Page 1

CONTOS IMOR(T)AIS Entre a ficção e a realidade … Volume II


Ficha Técnica Fontes: http://www.casadoscontos.com.br http://www.contoerotico.com Licença:

Advertência: Leitura não recomendada a menores de 18 anos


Índice de conteúdo Contos Imor(t)ais..................................................................................................................................5 CAMINHONEIROS........................................................................................................................5 COROA CINQUENTÃO DA SURRA NA MINHA MULHER.....................................................8 PAU PRETO CABE?.....................................................................................................................11 NÃO SABIA, MAS GOSTEI........................................................................................................13 VISITAS INESPERADAS............................................................................................................16 ME EXIBI......................................................................................................................................20 PARTE I....................................................................................................................................20 PARTE II...................................................................................................................................24 PARTE III..................................................................................................................................26 CHANTEGEADA.........................................................................................................................30 LOUCURAS INESPERADAS......................................................................................................36 ESPOSA EXIBICIONISTA...........................................................................................................39 ATO I.........................................................................................................................................39 ATO II.......................................................................................................................................40 ATO III......................................................................................................................................42 AS FERIAS DE SONHO COM A ESPOSA.................................................................................44 ESCRAVA......................................................................................................................................48 PARTE I....................................................................................................................................48 PARTE II...................................................................................................................................50 EX MARIDO.................................................................................................................................53 MINHA MULHER GOSTA..........................................................................................................56 CAMERA NOVA..........................................................................................................................59 EXPOSIÇÃO.................................................................................................................................61 SEM LIMITES..............................................................................................................................65 BEM PRETA AMOR!....................................................................................................................69 UM NOVINHO PARA CHAMAR DE MEU!..............................................................................71 UM FATO INUSITADO................................................................................................................74 O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA.................................................................................77 ATO I.........................................................................................................................................77 ATO II.......................................................................................................................................78 ATO III......................................................................................................................................81 ATO IV......................................................................................................................................87 ATO V.......................................................................................................................................89 ATO VI......................................................................................................................................92 ATO VII.....................................................................................................................................94 TE ADORO....................................................................................................................................98 O PRAZER DE SER....................................................................................................................101 CÃO QUE LADRA NÃO MORDE............................................................................................103 PRESENTE DE ANIVERSÁRIO...............................................................................................107 RECATADA.................................................................................................................................115 NO CAMPING............................................................................................................................118 O SELEIRO DA FAZENDA.......................................................................................................121 UMA VEZ....................................................................................................................................126 FERNANDA................................................................................................................................134 O PRIMEIRO..........................................................................................................................134 PRA NÃO SER DESPEJADA................................................................................................141 –3-


PÓS BALADA ANIMADO.........................................................................................................147 PADRINHO.................................................................................................................................154 CORRETORA POR OPÇÃO......................................................................................................157 PURITANA..................................................................................................................................162 RECENTE...................................................................................................................................167 CACETE GG...............................................................................................................................170 UM VOYEUR.............................................................................................................................185 A SURPRESA..............................................................................................................................189 CASADA.....................................................................................................................................200 AJUDANDO UMA VIRGEM.....................................................................................................204 O SEGURO COBRE...................................................................................................................209 SHOPPING CENTER.................................................................................................................211 PARTE I..................................................................................................................................217 PARTE II.................................................................................................................................219 PARTE III................................................................................................................................220 ENFIM ELE CONSEGUIU!.......................................................................................................223 HISTÓRIAS PARALELAS.........................................................................................................226 MARIDO IMPOTENTE ESPOSA CARENTE..........................................................................233 A LUXUOSA ARTE DE SABER SE VENDER.........................................................................242 ATO I.......................................................................................................................................242 ATO II.....................................................................................................................................246 ATO III....................................................................................................................................251 SURPRESA NA VIAGEM..........................................................................................................259 COROA DO INSTITUTO...........................................................................................................265 SER CADELA.............................................................................................................................269 SURUBA TOTAL........................................................................................................................272 ATO I.......................................................................................................................................272 ATO II.....................................................................................................................................274 ATO III....................................................................................................................................275 HOMEM FELIZ..........................................................................................................................278 A MINHA MULHER...................................................................................................................285 VIDAS.........................................................................................................................................288 PROVOCAÇÕES...................................................................................................................288 INICIAÇÃO............................................................................................................................290 ASSISTINDO.........................................................................................................................293 DESCOBERTAS.....................................................................................................................296 REVELAÇÕES.......................................................................................................................300 MAIS MANSO, MAIS SAFADA...........................................................................................304 O DONO DELA......................................................................................................................308 INVERSÃO............................................................................................................................315 LUCAS E RUI........................................................................................................................322 CASADA PASSA POR VADIA..................................................................................................329 DISCRETAMENTE NA FESTA.................................................................................................343 CARLA, MINHA ESPOSA.........................................................................................................347 APOSTOU E PERDEU...............................................................................................................355

–4-


Contos Imor(t)ais CAMINHONEIROS Eu e minha mulher estávamos viajando para o interior, e durante a viagem ela me contou que havia sonhado a noite passada e que no sonho tinha trepado com caminhoneiros. Ela me contou cada detalhe e confesso que fiquei excitado. Como a viagem era longa e estava escurecendo, decidi parar em um posto para abastecer, porém para a minha surpresa ela disse que queria parar em posto de caminhoneiros, então já imaginei o que aconteceria. Descemos do carro e ela foi ao toilete, e percebi que alguns caminhoneiros a comeram com os olhos, pois ela estava com uma saia jeans curta e uma blusa branca decotada, mostrando suas pernas delineadas e seus seios bem volumosos mas nada exagerados. Ela se insinuou pois já estava com segundas intenções. Fui ao banheiro também e vi 3 caminhoneiros conversando, 2 negros altos e um moreno baixo e gordo. Eles estavam comentando sobre a minha esposa e eles diziam: -Vocês viram aquela gostosona? Ela parece que deu bola e está querendo vara e vai ter se der sopa! Vamos comê-la na frente do marido. Voltei para o carro e lá estava Sheila sentada sobre o capô, com as pernas cruzadas mostrando as belas coxas. Ela me disse que queria relizar aquele sonho e para não contrariar concordei e ela pediu que a filmasse. Me preparei e os 3 saíram do banheiro e ela logo os chamou. Já foram chegando sem cerimônia e metendo a mão nas pernas dela. Então eles a chamaram para a borracharia, que ficava mais afastada. Os 4 foram e eu fui atrás para filmar o que se sucederia. Chegando no local, havia um senhor de uns 50 anos sentados e eles se cumprimentaram, deviam ser conhecidos, então um dos negões disse: – Olha só, Zezão! Uma gostosa pra gente fuder! Levaram e minha esposa para dentro e a puseram em cima de uma pilha de pneus e começaram a chupá-la. Sheila gozava na boca dos homens estranhos, que logo a arrombariam. Se levantaram, arreiaram as calças e puseram as jebas para fora. Os 2 negões tinham as picas negras e enormes. A minha mulher começou a chupá-los, enquanto eles as seguravam pelos cabelos e a faziam engolir os paus grandes que quase a sufocavam. Elas os chupous por quinze minutos, então o baixinho gordo reclamou que era a vez dele e do Zezão. Contos Imor(t)ais - CAMINHONEIROS –5-


Quando ele abaixou a calça, uma rola grande e grossa saltou e logo foi abocanhada com dificuldade, por causa da grossura, pela minha mulher. Ela chupou com a habilidade que tinha e a experiência adquirida nas fodas anteriores. Depois o Zezão chegou perto e abaixou a calça e não acreditei no tamanho do pau dele, devia ter uns 28 cm e estava duro e latejando. Quando Sheila viu aquilo, largou o pau do baixinho e engoliu a jeba do velho borracheiro, que apesar da idade ainda tinha vigor e uma jeba enorme. A minha esposa chupava e babava naquele mastro gigante. A felação durou uns 40 minutos até que decidiram fodê-la. Os 2 negões a puseram em um banco de carro e enquanto um fodia a racha dela, o outro metia a rola na boca dela. Depois trocaram, o Zezão e o baixinho fizeram um rodízio de xota e boquete. Fuderam ela durante 1 hora e diziam: – Filma aqui maridão, olha como ela está contente e bem comida por picas grandes. Ela gosta de levar pirocada na boca e na xota, mas agora nos vamos comer o cuzinho dela! Então o Zezão pegou um pote de vaselina, usado para consertar os pneus e todos melaram os cacetes e começaram a empalar o rabo de Sheila. Primeiro foram os 2 negões, e no mesmo esquema, comiam o cú de la enquanto o outro recebia um boquete. Depois trocaram, foi o Zezão e o baixinho fodendo o buraco de Sheila, que gozava e gritava de tesão. O Zezão empurrava o cacete bem devagar, enfiando cada cm da jeba e tirava até a cabeçona da benga. Então decidiram fazer uma DP, os 2 negões fodiam a xota e o cú e os outros revezavam na boca da minha mulher e eu filmando tudo. Foram fazendo um rodízio e ficaram quase 2 horas comendo Sheila. Depois eles se levantaram e disseram: – Agora filma ela tomando sopinha de porra! Vai ter muita porra pra ela engolir, e veja como esta sua puta vai gostar! Fizeram uma rodinha e Sheila agachou e começou a receber de boca aberta o mingau de porra dos caminhoneiros e borracheiros. Primeiro foi o baixinho gordo que soltou um jato forte direto na boca de Sheila e ela tomou tudo. Depois vieram os 2 negões que esporraram no rosto todo da minha esposa. Foi tanto esperma branco e viscoso saindo daquelas picas negras, que ela não conseguiu beber.

Contos Imor(t)ais - CAMINHONEIROS –6-


Por último veio o Zezão que atolou o cacetão na boca de Sheila, que pagou um boquete antes dele gozar. Quando o borracheiro foi gozar ele tirou o pau e punhetou até soltar todo gozo na boca e na língua da minha mulher. Era uma sopa grossa e melada de esperma, que Sheila não desperdiçou uma gota. Depois de todos gozarem, a minha mulher foi chupá-los para lamber e limpar toda a porra nos cacetes dos caras. Eles a levantaram e a levaram ao banheiro para se limpar. Ela estava toda cheia de marcas pretas das mãos do borracheiro e dos caminhoneiros, na bunda, nos seios e nas pernas. Nos despedimos e fomos embora para a cidade de destino.

