei-me no sofá onde fiquei esperando meu filho chegar, o tempo ia passando e me sentia muito excitada e logo comecei a passar minha mão em meu corpo, era nítido os bicos dos meus peitinhos duros que quase furava minha blusinha, fui descendo minha mão até minha boceta onde fiquei massageando por cima da calcinha me sentido super excitada, logo já estava passando a mão por dentro da minha pequena calcinha onde começava massagear minha bocetinha que já estava molhadinha pela minha excitação. Fiquei por alguns minutos massageando minha boceta, foi quando escuto a porta abrir e meu filho entrando em casa dando praticamente de frente comigo e como estava: deitada no sofá com a minha mão por dentro da calcinha. Meu filho fica ali parado alguns instantes e vai entrando. Nisso, eu vou tirando minha mão de dentro da calcinha e começo a me sentar no sofá. Pergunto ao meu filho como foi o seu dia e ele, meio constrangido, diz que foi tudo bem. Pergunto se já havia comido e meu filho diz que almoçou com meu pai e foi ao banheiro. Depois de alguns minutos meu filho sai do banho vestindo um short, desses de jogador de futebol e ficou ali arrumando suas coisas e nós dois muito quietos, coisa que odeio, pois adoro conversar e ainda mais Contos Imor(t)ais - O CONTO – 224 -


com meu filho. Puxo assunto sobre o trabalho que fez com meu pai onde rendeu alguns minutos de conversa. Meu filho se sentou no sofá ao meu lado e ainda ficamos conversando com eu sempre puxando assunto, já tínhamos falado bastante e não havia o que falar, e então comecei a conversar com ele sobre a noite passada quando disse, “Agora estamos quites hein!” meu filho ficou meio sem entender e então eu disse “Peguei você se masturbando e ontem, foi você quem me pegou” meu filho sorriu timidamente e então comecei a ter uma conversa bem legal sobre sexo, “Então filho, você se masturba sempre?” meu filho meio tímido diz, “Ah, quase todos os dias” eu aproveitando que meu filho estava tendo essa conversa comigo pergunto, “É mesmo filho? isso é legal, estimula muito o sexo!” meu filho apenas sorriu e então disse, “Eu, quando era mais nova também me masturbava praticamente todos os dias, às vezes até duas vezes” sorri e meu filho também sorriu pra mim dizendo: “É mesmo mãe, caramba não imaginava isso de você” eu então respondo: “Porque filho? Apesar de mulher eu também tenho meus desejos sexuais e ainda mais novinha. Eu adorava” meu filho se mostrando mais calmo começa a entrar na conversa comigo, naturalmente, dizendo: “E você fazia aonde mãe?”, eu respondo: “ ah, filho sempre no meu quarto mas as vezes eu me masturbava no quartinho onde meu pai guardava as coisas dele, pois ali tinha uma caixa cheia de revistinha de sexo” meu filho sorrindo diz, Contos Imor(t)ais - O CONTO – 225 -


“É mesmo mãe, o vô tinha revista de mulher pelada e a avó não sabia disso” respondi rindo ao meu filho, “não era revista de mulher pelada, era revista de sexo mesmo tinham algumas de quadrinhos mas tudo de sexo com transas e tudo mais” meu filho meio espantando diz “É mesmo mãe? Caramba!” rindo pra ele digo, “Sim, é mesmo, e sua avó sabia sim pois as vezes via ela escondendo as revistas” Meu filho, sorriu para mim ao escutar eu dizer “Depois que meu pai me pegou me masturbando aquela vez, eu e minha mãe sempre conversávamos, mas era uma conversa sem graça! Sabe? por isso que quero conversar com você sobre esse tema. Eu acho, que algumas mães deveriam falar com seus filhos também” meu filho sorrindo diz, “É meio constrangedor, mas é legal” Bom, depois de ouvir isso aí, comecei a falar de tudo mesmo e abrindo o jogo pro meu filho, “Isso mesmo, sabe depois que meu pai me flagrou ficamos quase um mês sem nos falar mas depois foi votando ao normal e um dia meu pai veio pegar alguma coisa em casa e deve ter ouvido meus gemidos. E como achava que não tinha ninguém em casa, eu estava lá me masturbando em minha cama, quando meu pai entrou me flagrando novamente” Meu filho riu dizendo “Nossa mãe, de novo!” Sorri a ele e ficamos rindo um pouco e logo disse, “É filho! De novo e dessa vez eu estava peladinha e quando meu pai entrou no quarto eu estava de 4 na cama só que eu não estava de lado, que nem você me viu ontem. Eu estava de costas pra porta e, então, quando meu pai entrou no quarto ele viu tudo o que tinha direito!” Meu filho ria muito quando eu contava a ele, tirando sorriso meus também! E eu fui dizendo mais: “E quando meu pai me viu, ele foi abaixando a cabeça, dizendo: “ Filha! De novo!!! Você precisa trancar essa porta!” Eu, toda desesperada fui levantando me cobrindo com o lençol e não disse nada apenas fui sentando Contos Imor(t)ais - O CONTO – 226 -


na cama olhando pra cara do meu pai, que balançou a cabeça e saiu dizendo: “Fecha essa porta!…” Eu e meu filho riamos desse acontecimento, onde disse a ele, “Hoje eu dou risada mais naquele dia eu só sabia chorar, pensando o que meu pai iria fazer, mas seu avô acabou sendo um pai muito bom pra mim, pois logo que me vesti meu pai me chamou pra conversar e disse que tinha avisado pra minha mãe conversar comigo, mas que ele que iria conversar e naquele dia meu pai conversou muito comigo sobre sexo e masturbação!” Meu filho, meio surpreso diz, “É mesmo mãe? O vô conversou com você também” eu respondo, “ Sim filho! Seu avô conversou comigo e acho que foi uma das melhores conversas, pois falar de sexo com outra mulher, mesmo sendo sua mãe, é até bom, mas com o pai é bem melhor pois ele soube conversar e antes de sair ele me deu uma sacola onde pediu pra não abrir na frente dele e quando meu pai saiu eu vi que tinha três revistas de sexo dentro onde pareciam alguns casais transando” Meu filho, espantado, diz: “Nossa mãe! É serio ele fez isso mesmo?” Eu respondi: “Fez filho, por isso que digo que conversar sobre sexo com o sexo oposto acho melhor, pois ali aprendi muitas coisas” meu filho ainda espantado diz, “E depois? Como foram as coisas?” Eu respondi a ele: “Muito bem filho, pois depois de uma semana que meu pai havia dado as revistas para mim, ele voltou a conversar comigo, perguntando se eu tinha lido as revistas e foi onde nós começamos a ter uma conversa de sexo, onde ele me dizia que aquilo era sexo, que todo mundo se sente excitado e que era normal eu começar a ter esse sentimento. Que , pra um mulher, a melhor coisa é se masturbar do que sair dando pra qualquer um!” Na verdade filho, seu avô me segurou em casa pra não acontecer o que acontece muito hoje em dia” Meu filho, ainda surpreendido, diz: “Nossa mãe! Tiro o chapéu pro meu avô, viu? Porque ele soube o que fazer e conseguiu te segurar em casa, né?” Contos Imor(t)ais - O CONTO – 227 -


Eu, sorrindo ao meu filho digo: “É verdade! E só fui perder a virgindade com 19 anos, com seu pai, onde depois de um tempo fiquei grávida de você”. Meu filho ficou super surpreso com tudo o que havia dito e me disse: “E como eram essas revistas, mãe? O que tinha nelas?” eu respondi a ele sorrindo, “De tudo filho, era sexo puro tinha sexo anal, vaginal oral, tinha também dupla penetrações e no final as mulheres sempre saiam todas gozadas” Sorri ao meu filho que riu do que eu falei e me pergunta: “O vô só deu aquelas três a você mãe?” Eu respondi ao meu filho: “Não querido, meu pai sempre me trazia uma ou outra e sempre fazia uns comentários tipo, essa é boa essa eu não gostei muito” Sorria a meu filho quando falava e, nesse momento, me sentia bem excitada, lembrando do meu passado onde sentia minha boceta molhada conversando com meu filho, e então disse a ele: “Agora vamos falar um pouco de você, filho. Você com certeza já transou, né?” Meu filho, meio tímido diz: “Ah mãe, já sim mas não foram muitas vezes” Eu, meio espantada disse: “Ah, mas por que filho? E aquela sua namorada, a Cíntia?” Meu filho, meio cabisbaixo disse: “Ah…. a gente transava mas era quase que só duas vezes por mês!” Eu, ainda surpresa, insisti na pergunta quando ele me disse: “A Cíntia dizia sentir muita dor, depois que a gente transava.” E, então, percebi o que a incomodava, pois meu filho tem um pau muito grande e, talvez por isso, a machucava. Sorri a o meu filho e disse: “É mesmo filho! E foi só com ela que você transou?” Contos Imor(t)ais - O CONTO – 228 -


Meu filho, timidamente, foi dizendo: “Não mãe, transei com três garotas” E, então, perguntei ao meu filho: “E as três sentiam dores, depois?” Meu filho responde: “Não, na verdade quem não reclamava era uma garota da escola que gente sempre transava.” Eu me pego pensando comigo mesma essa ai é esperta! Fiquei ainda conversando sobre sexo com meu filho, onde começamos a falar de transas: “E você, filho, que posição você gosta?” Meu filho, espantado, meio sem jeito de falar, e sorrindo timidamente, não diz nada e então, eu digo, pra fazer ele falar: “Ah! Vai filho, fala, olha eu vou te falar a minha, eu adoro dar de 4, acho uma posição muito gostosa!” Meu filho, ainda sorrindo, diz pra mim: “É… também gosto mas eu prefiro a cavalgada” Eu sorri a ele e disse: “Hummm, você tem bom gosto filho, é umas das minhas favoritas” Meu filho sorri pra mim dizendo: “É mesmo mãe, eu gosto muito. Acho excitante ver a mulher em cima” Sorri ao meu filho dizendo: “Eu adoro cavalgar, com o cara todo deitado na cama e ficar pulando em cima dele. É bem excitante mesmo!” Meu filho se mostrou todo surpreso e somente ria e respondia às minhas perguntas, sempre tímido: “E você, filho, gosta de fazer oral?” Meu filho, tímido, responde: “Gosto sim mãe. Na verdade, era o que a Cíntia mais gostava” Contos Imor(t)ais - O CONTO – 229 -


eu sorri a ele dizendo: “É mesmo filho? Ela gostava de ser chupada, então?” Meu filho riu e me fez a mesma pergunta e eu disse: “Adoro filho! É uma sensação muito prazerosa, adoro que me chupem todinha!”, sorri olhando o meu filho que abaixou sua cabeça todo tímido. Minha boceta estava toda molhada e quando olhei pra baixo notei minha calcinha molhada e, como era branca, dava pra perceber minha excitação. Notei que meu filho olhava pro meus peitos e que meus bicos quase furavam o tecido da blusinha. Como estava super excitante aquele papo com meu filho, resolvi dar uma provocada nele, e me levantei perguntando ao meu filho se ele queria uma água onde respondeu que não e saí em direção à cozinha, deixando meu filho olhar pra minha bundinha que estava com a calcinha toda atolada. Quando voltei, me sentei de frente pra ele e apoiava minhas costas na lateral do sofá, dobrando minha perna esquerda em cima do sofá, deixando a direita com o pé no chão. Nessa posição, minha boceta ficava de frente pro meu filho onde dava pra ele perceber a minha calcinha molhada de excitada! Volto o a falar com ele: “E a Cíntia, filho, ela te chupava também?” Meu filho diz meio decepcionado: “Não muito viu mãe, ela até chupava, mas percebia que não gostava” eu espantada disse, “Nossa mas que menina sem graça filho, não gosta de nada, só o que é bom pra ela!” Meu filho meio sem o que falar apenas gesticula com os ombros e depois me diz: “E você mãe, gosta?” Dei um sorriso ao meu filho e olhando pra ele disse, “É a parte que eu mais gosto de fazer quando transo”, ainda sorrindo ao meu filho que fica meio sem o que dizer eu digo mais: “Principalmente quando goza na minha boca!” Meu filho, todo espantado e tímido, não sabendo o que dizer ou fazer diz: “Você gosta mãe?”

Contos Imor(t)ais - O CONTO – 230 -


eu respondo sorrindo olhando pra ele: “Nossa, filho eu adoro!” Meu filho tímido diz: “Você é daquelas que quando está transando e percebe que o cara vai gozar, pede pra ser na boca?” Eu respondo ao meu filho: “Ah querido, nem sempre. E depende do cara também, eu adoro ser gozada em todo lugar, na bunda nos seios, na barriga em cima da boceta e claro no rosto!” Meu filho, me olhando surpreso e rindo. Foi quando eu disse a ele: “Mesmo quando estou transando com um cara que usa a camisinha, na hora dele gozar, eu peço pra tirar e gozar em cima de mim!” Meu filho sorria e eu perguntei a ele, “Aposto que a Cíntia nunca deixou você gozar nela, né filho? Na boca, muito menos ainda, né?” Meu filho, sorrindo mas demonstrando decepção, diz: “É sim mãe, só uma vez que agente transava sem camisinha, e pra não gozar dentro dela, acabei tirando e gozei em cima do bumbum dela!” Sorri para o meu filho e disse: “Hummmm, que gostoso! Adoro que gozem em meu bumbum!” Sorri ao meu filho e comecei a fazer carinhos em minha coxa bem próximo a minha boceta e percebo meu filho olhando pra minha boceta que pela calcinha mostrava ela toda molhadinha. Quando eu olho pro shorts do meu filho, noto que ele está com seu braço por cima demonstrando que seu pau ficou duro e como seu short era meio folgado, dava pra ver o pau dele duraço. Disfarçadamente dou um sorriso a ele e tento manter ele de pau duro, pra poder ficar olhando e, então, pergunto: “Foi só dessa vez filho, que você gozou no bumbum dela?” Meu filho me olha e diz: “Foi sim mãe.” E então, digo a ele: “E ela nunca fez uma punhetinha pra você?” Meu filho, meio tímido, mas sorrindo diz, Contos Imor(t)ais - O CONTO – 231 -


“Ah isso sim é o que ela mais fazia.” Sorri a ele e disse: “Mas ela te punhetava até você gozar?” Meu filho me diz, “Ah sim mãe isso sim.” Então eu disse: “Aposto que ela corria pro banheiro quando você gozava!” Meu filho, soltando um belo sorriso diz: “Nossa mãe! Como sabe de tudo isso?” Eu respondi a ele: “Ah filho, pelo o que falou dela dar pra saber, né? Ela não gosta de nada!” Meu filho sorri pra mim me ouve dizer: “Pois quando estava na TPM, eu adorava pagar uma punhetinha e ficava punhetando ate gozar e depois ficava passando a mão nele todo pra cima e pra baixo sentindo todo o esperma!” Quando disse isso, fiquei gesticulando ao meu filho, notando o pau dele super duro por debaixo daquele short. Ele foi me dizendo que viu uma mulher fazer isso em um dos filmes que assistiu. Perguntei a ele se tinha algum filminho no computador e ele me disse que sim, e então disse a ele se poderia ver que depois eu pegava algumas revistas que via antigamente pra ele pois sabia onde meu pai havia guardado. Meu filho ficou meio tímido com isso, mas depois de um tempo acabou aceitando. Quando meu filho se levantou do sofá seu pau ficou nitidamente duro por debaixo do short e, claro, olhei fixamente no pau dele e fui me levantando pra irmos ao computador. Dei um largo sorriso para o meu filho. Meu filho ligou e logo colocou em um filminho onde a mulher estava pagando uma punhetinha pro cara e o cara gozava em suas mãos e seios e então eu disse: “Hhummm, que delicia assim é muito gostoso!” Meu filho sorriu e colocou mais um filminho. Dessa vez o cara gozou na bundinha da moça e eu fiz o mesmo comentário com meu filho. Olhei pra ele e fui descendo meu olhar até o pau dele que já estava bem duro nessa hora. Meu filho me percebeu olhando e dei um sorriso para ele e pedi pra colocar mais um filminho. Ele colocou um onde o cara gozava no rosto da mulher e meu filho me diz: “Assim que você gosta mãe?” Contos Imor(t)ais - O CONTO – 232 -


Sorri pra ele e disse: “Sim querido! É assim que eu gosto!” Olhei na direção do seu pau, super duro, e sorri a ele que colocou mais um, onde um cara comia a moça e quando foi gozar tirou a camisinha e gozou em cima dela! Sorri para o meu filho e disse: “Que delícia, filho! Eu também adoro que gozem assim em mim!” Meu filho sorriu e eu perguntei a ele: “Você tem um onde a mulher está dando de quatro?” Meu filho sorriu e começou a procurar em sua pasta que tinha alguns vídeos e colocou um onde a mulher era comida de quatro, no sofá. Quando vi aquela cena, por instinto, passei minha mão por cima da calcinha onde acariciei a minha boceta com vontade! Meu filho olhou e eu sorri para ele e ainda deixei minha mão na bocetinha! Percebi meu filho mexendo em seu pau e olhei pra ele e pro pau dele que parecia furar aquele short, meu filho mostrou mais alguns filminhos e voltamos a sentar no sofá, e então eu disse: “Você tem uma bela coleção, hein filho?” Meu filho sorriu pra mim. Voltei a olhar pro pau dele, duro debaixo do short e sorri pra ele, que percebeu o meu olhar e, depois de alguns segundos, tomei coragem e disse: “Você tem uma bela ferramenta aí debaixo, sabia filho?” Meu filho sorriu meio encabulado, e então eu disse: “Por isso que a Cíntia sentia dor!” Fiquei olhando fixamente pro pau dele e já não pensava mais em nada. E então, disse ao meu filho: “Você já mediu ele filho?” Meu filho, meio tímido, diz que sim e eu toda curiosa digo: “Quanto ele mede filho?” Meu filho não queria falar e de tanto eu insistir, ele me disse, “Ah mãe, da ultima vez que medi, deu 26 cm” Eu fiquei pasma com o que me disse. Arregalei os olhos e olhando pro pau dele disse: “Uauuuuuu, nunca vi um pau com esse tamanho!”

Contos Imor(t)ais - O CONTO – 233 -


Meu filho ficou calado e apenas sorriu. Vi ele olhar pra minha calcinha, em direção à boceta e sorri pra ele, dizendo: “Filho, posso te pedir uma coisa?” Meu filho sorrindo disse que sim e, então, eu disse: “Posso ver ele pra fora desse short?” Meu filho sorriu e ficou dizendo que não… Insisti mais um pouco e meu filho sorriu pra mim e começou a tirar o short. Quando o pau dele apareceu, ele saltou pra fora deixando ele todo duro que parecia deitar em toda sua barriga. Minha boceta palpitava e eu a sentia toda molhada ao ver aquele pauzão todo duro na minha frente. Eu olhava fixamente e sorria ao meu filho dizendo: “UUAAauuuuu que pauzão você tem filho!” Meu filho sorria e me via passando a mão na minha boceta. Sorri ao meu filho que me viu colocando a mão por dentro da calcinha massageando minha boceta. Sorri ao meu filho que me via me masturbando ao lado dele e então eu disse: “Quer ver minha bocetinha filho?” Meu filho sorriu balançando a cabeça e então puxei a calcinha de lado e mostrei minha bocetinha ao meu filho que pegou em seu pau e começou a se punhetar, bem devagar, olhando minha bocetinha molhadinha! Sorri ao meu filho e, olhando pro pau dele, disse: “Posso pegar no seu pau filho?” Meu filho apenas sorriu e, então, fui em direção ao pau dele e fui passando apenas o dedo indicador em todo o seu pau. Ia da cabeça até o seu saco e subia e descia, me maravilhando com o tamanho do pau dele. Logo passei os dedos na cabeça do seu pau e com minha mão toda fui descendo… Apenas deslizando a mão em seu pau sentindo aquele monstro palpitante, dizendo: “UUAAauuuuuuu! Que pauzão você tem, filho, eu nunca vi nada parecido” Sorri a meu filho e agarrei com toda a vontade no pau dele e comecei a punhetar bem gostoso e devagar. Subia e descia minha mão naquela vara enorme. Eu gemia e dizia; “sssssssssssssss ahhhhhhhh… Vou fazer o que naquele dia eu te atrapalhei tá bem? ssssssssssss hummmmmmmm que pauzãooo ssssssssssss” Punhetava gostoso o pau dele, subindo e descendo cada vez aumentando o ritmo da punheta. Ele me olhava gostoso, pedi pra ele sentar de lado no sofá onde sentei no meio de suas pernas e disse: “Assim é melhor. Dá pra você passar sua mão em mim” sorri pra ele que não perdeu tempo e começou a passar a mão em mim, começando pelos meus Contos Imor(t)ais - O CONTO – 234 -


peitinhos e foi passando sua mão por dentro da blusinha. Eu o senti massagear meus biquinhos, me fazendo gemer gostoso pra ele enquanto o punhetava: “sssssssss delícia, filho hummmmmmm sssssssssss!” Meu filho foi descendo a mão ate minha boceta onde senti que ele massageava ainda por cima da calcinha… De repente ele a puxou de lado e senti sua mão na minha boceta. Gemi gostoso ao sentilo massageando direto na minha xana: “ahhhhhhh deliiiiiiicia filhoo ssssssssss hummmmmm ahhhhhhhhhhhhh sssssssssss” Sentia-me muito excitada com meu filho me masturbando e eu punhetando seu pau delicioso e, nesse momento, eu movimentava, cada vez mais rápido, minha mão subindo e descendo num velocidade com muita vontade punhetando seu pau sentindo minha boceta ser massageada pelo meu filho, onde sentia que ia gozar e fui dizendo: “Continua filho continua que eu vou gozar” Sentindo meu filho massagear minha boceta, quando começo a gozar gemendo gostoso: “ahhhhhhhhhhhhhhhhh sssssssss que tezão hummmmmmm ahhhhhhhhhh ssssssssssssss delícia hummmmmmmmmmmmmmm ahhhhhhhhh ssssssssssssss” Meu filho massageava minha boceta enquanto eu gozava gostoso em sua mão, sorri ao meu filho e disse, “Agora é sua vez! Vem gozar gostoso aqui na minha mão vem!” Punhetava sem parar o pau dele. Quando meu filho disse pra não parar que iria gozar, eu aumentei a velocidade e dizia, “Isso, vai,, goza gostoso goza, goza filho goza sssssssss” meu filho começou a gozar, jorrava porra de seu pau que pulava pra todos os lados fazendo meu filho soltar um gemido gostoso enquanto gozava tudo em mim, deixando minha mão toda lambuzada de porra e minha barriga, onde o esperma jorrava de seu pau, me deixando toda lambuzada. Sorria para o meu filho e dizia, “Uauuuuu… Que pau delicioso você tem, filho, e como goza gostoso!” Meu filho sorriu e eu, devagar, punhetava seu pau sentindo toda a porra na minha mão! Soltei o pau dele, sorri para meu filho e espalhei sua porra pela minha barriga descendo até a boceta. Depois tirei minha blusa deixando meus peitos pra fora onde fui passando o restante do esperma em meus seios! Sorri para meu filho e peguei em seu pau que, ainda grande, mas já meio mole passei em meus seios fazendo meu filho sorrir. Ficamos mais um tempo assim depois e saímos pra nos banharmos, onde fomos juntos e no banho ficamos nos encoxando, onde passei minha bundinha em todo seu pau. Contos Imor(t)ais - O CONTO – 235 -


ATO III Depois que punhetei meu filho, tomamos banho juntos onde ficamos nos enconchando e nos acariciando, voltamos à sala e ficamos por algum tempo peladinhos onde um olhava pro outro enquanto conversávamos. Após algum tempo resolvermos nos vestir, onde coloquei uma blusinha de alcinha azul e uma calcinha amarelinha tipo shortinhos todo coladinho no meu bumbum, meu filho voltou a colocar seu short. Preparei a janta e jantamos onde ficamos conversando bastante sobre sexo, percebia meu filho mais solto onde puxava assunto comigo para trocarmos experiência. Arrumamos a cozinha e voltamos a sala onde ficamos sentado no sofá onde há poucas horas atrás eu punhetei meu filho pela primeira vez. Estávamos conversando e meu filho bem mais solto me pergunta, “Mãe com quantos homens você já transou” Sorri ao meu filho onde fiquei brincando com ele sobre o porque da pergunta e depois disse, “Ah filho, já transei bastante viu, mas o primeiro foi seu pai e depois que acabou de lá pra cá já dei pra 11 homens” Meu filho sorridente disse, “Nossa mãe você tem muita experiência hein”, Sorri a ele respondendo, “Isso eu tenho mesmo filho, tive muita teoria quando pequena onde pude fazer na prática” rimos juntos com meu comentário e então meu filho me pergunta, “E foi do meu pai o primeiro que você viu mãe?” Fiquei sorrindo e olhando pro meu filho após alguns segundos eu disse, “Não filho o primeiro que eu vi mesmo, foi o do seu avô”, Meu filho me olhou espantando dizendo, “Sério mãe, do meu avô seu pai?” Olhei pro meu filho sorrindo e disse, “Sim querido foi” Ainda sorrindo ao meu filho que me olhava meio sem entender e então eu disse, “Depois que passei a conversar com meu pai sobre sexo, muitas vezes percebia o pau dele duro, principalmente quando víamos algumas revistas juntos”, Contos Imor(t)ais - O CONTO – 236 -


Meu filho já mais controlado e curioso diz, “É mesmo mãe, legal e você via como o dele duro?”, Eu respondi sorrindo, “Ah muitas vezes por debaixo do shorts filho”, Meu filho sorriu e depois de alguns segundo me pergunta, “Mas quando você viu o dele pra fora do shorts” Olhei pro meu filho sorrindo e disse, “Ah filho não tem como eu escapar né?” Sorrimos e então disse, “bom a primeira vez, foi quando meu pai me deu uma revista nova de sexo, era bem tarde e todos já estavam dormindo. Então comecei a olhar a revista na sala, lembro que eu estava de saia e uma blusa e conforme via revista eu me excitei e comecei a me cariciar ali na sala mesmo e estava com minha mão por dentro da calcinha me acariciando e de repente quando olho vejo meu pai me olhando! Na hora eu parei mas continuei com a mão dentro da calcinha e fiquei olhando meu pai. Foi quando ele disse pra eu continuar que aquela revista era boa mesmo! Eu fiquei meio sem jeito, mas acabei continuando a me acariciar vendo a revista meu pai disse que ficaria vigiando se alguém aparecia, e depois de um tempo meu pai tira pra fora do short o pau dele onde ficava segurando nele, eu claro nunca tinha visto um acabei olhando o pau dele fixamente, passou alguns minutos e meu pai levantou e disse pra mim, pronto você já viu demais agora vou dormir e você pode continuar ai” sorri ao meu filho que me olhava sorrindo e me disse, “Caramba mãe que noite hein, e foi só dessa vez que isso aconteceu? ” Sorri ao meu filho onde disse pra ele, “Não filho depois aconteceu mais algumas vezes” E meu filho sorrindo pra mim disse, “É mesmo mãe e foi como? ” Sorri a ele dizendo, “Hoje você está bem curioso hein? ” Sorrimos juntos onde ele disse, Contos Imor(t)ais - O CONTO – 237 -


“Ah mãe estou curtindo, não foi você que disse pra gente conversar então estamos conversando” Sorri a ele dizendo “Seu danadinho mas você ta certo mesmo” E então meu filho sorri e disse, “E ai mãe como foi?” Sorri a ele e comecei a contar meu passado pra ele, “Bom filho depois disso meu pai evitou bastante de conversar comigo e uma vez cheguei mais cedo da escola e meu pai estava vendo uma revista nova e ele me chamou pra ver também, ficamos ali olhando a revista e percebi o pau dele duro de novo, e como já tinha visto acabei olhando mais pro pau dele duro debaixo da calça do que pra revista e meu pai percebeu e então ele me olhou e disse se eu queria ver de novo eu fiquei calada e toda tímida e então meu pai abriu o zíper da calça e tirou o pau dele pra fora, fiquei toda sem jeito na época e ficava olhando pro pau do meu pai sorrindo, ele ficava pegando e soltava o pau dele deixando ele olhar e depois saia” Sorrimos juntos eu e meu filho que disse, “Caramba mãe, você teve uma bela adolescência hein?” Sorri a ele e disse “é verdade tive sorte”, Sorrimos juntos onde ficamos por um tempo mudos. Meu filho olha e me diz, “Mãe essas revistas ainda existem?” Olhe pra ele sorrindo e disse, “Sim filho não tem todas, mas sei que tem algumas guardadas” E meu filho diz, “E estão aonde?” Sorri a ele dizendo “Você ta doidinho pra ver elas né filho? ” Meu filho apenas sorriu e então disse a ele que as revistas estavam guardadas no quartinho onde meu pai guarda as coisas dele, nesse momento olhei pro meu filho e disse “Quer que eu busque algumas pra você ver filho?” Meu filho sorriu e então disse a ele que iria buscar e sai de casa atrás da revistas onde achei a caixa Contos Imor(t)ais - O CONTO – 238 -


onde estava e acabei trazendo a caixa. Ao entrar em casa meu filho se espanta por trazer uma caixa e diz, “Isso tudo é revista pornô? ” Sorri pra ele dizendo que sim, e então começamos a pegar algumas revistas onde começamos a folhar e ver as revistas que na qual me satisfez por um bom tempo. Achei uma revista que eu adorava na época onde tinha um casal muito bonito, ela uma morena linda com um belo corpo e ele um rapaz moreno mediano muito bonito também que tinha em belo pau, suas fotos eram muito excitantes, onde os dois faziam sexo anal bem gostoso que deixavam aquelas fotos muito excitantes, mostrei ao meu filho onde ficamos vendo cada cena daquela excitante revista. Olhei pra baixo em direção ao shorts do meu filho e percebia seu pauzão já ficando duro deixando seus shorts com um volume delicioso no qual gostava de ver. Olhei pro meu filho sorrindo onde percebeu que já via seu pau ficando duro ele ficou meio sem jeito e continuo a olhar a revista comigo, e no meio da revista meu filho me pergunta, “Mãe você já fez sexo anal?” Sorri a ele olhando em seus olhos onde fui desviando pro seu pau duro debaixo do shorts e respondi, “Sim filho adoro anal acho muito prazeroso assim como nessa revista não acha?” Meu filho meio sem jeito respondi que sim e dou um sorriso pra ele onde ainda olhava em seu shorts vendo o volume que seu pau fazia no shorts. Havia uma foto na revista onde a moça estava de 4 dando seu cuzinho pro rapaz e foto foi tirada meio que de lado onde mostrava ela olhando pra traz enquanto era comida, mostrando o pau do cara em seu cuzinho, nisso olhei pro meu filho e disse, “Uau essa foto é cheia de tesão não acha filho?” Sorri pra ele olhando em seu pau, meu filho sorriu pra mim olhando em meus seios e disse, “Sim mãe é uma bela foto”, Meu filho parecia meio estranho e então eu lhe perguntei, “Filho você já fez anal?” Meu filho meio sem graça me disse, “Que nada mãe nenhuma se arriscou fazer anal comigo por causa do meu pau ser desse tamanho, dei um leve sorriso ao meu filho onde comecei a acariciar sua coxa deixando minha mão bem próximo de seu pau e disse, “Não acredito filho, essas meninas que você transou não sabem nada mesmo de sexo querido”,

Contos Imor(t)ais - O CONTO – 239 -


Meu filho todo sem jeito nada disse e eu continuava com minhas caricias em sua coxa passando minha mão próximo o pau dele onde acabei encostando minha mão em seu pau e fui passando minha mão por cima de seu shorts em toda extensão do pau do meu filho e disse a ele gemendo, “Sssssssssssss filho, com um pauzão desse sexo anal seria maravilhoso”, Meu filho apenas sorriu pra mim onde fiquei acariciando seu pau por cima do short; Por alguns instantes onde eu adorava ver aquele volume que fazia, eu sorria pro meu filho acariciando todo o seu pau sentindo o tamanho de seu pau em minha mão olhando pra ele e via meu filho excitado, sorri pra ele e disse, “Adorei ter tocado aquela punheta pra você querido”, Meu filho sorriu pra mim dizendo, “Eu também gostei mãe, foi muito gostoso”, Sorri pra ele e continuava acariciando seu pau onde disse, “Adoro seu pau filho ssssss, quero sentir ele novamente”, Meu filho sorriu pra mim, e então levantei e me agachei entre suas pernas onde continuei com minhas caricias em seu pau ainda por cima do shorts, eu olhava pro meu filho sorrindo e admirava seu pau debaixo do shorts, eu gemia bem baixinho e quando olhava pro meu filho passava minha língua em meus lábios o mordendo e gemendo pra ele bem gostoso, fazendo meu filho sorrir gostoso e excitado pra mim, abaixei minha cabeça e ainda por cima do shorts dei um beijo na ponta do pau do meu filho onde olhei pra ele sorrindo, e ainda olhando meu filho fui passando minha língua por toda extensão do pau dele que estava debaixo do seu shorts, quando passei por todo seu pau sorri a ele e voltei a acariciar dizendo, “Uau filho sssssss seu pau deixa sua mãezinha toda molhadinha”, Sorri ao meu filho onde fez o mesmo pra mim olhando eu acariciar seu pau. Soltei seu pau e fui tirando minha blusinha deixando meus seios pra fora onde meu filho ficou olhando e sorrindo pra mim, me sentia ainda mais excitada sentindo minha bocetinha toda molhadinha, e então voltei a acariciar o pau do meu filho onde fui aos poucos fui tirando seu shorts liberando seu pauzão duríssimo e delicioso e logo fui passando minha mão nele, subindo nele todo e depois descendo onde segurei o pau dele e disse, “Uau sssssssss adoro esse pauzão filho, sua mãezinha esta com bocetinha toda molhadinha por ele ssssssss ahhhhhhh” Olhava pro meu filho sorrindo onde punhetava bem devagar o seu pau e ia curvando meu rosto em direção ao pau do meu filho onde dei um beijo bem gostoso na cabeça do pau dele e ainda com o pau nos lábios olhei pro meu filho e sorri pra ele onde fui descendo e beijando todo o seu pau sempre olhando meu filho, que me olhava gostoso e com muito tesão, fui subindo passando minha língua por todo o pau do meu filho onde na cabeça voltei a beijar o pau dele olhando pro meu filho Contos Imor(t)ais - O CONTO – 240 -


e disse, “Vou chupar bem gostoso seu pauzão filho” Sorri a ele e dei um beijo na cabeça do pau dele onde comecei a bater o seu pau contra meu rosto, sentindo aquela vara enorme e dura batendo em meu rosto e logo batia com ele em minha língua e quando parei fui colocando a cabeça do pau meu filho na boca chupando apenas a cabecinha do pau dele e depois de alguns segundo fui descendo minha boca em seu pau colocando o que cabia em minha boca e subia sentindo o gosto do pau dele, fazia uma chupetinha deliciosa pro meu filho subindo e descendo minha boca em seu pau em ritmo gostoso e devagar fiquei ajoelhada ficando de 4 onde coloquei minha mão esquerda por dentro da calcinha e me masturbava bem gostoso enquanto chupava gostoso o pau do meu filho, com minha boca em seu pau, punhetava bem devagar o pau dele segurando e acariciando todo o seu pau, olhei pro meu filho sorrindo e disse, “Ta gostoso filho, ta gostando de ver sua mãezinha fazendo uma chupetinha pra você?” Meu filho me olhou gostoso e disse, “Nunca me chuparam tão gostoso assim mãe” Sorri pra ele e continuei a chupar bem gostoso o pau dele onde desci minha língua até seu saco e chupei bem gostoso suas bolas punhetando bem devagar seu pau, quando parei olhei pro meu filho com um carinha bem safada e disse, “Ta gostando filho, do lado safadinha de sua mãe?” Meu filho sorriu e disse, “Estou adorando mãezinha, você é muito safadinha” Sorri pra ele e disse, “Você ainda não viu nada filhinho, sua mãezinha é muito putinha sabia” Meu filho sorriu pra mim onde acabei sorrindo e acariciei meus seios pequei no pau dele e comecei a bater contra meus seios onde depois fui passando seu pau por todo os meus seios em meu biquinho que estava durinho passei a cabecinha do pau dele, sorri pro meu filho e disse “Já te fizeram uma espanhola filho?” Meu filho me dizendo que não e então juntei meus seios e coloquei seu pau no meio deles e dei inicio a uma espanhola bem gostosa sentindo aquela vara enorme no meio dos meus seios onde ficamos por alguns minutos assim, sorri a meu filho dizendo “Gostou filhinho?” Meu filho todo contente foi dizendo que sim, e então eu disse a ele, “Vem filho levanta, pois quero chupar seu pau com você em pé vem”; Contos Imor(t)ais - O CONTO – 241 -


Meu filho foi se levantando onde novamente comecei a chupar gostoso o pau dele onde olhava pro meu filho bem gostoso e chupava deliciosamente aquela vara ficando assim por alguns minutos e logo disse ao meu filho, “Vai gozar gostoso na boquinha da sua mãezinha vai, vai da leitinho pra mim vai, vai filho, vai, me da seu leitinho vem, enche a boca da sua mãezinha de leitinho vai”, Eu me sentia muito excitada como nunca antes parecia que nunca haviam gozado em minha boca, eu punhetava o pau do meu filho passando minha língua em sua cabecinha pedindo pra ele gozar gostoso na minha boca e logo meu filho foi gozando onde seu primeiro jato foi direto em meus lábios onde fui abrindo minha boca sentindo os próximos em minha boca em minha língua, meu filho foi gozando me enchendo de porra sentia mina boca cheia escorrendo pelos lábios onde meu filho gozava mais e mais, lambuzando todo o meu rosto que escorria até meus seios me deixando completamente lambuzada de porra e olhava pro meu filho e pedia ainda mais dizendo, “Ahhhh sssssss filho me da, me da leitinho gostoso, mamãe vai tomar todinho o seu leitinho, goza gostoso na minha boquinha filho, goza gostoso, ssssssssss, isso vai goza gostoso ssssssssssssssss ahhhhhhhhhhh que delicia seu esperma filho to tomando todinho filho, a mamãe ta tomando todinho”, Nossa que tesão que eu sentia eu engolia o que podia do esperma do meu filho e ele gozava mais que me lambuzou toda, sentia um tesão descomunal minha boceta estava encharcada e meu filho foi terminando de gozar em minha boca, rosto e seios, quando ele terminou olhei pra baixo me vendo toda lambuzada sentindo seu esperma em meu rosto, na minha boca e engolindo deliciosamente a porra dele, voltei a olhar pro meu filho onde dei um grande sorriso a ele segurando seu pau com as duas mãos e disse, “Uaaaaauuuu filho, nunca gozaram tão gostoso na minha boca, como você gozou agora”, Fui dizendo isso passando minha língua no seu pau tirando as gotas de porra de cabeça do pau dele onde disse, “Sua mãezinha adorou tomar seu leitinho filho, engoli todinho o que estava na minha boca” Meu filho sorriu pra mim e passou sua mão em meu rosto tirando um pouco mais de seu esperma que ficou em seu dedo e me disse, “Toma mais um pouquinho mãezinha” Sorri a ele que parecia outra pessoa e então coloquei seu dedo em minha boca com seu esperma e o chupei onde passei minha língua em meus lábios e fui engolindo o que ele tinha me dado, sorri a ele e disse, “É o melhor esperma que já tomei filho, adorei o seu leitinho.

ATO IV Naquela noite onde fiz uma chupetinha pro meu filho, voltamos a tomar um banho juntos e bem Contos Imor(t)ais - O CONTO – 242 -


gostoso onde nós nos esfregávamos embaixo do chuveiro. Após aquele dia, tudo voltou ao normal onde levávamos uma vida tranqüila de mãe e filho. A semana chegou e voltamos ao nosso trabalho, e os dias de semana eram bem comuns, pois meu filho sempre fazia suas horas extras e acabava chegando meio tarde em casa. A gente, lógico, conversava, mas era sempre meio tarde e no outro dia de manha nós saímos bem cedo. Mas nunca deixamos de falar de sexo e também do que aconteceu conosco no fim de semana. A semana foi passando eu já estava doidinha pra sentir novamente o pau do meu filho e em uma noite, acabei me masturbando em minha cama imaginando e lembrando de quando chupei o pau do meu filho. Na sexta feira cheguei em casa muito excitada imaginando meu filho comigo em casa, tomei um belo banho onde me acariciei bem gostoso no chuveiro e depois sair colocando uma calcinha bem sensual todinha enfiada em minha bundinha e uma blusinha bem decotada e sem sutiã. Passado um bom tempo nada de meu filho chegar já estava ficando preocupada e então, depois de alguns minutos, meu filho chega e pergunto a ele o que havia acontecido pra ele chegar tão tarde em casa, onde ele me diz que trabalhou a tarde e depois saiu com seus colegas para se refrescar tomando cerveja, perguntei se queria jantar e meu filho respondeu do banheiro que não pois já havia comido. Meu filho saiu do banho apenas de cueca e se sentou comigo no sofá onde conversamos e assistimos a TV. Já era bem tarde! Eu estava no sofá, abraçada com meu filho, e então resolvi chamá-lo pra dormir junto comigo nessa noite, pois gostaria de dormir abraçada com alguém, meu filho ficou meio sem jeito e acabou aceitando. Desligamos a TV e saímos de mãos dadas ate meu quarto onde fui a sua frente rebolando meu bumbum pro meu filho onde mostrava minha calcinha toda enfiadinha na minha bundinha, notei meu filho olhando e sorri pra ele. No quarto nos deitamos e me deitei com minha cabeça em seu ombro onde o abracei e coloquei minha perna esquerda por cima de suas pernas onde ficamos nos acariciando bem gostoso, como mãe e filho mesmo. Ficamos assim por um longo tempo e começamos a conversar sobre o trabalho e a semana q se passou. Comecei a brincar com meu filho dizendo que na semana ele não havia ligado pra mim e conversamos muito pouco, ele riu dizendo que era devido ao trabalho e que estava bem cansado. Conversamos bastante e logo começamos a falar sobre sexo onde brincando disse a ele que não tinha me procurado por fazer sexo com alguém da empresa, meu filho logo negou dizendo q não havia saído com ninguém. Perguntei a ele se tinha olhado as revistas e meu filho confessou que olhou algumas. Ficamos falando de sexo e das revistas e então meu filho me faz um bela pergunta me deixando vermelha, “Mãe você já fez sexo grupal?” Fiquei meia sem jeito mas respondi ao meu filho, “Nossa filho q pergunta hein” Rimos nesse momento e disse a ele, “Bom q tipo de sexo grupal você diz, eu com dois caras ou de casais?” Meu filho me diz,

Contos Imor(t)ais - O CONTO – 243 -


“Ah mãe, sei lá os dois” Ri pra ele e disse, “Filho, você entrou no clima mesmo hein, era quietinho agora ta me colocando na parede” Rimos mais uma vez e então disse ao meu filho “Sou bem experiente em sexo filho, mas nunca transei com dois caras ao mesmo tempo, mas já fiz sexo grupal sim” Meu filho olhou pra mim meio espantando e ao mesmo tempo curioso perguntando, “Serio mãe e como foi essa experiência”, Sorri a ele e disse, “Ah filho foi bem gostoso, transei com um casal uma vez, e também já transei eu um namorado minha amiga se seu marido”, Meu filho ainda mais curioso diz, “Serio mãe e vocês transaram na mesma cama?” Respondi a ele, “Não na mesma cama, mas no mesmo ambiente, foi na casa dela e transamos na sala” Meu filho ficou todo curioso me perguntando “Deve se legal transar vendo outro casal transando né mãe?” Respondi ao meu filho onde olhei pra ele e disse, “É muito excitante” Sorri a ele me fazendo perguntas todo curioso onde respondia a ele, ao lembrar de todas as cenas me excitava sentindo minha bocetinha já molhadinha, eu acariciava os pelos dele e já descia minha mão bem na entrada de sua cueca alisando os pelos próximos de seu pau, que já estava ficando duro fazendo um belo volume em sua cueca. Meu filho me pergunta quem era meu namorado na época e respondi q era o Josuel onde os dois se deram muito bem na época em que namorávamos, e então meu filho me diz rindo, “Mãe você é bem safadinha hein, pois isso foi recente vocês terminaram a pouco tempo” Sorri ao meu filho e disse,

Contos Imor(t)ais - O CONTO – 244 -


“Ah filho tem quase dois anos q nos terminamos”, Sorri a ele q me perguntou, “E foi só essa vez mãe?” Sorri a ele dizendo, “Não filho, fizemos mais algumas vezes!” Meu filho sorriu e foi dizendo, “Caramba mãe, não sabia q você era tão safadinha assim viu” Nessa hora levantei minha cabeça e olhei pro meu filho sorrindo e disse, “Querido você não sabe como sua mãezinha aqui é putinha na cama, eu adoro sexo, gosto de dar bem gostoso e realizar minhas fantasias”, Meu filho sorriu e disse, “É mãe você ta certa mesmo, espero que eu possa aproveitar minha vida assim como você faz na sua”, Sorri ao meu filho e disse “Filho com certeza você vai aproveitar muito e se depender de mim vou te ajudar muito”, Sorri a ele q sorriu pra mim ficando calado. Voltei a me deitar sobre seu ombro onde pude ver seu pau todo duro já saindo para fora da cueca onde passei minha mão por cima do pau dele e disse, “Com um pauzão desse aqui filho, você vai curtir muito ainda” Sorrimos onde fiquei acariciando seu pau. Meu filho então revelou um segredo dizendo, “Mãe eu nunca falei pra você, mas um dia eu cheguei em casa e peguei você dando pro Josuel aqui no seu quarto”, Sorri ao meu filho meia q espantada dizendo “É mesmo filho e como foi isso” Meu filho foi dizendo, “Ah mãe, você estava de 4 meia que olhando pra ele e o Josuel mandando ver em você” Contos Imor(t)ais - O CONTO – 245 -


Rimos com esse comentário me fazendo lembrar da cena me deixando ainda mais excitada, passei a punhetar meu filho tirando seu pau todo pra fora, passando minha mão por todo o seu pau onde massageei seu saco e logo após subi minha mão de volta ao seu pau o punhetando bem devagar e dizendo, “Serio filho você me viu dando pra ele, e você ficou excitado em me ver de 4 dando pra ele?” Meu filho meio sem jeito foi dizendo q sim, e eu já excitada punhetando o pau dele disse, “Você se punhetou assim como eu estou fazendo filho?” Nisso fui punhetando o pau dele bem gostoso e olhei pra ele meia q sorrindo onde meu filho ficou sem responder todo sem jeito e eu fui dizendo mais, “Hein filho, você ficou alisando esse pauzão gostoso, pensando na mamãe foi?” Meu filho nada dizia apenas sorria olhando eu punhetando seu pau que já estava todo duro e enorme em minha mão, e então eu disse ao meu filho, “Sabe filho, o Josuel não tinha um pau grande assim como o seu,mas ele metia muito gostoso”, Sorri ao meu filho onde ele me disse, “Sério mãe, você gostava de dar pra ele é?” Eu já toda excitada sentindo minha bocetinha molhada fui dizendo ao meu filho, “Sim filho, eu adorava dar pra ele” Meu filho percebendo que eu ficava excitada quando ele me fazia as perguntas começou a fazer um jogo de sedução me fazendo responder muitas coisas que jamais responderia. Eu estava completamente excitada e respondia a ele tudo o que perguntava enquanto punhetava seu pau bem gostoso, “O que você gostava de dar pra ele hein Mãe?” Já toda excitada respondi, “Adora dar a boceta pra ele ssssssssss, ahhhhhhh” Sentia minha bocetinha molhadinha enquanto meu filho fazias suas perguntas e punhetava seu pau, “É mamãe, você gostava de dar sua bocetinha pra ele é?” Respondi gemendo, “Ssssssssss é filho eu dava gostoso pra ele de 4, ele enfiava aquela pica gostosa na minha bocetinha Contos Imor(t)ais - O CONTO – 246 -


sssssssssss” Meu filho também excitado me diz mais, “Ah é mamãezinha você gostava da pica dele na sua bocetinha é?” Respondi eufórica punhetando o pau dele e com a outra mão coloquei por dentro da calcinha massageando minha bocetinha toda meladinha dizendo, “Sim filho, sssssssssssssss eu adorava dar pra ele gostoso sssssssssssssss” Meu filho sabendo o que fazia disse, “A putinha da minha mamãe só deu a bocetinha pra ele?” Respondi toda excitada me masturbando e punhetando o pau do meu filho, “Não sssssssssssss, eu dei o cuzinho pra ele também sssssssssss dei bem gostoso o cuzinho, ele comia sua mãezinha que nem uma putinha ssssssssssssssss” Meu filho todo excitado me diz, “Ah é mãezinha você dava o cuzinho pra ele que nem uma putinha é?” Respondia me masturbando cada vez mais e gemendo gostoso e toda excitada, “Ahhhhhhhhh filho sssssssssssssssss ahhhhhhh, eu era a putinha dele, a sua mãezinha é uma putinha que adora dar o cuzinho sssssss” Eu já estava toda excitada e meu filho me perguntava mais, “A é mãezinha, e você gostava que ele gozasse aonde?” Respondi gemendo, “Ahhhhhh ssssssssss, pedia pra ele gozar na minha boca, goza na minha boca” Meu filho me diz todo excitado, “Você gosta mãezinha, gosta que goza na sua boca?” respondi cheia de tesão, “Sim filho sssssssssadoro, assim como adorei você gozando na minha boca” Meu filho sorrindo diz, “Você gostou mãezinha de tomar meu leite”

Contos Imor(t)ais - O CONTO – 247 -


Respondia a ele “Simmm filho ssssssssss, mamãe adorou tomar seu leitinho, você encheu minha boca de porra ssssssss” Meu filho entrou totalmente no clima em que eu adoro de muito erotismo e me sentia muita excitada com tudo aquilo e então eu disse ao meu filho, “Olha filho como a sua mãezinha esta excitada olha, sssssssss, passa sua mão na minha bocetinha passa” Nisso peguei em sua mão colocando em minha boceta que já estava melada de tão excitada que estava, meu filho foi passando a mão na minha boceta e foi se virando de lado encostando seu pau em minhas coxas bem abaixo da minha boceta e quando percebi isso desci um pouco mais colocando seu pau entre minhas coxas sentindo aquele pauzão sobre a minha boceta fui tirando a sua mão onde disse, “Deixa filho sssssssssss, deixa a mamãe senti seu pau na minha bocetinha deixa ssssssss”, Nesse momento comecei a esfregar minha boceta em seu pau sentindo aquela vara enorme na minha boceta gemendo gostoso pra ele, “Ssssssssss ahhhhhhhh filho sssssssssss aahhhhhhhhhh q tesão hummmm ssssssss que delicia de pau sssssss ahhhhhhhh”, Esfregava bem gostoso minha boceta no pau dele onde fiz ele se virar o deitando de frente pra mim onde subi em cima do meu filho e fui esfregando minha boceta no pau dele onde ainda estava de calcinha e esfregava gostoso a boceta em seu pau gemendo gostoso, “Ahhhhhhh ssssssss q tesão é esse filho sssssssss ahhhhhhh”, fiquei completamente em cima do meu filho esfregando minha boceta em seu pau, olhei pra ele e dei um sorrisinho enquanto me esfregava nele e fui tirando minha blusinha deixando meus peitinhos a mostra onde meu filho passou sua mão me vendo esfregar a boceta em seu pau, “Ahhhhhh que tesão filho, mamãe esta cheia de tesão ssssssssss”, Nesse hora me abaixei passando meus seios em seu peitoral onde olhei pra ele e dei um beijo tipo selinho em sua boca e fui descendo o beijando o pescoço e logo seu peitoral descendo até seu pau, onde beijei a cabeça do pau dele e fui passando minha língua em toda extensão do pau do meu filho onde fiquei praticamente de quatro na cama e fui tirando minha calcinha deixando ela cair até o joelho, chupei todo o seu saco e suas bolas e depois subi chupando o pau do meu filho fazendo um vai e vem incrível em seu pau com minha boca massageando minha boceta toda melada, logo fui subindo arrancando de vez minha calcinha e sentei em cima do pau do meu filho onde não coloquei dentro da minha boceta e voltei a esfregar minha boceta em seu pau agora sem calcinha, pude sentir a grossura daquele pauzão quente e suculento na minha boceta toda melada onde esfregava em todo o seu pau de cima abaixo sem colocar dentro da minha boceta me sentia muito excitada e gemia muito pro meu filho que me olhava gostoso,

Contos Imor(t)ais - O CONTO – 248 -


“Ahhhhhhhh sssssssssss que delicia de pau filho, ahhhhhhh sssssssssss vou esfregar minha bocetinha nele todo ta filho, você deixa eu esfregar minha boceta em seu pau deixa filho ssssssssss ahhhhhhh” Minha excitação era tanta que esfregava bem gostoso, fazendo minha boceta abrir em seu pau onde estava muito melada e com muito tesão, pude sentir a sensação de gozar a qualquer momento em cima do pau do meu filho onde esfregava bem gostoso “Ahhhhhhhh sssssss, a tesão filho, a mamãe vai gozar bem gostoso ahhhhhhhhhh ssssssssss”, Logo senti a vontade de gozar e quando veio a sensação esfregava cada vez mais a boceta no pau do meu filho onde peguei em suas mãos a segurando quando comecei a gozar gostoso no pau do meu filho gritando e gemendo gostoso, “Ahhhhhhhh h sssssss ahhhhhhhhhh filho hummmm que tesão gostoso, você me deixa doida filhooo ahhhhhhhh ssssss que pauzão gostoso fazendo a mamãe gozar, hummmm” Eu gozava gostoso em cima do meu filho e gemia muito como nunca antes o tesão era demais, eu segurava nas mãos do meu filho bem firme e gemendo gostoso pra ele onde logo ele soltou minhas mão e apertou minas coxas me fazendo esfregar mais, e então percebi que ele iria gozar, onde sentia meu filho apertando minhas coxas e minha bundinha e disse a ele, “Vai filho goza gostoso também vai ssss, vem me lambuza toda com sua porra vem”, Meu filho apertou minhas coxas e começou a gozar gostoso onde me afastei um pouco e peguei em seu pau apontando pra mim onde seus jatos de esperma começou a sair bem gostoso me lambuzando toda chegando até meu queixo, lambuzando todo os meus seios e minha barriga sentindo seu esperma todo quente em mim onde meu filho se esticava todo gozando bem gostoso em mim, “Aaaahhh filho q delicia humm, goza gostoso goza, me lambuza toda assim humm”, Meu filho foi gozando muito me lambuzando toda. Após a sua gozada continuei em cima dele olhando pra sua carinha e sorrindo, onde fui dizendo, “Uau filho, foi maravilhoso hein?” Meu filho sorriu pra mim onde passei os dedos em seu pau tirando o restante de porra q tinha e coloquei na boca sentindo o seu gosto e disse, “Adoro seu leitinho filho” Ele sorriu e ficamos mais um tempo assim onde logo depois me limpei e voltei a me deitar ao lado do meu filho onde dormimos gostosos e abraçadinhos.

