Page 1

CONTOS IMOR(T)AIS Entre a ficção e a realidade … Volume I


Ficha Técnica Fontes: http://www.casadoscontos.com.br http://www.contoerotico.com Licença:

Advertência: Leitura não recomendada a menores de 18 anos


Índice de conteúdo Contos Imor(t)ais..................................................................................................................................5 BRUNINHO....................................................................................................................................5 ATO I...........................................................................................................................................5 ATO II.........................................................................................................................................7 O DIARIO DE VICTOR...............................................................................................................10 PROLOGO................................................................................................................................10 O CONTRATO..........................................................................................................................12 O TAL DO PRAZER................................................................................................................16 O PRIMEIRO CASTIGO.........................................................................................................22 ANIMALESCO........................................................................................................................28 INSTINTO.....................................................................................................................................33 SURPRESAS DO DESTINO........................................................................................................36 NOSSO AMOR..............................................................................................................................43 BRINCANDO NO SHOPPING....................................................................................................46 MAS QUE PORRA..................................................................................................................51 LIÇÃO 2: PROVOCAÇÕES....................................................................................................58 VINTE SEGUNDOS................................................................................................................66 NA MENTE DE ALICE...........................................................................................................74 SIMPLES. ENTREGUE...........................................................................................................78 CAILEAN.................................................................................................................................89 IRMÃS...........................................................................................................................................97 ELA REALIZOU O SONHO DELE...........................................................................................100 SOU SHEILA..............................................................................................................................104 PARTE I..................................................................................................................................104 PARTE II.................................................................................................................................110 PARTE III................................................................................................................................116 DE VIRGEM SANTA À MULHER............................................................................................124 DIÁRIO DE MINHA ESPOSA...................................................................................................128 NO ESCURO...............................................................................................................................131 AVENTURAS DE MARIDO E ESPOSA...................................................................................135 PARTE I..................................................................................................................................135 PARTE II.................................................................................................................................137 PARTE III................................................................................................................................139 PARTE IV...............................................................................................................................142 PARTE V.................................................................................................................................144 O PAI DA MINHA AMIGA........................................................................................................146 O SURGIMENTO DE UMA FANTASIA...................................................................................150 PRIMEIRA DP............................................................................................................................152 ME FAZ.......................................................................................................................................158 CAPITULO 1..........................................................................................................................158 CAPITULO 2..........................................................................................................................159 CAPITULO 3..........................................................................................................................161 CAPITULO 4..........................................................................................................................162 CAPITULO 5..........................................................................................................................163 CAPITULO 6..........................................................................................................................165 CAPITULO 7..........................................................................................................................166 CAPITULO 8..........................................................................................................................168 –3-


CAPITULO 9..........................................................................................................................170 CAPITULO 10........................................................................................................................171 CAPITULO 11........................................................................................................................173 O VESTIDO CREME E A CALCINHA AZUL..........................................................................176 O ELEVADOR............................................................................................................................185 MEU PADRASTO.......................................................................................................................188 ATO I.......................................................................................................................................188 ATO II.....................................................................................................................................197 ESPOSA DANDO…...................................................................................................................205 NICOLAS - MEU MACHO........................................................................................................209 PRESENTE DE ANIVERSARIO...............................................................................................212 ATO I.......................................................................................................................................212 ATO II.....................................................................................................................................213 TRÊS ESTUDANTES.................................................................................................................216 CURIOSIDADE..........................................................................................................................221 ATO I.......................................................................................................................................221 ATO II.....................................................................................................................................224 ATO III....................................................................................................................................228 DP COM BIDU............................................................................................................................233 MARIDO A JOGAR FUTEBOL.................................................................................................235 MEU PATRÃO É MEU PASTOR...............................................................................................241 NÃO SABIA................................................................................................................................244 CHURRASCO DE CARNE NOVA............................................................................................249 LEMBRANÇAS DE ARREPIAR...............................................................................................252 UM NEGRO EM MINHA VIDA................................................................................................257 ELA E O MARIDO.....................................................................................................................262 A VEZ DELE...............................................................................................................................265 BRINCADEIRA DE GENTE GRANDE....................................................................................267 SUBINDO NA VIDA..................................................................................................................275 É UM SAFADO...........................................................................................................................278 REALIZADO...............................................................................................................................281 QUASE........................................................................................................................................285 O TESTE......................................................................................................................................287 REFORMA NA CASA................................................................................................................291 PARA O BOM MARIDO............................................................................................................294 MINHA ESPOSA ME ENCINOU..............................................................................................302 NA LOJA, NA SAPATARIA E NA FARMÁCIA........................................................................305 CHANTAGEADA PELO COLEGA...........................................................................................308 ATO I.......................................................................................................................................308 ATO II.....................................................................................................................................318 ATO III....................................................................................................................................319 ATO IV....................................................................................................................................327 ATO V.....................................................................................................................................331 ATO VI....................................................................................................................................340 OS CASEIROS............................................................................................................................345 ROTINA DE SHOPPING............................................................................................................348 MEU SEGREDO.........................................................................................................................356

–4-


Contos Imor(t)ais BRUNINHO ATO I Agora tínhamos ultrapassado uma barreira, realizado um desejo que era do Paulo, mas que se tornara meu também. E com grande intensidade. Mas eu sabia que aquele seria um caminho difícil de sair agora. Fora da cama, não tocávamos no assunto. Mas na hora H, o vibrador já não podia mais ficar de fora. E batizamos o instrumento de Bruninho, talvez pelo fato de não termos nenhum amigo Bruno. Guardei segredo. Não contei a novidade para ninguém, mas pensava em sexo o dia inteiro. Agora eu e Paulo metíamos quase todo dia. Eu, Paulo e Bruninho. A vida inteira eu e minhas amigas sempre falamos de sexo em nossos encontros. E as solteiras sempre falavam muita pitaria, sem sensuras. Eu e a Ju, que também é casada, falamos o mínimo, acho que para não expor mesmo. Mas as solteiras sempre falavam muito de pica. Tamanhos, grossura, desempenho, etc. Como eram umas 7 mulheres na faixa dos 30, trepavam muito e sabíamos algumas informações de quase todos os caras próximos de alguma forma. Obs: moro em uma cidade de interior. E, de alguma forma, depois do ocorrido com o Bruninho, eu estava extremamente interessada nesses detalhes. Eu tinha a informação de quem era pauzudo, quem metia gostoso, quem comia quem e ninguém nem desconfiava e passei a me interessar por tudo isso. Acho que algo mudou definitiva e intensamente em mim. Bom... tirando as amigas solteiras e suas historias que sempre me deixavam em brasa, ainda tínhamos o Bruninho, que já participava ativamente das trepadas. Paulo queria o meu cuzinho, queria uma DP com o Bruninho. Porém eu não tinha coragem, não sei o quê era. Sabia que iria adorar, mas não queria me entregar. Com o tempo Paulo desistiu e passou a me provocar, perguntando se eu queria uma nova pistola de borracha, uma pistola maior! Eu nem pestanejava. Confirmava o interesse, mas ele gozava e o assunto morria. Um dia, durante uma transa, cobrei do Paulo o meu Brunão. Queria experimentar algo maior, queria me sentir mais completada, queria lembrar do meu segundo namorado, o bem dotado. Até então, não me preocupava em medir pau. Mas agora... queria saber as medidas exatas. O do Contos Imor(t)ais - BRUNINHO –5-


Paulo era 13. Do meu primeiro namorado devia ser 13 ou menos um pouco. Do segundo namorado era uns 17. Eu já não podia mais esperar. Paulo não comprou o Brunão, fui até a loja e comprei. Escolhi um bastão preto, sem cara de pistola. Preto. De 17. Queria lembrar daquela pica. O Brunão era maior e também bem mais grosso. Não sei a medida da largura, mas minha mão não fechava ele inteiro. Por pouco, mas não fechava. Agora tinha que apresentá-lo ao Paulo e tinha medo da sua reação. Não sabia se ele poderia ficar chateado e até ofendido. De certa forma, eu estaria demostrando uma insatisfação com seu dote... Mas eu já não conseguia mais voltar atrás. Então, preparei o ambiente. Jantar a luz de velas, casa perfumada, vinho, e a roupa favorita dele (mini saia, salto bem alto, calcinha mini e rabo de cavalo no alto da cabeça). Tinha deixado o Brunão estrategicamente guardado debaixo do travesseiro. A noite fluiu e o sarro começou. Quando fomos para a cama apresentei meu novo amigo. Para a minha alegria ele aceitou muito bem na hora. Não fez cara ruim e nem questionou a minha escolha. Me mandou ficar só de calcinha e salto. Obedeci e ele me colocou de quatro. Começou a me lamber por tráz, como adoro. Meus quadris se moviam para os lados involuntariamente e só de pensar no Brunão quase gozava. Tive que sair da posição para não gozar. Paulo pegou Brunão, tirou seu pau para fora e me ofereceu os dois para chupar. Não achei legal chupar o vibrador e virei de ladinho pedindo para o Paulo me comer. Paulo chegou junto e disse que iria me ajudar a encarar o Brunão, metendo primeiro o seu pau que era menor. Meteu e começou a tocar meu grelinho com bastante cuspe. Tocava rápido e metia com força. Foi quando me falou que eu ia experimentar um pau de tamanho que eu não conhecia e eu, muito louca, acabei falando que o pau do Pedro (o ex) era do tamanho do Brunão. Ele ficou louco e gozou na hora. Fiquei sem entender. O Paulo claramente ficou excitado em saber que eu já tinha trepado um pau grande, sendo que já tínhamos conversado diversas vezes sobre o assunto e eu sempre dizia que o dele era o maior. Com medo de ofendê-lo... Fiquei sem entender e até hoje não entendo. Ele não só não questionou a novidade como encheu minha bocetinha de porra. Na sequência, pegou o Brunão e na mesma posição, de ladinho, enfiou tudo de uma vez. Como estava toda cheia de porra e lubrificada, o Brunão escorregou para dentro, me preenchendo como há muito não sentia. O pau grande alcança áreas novas e muito sensíveis. É inexplicável a diferença. A largura também faz a diferença. Preenche.

Contos Imor(t)ais - BRUNINHO –6-


Paulo tirou o Brunão, me virou de costas para a cama e dobrou minhas duas pernas. Achei que não agüentaria, mas ele enfiou Brunão lambendo deliciosamente meu grelinho e Brunão entrou novamente por inteiro. Socava Brunão com força e lambia molhada e delicadamente meu grelinho. Não agüentei e gozei como nunca. Pela primeira vez gritei durante o gozo e depois tive uma crise de riso e choro. Pensei que tinha enlouquecido. Paulo tentou novamente penetrar meu cuzinho, mas não deixei. Estava plenamente satisfeitas. Mas tinha algo de perturbador na minha cabeça: não conseguia parar de pensar e sexo e sentia que gozaria ainda mais forte com um pau um pouquinho maior. Minha cabeça já começou a pensar o próximo passo, que conto em breve. Paulo ficou meio arrependido depois, mas bastava eu insinuar sexo que o Brunão já vinha com o Paulo. O Bruninho foi aposentado.

ATO II Um episódio lamentável aconteceu. Paulo me ligou durante o dia e marcou de encontrarmos em um Motel às 20 hs. Disse que tinha uma surpresa. De qualquer forma, levei o Brunão. Coloquei em uma caixa de sapato e guardei embaixo do banco do passageiro do meu carro. No Motel, Paulo apresentou um novo vibrador, gigante (30 cm). Óbviamente não deu certo e usamos só pra rir mesmo. Rolou sexo com o Brunão e a noite correu bem. No outro dia pela manhã, fui pegar meu carro para ir até a academia e ele não estava na garagem. Meu corpo gelou, pois o Brunão tinha ficado lá dentro. Lembrei que era quinta, dia de lavar o meu carro... o dono do lava-jato é nosso amigo e mora a dois quarterões. Nas quintas ele pega o meu carro cedo e às 11hs ele me devolve o carro, daí levo o André (esse é seu nome) até o lava-jato. Já eram umas 10hs. Daqui a 1 hora o André chegaria. Como moro em cidade de interior, todo mundo se conhece. O André havia namorado com a Pati e já tinha transado com a Camila e com a Pati Loira anteriormente. O comentário de todas era unanime quanto ao tamanho do seu pau. Segundo as meninas, era o maior que já viram. Diziam que ele dava só uma, não tinha muito pique. Mas que a pica era uma loucura. Enquanto me lembrava de todos esses detalhes, trocava de roupa sem perceber. De forma Contos Imor(t)ais - BRUNINHO –7-


inconsciente, estava me vestindo de forma mais sexy. Sainha, salto e calcinha minúscula substituiram a roupa de academia. 11hs a campainha toca e minha empregada me chama. Era o André. Achei que não ia conseguir descer, quase inventei uma desculpa para não ir. Mas havia dentro de mim uma ordem para descer. Não sei explicar. Tomei fôlego e fui. O André sempre me respeitou. Apesar de ser gostosa, e tenho consciência disso, ele nunca me olhou descaradamente. Mas nesse dia foi diferente. Apenas pelo seu olhar, percebi que ele tinha encontrado o Brunão. Gelei e melei. Inevitavelmente, também olhei para o volume em sua bermuda. O sexo e o desejo se impuseram à situação. Porém minha consciência era o freio. André e Paulo se conheciam... não eram amigos, mas se conheciam desde a infância. Entrei no carro, no banco do passageiro como de costume. André arrancou e já me perguntou se me importaria de passarmos na casa dele, pois tinha esquecido "a chave". Aceitei. Ele também é casado. Foi entrando direto na garagem e fechou o portão eletrônico. Parecia não ter ninguém na casa. Ele parou e enfiou a mão embaixo do banco do passageiro pegando a caixa. Abriu a tampa e disse que havia encontrado algo meu. Ainda perguntou, ironizando, se era mesmo meu, ou do Paulo. Ele foi habilidoso com as palavras, me deixou sem reação. Colocou a caixa no banco traseiro e abaixou a bermuda de uma vez. Realmente a pica era grande. Fiquei vidrada. Paralisada. Ele disse: "pega, eu sei que você gosta". Peguei. Estava mole e era maior e mais grosso do que o do Paulo duro. Minha mão ficou pequena perto daquela tora. Ele disse: "chupa, pra você ver ele duro". Não agüentei e comecei a chupar a cabeça. Era um pau bem clarinho, pois o André é loiro. Ele é bonito, média estatura, mãos grandes e todo largo. Sem barriga. Comecei a chupar a cabeça e punhetar. O pau cresceu. Fiquei impressionada. Não medi, mas devia ter uns 23 cm, comparando com uma régua depois. Era até estranho, pois fiquei praticamente chupando na altura do seu peito, pois ele estava no banco do motorista. Aprendi nos filmes e com o Paulo como se paga um boquete. Tem que ter muita baba. E o melhor jeito de produzi-La é enfiando o pau o máximo possível na garganta. Ele já volta ensopado. Quando fiz isso, o pau terminou de ficar duro e alargou mais ainda. Principalmente a cabeça. De repente, percebi o quê estava fazendo e parei. A consciência pesou. Comecei a chorar e pedi a André para me levar. Ele suplicou que pelo menos deixasse ele gozar. Pediu pelo amor de Deus e Contos Imor(t)ais - BRUNINHO –8-


disse que não queria ficar com raiva de mim. Entendi o recado. Punhetei para retomar a ereção e finalizei o boquete. Foram 5 jatos. Todos na cara, pois ele não avisou. Tinha um banheiro de serviço na garagem, me limpei e voltei. Saímos sem tocar no assunto. André comentou algumas coisas sobre o carro, manutenção e etc. Disse que estava fazendo troca de óleo também no lava-jato e tal... Chegamos no destino, ele agradeceu e não aceitou o pagamento. Foi tranquilo e me senti bem. Fiquei calma, pois havia apavorado. Nunca tinha chifrado nem namorado. Com o tempo fui me acalmando e comecei a me arrepender de não ter sentido aquele cacete dentro de mim...

Contos Imor(t)ais - BRUNINHO –9-


O DIARIO DE VICTOR PROLOGO Acordei tarde na quinta feira já que não iria trabalhar. Virando para o lado, notei que estava sozinho na cama e o chuveiro também não estava ligado. Calmamente tomei um banho demorado e depois desci para a cozinha, onde estavam minhas beldades. Logo ao cruzar o portal que liga a cozinha à sala de estar, tive uma visão maravilhosa. Minhas quatro musas tomando café. A que me chamou mais a atenção foi Alice, com seus lindos cabelos lisos e castanhos presos em um rabo de cavalo alto. E aquela calcinha de algodão apertadinha desenhando perfeitamente seu bumbum empinadinho... mhmm... eu já podia sentir a maciez em minhas mãos, mas me contive. – Bom dia meninas – eu disse, dando-lhes um beijo na bochecha de cada uma delas. Ao cumprimentar Alice, também dei uma bela pegada de mão cheia naquele pedaço do paraíso e sussurrei: -Você ta muito gostosa hoje... E pude sentir sua nuca se arrepiar enquanto sua face era tomada por um sorriso malicioso. – Obrigada. – Mestre... – Niki. – Esse fim de semana é aniversario de uma grande amiga minha, pensei que talvez o senhor me deixasse ir... Ela se levantou do banco vindo em minha direção. Vestia uma camisola curtinha que deixava as polpas de sua bundinha a mostra, e os bicos de seus seios durinhos. Escorregou a mão sobre meu braço e me deu um selinho, na ponta dos pés. Ela era a menor das quatro. – Eu poderia compensar a minha ausência de alguma forma... – Vou pensar em alguma coisa – disse, olhando em seus olhos negros e beijando-lhe a testa. Foi então que reparei que Alice somente lia uma revista, sem comer nada. – Não vai tomar café, Alice? – Estou sem fome... – resmungou. Larguei a xícara sobre a bancada e encostei-me nela, minha mão já acariciava seu bumbum durinho. – Acho que você deveria pelo menos tomar um leitinho... Os olhares das outras garotas estavam grudados em nós, sedentos de desejo. O que apenas aumentava toda a minha excitação. Meu membro já estava totalmente rijo e eu o esfregava nas Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 10 -


coxas de Alice. Ela virou-se para mim e me deu um breve beijo, para logo depois se abaixar entre minhas pernas, libertando meu pau duro. Quase gozei só de sentir sua mão macia o envolvendo, mas fui forte. Alice começou a lambê-lo de baixo para cima com um sorriso muito excitante no rosto, o que só me dava mais tesão. Alternava o banho de língua com beijinhos na cabeça enquanto massageava minhas bolas inchadas. Eu podia sentir seu hálito quente e fresco me arrepiando até a nuca quando ela soprava de leve, provocadora. Foi nessa hora que o abocanhou de vez, não pôde colocá-lo todo na boca, mas o senti tocar fundo naquela gargantinha delicada. – Mhmm... – Está bom, mestre? – perguntou enquanto me punhetava vagarosamente. – Está muito bom, minha cachorrinha... continue assim que vai ganhar leitinho... mhmm... Ela então apertou minhas bolas e voltou a chupar, dessa vez com mais vontade. O sugava e colocava tudo o que podia na boca, tirando-o todo babado para lamber de baixo à cima. Eu já estava ficando louco com aquilo, minha cachorrinha era mesmo muito boa e obediente. E quando olhei para o lado, na bancada, vi os olhares excitados das minhas outras cachorrinhas que nos assistiam, excitadas. Seus braços estavam esticados para baixo, e eu podia imaginar muito bem o que eles faziam ali. – Mhmm... Isso... mais rápido, putinha... Alice começou um vai-e-vem mais forte só com a boquinha, e com as mãos acariciava minhas coxas, me dando arrepios. Não agüentei mais, e segurei firme em seu rabo de cavalo, começando a mover meus quadris. Ela olhava para mim toda manhosa, enquanto eu fodia sua boquinha molhada com vontade. – Se prepare safada... aaahh... Eu quase não conseguia falar, tamanho prazer que estava sentindo. – Se prepare, não deixe cair uma gota... mhmm... ou vai ficar de castigo... Baixei o olhar para aquele rostinho lindo, e vi que seus olhos escorriam lagrimas. Não me importava, na verdade. Eu estava prestes a gozar, e eu sabia que ela também queria que eu continuasse. Comecei a bombar mais e mais forte, já estava no ápice. – Aaahh!! – gemi, enquanto jorrava uma, duas, três, quatro vezes. Alice cravava suas unhas em minha bunda tentando absorver tanta porra. Na quinta esguichada, ela deixou um pouco escapar e cair em seus seios. Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 11 -


Já não me agüentava em pé e sentei-me num dos bancos, olhando para minha musa ajoelhada no chão toda suada. Pude ouvir de leve os gemidinhos das outras meninas, que gozavam também, nos assistindo. Levantei-me e puxei Alice para cima, acariciando aquela bundinha que eu adorava. – Gostou de tomar leitinho? – Amei, mestre... Comecei a subir minhas mãos, percorrendo seus quadris e cintura. Então com o indicador passeei sobre seu colo, circulando uma mancha melada. – Então porque não bebeu tudo, cachorra? – falei em um tom mais grave. – Mestre... – ela me olhava assustada. – Era muito... A interrompi beliscando forte seus mamilos, sentindo-os enrijecer em meus dedos e a vendo se contrair de dor e susto... e tesão. – Eu não tinha dito para beber tudo? Agora vá, suba e tome um banho para limpar esse suor. Porque você vai receber seu castigo assim que eu terminar meu café. Alice virou-se sem dizer uma única palavra, e tomou caminho para o quarto. Vendo aquele traseiro redondinho e empinado rebolar enquanto ela caminhava, eu tive uma boa idéia para o castigo. Na verdade eu duvidava que ela fosse se sentir castigada, depois do que eu iria fazer com ela.

O CONTRATO Meu nome é Victor Amaranth. Olhos castanhos, cabelos curtos e negros. Um metro e oitenta e oito centímetros de altura, 90kg. Gosto de cuidar do corpo, tanto freqüentando academias quanto praticando esportes. Tenho 28 anos, formado em Ciências Econômicas e Matemática Estatística. Meu pai, infelizmente, acaba de falecer. E deixou para mim, por assim dizer, seu império. Agora eu detenho 42% das ações de uma corporação gigantesca. Na verdade eu poderia parar de trabalhar e viver da renda... mas que graça teria? Não vou negar, sou um pervertido. Gosto de sexo, muito sexo. Mas agora minhas festanças e saídas terão que cessar. Já que me tornei um importante homem de negócios. A atual situação da corporação também me impede de me dedicar a um relacionamento serio por enquanto. Contudo, eu tive a idéia perfeita para adequar meus desejos com o trabalho. Enquanto jovem desinibido, fiz constante uso de um serviço europeu de acompanhantes. Sabe, Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 12 -


desses para pessoas do alto escalão. Com mulheres bonitas e inteligentes, não necessariamente safadas ou prostitutas. Aquelas mulheres que sabem conversar, distrair, discutir e elogiar. Que acompanham os executivos em eventos e celebrações, a fim de ganhar uma grana a mais. O sexo nem sempre estava presente... no entanto, estava lá. Agora que sou rico, por que não ter o meu próprio serviço de acompanhantes? Foi assim que conheci minhas quatro beldades. ********** – Então estamos de acordo? – perguntei, logo após terminar o tour pela casa. As quatro mulheres se viraram para mim, seus olhos brilhavam. Eu tinha acabado de mostrar-lhes o local no qual eu vivia. Uma mansão em algum lugar da Europa, que não vem ao caso. A sim, o acordo. Esse ‘acordo’ consiste no seguinte: essas quatro mulheres são acompanhantes, daquelas que citei antes, com um ponto em comum. São todas universitárias, e usam desse trabalho para pagarem seus estudos. O que considero muito nobre, diga-se de passagem. A minha proposta exige que elas tranquem a faculdade durante um ano, e nesse ano em questão, irão trabalhar para mim. Como minhas acompanhantes particulares... como meus brinquedos... minhas cachorrinhas... Eu as pagarei mensalmente, uma quantidade realmente alta, que não somente as ajudará a terminar seus cursos, como também a começar uma vida nova. E em troca... bom, acho que vocês já suspeitam das minhas intenções rsrs – Como sou um homem de palavra, aqui estão seus contratos. Levem o tempo que quiserem para ler e assinar. As espero naquela sala. Dirigi-me para a sala de estar, e liguei a televisão num canal qualquer. De pronto, fui interrompido pelas quatro garotas. Minhas futuras cachorrinhas. Já estou excitado apenas escrevendo essas linhas... me lembro muito bem de vê-las paradas a minha frente, tremendo de medo... de excitação. – Foram rápidas, rsrs. Bom, eu conheço vocês, mas vocês não se conhecem ainda. Apresentem-se, por favor. As garotas se entreolharam com uma cara de interrogação. A primeira a falar foi Cailean. – Meu nome é Cailean, muito prazer. Sou escocesa e tenho 22 anos – aquele sotaque carregado... mhmm... é ainda mais gostoso quando ela está gemendo, transbordando de prazer. Cailean era a mais velha e mais alta das quatro, quase do meu tamanho, com 1.83 de altura. Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 13 -


– Olá, me chamo Alice. Sou britânica e quero ser veterinária – ela era bela, muito bela. Com seus olhos cor de mel que só não eram mais doces que o próprio mel que seu corpo produzia. – E... Ah! Tenho 20 anos. – Me chamo Nicole, tenho 19 anos. Venho da Inglaterra também. Meus pais são tão conservadores que me matariam se descobrissem o que estou fazendo rsrs. Disse a eles que é uma viajem de intercambio. Nicole era sedutora... sabe aquela sedução natural que algumas mulheres tem? Seu jeito de falar, de gesticular... de tirar o cabelo do rosto... Algo que parece tão normal para elas, mas deixa qualquer homem maluquinho. – Sou Niki, prazer em conhecê-los. Nasci na Itália e tenho 19 anos também – ela falava com uma voz tão macia que parecia acariciar meus ouvidos. Àquela altura, eu já estava duro como rocha, planejando tudo o que iria fazer com seus lábios carnudos. – Espero que a gente se dê super bem! – sorriu. Tudo bem, eu sei o que vocês estão pensando... e sim, elas são novas. Mas estão fazendo isso por pura vontade e oras! Eu já disse que sou pervertido. – Muito prazer – eu disse, me levantando. – De agora em diante, quando estivermos sozinhos, vocês me chamarão de ‘Mestre’, entenderam? – Sim, mestre! – uníssono. – Ótimo... vocês já estão cientes do principal motivo de estarem aqui, mas ele não é o único. Também precisarei que vocês me acompanhem às reuniões, eventos e festas. Nada fora do normal. Então preciso que se mantenham atualizadas sobre o que anda acontecendo pelo mundo. Enquanto falava, eu caminhava lentamente ao redor delas. Sentia o perfume... ouvia a respiração... admirava os seios, as pernas, os bumbuns... as faces... – E também, dentro dessa casa... eu as quero lindas, dia e noite. Vocês vão acordar e tomar um bom banho, antes mesmo de saírem de seus quartos. Vão se maquiar e arrumar os cabelos. E por fim, vão se vestir... Parei em frente à Cailean, tomando suas mãos e as conduzindo para meus quadris. – Eu quero olhar para cada uma de vocês... – dizia isso enquanto olhava fundo em seus olhos. – e ficar excitado. – ajeitei seus cabelos atrás das orelhas, delicadamente. – Quando eu colocar os pés nessa casa, quero que meu membro esteja a ponto de explodir só de olhar para vocês – beijei seu pescoço nu. Sentia sua respiração descompassada. – Se vocês fizerem um bom trabalho, vão ganhar bônus... um mau trabalho resultará em castigos – deslizei minha mão por suas costas, subindo do quadril até chegar à nuca, arrepiando-a. Estava quente... ofegante.

Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 14 -


– Para isso vocês terão esse cartão – deixei Cailean, que estava com os lábios entreabertos. – Depositarei nele certa quantia, que vocês poderão gastar para me deixar feliz – tocava agora com a ponta dos dedos os lábios de Niki. – Comprem roupas, jóias e tudo o que precisarem – peguei uma de suas mãos e a direcionei até meu membro duro, que ela apertou suavemente. – Me surpreendam... – segurei seu rosto, e aproximei minha face da sua, sentindo seu hálito fresco, quase a beijando. Sussurrei. – E eu também lhes farei surpresas... – minha vontade de beijá-la era enorme, mas não podia. Ainda não. Afastei-me. – A minha felicidade, será a felicidade de vocês – toquei os seios de Alice, os bicos rijos marcando a camisa fina. – Se eu ver um sorriso em seus rostos... – cheirei seu pescoço, acariciando sua cintura. - Vou ficar um pouco mais feliz. – soprei de leve sua orelha esquerda. – E quando eu estiver feliz... – Agarrei-lhe a nuca, puxando-lhe os cabelos lisos para trás, fazendo-a curvar o pescoço. – Quando eu estiver feliz, vou levá-las para passear. – toquei de leve seu pescoço desprotegido, descendo os dedos até o umbigo, acompanhando-os com o olhar. – Vocês conhecerão o mundo – aproximei-me de Nicole por trás, abraçando-lhe a barriga. – Vou levá-las a lugares que nunca sonharam em ver. – comecei a descer lentamente uma das mãos, enquanto beijava de leve seus ombros nus. – E nesses lugares... – alcancei sua grutinha, toda úmida e quentinha. – vou fazê-las sentir tanto prazer... – apertei seu clitóris por cima da calça, a senti querer se curvar com um gemidinho tímido, mas a segurei. – mas tanto prazer, que vocês nunca mais vão me deixar. Contra minha própria vontade, me afastei. Desligando a televisão, para poder ouvir o ritmo descompassado de suas respirações, e sentir o odor da excitação que preenchia o lugar. – Mas agora eu pergunto... – sentei-me. – Vocês acham que... – fiz uma pausa, olhando demoradamente para cada uma delas. Para seus seios empinados quase furando as camisetas, para suas pernas torneadas que se moviam vagarosamente tentando amenizar um pouco o tesão, para suas mãos que suavam frio... e para seus olhos... que brilhavam com um prazer que ainda não sentiam. – Vocês acham que paradas aí, estão fazendo um bom trabalho? Perfeito. Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 15 -


Era isso o que eu queria. Pude ver em seus olhos... elas eram minhas... apenas minhas. Muito além do dinheiro, estavam seduzidas, era só questão de tempo. Mas o tempo não foi realmente um empecilho para que elas avançassem sobre mim, com sede de prazer.

O TAL DO PRAZER Senti ser tocado primeiro nas coxas, quando uma de minhas cachorrinhas apoiou seu peso em mim. Logo após, suas mãos subiram rapidamente, para desvencilhar-me do cinto que me prendia e libertar meu mastro. Depois veio um sopro tênue e quente em minha orelha, que foi mordida junto a um gemido safado, quase um urro baixinho de prazer. Minha visão estava bloqueada por um par de seios redondos e avantajados, devia ser Cailean. Minha camisa foi retirada selvagemmente, quase sendo rasgada. Beijos em minha barriga definida e em meus peitorais. Eu tateava às cegas, quando encontrei uma perna grossa, lisinha. Apertei. Com a outra mão acariciei cabelos curtos e macios, Nicole. Senti-a pegar minha mão e chupar meus dedos. Hálito quente... molhado... Alguém que não sei quem beijava minha boca, um beijo sôfrego, com língua demais, rápido demais. Antes de entender o que se passava, percebi que minha mão direita estava melada, e de relance vi que Niki já estava nua. Pingando desejo. E noutro instante não vi mais nada, apenas senti um cheiro suave e quase doce quando cabelos tentavam invadir minha boca. Provocando-me aquela repulsa característica. Aquilo estava errado, muito errado. Levantei-me de súbito, contrariado, quase jogando duas delas ao chão. Minhas cachorrinhas olharam-me curiosas, quero acreditar que por tamanho desejo que sentiam, não podiam notar a expressão estressada em meu rosto. – Isso está errado – disse. E realmente estava. Eu as queria para me proporcionar prazer, e ao mesmo tempo, para que se sentissem no paraíso. As contratei não para uma simples orgia... na realidade era muito mais que isso. As queria como uma só, como uma extensão de mim e delas mesmas. – Vocês não estão em sintonia. Percebendo que algo me desagradava, elas simplesmente pararam. Pararam e me olharam, esperando o que eu tinha a dizer. Olhei de volta para elas. Niki estava sentada no chão, com as pernas dobradas para o lado. Uma marca úmida entre suas pernas e filetes escorrendo pelas coxas despidas. Seus cabelos curtos estavam quase bagunçados, caindo em seu rosto avermelhado.

Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 16 -


Cailean sem camisa, os seios rijos projetados à frente, indicando seu nível de excitação. Os mamilos pequenos e durinhos, só não eram mais rosados que sua própria pele. As pernas torneadas ainda escondidas pelo jeans justo, um dos joelhos apoiado na poltrona na qual eu estava segundos antes. Deus... elas eram lindas! Não só elas, mas as outras duas também. Era realmente difícil me controlar quando o caminho da perdição está visivelmente livre à minha frente, contudo, eu não poderia ceder... não ainda, precisava tê-las na palma das mãos. De nada adiantava tamanha beleza se elas não sabiam extrair o melhor si mesmas e parece que eu teria que ensinar essa lição. –Dispam-se e me sigam – ordenei. Conduzi-as para um quarto ainda no primeiro andar de minha mansão. Aquele era, naturalmente, um lugar de prazeres e fantasias. Lá eu mantinha uma cama grande e confortável, o chão acolchoado com varias almofadas, alguns puffs... e claro, brinquedinhos. Vibradores, algemas, mordaças... o que precisar. Existiam três ou quatro quartos desses espalhados pelo casarão. Enfileirei minhas cachorrinhas lado a lado, por ordem de tamanho. Cailean, Alice, Nicole e Niki. – Pensei que não seria necessário... – comecei. – mas vejo que vocês precisam de um pouco de treinamento. Peguei um pequeno baú em um dos armários e coloquei sobre um puff. Ao abri-lo, notei os olhares curiosos das garotas, que tentavam espiar o que ele guardava. Tiras de tecido preto. – O que está faltando é harmonia. Eu as escolhi porque conheço seu desempenho na cama, entretanto, as minhas belas cachorrinhas ainda deixam a desejar quando com mais de uma pessoa. Peguei quatro tiras, e calmamente cobri os olhos de minhas meninas. Aquele tecido era especial, talvez até caro demais para o que oferecia. Suas fibras eram inteligentes, e se contraiam com o calor, ajeitando-se perfeitamente a pessoa que as utilizava e obstruindo totalmente a passagem da luz. – Vocês, minhas cachorrinhas, sabem o que considero mais importante na hora do sexo? – eu as olhava de cima a baixo... seria um ano muito interessante. – O que, mestre? – Alice. Toquei seu queixo com meus dedos, curvando um pouco sua cabeça em direção ao teto. – O prazer – dizendo isso pude ver por reflexo os lábios de Nicole se contraindo. O que vi foi quase um sorriso, mas por dentro ela gargalhava. Dava para notar pela disritmia de seu colo, que subia exageradamente numa inspiração sofrida, ameaçando estourar as sardas que o enfeitavam. – E para conseguir esse prazer, nós temos que causar prazer. Concordam? – Sim, mestre – uníssono. Afastei-me de Alice. Fui até uma cômoda pegar um frasco de gel. – E porque vocês acham que dar prazer é tão importante?

Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 17 -


Silêncio. Tomei uma pequena porção do gel à mão, e delicadamente apliquei-o nos mamilos excitados de cada uma delas. Não sei dizer do que aquele gel era feito, mas tinha a finalidade de refrescar, como se fosse uma bala de menta. Por sorte delas, muito mais intenso. – Provocar prazer é importante por um motivo simples – liguei o ar condicionado, 15ºC. – Os seres humanos são criaturas egoístas, que pensam primeiro em si mesmos. E contraditoriamente, dando prazer a alguém, acabamos provocando nosso próprio prazer. Isso porque primeiro, temos a expressão de gratidão. Que vem em gestos, olhares, sussurros e palavras. E segundo, porque o egoísmo dentro dessa pessoa a fará buscar ainda mais prazer, até que ela entenderá que se devolver o prazer que lhe foi dado, o outro lhe proporcionará ainda mais desse sentimento. Porque o primeiro também busca se satisfazer antes de tudo. – Conseguem me entender? – eu já podia notar suas faces assumindo tom rosado pelo frio que começava a se instalar. Acredito que nesse ponto seus seios também estavam pegando fogo devido ao gel, mas elas se preocuparam em não mostrar reação. – Por favor, dêem as mãos – puxei Cailean, que foi puxando as outras. Coloquei-as sentadas cada uma em uma poltrona. Acomodei-as de coluna ereta e pernas entreabertas, com os braços repousados no descanso das poltronas. E depois ordenei que não se movessem. Aproximei-me de Nicole... minha sedutora Nicole... Beijei-lhe os lábios, sugando-os de leve, sem tocar em nenhuma outra parte de seu corpo. Senti sua respiração ofegante, descompassada. Com um pincel que estava perto, percorri sua coxa direita suavemente. Partindo dos joelhos e subindo... subindo... subindo... via sua pele eriçar, só com a pontinha fina e macia do pincel... ela contorcia o rosto e gemia pra dentro, encolhendo a barriga. E agora eu descia, vagarosamente, vendo o pescocinho arrepiar... deixei-lhe um beijo. Ela sorriu, se encolheu. Subi um pouco meus lábios, deslizando-os por sua pele aveludada, e mordi sua orelha. Bem de leve, só na pontinha dos dentes, ela quase riu. Minha mão esquerda tocava seu colo, e desci com o dedo entre seus seios de bicos intumescidos. Tomei cuidado ao rodeá-los sem tocar diretamente, sentindo sua respiração acelerar, o coração quase saltando do peito. Ainda com sua orelha presa em meus dentes, sussurrei para que apenas ela ouvisse: – Não se mova, cachorrinha... não se mova... Ela agora respirava pela boca, que estava só meio centímetro aberta. Os lábios vermelhos começavam a rachar, e timidamente ela os umedecia com a língua. As maçãs do rosto tão vermelhas que quase escondiam suas sardas. E a venda nos olhos... obrigando-a a imaginar onde seria meu próximo toque. Ajoelhei-me e suspendi sua perna esquerda pelo calcanhar. Ela se contraiu de susto, e pude ver brevemente sua raxinha pulsar... expelindo um pouco de seu néctar. Massageei a sola do pé, o calcanhar, os dedos. Então deslizei uma de minhas mãos pela parte inferior de sua perna, parando logo atrás do joelho. Voltei com minha mão, apertando firme. Não muito forte, o suficiente para que Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 18 -


ela sentisse meu toque... mhmm... gemeu baixinho sorrindo só com um lado da boca. E repeti o movimento algumas vezes. Quando olhei para cima, notei seu rosto curvado ligeiramente enquanto ela mordia os próprios lábios. Não respirava mais com dificuldade, estava relaxando... estava se deixando dominar. Peguei então as duas pernas, segurei-as pelas panturrilhas e as levantei abruptamente, até encostar os joelhos em seus ombros. Parei um pouco e me afastei, ainda segurando suas pernas encolhidas. Admirei seu corpo... a cor de sua pele... as pequenas gotas de suor... sua vulnerabilidade... Ordenei que não se movesse, e a libertei de minhas mãos, hesitante, não tinha certeza se ela poderia manter a posição. Mas ela pôde. Tratei então de despir-me e massagear brevemente minha rola dura, pulsante. Masturbava-me de leve olhando para seu corpo nu, desprotegido. Os seios espremidos pelas coxas grossas... os biquinhos apontados para mim, sugestivamente... e aquela bucetinha lisa e molhada... uma pequena poça já se formava na poltrona. Voltei a segurar suas pernas e a senti relaxar da posição incômoda. Novamente sussurrei-lhe aos ouvidos: – Não se mova cachorrinha... não se mova... Aproximei meu corpo do seu, cheguei a tocar sua barriga com a ponta melada de meu mastro, deixando uma pequena mancha naquele abdômen definido. Mandei que esticasse as pernas o máximo que pudesse, ela o fez. Nicole estava ali, submissa... desamparada... sedenta de desejo... E ela era minha, toda minha. A minha cachorrinha. Com ambas as mãos, deslizei por sua coxa, descendo até o bumbum. Segurei firme para mantê-la na posição e aproximei meu rosto de sua xaninha. Não a toquei, só deixei que ela sentisse minha respiração quente. E vi sua raxinha pulsar três vezes, expelindo mais de seu néctar. O ânus também estava visível naquela posição, totalmente contraído. Toquei-o com a ponta da língua. Ela se contorceu, encolhendo-se. Nesse momento eu dei um tapa forte em sua coxa, como punição por ter se movido, e logo depois acariciei o local, para dispersar a dor. Vi que ela gostou. Deslizei novamente minhas mãos por suas coxas, subindo e descendo. Pressionando, beliscando... vendo-a sorrir. Comecei a beijar-lhe as coxas, até que cheguei em sua panturrilha. Mordisquei. Ela gemeu de tesão. Passei para a outra perna, e repeti o movimento, mordiscando-a novamente. Ela gemeu de novo, mais alto. Projetei meu corpo de encontro ao seu, tomando cuidado para não encostar em sua raxinha. E deilhe um beijo na testa... outro... perto do olhos... na bochecha... na orelha... no pescoço... desci beijando pelos ombros... atravessei o colo... um pouco dos seios... o queixo... A esta altura ela não se continha mais. – Aaahh...! Beijei-lhe os lábios... senti nossas línguas dançarem em sua boca, depois na minha. Um sabor diferente, novo... Gosto de desespero. Afastei meus lábios e sussurrei em seu ouvido: – Liberte seus desejos, cachorrinha... – escorreguei minha mão esquerda, descendo pela coxa. – Sinta o prazer que tanto quer... – tateei pelo bumbum, pelo cuzinho… Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 19 -


– Você quer gozar?.. – introduzi a ponta do dedo. – quer..? – toquei-lhe a virilha encharcada, meus dedos quase derreteram. Nicole não disse nada, apenas mordeu os lábios e balançou a cabeça, afirmativamente. Ordenei que segurasse as pernas e as abrisse. Ela o fez. Mais uma vez eu desci até sua xaninha, mas não a toquei. Provoquei com alguns sopros no botãozinho, com alguns toques na coxa, na virilha... vendo-a pulsar, contraindo com toda força. Depois subi para os seios. Com meus dedos esticados e abertos em forma de taça, apertei a base de seus seios que pegavam fogo. Eles eram grandes, transbordariam minhas mãos se tentasse agarrá-los. Então massageei os dois ao mesmo tempo. Apertava... puxava... esticava... empurrava... tudo isso sem tocar-lhe os mamilos. Ela gemia de prazer, se entregava ao tesão que sentia. Contorcia o pescoço... arrepiava a nuca... contraia os dedos dos pés. Apertava as próprias pernas. Enquanto brincava em seus seios, subi para dar-lhe outro beijo. Um beijo longo... demorado... calmo... Um beijo de desejo. Não era mais eu quem a beijava. Nicole já se sentia segura para avançar com sua boca sobre mim, até mesmo arriscou a morder meus lábios. Então eu desci, e tomei seus seios novamente. Dessa vez... com a boca. Enquanto apertava o mamilo direito com meus dedos, acolhi o esquerdo com meus lábios. Senti-os rijos como pedra. E quentes... pulsantes... quase vivos. – Aaahh!.. mhmm... Passei a brincar com eles. Lambia... mordia... sugava... soprava... e fazia tudo de novo. Massageava um, beijava o outro. Depois trocava. E trocava. Rodeava com a língua, cobria os mamilos com ela... e sugava, forte. Aquela pele macia e quente, arrepiada. Prendi-os entre os dentes e castiguei-os com a língua... com aquela surra gostosa, movendo a língua rapidamente para cima e para baixo. – Aaahh!.. aah!! mhmm!.. Nicole se contorcia. Mandei que soltasse as pernas e se ajeitasse. Ela se sentou como na posição inicial. Tratei de fechar suas pernas, e sentei-me nelas, bem próximo de seu corpo, pressionando meu pênis contra seu abdômen. Aproximei meu rosto de seu ouvido e sussurrei: – Toque-me, cachorrinha... Tateie pelo meu corpo... mas mexa somente seus braços e mãos, não desencoste-se da poltrona... ou será castigada. Assim o fez. Primeiro meu tórax. Apertou meus peitos, deslizando a mão por meus ombros largos. Inclinei-me para frente para que alcançasse minhas costas, brincou de passear os dedos pelas dobras de meus músculos. Mudou para meus braços, boquiaberta... salivando de desejo. Apertou minha cintura, meu abdômen, meus quadris. Mordeu os lábios ao deslizar as mãos pelas minhas coxas... e finalmente segurou meus pênis. Duro. Pegou-o com as duas mãos, pressionou, punhetou de leve, depois soltou. Suas mãos quentes suavam. Beijei-lhe novamente. Dessa vez, liberta, ela agarrava meus cabelos... eriçava minha nuca... Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 20 -


E eu a beijava tenuemente, sem pressa. Explorava aqueles lábios... aquela boca... mhmm... o doce sabor daquela boca. Mordi seu lábio superior, ela apertou minha cintura. Rocei minha barba rala em seu rosto, ela cravou as unhas em minhas costas... gemendo. Chupei seu pescoço, ela agarrou minha bunda. Mordisquei sua orelha, ela devorou a minha. E assim seguimos num ritmo frenético, avassalador. Até que segurei firme em seus braços e os juntei. Com uma única mão levantei os dois pelo pulso, prendendo-os no alto, empinando ainda mais aqueles seios maravilhosos. Nicole ofegante, boquiaberta, procurando meus lábios. Desci de seu colo, abri suas pernas o suficiente para que minha mão coubesse entre elas. Mas não a toquei. Ainda não. Beijei seu cotovelo, seu braço, dei uma mordidinha, desci para as axilas... lambi todo o caminho de volta... – AAAHH!... – ela urrou, desencostando-se da poltrona. Perfeito. Ainda segurando seus braços no alto, percorri a outra mão descendo por sua barriga. Abri meus dedos em ‘V’ e envolvi sua xaninha, sem tocar diretamente. Fui e voltei... fui... chupei seu pescoço... –Aaahh!.. e voltei... – Acha que agora você entende o que quero dizer, cachorrinha? – toquei de leve seu clitóris com meu dedo indicador. Senti-o dissolver. – Sabe porque dar prazer é tão importante? – apertei seu botãozinho, ela gemeu, mas não saiu som algum, abria e fechava a boca de leve, desnorteada. Soltei. – Dê prazer a alguém... mas não dê tudo... – apertei mais uma vez, e girei meus dedos... ela esticou o pescoço o máximo que pode para trás, tentava rebolar os quadris, mas já não tinha forças. – e assim... eles virão atrás de você, instintivamente, devolver o presente... e pegar mais... Senti seu clitóris pulsando compulsivamente entre meus dedos. Eu quase podia ouvi-lo estalar de tanta excitação. Soltei, para não estimular demais. E depois a soltei toda, que quase caiu da poltrona. Se arrumando em seguida. Tirei sua venda. Ela me olhou fundo nos olhos, lacrimejando. Depois desceu os olhos para meu membro ereto, e manteve-se fixa nele. Hipnotizada. – Agora que você entendeu, cachorrinha... – toquei sua face delicadamente, levantando seu rosto para olhar em seus olhos. – trate de esquentar suas irmãs, ensinando essa lição. Elas estão morrendo de frio. Nesse momento, Nicole desviou o olhar para os lados, e viu as outras garotas quase roxas e tremendo levemente.

Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 21 -


– Se você for uma boa professora, terá uma boa recompensa... Levantei-me e peguei minhas roupas, me dirigindo para a porta. Não resisti, e dei uma ultima espiada nas minhas quatro cachorrinhas que apesar de com muito frio, estavam tão molhadas quanto um jardim após a chuva. A partir daquele dia aquele seria meu jardim... do qual eu tiraria todo o néctar que pudesse... Nunca me senti tão feliz.

O PRIMEIRO CASTIGO No dia seguinte acordei como de costume, às 6h. Virei na cama e me lembrei da tarde anterior. A orquestra de gemidos ainda ecoava em minha mente. Em todos os meus ‘quartos do prazer’, aposentos como o que lhes mostrei no último conto, tem algumas câmeras instaladas. E ao deixar minhas cachorrinhas lá nas mãos sedutoras de Nicole, me dirigi para meu quarto e liguei a televisão. Masturbei-me assistindo-a atiçar e provocar as outras meninas. E depois gozei com todas elas numa quase orgia. Quase... ainda estavam tímidas demais para o meu gosto. Levantei e fui tomar meu banho. Já desci pronto para ir trabalhar, mais um dia de negócios. Cumprimentei Rose, a governanta, e também todas as empregadas com quem cruzei. – Bom dia, mestre! – assim que pus os pés na cozinha. – Acordaram cedo – peguei meu suco e fui à direção da bancada em que elas estavam. Admirei todas elas. Com os cabelos penteados e uma maquiagem leve, perfumadas suavemente. Ainda de camisolas e pijamas. As pernas torneadas a mostra, cruzadas. Os pés delicados a poucos centímetros do chão. Costas eretas, deixando os seios e bumbuns empinadinhos. Unhas pintadas e bem cuidadas. –Depois que eu sair, falem com Rose. Comprei um carro para vocês – elas me olharam, arregaladas. – Podem usá-lo para ir ao shopping e às lojas. E também aos fins de semana, para passear. Cada fim de semana será a folga de uma de vocês. – Posso fazer uma pergunta, mestre? – Alice. Fiz que sim. – Pensava que seriamos só nós cinco, sabe... como faremos nosso trabalho com todas elas passeando por aqui? – apontou com o queixo discretamente para uma das empregadas. – Não se preocupe, Alice. Todas elas também têm um contrato muito especifico e sabem o que seu trabalho exige. Elas são as empregadas, cuidam da limpeza, das refeições e manutenções. Vocês são minhas cachorrinhas, e devem se preocupar somente com seu dono.

Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 22 -


– Espero que não se sinta incomodada, pois tenho alguns jogos em mente para fazê-la se acostumar... – Absolutamente, mestre – Alice baixou o olhar, constrangida. Terminei meu café conversando amenidades com minhas garotas. Falando sobre esportes e televisão. Conhecendo um pouco mais cada uma delas. E quando estava prestes a sair, acrescentei: – Meus horários estão todos com Rose, vocês tem liberdade para fazer o que quiserem enquanto eu estiver trabalhando, mas estejam aqui quando eu voltar – já me levantava, vestindo o terno escuro. – Hoje à noite eu quero sair, abriu um restaurante novo aqui por perto. Vou levar duas de vocês. Estejam vestidas adequadamente quando eu voltar, escolherei as que mais me agradarem. Pedi um beijo de cada uma delas e dei uma ultima passada no banheiro, antes de sair para um dia árduo. Eu estava no topo do mundo. Ahh estava!.. Era 22h quando cheguei em casa, suado e cansado. Depois de um dia duro como esse, o silêncio de minha mansão era anestesiante e convidativo. Meus ouvidos já estavam felizes pela folga que receberam... agora eu queria deleitar meus olhos com a doce visão do paraíso. Atravessei a copa sem ver ninguém, passei perto do quarto de Rose no caminho da cozinha, e ouvi o radio tocando algumas músicas antigas. Tomei um copo d’agua e molhei o rosto ali mesmo. Subi para o segundo andar. Entrei na sala de estar do segundo andar, seguramente a maior sala de toda a mansão. Era lá onde recebia meus convidados e onde havia pedido para minhas cachorrinhas me esperarem. E lá estavam elas, a meia luz, com uma taça de vinho cada uma, rindo entre si, sentadas nos largos sofás. – Não ganho nem um abraço de boas vindas? Todas se levantaram rapidamente vindo em minha direção, andando sensualmente, quase desfilando para mim. Aaahh... minhas cachorrinhas... tão tesudinhas... Ganhei um selinho de cada uma delas. – O senhor está tão tenso, mestre – Niki. – Não quer uma massagem? – ela deu a volta no sofá e assim que me sentei começou a pressionar meus ombros com suas pequenas mãos macias. – Está muito bom Niki, mas estou com fome. Vou tomar uma ducha rápida – me levantei. – Escovem os dentes e retoquem a maquiagem, vamos sair assim que eu voltar. – Quem de nós irá com o senhor, mestre? – Cailean. Dei um tapa estalado em seu bumbum empinado pelo salto antes de responder. – Vou levar você e Niki. Alice está colorida demais e Nicole já se divertiu ontem... – saí. Cailean usava um vestido escuro curto tomara-que-caia bem justo ao corpo. Pena que seus seios generosos não o deixaria cair nunca rsrs. As pernas lisas e grossas bem bronzeadas, convidativas. O Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 23 -


pescoço trajava um belo colar com uma pedra avermelhada enfeitando o colo. Seus cabelos loiros e ondulados caindo por cima dos ombros e atingindo poucos centímetros abaixo deles. Niki já estava com uma roupa mais leve. Ainda era um vestido, e também era curto. Mas este tinha saia plissada que acabava na metade das coxas claras, e duas alcinhas finas que tratavam de erguer deliciosamente seu busto. Os pés tomados por uma rasteirinha de palha e os cabelos soltos, até abaixo da cintura, quase nos quadris. Sempre com um largo sorriso estampando o rostinho de menina-mulher. Eu usava algo bem básico. Blazer e calça preta. Os cabelos meio jovem, meio antiquado. Um pouco espetados. Ainda não consegui me acostumar com a vida de manda-chuva, gostava de ser moleque. Quando chegamos ao restaurante, desci e abri a porta para cada uma delas. Meu pai me ensinara a ser um cavalheiro, e também, eu tinha meu status a zelar. A recepcionista nos acomodou em nossas mesas, e eu puxei cada uma das minhas cachorrinhas um pouco mais pra perto. Aquele lugar era elegante, de porte. As paredes decoradas com garrafas de whisky, uma meia-luz que dava um ar quase sombrio, bom para faze-lo esquecer das outras pessoas. Um arranjo de flores decorava cada mesa, junto com os conjuntos impecáveis de talheres e copos. As cadeiras confortáveis como deveriam ser as nuvens no céu. E ao meu lado, as duas mulheres mais belas que já pisaram ali. – Vamos querer três whiskys, por favor – pedi, quando vieram trazer o cardápio. –Dois... e uma água com gás, por favor – corrigiu-me Niki. A olhei intrigado, ela pareceu se envergonhar. –Desculpe, eu não bebo. Enquanto comíamos também jogávamos conversa fora. Xingamos os EUA e a guerra no Iraque, debatemos sobre livros, até perguntei o que achavam de eu dar um cachorro para Alice. E com o tempo... com o álcool... beijava-as, lascivamente. Hora Cailean, hora Niki. Levantava suas saias e apalpava suas coxas, beliscava as cinturas, chupava os pescoços. Elas tentavam me conter, preocupavam-se se os outros estavam olhando. Mas no fim não podiam resistir. Uma delas apertava meu pau sobre a calça, outra tentava tirar meu cinto. Um garçom passava, disfarçávamos. Riamos. Apenas para fazer tudo de novo. Chegou uma hora que não agüentava mais, e elas também não. Já estávamos quase suados, fomos para casa e chegando lá, levamos Cailean direto para seu quarto. Não por menos, eu e ela acabamos com uma garrafa de whisky sozinhos... antes mesmo de tocar a cama ela já estava dormindo. E pedi que Niki a trocasse, depois viesse me encontrar em meu quarto... Após alguns minutos, vi o vulto pequeno atravessar a porta. Niki tinha apenas 1.63 de altura, com seios e bumbuns médios, nada de muito extravagante. O que fascinava mesmo era seu ar de moleca, seu jeito inocente e alegre. Sua face de menina, de mulher... sua bucetinha inchada. Logo que ela passou, a agarrei por trás. Sim, eu estava esperando atrás da porta. Curvando-me um Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 24 -


pouco consegui encaixar meu membro duro entre as bandas de seu bumbumzinho e fechei a porta. No inicio ela se assustou, soltou um gritinho, contraiu o corpo, mas logo relaxou. Trouxe o rosto para trás para ser beijada, e a beijei. Sugava sua língua doce enquanto baixava as alças do vestido, ele escorregou por seu corpo, tentou agarrar-se nos seios arrebitados, encontrou certa resistência nos quadris e por fim caiu ao chão. Virei Niki para mim, apenas de calcinha... uma calcinha fina, de renda, azul clarinho quase branco... desenhava perfeitamente os seus lábios molhados. Essa era a maior prova de que eu tinha escolhido as cachorrinhas certas, sempre que eu as tocava, elas estavam molhadinhas, bem molhadinhas... eram o meu jardim, o meu néctar. Beijava-a enquanto nós dois íamos me despindo... eu nu, ela de calcinha. Esfregava meu corpo ao seu e ela esfregava o dela ao meu, numa quase dança... passos provocantes, ensaiados tantas outras vezes. Nenhum dos dois queria ceder. Segurava sua nuca e apertava sua bunda, ela puxava meus lábios entre os dentes e crava as unhas na minha coxa. Ergui sua perna e apoiei em meu quadril, apertei-a toda. Ela desceu a mão até meu pau duro e mordeu meu mamilo. Urrei. Ela mordeu de novo enquanto deslizava os dedos pela minha glande, eu puxei forte seus cabelos... chupei seu pescoço... Niki gemia... eu urrava... Jogando meu peso sobre ela, a fiz deitar na cama. Afastei-me um pouco, e ela continuava a me masturbar, toda manhosa, fazendo biquinho. Admirei seu corpo, cada curva de seu corpo sequinho. As costelas que hora apareciam e hora sumiam, os seios redondos transbordando juventude, a barriga durinha e lisinha... a xaninha escorrendo. Não agüentei, e ergui suas pernas. Ajoelhei-me no chão e lambi sua raxinha por cima da calcinha, senti todo o seu sabor. Ela arqueou o corpo... esticou os braços... Voltei a lamber, e dessa vez tocava as coxas nuas com as pontas dos dedos, provocando cócegas... prazer... Niki se contorcia, ria, gemia... – Oh mestre!.. assim não, para.. Eu já tinha puxado a calcinha de lado e agora brincava com sua bucetinha nua. Passava a língua pela virilha, depois pelos grandes lábios, enfiava a pontinha, sugava o botãozinho... – Meu deus!! – Niki se revirava. Introduzi um dedo, que quase derreteu. Depois outro, e fiz um vai e vem ritmado, sentindo-a pulsar... me mastigando. E sua raxinha escorria muito mel, muito néctar. Foi por isso que escolhi Niki, além de todos os motivos que já disse antes, ela também é a garota mais molhada que já vi. Sua bucetinha chega a pingar com quase qualquer tipo de excitação, e quando ela goza... mhmm... ela expele quase um copo cheio a cada orgasmo, numa deliciosa ejaculação feminina. Era isso o que ela estava prestes a fazer. Ergui um pouco mais seus quadris para lamber seu reguinho molhado. Vi seu ânus piscando, e lambi ali também. Ela gemia, era só o que conseguia fazer. Com uma de minhas mãos alcancei seu seio, apertei, castiguei o biquinho inchado. Com a outra surrei seu clitóris, apertando... esfregando... puxando... E a fodia com a pontinha da língua. Ela gemia. Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 25 -


Mais e mais. – Oh, mestre!! Ainda sugando seu mel, estiquei o braço até a cabeceira e peguei um brinquedinho que tinha comprado especialmente para o primeiro castigo de minhas cachorrinhas. O por que do castigo? Bem, pode ter um bom motivo ou motivo nenhum, afinal, sou eu quem decide. E tudo isso não passa de um imenso jogo... um jogo de prazeres... um duelo incessante por alguns segundos no Éden. Enfiei meu brinquedinho dentro daquela bucetinha encharcada, e empurrei fundo. Se ela notou, eu não sei. Ele era pequeno e não vi reação alguma. Tanto melhor... – Tá gostando, cachorrinha? – perguntei enquanto dedava seu grelinho, beijando o pescocinho. – Sim, mestre... aahh!!.. continua, não para... Enfiava dois dedos e os dobrava como um gancho e ficava raspando sua bucetinha por dentro, e com o dedão, fazia movimentos circulares no botãozinho. Niki abria e fechava as pernas, mordia a própria mão. Gemia. – Entao você quer me dar ordens agora, Niki? – suguei um seio, apertei a coxa. –Desculpe, mestre... mhmm.. mas está muito booom!! Em um único golpe, deitei-me na cama e coloquei a pequena Niki sobre meu corpo. Meu mastro ereto acariciando seu reguinho, ficando totalmente ensopado. Apertei ambos os seios, lambendo sua orelhinha. Ela própria se masturbava, tentava mover os dedos freneticamente, mas os pequenos espasmos que seu corpo dava tiravam seu ritmo. Então decidi ajuda-la. Desci minhas mãos pela sua barriga, brinquei um pouco no umbigo raso e segui para a grutinha. Ela pingava, transbordava. ‘Geme pra mim... geme cadelinha...’, ela não tinha forças. Abri os lábios e enfiei a ponta de um dedo, depois outro, e outro... ‘Mhmm...’, ‘Não seja tímida, cadelinha’, ela se contraia, ‘Aaahh!..’. Passei a esfregar o grelinho lentamente, indo e vindo... indo e vindo... Sentindo sua respiração ofegante, vendo-a mordendo os lábios, agarrando os lençóis. Então acelerei, gradativamente, pouco a pouco. E logo já a bolinava mais rápido do que ela era capaz de raciocinar. – AAAHH, MEU DEUS!! – Niki gritava. – Isso mestre, assim!.. AAAHH!! Me faz gozar, mestre, faz... Mhmm..!! por favor... Que delicia... vou explodir.. ahh... Súbito, um urro. Não de tesão, não de prazer, não de orgasmo. Um urro de susto, de dor. – Mas que merda foi essa?! – a pequena Niki quase teve uma convulsão, seu corpinho trabalhado se recusava a responder seus comandos. E sua raxinha continuava a escorrer, continuava a pulsar, querendo satisfação.

Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 26 -


– Isso, cadela, é o seu castigo – respondi, seco. Ela me olhou intrigada, tentando apoiar-se nos cotovelos. – Eu não fui especifico, quando as convidei a serem minhas cadelinhas, que deveriam estar abertas a novas experiências? Ela continuava me fitando, sem entender do que eu estava falando. – Mas... mestre... – ela tentava decidir se perguntava ou me esperava continuar. – o que eu fiz de errado?.. – Você se negou a beber, Niki – empurrei-a para o lado e me posicionei entre suas pernas encolhidas. – Eu não tinha perguntado o que vocês queriam, eu não queria saber do que vocês gostavam. Eu havia feito um pedido, dado uma ordem... – tateei suas coxas descendo até seus quadris. – E você se negou a cumprir. Agora terá seu castigo. De uma só estocada, cravei meu pênis naquele buraquinho estreito e úmido. Ela gritou, pedindo desculpa. Dizendo que não faria mais aquilo, que estava arrependida. – Aaahh, me fode mestre, castiga sua cachorrinha... mhmm... – Eu vou te excitar tanto, que você vai desejar voltar no tempo, cachorrinha... Movia meus quadris com vigor, no clássico papai-e-mamãe. Enfiava tudo, até sentir minhas bolas tocando suas nádegas duras, e depois tirava. E repetia, repetia. Aumentava a intensidade, mordia o ombro de Niki, beijava-a. E a minha cachorrinha tentava rebolar, o máximo que a posição permitia. Jogava a púbis para cima e para baixo, tentava para os lados, mastigava meu pênis. E gemia... gemia... Olhando sua carinha de anjo, vermelha como um moranguinho, em êxtase profundo, resolvi puxar suas pernas segurando pelo tornozelo. As abri bem, e continuava fodendo minha cachorrinha, que gemia e pedia mais. Os joelhos apertando os seios, deixando-os bem juntinhos e apontados para o teto. Seus braços estavam jogados pra trás da cabeça, totalmente largados, ela não conseguia move-los. Não tinha forças. – Aaahh!.. mestre... – dengosa. – Por favor mestre, continua... vou gozar! Eu acelerei as estocadas, pra frente e pra trás, rápido, bem rápido. A grutinha da minha cachorrinha pegava fogo, e a cada estocada, cuspia néctar. Agora já fazia aquele barulhinho sórdido, pervertido, o som do pênis duro na vagina encharcada. Splash, splash... chonc, chonc... Fosse o que fosse, cada vez mais alto. – Quer gozar cachorrinha? Quer? – Ahh, mestre... não me provoca... mhmm... que gostoso, enfia mais... mais!! Niki gemia e gemia, e se contorcia. E de repente, urrou de novo. Seu corpo em espasmos, toda mole. Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 27 -


– M... mas... – gaguejou. – Esse é o seu castigo, cachorra levada. Você não vai conseguir gozar até que eu deixe – dizendo isso, toquei seu ventre. – Eu coloquei um brinquedinho em você, um brinquedinho especial. Ele detecta os impulsos elétricos do orgasmo, e os inibe com uma descarga elétrica súbita. Sempre que você for gozar, vai levar esse choque... – comecei a masturbá-la, acariciando o grelinho duro. – E seu nível de excitação vai subir mais e mais... Beijei-a. Seria uma longa e deliciosa noite.

ANIMALESCO Olhei para o relógio, eram quatro horas da manhã. Já fazia mais de uma hora que eu estava torturando minha cachorrinha, Niki. Uma tortura cheia de prazeres e tentações. Prolongando ao máximo seu gozo, seu orgasmo. Minha cama estava gelada de tão ensopada que havia ficado e minha cachorrinha tremia, não de frio, não... ela transpirava excitação por todos os poros de seu lindo corpo nu. Tremia por anseio... anseio de prazer, de satisfação. O que eu fazia questão de negar, até que eu estivesse completamente satisfeito. Essa era a punição por ter me contrariado. Uma noite inteira de plenitude proibida. Peguei Niki nos braços e a carreguei até o banheiro. Minha banheira já estava pronta, grande, quente, convidativa. Sentei-me recostado em uma das bordas, e coloquei minha cachorrinha em meu colo, sobre meu pênis duro, de pernas abertas. Ela quase não tinha forças para sustentar o próprio corpo, por isso se largara em meus braços, abraçando meu pescoço. Peguei uma esponja macia que estava de prontidão e comecei a banhar seu corpo quente... suas costas lisas... Eu quase podia ver a água evaporar ao tocar sua pele fervente. Tirei os longos cabelos do caminho e percorria a linha da espinha com a esponja, parando exatamente onde seu bumbum começava a se dividir, depois a molhava e subia de volta... dessa vez passando também pelo reguinho sensível. Os sais de banho já relaxavam nossos corpos, e Niki se entregava... quase contrariada... muito sedenta... Massageei seu bumbum com as duas mãos, não encostava na xaninha nem no cuzinho. Resolvi dar um tempo para que minha cachorrinha recobrasse um pouco dos sentidos. Só apertava e soltava seu bumbum ao mesmo tempo macio e durinho... as vezes segurava, e fazia movimentos circulares... abria um pouco as bandas, depois comprimia uma na outra. Niki suspirava em meu ouvido. Dei um tapinha carinhoso, depois outro, ela gemia. Passei a massagear-lhe os cabelos na nuca e enquanto isso escorregava minha outra mão pelas coxas fortes, apesar de magras. – Relaxe, meu amor... só relaxe... – quase desfalecida, minha cachorrinha correspondia, gemendo. – Me deixa cuidar de você, Niki... deixe seu mestre cuidar de você... Dizendo isso virei seu corpo lentamente, agora ela estava de costas para mim ainda em meu colo, com meu robusto mastro no meio de suas pernas entreabertas. Joguei sua cabeça para trás, deitada em meu ombro, e peguei a esponja. Mergulhava-a na banheira e depois espremia sobre o colo de Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 28 -


minha cachorrinha, acompanhando gulosamente o caminho que a água descrevia entre os seios e por seu abdômen. Repeti o movimento algumas vezes e minha cachorrinha apenas sentia... só tinha forças para sentir... e gemer baixinho... Segurei um dos seios que pareciam terem sido feitos a medida, pois cabiam perfeitamente em minhas mãos. Eles estavam lisinhos por causa da água e dos sais, era fácil deslizar minha mão por ele... pelo biquinho. Ela desfalecia. Enquanto apalpava um, eu atiçava o mamilo do outro, tocando-o de leve com a esponja úmida. A cada toque ele vibrava... a cada toque áspero e macio da esponja, Niki gemia. – Aaahh... – e movia as pernas, num desespero contido. Continuei a provocar-lhe o busto, e, dessa vez, também provocava a raxinha. Com a esponja eu castigava os biquinhos rijos e com o dedo acariciava o botãozinho eriçado. Suavemente, como se só existíssemos nós. Meu pau correspondendo a cada gemido de minha cachorrinha, pulsando sempre que ouvia sua doce voz... latejava... Nesse momento me lembrei de quando era bem jovem, e gozava só de ver uma mulher como essa se despindo a minha frente. Mas não mais... Então senti minha cachorrinha tremer, retesando o corpo, ela tinha gozado... ou... teria, se não fosse meu brinquedinho... Mais uma vez Niki estava imóvel, delirando solitariamente com os prazeres que lhe eram negados. Continuei a estimular-lhe a xaninha devagar, mesmo sob a água, eu podia senti-la pulsar expelindo o saboroso néctar. Eu chupava seu pescoço e a acariciava entre as pernas, deslizava a ponta dos dedos pela parte interior da coxa e a sentia arrepiar-se. Levantei-me e a coloquei deitada para fora da banheira, posicionei a bucetinha quente na borda e comecei a chupar. Minha cachorrinha já estava acordada de novo, e voltara a gemer. – Mestre... por favor... não agüento mais... mhmm... – tentava agarrar meus cabelos, não tinha forças. Eu ignorava seus apelos enquanto beijava a boquinha de baixo. Passava minha língua entre os lábios, pelo grelinho vibrante, depois enfiava ela toda na grutinha. Minha cachorrinha gemia sofregamente... eu quase tive pena, mas era um gemido tão gostoso que só me dava mais tesão para continuar. Pus-me ajoelhado e ergui suas pernas, as apoiando em meus ombros. Brinquei um pouco com minha rola dura na entrada. Pressionava de leve contra o anelzinho de baixo e depois esfregava o caminho pra cima, pelo reguinho molhado. Voltava pelo mesmo lugar, e pressionava o anelzinho mais um pouco. – Mestre... não to agüentando... me fode, por favor... – ela dizia com palavras cortadas. Novamente retesando o corpo, num quase urro de prazer se não fosse descontente. Mais um orgasmo lhe era negado. Afastei meu corpo do seu e a re-posicionei na banheira morna, para torturá-la um pouquinho mais. Com Niki de volta ao meu colo, aproximei-me da uma das bordas e ergui suas lindas pernas, apoiando-as para fora da banheira. Deixei sua raxinha precisamente na mira do jato de hidromassagem, não mais que cinco centímetros de distancia. E esticando o braço, liguei. Minha cachorrinha gemia desesperadamente, e dessa vez... debatia-se em meus braços. Revirava Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 29 -


todo o quadril tentando escapar dos jatos d’água, minha sorte é que eu sou maior que ela e pude abraça-la para conter seus movimentos, senão ela escorregaria de minhas mãos de tão lisa que estava. – Aaain... aah... meu... Deeeeus!.. – Relaxe cachorrinha... deixa seu mestre cuidar de você... – eu sussurrava, e duvidava que ela estivesse ouvindo. Não consegui contar quantas vezes ela desfaleceu tentando chegar ao orgasmo, talvez quatro ou cinco. As palavras desconexas que saiam de sua boca apenas me incentivavam mais... porque na verdade não eram palavras... eram uma deliciosa melodia... um pedido de mais... Poucas coisas podem excitar mais um homem do que os gemidos sinceros de prazer de uma mulher. Comecei então a alternar os jatos que estimulavam minha cachorrinha com meus próprios dedos. Hora eu apertava seu clitóris, hora deixava os jatos castiga-lo suavemente. Então voltava com meus dedos, invadia a grutinha fervente com dois deles, e ela gemia um pouco mais alto. Fazia um vai-evem breve, só três vezes, e tirava. Agora ela gemia por causa da hidromassagem. Virei seu rosto de leve e beijei-lhe os lábios, ela não conseguia responder, então apenas abriu-os um pouco, permitindo que eu mordesse e chupasse. Abracei sua barriguinha que estava totalmente contraída, e subi com minha mão para o seio macio como algodão. Apertei e puxei... ‘Ahh!.. mestre... mhmm...’. Com a outra mão acolhi novamente sua bucetinha, que nunca cansava de pulsar e mastigar o que quer que se aproximasse. Pacientemente eu fazia movimentos circulares em seu grelinho enquanto apertava e puxava o seio esquerdo. – Por favor... mhmm... eu faço qualquer coisa... AAAHH!!... m-mas... me deixa gozar, mestreee!.. Ouvindo esse reflexo de sanidade desesperada, resolvi atender ao pedido de minha cachorrinha. Desliguei a hidromassagem e tirei Niki da banheira. Ela estava ainda de olhos fechados, o corpo tremia levemente. Peguei uma toalha grande e a enrolei nela, para depois toma-la em meus braços novamente. Com cuidado para não escorregar, levei-a de volta para o quarto e dessa vez a deitei no tapete felpudo e macio, era quase uma cama de tão aconchegante. – Você quer gozar minha cachorrinha? – Aah... sim, mestre... po-por favor... – comecei a abrir a toalha, cobrindo o chão. – E você vai fazer qualquer coisa para seu mestre, se eu te deixar gozar? – ela estava deitada de costas no chão e eu voltei a tocar-lhe as pernas, na altura do tornozelo, subindo até os quadris. – Sim, mestre... – ela tentava esfregar as coxas para aplacar o tesão. – Qualquer... mhmm... qualquer coisa... Alonguei meu corpo sobre o dela, tocando a entrada da raxinha com meu pau pulsante, e perguntei colado ao seu ouvido: -Você vai deixar seu mestre gozar primeiro? Ela demorou um pouco para responder, como que medindo se seria capaz de suportar. – Vou... Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 30 -


Beijei-lhe a bochecha rosada. Desci pelo seu corpo mantendo meu rosto bem próximo a ele, para que ela sentisse minha respiração acariciando sua pele arrepiada. Ao chegar nos seios, abocanhei novamente, os biquinhos quase furando minha língua. ‘Rápido mestre, por favor...’. Abri suas pernas e a explorei fundo com dois dedos, minha cachorrinha gemia, escorrendo. Alcancei o brinquedinho que estava escondido lá no fundo, e puxei cuidadosamente. Não queria que ela gozasse ainda. Essa seria sua maior provação, o derradeiro teste. Dei um pulo rápido até a cama e voltei com dois travesseiros. Virei minha cachorrinha de quatro com eles sustentando seu quadril. Ainda dei algumas lambidas gostosas na entrada da grutinha, saboreando seu mel, depois me posicionei atrás dela. Penetrei lentamente, sem pressa... fiz questão que Niki sentisse meu pênis a invadindo centímetro por centímetro. Ela não tinha forças para se mover, mas a xaninha respondia por vontade própria, vibrando de felicidade. Quando senti minhas bolas tocarem sua pele gostosa, abracei seu corpo e perguntei novamente: – Você vai deixar seu mestre gozar primeiro? – Vou – como uma flecha, os quadris quase rebolando. – Me fode logo... por favor... Comecei a estocar vagarosamente. Tirava quase tudo, e enfiava até onde conseguia. Niki gemia, pingava. Eu também já estava quase no limite, então comecei a acelerar o ritmo. Entrava e saia de sua xaninha numa dança gostosa, olhando o corpo de minha cachorrinha acompanhar meus movimentos e espiando sua expressão de satisfação nos lábios. Enquanto metia, apertava sua bundinha durinha... jovem. Estalei um tapa. – Aaah! Assim não mestre, senão eu gozo mais rápido... – toda manhosa. Bati de novo... e de novo... e de novo... Cada tapa acompanhado de um gritinho de terror... de prazer... Nem mesmo eu sabia direito de onde tirava tamanha determinação para continuar a maltratando sem me descontrolar. Já sentia meu pau começar a inchar anunciando o gozo que estava vindo. Deitei meu corpo sobre o dela, percorrendo minhas mãos pelas laterais de seu corpo. Passei pelos quadris e pela cintura, senti as costelas em meus dedos, subi pela axila... senti-a retesar o corpo... estiquei seus braços sobre o tapete. Com minhas mãos sobre as de Niki, mordi seu ombro, sem nunca diminuir o ritmo das estocadas. – Aahh... mestre!.. rápido, goza logo... mhmm!!!! Os gemidos da minha cachorrinha eram abafados por ela mesma, que mordia os lábios tentando desviar a excitação trocando-a pela dor. A cada estocada sua raxinha apertava mais e mais meu pau, e expelia mais de seu néctar. Ergui meu tronco de volta e dessa vez trouxe minha cachorrinha comigo, segurando-a pelos seios. Nós estávamos lá, ajoelhados no chão de meu quarto, á meia-luz, num encaixe perfeito. Niki urrava. – Aaaahh!!! Mestre! Rápido! Rápido! Eu vou go...! – perdeu a voz. Senti todo o seu corpo se contraindo, os braços e pernas esticaram selvagemmente, quase rompendo Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 31 -


os tendões. Niki jogou a cabeça para traz, boquiaberta, os olhos cerrados. Mas ela não gozou. Não. Dessa vez ela havia contido seu orgasmo por conta própria... pura determinação... Sua xaninha martelava, transbordava. E então ela recobrou a consciência, sem fôlego, os pulmões totalmente vazios respirando com dificuldade. E eu continuava metendo, cada vez mais rápido. Prestes a explodir dentro dela. – Aaaiin!! Ah! AAH! – Niki voltava a gemer, desesperada. – Rápido, por favor! Eu não vou agüentar maaaais!!!... Ela arregalou os olhos, a boca escancarada, sem produzir som algum... as unhas furando a carne de minha bunda. Eu apertava seus seios, mordendo seu ombro, bufando como um animal... gozei fundo em minha cachorrinha. Despeja todo o esperma que possuía dentro de sua grutinha e sentia ela engolindo ele todo. – Me-mes... tr... – ouvi Niki tentar, desesperada... toda esticada... se contia, quase inerte. Eu ainda a fodia, freneticamente, abraçando-a forte. – Pode gozar, Niki – consegui dizer. ... ... ... O que se seguiu não foi um gemido, não foi um grito, não foi um urro. O corpo todo de Niki se retesou num ultimo suspiro, senti sua grutinha ser inundada por seu próprio gozo, e também pude sentir quando ela o cuspia para fora aos montes. Tomando um ultimo e sofrido fôlego... ela rugiu... lágrimas escorrendo pela face... olhos revirados com a perda da sanidade... boca escancarada em júbilo... ... ... ... O orgasmo mais intenso... mais cruel... ... ... ... Caímos os dois.

Contos Imor(t)ais - O DIARIO DE VICTOR – 32 -


INSTINTO Olá, meu nome é Gabriela, para quem não me conhece, tenho 29 anos, 1,68 m, 55 kg, sou branca com os olhos castanhos claros, cabelos loiros, seios bem grandes, um bumbum empinado e gostoso e adoro sexo em qualquer circunstância, local ou necessidade. Vou relatar algo de pele, que me aconteceu em Outubro passado, numa noite em que estava sozinha e subindo pelas paredes. Era uma noite de quinta feira e estava chovendo bastante, aquele cheiro de terra molhada delicioso. Havia aberto uma garrafa de Merlot, feito um talharim à carbonara delicioso mas comer sozinha me deixada revoltada. Liguei para meu namorado, pois estava me sentindo só em casa, ele havia viajado à trabalho e só voltaria no Domingo. Após o 4o toque, sem resposta, já meio altinha pelas 3 taças ingeridas, ele atende em meio a um grande burburinho, na certa em alguma festa, coquetel ou algum bar. Conversamos um pouco, ele perguntando se estava tudo bem, mas querendo cortar logo o papo. Como me emputeceu aquela atitude, detesto quando conversam comigo às pressas. Senti uma intuição forte de que ele estava flertando com alguma mulher, mas relevei. Afinal, longe dos olhos, cada cabeça uma sentença. E fiquei ali, sentada no sofá e contemplando meu torpor enófilo, até tocar o celular e me tirar do devaneio. Karen, minha amiga, querendo saber de mim, como eu estava, pois sabia da viagem do Marcelo. Conversamos, desabafamos, rimos bastante e ficava ouvindo ela com o namorado: – Para, seu tarado, to falando com a Gabi!! Eu ria daquilo, mas por dentro me excitava demais, lembrava das brincadeiras com Marcelo à noite em casa. – Ataca ele, Ka… não quero empatar a foda de vocês. E rimos mais ainda. Ela ficava provocando cada vez mais aquele homem, que por sinal é muito bonito, e muito bom de cama, segundo ela me dizia. E sentia um calor descomunal ouvindo as palavras de safadeza dele ao fundo. Às vezes eu falava tanto com ela e só ouvia o silêncio do outro lado...parava de falar, dizia Alô! e Karen, respondendo meio que em monossílabos, dizia para eu continuar. A filha da puta ta aproveitando a foda com o namorado e falando no celular comigo, pensei. Somos amigas de longa data e confidentes, e sabemos como ninguém quão safadas e putas com nossos homens podemos ser. E comecei a ouvir gemidos. Parei de falar do Marcelo pra curtir a transa dos dois, pois mesmo podendo apenas ouvir, eu já estava com a calcinha toda ensopada. Se era para ouvir aquilo, que instigasse aquela cachorra que eu tanto adorava, e fiquei provocando ela, deste lado de cá do telefone, perguntando e recebendo um sonoro e excitante "uhum, uhum" como resposta. – Ele tá chupando você né, vadia!! eu disse. – Uhum! Ai amor, mete um dedo no meu cu e morde meu grelo!! Ela disse em alto e bom som. Não tinha jeito, como eu estava, de shortinho folgado e calcinha pequena, coloquei de lado e fui dedilhando meu grelinho junto com ela, ouvindo a trepada deliciosa do outro lado. Karen começou Contos Imor(t)ais - INSTINTO – 33 -


a gemer forte com as dedadas dele, e gemia muito, devia estar muito bom aquilo, e eu tendo que me contentar com o desempenho solo. Ouço seu macho pedir pra Karen chupar a rola dele e percebo as vozes mais robóticas, era o viva-voz. Que tortura era aquilo pra mim, queria sentir o mesmo, e subindo pelas paredes não conseguia parar de ouvir. O som denunciava o que tanto eu quanto Karen sabíamos como ninguém fazer, engolir um caralho grosso até a cabeça encostar na garganta, e ainda por cima (ou por baixo, rs) lamber as bolas e tirar qualquer homem do sério. E realmente ela fazia isso, pq ouvia a tosse dela, seguida de uma cusparada que certamente era na rola, e voltava a engolir aquilo. Ele não estava mais aguentando (e nem eu por sinal, já havia gozado uma vez) e disse pra ela que se continuasse iria gozar, e passei a curtir e me masturbar mais forte, imaginando a cena comigo. Ouvi os xingamentos dele, de puta, piranha, cachorra e toda fauna afrodisíaca até ele gemer grosso, quase um grunhido...sinal típico de uma bela e farta golfada do mais puro esperma denso, fluindo pelo esôfago. Gozei junto, novamente. Estava quase desligando, já conformada com a derrota frente a um homem gostoso provocando sua amiga, quando ouço aquela puta safada pegar o telefone e dizer: – Gostou loirinha? Que delícia esse homem, to com a boca suja de porra e falando com você!!! E ria depois de falar aquilo e eu a xingava demais, rindo também. – Gabi, desculpe mas vou desligar, tenho que me dedicar aqui, bjs!!. Desligamos e estava esparramada e melada no sofá, ainda cheia de tesão. Pensei...que injustiça. O namorado fodendo gostoso minha amiga, e eu longe do meu, e me veio a lembrança do burburinho de pouco antes. Precisava de sexo, urgente. Não queria sair, mas acabei indo só pra ver pessoas e aplacar um pouco a solidão. O meu namorado mandou duas mensagens e eu respondi que iria dormir e as mensagens cessaram. Coloquei um vestidinho curto amarelinho, e um decote generoso, com uma calcinha pequena e socadinha. Calcei a sandália de salto e fui, com a cara e a coragem. Aquilo funcionou como um ímã, pois estava realmente gostosa. Entrei num barzinho com música ao vivo, onde o clima era de azaração total e sentei no balcão, servindo-me de um Dry Martini. Bebericava e fazia meu jogo de sedução. Mas não esperava o outro lado, contrário ao que eu observava. Sentou-se então ao meu lado um homem, e me cumprimentou se apresentando como Paulo. Ao me virar, observei que era um belo homem, moreno, de olhos claros, muito charmoso e iniciamos um bom papo. Aqueles olhos, maliciosos, quase me desejando devorar ali mesmo, me atiçou e lembrei de toda excitação de pouco antes. Trocamos piadinhas o tempo todo, sobre as roupas, a trilha sonora, as citações descabidas e do clima que é um lugar daqueles e como as pessoas se abordam. Em um dado momento ele pegou na minha perna, que eu deixara exposta de propósito e comentou qualquer coisa que não lembro, dada a minha surpresa e o tesão quase descontrolado que aquilo me deu. Pedi licença e fui ao banheiro, que ele assentiu e disse que me aguardava. Fiz o que tinha que fazer, estava corada no espelho. Arrumei meu cabelo, levantei mais meus seios no decote, e os bicos estavam eriçados, e puxei um pouco minha calcinha, entrando mais no reguinho e saí. Estava distraída, e fiquei procurando aquele moreno de olhos claros, eis que ele surge ao meu alcance panorâmico, me olhava com uma cara muito safada. Eu estava com muita fome de sexo, estava Contos Imor(t)ais - INSTINTO – 34 -


impossível, um comichão entre as pernas denunciava, desejava-o e sabia que era recíproco e na mesma intensidade. Nos esbarramos na porta do banheiro e ele me pegou com muita força pela cintura. Teria doído, se aquilo não tivesse me tirado o chão de tanto tesão que eu senti. Dei um beijo nele ali mesmo. Nos lambemos e nos cheiramos como animais. Não durou muito, então resolvemos disfarçar e ir embora. Paulo pediu que eu fosse em sua moto e concordei, loucos de tesão seguimos até o motel mais próximo. Ele deslizava suas mãos macias pelas minhas coxas, eu o agarrava mais forte, com as mãos sobre a calça intumescida, demonstrando ser um caralho enorme e cheirava o seu pescoço, sussurrava que ia me foder até que não aguentássemos mais. Chegamos então ao motel. Nem sei quem de nós entrou primeiro no quarto, estávamos grudados um no outro aos beijos. Ele me jogou na cama, abriu minhas pernas e chupou tão gostoso minha buceta que eu tive que me segurar pra não gozar ali mesmo. Arranquei suas calças e chupei seu enorme pau duro, realmente grande e grosso...uma delícia! Ele sussurrava: – Ah, que vadia da boca quente no meu pau! Engole ele todo, gostosa! Eu queria mais, então deitamos num 69 e tremíamos de tanto tesão. Eu trepei naquela rola dura, sentada, enquanto ele me chupava os enormes seios. Cavalguei sem pudor, eu não queria parar, gritava de tesão. Ele meteu o pau entre meus peitos, que apertava com as mãos. Enlouqueci vendo aquela pica tão perto da minha boca e não me contive e abria a boca, lambendo a ponta e sugando aquele melzinho de tesão dele, a gotinha de pré-gozo. Paulo então me botou de quatro e foi metendo, bem devagarinho sua rola grossa no meu cuzinho. Adorei aquele cuidado, mas puta e excitada que sou, deu uma bundada pra trás, com força, para enterrar de vez aquele mastro no meu rabo sedento. Ele se assustou e eu disse, olhando pra trás com toda doçura: – Gato, não se assuste, eu adoro uma rola grossa no cu, mete sem dó que tenho fome! Senti uma dorzinha no início, mas estava amando e isso parecia deixá-lo mais excitado. O vai e vem e com os dedos dele no meu grelo, eu fui ao êxtase. Ele dizia: – Que bunda deliciosa, hein gostosa?! Ahh, eu vou gozar nela toda!. Só que eu gozei antes, não aguentei de prazer, aquele pau, aqueles dedos…ah! Desencaixei e queria muito leite, me virei e engoli o pau gostoso dele, sugando com toda força ao qual ele logo gozou na minha boca, sedenta de prazer. Fiz questão de engolir cada gota daquele leite grosso, quente, e foi descendo pela minha garganta, e boa parte ainda grudada nos dentes, queria tudo pra mim! Nos beijamos, nos dissemos promessas, nos confidenciamos tesões antigos, momentos. Mal podia esperar pra ter aquele homem de novo! Que seja logo, sempre que estiver sozinha, desejarei transar com ele, nem que seja rápido, na porta de um banheiro de balada...hummmm, homem tesudo, animal voraz. Ah Paulo, vem logo!

Contos Imor(t)ais - INSTINTO – 35 -


SURPRESAS DO DESTINO Após terminar a faculdade eu entrei em uma empresa para trabalhar como analista, recém formado e com pouca experiência, as coisas eram um pouco complicadas, ainda mais quando a minha supervisora era muito, mas muito exigente, mas a gente nunca sabe o que eu o destino nos reserva. Cristina era só dois anos mais velha que eu, e por coincidência estudou na mesma faculdade que eu, e lembrava bem dela, gata viu, pele clara, belos cabelos longos lisos, olhos castanhos escuros, corpinho violão, bundinha cheinha e belos seios, médios e firmes. Ela tinha chego à empresa um ano antes, no mesmo cargo que eu e agora era supervisora da galera nova que chegava (depois fui saber que surgiu uma oportunidade ela subiu, mas tinha que ensinar alguém pra ficar no lugar dela, eu!) e apesar de pegar o ônibus fretado juntos no começo mal nos falávamos, ela era bem rígida, justa, mas bem chata com relação a trabalho, o que às vezes me deixava bem puto com ela, e sempre pensava quando olhava para o seu rabinho “se eu pegasse, ia ter um castigo”. Os meses foram se passando, o contato entre nós aumentou e pude conhecer um pouco mais da minha “chefinha” em várias conversas enquanto subíamos e descíamos a serra diariamente. Em uma bela sexta-feira soubemos que a equipe em a qual nos pertencíamos teria que vir no sábado pois um dos projetos estava com problemas e o clientes dessa vez não poderia esperar, acontecia esporadicamente e pra mim até então seria só mais um final de semana de hora extra, mas como eu disse antes, nunca se sabe o que o destino nos reserva. Estávamos lá no sábado por volta das 19hrs, eu, Cristina e as outros 4 pessoas que formavam minha equipe. Muita coisa já tinha sido adiantada, então conforme acabavam suas partes Cristina dispensava o pessoal, eu fui o terceiro a acabar, porém ela pediu para que eu a ajudasse com algumas coisas dela, já que iríamos para a rodoviária ela disse que pagava o táxi(mentira, depois com a nota a empresa reembolsava) levei meu note e dividimos a mesa dela e depois de alguns minutos só nos dois ficamos no escritório. – Viu só Mad, adiantamos legal, vou buscar uma água quer alguma coisa da máquina? – Não, Cris valeu. Ela se levantou e eu discretamente olhava sua bundinha mexer enquanto caminhava, ela estava com uma blusa social branca, uma saia preta, de salto, toda executiva, meu que tesão. A máquina de bebidas não ficava tão distante, achei estranho a Cris ter demorado um pouco, mas continuei meu trabalho. Depois de um tempo ela voltou com sua garrafa de água mineral e sentou em sua cadeira, não pude deixar de notar que agora sua blusa estava com botões abertos( sim, eu fiquei olhando os seios desde de que fui pra mesa dela) e dava pra ter um leve vislumbre de seu sutiã preto. Ela se inclinou para lançar a garrafa de água no lixo e quando voltou a sua posição normal disse: – Nossa Mad, devo ter pisado no cabo da fonte, da pra você ver pra mim. Contos Imor(t)ais - SURPRESAS DO DESTINO – 36 -


– Claro. Fui na maior inocência pra debaixo da mesa ver o tal do cabo, mas caramba quando fui mexer nele dei de cara com aquele belo par de pernas cruzados, a meio centímetro do meu nariz, e ficou melhor ainda quando essas pernas se abriram pra mim. – Gostou, rsss eu tirei pra vc. Umas das visões mais lindas que um homem pode ter sua bucetinha à mostra, abertinha pra mim, não resisti e dei o bote sem pensar, ela inclinou um pouco o corpo e subiu sua saia para que eu pudesse começar a me deliciar com sua cetinha rosada e gostosa. Ia lambendo de cima à baixo com movimentos rápidos, ela começou a acariciar minha cabeça enquanto se deliciava com minha língua, abri seu tesou com os dedos e dei várias chupadas fortes no seu grelinho, depois voltei a focar nas lambidas, só que agora mais lento, porém mais intensamente. – Delicia, me chupa safado. – Seu desejo é uma ordem chefa. Bem devagar minha língua gora deslizava pelos grandes lábios e com os meus lábios eu também os beijava e os esticava até que escapassem, volte a me dedicar a seu grelinho enquanto os meus movimentos lentos faziam os cabelinhos da sua xoxotinha roçarem no meu nariz. – Maaissssss auwnnnnnnnn. Eu me levantei e a segurando de leve pela cintura a ergui também, agarrei firmemente aquela bundinha que me dava tanto tesão e pressionava o corpo de Cristina contra a parede enquanto lhe dava um intenso beijo. Estávamos atracados enquanto ela me segurava pelo rosto, ou pelo pescoço, minhas mãos apertavam com força sua bunda deliciosa ou alisavam suas coxas, nosso beijo era bem molhada eu hora ou outra chupava seu pescoço ou lambia sua orelha, fui abrindo todos os botões da sua blusa revelando seus belos seios presos naquele sutiã preto, massageava ambos enquanto minhas língua dança freneticamente com a dela, adorava sentir aqueles dois pedaços da perfeição sendo totalmente sentidos por minhas mãos, não demorei muito e abaixei os bojos dos sutiãs para ver aquelas aureolas pequeninas e aqueles biquinhos lindos apontados pra mim. Tentava colocar seu seio, direito todo na boca de uma vez enquanto ela apenas se apoiava nos meus ombros, a ergui novamente e a sentei sobre a copiadora e ia massageando uma bela teta em cada mão enquanto as lambias ferozmente, sacudia as duas enquanto sentia que recebia carinhos em minha nuca, e agora enquanto mamava lindamente o dois dedos da minha mão direita se encarregavam de fazer um vai e vem bem gostoso dentro da bucetinha de Cristina. Já sentia sua cetinha bem molhada, dei um pouco de sossego para seus seios e me voltei para a sua mesa de onde tirei de cima todos os notes e coisas que poderiam atrapalhar enquanto ela se livrava de vez de sua saia e da blusa ficando apenas com o sutiã preso e com os seios a mostra, a peguei de jeito mais uma vez, e deixei apoiada sobre os cotovelos na mesa e sua bela bundinha bem arrebitada Contos Imor(t)ais - SURPRESAS DO DESTINO – 37 -


pra mim, sentado em sua cadeira eu beijei muito aquela bundinha branca onde mal se via sinais de celulite e dei vários tapinhas que a faziam sorrir. – Auu, seu safado. Depois fiquei mais intenso, mordia com força e apertava bem. Tirei o cinto e abri a calça pondo minha rola para fora alisei bem suas costas suas coxas e ombros, beijei sua nuca e fui descendo com a língua ate chegar no seu reguinho, fazia o movimento de subida com a língua agora enquanto minha mão acariciava sua cetinha. – Tá gostando chefa? – Sim, demais, vai ser promovido rss. Postei-me atrás dela, com uma mão firme e sua cintura e outra guiando meu cacete que já estava bem duro, com seus nervosos pulsantes e com a cabeça roxa bem brilhosa. Fui encaixando devagar e sentindo meu pau mergulhar no líquido quente que encharcava aquele belo exemplar de buceta, deixei meu pau todo lá dentro quando ela se ergue e com uma mão apoiada em mim voltou a me beijar e ficamos assim um tempo nos deliciando no beijo eu com uma mão na sua cintura e a outra fazendo a festa em um dos seus seios enquanto ela mexia os quadris bem devagar sentindo meu pau duro dentro dela deitei novamente seu tronco sobre a mesa e dessa vez abri o fecho do sutiã para que ela ficasse mais livre, cruzei meus braços um pouco acima do seu coxis e comecei a penetrar inicialmente com movimentos bem lentos. Meu pau passeava deliciosamente na cetinha molhada e apertadinha de Cristina. – Tenho que confessar Cris, já sonhei muitas vezes em fazer isso. – Então vaiii, aproveita hmm. Meus movimentos ritmados ganhavam mais velocidade e força conforme o tempo passava, o barulho de nossos corpos se encontrando era cada vez mais alto. – Vaiii ahhhhhhhhhhhh, mete mais, pica gostosa. Ela gemia fazendo jeitinho com a voz me deixava louco e cada vez mais insano na vontade de meter, segurava firme sua cintura agora e minhas estocadas eram cada vez mais selvagens. – Isso, to sentindo ele todo agora ahhhhhhhhhhnn. – Ta gostando vádia? Perguntei antes de me inclinar e encher de beijos sua nuca. – Sim, vai cachorro. Passei meus braços por suas axilas e comecei a segura-la pelos ombros, erguendo seu tronco, mas em uma posição que me permitia meter com bem mais força, estava muito gostoso, podia ver o resultado na nossa putaria voando as pelas gotas a cada estocada mais forte que eu dava, ainda a segurando pelos ombros sentei novamente em sua cadeira e depois a soltei, tirei minha camisa e se Contos Imor(t)ais - SURPRESAS DO DESTINO – 38 -


apoiando com ambas as mãos na mesa ela começou a quicar bem forte pra cima e pra baixo na minha pica. – Gosta safado? – Adoro gata. – Então sente só. Os movimentos eram bem intensos, deixei seu corpo livre para que ela fizesse o que bem entendesse, só fiquei ali curtindo meu pau ser massacrado pela sua cetinha e olhando o vai e vem do seu corpo sobre meu membro, me limitava a dar vários tapinhas e apertões naquele rabo lindo, atitudes essas que ela respondia com urros mais fortes. – Ai gata vou gozar. – Não ligo, já gozei umas duas vezes e quero mais. – rsss, vádia. Ela se levantou e ficou de frente pra mim, apoiou os joelhos nas minhas coxas e ficou com suas tetas na minha cara. – Vai gozar?Então goza. Enquanto eu mamava naqueles seios deliciosos ela começou a tocar uma punheta pra mim bem forte enquanto gemia alto. Fazia pra cima e pra baixo, apertava, girava, era uma criança enlouquecia com meu cacete em suas mãos, já eu não ficava atrás, lambia os mamilos e os esticava de leve com os dentes. Depois de tanto estímulo não demorou muito, gozei e meu esperma voou por toda a sua barriga. – Quentinho, delícia. Mesmo após gozar eu ainda estava ligado em 220volts, ergui aquela safada colocando-a deitadinha sobre sua mesa de pernas abertas pra mim e sentado em sua cadeira comecei a lamber num ritmo frenético aquela bucetinha. Por um longo tempo meu foco foi lamber, pra cima, pra baixo saboreando o sabor levemente salgado da sua cetinha, alisava suas coxas, roça o nariz na sua virilha, mas sempre retornava a lamber aquela delícia rosada, parava, roçava meus dedos de leve no seu grelinho depois o presenteava com várias lambidas seguidas de chupões, depois voltava e enquanto sorria olhando ela gemer deixava a ponta do meu dedo indicador roçando seu grelinho e sua cetinha ficava cada vez mais molhada. – Ahhhhhhh, safado, vou gozar mais assim, me suga. Voltei às lambidas, mas dessa vez só no seu grelo, bem rápido só com a pontinha da língua e ela ia a Contos Imor(t)ais - SURPRESAS DO DESTINO – 39 -


loucura, chupava vorazmente e gemidos mais altos eram emitidos, agora com 3 dedos juntos eu acariciava, alisava e esfregava aquela xoxota. Coloquei o dedo mindinho no seu cuzinho e o indicador da mesma mão dentro da sua cetinha, fazia movimentos de vai e vem, mas sem enfiar fundo em nenhum dos dois buracos, ela enlouqueceu, gemia e se contorcia e foi ainda mais delicioso quando comecei a chupar seu grelo enquanto fazia os movimentos, sugando devagar brevemente fui agraciado com uma maior quantidade do mais saboroso mel transbordando em minha boca. Meu pau já estava duro novamente então não podia privá-lo de participar da diversão, segurando em sua base fiquei rosando sua cabecinha naquela xota molhada, bem devagar às vezes colocava a cabecinha dentro, mas, tirava, ai a Cris estorou de tesão. – AHHHHH, vagabundo. Ela se levantou feito louca me agarrando, beijou meus ombros, braço, me arranhou estava ensandecida, foi me empurrando até a parede onde a abracei fortemente e a prendi em um beijo delicioso, a alisava e a acariciava muito, ergui uma de suas pernas e enquanto ela deixou os braços ao redor do meu pescoço encaixei meu cacete na sua buceta e olhando firmemente nos seus olhos comecei uma penetração bem gostosa ali mesmo. Ela apoiou as mãos na parede e eu continuei a segura-la e meter intensamente, movimentos fortes e firmes e que me davam mais tesão que antes, pois nessa posição nos olhávamos fixamente nos olhos, tesão total, vendo suas faces de prazer, seus gemidos, o suor escorrendo, o barulho de nossos corpos, só podia imaginar que não podia haver sensação mais maravilhosa que essa no mundo. Meu pau ia quase todo desbravando sua cetinha, às vezes saia, mas logo o colocava de volta a fazer seu trabalho de nos proporcionar prazer, começamos a nos beijar novamente e nisso eu só botava mais forças nas estocadas, ela alisava meu pau às vezes, me dando mais prazer e mais vontade de rasgá-la ao meio com meu pau, agora mamava seus seios e ela lançava pra trás sua cabeça gemendo cada vez mais alto, voltou a mim me beijando intensamente, tão intenso que até parei a penetração para curtir aquele momento, fiz mais alguns movimentos enquanto ela me olhava fixamente sorrindo e a larguei. – Nossa gozei muito cachorro. – Ah vai querer parar? Olha meu cacete, durinho, vai me deixar assim? – Pelo trabalho de hoje acho que você merece. Após falar isso ela apoiou as mãos na maquina de Xerox e ficou de 4 com o rabinho empinadinho pra mim. – Faz o que você tanto quer safado. Sinceramente já tinha feito o que eu queria, mas se ela tava me oferecendo o rabinho eu não ia negar certo? Fui indo devagar, segurando e encaixando, ela gemeu bastante e chegou até a quase perder o equilíbrio do corpo, e olha que só a cabecinha tinha entrado até então, forcei mais, mas era muito apertado e só um pouco mais além da cabeça entrou. Comecei o vai e vem, devagar meu pau ia sendo muito, mas muito pressionado naquele cuzinho Contos Imor(t)ais - SURPRESAS DO DESTINO – 40 -


apertado. – Gostosa. – Me arromba. Ia forçando tentando colocar mais, mas o cú era muito apertado, e junto com minha penetração eu fazia carinho na sua cetinha para deixá-la mais empolgada. – Ahhh safado, delícia fodeeeeeeee. Os gemidos dela me deixavam louco, estava martelando cada vez mais forte e mais excitado e quando dei por mim mais da metade do meu pau já tava lá dentro, então vendo isso forcei com tudo minha rola nela e ela deu um baita grito com algumas lágrimas caindo pelo seu rosto. Tinha arrombado o rabinho da minha chefe que mesmo chorando pedia mais e ficava com a buceta mais encharcada, então fui obrigado a continuar os movimentos naquele cuzinho que agora me dava mais um pouco de liberdade de movimentação. Continuei meu vai e vem gostoso, mas seus gemidos e suas palavras me excitavam demais, e sentindo minha energia sendo sugada lá na base das minhas bolas e sair pela cabeça do meu pau gozei gostoso dentro daquele cú gostoso. – Quentinhooo ahhh delicia. Tirei meu pau amolecendo de dentro dela e mais uma vez nos beijamos intensamente, sentei em sua cadeira e ela sobre mim e ficamos ali ainda um bom tempo curtindo e nos acariciando. Vestimos-nos e arrumamos a sala depois saímos juntos do escritório, quase ninguém no prédio, ela parou para ir ao banheiro então aproveitei e fiz o mesmo, limpar o que dava com papel higiênico e sabão liquido para tirar um pouco do cheiro da putaria, nos encontramos no corredor e depois pegamos o taxi juntos e fomos conversando abraçados. – Então chefe, quando vamos nos ver assim de novo? – Não se anima. – Por quê, foi ruim? – Não, foi ótimo, melhor do que eu esperava até, mas não quer dizer que eu queira algo. – Ah é? – Tava afim, você tava e a gente fez ué, e é bom não comentar, não se esqueça que sou sua chefe? – Simples assim? – Sim simples assim, rsss, mas quem sabe a vontade não bate de novo?

Contos Imor(t)ais - SURPRESAS DO DESTINO – 41 -


– Rss, você que sabe, eu to sempre disposto Ela chegou a sua casa deu sua parte no taxi e me deu um selinho. Boa noite gato. “Pegou bem hein”. Disse o taxista. Eu apenas ri e fiquei pensando em quantas surpresas boas como essa o destino ainda pode me reservar.

Contos Imor(t)ais - SURPRESAS DO DESTINO – 42 -


NOSSO AMOR Custei a tomar coragem e escrever sobre este assunto. Ele é tabu, mal visto por muitos, mas acredito que tem sua explicação. Há mais de um ano eu e Marcinha Fernandes nos correspondemos. Ela conta o que faz, e eu faço a mesma coisa. Com o passar do tempo, descobrimos que somos muito parecidas, talvez ainda um pouco infantis, mas como mulheres encaramos qualquer coisa. Marcia, não é segredo para ninguém, ela conta para todos, é apaixonada pelo pai e o conquistou com alguma facilidade, mantendo estreita camaradagem, amor e intenso sexo anal com o pai. É outro tabu, muitos não compreendem isso, mas acontece muito mais do que todos pensam, basta perguntar a algum especialista da área. Sou uma mulher resolvida profissionalmente. Analista de investimentos de um banco famoso, também dou consultas particulares, o que me traz um bom conforto para viver. O que ainda não consegui na vida emocional, é assunto perfeitamente resolvido na profissional. Falamos nos nosso e-mails, eu e a querida Marcinha sobre este assunto, várias vezes. Num mês que não interessa revelar, combinei com Marcinha dela passar uns dias comigo, no meu apartamento no Leme, Rio de Janeiro. Dois quartos e antigo, mas em estado de conservação excelente. Ela gostou da ideia. Quis fazer presente de tudo para a minha amiga, que eu só conhecia pelas fotos que me enviou e muitas que vocês conhecem. Enviei para Avaré a passagem de avião, e numa tarde de sexta-feira fui esperar a minha amiga no Aeroporto Santos Dumont. Fiquei numa alegria enorme quando vi Marcinha chegando, elegante num jeans de lycra, justo sem estar como uma exibida, blusa leve branca, com pequenos bordados na gola e nas mangas. Sapato de salto médio, para não cansar na viagem. Corremos para o abraço tão logo nos vimos. Foi um abraço longo, apertado, beijos quentes, sentimos nossos corpos, uma verdadeira manifestação de felicidade e contentamento. Ela trazia apenas uma pequena mala de viagem. Sem demora, estávamos no meu carro, pegando a direção da minha casa, e a conversa era tanta que nem percebemos o maldito trânsito do Rio naquela hora. Perguntei pelo paizão, ela revelou que estava ainda um pouco ardida da última vez que esteve com ele, fazia dois dias. Embora não tenha pau grande, fodeu muito o cuzinho da gatinha dele, completamente viciada, como eu, em dar a bundinha. Mas nunca transei com o papy, nem tivemos intimidades. Chegamos e a minha amiga foi um pouco tímida, não quis ficar olhando a casa, meus móveis. Correu para a janela e olhou a linda praia do Leme até o Leblon. De costas e naquele jeans apertado, sua bunda aparecia demais. Fiquei admirada, olhando aquele traseiro lindo e não aguentei, foi para perto. “Querida, você não me falou que tinha esta bunda maravilhosa. Tenho fama de ser a gostosa de rabo e você me humilha desta forma?” Ela me deu um beijo no rosto, de leve, e falou baixinho “Gina, você é muito mais bonita do que nas fotos, sua pele parece um pêssego, seus cabelos Contos Imor(t)ais - NOSSO AMOR – 43 -


dourados são maravilhosos...” E fez carinho no meu rosto. Não aguentei, ela também não. Agarradas, trocamos um beijo na boca, sentindo uma o corpo da outra, os seios macios dela tocaram os meus, nossas bocas se abriram e o beijo ficou mais intenso, mais gostoso. “Vamos beber qualquer coisa, querida”, e me encaminhei para meu armário. Costumo ter um sortimento de bebidas, gosto de beber sem exageros. Peguei uma garrafa de Ballantines, Marcinha disse que preferia vinho, uísque ela achava forte, mas não liguei. Com o copo, servi duas fartas doses e fomos pegar o gelo. Nada estava preparado, tínhamos acabado de chegar. O mignon com fritas que comemos na vinda para casa, num restaurante excelente perto da minha casa, iria aguentar bem a boa dose de uísque, nada de bebida destilada de barriga vazia. Sentamos uma colada com a outra, enquanto os nossos beijos aumentavam de intensidade. O efeito relaxante do uísque fez com que a gente se tocasse, passei a mão no rosto de Marcinha, senti a sua pela suave e jovem, desci para o pescoço, alisei e ela reagiu imediatamente, ficando arrepiada. Minha mão desceu até os seus seios, a tesão estava enorme, os beijos cada vez mais intensos. Tanto ela como eu estávamos limpíssimas, Marcia havia tomado banho antes de pegar o avião, estava com um perfume suave e adocicado. Não se conteve. “Gina, meu amor, vamos para a cama, estou completamente molhada, vou sujar isso tudo”, mal sabendo ela que eu estava da mesma forma. Em pouco tempo estávamos nuas, só de calcinhas. Fiquei hipnotizada com o corpinho perfeito dela, e admirada com a bunda bem feita, linda, grande sem exageros. “Vem, Gina, vem para junto de mim, para de me olhar, vou acabar encabulada, vamos para a cama”, mal sabendo ela que não era outra minha ideia. Seus olhos brilhavam de felicidade, seu abraço era cada vez mais forte, ela começava a gemer, tirei a calcinha dela, eu já havia tirado a minha, estávamos agarradas como se fosse um só corpo. Ela suplicou um beijo, estava cada vez mais fêmea, eu também não tenho nenhuma tendência para macho, sou mulher mesmo, e me agarrei ao seu corpo. Discretamente, ela saiu da posição onde nos beijamos sentindo os lábios uma da outra, mordendo, beijando os biquinhos dos seios, alisando a barriga e pernas, bundinhas, Marcinha desceu e começou a me chupar como uma louca, suas mãos apertavam minha cintura, alisavam minha bunda, enquanto sua língua fazia um trabalho incrível na minha bocetinha. Não aguentei e fiz o mesmo. A bocetinha dela estava encharcada e perfumada por um desodorante íntimo de primeira categoria, lambi tudo, engolia seu suquinho enquanto escutava “Chupa, Gina, chuupa a sua putiiiinha, bate, enche de palmadas esta vagabunda, baaaaateee, aiiiiiiiiiiii, que coisaaa, vou gozar forte, Ginaaaaaaa...” Estava transtornada, gozou várias vezes, mordendo minhas coxas sem machucar, agarrando meu corpo como se fosse a última coisa que tinha na vida. Eu não havia gozado, estive quase, mas não cheguei La, impressionada com a fúria da minha parceira, minha querida.

Contos Imor(t)ais - NOSSO AMOR – 44 -


“Você não gozou. Quero fazer isso. Apanha o tal vibrador que eu vou enfiar todo no seu cuzinho.” Eu havia contado para ela que tinha um, tamanho grande, não o maior, mas grande o suficiente para me encher o cuzinho. Apanhei ele e o KY, para lubrificar bem. Marcinha fez o serviço como profissional. “Gostei do tamanho. Vou levar depois também”, disse enquanto passava o gel. Fiquei de quatro, empinei a bunda o mais que pude, mas minha querida não enfiou nada, ficou olhando. “Que está fazendo?” “Estou namorando este cu arrombado, é lindo, não tem pregas, mas não é como destas artistas pornôs, que parece um túnel.” E ficou namorando minha bundinha longo tempo, até que encostou a cabeça no meu cu louco para engolir tudo. Colocou de leve, vibrador besuntado de gel, e foi empurrando. “Sua puta sem vergonha, amor do meu coração, querida, este pau está entrando fácil no cuzinho, safada, que coisa mais linda ele entrando” E empurrava com os olhos faiscando de prazer, enquanto eu olhava tudo pelo espelho grande, vendo ser completamente enrabada. Não aguentei, ele nem tinha entrado todo, como eu gosto, e dei um berro de prazer “Aiiiiiiiii, querida, estou gozando, mete tudo, tuuuuuudo, judia da sua putinha, arromba mais o cuzinho delaaaaaa, aaaaaa, Marciiiinhaaa, te amoooooo” e gozei como poucas vezes na minha vida. Ficamos depois longo tempo nos acariciando, uma sentindo a outra, beijando apaixonadamente com todo o carinho do mundo. Uma sentindo o calor do macio corpo da outra, olhando nos olhos, falando baixinho “Amor, te amo muito, foi delicioso”. Fiz carinho nos cabelos da minha querida e ela dormiu profundamente, agarrada num abraço forte comigo...

Contos Imor(t)ais - NOSSO AMOR – 45 -


BRINCANDO NO SHOPPING Passaram-se algumas semanas desde o castigo de Niki e tudo parecia correr extremamente bem. Minhas cachorrinhas já nutriam umas pelas outras aquela amizade forte e típica de reality shows. Quando estamos cercados e obrigados a conviver com pessoas que não conhecemos muito bem, somos forçados a um coleguismo de inicio sem precedentes. De todas, Cailean era a que me chamava mais atenção. Ela era atenciosa e fogosa... e inteligente, muito inteligente. Não que as outras não fossem, mas os neurônios dessa escocesa tarada se destacariam em qualquer lugar. Depois vinha Niki, que após aquela noite de tortura se tornou um pouco carente. Não posso negar que fazia bom uso do cartão que havia lhe dado, todos os dias ao vê-la ela estava com mais glamour que na vez anterior. Com shorts curtíssimos, tops desenhando deliciosamente o corpo recém-crescido, penteados de tirar o fôlego... eu só não sabia dizer se era uma forma de evitar qualquer outro castigo... ou um meio de chamar minha atenção para outra noite como aquela. Nicole na terceira posição. Era de fato a que parecia encarar a situação com maior naturalidade, parecia que estava de férias... e bom, pode-se dizer que estavam mesmo. Passava o dia se divertindo pela casa e até mesmo a peguei duas vezes se masturbando com meus brinquedinhos, como se eu não fosse o suficiente. A ultima da fila era Alic e... ela não parecia estar feliz. Eu podia ver em seus olhos, todos podíamos... ela estava ali pelo dinheiro, apenas por isso. Sempre com o pensamento longe, perdido em qualquer lugar, mas nunca ali. Não no agora. Eu teria então que pegar no pé dela, provoca-la... conquista-la... Não tinha certeza de como o faria, mas faria no dia seguinte. O começo dessa prosa vocês já conhecem, foi a manhã que relatei no Prólogo da serie. Se não conhecem ainda, peço humildemente que o leiam antes de dar continuidade a este conto. Quando entrei no quarto de Alice o chuveiro ainda estava ligado, a porta do banheiro entreaberta. Sentei na cama e esperei até que terminasse o banho e ela se surpreendeu quando saiu e me viu ali. Estava nua, uma toalha branca enrolada no corpo e outra suspendendo os cabelos. Fui até ela e dei um abraço largo, envolvendo todo o seu corpo com o meu, senti que ela estava tensa. – Não fique assustada, Alice. Eu não estou bravo – soltei seu corpo, segurando-a pelos ombros claros. Olhei fundo nos seus olhos. – Vamos passear. Quero que você vista uma roupa bem tesudinha... uma roupa que te deixe excitada, e que me faça sentir orgulhoso de ter os outros me vendo abraçado a você. Dei um beijo breve em seus lábios carnudos e voltei a sentar na cama. Tentava evitar, mas estava totalmente vidrado na visão de seu corpo escultural mesmo que oculto nas toalhas grossas de algodão. Existem algumas situações nas quais as mulheres ficam extremamente sexys sem perceber, e se enrolar em uma toalha após o banho era uma delas. – Aonde vamos? – perguntou se dirigindo ao enorme guarda-roupa. – Para o shopping – respondi, enquanto via-a soltar a toalha que prendia seu corpo, revelando seu nu de costas.

Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 46 -


Ela revirou um pouco as roupas que tinha ali. Pegava uma calça e media contra o corpo, pensava um pouco, depois guardava. Tentava outra, mas continuava insatisfeita. Uma saia, um shorts, outra calça, e assim foi até que resolveu começar pela parte de cima. Um top, uma camiseta listrada, uma lisa, um colete, mas nada parecia servir naquela manhã. Olhou para mim: – Acho que vou demorar um pouco, rsrs. Apenas mirei-a de volta, direto nos olhos. Depois de quase uma hora estávamos descendo para sair. Não encontramos ninguém pelo caminho. Eu sei que aquele horário passava um programa que Niki gostava de assistir, mas não tinha idéia do que as outras duas estavam fazendo. Na verdade nem me interessava... toda a minha atenção estava presa na beldade que caminhava a meu lado. Minha cachorrinha estava maravilhosa. Os cabelos castanhos, parte soltos e caindo pelos ombros e costas, parte preso em um rabo de cavalo fino e comprido. Usava um vestidinho de tecido leve e fino que desenhava magistralmente todas as curvas de seu corpo. Começava com duas alças finas, descia com um decote generoso em V, dava um destaque para o bumbum e terminava antes da metade das coxas. Aqueles dois pares de pernas suculentos totalmente a mostra... pernas treinadas, deliciosas... ela corria três quilômetros todos os dias para deixa-las dessa forma... totalmente tentadoras. E por fim meus olhos alcançaram seus pés, protegidos por um sapato aberto de salto fino e comprido que a deixava praticamente com a minha altura. Entramos no meu mustang cinza escuro e dirigi até uma outra cidade, parando primeiro num dos grandes shoppings que ficavam por lá. Levei Alice para tomar um capuccino e conversamos um pouco. Tentei descobrir o que estava errado, lembrei-a de que a continuidade do trabalho dependia apenas dela. Ela poderia muito bem revogar os serviços e ir embora se si sentisse ofendida ou infeliz. Mas parecia que não era esse o caso, e ela não quis se abrir mais que isso. Respeito sua vontade, contudo, eu tinha levado-a até aquele lugar para brincar. Era isso o que faríamos. – Já que está tudo bem, vamos nos divertir um pouco – disse tomando sua mão e puxando-a para cima ao me levantar. Entramos numa loja de lingeries e escolhemos alguns modelos para que ela provasse. Foi extremamente gostoso vê-la se exibindo em roupas de baixo tentadoras e insinuantes. Em poucos minutos eu já estalava de desejo. Em cada oportunidade aproveitava para tirar uma lasquinha daquele bumbum lisinho ou roubar um beijo furtivo antes que a atendente retornasse. E Alice ria e se rendia, enquanto tentava afastar minhas mãos fogosas. Por fim, minha cachorrinha escolheu três modelos para levar. – Tem certeza que serão estes? – ela fez que sim, quase num muxoxo. – E como pretende pagá-los, Alice? Ela me olhou surpresa, não esperava por essa pergunta. Acredito que não tinha levado seu cartão, crente que seu dono pagaria por tudo. Aliás, além de sua formosura toda ela tinha levado consigo apenas uma bolsa pequena, se a carteira estivesse ali dentro duvido que caberia mais alguma coisa. Meio constrangida, meio disfarçando, ela olhou para os lados para ver se tinha alguém por perto, e depois voltou o olhar para mim. – Como assim?.. mestre?.. Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 47 -


– Você está de castigo, lembra? – aproximei meus lábios de seu ouvido. – De que forma um dono poderia disciplinar sua cachorrinha se saísse por aí dando presentes a ela? – afastei-me e completei com um sorriso debochado. – Não faria só mimar? Acho que nesse momento ela começou a ligar os fatos e a compreender qual era a brincadeira que eu queria brincar. Pude ver pela malicia em seu sorriso quando perguntou, passando as mãos pelos meus ombros: – E o que meu mestre quer que sua cachorrinha faça? – Aquela moça – apontei com o olhar para uma outra cliente da loja. – Ela não tirou os olhos de você desde que entrou aqui. Na verdade passeou mais pelas suas curvas do que pelos cabides. Que tal fazermos uma troca? – Que tipo de troca? – Você vai até lá se apresentar a ela... eu quero ver um beijo, bem gostoso – minha cachorrinha já estreitava o olhar para mim. – E depois quero que você me traga a calcinha dela... quem sabe se estiver molhada eu lhe dê estas três em troca – chacoalhei os conjuntos que ela havia escolhido. Não precisei dizer mais nada. Alice já tinha se virado e caminhava sensualmente em direção à estranha na loja. Afirmo sem nenhuma certeza, passaram-se alguns poucos minutos ou longos segundos, mas não tardou tanto para que eu pudesse ver minha cachorrinha tomar a estranha nos braços, dando-lhe um beijo de arrasar. Enquanto se pegavam ela me procurou com o olhar, para ter certeza que eu tinha assistido a tudo, depois puxou a mulher sorrateiramente para um dos provadores. Fui então deixado sozinho, perdido em minhas imaginações. Algum tempo depois sinto alguém me abraçando por trás enquanto eu olhava distraído para as pessoas que passeavam pelo shopping. De um único golpe Alice tomou minha mão e deixou um presentinho lá, exigindo o seu em troca. Ao baixar o olhar fiquei extasiado... a calcinha não estava apenas molhada, eu podia ver uma mancha larga nitidamente escura e certos pontos reluziam de tanto mel espesso e brilhante. Saímos abraçados da loja, e descartei aquele símbolo de depravação na primeira lixeira que encontrei. – Vamos agora para a próxima brincadeira. Minha cachorrinha sorriu, abraçando-me um pouco mais forte. Paramos próximos ao guarda-corpo do terceiro andar do prédio, com minhas mãos firmes segurando o rosto de minha cachorrinha dei uma fungada forte em seu pescoço subindo para a orelhinha. Ela se arrepiou toda. A virei de costas para mim, colocando meu membro duro bem encaixado entre as bandas de sua bundinha arrebitada. A nossa frente, lá embaixo, ficava um pequeno e maravilhoso jardim. A identidade daquele Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 48 -


shopping. – Você vai descer até lá embaixo e passear um pouco, olhando pelas vitrines – enquanto falava eu roçava minha barba rala e dura em seu rosto macio. – Quero te ver enlouquecer todos os homens que tiverem o prazer de te olhar... e se algum deles se aproximar você não vai fazer simplesmente nada. Não corresponderá a nenhuma investida, mas também não negará se tentarem te tocar – disse isso deslizando minha mão pelo seu braço delicado. – Eu estarei sempre de olho, então não precisa se preocupar. O coração de minha cachorrinha tamborilava forte em seu peito. Eu até podia senti-la rebolar de leve empurrando o bumbum contra meu corpo. E em poucos segundos, ela estava já no fim da escada. Alice caminhava sensualmente, de busto propositalmente empinado e bumbum rebolando excepcionalmente. Seus cabelos dançavam por suas costas, indo de um lado para o outro. As pernas trocavam de lugar ritmicamente, ora uma na frente, ora outra, em passos curtos e precisos. Ela não usava sutien, fiz questão que o deixasse no carro quando chegamos, e era nítida sua excitação denunciada pelos mamilos rijos que brigavam contra o tecido fino de seu vestido. Sua breve e simples caminhada atravessando o jardim foi o suficiente para roubar olhares gulosos de todos os homens ali presentes. Pude até mesmo notar um deles sendo advertido pela namorada. E o curioso era que minha cachorrinha permanecia indecifrável, sem expressar nenhum sinal de nada, totalmente impassível. Claro, isso até ser abordada pelo primeiro atrevido da tarde. Do alto onde eu estava não podia ouvir o que ele havia dito, mas ela ergueu o nariz e virou a cara de pronto, expondo aquele rabo todo para o jovem excitado. E como era de se esperar, ele aproveitou seu movimento para apertar forte sua bunda macia. Minha cachorrinha não reagiu, apenas continuou caminhando, parando frente a uma vitrine de sapatos. Ela era sedutora... naturalmente sedutora. Seu simples ato de admirar o que estava exposto era o suficiente para sugar a atenção de todos ali presentes. Todos os homens tinham seus olhares fixos em minha cachorrinha... as mulheres também. Após alguns minutos o movimento no local estava maior, e em outra parte do corredor ela viu algo no chão... ou não, não sei dizer. Contudo, ela se agachou, provocante, mantendo as pernas esticadas e o bumbum lá no alto. A falta de comprimento do vestido quase expondo toda sua intimidade. Eu podia senti-la pressionando meus quadris e acariciando meu membro ereto com seu rebolado tesudo... E eu não era o único. Um homem alto, negro, estava agora encoxando minha doce Alice. Acho que ela tinha gostado, pois demorou um pouco para se levantar. E quando o fez, sem mesmo olhar para trás, continuou a desfilar. O homem foi em seu encalço. Ele era insistente, tentava puxala pelo braço, mas ela se fazia de difícil e evitava ferozmente o contato ocular. Talvez ele tenha entendido o recado ou apenas se rendido... agora não tentava mais para-la, apenas a seguia, apertando todas as partes de seu corpo, explorando o mais longe que os passos rápidos de minha cachorrinha permitiam. Eu já acariciava meu pau por sobre a calça, nem me importava se alguém pudesse me ver ali. Por isso mesmo que escolhi aquela cidade para levá-la. Quase ninguém nos conhecia naquele lugar. Depois do assédio do negro alto, minha cachorrinha parou para comprar um sorvete, notei então que ela realmente tinha levado o cartão consigo. Mas não importava. Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 49 -


Quando estava prestes a subir a escada rolante, ela foi novamente abordada. Um jovem do seu tamanho, provavelmente da mesma idade também. Totalmente alucinado. Como Alice não demonstrou reação, ele aproveitou para encostar-se nela por trás e se esfregar todo. Uma das mãos subia por dentro do vestido e outra acariciava a barriga sequinha. Minha cachorrinha só sentia, o olhar fixo no sorvete de casca. O jovem então puxou seus cabelos para o lado, fungando seu pescoço. Ela inclinou um pouco a cabeça, facilitando o ato, ao mesmo tempo em que dava outra lambida no sorvete. O garoto sussurrava coisas para ela que eu não podia ouvir, mas não me faltavam suposições: – Eu te quero toda, gostosa... – Ta sentindo o meu cascão? Quer chupar ele também? – Vou te deixar louquinha, gata. Vamos sair daqui?. E Alice agora rebolava de leve, os olhos fixos á frente. Os seios de bicos rijos quase atravessando o tecido do vestido, as pernas curvadas e trêmulas, os lábios úmidos entreabertos. Quando a subida terminou ela se apressou em despistar o jovem garoto. Nesse momento eu também a perdi de vista. Passei algum tempo procurando-a pela multidão. O lugar estava repleto de beldades, mas nenhuma conseguia se destacar tanto quanto minha cachorrinha. Nesse momento senti meu corpo sendo envolvido por um toque macio, e as duas mãos delicadas desceram certeiras em direção do meu mastro excitado. – Aah, mestre... eu to tão excitada... – ouvi minha cachorrinha dizer mudando a voz, como uma criancinha de birra. – Eu não agüentei, tive que voltar – subiu as mãos pelo meu tronco e desceu-as novamente. – O senhor também parece estar no limite, mestre... – apertou meu pau. Sem dizer nada a tomei pela mão e conduzi pelo mar de gente. Fomos parar numa escadaria de incêndio, tratei de subir alguns lances. E virei-a para mim, bem junto de meu corpo. Insinuei beijala, mas quando ela abriu os lábios eu me afastei. O corpo quente de minha cachorrinha e seu perfume estavam me deixando louco. Desci minha mão direita até o meio de suas pernas, erguendo a barra do vestido. Senti a calcinha ensopada. – Você realmente gostou de se exibir, Alice... – Mhmm, mestre... – ela estava de olhos fechados, sentindo meu toque. – É tudo culpa sua, me mandando colocar esse vestido e me provocando na loja... mhmm... Enquanto ela se explicava eu tocava sua grutinha escondida pela calcinha, senti ela ficar cada vez mais molhada. Resolvi provoca-la um pouco, e falei beijando seu pescoço liso: – Eu acho que é tudo culpa daquele negão... eu vi ele te provocando... – ao dizer isso ela começou a ficar ofegante, acho que por lembrar do que tinha feito. Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 50 -


– Teve também aquele outro na escada... me diz, cachorrinha... – invadi sua calcinha com minha mão, já penetrando a raxinha com um dedo. – Ele pediu pra você chupar ele também, não pediu? Alice gemia, dengosa. – Sim, mestre... aah... – E você queria, não queria? – ela já começava a abrir o zíper de minha calça. – Não mestre... eu não queria ele... eu quero você... – passou a alisar meu pau pela cueca. – Tem certeza? – beijei seu colo. – Eu vi como você estava rebolando... as pernas inquietas... – enfiei dois dedos, ela gemeu. – Você quase gozou quando ele chupou seu pescoço, não foi? – Ahh... não, mestre... eu não go... – ela perdeu o fôlego quando eu suguei seu mamilo sobre o vestido... senti a grutinha se encharcar um pouco mais. – E agora, você gozou cachorrinha? – Ahhh... sim... mestre... mhmm... – beijei seus lábios, ela sugou minha língua completamente. – Acho que eu não tinha dito que você podia gozar... Sabe o que isso significa? – disse isso enquanto rasgava a calcinha, assustando-a. Ela deu um pulo, esticando todo o corpo. Virei Alice, deixando-a de costas para mim. Agarrei firme seus cabelos, arrancando um gritinho contido, e desci meus dedos pelo seu pescoço... pelos ombros... fiz uma curva para a frente e agarrei os seios... – Sabe?.. – Eu vou ser castigada de novo, mestre?.. – perguntou se inclinando voluntariamente para frente, o mel escorrendo pelas coxas grossas. A barra levantada do vestido deixando seu bumbum totalmente a mostra. – Você vai ser castigada de novo, Alice. Estalei um tapa forte em sua bunda. Ela gritou... gozando novamente.