Contos Imor(t)ais - CAMINHONEIROS –7-


COROA CINQUENTÃO DA SURRA NA MINHA MULHER Olá, meu nome é Flávio, tenho 33 anos, e minha mulher Karla 31. Somos pessoas atléticas e de boa aparência. Karla malha muito e mantém um corpinho gostoso, coxas grossas, bumbum arrebitado, e peitinhos pequenos e pontudos. Típica Brasileira. Já realizamos o swing and menage a trois algumas vezes. Somos muito liberais em matéria de sexo e muito quentes na cama. A história REAL que vou narrar aconteceu há algumas semanas atrás, quando resolvemos tirar férias num resort da Bahia. Como somos membros de um clube de férias, ficamos num lugar bastante luxuoso, onde só haviam pessoas de classe média-alta pra cima. Desde o primeiro dia que chegamos, não pude deixar de notar um homem maduro quase comendo Karla com os olhos, quando estávamos na piscina do hotel. Comentei com ela e ela disse que também havia notado, e, ao perguntar o que ela estava achando, ela me respondeu que estava excitada. Não era pra menos, o homem, apesar da aparência de cinquentão, tinha um corpo bem em forma, com alguns pelos grisalhos no peito musculoso, a cabeça era semi grisalha também, mas ele tinha umas feições muito bonitas. Se notava que era um homem de classe, talvez um executivo alto de alguma empresa. Karla comentou que já tinha tido o desejo de transar com um homem mais maduro, pois uma amiga dela tinha um amante de 50 anos que dava um banho em seu namorado de 28. A conversa e desejo explícito de Karla começaram a me excitar, então propuz uma grande sacanagem. Combinamos de no outro dia (terceiro da nossa hospedagem no hotel), ela descer sozinha e puxar papo com o homem. Eu ficaria no quarto, que dava de frente para a piscina, observando. Ela diria ao homem que eu havia saído para uma reunião de negócios, e o levaria pro nosso quarto. Já tinhamos tudo planejado. O quarto tinha um armário embutido tipo closet americano, e o melhor, o espelho da porta era daqueles que se pode ver através sem ser visto. Eu ficaria dentro do armário enquanto eles tivessem fudendo, e o homem não notaria nada. Como combinado, Karla desceu para a piscina assim que o vimos chegar. Pela janela ví ela sentando a pouca distância dele, numa cadeira de praia. Não demorou muito pra ela tirar um cigarro e o homem se aproximar e ofereçer seu isqueiro. Daí começaram um papo, que deve ter durado uns quinze minutos. Depois Karla me contou que disse a ele que eu havia saído a negócios e estaria fora por umas 3 ou 4 horas naquela manhã, e que ela havia sentido um tesão enorme por ele. Claro que o homem não se fez de rogado, e a convidou a ir ao quarto DELE. Ela disse que não, pois eu poderia telefonar a qualquer hora, e ela não queria levantar suspeitas. O homem concordou meio contrariado, mas o tesão que devia estar sentindo falava mais alto do que o medo de ser flagrado. Assim ela saiu da piscina, e em poucos segundos ele disfarçadamente levantou e saiu também. Nisso eu entrei no armário e fechei a porta. Os dois se encontraram no corredor do nosso andar, e mal entraram em meu quarto, o homem já a agarrou e tascou um beijo de lingua apaixonado na boquinha de Karla, que se entregou. Contos Imor(t)ais - COROA CINQUENTÃO DA SURRA NA MINHA MULHER –8-


Então ela deixou a toalha que cobria o biquini cair e o coroa começou a acariciar as nádegas dela, dizendo: “como eu queria apalpar essa bundinha gostosa”. E Karla disse: “aproveite, sou toda sua”. O homem então tirou a parte de cima do biquini de Karla e começou a mamar em seus seios, que cabiam inteiros na boca faminta dele. Parecia um bezerro tentando chupar o leite da vaca. Enquanto isso ele já havia enfiado a mão por dentro da calcinha do biquini e estava bolinando o clítoris de Karla, que gemia de tesão. Foi então a vez de Karla abaixar a sunga de praia do coroa, o que fez um pau grande e grosso pular pra fora. Ela olhou satisfeita, se ajoelhou na frente dele e começou a mamar aquela pica madura, enquanto alizava o saco dele com uma mão e os peitos peludos com outra. Em menos de dois minutos ele pediu pra Karla parar, porque senão iria gozar rápido. Karla dá uma chupeta ótima, e é difícil resistir muito tempo sem gozar na boca dela. O coroa então pediu para ela deitar na cama, com as pernas bem abertas, e caiu de boca na bucetinha de minha mulher. Depois Karla me comentou que aquele foi o melhor sexo oral que já fizeram nela, e eu pude ver, incrédulo, como o corpo dela tremia e como ela gemia de prazer, até que anunciou o que parecia um orgasmo múltiplo. Ela gritou e urrou, agarrando a cabeça do homem e apertando entre suas coxas grossas. Ao ver que tinha feito ela gozar tão forte, o homem veio por cima e meteu nela, na posição papai-emamãe. A vara entrou de uma vez só, de tão lubrificada que estava a xana de Karla. Aquele coroa boa pinta e bem dotado passou vários minutos num entra e sai rápido, enquanto beijava a boca de Karla ou chupava um de seus peitinhos, que pareciam que iam explodir, de tão duro que estavam os biquinhos. Embora já havíamos transado em grupo com outros caras, nunca ví minha mulher com tanto tesão e com aquele corpinho dando tanto sinal de êxtase. Depois de vários minutos de pica e carícias, ela disse que achava que ia ter outro orgasmo múltiplo. Ele então acelerou o movimento e disse a ela: “vamos gozar juntos agora, minha putinha jovem”. Creio que os gritos dela podiam ser ouvidos no andar inteiro. Ele deu um gemido alto também, e sinal que estava derramando o leite dentro dela. Nesse momento, eu que já estava batendo uma punheta desde o início, não resistí e gozei jatos de esperma dentro do armário também. Depois da gozada sincronizada, os dois ficaram deitados, se acariciando e se beijando apaixonadamente. Depois de uns dez minutos e graças a punheta gostosa que Karla estava batendo nele, o coroa já estava pronto pra outra, e perguntou se Karla dava o cuzinho. Ela respondeu que não, porque nunca tinha feito, nem comigo. Então ele disse que queria comer a buceta dela na posição de cachorrinho. Karla, sem perder tempo, se pôs de quatro em cima da cama, revelando aquela bunda deliciosa, e a racha da bucetinha húmida pulsando. O homem veio por trás, se ajoelhou na cama, e novamente começou a maratona de estocadas rápidas, acariciando os seios de Karla com as duas mãos por trás, e mordiscando a nuca dela. De dentro do armário eu podia perceber que o corpinho dela estava todo arrepiado. O homem havia tocado o ponto fraco dela, o pescoço e a nuca.

Contos Imor(t)ais - COROA CINQUENTÃO DA SURRA NA MINHA MULHER –9-


Depois de fazer Karla gozar novamente umas três vezes no mínimo, ele tirou o pau, se deitou e disse que queria gozar na boca dela. Ela continou na posição de quatro e engoliu o caralho do corao de novo, enquanto ele segurava a cabeça dela. Não passou muito tempo e ele anunciou que ia gozar de novo. Minha mulher engoliu até a última gota de porra, e ainda lambeu os beiços. Ao terminarem, ela disse que seria melhor ele se preparar para sair, em caso de que eu voltasse mais cedo. O homem então não perdeu tempo, vestiu a roupa de banho, tascou outro beijo de lingua demorado na minha mulher, e disse que aquela tinha sido uma das melhores fodas da vida dele. Não sei se ele estava falando a verdade, mas para Karla tenho certeza que foi. Quando ele saiu, eu também deixei o armário, e como não podia deixar de ser, dei uma boa trepada com ela, sentindo a bucetinha ainda húmida e pulsante de tesão. Foi uma experiência ótima, e Karla sentiu o que era ser possuída por um homem mais maduro e experiente. No dia seguinte, ela conseguiu o telefone dele, mas como mora num estado muito distante do nosso, não sei quando vamos poder repetir a dose. Uma coisa é certa, de vez em quando vamos buscar um coroa cinquentão para saciar a fantasia de minha mulher.

Contos Imor(t)ais - COROA CINQUENTÃO DA SURRA NA MINHA MULHER – 10 -


PAU PRETO CABE? Como todo casal após um determinado tempo vão surgindo as fantasia para apimentar a relação. Durante a transa sempre imaginávamos outra pessoa, eu sempre falava de loira com seios grande de silicone, bunda arrebitada, uma buceta e um cú extremamente largo. Minha esposa somente ouvia e gozava que nem uma louca, até que um dia eu perguntei, porque que ela também não falava e só ouvia, foi ai que tudo começou, ela disse: Amor, não sei se é uma boa idéia, você é um pouco ciumento e conversando com algumas amigas, todas elas disseram que fantasias de mulher tem que ser guardado há 7 chaves para não acabar o relacionamento, menos a Sandrinha é claro kkkkkkkk. Nessa hora já levantei uma suspeita, Sandrinha é uma amiga de infância e muito conhecida por ser uma ninfeta, desde novinha todos reparavam nos homens que ela saia, ela branca que nem leite, baixinha e sempre saia com negros altos e fortes, inclusive circulava uma estórias que viram ela transando em uma obra com 4 pedreiros negros e 1 branco. Na mesma hora perguntei, a estória que ela transou com 4 pedreiros negros e 1 branco é verdade? Ela disse: Olha você ta perguntando e eu vou responder, é verdade sim, conversamos uma vez sobre isso, ela me disse que fez sim e por prazer e ninguém pode se meter na vida dela, inclusive falou que gozou 4 vezes uma com cada. Então eu perguntei, mas não eram 5 pedreiros? E ela disse: Ela que gozou nas 4 picas pretas e na pica branca não conseguiu gozar porque a diferença de tamanho era muito grande, era bem menor do que as piroconas pretas, e caiu na risada. Nesse momento ela fando desse jeito, meu deu um tesão que nunca havia sentido. Minha esposa pediu desculpa, e falou que não deveria ter falado daquela forma, que me respeita muito mas eu que havia perguntado e não iria tocar mais no assunto. Eu disse que não fiquei chateado, mas queria saber mais uma coisa e peguntei se foi ela que quis saber dos detalhes, e ela falou: Só vou responder novamente porque você esta perguntando, quer saber fui eu que fiquei curiosa, tinha curiosidade de saber se pica preta é bem maior que branca, e a Sandrinha me disse que era sim e eu não aguentaria com uma rola preta. Imediatamente perguntei se ela achava que aguentaria, e ela falou: Pelo tamanho da minha buceta acho que não, mas pelo meu tesão por pau preto acho que colocaria tudo e rebolava a noite toda e ainda deixa gozar dentro muita porra grossa, ela disse isso e virou para o lado e cobriu a cabeça com o cobertor. Contos Imor(t)ais - PAU PRETO CABE? – 11 -