ATO V Hoje vou contar o que ocorreu após dormimos coisa que, acredito eu, foi um grande passo pra mim, Contos Imor(t)ais - O CONTO – 249 -


pois depois desse dia muitas coisas aconteceram e me realizo cada vez mais em meu prazer. Naquela noite dormimos juntinhos e abraçados, me virei de costa para o meu filho, ele me abraçou e encaixei todo o meu corpo no seu, sentindo-me totalmente segura e excitada. Foi uma noite muito agradável, e dormimos bem gostoso. Quando de manhã, acordo e nos vejo, praticamente, na mesma posição. Eu deitada de costas pro meu filho, com meu corpo todo colado no dele, e meu filho me abraçando com seus braços, um pouco abaixo de meus seios, dou uma leve mexida em meu corpo, passando minha bundinha em direção ao pau dele e, percebendo seu pau mole, fico fazendo esse movimentos por alguns segundos, rebolando e sentindo o pauzão mole do meu filho. Meu filho da uma leve mexida como se fosse acordar, mas continua com sua soneca gostosa ao meu lado. Viro-me de frente para o meu filho e começo a olhar pra ele, não acreditando no que estava acontecendo e também no que já fizemos. Pensei comigo mesma: “Nossa! Que loucura estou fazendo com meu próprio filho, mas nunca me senti tão excitada como estou me sentindo!” Ao pensar comecei a acariciar meu filho, passando minha mão em seus cabelos e rosto o admirando. Encosto todo meu corpo ao seu passando uma de minhas pernas ao meio das dele. Começo a beijar o rosto do meu filho acariciando seus cabelos e beijando todo o seu rostinho, que após alguns segundos meu filho vai acordando abrindo seus olhos bem devagarzinho, e digo, “Bom dia filho, dormiu Bem?” Sorri a meu filho e ele sorriu pra mim respondendo que sim, continuei com as acaricias e o beijei em sua bochecha voltei e fiquei olhando fixamente nos olhos de meu filho e disse: “Adorei dormir com você hoje filho, foi muito gostoso!” Meu filho sorriu e respondeu: “Também gostei mamãe foi muito gostoso!” Sorri a ele dizendo: “É verdade querido a mamãe adorou, vamos repetir mais vezes ta?” Meu filho sorriu, e respondeu apenas balançando a cabeça e fechando seus olhos. Dei um sorriso e voltei a beijar seu rosto todo beijando até seu queixo, e quando fiz isso, dei um sorriso ao meu filho e dei um beijo em sua boca, tipo selinho e sorrimos um ao outro, meu filho começou a passar suas mãos em minha coxa e, naturalmente, subi um pouco mais minhas pernas sentindo seu saco. Encostei minha barriga em seu pau que parecia estar ficando duro, o beijei novamente e ficamos dando selinhos por algum tempo, sempre sorrindo ao final. Senti a mão do meu filho, percorrer todo o meu bumbum, passando pelas minhas coxas e me fazendo arrepiar toda. Eu disse baixinho:

Contos Imor(t)ais - O CONTO – 250 -


“Hummmm que gostoso acordar com você assim, filho!” Ele apenas sorriu e então, dei mais um selinho em sua boca. Olhei em seus olhos, sentindo suas mãos em minha bundinha, passando seus dedos pela minha bocetinha toda melada e pelo meu cuzinho bem gostoso! Olhando pro meu filho eu disse:, “Humm, estou adorando filho, você gosta da minha bundinha, não gosta é?” Meu filho sorriu e afirmou com a cabeça me fazendo dizer: “É filho, você gosta da bundinha da mamãe e, agora, ela é toda sua, viu?” Sorri para ele, e dei-lhe mais um selinho. Acabei ousando um pouco mais e passei minha língua em seus lábios, meu filho sorriu e deu um tapinha em minha bundinha dizendo: “Sua bundinha é minha mãe? então posso fazer o que quiser?” Sorri ao meu filho e gemendo disse, “Ssssssss pode, querido, a bundinha da mamãe é sua!” Aí, meu filho sorriu e então dei um beijo em sua boca um pouco mais demorado, se tornando bem sexy e abrindo um pouco a minha boca em sua boca, sentindo seus lábios! Nisso, fui sentindo seu pauzão, já todo duro, como se perfurando minha barriga! Dei um leve sorriso e peguei em seu pau. Fiquei acariciando aquela rola enorme, sorri ao meu filho e voltei a beijá-lo, como fiz antes! Olhando em seus olhos, sentindo sua mão passeando pela minha bundinha e dando nela leves tapas, bem carinhosos, meu filho vem em minha direção e me beija bem gostoso! Demos nosso primeiro beijo de língua, eu sentindo suas mãos em minha bunda, percorrendo-a por toda sua extensão. Depois, foi passando por minha coxa subindo pela minha cintura passando pelos meus seios e descendo novamente; repetindo isso por varias vezes e me deixando cada vez mais excitada! Enquanto nos beijávamos gostoso, sentindo nossas línguas se cruzarem, eu pegava gostoso em seu pau e acariciava, tocando-lhe uma punheta bem gostosa! Fui me virando na cama deixando meu filho dominar toda a situação ficando praticamente em cima de mim. Beijávamos gostoso e, logo, meu filho foi me beijando o pescoço, me deixando ainda mais excitada, passando suas mãos em meus seios me acariciando, descendo e me beijando. Ele me lambia toda, me chupando gostoso e chegando até meus seios, onde começou a chupar os biquinhos dos meus seios, passando sua língua em toda sua volta, sentindo a rigidez a minha excitação! Eu me sentia com muito tesão! Meu filho foi descendo pela minha barriga beijando gostoso chegando ate minha boceta, já toda molhada e cheia de tesão me fazendo gemer bem gostoso: “Ahhh filho sssssssss, chupa bem gostoso a mamãe chupa, sssssssssss ah chupa a bocetinha da mamãe, vai ahhhh sssssss”, Meu filho começou a chupar-me na boceta bem gostoso, levando-me ao prazer total! Sentindo a Contos Imor(t)ais - O CONTO – 251 -


língua do meu filho na minha boceta toda molhada e excitada, passava as mãos nos cabelos do meu filho, fazendo-o chupar profundamente! Depois, puxei seus cabelos fazendo ele olhar pra mim e disse a ele, muito excitada, quase que gritando, “Ahhhhh filho, chupa gostoso minha boceta seu moleque safado! Chupa minha boceta bem gostoso vaaaiaiii sssssssssssssssssssssssss ahhhhhhhhhhhhh tesããããooo” Estava totalmente excitada e gemia gostoso e alto, acariciando a cabeça de meu filho e puxando-a cada vez mais em minha boceta. Meu filho me chupou a boceta e começou a me virar de costas. Eu me deitei de bruços ficando com minha bundinha toda rebitada na cara do meu filho, e ele começou a beijar minha bundinha e a dar umas mordidinhas, bem de leve me fazendo gemer gostoso, “Ah Filho que delicia, morde a bundinha da sua mãezinha morde!” Meu filho fazia de um jeito muito gostoso que jamais havia sentido, e então meu filho deu um tapa bem gostoso em minha bunda e disse, “Essa bundinha é minha agora mãezinha?” Sorri pra ele e, toda empolga e excitada disse, “Ssssssss, é sim filho minha bundinha é sua sssssssssss”, Senti meu filho dar mais um tapa e dizer, “Então fala mamãe que essa bundinha é minha fala?” Olhei pra trás, sorrindo bem gostoso e disse gemendo, Justo quando ele dava mais um tapinha em meu bumbum: “Ahhhhhhh sssssssssssssss, é sua filho, minha bundinha é toda sua, bate bem gostoso no bumbum da putinha de sua mãe!” Meu filho deu mais uns tapinhas bem gostosos em minha bundinha e começou a subir, beijando minha bunda e passando para as minhas costas, onde fui toda beijada chegando próximo à minha cabeça. Fui sentindo seu pauzão roçando minha bunda, fui deslizando meus joelhos no lençol e, aos poucos, fiquei deitada de bruços, por baixo de meu filho. Sorrimos um para outro e nos beijamos novamente. Fui sentindo o pau dele em cima da minha boceta com seu mastro por cima de minha barriga, logo fui virando ele de lado onde comecei a ficar em cima dele, olhei por meu filho bem gostoso e sorrindo e disse “Quero chupar bem gostoso seu pau, adoro chupar esse pauzão”, dei um leve sorriso ao meu filho e já com mão no pau dele fui descendo beijando todo seu corpo chegando a seu pau onde passei minha língua em toda sua extensão, eu segurei na base do pau dele apontando pro teto, sorri ao meu filho que me disse gostoso:

Contos Imor(t)ais - O CONTO – 252 -


“Chupa bem gostoso o me pau mãezinha”, Aquilo me fez ficar ainda excitada e olhando ao meu filho coloquei seu pau em minha boca onde fui descendo até sua cabecinha encostar em minha garganta subi chupando bem gostoso seu pau e segurando bem a base o punhetava cada vez que subia e descia com minha boca em seu pau! Chupava deliciosamente seu pau e eu disse ao meu filho: “Humm que delicia de pau, mamãe adora chupar seu pau filho”, continuei a chupar gostoso o pau dele e logo em seguida fui subindo em sua direção onde dei um beijo gostoso em meu filho peguei em seu pau colocando ele por cima de minha bundinha onde sentia seu pauzão no meu bumbum, sorri ao meu filho e dei um beijo nele e disse, “De quem é esse pauzão gostoso aqui hein filho? Sssssssssssss.” Meu filho sorri e foi dizendo, “É todo seu mãezinha” Sorri ao meu filho e rebolava bem gostoso, sentindo todo o peso do pau dele em cima de meu bumbum e então disse, “É meu é sssssssssssss, esse pauzão então é meu é, ssssssssssssss quero sentir ele na minha bocetinha!” Eu gemia gostoso e dizia ao meu filho, “Sssssssss quero sentir esse pauzão em minha boceta, quero dar pra ele bem gostoso! sssssssssssssss me come gostoso filho, come a sua mãezinha bem gostoso, vai filho ssssssssssssss”, comecei a rebolar pedindo pro meu filho me comer, joguei meu corpo pra frente sentindo o pau dele descer bem devagarzinho para a entrada da minha boceta e quando percebi fui empurrando meu corpo pra trás e sentia o pauzão do meu filho entrar na minha boceta me fazendo gemer gostoso, implorando para ser comida pelo meu filho, “Ahhhhhhhh que tesão, filho, me come gostoso vem sssssssssssssssssss, ahhhhhhh deliciaaaaaa, hummmmmm me come gostoso vai sssssssssssss, come sua mãezinha vem sssssssssssss”, Gemia sem parar onde comecei a cavalgar bem gostoso na rola do meu filho, subindo e descendo, devagar em num ritmo muito gostoso e prazeroso, sendo comida pelo meu filho! Sentia minha boceta sendo arregaçada por aquela pica deliciosa do meu querido filho, fui inclinando o corpo cada vez mais pra trás, cavalgando bem gostoso e aumentando o ritmo! Empinando o bumbum cada vez que descia em cima de sua pica, olhava pra trás enquanto fazia esse movimento, cavalgando bem gostoso no pau dele, empinando o bumbum e descia bem gostoso pelo seu pau, sentindo minha boceta toda molhada! Subia gostoso empurrando meu bumbum pra frente, subia e descia e um ritmo bem gostoso enquanto gemia pro meu filho, “Ahhhhhhhh sssssssssssssss que delícia! Hummm que pauzão gostooooosoooooo ahhhhhhhh, tesão filho! Contos Imor(t)ais - O CONTO – 253 -


Come a mamãezinha, bem gostoso! hummmm me fode gostoso filho, fode sua mãezinha, fode a sua putinha vaiiiiii hummmmmmmm ssssssssssssssssss tezão!!! ” Gemia gostoso ao meu filho que me comia muito gostoso enquanto cavalga em seu pau que, às vezes, olhava ele entrando na minha boceta toda vez que olhava pra trás, vendo meu bumbum descendo e subindo em cima daquela pica. Permanecemos por mais alguns minutos nessa posição, e então eu disse ao meu filho, “Vem filho, me pega de quatro, bem gostoso vai, quero dar pra você de quatro, filho, come a putinha da sua mãezinha de quatro, vem!” Toda excitada, eu fui saindo de cima do pau do meu filho e fui ficando de quatro na cama virando minha bundinha para a beira da cama, meu filho se levantou e foi saindo da cama ficando em pé e se posicionando atrás de mim. Meu filho me puxou um pouco mais pra trás onde fui abrindo as pernas e olhando pra ele e dizendo gostoso, “Vem filho me fode gostoso, come a putinha da sua mãezinha come sssssssssss, quero ser fodida pelo seu pau gostoso filho, sssssssssssssssssss”! Meu filho foi passando seu pauzão pela minha boceta e foi colocando a cabeça do pau dele, fui sentindo aquele pauzão entrando na minha boceta bem devagar, meu filho segurou em minha cintura e começou a bombar gostoso seu pau na minha boceta me fazendo olhar pra trás gemendo gostoso, “Ahhh ssssss, me fode gostoso filho, ssssss ahhhhhh come sua mãezinha bem gostoso vai ssssss ahhhhh sssssssssssss ahhhhhhhhhh me fode ahhhhh sssssss ”, gemia bem gostoso pra ele que me comia bem gostoso de quatro, sentindo aquela pica em minha boceta e pedindo pro meu filho, “Ahhh filho me come gostoso assim ssssssssss que tezão, bate gostoso no meu bumum bate, bate na sua putinha vai me fode gostoso ahh ssss s ”, Meu filho começou a dar uns tapinhas em meu bumbum que me fazia ir ao delírio, eu empinava minha bunda bem gostoso sentindo seu pau me comendo, eu olhava pro rostinho do meu filho e gemia bem gostoso pra ele enquanto me comia de 4 e batia em meu bumbum me fazendo gritar e gemer bem gostoso, “Ahhhhhh ssss, ahhhhh ssssss, me fode filho, come sua mãezinha bem gostoso Ahhhhhhhh sssss ss delicia de rola”. Ficamos assim por mais um tempo, logo pedi pro meu filho me comer de frente onde me virei e me deitei na cama de frente ao meu filho onde abrir as pernas e as dobrei colocando os pés na cama e pedi pra ele me comer naquela posição onde ele se abaixou e colocou seu pau novamente em minha boceta onde fui sentindo ele me comer gostoso naquela posição, “Ahhhhhhh ssssssssss que tezão filho, ta gostando de comer a mamãe ta, ta gostoso é?”,

Contos Imor(t)ais - O CONTO – 254 -


Meu filho me comia gostoso e dizia, “Sim mamãe, to gostando de comer você que nem uma putinha”, Sorri ao meu filho e gemendo disse, “Ahhhh ssss, isso come sua putinha come, come sua mãezinha bem gostoso fode minha boceta”, Meu filho segurou em minhas pernas flexionadas foi me comendo gostoso enquanto íamos gemendo bem excitante, e então meu filho foi dizendo que iria gozar, comecei a rebolar no pau dele pedindo pra ele gozar em cima de mim, “Ahhh ssss goza filho, goza em cima da mamãe vai, sssssssssss”, Meu filho foi tirando seu pauzão dentro da minha boceta e começou a gozar gostoso, seus jatos de porra era bem fortes onde logo começou a jorrar vindo esperma no meu rosto próximo a minha boca, jorrava ainda mais por todo os meus seios e barriga, meu filho foi gozando bem gostoso me lambuzando toda me deixando toda gozada com sua porra onde gemia gostoso pra ele, “Ahhh filho goza gostoso na mamãe me enche toda com sua porra quentinha vai sssss”, Meu filho gozava gostoso onde lambuzou toda deixando meu rosto, meus seios e minha barriga cheia de porra. Ficamos ainda nessa posição onde me lambuzava toda com sua porra espalhando por todo meu corpo e lambia os dedos sentindo sua porra quentinha, sorri a o meu filho e disse, “Uau filho, me lambuzou toda hem” Meu filho sorriu onde ficamos nos olhando e curtindo aquele momento.

ATO VI Depois de eu e meu filho termos transado naquela manhã, nós dois se levantamos da cama e fomos ao banho juntos onde ficamos nos lavando e namorando bem gostoso no chuveiro. Naquele dia meu filho ia jogar seu futebol com seus amigos ficando praticamente o dia inteiro fora e então pensei em fazer uma surpresa pra ele quando voltasse. Liguei pra uma amiga minha a Bethy e fomos almoçar e fazer algumas comprinhas juntas. Fomos a uma loja de lingerie e acabei comprando alguns lingeries, bem sexy e também um espartilho preto bem sexy, minha amiga Bethy começou a brincar dizendo que a noite prometia e foi me perguntando quem era o cara, fiquei meio sem jeito e acabei mentindo pra minha melhor amiga dizendo que era um amigo do meu irmão. Em certos momentos estava muito a fim de contar a ela com quem realmente estou transando, mas me bateu um calafrio me dizendo que não era a melhor hora. Eu e a Bethy ficamos ainda juntas à tarde, onde conversamos bastante e ela me contando sobre suas aventuras. Logo depois fui embora pra casa, pra dar uma ajeitada na casa e também em mim, pois ia fazer uma grande surpresa ao meu filho. Tomei um banho gostoso passei um creme em meu corpo me deixando bem cheirosa para o meu Contos Imor(t)ais - O CONTO – 255 -


filho, coloquei um lingerie bem sexy com uma camisolinha e fiquei esperando por ele. Meu filho chegou e me cumprimentou, e logo em seguida foi ao seu banho e, não demorou muito, saiu vestindo apenas uma cuequinha que eu adoro, preparei um lanchinho para nós e comemos onde ficamos conversando sobre o seu dia, contando-me o que aconteceu em seu jogo. Levantei-me e peguei as coisas pra levar ate a cozinha, meu filho me olhou de cima a baixo notando meu novo lingerie que, realmente, era bem sexy. Dei um sorrisinho a ele e fui até a cozinha. Em seguida, meu filho veio até mim e me encoxou, segurando-me pela cintura e dizendo ao meu ouvido, “Hum mamãe, você esta bem gostosa nessa calcinha”, Sorri a ele toda arrepiada e disse, “Ah é filho, gosta de ver a mamãe assim é?” Meu filho sorriu e disse, “Sim mãe, adoro te ver assim bem gostosinha”, Sorri a ele e o disse, “Hum, você ainda não viu nada, assim que eu acabar aqui você vai ter uma surpresinha” Sorri a ele, que ficou me perguntando o que seria eu, o só provoca dizendo que era algo bem gostoso! Meu filho ainda me enconchava gostoso na pia enquanto lavava a louça. Eu sentia seu pau gostoso praticamente duro, em minha bundinha que arrebitava pra sentir o pau dele encaixar melhor na minha bunda. Às vezes, olhava pra trás sorrindo ao meu filho que passava seu pau pela minha bundinha, e então eu disse a ele: “Adorei meter com você hoje de manhã, filho. Foi maravilhoso”, meu filho sorriu e disse, “Mãe nunca comi uma mulher tão gostosa que nem você!” Sorri a ele e disse: “Pra falar a verdade, filho, eu também nunca fiquei tão excitada com fiquei hoje” Sorrimos onde ele me enconchava gostoso e quando terminei eu disse a ele, “Filho vai pra sala que a mamãe vai fazer uma surpresa bem gostosa pra você”, Meu filho sorriu e saiu dizendo que estava ansioso. Fui ate meu quarto e comecei a vestir meu espartilho preto, a calcinha preta bem pequena e toda Contos Imor(t)ais - O CONTO – 256 -


enfiadinha em minha bundinha, a blusinha preta com detalhes em branco deixando minha barriga a mostra e a meia até a coxa ligando com um pequeno fio de pano a blusinha, coloquei uma sandália para ficar bem mais sexy e fui saindo do meu quarto em direção a sala e vejo meu filho, sentando no sofá, à minha espera, que quando me ver se, espanta arregalando os olhos e dizendo: “Nossa, como você esta gostosa mãe”, Sorri a ele e disse: “Você acha filho, gosta de me ver vestida assim?” Meu filho me olha de cima abaixo me pedindo pra andar pela sala onde eu andava pela sala rebolando e olhando pro meu filho que me comia pelos olhos e então ele disse, “Arraso mãe, você esta muito gostosa com essa peça” Sorri ao meu filho e disse a ele “Você gostou do meu espartilho filho?” Meu filho me olhava e sorria e depois disse, “Sim mãe, adorei esta vestida que nem uma putinha” Sorri a ele toda excitada e disse, “É mesmo filho gosta de ver sua mãezinha vestida que nem uma putinha gosta? Sorri ao meu filho e fui em direção a ele me sentando no sofá onde me encostei em seu corpo e meu filho foi passando suas mãos pelo meu corpo onde repeti a ele, “Ssssssss gosta filho, de ver sua mãezinha vestida que nem uma putinha?” Meu filho sorriu e disse, “Estou adorando mãe”, Sorri a ele e nós começamos a nos beijar bem gostoso, sentindo suas mãos me apalpando toda, eu também não demorei e logo fui pegando em seu pau por cima de sua cueca que já estava todo duro, percorria com minha por toda extensão do pau dele sentido seu tamanho e sua grossura, adoro fazer isso, já estava muito excitada com os beijos que meu filho me dava me chupando o pescoço descendo até meus seios por cima da minha blusinha, que logo meu filho começou a tirar e foi chupando meus seios bem gostoso passando sua língua no meu biquinho já todo excitado, eu continuava com minha mão no pau dele sentindo aquela rola maravilhosa, grossa e grande, meu filho voltou a me beijar gostoso na boca, e logo depois foi descendo novamente até meus seios descendo pela minha barriga me fazendo deitar no sofá, meu filho me olhava gostoso parecia muito excitado e passava suas mãos pela minha coxa sentindo a minha meia sobre ela, meu filho começou a passar a mão em minha boceta por cima da calcinha, massageando gostoso, a minha bocetinha que já estava toda molhada! Eu olhava pro meu filho e gemia gostoso a ele, Contos Imor(t)ais - O CONTO – 257 -


“Ahhhh Sssssssss que tesão filho, ssssssssss ahhhhhhh delícia”, meu filho continuava a me masturbar ainda por cima calcinha. Meu filho começou a beijar toda a minha coxa subindo até minha boceta onde começou a beijar gostoso, ainda por cima da calcinha que foi colocando ela de lado e fui sentindo sua língua direta em minha boceta, já toda molhada! Comecei a gemer gostoso pro meu filho que me chupava: “Ahhhhhh ssssssssss que tesão filho, chupa a bocetinha da sua mãezinha, bem gostoso! Vai filho, me chupa que nem uma putinha hummm ahhhhh ssssssss”! Meu filho me chupava deliciosamente sentindo sua língua percorrer por toda a minha boceta me deixando cheia de tesão, passava minhas mãos por seu cabelo forçando meu filho me chupar gostoso, eu gemia muito e alto não me controlava podia até ser pega pelos meus pais que mora no mesmo quintal que nós, mas sentia o tesão bater mais alto e gemia gostoso pro meu filho, “Ahhhhhhh ssssssss isso filho, me chupa gostoso assim vaaaaiiiiiii delicia ahhhhh q tezão filho, mamãe adora quando me chupa gostoso”, Meu filho continuava a me chupar bem gostoso sentindo suas mãos em coxas e sua língua em minha boceta. Estava gostoso demais e então meu filho foi subindo me beijando todo o meu corpo chegando a minha boca me dando um beijo bem gostoso, logo em seguida olhei pro meu filho e sorri dizendo, “Agora quem vai te chupar todo sou eu”, Sorri a ele e fui descendo beijando todo seu corpo passando meus dentes pela sua barriga e olhando pro meu filho q sorria pra mim bem gostoso, fui descendo minhas mãos e, já tirando sua cueca que foi liberando aquele pauzão, gostoso pra fora, meu filho foi se sentando no sofa eu me agachei sobre suas pernas e peguei no pau dele e comecei a punhetar bem gostoso percorrendo minha mão por toda extensão de seu pau, olhei e sorri pro meu filho dizendo, “Sssss, adoro esse seu pauzão filho, mamãe quer ele todo pra mim”, Meu filho sorriu e então eu abocanhei seu pau bem gostoso descendo minha boca pelo seu pau fazendo uma chupetinha maravilhosa, descia e subia passando minha língua pelo seu pau e beijando a cabeçinha do pau dele e sorrindo ao meu filho, que me olhava bem excitado vendo sua mãe chupar seu pau bem gostoso. Depois da minha chupetinha olhei pro meu filho e disse a ele, “Quero cavalgar bem gostoso nesse seu pauzão filho”, Sorri ao meu filho e fiquei de pé em sua frente tirando minha calcinha ficando apenas de meia e de sandálias e fui subindo meu corpo ao dele apoiando meus joelhos no sofá e sentando em cima do Contos Imor(t)ais - O CONTO – 258 -


corpo do meu filho, que inclinando meu corpo olhando pro meu filho e peguei em seu pau e fui colocando na entrada da minha bocetinha e fui descendo meu corpo empinando meu bumbum e sempre olhando pro meu filho que olhava gostoso sentindo colocar seu pau na minha boceta e me vendo gemer gostoso cada vez que seu pau entrava na boceta, “Aaahhhhhhhhhh Sssssssssssss que pau gostoso filho, ahhhhhh mamãe adora seu pauzão enorme ahhhhhhhh ssssssssss tezão”, Comecei a cavalgar gostoso em ciam do meu filho me apoiando e segurando pelo encosto do sofá rebitando cada vez mais meu bumbum pro meu filho que me comia bem gostoso ali na sala, sentia seu pau entrar e sai bem gostoso em um ritmo leve sentindo seu pau comer minha bocetinha deliciosamente, levantei o meu corpo e comecei a cavalgar um pouco mais acelerado sentindo o pau do meu filho me comer gostoso me fazendo gemer ainda mais, “Aahh ssssss humm ahhhh que tesão filho, ahhhhhhhh me fode gostoso filho, fode a putinha da sua mãe fode vai ahhh sssssss hummm ” Aumentava cada vez mais o ritmo cavalgando gostoso em cima do meu filho, apoiava minhas mãos em seu peito cavalgava gostoso e deliciosamente, meu filho me segurava pela cintura e depois passava suas mão pela minha bundinha me dando uns tapinhas gostoso, “Ahhhhhh isso bate gostoso na sua putinha filho, bate gostoso na minha bundinha vai sssssssssss ahhhhhh”, Eu estava totalmente excitada e cavalgava gostoso em cima dele e logo me deitei em seu corpo e lhe dei um beijo bem gostoso enquanto cavalgava já em um ritmo mais leve empinando meu bumbum e descendo bem gostoso pelo seu pauzão. Beijei gostoso meu filho e logo disse a ele, “Me fode de 4 filho ssssss, come a putinha da sua mãezinha de 4 vem ssssss”, Fui me levantanto e ficando de 4 no sofá onde meu filho de pé foi colocando seu pauzão em minha boceta, sentindo sua pica grande e grossa entrar na minha boceta me fazendo gemer ainda mais gostoso, “Ahhhhhhh ssssssss isso assim me fode gostoso vai, me fode filhoo fode sua mãeziha que é sua putinha seu gostoso, sssssssssssss me fode vai me come gostoso ahhhhh “ Gemia bem gostoso sentindo toda a minha excitação com meu filho me comendo de 4 bem gostoso no sofá que bombava gostoso em um ritmo meio acelerado me segurando pela cintura passando suas mãos em meu bumbum onde deu um leve tapa me fazendo gemer gostoso, “Ahhhh isso filho me fode gostoso ahhhhh me bate vai, me bate mais forte na minha bunda vai me come gostoso vai, sssssssss ahhhhhh”, Meu filho batia em minha bunda e me comia gostoso minha boceta e cada vez que me batia eu pedia mais,

Contos Imor(t)ais - O CONTO – 259 -


“Ahhhhh vai me bate mais forte filho, me fode gostoso vai filho come sua mãe gostoso seu safado, come sua putinha gostoso me fode vai me fode, ahhhhh sssssssss”, Meu filho me comia gostoso batia em minha bunda me dando ainda mais prazer. Ainda de 4 no sofá olhei pra atrás vendo meu filho me comer e então sorri ao meu filho e disse, “Quer comer meu cuzinho filho? Quer? Mamãe esta doida pra dar meu cuzinho pra você, fode meu cu, vem!Fode meu cu bem gostoso vem, ssssssssss”, Meu filho parecia meio descontrolado e então peguei em seu pau e fui abrindo meu cuzinho pra ele que foi colocando seu pau bem devagar no meu cu, e logo já fui sentindo ele bombando gostoso com o seu pau em cuzinho, eu gemia gostosa cada vez que o pau do meu filho entrava, “Ahhhhhhhh ssssssss que tesão, fode meu cu filho, come o cuzinho da sua mãezinha ssssssss, vaiiiiii ssssss ahhhhhs me fode filho fode meu cu ahhhhhhh sssssssss”, Nossa que tesão eu estava nesse dia, pedia por meu filho me comer gostoso sentindo aquele pauzão enorme no meu cuzinho que estava sendo arregaçado por aquela vara enorme que meu filho tem, me apoiei no encosto do sofá mordendo o estofado abafando meus gritos enquanto meu filho me comia o meu cuzinho de 4 na sala, masturbava a minha boceta bem gostoso enguanto meu filho me comia gostoso “Ahhhh filho, que delicia seu pau no meu cuzinho, me fode vai, me fode gostoso, come meu cuzinho seu safado ahhhhh sssssss que tesão”, Meu filho me comia deliciosamente, parecia outro rapaz bem mais gostoso e safado já não existia mais nenhuma barreira entre nós e estávamos aproveitando muito tudo aquilo. Meu filho continuou comendo meu cuzinho e logo disse, “Ah mamãe vou gozar, quero gozar na sua boquinha bem gostoso você deixa?”, Olhei pra traz e toda excitada disse, “Aahhhhh filho, eu deixo você gozar onde você quiser filho mamãe te ama”, Meu filho me olhou e ainda bombando bem devagar disse, “Então vem cá mamãe, me deixa gozar nesse rostinho lindo, deixa eu encher ele de esperma vem”, Meu filho foi tirando o pau do meu cu, e fui sentando no sofá e meu filho me deu o seu pau, onde peguei gostoso nele punhetando e dizendo, “Isso filho vem goza gostoso pra mamãe vem, me da seu leitinho vai, me enche de leitinho vem quero tomar bem gostoso seu leitinho filho”, Fui passando a língua em seu pau e logo meu filho começou a gozar e seus jatos batiam em rosto me lambuzando inteirinha deixando meu rosto todo gozado que escorria do meu rosto aos meus Contos Imor(t)ais - O CONTO – 260 -


seios abria a minha boca colocando minha língua pra fora sentindo seu esperma em minha língua e enchendo minha boca e engolia seu esperma bem gostoso, “Hum que delicia seu leitinho filho, mamãe adora tomar leitinho, adoro quando você goza na minha boca”, Meu filho sorriu e disse, “Toma todinho mamãe, toma todo o meu leitinho vai”, Sorria a ele onde fiquei com seu pau na mão com meu rosto todo gozado lambendo a cabeça do pau dele, meu filho passava o dedo em meu rosto retirando seu esperma e me dando na boquinha e chupava seu dedo sorrindo e dizendo, “Seu safado sssssss, você ficou muito safado e gostoso” Meu filho sorriu e disse, “Você que me ensinou mãe, e também gosto de ver você toda gozada”, Sorri a ele e disse, “Seu safado, gosta de ver sua mãezinha toda lambuzada com seu gozo é?”, meu filho sorriu e então disse, “E alem disso comeu bem gostoso meu cuzinho seu safado”, Sorrimos um para outro me levantei e fiquei de costa pra ele q assim fomos caminhando ate o banheiro.

ATO VII Depois do episódio do conto anterior, eu e meu filho não tínhamos mais nada a esconder um do outro e quando estávamos com tesão, a gente transava bem gostoso. Transamos em todo lugar da casa, no banheiro, na cozinha, na sala no quarto, parecíamos dois namorados em principio de namoro. Em uma noite estávamos vendo alguns filminhos na internet e vimos um que chamou nossa atenção de um casal trepando em plena luz do dia em um parque. Aquilo me deixou muito excitada e meu filho me perguntou, “E aí mãezinha, já transou assim em algum lugar?” Sorri ao meu filho e disse, “Ainda não filho, mas confesso que me deu um tesão em fazer isso”,

Contos Imor(t)ais - O CONTO – 261 -


Sorrimos um para o outro e continuamos ver alguns vídeos na internet, logo depois fomos dormir onde trepamos bem gostoso naquela noite. Aquela cena não saia de minha cabeça e estava disposta a realizar essa fantasia com meu filho, fiquei pensando comigo mesma onde encontrar um parque tranqüilo pra realizar essa fantasia. O fim de semana foi se aproximando e quando voltava do trabalho acabei contando pra minha amiga Bethy sobre o vídeo que tinha visto na internet, que sempre conversávamos sobre sexo, e a Bethy me revelou que já trepou em um parque um pouco afastado da região, e logo fui saber onde que era esse tal parque que iria realizar minha fantasia. Minha amiga explicou como fazia pra ir ate lá, pois era um pouco longe de onde eu moro. No fim de semana acabei falando ao meu filho desse parque que pra minha surpresa ele sabia onde ficava, e marcamos de ir no domingo à tarde pois seria um horário gostoso e que não havia muita gente. Chegado o domingo, coloquei uma saínha e uma blusinha e eu e meu filho fomos até ao parque que realmente era bem longe de casa, fiz uma malinha com algumas coisas de comer, pra poder disfarçar caso alguém aparecesse. Quando chegamos procuramos algum lugar bem gostoso e descontraído, andamos bastante e achamos um lugar ideal, um lugar bastante verde, com muitas árvores baixas e altas! Ficamos ali uma meia hora conversando muito, tivemos uma conversa bem gostosa, eu e meu filho. E então, como percebi que não havia nenhum movimento tirei da minha malinha um lençol que, eu e meu filho, esticamos no chão e nos sentamos e ficamos conversando ainda mais. Logo começamos a falar sobre sexo e de nossas trepadas, com meu filho dizendo, “Caramba mãe jamais iria imaginar que um dia estaria te comendo”, Sorri ao meu filho e fui dizendo o mesmo, “É verdade filho, a gente sempre ficava quase que pelados um na frente de outro e nunca acontecia nada, mas fui ver esse seu pauzão gostoso”, Sorri a ele que sorriu pra mim. Logo o tempo foi se passando, já estava completamente excitada com os papo e também pelo clima que rolava na hora, e então comecei a cariciar o meu filho que já sentia suas mãos em minhas coxas alisando bem gostoso indo em direção a minha bocetinha que já estava meladinha, sorri ao meu filho e disse, “Quero dar bem gostoso pra você aqui filho”, Meu filho sorriu e foi passando a mão na minha boceta ainda por cima da calcinha, logo comecei também a alisar seu pau por cima da bermuda já sentindo aquela vara toda dura, demos um beijo bem gostoso e meu filho foi me apalpando por inteira sentindo suas mãos em meus seios, abrir o zíper da bermuda do meu filho e fui liberando o pau dele pra fora e comecei a punhetar bem gostoso o pau dele. Olhei pro meu filho e disse, Contos Imor(t)ais - O CONTO – 262 -


“Quero chupar bem gostoso o seu pau”, Sorri a ele e fui tirando a sua bermuda, meu filho meio que deitou sobre o lençol e abriu as pernas e fui até ao meio dele ficando praticamente de quatro e comecei a chupar bem gostoso o pau do meu filho. Descia e subia minha boca por toda a extensão do pau dele, passando minha língua na cabeça do pau do meu filho, às vezes sorria pra ele quando lambia a cabeça de seu pau, comecei a tirar minha calcinha enquanto chupava o pau do meu filho, e de quatro, fiquei me masturbando e chupando aquela rola deliciosa, desci até ao seu saco, chupando suas bolas e logo voltava chupando todo o pau do meu filho. Eu já estava completamente excitada sentindo minha bocetinha toda molhada, fui me levantando e tirando minha blusinha e minha saia ficando nua ali no meio do parque, meu filho foi arrancando sua camiseta ficando todo nu, olhei pro meu filho sorri e disse, “Hoje quero que você me foda bem gostoso aqui filho”, Meu filho sorriu e fui pra cima dele sentando em cima de seu pau onde peguei gostoso e fui colocando na minha bocetinha que sentia a cabeça do pau dele já entrando, arrebitei minha bundinha e movimentei pra trás sentindo seu pau entrar na minha boceta molhada, sorri ao meu filho e gemendo disse, “Ahh sssss que gostoso filho, me come gostoso hoje vem ssssssss”, Comecei a cavalgar gostoso em cima do meu filho, sentindo sua rola penetrar gostoso na minha boceta que estava molhadinha, eu estava com muito tesão em trepar com meu filho em um lugar onde qualquer pessoa poderia nos flagrar aquilo me excitava cada vez mais e metia com gostoso com meu filho; Meu filho me comia bem gostoso onde cavalgava em seu pau gostoso, “Ahhhhhhhh ssssssssss que delicia, me fode gostoso filho, come sua mãezinha hummm”, Eu cavalgava bem gostoso empinando meu bumbum e olhando pra trás vendo minha bundinha subir e descer daquela rola gostosa, aumentei bastante o ritmo e cavalgava bem gostoso no pau do meu filho e conforme subi, seu pau saiu da minha boceta onde sorri ao meu filho e disse, “Ahhh sssssss que tesão filho, agora vou cavalgar bem gostoso com meu cuzinho nesse seu pauzão”, Meu filho sorriu e então peguei em seu pau e fui colocando em meu cuzinho e fui movimentando minha bundinha pra trás sentando naquela pica enorme que me fazia gemer cada vez que entrava em meu cu, “Ahhhhhh sssssss que tezão filho, fode meu cu bem gostoso vai, me fode, fode meu cuzinho, o cuzinho da sua mamãe vai ssss”,

Contos Imor(t)ais - O CONTO – 263 -


Cavalgava gostoso subindo e descendo com aquela rola em meu cu, apoiava em seu peito e cavalgava em um ritmos gostoso e devagar logo fui aumentando o ritmos sentindo aquele pauzão rasgando meu cuzinho me deixando ainda mais excitada e molhada massageando minha boceta gemendo e olhando meu filho “Ahhhhh ssssssssss ahhhhhhhhh ssssssssss fode meu cu, fode meu cuzinho, ahhhhhhh ssssssss mete gostoso no meu cu filho, come o cuzinho da mamãe come ahhhhh ssssssss”, Estava muito excitada e as vezes gritava pro meu filho me comer gostoso ali no parque onde me fodia bem gostoso meu cuzinho. Ficamos mais um tempo trepando nessa posição, e então pedi ao meu filho pra me comer de quatro, pois estava doida pra ficar de quatro ali no meio do parque, fui me levantando e ficando de quatro e meu filho foi colocando seu pau em minha boceta metendo bem gostoso, “Ahhhhh sssssss me fode, me fode gostoso vai, me fode filho, fode sua mãezinha vai”, Meu filho foi bombando gostoso seu pau em minha boceta e começou a bater em minha bunda me fazendo gritar enquanto me comia de quatro, “Ahhhhhhhh me bate gostoso vai, me fode me bate gostoso na bunda, vai filho bate gostoso na mamãe vai ahhhhh ssssss”. Meu filho me comia e batia em minha bunda me fazendo delirar de tesão sentindo aquela rola fodendo minha boceta bem gostoso, eu olhava para os lados vendo toda aquela natureza sentindo o sol batendo em minhas costas com meu filho me comendo bem gostoso de quatro aumentando meu tesão, que logo pedi pra ele comer meu cuzinho, “Vai filho ssssss não agüento mais, come meu cuzinho de quatro vai, fode meu cu bem gostoso vai filhoooo, mamãe quer seu pau no meu cuzinho”, Meu filho atendeu meu pedido e foi tirando seu pau da minha boceta e colocando em meu cuzinho que fui sentindo seu pau entrar gostoso me fazendo gemer alto quase que gritando pedindo pro meu filho me comer, “Ahhhhhhh sssssssssss me fode gostoso vai fode meu cuzinho vai”, Meu filho foi metendo gostoso me deixando com muito tesão, e logo foi me batendo gostoso na bunda aumentando seu ritmo me dando ainda mais prazer, “Ahhhhhh assim vai me fode assim ahhhhhhh sssssssssssss que tesão gostoso vai, não para não filho, fode meu cuzinho vai, hummmmm sssssssssssss gostoso hummmm”, Meu filho me comia bem gostoso de quatro ali no parque, eu massageava minha boceta enquanto meu filho comia meu cuzinho, estava praticamente gozando pedindo pro meu filho não parar de bombar, “Ahhhhhh ssssss não para filho, não para que eu vou gozar ahhhhhhhhhhhhhhhh ssssssssssssssssssssss que tesão aiiiiii ssssssssss ahhhh que tesão filho”, Contos Imor(t)ais - O CONTO – 264 -


Olhei pra traz enquanto eu gozava gostoso com meu filho me comendo, e gemia pra ele com uma cara bem safada. Meu filho não agüentando disse que iria gozar, e fui sentindo seu jato de porra ainda dentro do meu cuzinho, meu filho foi tirando o pau pra fora e gozando em cima de minha bunda deixando meu bumbum todo melado com seu gozo, e eu pedia pra ele gozar gostoso, “Ahhh isso filho ahhhh ssssss goza gostoso em cima da bundinha da mamãe goza, ahhhh isso assim, enche minha bundinha com sua porra, ahhhhh que delicia hummm”, Meu filho foi gozando e me lambuzando toda, deixou minha bundinha toda melada com muita porra, que escorria do meu cuzinho a minha bocetinha molhada, fiquei olhando pra traz ora pro meu filho ora pro meu bumbum todo melado, sorri ao meu filho e disse, “Humm que gostoso filho, adoro quando você goza em cima de mim, adoro ficar toda lambuzada com seu esperma”, Sorrimos e ficamos ainda naquela posição eu de quatro e meu filho ajoelhado atrás de mim passando seu pau por toda a minha bunda lambuzando ainda mais espalhando seu esperma, passei um dos meus dedos na minha bunda enchendo ele de porra e levei ate minha boca sentindo seu esperma gostoso, “Ah filho mamãe adora seu leitinho, depois quero que você goze em minha boca ta?” Meu filho sorriu e foi saindo da posição onde também sai e me sentei. Ficamos ali sentados e pelados por mais um tempo conversando um pouco onde dizia ao meu filho, “Nossa como eu adoro trepar com você filho, é muito gostoso!”, Sorri ao meu filho que me disse, “Também estou gostando mãe, você é uma mulher muito gostosa na cama”, Sorri a ele e disse, “Que nada filho esse seu pauzão que é gostoso demais, e comeu meu cuzinho bem gostoso hein?” Meu filho sorriu parecendo tímido e ficamos conversando sobre nossa trepada. Após alguns minutos começamos a nos cariciar e logo estávamos trepando novamente e dei minha boceta e meu cuzinho de novo pro meu filho, que depois gozou gostoso na minha boca, me fazendo tomar todo o seu leitinho.