MAS QUE PORRA... Tap... tap... tap... tap...

Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 51 -


Alice gemia enquanto eu espancava sua bundinha carinhosamente. Batia com a palma da mão, depois voltava e batia com as costas. Sempre arrancando gritinhos contidos de puro prazer de minha cachorrinha, que ainda se agarrava ferrenhamente à realidade e preocupava-se se alguém podia nos ouvir. Cada golpe em seu bumbum empinado fazia a bucetinha se contrair. O mel já encharcando as coxas grossas, descendo para os joelhos. – Por favor, mestre... eu fui boazinha, não seja muito duro comigo... Ela dizia isso enquanto rebolava aquele rabo todo para mim, apoiada nas grades da escada, não é necessário dizer que tais palavras só me incentivavam a continuar castigando-a... aah, Alice. Nós dois sabíamos, sem ter de dizer, quais eram os papeis de cada um naquele momento. Um jogo gostoso... sedutor... Mas não era só isso, não para mim. Tinha alguma coisa de muito errado com minha cachorrinha e eu precisava descobrir o que era. E o faria ao mesmo tempo em que ia deixá-la ardendo de desejo. Marcas vermelhas já eram visíveis no bumbum durinho de minha cachorrinha, mas eu não tinha cessado a punição ainda. Pedi que ela se ajoelhasse na escada, novamente empinando o rabo para mim, e dessa vez ordenei que o abrisse com as mãos. Ao fazê-lo, ela pôde sentir a pele pegando fogo quando afastou as bandas deixando sua intimidade totalmente exposta. Sua raxinha quase pingava, completamente ensopada. E o cuzinho piscava insistentemente, fechadinho... será que era virgem? Agachei-me entre suas pernas para sentir o odor de fêmea. Forcei um pouco mais suas mãos para fora, de forma que agora seu buraquinho não conseguia mais ficar fechado. Minha cachorrinha tentava olhar para trás, e ao fazer isso empinava ainda mais seu rabo. Passei então a língua por todo o seu reguinho molhado, ouvindo-a suspirar de tesão. Minha língua é razoavelmente grande, e eu ia da xaninha até o cuzinho repetidamente, bem devagar, desfrutando de todo o seu sabor. E de repente, eu batia. Um tapa forte, ardido, de mão aberta... direto no cuzinho. Ela gritou de dor e susto, apressando-se para olhar em direção a porta como se alguém fosse entrar a qualquer momento. Enquanto isso eu já dava outro banho de língua nela toda, que não parava nunca de rebolar. O ritual se prolongou ainda por alguns minutos. Eu batia, ela gritava, eu chupava, ela rebolava. E assim foi indo num prazeroso desafio à sanidade de ambos. – Mestreee... – minha cachorrinha gemia sempre que eu forçava minha língua pelo seu buraquinho apertado. Enfiei dois dedos em sua xotinha molhada e fazia um vai-e-vem lento, ritmado. Com o polegar, massageava o clitóris, com espirais controladas. A minha língua continuava afiada ao acariciar o rego e o cu apertado. Alice gemia... eu a sentia mastigando meus dedos. Seu maravilhoso rabo não estava mais empinado, ela quase deitava no chão frio. As mãos também não seguravam mais a bunda, coisa que eu tinha que fazer com a outra mão que me restava. E Alice gemia. Ordenei que abrisse mais as pernas, o que ela fez com dificuldades. Voltei a dedilhar-lhe a buceta enquanto encharcava o cu com minha saliva. Minha outra mão estava ocupada arranhando o interior de suas coxas grossas. Minha cachorrinha não sabia se gemia, se arrepiava-se ou se rebolava. Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 52 -


Indecisa, optava por fazer tudo ao mesmo tempo, resultando em sons desconexos e movimentos descompassados do quadril. E eu tinha que bater novamente em seu bumbum vermelho, para que ela ficasse quieta. Lentamente, consegui introduzir um dedo em seu rabinho estreito. Ela rebolava sem parar, gemia sem parar. A bucetinha vibrando e se contorcendo toda. Seu clitóris totalmente inchado parecia um botão... eu tinha certeza que se o apertasse ela iria gozar como louca. Por isso mesmo eu passava longe. Agora com dois dedos enfiados no rabinho. Ela gemia muito, as mãos de volta para trás, se abrindo toda para mim. Acho que ela era mais experiente do que aparentava. E eu continuava a foder-lhe o rabo com meus dedos. – Você gosta nesse buraquinho apertado, cachorrinha? – Ain, mestre... ta muito bom... mhmm... – e rebolava... se entregava. Tirei meus dedos, e seu cuzinho se lacrou imediatamente, deixando-me pasmo. Nunca tinha visto nada igual. Acabara de fode-lo com dois dedos, que não eram finos, e ele estava intacto. Ali tinha coisa... rsrs Surrei mais um pouco sua bunda gostosa enquanto retirava meu pau da cueca. Demorei mais do que previa porque ele estava muito duro e ficou enroscado. Sorte de minha cachorrinha, que levou alguns tapas a mais. Sempre gemendo e se contorcendo. Subi a escada e parei em pé a sua frente, ela entendeu o recado. Rapidamente prostrou-se em joelhos e começou a mamar. Enfiava ele todo na boca, o máximo que podia, numa chupada desesperada. Não sou conhecedor de pênis, mas sei que o meu é grande... pelo menos é o que disseram algumas das mulheres com quem já me deitei, embora nunca tive curiosidade de medi-lo. E Alice conseguia deixar somente alguns poucos centímetros para fora da boca, movendo a cabeça num vai-e-vem guloso. – Isso cachorrinha, chupa meu pau... mhmm... continua, isso... – eu já emaranhava meus dedos nos cabelos lisos e compridos. Aos poucos, passei a foder aquela boca molhada como se fosse uma buceta. Movia meus quadris acentuadamente, tirava meu pau quase todo e depois socava de volta, alcançando sua garganta. Ela cravava as unhas em minhas coxas tentando controlar a respiração para não engasgar. E eu metia... metia... freneticamente... tesão a flor da pele. Senti então que minha cachorrinha me empurrava e quando olhei para baixo ela estava muito vermelha. Acho que sufocando. Então decidi solta-la e deixa-la fazer o trabalho por si mesma. Depois de tossir duas vezes ela voltou a me chupar. Beijava a cabeça inchada do meu pau, apertando minhas bolas. Descia com a língua e depois subia lambendo ele todo, sem usar as mãos. Eu sou contra punhetas durante a felação. Durante um boquete eu quero que me chupem, e não que me masturbem, e para isso só é necessário uma boca gulosa. E minhas cachorrinhas já ficaram experientes nisso. – Ahh, Alice... vou gozar! Mhmm... – disse isso voltando a segurar seus cabelos.

Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 53 -


– Dessa vez tenha certeza que vai beber tudo... aah... se sujar o vestido terá que sair daqui sem ele... Ela segurou meu pau na base apertando forte e começou a surrar a cabeça com a língua, movendo-a rapidamente para cima e para baixo, me levando a loucura. Procurei seus olhos, ela sorria, provocante. Então engoliu a cabeça sugando forte, tentando penetrar o buraquinho com a língua. – Aaaahh!! – gozei. Esporrei três vezes naquela boquinha quente sem que minha cachorrinha parasse de chupar, engolindo toda minha porra. Afastamo-nos um pouco. Apoiei-me na grade da escada de calças arriadas, ela ajoelhada a minha frente, vermelha, começando a suar. Ficamos algum tempo nos encarando, olho no olho. – O castigo acabou, mestre? – Você acha que foi o suficiente? – Acho que não... – É... não foi – ela sorriu, se levantando. Beijou-me de leve acariciando meu pau a meia-bomba. – Por favor... só não me bata de novo mestre... – deitou a cabeça em meu peito. O que estava acontecendo? Porque essa carência toda de repente?.. Ela não estava mais distante, não estava mais fechada... Agora que parei para pensar, notei que realmente, ela só mantinha esse tipo de postura em casa, com as outras por perto. Será que ela estava apaixonada? Não, não pode ser... fazia por mais de um mês que tinha a contratado e antes disso só nos vimos duas vezes. Não faz sentido. Nenhum sentido. – Isso eu não posso prometer, cachorrinha – disse apertando seu bumbum sensível, ela se contraiu com um pouco de dor. Puxei Alice pela mão depois de abotoar a calça e voltamos para a balburdia do shopping. Ela caminhava com um pouco de dificuldade, as pernas ainda estavam moles. Não podia ser... não tinha como... ela simplesmente não podia sentir tal coisa por mim. Avistei do outro lado do pátio enorme em dos elevadores centrais e apressei-me a nos conduzir para lá. Tivemos a sorte de conseguir pegar o elevador vazio. Ele não era desses que ficam escondidos numa caixa pesada de aço, não, metade dele era de vidro e ficava exposto para o pátio do shopping. Quem estava dentro podia observar as pessoas virando formiguinhas enquanto ele subia, o mesmo para quem estava fora. Ainda assim, tinha uma proteção opaca que subia a quase um metro de altura. Perfeito para o próximo castigo. Assim que a porta fechou, nos agarramos, ao mesmo tempo. Meu duro de novo, e eu o esfregava numa das coxas de minha cachorrinha. A outra perna eu havia agarrado e levantado, ela rapidamente se enlaçou em mim e eu levei minha mão para sua bunda gostosa, tocando o reguinho molhado com os dedos. Ela gemia muito com o pescoço inclinado, me convidando para beijar e chupar seu pescoço, o que eu fiz com prazer. Sentia suas mãos percorrendo minhas costas, meu peito, minha barriga. De repente não senti mais, ela mesma tinha descido as alças do vestido, Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 54 -


fazendo pular aqueles seios redondos aos meus olhos. Abocanhei-os sem perder tempo. Mamava forte, com os mamilos rosados entre meus dentes, depois chupava a extensão branca de seus seios, apalpando a outra parte, bronzeada. Alice gemia, puxava meus cabelos. Masturbava minha rola. De um lance ela desabotoou toda minha camisa e virou-se de costas para mim. Seu rabo mais uma vez empinado, e ela olhava para trás, nos meus olhos... os dela brilhavam. Uma mão se apoiando no vidro grosso, a outra ela levou para a boca, tocando um lábio com o dedo indicador. Rebolava aquela bunda deliciosa sobre o meu pau duro feito pedra: – Me castiga agora mestre... ou eu vou continuar sendo uma menina muito má... – voz manhosa, suplicante. Me virei rapidamente, apertando o botão de emergência fazendo o elevador parar. Ela sempre com um sorriso largo enfeitando o rosto. Penetrei de uma única estocada. – Aaahh! Isso!!! – ela gritou, encurvando o pescoço pra trás. – Cuidado cachorrinha, você não quer que descubram o que estamos fazendo aqui, não é? – perguntei colado em seu ouvido, minhas bolas tocando suas coxas macias e durinhas ao mesmo tempo. – Seja uma boa garota e fique quietinha, ou seu mestre vai estar encrencado... Comecei a meter, primeiro devagar, cadenciado. Não tardou muito pra se tornarem estocadas fortes e profundas. Alice tentava se conter, fazer o menor barulho possível. Mordia os lábios, fechava a boca. Mas não conseguia se segurar. Então eu a virei para mim, puxando para meu colo. Ela abraçou meu pescoço com seus braços finos e eu a suspendi pelo bumbum ainda sensível. Beijamonos para abafar seus gritos, e eu seguia metendo. Eu estava a fodendo tão forte que seus seios pulavam e batia em meu rosto. Numa dessas metidas mais profundos uma de minhas mãos escorregou, e um dedo acabou invadindo o outro buraquinho de minha cachorrinha. Ela gemeu mais forte, intensificando também o beijo. Aproveitando a dica eu enfiei outro dedo em seu rabinho, e conforme levantava e soltava seu corpo eu a castigava pelos dois buracos. Minha cachorrinha ia a loucura, passou a pressionar sobre meus ombros, se levantando sozinha e soltando o peso depois para descer sobre meu pau. – Você gosta de levar no cuzinho, cachorrinha? – Ain, mestre... é muito bom... – Sei... então acho que vou te castigar de verdade... Desci-a do meu colo e tirei minhas calças, que estavam apenas arriadas. – Empina essa bunda... – mas antes de eu falar ela já estava toda empinada para mim, rebolando. As pernas bem afastadas, a raxinha pingando no chão do elevador. Agachei-me entre ela e comecei a chupar seu rabinho delicioso. Ela rebolava e empurrava o quadril para trás. Mordi seu reguinho e ela deixou um grito fino escapar, depois eu subi com minha língua para seu cuzinho que piscava de desejo. Quanto mais eu lambia mais ele ia se abrindo para mim, me dando passagem. Meus dedos acariciando suas pernas grossas, beliscando atrás do joelho... e ela as Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 55 -


mexia, arrepiada. Então subi minhas mãos e alcancei os seios suspensos. Ainda lambendo seu cuzinho liso, quase o fodendo com a língua. – Rápido mestreee... Posicionei-me atrás dela e encostei a cabeça do meu pau na sua portinha dos fundos. – Acha que vai agüentar, Alice? – provoquei. – Siiim... quero seu pau gostoso, me fode mestre... me come inteirinha, me castiga, rápido... castiga sua cachorrinha... – e rebolava levando o quadril para trás, forçando contra um pau. Deitei meu corpo sobre o seu, fazendo com que ela ficasse com os seios prensados contra o vidro do elevador. Sussurrei em seu ouvido: – Você acha que estão nos vendo? – ela olhou para o mar de gente lá embaixo – Será que eles podem escutar seus gemidos desesperados? – dizia isso enquanto alisava seu clitóris e forçava meu pau contra seu anelzinho, sentia ela ficando cada vez mais molhada. – Não faça barulho ou eles vão descobrir... Antes de terminar a frase eu projetei meu quadril, invadindo sua bundinha e atravessando todas as pregas. Alice contraiu todo o corpo, senti seu cu piscar forte, quase cortando meu pau. Ela abriu a boca expulsando todo o ar dos pulmões, mas não saiu som algum. Ficou ainda alguns segundos nessa posição para depois voltar a si, tentando respirar desesperadamente. Suas coxas escorriam... tremiam... Depois de senti-la gozar tão deliciosamente, comecei a retirar meu pau. Conforme eu me afastava ela tentava me seguir com a bundinha, mas eu a segurava pra a frente. E estocava de novo... e de novo... e de novo... Alice estava fora de si. Eu ia metendo em sua bundinha e ela nunca parava de rebolar. Sentia aquele rabo quente embrulhando meu pau, mastigando ele... e também podia sentir sua bucetinha vibrando de felicidade. Quase no meu limite, decidi parar um pouco. Agarrei firme seus cabelos pela nuca e a puxei até mim enquanto tirava meu pau lentamente, deixando só a cabecinha dentro dela. Podia ouvir sua respiração ofegante, a palpitação do coração... e via o vidro embaçado pelo calor de nossos corpos. Ficamos um tempo parados, sentindo um ao outro, sem emitir som algum. A xaninha escorrendo sem parar, a bundinha mastigando o que podia, minhas bolas doendo querendo gozar. – Rebola pra mim, Alice... Ela demorou um pouco, as pernas ainda bambas, mas começou a rebolar. Ondulava os quadris e engolia minha rola, quando sentia minhas bolas batendo na raxinha ela voltava, prensando os seios contra o vidro... Ficamos nessa dança por algum tempo... ela de olhos fechados, indo e vindo... eu de olhos bem abertos, olhando seu reflexo, o sorriso de satisfação em seu rosto. Meus dedos entre suas pernas, acariciando o botãozinho que ameaçava saltar. – Mestre... Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 56 -


– Sim, Alice..? – Eu adoro quando você faz assim... mhmm... com carinho... aah... – enfiou minha rola toda na bunda e deixou lá, contraindo os músculos, massageando todo o meu mastro. – Goza em mim... enche meu rabinho... – voltou a rebolar. Mas que po***... Voltei a fode-la com força, segurando seus quadris. Dessa vez eu metia forte mesmo, minha cachorrinha ficou totalmente grudada no vidro, os braços jogados pra cima. Olhos fechados, sorriso nos lábios. E eu metia, indignado. Como..? Como ela podia dizer coisas como essas? Alice recomeçou a gemer, senti suas pregas apertando cada vez mais meu pau. Ela mordeu o próprio pulso para abafar os gemidos, e quando eu sentia que ela ia desfalecer, dava um tapa forte em sua bunda. E ela acordava. Até algumas horas atrás ela estava em outro planeta... porque essa mudança? Senti que ela ia desfalecer de novo, dei outro tapa. Ela gemeu mais forte. Acordou de novo, abriu mais as pernas. Eu metia cada vez mais rápido, podia ouvir o som de nossos corpos se chocando. E em resposta ela empinava ainda mais a bunda vermelha. Alice... ela estava brincando comigo? – Mestre... vou gozar... vou gozar... vou go-... Alice começou a convulsionar, chacoalhava as pernas anarquicamente, arregalava os olhos, prendia meu pau em sua bundinha. Gozei junto com ela, enchendo todo o seu rabinho de porra quente. Passados alguns segundos ela desmaiou. Apressei-me em vestir a nós dois e coloca-la sentada sob o painel do elevador. Pouco tempo depois o pessoal da manutenção chegou perguntando o que tinha acontecido. Respondi que eu quis fazer uma surpresa para a namorada, mas não sabia que ela tinha medo de altura. Então ela acabou desmaiando e esbarrando no painel. Não sei até que ponto acreditaram, mas não fizeram muitas perguntas. O cheiro de sexo denunciava tudo. A caminho de casa Alice teve um lapso de sanidade... – Eu te amo, mestre... Depois voltou a dormir. Mas que porra foi aquela..?

Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 57 -


LIÇÃO 2: PROVOCAÇÕES – Eu te amo, mestre... Quando chegamos em casa tais palavras ainda ecoavam em minha mente. Eu não podia acreditar... quem poderia? Amor... nesses últimos anos essa palavra teve seu sentido desvirtuado... as pessoas usam-na sem saber seu real significado. Alice não podia estar falando serio... Mas e se falasse... aonde queria chegar? Fiquei alguns minutos inerte em pensamentos, com o carro na garagem. Ao olhar para o lado vi minha cachorrinha dormindo, serena... parece que não seria minha cachorrinha por muito mais tempo. Ou talvez ela não quisesse nunca abandonar o papel... Porra!.. mas que merda foi aquela? Era só isso que eu conseguia pensar. Já que eu não conseguiria chegar a nenhuma resposta sozinho, tentei afastar essa confusão que dominava minha cabeça. Peguei Alice no colo e a levei até seu quarto. Coloquei-a deitada na cama e tirei seu sapato, depois seu vestido. Fui até o banheiro buscar alguns lenços umedecidos, então voltei para limpa-la já que na correria para não sermos pegos eu acabei vestindo uma de suas calcinhas novas nela para que a porra não escorresse por ai. Nessa altura o esperma tinha secado e deu um pouco de trabalho para limpar sua bundinha que ainda estava muito vermelha. Por fim passei uma pomada e a deixei de bruços, estava calor naquele dia, então só a cobri com um lençol, ainda nua. Depois me retirei para meu quarto. No caminho cruzei com Nicole, sem roupas, um biquíni em mãos. Já não estranhava mais sua libido, na verdade era muito difícil encontra-la vestida quando estava em casa. Ao passar ela sorriu e beliscou minha bunda, nem dei bola. No quarto eu tomei um banho demorado e quando saí notei que ainda era muito cedo. Oito horas no máximo. Desci para a cozinha para comer alguma coisa e encontrei Cailean lá, cozinhando. Puxei assunto, conversamos amenidades, foi bom para me distrair de tudo o que tinha acontecido naquele dia... das palavras que martelavam minha cabeça. Ela era boa de papo, sabia como manter os outros interessados, e eu pretendia fazer bom uso de suas habilidades. Mas por hora eu precisava de uma boa janta. Mais tarde naquela noite, quando eu estava de volta a meu quarto lendo os jornais, recebi a visita de uma de minhas cachorrinhas. Niki bateu na porta já entrando no quarto e me deixando atordoado. Ela vestia um moletom esverdeado de mangas compridas. Estava com a touca na cabeça, que tinha duas saliências em cima, como se fossem olhos. Mais tarde fui perceber que era um ‘moletom de sapinho’, não podia esperar outra coisa vindo dela. Não usava soutien e a blusa estava propositalmente desabotoada simulando um longo decote que deixava libertos metade de seus seios, eu podia notar os mamilos eriçados se projetando no tecido. A barra de sua fantasia descia até a metade do bumbum, que era guardado por uma calcinha branca. Meus olhares foram atraídos para suas coxas claras e depois para toda a perna torneada, então notei que ela estava de meias também, pouco mais claras que o moletom. E só quando ela tocou meu peito para me dar um beijo no rosto, percebi que vestia duas luvas, dessas que só tem divisória para o dedão. Era uma verdadeira sapinha.

Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 58 -


Na hora meu mastro já ameaçou dar sinais de vida, mas me contentei em apenas admira-la, confuso. Ela já ia se ajeitando na minha cama, deitando do meu lado e jogando as folhas de jornal no chão. Subiu uma de suas pernas em mim e ficou esfregando lentamente, desafiando meu pau que já tinha trabalhado bastante naquele dia. – Mestre... lembra que eu falei sobre o aniversario da minha amiga... e que eu queria ir? – Ah... sim, Niki, porque? – ela me olhava direto nos olhos, um pouco maquiada, me deixando completamente hipnotizado. – E o senhor lembra que eu disse que iria compensar a minha ausência de alguma forma?.. – Lembro... – respondi tentando imaginar quais eram suas pretensões. – Bom... eu tive uma idéia – subia com a luva pelo meu peito nu, o toque da lã me excitando ainda mais. – Conversei com a Nicole e ela me ajudou a fazer um presentinho pra você... agora sempre que o senhor pensar em mim pode usar ele... – invadiu meu calção com sua luva felpuda, acariciando meu pênis que era um pilar. – o senhor pode usar ele para acalmar nosso amiguinho... Sorriu para mim. Meus olhos vidrados em seus lábios, eu boquiaberto. – E que presente é esse, Niki..? Ao ouvir isso ela se moveu rapidamente, subindo em meu colo. Sentou sobre meu pau dentro do calção, uma perna de cada lado de meu corpo, beijou minha boca conduzindo minhas mãos para seu bumbum, que eu apertei forte, sentindo a calcinha de algodão que o protegia. Estava com muito tesão. – Isso é o senhor que vai ter que achar, mestre – sorriu para mim percebendo que dessa vez era eu quem estava entregue. – Pro senhor ganhar seu presente, vai ter que me fazer gozar... mas eu acho que fiquei muito boa em controlar meus orgasmos, não é? – riu. – Vamos, Niki, não estou para brincadeiras agora... – Mas eu sei que o senhor gosta desse tipo de jogo, mestre – começou a beijar meu pescoço sem nunca parar de acariciar minha pele com suas luvas felpudas. – E este presente é para o senhor usar quando estiver pensando em mim, mas eu não estiver por perto... – mordeu minha orelha. – e nesse momento... eu estou bem aqui... Tomado por meus instintos joguei minha cachorrinha para o lado e subi em cima dela, assumindo posição de controle... mas só a posição mesmo, pois ela me tinha em suas mãos. Niki ria conforme meus desejos iam tomando conta de meu corpo, as mãos pequenas a acariciar deliciosamente minha rola dura dentro do calção. Ela me comia com os olhos, e eu comia seus peitos. Tinha puxado-os para fora da blusa e abocanhava o que podia de um, apertando e puxando o outro. Provocando os mamilos, mordendo, beliscando, soprando. Sentia as batidas do coração, meu pau pulsava acompanhando-as. Logo minha mão também buscava sua intimidade, invadindo a calcinha branca. Como sempre, Niki estava completamente ensopada, e em pouco tempo eu já a fodia com dois dedos. Ela movia os Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 59 -


quadris acompanhando meus movimentos, mas não gemia... não, ela ria. Como que debochando de seu mestre que pela primeira vez não tinha o controle. Mas eu não queria o controle... eu queria prazer. – Ain, mestre... pra que essa pressa? – e ria, rebolava, depois ria de novo. Os bicos dos seios já assumiam tons avermelhados de tanto que eu sugava. Afastei-me para tirar sua calcinha e finalmente pude olhar para a raxinha que não parava de se contrair, como se me chamasse. Caí de boca, bebendo todo o seu abundante mel. Ergui suas pernas e passava a língua pela virilha, depois pelos lábios carnudos de sua bucetinha e subia para morder o clitóris vermelho. Aos poucos ela ia se rendendo e os risos se tornavam gemidos. Minha cachorrinha acariciava os seios e meus cabelos ao mesmo tempo, e eu não parava nunca o banho de língua em sua xaninha molhada. Voltei então a usar meus dedos, primeiro esfregando suavemente seu botãozinho que pulsava, depois introduzindo-os na grutinha que cuspia mel. Avançando até onde podia com os dedos, fui beijar-lhe os lábios rosados. Ela me esfregava com sua luva de lã, me arrepiando todo com aquele toque felpudo. Eu sentia seus seios macios contra meu peito, os mamilos intumescidos pinicando deliciosamente minha pele... e quando nossos mamilos se tocavam eu sentia que ela gemia mais forte, com espasmos de prazer. Então, inesperadamente, meus dedos tocaram algo estranho guardado na grutinha de minha cachorrinha. Dessa vez eu não tinha posto nada lá... então... – Acho que encontrei meu presente – olhei para ela, introduzindo meus dedos com mais força para tentar agarrar o que quer que fosse. Rapidamente ela se desvencilhou de todo o meu corpo e ajoelhou-se atrás de mim, com os seios ainda contra meu corpo, dessa vez pinicando minhas cotas, competindo com minha rola para ver quem estava mais duro. Meu pênis era masturbado por suas luvas de lã... eu precisei de muita perseverança para não ceder a tais estímulos. Sentindo minha vulnerabilidade ela grudou os lábios em meu ouvido: – Não seja apressado, mestre... não é o senhor que gosta de nos provocar? Que nos excita até nosso limite, para parar por ai? Que só nos dá prazer quando também quer?.. – nesse momento ela largou meu pau subindo os braços para meu tórax, me abraçando. – É mesmo, eu já ia me esquecendo... o importante é não dar todo o prazer, certo? Assim o senhor vem atrás dele... Senti que Niki se desgrudou de mim, e de súbito, um silêncio estranho tomou conta do quarto. Quando me virei para ver o que ela fazia, deparei-me com minha cachorrinha de quatro, apoiada com o rosto na cama, as mãos acariciando a raxinha que insistia em inundar meus lençóis. Somente quando desviei meu olhar para seus olhos ela continuou: – Eu já disse, para ganhar seu presente terá que me fazer gozar, mestre – ela abria os lábios da bucetinha se exibindo para mim, rebolava o bumbum com volúpia e empinava todo o quadril. – Não se preocupe que eu já testei... – fechou os olhos conforme acelerava os movimentos dos próprios dedos.

Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 60 -


– Mhmm... se eu gozar bem gostoso ele vai sair sozinho... ain... – ela se contorceu toda, como tendo um forte calafrio, todo o seu corpo se arrepiou e sua xaninha contraia forte fazendo o cuzinho piscar. – Mas quem tem que me fazer gozar é o senhor... porque eu aprendi a controlar meus orgasmos e... sorriu, ainda de olhos fechados. – Se eu fizer sozinha acho que posso parar quando quiser... Eu já estava nu quando ela terminou de falar. Tinha me aproximado e a encoxava virilmente. Minha rola posicionada bem no meio de sua bundinha e meu corpo deitado sobre o dela, beijando seu pescoço. Niki rebolava jogando o corpo contra meu pau e movia os quadris me masturbando com seu bumbum durinho. Eu agarrava seus seios e sentia o toque novo do moletom sobre minha pele. – Quando se tornou tão persuasiva assim, cachorrinha? Novamente meus dedos invadiam sua grutinha pulsante e eram prontamente mastigados. Recuei um pouco e com a outra mão eu pincelava suas duas entradas manipulando meu mastro... Alice tinha me deixado curioso sobre as outras, queria saber se também eram tão experientes como ela. – Acho que foi quando eu vi o senhor comendo a Cailean na piscina... e depois na cozinha... mhmm... – comecei a forçar a portinha de trás. – Você anda me espiando, Niki? – Não exatamente... – quanto mais eu forçava, mais difícil ficava. – Calma, mestre... eu nunca fiz por aí... Ao ouvir isso eu levantei para admirar aquele bumbum virgem. Dei um tapa e comecei a alisa-lo, apertava e depois batia de novo. – Porque não, cachorrinha? Tem medo de doer? – voltei a forçar a portinha com a cabeça do meu pau. Ela rebolava e suspirava, mas nada do rabinho relaxar. – Não é isso... m-meu namorado era muito fresco. – E quanto a seus clientes, duvido que ninguém nunca quis comer esse buraquinho virgem. – Já quiseram sim... aiiin... só não quiseram pagar. – Então você quer dar a bundinha, mas não achou ninguém pra comer ainda... – Não exatamente... – eu tinha agachado para chupar seu rabinho e ela abriu mais as pernas, trazendo as mãos para arreganhar sua bundinha facilitando meu trabalho. – Eu já tive oportunidades, mas os caras ficam tão vidrados ao me verem ejacular que nem pensam mais na minha bundinha... Eu dava um banho de língua naquele bumbum macio, as vezes descia para acalmar a raxinha que cuspia litros de néctar, depois voltava e forçava minha língua contra as pregas que nunca deram Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 61 -


passagem. – Mhmm... e como você descobriu que tem tanto tesão na bundinha se ninguém brincou com ela ainda? – Ahh mestre... eu brincava com ela as vezes... quando era menor... – E como você brincava? Ela ia empinando cada vez mais o rabo conforme eu ia forçando minha língua contra ele. E gemia baixinho. Meu pau latejava na mão que me restava e minha cachorrinha rebolava na minha cara trazendo o quadril para traz. Aos poucos eu fui ganhando passagem e pude sentir o interior de seu cuzinho abraçando a ponta de minha língua. – E-... eu sempre fiquei muito molhada, desde muito pequena... então também comecei a me masturbar bem cedo... – minha língua já tinha entrado pela metade e eu sentia seu buraquinho pulsar esmagando-a. – Até que um dia eu comecei a tocar aí também... Troquei a língua por um dedo e desci para sugar seu botãozinho vermelho. Ela gemeu mais alto com a ponta do meu dedo já dentro da bundinha. Fui beijá-la e pedi que se levantasse. Deitei-me na cama e chamei minha cachorrinha para sentar em meu colo, o que ela fez sem pestanejar. De frente para mim, ela apontou meu mastro com uma mão e começou a descer lentamente, sentindo-o invadi-la por inteiro. Deus, como aquela buceta é gostosa! Tão quente e molhada! Eu acariciava as coxas fortes da minha cachorrinha enquanto ela rebolava com todo o meu pau dentro de si. Ela me olhava nos olhos, sorrindo: – Tá gostoso, mestre? – respondi que sim. – Que bom, eu to adorando... Ai! – dei um tapa em sua bundinha e ela começou a rebolar mais rápido. Quanto mais tapas eu dava, com mais vontade ela rebolava. Apoiou as mãos no meu peito e passou a ondular os quadris, enquanto eu percorria toda a extensão de seu corpinho recém amadurecido com minhas mãos. Não tardou para que meu pau começasse a inchar ainda mais, anunciando o gozo próximo. – Mestre... tem certeza que nesse ritmo o senhor vai agüentar? – desviou o olhar para a janela. – Ainda nem escureceu completamente e o senhor já ta gozando... eu esperava mais de você, mestre... mhmm... Nessa hora eu a puxei para mim, forçando-a a deitar sobre meu peito e ficar com o rabo bem empinado. Depois segurei forte em sua bunda até que parasse de rebolar. Ficamos um tempo assim parados, de corpos colados, os peitos se chocando com nossas respirações. Ela contraia a bucetinha, mastigando minha rola que pulsava acompanhando seu ritmo. Quando recuperei um pouco do fôlego comecei a acariciar-lhe novamente o cuzinho virgem. Com uma mão eu acariciava seu bumbum durinho e arreganhado, com a outra mão usava os dedos para circular seu buraquinho lacrado. Ele apresentava menos resistência agora, e eu consegui enfiar meu dedo um pouco mais fundo. Conforme ele ia entrando eu ouvia Niki suspirar em meu ombro, mordendo-o de leve. Instintivamente, ela voltou a rebolar, mas quando ela o fazia eu tirava meu Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 62 -


dedo. Só colocava de volta quando ela parava. E minha cachorrinha rebolava novamente. – Meu rabinho ta pegando fogo, mestre... – E o que eu posso fazer para ajudar? – agora eu forçava passagem com o segundo dedo, mas novamente ela tinha se lacrado. – O senhor pode esporrar nele, deixando bem molhadinho... mhmm... – senti seu corpo tremulo e a pele eriçando, acho que ela estava se segurando para não gozar em meus dedos. – Assim que eu pegar meu presente eu dou uma esporrada nele, cachorrinha... mas é você quem tem que gozar primeiro. Ordenei que ela se virasse de costas sem tirar meu pau da xana e ela o fez com certa dificuldade. As pernas estavam dormentes pela posição e pela audácia de ter o rabinho sendo invadido pela primeira vez. Mandei então que se deitasse para frente, deixando a bundinha bem aberta para mim. Assim que ela inclinou o corpo eu pude ver seu buraquinho piscando, todo vermelho e enrugadinho. Também podia ver sua bucetinha engolindo meu pau até o talo e se contraindo como que quisesse mais. Pedi que abrisse mais a bunda usando as mãos, e assim ela o fez, tirando as luvas. Voltei a forçar a entrada com um dedo que já abria caminho sem muita resistência. Depois tentei com outro, sendo barrado. Passei a mover meu dedo puxando e empurrando, e a cada movimento meu ela se contraia com mais força apertando meu pau. Ela puxava as bandas do bumbum com tanta força e tesão que as marcas dos dedos já se formavam bem nítidas. Seus dedos estranhamente bonitos... não tinham calos, não tinham pêlos, sem veias... nenhum tipo de imperfeição. As unhas bem feitas e compridas. Nenhum esmalte. Dedos estranhamente comuns. Peguei uma de suas mãos e a conduzi até a portinha de minha cachorrinha. Manipulando delicadamente seu dedo, passei a fazê-la força-lo contra o próprio buraquinho. Notei que ela se empinou ainda mais. Não tardou muito para que seu lindo dedo estivesse completamente abrigado em sua bundinha gostosa, me dando tremendo tesão. Afastei minhas mãos para admirar a cena. O rabo impossivelmente empinado de minha cachorrinha, com marcas da própria mão, engolindo completamente minha rola pulsante e sendo deflorado por ela mesma. Logo ela começou a mover o dedo sozinha, entrando e saindo. Hipnotizando-me. Seus gemidos aumentavam gradativamente, enchendo meus ouvidos de tesão. Excitação que refletia em meu pau, que inchava cada vez mais dentro dela. De repente, quando sai desse transe, vi que ela tinha levado a outra mão também para o buraquinho virgem e forçava outro dedo que começava a entrar. Ela voltou a rebolar como se eu não estivesse mais ali, inerte no prazer que seu rabinho proporcionava. – Mas que cachorrinha safada que você é, Niki. Fodendo o próprio rabinho com os dedos – ela só gemia. Puxei meu corpo e sai de baixo dela, me posicionando para novamente fode-la por trás. Encaixei meu pau em sua bucetinha olhando para suas mãos que forçavam passagem no outro buraco. Ela Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 63 -


tentava rebolar para que eu entrasse mais fundo, mas isso dificultava sua ousada defloração pela portinha de trás, o que a obrigava a disciplinar as pernas que se moviam sozinhas. – Onde você aprendeu essas coisas, Niki? Foi com os filmes? Você gosta de ver outras mulheres dando a bundinha? – ela apenas gemia, lábios entreabertos. – Não vai responder seu mestre? – Ain... não, mestre... e-eu não faço esse tipo de coisa... – O que você acha mais pervertido, cachorrinha. Assistir outras mulheres fodendo ou ficar de quatro tentando arrombar o próprio cuzinho? – eu já tinha me agachado, agarrando seus seios sob medida. Apertava os mamilos duros, depois apertava eles todos. – M-mas eu já falei mestre... não faço esse t-tipo de coisa... mhmm... – Você mesma disse que estava espiando eu e Cailean, Niki. Você não mentiu para seu mestre, mentiu? – Não! Não menti! Aah... – quando recuei, vi que o segundo dedo tinha entrado. – Acho que... que espiar é mais pervertido... – É... acho que sim... – com protestos, afastei suas mãos para olhar o cuzinho recém invadido. Ele estava um pouco maior, e muito vermelho. Tirei meu pau de sua xaninha quente e tentei forçar de novo. – Então acho que você não vai se importar se eu tentar meter por aqui... certo? Niki abria o bumbum com as mãos e rebolava jogando o quadril para trás, ainda de olhos fechados. Depois de muito esforço a cabeça passou, parando por ai. Senti-a ofegante, o rabinho piscando apertando meu pau. Afastei-me de novo e a puxei pra a cabeceira da cama. Amarrei suas mãos acima da cabeça, com ela deitada de costas. Ainda vestia o moletom de sapinho, e devia estar um forno ali dentro. Agora ela olhava em meus olhos, abrindo as pernas convidativamente. Ajoelhei-me e voltei a forçar contra o buraquinho estreito. Quando a cabeça passou, comecei a acariciar sua xaninha, fazendo movimentos lentos e circulares no clitóris. Minha cachorrinha gemia bastante tentando mover os quadris. Seus seios empinados graças aos braços erguidos me deixavam ainda mais excitado. Agachei-me e desabotoei o resto da blusa para beijar sua barriguinha durinha traçando uma trilha com meus lábios até alcançar a boca quente. Nossas línguas dançavam, trançando-se uma na outra saborosamente. – Mestre... porque parou de forçar? – sua bundinha parecia me chupar para dentro, lentamente. – Você quer meu pau todo no seu rabo, cachorrinha? – Ahh, quero, mestre... por favor, fode meu rabinho... – Então goza pra mim, cachorrinha... goza... – Não! Me fode primeiro, por favor! – Tudo bem... então vou foder seu cuzinho até você gozar.

Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 64 -


Recuei meio passo e trouxe minha boca de encontro ao rabinho inchado. Levantei o quadril de minha cachorrinha e coloquei embaixo um travesseiro para facilitar. Ainda amarrada, Niki se contorcia a cada toque, como se ondas de prazer fossem despejadas por todo o seu lindo corpinho. Rapidamente eu levantei suas pernas fazendo-as espremer os seios redondos, só então eu meti minha cara no seu cuzinho virgem. Agora que estava mais largo eu podia enfiar minha língua inteira para dentro dele, fazendo minha cachorrinha ter espasmos. Eu movia rapidamente minha língua, fodendo aquele rabinho gostoso. E com as mãos eu brincava com a xotinha, enfiando dois dedos e acariciando o botãozinho protuberante. – Ain! Mestreee..! Assim não! – ela protestava com dificuldade, não conseguia tomar fôlego para falar. – Eu quero seu pau, mestre... Ignorei seus apelos e continuei a enfiar minha língua no buraquinho, sentia-o piscar deliciosamente. Ela ficando cada vez mais ofegante, a xotinha e o rabinho acompanhando as batidas aceleradas do coração. Contraia os braços levando o corpo para cima, obrigando-me a puxá-la de volta pelos quadris. E eu continuava lambendo e dedando, sentindo as pregas lisas me apertarem. Mudei de posição, ficando ao lado de minha cachorrinha. Troquei a língua por dois dedos que entravam fundo em seu buraquinho sedento. Outros dois dedos ainda na grutinha encharcada enquanto eu sugava o clitóris. – Aaah! N-não agüento mais!.. – ela trocava os gemidos por gritos enquanto eu dobrava meus dedos em forma de ganchos para excitá-la ainda mais. – Mestreee..! Niki perdeu a voz, o corpo tentando se esticar todo, mas eu estava deitado sobre suas pernas. Senti as paredes de sua grutinha pressionarem meus dedos com mais força, se convulsionando preparando o orgasmo, e o rabinho piscou tão forte que me prendeu lá. Rapidamente retirei os dedos da xaninha e acelerei os movimentos no clitóris. Masturbava minha cachorrinha bem rápido e sentia-a forçar as coxas contra mim, querendo esticar as pernas. Ela respirava sofregamente, como se faltasse ar no quarto, fazendo aquele som desesperador ao tentar puxar oxigênio. Os olhos fechados... o cuzinho fechado... a xotinha falando uma língua que eu entendia. Niki explodiu num orgasmo intenso, quase rompendo os pulsos forçando as amarras que prendiam seus braços. Uma deliciosa ejaculação feminina. Foram três jatos. O primeiro compacto, mais de um metro de distancia. Os outros dois saíram dispersos, espirrando para todos os lados, perfumando toda a minha cama. Depois minha cachorrinha ficou tendo espasmos. Quando libertei seu corpo ela ainda estava em transe, tremendo toda, os olhos entreabertos, gemendo baixinho, braços e pernas esticadas se contorcendo. A xotinha ainda cuspindo néctar, como que balbuciando o anseio por mais prazer. – Vem... vamos tomar um banho... – peguei-a no colo. Tive que encher a banheira porque ela não se agüentava em pé. Meu pau ainda duro, querendo gozar. Quando eu estava com Niki no colo para irmos dormir em seu quarto, já que minha cama estava inteiramente encharcada, vi uma pequena peça brilhante no chão. Era um cartão de memória, Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 65 -


embrulhado numa camisinha. Então esse era o tal presente... Deitei minha cachorrinha ao meu lado. Ela olhava para mim e sorria, toda mole. Peguei um laptop e inseri o cartão para ver o que me aguardava e logo senti as mãos de Niki acariciando meu membro rijo. – O senhor ainda não gozou... – Eram as regras do seu jogo – olhei para ela, que alargou o sorriso. – Se fosse para seguir as regras tinha que ter me comido inteira... – Eu as mudei um pouquinho. – Você é mau, mestre... – apertou forte meu pau. – Você me provocou, cachorrinha. – Você provoca a gente todos os dias... – Eu as faço gozar todos os dias. – A gente também... – começou a me masturbar. – Vocês são minhas cachorrinhas. – Quando o senhor vai comer meu rabinho?.. – Quando você for uma boa garota. – Eu acho que boas garotas não dão o rabinho... – se levantou, deitando em meu peito, ainda com meu pau duro em mãos. – Mas eu posso ser uma boa cachorrinha... – Você pode. Abri o arquivo no cartão, tinham alguns vídeos salvos nele. Executei um aleatório. Na tela apareceram Niki e Nicole, nuas, explorando os corpos uma da outra. Gozei na hora.

VINTE SEGUNDOS Para o fim de semana seguinte minha agenda reserva algumas reuniões com pessoas importantes. E como todas as reuniões são acompanhadas de almoços ou jantares, eu precisava estar bem acompanhado.

Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 66 -


Comprei roupas e jóias novas para Cailean e em poucas horas estávamos dentro do jatinho da empresa. Ao sairmos de casa não teve como não notar os olhares levemente invejosos das outras três. Embora eu não possa afirmar se foram por causa dos presentes que minha cachorrinha tinha ganhado, ou porque ela seria a primeira a viajar comigo. Nossa primeira parada foi na Alemanha, perdidos num resort numa cidade pequena. Era um local escondido, centrado em um vale e encimado por montanhas e arvores. Nunca entendi o porque de marcarem reuniões e encontros importantes em lugares tão abastados, eles de nada contribuem para a conclusão de contratos. No entanto, não posso negar que me seria um fim de semana bem divertido. Sou um amante da privacidade, ainda que vocês possam duvidar, e como de praxe, escolhi o quarto mais recolhido que estava disponível. Apesar de ser fora de mão e levarmos quinze minutos para voltar às partes principais, tem lá suas vantagens. – O que me diz, Cailean? – ela estava boquiaberta. Não sabia se olhava para a jakuzzi em um lado, para a cachoeira que invadia o quarto pelo outro, para a pequena e eficiente cozinha, para a cama gigantesca, para... bem, vocês entenderam. – Nossa, mestre... que lugar é esse? – Não sei o nome, deve ter um panfleto por aí. Mas então, o que você achou? – perguntei enquanto a abraçava por trás, envolvendo sua barriguinha. – É maravilhoso – ela se soltou, saindo para a sacada, que na verdade se estendia como um píer. Metade do quarto havia sido construído sobre o enorme lago que cercava o resort. – Por quanto tempo vamos ficar?! – ela gritou lá de fora. Não me dei ao trabalho de responder, ao invés disso fui pegar uma mala que tinha enviado no dia anterior e comecei a desfazê-la. O interfone tocou perguntando se precisávamos de algo, o que neguei prontamente. Tudo o que eu queria para os dias seguintes estava bem ali comigo. Quando minha cachorrinha voltou para dentro sugeri que fosse tomar um banho enquanto eu lia o itinerário. Tínhamos ainda quatro horas antes das reuniões começarem. Eu precisava reler uns papeis e escrever discursos de emergência, mas antes, fui preparar dois drinks de frutas. Cailean demorou um bom tempo no banheiro, me perguntava o que ela tinha encontrado para se entreter tanto. Eu estava sentado numa das enormes poltronas, apenas com um calção fino, quando ela saiu. Elegante como sempre, os cabelos molhados caindo sobre o rosto e os seios avantajados dançando sensualmente acompanhando seus passos. Vestia um dos robes brancos da pousada, grosso, de algodão, deliciosamente agarrado em suas curvas repletas de perdição. Minha cachorrinha procurou-me pelo quarto e quando me encontrou, fixou os olhos nos meus. Ainda que não pudesse ver, senti seu sorriso malicioso enquanto ela acertava os passos em minha direção. Algum brilho novo tomava conta de seus olhos verdes e propositalmente ela não piscava... apenas encarava-me e me imergia em uma disritmia contida, exalando tesão. Aproximou-se de mim tão rápido que senti seu perfume arrepiar meu corpo enquanto chacoalhava meus cabelos. Delicadamente arrumou as pastas ao meu lado e tomou os papeis que eu tinha em Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 67 -


mãos. Notando a taça apoiada ao meu lado, deu um gole modesto, apenas para umedecer os lábios. Apoiou-se delicadamente em minhas pernas e subiu em meu colo, sentando-se exatamente em cima de meu pau. Tocou meus ombros e seguiu arranhando a extensão de meus braços, forçando-me a esticá-los. Beijou-me. Um beijo leve, com gosto de pêssego. Sua boca fria envolveu a minha para depois molestar meus lábios numa mordida carinhosa. A ponta da língua abriu caminho aquecendo a minha com seu hálito quase vulgar. E na mesma sutileza com que chegou, afastou-se de mim. Pondo-se em pé a minha frente, desafiando meu olhar. – No que você está pensando, cachorrinha? – me arrisquei em perguntar. Ela limitou-se a continuar me encarando por um tempo, irredutível. Olhar fixo no meu. – Eu só sinto que... eu não estava mostrando a você... bastante apreciação, eu quero que você saiba... o quanto eu adoro você, mestre – levou as mãos macias para a faixa que amarrava seu robe, desenlaçando-o e deixando-o cair. Ela estava linda, usando um corpete negro detalhado em vermelho sangue com meias 7/8 nas mesmas cores, realçando com muito glamour suas pernas torneadas. Só então percebi que ela estava de salto alto, depois, subindo com o olhar, quase despi sua cinta liga para vislumbrar a minúscula calcinha que escondia sua xotinha inchada. Lentamente, desfilando perante meu olhar sedento, minha cachorrinha foi até o radio colocar uma musica. Mas eu tinha a impressão de ter ficado surdo, toda a minha atenção era voltada para o seu rebolar, o balanço sincronizado e perfeito de seu corpo lindo. Cailean voltou, estacando na minha frente. Quando fiz menção de me levantar ela me empurrou de volta para o sofá. Arqueada em minha direção, tentei roubar-lhe um beijo, mas ela desviou a face com um sorriso no rosto. Deslizava as mãos pelo meu corpo e depois recompôs a postura, jogando os cabelos loiros e molhados para trás. Ainda sustentando meu olhar, começou a rebolar devagar, quase sem mover os quadris. Deixava-se levar pela musica aos poucos, erguendo os braços e tocando as mãos sobre a cabeça. Ainda com um deles esticado, descia com o outro percorrendo a lateral do corpo e fazendo uma breve pausa sobre o seio, para apertá-lo um pouco, depois voltava a deslizar a mão até onde alcançava. E arqueava o tronco, empinando deliciosamente seu bumbum redondo. Dobrou as pernas e num único lance voltou a ficar ereta ondulando o corpo todo. Voltou a procurar meus olhos, mas eles estavam perdidos nas curvas alucinantes que a cintura descrevia com seu abdômen. Cailean avançou dois passos quase se colando em mim. A cada movimento ousado de seus braços e cabelos em minha direção, mais do seu perfume impregnava minhas narinas me enchendo de tesão. Ela dançava provocantemente, às vezes me tocando, às vezes recuando para evitar meu toque. Ia e vinha num ritmo sedutor, rebolando gostoso. Virando-se de costas, esticou-se toda em direção ao chão de pernas eretas, deixando seu rabinho todo desprotegido se não fosse a minúscula calcinha encoberta pela cinta-liga. E quando ela fez isso, pude ver de leve uma mancha mais escura em sua calcinha, denunciando sua excitação. Insinuei-me em ir para frente e tocar seu bumbum, mas como eu previa, ela se afastou de forma Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 68 -


cadenciada, voltando a dançar procurando meus olhos. Mais uma vez ela veio até mim, escorando o peso no encosto do sofá e aproximando seus generosos seios do meu rosto. Chegou a poucos centímetros, como se fosse me matar com seus mamilos enrijecidos, e depois desceu o corpo, descrevendo uma trilha em meu peito com seu hálito quente. Chegando em meu membro duro, apertou-o com os peitos soltando seu peso em mim. Vi seu sorriso alargando quando sentiu a rigidez em que eu estava. Rapidamente ela levou as mãos para meu calção, despindo-me. E tomou muito cuidado para fazer isso sem encostar-se a meu pênis que já cuspia um prenuncio de gozo. Minha cachorrinha me deixou ali sentado, nu, e retomou sua dança. Movimentos treinados e improvisados, ondulando os quadris, empinando o bumbum. Serrilhando os olhos e lambendo os lábios maliciosamente, acariciando o próprio corpo, bagunçando o cabelo. E me encarando, seduzindo-me sem saber que eu já estava entregue. Não me agüentando mais, me levantei e segui em sua direção. Quando estava bem próximo ela virou-se de costas, erguendo na beira do impossível seu rabinho redondo, e sem hesitar encaixei meu pau duro nele. Ela rebolava e eu acompanhava, melando toda sua calcinha que já estava quase ensopada. Acariciava sua barriguinha e sentia o toque áspero do espartilho. Quando subi as mãos para os seios também escondidos, senti os mamilos ameaçando furar o tecido negro. E minha cachorrinha continuava a dançar, erguendo os braços, convidando meu toque. Joguei seus cabelos úmidos para o lado e ensaiei um beijo no pescoço nu, senti-a arrepiar. Mordisquei a orelha e ela agarrou meus cabelos enquanto eu descia uma das mãos em direção a sua grutinha inchada. E nós rebolávamos, vidrados nos corpos um do outro. Ela virou um pouco o rosto, até onde eu quase pudesse beijá-la, mas negou meu desejo. Em vez disso prensou ainda mais seu quadril contra o meu, masturbando meu mastro com o bumbum. Após alguns minutos nessa dança de corpos colados, virei Cailean de frente e beijei-a com fervor. Explorava sua boca o máximo que podia, num beijo molhado e cheio de tesão. Ela correspondia, apertando minha bunda, agarrando meu pau. Enquanto nossas línguas se digladiavam ela me batia uma punheta sofrida, não duvido que estava sentindo mais tesão que eu em ter meu membro duro pulsando em sua mão. E o mesmo fazia eu, agarrando sua xotinha por trás e dedilhando tanto o grelo escondido quanto o cuzinho. Alternava a invasão de meus dedos com alguns tapas no bumbum, fazendo minha cachorrinha gemer, e lentamente conduzi-a para o sofá. Ainda ao ritmo harmonioso da musica, Cailean acariciava meu pau com sua mão habilidosa. E ante protestos, forcei-a a virar-se e ficar de costas para mim, para depois sentar-me no sofá ficando cara-a-cara com sua bundinha convidativa. Apalpei as duas bandas do rabinho de uma só vez, enchendo minhas mãos e apertando forte, sentindo ela se contrair e arrepiar. Depois massageei de leve com movimentos circulares e então desci para as coxas grossas. Deslizava minhas mãos para cima e para baixo, sentindo o tecido da meia 7/8 e as amarras que as prendia à cinta-liga. Até que voltava para o rabinho e apertava de novo, e ela se empinava toda, rebolando os quadris de leve. Esquecendo da musica, vidrado nos gemidos contidos de minha cachorrinha, baixei sua calcinha lentamente revelando aos poucos a grutinha encharcada de tesão.

Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 69 -


Ordenei que afastasse um pouco as pernas e com uma mão forcei suas costas, fazendo com que ela se inclinasse para frente. Avancei certeiro com minha língua em direção ao risco úmido que escorria pelo pouco de coxa exposta. Sorvi todo o mel furtivo que tentava fugir e aproveitei para mordiscar a polpa durinha de seu bumbum, arrancando gemidos tesudos de minha cachorrinha. Ela levantava o rabinho o máximo que a posição permitia, e com os braços para trás, abria-se toda me convidando a saborear o mel direto da fonte. Sem regalias, caí de boca, penetrando sua xotinha encharcada até onde minha língua alcançava. Abracei seu corpo esbelto levando uma das mãos para cima até segurar firme em seu seio que pegava fogo. Com o outro braço, envolvi suas pernas para alcançar o grelinho pelo outro lado. E assim eu ia chupando minha cachorrinha enquanto masturbava deliciosamente o grelinho inchado ditando seus gemidos. E a cada pulo que eu sentia seu peito dar acompanhando o coração acelerado, meu pênis pulsava em resposta, doendo minhas bolas. Não agüentando mais a tortura comigo mesmo, levantei-me e passei a pincelar meu pau duro feito pedra na xotinha inchada da minha cachorrinha. Cailean me olhou sorrindo, a face vermelha e ofegante. – Me come, mestre... – rebolava a bucetinha. – Fode sua cachorrinha... Calmamente, introduzi a cabeça em minha cachorrinha sendo prontamente recepcionado por seu interior fervente. Fiquei ali parado beijando o pescocinho e acariciando a cintura, sem explorar nem um centímetro a mais da sua grutinha. – Ain... por favor, mestre... me fode! – Cailean empinava mais o rabo tentando me engolir. – Sabe o que me dá mais tesão nesse seu corpo lindo, cachorrinha? – perguntei colado em seu ouvido acompanhando o rebolar com as mãos nos quadris largos. – O quee? – jogava o rabinho para trás, mas eu recuava com seu movimento. Subi minhas mãos passando pela barriguinha seca até encontrar os seios generosos e os apertei, transbordando entre meus dedos. – O que me dá mais tesão no seu corpo são esses lindos seios, cachorrinha... que tal tirarmos esse espartilho pra eu senti-los melhor? Mais que depressa, Cailean levou as mãos para trás para desfazer as amarras que o prendiam em si. Mas eu a detive. – Pode deixar que eu faço isso... Desamarrei os laços e comecei a puxar as tiras pelos fechos. Cadenciado, eu ia penetrando-a conforme puxava, de forma que quando a tira se soltava eu havia penetrado-a inteira, envolto em gemidos de puro tesão. Depois eu repetia a manobra, dessa vez retirando meu pau de sua xotinha. Cada movimento levava cerca de vinte segundos para se completar. Vinte até que meu mastro a penetrasse toda, da cabeça brilhante até as bolas inchadas. E mais vinte para que ele se retirasse.

Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 70 -


– Mestree... mais rápido..! – Eu não quero te machucar, cachorrinha. – O senhor não vai... mete mais forte... ain... – Mas ta tão gostoso assim, cachorrinha. – estaquei os movimentos para abraçá-la, mordendo a orelha e envolvendo suas mãos com as minhas. Conduzi seus dedos até o grelinho vermelho. – Vê como ele ta inchado?.. latejando?.. Não precisa mentir pra mim, cachorrinha, eu sei que você está gostando. Completei a penetração na mesma velocidade de antes. – Ta vendo como ele responde a cada centímetro do meu pau? Quando eu tiro, ele se contrai em protesto... – iniciei o movimento de volta contando baixinho. – Um... –Dois... – Três... – Quatro... – Cinco... – Seis... – Sete... – Oito... – Nove... –Dez... – Onze... –Doze... – Treze... – Quatorze... – Quinze... –Dezesseis... –Dezessete... Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 71 -


–Dezoito... –Dezenove... – Vinte... – Contou comigo, cachorrinha? Foram vinte contrações, tentando me puxar de volta... – apertei seu grelinho, ela quase gozou. – Você quer que meu pau volte pra dentro? – Eu q-quero... por favor, mestre... me fode..! Voltei a penetrá-la, ainda abraçado, deliciado. – Um... –Dois... – Três... – Quatro... – Cinco... – Seis... – Sete... – Oito... – Nove... –Dez... – Onze... –Doze... – Treze... – Quatorze... – Quinze... –Dezesseis... –Dezessete... Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 72 -


–Dezoito... –Dezenove... – Vinte... – senti minhas bolas tocarem suas coxas.. – Agora ele pulou mais vinte vezes... de felicidade... Contou comigo, cachorrinha? – Mhmm... contei, mestre... mas me fode, por favor, não to agüentando! Soltei seu corpo e voltei a desamarrar o espartilho, soltando as tiras uma amarra por vez, sem pressa. Assistindo Cailean tremer de tesão, as pernas quase cedendo. –Dessa vez, conta pra mim, cachorrinha. – Um, dois, três... – sua voz saída tremida, diminuindo de tom a cada milímetro. – quatro... cinco... ... ... – Se você parar de contar eu terei que parar de desamarrar... você não quer que eu te foda, cachorrinha? – Quero, mestre... por favor, me fode..! – Então termine de contar pra gente poder tirar logo esse espartilho... eu só vou te comer depois de chupar esses peitos lindos... Com dificuldade, ela conseguiu chegar no vinte. Por duas vezes tentou acelerar a contagem para terminar mais rápido, mas eu a punia retirando meu pau e amarrando a tira de volta. Até que por fim ela conseguiu me sentir preenchendo-a por inteiro, enquanto eu escorava seu corpo que ameaçava a ceder. Suas pernas trêmulas pareciam que não iam sustentá-la por muito mais tempo. Foram mais três tentativas até que ela conseguisse completar a contagem para a próxima tira. Então voltei a penetrá-la e a contar, eu também não ia agüentar essa tortura por muito mais tempo. – Um... dois... três... quatro... – Cailean gemia sem ritmo, ofegante. – Sabe quantas tiras ainda faltam, cachorrinha? – Aiin... q-quantas? – Trinta e duas. Ela gozou, rendendo-se. Só por imaginar por quanto tempo mais a tortura iria se prolongar. Imediatamente dei um tapa forte em seu rabo e retirei meu pau. Ela sentou no chão em espasmos. – Não me lembro de ter dito que você podia gozar, cachorrinha – ela não respondeu, provavelmente mesmo que quisesse não conseguiria pelo transe pós gozo. – Vamos, levanta! Vai tomar um banho Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 73 -


que a reunião é em algumas horas.

NA MENTE DE ALICE E agora, o que eu faço? Esse Victor é um tarado mesmo, onde já se viu ‘contratar’ quatro mulheres só pra fazerem sexo com ele quando ele quiser? E ainda ele ta pagando uma nota! Só acreditei depois que vi na minha conta... deve ter problema. Filhinho de papai. O pior de tudo é ter que agüentar ele me chamando de ‘cachorrinha’, rsrs, cachorrinha é o p*** dele. Ainda não sei como eu aceitei isso, devo estar louca também. Pelo menos não sou a única, tem aquelas três ainda. Já até imagino, esse pervertido pedindo pra gente se tocar e se beijar na frente dele. Tá... tudo bem que ontem ele me fez gozar igual uma louca... Mas que porra ele quer dizer com ficar sexy vinte e quatro horas por dia? Eu to indo é dormir, diacho! Tenho lá tempo de ficar escolhendo roupa pra dormir? E pensando se ele vai gostar ou não? Que seja, vou vestir esse baby doll mesmo, é gostosinho. E agora preciso dum copo d’água. É mesmo, sobre ontem, me deixa contar: –-------------Era de manhazinha, eu tava deitada numa das cadeiras de sol ao lado da piscina, pra pegar uma cor. Ninguém merece ser transparente de branca né... E já que meu ‘mestre’ é um tarado mesmo, aproveitei e tinha comprado alguns biquínis no estilo brasileiro, daqueles que ficam bem enfiadinhos no rabo. Ouvi dizer que faz o maior sucesso por lá. Enquanto eu estava la deitada de bruços, com meus óculos, ficava imaginando se ele me espiava de algum lugar. Sabia que a Niki tava vendo algum programa na tv, impressionante como ela é alienada. E a Cailean era uma nerd, lia o dia inteiro. A Nicole já era das minhas, saideira, provocante. Adora tirar onda com o Victor, andando pelada pela casa e pegando no pau dele toda hora. Mas quem saiu pegando em tudo nesse dia foi ele próprio. – Bom dia, Alice – escutei-o vindo em minha direção. – Bom dia, mestre – eu estava com o rosto virado para o outro lado, mas imaginava ele chegando de pinto duro apertando a cueca, enquanto olhava pra minha bunda. – Sabe... – sentou-se na cadeira ao meu lado. – eu estava mesmo querendo ficar um pouco a sós com você. – Verdade, mestre? – me virei para encará-lo. Tenho que admitir que o Victor é bem bonito. Corpo sarado, típico rato de academia, mas sem exagero. Aquele cabelo bagunçado que pra qualquer lado fica igual, acho que ele nem penteia. Tava Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 74 -


sem camisa, barriga seca cheia de quadrados e os peitos fortes. Deve me matar com um soco. E depois, quando desci o olhar, vi o volume dentro do short. De vez em quando dava uma pulsadinha, e eu já sentia meus pelos eriçando. – Eu reparei outro dia, quando tava provocando vocês com a Nicole... – ele começou, sem deixar de comer minha bunda com os olhos. – Você era a que estava menos ofegante. – E isso é ruim, mestre? – Não sei, me diz você, Alice – ele subiu o olhar de encontro ao meu, me encarando por trás dos óculos escuros. – Você estava assim porque estava incomodada, a lição não te agradou? Ou gosta de se fazer de difícil? Por quê? – Não é isso, mestre... é que eu não tenho tesão em outras mulheres... e mesmo parecendo que o senhor estava matando ela de prazer, não era eu – ele me olhava serio, acho que não tinha gostado da minha resposta. – Não consigo me excitar muito pensando em outras mulheres. Seguiu um silêncio meio angustiante. O Victor ficou me fitando um bom tempo, sádico como ele é provavelmente pensava numa forma de me castigar por não tê-lo agradado. E a forma dele nos encarar olho no olho... parece que ele realmente enxerga o que se passa no nosso intimo, e teima em agir em desacordo. – Quer dizer... que você preferiria que fosse com você, Alice? – Ahn... – essa pergunta tinha me pego de surpresa, não sabia o que responder. – Sim, mestre... eu acho... Mal consegui terminar de pensar e ele já estava em cima de mim, podia sentir sua respiração em meu rosto. Sentia o calor do seu corpo acariciando o meu, mas não me tocava. Apoiado nas laterais da cadeira de sol continuava a me secar o fundo dos olhos. – Apesar de vocês estarem aqui para satisfazer o meu prazer... – ele falou com sua voz grossa de tal forma que se fazia macia. – Não vejo problema nenhum em saciar as suas vontades de vez em quando... – Mas... eu... – Não consegui nem formar as palavras, ele sugou meus lábios invadindo minha boca com sua língua quente. Sem escolha, fui cedendo a sua insistência, sentindo meu corpo relaxar pouco a pouco. Passei a empurrar a língua dele com a minha, e logo nós iniciamos uma dança gostosa entre nossos lábios.

Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 75 -


Ele estava muito guloso como sempre, sugando todo o ar que eu tinha nos pulmões, me chamando para respirar o dele. Um beijo molhado, devagar, mas intenso. Com muito tesão. E sentir o corpo dele tão próximo ao meu sem me tocar estava mexendo comigo. Eu precisava senti-lo. Levantei meus braços para agarrar sua nuca, mas ele os segurou e empurrou de volta. Quando me sentiu tentar dobrar a perna para tocar sua coxa, esquivou-se para o lado e agarrou meus cabelos, me beijando com ainda mais vontade. Eu queria reagir, jogar ele para o lado e furar suas costas com as minhas unhas, contudo, isso é tudo muito novo para mim, não sei ainda como lidar. E se ele ficasse mais bravo?.. ou melhor, ele estava mesmo bravo? Enquanto tentava me decidir, sentia a boca do Victor se afastando, fugindo. E eu ia atrás, ele me negava o toque, o que me deixava cada vez mais sedenta pelo beijo. E sem perceber estava sentada, as pernas dobradas para fora da cadeira. Minha nuca tomada pela mão grande e forte, que ele usava para controlar o beijo. Meus braços confusos, o coração acelerando sem parar. – Já que você não se divertiu da outra vez... – ouvi-o sussurrar em meu ouvido. – Que tal se agora eu te fizer gozar como uma louca? Não consegui responder, e acho que ele também já sabia a resposta. Puxou-me pelo braço e em segundos inverteu nossas posições, sentando-se exatamente onde eu estava instantes atrás. Depois me puxou novamente, me fazendo cair sentada em seu colo. Dando a mim o toque que tanto queria e que pedia. Mas safado como ele é, não durou muito. Com apenas uma das mãos prendeu meus pulsos e os segurou atrás de minhas costas, forçando para baixo. Fui obrigada a curvar o corpo para trás, empinando meus seios e sentindo-os serem castigados pelo biquíni que molestava meus mamilos rijos. Ele sentado de pernas abertas, e eu com as minhas mais abertas ainda, em seu colo. Inclinada e com os seios arrebitados, sentia ele me secar vorazmente, percorrendo toda a extensão de meu corpo com seus olhos tarados. E só podia sentir, pois o sol em meu rosto obrigava-me a ficar de olhos fechados... e como dizem, a privação de um sentido aguça os outros demasiadamente. Suavemente uma brisa fresca começou a caminhar pelo meu corpo. Acariciava meu pescoço, esvoaçando meus cabelos. Depois eu notava-a tocar toda a extensão dos meus braços e circular minha barriga, procurando uma brecha para se insinuar entre meus peitos, me arrepiando inteira. Eriçava os pêlos das minhas coxas e descia, entrando no meio de minhas pernas, gelando meu reguinho já molhado, forçando minha bucetinha e meu cuzinho piscarem... me mostrando o quanto, naquele momento, eu estava vulnerável. E o quanto isso me dava tesão. Notando o prazer que eu estava sentindo, e de alguma forma adivinhando meus pensamentos, Victor aproximou-se de meu pescoço e soprou de leve, bem abaixo da orelha. Não resisti, soltei um gemido bem gostoso, uma descarga de prazer desceu até a ponta dos meus pés. Senti um calafrio forte. Comigo boquiaberta, ele mordeu minha orelha, depois desceu beijando meu pescoço quase até chegar em meus ombros. A posição, meio incomoda, fazia meu rabinho piscar incontrolavelmente contra minha vontade. E por estar de olhos fechados, sentindo o vento gelado invadi-lo sempre que Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 76 -


relaxava, as contrações me deixavam alucinada. Era como se tivesse um pau ali, fino e comprido, penetrando-me tão profundamente que eu podia senti-lo forçar meu peito. Recusava-me a admitir que a palpitação fosse meu coração entregue aos desejos sórdidos desse homem... ou seriam os meus? Fui despertada de meus delírios quando o senti puxar bruscamente a parte de cima do meu biquíni, partindo-o em dois. Desgraçado, ele me paga, eu gostava tanto daquele biquíni!.. Mas na hora eu não pensei nisso, a brisa suave batendo diretamente nos meus mamilos tinha me causado uma nova onda indescritível de prazer. Um toque tão delicado, leve, refrescante... Com a mão livre, o Victor usou a ponta dos dedos para tocar meu braço, deslizando eles dos meus ombros bem lentamente, até meu cotovelo. Depois subia de volta. Eu sentia minha pele queimar por onde ele tocava. Então ele voltou a soprar meu pescoço, dessa vez descendo para meu colo, me provocando bem entre meus seios. A sensação é quase indescritível, meus mamilos pegavam fogo, queimando em puro prazer... enquanto o resto dos meus peitos estavam tão gelados quanto a brisa que os castigava, a penugem toda em pé, em júbilo. Novamente arrancada de meus delírios, senti Victor morder meu queixo. Por reflexo, baixei a cabeça procurando sua boca, ainda de olhos fechados. Mas ele me negou e mordeu meu lábio, puxando para ele. Eu estava com a boca meio aberta, a língua confusa, querendo sair e sabendo que não iria encontrar a dele. Então ele forçou novamente meus braços para trás, esticando meu lábio preso delicadamente entre seus dentes, fazendo-os estalar de leve quando se soltaram. Sua mão rápida já tocava minha coxa esquerda, queimando minha pele, fazendo-a latejar. Ele me fez um carinho gostoso, deslizando a palma e os dedos por toda a minha perna, beliscando atrás do joelho e apertando minha panturrilha. Depois, sem deixar de me tocar, dirigiu sua mão até meu bumbum, que estava suspenso no meio de suas pernas. Ele apertou forte, enchendo sua mão grande, fazendome soltar um gemido comprido e tesudo. Meu rabinho piscava, pedindo por um pedaço de carne para mastigar. Eu já estava louca, alucinada. Perguntava-me se era assim que Nicole tinha se sentido quando ele a estava provocando. E nesse mesmo momento prometi pra minha buceta que se ele parasse na metade eu o amarraria e o estupraria ali mesmo. E foi pensando nisso que soltei meu terceiro grito surdo de prazer. Ele tinha abocanhado meu seio, chupando forte. Empinei o peito com toda a dedicação que pude encontrar, oferecendo despudoradamente meu mamilo inchado, querendo furar sua língua por me torturar desse jeito. Ele entendeu o recado e lambia meu biquinho bem gostoso. Apertava ele com os dentes e fazia uma pressãozinha que me deixava alucinada, depois ainda com ele preso surrava com a língua, mexendo para um lado e para o outro. Eu gemia e me contorcia. Ainda me mamando com gula, ele segurou firme na minha bunda e me puxou com tudo até ele. Colou nossos quadris e me ajeitou até encaixar seu pau duro na cueca na minha buceta ensopada dentro do biquíni. Eu já não podia mais sentir o vento molestar minha xaninha, em contra-partida, estava enlouquecendo sentindo ela ser martelada pelo seu pau que pulsava tão rápido quanto as batidas no meu peito. Eu tentava rebolar, meu rabo ainda piscando incansavelmente, mas ele segurava meu bumbum detendo meus movimentos. Soltou meu seio para mamar do outro. E quando senti a brisa fria congelar meu mamilo que estava todo babado, fui a loucura. Não sei o que aconteceu, enquanto ele mamava no outro peito, eu sentia meu mamilo latejar de tal forma que parecia que iria saltar para fora. Gozei na mesma hora. Lembro que tentei gritar, libertar todo o tesão que estava contendo, mas saiu aquele uivo surdo, orgásmico. Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 77 -


Quando ele percebeu que eu estava gozando, invadiu meu biquíni com os dedos e enterrou um deles no meu cuzinho. Arregalei os olhos. Com uma força que não sei de onde veio me desvencilhei de sua mão que prendia meus pulsos e agarrei seus cabelos, forçando ainda mais sua cabeça de encontro ao meu seio. Rebolava desesperadamente em seu dedo, sentindo o pênis latejando em minha xota, castigando meu clitóris. Fazendo-me gozar... de novo e de novo. E de novo. Não sei quantas vezes gozei. Lembro dos meus olhos vacilarem, tudo o que sentia eram meus mamilos que latejavam, queimando em gloria... meu rabo preenchido, devorando o invasor... e minha bucetinha contraindo, piscando, urrando em delírio. Um orgasmo maravilhoso. Egoísta, totalmente egocêntrico. Mas maravilhoso. Quando abri os olhos senti algo melado em minha bochecha. Recuperando o foco, notei que estava deitada, o Victor por cima de mim, batendo em meu rosto com seu pau grosso e brilhante. – Eu sei que você ainda não está satisfeita. Eu não estava.

SIMPLES. ENTREGUE. Levantei a saia de Cailean até sentir seu bumbum durinho preencher completamente minha mão tarada. Apertei forte e notei que ela se esforçou para não pular de surpresa. O encontro já havia se iniciado tinha algumas horas, foram varias apresentações e cumprimentos, revendo velhos parceiros de negócios e firmando novas alianças. Tudo isso com minha cachorrinha a meu lado, como minha parceira. Se minha abordagem não fosse eficiente, ela seduzia o alvo. Quando éramos interrompidos por concorrentes ela prontamente desviava os assuntos. Tudo com muita classe... com muito tesão. Ela trajava um vestido liso até pouco antes da metade das coxas, cor ameixa escuro. A cintura marcada por uma faixa negra que descia trinta centímetros pela lateral do corpo. Saltos sempre altíssimos, deixando-a maior que eu. Os cabelos num penteado que não sei descrever, meio soltos meio presos, jogados para frente e para trás. No momento estávamos mais afastados no salão, observando o movimento. Uma taça de vinho cada um. Sinalizando discretamente, minha cachorrinha deu um ultimo gole, e abandonando a taça sobre uma mesa dirigiu-se ao banheiro. Sumindo por trás da porta para ressurgir minutos depois. Vindo em minha direção. Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 78 -


Beijou-me no rosto enlaçando meu corpo: – Esse foi o quarto... – Vira esse rabo pra mim. – Mas mestre, já estamos atrasados. – Anda logo. Cailean virou-se erguendo a barra do vestido acima dos quadris, forcei seu ombro e ela debruçou-se ante a mesa. Com uma mão separei as bandas de sua bundinha e com a outra introduzi nela um plug anal. Minha cachorrinha se retraiu de susto ao sentir o pequeno aparelhinho gelado invadir seu rabo, mas não protestou. E com um comando do controle, o plug começou a vibrar. – Vamos ter uma brincadeira muito gostosa essa noite, cachorrinha – falei grudado ao seu ouvido. – Esse pluging que coloquei em você tem autonomia para quatro horas, que vai provavelmente coincidir com o termino do encontro. Cailean estava estática, ouvindo minhas palavras. E de leve, eu já a sentia começando a rebolar. Então esticando o braço agarrei outro brinquedinho, que coloquei frente a seus olhos. – Esse aqui é um vibrador especial, comprei especialmente para você, cachorrinha. Dá pra ver que não é grande, contudo, acho que você está vendo que ele tem uns furinhos bem pequenos. Assim que eu colocá-lo em você eles começarão a agir, sorvendo todo o mel que você produzir com essa sua grutinha pervertida. Dito isso, voltei com minha mão para o meio de suas pernas e introduzi o vibrador. Afastei-me permitindo que minha cachorrinha se arrumasse, alisando o vestido de volta para baixo e ajeitando os seios que se insinuavam saltar. E quando me encarou, continuei com o discurso. – O nosso jogo será o seguinte. Você ficará com esses brinquedinhos ai com você durante todo o encontro. E isso é perigoso, porque se você ceder ao tesão todos os meus negócios estarão arruinados. E isso inclui nossa linda relação... Colei meu corpo no seu, olhando em seus olhos. – Eu sei que essa situação não é das mais confortáveis, e tenho certeza que você terá a sensação de que todos estarão olhando para você o tempo todo. E sabe de uma coisa?.. Eles estarão mesmo, porque você é a mulher mais linda de todo esse lugar. Disse essa ultima frase enquanto subia minhas mãos pelo seu corpo, acariciando a barriguinha lisa e contando as costelas que retinham meus dedos. Até que agarrei os seios macios, sem soutien. – E vai ser um problema se você ficar excitada e se exibindo desse jeito o tempo todo – falei apertando os mamilos de volta para dentro, estavam quase trespassando o tecido fino do vestido. Cailean ficou vermelha, difícil dizer se por vergonha ou excitação, mas rubra feito uma rosa. Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 79 -


– Eventualmente, seu vibrador vai ficar encharcado, e não queremos que seu mel comece a escorrer por entre suas pernas. Então você naturalmente irá ao banheiro para trocá-lo por outro. Cada um que você encher representará uma hora de tortura. E é aqui que entra a diversão, que dependerá exclusivamente de você. – Se os brinquedinhos encharcados estiverem em numero ímpar, eu vou te torturar pela quantidade de horas correspondentes. Entretanto, se eles vieram em numero par... eu vou deixar que você me torture como bem entender... Mas é claro que, dependendo de como você se sair me ajudando com os acordos, as regras podem mudar. Apertei novamente seus seios, quase furando minhas mãos. Discretamente ergui uma de minhas mãos até o rabo empinado de minha cachorrinha, invadindo com um dedo por entre as bandas de sua bundinha macia. Certifiquei-me de que ela realmente havia introduzido um novo vibrador dentro de si, e quando o senti, beijei-a de leve na altura do pescoço. – Não tem mais ninguém que o senhor precise conversar? – perguntou puxando minha mão para baixo e enlaçando-a como o casal que nos passávamos a ser. Puxei-a para mim colando nossos corpos, segurando firme em sua cintura. Eu não estava acostumado a sair com garotas mais altas, mas a experiência se provava bem interessante. Ergui de leve minha cabeça para poder olha-lhe nos olhos. – Porque, cachorrinha... está querendo se exibir um pouco mais? Gostou de seduzir esses velhos tarados enquanto tem dois brinquedinhos te maltratando o tempo todo? – Na verdade eu quero saber se já podemos ir embora, mestre... estou com tanto tesão... Dito isso, ouvimos o anfitrião do evento chamar nossa atenção para fazer seu discurso de encerramento. Coisas como a alegria de nos ter ali e que os acordos estabelecidos possam ser honrados e que sejam prósperos. Antes mesmo que ele terminasse, Cailean puxou-me pela mão em direção a saída. Mal cruzamos a porta, que nos deixava num jardim, embaixo ao céu estrelado, ela me jogou contra a parede. Beijoume com vontade, passando a mão pelo meu pau que começava a dar sinais de vida dentro da calça, e depois pegando uma de minhas mãos e conduziu-a ao seu rabo quente, que apertei forte. – Você ainda vai me causar problemas, cachorrinha... – falei quando ela me deu tempo para respirar, beijando meu pescoço. – O senhor é quem já me deu muito com o que me preocupar essa noite, mestre – respondeu ofegante. – Vamos embora logo, vou te foder tanto que teu pau não vai subir por uma semana. – voltou a me puxar em direção ao chalé. À passos apressados na minha frente pude ver que nem mesmo o vibrador especial que comprei para ela era capaz de combater seu tesão. Conforme contraia uma perna a frente da outra, seu mel começava a transbordar sua gruta e escorrer por entre as coxas, deixando um rastro brilhante por onde passava, fazendo-me salivar. Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 80 -


Demos pouco mais de dez passos e minha cachorrinha virou-se me empurrando para uma das arvores na beira da trilha. Assim que senti minhas costas se chocando contra o tronco da arvore, minha cachorrinha invadiu minha boca com sua língua quente e sedenta. Era um beijo molhado e afobado, conforme ela esfregava seu corpo no meu, entregue pelo tesão, eu sentia seu mel melando minha calça. – Tem certeza de que quer fazer isso aqui? O evento já terminou, logo as pessoas começarão a ir embora... e estamos no caminho. – O senhor me fez ficar em pé com dois vibradores por varias horas – ela alternava as palavras com beijos em meu pescoço e peito enquanto desabotoava meu paletó. – e eu ainda tinha que me controlar para não gozar, senão alguém poderia perceber... Mas o pior era quando eu ficava tão molhada que o vibrador começava a deslizar pra fora... eu não podia nem mesmo contrair minha buceta senão eu perdia a força nas pernas. – Tudo bem cachorrinha – falei virando-a de costas para mim e invadindo seu rego com uma de minhas mãos. – Se você está tão incomodada, eu vou tira-lo para você. De súbito, enfiei o indicador e polegar em sua buceta encharcada e puxei o vibrador para fora. Notei que suas pernas quase cederam quando ela se contraiu de tesão, embora não houvesse gozado ainda. – Está melhor assim cachorrinha?.. – sussurrei com minha boca colada em sua orelha. – Ain mestre... me fode, vai... – gemeu. Alisei seu bumbum redondo e liso para novamente enfiar dois dedos naquela gruta que transbordava excitação. Eu a fodia lentamente com meus dedos, evitando que chegasse ao clímax. Conforme eu a preenchia, podia sentir a vibração do plug em seu rabo. – Quer gozar cachorrinha?.. – Quero mestreee... Cailean se contorcia conforme eu a fodia com meus dedos. Suas pernas fraquejavam pela posição, ela encurvada para frente apoiando-se no tronco de uma das arvores, empinando e rebolando o rabo delicioso. Jogava a cabeça para trás e para os lados, apertava os seios, e gemia... como gemia. A bucetinha apertada mastigando meus dedos, sugando-os para dentro sempre que eu começava a retirá-los. De súbito, ajoelhou-se em minha frente e começou a desabotoar minha calça. Não tive tempo de reagir, no entanto, pude ver seus olhos brilharem ao encarar minha rola dura marcando a cueca. Apressou-se em tira-la para fora e abocanhou vorazmente. Minha cachorrinha engolia todo o meu pau, salivando muito, movendo a língua com destreza enquanto o segurava pela base. Depois o lambia de cima a baixo, não se importando em melar o rosto no processo, apenas deliciando-se. Então, ouvimos murmúrios. As pessoas estavam se aproximando pela trilha bem ao nosso lado, Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 81 -


deixando o evento. Puxei Cailean pelo pulso e conduzi-a até atrás de uma outra árvore, que apesar de ainda estar bem perto do caminho que as pessoas estavam percorrendo, era grossa o suficiente para esconder nossos corpos. Antes mesmo que minha cachorrinha recobrasse o equilíbrio por estar desviando das raízes em salto alto, levantei seu vestido e estoquei forte meu pau em sua bucetinha latejante. – Ahh..! – abafou o grito de susto. Ameaçou cair com o tranco de nossos quadris se chocando, mas escorou-se na arvore à frente como pôde. Segurava-a pelo topo das coxas, puxando-a contra mim, dando mais força e velocidade à minhas estocadas. Podíamos notar o vulto das pessoas ao longo da trilha, e minha cachorrinha se esforçava para gemer o mais baixo possível, mesmo querendo gritar com o prazer que finalmente era lhe dado. Eu mesmo tinha muita dificuldade em me conter, sua buceta encharcada parecia querer derreter meu pau, e eu queria meter nela ainda mais forte, mas quando cedia à vontade, o estalo de nossos corpos era alto demais e algumas pessoas olhavam desconfiadas. Cailean esticava o pescoço para cima e empinava o bumbum com as pernas arqueadas, tentando manter-se em pé ao mesmo que rebolava descompassadamente, delirando. – Era isso que você queria? Hã? – Sim, mestre..! Me fode!.. – Você gosta de ter uma rola dura enfiada nessa buceta? – Siiim! Mete mais... mais forte..! Quando suspeitei que todos já haviam passado por nós em direção à seus chalés, comecei a meter mais rápido, deixando o tesão tomar conta. – Isso! Me come, mestre! – ela também se soltou, quase gritando. Meu pau fazia um som molhado a cada estocada e minhas bolas reluziam o liquido doce que espirrava por entre as pernas de minha cachorrinha. Puxei-a para mim, abraçando-a por trás e apertando forte seus seios. Sentia-os vazando por entre meus dedos, e eu forçava ainda mais minhas mãos, por que queria fazê-la sentir tanta dor quanto o tesão que já sentia. Em resposta ela não reclamou, no entanto, dobrou ainda mais as pernas, fazendo minha rola ir ainda mais fundo em direção à seu ventre. Levou seus braços para cima e agarrou meus cabelos. Gemendo. – Ahh... Ahh... Ahh... – Me diz o que você é – ordenei em seu ouvido.

Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 82 -


– Uma cachorrinha... – ela murmurou sofregamente. – Fala direito! – apertei ainda mais seus seios. Podia imaginá-los roxos no dia seguinte, marcados. – SOU SUA CACHORRA! – gritou. Simples. Entregue. Levantei a saia de Cailean até sentir seu bumbum durinho preencher completamente minha mão tarada. Apertei forte e notei que ela se esforçou para não pular de surpresa. O encontro já havia se iniciado tinha algumas horas, foram varias apresentações e cumprimentos, revendo velhos parceiros de negócios e firmando novas alianças. Tudo isso com minha cachorrinha a meu lado, como minha parceira. Se minha abordagem não fosse eficiente, ela seduzia o alvo. Quando éramos interrompidos por concorrentes ela prontamente desviava os assuntos. Tudo com muita classe... com muito tesão. Ela trajava um vestido liso até pouco antes da metade das coxas, cor ameixa escuro. A cintura marcada por uma faixa negra que descia trinta centímetros pela lateral do corpo. Saltos sempre altíssimos, deixando-a maior que eu. Os cabelos num penteado que não sei descrever, meio soltos meio presos, jogados para frente e para trás. No momento estávamos mais afastados no salão, observando o movimento. Uma taça de vinho cada um. Sinalizando discretamente, minha cachorrinha deu um ultimo gole, e abandonando a taça sobre uma mesa dirigiu-se ao banheiro. Sumindo por trás da porta para ressurgir minutos depois. Vindo em minha direção. Beijou-me no rosto enlaçando meu corpo: – Esse foi o quarto... – Vira esse rabo pra mim. – Mas mestre, já estamos atrasados. – Anda logo. Cailean virou-se erguendo a barra do vestido acima dos quadris, forcei seu ombro e ela debruçou-se ante a mesa. Com uma mão separei as bandas de sua bundinha e com a outra introduzi nela um plug anal. Minha cachorrinha se retraiu de susto ao sentir o pequeno aparelhinho gelado invadir seu rabo, mas não protestou. E com um comando do controle, o plug começou a vibrar. – Vamos ter uma brincadeira muito gostosa essa noite, cachorrinha – falei grudado ao seu ouvido. – Esse pluging que coloquei em você tem autonomia para quatro horas, que vai provavelmente coincidir com o termino do encontro. Cailean estava estática, ouvindo minhas palavras. E de leve, eu já a sentia começando a rebolar. Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 83 -


Então esticando o braço agarrei outro brinquedinho, que coloquei frente a seus olhos. – Esse aqui é um vibrador especial, comprei especialmente para você, cachorrinha. Dá pra ver que não é grande, contudo, acho que você está vendo que ele tem uns furinhos bem pequenos. Assim que eu colocá-lo em você eles começarão a agir, sorvendo todo o mel que você produzir com essa sua grutinha pervertida. Dito isso, voltei com minha mão para o meio de suas pernas e introduzi o vibrador. Afastei-me permitindo que minha cachorrinha se arrumasse, alisando o vestido de volta para baixo e ajeitando os seios que se insinuavam saltar. E quando me encarou, continuei com o discurso. – O nosso jogo será o seguinte. Você ficará com esses brinquedinhos ai com você durante todo o encontro. E isso é perigoso, porque se você ceder ao tesão todos os meus negócios estarão arruinados. E isso inclui nossa linda relação... Colei meu corpo no seu, olhando em seus olhos. – Eu sei que essa situação não é das mais confortáveis, e tenho certeza que você terá a sensação de que todos estarão olhando para você o tempo todo. E sabe de uma coisa?.. Eles estarão mesmo, porque você é a mulher mais linda de todo esse lugar. Disse essa ultima frase enquanto subia minhas mãos pelo seu corpo, acariciando a barriguinha lisa e contando as costelas que retinham meus dedos. Até que agarrei os seios macios, sem soutien. – E vai ser um problema se você ficar excitada e se exibindo desse jeito o tempo todo – falei apertando os mamilos de volta para dentro, estavam quase trespassando o tecido fino do vestido. Cailean ficou vermelha, difícil dizer se por vergonha ou excitação, mas rubra feito uma rosa. – Eventualmente, seu vibrador vai ficar encharcado, e não queremos que seu mel comece a escorrer por entre suas pernas. Então você naturalmente irá ao banheiro para trocá-lo por outro. Cada um que você encher representará uma hora de tortura. E é aqui que entra a diversão, que dependerá exclusivamente de você. – Se os brinquedinhos encharcados estiverem em numero ímpar, eu vou te torturar pela quantidade de horas correspondentes. Entretanto, se eles vieram em numero par... eu vou deixar que você me torture como bem entender... Mas é claro que, dependendo de como você se sair me ajudando com os acordos, as regras podem mudar. Apertei novamente seus seios, quase furando minhas mãos. Discretamente ergui uma de minhas mãos até o rabo empinado de minha cachorrinha, invadindo com um dedo por entre as bandas de sua bundinha macia. Certifiquei-me de que ela realmente havia introduzido um novo vibrador dentro de si, e quando o senti, beijei-a de leve na altura do pescoço. – Não tem mais ninguém que o senhor precise conversar? – perguntou puxando minha mão para baixo e enlaçando-a como o casal que nos passávamos a ser. Puxei-a para mim colando nossos corpos, segurando firme em sua cintura. Eu não estava Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 84 -


acostumado a sair com garotas mais altas, mas a experiência se provava bem interessante. Ergui de leve minha cabeça para poder olha-lhe nos olhos. – Porque, cachorrinha... está querendo se exibir um pouco mais? Gostou de seduzir esses velhos tarados enquanto tem dois brinquedinhos te maltratando o tempo todo? – Na verdade eu quero saber se já podemos ir embora, mestre... estou com tanto tesão... Dito isso, ouvimos o anfitrião do evento chamar nossa atenção para fazer seu discurso de encerramento. Coisas como a alegria de nos ter ali e que os acordos estabelecidos possam ser honrados e que sejam prósperos. Antes mesmo que ele terminasse, Cailean puxou-me pela mão em direção a saída. Mal cruzamos a porta, que nos deixava num jardim, embaixo ao céu estrelado, ela me jogou contra a parede. Beijoume com vontade, passando a mão pelo meu pau que começava a dar sinais de vida dentro da calça, e depois pegando uma de minhas mãos e conduziu-a ao seu rabo quente, que apertei forte. – Você ainda vai me causar problemas, cachorrinha... – falei quando ela me deu tempo para respirar, beijando meu pescoço. – O senhor é quem já me deu muito com o que me preocupar essa noite, mestre – respondeu ofegante. – Vamos embora logo, vou te foder tanto que teu pau não vai subir por uma semana. – voltou a me puxar em direção ao chalé. À passos apressados na minha frente pude ver que nem mesmo o vibrador especial que comprei para ela era capaz de combater seu tesão. Conforme contraia uma perna a frente da outra, seu mel começava a transbordar sua gruta e escorrer por entre as coxas, deixando um rastro brilhante por onde passava, fazendo-me salivar. Demos pouco mais de dez passos e minha cachorrinha virou-se me empurrando para uma das arvores na beira da trilha. Assim que senti minhas costas se chocando contra o tronco da arvore, minha cachorrinha invadiu minha boca com sua língua quente e sedenta. Era um beijo molhado e afobado, conforme ela esfregava seu corpo no meu, entregue pelo tesão, eu sentia seu mel melando minha calça. – Tem certeza de que quer fazer isso aqui? O evento já terminou, logo as pessoas começarão a ir embora... e estamos no caminho. – O senhor me fez ficar em pé com dois vibradores por varias horas – ela alternava as palavras com beijos em meu pescoço e peito enquanto desabotoava meu paletó. – e eu ainda tinha que me controlar para não gozar, senão alguém poderia perceber... Mas o pior era quando eu ficava tão molhada que o vibrador começava a deslizar pra fora... eu não podia nem mesmo contrair minha buceta senão eu perdia a força nas pernas. – Tudo bem cachorrinha – falei virando-a de costas para mim e invadindo seu rego com uma de minhas mãos.

Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 85 -


– Se você está tão incomodada, eu vou tira-lo para você. De súbito, enfiei o indicador e polegar em sua buceta encharcada e puxei o vibrador para fora. Notei que suas pernas quase cederam quando ela se contraiu de tesão, embora não houvesse gozado ainda. – Está melhor assim cachorrinha?.. – sussurrei com minha boca colada em sua orelha. – Ain mestre... me fode, vai... – gemeu. Alisei seu bumbum redondo e liso para novamente enfiar dois dedos naquela gruta que transbordava excitação. Eu a fodia lentamente com meus dedos, evitando que chegasse ao clímax. Conforme eu a preenchia, podia sentir a vibração do plug em seu rabo. – Quer gozar cachorrinha?.. – Quero mestreee... Cailean se contorcia conforme eu a fodia com meus dedos. Suas pernas fraquejavam pela posição, ela encurvada para frente apoiando-se no tronco de uma das arvores, empinando e rebolando o rabo delicioso. Jogava a cabeça para trás e para os lados, apertava os seios, e gemia... como gemia. A bucetinha apertada mastigando meus dedos, sugando-os para dentro sempre que eu começava a retirá-los. De súbito, ajoelhou-se em minha frente e começou a desabotoar minha calça. Não tive tempo de reagir, no entanto, pude ver seus olhos brilharem ao encarar minha rola dura marcando a cueca. Apressou-se em tira-la para fora e abocanhou vorazmente. Minha cachorrinha engolia todo o meu pau, salivando muito, movendo a língua com destreza enquanto o segurava pela base. Depois o lambia de cima a baixo, não se importando em melar o rosto no processo, apenas deliciando-se. Então, ouvimos murmúrios. As pessoas estavam se aproximando pela trilha bem ao nosso lado, deixando o evento. Puxei Cailean pelo pulso e conduzi-a até atrás de uma outra árvore, que apesar de ainda estar bem perto do caminho que as pessoas estavam percorrendo, era grossa o suficiente para esconder nossos corpos. Antes mesmo que minha cachorrinha recobrasse o equilíbrio por estar desviando das raízes em salto alto, levantei seu vestido e estoquei forte meu pau em sua bucetinha latejante. – Ahh..! – abafou o grito de susto. Ameaçou cair com o tranco de nossos quadris se chocando, mas escorou-se na arvore à frente como pôde. Segurava-a pelo topo das coxas, puxando-a contra mim, dando mais força e velocidade à minhas estocadas. Podíamos notar o vulto das pessoas ao longo da trilha, e minha cachorrinha se esforçava para gemer o mais baixo possível, mesmo querendo gritar com o prazer que finalmente era lhe dado.

Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 86 -


Eu mesmo tinha muita dificuldade em me conter, sua buceta encharcada parecia querer derreter meu pau, e eu queria meter nela ainda mais forte, mas quando cedia à vontade, o estalo de nossos corpos era alto demais e algumas pessoas olhavam desconfiadas. Cailean esticava o pescoço para cima e empinava o bumbum com as pernas arqueadas, tentando manter-se em pé ao mesmo que rebolava descompassadamente, delirando. – Era isso que você queria? Hã? – Sim, mestre..! Me fode!.. – Você gosta de ter uma rola dura enfiada nessa buceta? – Siiim! Mete mais... mais forte..! Quando suspeitei que todos já haviam passado por nós em direção à seus chalés, comecei a meter mais rápido, deixando o tesão tomar conta. – Isso! Me come, mestre! – ela também se soltou, quase gritando. Meu pau fazia um som molhado a cada estocada e minhas bolas reluziam o liquido doce que espirrava por entre as pernas de minha cachorrinha. Puxei-a para mim, abraçando-a por trás e apertando forte seus seios. Sentia-os vazando por entre meus dedos, e eu forçava ainda mais minhas mãos, por que queria fazê-la sentir tanta dor quanto o tesão que já sentia. Em resposta ela não reclamou, no entanto, dobrou ainda mais as pernas, fazendo minha rola ir ainda mais fundo em direção à seu ventre. Levou seus braços para cima e agarrou meus cabelos. Gemendo. – Ahh... Ahh... Ahh... – Me diz o que você é – ordenei em seu ouvido. – Uma cachorrinha... – ela murmurou sofregamente. – Fala direito! – apertei ainda mais seus seios. Podia imaginá-los roxos no dia seguinte, marcados. – SOU SUA CACHORRA! – gritou. Senti ela gozar quando ainda mais de seu doce mel espirrou em minhas pernas e sua buceta pressionou minha rola tão forte que eu mal pude manter o ritmo. Continuei estocando até seu corpo se acalmar e relaxar do orgasmo, e empurrei-a bruscamente. Cailean caiu contra a árvore, tentando olhar para mim, sem forças. – Fica de quatro, cachorra. Vira essa cara pra mim. Ela ficou. Espetando as mãos e joelhos com os gravetos e folhas secas que dominavam o chão. – Foi você que disse, não é? – ela me fitava, olhos entreabertos. – Você é minha cachorra, minha vadia. E cachorras ficam de quatro. Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 87 -


Sem pudor, enfiei minha rola em sua boca, o máximo que pude, ficaram poucos centímetros para fora. Estoquei uma, duas, cinco vezes, e gozei fundo, sem avisar. Olhando para ela. Ouvi o som característico de quando a mulher engasga com a gozada no fundo da garganta. Vi minha porra sair por seu nariz, e senti na cabeça do meu pau quando ela tentou engolir o que podia. Soltei-a e dei dois passos curtos para trás, tentando não cair. Cailean tinha lagrimas escorrendo pelo rosto que acabavam se misturando com a saliva e a porra que transbordavam sua boca e nariz. Ela tossiu algumas vezes, limpou o rosto com as costas de uma das mãos, e me fitou nos olhos. Não era um olhar de medo. Não era um olhar de nojo. Nem de surpresa, nem de excitação. Era apenas um olhar tênue. Simples. Entregue. – Temos companhia – disse rouca. Olhei para trás e vi um casal, nos seus 40. Ele com a mão na bunda dela, ela apertando a rola dele para fora da calça. Senti ela gozar quando ainda mais de seu doce mel espirrou em minhas pernas e sua buceta pressionou minha rola tão forte que eu mal pude manter o ritmo. Continuei estocando até seu corpo se acalmar e relaxar do orgasmo, e empurrei-a bruscamente. Cailean caiu contra a árvore, tentando olhar para mim, sem forças. – Fica de quatro, cachorra. Vira essa cara pra mim. Ela ficou. Espetando as mãos e joelhos com os gravetos e folhas secas que dominavam o chão. – Foi você que disse, não é? – ela me fitava, olhos entreabertos. – Você é minha cachorra, minha vadia. E cachorras ficam de quatro. Sem pudor, enfiei minha rola em sua boca, o máximo que pude, ficaram poucos centímetros para fora. Estoquei uma, duas, cinco vezes, e gozei fundo, sem avisar. Olhando para ela. Ouvi o som característico de quando a mulher engasga com a gozada no fundo da garganta. Vi minha porra sair por seu nariz, e senti na cabeça do meu pau quando ela tentou engolir o que podia. Soltei-a e dei dois passos curtos para trás, tentando não cair. Cailean tinha lagrimas escorrendo pelo rosto que acabavam se misturando com a saliva e a porra que transbordavam sua boca e nariz. Ela tossiu algumas vezes, limpou o rosto com as costas de uma das mãos, e me fitou nos olhos. Não era um olhar de medo. Não era um olhar de nojo. Nem de surpresa, nem de excitação. Era apenas um olhar tênue. Simples. Entregue. – Temos companhia – disse rouca. Olhei para trás e vi um casal, nos seus 40. Ele com a mão na bunda dela, ela apertando a rola dele para fora da calça.

Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 88 -


CAILEAN Ela se chamava Catheryne, e o nome dele era Marziano. Um casal de empresários italianos. Eu ainda estava em pé no mesmo lugar, havia apenas virado o corpo para encará-los. Minha calça ainda aberta e Cailean ajoelhada atrás de mim. Tentava entender o que estava acontecendo. Pensei que sairiam correndo quando percebessem que os notamos ali, mas nem se deram ao trabalho de se moverem. – Vocês... eu... – tentava encontrar o que dizer nessa situação inesperada. Notei então que Catheryne não olhava para mim, mas para baixo. Segui seu olhar e me deparei com o rosto melado de minha cachorrinha que sorriu quando desviou do olhar da outra para receber o meu. Cailean então se levantou e caminhou lentamente até o casal, conduzindo nossas faces com seu rebolado. Estacou ao lado da mulher e tocou-a na cintura, deslizando a mão levemente para cima até segurar seu rosto. Apertou forte as bochechas brancas até que sua boca formasse um bico redondo e aberto. Minha cachorrinha olhava fundo nos olhos de Catheryne, “Me limpe”, falou em tom autoritário. Para minha surpresa, Catheryne começou a lamber o resto de porra nos lábios e queixo de Cailean. Estávamos novamente em nosso quarto recluso sobre o lago do resort. Eu me encontrava sentado em uma das poltronas, pernas abertas, braços esticados sobre os encostos. Nu. À minha frente, Cailean mais uma vez escondida em seu espartilho e meias negros com escarlate. No entanto, agora havia uma peça a mais. Ela segurava uma chibata. Uma haste comprida, cerca de quarenta centímetros, composta primeiro de um intervalo rígido, por onde ela segurava o instrumento, depois completado por uma parte maleável que terminava em um pequeno quadrado achatado. Alguns passos á frente, difíceis de reconhecer pela baixa luminosidade, o casal de antes. Ajoelhados, despidos. – Vocês entenderam? – Cailean. – Sim... – Quem são vocês? – brandia a chibata ameaçadoramente. – Seus brinquedos, mestra... – Por quanto tempo? – deslizava-a por seus rostos. – Pelo tempo que a mestra desejar... – Por quê? – puxava seus cabelos, arqueando os pescoços.

Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 89 -


– Por que a senhora quer... – Eu? Por que eu iria querer esses corpos imundos? – soltou as cabeças. – Pra fazer o que quiser... – Por que estão fazendo isso? – inclinou-se em direção a eles. – Para nos purificarmos... Levantou o rosto de Marziano, apertando suas bochechas até sentir os dentes. – E do que precisam ser purificados? –Da luxúria em nossos corpos... – Mais rápido! – Cailean trovejava. O casal engatinhava pela sala, cada um com um plug anal em forma de cauda de felino introduzido no ânus. Aceleraram os passos ante a advertência. Marziano era um homem descuidado com a aparência como a maioria o é. A posição evidenciava a flacidez de sua barriga e pernas, e ele já estava perdendo o fôlego após alguns poucos minutos. Catheryne, por outro lado, era linda. Seios pequenos e empinados, mamilos rosados e pontudos. Quadris largos sustentando um bumbum carnudo e suculento. Um pouco acima do peso para os padrões gerais da sociedade, mas seu corpo era extremamente harmonioso, com curvas sedutoras na medida e locais exatos. – Chega – Cailean. Estacaram. Minha cachorrinha, então, como que com passos ensaiados, dirigiu-se a uma das poltronas livres na sala. Ao alcançá-la, ainda em pé, se virou para encarar o casal. Um único olhar estreito foi o suficiente para que eles fossem até ela e se ajoelhassem sobre seus pés. – Tire minha calcinha. Catheryne ergueu os braços em direção a intimidade de sua mestra. Puxou a minúscula calcinha pelas laterais, driblando os fechos da cinta-liga rapidamente. – Abra a boca – ela ordenou. Marziano obedeceu, recebendo a calcinha que sua esposa empurrava até quase sua garganta. Seus olhos brilhavam. Cailean virou-se e se sentou na poltrona, pernas abertas. Catheryne engatinhou até ela, parando entre suas pernas e levantando o olhar, como que pedindo permissão. O comando foi um sutil e Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 90 -


afiado aceno de cabeça, e a mulher começou a chupar de olhos fechados. Vi minha cachorrinha deitar a cabeça para trás e abrir a boca num suspiro. Apertava os braços da poltrona e movia levemente as pernas. De onde eu estava, podia analisar as curvas de Catheryne muito bem. Ela estava de quatro, se alimentando de meu néctar direto da fonte. Podia ver a curva que suas costas arqueadas faziam com seu bumbum voluptuoso e largamente redondo. Depois meu olhar acompanhava a silhueta da coxa grossa que formava um ângulo provocante com as pernas suspensas entre os joelhos e os bicos dos saltos. As panturrilhas sobressalentes, encantadoras. E o rabo felino pendendo até quase tocá-las. Marziano, assim como eu, apenas observava. Ele estava ajoelhado, sentado sobre os próprios pés, alguns passos atrás da esposa, com a calcinha de sua mestra tapando-lhe a boca. As duas continuaram absortas em seu mundinho próprio por mais alguns minutos, até que notei minha cachorrinha contorcer-se de forma mais abrupta. Provavelmente gozando. Separaram-se. – Lado a lado, rosto ao chão. – ordenou. O casal obedeceu. O som do salto alto de Cailean ecoando pelo aposento enquanto ela se dirigia à mala de brinquedos que o casal trouxera era ameaçador. Passos lentos, poderosos e sincronizados que pareciam esticar o tempo. E a visão de tê-la desfilando à minha frente com tanta convicção; as pernas longas e definidas; o rebolar cadenciado; os seios seguramente guardados no espartilho; os cabelos que ondulavam acompanhando seus passos; faziam meu membro pulsar. Ela retornou com as duas mãos ocupadas. Pousou os objetos sobre a poltrona e retirou os plugs no casal de forma intencionalmente abrupta. Pude ouvi-los gemer em protesto. Inclinou-se para trás para alcançar os novos brinquedos. Colocou dois objetos ao lado dos rostos acomodados ao chão que a distância e breu não me deixaram identificar. – Andem logo. Tomaram os objetos e introduziram com relativo pesar em seus próprios ânus. Dois cada um. – Quem soltar primeiro, fica sem final feliz. Instruiu que ficassem de cócoras, mãos firmemente fechadas sobre as canelas. Pegou dois objetos grandes, que logo vim descobrir serem vibradores. Aqueles com a ponta grande em forma de esfera, para estimular bem o clitóris. Cailean ajoelhou-se e posicionou os vibradores entre as pernas dos dois. Pouco tempo depois os gemidos começavam a ecoar pela sala. Confesso que era cômica a visão de Marziano agachado no meio da sala, gemendo de prazer, o saco pendendo entre as pernas. Mas minha atenção mesmo estava completamente tomada por minha cachorrinha... quem diria que ela possuía um lado tão... perverso. Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 91 -


Pensei em levantar-me e ir até ela. Essa situação toda havia me excitado completamente, mas fui impedido pelas amarras com as quais minha cachorrinha me prendera à poltrona. “Eu cuidarei do senhor depois, mestre, prometo.” Ela tinha dito. – Cachorrinha, eu... – Mestre, por favor, o senhor prometeu... – tentou advertir-me com o mesmo tom ríspido com que tratava os outros dois, contudo sabia ser impossível. Os gemidos aumentaram em intensidade e logo ouvi um objeto bater no chão. Instantes depois Marziano caiu para frente. – Ora, parece que descobrimos quem ficará sem o final feliz hoje. – Cailean, sarcástica. Ouvimos o segundo baque quando o empresário expulsou a outra bola. – Você, vá buscar minha chibata. Nunca me aventurei com uma mulher mais... gordinha. Talvez por isso a visão de Catheryne atravessando o quarto inúmeras vezes, sempre de quatro, com sua pele lisa, branca e provavelmente macia como veludo, me excitava extremamente. Ela voltou com a chibata entre os dentes. Minha cachorrinha ordenou que o homem se levantasse. Apesar de provavelmente estar sentindo imenso prazer com essa situação toda, ele ainda não estava ereto. Cailean havia ordenado que ele só deveria enrijecer o pênis quando ela permitisse. Nem imagino o que é preciso para ter tamanho autocontrole. – Vamos, Catheryne, você irá castigá-lo até que ele fique duro como aço. Após entregar a chibata para a outra, minha cachorrinha virou-se para mim e veio em minha direção, olhando-me nos olhos. A poltrona era larga e confortável, eu não conseguia ocupá-la inteira sozinho. Minha cachorrinha conseguiu encaixar-se ao meu lado, corpo bem colado ao meu. Excitei-me ainda mais ao sentir o toque áspero do espartilho e o perfume delicioso que ela vestia. Cailean acariciou minha coxa e virilha, então minhas bolas e por fim segurou meu pênis, massageando-o lentamente. – Está gostando do show, mestre? – sussurrou em meu ouvido. – Claro, cachorrinha... e estou muito surpreso também. – Haha... o senhor não é o único que sabe ser respeitado. – apertou forte meu pau, fazendo-me retesar o corpo. Sorriu. Beijou-me.

Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 92 -


– E por que nunca tentou nada disso antes? – Bem... o senhor é meu mestre... uma cachorrinha não pode mandar no próprio mestre, pode? – deslizava a ponta do dedo por meu abdômen. Enquanto isso podíamos ouvir os estalos da chibata queimando a pele de Marziano, que gemia em contentamento. – Além do mais... – Cailean continuou, agora cheirando meu pescoço, beijando-o brevemente. – Eu também gosto de ser mandada... e o senhor tem um jeito muito especial de fazer minhas pernas falharem, mestre... Dizendo isso ela passou as pernas por cima das minhas e agachou-se até a ponta de meu pênis tocar a entrada de sua grutinha encharcada. – Não se preocupe mestre, tenho observado seus olhares. Darei o que você quer. – beijou-me novamente e afastou-se. Fez uma pequena pausa na mala de brinquedos, recolhendo dois deles e dirigiu-se até Marziano. – Não derrube, você vai precisar dela depois. – posicionou algo que acredito ser uma toalha sobre o pênis agora rígido dele. Então conduziu Catheryne até mim dando leves chibatadas em seu bumbum para acelerar seus movimentos. A mulher estacou diante de mim, sempre de quatro, dessa vez quase entre minhas pernas. Voltei meu olhar para minha cachorrinha e notei que segurava um strap-on. Um cinto com um pênis de borracha acoplado. Esse, no entanto, possuía dois. Além do principal, um outro que seria recebido pelo usuário. Cailean ajoelhou-se atrás de Catheryne e introduziu o consolo. – Meu mestre está muito tenso, ajude-o a relaxar. -disse. Catheryne deu alguns passos a frente e tomou meu pau rijo em mãos. Começou lambendo meu saco e chupando minhas bolas. Utilizava a pressão exata para me enlouquecer, sugando-as e as expelindo ritmicamente. Depois de deixar meu saco bem babado, passou para a base do pau, percorrendo toda sua circunferência com a língua enquanto apertava a glande entre os dedos. Subiu até a cabeça e engoliu meu pau inteiro de um único golpe. Soltei um gemido involuntário e abri os olhos sendo recebido pelo sorriso malicioso de minha cachorrinha que metia o consolo com vigor em sua escrava. Agora entendo porque alguns homens têm taras por mulheres mais velhas, a experiência realmente causa muito impacto no sexo. Precisei me controlar muito para não gozar nos lábios de Catheryne. Esta, por sua vez, alternava as lambidas e bocadas com gemidos incessantes. Quase pude notá-la rebolar de volta contra o consolo que era utilizado com maestria. Passados alguns minutos, meu pau já brilhante e coberto de saliva, minha cachorrinha levantou-se.

Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 93 -


– Vamos, meu mestre não vai se contentar só com sua boca. Catheryne se ergueu e subiu na poltrona, assumindo a posição em que minha cachorrinha estava momentos antes, mas ela desceu o trajeto todo até a base de meu pau. Sua buceta não era tão apertada quanto às de minhas musas, mas ela sabia contrair os músculos de forma que me levava ao êxtase. – Rebole. – Cailean castigava o bumbum carnudo de Catheryne enquanto ela me cavalgava. Há alguma coisa nessa mulher que me hipnotizava, não sei dizer bem o que. A pressão de seu peso sobre meu corpo, os movimentos que fazia, os seios pequenos e pontudos, a face serena como se só existisse ela mesma ali... E ela rebolava, absorta no próprio prazer. Começara subindo e descendo, quase pulando sobre mim. Depois alternara para rebolados circulares. Por fim, movia-se colada às minhas pernas, para frente e para trás, acariciando meu peitoral. Eu daria qualquer coisa para poder agarrar sua bunda gigante e amassá-la entre meus dedos... – Chega! – Cailean bateu mais forte, pude sentir o deslocamento de ar entre minhas pernas. Catheryne mudou seu semblante momentaneamente com a dor. – Não vou deixar nenhuma puta imunda ser responsável pelo orgasmo de meu mestre. Ao termino da frase, fui vendado. Instantes depois sinto meu pênis sendo envolvido pela mão macia de minha cachorrinha. Ela estava novamente sentada ao meu lado. – Era isso que você queria, não era, mestre? Sentir a bucetinha imunda dela no seu lindo pau? – Sim, cachorrinha... mas agora quero gozar. – Sei que quer, por isso estou aqui... – ela me masturbava lentamente, afrouxando a pegada quando descia a mão e pressionando forte ao subir com ela. Eu podia sentir as amarras em meus pulsos e canelas, amarras que eu poderia soltar facilmente se quisesse. Sentia o toque do espartilho e das meias 7/8 coladas em meu corpo. Sentia a respiração lenta e quente de minha cachorrinha em minha orelha. Seu hálito inebriante. Sentia seus cabelos deslizando por meu ombro. A maciez de seu seio pressionado contra meu braço. – Quer gozar assim... – beijava meu pescoço e ombro. – Ou quer mais rápido? – Quero seu rabo. – Aqui, mestre? Não na frente deles?... tenho vergonha... – começou a acelerar os movimentos. Ri. Segundos depois, gozei. Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 94 -


– Mhmm, adoro sua porra, mestre. – ela retirou a venda enquanto lambia os dedos da outra mão. – E não sou a única. Lançou-me um sorriso malicioso e me fez sinal para olhar para baixo. Marziano estava ajoelhado à minha frente, rosto coberto com minha porra. Catheryne apressou-se em começar a lambê-la. Não sei descrever o que senti. – Nunca imaginei que você tivesse um lado assim, Cailean. Estávamos sozinhos, banho tomado. Eu deitado na cama com uma boxer. Ela em meus braços, de babydoll, cabeça descansando em meu peito. O dia apenas iniciando, os raios de sol ainda tímidos atravessando as frestas entre as cortinas brancas. Era uma manhã fresca. – Quando eu era acompanhante conheci bastantes clientes com gostos... exóticos. Disseram que me adaptei bem à situação. – ela deslizava o dedo por meu corpo enquanto falava. – Então depois de um tempo, eu era sempre requisitada pra esse tipo de coisa. Comecei a gostar. – Gostaria de exercer esse poder sobre mim também? Levantou-se de pronto, me encarando. Indignação no olhar. – Claro que não, mestre! Ou... – baixou o rosto, diminuindo o tom de voz. – Se o senhor quiser... Não resisti e puxei-lhe o queixo dando-lhe um beijo demorado, então empurrei-a para o lado de volta aos meus braços. – Eu... – continuou. – Eu gosto de te agradar, mestre. De seguir suas ordens. Sempre que o senhor brinca comigo eu fico totalmente satisfeita. – Totalmente? – perguntei. – Sim, de corpo e... – cortou a frase. –Diga-me, cachorrinha, o que te deixa excitada? – Quer que eu te mostre? – sorriu maliciosamente. – Claro. Invadiu minha cueca lentamente com seus dedos, arranhando levemente minha pele com a ponta de suas unhas até alcançar meu pau. Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 95 -


– Gosto disso, de sentir seu pau enrijecendo lentamente entre meus dedos. – largou-o quando sentiu que eu já havia alcançado tamanho máximo, então levou minha mão para entre as próprias pernas. – Vê como eu fico molhada ao sentir isso? Estava ensopada. – Sabe o que mais me excita? – subiu sobre mim, baixando minha cueca e puxando a calcinha de lado. Posicionou meu pau na entrada de sua grutinha sedenta e começou a acolhê-lo, até sentar-se em minhas coxas. Inclinou-se e me beijou, depois sussurrou em meu ouvido. – Seu pau tem o tamanho exato da minha bucetinha. Sempre que ele está em mim assim, até a base... não sei explicar, me sinto completamente preenchida. Começou a rebolar.

Contos Imor(t)ais - BRINCANDO NO SHOPPING – 96 -


IRMÃS Eu sou a Andreia tenho vinte anos, sou morena cabelos preto e olhos castanho, eu tenho uma irmã que também é morena e é dois anos mais velha que eu, nos sempre fomos muito unidas o que era meu era dela também e vise e versa, sempre visemos muitas safadezas juntas, chegamos até a namorar o mesmo rapaz ao mesmo tempo, cada dia era uma de nós que saia com ele, ele pensava que estava nós enganando, mas era ele quem estava sendo enganado por nós o dia que ela saia com ele, eu ficava em casa, no outro dia era eu que saia com ele e ela ficava em casa, ou saia com algum outro cara, ou eu saia com ele durante o dia e ela sai a noite e assim nós fazíamos o cara de bobinho. Hoje nós moramos aqui no Rio de Janeiro a minha irmã casou se com o Fabio e eu moro com eles na mesma casa a minha mãe já nós conhecia e sabia das nossas safadezas, ela já havia dito que isso não ia dar certo, mas nós falamos que agora a coisa era séria e não ia ter problema, mas depois de um bom tempo de convivência acabou acontecendo, um certo dia eu tinha saído com o meu namorado, fomos ao cinema e na volta ele parou o carro em uma rua pouco movimentada, porque ele estava excitado e queria fazer sexo comigo ali na rua, como eu estava com medo de alguém nos ver, eu recusei e não deixei, brigamos e ele foi embora triste, emburrado e com raiva de mim. Como já estava tarde eu fui embora pra casa, entrei em casa sem fazer barulho, para não acordar a minha irmã e o seu marido, que já deveriam estar dormindo, mas quando eu estava passando pelo quarto deles, eu ouvi uns gemidos vindos lá de dentro, parei para ouvir melhor e saber o que estava acontecendo, vi que a porta do seu quarto estava só encostada, então eu olhei pra dentro e vi a minha irmã nua e de quatro em cima da cama, meu cunhado estava fudeno a sua buceta com vontade, aquela cena me deixou paralisada, eu queria sair dali eu sabia que não era certo, ficar olhando as intimidades da minha irmã, mas eu não conseguia tirar os olhos daquela cena maravilhosa. Minha irmã rebolava e gemia com vontade e quanto mais ela gemia, mais o meu cunhado socava o pau na sua buceta, eu vi que ele tinha um pau grande, grosso e gostoso, que entrava e saia na bucetinha dela, eu comecei a ficar excitada vendo aquela cena, fiquei ali pensando o que minha irmã faria comigo, se me visse ali parada olhando ela com o marido, fiquei mais um tempo observando os dois, eu já estava sentindo a minha buceta molhada, os bicos dos meus seios já estavam duros, na hora eu me arrependi de ter mandado o meu namorado ir embora, se eu soubesse que ia ver aquilo teria chamado ele pra dormir comigo, assim eu não ficaria naquele tesão sozinha. Depois de um tempo fui para o meu quarto, tranquei a porta deitei na cama e comecei a me tocar, comecei a passar a mão no meu grelinho, enfiei dois dedos na minha bucetinha e fiquei ali, curtindo aquele tesão e lembrando do pau grosso do meu cunhado, gozei bem gostoso imaginando estar no lugar da minha irmã, no dia seguinte acordei pensando na noite passada, conversei normalmente com a minha irmã, torcendo para ela não perguntar a que horas eu cheguei em casa a minha irmã estava empolgada e feliz, ela ria e falava que o fim de semana estava chegando e o marido dela queria fazer um churrasco em casa só para nós quatro mesmo, eu perguntei nós quatro quem, ela ria sem parar e falou, eu o meu marido, você e o seu namorado, eu já fiquei desconfiada e perguntei o que você está pensando em fazer, ela rindo falou a maninha, fica fria na hora você vai gostar. Eu já imaginava o que poderia acontecer, fiquei uma semana sem ver o meu namorado, no dia do churrasco eu coloquei um vestidinho curtinho decotado e rodadinho, meu namorado chegou e me disse que eu estava muito gostosa, mas quando ele viu a minha irmã com uma mini saia preta e uma Contos Imor(t)ais - IRMÃS – 97 -


blusinha bem decotada e sem sutiã, ele ficou louco na hora eu percebi que ele estava excitado, quando ela sentou se na sua frente e cruzou as pernas, até eu vi que ela estava sem calcinha, meu namorado ficou louco de tesão por ela, nós estávamos no quintal e quando ele entrou para usar o banheiro a minha irmã me deu uma piscadinha e foi atrás, eu disfarcei e fui ajudar o meu cunhado na churrasqueira, como já fazia algum tempo que estávamos bebendo a bebida já estava fazendo efeito, meu cunhado me agarrou e me deu um beijo na boca, enquanto a sua mão alisou a minha bunda por baixo do vestido e por cima da calcinha. Olhei pela janela e vi o meu namorado com a boca no seios da minha irmã e com as mãos no meio das suas coxas, fiz de conta que não vi, logo eles voltaram pra fora e ficamos numa boa, bem a vontade conversando e bebendo, minha irmã já estava meio zonza por causa da bebida, meu cunhado queria ver ela bem descontraída e socava bebida nela, meu namorado também bebeu bastante aquele dia, mas como estávamos só nós quatro não vi problema nisso, de repente a minha irmã sentou se no colo do meu cunhado e começaram a se beijar, sem se importar comigo e nem com o meu namorado, minha irmã deslizava a mão pelo peito do marido, enquanto isso ele colocou a mão nas coxas dela e ia subindo a mão e levando a saia dela junto. Nós ficamos observando os dois se beijando, eu comecei a ficar excitada com aquilo e comecei a me lembrar daquela noite que vi os dois transando, até que num certo momento meu cunhado olhou para meu namorado e disse, você viu que pernas linda que a minha mulher tem, meu namorado falou são lindas mesmo, ai o meu cunhado falou e a sua também tem pernas bonita, meu cunhado muito safado falou, deixa eu ver se são mais bonita do que as da minha esposa, meu namorado deu uma de esperto e falou só se você deixar eu ver as pernas da sua primeiro, meu cunhado falou que tal se trocássemos de mulher só por hoje, só por diversão, eu fiquei sem reação com aquilo, achei que o meu namorado não fosse aceitar a proposta do meu cunhado. Mas ele olhou pra mim como querendo saber se eu topava ou não, olhei para minha irmã que sorria de um jeito estranho, como se tivesse gostado da ideia, eu olhei para o meu namorado e balancei a cabeça dizendo que sim, ele foi logo se levantando e se aproximando da minha irmã, ele puxou ela pra perto dele e deu um beijo nela de tirar o fôlego, meu cunhado por sua vez chegou perto de mim, me puxou e disse bem baixinho no meu ouvido, cunhadinha eu sempre fui louco para comer você, aquilo me deixou excitada na hora, ele me segurou pela cintura me puxou e me beijou, eu não conseguia pensar em mais nada além das mãos dele correndo pelo meu corpo, de repente senti as mãos dele por baixo do meu vestido puxando a minha calcinha. Ai ele falou vira essa bundinha gostosa pra mim, eu me virei apoiei as mãos no sofá, ele levantou o meu vestido e tirou a minha calcinha bem de vagarzinho e ficou passando a cabeça do pau na entrada da minha bucetinha, aquilo me levou ao delírio, eu já não aguentava mais de tanto tesão, eu queria sentir aquele cacete entrando na minha buceta do mesmo jeito que minha irmã sentiu aquele dia, eu forçava o corpo pra trás tentando fazer ele entrar, meu cunhado viu o quanto eu queria, me segurou pela cintura e meteu tudo de uma vez só, eu vi estrelas com aquele pau todo atolado dentro de mim, ele fazia os movimentos tão depressa, parecia que ele queria socar o saco também dentro de mim, olhei pro lado e vi a minha irmã cavalgando no pau do meu namorado. Do jeito que ele estava eu sabia que ele não ia demorar a gozar, aquilo me deu mais tesão, sentindo o meu cunhado socando o pau dentro de mim e vendo o meu namorado comendo a minha irmã o meu tesão explodiu e eu gozei, gozei muito mesmo o meu corpo tremia e eu estava toda arrepiada, eu nunca tinha sentido tanto tesão na minha vida, meu cunhado viu que eu já tinha gozado, ele me deixou deitada no sofá e foi pra perto da minha irmã, que cavalgava no pau do meu namorado, ele Contos Imor(t)ais - IRMÃS – 98 -


pediu pra ela chupar o seu pau, ele falava chupa amor, chupa bem gostoso que eu quero gozar na sua boca, minha irmã chupava o pau do marido, enquanto o meu namorado socava o pau na sua bucetinha, eu fiquei ali deitada e assistindo aquela cena que eu achava que nunca ia ver na vida. Os três estavam naquele soca, soca, naquele sobe e desce sem para e gozaram praticamente juntos, depois de um breve descanso, meu cunhado me levou pro banheiro e me deu um banho bem gostoso, em seguida ele me levou pra sua cama e passamos o resto da noite na maior meteção, no dia seguinte quando encontrei com a minha irmã e o meu namorado, ela me disse que estava com a buceta assada e com o cu ardendo de tanto que meterão a noite, eu comecei a ri e falei, eu também estou na mesma situação, estou toda fodida e não posso nem me sentar direito, nós nos abraçamos e lamentamos de não termos feito isso a mais tempo, mas depois dessa experiência a convivência entre nós quatro, ficou muito melhor e outras noites igual àquela acabaram acontecendo e todas elas cheia de muito amor, muito tesão e muita safadeza !!!