Meu coração acelerou de uma forma que tive que controlar a respiração, eu perguntei porque nunca tinha comentado isso nas nossas fantasia, e que ela sempre gozava quando eu falava de loiras com silicone com a buceta e o cu arrombado, e ela falou: Na hora em que você fala que elas são arrombada já imagino que as arrombou, claro uma rola bem preta e grossa do tamanho do meu braço. Eu falei imediatamente, agora já era não adianta se esconder vai me encarar de frente, confesso que fiquei com tesão e vou te fuder que nem um negro de pau preto e grande, pode vir. Ela saiu de baixo do cobertor, puxou a calcinha de lado e falou: Vem meter a sua pica que não é preta e que não alarga minha buceta, agora você vai sofrer, liberou para eu falar, vou falar tudo na sua cara, sua mulher nasceu pra transar com pau preto, será que cabe um pau preto em mim? Fala seu corno de negrão, eu disse: Cabe sim minha puta, com esse tesão até duas picas pretas, uma gozando dentro da sua buceta e outra dentro do seu cú. Ela disse: Amor ta muito gostoso essa transa, estou com muito tesão, me leva um dia em uma avenida onde só tem puta e vamos fazer isso, os primeiros negro que passaram vou me fingir de puta e transar com eles, mas sem camisinha e deixar gozar dentro, muita porra, não ligo para o risco só para o tesão. Que delícia amor nunca imaginei que teria uma puta do meu lado Você não vai mais precisar imaginar nenhuma loira arrombada, vou matar essa sua vontade, e a minha que além de sentar em rola bem preta, vou querer duas mas exageradamente grande, não pode ser moreno, tem que ser negro e o pau bem preto tá.

Contos Imor(t)ais - PAU PRETO CABE? – 12 -


NÃO SABIA, MAS GOSTEI Um dia eu chego em casa e minha mulher diz que tem uma coisa muito importante para me contar, que era urgente e que ela não conseguia mais me esconder Fiquei meio assustado e pedi que me contasse logo o que era pois eu já estava nervoso com aquela história. Então ela me disse que depois que ela me contasse eu poderia tomar a atitude que eu julgasse melhor que ela saberia entender e então ela me disse: – Meu bem, já há algum tempo que eu venho te traindo. Ao ouvir isto assim é queima roupa confesso que fiquei sem ar o, respirei fundo e pedi que me contasse como foi que iniciou, ai então ela me relata Tudo começou sem querer, quando esteve aqui em casa um desses agentes de combate a dengue, que depois de vistoriar o quintal, a caixa de água, pediu para que eu lhe mostrasse o banheiro que ele queria ver o ralinho do chuveiro, então deixei que ele entrasse aqui em casa, ele me disse que o ralinho estava em ordem mas que era para eu verificar sempre se não estava ficando com algum residuo de agua nele, eu perguntei como eu faria isso, ele me explicou que se eu me abaixasse como ele havia feito daria para observar como era, quando ele disse isso ele já estava de pé, então me abaixei para ver se conseguia enxergar alguma coisa no ralinho, após olhar lá ao me virar e me preparar para me levantar, meus olhos ficaram na direção do ziper da sua calça e então me veio um desejo repentino de pegar no penis dele por cima da calça, meu bem me desculpa mas não consegui me controlar e peguei, ele se assustou com aquilo e perguntou se eu estava ficando doida, eu disse que estava doida era para ver o pau dele, e fui insistindo, quanto mais ele tentava sair mais eu ficava com vontade de vê-lo, tanto insisti que eu consegui bota-lo para fora, o pênis dele era mais ou menos do tamanho do seu, só que mais grosso pouca coisa, então me abaixei e comecei a chupá-lo como nunca havia feito com você, não sei se era porque aquilo era proibido...sei lá, só sei que eu ia da cabeça ao saco e engolia ora uma bola ora outra e depois dava mordidinhas em sua cabeça, que aquela hora estava enorme devido ao tesão que ele estava sentindo, sei que em poucos minutos ele gozou um tantão de porra que me lambuzou a cara e os meus cabelos, ai ele se recompôs rapidamente e foi embora sem entender nada, e nem eu também pois ele era uma pessoa comum e quando chegou não me atraiu em nada. Assim que ele saiu eu fui tomar um banho e fiquei pensando no que aconteceu e disse para mim mesma que nunca mais faria aquilo, que tinha sido uma doideira, que você era um bom marido, que eu te amava e não faria mais isso. Quando fui dizer alguma coisa ela novamente me interrompe dizendo que a história não havia acabado, que depois do almoço por volta de duas horas da tarde o cara retornou, só que estava acompanhada de um amigo e me disse que havia contado para ele e que ele também queria, novamente aquele desejo me chegou com força, mandei que eles entrassem e desta vez eu fiquei totalmente nua na frente deles e fiz com que eles também se despissem e comecei chupando a pica do novato enquanto o primeiro enfiava a sua mão na minha buceta, ato continuo fiquei de quatro enquanto o primeiro me arrombava a buceta de uma vez só, eu continuava a chupar o novato, eu gemia como uma desesperada, sentindo aquele cacete em minhas entranhas enquanto tinha a minha boca preenchida por aquele outro cacete delicioso, ai o novato pediu para me foder um pouco, e Contos Imor(t)ais - NÃO SABIA, MAS GOSTEI – 13 -


trocaram de posição com o novato me fodendo me chamando de puta safada, gostosa e outros nomes, gritando que ia gozar gostoso na minha buceta, e aos berros encheu minha buceta de porra, então o outro aproveitou que seu colega saiu de dentro de mim, voltou a me foder gostoso, eu já havia gozado umas duas vezes com o primeiro me fudendo, e comecei a gozar novamente quando o cara anúncia também aos berros que minha buceta era muito gostosa e que ele gozaria, e assim fez e misturou sua porra com a do colega dentro de mim, eu cai cansada para o lado, então o novato disse para mim que eu era muito gostosa que a mulher dele só gostava de papai e mamãe e que nunca havia chupado o pau dele, me agradeceram se vestiram assim mesmo e foram embora. Eu entrei para tomar um banho e me relaxar, quando estou me vestindo eis que a campainha toca, acabei de me vestir e fui atender, quando abro o portão, um dos peões do predio em construção ao lado de nossa casa me diz que caiu uma das ferramentas em nosso quintal, quando ele trabalhava no andar de cima, e se podia entrar para pega-la, eu disse que sim e não notei seu olhar cobiçoso para mim, quando entrou me disse que ele e seus companheiros ouviram meus gemidos e correram para a janela do prédio e viram os dois cara da dengue urrando e me fodendo na sala, ai me lembrei que realmente a janela estava aberta, pois fazia calor aquele dia, e que eles queriam também se não eles contariam para você que eu havia te chifrado, então falei com ele que aceitaria transar com ele e seus amigos, já que não tinha escolha, ou era isso ou seria entregue para você aquele dia, mas com a condição que não fosse lá em casa pois mais algum vizinho podia ver, ele me disse que eu poderia ir lá na obra, vou na frente e daqui a alguns minutos voce vai, ai ele saiu de nossa casa e foi para lá, depois de alguns minutos eu sem muita escolha também fui tomando o cuidado para que ninguém me visse entrando, subi uma escada e chegando no segundo andar, para minha surpresa achando que lá trabalhava uns três peões quando olho eram doze homens, doze machos que já me esperavam todos de pica em riste e foram ficando pelados. Aquilo para mim foi como se uma descarga elétrica de tesão me atingisse, eles me despiram e começaram a me bolinar e diziam, bem feito sua vadia, não tomou cuidado agora vai ter que dar pra nós também, então todas as partes do meu corpo foram bolinadas, e eu ali no meio daqueles dozes homens como uma cadela no cio rodeada de seus machos ávidos por foderem, dai para as penetralas e chupadas deliciosas as quais eu dava e tambem recebia deles, me alucinavam, foi uma loucura só, não sei como tive resistência para aguentar ser fodida na buceta e no cuzinho por todos eles, fiquei toda arrombada, dolorida, tomei muito tapa na bunda e na cara fui chamada de vadia, safada, rameira e esses nomes só me deixavam mais tesuda então, fodia mais gostoso ainda, pedia para que me fodessem com força que eu queria era muita vara, que eu não era mulher que doze homens dessem conta, fuder bem umas três horas com eles, tomei muita porra, fiquei toda melada e com a boceta larga que nem de água, mas fiquei saciada, ai quando me despedi, eles me mandaram voltar todos os dias, e assim eu fiz, todo dia eu ia lá e dava para todos eles, só faltando quando estava menstruada, voce não percebia, pois no começo quando ainda não estava acostumada eu dizia que estava passando mal e me deitava cedo, depois me acostumei eu passava um creme para aliviar a xana e o cuzinho e dava gostoso para voce a noite, com eles eu fodia praticamente todos os dias e tinha folga aos fins de semana, confesso que ficava doida para a segunda chegar. Depois que o predio ficou pronto, eu passei a procurar predios em construção e sempre achava machos variados para dar para eles de uma só vez. Estou te contando isso porque te amo, agora se voce quiser se separar de mim eu entenderei. Depois disso meus amigos eu não tive coragem de abandoná-la, pois a amo muito e então as vezes eu mesmo a levo para ser fodida por peões em obras e assisto ela ser fodida com força por eles, Contos Imor(t)ais - NÃO SABIA, MAS GOSTEI – 14 -


quem tiver a fantasia de ser corno deixe o preconceito de lado e ponha sua mulher para dar gostoso para outro na sua frente, ela vai adorar e voce a fará muito feliz... abraços de um corno muito apaixonado.