Contos Imor(t)ais - O CONTO – 265 -


SEM PRECONCEITO E SEM VERGONHA ATO I Na verdade, nem sei mesmo o que me levou a viver tudo o que vou narrar. Antes de me entregar a esses, digamos, pecados, eu era uma mulher recatada, e pra dizer a verdade, nem gostava muito de sexo. Perdi a virgindade somente aos vinte e dois anos, quando ainda estava na facul de letras. Minha primeira vez foi horrível, doeu tanto que fiquei um tempo meio traumatizada, mesmo sabendo que meu cabacinho, motivo da minha dor, já tinha ido pro espaço. Depois, cheguei a transar algumas vezes, mas nunca havia conseguido um orgasmo de verdade, isso até conhecer o Paulo, um engenheiro dez anos mais velho que eu, que me levou a um motel, e cismou de chupar minha bocetinha. A principio me assustei, pois nunca pensei que deixaria ser chupada, uma vez que considerava isso algo no mínimo inapropriado, pois não entendia como alguém poderia se dispor a sentir o cheiro de bacalhau da minha gretinha. Ocorre que o Paulo insistiu, dizendo que era viciado nisso, que adorava cheiro de buceta, e que eu iria adorar. Disse também que, se eu quisesse ficar mais à vontade, poderia passar uma água, mas sem usar sabonete, para não tirar todo o cheiro, pois isso lhe dava tesão. Obedeci, e em seguida ele me pediu para deitar na cama e relaxar. Então, abriu minhas pernas e começou devagarinho, lambendo suavemente, e quando percebeu que eu já havia me acostumado com a situação, se concentrou no meu grelinho, chupando de várias maneiras diferentes, até que as chupadas passaram a ser mais vigorosas, e eu explodi num orgasmo maravilhoso, que nunca tinha sentido até então. Não precisa dizer que eu fiquei louca por ele. Foi paixão à primeira chupada, e acabamos no altar. Nosso casamento estava ótimo, fazíamos um monte de brincadeiras gostosas na cama, sendo que o único problema é que eu fui ficando cada vez mais ciumenta. Foi então que o Paulinho propôs um pacto. Um dia, estávamos completamente nus em nosso quarto, quando ele me levou ao box do banheiro, se abaixou um pouquinho, colocou o pau duro por debaixo da minha boceta e mandou eu fazer xixi, dizendo que era pra eu marcar território. Enlouqueci de tesão. Quando ainda estava extasiada com a urina quente que escorria pelas nossas pernas, ele começou a mijar na minha xoxota, e no meio daquele cheiro forte de urina, abaixou-se ainda mais e passou a chupar minha xaninha. Não sei o que deu em mim, pois eu deixei rolar o restinho de xixi que eu ainda tinha na boca do Paulinho, e ao contrário do que eu esperava, ele bebeu tudinho, gemendo de prazer. Depois, continuou me chupando, até eu gosar feito uma doida. Eu então abri o chuveiro, pensando em tomar banho, mas ele me virou de costas e foi enfiando a pica no meu trazeiro. Doía pra caramba, e eu pedia pra parar, mas ele continuou até gosar, e disse que fez de propósito, pra eu deixar de frescura e saber que ele era meu e eu era dele. Santo remédio, acabou as crises de ciume. Depois disso, nossa vida passou a ser uma maravilha. Eu nem fazia ideia de que tudo ia ficar ainda melhor, quando um casal de amigos começou a frequentar nosso apartamento. Foi então que tudo pirou de vez. Mas isso eu vou deixar pra contar no próximo capítulo

Contos Imor(t)ais - SEM PRECONCEITO E SEM VERGONHA – 266 -


ATO II não me apresentei direito, então já está mais do que na hora. Bem... Podem me chamar de Ana Maria. Tenho 1,65m, 67k, pele clara, ohos negros, cabelos também negros e que descem em ondas até quase a cintura, seios médios, e bundinha que, modéstia à parte, faz muito marmanjo entortar o pescoço para admirar o formato. Certa vez, cheguei a derrubar um carinha que vinha de bicicleta e foi ao chão, coitado, quando se virou pra contemplar a minha paisagem (risos). Sou formada em letras, amo literatura, curto ler romances, poesias e contos eróticos, além de ser apaixonada por orquídeas - tenho uma pequena coleção delas em casa. Como sou bancada pelo meu marido, quase sempre estou cuidando da casa (na verdade, um ap.) ou torrando a grana do meu love no shopping (risos). Mas vamos voltar ao que interessa... Como narrei no conto anterior, eu, que durante muito tempo fui uma mulher bem recatada, acabei me transformando numa fêmea um tanto quanto tarada, dessas que vivem querendo experimentar coisas novas. Não tenho mais pudores. Adoro, por exemplo, ficar de quatro na cama, com a bundinha empinada e o rosto no colchão, enquanto sou enrabada. Nessa hora, gosto de virar o pescoço até poder olhar nos olhos do Paulinho, meu marido, pra ele saber que estou gostando de sentir dor, só pra dar prazer pra ele. Se bem que não é só ele a sentir prazer, pois o que sinto é uma dorzinha muito, muito gostosa, um lance de entrega, do tipo "mete, porque eu sou tua, e empinei abundinha pra você me usar". É um sentimento indescritível, que nem se eu escrevesse um livro não conseguiria exatamente explicar. E não se trata só da delícia de sentir dor em troca do prazer do macho. Pra deixar alguém meter a pica na nossa bunda... É algo muito íntimo, e apenas quem é mulher sabe do que eu estou falando. Outra coisa que me leva ao paraiso é quando tenho a buceta chupada lentamente até explodir de prazer. Gosto tanto, que, uma noite, estava com aquela cara de pinto no lixo de mulher safada que acabou de gosar, e o Paulinho, não sei se por curiosidade ou por más intenções, me deu um longo beijo de língua, a boca toda suja de muco de buceta, e disse: – Se você não gostasse tanto da minha pica, eu seria capaz de apostar que você é lésbica. Dito isso, emendou a pergunta: – Você teria coragem de deixar uma mulher te chupar? Eu, com um sorriso de safada, respondi: – Eu é que pergunto se você teria coragem de deixar uma mulher me chupar? – Adoraria ver a cena. Só de pensar, já tou louco de tesão. - foi o que eu ouvi do pilantra. A conversa ficou séria, e depois de combinarmos que ele não tocaria na minha "namoradinha", fiquei de encontrar a parceira, pra saírmos a três. Não foi tão fácil como eu pensava. Procurei em vários sites de relacionamento, mas não conseguia encontrar a mulher que eu queria pra realizar minha fantasia. Foi então que eu comecei a sentir tesão por uma grande amiga nossa, a Luiza. A Lú e o Julio formavam um casal lindo! Além disso, os dois são muito gente boa. O que dizer da Lú? Se eu me considero bem bonita, ela é simplesmente deslumbrante. Um pouco mais alta do que eu, loira de cabelos curtinhos e olhos brilhantes e verdes Contos Imor(t)ais - SEM PRECONCEITO E SEM VERGONHA – 267 -


como as águas do Caribe, a danadinha tem um corpo todo certinho, perfeito da cabeça aos pés, uma boca carnuda, um hálito delicioso e um sorriso maroto de causar inveja nas deusas do Olimpo. Ao contrário do que normalmente acontece com mulheres tão lindas, a Lú é de uma simplicidade desconcertante. Se veste bem, usa maquiagem como todas nós, mas não tem a mínima arrogância. Além disso, tem a alma bela, e se interessa verdadeiramente pelas pessoas ao seu redor. Foi isso que me fez trocar uma antiga inveja que eu nutria, por um sentimento de respeito e admiração. Agora, estava eu com tesão de beijar aquela boca, de saber como seria a buceta que ela carregava entre as pernas, de lamber e chupar, e de ser retribuida. Só que a nossa amizade sempre foi muito forte e importante, e eu tinha medo de por tudo a perder. Vai que ela se sentisse ofendida. O destino, porém, fez com que a Lú e o Julio se mudasse para o mesmo prédio que eu eco Paulinho moramos, e então começamos a nos encontrar quase diariamente. Ora eles vinham ao nosso apartamento, ora íamos ao deles. Assim ficou difícil de conter meus impulsos, e acabei decidindo que teria que encontrar um jeito de convencê-la. O pior é que teria que convencer também ao Julio. Quanto ao Paulinho, esse ficou uma fera comigo, disse que eu não deveria misturar sexo com amizade, que o Julio e a Lú jamais topariam uma coisa dessas. Depois mudou de ideia, e resolveu, o safado, me ajudar naquela minha loucura. Quando eu falei que a minha ideia era transar com a Lú enquanto os dois olhavam, o Paulinho pirou de vez. Preparamos então uma "cilada", que contarei no próximo capítulo.

ATO III Já fazia mais de dez dias que eu tinha decidido seduzir a Lú, e nada tinha acontecido ainda. Meu marido às vezes me cobrava, pois além de querer me ver com outra, tratava-se da Lú, uma mulher linda, e ainda por cima, esposa do seu melhor amigo. Ver o corpinho da mulher do Julio deixava o Paulinho louco, e ele nem conseguia disfarçar. Quanto a mim, a cada dia que passava, ficava com mais tesão, só de pensar na possibilidade de beijar aquela boca carnuda da Lú. Porém, o tempo passava e eu não conseguia encontrar um jeito de chegar nela. Foi quando, era uma quinta-feira, e ela me convidou para acompanhá-la até um sex shop, pois aquele dia era aniversário de casamento e ela queria fazer uma surpresa pro Julio, à noite. Aceitei de imediato o convite, e minutos depois estávamos na loja. Compramos alguns brinquedinhos, do tipo bolinhas que "explodem" na vagina. Além disso, a Lú levou uma lingerie bem sexy, e eu levei pra casa uma calcinha que na frente era de seda meio lilás bem fininha, deixando transparecer a buceta, e atrás era fio dental, pra esconder no reguinho. Tanto eu quanto a Lú ficamos fissuradas na calcinha, e como não tinha outra igual na loja tiramos no par ou impar e eu ganhei o direito de comprar. Na sexta, convidei a Lú e o Julio para tomar uns drinks no meu ap., quando chegasse a noite. Convite aceito, preparei uns petiscos, comprei umas cervejas pros nossos maridos e vinho pra nós duas. Estávamos os quatro na sala, já de pileque, quando o batepapo ficou apimentado. Lá pelas tantas, o Julio confidenciou a fantasia de ver a Lú com outra, o que me deixou toda ouriçada, mas ela jogou água fria, dizendo que um dia poderia até topar, mas teria que ser com uma desconhecida, pois ficaria com vergonha se encontrasse com a mulher depois. O assunto mudou um pouco, e passamos a falar sobre nudismo. Todos concordamos que nudez é algo natural, e se as pessoas não ficam nuas no dia-a-dia, num país quente como o nosso, é só por caretisse da sociedade. Eu então olhei pra Lú e provoquei, sorrindo: – Estamos agora entre amigos. Você tem coragem de ficar peladinha, do jeito que veio ao mundo?

Contos Imor(t)ais - SEM PRECONCEITO E SEM VERGONHA – 268 -


Ela se assustou, mas em seguida devolveu a provocação: – Vamos apostar, nós duas. Eu tiro uma peça, você tira outra, e quem for mais longe na brincadeira fica com a calcinha da outra, como troféu. Não contei conversa, e imediatamente me levantei, subi um pouco a saia,puxei minha calcinha e joguei no meio da sala, dizendo: – Agora é sua vez! Ela corou. Não esperava. Em seguida, sorriu, me chamou de maluca, tirou os sapatos e disse: – Continua! Brinquei, a chamando de pilantra, e a imitei, tirando meus sapatos. Ela então tirou o shot jeans curtinho que estava usando, deixando a calcinha à mostra. Em seguida, tirei minha blusa, ficando de soutien, e a desafiei: – Aproveita que tirou o short, e tira logo a calcinha, pra casar a aposta. Ela corou, ficou sem graça, vermelha de vergonha. O Julio, tentando acudir a esposa, disse: – Meninas, vocês não precisam ir em frente. Eu olhei pra Lú e dei um sorriso maroto, do tipo, "venci a aposta". Só que, pro espanto de todos, ele, mesmo nervosa, tirou a calcinha de repente, e ainda deu uma voltinha sobre o próprio corpo, pra que todos vissem não apenas sua buceta (por sinal, aparadinha, linda), mas também o bumbum redondinho. Meu marido pirou. Dava pra perceber, por cima da bermuda, que o pênis dele ficou completamente duro, por mais que ele tenha tentado disfarsar com o braço. Eu então pirei de tesão e tirei a saia e também dei uma voltinha mostrando minha bundinha. Não satisfeita, ainda me seintei no sofa, de frente pro Julio, e abri levemente as pernas. Ele também pirou. Não tinha mais como desistir da aposta, e pouco depois, ficamos eu e a Lú completamente nuas. Ela então pegou minha calcinha, por sinal, a mesma transparente que eu havia ganho dela no par ou impar quando estivemos no sex shop, olhou pra mim e falou: – Tiramos tudo. Então fico com a sua calcinha, você fica com a minha. Em seguida, propôs que eu levasse o meu marido pro meu quarto, pois ela iria ficar na sala, pra cuidar de "aliviar" o tesão do dela. Eu então falei: – Vai você com o Julio pro quarto, pois eu e o Paulinho não transamos no sofá já faz tempo. Mas antes eu quero te fazer uma pergunta. – Qual? - disse ela, meio nervosa. – Você disse que se ficasse com outra mulher um dia, não teria coragem de falar com ela depois. Se eu te desse um beijo na boca, agora, você iria deixar de falar comigo por causa disso?

Contos Imor(t)ais - SEM PRECONCEITO E SEM VERGONHA – 269 -


Ela deixou escapar um "Hamm?", de nervosa, mas em seguida disse que comigo era diferente, que nunca deixaria de falar comigo, e que queria o meu beijo. Me tremi toda com o primeiro beijo, bem suave, quase um selinho. Depois trocamos outro um pouco mais demorado. Senti os biquinhos já durinhos dos peitos da Lú encostarem nos meus seios. Meu coração batia forte, descompassado, e me arrepiei toda quando a Lú resolveu me arranhar as costas de levinho com suas unhas, enquanto nos olhava-mos nos olhos e brincava-mos de tocar a ponta das nossas línguas. Pirei ainda mais quando senti os pentelhos das nossas xaninhas se tocarem de leve. Era como se as duas bucetas quisessem se conhecer. Fechamos então os olhos e trocamos um longo beijo. Em seguida, dei várias mordidinhas na boca carnuda daquela mulher que eu tanto desejava. Ela então começou a alisar de levinho minha bundinha, enquanto trocamos outro beijo delicioso. Senti um formigamento cada vez maior na minha buceta, e dava pra sentir também que ela ficava cada vez mais molhada de excitação. Tava toda encharcada, quando a Lú sussurrou baixinho, no meu ouvido: – Não consigo mais parar. Te quero muito! Então eu a segurei por uma das mão e a levei pro quarto. Deitadas na cama, continuamos a nos beijar e, de repente, a Lú desceu pelo meu corpo mordiscando meus peitos, meu umbigo, minha barriga, até alcançar minha buceta, que já esperava por ela, anciosa. O primeiro orgasmo veio rápido, logo com as primeiras lambidas. Gemi alto, feito louca, mas ela continuou, e minutos depois, já tinha gosado mais duas vezes. Não entendia como era aquilo. Gosar tantas vezes em tão pouco tempo, de uma forma tão frenética e tão intensa. Foi então que a Lú sentou a buceta dela na minha boca. Senti uma cachoeria de melzinho de buceta escorregar no meu nariz, na minha boca... Quase sufoquei. Pela primeira vez na vida, chupei uma buceta, e fiz com sofreguidão. Que se danassem o preconceito. A Lú só se dispôs a tirar a buceta da minha boca depois de ter gosado umas duas vezes. Continuamos a nos comer, a nos devorar, feitos duas cadelas enlouquecidas. Percebi que mulher com mulher é um "pecado" delicioso, e se eu tivesse que conhecer o inferno um dia por causa disso, valeria a pena, pois naquele momento vivia o prazer do paraiso. Não sei quanto tempo ficamos nos pegando. O que sei é que, depois, já exaustas, percebemos que nossos maridos estavam no quarto, loucos de tesão, nos vendo. O que aconteceu em seguida, conto no próximo capitulo.

ATO IV Estava exausta. Aquela tinha sido a minha primeira vez com outra mulher, e tinha sido uma delícia. Havia rolado de tudo, de beijo na boca, chupada na buceta, dedinho no cuzinho e na xana, tudo com muito tesão, delicadeza e cumplicidade, pois tratava-se de duas amigas descobrindo novas formas de prazer, e devo dizer, mulher com mulher é uma coisa louca, indescritivel, tão gostoso que recomendo a qualquer uma que esteja indecisa: deixe rolar, porque vale muito a pena. Aquela minha transa com a Lú foi algo tão delicioso que eu tinha me esquecido que nossos maridos estavam nos olhando. Quando já estávamos saciadas foi que percebemos os dois no quarto, cada um alisando o próprio pau por debaixo da cueca. Foi então que a Lú se levantou rapidamente, puxou o Julio pelo braço pra fora do quarto, enquanto dizia: – Aninha, cuida do teu macho que eu vou aliviar o meu lá na sala, tadinho. Contos Imor(t)ais - SEM PRECONCEITO E SEM VERGONHA – 270 -


A porta se fechou, o Paulinho terminou de tirar a roupa, pulou por cima de mim e enfiou a pica na minha buceta. O pau dele tava duríssimo de tesão. Não demorou, ele encheu minha xaninha de porra, me chamando de putinha lésbica. Dava pra sentir nas minhas entranhas uma quantidade enorme de porra, dum jeito que eu nunca tinha sentido na buceta antes. Ficamos no quarto, descansamos um pouco, em seguida trepamos mais uma vez e dormimos. Quando amanheceu o dia, abri a porta do quarto e percebi que a Lú e o Julio haviam ido embora. Fiquei apreensiva, sem saber como nossos amigos lidariam com o que tinha acontecido. Porém, ao contrário do que eu pensei, os dois levaram na boa. Desde então, passamos, de vez enquando, a combinar umas brincadeirinhas, do tipo um casal transar na frente do outro, ou repetir aquele lance meu com a Lú, que deixava nossos maridos loucos de tesão. O problema é que, se antes de ver o Julio pelado, comendo a Lú, eu já fantasiava em dar pra ele, depois que eu vi a pica que ele tinha, grande igual a do meu marido, mas torta pro lado e com uma cabeçona enorme e vermelhona... Só de pensar naquela pica me varando a buceta, e ver o meu marido virar corninho... Sabia que um dia iria rolar, era só uma questão de tempo, o suficiente pra que o Julio e o Paulinho perdessem a vergonha de emprestar as esposas pro outro. O que eu não sabia era que, antes disso acontecer, eu e a Lú viveríamos algo muito gostoso e inesquecível. Umas três semanas depois, estavamos os quatro no meu apartamento, quando a Lú falou que tinha a fantasia de ser comida como se fosse uma putinha. Combinamos que, no dia seguinte, compraríamos umas roupas bem ousadas, e quando chegasse a noite, faríamos uma maquiagem a caráter, e que o Paulinho deixaria nós duas numa calçada onde algumas putas faziam ponto, e que, em seguida, o Julio e o Paulinho voltariam ao local para "contratar" os nossos serviços. – E se antes de vocês voltarem aparecerem outro "cliente"? - perguntei. – Vocês não estão com essa bola toda - respondeu o Paulinho, sorrindo. O Julio também sorriu, concordando com o meu marido, depois disse que estavam só brincando. Acontece que, conversa vai, conversa vem, eu e a Lú fizemos que os dois concordassem de nos deixar na calçada durante dez minutos, e que, se aparecesse alguém, poderíamos deixar rolar. Uma vez na calçada, eu virei pra Lú e disse que eu tava levando muito a sério, de ser puta de verdade aquela noite, e ela respondeu que isso também estava lhe dando tesão. – Eles não concordaram? Pois eu topo, amiga. Naquele momento, uma puta se aproximou: – Arranja outro lugar pra vocês, que esse aqui ja tem dona - ameaçou. Ficamos com medo, e nos afastamos uns vinte metros. Logo em seguida um carinha parou um carro e nos chamou, perguntando quanto cobraríamos por três horas, valendo anal e oral. Fiquei nervosa na hora e comecei a gaguejar. Foi quando percebi que a "dona do ponto" estava se aproximando com uma coisa brilhante nas mãos, parecendo um canivete. Eu e a Lú entramos em desespero. Eu então falei, já forçando a maçaneta da porta, que estava travada.

Contos Imor(t)ais - SEM PRECONCEITO E SEM VERGONHA – 271 -


– Cinquenta reais moço, mais abre, abre, abre.. Ele destravou, entramos rápido, ao mesmo tempo que ele arrancou o carro. Não sei o que deu em mim, que eu ainda meti a cabeça pela janela, e gritei bem alto: – Perdeu, otária! O carinha riu um bocado, olhou pra mim, pois fique no carona, do lado dele. Depois de me avaliar, ele disse: – Cinquentinha, é?! Beleza! Depois avisou que ia levar as duas pra uma despedida de solteiro, pois as "garotas" que a "galera" contratou tinham furado. Gelamos, e falamos que isso não toparíamos, por preço nenhum. Só que o cara ameaçou de nos levar de volta pra calçada, e só de pensar no canivete da que eu chamei de otária... Decidimos topar. Chegamos a uma casa bem grande, que tinha um jardim enorme na frente. Quando entramos, um grupo de homens bebiam, ouvindo uma música bem alta, e quando nos viram fizeram o maior barulho, como se fosse uma torcida festejando um gol do time. Meu coração disparou, pensei "tinha sido melhor encarar o canivete". Olhei pra Lú, e vi que ela também estava assustada, mas percebi uma ponta de tesão nos olhos dela. Conferi dez caras na sala, mas logo apareceu mais quatro, sendo que, do quatorze, tinha três jogados num sofá, "desmaiados" de tanta bebida. A putaria começou. Nos puseram em cima de uma mesa enorme e rústica, e disseram pra gente fazer um strip. Lá pelas tantas, dois caras também subiram na mesa. Não sei como aquela mesa suportava tanta gente. Enquanto os demais ficaram olhando, os dois puseram eu e a Lú de quatro. O que ficou com a Lú tinha uma pica grande, mas não muito grossa. Já o que me pegou, tinha uma tora grossona, de dar medo. Depois de colocarem camisinha, passaram um gel (acho que era KY), na pica, e nos pegaram por trás. Senti a cabeça daquela pica enorme encostar no meu cuzinho e tremi. Depois, ele começou a meter, senti uma dor violenta, e ele continuou a meter até o talo e parou. Acostumei com a dor, meio agradecida por ele ter tido compaixão de mim, esperando eu acostumar com aquela rola antes de começar a bombar. Só sei que a galera nem ligou pro outro cara, que também tava enrabando a Lú. Já no meu caso, ficaram gritando, "mete jumento, mete jumento...entroooooou!". Depois disso, o cara bombou a pica no meu cuzinho, eu pirei de prazer com aquela pica enorme, olhei pra Lú e ela tava fazendo uma careta de tesão. O cara bombou no meu cuzinho até gosar, e depois nos tiraram da mesa e passaram a fazer um monte de putaria conosco. Vi um monte de pica na minha boca, chupei todas. Outros caras também comeram minha bundinha, meteram na minha buceta. Fiu varada de tudo quanto é jeito, e Lú também. Depois teve cinco caras que nos puxaram pelo cabelo, encostaram meu rosto junto do da Lú e começaram a bater punheta até gosarem na nossa cara. Ficamos de gala até nos olhos, e ainda me respingou nos cabelos. Depois, deixaram a gente tomar banho e o cara que havia nos trazido pra festinha nos deixou numa praça. Foi simplesmente uma delicia, aquele meu dia de puta. A Lú achou a mesma coisa. Além disso, nossos Contos Imor(t)ais - SEM PRECONCEITO E SEM VERGONHA – 272 -


maridos ficaram loucos de tesão quando contamos, com todos os detalhes sórdidos, o que tinha acontecido.

ATO V Depois de ter sido puta por um dia, fiquei um bocadinho estropiada. Minha buceta ardeu por dois dias, fiquei com a perna esquerda dolorida, principalmente no joelho, e ainda senti por uma semana uma dorzinha chata no meu cuzinho, e uma sensação esquisita, como se eu estivesse querendo fazer cocô. Incômodos à parte, falar a verdade, gostei foi muito da experiência. Nunca antes disso tinha visto tantas picas ao mesmo tempo na minha frente. Curti cada enrabada que levei, cada furada de pica na buceta, cada pau que chupei, enfim, curti toda aquela putaria que fizeram comigo. Como escrevi em conto anterior, já havia algum tempo que eu e meu marido tinhamos passado a fazer algumas brincadeirinhas eróticas com um casal de amigos. Ora eu e o Paulinho transávamos na frente do Julio e da Lú, ora eles transavam na nossa frente, ora eu e a Lú nos pegávamos, e só faltava acontecer algo que eu queria muito: troca de casais. Na verdade, acho que os quatro queriam isso, mas os dois maridos ficavam sem jeito de admitir que queriam ser corninhos. Porém, depois de realizar a fantasia de ser puta, tanto eu quanto a Lú fomos comidas por vários machos, e então não fazia mais sentido ter pudores, pois de certa forma eles já eram corninhos. Faltava apenas emprestar as esposas pro amigo, e assistir. Duas semanas após o lance de ser puta, estávamos mais uma vez no meu apartamento, os quatro de pileque e já sem roupa, falando sobre sexo. De repente, do nada, eu falei, meio dengosa: – Expertos mesmo são os esquimós, que emprestam suas queridas esposas pros amigos. Assim, eles comem um monte de mulheres, e elas também variam de prato. – Nisso, a Lú emendou, sorrindo: – Condordo plenamente, amiga. Foi então que meu marido pirou. Estávamos eu e ele num dos sofás da sala, e ele de repente abriu minhas pernas, arreganhou minha buceta, e falou, em tom meio ríspido: – Tu queres dar pro Julio? Fique à vontade! A Lú se empolgou, e disse pro Julio: – Come ela, amor! Mostra pra ela como é gostosa a tua pica! Percebi que a brincadeira já não tinha volta, pois o Julio se levantou e veio em minha direção. Por isso, resolvi sacanear meu maridinho. – Se você deixar o Julio me comer, vou te chamar de corninho pro resto da vida. Corninho manso! – E eu vou te chamar de putinha gostosa pro resto da vida. - respondeu, deixando minha buceta livre pro seu melhor amigo. O Julio não contou conversa, e veio pra cima de mim, e eu então segurei aquela pica torta dele e comecei a chupar a cabeçona vermelha, enquanto olhava pro Paulinho, que, Contos Imor(t)ais - SEM PRECONCEITO E SEM VERGONHA – 273 -


por sinal, estava louco de tesão. Depois de eu ter lambido um bocado a pica do Julio, ele resolveu comer minha buceta. Eu então o segurei, e pedi pra ele parar. – Aqui não. Eu quero ser comida na cama que é minha e do Paulinho. É no nosso ninho de amor que ele vai virar corninho. Em seguida, fiz o Paulinho me levar no colo, me deitar na nossa cama, pro Julio me comer. Aquilo estava ficando cada vez mais gostoso. O Julio subiu em mim e deslizou a pica pra dentro da minha xaninha, meu marido, louco de tesão, acariciava o próprio pau e olhava extasiado pra esposa dando pro amigo, a Lú estava elétrica, eu comecei a gosar feito doida. O julio continuou a meter freneticamente, até que eu senti a porra quentinha dele me inundar a buceta, e ele despencou em cima de mim. Ficamos quietos por um momento. Em seguida nos levantamos, pois a Lú nos empurrava, querendo dar pro meu marido. De repente, ela começou a chupar a pica do Paulinho, e eu morri de ciume, pois sentia que tanto aquela pica quanto aquela boca eram minhas. Então eu pedi pro Julio: – Acaba com essa pouca vergonha. Diz pra eles pararem. – Te aquieta, que eu também quero ser corninho. - respondeu. A Lú abriu as pernas, pra ser fodida, e meu marido a puxou pro chão, como se quisesse respeitar nossa cama. Uma vez no chão, o Paulinho enfiou a pica na buceta da Lú, sem dó, até inundá-la de porra. Então os dois se levantaram, e eu vi uma cena linda. O Julio beijou a Lú na boca, e disse: – Te amo muito, minha putinha! Depois disso voltamos à sala, bebericamos mais um pouco, e depois voltamos a trepar. Aquela foi uma noite maravilhosa!

ATO VI Gosto de apanhar. Gosto muito de apanhar. Gosto muito mesmo, assim do tipo, gosto pra caralho. Não. Não gosto de ser espancada, não é isso. Gosto de levar palmada na bunda, mas não daquelas de levinho, do tipo "um tapinha não doi". Tem que doer, arder bastante, e deixar marca, caso contrário não fico satisfeita. Mais que isso, gosto de apanhar de um jeito bem especifico. Primeiro, tem que ser do Paulinho, meu marido, pois dos outros machos eu gosto de sentir dor, mas não de palmada. Deles, gosto, por exemplo, da dor de pica entrando no meu rabo. Já palmada, tem que ser do Paulinho, pois é um lance assim, como se ele fosse meu pai e eu fosse uma filha tola, adolescente dessas irritantes, querendo ser corrigida. O Paulinho é um pai pra mim, o pai que eu nâo tive... Esquece... Essa já é outra história, que nâo tem nada a ver aqui. Vamos voltar às palmadas. Gosto de apanhar, porque me sinto mais segura, protegida. É uma sensaçâo incrível, me me deixa plena de tesão. Mas não basta apanhar na bunda. Tudo tem que ter um ritual, que sigo nos detalhes, um a cada mês, em média. Depois passo uns dias sem precisar (risos). Importante dizer que, do mesmo jeito que eu gosto de apanhar, meu marido gosta de me bater. Não sei se isso pode ser considerado algo sadomasô, mas enfim, não importa, pois não tenho nada contra quem seja isso ou aquilo, desde que seja algo consentido, entre adultos, e não prejudique ninguém, o importante é ser feliz. Ao mesmo tempo, fico um pouquinho envergonhada de contar sobre isso, pois na hora é tesão puro, mas o ritual, pra quem está de fora, pode parecer meio ridículo, como da vez que eu transei Contos Imor(t)ais - SEM PRECONCEITO E SEM VERGONHA – 274 -


usando uma chupeta na boca... Ai, que delícia, mas essa é outra história. Bem, vamos voltar ao ritual das palmadas. Vou narrar uma das vezes que apanhei. Era uma terça-feira. Havia passado três dias que eu fiz o Paulinho de corninho, e dei pro melhor amigo dele, na nossa cama. Já escrevi sobre isso em um conto anterior. Nessa terça, percebi, desde que acordei, que eu estava muito afim de apanhar. Passei o dia com vontade, e por isso, telefonei várias vezes pro Paulinho, algumas em hora imprópria, pois sabia que ele estava trabalhando. Telefonei só pra irritá-lo, por pura aporrinhação. Quando ele chegou em casa, à noite, tripudiei dele. Disse-lhe um monte de mentiras. Falei que eu era uma mulher infeliz, que não gostava de ficar ociosa em casa, que não gostei dele ter deixado o julio, amigo dele, me comer. Que ele devia se mancar, de ser um corno manso e sem vergonha. Que gostei mais do pau do Julio que do dele.. Enfim, falei uma montanha de besteiras, até ele reagir. Nessa hora, eu estava sentada no sofá, e o Paulinho andava de um lado pro outro da sala. De repente, percebi que a paciência dele tinha chegado ao fim. Tremi de desejo. Ele então se aproximou e me puxou rispidamente pelo braço, me pôs de pé na frente dele, me enlaçou pela cintura, com força, usando o braço esquerdo, e começou a acariciar minha bundinha com a mão esquerda, enquanto me dizia, olhando sério nos meus olhos: – Sei o que tu estas querendo! – Vai me bater? - respondi - Então começa, covarde. Disse isso e folguei minha saia, deixando-a cair nos meus pés, e abaixei a calcinha, ficando então com minha bundinha sem proteção. Durante uns dez segundos, curti o vento que entrava pela varanda e me lambia docemente o trazeiro, a contrastar com a dor que, eu bem sabia e queria, estava prestes a acontecer. Sempre presa com força pela cintura, senti então um movimento brusco, e uma dor deliciosamente forte em uma das minhas nádegas. Respirei fundo, senti o ardor me penetrando a pele, e me causando um formigamento na buceta. Continuei o encarando, séria, pois queria mais. Senti nos olhos dele o prazer de me bater quando desceu a mão, sem dó, no outro lado da minha bunda, que agora latejava por inteiro. Ai, que delícia! Esse é um prazer indescritível, que não sei explicar. Ainda queria mais, e então provoquei novamente, sempre olhando séria, nos olhos, agora me fazendo de vítima indefeza: – Bate mais, covarde! Bate na tua mulher! Ele bateu, e doeu mais que das outras vezes, pois minha bundinha já estava machucada. Senti um arrepio de dor subir pela minha coluna, a buceta em espasmos, a se molhar de desejo, preparando-se pra receber pica. Mijei ali, em pé, sujando minha calcinha, minha saia, a roupa dele, os sapatos... Duas lágrimas me escorreram dos olhos, bem na ora que eu, já molinha de desejo, ainda o olhando nos olhos, disse, com voz sumida, quase um sussurro. – Te amo muito! Ele então finalmente afroxou minha cintura, se abaixou, tirou meus sapatos, minha saia e minha calcinha. Em seguida, me pegou no colo e me levou pra cama. No quarto, enquanto ele se despia, eu abri as pernas em regaço, e então ele subiu em mim e deslizou suavemente a pica pelas minhas entranhas até encostar no meu útero. A partir daí, passou a fazer pressão, empurrando o talo da pica Contos Imor(t)ais - SEM PRECONCEITO E SEM VERGONHA – 275 -


contra o meu grelinho, sem fazer vai e vem. Apenas empurrava e depois folgava a pressão, continuamente. Fiquei curtindo o ardor na bunda, o formigar na buceta, a pressão dos pentelhos dele no meu grelo. Entrei em transe, num prazer alucinante. Não sei se isso é uma forma se sexo tântrico. O que sei é que é demasiadamente gostoso, quase com a intensidade de num orgásmo, só que muito demorado, a me devorar as forças. Um prazer tão avassalador, que eu sentia não ser merecedora. Foi então que eu soltei um gemido meio esquisito, quase um grunhido, que acabou contaminando o tesão do Paulinho e gosamos intensamente, aliviando-nos daquela alucinação. Apertei então o meu macho, enlaçando-o nos meus braços, impedindo-o de sair de dentro de mim. Como se eu fosse uma donzela a trancar a porta do castelo para o guerreiro que já o havia invadido. Fiquei um bom tempo brincando com a espada dele, dando-lhe pequenos apertos de buceta, que ele respondia, latejando a pica. Aiiiiiii, que gostosura!!! Dormi, e só acordei quando amanheceu o dia, o Paulinho a me alisar os cabelos.

ATO VII – Ei, gostosa, dá essa bunda pra mim?! Virei levemente o rosto, olhei de relance, por puro reflexo, rápido o suficiente pra identificar o autor da cantada ordinária, tempo bastante pra saber que o alvo daquela barbaridade era eu mesma. Em outra situação, ficaria ofendida. Entretanto, embora, no decorrer da vida, eu já tivesse sido cantada em verso e prosa, em pelo menos umas trocentas ocasiões, assim, ao passar em frente a um prédio em construção, era a primeira (confesso que, até o presente momento, a única) vez. O fato é que aquilo mexeu com a minha vaidade, e por tabela, com a minha libido. Segui em frente, fingi não saber que era comigo. Porém, não há como desfazer da mente, bem lá no cantinho destinado às perversões sexuais que toda mulher depravada tem - até mesmo as sonsas como eu -, uma cantada, seja ela qual for, quando a boca de quem a pronunciou pertence a um homem bonito igual ao que eu acabara de ver. A imagem daquele negro não me saía da cabeça. Os músculos acentuados e cor de ébano marejados de suor, a virilidade daquela voz... Caminhei até a esquina, em busca do endereço de uma senhora que... Bem, isso não vem ao caso. Não encontrei o tal endereço, acho que nem ficava naquela rua. Então voltei em direção ao carro que havia estacionado ao lado da obra, a poucos metros de um caminhão abarrotado de sacas de cimento, que alguns operários, entre eles o meu Don Juan brucutu, descarregavam. Não sei o que deu em mim. Poderia, ou deveria, ter simplesmente ido embora, afinal de contas, não é aconselhável, principalmente para uma mulher casada, ceder a uma cantada barata de um desconhecido. Tudo bem que meu casamento é aberto, mas a sociedade exige de nós, mulheres, um mínimo de hipocrisia. O que sei é que, até havia funcionado o carro, mas isso já era muita tentação. Lá estava ele, a aproximadamente uns cinco metros de mim, agora fingindo me desconhecer. Abaixei então o vidro do carona e respirei fundo: – Moço, você pode me dar uma informação? – O que quer saber, dona? - disse ele, agora debruçado na janela do meu carro. Perdi, de vez, o Contos Imor(t)ais - SEM PRECONCEITO E SEM VERGONHA – 276 -


juizo: – Se eu te levar agora a um motel, você me faz gosar feito doida? Tudo bem que ele não esperava ouvir tal coisa, mas a cara de assustado... Achei bonitinho! Nem parecia ter sido ele, poucos minutos antes, a me dizer obscenidades. Passado o susto, ele entrou no carro, decidido. – Sair do trabalho agora... Vou ser demitido por causa disso, mas que se dane o emprego. No caminho do motel mais próximo, liguei pro Paulinho, meu marido, falei do que estava acontecendo, e perguntei se eu poderia deixar rolar. Como resposta, o safado disse que tudo bem, desde que eu lhe contasse tudo depois, nos detalhes. Olhei para o semblante desconcertado do macho ao meu lado e lhe perguntei o nome, sorrindo. Passamos então a jogar conversa fora, num bate-papo malicioso, ele de olho no decote da minha blusa e eu, aproveitando que ele não usava nada acima da cintura, comtemplava maravilhada aquele peitoral musculoso, suado e sujo de cimento. Chegamos ao motel, e Carlão foi direto pro banheiro. Ao voltar, completamente nu, exibiu, com indisfarçável orgulho, uma pica enorme, já ereta, negra com a cabeça arroxeada. Também nua, fiquei de joelhos, fascinada, e comecei a degustar a pica daquele meu corcel negro. Mamei sem trégua, até sentir a boca inundada de porra, que passei então a saborear, e a sentir descer pela garganta. Minutos depois, Carlão já estava novamente de pau duro, e se antes ainda me tratava com algum respeito, após eu ter engolido toda aquela gala morna que me lançou na boca, avançou sobre mim com veemência, e me comeu a buceta, sem dó nem piedade. No entanto, ficou compadecido, quando eu lhe ofereci meu traseiro. – Você não queria minha bundinha? Ela é tua, agora! – Você não aguenta, dona. Mulher nenhuma aguenta dar o cu pra mim. Aquilo me soou como um desafio. Peguei então uma bisnaga de KY que estava exposta à venda numa mesinha ao lado da cama. Senti uma dor terrível, mas, com jeitinho e paciência, finalmente aquele homem com pica de cavalo conseguiu comer uma bunda. Satisfeita, estávamos saindo do motel quando o meu celular tocou. Era a minha amiga Lú. Já falei dela em histórias anteriores. Contei-lhe então sobre o Carlão, conversamos animadamente por alguns minutos. Em seguida, virei para o negro picudo e perguntei, com cara de malícia: – Você dá conta de comer mais uma gostosa, garanhão? Nunca acreditei que fosse por em prática, em algum momento da vida, loucuras como as que vivi. Logo eu, medrosa de carteirinha! Além do mais, penso que, mesmo para pessoas corajosas, o que definitivamente não é o meu caso, é muito complicado encontrar, numa sociedade igual à nossa, parceiros confiáveis o suficiente para realizar certas insanidades que nos manda a libido. Assim, é claro que foi tudo pura obra do acaso. Imagina, o encontro de quatro pessoas que se gostam e se respeitam, totalmente desprovidas de maldade ou falso moralismo; dois casais dispostos a flertar com o proibido, a realizar lúbricas fantasias, a se deixar levar pelo barco sem leme do desejo, despidos de qualquer preconceito, remorso, culpa ou cobrança. Por alguns meses, vivenciamos, eu e Contos Imor(t)ais - SEM PRECONCEITO E SEM VERGONHA – 277 -


meu marido Paulo, juntamente com minha querida amiga Luiza e o Julio, esposo dela e amicíssimo nosso, emoções inesquecíveis. Durante esse tempo, trepamos desvairadamente, sem qualquer tipo de amarras, e cúmplices de cada pecado cometido. Não me sai da memória a gostosura do beijo da Lú, o semblante de prazer do Paulinho ao me ver fodida pelo seu melhor amigo, a alegria do Julio quando lhe chegava a vez de corninho, o ar de tesão de ambos quando nos varavam a buceta e outros orifícios, coisa que, ora faziam com força bruta, animalesca mesmo, ora com uma espécie de languidez preguiçosa, entorpecente. Perdi a conta dos orgasmos e outros prazeres inenarráveis, escondidos, muitas vezes, em detalhes aparentemente singelos, simplesinhos, tal qual o sentimento de ter a Lú a me alisar os cabelos, enquanto eu mordia os lábios como reação à dor de estar de derrière empinado, a presentear a bunda a um dos nossos amantes. Parecia que ela não se dava conta de que, em momentos assim, dor, pra mim, é poesia. Aquelas eram ocasiões perfeitas, nas quais me pertencia, ao mesmo tempo, tudo o que o meu instinto sempre quis: a firmeza impiedosa de um macho e a docura de um carinho feminino. Ávidos pelo pecado da luxúria, encontrávamo-nos, desde a noite em que misturamos pela primeira vez nossos anseios mais secretos, pelo menos uma vez a cada semana. Nos outros dias, eu então matava a ansiedade da espera com meu marido. Na maioria dos encontros, tinhamos como cenário de nossas travessuras o apartamento onde moro com o Paulinho, uma vez que, ao contrário do apê dos nossos amigos, o que resido, embora localizado no mesmo prédio, dá vista para o nada, o que garantia a privacidade necessária para ficarmos nus, não apenas na minha suite, mas também na cozinha e no living. O fato, não importa o porto de partida, é que eu já estava acostumada a me lançar naquele mar alucinado de vontades incontidas. La vie en rose, assim eu me sentia! Porém, nessa vida tudo tem seu preço, e meu coração ficou aos cacos, quando a Lú e o Julio nos disseram pretender ter um filho, e por isso entendiam ser chegada a hora de parar com as nossas brincadeiras eróticas. Fiquei desconcertada, esbravejei, me desmanchei em lágrimas, fiz chantagem emocional, ameacei suicídio. Não tanto pelo meu novo amante, apesar de gostar, e muito, não só da pegada que ele tinha, mas daquela pica meio torta e cabeçuda, que eu adorava beijar, lamber, morder, mamar, assoprar, esfregar no rosto, punhetar, dar tapinha, usar de joystick, que me jorrava esperma de tudo quanto era jeito, e me deixava na boca um gosto morno e pegajoso que lembra balnilha com q boa, do qual sou viciada. Meu sentimento maior de perda, no entanto, era em relação à Lú. Me dava calafrio, só de pensar que não mais sentiria o toque úmido e delicioso daquela boca carnuda, o hálito gostoso de primavera, as mãos de seda deslizando por todos os cantos do meu corpo, a pele com frescor de pêssego, a voz dengosa a sussurrar obcenidades nos meus ouvidos, a buceta linda e repleta de nectar afrodisíaco. Emoldurada por um corpinho digno dos mais entusiasmados elogios, a Lú é apaixonante, mistura de tango com cantiga de roda, tequila com refresco de groselha, patchouli com florais de bach, pimenta com algodão doce, rubra rosa com margarida... Tem ela o dom de despertar em mim, de uma só vez, a carne e a alma, o devasso e o lúdico, e de me fazer aflorar, juntas, a fêmea despudorada e a menina sapeca, que guardo no meu âmago. Além disso, sou, como já disse, medrosa ao extremo, cagona mesmo, e tê-la como parceira de semvergonhice era o que me dava coragem, por exemplo, de ir para a calçada brincar de puta, ou de arrastar ao motel um negão picudo o qual nunca tinha visto antes. Talvez eu sempre tenha sido apaixonada pela Lú, e nunca quis admitir.

Contos Imor(t)ais - SEM PRECONCEITO E SEM VERGONHA – 278 -


Ok, confesso, eu amo a Luiza. Tenho por ela um bem querer tão grande que não cabe em mim. Fazer amor com a Lú, transcende. E digo assim mesmo, fazer amor, pois por mais ridículo que possa parecer, das vezes que trepei com ela, sempre teve sentimento envolvido. Perdê-la, portanto, me lançou ao fio da navalha, me sangrou o coração. Em resumo, se eu pudesse, passaria o resto da vida numa dessas relações que algumas pessoas chamam de poliamor. Com o Julio, ficaria por libertinagem somente. Já com o Paulinho, e principalmente com a Lú, seria por necessidades do tipo, digamos, orgíaco-psicológico-sentimentais. Porra, mas enfim, o que não tem remédio... Marcamos uma despedida prolongada na casa de praia do casal de amigos. Demos sorte de o calendário apontar um feriado no meio da semana, e por isso, chegamos por volta das duas da tarde de quinta, enforcamos a sexta, e ficamos na sacanagem até a madrugada de domingo pra segunda, a tempo dos maridos não arriscarem perder seus empregos. Entre as muitas putarias que já estávamos acostumados a fazer, eu e a Lú achamos de incrementar algumas novidades, e no último dia da nossa festinha, passamos a induzir nossos chifrudos a também darem uma de bambi. Para isso os deixamos bem biritados, groguezinhos, e armamos várias ciladas. Numa delas, passei a esfregar as picas deles uma na outra, a pretexto de chupar as duas ao mesmo tempo. De repente, falei, com voz bem pidona e depravada, pro Paulinho fazer o Julio gozar na minha boca. Sinceramente, quando eu pensei na provocação, achei que meu marido não iria ousar topar tal molecagem, ou, mesmo se topasse, o faria meio sem jeito, só pra me agradar. Acontece que, no instante em que o incitei, senti, de imediato, os dois caralhos, que eu segurava, responderem com espasmos involuntários. Eu já havia sentido muita pica latejando nas minhas mãos, e sabia muito bem o significado daquilo. Além do que, o Paulinho agarrou o badalo do amigo com naturalidade demais pro meu gosto. Como se não bastasse, a Lú, que até entâo estava deitada na cama, só olhando, ajoelhou-se ao meu lado, e não é que o Julio, antes mesmo dela pedir, começou a retribuir o gesto do meu marido? Fiquei louca de tesão, mas um bocado preocupada. Vai que aqueles dois se viciam na viadagem, e depois enjoam das esposas. Eles estavam gostando tanto de punhetar um ao outro, que o Julio, não mais se aguentando de excitação, logo me lançou um violento jato de esperma, que atingiu o meu nariz, e o Paulinho fez o mesmo na boca da Lú. Saquei que aquilo já estava virando um desbunde, e pra chuparem pica e darem o cu faltava pouco. Chamei, então, em reservado, a minha parceira de tramóia, e decidimos desfazer as provocações. Burra que eu sou! Covarde! Não sei de onde tirei que, no futuro, nossos machos poderiam nos esnobar. Deveria ter escutado a opinião da minha amiga. Se eles nunca deixaram de gostar de buceta, mesmo depois de tantos fios terra que fizemos em ambos, sem contar eu ter comido o Paulinho, algumas vezes, usando pênis de cinta... O resultado da minha tolice foi que cortei o barato deles, e até hoje tenho vontade de ver, assim ao vivo, dois marmanjos fodendo. Perdi a oportunidade. Porém, não tenho do que reclamar, pois o que mais me marcou, na nossa despedida, foi outra coisa, que aconteceu na tarde em que chegamos Assim que desfizemos as malas, o Julio deu folga pro caseiro, que se queixava de dores nas costas. Todos sabíamos que a doença que ele tinha era preguiça, mas nos fingimos de bobos, pra ficarmos sem mais ninguém na casa. Por conta disso, combinamos que caberia às mulheres arrumarem o quarto, enquanto os homens dariam um jeito no restante e na piscina. Trato feito, lençois trocados, eu e a Lú tomamos banho juntas e nos jogamos na cama. Nunca antes haviamos ficado assim, nuas e sem os maridos por perto. Deu-se que nossos olhos se enamoraram, e passamos a declarações de amor, sem dizer palavra. Lentamente, começamos a nos beijar docemente, e a trocar carinho, primeiro no rosto, depois no pescoço, orelhas, tetas, peitos, ventre, coxas, bunda, clitóris, vulva, monte de vênus... Estávamos em alfa, os olhos marejados, quando nossos corpos se contorceram Contos Imor(t)ais - SEM PRECONCEITO E SEM VERGONHA – 279 -


como numa dança de acasalamento, as pernas bambas, entreabertas, nossas bucetas se acoplaram. Senti que a umidade que me saía das entranhas se misturara deliciosamente com as da minha amada, com se aquilo fosse o encontro das águas de dois rios caldalosos. Ficamos assim por longo tempo, de pétalas unidas, grêlos inquietos, até desaguar num oceano de prazeres infinitos, e de emoções indizíveis. Dormimos entrelaçadas. Flutuamos, então, de mãos dadas, pelos campos floridos dos nossos sonhos.

Contos Imor(t)ais - SEM PRECONCEITO E SEM VERGONHA – 280 -


ONIBUS... Sou casada, muito bem casada e amo meu maridão gostoso. Dito isso, vou contar a vocês algo que me aconteceu neste ultimo verao em pleno onibus, quando eu ia fazer umas comprinhas básicas, bater pé, almoçar no Barrashopping, etc… Olhem que eu não tenho hábito de andar de onibus hein, fico mais perdida do que um cego em tiroteio, rsrs… Quem me conhece ou apenas olha minhas fotos, verá que sou bem branquinha, praia para mim não é sempre em época de verão, fico mais reservada ainda, no entando amo ir a praia. Neste dia de verão, devido ao calor, sai com um vestidinho básico, mas nada ao estilo roupa para o babado e swing, ele era leve, soltinho, quase que esvoaçante, algo muito confortável para esses dias quentes, sandália aberta com salto alto, cabelos soltos e indo do jeito que eu gosto : toda cheirosinha, alegre, radiante e confiante ( sou assim mesmo). Por baixo, vestia uma calcinha bem pequenininha branca transparente e super confortável. Só gosto de usar calcinhas minúsculas, bem pequenininhas, e as que eu uso não deixam irritação nem as bolinhas que são comuns em calcinhas desse tamanho. Meu bumbum é bem avantajado e nem preciso fazer poses para mostrar muito, pois é grande mesmo, tanto de quadril (largura), tipo chamado de Violão, como de profundidade, o dito estilo brasileiro, arrebitado.....rs, desculpe, mas só assim vocês podem entender melhor. Ao entrar no onibus, o mesmo não estava cheio, pude confortavelmente escolher aonde me sentar, e sempre escolho o lado do corredor, já que uma vez fui prensada e quase assaltada indo na janela, o carinha me jogou para o cantão e disfarçadamente apontou ou fingiu apontar uma arma por baixo da roupa, mas se ainda fosse outro tipo de ”arma”, mas esqueçam, kkk...nem gosto de lembrar isso, são coisas da violência do RJ e de outras cidades, temos que nos defender como podemos, não é mesmo. Mas seguindo viagem no anda e para do onibus, freia e acelera, o mesmo foi enchendo de passageiros, ainda estavamos na Zona Sul, seguindo para Barra/Recreio. Numa das paradas, entrou dois rapazes, novos, 2 homens ao estilo surfista, indo para a praia, com Bermudão colorido, chinelos, camista básica com desenhos e um deles com par de pé de patos. Ficaram ao meu lado no corredor em pé, um na frente e outro atrás e exatamente ao meu lado, há muito que só havia lugar em pé e sigo minha viagem, que no cotidiano é andar neste meio de transporte por nossa cidade maravilhosa. Onibus cheio, cada vez mais e mais, já neste momento, era necessário para alguém passar pelo corredor, enfim, se deslocar lá dentro, ter a passagem facilitada para as outras pessoas, circulação e acomodamento, fazer aqueles malabarismos que tão bem conhecemos, nesse meio tempo e por isso mesmo o homem em pé próximo a mim o de trás, sempre dava um jeitinho de “encostar” a ferramente dele em mim … ui, que bom lembrar, ainda me dá arrepios. Mas, tudo na boa e naturalmente, pois era necessário isso assim desta forma, ele ia para frente em Contos Imor(t)ais - ONIBUS... – 281 -


cima de mim, voltava e me tocava e depois voltava, coisas de segundos, sua atitude era mesmo para alguém passar por trás dele e dos outros passageiros, as vezes em curvas ou freiadas também dava a encostada e marcava seu cartão de ponto em mim… rs Bem, eu estava começando a gostar daquilo, idéias e sentimentos começaram a brotar na minha cabecinha (morena, não sou burra, nem de perto um pouco burrinha, nem de perto, meu QI é 69, kkk), mas eu ficava paralizada sentindo aquilo, sentadinha direitinho, olhando sempre para a janela ou para frente, nunca o encarei, mas acabei passando a olhar suas pernas e coxas... uhmm. Depois de certo tempo de tão cheio o onibus o homem simplesmente, encostou direto e ficou ali do lado do meu ombro, roçando, esfregando, além de ir para frente e para trás, ia para os lados também, mas sem deixar de rolar a encostadinha em mim, praticamente estacionou em meu ombro. Comecei a delirar, mas que vergonha também, eram 2 sentimentos que eu tinha se misturando e será que alguém estaria notando, vendo, sacando ? Ele, espertamente, colocou os pés de pato, fazendo uma paredinha, uma barreira visual, para esconder o que ocorria, pois seu membro já estava em ponto de bala e só de pensar o que estava por baixo do Bermudão, ali sem cuecas, todo puro, que T. Mas, não é que o danadinho, numa freiada mais brusca em que o onibus se entortou todo, ele simplesmente, deu uma pentada violenta em mim e o membro dele que antes, só encostava e roçava, veio ficar por cima do meu ombro, empurrado e deslocado bem de ladinho e o saco encostado no braço . Ficou aquele membro durinho apoiado no ombro de ladinho, este ultimo como se fosse numa mesa, uma bandeja dos prazeres para ele por seu membro e para mim também . Tinha o membro duro apoiado, meus cabelos quase que por baixo dele e o saco meio molinho, uma almofadinha com 2 bolas dentro ......eeeeeeee, batia de lado no braço. Mas que doideira não é, e não é que o amigo dele que estava na minha frente, resolveu se manisfestar também, minha mão estava pertinho também deste e segurava no banco da frente, aquela alça própria, entenderam ? Ele veio, tentando acertar minha mão, pentar minha mão, mas não dava distancia e altura suficientes, mas disfarçadamente, eu consegui por a mão em melhor posição, baixa-la em direção ao corredor, aonde ele estava. Abri levemente as pernas, tentei roçar nas coxas ou joelhos de qualquer um deles, mas não dava e o passageiro ao lado de mim, ainda me deu uma olhada que me cortou essa tentativa de vez, ai que calor, porra (ui, desculpem )! Pernas ligeiramente, mais abertas e coloquei a mão no vestido no meio das coxas, abaixando um pouco o vestido, estava ficando meio desconertada. E não é que la veio outra pentada do amigo, que já chegou a ponto de bala, com o membro durinho e latejante, quentinho, purinho na minhã mão . Os homens conversando, falando entre si e eu ali quase atinjindo o climax, de um modo que nunca me ocorreu, nem havia pensado antes nesta possibilidade . Bem, resumindo, saimos da Zona Sul, caimos na Barra e o onibus começou a esvaziar e a brincadeira teve de terminar, corredor esvaziado e se esvaziando rapidamente os 2 tiveram que se afastar de mim, que pena, os 2 se desencostaram e veio aquele friozinho na mão e no ombro\braço, que ficaram desnudos, mas minha T não, se mantinha, mordia os lábios o batom foi pra cucuia neste meio tempo.