Contos Imor(t)ais - IRMÃS – 99 -


ELA REALIZOU O SONHO DELE Somos realmente casados, e apesar de ter tido dois filhos, acho minha esposa muito gostosa e sempre sai na rua costuma levar uma ou mais cantadas, pelo que me conta. Falo que isso é motivado por ela possuir carinha de mulher bem safadinha. Quando digo isso, ela dá um sorriso cínico e diz que estou inventando coisas. Mas de fato ela tem um rosto bem safadinho mesmo. Vamos aos fatos: houve um período que nós dois viajamos a trabalho, sendo que levei mais tempos para retornar. Quando ficamos alguns dias separados meu tesão por ela aumenta demasiadamente, além de aflorar várias fantasias inclusive de vê-la no cacete de outro homem. Eu retornaria num final de semana e fui logo avisando para que ela se preparasse, pois iríamos sair para uma noitada daquelas para matar a saudade e que deveria rolar muita sacanagem. Neste dia minha esposa estava super deliciosa, bronzeada num vestidinho preto, um tanto curto, com uma minúscula calcinha transparente que deixava a amostra sua bucetinha deliciosamente depilada e atrás toda enfiada na bundinha, calçava sapato salto alto, enfim, vestida para matar, do tipo arrasa quarteirão. Meu pau ficou duro na hora e quase desisto de sair e pra irmos direto pra cama. Fomos primeiro a um barzinho onde namoramos bastante, pedi logo, mau intencionadamente, que nos fosse servido uísque, pois sei que ela é fraca para bebida e quando toma algumas doses fica bem safadinha e devassa. Depois fomos para uma casa de show onde rolava vários tipos de música, principalmente, forró e brega. A casa estava cheia, mas conseguimos uma mesa e passamos a nos divertir muito. Como ela adora e eu nunca aprendi a dançar direito, contratávamos uns dançarinos, que a casa coloca a disposição, para que ela pudesse se divertir a vontade. Como seu vestido era curto a visão dela dançando deixava qualquer um de queixo caído, principalmente quando rodava e aparecia sua bundinha com a calcinha toda enfiada. Meu pau já estava duro de novo vendo aquela cena. Uma certa hora um rapaz, aparentando uns 28 ou 30 anos, bem apessoado, aproximou-se e perguntou se poderia ocupar só a ponta da mesa para colocar sua bebida, já que a casa estava cheia e não havia mais mesa desocupada. Falei que não havia problema nenhum que ficasse a vontade. Minha esposa como eu previa já estava bem alta e quando fica assim, aflora um fogo danado. Começou a me beijar, apertar meu cacete, esfregar sua bundinha nele e dizer que estava doida pra trepar. Eu falei que ela não tivesse pressa porque nessa noite teria que rolar muita sacanagem. Ela com aquela carinha de safadinha foi novamente dançar e dar um novo show de sensualidade. Notei que o rapaz ao lado estava vidrado nas pernas dela, principalmente na bundinha que vez ou outra aparecia com aquela calcinha toda enfiada, eu fazia que não estava percebendo nada. Começamos a conversar e ele falou que era de outro Estado, que tinha vindo fazer um trabalho, mas que deveria retornar pra sua cidade em no máximo dois dias. Quando a conversa ficou mais descontraída, falou que eu estava de parabéns, pois minha esposa era muito bonita e sensual. Minha esposa retornou e a apresentei ao Reinaldo, esse era o nome dele, e continuamos a conversar amenidades. Contos Imor(t)ais - ELA REALIZOU O SONHO DELE – 100 -


Minha esposa me puxou para o salão e me forçou a dançar, esfregando-se em mim, dizendo que naquela noite ela queria muita rola. Aproveitei e falei em seu ouvido que o nosso recente amigo, não tirava o olho de suas pernas e de sua bundinha, que achava que ele estava doido para trepar com ela. Percebi que ao ouvir isso o seu fogo aumentou ainda mais, passou a rebolar mais gostoso, como que se exibindo para o nosso novo amigo. Notei que ele ajeitava seu cacete, tentando disfarçar sua ereção e tenho certeza que ela também percebeu, pelo sorriso sacana que abriu a partir daí. Como sempre desejei vê-la num cacete de outro homem, arrisquei e disse que iria convidar nosso amigo para irmos a um motel. Ela dizendo que não, mas com todo jeito de quem quer dizer sim, falava que eu estava louco, que as pessoas iriam saber. Então falei que ele iria embora daqui a dois dias e nunca mais iríamos vê-lo, portanto não haveria problema. Ela deu um sorriso me chamou de doidinho e não falou mais nada, percebi que a maré estava pra peixe. Voltamos à mesa e depois de algum tempo incentivei, dizendo que o Reinaldo adorava dançar, só que não estava arranjando um par. Ela não se fez de rogada e falou que isso não era problema, levantou e puxou o Reinaldo pelas mãos e foram para o salão. Passou-se quase meia hora até que retornassem e pelo volume na calça via-se o estado de tesão que se encontrava o nosso amigo. Ela confidenciou-me baixinho que ele havia falado que ela era muito bonita, que eu era um felizardo tendo uma mulher assim, que tinha apertado muito ela de encontro a ele e roçado bastante seu cacete, que pelo o que ela pode sentir não deveria ser pequeno. Ouvindo aquilo meu cacete só faltou estourar dentro da calça. Falei ao nosso amigo que já estava na hora de irmos embora, pois minha esposa já havia bebido muito e quando bebia ficava muito devassa, falei assim para atiçar mais ainda o tesão dele, e se ele quisesse poderíamos dar-lhe uma carona, o que ele aceitou de pronto. Saímos e pegamos nosso carro e fui rodando devagar. Minha esposa embalada pela bebida, esquecendo-se do nosso amigo, passou a mão no meu pau e falando que precisava de um cacete bem duro e que queria muito, mas muito sexo naquela noite. Aproveitei a deixa e disse que do jeito que ela estava talvez eu precisasse de ajuda. Reinaldo brincando falou que se dependesse dele o problema estava resolvido. Minha esposa deu uma olhadinha bem safada para o nosso amigo, soltou um sorriso maroto e começou a beijar meu pescoço apertando meu cacete por cima da calça, notei que Reinaldo começou a massageá-la nos ombros descendo a mão para os seus seios, percebi um suspiro profundo de minha esposa como um assentimento ao gesto. Entrei no primeiro motel que apareceu e fomos para uma suíte. Pedi para que os dois fossem entrando enquanto fechava o portão da garagem. Quando entrei no quarto os dois já estavam num maior amasso e tirando as pressas suas roupas. Fiquei apreciando de pau duro. Minha esposa tirou o vestido e o sutiã ficando só com aquela calcinha enfiada na bunda e encharcada, aparecendo à entrada da sua bucetinha toda melada pelo tesão. Vendo isso Reinaldo ficou louco, arrancou sua calcinha e caiu de boca, metendo a língua com tamanha sofreguidão levando minha esposa a um intenso primeiro gozo.

Contos Imor(t)ais - ELA REALIZOU O SONHO DELE – 101 -


Ela continuava alucinada, puxando a calça do nosso amigo, liberando um cacete que deveria ter entre 18 a 20 cm e grosso. Ela olhou admirada, pois o meu pau é menor de uns 15 cm, começou a chupar a cabeça, depois descia até a base, voltando novamente à cabeça com aquela maestria que só ela sabe fazer. Vi que Reinaldo não agüentaria muito tempo e balbuciou que iria gozar. Minha esposa em vez de parar acelerou mais ainda fazendo com que o nosso amigo urrasse e soltasse vários jatos de esperma na garganta de minha esposa que fez questão de engolir tudo, coisa que dificilmente faz comigo. Reinaldo tombou para o lado descansando um pouco e ela partiu pra cima de mim. Começou a me beijar e arrancar as minhas roupas chupei seus seios e meti um dedo no seu cuzinho, ela foi a loucura. Comecei a chamar de safadinha gostosa, de putinha, ela olhou-me nos olhos com aquele sorriso cínico e falou: – Não era esse seu sonho, ser um corninho, me ver chupando um cacete de outro macho, pois vou realizar seu desejo e trepar bem gostoso e daqui pra frente eu teria que deixá-la fuder sempre com quem ela quisesse. Eu falei que deixava e que ela estava liberada para trepar com outros machos. Como eu estava sentado, ela começou a chupar meu cacete, deixando sua bundinha toda arreganhada para nosso amigo ver, devia ser um espetáculo, pois o pau do cara ficou duro na hora. Ele veio por trás, ajeitou a cabeça da pica bem na entradinha da bucetinha dela e começou a penetrá-la. Era lindo ver o suspiro de tesão emitido pela minha esposa. Reinaldo começou um vai vem lento e depois acelerou. Minha esposa começou a gozar insanamente, urrando de prazer, dizendo que me amava por deixá-la levar pica de outro macho. Eu me segurava de todo jeito para não gozar, queria aproveitar mais a sacanagem. Reinaldo foi para cama, deitou de peito pra cima e minha esposa subiu, ajeitou a cabeça daquele cacetão bem na entrada de sua xana e foi descendo. Que maravilha apreciar uma pica daquela dimensão ir sumindo na ex-bucetinha da minha esposa, não sei como ela agüentava tudo aquilo, já que estava acostumada com a minha. Coloquei meu pau em sua boca e ela ficava me chupando enquanto cavalgava no nosso amigo e mais uma vez começou a gozar um gozo atrás do outro, até perdi a conta de quantas vezes ela gozou seguidamente, nunca tinha visto minha esposa gozar daquela forma. Nós dois não resistimos, Reinaldo gozou dentro de sua buceta e eu enchi sua boquinha de gala que dessa vez fez questão de engolir tudo. Pensei que fossemos dar um tempo, mas que nada, minha esposa começou a chupar novamente o cacete do nosso amigo que não demorou já estava duro de novo, não sei de onde ele tirava tanta disposição. Reinaldo colocou-a de quatro e falou que agora iria fazer algo que o tinha enlouquecido a noite toda, iria comer sua bundinha. Começou a chupar bem gostoso o cuzinho da minha esposa que já estava toda arrepiada, pois adora levar no cuzinho. Depois de muito chupar e lubrificar bastante o cuzinho de minha esposa, nosso amigo encostou a cabeça de sua rola na entrada do buraquinho e começou a forçar. Quando a cabeça começou a passar minha esposa começou a gozar alucinadamente. Reinaldo foi enfiando tudo até encostar suas bolas na bunda da minha esposa, deu um tempinho para ela se acostumar com o tamanho e começou a bombar. Contos Imor(t)ais - ELA REALIZOU O SONHO DELE – 102 -


Minha esposa estava transtornada de tanto gozar e pedia que Reinaldo não parasse, ele começou a socar com violência e soltando um urro encheu de gala o cuzinho da minha esposa, caindo os dois quase desfalecidos. Olhando a buceta da minha esposa toda inchadinha, vermelha e encharcada não resisti e caí de boca metendo a língua e chupando bem gostoso. É uma delícia chupar a buceta da minha esposa toda esporrada de outro macho. Meti com vontade naquela buceta alargada e melada gozando bem gostoso. Adormecemos, acordei com o nosso amigo fudendo novamente minha esposa. Fiquei apreciando ele comer a minha esposa em tudo quanto foi posição, terminando no cuzinho dela de novo. Acredito ter sido a vez que minha esposa mais gozou na vida. Tomamos um banho e fomos embora, deixamos nosso amigo no hotel onde estava hospedado, trocamos e-mail com a promessa de um dia repetir tudo de novo. Fomos pra casa eu agradecendo minha esposa por ter realizado meu desejo de vê-la com outro. Ela me beijou agradecendo também por eu ser um bom marido e que teria enorme prazer em me fazer de corninho sempre.

Contos Imor(t)ais - ELA REALIZOU O SONHO DELE – 103 -


SOU SHEILA PARTE I Sou a Sheila, tenho 25 anos e sou casada há um ano com um homem maravilhoso Eu e o Paulo conhecemo-nos na universidade onde estudou Arquitetura e eu Direito. O nosso amor foi à primeira vista, ele era muito atraente e tinha metade da faculdade babando-se em cima dele. Bem, devo dizer que eu também causava sensação entre os meus colegas e, mais do que uma flor ou um poema apareceu na minha mesa em meus dias de solteira. Lembro-me de que um desses pretendentes foi quem cometeu o grave erro de me apresentar ao meu futuro marido. Ainda é nosso amigo, e não é raro receber uma piada ocasional sobre isso quando nos reunimos com nossos velhos amigos, claro que ele não demora em defender-se atribuindo à minha beleza os seus "erros táticos". Claro que todos concordam, incluindo Paulo se junta a eles quando se refere a minha cara jovem "adornada com um par de jóias azuis", disse galantemente, bem e quando bebem uns copos a mais não disfarçam e referem-se à minha prateleira incrível, a minha cintura, meu rabo redondinho, minhas pernas longas e bem torneadas, não acho que tenha exagerado, mas eles têm razão e como faço muito exercício, Eu também sou alta e parece gostar aos homens, Paulo diz que eu sou a sua Barbie. Recém casados, decidimos tornar-nos independente e viver onde iria permitir o nosso bolso. Eu venho de uma família de bom nível econômico, assim como o Paulo. Mas quando decidimos casar, decidimos iniciar a partir do nada sem qualquer ajuda de nossas famílias. Assim começou a nossa vida em um bairro simples da cidade, onde havia tanto casas bonitas como feias, aplicando-se o mesmo para as pessoas que nelas habitam. Pela nossa parte não socializávamos muito com os nossos vizinhos, o Paulo não gostou nada do nosso vizinho, ele dizia que o vizinho olhava para mim de cima a baixo sem dissimular como os outros. Em minha opinião Sr. Manolo, que é nosso vizinho, com seus sessenta e tantos anos, uma barriga de cerveja e um rosto de ogro – feio prá caramba, nunca tinha tido a oportunidade de observar de perto uma mulher "muito atraente", como eu; quando disse isso ao meu marido ele ficava mais calmo. Além disso, a mulher dele, Dona Raquel, era uma senhora muito carinhosa e eu gostava de conversar com ela quando ela vinha pedirme algo de vez em quando, assim que pedi ao Paulo para não ser tão antipático com os vizinhos. Por outro lado, a nossa intimidade era um pouco sem sal, Paulo foi o único homem com quem tive relações e, embora com muita experiência sexual Paulo tratava-me sempre com muito respeito, quem sabe até demais, queria que ele fosse mais exigente e me usasse mesmo com força. Eu acho que talvez ele não quisesse fazer-me sentir desconfortável. De alguma forma, eu sentia que ele não me satisfazia plenamente na cama, faltava o que minhas amigas diziam que conseguiam, aquela sensação de saciada, preenchida depois de uma transa em que todos os buraquinhos eram usados, segundo elas e, eu nunca senti nada disso, aliás, diria o até o contrário, Paulo só usava meu buraquinho vaginal e, sendo sincera o orgasmo tão maluco que elas falavam nunca tive, ou se tive foi bem fraquinho e nada mais. Desde antes do casamento, mas principalmente depois, tenho masturbado constantemente, todos os dias pelo menos duas a três vezes por dia, mas não me satisfaz, na hora dá algum alivio, mas depois um vazio muito grande. E, com tudo isso estou a notar que, aos poucos, vou perdendo o encanto por meu marido, mais eu o amo muito, não gostaria de ficar sem ele, porque é bonzinho demais prá mim, faz tudo que pode e até o que não pode para satisfazer-me materialmente, meus desejos tornam-se imperativos a ele, mas o sexo fraquinho, fraquinho, isto está me afetando muito psicologicamente, pois tenho ficado Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 104 -


excitada e ele não corresponde. Bem, acho que com esta breve introdução, vocês vão perceber como era minha vida, em geral, bastante normal e, portanto, se eu tivesse ouvido o que iria acontecer, eu nunca teria acreditado... Tudo começou há seis meses. Como eu disse a vida sexual com o Paulo não estava muito bem, o que quero dizer é que sinto que não o satisfaço como um homem e, isso me apagava como mulher. Nunca gemi nem virei os olhos de prazer, nem gritei de tesão, conforme as amigas falavam. Será que um dia terei isso? Cada vez me senti mais necessitada de ter um sexo forte, vibrante, que me deixasse completamente exaurida. Na hora do sexo, para mim é uma verdadeira tortura, e atualmente não sinto prazer algum, que faço apenas para não desagradar o meu marido que amo muito. Com isso, fico nervosa e irritada e acabo me distanciando dele. Não quero procurar e nem me passa na cabeça ter outro homem, sou dele e só o quero... Bem... pensava assim, vocês entenderão o porquê... Paulo é um marido trabalhador, charmoso, carinhoso, trabalha para uma empresa de construção civil e é muito bem pago, enquanto eu como mulher casada, tendo tudo que uma mulher possa deseja em termos materiais. Talvez a única coisa que eu e Paulo desejamos ter ardentemente são filhos, mas já pensamos em breve eu engravidar, apenas questão de mais algum tempo. Casei virgem, só tornando-me mulher na noite de núpcias, motivo porque meu marido me considera de total confiança, eu nunca havia ido com outro homem para a cama, fato raro entre as garotas de hoje em dia. Na minha adolescência eu tive alguns namoradinhos, mas com eles eram somente aqueles abraços, beijos e caricias por cima da roupa. O fato mais afoito que cheguei a fazer com um deles, ocorreu uma noite que eu estava hiper excitada, foi dentro do seu automóvel, ele tirou meus peitos de dentro do meu sutiã e os beijava, e com a outra mão ele tirava seu pau pra fora e mandava-me segurar e, me beijou e chupou meus peitos até ejacular em minha mão. Eu claro que, com esse namoradinho, eu ficava excitada, mas com dificuldade me controlava, jamais o deixando tirar minha calcinha. Após alguns encontros com o menino, essas carícias fui acostumando e desejando cada vez mais, ele chegou a colocar seu pau entre minhas coxas e, eu sempre de calcinha com ele tentando tirar a força, inclusive uma das últimas vezes ele chegou a rasgar, deixando-me sem ela, mas mesmo assim não permiti que me penetrasse, mas sexo era meu pensamento constante, o que me segurava era que eu sabia que tinha que casar intacta, virgem, mas passei muito sufoco com este menino que namorei, pois ele era delicioso, só não ficamos mais juntos porque ele queria me comer e eu só liberaria quando e se cassássemos e, ele não concordou e acabamos brigando. Hoje eu trabalhava em casa dedicada aos meus estudos, para ser advogada, que tinha fé que logo eu me licenciasse poderia começar a ajudar nas despesas, e assim comprarmos a nossa casa de sonho. Uma tarde do mês de julho estava tão quente que eu coloquei um jeans apertado, uma blusa bastante leve, e fui dar uma volta para comprar uns refrescos. Na rua, percebi que mais do que um olhar vinha direcionado descaradamente na minha bunda ou nos meus seios. O mais surpreendente foi que eu percebi que me excitava quando via o velho porcalhão do vizinho, Sr. Manolo ou, ainda jovens olhando o meu corpo, ficava molhada e não podia evitar andar de um modo sensual para causar mais atenção, estava adorando instigar aos homens por onde eu passava independente das idades, velho, novo, etc... Em poucos dias notei que eles começaram a mandar palavras porcas como "olha para esse cu de PUTA", "olha para essas tetas", "tens cara de quem gosta de chupar" ou "você é uma PUTA que gosta de levantar caralhos", a minha excitação era crescente, aquelas cantadas me deixavam louquinha. Voltava para casa só para me trancar no banheiro para me Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 105 -


masturbar, e não minto quando digo que era cerca de meia hora de orgasmo atrás de orgasmo, era ótimo, diria era espetacular. Todos os eram muito especiais para mim, que eu nunca mais esquecerei, foram às lembranças daqueles olhares e os homens ousados e desejosos! Fica extremamente satisfeita, pois me sentia uma fêmea no cio, minhas noites eram calmas e relaxadas, eu estava muito bem, mas esse estado adorável iria se modificar breve. Numa manhã de uma quarta-feira, Paulo já tinha saído para trabalhar, e eu fiquei sozinha com as lembranças. Não demorou muito para eu vestir os mesmos jeans e uma blusa mais apertada do que os dias anteriores e fui dar outro passeio, apenas andar, olhar e escutar. Os comentários sujos (será que eram sujos?) não demoraram a aparecer e o que aconteceu nos dias anteriores, aconteceu tudo de novo, que delicia, que sensações maravilhosas eu sentia, minha bucetinha minava... No dia seguinte, fui dar mais outra volta, e assim foi o resto da semana. Eu comecei a fazer mais exercício para ficar mais em forma, estava adorando a fase de ser vista pelos homens daquela forma, comprei mais maquiagem colorida e ainda praticava as formas mais sensuais de desfilar, primeiro no espelho em casa e depois fui para as voltas para excitar aos marmanjos. Definitivamente estava feliz com meu novo hobby, eu percebi que os olhares e, sobretudo os elogios porcos dos estranhos na rua, enchiam-me de erotismo, o que me fez sentir mais mulher, em um bairro de estas características, não foi difícil encontrar algum velho que olhasse sem hesitação para o meu corpo e que pronunciasse grosserias (serão mesmo?), até a diferença no status social que existia no bairro resultavam em idéias malucas, porem deliciosas... Um dia eu estava muito excitada, subindo pelas paredes, era uma quarta-feira, naquela manhã em particular estava muito inquieta, e pensei que a saída deveria ser especial. Eu usava uma saia até meio da coxa, leve o suficiente para realçar o formato do meu rabo nu uma vez que a minha tanguinha já estava absorvida nele, encima usava uma camisa apertada que pressionava a minhas tetas e deixava os meus bicos bem salientes, sem sutiã e se alguém fixasse os olhos veria os mamilos durinhos... Sai de casa preparada para chamar a atenção de qualquer homem que se atravessasse na minha frente. Andei muito nesse dia e ouvi muitos comentários deliciosos, já não os achava nojentos. Pouco tempo depois de sair de casa, atravessando o Central Park avistei um velho de idade avançada, que estava sentado num banco. Eu sabia que ao passar, ele diria algo forte, eu queria ouvir, sentia alguma emoção quando me aproximei com meu andar sensual. Passei por ele e o ouvi, ficou inapagável na minha memória, ele disse com uma voz rouca e pode mesmo dizer-se diabólica "Deixa-me chupar a tua buceta sua PUTA GOSTOSA!”. Eu senti uma carga elétrica percorrendo meu corpo, rapidamente me senti encharcada foi como um orgasmo instantâneo. Parei por um segundo e depois continuei andando, assustada, emocionada e especialmente excitada. Nunca me tinham chamado assim, de repente tudo ficou tão claro, era assim que eu me queria sentir, puta, safada, provocante, uma VAGABUNDA! Nesses momentos eu só queria estar em casa, precisava tocar-me. Eu percebi que tinha andado muito, estava longe e sentia-me ansiosa. Decidi pegar um taxi, fui até a esquina mais próxima e subi no primeiro taxi e fui à minha casa, não preciso dizer que fiquei me exibindo ao motorista, né? Rsrsrsrsrs... Quando cheguei a casa, fui direto para o banheiro, e liguei o chuveiro. Pretendia lá ficar por um par de horas, para reviver todos aqueles comentários deliciosos e, ao mesmo tempo nojentos, mas que me deixavam encharcada "puta vagabunda, me deixa chupar a tua buceta!" soaram na minha cabeça e me deu arrepios. A banheira estava quase cheia e estava prestes a fechar a porta do banheiro Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 106 -


quando toca a campainha da porta, "merda, quem poderia ser?, Pensei. Pensei não vou abrir, quando tocou novamente, fiz que não ouvi, mas quem estava a porta insistiu. Desliguei contrariada a água da banheira, coloquei uma toalha mal cobrindo meu corpo e, fui ver quem estava tocando, não queria que nada me distraísse e um palhaço tocando insistentemente na porta e é claro que me iria distrair, atrapalhando minha masturbação na banheira. Abri a porta e ai estava o Senhor Manolo, nosso vizinho, o homem que meu marido detestava. Mal abri a porta os seus olhos fixaram-se nas minhas tetas que sobressaiam na toalha, pois estavam durinhas como pedras de tanto tesão acumulado que eu estava, fiquei excitada de que ele ficou olhando, não posso negar. Primeiro ele desculpou-se pelo incômodo e, em seguida, percorrendo o meu corpo com os olhos, ele me pediu um pouco de açúcar, o que não estranhei, porque eles estavam sempre pedindo alguma coisa, mas geralmente costumava ser Dona Raquel a vir, por isso perguntei por ela. Ele disse brincando que ela estava doente e por isso foi ele quem me incomodou. Demorei um momento observando seus olhos, devorando-me, eu gostava a forma com ele me comia com os olhos, eu estava excitada e eu fazia com ele o que estava acostumada a fazer com todos os homens que me vissem: eu me exibia mesmo, adorava saber que era desejada. Mandei-o entrar e pedi-lhe para me acompanhar enquanto eu lhe daria o açúcar pedido. Caminhei até a cozinha, sabendo que ele não estava perdendo de vista o balançar da minha bundinha, na forma como ele olhou para mim eu compreendi o porquê da sua olhada fixa nas minhas tetas, eu na pressa de colocar a toalha para atender a porta, não percebi que tinha caído um bocado de água na parte acima da peça de roupa que me cobria e, esta ficou colada as minhas tetas, marcando meus bicos para o deleite daquele velho. Fiquei preocupada por um momento uma vez que poderia dar má impressão ao velho, e talvez comentasse com o Paulo, ou então pensasse que eu era uma provocadora, a minha excitação pediame para brincar e atiçar com Sr. Manolo, eu queria vê-lo desejando-me, estremecia só de pensar que eu estava sozinha em casa com um velho sujo que só queria provar o meu corpo. Instintivamente minha bundinha levantou-se, meus ombros foram para trás e meu caminhar ficou estranhamente sexy, mas casual ao mesmo tempo. Quando chegamos à cozinha, eu dobrei-me em ângulo reto para pegar o açúcar no armário baixo, demorei um pouco nessa posição fingindo que não o encontrava, quando eu finalmente o encontrei, me virei e vi como o velho se babava para o meu rabo. Quase fiquei louca só de pensar que o velho me tinha visto o cuzinho arrebitado. Olhei para a sua calça e percebi seu tesão, ele percebeu que eu tinha olhado para o seu pacote, mas não disse nada assim como eu quando o vi olhando debaixo da minha toalha. Eu estava louca, muito nervosa, mas não nervosa de forma normal, mas daquela forma que só a excitação extrema pode provocar. Pedi-lhe para me trazer o açucareiro que tinha, aproximou-se e posei-o sobre a bancada, eu comecei a encher a taça, mas devagar, queria que aquele momento durasse para sempre. Os olhos dele estavam à altura do meu pescoço, ele estava a trinta centímetros de mim e olhava descaradamente para as minhas tetas praticamente nuas, aquele velho nojento queria chupar as minhas tetas, eu sabia e estava excitada e, o que me excitava ainda mais era que eu as estava mostrando para ele, eu tinha certeza agora, eu era uma verdadeira PUTA provocadora a dar calor a um velho. Terminei de encher o açucareiro e me virei ficando de costas para o Sr. Manolo, fechei os olhos e suspirei, sem que ele me visse, encostei-me aos móveis da cozinha fingindo que arrumava qualquer coisa. Eu sabia que ele me estava a olhar desde atrás e o não saber onde ele estaria a olhar geravam em mim muitas idéias provocantes. -Sabe Dona Sheila, você tem umas belas pernas -disse Sr. Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 107 -


Manolo, fiquei gelada. – Espero que não te incomode que diga isso. – Não - respondi, estava imóvel, suponho que pareci ao velho que estava um pouco (ou bastante, não sei!) submissa uma vez que ele continuou. – E esta cintura, você está indo ao ginásio? Assenti com a cabeça, se eu tivesse respondido com "sim" teria se ouvido mais um gemido do que uma palavra, pois eu estava muito excitada. – E esse rabo, desculpe-me por dizer isso, mas é fantástica Sheila Nesse instante deu um passo em frente na minha direção e pousou delicadamente as mãos na minha cintura... – Huauuu, e a sua pele são suaves como a seda. Quando ouvi chamar minha bundinha de rabo, um calor subiu dos meus pés à cabeça, adorei, nunca ninguém falou-me assim, a não ser os gracejos na rua (diga-se de passagem deliciosos) . – Obrigado Sr. Manolo, eu disse nervosamente. Nem acredito que ainda agradeci... Suas mãos começaram a mover-se delicadamente sobre meus quadris. O fato de estar sob tais condições, com um velho olhando, e ao mesmo tempo tocando-me descaradamente e sentindo a minha pele, só aumentava cada vez mais o meu tesão que, com certeza, nesse instante já se tornava explicito ao Sr. Manolo, limitei-me a ouvi-lo e tentar esconder a o meu estado de excitação. – Sheila você tem um corpão, e há já algum tempo que você o anda mostrando descaradamente... Devia ter mais cuidado, pode acontecer-lhe algo... E alias devem dizer-lhe montes de palavrões na rua -disse-me ao meu ouvido. Apoiou o seu pau no meu rabo, eu podia sentir no meu cu a sua virilidade, uma palpitante ereção. Este maldito velho estava a roçar-se em mim descaradamente. Eu era a esposa do seu vizinho, o vizinho de quem ele não gostava... Porra era um velho seboso que se aproveitava de mim (será que era ele mesmo ou era eu, maluquinha para ser usada?), um velho que poderia ser meu pai e também era o inimigo do meu marido, mas que era um macho de pau duro encostando-se a mim e, que estava fazendo com que eu perdesse o controle de mulher séria... Sentia um pau junto a mim, que me deixava com calafrios e, estava gostando muito, um pau que não era o do Paulo e, quando ganhei forças para murmurar um “não! Já chega e me larga” o meu corpo não me acompanhou. Instintivamente comecei a esfregar o meu cu contra sua calça, com minhas nádegas tratava de acariciar devagar e gentilmente esse membro palpitante, era um movimento sutil, mas tenho certeza que ele o sentia. Era óbvio que ele estava sentindo, porque começou a roçar com mais intensidade não muita, mas era perceptível. Estava, naquele instante, a fazer realidade os desejos sujos daquele velho e não tinha forças para impedi-lo de abusar do meu corpo. Suas mãos cercaram-me com cuidado para pegar nas minhas tetas. – Que deliciosas tetas -sussurrou ao meu ouvido. Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 108 -


O velho referiu-se vulgarmente aos meus seios! Essas grosserias que ouvia na rua, agora eu escutava ao ouvido. Minhas mãos apoiaram-se fortemente sobre as dele que apertavam minhas tetas. Gostei de ouvir tetas referindo-se às minhas mamas. – Chega, Deixe-me ir Sr. Manolo Supliquei, mas minhas mãos estavam prensadas contra mim, meu corpo não tinha intenção de resistir e percebi que me excitava suplicar e ser ignorada, que aquele velho não me ouvisse, que o seu tesão fosse mais forte e me dominasse, eu sentia-me desejada e abusada, mas sobretudo morta de excitação. Sr. Manolo apertava-me as tetas com paixão, esfregava-as fortemente sussurrando-me ao ouvido que eram grandes e firmes. Começou a roçar-me com mais força, tive que me encostar-se ao balcão da cozinha para manter o equilíbrio, com as mãos nos meus seios e o seu pau roçando nas minhas nádegas, tive que baixar ligeiramente as pernas para que o meu cu ficasse à altura do seu pau. Eu estava fora de mim, eu fiquei pensando sobre a situação mórbida, e que todas as noites o velho compartilhava a cama com aquela velha, Rachel, e agora tinha um corpo muito mais jovem e firme para saciar os seus desejos, e esse corpo era o meu, uma mulher casada, a esposa do seu vizinho, e estava deixando-se fazer apenas por ser uma cadela, por ser PUTA (essa palavra não saia da minha mente, estava me torturando, será que eu era... Naquele instante eu confirmei o que eu sempre fui e não tinha ainda percebido com clareza, sim, sou uma PUTA e estou adorando ser, finalmente veio a tona o meu segredo mais obscuro)..

Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 109 -


PARTE II Este relato é sob o ponto de vista de Sheila, uma cadelinha e de sua caminhada em transformar-se em escrava do Sr. Manolo e, que eu, DOM GRISALHO transcrevi para deleite de todos nós... Continuando, ele passou algum tempo deliciando-se e, apertando as minhas tetas e roçando seu pau no meu cu. Eu estava louca, parecia ter um orgasmo preso dentro de mim, a idéia de me sentir dominada pelo Sr. Manolo, deixava-me estremecida. O velho apoiou as suas mãos na minha coxa direita, pouco a pouco foi subindo a minha saia até que ele pudesse sentir pele da minha perna, acariciava-me com bravura, virei e me vi observando seus movimentos debaixo minha saia. O rosto dele era de um homem doentio e perverso, agia como um tarado, seu rosto enrugado demonstrava um prazer mórbido e, eu estava pasma, queria mais, estava adorando. Sr. Manolo de repente pegou na minha saia e levantou-a para as minhas costas, ficou com um sorriso de alegria ao ver minha tanga presa entre as minhas nádegas redondas, instintivamente parei ainda mais o meu rabo, mostrando-o em todo o seu esplendor. – Isso, Sheila mostre-me essa bunda como deve ser, ande logo sua vadia -comentou enquanto me dava uma forte palmada no rabo. Seu comentário chamando-me de vadia, misturado com o som alto da sua palmada, fez-me perceber que não havia mais volta atrás, a minha excitação era demasiada forte não podia renunciar. Sr. Manolo tinha-me em suas mãos velhas, cheia de rugas e pareceu-me sujas. Enquanto seguia a admirar a minha bunda, o velho safado pegou nas minhas nádegas e separou-as para apoiar na linha da minha tanga o seu imenso pau (já sentia que era bem maior que de Paulo) bem saliente em suas calças. Quando ele soltou as minhas nádegas senti entre elas as palpitações do seu membro teso e enterrei meu rabo debaixo da sua barriga. Pegou-me pela cintura e apoiou o seu pau fortemente, até consegui ouvir um pequeno gemido dele, enquanto que a mim me saiam com mais evidencia. – Uyyy... Mexe essa bunda Sheila... – Mexe-o como os homens gostam de ver (disse). Obedeci e comecei a movê-la lentamente de um lado para outro roçando nas suas calças, como estava gostando, que tesão. Virei por um momento, excitava-me ver o rosto dele, o velho estava na glória e a perversidade da situação tinha-me na glória a mim. As palmadas começaram a soar novamente sentia alguma dor nas minhas nádegas enquanto o velho gozava, a dor fez-me sentir ainda mais abusada, à mercê do ogro com fome de carne humana que me tinha capturado. Sr. Manolo tirou o seu pau de meu rabo, ficou ao meu lado e pôs a mão na parte inferior das minhas costas. Ele começou a acariciar suavemente o meu rabo, ia de nádega em nádega, depois baixava por minhas coxas e, ocasionalmente, acariciava minha virilha por cima da minha tanga. Parei de se mexer o meu rabo, já sentia a falta das palmadas, mas logo reapareceram, e não voltaram sozinhas. – Para VADIA, o que é que se passa? Eu disse para parar e continua a balançar esse cu PUTINHA! -Exclamou enquanto me deu uma forte palmada. – Como me chamou? ... uuuyyy ... Sr. Manolo.. aaahhh ... Como me chamou? -respondi como pude, Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 110 -


enquanto reanimava o balançar descontrolado do meu rabo naquele pau delicioso. – PUTA... Sheila você é apenas uma grande PUTA... E ainda por cima com um corpo de sonho... Não se preocupe, eu vou rasgar-te como uma PUTA e na cama do seu lindo e corno marido. Compreendeu SAFADA? – Ahhh, Sr Manolo, por favor... Repete do que me chamou... – Você Sheila é uma PUTA e sabemos disso, pare com essa frescura de ficar perguntando o que você já sabe que é. Desde que te vi a primeira eu já sabia que eras uma VADIA e sei ainda mais, és da as mais VAGABUNDAS que já vi, pois se diz séria e é meretriz... A dor misturada com a excitação incrível que me provocou ter ouvido a chamar-me de PUTA, desencadeou-me um orgasmo, que resultou em gemidos e uma tensão por todo o meu corpo. Enquanto ele gozava aquele sentimento, aquela idéia que o velho tenha falado mal do Paulo excitava-me ainda mais, o meu primeiro orgasmo do dia foi longo e intenso. – AAAhhhhhh, Sr Manolo, deixe-me ... Por favor .... -Uuuuyyyy gemendo alto enquanto recebia mais palmadas na bundinha e, cada vez mais fortes. Fiquei quieta no armário da cozinha, Sr. Manolo apercebeu-se que eu tinha acabado de ter um orgasmo e já não me exigia que mexesse a bundinha, limitou-se a acariciar-me, ou melhor, manusear-me enquanto eu recuperava a respiração. Meu rosto estava encostado à parede, os meus olhos fechados e a forte respiração denunciavam a minha passividade. O velho aproximou-se e enfiou a língua entre os meus lábios, brincou um momento dentro da minha boca e depois lambia meus lábios e queixo. Deu um esticão arrancou a minha saia e a atirou para o chão, eu reajo e distancio-me um metro dele. Lá estava eu, em frente ao vizinho, com uma tanga minúscula, uma blusa pequena molhada que se agarravam ao meu peito e calçada sobre umas sandálias de salto alto. De certeza que ele me via como um sonho realizado, porque o velho estava com um sorriso doentio. Ele começou a acariciarse por cima das calças, massageava o pau bem em frente de mim, a idéia de que esse velho se masturbava olhando para meu corpo disparou o retorno daqueles formigueiros que pensava extinto após o orgasmo. – Está muito bem safada Sheila, que sorte tem o filho da puta do Paulo, teu marido corno, acha que ele nem sabe que é corno e és uma PUTA SAFADA, ou ele sabe VADIA? – Por favor, não se refira a Ele dessa forma, coitadinho do meu marido, eu o amo – eu disse sem muita convicção. – Ah, ah, ah... Como é que queres que lhe chame?... Ah, sim, corno essa é a palavra, é um filho da puta cornudo, um chifrudo que não sabe nem trepar na esposinha linda dele -disse ele enquanto apertava o pacote e olhava para mim -Acabei de manusear como quis a sua linda esposa, até lhe dei um belo beijo e agora eu estou vendo-a seminua na minha frente enquanto bato uma boa punheta... Realmente esta mesmo boa. Olho para essas pernas são de luxo!... Agora quero que desfiles para mim, que me mostres esse corpão de PUTA... Anda, anda logo VADIA, desfila como uma PUTA! Dá-me tesão!. Ou quer apanhar mais ainda???

Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 111 -


Fiquei na duvida, não gostei do que o velho disse sobre meu esposinho, mas era verdade, eu era uma vadia e ele estava virando um corno, eu sou uma cadela que queria jogar ou jogassem com ela. Perdoa-me Paulo por não ser capaz de evitar me entregar como uma PUTA e desculpe se eu te coloco chifres, mas você tem culpa também, não sabe me comer e, eu preciso de um macho que saiba trepar e, você infelizmente é frasquinho, mas saiba que eu o amo... Caminhei devagar na frente dele. Mostrei os meus melhores passos treinados enquanto fixava o seu vulto nas suas calças, eu sabia que ele gostava que eu olhasse para o cacete dele e eu gostava de excitar esse velho, um velho que jamais poderia sonhar com uma mulher como eu. Quando passava perto dele, ele nunca perdia a oportunidade de me dar uma palmada ou de manusear as minhas tetas, ao mesmo tempo em que me enchia de insultos chamando-me de CADELA ou PUTA. Eu estava no céu, estava adorando os nomes que o Sr. Manolo me dizia. – Isso mesmo Dona Sheila, mexa o seu rabo para este homem quente, mostre-me o quanto é provocativa que a esposa do meu vizinho corno, pode ser... Que puta mais saborosa! ... E vai ser minha!... Seu corpo será meu... Não é verdade Sheila? Não é PUTA? Vamos, responde! -O velho atravessou-se no meu caminho, agarrou-me pela cintura, e olhou-me nos olhos com um sorriso enfermo. – Sim, sim, Sr. Manolo, sou PUTA mesmo, eu descobri que sou SAFADA... O meu corpo é seu, pode usar... E será da maneira que o Senhor quiser -respondi. Submissa aos ataques das suas mãos, que metia com força debaixo da minha camisa para apertar as minhas tetas. – A VADIA gosta que aperte as tuas tetas? ... As PUTAS como tu gostam. – Sim Sr. Manolo, eu gosto que me apertem as tetas -gostei de dizer tetas referindo-me aos meus próprios seios, dá uma idéia melhor de PUTARIA. Suas mãos levantaram a minha camisa para poder ver como ele amassava minhas tetas. – E a VADIA gosta que lhes chupem? Queres ser a minha vaca leiteira? Que belas tetas Sheila, de certeza que o corno do teu marido também gosta -disse ele enquanto começava a lamber os meus mamilos. – Sim ele gosta muito Sr. Manolo -respondi sem perder de vista a sua língua -orgulha-se de ser o único que já as chupou, até agora, rsrsrsrs. Ao ouvir isso, apertou-as com força enquanto as suas lambidas se converteram em chupadas e mordidas mais intensas. Paulo, que já era um corno, nunca me tinha tratado assim, sentia-me muito desejada e suja ao mesmo tempo, por permitir que este velho safado, mas delicioso, me usasse desta maneira. Depois de alguns minutos, deixou minhas tetas para colocar as mãos no meu rabo, apertava e acariciava as nádegas com violência. AAAAAiiiiiiiiiiiiiiiiii, delicia. – E essa bundinha Sheila... Quero fuder, como é bom, você tem bunda de sonho PUTA... E quem está esfregando sou eu, seu novo DONO e SENHOR. Está compreendendo PUTA??? – Sim Sr. Manolo, meu DONO e SENHOR… AAAAAHHHH... E não o BOIOLA do seu marido compreendeu PUTA??? – Sim Senhor, meu DONO e SENHOR... A VADIA gosta que te toquem a bunda sua CADELA???

Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 112 -


– Até hoje só o meu maridinho amado que colocou a mão em mim, mas adoraria que o Senhor me manuseie o rabo, Sr. Manolo!uuuuyyyyy ....¡!.... Adoro excitar velhos como o SENHOR... aaaaayyyyy adoro que abusem do meu cu aaaayyyyy ... Não, não, já chega... Ai, ai, por favor, deixe-me ir Sr. Manolo, por favor, não abuse de mim -disse como uma PUTA assustada. O velho safado nem deu bola e retornou as fortes e adoráveis palmadas sobre minhas nádegas, e puxa como estava gostoso, meu corninho nunca fez nada disso e, eu precisava ser tratada assim, sou PUTA, reconheço que sou PUTA, quero ser PUTA, sou PUTA mesmo, o velho da praça tinha razão quando foi o primeiro a falar para mim o que eu sou: uma PUTA... –Deliciosa PUTA que és Sheila... Uma PUTA linda. Você é uma PUTA de classe. Olha que cara de anjo... Lábios belos... Gostarias de ser recompensada com um doce? -O velho começou a desatar o cinto e quando ia começar a desapertar as calças, ele parou e olhando para mim com cara de safado disse: -anda PUTA, vá procurá-lo PUTINHA, mostra ao velho Manolo, seu DONO do que gostas. Chegou o momento tão esperado por mim, sou a VADIA que esperava essa hora maravilhosa de se assumir, até então eu não tinha percebido como estava ansiosa por me comportar como uma verdadeira PUTA, eu queria ser uma VAGABUNDA completa. Era tempo de fazer, em vez de me deixar fazer, assumir de vez a posição que eu sei que sou: PUTA SAFADA RAMPEIRA, uauuuuuu; minha excitação estava em ascensão, minha cabeça a mil, será que finalmente concretizaria o que nasci para ser?. – Anda senhora Sheila, procura o que as CADELAS como você gostam. Garanto que está muito duro. Muito duro em sua honra e disposição. Venha PUTINHA, toca-lhe -O velho apercebeu-se da excitação que me provocava quando me chama de PUTA, e soube explorar. Eu estava com medo, eu sabia que era diferente causar prazer do que receber, e mais ainda se era o velho que o meu marido odiava, mas eu estava determinada a continuar jogando com a idéia maluca de me render ao Sr. Manolo. Ser fudida por esse velho ranhoso me converteria numa PUTA e isso me encantava, queria ser uma PUTINHA com muita vontade de prazer... E de pau, caralho, cacete, membro, pica, o nome que quiserem........é o que quero.. Aproximei as minhas mãos ao vulto da sua calça, o velho suspirou de prazer quando eu o apertei sentindo a dureza de seu pau. Ele olhava para mim com um sorriso estranho, como um violador olhando para a sua vítima indefesa. Eu podia sentir um pau grande e grosso sob as calças, estava encantada, aquele velho estava com uma grande tesão, o que me fez sentir uma verdadeira fêmea. Desapertei os botões das calças e acariciei o seu pau sob sua cueca, fechei os olhos para desfrutar da sensação de tocar aquele tronco velho de carne, uma de minhas mãos agarrou-lhe os testículos (as bolas do saco) peludos, que gentilmente comecei a acariciar, com a outra mão agarrei aquele pau duríssimo e comecei a punhetá-lo para cima e para baixo. Apanhou-me distraída e o Sr. Manolo voltou a colocar sua língua na minha boca, inundou o meu rosto de saliva, era nojento, mas sem dúvida excitante, devolvi o seu beijo como uma menina inocente deixando-se fazer, como se fosse o meu primeiro beijo e depois o deixe lamber a minha cara. A pele de seu pau estava tesa por causa da rigidez do mesmo, a sua glande estava molhada e inchada deixando minha mão encharcada quando por lá passava. O tamanho do seu pau era bem maior do que o do Paulo e, isso me excitava, era estranha a idéia de que o velho me podia dar mais prazer do que meu marido, com seus anos a mais, a barriga dele e de sua cara feia e ia-me fuder como nunca tinha sido pelo meu marido, com toda certeza. Suavemente Sr. Manolo dirigiu-me para a mesa da cozinha. Eu, mantinha na minha mão no seu pau, e o seguia, eu estava perdida, estava Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 113 -


faminta. – Agora você vai me chupar PUTA... Vai chupar o pau ao seu vizinho -Disse Sr. Manolo quando me forçou inclinar sobre a mesa. Fiquei num dos vértices da mesa, deixando a minha cabeça à altura do seu mastro e meu cu arrebitado do outro lado da mesa. Enquanto acariciava o meu rabo, começou bater-me com a verga na cara. – O que achas do teu doce? Humm seu PUTA, gostas? -Começaram de novo as palmadas no meu traseiro -Que diria o seu marido, se te visse com meu pau na cara?..... aaaaggghhh .... ... vai! Abre a boca sua PUTA RAMPEIRA. – O meu marido nunca me pediu para lhe chupar o pau Sr. Manolo -disse antes de soltar o ultimo botão de cima de sua camisa e passar a minha língua pela sua peluda barriga -Seu caralho de velho será o primeiro a saborear a minha boca .... Você Manolo será o primeiro a meter uma pica na minha boca. Deseja isso Sr. Manolo? – PUTA não enrola e chupa logo, senão vou dar-lhe uma surra que vai te deixar vergada, vamos logo sua SAFADA. Eu não podia acreditar no que os meus lábios acabaram de dizer, eu sabia que ia provocar ainda mais tesão no velho, e estava ciente de que aqueceu a mim também, mas dizê-lo com aquela mistura de inocência e sensualidade espantou-me. – Então, abre a boca Sheila PUTINHA -disse com uma sua voz rouca. Primeiro, percorri o seu pau de cima a baixo com a língua, ele inclinava-se para frente querendo observar as minhas lambidas sob a sua barriga. Comecei a lamber a partir da base do seu pau grosso até sua glande molhada, que tinha um gosto de suor com forte cheiro de urina, eu gostava do tesão do velho, banhei o seu mastro com saliva e suas bolas também.. Quando peguei sua glande com os meus lábios, cada uma de suas mãos apertava as nádegas que tinha aprisionado. – Isso PUTA, Sheila chupa meu pau... Mostra-me o que o maricas do corno do teu marido anda a perder. Comecei a chupar o seu pau com tanta fome, os meus lábios bem abertos percorriam aquela pica saborosa desde a glande até que ao máximo que agüentava minha boca, a minha mão apertava e masturbava o resto que não cabia minha boca, minha língua acariciava seu pau sem descanso e meu rabo abanava sem cessar. Já estava há um tempo assim, quando eu comecei a abrandar. – Vamos PUTA! Continua chupando... Continua a chupar o pau de seu DONO que cheio de tesão -exclamou enquanto me dava mais palmadas na bundinha, que já estava bem vermelhinha, não sei como iria disfarçar para que o meu corninho não descobrisse. Retomei o meu ritmo, minha excitação havia crescido. Ao tratar-me de PUTA e ao ordenar-me para continuar, sentia-me mais desejada... Mais PUTA. Enquanto chupava não podia evitar que os sons de gemidos se misturassem com os de sucção na minha garganta, minha excitação sentia-se e mais ainda quando diminuía a intensidade da punheta, com a intenção de ouvir mais uns gritos, insultos e palmadas como uma menina que não faz o seu trabalho.

Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 114 -


– Gostaria que o corno do seu marido visse como você me está chupando... Aaarrgg o maravilhoso corpo de mulher que tens e chupando o seu odiado vizinho -enquanto este acariciava o seu cu delicioso... aaaahhhh ... . Isso PUTA, saboreie o teu doce, -Dizia ele, sabendo que eu me excitava mais com os seus insultos. Afastou o seu caralho e ficou atrás de mim. Pegou na minha tanga e deixou-a a meio da coxa. Olhei, ele estava olhando para a minha bundinha e minha virilha nua e totalmente exposta. Ele colocou a mão na minha vagina molhada e acariciava-me aproveitando os meus fluxos que já chegavam no meio das minha pernas... – Está toda molhada PUTA... Como uma CADELA no cio -disse enquanto colocava a ponta do seu pau nos meus lábios. – Não Sr. Manolo, não meta o caralho em minha bucetinha... Por favor... Não me viole -implorei sabendo que não me faria caso; para o velho safado já lhes disse que adoro saber que não lhe importo ou se quero ou não? – ainda bem que o velho não ligou para o que eu falei e quer me comer, rsrsrsrs... – Você esta louca para que eu trepe e fica com essa frescura de tonta... Você é VAGABUNDA... Achas que te vou deixar assim, sem te comer? – Bem, pensando melhor, acho que vou atender seu pedido... Vou te deixar, procure outro que te coma sua VADIA, e o velho retirou aquele delicioso cacete de perto de mim. Fiquei em desespero, eu to tão necessitada e o velho safado vai me deixar? – Não faz isso não Sr. Manolo, eu falei bobagem, vai, fica, não me deixa. Sr. Manolo senão trepar comigo, não terei quem procurar, tenho muita vergonha... – VADIA agora você vai me pedir que eu te coma a bucetinha, senão vou embora e não volto mais. Anda logo VAGABUNDA se quer que eu fique... Eu estava sem resposta. -Anda, pede-me para que te coma... pede-me que te faça minha... Pede-me que possua o corpo da esposa do meu vizinho... PUTA anda, eu não a vou meter até que você me peça -disse o velho enquanto a sua glande, roçava na entrada da minha vagina, alucinando-me. Ele passou algum tempo acariciando meu rabo e virilha com seu mastro, as mãos mantinham-se nas minhas nádegas. Minha excitação dominava-me, estava esse velho manuseando-me e olhando para meu corpo nu, exceto a minha camisa molhada e já não agüentava mais, a vontade de senti-lo dentro de mim falava mais alto. Eu virei para o olhar, nossos olhos encontraram-se, o seu sorriso malévolo me fez sentir fora de controle dominada e quente. – Por favor, Sr. Manolo, aaaaayyyyyy... Possua-me, vingue-se do corno do Paulo, fodendo a sua esposa... Quero sentir que abusa de mim uuuuyyyyy... Eu quero sentir o seu pau grosso dentro de mim, por favor... Sr. Manolo mete em mim, minha buceta precisa ser usada pelo SENHOR, satisfaça-me e serei sua PUTA E VADIA para sempre... Para que desafogue o seu prazer no meu corpo... Por favor, Sr. Manolo, por favor, acalme meu tesão, me come meu DONO, serás meu SENHOR enquanto quiser -Disse olhando em seus olhos em um ato suplicante, enquanto eu acariciava o meu rabo como eu sabia que ele estava gostando. Eu não ligava mais para me humilhar, queria fuder de todas as formas e o Sr. Manolo era experiente e sabia tratar uma VADIA como eu, já sabia e queria aproveitar aquele pau delicioso...

Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 115 -


O velho Sr. Manolo esperou até eu terminar o meu apelo desesperado, estava entretido olhando meu rosto excitado quando lhe suplicava pelo seu caralho. Eu parei de olhar quando me agarrou pela cintura, eu coloco a ponta do seu pênis na minha ávida bucetinha e de uma só investida enterrou-o completamente em mim... Seu pênis grosso abriu caminho dentro de mim como uma broca. Soltei um grito de dor e prazer, uma mistura requintada que crescia entre as minhas pernas. Como foi bom, o Sr. Manolo sabe como tratar mesmo uma PUTA como eu, delícia, delícia, delícia... Meu DONO ficou parado por um tempo, todinho dentro de em mim, nunca tinha sentido nada tão profundo e gostoso como aquele cacete. Excitava-me pensar como eu me tinha deixado penetrar pelo velho, feio, mas vigoroso vizinho, a idéia era repetitiva, mas não podia deixar de me excitar. De repente, começou o violento tira e põe, tinha-me agarrada pela cintura e puxava-me contra ele com a mesma violência com que me penetrava. Eu podia sentir sua barriga nas minhas costas quando se baixou para pegar minhas tetas, estava encima de mim fodendo-me loucamente. Eu tinha as pernas juntas, amarradas pela minha tanga a meu meio das coxas, e os meus cotovelos apoiados na mesa davam-lhe espaço para que apertasse minhas tetas animadamente. Eu estava a ser montada como uma verdadeira cadela. – Aaaaaayyyyyyy!.......¡!....¡ Dói-me uuuuuuyyyyyy!.......¡ Está a partir-me!.......¡ Sr. Manolooooo!...... .!.........¡ PAREEEE, NÃO, NÃO, deixe-me NÃO POSSO FAZER ISTO AO PAULO, ai como é bom!.VELHO NOJENTO, aiiiiiiiiii......¡!..¡¡¡ PARE DE ME VIOLAR! NÃO PARA NÃO, CONTINUA, VELHO SAFADO, CONITNUA Sr. Manolo.... – CALA-TE PUTA! APENAS ESTOU A COMEÇAR!......¡!.....¡ SHEILA COMO É BOM TE FUDER POR TRÁS!...... AAAAARRRRGGGGG .......¡ DISSESTE QUE SERIAS MINHA SE TE METESSE!.....¡ ÉS MINHA SHEILA PUTA! AMANHÃ QUANDO O FILHO DA PUTA DO TEU MARIDO FOR TRABALHAR PRESTE ATENÇÃO VADIA!....¡¡¡¡ EU VOLTAREI PARA TE FODER!.......¡ E VAIS ESPERAR-ME, OUVISTE? VAIS ESPERAR-ME PORQUE VAIS ESTAR FAMINTA DO CARALHO DESTE VELHO NOJENTO-gritava enquanto me fodia. – Sim Sr. Manolo farei tudo que quiser, mas me fode, vai....... aaaayyyyyy ..... Vou esperar submissa e obediente, disposta a tudo!... Eu vou ser sua cadela... Uuuuyyyyy ... A esposa do Paulo já é sua PUTA!..... Aaaahhhhh Aaaaahhhhh -explodiu o meu segundo orgasmo que foi longo e intenso, fiquei mais calma, mas não satisfeita, ainda estava com fome, EU QUERIA MAIS, o velho safado que dê conta, mas eu queria mais pica. Nunca senti tanto prazer como naquele instante, o Sr. Manolo era velho, feio, nojento, seboso, mas que pica maravilhosa ele tem…

PARTE III Quem desejar saber o início deste relato procure as duas primeiras partes já publicadas, basta apenas acessar pelos sites de busca, várias páginas publicaram, espero que goste... Esta narrativa é sob o ponto de vista de Sheila, uma cadelinha e de sua caminhada em transformar-se em escrava do Sr. Manolo e, que eu, DOM GRISALHO transcrevi para deleite de todos nós... CONTINUAÇÃO: O velho Sr. Manolo parou, sacou o seu pau, mas ficou ainda de pé atrás de mim. Não esperei muito para começar a se mover minha bundinha contra ele, agora era eu que estava comendo seu delicioso pau... Movia-me para a mesa, sentindo o toque de seu membro dentro de mim, e depois no movimento de ida sentia-o deslizando pela minha xana molhada. – Isso PUTA, venha... Sheila mostra-me como gostas... VADIA mostra-me que o desejas -disse o Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 116 -


velho enquanto ele acariciava minhas costas. -agora mais rápido! Vamos mais rápido! Não me faça esperar, enquanto me espalmava nas nádegas com as mãos enrugadas, mas extremamente gostosas. Eu estava gostando de ser tratada como PUTA, CADELA SUBMISSA, estava gostando de apanhar na bunda como uma VAGABUNDA SAFADA, porque eu sabia que era mesmo tudo isso... Acelerei o ritmo dos meus movimentos. Sr. Manolo não se mexeu, era eu que, sob aos seus tapas, devorava o seu instrumento entre as pernas em um frenesi maluco. Eu sabia que ele gostava de olhar para mim me dando prazer com seu pau, eu sabia e gostava, enquanto eu continuava esfregando-me a fim de manter seu caralho dentro de mim. A sensação de ser uma CADELA, de ser insultada, e ainda mais quando meu DONO insultava o meu marido, fazia com que eu me descontrolasse todinha e um tesão imenso me tomava, estava achando sublime ser chamada de PUTA e o meu Paulo de marido corno, um torpor agradável me invadia e, com isso eu queria mais e mais ser usada e abusada pelo Sr. Manolo. Meu único controle era que ele seguisse abusando do meu corpo, que, aliás, eu entreguei ao meu macho, Sr. Manolo que agora era meu único DONO e SENHOR e Paulo apenas meu marido e, que eu o transformei em corno, e quem sabe um dia será além de chifrudo ser manso também e vir servir, junto a mim, ao Sr. Manolo, seria uma coisa extraordinariamente prazeroso, pois além de tudo não precisaria esconder e o meu DONO poderia entrar em casa o horário que bem entendesse, sem ter que nada esconder do meu corninho... Depois de um tempo de desfrutar dos meus movimentos, de repente ele afastou-se de mim, sacou o pau de dentro de mim, deixando uma grande lacuna entre as pernas. Virei para ver o que fazia e assustei-me ao vê-lo puxando as calças para cima. – Que é isso meu DONO, não para não, continue Sr. Manolo... Por favor, continue usando de mim – supliquei, sem saber o que fazer... – Sheila VADIA eu quero continuar desfrutando de você, mas na sua cama PUTA! Onde você dorme com o corno de seu marido -disse o velho maldito. – Não, por favor, Sr. Manolo, não me humilhe assim, seria horrível para mim ir à minha cama com o SENHOR e fazê-lo mais corno ainda do que já e, por favor meu DONO, faço qualquer coisa, mas fiquemos aqui. Por favor, eu imploro, faça-me tudo menos isso! -pedi-lhe levantando-me da mesa, querendo beijá-lo para esquecer essa idéia. – Sheila só pelo prazer de humilhá-lo, eu vou fuder a sua esposa na sua própria cama e, você vai me acompanhar, porque você é uma PUTA com fome de pau e meu cacete vai para o seu quarto. E não demore PUTA SAFADA ou verás o que lhe farei, entre outras coisas o leite que tenho guardado para você, vai para a almofada do corno do seu esposo, se é isso que quer, não venha atrás de mim sua VADIA -Disse caminhando para o quarto. Triste, lágrimas caindo e resignada subi a tanga, minha blusa desta vez molhada com meu próprio suor, ainda pegava ao meu corpo. Eu não podia acreditar que o velho Sr. Manolo me tinha deixado jogada na cozinha, sabendo que não poderia suportar o desejo de não o seguir. Não queria fazer mal e trair a quem eu amo, meu marido, mas queria também aquele caralho delicioso, queria aquele macho que estava me levando à loucura. Sr. Manolo é meu DONO e queria humilhar o Paulo fudendo-me na nossa cama. P Sou PUTA dele, apenas me sobrava eu seguir a meu DONO ou então colocar aquele maldito velho safado e expulsa-lo fora da minha casa. Que fazer, peguei minha saia e pensei em vesti-la, mas Ele poderia ficar chateado e violar-me brutalmente ali mesmo, ele era mais baixo, mas fisicamente mais Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 117 -


forte que eu. A idéia excitou-me, mas o que fazer, entre salvar a imagem de meu marido que já era corno ou eu ter a felicidade de continuar usando aquele cacete maravilhoso do Sr. Manolo. Dúvida atroz, que fazer, minha razão impunha que o expulse já, mas meu corpo pedia aquele macho... Pensei rapidamente e meu corpo superou minha razão, eu quero ser cadela do Sr. Manolo. Eu pensei bem e vou seguir meu SENHOR, irei entregar-me a esse velhote de merda, mostrar-lhe que, enquanto ele continua a abusar de mim, humilhando o meu amado marido da pior maneira, eu continuaria submissa e obediente. Viciada pelo seu delicioso pau parecia uma viciada em drogas com falta de uma dose, precisava do cacete e iria para o Sr. Manolo, bem quietinha, pois sou PUTA mesmo e escrava Dele, independentemente das conseqüências pertencia a Sr. Manolo... Quando entrei no quarto eu me senti como uma criança no seu primeiro dia de escola, eu estava nervosa, ansiosa e com medo, ainda assim caminhei com um andar sensual e orgulhoso. Ele estava nu na cama com aquele maravilhoso pau duro, um pau majestoso, imponente, uma maravilha da natureza, pois era belo e, agora eu o via Em toda a sua pujança, meu DONO só manteve seu par de meias, já velhas que, aparentemente, não iria despir. – Anda cá Sheila até onde as minhas mãos te possam tocar. Vamos lá, satisfaz o Sr. Manolo, o velho que lhe dará seu a merecida trepada que tanta você quer. Aproximei-me dele, como ele pediu. De um esticão desprendeu todos os botões da minha camisa e, deixou minhas tetas livres diante dele. Não demorou a pegá-los entre as mãos e chupá-los como um bezerro esfomeado; logo depois suas mãos apertavam minha bundinha e puxavam o meu fio dental apertando-o contra a minha privacidade, a sua língua ia até ao meu pescoço e depois a minha cara, estou seguindo as ORDENS dele, não falaria mais rosto e sim cara, pois além de CADELA sou PUTA dele. Sr. Manolo ousou dar-me um beijo repugnante. Mas, eu fiquei muito excitada, pela primeira vez, sentia sua pele enrugada e peluda abraçar o meu corpo. Eu me descontrolei por completo, fiquei sem chão como se diz, mas correspondi ao abraço de meu DONO, deixando-me a sua mercê e sem proteção, todo meu corpo era propriedade dele. Eu queria muito e sabia que ia conseguir ter uma foda que eu tanto procurava. Aquele pau eu já sabia que ia fazer maravilhas em mim e, o fato agora já não me importava dele ser velho, feio (muito feio mesmo), ainda não tinha um cheiro muito agradável, ignorante no trato comigo, mas era isso que eu sei que precisava. Sr. Manolo é um verdadeiro exemplo de homem macho, viril, tão diferente de meu maridinho corninho, nem tem como comparar. Digo a vocês meu DONO é tudo isso que eu escrevi, e além de tudo que pau maravilhoso ele tem, superava tudo de ruim que ele era e, ainda assim era muito melhor que meu corninho no sexo claro... Ele afastou-me de repente, e desta vez foi a minha tanga pequena, que foi retirada de mim com um forte esticão e acabou arrebentada. Ele pegou no meu braço e lançou-me sob a cama, cai de costas, dominada, entregue, excitada. Ele masturbava-se devagar enquanto olhava para o meu corpo com aquele sorriso estúpido que me excitava totalmente... – Abra as tuas pernas Sheila PUTA, mostra-me como te entregas na cama onde dormes com o teu marido CORNO... E pede-me logo sua VADIA SAFADA, pede-me para te foder com o uma PUTA -disse com malícia. – Sr. Manolo... Por favor... Fode-me aqui na cama que eu partilho com o Paulo -abri lentamente as minhas pernas, dobrando os joelhos para expor totalmente a minha privacidade, oferecendo-me como uma PUTA -Anda velho tesudo, meu DONO... ... Aaayyyy abusa do meu corpo... Abusa do corpo da esposa de outro homem... ... Uuuuyyyyyy usa-me como uma PUTA, aliás, sua PUTA e de Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 118 -


mais ninguém eu juro -continuei, enquanto minhas mãos corriam delicadamente minha virilha e minhas tetas, expostos a ele. – Sr. Manolo venha e me fode, me penetre... DONO preciso do teu pau... ... ... Fode e abusa da mulher do seu vizinho, que nunca havia traído e hoje eu o transformei em um chifrudo... -fechei os olhos e virei minha cara, então eu mergulhei no entusiasmo que eu tinha acabado de dizer e dei-lhe a entender que o meu corpo exuberante, que estava totalmente nua na cama: o corpo da mulher do seu vizinho é seu. Bastou senti-lo junto à cama, que eu comecei a gemer baixinho. Senti a ponta do seu pau na minha vagina. Pensei ainda em gritar, fazer um escândalo, mas pensando na reação de meu corninho do Paulo quando descobrisse que tinha uma esposa PUTA, deixei Sr. Manolo continuar a me comer, pois com a minha carência, estava muito adorando ser comida. Fiquei quietinha, submissa, enquanto ele enfiava o maravilhoso pau na minha boceta. Quando o agora meu DONO mergulhou em mim, eu senti a sua barriga sobre a minha barriga esbelta e a sua língua começou a percorrer o meu pescoço. Eu ainda tentava ajudar, me ajeitando, mas a pica dele era muito grossa e tinha dificuldades para entrar, então eu o envolvi com as minhas pernas, a sua textura flácida lembrou-me da diferença de idade. Sua pele aveludada e enrugada esmagava-se sob a pressão das minhas coxas. Sua respiração era pesada e ansiosa, como um cão desesperado. A idéia de me deixar satisfazer por um velho homem que poderia ser meu pai, um gordo velho, asqueroso e horroroso, e que também era inimigo do meu marido, excitava-me de uma forma incrível. Que dor danada de boa que era! Meu DONO ficou fudendo, até que me acostumei e comecei a rebolar naquela pica deliciosa. O Sr. Manolo sabia que eu estava gostando de ser fudida, eu precisava disso, eu deveria ter procurado um macho como ele a tempos, mas ainda bem que o meu DONO me procurou, porque vai saber quando eu iria procurar alguém para trepar tão gostoso como aquele velho seboso, ordinário, mas muito tesudo. O vai e vêm frenéticos, que o Sr. Manolo me estava dando, arrancava-me gritos de prazer, meu terceiro orgasmo não demorou a chegar e, garanto o melhor de todos eles, foi intenso, saboroso, indescritível. Mas tentarei abaixo dar uma idéia... Cansada, mas entregue às vontades do velho, eu abri os olhos. Olhei a foto do meu casamento, que estava na mesa de cabeceira, eu e o Paulo sorrindo lado a lado, que tinha testemunhado o abuso do meu corpo. Meus olhos estavam fixados na foto, eu senti lágrimas a brotar dos meus olhos e cobrir a minha cara. As lágrimas eram por um sentimento de culpa, a culpa por não ser capaz de dizer não ao velho, mas eu sei que precisava e ainda preciso do caralho que o Sr. Manolo estava me dando, eu precisava me realizar como mulher e fêmea. Pedi sinceras desculpas mentalmente a Paulo, eu o amo do fundo do meu coração, mas não parei de colocar chifres no meu corninho, não agüentei e voltei a apertar as minhas pernas ao corpo do meu violador, abracei-o, acariciei suas peludas costas, procurei sua boca e beijei-o de forma ofegante como uma autentica PUTA com fome e, que apenas comprovava o que eu tinha confirmado naquele dia. –Dá-me logo seu cacete meu DONO, meu velho asqueroso, aaaahhhh... Dá-me mais forte... ... Furame velho nojento – eu gemia presa aos seus lábios e ainda com as lágrimas a correrem pelo meu rosto. Ele percebeu minha tristeza o que lhe provocou o riso de escárnio e, querendo me humilhar, tentando fazer me sentir como a mais VADIA de todas as PUTAS que ele já trepou e, estava conseguindo, eu estava adorando, nunca havia sentido nenhum prazer próximo ao que o velho fedido me proporcionava. – Agora é tarde demais Sheila VADIA... O seu corpo já é meu... Sinta o meu pau... Você é uma PUTA NOJENTA... Sucumbida aos desejos de qualquer que te dê pau, sua SAFADA... A qualquer um que queira te fuder, você é VADIA, quer dar a qualquer que queira desfrutar do seu corpo... Até um velho como eu que está LHE montando – Sr. Manolo torturava-me provocando ondas de prazer. Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 119 -


Ajoelhou-se, e apoio as minhas pernas sobre os ombros e continuou com as encravadas fortes, tirava sua pica e afundava nas minhas profundezas intimas de um só golpe. Nessa posição, com o meu rabo à vista, acertando a virilha em sua barriga, as palmadas soavam novamente e, eu queria mais, mais... – Velho safado enfia tudo, sou sua e não serei de mais ninguém, fora o SENHOR e o meu corninho amado. – Toma PUTA... Assim é que gostas que te fodam! Aaaarrrrgggg... É uma menina má, que merece que te destruíam o cu -gritava enquanto apertava as minhas pernas contra o peito -!.... Isso PUTA! Gosto de ver como saltam as tuas tetas... Grita PUTA, continua gritando VADIA... Mostra-me como gostas de um caralho enterrado em você, mostre que és SAFADA, Vamos... Seus insultos, seus golpes, o seu desdém tinha-me num estado de êxtase. Eu o vi atacando o meu corpo ardente com um desejo e ódio. Quando ele me cuspiu, fazendo cair saliva no meu rosto, incentivei-o recolhendo os restos de sua humilhação, com a minha língua. Eu já me considerava como a sua cadela e quero mostrar a Sr. Manolo que era capaz de continuar aceitando e fazendo isso e muito mais. Sou uma PUTA e CADELA, quero ser cada dia mais... De repente, seus ataques diminuíram de intensidade até sacar totalmente o seu membro de dentro de mim. Meu corpo continuava com os balanços de vaivém, com deliciosa ansiedade e luxúria. – Vem Sr. Manolo... Dê-me mais pau... Continue metendo, vem... -supliquei entre suspiros. – Sim eu vou continuar sua PUTA, não se preocupe -respondeu enquanto os seus dedos estavam acariciando em volta do meu cuzinho virgem, provocando-me e deixando-me com mais tesão -Alguma vez o teu marido te pediu o cuzinho? – Sim Sr. Manolo -respondi percebendo que minha resposta não tinha agradado meu corninho amado -mas não lhe entreguei, ele queria, mas eu não lhe dei, porque minha bucetinha ele comia mal e com certeza meu cuzinho iria ser igual – Sr. Manolo olhou-me e aquele sorriso nojento voltou a aparecer no rosto dele. – Então ele vai ser meu, eu vou-te desflorar esse cuzinho entendeu sua PUTA -Disse enquanto encostava sua glande contra o meu ânus. – Não!... Oh, não, por favor, Sr. Manolo, ele é virgem, nenhum homem chegou a encostar-se a mim, por favor, pare -supliquei, mas completamente envolvida de desejo. Mas Sr. Manolo percebeu que eu estava é fazendo fita e sem falar nada, começou a penetrar-me, senti seu pau afundar até meio, minhas pernas pararam, permaneciam imóveis perante foda anal que estava sofrendo. Permaneci em silêncio, até ele enterrar ate ao fundo seu enorme cacete, de uma vez e sentir suas bolas peludas em meu rabo, foi aí que soltei um grito de dor. A dor inundou-me, meus gritos pareciam incentivar suas investidas, que de gentis carinhos na penetração se transformaram rapidamente numas punhaladas frenéticas. –!ESTÁ A DOER! ... ... AAAAAAAHHHHHH TIRA-O VELHO NOJENTO! .. .... ¡ AAYYYYYY!....¡ DOE-ME! AAAAYYYYY!....¡ ESTAS A PARTIR-ME! SR. MANOLO! ... AAYYY ... .. -gritei enquanto meus gritos se misturavam com gemidos de prazer -!.... AAAYYYYY QUE BOM….PARTE-ME O CU VELHO, PUTA QUE PARIU QUE CARALHO DELICIOSO. Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 120 -


¡ AAAAAAAAHHHHHH VAI, FURA-ME ATE O FUNDO! CONTINUA NÃO PARA, MEU DONO VAI, FAZ EU GOZAR.... CONTINUA MEU DONO! .. ....¡ – Que cu mais apertado PUTINHA... isso, ENFIO TODO VADIA……….aaaaagggghhhh .... ¿ gostaria que o seu marido corno cá estivesse para ver como eu fodo o seu cu virgem?!... Aaaarrggg ... Que soubesse PUTA que é sua mulher é e como gosta de chupar caralhos de velhos.. . E que este velho está a comer seu cuzinho porque lhe apetece aaaaaaaaaargggggr .¡!....¡ TOMA PUTA SENTE-O BEM LÁ DENTRO -grunhiu enquanto me montava com intensidade, e eu sentiame partida, ele conseguiu chegar tão fundo onde nunca tinha chegado o Paulo nem na minha bucetinha e muito menos no meu cuzinho que nunca deixei e nunca vou o deixar comer, ele não merece, vejo agora que meu marido é frouxo mesmo. E as dores que Sr. Manolo provocou, originaram convulsões de prazer impressionantes, estava tendo um orgasmo incrível, nunca em toda minha vida senti nada parecido, eu estava apixonada pelo pau de meu DONO, que maravilha, inebriante, delicioso, sem palavras para descrever a trepada maravilhosa que dei, que delicia, aiiiiiiiiiiiiii.................. De forma bem lenta ele saiu de mim para depois voltar a penetrar, eu apenas me deliciava a cada centímetro que ele adentrava. Procurava deixar minhas pernas bem abertas para facilitar e receber com prazer cada vez que ele dava uma estocada. A felicidade que me invadia era imensa e queria que persistisse não apenas enquanto eu era fudida, mas que resistisse por toda a vida, gozei de forma imensamente deliciosa como nunca havia sentido nem parecida com o meu maridinho Paulo, meu corpo se contraia em ondas continuas, o meu sumo continuava a sair. Ele pegou numa das minhas tetas e deu um aperto bem forte, vi estrelas, enquanto sacava o seu membro do meu cu lastimado para me dar um banho de sêmen. Minhas tetas, meu pescoço, minha cara, foram inundados com o esperma desse velho nojento – ANDA CADELA!...¡ AQUI TENS O TEU LEITINHO!... É PUTA!... É PUTA!... É PUTA!... É PUTA!... É PUTA!... É PUTA!... É PUTA!... É PUTA!... – gritava sem parar e bem alto. O seu orgasmo parecia interminável. Meu corpo recebeu sua descarga de sêmen com fome entre as contorções incríveis de prazer, tentava receber até a última gota de leite na minha pele. Meu DONO gemia e jorrou dentro de mim uma quantidade indescritível de seu leite, mas muito superior ao de meu esposo fazia ao ejacular, eu sentia escorrer pelas minhas pernas, que delicia. Minhas mãos espalharam o seu esperma nas minhas tetas dando-lhes um brilho excitante, enquanto os meus lábios capturavam os restos que estivessem ao alcance, devorando o elixir delicioso de minha humilhação. – Ai estás banhada de leite PUTA, saboreie como eu sei que gostas. Assim ficou a PUTA do meu vizinho, a esposa SAFADA do meu vizinho... Que belo cu tem... E acabei de o foder a vontade -terminou dando-me uma palmada no rabo e soltando as pernas para o lado afastou-se. Permaneci imóvel e quase sem fôlego querendo apenas me concentrar na penetração que meu DONO fazia. Daquela forma nada mais me interessava a não ser apenas aquele momento mágico que Sr. Manolo me oportunizara. Nem onde eu estava e minha atenção era apenas naquele delicioso pau que penetrava em minhas entranhas. Nojo ou timidez por estar transando com aquele velho nojento já não existia. Minhas pernas balançavam ao ritmo que ele conduzia. Veio uma pequena sensação de culpa ao sentir o esperma dele ainda escorrendo de minhas entranhas, mas a sensação de satisfação era maior. Eu fui uma esposa fiel até encontrar meu homem, Sr. Manolo, agora eu deitada toda nua e nem sentia vergonha com meu DONO olhando e admirando minhas tetas, minha Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 121 -


barriguinha, minhas coxas, pernas, minha bucetinha, enfim todo o meu corpo que agora ele era seu proprietário. Fui possuída por outro homem pela primeira vez na minha vida que não o meu Paulinho, sentia-me deslumbrada com o delicioso pau dentro da minha bucetinha que só meu marido conhecia até aquele dia. E tudo isso sem preservativo, minha xana sentindo o contato direto do cacete de um macho saboroso. Fiquei esgotada na cama, sua última palmada ficou visível na minha bunda. Observei meu DONO e MACHO enquanto se vestia, a foto ao lado dele me fez lembrar-se do meu casamento, nunca passou em minha cabeça ser humilhada e abusada na cama que dividia com o Paulo e, estava feliz por ter dado uma trepada maravilhosa. Esse velho asqueroso tinha-me feito sua, eu a mulher do seu vizinho odiado. E agora ele vestia-se para me deixar ai, abusada, usada, humilhada e violada, mas, sobretudo saciada e dominada, ele fez o que queria e agora ia embora satisfeito. Eu não queria que Sr. Manolo fosse embora, queria mais, uma tarde deliciosa como aquela que nunca tive em vida. Mas, eu sei que agora era apenas um utensílio na mão do Sr. Manolo, sei que serei sua escrava sexual quando ele quiser, nunca terei forças para dispensar qualquer avanço dele, sou sua CADELA, sua PUTA, sua VADIA, sua VAGABUNDA, como ele diz... Pegou nas minhas chaves da casa, que estavam na mesa de cabeceira, ele viu a foto, levantou-se para ver melhor, ele virou-se para mim e aquele sorriso de prazer maldito voltou de novo em seu rosto, guspiu e atirou a foto para mim, esculachando meu maridinho corninho, o pior de tudo que ele só falava a verdade, dizendo que meu marido me comia mal, que eu era mal amada, coisas assim, sempre comentando a ineficácia de Paulo na cama comigo... – Nada me agradaria mais do que ficar e ver o rosto de seu marido vendo-te banhada em meu leite, você é uma CADELA IMUNDA, -disse enquanto guardava as chaves -mas eu prefiro que por agora ele não saiba, agora você é minha e penso gozar-te muito Sheila. Mas chegará o dia em que o humilharei, ele merece, porque ele é um banana, com uma mulher como você, linda, deliciosa e tão VADIA. Sentei-me na cama e cobri-me com os lençóis. Ele aproximou-se e apoiando um dedo no queixo levantou o meu rosto para que olhasse para ele e mandou-me prestar atenção no que ele me falaria, assim fiz... – Vou levar as chaves, porque agora em diante eu venho aqui, a esta casa, sempre que quiser -disse com sua voz de catarro -Ouviste? -ficou assistindo, esperando por uma resposta -Ouviste? -perguntou ele. – Sim Sr. Manolo, sou sua, és meu DONO e SENHOR, venha quando quiser, só peço que evite encontrar com meu maridinho. Saiu do quarto e depois senti a porta da frente fechar-se. Levei as mãos ao rosto e chorei de vergonha, de raiva, de alegria, não sei, só sei que o chorei nua sobre a cama, sentia o sêmen a secar na minha pele e o meu rabo estava deliciosamente ardendo. As lágrimas escaparam pelos meus dedos para umedecer os lençóis que me cobriam. Mas estava feliz, satisfeita, sentia-me preenchida... Na mesma noite quando Paulo retornou em casa tive de fazer de conta que eu também sentia falta de sexo com ele, mas na verdade, eu mesma não fazia nenhuma questão de fazer amor com meu marido, agora corno de forma merecida. Pude sentir como é diferente transar com o próprio marido após uma sessão extraordinária com o Sr. Manolo, a começar pelo tamanho do pau, que antes me Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 122 -


parecia de bom tamanho, agora que conheci e muito bem, o do meu DONO e SENHOR, e diante dele, o do meu marido parece tão insignificante. Também o corpo do Paulo que antes eu achava tão bonito, perdeu a graça se comparado com aquele corpo todo peludo do meu SENHOR, que concordo era feio, mas que gerava em mim muito tesão só de relembrar o que foi delicioso sentir aqueles pêlos contra minhas tetas, minhas coxas, minhas costas, minha bundinha, e agora junto com Paulo nada acontecia, esforço-me para não demonstrar o nojo que está me tomando conta quando ele me toca, mas não demonstro por ainda amá-lo, engraçado, são situações que eu vivo e difícil de trazer para o papel, amo Paulo e amo Sr. Manolo, um como marido e outro como meu DONO e SENHOR, um é DONO do meu coração e outro DONO de meu corpo... Submissão não é se rebaixar, não é perder a auto-estima, nem se menosprezar. É encontrar seu valor, seu prazer, sua realização, na entrega a alguém que se confia, que sente tesão, que respeita e admira. Quando se é realmente submissa, se entregar e pertencer a alguém deve ocorrer de tornar plena. Estou ao lado e aos pés do seu SENHOR MANOLO, para quando Ele me quiser. Os dias passaram e eu me tornei uma submissa e obediente tornei-me a PUTA do velho Sr. Manolo, eu fiz coisas que, mesmo em meus sonhos mais loucos eu imaginaria ser forçada a fazer. Talvez um dia eu lhes conte essas coisas, eu agora preciso preparar-me para atender ao que ele pediu para hoje, ontem eu lhe contei daquele velho do parque e do que ele despertou em mim, sua resposta: -devemos recompensar a este iluminado, foram as suas palavras. Tudo leva a crer que meu DONO vai querer que eu trepe com o velho, deve ser isso, não sei, vou esperar. Afinal o que ele mandar, farei, mesmo contra minha vontade, afinal sou cadela e muito feliz de meu DONO e SENHOR: Sr. Manolo, a quem devo devoção completa, OBEDIÊNCIA e FIDELIDADE totais... – Breve contarei mais minhas aventuras com meu DONO maravilhoso Sr. Manolo.

Contos Imor(t)ais - SOU SHEILA – 123 -


DE VIRGEM SANTA À MULHER Olá, para quem não me conhece, meu nome é Gabriela, tenho 29 anos, 1,68 m, 55 kg, sou branca com os olhos castanhos claros, cabelos loiros, seios bem grandes, um bumbum empinado e gostoso e adoro sexo em toda sua plenitude. Minha sexualidade aflorou bem cedo, mesmo brincando de boneca na infância sentia um comichão entre as pernas quando um homem conversava comigo. Comecei a namorar cedo os meninos do colégio e sempre me excitava com as pegadas fortes, mas nunca deixava ir além, até os meus 14 anos. Depois de algumas experiências preliminares, me considerava expert nesse quesito. Como não queria perder a virgindade, li relatos e teimei comigo mesma que se fosse para me preservar, que fosse a virgindade tradicional da bucetinha. Logo, sexo oral e anal era comum e me excitava demais. Assim vou relatar uma situação peculiar que aconteceu quando eu tinha só 16 aninhos, quando namorava o Rodrigo. Estávamos juntos há 7 meses, ele tinha 19 anos e tinha dois irmãos, o Rafael de 23 e a Luana de 17, ao qual nos tornamos muito amigas. Já faziam semanas que não ficávamos juntos, e eu estava subindo pelas paredes, apesar de ainda ser virgem, me deliciava com Rodrigo, que me chupava muito bem, e eu adorava retribuir mamando aquele cacete gostoso. Não era tão grande, mas era bem grosso e me satisfazia bem, sempre metendo gostoso no meu rabinho e me dando leitinho. Certo dia, ouvindo comentários sem malícia de minha sogra sobre o Rafa, meu cunhado, algo mudou sobre o que sentia por ele, passou a me despertar certo interesse, mas me contive. Pensei comigo: – Sossega Gabriela, o Rodrigo é um cara legal, fofo, lindo, carinhoso… e assim me concentrei no meu namorado. Mas chega minha sogra, enquanto estávamos na sala vendo TV, comentando que tem dó das mulheres que ficam com ele, pois o “negócio” é grande. Juro que aquilo me atordoou, e não conseguia mais tirá-lo da cabeça. Rafael é um homem moreno forte, não é tão bonito quanto o Ro, mas tem seu charme. Depois disso sempre me peguei viajando nos pensamentos de como o pau dele deveria ser gostoso, e toda vez que me dava um tesão imaginando ele dentro de mim eu dava sem dó pro irmão, pensando nele e gozando muito. Num fim de semana prolongado, seus pais foram viajar com a Luana, e fiquei na casa do Rodrigo, já que seu irmão nunca para em casa mesmo. Tinha superado meus limites de excitação com Rodrigo, e acho que suguei suas energias todas, além de todo leitinho é claro, rs. Acordei de madrugada para poder ir ao banheiro e, como só durmo de calcinha e sutiã, fui me aliviar e quando saí para beber água na cozinha, vejo meu cunhado na sala, ele olha pra mim e fica todo sem graça. Vi que ele olhou pro meu corpo todo, analisando-me e mesmo sem jeito pareceu gostar. Eu pedi desculpa, pois não sabia que ele estava ali, e acordado àquela altura da madrugada, fiquei enrolando só pra ele me notar mais. Peguei a água e voltei pro quarto com Rodrigo no milésimo sono. Deitei e comecei a imaginar uma cena deliciosa com Rafael ali naquela sala com todos dormindo, ele com um pauzão enorme pra fora e eu mamando bem gostoso, me colocando de quatro e metendo com tudo aquela jeba gostosa. Contos Imor(t)ais - DE VIRGEM SANTA À MULHER – 124 -


Ufa...estava excitada, com a calcinha encharcada, tive que acorda meu namorado pra foder gostoso meu rabinho e apagar meu fogo e assim o fiz, depois adormeci. No outro dia, já de manhã todos nós acordamos e vi que Rafael me olhava diferente, com interesse, mas bem discretamente. Fiquei até feliz com aquilo. Tomamos café juntos na mesa. Rodrigo tinha plantão e foi trabalhar e Rafael saiu pra resolver uns problemas, ficando só eu em casa. Fiquei refletindo sobre o ocorrido e fui arrumar a casa. Eram umas 9:00 h quando meu cunhado apareceu em casa. Achei estranho mais nada falei, estava na sala assistindo um filme e ele foi tomar banho. Depois de um tempo, ao passar perto do banheiro, notei que ele deixou a porta um pouco aberta, esperei um pouco e fui dar uma espiadinha. Quando eu vi aquele corpo nu lindo debaixo daquela água achei maravilhoso, ele estava de costas e quando virou pra lavar seu pau, quase caí pra trás e dei um riso mais alto do que imaginava. Santo dos Mega Caralhos, vi aquele pau enorme e roliço, com um saco grande também – deveria ter umas bolas gostosas de se chupar. Que cena era aquela, eu assistindo de camarote, senti minha xaninha intocável até então latejando de tesão, coloquei a mão nela e a umidade relativa estava bem alta, escorrendo mel. Meu cuzinho piscava sem parar, esse sim acostumado a grandes investidas, mas aquele cacete era realmente desproporcional. Numa distração minha, empertigada em meus devaneios, volto a olhar na porta e ele estava ali, olhando pra mim. Puta que pariu, não sabia o que fazer e nem onde enfiar a cara...estava sem graça, afinal nunca tinha procurado essa situação e ele sempre respeitou a mim e ao irmão. Me preocupava o que poderia ocorrer, se o Rodrigo soubesse e tal, foi quando ele me surpreendeu olhando para mim e secando aquele monstro fálico: – Não quer tomar um banho comigo, cunhadinha gostosa. Nossa foi um convite sem negação já que eu vivia sonhando com aquele momento e quase que sob hipnose tântrica, entrei no banheiro sem nenhuma dificuldade pois queria e desejava aquela situação. Ele tirou minha roupa e falou bem no meu ouvidinho: – Seu corpo e do jeitinho que eu imaginava. Arrepiei-me toda e o tesão elevou a temperatura daquele banheiro. Saber que o Rafa imaginava meu corpo também era como sincronizar o tesão comigo, ele começou então a me beijar bem gostoso, com vontade mesmo e passava sua língua na minha boca inteira, mordendo meus lábios e eu delirava, sentia aquele cacetão enorme e durão, estava com um tesão do caralho só com os beijos dele. A inquietude da sua língua aumentou, percorrendo meu pescoço e foi descendo para os meus seios, cujos mamilos estavam rijos, salientes e extremamente sensíveis de vontade, loucos para serem sugados como eu merecia. Ele chupava bem gostoso, sabia usar aquela língua, me fazendo gemer e aumentar minha excitação, com o grelo duro e melado. Para surpresa dele, comecei a gozar, estremecendo de tesão e gemendo alto. Ele chupava tão gostoso e foi beijando minha barriguinha até chegar à minha buceta toda molhadinha, com o mel escorrendo pelas coxas. Ele então falou, me olhando: – Gabi, quantas noites não fui ao banheiro bater uma punheta pensando nessa bucetinha deliciosa, quantas vezes eu ia à porta do seu quarto ouvir você gemer dando pro meu irmão. Eu morria de inveja dele, por ter essa novinha gostosa. E agora está aqui, comigo. Contos Imor(t)ais - DE VIRGEM SANTA À MULHER – 125 -


Ouvir aquilo, no auge do meu arfar de desejo me deu vontade de implorar para ele me chupar, mas nem foi preciso porque ele captou meus pensamentos e começou a chupar minha buceta como nunca ninguém tinha chupado, alternando sua língua no meu grelo bem gostoso e sorvendo meu mini-pênis. Eu enlouqueci na hora, pois ele dedilhava e chupava ao mesmo tempo, e gozei escandalosamente na boca dele. Ele insinuou seus dedos na buceta...mas travei, mesmo desfalecida em cima do vaso, e disse a ele que era virgem. Achei que fosse um balde de água fria para ele, mas seus olhos estavam brilhando e me beijou deliciosamente, aquela boca carnuda de desejo, com sabor do meu mel que estava em sua língua. Me pediu de imediato: – Agora vem chupar meu pau, vem sua novinha safada. Adorei o jeito q ele falou e sem pensar duas vezes peguei naquele cacete enorme e lindo e comecei dando uns beijinhos nele, passando só a língua na cabeça, que também era enorme e lindo. Mas logo emendei numa chupeta deliciosa e aquele homem safado gemia loucamente, fui acostumando minha boca àquele mastro, e o que era difícil colocar todo na minha boquinha foi entrando mais fundo até tocar em minha garganta e suas bolas encostarem em meu queixo. Incrédulo, começou a foder minha boca, segurando meu cabelo e socando forte mesmo todo aquele pau enorme na minha garganta e eu lacrimejando de tesão. Ele começou a gritar falando que ia gozar ali mesmo, que eu ia beber leitinho do cunhado, e assim foi quando soltou um jato de porra dentro da minha boca que nem coube tudo dentro, fui engolindo tudo aos poucos e aos goles. Limpei o pau dele todinho, levantei e dei um beijo gostoso naquela boca sedenta, no que ele me pega e me coloca de quatro em cima do vaso e fala: - agora sim cunhadinha gostosa você vai sentir o que é pica de verdade. Eu me debatia, e dizia que era virgem, implorava a ele para não me tirar isso...mas estava dominada. – Soca forte no meu cu, como fez na minha boca… por favor, eu gritava. Começou então a colocar aquele cacetão em mim e eu comecei a gritar, pois estava doendo muito. Aquele pau enorme, apontando para minha buceta intocada, eu não estava acostumada e nem preparada, mas relaxei...se era para perder o cabaço, que fosse em grande estilo. Ele falava: – Calma cunhadinha, só entrou a cabecinha!!! Filho da Putaaaaaaaaaaaaaaaaaaa.............… Percebeu que realmente estava doendo e ficou brincando com aquele caralho gigante na minha xaninha até que eu não aguentei de tesão e falei: – Soca tudo cunhado pauzudo. Até me arrependi na hora q falei, pois ele colocou tudo dentro de mim acho e certamente me rasgou toda, estava uma dor infernal, até que fui me acostumando e foi ficando mais prazeroso o vai e vem dele. Eu comecei a pedir mais e mais e cada vez ele socava mais forte, eu gemia tanto q estava ficando ate rouca, ficamos naquela foda deliciosa até que pedi para mudar de posição, porque não conseguia gozar forte.

Contos Imor(t)ais - DE VIRGEM SANTA À MULHER – 126 -


Ele se sentou no vaso e disse que só conseguiria gozar com aquele cacetão no meu rabo, ele então pediu pra eu pular no seu pauzão, e assim fui me encaixando nele e quiquei gostoso. Apoiei meus pés nos joelhos dele e desci minha bunda com força… aquilo me alucinava, senti cravar a rola grossa bem fundo, e tocava meu grelo junto, num êxtase frenético, e naquela posição gozei umas 2 vezes chegando até a ejacular longe e melar suas bolas. Logo depois ele anuncia e eu desencaixo para ele gozar na minha carinha um jato de porra deliciosa. Tomamos um banho, com medo que Rodrigo chegasse e brincamos conversando sobre outros assunto um pouco antes dele chegar. Como foi delicioso e especial quando perdi minha virgindade....

Contos Imor(t)ais - DE VIRGEM SANTA À MULHER – 127 -


DIÁRIO DE MINHA ESPOSA O conto que passo a relatar é verídico. Sou casado a 10 anos com uma mulher super gostosa. Ela é baixinha (e como toda baixinha, fogosa), 1, 56 m, loira, com um bumbum arrebitado e um corpo maravilhoso. Na época ela ainda cursava medicina. Um ano após conhecer Karla (esse era o nome dela), fui transferido da empresa onde trabalhava para uma outra cidade. Como a distancia era grande, revezávamos nas viagens. Uma semana ela vinha para São Paulo e na outra eu ia para Curitiba. Ela morava só com a Mãe e, em umas das viagens que fiz para lá coincidiu dela estar de plantão na residência médica que ela fazia e a mãe ter viajado para Guaratuba (praia perto de Curitiba). Como não tinha o que fazer, resolvi terminar um trabalho da pós-graduação que estava fazendo em SP. Comecei a procurar um caderno dentro da estante que ela tinha no quarto. Comecei a folhar um caderno e para a minha surpresa, abri justamente em um página onde pude ler algo que parecia um relato erótico. Resolvi ver outras páginas para ver do que se tratava e, para minha supresa, percebi que tratava-se do diário da Karla. Não achava certo invadir a intimidade e privacidade da Karla desta forma mas, a curiosidade falou mais alto. Prometi par mim mesmo que iria ler somente aquela página que descrevia uma transa dela com o provável namorado (a data era de aproximadamente um ano antes de nos conhecermos)pois, ela sempre foi aberta comigo e nunca escondeu que tinha tido vários namorados antes de mim. Aliás, desde o inicio do nosso namoro já pude perceber que ela era bem experiente e liberal. No nosso primeiro encontro já fomos para um drive-in que tem em Curitiba e ela, após algmas cervejas, já foi logo abocanhando o meu pau e fazendo uma deliciosa chupeta. Enquanto ela me chupava eu massageava o seu clítoris e enfiava o dedo na sua buceta. Gozamos juntos mas, neste dia ficou só nisto. Fui leva-la embora e paramos na frente da casa para conversar. Papo vai, papo vem, ela me perguntou se eu não tinha complexo por ser descendente de orientais e todos ficarem insunuando coisas a respeito o tamanho do pênis. Ela comentou que tinha achado o meu pau de tamanho normal mas, que já tinha namorado um que tinha o pênis muito pequeno e que ela teve que terminar pois, ele não conseguia satisfaze-la completamente. Fiquei curioso e perguntei se ele tinha sido o único homem da vida dela e ela sorriu e disse que não. Disse que tinha tido outros namorados e que os primeiros tinham sido todos Brasileiros. Voltando ao diário, a curiosidade me fez começar a ler aquela página onde começava descrevendo que tinha feito uma viagem pela faculdade para uma cidade do interior do Paraná, junto com os outros colegas de Medicina. Era um desses trabalhos de férias onde os estudantes dos cursos de Medicina, enfermagem, direito, etc.., iam visitar cidades do interior e prestar serviço de assintência ás pessoas carentes. Eles ficavam hospedados em escolas durante 01 semana. Ela descrevia que a noite era uma verdadeira orgia. os rapazes iam no quarto das mulheres e vice-versa. Nesta viagem ela não pode ficar a semana inteira e teve que voltar na quarta-feira a noite. Na viagem de volta ela ficou conhecendo um rapaz do curso direito que era um tremendo de um gato, 1, 80 m, olhos azuis, bigode e alguns anos mais velho que ela. Eles vieram conversando boa parte do caminho e eles acabaram se beijando mas, ficando só nos amassos pois, o onibus estava cheio.

Contos Imor(t)ais - DIÁRIO DE MINHA ESPOSA – 128 -


No final de semana ele ligou para ela e eles resolveram sair. Ela deu a desculpa para o namorado que estaria de Plantão e eles foram para uma lanchonete que tem na Avenida Batel, em Curitiba. Ela conta que estava louca para ver o que ele tinha de tão especial pois, as meninas na viagem ficavam disputando para ver quem conseguia trepar com ele. Não podia ser só porque ele era bonito pois, estava cheio de outros homens bonitos tambem. Como ja era de se esperar, ele convidou-a para irem até o apartamento dele que ficava ali perto. Ela é claro, aceitou. Chegaram no apartamento e ele foi logo beijando-a e passando a apertando o seu bumbum com a mão. Ele foi descendo e chegou nos seios (eles não são muito grandes e ela não gosta de usar sutiã) onde começou a chupa-las e o contato do bigode ajudava a exita-la ainda mais. A mão já estava na xoxota por baixo da calcinha e ele dedilhava o seu clítoris ajudando a inunda-la ainda mais. Eles foram para o quarto e ele acabou de tirar toda a roupa dela, entre beijos e chupadas. Ai ele jogou-a sobre a cama e começou a tirar a roupa. Ela resolveu ajudar a tirar a cueca para ficar mais perto da ferramenta quando ela surgisse. Ela pode observar que o volume era imenso mas, quando ela acabou de abaixar a cueca não conseguiu acreditar. Eram imensa, já dura feito uma pedra e apontando para o teto. Além de comprida era extremamente grossa, com a cabeça roxa parecendo um cogumelo louco para ser devorado. Ela conta que pegava com as 02 mãos e resto que sobrava ela nem conseguia colocar inteiro na boca. Primeiro que pela grossura ela não conseguia abocanhar, só ficou chupando ao longo do pau e passando a lingua pela cabeça do gigante. Eles começaram um 69 e enquanto ele chupava com maestria o seu clítoris, hora enfiando a lingua na sua buceta, hora abocanhando totalmente o clítoris e sugando. Ela lembra que outros já tinham passado a lingua no clítoris mas, nunca sugado desse jeito e, que era fantástico. Ela por sua vez, procurava retribuir colocando pelo menos a cabeça inteira na boca, com muito esforço para conseguir abocanha-lo, e com as mãos batia uma punheta no resto de pau que sobrava, até que ele começou a estremecer e a gozar. Ela também ja tinha gozado umas 03 vezes. Ele não parava mais de enjacular e ela não conseguia tira-lo da boca pois, devido a grossura e por ter ficado muito tempo com a boca muito aberta, ela travou como se estivesse com cãibra. Com a força e na posição que esteva, a porra ia direto para a garganta e ela quase engasgou. Quando conseguiu se desvencilhiar, engoliu tudo com muito gosto e ainda lambeu o pau até deixa-lo limpinho. Ele foi para o banho e ele resolveu estourar umas pipocas, pois era a única coisa que ela sabia fazer na cozinha. Eles comeram rapidamente e foi o tempo suficiente para retomar o folego novamente. Ele já estava novamente de pau duro. Ela começou a ficar preocupada pois, nunca tinha trepado com algo tão grande e grosso e devido ao tamanho dela a bucetinha também era pequena e apertadinha. Ela lembra que o pau do namorado era uma terça parte deste tanto em comprimento como em grossura. Ele vendo a preocupação dela e já tendo sentido com a lingua e os dedos que ela era apertadinha, procurou acalma-la dizendo que iria ser carinhoso mas, se doesse e ela quisesse, ele pararia. Como estavam na cozinha, ele passou a mão em um vidro de geléia e foram para o quarto. Com receio deitou de lado pois, ela sabia que esta era a melhor maneira para lidar com pau tão grande. Ele levantou uma das pernas dela para facilitar e começou a pincelar o pau na bucetinha dela. Ele tentou empurrar a cabeça para dentro mas, ela num reflexo acabou se esquivando. Ele se mostrava bastante experiente pois, não desistiu e continuou a esfregar o pau até que a bucetinha estivesse completamente alagada novamente e descontraida. Quando ela menos percebeu ele Contos Imor(t)ais - DIÁRIO DE MINHA ESPOSA – 129 -


encostou a cabeça do pau e empurrou firme, como estava bastante lubrificada a cabeça entrou. Ela conta que deu um grito e que não tinha sido só de dor, junto veio uma convulsão de prazer que ela não consegiua mais parar de gozar. Ele ficou brincando na portinha só entrando e tirando e ela continuando a gozar. Ela nunca tinha gozado tão rápido e tantas vezes seguidas antes. Ele percebeu isso e aproveitou para empurrar o resto. Ela conta que não viu mais nada. Só sentia um torpor e como se estivesse em transe, o corpo tremendo com os seguidos orgasmos, num sentimento de preenchimento total. Não sabe precisar quanto tempo durou isto e quantos orgasmos teve. Só acordou deste transe quando percebeu que ele tinha colocado ela de quatro e ela se tocou que ele ainda não tinha usado a Geléia que agora estava em suas mãos. Não deu outra, ele lambuzou o pau e com o que sobrou nos dedos enfiou de uma só vez o dedo no rabinho que até aquele momento ainda não tinha sido de ninguem. Ela tentou recuar e argumentar alguma coisa mas, ele segurou com a outra mão e nem estava dando ouvidos para o que ela tentava explicar. Depois de brincar bastante com os dedos (que ela pode sentir que ele colocava mais de uma para deixar ele mais laceado), ele posicionou o pau no anelzinho e empurrou com força. A cabeça enorme entrou e ela deu um grito ainda mais forte do que o primeiro, mas agora de mais de dor do que de prazer. Ela pediu para ele tirar mas, o máximo que ele fez foi dar uma parada para o ex-anelzinho se acostumar com o calibre. Como ela percebeu que entrar o resto seria uma questão de tempo, chegou a conclusão que o melhor a fazer era abaixar o tronco e enfiar o rosto no travesseiro para abafar o grito quando entrasse o resto. Não deu outra. Ela sentiu a pressão e parecia que o pau iria sair pela boca. Ele parou novamente e deixou ela relaxar. Quando recomeçou a movimentar, a dor já não era tão intensa e o prazer veio. Desta vez ela conseguiu perceber que foram mais de 15 minutos de intensa movimentação até que ele gozou novamente e encheu o cuzinho dela de sêmem. Quando ele soltou a cintura dela, ela caiu de 4 na cama, de tão exausta. Quando recobrou as forças levantou-se para ir ao banheiro tomar uma ducha e a porra começou a escorrer pelas coxas. Quando ela passou o papel higiênico no cuzinho para limpa-lo, ficou assustado com o enorme buraco que havia. Ele havia literalmente arrombado o cuzinho dela. Ela olhou para o papel e pode ver uma mancha de sangue, igual a quando tinha perdido a virgindade. Ele foi embora e ela foi dormir pois, o dia já estava quase amanhecendo. Fiquei curioso e continuei a ler para ver no que ia dar mas, nos dias seguintes ela só contava detalhes normais do dia-a-dia. Só no terceiro dia tinha uma observação que a bucetinha ainda estava esfolada e estava doendo até para andar. Que no transe do dia da trepada, não tinha percebido o tamanho do estrago que ele tinha feito também com a xoxata dela. Ela inventou um plantão a semana inteira para não ter que encontrar com o namorado. Só uma semana depois é que ela menciona que voltou a encontrar o namorado e que treparam mas, ela não conseguiu sentir nada. Depois dessa experiência ela resolveu terminar com o namorado mas, também achou melhor não ficar com o outro pois, a experiência tinha sido ótima mas, ela não suportaria aquilo todos os dias. Preferia deixar registrado por escrito, nos mínimos detalhes, para guardar essa experiência pro resto da vida. Eu sabia que tinha muito mais, inclusive detalhes de como perdeu a virgindade mas, este eu deixo para outra oportunidade.

Contos Imor(t)ais - DIÁRIO DE MINHA ESPOSA – 130 -


NO ESCURO Eu sou a Amanda, tenho dezenove anos, sou a filha mais nova de um casal com mais dois filhos homens, o Armando que tem vinte e três anos, e o Arthur com vinte e um, meu pai que esta com quarenta e dois, parece que tem vinte e cinco, me sinto uma rainha no meio de tantos homens bonitos, eles fazem de tudo para me agradar, presentes e gentilezas tenho aos montes, mesmo quando preciso de um dinheirinho extra e só eu pedir, que um oferece mais que o outro, é lógico que eu aceito e não preciso nem me preocupar em devolver, porque eles sabem que a recompensa, vira em forma de sacanagens. Mas nenhum sabe que eu faço isso com os outros, cada um pensa que é o único a me dar o que eu quero e á me ver semi nua em sua frente, sempre que tem um deles sozinho em casa, eu logo fico só de calcinha na sua frente, ando pra lá e pra cá, deixando ele se saborear do meu corpinho, ou vou tomar banho e deixo a toalha no meu quarto de propósito, depois eu grito pedindo a minha toalha, quando o sortudo chega me levando a toalha, eu abro a porta para pegar a tolha, e deixo ele ver o meu corpo peladinho, quando algum deles entra no meu quarto, com a desculpa de me falar alguma coisa, ou perguntar qualquer besteirinha, eu já percebo logo que ele quer é me ver o meu corpo nu, então eu disfarço que vou trocar de roupa e deixo que ele me veja semi nua, assim eu vou controlando as taras que eles sentem por mim, não sei até quando eles vão aquentar, mas sei que estou levando vantagens. Minha mãe se sente muito orgulhosa, ao ver a nossa amizade a nossa harmonia, ás vezes eu sinto pena da minha mãe, de tão boa e inocente, ela acaba fazendo papel de boba, ela não percebe que o seu marido, e os seus filhos, que são meu pai e meus irmãos, me tratam tão bem e com muita generosidade, na verdade eles estão com segundas intenções, sim é isso mesmo, eu sempre fui sediada pelo meu pai, com os seus carinhos e cuidados, ele sempre tirava a sua casquinha, ele nunca tentou me comer, mas sempre que tinha uma oportunidade, ele me sentava no seu colo e com as suas brincadeiras, ele começava a me fazer cócegas, eu começava a rir e ele aproveitava, os movimentos que eu fazia e a distração da minha mãe, para alisava a minha bundinha, a minha xaninha, apertava os meus seios, mordia o meu pescoço, naquela brincadeira disfarçada, eu ria e me mexia no seu colo, logo eu sentia que estava sentada, em cima do seu cacete que estava duro como uma pedra. Mesmo que a mamãe estivesse por perto, não tinha problema nenhum, porque ela nunca desconfiou das malandragens do meu pai, como eu disse mamãe é muito inocente, agora com os meus irmãos, ela esta sempre me chamando a minha atenção, só porque eu fico andando só de calcinha dentro de casa, ela acha que eu estou provocando eles, mamãe acha que pelo meu corpo e pela bunda grande, que eu tenho qualquer hora um deles me pega e me come na marra, eu já falei pra ela que não tenho medo, porque eu tenho o total controle sobre eles, e que eles me respeitam e me amam, ela ficava brava mas não como eu vi um dia. Eu nunca tinha visto a minha mãe tão brava, como eu vi num dia de verão, o sol estava tão quente e gostoso, que eu resolvi colocar um biquíni e ir tomar sol no quintal, como eu fazia sempre que o sol estava quente, isso era para deixar a minha pele bronzeada e bonita, eu já estava acostumada á tomar banho de sol no quintal, mas a mamãe nunca soube, que eu fazia isso e nem que era o meu irmão, que me passava bronzeador no meu corpo, foi até o meu quarto e coloquei o meu biquíni preto fio dental, quando o meu irmão Armando me viu, com uma toalha na mão e o bronzeador na outra, como de costume ele veio rapidinho, pegou o bronzeador da minha mão, esperou eu me Contos Imor(t)ais - NO ESCURO – 131 -


deitar e foi direto na minha bunda, com aquelas mãos tão gostosas, alisando e massageando a minha bunda, eu não queria coisa melhor, eu sentia os seus dedos, passando pertinho do meu cuzinho, tinha hora que ele forçava o dedo por baixo do cordãozinho do biquíni e massageava o meu cuzinho, eu sentia um arrepio no corpo inteiro, aquilo estava tão gostoso que eu fiquei quietinha, só me deliciando com aqueles dedos no meu cuzinho e na minha bocetinha. Na verdade, o que eu mais queria é que ele socasse os dedos no meu cuzinho, ou na minha bocetinha, porque aquele cordãozinho do biquíni era tão fininho e não estava tapando nada, eu estava sonhado com o seu dedo dentro do meu cuzinho, mas quando a minha saiu no quintal e viu aquilo, ela deu um grito com o meu irmão, falando pra ele parar com aquela pouca vergonha, meu irmão já foi logo respondendo, – Mãe eu sempre passei bronzeador nela e nunca teve pouca vergonha aqui não, Minha mãe perguntou como é você sempre passou bronzeador nela?, Meu irmão respondeu – É mãe, todas as vezes que ela toma sol aqui no quintal a senhora esta trabalhando, hoje a senhora esta em casa porque hoje é feriado. Minha mãe aproximou se de nós e disse, – Há minha filha bem que você poderia colocar um biquíni mais comportado, você esta com a boceta todinha de fora, isso ai não esta tampando nada, pra ficar assim é melhor ficar pelada de uma vez, Meu irmão muito safadinho, deu uma gargalhada e me falou, – E ai mana a mamãe mandou você ficar pelada, Eu olhei pra minha mãe e dei uma risadinha de safada e perguntei, – Posso tomar sol pelada mãe, Ela me olhou e perguntou, – Você tem coraje de ficar pelada na frente do seu irmão?, Eu já estava louca para tirar tudo mesmo, olhei para a minha mãe e falei, – O que tem ele e meu irmão e já me viu pelada varias vezes, No mesmo tempo eu já fui tirando o sutiã, meu irmão já puxou a minha calcinha, fiquei peladinha, mamãe olhou pra nós e falou, – Vocês não tem vergonha mesmo, no meu tempo o irmão dava uma pegadinha na irmã, mas era escondidinho de todo mundo, hoje em dia é essa poça vergonha, irmão come a irmã, o pai come a filha, o filho come a mãe, neto come avó, tá tudo perdido mesmo, daqui a pouco o Arthur e o seu Contos Imor(t)ais - NO ESCURO – 132 -


pai estão chegando para almoçar, se eles vem você desse jeito com esse rabo de fora, nem almoço eles vão querer, olha minha filha o problema e seu, você é quem sabe da sua vida, você da pra quem você quiser. Eu fiquei lá no sol, com a minha bundinha virada pra cima, meu irmão se deliciou, depois de alisar a minha bunda, eu me virei e fiquei de barriga pra cima, meu irmão não acreditava no que ele estava vendo, sem perda de tempo ele atacou a minha bocetinha e os meus seios, seus dedos passavam bem no meio dos meus lábios vaginais, sua mão massageava os meus seios e apertava os bicos, me deixando louca doida de tesão, eu só não pedi pra ele socar os dedos pra dentro de vergonha, mas ele percebeu que eu estava tendo um orgasmo, ele saiu rapidinho e foi embora para dentro de casa, me deixou sozinha me contorcendo de tanto tesão, eu estava de olhos fechado viajando nas nuvens, quando senti um beijo na boca, abri os olhos e vi o meu irmão Arthur me olhando com dois olhos arregalados, eu perguntei o que foi mano, ele rio e disse se essa coisinha crua já é gostosa, assada no sol vai ficar uma delicia. Eu perguntei – Você gosta dela assada ou crua, Ele me respondeu – Eu gosto de qualquer jeito, se você não estivesse cheia de óleo, eu ia meter a boca agora mesmo, Eu muito safada falei pra ele, – Então me passa mais óleo para ficar bem assadinha, Quando ele tocou no meu corpo eu me arrepiei, ele percebeu e me perguntou, Quem foi que passou óleo nesse corpinho gostoso? Eu perguntei – Porque esta com ciúmes ? Ele me respondeu – É lógico essa coisa gostosa aqui é só minha e de mais ninguém, Ai eu perguntei pra ele, – Você me acha gostosa, Ele rio e disse, – Você não e gostosa, você é uma delicia, se eu não fosse o seu irmão eu te comia agora mesmo, Aquelas palavras me deixou balançada, fiquei confusa e com uma duvida na cabeça, o que poderá acontecer, quando um descobrir que o outro, também esta querendo me comer. Contos Imor(t)ais - NO ESCURO – 133 -


Nisso mamãe nos chamou para irmos almoçar, depois do almoço meus irmãos saíram e eu fiquei quebrando a cabeça, pra quem eu deveria dar a minha bocetinha primeiro, aquilo foi me dando um tesão incontrolável, foi obrigada a me masturbar, só de pensar no cacete dos meus irmãos entrando na minha bocetinha, hora eu pensava no Artur, hora eu pensava no Armando, até o papai entrou na historia, á noite enquanto estávamos todos na sala conversando, eu ficava olhando e imaginando, qual deles teria o cacete maior, ou o cacete mais gostoso, como seria com cada um deles. Armando e o Arthur saíram e foram ao baile, eles me convidaram para ir com eles, mas eu não quis ir não e fui dormir cheia de duvidas, mas durante a madrugada, enquanto eu estava dormindo, eu senti que alguém entrou no meu quarto, o quarto estava totalmente escuro, senti uma mão tirando a minha calcinha, eu estava de barriga virada para baixo e continuei assim, sem saber quem era e o que queria, derrepente senti um creme gelado sendo passado no meu cuzinho, já imaginei que alguém iria comer o meu cuzinho, Fiquei bem quietinha fingindo estar dormindo, alguém deitou se sobre a minha costa e um cacete bem duro, começou a entrar no meu cuzinho, que delicia, que maravilha, aquilo entrou no meu cuzinho com uma facilidade incrível, ficou melhor quando aquele cacete começou a entrar e sair sem parar, quanto mais o tempo passava mais gostoso ficava, até que derrepente aquele cacete começou a me socar, com mais rapidez e cada vez mais fundo, foi delicioso quando senti um rio de gosma quente, escorrendo dentro do meu cuzinho, logo que acabou de gozar dentro do meu cuzinho, ganhei um beijo na boca e não deu para ver quem era, Depois que ele saiu do meu quarto, eu me limpei e sai atrás para ver quem era, mas tanto o quarto do Armando, quanto o quarto do Arthur estavam com as portas trancadas, voltei pro meu quarto, sem saber quem foi que comeu o meu cuzinho, e agora o que eu faço para descobrir, quem foi que comeu o meu cuzinho, sem a minha permissão..., mas que foi bom isso foi, adorei dar o cu..

Contos Imor(t)ais - NO ESCURO – 134 -


AVENTURAS DE MARIDO E ESPOSA PARTE I Me chamo Marcus e minha esposa Lena, temos 34 e 30 anos, somos casados há 10 anos e temos uma relação muito boa, principalmente em relação ao sexo. Minha esposa é uma mulher muito bonita e gostosa, malha bastante e mantém todo encanto de uma mulher nova. Desde cedo em minha vida, ainda solteiro, achava que alguma coisa havia de errado comigo, quando namorava a Lena, que foi minha primeira namorada séria, embora sentisse muito ciúme dela, sentia um misto de tesão quando sentia que outros homens olhavam de uma maneira diferente pra ela e principalmente que havia um interesse contido dela. Ela sempre foi uma mulher com padrões rígidos de moral, mas pressentia que ali havia um vulcão prestes a entrar em erupção. Passo a narrar nova evolução ao estágio que é indicado pelo tema da estória real. Devo dizer que para acontecer tudo que acontesse em nossas vidas hoje, precisou eu me descobrir. Depois que casamos, fomos morar em conjunto de prédios baixos no segundo andar, e no andar de baixo moravam alguns homens solteiros. Em um sabado passei a notar que minha mulher começou a usar uns shortinhos de malha bem cavadinhos e que deixava a polpa da bunda aparecendo e devo dizer que a bunda, digo o rabo de minha mulher é um capítulo a parte, eu não ligava ate porque sentia tesão enorme ao vê-la deste jeito, e todo sabado era assim minha mulher de shortinho pra lá e pra cá, eu fica vendo tv, ou lendo algo, por coincidência fui até a sacada momentos depois de ela ter estado lá e achei estranho a roda de homens que estava reunida próximo a nossa janela, cerca de 10mts. Quando estes me viram deram um jeito de irem embora, ai mesmo que eu estranhei e tive a primeira pontada na testa. Lembrei que quando ela ia pra sacada sempre ficava se abaixando ou de quatro pra poder limpar o chão e pensei: será que ela estava se exibindo, estranhamente meu pau subiu na hora. Passei a observá-la melhor a partir daí. À noite indaguei sobre os shortinhos e onde ela havia comprado, que havia ficado muito bem nela, dei corda e ela caiu, estávamos transando e ela disse que gostava de ficar com eles pois eles apertavam sua boceta e ela adorava andar assim. Pedi pra ela colocar alguns pra eu ver melhor e não botar calcinha. Nossa! Ficou muito excitante ela tem a boceta raspada na parte de baixo dos lábios de poucos pelos acima, eu dei um jeito de puxar mais um pouco e ela ficou maluca. Apartir daí ficava louco pra chegar o fim de semana e ver minha mulher com aqueles shortinhos sem calcinha desfilando pela casa e na sacada. Eu agora consciente das ações dela ia pro nosso quarto e de lá via ela se exibindo e a reação dos caras, em uma hora eu fui devagar até a sacada e ela estava de quatro 'limpando o chão' e eu pude ver como o short entrava no rabo dela, chegava a partir dentro dos lábios da boceta dela e a mancha de líquido de sua racha, quando me vi levantou e foi ao banheiro e veio com outro shortinho sorriu com uma cara de safada e continuou com a arrumação. Eu passei a me masturbar apenas pensando na exibição da minha mulher. Eu passei a incentivá-la a andar assim e começei a comprar suas roupas, no princípio estranhou depois passou a adorar pois percebeu que quando íamos comprar eu sempre optava pelos shortinhos mais curtos e agora minisaias, digo micro saia, mini-vestidos, ela quando ia experimentar sempre dizia que não vestia isso nem morta. Teve um que eu adorei que era de malha preta bem colada. Nesta noite que compramos estas coisa, Contos Imor(t)ais - AVENTURAS DE MARIDO E ESPOSA – 135 -


íamos sair pra dançar um pouco e fiz com ela fosse com o vestidinho, quando ela se arrumou quase tive um treco, estava muito gata, só que ela colocou uma calcinha muito grande e marcava o vestido, fui até seu armário de calcinha e dei a ela uma micro tanguinha que deixava a bunda toda de fora e dava a impressão que estava sem calcinha e era transparente. Fomos a uma casa que toca forró que adoramos e ela sempre me dizia que o vestido subia e aparecia a bunda dela e eu falava pra ela não se preocupar e puxar o vestido, ela fingindo zanga disse que ia deixar subir e que eu era o culpado e eu de pau duro de ver minha esposinha muito 'puta', quando chegamos escolhi uma mesa e a fiz sentar de frente pra iluminação que era um pouco fraca mais que dava uma visão de sua pernas que ficaram totalmente a mostra e até sua tanguinha mesmo quando colocava sua mão na frente. Notei que de frente pra nós também havia algumas mesas com alguns casais e homens sós. Dançamos muito e bebemos muitos e eu sempre no controle e ela se perdendo. Resolvemos descançar um pouco e quando ela sentou o vestido subiu e ela já nem se importava de botar a mão na frente. Passei a dizer que os homens estavam olhando a boceta dela e ela dizia a boceta não, a calcinha, eu dizia que ela era transparente e até eu que estava do lado podia ver os pentelhos dela, ela dizia que quem mandava eu fazer ela sair daquele jeito que eu queria era mesmo que os outros homens vissem e disse que se eu falasse mais alguma coisa ela ia era tirar a calcinha mesmo, e abriu um pouco as pernas enquanto bebia mais caipirinha, eu falei você não tem coragem e ela se levantou e foi no banheiro, quando voltou me entregou sua calcinha totalmente encharcada, eu falei que ela era tarada ela sorriu e abriu um pouco mais as pernas na hora que um dos homens da nossa frente estava olhando, um cara moreno até bem atraente, o cara engasgou. Deve ter falado algo para os outros homens, pois os caras todos começaram a olhar pra nossa direção e sorriram, eu fiquei até preocupado, mas a excitação era maior, minha mulher estava muito louca, pois abria e fechava as pernas no ritmo da música e eu disfarçava e ficava olhando de rabo de olho, minha mulher passou a olhar também e ela comentava comigo que eles estavam pedindo para ela abrir mais e ela escancarava, os caras estavam meio malucos também pois levantavam de sua mesa e ficavam mais próximos de nós. Em certo momento passei minha mão em sua boceta e perguntei o porquê de tanto líquido e ela disse queria foder não estava aguentando mais. Perguntei se ela não estava afim de ir embora e ela disse que queria foder com outro não comigo. Perguntei qual deles e ai foi a surpresa, ela me apontou um segurança da casa que também estava vendo a sua exibição e eu nem tinha notado, o cara era negro e muito forte. Eu comecei a imaginar ela fudendo com o cara. Ele a toda hora passava por nos e ela abria mais as pernas. Em determinado momento ele se dirigiu ao banheiro e eu fui atrás levando a calcinha da minha mulher no bolso, me posicionei do seu lado e com a calcinha dela na mão mostrando pra ele olhei ele mijando e balançando o cacete enorme. Ele começou a dizer que tinha muita gata gostosa na festa e que se pudesse enrrabava uma nisso seu pau já estava muito duro. Voltei pra mesa e de longe vi alguns dos caras da mesa do lado falando com ela dei um tempinho a mais e voltei à mesa e eles quando perceberam saíram de perto. Ela me contou tudo que disseram, perguntaram quem era eu, se eu não sentia ciúmes dela, exclamaram que era louco em permitir que ela fizesse isso, e quando ela disse que eu era seu marido e que gostava que ela ficasse assim me chamaram de corno e que ela quisesse os quatro poderiam fuder com ela e ela disse que ia falar comigo. Eu falei do segurança e seus olhos brilharam, ela disse que queria dar pra ele ali mesmo e vendo que ele tinha se posicionado próximo dos banheiros se levantou e foi ate lá, quando voltou me falou que tinha perguntado quem eu era e ao saber que era seu marido disse que eu era corno e que tava doido Contos Imor(t)ais - AVENTURAS DE MARIDO E ESPOSA – 136 -


pra levar chifre e ver a mulherzinha levando vara ela sorriu e disse que eu era mansinho mansinho, e voltou pra mesa. Eu a convidei pra ir lá pro fundão da casa de show pois havia percebido que tinha uma mesa e que não tinha quase ninguém lá, ela saiu na frente rebolando toda, nos posicionamos em uma mesa que tinha uma colunas do lado, na nossa frente e atrás de nós não havia mais ninguém, vi que o segurança havia se posicionado a uma distância de uns dez metros e ficava nos olhando, ela começou seu showzinho particular e já abria as pernas se arreganhando toda eu passava a mão na sua boceta encharcada e alisava meu pau. No intervalo de uma banda e outra começou a tocar uns axés e ela começou a dançar rebolando toda, nisso o segurança se aproxima e senta em uma cadeira mais atrás de nós mais bem mais próxima ela começa a rebola mais e sua saia começa a subir, com estávamos praticamente só nós três ela nem abaixava mais sua saia e sua bundinha ficava toda à mostra, em dado momento ela vem e me beija se inclinado sem dobrar as pernas e abre bem as pernas, abro os olhos e vejo que o segurança tinha colocado seu pau pra fora e se masturba segurando sua enorme pica faço um sinal ele se aproxima e encosta a pica na bunda da minha mulher que solta um suspiro sem parar de me beijar, faço um gesto pra ele sentar em uma cadeira na nossa mesa, me levanto e segurando minha mulher pela cintura vou conduzindo até o colo do segurança e faço ela sentar nele ele pega na bunda dela e coloca o cacete na portinha da boceta dela ela começa a rebolar e sentar bem devagar quando ela ficou cravada no pau do segurança e começar a subir e descer eu pego outra cadeira e sento de frente pra ela e fico vendo a boceta dela toda arreganhada no pau do segurança, ela começa a dizer: – Ai amor o pau dele tá me rasgando, ai como tá bom. Nossa! É uma sensação que foge da imaginação... vê sua esposinha trepando e sendo rasgada por um pau. Eles ficaram fudendo e eu olhando e vigiando, quando aparecia alguma pessoa ela parava de calvagar e ficava como que sentada no colo dele. Eu estava me realizando e abria a boceta dela e sentia aquele pau sumindo dentro dela. Ficamos um bom tempo ela fudendo o cacete do segurança e gozando a toda hora e eu segurando minha amada e quase desfalecia, o segurança avisou que ia gozar e inundou a boceta de esperma que transbordou a boceta dela e se espalhou pela perna dela. Ele caminhou até o banheiro e ficamos nos beijamos. Nos despedimos dele e saímos pra nossa casa onde pude ver o estrago do cacete do segurança. Dormimos exaustos mais ela do que eu claro, né. Assim iniciou nossa vida de putaria eu cada dia mais corno e ela cada dia mais puta.