Contos Imor(t)ais - NÃO SABIA, MAS GOSTEI – 15 -


VISITAS INESPERADAS Recordo-me de tudo como se fosse agora. Há três dias atrás estava eu na sala a assistir a um canal daqueles interditos a crianças. (Antes disso, vou apresentar-me: chamo-me Raquel, sou morena, tenho olhos esverdeados, e bem, o meu corpo todos sempre disseram que é voluptuoso, mas de peito pequeno... aquele corpinho tipo pêra ahaha) Já estava eu com a bucetinha toda ensopada em líquido de prazer, e ainda por cima, sem sequer me ter começado a tocar ao ver aquela maravilha na tv. Ali naquele canal estavam duas morenas a fazer amor. Uma delas tinha os peitos grandes e firmes, daqueles com os biquinhos saídos, todos espetados de tesão. A sua boca era grossa e suculenta, que beijava agora a xana linda da outra moça. Esta outra menina suspirava de prazer. Tinha os peitinhos médios com uns biquinhos adoráveis pequeninos e escurinhos, as cochas eram grandes e tonificadas, e aquela buceta... ai aquela buceta era maravilhosa! Gordinha, e naquele momento dava para ver um suquinho branco a sair do seu orifício... Deu-me uma vontade de lamber aquilo tudo. Aquela vontade de que aquele filme estivesse acontecendo com você sabe? Qual não é o meu espanto quando tocam à porta da casa. Apressei-me a vestir as calças já que me estava já a esfregar toda no sofá da sala. Abro a porta e quem é que estava ali toda sorridente? A Cláudia... Uma amiga com quem tenho fantasias quando me toco faz anos! O pormenor foi que com a pressa de abrir a porta esqueci-me completamente de mudar o canal da tv. – Bem vejo que estás na safadeza não é? diz a Cláudia a brincar e a rir... – Estava a mudar de canais e calhou ficar aí quando te fui atender à porta disse eu rapidamente, continuei … – Mas a que se deve tão inesperada visita? Senta-te! respondeu ela – Estava em casa sem fazer nada e resolvi vir ver se estavas cá… – Fizeste bem! retorqui. Contos Imor(t)ais - VISITAS INESPERADAS – 16 -


– Gostas de filmes lésbicos? Perguntou a Cláudia, e sem me deixar responder continuou – Eu adoro de vez em quando para variar, mas o que gosto mesmo é de pau!... Senti-me a ruborizar, ri-me e mudei o canal – Não! Deixa estar! disse ela "Lets have some fun"... A minha cona latejou… Ficámos em silêncio, imóveis a olhar para as duas morenas na tv que agora faziam um delicioso sessenta e nove... Perguntei-lhe – Queres beber ou comer alguma coisa? – Não! estou óptima assim! De repente sinto a mão dela a passar na minha perna, eu viro a cara para Cáudia quando ela me pergunta – Posso te beijar?… – Aham respondi a gaguejar. Que beijo tão molhado que foi aquele, beijámo-nos muito durante cinco minutos mais ou menos. A boca dela estava quente, sabia a cigarros e menta. Não aguentei mais... Levei a minha mão até a uma mama dela, e ela fez o mesmo, amassou o meu bico. Apertei o dela por debaixo da camisa aos quadrados e percebi que tal como a morena da tv de peitos grandes, o bico dela era grosso e saído... muito gostoso... Eu já me sentia alagada de prazer..Nunca parámos de nos beijar...quero dizer... Nesta fase já nos lambuzavamos todas na boca uma da outra. A Cláudia é uma moça dos seus vinte e três anos, cabelos ruivos, olhos cor de avelã, magra mas peituda e um bum bum muito redondinho. Observava agora o seu peito depois de perguntar – Posso tirar a sua camisa? E ela consentiu de seguida, coloquei as mamas dela sobre o soutien destapada. Seus peitos pareciam maiores assim desnudos. Chupei aqueles bicos com tanto amor e violencia ao mesmo tempo. Chupei até ela não aguentar e começar a gemer. "Devo estar muito molhada neste momento" disse Cláudia. – Posso verificar? perguntei... – Claro... Num instante retirei seus calções de ganga e a calcinha de fio dental preta e dei de caras com a bucetinha mais linda que alguma vez podia ter imaginado em minhas fantasias enquanto me masturbava mil vezes antes disso acontecer. Seus lábios grandes estavam rosados de tanta tesão e Contos Imor(t)ais - VISITAS INESPERADAS – 17 -


por dentro tinha um suquinho lindo espreitando para eu lamber. Lambi muito, chafurdei no meio daquela cona toda, fiz movimentos circulares com a minha cara toda enterrada na bueceta mais bem cheirosa do mundo que esta menina tem. Cerca de meia hora se passou e eu ainda ali estava, beijando avidamente os lábios inferiores de Cláudia quando ela me diz – Estou ansiosa por provar a sua xana! e eu – Cláro.. Mas calma... primeiro tenho uma surpresa para você já que você falou que adorava um bom pau Deixei Cláudia nua no meu sofá e fui ao meu quarto. – Oh meu Deus!" exclamou ela ao olhar para o strap-on negro de vinte centímetros que eu trazia na minha cintura. – Gosta? – Não sei... tenho medo que me magoe com um pau tão grande! – Não vou magoar, vou fazer com muito carinho sim? – Sim!"... E assim foi... Coloquei Cláudia de quatro, me certifiquei com a minha boca se estava suficientemente lubrificada, e em seguida coloquei lentamente a cabeça do meu pau de borracha na bucetinha apertada dela... "hummmm" Cláudia já gemia e eu ainda não tinha colocado nem metade do meu pau. Retirei o strap-on e aquela cabeça já pingava de molho tesudo de Cláudia. Decidi fazer um pouco mais de força e coloquei o pau todo até a minha cintura. Começei a socar muito rapidamente. – Toma minha puta linda!" exclamei eu – Fode, me fode Raquel, me usa como você quiser! Aí ela gozou muito, quando eu finalmente retirei o pau de dentro dela ele vinha todo ensopado, todo molhado, aí eu falei – Agora lambe e chupa seu molho"... Cláudia chupava com gosto, seus lábios grossos faziam o trabalho bem direitinho... olhou para mim, retirou o strap-on da minha cintura e colocou na dela, puxou as minhas ancas até a sua boca, enquanto ela sentada no sofá devorava minha buceta. Eu dancei em cima da sua boca. "Que saborosa você é minha putinha linda", aí cavalguei muito sobre aquele pau molhado com o suco dela e agora com o meu que não era pouco... estava de costas para ela e ela pressionava minhas ancas contra o seu pau imaginário... De repente o inesperado aconteceu, quando eu quase gozava Contos Imor(t)ais - VISITAS INESPERADAS – 18 -


alguém coloca a chave na fechadura da entrada que dava directamente para a sala onde eu e Cláudia estávamos fodendo. Sem tempo para nos cobrirmos Natacha a dona da casa nos descobre naqueles preparos. Natacha é minha amiga companheira de casa, linda, cabelos longos pretos, olhos negros, pele branquinha, alta, peitos lindos e grandes por debaixo de um corpete negro. Pensei que Natacha iria fazer uma cena ao ver-nos assim, ou então fugir. Ao que ela diz – Strap-on preto hum?" e rio muito. Aí sem pensar sequer falei – Gostaria de se juntar a nós?" Quando eu pergunto isto, Cláudia se aproximou dela e começou beijando a boca de Natacha como beijou minha buceta, avidamente eu me juntei num beijo a três, nos lambuzamos um bom bocado... Cláudia foi despindo Natacha enquanto eu beijava seus peitos loucamente... Natacha já gemia – Hummmmm que surpresa boa… Cláudia colocou natacha de quatro e socou aquele pau com toda a força sem preparar como eu tinha feito nela... Natacha gritou muito mas mesmo assim de frente para a minha chana sentada no sofá chupou tudo o que tinha para chupar gemendo de prazer. A visão dos céus... Natacha mamando na minha cona, e Cláudia por de trás dela socando fortemente em natacha segurando suas ancas com força... – Nossa Cláudia.. falei eu – Não conhecia esse seu lado" Aí eu e Natacha decidimos retirar o strap-on de Cláudia e fomos checkar a sua buceta... Nossa... Que rio de prazer que Cláudia tinha para nós sorvermos... Sentamos Cláudia no sofá e nós duas, eu e Natacha enquanto nos beijavamos começamos lambendo ao mesmo tempo aquela cona maravilhosa... Fizemos Claudia gozar novamente nas nossas bocas... Terminámos no chão da sala, em rodinha, natacha chupava minha cona, eu lambia a xana de Cláudia novamente e Cláudia colocava sua língua dentro da buceta de Natacha.. Horas e horas nessas brincadeiras... imaginem…

Contos Imor(t)ais - VISITAS INESPERADAS – 19 -


ME EXIBI PARTE I Há dois meses me mudei para um apartamento bem bonzinho, mas infelizmente de fundos. Nas semanas seguintes após a mudança comecei a desempacotar minhas coisas e como nessa cidade faz um calor infernal fiz isso usando shortinhos que não escondiam muita coisa já que minha bunda é grande e redonda e o mesmo acontecia com os tops que só cobriam parte dos meus seios que são bem grandes. Para ser honesta gostava quando me via no espelho com essas roupas, me sentia uma vagabunda barata e isso me excitava. Para fazer o tempo passar mais rápido colocava um som e fui fazendo a arrumação enquanto dançava rebolando bastante. Deixei para arrumar meu quarto no final e fiquei trabalhando nele uns quatro dias. No segundo dia percebi um assobio e muito curiosa fui olhar pela janela. Vi dois garotões parados na janela do apartamento em frente ao meu mas no andar de cima. Os dois me olhavam com cara de safados, quase me comendo com os olhos, percebi que eles estavam vigiando minha arrumação fazia algum tempo. Dei um sorriso sem graça e sai do quarto. Estava pronta para mudar de roupa, agora que eu tinha platéia, mas fiquei com o maior tesão de ficar me exibindo e voltei a arrumação, dançando bem provocativa sempre perto da janela. Os garotos continuaram lá o tempo todo e soltavam piadinha dizendo que iriam me fuder todinha e que me fariam de empregadinha deles e me obrigariam a chupar o pau deles. Quanto mais baixaria eles falavam mais eu me excitava. Os garotos começaram a bater punheta e diziam que em breve enfiariam seus cacetes no meu cú e na minha buceta e que eu iria implorar para que eles parassem. Fiquei nesse joguinho até acabar a arrumação do meu quarto, sempre provocando eles um pouquinho mais. No último dia, troquei de roupa com a janela aberta e deixei eles verem minha bucetinha toda raspadinha. Eles ficaram loucos e bateram uma punheta atrás da outra. Não pretendia voltar ao joguinho, já que agora minhas férias tinham acabado e eu teria que volta ao trabalho, não sobrando muito tempo para a diversão. Assim, mantive minhas janelas fechadas para evitar dar de cara com eles. Tudo ia muito bem quando ao chagar ao meu prédio, depois de um dia exaustivo de trabalho, dei de cara com os dois garotos no hall do elevador. Fiquei chocada. Não sabia o que fazer. Aqueles caras haviam me observado durante dias e agora estavam ali, parados na minha frente com cara de quem queria alguma coisa, e eu tinha idéia do que era. Eu não era nenhuma virgem e já tinha feito coisas bem loucas, transado com desconhecidos e em lugares nada convencionais. Adorava me exibir e ver que os homens se excitavam comigo, mas fazer sacanagem com alguém do meu prédio era uma experiência que eu já conhecia e que tinha me trazido muitos problemas.