Contos Imor(t)ais - ONIBUS... – 282 -


Eles saltaram pelo Quebramar e depois de minutos vinha chegando meu ponto no Barrashopping, me levantei bem antes e em pé fiquei ali impávida, recuperando as energias . Andei lentamente, desci mais devagar ainda, parei na calçada, dei uma pausa para mim, respirei fundo e dei uma ajeitada melhor no vestido, joguei os cabelos para frente e para trás e.......... toda molhada. Molhadinha na frente e suadinha atrás, bumbum suadinho, devia ter bolinhas de suor ali.......rs. Mas é isso ....só de lembrar e escrever para vocês, volta o T e que Tesão

Contos Imor(t)ais - ONIBUS... – 283 -


MARATONA DE DEBI O Início – 1ª Parte Sou Débora, 24 anos, branca, olhos castanhos esverdeados, cabelos castanhos, 1,74m e 62kg bem distribuídos pq malho muito, corpo 93x64x103 e pra quem não entende de medidas isso significa seios normais pra grande, cinturinha fina, bumbum normal pra grande tb mas bem redondinho. Mas o que mais me orgulho é da xana que é fofinha e greluda, e valorizo isso depilando completamente do grelo pra baixo e deixando apenas um bigodinho quadrado (Hitler) muito bem aparado acima. Namorava desde os 18 anos (noiva há 2 anos) com o Vítor, 12 anos mais velho que eu, advogado, herdeiro de um grande escritório, inteligente e lindo. Já fui “preparada” ao longo da vida pra ele. Desde que me lembro por gente íamos ficar juntos, pois nossos pais sempre falavam isso, e realmente aconteceu. Quando eu era adolescente, ele era o meu modelo de homem perfeito e me senti realizada quando começamos a namorar. Eu não era virgem mas era inexperiente. O sexo era bom, mas longe de ser o vulcão que eu desejava. Quando o namoro entrou na rotina fiquei um pouco decepcionada pois ele era sério demais. Quando ficamos bastante íntimos em relação a sexo eu queria expandir os limites mas ele não correspondia, e isso me frustrou. Aparecia de vez em quando com fantasia de sex shop (enfermeira, estudante, empregada), brinquedinhos, mas ele não dava corda e eu me sentia reprovada. No dia que eu apareci com um consolo pra ele brincar em mim pensei que ia me bater. Só faltou me chamar de puta. Chorei e tudo. Ele exagerou e se arrependeu, mas serviu para termos uma longa conversa sobre nossa sexualidade. Percebi que nosso “santo“ sexual definitivamente não batia quando ele ficou visivelmente decepcionado quando eu contei que me masturbava fantasiando coisas loucas, tinha fantasia de fazer menage com outra garota (pra ver se botava uma pilha nele, já que dizem que todo homem fantasia isso), etc. Disse que achava que minha fantasia seria transar com ele na praia, numa cachoeira, pendurada numa corda... coisas desse tipo. Vivíamos em mundos completamente diferentes. Eu era muito mais tarada que isso, me masturbava muito mais do que confessei, assistia pornô, lia contos eróticos, e fazia sexo virtual. Eu o amava e queria ficar com ele, por isso não revelei minha verdadeira fantasia, que era mesmo fazer um menage, mas com outros homens... dois, três... quanto mais melhor! Depois de um tempo, com nossas diferenças superadas, me propôs marcarmos a data do casamento. Eu vivia num angústia danada entre passar o resto da minha vida com um príncipe encantado, que não me excitava, ou largar tudo e aproveitar a vida, pois achava que havia aproveitado pouco. Quando noivamos foi a mesma coisa mas resolvi encarar. Desta vez tomei coragem e disse que não, que era jovem e precisava de mais experiências antes de me amarrar definitivamente. Claro que foi muito mais dramático do que isso, essa é a versão simplificada. Pra minha surpresa, ele ficou desesperado e não queria me deixar. Me senti toda poderosa, pq não esperava isso! Ao final da novela, aceitei que fosse apenas um “tempo” mas eu só voltaria se assim decidisse, sem pressão. Foi quando minha história começou. O baque foi tão forte que aproveitei pra dar uma guinada na minha vida. Trabalhava em um escritório de advocacia que era parceiro do escritório dele. Pensei em pedir as contas pra quebrar qualquer vínculo, mas coincidentemente fui promovida na semana seguinte. Saí de casa pra morar Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 284 -


num pequeno apê que meus pais tinham no perto da Paulista, com a justificativa de que ficava mais perto do trabalho, mas na verdade era pra não ter que dar mais satisfações a ninguém. Me senti livre, libertada, fogosa, achando que daria vazão a todo fogo acumulado, e resolvi ir atrás do tempo perdido. Voltei a cuidar de mim, pintei o cabelo (de preto). Queria viver de baladas, viagens, diversão, paixões curtíssimas, queria realizar minhas fantasias... e queria dar muito! Fiquei frustrada pq não tinha mais companhia. Algumas amigas estavam namorando firme ou já casadas, e havia perdido contato com a maioria delas por conta do longo tempo que me dediquei ao relacionamento, principalmente com minhas amigas mais piranhas da época da faculdade, a quem eu primeiro fui procurar. Acabei amargando fins de semana em casa. No trabalho não criei amizade com ninguém, até pq eu achava que todos eram espiões do ex. Depois vi que exagerei. Tinham muitos moços da minha idade, advogados em início de carreira ou aspirantes, sempre bem vestidos, muitos bonitos até, que passaram a dar em cima quando descobriram que eu estava solteira, mas nunca dei a menor brecha a ninguém. Um dia uma colega do inglês me contou que ia em uma certa balada famosa na região de Pinheiros. Me lembrei do nome pq uma colega da faculdade (uma do “chifre furado”, como diria minha mãe) me contou que deu pra um cara DENTRO desse lugar. Era uma balada de dançar e tal, mas era escura pacas então rolava de tudo. Era essa mesma! Eu queria fazer algo do tipo, logo de cara, pq uma aventura memorável iria me libertar de vez. Tinha medo, mas me sentia como no momento de saltar de paraquedas: “pula de uma vez!”. Nem tinha amizade direito com ela mas quase PEDI pra me deixar ir junto! Nem precisava cuidar da depilação pq eu mantinha sempre em dia, apesar do noivo mal aproveitar (o que me deixava revoltada), mas resolvi dar uma caprichada. Deixei quase nada, só um triangulinho BEM ralinho. Cuidei de arranjar uma roupa elegante, bem sensual sem ser vulgar: uma blusa branca que fazia um xis nos seios e deixava a maior parte das costas de fora. Uma saia clara não muito curta, mas que caía muito bem. O tecido era fininho e deixava o bumbum, que é bastante saliente, bem destacado. Caprichei na lingerie sexy e minúscula, calcinha e soutien finíssimos de renda preta, e calcei uma sandália de salto alto. Antes de sair de casa, liguei pra menina pra combinar horário e ela disse que estava indo com um visual “muito puta”. Pra não ficar atrás resolvi tirar meu soutien. Meus seios ficaram soltos, muito mais sensuais, mas aquele negócio de “sem ser vulgar” já não era mais tão sério. Quando nos encontramos vi que o visual “muito puta” dela era apenas uma maquiagem pra lá de carregada e um decote maior que o convencional. Que tonta! Fiquei com raiva que junto dela estavam as 3 meninas mais chatas do mundo, patricinhas esnobes que me olhavam com reprovação. Sabe quando num grupo de meninas sempre tem a mais biscate? Acabou sendo eu, né? Mas eu não podia reclamar, afinal só queria companhia pra sair. Balada barulhenta, lotada e cheia de luzes coloridas. As meninas eram um porre! Fiquei meio de lado. Saía fora toda hora pra pegar bebida, ir ao banheiro, dar uma volta, conhecer os salões. Num desses meus passeios descobri outro salão não tão bombado de gente. Passeando por ele descobri uma passagem para um outro salão no fundo, muito escuro, com um globo e uma fraca iluminação de cor azul e roxa. Uau, acho que era o tal cantinho da putaria. Tava tudo normal, não tava abarrotado de gente, e pensei se realmente teria coragem de fazer coisas ali. Na volta encontrei uma mesinha vazia no salão do meio, pedi outra bebida, e ali começou minha noite. Dois moços encostados no bar me olhavam, um deles mais ousadamente. Sorria e comentava Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 285 -


coisas com o amigo. Há muito tempo não passava por aquilo e me sentia uma adolescente, mas estava adorando voltar a paquerar depois de tanto tempo. Os dois muito altos, muito bem vestidos e gatos. Sorri e eles se aproximaram. Depois das apresentações o outro já estava ensaiando sua saída de cena, quando eu puxei duas cadeiras e convidei os DOIS pra sentar. Eles eram mais novos que eu. O que me olhava era o Andrei (22 anos), cabelos castanho claro e sarado, tinha um jeito de garanhão e uma cara de cachorro. O Caio (20) era bem mais alto e magro, cabelo claro quase loiro, carinha de anjo, que passava canfiança. Eram jogadores de basquete, federados e tal. Eles e mais 2 amigos vieram de Americana pra jogar num time de São Paulo. Eu tentava seduzir os dois, na verdade queria testar se minhas armas de sedução ainda funcionavam (rsrsrsr) assim poder escolher quem mais me agradasse. Quando a conversa apimentou eu abri o jogo e disse que era minha primeira saída depois de um longo relacionamento e tava ali pra recuperar o tempo perdido (entendessem isso como quisessem). Andrei disse brincando que viu vingança em meus olhos e que eu iria agarrar os dois se eles não se cuidassem, e eu disse “quem sabe!” já considerando a oportunidade!!! Nisso apareceu um outro amigo deles dizendo que eles tinham conseguido uma mesa muito mais tranquila numa área VIP. Era lindo de morrer! Quando fomos apresentados, Oscar foi extremamente simpático, segurou minha mão e deu um sorriso lindo que me deixou encantada, e senti um delicioso perfume quando beijou meu rosto. Ele tinha 27 anos, lindos cabelos pretos e lisos, tb era alto, tinha um corpo sarado e atlético. Os dois iam recusar pra ficar ali comigo, mas me levantei rapidamente e comecei acompanhar o Oscar dizendo “oba, área VIP, que legal!”. Fomos todos pra lá. Lá estava o outro amigo segurando a mesa. Era o Dil, simpático, cabelos castanhos e era atlético mas corpulento, e era o mais velho deles, tinha 29 anos, com cara de sério. Ao sermos apresentados me segurou pela mão, me olhou dos pés à cabeça, e fez um sinal de aprovação com a cabeça sem o menor constrangimento. Tinha bastante gente nessa área mas não estava abarrotada como o salão, e dava pra dançar perto da mesa. Pro meu azar o serviço de atendimento era eficiente e ninguém ficava sem bebida. Conversamos animadamente como amigos. Não sei como 4 gatos, que não teriam a menor dificuldade de se dar bem numa balada dessas, ficaram comigo por tanto tempo. O Andrei comentou brincando que eu estava “a perigo” e que talvez agarrasse não mais os 2, mas agora os 4. Fiquei envergonhadíssima... Levantei pra ir dançar e puxei o Oscar junto comigo, e já que estava de pilequinho (um pouco fingido) pretendia tirar uma casquinha dele. Dançamos um pouco separados, depois ele me abraçou pra dançarmos juntos, apesar de não ter nada a ver com aquele tipo de música. Adorei ser abraçada por homem tão cheiroso, me segurando nos braços fortes, me girando e me encoxando, passando o rosto pelo meu pescoço. Fiquei muito excitada e vulnerável. Faria o que ele quisesse alí. Quando achei que seria beijada sinto alguém me abraçando por trás. Era o Andrei. Me assustei e olhei rápido pro Oscar buscando sua reação, mas ele apenas sorriu e incentivou! Eu estava acostumada com comportamento possessivo, diferente do que rolou ali, e estava curtindo a situação. O Andrei se aproveitou de mim me abraçando bastante, mas não reagi achando que estava no controle. Ficamos os 3 assim dançando abraçados, e ele disse rindo “vc não disse que iria agarrar quantos pudesse?”. Aí fiquei molinha e passamos a dançar sensualmente, com eles me encoxando e passando as mãos pelo meu corpo, costas, laterais do corpo, pescoço, barriga. Minha saia fina proporcionava um contato bem sensual. Então o Andrei sumiu. Que pena! Eu estava ficando excitada e começando a me acostumar com a ideia. Em seguida voltamos pra mesa. O Dil estava me esperando com um drink feito com tequila que havia pedido pra mim. “Beba isto. Vai adorar!”. Depois de descansar um pouco ele me cobrou de Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 286 -


não dançar com ele. Aceitei e ele me fez virar o copo. “Beba tudo aqui pq vamos pro outro salão”, e chamou os outros pra irem junto pra pista. Era o tal salão que tinha uma iluminação esquisita e fraca. Gostei pq achei que aquela dancinha a 3 se repetiria em várias formações, mas o que aconteceu foi ainda mais ousado. Comecei a dançar e eles fizeram uma roda em volta de mim. Fiz uma coreografia meio sensual e debochada, meio brega, eles riam e incentivavam. Dil me puxou pra perto dele me segurando pela cintura, requebramos um pouco e me soltou, me empurrando pro lado do Caio. Ele me segurou com volúpia e levantou minha coxa, como num passo de tango. Eu tava adorando aquilo, não só pelo efeito da bebida, mas sendo o centro das atenções daqueles machos que já tinham olhares de desejo. A coisa foi esquentando. Eles se revezavam, e quem dançava comigo não tinha a menor cerimônia em se esfregar em mim, alisar minhas costas desnudas e sentir meu corpo com as mãos. Fui agarrada por 2 ao mesmo tempo várias vezes, apertada e ensanduichada. Estava morrendo de tesão e decidi não olhar pra pessoas em volta e curtir aquilo. A roda fechava apertada em volta de mim e eu sentia o corpo de todos colados a mim ao quase mesmo tempo. De repente Dil me puxou pra um canto daquele salão que era realmente escuro, sendo acompanhado pelos outros. Dançando dentro da rodinha refeita, o álcool começou a fazer efeito, sentia meu corpo queimando e já me esfregava sem pudor neles. Decidi degustar um a um. Fui pro Andrei, peguei-o pelo pescoço, aproximando a boca da dele, sem beijar, dançando com olhar sensual. Fiquei de costas pra ele e puxei seu corpo contra o meu puxando-o pela nuca, enquanto ele beijava meu pescoço. Ele me segurou forte pela cintura pra encoxar forte e senti como estava excitado. Aquilo mexeu com meus instintos e me fez rebolar naquele pau. O Oscar, que tava na minha frente, veio e me beijou na boca, aí fiquei louca de verdade. Ser beijada por ele era o meu objetivo inicial mas não podia imaginar que isso aconteceria enquanto eu era encoxada. Ele me beijava e alisou meus seios por cima da roupa. Hmmm, que delícia ser apalpada nos seios assim sem soutien. Quando beijo acabou, eu larguei eles e fui pra outra dupla. Virei pro Caio, e fiz aquela mesma dança da sedução pendurada no seu pescoço, depois me virei de costas pra ser encoxada, enquanto o Dil me bolinava pela frente. E continuei girando. Aí foi a vez do Oscar, onde eu caprichei, pq ele era o meu favorito. Quando virei de costas pra ele, e era beijada na boca pelo Andrei, senti aquele pau me cutucando forte, botei a mão pra trás pra agarrar e sentia tudo na calça de sarja. E que pau! Fiquei encantada com o tamanho e a grossura dele. Na vez do Dil, o líder da alcateia, ele já veio me agarrando e beijando, enquanto o Caio me encoxava por trás. Ele me virou de forma bruta pra me encoxar com vontade, quando os outros grudaram em mim massageavam meus seios, bunda e coxas sem cerimônias. Tava uma delícia ser tateada assim naquela roupa fina que eu usava. Pensava “Meu deus, o que to fazendo?”, mas não reagia, só curtia e rebolava pra eles. No escuro me soltei mais e esfregava naquelas pirocas duras à vontade. Enquanto eles buscavam tatear minha xana com as mãos, alisando minhas coxas e levantando a saia, eu queria sentir aqueles paus com as mãos, enfiando dentro da calça ou pela braguilha que já estavam abertas. Meu deus, que delícia. Achei o máximo quando segurei 2 aos mesmo tempo, um em cada mão, enquanto era completamente apalpada. O Oscar fez algo que adorei: passou seu dedo indicador nos meus lábios então chupei, e reconheci o gosto de caldinho de cacete. O safado recolheu a gotinha do pau e me deu pra chupar. Eu tava quase caindo de boca naquele cacete, mas num lampejo de lucidez parei pq ia ficar muito na cara. Andrei já me segurava pelo pescoço me puxando pro pau dele, eu tomava coragem pra ceder, os outros diziam Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 287 -


“É mas, vamos levá-la pra outro lugar”. Quando ouvi “Vamos pra casa!” minha cabeça rodou. Isso ia resolver o meu problema, pq eu estava morrendo de tesão, minha xana estava encharcada e eu estava desesperada pra ser comida, mas ao mesmo tempo senti medo de ir pra um casa desconhecida à mercê de 4 homens descontrolados e ávidos por sexo... o quê seria de mim? Mas era tarde pra racionalizar. Meu corpo estava na febre de sexo e eu só me deixei levar sem dizer qualquer palavra. Pagaram minha conta e quase na porta eu parei “Espera!”. Tive a consciência de ir avisar a amiga. Ela estava conversando com um carinha com jeitinho de playboy metido. Pedi pra amiga dela avisar “Não quero atrapalhar. Depois avisa a Lê que eu arranjei carona”. Saí dali imaginando como me dei bem em sair fora daquele grupinho, senão estaria ali sendo paquerada por um moleque desses do tipo que “Se acha”. Eles moravam em um apê no Sumaré e fomos todos pra lá no carro do Dil. Nem comentei que eu tinha ido de carro pra não estragar o esquema. Sentei no banco de trás entre o Caio e o Andrei. Mal o carro arrancou eles já começaram a me bolinar. O Andrei me beijava na boca e alisava minha coxa enquanto o Caio tirou meus seios pra fora e chupava com volúpia. Minha cabeça rodava. Era apenas uma fantasia muito louca que nunca poderia imaginar um dia poder realizar. Não conseguia imaginar como seria, se eu aguentaria ou se sairia inteira dessa. Eu seria o abate de 4 machos! Eu tirei os paus dos dois pra fora com a ajuda deles e punhetava devagar, apalpando e sentindo, escorregando o polegar na pontinha das glandes babadas. Eram muito grandes, principalmente do Caio! Me virei pro lado dele pra sentir aquilo na boca enquanto o Andrei alisava minha bunda e minha xana por trás por baixo da minha saia. Fiquei alucinada com aquele pau. Era o maior que eu já tinha visto. Chupei só um pouco pq queria ir pro outro também. O pau do Andrei era muito gostoso tb, menor que o do Caio, mas maior do que os que eu já havia experimentado. Eu estava adorando isso. Eu não estava acostuma com “tamanho”. Meu noivo era normal, deveria ter uns 14 ou 15cm (nunca falou). Antes do meu noivo eu só tinha transado com um namorado, que era mais bem servido, devia ser uns 18 ou 19cm. Ele sim me deixava louca na cama, mas infelizmente fez umas cachorradas comigo, então o namoro durou apenas uns 3 meses, me deixando com saudades do sexo. O Oscar virou pra trás e enfiou a mão entre minha coxas até chegar na calcinha e tocou meu grelo. Estremeci e soltei um longo suspiro. Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 288 -


“Nossa, como vc tá molhada!”, tirou o paninho ensopado de lado e começou a dedilhar. Eu abri as pernas e me larguei no banco pra dar mais acesso a ele. Ele esfregava os dedos ao redor do meu clitoris enquanto eu sentia uma boca em cada seio, e pedia pra eles me lamberem gostoso. Minha buceta estava tão molhada que os dedos escorregavam nela. Ele me masturbava igual eu mesma fazia em mim, massageando circularmente ao redor do grelo, me deixando louca. Meu gozo veio rápido e forte. Levantei o quadril, segurei nos cabelos dos dois que me mamavam, revirei os olhos e gemi suspirando profundamente quando meu corpo estremeceu. Eles ficaram alucinados com meu gozo. O Oscar disse “Eu sabia que vc era uma putinha ninfomaníaca”. Nunca tinha sido tratada assim (exceto em sexo virtual) e adorei. O Dil, que tava louco de vontade só dirigindo e apertando o pau disse “Quando chegar a minha vez vou te comer de jeito, vou gozar dentro de você, sua vadia”. “Opa”, eu disse. “Sem camisinha ninguém goza dentro de nada”. Foi um balde de água gelada. Eles tentaram argumentar e insistir mas não recuei. Fiquei com medo de eles contrariarem minha vontade à força. Falei “Vocês podem fazer o que quiser comigo, mas com camisinha, senão eu desço AQUI!”. Eles acabaram gostando de ouvir isso! Eu até tomava anticoncepcional mas tinha medo de doenças da promiscuidade. O Dil encostou o carro na primeira farmácia que apareceu e desceu pra comprar. Fiquei satisfeita. Se eles respeitavam isso, eram gente de bem, e eu não tinha mais medo da situação. No elevador, que não tinha câmera, eles voltaram a me bolinar novamente, como na pista de dança, só que desta vez sem censura nenhuma. Era um apartamento antigo e grande. Mas eu não consegui observar isso direito naquela hora. Assim que a porta foi fechada eu já fui cercada. Tinha uma boca na minha, mãos seguravam meus seios, esfregavam minha coxas, apertavam minha xana, tiravam minha roupa. 8 mãos em mim me desnudando e me apalpando vorazmente, ficou confuso! Tentei organizar afastando todos. Eu já estava só de sandália. Foi quando eles pararam pra ver meu corpo nu. Sentia os olhares no meu corpo ali nua entre 4 machos sedentos ainda vestidos. Eles começaram a me girar e elogiar meu corpo fazendo aquela cara de babão. Fiquei encabulada e comecei a me mover sensualmente mexendo no pau deles, esfregando o corpo, enquanto murmuravam “Caralho, vc é muito gostosa”. Acho que gostaram mesmo de mim. Abaixei no meio da roda e comecei a abrir a calça do Dil, pq ele pedia dizendo que era o único que ainda não tinha ganhado nada. O pau estava de lado esmagado em uma cueca branca, com uma grande mancha de baba na glande. Alisei, grosso demais, e mordi, raspando os dentes nele por cima do tecido. Ele me segurava pela cabeça e o pau dava Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 289 -


guinadas. Eu não aguentava mais de tanta vontade de chupar, coisa que ainda não tinha feito direito. Eu sabia fazer isso muito bem, uma das poucas coisas que meu noivo aproveitava, e queria mostrar minha habilidade. Segurei nos cós da cueca e baixei com as duas mãos, enquanto um tronco caía na minha cara. Era um monstro! Um pau grande (20cm, como descobri depois) impressionantemente grosso, reto, de pele mais escura, a cabeça era achatada e acompanhava a largura do corpo. Aquele era um cacete de verdade, muito largo e tinha um canal bem saliente embaixo que parecia um dedo. Segurei ele mas minha mão não fechava, beijei, cheirei e olhei pra ele sorrindo enquanto esfregava o polegar na babinha que saída da pontinha da glande, e ele comentou minha cara de satisfação. Arregacei a cabeça e fui com a boca recolher todo aquele melzinho que acumulava. Ele babava MUITO, e o sabor era delicioso. Era grosso mesmo e fiquei com medo do estrago que aquilo poderia fazer em mim. Enquanto chupava com volúpia senti outro pau batendo na minha cara. Era o Oscar já com o dele pra fora trazendo minha boca pelo queixo “Mama aqui tb, putinha”. Olhei pra ele e sorri aprovando aquele tratamento. Quando olhei pro pau, ainda não estava duro, mas... meu deus, era muito grande. Ele estava semi rígido ainda largado pra baixo sobre um saco com bolas impressionantemente grandes e pesadas. Quando segurei e dei umas poucas mamadinhas ele enrijeceu completamente. Aí eu comecei a rir de verdade, não sei se de felicidade ou de nervosismo (acho que os dois), mas segurava dois paus que juro que não esperava encontrar fora dos filmes pornôs. “Será que é pré-requisito pra ser jogador de basquete?”. O Oscar tinha um pau lindo, grosso, cabeçudo, cheio de veias salientes, ligeiramente curvado pra cima, e era de longe o maior (24cm). Ele não babava tanto quanto o Dil mas o melzinho era delicioso. Eu engolia o tanto que podia e punhetava o restante com as duas mãos. Depois o Andrei me puxou pra ele. Ele tinha um pau de 19 pra 20cm lindo, curvado pra cima, com uma cabeça grande, maior que o corpo, bem desenhada de abas largas, e tinha o saco grande. Depois pro Caio, que tinha um pau fino e reto, e comprido (22cm), de cabeça pequena e era branquinho como a pele dele. Adorei todos e fiquei fascinada com aquilo, pq eles eram maiores do que os que eu havia experimentado antes. Enquanto eu chupava e punhetava os 4 alternadamente, o Andrei se ajoelhou ao meu lado e alisava minhas costas e minha bunda. Escorregava a mãos desde a nuca descendo até passar pelo reguinho até o final e tocar minha buceta. Eu estava ajoelhada com um joelho no chão e a outra apoiando o pé, então minha xota ficava exposta. Sentia ela escorrendo uma cachoeira e o grelo tava muito inchado. Enquanto isso o Caio tentava lamber meus seios, quase sem posição, mas não desistia. Me levantei e eles trataram de tirar as roupas tb, todos ali onde estávamos, a 1 metro da porta de entrada ainda, atrás de um sofá. Me colocaram deitada em cima do encosto do sofá. Era um sofá grande, com muitos lugares e dava pra deitar no encosto largo. Assim que me colocaram, caíram de boca, os quatro. Eu, de barriga pra cima, tinha bocas sugando meus seios , meu pescoço, minha barriga, coxas, tudo. Como isso é bom!!! Dil tomou a iniciativa de afastar minha coxas e cair de boca na minha xana. Tomei um choque quando seus lábios envolveram meu grelo. Pirou no meu clitóris. Falava “Greluda safada. Olhem o tamanho do grelo dela!”. Ele me chupava maravilhosamente bem. Fazia uma sucção que o engolia todo aí relaxava e o Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 290 -


liberava, depois sugava de novo pra dentro da sua boca, num ritmo alucinante. Sentia líquidos vertendo da minha buceta se misturando à baba da boca dele, tornando essa chupada muito prazerosa. Eu não queria gozar. Queria que aquela sensação de estar sendo muito bem chupada com todas aquelas bocas no meu corpo durasse para todo o sempre. Me segurei, juro, mas não aguentei, e gozei num espasmo enorme na boca do Dil. Quando eu gozava de verdade meu corpo chacoalhava escandalosamente. Minha respiração ficava completamente fora de controle, a vibração dos meus quadris se estendiam pelo corpo todo, e quando o gozo vinha eu suspirava profundamente e gemia igual um jogador de tênis sacando. “Você é um tesão gozando!”, disse Oscar. O Caio se posicionou pra me penetrar. Seu pau se encaixou na entradinha da minha xana e ele fez o movimento. Minha buceta tava tão molhada que entrou pelo menos metade só na primeira estocada. Parecia que minha xana sugava a rola. Eu precisava de um cacete de verdade dentro de mim. Também... quase 3 meses carente, e aquela situação toda... Quando eu tava fechando os olhos pra curtir finalmente ser fodida, os outros seguraram ele “Calma, calma, primeiro eu”. Kkk resolveram brigar pra ver quem ia me comer primeiro! Estavam discutindo pq estavam todos desesperados, como eu. O Andrei argumentou “Fui eu que conheci primeiro!” E o Caio gritou “Então sou o segundo” E a discussão recomeçou. Eu acabei decidindo que esse critério era justo e que Andrei seria o primeiro. Na verdade naquele momento eu não tinha preferência nenhuma, eu só queria ser comida logo por quem quer que fosse. Ele vestiu a camisinha, se posicionou, puxou meu corpo pra minha bunda ficar bem pertinho do canto do sofá, minha xana ficava na altura do pau dele, segurou minha pernas levantadas. Ao invés de meter logo, ele ficou escorregando a glande entre os lábios e brincava com a baba que formava entre o toque do pau na xana. “Olha como ela tá molhada”. Eu não aguentei mais e gritei “Me come logo, por favor! Mete, vai... mete... mete...”. O puto ainda brincou mais com o pau na portinha antes de enfiar. Ficou pincelando o pau no grelo, metia apenas a glande e depois tirava. Eu tive que apelar pq não aguentava mais. Olhei nos olhos dele e disse séria “Por favor, eu to implorando... ME FODE!”.

Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 291 -


Aí sim, ele me encarou, mordeu os lábios e meteu com vontade. Aquele cacete desbravou minha vagina. Entrou quase inteiro e na terceira estocada já atingia o fundo dela. Que caralho gostoso! Parecia que ia me partir ao meio. A posição era favorável. Eu ficava completamente arreganhada e ele com o pau na posição pra penetrar completamente sem resistência. Ele tirava quase todo pra fora, até ficar só a glande dentro, depois voltava a escorregar tudo completamente pra dentro, num movimento não tão rápido, mas vigoroso. Umas poucas estocadas e eu já tava gemendo igual quando ia gozar. Estranhava pq nunca tinha entrado em êxtase assim tão rápido, mas não conseguia me segurar. O Dil e o Oscar já posicionaram os cacetes na altura da minha boca à disposição, e o Caio voltou pros meus seios (depois confessou que é encantado com eles). Eu não conseguia fazer um bom trabalho naqueles cacetes do jeito que eu sabia muito bem, mas chupava, beijava, lambia, do jeito que dava, e deixava tudo babado. E o Andrei bombando forte. Certa altura eu parei de dar atenção àqueles paus deliciosos (que pecado), fechei os olhos, e esperei o gozo chegar. O Andrei acelerou os movimentos e quando eu ouvi ele gemendo não pude mais me conter e gozei violentamente de novo. Eu gritava a plenos pulmões e meu corpo tremia tanto que só não caí de cima do sofá pq os corpos deles me escoravam. Já tinha gozado duas vezes antes, mas estava precisando gozar assim com o pau na buceta. Sim, eu estava contando! Eu nem bem abria os olhos direito e o Caio já posicionava meu corpo no sofá, ajoelhada no assento e apoiada no encosto, pra me comer por trás. Mal fiquei na posição e ele já veio vorazmente me penetrando. Ainda bem que eu já tava toda melada senão ia me machucar no desespero do menino. Ele meteu tudo de uma vez, tamanho o tesão, me assustei mas foi gostoso. Minha buceta é apertadinha (eles dizem), mas não ofereceu resistência nenhuma àquele pau fino e de cabeça pequena. Senti uma penetração profunda e firme até onde nunca nenhum pau havia chegado. Aquele pau é bem comprido. Meu corpo entrou em transe. Acho que quanto mais se goza mais o corpo quer gozar, e eu estava assim. Eu não sabia disso pq nunca tinha gozado tanto, nem em quantidade muito menos em qualidade. Os dois ainda colocavam os paus na minha boca, e desta vez eu consegui chupá-los como se deve, por causa da posição. Eles são grandes e grossos, e eram saborosos demais! O pau do Dil babava tanto que eu passava nos meus lábios como se fosse baton e eu recolhia com a língua. Eu apertava com a mão desde a base e conduzia o líquido até a pontinha, quando sorvia todo aquele caldo espesso, salgadinho e delicioso. O pau do Oscar era um sonho: bonito, grande e grosso. Perfeito pra chupar mas duvidando que ia aguentar quando chegasse a hora dele. Ele me segurava pelos cabelos e fazia uma leve pressão pra eu engolir o dele inteiro. Eu me esforçava mas não chegava nem perto disso. “Um dia eu vou conseguir!”. O menino me segurava forte pela cintura e bombava impiedosamente. Eu estava feliz de estar sendo fodida violentamente por um pau daquele. Queria sentir ele gozando dentro de mim, mas ele usava camisinha por exigência minha. Pena que o Caio gozou rápido. Quando fui reclamar ele já tinha até tirado de dentro. Meninos! Eu estava no cio por causa daquela foda interrompida antes do meu clímax. O Oscar veio e queria deitar sobre mim, tipo papai-e-mamãe. Eu rapidamente joguei o corpo dele deitado no sofá e me posicionei pra montar. Não ia ser fodida embaixo daquele corpo gigante furioso de tesão com Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 292 -


aquele cacete imenso. Montando eu podia controlar. Segurei na base daquele gigante, brilhante da minha saliva, e sentei lentamente naquele caralho, engolindo deliciosamente centímetro a centímetro na buceta. Senti minha buceta completamente empalada mas ainda faltava o tanto que a minha mão segurava do pau dele. Eu tirei a mão e fomos nos ajeitando pq eu queria sentí-lo todo. Quando entrou quase todo ele ficou imóvel esperando minha vagina se acostumar. Sentia uma pressão de dentro pra fora, e aquela glande rombuda no colo do meu útero. Não deu tempo pra mais nada... meu corpo entrou em convulsão novamente, desta vez mais violenta. Ele me segurava pela bunda e começou a bombar rápido enquanto eu gozava sem parar. Fiquei desfalecida sobre o corpo dele enquanto ele me fodeu por muito mais tempo. Despertei com o Dil atrás de mim querendo meter no meu rabinho. Não deixei! Queria muito, mas estava assustada com o tamanho daquelas coisas. Ele insistiu, me chamando de regulada. Olhei sedutoramente pra ele e disse “Calma, vou dar bem gostoso pra você”, pra compensá-lo. Chupei um pouco mas voltei a curtir aqueles maravilhosos centímetros do Oscar, que ainda não havia gozado. O Dil ao lado, assistindo a foda de pertinho, colocou o dedo no meu cuzinho e ficou brincando enfiando e tirando só a pontinha, me fazendo entrar em transe. Nunca imaginei que fosse tão gostoso ser fodida com um dedo no cuzinho só provocando. Ele acelerou os movimentos e falava no meu ouvido como tava gostoso me comer, e eu respondia como era gostoso ser comida por ele, por aquele cacete grosso. “Seu amigo tá enfiando o dedo no meu cuzinho”, “E eu aposto que vc tá gostando, né, sua vadia?” “To adorando ser fodida assim, com um dedo no cu”, então ele não resistiu e gozou gemendo profundamente. Pena que não senti os jatos que saíam daquelas bolas por causa da camisinha. Eu adorava sentir o semen quentinho dentro de mim, chegava a gozar junto. Deitei no sofá e o puxei o Dil pra cima de mim “Vem me comer, vem, gostoso”. Ele enfiou aquele pau grosso com dificuldade, apesar de estar muito molhada. Enfiava um pouco e esperava eu relaxar, demorou pra conseguir enfiar inteiro, mas consegui recebê-lo todo. Desconfortável. Minha buceta ficava esticada, e os lábios acompanhavam o movimento de entra e sai. Minha vagina começou a verter líquidos novamente, acho que pra acomodar aquele bruto. Colou a boca em meu ouvido e ficava dizendo obscenidades, me chamando de cachorra, vadia, putinha, e eu correspondia dizendo entre gemidos “Me fode de verdade, esse caralho tá me matando, me faz gozar gostoso”, e ele metia mais forte a cada frase. Agora tava gostoso pq estava bem lubrificado e comecei a gemer a cada bombada forte dele. Ele deu um urro quando gozou gostoso.

O Início – 2ª Parte

Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 293 -


Estava ardida por causa das camisinhas, meu corpo estava trêmulo e minha vagina formigava. Passei a mão e senti minha xana cremosa, por causa daquela meteção toda e do tanto que eu havia gozado na noite. O Caio e o Andrei já estavam refeitos, e mal me levantei já me abraçaram um de cada lado. Eu pedi um tempo pra tomar um banho e descansar. Eles disseram “Ahhh” Mas prometi que voltava. Tomei uma ducha demorada. Minha ficha não caía... 4 gatos gigantes (comparados a mim) e deliciosos... todos só pra mim! Eu merecia! E estava orgulhosa por ter dado conta dos 4. Missão cumprida! Não tranquei o banheiro pq não fazia sentido, e quando percebi os dois taradinhos estavam entrando no box junto comigo, dizendo que eu tava demorando muito. O espaço era grande. A ducha ficava dentro de uma banheira com box, que parecia um deck. Tinha um degrau pra subir no deck, depois se descia até a banheira. Um charme. Foi uma delícia ser ensaboada por 4 mãos escorregando pelo meu corpo inteiro, abraçada entre dois corpos atléticos daqueles escorregadios me apalpando toda. Eles alisavam meus seios, as coxas, a bunda e brincavam com meu grelo, que logo começou a inchar de novo, ou nem desinchou na verdade. Meu grelo é definitivamente meu botão de ligar. Quando é tocado minha xota já ensopa acendendo meu tesão e fico louca. Não sabia que era possível depois de trepar tanto. O Andrei ficou esfregando os dedos ensaboados no meu grelo durinho enquanto o Caio me abraçava por trás segurando meus seios e escorregava o cacete duro entre meu rego. O Andrei deixou meu corpo em chamas, e quando estava quase gozando, pedi pra ele me comer ali mesmo. Ele esfregava o cacete na pontinha do grelo e nos lábios me deixando louca, quando eu implorei pra que ele metesse tudo. Ele enterrou aquele cacete de maneira lenta e vigorosa, enquanto o Caio me prendia pelos braços e pincelava sua glande ao redor do meu cuzinho. Só não desmoronei pq estava segura, pq minhas pernas bambearam quando ele entrou inteiro até o fundo de uma vez, de tão gostoso. Claro, era a primeira vez na noite que eu sentia um cacete de verdade, sem o látex. Tirava quase todo e voltava a enfiar vigorosamente. Estava muito gostoso e eu queria gozar de novo, ainda mais com aquele cacete duro esfregando no meu anelzinho, me pirando. Sem dizer nada apontou a cabecinha no buraquinho e começou a pressionar. Se eu queria dar, mas tinha medo daqueles cacetes imensos, a hora era ali, chuveiro, com sabonete e jeitinho. Aquele pau era enorme mas era o mais fino deles. Perfeito. Resolvi deixar. A cabecinha passou fácil e eu comecei a gemer. Mas quando ele empurrava o restante o pau dele desencaixava. Ele era muito alto e naquela posição ficava difícil, ainda mais com o outro já me comendo e dominando meu corpo. Quando comecei a gemer ronronando, o Andrei anunciou que ia gozar, então lembrei assustada que ele não usava camisinha. Tirei o pau dele de dentro na hora certa, e ele gozou um jato forte, caudaloso e espesso na minha barriga. Que desperdício aquele leitinho perdido, pensei. Queria ter tomado ele na boca ou no fundo da vagina. Aí o Caio saiu de trás de mim, sentou na beira da banheira e me puxou pra cima. Que pena, estava gostando, agora que achei que poderia me dedicar a experimentar aquele pau no meu rabinho, ele desistiu. Acho que ia curtir experimentar duas pirocas em mim ao mesmo tempo. Ele era muito tarado e não tinha a paciência que eu precisava. Aquele pau comprido apontado pra cima... montei, colocando os seios na cara dele, que me mamava com verdadeira devoção. O Andrei ensaboou minha bunda e ficava esfregando a mão no meu Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 294 -


reguinho enquanto eu rebolava tentando em vão engolir aquele pau todo. Ele enfiou um dedo ensaboado que escorregou fácil. Meu corpo acendeu na hora e eu comecei a gemer. Tava começando a gostar desse troço de estímulo anal enquanto tomava na buceta. Caio me segurava pela bunda e me jogava pra cima pra eu engolir aquele cacete todo. Ele fez uma careta e começou a bombar forte, do jeito que dava. Estava esperta de sair de cima antes de ele gozar, pq ele não usava camisinha. Acontece que eu não tinha gozado ainda nessa segunda rodada e já tava ficando descontrolada. Quando ele anunciou o gozo, quase perdi a hora de sair de cima, pq não conseguia me apoiar no piso molhado, e pq estava querendo gozar tb. Me enxuguei correndo e fui pra sala. Estavam o Oscar e o Dil largados no sofá de cuecas e tomando cerveja. Quando me viram sorriram e me chamaram pra sentar perto deles. “E aí, putinha? Veio atrás de mais rola peladinha assim, né?”. Falei “Quero, mas parece que vocês não estão a fim”. O Dil disse “A gente tá afim sim, mas vamos relaxar primeiro”. “Relaxar?”, pensei. “No fogo que eles me deixaram?”. Sentei entre ele, tomei um pouco de cerveja geladinha dos copos deles, e sem cerimônias já fui esfregando aqueles dois cacetes ao mesmo tempo por cima das cuecas. Eles responderam rapidinho. “É uma vadiazinha mesmo”. Eu estava com tesão de verdade, desesperada. Esfregava aqueles cacetes olhando fixamente nos olhos, um de cada vez. O do Oscar endureceu primeiro e eu já botei ele pra fora e caí de boca. Mamei muito, mamei forte, mamei gostoso. Botei a bunda na cara do Dil pra ver se ele me atacava e não deu outra. Ele enfiou o polegar na minha xana molhada e ficou rodando aquele dedo dentro dela enquanto o resto da mão pressionava meu grelo, me fazendo molhar ainda mais. O saco do Oscar já tava todo melado de tanto que eu babava. O Dil abriu minha bunda com a outra mão e começou a lamber meu rego. O Dil deixava a língua pontuda e dura e ficava desenhando um círculo ao redor do meu cuzinho, subia e descia pelo meu reguinho, ia de um lado pro outro. Encostava a língua levemente no meu anelzinho e tirava pra lamber outra parte. Me judiando até que pedi “Pelamor... enfia logo a língua no meu cuzinho”. Até que pós a ponta da língua no meu cu e ficou enfiando só nele. Nossa, que delícia! Eu piro com isso mas era muito carente. Meu noivo fez algumas poucas vezes, depois de eu praticamente implorar. Ele obviamente não curtia então eu nem pedia mais. Dil passou a foder o meu cuzinho com a língua, cada vez mais profundamente, e eu nem dava mais atenção ao coitado do Oscar. Virei pra ele e pedi : Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 295 -


–Me come, por favor! – Quer que eu coma seu cuzinho? – Não, fode a minha buceta. Com vontade! – Mas eu quero comer seu cuzinho. Quando vai dar ele pra mim? – Prometo que dou, mas não agora. Agora eu preciso de uma cacete grosso e gostoso como o seu fodendo a minha buceta. Nem me reconhecia falando assim, mas o efeito disso nos homens era devastador, e eu era atendida prontamente. Ele vestiu o preservativo e colocou tudo brutamente. “Aaaai”, gemi alto, quando aquela tora entrou me abrindo. Parecia que eu estava sendo deflorada naquele momento. Com umas poucas estocadas aquele bruto já se ajeitava completamente no fundo da minha vagina. “Mete forte” eu pedia alucinada. Ele segurava na minha bunda e dava trancos no meu corpo. Voltei pro pau do Oscar. Apesar de estar sendo chacoalhada queria dar a merecida atenção que aquele caralho delicioso merecia. Ele segurava na minha cabeça e pressionava levemente pra baixo, pra eu engolir o máximo possível, que era muito pouco. Punhetava com as duas mãos, brincava com seu saco. Até que levantei meu corpo e pedi pra ele lamber meus seios. Meu gozo estava vindo e queria gozar sendo mamada. Gozamos praticamente juntos e desfaleci. O Oscar segurou meu corpo em seus braços (eu parecia uma criança nos braços dele) e ficava me fazendo cafuné pedindo “e eu? tb quero...”. Sem abrir os olhos (estava realmente cansada) sentei naquele pau em riste, de costas pra ele, e comecei a rebolar, encaixando e tentando engoli-lo, pra cima e pra baixo, de um lado pro outro e requebrando. Ele adorou a visão. Sabia fazer isso muito bem pq meu noivo adorava. Me agarrou pela cintura e conduzia meu sobe e desce naquele cacete. Ele me preenchia completamente, sorte que minha buceta estava ensopada. Ele gozou logo pq eu já havia deixado ele louquinho com o trabalho que fiz com minha boca. Pedi uma manta e me enrolei nele do jeito que estava, deitei no sofá e pedi licença pra dormir. Eles apagaram a luz e me deixaram. Acordei cedo com barulho e claridade batendo na minha cara, cedo pra hora que fui dormir. Eu estava sozinha na sala. Tentei voltar a dormir mas não parava de pensar em toda essa aventura que tinha rolado, na sorte de ter conhecido QUATRO caras do bem, gatos e tesudos. Não só aguentou todos, como fiz 2 vezes! E no quanto eu gozei, 5 vezes, não pela quantidade mas pela qualidade. Não tinha experiência de sentir prazer nesse nível. Sexo pra mim já estava na rotina, na necessidade fisiológica. Fazíamos sexo silencioso, apenas com suspiros. Não digo que não gozava, mas era só nas especiais. Gozar tanto assim e em seguida, meu corpo não conhecia, e teve um efeito devastador em mim. Fiquei tesuda, safada, querendo muito mais. Eles estavam loucos pra gozar em mim, e eu tb desejava isso (adoro sentir), mas não podia deixar que eles descobrissem, senão não conseguiria segurar isso por muito tempo. Enquanto tivesse consciência não ia permitir, a não ser que passasse a confiar neles. Eles tb queriam comer meu cuzinho. Dei poucas vezes na minha vida. Meu exnamorado, aquele cachorro, era fissurado. Topava mais pra agradá-lo mas ele era muito afoito e me deixava machucada. Meu noivo pedia mas eu regulava, por causa da experiência ruim com o exnamorado. Um dia cedi com a promessa de que fosse muito delicado. Meu medo acabou atrapalhando o tesão. Muito tempo depois fizemos de novo. Ele foi tão delicado com medo de me Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 296 -


machucar que ficou chato. O pau dele perdeu a rigidez no meio e foi um desastre tão retumbante que nunca mais tentamos. Mas não podia segurar isso por muito tempo entre 4 homens tarados! Nem eu queria passar por uma aventura dessas sem tentar. Queria ser a putinha completa! Ainda mais que aquela brincadinha no chuveiro me deu coragem. O problema eram os tamanhos, e o desconforto da camisinha, que me deixava irritada. Levantei, vesti uma camisa que estava largada no canto da sala. Era do Oscar, reconheci pelo perfume gostoso. Parecia um vestido em mim. Não quis vestir minha calcinha melada, então a guardei na bolsa. Dei uma passeada de reconhecimento pelo apê. Eles dormiam nos seus quartos, o Caio e o Andrei no primeiro com duas camas de solteiro, o Oscar sozinho num quarto igual tb com duas camas, e o Dil no quarto do fundo, que era um quarto maior com uma cama de casal. Faminta, resolvi preparar uma mesa de café da manhã especial pra eles em agradecimento. Fucei na cozinha e caprichei. Nada luxuoso (até pq não tinha nada especial no apê de 4 homens), mas montei uma mesa bonitinha. O toque feminino que o lugar estava precisando. Fiz um bilhetinho bonitinho com meu número de telefone, agradecendo e dizendo que tinha adorado tudo, que seria inesquecível pra mim e tal, e tava pegando minhas roupas pra ir quando o Caio apareceu no corredor. Parecia uma assombração. Cabelo desmanchado, de cueca, olhando com cara assustada e sem responder... acho que tava dormindo em pé. Mal cheguei perto dele ele me abraçou já me apalpando toda. Ele era um moleque tarado. Depois de um longo abraço, sem dizer nada, me virou e me abraçou por trás, abraçou meus seios por debaixo da camisa e percebi que não ia soltar mais. Não pensava em transar aquela hora, mas aquelas mãos, sentindo o pau endurecendo e cutucando minha bundinha por baixo da cueca... até que não seria uma má ideia. (rsrsr) Não era do meu feitio ser uma ninfomaníaca, mas acho que gozar tanto acendeu meu corpo e me fez querer aproveitar ao máximo aquele playground de homens! Eu já enfiava a mão dentro da cueca procurando aquele cacete duro e botando pra fora. Quando ele tocou meu grelo com os dedos ele já tava ensopado. Um minuto depois estávamos fodendo de novo no sofá, eu sentada no encosto virada pra trás, e ele em pé metendo e me mamando igual um bebê. Quando gozou disse “que delícia acordar assim” e me mostrou a camisinha cheia. O Dil estava na porta da sala olhando tudo, olhava pra mesa posta na cozinha, olhava pra mim, pelada e recém comida, e disse “Vc ainda tá aí? Pensei que tivesse ido embora”. Foi um balde de água fria. Eu disse “Só vou tomar um banho e já vou”. Quando saí do banho, tava um silêncio. Percebi que o Oscar e o Andrei ainda dormiam e o Dil e o Caio deviam ter saído. Achei que podia tirar uma casquinha daqueles dois antes de ir, já que nunca mais os veria. Estava enrolada na toalha e entrei no quarto com duas camas onde o Oscar dormia sozinho. Dormia de cueca semicoberto com um lençol, de barriga pra cima. Ele tinha um corpo maravilhoso. Alisei aquele peitoral definido e ele se mexia, mas ainda ferrado no sono. Comecei a alisar aquele volume sobre a cueca. Demorou pra perceber o que estava acontecendo, sem abrir os olhos sorriu, e o pau começou a endurecer. Abocanhava aquele pedaço de carne e esfregava os dentes de leve por cima do tecido da cueca, sentindo o formato dele, cada detalhe do desenho da glande. Uma gotinha começou a melar a cueca na ponta e eu passava a língua. Puxei a cueca e Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 297 -


aquele poste subiu cambaleando diante do meu rosto. Abocanhei e mamei aquele cacete, que ficava cada vez mais duro. Como mamei! Sem dó, sugando tudo, babando, lambendo o saco, fazendo sucção na cabecinha sorvendo o caldinho dele. Fiquei muito tempo naquele boquete e ele imóvel só permitindo eu satisfazer minha tara por chupar um caralho delicioso como aquele. Segurei com as duas mãos e punhetava junto. Aí ele pirou e resolvi judiar. Qdo ele dava sinais de gozar, eu parava de punhetar e ficava só sugando a cabecinha e só voltava a punhetar quando ele se acalmava. Fiquei nesse ciclo até ele perder o controle, gemendo muito e tentando segurar minha cabeça. O gozo dele veio forte acompanhado de um gemido gutural. Que delícia fazer um macho gozar assim. O primeiro jato acertou no céu da minha boca mas eu cuspi. Fechei a boca mas fiquei com a cara ali recebendo todos aquele jatos quentinhos até acabarem. Ele gozou vários jatos espessos, era muita porra na minha cara, pescoço, escorrendo pelos seios e pelas coxas e saco dele. Que desperdício. Adoraria ter degustado aquela porra. Ele disse que ia ficar um pouco mais na cama. Quando saí com a toalha na mão encontrei o Andrei no corredor. Não sei se foi coincidência ou se ele estava nos espiando. Ele estava pelado, o safado. E eu tb! rsrsr Ele perguntou “Onde vc vai assim toda gostosa?”, Então respondi que ia tomar banho. “Me acompanha?”. Eu não precisava de banho, tinha acabado de tomar, mas precisava de rola... eu tinha feito dois gozarem mas eu não tinha gozado. Só queria arrastá-lo pro chuveiro e repetir aquela foda que foi tão gostosa. Liguei o chuveiro e quando olhei pra trás ele já estava excitado. Segurei e senti o pau duríssimo. Que delícia deixar um homem excitado assim! Tomei a iniciativa de beijá-lo na boca voluptuosamente. Eu estava afoita. Ele esfregava meu corpo inteiro com as mãos e eu sentia aquele cacete duro espetando minha barriga, minhas coxas. Pedi pra ele sentar na beirada da banheira pq eu queria montá-lo mas ele queria brincar um pouco com meu corpinho. Me ensaboou inteira e ficou me esfregando toda, explorando cada centímetro do meu corpo com as mãos. “Caralho, como você é GOSTOSA!” falou de boca cheia, agarrando meus seios por trás, esfregando os mamilos ente os dedos deliciosamente, e com o cacete latejando alojado nas minhas nádegas escorregadias. Nossa, como fiquei excitada! Adorei ouvir essa frase, e em retribuição respondi “Gostou do meu corpinho, é? Vc pode usufruí-lo do jeito que quiser. Ele é seu!” Ajoelhei, tirei o sabão do pau dele e comecei meu boquete. Queria dar o máximo de prazer possível àquele homem e satisfazê-lo de todas as formas. Mas ele não queria gozar na minha boca, quando o tesão intensificou ele me colocou de bruços apoiada na beirada da banheira com pernas afastadas, “Quero te comer, tesuda”. Eu estava tesuda mesmo. Estava louca pra ser penetrada assim por trás por aquele macho gostoso. Disse

Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 298 -


“Vem, me come meu gostoso, fode a sua tesuda”. Estava fora de mim. E ele me comeu com gosto. O pau dele entrava completamente e saía quase todo. Adorava o jeito que ele metia. Gozei e já estava quase no segundo gozo quando ele foi desacelerando os movimentos. “Não pára agora” Implorei, mas ele disse “Deixa eu comer sua bundinha?”. Eu estava ofegante de tanto tesão que sentia. No chuveiro, com o corpo ensaboado... “Débi, chegou sua hora!” pensei. Ainda mais que era com o menor pau daquela gang. Se fosse um daqueles cavalos talvez eu recusasse. Mesmo assim era um senhor cacete, maior dos que eu tinha conhecido na vida. Disse que sim na condição de que ele fosse muito cuidadoso e que lubrificasse bem. Ele começou a alisar meu anelzinho circularmente até ele relaxar e poder enfiar a ponta do dedo. Eu ia conduzindo dizendo “enfia” e “para” Até ele enfiar dois dedos inteiros e ficar brincando no meu cuzinho. Assim tava gostoso. Enquanto isso eu ensaboava aquele cacete. Ele tava latejando de tão duro, não meia bomba como meu noivo. Pincelou aquele caralho duro pelo meu rego pra cima e pra baixo. Não conseguia abrir as nádegas pra ajudá-lo pois estavam escorregadias, mas não precisou. O pau dele ia deslizando pela minha bunda lentamente, até atingir meu cuzinho, e foi cutucando e abrindo o anel já relaxado. A cabecinha entrou gostoso... adorei a sensação... mas depois parou de entrar. Ele já estava forçando impaciente e eu incomodada, forçando sem entrar, quando mandei parar. Mandei ele deitar no chão e me posicionei pra subir em cima de costas pra ele. Eu tinha que conseguir de qualquer jeito, ajoelhada ia sentar controlando, e queria lhe dar o prazer de ter uma boa visão vendo minha bunda por trás, coisa que deixava o meu ex namorado, o cachorro, maluco. Ele segurou seu pau apontando pra cima e eu sentei até a cabecinha entrar. Depois fui forçando corajosamente e aquele cacete foi sendo engolido centímetro a centímetro até o final (ou quase). Foi gostoso sim, mas o mais gostoso foi dar prazer a ele, pois gemia gostoso, falava sacanagens, segurava minha bunda, “Porra, que bunda gostosa, perfeita”, “Que delícia ver sua bunda engolindo meu cacete inteiro”, “Senta nesse caralho, sua putinha”. Comecei até rebolar e ele me mandou parar pq não queria gozar ainda. Me colocou ajoelhada me apoiando na beira da banheira de novo, e voltou a me penetrar por trás. Avisei “Qdo for a hora vc tira e goza fora”, Ele começou a argumentar pq queria gozar dentro, e eu emendei Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 299 -


“Vc goza dentro eu vou embora e vc NUNCA MAIS me vê. Se fizer do meu jeito vai poder me comer sempre”. Ele levantou meu corpo pra acessar meus seios, colou o corpo no meu e metia seu pau inteiro agora escorregando pela minha bunda adentro. Tava uma delícia e eu esfregava meu grelo pra gozar. Percebi que ele tava segurando gozo pra curtir mais minha bunda difícil. Pedi pra ele gozar. Queria que ele tirasse pq meu cuzinho inexperiente já tava ardido. Ele tirou no último segundo e senti ele gozando na minha bunda e nas costas. Também gozei deliciosamente naquela minha siririca quando senti os jatos na minha pele. Depois ficou alisando minha bunda espalhando aquela porra nela toda. Estava satisfeita e orgulhosa. Mais uma missão cumprida! Pedi pra ele deixar eu terminar meu banho sozinha “Senão eu não paro de dar e não vou terminar esse banho nunca” rsrsrsrsr Após o banho fui pra sala enrolada na toalha e estavam os quatro conversando, o Dil com meu bilhete nas mãos. Peguei minhas roupas e minha bolsa e me perguntaram aonde eu ia. Avisei que iria embora pra casa. Respondi que ia descansar e sair com uma amiga à noite, mas na verdade eu ia ficar sozinha largada até a hora de dormir. Então me convidaram pra passar o resto do dia ali. “Mas não era pra ir embora?” perguntei olhando pro Dil. Ele falou que entendi errado, não era nada disso e tal. Os outros ficaram insistindo “Vamos pra piscina, depois a gente sai”. Então topei. O Dil trouxe um bikini do seu quarto, eu nem perguntei de quem era. Não tinha ninguém na piscina do prédio, deitamos ao sol e ficamos batendo um papo agradável e bebendo cerveja, só o Oscar não desceu. O Caio e o Dil, que estavam na água brincando com uma bola me chamaram pra entrar e o Andrei subiu pro apê. Brinquei um pouco com eles de bobinho. O Caio taradinho não perdia a chance de abusar de mim, e eu deixava com naturalidade, pq já estava animada. Comecei a agarrar ele tb pra pegar a bola, mas quando eu agarrava o Dil ele saía fora. Uma hora ele me agarrou por trás pra tirar a bola de mim mas eu não deixava só pra provocá-lo com aquela encoxação. Ele ficou me encoxando por mais tempo que o necessário e percebi o pau dando sinal de vida na sunga. O Caio tb já estava animado. Eu dava um jeito de mexer no pau dele sempre que dava. Quando eu abraçava o Dil percebia que ele ficava constrangido e olhava para as janelas do prédio, mas não resistia qdo eu pegava no pau dele, e deixava. Então sempre que vinha tirar a bola de mim, dava um jeito de não me abraçar muito, mas sim de encaixar seu pau na minha bunda com as polpinhas de fora pq o bikini ficava enterrado. “Safado” eu dizia. “Não resisto, sua bunda é muito gostosa!”, E eu respondia “Não resista.”

Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 300 -


Então ele falou pra sairmos da piscina e irmos comer. No elevador eu pegava no pau deles sem resistências. Mal entramos no apê ele me puxou pelo braço pro seu quarto, baixou a sunga, mostrou o pau duríssimo e pediu pra chupá-lo. Eu não podia negar, olhava pro volume que aquela tora fazia na sunga e salivava. Ajoelhei no chão e mamei aquele cacete com ele em pé mesmo. Ordenhava o pau e chupetava a glande pra sair mais daquele caldinho delicioso em que eu tava ficando viciada. O Caio veio atrás e qdo eu vi ele já estava pelado ao meu lado com o pau apontando pra minha cara. O Dil resmungou mas não mandou ele embora. Parecia que todos eles eram parceiros na sacanagem, ou pelo menos já tinham conversado sobre isso. Sem largar o do Dil com uma mão, com a outra eu segurei no saco do Caio e abocanhei o mais que eu podia, deixando toda a extensão daquele caralho molhada, e passava a língua na cabecinha como num beijo. O Dil me fez voltar pro dele me segurando pela cabeça. Mais um minuto e o Caio reclamava. Então resolvi fazer o Caio gozar pra poder me dedicar ao Dil. É fácil fazer ele gozar rápido, masturbando aquele pau com as duas mãos sugando bem forte com a boca. Rapidamente ele avisou que ia gozar então tirei a boca e terminei numa punheta rápida e forte, fazendo os jatos espirrarem forte no meu pescoço e no meu cabelo. Então eu fui caprichar o boquete do Dil. Era meio que a compensação por ele ter me convidado pra ficar. Eu fiz uma chupeta exatamente como tinha feito na noite anterior, punhetando e chupando forte até ele dar sinais de que ia gozar, qdo então eu relaxava e ficava só chupando de leve, esfregando o cacete na minha cara, lambendo. Adoro judiar assim e deixar os caras malucos. Ele implorou e fui até o fim, fazendo ele derramar aquele sêmen espesso na minha cara toda, melando meu queixo, minhas bochechas, meu nariz, tudo. Fiquei com a cara toda lavada de porra tamanha a quantidade. Ele ficou visivelmente satisfeito. Aí tomamos banho (eu sozinha, senão não ia dar) e saímos todos pra almoçar. Fomos todos de carro pra uma hamburgueria ali perto. O Dil pegou uma bermudinha jeans do seu armário misterioso que tinha roupas de mulher e eles me emprestaram uma camisa deles. E fui sem calcinha. Ficamos um tempão no restaurante, comendo, bebendo, batendo papo e rindo. Gostei que fiquei sentada do lado do Oscar, que me tratava como a namoradinha dele. Me contaram que vieram pra São Paulo pra jogarem basquete em um clube (não importa o nome) mas apenas o Andrei e o Caio se dedicavam exclusivamente. O Dil já tinha parado e se dedicava a tocar a filial de uma loja de carros da família na capital. O Oscar ainda jogava, mas era só por hobby, pq tb trabalhava com carros. O Caio tinha 2,05 de altura, o Oscar 1,98, o Dil 1,95 e o Andrei era o mais “baixinho” com 1,89. Eles eram bem próximos. Oscar era primo do Andrei e meio parente do Dil. Caio morou na mesma rua de algum deles, e eles todos o conheciam desde que nasceu. Daí deu um cinco minuto no Caio pq ele queria voltar pra ver futebol na TV. Mal chegamos o Caio ligou a TV e se instalou no sofá ocupando quase todos os lugares. O Oscar juntou uns almofadões pra deitarmos no chão, entre o sofá e a TV. O Dil pediu licença e foi pro quarto dele assistir na TV dele e dormir. Eu deitei entre o Andrei e o Oscar. Pensei “Que saco ver futebol qdo podíamos estar aproveitando melhor o tempo!”. Eles só voltaram a me dar atenção no intervalo do jogo. O Oscar me beijava e conversava comigo mexendo nos meus cabelos, sem sacanagem só com ternura. O Andrei me abraçou por trás me encoxando e alisava meu corpo. Mas quando o segundo tempo começou voltaram a me largar. “Que saco!”. Não dá pra competir!

Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 301 -


Quando aquele jogo chato e empatado estava quase acabando, e os dois já não estavam mais tão entretidos assim, começaram a me fazer carinhos, enroscar as pernas nas minhas, e quando fui ver o Oscar já tava e beijando de língua. O Andrei alisava meu corpo, mesmo eu estando de costas pra ele. Me beneficiei desse companheirismo deles em repartir o pão... rsrsr. Passava a mão nos meus seios por debaixo da camiseta e tentava enfiar a mão na minha bermuda mas era apertada. O Oscar abriu o botão pra facilitar pro amigo tirá-la fora. Beijava as laterais do meu corpo, minhas coxas, a bunda, levantou minha perna e começou a dedilhar minha xana. Já estávamos íntimos o suficiente pra eles fazerem o que quisessem com meu corpo sem nem pedir, e eu estava adorando essa intimidade. Eu logo estava molhada e ele brincava com meu grelo saliente pela posição. Aí eu virei pra ele e ele já estava de pau pra fora. Segurei e punhetava devagar enquanto ele me beijava na boca. Agora era a vez do Oscar curtir meu corpo por trás. Encaixou a cabeça entre minha pernas e chupetava meu grelo deliciosamente. Deixava ele bem molhado e esfregava seus lábios, tentava pegá-lo com a boca e deixava escapar, me provocando espasmos. Arrumei meu corpo pra conseguir chupar o Andrei. Não era um boquete pra fazê-lo gozar. Ali EU curtia explorar cuidadosamente o formato daquele pau perfeitinho. Deixava ele todo babado e com os lábios sentia as abas da glande, descia a boca até a base, chupava as bolas, subia de volta pra cabeça, enfiava a língua na buraquinho... Tava um delícia chupar e ser chupada. Me satisfaço tranquilamente só com sexo oral. Adoro! O Oscar me pediu pra chupá-lo, então formamos um 69. Aquele pau apontado pra cima era a minha perdição. Continuei chupando igual, devagar... deixava a glande toda babada e sentia com os lábios o formato daquela cabeçona, degustando o caldinho delicioso. Ele me chupava vorazmente e alisava gentilmente minhas coxas e a bunda (depois me confessou que as adorava). O Andrei se posicionou atrás de mim e enfiou a cara entre minhas nádegas. Deu algumas lambidas no rego e já enfiou logo a língua no meu cuzinho. Isso realmente me deixa louca! Até perdia a concentração em chupar o Oscar. Fechei os olhos e fiquei só curtindo aquelas duas bocas em mim. O Oscar mamando meu grelo deliciosamente e o Andrei enfiando a língua no meu cu. Ele enfiava o máximo que conseguia depois tirava num ritmo lento me fazendo ir ao céu. Por mim ficaria ali até o dia seguinte. Ficamos muito tempo assim, a meu pedido. O Caio percebeu que não tinha sobrado espaço pra ele, ficou assistindo um pouco, mas depois saiu, respeitando aquele momento delicioso entre a gente. O Andrei parou de me lamber e senti ele pincelando seu pau no meu cuzinho, como que pedindo autorização. Ele chegou a enfiar, e como eu não protestei ele se sentiu autorizado. Eu não era nem louca de regular nada naquela hora, tendo o grelo habilmente mamado. Então ele rapidamente saiu e voltou com um gel lubrificante, e começou a passar aquilo em mim. Fez uma penetração delicada e aguentei tudo bonitinha. Aliás adorei, tanto o gel quanto a sensação de ser penetrada sem dor. O Oscar saiu debaixo de mim e assistiu o amigo acelerar os movimentos pra gozar. Sem eu dizer nada ele tirou na hora e gozou nas minhas costas de novo. Eles estavam ficando domesticados! rsrsr Ele limpou aquela porra toda com a própria camiseta. O Oscar disse “Também quero. É minha vez!”, Mas eu protestei “Tá louco? Olha o seu tamanho. Fora que não vou aguentar dois na sequência”. Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 302 -


Mas ele insistiu, fez chantagem emocional e prometeu ir devagar e pararmos se eu quisesse. Fiz uma força pra não recusar e deixei, mas com a condição de que eu fosse por cima pra conduzir. Ele me encheu de lubrificante e passou no pau tb. Deitou no tapete, coloquei meus joelhos por fora das pernas dele com a bunda virada pra ele, e vim sentando devagar. Ele pincelava aquela cabeçona no meu anelzinho, enfiava um pouquinho e tirava, e estava uma delícia, acho que pq eu já estava um pouco laceada da foda anterior. Vim sentando cada vez mais até hora que parei “Só até aqui”, E ele reclamou “Não foi nem um terço”. “Azar o seu!”. Mas brincamos gostoso assim, pelo menos pra mim, e ele tb deve ter curtido, pq não parou de apertar minha bunda, dizer que adorava ela e dar uns tapinhas. Aí ele ficou selvagem, me tirou de cima, e se posicionou pra terminar de me foder de 4. Nessa posição eu não mais controlava, então supliquei pra ele não me machucar. Pedi tb pra ele colocar a camisinha, pq eu não tinha autoridade sobre ele como tinha com o Andrei. Ele vestiu o preservativo, me lambuzou mais com o gel e montou em mim. Foi gentil algumas bombadinhas apenas, pq quando se empolgou ele enfiou com vontade que vi estrelas. Senti o pau dele deslizando pelo meu reto adentro, uma boa porção a mais. Eu gritei e choraminguei pra ele tirar e ele me fez colocar a mão pra comprovar que não tinha ido tudo ainda. Realmente ainda faltava cerca de um terço. Mas ele se contentou em não passar dali e eu fui relaxando e aguentando firme e forte. Queria me superar e um cacete daquele tamanho era a prova final! E, passado o susto, eu estava até gostando. Eu estava agora me esforçando pra superar um antigo medo de sexo anal, só por estar no meio daquela sacanagem com vários machos me fodendo luxuriosamente. Eu estava virando uma devassa! Comecei a gemer por causa do ritmo acelerado, sentindo aquele caralho mostruoso tentar se aprofundar cada vez mais no meu reto. Percebi que ele tinha desrespeitado o limite quando sentia as bolas batendo, sinalizando que tinha entrado tudo, mas eu tava gostando. Sentia aquela cabeçona rombuda deslizar dentro de mim. O Oscar arfava segurando minha cintura, dava tapas na minha bunda e dizia “Vou gozar na sua bunda, sua vadia”, E se veio num gozo durante um urro longo e profundo, me deixando orgulhosa por estar fazendo-o gozar tão gostoso no sexo anal, que era meu tabu. Deixou a cabeça sobre minhas costas pra descansar e perguntou com eu estava, se tinha aguentado bem. Eu sorri “Foi difícil mas to viva”. Então ele tirou aquilo tudo de dentro de mim e tive a sensação de que eu estava vazia por dentro. Quando levantou me disse Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 303 -


“Agora sim você é uma puta de verdade!”. Botei a roupa logo senão eles não iam mais parar de me comer. Ainda bem que o Caio não viu aquilo senão ele ia querer aproveitar meu cuzinho tb. Anunciei que precisava ir embora e eles falaram pra eu pedir pro Dil me levar até meu carro. Me limpei e fui até o quarto dele chamá-lo. Ele estava cochilando com a TV ligada, descoberto, só de cueca. Quando entrei ele despertou então perguntei se aquela proposta de me dar carona estava em pé. Ele disse “Deita aqui comigo que eu vou te mostrar o que vai ficar de pé”. Safado! Eu estava exausta. No meio daquele sexo anal todo eu não tinha gozado, e precisava de pau dentro de mim, então parto pra saideira. Alí percebi que virei uma puta! Tirei a bermuda e deitei meu corpo por sobre o dele. Ele me beijava na boca e alisava minha bunda, minhas coxas com sofreguidão. Estava tarado com meu corpo ali a seu dispor. Senti o volume do seu pau se formando abaixo da minha xana. Tirei sua cueca e voltei a deitar por cima, posicionando minha xota em cima do seu pau e o sentia ao longo dos lábios. Ela logo se molhou toda e eu esfregava circularmente em cima dele. Escorregava pra cima e pra baixo por toda a extensão daquele cacete. Era deslumbrada pela grossura. Segurava minha cintura tentando controlar meus movimentos e dizia “Assim vc vai me matar de tesão”. Fiquei judiando assim por bastante tempo. Qdo eu mesma não aguentava mais e minha xota já tava querendo o cacete dentro, levantei o pau pra encaixar nela e senti na mão que ele tava vertendo líquido. Não aguentei e fui beber aquele caldo antes de enfiar nela. Suguei, suguei e suguei. Depois levantei aquela tora e sentei em cima. Desci engolindo e degustando cada centímetro. Ele entrava largo arregaçando a buceta toda. Em 3 ou 4 puladinhas que dei em cima ele se acomodou inteiro dentro de mim me preenchendo por completo, e fiquei apertando o cacete com os músculos da vagina. Senti as ondas de um orgasmo repentino dominar meu corpo em espasmos, e tive que apoiar no peito dele pra não cair. Gemia e estremecia toda enquanto ele falava “Isso, goza gostoso, putinha, goza espetada no meu caralho”. Continuei cavalgando nele caprichadamente, subindo até a ponta e sentando com vontade até engoli-lo todo, enquanto ele mamava meus seios deliciosamente, brincando com a língua suavemente ao redor dos mamilos. Adoro ser acariciadas nos mamilos, mas gentilmente. Aí ele me deitou na cama e veio por cima no papai-e-mamãe. Pedi pra colocar a camisinha, fez uma careta mas vestiu. Me possuiu gostoso. Adoro o macho pesando o corpo sobre o meu. Fico imobilizada, vulnerável, indefesa, só me resta sentir o cacete martelando. Abracei seu corpo com as pernas e gozei de novo, e ele gozou em seguida, enquanto eu ainda gemia. Me despedi de todos eles com beijos e abraços, dizendo que eu tinha adorado e que seria inesquecível pra mim. “Não pensem mal de mim”, “Foi só uma aventura”, Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 304 -


“Eu nunca tinha feito isso”, E tal e tal, tentando justificar meu comportamento ninfomaníaco. Eles disseram que adoraram tb e queriam que eu prometesse voltar no outro final de semana. Eu disse que não, mas eles não aceitaram, e depois de muita insistência, disse que a gente conversaria depois e quem sabe... Estavam meio frustrados por eu não arredar pé em deixar eles gozarem em mim. “É só tomar pílula!”. Eu expliquei que me preocupava com doenças. Então dei a dica pra eles doarem sangue em um certo hospital que eu sabia que faziam vários exames, inclusive os que me interessavam, que eram os teste de HIV e de algumas doenças sexualmente transmissíveis, “Assim eu deixaria”, e eles aplaudiram. O Dil me levou no seu carro até o estacionamento onde deixei o meu perto da balada. Conversou com o cara do estacionamento e pagou a despesa dizendo que racharia com os outros depois, achei o máximo da cordialidade... ou estava me tratando como a puta deles! Mas juro que eu não estava nem aí com isso. No caminho ele disse que eu era deliciosa e tal, então aproveitei a deixa e comentei que estranhei alguns comportamentos dele, como me convidar a ir embora pela manhã e de ficar constrangido comigo na piscina. Ele me contou que era noivo. A noiva dele morava em Americana e só vinha em feriados ou em alguns finais de semana, mas ele tinha medo de alguém aparecer lá e a minha presença poder complicar as coisas, pq ela era muito ciumenta. Tb tinha medo que os vizinhos e porteiros vissem o comportamento liberal nosso na piscina e ficar ruim pra ele. Ele ficou com vergonha de contar achando que eu pudesse ter uma reação negativa. Em resumo, minha presença ali não era boa pra ele, mas resolveu relevar, em nome do divertimento de todos! ? Eu disse que, muito pelo contrário, entendia e que se ele tivesse contado desde o começo eu teria me comportado diferente. Isso explicava as roupas de mulher que ele tinha no guarda-roupa, pois ela tinha umas mudinhas de roupas pra quando ia lá. Contou que o Andrei tinha uma namoradinha tb, que mais uma ficante de vez em quando, e que os outros eram solteiros. Quando eu ia sair do carro ele insistiu pra eu voltar pro apê mais vezes, mas ligar antes pra não complicar pra ele. Insistiu também pra eu o deixar gozar em mim. – Agora que vc já sabe que eu não sou promíscuo... o que vc quer que eu faça pra vc confiar em mim? – Faça os exames que pedi! Vá procurar um laboratório logo amanhã que da próxima vez que eu voltar vc já vai ter os resultados. Aí está liberado. Ah, e avise os meninos tb. Vc é responsável por eles. Assim vou fico segura e não coloco mais restrições. Cheguei em casa, tomei banho, comi alguma coisa e fui logo dormir cedo, pra compensar a noite mal dormida e o cansaço físico. Sexo cansa! Com quatro então... foi uma maratona sexual! Deitei a cabeça no travesseiro a pensar no que aconteceu nas últimas 24 horas. Não caía a ficha da aventura toda. Eu queria repassar tudo na minha cabeça. Resolvi escrever pra não perder nenhum detalhe. Gozei umas 9 vezes (pelo que me lembrava) e tinha feito eles gozarem muito tb, entre vaginal, anal, Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 305 -


oral e masturbação. Uma profissional! Fora a iniciação para fora do mundo do sexo convencional, onde eu vivia presa. Eu tinha de cara partido pra um gang bang com 4 caras deliciosos (teria ficado satisfeita com apenas um, imagine 4), tinha conseguido fazer anal de forma prazerosa, tinha gozado mais de uma vez em uma transa (consegui isso umas pouquíssimas vezes na vida), aliás nunca gozei tantas vezes em um período tão curto. Fiz mais sexo neste fim de semana do que faria em 2 meses de namoro. Eu tinha virado uma puta de verdade e tinha medo de viciar.

O Vício Na semana seguinte da minha aventura minha cabeça não pensava em outra coisa. No trabalho me peguei frequentemente aérea pensando nas cenas de sexo. Fechava os olhos na cama e tudo aquilo vinha à minha mente, pensando naqueles paus todos e nas sensações memorizadas dos orgasmos que tive. Na segunda e na terça ainda estava ardida. Ainda sentia os caralhos dentro de mim. Minha bunda, parecia que eu tinha sentado horas em um copo, sei lá. Mas na quarta e na quinta eu sentia saudades! Queria ser preenchida daquela forma de novo. Fiquei contente quando o Andrei me ligou na quinta me convidando pra ir lá no fds de novo. Achei que nunca mais repetiria aquilo, mas com alguma insistência dele, e minha saudade, disse que talvez fosse. Minha consciência dizia não, mas deixei em aberto pro meu corpo decidir. Ele disse que eles haviam apostado: Oscar e Dil que eu não voltaria, mas ele e o Caio estavam confiantes. Na sexta de manhã, minha mãe me ligou pedindo que fosse viajar junto com eles no fds para visitar um parente doente. Eu precisava mesmo ir e usei isso como uma “força maior” pra não repetir a putaria. Achei melhor assim. Liguei de volta pro Andrei contando da viagem e ele ficou decepcionado, se despedindo meio que dando um adeus, achando que eu realmente nunca mais voltaria. Na sexta à noite, dirigindo pro interior, minha mãe me dizia que eu estava calada e distante “Tá apaixonada, é?”. E estava mesmo distante! Não parava de pensar naqueles machos me fodendo, 2, 3, 4 ao mesmo tempo. Já era meu corpo decidindo. O fim de semana foi longo e a semana seguinte tb. Vivi minha rotina de trabalho e academia calada, pensando em sexo. Lembro que um cara do trabalho, bem gato por sinal, se sentou sobre minha mesa e ficou jogando uma conversa fiada, deliberadamente dando em cima de mim, e eu nem ouvi pq não parava de pensar naquela suruba. Saiu pedindo desculpas por atrapalhar minha concentração. Acho que nem olhei na cara dele! Rsrsr Numa manhã, no início da semana o Caio me liga. Conversamos e combinamos de fazer uma surpresa na sexta. O plano era eu ir pro apê no final da tarde (quando ele já estaria lá) e os outros chegariam entre 18 e 20h e me encontrariam lá sem saber de nada. Me deu uma excelente notícia: eles todos tinham os exames que pedi. Fiquei animadíssima! E achei que merecia mais uma vez, agora sem restrições de camisinha. Já estava imaginando o Caio matando meu desespero e depois eu ficando à mercê dos outros conforme iriam chegando. Eu já tava pensando como uma puta. Fantasiei com eles entrando no apê, um a um, e eu partindo pro ataque, baixando as calças e chupando o cacete sem mesmo dar tempo de me cumprimentarem. À tarde veio a menstruação. Que raiva! Tinha que desmarcar e adiar mais uma semana. Meu corpo não aguentaria! Fiquei esperando até a sexta na esperança de que já tivesse me livrado desse problema, me enganando, na verdade, pq eu sabia que era impossível. Na sexta na hora do almoço, eu liguei Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 306 -


pra ele e contei sobre a menstruação. “Venha mesmo assim!”. Ri na cara dele. Criança ainda, não sabe nada da vida. Mas o taradinho ficou insistindo. “Se não quiser não venha, mas não por causa disso. Tenho certeza que todo mundo vai curtir, apesar de estar limitada”. Eu disse um sonoro não! Ele ficou bastante decepcionado e se despediu “Ok, vc quem sabe, não insisto mais”. Lamentei meu azar pq tive certeza que havia fechado a porta definitivamente. À tarde meu corpo queimava. Não parava de pensar em sexo, eu recepcionando cada um deles nua e desesperada, “Venha foder a sua putinha”, neles todos me comendo, alucinada pelos cacetes, mamando até eles gozarem na minha boca pra engolir tudo. Quase fui pro banheiro do escritório me masturbar pra tentar aplacar o fogo. Eram 16h quando liguei pro Caio: “Foda-se, eu vou assim mesmo!”. Ele disse que já havia chegado do treino e já estava no apê, e gritava de alegria “Venha agora!”. Inventei uma desculpa pra sair antes do horário, arrumei as coisas e em poucos minutos tava pegando o carro pra ir direto pro apê. Cheguei às 17h. O Caio me recebeu sorrindo, mas estranhou meu visual. Eu estava de terninho e cabelo preso, bem diferente do visual balada em que ele me conheceu. Larguei minhas coisas no canto contando sobre a correria, falante, enquanto ele tentava me parar pra me abraçar. Quando calei, ele me abraçou e me olhou com cara de tarado. Ele tava tão cheiroso, pele fresca, banho tomado. Tava muito claro pq o final do sol batia na sala. Romântico. Me beijou com vontade, dizia no meu ouvido “Quero te comer agora!”. Eu respondi “Mas to menstruada, bebê”, Mas ele insistiu “Não tem problema, depois a gente limpa”. Eu tava em transe com aquele gigante me abraçando e querendo me comer de qq jeito. Parti para o planejado: me ajoelhei na frente dele, baixei a bermuda e a cueca até o joelho em um só puxão. O Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 307 -


pau estava meia bomba. Fiquei massageando as bolas e punhetando de leve, e ele logo estava duríssimo, esticado, brilhando. O tempo parou pra eu observar aquele pau, que virou o mais lindo mundo naquele momento, tamanho meu tesão, e queria só ficar olhando pra ele fascinada. Quando eu apertei saiu uma gotinha e não aguentei, caí de boca com voracidade. Ele gemia gostoso a cada investida da minha boca que tentava abocanhar o máximo possível aquele pau comprido. Me empolguei e já estava punhetando violentamente. De repente parei, sob protesto. Ele gozava muito rápido, e eu queria aquele pau dentro de mim. Puxei ele pelo braço até o banheiro, deixei ele na porta e pedi que esperasse eu chamar. Tirei a roupa e ainda bem que tava com uma lingerie decente. Tirei o absorvente, entrei no chuveiro pra me limpar direitinho e o chamei. Ele entrou pelado, com o pau em riste. Nos abraçamos debaixo da água, nos ensaboamos e ficamos explorando o corpo do outro com as mãos escorregadias. Ficava alisando meus seios e minha bunda deliciosamente. Deu um jeito de encaixar o pau entre minha coxas, esmagando meu grelo que já sentia escorregadio. Ficou fazendo um vai-e-vem roçando meu grelo de perder os sentidos. Mais 1 minuto eu gozava. Estava necessitada! Sentou no chão da banheira e eu sentei de frente pra ele com as coxas sobre as dele, ficando com minha xota próxima ao seu pau continuando os beijos e passadas de mão. Então ele segurou o pau e ficou pincelando a cabeça entre meus lábios. Eu precisava ser fodida naquele momento. Me apoiei no seu corpo e levantei minha bunda do chão pra encaixar minha xana no cacete. Engoli apenas metade, não dava mais por causa da posição, e começamos a mexer ritmados. Fui às nuvens com aquele meio pau, que já me preenchia quase toda, deslizando pra dentro e pra fora. Peguei fogo e pulei pra cima dele cavalgando com vontade, e agora engolindo o caralho inteiro! Eu gemia descontroladamente e tudo escureceu... quando senti os jatos de porra quentinha batendo no fundo do meu útero eu gozei um orgasmo indescritível, gritando escandalosamente até desfalecer. Foi a primeira vez que gozei com ele, pq ele era muito afoito, mas essa compensou. Meu orgasmo foi delicioso, talvez pela minha carência, talvez por sentir o esperma dentro de mim depois de tanto tempo. Coloquei um tampax (era o suficiente pra manter tudo limpinho já que a menstruação estava no fim), vesti a lingerie e fui pra sala ficar com o Caio. A gente ficou namorando no sofá e ele não parava de me apalpar. Ele tinha muito tesão em mim. Todos gostavam de mim (acho), mas o Caio idolatrava meu corpo. Olhava vidrado meu corpo, meus seios, com cara de babão, acho que pq era o mais novo e não devia ter tido muitas experiências. O Andrei tb era fissurado, tentava disfarçar qdo me secava inteira. O Dil vivia elogiando minha bunda, meu grelo, minhas pernas. O Oscar, que era o que era o cara dos meus sonhos não me dava muita bola, era mais pelo sexo, mas já tinha confessado que adorava meu “conjunto”, como ele dizia, cinturinha, bunda e coxas. Quando ouvimos o barulho na porta corri pra ficar em frente qdo ele a abrisse. Dil ficou realmente surpreso ao me ver e fechou a porta rápido por causa dos meus trajes. Ficou contente, me olhava de cima a baixo e veio me beijar no rosto. Eu parti para o meu planejado, ajoelhei na frente dele e disse “Esse é o comitê de boas vindas” Já abrindo sua calça. “Ô, delícia” Ele comentou ficando um pouco constrangido. Mas nem liguei, já alisando o pau e o saco por cima da cueca olhando pra ele com cara de pidona. Baixei a cueca e comecei beijando o pau que já ia inchando rapidamente. Em pouco tempo eu já estava chupando gostoso. Ele quis largar as coisas Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 308 -


que ainda tava segurando nas mãos mas não deixei ele se mexer. Massageava o saco com as mãos e mamava aquele bruto, apontava ele pra cima e ficava admirando. Eu queria ir até o fim ali naquela posição mas ele me tirou e me levou para o sofá, se sentou confortavelmente, abaixou a calça até o joelho e mandou eu continuar. Me posicionei de 4 em frente aquele poste apontando pro céu e continuei o serviço. O Caio se posicionou atrás de mim alisando minha bunda e minha xana, que já estava se ensopando. Baixou minha calcinha e ficou brincando com o dedo ao redor dos lábios e do grelo. Só podia brincar por fora pq eu estava com o tampax. Beijou minha bunda inteira e passava a língua na fenda. Tinha que tomar cuidado pro Dil não gozar logo pq eu queria aproveitar o máximo daquele boquete. Foi difícil controlar minha excitação qdo o Caio começou a enfiar a língua no meu cuzinho com vontade deixando meu rego todo babado de saliva. Percebi que ele se posicionava pra me comer e senti o pau duro buscando meu buraquinho. Já estava preparada psicologicamente pra dar meu cu pra eles sem restrições, pq eu já tinha aguentado o Oscar e me considerava “experiente”. Ele buscou o gel e passou ao redor do meu anelzinho me fazendo suspirar com a sensação. Foi colocando milímetro por milímetro gentilmente. Parei de chupar o Dil e ia conduzindo: “pára”, “agora continua”, pra ir me acostumando. Aquele pau, apesar de comprido, não era grosso e a cabeça era pequena, e foi avançando tranquilamente, se aprofundando cada vez mais. Começou a bombar e eu voltei a chupar o Dil, que já reclamava pela minha boca. Agora eu recebia aquele cacete inteiro dentro de mim e mamava a tora, sem punhetar, pra ele não gozar logo, enquanto já masturbava meu clitóris sedento. O Dil disse que tb queria me comer atrás. Não ia aguentar aquela tora ainda mais depois de ter o cuzinho castigado pelo Caio. Foi uma luta fazer ele desistir da ideia. Tive que prometer uma “especial” outra hora. Quando percebi que não ia conseguir convencê-lo acelerei a chupada e ele gozou na minha cara. Tentei beber tudo mas só consegui pegar um pouco. Ele saiu da sala meio decepcionado. Subi no sofá, olhei pro Caio e disse, toda oferecida, “vem continuar”, arrebitando a bundinha pra trás. Agarrou minha cintura de jeito e meteu seu pau de uma vez até o fundo do meu reto. Que delícia. Pensava que estava aprendendo a gostar disso quando ele despejou deliciosamente bem no fundo. Me abraçou por trás e senti sua pele suando em bicas! Tomei banho e voltei pra sala com eles. O Dil já tinha tirado o bico. Ficamos conversando na cozinha, bebendo cerveja e petiscando uns queijos e salgadinhos. Dil foi direto: – Resolveu deixar gozar dentro? – Só queria que vocês tivessem os exames que pedi. Fico mais segura assim. Aliás, cadê os exames? Quero ver! – Por quê? Não confia na gente? – Confio até demais! Transei com vocês e deixei gozarem em mim só com a palavra de que fizeram os testes. Me mostraram os tais exames de todos, todos negativos. Sorri, e dei um beijo em cada um. Já era quase 20h quando o Dil disse que tinha um compromisso e foi se arrumar. Estava junto com o Caio no sofá qdo a porta abriu. Me levantei correndo mas não deu tempo de chegar à porta. Quando Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 309 -


o Andrei entrou eu dei um berro de longe “Fique aí onde está!”. Ele se surpreendeu com minha presença, ainda mais vestida daquele jeito. Fechou a porta e ficou olhando rindo da minha atitude, perplexo. – Estou fazendo um comitê de boas vindas. – E o quê eu faço? – Nada. Fique aí parado e não se mexa. Senão não funciona. Ajoelhei na frente dele e abri e as calças, como com o Dil. Ele ficou parado olhando, com a mochila nas costas. Ele vinha de um happy hour com os amigos depois do treino. Alisei o pau que endureceu muito rápido. Tarado! Puxei a cueca e o pau deu uma chibatada no meu rosto. Caí de boca. Ele olhava pro Caio e ria “Isso, sua ninfo, mama gostoso meu cacete”. Chupei como se fosse o primeiro do dia. Massageava as bolas com uma mão e punhetava com a outra, enquanto minha boca engolia o cacete cabeçudo quase todo fazendo sucções, sentindo o formato dele com a língua e sorvendo os líquidos, enquanto ele alisava meus cabelos carinhosamente. Quando estava prestes a gozar ele avisou “Vou gozar” E tentou me afastar, talvez pra gozar no meu rosto, como tava acostumado. Eu o segurei pela bunda e sugava forte percorrendo quase toda a extensão dele dando sinais que eu não iria largar. Os jatos bateram direto na minha garganta. Segurei tudo na boca pra engolir tudo de uma vez. Adoro! Degustei antes de engolir em uma só golada. Me realizei pq fazia muito tempo que eu não bebia o leitinho assim direto da fonte. Deixei o pau limpinho e fiquei chupetando naquela cabeça maravilhosa até o pau amolecer, o que demorou muito tempo. Aí expliquei que estava menstruada e que minhas brincadeiras estavam limitadas. Dil se despediu e foi para uma festa. Que pena, eu teria um pau a menos. Continuamos bebendo e petiscando na sala até o Caio ir pra cama pois teria que sair muito cedo pra jogar no sábado de manhã. O Andrei colocou um filme, me abraçou por trás me apalpando inteira, e ficamos assistindo lutando contra o sono. Senti mexendo no meu cabelo e abri os olhos, era o Oscar chegando, era mais de meia noite. Ele sorria comigo ali vestida só de lingerie. Falava meio mole e cheirava a álcool. Disse “Resolveu aparecer. que bom!” E foi meio cambaleando pro quarto dele. Acho que ele pensou que eu estivesse com o Andrei e não quis atrapalhar. Fiquei frustrada por não fazer o comitê de recepção naquele pau, que era o melhor. Alguns minutos depois levantei e fui pro quarto dele. Ele se trocava e estava só de cueca vestindo desajeitadamente uma camiseta velha. Tive a chance de olhar praquele corpo escultural por alguns segundos. Via o formato direitinho do pau que ficava de lado na cueca apertada. Parecia uma cobra Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 310 -


mesmo relaxado. Ajudei ele a vestir a camiseta e passei a mão no pau mole por cima da cueca. Ele olhou, sorriu dizendo “Safada” E foi pra sala comigo o seguindo como uma cachorrinha. Se deitou no sofá me ignorando. Voltei pro meu lugar ao lado do Andrei. Ele olhou pra TV mas seus olhos não ficaram abertos nem um minuto. Cobri seu corpo com um lençol. Perguntei pro Andrei onde podia dormir e ele me puxou pro quarto dele. O Caio dormia ali com a porta fechada pq precisava descansar e acordar cedo. Ele me levou pro quarto do Oscar e juntou as duas camas pra dormirmos juntos. Dormimos em conchinha. Dormi como um bebê. De madrugada senti suas mãos percorrendo meu corpo todo e qdo entendi o que tava acontecendo senti seu pau cutucando minha bundinha. Virou meu corpo um pouco pra ele, baixou meu soutien e caiu de boca nos meus seios enquanto enfiava a mão dentro da calcinha pra dedilhar meu grelo. Abaixou a calcinha até as coxas e masturbou forte até eu gozar estremecendo inteira. Depois disso eu queria voltar a dormir mas sentindo aquele pau duro pressionando minha bundinha me deu tesão e resolvi retribuir punhetando o caralho apontado pra cima pra ele gozar tb. Chupei um pouco, mas continuei só com a mão punhetando rápido. Qdo ia gozar ele segurou seu pau, virou meu corpo, abriu minha bunda com a mão e encaixou o pau no meu reguinho ainda punhetando. Senti a cabeça pressionado meu cuzinho. Acho que ele quis enfiar pra gozar dentro, mas não deu tempo pq tava seco. Senti um jato quente, forte, direto no olhinho. Gozou muito e lambuzou minha bunda inteira, deixando o rego todo melado. Que desperdício de esperma, mas foi gostoso sentir aquela porra quente fazendo minhas nádegas escorregarem qdo me mexia. Fechei os olhos e voltamos a dormir. Só cochilei pq aquela porra começou a molhar o lençol me incomodando. Levantei e fui tomar banho. Saí com toalha enrolada no corpo e no cabelo (e um tampax, pq ainda tinha um finzinho) e voltei pro Andrei pq já estava com tesão. Até tinha gozado naquela brincadeira mas preciso gozar com um pau dentro pra ficar satisfeita. Deitei na cama mas ele dormia profundamente e nem se mexeu. O Caio tinha saído e o quarto do Dil estava com a porta fechada. Devia ter voltado tarde pq nem escutei. Fui pra sala procurar o Oscar! Calcei minha sandália e circulei um pouco mexendo aqui e e ali pra acordá-lo mesmo. Ele acordou assustado com os olhos grudando, típico de ressaca. Quando ele me enxergou eu dei um copo de água pra ele. Ficou olhando pra mim e sorrindo. O Oscar era o que menos me dava bola, mas ele me dava esse sorriso lindo, contagiante, simpático e sincero, muito fofo. Depois que ele tomou eu sentei ao seu lado no sofá e segurei na barraca armada. Ele riu e agiu como se não tivesse percebido. Conversamos um pouco enquanto eu brincava ali. Ele perguntou: – E aí, se divertiu ontem? – Sim, mas eu estou menstruada, então já viu... brincamos mas... limitadamente. E vc? Aí me contou da bebedeira com os amigos do basquete, enquanto eu provocava seu pau com a ponta dos dedos. Tirou o lençol e baixou a cueca e aquele pau subiu em riste. “Vem”,

Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 311 -


Me olhando profundamente com a maior cara de tesão do mundo. Tirei a toalha da cabeça pra não atrapalhar meu serviço. Gosto de segurar esse caralho em baixo, com a mão bem perto da base, pra ver ele inteiro e apreciar seu tamanho. Coloquei meu rosto bem pertinho e ficava olhando praquela maravilha, brilhando de tão duro, sentindo o cheiro e salivando. Nossa, que mamada gostosa eu dei. Lembro que ele ficava gemendo baixinho, parecia que ia gozar a qualquer momento. Esticou a mão, pegou a toalha entre meus seios e desmanchou o nó pra ela cair. Ficou brincando com eles e alisando meu corpo até onde ele alcançava. Ajoelhei no chão pra poder chupar e engolir melhor. Deitei o pau na barriga. Aquele cabo passava do umbigo. Dei um trato de língua caprichado no saco. Lambia e chupava aquelas bolas pesadas deixando elas babadas de tanta saliva. Quando levantei o pau ficou um fiozinho de mel entre a barriga e a glande. Passei a língua na barriga pra pegar o melzinho derramado e vim chupando o fio inteiro até chegar na glande, onde continuei meu boquete guloso. Deixei ele gozar na minha boca. Deixei não... pedi! “Goza que eu quero beber tudo”. “Engole meu caralho, sua vadia” E me segurou pela nuca, fechou os olhos e jogou a cabeça pra trás. Eu abocanhei o máximo que podia e senti os jatos quentes na garganta. Ele gozou gemendo muito gostoso. Era tanta porra que me perdi. Queria engolir tudo mas ao mesmo tempo queria beber devagar pra saborear, mas me atrapalhei com a quantidade que não parava de vir daquelas bolas gigantes. Quando minha boca encheu eu parei de beber e deixei o resto espirrar no meu rosto e no queixo, escorrendo pelo pescoço e seios. O que ficou na boca eu engoli bem devagar, sorvendo e degustando enquanto passava lentamente pela minha garganta. Adorei seu gosto. Terminei chupando pra deixar ele limpinho e recolhendo porra dos meus dedos, mas ainda tinha no meu corpo. “O resto só com banho!” E me levantei peladinha olhando pra ele, rindo e mostrando como tava lambuzada. Ele me olhava de baixo pra cima, admirando meu corpo e dizendo “Delícia”. Como é bom sentir aquele olhar me percorrendo inteira. Estiquei a mão convidei: “Me acompanha?” Quando entramos no banheiro percebi que ele trancou a porta. Não existiam portas trancadas ali, principalmente quando eu estava, nem no banho, que fazíamos de porta aberta. Acho que queria me curtir com exclusividade. Tirei o absorvente enquanto ele ligava o chuveiro. Comecei ensaboando aquele corpo sarado pelos peitorais. Explorei cuidadosamente cada músculo, cada cantinho daquele corpo com as mãos e o sabonete. O pau dele já tava quase duro de novo, dando pinotes pra subir. Eu segurava aquele troço que mais parecia uma cobra. Pesado... pulsando... Ele pegou o sabonete pra me ensaboar. As mãos grande e fortes passando pelo meu corpinho inteiro faziam me sentir pequena. Senti minha xota melando. E não era só eu que tava excitada. Quando fui ver o pau dele de repente tava apontado pra cima, duro, muito duro, imóvel, brilhando, a cabeçona parecia que ia explodir. Eu segurava naquilo e esfregava a palma das mãos por ele todo desde o saco. Virei ele de costas pra mim, abracei seu corpo, encoxando ele e esfregando os seios nas costas (quase na lombar pq ele era muito alto pra mim) e esfregava o pau e o saco com as duas mãos. Ele só suspirava. Aí Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 312 -


virei ele de novo ainda abraçados, os corpos escorregavam, o pau chegava entre meus seios quase, e fiquei brincando na sua bundinha dura, esfregando as mãos pelo rego pra cima e pra baixo, pelas coxas. Aí ele me virou e pediu pra eu subir no degrau, assim ele conseguia encaixar o pau na minha bunda. Senti o pau latejando de tão duro entre minha nádegas me dando uma sensação deliciosa. Minha xana tava lambrecada quando ele começou a brincar com ela com as mãos. Eu estava dominada por aquele gigante e sabia que era questão de segundos até aquela vara imensa entrar. Minha xana sabia disso pq não parava de babar. Não sei se a xana sabe diferenciar o tamanho dos paus, mas eu fico MUITO mais molhada com eles do que com meu noivo. Mesmo entre eles, ela baba ainda mais o Oscar e o Dil. Só aprendi isso entre eles. O pau entrou entre minha xana e minha coxas, deslizando entre os lábios e o grelo, me dando uma sensação deliciosa. O pau dele deu um pinote de tesão e já foi abrindo caminho pra entrar dentro de mim. A cabeça pressionou a entradinha e de repente deu um “pop” e encaixou. Fiquei surpresa quando minha buceta agasalhou aquela rola. Apesar de muito molhada ele teve que dar um tempinho pra me acostumar. “Como uma putinha como vc é assim apertadinha?” Me segurou pelos 2 braços e meteu um belo pedaço daquela cobra arrancando outro suspiro. Deu mais uma empurrada e senti entrando profundamente já além de onde eu estava acostumada. Revirei os olhos nesse golpe. Botei a mão por trás mas ainda sobrava pau pra fora. “Tá bom até aqui, mete agora” E mal ele começou a bombar eu já estava gozando. Pudera, aquela cabeçona enterrada profundamente na minha vagina, eu ainda não estava devidamente acostumada (rsrsr). Aí ele tirou e eu quase o xinguei. Ele queria comer minha bunda e rolou uma pequena discussão pq eu queria muito gozar com aquele caralho agasalhado na minha buceta. Mas ele lembrou que nossa foda anal foi de camisinha e ele queria a revanche. Ensaboou seu pau e minha bunda, fazendo toda a preparação do meu cuzinho com os dedos. Esfregava a cabeçona pelo meu rego até ela ser sugada pra dentro dele. Desconfortável no começo, mas logo me acostumei e até dava ré no pau. Ele segurava minha bunda abrindo as nádegas e eu o engolia cada vez mais, devagar e sempre. De vez em quando, quando travava, ele dava uma tiradinha e voltava a enfiar. Tava gostoso. Ele metia devagar deslizando o cacete inteiro. Senti os pentelhos na bunda, ele estava metendo o cacete todo no meu cuzinho e eu tava orgulhosa com isso. Ele já tava acelerando os movimentos, acho que pra gozar, quando pedi pra mudar de posição. Fiquei de 4 no chão da banheira e pedi pra ele me comer igual uma cadelinha, balançando a bundinha pra ele. Ele ajoelhou e encaixou. A tora entrou mais fácil dessa vez. Me segurava pelos quadris e sentia o corpo dele batendo na minha bunda, indicando que o pau dele tava entrando inteiro no meu cu. “Vc tem o cuzinho mais gostoso que já comi. Parece que ele chupa meu pau pra dentro.” Acho que ele chupava sim, mas é pq eu estava tarada. Ele dizia que era fascinado na proporção da minha cintura com minha bunda, e não parava de alisar meu torso. Eu levantei meu corpo, encostando no peito dele. Ele me abraçou agarrando meus seios, sem parar de foder minha bunda. Essa hora foi muito gostoso pq nossos corpos ainda escorregavam do sabonete. Passei a mão na minha buceta e meu grelo tava inchado, abrindo levemente os lábios. Minha buceta tava dura e sensível, e tava muito bom esfregar os dedos pelos lábios e grelo, enquanto levava aquele pau duro na bunda. Tava louca pra gozar, mas queria que fosse no pau dele, então tirei (dei uma lavadinha Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 313 -


básica), voltei na posição de 4 e conduzi o pau pra minha xoxota, quando eu gozei de novo. Simplesmente gozo quando a glande toca a parte final do canal vaginal. Só poderia descobrir isso com ele. Depois do meu gozo ele desembestou a meter vigorosamente. Eu gemia, balbuciava, ronronava igual uma gata, rebolava minha bunda, sentindo o pau dele entrar e sair por diversos ângulos, e jogava a bundinha pra trás querendo receber mais pau, que entrava profundamente, tocando meu útero. Botei a mão pra trás e vi que estava todo dentro, fazendo me sentir empalada. Fiquei com meu rosto quase no chão pra ficar mais arreganhada pro meu macho, que me fodia violentamente dando trancos no meu corpo. Esmagava meus quadris e mandava o caralho todo. Eu sentia as bolas dele pesadas batendo no meu corpo. Ele começou a urrar e parou de bombar qdo o pau estava todo enterrado em mim, segurando alguns segundos antes de voltar a bombar, pressionado meu útero, parecia que ia me furar por dentro. Gozou dando espasmos com o corpo e eu gozei de novo junto com ele. Nossa, que foda. Que macho. Que homem! A gente ainda ficou se esfregando, melando um pouco debaixo do chuveiro depois que nos limpamos, mas eu precisava ir embora. Na verdade estava mais do que saciada! Eu tinha umas coisas pra fazer mas não queria ficar dando pra eles o fim de semana inteiro. Vontade não me faltava, e nem pra eles, ainda mais multiplicando esse tesão todo por 4, mas tava me sentindo uma puta. Quando eu estava vestindo minha roupa percebi o Andrei indo pro banheiro e aproveitei pra sair naquele minuto, senão ia acabar dando pra ele e aquilo não ia terminar tão cedo rsrsr. Despedi do Oscar e pedi pra ele pedir desculpas pelo mau jeito pro Andrei e os outros, mas tinha compromissos.