PARTE II Já contei como foi o primeiro chifre com o segurança da casa de forró. Devo dizer que a partir daí minha mulherzinha tem me deixado louco de tesão, pois se desinibiu de vez. Os nossos lances de exibicionismo renderam muitas aventuras. Estávamos planejando ir em uma quinta-feira em uma casa de pagode aqui em Belém. Ela pediu que eu comprasse alguma roupa nova pra ela estreiar lá. Eu já imaginando o que poderia rolar fiquei no maior tesão. Fomos atrás da referida roupinha. Pedi para que ela fosse com uma minissaia e com uma minúscula calcinha para dar uns shows durante as compras. Fomos de ônibus e quando ela subiu havia um homem moreno sentado de frente à porta e como não havia o que fazer ela arreganhou a perna mostrando sua calcinha transparente e seus pelos da boceta pro cara, notei que ele ficou meio sem ação. Sentamos nas últimas cadeiras e a deixei propositalmente na cadeira do corredor de modo que em determina ângulo qualquer pessoa poderia vê-la e como já estávamos no clima ela mantinha suas pernas ligeiramente abertas e fingindo distração abria com vontade quando tinha algum Contos Imor(t)ais - AVENTURAS DE MARIDO E ESPOSA – 137 -


homem secando. Eu já estava de pau duro e fingia que não percebia tudo, devo dizer que é um sentimento muito forte saber que a tua mulher é uma puta e qualquer um pode foder com ela. Finalmente chegamos ao centro e procuramos algo pra ela e como combinado de antemão eu escolheria sua roupinha. Eu adoro minha situação de corno e como já sabia que a noite prometia mais uns chifres resolvia apelar nas roupas. Convenci-a a comprarmos uma saia jeans bem micro mesmo era de um palmo, cerca de 23cm, e sem cintura, como ela tem um quadril largo e uma bunda bem arrebitada ficou um escândalo, o pano do jeans ficava no limite, cerca de dois dedos da polpa da bunda, quando ela pegou pra experimentar ela me olhou e disse que eu era louco e sorriu. Ela entrou no provador e em alguns minutos me chamou pra ver, estava uma loucura, ela disse: – Como vou usar isso..., olha o que acontesse. Ela virou-se e inclinou levemente seu corpo e realmente era um abuso, a leve inclinação proporcionava uma visão total de sua bunda. Ela deu um passo longo ficando com as pernas abertas e ficou claro sua boceta. Eu fui a loucura e disse é esta. Realmente a noite prometia..., marcamos de ir em um pagode em uma casa de show que é muito legal. Assim que chegamos, logo na entrada já percebi que ela causou um reboliço, vários homens olharam pra gente. Acho que ela estava um pouco desconfortável pois dava um passo e tentava em vão puxar a micro pra baixo, como ainda era um pouco cedo e não havia tanta gente, demos uma voltinha pelo local e nos situamos um pouco. Eu cheio de má intenção, escolhi um local na lateral da casa em uma mesa que deixava a parte de baixo totalmente descoberta e com uma iluminação suficiente para uma boa observação. Tocava uns pagodes e axés e ela começou a dançar, no começo próximo à mesa do meu lado e quando ela fazia a coreografia das músicas rebolando sua bunda eu ficava louco vendo a sua bundinha e sua bocetinha, começamos a beber e ela se soltando cada vez mais, nisso já havia mais pessoas próximas de nós e em frente nossa mesa algumas com vários caras que fitavam minha esposinha rebolando feito louca, eu apenas a incentivava e não deixava seu copo secar, ela rebolava os axés de costa pro caras e eles não tiravam o olho. Em dado momento ela sentou com as pernas levemente abertas e eu do seu lado já via sua bocetinha, coloquei minha mão em sua perna e toquei sua boceta e estava muito molhada e ela disse que não consegue se controlar de tesão, pedi pra ela abrir mais as pernas e ela com muito jeito atendeu e foi uma loucura pois ela virava pra mim mantendo o corpo posicionado pra frente, alguns dos homens da mesa da frente passaram a dançar um pouco próximo de nossa mesa com toda certeza para vê-la melhor, que loucura. Um segurança que usava uma lanterninha ficou em pé sobre uma estrutura de concreto para poder ver o salão e passou a olhar pra nossa mesa e quando fingia não prestar atenção nele focava a lanterninha para o meio das pernas dela que só me tocava e dizia – Ele tá me olhando..., ele tá me olhando... Para disfarçar um pouco ela começou a dançar novamente e agora um pouco mais bebida não se preocupava com sua micro e ela se rasgava no axé, eu estava pra esplodir de excitação, em um momento ela começou a sorrir e veio na minha direção e falou no meu ouvido que havia uma platéia atrás de mim que estava pedindo pra ela pra ela mostrar mais, eu apenas puxei de vez sua micro ela bateu na minha mão e voltou a dançar ajeitando a micro, ela não parava de olhar na direção da platéia e dançava e levantava a micro e expunha sua bocetinha, estava demais. Logo ela sentou novamente estava bem excitada e sempre mantendo as pernas abertas. O segurança da lanterninha não perdeu tempo já se posicionou e focava sua lanterninha nela e eu na maior excitação. Contos Imor(t)ais - AVENTURAS DE MARIDO E ESPOSA – 138 -


Ela se levantou para ir ao banheiro e eu aproveitei e fui falar com o segurança, falei que era pra ele ficar tranqüilo pois ela gostava de mostrar e quando ela voltou ele nem ligava pra mim focava sua lanterna direto nela. Ela estava super excitada e queria foder de qualquer jeito, perguntei se queria dar pro segurança e ela disse não ter gostado muito dele. Resolvemos ir pro motel e saimos, na porta da casa de show havia muitos taxistas e pensei porque não né, ficamos um pouco escolhendo algum que fosse do seu gosto e ela apontou um negro não muito alto mas até que simpático e fomos até o carro ele abriu a porta de trás pra ela entrar e quando ela fez isso abriu descaradamente as pernas e sua boceta ficou toda a mostra fiz que não estava prestando atenção e me posicionei pra entrar na porta da frente, o motorista deu a volta e eu esperei ele entrar e quando fez isso ficou olhando pro banco de trás já que ela havia sentado no meio do banco, quando fiz que ia entrar ele se posicionou e mexeu no espelho retrovisor abaixando bem, novamente fiz que não estava prestando atenção e seguimos ela com as pernas totalmente abertas praticamente nua pois a micro havia subido toda e o motorista ia bem devagar sem tirar o olho da boceta dela pelo espelho. Quando chegamos ao motel ele acendeu a luz interna e fiquei um pouco pegando o dinheiro pra pagar e ele olhando pra trás ela nem se importou e saiu do carro e subiu a escada do quarto, eu paguei e perguntei se ele tinha visto a boceta da minha mulherzinha, ele disse que era uma loucura e perguntou se eu não me importava em ela sair assim, eu disse que adorava vê-la deste jeito e adorava vê-la trepando com outro homem e perguntei se ele não queria comê-la e claro que ele concordou, eu disse que era pra ele ficar esperando um pouco e deixaria a porta aberta e quando ele ouvisse ela chamando ele poderia entrar. Ele ficou na escada e eu entrei e encontrei ela já na cama e comecei a provocá-la dizendo que era era mesmo uma puta por mostrar a boceta daquele jeito por motorista, ela disse que era o culpado que ela não aguentava e que ele havia até tocado na bocetinha dela quando eu olhava pra fora, eu disse: e você gostou né? Ela disse que ele tinha mão bem grande. Eu deitei na cama e pedi pra ela me chupar e ficar com bunda arrebitada pro lado da porta, comecei a pergunta se ela queria dar pro motorista ela disse que estava desesperada pra foder, que queria foder com todo mundo que eu seria o maior corno do mundo eu disse então rebola esse rabo e chama o motorista pra te comer vai, acho que ela sabia que ele estava esperando do lado de fora, pois ela começou a rebolar e chamar, vem me arromba vai, vem que eu não aguento mais, nisso o motorista entra já com o pau na mão, não era tão grande, acho que uns 18cm mais era bem grosso eu joguei uma camisinha pra ele e ela nem se assustou quando ele começou a cravar sua pica nela, só começou a gozar e rebolar como uma louca no cacete do motorista, ela começou a gritar e eu tirei o meu pau da sua boca e fui escorregando pra baixo dela, o motorista entendeu o que eu queria e tirou seu cacete da boceta esfolada da minha mulherzinha e eu a penetrei, ele se posicionou e passou a meter no rabo dela, ela começou a tremer e a dizer ele tá me enrabando amor vou morrer nesse cacete, sincronizamos nosso movimento e passamos a fodê-la até que não aguentamos e gozamos juntos. Ela ficou jogada na cama acabada e eu agradeci ao motorista pela bela foda, ele nos deixou seu cartão e suplicou que sempre que precisássemos bastava chamá-lo. Dormimos no motel e de manhã ainda demos mais uma foda deliciosa. Eu adoro minha mulherzinha puta e adoro continuar corno, em breve conto mais.

PARTE III Somos um casal cujo relacionamento tem sido muito bom, recheado de respeito e prazer, já tivemos Contos Imor(t)ais - AVENTURAS DE MARIDO E ESPOSA – 139 -


alguns relatos de nossa intimidade revelado e voltamos para mais um evento muito excitante. Depois que iniciei minha vida de corno, onde exponho minha deliciosa esposinha aos olhares famintos dos machos e a entrego aos felizardos onde eles a devoram com minha permissão, ela tem ficado cada vez mais putinha. No começo ainda se agarrava a sua moral e vergonha, hoje, porém ela se solta com a maior facilidade como ocorreu neste relato. Moramos no segundo pavimento de uma casa de dois andares e em frente a ela, nosso vizinho construiu uma casa de três andares, está pensando em fazer uma escola. O terceiro andar é apenas a laje com um quarto no final. Ao redor da laje apenas um muro baixo formado de vigas intercaladas, deixando um espaço entre elas. Deste local dava uma visão muito boa de nossa sala. Nosso vizinho é um caso a parte, baixo, um pouco gordo e barbudo, sinceramente um cara que em condições normais não chamaria a atenção de minha esposa. Como fiquei sabendo depois, ele e os outros caras da rua estavam de olho em minha esposa, pois ela estava muito abusada, suas sainhas e seus shortinhos estavam levando-os a loucura, mesmo em casa ela sempre ficava com essas roupinhas. Em um sábado eu estava no quarto e minha esposa estava na sala, sentadinha no sofá com uma minissaia jeans, de repente ela percebe nosso vizinho debruçado no murinho da laje e olhava pra ela e com um grande detalhe e ela me chamou e falando baixo disse pra eu olhar por trás da cortina e grande foi meu susto, ele tinha uma pica enorme. Quando ele percebeu que ela estava olhando, ele passou a mostrar toda a extensão da pica, colocando-a por entre as vigas. Ela estava como que encantada pela pica do vizinho. Falei pra ela sair um pouco e tirar a calcinha pra mostrar a boceta pra ele também e ela nem pensou, quando voltou a sentar foi uma loucura, ela abria as pernas como se fosse sem querer e meu vizinho ficou louco passou a se masturbar e gozou rápido saindo em seguida. Levei minha esposa pro quarto e ela estava molhadinha e trepamos como loucos e ela gritando que queria dar pro vizinho. Eu disse que iria dá um jeito. A partir deste caso ele começou a conversar muito comigo, acho que queria estreitar a relação e eu como bom corno manso fingia que não sabia de nada. Alguns dias depois, o chamei pra tomar umas cervejas em casa, minha mulherzinha ficou louca e se vestiu a caráter com uma sainha muito curta, cerca de um palmo, uns 28cm, de pano leve uma blusinha solta e sem calcinha, ela adora isso, quando o cara chegou, ela estava molhadinha e escorrendo pelas pernas, foi uma noite legal, pois eu conversava com ele e ela vinha e sentava do meu lado de frente pra ele e cruzava as pernas, ele ficava secando as pernas dela, quando eu fingia não estar percebendo ela descruzava as pernas e deixava aberta, eu me fingia de bobo e ele disfarçava o pau duro, quando ele estava pra ir embora ela pergunta se podia um dia destes pegar sol na laje ele disse que podia ser no outro dia e combinamos tomar mais algumas geladas enquanto ela tomava sol. À noite ela não quis nem trepar comigo e fazendo cara de safada dizia que precisava se preparar para amanhã e eu tive que me contentar com uma punheta olhando aquela bocetinha que ela me mostrava. Ela acordou cedo e foi logo se preparando, vestiu uma minissaia de lycra branca que ela só usa em casa por se tornar transparente e como raramente usa calcinha fica muito evidente, ela disse que queria provocar bem o nosso vizinho, ela estava me deixando excitado, pois ela não usava calcinha e ficava se mostrando pra mim. Perguntei qual biquíni ela iria usar e ela disse que usaria um branquinho bem pequeno, era fio dental e ela havia tirado o forro, como era tipo cortininha ela podia ajustar, normalmente ela ajustava de modo que a calcinha do biquíni marcava a boceta e cobria apenas os lábios e o tufo de pelos loiros acima. Contos Imor(t)ais - AVENTURAS DE MARIDO E ESPOSA – 140 -


Dei uma ligada pra ele avisando que estávamos indo, fomos e ele veio nos receber, ele engasgou quando viu minha esposa com aquela saia, pois na frente dava pra perceber o tufo de pelos da boceta e atrás nem sinal de calcinha, ele que estava com uma bermuda moletom não teve com esconder sua excitação e pôs a mão no bolso. Iniciamos a subida até o terceiro pavimento, ela subia na frente meu vizinho no meio e eu atrás e olhava pra cima e podia ver claramente sua bocetinha que ela tentava esconder puxando a mini para baixo, imagino que meu vizinho tinha uma visão privilegiada. Quando chegamos a laje ela correu e ficou no mesmo lugar que meu vizinho havia ficado quando estava se exibido para ela. Ela se debruçava sobre o muro e empinava de leve sua bunda e dava pra ver bem o final das poupas e como estava com as pernas levemente abertas, podíamos ver também sua bocetinha, eu claro fingia que não via nada e já perguntava pelas cervejas, ele foi pegar no quarto e ela sorrindo pra mim disse que ia matar o cara. Começamos a beber e após a primeira gelada ela perguntou se podia colocar o biquíni, ele indicou o quartinho e ela foi. Ela ficou deliciosa com o fio dental deixando sua bundinha toda de fora e como era branco marcava bem a boceta e ficava claro seus pelos. Meu vizinho não tirava o olho e disse que ela estava muito gostosa e eu apenas sorri, ela estendeu a toalha e se deitou, não esquecendo de ficar de quatro empinando bem seu rabo e deixando meu vizinho de boca aberta olhando sua boceta que ficava clara naquele transparente e fino pedaço de pano ele tentava em vão ocultar sua pica que estava duríssima, ela abria um pouco as pernas e pediu pra passar bronzeador o que fiz com muito gosto e aproveitando puxei, um pouco mais seu biquíni fazendo com que os lábios da boceta quase o engolisse, continuamos bebendo estávamos bem altinhos, meu vizinho nem se importava com sua ereção e eu fingia que não estava percebendo nada. A todo instante ela levantava e vinha beber conosco, ela se molhava e o biquíni ficava cada vez mais transparente. Quando percebi que ele não estava mais agüentando eu disse que ia pegar mais cerveja e quando ia descer ela chamou meu vizinho pra passar mais bronzeador nela, antes de descer ainda brinquei com ele pra não abusar muito. Ele só sorriu. Eu fiquei em posição que dava pra vê-los e ouvi-los e ele perguntou pra ela se eu não era ciumento e deixava ela ficar vestida assim, ela só disse que eu adorava vê-la se exibindo pra outros homens e vê-los de pau duro e ele perguntou e você? Ela disse que gostava também e que ficava muito excitada e que gostava de ver que os homens ficavam de pau duro doidos pra come-la. Meu vizinho que estava de joelhos ao seu lado estava tão excitado que seu pau fugia pela bermuda, minha esposa que estava com o rabo pra cima mantinha a cabeça baixa apenas olhando meio que de lado. Ele perguntou se eu iria demorar e tirou o cacetão para fora e começou a esfregar na bunda dela. Minha esposa suspirando disse que eu era louco e corno e que estava doido pra vê-la estrepada em um cacetão. Meu vizinho retirou a bermuda e foi para trás da minha esposinha que ficou de quatro e empinou seu rabo, ele não tirou nem o biquíni da minha mulher, apenas afastou pro lado e disse, que bocetão lindo e encostou a cabeça na entradinha da boceta da minha mulher, ela gemia e rebolava o rabo, ela estava muito molhadinha e ele foi empurrando o cacete pra dentro e ela gritava que era muito grosso e que estava arrombando sua boceta, ele dizia que não era isso que ela queria e que o maridinho dela era mesmo um corno. À medida que ele penetrava sua boceta ela rebolava e pedia mais e dizia que ela era uma puta casada que adorava cornear o maridinho dela. Ela pediu pra ele deitar e foi pra cima dele e rebolava como na música da boquinha da garrafa, ela delirava e rebolava, eu via a bocetinha da minha esposa Contos Imor(t)ais - AVENTURAS DE MARIDO E ESPOSA – 141 -


partida ao meio naquele pauzão, meu vizinho segurava pela bunda e puxava ela pra baixo e cravava o pau nela. Ele não agüentando mais disse que ia gozar, ela gritando também sentou no cacete e prendeu as pernas enquanto ela gozava. Eu desci rapidamente e fui ao bar com o pau meio duro ainda e comprei as cervejas. Quando cheguei minha querida esposinha na mesma posição deitada com o rabo pra cima e meu vizinho havia entrado no quartinho pra tomar um banho, pois estava muito calor. Perguntei se estava tudo bem e ela disse o que você acha e ficou de quatro com as pernas abertas, como biquíni transparente e entrando na boceta pude ver o estrago. A boceta da minha mulherzinha estava toda vermelha e abertinha. Dei um beijo nela e ela disse que me amava muito e pediu se eu podia beber muito e ficar bêbado pois ela queria sentar de novo no cacetão do vizinho eu disse que claro e já enchia o meu copo. Em outra oportunidade conto mais desta sentada da minha esposa e como mais dois caras da rua acabaram sabendo que minha mulherzinha havia dado pro vizinho e que eu sou corno manso.

PARTE IV Continuando a aventura daquela tarde, minha esposa me pediu que fingisse que tinha bebido demais, pois queria sentir mais da piroca do meu vizinho. Eu fiz todo esforço para parecer bêbado, enquanto minha esposa continuava estirada se bronzeando. Meu vizinho conversava comigo sobre amenidades, mas não tirava os olhos dela e ela ficava ali se arreganhando, enquanto eu fingia que estava tonto e cochilava ela fechava mais a cortininha do biquíni e seus grandes lábios ficavam engolindo o biquíni, a boceta toda aparecendo. Meu vizinho percebendo que eu estava quase cochilando na cadeira colocava seu pauzão pra fora e mostrava pra ela, ela falou pra ele deitar pra pegar um pouco de sol também, quando ele deitou, ela levantou e foi no chuveiro, quando ia voltando passou perto de mim e falou que eu parecia ter desmaiado e perguntou o que ele tinha colocado na minha cerveja e ele respondeu que era chá de corno. Ele disse pra ela: – Vem sua putinha senta nesse cacetão Ela riu e ficou de cócoras e puxando o biquíni pro lado e gemendo deixou a cabeça do pau na entradinha da boceta e começou a rebolar e abaixar na cacete, ela estava tão molhada que escorria. Eu estava há apenas dois metros deles e como ela estava sobre ele e de costa pra mim nem um deles podia me ver e eu ficava lá vendo minha esposinha gemendo e como era grosso o cacete do vizinho, deixava a boceta da minha esposa toda abertinha e era lindo ela gozar. Ele dizia que achava ela muito gostosa, mas não sabia que eu era tão corno e ela gemendo dizia que eu gostava que ela se exibisse, mostrasse a boceta pros machos e que ela adorava gozar nos cacetes como o dele e estando de cócoras ele a puxava e ela sentava toda na piroca do vizinho. Ela gozou bastante. Quando meu vizinho gozou, eles foram se limpar no chuveiro e ela me chamou, eu fingi ter acordado e ela toda manhosa disse que estava toda vermelhinha e abaixou seu biquíni pra me mostrar sua marquinha, que estava ótima e quando estávamos indo ele nos convidou pra sair mais tarde, pois haveria um show de forró na Pororoca, que é uma casa de show aqui de Belém. Minha esposa ficou animada e acabei aceitando. Quando chegamos em casa eu estava doido pra foder com ela, mas ela disse que sua bocetinha estava arrombada pela pica do vizinho e realmente ela estava arrombada e acabei tendo que me Contos Imor(t)ais - AVENTURAS DE MARIDO E ESPOSA – 142 -


contentar com uma chupadinha da minha esposinha e enquanto ela chupava eu a chamava de esposa safada, putinha e só gemendo ela dizia que era louco por deixa-la foder com outros machos que eu era corno e rapidamente gozei e ela já estava molhadinha novamente e disse que ia arrebentar no forró e descansamos um pouco, por volta das dez, nosso vizinho ligou avisou que passaria para nos pegar, ela estava se arrumando e experimentando suas sainhas e eu todo excitado, ela pois uma blusa transparente com folhos e dava para antever seus seios, mas o estonteante era a saia que era curta e de tecido fino e solta ela andava e a saia rodava e subia dava pra ver as polpas da bunda e a intenção era rodar bastante no forró, ela pegou uma coleção de calcinha do tipo fio dental e me perguntou, então amor qual dessas eu uso com a maior cara de safada, eu peguei as calcinhas como se estivesse escolhendo fechei a mão e entreguei a ela e não tinha nada na minha mão, ela sorriu e disse você adorar que eu mostre a boceta não é seu tarado e eu só sorri. Logo meu vizinho apareceu ela foi à frente da casa e eu fiquei por trás dela, meu vizinho ficou em baixo e ela devagar começou a descer a escada lógico que ele percebeu que ela estava sem calcinha, pois a saia era bem curta, ele deu um beijinho nela e abriu a porta do carro pra ela e ela quando entrou abriu mais que o necessário as pernas e ele teve a certeza e então me chamou e eu desci. Minha esposa estava atrás e eu sentei na frente com ele. Ela como sempre faz fica no meio dos bancos com as pernas abertas, meu vizinho ajusta o espelho retrovisor para o meio das pernas dela e eu fingindo não perceber começa a exibição ele brinca que ela está linda e que é pra eu ficar colada nela que ela estava um arraso e eu só concordo e ela ri bastante. Chegamos e escolhi uma mesa de canto com um pouco de iluminação propositalmente pra que ela pudesse ser vista. Sentei ao seu lado e a deixei do lado da mesa, não havia nada na sua frente, meu vizinho sentou de frente pra mim o que o deixou com uma vista privilegiada das pernas cruzadas da minha esposa e que não ficou assim por muito tempo à medida que tomávamos as caipirinhas. Assim foi dançamos muito ela aproveitava quando dançava com ele pra se esfregarem ela simplesmente não fechava mais as pernas e sua boceta fica ali bem visível pro meu vizinho e pro outros caras de uma mesa ao lado que até mudaram suas cadeiras de lugar ficando todos os quatros caras de frente pra nós, ela percebeu e falou pra mim no meu ouvido se não era isso que eu queria e abria as pernas pros caras ficarem vendo e eu disse pra ela vai amorzinho abre mais, ela ria e escancarava mesmo meu vizinho pensava que era sem querer por que ela ficava balançando as pernas, e ele tinha uma visão bem melhor. Em um momento que meu vizinho foi ao banheiro ela colocou minha mão na sua boceta e nossa ela estava bem molhada. Estávamos na maior excitação quando apareceu em nossa mesa dois caras que eu já havia visto lá pela nossa rua, nos cumprimentaram e ficaram conversando com nosso vizinho e claro secando as pernas da minha esposa que instintivamente cruzou, eu pus a minha mão sobre suas pernas e dei um leve toque tentando afastar as pernas dela, ela me olhou e sorriu e retirei a mão e ela lentamente foi descruzando as pernas. Os caras ficaram estáticos e ficaram conversando com meu vizinho e acabaram por se convidarem a sentar conosco e ai foi o show pois ela ficava se exibindo pra eles também, eu não tive outra opção se não fingir que não via que ela ficava com as pernas abertas e que estava assim bêbado. E ficamos assim por um bom tempo, às vezes ouvia eles sussurrarem com meu vizinho e em um momento ouvi meu vizinho dizer que eu era corno e que tinha fodido minha esposa e então pensei tou fodido também, tirei minha esposa pra dançar e comentei pra ela e disse que era melhor sairmos e foi o que fizemos. Fomos pra casa de táxi e é claro que ela não perdeu a chance de mostrar a boceta pro taxista e acabamos a noite dando uma bela trepada e senti sua boceta bem abertinha.

Contos Imor(t)ais - AVENTURAS DE MARIDO E ESPOSA – 143 -


Mas pro meu desespero a merda estava feita a rua toda ficou comentando, eu não liguei muito até por que ainda ao havia dúvidas sobre o que meu vizinho havia dito, minha esposa até disse que um cara havia dito que ele não acreditava que ela tinha dado pro vizinho e ela brigou com ele dando uma de santa e falou que eu era bravo. Passou a semana normal, mas no outro sábado ela me chamou e ficamos os dois atrás da cortina de casa olhando uns seis caras na casa do vizinho e tentavam se esconder e olhavam pra nossa casa, ela estava de shortinho e fez eu pegar na boceta já molhadinha e disse pra ela que não acreditava que ela ia querer mostrar pra rua toda e ela não disse nada só tirou o short e foi pro quarto e quando voltou com a mesma saia lycra branca que ela foi pra pegar sol na laje do vizinho, ela me olhou e disse estou gostosa e passou na frente da janela. Eu vi a agitação dos caras e eles se posicionavam, ela voltou pra onde eu estava me seu um beijo e disse que me amava, e que eu era corno então porque não mostrar logo né, passou algumas vezes na janela fingindo está limpando algo e foi logo pro sofá e sentou a princípio com as pernas cruzadas, mas não por muito tempo e eu corno manso tirei minha pica pra fora e comecei a bater uma punheta pra minha esposa enquanto ela mostrava a boceta pros caras na laje do meu vizinho e pedia pra eu deixar ela dar pra todos da rua. Em outro momento continuou contando como foi que tive que prepara-la pra cada um dos nossos vizinhos.

PARTE V Eu tenho tido muito prazer em contar as aventuras de minha esposa e como me realizo por participar como corno observador. Embora tenha muito prazer em vê-la trepando com outros machos, devo dizer que o que me excita muito é o exibicionismo dela. Eu fui o grande incentivador deste estilo de vida e devo dizer que não foi fácil, convencê-la a usar roupas cada vez mais curtas foi minha grande vitória e a partir disso faze-la gostar de mostrar sua calcinha abrindo as pernas como descuido levou tempo, mas valeu a pena. Talvez o tempo que levei para conseguir que ela se soltasse me fizesse alcançar níveis de excitação à medida que ela avançava. Então as eventuais trepadas da minha querida esposinha são apenas conseqüência da exibição explicita dela, e o interessante é que não era sempre que saímos e rolava uma trepada com um desconhecido, mas para nós a excitação dela está se mostrando e eu está ao seu lado fazendo de conta que não sei que ela está nesta situação é o clímax do prazer. Descobri pela experiência que a minha esposa adorar trepar com desconhecidos e todo o processo que leva às transas. Lembro que uma das primeiras vezes que houve um progresso no exibicionismo dela. Eu havia comprado um vestido de malha de cor clara, não branca, e que ficou muito bem nela, não era um mini-vestido, mas como era de malha subia à medida que ela se movimentava, enfim, ela tem um corpão que ajuda muito. Então saímos pra um bar, que rolava uns shows com algumas bandas e ela foi com o tal vestido, ela se sentia nua até porque a calcinha que não era pequena ficava bem marcada e eu de cara não gostei da calcinha que ela estava usando, mas enfim já considerava uma façanha faze-la sair com o vestido, tive que levar o táxi até a frente de nossa casa pois ela estava com vergonha, chegamos ao bar, sentamos e ela estava nervosa pois os homens do local secaram-na quando chegamos e eu como bom propenso corno disse que era porque ela era gostosa e tal. Fiz com que ela sentasse do meu lado na mesa, mas de modo que não houvesse nada impedindo a visão de qualquer pessoa para as pernas de minha esposa. Ela mantinha suas pernas sempre Contos Imor(t)ais - AVENTURAS DE MARIDO E ESPOSA – 144 -


cruzadas, enfim bebemos, dançamos e eu estava bem excitado e ela deu o primeiro sinal quando disse que um homem que estava com mais dois em uma mesa em frente a nossa estava olhando para suas pernas e que fazia sinal pra ela, que tinha a cara de tarado e que queria ver sua calcinha, como ela já estava bem alegrinha, falei pra ela mostrar pra ele o que ele quer ver, ela disse que não era pra provocar ela e pela primeira vez descruzou as pernas e eu disse pra ela abrir as pernas pra ele, e ficamos assim, eu estava super excitado, em uma ida ao banheiro e no retorno ela disse se podia dançar com ele e eu saltei a bomba, disse que deixava se ela tirasse a calcinha, ela me chamou de louco e disse que não e eu também disse que não. Ela fez beicinho e foi ao banheiro e não acreditei quando ela sentou e pôs na minha mão sua calcinha, eu falei que ia ao banheiro e que se ele pedisse pra dançar com ela era pra ir. Fiquei um tempo com ela na mesa e notei que o quanto ficava transparente o vestido e um detalhe quase me fez gozar, minha mulher na época mantinha sua boceta com pelos grandes acima dos lábios e estava dando pra ver e alguns fios até saiam pelo vestido fino. Fui até o banheiro e não deu outra, quando voltei, ela estava dançando brega como o desconhecido, eu sentei e fiquei observando os dois que conversávamos e ela ria bastante, ele agarrava bem ela e ela puxava a toda hora seu vestido. Quando voltou à mesa veio toda sorridente. Eu perguntei como foi e ela toda excitada disse que foi ótimo que ele estava de pau duro, pois estava encostando nela e como o vestido era fino podia sentir toda a extensão do cacete e eu perguntei e você? Ela disse que estava molhada e eu quis pegar, ela já bem altinha pegou minha mão e levou até sua boceta, que estava bem molhada falei pra ela deixar suas pernas abertas pra eles ficarem vendo, ela fez isso durante um tempo e disso que queria ir embora, eu levantei e disse que ia provocar mais um pouco os caras, começamos a dançar e leveia até uma área em que tinha alguns caras parados próximos ao salão e dançando eu levava ela até se encostar em alguns caras, que ficavam até assustados com aquela mulher se encostando neles e ainda dançando com um homem. Fomos embora e a última exibição foi durante a passagem por uma parada de ônibus. Tinha um cara sentado esperando acho que um ônibus e ficamos para esperar o táxi, então sussurrava pra ela se abaixar e ajeitar o sapato e quando fazia seu vestido subia o cara ficou excitado. Quando chegamos trepamos até de manhã como não fazíamos a tempo, foi um início bom. Não houve transa com o desconhecido, mas como foi gostoso este episódio.

Contos Imor(t)ais - AVENTURAS DE MARIDO E ESPOSA – 145 -


O PAI DA MINHA AMIGA Meu nome é Gabriela, tenho 29 anos, 1,68 m, 55 kg, sou branca com os olhos castanhos claros, cabelos loiros, seios bem grandes e um bumbum empinadinho. Vou relatar aqui apenas uma de várias histórias que aconteceram comigo. Aos 19 anos, após entrar na faculdade, conheci Karen, minha amiga que já mencionei em outros relatos. Éramos e somos ainda muito amigas e essa amizade nos levou a manter contato também fora da faculdade. Conheci sua família apenas por foto na época, mas mesmo assim já fiquei louca pelo pai dela. Apesar de ser ainda virgem e querer preservar isso, queria muito transar com aquele coroa, que por praticar esportes tinha o vigor de um cara de 25 anos. Certa vez Karen me convidou para irmos ao cinema, então fui até sua casa para irmos juntas. Foi assim que conheci pessoalmente o pai da minha amiga, Gerson. Assim que cheguei à sua casa e entrei vi que ele estava sentado no sofá assistindo TV e fiquei então ali com ele enquanto minha amiga tomava banho e se arrumava. Sua mãe não estava em casa, tinha ido visitar a avó de Karen. Gerson tinha 42 anos, era um homem muito bonito e tinha um olhar muito sedutor, percebi isso no primeiro momento com ele me secando. Eu estava de calça jeans de cintura baixa e blusinha que aberta evidenciava meus seios, e percebi que ele não tirava os olhos do decote. Eu usava ainda um salto alto que deixava meu bumbum mais empinado ainda e a calça era tão colada ao corpo que dava pra perceber a minha calcinha minúscula. Sentei-me em uma poltrona que ficava na frente dele. Já estava mal intencionada, sabia o poder que eu tinha sobre os homens, pois sempre fui vaidosa, malhava, cuidava bem do meu corpo e de meus cabelos e sempre tive o homem que quisesse, sendo ele solteiro ou casado. Passamos a conversar ao mesmo tempo em que eu passava as mãos sobre minhas coxas, cruzando minhas pernas, inclinando ligeiramente para frente e deixando meu decote aparecer em alguns momentos. Sabia que estava sendo devorada com os olhos, e estava adorando a situação. O que mais me dava tesão era o Sr. Gerson me olhando como um tarado, chegando até a passar sua mão sobre a bermuda, para eu perceber o tamanho do seu pau e me mostrar que, mesmo sendo casado, toparia qualquer coisa. Ele então foi tomar água e me trouxe um copo, permanecendo atrás de mim. Mantive-me inclinada para frente, para que aquele homem safado visse minha calcinha pequena socadinha no rabo. Antes que minha amiga viesse, dei um jeito de pedir o número do celular do seu pai, alegando que tinha um amigo que poderia chamar pra trabalhar com ele, pois ele me contou que tinha um escritório contábil, mas claro que percebeu minhas intenções. Ele também quis o meu número. Finalmente Karen se aprontou e fomos para o cinema. No caminho, tratei de mandar uma mensagem para Gerson: – Em pouco tempo que fiquei perto de você, senti meu corpo todo arrepiar, estou louca tesão!! Não tinha medo de fazer ou falar nada, quando eu sentia vontade de transar com alguém, não tinha limites. Era impetuosa, falava e fazia qualquer coisa. Ele logo me respondeu: – Safada! Vem dormir aqui essa noite que eu vou saciar sua vontade, meu pau ficou duro, te achei Contos Imor(t)ais - O PAI DA MINHA AMIGA – 146 -


muito gata e quero saber se você é gostosa como parece ser!! Aquilo me excitou de tal forma que pensei que Karen fosse perceber e respondi mais uma vez: Humm, seu pau tá duro… queria estar aí chupando ele bem gostoso, mamando muito!! Sabia que essas mensagens já deixá-lo-iam louco. Respondeu-me que sua vontade era bater uma naquela hora para mim, estava com um tesão incontrolável. Pedi a ele que não o fizesse, porque o queria hoje, com o fogo acumulado. Mal prestei atenção no filme, só pensava no que me esperava na casa da minha amiga, estava excitadíssima só de pensar, meu cuzinho piscava sem parar, sentindo-o quente, parecia uma cachorra no cio de tanta vontade de dar pro pai da minha amiga. Ao chegar à casa de minha amiga, fomos nos arrumar para dormir e seu pai já estava deitado. Tomei um banho caprichado, ficando apenas de regata e calcinha. Recebi uma mensagem dele dizendo que estava a minha espera no seu quarto. Tão logo minha amiga dormiu, fui até o quarto de Gerson, que estava sentado em uma poltrona vendo TV só de cueca box, super convidativo. Cheguei e sentei no seu colo, de costas para ele. Gerson então começou a passar a mão por dentro da minha blusa, subia pela minha barriga e apertava muito forte meus seios, eu rebolava no colo dele e já estava ofegante de tanta excitação, sentia seu pau duro encostando-se à minha bunda e apertava cada vez mais forte meus seios, mordendo minhas costas. Levantei-me, tirei a blusa e me sentei de frente para ele, passando minha língua em sua boca, ele então enfiou sua língua na minha boca e eu a chupava como se estivesse chupando seu cacete. Ao mesmo tempo ele apertava minha bunda e eu remexia no seu colo. Coloquei meus seios em sua boca, que começou a lamber meus mamilos, dando beijos, mordendo gostoso e me fazendo gemer de tesão… pedia pra ele não parar. Sentia o pau dele muito duro roçando na minha buceta intocada que já estava muito molhada. Peguei o dedo médio daquele homem e comecei a chupar, enquanto ele mordia e mamava meus seios. Gerson estava adorando ver-me chupando seu dedo, já imaginando o que eu faria com seu pau. Ele tirou o dedo da minha boca e começou a brincar com meu grelinho melado, afastando a calcinha e com o dedo todo molhado com meu mel, voltando a enfiar na minha boca. Repetiu o gesto porém com ele sentindo o sabor do meu melzinho…. dizendo que minha buceta tinha um gosto delicioso. Estava com medo de ele meter seu dedo ali, e travei. Afinal era virgem, e todas as investidas até então foram no meu cuzinho, bem acostumado às trepadas das mais variadas. Para disfarçar e também retribuir seu carinho, disse que estava louca de vontade de chupar seu pau, que minha boca estava cheia d’água. Nesse momento nos levantamos e Gerson sentou-se na cama e encostou suas costas na cabeceira. Ele me olhava com uma cara que nunca vou me esquecer. Quando eu estava em pé na sua frente, tirei minha calcinha de costas pra ele, para que ele visse minha buceta e meu rabinho enquanto me abaixava, levando a calcinha até os pés. Percebi sua respiração próxima de minhas pernas. Adoro provocar os homens. Virei-me e fiquei olhando ele deitado na cama, me chamando pra ir ao seu encontro e dizendo que eu poderia aproveitar e fazer o que tivesse vontade. Fui engatinhando na cama, de quatro, até ficar em cima dele. Comecei a beijá-lo, lambia seu corpo e enquanto descia em direção ao seu cacete, esfregava meus seios em seu peito, virilha e coxas. Quando estava com o rosto de encontro ao seu pau, muito duro dentro daquela cueca branca, comecei a passar meu rosto naquele volume, beijando e abaixando a cueca aos poucos. Nossa! Aquele pau era tudo q eu queria. Tirei a cueca de Gerson e olhando pra ele, com minha boca pertinho do seu cacete, comecei a lamber das suas bolas até a cabecinha, subindo minha língua bem devagar e encarando seus olhos, que olhava pra mim e gemia, Contos Imor(t)ais - O PAI DA MINHA AMIGA – 147 -


chamando-me de putinha safada. Aquilo pra mim era tudo de bom: chupar um cacete com um homem me chamando de safada, só aumentava ainda mais meu tesão. Se era para ser a putinha ninfeta, que fizesse jus ao elogio. Segurei aquele caralho grosso e comecei a passar a língua em volta da cabeça, lambendo e olhando pra ele bem safada, cuspia e punhetava segurando forte. Acariciei as bolas, ainda encarando seus olhos, sentindo aquela cabeça toda meladinha escorregando na minha língua. Fui chupando e engolindo o pau dele, colocando todo na minha boca, até a garganta sentir o intruso, voltando e arfando para respirar e mamando com mais vontade e intensidade ao ouvir ele me mandar chupar seu pau mais rápido. Para Gerson era muito bom, ver uma mulher da idade de sua filha, de quatro, chupando seu pau, sedenta pelo que seu cacete poderia oferecer. Confesso que me excitava pensar nisso também. Ele gemia muito e falava: – Mama meu cacete, mama sua puta! Algumas vezes ele puxava meu cabelo e tirava minha boca do seu pau pra não gozar rápido. Gerson estava muito excitado, quando ouvi o que mais temia...disse que queria provar da minha buceta. Continuei chupando e fui beijando sua virilha, chupando e lambendo até subir em sua boca e sussurrar em seu ouvido: – Tio, eu sou virgem e quero ficar intacta, mas vem me chupar gostoso que depois deixo você arrombar meu cu!! Ele pirou. Fiquei de quatro com a bunda bem empinada e ele começou a lamber minha buceta que escorria de tanto tesão. Sentia sua língua dentro de mim, fazendo-me gemer muito, como se não tivesse ninguém na casa. Eu não estava nem aí, e acho que nem ele. Sorte que Karen estava capotada por causa do remédio pra dor de cabeça. Ele mordia meu grelo e chupava a bucetinha selada, metendo um dedo no meu cuzinho que piscava sem parar, perguntando se eu ia deixá-lo meter bem gostoso naquele rabinho lindo, enquanto chupava. Eu respondia: – Vou deixar você foder meu cu sim, mas quero que você me coma de quatro e meta sem dó. Quero ser sua puta agora. Ao ouvir isso Gerson, que chupava meu grelinho e me fazia gritar de tesão, disse que não conseguia parar de me chupar, que minha buceta era a mais linda e mais gostosa que já tinha provado, que pra ele já seria tudo só me chupar. Fez-me gozar três vezes seguidas. Então pedi, olhando diretamente pra ele: – Vem logo meter seu pau no meu cuzinho vem. Deixa-me sentir ele bem duro, vem socar forte nesse rabo. Gerson então ficou em pé e eu estava de quatro na cama. Ele colocou as mãos minha bunda e foi abrindo enquanto eu sentia a cabeça do seu pau encostar-se à entradinha. Ele lambeu seu dedo, lubrificando e metendo atrás, e comecei então a rebolar, pois não aguentava de tanto tesão. Ele percebeu que não haveria resistência, pois o anelzinho se abria facilmente. Com certeza percebeu que eu estava acostumada a levar rola atrás, pois disse que eu era mesmo uma putinha bem rodada. Foi então que implorei para ele: Contos Imor(t)ais - O PAI DA MINHA AMIGA – 148 -


– Mete todo seu pau no meu cuzinho, mete forte vai. Fode meu rabo! Gerson enfiou seu caralho grosso de uma só vez no meu rabinho e começou a meter, fodia bem forte, puxava-me pela cintura e socava seu cacete todo atrás, fazendo o maior barulho. Ele dizia que eu era muito gostosa, que eu estava muito molhada e que sentia meu mel escorrendo nas suas bolas. Que nunca imaginou que eu seria capaz de suportar um cacete grosso como o dele no cuzinho. Eu falei pra ele continuar, pois era assim que eu queria, que adorava receber muita rola no cú. Acho que ele entendeu o que eu queria, começou a puxar meu cabelo e começou a me dar tapas. Fiquei louca e para sua surpresa, comecei a dar bundadas para trás, engolindo mais ainda aquele cacete gostoso do pai da minha amiga Karen. Dessa forma, com a força dele indo e eu vindo em sua direção era mais gostoso, sentia tanto tesão que gemia muito e pedia pra ele bater mais forte. Ele dizia: - Quer mais forte gostosa, putinha safada? E batia forte, falando que ia deixar minha bunda marcada com sua mão e meu cuzinho inchado e sem pregas de tanto fode. Gerson sentia como eu estava molhada, como meu rabinho recebia seu pau por completo, em toda extensão. Eu gemia gostoso e já tinha gozado muito no pau dele. Meu cuzinho apertava demais aquele caralho e mandei ir mais rápido que eu queria gozar de novo. Então ele começou a meter muito forte e bem rápido e me puxava mais forte pelo cabelo também. Gozei muito e cheguei a ejacular forte, tremendo de tanto tesão. Fiquei curtindo e me deliciando nas estocadas fortes e tão logo gozei, pedi: – Agora delícia é sua vez. Eu quero mamar seu cacete até você encher minha boca de leite! Já caí de boca no pau de Gerson e mamava muito, batia punheta pra ele e chupava a cabeça do seu pau. Até que ele falou que ia gozar e eu chupava com mais vontade abri minha boca e senti o leitinho dele jorrando na minha boca, meu rosto e escorrendo no meu queixo… Gerson olhava pra mim sem acreditar no que tinha acontecido ali. Foi uma transa maravilhosa… comecei a limpar meu rosto com os dedos e chupava-os para não desperdiçar nenhuma gota daquele leite quentinho, e fui me deitar com o gosto de homem saciado impregnado em mim. Como ele gozou, Nossa! Engoli tudo.

Contos Imor(t)ais - O PAI DA MINHA AMIGA – 149 -


O SURGIMENTO DE UMA FANTASIA Olá, esse é o primeiro conto que escrevo, espero que gostem. Tenho 25 anos, sou casada, e até hoje só transei com um único homem, meu marido, eu sou negra, cabelos cacheados e seios grandes; meu marido tem 29 anos, pele clara, cabelos pretos, muito gostoso, e bem dotado. Já fazem alguns meses, nós estamos pensando em realizar a fantasia de fazer um menage masculino; eu, meu maridão delicioso e mais um homem. Tudo começou, quando um dia eu e meu marido assistindo a um filme porno (até então eu não gostava muito de filmes pornos), estavamos vendo uma cena em que havia uma mulher com dois homens, o filme parecia feito pra mulheres, os dois homens faziam de tudo para que a mulher sentisse prazer, uma delicia, eu assistindo a essas cenas fique imediatamente toda molhadinha, de um jeito que meu marido diz que nunca me viu, (o que eu amo no meu marido é que ele sempre prioriza me dar prazer e por me ver louca ele também fica louquinho de tesão), nesse dia o sexo foi diferente, mais gostoso do que as outras vezes. Desse dia em diante passei a gostar de filmes pornos, e sempre que transavamos, meu marido pra deixar louca de tesão rapidinho me falava em meu ouvido como seria eu transando com dois ou três homens, e eu logo ficava com tanto tesão a ponto dele só encostar em mim e eu já gozar e eu querendo mais e mais ele começou a adorar esse meu fogo todo. Então um dia fomos a um motel e resolvemos tentar coisas novas; eu estava vestida com uma calcinha bem pequenininha, que quase sumia na minha bunda, um espartilho meio transparente, meias 7/8, toda de preto, uma sandália de salto alto, cabelos cacheados soltos, maquiada e com um batom vermelho; meu marido por sua vez estava mais gostoso do nunca, delicioso com uma cueca box branca e bem cheiroso, ambos com caras de safados. Assim que entramos pelo quarto a gente já foi se pegando, se beijando loucamente, um tesão maravilhoso, eu fui tirando as roupas do meu marido deixando ele só de cueca, e mandei que ele se deitasse na cama, comecei a fazer um strip-tease, bem sexy pra ele, notei que sua rola já estava durona, fiquei só de lingerie e salto alto, subi na cama e comecei a dançar pra ele, rebolando, abaixando com a bunda empinada pra que ele pudesse dar uns beijinho nela, coloquei minha mão por dentro de sua cueca e notei que ele já estava com a cabeça do pau toda molhada de tesão. Tirei sua cueca e comecei a fazer um boquete delicioso naquela rolona grande, grossa, cabeçuda e dura feito pedra parecia que o pau dele ia explodir, chupei feito uma louca, lambi seu pau todo desde as bolas, colocando as duas em minha boca e engolindo seu pau, revezando com lambidas e chupadas na cabeça, ele gemia muito, chegando a me pedir pra parar senão acabaria gozando em minha boca e quanto mais ele gemia mais eu chupava, coloquei o pau dele entre meus peitos e fizemos uma espanhola, ele metia com vontade entre meus peitões e eu lambia a cabeça do pau dele; a essa altura minha bucetinha já estava toda molhada e escorrendo pela coxas de tanto tesão, ele me pegou com força e me jogou na cama e começou a me beijar, beijou meu pescoço me encoxando e arrancou meu espartilho e começou a lamber meus peitos grandes, e mamar feito um desesperando sem tira-los da boca, mamava em um enquanto esfregava o bico do outro, isso me deixa louca a ponto de algumas vezes eu até gozar só com ele mamando, ai ele desceu abriu minha pernas e começou a lamber minhas coxas e lamber e chupar minha bucetinha e esfregava os bicos dos meus peitos, então colocou três dedos na minha buceta e continuou chupando ainda mais gostoso, eu estava quase gozando na sua boca, ai pedi pra ele parar queria gozar junto com ele.

Contos Imor(t)ais - O SURGIMENTO DE UMA FANTASIA – 150 -


Ele me colocou de quatro e começou a foder minha buceta bem gostoso, puxando meu cabelo, dando tapas na minha bunda empinada pra ele meter forte, ele beijava meu pescoço, esfregava os bicos dos meus peitos e falava muita putaria em meu ouvido, ele falava: "vc esta gostando sua putinha? Esta gostando de ser fodida? Da gostoso pro seu macho, fala que vc é minha putinha, minha biscate, minha vadia fala, fala sua puta." E eu dizia pra ele: "Estou adorando ser fodida por essa rolona gostosa, meu macho delicioso, come sua putinha, fode gostoso sua biscatinha, sua vadia." Ele metia cada vez mais forte e eu gemia como uma putinha e ele gemia tbm, então ele tirou a rola da minha buceta e pegou um vibrador que eu havia levado, começou a falar: "Então sua puta imagina dois machos te fodendo, vc não queria duas picas bem grandes te fodendo, então vou te dar", Eu dizia pra ele: "Ai fode sua putinha, quero sentir duas rolas dentro de mim, mas devagarzinho com meu cuzinho, devagar". Ele colocou o vibrador na minha buceta e começou a mexer bem forte, ai lambeu meu cuzinho e foi passando sua rolona grande na entradinha do meu cú e forçando pouco a pouco até seu pau entrar todo, me arrombando, e eu gemendo num misto de dor e prazer, eu esfregava meu grelinho e falava pra ele: "Mete esse vibrador na minha buceta, mexe ele, e fode devagarzinho meu cú", Ele metia o vibrador na minha buceta e fodia cada vez mais rápido no meu cú, a essa altura nós dois ja estavams doidos de tesão, e eu estava doida pra gozar , com ele me falando: "Não era isso que vc queria duas rolas te fodendo, uma dupla penetração, uma rola enterrada na sua buceta e outra rola bem maior enterrada até o talo no seu cú, vai sua puta vc esta doidinha pra dar pra dois machos, eu sempre soube que vc era uma puta, uma biscate safada que gosta de dar", Ai eu não aguentei e comecei a gemer e falar: "Vai seu gostoso fode minha buceta, fode meu cú com força, mete forte no meu cú, fode meu cuzinho, mete forte no cú da sua puta arromba ele". Nós dois começamos a gozar e gemer tão alto, eu parecia uma cadela no cio, louca de tesão, a gente nunca gozou tão gostoso, ai nos beijamos bastante e dormimos, e depois transamos de novo deliciosamente na hidro, foi maravilhoso.

Contos Imor(t)ais - O SURGIMENTO DE UMA FANTASIA – 151 -


PRIMEIRA DP Há alguns anos atrás, entrei para trabalhar no departamento de vendas de uma empresa revendedora de consórcios. A empresa era conhecida na praça, só que o pessoal da equipe não tinha nada de equipe. Não só por rivalidade, mas porque como todos são vendedores externos acabam não conversando e se conhecendo muito. É uma empresa meio “fria” (nada de happy hour, churrascos, etc). Após seis meses trabalhando lá, resolvi tentar “melhorar” a situação de alguma forma, e perguntei ao meu marido se ele achava que seria bom chamar o pessoal da empresa para um churrasco ou algo do tipo. Ele achou ótima a ideia, e até sugeriu uma Chácara de um conhecido para o local do evento. Achei perfeita a sugestão! (A Chácara era enorme e tinha uma ótima estrutura, com piscina, churrasqueira, casa grande toda completa, com 4 quartos, sendo 2 suítes e não ficava tão longe da cidade: 20km). Resolvi chamar o pessoal, e ficou marcado para um sábado no mês seguinte. Como a casa tem tudo, até sugeri que quem quisesse poderia pousar lá na sexta feira e ficar sábado o dia inteiro, alguns gostaram da ideia e ficaram de falarem com as esposas/maridos. Chegou o dia. Na sexta-feira, cheguei mais cedo em casa e como havíamos combinado aceleramos para a chácara para limpar tudo. Chegamos lá, tiramos todas as coisas do carro, e para nossa infelicidade a casa estava bem mais suja do que imaginávamos. Fazia mais de um mês que ninguém ia lá. Foi uma verdadeira luta, enquanto eu limpava os quartos e tudo lá dentro, meu marido foi limpando a piscina, lavando todas as calçadas, churrasqueira, grelha, e tudo mais. Demoramos umas duas horas para limpar tudo, quando terminamos já era quase 20h. Acabei levando um susto quando vi o horário, e disse que precisávamos tomar banho e acender a churrasqueira, pois logo o pessoal ia chegar. Meu marido perguntou quem viria para pousar ali hoje, e respondi que amanhã viria praticamente todo mundo, agora hoje ficaram de vir dois casais e dois rapazes lá que iam levar baralho para a gente jogar. Corremos tomar banho, e meu marido assim que saiu foi pegar o carvão na dispensa e acender a churrasqueira. Sai do banho com um short branco curtinho e uma blusinha colada ao corpo, e fui preparar umas caipirinhas para deixar tudo pronto. Sentamos na área, liguei o som em um volume baixo, e ficamos sentados na rede conversando. Estava um vento gostoso, sem calor e nem mosquitos (que costumam atormentar lá), uma noite legal. Ficamos conversando, conversando, mas eu estava inquieta pois ninguém chegava, deu 21h, 21h30, 22h e nada de ninguém. Fiquei bem desanimada e meu marido também ficou muito frustrado, afinal, foi uma correria danada para limpar tudo aquilo! Quando as 22h40 ouvimos o som de um carro, e meu ânimo voltou, disse aliviada: – Até que enfim… Fomos receber, e vimos que era um automóvel Corsa branco, e desceu um rapaz sozinho, era o Manoel disse ela. Cumprimentamos-nos e logo perguntei se ele sabia das meninas que iam vir? Ele Contos Imor(t)ais - PRIMEIRA DP – 152 -


respondeu que não sabia, mas que falou com uma (a Fernanda) e ela disse que o marido preferiu ir só no sábado na hora do almoço, pois tinha algumas coisas a fazer. Fiquei decepcionada, e meu marido logo emendou dizendo que talvez elas estivessem para chegar, e que se não viesse, a cerveja e a carne nós tínhamos ali e estaria bom do mesmo jeito! O Manoel concordou e fomos entrando na área em direção a churrasqueira. Esse Manoel é meio estranho, negro, 40 anos tipo quietão, nada bonito, anda meio desengonçado, sei lá, sem tipo. O povo da empresa fala que depois que a esposa largou dele a dois anos, ele ficou totalmente desconcertado da vida e meio depressivo. Porém, meu marido foi conversando com o cara, e entre uma cerveja e outra e a carne ele foi melhorando no meu conceito. Comemos, bebemos, e deu 00h00 e nada de ninguém. Fiquei nitidamente abatida, realmente frustrada. Mas meu marido tentava nos animar, e então nos chamou para darmos um pulo na piscina, para brincar um pouco, e curar a cerveja! O Manoel ficou meio assim, mas disse beleza. Eu não animei, disse que a água estaria fria, e que estava ventando frio já. Meu marido retrucou: “Que frio, que nada amor! Deve estar ótima!” Ele saiu correndo, desceu as escadas, tirou a camisa e pulou! Percebi que ele teve uma péssima surpresa, a água estava realmente gelada! E o vento piorava. Nisso gritei: – E ai, como ta? Ele não querendo dar o braço a torcer, e não ser o único a ficar ali, disse: – Está ótima, vem amor! Vem Manoel! Ele disse que ia pegar um short no carro e já ia, meu marido insistiu mais algumas vezes e eu resolvi ir pegar o biquíni e vir. O Manoel voltou, já com o short e pulou na água, e tomou um susto, e disse rindo: – Tá frio aqui!… Meu marido riu e disse: – Não… logo melhora, é o corpo que tem que acostumar um pouco. E deu risada novamente. Ficaram ali uns minutos, quase tremendo quando eu apareço, descendo as escadas com o biquíni branco e azul, que é do tipo cortininha. Bem pequeno (na verdade é mais para tomar sol só), meu marido assustou na hora, não imaginou que eu ia colocar justo esse biquíni que é um dos menores, ou o menor que tenho, mas mesmo assim não disse nada. Meu marido percebeu quando o Manoel deu-lhe uma “comida com os olhos” em mim. Fui até direção do meu marido e pedi para ele me segurar que eu iria pular. Coloquei a mão nos seios para o biquíni não descer na água, e pulei bem tímida. Quando cai na água, levantei Contos Imor(t)ais - PRIMEIRA DP – 153 -


rapidamente, arrumei o cabelo e o biquíni e olhei para o meu marido com um cara de quem queria matar ele e disse alto: – Está boa a água?! Vou morrer de frio aqui! Ta congelando! Meu marido e o Manoel caíram na risada, e meu marido disse que logo passaria o frio, que era só acostumar um pouco. Ficamos alguns minutos nadando e conversando e eu estava realmente com frio. O queixo tremia e os seios; dava para notar um leve relevo nos bicos, que estavam completamente duros. Para amenizar aquele frio todo, resolvemos inventar algum tipo de brincadeira. Como não havia nenhuma bola ou rede de vôlei, após algumas idéias, acabamos inventando um “Policia e ladrão”. Onde uma pessoa era policia e os outros dois os ladrões, e a policia tinha que prender o ladrão e algemar as mãos (ficticiamente, claro). E começamos a brincadeira, que foi ficando bem animada! Meu marido, claro, sempre se aproveitava da situação e ficava me encoxando, passava a mão na minha bunda (por cima do biquíni) e nos seios, e eu dizia baixinho: – Safado, descarado!… O frio foi passando e a brincadeira ficando cada vez mais quente. Comecei a perceber que o Manoel parecia também querer tirar uma casquinha quando ia me prender. Ele se roçava demais, e me segurava forte também. E cada vez mais ele ia perdendo a timidez na brincadeira. Percebi que aquela cena deixou meu marido irritado/com ciúmes, porém, um flash me passou pela cabeça e lembrei da fantasia de transar a três. Emendei o pensamento com o fato de estamos sozinhos ali, que ele iria posar ali, e que talvez, muito talvez, pudesse até rolar. Comecei a pensar naquilo e fui ficando com tesão,e percebi que meu marido também , pois apesar do ciúmes seu pau estava nitidamente duro com aquela situação. Só para provocar o Manoel, meu marido começou a ser mais ousado; nas encoxadas e passadas de mão nos meu seios, ele claro que via aquilo e deveria ficar louco. Ficamos ali quase uma hora, e o vento aumentou muito e o frio já estava insuportável. Comecei a reclamar, e disse para nós sairmos dali. Meu marido concordou, falei para nós tomarmos banho e irmos à sala ver Altas Horas, ou algum filme. O Manoel concordou também, e fomos em direção a escada sair da piscina. Eu estava na frente e fui a primeira a subir a escala, e sinceramente quase matei os dois que vinham atrás! Fui subindo devagar, com aquele biquíni todo enfiado! Meu marido ficou nitidamente desconcertado e o Manoel que estava um pouco atrás deve quase ter infartado. Me enrolei na toalha e sai correndo em direção ao banheiro do nosso quarto, meu marido foi logo atrás e mostrou o quarto e banheiro que o Manoel poderia usar. Chamei então meu marido para mudar a posição do chuveiro para inverno e me ajudar a desamarrar o biquíni. Meus seios estavam com o bicos super duros, não sei se de tesão, frio ou os dois juntos. Contos Imor(t)ais - PRIMEIRA DP – 154 -


Eu estava louca de tesão, entramos na água quente, e meu marido com a voz em tom de brincadeira, disse: – Você é muito safada amor, quase enfartou eu e o Manoel com esse aquele biquíni. Eu ri e disse que não, que nem era gostosa a esse ponto. Ele retrucou, e disse: – Meu pau estava quase estourando o short, com certeza o do Manoel ficou igual. Quando estávamos brincando você não sentiu nenhum volume dele? Eu ri mais ainda e, de forma um pouco acanhada, respondi que senti sim. Ele ri, e disse: – Viu só, estava certo! Safadinha… e já emendou, falando: – Sabe, quando estávamos lá brincando lembrei-me daquela nossa fantasia de sexo a três, se não fosse tanta loucura, hoje seria o dia perfeito né? Acabamos ficando só nós três aqui… Fiquei muda alguns instantes, pensativa, e não respondi. Ele seguiu adiante e começou a me beijar, enquanto com a mão direita foi descendo pelas costas até sua bunda, massageando o meu cuzinho, foi quando que comecei a gemer mais forte, ele parou um pouco e disse: – Imagina só nos dois “buraquinhos” hein?! – O que você acha amor, a gente realizar essa fantasia hoje? O Manoel é confiável? Eu fiquei em silêncio algum tempo, pensativa, e disse que: – O complicado é que ele era do serviço dela, e poderia falar para alguém e de repente isso poderia acabar com seu emprego… Ele perguntou então: – Ele é do tipo que fica falando um monte, contando vantagem com todo mundo, ou é quieto na dele? Respondi que: – Ele é bem quieto, quase não conversa com ninguém lá. Meu marido tentando achar uma solução, disse que poderia dar uma “prensa” nele, e o mandar ficar de boca fechada… Acho que o tesão era tanto, eu logo concordei. Meu marido terminou o banho rapidamente, se trocou e foi para sala. A sala é bem ampla, possui dois sofás grandes, (sendo que um é sofá-cama) e é ligada diretamente com a cozinha, sendo dividida somente por um balcão do tipo “cozinha americana”. Os dois sofás ficam de frente para a cozinha, e a TV fica no canto deste balcão. Quando ele chegou à sala o Manoel já estava lá, deitado tranquilamente no sofá-cama, e vendo o altas horas, da Globo, então Contos Imor(t)ais - PRIMEIRA DP – 155 -


deitou-se do outro lado do sofá-cama, deixando o meio “livre”. Ficaram ali vendo o programa, e ele começou elogiar as gostosas que apareciam, e o Manoel entrou na “brincadeira” e começou a falar mesmo, e disse que há pouco tinha aparecido uma na platéia que era gata demais! Já havia passado uns 25 minutos quando eu apareço no corredor, paro alguns segundos na porta da sala para ver a TV, e fui em direção a geladeira. Não sei se devido á iluminação, mas meu pijama parecia transparente. Coloquei uma calcinha fio dental por baixo, e era a única coisa que parecia ela estar usando. Os seios ficavam completamente desenhados na blusinha, e dava para ver nitidamente os biquinhos. O short mesma coisa, parecia estar só de calcinha O Manoel olhou de relance e travou o olhar em mim! Ele ficou completamente desconcertado, e voltou rapidamente olhar a TV. Fiquei enrolando na cozinha, e os dois disfarçadamente ficavam me secando. Meu marido então me chamou para ver TV, pois estava interessante o programa. Eu fui de frente para ele, e só para provocar ainda mais parei e fiquei olhando para a TV com cara de desinteressada. O Manoel olhava para mim hipnotizado, acho que deveria não acreditar na situação. Meu marido me chamou mais uma vez para deitar e, nisso, o Manoel disfarçou novamente olhando para a TV, e eu deitei com a cabeça no ombro do meu marido, e com as pernas e bunda, viradas para o Manoel. Meu marido de canto de olho ficava vendo a reação dele. O cara estava completamente perdido. Não sabia se olhava para a minha bunda, ou para a TV. Se disfarçava ou olhava de vez. Ele foi ficando de pau duro, claro, e tentava esconder, sem jeito, pegou o lençol que estava nos pés, e se cobriu até a cintura. Eu aproveitando disse que também estava com um pouco de frio e me cobri junto, e ao me arrumar, fui um pouco mais para o lado e encostei a bunda e as pernas nele. O Manoel ficou sem ação, travado. Meu marido resolveu provocar um pouco mais, e começou a me beijar e a me acariciar, e ele só olhando atento. Ele foi passando a mão nos meus seios, e puxando a blusinha do pijama para cima para tirar logo, mostrando meus seios empinados e já duros de excitação, desceu um pouco e caiu de boca neles. O Manoel estava parado como uma estátua, sem saber o que fazer então tomei uma pequena iniciativa e fui passando a mão nas coxas dele; próximo à virilha, ele então jogou o lençol para fora, e foi abaixando o short, e direcionando a minha mão de encontro com seu pau, que estava totalmente duro. Eu, de certa forma tímida, fiquei punhetando de leve o pau do Manoel. Meu marido parou de chupar os meus seios e lentamente foi tirando o meu shortinho, me deixando só de calcinha , com a mão esquerda ele passou a me masturbar lentamente por cima da calcinha e sentiu que eu já estava toda molhadinha. O Manoel já ensaiava pegar nos meus seios e começou a massagear com tesão as aréolas e a beijar e morder meu pescoço e orelha. Meu marido num rápido impulso puxou e tirou minha calcinha e eu então me virei de costas para o Manoel e de frente para ele e coloquei minha coxa sobre o quadril do meu marido, enquanto alisava minha coxa o Manoel grudou o peito dele nas minhas costas, mordiscou minha orelha e com os dedos penetrou completamente minha vagina ensopada, percebendo a situação el não perdeu tempo, aproximou seu pênis e sem muito esforço me penetrou. Ele me penetrando na posição de ladinho e eu aproveitei para beijar meu marido. Eu estava em tremenda excitação, punhetava meu marido enquanto era penetrada pelo Manoel, foi então que enquanto era penetrada guiei o pênis do meu marido com a mão até minha vagina já Contos Imor(t)ais - PRIMEIRA DP – 156 -


preenchida, ele percebeu que eu queria algo mais, uma loucura, o Manoel parou de se movimentar e permaneceu com o pênis dentro de mim, eu com as mãos guiei o pau do meu marido até sua vagina enquanto o esfregava nos lábios vaginais já preenchidos por outro cacete, então parei e comecei a empurrar o cacete dele contra o do rapaz tentando forçar a entrada de mais um cacete em mim! Meu marido não acreditou naquilo que eu queria, eu transbordava tesão! Ele movimentou-se e começou lentamente a forçar a entrada que aos poucos foi cedendo, puxou minha perna mais para cima do seu corpo para arreganhar mais sua vagina e lentamente forçava seu pau que foi entrando, o tesão era de mais!… Eu estava estremecendo num gozo e eles começaram a se movimentar… nesse momento eu era o recheio com dois cacetes em minha vagina. Fui à loucura quando o Manoel deslizou as mãos por entre as minhas costas chegando até minhas nádegas e com o dedo médio penetrou meu cuzinho, comecei a gemer num gozo beijei loucamente meu marido e os dois gozaram loucamente dentro de mim… – AAhhhhhhhhh!!!!!!! … Ficamos aproximadamente 10 minutos descansando, até que eu levantei e convidei todos a tomarem banho na suite. Tomamos o banho e só acordamos no outro dia ás 10h, assustados, pois o pessoal já deveria estar chegando. Não tocamos mais no ocorrido com o Manoel e nós seguimos nossa vida e ele a dele.

Contos Imor(t)ais - PRIMEIRA DP – 157 -


ME FAZ Introdução do Conto Me chamo Marina, tenho 48 anos e sou solteira, ainda me sinto uma mulher bonita e jovem, sou loira, tenho 1, 70, cabelos encaracolados e bem magrinha, apesar do corpo esguio, possuo um par de peitos bem fartos e é isso que realmente chama atenção de todos os homens, sempre senti prazer em meus seios, desde a adolescência eu brincava com eles e me sentia confortável com toda aquela fartura, tenho 2 filhos lindos que são a razão do meu viver, o mais velho se chama Vitor, tem hoje 30 anos e é um menino muito bonito... E Foi com ele, que toda essa história começou.

CAPITULO 1 Vitor havia chegado de viagem e decidiu pernoitar em minha residência, a distância do aeroporto para sua casa era longa, assim ele optou por dormir comigo, eu morava sozinha e sempre ficava feliz quando um dos filhos me visitavam, o recebi, comemos e decidirmos dormir, já estava tarde quase perto de meia-noite, tomei meu banho e liguei a TV, assistia ao filme que passava sem dar muita atenção, passava creme em meu corpo e aguardava meu filho sair do banho. Vitor deixou suas coisas no quarto de hospede e se juntou a mim, sentou-se ao meu lado e começou a papear, sem reparar, me peguei espiando o volume sobre seu short, meu filho estava sem cueca e seu membro repousava lateralmente sobre a perna, desde criança, nos assustávamos com o seu porte peniano, o seu dote era tão anormal que até brincávamos á respeito, o chamávamos de pônei entre os familiares, devido ao seu avantajado pênis em crescimento, uma de suas esposas já havia me contado que ele realmente era um cavalo, me revelando que possuía mais de 30cm e que a sua grossura era algo anormal. Contive meus pensamentos e desviei o olhar, continuei com o creme enquanto conversávamos e assistíamos televisão, reparei que meu filho me espiava, fitava o meu seio de relance e disfarçava olhando para a TV, não me contive e brinquei com ele, Vitor ficou sem graça, me olhou nos olhos e respondeu: – Nossa Mãe, me desculpa... É muito peito! Meu Deus do céu! Parece ainda maior do que antes, sabia? Me perdoa... Não da pra não olhar! A senhora ainda fica passando creme... Eu sou homem Mãe, não resisto. – Ai filho... para de exagerar! Não tem nada demais! Ele continua do mesmo tamanho, não acho que aumentou. Você acha ele muito grande? As vezes acho eles exagerados, sabia? –Demais mãe... Eles são gigantescos... e perfeitos! Nunca vi nada igual, nem em filmes... São grandes demais!

Contos Imor(t)ais - ME FAZ – 158 -


Conversávamos e riamos, mas Vitor não tirava os olhos do meu peito, me sentia envergonhada com a situação mas mantinha a naturalidade, enquanto ele parecia hipnotizado, me elogiando e manjando meu volume: – Eles são enormes! Papai deve ficar maluco com isso tudo! (risos) Não cabe nem na mão! – Seu bobo! O pior é o peso disso! Eles pesam, sabia? Tem dia que mamãe fica até com dor na coluna... Na verdade seu pai nem gosta... Ele nem liga pra peito! Eu sinto prazer com eles, sabia? – Que isso Mãe?... Eu adoro, eles são imensos! É dificil encontrar uma mulher que tenha tudo isso de seio! Se eu fosse o papai ia ficar o dia inteiro abusando desse peitão! (risos) Sou viciado! – Para filho! Você é bobo demais! (risos) Quando você era criança só pensava em mamar, queria toda hora! Deve ser por isso! Você mamou até os 8 anos, sabia? Mesmo não tendo leite, você continuava mamando, todo dia! – Eu lembro mãe... Também, com um peito desses, dá vontade de mamar toda hora! (risos) – Seu irmão tinha acabado de nascer e você veio me pedir pra mamar.. Pode uma dessas? (risos) Você já tinha 13 anos! Eu sabia de tudo, conhecia sua tara por meus seios e me fazia de sonsa, como mãe, não podia me expor! Permaneci conversando e diminui a tensão, me permiti relaxar um pouco e abstraí, Vitor demonstrava estar confortável, não se constrangia com nada e sentia-se á vontade com o papo: – Nunca vi uma mulher com os seios tão lindos... Nunca mesmo! Eles são perfeitos, sabia? – Assim eu fico sem graça... (risos) Obrigado filho.. Obrigado... Mamãe fica feliz com o elogio! To ficando velhinha, né? Já chegando aos 50!...Receber um elogio assim, é sempre bom!

CAPITULO 2 Vitor continuava olhando, manjava e admirava as tetas, enquanto eu me explicava e expunha os seios, deixava-os á mostra para meu querido filho, sem reparar o que estava fazendo! De fato, não era minha intenção! O safado se aproveitava, prosseguia apreciando e ao mesmo tempo, elogiando meu volume peitoral: – Todo homem olha pra eles, mesmo quando estou sem decote, eles ficam me espiando. – Normal, né? Olha o tamanho disso... Meu Deus! (risos) Até que não gosta de seios, passa a gostar! To falando sério! Se eu pego uma mulher com esse peitão todo, tranco ela em casa e fico mamando o dia inteiro! – Seu palhaço! (risos) Não sabia que você era tão tarado por peitos... Imaginei que você gostasse, porque adorava se amamentar, mas não sabia que era tanto! Você era fogo Vitor... Ficava até me espiando com seu pai, Lembra disso? Contos Imor(t)ais - ME FAZ – 159 -


Estávamos exagerando, a conversa trilhava para um rumo bem perverso e Vitor continuava me olhando os seios, meu filho estava hipnotizado e observando de forma compenetrada todo o volume á sua frente, parecia não se importar com nada... Apenas se concentrava em cada contorno; curioso e sedento... mostrando em seu rosto, o sentimento impuro e proibido: – Mãe... Posso te pedir um favor?...Deixa eu ver eles? Só um pouquinho.... Só pra matar a curiosidade, vai! É porque eu nunca vi um igual e bateu uma vontade de saber como ele é... Por favor mãe, ao menos um deles! Não acreditei naquilo... Ele pediu pra ver meu seio! Meu próprio filho... Pedindo para eu mostrar o peito! Vitor me olhava com cara de tesão, imerso em toda aquela fartura, gaguejei e fiquei sem resposta, ele novamente me pediu, insistindo e suplicando a minha afirmação, decidi agir naturalmente e me preparei, resolvi abaixar rapidamente o sutiã e revelar uma das minhas tetas, sem mistério... Mostrar e guardar, estufei o peito e conclui o ato, movi o sutiã para debaixo do seio, o fazendo deslizar e revelar vagarosamente cada centímetro da minha "peitaria"... á fazendo cair e quicar no ar, demonstrando toda minha fartura e deixando minha teta esquerda exposta: – Nossa mãe, O que é isso! Ele é enorme, é grande demais! Meu deus do céu... É muito peito, pra uma pessoa só! Olha o peso disso, deve ter uns 3kg de peito! (risos) É pesado, né mãe? Só de olhar pra ele, já da pra perceber! – Você nem imagina meu filho... Mamãe as vezes não aguenta! Tem dia que a coluna chega a doer! É um fardo! – Mãe, vou te pedir outra coisa.... me deixa sentir o peso? Por favor, to curioso! ... me deixa sentir o peso desse peito? Não sabia aonde enfiar a cara, não imaginei que meu filho amado ousaria em pedir-me aquilo, já estava quase guardando o peito no sutiã e ele ainda não se contentava, queria sentir o peso de meu seio esquerdo sobre sua mão, decidi levar tudo com naturalidade e permiti o excesso, afastei ainda mais o sutiã e me direcionei á ele, Vitor colocou a mão por debaixo do meu peito, levantou-a levemente por 3 vezes e sentiu toda a fartura em sua palma, repetiu a operação, ergueu a teta ao limite e á soltou, deixando-a tombar e demonstrar todo seu peso em queda livre: – Nossa Mãe... é muito grande! Nunca vi um peito tão pesado assim... Da até vontade de voltar a mamar!(risos) – Para de ser bobo, filho!(risos) Aonde já se viu!? Um homem com 30 anos na cara querendo mamar! –Desculpa mãe, é impossível resistir! Dá vontade de virar criança de novo, só pra matar a saudade e mamar nele! (risos) "Deixa eu" matar a saudade, mãe? Por favor! Só um pouquinho, vai! Só botar a boca e mamar um Contos Imor(t)ais - ME FAZ – 160 -


pouco... Deixa? – Para filho, deixa de ser louco! (risos) Que ideia maluca, você tá doido? Não da pra acreditar...Isso é sério mesmo? – Sério mãe! Você deixa ele assim, eu ajoelho aqui e a senhora bota ele na minha boca... Rapidinho, eu juro! – Tá bom querido, mas escuta só! É só um pouco, hein! Ajoelha aqui e faz... faz logo, que mamãe tá ficando sem graça!

CAPITULO 3 Meu filho sorriu e se ajoelhou, permaneci com o peito esquerdo para fora e mantive a coluna reta, meu bicão estava excitado e vulnerável para qualquer ato, Vitor estava de joelhos entre minhas pernas, admirou calmamente todo o contorno do melão, enquanto me mantinha sentada e com a teta esquerda em sua direção, vi sua cara de admiração e prazer...vislumbrando cada centímetro. Me olhou, fechou os olhos e pôs sua boca em mim....com todo o carinho do mundo, senti seus lábios circundando a minha auréola e executando a primeiro sugada... não me controlei e gemi, observei seu rosto em transe e presenciei a segunda sucção, ele não se excedia e mamava de forma discreta, sugando vagarosamente, respeitando os limites de uma simples amamentação, eu não tinha coragem de segurar a minha teta e a deixava exposta, sem que nada á amparasse, Vitor fazia o mesmo... ele não me tocava, mas mantinha a boca cobrindo meu bico e o mamando devagar. Era a hora de parar com tudo, tinha a obrigação de interromper o ato mas permanecia imóvel, Vitor estava de olhos fechados e sua expressão de prazer era inarrável, meu filho sugava-me sem cunho erótica ou sexual, mantinha o ritmo da sucção, preservando a característica materna daquele ato, se concentrava com pleno amor e me mamava como um bebê, de forma inocente e juvenil: – Tá tudo bem, mãe? Tenho medo de me exceder com a senhora... Me avisa, se fizer algo de errado, tá? – Tá.. Tá bom, meu filho! (Gaguejando) – Nossa, me desculpa! Eu não consigo parar... to mamando que nem um bebê! Vitor puxou minha mão para trás de si, gemi em silencio e acariciei seu cabelo, sua boca afundou contra meu peito, fazendo toda aquela fartura sobrar e esconder seu rosto; ele gemeu discretamente, pegou fôlego e retornou com maior furor, a cada segundo, meu filho ia aumentando o ritmo e me mamando com mais vontade, o safado não tirava o bico da boca e permanecia compenetrado... ficamos assim por 2 minutos sem que nenhum de nós falássemos uma palavra: – Nossa, que saudade!...Shhh... Era assim que eu mamava, mãe? Era desse jeito? – Si... Sim, filho! (Gaguejando) Você começava assim, desse mesmo jeito... Mas depois de um tempo, você mudava... Começava a mamar que nem um desesperado! (risos) Era engraçado, parecia Contos Imor(t)ais - ME FAZ – 161 -


até um bezerro faminto! – Eu lembro mãe, chegava até a escorrer leite pela minha cara! (risos) Deixa eu fazer igual? Ai depois, a gente para! Vitor não esperou minha aprovação, abocanhou meu mamilo esquerdo e começou a sugar com força, o safado simulava uma amamentação forte em um ato puto e depravado, segurei seu cabelo com força e sem me dar conta, o conduzi para a sucção; á cada segundo a mamada se intensificava; gemi baixinho e inclinei meu corpo, deixando os seios ainda mais empinados, o observei delirando com meu feito, ele se mantinha de olhos fechados e totalmente dedicado a tarefa, de segundos em segundos, ele proferia um sussuro de prazer enquanto se alimentava no seio de sua própria mãe; afundei a "peitaria" contra seu rosto, desta vez sem o mínimo de descrição, o depravado permaneceu com seu ato, me fazendo presenciar sua saliva deslizar e escorrer pra fora de sua boca: – Nossa filho...Shhh... É melhor parar, olha o que você tá fazendo! Mamãe vai guardar o peito, tá? – Ai mãe, me desculpa! É muito gostoso mamar no seu peito...Shhh... Não consigo parar! – Para filho... Shhh... Por favor, para com isso! ...Shhh... Mamãe não tá se sentindo bem... Para! – Me perdoa, não consigo...Shhh... Você ainda fica segurando a minha cabeça assim...Shhh... Me incitando! – Para filho! Você tá louco, tá se babando todo!...Shhh... Tá me chupando que nem um bezerro! Não tem leite nesse peito!

CAPITULO 4 Pedir e suplicar era inútil, meu clamor era ignorado e transformado em uma réplica devassa, meu filho argumentava de forma vulgar e descontrolada, implorando a continuidade daquele ato insano e incestuoso, a mamada inicial, materna e carinhosa, havia se tornado um abuso da minha teta esquerda, onde Vitor alternava linguadas e sucções, o safado dava um trato sexual em meu bicão e depois, voltava a mamar... concentrado em sua tarefa: – Tá passando dos limites, Vitor!...Shhh... Para, por favor! Olha isso! Você já tá linguando meu seio, filho, isso tá errado! Mamãe tá se sentindo estranha, para! ...Shhh....Você tá dando linguada no meu bico, não pode... disse que só ia mamar! –Desculpa mãe, eu não consigo parar!...Shhh... Me deixa matar a saudade, por favor!... Só mais um pouquinho! – Ai filho, por que tá fazendo isso? Você tem que parar!...Shhh... Olha pra você, querido! Tá com a cara toda babada! Por favor, meu anjo... para de "linguar" esse bico!...Shhh...Volta a mamar normal, vai! Mama normal, pelo menos isso!

Contos Imor(t)ais - ME FAZ – 162 -


Estávamos fora de controle, Vitor me sugava com tanta força, que meu mamilo deslizava, dançando pra dentro e pra fora de sua boca, minha mão permanecia em sua cabeça, acariciando seus cabelos e direcionando a ação, ele já não se contentava com o básico, dava chupões em minha bicaria, produzindo barulho e fazendo minha teta quicar, Vitor já ultrapassava os limites de uma amamentação e bolinava meu seio de forma imoral: – Ai Viiitor! Você tá passando dos limites, olha o barulho que isso faz, filho!...Shhh...Você chupa esse bico e puxa! Chupa e puxa! Para querido...Mamãe tá pedindo! Tem que parar de dar linguada, filho! Linguada e estaladão não pode! – É um sonho, mãe! To mamando e brincando, olha...Shhh... Me deixa usar esse bico, deixa?... Shhh... Só um pouco, vai! – Viiitor! Eu sou sua mãe! Olha o que você tá falando! ..Shhh...Para filho, pelo amor de Deus... Isso é vulgar, tá errado! Era só pra mamar ... você tava só mamando! Volta a mamar, querido... Pelo menos isso! Volta a mamar, por favor! Um rastro de saliva pingou de meu peito, enquanto eu e meu filho admirávamos a cena; o descontrole do momento se imergia em depravação, propagando cada vez mais a evolução daquele incesto, a cada momento de sanidade, o prazer se sobrepunha, nos tornando escravos da putaria familiar: – Tô fora de controle, mãe, é muito gostoso! Eu vou parar...Shhh... Só vou mamar, tá? Mamar eu posso, né mãe? Então, pede pra mim... pede pra eu voltar a mamar, pede! Eu paro de chupar, mas me pede pra mamar, pede? – Para meu filho, para com isso! Mamãe tá se sentindo estranha..Shhh... Era só pra matar a saudade, meu anjo! Era só um pouquinho e você já tá se aproveitando! Você tá chupando o meu seio filho, eu sou sua mãe! Volta a mamar, querido! Você tá abusando do peito da sua mãe...Shhhh... Volta a mamar, Vitor...Shhh... Para de chupar e mama, vai! A perversão evoluía e gradativamente, aquela mamada amorosa se tornava mais agressiva, enquanto nossas palavras se vulgarizavam, nossos corpos se expandiam, tornando-se fruto de uma bela aberração, Vitor não resistiu e botou sua mão em meu seio, de forma ágil, ele segurou a teta esquerda por baixo, á estufou e parou admirado; olhava pra todo aquele peito de forma hipnótica, enquanto a saliva escorria por minhas auréolas e pingavam sobre seu rosto.

CAPITULO 5 Minha prole já me sugava como se fosse um ator pornô, vi que não havia jeito e fui obrigada a Contos Imor(t)ais - ME FAZ – 163 -


obedecer, me rendi as perversões do meu filho e clamei a Vitor que mamasse minha teta... Só assim, ele pararia com aquela perversão:

– Ai filho, para com isso! Para e mama, vai! Para de me chupar e mama esse peito...Shhh... Mamar pode, filho! – Não para mãe...Pede mais, pede! Não para, por favor! Continua pedindo, continua pedindo! Pede pra eu mamar! – Mama no meu peito, filho! Vai! Mama no peito da mamãe!...Shhh... Mamar pode, vem mamar na mamãe, vem! Você queria isso, né? Queria chupar o peitão da sua mãe?...Shhh... seu safado! Então mama, vai... Esse peito agora é seu! A putaria aumentava a cada segundo, meu filho mamava o seio esquerdo com a cara toda atolada, sugava a bicaria com vontade e passava sua língua com furor, Vitor segurava meu melão com força, o mantendo estufado e gigantesco, executava o feito somente para abocanhar meu bico; o puto parava e balançava o peito sobre meu olhar, gemendo e admirando toda fartura á sua frente; após alguns segundos, ele respirava, tomava fôlego e voltava a se alimentar: – Para querido, você tá descontrolado!...Shhh... Olha o que você tá fazendo com a sua mãe! Você é um safado, Vitor! Tá balançando meu peito... Eu sou sua mãe, seu sem vergonha! Você tá abusando da sua mãe! Sabia disso, seu puto? – Ai mãe, que delícia! Olha essa peitaria!...Shhh... Esse peito merece um trato, mãe! Me deixa usar seu peito, deixa?! Tô apaixonado, mãe, eu amo esse peito!....Shhh... Amo você e esse peito!...Shhh... Eu te amo, mamãe... Eu te amo! – Ai Vitor, mamãe também ama você, amooor! ...Shhh... Mamãe te ama, tá? Te amo muito.... Meu filho querido! – Ai mãe, eu também te amo!...Shhh...Eu amo a senhora e amo essa teta...Shhh... Eu amo essa teta, mãããe! Eu amo! Me mostra a outra, vai!? Mostra a outra teta, por avor! Por favor! Só falta a outra, mãe ...Shhhh...Mostra pra mim! Meu olhos não se controlavam, observava meu filho se deliciando em minha teta, á poucos centímetros de mim, estava impossível resistir ás suas taras, se tirasse meu outro peito e o libera-se para Vitor, ele perderia ainda mais o controle e eu, ultrapassaria os limites da sanidade; neguei e ele insistiu, prometeu somente botar a mão e se comprometeu a cumprir seus ditos, segurou com ainda mais força a peitaria esquerda, me olhou nos olhos e passou a dar estaladões na minha bicaria, abusava de sua mãe enquanto pedia pela a outra teta; a cada intervalo entre as estaladas, o safado me olhava e implorava por mais aquela perversão, prosseguia mamando meu peitão e ao mesmo tempo, argumentando, entre grunhidos e gemidos. Gemi e sem resistir, removi de uma só vez o sutiã para baixo, meu peito saltou agressivamente parar fora, quicou de forma soberba e se revelou... Vitor ficou boquiaberto, deu uma pausa na mamada e segurou as duas tetas com toda sua força, as admirando e balançando com muito carinho; Contos Imor(t)ais - ME FAZ – 164 -


hipnotizado, ele me observava impune, fronte a seu rosto cínico e a seu olhar incestuoso, clamava por seus desejos e analisava minhas tetas, Vitor suplicava por suas taras, sentia sua voz sobre meu peito, usando as minhas auréolas como microfone. Meu filho Abocanhou de primeira a nova teta revelada, circundou ela por completo com a boca, sugou carinhosamente por duas vezes e parou, novamente admirou a bicaria e repetiu o ato, mamando e se afastando por 3 vezes, acabei gemendo sem controle e me inclinando ainda mais, ele passou a trocar de peito e efetuar a tarefa de forma alternada, sugava e mamava minha bicaria enquanto segurava meus peitões com todo a sua força, as vezes o safado linguava um pouco de cada bico, balançava meus melões e voltava a me chupar.

CAPITULO 6 Olhei para baixo e me assustei, não acreditei com o que me deparei... Havia avistado o dote do meu querido filho! Fiquei assustadísima com todo o volume que estufava seu short e realmente me dei conta da realidade, Vitor estava sem cueca e seu pênis tinha o tamanho de um ante-braço, aquele tronco de árvore estava tão duro que parecia querer rasgar seu short, por segundos me hipnotizei com aquilo e lembrei-me que o meu primogênito possuia 30cm de cacete, Ele me reparou olhando e prosseguiu me mamando; balançou meus seios com força, deu um estaladão em cada teta e falou: – Nossa mãe, não consigo me controlar, sabia?...Shhh... Tá gostoso demais... Tá muito bom! Voce viu, mãe? Você viu o estado em que estou, hein?...Shhh... Eu sou homem, não consigo me controlar, olha aqui o que você fez comigo, olha! Nesse momento, meu filho se afastou e me obrigou a ver, novamente me assustei com todo o volume físico que havia por debaixo daquele short, era uma barra de ferro tão ereta e gigante, que chegava a levantar a borda da bermuda! Vitor segurava um dos meus peitos enquanto se revelava, exibia-se e mostrava-me sua ereção, expondo seu avantajado membro com todo orgulho e sem o mínimo pudor; me olhou, flagrou-me manjando aquele caralho e me incitou: – Tá vendo, né? Eu to com o caralho duro que nem um ferro, mãe! Tá vendo?...Shhh.... A senhora fica me deixando mamar esse peito e me deixa assim, oh! Me deixa com a rola dura que nem um cano! Não é imenso, mãe? Responde! – Nossa, meu filho! Mamãe tá vendo.... Você tem que parar com isso, olha o estado que você tá ficando! Meu Deus! O que você tem ai debaixo, hein?! Isso parece um pênis de cavalo!..Shhh... Você é um cavalo, filho! Você é um cavalo! – Ai mãe! Eu sou sim... Pensei que a senhora já soubesse...Shhh... Pensei que soubesse da pica de cavalo do seu filho! Tem 30cm! Seu filho tem um caralho enorme, tá vendo?...Shhh... E olha como tá duro, olha! Posso Contos Imor(t)ais - ME FAZ – 165 -


te mostrar ele, mãe?

Sem esperar, Vitor puxou a bermuda com força e me revelou seu orgão, aquele cano balançou para cima e para baixo, completamente ereto e cheio de veia, aquele pau branco era tão grande que aparentava ter mais de 30cm, meu filho parecia ter um pulso no lugar do pênis.... Além de ereto e gigante, seu cacete era muito grosso e linear, era uma maçaroca gorda que ia da base até o final, sua cabeça rosada ainda conseguia ser maior que o pau, aquela chapeleta parecia até um limão vermelho, de tão inchado e grosso que estava, ela latejava que nem um coração e era tão gigante, que se escondia pela metade, por debaixo de sua pele: – Tá vendo, mãe? Esse é o cavalo do seu filho, tá vendo?...Shhh... São 30cm de rola. olha! A senhora caprichou, hein! – Nossa Vitor, o tamanho dele é anormal!...Shhh... Meu deus, filho! Não sabia que você era um animal! Isso não existe! – Sou sim, mãe! Foi a senhora que fez esse cacete, olha! Ele tava mole, mas a senhora me deixou assim, que nem uma cano de ferro!...Shhh... Olha a minha cabeçona, olha? Quer ver minha chapeleta, mãe? Vou esfolar o meu caralho e te mostrar o tamanho dessa cabeçona, tá?...Shhh... Olha aqui, olha! Vitor cumpriu o dito, segurou sua piroca e a esfolou com o máximo de força, pude ver as veias saltando daquele mastro de equino e a chapeleta pulsando, rosada e inflada... aquilo era anormal! Era uma cabeçona tão grande, que parecia ser uma bola de sinuca; permaneci olhando poo vários segundos, enquanto meu filho via minha expressão de espanto: – Meu Deus do céu, Vitor! Como uma pica de 30cm consegue ficar dura desse jeito? Isso é anormal! Mamãe nunca viu nada igual... Você deve arrombar suas namoradas com esse monstro! (risos) Isso Não deve nem entrar! É grande demais! – É gigante mamãe e ainda fica assim... dura que nem um poste! você tá vendo, né? Pôe a mão nele, mãe! Pôe a mão pra você sentir como que tá duro, vai!...Shhh.... Só assim a senhora vai acreditar! Olha aqui e bota a mão, vai... Por favor! – Você tá louco, Vitor! Você tem que guardar essa barra de ferro... Olha o estado que você tá, isso não cabe nem no short!

CAPITULO 7 Meu filho insistiu e me convenceu, expliquei que botaria a mão só para sentir a potência de sua ereção, e que logo depois, pararíamos com aquilo, ele concordou, levantou, esfolou sua rola até a base e me olhou, sinalizando para eu iniciar, aquele mastro, agora, estava bem de frente à meus olhos, não me deixando desviar a visão, aquele safado mantinha sua outra mão segurando um de meus seios, enquanto esticava e exibia a sua piroca gigante bem diante do meu rosto; olhei pra ele Contos Imor(t)ais - ME FAZ – 166 -


sem graça, movi minha mão e circundei seu membro sobre minha palma, sentindo aquele pinto quente e pulsante; era uma ereção tão potente que sua piroca latejava por completo, bombando sangue pro seu cabeção, apertei um pouco mais a pegada e senti Vitor fazendo o mesmo, ele reparou minha ousadia e também apertou o meu peitão, me olhando e demonstrando o seu tesão, "gemi pra dentro" e sem pensar, fiz o que não devia.... Esfolei seu caralho até a base, enforquei o inicio daquele mastro e admirei o seu pulsar em transe... havia passado dos limites: – Isso mãe! Esfola pra você ver como tá duro...Shhh... Sente esse caralho gigante pulsando, faz de novo, estica e esfola! – Ai filho, isso tá errado, temos que parar!...Shhh... Olha o tamanho desse troço! Não da pra acreditar meu anjo, ele tá latejando na minha mão...Shhh... Olha essas veias, meu Deus!.... Mamãe vai soltar, tá filho? Vamos parar, chega! – Continua mãe, faz de novo....só mais uma vez, vai! Depois a gente para, eu prometo... Esfola o meu cacete de novo! Inicialmente neguei, mas acabei cedendo a seu pedido, disse que seria a última vez e que depois disso, pararíamos com aquilo; apertei seu mastro, olhei para ele e fui esticando vagarosamente a pele de seu caralho até a base, VItor me olhou e gemeu, fitou meu rosto e testemunhou o meu olhar deslumbrando sua ereção. Apertei o talo de sua vara e mais uma vez as veias se estufaram, aquele pênis parecia um taco de beisebol! Seu membro estava tão duro que chegava a balançar sozinho; sem pensar repeti a operação, só que desta vez, soltei seu cacete, observei sua rigidez e segurei ele bem no início, um pouco abaixo da chapeleta, o circundei e fui esfolando bem devagarzinho, esticando ele completamente, até meus dedos tocarem o início daquele saco, meu filho balançou a minha teta e a admirou quicar, gemeu alto e falou: – Iiiisso mãe!... Olha só como tá latejando, olha!...Shhh.... Você esfolou meu cacete todo! Continua segurando e olha! – Tô olhando filho, o que é isso? Meu santo Deus! Isso é quase do tamanho do meu pulso... Nunca vi nada igual... – São 30cm, mãe! E ainda é grosso e cabeçudo, tá vendo?..Shhhh.... Ele tá latejando de tesão, de tanto a senhora apertar! – Tô vendo filho, ele chega a balançar sozinho, de tão duro que tá! Isso não entra em ninguém, não é possível! Eu sabia que era grande, mas não imaginava que fosse tanto!...Shhh... Mamãe nunca viu um pau desse tamanho, nem em filme! – Ele é gigante, mãe! Agora a senhora sabe como é!...Shhh... Faz de novo, vai... Esfola ele do início, só mais uma vez! – Não, querido! A gente tem que parar, isso tá errado, meu anjo! A Mamãe tá segurando o seu caralho! Isso não pode!

Contos Imor(t)ais - ME FAZ – 167 -


Vitor se aproveitava, abusava dos meus seios, segurando-os e apertando-os de forma alternada, enquanto de pé, exibia aquele caralho imenso à poucos centímetros do meu rosto, eu não conseguia parar, continuava segurando o seu orgão e estimulando sua rigidez; meu filho reparava que eu olhava hipnotizada, via minha expressão de espanto e se aproveitava da situação; não resisti e novamente esfolei seu caralho, só que agora, o fiz por 3 vezes consecutivas... O que eu estava fazendo?!?! Já era a hora de parar com tudo e tomar uma decisão: – Isso, mãe! Esfola ele e observa, vai!...Shhhh.... Fica assim... Estica meu caralho e olha ele na sua mão, vai! – Ai Vitor, para de incentivar a mamãe!... Tá errado, meu filho! Isso que mamãe tá fazendo, não pode! Temos que parar! – Pode sim, mãe! A senhora só tá olhando...Shhhh.... Olhar pode, mãe! Faz de novo e estica, pra senhora ver, vai! Sem perceber, obedeci meu filho, olhei aquele mastro, enforquei seu cabeção com os dedos e estiquei sua rola, do inicio até o final e de uma só vez; Observei atenta a chapeleta se inflando ao ser pressionada, ficando do tamanho de um limão, era realmente inacreditável... aquele orgão sexual era monstruoso, meus dedos não conseguiam o segurar por inteiro e laçavam seu tronco sem completá-lo, meus dedos não se tocavam de tão anormal que era a sua grossura:

CAPITULO 8 Durante o esfolamento, era possível sentir a pulsação, bombando e alimentando sangue para todo aquele mastro, ao chegar a base, era impossivel não se hipnotizar por todo aquele volume latejante, eram 30cm de uma piroca imensa, grossa e com um cabeçote de limão! Não me controlava e repetia a operação, somente para me deslumbrar com essa cena! Sem me dar conta de tudo, eu obedecia meu filho e continuava com aquele absurdo, me vulgarizava e comportava-me que nem uma prostituta, estiquei seu caralho pela terceira vez e sem perceber, me excedi, executei a manobra repetidamente por: 4, 5.6, 7 vezes, me prolongando e passando totalmente dos limites; esfolava aquela piroca por completo e a segurava... Estava quase que tocando punheta para o meu próprio filho: – Nossa, que delícia! Você tá esfolando o meu caralho, mãe... Shhh... Tá muito gostoso, continua assim, tá? – Ai Vitor, que piru gigante, meu filho! Ele fica pulsando quando eu aperto...Shhh... Ele tá com as veias todas estufadas! – Continua assim! Segura esse mastro e esfola...Shhh... Estica essa rola com força e olha pra ele, tá? Acabei satisfazendo meu filho, tentava não olhar mas aquele caralho me seduzia e obrigava-me a obedecê-lo, permaneci com a rotina e tornei a esfolá-lo, minha mão circundava sua chapeleta e Contos Imor(t)ais - ME FAZ – 168 -


esticava seu pau até o final, chegando na base e o enforcando sem piedade, travando todo o sangue pulsante e inflando aquele cacete de animal, retendo a circulação e exibindo toda sua fartura, fui aumentando o ritmo gradativamente e em poucos minutos me vi em uma semi-punheta, eu já o masturbava com força, promovendo um vai e vem frenético e firme:

– Que gostoso, mãe! Você tá tocando punheta na minha rola, tá vendo?...Shhh.... Tá masturbando esse caralho com força! – Ai filho, mamãe tem que parar, sabia?...Shhh, , , Me desculpa, meu anjo, mas não consigo me controlar! – Continua, mãe! Por favor! Não tem problema, eu não conto pra ninguém...Shhh... Pode tocar punheta, tá? Eu deixo. Masturba o pau do seu filho cavalo, vai!....Shhh... Molha ele um pouquinho, molha... Molha ele pra ficar mais fácil, vai! Vitor me olhou nos olhos e balançou minha teta, gemeu sem escrúpulos e tornou a pedir minha saliva, fiquei sem graça e não sabia o que fazer, balançou seu tronco o fazendo dançar e chegou próximo do meu rosto, resolvi obedecê-lo, antes que ele fizesse coisa pior, estiquei aquela jamanta e cuspi de longe, meu filho gemeu enquanto o liquido voava de forma desordenada sobre seu pau, deslizei meu dedos e espalhei-o instintivamente, repeti a operação e mais uma vez o obedeci, expeli com mais fartura e lubrifiquei sua chapeleta, minha saliva escorreu pelo seu tronco e pendurou-se por todo o seu caralho: – Isso mãe! Cospe no meu caralho e esfola, vai!...Shhhh... Cospe e esfola, sem parar! Molha esse cacete todo. – Nossa, meu anjo, mamãe nunca fez isso!....Shhh... Nunca masturbei alguém desse jeito, esse pauzão tá brilhando, filho! Temos que parar com isso, olha o que eu to fazendo... Eu to te punhetando Vitor, você é meu filho, isso tá errado! – Ai mãe, tá gostoso demais, sempre tive esse sonho!...Shhh.... Sempre sonhei em te mostrar a minha piroca, me desculpa! Desde criança que fico olhando pros seus seios e delirando...Shhh... Você tá realizando os meus sonhos, muito obrigado! – Ai meu anjo, não fala assim, isso que estamos fazendo é muito errado! Você tem que parar de ser safado, Vitor! Para! Eu já imaginava tudo que ouvi, mas não sabia que chegaríamos a esse ponto, tinha conhecimento que meu filho me desejava e que admirava os meus seios grandes mas não previa que nos excederíamos a tal patamar, eu também possuía uma curiosidade sobre seu pênis, pois desde criança o menino já era avantajado, além de suas ex-mulheres compartilharem o seu dote, habitava em mim Contos Imor(t)ais - ME FAZ – 169 -


uma vontade de comprovação, mas não dessa forma infame.

CAPITULO 9 Eu punhetava com bastante cuidado aquela rola de cavalo, segurava-a bem no inicio, esfolava sua chapeleta e ia deslizando a mão até o talo, chegando ao final eu segurava com força e observava toda sua rigidez, executava a operação com o máximo de cautela e em seguir repetia, era uma punheta cautelosa e delicada, fazendo-a parecer uma simples exibição de rola, meu filho gemia e olhava o ato com atenção, observava sua genitora exibindo seu pênis e respeitando suas ordens, não largava um de meu seios e permanecia me comandando sem o mínimo pudor, sempre me obrigando a lubrificar seu mastro. Minha mão deslizava sobre aquela jamanta, eu cuspia seu cogumelo e espalhava a saliva até o final, Vitor não me deixava parar e coordenava todos os meus passos, me obrigando a ficar repetindo aquilo por mais de 5 minutos, eu aumentava o ritmo e já aceitava a masturbação inescrupulosa, respeitava os intervalos e cuspia naquela piroca a cada punhetadas: – Isso mãe, continua assim, vai!...Shhh... Masturba seu filho cavalo e cospe, sem parar! Só mais um pouco, vai! – Nossa Vitor, olha o que eu to fazendo! Chega meu filho, vamos parar com isso! Estamos passando dos limites! – Não para mãe, por favor! Só mais um pouco, tá?...Shhh... Olha essa chapeleta como tá, já viu uma desse tamanho, hein? Ela tá toda inflada, mamãe, olha pra ela, olha o que você fez!...Shhh... Isso tá muito gostoso, continua! Eu punhetava e admirava meu feito, meus olhos não se desviavam daquele volume e seu cogumelo me hipnotizava de tão grande e anormal, aquela bola de sinuca pulsava que nem um coração, enquanto eu o estrangulava e lubrificava sem o mínimo escrúpulo, meu filho gemia e me fitava compenetrado, supervisionava minha tarefa e me estimulava a prosseguir, me olhou nos olhos e falou: – Me da um beijo, mãe!...Shhh... Da um beijo nessa cabeça e molha ela, vai! Poe a boca nela e sente como ela tá latejando...Shhh... Só! pra senhora sentir ela pulsando, da um beijinho nesse cogumelo, dá! Só um beijinho, por favor! – Para Vitor, olha o que você tá me pedindo! Eu sou sua mãe! Não posso botar a boca no seu pênis, meu filho! – Só um beijinho, mãe! Vai, por favor!...Shhh... Eu não conto pra ninguém, poe a boca pra você sentir. Neguei por vezes, mas Vitor insistiu, eu segurava aquele caralho e sentia seu cabeçote me Contos Imor(t)ais - ME FAZ – 170 -


chamando, aquele cogumelo pulsava e latejava, completamente babado e lubrificado a poucos centímetros da minha face, meu filho se aproximou, encostou-o sob meus lábios e me obrigou a cumprir o inevitável, sem raciocinar abri meus lábios ao máximo, esfolei sua piroca e dei um estalinho na sua chapeleta, de forma delicada e carinhosa, senti toda aquela circunferência gigantesca que parecia impossível se abocanhar, o gosto de seu piru se misturou em minha boca enquanto eu me sentia confusa e desnorteada, respirei, me afastei e repeti a operação, mais uma vez beijei carinhosamente sua cabeçona: – Isso mãe! Beija essa chapeleta vai!...Shhh.... Segura essa vara com força e beija o meu cabeçote! Tá sentindo o gosto? A senhora tá deixando ele todo melado, olha só, olha! Faz de novo, por favor...Shhh... Eu não conto pra ninguém! – Ai meu filho, isso tá errado! Eu to botando a sua chapeleta na boca, meu anjo! Olha o tamanho disso... É gigante! – Continua, mãe, por favor! Que beijinho gostoso, não para!...Shhh... Beija de novo esse cabeção, vai! Beija e segura meu caralho com força, desse jeito...Shhh... Repete só mais uma vez, eu imploro! A senhora faz isso muito gostoso!

CAPITULO 10 Aquilo era um absurdo, me sentia na pele de uma prostituta e nunca me perdoaria por aquele ato, tentava interromper e parar com aquela perversão, mas prosseguia em transe, respeitando todas as ordens, eu já segurava aquele caralho gigante, com toda a minha força e beijava seu cabeção como se fosse a boca do meu marido, dava estalinhos de forma amorosa e namorava com a chapeleta sentindo todo o gosto daquela piroca. A cada segundo que passava, eu aumentava o ritmo e excedia-me cada vez mais, esfolava aquele mastro, segurava com vigor e encostava meus lábios querendo esconde-lo, meu beijo já ultrapassava a metade de sua cabeça, tentando cada vez mais engolir aquele limão rosado. Não conseguia conter meus atos, me viciava naquele sabor e me comportava que nem uma vagabunda, não questionava suas ordens e boquetava sem rodeios a chapeleta de meu filho, metia a boca até a metade, tirava-a vagarosamente e degustava todo o gosto da rola se misturar entre meus lábios, parava por instantes, admirava a circunferência e respirava pausadamente, sentindo o paladar com o cacete em minhas mãos; permaneci por mais alguns minutos nessa tarefa incestuosa e evolui para o pior, sem me dar conta, movia meus dedos, punhetando a base de seu tronco e o masturbando pelo talo de forma discreta e carinhosa... Namorando e abocanhando sua glande, com carinho, destreza e amor: – Que delicioso, mãe! Continua desse jeito, beija e masturba esse talo, vai!...Shhh... Essa boca é maravilhosa, meu Deus! Pode punhetar mais rápido, mãe! Só não para de beijar, por favor! Masturba o talo dessa piroca e sente o gosto! Contos Imor(t)ais - ME FAZ – 171 -


– Nossa, meu anjo, mamãe tá fora de controle! Era só pra dar um beijo e eu já to te masturbando! Chega, Vitor! – Não para, mãe! Sente o sabor da minha vara! Você que tá produzindo esse líquido! Faz só mais um pouco, vai! – Eu tô fazendo, meu amor! Mamãe tá fazendo! O gosto dessa baba tá todo na minha boca... Você tem que parar com isso! – É culpa sua, mãe!...Shhh... Toca punheta mais rápido, vai! Punheta esse cavalo mais rápido e namora minha chapeleta! Depois a gente para, eu prometo!...Shhh... Masturba mais e continua beijando! Não para, por favor! Eu punhetava aquele talo por 4 vezes seguidas, o segurando com firmeza e continuamente, simultaneamente, abocanhava com dedicação a cabeça de sua piroca gorda e me portava que nem uma verdadeira biscate, meus lábios circundavam aquele limão até a metade, saboreando seu cremor com amor e devoção; eu olhava para cima e dialogava com minha prole, Vitor me fitava os olhos e suplicava a prorrogação, observava minha negativa tentando me convencer, sempre me persuadindo ao pecado e incentivando a perversão, eu negava a meu filho o desenrolar daquele ato, clamava com temor mas permanecia o masturbando, sempre me pondo em contradição e perdendo totalmente a credibilidade... Abaixava minha cabeça, beijava seu cogumelo e continuava com a tarefa.... Sem me dar conta do absurdo: – Vai mãe, continua...Não para com essa punheta! Cospe e deixa a boca nessa rola, vai! Molha esse caralho com vontade! – Para! Não fala assim com a sua mãe, Vitor! Eu vou parar com essa pouca vergonha, você tá passando dos limites, filho! – Só mais um pouco, vai! Me faz gozar, que eu paro, tá!...Shhh... Faz seu filho gozar, mãe! Eu gozo no chão, te prometo! – Você tá doido, menino! Eu sou sua mãe! Isso é um absurdo, chega! Você tá fora de controle, filho! Se controla! – Ai mãe, me deixa gozar!...Shhh... Deixa eu jogar esse porra pra senhora ver, deixa! Só assim eu vou parar, te imploro! A saliva escorria enquanto eu me deliciava, a punheta era cada vez mais veloz e minha mão já o masturbava do talo até a metade, meus lábios dançavam enquanto eu tentava mamar aquela chapeleta, que se adentrava e tentava ser engolida e escondida por mim, meu filho delirava e observava sua mãe fazendo papel de punheteira e caprichando na chupada, exibia seu caralho do tamanho de um cavalo e continuava incentivando para que eu o fizesse gozar, já não conseguia manter a chapeleta em minha boca, ela batia contra meus lábios e espalhava a baba durante a masturbação, de tão rápido que eu o punhetava, Vitor não tinha a menor vergonha de me orientar e obrigar-me a ser uma puta, ele queria me ver tirando porra da sua rola: – Mamãe vai parar! Chega Vitor! De uma vez por todas, chega! Você tá pedindo pra te fazer gozar... Contos Imor(t)ais - ME FAZ – 172 -


Você tem noção disso? Eu sou a sua mãe! Eu que te botei no mundo...Seu pervertido! Aonde já se viu uma coisa dessas, chega! Para! – Por favor, mãe! Vamos terminar com isso, eu te imploro!...Shhh... Você já tocou punheta nessa rola gigante e babou ela toda, tá vendo? Quem mandou você cuspir? Agora me deixou assim, não para!...Shhh... Só mais um pouquinho, vai! Faz o seu filho cavalo gozar, faz! Só falta isso, mãe! Termina o que você começou, eu não conto pra ninguém!

CAPITULO 11 Eu não sabia o que fazer, Vitor não pararia se eu não desse um fim em tudo, me sentia hipnotizada por aquele pedaço de ferro mas ao mesmo tempo, tentava reunir forças para dar um basta na situação, me vi sem saida e conclui que não havia como fugir, já havia passado dos limites, masturbado o meu próprio filho, cuspido em seu caralho gigante e mamado na cabeça de seu pau, me excedi tanto, que não vi outra alternativa a não ser fazê-lo gozar o mais rápido possivel, aceitei a sua chantagem e pedi urgência na sua ejaculação: – Tá bom, filho! Então goza, vai! Goza logo pra gente encerrar com isso! Vem, vitor! Acaba logo com isso, goza logo! Não prende, meu anjo! Não prende essa porra! Deixa sair...Shhh.... Eu quero ver essa porra saindo, solta ela, Vitor! – Isso, mãe! Pede de novo...Shhh... Pede pra eu soltar essa porra, pede! Quero ouvir você pedir meu sémen! Pede! – Ai, filho! Para de ser depravado! Mamãe já tá tocando punheta e mamando na sua chapeleta! Olha como tá essa rola! – Eu to vendo, mãe! Continua punhetando meu caralho, sem parar!...Shhh... Nâo tira a boca desse cabeção, tá! Toca punheta e pede, vai! Pede esperma pro seu filho!...Shhh.... Quero ouvir! Pede pra ver a minha porra, vai! – Ai, querido! Goza logo! Deixa esse leite sair e acaba logo com isso! Não segura, meu anjo! Goza logo, solta esse leite! – Tá bom, mãe! Tá bom! Você quer ver a porra do seu filho, né! Fala que você quer a minha porra, fala! Pede meu gozo! Não havia outra solução, não bastava pedir que ele gozasse, o depravado queria que eu passa-se dos limites, Meu filho esquecia que eu era sua mãe e me forçava a agir de forma ultrajante e vexatória, eu sentia aquele cacete pulsando enquanto eu o punheta o mais rápido possível, obedecia sua ordens e pedia toda aquela perversão com os lábios repousados em seu cogumelo, cedi e não o contrariei: – Goza Vitor! Para de ser safado! Joga essa porra pra fora, joga! Eu quero que você goze, ouviu! Contos Imor(t)ais - ME FAZ – 173 -


Goza logo, vai! – Vou gozar, mãe! Esse caralho tá cheio de porra...Shhhh... Vou soltar esse leite pra senhora ver, tá! Vou te dar essa porra! – Ai, seu puto, sem vergonha! Então goza, seu safado! Vem, filho! Da esse leite pra sua mãe, dá! Deixa esse esperma sair! – Vou te dar a minha porra, mãe! Vou soltar esse leite todo pra você, tá!...Shhh.. Tira o esperma do seu filho, tira mãe! Aumentei a velocidade e me empenhei em meu objetivo, obedecia meu amado filho, estimulando a estimada leitada, Vitor me olhava e permanecia com uma de suas mãos apertando meus seios, ele balançava, estufava o bico e bolinava minhas tetas, abusando e se paroveitando de minha fartura, eu botava a minha boca até a metade de seu cogumelo, alternando abocanhadas, linguadas e beijos, o masturbava rapidamente pelo talo, punhetando aquela piroca equina, enquanto boquetava indiscretamente o cabeçote de meu próprio filho, aquele safado-sem-vergonha gemia e urrava sem escrúpulos e permanecia anunciando a sua jorrada de porra, me obrigou novamente a clamar por seu semen enquanto observava sua mãe, chupando o seu cacete gigante: – Que delicia, mãe! Não para! Melhor boquete que eu já recebi, sabia?...Shhh.... Essa boca é muita gostosa, nossa senhora! Tá quase tirando esse leite, toca essa punheta, toca!...Shhh.... Faz o seu filho gozar, vai! Pede a minha porra, mãe! – Vem filho, goza gostoso, querido! Deixa esse leite sair, deixa! Mamãe vai tirar esse leite, tá? Goza pra mim, meu anjo! – Isso mãe! Tira esse leite, tira!..Shhh... Você quer ver essa porra jorrando, quer? Quer ver essa leitada saindo, hein? – Quero filho! Mostra pra mamãe, mostra! Solta essa porra pra mim, vai! Me da o seu leite, vitor! Quero ver a sua porra! Me dá ela, filho! Me da esperma, dá! Solta o creme dessa piroca, solta! Não segura, seu safado! Goza pra mamãe ver! Enche esse chão de porra! Mostra pra mim, mostra..Shhh... Quero ver o leite do meu filho, tá! Esporra pra mamãe ver! Finalmente aquilo estava chegando ao fim, Vitor fez o último anuncio e informou que era a hora de leitada, olhei para ele e direcionei o seu pau para o chão, não contente com o feito, ele me pediu para continuar mamando, enquanto a punheta era executada, pedi que ele não gozasse na minha boca e quando fosse ejacular, direcionasse seu creme em direção ao chão: – Eu vou gozar, mãe, não para!....Shhh... Deixa eu gozar na sua boca, deixa? Abre a boca pra mim! Bebe a minha porra! – Na boca não, Vitor! Goza no chão, por favor! Para se ser sem vergonha! Nem o seu pai gozava assim, meu filho! Contos Imor(t)ais - ME FAZ – 174 -


– Ai mãe, sente o gosto do meu leite! Me deixa gozar na sua boca, por favor, vai!...Shhhh... Continua assim, não para! – Não, filho! Na boca não! Goza no peito da mamãe, goza! No peito pode, meu anjo! Solta leite nessa teta, vem! Estiquei seu caralho por duas vezes, punhetando o talo com bastante força, aquela barra de ferro latejou, pulsou e soltou o primeiro jato de porra bem no meio de meus lábios, cheguei a conclusão que meu pedido foi tardio, senti todo o gosto daquele esperma cremoso, adentrando minha garganta e se espalhando pelo meu beiço, recuei seu pau mas foi em vão, o safado soltou, consecutivamente, mais 3 gofos de semen e todos eles, se espalharam pela minha cara de forma desordenada, um rastro de cada lado, com o último, batendo na minha boca e escorrendo pelo meu queixo. Aquela porra era grossa demais e espirrava na minha cara com vigor e agressividade, afastei ainda mais seu caralho e novamente não adiantou, Vitor espirrou mais 4 ginchos de seu leite, jorrando todos eles sobre a face de sua amada mãe, a porra do meu filho sujava todo o meu rosto, me deixando com aparência de puta e marcando a minha face de forma completa e depravada, aquele creme escorria e se pendurava pelo meu queixo, me obrigando a saborear o seu esperma e beber parte de seu leite quente. Vitor urrava e observava a minha cara suja de porra, sentia minha cara completamente inundada, enquanto a vergonha me habitava, sorri sem graça, me afastei rapidamente e fugi correndo para o banheiro.

Contos Imor(t)ais - ME FAZ – 175 -


O VESTIDO CREME E A CALCINHA AZUL Meu nome é Gabriela para quem não me conhece, tenho 29 anos, 1,68 m, 55 kg, sou branca com os olhos castanhos claros, cabelos loiros na maior parte das vezes, seios bem grandes, um bumbum empinado e gostoso e adoro sexo em toda sua plenitude, sem pudores ou restrições, onde a imaginação e a criatividade possam dar asas. Sempre ouvi falar na relação entre os alimentos e o apetite sexual exacerbado, onde os feromônios potencializam o desejo do parceiro e o seu por tabela, aumentando assim a intensidade da relação. Este relato, como todos que escrevo, é uma das experiências reais que tive, mas que aconteceu em meados de 2013, recentemente, e até hoje me desperta curiosidade e excitação. Sou magrinha do tipo linda e modesta, rs... e estou vivendo com meu namorado há pouco mais de um ano e meio. Nos amamos e nos damos muito bem, dentro e fora da cama, um homem gentil, carinhoso e romântico, que entre quatro paredes se transforma num macho viril e atento aos meus mais escabrosos e excitantes desejos. E o que estava por vir foi muito interessante. Tudo começou num sábado, numa festa que fui com meu namorado, sabia que aquela seria uma noite memorável entre nós dois. Festa noturna em um buffet sofisticado, ofertada por um dos clientes mais influentes dele. Estava com um vestido justo, todo creme de tricot, saia curta na altura de uma minissaia com um cinto marrom cinturando bem. Apesar de ter um zíper atrás, possuir uma gola e não ter decote - o que é raro em minhas roupas - adorava aquele vestidinho tubinho. O bom é que ele é muito confortável, bastando por uma calcinha e não precisa usar um sutiã. Pode ser usado numa festa como a de hoje com ou sem meia calça e salto alto como também serve para trabalhar e passear. É só usar uma sandália de tiras ou um sapato fechado mais discreto com salto baixo. Lá chegando fomos cumprimentando as pessoas conhecidas e sistematicamente trocava-se elogios para tudo e para todos. O salão estava impecável com lustres de cristal, cortinas de tecido pesado em vermelho escuro contrapondo um forro em voal branco com rendas e quase transparente. Havia poucas mesas todas com toalhas também no tom vermelho e branco e poucas cadeiras, razão pela qual conversávamos em pé. Os garçons passavam com bandejas repletas de salgados e com coquetéis lindos, multicoloridos sempre cobertos por uma espuma. Peguei um para matar a curiosidade, com uma taça de espumante na mão. No primeiro gole senti uma pontada de dor de cabeça. – Hoje não é dia para se ter dor de cabeça, pensei com meus botões. A noite é para ser longa e preciso estar em forma e tranquila. Pedi licença e falei para meu namorado que ia procurar um remédio para dor de cabeça e já voltaria. Fui até onde estava guardada minha bolsa e segui até a cozinha, pedi um copo de água e ao tomá-lo, senti novamente a cabeça latejar. Tinha por intuição que aquele remédio não ia funcionar. Então falei com a moça que me arranjou o copo de água que eu achava que a dor não ia passar. Ela me falou para tomar um remédio mais apropriado que ela tinha em seu armário. Então lhe acompanhei até o vestiário. Ela entrou no vestiário e eu fiquei no corredor aguardando, ela veio logo depois me oferecendo o remédio. Agradeci a gentileza e pedi para ficar ali um pouco, o que ela assentiu e voltou aos seus afazeres. Passados alguns minutos, vindo da cozinha passou um homem vestido com smoking, mostrando que trabalhava no buffet.