Contos Imor(t)ais - ME EXIBI – 20 -


Bom, disse um oi e esperei o elevador. O mais alto dos dois se apresentou -Felipe e ao amigo – Carlos Perguntou se eu sabia quem eles eram e eu me fiz de desentendida. Felipe foi logo despejando que tinha me visto vestida igual a uma puta enquanto arrumava o apartamento e que sabia que eu estava querendo fuder com eles. Fiz uma cara de “Ta doido meu filho?” e fui indo em direção as escadas. Eu nunca subiria até meu apartamento pelas escadas, afinal moro no quinto andar, mas poderia pegar o elevador no primeiro e me livras dos garotos. Mas eles estavam ávidos por trepar comigo e me seguiram. Assim que passamos pela porta de incêndio, Carlos, que não tinha aberto a boca ainda, me agarrou por trás. Ameacei um grito e ele tapou minha boca com força, sussurrando no meu ouvido que eu não iria me livrar deles sem dar o que eles tinham vindo buscar. Felipe riu de um modo malicioso e veio me encarar dizendo que seu amigo era um cara muito calmo quando era obedecido, mas quando uma vagabunda não dava o que ele queria ele se tornava perigoso. Disse isso parecendo casual, mas pela forma como Carlos me apertava comecei a achar que era verdade. Carlos soltou a minha boca, me virou e me jogou contra a parede. Minhas coisas caíram no chão e Felipe pegou a minha bolsa e foi abrindo. Reagi, mandando ele largar, e levei um tapa na cara do Carlos que disse, muito zangado, que eles não eram ladrões. Eles se olharam e Felipe me mandou tirar as roupas. Fiquei roxa e não me mexi. Levei outro tapa mais forte ainda e a ameaça de um terceiro me fez começar a tirar tudo. Primeiro o blazer, depois a camisa e a calça. Fiquei de calcinha e sutiã, mas eles apontaram minha roupa íntima e tirei elas também, ficando do com o sapato de salto fino. Meus seios fartos estavam com os bicos duros, minha buceta estava toda depilada, sem um pelinho e minha calcinha molhada de tesão. Eles a pegaram e riram comentando como eu era mesmo uma vagabunda, já estava até molhadinha. Felipe saiu da escada com minhas coisas, inclusive minha roupa, enquanto Carlos começou a passar a mão pelo meu corpo, apertando e dando tapas nos meus seios e rindo a medida que eles ficavam vermelhos, falando no meu ouvido que eu era uma puta barata e que eles iriam acabar comigo. E eu cada vez mais molhada e me entregando nas mãos dos dois. Alguns minutos depois Felipe voltou e foi logo enfiando as mãos no meio das minhas pernas, rido ao ver como sua mão ficou molhada. Enfiou ela na minha boca, me fazendo chupar todos os dedos até ficar sem uma gota do meu fluido. Carlos deu um tapa na minha bunda e me mandou subir as escadas bem devagar. Fui subindo e eles vieram ao meu lado, dando tapinhas na minha bunda e nos meus seios, passando a mão entre minhas pernas e apertando-as contra minha buceta. Chegamos ao primeiro andar e eles me fizeram parar de frente para a porta e a abriram. Me encolhi para me esconder com medo de algum vizinho me ver, mas levei um tapa e uma bronca e fiquei de pé, com as mãos ao lado do corpo, como Carlos havia mandado. Eles se sentarem nos degraus e ficaram dizendo o que quando a porta se fechasse eles me obrigariam a me ajoelhar e chupar o pau deles. Passaram alguns minutos, ninguém a apareceu e eles fecharam a porta me pondo de joelhos. Os dois já estavam com o pau pra fora e duro, ambos eram grande e grossos, mas o do Felipe era grande demais. Carlos me pegou pelos cabelos e foi enfiando o cacete dele na minha boca, enquanto Felipe colocou o dele na minha me indicando que queria uma punheta. Sentia as mãos do Felipe Contos Imor(t)ais - ME EXIBI – 21 -


brincando com os meus seios e movimentando minha mão no pau dele enquanto eu chupava o pau de Carlos todinho, enfiando o mais fundo possível na minha boca, sugando a cabeça, fazendo movimentos de vai e vem cada vez mais rápidos controlados por ele. Quanto mais eu chupava mais duro o pau dele ficava e mais fundo ele tentava enfiar na minha boca. Ele enfiou o cacete quase e segurou minha cabeça impedindo que eu me afastasse, eu não conseguia respirar e estava ficando vermelha quando senti um jato de porra no fundo da minha boca. Ele me soltou e eu puxei o ar com força, a porra escorreu pelo canto da minha boca e antes que eu tivesse tempo de me recuperar o pau do Felipe já estava enfiando na minha boca. Chupei ele o melhor que pude, mas aquele caralho era grande demais e quase não cabia na minha boca. Chupei suas bolas, usei a língua para acariciar a cabeça, lambi todo aquele monstro e quando foi gozar ele pegou minha cabeça, me mandou abrir a boca e ficou batendo o pau na minha cara espalhando porra por todo o meu rosto e me fez engolir o que tinha caído na boca. Depois sentou no degrau ao lado de Carlos e me mandou me limpar com as mãos, lambendo para tirar a porra que tinha escorrido. Quando acabei subimos mais um degrau, mas dessa vez eles me fizeram correr escada acima, meus peitos pulavam e meus fluidos escorriam pelas minhas pernas. Me mandaram parar no andar seguinte onde foi feito o mesmo ritual, também dessa vez ninguém apareceu. Felipe me mandou colocar uma das pernas no corrimão da escada e eu fiquei toda exposta. Carlos me imprensou por trás, apoiando meu corpo enquanto Felipe tirou seu pau pra fora, bateu uma punheta para estimular e quando ele ficou duro novamente foi enfiando na mina buceta. Eu estava bem lubrificada porque já estava com um tesão enorme mas achei que não iria entrar. Senti uma dorzinha que me fez gemer alto e eles adoraram, riram e me chamaram de puta, vadia. O pau entrou todo quando Felipe enfiou ele pra dentro com força e de novo eu gemi de dor e de prazer. Carlos passava a mão pelo meu corpo, apertava minha bunda e meus seios e eu sentia seu pau ficando cada vez mais duro dentro da calça. Felipe continuou me fudendo com força e mandava eu gemer alto e rebolar a bunda pra encaixar direito. Eu gemia e rebolava, mas não era por que ele estava mandando mas sim por que eu estava explodindo de tanto tesão e por que apesar de estar amando ser fudida por ele estava sentindo uma dor causada por aquele mastro me rompendo. Carlos agarrou meus cabelos e deu um puxão forte, virando meu rosto para ele e me dando um beijo que mais parecia um ataque. Felipe gozou e senti a porra escorrendo pelas minhas coxas. Eles inverteram as posições e Carlos enfiou seu pau na minha buceta de uma vez só, mas sem nenhum problema depois que ela foi arregaçada pelo Felipe. Rebolei e gemi da mesma forma que fiz com Felipe, muito mais por obrigação do que por prazer. Estava exausta, minhas pernas estavam fracas especialmente a que estava apoiada na escada e só me maneia em pé por que estava entre os dois. Carlos gozou e mais porra escorreu pela minha perna. Os três sentamos nos degraus por um tempo sem dizer nada, recuperando as forças. Eles tinham um pique, que antes mesmo de eu ter me recuperado um pouquinho eles já estavam de pé me mandando subir mais um andar. Fiz isso, sem o menor animo, perguntei se eles não queriam ir pra minha casa, mas levei um tapa na bunda e eles disseram que vagabunda não dá palpite, mas que eles iriam pra minha casa sim, mas andar por andar. Percebi que aquilo seria uma maratona e resolvi tirar forças da alma para aproveitar cada momento Contos Imor(t)ais - ME EXIBI – 22 -