A Entrega - 1ª Parte Até me senti mal por ter saído repentinamente do apê da luxúria, mas resolvi botar as coisas no lugar na minha cabeça. Me senti suja, promíscua, uma cadela deles, apesar de ele me tratarem super na boa. Tb tinha medo de a coisa ficar séria, sei lá. O Andrei e o Caio me davam muita importância, talvez por serem mais novos e inexperientes. O Caio não falava nada, só ficava com cara de tarado, mas o Andrei queria me conquistar, e até me arrependi de passar a noite com ele. Por sexo tudo bem, mas se rolasse uma ternura já ficaria preocupada. O Oscar e o Dil não ligavam muito pra mim, digamos que estavam apenas se aproveitando da vadiazinha aqui. O Dil era seriamente comprometido e o Oscar (pelo que saquei) era porra louca, mulherengo (também... um gato daqueles!), me tratava com carinho, mas só. Ele sim eu teria coragem de me envolver, apesar de me prometer que ficaria um bom tempo solteira. Naquele sábado cheguei em casa, preparei comida e fiquei sozinha de boa. À noite não saí, peguei filme e comi pipoca. Me sentia arregaçada literalmente. No domingo o Andrei me ligou perguntando pq eu tinha sumido e tal, me expliquei, e insistiu pra eu ir lá passar o resto do fim de semana, mas recusei. Ele disse que o Caio voltou rápido do jogo e ficou bravo que eu fui embora! Até deu vontade de dar uma passadinha por lá e transar mais um pouquinho (rsrs), ainda mais que a menstruação tinha acabado completamente, mas a consciência me segurou. Mal começou a semana, no trabalho, já me pegava pensando de novo naquele sexo todo e morrendo de saudades. Na segunda e na terça o anjinho procurava tirar isso da minha cabeça “Vc quer mesmo ser uma vadia?”, mas na quarta o diabinho começou a tomar conta da situação “aproveita enquanto pode” e passei o resto da semana morrendo de vontade. Vinha na memória aquelas fodas deliciosas e os momentos Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 314 -


que eu gozava. Fazer o quê? Era “novo” pra mim gozar tanto assim. Na quinta o Andrei ligou de novo me convidando pra ir pra lá. Abri o jogo e disse que tinha medo de que rolasse envolvimento da minha parte (na verdade era da parte dele). Disse que enquanto fosse lá por sexo, sem que ninguém tivesse exclusividade sobre mim, tudo bem, caso contrário poderia começar a rolar preferências ou proximidade com um mais do que outros, etc. Ele riu e disse “Sem problemas!”. Então disse que se todos estivessem lá na noite seguinte eu iria. Ele me retornou à tardezinha confirmando, então combinei de ir à noite. O diabinho venceu! Naquela noite mal consegui dormir pq meu corpo não parava de pensar em sexo, em orgasmo forte, em suruba, em cacete grande. Dei um trato na depilação de manhã e o trabalho se arrastou pela minha ansiedade. Cheguei em casa, jantei e parti pra preparação da minha longa noite, com banho, um perfume bem sexy e a escolha de uma roupa bem provocante. Vesti uma lingerie branca de renda com detalhes bem sofisticados, que só usava em ocasiões especiais (o que não acontecia há muuuuito tempo). A calcinha era quase um fio dental atrás, sumia por causa do volume do meu bumbum, e na frente tinha um paninho semi-transparente, muito chique e bem safada. O soutien era de renda tb com um triângulo relativamente pequeno e justo, fazendo um desenho sexy que valorizava os seios. Vesti uma saia branca curta (quase mini) stretch e uma camisa preta que adoro, curta na barriguinha com um decote generoso e de mangas que iam até os cotovelos. Pra fechar o estilo “caçadora” vesti meia 7/8 e cinta-liga brancas, calcei um salto doze e prendi o cabelo fazendo um penteado de rabo de cavalo armado anos 60 (adoro esse visual), maquiagem leve nos olhos, o perfume que os meninos gostaram e um colar de pérolas (ganhado do ex, claro, kkk) pq acho que valoriza o sex appeal. Como tinha combinado de parar na vaga deles no prédio eu não circularia assim pela rua. Fiz tb uma mochila com mais roupa, pq das outras vezes eu passei necessidades. Coloquei um baby doll bem curto e sexy e um pijama (shortinho e blusa) de cetim muito gostoso, e outras roupas pra ficar à vontade. Quando cheguei no apê às 9h o Andrei abriu a porta e vi todos na sala assistindo filme, que percebi que era um pornô “Olha que safados!” Eles vieram me cumprimentar dizendo “Estamos esquentando”. Eles me beijaram um por um já abraçando e passando as mãos pelo meu corpo dizendo que eu estava bonita, sexy, etc. mas eu me desvencilhava dando uma de difícil. Eu não queria tirar a roupa e começar a ser comida por todos os lados logo de cara, queria provocá-los antes. “Quero o que vocês estão bebendo”, Era whisky com energético, fazia tempo que não bebia isso, e sentei no meio do sofá, e eles Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 315 -


correram pra ficar ao meu lado como lobos à caça. Oscar e Dil de cada lado, o Caio se sentou no chão, e o Andrei, que tava preparando meu drink, ficou por último, ficou em pé atrás de mim já me abraçando e descendo as mãos pelos meus seios. Dei um tapa na mão dele e disse “Calma lá, eu cheguei agora e ainda não to no pique de vocês”. Então ficamos bebendo, conversando e assistindo o filme, mas é claro que o foco era eu. Falavam comigo colocando as mãos nas minhas coxas, alisavam meus braços e cabelos, e faziam comentários do filme do tipo “Vou te foder nessa posição”, “Queria que vc fizesse assim comigo” E puxando saco, dizendo que eu era muito mais gostosa que as atrizes (se bem que as daquele filmes eram fraquinhas mesmo!). Ficamos uma meia hora assim e o clima tava gostoso. No filme a moça fazia um strip numa boate, daquelas que os homens colocam dinheiro na calcinha, e o Dil soltou “Pena que vc não sabe fazer um strip tease assim” desafiando. Olhei pra ele contrariada e disse “Coloque uma música sensual”. O Oscar foi mexer no som e colocou uma música eletrônica tipo lounge, que era o mais perto de sexy que eles tinham ali. Apaguei a luz e eles protestaram que queriam ver tudo direitinho, mas disse que seria assim iluminada apenas pela luz da TV, e comecei a dançar em frente o sofá entre eles e a TV. Comecei dançando como se fosse uma balada mas depois fui incluindo uns movimentos mais sensuais, como as strippers faziam. Eu tinha alguma noção pq já tinha brincado disso sozinha no meu quarto e até com o noivo. Aí comecei a roçar o corpo neles durante a dança, sentava no colo e esfregava os seios. Parei de dançar, fiz uma pose sexy e fui desabotoando a camisa bem devagar com um olhar sensual pra eles, quando abri a camisa e eles viram meus seios querendo estourar aquele soutien, eles aplaudiram. Voltei a dançar e agora segurava minha saia na borda de baixo e ia enrolando pra cima, deixando-a ainda mais curta. Eles ficaram boquiabertos quando viram que era cinta-liga. Claro que tirei a saia de costas pra eles puxando pelas pernas até os pés lentamente, terminando com o bumbum todo exposto. Estava só de lingerie e salto e voltei a brincar com eles, me esfregando e agora tocando os paus sobre as bermudas. Eles tentavam me tocar mas eu não permitia mão na bunda ou nos seios, dando tapas. Queria provocá-los bastante. Os paus já estavam duros que eu sentia com as mãos e quando esfregava a bunda neles. Então tirei a parte de cima do soutien e colocava os seios perto do rosto deles que tentavam abocanhar, mas eu não deixava, passando o mamilo de leve no rosto e nos lábios. Fiz isso em um por um. O Dil não aguentou e tirou o pau pra fora, já duro, e os outros acompanharam. Aí cheguei pertinho do sofá, me posicionei de costas pra eles e permiti que passassem a mão em mim. Eles deveriam estar loucos pq viam minha bunda de pertinho e a xana mastigando a calcinha (que já devia estar ensopada) entre as coxas nas meias 7/8. O Oscar comentou “olha só pra essa potranca!”. Não gosto dessa palavra mas sei que isso é um elogio vindo dos homens. O Dil segurou minha bunda Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 316 -


“To louco pra te foder” E caiu de boca nela beijando. Foi a abertura pra todos começarem a passar as mãos no meu corpo, nas coxas e bunda, na cintura e barriga. Eu ia mandar parar pq queria judiar mais um pouquinho deles mas já havia passado na linha do controlável. Quando senti a língua do Dil na fenda da minha bunda não resisti e deixei, instintivamente inclinando meu corpo pra ela se abrir e receber mais aquela boca. Fui tirando minha calcinha lentamente enrolando ela até o pé, tocando o chão, e fiquei nessa posição, mas ninguém prestava mais atenção. Afastei as pernas e sentia agora a mão do Dil espalmada na minha xana, mexendo no grelo com o polegar e percebi como estava melada. Senti um par de mãos agarrarem meus seios por trás. Eles doíam de tão duros e sensíveis. Me sentia uma presa jogada aos lobos... como é bom se sentir desejada e provocar esse tesão todo... bocas e mãos se esfregavam pelo meu corpo todo, uma confusão, até que o Oscar deu uma organizada e me mandou deitar no sofá. Mal deitei eles vieram me lamber toda ajoelhados no chão, tirando suas roupas como dava. Caio e Andrei nos seios, o Oscar na barriga e na xana que ele não conseguia alcançar por causa da posição e o Dil na coxas. Eles mal conseguiam me lamber mas adorei sentir todas aquelas bocas e línguas disputando um espaço no meu corpo, molhando minha pele. Dil juntou minhas coxas e as levantou dobradas, pra minha xana e o cuzinho ficarem expostos, e enfiou a língua no meu cu de uma vez. Surpresa, eu dei um “aiii” longo e meloso. O Oscar não conseguia acessar minha xana então tentou reorganizar. Tirou o restante das roupas, se deitou no tapete no meio da sala e me chamou “Vem aqui sentar na minha cara” E fui correndo me encaixar em 69 sobre ele segurando aquele cacete que latejava de tão duro. Segurou minhas coxas e encaixou seus lábios nos da minha xana pra lamber com gosto, enquanto os outros terminavam de se despir. Dil voltou pra minha bunda, agora exposta pela posição, e lambia a fenda inteira de cima abaixo, me deixando louca com as duas línguas trabalhando ao mesmo tempo. Pedi pro Caio e Andrei mamarem meus mamilos, pois sempre fantasiei ser chupada INTEIRA. E posso garantir que foi tão maravilhoso quando meus sonhos molhados! Senti 4 bocas espalhando saliva pelo meu corpo... fui às nuvens. O Andrei se ajoelhou e ofereceu o cacete perto da minha boca enquanto brincava com meu mamilo, logo seguido pelo Caio. Eu punhetava e chupava ora um ora outro passando pelo pau do Oscar entre eles. Me senti a maior vadia do mundo, pirando naquelas línguas que me degustavam com vontade, me deixando cada vez mais molhada e tesuda, com 3 caralhos à minha disposição pra eu chupar, punhetar e mamar igual uma bezerra faminta. O Dil descalçou um pé meu e tirou minha meia, pra lamber os dedos do pé. Nunca ninguém tinha feito isso em mim, e fiquei alucinada. Ele chupava meus dedos como se fossem um grelo, arrancando sensações indescritíveis. Voltou a lamber minha bunda, que ele adorava (e eu mais ainda!), e começou a foder meu cu com a língua. Ficamos muito tempo assim. O Oscar encaixou seus lábios em volta do meu grelo e fazia uma forte sucção que pegava ele todo. Pensava que esse era o ápice das sensações de toda minha aventura até ali e comecei a gozar convulsivamente naquela boca. Meus quadris chacoalhavam na cara dele e o Dil não tirava a língua do meu cu prolongando meu gozo. Resolvi retribuir e me concentrei naquele caralho latejante e babado da minha saliva, punhetando até ele gozar abundantemente na minha boca, espirrando na minha cara e cabelos, escorrendo pelo pescoço, mas eu bebi o máximo que pude, e lambi o que caiu na barriga dele e no cacete até ficar limpinho.

Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 317 -


Então o Dil se sentou no sofá e me chamou “Agora vem aqui por cima que eu quero foder a sua buceta”, E eu montei naquele caralho grosso com os seios na sua cara, que mesmo com a xota melada era difícil de entrar. Quando entrou tudo eu já tava gemendo como uma louca, de tanto tesão. O Caio se posicionou atrás de mim tentando enfiar o pau na minha bunda, sem sucesso. Depois senti o gel, que ele aplicava enfiando os dedos no meu cu, já anunciando que seria duplamente fodida. Eu queria me concentrar naquela foda deliciosa com o Dil mas não podia adiar mais. Eu queria experimentar a tal DP! Paramos de nos mexer pra ele meter, num processo demorado mas que por fim entrou a cabecinha, depois foi avançando e eu, já acostumada, ia comandando. Quando entrou a metade, eles começaram a mexer. Era uma sensação esquisita ter dois cacetes dentro de mim, mais curiosa do que prazerosa. O Caio mandava bem, mas o Dil mal conseguia se mexer. Depois de um tempinho Dil pediu pra parar, escorregou sua bunda pra fora do sofá pra poder movimentar o quadril. Aquela tora apontando pro céu e eu subi em cima dele de novo, ficando ajoelhada na beiradinha do sofá. Eu encaixei no Dil e o Caio encaixou em mim, em pé por trás. Assim os dois conseguiam enfiar tudo e aí sim eu comecei a sentir prazer de verdade. Não gemia, gritava! Não pq eu queria, era involuntário! O Dil me preenchia toda com aquele caralho grosso e o Caio socava forte no meu cu, num movimento cadenciado que me fazia sentir as duas varas me pressionando por dentro, ora ao mesmo tempo, ora alternadas. O Andrei posicionou seu pau perto da minha boca “Chupa pra vc virar uma putinha completa”, Enquanto o Dil mamava meus mamilos. O Caio segurou forte na minha cintura, apoiou um pé no sofá e metia forte no meu cu (eu sentia seu corpo batendo na minha bunda) cada vez mais rápido, e pressenti que seu gozo estava perto. Eu sentia um formigamento, um calor aumentando por dentro cada vez mais forte que não conseguia identificar se esse tesão crescia na buceta ou no cu. Quando o Caio gozou me agarrou firme pela cintura e atolando o cacete dentro de mim, eu explodi junto com ele, gemendo num gozo profundo, fazendo meu corpo chacoalhar forte. Perdi os sentidos por alguns segundos, não sei o quanto, só não caí pq estava entre eles. O Caio tirou de dentro e eu consegui me concentrar no pau do Andrei chupando com vontade, alucinada de tesão daquela foda. O Dil, mais livre, passou a meter vigorosamente. O Oscar se sentou ao lado já com o pau duro (os meninos estavam muito tesudos aquele dia) e passou a se masturbar lentamente enquanto passava a mão pelo meu corpo, que pulava em cima do colo do Dil. Eu comandava o movimento, subindo até quase o pau escapar pra depois soltar o peso do meu corpo fazendo a buceta engolir o caralho quase todo, virando meus lábios e fazendo eles entrarem junto. Coloquei os pés no sofá (meia capenga com só um pé ainda calçado) quase agachada, ficando mais arregaçada possível pra receber aquele pau inteiro. Era o máximo sentir cada centímetro dele deslizando apertado dentro de mim. Isso deve ter dado muito prazer a ele pq ficou alucinado dizendo que eu trepava muito gostoso pq eu era uma puta e tal, aquele jeitão dele de me tratar (que eu gostava); e que queria se segurar pra prolongar a foda mas não ia conseguir. Gozou na sequência, enterrando aquele caralho ainda mais fundo dentro de mim, dando coices no meu corpo, e despejando seu sêmen no fundo da minha gruta. Levantei o quadril e senti aquela porra toda escorrendo. O Oscar já me puxava pra montar em cima dele. Meu tesão não saciava e eu fui, até pq aquele caralho era irrecusável! Mandei ele ficar na mesma posição que o Dil (pra conseguir me comer direito) enquanto tirava o salto e a meia que faltava, e montei nele ajoelhada no sofá. Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 318 -


No Oscar não dava pra montar como fiz com Dil, agachando em cima, pq ele era muito grande e ia machucar. Assim já me preenchia toda. Minha buceta agasalhou fácil aquela tora pq já tava gozada. Ele me invadiu de uma vez já bombando com vontade. Tinha acabado de gozar e já estava com esse tesão todo! O Andrei veio por trás pra comer minha bunda que já tava se sentindo abandonada rsrsrrs. Empinei a bunda e ele meteu gostoso no meu cuzinho que não oferecia mais resistência pq já estava lambuzado. KY natural! Essa foda foi deliciosa pq o Andrei não tinha o pau muito grande (pelo menos era o menor dali) e sabia meter gostoso, enquanto eu tinha um pau de verdade na minha buceta, me fodendo como eu mereço! Eles literalmente me ensanduicharam e metiam cadenciados enfiando os dois paus ao mesmo tempo, o que me arrancava um gemido a cada bombada, pq era muita pressão. Eles perceberam e foram bombando cada vez sincronizados e mais forte pra eu gemer mais e mais. Sentia a glande do Oscar deslizar até o fundo da minha buceta cutucando meu útero, enquanto o pau do Andrei enchia meu reto a cada estocada. Joguei um braço pra trás e peguei a cabeça do Andrei forçando seu corpo a colar no meu e fiz o mesmo com o Oscar, ficando esmagada entre os dois enquanto meu gozo já avisava que se aproximava. O gozo em uma DP vem devagar e longo, dá um calor que vai aumentando e pegando fogo, dominando o corpo aos poucos até tomar tudo e ficar descontrolado. Começaram a bombar mais rápido cada um por si, quebrando aquela cadência e transformando aquilo numa foda alucinada. O Oscar abocanhava meu mamilo, parecia que sabia que eu gosto de gozar assim. Eu mexia os quadris pra cima e pra baixo como que cavalgando ou rebolando igual uma dançarina de funk, sei lá, pra sentir os dois caralhos me penetrando. O Andrei tirou de dentro esporrou nas minhas costas, em cima quase na nuca, enquanto eu e Oscar gozamos juntos. Eu fiquei me contorcendo por bastante tempo pelos espasmos do gozo profundo enquanto eles me olhavam perplexos. Depois eles me disseram que eu me mexia igual uma minhoca cortada! Rsrsr coisa de caipira! Deitei no peito do Oscar e fiquei fazendo carinho nele toda melosa. Ele me abraçava e dizia que eu tava grudando. Tava mesmo. Fora o suor por TODA minha pele, eu tinha porra espalhada na bunda toda, na xana, na barriga, no queixo e no pescoço, no cabelo, entre as pernas, nas coxas, na panturrilha, no pé! INTEIRA gozada, ao invés de me sentir suja, fiquei orgulhosa. Tomei banho junto com o Oscar, e aproveitei pra tirar uma casquinha daquele corpo, sentindo aqueles peitorais, barriguinha e glúteos com as mãos ensaboadas. Ele tb me lavou gostoso. A diferença de tamanho e o jeito que ele me pegava fazia eu parecer uma boneca. Eu estava ardida mas se ele quisesse me foder mais uma vez ali mesmo eu deixava, mas ele já tinha gozado duas vezes seguidas, não iria querer tão já. Enrolei uma toalha na cabeça e fui pra sala quase pelada. Vestia apenas meias e a cinta-liga... e o colar! Eles aplaudiram qdo cheguei. Ajeitei os almofadões e me deitei de barriga pra cima ao lado pra TV, que ainda passava pornô. Eles estavam derrotados. O Dil ainda no sofá na mesma posição, só caiu de lado e parecia dormir, o Caio deitado num almofadão no chão, o Andrei largado na poltrona, e o Oscar que se juntava à gente agora, deitava pelado no sofá. O Caio não tirava os olhos da minha xota virada pra ele, que estava nua mas eu não tinha vergonha deles. Aí eu comecei a provocá-los, que tava mais inteira que os 4, que eles não aguentavam com uma garota e tal. “Tem gente que deu duas e agora só amanhã”. Mas eles só pediram um tempo, que eu esperasse pq eles tinham tomado Viagra! Aí eu fiquei brava. Já era difícil aguentar os 4, imagina com a genitália anabolizada!!! Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 319 -


Do nada o Caio vem na minha direção, de 4, fica em cima de mim e pergunta “Tomou banho... tá cheirosinha...”. Eu disse “Ei, dá um tempo!” Mas ele já caiu de boca na minha xana. Nossa, aquela noite seria longa e meu medo era que o sexo não me desse trégua pra descansar. Afastei as pernas e deixei ele brincar na entradinha da minha xana, enquanto assistia o filme e alisava a cabeça dele. Acontece que o tesão começou a crescer. Não dá pra resistir com uma língua fazendo acrobacias na vulva. Estava uma delícia mas eu estava longe de gozar. Ele veio por cima de mim e foi se encaixando entre minha coxas, num papai-emamão bem apropriado, já que eu tava cansada. Só afastei as pernas e recebi aquele cacete, que invadiu minha gruta deliciosamente. Ele me fodeu gostoso, como se deve, competente, hábil, sem pressa, enfiando e tirando o pau inteiro. Não esperava que aquela transa passasse de brincadeira, mas eu já estava entrando em êxtase. Quanto mais se goza mais se quer gozar! Abracei seu corpo com minhas coxas pra receber aquele cacete mais fundo, ele ia cada vez mais rápido e meu tesão acompanhava. Quando ele começou a bombear frenético eu gozei, antes mesmo dele, que derramou sua porra dentro de mim assim que me ouviu gemendo. Fechei meus olhos e deixei a cabeça caída na almofada, apenas afastei as pernas pra ele sair e fiquei assim, quando sinto outro corpo ocupar o lugar dele. Olhei assutada pq não esperava, era o Dil me montando na sequência. Já chegou enfiando aquela tora em mim. Eu protestei pq ele me tratou como uma boneca inflável, mas ele me ignorou e penetrou de uma vez. O pau dele sempre dava trabalho pra entrar mas aquela hora eu estava lambuzada com a porra do Caio então ele me invadiu violentamente, e eu gritei de dor pq esticou tudo de uma vez. Eu adorava aquele pau mas ele era muito “pesado” pra mim. Só depois que enfiou tudo é que me deu atenção. Segurou pelo queixo, olhou nos meus olhos e disse “Presta atenção! Você é a minha puta, e eu vou te comer como eu quero e quando eu quero!”. Tentei me desvencilhar dele mas ele estava por cima, forte daquele jeito, não teve trabalho em me segurar pra meter forte me fodendo de verdade. A dor passou logo nas primeiras bombadas e aquilo virou prazer, mas eu não deixava transparecer e dizia “Pára, isso é estupro!”. Ele falava “Só vou parar quando eu gozar, e vai ser DENTRO da sua buceta, que é o lugar onde vc merece ganhar minha porra. E se acalma pq vamos todos te comer, em rodízio!”. Eu fiquei muda mas já estava revirando os olhos pq ele me fodia de verdade, com vontade, enterrando fundo a tora dentro de mim. Me peguei fazendo uma vai-e-vem involuntário com os quadris e não conseguia parar, e apertava a boca pra tentar segurar os gemidos. Me segurou forte pela cintura e bombava curvado igual um cachorro, até gozar em mim urrando e tendo espasmos com o corpo. Saiu de cima de mim. Depois veio o Andrei me comer sem eu nem mudar de posição Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 320 -


e nem me limpar. Quase nem senti ele, pq ele era menor que o Dil e pq eu estava quase apagada. Fui abusada como se fosse uma boneca inflável, toda gozada e me sentindo suja. Consegui me levantar e fui tomar banho sozinha. Saí com uma roupa normal, camiseta e bermuda. O Oscar estava preparando um lanche na cozinha e à medida que eles saíam do banho se juntavam a nós. Ficamos comendo sanduíches e snacks e batendo papo animadamente, como se nada tivesse acontecido. Quando era perto de uma da manhã falei que iria dormir pois estava cansadíssima. Dil disse que tb iria. “Vc vai dormir na minha cama hoje!” Vi o Andrei cochichando com o Dil e fui me aprontar. Vesti somente o baby doll que tinha levado, muito lindo e sensual, e me enfiei debaixo do lençol. Dil se deitou 2 minutos depois só de cuecas já me beijando. Nisso Andrei entra no quarto só de cueca tb e se deita na cama se encaixando atrás de mim e me encoxando. Eu dei um cutucão neles e disse que tava cansada e queria dormir de verdade, e eles respeitaram... talvez pq não perceberam que estava sem calcinha.

A Entrega – 2ª Parte Não consegui dormir muito bem por causa da mexeção na cama. Uma hora alguém se mexeu e todos acordaram. Virei de lado e Andrei me encoxou. Deixei pq tava gostoso, mas alguns minutos depois senti o peru dele endurecendo na bunda me espetando. Abri o olho e percebi alguma luz denotando que era bem cedinho. Subiu a mão pela minha coxa e qdo percebeu que estava sem calcinha ele ficou louco. Botou o pau pra fora e ficou roçando ele duro na minha bunda. Eu fingi que dormia e deixei ele ficar à vontade. O Dil percebeu o movimento, viu que estava acordada (estávamos de frente) e começou a me bolinar tb. Mexeu nos meus seios, coxas e qdo percebeu que estava sem calcinha riu de satisfação e ficou brincando com o tapetinho de pelos quase zerado, enquanto eu brincava com seu pau semi-duro. Botei ele pra fora e já endureceu na hora com contato com minhas mãos. Afastei um pouco minhas pernas pra ele brincar com meu grelo. Andrei brincava com o pau nas minhas nádegas. Ele saiu da cama, e não entendi nada, enquanto o Dil dedilhava meu clitóris me excitando. Andrei voltou e senti ele espalhando o gel geladinho pelo meu cuzinho, tentando em seguida me penetrar. Abri minhas nádegas facilitando pra ele, que enfiava lentamente mas sem dificuldades. Eu já não tinha mais problemas com penetração anal, muito pelo contrário, ficava ávida por sentir o pau no meu rabo. Fiquei muito tesuda qdo ele enterrou o pau todinho. Minha buceta estava dura... sensível e de grelo bem durinho... e o Dil escorregava os dedos molhados na excitação que escorria dela, me tirando do sério. Dil pincelou a glande na entrada da minha xana, depois esfregava a extensão inteira do seu cacete, como se tivesse metendo mas por fora, me arrancando gemidos. Quando pedi “Me come, vai, mete ele dentro” Ele tentou encontrar uma posição. Tava difícil mas conseguiu se encaixar entre minhas coxas e o pau entrou. No mesmo segundo que entrou eu comecei a gemer alto, quase gritando, como se estivesse gozando, ao sentir os dois caralhos me fodendo vigorosamente. Eu gozei muito rápido, rebolando pra sentir o máximo dos dois caralhos dentro de mim. O Andrei enterrou seu cacete e gozou no fundo do meu reto. Saiu e eu trouxe o Dil pra cima de mim, pra ele me foder de papai-emamãe, relembrando uma deliciosa foda nossa naquela mesma cama. O pau dele me arregaçava Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 321 -


desde a entrada até o fundo da vagina, e nessa posição ia até o fundo mesmo. Adorava sentir o peso daquele corpão sobre o meu e aquele cacetão me preenchia completamente, me tornando completamente dominada. E gozamos juntos, com o suor dele me respingando toda. Tomamos banho juntos mas não rolou nada, além de um lavar o corpo do outro e a pegação consequente. Ele esfregava o cacete entre minha nádegas ensaboadas e disse: – Ainda não comi esse cuzinho. – E nem vai comer. Tem noção da grossura do seu pau? – Lubrificado vc aguenta. E vc prometeu! – Eu prometi? Tinha prometido mesmo, mas eu ia precisar de muita inspiração, ou muito álcool, sei lá, pra deixar aquela tora entrar no meu cu. O Andrei voltou pra cama dele. Nós dois tomamos um café da manhã e ficamos de bobeira, enquanto os outros dormiam. Eu ficaria por ali mesmo, então combinamos o dia e fiquei vendo TV e navegando na Internet até mais de 11h, quando resolvi acordar os dorminhocos. Fui pro quarto do Oscar, claro! Ele dormia profundamente. Fui mexer com ele pra despertá-lo e vi que estava já estava de pau duro. Que homem tesudo! Quando conseguiu abrir os olhos eu já estava mamando aquele cacete gostoso. Pediu pra eu sentar na cara dele. Eu subi de frente, apoiei as mãos na cabeceira da cama e coloquei o grelo na altura da boca. Ele tentava pegá-lo mas eu tirava, pra judiar. Apesar de não conseguir abocanhá-lo, conseguia vez ou outra dar uma pincelada com a língua. Eu queria desabar e afundar a boceta na cara dele, mas me segurava pra deixá-lo louco de tesão. Meu grelo estava DURO, minha xana babava. Ele ficou maluco! “Dá esse grelo na minha boca, vai”. Mandei ele ficar imóvel e passei a esfregar os lábios da xana nos lábios fechados dele. Ela escorregava e eu estremecia. Não aguentou e me agarrou pelos quadris enfiando a língua o mais fundo que pode me arrancando um gemido alto. Ele sugava forte rapidamente me dando vontade de gozar. Mandei ele botar a língua pra fora da boca e deixá-la imóvel pra fora da boca, enquanto eu esfregava o grelo na língua, balançando os quadris, pra gozar apenas do atrito dele na textura áspera dela. Que delícia! Já estava mexendo igual uma louca perto do gozo, quando ele não se conteve mais, voltou a me agarrar, abocanhou meu grelo inteiro e o sugou com força até eu gozar gostoso na sua boca, tremendo o quadril na sua cara. Ele sabia chupar gostoso e adorava o jeito que eu me contorcia na boca enquanto gozava. Daí ele quis me comer diferente, como eu nunca tinha feito antes. Me levantou no colo, eu me segurei pelo pescoço, envolvi seu corpo com as coxas, ele me segurou por detrás dos joelhos e eu fiquei toda aberta sentindo o pau duro na entrada da xota. Ele me manejava como se eu fosse uma boneca de pano. Entendi sua intenção e peguei o caralho pra guiá-lo, mas tive dificuldade em largar aquele cacete latejante de tão duro. Brinquei um pouco com ele esfregando nos meus lábios arreganhados. Quando encaixou entrou tudo quase que de uma vez só, me arrancando um gemido. Aquilo doeu. Deu um tempo pra me acostumar e eu sentia o caralho latejando dentro de mim, como que dando coices. O peso do meu corpo fazia com que nossos corpos se esmagassem e aquilo tudo Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 322 -


ficasse enterrado dentro de mim até o fundo. Era muito grande! Pressionava meu útero. Notei que conseguia agasalhar o caralho inteiro na minha vagina, coisa que não conseguia antes, não sei se era a posição ou se estava literalmente arrombada. Começou a tirar e enfiar devagar pq senão eu não aguentaria. Sentia o curso completo do seu pau deslizando pra dentro... pra fora... pra dentro... Só aguentei isso por poucos minutos. Logo minha buceta já piscava rapidamente e me vim num orgasmo repentino e profundo, quase o desequilibrando de tanto que eu tremia. Ele não deu atenção ao meu orgasmo e metia sem parar, até que seu pau escapou... e meu corpo reclamou. Eu queria aquele pau me fodendo. Essa parada fez com que eu recobrasse os sentidos e agarrasse a tora com a mão. Ele era grosso e tava escorregando dos meus sucos. Senti o pau ainda latejando e comecei a punhetá-lo escorregando as mãos por toda a sua extensão. Que delícia segurar aquele cacete monstruoso, duro como pedra e babado da excitação da minha buceta sedenta. Segurei na base e só apontei, quando ele entrou tudo de uma vez e voltou a bombar furiosamente, martelando meu útero, me fazendo gozar de novo, mas desta vez com ele junto. Nossa, que loucura. Minha buceta é loucamente apaixonada por aquele pau. Ele me faz ter vários orgasmos seguidos. Quando o pau saiu, uma dose considerável de porra caiu no chão. Enquanto ele limpava fui pro quarto do Caio, pra dar um despertar prazeroso pra ele tb, mas ele tinha saído (eu nem vi). Eu gostaria de passar o final de semana todo com eles, dando muito, sendo fodida por todos aquele machos, estar à mercê deles, e ter eles à mercê da minha ninfomania (pq era nisso que eu havia me tornado), mas naquela noite de sábado eu tinha um casamento pra ir. Eles pediram pra que eu ficasse. Combinei com eles que iria no casamento mas depois voltava. Mas não rolou muito mais sexo dali pra frente, exceto pela saideira. Ficamos de bobeira pra lá e pra cá, almoçamos, descansamos, assistimos filme. Eles entravam e saíam, e eu ali, à disposição deles, já me sentia de casa. No final da tarde, quando já dava a hora de eu ir embora, pra ir pro meu apê me aprontar, assistíamos filme deitados no chão, eu, Caio e Dil, os outros haviam saído. Eu vestia a roupa de ficar em casa, camiseta e shortinho. Levantei, disse que precisava ir embora, sob protestos. Fui pegar a roupa que tinha vindo no dia anterior, que havia deixado no banheiro e voltei vestida com ela: lingerie, meias e a cinta-liga, procurando o restante da minha roupa deixada na sala. Pediram pra que eu ficasse entre eles um pouquinho mas eu me fazia de desentendida ocupada em me preparar pra sair. Quando passei perto do Dil, ele me puxou e disse, “Já estou com saudades, deixa eu sentir essa delícia mais um pouquinho antes de vc sair”, E começou a me apalpar inteira e baixar meu soutien pra abocanhar meus seios, acompanhado pelo Caio, que apalpava minha bundinha e coxas. – Pára, pára, pára. Nem começa pq eu tenho hora! – Sabe o que é? É que vc não vai sair daqui hoje sem dar o cuzinho pra mim. Claro que protestei, não só pq tinha horário mas tb pq tinha medo! Eles me ignoravam como se eu não tivesse vontade ou direito à opinião e se deliciavam com meu corpo. Mas em pouco tempo me acenderam novamente e eu já fazia as contas se dava tempo pra dar uma rapidinha... apesar de ainda sentir os efeitos de ter sido arregaçada pelo pau do Oscar. De 4 chupando o pau duríssimo do Dil enquanto ele apalpava meus seios torcendo de leve os biquinhos endurecidos, Caio, atrás, baixava minha calcinha e fazia um excelente trabalho com a língua, lambendo minha bunda TODA, abrindo Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 323 -


ela com as mãos e passando a língua por toda a extensão do rego, por fim enfiando-a no meu cuzinho, me provocando um prazer imenso. Passei a amar fazer um boquete sendo lambida. Já sentia minha xana toda melada. Queria sentir pau nela e pedi pro Caio me penetrar. Ele se ajoelhou atrás de mim, me segurou pela cintura, e ficou espetando o pau como se quisesse enfiar sem usar as mãos, me judiando de ansiedade, até quando pedi “Come minha bucetinha, por favor” fazendo uma voz melosa pra ver se sensibilizava o menino e o fazia me foder de vez! Então ele meteu, e o pau entrou gostoso na minha xana mais que molhada, me arrancando um suspiro seguido de um longo gemido. Metia gostoso e dizia que minha buceta era deliciosamente apertadinha. Senti que ia gozar rápido e me concentrei pra não perder o foco no boquete. Qto mais sentia tesão mais vorazmente eu engolia aquele pau, arrancando gemidos do Dil. De repente Caio tirou o pau de dentro de mim e eu reclamei: – Pq tirou? Enfia de volta! – Vou comer seu cuzinho. – Por favor, põe de volta. To quase gozando... Ele ignorou, pegou o gel e já veio lambuzando meu cuzinho. – Por favor, só mais um pouquinho eu gozo. Quero gozar com seu pau me comendo assim gostoso. Mas nada tirava sua atenção. Forçou a cabeça e como eu já estava acostumada, não foi difícil a penetração, e em pouco tempo ele já comia meu cuzinho. Voltei pro boquete, mas isso não durou muito. O Dil levantou e disse “Agora é a minha vez” E o Caio imediatamente tirou o pau de mim. Fiquei sem entender nada, e quando percebi que Dil se posicionava atrás de mim lubrificando seu pau e espalhando mais gel no meu cu. Discutimos. Ele apenas disse “O Caio preparou seu cuzinho pra mim. Vc já tá lubrificada e bem abertinha por ele. É o momento perfeito pra pagar as dívidas” E começou a enfiar. Era a hora, não dava mais pra adiar. No começo foi tranquilo. A cabecinha passou fácil pq eu já tava aberta mas quando entrou metade, a dor veio. O pau dele era muito grosso e a parte do meio, que era a parte mais larga, meu cuzinho esticava inteiro. Eu achava que já podia me considerar experiente, mas faltava a prova final. Dei ré e tentei de novo por várias vezes sem sucesso. Então levantei meu corpo (permanecendo ajoelhada) deixando meu tronco paralelo ao dele. Assim parecia que a resistência era menor e ele invadiu um tanto a mais. Exigiu paciência e muito creme mas foi indo aos poucos, com direito a tempo pra descanso a cada milímetro que ele me invadia. Quando entrou tudo, só permiti que ele se movimentasse qdo eu havia acostumado bem. E movimentava em câmera lenta. ”Tá vendo? Vc tá conseguindo dar o cuzinho pra mim. Custou?” Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 324 -


Não posso dizer que foi prazeroso mas não tava ruim, e me fazia avançar mais um estágio. Depois ele quis mudar de posição. Me deitou de bruços sobre as almofadas no chão e colocou uma na altura do ventre, fazendo minha bundinha arrebitar bastante, e montou por cima. Passou mais gel e colocou aquele bruto de novo mas eu já suportava melhor. Suas pernas se estendiam ao longo das minhas e com as mãos ele segurava meus braços. Eu sentia todo o peso do seu corpo sobre o meu me pressionando, e acabei adorando aquela sensação de estar totalmente submissa e vulnerável, naquela posição que parecia mais um estupro! Aí sim ele bombou forte me arrancando um gemido a cada movimento que fazia,mas eu aguentava. Soltei uma mão e levei ao meu grelo, pra me masturbar e aliviar um pouco aquela curra, e eu já estava sentindo tesão de novo, ainda mais quando ele começou a falar putaria no meu ouvido; e eu retribuía pq sei que ele gosta. – Tá gostando de levar essa rola no cu, sua piranha? – To adorando. Nunca ninguém fodeu meu cu assim. Vc é uma animal. – Então pede pra eu foder mais seu cu, sua vadia engolidora de porra. – To adorando ser currada por essa rola grossa. Mete mais! Goza dentro de mim, meu macho pauzudo. Só então que eu vi que o Caio se masturbava com o pau na minha cara e tava quase gozando com aquela putaria toda, me xingava junto “Toma rola na bunda, sua safada. Goza dentro dessa vadia!”. Quando Dil gozou enterrou seu pau ainda mais fundo e eu senti a porra sendo derramada dentro do meu reto. O Caio gozou na mesma hora espirando tudo na minha cara. Depois de alguns minutos pra me refazer, olhei no relógio e me assustei. Eu ainda tinha que passar em casa pra me arrumar. Passei uma água no rosto pra tirar a porra da cara, vesti a saia e a blusa e fui assim mesmo, lambuzada e sem calcinha. No carro, minha bunda ainda vazava porra do Dil e minha xana estava lambrecada tb. Se eu tomasse banho ia perder muito da hora. Como eu já tinha tomado vários banhos durante o dia resolvi só limpar a porra. Então tive a ideia de ir assim mesmo melada de porra. Faria parte do fetiche de me sentir A devassa! Em casa, eu tirei a saia, ensopada de porra, e enxuguei o excesso de esperma com a saia mesmo, mas não me lavei. Refiz meu penteado, me enchi de perfume (pra disfarçar algum eventual cheiro de sexo) e vesti somente vestido e sapatos. Cheguei quase no final da cerimônia mas sentei no fundo e ninguém percebeu. Ouvia aquela chatice toda com a cabeça no sexo, lembrando cada cena, cada sensação, cada orgasmo que tive. Estava ali entre familiares e conhecidos, com vestido convencional de festa, pagando de comportadinha, a mocinha solteira da família, mas na verdade eu era a vadia sem calcinha e melada de porra, e essa ideia me divertia. Ainda sentia minha bunda e coxas escorregando por causa do gel, e estava ardida, porque ainda quando aquele casamento estava pra começar eu estava transando com dois machos pauzudos, e levando uma tora imensa no cu, implorando pra que eles gozasse dentro de mim! Depois da cerimônia fui pra festa e quem encontro? O ex! Eu sabia que a família dele estaria lá mas não pude imaginar que ele viria tb. Era a primeira vez que nós víamos desde o rompimento 4 meses Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 325 -


antes. Estava lindo de morrer em um terno preto. Quando me viu veio falar comigo todo contente. Gostei de encontrá-lo e tb fiquei contente por ter a oportunidade de conversarmos na festa. Eu gostava dele mesmo! Mas de repente ele ficou cheio de dedos e me disse que estava acompanhado. Realmente fiquei chateada, a droga do sentimento de perda, principalmente quando vi que a moça era a Tati. Tati foi minha amiga quando éramos crianças. A família dela, podre de rica, era do nosso círculo de amizade, a qual pertencia a minha família e a do Vítor. Era 3 anos mais velha que eu mas fomos inseparáveis na infância. Quando entramos na adolescência nos afastamos, mais por causa dela. Aquela condição de “a prometida” do Vítor incomodava a menina, e ela ficou hostil quando tava com 16 anos e só pensava em meninos. Eu tinha 13 e não ligava a mínima, nem pra meninos, nem pro Vítor, o que a deixava puta. Depois dos cumprimentos e de relembrarmos a infância notei que ela estava me esnobando, abraçando e beijando o Vítor, que ficava um pouco constrangido, meu namorado pra cá, meu namorado pra lá, que tava parecendo meio forçado. Senti na pele a compaixão no olhar das pessoas: a idiota que dispensou o partidaço aparecia sozinha e substituída. Ela não me esnobaria se soubesse que minha cabeça estava na minha aventura sexual com os meus novos amantes, que eu era a putinha de 4 machos que me usavam e me satisfaziam todas as minha fantasias. O que Vítor diria se soubesse que eu estava totalmente entregue submissa a 4 caralhos de verdade, e que eu era muito mais puta do que ele achava que eu era? Saí daquele clima negativo e fui pra outros conhecidos. Fui embora cedo, pq tava muito cansada, e já saindo do salão, Vítor veio me abordar perguntando se fiquei decepcionada, que me esperou achando que nosso relacionamento só estava “de férias”, mas como eu não o procurei ele resolveu ir à luta. Respondi “Nossa, vc desistiu rápido, né?”. Eu estava transparecendo que fiquei magoada mas percebi que ele ainda gostava de mim. Eu achando que ele tava mal e na verdade ele estava mais que ótimo, e na companhia de uma moça muito bonita e rica. Acho que foi por causa da minha atitude de ciuminho que ele disse “Me liga qq dia”. Malandro! Não estava arrependida do que fiz mas percebi que ele ainda mexia comigo, apesar da minha frustração em matéria de sexo. Resolvi ir dormir em casa. Tomei banho, perdi o sono e fiquei assistindo TV até tarde. Acordei de manhã com tesão, e me culpei por estar sozinha no meu apê enquanto poderia estar entre meus 4 amantes pauzudos babando de vontade de me comer, e voei pra lá.