Contos Imor(t)ais - O VESTIDO CREME E A CALCINHA AZUL – 176 -


– Posso ajudar? Ele falou. Depois de breve explicação de que tinha tomado o remédio ele pediu para acompanhar. Entramos na primeira sala onde era o escritório do Buffet, abriu um frigobar e de lá tirou uma garrafa de água importada. Estava surpreendida mais para beber aquela água do que para tomar o remédio. Ele falou para sentar e me deu o copo com água ao qual tomei junto com o comprimido. Longe do burburinho da festa, calmo como ali estava, eu me sentia bem. Agradeci a gentileza e para não sair de imediato perguntei se trabalhava no Buffet. Ele explicou que trabalhava durante o dia e preparava cardápios. Depois me disse que muita dor de cabeça passa com uma simples massagem na nuca. – Você me permite? Vendo meu olhar de ansiedade para fazer desaparecer a dor, deixei que ele fizesse uma massagem na nuca. Com a ponta dos dedos ele massageou a minha nuca e o meu ombro. Senti a dor desaparecer como que por encanto. Até hoje não sei se foram os remédios ou aquela mão me massageando que me fizeram sarar da dor. Voltei a me sentir tão bem que me levantei e olhei bem dentro dos seus olhos lhe agradecendo. Eu vi um sorriso de satisfação e naquele olhar direto não pudemos resistir e nos beijamos por alguns segundos. Sua mão esquerda pegou na minha mão direita e percebi que ele observou a minha aliança. Discretamente, fazendo menção de sair eu novamente agradeci. Foi quando ele falou. – Olha, aqui tem meu cartão, meu nome é Eduardo, se precisar de mim me telefona, qualquer hora, qualquer dia. – Meu nome é Gabriela, a gente se fala. Disse já de saída. Guardei o cartão na bolsa e voltei para a festa. Com a ajuda do Eduardo, aquela noite realmente foi memorável, entre eu e o meu namorado. Depois eu só ficava pensando por que havíamos nos beijado? Qual foi a atração que nos pegou naquele momento? Seria só agradecimento ou havia algo a mais? Na segunda feira lá pelo meio dia, estava no trabalho saindo para o almoço, quando meu namorado me liga. – Amor, eu tenho que fazer uma viagem para Porto Alegre, vou com meu chefe pois tem um negócio para ser fechado. Volto em dois dias. No máximo depois de amanhã. Vou passar em casa, fazer a mala e ir direto para o aeroporto. – Está bom. Lhe falei. - Me liga quando chegar. Beijos – Beijos Eram 4 horas da tarde e ele me liga dizendo que já estava em Porto Alegre. Pouco depois, por molecagem ou curiosidade, liguei para o Eduardo, por que a minha dúvida era tamanha, e aquele beijo estava entalado na garganta. – Oi, sou a Gabriela, daquela festa, que estava com dor de cabeça...lembra-se de mim? – Lembro claro, como poderia esquecer? Não paro de pensar em você. Contos Imor(t)ais - O VESTIDO CREME E A CALCINHA AZUL – 177 -


– Aquele beijo? É, eu também. Não me sai da cabeça. Você me desculpa, sou comprometida, não tinha por que… – Ah! Eu adorei, só queria entender melhor o porquê, se a gente pudesse conversar sem pressa? E não se desculpe, eu percebi que você é comprometida e está noiva, talvez por isso eu gostaria de entender melhor. Você tem um tempo? – Se for essa noite tudo bem, meu namorado está fora. – Eu saio do trabalho às 18 horas, posso te pegar. Marquei com ele às seis e mais alguns minutos na porta de uma livraria na Av. Visconde de Pirajá, em Ipanema, perto do trabalho dele, mas longe o suficiente da minha casa e do meu trabalho. Sabia que na rua ao lado da livraria tem um lugar onde é possível estacionar para entrar ou sair um passageiro, tipo carga e descarga. Falei que iria com o mesmo vestido creme, pois assim seria mais fácil ele me reconhecer. Ele me falou que era pontual. É só chegar uns minutos antes, sem esperar muito ou ficar de bobeira por que nessas horas a gente não quer encontrar com qualquer conhecido. Saí do trabalho, fui até em casa e deu tempo de tomar um banho rápido e me arrumar. Coloquei o vestido creme e uma calcinha azul bem pequena que adoro com elástico fino na cintura. Estava me sentindo confortável, peguei um táxi e fui até Ipanema. No caminho pensei que não deveria ter dito que meu namorado tinha viajado, ele poderia querer se animar mais do que deve. Ele chegou na hora combinada, entrei no carro, sorrimos um para o outro. Ele me mostrou uma sacola cheia de comida e falou: – Vamos até meu apartamento. Eu preparo a janta, é minha especialidade. Sou formado na melhor escola de Chef du Cuisine. Depois é mais discreto e seguro. Lugar cheio de gente pode não ser a melhor indicação para nós. Pode ser? Concorda? Sinta-se livre. Não quero constrangê-la por nada. – Eu concordei, estava curiosa para saber o que iríamos comer. No seu apartamento, ele me pediu para escolher uma música e ligar o som. Feito isso, fui para a cozinha onde ele cortava uns legumes, camarões enormes, pedaços de carne e também separava pequenas cumbucas, cada uma com um molho diferente. Fiz um gesto para ajudar e ele sorriu. Pegou dois copos tipo tulipa e abriu um champanhe. Encheu até a metade e me deu um. Salute!!! Bebericamos um gole e novamente nossos olhares se cruzaram como da primeira vez que nos beijamos. Peguei dois pratos, talheres e uma toalha de mesa. Fui para a sala e montei a mesa com duas cadeiras uma do lado da outra seguindo uma sua instrução. Ele trouxe uma vasilha cheia de coisas picadas e um grill desses de fazer sanduíche. – Um tepan para dois, comentou. Estávamos sentados um bem do lado do outro. Ele encheu o grill com legumes. – Primeiro vão os legumes que assam rápido. Borrifava um molho transparente como água e assim que assados ele ia pondo no prato e novamente enchia o grill com mais comida. Com certeza, aquela preparação estava dando uma fome. As nossas mãos substituíam o garfo e se mantinham ocupadas em esvaziar o prato. Confesso que era uma Contos Imor(t)ais - O VESTIDO CREME E A CALCINHA AZUL – 178 -


prato delicioso, me fazendo ruborizar de satisfação, pois a companhia alimentava o desejo. Na segunda fornada vieram os camarões. Para cada tipo de grelhado tinha um molho especial e ele sempre os regava com um molho da garrafa plástica. – Que tem aí? Perguntei. – O trivial, água vinagre, óleo, pouca mostarda, salsa e cebolinha. Ah! Eu ponho pimenta do reino e nós moscada também. Tudo era muito delicioso, e suave. Tempero na medida certa. Sabor que só um grande Chef é capaz de criar, sem exageros. Para frente, a fome foi cedendo e a satisfação de estar ali era a melhor possível. As mãos já não iam exclusivamente para o prato, percebi que algumas vezes eu passava a mão nas suas costas como um largo abraço, e que as mãos dele algumas vezes se apoiavam na minha coxa. Nossa, como podia estar ali, sem constrangimentos ou inquietações. Bebíamos devagarzinho, quando outra vez ele tirou do grill dois grandes camarões colocando um em cada prato. Peguei o camarão do seu prato e coloquei metade na minha boca deixando que ele pegasse a outra metade com a sua boca. Daí para frente, nos beijávamos mais que comíamos. Então as mãos se entrelaçaram e com frequência eu acariciava suas costas ou colocava a mão sobre sua cintura apoiando o braço na sua coxa. Comecei a sentir que os beijos se prolongavam e que sua mão começava a acariciar os meus seios. A fome agora era outra. Começou a beijar meu pescoço e em seguida a gente se beijou longamente com a boca semiaberta. Estava tudo muito bom, muito gostoso. Senti ele abrir o zíper e abaixar a parte de cima do meu vestido deixando os meus seios à mostra. Ele os acariciava e os beijava. Na mesma reação, ajudei ele a tirar a camisa e passava a mão espalmada no seu peito. Eu me levantei e deixei o vestido cair no chão, ficando em pé com aquela calcinha azul minúscula na sua frente. Ele me olhava com brilho nos olhos, admiração e contemplação, ficando um tempo ali, me observando. Despiu então minha calcinha e pude exibir a minha xoxota toda depilada, com um bigodinho bem aparado em cima. Estava excitada, ofegante, me olhava e passava a língua nos lábios, abaixou os olhos pelo meus seios rijos e para meu grelo, bem evidente quando fico molhada e fez um comentário elogioso que me arrepiou toda: – Vejo que sua sede e sua fome estão ainda maiores, esse morango está secretando um mel muito tentador. Aiiiii, eu não me contive, e coloquei dois dedos no meu clitóris intumescido e melado, na sua frente, onde pude comprovar minha excitação. Os dois dedos, meladinhos com meu suco, fui esfregando como quem avalia a viscosidade de um óleo e aproximei de seus lábios, sem tirar meus olhos dos dele. Os paladares aguçados daquela noite, nossos sabores sendo apreciados...Ele me pegou no colo e me levou para seu quarto. Lá tinha uma cama de casal. No tempo que desfiz as cobertas e sentei sobre o lençol, ele se despiu e sentou-se do meu lado. Começamos de novo a nos beijar e nos abraçamos de todos os modos. Ele me abraçava e beijava meu pescoço. Então me reclinei no travesseiro e ele começou a beijar e lamber meus seios. Começou a beijar e descer para a parte abaixo dos seios, quando coloquei as mãos na sua cabeça e fiz menção dele voltar a me beijar na boca. Vi que ele entendeu e retornou, não se esquecendo novamente de cuidar dos mamilos desejosos de carinho, vindo para cima para Contos Imor(t)ais - O VESTIDO CREME E A CALCINHA AZUL – 179 -


me beijar. Nessa hora, percebi que estava toda entregue a ele. Já não conseguia mais articular uma palavra sequer e em instantes eu percebi que iria ser sua a noite inteira. Olhava para ele com o olhar de uma presa que caiu numa armadilha e que está prestes a ser devorada. Acho que só as mulheres conseguem ter esse olhar de que sabem que não tem como fugir e por outro lado desejam não poder escapar nunca. Junto com um beijo, senti estar sendo penetrada bem devagarzinho e até o final. Sentia o peso do seu corpo e estava tão gostoso, que percebi que iria gozar. Ele tirava e me penetrava bem devagar. Na terceira ou quarta vez eu gozei me abraçando àquele homem. Ele continuava a me comer, coloquei as mãos sobre a sua coxa, fui levantando passando pela sua bunda e subindo nas suas costas. Agora eu tinha certeza que alguém que não era meu namorado estava me comendo e me fazendo gozar. Então, me concentrei nele, queria com o meu corpo satisfazê-lo totalmente. Eu já tinha gozado e agora queria que ele gozasse bem gostoso. Continuava a me comer forte e lentamente, abracei suas costas e com a mão quase na sua nuca o acariciava. Olhando para ele consegui sussurrar no seu ouvido: – Vai amor. Ele aumentava a frequência e eu queria corresponder mais. Estava muito gostoso e logo comecei de novo a sentir que iria gozar. Era o ritmo de como ele me comia, a respiração que denunciava que iríamos gozar e então gozei novamente ao mesmo tempo em que senti que ele estava gozando dentro de mim. Abraçava-o e beijava-o, agora eu era a mulher que o satisfazia e ele era um homem que sabia me fazer sentir nas nuvens e ter orgasmos múltiplos. Ficamos parados uns minutos um do lado do outro. Pensava que jamais poderia ter perdido essa oportunidade embora no fundo gostasse do meu namorado. Fui até o banheiro, notei que ele tinha gozado bastante e pensei: – Ele goza muito!!! Se houver outra oportunidade vou primeiro chupar para que ele goze bastante e gostoso na minha boca. Ria sozinha. Deixei o gozo molhar meus dedos e levei na boca para sentir o seu gosto e adorei aquilo. Depois me limpei, enxuguei e voltei para aquele ninho. Deitei do seu lado e na posição em que fiquei, minha mão direita encostava no seu pau. Então o segurei e o acariciei, foi aquele cacete que me fez gozar. Ficamos ali conversando e eu não larguei o pau dele. Era como dizer que queria mais, mas era mais para deixá-lo bem gostoso e tesudo. Passou acho que uma hora e então senti que o seu pau foi ficando intumescido na minha mão. Olhei nos seus olhos e beijei sua boca. Ao mesmo tempo minha mão fazia uns carinhos mais fortes no seu pau. Ele estava deitado com o peito para cima e comecei a beijar seu peito, seu umbigo até que me aproximei do seu pau. Olhei para ele como quem olha um troféu e o beijei. Aproximei da minha boca e o chupei bem gostoso. Queria vê-lo gemer de tesão. Chupei bastante, ele então me pegou pelas axilas e me trouxe até o travesseiro. Beijou minha boca e começou a me beijar e chupar os seios, a minha barriga e começou a chupar minha buceta e meu grelo. Que gostoso, ele chupou bastante e eu iria para as nuvens novamente. Passei a perna dele por cima da minha cabeça, agarrei seu pau e ensaiamos um sessenta-e-nove, muito bom. Lembrei que as relações com meu namorado tem sido discretas, faz algum tempo que a gente não tenta um sessenta e nove. E ficar segurando o pau de outro Contos Imor(t)ais - O VESTIDO CREME E A CALCINHA AZUL – 180 -


homem...nossa, acho que nunca fiz um carinho tão prolongado nele. É vou ser mais generosa e mais carinhosa com ele, pensava. E chupava com gosto aquele caralho duro e grosso, ao mesmo tempo que ele esfregava seus lábios, sua língua e seus dedos no meu sexo. Queria me devorar, literalmente. Correspondia engolindo aquele mastro todo babado. Chupava a cabeça, deslizava pelo corpo e lambia suas bolas lisas. Voltava e cuspia na glande, punhetando forte e lentamente, sorvendo o líquido que saía do buraquinho da cabeça. O sabor era idêntico ao que tinha experimentado pouco antes. E no auge do meu orgasmo, com ele dedilhando forte meu clitóris, queria muito leite na minha boca. Eduardo urrou como um cavalo, e despejou muita porra no meu rosto, onde queria ao máximo encher a boca e degustar cada golfada. Fui engolindo o que adentrava, através da língua encostando na glande, como uma cadela bebendo água no pote. Saímos do 69, ele me beijando na virilha e subindo pelas barriga e seios. Me olhou, o rosto todo branco com seu sêmen, repleto mesmo com seu gozo e com seus dedos foi recolhendo seus frutos embebidos naquele esperma viscoso, limpando-me. Mas segurei sua mão e, olhando em seus olhos, puxei seus dedos e chupei todo gel leitoso e engoli cada porção generosa de esperma. Ele merecia aquilo, e eu também. Disse que não queria que nos limpássemos, mas que aproveitássemos aquele momento. Me beijou muito depois, nem ligando para o sabor, que afinal de contas era dele, e reacendemos o tesão. Ficamos nos beijos devoradores por muito tempo, suas mãos percorrendo meu corpo e meus seios. Já comecei a sentir seu falo duro me cutucando, o ambiente luxuriante estava cada vez mais quente. Eduardo então veio na minha direção. Estava com as pernas bem abertas lhe esperando. Ele foi metendo bem devagar e gostoso. A terceira vez é sempre mais demorada e caprichada. Como eu gostava de ver ele me comer, logo fui me excitando e gozei mais uma vez. Ele continuava a tirar e por aquele pau e me excitava, novamente gozando seguidamente. Cada vez que eu gozava eu o chamava de meu amor, meu tesão, meu tudo. Eu estava muito feliz. Uma hora eu falei – Assim benzinho – Gozou mais uma meu amorzinho. Aquilo me gelou a espinha. Passei a morder o seu pau com a minha bucetinha, e a abraçá-lo bem apertado e murmurei: – Você me chamou de meu amorzinho, vem que sou toda sua. Me come, assim, bem gostoso. Ele demorou um pouco mais. Eu me excitava e gozava, tinha perdido a conta de quantas vezes foram, e quando sua respiração ficou mais ofegante, senti ele gozar mais uma vez e forte. Como podia aquilo acontecer, era um depósito de esperma. Eu o abraçava e o acariciava, queria que ele se sentisse bem gostoso naquele momento. Como foi bom, Virei para o seu lado e cruzei as pernas para não deixar escapar o gozo daquela maravilhosa relação. Nossas bocas se tocavam e minha mão acariciava aquele rosto bonito fazendo com que ele se sentisse o macho que me deixou toda fodida. Conversamos um pouco mais, estava cansada, mas não exausta. Ainda nos acariciávamos. Falamos do trabalho, da relação de estabilidade e morar junto. Ele revelou que estava a fim de uma garota que era amiga de uma vizinha e às vezes aparecia pelo prédio e falava muito do seu trabalho que era bem interessante. Pelas tantas ele me falou: Contos Imor(t)ais - O VESTIDO CREME E A CALCINHA AZUL – 181 -


– Posso te pedir uma coisa amorzinho? Se você não quiser não precisa, não vou ficar descontente por isso. – O que é? Fiquei curiosa. – Queria meter em você mais uma vez. Posso? Eu sabia que iria adorar e queria aceitar aquela quarta vez, Aliás, ele nem precisava pedir. Mas achei uma graça sua delicadeza – Meu amor, meu corpo está aqui. Se você quiser, vem. Estou para você. O que você pedir eu faço. Ele me beijou, acariciou meus seios e veio em cima de mim. Segurei seu pau, que já estava duro como uma rocha e fui ajeitando para ele entrar dentro da minha bucetinha. Achei que não iria mais gozar. Só que seria gostoso estar com ele em cima de mim me comendo. Pensava que ele iria demorar demais, por isso deixei que ele tomasse as iniciativas. Foi igual, logo fui me excitando e cada vez que ele me apertava minha respiração denunciava o quanto estava amando aquela relação. Ele por sua vez também se excitou rapidamente e mais uma vez gozei junto quando sentia seu gozo uma vez mais dentro da minha buceta melada. Desta vez estávamos cansados e o sono viria em seguida. Deitei de lado, mas com as costas voltadas para o Eduardo. Ele me abraçou apertadinho, agarrando meus seios e senti o seu sexo no rego da bundinha e então ele falou: – Agora sei por que nos beijamos naquele dia. Nossos corpos precisam um do outro. – Você é maravilhosamente gostosa. Sorri ao mesmo tempo em que concordava com ele. Trancei uma perna sobre a outra para não perder aquele gozo inesquecível. Ele puxou as cobertas e me cobriu. Olhei no relógio e ainda eram 9 horas da noite. Estava quentinha grudada no Eduardo, sentia seu sexo encostado na minha bundinha e sua mão no meu seio. Então dormimos. Quando acordei, olhei no relógio passava um pouco das 4 horas. Dormimos mais de 7 horas sem parar e na mesma posição, pois acordei exatamente sentindo o pau do Eduardo no rego da bundinha e suas mãos no meu seio. Levantei, fui até o banheiro e tomei uma ducha. A ducha tinha muita água quente, era deliciosa. Tinha uma toalha limpa que achei que era para mim e de novo fiquei limpinha enxuta e cheirosa. Era muito cedo, voltei para a cama e deitei de lado na mesma posição até sentir encostar a bunda no sexo do Eduardo. Ele acordou e estava sorrindo, virei o rosto para cima. Ele me beijou e me acariciou. Comecei a sentir seu pau crescer atrás de mim. Mais algumas carícias e como estava deitada de lado, escorreguei a perna de cima para frente, empinei a bundinha para ele me penetrar atrás. Segurei o seu pau e o direcionei a ponta para comer meu cuzinho. Ele correspondeu, como sempre. Com um pouco de pressão, a cabeça do pau entrou e então ficou fácil dar uma marcha ré e o fazer entrar todinho no meu rabo. O que mais gosto ao dar o cuzinho é sentir o pau entrando nele, rasgando e invadindo. A dorzinha inicial, logo dá lugar ao prazer. Como sempre fiz anal, e me excitava demais com isso, não liguei e me jogar pra trás com certa voracidade e violência. Depois quando ele entra e sai várias vezes, se sente menos. O Eduardo parecia saber e por isso ele tirava bem devagar, quase Contos Imor(t)ais - O VESTIDO CREME E A CALCINHA AZUL – 182 -


pondo todo o pau para fora e então voltava a penetrá-lo todinho. Eu estava adorando aquela sodomia. É delicioso sentir quando o pau vai entrando. Numa dessas, ele tirou tanto para fora que o pau escapou. Foi delicioso sentir ele me penetrar novamente. – Que delícia amor. Exclamei. Mete com força, me fode!! Muitas mulheres falam que se masturbam enquanto dão a bundinha. Eu não, curto demais ter o cuzinho bem comido. Além de me masturbar também, no rabinho, gosto de ser fodida ali, tenho prazer. Isso era outra coisa que faltava no meu namorado, ele preferia muito mais comer a buceta do que comer meu rabinhou. Se ele soubesse como eu gosto, ele comeria meu cu mais vezes. Às vezes eu virava o rosto para que ele visse como estava satisfeita e para que ele me beijasse. Outas vezes punha o braço nas suas costas acompanhando o movimento dele me comendo. Em pouco tempo ele gozou. Gozou gostoso e gozou bastante. Apertei o cuzinho, sentei na cama e deilhe um imenso beijo de satisfação por estar na cama daquele macho. Ele foi para o banheiro tomar um banho. Fui junto. Tomamos um banho junto, nos lavamos e aproveitamos para nos acariciar, beijar lamber e se chupar. Ainda era muito cedo, deitamos nos cobrimos e tentávamos dormir um pouco mais, pelo menos descansar. Mais para frente acordamos, Virei para o seu lado e começamos a nos beijar de novo. Ele veio por cima de mim e voltou a me comer. E novamente metia no meu cuzinho, acho que adorou e percebeu que eu também. Que mágica tinha aquele homem que me fazia sentir uma mulher fogosa e gostosa. Fui ficando cada vez mais excitada, e ele acompanhava aumentando a frequência das estocadas do seu pau no meu rabo e sem resistir comecei a gozar sem parar até sentir que ele também queria. Desencaixei dele emitindo um som de rolha numa garrafa de vinho, e com ele em pé, me agachei e comecei a chupá-lo, sentindo o gosto do meu rabinho, nem me importei, só queria o leite do meu macho. Ele então encheu minha boca com seu gozo. Ele deitou do lado e eu me virei para o outro lado, trançando e apertando a perna para ficar com o seu gozo dentro de mim. Ele me cobriu e voltamos adormir mais um pouco. Quando acordei vi que o dia começava a clarear. Queria dar um último abraço e agradecer aquela noite maravilhosa, mas nos enroscamos de novo e tive mais uma vez que ceder para aquele moço dar a sua quinta ou sexta foda. Já tinha perdido a conta, rs. Foi uma metida para não se esquecer. Novamente gozamos junto. Fiquei tão feliz que fiz questão de beijar e chupar aquele pau melado que me satisfez toda aquela noite. Já era minha hora. Quem entrava no trabalho às 8 era eu. O Eduardo tinha o horário do comércio e entrava às 9 horas. Fui até a sala, achei minha calcinha e o vestido creme. Calcei os sapatos, arrumei o cabelo e o batom. Quando voltei na sala, o Eduardo tinha preparado café, leite, pão, biscoito, geléia e mel. Ele desceu toda a prateleira do armário. Queria me agradar de qualquer jeito. – Ninguém sai com fome daqui de casa, brincou. – Oh! Meu amor, não se preocupe comigo. Tomamos um café junto, dei-lhe um grande beijo e saí. Passei em casa, troquei de roupa e fui direto para o trabalho.

Contos Imor(t)ais - O VESTIDO CREME E A CALCINHA AZUL – 183 -


Durante o dia sentia que alguma coisa escorria e deixava minha calcinha molhada. –É o Eduardo, ele goza bastante. Pensava. Quando meu namorado voltar, vou atiçar para que ele de uma terceira, quarta ou quinta rss. Ela é ótima. Vamos ver se durmo peladinha e grudadinha nele como fiz com o Eduardo. Com certeza vou ser bem mais generosa e carinhosa com ele. Na hora do almoço meu namorado me liga: – Amor, resolvemos tudo por aqui, estou voltando agora à tarde. Você pode me pegar no aeroporto? Chego as 7 horas. Meu marido vai chegar todo cheio de tesão como ele sempre faz. Às vezes penso se nessas viagens ele não me trai. Homens tem tanta oportunidade além de que em todo lugar está cheio de boates e casas de mulheres. Mas acho que ele não me trai, pois sempre volta cheio de tesão me procurando. Quando saí do trabalho fui até em casa. Tomei um banho me deixei limpinha e cheirosa. Fui até a gaveta das calcinhas, coloquei outra calcinha azul que ele adora, vesti novamente o vestido creme e fui para o aeroporto. Tem que ser o vestido creme com a calcinha azul, estão me dando sorte.

Contos Imor(t)ais - O VESTIDO CREME E A CALCINHA AZUL – 184 -


O ELEVADOR ED. LARGO das Rosas. 16º andar. Ap. 1601. 20:07. Terça-feira. Vai se foder, seu filho-da-puta. Piranha é sua mãe. Olha como fala da minha mãe. Ela não fica se oferecendo para nenhum amigo meu, não. Vai tomar no cu porra. Não tava me oferecendo para ninguém. Tava sim que eu vi. Não tenta me chamar de idiota. Você tava bêbado, fica vendo coisa onde não tem. Larga de ser falsa eu vi o jeito que olhava pro Roberto. Uma vagabunda, isso sim que você é, e falsa. Vai se foder e pára de me xingar se não vai se arrepender. Ah é vai fazer o quê? Vai me chifrar? Quantas vezesmais? Nunca te chifrei, seu desgraçado, bem que precisava pra ver se gozo, broxa. Sua puta, sai da minha frente antes que eu arrebente seus dentes. Piranha. Vagabunda. Vou descer e dar para o primeiro que eu ver, e vai ser muito melhor do que com você. Bate a porta e chama o elevador. “Quem aquele filho-da-puta pensa que é? Nunca dei mole para ninguém. Burra que sou, devia chifrar aquele miserável com todos os amigos dele para ele ver quem é puta. E essa porra de elevador que não vem... para onde eu vou agora? Foda-se. Ele que fique se perguntando se eu vou mesmo foder com alguém lá embaixo. Se eu tivesse coragem ele veria só.” O elevador chega. Aperta o térreo. 15º 14º 13º 12º andar. Sobe um homem de uns quarenta anos. “Só faltava essa. Esse cara, esse filho-da-puta vai me comer com olhos de novo. Me olha como se eu fosse uma puta, como aquele viado lá em cima e não pára de olhar; porra, tá incomodando. Vai parar não?” Oi, estamos dando uma festa, se quiser aparecer, 1203. Ahn, obrigada, talvez eu vá sim. Tá muito boa. O quê? A festa, tá boa, tô descendo para comprar mais bebidas. Eu não bebo. Que pena. Nem um pouquinho para se soltar? 9º andar. Não. “Desgraçado, já está de pau duro e parece até Contos Imor(t)ais - O ELEVADOR – 185 -


grandinho, se não for enchimento, hum...” Não mesmo? Não. Não preciso. “Aquele filho-da-puta vai virar o corno do prédio.” Coloca a mão no pau e apalpa: Você sabe usar isso? Quer ver? -já agarrando as tetas da mulher com vontade. Só se você souber. Eu sei. Ele puxa a blusa para baixo e cai de boca naqueles peitões suculentos, fica pulando de um para o outro como se não conseguisse decidir qual deles mamar. Ela abre a calça, enfia a mão dentro e começa a punhetá-lo. 5º andar. Ela liberta seu pau e o abocanha sem medo de que alguém aparecesse. Ele a puxa e rasga sua calcinha: Minha recordação. Filho-da-puta. Me come logo! 2º andar. Abaixado ele esfrega a cara na vulva com paixão, ora mordendo, ora lambendo, ora soprando. A mulher geme e se contorce toda. Nunca pensou que fosse sentir tanto tesão numa situação dessas. A raiva já havia sumido e agora só restava a vontade de trepar. Térreo. Saem calmamente do elevador com medo de que alguém os visse e vão para a garagem. Ela vai à frente. Pára em frente a um Pálio vermelho e senta no capô. Coloca a mão no peito dele para esperar um pouco: Tem que me prometer uma coisa? O quê? -já não se agüentando. Quero que goze um pouco dentro, um pouco em cima desse carro e o resto na minha boca. Só isso? É, promete? Claro. E avançou. Ela virou de costas. Empinou as suas volumosas ancas: Me fode! Me fode! Me come como uma puta! Mete com força! O homem enlouquece e parte para cima dela como um touro reprodutor. Empurra o pau com força na sua buceta e começa num vai e vem frenético, furioso. Ela se sente perfurada, arrombada, rasgada, mas também muito puta, e gosta. Geme e grita, pede mais pica, urra e implora: com mais força! Ele tira o pau, cospe na mão e passa no cu. A mulher tenta protestar, dizer que não, mas não adianta, é empurrada para frente e prensada no capô do carro. Não quer ser uma puta? Agora vai ser de verdade. Contos Imor(t)ais - O ELEVADOR – 186 -


No cu não. Aí não. Empurrou com força. Ela se contrai toda, sente muita dor, muita raiva, uma lágrima escorre. Está gostando de te um pinto no cu, putinha? -pergunta cinicamente. Não sabe se foi a provocação ou ter sido chamada de putinha, mas o tesão volta e recomeça a pedir pinto, quer ser arrombada, currada, escorraçada. Louco, vai fodendo com raiva, quer gozar nela, quer sujá-la de porra. E, não demora muito, ele começa a gozar. O primeiro jato dentro, um pouco no capô do carro e o resto ela cai de boca e suga com sofreguidão. Levantase, limpa e arruma a roupa. Daqui a pouco estou chegando na festa. Daqui a meia hora você já está de volta? Sim, creio que sim. Diz para os seus amigos aqui do prédio que me fodeu e que, se toparem comigo, podem me foder do jeito que quiserem. É uma puta mesmo. Mas tudo bem, eu falo, quem sabe não te fodemos todos juntos? Eu adoraria. E vai para o elevador. Abre a porta. O marido no sofá. Se ajoelha na frente dele e pede perdão. Ele vendo no seu rosto as segundas intenções, aceita. Selam a paz com um demorado beijo de língua. Ela abaixa sua roupa, vira de costas e pede uma chupada gostosa. O marido cai de boca, e chupa todos os orifícios da região. Goza, o pega pelo braço e o levanta. Vamos sair. O quê? Agora? Onde? Tem uma festa no 12º andar, somos convidados de honra.

Contos Imor(t)ais - O ELEVADOR – 187 -


MEU PADRASTO Introdução Oi, me chamo Camilla, e vou contar todos os meus relatos que começaram aos meus 14 anos, hoje tenho 24 aninhos, sou um pouco baixinha, 1, 65m, tenho 105 cm de quadril, o que sempre chamou atenção dos homens apesar da minha altura, modéstia á parte...rs, também tenho um parto farto par de coxas, daquelas bem gordos e meus seios são bem grandes com as aureolas lindas, sou branca, com cabelos cor de mel, encaracolados até a metade das costas, levemente bronzeada, aos quatorze, já tinha um grande volume de seios com os bicos já grandes, achava o máximo parecer quase uma mulher! Já tinha um porte físico avantajado para uma garota desse idade, é verdade que eu era um pouco gordinha, né? Mas já chamava atenção dos homens na rua, ouvia coisas absurdas quando voltava do colégio, falavam obscenidades e me chamavam de gostosa, achava aquilo um absurdo mas no fundo gostava. Meus país nesta época já estavam separados a uns 4 anos, e realmente não sentia falta dele, minha mãe era jovem e bonita aos seus 38 anos, sempre bem produzida e independente, era uma mulher super atraente, estava namorando com um senhor negro um pouco mais velho, tinha uns 40 anos, se chamava Rui, ele era um crioulo com bastante porte físico, parecia um jogador de basquete, tinha 1, 88, era atlético e forte, ele contava que quando morava nos Estados Unidos, jogava futebol americano e fazia luta greco-romana, fazia toda aquela pinta de garotão jovem ...rs eu achava engraçado aquele seu jeitão de moleque, mas minha mãe parecia gostar, e ele sempre me tratava muito bem, nos levando pra jantar, pra praia, era um quarentão boa pinta e bem sucedido, sempre sentia minha mãe muito feliz e ele ainda parecia se preocupar comigo, sempre me tratando com carinho e sendo gentil.

ATO I CAPITULO 1 Já estava de namorico com um menino do colégio, chamado Vander, ele tinha 16 anos e havia ficado comigo pela primeira vez no final do ano passado, na última festa do colégio, ele era o terceiro garoto em que eu havia beijado, mas desta vez reparava que havia algo mais, me sentia mais excitada e começava a sentir sensações estranhas... começava a entender as coisas. Num dos primeiros dias de retorno as aulas, nós nos encontramos, cruzamos nossos olhos naquela coisa de recreio da escola e ele num piscar de olhos me puxou para um vão atrás do muro, aonde ao se virar, ninguém poderia nos ver, achei engraçado, achava o Vander lindo, ele era um garoto bem bonito, loirinho, mais alto do que eu e as meninas do colégio o achavam uma graçinha, ele me botou na parada e começou a me beijar sem jeito, eu chupava os seus lábios meio sem graça e o abracei, sentido suas mãos apertarem a minha cintura, ele mexia a língua dentro da minha boca sem parar e aquilo me deixava com uma sensação esquisita, ele pressionou seu corpo contra o meu e senti em meu umbigo um volume duro, imediatamente me afastei um pouco, mas o safadinho não deixou e voltou a me beijar, sugava meus lábios de um jeito que eu ficava louca e encostava aquele volume duro na minha barriguinha, se afastou e botou a minha mão sobre sua calça, eu afastei meu Contos Imor(t)ais - MEU PADRASTO – 188 -


braço, parando o de beijar, ele, mais experiente beijou meu pescoço com carinho e tornou a colocar meus dedos sobre o volume duro de sua calça, nesse hora eu suspirei, senti sua língua deslizando sobre meus ombros indo em direção aos meus ouvidos. Apertei forte e senti aquela varetinha dura, latejando em minhas mãos, deslizei até mais em baixo com suavidade e tornei a apertar seus piruzinho duro sobre suas calças, o esfolando inocentemente e sentindo todo seu tamanho na minha palma, Vander gemeu e chupou minha orelha, botou a mão em suas calças e tirou de sua cueca a sua piroquinha totalmente dura e tremula de tesão, sua cabeçinha rosada, estava inchada e pulsante, o safadinho exibia seu membro fino e duro de 13 cm e esperava que eu botasse a mão em seu sexo...eu o afastei de perto mim e ajeitando a saia, sai correndo para o pátio, deixando ele lá sozinho.... A noite fiquei pensando no que tinha acontecido, tocava minha bucetinha virgem, brincando inocentemente com meus lábios úmidos e pensando na piroca dura do Vander nas minha mãos, sonhei aquela noite com o primeiro cacete que havia visto na vida. CAPITULO 2 No fim de semana, viajamos para Búzios-RJ, O Rui havia convidado a minha mãe para a casa de praia dele, ela adorou a idéia imediatamente se programando com antecedência, viajamos sexta á Noite, chegando lá bem tarde e dormindo, a casa dele era linda, um sonho! Fiquei em um dos 3 lindos quartos, com uma cama de casal imensa, enquanto eles ficaram no maior quarto da casa. Acordarmos em um dia de sol escaldante! Tomamos um café da manhã, quase ao meio dia e partimos para a praia ás 14 horas, era sempre lindo ir a Búzios, as parais sempre muito cheias e com gente bonita, sempre encontrava algum gatinho pra conversar...rs Gostava de ir a Búzios, ainda mais com aquela casa linda! Minha mãe estava toda produzida mas com um biquíni discreto, colocamos as nossas coisas na areia e imediatamente coloquei tirei minha kanga e botei na área, ajeitei inocentemente meu biquíni, tirando parte dele que estava atolado no meu cuzinho e ajeitando-o em meu bumbum grande, reparei que o Sr.Rui ficou observando meu gesto, olhava todo o tamanho já avantajado para a minha idade e espiava eu ajeitar minha roupa de banho á tirando de meu ânus, achei um pouco engraçado mas fingi que não vi, ia me preparar para deitar e pegar um solzinho, adorava ficar torrando no sol naquela época de menina, tirei a blusa rapidamente, meus seios já grandinhos balançaram um pouco, minha mãe virada de costas não percebeu, o Sr. Rui tirava sua bermuda e novamente espiou o leve balançar dos meus mamöeszinhos, deste vez foi mais escancarado, ele fixou os olhos nos meus peitinhos enquanto tirava sua camisa e bermuda, desta vez fiquei constrangida, deitei bem rápido com o bumbum pra cima, mas com o rosto virado para os dois, não ia deixar o Sr. Rui ficar me olhando assim! Minha mãe lia a sua revista enquanto o Sr. Rui estava de pé falando sobre o mar, olhava deitada aquele homem negro bem grande e forte, seu porte físico era invejável, tinha os braços fortes e musculosos, era muito alto, tinha uma par de coxas bem grandes, era um homem bem bonito, parecia bem mais jovem do que era, olhei para sua sunga discretamente, observei com cuidado e não consegui entender o que era tudo aquilo por debaixo da sunga, já havia visto alguns filmes pornôs escondidos da minha mãe, mas nunca havia visto nada parecido com aquilo, mesmo todos os pirus duros e grande que eu já havia visto nos filmes não chegavam perto do volume anormal que eu estava espiando em sua sunga, fitei rapidamente seus olhos e peguei novamente o sacana Contos Imor(t)ais - MEU PADRASTO – 189 -


olhando o meu bumbum, será que aquele safado não tinha vergonha na cara? Olhando o bumbum de uma menina! Ainda mais a filha de sua namorada! Ele pareceu reparar que eu o observava, fingi que nada havia acontecido e continuei com a minha cabeça recostada sobre meus braços, virada par ao lado, novamente espiei nesta posição, sem que ele percebesse, ela pareceu ajeitar seu sungão de propósito, pressionando todo o tecido contra o seu membro gigantesco, pude ver cada contorno daquela vara gorda, o seu saco fazia um volume anormal, encostando em sua coxa de tão grande, e o seu membro, virado para o lado esquerdo da sunga se salientava enquanto ele se ajeitava, expondo toda sua grossura assustadora, não entendi naquela época como poderia haver alguém com o pênis assim, muito menos consegui pensar como ficaria se estivesse duro, aquilo tudo era uma coisa incompreensível para mim. Voltamos para casa quase ao por do sol, o Sr. Rui, continuava me fitando as vezes, observava de forma bem discreta o meu corpo e me olhava de uma maneira diferente, nunca havia sentido ele me observar dessa forma, jantamos e dormimos vendo um filme, iríamos acordar amanhã e passar a manhã na piscina, fiquei tentando conceber na minha cabeça uma possível imagem do que havia visto na praia e desisti, dormi tentando imaginar como era o pênis do Sr. Rui. CAPITULO 3 Acordei bem mais tarde que todo mundo, botei o biquíni rápido e nem tomei café, desci direto pra piscina, lá estava o Sr. Rui, sentado sobre a beirada da piscina e observando o jardim, desci e perguntei sobre minha mãe, ele falou que ela havia acabado de sair para fazer compras no centro, não iria pegar sol pois estava muito queimada, riu suavemente me arrancando um pequeno sorriso e falou que ela iria ficar umas 3 horas fora, achei estranho ele citar isso, meio sem graça e sem saber o que fazer, tirei minha kanga e deite sobre ela, imediatamente o Sr. Rui mergulhou, fiquei mais a vontade e deitei de frente com medo do namorado da minha mãe ficar olhando para a minha bunda. Ele saiu da água e sentou em sua cadeira, botei a mão na borda da piscina e me molhei um pouco, o sol estava um pouco forte e eu já havia me queimado muito, vi no banho que o sol tinha marcado os meus peitinhos bastante, aquele biquíni estava muito apertado, fazendo os meus peitinhos de moça, mas já grandes, ficarem estufados um encostando no outro, gostava daquilo, já me sentia mulher por já usar sutiã antes de algumas amigas minhas. – Camilla, é melhor você usar um protetor solar, sua mãe ficou muito queimada ontem, vou pegar pra você lá dentro da casa – eu respondi – Ok, Sr. Rui, obrigada. – Ele sempre era muito legal comigo, só não gostava quando ele ficava me olhando com cara de tarado, mas na maioria das vezes me tratava muito bem, era muito prestativo. Ele voltou com o protetor na mão e falou – Vou passar em você -Nessa hora me deu um nó na garganta, queria falar pra ele que não precisava mas não conseguia responder, fiquei sem graça em falar não e ele pensar que eu estava o levando a mal, resolvi deixar como se nada tivesse acontecido, me senti desconfortável mas preferi não dizer nada e deixar ele cuidar de mim, ora, ele era o namorado da minha mãe! Despejou um punhado em sua mão e passou aquele creme gelado sobre meu abdômen, na mesma hora eu contrai a barriguinha, ele sorriu, passou um pouco rapidamente sobre ela e foi passando sobre meus braços e ombros sem maldade nenhuma, conversando sobre o sol quente e espalhando o protetor até as minhas mãos, eu me senti tranqüila, vi que ele não estava tendo nenhuma atitude deselegante, puxava assunto falando sobre a sua casa e continuava a me passa o creme, tornou a botar mais em sua mão e passou dos meus tornozelos até o meio de minha coxa, novamente não Contos Imor(t)ais - MEU PADRASTO – 190 -


senti nenhuma maldade, mas ao chegar acima do meu joelho minhas pernas se abriram instintivamente e eu senti uma sensação gostosa, gemi baixo e discretamente, o Sr. Rui fingiu não perceber, espalhou o restante novamente ate o tornozelo e tornou a subir para as coxas, agora até acima da metade, suas mãos suavemente abriram minhas pernas, descolando elas uma das outras, contrai a barriga sem perceber ao sentir aquilo, ele perguntou se estava tudo bem, eu sem graça e sem ter outra coisa para responder disse que sim. Não sabia aonde enfiar a cara, via que ele podia olhar todo o volume da minha bucetinha bem de perto e me arrependi do que estava acontecendo, fiquei desconfortável, quando ia me preparar para tentar falar alguma coisa, ele falou: -Pronto, só falta a barriga, -Respirei meio que aliviada, olhava em seu rosto de relance e não via nenhuma expressão que me assustasse, ele passava o protetor em mim calmamente como se nada tivesse acontecido, botou mais um pouco em suas mãos e espalhou em minha barriga novamente, fechei os olhos para não expressar pra ele a sensação que estava tendo, suas mãos eram enormes, ocupavam toda a minha barriga, ele movimentava até o limite dos mus seios e espalhava por todo meu abdômen, quando seus dedos tocaram um pouco a baixo do meu umbigo eu levemente gemi baixinho, a vontade que deu foi de me matar! Eu não tive vontade de gemer mas foi totalmente involuntário, fechei os olhos de novo não querendo fitar os dele e novamente ele desceu passando o creme bem abaixo do meu umbigo fazendo seus dedos deslizarem lateralmente por toda a margem do meu biquíni. Senti minha bucetinha contrair ao sentir sua mão arrastando sobre o final da minha barriga, ele tornou a subir e ao descer mais uma vez passou a pontinha do dedo por debaixo do meu biquíni, nesse hora tremi levemente e contrai o abdômen com força, falei sem graça – Pronto! Agora acabou – Me virei sem graça rapidamente me deitando para baixo e escondendo minha barriga, ele com a a maior naturalidade, pegou mais protetor solar, pos na mão e começou a passar nas minhas costas – Isso, agora só falta as costas, se não você vai ficar queimada de um lado só! – Ele riu e falou naturalmente, eu sem graça sorri junto com ele e novamente por não saber o que fazer, fingi que nada estava acontecendo. CAPITULO 4 Espalhou suavemente sobre meus ombros e costas, sentia como se fosse uma massagem, sua mão gigante deslizava sobre mim me cobrindo de creme, sem querer levantei meus braços me apoiando e vi que meu bumbum empinou discretamente, observei agora que o Sr. Rui estava com a expressão bem diferente, parecia olha para o meio das minhas nádegas enquanto passava o creme das minhas costas até o final do meu biquíni, espalhava tudo e espiava de relance a minha bunda grande e gorda. Eu estava totalmente sem graça, abaixei o rosto e deitei fingindo não sentir nada, ele passou agora todo o restante nas batatas da minha perna, subindo levemente para minhas coxas, passava os dedos suavemente mas de certa forma apertava a minha carne fazendo minha bunda se inflar cada vez que chegava perto dela, eu mais uma vez gemi por debaixo dos meus braços, agora um pouco mais alto, o safado fingiu não ouvir e continuou cinicamente a me massagear, eu já estava reparando que aquilo não era uma simples passada de protetor, ele estava me alisando ate o inicio da minha bunda, minha vontade era de sair correndo, estava muito sem graça mas a sensação era muito esquisita e eu não tinha coragem de deixá-lo lá sozinho, o que eu iria falar pra ele depois? Continuei de cabeça a baixa e segurando minha boca fechada, não queria emitir nenhum som que pudesse o excitar, ele em alguns minutos já deveria acabar e ficaria tudo bem, mas não... ele agora Contos Imor(t)ais - MEU PADRASTO – 191 -


passou o mão por entre as minhas pernas, passando o creme entre elas e subindo até o inicio da minha xoxotinha, senti a ponto dos seus dedos tocarem rapidamente meu sexo sobre o biquíni e deslizar por cima da bunda abrindo as minhas nádegas discretamente, passou a mão e deixou a vista minha xaninha, nessa hora gemi alto mais uma vez, ele falou – To acabando já... – eu respondi com a voz rouca que estava tudo bem, não devia ter gemido, ele não deveria saber que eu estava gostando daquilo! Novamente fez o mesmo movimento, desta vez direcionando a ponta do dedo para o meio da minha buceta e tirando rapidamente, arrastou a parede da minha bunda agora deslizando sua mão sobre o contorno do meu cuzinho e enfiando ainda mais o biquíni dentro dele, levemente abriu minhas pernas um pouco, eu queria fechar mas não consegui resistir, não o impedindo de arrastar de novo sua mão entre minhas pernas, e descolar os lábios da minha bucetinha, um do outro, me senti toda molhada, meus lábios abriram totalmente ensopados por debaixo do biquíni, só me sentia assim tão úmida quando eu me masturbava e mesmo assim não era tanto! Gemi mais uma vez de cabeça abaixa, escondendo meu rosto com vergonha e sem sentir empinei a bunda sentindo agora ele afastar a minhas nádegas e puxar novamente, abrindo agora com mais forca minha xaninha, sento tanto tesão que contrai a buceta com bastante forca, ele viu aquilo e gemeu discretamente, sentiu meu sexo se contrair enquanto ele abria minha bunda para manter minha a sua vista, continuei escondendo minha cara sobre os braços não acreditando que aquilo estava acontecendo, com muito carinho ele afastou minha pernas suavemente e tornou a me alisar, agora pegou dois de seus dedos grandes e fez um carinho bem devagar sobre o final da minha buceta, eu sem pensar fechei minhas pernas devagar, o safado deixou sua mão no mesmo lugar e atirou em câmera lenta arrastando suavemente minha calcinha pro lado e abrindo novamente minhas pernas, eu gemi extensamente e não recusei. CAPITULO 5 Abri minhas pernas um pouco e senti que ele já conseguia ver minha bucetinha por de baixo de minha bunda, mantinha meu biquíni pro lado e observava meu sexo úmido, fiquei sem graça em ele reparar que eu estava molhada com o que ele tinha feitoATO I, pensei em fechar as pernas imediatamente, mas ele rapidamente passou seu dedo sobre minha bucetinha praticamente sem pelos e deixou colar em sua mão todo meu liquido, tocando-me do meu grelo ate a porta do meu cuzinho, deixou todo o mel de minha vagina no meu anus e gritou de tesão, eu retribui gemendo baixinho, ele perguntou carinhosamente: -Tudo bem? – Eu respondi bem baixinho que sim, ele tornou a fazer a mesma coisa, agora arrastando sua mão com forca e tirando todo meu gozo da buceta e arrastando nas paredes do meu cu, eu não me contive e gemi alto, falei: -Sr. Rui eu sou virgem, cuidado por favor – Ele respondeu falando que tudo bem, pra eu ficar tranqüila que não iria fazer nada. Eu me senti mais calma, mas nessa hora ele tornou a arrastas meus grelinhos, passando meu liquido na portinha do meu anus! Não entendi nada daquilo, mas senti uma sensação muito gostosa, ele falou: -Eu vou fazer uma massagem aqui, ta? Você vai gostar confia em mim – Eu balancei a cabeça concordando, mas não tive voz para responder, reparei que ele molhou os dedos na boca, sugando levemente e sentindo meu sumo em seus lábios, começou a alisar a portinha do meu buraco com a ponta dos dedos, rodeava meu anus espalhando a saliva ao seu redor e puxando suavemente para o lado, abrindo meu buraquinho virgem, eu contraia minha bucetinha achando aquilo delicioso, ela botava só a pontinha, forçava com carinho e tirava, observando meu cuzinho contrair junto com a buceta, eu gemi mais uma vez, só que agora alto. Contos Imor(t)ais - MEU PADRASTO – 192 -


Puxou novamente todo o meu liquido na bucetinha, com muito carinho e jeito, recolheu todo o meu gozo sobre meus lábios virgens e arrastou do buraco fechado da minha vagina até novamente meu rabinho, mais uma vez dei um gemidinho, choramingando e contorcendo meu corpo, seu dedo era grosso e eu sentia ele preparando meu anus pra alguma coisa a mais, já que minha buceta era intocável, não queria que ele enfiasse o dedo nela e ele parecia saber disso e se concentrar no meu cu. Levantei suavemente minha bunda, abrindo minhas nádegas e mostrando ainda mais meu anelzinho, o Sr. Rui posicionou seu dedo grosso bem reto e penetrou a ponta do seu dedo até as unhas, eu berrei e tirei seu dedo rápido, cuspindo ele de meu rabo – Doeu Sr. Rui, não faz assim – Senti toda a parede de meu rabinho dolorida, aquele dedo grosso tinha alargado meu buraco – Calma Camilla, tem que acostumar, é gostoso, você vai ver... vou colocar só a pontinha do dedo bem devagar, mas você tem que deixar dentro pra se acostumar – Eu não respondi, havia doido mas eu estava curiosa em sentir aquilo dentro do meu anel, nunca havia me masturbado por ali, mas a mão daquele negão imenso perto da minha xoxota, tava me deixando molhada, eu precisava sentir algo mais, já sentia naquela idade que precisava ser penetrada de algum jeito. Minha buceta piscava de tesão, Sr. Rui olhou novamente seus dedos e passou saliva na portinha do meu cuzinho sento sua baba escorrer devagar por minha buceta até repousar em meu grelo, as paredes da minha bunda estavam totalmente molhadas, sentia aquele dedo grande e roliço passear por ela até chegar sempre ao meu cu, lubrificou mas um vez a portinha dele e começou a pressionar bem devagarzinho, senti a ponta do dedo entrar até a metade de sua unha, fazendo o barulho da saliva lubrificando meu anus, senti doer e contrai meu buraco. O puto abriu minhas nádegas com carinho e colocou toda a pontinha do seu dedo indicador no meu anelzinho, eu gritei e tentei me afastar, ele segurou minhas nádegas continuou mantendo seu dedo dentro do meu rabo, pediu pra mim: -agora contrai amor, não deixa sair. – Respondi: -Mas ta doendo Sr. Rui, eu nunca fiz isso, seu dedo é muito grosso! – Ele acariciou minhas costas com amor ainda com o dedo até suas unhas dentro do meu reto. – Tem que acostumar, você vai sentir prazer sem perder a virgindade minha linda, vou colocar e tirar bem devagarzinho, tá? Só a pontinha do dedo... – Balancei a cabeça se dizer nada, senti ele tirar bem devagar seu dedo do meu buraquinho lambuzado, me mandou não fechar, eu obedeci e tentei não contrair meu anus, obedecendo suas ordens, ele tornou a enfiar seu indicador deslizando ele quase até a metade, eu grite bem alto. Senti meu buraquinho ser e invadindo por aquele dedo grosso, se alargando até o limite e dilatando pela primeira vez meu cuzinho, tranquei com toda minha forca, contraindo minhas nádegas e mantendo aquele dedo abraçado pelo meu reto, senti toda a grossura dele consumir e causar dor ao meu anel, tentei cuspir aquele volume de dentro de mim, fechei meu buraco com forca tentando expulsar aquele dedo grosso. Sr. Rui continuou mantendo ele dentro de mim e falou: -Pronto amor, só o inicio do dedinho...viu? Ta perdendo a virgindade do cuzinho – Não entendi bem o que ele queria dizer com isso, olhei para a cara dele rapidamente e vi sua expressão de tarado, olha seu dedo abrir um cuzinho virgem, intocado durante todos esses 15 anos, dilatava meu rabinho me mostrando um pouco da sensação de ser fodida – É assim que os adultos fazer bebe... sente como é dar o rabinho, sente... bem devagar, ta bom? – Eu concordava murmurando bem baixinho, sele tirava um pouco e metia o dedo no meu cu bem devagar, sem deixar sair, fiquei meu sem graça de deixar alguém mexer no buraco em que eu faço coco, mas já que não podia dar minha xerequinha virgem, era a única solução. Contos Imor(t)ais - MEU PADRASTO – 193 -


Estava gostando de ver o Sr. Rui sentindo prazer, ele olhava hipnotizado para minha bunda enquanto me dedava e observava meu anel intocável abraçar seu dedo sendo estuprado e aberto, eu de olhos fechados sentia o movimento vagaroso do dedo entrando bem devagar e saindo quase ate a ponta, ouvia o barulho da saliva enquanto mordia seu indicador com o cu, ele abriu minha bunda de novo para observar melhor minha e gemeu alto, deixou agora seu dedo depositado do meu rabo, sendo mordido, tirou uma das mãos de minha bunda e observou minhas nádegas esconderem seu dedão preto, novamente gemi discretamente virei o rosto para o lado, não acreditei no que vi... Sr. Rui havia puxado sunga para o lado e havia tirado seu órgão sexual para fora, foi neste dia que vi a coisa mais anormal de minha vida... CAPITULO 6 Repousei minha cabeça para o lado e discretamente fingi que estava de olhos fechados, olhei calmamente de relance analisando com cuidado aquilo que estava vendo, olhei e vi um saco que nunca havia visto na minha vida, suas bolas eram imensas, maiores que dois limões, seu sacos caiam sobre o piso da piscina enquanto a borda da sunga estufava ainda mais aquelas bolas anormais, seu saco preto era liso e gigante, agora o mais absurdo era o seu pênis, olhei cuidadosamente e vi um quantidade absurda de veias estufadas, elas pareciam pulsar e abraçar aquele membro preto gigante, sua grossura era tão descomunal que se assemelhava a um tronco de arvore, as veias pareciam bombar sangue por todo aquele tronco negro até a sua cabeça inchada, sua chapeleta era mais absurda ainda, sua cabeçona era rosada e parecia uma bola de sinuca de tão grande, ela brilhava pulsando naquele cacete preto enorme, latejava de tão duro. Hoje tenho noção que o seu pênis se assemelha ao tamanho de um cavalo, nem os homens com ao pirocas maiores tinham todo o tamanho dele, seu pênis preto tinha 25 centimetros que se permaneciam totalmente eretos e pulsantes, sua grossura chamava ainda mais atenção, uns qause 10 centimetros, sendo que a cabeça brilhava de tão grande, aquela chapeleta de cavalo tinha quase dez centímetros, em poucos filmes até hoje vi negros com cacetes tão anormais quanto o do Sr. Rui, Com a a mão esquerda o ele penetrava meu cuzinho virgem um pouco mais rápido, eu já havia me acostumado com o tamanho daquele dedo atolado ate a metade, continuava atirar e a me foder com carinho, tirando a virgindade anal da porta do meu cu. Continuei observando seu pênis anormal e vi que com a mão esquerda enquanto me bolinava com a outra, esfolou seu cipó imenso, inflando ainda mais sua cabeçona e exibindo suas veias ainda mais latejantes, segurou o talo de seu cacete e iniciou uma punheta so na base do seu pau preto, fazendo toda a extensão do seu ferro negro se inflar e jogar sangue pra sua chapeleta gigante, novamente me assustei, não consegui imaginar naquela minha idade jovem, como uma mulher poderia ter algo deste tamanho dentro dela, botei na minha cabeça que nunca aia deixar na minha vida algo assim entrar em mim. Lembrei do piru do Vander, meu namoradinho do colégio, e até consegui imaginar alguma coisa, mas uma vara daquele tamanho, apenas uma égua ou um animal agüentariam, senti ele colocar um pouco mais rápido seu dedo e tirar quase todo, sem querer empurrei meu bumbum pra baixo e tirei todo seu indicador de dentro do meu rabinho, rapidamente e instintivamente, retornei o movimento pra trás e pressionei meu buraco lentamente sobre seu dedo, colocando 3 centimetros do dedo grosso dele todo dentro do meu anel, ele gritou e gemeu gostoso, começou a punhetar seu pau só que agora descaradamente, enquanto dedava meu buraco virgem com delicadeza. Contos Imor(t)ais - MEU PADRASTO – 194 -


O pervertido reparou que eu espiava seu pênis discretamente, falou: -ta vendo o que você fez comigo menina? Olha como você me deixou ta vendo? Nossa você e muito bonita, já e quase uma mulher, sabia? Você me deixou com muito tesão... já viu um piru assim? – Nessa hora eu morri de vergonha, não sabia se respondia, se mandava parar, ou se continuava.. não queria fazer papel de garotinha mimada e respondi: -Só o do meu namorado, mas assim grande não... é muito grande Sr. Rui, -ele pareceu gostar da minha resposta e esfolou todos os seus 25x8 com forca, exibiu toda sua grossura anormal segurando o talo de seu cacete preto, fazendo suas veias delinearem o corpo imenso daquele membro assim inflando aquela cabeça. Abaixei meu rosto sem graça, novamente ele tirou o dedo bem devagarinho, sentindo as parades do meu anus apertar seu dedo grosso e preto, viu meu anel se trancar todo e tornou a enfiar devagar atolando até a metade, eu nessa hora apertei ainda mais o meu cu e levantei um pouco meu bumbum, observando novamente com o rosto repousado, toda a grossura daquele ferro ao meu lado. CAPITULO 7 Sr. Rui suava e se masturbava bem rápido, parecia absorto e fixado no que estava fazendo, via o suor escorrendo por aquele corpo negro e pingando no chão, o depravado olhava meu bumbum ser violado por ele, sentindo toda a contração de um cuzinho virgem enforcar seu dedo e ser desvirginando tão jovem, parecia completamente louco de tesão apenas por estar dedando meu buraco devagar, o prazer de estar me iniciando refletia em todos o seu caralho negro e brilhante, com a outra mão ele o punhetava e o fazia balançar ereto exibindo toda sua virilidade, punhetava o talo de seu cacete esfolando sua chapeleta a cada esticada de pele naquele tronco imenso, sua punheta rápida fazia seu saco de cavalo balançar e bater no chão fazendo barulho, ele já estava perdendo a linha e se masturbando na frente da filha de sua namorada, que tarado! Eu sentia meu buraco ser penetrado com carinho e observava simultaneamente seu bastão preto ser esfolado e o rosto daquele homem olhando meu cu completamente apaixonado e compenetrado na sua penetração com o dedo, tomava cuidado pra não ultrapassar da metade, mas fodia com carinho sem tira-lo dentro de mim, mexendo do meio dele ate o final, penetrando meu anus virgem lubrificado, ele mais uma vez tirou o dedo com carinho, eu desta vez fiz um esforço para não contrair e deixei ele penetrar novamente ate a metade com meu buraco mais receptivo e aberto, ele entrou agora com mais facilidade até a metade, tranquei com forca e gritei de novo, Sr. Rui, gemeu e falou: -Nossa menina, eu não to agüentando, você e muito gostosa sabia? Esse vai ser o nosso segredo, ok? Você ta gostando? – Eu não respondi, contrai meu rabinho levemente e abri, como se respondesse pelo cu, o tarado gostou e gritou alto, sentindo novamente meu anus virgem e dolorido abraçar seu dedo, com a outra mão tornou a esfolar seu pau imenso, segurando a base daquele talo com muita força. Hoje entendo que ele estava segurando a porra na cabeça daquele pau imenso, pois vi sua chapeleta grande e rosada se inflar toda, o danado não estava agüentando e ia gozar se masturbando bem ao meu lado, que cara filho da puta... o namorado da minha mãe! Pensei nessa hora em contar pra ela, mas achei melhor não, a sensação que aquele dedo me dava era fora do comum, sentia minha bucentinha rosada e impenetrável toda molhada, meus lábios estavam grudados e úmidos de tanto tesão, a cada contraída no meu cuzinho a minha xaninha piscava com forca e eu ficava louca de tesão, sem entender muito bem como tudo aquilo era possível. CAPITULO 8 Contos Imor(t)ais - MEU PADRASTO – 195 -


Sr. Rui não parava de tocar punheta, sua mão grande ficava pequena perto daquela rola de cavalo, seus movimentos faziam aquele ferro ereto tremer exibindo a sua chapeleta que parecia mais uma bola de sinuca de tão imensa, ela pulsava imponente enquanto ele se deliciava se masturbando cada vez mais rápido, agora o tarado brincava com mais facilidade na minha bunda, sentia meu cuzinho quente no seu dedo e via minhas nádegas grandes esconderem. Ele olhava aquilo tudo de boca aberta, completamente cheio de tesão e se masturbava que nem uma criança, parecia mais não se importar com a minha presença de tanto tesão que sentia, ouvia seu saco gigante bater no chão sem parar enquanto ele punhetava seu cacete que nem um maluco: -Nossa menina! Você ta me deixando com muito tesão! Já viu um homem gozar? Hein? – Nessa hora gelei mais uma vez. É claro que eu já sabia o que era aquilo, já tinha visto em filmes, sempre tive curiosidade, adorava ver os homens loucos de tesão enquanto as mulheres o faziam gozar, fiquei tambem um pouco orgulhosa em saber que o Sr. Rui estava sentindo tesão com aquilo, me sentia mais mulher apesar de ser uma menina tão jovem, sentia-me adulta em proporcionar prazer praquele homem bem mais velho e queria ver o resultado daquilo, queria deixar o Sr. Rui satisfeito e a vontade para gozar... – Vai gozar Sr. Rui, pode gozar... goza – Falei baixinho e sem graça, abaixando a cabeça e sentindo meu cuzinho dolorido ser penetrado – Ai menina! Eu vou gozar hein! Não to agüentando você é muito gostosa... olha pra cá.. fica olhando o que eu to fazendo.... Virei meu rosto timidamente e repousei par ao lado, observava aquele velho tarado se masturbar com a mão esuqerda e dedar meu anelzinho com a mão direita, ele deixou seu dedo atolado ate a metade no meu buraquinho, totalmente parado enquanto aumentava o ritmo da punheta, olhava seu cacete de cavalo ser punhetado e observava meu rosto espiando tudo aquilo – Fica olhando linda, você vai ver agora um homem gozar. Você que fez isso minha linda, você que me deixou assim.. olha.. fica olhando. – Esfolou seu cacete ate as bolas e soltou, empurrando e pressionando sua chapeleta inchada, vi um jato denso e pesado de porra jorrar e cair no chão sobre a minha frente, ele gritou muito alto, fazendo eco pelo jardim, tirou o dedo rapidamente de meu cuzinho, eu nessa hora gemi alto e vi dois jatos fortes esporrarem de novo de seu ferro, caindo pesado sobre o chão a poucos centímetros do meu rosto. Aquela bola de sinuca pulsava enquanto as veias inflavam naquele cacete anormal, aquela piroca grossa pulsava sem parar enquanto o safado se masturbava e chamava o quaro jato de leite – Olha linda! Olha saindo.. tem mais aqui! Olha o que vc ta fazendo comigo. – Ele se ajoelhou e lançou outro jato denso sobre o chão, seu sêmen era grosso, caia sobre a superfície fazendo barulho enquanto sseu saco de cavalo balançava produzindo mais esperma pra ser jorrado, esfolou sem membro mais uma vez e lançou seus dois últimos filetes de porra sobre o chão, eu observava com muito tesão toda aqela porra grossa no chão, me presenteando pelo prazer que havia dado aquele negro, aquele criolo tinha se aproveitado da meniniha branca e violado seu cuzinho com o dedo, que safado! Depois disso ainda gozou tudo na minha frente, mostrando todo o tesão que havia sentido em tirar a virgindade do meu anel... puxei meu biquíni pro lado e suspirei, ele botou seu pênis pra dentro da sunga e mergulhou rapidamente na piscina... eu sem graça levantei, botei a canga e sai correndo para o quarto.

Contos Imor(t)ais - MEU PADRASTO – 196 -


ATO II CAPÍTULO 1 Ele havia me violado.... O safado daquele crioulo, tinha abusado de mim, uma menina de 14 anos... Tinha sorte da minha virgindade estar intacta, com o cabaço da minha bucetinha virgem sem ser estourado, mas em compensação aquele tarado tinha bolinado o meu ânus e se aproveitado de mim, lembrava daquele cavalo dedando o meu cu e se masturbando, fingindo que nada estava acontecendo, agora, ao acordar, eu sentia todo o meu anelzinho dolorido das dedadas daquele filho da puta. Coitada da minha mãe, mal sabia que seu namorado tinha abusado da filha e continuava lá, passando o domingo com a gente como se nada tivesse acontecido, o safado jorrou mais de 6 jatos de porra, se masturbando que nem um adolescente enquanto dedava o meu ânus, filha da puta... Escovei o dente e botei o biquini, mamãe já havia avisado que estavam na sauna me esperando, eu não sabia com que cara ia encarar o Sr. rui, estava morrendo de vergonha, desci as escadas, tomei coragem e fui, entrei na sauna e quase bati com a porta na cara, minha mãe saia toda escandalosa dizendo ir ao centro da cidade, mandou eu fazer um pouco de sauna com o Sr. Rui e esperar ela voltar, não demoraria mais de 2 horas, eu na mesma hora fiquei nervosa, tentei: -Mas mamãe..deixa eu ir... -Ela a mesma hora me cortou dizendo não demorar, ia comprar carne para fazer um churrasco de despedidas, quase fechou a porta me obrigando a entrar. Entrei na sauna e dei bom dia para ele, Sr. Rui estava no canto da sauna sentado no primeiro degrau, estava enrolado na toalha e parecia com um olhar distraido, como se nada tivesse acontecido ontem, subi e deitei de bruços virada para o lado oposto ao dele, não ia ficar cara a cara com aquele tarado, não tinha coragem de olhar nos olhos daquele pervertido, após alguns segundos me dei conta que a sauna estava bem fraquinha e minha bunda estava virada pra ele, não me preocupei, não seria possível ele ter a cara de pau de fazer alguma coisa depois de tudo que tinha acontecido. Sr. Rui perguntou se estava tudo bem, nesse momento eu congelei com aquela voz grossa dele e fiquei quase sem palavras...respondi que sim e não falei mais nada, permaneci em silêncio, morrendo de vergonha, queria sair correndo dali e me esconder, ai le perguntou: -Posso te falar uma coisa? -Eu sem saber o que fazer, respondi que sim.. -Eu nunca senti tanto prazer na minha vida menina! Nossa! -Ele riu discretamente e eu o acompanhei sem graça, não sabia o que responder... Estava morrendo de vergonha de ter que passar por aquilo, mas ao mesmo tempo orgulhosa por ter feito ele sentir prazer, me senti uma mulher ao invés de menina, nunca ia esquecer da cara de tesão do Sr. Rui enquanto enfiava seu dedo na portinha do meu cu e se masturbava. fechei os olhos e lembrei dele gemendo alto observando meu anal virgem ser penetrado por seu indicador. CAPÍTULO 2 Continuei em silêncio, repousava meu rosto sobre meus braços e tinha a sensação de estar sendo observada, mexi o rosto de relance e vi o Sr. Rui com uma das mãos alisando discretamente a toalha, perto de sua coxa, imediatamente ele desviou o olhar sobre a minha bunda e virou o rosto disfarçando, respirou fundo e falou: -Eu não te machuquei né? -Eu estava vermelha! não sabia o que responder, dei uma risadinha sem graça e falei: -Não Sr. Rui, tá só um pouco dolorido. -Ele pareceu Contos Imor(t)ais - MEU PADRASTO – 197 -


preocupado e falou: -Desculpa, não queria te machucar meu amor, mas ta muito dolorido? -Respondi que não era nada, só um pouquinho mesmo e que mesmo assim ia passar, o safado respondeu: -Eu exagerei, estava muito gostoso! Desculpa se eu fiz muito... -Eu novamente falei que estava tudo bem, achei legal da parte dele se preocupar e perguntar se estava tudo ok mas ao mesmo tempo não sabia aonde enfiar a cara, estava rezando pra ele não falar mais nada quando ele disse: -Posso ver se eu te machuquei? não quero ter te machucado menina, to preocupado. -Eu respondi: -Não Sr. Rui, não foi nada não, juro pro senhor, tá tudo bem. -Ele insistiu: -Não menina, deixa eu dar uma olhadinha, eu só quero ver se tá tudo bem... se eu não te machuquei...Ai esse vai ser o nosso segredo, pode deixar que eu não conto pra sua mãe e nem pra ninguém -Eu não sabia o que fazer! Minha vontade era sumir dali, sabia que ele estava preocupado, o Sr. Rui não era má pessoa, ele não chegou a me machucar e me tratou até com carinho, é claro que ele tinha sido um pervertido em fazer aquilo comigo mas era uma pessoa amável, mesmo assim eu estava muito sem graça, não queria ter que mostrar a minha bunda de novo pro namorado da minha mãe... resolvi atender o seu pedido e rezei para ele só olhar e não fazer nada. Ele me pediu pra virar pro lado, eu estava deitada de bruços, virei para o lado esquerdo ficando de ladinho e empinando minha bunda intencionalmente -Nossa menina, você tem o bumbum muito grande pra sua idade! -ri sem graça e agradeci -Deixa eu dar uma olhadinha, tá? pode deixar, eu só quero ver se eu machuquei você e se ta vermelho... -Respondi que tudo bem, estava morta de vergonha e torcendo pra ele ver logo e parar, ao mesmo tempo eu sentia algo estranho, sabia que o Sr. Rui ficava muito excitado comigo, essa sensação me fazia sentir diferente, ele botou uma de suas mãos enormes no meu quadril e forcou levemente o meu bumbum, empinando ele com carinho enquanto levantava o meu biquini com os dedos, De forma bem carinhosa afastou as minhas nadegas, me senti violada, aquele crioulo estava abrindo minha bunda e procurando o meu anelzinho, novamente botou os dedos mas para dentro e puxou minhas nadegas, mantendo-a esticada e mostrando a porta do meu cuzinho, com a outra mão abriu a outra banda do meu rabo e arreganhou o meu ânus ainda mais, mantendo meu rabo gordo de ladinho e totalmente arreganhado, na mesma hora pisquei meu cuzinho e senti meu anel dolorido. O depravado continuava com as mãos paradas e arreganhando as duas maças do meu rabão, permanecia imóvel enquanto observava meu anel, examinando de perto meu buraquinho e mantendo ele a mostra para análise -Tá um pouquinho vermelho menina... mas não tá machucado não, tá tudo bem.. -Eu falei obrigado, não sabia o que dizer e agradeci aquele tarado, aquele negão fingia examinar o meu cuzinho como se fosse um médico, me fazendo ficar de lado com a bunda empinada, enquanto ele olha o meu anus e me abusava. CAPÍTULO 3 Sentia minhas nádegas totalmente esticadas, meu cuzinho dolorido sofria a observação do Sr. Rui que o esticava permanentemente sem parar -Oh menina, eu vou fazer uma coisa pra você não sentir dor, ok? Nâo vai doer e vai ajudar a melhorar, confia em mim... -Eu fiquei pasma! Não queria que aquele tarado fizesse nada pra melhorar! Queria que ele parasse e me deixasse sair dali, continuei com o ânus esticado para aquele depravado e falei: -Não Sr. Rui, não precisa fazer nada, não tá doendo não... -ele falou : -Não menina, pode deixar, esse vai ser o nosso segredo, eu vou fazer isso aqui pra você melhorar e depois eu não conto nada pra ninguém, ok? -Eu me senti confusa, fiquei ao mesmo tempo ameaçada, com medo do Sr. Rui contar alguma coisa e curiosa pra saber o que ele Contos Imor(t)ais - MEU PADRASTO – 198 -


ia fazer, na mesma hora ele abriu ainda mais as minha nádegas com as duas mãos e eu senti alguma coisa mollhada e delicada no meu cuzinho... a língua do Sr, Rui... Instintivamente eu gemi baixinho, não esperava sentir a ponta daquela lingua molhada no meu cuzinho, ele passava ela bem devagar arrastando pela circunferência do meu buraco e tirando... linguava com carinho o meu anel e depois observava meu botão virgem molhado de saliva, eu fechei meus olhos, continuei de ladinho com o braço sobre o rosto fingindo que nada estava acontecendo, novamente aquele tarado linguou meu cuzinho por três vezes bem devagar e parou pra observar, gemeu alto que nem um tarado e abriu meu rabo examinando com cuidado o meu anel úmido, eu uivei baixinho não deixando o Sr. Rui ouvir, sentia um prazer esquisito no meu buraquinho enquanto a minha buceta ficava molhada a cada beijo que aquele crioulo dava no meu cu. Mais uma vez passou a lingua bem devagar por três vezes e afastou o rosto, observando a saliva depositada na portinha daquele botãozinho rosado, eu sem querem contrai meu cuzinho e pisquei, sugando toda a baba da porta do meu rego pra dentro de mim, o Sr, Rui gritou de tesão, na mesma hora atolou a cara na minha com força e enfiou toda a ponta da sua lingua no meu buraquinho, eu gemi alto e gritei perdendo o controle, o tarado segurou minha bunda contra seu rosto e atolou ainda mais sua lingua, eu sentia aquele negocio úmido enfiando no meu cu, contraia meu anel contra o rosto daquele homem que pressionava minha bunda feito um louco contra sua boca, o safado gemeu e afastou sua cara, viu meu bundão grande balançar e esconder o meu buraco virgem enquanto ele abria de novo uma de minhas maças pra espiar o meu anel juvenil. Levantei o braço direito e apoiei a minha cabeça sobre ele observando minhas nádegas totalmente babadas, aquele crioulo tinha tentado fuder meu cuzinho com a boca, ele atolou a ponta da lingua no meu rabinho e pressionou o rosto até babar! De novo observava aquele delinquente totalmente hipnotizado tentar expor meu buraco, sua mão desliza sobre meu bundão babado, eu observava aquilo discretamente, estava sentindo prazer em deixar um homem daquela idade morrendo de tesão, foi quando instintivamente eu olhei mais a baixo das mãos dele e vi novamente.... os 25 centimetros de vara preta do Sr. Rui CAPÍTULO 4 O que mais chamava atenção era o ferro grosso daquele negro, era uma piroca gigante de 25 centimetros por quase 9 de grossura! Aquele mastro preto se mantinha totalmente ereto e pulsante enquanto as suas veias estufadas bombeavam sangue para aquela chapeleta avermelhada, aquele cogumelo vermelho pulsava que nem um coração, a cabeça daquele poste preto tinha uns 10 centimetros e conseguia ser ainda mais grosso do que o seu cacete. Discretamente virei e olhei mais uma vez, observei a toalha já quase caida, pendurada sobre a perna, o saco gigante do Sr. Rui balança suavemente enquanto o tarado olhava minha bunda, via aquelas bolas grande pra lá e pra cá, aqueles limões gigantescos bailavam suavemente naqueles 15 centimetros de saco, parcialmente do lado direito se via o membro dele, era sobrenatural ver aqueles 25 centimetros balançando suavemente, totalmente ereto e duro, a pela daquele mastro levemente esfolada pelo nascer da chapeleta gigante. O balançar daquele escroto pesado fazia o mastro preto tremer ereto enquanto latejava o sangue nas veias daquele cipó preto. Contos Imor(t)ais - MEU PADRASTO – 199 -


Ele novamente voltou a botar a lingua no meu cu, impedindo a minha visão, mantinha seu rosto parado entre minhas nadegas e linguava devagar o meu ânus, penetrando e tirando a ponta da lingua do meu buraco, abria com vontade as minhas maças e com carinho pressionava seu rosto contra meu anelzinho, sentia a saliva ser depositada com suavidade dentro de mim, aquele 1 centimetro de língua entrava alargando meu buraco e empurrava cuspe bem de leve pra dentro dele, eu sem querer abria meu cuzinho suavemente a cada investida, deixando aquela lingua penetrar com mais facilidade e contraia fechando meu anelzinho quando o Sr. Rui parava de me penetrar com a boca. Levantei o rosto e vi aquele preto safado deslumbrando minha bunda, abria ela, exibindo meu cuzinho babado e admirava as paredes da minha rabeta cheias de saliva, eu gemia de tesão sem ele ouvir, sentia meu buraquinho todo molhado e contraia ele quando aquela lingua macia acariciava minhas preguinhas, procurei com os olhos a mão direita do Sr. Rui e logo achei... enquanto ele abria meu rego com uma das mãos, com a outra masturbava aquele caralho de cavalo que latejava duro que nem um ferro, á apenas alguns centimetros do meu corpo.... CAPÍTULO 5 O safado se deliciava, brincava com o meu cuzinho virgem linguando e molhando ele, enquanto se masturbava morrendo de tesão, observei de relance aquele tarado punhetando seu mastro bem na base pulsando aquela chapeleta inchada, punhetava seu tronco preto com força fazendo balançar aquele saco de cavalo, abriu minha bunda com mais força e tornou a enfiar a lingua no meu cuzinho, eu gemi agora mais alto, novamente afastou o rosto e deslumbrou o meu anel babado arreganhando o meu bundão grande pra melhorar a visão, urrou que nem um animal e esfolou o seu poste negro com força, fiquei chocada, vi seu cabecote pulsar que nem um coração e as veias daquele mastro se incharem, pude ver todos aqueles 25 centimetros de ferro preto latejarem enquanto ele se punhetava com força e observava meu buraquinho fechado. Novamente atolou a cara na minha bunda, dessa verz eu gritei, senti sua lingua tentar penetrar desesperadamente meu interior, ele esticava meu reguinho com suas mãos grandes e pressionava seu rosto contra meu ânus, forcando com seu braço meu corpo contra sua boca, meu buraco virgem sentia aquela pequena sensação úmida de invasão, se contraia involuntariamente, afastou-se de novo e contemplou meu rabão, mantive ele todo empinado, do jeito que ele havia deixado, espiei e vi aquele preto safado todo suado olhando hipnotizado pro meu cu, masturbava seu cacete gigante bem rápido e babava olhando a minha bunda completamente apaixonado por ela. Sr. Rui esticou minha rabeta com a mão e abriu minhas nádegas por completo, urrou mais uma vez de tesão ao ver meu anelzinho e de novo esfolou aquele membro de cavalo, era impressionante como nem ele com aquela mão gigantesca conseguia segurar seu membro todo, aqueles 8 centimetros de grossura faziam daquela caralho algo anormal e fora do comum, Sr. Rui gemia que nem um bicho e esfolava seu cacete preto sem n, me assustava observar aquela chapeleta inflar enquanto aquele homem abusava de mim, sentia o prazer em seu rosto, ele parecia completamente possuído de tesão, fazia nesse momento a mesma expressão do dia anterior, a mesma cara de quando havia jorrado os seus 6 jatos de porra grossa no chão da piscina, na minha frente, tudo pra eu ver seu esperma sair daquela cabeçona gigante, agora ele exibia meu cu como seu eu fosse uma vagabunda, mantinha minhas nádegas abertas e vislumbrava o meu buraco virgem me mantendo de ladinho com a bunda empinada e se deliciando na punheta, o tarado urrava a cada arreganhada que ele dava no meu bumbum.

Contos Imor(t)ais - MEU PADRASTO – 200 -


CAPÍTULO 6 Ele se aproximou e passou a se masturbar a dois palmos do meu corpo, agora acariciava a minha bunda com tesão e abria minhas nádegas mais suavemente, eu continuava de cabeça abaixado morrendo de tesão e vergonha ao mesmo tempo, mantinha meu braço cobrindo parcialmente meu rosto e deixando o Sr. Rui a vontade, na posição que estava me permitia espiar seu rosto másculo e olhar seu tronco de árvore duro, ele deslizou seus dedos por toda a maça da minha bunda e puxou mais pro lado o meu biquini, nessa hora gelei, mas sempre agia com muito carinho, nunca fazendo nada a força comigo e aquilo de certo modo me deixava segura, me sentia violada por aquele tarado mas de certa forma sabia que ele nunca ia me machucar, isso me confortava. Sentia um leve peso sobre minha bunda e espiei, vi aquele cogumelo vermelho gigante repousar sobre meu rabo enquanto aquele tronco inchado e duro era punhetado pelo preto safado, a punheta fazia aquela chapeleta balançar o meu rabo, quando ele soltou seu mastro por alguns segundos, pude recolher todo o peso daquela piroca preta, o filho da puta se masturbava e deixava aquela cabeçona bater em mim enquanto com a outra mão apalpava a minha bunda, agora deslizava a mão por ela toda apertando levemente minha carne farta e sempre arreganhando de forma suave a minha bundona, o negro tarado sempre procurava a visão do meu cu, brincava com a minha bunda apertando ela com tesão e abria minhas nádegas esticando toda a parede do meu ânus selado. O pervertido gemeu alto e aumentou o ritmo da punheta, seu cabeçote já batia suavemente no meu bundão fazendo barulho enquanto o Sr. Rui apertava com força seu cacete preto bem no inicio fazendo sua punheta exibir seu mastro todo inchado e duro que nem uma barra de ferro, ele me viu espiando e esfolou ainda mais seu pau preto até a base, se exibindo que nem um pervertido pra uma garota virgem, aquela árvore preta inchou com as veias estufadas e o cogumelo pulsou, batendo suavemente sobre minha bunda, ele gemeu, eu abaixei o rosto sem graça e senti a minha bucetinha completamente molhada -Camilla meu amor, eu vou passar ele bem devagarinho em você, tá bem? Ele me pegou desprevenida, nessa hora eu não sabia o que responder, gaguejei e falei: -Não Sr.Rui, por favor, eu sou virgem de tudo, nunca fiz nada -Ele insistiu: -Pode confiar meu amor, eu só vou passar ele, não vou colocar dentro não, eu sei que você é virgem, eu nunca vou fazer nada com você minha linda, você é minha afilhada. -Estava com muito medo, mas nessa hora me senti super protegida, sempre tive pai ausente e o Sr. Rui sempre me tratou com muito carinho, imaginei que ele nunca fosse fazer nada pra me machucar realmente, mas ao mesmo tempo não queria que aquilo passasse dos limites, até ali estava bom, mais que isso era perigoso, mas eu no meio de todos esses pensamentos respondi: -Tá bom Sr. Rui, só um pouquinho, cuidado.... CAPÍTULO 7 Não pude acreditar, quando vi aquele crioulo esfolar novamente aquele poste preto todo ereto me arrependi de ter aceitado, ainda bem que ele só ia passar ele sobre minha bunda, era impossível imaginar que alguma mulher pudesse ter algo daquele tamanho dentro de si, aquilo era anormal, o Sr. Rui era meio cavalo meio homem, a cabeça do seu caralho ainda conseguia ser maior do que a grossura do pau, aquela chapeleta vermelha de 10 centimetros sempre que eu a olhava ela estava inchada e pulsando de tesão. Ele deslizou a ponta dela do início ao final das minhas nadegas, so a pontinha e bem devagarzinho, misturou o mel do seu cacete preto com a baba que estava entre minha bunda, gemi baixinho sem deixar ele ouvir, novamente ele passeou seu mastro sobre minha bunda e posicionou sua chapeleta Contos Imor(t)ais - MEU PADRASTO – 201 -


deslizando-a entre minha bundona, agora com mais força fazendo ela abrir e se deformar entre aquela laranja gigante, ele urrou, parecia se controlar pra não fazer uma loucura, seu pau preto e seu corpo tremiam enquanto aquele pervertido urrava de tesão e observava meu rabo hipnotizado, abriu minhas nádegas com força e observou meu anelzinho ainda umido da sua baba, molhou com saliva seu cabeçote inchado de direcionou ele em direção ao meu buraco virgem, com a baba ainda escorrendo de seu mastro. Posicionou sua bengala na porta do meu ânus, soltou a banda da minha bunda e observou minhas nadegas acolher a ponta daquele cogumelo, urrou e balançou a minha bunda, observando ela deslizar pra um lado e para o outro, batendo com carinho no seu cabeção, gemeu de novo e deslizou seu cacete pra cima e pra baixo, deslizando ele sobre meu buraco e arrastando seu cabeçote pelas minhas nádegas, repetiu bem devagarinho durante algumas vezes, espalhando a saliva molhada sobre minha fresta, sempre quando passava perto do meu anel, eu contraia ele totalmente, com medo daquela árvore entrar dentro de mim. Sentia aquele limão roçar no meu anus, passeando e arrastando sua porta com carinho mas ao mesmo tempo impenetrável até mesmo por 1 centimetro, aquele tarado sabia disso, podia deslizar com tesão a sua chapeleta e brincar com minhas rabeta grande, o prazer máximo que ele poderia sentir seria pincelar o meu cuzinho com sua chapeleta enorme, acada vez que ele chegava perto do meu reto o safado gemia alto e pulsava seu limão em direção a meu buraquinho, eu sentia a minha bunda abracar ela com carinho e ao mesmo tempo toda a circunferência do cabeçote na porta do meu cu, acariciando e pincelando meu buraquinho virgem. Continuou passeando rola na minha bunda, molhava mais aquele cogumelo e deslizava ele com saliva entre a fresta do meu rabo. agora se concentrava mais no meu ânus, posicionou a chapeleta em direção a ele e começou a punhetar a sua rola, se masturbava com carinho e sentia ao mesmo tempo a circunferência de um buraco virgem na cabeça enorme de seu poste negro, o criolo esfolava seu cacete duro e punhetava a base fazendo o seu saco de cavalo balançar e sua chapeleta pulsar na porta do meu buraquinho, sentia a pele daquele mastro deslizar da cabeça grande até o meio do cacete, novamente gemeu alto, Sr. Rui já havia perdido a postura, urrava que nem um louco e fazia caras e bocas de tesão enquanto abusava da menina virgem, abriu mais a minha bunda e viu novamente minhas nádegas cairem sobre seu limão gigante, olhou aquilo e gritou muito alto apertando a minha bunda e forçando levemente seu tronco preto contra o meu anel. Instintivamente recuei e gemi, ele reparou o exagero e acariciou minha bunda comm carinho, voltou a botar a chapeleta sobre minhas nádegas, mas agora acaricinado minhas fresta e arrastando seu cacete de leve sobre meu cu apertado. Eu sentia a minha buceta ensopada, era dificil eu ficar daquele jeito, a baba tinha escorrido levemente para ele e havia se misturada com o mel da minha xaninha, aquela sensação de dar prazer para um homem de verdade estava me deixando louca, novamente aquele preto tarado voltou a se masturbar com a chapeleta encostada no meu buraco, observava aquele homem grande tocar punheta que nem um adolescente e usar o meu rego como ponto de tesão, sabia que ali ele não poderia violar, mas mesmo assim pinçelava a sua cabeça de cavalo nele e se masturbava sentindo a porta daquele buraco virgem se fechar inviolada pra seu mastro gigantesco. Esfolou mais seu pau e começou a punhetar ele do inicio ate o final, aquele mastro preto estava molhado de saliva e brilhava expondo suas veias inchadas e grossas, sua mão batia na base daquele caralho fazendo seu saco gigante balançar e voltava batendo na minha bunda, se masturbava usando Contos Imor(t)ais - MEU PADRASTO – 202 -


todo aqueles 25 centimetros enquanto escondia seu cabeçote entre as paredes do meu bumbum. Começou a aumentar o ritmo, ouvia o barulho daquela mão grande bater no começo daquele ferro com força e voltar esporrando na minha bunda, sem querer pressionava seu limão gigante contra meu buraco, eu sentia a pontinha daquela chapeleta bem no meio do meu cuzinho acariciando minhas pregas virgens enquanto aquele filho da puta punhetava a borracha preta com força, e gemia, como gemia, observava tudo que estava fazendo, via minha bunda grande balançar no ritmo da sua punheta a cada estocada da sua masturbação, sua mão batia no meu rabo fazendo-o tremer ainda mais, aquele rabão gordo balançava e balançava, enquanto o anel inviolado sentia o cogumelo pulsar e pulsar, sentindo o sangue do pau preto circular pra ela e bombar o cogumelo na porta do meu rabinho virgem. CAPÍTULO 8 O tarado pressionou seu pau ainda mais, senti mais ainda a pontinha do cabeçote no meu rego, apenas milimetros, parecia que a uretra daquele cavalo estava posicionada na direção do meu buraco querendo entrar mas não conseguindo, o negão continuava a punheta, totalmente possuido se masturbava com força e agora sem respeito a mim, se punhetava com vigor batendo com força a mão contra meu rabo, sem tirar o limão gigante dentro das minhas nádegas -Fica assim amor, não se meche, tá? -Pressionou mais um pouco seu cacetete contra meu cu, sentiu resistência total, batendo com a chapeleta suavemente e sentindo aquela parede virgem inviolada, conseguiu permanecer com a ureta contra a portinha meu rego, com seu cabeção inchado direcionado pro meio do meu ânus virgem e fechado. Minha bunda gorda abraçava aquele cabeçote por completo enquanto o danado se masturbava ainda mais rápido, sua mão batia ainda mais forte contra minha bundona, fazendo barulho e ecoando pela sauna o estalar da minha rabeta grande, segurou minha bunda contra seu poste preto e falou: -Fica assim amor, não sai tá? Confia em mim -Eu sem saber continuei do mesmo jeito, recolhendo sua cabeça na porta do meu buraco e sentindo minha rabeta tremer na mão daquele preto, ele começou a gritar, uma, duas, três vezes, cada vez mais alto, fechou a banda da minha bunda escondendo mais seu cabeção e pressionando a pontinha dela contra meu buraquinho fechado...ele gritou::-Eu vou gozar! Senti ele esfolando totalmente seu mastro e jorrando o primeiro jato de porra grossa contra meu cu, senti sua cabeça contra meu buraco e sua uretra despejando a primeira jatada daquele leite farto contra ele, posso lembrar até hoje que pude sentir a metade do primeiro jato de esperma adentrar o meu ânus, senti aquele liquido quente pela primeira vez dentro de mim, era bem pouquinho mas pude acolher um pouco daquele creme grosso no meu buraco, contrai meu cuzinho e pude absorver aquele leite grosso e fervendo, entrava no meu corpo enquanto a outra metade do jato explodia na parede do meu buraco fechado e caia respingando no chão e ao mesmo tempo lubrificando minhas nádegas. Sentia aquele primeiro gozo escorrer sobre minha bunda até o chão e ao mesmo tempo deslizar pro meu interior sendo acolhido pelo canal do meu cu, o depravado gritou, mais uma vez esfolou seu cacete e pressionou sua chapeleta pulsando contra meu buraco, eu já havia reparado nesse momento que a intenção do Sr. Rui era gozar dentro do meu cuzinho, mesmo não tendo me comendo o filho da puta queria inserir seu semen dentro do meu corpo, , o objetivo daquele filho da mãe era depositar esperma dentro da garotinha virgem, não entendi muito bem, mas percebi todo o tesão que aquele homem estava sentindo. Contos Imor(t)ais - MEU PADRASTO – 203 -


O segundo jato de leite bateu com força na minha bunda e voltou forte, melecando todo o mastro preto daquele tarado, olhei para trás e vi o depravado observar o seu gozo bater com força na parede sólida do meu cu e voltar, caindo sobre seu mastro preto e lubrificando ainda mais a sua chapeleta de cavalo, ele urrou de novo e esfolou a minha bunda ainda mais, senti aquela cabeça gigante totalmente molhada, ela deslizava na porta do meu buraquinho enquanto ele segurava seu mastro na base posicionando o cacete preto bem reto em direção a meu anel. Continuou esfolando meu rabão ainda com mais vontade e forçou a chapeleta contra meu anus, senti sua uretra soltando o terceiro jato daquele creme groso, instintivamente eu tranquei meu cuzinho nessa hora e novamente proporcionei porra quente voando sobre o cacete gigante e entre minhas nádegas, mais uma vez senti aquele sémen escorrer quente sobre meu corpo desenhando um rastro denso na minha bunda. Ao mexer meu rabo pude sentir um pouco descer pra porta da minha bucetinha, minha bunda estava toda melada de porra daquele crioulo, sentia desde o pouquinho de porra que havia entrado dentro de mim até o creme quente repousado na porta da minha buceta virgem, o berro dele mais uma vez me fez maluca, me fez sentir mulher de verdade, empinei a bunda suavemente e senti aquele homem gigante com o corpo todo tremendo, aquele preto safado gritava de prazer e esfolava ainda mais o seu mastro, deu uma punhetada longa e projetou o quarto jato de leite contra o meu reto. Gritou mais alto e apertou seu tronco preto, forçou mais uma vez a uretra da sua bengala contra meu cuzinho mas não conseguiu botar porra dentro dele nem mais uma gota, seu leite quente bateu mais uma vezes no meu anel e não entrou, dessa vez ele continuou forçando com força sua chapeleta entre minhas nádegas, senti a porra do cavalo a deslizar toda pela fresta da minha bunda, indo parte pra porta da minha buceta. Punhetou com força mais uma vez seu membro e esfolou ele por completo, exibindo todo seu tamanho de cavalo e as veias pulsando o gozo pra cabeça inchada, perdeu o controle da punheta e jorrou mais dois jatos densos de esperma, riscando e desenhando jato de leite sobre minhas nádegas, dois toletes de porra cremosa sobre minha bunda, observou aquele desenho lindo sobre meu corpo e gritou de novo, balançando seu cacete preto com força e respingando o resto de sémen de sua cabeçona sobre mim. Observava aquela porra grossa sobre a maça da minha bunda e sentia a temperatura quente do seu líquido por todo a minha bunda, a fresta do meu rabo estava toda melada de porra e o semen daquele depravado escorria sobre minha racha procurando se depositar na minha vagina virgem, estava uma delicia sentir meu cuzinho todo molhado de porra e o leite escorrer pra pontinhas da minha buceta enquanto aquele homem urrava exausto de tesão me observando como se eu fosse uma deusa... nesse momento ouvimos um barulho, minha mãe havia voltado.…

Contos Imor(t)ais - MEU PADRASTO – 204 -


ESPOSA DANDO… A história que vou contar a vocês é verídica. Bem vamos lá… Sou morador do estado do rio de janeiro sou casado a 13 anos com a minha esposa eu 32 anos e ela 29 e temos 01 casal de filhos. Eu sempre me perguntei como tem maridos que deixam as suas mulheres transarem com outro na sua frente. E de tanto pensar naquilo acabou me deixando com tesão de ver a minha mulher com outro, com o tempo comecei a tocar no assunto, de ela estar transando com outro macho junto de mim, ela no começo aceitou numa boa, chupava meus dedos e fingia que era o pau de outro e por ai vai, depois de um tempo ela começou a reclamar que eu só sentia tesão por ela se tivesse imaginando outro na cama com nós que eu estava querendo isso por não ama-la mais e parei com isso por um tempo, ela então começou a dizer que não era mulher para esses tipos de coisa e tal. Um certo dia tivemos uma discussão e nos separamos por uns 3 meses ela foi morar com a mãe dela e as vezes nos encontrávamos para uma gostosa transa, pois sempre nos demos muito bem na cama nunca perdi o tesão por ela, eu sempre fui um cara ciumento sempre tive medo de perde-la e então sempre dizia a ela se um dia ela se interessar para transar com outra pessoa que ela me falasse, pois não acharia ruin, não quero que você faça algo escondido de mim pois ai eu não aceitaria, e ela sempre me dizia que quando estava com tesão ela me ligava pois ela so se sentia a vontade comigo pois ela e meio insegura. Neste tempo que ficamos separados depois de uns 3 meses reatamos novamente e ela voltou a me ajudar na empresa eu ficava muito tempo na rua e ela ficava no escritório e comecei a reparar que quando eu chegava ela apertava o botao do mouse rápido e ficava nervosa, eu comecei a ficar desconfiado, então baixei um programa espião que mostra tudo que foi digitado, sites visitados e por ai vai, um certo dia apareceu o que eu tanto desconfiava um msn dela que eu não conhecia e junto com o msn a senha dela, sem perder tempo abri seu msn e só tinha homens adicionado e tinha um on-line e comecei a conversar com ele como se fosse ela, então ele começou a dizer que estava com saudades, e eu então perguntei do que mais ele sentia saudade então ele disse que era daquela boca macia que tanto o havia chupado, e eu ali se passando por ela comecei a falar que estava com saudade dele, que ele era um homem que sabia fazer uma mulher se sentir nas nuvens e por ai vai, então eu perguntei o que você mais gostou em mim que eu fiz quando transamos? Ele então respondeu, quando você chupou meu pau e eu gozei na sua boca e você engoliu tudinho, quando te peguei de quatro e você apertou sua boceta linda e gostosa mordendo meu pau, isso foi demais nunca nenhuma mulher tinha feito isso comigo, nunca tinha gozado tão gostoso como você me fez gozar aquele dia, ela faz pompoarismo é uma delicia realmente, mais voltando ao assunto, comecei a ficar nervoso que filha da … Sempre pedi a ela que quando quizesse transar com outro homem que estivessemos juntos, então ela chegou e perguntei o que era aquilo ela então pega de surpresa não sabia o que dizer, depois de um tempo eu pressionando, ela me disse a verdade, que saiu com ele pois estava em um churrasco com as amigas e todas elas acompanhadas e pra ela não ficar sozinha acabou ficando com ele, ela então o achou um rapaz simpático e o encontrou um tempo depois e começou a transar com ele, então me Contos Imor(t)ais - ESPOSA DANDO… – 205 -


acalmei e lhe disse sempre pedi que no dia que você quizesse transar com outro era pra me falar que eu não ficaria chateado, que eu só ficaria chateado se ela mentisse pra mim, e continuei já que você saiu com outro pelas minhas costas agora vou arranjar um para sair nos três, já que você quer ser puta de outro homem então vai ser junto comigo, ela se sentindo culpada aceitou então fizemos nosso msn e começamos a conhecer outros caras, conhecemos muitas pessoas que vi que eram picaretas ate que um dia eu conheci um rapaz chamado Fred ele me passou o numero do celular dele, liguei pra ele e vi que era uma pessoa educada, simpatico e responsavel então falei com a minha mulher sobre ele, ligamos para ele, ela conversou com ele e tambem gostou dele, so eu tinha visto as fotos dele, ela ainda não tinha visto como ele era, ele era um negro com um corpo atlético e o pau bem mais grosso que o meu so que menor, sempre a imaginei com um negro com o pau grande e grosso mais esse era apenas grosso. No mesmo dia que ela falou com ele ao telefone nós não tinhamos marcado nada, até que ele liga umas 20:00 hrs a gente já em casa e ele fica conversando com ela, ele então nos convida para sairmos, ela então toda safadinha me pergunta se eu queria ir, eu disse que sim ele então marcou o encontro as 22:00 hrs próximo a rodoviaria ela então rapidamente toma um banho se depila se perfuma toda coloca uma calcinha pequena uma mini saia um sandalia de salto alto e uma blusa vermelha bem decotada quase aparecendo seus belos seios, então eu falo pra mim mesmo se ela esta indo por causa de mim imagine se fosse por vontade dela, resumindo parecia uma modelo com a producão que fez, ela então pra não dizer que estava interessada ficava dizendo, so estou fazendo isso por você, pra ver se você para com isso só que ela mostrava que queria mais que eu, dava pra ver pelo seu jeito, e eu pensando safada doida pra levar pica de outro e não assume fica ai fazendo charme. Então as 22:00 hrs estávamos no ponto de encontro ele chega então nos apresentamos, ela meio que timida com nevorsismo, da-lhe 3 beijos no rosto, seguimos pra uma pizzaria pedimos uma cerveja pra mim e ele e ela uma coca conversamos com ele com uma grande timidez pois era nossa primeira vez depois de um tempo ela me pediu para irmos embora pois ela não queria, ai eu usei a palavra mágica pois ela gosta de ser elogiada e ele não tinha a elogiado, 45 minutos do segundo tempo pra não perder aquela oportunidade eu o perguntei, o que você achou da minha mulher? Ele então começou, achei ela linda simpática tem uma boca linda que eu gostaria de provar e o mais importante apesar da timidez tem uma carinha de safada que transa muito gostoso, era tudo que ela queria ouvir, na hora ela ficou com uma baita vergonha sem falar nada só rindo e dizendo nossa preto essa foi demais dar vontade de enfiar a minha cara debaixo da mesa de tanta vergonha, mais o meu plano funcionou, perguntei a ela novamente e então vamos pro motel? Se chegar la você se sentir insegura viemos embora, ela então aceitou, pedimos a conta entramos no carro e seguimos rumo ao nosso destino, no carro falei com o Fred que o centro da atenção era ela que se ela não aceitasse deixaríamos pra próxima vez e ele respondeu, por mim tudo bem quando um não quer dois não brigam, chegamos no motel pedi um cerveja para conversarmos e deixa-la a vontade sentei na cama de um lado e ele sentou do outro a minha esposa permaneceu em pé toda nervosa ainda, então a puxei pelos braços e ela se sentou entre minhas pernas, depois de um tempo conversando ele se aproximou e beijou a perna dela, nesse momento ela se tremeu todinha, então eu percebi que ela aceitou seu beijo e eu disse em seu ouvido te amo meu amor. Ele então começou a beijar suas pernas subindo até a barriguinha dela e eu mordendo seu pescoço e então sai de tras dela e comecei a despila deixando-a nua para nós dois, bem pelo menos era o que eu pensava até aquele momento que todas as transas nossas com uma tarceira pessoa eu participaria, mais me enganei, começamos então a beija-la e a chupar seus seios então ele desceu e começou a chupar a bocetinha da minha querida mulher, me levantei peguei meu pau e coloquei em sua boca Contos Imor(t)ais - ESPOSA DANDO… – 206 -


enquanto ela era chupada ela me chupava troquei então de lugar com o Fred, eu a chupava enquanto ela chupava ele, quando vi aquela cena outro pau na boca da minha mulher na minha frente e ao vivo acabei virando um mero espectador, então ela o colocou sentado na cama e começou a chupar seu pau enfiando-o todinho em sua boca e me olhava com aquela cara de safada e puta, ela vinha lambendo seu saco até a cabeça do pau dele e o engolia todo novamente que cena linda foi aquela, depois de umas meia hora o chupando ele pegou a camisinha colocou e ela la na cama de perna aberta esperando aquele pau, ele se deitou por cima dela, ela então abriu as pernas todinha e pude ver aquela cena maravilhosa outro pau entrando na boceta da minha mulher tudo que sempre desejei, e eu ali assistindo tudo, depois que ele enfiou todo seu pau dentro da minha linda mulher e começou a bombar, a safada se saltou, e disse ai que delicia preto se eu soubesse que era tão bom assim meu amor eu já teria feito isso a muito tempo, e eu la abaixado por tras deles vendo aquele pau negro e grosso entrando e saindo da bocetinha da minha mulher, depois de um tempo ele a fodendo na posição papai e mamãe, ela então o empurrou e o colocou de pau pra cima passou uma das pernas por cima dele pediu ele para abrir bem sua bunda pois ela sabia que era uma das posições que eu mais queria ve-la sentada no pau de outro e ele arregaçando sua bunda e eu ali de tras vendo tudo cada centimetro penetrando naquela boceta maravilhosa, ela então começou a beijalo e rebolando no pau dele, ela então virou-se de frente pra mim pois ela se excita muito vendo minha cara de tarado é uma das coisas que mais a excita, então ela começou a me perguntar: – Ta gostando meu amor, de me ver cavalgando no pau de outro macho ta? NÃO Era isso que você sempre quis ta gostando ta? Então eu disse – Estou amando se eu encostar a mão no meu pau eu gozo de tanto tesão de te ver no pau de outro macho ainda mais um negro pois foi o que eu sempre desejei. Ele então pediu pra ela ficar de ladinho e ficou meio que agaichado encostou o pau na sua bocetinha e enfiou tudinho novamente, ela olhava pra mim e dizia, meu amor por que vc não me convenceu a mais tempos atrás, isso é maravilhoso que sensação gostosa ela nesse momentou gozou tão intenssamente que de 13 anos de casados nunca a vi gozar daquele jeito, ela demora um pouco para gozar mais quando goza e uma gozada atrás da outra, ele então se abaixou beijando seus seios e sua boca e a pediu pra ficar de quatro, ela então vira pra mim e diz vem meu amor me come um pouquinho, eu respondi não da se eu der três bombadas eu gozo, de tanto ela insistir eu fui, não deu outra enfiei o pau dei umas três a cinco bombadas e gozei, o interessante é que meu pau continuou duro e eu cheio de tesão ainda, coisa que a muito tempo não acontecia comigo, ela então virou a bunda pra ele de quatro e disse, vem meu corcel negro mete na sua eguinha mete esse pau gostoso em mim, mete, vai mete tudinho que é pro meu maridinho ver você me comendo bem gostoso ele encostou o pau na sua bocetinha e novamente foi enfiando seu pau todinho nela, ela não conseguia parar de gemer, rebolar e falar, nossa que delicia meu amor mete gostoso mete, que arrependimento eu tenho, eu tinha que ter feito isso antes é maravilhoso sentir outro pau e ver a cara de tesão do meu marido me vendo ser fodida por outro macho mete meu negro gostoso, assim que delicia to adorando ser fodida por outro meu amor e ver essa carinha de tesão de tarado que você ta, ai que delicia e novamente ela goza, como foi bom ve-la sentido tesão por outro macho e gozando no pau dele tamanho era o seu tesão, então eu falei pra ele e agora que você vai gozar ele disse que ainda não que queria desfrutar muito daquela mulher maravilhosa que sabia foder de verdade, ela então começou a morder seu pau com a boceta, ele ficou doido, pedindo pra parar se não iria gozar e ela é teimosa, quanto mais vc pede para parar mais ela faz, ele então anunciou que iria gozar tirou o pau de dentro dela e a perguntou onde você quer que eu goze? Ela virou pra ele e disse, é ele quem decide ele olhou pra mim e perguntou onde você quer que eu goze na sua mulher, sem pensar duas vezes respondi, na cara dela, ela então se deitou com o rostinho lindo pra cima e ele começou a gozar em seu rosto, ela levantou a cabeça e chupou o restinho da porra que ficou no pau dele, eu não aguentando ver aquela linda cena me levantei me aproximei dela e gozei em seu rosto tambem Contos Imor(t)ais - ESPOSA DANDO… – 207 -


ela veio chupou meu pau deixando-o limpinho se levantou me abraçou e me disse que me amava demais, me deu um gostoso beijo com gosto de porra, e me disse novamente preto eu te amo, se eu soubesse que era tão gostoso eu já teria feito isso a mais tempo, só que agora você despertou a puta que estava presa dentro de mim e quero recuperar todo esse tempo perdido. Hoje nos amamos bem mais que antes nossos ciúmes acabaram, somos mais amigos, para quem estava com um relacionamento em crise hoje completamos um ao outro novamente, assim como começo do nosso namoro. E hoje sei que não é o medo de perder a mulher que ama que o marido a permite a transar com outro, hoje sei que para um relacionamento a três um tem que amar o outro mais que tudo, isso se chama o verdadeiro amor. A única coisa que realmente me arrependo é de não ter levado a máquina fotográfica para registrar aquele momento tão maravilhoso.

Contos Imor(t)ais - ESPOSA DANDO… – 208 -


NICOLAS - MEU MACHO Nesse feriado de sexta feira eu tive folga do meu trabalho e faculdade e fiquei em casa da melhor forma: sozinha. Meu pai ia fazer plantão e eu ficaria só com mamãe em casa, mas ela logo cedo me avisou que iria pra casa da minha tia e voltaria tarde pois ela tinha acabado de ganhar bebê e precisava de ajuda, ai ela até perguntou se eu queria ir junto mas estava com muito sono e preferi ficar em casa descansando. Assim que minha mãe saiu o meu fogo acendeu. Sou muito fogosa e minha buceta está sempre piscando. Logo levantei, arranquei o short e a calcinha e sai pela casa. Eu já não tenho mais vergonha do meu papai me ver nua então se ele ainda estivesse em casa eu seria bem capaz de esfregar a buceta e lamber os dedinhos só pra ele ir de pau duro pro batalhão. Como suspeitei, ele já havia saído. Fui até a cozinha, fiz meu café da manhã e voltei pro quarto. Soltei a travinha do sutiã e retirei a blusa que uso pra dormir. Sim, eu estava completamente a vontade no meu 1,70cm de altura, 67kg bem destribuidos nas ancas largas e a bunda típica de tanajura, os peitos grandes de bico aceso rosinha. Eu sou muito gostosa e costumo despertar o interesse de ambos os sexos por me assumir bi a pouco tempo. Assim que me vi nua pelo espelho senti o gozo escorrer pelas pernas e o corpo pedindo aquele consolo de 17cm roludo escondido no fundo do guarda roupa. Subi na cama, liguei o note pra abrir site de pornô e ler os contos gostosos, busquei o meu pau-fake e comecei. Alisei minha bucetinha recém depilada e apertava ao mesmo tempo o bico do meu peito, gemia um pouco porque sempre me deu prazer ouvir meu próprio gemido. Penetrei um dos dedos dentro da minha vagina em busca de um pouco do caldinho que ela produzia e iniciei a massagem no grelo. Meu grelo é mega grande, e não é a toa que a maioria dos boys que sai, sempre voltava pra mamar mais um pouco. Fazia movimentos circulares e rebolava de encontro a minha mão. Assim que o vídeo começou com a meteção alucinada e o cara enterrava a rola na mulher sem dó nenhuma, peguei meu consolo e iniciei a penetração. Inicialmente colocava e tirava devagar, fazendo movimentos circulares em cada intocada. Logo a vontade de foder com força surgiu, meu corpo começou a pedir por mais força e então iniciei a série de fodas contra minha delicia de buceta, socava rápido e fundo inserindo todos os centimentros do membro de plástico e esfregando meu grelo ao ponto de sentir pequenos choques de dor que anunciavam a primeira gozada. Terminei o vídeo e caminhei para essa página a fim de ler alguns contos. Mantive o brinquedo enfiado na minha buceta enquanto deitava de bruços e me ajeitava com a bunda pra cima e as ancas sobre uma almofada, as pernas bem abertas para os lados arreganhadas. Iniciei uma esfregação contra o travesseiro fazendo com que o toque do tecido sobre meu sininho do prazer me tirassem do eixo. Achei uns contos de zoofilia (adoro relatos de bucetas sendo arrombadas por seus pets e de homens que fodem suas cadelinhas como se fossem suas putinhas) e então enquanto lia, subia e descia com o quadril sobre a almofada, parava e fazia movimentos circulares, levantava a pele que envolve o grelo e rebolava sobre aquela almovada como se fosse a boca de papai....uma verdadeira vadia louca e tarada. Logo que gozei pela segunda vez, fui ao banheiro fazer xixi e secar um pouco do gozo que já me melava toda. Entrei no banheiro e ouvi meu cachorro chorando. Decidi fazer mais uma loucurinha e fui pro quintal nua mesmo, os muros são altos e não me importei com o perigo. Cheguei no canil e lá estava o guardador da familia: Nico (Nicolas). Um mestiço de labradora e Contos Imor(t)ais - NICOLAS - MEU MACHO – 209 -


pastor alemão. Grande, forte, viril, amistoso, bomzinho. Cheguei perto da grade e logo ele se animou, pulando e latindo como se pedisse para ser solto. Enquanto chegava e era recebida pela comemoração daquele travesso, reparava com outros olhos no meu pet. O pau que estava quase todo pra fora da capa, a lingua imensa e grande pra fora do focinho, aquele porte musculoso que a raça proporcionava a ele. Eu só fazia imaginar ele montado na minha cintura, eu prontamente de quatro pedindo pra ele me foder e então agilmente aquela rola vermelha sendo socada na minha buceta. Só de imaginar, comecei a fazer o movimento de abre e fecha (pompoarismo) e fazendo o cuzinho lacrado piscar. Cheguei perto do portão e acariciei seu pelo castanho claro. Ele ainda estava cheiroso do banho que tomou no começo da semana e senti confiança por ele estar limpinho. Fato curioso foi que ao acaricia-lo e chegar com a mão em seu fucinho, Nico virou em direção a minha mão direita e iniciou uma lambeção dedicada. Lambia cada dedo da mão que anteriormente massageava a buceta babona. O fato curioso fez o meu tesão aumentar ainda mais e percebi que por estar a bastante tempo na família ele já sabia do que a sua dona precisava. Soltei a trava do portão e permiti que ele saisse de lá. Nico corria desembestado pelo quintal e voltava ate mim. Saltitava babão e como uma criança num parque. Decidi tentar por alguma coisa entre eu e Nicolas - meu macho alfa - e entrei dentro de casa chamando meu pet pelo nome. Chegando na sala, ele parou na porta e aguardou a autorização de entrar e eu olhando praquela rola gostosa e pontuda só olhei pra ele e falei "vem meu lindo, pode entrar, tenho uma coisa pra você comer" e com aquela lingua enorme de fora ele me seguiu até o sofá. Sentei com as pernas abertas e trouxe a buceta para a ponta do sofá. Nicolas se aproximou pela frente e colocou o focinho em minhas mãos. Posicionei seu nariz gelado em frente aquela gostosura de buceta esperando que ele iniciasse a lambição. Nico cheirou e deu a primeira lambida. Meu corpo tremia. Minha pele se arrepiou e eu gelei. Sua lingua áspera tocou bem ao centro do meu clitóris. Mas de forma assustada ele logo se afastou e começou a cheirar o resto da casa a procura dos outros moradores. Levantei, dei uma leve batida na sua bundinha rebolando e fui a cozinha. Peguei o famoso leite condensado, guardanapo e voltei pro sofá. Puxei um punhado com a ponta dos dedos e passei no clítoris, grandes lábios e chamei Nico novamente. Ele chegou babando ainda mais pela bucetinha dessa puta e lambeu mais vezes. Limpei as mãos no papel toalha e recostei massageando meus seios. Nicolas me lambia profundamente. Tomava minha secreção e o leite condensado ao mesmo tempo, com certeza a buceta era mais gostosa que o leite condensado. Meu prazer foi as alturas, logo comecei a gemer alto e dizer "isso Nicolas, me chupa, amor. Eu quero muito que você me arrombe, amor. Vai enfiar sua rola na sua puta, vai Nico?" e suspirava com a ideia. Apertava meus seios e levava mais a frente a buceta. Já nem tinha mais o doce e Nicolas não parava de me lamber. Soltei um pouco as tetas meladas de leite condensado e abri a buceta afastando os grandes lábios e permitindo que meu Nicolas penetrasse mais a gostosa vagina da dona dele. Logo senti que gozaria pela terceira vez, dessa vez na boquinha do meu macho. "Vai amor, não para, eu vou gozar pra você. Isso....ai que delicia, que tesão. Nicolas, eu vou gozar." e gozei. Nicolas. Parou um minuto para olhar para os lados e voltou a lamber. Dessa vez era somente o prazer que vazava da vagina e ele prontamente limpou. Ele era culpado, logo, tinha que limpar meu gozo mesmo. kkk Voltei a afagar sua cabeça e a dizer "que delicia, Nico. Desse jeito eu vou te dar todo dia a buceta pra tu lamber. Você já deve sentir o cheiro de cadela de longe antes mesmo de eu chegar né, Contos Imor(t)ais - NICOLAS - MEU MACHO – 210 -


gostoso? Pois eu vou ser a sua cadelinha ta, amor?" Nico abaixou e começou a lamber o seu pau. sentia que era uma indireta do tipo "vem vadia, agora é sua vez que mamar a rola do seu macho alfa, vem passar a lingua no meu pau que ta pulsando por você". kkk Por um momento fiquei receosa, eu queria dar pra ele, chupar seu pau, mas era demais pra mim, nunca fiz isso antes. Pensei em toca-lo, mas tive medos e receios pra isso. Então eu abaixei em sua direção assim que ele parou de se lamber e trouxe seu fucinho pro meu peito "vem mamar um pouco, nenê" e Nico obedeceu. Lambeu o pouquinho de leite condensado que eu tinha esfregado nos bicos e me fez gemer mais uma vez. A buceta insaciavél abria e fechava por entre as pernas ainda abertas. Minha vagina era puro tesão. Nicolas lambia muito meus peitos e eu agradeci a oportunidade de sentir pela primeira vez um prazer tão alucinante e dentro da minha casa (era mais gostoso que sentir a lingua do papai entrando e saindo no meu buraquinho). Deixei Nico na sala e fui ao banheiro tirar um pouco de todo aquele melado do meu corpo e esfregar um tanto o meu grelo lubrificado. Voltei pra sala determinada a sentir a piroca de Nicolas na minha boca: hoje essa rola é minha.

Contos Imor(t)ais - NICOLAS - MEU MACHO – 211 -


PRESENTE DE ANIVERSARIO ATO I No início de fevereiro de 2013 fomos à cidade onde morávamos antes de mudarmos para Curitiba (como já citei, manterei a cidade em sigilo, por ser uma cidade de tamanho bem menor, e evitar assim comprometer nossa identidade). A ideia era visitar a família da Bia, cuidar da casa enquanto eles estivessem viajando, e rever alguns velhos amigos. Após 3 dias lá, a família da Bia saiu para viajar, e ficamos apenas nós na casa. Na realidade, ficamos poucas noites em casa, passamos algumas boas noites em um motel que costumávamos ir no início do namoro, e fomos à algumas boates e num clube de swing que havia sido inaugurado enquanto estivemos fora (mas fomos apenas para assistir, e não participamos de nada). Estávamos monogâmicos à um certo tempo, e há alguns meses não tocávamos nos assuntos relatados em contos passados aqui. Fomos convidados para uma festa de aniversário de um velho amigo meu, que tratarei como Vini, que estava fazendo 21 anos, que aconteceria enquanto ainda estávamos na cidade. Na realidade, era uma festa muito grande, pois comemorava o aniversário de um pequeno grupo de amigos, 5 amigos ao todo, sendo Vini, óbvio, um deles. Chegado o tal dia, fomos para a festa. Chegamos atrasados devido uma série de fatores não importantes. A festa estava marcada para 21 h, e chegamos 23:30. Quando cheguei lá, Vini já estava bêbado, mas ainda estava muito animado. Como ele era a pessoa que eu mais conhecia na festa, ficamos Bia e eu conversando com ele durante bastante tempo, e assistindo ele beber e tentar chegar em várias das convidadas, sem sucesso. Bia até tentou arranjar um esquema para ele, mas tudo o que ele conseguiu foi trocar uns beijos com uma loira, bastante atraente por sinal, que acabou indo embora bem cedo, deixando-o na mão. Vale então descrever o Vini: Loiro, mede mais de 1.80, deve pesar cerca de 80 ou 90 kg. Sempre foi popular com as mulheres, mas talvez, por ter saído de um relacionamento de 8 meses recentemente, havia perdido sua coragem de chegar nas mesmas. Lá pelas tantas de festa, Vini, já bastante embriagado chegou pra mim e fez uma revelação surpreendente: ele era virgem! No começo eu achei que era algum tipo de zoeira, até achei que ele se referia ao signo de virgem (apesar do mês de aniversário não coincidir), mas não, era verdade, ele me jurou que era virgem, e me explicou que, quando mais novo ele ficava com garotas nas festas, mas por não ter carro, não conseguia leva-las para motel ou algum lugar agradável para fazerem algo de verdade, e que a sua ex-namorada (do namoro de 8 meses) era bastante recatada e nunca topou fazer mais que um boquete ou outro, sendo esse o motivo do fim do namoro. Essa vontade de perder a virgindade foi um dos motivos que o fez tanto investir nessa festa, e tentar chamar tantas garotas. Eu e Bia fizemos um esforço maior, tentamos apresentar inúmeras garotas para o Vini, mas foi em vão. Ele já estava bastante frustrado e não conseguia começar uma conversa, mesmo conosco Contos Imor(t)ais - PRESENTE DE ANIVERSARIO – 212 -


incentivando alguns assuntos. Enfim, ele até conseguiu agarrar uma morena, que foi buscar bebida e desapareceu. Lá pelas 4 h da manhã boa parte do pessoal havia ido embora, e tentamos arrumar uma garota que estivesse meio alegre, pra tentar algo onde ele pudesse ter menos papo e mais possibilidade de ação. Arrumamos uma morena meio baixinha pra ele, ela era muito bonita, mas algo que envolveu um beijo e um pouco de vômito por parte dela aconteceu, e só piorou a situação. Vini estava frustrado, e já nem estava mais sequer bebendo, ficou sentado olhando pro nada até umas 5 h. Então Bia me diz: – Nossa, que chato né. Gostaria de poder ajudar seu amigo de alguma forma. Olhei pra ela e respondi: – Na verdade, você pode. Ela deu um sorriso, e o Vini ficou olhando pra gente sem entender. Falei que logo arrumaria uma garota pra ele, que sem dúvidas ele não seria mais virgem pela manhã. Ele me respondeu que não gostaria que fosse com uma garota de programa, e eu respondi que não seria. Ele não entendeu mas aceitou quando lhe ofereci energético. Saímos da festa em torno de 4:30 da manhã e fomos direto pra casa da Bia. Chegando lá, nós três fomos para a sala, onde havíamos deixado o colchão dela, e passado boa parte deitados, transando e vendo filmes durante a tarde. Vini olhou para o colchão, e olhou novamente para nós, e disse: – Cara, é o que eu estou pensando mesmo? - Assenti com a cabeça - Caralho cara, muito obrigado, muito obrigado mesmo.

ATO II Enquanto o Vini falava, Bia já se ajoelhava e iniciava um boquete ali mesmo. O pau do Vini não era muito grande, aparentemente tinha entre 16 à 18 cm, não sei. Era menor que o meu, e consideravelmente mais fino. Sendo que a cara de desapontamento da Bia foi evidente quanto à esse último fator. Eu me sentei no sofá e fiquei observando durante um curto tempo. Eu estava decidido a não participar dessa vez, portanto deixei ela chupando ele ali na sala e fui na cozinha preparar um copo de whisky. Da cozinha eu podia ouvir o som que ela fazia ao abocanhar o pau dele. Pensei em sair fumar um cigarro pra acalmar meu nervosismo, pois, por mais que já tenhamos feito sexo com pessoas de fora antes, eu ainda acabo ficando um pouco nervoso e tenso quando vejo minha gata nas mãos de outro, ou melhor, com o pau dele na boca. Vini gemia alto, dando a impressão de que não iria aguentar e gozaria ali mesmo. Bia parou o boquete e disse pra ele relaxar um pouco. Ofereci um pouco de whisky, ele aceitou. Enquanto isso beijei Bia. Bia continuou o boquete, batendo com o pau do Vini em seu próprio rosto, era evidente que Vini não estava aguentaria mesmo, então ela continuou o boquete até que ele gozou, uma quantidade bem grande de porra que encheu a boca dela, e ela, como de costume, bebeu tudo, ou pelo menos Contos Imor(t)ais - PRESENTE DE ANIVERSARIO – 213 -


tudo o que conseguiu, um tanto ainda escorreu por sua boca. Ela se sentou e ficou olhando para mim. Eu tirei minha roupa e fui até ela, deitei-me, ela veio por cima e cavalgou até gozar, eu não gozei, me sentia bêbado demais pra isso naquele momento. Sugeri que dormíssemos um pouco, assim Vini se recuperaria e teria a chance de penetrar uma buceta pela primeira vez na vida. Dormimos os três no colchão, nus, Bia no meio. Ao acordar, Bia e eu escovamos os dentes, Vini ficou no colchão, aparentemente ainda dormindo. Quando voltamos à sala, Vini estava sentado, olhando assustado pra gente e dizendo que não conseguiria. Bia não aceitaria um não como resposta naquela altura, claro. Bia foi até ele e voltou a chupá-lo, sem seguida, se posicionou acima do pau dele e foi descendo devagar, colocou na entrada da bucetinha, não entrava, ela lambeu os dedos e tentou lubrificar mais, entrou. Os olhos do Vini brilharam. Naquele momento tive certeza que havia tomado a decisão correta em dar-lhe Bia. Ela começou um sobe e desce frenético, Vini urrava, Bia gemia com a cabeça inclinada para cima e olhos fechados, ela estava adorando. Continuaram nisso por mais um tempo até que Bia gozou. Ela levantou-se e pediu para o Vini ir por cima. Ele se posicionou de forma a segurar as pernas de Bia num lindo frango-assado. Eu fiquei feliz ao ver a felicidade dos dois. Mas estava louco pra participar. Sempre fizemos grupal, mas nunca fui do tipo corno-manso, humilhado, ou que sequer só fica olhando. Meu pau latejava. Resolvi que assim que o Vini gozasse, tomaríamos um banho e eu participaria. Ao contrário da noite anterior, dessa vez Vini demorou à gozar. Peguei a câmera e tirei algumas fotos, disse ao Vini que era parte do presente, ele não se importou. Bia se colocou de quatro e ele logo começou a comê-la assim. Não olhei no relógio, mas acredito que tenham ficado uns 20 minutos nessa posição, Bia gozou novamente ao final, dessa vez, junto com o Vini, que "Não conseguiu tirar a tempo", segundo ele, enchendo Bia de esperma. Ela voltou a chupá-lo, e logo ele estava pronto novamente, para minha infelicidade, que não via a hora de participar... Vini comeu Bia novamente por cima, gozando novamente, dessa vez, bem mais rápido que antes. Novamente dentro. A desculpa não colava mais, e ele não se deu ao trabalho de usá-la. Tomamos um banho rápido, em que aproveitei para chupar Bia (após lavá-la) meu pau pulsava, mesmo na água fria. Voltamos para a sala e começamos novamente, dessa vez à três. Eu comia Bia enquanto ela chupava o Vini, ficamos nisso por algum tempo. Até que juntei-me à ele. Bia passou a chupar-nos alternadamente, e em determinados momentos colocou os dois paus na boca. Vini me cumprimentou sorrindo e disse que estava no paraíso. Em seguida Vini passou a comê-la de quatro enquanto eu era chupado. Bia gemia e engasgava ao mesmo tempo, Vini estava fazendo movimentos tão rápidos que achei que ele ia gozar pela terceira vez. Ao invés disso, Bia gozou, urrando, gemendo, gritando e em seguida dizendo que me amava cada dia mais, que eu era um sonho e coisas do tipo. Eu retribui o carinho e continuei fudendo sua boca como se fosse uma buceta, com movimentos rápidos e fortes, Bia babava e virava os olhos e logo estava gozando novamente, dessa vez lambuzando consideravelmente o pau do Vini, que chegou a se assustar com aquilo. Contos Imor(t)ais - PRESENTE DE ANIVERSARIO – 214 -


Dei a ideia de fazermos uma DP em Bia, que adorou a ideia, pediu um tempo pra tomar água, voltou e logo se posicionou. Vini não achava possível, eu disse para que ficasse frio, pois ela já tinha aguentado dois paus lá dentro, sendo um o meu e o outro muito mais grosso que o dele. Falar isso pode ter pegado mal, e o Vini não conseguiu uma ereção no momento. O que me deu um tempo pra comer a Bia sozinho um pouco. Logo o Vini estava de volta e conseguimos nos acertar na posição, não antes de eu ter ligado a câmera para filmar aquilo. Como meu pau era maior, eu fui por cima enquanto Vini ficou por baixo. Começamos a nos movimentar, eu beijava Bia na nuca, que beijava Vini no pescoço. Comecei a aumentar gradativamente os movimentos, meu pau pulsava e eu sentia tanto a pulsação da buceta da Bia quanto à do pau do Vini, que começava a gozar novamente. Senti quando ele despejou o que ainda restava de seu sêmen dentro da minha namorada, e isso fez com que eu aumentasse o ritmo e gozasse também. Ficamos um tempo parados nessa posição, até que saí. Quando Bia se levantou, parte do esperma escorreu caindo sobre o Vini. Que não pareceu se importar. Tomamos outro banho. Dessa vez os 3 juntos, e acariciamos bastante Bia durante esse banho. Vini dizia estar em estado de êxtase, Bia dizia estar "amortecida", já eu, estava precisando de um trago. Dissemos ao Vini que era melhor ele ir embora, que os pais dela chegariam logo (o que era uma mentira, apenas queríamos mais um tempo para nós antes do dia seguinte, quando aí sim eles chegariam, e nós partiríamos). Ofereci-me para levar ele para casa, o que ele aceitou relutantemente, dizendo que eu já havia feito muito por ele. Fomos, eu dirigindo, ele e Bia no banco de trás, ela foi chupando o pau dele por todo o caminho. Ao chegarmos, ele desceu do carro e agradeceu àquela que, segundo ele, foi a melhor noite de toda sua vida.