daquela experiência. No terceiro andar eles não abriram a porta, só me fizeram bater uma punheta para eles. Eles sentados e eu ajoelhada. Demoramos muito nesse andar por que os cacetes não estavam conseguindo ficar de pé. Quando a situação estava melhorando um morador abriu a porta para colocar o lixo do dia ao pé da escada e nos pegou naquela situação. Eu fiquei petrificada, roxa, não consegui me virar, mas Carlos e Felipe riram e cumprimentaram o cara – Marcos, perguntando se ele queria se juntar a eles. Fiquei em pânico. Mais um eu não conseguiria agüentar. E que idéia aquela, no máximo o morador iria chamar a policia e mandar nos prender por atentado ao pudor. Mas ele disse que adoraria e perguntou quais as condições. Felipe riu e disse que a única condição era me fuder o máximo que ele puder do jeito que ele quiser. Marcos bateu a porta da casa e foi logo passando a mão pelo meu corpo. Me agarrou pelo cabelo e em deu um beijo na boca. Carlos ficou de pé e subimos mais uma andar, ele e Felipe foram na frente enquanto Marcos subiu me agarrando e passando a mão pelo meu corpo. Chegamos ao quarto andar e Felipe abriu a porta me empurrando para o hall dos elevadores só para a diversão de Marcos, que ria e estava ficando excitado me vendo ali, submissa e exposta. Depois me mandou voltar e perguntou o que Marcos queria. Ele se sentou, me colocou ajoelhada com a bunda bem empinada, tirou o pau pra fora e me fez chupar. Comparado aos outros dois o pau dele era bem normal. Chupei, enfiei tudo na boca, lambi as bolas e a cabeça, enquanto Carlos e Felipe ficavam ma dando tapas na bunda, competindo quem dava o tapa que a deixava mais vermelha e rindo. Depois cuspiram nos dedos e brincaram com meu cú, rodeando ele e enfiando e tirando um dedo, depois dois e três e me fazendo rebolar nas mãos deles. Estava até me esquecendo que o pau de Marcos estava na minha boca quando ele pegou meu cabelo e me fez enfiar mais fundo. O pau foi tão fundo que me engasguei e comecei a tossir, mas ele prendeu minha cabeça mantendo todo o pau dentro dela até gozar. Depois fechou minha boca com as mãos e me fez engolir. Subimos mais um andar e Felipe tirou a chave da minha casa do seu bolso e nos fez entrar. Ele e Carlos foram direto para o meu quarto e se jogaram na cama e de lá gritaram para Marcos se divertir comigo que eles iriam descansar. Marcos me jogou no sofá, tirou a roupa de deitou sobre mim. Lambeu meus peitos e deu mordidas nos mamilos, foi descendo até chegar a minha virilha. Quando percebeu que ela estava melada de porra parou e me mandou tomar um banho. Foi o melhor banho da minha vida, estava me sentindo suja e cansada e aquilo me deu uma injeção de animo. Voltei pra sala e ele estava me esperando com o pau duro. Deitei no sofá e abri bem as pernas pra ele enfiar o pau bem fundo, estava molhada de novo e não consegui esconder minha excitação, deixei ele me fuder, gemi, rebolei e até gozei. Quando ele se sentiu satisfeito, virou pro lado e dormiu. Fui tomar outro banho e quando olhei a hora levei um susto. Já tinha se passado três Contos Imor(t)ais - ME EXIBI – 23 -


horas desde que eu cheguei ao prédio e encontrei os garotos, três horas de muito sexo, tesão e prazer.

PARTE II No dia seguinte acordei quando já passava de meio dia. Estava quebrada, minhas coxas ardiam, minha bunda latejava dos tapas da noite anterior, meus lábios estavam rachados e todo o meu corpo doía. Fui a primeira a acordar e entrei direto no chuveiro. Quando saí, somente Marcos estava no apartamento e perguntei sobre os outros dois. Ele me disse que não era da minha conta, me mandou tirar a roupa e depois fazer o café da manhã dele. Eu disse para ele mesmo se servir, virei de costas e fui para meu quarto. Marcos se levantou calmamente, me pegou pelo braço e me arrastou para a cozinha. Começou a abrir todas as gavetas até encontrar os talheres, tirou de lá uma faca de churrasco e encostou no meu pescoço. Eu tremia toda, prometi que faria o café da manhã, pedi desculpa, mas ele disse que era tarde demais. Desceu a faca pela minha barriga e rasgou minha blusa, em seguida me virou de costas, rasgou meu shorte e me empurrou para a geladeira me mandando fazer o café. Eu tinha ficado realmente com medo e comecei a achar que estava na hora daquela brincadeira terminar. Pus tudo o que eu tinha na geladeira na mesa e estava saindo da cozinha, quando ele me mandou ficar ajoelhada esperando ele acabar de comer. Obedeci e só saímos daquela situação quando Felipe e Carlos voltaram trazendo uma mala. Fomos todos para a sala e eu pedi que eles saíssem por que aquilo já tinha passado dos meus limites, mas os três fizeram que não e disseram que o fim de semana de sexo estava só começando. – Como assim, fim de semana? Ainda era quinta feira Eu tinha que ir trabalhar, argumentei isso com eles, mas me mandaram ligar para a firma e dizer que estava doente. Eu disse que não, mas levei um tapa do Carlos que me fez cair no chão e ele disse que isso não era um pedido e sim uma ordem. Fiz o que eles disseram com as mãos tremulas tentando imaginar como aquilo iria terminar. Assim que desliguei Felipe abriu a mala e tirou uma câmera de vídeo. Eles me disseram que iriam filmar tudo e que transformaria aquilo num filme para eles se divertirem com os amigos, mas que me dariam uma cópia para eu não esquecer da vadia que eu era. Pedi que não fizessem isso, mas eles não me deram escolha. Me deram um vibrador tão grosso quanto o pau de Felipe, ajustado na intensidade máxima e me mandaram me masturbar. Sentei numa cadeira, abri bem as pernas apoiando-as em outras que estava dos lados enquanto os três tiraram a roupa e sentaram nos sofás bem na minha frente. Felipe segurava câmera e me mandou começar. Posicionei o vibrador e fui enfiando bem devagarzinho, não estava lubrificada e ainda sentia os efeitos da noite anterior. Eles ficavam dizendo que eu era uma vadia, uma cachorra, me mandavam olhar para a câmara para mostrar minha cara de puta. Massageei meu clitóris e comecei a ficar excitada facilitando a entrada daquele monstro. Carlos deu um berro me mandando enfiar logo e rebolar. Enfiei tudo e comecei a ficar mais e mais excitada com a vibração, rebolei bastante e gemi alto. Lambia meus dedos e passa pelos meus seios apertando de leve meus mamilos. Os dois, que tinham as mãos livres, batiam punheta enquanto eu me exibia para eles. Eles se Contos Imor(t)ais - ME EXIBI – 24 -


aproximaram de mim e gozaram nos meus peitos e na minha cara. Lambi toda a porra que pude e beijei os dois na boca. Um beijo longo, molhado e cheio de tesão, enquanto Felipe filmava tudo. Paramos por um momento enquanto eu me lavava e eles comiam alguma coisa, mas em seguida voltamos para a putaria. Marcos pegou a câmera e Felipe e Carlos abriram a mala tirando de lá algemas e um chicote fino com haste dura e uns 40 centímetros de comprimento. Fui colocada de quatro em cima da cama, minhas mãos e pés foram algemados bem separados nos quatro pés da cama. Me mandaram colocar o rosto no colchão deixando minha bunda bem empinada. Carlos estalou o chicote no ar e senti um frio na barriga, sabia que a próxima seria em mim. Ele me mandou contar e disse que se eu errasse a conta começaria tudo de novo até vinte cinco. A primeira chicotada fez meus olhos lacrimejarem e antes de contar um, soltei um grito. Carlos disse que essa não valeria e que começaríamos de novo e que eu só podia contar. Minha bunda estava ardendo já na segunda e entre elas eu recebia tapinhas de Felipe bem em cima de onde o chicote estalou. Sempre que escutava o chicote cortando o ar contraía a bunda o que fazia os três rirem. Finalmente chegou a chicotada vinte e cinco e eu sentia minha bunda anestesiada, formigando. Marcos e Felipe se jogaram na cama um de cada lado e ficaram passando a mão pelo meu corpo, apertando e chupando meus seios até eu gemer. Felipe sentou entre meus braços, pegou meu cabelo e enfiou seu caralho na minha boca, empurrando até a cabeça tocar minha garganta. Pelo canto dos olhos podia ver Marcos se movimentando para pegar o melhor ângulo. Carlos ficava alisando minha bunda e dando tapinhas nos locais que mais ardiam, me fazendo encolher o corpo. Felipe puxava meus cabelos pra cima e pra baixo, enfiando mais e mais seu pau na minha boca. Eu sentia ele pulsando e ficando cada vez mais duro e Felipe estava me mantendo mais tempo com todo o cacete no fundo da minha garganta, me deixando se fôlego. Ele enfiou aquele mastro todo na minha boquinha e segurou minha cabeça por um longo tempo até gozar. Senti a porra quente batendo no fundo da minha garganta e não consegui segurar, acabei cuspindo todo aquele leite em cima dele. Levei um tapa por isso e tive que lamber e engolir tudinho, sem perder uma gota. Os três me olhavam e riam dizendo que eu era uma puta comedora de porra. Marcos não perdeu uma cena. Mais uma câmera surgiu nas mãos do Felipe para registrar a minha curra. Carlos se colocou atrás de mim e disse que iria acabar de uma vez com a minha bunda. Abriu ela bem ela com as mãos, separando o máximo e deixando meu cuzinho bem a mostra. Cuspiu na cabeça do pau e foi enfiando bem devagarzinho. Marcos e Felipe pediram pra ele tirar e colocar várias vezes para pegar a melhor cena. Meu cú estava em chamas, não consegui segurar as lagrima e comecei a chorar pedindo que eles parassem. Carlos me deu um tapa nas costas e me mandou calar a boca, que ele estava se divertindo e que não seria uma vagabunda como eu que estragaria tudo. Ele enfiou a cabeça mais uma vez, depois foi introduzindo tudo bem devagarzinho, até meu cú engolir tudo. Ele começou a se movimentar bem rápido e cada vez que o quadril dele batia ma minha bunda eu via estrelas. Sentia as bolas batendo na minha buceta e aquela mistura de dor e prazer foi me dando muito tesão e antes que ele gozasse eu acabei gozando. Tentei disfarçar mas eles perceberam e me xingaram de tudo que foi possível. Por fim Marcos gozou e eu senti seu leite escorrendo pelas minhas pernas. Mais uma vez as câmeras mudaram de mãos e eu fui solta das algemas. Marcos deitou na cama e me mando cavalgar o pau dele. Ainda estava excitada e bem molhadinha e o pau dele entrou com Contos Imor(t)ais - ME EXIBI – 25 -


facilidade, mas Carlos me mandou levantar e ir descendo bem devagarzinho para eles filmarem. Me levantei, fiquei em pé e fui descendo o mais devagar que pude. Fiquei cavalgando, rebolando bastante e pedi para eles me chamarem de vagabunda. Quando eu disse isso veio uma enxurrada de xingamentos, tapas no rosto e nos seios. Estávamos todos com muito tesão. Marcos e Felipe estavam cada um de um lado, filmando tudo e eu peguei o pau deles e comecei a masturbar os dois enquanto Marcos me comia. Marcos gozou assim como os outros dois, fiquei toda melada, meu corpo todo estava ardendo e dolorido. Me levantei e senti todo aquele leite escorrendo pelo meu corpo. Quis ir me lavar mas eles me mandaram dançar pra eles e esfregar a porra pelo meu corpo. Coloquei uma música e dancei, passando a mão por todo o corpo e espalhando todo o leito, esfregando meus dedos na minha buceta enquanto rebolava até o chão. Quando acabei eles me mandaram ir dormir, sem me lavar para não esquecer do meu cheiro, cheiro de sexo, de vagabunda.