A Entrega - 3ª Parte Ainda era cedo qdo toquei a campainha do apê. Demorou pra atender, e apareceu o Andrei vestindo apenas short de pijama, descabelado, e mal enxergando. O tecido fino do pijama deixava notar o pau solto. “Posso entrar?”,

Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 326 -


Segurando na rola. Ele sorriu e me olhou de cima à baixo. Eu vestia um top branco trançado nos seios de barriguinha de fora e uma mini-saia azul que mal cobria minha bunda, com uma calcinha branca bem pequena. Ele me abraçou e já agarrou minha bunda com as duas mãos, esfregando o rosto no meu pescoço. Assim que enfiei minha mão dentro do short ele endureceu rapidinho, me deixando tesuda. Agarrou meus seios e se deliciava com meu corpo quando eu disse que ele tava com bafo de quem acabou de acordar. Odeiooooo! Foi correndo pro banheiro e enquanto escovava os dentes eu me sentei na pedra da pia - era uma pia grande de granito com um móvel embaixo. Assim que acabou voltou a me abraçar e me fez trançar as pernas ao redor da sua cintura. Como tava de mini saia e ele naquele pijama, o pau duro imediatamente espetou minha vulva por cima da calcinha, já me deixando molhadinha. Eu acordei com tesão e tava a fim de dar naquele minuto. Coloquei uma toalha sobra a pedra fria da pia, tirei minha calcinha (ainda com a saia) e sentei de volta com minhas pernas abertas, oferecendo minha xana ardendo. Ele pincelava a cabeçona nos meus lábios e grelo, me castigando por eu ter ido embora “Essa noite era pra vc ter dormido comigo!”. Eu puxava seu corpo de encontro ao meu, no desespero de ser comida imediatamente. A glande escorregava nos sucos que minha vagina secretava sem parar. “Por favor, me come!” e senti a estocada firme e certeira me arrancando um suspiro de satisfação. Em poucas estocadas ele já me penetrava profundamente. Eu sentei bem na beirada da pia pra poder receber aquele cacete e sentir aquele pau todo deslizando dentro da minha vagina escorregadia. Ele me agarrou pela cintura e não demorou muito pra acelerar os movimentos anunciando o gozo. Pedi pra gozar dentro de mim. “Quero sentir vc me inundando” E gozamos juntos fazendo escândalo. Gozei muito gostoso! Ele não tirou de dentro e continuou metendo bem devagar por alguns minutos. Quando percebemos, o Caio estava de braços cruzados apoiado na porta “Dá pra transar fazendo menos barulho?” com seu sotaque caipira. Demos risada e desgrudamos. Eu me limpava com papel e o Caio na pia quando ele se aproximou e notei o pau dentro da cueca visivelmente duro. – Ficou com tesão, taradinho? – To louco pra te comer! – Então vem, gostoso, falei de costas pra ele dando um tapa na minha própria bunda. – Sua gulosa. Ele levantou mais minha mini saia, enrolando ela pra cima, me empurrou contra a pia de forma que eu ficasse apoiada com os cotovelos e de pernas abertas, pra ser comida por trás. Seu pau entrou de uma vez, mas como ele era muito comprido e eu já tava lubrificada entrou demais, devido minha posição. Afastei ele e disse que tava machucando. Mandei ele segurar na base do pau fazendo uma marcação com a mão de até onde ele podia meter. Assim tava gostoso e ele metia vigorosamente, desesperado, e eu sentia a ponta daquele cacete tocando o colo do meu útero, me dando um prazer imenso. Como ele é alto o pau ficava pressionando a parte anterior da minha vagina, me dando uma Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 327 -


sensação deliciosa, me fazendo pedir mais e mais. Estava alucinado com minha bunda naquela posição. Ele cuspiu no meu cuzinho e ficava espalhando a saliva ao redor dele com o polegar. Nossa, que delícia estímulo anal na penetração vaginal! Ele acelerou dizendo “Vou gozar em vc, sua puta” quando percebi que suas duas mãos estavam nos meus seios, me excitando gostoso, mas uma delas devia estar segurando a base do pau! Ele metia tudo! Incomodava mas eu suportava. Ele metia rápido e fundo me fodendo de verdade, até gozar despejando uma enorme quantidade de porra dentro de mim. Resolvi ir relaxar na piscina. Dessa vez eu fui preparada com uma mochila. Desci sozinha e fiquei pegando sol uns 40 minutos. Não parava de pensar em sexo imaginando como seriam as próximas fodas e ficava com tesão direto. Dei um mergulho e resolvi subir pq tava chato. Fui direto pro quarto do Oscar pra atacá-lo, pq eu ainda não tinha transado com ele no papai-mamãe, mas estava fantasiando com isso pq queria me sentir submissa debaixo daquele corpanzil. Ele ainda dormia, como sempre. Já me ajoelhei ao lado da cama e comecei a mexer no pau, que já respondia, mesmo parecendo que dormia. Mal abriu o olho já sabia que era eu ali lambendo aquele pauzão semi duro deitado de lado. Segurou minha cabeça e brincava carinhosamente nos meus cabelos quando o pau já estava completamente duro e eu já engolia ele apaixonada! Já conseguia engolir o pau quase todo, em virtude daquele treino todo com cobaias dotadas. Eu gostava tanto de mamar aquela rola que não usava as mãos. Foi uma técnica que desenvolvi especialmente praqueles pauzudos. Se eu usasse as mãos enquanto chupava, eles não aguentavam por muito tempo. Desse jeito eu ficava chupando por muito mais tempo, satisfazendo a minha sede de chupar cacete. Por mim eu ficava horas ali mamando aquela delícia mas ele logo me puxou pra cima dele, puxando meu biquíni de lado pra enfiar. Eu dificultei aquilo, pra deixar ele com bastante tesão (só que eu é que ficava desesperada), e quando a cabeça finalmente encaixou sentimos como eu estava molhada. “Nossa como vc fica molhada! Adoro essa bucetinha greluda e apertadinha, principalmente quando ela encharca assim. Mostra como ela é louca pra engolir meu pau.” E era isso mesmo! Eu era louca por aquele pau! Quando ele entrou quase inteiro, joguei meu quadril pra trás pra engolir ele todinho e sentir ele enterrado até o fundo, já pulando loucamente na vara. E logo gozei! Com o Oscar eu gozo logo que o pau dele se acomodava inteiro... um gozo profundo que vem naturalmente e sem esforço, só por agasalhar ele completamente enterrado até o fundo da minha vagina. Eu parei de me mexer tentando me recuperar e ele queria me foder forte. Então saí de cima dele, sob protesto dele, deitei de lado e pedi que ele viesse por cima, como eu tinha acabado de fantasiar. Ele enterrou aquela jeba de uma vez, pela lubrificação, e mal voltou a me foder eu queria gozar de novo. Ele sabia meter gostoso, enfiava e tirava o pau inteiro, mexia pra todos os lados, às vezes metia só com a primeira metade do pau, às vezes estocando fundo, cutucando o útero, me arrancando um gemido a cada estocada que dava. Eu comecei a gozar de novo. Meu gozo parecia não ter fim, como se fosse um único gozo longo, durante toda a foda. Quando ele balbuciou que ia gozar eu instintivamente enlacei seu corpo com as pernas e pressionava sua bunda contra mim pra ele enfiar ainda mais fundo, tanto que ele mal conseguia se mexer nas últimas metidas, e com isso eu consegui que ele gozasse profundamente atolado, o máximo possível, enquanto eu gozava junto e gritava agora escandalosamente. Com isso senti todo seu gozo derramando quentinho dentro de Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 328 -


mim, enchendo meu copinho. Que delícia. Como foi bom!!! Transar com o Oscar era um experiência diferente. O pau dele era muito grande e grosso, me preenchia completamente, me sentia empalada, parecia que ia sair pela boca, sei lá. Sentia as abas da sua glande percorrendo minha vagina e pressionar meu útero deliciosamente. Acho que era por isso que eu gozava todas as vezes! Nesse domingo curtimos o dia ensolarado, aproveitamos a piscina juntos e tb saímos pra almoçar eu, Caio e Oscar em um barzinho que tinha música. Andrei e o Dil tinham ido num churrasco. Na balada ficamos dançando os 3, abraçava ora um ora outro, não passamos dos limites mas garanto que quem observava não entendeu direito, pq o grau de intimidade dos toques entre nossos corpos era algo além de amizade. Curti o “exibicionismo”. Voltamos à noitinha cedo e logo depois o Andrei e o Dil voltaram, meio altos de bebida. Quando eles chegaram, eu estava deitada no sofá e eles logo se aconchegaram um de cada lado, no sofá do sexo. Nem estava a fim de nada mas nessa altura eles já vinham apalpando sem consultar meu consentimento. Eu estava de top e short, sem calcinha, do jeito que fui pra balada, que era como eu andava na presença eles. Começaram me apalpando, bolinando, beijando minhas partes descobertas. As carícias foram ficando mais avançadas e iam puxando minhas roupas pra fora, e eu tentando voltá-las no lugar. Então eles me seguraram e arrancaram toda a minha roupa, sob meus protestos e gritos “Isso é estupro!” E pedia ajuda pros outros, que só riam de longe. Sentada peladinha no sofá eles continuaram com as carícias, beijando e lambendo minha pele, e eu percebi que ia ceder loguinho. Deixei eles me lamberem à vontade, assistindo a TV como se nada estivesse acontecendo. Eles continuavam avançando línguas nos meus seios, barriga, coxas, tentando chegar na xana apertada entre minhas coxas. “Abre as pernas, amor...”. Relutei, mas conforme ia cedendo eles iam invadindo cada vez mais, e agora eu não conseguia mais olhar a TV mas só curtia aquelas línguas. Tiraram os paus pra fora e o Dil já se posicionou pra me comer na posição em que eu estava. Eu queria muito mais língua que aquilo e regulei “Só vão me comer depois de me chuparem MUITO, e só se eu ficar com bastante tesão”. Aí foi realmente uma delícia! Eles ficaram uns 20 minutos só trabalhando com a boca no meu corpo inteiro. Alisavam e beijavam meu corpo todo, e sob meus comandos lambiam aqui e ali, chuparam os dedos das mãos e dos pés , uma boca em cada seio, dividiram minha xana, dividiram minha bunda, uma boca na minha boca outra na xana, uma boca na xana outra no cuzinho. Eu pedia e eles obedeciam, me deixando maluca. Aí quis gozar assim, como Dil chupando meu grelo e o Andrei enfiando a língua no meu cu. Então resolvi compensá-los, colocando os dois sentados lado a lado e revezando a chupeta nos dois. Chupava um e punhetava o outro, depois trocava, bem lentamente, pra estender ao máximo aquilo. O Dil me pediu pra montá-lo mas eu pedi que fosse primeiro no Andrei. Montei nele e minha xana engoliu aquele pau delicioso de primeira. Pulava naquele cacete feito uma louca. O Dil se posicionou pra eu chupá-lo enquanto eu acabava com o pau do Andrei. Quando senti que íamos gozar pedi pro Dil voltar a lamber meu cuzinho, coisa que ele fazia tão bem e eu passei a ficar viciada. Queria curtir aquilo mas não consegui segurar meu gozo quando Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 329 -


senti Andrei jorrando dentro de mim. Em seguida o Dil me deitou no sofá e subiu em cima de mim. Reclamou da xana gozada pelo amigo mas meteu mesmo assim. Entrou de uma vez por causa da lubrificação “natural”, mesmo assim senti a penetração vigorosa daquela tora grossa. Metia forte e violentamente, acomodando aquela jeba na minha vagina até parar de doer e eu começar a gemer de tesão de novo. Gozou sem me esperar, mas eu curti mesmo assim. Eu queria ir embora mas eles me proibiram. Oscar e o Andrei disseram que tinham direito de passar a noite comigo, pq dormi com os outros dois na outra noite. Precisava ir embora pq acordava cedo no dia seguinte (segunda) pra ir trabalhar, mas não resisti aos pedidos insistentes, principalmente do Oscar. ;-) Mas pedi que fôssemos dormir logo depois do meu banho pq eu tinha que acordar cedo pra passar em casa antes do trabalho. Quando saí do banho enrolada na toalha percebi o Caio sentado sozinho no sofá reclamando. Mandei eles todos irem preparar o quarto pra gente e voltei pra sala pra consolá-lo. Ajoelhei no chão em frente a ele. Ele queria me comer antes de eu dormir, mas não permiti pq sabia que seria uma noite difícil. Fiquei argumentando como com uma criança e brincando com seu pau, enquanto ele tirava minhas mãos, visivelmente contrariado. Então eu comecei falar melosa “Deixa eu brincar com esse pauzão, vai, só um pouquinho antes de ir dormir... quero sentir o gosto gostoso do leitinho dele...”. Ele ria da sedução barata mas ia cedendo. Quando estava em ponto de bala, soltei o bicho da cueca. Ele saiu já apontado pra cima, que nem um poste, duro, lindo, e caí de boca alucinada e ele segurava minha cabeça afundando mais e mais minha boca no cacete. Ele adorou pq me esmerei em engoli-lo ao máximo, e já tava quase conseguindo abocanhá-lo todo na garganta, gozou assim, lá no fundo, me segurando pelos cabelos. Aí fui pro quarto ver o que me esperava. Eles haviam juntado as camas e dormiríamos os 3 juntos. Me mandaram deitar completamente pelada e quando levantei o lençol vi que eles já estavam pelados já de pau duro. Mal deitei eles me agarraram me beijando inteira, colando as bocas nos meus mamilos e esfregando os cacetes, que eu tentava segurar e punhetar. O Oscar me puxou pra cima dele, enfiando os dedos na minha xana masturbando acelerado e me beijando na boca enquanto o Andrei enfiava a cara na minha bunda e lambuzava meu rego de saliva, e pincelava o pau. Deu o pau na minha boca e me pedia pra lambuzar de saliva. Depois foi buscar o gel enquanto o Oscar já mamava meu grelo me acendendo novamente. Eles estavam afoitos! Demorou pra nos encaixarmos pra um dupla penetração. Primeiro entrou o Andrei atrás, depois o Oscar não achava posição pra encaixar o pau todo, ficou mais da metade pra fora, me deixando frustrada e pedindo mais. Enquanto isso o Andrei mexia gostoso, mas eu queria os dois, e nessa posição exata: Andrei atrás e Oscar na frente, por causa dos tamanhos. Então o Oscar saiu da cama irritado e mandou a gente se levantar “Vamos comer ela em pé”. Mas as diferenças de altura complicavam. Então fomos tentando várias maneiras, foi até engraçado, acendeu a luz e tudo, mas acabamos achando um jeito que achei fantástico! De frente um pro outro cada um segurou o ombro do amigo com o braço esquerdo. Eu subi e me apoiei entre os braços, de frente pro Oscar, e com o braço direito cada um segurou uma coxa minha (por de trás do joelho). Eu fiquei leve, pq além de eu parecer um passarinho perto do físico deles, meu peso estava dividido por dois. E eu fiquei arreganhada e vulnerável! Eles pincelavam os cacetes nos meus buraquinhos ao mesmo tempo. Andrei enfiou primeiro e, apesar de já estar lubrificado, deu um pouco de trabalho pra entrar. Então implorei pro Oscar meter aquele caralho em mim. No começo tava dolorido mas o Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 330 -


tesão de sentir aquelas duas picas me invadindo ao mesmo tempo superou tudo. E quando as duas estavam completamente espetadas aí sim... sem palavras! Eu estava completamente preeenchida como nunca tinha imaginado antes. Se eu me sentia preenchida com o Oscar me comendo, aquilo virou brincadeira. Eles me mantinham parada e mexiam só os quadris, enfiando e tirando os cacetes inteiros, do jeito que eu gosto, me deixando alucinada. Eu entrei num orgasmo e não parava de gritar de tesão. Meu gozo não terminava e fiquei em êxtase por muito tempo. Dil abriu a porta assustado com os gritos e quando viu o que tava acontecendo ficou estupefato “Aí siiiim, hein?”. Logo o Caio chegou pra ver tb e os dois ficaram em volta de mim, ajudando a me segurar pela bunda, enquanto aqueles dois cavalos mandavam as rolas pra dentro de mim sem dó nem piedade. Caio colou a boca no meu seio. O Oscar dizia “Olha só que puta essa menina!” Eu balbuciava “Sou a puta de vocês” entre meus gemidos. Quando percebi o Oscar gemendo alto, pedi pra gozarem em mim “Me façam gozar mais, fode mais”, Quando ele começou a gozar, eu gritei gozando junto, seguida pelo Andrei. Eu não sabia se era um outro gozo ou só uma extensão do mesmo. Tudo escureceu e acho que apaguei. Quando fui ver estava deitada na cama, nem percebi que eles me deitaram. Estavam todos sentados na cama ao meu redor, o Andrei e o Oscar exaustos. O Dil acariciou meus cabelos e dizia “Vou querer assim tb hein?! Gostei dessa posição e vc parece que mais ainda!”. Puxei o lençol pra me cobrir. Percebi conversas, eles indo tomar banho, a luz se apagando, movimento deles entrando na cama e apaguei em um minuto. No outro dia eu acordei ainda tava escuro e o Andrei despertou junto. Já veio me encoxando por trás de pau duro. Eu, ainda sonâmbula, só afastei minhas pernas pra ele enfiar. Quando a coisa esquentou pedi pra ele vir por cima de mim. Ele gozou rápido. Os meninos acordam com muito tesão, nossa! Pra mim foi uma foda automática. Só deixei pq, no meu fetiche de ser a putinha, não recusava nada enquanto aguentasse. Levantei colocando a roupa que tava (bermuda, camiseta e tênis) e pretendia sair sem acordar ninguém ter, mas aquela transa chacoalhando a cama despertou o Oscar. – Não vai me acordar com a boquinha hoje? – Não dá, bebê. Senão atraso pro trabalho. – Não dá, não! Vc não disse que era a nossa puta? Desistiu? Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 331 -


– Claro que não. Ainda sou a putinha de vocês, mas preciso mesmo ir. Tenho uma reunião importante hoje. – Não me interessa. Chupa! Fazia parte da brincadeira me chamar de puta e me dar ordens. E a minha parte era obedecer! ;-) Olhei no relógio e era mais de 6 horas, já atrasada, pelos meus cálculos. Pensei que podia resolver aquilo rapidinho. Não podia negar pq virei mesmo a puta deles e tinha que obedecer à ordem, mas na verdade... eu simplesmente adoro mamar naquele pau! O pau dele latejava na minha boca. Eu me esmerei tanto que enfiei o cacete dele quase inteiro na minha garganta. Engasguei um pouco mas insisti pra impressioná-lo. Ficou alucinado e gozou parece que mais ainda do que o costume. O primeiro jato foi dentro da minha garganta literalmente, depois punhetei tentando engolir tudo, mas quando minha boca encheu eu tirei e ainda recebi os últimos jatos na cara, na franja e na camiseta. Nossa, não sabia que alguém pudesse gozar tanto assim! Saí correndo sem dizer nada, limpando o rosto na camiseta. No estacionamento do meu prédio cruzei com uma família saindo pra levar o filhinho na escola. A mulher me olhou com cara de assustada e o cara com um sorriso tipo “A noite foi boa hein?”, Claro, chegando às 7 da manhã, descabelada, surrada e com aquela cara destruída, era de se estranhar. Mas eles não podiam imaginar como havia sido minha noite, com certeza. Enchi a banheira pra tomar um banho demorado mas minha agenda me lembrou que a reunião era logo às 8h! Como eu ia lembrar com aqueles cacetes na minha frente? Nada de banho de banheira, nada de lavar o cabelo, apenas me lavei 2 minutos, me vesti em 2 segundos e corri pro trabalho. Cheguei atrasadíssima e entrei na sala de reunião esbaforida, aquela situação constrangedora. O sócio olhava pra mim meio de canto de olho. No final me perguntou se estava bem, por causa das olheiras. Disse que não tinha passado bem à noite, mas quando ele perguntou o que eu tinha, me atrapalhei toda. Passei no banheiro antes de ir pra minha sala, e olhando no espelho, notei que ainda estava com o cabelo grudado. Era a porra do Oscar! Claro que não consegui trabalhar aquele dia. Minha mente ficou totalmente possuída pelo sexo. Fechava os olhos e as cenas daquelas fodas maravilhosas vinham à memória, os orgasmos, as posições, as sensações. E fora que eu estava ardida e com o corpo quebrado. Minha xana ardia, meu cuzinho estava em brasas e me incomodou por vários dias. Inexplicavelmente eu ainda sentia os cacetes dentro de mim, ou o vazio que eles deixaram... e ainda tinha o gosto da porra do Oscar na boca. Saí às 15h do trabalho e fui pra casa dormir pra me recuperar. Acordei só no dia seguinte! Daí em diante eu passei a frequentar o apê livremente. Passei a ter mais vida social nos finais de semana, sair mais com amigos, então ia pra lá durante a semana mesmo, direto do trabalho, ou mesmo final de semana, até voltando de alguma balada na madrugada. Se tinha só um deles eu não ia, de propósito, pra evitar alimentar proximidade. Mas quando tinha mais de um eu ia mesmo. Às vezes dormia lá, às vezes ia apenas para um rapidinha, apagar o fogo, apenas pra chupar alguém (qdo estava menstruada)... apenas pra gozar e fazê-los gozar tb. Eles resolveram me dar a chave do apê, pra que eu fosse qdo quisesse! Pudera, com as recepções que eu dava a eles depois de um cansativo dia de trabalho ou de treino... Resolvemos a questão da noiva do Dil: pra todos os efeitos, Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 332 -


eu era a namoradinha do Andrei. O Dil viajava bastante pro interior pra ficar com a noiva, mas qdo estava eu me matava de mamar e cavalgar naquela piroca. Tentei alguma coisa mais séria com o Oscar, mas ele era totalmente avesso a relacionamento. Achei que logo eles iriam enjoar de me comer, mas isso não aconteceu. Ao contrário, aprontamos muito! Fazíamos surubas “especiais”, como qdo foi o meu aniversário, onde eu comandava tudo e fazia o quê e como eu queria, realizando as fantasias que eu idealizava. Brincamos de sadomasoquismo (de leve), onde fiquei amarrada e estuprada (à força, mas teatral), fizemos sushi erótico, e outras “festas temáticas”. Às vezes vinham com um filme pornô bizarro pra gente reproduzir (onde eu sempre me dava mal), como a vez que me fizeram sentar numa garrafa de champanhe pra depois beberem, ou a vez que quiseram fazer uma tripla penetração. Não tentem. Não dá certo! Além de ser difícil e desconfortável, não dá tesão nenhum, é só pelo barato. Isso é só pra filme. Eles me faziam pedidos de roupas e acessórios especiais, fantasias eróticas (empregadinha, enfermeira, colegial), então tive que comprar mais lingerie sexy, baby doll, cintaliga, essas coisas, e virei cliente de sex shop. Eles até passaram bancar essas minhas compras, e faziam as comprinhas deles tb, como a vez que cheguei lá e tinha um consolo pra mim! “Caraca, com tanto pau aqui vou ter que aguentar mais um?!” rsrsr Mas ele vibrava e fizemos umas brincadeiras legais. Virei a boneca deles, um fantoche dos seus fetiches, mas adoro isso, pq eles são os meus fantoches tb. É uma relação saudável!!! Mas no meio dessa vida, eu reencontrei meu ex, quase um ano depois da separação. Ele apareceu no escritório para uma reunião, e depois de uma breve conversa me convidou pra almoçar. Me contou que tinha se separado da Tati, e que quando nos encontramos no casamento era a primeira vez que saíam (sei!). Pra resumir, saímos naquele fds e no outro, e acabamos reatando. Ainda gostava dele e isso nunca neguei. Durante nossa relação eu vivi maravilhosamente bem, mas o lado sexual era fraco demais, ao contrário do que eu tinha com os meninos, que era um sonho. No terceiro encontro fomos parar em um motel. Eu precisava fazer um teste com a experiência que tinha agora. Não foi um caos, como eu achava que seria. Não. Ele não melhorou em nada, aliás era bem inferior do que qualquer trepada automática que dava com os meninos. Tinha carícias, ternura, amor, como tem que ser entre um casal que se gosta, mas simplesmente xoxo perto da foda de verdade que rolava com eles. Incomparável! Outra pegada! Não aguentei muito tempo ficar sem! Algumas semanas depois lá estava eu de volta no apê pra apagar meu fogo. Curtia o namoro com meu noivo e o sexo com os meninos. Com o noivo definitivamente não rolava sexo com qualidade. A diferença é que agora eu não reclamava, não ficava mais frustrada, pq tinha sexo do bom e do melhor à vontade. Foi a única forma que encontrei de conciliar tudo. Contei aos meninos minha condição e pedi que não me ligassem, mas que apareceria quando desse. Morando sozinha, quase não namoramos durante a semana (1 ou 2 vezes) e com suas constantes viagens pra fora do país, me permitem fazer minhas visitinhas onde eu apago meu fogo. Passei a frequentar menos, óbvio. Uma ou duas vezes por mês dou minhas escapadas para encontrá-los. Descobri depois que quando passamos a nos reencontrar, eu com Vitor, ele ainda não tinha rompido com Tati. O namoro deles ia de mal a pior mas oficialmente ainda estavam juntos. E depois descobri ainda (ele nem sabe disso), qq hora eu conto como, que mesmo depois do rompimento oficial ele a procurou, e eles ficaram juntos algumas vezes! Mas não liguei... nem posso.

Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 333 -


A Chave – 1ª Parte Eu acabei ganhando a chave do apê deles, do próprio Dil, na verdade, que era o dono. Não tinha muito a ver me dar a chave, mesmo que eles gostassem da minha presença. Dar a chave pra putinha deles poderia trazer algum inconveniente de eu chegar numa hora inapropriada, que estivessem com outras, ou mesmo numa hora que eles não quisessem sexo... apesar que é muito difícil nenhum entre 4 rapazes na faixa dos 20 anos querer sexo... eu diria que impossível! Mas tenho certeza que a razão de eles terem me dado a chave foram 3 episódios que se sucederam, onde conquistei sua confiança e onde surgiu a ‘necessidade’ de eu tê-la. No conto anterior contei como reatei meu namoro, mas esses episódios aconteceram antes disso. Não tinha traído ninguém! Não ainda... rsrsr Depois daquelas semanas maravilhosas, onde conheci os meninos e vivi uma verdadeira maratona sexual, fiquei com receio de perder o controle, sei lá, ou de me sentir uma puta, devido a minha formação recatada. Me considero muito bem resolvida sexualmente mas vira e mexe esse dilema me perturba. Passei a sair mais com minhas amigas e família. Fiquei umas 2 semanas sem aparecer naquele apê da perdição e nem atendia telefonemas deles, e procurei não pensar muito em sexo. Isso foi bem no começo, mas depois complicou. Quando eu começava a considerar que dar só uma passadinha por lá não pegava nada... rsrsr... veio minha menstruação! Mais um final de semana em branco. No começo da semana seguinte eu já estava subindo pelas paredes, e me lembro que era uma terça feira, tava largada no sofá depois de jantar, moída da malhação, só esperando dar a hora de dormir, quando me bateu um tesão danado. Queria me masturbar e fui pra internet resolver isso. Menstruada não era legal brincar na webcam, então assisti uns vídeos pra aquecer, e tava lendo contos (que é onde me acabo) já me tocando e lamentando ter que me satisfazer assim, quando rolou a ideia de ir até os meninos, apesar da hora, no meio da semana e tal, e apesar da minha condição. Nada a ver!... mas quando bate o desespero não penso! Tava necessitada! Liguei pra lá e o Dil atendeu. – Tô querendo dar uma passadinha aí! – só falei isso. – Agora??? – silêncio – Vem! Eu vestia camiseta e calcinha. Coloquei uma calça jeans e tênis e me mandei. Cheguei lá eram quase 11 horas e estavam todos, o próprio Dil me recebeu. “Tá com tesão, né, sua putinha?!”, respondi “Deu saudades de ver vocês, oras, não posso?”. Já veio me abraçando, me beijando e me apalpando inteira. “Calma, eu to menstruada, só vim ver vocês mesmo!”. Aí foi um “ahhhh” geral enquanto eles me cumprimentavam com beijos. O Oscar quando me cumprimentou me apertou inteira, apalpando descaradamente meus seios

Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 334 -


“Mas tirar uma casquinha pode né?”, Eu só ri. Ele enfiou as mãos debaixo da camiseta pelas costas e habilmente abriu meu soutien, quando fui protestar já tinha soltado e ele enchia as duas mãos nos meus seios. Eu só disse “Ai, meu Deus!” me fazendo de difícil. Não queria ser tão vulgar assim, mas meu corpo não era mais o da lady que eu tinha sido um dia, e eu já era refém. “Fala que vc não veio aqui tirar uma casquinha tb”, sussurrando no meu ouvido. Não disse nada, mas tava molinha nos braços dele. “Se não, porque tá com os mamilos durinhos?”. Sorri, fechei os olhos, encostei a cabeça no peito dele e enfiei a mão por debaixo da camiseta, tocando o abdomem sarado. Desci a mão pro pau por cima da bermuda, que já estava inchado. “Eu sabia!” disse ele. Ajoelhei ali mesmo onde estava e abri a bermuda. Quando ela caiu vi aquele pau já duro esmagado numa cueca branca. Alisei ele e o saco por cima do tecido, esfreguei os dentes e senti o cheiro de excitação. “Era disso que vc tava precisando, Debi” pensei. Botei o monstro pra fora e caí de boca com fome. Molhei o cacete todo com a saliva, depois já fui punhetando com a boca, forte, queria que ele gozasse logo na minha boca. Os outros já se posicionaram em volta com os paus na mão, mas o Oscar disse “Espera. Eu conheço essa vadiazinha e sei do que ela tá precisando. Ela precisa mamar uma rola pra se acalmar”. Olhei pra todos sorrindo e respondi “É isso mesmo, querido!” Parei pra olhar aquela tora brilhando da minha saliva, segurando forte e punhetando lentamente. Voltei a mamar aquele cacete com vontade, enquanto ele segurava meus cabelos, até gozar na minha boca. Não gozou tanto quanto costumava gozava, mas o sabor tava delicioso. Dei um trato nele continuando a chupar um bom tempo depois, pq o pau não baixava. Deixei ele limpinho. Todos queriam ser o próximo e começou a confusão. Eu escolhi o Dil pq “Foi ele que me deixou vir”. Ele se sentou no sofá já com o pau apontado pra cima. Me ajoelhei em cima de uma almofada apoiada em suas coxas e comecei meu trabalho com a boca naquela tora grossa. O Caio veio por Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 335 -


trás procurando abrir minha calça mas eu disse “Não. essa calça não sai!”. Ele reclamou muito então eu tirei a camiseta e o soutien e disse “Pode fazer o quê quiser”. Agarrou meus seios e brincava deliciosamente com meus mamilos enquanto eu chupava o Dil. Dil empurrava minha cabeça pra baixo com força. Não gosto disso, gosto de ter liberdade pra fazer o meu trabalho e mostrar que sou mesmo boa nisso, como eles dizem... mas não reclamei, afinal queria agradá-lo. E foi assim até gozar urrando, como ele sempre fazia. Juntei tudo na boca pra engolir de uma só vez. Os dois começaram a brigar de novo pra ser o próximo, já me agarrando. Esses dois são taradinhos! Eu mandei os dois sentarem no sofá lado a lado que eu ia fazer nos dois ao mesmo tempo. Eles não gostaram muito da ideia mas eu disse que seria só no começo, depois eu ia dar dedicação exclusiva, e o primeiro seria o pau que mais babava. Fiz um boquete muito gostoso naqueles dois, eles não podiam reclamar. Segurei os dois paus e enquanto trabalhava com a boca em um, mexia lentamente o outro, pra deixar eles deseperados de vontade de gozar. Agora eu estava mais calma, poderia caprichar. O Dil e o Oscar se sentaram nas poltronas ao lado pra assistir, alisando os cacetes de fora. Eles diziam que estavam esperando a hora de me comer. Lambia o pau inteiro, espalhando saliva, aí passava pro outro. Abocanhava a glande e deixava a saliva escorrer, deixando o saco melado, onde eu esfregava a mão envolvendo as bolas e massageando de leve. Eles só suspiravam baixinho. Abocanhava a bola inteira e chupava, chupava, enquanto punhetava de leve, judiando dos meninos. Quando eles já estavam com vontade de gozar começaram a reclamar qdo eu parava de chupar pra ir pro outro. Então era a hora da dedicação exclusiva. Escolhi o Andrei pq o pau dele baba mais mesmo, e tem um gosto saboroso, diga-se de passagem, sem que o Caio reclamasse, que só me olhava, boquiaberto. Engoli o Andrei o máximo que pude e quando ele estava pra gozar disse que queria que fosse no meu rosto. Me afastei mas ele atingiu meu pescoço e seios. Dil disse “Chupa logo o Caio que eu quero te comer”, O Oscar disse “Calma lá, pela ordem!”. Me virei pra eles e disse “Ninguém vai me comer hoje! Não falei que só vim aqui pra VER vocês? Já ganharam um boquete extra, não podem reclamar.” E comecei o boquete do Caio. O Oscar perguntou: – E vc vai ficar sem gozar? – Eu queria. Pq vc não vem me fazer gozar? Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 336 -


– Bom, pra isso vc essa calça TEM que sair, né? – Sorry, bebê. Estou MUITO menstruada. Ela NÃO vai sair. Seja criativo! O Oscar se posicionou atrás de mim, me encoxando e segurando nos meus seios. O Dil enfiou a mão dentro da minha calça com dificuldade, pq ela era apertada, procurando minha xana. Tocou meu grelo por cima da calcinha e eu dei um suspiro, enquanto engolia o pau do Caio. Eu tava morrendo de tesão. Oscar abriu um botão da minha calça “vamos só facilitar um pouquinho”, não reclamei pq era o bom senso. Assim o Dil conseguiu enfiar a mão por dentro da minha calcinha embaixo do “pacote” até tocar meu clitóris. Um cara experiente é outra coisa! Ele entendeu que teria que me masturbar sem tirar meu absorvente do lugar. Minha xana tava absolutamente molhada e seus dedos começaram a escorregar imediatamente. Eu tremia mas tentava não perder o foco no Caio, que tadinho, tinha tanto direito quanto os outros. Mesmo sem conseguir me dedicar como devia, o Caio não reclamava de nada. Ele é um doce. Tentei engolir o cacete dele todo, como fiz com o Andrei, mas o pau dele é bem maior. Ele tb quis gozar no meu rosto. Tirei a boca pra no último segundo pra receber um jato forte na cara. Estava de boca aberta mas ele mirou no rosto, na testa, queria me lambuzar toda e conseguiu. A porra escorria pelos ao redor dos meus lábios e eu tentava recolher com os dedos e chupá-los pra não perder nada. Meus olhos lacrimejavam por ter engasgado várias vezes. Aí sim eu pude me concentrar na siririca que eu recebia. Ergui meu corpo. O Oscar me beijava no pescoço, minha boca, sugava meus seios, agora que conseguia, enquanto o Dil me masturbava forte, rápido, girando a ponta dos dedos juntos em cima do meu grelo. Eu contraía minha buceta sem parar. Preferia estar sendo fodida por um cacete, mesmo assim eu gozei gostoso, gemendo e tremendo o corpo todo. Eles dispersaram pra cozinha, um foi pro banheiro, ainda argumentando que poderiam me comer no chuveiro, como fizemos da outra vez que eu tava menstruada. Eu respondia de longe, sozinha na sala. Peguei minhas coisas e saí sem que vissem. Kkk devem ter ficado putos, mas eles iam entender. Era meia noite. Isso tudo durou uma hora. Uma rapidinha... vezes quatro... apenas pra tirar uma onda! Só isso. No final das contas acho que ganhei um pontinho com eles. Na sexta-feira a menstruação já tinha terminado então decidi ir no sábado logo pela manhã no apê dos meninos pra passar o dia, de novo sem avisar. Queria dar uma compensação a eles pelo meu sumiço da última vez. Quando eu cheguei, perto da hora do almoço, só estavam o Andrei e o Caio. O Dil tinha ido pra Americana. Perguntei do Oscar e eles contaram que o ele voltaria à noitinha pra receber uma amiga. O garanhão tinha marcado um encontro à dois no apartamento e havia expulsado os outros meninos pra ter privacidade com ela. Nem preciso falar que bateu um ciúmes. Se eu tivesse ligado antes não passaria por isso! Recomposta, disse... “Tudo bem, vamos aproveitar até a hora de ir embora”. Então eles me convidaram pra uma balada da galera deles naquela noite. Descemos os 3 pra piscina com umas latinhas geladas pra aproveitar o sol. Mal entramos na água já começou a brincadeira de agarra-agarra com uma bolinha. Eles não tinham pudores de se aproveitar de mim e nem ligavam pra se alguém estivesse olhando, como o Dil fazia. Um me abraçava, dava Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 337 -


uma passadinha de mão boba, aí o outro me pegava, os dois me ensanduichavam... saíamos pra tomar sol, beber e bater papo, voltávamos pra água... e ficamos assim umas 2 horas. Até que a brincadeira começou a ficar séria. Eu já sentia os cacetes duros roçando no meu corpo, as mãos já estavam mais assanhadas, e o tesão já estava dominando nós 3. Então subimos pro apê e fomos pra ducha, os 3, claro! Pedi pra eles se comportarem e tomarmos banho estilo Big Brother, sem tirar os maiôs. Eu gostava de dificultar as coisas pra provocá-los e dar mais graça à brincadeira. Mas sabíamos que isso não ia funcionar, e alguns minutos depois eles já estavam me atacando, e quando sentia as 4 mãos me ensaboando parei de resistir. Caio logo desamarrou a parte de cima do meu biquíni e alisava meus seios com as mãos escorregadias. Fui ensanduichada de novo por aqueles corpos gigantes ensaboados, sentindo os músculos nos meus seios e costas, a fricção da pele nos mamilos. Fico alucinada com essa sensação. Tiramos o resto dos maiôs aí passei a sentir os paus latejantes entre minhas coxas, entre as nádegas... hmmmm Fomos pro chão, eu de 4 e o Andrei pincelando a cabeça da rola nos grelo. Eu já tava pedindo pra ele enfiar quando ele falou pro amigo “Vamos hoje comer só o cuzinho dela? Quero judiar bastante dessa cadela, pra punir o que ela fez com a gente, o que vc acha?”. Eu protestava e suplicava “Não! Não! Por favor, sem essa! Come minha bucetinha, vai... Ela tá carente!”, Mas nada adiantava. “Ponha onde vc quiser, mas me come logo!”. Ele me comeu de 4, enquanto eu mamava o Caio, até gozar dentro da minha bunda. Depois foi a vez do Caio, que me ensaboou inteira e se grudou atrás de mim como um cachorro. Alisou meu corpo inteiro, minha bunda meus seios com as mãos antes de me comer com vontade, até gozar escandalosamente. Gozei junto com ele masturbando meu grelo. Eu ainda brincava com os paus deles dois, tentando mate-los duros... “Quem vai apagar o fogo da minha xana?” Eles diziam que já tinham gozado e não me comeriam mais, só pra me ver pedir, implorar e fazer chantagem emocional barata, só pra ter um caralho me fodendo, nem que fosse por um pouco, pra matar minha sede. Eles foram saindo... “Estamos com fome, vamos cuidar do almoço”. Relevei, eu não podia reclamar. Como eu havia mudado! Tinha medo de fazer sexo anal, e agora podia transar com dois, só anal e sentir prazer. Ainda bem que tinha comida pronta, pq estávamos famintos. Depois do almoço ficamos largados no sofá assistindo TV e cochilando, ora abraçadinha com um ora com outro. Aquela tarde foi gostosa pq ficamos os 3 juntos o tempo todo, aproveitando que estávamos sós. Não aguentei de curiosidade e perguntei da ‘namorada’ do Oscar, se era sério. Eles riram. Se Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 338 -


conheceram numa festa, já tinha rolado uns encontros do tipo café, almoço, mas a expectativa era que essa seria a noite do ‘abate’. Não podia imaginar que para um gato daqueles pudesse haver tarefa difícil para conquistar uma moça. Ela tb era do interior, da mesma região, era modelo (nem era famosa) e morava numa casa, com outras meninas tentando carreira em SP. Contaram isso todo animadinhos! Parecia que eles queriam entrar no galinheiro! Rsrsr Aí eu fiquei mais aliviada e consegui rir. Eu toda preocupada que o cara estivesse apaixonado e eu perderia meu brinquedinho, e ele tava é pensando na putaria. Cochilamos assim juntinhos. Eu vestia só uma camiseta e calcinha, e eles só cueca. Ora sentia o volume de um nas minhas coxas, encaixado na bundinha, ora outro, ora os dois, muito bom. Já era tardinha quando despertei com eles já me encoxando, e comecei a brincar com os paus, que iam inchando, endurecendo cada vez mais. Aquela esfregação toda deixou minha xana ensopada. Pedi, implorei para ser chupada, e ordenei uma boca mamando no meu grelo outra lambendo meu cuzinho. Pedia pra enfiar a língua bem lá dentro, enfiar e tirar, morro com a sensação dessa fricção. Gozei assim. Mas como eu gozei! Fazia tempo! Segurei a cabeça do Andrei, que chupava meu grelo, com tanta força quando gozei que acho que até machuquei o menino. Então eles me levaram pra cama pra me comerem com “bastante calma”. E assim fizeram. Me comeram lentamente, preguiçosamente. Um me comia por trás enquanto eu mamava o outro. Aí eu invertia. Curtia mais um pouquinho, invertia de novo, deixando eles loucos. Eu já sabia diferenciar os cacetes deles dentro de mim. O Caio é muito comprido, me cutucava fundo. O Andrei é grosso e tem uma cabeçona linda, parece que sinto o formato dela escorregando dentro de mim. Ficamos bastante tempo assim, e eu adorei aquela sessão de sexo ininterrupto. O Andrei gozou dentro da minha xana, e o Caio quis comer meu cuzinho de novo pra gozar nele. Então eu fui pro banho, e quando voltei já arrumada, eles ainda estavam largados na cama sonolentos. Eu tinha me preparado pra ir pra balada com eles. Estava com uma blusinha de alças florida decotada pq fazia calor, uma saia bege leve e tamanco. Só então foram se aprontar. Nisso, enquanto eu estava sozinha na sala, chega o Oscar com a amiga dele, a tal Bia. Uaaal... Ela realmente chamava a atenção. Além de ter um rosto lindo, feições europeias, olhos azuis e tal, era alta (devia ter mais de 1.80) e tinha um porte elegante, longos cabelos loiros (castanho claro com luzes). Era tb bonita de corpo, mas era mais elegante do que gostosa. (Bom, sei lá, gosto é gosto. Sou mais eu, que tenho um porte mais ‘atlético’... kkk) Ela tinha aquele corpo super esbelto que dar inveja (como já deu pra perceber). Pra completar vestia uma blusa toda colorida e brilhante BEM decotada que valorizava bastante o busto volumoso, saia branca de tecido fino muito curta e sandália chiquésima prateada... pronta pra balada! Fiquei com ciúmes pq ela era diferente de mim, nórdica, esbelta, alta (e olha que não sou baixa). E tinha 20 aninhos! Mas parecia uma mulher fatal. O Oscar estava surpreso em me ver “Vc aqui?”. Contei que os meninos tinham me convidado pra ir pra balada com eles. Após as apresentações e um papinho inicial, deixei os dois à vontade na sala, bebendo um vinho que o Oscar abriu com toda a pompa, e fui pra cozinha, pq não queria atrapalhar. Um tempinho depois o Oscar me chamou “O que vc tá fazendo sozinha aí? Vem cá com a gente”. Ele foi legal comigo em me fazer sala até os meninos aparecerem.

Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 339 -


“Chegou agora ou passou o dia aqui?” me perguntou com cara sacana. Respondi que cheguei à tarde, ficamos na piscina, e eles tinham me convidado pra ir pra balada mas eu não queria ir pq tava cansada. “Tá cansada é?”, perguntou me olhando fixamente com cara de riso. “Pois é, acha que ficamos muito tempo na piscina, acabei cansando” respondi com o mesmo olhar. A moça deve no mínimo ter achado esquisito aquele papo e sacado a química entre a gente. “Mas não to com pique de balada hoje”, continuei. “Vou pra casa dormir pq amanhã quero acordar cedo”. Ele me serviu vinho tb e ficamos batendo papo quando os dois meninos apareceram prontos e cheirosos. Cumprimentaram-se todos e ele “Vamos?” pra mim. Eu olhei com cara de preguiça e disse que não ia, tava cansada, tinha que acordar cedo, blábláblá. Eles tentaram me convencer... só um pouquinho... mas acho que minha presença não ia fazer muita diferença na festa da galera deles, talvez até dessem graças a Deus. Depois que saíram o papo rolou solto. Estranhei eu estar ali, meio que atrapalhando os dois, sendo que a coisa tinha sido conduzida pelo Oscar pra ser um encontro romântico. Ela não parecia estar incomodada, muito pelo contrário, parecia me dar mais atenção do que a ele, completava meu copo, perguntava da minha vida, esticando minha presença ali. Eu estava esperando um sinal de um dos dois pra eu deixá-los sozinhos, mas isso não aconteceu. Só sei que embalei pq o vinho fez me relaxar. Ela falou sobre suas aventuras da carreira de modelo, sobre as meninas da república. O Oscar provocava perguntas do tipo “conta o que rola naquela casa”, ela sorria, mas, muito discreta, deixava no ar. Mais e mais vinho e estávamos muito à vontade. Numa dessas de se levantar pra pegar vinho, ao voltar sentou-se ao meu lado continuando a falar diretamente comigo, deixando o Oscar longe no outro sofá. Ela falava e me tocava sempre que podia, e pousava a mão na minha coxa direto, com bastante intimidade. Eu estava um pouco constrangida, mas fingia que não percebia. Ela era tão atraente que acho que estava gostando. Quando ela comentou que tinha implante nos seios eu fiquei interessada! Perguntava tudo que queria saber e ela respondia numa boa. – Mas vc não precisa disso, menina. Já tem um bom volume aí. E parecem ser bonitos. – Obrigada, mas nem se compara. – Imagina, minhas colegas adorariam ter seios assim naturais. Vc é muito bonita! – e desencadeou a me elogiar me deixando até encabulada, alisando minha coxa ainda mais à vontade agora. Meu deus, que sensação esquisita aquela que tive qdo achei que ela tava me cantando! Pra disfarçar continuei perguntando do implante, se pesava, se sentia qdo corria, se tirava Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 340 -


sensibilidade, etc. – Vc não sabe nada mesmo sobre implantes, né? Quer tocar neles? Nossa, parecia que tinha tomado um soco! Minha reação foi olhar imediatamente pro Oscar, enrubescer e ficar encabulada de ter deixado transparecer meu constrangimento. Pudera, não sabia lidar com isso! O Oscar, que apoiava a cabeça sobre o punho fechado, só deu uma olhadinha estranha quase sorrindo. Se antes eu achava que ela tava me cantando, passei a ter certeza! – Vou ao banheiro. Já volto! – e saí correndo dali. Não tinha vontade de fazer xixi não, foi só pra sair dali e absorver tudo. Passei água no rosto e tomei coragem pra encarar mais esse desafio! Rsrsr Quando voltei o Oscar estava sentado ao lado dela e estavam rindo. Eles acompanharam meu caminho de volta ao sofá exatamente onde eu estava sentada... perto dela, bem pertinho. – E aí, quer tocar ou não? – os dois perguntaram ansiosos. – Claro que sim! Peguei meu copo quase cheio na mesinha e o esvaziei em três goladas seguidas. Apalpei o direito por cima da roupa de leve e dei uma boa explorada em volta da prótese. Era macio e firme e enchia a mão. E tirei a mão. “Gostou?”. Respondi que sim sorrindo “Esquisito, nunca toquei em seios que não fossem os meus!”. – Só isso? Vc nem sentiu direito! Não precisa ficar com vergonha. Sente direito, menina! Me ajeitei pra mais perto e apalpei os dois ao mesmo tempo. “Agora sim!” ela disse. Não sabia que era tão bom assim apalpar seios. Por isso que os meninos piram! Gostosos! Então alisei a pele na parte do seio exposta pelo decote: “macios”. Ela apenas sorria. Olhei nos olhos e mergulhei as mãos dentro da roupa pra apalpá-los inteiros, e senti os mamilos: “hum, que delícia!”. Ela disse “Imagina pra mim! continua.” Não parei mais. Sentia os mamilos enrijecendo. Que gostoso sentir na pele o tesão aflorando pelo seu toque. O Oscar tava desconcertado “Caramba, até eu to com vontade de sentir isso assim”. Ela disse: Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 341 -


– Você não. Isso é coisa de mulher! Entre meninas. Agora é minha vez! Tirei as mãos e ela veio mexer nos meus da mesma forma como fiz: apalpando por cima da roupa, depois enfiando as mãos por dentro. Desabotoou uns botões, apalpou por cima do soutien. Eu disse “Nem comparação né?” E ela emendou “Tá brincando? Isso aqui é uma delícia” E abriu o soutien, que tinha fecho na frente, liberando meus seios totalmente pra fora. O Oscar comentou “Vc não tá verificando prótese nenhuma, vc tá é tirando uma casquinha”. Ela dizia “Não liga pra ele não. Tá é morrendo de inveja” olhando pra ele. Mas eu não estava nem aí por ficar desnuda na frente do Oscar. Então me apalpou com vontade, com tesão, enquanto meus mamilos enrijeciam totalmente. Aquilo já tinha virado preliminares. Eu voltei a apalpar os dela, enfiando as mãos pela roupa e liberando eles tb. Ela olhou pro Oscar sorrindo e nem ligou de ficar exposta. Aí ela disse “Deixa eu fazer uma coisa pra ficar melhor”, Se levantou na minha frente, e eu fiquei admirando aqueles seios desnudos, grandes, redondos, apontando pra frente, enquanto ela descalçava as sandálias com os pés, e veio por cima de mim se ajoelhando no sofá de frente pra mim, deixando os seios pertinho da minha cara. Agarrei os dois e pus a boca, primeiro beijando, depois sugando os mamilos. Ela suspirou gostoso alisando meus cabelos “Isso, menina”. O Oscar ficou em pé ao lado dela, baixando sua blusa pra liberar mais seus seios pra minha boca faminta, e começou a beijá-la na boca. Eu percebi e assisti aquele beijo guloso a poucos centímetros do meu rosto. Morri de ciúmes, mas não tinha direitos ali, a não ser usufruir do que ela me oferecia. E usufruí bem! Suguei avidamente aquele par de seios, fazendo exatamente como eu gostava de receber: lambidas nele todo, prendia os mamilos com os lábios e puxava eles pra fora até eles escaparem da minha boca, provocando suspiros nela, lambuzando os mamilos de saliva e esfregando forte a língua neles. Que delícia! Adorei mamar!!! “Nossa, como vc chupa gostoso” ela disse. “Agora é minha vez. Quero te experimentar” Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 342 -