Contos Imor(t)ais - PRESENTE DE ANIVERSARIO – 215 -


TRÊS ESTUDANTES Meu nome é Nadine, tenho 18 anos, sou uma loura (de verdade), pequenininha, com seios médios e bonitinhos, pernocas de boneca, coxinhas grossas, e olhos verdes com os cabelos na altura dos ombros. Estou no último ano do Colégio Nossa Senhora da Conceição num dos subúrbios do Rio de Janeiro. Nosso uniforme é uma sainha azul escuro que as meninas mais sapecas (que nem eu) sempre enrolam para ficar bem curtinha e tesar os meninos ao subirmos as escadas do colégio, e uma blusinha branca abotoada na frente. Sei que tem homens que adoram escolares vestidas assim, portanto nem uso as calças compridas que tambem são permitidas pela direção do colégio. Minha melhor amiga se chama Erika, uma loura descendente de alemães que tem uma bunda de fazer os garotos quase quebrarem o pescoço quando ela passa. Também tem dois peitos firmes que ela deixa sobresair pelo decote da blusa. Ela senta na primeira fileira e quando cruza as pernas, o faz propositalmente bem devagar para deixar o professor ver sua calcinha branca de algodão e deixar o professor de Matemática literalmente pálido e enrolando a fala. Nós duas somos safadas desde pequenininhas e ultimamente dormimos uma na casa da outra só pra afanarmos os consolos e brinquedos eróticos de nossas mães e experimentarmos uma na outra. No entanto nossas famílias são muito conservadoras (apesar dos brinquedos eróticos) e nos induziram a pensar que se perdermos nossa virgindade (da buceta, claro) não iremos conseguir casar com um homem de bem, daí que a gente se acostumou a só brincar analmente. Começamos com o dedo no cuzinho, passamos para frutas e legumes surrupiados na cozinha (ah como eu gosto de uma cenourinha entrando no meu rabinho..) e agora estamos na fase dos vibradores, alargadores anais e bolinhas. Isso sem contar que adoramos lamber a bucetinha e o cuzinho uma da outra. Erika então só goza com uma lambida estilo de cachorro no rabo. No meio do ano entrou pra nossa escola uma menina nova, Jessica. Uma gracinha de moreninha clara, cabelos compridos e sedosos, uma carinha de anjinho e um sorriso lindinho. O corpinho é uma graça, com bumbunzinho empinado e seios em forma de maçãzinhas. Reservada nos primeiros meses, foi se deixando influenciar pelas 2 malandrinhas aqui, e adorava ouvir nossas estorias de masturbação anal, e dizia que se tocava inúmeras vezes durante as noites solitárias em sua cama, lembrando do que nós contávamos, mas sempre com medinho de participar. Na saída do colégio sempre havia vários carros de pais de alunos, mas um deles se destacava. Era um homem louro alto em torno dos seus 50 anos. Vinha sempre buscar seu netinho que estava no jardim de infância. Eu particularmente tenho um tesão incrível por homens bem mais velhos, e Erika não fica atrás. Chegamos até a bolar um estorinha na qual um coroa nos enrabava as duas no banco de trás do carro. Acabamos as duas ficando com o maior tesão no sujeito, mas não encontrava-mos uma forma de nos aproximar. Até um dia em que Jessica saiu um pouco na frente da gente e esbarrou no homem, derrubando então todo o material escolar que carregava. Ele a ajudou a apanhar os cadernos e nós na hora entramos em cena ajudando também. Ele perguntou nossos nomes, em que série estávamos e daí nasceu um conhecimento. Uma vez ele veio apanhar o neto, mas o garoto tinha saído mais cedo, e eu e Erika ficamos olhando pra ele até que ele nos ofereceu carona, o que imediatamente aceitamos. Resolvemos que era agora Contos Imor(t)ais - TRÊS ESTUDANTES – 216 -


ou nunca e começamos a ir liberando o papo em torno de namoro, beijo, abraços e como na nossa idade a gente já ficava quente só em pensar nisso... e ele ouvindo... e que a gente até se tocava de tesão e que tinha ouvido... falar.. em sexo anal.. e se ele podia nos explicar o que era.. Foi a deixa... o cara era bem safadinho e foi explicando tudo.. e a gente com cara de espanto, levantando as sobrancelhas e dando risinhos. Nós tínhamos que concluir, senão não ia ter outra deixa dessas, e a gente então disse que ia contar um segredo... que a gente tinha o maior tesão em experimentar dar a bundinha e que tinha uma colega nossa que a gente queria levar.. Três é mais seguro, né ? Num é que o safado do cara imediatamente se assanhou. Pudera, dava pra ver a maçaroca que se formou na parte da frente das calças dele. Armou um circo legal... Marcamos de nos encontrar numa saída de metrô e arrastamos nossa amiguinha Jéssica junto que estava envergonhadissima mas com o maior tesão pela aventura, e principalmente pela possibilidade de finalmente se ver envolvida com os tais brinquedos eróticos de que tanto falávamos e que levamos para o encontro. O coroa se chamava Alexandre. Depois é que fui fazer a correlação com 'Alexandre o Grande' aquele cara que dominou a Grécia na idade antiga. Estávamos dando isso na aula de Historia no colégio... Ah como era Grande o tal do Alexandre... E penamos pela escolha, mas que fazer... fomos cutucar a onça com vara curta, e.. o Onço tinha uma vara comprida... Comprida só não.. Grossa mesmo.. Tipo de ter que usar camisinha tamanho 55, portanto só íamos saber mais tarde o quanto nossos orifícios posteriores iriam realmente alargar... Ele nos levou num motel lindo com um quarto de dois andares, um com hidromassagem, sauna etc, e outro com o quarto com a cama enorme, um barzinho por trás e 2 ambientes anexos com sofá e sala de jantar. Um luxo só. Nós 3 nunca havíamos estado num lugar assim e estávamos deslumbradas. Pedimos ao Alexandre o Grande que nos deixasse sozinhas para nos arrumarmos e ele foi fumar um cigarro na varanda de baixo. Colocamos nossa melhor roupinha de colégio pois ele tinha nos confidenciado que tinha um tesão enorme em escolares vestidas de uniforme. Somente Jessica não havia trazido seu uniforme pois estava lavando, mas colocou um vestidinho violeta que a fez ficar ainda mais bonitinha. Tiramos varias fotos e só então chamamos o distinto senhor aos nossos aposentos.. Informamos a ele que como eu era monitora de classe eu seria a professora e a Erika a minha ajudante, e que nós queríamos ensinar a aluna novata Jéssica os segredos da penetração anal, e para tanto iríamos gentilmente alargar o cuzinho da menina. Jéssica estampava um sorrisinho maroto de tesãozinho de escolar e estava muito curiosa, se bem que um pouco envergonhada pela presença de um homem muito mais velho que a gente. Alexandre nessa altura já mostrava de novo o circo armadão na sua calça e corremos a socorre-lo e liberar a bendita jibóia. No que pusemos o instrumento pra fora, ficamos todas estasiadas com aquele cacete de tamanho considerável e Erika se apressou a sussurar no meu ouvido, que no cu dela aquilo não ia entrar de jeito nenhum. Mas Alexandre foi gentil e primeiro só pediu uma chupada tríplice no cacete dele, no que foi atendido muito sem jeito inicialmente mas logo depois com vontade por Erika e a novata que chuparam as laterais do cacete como se tocassem uma gaita enquanto que eu cai de boca na cabeça do caralho. Até ele adorou pois nunca tinha experimentado uma chupada tríplice. Perdemos todos o cabaço no assunto. Mas não queríamos que ele gozasse já, daí que partimos para fazer um pedido especial a ele. Queríamos sentir uma língua de homem nas Contos Imor(t)ais - TRÊS ESTUDANTES – 217 -


nossas bucetinhas, mas com a promessa dele de que não tentaria nos descabaçar nem mesmo enfiar um dedinho na nossa xoxotinha. Só valia a língua. No quarto tinha uma dessas cadeiras eróticas e Alexandre se sentou na parte baixa e cada uma de nós subiu na cadeira ainda vestida e abrimos as perninhas, afastando a calcinha para o lado para ele nos linguar enquanto as outras duas assistiam e ajudavam a abrir as bordas da xoxotinha da que estivesse na cadeira do sacrifício. O safado lambia bem demais da conta. Fez cada uma gozar copiosamente (adoro esta palavra), e os gritinhos eram abafados pelos beijinhos das outras duas tanto na boquinha como no pescocinho da uivante... Eu acabei berrando mais porque o homem se descontrolou um pouco e se bem que não tenha enfiado o dedo na minha bucetinha virgem tascou aquele dedão gordo e babado no olho do meu cu. Tomei um susto mas como já gosto da coisa, deixei ele se aprofundar. Jéssica é que tomou um susto e com os olhos esbugalhados falou: – Noooossa, amiga... Ele enfiou o dedo dele todo dentro do teu cu... Num tá doendo não ? – Que nada, tá gostoso a bessa. Roda ele la dentro, moço ? Iiiiiiiissso lambe mais a minha xaninha também, vai.. O moço gostoso... Aaaacho que vou gozar.. To indo, ai ai aaaaaaaaaaaaaai.. uhhhhhhhhh, gozei. – Bom, seu Alexandre, agora o Senhor vai ficar quietinho sentado ali no sofá que eu e Erika vamos amaciar e alargar o cuzito da novatinha Jéssica, num é neném ? – Aham... fez a moreninha.. Mas num vai doer ? – Vai doer nada gatinha.. Somos tuas amigas e vamos te alargar com muito carinho.. Deita na caminha e fica de bumbum pra cima que as professoras vão começar a aulinha de alargamento de cu. Alexandre pegou sua maquina de fotografar/filmar e se esbaldou em nos captar na sua lente. Por isso que temos as fotos e o filminho pra você, seu leitor sacana. Você também leitora sacana.. Pensa que eu não sei que você gosta de ver uma menininha nova gemendo levando no cuzinho, é ? Sei muito bem do que você gosta. Vai acompanhando e babando.. Garanto que queria estar aqui conosco, né ? Erika se ajoelhou na cama do lado esquerdo das pernas de Jessica e afastou as maçãs da bunda carnuda da nossa colega de turma, enquanto que eu me ajoelhei do lado direito dela e derramei lubrificante a vontade na minha mão e dedos, passando a esfregá-los no racha da bunda da menina. Com cuidadinho inseri o meu dedo médio no ânus da princesinha que deu um gemidinho. Rodei o dedinho lá dentro para amaciar bem as paredes do reto da minha vítima. Enquanto isso Alexandre corria com a câmera para filmar a reação do rosto de Jéssica, que lhe sorriu enquanto sentia o trabalho de suas colegas nas suas partes baixas. Chamei novamente Alexandre para filmar o alargamento do rabicó da menina, e ele se posicionou com o pau em riste e a câmera em punho logo atrás de mim. Pedi a Jéssica que contraísse o cuzinho para a filmagem, o que ela fez de bom grado. Seu cuzinho parecia uma boquinha sedenta por um dedinho de menina amiga, mas agora eu já preparava o primeiro brinquedo erótico para ela.

Contos Imor(t)ais - TRÊS ESTUDANTES – 218 -


Era um alargador anal de plástico macio começando bem fininho e engrossando no comprimento. Não era grande, porém já suficiente para vencer o esfíncter e o músculo do medinho. Liguei o botãozinho de vibração e o cuzinho recebeu contente o espeto que se lhe enfiava. Enterrei até o limite do cabinho, e Jéssica empinou aquela bunda linda para sentir mais fundo o consolo zumbinte em seu rabo. Deixei mais um pouquinho e removi, substituindo-o por outro alargador anal de maior efeito, um brinquedo vermelhinho que também começava fininho mas abruptamente aumentava de diâmetro por efeito de uma bola quase da grossura de um pau. Tive que fazer uma forcinha para entrar naquele cuzinho rebelde, mas finalmente a bola passou a entrada e sumiu no bumbum da minha amiga que novamente deixou escapar um gemidinho que fez minha boceta molhar com a maldade que eu estava fazendo com elazinha. Me dá um tesão incrível abusar do cuzinho de uma amiga. Babo na hora e me pego tocando uma na cama quando lembro.. Quando saquei o instrumento do cu da jovem, o cu alargou do tamanho da bola e eu segurei na posição pro sacana do coroa olhar e filmar bem, mas aí ele perdeu a estribeira, largou a câmera e disse: – Chega.. Esse cuzinho agora é meu. Põe a guria de 4 que aqui vai vara. Erika e eu ajudamos Jessica a ficar de quatro e abrimos bem a bunda dela, para o cacete quente e pulsante que vinha a caminho. Nunca tinha visto um pau entrar num cu ao vivo. Que beleza de cena. Com o cu já alargado, a chapeleta do cacete entrou até a metade e quando empurrou passou a glande toda, com Jéssica gemendo e pedindo pra ir devagarzinho. Alexandre estava num tesão descomunal e como tal estava seu cacete de grosso. Aquilo foi sumindo centímetro a centímetro no cu da nossa amiga enquanto eu afagava seu grelinho. O coroa carcou fundo na bunda dela o quanto quis enquanto ela gemia. Cheguei a ver 2 lagriminhas correndo pela face da menininha na hora que Alexandre a obrigou puxando seus cabelos longos, a abrir a própria bunda com suas mãozinhas pra levar o ferro até o fundo. Quase gozou, mas se segurou, pois ainda queria experimentar nós duas. Perguntou.. – Quem é a próxima a levar no cu ? O pau dele estava muito grosso. Arrepiei de medo e apontei pra Erika. – Come ela primeiro seu Alexandre. Ela é maiorzinha que eu... – Sacana você heim amiga... Tá bom disse Erika.. Vou pro sacrifício. – Vou te enrabar de franguinha. Deita de barriguinha pra cima e vocês duas levantem bem as pernas dessa safada. Com as pernas dobradas pra trás por nós duas, aquela bunda varias vezes desejada pela escola toda, ia finalmente receber o que merecia. Alexandre se ajoelhou entre nós duas, mirou o caralho no cu da nova vitima e brincou um pouco antes de também descabaçar de vez aquele cuzinho de ouro. Erika adorou tomar no rabo. Gemia, arfava e puxava mais ainda suas próprias pernas pra trás para que o cacete se alojasse por inteiro no seu rabo. De repente pela primeira vez começou a gozar com o pau no rabo enquanto mexia furiosamente em seu grelo. Via-se a xoxota ainda virgem completamente babada, enquanto logo abaixo aquela tora entrava em seu ânus. Novamente Contos Imor(t)ais - TRÊS ESTUDANTES – 219 -


Alexandre parou antes de gozar. – Agora você professorinha.. Vai experimentar a naba do coroa. Você eu quero sentada de cu na vara, mas antes eu mesmo vou te alargar o rabo com esses brinquedos. Me fez ficar de pé e abaixar até segurar meus tornozelos com minhas mãozinhas e então sem cerimônia foi enfiando os brinquedos vaselinados no meu rabo adentro, daí pegou outro brinquedo que ainda estava na minha bolsa, um tríplice de bolinhas vermelhas em série, e começando pela menorzinha foi enfiando aquilo no meu rabo, com meu cu sofrendo os alargamentos sucessivos por bolinhas cada vez maiores até que entrou tudo. Daí o sacana pegou a câmera e me fotografou novamente com aquela flor de bolas vermelhas no cu. Ai que vergonha que me deu, e falei mesmo que eu estava envergonhada pra ele. Pra quê... Ele então disse que adorava arrombar cuzinho de menina envergonhada. Retirou lentamente saboreando as bolinhas saindo uma a uma e re-alargando meu rabo até a ultima e aí sentou com aquele caralho descomunal pra cima, me colocou de pé na frente dele com as costas para o cacete, e disse: – Vem sentando minha filha, que seu cu agora vai sentir um caralho subindo pelo teu reto a dentro, e não quero reclamação. Vocês duas ajudem ela para ela não perder o equilíbrio. Erika e Jéssica me seguraram enquanto eu abria ao máximo minha bunda para centrar o cu sobre aquela jeba quente, e com meu peso senti a vara entrar. Uhhhhh como é grossa.. Meninas vocês são machas mesmo de aguentar isso no cu... Ai meu Deus, num vai entrar tudo. Ai.. tá entrando, tô sentindo quase na goela... Vou parar .. Só até aqu i moço... Mais não... Entupiu... Chega... Mas não adiantou meus pedidos. Alexandre me segurou pelas ancas e forçou meu corpo pra baixo me enrabando até as bolas. Daí ele se deitou pra trás me arrastando e comandou as meninas a chuparem suas bolas, uma cada uma, enquanto ele brincava comigo me rodando pra cima e pra baixo fazendo aquele monstro entrar e sair de dentro de mim. Ao mesmo tempo me coçava o grelo gostoso e acabei gozando também pela primeira vez com o pauzinho no cu que nem a Jéssica, e aí sim, senti o coroa vazar um litro de porra no meu rabo. As meninas ajudaram a sacar a cobra do meu cu e ficaram apreciando a porrinha vazar do meu buraquinho, pois o sacana ficou me massageando a barriga e dizendo pra fazer força pra fora. Dali fomos para um merecido banho e uma maravilhoso almoço. Alexandre o Grande ainda nos enrabou cada uma mais uma vez e aí sim se fartou. Fomos as 3 pra casinha devidamente furadinhas no cuzinho mas adoramos a inauguração. A noviça adorou tanto que pediu pra nós fazermos de novo com outros machos gostosinhos, mas não sei se vou encontrar... E pra quem não dispensa um videozinho eu posso enviar se deixaem o email nos comentarios. Beijinho das três estudantes endiabradinhas..

Contos Imor(t)ais - TRÊS ESTUDANTES – 220 -


CURIOSIDADE ATO I Na semana passada minha mãe estava muito estranha. Primeiro ficou um bom tempo de calcinha e blusinha de alças andando pelo apartamento, depois queria saber se eu ia sair, o que eu ia fazer e tauz. Tudo bem que quando fico em casa, gosto de ficar mais a vontade...tipo, shortinho, camiseta ou até mesmo só de calcinha e camiseta mas, minha mãe quase não fica assim. Quando eu quis saber porque ela desconversou e mudou de assunto. Mais tarde eu ouvi ela falando do meu pai, com alguém no telefone: – ...aquele corno, safado só vive em Brasília! Agora tá lá cuidando da campanha do Governador de São Paulo o tal do José Serra que vai se juntar com o Banco Itaú pra prometer caderneta de poupança para as crianças quando nascem e garantir a faculdade deles. Pode? O pior é que o povo acredita nessas palhaçadas. Já tem mais de um mês que ele nem aparece em casa, só liga! Agora disse que vai demorar mais uns dias...ah fala sério! Já tô de saco cheio, viu! Não! Pode vir sim! Acho que a Cinthia não vai sair, mas pode vir. Tchau! Beijos. Como ela tinha falado no meu nome eu perguntei com quem ela estava falando naquela hora e novamente ela desconversou e disse que estava falando com o empreiteiro que tinha que terminar um serviço que não tinha acabado aqui no nosso apartamento. Ela estava mesmo muito estranha. Depois do almoço o meu pai ligou de Brasília e eles brigaram por telefone. Escutei ela dizer pra ele que não ia passar um tal e-mail pra ele e que ele era muito ruim com a gente porque só vinha em casa uma vez ou outra e que essa política filha da puta que ele estava metido ainda ia acabar com ele. Não sei o que ele respondeu pra ela mas, ouvi quando ela falou bem alto: – Ah! Então é assim? Pois eu vou dar para o primeiro cara que aparecer na minha frente. Você ainda ri? Não está acreditando? Para de rir...eu estou falando sério! Tá! Tá!...eu vou passar essa merda de e-mail pra vc...tchau! E bateu o telefone na cara dele. Vi quando ela foi para o escritório e ficou por lá uns 40 minutos. Depois o celular dela tocou e ela saiu de lá atendendo e foi para o quarto. Devia ser alguma coisa confidencial porque ela se trancou no quarto. Eu desci as escadas e corri para o escritório e como ela deixou o PC ligado eu pude ver o arquivo que ela tinha passado para o meu pai. Não entendi direito mas, era sobre política, é claro!

Contos Imor(t)ais - CURIOSIDADE – 221 -


Primeiro dizia que um tal de um Alkimin, Governador em São Paulo só tinha sido eleito porque o povo é esquecido e burro, que outro cara um tal de Aécio vai sair pra presidente na próxima eleição e tauz, que o governo PT vai gastar 26 bilhões no Rio com os jogos olímpicos de 2016 e que o povo é que ia pagar a conta e outros blá, blá, blás! Mas o que me chamou a atenção era que eles tinham que tirar do ar os sites – http://otributado.sqweebs.com, http://www.corrupcao.comoj.com, http://www.brasilpolitica.net23.net, http://brazilcomex.net63.net, http://opolitico.sqweebs.com, porque falava M mau de todos os governos etc, etc, etc. Ai eu entendi, que meu pai estava mesmo envolvido com tudo aquilo. Eu pensava que ele só recebia dinheiro das empreiteiras e de algumas empresas para dividir com os políticos pra quem ele trabalhava mas, tinha muito mais coisa por detrás. Minha mãe também tinha os motivos e as razões dela. Bom, com medo de ser descoberta corri e voltei para o meu quarto. E foi a conta, porque logo eu ouvi ela voltando e entrando no escritório outra vez. Depois. Saiu. Pouco tempo depois eu ouvi quando ela me chamou no quarto dela. Ela ainda estava de calcinha e blusinha de alça com listras brancas. Quando cheguei perto dela ela foi logo falando: – Cinthia, você e eu somos muito amigas né? A gente não tem segredo uma com a outra, você sabe! A sua vida, pertence a você e eu nunca iria me intrometer. Mas, pro outro lado você sabe que sexo deixa a vida mais gostosa, né? Nessa hora mesmo envergonhada, eu ri olhando pra ela e perguntei: – Mãe! Você está muito estranha hoje. E, agora vem com esse papo...o que tá rolando?. Ela então, falou: – Seu pai de uns anos pra cá sempre foi ausente É um homem muito ocupado e quase não tem tempo para ficar com a gente. Eu sou mulher, me acho bonita mas ele nem me procura mais. Eu na hora interrompi ela e falei: – Mãe eu sempre soube de tudo o que você está querendo dizer. Por mim você pode continuar dando as suas escapadinhas mas você tem de tomar mais cuidado para ele não saber, eu sei que ele não dá mais amor a você e toda mulher necessita de amor. Você é bonita sim! Eu já vi muitos homens te olhando na rua...se é isso que você quer me dizer pode ficar sossegada que eu estou do seu lado. Assim como você eu também tenho as minhas necessidades e desejos...fica sossegada. Ah, tem mais uma coisa...já que estamos num papo de mulheres, mata uma curiosidade minha? Ela mexeu a cabeça dizendo que sim e eu continuei: – Teve uma vez que eu encontrei no banheiro do seu quarto uma camisinha no sexto de lixo. Desculpa mas, quando aqui estava em obras eu precisei usar o de lá...então, porque a camisinha daquele homem era tão grande? Naquela hora que eu peguei, eu achei diferente, olhei pra ver e era Contos Imor(t)ais - CURIOSIDADE – 222 -


maior que meu antebraço. Ela gelou, ficou vermelha igual a um pimentão mas, como é muito sincera comigo e respondeu: – Ahm.. Er...bem...É que o pênis do meu amigo é muito grande e ele tem que comprar camisinhas especiais, porque as normais rasgam facilmente. Mas daquele tamanho, mamãe? Eu perguntei com cara de abobada. – Sim, Cinthia! – Mas não dói? Ela me puxou pelo braço pra eu sentar ao lado dela na cama e respondeu: – Doeu um pouquinho no início, mas depois que acostuma, a vagina se dilata e… é… bem… ahm… Curiosa eu insisti: – Ah! Fala logo mãe, estou louca pra saber! Naquela hora eu fiquei surpresa com ela quando me respondeu: – Você quer mesmo saber? Pois é uma delícia! – Nossa! Posso saber quem é esse amigo? Perguntei pra ela. Ela não era boba, então sabia do que eu estava falando. Senti que ficou um pouco desconcertada. Então, conversamos bastante sobre o assunto. Tamanho do cacete. Ela me disse que sempre achou que tamanho não importava, mas que depois que experimentou, não conseguiu mais largar. Ela contou dos namorados que teve, que foram normais e eu dos meus mas que nunca tinha visto um daquele tamanho. No final ela acabou me contando que era de um cara chamado Wellington, um pedreiro de 49 anos que ela conheceu por causa da obra no nosso apartamento. Apesar de saber que geralmente os homens negros tem o pinto avantajado mesmo, fiquei curiosa com aquele tal pedreiro. Notei também que minha mãe ficou excitada com aquela conversa e estava bem descontraída comigo. Era uma amiga! Deixou de ser mãe! Então eu abusei e disse: – Sei que você está com tesão, só dessa nossa conversa mas, logo você vai ter ele de volta! Ela toda sem graça, vermelha, surpresa comigo mas rindo de gargalhar, respondeu:

Contos Imor(t)ais - CURIOSIDADE – 223 -


– Cinthia! Para com isso! Assim eu morro de vergonha, filha! Ficamos em silêncio por alguns segundos e eu levantei dei um beijo no rosto dela e já ia saindo do quarto quanto ela veio atrás de mim e para o meu espanto me perguntou: – Sei como você ficou curiosa e não sei como você vai reagir ma, você quer ver o pênis dele? Penso que não tem nenhum problema satisfazer essa sua curiosidade, afinal nós duas somos mais que mãe e filha. Somos amigas, cúmplices e confidentes. Apesar de bastante espantada pela pergunta dela olhei com cara de pidona e respondi: – Jura, que você deixa? Mas como? Numa boa, ela falou: – O Wellington vem aqui para pegar uns documentos...talvez amanhã. Você pode ficar escondida aqui no meu armário e olhar pelas frestas. Eu dou um jeito dele colocar pra fora aquilo tudo, o que você acha? Achando aquilo tudo engraçado, falei: – Ah mãe...eu adorei a idéia mais fico com medo dele querer transar com você na hora, já pensou? Você, teria coragem de transar com ele mesmo sabendo que eu estou aqui nesse armário? Ela riu, me abraçou, deu um tapinha na minha bunda e disse: – É filha! É o risco que se corre, né? E você? Teria coragem de ver?

ATO II Super sem graça eu falei pra ela: – Então tá certo! Eu topo! Tudo bem pra você? Ela riu e disse: – Filha, já te falei que que não tem nenhum problema satisfazer essa sua curiosidade, afinal nós duas somos mais que mãe e filha. Somos amigas, cúmplices e confidentes. Seu pai nunca vai saber e eu confio em você assim como você pode confiar em mim. Mais tarde eu fiquei pensando que ela deve ter ido encontrar com ele, porque me deu um beijo, saiu toda bonita e cheirosa e falou: – Não me espere porque vou chegar mais tarde, tá? Se o seu pai ligar, coisa que ele não faz mesmo, diz que fui na casa de uma amiga. Como ele não apareceu pra trazer os tais documentos eu tive a certeza de que os dois estavam juntos mesmo. Contos Imor(t)ais - CURIOSIDADE – 224 -


Bem, tipo umas 10:00h da noite eu já tinha tomado banho e estava de camisola curtinha, de calcinha por baixo e sem sutiã deitada na minha cama assistindo TV. O telefone tocou e pra minha surpresa era a minha mãe que quase sussurrando do outro lado da linha foi logo me dizendo: – Filha...não to podendo falar direito agora mas, estamos indo pra casa. Eu parei o carro pra ele comprar uma garrafa de vinho e resolvi te avisar. Faz aquilo que combinamos que daqui uns 10 minutos estamos ai, tá? Um beijo. Tchau! Nossa! Eu não sabia o que fazer. Na hora me deu uma tremedeira nas pernas só de pensar que eles estavam chegando aqui. Depois que passou, fiquei esperando eles chegarem e assim que vi do alto da janela do apartamento o carro vir se aproximando, corri e me escondi no guarda roupas do quarto da minha mãe. Ouvi quando eles entraram e ele perguntou pra ela: – Não tem perigo da sua filha aparecer? Ela riu e disse que era pra ele ficar calmo que estava tudo bem e que eu já estava dormindo. Certamente foram até a cozinha para beberem vinho porque demoraram mais um pouco pra entrarem no quarto dela e quando entraram estavam rindo a toa. Ela abraçou ele e disse: – Porra você é foda mesmo heim?. Daquela última vez que esteve aqui você deixou uma camisinha jogada no banheiro e a minha filha viu depois que chegou da rua, sabia? Ele com cara de espanto respondeu: – Puxa! Desculpa não fiz de propósito! E ai? Ela te encheu o saco? Minha mãe falou: – Mais ou menos, né? O pior, é que ela ficou super curiosa por causa do tamanho da camisinha sabia? Ele riu e ela deu um tapinha no braço dele e continuou: – Você impressionou a Cinthia, sabia? Precisava ver a carinha de espanto dela quando me perguntou se existia um cacete desse tamanho mesmo …e nessa hora ela segurou o cacete dele por cima da calça… e eu fui obrigada a responder que sim. – Ela ficou super curiosa, viu? Ele então na maior cara de pau respondeu pra minha mãe: – Eu tenho certeza que ela ficou querendo experimentar. E eu também agora fiquei doido pra sentir aquelas mãozinhas lindas no meu pau. Você deixa? Daí minha mãe ainda mais safada ainda respondeu dando uma risadinha e segurando outra vez o cacete dele por cima da calça: Contos Imor(t)ais - CURIOSIDADE – 225 -


– Não sei...vou pensar tá? Logo depois a minha curiosidade e o meu tesão eram imensos, abaixaram a luz e ali começou uma ralação incontrolável aquele cara a encoxava de tal maneira que o vestido dela subia e descia, minha mãe estava ofegante ele a beijava no pescoço e sussurrava no seu ouvido começou a passar as mãos na bunda dela que já não se controlava mais de tesão. Ele então ergueu o vestido dela e começou a passar a mão na sua xana por cima da calcinha e ela foi descendo a mão devagarinho e segurou o cacete dele que já estava durão debaixo daquela calça de tecido fino que marcava um volume imenso. Minha mãe foi se ajoelhando lentamente abrindo os botões da camisa dele e depois chegou até a calça. Depois ela abriu a calça do Wellington e abaixou junto com a cueca, naquele momento pulou pra fora da calça um cacete enorme que quase tocou o rosto dela e pude ver que também já estava todo molhado. Minha mãe com a ponta da língua começou a lamber aquele cacete gigante e depois começou a chupar lentamente olhando de canto de olho pro lado do guarda roupas onde eu estava escondida. Logo ela então começou a mamar aquela coisa grande e dura quase que bem ali na minha frente... eu não acreditava que aquilo estava acontecendo, ela não estava nem ai e começou a aquela tora como se fosse o ultimo cacete do mundo, com os olhos fechados e saboreando cada centímetro, eu vendo aquilo fiquei louca de tesão. Meus pelinhos estavam melecados e meu gozo começava a molhar a minha calcinha e escorrer pelas minhas coxas que estavam quentes. A minha vontade era abrir a porta do guarda roupas e ir lá dividir com ela aquele monstro de cacete brilhante e úmido. Minha mãe tentava colocar aquilo tudo na boca enquanto chupava mais eu via que não cabia e as vezes ela até engasgava e tirava pra poder respirar direito. Só sei que de repente o Wellington começou a tremer e a soltar urros e seu corpo balançava pra frente e pra trás com a minha mãe todo o tempo agasalhando aquela imensa tora dentro da boca. Ele pediu então pra ela parar se não iria gozar, ela então levantou, tirou a roupa e puxou ele para a cama e nem se importou comigo, eu segui os dois com os olhos por entre as frestas das portas do guarda da roupas e eles se beijavam com muito tesão, ela com a mão no cacete dele que mau conseguia segurar e ele apertando a bundinha dela e passando a outra mão pelo seu corpo. Minha mãe então deitou e ele começou a chupar a xana dela e eu via aquela cena e não podia quase me controlar porque estava explodindo de tesão. E quando ela se contorcia e gemia, então? Afff...eu fiquei doidinha! Não demorou e ela então disse pra ele: – Vem me comer logo que não estou agüentando mais! Ele tirou a boca da xana dela e se levantou, ela abriu bem as penas e ele esfregou aquele cacetão na porta da xana dela e começou a colocar. E mesmo ela estando super molhadinha ele teve dificuldade pra colocar aquela tora todinha dentro dela. Ela gemia como uma louca e ele nem tinha colocado tudo. Depois de uns momentos ele colocou ela de quatro, esfregou novamente o cacete na entrada da xana dela e foi enfiando devagarinho aquilo tudo dentro da minha mãe. Eu não agüentei e acabei Contos Imor(t)ais - CURIOSIDADE – 226 -


gozando, de novo. Era incrível aquela cena...eu ali, vendo a minha mãe sendo arrombada com um cacete daquele tamanho. Não demorou e ela então não agüentou mais e começou a gozar, fazendo um escândalo danado. Parecia que estava estérica. Mas o Wellington não parava de socar na xana dela. Ele então tirou seu cacete enorme de dentro dela e eu vi o buraco que tinha ficado na xana dela ir fechando e voltando ao normal. Minha mãe caiu cansada de bruços na cama e ele deitou por cima dela, encostou a boca no ouvido dela e falou: – Agora minha gostosa safada, o seu macho quer comer o seu cuzinho daquele jeito que você gosta. Depois eu vi quando o Wellington ajeitou ela na cama e encostou a cabeça daquela tora no indefeso e pequeno cuzinho da minha mãe e pressionou devagar mas firme até toda cabeçona desaparecer. Parecia que cuzinho dela era uma boca faminta porque foi engolindo aquilo tudo de uma vez. Ele só colocou a cabeça e mais um pedacinho e ela mordia o travesseiro e tentava rebolar, urrando feito uma maluca. Logo depois ele tirou aquele pedaço de carne dura e grossa de dentro dela, sentou na beira da cama e falou: – Senta...senta, gostozura! Senta aqui...no pau do teu macho fudedor, senta! Ela foi sentando com muito jeito e eu vi novamente a sua bunda ir engolindo aquela imensa rola e ela mesma ia subindo e descendo sem parar. Já não aguentando mais, ele segurou na cintura da minha mãe, puxou ela pra cima e a colocou sentada nas suas pernas deu um urro e ai esporrou tudo o que tinha direito, melecando toda as costas e parte da bunda dela. Ele caiu na cama de costas e ela foi também de costas por cima dele. Depois, ele levantou e disse que ia tomar banho e quis que ela fosse junto mas ela disse pra ele ir indo que ela ia olhar como estavam as coisas, se referindo ao meu sono. Ouvi quando ele só respondeu: – Ah, tá! Então vai lá! Ela esperou ele sair e veio até aporta do guarda roupas e falou pra mim: – Pode sair que ele já foi!. Abri a porta, sai e de boca aberta, só falei pra ela: – Mããeeee...afff..como você aguentou tudo aquilo? Nunca tinha visto uma coisa daquela! Mas ela percebeu a minha cara e o estado que eu estava, porque as minhas coxas estavam todas melecadas pelo meu gozo. Para a minha surpresa ela ajeitou os meus cabelos com as mãos e respondeu: – Filha, não precisa disfarçar porque eu sei que você quer o experimentar o cacete dele, to vendo isso nos seus olhos. E eu vou deixar você transar com o Wellington do jeito que você quiser, na Contos Imor(t)ais - CURIOSIDADE – 227 -


minha cama se você quiser, eu até te ajudo. Se sentimos prazer, que diferença faz de quem é um ou de quem é outro? Vou deixar você dar pro Wellington o quanto você quiser mas, tem uma condição; se isso tem mesmo que acontecer, vou te ajudar, pois não quero você machucada. Você ainda é uma menina e ele parece um cavalo...você viu né? Nem preciso falar mais nada. Faz o seguinte, vai para o seu quarto que eu te preparo a surpresa mas, me promete que não vai comentar isso com ninguém, tá? Eu balancei a cabeça dizendo que sim, dei um beijo no rosto dela ela veio comigo até a porta e quando voltou e foi andando para o banheiro notei que ela andava com as pernas um pouco abertas e vi o estrago que ele tinha feito. O Wellington literalmente, arregaçou, arrombou, estraçalhou com a bunda da minha mãe porque o cuzinho dela ainda estava um pouco aberto. Com cara de espanto, fui para o meu quarto me preparar. Deitei na minha cama de bruços, abraçando o travesseiro e senti que a minha camisolinha subiu deixando aparecer a minha bundinha dentro da minha calcinha.

ATO III Então...continuei deitada na minha cama de bruços, e sentindo que a minha camisolinha tinha subido deixando aparecer as polpinhas do meu bumbum. Não demorou e escutei alguem parando na porta do meu quarto que tava escuro. Fingindo que tava dormindo, ouvi quando eles cochicharam alguma coisa. Logo senti minha mãe sentando do meu lado na beirada da cama e passando a mão no meu cabelo falou baixinho enganando ele também como se eu estivesse dormindo mesmo: – Filha, filha...tenho uma surpresa pra você! Sabe quem está aqui? O Wellington! Lembra que te prometi uma coisa...pois é...posso deixar ele entrar? Eu, fingindo estar morrendo de sono respondi: – Aham! E puxei a camisolinha pra baixo tentando esconder as minhas polpinhas. Percebi ela fazendo um sinal lá pra porta e ouvi ele entrando no meu quarto. Ela levantou e antes de sair falou pra ele: – Vê lá heim? Eu amo essa menina! Depois que a minha mãe saiu do quarto ele se aproximou e vi logo o volume daquela coisa balançando. Ele ficou nu em pé, ao lado da minha cama. Nossa, o cacete dele era muito grande e bem grosso. Do jeito que eu tinha visto pela fresta do guarda roupas do quarto da minha mãe. Então, sem eu esperar ele pegou a minha mão e colocou em cima do cacete dele e disse: – Sua mãe me contou que você ficou curiosa pra conhecer o meu pau! Olha aqui! Sente! Vê se gosta!

Contos Imor(t)ais - CURIOSIDADE – 228 -


Nossa! Era um cacetão de respeito, bem grosso e comprido e fiquei alisando bem devagarinho e ele ficou mais doido ainda depois que eu comecei a apertar e percorrer a mão por toda aquela coisa enorme, grossa e dura. Levei o maior susto quando ele meteu a mão por dentro da minha calcinha e tocou minha xaninha que já estava encharcada. Deu um gemido e falou: – Hum! Você está molhadinha! Igualzinha a sua mãe, né? Tal mãe, tal filha! Tremi toda quando ele enfiou um dedo dentro de mim eu achei que tinha enfiado a mão toda. Nooossaaaaa! Só me lembro que mexi muito naquele dedão grosso enquanto ele dizia pra eu aproveitar porque ele ainda ia demorar pra gozar. E falava: – Vai! goza gostoso, vai, aproveita, goza pra mim...e deitou o peito em cima das minhas costas e passou a língua na minha orelha. Dizendo: – Você é linda, linda...enquanto me abraçava apertado e eu acabei gemendo e gozando no dedo dele. Então, ele arrancou a minha calcinha me puxou e quando dei por mim ja estava debaixo dele e aquela coisa grande e dura com parte nas minhas costas e parte colada no meu bumbum Ele me beijava no pescoço e falava no meu ouvido, fiquei toda arrepiada e me entreguei. No começo não queria que ele percebesse que eu estava querendo pra ele não se sentir o dominador mas não deu, ele é muito bom, sabe como pegar uma mulher e eu era toda dele e ele podia fazer o que quisesse comigo que eu nem me importava mais. Com jeitinho fui saindo debaixo dele, sentei na cama e comecei a massagear com as duas mãos aquela tora. Fui até no saco dele, passei as mãos nas bolas e voltei para o mastro, puxei a pele arregaçando a cabeça, alisei um pouco com a ponta dos dedos, me curvei, coloquei meus lábios naquela baita cabeça e dei algumas lambidinhas porque na minha boca aquilo não conseguia entrar. Ele gemeu. Nessa hora, minha mãe, que havia escutado os nossos gemidos veio até a porta do meu quarto toda nua e ao me ver punhetando o Wellington, falou: – Ah! Isso parece que está muito bom, né? Também quero ir ai! Ele olhou para a porta e quando a viu nua disse já não se agüentando mais: – Eu vou adorar! Vocês são duas maravilhas! L evantei e quando andei um pouco ele alisou a minha bundinha por alguns segundos. Minha mãe veio ao meu encontro pegou na minha mão e fomos as duas para a minha cama ao encontro dele. Ele se deitou de barriga pra cima e eu e minha mãe chupamos o cacete dele até ele gozar em nós , depois ele nos chupou revesando a língua entre a buceta dela e a minha. Gozamos. Logo ele teve outra ereção e pegou a minha mãe na posição de frango assado, enquanto eu na beirada da cama me masturbava vendo os dois treparem. Depois, colocou ela de quatro e meteu a tora sem dó, e bem forte no rabo dela, até que com um grito da minha mãe, vi a cabeça dar um salto e sumir dentro do cu dela. Contos Imor(t)ais - CURIOSIDADE – 229 -


Ele ficou parado um bom tempo e depois reiniciou as bombadinhas, mas desta vez com a cabeça do pau dentro do rabo dela e eu fui assistindo o cu da minha mãe engolir aquele mastro pedaço por pedaço. Depois ele aumentou a retirada da tora e cada vez que tirava ele cuspia para que assim o cacete deslizasse mais fácil. Então ele tirou o cacete do cu dela fez um sinal pra mim e mandou eu chupar, eu chupei com muita vontade e dificuldade, porque nem cabia na minha boca aquele mastro que estava dando muito prazer pra minha mãe. Depois ele tirou aquilo da minha boca e mandou ela ficar na mesma posição que estava em cima da cama. Ele se posicionou e enfiou no cu dela de novo e ficou metendo ali por longos, intermináveis e adoráveis minutos, até que ele retirou o caralho do cu da minha mãe e eu pude ver o estrago que tinha feito. O Wellington arregaçou, arrombou, estraçalhou com a bunda dela. Eu vi que o cu dela não fechava, não voltava ao normal, ficou com uma abertura da largura do cacete dele. Olhando pra minha cara de espanto ele enfiou outra vez e ficou comendo o cu e a buceta dela mais uns cinco minutos, tirava de um e metia no outro até que ela gritou que ia gozar. Ela foi ao delírio e estremeceu e gozou de jorrar líquido longe, molhou muito o lençol da minha cama. Ela tremia, gritava que estava gozando e o liquido não parava de sair da xana dela, quando não tinha mais gozo nenhum, minha mãe se jogou na cama exausta e disse que não agüentava mais. Percebi que a minha mãe estava morta de cansada. Depois ele chegou com a boca bem perto do ouvido dela e disse: – Vai! Pede pra ela o que você me falou! Minha mãe virou o rosto para a parede respondeu baixinho: – Tá louco! Eu disse aquilo num momento de loucura com você! Imagina se vou pedir uma coisa dessas pra minha filha! Senti que ela estava morrendo de vergonha de mim e então eu disse: – Ah! Fala pra mim mãe...pode falar. Agora eu fiquei curiosa. Pode falar, vai! Nós duas somos mais que amigas! Anda, fala logo! Eu também não me aguento de tanto tezão depois que vi vocês dois ai! Naquela hora, ela sem olhar pra mim falou aquilo que me deixou muito surpresa e passada: – Eu queria te pedir uma coisa que não sei como você vai reagir...ainda mais vindo de mim...mas, é uma coisa que o Wellington tinha me pedido e na hora eu fiquei com muita raiva dele mas depois que vi você com ele acho que devo falar. Eu morrendo de tezão respondi sem piscar: – E o que você quer me pedir minha mãezinha adorada? E ela para o meu espanto continuou: – Quero ver você dando o cuzinho pra ele... desde a primeira vez que te vi curiosa em querer saber como ele era e depois que falei pra ele, fiquei imaginando como seria esse caralho enorme no seu cuzinho , faz isso por mim e por ele minha querida , deixa eu ver esse cacete dentro desse rabinho lindo e apertado de menina que você tem. Contos Imor(t)ais - CURIOSIDADE – 230 -


Eu passada respondi: – Mãããeeeeee...ele acabou com você! Eu não aguento tudo isso em mim, não! Vontade eu até tenho mas, não tenho coragem...affff!. Então ela com jeitinho respondeu: – Fica tranquila minha querida! A mamãe vai te ajudar! Eu não deixo ele enfiar tudo isso em você, prometo! É só a cabecinha...juro! Ele riu quando eu respondi: – Cabecinha? Você chama isso de cabecinha? Apesar do medo o tezão falou mais alto e eu disse: – Então tá! Mas, é por você que vou deixar tá? E enquanto ela sentava, eu fui pra cama e fiquei de quatro esperando por ele. Ela ficou do meu lado e quando ele chegou perto de nós duas ela segurou no cacete dele e veio trazendo até a cabeça daquela tora encostar na entrada do meu cuzinho. Eu levei um susto e levei os joelhos pra frente. Minha mãe me pediu pra ficar tranquila largou o cacete dele e foi me ajeitando na cama e dizendo: – Fica nesta posição filha é bem melhor. E me fez apoiar o rosto no colchão, empinar bastante o rabo e ficar esperando o cacete dele. Ele abriu mais um pouquinho as minhas pernas e a minha mãe segurando aquela tora grossa e dura encostou de novo aquela baita cabeça na entradinha do meu cuzinho. Quando ele forçou e eu senti minhas pregas se abrirem me agarrei no travesseiro e minha mãe percebendo a minha aflição disse pra ele: – Cuidado, Wellington! Coitadinha dela! Vai devagar né? Olha que se você não fizer o que nós combinamos eu tiro a minha filha daqui heim? É só a cabeça! Vê lá! Pra acalmar os dois eu falei: – Está tudo bem mãe! Foi só uma dorzinha...agora já passou! Com aquela cabeça já dentro do meu cuzinho eu já estava até conseguindo rebolar apesar de sentir ela pulsar e as vezes me abrir mais um pouquinho. Minha mãe mais sossegada, deitou do meu lado e assistia tudo, se masturbava, mas não participava, apenas incentivava ele dizendo as vezes: – Isso, come a bundinha dela! Nâo era isso que você queria? Eu continuei bem quietinha, só deixando ele brincar no meu cuzinho. E com o mastro ainda encaixado no meu reguinho e a cabeça presa pelo meu cuzinho, ele ficava passando as mãos na minha bunda e num certo momento quando eles nem esperavam eu fui me empurrando pra trás bem devagarinho e senti a cabeça entrar mais um pouco com um pedaço do cacete dele junto. Dei um gritinho e ele não aguentou e disse que ia gozar.

Contos Imor(t)ais - CURIOSIDADE – 231 -


Tirou o cacete e ofereceu para minha mãe, que com dificuldade abocanhou e recebeu toda a porra dele, que escorria pelos cantos da boca.. O cacete ainda estava meio duro quando ela tirou da boca e me disse: – Quer sentir filha? Toma, é gostoso! Eu coloquei na boca envolvi nos meus lábios e suguei o restinho daquele leitinho quente e grosso até ele ficar mole nas minhas mãos. Depois ele tirou o cacete das minhas mãos e se deitou no meio de nós duas, foi maravilhoso. Adormecemos acariciando o peito dele.

Contos Imor(t)ais - CURIOSIDADE – 232 -


DP COM BIDU Meu filho tem seis anos e é uma criança hiperativa, diariamente sua professora me faz queixas do seu comportamento e recomendou que eu o leva-se a um psicólogo, lá fui orientada a lhe impor tarefas disciplinar e a dica seria cuidar de um animal, dar água, comida, levar para passear e a limpeza, ou algo assim. Meu marido optou por um cão labrador que apesar de ser grande é dócil. Bidu era um filhote de quatro meses, mas devido a sua raça cresceu rápido, com oito meses ele entrou no cio e vivia o tempo todo pulando em cima da gente já sanfonando a sua lingüiça. Certo dia a porta do meu quarto estava entre aberta e Bidu entrou justo quando eu e meu marido fazíamos amor, levamos um susto quando ele subiu na cama e já veio todo assanhado para cima, o colocamos para fora, mas já havia cortado o nosso clima. Começamos a conversar depois do ocorrido e meu marido insistia em saber; e se o cachorro tive-se conseguido encaixar o que eu faria? Os dias se passaram e eu estava ate proibindo o Bidu de ficar dentro de casa, mas cinco dias após este incidente novamente nos amávamos quando tudo propositalmente se repetiu. Um pouco depois de começarmos a nos acariciar meu marido disse que precisava beber um pouco de água, foi justamente quando ele, pois o Bidu para dentro de casa e não trancou a porta do quarto quando voltou para cama, ele me puxou para cima dele e eu comecei cavalgar de repente ele me abraçou com um beijo de tirar o fôlego, justamente quando Bidu sobe em nossa cama e me envolve por trás com as suas patas, tentei, mas não consegui me desvencilhar daquele abraço e meu marido me segurava pedindo calma dizendo que Bidu não ia conseguir nada porque ele estava dentro de mim. Bidu tentou sem êxito desceu e começou a lamber só que naquela posição ele estava lambendo meu cuzinho, quando Bidu voltou a montar sua lingüiça pontuda ameaçava entrar no meu cuzinho babado de saliva canina eu já não oferecia nenhuma resistência depois daquela linguada no cuzinho fiquei cheia de tesão mas Bidu não conseguiu encaixar e novamente veio me lamber dessa vez quando ele montou meu marido deixou minha bucetinha livre para o Bidu, ele encaixou num golpe só e começou a se agitar freneticamente, era fino comparado ao do meu marido, mas muito gosto por ser intenso, continuo e veloz. Bidu voltou a descer, achei que ele tive-se gozado dentro de mim, tornou a me lamber, que delicia de língua, não a troco pela de nenhum homem, agora ele me lambia de cabo a rabo, sentia meu gozo se aproximando, meu marido percebeu e tratou de me penetrar, estava muito gostoso ver o meu marido gemendo só podia supor que Bidu estava lambendo ele também enquanto me lambia. Dessa vez fui eu quem o chamei e Bidu veio me arranhou com suas patas quando me abraçou, mas eu estava cheia de tesão que nem liguei, se equilibrava na pontinha das patas sanfonando a sua lingüiça tentando encaixar, sentia sua pontinha cutucando meu cuzinho, joguei dois dedos na boca e os levei para o meu cuzinho cheios de saliva, introduzi um dedinho sentindo aquela pontinha tocando nas costa da minha mão levantei um pouco a inclinação do meu corpo e acertei o ângulo que faltava para que o Bidu me penetra-se e de repente eu realizava um desejo antigo de ter dois cacetes ao mesmo tempo eu só não imaginava que um deles seria de um cão.

Contos Imor(t)ais - DP COM BIDU – 233 -


Com a mesma intensidade em que Bidu comeu minha bucetinha ele comeu meu cuzinho, me rasgando sem nenhuma pena enquanto o meu marido gozava na minha bucetinha, logo em seguida foi Bidu quem gozou, sua lingüiça inchou dentro do meu cuzinho e fiquei engatada igual a uma cadela sua porra quente me enchia de tesão mas gozei mesmo foi com aquele lingüiça inchada latejando dentro do meu cuzinho, que delicia não vejo a hora de repetir e o melhor de tudo é que nem precisamos pedir sigilo a esse amante, ninguém entende o que ele late.

Contos Imor(t)ais - DP COM BIDU – 234 -


MARIDO A JOGAR FUTEBOL Olá a todos meu nome é Solange, vou tentar contar a vocês de maneira sucinta a maior loucura que aconteceu na minha vida até duas semanas atrás. Confesso nunca ter pensado que isso fosse acontecer comigo e não sei de onde tirei coragem para levar adiante, pois estou pasmada e ainda não me recuperei totalmente. Confesso ter adorado me sentir desejada, cobiçada isso eleva à auto estima de qualquer mulher, embora que seria muito melhor se esses sentimentos fosse da pessoa amada que escolhemos para ser o pai dos nossos filhos. Sou morena clara, 27 anos, 1.65m, 58 kg, olhos castanho escuro, cabelos pretos um pouco abaixo dos ombros. Meu corpo é compatível com minha altura. Não sou nenhuma miss, mas também não sou de se jogar fora, me considero uma mulher bonita, e pelos elogios que ouço na rua, mesmo com dois filhos ainda faço parte das fantasias de muitos homens. Sou de uma família humilde e muito religiosa, criada num sistema rígido onde todas as mulheres tinham que chegar ao altar ainda virgem e comigo não foi diferente. Falar sobre sexo com minha mãe nem pensar, esse assunto era tabu em casa, mesmo sob os olhares atento dos meus pais e irmãos mais velhos, a única coisa que rolava entre eu e meu noivo na época era aquilo na mão, mão naquilo e não passava disso. Sempre que meu noivo tentava algo mais, eu não deixava ir adiante para não ficar mal falada como ainda dizem na cidadezinha em que fui criada no interior de São Paulo. Portanto, tudo que sei sobre sexo aprendi com meu marido, nada mais que o trivial. Depois que nos mudamos para Curitiba, fiz amizade com um casal maravilhoso que mora perto de casa, a Ivone e o Paulo. Ivone é 20 anos mais nova que o seu marido, mas as histórias que ela conta sobre ele é de fazer inveja a qualquer mulher casada. Ela diz que seu marido a procura todas as noites e quando as crianças vão pro colégio ela tem que evitar ficar perto dele, pois ele quer meter nela a todo instante, às vezes até três vezes ao dia. Confesso que às vezes tenho inveja da Ivone, pois gostaria de sentir desejada pelo meu marido assim como ela é desejada pelo Paulo. Meu marido é marceneiro, e por indicação da Ivone e do Paulo, ele fez uns móveis para Seu Carlos, e como ele gostou muito do serviço, arranjou muitos clientes para nós. Fui conhecer o seu Carlos em uma festa que deu na chácara dele na região metropolitana de Curitiba, um lugar paradisíaco com muito lagos, um enorme pomar com uma grande variedade de frutas, campo de futebol e muitos animais. Eu me sentia em casa, fazia me lembrar do sítio em que fui criada. Seu Carlos é um homem comum, branco, uns 50 anos, 1.75m, mais ou menos uns 85 kg, com uma barriguinha de cerveja, mas um homem lindo e encantador. Gosta de viajar de motos. Como ele dizia entusiasmado ao meu marido e os que estavam ao seu redor, que já percorreu o Brasil inteiro com sua enorme moto, e já passou por todos os países do MERCOSUL. Eu um pouco afastada ouvia atentamente ele contando suas aventuras e mostrando muitas fotos que confirmava o que ele dizia. Eu flutuava em meus pensamentos tentando visualizar algumas cenas que ele narrava e pensava; porque meu marido não é assim? Não precisava ter a conta bancária do seu Carlos, apenas o espírito Contos Imor(t)ais - MARIDO A JOGAR FUTEBOL – 235 -


aventureiro. Cada vez que o chamava para ir à praia, ao cinema, ou sair para dançar coisa que adoro. Como sempre, a sua resposta era não. Enquanto ouvia as aventuras do Seu Carlos e pensava no rumo que minha vida tinha tomado, me toquei que estava exagerando um pouco na bebida, então resolvi me controlar. Notei que seu Carlos disfarçadamente não tirava os olhos das minhas pernas e no decote da minha camiseta que mostrava um pouco os meus seios. Sempre que meu marido saía para pegar cerveja ele me olhava com um sorriso malicioso e me media dos pés a cabeça, eu sem maldade alguma fitava o olhar dele retribuindo o sorriso. Nós mulheres temos uma capacidade incrível de sentir que estamos sendo paquerada, então passei a prestar mais atenção nos gestos do Seu Carlos. Quase me engasguei quando ele me olhou e disfarçadamente por debaixo da mesa levou a mão até seu pau e ajeitou por dentro da bermuda. Ele apertou, levantou e abaixou umas três vezes aquele trem duríssimo fazendo questão que visse o tamanho e a grossura daquilo. Por mais que tentasse não conseguia tirar os olhos enquanto seu Carlos segurava seu amiguinho, aquele gesto pareceu me hipnotizar. Acho que como estava sentada num muro baixo logo a sua frente, devo ter me descuidado e facilitasse para que visse minha calcinha ou coisa assim, mas se isso aconteceu juro que não foi intencional da minha parte. Tentando disfarçar e esconder a vermelhidão do meu rosto, levantei-me rapidamente e corri para o banheiro não acreditando na ousadia do Seu Carlos fazendo aquilo tudo na maior naturalidade com o meu marido ao seu lado. Homem é um bicho bobo mesmo, com umas cervejinhas na cabeça esquece-se de cuidar do que é seu, embora que meu marido nem sóbrio me dá atenção, quanto mais bêbado. Há se ele soubesse! Por mais indignada que fiquei a cena do seu Carlos me mostrando seu cacete não saia da minha mente, com certeza uma sementinha tinha acabada de ser plantada no meu subconsciente e fiquei imaginando como seria aquilo ao vivo, poder tocar, chupar. Pelo jeito era um pau muito grande, será que teria coragem de deixar seu Carlos botar aquilo tudo dentro da minha bucetinha? Pois o pau do meu marido não chegava nem perto em relação a tamanho e grossura. Depois daquela demonstração, resolvi me afastar dos homens e fui pra cozinha ajudar as mulheres no almoço, e lá conheci dona Ângela a esposa do seu Carlos. Eles formavam um casal maravilhoso, pois ela é tão encantadora quanto ele, e pelo que pude perceber eles viviam um relacionamento aberto. Eu nem sabia o que era isso, só depois que a Ivone me contou o que realmente era um relacionamento aberto, pois até o momento nem imaginava que um casal que se ama pode viver assim. Dividir meu marido com outras mulheres nem pensar, sou muito ciumenta pra isso. Depois do almoço algumas pessoas foram descansar no bosque, outros foram pescar e eu fiquei com as mulheres ajudando a lavar as louças e limpar a casa. Depois de terminado a limpeza me sentindo um pouco cansada, sentei-me em um sofá na varanda e peguei no sono, acordei com os homens na maior algazarra no campo de futebol, inclusive meu marido, então resolvi ir até lá.

Contos Imor(t)ais - MARIDO A JOGAR FUTEBOL – 236 -


Fiquei um tempo no campo e resolvi dar uma volta no pomar, pois me encantei com aquelas árvores frutíferas carregadas, tinha galhos de mexerica quase quebrando de tanto que tinha. Perdida em meus pensamentos fiquei admirando um pé enorme de manga aonde a galhada chegava até o chão. Estava tão distraída que nem notei que estava sendo seguida, e me assustei quando alguém veio por trás tapou meus olhos com as duas mãos colou seu corpo no meu e carinhosamente foi me levando pra debaixo da mangueira, a pressão que fazia na minha bunda dava para sentir um cacete me cutucando parecendo querer entrar mesmo por cima da saia e da calcinha que estava usando. Pensando que fosse meu marido disse: – Para com isso Cleversson, alguém pode ver a gente. Ouvi um sussurro no meu ouvido: – Shiii!!! Relaxa!! Logo as mãos que tapavam meus olhos desceram até meus seios e começaram a apertá-los com carinho, quando percebi que não era o meu marido que estava me bolinando, me assustei e tentei me esquivar, mas fortemente meu admirador me abraçou forte contra seu corpo não deixando escapar, e disse nos meus ouvidos: – Solange, estou louco de tesão por você, e não aguento mais de vontade de chupar esses peitinhos e meter meu pau na sua bucetinha, você esta me deixando maluco. – Você está louco seu Carlos? Me solta! O pessoal pode ver a gente! – E tem mais! - Nunca sequer passou por minha cabeça trair meu marido! – Poxa Seu Carlos, a tua mulher e o meu marido estão aqui, imagina se eles nos pegam! Sem dizer nada seu Carlos desceu as mãos pelas minhas coxas e empalmou com vontade minha bucetinha que de tão estufadinha que estava encheu a palma da mão dele. Logo senti minha calcinha ser afastada e dois dedos adentrarem na minha bucetinha bem no fundo pra logo ser tirado para brincar com o meu grelinho. Estava tão bom que mesmo querendo dar um basta naquilo meu corpo pedia para relaxar e deixar acontecer. Minha saia há esta hora estava na minha costa e minha bucetinha estava preste a ser arrombada por um cacete enorme, foi quando a razão falou mais alto e resolvi dar um basta. Seu Carlos percebendo minha recusa, rapidamente abriu minhas pernas e senti algo gigante abrindo passagem e adentrando na minha bucetinha ocupando todos os espaços de dentro dela fazendo a coitada atingir seu grau máximo de elasticidade e percorrendo lugares nunca antes explorados. Cheguei a perder o fôlego enquanto aquele invasor empurrava meu útero até que senti um saco enorme encostar-se às minhas coxas, só então olhei pra trás e vi seu Carlos com um sorriso no rosto e me disse: – Nossa morena, como você é apertadinha!!! Que delícia!!! – O senhor está louco? Tira isso de dentro de mim, meu marido nos mata se pegar a gente!

Contos Imor(t)ais - MARIDO A JOGAR FUTEBOL – 237 -


– Calma morena, relaxa, o seu marido está ali no campo jogando!! Veja!! Olhei em direção ao campo e realmente meu marido corria atrás da bola como uma criança sem saber que a poucos metros a sua frente sua mulher estava debaixo de uma mangueira com um pau enorme de um desconhecido atolado na buceta. Mesmo com o coração na boca e um pouco assustada com o que estava acontecendo resolvi tentar me relaxar e aproveitar aquele momento. Seu Carlos percebeu que não estava mais oferecendo resistência e começou a me estocar devagarzinho até me acostumar e aos poucos foi aumentando o vaivém. Logo aquele desconforto que me causou no início da penetração, deu lugar a uma sensação maravilhosa, totalmente indescritível. Minha bucetinha agora bem mais lubrificada recebia com certa facilidade aquela pica maravilhosa que me fazia gemer quando Seu Carlos socava fundo e forte em mim. Confesso que já tive orgasmos maravilhosos com meu marido que não tem um pau tão grande e nem tão grosso, mas a sensação de sentir um monstro invadindo minha bucetinha foi diferente de tudo que já vivi. Já que quem está na chuva é pra se molhar, enquanto me apoiava na mangueira com as mãos, empinava meu rabinho o máximo para receber cada centímetro daquela anaconda dentro de mim. Em volta do campo, estava minha amiga, dona Ângela, uns amigos da família. O pessoal se desmanchavam em gargalhadas com alguns lances que acontecia no campo e meu marido era o personagem principal, pois era o mais perna de pau como diziam. Ele dava risada e falava alto enquanto eu gemia no cacete do seu Carlos com a buceta toda arregaçada. Para me provocar seu Carlos dizia: – Esta gostando de levar vara na bucetinha vendo seu maridinho jogar? – Estou disse com a voz meio embargada. Seu Carlos vendo meu marido e todo aquele pessoal disse: – Estou quase gozando morena, você é deliciosa, que bucetinha apertadinha. Naquele momento já não estava me conhecendo, pois as palavras vinham na minha boca não sei como. – Goza logo então, está doendo, mas mesmo assim estou adorando seu pau na minha bucetinha!!! – Goza logo filho da puta!!! – Goza bem no fundo Enche minha bucetinha de porra enche!!!! Seu Carlos aumentou o ritmo das estocadas socando com toda força na minha buceta. A batida dos nossos corpos dava para escutar de longe. Meus cabelos se espalhavam pela minha costa e meus peitinhos balançavam a cada estocada. Seu Carlo passou a meter sem dó àquela tora na minha bucetinha que já não era tão pequena assim. Contos Imor(t)ais - MARIDO A JOGAR FUTEBOL – 238 -


Eu com uma mão tentava me apoiar na mangueira, com a outra mão tapava minha boca para evitar que meus gritos nos denunciassem tamanho o tesão que estava sentindo naquele momento. Eu dizia: – Gooooza Seu Carlos!!! Você está me rasgando... Não aguento mais... Vou gozar... Uuuuiiii!!!! O chão fugiu dos meus pés, minhas pernas bambearam e meu corpo foi invadido por uma onda de calor e frio ao mesmo tempo. Seu Carlos percebendo que estava gozando, com suas mãos fortes e másculas, empalmou meus seios me segurou firme e me estocou forte e profundamente me apertando contra seu corpo. Quando senti o primeiro jato de porra inundando minha bucetinha, foi como se tivesse ligado um interruptor dentro de mim, a eletricidade passava por meu corpo em forma de espasmos. Seu Carlos me apertava contra seu corpo beijando meu pescoço e minha nuca. Enquanto me recuperava daqueles orgasmos múltiplos, alucinantes meu corpo parecia ter sido possuído por uma entidade. Seu Carlos continuou de pé agora encostado na mangueira, eu de costa pra ele curtia sua boca que mordia meu pescocinho e suas mãos apertando de forma carinhosamente meus seios enquanto seu pênis ainda duro descansava dentro da minha bucetinha. Após um longo silêncio curtindo aquele momento, Seu Carlos disse: – Foi bom demais minha linda, como você é deliciosa. – Sei que é loucura o que estamos fazendo, pois é a primeira vez que estou traindo meu marido, mas confesso que estou adorando o Senhor dentro de mim!!! Seu Carlos se mexeu e seu pau agora mole saiu da minha bucetinha deixando um vazio enorme dentro de mim, também senti uma quantidade enorme de porra escorrer por minhas pernas. Seu Carlos pegou minha calcinha e carinhosamente foi me limpando tirando todos os vestígios de porra que teimava em escorrer por minhas pernas. Após ter me limpado vestiu sua bermuda se agachou na minha frente e sugou minha bucetinha com sua boca não deixando nada que denunciasse nossa rápida trepada casual. Antes de sair deu um beijo na minha bucetinha se levantou e disse no meu ouvido: – Esta foi à primeira de muitas vezes que vou fazê-la gozar no meu pau morena gostosa. Eu fiquei muda vendo aquele senhor se esgueirando pelo pomar até sumir de vista. Dei um tempo para recuperar minhas forças e ainda incrédula por ter tido coragem de ter dado minha bucetinha para um quase desconhecido, fui caminhando devagar até o campo bem na hora que o jogo tinha terminado. Dei graças a deus por ninguém ter notado minha ausência. Chegando a casa corri para o banheiro e quando fui lavar minha bucetinha foi que percebi que estava sem calcinha, pois o danado do seu Carlos com certeza guardaria como troféu. Fui até o quarto que ficamos, vesti outra calcinha para que meu marido não suspeitasse de nada, e colei no meu marido até a hora de voltarmos para casa. Na despedida seu Carlos não tirava os olhos de mim talvez imaginando o que se passava por minha cabeça. Contos Imor(t)ais - MARIDO A JOGAR FUTEBOL – 239 -


Já faz duas semanas do acontecido e mesmo me sentindo culpada, fico imaginando eu e o seu Carlos sozinhos em um quarto com todo o tempo que precisarmos para curtir o prazer total. Cheguei até a sonhar que chupava aquele pau enorme e seu Carlos querendo de toda maneira comer meu cuzinho. Chupar com certeza chuparia, mas aguentar aquela tora enfiada no meu cuzinho seria um sonho totalmente impossível. A Ivone passou o número do meu celular para seu Carlos, ele me ligou várias vezes, mas até agora ainda não tive coragem de atender. Vou tentar botar uma pedra sobre tudo o que aconteceu e viver só das lembranças que ficaram daquele delicioso final de semana.

Contos Imor(t)ais - MARIDO A JOGAR FUTEBOL – 240 -


MEU PATRÃO É MEU PASTOR Meu patrão ama sua esposa porque sabe que ela é um exemplo de mãe, de dona de casa, de senhora da sociedade, de tudo enfim que torna uma mulher digna de ser respeitada e amada. Ela é devota, gosta de cumprir suas obrigações religiosas e, além disso, participa de programas de assistência social, ajudando a quem necessita. Para tanto, não se veste com luxúria, não desperdiça dinheiro com nada e boa parte do que economiza, faz chegar nas mãos daqueles que, segundo ela, são os escolhidos de Deus para o reino do céu. Eu sou evangélico. Não acredito muito nessa história de que Deus encheu o mundo de pobres para depois lhes dar o paraíso. Mas nem por isso sou perdulário e muito menos anseio grandes riquezas para poder viver. Sou motorista particular e, graças a Deus, consigo sustentar minha casa, dando estudo aos meus filhos, e não tenho do que me queixar. E de algum tempo para cá, tenho mais é que agradecer pela minha vida, se bem que, se estou certo nas minhas desconfianças, a mão do diabo é que está fazendo as coisas correrem bem para mim. O problema é que, mesmo sendo um sujeito responsável e respeitador, não sou de ferro e se o diabo colocou no meu caminho o pecado em forma de mulher só para me tentar, conseguiu abrir minha passagem para o inferno. O meu pecado é a mulher do meu patrão, que é também o pastor da igreja que frequento. Há três anos estou no meu novo emprego. Meu patrão e pastor é um sujeito ainda novo, profundamente trabalhador e que vive correndo atrás dos seus negócios o tempo todo. Mas é muito prestativo e logo me incumbiu de, além de ser o motorista, ser também o amigo e companheiro da mulher e dos dois filhos pequenos, recompensando-me muito bem, financeiramente, aliás. E sou então aquele que leva e busca a mulher e as crianças para todos os lugares. Dona Milena, a mulher, ou o diabo, não sei, está na casa dos trinta anos e sempre foi muito gentil comigo. É muito cordial e, por isso mesmo, merecedora de todo o respeito. Se ela for realmente o diabo, sabe disfarçar muito bem, pois em nada se parece com uma dessas peruas que a gente vê por aí. Mas, quando fazia uns três meses que eu estava trabalhando naquela casa, o patrão pediu que eu fosse no dia seguinte levar umas vacinas para o gado na fazenda. E no dia seguinte, dona Milena quis ir junto. Combinou deixar as crianças o dia inteiro na escola, e lá fomos nós. No caminho, coisa que nunca havia feito antes, dona Milena ia perguntando sobre a minha vida com a minha mulher, como nos conhecemos, como nos dávamos, se eu gostava dela. Depois perguntou sobre outras namoradas, o quanto já namorei, se não namorava por fora... Achei tudo aquilo uma conversa normal, para passar o tempo. Porém, depois que entreguei as vacinas para o capataz e fui para a grande casa, dizer para dona Milena que podíamos voltar, tive uma surpresa. Ela estava na sala, sorrindo para mim. – Feche e tranque a porta - pediu, e depois se aproximou, pedindo para que eu sentasse no sofá.

Contos Imor(t)ais - MEU PATRÃO É MEU PASTOR – 241 -


Ajoelhou-se à minha frente. Respirou fundo e falou. – Faz tempo que estou ensaiando isso. Já imaginei mil maneiras para te falar, já até escrevi cartas. Mas nunca tive coragem. Agora, resolvi ir direto. Ou vai ou não vai. Mas só te peço uma coisa, pelo amor de Deus. Se não quiser, tudo bem, mas não conte nada para ninguém e me perdoe. – Mas do que a senhora está falando? Empurrou-me para que eu ficasse deitado no sofá e levou sua mão ao meu pênis que, já adivinhando o que estava por acontecer, estava excitado, duro. – Preciso de sexo - ela disse, apertando. Preciso de sexo. E não me chame de senhora. E antes mesmo que eu falasse qualquer coisa, que dissesse sim ou não, abriu rapidamente minha calça e tirou o meu membro, pegando-o com avidez e logo foi levando à boca. E foi se despindo, tirando o vestido, e me despindo também, enquanto chupava com vontade. Só quando estávamos inteiramente nus é que parou de chupar por alguns instantes, para perguntar. – Você quer? Apenas sorri e ela subiu no sofá, voltando a chupar até me deixar quase em gozo. Fui tirando sua calcinha e brincando em seu sexo até que, já bastante excitada, ficou de joelho e cavalgou-me fazendo meu membro entrar até o fundo do seu ventre. Ficou então subindo e descendo, devagar, com os olhos fechados, como se há séculos não sentisse um pênis em sua vagina e estivesse agora querendo aproveitar cada segundo da penetração. Depois foi acelerando, gemendo mais alto, mais forte, subindo e descendo com violência, apertando-me os ombros, até gozar. Gozou, mas não apagou. E queria que eu gozasse também, dentro dela. Para tanto, quis ficar deitada e eu por cima. – Me come! Me come gostoso! - ela dizia, já querendo gozar novamente, antes mesmo que eu gozasse a primeira vez. Adormecemos. Quando recobrei os sentidos ela já estava vestida, esperando para irmos embora. No caminho, só quebrou o silêncio para dizer que aquilo não podia ter acontecido, que eu esquecesse tudo e que nunca mais tocasse no assunto. Depois disso, acho que um tanto envergonhada, dona Milena evitou-me durante mais de um mês. O ambiente na casa ficou ruim e cheguei até mesmo a pensar em pedir minha demissão. Mas um dia, pediu-me que a levasse na casa de uma amiga, depois que deixamos as crianças na escola. Dois quarteirões à frente, porém, ela sentenciou: – Me leva para um motel! No motel, foi a minha vez de chupar dona Milena, tirar sua calça, sua calcinha...

Contos Imor(t)ais - MEU PATRÃO É MEU PASTOR – 242 -


E desde então, pelo menos duas vezes por semana, enquanto o patrão corre atrás dos seus negócios, para garantir mais dinheiro para a família, eu e o diabo, quer dizer, eu e dona Milena ou simplesmente Milena... A posição que ela mais gosta é de quatro, segurando um monte de travesseiros sob os peitos. Nessa posição ela quer que eu nunca acabe. Fica pedindo para eu demorar, para ir rápido em certos momentos, lento em outros, para enfiar fundo ou então para brincar só com a cabecinha. Eu me seguro, atendo aos seus desejos e então passamos muitos, mas muitos minutos mesmo nessa posição, até que ela se dê por saciada. Por isso é que eu digo: meu patrão é meu pastor e sexo não me faltará... pelo menos até o dia em que ele descobrir.

Contos Imor(t)ais - MEU PATRÃO É MEU PASTOR – 243 -


NÃO SABIA De uma família muito tradicional e religiosa na minha cidade, com 20 anos me casei com Roberto (25) também de família bastante tradicional... Lógico que houve interesse das duas famílias em fazer nossa união. Muito recatada, no namoro só permitia que Roberto passasse a mão em mim por cima da roupa: bunda, peitinhos e até sobre minha xana. Somente aceitei transar com ele quando ficamos noivos e já estávamos com o casamento marcado... Foi aí que descobri que eu tinha uma facilidade muito grande pra ter orgasmos. Com Roberto que era muito rápido eu tinha quase sempre dois em seguida. Com seis meses de casada eu ainda só permitia fazer o sexo normal (papai e mamãe). Roberto um dia apareceu em casa com um filme pornô e me fez assistir com ele... Adorei ver aqueles homens sarados transando com mulheres por vários minutos seguidos que eu mesma comecei a pedir pra Roberto me pegar em outras posições: de quatro, de ladinho e até eu por cima cavalgando no seu pinto... Gozava tanto que inundava o lençol da cama com meu líquido vaginal. Já estava até dando a bundinha pro meu maridinho, quando assistindo um filme pornô ele me perguntou se eu tinha vontade de estar no lugar daquelas mulheres do filme. Era claro que eu fantasiava ter mais de um homem me pegando nua e fazendo todas aquelas sacanagens; mas, não querendo me entregar pro meu maridinho fingi estar indignada: – Que isso Roberto? Homem pra mim só existe você. Ele rindo: – Larga de ser boba Raquel; eu sei que você sente pelo menos desejo de transar com aqueles tipos de homens... Você transa comigo muito melhor quando estamos vendo algum filme de putaria. – Você não vai ficar com raiva de mim se eu te contar o que penso? – É claro que não Raquel... Eu gosto de mostrar esses filmes justamente pra gente ter desejos diferentes. Quando ele disse que quando aparecia alguma mulher muito gostosa no filme, ficava pensando nela na cama com ele e que até transava comigo pensando nela, resolvi também ser sincera e disse que também sonhava em transar principalmente com os homens que tinham pintos mais avantajados... Ele deitando sobre mim me beijando muito pra logo em seguida começar a enfiar o pinto da minha buceta: – Eu sabia sua safadinha... Aposto que fica imaginando que eu sou outro homem em cima de você; não é? – É Roberto; eu penso sim… Certa vez, Roberto além de me colocar um venda sobre os olhos, cobriu meu rosto com uma fronha e mandou que eu gritasse algum nome de homem enquanto ele fodia minha buceta. Entrei na dele e enquanto ele bombava:? – Oooh Miguel; Ooooh que pau gostoso... Me fode; me fode!!!! Contos Imor(t)ais - NÃO SABIA – 244 -


Roberto aumentou o ritmo e comecei a gozar repetindo o nome do Miguel por várias vezes… Depois, deitados um do lado do outro começamos a rir. Roberto sabia que o Miguel que falava era um dos seus melhores amigos, que quando vinha na nossa casa só faltava me carregar no colo de tanta delicadeza comigo. Passados algumas semanas, Roberto repetiu aquela coisa de me vendar e além disso enfiar uma fronha na minha cabeça... Só que ele fez isso na sala me colocando deitada de costas sobre uma mesa de vidro (grosso) ajeitando minhas pernas abertas sobre duas cadeiras. Quando ele disse que ia dar uma chupada na minha buceta pra me deixar molhadinha pra outro homem me comer, pensava que era apenas uma daquelas nossas fantasias. Realmente Roberto lambeu bastante minha xana e veio ficar do meu lado segurando meus dois braços: – Pronto meu amor... Agora você está prontinha pra transar; não é? Como Roberto segurava meus dois braços, quase tive um troço quando senti outras duas mãos nas minhas coxas... Tentei fechar minhas pernas, mas essa outra pessoa me impediu já com o corpo entre minhas coxas: – Que isso Roberto? Quem está aqui com a gente? – Calma meu amor; só resolvi de dar um presentinho... Pode relaxar que aposto que você vai gostar. Fiquei hiper-nervosa imaginando que só podia ser o Miguel, que Roberto depois daquela noite que fantasiei transando com ele convidou-o pra me foder de verdade. Um pau começou a penetrar na minha vagina... Logo percebi que era bem mais grosso do que a do Roberto, e quando entrou tudo vi que também era bem maior... Nem me deu tempo pra voltar a questionar o filho-da-puta do meu marido. Aquele pau começou a me foder com tanta força que em menos de dez bombadas em já estava tendo o meu primeiro orgasmo... O corno do Roberto me beijando com sua boca ainda suja com meu líquido vaginal: – Está gostando meu amor? – Ai, ai, ai!... Oh meu Deus do Céu, isso é muito bom; muito bom!!!! Praticamente fui violentada por uma imensa piroca que me socou por vários minutos me fazendo ter outros dois deliciosos orgasmos... Estava doida pra tirar a venda e confirmar que era o Miguel, mas Roberto só foi me soltar quando essa pessoa teve tempo de encher minha buceta de porra, se vestir e ir embora. Ele todo carinhoso comigo; eu quis saber: – Foi o Miguel; não foi? – Não meu amor; não foi o Miguel! – Então quem foi? – Não vou poder dizer; se não essa pessoa não vai querer voltar de novo. Tentei insistir, mas Roberto me convenceu de que se eu quisesse receber essa pessoa novamente Contos Imor(t)ais - NÃO SABIA – 245 -


precisava confiar nele e simplesmente não fazer mais perguntas. Sabem como é mulher né? Fiquei remoendo por dentro pra saber que homem era aquele que me fodeu tão gostoso. Na semana seguinte, Roberto nem precisou ficar segurando meus braços... Novamente fiquei vendada de pernas abertas sobre a mesa e urrei feito uma cadela com aquela pica deliciosa sendo socada por mais de 50 vezes na minha buceta... Tive novamente três orgasmos daqueles de minha buceta jorrar uma quantidade enorme de líquido vaginal. Na terceira vez pedi pra que fosse no sofá, e Roberto me vendou de uma maneira que era impossível eu ver alguma coisa. Assim que senti aquela pessoa sentando do meu lado no sofá, tateei com uma das mãos até segurar aquela piroca que estava dura igual um ferro... Comecei a punhetar e sem me importar de que Roberto estava bem próximo: – Quero um beijo!... Demorou alguns segundos, mas fui segurada pela nuca e senti uma boca viril encostando na minha e logo uma língua ansiosa entrando na minha boca... Sem tirar minha boca, fui me ajeitando sobre o colo daquele homem e assim que tive aquele pau encostado na minha buceta comecei a descer o corpo... Eu gemendo, ele me segurou pela cintura me ajudando a subir e descer deslizando no seu pau... Tive meu primeiro orgasmo, e sussurrando no seu ouvido: – Deixa eu saber quem é você, deixa? A pessoa como sempre calada, soltou apenas um gemido me fazendo sentir que ela ficou na dúvida; tornei a sussurrar: – Não importa quem você é; vou querer sempre transar com você. Roberto percebendo, logo se meteu me pedindo pra não ficar insistindo dizendo que era melhor eu não ficar sabendo quem era. Estava me remoendo por dentro e resolvi descobrir de qualquer jeito quem era aquele homem misterioso... Eu já tinha pensado em várias possibilidades dos homens nossos conhecidos; inclusive os mais feios que talvez por isso queria continuar escondido. Sabendo que aproximava o dia de transar novamente com aquele desconhecido falei pro Roberto – “Eu ficava sabendo quem era o tal homem, ou não ia mais querer deixar transar novamente comigo”. Roberto insistiu pra que eu continuasse com aquela brincadeira de cabra cega e eu bati o pé dizendo que pra mim tinha chegado ao meu limite... Claro que não ia dizer que era no limite da minha curiosidade. No dia seguinte Roberto veio me dizer que a pessoa concordava, mas que a revelação deveria ser feita no meio de uma nova transa. Novamente fui deitada na mesa de vidro com Roberto segurando meus braços... Estava ainda gemendo e próximo do meu primeiro orgasmo quando o próprio homem tirou minha venda. Realmente se eu não estivesse sendo segura pelo Roberto eu teria dado um pulo de sobre a mesa... Fiquei apavorada vendo o padre Josias no meio das minhas pernas sorrindo pra mim: – Você prometeu que não importava quem eu era; não foi? Contos Imor(t)ais - NÃO SABIA – 246 -


– Mas só que você é padre! Roberto sem largar meus braços me dando vários beijos carinhosos: – E daí Raquel!!?? O importante é que você sempre gostou do padre sem saber. O filho-da-puta do padre voltou a movimentar seu pau na minha buceta com tanta força que tive que fechar meus olhos pra gemer gostoso me preparando pro orgasmo... Gozei feito uma égua e o padre Josias continuou socando sem permitir que eu voltasse a me arrepender novamente... Quando estava tendo meu segundo orgasmo ele também foi gozando dentro de mim. Estava um pouco chateada por ter descoberto que era o padre, mas, ao mesmo tempo tinha tirado um peso enorme de cima de mim. Dois dias depois, com o consentimento do meu maridinho corno quis me encontrar com o padre sozinha. Como o combinado, fiquei dentro da casa paroquial esperando o fim da missa. Padre Josias entrou ainda de batina, trancou a porta e me abraçando foi beijando minha boca... Ele que não usava nenhuma roupa por baixo da batina, bastou levantá-la pra que eu segurasse seu pau que ia ficando cada vez mais duro. Quando estávamos pelados, ele me levando pra uma espécie de divã me atochou sua enorme vara e enquanto socava com violência na minha buceta; comigo de quatro, ia batendo na minha bunda: – Sua pecadora safada; vou fazer você se arrepender de todos os seus pecados. – Ai padre; ai! Bate mais; maaaaiiiissss... Nem bem acabei de ter meu orgasmo, ele tirou da minha buceta e foi empurrando no meu rabo: – Já que seu marido não está vendo, vou enfiar nessa bundinha gostosa. Não conseguindo enfiar, logo senti sua respiração no meu rego e sua boca encostada sobre meu ânus soltando saliva. Quando começou a entrar a cabeça, tive a impressão de que era a primeira vez que eu estava dando a bundinha... Adorei sentir aquela vara grossa alargando meu cuzinho. Padre Josias socou ainda por vários minutos antes de gozar litros de porra no meu rabinho. Continuei a receber o padre Josias na minha casa pra que meu maridinho corno ficasse assistindo ele me foder; mas também passei a me encontrar como o padre sozinha... Era quando ele gostava de meter na minha bunda. Conversei muito com o meu corninho até ele deixar que eu transasse com o seu amigo Miguel... Confessei que sempre tive uma tara por ele. Roberto aceitou me deixar sozinha com ele dentro de nossa casa num dia em que ele combinou de nos visitar. Logo que abri a porta: – Entre Miguel; o Roberto teve que sair pra resolver um problema e só vai voltar a noite. Ele que sempre demonstrou também sentir algo por mim, mas que ao me cumprimentar me dava dois beijinhos rápidos deu-me um abraço forte e dois longos beijos na face; e sorrindo. – Então, acho melhor ir embora e voltar amanhã. – Porque Miguel; tem medo de ficar sozinho comigo? – Hehehehehe; medo não... Mas acho muito perigoso!

Contos Imor(t)ais - NÃO SABIA – 247 -


Peguei na sua mão e fui puxando-o até o sofá fazendo com que ele sentasse. – Porque acha que é perigoso; quer me explicar? Tinha certeza absoluta que Miguel não ia querer perder aquela oportunidade. Ele segurando meus dois braços e me puxando pra mais próximo dele. – É que você é a mulher dos meus sonhos; mas infelizmente é casada com o meu melhor amigo. Fingindo que estava surpresa e ao mesmo tempo sorrindo: – É mesmo Miguel? Nunca podia imaginar que você sentia algo por mim. Sua boca se aproxima da minha e eu fui deixando. – Sou louco por você Raquel. Assim que ele começou a me beijar, sem nenhum constrangimento levei minha mão na sua virilha e fui alisando onde estava seu pau que já demonstrava toda sua excitação. – O Roberto não precisa ficar sabendo de nada Miguel... Vamos lá pra cama. Que delicia ficar peladinha com o Miguel mamando nos meus peitos, beijando muito na minha boca e dizendo que estava apaixonado por mim. Miguel não tinha uma vara igual ao do padre, mas ele me fodeu tão gostoso que me senti uma adolescente acabando de descobrir o sexo. A noite quando contei pro Roberto como tinha sido minha transa com Miguel, ele ficou tão excitado que ali mesmo na cozinha me deixou peladinha me dando vários amassos, e fingindo estar indignado batia na minha bunda. – Sua vadia sem vergonha; me traindo na minha própria cama... Toma cachorra; toma, toma! Ele sabendo que eu gostava de apanhar na bunda, batia com força me fazendo gritar de dor e tesão... Tirou seu pau já duro e sentado na cadeira. – De castigo você vai ter que chupar minha pica sua vagabunda. Chupei até esporrar tudo na minha boca, e ele mesmo me puxando pra levantar me beijou dizendo que queria sentir o gosto da sua própria porra. Roberto gostou tanto de ser corno, que deu um jeito de contar sua tara pra dois dos seus sócios e fazer com que eu transasse com os dois ao mesmo tempo pra ele ficar assistindo... O pior foi que eu adorei.

Contos Imor(t)ais - NÃO SABIA – 248 -


CHURRASCO DE CARNE NOVA Amigos(as), acredito que entre um casal não pode haver frescuras entre quatro paredes e o que passo a compartilhar com vocês foi o trampolim na vida sexual desse casal que vos escreve Minha mulher e eu sempre fomos o que todos consideram um casal normal sexualmente falando, sexo oral e, algumas vezes quando minha mulher se sente mais à vontade, sexo anal também, além do trivial. Um belo sábado de sol estávamos em casa fazendo um churrasquinho e bebendo algumas caipirinhas, quando o interfone toca. Como estávamos bem à vontade, eu apenas de calção de banho e minha mulher de biquíni, fui atender ao portão. Ao abrir, dou de cara com meu vizinho e sua esposa com uma caixa na mão dizendo que sentiram o cheiro do churrasco e que trouxeram carnes e cervejas. Sem ter como dizer não os mandei entrar Ao chegarmos onde estávamos fazendo o churrasquinho, minha mulher ficou um pouco surpresa com a presença deles Fui guardando as coisas que eles trouxeram e pondo mais carvão na churrasqueira Ficamos os quatro bebendo, eu e minha mulher caipirinha e ele e a esposa cerveja Percebi por varias vezes quando levantava para pegar mais cerveja ou caipirinha que a esposa do meu vizinho ficava vidrada em meu cacete, que não é nada absurdo, 17, 5cm, só que é bem grosso e por eu estar de calção, ficava muito acentuado o volume Após algumas caipirinhas e muitas cervejas, como estávamos em trajes de banho e o calor era muito e os dois ainda estavam vestidos, perguntei sem maiores intenções, se não queriam ficar mais à vontade Meu vizinho disse que iria pegar uma sunga e perguntou para sua esposa se queria que trouxesse alguma coisa, ela disse que não queria nada. Logo que ele saiu, ela perguntou se poderia ficar a vontade mesmo. Eu minha mulher dissemos que sim. Então ela levantou, virou de costas para nos e tirou sua camiseta, em seguida, ainda de costas foi tirando sua calça de lycra, me dando a visão de uma linda bunda, ficando apenas de calcinha amarela, que por sinal era bem pequena, virou e sentou mostrando-nos os seios médios e com os bicos grandes e tesos disse: – Pronto agora estou a vontade. Eu e minha mulher surpresos com o rápido show, apenas rimos e continuamos a beber. Assim que meu vizinho voltou, apenas de sunga de banho, sentou-se ao lado da esposa sem nenhum constrangimento ou surpresa de vê-la somente de calcinha. Minha mulher ficou um pouco sem graça ao ver que nosso vizinho estava excitado, mais acho que devido as caipirinhas, ela também ficou excitada ao perceber que ele tinha um pau bem grande, pois, a cabeça do bicho já estava saindo por cima da sunga. Pra acabar de excitar todos, meu vizinho colocou um cd de forro e começou a dançar com a sua. esposa ele de sunga e ela apenas de calcinha. Eu e minha mulher continuamos sentados apenas olhando excitados os dois se esfregando. Assim que acabou a segunda música, eles vieram em nossa direção e ele puxou minha mulher para dançar e sua esposa sentou ao meu lado. Eles começaram a dançar, meu vizinho desfez o laço da parte de cima do biquíni de minha mulher e tirou, deixando-a somente de calcinha e começou a beijar e chupar seus peitinhos. Contos Imor(t)ais - CHURRASCO DE CARNE NOVA – 249 -


Sua mulher não se fez de rogada e partiu para o ataque em cima de mim. Ela apenas disse: – Estou curiosa para ver esse cacete desde a hora que cheguei. Baixou meu calção e tentou colocar meu cacete na boca. Como não conseguiu colocá-lo na boca, ela ficou me masturbando e passando a língua em todo o cacete e chupando minhas bolas. Eu sendo tão bem tratado, não percebi que meu vizinho e minha mulher já haviam parado de dançar e estavam em um voraz 69. Nunca imaginei passar por tal situação, confesso que senti ciúmes de ver outro homem usando o que somente eu usei e até mesmo da chupeta que minha mulher estava fazendo, mais como estava também sendo bem tratado, aceitei as regras do jogo e também parti para o ataque Perguntei para a esposa do meu vizinho se ela estava preparada para receber o que tanto queria Ela apenas apoiou os joelhos em uma cadeira e puxou a calcinha para o lado e disse: – Vai bem devagar, pois acho que vai ser difícil entrar, se referindo ao diâmetro do meu cacete. Apontei o pau para a entrada de sua boceta que já estava encharcada, passei o pau umas três vezes para cima e para baixo para deixá-lo bem lubrificado e tentei a penetração, porem não entrava nem a cabeça. Olhei para o lado e fiquei mais excitado ainda, meu vizinho estava deitado e minha mulher de costas para ele, com a rola no cuzinho e se masturbando. Peguei um vidro de azeite que estava perto e simplesmente lambuzei meu pau e a boceta da minha vizinha. Finalmente ela conseguiu relaxar e eu coloquei tudo dentro dela. Ela ficou estática, completamente parada. Deixei-a ficar assim por alguns segundos e comecei a tirá-lo bem devagar, mais parece que ficou grudado, apesar da quantidade de azeite que eu coloquei Ela então começou a rebolar bem lentamente e eu comecei um lento vai e vem Neste tempo, ouço meu vizinho dar um urro e gozar junto com minha mulher, com o pau atolado em seu cuzinho. Meu vizinho chegou mais perto e deu seu pau meio mole, ainda com um pouco de esperma para sua mulher chupar e eu então comecei a bombar na boceta de sua mulher o que fez ela chegar a um longo orgasmo. Continuei o vai vem, porem era lento e estava muito excitado e não conseguia gozar o que fez que minha vizinha gozasse novamente gritando. Minha mulher vendo meu cacete simplesmente brilhando pelo azeite, pediu para colocá-lo em seu cuzinho. Deitei em um banco com as pernas uma para cada lado e minha mulher veio e cavalgou por algum tempo com meu pau em sua boceta, então ela deu uma paradinha, levantou e apontou o canhão para seu cuzinho e começou a introduzi-lo. Meu vizinho e sua mulher não acreditaram que ela agüentaria tudo aquilo em seu cuzinho. Minha mulher sentou, rodou o corpo e de costas para mim começou a subir e a descer lentamente, um ritmo cadenciado. Ela sabe que eu adoro quando faz isso e me fez gozar em seu cuzinho. Depois de refeitos do gozo, tomamos um banho de ducha fria e continuamos o nosso churrasquinho. Depois de alguns minutos de conversa sobre todo o ocorrido, esclarecemos aos nossos vizinhos que havia sido a nossa primeira vez com outro casal e meu vizinho disse que constantemente eles fazem algum tipo de festinha a quatro a seis e até mesmo a oito. As mulheres foram na cozinha buscar alguma coisa e nois ficamos bebendo. Contos Imor(t)ais - CHURRASCO DE CARNE NOVA – 250 -


Ao retornarem, minha esposa disse ao meu ouvido que queria fazer uma DP e que nossa vizinha queria também, mais comigo eu seu cuzinho. Chamei nossos vizinhos para irmos para o quarto e ficarmos mais à vontade. Já chegamos no quarto trocando carinhos e também de mulheres. Deitei minha vizinha na cama e fui beijando seu corpo até chegar em sua bocetinha. Chupei por um longo tempo fazendo-a gozar em minha boca. Minha mulher parece que tinha ganhado um pirulito, pois mesmo depois de nosso vizinho ter gozado em sua boca, coisa que ela nunca havia deixado eu fazer, ainda continuou a chupá-lo sem deixar amolecer. Minha vizinha dessa vez tomou conta da situação e me pediu para deitar e apontou o canhão para sua boceta e sentou de uma só vez, chegando a encostar as bolas em sua bunda e começou a cavalgar. Vendo sua mulher nessa posição, meu vizinho chegou por traz dela e penetrou seu cuzinho de uma vez e já começou a bombar com força, fazendo-a gozar rapidamente O gozo dela foi tanto que chegou a escorrer pelos meus bagos Agora era a vez da minha mulher fazer a sua primeira DP Invertemos as posições e ele a penetrou na boceta e eu fui por traz Ficamos nessa posição por um bom tempo, fazendo minha mulher gozar umas três ou quatro vezes Sai do cuzinho de minha mulher e disse que queria gozar em sua boca Ela ficou de quatro me chupando com o cuzinho pro alto que foi logo penetrado pelo nosso vizinho Minha mulher me chupou e punhetou por alguns segundo e eu gozei fartamente em sua boquinha Nosso vizinho aproveitando o embalo gozou mais uma vez no cuzinho da minha mulher Mais a melhor parte ainda estava por vir. Meu vizinho perguntou a sua esposa se ela queria sentir meu canhão em seu cuzinho Ela disse que adoraria, mais estava com medo de doer muito Minha mulher pediu para ela ficar na posição de frango assado, pegou o azeite na cozinha e começou a passar por todo meu pau e meu vizinho fez o mesmo com o cuzinho de sua esposa pedindo para ela relaxar chegando a enfiar três dedos Minha mulher após lambuzar meu pau com azeite direcionou para o cuzinho de nossa vizinha e com a ajuda do nosso vizinho foi masturbando, beijando e chupando os peitos de sua mulher Eu lentamente fui empurrando sem parar, milímetro a milímetro no cuzinho apertado da minha vizinha e ela apenas gemia baixinho. Quando encostei meu saco em sua bunda, comecei a bombar com força segurando suas pernas em meu ombro. Ela chegou a chorar mais pedia para não parar Como já havia gozado há poucos minutos, fiquei nessa posição por algum tempo quando ela pediu para cavalgar Deitei na cama e ela sentou de uma só fez até entrar tudo Assim que ela começou a cavalgar minha mulher lhe disse como eu gosto que faça e em poucos minutos gozamos os quatro juntos com minha mulher de quatro chupando a boceta da vizinha sendo enrabada pelo vizinho Tomamos um banho a quatro em nossa suíte e assim que acabamos o banho nos despedimos de nossos vizinhos prometendo um novo churrasquinho.

Contos Imor(t)ais - CHURRASCO DE CARNE NOVA – 251 -


LEMBRANÇAS DE ARREPIAR... Tenho uma namorada de longa data, a Rute, a quem dedico todo o meu amor e carinho, pois é uma menina super bacana que também procura me satisfazer em todos os sentidos. Ela só não é muito solta na cama, mas sei que isso é coisa da sua formação, pois sua família é bastante religiosa e, como ela mesmo diz, brincando, se fosse para seguir à risca a gente só poderia estar transando depois de casados. – Sou uma pecadora, sabia? - ela sempre brinca, toda vez que damos um jeitinho para transar. Mas tenho ou tinha, sei lá, uma outra menina em minha vida, uma paixão que vem desde criança e que já me fez chorar muito. Só que agora, já não é vontade de chorar o que sinto quanto penso nela; é pavor. Seu nome: Margareth. Margareth, a filha da dona da escola e eu o filho da servente, pois que minha mãe trabalha para a mãe dela, cuidando da escola, já faz muitos anos, e moramos numa casinha nos fundos; minha mãe, minha irmã mais velha e eu. Margareth, menina linda desde criança, encantadora quando adolescente, sedutora e atraente quando mocinha. Se for pecado bater punheta pensando sempre em uma mesma menina, tenho um eternidade para me queimar no inferno. Mas acho que não é pecado, não deve ser. Margareth, pessoa arrogante e presunçosa, sempre me olhando de cima, ainda que, vez ou outra, me concedesse o favor ou privilégio de algumas conversas, talvez por conta da infância inocente que vivemos juntos no grande pátio e quintal da escola. Conforme foi crescendo, as conversas foram diminuindo. E foi numa dessas conversas que um dia me declarei a ela, "na esperança de conseguir ao menos uma esperança". – Não te enxerga, não? - disse ela, deixando bem claro que eu não tinha a mínima chance. E mais: disse que nunca tinha namorado, mas que só namoraria com alguém de mais posses que ela. E disse mais ainda: disse que só se entregaria a alguém depois de casada e que sua primeira vez haveria de ser na lua-de-mel, em um lugar muito rico, bonito e suntuoso, fora do país, tudo cheio de pompa, com criados servindo ao som de uma sineta... Chorei muito naquele dia, chorei depois, chorava sempre. Na verdade, só parei de chorar quando engrenei o meu namoro com a Rute e nossas transas me fizeram esquecer um pouco as punhetas em louvor à Margareth. Mas só um pouco, pois a Rute não acha que devemos transar o tempo todo e então, quando me Contos Imor(t)ais - LEMBRANÇAS DE ARREPIAR... – 252 -


alivio na mão, penso na Margareth. Ou pensava. Milagres acontecem. Num domingo de muita chuva, minha mãe cismou de passar o dia na casa do irmão, meu tio, em outro bairro. Como a Rute tinha vigília na igreja, concordei em levá-las, minha mãe e minha irmã, no meu carrinho velho. Mas no caminho de ida, de repente, minha mãe ficou cismada que havia deixado o fogo aceso com uma panela de feijão. Ela quis voltar, mas tive a ideia de deixá-las na casa dos tios, retornar sozinho para casa e só voltar de tardezinha para buscá-las. Estava voltando para casa quando furou um pneu e tive que trocá-lo debaixo de chuva, ficando encharcado e com muito frio. Mal cheguei em casa e tratei de me livrar da roupa molhada, ligar o chuveiro no quente e entrar debaixo, sentindo o gostoso da água a esquentar o meu corpo. Nem lembrei de olhar o fogão. Mas logo fui interrompido pela campainha. Fiquei tão P da vida que nem desliguei o chuveiro, apenas coloquei uma toalha na cintura e fui até a porta disposto a mandar quem que fosse para a puta que pariu. Mas nunca que eu faria isso. À minha frente, toda molhada, suja de lama e tremendo de frio, estava a Margareth. – Poooso ennntrar? - ela perguntou, batendo os dentes. – Meu Deus! Mas o que houve com você? Entra logo, vamos. Tome um banho quente, o chuveiro já está ligado. Sem mais nem menos ela foi até o banheiro, livrou-se de toda a roupa e entrou sob a água, recuperando seu estado normal um pouco depois. E eu, sem me tocar, fiquei parado na porta, olhando. Ela explicou então que havia caído no meio da enxurrada e que estava ali porque precisava falar comigo com muita urgência. – Mas falar o quê? Por que vir debaixo desse temporal todo? – Já, já eu te falo. Mas pode continuar olhando para a minha periquita que não ligo não. – Mas eu não estou olhando. Eu nem devia estar aqui, não é? Perdão. Eu... – Pode ficar seu bobo! E é claro que você está olhando... mais pra ela do que pra mim. Mas pode olhar. Você sempre a quis, não é? – Eu sempre quis você, não ela... quer dizer, não só ela. Quero você como pessoa, como...

Contos Imor(t)ais - LEMBRANÇAS DE ARREPIAR... – 253 -


– Como pessoa acho você nunca me poderá ter. Mas se me quiser como mulher, se quiser o meu corpo e o meu carinho, sou toda sua, agora, aqui... – Que jeito estranho de falar. – Entra aqui comigo. Entra. - ela pediu, estendendo a mão para me puxar. Soltei a toalha e entrei sob o chuveiro com ela. Mas logo senti que aquela não era a Margareth... quer dizer, era, mas não era. Além de infinitamente mais linda, estava dócil e amável. Segurou minhas mãos, olhou em meus olhos e pediu perdão por todas as vezes que me humilhara. – Você sempre quis namorar comigo - ela disse. - Mas eu sempre te esnobei, só porque sou filha da dona da escola e você o filho da empregada. Grande bosta isso! Somos todos iguais, todos iguais. E então, de repente, puxou-me até o quarto da minha irmã e deitou na cama oferecendo-se a mim para a sua primeira vez, dizendo ser esse o seu desejo. Nem vi como foi que ela secou o corpo tão repentinamente. Imaginei que algo errado estava acontecendo, mas sua voz e seu olhar insistente não me deixaram pensar por mais tempo. Amamo-nos o dia todo. Mas começamos por carinhos, beijos, pequenas chupadas, grandes chupadas. Ela pegou e abocanhou meu pau com tanto gosto e com tanta maestria, que duvidei ser aquela a primeira vez que chupava um pau. E sua boca era quente, úmida, carnuda, vibrante... Nunca havia sentido nada igual. Mas ela se deixou chupar também, abrindo suas pernas, mostrando sua linda xaninha... ou periquita, como ela chamava, e vibrando e gemendo conforme eu passava a língua, beijava, mordiscava. E quando vi já estava por cima dela, penetrando sua xaninha, sentindo sua carne quente, úmida, vibrante e, não sei como, "piscante". É que ela me "chupava" com a xana da mesma forma que se chupa com a boca, , premendo meu pau, apertando. Foi uma loucura possuir aquele seu corpinho que eu tanto desejava e até então ainda intocado. Entregou-se com ardor, querendo me oferecer todo o prazer do mundo. Ficou por baixo, ficou por cima, ficou de quatro, parecia incansável, estava incansável. E o mais incrível: eu também estava incansável; fodendo, fodendo sem parar e sem baixar o pau.

Contos Imor(t)ais - LEMBRANÇAS DE ARREPIAR... – 254 -


Seria por causa de tanto tesão acumulado? E fiquei com mais tesão ainda, mais incansável ainda, quando ela se deitou de bundinha para cima, arrebitando... – Não quer? - perguntou. – Você está falando...? – Hum hum! Mas se doer você tira... tá bom? Não doeu. Eu nunca tinha comido uma bundinha, apesar da grande vontade que eu tinha de comer a da Rute, que não dava de jeito nenhum. Aliás, nem deixava tocar no assunto. Mesmo assim, sem nunca ter comido, eu sabia que precisava de gel ou qualquer outra coisa para lubrificar. Mas não foi preciso. No momento que apontei no traseirinho da Margareth senti tudo lubrificado e o pau simplesmente deslizou para dentro, apesar dela se mostrar bastante apertada, muito apertada mesmo. Passei longos e deliciosos minutos naquela bundinha, uma meia hora eu acho, nas mais variadas posições, com ela sempre fazendo de tudo para me dar o máximo de prazer, dizendo que eu merecia, que ela sempre tinha sido uma ingrata... <><><><> Pelo final do dia, pediu perdão mais uma vez e quis ir embora; de ônibus. Estranhei esse pedido, mas ela insistiu que assim fosse. Nem reparei que ela vestiu a mesma roupa com que havia chegado, mas que já estava completamente seca e limpa. Deixei-a no ponto de ônibus, como ela havia pedido, e fui buscar minha mãe e minha irmã. Radiante como eu estava, fui logo contando a elas tudo o que havia acontecido, inclusive sobre as transas. Minha irmã ainda brincou perguntando se precisava ser na sua cama. Me dei conta então de que a minha alegria havia sido tanta, que passamos o dia todo transando, sem nem mesmo parar para almoçar ou tomar tomar um lanche que fosse... e sem sentir fome, a não se de sexo. Quando chegamos em casa, porém, minha irmã entrou em seu quarto e tudo estava tão devidamente arrumado como ela havia deixado. Minha mãe e minha irmã começaram a indagar se eu havia bebido, se havia usado drogas, pois devia ter sonhado tudo aquilo. Contos Imor(t)ais - LEMBRANÇAS DE ARREPIAR... – 255 -


Eu mesmo comecei a acreditar que passara por uma alucinação. Foi então que tocou o telefone, minha mãe atendeu, ouviu alguma coisa em silêncio e depois soltou um grande grito, pondo-se a chorar descontroladamente. <><><><> Mais tarde fui saber que Margareth e sua mãe haviam saído de carro logo de manhã, o carro foi arrastado pela água e caiu numa ribanceira, indo parar num lamaçal. A mãe havia morrido na hora, enquanto que Margareth foi socorrida em coma, vindo a falecer de tardezinha... exatamente na hora que eu a deixava no ponto de ônibus.

Contos Imor(t)ais - LEMBRANÇAS DE ARREPIAR... – 256 -


UM NEGRO EM MINHA VIDA Mário Quintana já dizia que a amizade é um amor que nunca morre. E minhas amigas são um bom exemplo disso e compartilho o que Marilyn Monroe diz quando algumas vezes na vida você encontra uma amiga especial. Alguém que muda sua vida simplesmente por estar nela. Alguém que te faz rir até você não poder mais parar. Alguém que faz você acreditar que realmente tem algo bom no mundo. Alguém que te convence que lá tem uma porta destrancada só esperando você abrí-la. Isso é uma amizade pra sempre. Quando você está pra baixo e o mundo parece escuro e vazio, sua amiga pra sempre te põe pra cima e faz com que o mundo escuro e vazio fique bem claro. Sua amiga pra sempre te ajuda nas horas difíceis, tristes e confusas. Se você se virar e começar a caminhar, sua amiga pra sempre te segue. Se você perder seu caminho, ela te guia e te põe no caminho certo. Sua amiga pra sempre segura sua mão e diz que vai ficar tudo bem. Sua amiga é pra sempre, e pra sempre não tem fim. E além dessas qualidades, tenho sim Karen e Rafaela como minhas adoradas amigas. Mas sair com minhas amigas também é chamariz pro capeta, rss. Elas se fazem de super protetoras para meu namorado, mas ao virar a esquina tudo muda e o papo se expande. De trabalho a manias, tudo acaba em sexo. Amigas se entendem, se amam e se acumpliciam das sandices e putaria da nossa mente vã. Tenho um namorado que tem a maior confiança em mim, ou pelo menos não pega no meu pé, assim como não pego no dele. Como disse em um dos relatos, longe dos olhos, cada cabeça uma sentença. Uma noite minha amiga Karen foi lá em casa e me convidou para ir à um Simpósio de Estética com ela. Estávamos eu e ela, quando chega Rafaela para aumentar as fofocas e as críticas dos descalabros que ouvíamos em relação à moda e características das pessoas presentes. Nossa língua estava afiada, e ríamos demais, alimentadas pelos proseccos servidos. Após o simpósio, ficamos num barzinho bebericando martinis e proseccos e dançando, quando chegou um amigo delas. Rafa me apresentou a ele e enquanto elas dançavam, ele ficou na mesa conversando comigo. Começou logo a dizer que eu era bonita, que tinha uma boca que dava vontade de beijar e que meu namorado era louco de me deixar sair sozinha. Eu não estava nem aí para a conversa dele, mesmo porque era negro e nunca havia me despertado nenhum interesse, apesar de ele ser um homem bonito, cheiroso e de corpo atlético. Fiquei na mesa bebendo e ele foi dançar sozinho na pista de dança. De longe fiquei avaliando sua performance além de observar que ele era bastante sensual. À medida que eu o observava comecei a imaginar aquele negrão todo nu na cama. Isto me fez ficar excitada e com desejo por dele. Os amigos das nossas amigas são nossos amantes, pensei alto nas palavras de Natalie Barney, e Karen seguiu meus olhos fitando aquela escultura de ébano. Por incrível que pareça fiquei louca para sentir aquele negão e eu estava já decidida a ficar com ele. Olhei para karen e lhe perguntei como ele era. Ela pegou na minha mão e disse que ele era um garanhão, que adorava comer a mulherada e segundo os boatos, além de ser bom de cama tinha uma pica de 25 cm. Quando ela me disse isso fiquei mais louca ainda por ele e lhe disse que queria experimentar um chouriço. – Vê lá o que vai fazer, o teu namorado confia em mim e não quero problemas, loirinha puta...depois não reclama que não avisei, rindo de mim. Contos Imor(t)ais - UM NEGRO EM MINHA VIDA – 257 -


O movimento do bar baixou, e ela me disse que ia me levar para casa e que ela e Rafa iriam em outro barzinho próximo. Como eu estava com desejo pelo negão eu disse que iria com elas. Quando entramos no carro de Karen, o negão que se chama Daniel se aproximou e disse: – Meninas, eu vou para casa que amanhã tenho que acordar cedo. Fiquei arrasada pois tinha certeza que ele também estava com desejo por mim. Em todo caso fomos para outro barzinho. Logo que chegamos ao estacionamento do barzinho ouvi quando alguém disse: – Resolvi vir também, pois já estava com saudade de ti. Olhei pela janela do carro e dei de cara com ele. As duas se entreolharam, e se dirigiram a mim, piscando e dizendo que ficaria sem buceta aquela noite, rss. A minha esperança renasceu pois eu sabia que ele também me queria. Entramos no bar e bebemos alguma coisa, fiquei no suco, pois sobriedade nessas horas é fundamental. rafa meia altinha disse que queria ir embora e pediu para o Daniel levá-la, ao que ele respondeu que só a levaria embora se eu fizesse companhia para ele. Eu disse que não ia pois não queria deixar Karen no bar sozinha. Ele foi falar com ela e Karen respondeu que era eu quem decidiria ir ou não, piscando e sorrindo de canto de boca, a safada sabia que eu iria com ele. Acabei decidindo fazer-lhe companhia para levar Rafaela embora. No caminho trocando idéias ele me contou que morava no mesmo prédio que Rafa, e já me conhecia das conversas eventuais que tinham, e estava ansioso e curioso para me conhecer, pois só tinha me visto em fotos. Logo que deixamos Rafa em seu apartamento, saímos de carro, mas a poucos metros de distância ele parou e desligou o carro, me olhou e disse: – Até que enfim consegui ficar sozinho contigo!! Quando menos eu esperava ele colocou as mãos nos meus ombros e me puxou para junto dele e me tascando um beijo na boca. Não resisti e retribui o beijo, e nos beijamos na maior loucura. Ele beijava e abraçava, corria as mãos pelo meu corpo, até que me livrando dele eu disse que não queria ficar parada ali, pois tinha muito movimento de carros e pessoas passando. Ele então me levou para outro lugar que certamente já conhecia. Era um lugar escuro onde não se via qualquer movimento de carros ou pessoas. Logo que paramos, ele novamente me atacou, beijando-me num fogo só, levantou a minha blusa e começou a mamar nos meus peitos, chupando e lambendo. Excitada, fui à loucura. Senti a minha bucetinha molhada de tesão e desejo. Ele então desabotoou as minhas calças e pediu para eu abaixar até aos joelhos. Já tinha perdido a consciência, acabei por fazer o que ele mandou e fiquei só de calcinha. Ele me acariciava, mamava nos meus peitos, lambia-me, chupava forte os mamilos que até doíam. Ele estava morrendo de tesão, acho que mais que eu que estava nervosa por estar naquele lugar escuro. Eu estava com medo de ficar ali. Medo de bandidos, medo da polícia chegar e nos apanhar. Mas isso aumentava ainda mais o tesão. Naquela loucura de beijos, abraços, ele pegou na minha mão e colocou em cima do pau dele. Ele estava de calça social e só de colocar a mão senti o tamanho do caralho. Senti que era imenso e grosso, e que minha amiga tinha razão quando disse que ele tinha 25 cm de pau. Assim que acariciei o pau dele, ele imediatamente se transformou. Cheguei em seu ouvido e sussurrei pra me tirar dali para seu apartamento, queria sentir todo cacete Contos Imor(t)ais - UM NEGRO EM MINHA VIDA – 258 -


dentro de mim. E partimos pra onde deveríamos ter ficado, naquele prédio. Entramos na garagem. Assim que ele estacionou o carro, colocou o caralhão para fora da calça. Fiquei assustada quando vi aquele pau preto enorme, duro feito pedra. Ele então para eu segurar nele para sentir o tamanho. Toquei aquele enorme pau duro e fiquei excitadíssima, o que já era enorme cresceu ainda mais. Fiquei assustada pois já achava o cacete do meu namorado grande, e brinquei com ele dizendo: – Trepar contigo é ficar toda arrebentada!! Ele disse que eu aguentaria fácil, porque sentia que eu estava desejando demais aquela rola... e o puto tava mais que certo. Comecei então a bater uma punheta. Minha buceta pegava fogo de tesão, imaginando e ansiando aguentar aquilo tudo. Eu segurava o caralho dele com as duas mãos e ainda sobrava rola, a cabeça gigante, era mesmo um cacete de cavalo. Ele pediu para que tirasse a calcinha sentasse em cima da rola preta, mas recusei. Eu disse a ele que eu também queria, mas que não fosse ali, no carro, desconfortável. Ele concordou e pediu então que mamasse o pau dele. Já estava batendo forte, e antes mesmo que terminasse de falar, abaixei a cabeça e comecei a engolir aquela cobra. Abaixei-me no colo dele e comecei a lamber aquele enorme caralho, abocanhando o quanto pude. Ele gemia de tesão e dizia pra mamar, elogiando minha performance. Meus olhos lacrimejavam e eu olhava em seus olhos, desejando muito aquele momento. Ele percebeu minha vontade e querer engolir mais e tirou toda sua calça, enquanto eu esticava o braço pra trás e tocava meu grelinho, sentindo também meu cuzinho piscar. Ele me olhava e dizia que até hoje ninguém conseguiu encostar o queixo nas bolas dele, que ficasse tranquila. Mas ele não me conhecia, muito menos tinha idéia da minha obstinação pelos desafios. Eu gostava de engolir grandes caralhos, e segui aos poucos na tentativa de introduzir 25 centímetros garganta e esôfago adentro. Voltava e cuspia, babava inteiro, batia no meu rosto e me surpreendia com o gosto e cheiro delicioso daquele cacete preto. Enquanto eu mamava ele colocou a mão no meu grelo, introduzindo seu dedão enorme na buceta melada. Ele dizia: – Quer o meu cacetão aqui no buraquinho? Eu tirava o pau da boca e acenava que sim: – Quero, quero que me foda forte, e que comece agora, pela minha boca, soca! Ele não aguentou e disse que iria gozar. Nem dei ouvidos e continuei mamando e engolindo o pau grosso e duro. Senti seus espasmos e uma golfada farta e viscosa na boca, que não parava de sair daquela cabeça gorda e preta. Tive que engolir e mesmo assim o leite enchia minha boca. bebi cada gota, saciando minha sede. Olhei pra ele, que estava atônito comigo, rimos e nos beijamos. Foi então que me lembrei da Karen no bar sozinha à nossa espera. O carro era dela, afinal de contas. Ele concordou e voltamos ao Bar. Logo que chegamos ela estava de cara feia, mas entendeu meu fogo: – Vamos embora, são 6 horas da manhã.

Contos Imor(t)ais - UM NEGRO EM MINHA VIDA – 259 -


Saímos do Bar e fomos para o apartamento dela. Ela nem me perguntou se eu iria para casa pois já tinha imaginado que eu estava decidida a dar muito pra ele. Chegando ao apartamento vi um colchão de solteiro na sala e ela disse: – Eu vou dormir que estou morrendo de sono e vocês durmam ai na sala. Karen seguiu pro quarto e fiquei com ele na sala. Fui ao banheiro e quando saí ele estava sentado no sofá e me puxou para seu colo, colocando-me de frente e sugando meus seios. Senti aquela imensa pica dura, cutucando minha buceta sob a calcinha pequena e melada. Ele então tirou a minha blusa, desceu a minha calcinha e me deixou sem roupa. Estávamos de joelhos no colchão, eu já toda nua, comecei a tirar a camisa dele, ele tirou as calças e também ficou nú. Que homem, que corpo. Ficamos de joelhos no colchão aos beijos e abraços. Ele então delicadamente me pegou nos braços e colocou deitada no colchão e começou a me beijar, descendo pelos meu peitos, mamando, e descendo mais até chegar na minha buceta em brasa. Ele então começou a chupar, lamber, morder, enfiar o dedo e me masturbar, levando-me à loucura, beliscando de leve o grelinho e me fazendo gozar duas vezes seguidas na sua boca. Levantou-se e sentado no meu peito colocou aquele enorme caralho na minha boca e disse: – Mama sua puta! Segurei aquele caralho enorme e comecei a mamar, ele enfiava na minha boca como se estive fodendo a minha buceta, e eu adorava e engoli com mais facilidade que no carro, já que sabia do que era capaz. Ele por sua vez metia com força, pois conhecia o caminha e a puta que estava lhe chupando e querendo arrancar o cacete com a boca. Ele saiu de cima de mim e foi deslizando aquele corpo gostoso. Abri as pernas e senti aquele pau roçando no meu grelo, querendo entrar. Eu estava com medo, pois sabia que ia ser arrombada. Ele colocou no meu buraquinho e pedi para ele ir devagar, pois era muito grande. Sabia que não iria me ouvir. Começou a me foder bem devagar para não doer. Ele colocou a cabeça e deu uma estocada firme e forte, sem parar, até o fim....senti cada pedaço da tora me invadir e as bolas encostaram na minha bunda. Senti a cabeça entrar e dei um gemido de dor e tesão. O meu tesão era muito grande, eu estava nervosa, mas queria aquilo tudo dentro de mim. Coloquei a mão e senti que não tinha nada fora, dei um gemido e pedi mais rola: – Me fode, fode tudo o que puder! Ele então começou a fazer o vai e vem, metia feito louco, enfiava até ao saco e tirava de novo, me fazendo gozar muito. Eu já me tinha ido à lua umas cinco vezes quando lhe disse: – Você não goza, meu negro gostoso? Me come de 4. Fiquei de quatro e ele enterrou a pica dentro da minha buceta melada e arrombada que já ardia de tanto pau. Gozei mais uma vez, com ele segurando meu cabelo e pedi pra sentar em cima. Ele se deitou e eu sentei em cima fazendo aquele enorme nervo preto desaparecer dento de mim. Comecei a cavalgar o pau dele, tirava até a cabeça e sentava novamente até que pedi pra gozar comigo: – Enche a minha buceta de porra!

Contos Imor(t)ais - UM NEGRO EM MINHA VIDA – 260 -


Dei um grito e disse estava gozando mais uma vez: – Me fode, que delicia, mete tudo! E ele aos gritos também gozou forte. Senti aquela enorme rola preta jorrar leite dentro da minha buceta, continuei sentada em cima e aquele pau não amolecia. Estava em êxtase, roçando o grelo em seu púbis… rebolava devagar, curtindo o recheio negro entre minha pernas. Ele me virou, colocando-me de quatro e enterrou a pica numa só estocada no meu cuzinho. Foi tão rápido que a porra saui da buceta esguichando e melando minhas coxas, enquanto cravava o caralhão no meu rabo. Estava adorando, e gemia. Ele me chamava de puta, cachorra, vagabunda e que vadia curtia mesmo uma rola no cu. Sentia muito tesão, olhando pra trás e imaginando uma garrafa de coca-cola enterrada no meu reto. Parecia que estava arrebentando o meu cú. Ele não parava aquele vai e vem no meu cú e senti arrebentar as minhas últimas pregas. O meu tesão era tanto que comecei a bater com o cú no pau dele, queria mais, com força, e metia tudo no meu rabo, fodia-me de uma vez só. Ele deu uma estocada forte e cravou a pica no meu cú e fodeu com vontade, fazendo-me gozar muito pelo cú duas vezes, e senti que ele ia gozar também. Empinei ainda mais e pedi com doçura de puta pra foder e cravar todo litro de leite no meu rabo...senti tudo lá dentro e desabei com ele em cima de mim. Exaustos, olhei para o relógio e já eram 10 horas da manhã e disse: - Caraca, o meu namorado deve estar preocupado. Levantei-me, vesti a roupa e disse que precisava ir embora, mas tinha adorado. Dei-lhe um beijo, vestindo minha calça, e coloquei minha mão no cuzinho, sentindo o estrago. Olhei pra ele, com a mão cheia de porra que tinha recolhido, sorvi com a boca engolindo aquele néctar e mandei um beijo no ar. Saí do apartamento e quando dei de cara com meu namorado entrando no condomínio. Ele ia ao apartamento de Karen para saber o que tinha acontecido Disse a ele que tinha bebido muito e que dormi no apartamento dela, para não incomodá-lo de madrugada. Ele acreditou e mal sabia que a sua linda namorada tinha passado a noite levando rola de 25 cm, e que estava com a buceta e o cuzinho em frangalhos. A buceta estava inchada de tanto levar pau e o meu cuzinho ficou dolorido durante 3 dias. Mudei meus conceitos com os negros, viciei naquilo.

Contos Imor(t)ais - UM NEGRO EM MINHA VIDA – 261 -


ELA E O MARIDO Olá, O que vou contar aqui, é verídico e aconteceu à cerca de 2 meses. Meu nome é Wagner e sou casado com a Ângela há 20 anos, temos 46 / 44 anos. Ângela é uma mulher normal, dona de casa, 1, 55 m, 48 kg, olhos e cabelos castanhos claros, seios médios, pouca bunda, e uma buceta muito especial, muito pequena e apertada com pelos, mas aparados. Desde solteiro, adorava ler contos e ver filmes sobre ménage masculino, era muito excitante, e mais ainda quando me punha no lugar do marido. Depois de muitos anos, fantasiei algumas vezes junto à Ângela, que às vezes correspondia, mas na sua maioria ela negava, dizendo que só eu a interessava. Ela sempre foi caseira e muito recatada, suas roupas sempre foram até por demais comportadas. Uma das vezes que fantasiamos, e ela correspondeu, ela comentou que jamais teria algo real, mas que se viesse acontecer, deveria ser com alguém de confiança e que fosse dotado na grossura, pois fui seu único homem até então e ela tinha essa curiosidade, embora o meu é considerado normal, dentro da média 16 x 4 cm. O tempo passou, não falamos mais no assunto, mas eu ainda sempre que podia, lia contos ou vídeos da Internet. Vamos ao que ocorreu: Temos um casal muito amigo, desde o tempo de solteiros, são eles Vânia e Luis, a Vânia é grande amiga de Ângela desde o final da adolescência ambos com idades compatíveis com as nossas, ela branca de cabelos pretos, lisos, por volta de 1, 68 m 65 kg, olhos castanhos, (diria um tanto gostosa), O Luis por sua vez, por volta de 1, 68 m 70 kg também olhos e cabelos castanhos. São pessoas normais e nunca deram sinal que chamassem atenção, às vezes duas ou três vezes por mês, encontrava-nos para ou um almoço, ou jantar, ou churrasco, jogos de baralho e até mesmo ir para o litoral juntos. Fomos então convidados para um churrasco na casa dos mesmos, domingão, sol, cerveja e carne. Estávamos somente os quatro, num bom papo como sempre, falando futilidades contando piadas etc. Era por volta já das 13 hs. Bem, fomos tomando diversas cervejas, caipirinhas e já nos encontrava-nos um tanto alto, desta vez um pouco exagerado até, o papo virou sexo, Nosso papo foi ficando mais intimo, e cada vez mais sem vergonha. Num dado momento, Vânia, resolveu comentar que às vezes era difícil o sexo com Luis Pois seu membro era demais grosso e ele tinha muito fogo. Ângela ouvindo isso foi logo soltando, Tâ, me empresta ele um pouco, tenho muita curiosidade de experimentar, e caiu na risada, Vânia por sua vez disse, sim claro, pode usar se quiser, mas devolve depois.... Claro que até ai era só brincadeira, todos riamos, mas a conversa continuou a respeito, sempre com risadas e em tom de brincadeira, e a coisa foi esquentando, me perguntaram se eu deixaria, disse que sim desde que pudesse ter a Vânia também, o que foi recusado pelo Luis, mas o assunto continuava. Estávamos então numa “ negociação de termos “, e como eu não queria liberá-la de pronto para não dar na vista, continuamos nesse jogo e chegamos a principio num ponto que Ângela se quisesse poderia pelo menos abraçar o Luis de forma mais sensual, e assim fizeram. Contos Imor(t)ais - ELA E O MARIDO – 262 -


Senti que todos estavam já muito excitados, quando o Luis levantou, pos o copo de lado, e puxou a Ângela para seus braços começando a se abraçar. Na verdade se esfregavam, ele a agarrava, de forma a querer comê-la de roupa e tudo. Percebendo isso, Vânia sugeriu que fossemos para dentro, ao menos na cozinha, pois algum vizinho poderia ver, assim o fizemos, os abraços evoluíram para um delicioso beijo na boca, o que fez com que meu coração disparasse, foi na goela, adrenalina subiu, fiquei tremulo, com muito ciúme, mas também muito tesão. Vânia comigo a tudo assistia, as mãos de Luis começou a avançar por cima do vestido de Ângela e logo em seguida por baixo do vestido, pegando em seus peitos, apertando a bunda e passando a mão por entre suas pernas que já estavam levemente abertas recebendo carinho na buceta por cima da calcinha. Embora em “nossa negociação” o Luis autorizou eu beijar a Vânia e nos tocar apenas, nada fazíamos, estávamos paralisados e cheios de tesão com a cena. Já que tudo agora parecia inevitável, e o tesão tomava conta do ambiente sugeri se não ficariam mais à vontade numa cama, onde imediatamente o Luis a puxou pela mão levando ao quarto do casal, fomos atrás, mas na porta do quarto Vânia me segurou e disse : – Vamos deixá-los ao menos 5 minutos à vontade. Ficamos no corredor, nos olhando, e nos atracamos num delicioso beijo com muito tesão começamos a nos tocar, chegando em sua buceta, totalmente lisinha, esta estava melada de forma excepcional. Demos um tempo e entramos no quarto, onde ambos estavam já nus, e fazendo um delicioso 69, Ângela parou, – Disse, olha amor como é grosso! e mostrou o pau do Luis, não era comprido, estimo no Max 18 cm, mas exageradamente grosso, sentei-me com Vânia num sofá de frente para a cama, comentei : – Acho que ela não vai agüentar, é grosso demais, Vânia me calou com um beijo, em seguida tiramos nossas roupas e ficamos nos tocando e vendo a cena do casal na cama. Depois de um tempo se chupando, mudaram de posição, certamente o Luis iria agora penetrá-la, pois era inevitável . Tentaram algumas vezes, mas sem sucesso devido à grossura, tentaram em outras posições, até que ele se deitou de costas, segurando o membro duríssimo apontado para cima, Ângela por sua vez de frente para nós foi por cima encaixando a cabeçorra do pau na entrada da buceta e forçando o corpo para baixo contra aquela rola gigante. De onde estávamos vimos quando a cabeça finalmente entrou e nesse momento minha esposa gosou muito intensamente como já há muito não fazia, e em seguida foi soltando o corpo até que a rola toda desaparecesse em sua buceta. Ficaram parados uns instantes, mudaram de posição e o Luis começou a meter gostoso, como se nunca tivesse tido uma mulher na vida, eu e Vânia, beijava-nos e nos tocávamos, parando sempre para assistir. Meteram em varias posições onde minha mulher gosou varias vezes no pau do Luis, então ele a colocou de quatro, metendo forte por trás, com apenas algumas bombadas o mesmo gosou intensamente no fundo da esposa, e ela sentindo sua porra quente inundando gosou junto. Neste momento eu e Vânia aceleramos nossos toques e vimos quando o Luis tirou de dentro um pouco de porra escorreu para fora da buceta, o que fez com que nós também gosassemos intensamente. Ângela levantou, veio até mim, me deu um forte abraço e um beijo, Vânia fez o mesmo com o Contos Imor(t)ais - ELA E O MARIDO – 263 -


marido, levei a mão em sua buceta, estava inchada, me abaixei e dei um beijo, também estava muito vermelha de levar pau. No quarto um forte cheiro de sexo delicioso, a esposa sentou na beirada da cama e Luis ao seu lado já de pau mole, eu e Vânia idem ao lado deles, minha esposa então começou a brincar novamente com o pau do Luis e lhe beijou a boca, onde em pouco tempo estava de pau duro novamente, desta vez eu estava bem mais perto, os dedos da Ângela não fechavam em volta do pau, e era mais largo que seu pulso. Em pouco tempo, novamente estavam metendo, desta vez eu e Vânia juntos na cama, Enquanto Luis metia fervorosamente na minha esposa eu fazia 69 com Vânia que gosou na minha boca. O Luis insistiu, que não poderia haver penetração.Mas agora estava bem mais perto e eu e Vânia víamos a rola entrando e saindo bem de perto. Assim foi até por volta das 22 hs, onde o Luis comeu minha esposa diversas vezes em muitas posições fazendo-a gosar varias vezes de forma intensa. Eu e Vânia gosamos também mas um masturbando outro e chupando deliciosamente. Luis fez questão antes de irmos de pedir a Ângela que chupasse até o fim, o que ela fez com maestria, levando jatos de porra desta vez na boca e no rosto (coisa que nunca fez comigo). Tomamos um banho e fomos para casa, já estamos combinando de novo uma nova festinha, talvez um final de semana no litoral, onde a regra é ficarmos todos nus quando chegarmos e só vestir roupa quando vier embora. Mas a regra continua, Ângela e Luis podem meter, eu e Vânia só brincadeiras inocentes.