PARTE III Acordei com o corpo todo doendo, minha buceta e meu cú ardiam, meus seios estavam vermelhos de tanto ser chupados, a porra que eles derramaram em mim havia secado e estava irritando minha pele, e eu me sentia fedida. Demorei a levantar relembrando os momentos maravilhosos e percebendo todos os efeitos no meu corpo e na minha alma de ser fudida por três. Levantei e fui procurar por eles, mas não havia ninguém em casa, só uma fita de vídeo e um bilhete escrito “Obrigado e mantenha a boca fechada!”. Fiquei decepcionada, apesar de toda a dor eu queria mais. Coloquei o vídeo e me masturbei muito. Passei muitos dias sem ver os três e quando nos encontramos eles mal me cumprimentaram, no máximo me davam um bom dia e seguiam em frente. Fiquei triste, mas entendi. Passou quase um mês nesse clima e um dia, quando eu estava entrando no elevador o Carlos entrou comigo, me agarrou e beijou meu pescoço, passando as mãos pelo meu corpo e sussurrando uma ótima notícia no meu ouvido. Ele me disse que o Marcos iria se casar e que em uma semana seria a despedida de solteiro dele e que eu iria comparecer depiladinha e sem calcinha. Me deu um convite com o endereço e a hora. No dia eu fiquei excitadíssima, saí mais cedo do trabalho e fui me depilar todinha. Entrei na banheira e fiquei lá quase uma hora, relaxando e me perfumando. Coloquei uma mini-saia rodadinha preta, uma blusinha bem decotada e com a barriga de fora, um salto fino alto que deixava minha bunda empinadinha. Prendi o cabelo num rabo de cavalo e saí para a festa já com tesão. Cheguei na festa e encontrei treze homens sentados em sofás dispostos em volta de uma pista de dança. Todos bebiam e o clima era de sexo puro. Entrei e fui falar direto com o Marcos que me deu um beijo na boca e me fez sentar no colo dele. Ficamos nos beijando e eu sentia sua língua acariciando a minha, seus dedos percorrendo meu corpo e tocando minha bucetinha que já estava molhada. Ele parou de me beijar e riu quando percebeu que eu havia feito o que Carlos mandou e disse que eu era uma boa garota. Me levantei e fui beijar Carlos que me agarrou pela bunda, pressionado meu corpo contra o dele. Senti o pau dele já duro dentro da calça. Em seguida ele me levou para falar com todos os outros onze homens da sala e dei em cada uma um beijo de língua. Quando acabou meus lábios já estava formigando. Me sentei entre o Marcos e o Carlos e eles não perderam tempo. Começaram a me acariciar, a brincar com meus seios e a beijar minha boca. Logo depois o Felipe chegou com duas dançarias, Contos Imor(t)ais - ME EXIBI – 26 -


veio até mim e me deu um beijo, dizendo que sabia que uma vagabunda como eu não perderia a chance de participar de uma orgia. Eu sorri, quase como consentindo com o que ele tinha dito. Ele se afastou, fez um discurso sobre o Marcos, apresentou as duas mulheres, colocou uma música para elas dançarem e se sentou ao lado de Carlos. As mulheres estavam vestidas de enfermeira e policial, uma loira e uma morena. As duas saradas, siliconadas e com cara de safadas. Elas dançavam, esfregavam a bunda no pau dos homens, deixavam eles passarem as mãos nos seios delas e eles riam de tanto prazer. Marcos levantou minha saia e ficou massageando minha rachinha e esfregando meu clitóris enquanto assistia ao show das mulheres. Carlos se desinteressou rapidamente e arrancou minha blusa caindo de boca no meus seios e chupando-os com força. Marcos abriu sua calça e colocou minha mão dentro dela. O pau dele estava duro e ficava mais duro enquanto eu ia massageando. Ele largou minha buceta, dando lugar a boca de Carlos que começou a me chupar, enfiando a língua na minha buceta, e sugando meu clitóris. Eu estava no céu, gemia e me contorcia de tanto prazer. Meu corpo estava quente e meu coração disparado. Quando Felipe se deu conta de que nós estávamos nos divertindo sem ele, ele pegou um banco e se sentou atrás do sofá onde nós estávamos, estendeu as mãos e ficou apertando meus seios, beijando meu pescoço e dizendo coisas obscenas no meu ouvido. Meu tesão só crescia e eu precisava chupar um pau. Me deitei de lado e enfiei o pau do Marcos na minha boca, acariciando as bolas com a mão. Ele estava duro e pulsava. Carlos se colocou atrás de mim e começou a penetrar minha bucetinha. Entrou fácil, eu estava muito lubrificada e acostumada com aqueles cacetes. Fiquei rebolando, sentindo os dois cacetes dentro de mim. Marcos na minha boca e em seguida Carlos inundou minha buceta com seu liquido. Me sentei e vi que todos os homens perderam o interesse nas dançarinas (apesar dos esforços delas para chamar a atenção) e estavam olhando para nós. Alguns estavam com o pau para fora batendo uma punheta e, os mais contidos, massageavam os cacetes por cima da calça. Adorei a sensação de ser desejada ao mesmo tempo por tantos homens e continuei sentada com os seios a mostra e a perna aberta, deixando eles verem minha bucetinha raspadinha e melada de porra. Mas não tive muito tempo para encará-los por que Felipe já estava ao meu lado, impaciente, querendo sua vez de me comer. Ele se sentou, tirou o pau para fora e me puxou para sentar no seu colo. Posicionei seu pau na direção da minha buceta e fui descendo. Ele foi entrando, escorregando para dentro da minha buceta com facilidade. Felipe arrebentou minha saia e eu fiquei completamente nua. Felipe dava tapinha na minha bunda enquanto eu rebolava e gemia. Ele chupava os meus seios e urrava de prazer. Nós dois gozamos quase ao mesmo tempo. Escorreguei para o sofá e fiquei recostada entre os três, contemplando aquela cena. As mulheres acabaram o show decepcionadas com a falta de atenção. Já os homens estavam em êxtase com o meu desempenho. Alguns gozaram nas mãos, outros tinham manchas nas calças indicando que haviam gozado com o pau ainda dentro da calça. Me diverti com a situação deles. Ficamos bebendo mais um tempo e os homens começaram a conversar de forma natural, de vez em quando percebia um olhando na minha direção e me comendo com os olhos. Felipe, Marcos e Carlos não saíram de perto de mim. Me acariciavam, chupavam meus seios e beijavam minha boca, como se eu fosse um brinquedinho, um bichinho que precisasse ser acariciado para se comportar. A maioria dos homens foi embora e ficamos nós quatro mais dois amigos próximos, ou seja, era eu para cinco homens. Carlos me mandou dançar para eles. Eles tiraram as roupas e vieram dançar comigo. Esfregava meu corpo no deles e sentia um arrepio atingir minha espinha. Estávamos suados Contos Imor(t)ais - ME EXIBI – 27 -


e a sensação de roçar na pele deles era uma delícia. Um dos amigos me empurrou para baixo e eu me ajoelhei, ficando com o rosto na altura dos cinco cacetes duros. Chupei o que estava mais próximo a minha boca, sendo controlada pelas mãos do dono do pau, enquanto os outros quatro passavam a mão pelo meu corpo, alisavam meus seios e batiam punheta. Larguei o primeiro e peguei o segundo, chupando aquela delícia de vara dura, depois veio o terceiro, que era tão grande que me vez engasgar. Tive que parar para recuperar o fôlego, mas logo peguei o quarto que não agüento e gozou na minha. Senti a porra quentinha escorrendo pelos meus lábios e caindo nos meus seios. Peguei o quinto pau com as mão e quando vi o tamanho olhei pra cima para ver quem era o dono daquele monstro. Um mulato alto e forte que me olhou com um sorrisinho orgulhoso do efeito causado em mim. Não tinha jeito mesmo e eu enfiei o que deu na boca. A cabeça mal entrava e ele empurrou minha cabeça com força para frente, fazendo mais um pouquinho entrar. Eu mal conseguia respirar, ele forçou durante mais um tempo e gozou nos meus peitos. Felipe me jogou uma toalha par eu limpar toda aquela porra e me deitou numa mesa dizendo que a maratona de revezamento iria começar. Dois deles puxaram minhas pernas para trás me deixando bem arreganhada e exposta. Como era a despedida de solteiro de Marcos ele foi o primeiro. Foi enfiando bem devagar na minha bucetinha e eu sentia seu cacete entrando em mim, me dando muito tesão. Em seguida veio o Carlos e penetrou minha buceta gozando dentro de mim. Senti quando sua porra me inundou e gozei muito. Depois dele, o Felipe, e depois um dos amigos enfiou seu cacete na minha buceta, mas não gozou. O mulato foi o último. Eu achei que iria entrar fácil por que eu já tinha agüentado quatro cacetes bem grande antes e estava bem lubrificada, mas quando ele começou a forçar a cabeça eu gritei de dor. Não foi nem uma dor tão grande, mas o susto de ainda sentir dor que me fez gritar. Aquela tora foi entrando em mim e me alargando, e eu rebolava para receber ela todinha. O mulato arreganhava minha buceta com a mão para ver seu cacete sumir dentro de mim e enfiou o finalzinho de uma estocada só. Enquanto ele fudia minha buceta, Carlos enfiou seu pau na minha boca e acariciava meus seios. Carlos gozou na minha boca, me fazendo engolir tudo. Mas o mulato não dava nem sinal de que estava cansado, puxou meu corpo contra o dele e me pegou no colo. Felipe veio por trás e foi enfiando seu cacete no meu cú. Me senti arrebentando por dentro com aqueles dois caralhos dentro de mim, mas estava adorando. Rebolava minha bunda sentindo meu corpo se chocar contra o deles e acabei gozando antes dos dois. Mais alguns minutos o mulato gozou, ele ejaculou tanto, que senti sua porra enchendo minha buceta e quando ele me largou ela escorria pelas minhas pernas. Felipe continuava engatado no meu cú e assim que o mulato saiu o outro amigo veio e enfiou na minha buceta. Eu estava tão alargada que mal senti o pau dele. Felipe gozou e outro veio comer meu cú. Firam esse revezamento até estarem satisfeitos e cansados demais para ter outra ereção. Ficamos largados nos sofás recuperando nossas forças até que Marcos me levou para um banheiro e tomou banho comigo. Chupei o pau dele uma última vez, fazendo ele gozar na minha boca. Mostrei a porra para ele, engoli tudinho e fui beijá-lo. Voltamos para o salão e sentei entre os rapazes. O mulato arreganhou minhas pernas e eu disse que não agüentava mais receber outro cacete dentro de mim, mas ele disse que não era isso. Puxou meu quadril para a beira do sofá e começou a me chupar. Passava a língua na minha buceta toda, descia até meu cuzinho e voltava chupando meu clitóris. Eu rebolava na boca dele, enquanto os outros acariciavam meu corpo fazendo todos os meus pelos se arrepiarem. Meus gemidos foram aumentando de intensidade, meu corpo tremia todo, senti uma explosão dentro de mim e gozei como uma vadia na boca daquele mulato. Fui embora com pena de ter passado tão rápido. Cheguei em casa e senti os efeitos da noite no meu Contos Imor(t)ais - ME EXIBI – 28 -


corpo, tudo doía, eu estava assada, cheia de escoriações, mas muito feliz. Soube que Marcos se casou duas semanas depois e se mudou para outro apartamento. Ainda sonho com as noites que passei com eles e com a deliciosa maratona de sexo.