Ajeitou seu corpo pra alcançar meus seios com a boca. Joguei a cabeça pra trás pra receber aquelas carícias deliciosas da boca dela na minha pele. As coxas dela estavam sobre as minhas e ela apoiava os joelhos ao lado dos meus quadris. Enfiei as mãos debaixo da saia dela pra sentir aquelas coxas com as mãos, do joelho até chegar na calcinha, pelas laterais da perna. Que pele macia. Que sensação gostosa a pele macia da mulher que eu tinha tido poucas chances de tocar até aquele dia. Estava acostumada com as coxas musculosas e peludas dos homens. Posso dizer que é uma experiência totalmente diferente, mas igualmente prazerosa. O Oscar me beijou na boca e eu retribuí surpresa... naquela altura eu não sabia mais qual o limite entre permitido e proibido. Ela estava assistindo com o rosto pertinho, esperando a vez de ser beijada. O Oscar passou a nos beijar alternadamente segurando a gente pelo cabelo, e eu percebia que a cada beijo ele puxava o rosto pra mais perto uma da outra. Percebi que queria que nós mulheres nos beijássemos, e não deu outra... assim que tirou a boca da minha forçou a cabeça dela, e sua boca, que já estava a milímetros, colou na minha. Aí deixou que nos beijássemos. Diria que 20 minutos antes disso eu nunca acharia que beijaria a boca de uma mulher, apesar até de já ter fantasiado ménage. Uma boca macia de lábios suaves naquele beijo guloso. Coloquei a mão no rosto explorando a nova sensação da pele lisinha sem barba. Adorei!!!!!!! Enquanto nos beijávamos o Oscar tirava nossas roupas, com dificuldade, pq nem dávamos bola pra ele. Nos beijávamos enquanto as mãos exploravam o corpo da outra. Eu delirava com a maciez da pele o cheiro sedoso do perfume, estava alucinada com aquilo. Ele pediu pra gente parar pra ele poder tirar o resto de nossas roupas, pois estávamos nuas da cintura pra cima. Bia olhou pra ele e disse “Vc não dá ordens aqui não, garotão. Vai aproveitar o que te sobrar pq quero sentir ela todinha”. A gente riu pq foi muito mandona. O Oscar já estava sem camisa pertinho da gente, exibindo seu peitoral, e resolvi colocar ele na brincadeira, pq não sabia dar conta dela. Falei “Deixa eu te mostrar uma coisa que tenho certeza que vc vai gostar” Comecei a abrir o cinto dele enquanto alisava o volume sob a calça. Ela disse “Parece que vc já conhece bem...”. Nossa que mancada. Não sei podia ter revelado isso (pela cara do Oscar não podia) mas ela não ligaria pra isso naquela altura. Se ela ligava, o volume do pau dele marcado na cueca a fez esquecer, pq ela ficou mexendo nele vidrada. – Como vc foi uma boa menina, vou te dar um brinquedinho – eu disse. Abaixei a cueca pelo elástico liberando aquele pauzão, que caiu a centímetros dos nossos rostos. Ela disse “Noooossa” sem tirar os olhos, sorrindo maravilhada. Segurei ele na base apontando pra boca, segurei na sua nuca, e disse

Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 343 -


“Aproveita o presentinho, amiga. Vai”. Arregacei a cabeçona melada e apertei ordenhando o caldinho que já vinha abundante. Ela deu uma lambidinha e engoliu a cabeça de uma vez. Que tesão que dá assistir isso de pertinho! Percebi que ela mais lambia do que chupava, e não engolia aquele pedaço de carne como eu fazia (o Oscar disse depois que era mais eu ;-) Eu participava brincando com o que me sobrava, mexia nas bolas, alisava as coxas dele, as coxas dela, querendo usufruir o máximo daquele corpo feminino delicioso. Depois de uns 5 minutos chupando aquele cacete sozinha ela resolveu compartilhá-lo, me puxando pra eu chupar junto. Eu lambia as bolas e chupava uma parte daquele pau, revezando com ela entre a base e a cabeça, e a gente se beijava quando as bocas se encontravam. Muito excitante dividir um pau assim, ainda mais AQUELE pau e AQUELA boca. O Oscar tava maravilhado! Aí deixei ela se deliciar sozinha naquele pau (eu já tinha à vontade) e quis aproveitar mais aquele corpinho. Tentei tocar a xana mas não conseguia direito. Ela percebendo a dificuldade, levantou bem o corpo me dando todo o acesso, então enchi a mão. Nossa, adorei a sensação de tocar outra buceta. Senti o calor e a maciez da carne através do fino tecido da calcinha. Quente! Úmida! E comecei a esfregar aquela carne molinha na altura do grelo. Ela não parou de chupar o Oscar mas ficou de repente extremamente ofegante. Acho que eu tava fazendo direito. Com a outra mão explorei a bundinha dela com a calcinha atoladinha. Era “bundinha” mesmo, perto da minha, mas era redondinha, macia, deliciosa. Eu tentava beijar e lamber onde dava. Ela parou de chupar o Oscar por 3 segundos, olhou pra mim e gritou “Ai, que tesão, mexe assim na minha buceta, sua safada. Isso... assim...”. Até me assustei com o jeito que ela falou, tamanho era o tesão da menina. Puxei a calcinha dela até o joelho e voltei minha mão, pra sentir uma buceta sedenta que não era minha. Depois de umas duas ou três rodadas que dei com minha mão ao redor do seu clitóris, meus dedos já estavam lambuzados. Ela punha sua mão em cima da minha conduzindo meus dedos pra dentro. Enfiei 2 dedos na xana e os escorregava de baixo pra dentro. Aí ela alucinou de vez. Até tirou a boca do pau de novo e ficava gemendo “Assim... enfia... enfia mais... mexe... ahnnn... mete... me fode, putinha... vai”. Enfiei 3 dedos e soquei o mais rápido que podia. Ela, sem largar o pau, balbuciava de olhos fechados, mostrando que ia gozar. O Oscar reclamou “Ei, não esquece de mim” Nas a menina já tava embalada forte no tesão, então só lhe restou dar aquela força “Faz ela gozar, Debi. Mete nela.” Vi ela gozando com o rosto pertinho do meu, fazendo uma careta, a veia da testa saltada, e gozou se estremecendo inteira, rebolando os quadris e gemendo gostoso baixinho. Eu gozo assim forte tb mas com estímulo no clitóris. Ela ficou imóvel tentando recuperar o fôlego enquanto eu e o Oscar beijávamos ela toda. Percebi que ela ia sobreviver quando sorriu e olhou pra mim com cara de felicidade. “Não tem erro. Uma mulher SEMPRE me faz gozar gostoso!”. Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 344 -


Nem precisei perguntar pra ela se ela já tinha feito isso antes. O Oscar passou a tirar todo o restante da roupa dela, enquanto ela tirava a minha. Tirava minha calcinha olhando nos meus olhos e dizia “Minha vez de te provar”. Segurou minhas coxas abertas sobre seus ombros, deu uma boa olhada “Ual, que grelão vc tem!” Caiu de cara na minha xana “Que melzinho gostoso”. Como ela estava quase de 4 o Oscar se posicionou atrás dela e encaixou a cara na bundinha “Eu é que quero te provar”. Ela gemia mas caprichava na minha buceta. Primeiro lambeu tudinho, dos lábios até o clitóris, depois enfiava a língua dentro o mais fundo que podia. Era bom mas posicionei a boca nela no meu grelo “É aqui vc que vc tem que mamar, bezerrinha”. Eu já estava subindo às nuvens qdo o Oscar se posicionou pra comer ela assim de 4, mas ela parou pra reclamar com o Oscar... pediu camisinha. Ele disse que ia gozar fora e ela se deu por convencida. Depois reclamou que não tava aguentando aquela jeba. Não sei se ele foi muito afoito pra dentro dela, mas pra quem não ta acostumada não fácil receber aquela piroca de 4. Ela pediu pra ele tirar pq tava doendo e ele insistia que ia passar. Um duelo! Eu queria aquela língua de volta então me irritei: – Bia, deixa que logo vc acostuma. Vai por mim, eu sei o q eu to falando - e dei uma piscadinha. E vc, garanhão, vai com calma pq vc vai ter que satisfazer duas. Agora continua mamando aqui, bezerrinha. E tudo se ajeitou. Ele passou a ir mais devagar. Ela voltou a me chupar deliciosamente, mas eu percebia que ela ainda estava incomodada, e eu não ganhava mais uma chupada tão boa. Então mudei as posições. Pedi pra ela deitar no sofá de barriga pra cima, e pedi pro Oscar continuar comendo ela. Ele ficou ajoelhado no sofá virado pra ela e colocou suas coxas sobre as dele. Acompanhei a penetração bem lenta do ladinho dela, alisando seu corpo e beijando os mamilos. Só aí vi direito a xaninha dela. Era peladinha e rosinha. Não tinha lábios aparentes como os meus, só um pontinho que era o grelinho no final de um risco delicado. Linda e perfeitinha. Aí a putinha só gemia se rendendo àquele cacetão maravilhoso. Só depois disso eu me posicionei com a xana na cara dela, pra continuar o serviço, enquanto o Oscar, de frente pra mim, me beijava na boca e brincava com meus mamilos. Que gostoso, agora sim era um ménage de verdade. – Que delícia chupar esse grelão!!! Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 345 -


– Quero vc mamando ele... Eu rebolava pra esfregar o grelo na boca dela toda, sentia aquela língua me chicoteando. Me abaixei pra alcançar aquela xaninha com a boca, e comecei a passar a língua nela. Via o pau do Oscar entrando e saindo de uma posição VIP. Ele segurou minha cabeça e me mandou abrir a boca. Tirou o cacete de dentro dela e deu na minha boca pra eu chupar. Abocanhei aquela cabeçona de uma vez, mamando avidamente, sentindo o gosto da putinha, que já me levava às nuvens de novo. Ele tirou da minha boca e voltou a enfiar nela, e eu voltava a lambê-la. Bia só gemia... a safada tava adorando levar aquela pica. Era uma sinfonia de gemidos e suspiros. O Oscar alternava aquele caralho entre a boca e a xana, que já é bom ao natural imagina com o caldinho dela. Senti que ia gozar e comecei a conduzi-la “Agora... mais forte... chupa... isso” e ela fazia direitinho. Gozei com o Oscar beijando minha boca meu primeiro orgasmo na boca de uma mulher. Aí ele se levantou e veio por trás de mim me comer. Parece que ele sabia do que eu tava precisando... ser preenchida. Meu gato fodedor! Comigo não teve cerimônias. Me pegou pelos quadris e meteu tudo de uma vez. Quando entrou tudo eu até pulei. Não tem como receber aquilo tudo assim de uma vez violentamente. Mas nas estocadas seguintes ele já se encaixava deliciosamente, de tão molhada que eu tava, preenchendo minha vagina toda. Queria sentir aquele caralho me empalando então me arreganhei toda pra recebê-lo inteiro. Gemia e arfava igual uma gata no cio (acho que até assustei a Bia) até me acostumar, só depois que voltei a chupar a xaninha dela. Agora sem o Oscar metendo ali conseguia chupar a buceta toda. Ela só brincava com a língua na entradinha da minha buceta, no pau dele, no saco. O Oscar às vezes tirava de dentro, provavelmente pra colocar na boca dela. Eu tinha que esperar, mas era um grande prazer voltar a sentir aquele cacete escorregando pra dentro, sabendo que ele tava todo babado da saliva daquela loira maravilhosa. Eu sentia tudo escorregando muito, mais do que o normal. Aí percebi que minha xana tava muito molhada, até cremosa, de tanto que os sucos da minha excitação verteram, com aquele cacetão socando. Tava maravilhoso até que ela disse “Minha vez” e tirou o Oscar de mim. Deitou ele no sofá e subiu em cima para cavalgá-lo, com a minha ajuda. Segurei o cacete apontado pra cima e ela veio descendo muito devagar, saboreando cada milímetro enquanto suspirava, até que sentou toda. Começou a rebolar bem devagar e gemendo igual uma putinha e acelerava cada vez mais. Logo parecia que tava montada num touro bravo, a safada, de tanto que pulava. Me posicionei pra encaixar a xana na boca do Oscar, pra ele brincar com ela enquanto fodia a Bia. Estando de frente pra ela, não perdia chance de beijá-la na boca e lamber seus seios que pulavam pesados, lindos. Bia parou de se mexer, e falando igual drogada pediu pro Oscar vestir uma camisinha. Ele, contrariado, mas obediente, me pediu pra pegar na carteira no bolso da na calça largada no tapete. O malandrinho já tava preparado! Eu tive o prazer de encapar aquele mastro melado. A camisinha parecia que ia estourar. Ela voltou a montá-lo e já estava quase gozando. A coisa pegou fogo. O Oscar começou a querer se mexer pra meter. Ela se levantou um pouco pra ele conseguir espaço pra bombar, e o fazia violentamente, o barulho dos corpos se batendo, enquanto ela soltava um gemido alto, intermitente pelas pancadas do corpo dele nela. Estava gozando, e pelo jeito, muito. Parecia Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 346 -


uma gata no cio. Eu abracei o Oscar e disse baixinho na sua orelha “Ae segura pq vc ainda tem que me fazer gozar”. “Não sei se consigo”. Assim que ela gozou eu já tirei ela dali e tomei seu lugar. Montei nele e dei uma bundada nela jogando-a pra trás. Quando ela desencaixou a buceta o pau caiu na barriga dele fazendo um barulho forte, de tão duro e melado que tava. Apontei aquele pauzão pra cima e já engoli todinho na minha buceta. Bia nem saiu do sofá, só se moveu pra trás e ficou segurando nos meus ombros, enquanto se recuperava. Oscar ficou paradinho, acho que pra conseguir se segurar, enquanto eu pulava igual uma louca. Mas ele perdeu o controle em poucos minutos. Agarrou minha bunda com as duas mãos me arregaçando tão forte que achei que ia partir no meio, levantou meu quadril e começou a bombar violentamente gemendo alto e com os olhos revirados. Eu conhecia, ele estava gozando forte. Eu não tinha chegado lá ainda. Se ele tivesse sem camisinha eu gozaria com certeza sentindo o jato quente e forte que ele deve ter soltado naquele gozo. Que desperdício de porra! Gozei alguns minutos depois, pq continuei cavalgando no cacete ainda duro, e com a ajuda da Bia, que por trás de mim me abraçava e mexia nos meus mamilos e no meu grelo. Saí de cima dele e deitei no sofá pra recuperar o ar, enquanto ele sai da sala. A Bia se deitou ao meu lado e abraçando e lambendo meu pescoço. Eu tava toda suada e melada, mas ela dizia que gostava do “salgadinho”. Me beijava e lambia com volúpia minha cara, minha orelha... como gostava da pele feminina essa menina! Eu passei a achar legal, mas pelo jeito ela era fissurada. A gente ficou se abraçando e se beijando, com os corpos melados, entrelaçando as coxas, os braços, nos enroscando. Delícia. Aí fomos tomar uma ducha e o Oscar já tava lá terminando. Entramos as duas junto com ele, aí ficou melhor ainda. Eles dois me deram banho, me ensaboando toda, as quatro mãos brincando no meu corpo. Adoro isso! O Oscar esfregava minha xana por fora, a Bia esfregava meus seios. Estava vidrada neles, assim com eu nos dela. Então abracei a Bia de frente. Estava deslumbrada com a descoberta do corpo feminino. Nossos corpos se esfregavam, nossos seios se esmagavam e os mamilos escorregavam na pele da outra provocando uma sensação deliciosa. Nos beijamos com vontade, apaixonadamente eu diria, pela volúpia. Então o Oscar, que até então só observava nosso deleite, resolveu aumentar as sensações enfiando o pau, já duro de novo, entre minha nádegas e escorregava entre elas. Que delícia sentir aquele pauzão duro latejando o rego enquanto deslizava meu corpo na pele macia da Bia, no meio de um beijo irresistível! Depois esfregamos o Oscar, nossas 4 mãos no cacete, no saco dele, nas coxas, na bunda. Ele só fechava os olhos e gemia. A Bia tava fascinada por aquele cacetão. Também, pudera, né? Era um belo objeto de admiração. O tamanho, o formato, a grossura... aquele monumento apontado pra cima, latejando e brilhando da água. Ai ai. Aí foi a vez da Bia. Agarrei ela por trás e enchi as mãos naqueles seios fartos. Esfregava meus seios nas costas dela, roçando os mamilos na sua pele, enquanto o Oscar, de frente pra ela, alisava aquele corpinho e recebia massagem com as duas mãos no seu cacetão. A Bia já tava gemendo de tesão de novo, então disse “Vamos continuar isso no quarto” e foram correndo pra lá.

Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 347 -


Acho que nem se enxugaram. Eu me enxuguei direitinho e quando cheguei no quarto eles já estavam se atracando pelados na cama do Oscar. Fiquei ali um tempo mas fui ignorada. Mas fazer o quê? O tesão tem que ser respeitado! Rsrs Deitei a cama do lado e fiquei por ali. Não podia reclamar pq a noite era deles. Eles só me deixaram participar, mas cedo ou tarde teriam o seu momento. A coisa pegava fogo. Ela montava sobre ele, subia e descia rebolando e contorcendo o corpo todo, dando violentos golpes com o quadril, subindo e descendo por toda a extensão do bicho. Até que o Oscar pediu pra parar pra segurar o gozo. Vestiu a camisinha (ela não abriu mão), pegou ela de papai-e-mamãe com as pernas esticadas pra cima, e fodia com força. Ela gemia igual uma louca, fazendo o possível pra aguentar aquela tora toda socando nela. Foi intenso mas não durou muito. Logo gozaram juntos gemendo bem alto. Adorei assistir aquela foda de pertinho, me imaginando no lugar dela. Foi também minha estreia como ‘voyeur’, e gostei. Gostei de TUDO! Eles deitaram lado a lado e fecharam os olhos descansando. Eu fui pra outra cama e dormi tb. Acordei acho que de madrugada com eles gemendo. Estavam transando de novo. Estava tão sonolenta que nem liguei, puxei o lençol pra me cobrir pq eu tava pelada, e embalei de novo. De manhã, era cedo mas já tinha um solzinho batendo, eu senti uma movimentação na minha cama, e quando entendi o que tava acontecendo, ela tava debaixo do lençol me abraçando por trás de conchinha. A pele macia me envolvendo, os seios pressionando minhas costas como uma almofadinha... adorei acordar com esse carinho. Poderia me acostumar fácil! Rsrsr Me virei de frente pra ela e meio que namoramos. Rosto pertinho, carícias, falando baixinho, beijos molhados e gulosos, e a coisa já estava acendendo. Deitou sobre meu corpo com as coxas intercaladas, os seios pesando sobre os meus. Alisei suas costas, sua bunda, muito macia, a delicadeza dos pelinhos descoloridos do braço, quase invisíveis. Ela colocou a mão entre minhas pernas procurando meu clitóris. Senti minha buceta molhar todinha incrivelmente rápido qdo ela tocou. Não perdeu tempo em começar a massagear circularmente e sentiu a os lábios se lambuzarem inteiros. “Nossa, como é uma cachoeira. Adoro!” Procurei a xana dela pra dar o mesmo prazer que ela me dava. O Oscar acordou e veio bem pertinho na nossa cama pra nos olhar, mas nem olhamos pra ele, completamente envolvidas naquela masturbação mútua. Quando senti meu gozo se aproximando, procurei a boca dela. Ela retribuiu e nossas línguas se atracaram. Eu queria gozar beijando aquela boca. Tava difícil pras duas se concentrar no beijo, mas ela tb não queria me soltar. E gozamos assim, juntas, com as bocas coladas, no que seria quase um beijo, pelo menos na intenção, mas que virou uma beijo de verdade, e muito gostoso, quando recuperamos o fôlego. Foi um dos orgasmos mais memoráveis da minha vida!!! Quando levantamos ela foi acompanhar o Oscar no banho. Me convidou mas eu disse que iria embora e pedi que não contasse ao Oscar antes do final do banho, senão eu não sairia mais dali. Despedimos com um beijo normal na boca e trocamos contato. O quarto dos meninos estava fechado, sinal de que estavam ali, e mais um motivo pra eu sair de fininho.

A Chave – 2ª Parte

Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 348 -


Depois do episódio com a Bia demorei pra voltar lá, talvez umas 2 ou 3 semanas. Quando caiu a ficha de ter transado com outra mulher, e que isso era legal, e que simplesmente realizei um fetiche antigo, percebi que não precisava evitar o apê, não tinha porquê deixar de curtir. Aliás deu saudades, a falta de sexo apertou. Como eu não queria voltar a me envolver, não frequentava baladas e não tinha amigos ‘íntimos’, meu sexo fora dali era ZERO! Tinha um feriadão e até recusei uma viagem com a família, programando ficar lá e matar minha sede. Liguei durante a semana pra marcar mas pra minha decepção eles todos iam pra Americana, uma festa de formatura. Um balde de água fria. Durante a semana eu estava fazendo um curso a noite, e isso significava mais uma semana sem sexo. Mas no outro final de semana todos estariam lá. Com todo mundo viajando, passei o feriadão literalmente sozinha dentro de casa. Lembro que me acabei no sexo virtual! Mas brincar na webcam não mata sede nenhuma, muito pelo contrário, dá mais vontade ainda. A semana se arrastou e eu não pensava em outra coisa. Cheguei a me masturbar no banheiro do trabalho! Acordei no sábado de manhã desesperada. Não era hora, mas resolvi ir direto pra lá sem nem me tocar de avisar. Não fiz uma mochila, como estava acostumada, pois pretendia passar a noite lá. Vesti um top branco e uma mini saia pink, que seria normal se eu estivesse na praia. Me sentia sexy vulgar nessa roupa, mas a ideia era essa mesmo, chegar, mesmo sabendo que ela não fosse durar muito no meu corpo. Vulgar pq o top era bem transparente e eu não usava soutien. Ele nem é bonito, é simples de tudo, mas gosto pq ele agarra meus seios e me deixa empinada, sensual. Estava MUITO piriguete mas nem liguei, pq ia direto pra lá. Entrei no apê estavam o Caio e o Dil na sala. – O que tá fazendo aqui, sua louca? – disse o Dil espantado e meio contrariado. Eles me olhavam dos pés à cabeça, o Caio de boca aberta, visivelmente provocado pela minha roupa. Larguei a bolsa e agarrei os dois de uma vez, beijando a boca do Caio e agarrando o pau do Dil sobre a bermuda. – Tô morrendo de saudades! (...) Mentira. Tô morrendo de tesão! – Minha noiva vem pra cá hoje! Vc deveria ter ligado antes. – disse contrariado mas sem deixar de me bolinar. – Que horas? – À tarde. – Não dá tempo? Se quiser eu vou embora. – disse afoita, sem parar de agarrar e beijar, enquanto sentia o pau dele endurecendo. Ele nem respondeu, já cedendo hipnotizado, me agarrando os seios. – Da próxima vez vê se liga. – Se eu ligasse vc não ia deixar eu vir, certo? Então não liguei. Eu preciso ser comida, nem que seja rapidinho. Tô tarada demais. Tô desesperada. Dil me pegou de frente e passei a beijar a boca dele, enquanto o Caio me abraçava por trás. “Tá tarada, né?! Vc é uma vadiazinha, sabia?”.

Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 349 -


O pau dele já estava duro me espetando a bunda. Que satisfação estar entre meus dois machos tarados de novo, afoitos em me bolinar todinha. Sentia aquele pau grosso do Dil, quanto tempo eu não sentia ele! O Caio enfiou as mãos por debaixo do top agarrando meus seios, enchendo as mãos, balançando eles e esfregando os dedos nos mamilos. Molhei nessa hora. Procurava os paus dos dois enfiando as mãos dentro das bermudas, enquanto eles iam me passando as mãos por baixo da saia. Caio abaixou trazendo minha calcinha até o pé e já enfiou a cara no meio da minha bunda. Dil, sem parar de me beijar enchia a mão na minha buceta, e quando sentiu que estava toda molhada já começou a esfregar me masturbando. Aquele toque me fez gemer. Sentia meu grelo inchado. “Me chupa” já forçando sua cabeça pra baixo em direção a minha xana. Coloquei um pé sobre o encosto do sofá pra ficar bem abertinha, pra facilitar o trabalho das bocas maravilhosas me lambendo na frente e atrás ao mesmo tempo. Meu corpo tava em chamas “aaaai era disso que eu tava precisando!” Mas não aguentei muito tempo. Logo eu pedi “eu quero pau, eu preciso de pau dentro de mim”, pegando nos paus e tentando enfiar o do Caio na minha bunda e do Dil na xana, em pé mesmo, sem noção, tamanho o desespero. O Dil me ergueu e o Caio se posicionou e encaixou a cabeça lambuzada de saliva mesmo. Aí o Dil posicionou a cabeça na minha xana, e terminaram de se ajeitar naquela posição de “cadeirinha”, onde os dois me seguravam pelas coxas. Eu ficava bem arreganhada assim. Foram descendo meu corpo lentamente e seus paus iam entrando. Eu gemia cada vez mais alto à medida que eles iam me preenchendo. Quando os dois entraram, e me sentia completamente preenchida com aqueles caralhos me esticando por dentro, entrei em transe. Pedi para pararem, ficarem imóveis pra curtir a delícia daquele momento. Fiquei só sentindo eles latejando dentro de mim, enquanto eu contraía tudo, sugando os cacetes como se fosse bala. Fechei os olhos... “Essa é a melhor sensação do mundo”... e já senti uma onda de orgasmo surgindo. Pedi pra eles continuarem imóveis, pois já estava ficando impacientes e querendo bombar. Comecei a falar como uma safada pra controlá-los. “Fica paradinho assim, isso, aiiii, ssssssss, quero gozar no cacete de vocês assim. Ai, tá vindo... vou gozar bem gostoso assim, tá quase...”. Senti o gozo vindo avassalador lá no fundo e me dominando. Gozei gritando a plenos pulmões espetada naqueles caralhos, com meu corpo estremecendo todo. Eles já conheciam qdo eu gozava forte, pq essa é uma reação que eu não consigo segurar. Eles voltaram a mexer rápido e forte. Recobrei a consciência e, sem abrir os olhos e sorrindo, estava pensando que era exatamente isso que eu amava: ser preenchida por dois caralhudos ávidos em me foder com vontade. Eles metiam afoitos e falando obscenidades “Vadia, safada, sua puta tarada, toma caralho, gosta de ser fodida pela minha rola, né?” Sentindo eles me invadindo até o limite, parecia que eles iam sair pela minha boca, e já sentindo nova onda de orgasmo. Sentia os caralhos deslizando inteiros e me fodendo por uns 5 minutos. O Dil afundou seu pau em mim e gozou, comigo junto “Estou gozando de novo!!!” Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 350 -


O grito saiu entrecortado pelos fortes impactos daqueles corpos gigantes. O Caio gozou logo em seguida. Ainda na posição Dil desencaixou seu pau e ouvi a porra caindo no chão (o Dil gozava muito), e me desceu cuidadosamente até meus pés tocarem no chão. Ele disse “Benvinda de volta” e foi tomar banho. O Caio não me largava. Apoiou meu corpo no encosto do sofá e continuou metendo. “Não chega pra vc não?” Ele respondeu “Meu pau ainda tá duro, quero aproveitar mais um pouquinho. Não sei qdo vc vai voltar. Pq, tá com pressa?” “Não, bebê, vc pode me comer o quanto quiser”. Ficamos conversando meio brincando enquanto ele ainda se divertia me comendo mais um pouquinho, deslizando seu pau lentamente na minha bunda. Ele disse que depois que eu gozei eu não tirava o sorriso do rosto. Rsrsr Passei a mão nos lábios e senti um caldo espesso que se formou que tanto que eu vazei fluidos qdo gozei, misturado com os do Dil, dando uma sensação deliciosa. Baixei pra pegar minha calcinha jogada no canto, quando ouvi um barulho de chave na porta. Mas quando abriu não era nenhum deles mas sim uma garota. Fiquei sem entender nada. Ela me encarou com cara de poucos amigos “Quem é vc?”. Quase nos pegou no pulo. Eu estava de roupa, ainda de top e saia, com a calcinha na mão, que se escondida no punho fechado de tão pequenininha que era. O Caio havia acabado de fechar a bermuda. O Caio ajudou dizendo “Oi, Cintia” e fez as apresentações. Era a noiva do Dil, e me apresentou como a namorada do Andrei. Não sei como ele se lembrou naquela hora que um dia nós combinamos essa desculpa. E ela perguntando, “Mas cadê o Andrei? Pq ela está aqui se ele não tá? Cadê o Dil?”, Metralhando com perguntas, enquanto eu escondia a calcinha no bolso de trás da saia. Discretamente chutei uma camiseta largada no chão pra cima da poça de porra do Dil. Imagina o meu estado. Sem calcinha e com porra escorrendo pelas pernas. Ela me fuzilava com os olhos. Deve ter ficado desconfiada com a minha cara de espanto, de quem Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 351 -


tava fazendo coisa errada. Ou pelo meu estilo piriguete que eu tava. Ou sentido o cheiro de sexo, sei lá. Só sei que ela não viu nada, mas captou algo no ar que não gostou. Sem dizer nem “oi”, foi arrastando uma bolsa gigante em direção ao quarto. O Caio só dava o toque “Relaxa, ela chega a ser estúpida de ciúme. Logo passa”. Mas não passou. Odiei essa menina. Sabe quando o santo não bate? Fiquei refazendo os últimos instantes da gente antes de ela chegar pra ver se fizemos algum som que nos denunciasse. Escutamos da sala eles falando alto no quarto por muito tempo. Ela já chegou brigando com o Dil, sem ter visto nada. Mulher tem o sexto sentido mesmo! Depois ficou tudo quieto. Eu tava meia atônita pq nunca me encontrei numa situação dessas, onde eu era a biscate. Quis ir embora mas o Caio sugeriu que eu não fizesse nada suspeito e aguardasse pelo Andrei, pra justificar minha presença ali. O Dil saiu de lá uma hora depois sozinho, enquanto ela ainda ajeitava suas coisas no quarto, e nos contou tudo. Pra resumir: ela veio pra prestar um concurso no domingo, marcou com o Dil de chegar a tarde pra dormir lá e voltar no domingo, mas sei lá porque resolveu viajar antes, e quase nos pegou em ação. Ficou puta pq o que eu estaria fazendo lá se o Andrei não tava, etc. Doente de ciúmes! Eles brigaram mas depois ela quis transar com ele, que tinha acabado de transar comigo, mas teve que fazer uma força, pra acalmar a fera... rsrsrs Nesse meio tempo o Andrei logo chegou. Ficou contente que ia ter que fingir ser meu namorado! “Hoje vc vai ser só minha! kkkk” Os meninos zuavam o Dil, que não conseguia rir, só mandava eles ficarem quietos assustado. Eu entrei na brincadeira, agarrei ele por trás “Ahh não vou poder me divertir com vc hoje?” Ele tirava meus braços de cima, assustado, mas eu insistia. Ela tava lá dentro mas ele tinha medo mesmo assim. Peguei no pau dele de cheio, aí ele mudou de postura. Me agarrou, segurou no meu seio e bunda ao mesmo tempo, me olhava nos olhos e dizia bem pertinho “Vc é uma tarada, sabia? Sabe que vc é uma puta, né?” Eu respondia “Sei, e vc não vai comer a sua putinha hoje?”. Os meninos se rachavam de rir e ele sério. Senti seu pau começando a inchar. Percebi que tinha tesão nessa coisa do proibido. Ele me apertava cada vez mais, passava a mão entre minhas coxas, agora já de calcinha (toda molhada) e isso me acendia. Dizia “Agora chega” E fazia menção de sair mas não parava com aquela pegação. Quando enfim me soltou foi um balde de água fria pq aquilo já tava me acendendo de novo. Então peguei o Andrei pela mão e fui arrastando ele pelo corredor

Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 352 -


“Se vc não quer nada, vou ter que me virar de outro jeito”. Quando passei pelo Caio puxei ele tb. “Louca” os dois disseram. Entrei com eles no banheiro mas eles protestaram “Aí não! Os 3 no banheiro? Ela vai sacar!”. Então pedi pro Caio trancar o quarto deles por fora, simulando que ele estava dentro, e entrar com a gente no banheiro. A gente só tinha que fazer silêncio. Com a porta do banheiro trancada parti pro ataque. O Andrei na minha frente me beijava e o Caio se encaixava atrás. Minha xana já tava molhada, como eles logo notaram. Pedi pro Caio vir na frente dizendo que ele já tinha comido meu cuzinho naquele dia, mas na verdade é pq eu queria sentir aquele pauzão na buceta. O Andrei comemorou. O pau dele combinava mais com meu cuzinho, fora que ele adorava. A gente foi tirando a roupa como dava e logo ficamos os 3 pelados, eu ensanduichada, do jeitinho que eu gosto, sentindo os paus duros no meu corpo e tendo meu corpinho explorado por 4 mãos daqueles tarados e sentindo o contato delicioso da pele. Eu sumia entre eles. Eles já procuravam enfiar aqueles cacetes, queriam me comer em pé mesmo. Eu disse que estava melada e queria tomar uma ducha, na verdade eu queria sentir os dois me ensaboando inteira, como haviam feito umas semanas antes. Adoro! A gente se alisava. Andrei encaixou o pau na minha bunda e fazia seu pau escorregar nela toda enquanto alisava minhas costas, minha cintura, barriga. O Caio encaixou o pau entre minhas coxas roçando os lábios da xana e o grelo já durinho, enquanto alisava meus seios. Eu poderia ficar horas assim, mas eles não aguentavam muito tempo, e já foram metendo em mim ao mesmo tempo. Naquele banheiro não dava pra fazer os malabarismos que a gente fazia no outro, e eles não conseguiam meter em mim direito em pé pq sou muito baixa perto deles. Então eles se ajoelharam na área do box, de frente pro outro, e eu me encaixei entre eles sobre as coxas. Aí eu judiei. Eles estavam desesperados pra enfiar em mim mas tava difícil e precisavam que eu ajudasse. Ao invés disso, eu só rebolava e me esfregava entre os corpos dos dois. Eles achavam que eu estivesse brincando, mas eu estava curtindo aquela delícia do contato da pele escorregando. Eu sentia o pau do Andrei cutucando minha bunda e o do Caio pincelando minha xana mas eles não conseguiam entrar. Só quando eu não aguentava mais judiar eu ajudei. Primeiro o Andrei na bundinha. Entrou meio dolorido pq estava escorregadio e foi de uma vez. Quando se encaixou joguei minha bunda pra trás e engoli aquele cacete inteiro. Ele gemeu de tesão “Nossa, entrou tudo!”. Então comecei a jogar a bunda com força pra trás, até fazia barulho da minha bunda batendo nele. Aí segurei o cacete do Caio, brinquei no meu grelo, esfregando nos lábios que estavam durinhos de inchados, depois guiei ele pra dentro “Assim... bem devagar... quero sentir ele entrando bem gostoso...” E logo eles estavam metendo forte em mim como 2 animais, forte, profundamente, não tinha resistência pq nossos corpos estavam muito escorregadios, entrava tuuudo.. 2 cacetes me Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 353 -


arrombando pra valer. O pau do Caio me invadia profundamente assim. Quando meu gozo veio não consegui me segurar e comecei a gemer alto. Não podia fazer barulho mas não me contive. Nós 3 gozamos juntos pq eles não conseguem se segurar qdo eu gozo assim forte. Fiquei até ardida. Aí o Caio abriu a porta do banheiro e viu que o quarto do Dil ainda estava fechado. Então foi tranquilamente pro seu quarto, enquanto a gente ficou lá terminando de se aprontar sossegados. Quando estávamos na cozinha, vendo se tinha algo pra comer, ela aparece. Tentei puxar papo, fazer amizade, mas ela respondia sim e não e nem me olhava nos olhos, mas sim pro meu corpo de cima a baixo. Pudera... minha roupa não era apresentável! Até eu teria essa reação! Gritei “Vamos sair pra comer?” e dei um jeito de sair dali. Fomos para o shopping no meu carro, e por sorte lá eu tinha um casaquinho sobressalente (pra dia de frio), o que disfarçava pois escondia os seios. O Oscar foi pra lá nos encontrar para almoçarmos juntos. Depois de comermos ficamos passeando e nos divertindo que nem adolescentes. Numa outra ocasião eu conto o que a gente aprontava. Passamos o final de tarde em um barzinho tomando chopes pra afastar o calor. Quando voltamos para o apê, ficamos todos (eu, os meninos e a Cintia) ali de bobeira, bebendo, beliscando uns snacks e assistindo filme. Eu me sentei ao lado Andrei, que me abraçou igual namoradinho, lançando um olhar sarcástico para os amigos: “vou abraçar a minha namorada”. Os outros acabaram se sentando em volta fuzilando ele com os olhares. Nessa hora a conversa estava animada e a menina não foi tão megera. Não que ela tenha conversado comigo, mas já tava mais tranquila e conversava de boa. Eu que não era boba mantive meu casaquinho no corpo, apesar do calor, pq achei que isso ia diminuir o ciúme. Só achei ela competitiva. Ela tb tinha estudado direito e ia prestar concurso na área. Os meninos comentaram que eu trabalhava com advocacia, e ficaram perguntando sobre meus estudos e meu trabalho, e ela sempre se comparava. Resumindo: ela tinha feito os melhores cursos, era ultra inteligente, estudava igual uma louca e não estava “acomodada” trabalhando em um escritório como eu, basicamente. Também disse que procurava concurso público pq estava cansada de como os escritórios tradicionais desvalorizavam as mulheres, exceto as “bonitas e burras”. Ela não era de se jogar fora não. Não era linda de rosto, até pq só fez cara feia, era normal, mas tinha um corpão. Era alta, vistosa, cabelo preto lindo. Claro que queria me provocar, mas não entrei naquela pilha dela e não contestei em nenhum momento. Considerei que era uma reação ao ciúme. Eu estudei em uma das melhores universidades do país, depois estudei fora, e se dissesse o nome do escritório onde trabalhava ela cairia de costas. Mas o objetivo não era esse, aliás eu até preferia manter alguma discrição sobre informações da minha vida perante os meninos. Quando eles se despediram pra ir dormir o Andrei já foi me puxando pelo braço “vamos nós tb”. Mas ele não conseguiu a exclusividade que desejava. Assim que o casalzinho se fechou no quarto os outros meninos (Oscar e Caio) já bateram na porta “Esse namoro é só fachada, viu, espertão?!” Fizemos igual no banho: trancamos o quarto do Andrei pra simular que estávamos lá, mas fomos pro quarto do Oscar que era maior. Assim que o Andrei trancou a porta o Oscar já me beijou na boca, enquanto o Caio já ajeitava a cama pra nós 4. Não me perguntaram nada, não falaram nada. O Oscar estava ofegante. A gente não tinha transado ainda. Enquanto me dava uma beijo fogoso suas mãos grandes passeavam pelo meu corpo, me envolvendo e me fazendo derreter toda, desarmando qualquer protesto ou tentativa de argumento. E removia rapidamente minha pouca roupa. Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 354 -


Quando aquele beijo descolou notei que os outros dois já estavam pelados com os cacetes inchados apontando pra mim. Oscar me segurou pelos braços e deu uma olhada no meu corpo semi nu mordendo os beiços fazendo cara de desejo, indicando que naquela noite eu seria devorada! Fiquei até com medo mas aqueles paus quase rijos ao alcance das minhas mãos... é difícil resistir... minhas mãos seguraram os dois automaticamente. Eu já peladinha, punhetando os dois, o Oscar lambe meus mamilos, infelizmente mais rápido do que eu gostaria, e se abaixa, resvalando a língua pela minha barriga, indo direto pra minha xana. Enfiou o nariz no montinho de pelos ralinhos e já veio buscar meu grelo com a língua e trazê-lo pra dentro da sua boca, afoito. Ele adora chupar meu grelo! De joelhos na minha frente, eu afastei as coxas e encaixei minha buceta de cheio na boca dele. Delícia sentir a língua molhada e quente me invadindo, sentindo a barba cerrada na minha pele... sem soltar as picas dos dois, que me apalpavam e me lambiam. O Andrei veio por trás, afastou minhas nádegas e meteu o dedo lambuzado de gel massageando no anelzinho. Pulei de susto por causa do gelado. – Ei, pára! Nãaaao. – Não quer? Vai sem? Tem certeza?” - ele disse. – Nem me perguntou se eu vou dar meu cuzinho hoje! – me fazendo de difícil. – Menina, vc vai dar a noite inteira pra três. Vc vai dar o cuzinho siiiiiiiim. E comeu meu cuzinho em pé mesmo! Pincelou na entradinha pra espalhar o gel e pacientemente enfiou até meu cuzinho acomodar aquela glande, que parecia maior. De pernas afastadas, com o Oscar abocanhando minha xana inteira, inclinada pra frente, alcançava o pau do Caio e mamava com vontade pelo tesão que sentia, duplamente estimulada. Eu ficaria assim por muito mais tempo mas o Andrei logo gozou. O Oscar gritou a tempo “goza fora! Ninguém goza dentro dela hoje”. Eu ia protestar, pq gosto de receber a gala dentro, mas achei que eles podiam achar desagradável me comer estando toda esporrada e fiquei na minha. O Andrei foi se limpar e trouxe um rolo de papel higiênico. Em seguida o Oscar se deitou na cama e me puxou pra cima dele “Preciso te comer agora!”. Seu pau apontado pra cima me hipnotizava. Grosso, latejante, brilhante, e a glande tava coberta de caldinho que deve ter vertido enquanto me chupava, que eu recolhi com a língua antes de mais nada. Subi em cima dele e agachada fiquei esfregando os lábios da xana na sua glande. Ele pedia, pedia, mas eu queria curtir um pouco aquele momento, aquela glande escorregadia. O Caio se posicionou atrás pra comer meu rabinho. Aí o Oscar me puxou pra baixo e o engoli todo de uma vez soltando um grito, que foi ignorado pq ele bombava furiosamente. Depois de uns minutos assim o Caio encaixou o pau no cuzinho e o Andrei deu o pau na minha cara pedindo minha boquinha. Tarado, tinha acabado de gozar! Meu ex noivo depois que gozava só se interessava de novo no outro dia. Minto. No começo do namoro, qdo a gente ia pra motel ele gozava mais, 2 ou até 3 vezes na noite. Mas qdo o sexo caiu na rotina não tinha repeteco não. A DP é um pouco pesada, principalmente qdo assim forte, mas eu tava com tanto tesão que curti cada estocada. Perdi o controle e comecei a gemer, gemer, gemer, gemer, igual uma gata no cio. A Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 355 -


coisa esquentou: quanto mais eu gemia mais ele se empolgavam e metiam mais forte, sussurrando obscenidades “Caralho, vou te foder muito!” “Quero te arregaçar, putinha”. Eu estava adorando aquele tratamento, hipnotizada, em êxtase, e agora gritava descontroladamente. Quando estava quase gozando, eles pararam de meter. Demorou alguns segundos até eu perceber e conseguir abrir os olhos. Eles estavam rindo de mim, dizendo que eu tava fazendo escândalo “Quer estragar tudo é?”. Percebi que havia perdido o controle e tinha gemido mais do que podia, então calei a boca a partir dali, e a foda foi retomada lentamente. A parada foi boa pq prolonguei um orgasmo que viria intenso. Ficamos mais uns 10 ou 15 minutos assim quando ouvi uns gritos abafados e pedi pra eles pararem “Espera! Ouça!” então ouvimos a Cintia gritando. O som era bem baixo pq os dois quartos estavam fechados, o que me deu alguma segurança de não ter sido ouvida na hora H. Mas a gente a ouvia pq ela gritava muito! Parecia que estava sendo estrangulada. Impressionante! Não é qualquer uma que aguenta aquele pauzão grosso do Dil, mas me ocorreu que ela era tão competitiva que devia estar disputando quem gemia mais! rsrs Rimos. “Vocês poderiam, por favor, continuar a me comer gostoso como antes de sermos interrompidos?”, Eles continuaram com aquele trabalho delicioso de me foder. Quando o gozo veio chegando, fiz muita força pra não gemer alto, só gemia baixinho e respirava ofegante, até chegar um orgasmo avassalador. O Oscar, que inventou a regra da camisinha, acabou gozando dentro. O Caio quis fazer direitinho, tirou antes, mas gozou pela minha bunda toda. Fomos todos nos limpar no banheiro. Quando voltamos eu me deitei sozinha numa das camas e pedi pra descansar. Eles disseram “Ppode tirar o cavalinho da chuva, ainda vai ter muito mais” mas eu pedi pra dar apenas uma cochiladinha e fui respeitada. O Oscar e o Andrei se deitaram na cama grande e o Caio se ajeitou entre as almofadas. Ferrei no sono e realmente não queria mais nada. Mas de madrugada senti movimento na cama, e quando dei por mim o Andrei deitava seu corpão sobre o meu (eu dormia de barriga pra cima). Dizia coisas como “Vc me deixou com tesão gemendo daquele jeito, preciso te comer de novo”. Resmunguei um pouco mas acabei abrindo as pernas e permitindo que ele se ajeitasse entre elas. Logo ele já estava me comendo, numa transa unilateral... só ele se divertia... eu estava ainda desmaiada. Eu era como uma boneca inflável e ele mandava ver sem nem ligar pra mim. Minha xana se encharcou e eu estava começando a gemer quando ele gozou. Dentro! E saiu. Só foi decente Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 356 -


em me cobrir de volta. Mais tarde senti o mesmo movimento, e quando fui ver era o Caio. “Agora é minha vez!” e fui o brinquedinho dele tb. Igualzinho: montou por cima, afastei as pernas e o recebi no meio. Fui fodida até que ele gozasse fartamente, e sair. Senti minha vagina encharcada. Dessa vez não consegui pregar no sono profundo, pq sabia que mais cedo mais tarde o Oscar viria reclamar sua vez tb. Demorou, começava a clarear quando ele veio. Percebi um vulto em pé ao meu lado. Quando enxerguei vi aquele corpão pelado, abdomem lisinho definido, pau meia bomba… – Já descansou? – ele perguntou. – Na verdade não. – Ah, mas eu acordei com tesão, querendo essa putinha. E agora, como faço? Sorri, voltando a fechar os olhos, que doíam com a pouca luz que entrava, e segurando aquele mastro que já endurecia, respondi: – Vc sabe que pode me comer quando quiser, meu garanhão. Vem... Tirei o lençol, afastei as pernas e o recebi na mesma posição que estava. Se ajeitou e quando já bombava levantei minhas pernas e abracei seu corpo com as coxas. Ele suspirava e gemia baixinho com a boca colada no meu ouvido, e metia deliciosamente. Aí despertei de verdade e retribuía os gemidos. Ele me agarrava inteira com as mãos, ora alisava ora apertava minhas coxas me chamando de gostosa (amo), afastava minhas nádegas e metia com vontade. Adoro ser comida assim, com o homem por cima, me dominando completamente. Ajeitei melhor meus quadris pra receber aquele pau inteiro, lá no fundo, estalando a cada estocada. Ele apertava forte minha bunda, até deixava cuzinho arreganhado, que me dava uma sensação prazerosa, sentindo seu saco bater ali. De repente ficou bastante ofegante, soltando um bafo quente no meu pescoço... estava gozando, e eu gozei finalmente, desta vez junto! E voltou pra sua cama. Fui a boneca inflável dele tb, mas pelo menos gozei gostoso. Tentei dormir mais, pq tava com o corpo moído, mas acho que só dei um cochilo curto. Quando percebi que o dia tinha amanhecido, e que tinha uma poça embaixo de mim no lençol me incomodando, então resolvi levantar e voltar pra minha casa pra descansar. Levantei sem fazer barulho, eram umas 7 da manhã e queria sair rapidinho, sem banho nem nada. Fui pra cozinha comer alguma coisinha pois meu estomago roncava, e encontrei o Dil lá. – Acordado a essa hora? – perguntei. – Vou levar a Cintia na prova. Vamos sair assim que ela sair do banho. E vc, se divertiu ontem? – perguntou sério. – Ah, sabe que sim, né? – sorrindo - Pena que vc não tava lá. – Caralho, menina. To morrendo de tesão de te comer! – e já veio me agarrando, beijando minha Contos Imor(t)ais - MARATONA DE DEBI – 357 -


boca e me levantando pela bunda, agressivamente – deu pra todo mundo, menos pra mim. – É, mas vc estava em boa companhia. E eu ouvi o quanto vocês se divertiram. Vc fez a menina gritar, hein? Tava com tesão, né? – Tava mesmo. Quando escutei vc gritando, sabia que vc tava em ação, fazendo os meninos gozarem. Fiquei louco, e agarrei a Cintia, que já dormia. Ela não entendeu nada, mas deixou e acabou adorando, mas reclamou que eu fui muito violento! Rsrsrsr Culpa sua, sua putinha. Estava imaginando vc entupida de caralho em todos os buracos, e gozando, chacoalhando inteira, igual quando vc goza forte. – É, foi exatamente assim. O Oscar deitou na cama de barriga pra cima, eu montei nele e recebi o cacete dele inteiro dentro da minha buceta. Depois o Caio veio pra trás e meteu tudo de uma vez no meu cuzinho, enquanto o Andrei me dava o pau dela na minha boca pra eu mamar enquanto era fodida e preenchida de rola em todos os buracos – eu dizia pra provocá-lo. – Caralho, que vadia! Preciso te comer. Vc VAI dar pra mim hoje! Vou levar a Cintia lá e volto pra te comer. Tentei argumentar que isso era uma loucura, mas ele pediu, mandou, implorou, falou mansinho, agressivo, insistente... e eu cedi. Não queria regular, principalmente o Dil, que era o dono da festa. Ele ainda pediu que eu não estivesse no apartamento quando ela saísse do quarto. – Se vc não estiver aqui quando ela sair, ela não vai desconfiar. Depois que a gente sair, vc volta e me espera na minha cama –dando ordens, parecia que tinha fantasiado uma transa assim. – E como vou entrar? Acordo os meninos? Me deu uma chave reserva. Saí, como ele pediu. Fui pro meu carro estacionado na rua, e fiquei esperando eles passarem, meio abaixada pra não ser vista. Nossa, que mico! Me senti estúpida, uma vadia por estar passando por isso só pra dar pra um cara, ou melhor, pra satisfazer sua fantasia. Eles passaram depois de meia hora. Sim, meia hora pagando esse mico! Voltei pra apê (o porteiro não entendeu nada aquele movimento todo domingo cedinho) e fiquei lá esperando. Dil falou que a noiva exigiu que ele ficasse no local esperando ela fazer o tal exame. Esse ida e volta que ele ia fazer ia demorar uma hora e meia. Pelo tempo de exame, e considerando que ela poderia terminar rápido, mais o tempo de voltar, teríamos uns 40 minutos. Quanto esforço pra ficar pouco mais de meia hora comigo! Com tempo que tinha fui tomar um banho caprichado e me deitei pelada na cama dele, como combinado. Fiquei pensando