Contos Imor(t)ais - ELA E O MARIDO – 264 -


A VEZ DELE No feriadão de 2010 eu resolvi fazer uma surpresinha para o maridão, já que ele sempre faz o possível para me proporcionar muitos momentos de prazer, sem demonstrar ciúmes e nem constrangimentos. Da mesma forma que ele me iludiu, fazendo com que eu transasse a primeira vez com meu cunhado, eu repeti sem ele ao menos perceber o que eu estava tramando, porém, dessa vez a vítima foi minha irmã. Então foi assim: minha irmã queria fugir do tumulto do carnaval, e me ligou pedindo pra passar o feriadão aqui em casa; disse que sim e já comecei a articular o meu intento. Eu sabia que não seria fácil, pois eu teria que convencê-la a tocar no meu marido, mas tinha uma atenuante, ela era bem mais saída que eu. No Sábado pela manhã ela chegou, cumprimentou-nos e foi tomar um banho e relaxar; almoçamos juntos, e à tarde, a chamei para irmos à praça, para colocarmos as fofocas em dia. Ela me contou um montão de loucuras sexuais, foi quando eu vi a oportunidade de entrar no meu assunto; disse a ela que meu marido comentava muito sobre o seu corpo, e que achava muito bonita, ai ela me olhou meio atravessada, com uma ligeira cara de espanto, mas aliviou e continuamos o nosso papo. Perguntei se ela teria coragem de entrar no nosso quarto, com as luzes apagadas, começar a alisar meu marido, fingindo ser eu, ela se espantou com aquela proposta e disse que nem pensar, mas eu disse que já estava tudo combinado e que ele estaria esperando; ela disse que até no final do nosso passeio daria a resposta. Continuamos conversando, inventei mais um montão de loucuras que meu marido falava dela, e percebia que ela estava gostando do assunto e caindo na armadilha; ai passeamos bastante na praça, e disse para voltarmos à casa para tomarmos um cafezinho gostoso, ai eu perguntei qual seria a resposta dela, sobre o meu assunto, e ela... disse sim. Chegamos em casa como se nada estivesse acontecido e eu continuei o meu plano; naquela noite eu faria uma das maiores surpresas para o meu maridão, ele nem imaginava o que estava para acontecer. Mais tarde eu falei pro meu marido que o queria todo peladinho, deitado de perna abertinha na beira da cama, com as luzes apagadas, que eu faria uma surpresinha para ele; só em falar isso ele já se excitou, porém, nem se passava pela sua cabecinha o que eu iria fazer. Bem! Lá pra meia-noite, depois de assistirmos alguns desfiles de carnaval, ele se foi para o quarto para se preparar; deitou como combinado, e, com a luz apagada ficou aguardando. Eu chamei minha irmã e disse que já tinha falado com ele e que tudo já estava combinado, e era só ela entrar e se sentir à vontade; eu fiquei perto da porta e ela se ajoelhou e foi engatinhando bem de vagarinho, como um bebezinho. Ai, eu já não tinha mais como ver, e fiquei muito curiosa, estava imaginando mil coisas, apenas Contos Imor(t)ais - A VEZ DELE – 265 -


ouvia bem longe a respiração mais forte e o som de alguém comendo alguma coisa com a boca aberta, entenderam? Mas isso já tinha se passado uns dez minutos, ai eu resolvi também entrar para ver o que era aquilo, tinha que matar a minha curiosidade. Entrei também engatinhando, cheguei bem quietinha e..., minha irmã me viu e se assustou, eu fiz o gesto que era para continuar, e ela, mais que depressa, me obedeceu, a final, eu sou a mais velha das irmãs; eu achei aquele momento muito excitante a ponto de ter um orgasmo, eu vi a minha irmãzinha chupando o pau do meu maridão que estava bem paradinho como nós tínhamos combinado. Eu cheguei no ouvido dela e disse pra ela sentar no pau dele; ela umedeceu mais com saliva, ajeitou na entradinha da bocetinha e foi sentando bem de vagarinho; eu não conseguia ver muita coisa, então, passei a mão bem de levinho a xaninha dela pra ver até onde o pau dele tinha entrado, nossa, foi tudinho. Ela brincou mais um tempinho em cima daquele pauzão, percebi também que deu uma gozadinha, e, dai a pouco eu pedi pra ela sair e eu continuar a brincadeira, a final, ela já tinha se satisfeito; ela saiu bem de vagar, eu fui pra cima dele e continuamos a festinha sem que ele percebesse a nossa troca. Essa foi a vez dele ter o que merecia depois de ter me dado tanto prazer em troca de somente olhar; eu também queria sentir esse prazer, foi muito bom.

Contos Imor(t)ais - A VEZ DELE – 266 -


BRINCADEIRA DE GENTE GRANDE Vou preservar os nomes das envolvidas, já antecipando a vocês que uma delas era uma antiga namorada e a outra, uma grande amiga dela e conhecida minha. Essa namorada e eu tínhamos uma vida sexual bastante, bastante ativa. Era uma bela mulher, de quadris largos, cabelos castanhos, lisos, bem volumosos. Chamava a atenção por onde passava não só pela beleza, mas também pelo charme. Gostava de assistir filmes de sacanagem quando estava junto comigo e, também, adorava ler contos eróticos. Curtia muito uma leitura em voz alta, ou lia eu ou lia ela. Sempre que lia ou ouvia as histórias, fazia algo que adoro ver uma mulher fazendo: MASTURBAVA-SE, várias e várias vezes. Aí não só a leitura era o combustível do tesão, mas também vê-la tocando aquela buceta linda que tinha, depiladinha, com lábios grossos e grandes, rosadinha. Curtia sexo anal e adorava fazer de tudo enquanto lia, ouvia ou assistia um filme pornô. Era uma mulher diferente, bem resolvida com a sexualidade dela e isso era bom demais. Quando saíamos à noite, gostava de me provocar com roupas curtas e quando viajávamos, fazia questão de ir sem calcinha pra mostrar-me aquela buceta gostosa enquanto eu dirigia. Às vezes lia contos durante nossas viagens e quando não agüentava mais de tesão, me chupava e se masturbava até gozarmos. Enfim, era uma relação regada a sexo e sacanagem. Depois de algum tempo, comecei a perceber que ela curtia mais os contos que envolviam duas mulheres e um homem, e a mesma coisa acontecia com os filmes que pegávamos pra assistir. No princípio, apesar do tesão que isso me despertava, ficava meio preocupado porque ela, afinal de contas, era minha namorada. Pintava uma certa babaquice de achar que NAMORADA não podia fazer isso nem participar desse tipo de sacanagem. Mas, sem perceber, as coisas foram mudando, paulatinamente. Certo dia, estávamos no motel e depois de uma noite deliciosa de sexo, ela me fez uma pergunta bastante direta: – Você gostaria de ter duas mulheres chupando você, ao mesmo tempo?? A pergunta me deixou confuso, mas ao mesmo tempo excitado. Disse a ela que: – Por que você quer saber? Vai me dar esse privilégio? Ela me olhou, com cara de safada, e falou: – Gostaria?? Quer?? Confesso que só de imaginar a possibilidade, fiquei de pau duro novamente e ela percebendo que isso havia mexido comigo, começou a dizer como seria Era a primeira vez que a história tinha nós dois como personagens A fantasia me agradou e enquanto ela fazia sua autodescrição de como seria, ora ela me chupava ora tocava uma punheta me olhando nos olhos A sensação foi tão gostosa, tão real que acabei gozando naquela boca gostosa Mas ela não parou, tinha mais fantasias pra externar Continuou falando detalhes, das lingeries que ela e a amiga fictícia estariam usando, de como estariam prontas pra me receber, de quatro, lado a lado, pra que ora eu metesse em uma e ora em Contos Imor(t)ais - BRINCADEIRA DE GENTE GRANDE – 267 -


outra A história que contava, apesar de fictícia, era muito real na cabeça dela e, conseqüentemente, se tornava real pra mim também Naquela noite, sinceramente, a vi como uma puta e isso me agradou demais Não fizemos amor, fizemos SEXO, FODEMOS e foi uma das melhores noites que já tive. Depois disso, vez por outra ela brincava com as lembranças e sempre indicava que poderia ser uma realidade, quem sabe.... Foi assim durante algum tempo, até que um dia, com jeito pra não deixá-la insegura com a situação, perguntei se ela já tinha fantasiado isso com uma pessoa concreta, uma amiga, sei lá Não demorou pra responder: – Sim, já imaginei a gente junto com uma amiga minha! E você, já imaginou isso com alguém? Respondi que até então não tinha ninguém objetivamente, mas que tinha um monte de gente ao mesmo tempo Começamos a rir e ela quis saber com que eu já havia imaginado Falei o nome de algumas amigas dela e ela aproveitou pra me perguntar se eu sentia vontade de fazer isso sozinho com elas Respondi que fantasiava uma situação a três, já que a proposta era essa Ficou enciumada com minha resposta e principalmente com alguns nomes que falei Tentei explicar que era pura fantasia, nada concreto e que nunca havia sequer flertado com as mulheres que citei. Emendei perguntando: – Posso saber com quem você fantasiou essa transa à três?? Foi com alguma dessas que falei?? Ela me respondeu que sim, era uma delas mas não quis me dizer qual Falei uns cinco ou seis nomes, mas amiga amiga só umas três eram O tempo foi passando e as brincadeiras não paravam, melhor, aumentavam Até que um dia me confessou que já havia falado sobre isso com a amiga e a mesma, primeiro sem graça, entrou na brincadeira e ela acabou contando detalhes tão pequenos de nós dois..rssss Uma vez me pediu pra tirar umas fotos com o celular dela porque queria mostrar pra ?amiga oculta? Isso começou a mexer muito, muito comigo Sempre que saíamos, eu ficava tentando, de maneira discreta, descobrir quem poderia ser a mulher com quem ela compartilhava nossas transas, desejos e etc e, melhor, pra quem ela mostrava fotos nossas em ação Restringi as possibilidades a duas amigas, ambas gatas e uma muito, muito sacana. A curiosidade durou algum tempo e nesse ínterim, ela acabou trazendo umas fotos que a amiga tirava depois de ver as nossas, não exibia as mãos, porque se o fizesse eu descobriria de quem se tratava já que sou fã de pés e mãos Eram fotos da buceta da amiga, uma loucura Mostrava-me as fotos enquanto transávamos e me perguntava se queria chupá-la, se eu havia gostado da cor da pele, da depilação A fantasia começava a se tornar realidade e eu estava gostando demais do que via. A quantidade de fotos era sempre generosa, trocavam por Bluetooth, e uma vez, pela posição em que uma das fotos foi tirada, perguntei se era ela quem fotografava a amiga ou se a amiga tirava sozinha Ficou puta comigo porque achou que eu estava insinuando que rolava um lesbianismo na história: Contos Imor(t)ais - BRINCADEIRA DE GENTE GRANDE – 268 -


– Não gosto de buceta amor, você já devia ter certeza disso! Ela pede pro namorado tirar e ele nem sabe que é pra mostrar pra você! Fiquei mais excitado ainda e logo imaginei que era a amiga mais sacana dela quem estava naquele clima de sacanagem tão gostoso com a gente Mais um tempo passou até que um dia fomos, em um grupo de amigos, pra uma boate badalada aqui do Rio Das amigas que citei como imagináveis, só uma não estava e a outras, todas, acompanhadas pelos namorados Éramos todos conhecidos, com maior ou menor proximidade, mas todo mundo sabia quem era todo mundo A noite foi avançando e depois de algum teor etílico mais aparente em alguns, as danças dos casais começaram a ficar mais ousadas Era um clima de puro tesão e provocação Lá pelas tantas, excitado pela situação que se desenhava e pelas danças exibidas, falei pro pessoal que estávamos de partida. ? Vamos esticar!. Ato contínuo uma das amigas dela iniciou um papo sobre motéis e logo me interessei pelo assunto Resolvemos ficar mais um pouco. As mulheres começaram a falar das vezes em que escutavam a transa do quarto do lado, da hidro suja, da sauna que precisa de toalhinha, do lençol cheio de cabelos e etc e os homens falando dos canais privê, do preço, da comida..... Mas, até então, nada de uma delas deixar escapar uma dica pra eu saber quem era a mulher das fotos que eu tanto gostava de ver Num certo momento, minha namorada me perguntou baixinho: – Tá tentando descobrir qual delas??? e seguiu rindo... Falei pra ela que naquele exato momento estava mesmo era tentando imaginar o cheiro e o gosto da buceta dela bem suada, com vontade de sexo Foi ela quem falou: – Agora é sério, estamos de partida. Quem quiser esticar, siga a gente e aí completou MAS CADA UM NO SEU QUARTO, CADA UM NO SEU QUADRADO. Todos foram pro mesmo motel que a gente e era engraçado e ao mesmo tempo excitante saber que uma das mulheres do quarto ao lado deveria estar com vontade de estar no mesmo quarto que a gente Mais um ingrediente pra noite ficar ainda mais gostosa. No dia seguinte não saímos, ficamos na casa dela assistindo um filme, namorando e fazendo sexo, é claro No finalzinho da tarde saí pra comprar umas coisas pra gente comer à noite e aproveitei pra conversar com uns amigos na volta Quando cheguei, ela já estava de banho tomado, cheirosa como sempre mas arrumada demais pra ficar em casa Estranhei e perguntei se iríamos sair? Não, vamos ficar por aqui mesmo Tem um filme que quero assistir Contos Imor(t)ais - BRINCADEIRA DE GENTE GRANDE – 269 -


A estréia é hoje num canal adulto Aproveitou pra ver o que tinha comprado e falou que iria fazer um jantar afrodisíaco pra gente. Fiz algumas coisas que nem me lembro direito e falei que ia tomar um banho pra depois ajudá-la. No banho, pensei: – Só falta ela ter trazido um vídeo da amiga! rsss Aí descubro quem é! rsss Durante o banho ouvi ela falando com alguém pelo telefone mas não dei importância Quando saí, me perguntou: – Vinho, Martini ou cerveja??? Respondi: – Vinho é melhor pra acompanhar o jantar. Ela falou sem me olhar e continuou fazendo a comida: – Pra acompanhar e dar coragem também! Não entendi o que ela quis dizer e perguntei: – Coragem pra quem e pra que??? Deixa isso pra lá, respondeu ela e já foi me dizendo pra ir pra sala. Estava assistindo uma reportagem quando a campainha tocou. Perguntei: – Tá esperando alguém?? O porteiro não avisou que tinha alguém subindo Fui atender e aí foi quando tudo começou Era uma das amigas dela que eu tinha citado o nome Era uma das mais recatadas, mas também uma das mais bonitas e interessantes Era mulher de poucas palavras e de muitos predicados Morava com os pais no mesmo prédio que minha namorada e durante alguns anos, na época da puberdade, não era muito perceptível pra maioria dos caras porque era gordinha, tinha algumas espinhas no rosto e etc Coisa de adolescente Mas depois se tornou uma gata, até porque tinha que recuperar o tempo perdido e dar o troco naqueles que a colocaram pra escanteio. Cabelos castanhos claros, volumosos, até a altura dos ombros, pele branquinha, com algumas sardas no rosto e no colo dos seios, mãozinhas delicadas e ainda gordinhas apesar do corpo agora ser esguio, cheio de curvas, gostoso, de encher os olhos Tinha, melhor, ainda tem..rssss, uma boca linda, carnuda, rosadinha, olhos castanhos claros, arredondados e uns pezinhos que dava vontade de beijar Estava vestida de uma sandália baixinha, daquelas em que os dedos dos pés ficam a mostra, vestidinho solto e sorriso: – Oi, a R está?? Tá sim, entra aí. Passou por mim exalando perfume, um cheiro delicioso Foi pra cozinha e lá ficou Conversaram um tempão enquanto me passou pela cabeça que poderia ser ela Não tinha certeza, mas bem que podia ser. Algum tempinho depois veio até a sala e falou que estava de saída Veio até mim, meu deu dois beijinhos e foi em direção a porta Contos Imor(t)ais - BRINCADEIRA DE GENTE GRANDE – 270 -


Levantei, abri a porta pra ela e nos despedimos PUTZ, PERCEPÇÃO EQUIVOCADA! Lamentei e voltei pro meu lugar Minha namorada veio com algumas coisas e falou pra eu arrumar um espacinho no chão da sala pra gente fazer um piquenique Arrumei o tal espacinho e começamos a mordiscar umas coisas que ela tinha feito Vinho aberto, alguns joguinhos sensuais (dados, cartas e etc), começamos a assistir o filme do canal privê Eu queria ficar nu, fazer um 69 bem gostoso, vê-la me chupar e se tocar ao mesmo tempo, mas ela não me deixou tirar a roupa O tema escolhido pelos internautas era ménage feminino Já estávamos fazendo algumas sacanagens quando a campainha tocou Confesso que fiquei puto da vida? PQP, só pode ser engano Vou ligar lá pra baixo e falar com o porteiro pra prestar atenção antes de deixar alguém subir para os apartamentos! Mas estava de pau duro e não podia, ou melhor, não devia ir até a porta Pegaria mal abrir a porta de pau duro.rssss – Vou pra cozinha, abre a porta você, falei pra ela Fui pra cozinha chateado e ouvi a porta abrir Não ouvi ninguém dizer nada e aí a porta fechou. ? PQP, além de ser engano a pessoa nem esperou a porta abrir, viu que fez merda e foi embora! Voltei pra sala e quando ia falar, lá estava a amiga dela que tinha ido embora, exatamente como foi, voltou. Fiquei sem graça porque estava de pau duro e logo virei de lado e voltei pra cozinha. ? Oi B, voltou?? Ela não respondeu nada e eu fiquei na cozinha esperando o tesão acalmar Mas achei estranho o filme continuar rolando na TV e minha namorada não ter vindo falar comigo. Acho que é o que estou pensando. ? É ela! Voltei pra sala e ao ver as duas sentadas, sem dar uma palavra, assistindo ao filme tive absoluta certeza Mas o que fazer pra que um grande constrangimento não fosse criado??? Sentei do lado da minha namorada, peguei minha taça de vinho e também comecei a assistir ao filme Nós dois no chão encostados e B no sofá ao lado da minha namorada O clima ficou um pouco tenso porque ninguém sabia como começar e aí perguntei: – Tá sem vinho por que B??? Porque ninguém ainda me serviu ué! Toma a minha taça que vou pegar outra Quando levantei, minha namorada falou: – Tá animado amor! Adoro quando você fica assim, referindo-se ao volume óbvio por dentro da bermuda. Ri e fui até a cozinha. É ela, é hoje! Voltei pra sala, servi vinho pra mim e completei a taça delas Contos Imor(t)ais - BRINCADEIRA DE GENTE GRANDE – 271 -


Começamos a assistir o filme juntos, mas separados O tesão nos denunciava e eu estava com o braço por trás das costas da minha namorada quando senti a perna de B encostada em mim Pêlos dourados, perna linda! Acariciava o braço de minha namorada quando uma cena inesquecível pintou na tela, foi ela quem deu o start pra nossa transa Na tela, duas mulheres beijavam um cara Tinha uma filmadora ligada pra gravar a transa dos três Minha namorada rompeu o silêncio: – Que cena gostosa, to ficando cheia de tesão! Perguntei: – Tá ficando!???? Eu já estou! B continuava quieta, olhando pra tela da TV. Comecei a acariciar os seios da minha namorada enquanto B achou melhor deitar-se no sofá atrás de nós Primeiro ficou com as pernas viradas pra mim, de lado, olhando a televisão Do jeito que estava, meu braço fazia pressão nas coxas dela e senti que ela começava a se mexer bem devagar Os carinhos na minha namorada evoluíam Já estava com as mãos dentro de sua blusa, beijando seu pescoço e ainda assistindo o filme De repente minha namorada nos fez uma proposta: – Que tal a gente brincar um pouco??? Topei e B, sem falar nada, apenas concordou sorrindo R saiu da sala e voltou com uma echarpe, sentou do meu lado, me vendou e disse, você vai ter que adivinhar quem é quem Senti B saindo do sofá e ouvi o barulho do vinho enchendo as taças B, é melhor você desligar seu celular, disse R Era ela quem comandava a situação e foi melhor assim pra não causar nenhum trauma, e eu e B estávamos embarcando numa experiência deliciosa Senti um beijo na minha orelha e logo depois uma mão apertou minhas pernas Fingi não saber quem era pra deixar a brincadeira mais interessante E assim foi. Outro beijo, uma mordida no queixo, de repente um beijo nos olhos e um outro nas pernas Beijos na boca, mordidas, beijo a três, beijo, beijo, beijos..... Ouvi R dizendo: – Tá gostando amor??? Respondi com outra pergunta: – Vocês estão gostando??? Sim, estamos respondeu B Que tesão, que situação deliciosa De repente R falou: – Amor, vou fazer uma coisa que você sabe que adoro Se B quiser fazer, eu vou deixar mas só se você concordar Acenei que tudo bem Abriu o botão da minha bermuda e logo após baixou o zíper. ? Vou fazer como gosto, sem tirar sua roupa toda! Contos Imor(t)ais - BRINCADEIRA DE GENTE GRANDE – 272 -


Começou a me chupar Nessa hora B começou a beijar minha boca e aproveitei pra liberar minhas mãos no corpo das duas Apertei a bunda de B por baixo do vestidinho que usava enquanto segurava os cabelos de R Logo senti R me beijando o ouvido e senti B segurando meu pau R disse a ela, se você quiser, pode Foi aí que B me disse: – Agora não mais por fotos, mais ao vivo! E me chupou Primeiro da cabeça até a base do pau, bem devagar Aumentou a freqüência enquanto apertava meu saco Que delícia! Tiraram minha roupa toda, menos a echarpe nos olhos De repente senti aquele cheiro delicioso que as mulheres exalam quando estão com tesão Pertinho da boca, do nariz, senti os pêlos molhados roçarem no meu rosto Era a buceta de B, mais peluda que a de R mas igualmente deliciosa Chupei com vontade, sentado no chão enquanto sentia R chupando meu pau Que gostoso, queria gozar mas queria continuar Segurei o gozo e continuei chupando B Senti as mãos de R segurando meu pau e meu saco e ouvi uns estalos, uns sons de beijo Imaginei: – Estão se beijando! Quero ver! Ameacei tirar a venda mas não deixaram. Foi aí que senti duas bocas me chupando, uma no saco outra na cabeça e alternavam entre si Tive certeza que se beijava enquanto me chupavam e isso me deixou ainda mais excitado Gozei, gozei gostoso e sinceramente não sei quem mais quis beber meu gozo Quando comecei a gozar, estavam gemendo baixinho e quando puxei as calcinhas para os lados e meti os dedos nas bucetas delas, estavam encharcadas de tesão Continuaram chupando, sem parar Tirei a venda dos olhos, dei uma outra golada no vinho e assumi o comando da transa. Quero as duas de quatro e quero agora Comecei a chupá-las e mandei que se beijassem Obedeceram Ora chupava uma, ora a outra, bunda, clitóris, lábios, mordiscava a bunda, passava a língua no cú de cada uma, sentia o cheiro e o gosto agridoce de cada uma das duas Me posicionei atrás de R, pra que não ficasse enciumada e tivesse certeza de que aquilo tudo só era possível por causa dela, enfiei na buceta dela enquanto observava B beijando-a Meti com vontade, chamei-a de puta, de vagabunda e falei um monte de sacanagens pra elas ouvirem GOZEI, de novo Mas o tesão era tanto que não dava vontade de parar Pedi pra B permanecer de 4 e meti nela Confesso que nenhum de nós pensou em preservativo na hora Enquanto metia na buceta dela e beijava-lhe a boca, senti R c. hupando meu saco Depois de muitas sacanagens ao pé do ouvido, palavrões e etc, GOZEI de novo, sem qualquer preocupação Ficamos ali, eu no meio das duas, pelados e com vontade de mais e mais Contos Imor(t)ais - BRINCADEIRA DE GENTE GRANDE – 273 -


Essa brincadeira rolou pela madrugada inteira, até que B disse que tinha que ir pra casa já que não tinha avisado nada aos pais. Fui acompanhá-la até a porta já que R disse que estava em relaxamento total.rssss Antes de ir, nos beijamos na porta, um beijo gostoso, carinhoso e cúmplice Religou o celular e me perguntou se ela poderia almoçar com a gente Respondi que só se R concordasse e foi aí que ela me disse que já tinham combinado tudo.. Saímos juntos por mais de um ano e ninguém nunca soube, nem o namorado dela Depois de um tempo eu e R terminamos e o contato com B ficou esquecido Outro dia eu conto quando R e eu nos reencontramos e também das vezes que, após o término do namoro, encontrei B na noitada e como terminou.

Contos Imor(t)ais - BRINCADEIRA DE GENTE GRANDE – 274 -


SUBINDO NA VIDA O que vou contar aconteceu recentemente comigo. Foi à primeira vez que trai meu marido e tinha de desabafar, por isso estou escrevendo, porque fiz tudo isso para ser promovida na empresa onde trabalho. Estou casada há dois anos, tenho 26 e sou uma mulher bonita e sensual. Cabelos castanhos claros, seios médios coxas grossas e uma bunda bastante gostosa, dizem. Eu era assistente numa grande empresa comercial e queria assumir a chefia. Fazia de tudo mas nunca saía a tal da promoção. Passei então a apelar para tudo e um das coisas que me veio a cabeça foi usar o meu corpo. Sabia que chamava a atenção dos homens e poderia muito bem chamar a atenção do meu chefe, que era diretor e um coroa bastante simpático. Passei então a abusar das transparências nas roupas e das lingerie sexy. Maquiagens provocantes e tudo mais. Certo dia fui trabalhar sem soutien e com um calcinha fio dental minúscula sob uma calça apertadíssima. Foi o que bastou para surgir um convite para almoçar com meu chefe. Aceitei na hora, mas neste dia nada rolou, apenas papos amenos e uma sondada da parte dele do tipo: como eu era com meu marido, se meu casamento tava legal essas coisas, sem deixar de lado, é claro, a cantada: – Você é uma mulher bastante atraente. Tinha fisgado o coroa, mas senti um pouco de medo da minha ousadia já que nunca tinha ficado com outro homem. Numa quinta-feira, Horácio, nome do diretor, me chamou na sua sala. Disse que estava querendo fazer umas mudanças na empresa e gostaria de me aproveitar. Fiquei animadíssima. Era a oportunidade que eu queria. O diretor, porém, disse que precisava conversar mais comigo para discutirmos essas mudanças e me convidou para um drinque no dia seguinte, sexta-feira. Ao ouvir o convite percebi, na hora, qual era a intenção dele, mas não me fiz de rogada, apesar do receio do que poderia acontecer. Fui para casa imaginando tudo, minha cabeça rodava, estava prestes a pular a cerca, trair meu marido. Aquele cara queria mesmo era me levar para cama. Mas se fosse para ser promovida eu iria. Respirei fundo e entrei em casa. Meu marido assistia à televisão. Beijei-o e perguntei como não quer nada como tinha sido seu dia, essas coisas...mas minha cabeça não parava de pensar em tudo que iria acontecer. Arrumei uma comidinha para nós e fomos dormir. Nesse dia até evitei meu marido, não quis transar porque estava meio trincada. No dia seguinte levantei cedo, tomei um super banho e fui me aprontar para ir para o trabalho. Peguei no armário uma calcinha supercavada preta, um soutien meia taça também preto e vesti. Antes, porém, dei uma olhada no meu bumbum pelo espelho. Parei e pensei, você ainda é uma mulher muito gostosa, vai em frente. Passei um perfume delicado e fui à luta. Trabalhamos normalmente. Ao final do expediente Horácio me ligou, marcamos no estacionamento da empresa e fomos para um barzinho próximo a um shopping. Lá tomamos uns drinques para relaxar foi quando ele segurou-me pelo braço e disse: estou morrendo de tesão por você, não vejo a hora de chupar cada centímetro do seu corpo. Aquilo me ligou como numa tomada em 120 volts. Na mesma hora nos beijamos como loucos, o que fez minha calcinha ficar molhadinha de tesão. Ele pediu a conta e disse que me levaria para conhecer o melhor motel da cidade. Contos Imor(t)ais - SUBINDO NA VIDA – 275 -


Não titubiei, passei a mão pela sua cintura e saímos. Chegamos ao motel e fiquei boquiaberta. Era uma suíte esplendida, toda espelhada, nunca tinha ido a nenhum lugar parecido. Já estava soltinha. O drinque e o tesão me fizeram esquecer tudo. O Horácio, que é um coroa bem enxuto, afrouxou a gravata, tirou o blazer e me pegou pela cintura, dando-me um longo e beijo de língua. Fiquei molinha. Contorci-me ainda mais quando ele passou a lamber meu pescoço e, baixinho, disse na minha orelha: – Vou te possuir todinha sua malandrinha. Ele era bem mais velho do que eu mas sabia das coisas. Tirou minha blusa, desabotou o soutien e passou a sugar meus seios lentamente. Aquilo fez com que eles empinassem ainda mais, o que valeu uma mordiscada em cada mamilo. Ele chupava meus cheios com prazer e isso me deixava ainda mais louca. Nunca tinha estado com um homem assim. Sua língua percorria cada milímetro do meu corpo. Ele levantou meus braços e passou a roçar seu queixo e passar a sua língua pelas minhas axilas. Aquilo era o máximo. Virou-me de costas e foi beijando e descendo sua boca pelos meus ombros e costas. Eu ainda estava de calcinha quando ele enfiou os dedos entre as cavas e enfiou tudo no meu rego. Isso fez com que minha bunda saltasse para fora com a calcinha atolada tipo fio dental no meu rego. Olhei-me pelo espelho e pude ver aquele homem me sugando e lambendo minha bundinha como um animal. Ele parecia que não tinha pressa. Enfiou a mão e com os dedos por entre minha calcinha passou a massagear minha xota enquanto me apertava contra seu pau. Quase desmaiei. Ele mexia na minha grutinha com maestria e eu me contorcia a cada toque. Só não gozei ali porque ele logo me virou de frente passou a beijar minha barriga e a rodar sua língua no meu umbigo. Não agüentei e disse: – Quero te chupar, meu amor. Ele se afastou e disse pegando no pau por cima da cueca: – É isso que você quer sua malandrinha. Então venha buscar de joelhos. Dito isso, ele abaixou a cueca, pegou no seu pinto com as duas mãos, apontou em minha direção e disse novamente: tome, é seu. Quase tive um troço. Era um pau enorme, marrom e com uma cabeça vermelha gigante e brilhante. Pensei comigo, isso não vai caber na minha boca. Ainda mais que não tinha muita experiência com sexo oral. Mas fui em frente. Tirei a calcinha, que já estava ensopada, me ajoelhei em frente aquele membro enorme e enfiei tudo na boca. Passei a chupá-lo como uma profissional, me língua subia e descia naquele troço como uma cadela no cio. O danado, por sua vez, fazia questão de empurrar minha cabeça contra sua pica, fazendo movimento de vai e vem que quase me faziam engasgar, tamanho era a rola do homem. Eu chupava feito uma desesperada, mas ele ainda não estava satisfeito, nem eu. Parei, fui para a cama e disse: quero ver se você me come melhor que o meu marido, disse isso da boca para fora, só para provocar, mas o diretor ficou enfurecido. Virou-me de quatro e de uma só vez estocou todo aquele caralho na minha vagina. Toma sua vadiazinha, gritava, enquanto metia fundo sua pica em mim. Fiquei bamba. Horácio bombava com força fazendo me arreganhar toda. O Filho da puta não gozava de jeito nenhum. Já não aquentava e minha bucetinha tava inchada de tanta vara. Meu líquido escorria pelas pernas e sentia que iria gozar a qualquer momento, eu respirava fundo, feito uma cadela, mas o danado segurava o meu gozo e o dele. Ele era um profissional. Sabia Contos Imor(t)ais - SUBINDO NA VIDA – 276 -


controlar as coisas. Eu, com apenas 26 anos, não sabia de nada. O que iria acontecer depois foi indescritível. Nunca tinha feito isso, nem com meu marido, mas deixei. O Diretor parou de bombar. Tirou seu pau de dentro de mim e com uma das mãos passou a punhetálo para não amolecer. Com a outra abriu meu reguinho e passou a chupá-lo, com a língua ele ia salivando a entrada da minha bundinha. Sabia o que ele queria e deixei: mirou seu pau em direção ao meu cú e foi enfiando. Aquilo me matou de dor e prazer ao mesmo tempo. Cada centímetro que o caralho dele ia escorrengo para dentro do meu rabo me fazia ficar meio zonza. Quando entrou tudo, nem eu acreditei, Horácio passou a massagear a minha bucetinha e num movimento de vai e vem foi me comendo, me fodendo por trás, enquanto me deixava zonza com as mãos em baixo. Seu pau entrava e saia do meu rabo feito uma betoneira. Não aquentamos e explodimos num gozo fantástico. Nunca vi tanta porra e tanto líquido junto. Gozei pelo cú, é verdade... Caímos desfalecidos sobre um e outro. Meia hora depois acordamos. Estava arrobada. Fomos tomar um banho e voltamos. Já era tarde e eu queria ir embora. Meu marido já devia estar me esperando. Disse isso a ele. O Doutor horácio, porém, virou para mim e disse: – Ainda não conversamos sobre as mudanças. Eu, apavorada com as horas, falei: vamos deixar para outro dia. Ele, no entanto, disse com ar cínico: certamente isso que nós fizemos nós vamos continuar fazendo nos outros dias, (vi na hora que ele me queria como sua amante) e continuou: mas tenho que fazer um teste com você para saber se posso promovê-la realmente. Eu, bobinha, não entendi e fiquei surpresa. Então perguntei: que teste é esse. Ele falou: – Quero que você me chupe gostoso e depois beije seu marido quando chegar em casa. Quero imaginar isso: a esposinha fiel beijando o maridinho depois de passar a noite toda dando para outro num motel. Fiquei constrangida com o que ele disse, mas parei, pensei na promoção e falei para mim mesmo: que mal há nisso, já chupei esse mastro ainda a pouco. E é até muito gostoso e não vai demorar muito. Ri para ele assanhada e disse, fazendo cara de taradinha, venha cá meu lindo passando a mão pelo seu saco, levantando seu pau e enfiando todinho na boca. Chupei até ficar durinho e novamente em ponto de bala. Nisso perguntei com voz abafada olhando para cima. Quer me comer de novo meu garanhão. Horácio disse: – Não sua putinha. – Quero que você chupe até eu gozar na sua boca. Fiquei assustada. O Filho da puta queria me humilhar. Sou uma moça de família e achava isso nojento, mas não tinha outra saída. O desgraçado gozou na minha boca inundando minha garganta, mas daí em diante virei mulher, e fui promovida.

Contos Imor(t)ais - SUBINDO NA VIDA – 277 -


É UM SAFADO Quando uma mulher sente vontade de ter um homem te apertando, ela faz o possível e o impossível, para conseguir um bom macho e ficar satisfeita com uma boa Foda. Foi o que aconteceu comigo, sou uma mulher atraente, me considero uma mulher bonita, gostosa são as pessoas que dizem, principalmente os homens, novos e velhos. Tenho vinte e dois anos, 1,70 de altura e peso 65 quilos, bem distribuídos, bunda seios e coxas, sou morena cor de jambo, meu cabelo é preto e cumprido, olha eu sou tudo isso é mais alguma coisa, que queiram acrescentar em mim. Quando eu era solteira, eu era muito namoradeira, safada e sapeca, nunca fiquei com um namorado por mais de um mês, quando conheci o Armando, me apaixonei de cara, foi amor há primeira vista, um tesão alucinado, tarado e muito gostoso, nos casamos depois de um ano de namoro e muito sexo. Armando é um viciado em sexo, não me deixa em paz um dia se quer, todos os dias as vezes duas vezes por dia, ele me satisfaz plenamente, não posso reclamar de nada em relação a sexo. Mas no ano passado, Armando precisou fazer um curso no exterior e fico três meses, fora do Brasil, bem eu fiquei na minha casa, sozinha e comportadinha, mas o tempo foi passando, meu tesão foi aumentando, depois de trinta dias, não dava mais para aquentar, para quem trepava todos os dias, dez dias pra mim era muito, fiquei doida de tesão, precisava dar uma trepada rapidinho o problema era com quem, fui na casa da minha mãe e me joguei pra cima do meu irmão, fiz de tudo, me insinuei, cheguei a falar pra ele, que eu estava afim de dar uma trepada, nem assim ele me atacou, só me disse, cuidado menina agora você é um mulher casada, quando eu era solteira, muitas vezes ele ia no meu quarto e nós dávamos a maior trepada, agora me rejeitou, fui embora puta da vida, no caminho passei na casa da minha sogra, lá eu parti pra cima do meu cunhado, fiz a mesma coisa, só não falei o que eu queria e nem que estava com vontade, mas fui alem do que podia, só ganhei uma passada de mão na bunda e um beijão na boca, me deixou mais doida do que já estava, só restava o meu sogro. Porque uma mulher casada, quando esta afim de trair o marido e não correr o risco, dele ficar sabendo ela só tem três alternativas, dar pro irmão, porque ele não vai contar, pro outro irmão, não vai contar pro pai e muito menos pra mãe, depois tem o cunhado, se ela der pro cunhado ai é que ele não conta mesmo pra ninguém, agora se ela deixar o sogro comer a sua bocetinha, quando ele sair do quarto, depois de dois passos, ele já nem se lembra mais o que fez lá dentro. Então parti pra cima dele sem medo de ser feliz, mesmo porque, ele me secava da cabeça aos pés, também já tinha me chamado de gostosa por diversas vezes, era só eu dar uma chance, que ele viria babando e foi o que eu fiz, eu estava usando uma minissaia rodada o que facilitou muito a minha ação, depois que o meu cunhado saiu, meu sogro estava sentado na sala, me sentei bem na sua frente, dei mais uma puxadinha pra cima, deixando a minha coxa todinha a amostra pra ele, desabotoei mais um botão da blusa, meus seios ficaram bem visível. Meu sogro ficou paralisado, com os dois olhos nas minhas pernas, notei que ele estava com o pau duro, mas ele não pode fazer muita coisa, porque a minha sogra estava na cozinha, mas mesmo assim ele deu um jeitinho, ele pegou uma bala na baleeira, que estava em cima da mezinha da sala e caminhou até onde eu estava sentada, para me dar a bala, mas de propósito ele deixou a bala cair, Contos Imor(t)ais - É UM SAFADO – 278 -


dentro da minha blusa, com a maior cara de safado, ele disse, deixa que eu pego, eu falei, não precisa não eu mesma pego, me levantei e fui pro banheiro me recompor, na volta me despedi para ir embora, minha sogra queria que eu ficasse para jantar com eles, eu agradeci e fui saindo, pensei que o meu sogro viesse atrás de mim, mas não veio não, fiquei chateada, pois eu tinha certeza que ele estava afim de me comer, passei mais uma noite, a seco no maior sufoco. Mas no outro dia, já por volta das dez horas, eu estava fazendo uma faxina na minha casa, quando bateram no portão, foi olhar e vi que era o meu sogro, eu logo pensei, sabia que esse safado viria atrás de mim, abri o portão rapidinho e mandei-o entrar, eu tinha certeza que seria comida ali mesmo, ele entrou e falou, vim te chamar para você ir almoçar lá em casa, eu falei, só se o senhor me esperar tomar um banho, estou toda suja e transpirando, meu sogro falou, não tem problema não, te espero o tempo que for preciso, eu falei pra ele, então entra que eu tomo um banho rapidinho. Conhecendo o meu sogro como eu conhecia, eu tinha certeza, que ele ia me espionar no banheiro, como eu estava a fim de mostrar, então encostei a porta e deixei um vãozinho aberto, eu sabia que o meu sogro ia me espiar, não deu outra, eu estava lá toda ensaboada, quando disfarçadamente, olhei para a porta e vi uma sombra do outro lado, era o meu sogro me olhando tomar banho, fiz de conta que não vi nada, quando o meu sogro viu que eu ia sair do banheiro ele correu pra sala, entrei no quarto e deixei a porta aberta de propósito, logo vi o meu sogro de novo, me olhando atrás da porta, tirei a toalha de vez e fiquei peladinha, fui até a gaveta de calcinhas, por coincidência ela é a ultima de baixo para cima, curvei o corpo com a bunda virada pra porta, meu sogro estava lá escondidinho, atrás da parede, fiquei mexendo dentro da gaveta por uns cinco minutos, ai dei a cartada final, peguei uma calcinha preta e outra vermelha, me virei de frente pra porta e falei em voz alta, – Qual calcinha o senhor acha mais bonita? Meu sogro apareceu na frente da porta e perguntou, – Você falou comigo? Eu disse, sim já que o senhor esta ai na porta, gostaria de saber qual calcinha o senhor acha mais bonita pra eu usar, ele olhou pro meu corpo peladinho, todo depilado, em menus de meio segundo, meu sogro chegou da porta até onde eu estava, ele foi me abraçando e me beijando, suas mãos subiam e desciam, acariciando todo o meu corpo que já estava em brasa, rapidamente ele me jogou na cama e socou a cabeça no meio das minhas coxas, sua língua começou a passear dentro da minha boceta, suas mãos apertavam os bicos rígidos dos meus seios, em pouco tempo dei a primeira gozada na boca do meu sogro, meu corpo ficou arrepiadinho, quando ele passou a língua na porta do meu cuzinho, dei um gemido de prazer e tesão, eu não aguentava mais, esperar por um cacete entrando em mim, me virei por cima do meu sogro e mal deu tempo de tirar o seu cacete duro, pra fora da calça e sentar em cima, aquilo entrou na minha boceta, com uma velocidade impressionante, parecia que tinha um aspirador dentro de mim, sugando aquele cacete pra dentro, tanto era o meu tesão, meu deus que cacete gostoso, que delicia, que maravilha, cavalguei por muito tempo, naquele cacete gostoso, gozei varias vezes, meu sogro me chamava de putinha, de gostosa, derrepente ele me virou e me colocou de quatro, estava pronta para receber aquele cacete no cu, mas meu sogro socou na minha boceta e disse que estava um delicia, socou, socou, por um bom tempo, me vez gozar de novo Logo após eu dar uma gozada deliciosa, meu sogro tirou o cacete da minha boceta e falou, seu Contos Imor(t)ais - É UM SAFADO – 279 -


marido que me desculpe mas eu vou comer seu cu, quando ele passou a língua no meu cuzinho, me deu um arrepio no corpo inteiro, a vontade de sentir um cacete entrando no meu cu, agitou o meu tesão, meu sogro, deixou o meu cuzinho, bem molhadinho com saliva e foi enfiando o seu cacete, bem devagarzinho dentro do meu cuzinho, eu gemia e pedia pra ele por tudo, ele socava cada vez mais rápido e mais fundo, eu rebolava e ele socava, estava uma delicia, ele me dava tapas na bunda e me chamava de gostosa, quanto mais ele batia, mais eu pedia pra ele bater eu queria ficar com o cu e a bunda ardendo, isso aumentava o meu tesão, eu rebalando e gemendo de tesão, meu sogro socava o cacete no meu cu sem dó, quanto mais ele socava mais eu queria, eu estava gozando. Quando ouvi um suspiro profundo e demorado, senti que o corpo do sogro estava tremendo todo, era o anuncio do seu gozo, que explodiu dentro do meu cuzinho, me senti aliviada e gozada, sentindo aquele rio de porra escorrendo pela minhas coxas, depois de uns dez minutos de descanso, fomos pro banheiro e tomamos um banho, bem gostoso, meu sogro me lavou e acariciou a cada centímetro do meu corpo, eu já estava afim de voltar pra cama e começar tudo de novo, mas ele disse, eu gostaria muito de continuar a nossa brincadeira, mas o pessoal esta nos esperando para almoçar, mas a hora que eu trouxer você de volta, pode ter certeza que a festa vai continuar, – Você é muito gostosa pra ficar abandonada e vou passar a noite aqui com você, tá ok! Minha linda!!

Contos Imor(t)ais - É UM SAFADO – 280 -


REALIZADO Bom, me chamo João e minha linda mulher se chama Lia, estamos juntos a 8 anos e nos rendeu dois filhos dessa relação q agora está cada vez melhor, mas oq vou contar é mais um desabafo pelo oq eu passei por vários anos, mas também serve como um insentivo para aquelas mulheres e casais q não se libertaram para suas fantasias e desejos. Tudo começou quando dei a primeira mini-saia e uma sandália a ela, nesse dia saímos para dar uma volta e os caras q passavam por nós não disfarçavam nem pela minha presença o desejo e o tesão q sentiam por ela, isso despertou em mim um louco desejo e fantasias de ver ela ser desejada por outro homem. Essa idéia foi amadurecendo e se moldando de algumas formas em minha cabeça e a medida q o tempo passava esse desejo aumentava cada vez mais. Então comecei a comprar mais roupas sexy para ela usar, roupas do tipo q marcavam e deixavam transparecer o corpo dela, calcinhas q ficavam enfiadinhas na bundinha... Mas logo comecei a me frustrar com tudo isso, pois pela forma q pensava por motivo de sua criação, ela achava q tudo isso era coisa de mulher q não era direita, falava q isso era coisa de mulher puta e q ela não ia usar essas roupas na rua, chegou acontecer de estarmos na rua e passar alguma mulher com uma roupa transparente e q marcasse a calcinha, assim como eu imaginava ver ela, então ela ficava falando imagina só eu usar isso, olha até parece uma prostituta... Mas era bem como eu sentia tesão em imaginar ela vestida. Se passou um tempo e os meus desejos e fantasias aumentavam cada vez mais, quando iamos a praia eu insistia para q ela usar um biquini bem pequeno q ficasse enfiadinho na bundinha, mas ela relutava contra isso e quando colocava queria ir para lugares q não tivessem ninguém e ainda ficava se escondendo para ninguém ver ela vestida daquela forma, mas quando acontecia de passar algum cara e ficava olhando para ela, aquilo me dava um tesão e eu imaginava muitas coisas, o meu desejo era q ela ficasse se exibindo para ele, q deixasse ele com tesão por ela, mas isso nunca acontecia. Cheguei a levar filmes pornos para casa, mas ela não curtia olhar, nas vezes q consegui q ela olhasse comigo, perguntava a ela o q ela estava achando, falava para fazermos igual ao filme... e quando acontecia de ela se soltar um pouco eu perguntava se ela tinha gostado do pau do ator, se ela ia gostar de dar a bucetinha prá ele... mas era difícil ela responder, mas em poucas vezes ela respondia. Então teve uma vez q perguntei a ela se queria dar para outro, ela perguntou se eu deixaria outro comer a bucetinha dela, pois já q eu fui o primeiro e único a fazer isso, respondi q sim, então ela começou a falar: “imagina eu dando para outro agora, ela fazendo tudo o q eu gosto, sentando no pau dele, ele fodendo gostoso minha bucetinha q era só sua… Isso me deixou louco de tesão e transamos como nunca havia acontecido, foi nossa melhor transa. Depois desse dia resolvi me abrir para ela e falar sobre meus desejos e fantasias, q sentia muito tesão em imaginar ela se exibindo para outro, em saber q ela está sendo desejada, q queria sair com ela com roupas provocantes e deixar os caras com tesão por ela, de ver um cara tocar e quem sabe até foder a bucetinha dela, mas q tudo aquilo era só fantasia e q eram momentos, q ela não tinha q ser assim o tempo todo, mas só quando fossemos sair para realizar fantasias, q eu amava ela muito e sentia ciúmes dela, mas como já estavamos a muitos anos juntos nosso casamento virou uma rotina, o tesão já não era mais o mesmo e q para não piorar ou até quem sabe nos separarmos, deveriamos fazer coisas diferentes e apimentar nosso relacionamento. Contos Imor(t)ais - REALIZADO – 281 -


Mas se passou mais um tempo e nada mudou, até piorou, pois paramos com tudo o q haviamos feito até o momento q já não era muito, nossas transas também foram diminuindo junto com o tesão, minhas fantasias e desejos foram adormecendo e eu só me realizava lendo as histórias de outros, até aquele tesão louco q eu sentia foi ficando menos. Em uma noite de verão estavamos dando uma volta de carro em uma cidade perto da nossa, estavamos tomando umas bebidas para relaxar, estavamos em uma avenida e o trânsito estava em fila dupla e muito lento pelo movimento q tinha por lá, nessa altura a bebida já tinha nos pegado. Lia estava vestida com uma blusinha tomara q caia, uma saia e com uma sandália q deixava seus pés mais lindos ainda, em um momento parou uma camionete ao nosso lado e como ela era mais lata q nosso carro o motorista dela tinha uma linda visão do corpo dela, ainda mais q ela estava com os pés no painél do carro. Ela nem percebeu a presença dele ao nosso lado, aquela situação começou a despertar um tesão em mim, então dei um beijo nela e comecei a alizar suas pernas, s em q ela percebesse fui levantando sua saia até aparecer a calcinha, o cara da camionete deve ter percebido isso, pois tentou chegar mais perto e ela não percebeu nada e deixou rolar, pois o efeito da bebida a deixou voando. Ele se mantia ao lado com o trânsito andando e aproveitava a sena q eu e minha mulher davamos a ele, eu já estava maluco com tudo aquilo, mas para acabar com minha felicidade ela percebeu o q acontecia e ficou brava por eu deixar q o cara visse ela naquela posição e eu fazendo caricias nela, então ela falou: – Como vc deixou o cara ficar me olhando assim" então eu falei q tinha ficado no maior tesão com aquilo, ai ela falou: – E se ele quisesse me tocar, tocar na minha bucetinha assim como vc? – Se quisesse me comer? me tremi todo de tesão e respondi q sentiria muito, ai ela falou: – Vc deixaria outro me tocar mesmo? falei q sim e ela disse: – Vc quer ver isso agora? Fiquei louco com aquilo e disse q sim, então dei a idéia de andarmos por uma ruas mais desertas e procurar alguém, ela disse q só aceitaria se fosse prá alguém só olhar ela, não poderia fazer mais nada! Disse q tudo bem Andamos por algum tempo e vimos várias vitimas ou sortudos não é, até q em uma rua bem deserta passamos por um rapaz q aparentava ter uns 18 anos e ela disse o q acha desse, pois ele parece novinho e acho q não iria avançar o sinal q colocarmos, topei na hora e parei mais a frente, então desci e fui em direção a ele e perguntei se podia falar um pouco, respondeu q sim mas bastante desconfiado e um pouco assustado, perguntei como se chama e a idade dele: – Me chamo Junior e tenho 19 anos Falei a ele o q realmente queria, disse q tinha fantasia em ver minha mulher se exibindo para outro homem e se ele queria ver isso, mas quer era só prá olhar ou então nada feito, ele logo aceitou e fomos para o carro. Entramos e apresentei os dois e saimos a procura de algum lugar. Ela estava bastante nervosa e envergonhada, mas dava prá ver o tesão q ela estava, mas por sua criação e forma de pensar aquilo tudo parecia loucura. Continuamos andando em busca de um lugar mais sem movimento, logo comecei a passar a mão nas pernas dela para ver se ela se soltava, nosso Contos Imor(t)ais - REALIZADO – 282 -


amigo de onde estava via minha mão passear pelas pernas dela, minha mulher me deu um beijo e me falou no ouvido: – Vc quer mesmo fazer isso, q ele me veja? Falei q sim e disse a ela q ela é q m dava as cartas. Parei o carro em uma praça om muitas árvores e descemos os três, andamos até um lugar onde haviam algumas árvores q nos esconderiam um pouco, comecei a beijar minha mulher e passar a mão pelo seu corpo, nosso amigo só olhando como haviamos combinado, levantei a saia dela para q ele tivesse uma bela visão de sua bundinha, quando toquei na bucetinha ela estava tomado por um suco melado, então ela me falou: – Amor, vamos parar, estou com vergonha, não estou conseguindo relaxar, isso não é coisa de mulher direita Comecei a falar q aquilo era apenas fantasia, um desejo de momento, q era só ela curtir o tesão e depois tudo voltaria ao normal. Comecei a beijar ela mais ainda, passar a mão na bucetinha, nosso amigo já estava batendo uma olhando para ela e curtindo o show q davamos, disse para ela olhar o q ele estava fazendo, ela olhaou e gostou, então chamei ele para perto para poder ver ela melhor, nessa momento eu já estava tomado por um tesão q jamais havia sentido, ela já estava soltando suspiros de tesão, perguntei se ela já estava melhor, se estava curtindo, ela me disse: – Amor, já estou melhor, sabe q é muito gostoso ter alguém me vendo assim, mostrando a bundinha, saber q ele está com tesão por mim, será q ele quer me tocar? Comecei a tirar a roupa dela, ficou só de calcinha e tamanco nos pés, nosso amigo ficou louco com a sena, falei q se ele se comportasse bem deixaria ele tocar nela, ele deu um sorriso de felicidade pelo q davamos a ele. Abracei minha mulher e fiz sinal para ele passar a mão na bundinha dela, rapidamente ele começou a passar a mão na bundinha dela q soltou um gemido de tesão e falou: – Amor, ele está metendo a mão em mim, vc vai deixar? Só mexi a cabeça fazendo um sinal de sim, o nosso amigo ficou com tanto tesão q falou q ia gozar de tanto tesão, ela ficou louca com aquilo e falou q queria ver ele gozar olhando eu foder ela, então virei ela de bundinha para mim e fui enfiando meu pau na bucetinha, q entrou muito fácil por estar muito molhadinha, meti gostoso e comecei um vai e vem maravilhoso, o rapaz ficou maluco e se masturbava mais rápido ainda. Ela ficou louca e não resistiu e pediu para segurar o pau dele na mão, falei q podia, ela pegou forte e comeceu a masturbar ele, isso me deixou maluco de tesão e meti mais ainda nela q logo gozou alucinadamente, então me pediu para chupar o pau dele, falei q sim, ela botou a cabeça do pau na boca e começou a sugar e eu fudendo ela mais ainda, ficamos assim por um bom tempo, até q ela pediu para gozarmos todos juntos, meti mais ainda e ela masturbando e chupava mais rápido ainda ele até q nosso amigo falou q ia gozar, isso fez com q nos deixasse loucos de tesão e ela disse q ia gozar também, assim gozamos todos juntos de tanto tesão, ele até pediu para fuder ela também, mas minha mulher falou q dessa vez ainda não. Nos arrumamos e demos um tempo ali para ver se estava tudo bem, se ninguém havia visto q tinhamos feito, então fomos para o carro e saimos para largar nosso amigo em algum lugar, ficamos todos em silêncio, agradecemos ele por ter nos dado tanto prazer e por ter cido educado e respeitar o q haviamos combinado e largamos ele, então ela me deu um longo beijo e disse q tinha adorado, q não imaginava q sentiria tanto tesão e q queria fazer isso outras vezes e quem sabe até ir mais longe e dar para outro a bucetinha q era só minha até então. Quando chegamos em casa fodemos muito e Contos Imor(t)ais - REALIZADO – 283 -


com um tesão mil vezes maior do q quando transavamos antes do acontecido, falamos muitas sacanagens, imaginamos e lembramos do q tinha acontecido. Isso só melhorou e esquentou nosso casamento q já estava por um fio para acabar, hoje nos amamos loucamente e eu nem penso em procurar outra mulher na rua, pois me realizo plenamente com minha mulher amada e gostosa, q até está se soltando e fazendo as coisas q gosto. Já tivemos algumas situações novas e realizadas, e ela hoje entende meus desejos e fantasias e faz tudo para me satisfazer, porque ela está amando tudo isso, até fala q é uma dama na sociedade e uma puta na cama e para mim!

Contos Imor(t)ais - REALIZADO – 284 -


QUASE Minha esposa é bonita tem coxas grossas, morena, tem uma bunda bem grande empinada e redondinha seios grandes, 36 anos .já mandei fotos dela por e-mail para alguns homens que me pediram e a quantidade de elogios que eles fazem ao corpo dela e a ela toda são muito excitantes, eu adoro isso, eles falam que ela é uma delicia e que uma mulher como essa não deve mesmo ser de um homem só, que eu devo dividir ela com eles. Sempre procuro contos onde o marido seja chifrado e humilhado tanto pela esposa como pelo Outro, esses contos realmente me excitam e fico sempre me colocando no lugar do corno da historia narrada, já li algumas em que o corno servia de escravo do Outro, e a esposa dele ainda ajudava a humilhar o marido corno. A minha esposa sabe dessa minha fantasia e sempre que pode, me humilha e me xinga de todos os palavrões que vêem a sua cabeça e fica falando que é para eu já ir me acostumando a ser um corninho bem manso e submisso, enquanto não acontece de verdade. Ela fica sempre de calcinha em casa e deixa as janelas abertas para que meus vizinhos a vejam andando assim dentro de casa, e quando eu a alerto para ter cuidado ao passar em frente das janelas, para não ser vista ela fala assim, – Mas não é isso mesmo que você quer seu corno ?? E me obriga a responder bem alto que é sim que é isso mesmo que eu quero que ela seja vista e desejada por todos. Ela adora ficar na sala deitada no sofá só de calcinha e sutian e enquanto ela fica deitada assim no sofá ela me manda lavar a louça, fazer limpeza na casa e preparar a comida, fica gritando comigo, de uma forma autoritária, para que eu limpe direito o chão, e tem um vizinho que já até presenciou, varias vezes, ela me ofendendo. Quando ele me encontrou na rua ele demonstrou pena, e veio falar comigo que sempre ouve ela me dando ordens e xingando, eu falei que aturava isso porque amo muito ela e faço tudo para agradar-la, ele então muito espertamente me incentivou a continuar assim, e ainda comentou que uma mulher assim como a minha valia a pena manter o casamento. Claro que sei que ele falou isso para continuar vendo minha esposa só de calcinha como sempre. Ele consegue ver ela quando sobe no terraço do seu apartamento, ele tem uma mini-oficina lá em cima, e então a esposa dele não desconfia que ele passa horas lá olhando, espiando a minha esposa .uma vês, eu marquei no relógio, ele ficou duas horas e meia olhando ela deitada no sofá, ele não se cansou de ficar lá olhando escondido esse tempo todo. Ela que estava vendo televisão estava deitada de barriga para cima o que proporcionava a ele, uma bela visão dos seios, e da testa da buceta, só escondida pela calcinha. depois ela me chamou para me dar mais ordens e me xingar bastante. me mandou que passasse creme hidratante nas coxas, barriga e braços dela, falou baixo para que ele não ouvisse que aquilo era a preparação par que eu me acostume a ser um cornão obediente e que quando arrumasse um namorado ela queria que eu obedecesse tudo que ele me mandasse fazer também. Eu quase não agüentei de tesão fiquei logo de pau duro com isso que ela falou e ela percebeu e comentou ta vendo como é isso que você gosta mesmo seu cornão só em falar essas coisas você já fica assim . continuei passando creme nela sabendo que o vizinho estava lá olhando tudo ela então me avisou, vou virar de costas para o meu vizinho ver minha bundinha que um dia vai ser dele ouviu seu corno e agora passa creme nas minhas coxas e bunda para ele ver e ficar imaginado estar no seu lugar seu cornão. quando acabei de passar creme hidratante nela ela me empurrou e gritou me mandando continuar com meus afazeres de limpezas, então ela fingiu estar dormindo para que Contos Imor(t)ais - QUASE – 285 -


ele tivesse muito tempo para ficar espiando ela . Sempre quando ele me encontra na rua vem logo bater papo comigo querendo travar mais amizade só não teve coragem ainda é de me contar que sempre vê minha esposa assim quase nua todos os dias.. pede para contar varias vezes até ela gozar se imaginando no lugar das mulheres fudendo com ele. Já bebemos cerveja juntos nos bares próximos de nossas casas ele sempre fica me contando suas proezas sexuais com as mulheres que já faturou na vizinhança e sempre me pede que eu nuca conte para ninguém para não estragar o casamento dele. Até teve uma vez que ele na empolgação me falou que estava de olho em mais uma mulher casada da vizinhança e que pelo andar da carruagem, tinha certeza que iria conseguir comer ela também. Claro que eu sabia que era da minha esposa que ele estava falando. Eu ainda instiguei ele perguntando detalhes dessa mulher ele comentava sobre o corpo dela que estava de olho na bunda linda que ela tem e falando, tudo batia com a descrição da minha esposa. Pedi que ele me contasse quem era ela. Mas ele falou rindo..., não só vou falar depois que eu conseguir meter a piça nela, você vai ser o ultimo a saber! Contou que já fudeu com três mulheres casadas, e se demora nos detalhes de como fez com elas. Quando chego em casa conto tudo para minha esposa ela fala que ele deve ser muito bom de cama e que deve ter algo especial para a mulherada ficar dando mole assim para ele. Ela me manda contar varias vezes até que ela goze imaginando se no lugar delas levando pica dele. Teve um dia que ele lá de cima do terraço, fingiu deixar cair uns papeis dele em nossa casa ai chamou ela de la mesmo e ela como sempre estava assim só de calcinha minúscula e sutian, olhou para cima para saber o que ele queria falar e ele pediu se depois ela poderia entregar-lhe aqueles papeis que deixara cair ali, ela perguntou se ele tinha muita pressa pois assim como estava vestida, só de calcinha e sutian, não poderia ir no portão eles riram e ele comentou: – É ta certo, claro que não né Ele falou que não e ficou assim conversando com ela quase 30 minutos explicando que papeis eram aqueles. pois ela não estava entendendo nada, eram desenhos técnicos de peças mecânicas depois de dar uma mini aula sobre os desenhos ela fez um monte de elogios a ele falando que ele era muito inteligente e que queria que eu também fosse assim, mas que eu não tinha jeito mesmo, que eu era inferior a ele eu fiquei la da cozinha escutando eles falando, claro que ele prendeu ela ali o Maximo que pode afinal ele estava tendo uma visão privilegiada de todo o corpo dela teve até um momento que ela pediu para ele esperar um pouco porque tinha que ir na cozinha ver se havia esquecido algo no fogo, so desculpa para que ele pudesse ver ela por trás com aquela calcinha toda enterrada na bunda e quando chegou la me falou assim, olha aqui seu corno eu to la falando com meu querido vizinho, vê se não vai aparecer la para estragar tudo. Ai eu comentei, mas você esta só de calcinha, ela falou que ela estava dentro do quintal e da casa dela que o errado era ele que estava bisbilhotando la de cima, e voltou correndo para la para continuar conversando com ele. Naquela noite ela me fez chupar a buceta dela até ela gozar me falando que era dele que eu teria que ser corno escravo e obedecer tudo que ele mandasse quando ela se tornasse amante dele e me perguntou se eu aceitava ser corno e escravo humilhado do nosso vizinho… eu falei que sim. E estou agora aguardando a iniciativa dele em traçar minha esposa… assim que acontecer eu contarei como foi

Contos Imor(t)ais - QUASE – 286 -


O TESTE Às vezes é bom darmos uma de difícil, para testar o que a pessoa que você está envolvida deseja ou espera do relacionamento. É uma DR pessoal, tipo avaliação psicológica introspectiva, mas que é interessante e resolvi aplicar. Eu na época tinha 24 aninhos e já namorávamos havia uns 6 meses. Meu nome é Gabriela, para quem não me conhece, e tenho 29 anos, 1,68 m, 55 kg, sou branca com os olhos castanhos claros, cabelos loiros, seios bem grandes, um bumbum empinado e gostoso e adoro sexo, sobretudo sexo anal. Muitos já leram meus relatos e sabem que antes mesmo de perder a virgindade já liberava meu rabinho em muitas experiências anais, pois o prazer que sinto é indescritível. Gostaria de relatar algo que aconteceu há quatro anos comigo e um ex-namorado, o Renato, bem no dia em que ele completaria 28 anos. Renato era um moreno gostoso, atlético, militar, 1,78m e com uma vara de 20 cm, roliça, grossa e cabeçuda. Tínhamos uma vida sexual bem animada, mas quando começamos a namorar resolvi que faria o que a maioria das mulheres costumam fazer: preservar minha integridade anal até quando fosse possível. Dessa forma saberia se Renato ficaria comigo ou me descartaria após conquistar reto seu objetivo. Rolava de tudo, ou melhor, quase tudo, pois vinha se tornando crescente a fixação dele em comer meu cuzinho, mas eu sempre relutava e por mais que ele insistisse, tal fato nunca havia se consumado. Ficava louca de vontade, mas me segurava, e retraía quando ele tentava, dizendo que ali nunca. Mal sabia ele que quando estava sozinha, socava meus brinquedos atrás para aplacar meu fogo. Nas muitas tentativas mal sucedidas de me currar gostoso, eu chegava até a fingir um choro e dizia: – Me causa pânico saber que esse pau grande e grosso pode invadir meu cuzinho apertado. Não insista amor!! Mas para não deixá-lo frustrado, até deixava Renato brincar com meu rabinho, pondo um dedo lá, mas mesmo assim deixava claro que ainda não estava preparada. Eu ria quando estava sozinha, podem até me taxar de falsa ou hipócrita, mas fazia parte do teste. Tudo pela Ciência!! Rss. É incrível como a grande maioria dos homens têm esse fetiche, e saberem que uma mulher também tem é um rótulo fácil para ser chamada de puta, vagabunda e tal. Não concordo com esse machismo, beira ao ridículo e minhas queridas leitoras deste relato vão concordar comigo, porque muitos homens xingam sem ao menos compreenderem a importância da igualdade de direitos. Bem, feminismos à parte, é claro que Renato não ficava descontente, pois se eu articulava um teste que restringia suas investidas anais, o que para mim também era torturante, teria eu que compensar nas outras modalidades. A brincadeira digital com meu rabinho deixava ele bem excitado, e eu aproveitava a deixa e mamava muito naquela vara grande. Ele percebia que me excitava tocando meu cuzinho e dedilhava meu grelo, e eu correspondia engolindo o máximo de rola que podia, acariciava suas bolas e o deixava extremamente em êxtase. Quando a cabeça de um cacete é grande, praticar sexo oral tende a ser um desafio instigante. Exercitar os músculos da mastigação e controlar o reflexo de náusea são essenciais. Aos poucos fui tomando gosto mais e mais, tentando gradativamente alocar aquela glande robusta e roxa atrás das amígdalas, tocar meu nariz no púbis e comprimir suas bolas com meu queixo. Quase sem fôlego voltava e socava com minhas mãos aquele cacete gostoso, cuspia na ponta e novamente retornava aos exercícios. Não há homem que resista à provocação e a quantidade de leite grosso era Contos Imor(t)ais - O TESTE – 287 -


proporcional ao tamanho de sua ferramenta, e não sobrava nada fora da minha boquinha. Eu sabia deixá-lo feliz, mas faltava a cereja do bolo. Estava disposta a evoluir à fase final do teste, porque a tortura mútua estava sacrificante para ambos. Resolvi estrategicamente liberar meu “rabo virgem” pro macho em desespero – acho que era maior o meu desespero em ser enrabada do que o dele, rss. Evidente que minha relutância ocasionou alguns desentendimentos e percebi que Renato ficava chateado. Num belo dia, faltando uma semana para seu aniversário, em meio a um papo corriqueiro, perguntei o que ele gostaria de ganhar de presente. Ele deu aquela risadinha marota e safada, dizendo: – Só gostaria de ganhar uma coisa, mas isso eu sei que você não vai me dar! Percebi logo do que se tratava, e com a voz mais cínica e desentendida do mundo, respondi: Mas que coisa tão especial seria essa?? Ele riu e disse: – Você sabe bem o que eu quero! Apenas ri e o assunto se encaminhou para outras conversas. Confesso que meu cuzinho piscou freneticamente de ansiedade, e iniciei os preparativos. Chegando o dia do aniversário, passamos na casa dos pais dele e saímos com alguns amigos para celebrar. Fomos a uma casa noturna e lá pelas tantas, falei bem baixinho no ouvido dele: –Vamos sair daqui, porque meu presente está querendo ser aberto! Ele distraidamente responde: – Linda, não precisa de presente algum, esquece isso… E cortando sua resposta, emendo um pedido bem provocador: – Você não queria tanto comer meu cuzinho, pois bem, esse será meu presente bem gostoso e especial pra você! Seus olhos brilharam de felicidade, curtimos mais um pouco com os amigos, nos despedimos de todos e seguimos rapidamente para seu apartamento. Mal entramos e ali mesmo na sala já nos entregamos aos amassos gostosos e já nos víamos sem roupa. Tive que pedir calma várias vezes, tamanha sua afobação, e segui meu ritual de sedução e mantendo a encenação do primeiro anal. Pedi para ele sentar no sofá e, de joelhos em sua frente, iniciei um boquete de primeira, sempre olhando em seus olhos, cuspindo na cabeça e engolindo tudo até as bolas, punhetava forte. Ele urrava de prazer e comecei a provocar aquele homem, ainda ajoelhada, enquanto chupava aquele mastro gostoso: – Você quer comer o cuzinho de sua putinha hoje, seu safado?? E ele apenas balançava a cabeça. Cuspo bastante e recolho toda baba daquele cacete e continuo, Contos Imor(t)ais - O TESTE – 288 -


dizendo: – Pois eu quero esse pau gostoso todinho dentro do meu cuzinho! E levo minha mão até minha bundinha, viro pra ele e enfio dois dedinhos com minha baba dentro do cuzinho. Ele enlouqueceu: – Eu vou te enrabar bem gostoso, minha putinha linda!! E peço pra ele vir com calma – e rezando pra nem me ouvir e socar forte aquela pica imensa. Voltei ao boquete, e estava tão tomada pelo tesão que pedi pro Renato, com minha carinha de cachorrinha abandonada, que gozasse na minha cara: – Quero que você encha de porra a cara de sua vadiazinha. Quero aproveitar muito esse pau no meu rabinho!! Uau, o clima estava muito tesudo naquele momento. Continuei mamando por mais algum tempo até que ele, segurando com a mão esquerda minha cabeça e com a direita se punhetando, avisa: – Ai, vou gozar bem na tua cara, sua cachorra! Em mais alguns segundos ele goza pra valer, enchendo minha cara de porra quente, espalhando e recolhendo tudo pra minha boca com seu próprio caralho. Nem preciso dizer o quanto eu estava transbordando de tesão naquele momento, tanto pela gozada na cara como por ter meu macho me chamando de vadia, cachorra e puta. A gozada na cara foi ótima, mas o momento máximo da noite ainda estava por vir. Fui ao banheiro me recompor e volto preparada pra ter meu cuzinho invadido por uma vara grossa e roliça. Passamos alguns minutos num sarrinho gostoso e logo nos encaminhamos pro quarto. Peguei o lubrificante, mas deixei que ele tomasse as rédeas, apesar da vontade enorme de sentar em seu colo e alojar de uma só estocada aquele cacete delicioso no meu rabinho. Renato me colocou de quatro na beirada da cama e em pé, atrás de mim, foi lambuzando carinhosa e lentamente meu cuzinho com KY. Enquanto passava o lubrificante, metia um dedo lá dentro. Eu gemia e confesso estar com um tesão muito louco e meu cuzinho piscava sem parar, desejando ser invadida por ele, como sempre desejei. Teste idiota, pensei comigo mesma, devia ter dado a bunda pra ele no primeiro encontro, mas enfim… já era chegada a hora. Após lubrificar cuidadosamente meu cuzinho, ele chega ao meu ouvido e fala: – Diz pra mim, minha putinha, o que é que você quer agora?? Eu, obediente, respondo: – Quero essa vara todinha no meu cu! Huuuuuuuum, mete gostoso no meu cu, mete seu safado, arromba o cuzinho dessa tua putinha, vai, vai, me fode gostoso, mete tudo. Segurando-me pelos quadris, ele posiciona seu pau na entrada do meu cuzinho. Foi posicionando e eu senti quando a cabeça larga encaixou bem na entrada do meu buraquinho. Ele, então, começou a Contos Imor(t)ais - O TESTE – 289 -


fazer um movimento bem lento de entra e sai, forçando aos poucos a penetração. Como eu desejava dar um tranco pra trás de uma vez, e sentir aquele caralho me rasgar e delirar de prazer, mas precisava me conter e manter o papel… logo logo faria isso. Renato então foi ritmando as estocadas, com a rola toda enterrada no meu cuzinho, e gradativamente aumentou a intensidade. Começou a socar forte meu cuzinho, metendo firme todo aquele mastro roliço. Enquanto ele metia firme, eu apenas gemia e falava para atiçá-lo: – Fode, mete mais, me fode, me rasga… Senti sua mão brincando com meu grelinho e em mais alguns minutos gritei alto que iria gozar, e gozei horrores. Estava delirando pois há tempos não gozava daquela maneira. Ele gozou logo a seguir, dando uma última estocada bem forte, metendo tudo até o talo, enquanto urrava feito um urso. Depois de tudo, estava exausta. O cuzinho estava dolorido pra caramba, mas estava em êxtase de prazer. Olhei pra ele e perguntei se tinha gostado do presente. Sua resposta foi um sorriso de homem safado, como criança que ganha um presente novo. Repetimos mais 3 vezes naquela noite, aí sim dando bundadas pra receber aquele caralhão no meu cuzinho como eu merecia… Mas como todo teste agrupa seus resultados, o que temia realmente aconteceu. Pena que seis meses depois terminamos, acho que ele queria mesmo era só me enrabar. Mas ainda brincaríamos algumas vezes por trás!!

Contos Imor(t)ais - O TESTE – 290 -


REFORMA NA CASA Gostaria de compartilhar neste site a maior experiência que já tive. Sou clara, com os cabelos castanhos, seios médios, e um quadril que sempre me deixou encabulada quando passo nas ruas perto de grupos de homens, pois o meu traseiro arrebitado e enorme é de chamar a atenção. Nunca fui dada a fantasias, estou com 27 anos, pratico academia e estou com tudo no lugar. Meu marido e eu resolvemos não ter filhos até que ele se estabilize no emprego e eu depois de me formar não consegui emprego e fico fazendo as tarefas do lar. Recentemente resolvemos fazer uma reforma em nossa casa, que estamos acabando de pagar e colocar alguns detalhes nossos: uma sauna, uma churrasqueira, armários embutidos, enfim essas coisas que a gente só faz na casa própria. Meu marido contratou um construtor que trabalha há bastante tempo no bairro e tem fama de ser muito caprichoso e competente e, já tem uma certa idade. Na segunda-feira passada ele iniciou o serviço e trouxe consigo um ajudante para as tarefas mais pesadas. Trata-se de um rapaz moreno, cabelos curtos e muito forte, certamente pelos exercícios que faz no seu trabalho. No primeiro dia, meu marido explicou os serviços e eles foram se trocar num quartinho dos fundos que será ampliado para ser a sauna e a churrasqueira. Trabalharam o dia inteiro, quando o empreiteiro disse que sairia mais cedo para encomendar alguns materiais e que seu ajudante continuaria fazendo a limpeza e depois iria embora. Eu, fazendo minhas tarefas de casa fui arrumando aqui e ali, quando cheguei para fechar a janela do quarto de TV, no segundo andar, que da para os fundos. Que susto. O ajudante tinha acabado de se lavar e estava nu se enxugando, deixando aparecer dentro do quartinho aquele imenso cacete, que molhado e mole, devia medir uns 20cm, além de grosso. Me assustei e sai do quarto, mas senti que algo estava acontecendo comigo. Fui ao banheiro e vi minha calcinha inundada. Me repreendi pela reação, pois nunca havia traído meu marido, nem em pensamento. Aquela noite foi um tormento, não consegui dormir direito, pois sempre vinha à mente aquela cena. No outro dia, querendo afugentar o pensamento da cena, olhei pela janela e vi quando os dois estavam medindo a altura do telhado para fazer a churrasqueira, o empreiteiro em baixo e o rapaz em cima. Trajando um short largo, sem cueca, a qualquer movimento dele dava para ver aquela imensidão. Coloquei-me atrás da cortina e fiquei olhando. Quando dei por mim estava com a mão dentro da calcinha tocando freneticamente uma siririca. No final do dia, pedi ao empreiteiro que passasse na loja de materiais e encomendasse alguma coisa que inventei na hora, só para poder ficar olhando meu Apolo se enxugar. Dito e feito, me coloquei estrategicamente no quarto e através da cortina pude vê-lo novamente pelado se enxugar e lentamente enxugando aquele bastão grosso e mole. Não deu outra, quando vi, estava sem calcinha e tocando a maior siririca. Mais uma noite de agonia, eu revirava na cama prometendo que aquela situação iria acabar. No outro dia, precisei mexer num armário alto (duplex) e quando fui subir, me veio a tentação. Tomei um banho, me perfumei e coloquei uma calcinha fio-dental, que de tão pequena só aparecia um triângulo na frente e as cordinhas do lado., um vestidinho de malha e fui até a porta do quintal e pedi para o Sr. João, esse era o nome do empreiteiro, se ele podia me ceder o Ari, o nome do deus grego, pra me ajudar a guardar umas coisas no armário. Sr. João prontamente mandou o Ari me servir e aproveitaria para ir na loja trocar um material que veio errado. Eu tremia de tanta emoção. Contos Imor(t)ais - REFORMA NA CASA – 291 -


Pedi ao Ari para segurar a escada enquanto subia para abrir a porta do armário. Senti pela sua respiração que ele ficou doido, pois o vestido era curto e ao subir, ficou aparecendo minhas coxas, minha bunda e minha calcinha. Fingi que estava com medo e pedi a ele para segurar em minhas pernas. Quase gozei de tesão quando ela botou aquelas mãos grandes e firmes em minhas coxas. Novamente simulei que o que eu procurava estava no fundo e, fiquei na ponta dos pés, arrebitando bem minha bundinha para que ele pudesse ter a visão. Nisto, senti que meu rego abriu e a tanguinha escorregou para o lado, deixando meu anelzinho do cu e minha xoxota totalmente expostas para aquele peão. Ele aumentando a respiração nada falava, mas apertava as mãos em minhas coxas parecendo que iria fura-las. Quando fui descer da escada, ele malandramente deixou a mão escorregar, tocando de leve meu cuzinho e minha buceta, que a esta altura já estava ensopada. Agradeci e fui para o banheiro bater outra siririca. No final do dia o Sr. João me avisou que iria chegar mais tarde no outro dia pois o Ari iria cavar uns buracos e ele chegaria para colocar a ferragem. Aquelas palavras de cavar buraco e colocar ferragem me fizeram voar. No outro dia, levantei cedo, tomei um banho, depilei minha bucetinha todinha, deixando-a lisinha e carequinha e sabendo que o Ari já estava trabalhando, dei um grito e pedi por sua ajuda. Ele subiu rapidamente ao banheiro da suíte e aí eu disse a ele que tinha tomado um choque e que estava com medo de desligar. Ele meio atordoado em me ver peladinha, colocou a mão no registro e fechou para mim. Eu fingindo pavor falei que não tinha acabado e se ele me ajudaria, ficando ali e, abrindo e fechando a torneira quando eu terminasse. Ele nem respondeu de tão hipnotizado que estava em meus peitos, minha xoxota lisinha e minha enorme bunda. Então pedi a ale para abrir e ficar ali esperando. Fiz um show de exibicionismo, me ensaboando, lavando meu rabão, minha xoxota, meus seios. Nisso vejo que o short dele estava igual a um circo e molhado, certamente já tinha gozado. Aí então pedi a ele para fechar e, como o Box é apertado ele relou a mão em meus peitos, o que me fez arrepiar. Disse a ele que estava tremendo do susto, se ele poderia me ajudar a me secar. Ele prontamente pegou a toalha e com gestos firmes começou a enxugar meus cabelos, meu pescoço, minhas costas, meus seios, que nesta hora já estavam tão durinhos que pareciam que iam furar a toalha. Em seguida levantou minhas pernas e lentamente enxugou meu pé, não tirando o olho de minha buceta. No outro pé, ele já mais desinibido, deu uma ligeira abertura, fazendo meu grelinho ficar exposto para ele. Num só golpe ele me rodopiou e me virou, demorando alguns instantes admirando minha bunda. Com os dedos, afastou minhas nádegas e com a tolha no dedo indicador passou a enxugar o meu cuzinho. Que delícia. Já estava pingando de tanto tesão. Nisto ele mi vira de frente, abre minhas pernas e do mesmo jeito começa a enxugar minha xoxota e quase gaguejando disse. Não da para secar não, ta saindo muita água lá de dentro.Tomada de tesão e de uma força que veio não sei de onde disse para ele: enxuga com a língua. Ele pálido disse: – Pode? Eu com a cabeça consenti e ao mesmo tempo abri as pernas. Aquela cabeça selvagem me invadiu as pernas e uma língua fervente lambia do meu grelo até a entrada, separando os lábios. Não consegui segurar e gozei na boca dele como nunca tinha gozado. Em seguida, puxando-o pela mão me dirigi a minha cama e me prostrei de quatro, arreganhando meu cu para aquele monstro. Ele meu assustado olhando fez que eu gritasse com ele: – E que você ta olhando, não quer me enrabar, pode comer que é todo seu. Não deu outra, ele tirou a bermuda e com aquele, agora duro, poste de nervos, deu uma socada em Contos Imor(t)ais - REFORMA NA CASA – 292 -


minha xana que de tão molhada foi até o saco, me dilacerando as entranhas num misto de dor e prazer. Tão excitada eu estava que virei e dei-lhe um tapa no rosto. – Você não sabe que enrabar é enfiar no cu? – Quem mandou comer minha buceta? Ele assustado e ofendido, tirou aquela vara de mim, fazendo um vácuo imenso e apontou aquela tora no meu anelzinho que piscava tanto que parecia um vaga-lume. Forçou e com violência enfiou aquele caralhão, arrebentando minhas pregas e me fazer dar um grito de dor. Bombou algumas vezes, quando senti aquela tora retrair, senti que ia gozar. Num so golpe tirei aquilo do meu rabo e abocanhei até a metade de tão grande que era, no justo instante que uma saraivada de jatos batiam em minha garganta. Gozamos juntos e chupei tudo até ficar limpinho, devendo ter tomado um copo daquela porra quente. Em seguida mandei ele tomar banho e fiquei admirando, quando ele acabou eu enxuguei-o com a toalha, exceto o caralho que fiz com a boca, fazendo-o crescer de novo. Daí até hoje, todos os dias fazemos nossas horas extras. Meu cu já está do tamanho de uma moeda de tão largo que está. Mas é muito bom.

Contos Imor(t)ais - REFORMA NA CASA – 293 -


PARA O BOM MARIDO Minha esposa Sandra ( todos os nomes desta narrativa não são os reais para preservar as verdadeiras identidades), 1,50 m, loira, coxas grossas, seios firmes de aureolas rosadas, na época com 44 anos, gostava de se exibir com a finalidade de excitar outros homens. Eu a incentivava, claro! Comprava roupas ousadas e sempre buscava situações onde ela pudesse realizar sua fantasia. Tínhamos muitas fotos dela nua ou com pouca roupa. Esses álbuns sempre andavam comigo, nas inúmeras viagens que eu fazia. Algumas vezes mostrava as fotos para caronas que dava, outras vezes para amigos que nos escreviam e eu os conhecia primeiro. Este foi o caso do casal Tião e Rita. Ele era meio tímido. Quem escreveu a carta foi a Rita e procuravam apimentar a relação que, diziam, estava entrando na rotina. Como nossa proposta era transa no mesmo ambiente, sem sequer troca de toques, eles se sentiram confiantes. Encontrei o Tião num barzinho de Itú. Fui o mais objetivo possível na conversa e disse: – Meu amigo, gosto que minha esposa se exiba. Fico com muito tesão de ver um outro homem de pau duro por causa dela... – É mesmo! Disse ele demonstrando real surpresa. Achei engraçada a situação e mostrei um álbum de fotos onde a Sandra se exibia. As fotos estavam colocadas no álbum de forma que nas primeiras ela aparecia vestida, até comportada. Em seguida ela estava em poses mais ousadas, onde podia ser vista a calcinha ou um seio... Até as duas últimas com uma visão completa da bunda (que bunda!) e da buceta de pelos loiros. – Ernane, sua esposa é linda! Dá para ficar de pau duro mesmo!. Combinamos que nos encontraríamos, os quatro, no Sábado seguinte. E assim foi. A Sandra nem estava muito animada para o encontro, mas argumentei com ela: – Amor, vamos nos divertir. Se eles quiserem se divertir conosco, tudo bem, se não vamos só nós mesmo... – Você está certo! Não temos obrigação de nada... vou para a minha caça! Esta era a forma dela dizer que estava a fim de sair e ousar. A Sandra e eu decidimos que ela iria usar uma saia preta de malha, com uma blusa estampada com flores azul marinho em fundo cinza, com botões na frente. Escolheu um conjunto branco de calcinha e sutiã de renda de Lycra. Era sempre assim: roupa escura, lingerie clara e vice-versa... Sandra, agora, estava com astral diferente. Escolheu uma sandália alta e ficou desfilando para mim... – E aí, amor? O que está achando de sua esposa? – Linda! Linda como sempre... – Você vai deixar outro homem ver minha calcinha? Perguntou erguendo a saia curta. – Claro, meu amor, claro! – Seu safado! Disse e pulou me abraçando pelo pescoço e me beijando. Quando pegamos a estrada em direção a Itú percebi que estávamos com pouco combustível. Parei num posto em Indaiatuba. A Sandra viu que o frentista era um rapaz alto, forte, moreno e que olhou para as pernas dela tão logo teve chance. – Ernane, vou caçar! – Boa sorte! Contos Imor(t)ais - PARA O BOM MARIDO – 294 -


Olhei para a mulher ao meu lado. Ela estava excitada, sem dúvida. Abriu um pouco as pernas bem torneadas. A saia preta estava agora enrolada de forma tão audaciosa que eu, do volante, via a calcinha branca. O frentista estava abastecendo o carro pelo meu lado, mas seus olhos não desgrudavam da Sandra. Eu saltei do carro e fui à loja de conveniência. De lá, tomando uma Coca-Cola, assistia a performance da Sandra. O rapaz, quando terminou o abastecimento, colocou a cabeça dentro do carro e pelos gestos da minha esposa entendi que ela pediu para que ele lavasse o vidro. Era o golpe que ela sempre dava para este tipo de “presa”… A Sandra abaixou o pára-sol e ficou dando retoques na maquiagem De onde eu estava via perfeitamente que o rapaz apenas fingia limpar o pára-brisas. Minha esposa, como se estivesse no nosso quarto, abriu um botão da blusa e “ajeitou” um seio, como se aquele monte firme pudesse se deslocar sozinho do sutiã... O frentista chegou a dar um passo para trás. Deu para ver que estava de pau duro. E muito bem dotado! Resolvi “atrapalhar” o lance. Paguei minha conta e fui em direção a minha esposa, abri a porta do lado dela e ofereci meu refrigerante. Ela aceitou, mas não abotoou a blusa, nem o rapaz se afastou. – Amor, por favor, pega minha carteira na outra porta. Eu pedi... A Sandra, com 1, 50 m precisou se esticar toda para pegar minha carteira. Este movimento fez com que nós dois, o frentista e eu, víssemos a bunda deliciosa da Sandra e no momento em que ela retornou a posição em que estava, a calcinha que estava toda entrada no rego, na frente e atrás, deixou escapar os pentelhos loiros. – Quanto deu? Perguntou para o frentista. – Vinte e cinco Reais. O rapaz pegou a nota de R$ 50, 00 que a Sandra tirou da carteira e calmamente tirou o troco do bolso do macacão. Enquanto ele contava as notas, continuava vendo minha esposa, que sequer puxou a saia para baixo ou diminuiu a abertura da blusa. Eu dei a volta, entrei no carro, fechei a porta e dei a partida. – Amor, espera um pouco, o rapaz ainda não me deu o troco... Disse a Sandra sem fechar a porta do lado dela. – Meu amigo, vamos acabar logo com isso! Disse eu, dando uma decisão. – Por mim não acabava mais... Foi a resposta audaciosa do rapaz. Normalmente os homens olham, mas não são afoitos. Este quebrou a regra. – É uma pena, mas acabou mesmo! Disse a Sandra, se arrumando. Mas ainda permitiu que o rapaz presenciasse um pouco mais de sua intimidade. Saímos do posto e logo levei a minha mão a buceta da Sandra. Estava muito molhada. – Safada, está molhadinha... Ela fez o mesmo em mim e encontrou meu pau duro. – Corno! De pau duro por que sua esposinha estava se exibindo, na sua frente... Nos beijamos apaixonados, como sempre... Encontramos o casal Tião e Rita. A Rita é uma mulher completa. Seu corpo bem feito, com cabelos negros nos ombros, seu olhar de menina arteira, pouco dissimulava a satisfação de estar vivendo uma aventura. Trajava um vestido longo, estampado em fundo branco. Usava sutiã. Contos Imor(t)ais - PARA O BOM MARIDO – 295 -


O Tião manifestava sua timidez olhando de rabo de olho para a Sandra. Esta se deu muito bem com o casal e logo comentávamos nossa última aventura, no posto. – Amigos, vamos conversar num motel? Explodiu com esta pergunta a minha esposa. – Por mim vamos... o que você acha, amor? Foi a resposta rápida da Rita. O Tião ficou vermelho... Mas disse: – Rita, você é quem sabe. Eles são experientes e com certeza não vai ficar só na conversa. – Com certeza que não! Eu e o Ernane saímos de casa para namorar e gozar muito! Mas vocês são nossos convidados!” – Tião, eles não vão nos arrancar nenhum pedaço... – E nem tocar em vocês, podem acreditar. Mas se quiserem vão assistir ao vivo um show particular... Completou minha esposa. – Vamos! Eu decidi e já chamei o garçom para fechar nossa conta. Estávamos em dois carros, mas resolvemos ir em um só. Entramos no motel e pedimos uma suite completa e um apartamento simples. Entramos no apartamento standard para pegar as toalhas e aproveitamos para conhecer. Era simples, mas decorado com bom gosto. A Sandra se jogou na cama, de costas, dobrando as pernas, exibindo logo a calcinha: – Ernane acho que vou ficar por aqui mesmo... – E deixar a sauna e a hidro? Duvido! – É mesmo, amor! Vamos logo! Neste movimento de deitar-se e levantar-se o casal que estava conosco pode ver com clareza que a Sandra não tinha nenhuma timidez, pois a saia se enrolou na cintura e ela voltou para o nosso carro praticamente de calcinha! E dava para notar a umidade do tesão... Para não ficar em desvantagem percebi que a Rita desabotoara uns dois botões de seu vestido longo e quando entrou no carro ergueu o mais que pode. Desta forma suas coxas lindas, alvas e bem torneadas foram vistas por mim. Ao sairmos do carro, já na garagem da suite, a Sandra me agarrou e me deu um beijo na boca. Começamos a “namorar” sem nos importar com os nossos amigos. Eles, na verdade, sumiram para dentro da suite. Neste “amasso” abri a blusa da minha esposa. Tirei o sutiã dela e ela abriu o zíper da minha calça, liberando meu cacete duro. Assim entramos no apartamento, onde encontramos o casal sentado na cama assistindo TV. – Vocês estão muito parados… Disse Sandra desafiadora. – Sandra é você quem vai nos ajudar, por que não temos nenhuma experiência. Foi a resposta da Rita. – Eu gostaria de jogar alguma coisa para apostar peça de roupa. Foi o pedido do Tião. Por sorte eu tinha um jogo de dominó que estava no carro. Fui buscar e aproveitei e trouxe também a máquina fotográfica. O jogo, acertado, seria quem tirasse peça do dominó com a menor quantidade de pontos, em cada rodada, iria tirar uma peça de roupa. Não me lembro como o jogo rolou, mas sei que o Tião estava com muito azar! Em poucas rodadas ele ficou de cueca, a Sandra tirou as sandálias e a saia, que praticamente já estava tirada desde a chegada. A Rita tirou apenas as sandálias e eu os sapatos e a camisa. Contos Imor(t)ais - PARA O BOM MARIDO – 296 -


Como estávamos bastante descontraídos sentados muito à vontade na cama, resolvi fotografar as “meninas”. A Rita deu um jeito nas pernas de forma que ficou muito sensual sua pose, e pude registrar a calcinha vermelha que usava. Para incrementar um pouco fiz o Tião de meu assistente e pedia que ele colocasse nossas “modelos” nas posições ideais. Desta forma ele ia tocando ora uma ora outra mulher, ajeitando o cabelo, a blusa, o vestido, tudo com muita sensualidade. – Tião você não está se concentrando no trabalho... seu pau está muito duro! Brincou a Rita. – É mesmo! Mostra mais, mostra! Pediu como menininha minha safada esposa. – Só se uma de vocês tirarem a minha cueca. – Eu tiro, meu amor, pode deixar… Se prontificou a Rita, deitando-se na cama e ficando com o rosto a poucos centímetros do cacete duro do marido. Eu fotografei tudo. Este lance excitou a todos e a Sandra veio novamente para me beijar. Logo eu a despia inteira e ela a mim. Quando olhamos o casal também já estava sem roupa e faziam um 69 muito gostoso. Chegamos a parar um pouco para admirá-los. Havia amor e tesão, sem dúvida! A Sandra aproveitou um momento em que eles estavam para trocar de posição e convidou-nos, a todos, para irmos para a sauna e em seguida para a hidro. Fomos os quatro pelados, naturalmente, rindo e apaixonados. Enquanto eu cuidava da preparação da hidro o Tião se encarregou da sauna e as mulheres conversavam: – O Ernane é muito doido. Ele gosta de me exibir. Disse minha esposa. – O Tião é meio tímido, mas é um bom marido! Disse a Rita. Ela tem um corpo muito lindo. A buceta de vasta cabeleira preta e os seios também fartos, naturalmente pesados, fazem dela uma mulher real e não uma fantasia de fotografia de revista. A Sandra, menor do que a Rita apresentava os pelos loiros da buceta como um valioso diferencial e o Tião não tirava os olhos. Estávamos todos dentro da sauna seca. – Tião, a buceta da Sandra é linda, não é? Foi minha pergunta em alto e bom som. – Que é isso amor? Se espantou a Sandra, chegando a cobrir com as mãos a buceta. – É sim! Nunca tinha visto uma buceta loira... – É natural, Sandra? Perguntou indiscretamente a Rita. – É quase... dou um retoque com blondor e bastante Sol. Enquanto falavam da buceta da minha esposa todos olhavam para o motivo da conversa. A Sandra estava descontraída, mas eu percebia o molhadinho de excitação... Fui me aproximando e estendi a minha mão fazendo um carinho... – Sandra você é uma delícia... – Oh, Ernane, você é que sabe dar o toque que eu adoro… E logo nos beijávamos coladinhos ao casal amigo, dentro da sauna apertada. O clima esquentou... Sem ser trocadilho... Eu sentado no banquinho azulejado e a Sandra subiu em Contos Imor(t)ais - PARA O BOM MARIDO – 297 -


cima do meu pau, metendo ele na buceta deliciosa. Logo cavalgava enquanto o casal assistia, suando e se acariciando... Sandra gozou, escandalosa e eu olhava para a Rita e para o Tião. Eles sorriam felizes com a aventura. Ela masturbava o marido e ele, enquanto com uma das mãos alisava os seios fartos e macios da mulher, com a outra abria delicadamente a buceta para que eu visse. Como combinado não nos tocamos. Logo que a Sandra se recuperou, fomos para a hidro, os quatro. Lá foi a vez da Rita cavalgar o marido. Aparentemente deu uma gozada também, mas sem escândalo. Mais tarde nós quatro trepamos, cada um com seu parceiro, na cama e aí todos gozamos... E muito. Quando dei por mim entendi que cada casal havia acabado de gozar num papai-e-mamãe tradicional. Mas estávamos em valete, ou num 69 de dois a dois! Com facilidade pude ver a buceta da Rita cheia de porra do marido. Acreditei que o mesmo acontecia com o Tião, em relação a Sandra... por isso saí de cima da minha esposa, virando para o lado onde não atrapalhava a visão do amigo e passei a acariciar a buceta esporrada da Sandra... Com esta cena, começamos a terminar nosso primeiro encontro. Alguns dias depois o Tião me ligou e nos encontramos novamente, a pedido dele, no mesmo barzinho em Itú. – Ernane, estamos pensando em encontrar vocês novamente. Foi muito excitante... – Por mim tudo bem... depende das mulheres. O que a Rita achou? – Ela gostou muito, mas ficou um pouco encabulada com a presença da Sandra... ela ficou se comparando e achou que a Sandra é muito mais gostosa do que ela. – Bobagem! A Rita é muito gostosa! – Você achou mesmo? – Claro! Não viu como eu curtia sua esposa? – Vi sim. Sabe Ernane, na verdade tenho sido um bom marido para a Rita e não quero nunca deixala magoada... mesmo tendo gostado muito da Sandra, prefiro não me encontrar de novo com sua esposa... – Mas você não disse que quer novo encontro? – Claro! Mas se possível, sem a Sandra… A proposta do Tião fugia ao nosso combinado. Afinal eu não queria trair a Sandra... Mas ele estava sendo tão sincero que eu quis saber um pouco mais da pretensão deles: – Pensamos, Ernane, em nos encontrar para que você nos fotografe. Sem toques novamente. Já temos muita intimidade com você e nos sentimos bem e seguros. A Rita comenta sempre que será muito bom ter você conosco novamente, mas sem a Sandra... Meu pau deu sinal de vida só imaginando a Rita, aquela mulher real e gostosa, à vontade comigo e o marido. Combinamos para dois depois, durante a semana mesmo, no inicio da noite. Iriam fazer os arranjos para enviar os filhos para outros lugares e me receberiam na casa deles. E assim foi feito. Era 19:00 horas quando cheguei. O Tião veio me receber na portaria do prédio e subimos conversando como dois amigos, que de fato nos tornamos. Ele estava vestido de calça jeans e uma camisa Polo. Eu, vinha do trabalho, ainda estava de camisa social e gravata. A Rita abriu a porta antes mesmo de tocarmos a campainha. Ela usava uma saia branca plissada, uma blusa preta abotoada na frente. Estava linda, sorridente e maquiada. Deu para perceber que ela era a dona da festa. Haviam preparado um pequeno lanche... Coisa familiar, doméstica mesmo! Enquanto eu comia o Contos Imor(t)ais - PARA O BOM MARIDO – 298 -


bolo e tomava o refrigerante podia notar a excitação da Rita e a maneira amável como o Tião a tratava. Conversamos sobre nosso encontro. Rimos de alguns lances engraçados que lembramos e falamos sobre outros de extremo tesão... Fomos para a sala e nos acomodamos no conjunto estofado. O Tião pediu que a Rita colocasse alguma música no aparelho de som. Para atender o pedido ela precisou se abaixar, o que permitiu uma visão de suas coxas magníficas... – Meu bem, cuidado com os modos... quase que dá para ver sua calcinha... Brincou o Tião. – Por favor, fique à vontade! Sinta-se em casa. Eu fecho os olhos ou olho para o outro lado… Entrei na brincadeira também. A Rita se levantou deu uma rodada, o que fez sua saia subir e sentou-se no colo do marido. – Seus bobos! Como se nunca tivessem me visto nua... – Mas eu estava muito envergonhado... nem vi você direito… Eu disse. – Por isso não seja. O que você acha destes seios? Perguntou o Tião abrindo os botões da blusa e mostrando os seios gostosos da Rita. – O meu bem, não faz isso com o Ernane, afinal de contas ele vai ter ficar batendo punheta... – Não tem problema, Rita... eu bato com prazer... pode mostrar mais! – Viu amor, hoje temos platéia. Vamos para o nosso quarto? Disse o Tião já se levantando com a esposa. – Mas meus amigos... eu estou à trabalho... onde está a câmera fotográfica? – É verdade! Vou pegar. Disse o Tião. – Ernane, separei umas roupinhas especiais para que você me fotografe. Acho que vai ficar bom... – Rita, você faz ficar bom qualquer coisa! – Sabe, Ernane, meu marido é um bom marido! Quero registrar este momento que estamos vivendo em fotos inesquecíveis. Com sua experiência sei que vou conseguir... Conversávamos naturalmente, mas a Rita estava sentada na minha frente, com a saia erguida e as pernas abertas. A Blusa se mantinha também aberta e os seios expostos. Meu pau, que não é de ferro, parecia ser. Assim que o Tião me entregou a máquina fotográfica comecei a “trabalhar”. Fizemos muitas fotos em várias poses. Em seguida a Rita começou a trocar de roupa. No início ela entrava no quarto e em seguida aparecia com a nova vestimenta. Mas com o passar do tempo, o aumento da excitação, todos estávamos no quarto e ela trocava de roupa na nossa frente mesmo! O Tião foi ficando cada vez mais excitado. Ele mesmo ficou nu e acariciava sua esposa a cada instante. Eu me mantinha “profissional” o quanto podia... Mas em determinado momento, faltavam ainda umas quatro fotos no filme e o Tião pediu: – Ernane fotografa a gente fodendo? – Claro! Fiquem à vontade... – Eu gostaria de ter um cacetão igual ao seu para sair bem na foto... – Bobagem... o importante é ser um bom marido para a Rita e isso você é. Vamos usar algumas técnicas onde o tamanho do seu cacete não fique tão evidente. E assim as últimas fotos foram do Tião fodendo a Rita. Fiz um close muito erótico e dei valor ao ato dos dois sem menosprezar o amigo. Quando terminou o filme o Tião estava metendo na buceta da Rita por trás como um cachorrinho. Eles estavam quase gozando. Avisei e sugeri: – Meus amigos o filme acabou, mas o tesão não. Continuem. Quero ver vocês gozando. Por favor, Contos Imor(t)ais - PARA O BOM MARIDO – 299 -


me dêem este prazer... – Mete Tião! Vamos gozar para este nosso amigo louco...mete meu amor... delícia! – Porra, vou gozar! – Isso Tiãozinho enche sua cadelinha de porra, goza, meu amor... Eu, de pau para fora da calça, me masturbava e acabei gozando junto com eles. Na verdade com ele, por que a Rita, com certeza, não gozou. Na semana seguinte eu telefonei avisando que as fotos haviam ficado prontas. A Rita me atendeu e aí começou a esta história que estou contando. – Ernane, você pode trazer as fotos aqui ainda esta tarde? – Posso. Com imenso prazer! – Como sabe que vai ser com prazer? – É sempre um prazer estar com você, Rita... – Então venha por volta de 15:00 e terá muito prazer. O Tião chega 17:30 e nossos filhos em seguida. Não se atrase! Havia quase uma intimação na voz dela. Claro que cancelei todos os compromissos que tinha e fui para casa deles. Quando cheguei, ela mandou que eu subisse. Eu levava as fotos, Ficaram realmente muito boas. A Rita é uma dona de casa como milhares de outras que existem no mundo. Não estava vestida com uma roupa sexy, mas ela estava extremamente sensual. Usava uma bermuda de brim e uma camiseta. Estava de sutiã. Mas ao ver as fotos e meus comentários ela foi ficando excitada: – Ernane eu quero dar uma coisa para o meu marido. Posso? – O que você quer dar? – Algo que só pode ser real com a sua participação. – Por mim aceito. De você não virá nada ruim... – Então me espere aqui na sala, por favor. Ela foi para o quarto, levou as fotos e uns 15 minutos depois voltou. Estava vestida com camisola branca transparente. Seus pelos negros estavam bem visíveis e o brilho de tesão no olhar também. Passou o braço entorno do meu pescoço e meu deu um beijo na boca. Enquanto eu alisava sua bunda ela buscava tirar minha calça. Logo meu cacete estava em suas mãos. Fui sendo conduzido para o quarto deles. Na cama estava um vestido normal e uma calcinha, dobrados, mas nem me dei conta do por que. Apenas queria foder aquela mulher deliciosa. Ela também demonstrava enorme tesão. – Ernane você é meu primeiro homem, depois do meu marido... acredita? Ela dizia isso esfregando meu pau duro na buceta molhadinha de tesão. – Acredito sim, sua putinha de família! – É isso mesmo. Sou uma putinha de família! Quero foder com você. Quero sentir esse cacetão enorme dentro de mim. Mete, Ernane, mete este pau de macho nesta buceta que espera por ele desde quando conheci você… Eu só consegui tirar a calça e a cueca, mas ela estava praticamente nua. Meti sem dó, de uma vez. Foi como se ela tivesse recebido um choque. Estatelou, mas com as pernas me abraçava, fazendo com que eu entrasse mais fundo e lá permanecesse. – Mete, Ernane. Fica dentro. Deixa eu sentir este volume dentro de mim! Puta que o pariu, que deliiiiiiciiiiiiaaaaa! Isso é que é caralho! – Rita você é muito gostosa! Como você é apertada! Sua buceta está pulsando... está me mastigando, sua cadelinha deliciosa! O Tião é um felizardo... Contos Imor(t)ais - PARA O BOM MARIDO – 300 -


– Eu sou a felizarda, tenho um bom marido e agora um bom cacete. Quero que você encha de porra. Goza, Ernane, goza! – Não gozo sem que você goze muito antes. Quero ver você gozando... E começamos uma “luta”: ela querendo me fazer gozar, apertando a buceta como se fosse uma boca sem dente, mas muito quente. Eu socando, metendo o máximo que podia, e ao mesmo tempo beijando seu pescoço, acariciando as costas... Uma foda de primeira qualidade! – Ernane, seu puto, eu vou gozar! Você vai me fazer gozar! Não para agora, continua.... Mete, assiiiiiimmmm.... deliiiiiiiiciiiiiiiiaaaaa! Estou gozando, estou gozando, não para, não para, assiiiiiiiiimmmm, poooooooorraaaaaaaa! A safada gozou escandalosamente, Estava se debatendo embaixo de mim. Fincava as unhas nas minhas costas. Eu agarrava o mais que podia para que ela não escapasse e isto fazia com que eu ficasse cada vez mais dentro dela sem que eu mesmo gozasse. Ela foi se acalmando, mas os movimentos da buceta continuavam. Fui sentindo que não agüentaria muito tempo: – Rita vou gozar. Fiz menção em tirar de dentro dela, mas ela impediu: – Não, Ernane, não sai. Goza dentro da minha buceta. Por favor, enche de porra, esporra muito, esporra tudo que puder... vai seu macho safado... enche essa buceta... E assim foi. Gozei muito. Ela procurava cada vez mais me “enfiar” dentro dela. Segurava com as pernas o mais profundamente possível. Cansado, exausto, fiz menção em cair para o lado, mas ela não deixou. – Ernane, calma agora. Vou vestir a calcinha que está aí ao lado, dobrada em cima de um vestido.” Estranhei e perguntei: – Por que? Não vai se lavar? – Não, Ernane. Além das fotos, vou dar para o meu bom marido a porra que você deixou na buceta que era só dele. – Como é que é? – Vou fazer uma surpresa para ele. Quando ele chegar vou trazer ele para cá, mostrar as fotos. Em seguida faço ele chupar minha buceta e vai sentir a sua porra. Com certeza é uma fantasia que vou realizar: a de encontrar a buceta da esposa toda esporrada por outro homem! Obrigado, meu amigo! – Sempre que quiser, pode me chamar. Será um prazer deixar porra na sua buceta para o seu bom marido! – Safados! Assim naquela tarde dei o que o bom marido queria.

Contos Imor(t)ais - PARA O BOM MARIDO – 301 -


MINHA ESPOSA ME ENCINOU O fato que vou relatar aconteceu comigo há uns anos atrás em 2001, minha esposa uma loira linda, cabelos longos corpo tipo violão de 1, 60 e 58 kg, estávamos casados já havia uns três anos, como tinha casado com minha esposa virgem, éramos felizes mesmo ela sabendo que eu já tive outras mulheres alem dela, tudo ia bem até que na casa ao lado veio morar nosso mais novo, um homem alto com um físico bem definido que aparentava ter uns trinta anos de idade e seu irmão que era bem mais novo aparentando não ter mais que dezoito anos. Pelo que parecia eles vieram do interior tentar a vida aqui na cidade, pois, até aquele dia moravam na casa de seus pais, faziam o tipo fechado não falavam com ninguém e como eu trabalhava muito comigo era no máximo um ola, bom dia, como vai… O tempo ia passando e meu vizinho não conseguiu um emprego fixo somente alguns bicos o que o deixava a maior parte do tempo em casa, e eu pelo contrario estava super carregado no serviço saia cedo e acabava voltando muito tarde e cansado onde era só tomar um banho e cair na cama. Com isso minha mulher certa vez me perguntou se poderia passar um dia na casa de sua mãe, iria na sexta e no sábado estaria em casa quando eu retornasse do trabalho, disse que fosse, pois assim não ficaria tão sozinha o dia inteiro, pois eu passava pouco tempo com ela. Já na sexta-feira quando retornei do serviço e estava sozinho em casa sentei em frente de casa para olhar um pouco à noite, já que fazia uma noite um pouco fria e não havia ninguém na rua, era umas dez horas da noite, quando já ia me retirar ouvi barulhos que vinham da casa de meu vizinho, como a janela de seu quarto fica próximo ao muro que divide o terreno me aproximei e fiquei abaixado na intenção de conseguir ouvir algo mais, pelo barulho seu irmão e ele estavam fazendo uma festinha onde o prato principal era uma mulher que mal se ouvia os gemidos e mesmo assim bem abafados, pois pelo barulho da cama, ou a cama quebrava ou a mulher morria de tanto fuder, pois os dois, ou nuca tiveram uma mulher ou estavam na seca por um bom tempo, pois, nunca tinha visto meu vizinho com mulher alguma nem o via sair a não ser para trabalhar. Quando finalmente os ruídos e gemidos cessarão fui para dentro de casa cheio de tesão onde não me contive e me masturbei pensando no fato ocorrido. No dia seguinte quando sai do trabalho ainda estava louco de tesão doido para chegar em casa e descontar em minha mulher, que quando cheguei em casa estava deitada, tomei um banho e sai do banheiro em ponto de bala e fui para cama, mas quando a encostei disse que queria conversar e que não podia esperar. Disse que eu não gostava mais dela como antes e que o melhor para nós era que nos separássemos, então perguntei o que tinha acontecido para que ela tomasse essa decisão, pois estávamos bem até dias atrás. Então me disse: – Não vou te mentir, estava me sentindo sozinha e abandonada, você vivia para o trabalho e acabei me envolvendo com outro homem e esse dia que te disse que fui para minha mãe era mentira, pois passei com ele. Fiquei sem saber o que dizer, então perguntei quem era ele? Então ela disse: – Estava cheia de tesão e comecei a notar nosso vizinho me comendo com os olhos, comecei a me sentir desejada, começamos a conversar e conversa vai, conversa vem, armei para me deitar com ele, mas acabei servindo os dois e não me arrependo disso. Aquilo me chocou, que todo aquele barulho que escutei noite passada era minha própria esposa Contos Imor(t)ais - MINHA ESPOSA ME ENCINOU – 302 -


trepando com meu vizinho e seu irmão e eu escutando tudo, comecei a chorar e pedi que não se abandonasse, que eu a amava muito e não queria perdê-la. Então me disse que ainda me amava só que depois disso não seria mulher de um homem só e que se eu ainda a quisesse teria que a dividir com o vizinho e que seria do jeito dela caso contrario acabava ali mesmo e iria morar com seus amantes. Diante disso aceitei e disse que o mal já estava feito e para não perdê-la completamente faria o que ela quere-se. Logo que disse isso colocou um sorriso no rosto e com uma cara de safada me deu um beijo, me arrastou para a cama e disse: – Vem meu corninho vem come o que sobrou da tua esposinha, vem ver o estrago que meus dois machos fizeram em mim. Ouvindo aquilo meu corpo se encheu de fogo deitei em cima dela abri suas pernas e comecei a penetrá-la, então pode sentir que tinha perdido aquela bucetinha apertadinha que desde nosso casamento só conhecia meu pau, minha esposa tinha se soltado muito mais, na cama ate permitiu que eu a comesse no cuzinho coisa que antes só tinha feito algumas vezes e mesmo assim com muita reclamação por parte dela, quando coloquei notei que a penetração foi fácil e entrou tudo de uma só vez, perguntei se estava tudo bem, me respondeu que continua-se que já havia aprendido a dar o cu com os vizinhos e que não sentia mais dor, pois meu pau era bem menor que o do nosso vizinho, e mesmo me sentindo humilhado comecei a estocá-la com força onde no maximo que consegui foi arrancar gemidos de prazer da vagabunda, logo acabei gozando em seu rabo transamos durante mais ou menos uma hora e acabamos dormindo. O que aconteceu depois, tive que cumprir minha palavra dividia minha esposa com nossos vizinhos, tanto porque minha esposa estava outra na cama estava mais ativa, mais alegre, era como se eu estivesse com uma mulher diferente cada vez que transássemos. Os encontros com seus dois amantes era bem freqüentes quando não dormia comigo dormia na casa deles, até que um dia quando cheguei em casa sentei no sofá para ver tv e minha esposa estava na banho, mas quando saiu tive a maior surpresa de minha vida, minha mulher saiu do banho nua segurando seus dois amantes pelo pênis e se dirigindo ao nosso quarto, um em cada mão já em estado de ereção como que se fizesse questão em me mostrar o tamanho dos dois paus que a comiam e quando passou por min disse: – Viu corninho suas coisas estão ai, hoje você dorme no sofá, nossa cama vai estar ocupada à noite toda. Falou isso e se dirigiu ao quarto, não tive palavras nem expressei reação nenhuma, fiquei pasmo, me senti pequeno diante daqueles dois machos nus com minha esposa segurando seus paus completamente duros que mal cabia em sua mão. Descobri por que minha esposa tinha mudado tanto, ela já tinha me falado que meu pau era bem menor que do meu vizinho, mas não pensei que fosse tanto, pois ate agora ainda não tinha visto nada igual, o mais novo tinha um pau um pouco maior que o meu deveria ter uns 18 cm, mas o mais velho tinha um pau que deveria ter no mínimo uns 25 cm que mais parecia um cavalo, era grosso como meu punho, cheio de veias com uma cabeçorra grande e vermelha, que nunca pensei que tudo aquilo entrasse em minha mulher. Logo após de entrarem no quarto já pude ouvir seus gemidos, e me dirigi até aporta que estava entreaberta como estava escuro no corredor que dava acesso ao quarto poderia assistir a tudo sem que me vissem, os dois estavam deitados e minha esposa estava a chupar um enquanto masturbava o outro e assim ficou por uns dez minutos revezando as chupadas, quando partiu para cima do mais novo e começou a cavalgar nele enquanto o mais velho masturbava aquela pica enorme, não demorou muito para que ela trocasse de montaria quando vi aquele pau enorme sumindo em minha esposa e ela gemendo, gritando de prazer, enquanto subia e descia daquela vara enorme não Contos Imor(t)ais - MINHA ESPOSA ME ENCINOU – 303 -


agüentei e comecei a me masturbar, nunca pensei que sentiria tesão em ver outro traçando minha esposa, o mas novo posicionou-se atrás de minha mulher e começou a enfiar em seu cuzinho e passou a estocá-la com força enquanto ela recebia duas varas ao mesmo tempo fechava os olhos e se mordia de praser até fazer o mais novo gazar em seu cuzinho, e saiu e o que estava por baixo a comer sua buceta aumentou os movimentos a dar a impressão que ia parti-la em dois tamanha era a violência, os dois acabaram gozando juntos e minha esposa caiu entre eles ainda dava para ver a quantidade de porra que escorria de sua vagina. Sem dar-lhe tempo algum para que recuperasse as forças os dois começaram a lhe chupar todinha, sua bocetinha, peitinhos, e coxas, até que ela começasse a se contorcer de tesão a colocaram de quatro na cama e o mais velho disse: – Agora é a minha vez de arromba esse teu cuzinho. Passou um creme no cuzinho de minha esposa e em seu vasto pau e começou a penetrá-la bem devagar enquanto minha mulher engolia com a boca o pau do mais novo, depois de entrar tudo começou o vai e vem onde os movimentos eram aumentado cada vez mais fortes e minha mulher gritava: – Vai... Mas forte... Isso bate com força e não suportando mais acabaram gozando quase que ao mesmo tempo um em seu rabo outro em sua cara, enquanto isso eu me acabava com a mão e já tinha gozado duas vezes, acabei gozando mais uma quando ele retirou o pau do cu de minha mulher era um buraco enorme todo cheio de porra que eu acha que eu poderia colocar minha mão inteira lá dentro. Depois disso acabaram dormindo minha mulher e seus dois amantes em nossa cama e eu voltei para o sofá como ela tinha mandado mas ainda no meio da noite acordei com os barulhos que vinham do quarto pois estavam dando mais um trato na minha mulher, e logo cedo pela manhã saíram os seus dois amantes para que ninguém os visse e logo percebi que a vez era minha quando minha esposa me chamou para tomar um banho com ela dizendo: – Vem corninho vem lava tua putinha que ta toda suja de porra vem. E para terminar, nos tornamos bons amigos onde saiamos junto bebíamos, só nunca transamos junto, pois minha esposa dizia que na cama era só deles e que tinha que esperar minha vez, pois alem de eu ter que pegar o que sobrava dela, ela nunca me deixou na mão, e acabamos vivemos assim por quase seis meses onde meus vizinhos voltaram para a casa de seus pais no interior porque não conseguiram um emprego fixo aqui na capital e eu e minha mulher nos mudamos e não tivemos noticia mais deles, hoje passado algum tempo ela me diz que sente saudades deles, e que teria que encontrar outro que tivesse o pau enorme para satisfazê-la por completo já que o meu era tão pequeno e que eu deveria me preparar para voltar a dormir no sofá caso isso acontecesse.

Contos Imor(t)ais - MINHA ESPOSA ME ENCINOU – 304 -


NA LOJA, NA SAPATARIA E NA FARMÁCIA Minha mulher é uma morena clara, alta, com 36 anos, um par de coxas roliças, uma bela bunda grande, dura e empinada e naquele dia eu tinha que ir ao Shopping Center Norte para buscar um terno que eu havia comprado na Via Venetto e lá estava pronto após os últimos acertos. Liguei para Elene para propor-lhe um programinha diferente naquela Sexta-feira, pedindo-lhe que viesse ao meu escritório em Sampa, vestindo apenas um sobretudo negro e sem nada, literalmente nada, por baixo. Ela já conhece as minhas fantasias e me atendeu, apesar de alegar que estava meio gripada e que não poderia passar frio. Chegou por volta de 19hs e após alguma bolinação, saímos em direção ao shopping com eu, no caminho, esfregando com meus dedos sua bocetinha já encharcada. Descemos no estacionamento e ela dizia estar se sentindo literalmente nua, andando apenas com o salto altíssimo e o sobretudo, sem nada por baixo. Entramos no shopping e, engraçado, parecia que todas pessoas percebiam que ela estava nua, embora só aparecesse o decote do casaco e o alinhamento dos seus seios. A loja, de roupas masculinas, só possui vendedores, senhores com mais de 40 anos, e os clientes também, na maioria, eram da mesma faixa etária. Quando entramos na loja todos se viraram para Elene, linda que ela é, e parece que todos sabiam que ela estava desnuda por baixo. Fiz a última prova do paletó e não pude deixar de perceber que alguns clientes da loja olhavam ostensivamente para Elene, e ela só se mexia e me olhava com olhar desesperado pela ousadia daqueles caras. Saímos da loja e ela, do lado de fora, falou que nunca tinha se sentido tão incomodada e desejada pelos diversos olhares que lhe eram dirigidos, chegando a dizer que um senhor que estava experimentando roupa numa cabine ao lado da minha chegou a ostensivamente passar a mão sobre o próprio pau, por sobre a roupa, para que ela visse. Elene disse que sua boceta estava encharcada e que ela estava com medo que passasse a escorrer seus líquidos por sua perna, me fazendo olhar por trás para certificarmo-nos que não. Disse-lhe que ela me havia pedido uma sandália nova e que poderíamos ver se achávamos. Ela percebeu logo meu plano, e disse: – Se você quer...vamos lá! E assim começamos a olhar as vitrines das sapatarias, até que encontramos a sandália do tipo que ela queria. Mas precisava experimentar.… Entramos na loja e fomos atendidos por um senhor dos seus 57 anos, bem grisalho, que não aparentava a menor maldade e parecia respeitador. Elene sentou-se e eu fiquei ao seu lado, em pé, e o vendedor foi para dentro voltando com uma pilha de caixas de sapato pois, como geralmente, eles nunca tem o modelo da vitrine. Ele falou para minha mulher que haviam modelos similares e até mais bonitos que a sandália escolhida e agaixouse pedindo licença para tirar a sandália que Elene usava. Ela, de propósito, levantou a perna tomada pelo vendedor e entreabriu as pernas, me dando a certeza de que o velho teve não só a visão completa da sua bocetinha sem calcinhas, como sentiu o cheiro de fêmea no cio. O vendedor passou a suar frio e ficou virtualmente nervoso, começando a falar bastante, gesticular e agitar-se, em especial quando Elene colocou o segundo pé da sandália, levantando ainda mais as pernas e abrindo bem mais suas pernas, permanecendo com elas abertas enquanto levantou a cabeça para olhar para mim e perguntar se eu tinha gostado.… Contos Imor(t)ais - NA LOJA, NA SAPATARIA E NA FARMÁCIA – 305 -


É lógico que aquela pergunta tinha dupla conotação e eu percebi que o vendedor estava fissurado olhando para dentro do casaco de Elene, enquanto ela falava comigo. Prá sacanear eu respondi que não tinha gostado muito e que era melhor ela experimentar outros modelos. O vendedor parecia não acreditar no que estava acontecendo e preocupou-se em rapidamente pegar outro modelo e colocar nos pés de Elene, chegando inclusive a escorrer uma das mãos pela panturrilha da perna dela, que fazia-se de rogada e repetia, a cada experimento, os gestos de elevar suas pernas e entreabri-las enquanto falava comigo. Enfim, ela experimentou mais de oito modelos, até optarmos por comprar o primeiro. O vendedor, na hora de levantar-se para formalizar a compra, ficou envergado e colocou várias caixas na sua frente, na evidente tentativa de disfarçar sua ereção. Saímos da loja, sob os olhares gulosos dos vendedores. Elene estava passada e excitadíssima tanto que, desta vez, percebemos, após alguns passos, que de fato lhe escorriam fluidos vaginais pelas pernas. Ela parou no banheiro do shopping e eu fiquei esperando do lado de fora, só imaginando o que mais poderia sugerir para continuar aquele clima de tensão e excitação formidáveis. Lembrei-me da gripe de Elene e assim, sugeri a que fôssemos até a drogaria ali existente para ela tomar uma injeção. Ela me olhou com veneno no olhar, seguido de uma expressão que parecia querer dizer: “seu safado....”. Saímos andando e ao chegarmos próximos da drogaria ele virou-se para mim e disse: – Você quer mesmo?! e eu lhe respondi: – Você precisa, né?! e então entramos. Conversamos com o balconista que logo chamou o farmacêutico (ou prático, sei lá...) que iria aplicar a injeção em Elene. Era um rapaz com cerca de 28 anos, mulato que levou-nos até a sala de aplicações e eu entrei junto. Ele parecia que comia Elene com os olhos e começou a levar uma conversa técnica, dizendo que a injeção era muito dolorida e que seria melhor que ela tomasse na nádega. Ficamos olhando um para o outro, Elene e eu, até que arrisquei: – Se é melhor, que seja.… Elene ficou me olhando assustada, afinal ela não trajava nada por baixo! Pedi ao farmacêutico que se virasse de costas, e então abri os botões de baixo do sobretudo de Elene, levantando lateralmente a aba, e deixando apenas exposto o dorso de sua perna e o perfil da nádega esquerdas de Elene, e pedi para ele se voltar. O cara quase teve um ataque ao ver desnuda a perna inteira de Elene e aquela face de bunda, com eu segurando o sobretudo atrás. Aquela situação de minha mulher mostrando a bunda para outro homem, confesso, me deixou muito excitado e Elene logo entendeu a situação e entrou no clima. O farmacêutico olhou para mim atônito, e eu falei-lhe – Vamos logo. Ele começou a preparar a injeção e tremia como vara verde. Na hora de passar o álcool Elene propositadamente deu uma retesada seguida de uma bela empinada naquele rabão deixando a aba do casaco cair para o outro lado, e o cara ficou mais agoniado ainda quando percebeu que ela não usava calcinha. Ele não sabia o que fazia e então Elene, ainda de costas para nós, perguntou pela injeção. O farmacêutico espalmou a mão esquerda sobre a nádega de Elene e aplicou a injeção devagarinho, como que curtindo cada segundo daquela situação. Demorou mais ainda para desembrulhar um pequeno bandaid que fixou no buraquinho deixado pela agulha. Era evidente o estado de ereção do rapaz que disse: Contos Imor(t)ais - NA LOJA, NA SAPATARIA E NA FARMÁCIA – 306 -


– Acabou e saiu da sala a jato. Quando saímos lá fora para pagar a injeção ele não apareceu mais....deve ter ido punhetar-se. Saímos dali e nunca mais voltamos àquele farmácia, mas Elene, vez por outra, olha para mim e diz, com cara de sacana, que está se sentindo mal e que precisa tomar injeção. Outras vezes, diz que está precisando comprar sapatos e me convida a acompanhá-la, sempre com aquela cara de safadinha. Às vezes, me masturbo pensando nas cenas daquela noite, só que ao mesmo tempo me dá uma sensação ruim de estar casado com uma melhor que eu mesmo estou transformando numa exibicionista. Mas não tem problema....é tudo fantasia mesmo!

Contos Imor(t)ais - NA LOJA, NA SAPATARIA E NA FARMÁCIA – 307 -


CHANTAGEADA PELO COLEGA ATO I Julia olhou para a gravação em choque. Lá estava ela, mudando os números na transferência bancária. Ela havia sido pega pela câmera. Ela olhou para Paulo com o rosto pálido. “Você não teria sido pega, se você não fosse tão gananciosa" falou o executivo de trinta e poucos anos. "Ninguém notou nada nas três primeiras vezes que você roubou dinheiro da empresa", continuou em voz baixa. "Porém, quando eu chequei o relatório, os números simplesmente não bateram, e foi aí que eu suspeitei de você. Obviamente que colocando a câmera de segurança virada diretamente para sua mesa, ajudou a pegar você em flagrante." Julia estava sem chão. Depois de ter se safado nas três primeiras vezes, ela simplesmente pensou que era fácil demais. Ela estava em uma posição na empresa onde normalmente ninguém iria questioná-la. Até que ela se empolgou. Ela não podia deixar de pensar que se não fosse por Paulo, talvez ninguém nunca descobrisse. Paulo sempre gostou de Julia ao mesmo tempo em que ele sempre foi um rival dela. Enquanto ele era mais experiente do que ela na empresa, Julia tinha a confiança de seu chefe de departamento, sem contar que geralmente os outros chefes de departamento sempre tinham uma boa impressão dela. Paulo, como outros tantos homens no escritório, era atraído pela beleza e confiança de Julia. E claro, ela não estava nem um pouco interessada nele. Paulo começou a ficar com ciúmes da popularidade dela no escritório, e o fato de que o chefe do departamento achava que ela era muito capaz, talvez mais capaz do que ele. Ele ficou muito alegre quando ele finalmente encontrou a sua fraqueza, a coisa que destruiria ela e a sua posição na empresa completamente. "Você me espionou" disse Julia enquanto olhava para Paulo, com a voz trêmula, mas ela não tinha certeza se seu tom de voz estava acusando uma rendição ou era mais como uma criança que tinha sido pega pela mãe fazendo algo errado. "Sim, e eu tenho certeza que o Sr. Hiroshi e os outros diretores ficarão felizes por eu ter feito isso. Caso contrário, ninguém nunca descobriria que você era uma vadia ladrona que estava desviando dinheiro da empresa”. Afirmou, sorrindo para a bem vestida mulher, sete ou oito anos mais jovem do que ele. O rosto de Julia se encolheu ligeiramente com aquela palavra depreciativa, mas ela nada falou. Julia era a mulher mais bem vestida do escritório, sempre impecavelmente maquiada com seus cosméticos caros e vestindo sempre vestidos e roupas de grife. Junte isso a seu corpo magro e de aparência adolescente, sua pele que mais parecia feita de porcelana, seu rosto simetricamente quase perfeito e seus cabelos curtos e sedosos que faziam os homens do escritório ficarem babando por ela.

Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 308 -


Julia já sabia disso desde o início da sua carreira. Por isso ela queria driblar essa indústria machista e ela sabia como fazer isso. Com o balançar de sua cabeça, seu piscar de olhos, seu tom de voz, ou um toque inocente no braço de outra pessoa no meio de uma conversa. Ela conseguia muitas coisas com seus flertes gentis. Ela era legal e atrevida no escritório, mas ainda assim mantinha a aparência de "intocável", o que deixava os homens na beira da frustração. Mas agora Paulo a tinha onde ele queria. "Eu vou informar tudo ao Sr. Hiroshi e aos diretores amanhã de manhã", ele disse, fechando o seu arquivo e quebrando os pensamentos de Julia. "E de acordo com a política da empresa, a policia será notificada e você será acusada de fraude e desvio de dinheiro. Julia se sentiu impotente, e ela lutou contra as lágrimas que queriam descer de seus olhos, conforme ela sentia seu mundo desabar. Ela não podia suportar a idéia de ir para a cadeia por isso. "Por favor, não..." ela implorou: "Eu vou... eu vou pagar tudo de volta..." As lágrimas corriam pelo seu rosto, mas no fundo Julia sabia que ela não ia se safar disso tão facilmente. Como ela podia ter sido tão estúpida? Paulo sorriu. "Mesmo se você pudesse pagar tudo amanhã de amanhã, porque a empresa iria retirar as acusações criminais contra você? Seria enviar a mensagem errada para os acionistas e empregados. Ou você está me pedindo para encobrir você?" Julia estava desesperada, e ela sabia que parecia desesperada, mas ela tinha que tentar de tudo. “Por favor, Paulo... você sabe que eu sempre te tratei como um bom amigo..." Paulo deu uma gargalhada. "Certamente você pode fazer melhor do que isso Julia." Seus olhos viajaram por seu rosto coberto de lágrimas. Ela usava um blazer branco e uma calça que ia até o calcanhar, acompanhada de um par de sapatos altos. O rosto de Julia mostrava preocupação enquanto sua mente confusa tentou resolver se Paulo estava tentando chantageá-la para obter algum favor sexual dela. Talvez... Talvez ela pudesse apenas... "Bem, talvez haja algo que eu possa fazer por você” Paulo quebrou o silêncio, puxando outro arquivo de sua gaveta. "Eu tenho este importante negócio em que eu estou trabalhando, e eu estou tendo dificuldade em encontrar a pessoa a certa para isso. Se você concordar em renunciar à empresa e participar deste projeto eu acho que posso convencer o Sr. Hiroshi a não prestar queixa. No entanto, você vai ter que devolver todo o dinheiro para empresa até o final do mês”. "Isso, isso é ótimo Paulo... muito obrigado ... mas eu não vou conseguir pagar tudo de volta dentro de um mês .. você poderia me dar mais tempo ? " "Bem, não se preocupe, se você assumir este projeto, você vai receber uma boa grana, e eu posso te emprestar algum dinheiro. Claro que ainda precisaremos arrumar um jeito de conseguir o resto, mas nós vamos pensar em algo", disse ele, entregando o arquivo para ela. “Eu só preciso que você assine e rubrique todas as páginas.

Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 309 -


Julia olhou através do documento de forma rápida, e através do juridiquês, ela foi capaz de descobrir que estaria renunciando a empresa e se juntando a uma outra registrada em um paraíso fiscal. Paulo era o sócio sênior dessa sociedade, seja lá o que isso queria dizer, e ela também seria obrigada a manter sigilo absoluto quanto aos termos do seu emprego. Para o projeto, ela também teria que ficar em um hotel, e teria que fornecer secretariado e outro serviços para clientes de alto valor líquido. No entanto, durante o horário de expediente, ela iria continuar a trabalhar no mesmo escritório que ela trabalhava a menos que ele indicasse o contrário. Também havia algo sobre estar disponível para acompanhar os clientes em todas as horas do dia em curto prazo, e fazer tudo o que a empresa instruísse ela a fazer, incluindo a forma como ela deveria se vestir. Julia escreveu sua assinatura e devolveu o documento. "Ótimo. Agora esta noite vai haver uma festa e vou me encontrar com um cliente importante, juntamente com vários chefes de departamento. Eu quero que você me acompanhe lá. Seu vestido será enviado para você no quarto do seu hotel. Certifique-se de que você estará lá hoje à noite ou você encontrará a polícia procurando por você amanhã." "Sim, obrigado Paulo. "Julia respondeu, com um sorriso forçado. "É “senhor” a partir de agora, Julia", disse Paulo, cruzando os braços na frente do peito. "Sim, senhor..." Julia respondeu humildemente. "E uma pergunta, já que eu sou o responsável para facilitar sua transição para seu novo trabalho... Eu sempre me perguntei sobre o tamanho do seu sutiã; Julia ficou atordoada por um tempo, mas respondeu: "40 senhor" “Ah... pequeno não é?”, Ele abriu um largo sorriso "O da calçinha, não precisa nem dizer" O rosto de Julia corou. Ninguém nunca havia falado com ela assim antes. "Vejo você à noite", ele completou. A noite chegou e Julia andava desconfortavelmente nas luzes brilhantes. Como instruída, ela teve que comparecer a este evento black-tie com Paulo, usando o vestido que tinha sido deixado em sua cama, no seu quarto de hotel. O vestido era simples, mas tinha uma renda em torno dele que acabava deixando-a muito sexy. Também havia um sutiã meia taça creme e uma calcinha fio dental combinando, junto com um recado dizendo-lhe para usar estas roupas. Enquanto ela ainda mantinha algumas dúvidas quanto a se ela confiava ou não em Paulo, o pensamento de passar um tempo na prisão rapidamente convenceu-a de que ela não tinha escolha. Além disso, dada a cor preta do vestido, ela não estaria mostrando muito do seu corpo. Então ela logo se convenceu. E assim ela fez seu cabelo e se arrumou no hotel cinco estrelas, conforme as instruções deixadas naquele recado. Para sua surpresa, ela viu muitas luzes brilhantes e fotógrafos no evento. Encontrando Paulo rapidamente, ela se aproximou dele, e quando ele ofereceu o braço, ela aceitou. "Boa noite, Pau-Quero dizer, senhor ...", ela cumprimentou-o. Embora ela não gostasse muito dele, Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 310 -


ele era uma figura familiar no meio das luzes brilhantes e câmeras. Paulo olhou para a sua acompanhante, seu pau ficou desconfortável nas calças como ele podia ver muito do corpo esguio de Julia através do vestido quase transparente sob as fortes luzes. "Boa noite Sr. Tashi". Paulo cumprimentou um dos chefes de departamento no coquetel de recepção. Julia ficou a um passo atrás, pendurada no braço de Paulo, tentando afastar sua mente, mesmo quando ela sentiu que todos os olhos estavam sobre ela. "Meu Deus Julia, você está extraordinariamente bonita", maravilhou-se o Sr. Tashi, seus olhos luxuriosos percorreram o corpo da bela e jovem executiva - o material do vestido revelando quase todos os encantos desta bela jovem. Julia sentiu seu rosto ficar vermelho. Ela tinha quase certeza de que seus mamilos estavam cutucando o sutiã fino, que em si foi mal escondido pelo tecido do vestido. "Obrigado, senhor." "Paulo me disse que tinha finalmente encontrado alguém que coubesse nesse vestido, mas eu não pensei era você! Sabe, este vestido foi usado por uma atriz famosa em uma premiação pouco recente", disse Tashi, com os olhos bem abertos. "Sim, Sr. Tashi, quando perguntei a Júlia se ela poderia usá-lo, ela encarou o desafio imediatamente" Paulo disse com um sorriso: "Ela estará comigo na mesa do Sr. Takeda." "Bom para você Paulo... Vou deixar você com essa adorável senhorita então..." Sr. Tashi sorriu e despediu-se. Finalmente Julia foi capaz de descobrir que o Sr. Takeda, um famoso designer japonês, era quem tinha projetado o vestido. Ela também calculou que Takeda era um cliente importante para qualquer acordo ou projeto que Paulo estivesse envolvido. Chegando a sua mesa, Julia foi apresentada a ele por Paulo. O bem-vestido homem estava com seus quarenta e poucos anos, tinha um bronzeado profundo, e uma voz baixa estrondosa que sugeria que ele provavelmente bebia demais. Takeda conversou pouco no início, fazendo algumas brincadeiras, falando um pouco sobre o tempo, o trabalho e assim por diante. Mas então ele começou a perguntar a Júlia se ela era uma pessoa que gostava de ser o centro das atenções, se ela gostava de ser diferente e se ela era uma 'exibicionista'. Tenham mente que Paulo estava traduzindo tudo o que o japonês falava. "Então você gosta de atenção Julia?" perguntou ele. "Sim, eu amo atenção Sr. Takeda", respondeu ela. Julia estava atenta ao fato de que Paulo pediu-lhe anteriormente para concordar com tudo o que este importante cliente dissesse. No meio do jantar, Takeda falou com Paulo em japonês, e, em seguida, Paulo se virou para ela, "Julia, Takeda-san me disse que o vestido foi desenhado para as mulheres mais sexys que ele já conhecera, e que você é definitivamente uma delas." Julia sorriu educadamente com o elogio feito por Takeda. Em resposta ele tirou os óculos. "E", Paulo continuou, com um sorriso malicioso no rosto, "ele também disse que as mulheres mais sexys preferem usar ele sem sutiã e foi assim que ele desenhou o vestido. Julia, eu preciso que você Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 311 -


vá até o banheiro feminino e tire seu sutiã, coloque-o em sua bolsa e volte aqui." Julia recuou com o pedido de Paulo, mas não se atreveu a recusar abertamente. Ela tentou negociar, e pleitear com Paulo, mas ele a lembrou do fato de que ela havia assinado um contrato afirmando que ela seguiria as instruções da empresa, incluindo o modo como ela se vestia. Depois de alguma persuasão e coerção feita por Paulo, ela respirou fundo e percebeu que não seria tão ruim assim. Desculpou-se por sair da mesa e foi até o banheiro das mulheres. Alguns minutos depois, ela voltou. Para sua surpresa, Takeda bateu palmas quando Julia voltou para a mesa. "Bravo!" ele aplaudia com admiração a garota que caminhava com os seios quase que expostos sob o material do vestido. Ele ignorou o fato do rosto da menina corar com aquela atenção indesejada. Ele virou-se para Paulo e falou algo, e Julia podia distinguir as palavras. Ela ficou surpresa que ele falava português fluentemente, mesmo que com um forte sotaque japonês. "Eu gosto do olhar dela. Ela não tem muita experiência de modelagem, mas vai servir. Certifique-se de que ela venha na quintafeira ... as três horas. " Julia não sabia o que isso significava. De qualquer forma, ela fingiu esboçou um sorriso falso e continuou jantando na mesa, em meio a sorrisos e comprimentos de outras pessoas. Ela sabia que os homens estavam olhando para os seus seios quando eles pensavam que ela estava olhando pra outro lugar. “Paulo respondeu com um ligeiro aceno com a cabeça”, é claro, Takeda-san. “Nós estaremos lá. E ela estará pronta.” Com isso, Paulo voltou a olhar para Julia, que estava tentando comer sua salada e fingia estar indiferente aos olhares de todos. Seu pênis ficou inquieto enquanto ele observava o contorno do corpo escultural de Julia através do material translúcido, e pensava sobre o que aconteceria na sessão de fotos na quinta-feira. Julia teria que usar roupas de praia bem sexys, e ser fotografada por um fotógrafo profissional que trabalhou para Takeda e era especializado em tirar fotos para um público muito especial. O próprio Paulo já tinha visto algumas das fotos tiradas de outras modelos. A garota teria que pousar em diversos trajes, cada um mais revelador, erótico e sexy que o outro. Tudo isso em posições tentadoras. Em seguida, ele iria avançar para uma série de fotos temáticas. Talvez algo mais masoquista. A garota poderia ter seus olhos vendados, ser amarrada, algemada, ou até mesmo amordaçada. O pau de Paulo ficou ainda mais duro quando ele lembrou que no estúdio de fotografia haviam quatro câmeras de vídeo que gravariam Julia de todos os ângulos, incluindo a troca de roupas dela. Ele provavelmente teria acesso a essa gravação. Mas antes disso, havia ainda alguns preparativos a serem feitos antes de quinta-feira. Julia era arrogante e obstinada, e dificilmente aceitaria ordens com facilidade. Primeiro, ela precisava ser treinada, quebrada. Talvez alguns boquetes no escritório ajudariam.

Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 312 -


Na manhã seguinte, metade do escritório já sabia da nova fofoca e a outra metade iria descobrir nas próximas horas. Julia ouviu dois rapazes conversando na área de descanso da empresa. "Você ouviu a nova da Julia do departamento do Hiroshi?” O homem perguntou ao outro. "Sim, eu ouvi dizer que ela estava praticamente nua na festa. Disseram até que dava pra ver a cor da calçinha dela pelo vestido.” respondeu o outro homem, ao que os dois prontamente deram uma boa gargalhada. Ao ouvir isso, Julia ficou cheia de raiva e vergonha, e decidiu que não iria pegar um café como já era de costume. Mas antes de sair, ela ainda pode ouvir o outro homem. "Pelo que eu ouvi nem calçinha ela estava usando.” E os dois novamente deram uma longa gargalhada. No banheiro das mulheres, Julia novamente ouviu uma conversa só que dessa vez entre duas secretárias, enquanto ela estava em um dos cubículos do banheiro. "Você viu a saia da Julia hoje?" uma delas disse a outra, enquanto Julia abriu a porta de seu cubículo. Julia ficou vermelha quando ela abriu a porta completamente e saiu em seus saltos agulha para lavar as mãos. As secretárias desapareceram rapidamente. Julia olhou-se no espelho. Ela estava vestindo um terno de negócio como em qualquer outro dia, a diferença é que, hoje, a saia era uns bons cinco centímetros mais curtos do que o normal, parecendo mias uma mini-saia do que uma saia de escritório. Se ela se inclinasse, ela poderia acabar mostrando sua calçinha. Essa roupa tinha sido deixada em sua cama na noite passada, no hotel em que Paulo havia colocado ela. Juntamente com os saltos agulha de quatro polegadas, uma blusa preta sem mangas, um sutiã vermelho e uma calçinha fio dental. Sem saída, ela teve que vestir esses trajes para vir até o trabalho. E foi ai que os rumores começaram a circular e ganhar força por toda a empresa. Os homens babaram por ela e as mulheres ficaram com ciúmes da atenção que ela recebia. Alguns disseram que ela havia perdido a compostura, outros disseram que ela queria atenção. Outros falavam sobre a falta de profissionalismo dela, ao usar uma roupa tão vulgar no escritório. Por volta das 10h, Julia recebeu um telefonema de Paulo. "Julia, por favor, venha ao meu escritório." Enquanto Julia caminhou até a escada do outro lado do hall de entrada que levava ao escritório de Paulo, ela estava bem consciente dos olhares que ela recebia durante o trajeto. Para piorar as coisas, a escada era bastante íngreme e em espiral. Qualquer um no começo da escada que olhasse pra cima, provavelmente, teria uma visão clara do que estava por baixo da saia. Julia finalmente chegou até a sala de Paulo. "Feche a porta, por favor Julia", disse Paulo. Ele estava sentado atrás de sua mesa ocupado no seu computador. Ele nem sequer levantou os olhos para olhar para ela quando ela entrou. Julia fez o que lhe foi dito, e ficou inquieta durante o que parecia um minuto inteiro, enquanto Paulo Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 313 -


digitava algo no computador. Por fim, ele terminou e se virou para ela. "Que beleza ... você está perfeita nessas roupas?" Ele levantou a cabeça e seus olhos focaram-se na mulher jovem vestida naqueles trajes bastante reveladores. Ele não tirava os olhos das pernas de Julia. "Bem, eu fiz o que você queria Pau-senhor ...", respondeu ela, sentindo-se tensa, ".. você estava procurando por mim?" "Sim ... ontem eu pensei bastante... você sabe, eu estou começando a pensar melhor sobre o acordo que nós temos... talvez não seja uma boa idéia continuar com ele", disse Paulo, fazendo uma pausa para deixar que o impacto da frase atingisse Julia, que ficou atordoada e perplexa ao mesmo tempo. Paulo continuou falando: "Isso é muito arriscado pra mim. Acho que eu vou fazer a coisa certa e simplesmente denunciar você ao Sr. Hiroshi. A gente pode rasgar o contrato que você assinou ontem... " "Não. .. o que você quer dizer? Você não pode mudar de idéia assim? Por favor, eu não posso ir pra cadeia!" Julia falou, já entrando em pânico. "Esse negócio é muita importante para mim... eu não posse me dar ao luxo de... você sabe... Além disso, você é uma mulher muito teimosa... Eu não sei se você é capaz de obedecer instruções ... ",falou ele. "Não... Por favor.. Eu vou fazer tudo do jeito que você disser.." Julia respondeu rapidamente. "Você está disposto seguir as instruções sem questionar?" "Sim..." "Sim o quê?" "Sim senhor ..." Julia respondeu, mordendo o lábio, ao se sentir mais uma vez humilhada. Agora que Paulo sabia sobre seu segredo, ela teria que andar na linha e engolir alguns sapos, ao contrário de antes, onde ela podia até mesmo bater de frente com ele em reuniões com os patrões. "Você entende que tem que seguir essas ordens sem questionar, do contrário... bem... você já sabe", questionou. "Sim, senhor." Paulo se inclinou para frente em sua cadeira e cruzou as mãos sobre a mesa. "Tire o seu blazer e desabotoe sua blusa ", ele disse calmamente. "O que..." Julia ficou chocada. Isso não era o que ela esperava. Ela sabia que Paulo queria se vingar por ela ter rejeitado ele no passado, e ela pensou que ele apenas humilharia ela em trabalhos administrativos. Mas ela não esperava isso. Ela imaginava que, talvez, ele ocupou o pensamento de que ele ainda queria se reunir com ela, e ela que ela provavelmente teria de entreter várias datas

Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 314 -


"Isso não é um bom jeito de começar", Falou Paulo. O rosto de Julia corou. Ela não tinha escolha. Lentamente, Julia tirou o blazer de negócios, e colocou-o sobre a cadeira. Ela estendeu a mão para o botão de cima da blusa preta sem mangas e abriu-o. Ela tomou um segundo e respirou fundo, enquanto fez a mesma coisa para o segundo, o terceiro, até finalmente chegar ao último. Ela olhou para Paulo, com um olhar afugentado. Sua blusa estava aberta, mostrando seu sutiã vermelho. "Tire ela toda", disse ele. O rosto de Julia ficou ainda mais vermelho. Ela estava totalmente a seu mercê. Ela lentamente tirou a blusa de dentro da saia e puxou os dois lados separados, expondo sua barriga lisa, e seus seios pequenos em seu sutiã vermelho. O coração de Julia estava batendo rapidamente agora. "Tire o seu sutiã e me mostre sua tetas, Julia." Julia mal podia acreditar no que ouvia. Com os dedos trêmulos, ela obedeceu, ela levou sua mão até as suas costas. Ela abriu o fecho, depois, lentamente, puxou o sutiã, mostrando a Paulo seus seios nus. O rosto de Julia estava queimando agora, e ela estava lutando para não cair em lágrimas. "Ótimo. Agora vire-se." Ela lentamente girou, ficando de costas para Paulo. Ela podia sentir seus olhos em volta do seu corpo. "Você está usando o fio-dental?" Quase que gaguejando, Julia respondeu "S.. Sim senhor ..." Ela se sentia como uma prostituta "Você usa calçinhas fio-dental muitas vezes Julia?" Julia ficou imóvel por quase dez segundos enquanto sua mente tentava descobrir se aquilo tudo não era apenas um pesadelo. "Sim, senhor, eu uso", ela finalmente respondeu. "Quantas vezes?" "Duas a três vezes por semana", respondeu ela com a voz fraca. Houve uma longa pausa, e Julia se perguntou o que estava se passando na mente pervertida de Paulo agora. "Puxe sua calcinha para baixo até os joelhos." Julia mordeu o lábio e lutou contra as lágrimas de vergonha. Suas mãos foram para sua calcinha e ela lentamente trouxe-a para baixo das suas coxas, tendo que se dobrar pra frente para fazer isso. Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 315 -


Ela pode sentir Paulo espreitando por breves segundos sua intimidade e sua bunda nua. "Bem, antes de aceitá-la neste empreendimento, você terá que passar por uma entrevista com alguém, pra que eu possa ter certeza que você irá seguir as instruções sem questionar", ele disse. "Pode ser virar" Julia se virou e olhou para Paulo que estava olhando diretamente pra ela agora. Ela estava com a blusa desabotoada, sem sutiã e com os seios expostos, e pra completar ainda estava vestindo uma saia ridiculamente curta com a calcinha em torno de seus joelhos. "Venha aqui Julia.. Há alguém que eu gostaria que você conhecesse.." Julia andou cambaleante em direção à mesa de Paulo em seus saltos agulha. Quando ela se aproximou dele, ficou sem ação quando percebeu que o homem havia aberto a calça e estava sentado lá na sua cadeira com uma enorme protuberância em sua cueca. "Sim... eu gostaria que você conhecesse o senhor pênis... você pode chamá-lo de senhor pau... ele vai entrevistá-la. Seu trabalho será o de convencer a ele, com suas habilidades orais, que você deve ser contratada." Julia sentiu borboletas no estômago, e fechou os olhos em vergonha profunda. Ela aproximou-se dele em torno de sua mesa com relutância. "Tire sua calcinha, me dê ela e em seguida, ajoelhe-se entre as minhas pernas." Julia fez o que lhe foi dito. "Não, espere", Paulo levantou-se novamente, e fechou o zíper de suas calças, "Eu quero que você faça todo o trabalho.". Julia lutou para conter as lágrimas quando ela teve que abrir o zíper da calça de Paulo e puxá-la baixo. Com um grande sorriso em seu rosto, Paulo sentou-se novamente na cadeira, apenas com a cueca. "Tudo bem, vamos começar a entrevista." Julia puxou sua cueca. Estendendo a mão, ela pegou o pau duro e guiou-o até sua boca. Julia ouviu respiração dele acelerar enquanto sua boca molhada fechava em torno do pau dele. Paulo levou sua mão até a cabeça de Julia, que começou a punhetar a base do pau dele, enquanto chupava a cabeça. "Meu Deus, Julia .. Eu sabia que você iria acabar chupando meu pau um dia ... mas isso é melhor do que eu imaginei... ohhh " De repente, houve uma batida na porta. Julia congelou. Para seu espanto, Paulo disse: "Entre!" Julia tentou tirar o pau dele da sua boca, mas Paulo segurou sua cabeça com força. A secretária de Paulo apareceu na porta. "Paulo? Julia esteve aqui mais cedo? O Sr. Hiroshi estava procurando por ela.” A mesa não permitia que a secretaria visse Julia ajoelhada ali, com o rosto Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 316 -


enterrado no colo de Paulo, e seu pênis ocupando totalmente sua boca. Paulo pigarreou. "Julia? Ela... deve estar ocupada." Seus olhos caminharam até a calçinha fio dental de Julia que repousava em cima de sua mesa. "Tudo bem... eu poderia jurar que eu vi ela entrar aqui" a secretária murmurou, enquanto fechava a porta. Assim que a porta se fechou, Paulo continuou a usar a boca de Julia. "Isso...chupa... chupa ele todo sua putinha" ele falou. Pegando a roupa de baixo de sua jovem colega, ele trouxe-a ao nariz e inalou profundamente. "Meu Deus Julia .. apenas sentir o cheiro da sua vagina já é o suficiente para me deixar em ponto de bala." O rosto de Julia ficou vermelho com a humilhação mas continuou chupando o pau de Paulo. "Mais rápido!" ele pediu. Ela sentiu ele apertar seus cabelos com força, e forçar seu quadril pra cima, em direção a boca dela. “Issoooo... Isooooooo” Não demorou pra que ela sentisse o jato de esperma quente entrar em sua boca. "Ohhhhh ..." ele gemeu em voz alta, enquanto empurrava seu pau na boca de Julia. Ela sentiu a porra dele inundar sua boca. Após gozar, ele puxou lentamente seu pau para fora de sua boca. Julia não sabia o que fazer agora. Ela não queria engolir, mas ela iria se atrever a cuspir aquilo no chão do escritório dele "Mantenha a minha porra na sua boca", Paulo disse enquanto se levantava e recolocava as calças. “Não deixe uma gota cair!" Julia levantou-se desajeitadamente, com a boca cheia de porra. "Agora eu quero que você vá até a despensa da cozinha, e pegue um copo. Faça uma xícara de café, e em seguida, você está autorizada a esvaziar o conteúdo da sua boca dentro do copo. Em seguida você vai trazer o copo pra mim. Você tem quatro minutos.” Julia balançou a cabeça, enquanto ela colocava o sutiã e abotoava a blusa, mantendo os lábios ainda fechados. Ela olhou pra calçinha ainda nas mãos de Paulo "Sem calcinha para você pelo o resto do dia", disse Paulo com um sorriso. Julia cuidadosamente desceu a escada, ela rezou pra que ninguém falasse com ela até ela chegar à despensa. Seu coração acelerou quando ela viu o estagiário da contabilidade subir a escada. Ele sorriu para ela, e ela sorriu de volta, tendo o cuidado de manter os lábios fechados, para que o esperma não escapasse da sua boca. Miguel viu a garota mais gostosa do escritório descendo as escadas e quase não acreditou em quão curta era a saia que ela usava. Não querendo ser pego olhando para suas pernas, ele apenas fez contato com os olhos e sorriu educadamente. Mal sabia ele que a safada tinha a boca cheia de porra enquanto passava por ele, e nem sequer estava usando calçinha. Se ele tivesse olhado, teria tido visão clara da buceta dela. Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 317 -


Julia rapidamente fez seu copo de café, enquanto questionava quantos minutos haviam se passado. Ela então despejou a porra dentro do copo. Ela queria muito lavar a boca, mas ela sabia que não daria tempo. Rapidamente, ela pegou o copo e saiu dali. Ela percebeu que agora havia dois homens conversando na parte inferior da escada. Julia não queria ir pela escada arriscar acabar mostrando sua intimidade, mas ela não tinha escolha. Tentando ser tão discreta quanto podia, mesmo que sem sucesso, Julia subiu a escada com cuidado. Ela nem desconfiava que Paulo estava assistindo tudo pelo painel de vidro do hall de entrada da sua sala. Ele estava sorrindo, tendo certeza de Julia estava mostrando a buceta enquanto subia a escada. "Vejam só ..." Paulo olhou para seu relógio de pulso ", foram cinco minutos Julia. Você está atrasada. " Julia começou a falar, mas Paulo cortou. "Sem desculpas, agora beba o café." Sabendo que ela estava absolutamente à mercê de seus comandos, Julia sentiu suas defesas desmoronarem completamente, enquanto ela bebia o café com a porra de Paulo. "Espero que você goste do seu café com leite", disse Paulo, um sorriso maligno em seu rosto.

ATO II Julia estava no banheiro dos homens no segundo andar do escritório. Paulo havia punido-a por ter se atrasado na tarefa do café e agora ela teve que ficar na empresa após o expediente para receber uma nova tarefa. Então, após expediente, Paulo disse a ela qual era a sua próxima missão, seduzir o faxineiro de escritório. E assim, o velho José tomou um dos maiores sustos da sua vida, quando foi limpar o banheiro dos homens e encontrou aquela bela mulher de 24 anos, usando apenas um blazer e uma saia. Paulo havia tirado tanto a blusa como as roupas intimas de Julia. Como Paulo havia instruído, Julia desabotoou lentamente sua jaqueta, enquanto conversava com o zelador de cinqüenta e poucos anos. Ele mal podia acreditar no que estava diante de seus olhos. Aquela linda jovem em uma saia curta e salto alto no banheiro dos homens. Ela disse a ele que precisava de dinheiro urgentemente, e perguntou se ele estava interessado nela. Quando ele perguntou o que exatamente ela tinha em mente, Julia falou (morrendo de vergonha, conforme as palavras escapavam de sua boca) que ela lhe daria um boquete por vinte reais. As mãos do zelador tremiam enquanto ele tirava vinte dólares de sua carteira, e olhava aquele belo par de seios nus na sua frente. Ele perguntou se podia tocá-la enquanto ela estivesse chupando ele. Julia acenou positivamente com a cabeça, e deu alguns passos pra trás enquanto o velho se aproximava dela, até suas costas tocarem a parede e ela não mais ter pra onde ir. Obedientemente, ela abriu mais o blazer, e ofereceu seus seios empinados ao velho. Não querendo ver o que se sucederia li, ela fechou os olhos, mas mesmo assim ela foi capaz de sentir o toque das mãos ásperas do velho espremer seus seios. Os dedos do zelador brincou com os mamilos até eles ficarem duros. Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 318 -


Então, ela sentiu algo quente em torno de seu mamilo esquerdo, e percebeu que o velho tinha colocado os lábios ao redor de seu mamilo. Ele começou a chupar as tetas dela. O zelador estava nas nuvens, com essa garota três décadas mais jovem do que ele, lhe permitindo acariciar e chupar seus seios antes de lhe pegar um boquete no banheiro dos homens. "Abaixe-se", disse o velho, com o rosto radiante. Julia sentiu que estava sendo empurrada para baixo até estar de joelhos. Ele puxou as calças pra baixo. Ela segurou o pênis do zelador, e com os olhos fechados levou ele até sua boca enquanto tentava imaginar que estava chupando o seu namorado ao invés daquele velho. Ela chupou com vontade, apesar do odor repugnante que emanava da virilha dele. Ela estava ansiosa para acabar logo com isso. Ele começou a transar com o rosto de Julia, empurrando a cabeça para trás e para frente, enquanto ele apreciava a vista e sensação de ter esta jovem de joelhos com a boca envolvida no seu pau. Finalmente, com uma investida mais forte, o velho enfiou seu pênis n garganta de Julia, quase a sufocando. Praticamente no mesmo instante, ele começou a gozar. Vários jatos de porra bateram contra o céu da boca de Julia, mais até do que ela achava que era possível para aquele velho. Paulo observava tudo isso do seu escritório, cortesia da câmara de vídeo secreta que ele tinha colocado no banheiro. Ele riu quando viu o velho zelador tirar sua carteira e colocar uma nota de vinte reais na mão da menina, enquanto ela parecia mais preocupada em se livrar do conteúdo em sua boca. Julia se arrumou e voltou ao escritório de Paulo. Inclinando a cabeça ligeiramente para trás, ela abriu a boca, mostrando o esperma do velho. "Muito bem .. você ganhou vinte reais por um boquete. Hum ... Se você engolir, eu posso colocar mais dinheiro na sua mão. Isso certamente vai ajudar a quitar sua divida.". Julia hesitou em um primeiro momento, mas sem saída ela acabou por engolir o esperma do velho, morrendo de nojo e vergonha. Ela não podia acreditar o quão baixo ela havia descido. Paulo riu, e tirou uma nota de cinco reais, entregando-a na mão de Julia, completando de vez aquela humilhação sem fim pela qual ela passava.

ATO III Era uma quinta-feira à tarde, quando Paulo levou Julia até o estúdio de fotografia. Ele ficava em um edifício muito antigo, que mais parecia até um depósito. No entanto, o interior do local era muito bem decorado. Atrás do balcão da recepção, havia uma bela jovem sentada. Ela tinha aproximadamente a mesma idade de Julia, tinha cabelos loiros, e usava um batom vermelho que realçava seus lábios. Julia presumiu que ela fosse à recepcionista embora ela parecesse mais como uma modelo. A recepcionista mal fez contato visual com ela e sem registrar a sua presença, se limitou a dizer. "Vá em frente... ele está esperando", disse ela. "Obrigado Samantha," Paulo respondeu, levando Julia para dentro. Takeda já estava esperando no estúdio, enquanto fumava um charuto. Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 319 -


"É bom ver você de novo minha querida Julia," ele disse, sorrindo. "Obrigado, senhor." Julia respondeu educadamente. Ela se sentia um pouco intimidada pelo olhar penetrante e profundo de Takeda. Ele olhava pra ela de uma maneira diferente, quase como se ele estivesse vendo-a nua. Após apresentar brevemente o fotografo chamado Lucas - um homem baixo e magro, com cerca de quarenta anos - Paulo entregou a Julia um biquíni lilás. "Vista isso. Nós estaremos fazendo uma sessão promocional para esta linha de roupas de praia que o Sr. Takeda estará lançando esta semana. Faça o serviço direito, e você receberá um bom valor por apenas uma semana de trabalho", disse Paulo, entregando um papel a Julia, com o valor que ela receberia por esse trabalho. Era um dinheiro muito bom. Ela não ganhava isso em um mês, e mesmo ainda não sendo nem perto do que ela precisava pra pagar a sua divida, já era um começo. “Esse valor, por uma semana de trabalho” Perguntou Julia. Paulo respondeu: "Sim, mas certifique-se de fazer exatamente o que lhe for pedido para fazer. Eu vou voltar para o escritório agora. Se eu ouvir qualquer coisa sobre você não ter sido cooperativa, você sabe o que vai acontecer.”. Julia assentiu e caminhou até o vestiário para trocar suas roupas. Depois de alguns minutos lá estava Julia vestida apenas com um biquíni minúsculo sob as luzes brilhantes do estúdio, enquanto pousava para a câmera. As primeiras poses foram bastante inocentes. Depois de trinta ou quarenta fotos, porém, as poses foram se tornando cada vez mais sexys e sugestivas. Em uma das fotos ela teve que colocar os polegares nos lados da parte inferior do seu biquíni e puxar a peça até a metade. Em outra pose, ela foi convidada a se inclinar para frente com as mãos sobre os joelhos, deixando seu decote bem a mostra. Julia foi se sentindo cada vez mais desconfortável, e tendo Takeda de pé ao fundo, observando cada movimento dela não ajudava em nada a situação. Em seguida, houve uma troca e Julia teve que colocar um biquíni diferente. Este era bem menos discreto do que o primeiro, e a parte de cima mal cobria os seios de Julia. Depois de várias fotos, o fotógrafo pediu que ela ficasse de costas olhando para a câmera, e disselhe para tirar a parte superior completamente. Mesmo a contragosto ela o fez, sabendo das conseqüências que sua desobediência poderia causar. Por fim, houve uma pose frontal onde ela tinha que cobrir os seios nus com as mãos. "Tudo bem... vamos... quase terminando", disse Lucas, ajustando a câmera. Julia quase soltou um suspiro de alívio. "Essa vai ser a ultima parte," o fotógrafo sorriu, "vamos tentar algo mais ousado.”. Julia viu Lucas mexer em um baú procurando por alguma coisa. "Ok, agora fique em posição Julia, Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 320 -


e não se mova." Julia não se mexeu e apenas observou Lucas se aproximando com algo na mão. Ela encolheu-se quando percebeu tarde demais, que era uma coleira de couro preto que ele estava carregando, e ele prontamente colocou em volta do pescoço dela. "Não se mexa!", Ele disse. FLASH! O flash da câmera iluminou metade do ambiente, e fez com que ela ficasse com a visão turva por alguns instantes. "Isso! Isso é fantástico", disse Lucas. FLASH! O fotógrafo continuou tirando fotos de Julia naquele biquíni, com a coleira de couro em volta de seu pescoço. "Fantástico. Jogue sua bunda pra trás Julia, e se incline pra frente... sim, é isso... Sorria agora." Julia estava em agonia, tentando decidir se ela não deveria simplesmente correr e se preocupar em ser presa pelas acusações de roubo mais tarde, ou simplesmente agüentar mais dessa humilhação nas mãos destes pervertidos. "Tudo bem, agora você pode, por favor, ir para o sofá... e ficar de quatro...”. Julia sentiu um arrepio correr por sua a coluna vertebral, mas não se atreveu a protestar. Ela se lembrou do que Paulo havia dito aquilo havia ficado preso na mente dela. Ela subiu no sofá, e se apoiou com os joelhos e as mãos, deixando sua bunda para cima, ela olhou para a câmera. "Perfeito" disse o fotógrafo. FLASH! "Vamos colocar isso também", disse Takeda. Julia ficou apavorada ao ver ele pegar uma trela e caminhar até ela.. Ele prendeu-a na coleira que estava envolta do seu pescoço e ficou segurando a trela, numa distancia onde ele não apareceria nas fotografias. Ela sentiu aquele sentimento de humilhação percorrer sua mente, enquanto ela percebia o quão degradante eram aquelas fotos que ela estava tendo que tirar, em trajes mínimos e posições cada vez mais sugestivas. Ela tentou concentrar sua mente na quantia que ela receberia por isso. Ela precisava desesperadamente pagar de volta o dinheiro que ela havia roubado, para poder quebrar o quanto antes esse contrato e não mais receber ordens de Paulo. Lucas tirou várias fotos de Julia naquela posição, de quatro, usando uma coleira, como um animal. "Podemos tirar algumas fotos nuas?" Lucas perguntou a Takeda, que agora estava sentado na poltrona assistindo a sessão de fotografia. O coração de Julia quase saiu pela boca quando ela ouviu isso. "Talvez numa outra hora Lucas", Takeda riu. "Vamos nos concentrar em terminar essa série Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 321 -


primeiro". "Tudo bem...” Falou Lucas, aparentando estar desapontado. Ele vasculhou o baú em busca de mais utilitários até achar o que ele queria. E para a última série de fotos, Julia teve que continuar usando a coleira e o guia, e pra piorar, teve que ter seus pulsos algemados juntos e amarrados a uma corda suspensa ao teto. É obvio que ela não quis aceitar isso. Mas ela não tinha escolha. Ela havia perdido o direito de escolher qualquer coisa desde o momento em que Paulo descobriu sobre o roubo. FLASH! Takeda ficou bastante excitado, ao olhar para aquela jovem executiva ali, completamente indefesa. Ela normalmente se vestia de forma bastante profissional e conservadora no escritório e agora ela estava aqui, coberta apenas por aquele biquíni minúsculo que escondia apenas as partes intimas do seu corpo. Ela parecia incrivelmente sexy em pé lá sem poder fazer nada com as mãos amarradas acima de sua cabeça, e uma coleira em volta do seu pescoço. Ele imaginou quanto dinheiro Tashi, Hiroshi e os outros diretores da empresa iriam lhe pagar apenas para obter uma cópia das fotos comprometedoras desta bela jovem. "Você tem certeza que não vai haver fotos nuas hoje?" o fotógrafo se aventurou novamente. O coração de Julia acelerou. O contrato dizia que o vestuário dela ficaria a cargo da empresa, mas isso já era loucura! Eles não poderiam lhe pedir para não usar nada. Podiam? Takeda pareceu considerar a idéia por alguns segundos e então ele disse: "Quer saber, que se dane. Você não se importa não é Julia? O Paulo disse que isso estava no seu contrato.”. Julia começou a entrar em pânico. "O que? Nããão. Senhor desculpe, eu? Espere... por favor... não..." Sem deixar que ela concluísse a frase, Takeda desatou o nó da parte superior do seu biquíni, e o puxou, expondo os seios de Julia para a câmera. "Não... Por favor, pare!" ela falou, começando a chorar. FLASH! Lucas começou a tirar algumas fotos, ignorando Julia. "Nããão... por favor, pare!!" a menina falava chorando.. Julia se viu empurrada de volta para o sofá, e forçada para baixo, ficando de bruços. Seus braços estendidos acima da cabeça enquanto seus pulsos permaneciam algemados e presos à corda no teto. "O que você está fazendo??" ela chorou em uma voz em pânico. Takeda estava agora pisando na guia e mantendo-a esticada de tal forma que deixou Julia completamente imobilizada no sofá. "Bem, você precisa ser disciplinada" ele disse. Julia lutou, mas a corda não se moveu. "Deixe eu ir embora!" Ela exigiu. Takeda ficou ali, admirando a imagem da moça deitada de bruços no sofá, sob seu controle. Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 322 -


"A razão de você estar agora nessa situação, é porque você fez algo muito ruim. Não é Julia?" "O... o que você quer dizer? Eu não sei o que você está falando!" Ela escutou algo e de repente "OWWWWW...", ela gritou ao sentir uma dor aguda na sua bunda. Com dificuldades, ela conseguiu virar a cabeça e ver uma grande bengala de madeira na mão de Takeda. "Me deixe ir embora ou você vai se arrepender!" ela gritou. A bengala de madeira desceu mais uma vez até sua bunda exposta. "Aaahhhhhh", ela gritou de dor. Takeda sorriu de satisfação quando um vergão começou a aparecer lentamente em sua pele clara. "Não fale assim comigo cadela", ele alertou. "Você sabe do que estou falando... Paulo me contou sobre seu segredinho." Ele fez uma pausa, flexionando a bengala na mão. "Ele disse que você foi bem impertinente e me pediu para puni-la corretamente... lhe ensinar algumas lições”. Julia começou a protestar, "Espere... você não pode fazer isso. Owww!!!" Sua frase foi interrompida pelo terceiro golpe em seu bumbum. Ela sentia a bunda dela começar a arder bastante. "Não fale a menos que eu lhe autorize a falar cachorra." Lágrimas desceram pelos olhos de Julia. Ela nunca tinha sido tratada assim antes. Nem mesmo quando ela era criança, seu pai nunca havia levantado um dedo pra ela. "Você está arrependida do que fez cadela?" "Sim, sim... Por favor, deixe-me ir!" "Então você admite que é uma cadela, e que precisa aprender uma lição?" "NÃO!” "Resposta errada." "AHHHHH!!" ela chorou. As lágrimas saiam dos seus olhos e corriam pelo seu rosto livremente agora. Takeda tirou alguns segundos para contemplar essa bela cena a sua frente. Lucas também estava observando atentamente por trás de sua câmera, enquanto tirava fotos da garota sendo punida. "Você é uma cadela?" Takeda perguntou novamente. Houve um momento de silêncio. "Sim. Sim" ela respondeu, tentando engolir o choro. "Sim, o que?" "Sim senhor" "Sim senhor o quê?" "Sim, senhor, eu sou uma cadela”. Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 323 -


"Então lata como uma cadela." Lágrimas continuaram a descer pelo seu rosto enquanto ela soluçava. "Au, au..." "Mais alto" "AU AU!" ela latiu, igual um cachorro. Era óbvio que ela sentia-se completamente humilhada por esse ato degradante. Mas aquilo ainda não havia terminado. "Isso mesmo, sua cachorra... e já que você é uma cadela vira-lata, você não merece andar como uma pessoa. De agora em diante, sempre que você estiver na minha frente, é melhor você estar de quatro". As algemas foram tiradas dos punhos de Julia e ela sentiu um puxão em sua coleira quando ela percebeu que Takeda estava puxando-a para baixo do sofá, de forma idêntica a usada para puxar um cachorro. E assim, Julia saiu do sofá, plantando as palmas das mãos no chão lentamente, com medo de ser golpeada novamente se ela não fizesse isso direito. "Boa garota." Takeda acenou com a cabeça, enquanto observava a bela jovem colocar as mãos e os joelhos no chão. "Vamos dar uma volta, minha cadelinha." Julia inclinou a cabeça envergonhada, enquanto Takeda puxava a coleira. Ela o seguiu, rastejando sobre os joelhos e as palmas das mãos. Enquanto isso, Lucas ficou muito contente por ter a oportunidade de tirar mais algumas fotos da jovem executiva rastejando de quatro semi-nua. "Oh." A voz de uma mulher flutuava no estúdio, como seu corpo esguio aproximava-se da porta. "Pode entrar Samantha," Takeda riu. "Estamos apenas ensinando algumas lições a Julia." Julia se sentiu completamente humilhada enquanto ela engatinhava de quatro, usando apenas a parte inferior daquele minúsculo biquíni e uma coleira de cachorro em volta do seu pescoço, sendo conduzida ao redor daquela sala por Takeda. Como se aquilo tudo não fosse suficiente, agora havia mais uma pessoa assistindo a sua degradação. Takeda levou Julia para um passeio dentro do estúdio, enquanto ele fumava seu charuto. Por fim, ele a levou de volta para o sofá. "Ajoelhe-se...", disse ele. Julia não tinha certeza do que ele queria, mas sentindo o puxão na sua coleira, ela saiu do sofá, se colocou de joelhos, e foi recompensada com um tapinha na cabeça. Imediatamente ela sentiu inundado com sentimento de vergonha intensa. Ela sentiu-se interiormente envergonhada e humilhada. Ela estava se comportando como um animal de estimação. Takeda sorriu para os outros dois. "Que cadela inteligente, não?" ele disse, acariciando a cabeça de Julia da mesma forma que uma pessoa faria com um cachorro. Puxando a guia pra cima em direção ao sofá ele disse, "suba garota.”. Julia subiu no sofá, ainda em usando apenas suas mãos e joelhos. Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 324 -


"Role." O rosto de Julia ficou vermelho. Um misto de vergonha e raiva, mas ela obedeceu e rolou seu corpo ao redor do sofá. Ela agora estava deitada de costas no sofá, com os joelhos juntos. "Julia, você é uma vagabunda?" Julia se encolheu com a pergunta insultuosa, e quis responder "não", mas seus olhos observavam a bengala nas mãos daquele homem. "Sim senhor... eu... eu sou uma vagabunda", ela respondeu, olhando para longe dele. Sua garganta estava muito seca, e ela mal podia falar essas palavras. "Bom, agora tire a parte inferior do seu biquíni e me sua buceta”. Julia se sentiu impotente... Ela tinha que fazer tudo o que ele pedia, ou Paulo iria mandá-la para a cadeia. Seus olhos se fecharam e seus dedos trêmulos se moveram até o nó da parte inferior do biquíni. Ela puxou o nó, e a pequena peça triangular se desfez, expondo sua intimidade. Julia tentou se proteger, fechando as pernas, mas os dois homens podiam ver o pequeno triângulo de pelos pubianos entre suas pernas. Seu coração estava batendo e apesar de ser forçado a esse ato degradante, ela sentiu uma pontada momentânea de excitação ao ser tratada como uma cadela, uma vagabunda. Imediatamente, porém, ela sentiu um profundo sentimento de nojo de si mesma - no que ela estava se tornando? "Abra mais suas pernas." Julia olhava para os sapatos de Takeda enquanto ela lentamente abria mais suas pernas. "Ótimo... olha essa buceta!" Lucas falou. Julia corou em vergonha. A intimidade de Julia estava exposta. Lucas lambeu os lábios, enquanto imaginava sua boca naquela buceta. "Agora, abra bem os lábios e nos deixe ver o interior dessa buceta safada". Com um olhar suplicante em seus olhos, Julia balançou a cabeça em direção ao velho homem japonês. "Não me faça punir você novamente, cadela..." as mãos de Julia tremiam, enquanto se moviam para o meio de suas pernas. Ela se sentiu tomada pela emoção, e lutou para não engasgar ou chorar, enquanto ela abria os lábios da sua intimidade. Ela estava ali, expondo a parte mais privada do seu corpo a este homem que tinha controle absoluto sobre ela, e para as outras pessoas na sala. "E como uma boa vagabunda, você vai levar o dedo até a sua buceta e brincar com ela", continuou Takeda. Julia hesitou e a bengala de Takeda desceu com força no sofá, fazendo um barulho bem alto, que Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 325 -


deixou a garota bastante assustada. "Se você hesitar, novamente, a próxima será em você, sua putinha safada." Julia fechou os olhos, e colocou o dedo na sua intimidade, que estava um pouco úmida. Ela começou um movimento de fricção lento. Apesar de estar envergonhada, ela também sentiu uma onda inconfundível de prazer começar a brotar em seu abdômen inferior. Seu corpo não ligava para o fato de ela estar sendo forçada a se masturbar na frente dessas pessoas. "Abra mais as pernas." Julia obedeceu, e os homens e Samantha observaram ainda mais atentamente. Para piorar a situação, ela pode notar Lucas tirando mais e mais fotos. "Jesus", disse Lucas, respirando com dificuldade, enquanto fotografava a mulher “isso vai fechar sua sessão de fotos com chave de ouro, Julia". Julia fechou os olhos, tentando não pensar nas fotos. "Se concentre no dinheiro que você vai receber", ela pensou. "Julia, na maior parte do tempo, você é uma garota decente. Mas enquanto você estiver sob minhas ordens, você será uma cadela, uma putinha, uma vagabunda." Takeda disse. "E vagabundas mostram suas bucetas, quando são mandadas...”. Sua virilha vibrou quando ela ouviu as palavras cortantes de Takeda. "Vagabundas ficam excitadas quando recebem ordens...", ele continuou. Julia sentiu uma nova onda de vergonha atingi-la, quando ela percebeu que sua buceta estava bem molhada e ela estava mesmo excitada com aquela situação. Como seu corpo poderia traí-la de tal forma? "Vagabundas adoram pagar boquetes sempre que ordenadas." A buceta de Julia vibrou novamente. Ela abriu os olhos, bem a tempo de ver Takeda pegar um controle remoto e apertar um dos botões. O projetor de vídeo começou a reproduzir algo na parede daquele lugar. Enquanto Julia observava a tela, seu coração parecia que estava sendo perfurado. Era uma gravação de vídeo dela, no escritório de Paulo. O vídeo mostrava ela de joelhos, desfazendo as calças de Paulo. O ângulo de alguma forma escondia o rosto de Paulo, mas deixava bem visível o de Julia. Ela agora sabia o porquê de Paulo a ter mandado tirar suas calças novamente quando ele já tinha o tinha o feito antes. Isso a fez parecer uma vagabunda no vídeo. "Continue se masturbando." Ela obedeceu, enquanto se via naquele vídeo, puxando para baixo a cueca de Paulo e começando a chupar seu pênis. Sua mente girou, e ela sentiu uma vergonha imensa.

Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 326 -


"Vejam só a putinha chupando o pau dele até o talo..." ela ouviu Lucas dizer. Inconscientemente, os dedos de Julia estavam esfregando sua buceta cada vez mais rapidamente, tentando assim acalmar a sensação pulsante que tinha crescido entre as suas pernas. A cena mudou e Julia se viu agora no banheiro dos homens. Era bem óbvio porque dava para ver os mictórios ao fundo. Ela estava vestindo um blazer, mas ele estava aberto e ela obviamente não estava usando nada por baixo. Novamente, como na cena anterior, ela estava de joelhos. E novamente ela estava pagando um boquete, só que dessa vez, para um homem diferente. Foi possível ver o exato momento em que o homem gozou na boca dela, pela contração do corpo do velho. Então, quando ele se afastou, era possível ver um fio de porra ligando o pau do homem e os lábios de Julia. Julia gemeu, tentando bloquear as imagens terríveis que passavam na sua frente. Uma coisa era realizar aqueles atos degradantes, o que por si só já era terrível, mas agora ter que se ver fazendo tudo aquilo, tornava de certa forma tudo isso mais real e mais humilhante. "Continue esfregando essa boceta", a voz hipnótica de Takeda continuou, "Desobedeça e esse vídeo será enviado para sua família, seus amigos e todas as pessoas da empresa". Julia obedeceu às ordens do japonês e continuou a esfregar sua intimidade, até ela não mais conseguir controlar aquela sensação que descia por sua virilha. Entre gemidos e espasmos do seu corpo, ela atingiu o orgasmo na frente daquelas três pessoas.

ATO IV Julia estava de volta ao escritório na manhã seguinte. Sentada em sua mesa usando uma micro-saia branca que mal cobria sua bunda, ela agora pressionava suas pernas juntas, provocando uma sensação deliciosa que pulsava através da sua intimidade. É claro que o fato de haver um vibrador de seis centimetros na sua buceta tornava quase que impossível para Julia a tarefa de se conter. Esta manhã em seu quarto de hotel, ela recebeu as sacolas com as roupas que ela deveria usar hoje no trabalho. Havia uma blusa preta com um enorme decote em formato de v na frente e uma saia branca tão curta que com certeza chamaria a atenção dos homens. Junto com as roupas ainda havia um par de sapatos pretos com saltos agulha de oito centimetros. Para completar, havia um sutiã e uma calçinha fio dental. Dentro de uma das sacolas havia um bilhete com algumas instruções. Nele Paulo dizia para Julia usar a blusa, mas deixar os três primeiros botões desabotoados. Julia olhou-se no espelho e pode perceber que com os três botões abertos, parte do seu sutiã podia ser visto. Quem ficasse de pé ao lado dela obteria uma boa visão dos seus seios coberto apenas pelo sutiã. Para completar ainda tinha a calçinha fio dental que além de desconfortável, deixava a impressão de que ela não estava usando nenhuma roupa intima por debaixo da saia.

Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 327 -


Junto com o bilhete, dentro da sacola, havia o vibrador. Julia segurou ele na sua mão, observando os detalhes daquela peça. Ele tinha o formato de um batom e a sua superfície metálica era prateada. Julia sentia um pouco de nojo, mas também não podia evitar a curiosidade. Ela nunca tinha usado um vibrador antes. E agora, ela estava aqui segurando um. Ela olhou novamente o bilhete e nele apenas dizia para colocar o vibrador na bolsa e trazer para o trabalho. Ela achou aquilo muito simples e começou a pensar no que Paulo estava arquitetando. Por fim ela resolveu apenas seguir as instruções. Ela terminou de se arrumar e saiu do hotel usando as roupas determinadas por Paulo. Durante sua caminhada pela recepção do hotel, ela pode perceber vários olhares de diversas pessoas. Era como se eles estivessem olhando para uma prostituta ou algo do tipo. Pelo menos era isso que ela via nos olhares das pessoas enquanto ela fazia seu caminho até o táxi. Porém nem no táxi ela obteve o sossego que precisava. Ela notou por várias vezes o motorista olhando pelo retrovisor, para suas pernas e conseqüentemente para o meio delas, tentando ver o máximo que podia; o que não era muito difícil já que aquela saia não deixava muito a imaginação. Por fim ela chegou ao prédio onde seu escritório ficava. Alguns meses atrás houve um incidente em um outro escritório no prédio e por isso algumas medidas de segurança haviam sido tomadas na entrada do prédio. Todos os funcionários do prédio tinham um crachá e um cartão de segurança, mas mesmo assim eles eram obrigados a passar pelo detector de metais na entrada. Julia sempre achou aquilo meio exagerado, mas ali era um prédio com vários escritórios importantes e seja o que tivesse acontecido no outro escritório, fez com que eles tomassem essas medidas. Geralmente a inspeção era tranqüila. O segurança passava o detector rapidamente e deixava Julia entrar no prédio sem problemas. Parte disso também se devia ao fato de que Julia era sempre bastante gentil com um dos rapazes da segurança e era uma das poucas pessoas que sempre cumprimentava ele. Ela caminhou para dentro do prédio, consciente de que com aquele vestuário ela estava mostrando muito mais do que queria. Quando ela olhou para os dois seguranças, ela notou que o senhor que ela sempre cumprimentava não estava lá, no lugar dele havia um novo rapaz. Querendo sair logo dali, Julia caminhou até a fila menor, que era justamente a do rapaz novato. Algumas pessoas olhavam pra ela, mas pelo menos aqui ela não era o centro das atenções, já que as pessoas estavam correndo para chegar na hora em seus respectivos trabalhos. Sua vez finalmente chegou e ela tentou puxar a saia um pouco pra baixo a fim de deixá-la mais apresentável, mas não funcionou. Ela cumprimentou o segurança, mas não obteve resposta. Ele passou o detector rapidamente no corpo de Julia e em seguida olhou para ela e apontou para a bolsa que ela estava segurando. "Essa bolsa é sua, senhora?" falou o segurança segurando na mão o detector de metais.

Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 328 -


Aquilo geralmente era rápido, mas hoje parecia que estava demorando uma eternidade. Ela podia sentir os olhos das pessoas ao redor dela. Ela se apressou a responder querendo sair logo dali: "Sim..." Disse Julia entregando a bolsa ao segurança pra que ele pudesse inspecioná-la. "Nós não estamos autorizados a deixar que nenhum funcionário adentre o prédio portando objetos afiados ou não identificados que podem ser perigosos.", disse ele em um tom sério. Julia deu um passo vacilante para mais perto dele, incerta sobre o que ele estava falando. "O que é isto senhora?" o segurança olhou para ela, segurando o vibrador em suas mãos. O rosto de Julia corou quase que imediatamente. "Eu ... Isso .. isso é... foi um amigo que me deu .. quero dizer... Eu não tenho certeza, foi um presente que eu ganhei. " Ela gaguejou em resposta. O outro guarda de segurança se aproximou, e enquanto seus olhos permaneciam fixados no vibrador metálico, ele deu um largo sorriso e em seguida olhou para Julia. Por um segundo, olhando aquele belo corpo jovem, vestido com aquela saia tão curta e aqueles sapatos de salto, ele se perguntou “Essa gostosa trabalha mesmo aqui? Eu imagino o tipo de serviço que ela faz”. "Bem, você poderia ligá-lo e nos mostrar, senhora?" o segundo segurança disse, enquanto pegava o cartão de Julia para checá-lo no sistema. “Então o nome dessa gostosa é Julia. Ou ela comprou o MP3 mais estranho do mundo, ou essa safada trouxe o vibrador na bolsa pro trabalho.”. Ele pensou enquanto olhava os dados de Julia, confirmando que ela trabalhava mesmo ali. Julia quase tremia enquanto segurava o vibrador, totalmente envergonhada daquela situação e ciente de que agora ela era o centro das atenções ali. “Certo”, foi a única coisa que ela conseguiu responder enquanto movia seus dedos trêmulos pelo vibrador procurando pelo botão de ligar. Finalmente ela o achou, e o apertou, fazendo com que o vibrador começasse a vibrar em sua mão. Julia se sentia humilhada e ela pode notar que ambos os seguranças estavam agora com sorrisos estampados em seus rostos. Ela não se atreveu a olhar para trás ou mesmo para os lados, mas ela tinha certeza que todo mundo ali estava olhando para ela. "Hmm... é para uso pessoal, senhora?" Julia queria um buraco para entrar e se esconder. Era óbvio que os seguranças estavam se divertindo com a situação, se aproveitando da falta de confiança e da total vergonha que ela estava sentindo no momento. Ela queria simplesmente deixar aquilo ali e seguir em frente, mas tinha medo do que Paulo faria caso ela não trouxesse o vibrador na bolsa como ele havia pedido. "Sim ..." ela disse com um olhar suplicante em seu rosto, ansiosa para que essa situação humilhante chegasse logo ao fim. Ela se sentia ainda mais envergonhada, ao admitir aquilo para os seguranças. Ela imaginava o que eles estariam pensando dela agora. Que tipo de mulher traz um vibrador para o trabalho? "Tudo bem. Pode guardá-lo e seguir em frente senhorita". O segurança falou, após devolver a bolsa a Julia. Julia rapidamente caminhou até o elevador, querendo sair o mais rápido possível daquele local. Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 329 -


Algumas horas haviam se passado e ela agora estava sentada em sua mesa, olhando algumas fotos que Paulo havia enviado pra ela em um envelope. Eram as fotos que ela havia tirado no dia anterior no estúdio de Lucas. Nessas imagens ela estava seminua posando sensualmente enquanto usava biquínis minúsculos. Mas aquelas nem eram as piores fotos. Havia ainda várias imagens dela de quatro no sofá e no chão do estúdio, com uma coleira em volta do seu pescoço, e uma trela segurada por um homem que não aparecia naquelas fotos. Por fim ainda haviam fotos dela com seus pulsos amarrados a uma corda suspensa no teto, enquanto seus seios estavam completamente expostos. Julia sabia que essas imagens tinham o poder de não só destruir sua carreira como também sua vida pessoal. Com isso em mãos ela sabia que Paulo agora a tinha completamente sob controle. Como se para enfatizar o fato de que agora ela estava nas mãos daquele homem, o vibrador em sua intimidade começou a vibrar de repente, fazendo a pobre mulher dar um longo suspiro involuntário. "ahhhhh...." Paulo havia mandado Julia colocar o vibrador dentro da sua intimidade. Ele havia mostrado a ela o controle remoto e havia dito que ligaria ele por cinco minutos a cada hora. E isso foi tudo o que ele disse. Ela estava à mercê dos caprichos e fantasias desse homem. Pela quarta vez naquele dia, Julia estava sentindo o vibrador começar a se mexer, sem nenhum aviso dentro da sua buceta. Ela começou a se contorcer no assento, enquanto o vibrador se mexia inquietamente dentro dela. Ela se contorcia em sua cadeira, enquanto outras pessoas passavam pelo seu cubículo. Ela sabia que a cadeira estava ficando molhada com seus sucos que agora escorriam pelas suas pernas, mas Paulo havia lhe dito para não sair da sua cadeira sem permissão. Enquanto Julia olhava as fotos comprometedoras dela, ela se recordava do que havia acontecido no dia anterior e o tesão acumulado no seu corpo começava a aflorar cada vez mais. Ela se lembrou de como ela foi forçada a se masturbar na frente de Takeda, enquanto um vídeo dela pagando um boquete para Paulo e para o zelador eram transmitidos no estúdio. Ela sentia sua buceta começar a se contrair e suas pernas estavam cada vez mais inquietas. Em seu torpor, ela imaginou o fotógrafo de Takeda, Lucas, ajoelhado chupando sua buceta. Em seguida ela se lembrou da bela recepcionista do estúdio, Samantha. Ela não pode evitar imaginar como seria ter aquela bela mulher ajoelhada entre suas pernas, chupando seu clitóris. Enquanto o vibrador continuava a se mexer dentro da sua buceta, ela se lembrava de como ela teve que se exibir no estúdio ontem. Deitada de costas no sofá, com as pernas abertas e os dedos tocando sua própria intimidade descaradamente. Ela se lembrava de quão molhada ela estava. Ela voltou a pensar em Samantha. Ela se imaginava deitada no sofá, com a garota entre suas pernas, mordendo e lambendo seu clitóris descontroladamente, fazendo o máximo possível para levá-la ao orgasmo. Julia conseguia imaginar a voz de Takeda "Olhe a cadela está querendo gozar...". Esse último pensamento enviou um choque de prazer por todo seu corpo, deixando ela a beira de Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 330 -


um orgasmo. Revivendo o orgasmo do dia anterior, Julia perdeu o controle e atingiu o clímax, tendo um orgasmo intenso. As vibrações na sua buceta não paravam, e ela estava imersa naquele momento, quase como se tivesse sido transportada para outro lugar por apenas alguns segundos. Ela sentiu alguns orgasmos menores, vindo em seguida enquanto o vibrador continuava a se mexer na sua buceta. Uma onda de prazer percorreu seu corpo e Julia sentiu aquela sensação da cabeça aos pés, enquanto cada músculo do seu corpo convulsionava em prazer. Seu corpo por fim descansou, e ela colocou os braços sobre a mesa, se recuperando daquele orgasmo incrível enquanto seus olhos se abriam lentamente. Ela ficou chocada ao encontrar um de seus colegas, parado em frente ao cubículo com cara de incrédulo. Era Miguel, o rapaz do departamento de contas Ela se perguntava se ele havia acabado de assistir ela tendo um orgasmo. Ele começou a caminhar sem dizer uma palavra e só depois Julia pode perceber que durante todo o tempo suas mãos haviam permanecido debaixo da mesa, entre as suas pernas encharcadas. Miguel se afastou do cubículo e ajeitou suas calças brevemente. Seu pau estava a ponto de estourar dentro da cueca e ele se perguntava se havia mesmo acabado de assistir a garota mais sexy do escritório gozar em seu cubículo? Enquanto isso, Julia ainda estava tentando convencer a si mesma que ela não tinha sido flagrada pelo seu colega de trabalho em meio a um orgasmo. Ela rapidamente guardou o envelope com as fotos dentro de uma gaveta. Quando ela se levantou, ela passou a mão na almofada da cadeira, tentando esconder a mancha molhada, mas sem obter muito sucesso. Em seguida ela caminhou até o banheiro feminino para se limpar. Ela estava usando uma saia branca, e agora ela tinha uma grande mancha molhada na parte de trás dela.

ATO V Julia dormia em seu quarto no hotel enquanto imagens das últimas 48 horas corriam pela sua mente. Primeiro ela estava no estúdio de fotografia de Takeda, onde um fotógrafo tirou fotos mais do que comprometedoras dela. Em seguida, ela estava deitada no sofá do estúdio, com as pernas abertas em uma postura obscena, sendo forçada a masturbar-se na frente de pessoas que ela mal conhecia. Pra piorar, de alguma forma seu corpo tinha a traído, e ela teve um orgasmo em frente aquelas pessoas, naquela situação humilhante. Em seguida, ela se viu indo para o escritório naquela manhã, sentindo-se vulnerável e exposta, vestindo aquelas roupas impróprias. Para piorar as coisas, ela foi parada pelo segurança na entrada do prédio, por causa do seu vibrador que disparou o alarme do detector de metais. Como se isso tudo não fosse suficiente, Paulo ainda colocou o vibrador dentro de sua buceta enquanto ela estava no trabalho, fazendo com que ela tivesse repetidos orgasmos enquanto ela caminhava pelo escritório, ou trabalhava em seu cubículo. Finalmente, depois várias horas de estimulação repetida, ela teve o maior orgasmo daquele dia. Foi tão prazeroso, que sua saia e o forro da cadeira onde ela estava sentada ficaram manchados com o liquido que saia de sua intimidade. Após um tempo, com Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 331 -


aquelas imagens correndo em sua cabeça Julia finalmente conseguiu pegar no sono. Pela manhã ela foi acordada pela campainha da porta. Ela se levantou da cama, ainda sonolenta enquanto o barulho da cigarra continuava tocando insistentemente. Olhando através do olho mágico, ela viu um rapaz no final de sua adolescência, que trabalhava ali no hotel, carregando as malas. Consciente de que ela estava vestindo apenas uma camisola, ela pegou o roupão branco de banho para cobrir-se, antes de abrir a porta. Quando ela abriu a porta, ela pode ver o rapaz segurando uma sacola, que estava com as roupas escolhidas por Paulo para ela usar no dia de hoje. Ela sentiu um arrepio percorrer-lhe a espinha, quando ela percebeu o tamanho do compromisso que ela havia feito quando assinou aquele contrato com Paulo. Um direito básico como uma escolha de roupa havia sido retirado dela. Olhando a sacola que o rapaz a havia entregado, ela encontrou algumas roupas e uma pequena caixa. O mensageiro deu um sorriso e em seguida se retirou do quarto enquanto Julia fechava a porta e examinava com mais cuidado a sacola que havia sido enviada pra ela. Havia uma blusinha tomaraque-caia vermelha, um blazer bege, uma mini-saia drapeada preta, bem como uma lingerie cor de vinho, que era composta por um sutiã sem alças e uma calçinha fio dental que era semitransparente na parte da frente, com um laçinho de renda. Na caixa, ela encontrou um par de brincos de argola prateados, e uma tornozeleira prateada, com duas pequenas miçangas azuis na corrente. Havia ainda um bilhete de Paulo dentro da caixa. Nele dizia que a partir de agora ela deveria usar sempre a tornozeleira, independentemente de ela estar acordada ou dormindo, vestida ou nua. E que o não cumprimento teria "conseqüências para ela". Quarenta e cinco minutos mais tarde, Julia estava no caminho para o trabalho. Ela estava realmente contente que o comprimento da minissaia chegava pelo menos ao meio da sua coxa. Em comparação com a impossivelmente curta micro-saia que ela teve que vestir no dia anterior, essa podia até ser chamada de recatada, embora ainda fosse curta. Antes de tudo isso começar, ela costumava usar roupas que balanceavam tão bem o seu lado atraente, mas que ao mesmo tempo mostrava profissionalismo, e agora ela olhava para si mesma, no banco de trás do táxi, mantendo conscientemente suas coxas juntas para não mostrar demais. Ela nunca sonhou que estaria usando algo tão curto para trabalhar. Se ela não fosse cuidadosa quando ela se sentasse, ela com certeza acabaria mostrando sua calcinha no escritório. “Pelo menos é maior do que a de ontem” ela pensou. Por causa do vibrador na sua bolsa, o alarme novamente disparou quando ela passou pelo detector de metais no prédio. Os seguranças riram, mas deixaram que ela passasse sem mais constrangimentos dessa vez. Entrando no elevador, ela viu um rapaz que trabalhava no mesmo escritório que ela, mas tentou evitar o contato visual. Julia tinha consciência, de como ela parecia com aquelas roupas provocantes, sem contar o brinco de argola e tornozeleira na sua perna. "Bom.. Dia ..Senhorita...Digo... Julia.." Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 332 -


Relutantemente Julia fez contato visual com aquele homem alto e esguio e reconheceu-o. "Olá. Bom dia, hum... Toni .. certo? " "S-sim, sim, é Toni." gaguejou como sempre fazia. "Você está... muito bonita hoje.”, continuou ele, com um sorriso largo no rosto. "Obrigado," disse Julia, sorrindo educadamente, ainda de cabeça baixa, pensando no porque de o elevador demorar tanto para chegar até o andar. Ela ficava dizendo a si mesma que aquilo havia sido apenas um comentário inocente. Mas sua mente imaginava que o rapaz estava olhando lascivamente para suas pernas nuas, sob a mini-saia. "Tchau...", ela disse a ele, enquanto caminhou naqueles saltos altos, quando a porta do elevador finalmente se abriu. Ela se dirigiu até o escritório de Paulo, e a ali ela recebeu mais uma má noticia. "Como assim, ele sabe?" Julia perguntou com indignação no seu tom. Paulo estava sentando confortavelmente na sua cadeira de couro, atrás da mesa, com seu olhar presunçoso. "Bem, você não foi exatamente cuidadosa quando você desviou dinheiro da empresa, minha querida. Eu tentei ao máximo esconder, mas o garoto novo da contabilidade é daqueles que querem mostrar serviço quando chega numa empresa. Pois bem, ele encontrou várias discrepâncias nas contas da empresa. Felizmente, ele veio até mim.” Ele falou calmamente enquanto brincava com uma caneta entre os dedos, e olhava a reação de Julia. Julia não conseguia encontrar as palavras para expressar sua frustração. Ela estava frustrada com sua própria estupidez, frustrada que apesar de tudo que ela havia feito, com as humilhações que ela havia passado. Agora tudo estava prestes a desmoronar. "Então o que fazemos agora?" perguntou ela, impotente. "O que você sugere?" Paulo perguntou-lhe de volta. Julia não tinha resposta. Paulo suspirou alto, e levantou-se. "Que isso sirva de lição pra você Julinha. Você precisa cobrir seus rastros, principalmente quando está roubando dinheiro da empresa. Se você rouba, não seja pega." Ele caminhou até Julia, ficando frente a frente com a jovem mulher. Paulo a olhou nos olhos e disse: "Como você tem sido uma boa menina e obedecido todas as ordens, eu conseguir convencer o Miguel a não ir até a polícia ou ao Sr. Hiroshi. Eu expliquei a ele que você já está sendo punida.". "Essa roupa ficou simplesmente perfeita em você", ele comentou, dando um passo para trás, e lançando um olhar de admiração em direção de Julia, enquanto a analisava da cabeça aos pés. Antes que Julia pudesse responder, Paulo continuou "Miguel quer saber mais Julia. Ele quer saber como você está sendo punida. Tire seu blazer”. Sem esperar pela resposta da garota, ele simplesmente tirou o blazer do corpo de Julia. "Mas o que ele quer? O que você vai fazer?" ela perguntou com sua voz tremendo.

Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 333 -


"Eu diria que, no pior cenário, Julia, você coloca essa sua boquinha safada no pau dele pelos próximos dias. Como você fez comigo. Você o chupa em troca de silêncio. Bem, você já pagou um boquete para o zelador, então... não pode ser pior do que aquilo não é?” Julia cerrou os dentes, pensando em como toda aquela situação era humilhante. Toda a humilhação que ela havia sofrido até agora Paulo, estava prestes a ficar pior. Mas se ela não seguisse em frente, tudo ao que ela havia se submetido até agora, teria sido em vão. "E o melhor cenário possível?" ela conseguiu perguntar. "O melhor cenário, bem, talvez ele simplesmente goste de ver sua punição. Talvez ele fique contente em apenas assistir você me chupar na frente dele. Talvez isso o excite e você só precise tocar uma pra ele!” Indignada Julia balançou a cabeça negativamente e falou com obstinação. "Não, de jeito nenhum! Isto já foi longe demais, Paulo. Eu fiz tudo o que eu podia. Você não pode me obrigar a fazer isso. Tínhamos um acordo. Eu deveria ser capaz de pagar o dinheiro que eu roubei com aquelas fotos que você tirou de mim." “Julia querida, o acordo foi que eu ajudaria você a pagar divida. Eu estou tirando do meu próprio dinheiro pra lhe ajudar, e mesmo com as fotos, você sabe que não está nem perto de pagar aquilo que você roubou da empresa.” Paulo falou, enquanto caminhava de volta para sua cadeira e se sentava. "Eu vou encontrar alguma outra maneira de pagar isso de volta! Me dê uma semana." Julia implorou. "Por favor". "Ok, vamos dizer que você consiga pelo menos uma parte desse dinheiro e que eu não fale nada. E se o Miguel colocar o meu nome junto ao seu no relatório? Eu vou me tornar seu cúmplice! Eu já sou seu cúmplice, por estar escondendo tudo do Sr. Hiroshi. Sem chances minha querida. Você assinou um acordo comigo e agora você vai até o fim. Você obedece às instruções e pronto, do contrário, eu não vou mais lhe ajudar e vou contar toda a verdade. Simples assim." "Então eu vou pra cadeira, seu chantagista mentiroso." Julia falou, aumentando seu tom de voz. Ela simplesmente não queria ter chupar mais uma pessoa nesse escritório. Se isso seguisse, ela não sabia onde iria parar. "Há coisas piores do que ir para a cadeia, sua puta." O tom de Paulo mudou rapidamente. Antes calmo, agora ele estava irritado. "Hmm. O que temos aqui na tela do meu computador. Fotos de você desfilando, usando apenas roupas intimas. Isso é realmente um ótimo papel de parede, você não acha?” Ele virou a tela do computador e Julia viu as fotos que haviam sido tiradas. Fotos tiradas no estúdio de Takeda, em que ela estava usando trajes íntimos minúsculos. "Eu gosto desta." Paulo clicou na imagem, ampliando-a na tela. Julia estava posando com seus dedos polegares no elástico da parte inferior do biquíni, puxando-o sedutoramente até a metade. Ela não havia percebido que tinha puxado um pouco demais e que a parte de cima de seus pelos pubianos podiam ser vistos. “E se eu enviar esta para o seu namorado agora? Pelo que eu sei, ele esta no exterior fazendo um Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 334 -


curso. Será que ele vai gostar de saber que sua adorável namorada faz enquanto ele não está em casa?” Perguntou Paulo ironicamente, enquanto ele abria o seu e-mail e anexava à foto. "Você, você não sabe o e-mail do meu nam..." ela começou a dizer, mas, em seguida, se silenciou ao ver Paulo digitar o e-mail do rapaz na tela. "Espere!" Era tarde demais. Paulo já havia anexado à foto no e-mail. Ainda irritado, ele foi atrás de outra foto. "Que tal essa? Você está mostrando seus seios, você gosta?" Esta era a foto que Takeda havia tirado a força, depois de puxar a parte de cima do seu biquíni também a força. O fotografo tinha capturado com perfeição o olhar de espanto em seu rosto, mas o que estava em destaque na foto eram seus belos seios que ela não havia conseguido esconder completamente com seus braços. Os mamilos estavam claramente visíveis na imagem. "Não! Não! Pare!" ela implorou, segurando em seu braço, pedindo-lhe para parar. Se seu namorado visse essas fotos, estaria tudo acabado... Ela não podia perdê-lo! Ela não podia correr o risco de ele mostrar essas fotos para seus familiares. Ela sabia então, naquele momento, que mais uma vez, ela estava sob o controle absoluto de Paulo. "Eu vou fazer o que você mandar.", ela disse humildemente. Miguel tinha saído recentemente da faculdade e se juntado a empresa a mais ou menos um mês. A primeira semana já tinha sido suficiente pra que ele notasse quem eram as mulheres mais gostosas do escritório. Havia Mirelly, alta, que tinha uma pele branca como a neve e cabelos negros, longos e brilhosos, além de um belo e chamativo par de seios. Ela era linda. E tinha Julia. Magra, não tão alta, mas tão bela quanto. E ela tinha algo que mexia com o rapaz. Era como nas suas fantasias adolescentes. Como Paulo tinha dito a Julia, Miguel tinha detectado algumas discrepâncias nas contas, e tinha ido ver Paulo no escritório. Ele escutou Paulo explicar-lo sobre um projeto confidencial que ele estava trabalhando junto com Julia, e seu chefe o Sr. Hiroshi. Miguel, sendo inexperiente no mundo corporativo, não suspeitou de nada. Paulo tinha mentido para Julia. Ele simplesmente viu uma oportunidade de humilhar ainda mais a mulher fazendo ela pagar outro boquete para outra pessoa que trabalha no escritório. Miguel recebeu um telefonema de Paulo naquela manhã, pedindo-lhe para trazer os arquivos que ele lhe mostrou alguns dias atrás. Quando Miguel entrou em seu escritório, seu coração quase saiu pela boca, quando ele viu que Julia estaria lá, para ouvir tudo. "Paulo. Julia." ele cumprimentou-os com um sorriso, em seguida gesticulou para que Miguel se sentasse. Sem palavras, Miguel se sentou enquanto ele olhava para sua sexy companheira de escritório, que usava aquela saia tão curta e aquela tornozeleira brilhante logo acima de seu calcanhar. "Certo", Paulo disse "como havíamos combinado, você apresentará os arquivos na segunda, Julia.". Julia assentiu, mas não disse uma palavra. Miguel pensou que ela parecia tensa. "Agora, vamos falar sobre estes arquivos que você me mostrou no outro dia Miguel.", Falou Paulo, pegando os arquivos. Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 335 -


"Este material é altamente confidencial, Miguel, você sabe. Este é o projeto que estamos trabalhando aqui, com Julia. Ela prometeu se empenhar e fazer a parte dela, não é mesmo Julia?". "Sim senhor." ela respondeu calmamente, e depois olhou para Miguel. Miguel ficou surpreso que Julia chamou Paulo de "senhor". No escritório normalmente seria bastante informal, e mesmo ele, um novato, poderia chamar Paulo pelo seu primeiro nome. Apenas os chefes de departamento e executivos seniores eram tratados dessa forma. O que foi ainda mais surpreendente foi que durante o período que ele trabalhou na empresa, ele já tinha ouvido inúmeras histórias sobre como Julia e Paulo não se batiam, e sempre discutiam, e agora, ela estava aqui no escritório de Paulo, de forma tão calma e gentil. "Você está surpreso Miguel, que Julia e eu estamos trabalhando em conjunto? "Paulo perguntou com um brilho nos olhos." Você não sabia que já namoramos antes?”. Julia quase se encolheu, quando ouviu aquelas palavras, mas ao invés disso, ela se manteve indiferente com medo que Paulo se irritasse novamente. Claro, que ela já havia almoçado com ele algumas vezes, mas era mais por cortesia do que por qualquer interesse na pessoa dele. Ela se lembrou de que em um dos almoços ele tentou colocar a mão em sua coxa, e foi quando ela se irritou com ele e não mais almoçou com ele. Além do mais, ela tinha um namorado, e ele sabia disso! "Não, eu não sabia disso." Respondeu Miguel, ainda um pouco desnorteado. "Nós não estamos mais juntos, mas... você sabe... às vezes gostamos de relembrar os velhos tempos, se você me entende.", ele piscou, colocando a mão na coxa de Julia. Apesar de Julia continuar imóvel em sua cadeira, ela sentiu arrepios em sua pele com o toque de Paulo. "Semana passada, ela estava me chupando! Bem aqui nesta sala!" Paulo declarou com orgulho em seu rosto enquanto Julia imediatamente corou. Ela olhou para Paulo com ódio nos olhos, mas não se atreveu a negar o que ele acabara de falar. "São esses tipos de coisa que ela gosta de fazer, não é mesmo Julia?", acrescentou. "Hum .. Talvez eu deva voltar ao meu trabalho agora", disse Miguel, inquieto, enquanto começava a se levantar. Foi à vez de Julia ficar surpresa com a reação do rapaz, mas ela não teve muito tempo para considerar o que aquilo significava. "Julia!" Paulo disse com firmeza, "Miguel parece entediado, uma vez que ele quer ir embora. Você não está fazendo a sua parte." Miguel ficou ainda mais confuso. Julia olhou para Miguel, e depois olhou de volta para Paulo novamente, antes de responder calmamente, enquanto olhava para o chão. "Sim, eu chupei o Paulo aqui mesmo nesse escritório, e eu adorei fazer isso." Miguel engoliu um seco. Ele lembrou-se que apenas alguns dias atrás, ele pensava ter visto Julia ter um orgasmo em seu cubículo. Mas a idéia de que essa gostosa estaria se masturbando no seu Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 336 -


cubículo, enquanto havia pessoas caminhando ao redor do escritório era quase irreal, e assim ele se convenceu de que ele havia imaginado aquilo. E depois na semana passada, ele se lembrou de ter visto ela na escada, entre o primeiro e segundo andar do escritório, usando uma das saias mais apertadas e curtas que ele já havia visto. Ele podia ver as nádegas dela, e uma mancha escura, que ele não sabia dizer se era uma calçinha preta ou a buceta dela. Essa imagem ficou fresca em sua mente, durante toda a semana e fez parte das suas sessões de masturbação. Ele não conseguia tirar da cabeça a imagem daquela bela mulher desfilando ao redor do escritório usando aqueles trajes minúsculos. Agora tudo parecia fazer sentido. E se Julia estava de fato tendo um caso com Paulo. E se ela fosse realmente tão safada quanto Paulo estava insinuando que ela era. Isso poderia explicar tudo o que ele havia testemunhado. "Meu Deus" pensou Miguel. Ele nunca imaginou que ela fosse de fato uma vadia, mesmo que ele fantasiasse isso. "Ela ainda traz um vibrador para o escritório, para saciar o tesão dela enquanto ela pensa nas coisas pervertidas que ela já fez, não é Julia? ", perguntou ele, enquanto sua mão direita lentamente flutuava até o lado do pescoço de Julia, acariciando a bochecha dela. "Não é mesmo, Julia?" Ele repetiu. "Sim... É verdade." Julia respondeu, enquanto seus olhos encaravam Paulo. A voz dela era quase um sussurro. Ela se sentia envergonhada ao admitir essas coisas que de fato eram verdade. Ela realmente havia gozado com o vibrador zumbindo dentro da sua intimidade, enquanto estava sentada em sua mesa. Ela não havia conseguido se conter após Paulo remotamente ligar e desligar o vibrador, deixando-a sempre a beira do orgasmo, durante todo o dia no escritório. A sua calcinha e saia estavam molhadas com sua excitação e quando ela finalmente cedeu, foi justamente o momento em que Miguel passou pelo seu cubículo e testemunhou seu orgasmo. O dedo de Paulo traçou uma linha ao longo da mandíbula de Julia, e mudou-se para seus lábios, começando um movimento lento circular em torno deles. Miguel só ficou lá assistindo, com os olhos bem abertos, espantado que Julia estivesse permitindo tudo isso sem nenhum sinal de protesto. E tudo isso, bem na sua frente. Paulo passou o dedo pela boca de Julia. "Chupe!" ele ordenou suavemente, fazendo com que apenas Julia escutasse seu pedido. Ela lentamente fechou a boca em torno de seu dedo, e começou a movê-lo para dentro e para fora de sua boca. Ele sacudiu o dedo na boca de Julia, enquanto ria, ao ver mais uma nova onda de humilhação tomar conta de Julia. Finalmente, ele puxou o dedo de sua boca, e correu-o lentamente ao longo de seus lábios molhados. "Faça sua mágica", Paulo guiou as mãos dela até o seu colo, "Vamos mostrar a Miguel o quanto você ama ter um pau em sua boca".

Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 337 -


Miguel já tinha uma ereção pressionando sua calça, enquanto ele assistia Julia chupar o dedo de Paulo. Quando ela começou a se ajoelhar entre as pernas de Paulo, a ereção aumentou ainda mais, quase de forma dolorosa, em suas calças. Os dedos de Julia retiraram o cinto de Paulo, e Miguel observava que Paulo tinha um grande controle sobre Julia e estava ostentando este poder. Julia agora de Joelhos, abriu o zíper da calça de Paulo, liberando seu pênis semi-ereto da cueca. Ela então colocou o a cabeça do pau dele em sua boca, usando uma mão para bombear o eixo enquanto chupava o pau de Paulo. Miguel ficou preso ao seu assento, observando a incrível cena que se desenrolava à sua frente. "Você nasceu pra isso. É um talento natural." Paulo comentou, mostrando o quanto ele estava gostando daquele boquete. Enquanto Julia chupava, ele dava gemidos de aprovação. "Sua boca foi feita apenas pra isso. Ela se encaixa de forma perfeita no meu pau. Uhh. Mmm, isso... Coloca ele todo na boca... até a garganta... Ahhhhh ... Sim... Agora lamba minhas bolas. " Finalmente, depois de vários minutos, Paulo não pode mais se segurar. Ele agarrou a parte de trás da cabeça de Julia com as duas mãos, e pressionou com firmeza em direção do seu pau. Miguel assistia e notava o quão lindo era a visão da boca de Julia recheada por aquele pau. "Eu estou gozando, sua putinha safada... Na sua boca... AHHHHHHHH!" ele berrou, enquanto depositava jatos de esperma quente na boca de Julia, uma boa parte diretamente em sua garganta. Depois de mais alguns movimentos, Paulo relaxou em seu assento e soltou a cabeça de Julia, que lentamente retirou o pau dele de sua boca. "Agora, me diga o que você achou Miguel?" Paulo piscou para o atordoado executivo de contabilidade, enquanto fechava o zíper de sua calça.. Miguel tentou voltar à racionalidade enquanto observava Julia preocupada em limpar os restos de porra que haviam escapado de seus lábios com a mão. "Isso foi sensacional." Miguel exclamou. "A nossa querida Julia aqui realmente ama o gosto de esperma, não é mesmo Julia?" Paulo perguntou, rindo, enquanto olhava pra ela. Julia estava tentando decidir o que fazer com o esperma do homem em sua boca. Ela não tinha saída, e apenas acenou com a cabeça em concordância. "Por que você não abre a boca, e mostra-nos o quanto da minha porra você tem ai dentro, antes de engolir tudo?" Paulo pediu. Julia lentamente abriu a boca, exibindo o esperma quente e pegajoso misturado com sua saliva em sua língua. Neste momento, Miguel quase gozou em suas calças. Seu pênis estava duro como uma pedra e ele precisava desesperadamente se “aliviar”. Miguel olhou Julia engolir a porra de Paulo e em seguida abrir a boca de novo, para mostrar que ela Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 338 -


realmente tinha feito isso. "Olha o que você fez com o pobre Miguel aqui Julia!" Paulo disse, inclinando a cabeça na direção de Miguel, apontando para a clara ereção na calça do rapaz. "Você precisa de algum alívio Miguel?" Paulo perguntou. Miguel não podia acreditar em seus ouvidos. Esse cara estava realmente oferecendo a namorada dele para chupar o seu pau? "Julia gostaria de ajudá-lo, não gostaria Julia?" Ele continuou. Julia assentiu, e depois caminhou um pouco para frente, ainda de joelhos, até onde Miguel estava sentado. Ele apenas ficou lá em transe, observando a sua bela colega de escritório se aproximando dele. Ela parecia incrivelmente sexy, com um pouco de porra ainda escorrendo em seu queixo. Os ombros magros descobertos por aquela impressionante blusinha vermelha, os joelhos no chão, com os pés ainda vestindo seus saltos altos. Os brincos de argola de prata enfatizavam ainda mais seu pescoço sexy, enquanto ela se movia. Enquanto Julia desfazia suas calças, e libertava seu pênis extremamente ereto de dentro da cueca, Miguel sentiu a pressão se acumulando. Ele estava notando cada detalhe do rosto bonito desta bela e sexy jovem, que estava ali ajoelhada, a poucos centímetros do seu pênis. Ele sentiu o toque fresco da mão da garota em seu pau e antes que ele percebesse, ele estava começando a gozar. "Ohhhhhhh, por favor, não pare! Oooohhhhhh." Ele gemeu, agarrando os braços da cadeira com tanta força que seus dedos ficaram brancos. Jatos de porra cobriram a mão de Julia que ainda segurava o pênis do rapaz. Miguel se recuperava lentamente daquele incrível orgasmo, ciente de que Julia tinha se afastado um pouco dele. Ele notou a mão dela ainda envolta do seu pau, coberta com esperma. Ela se virou para olhar para Paulo. "Você sabe o que a Julia mais ama?". Paulo comentou, com um sorriso em sua cara. Miguel observava com espanto, enquanto Julia lambia a porra ainda quente da sua mão. "O que foi que eu disse Miguel." Paulo se vangloriou: "Julia, não só adora um bom boquete como ela simplesmente ama o gosto do esperma.". "Acho que já tivemos nossa diversão por hoje. Miguel, eu vou ter que pedir para se retirar do meu escritório agora. Eu tenho alguns negócios para discutir com Julia.”. "Sim, claro, eu te vejo mais tarde Paulo E... ah... você também Julia... até mais tarde”, Miguel disse apressadamente antes de se retirar dali. Enquanto Miguel voltava para o seu cubículo, ele estava praticamente pulando de alegria, mas se culpando por ter gozado tão cedo. “Será que ela teria me chupado se eu não tivesse gozado tão cedo. Cara, eu amo trabalhar nesta empresa!" Miguel pensou, enquanto caminhava ainda Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 339 -


relembrando de tudo que acabara de acontecer. PS: Desculpem o tempo sem escrever, foi complicado, mas estou de volta. Vou tentar atualizar os contos. Próxima semana já devo atualizar Rebeldia e depois na próxima o da Avril.

ATO VI Era segunda-feira de manhã, e Julia estava em seu quarto no hotel. Como na semana passada, as roupas que ela deveria usar no escritório foram entregues em seu quarto pelo mesmo mensageiro que havia entregado da outra vez. No dia anterior, ela havia estado no estúdio de fotografia de Takeda novamente. Takeda tinha elogiado as fotos que ela havia tirado de biquíni na última sessão e havia dado a Julia um cheque, pelos seus serviços. Julia ficou bastante aliviada ao saber que de fato ela seria paga, como Paulo havia dito. Ela precisava desse dinheiro para pagar de volta o valor que ela tinha roubado. Mas ela nem pode comemorar, pois logo Takeda a informou que esse cheque também cobriria a próxima sessão de fotos de Julia que aconteceria naquele dia. Se na primeira, Julia teve que usar biquínis, agora ela seria fotografada em lingeries. No seu quarto de hotel, ela balançava a cabeça em desgosto ao lembrar as lingeries minúsculas que ela teve que usar enquanto era fotografada por Takeda no dia anterior. Mas pelo menos ela tinha recebido alguma coisa por aquilo. Ela tinha certeza que dentro de um mês ela conseguiria pagar essa divida e se livrar desse pesadelo. Ela ficou surpresa quando o mensageiro lhe entregou um envelope junto com a sacola que tinha seus trajes. Dentro do envelope havia um bilhete, e nele estava escrito instruções. Julia teria uma escolha naquele dia sobre o que vestir, mas a escolha não seria dela. Ela teria que vestir os dois conjuntos de roupas e modelar para o mensageiro, para que ele decidisse qual ela iria usar. Havia uma camisa social branca de botões (para ser usada com os dois botões superiores abertos) com um sutiã de renda preto, com transparências na frente. A outra escolha era uma apertada camisa com tiras pretas na parte superior dos seios com um blazer e um sutiã push up rosa, com transparências na parte da frente. Havia também uma longa saia preta, com uma longa abertura na lateral (a abertura ia até o meio da coxa) com uma minúscula calçinha fio dental preta com um nó em cada lado. A outra opção era uma mini-saia bege que era um tamanho menor do que o de Julia, com uma calcinha fio dental bege feita de material muito fino. Julia engoliu seu orgulho enquanto ela foi forçada a usar aquelas roupas na frente do mensageiro do hotel, que obviamente estava mais do que feliz em estar naquela posição. Para completar sua humilhação, havia um par de saltos altos de oito centímetros. Um par de horas mais tarde, Julia, apreensiva, entrou na sala de conferência de sua empresa, vestindo a camisa branca de botão com dois botões de cima desabotoados, com o sutiã preto, e aquela mini-saia apertadíssima. Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 340 -


Na sala havia oito homens e duas mulheres, cada um com diferentes cargos e funções na empresa. Seu chefe, Sr. Hiroshi, e o chefe de Paulo, Sr. Ko também estavam lá. Julia torcia para que Miguel não estivesse ali, mas a sorte de Julia estava indo de mal a pior nos últimos dias, e logo ela notou o rapaz sentado na outra extremidade. Ela só esperava que ele não notasse o vibrador que estava firmemente pressionado contra sua buceta, estimulando seu clitóris, dentro da calçinha. Miguel sorriu, quando a viu entrar. Ela parecia surpreendentemente sexy como de costume. Paulo chamou-a, e pediu-lhe para se sentar ao seu lado, na frente de toda a sala. Julia pode notar pelos slides que estavam aparecendo na tela, que ele já havia começado a apresentação. Enquanto Julia sentou-se, ela notou o quão difícil era se manter sentada enquanto usava uma saia tão curta. Ela tinha que se esforçar bastante para não acabar mostrando uma parte de sua virilha para as outras pessoas na sala. Ela tinha certeza de que todos os olhos dos homens presentes ali estavam diretamente focados em suas penas, enquanto Paulo continuava a falar. Ela ficou um pouco receosa ao notar que o Sr.Almeida estava olhando para ela. Almeida tinha uma reputação de trocar de secretarias com certa freqüência. Julia finalmente teve que se levantar a pedido de Paulo, para ajudá-lo na apresentação. Quando ela começou a falar, ela sentiu uma vibração dentro de sua calçinha. "Uhhh..." ela gritou baixinho, tropeçando meio passo para frente, enquanto sua mão direita segurou no encosto de uma das cadeiras. "Você está bem, Julia?" Paulo indagou, fingindo alguma preocupação. Julia queria estrangulá-lo com suas mãos. Ela estava ciente de que ele havia apertado o botão do vibrador com seu controle remoto. Miguel olhou para cena atentamente, vislumbrando a corrente em torno do tornozelo de Julia, que agora tinha três contas, em vez de duas, como no outro dia. "Err. sim .. Eu estou bem." ela respondeu, enquanto recuperava o equilíbrio. Ela tentava impedir suas mãos de irem até a sua virilha, enquanto o vibrador agressivamente enlouquecia ela. Mais cedo naquela manhã, Paulo a havia chamado Julia até a sala de reuniões. Eles estavam sozinhos e faltava cerca de uma hora pra reunião. Ela sabia que ele queria que ela fizesse a apresentação com ele e suspeitava que tudo aquilo fosse apenas por diversão. Ela achava que ele queria que seus chefes e colegas o vissem dando ordens a ela enquanto ela usava aquelas roupas reveladoras. Mal sabia ela que os planos de Paulo para ela eram ainda mais humilhantes. Quando ele falou sobre o vibrador, ela não aceitou. Ela já havia usado um vibrador enterrado em sua vagina enquanto ela caminhava pelo escritório na semana anterior. Julia se lembrou das sensações de que não conseguir se conter até chegar ao ponto de se masturbar no seu cubículo até que ela finalmente chegasse ao clímax. Aquilo já havia sido humilhante, mas isso era diferente. Ela estaria numa sala com seus chefes e Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 341 -


colegas de trabalho, enquanto um vibrador estaria zumbindo dentro de sua vagina. Isso estava totalmente fora de questão! Se eles descobrissem ela estaria arruinada. "Você é doente” Julia disse a Paulo. "Eu meio que esperava essa resposta", Paulo sorriu com confiança enquanto ele sentou-se na mesa com uma perna ainda no chão, "é por isso que eu preparei este pequeno vídeo para mostrar a todos antes da apresentação. " Ele pegou o controle remoto e apertou alguns botões "Boa garota..." Julia ouviu a voz familiar no sistema de áudio. A imagem na tela grande entrou em foco e Julia viu-se na tela praticamente nua, de quatro. “Vamos dar uma volta, minha cadelinha.", o homem continuou a falar, puxando a coleira amarrada ao colar de couro preto em volta do pescoço de Julia. A menina dócil no vídeo estava de topless, e vestindo uma ínfima parte inferior do biquíni que mostrava sua bunda quase completamente. Este vídeo havia sido capturado por diferentes ângulos. Havia pelo menos quatro câmeras ocultas no estúdio onde a sessão de fotos havia ocorrido. Julia empalideceu, olhando para a tela. Ela podia imaginar todos na sala de reuniões rindo. Rindo dela. Julia já tinha visto as fotografias que haviam sido tiradas sem o seu consentimento no estúdio de Takeda, mas isso era pior... muito pior. Agora não eram fotos e sim a imagem viva de si mesma, rastejando de quatro como uma obediente cadelinha. O devaneio de Julia foi interrompido por Paulo dizendo-lhe: "Vamos prosseguir com a apresentação?”. Julia olhou para todos os rostos olhando para ela, enquanto o vibrador zumbia muito ligeiramente em sua vagina, criando uma sensação crescente de calor perto de seu clitóris. Sem poder suportar a idéia de que todas essas pessoas iriam poder ver aquele vídeo dela, se comportando como uma cadela, engatinhando no chão, ela tinha aceitado as exigências de Paulo, deixando-o colocar o vibrador que ele carinhosamente chamou de “borboleta” sob a sua calcinha fio dental, e por cima do seu clitóris. O vibrador foi projetado para ficar em uma posição que deixava Julia bastante sensível, e ela sentia sua virilha se contraindo a cada minuto. Durante dez minutos, Julia apresentou os slides, se esforçando para se concentrar enquanto as vibrações em sua intimidade cresciam em intensidade gradualmente. Paulo estava aumentando lentamente a velocidade através de seu controle remoto. Ela podia sentir a calcinha fio dental ficar encharcada com seus sucos. Muito em breve, seus sucos iriam correr pela suas pernas. Ela viu as estranhas expressões nos rostos daquelas pessoas. Era como se eles se perguntassem por que ela estava falando tão lentamente e de forma tão arrastada. Por que vez outra ela estava soltando esses barulhos estranhos ".. Altos ren... ren...dimentos são esperados para o pró... próximo ano... ", ela disse, enquanto lutava para manter a compostura. Ela não podia ter um orgasmo durante aquela apresentação na frente de seus chefes! Miguel estava olhando com uma expressão feliz no rosto e Paulo simplesmente fingiu não notar Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 342 -


nada, mas ele estava com as mãos nos bolsos. "Ok, obrigado Julia." Paulo disse, quando ela apresentou o último slide. E então, o vibrador também parou. Seu rosto estava um pouco ruborizado pela a aproximação de um orgasmo. Paulo se levantou, e pegou uma pilha de pastas. "Agora nós vamos dar a cada um de vocês uma pasta com os dados e informações que acabamos de apresentar. Dêem uma boa olhada e caso tenham alguma pergunta, eu estou aqui para tirar as dúvidas. Caso não tenham perguntas, nos encontraremos na próxima semana. Muito obrigado. Opa!" Um par de pastas escorregou das mãos de Paulo, e caiu no chão. Vários papeis caíram e se espalharam pelo chão. "Julia, você se importaria de me dar uma ajuda e pegar esses papéis enquanto eu tento terminar por aqui". Julia corou ligeiramente, enquanto ela inclinou a cintura para tentar pegar os papéis no chão. Ela sabia que o Sr. Ko, que estava sentado em frente a ela, estava tendo um vislumbre de seu sutiã, enquanto ela se debruçava para frente. Enquanto ela pegou os outros papéis, ela sorrateiramente virou-se para que ele não pudesse olhar diretamente para debaixo de sua blusa. "Há um no canto, ali debaixo da mesa Julia". Paulo apontou, enquanto ele fingiu estar ocupado falando com uma executiva na sala. O papel havia caído no pior lugar possível e Julia percebeu que ela não tinha escolha a não ser se abaixar em uma posição desconfortável para alcançar o papel. Quando ela encostou os joelhos no chão, ela percebeu tarde demais, que sua saia era muito curta para ela se abaixar de forma decente. Todos os executivos do sexo masculino na sala estavam acompanhando a jovem com extremo interesse, enquanto ela ia sob a mesa para recuperar o documento. Sua saia subiu até sua coxa, enquanto ela se inclinou para frente, e mesmo assim ela ainda não conseguiu alcançar o papel. Com o rosto vermelho, ela se inclinou ainda mais, colocando seu cotovelo como suporte para que ela não caísse enquanto ela pegava o papel. Ela sabia que, neste ponto, todos atrás dela podiam ver através de sua saia ultra-curta, e estavam tendo um bom vislumbre de sua bunda nua. Ela lembrou-se e lamentou o fato de a calçinha fio dental que ela estava usando cobrir apenas a parte da frente, e deixar suas nádegas completamente expostas. Sr. Ko estava quase tendo um ataque cardíaco observando-a naquela posição, expondo sua bunda nua para ele. O rosto de Julia ficou vermelho e o único conforto era que ninguém podia ver o rosto dela de onde ela estava. Na verdade, todos os homens estavam olhando fixamente para a bunda dela, enquanto tentavam esconder suas ereções. Sr.Almeida conseguiu ver seus pêlos púbicos espreitando para fora daquele minúsculo pedaço de roupa que mal cobria os lábios da buceta de Julia. Ele mentalmente tentou salvar esta imagem em sua cabeça, para uma sessão de punheta mais tarde. Alguns dos homens sentados mais perto realmente podiam ver a mancha molhada na calçinha da garota. Julia levantou-se com o documento e ajustou sua saia. Entregando-o a Paulo com pressa, ela saiu da sala rapidamente. Os homens se perguntou se era o cheiro de sua vagina que pairava no ar. Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 343 -


Miguel sorriu, pois ele reconhecia aquele aroma. "Julia." alguém a chamou por trás. Julia virou-se no corredor, e viu o chefe de seu departamento chamando-a. "Sim Sr. Hiroshi?" "Por favor, venha me ver no meu escritório."

Contos Imor(t)ais - CHANTAGEADA PELO COLEGA – 344 -


OS CASEIROS Olá, meu nome é Natália P. Moro em Presidente Prudente. Sou branquinha, baixa, peitos médios e bunda empinadinha. Não tive muitas relações sexuais, até porque só tive um namorado, e por apenas 3 meses. Apesar disso, não me considero recatada, nem uma "santa?. Me masturbo regularmente (acho que ninguem imagina isso de mim, pois todos me veem como essa 'santa'), e não é por falta de vontade que o sexo não é regular em minha vida. Talvez essa falta de sexo, me motivou a ter alguns desejos e pensamentos 'proibidos' e inimagináveis pra qualquer pessoa que me conheça. Sempre vejo na internet vídeos de gang bang, e fico muito excitada, imaginando como seria se eu tivesse ali. Apesar das poucas transas, acostumei minha bocetinha a ser penetrada, com alguns grandes 'brinquedinhos' secretos. Acho que todos me enxergam como uma menina virgem e que se preocupa muito mais com os estudos do que com o sexo. Nem imaginam a devassa que me tornei... Bom, esse fato ocorreu em um fim de semana em que fui passar no sítio de minha família em Presidente Prudente. Meus pais foram fazer compras na cidade, e fiquei sozinha em casa. Bem, completamente sozinha não, pois só tinham os caseiros, mas que pouquíssimas vezes os via. Resolvi passear, e andar a cavalo. Como dificilmente via os caseiros, fui bem à vontade, com uma blusinha curta, um mini shorts e uma calcinha micro. Até ai, tudo normal. Até que algo que vi acendeu aquele fogo dentro de mim: quando estava pronta para montar no cavalo, o bicho tava com o seu 'mastro' totalmente ereto. Me assustei, foi estranho, senti nojo e tesão ao mesmo tempo Numa primeira reação, pensei em se afastar dele, mas não consegui, eu tinha que pelo menos tocar naquele tronco. Então fui me abaixando até ficar bem perto dele, olhei ao redor, pois fiquei com medo de algum dos caseiros me flagrar naquela situação. Então toquei bem devagarinho nele, alisando, até que aquele negócio foi aumentando ainda mais de tamanho. Foi ficando maior e mais duro, percebi então que o cavalo tava gostando. Aquele medo que sentia de alguem aparecer foi se transformando em algo excitante. Quando me dei conta, já estava masturbando o cavalo com as duas mãos, e como são bem pequenas, nem as duas davam conta de segurar aquele negócio. Senti minha calcinha encharcar de tão excitada que tava, não resisti, e comecei a lamber o pinto do cavalo, até resolver tirar meu shorts, ficando só de blusinha e a micro calcinha. Então comecei a me masturbar também. Nunca me senti tão vadia na minha vida, mas não estava nem aí, o tesão não me deixava raciocinar direito. Comecei a chupar cada vez mais, e enfiava tudo o que podia na boca. Até que pensei em enfia-lo na minha boceta, mas vi que não teria condições. Não estava acostumada a um pênis normal, quanto mais aquele tronco. Percebi que já se tinha passado algum tempo e fiquei com receio de meus pais chegarem. Quando recuperava a minha sanidade e se levantava, vi dois caseiros atrás de mim espiando. Levei Contos Imor(t)ais - OS CASEIROS – 345 -


um susto muito grande que não conseguia nem falar. Eles se aproximaram e um deles falou: "Não acredito que a mocinha tá fazendo isso", o outro completou: "Que isso, não sabia que vc era tão safadinha. Quero participar dessa festa aí sua putinha". Fiquei em choque, não sabia o -que fazer, estava eu lá praticamente só de calcinha na frente daqueles dois empregados. Eles foram se aproximando, até que começaram a me tocar. Não conseguia reagir àquilo, e meu tesão só foi aumentando. Eles tiraram minha calcinha rapidamente e me colocaram de quatro. Estava parcialmente embaixo do cavalo, o suficiente pra eles me mandarem pegar no membro do bicho e chupar, e foi o que eu fiz. Me mandaram ficar de quatro, e eu pedi pra eles irem devagar. Ficaram revezando me comendo de 4, e eu chupando o cavalo. Até que chegaram mais 3 caseiros. Não deu tempo nem de falar, os dois que estavam me comendo convidaram os outros 3 como se fosse a coisa mais normal do mundo...como se eu fosse a marmita do dia. E não pensaram duas vezes, prontamente viraram até mim e começaram a me lamber inteirinha. Um dos que chegaram deitou e me mandou sentar no pau dele. Meti minha buceta nele, sentando devagarzinho, enquanto o outro disse que iria comer meu cu. Pedi por favor, pra ele não fazer isso, mas não teve jeito, quando ele começou a enfiar, dei um gemido que até o cavalo se assustou (só tinha sido penetrada no anus com meus brinquedinhos; talvez isso tenha ajudado um pouco nessa hora). Quando me dei conta, estava eu lá, cavalgando minha buceta na pica de um velho caseiro (devia ter seus 50 anos), e os outros 4 (mais novos) revezando em comer minha bunda, e ainda chupando aquele pinto gigante do cavalo. Me sentia tão suja, tão vadia, mas ao mesmo tempo muito excitada. Gozei várias e várias vezes. Já estava tão arrombada que me senti encorajada e deixar o cavalo penetrar minha bocetinha. Falei com os caseiros e eles concordaram. Fiquei de quatro, e esperei o cavalo tomar as ações. Ele não se mexia, então resolvi colocar eu mesma, entrou até facilmente na minha buceta, que naquela altura já estava totalmente arrombada e encharcada. Mas, me afastei um pouco pra entrar só a cabeça da pica do cavalo, que ja era muito grande. Aos poucos, deixei entrar um pouco mais. Estava tão excitada e fora de si que comecei a dizer coisas pro cavalo: ?Vai cavalo gostoso, mete tudo em mim, mete essa piroca preta na minha boceta vai?. Fiquei pelo menos uns 10 minutos metendo com o cavalo enquanto chupava os 5 caseiros. Até que senti um jato quente dentro da minha vagina. Não tava acreditando, aquele cavalo tinha gozado dentro de mim. O pinto dele saiu, e começou a sair da minha buceta muita goza do cavalo, dava pra encher um copo grande. Como se não bastasse, os caseiros disseram que iriam gozar tudo em mim. Pediram pra eu continuar chupando e masturbando-os. Poucos segundos depois o primeiro já gozou, e no meu rosto. Não tava acreditando naquilo. Depois, os outros dois gozaram praticamente juntos, por tudo quanto é parte do meu corpo. Os dois últimos pediram para eu abrir a minha boca, mas não queria fazer isso de jeito nenhum. Eles deram alguns tapas no meu rosto até que abri, os dois gozaram praticamente ao mesmo tempo dentro da minha boca, engasguei e cuspi quase tudo fora. Era horrivel. Como se tivessem feito um serviço, os 5 se vestiram, despediram-se de mim e foram embora Contos Imor(t)ais - OS CASEIROS – 346 -


rapidamente. Fui me vestir também, quando percebi que mal tava conseguindo andar, minha buceta e minha bunda estavam doendo muito, e eu tava cheia de esperma de cavalo e dos 5 caseiros. Fui voltar pra casa torcendo para que meus pais não tivessem chegado. Sorte a minha que não haviam, e pude entrar rapidamente e ir direto pro banho. -Passei a noite e o dia seguinte inteiro andando meio torta, com as pernas meio separadas. Meu pai chegou a perceber isso e me perguntou o que houve. Disfarcei e disse que tinha levado um tombo do cavalo, mas que não tinha si-do nada de mais e que os caseiros haviam me ajudado. E não é que ajudaram mesmo...e como! No domingo a noite voltei pra São Paulo onde estudo, e não tirava aquilo da cabeça. A partir daí virei uma devassa mesmo. É incontrolável pra mim, e não vejo a hora de praticar mais algumas aventuras como essa...

Contos Imor(t)ais - OS CASEIROS – 347 -


ROTINA DE SHOPPING – Está olhando o quê, hein? Eu sou casada, ouviu!... Bruuuuum!... A tampa do porta-malas de seu carro, onde se tinha debruçado, cai pesada. Fechada com raiva... Eu poderia -e deveria -ficar calado. Mas não resisto a fazer uma provocação: – Só posso dizer que tem bom gosto. É da Victoria's Secret, não é? A menção explícita a calcinha que usava, que descuidadamente se expôs ao se debruçar dentro no carro apanhando pacotes, a fez calar-se por um momento. Com um visível rubor. Às vezes, a combinação de um pouco de ousadia com um pouco de estilo funciona. O ataque direto em geral tende à grosseria, mas a sutileza sempre desarma. Parada à minha frente por um segundo, ela sabe que um pouco de sua intimidade foi vista. E admirada... A postura discreta -porém declarada -de seu admirador a desconcerta. Por um instante ela fica sem ação, mas recobra-se logo. Com classe, toma seu caminho rumo ao mall, ignora-me, como se eu tivesse desaparecido. Talvez fosse mesmo o melhor. Eu não estava ali naquele estacionamento para seduzir as clientes do shopping. Estava a trabalho, fazendo uma ronda de inspeção. Comecei neste emprego há apenas uns quarenta dias. Tempos difíceis. De gerente de RH, passei por um excruciante desemprego de 7 meses. Investi uma cifra de quatro dígitos numa agência de recolocação -outplacement eles diziam, dourando a pílula... Mas tudo que me conseguiram foi isso: gerente de segurança de um shopping. Muita responsabilidade, tocar uma equipe de 150 pessoas, a maioria sem o menor treinamento, e uma queda de quase 35% nos ganhos salariais. Tive de engolir. E voltando ao estacionamento: devo me lembrar sempre de ser discreto, uma reclamação de alguma cliente que julgou sua privacidade -mesmo que provocante... -invadida, seria minha volta ao desemprego. Pelo menos esse trabalho me permite alternar a rotina do escritório com longas caminhadas pelo mall e arredores nas minhas inspeções diárias. Fui aos poucos convivendo com os detalhes dessa quase cidade que é um local desses. Contos Imor(t)ais - ROTINA DE SHOPPING – 348 -


Meu período preferido são os fins de tarde. Nessa hora as mulheres mais interessantes surgem. Em meio às adolescentes que frequentam o mall como a um clube, elas se destacam. Falo das mulheres maduras, que passaram dos trinta. Conservam a beleza e denotam em cada pequeno detalhe -que a um bom observador não escapa... -uma vivência, de saber e querer ser mulher. Eu adoro essas caminhadas. Especialmente no verão, onde os dias se prolongam e elas se permitem mais ousadias no trajar. A maioria passa por lá num momento de compras e devaneios, entre o trabalho e o caminho de casa. Algumas poucas parecem buscar algo mais. Vejo-as caminhar lentamente em círculos, já percebi várias vezes que me notavam... Mas é trabalho, portanto, apenas uma leve pitada de voyerismo e de volta à rotina. Certo dia uma tubulação de água estourou. Os reparos foram rápidos, os lojistas, principalmente os da ala de alimentação não chegaram a sofrer com isso. Mas houve outras consequências: toda a fiação dos sistemas de telefonia, que passava ao lado daquela tubulação foi comprometida. A manutenção tentou fazer reparos, mas o resultado foi que daí em diante as linhas cruzadas se tornaram comuns. Meu telefone direto passou a cruzar com o de uma loja. Bastava tira-lo do gancho e podia ouvir todas as conversas por lá. Cheia de trabalho, a equipe de manutenção colocou-me no fim da fila. A curiosidade: sempre a curiosidade... Jamais, juro, pensaria em bisbilhotar, se essa mosca azul não me mordesse. Belo dia tentando usar meu telefone surpreendo o seguinte diálogo: – Você é louca, Claudinha? – Ah... Vai Beth... Você acha que nossos maridos não fazem isso o tempo todo? – Isso eu tenho certeza... – Pois então: a gente também tem o direito de se divertir, né? E o que ninguém fica sabendo, não machuca ninguém... – É, Claudinha: bem que eu morro de vontade... – Então: sabe que a Lu e a Mariana estão nessa e dizem que a coisa em casa até melhorou? – Sério?! – Pois é Beth: experimente entrar naquele chat de SM. Você vai descobrir um mundo novo. Todo mundo que começa não larga... – Vou pensar, Claudinha, vou pensar... Não demorei a descobrir quem era esta Beth: dona de uma das lojas do shopping, ela era, nada mais, nada menos, que aquela Miss Victoria's Secret de quem falei no início. Logo percebi que Beth e Claudinha falavam-se todos os dias entre uma e meia e duas da tarde. Religiosamente.

Contos Imor(t)ais - ROTINA DE SHOPPING – 349 -


Beth começou a contar das suas experiências no chat de SM. Que se excitava muito com as fotos que os internautas postavam, tinha conversado com algumas pessoas. Muita gente inconsequente, outros parecendo indivíduos perigosos. Uns poucos lhe atraíram de alguma forma. Mas estes, por alguma coincidência, estavam sempre muito longe. Assim, logo o interesse mútuo cessava. Não era preciso ser muito perspicaz para entender que Beth estava totalmente seduzida pela ideia de ousar novas aventuras. Mais que isso, estava decidida a experimentar esse meio. Faltavam a hora certa, o momento certo, e claro, o parceiro certo. Mais um pouco e descobri o chat e a hora em que Miss Victoria's Secret ficava on-line. Claro que tentei achá-la. Mas não a encontrava por lá, entre tantas mulheres que entravam. Já se passara uma semana de bisbilhotice, eu até, estrategicamente, tinha parado de reclamar com a manutenção, quando ouço Claudinha passar algumas dicas para Miss Victoria's Secret. – Você perde muito tempo à toa. Use um nick que já diga a que você veio... – Como assim, Claudinha? – O cara vê que tipo de mulher você é, de onde tecla... Essas coisas. Assim você não perde um tempão teclando com um cara, para depois descobrir que ele está em Manaus e busca uma ninfeta de 18 anos... – O que você sugere? – Ah... bota assim: "casadasub, 42, SP". Tá tudo aí, quem você é, idade e onde está. Só vai te procurar quem estiver realmente afim e disponível... – Legal: vou adotar! Foi imediato. Ainda naquele fim de tarde -já sabia seu horário -encontrei "casadasub" no chat. Foi algo engraçado. Por brincadeira, só para ver no que daria, usei o nick de "CHEFE ENÉRGICO". E parece que deu certo. Mesmo porque, todos aqueles dias de bisbilhotice me deram uma enorme vantagem. Beth, minha "casadasub", ia sempre impressionada pela forma como eu parecia conhecer os segredos dos seus devaneios secretos. O que eu não houvera ainda descoberto, Beth foi me revelando aos poucos. Sua fantasia principal, que deve ter sido elaborada por anos era esta: ser dominada em lugar público por alguém que não visse. Queria servir a um SENHOR desconhecido. No início de nossas conversas ela tinha pruridos em usar as palavras. Com o tempo foi se soltando e acabou fazendo a confissão com todas as palavras: – Quero ser a puta de um desconhecido!... Claro que ela sabia que era uma fantasia perigosa, difícil de se realizar sem riscos. Mas o desejo, ah... o desejo... Encontro assim, com alguém que nunca viu, demanda uma certa dose de coragem. O bom senso manda que se busque ao máximo estabelecer uma relação de confiança mútua. Isso exige algum Contos Imor(t)ais - ROTINA DE SHOPPING – 350 -


tempo. Devido a isso, demoramos mais dois meses nessa fase. Primeiro e-mails, depois celulares. E antes que finalmente consertassem minha linha de telefone, ainda pude surpreender Beth fazendo essa confissão a Claudinha: – Amiga, ontem me masturbei feito uma adolescente, as coisas que ele me fala estão me deixando louca de tesão... Conclusão: todas, Miss Victoria's Secret, casadasub e Beth estavam prontas. Ligo para ela e lhe digo que aconteceria na manhã do dia seguinte. – Amanhã? Tem certeza? -podia ouvir sua respiração arfar... – Amanhã sim, putinha... Esteja nesse Shopping às dez da manhã. Te quero de saia, saltos altos. Sem calcinha, ouviu? – Como vou sair de casa sem calcinha, SENHOR? – Vire-se! Ou a tire no banheiro do shopping. Te quero assim as nove, ok? Não esqueça de levar um farolete na bolsa. – Farolete pra que? – Vai precisar. Amanhã vai saber... – Ok, SENHOR... ai...por favor, promete que não vai me deixar cheia de marcas, eu sou casada... – Não se preocupe, querida. Costumo cuidar bem dos meus brinquedos... dasda – dasd O telefonema terminou com um longo suspiro dela... No dia seguinte, ligo às dez. O shopping está abrindo e ela já está lá: – Está pronta? – Nunca estive tão pronta, SENHOR!... – Ótimo! Mantenha o celular ligado e pegue as escadas dos estacionamentos inferiores. Fico acompanhando seus passos pela escada, até que ouço que chegou ao terceiro nível. – SENHOR, por que estou aqui? Está fechado, este piso só abre de tarde... – Veja o extintor à tua esquerda. Encontre uma chave colada com fita crepe nele e abra a porta... – Achei, SENHOR...estou abrindo... – Vai abrir bem mais que essa porta!...-ela me ouve, com um risinho nervoso... – Tudo que ordenar, SENHOR. O que faço agora? – Siga em frente! – Está completamente escuro! – Use o farolete que te mandei trazer, cadela... – Ok. E agora? – Siga em frente até achar um Escort velho estacionado... – SENHOR, não tem ninguém aqui! – Com medo? – Sim! Contos Imor(t)ais - ROTINA DE SHOPPING – 351 -


– Quer desistir? – NÃO! Esse "não" foi resoluto, acompanhado da sua respiração arfante. Controlada à distância, ela caminhou até encontrar o carro velho, estacionado num nicho, protegido por duas paredes laterais, que o deixava ainda mais escondido, dentro daquela total escuridão. Seu caminhar ecoava pelo ambiente vazio, compondo com sua respiração pesada. Frente ao carro, mando que abra o capô do porta-malas, que estava previamente destravado. – Está vendo um par de algemas? – S...ssssim... – Sabe o que fazer... – SENHOR! Elas estão presas no encosto do banco traseiro! – E daí? Vai desistir? – Não! NÃO! – Então acione o viva-voz de seu celular, algeme-se. E desligue o farolete... – Cumpriu as ordens? – S. sssim SENHOR. Está muito escuro, estou com muito medo... Eu a faço esperar um pouco, para que o tempo a tempere mais... Então sigo a seu encontro. Para me localizar, uso um pequeno farolete de otorrino, voltando o facho para as marcas de estacionamento no chão. Caminho devagar, solado de borracha que não faz ruídos. Não vai perceber quando chego. E ao me sentir perto, não vai me ver... Chego até onde minha presa está cativa. Fico algum tempo observando, fruindo o prazer do predador que sente que sua refeição lhe será servida. Até que ela pressente minha presença: – SENHOR, estou aqui ao seu dispor... – Pronta cadela? Sua ultima chance para desistir... – Eu quero muito, SENHOR, quero muito mesmo... A forma como ela disse a última frase foi inequívoca. Só uma mulher tomada de muita excitação teria aquelas inflexões de voz... The show must begin... Ergo sua saia, deixo sua bunda -deliciosa -ao relento. Naquela posição, seu sexo fica exposto. Um facho do farolete ilumina sua excitação escorrendo... Apago o farolete. Mais que a visão, agora serão outros sentidos que nos comandarão. Vibro a primeira palmada naquela bunda tão macia. – Pronta para ser uma puta de um desconhecido? – Pronta para ser tua, SENHOR!... – Minha o que? -as palmadas se seguem... – Tua puuuuuuuuuuutaaaaaaaaaaaaa, SENHOR... Me fode! Sou toda tua! Contos Imor(t)ais - ROTINA DE SHOPPING – 352 -


Definitivamente Beth estava pronta. Aquela mulher séria do cotidiano não entrou naquele estacionamento vazio e escuro. Ali estava uma escrava, livre, como só as escravas são, para viver sem medos ou censuras todos os seus desejos. Passeando minhas mãos pelo seu corpo eu sentia como sua pele estava arrepiada, como estavam túrgidos os bicos de seus seios, como sua carne tremia, na expectativa dos próximos momentos. O que se seguiu então é mais que óbvio. Despi-me. Confesso que poucas vezes na vida me vi com uma ereção como aquela. Tomei Beth. Segurei-a pela cintura e a penet