Contos Imor(t)ais - ME EXIBI – 29 -


CHANTEGEADA Por ter sido uma menina pobre e morando num bairro muito pobre, um dia resolvi que poderia ter uma vida bem melhor pra mim. Por todos dizerem que eu era muito bonita e que tinha um lindo corpo, achei que podia usar esses meus atributos pra mudar meu destino. Estudiosa, tinha um namoradinho aqui e outro ali, mas nunca deixava nenhum deles ultrapassar dos limites... Só permitia mão naquilo e aquilo na mão; boca naquilo (adorava chupar) e só um é que deixei colocar na minha bundinha. Entrei pra faculdade com 17 anos e ainda virgem (pelo menos na xoxota). Foi na faculdade que conheci o Gabriel (21 anos); filho de um pequeno fazendeiro da cidade que logo se apaixonou por mim. Sendo Gabriel um dos bons partidos; para as meninas solteiras, resolvi dar um pouquinho de confiança pra ele. Começamos a namorar e logo que ele soube que eu era virgem foi me pedindo em casamento. Meu sogro era um homem bastante rude; acostumado com cavalos e vacas, também ficou todo encantando ao saber que eu era uma menina ainda pura... O viado do Gabriel contou pro pai pra poder convencê-lo a deixar se casar comigo. Estávamos começando os preparativos pro casamento, que ia ser na fazenda com toda pompa de uma grande festa; quando sozinha com meu sogro ele veio me perguntando se eu conhecia um tal de Lourenço; filho de Dona Berenice... Fiquei trêmula na hora; pois Lourenço foi o tal (o único) que eu tinha deixado comer minha bundinha. Mas, procurando me controlar; já que era quase impossível dele saber o que tinha acontecido entre eu e Lourenço, resolvi falar o que achei que ele podia ter descoberto: – Ah! Tive um rápido namorico com ele; nada sério! – Nada sério mesmo? Não foi isso que fiquei sabendo! Novamente tive que me controlar pra não demonstrar meu nervosismo: – Por quê? Alguém andou fazendo alguma fofoca com meu nome? Foi quando ele; com aquele seu jeito de mandar na vida das pessoas, simplesmente falou que tinha investigado minha vida e descoberto que andei namorando com vários rapazes e que não era tão pura como me fazia parecer: – Mas! Mas Sr. Hugo; juro que sou virgem como o Gabriel falou pro Sr.! Ele sempre muito sério, não hesitou um instante pra me dizer que alguém lhe contou que tinha me visto atrás da igreja dando pro Lourenço. Tentei dizer que era mentira, que tudo devia ser ciúmes de alguém quando ele me falou que a pessoa era uma senhora já de idade e que não tinha motivo nenhum pra mentir pra ele. Com medo de ver minha oportunidade de ser alguém na vida ir pro água abaixo; resolvi: – Juro! Juro pelo que há de mais sagrado que ainda sou virgem; mas foi uma única vez (menti foram várias vezes) que deixei esse tal de Lourenço fazer sexo na minha bunda... Pode acreditar em mim Sr. Hugo! Ele sem se importar com meu desespero; segurou-me pelos ombros me obrigando a olhar fixamente pra ele:

Contos Imor(t)ais - CHANTEGEADA – 30 -


– Vou ter que ter certeza que você ainda é virgem! – Como Sr. Hugo; vai querer me levar em algum médico? – Não! Eu mesmo; já estou acostumado em ver se uma égua já levou pica ou não!… Quase tive um enfarto; mas se era pra garantir meu casamento com o Gabriel, respirei fundo: – Tudo bem Sr. Hugo! Mas o Sr. vai prometer que vou continuar virgem pro seu filho! –Isso eu prometo! Ele me entregando uma chave me fez ir até uma pequena casa afastada da casa grande e ficar esperando por ele; recomendando: – Só não deixe ninguém te ver entrando lá; hein? Muito abalada com aquilo tudo, mas resolvida garantir meu futuro, fui andando como se estivesse apreciando algumas flores e me esgueirei por entre algumas arvores até chegar na tal casa. Dez minutos chegou o Sr. Hugo que foi me fazendo subir sobre uma mesa abandonada; mas limpa, ordenando que tirasse minha bermuda. Constrangida, tirei e fiquei só de calcinha. Ele me obrigando a deitar rapidamente tirou minha calcinha e me fez ficar com as pernas arqueadas. Quando senti seus dedos abrindo meus lábios vaginais senti um tremor se apoderar do meu corpo... Ele descaradamente com a cara entre minhas pernas passando a ponta do dedo na entrada da vagina: – Hummmm... Pelo que estou vendo você está falando a verdade; não é que você é virgem mesmo? – Tá vendo Sr. Hugo... Nunca me entreguei pra homem nenhum! Foi quando senti seu dedo molhado com meu liquido vaginal entrando no meu rabo. Tentei me afastar, mas ele segurando uma das minhas coxas: – Mas já deu o cuzinho; não foi? – Mas! Mas foi uma vez só Sr. Hugo! Ele empurrando todo seu dedo pra dentro e mexendo com ele dentro de mim: – Não precisa ficar com medo Vitória; não vou impedir que você se case com meu filho... Mas só que você vai ter que ser boazinha pra mim! Quando vi que ele tirou o dedo do meu rabo e foi desabotoando as calças: – Você prometeu que ia me deixar virgem Sr. Hugo! Ele acabando de botar um pau de uns 22 cms pra fora das calças: – E vai continuar virgem... Mas vai ter que dar o cuzinho pra mim!

Contos Imor(t)ais - CHANTEGEADA – 31 -


Eu olhando pro baita pauzão daquele homem de 60 anos e quase dois metros de altura: – Por favor Sr. Hugo; desde quando comecei a namorar o Gabriel que sou fiel a ele! Ele me fazendo descer da mesa pra ficar com minha barriga apoiada e com minha bunda exposta pra ele: – Ninguém vai precisar ficar sabendo que comi seu cuzinho... Deixa; que além do Gabriel, eu vou ser seu protetor; combinado? Não entendi direito sobre ele ser meu protetor; mas não podia ser uma coisa ruim: – Então tá Sr. Hugo... Mas cuidado pra não me machucar! Ele lambuzou a cabeça do seu pinto com bastante saliva e veio empurrando aquela tora no meu ânus... O pior é que adorei sentir aquela coisa enorme entrando pra dentro da minha bunda; mas fingindo: – Ai! Ai! Devagar Sr. Hugo! Devagar!… Ele enfiando os 22 cms e começando a bombar forte: – Diz que está gostando do meu pau no seu cú; diz! – Hummm! Hummm! Estou! Estou sim!… Ele com suas enormes mãos segurando minha cintura e dando violentas socadas: – Vocês mulheres são todas safadas... Vou comer esse seu cuzinho sempre; tudo bem? Eu tendo pela primeira vez um orgasmo, levando pau na bunda: – Tudo bem Sr. Hugo; mas vamos ter que ter muito cuidado! Meu sogro socando e dando algumas palmadas na minha bunda: – Cachorra, vagabunda gostosa, você vai ter que andar na linha comigo e com meu filho; se não, vou te arrebentar de pancada! Era minha primeira vez com um pau sendo socado no meu cú e ainda levando tapas na bunda... Adorei ser praticamente violentada por aquele homem bruto. Tive que dar a bunda pro meu sogro mais duas vezes antes do meu casamento. Mas foi voltando com ele; da cidade pra fazenda, que ele aproveitando o longo caminho de terra parou a caminhonete e foi tirando seu pau pra fora das calças. Fiquei olhando aquela coisa ir ficando rapidamente dura: – Aqui é perigoso Sr. Hugo; vamos esperar chegar na fazenda! Ele autoritário: Contos Imor(t)ais - CHANTEGEADA – 32 -


– Só quero que você dê uma chupadinha! Eu já tinha imaginado aquele lindo pau na minha boca; mas precisava dar uma de inocente pro meu sogro: – Nunca fiz isso Sr. Hugo! Ele me puxando pelo pescoço me fazendo reclinar sobre seu colo: – Não precisa querer fingir pra mim... Chupa logo meu pau antes que apareça outro carro na estrada! Imaginei que ele; nas investigações que fez sobre minha vida, não sei como podia ter descoberto que andei chupando pau de algum dos meus namoradinhos... Pra não deixa-lo nervoso segurei seu pau e com muito cuidado fui colocando a cabeça roxa e brilhosa pra dentro da minha boca: – Isso putinha sem vergonha... Chupa! Chupa bem gostoso! Vai! Ooooooh!… Quando o ouvi suspirando com mais intensidade e imaginando que ele ia gozar, tentei tirar minha boca e ele segurando firme minha cabeça: – Você vai engolir tudo sua puta... Não deixe cair uma gota dentro do carro! Engoli uma grande quantidade; limpei seu pau com minha língua e ainda lambi meus beiços. O restante da viagem fiz olhando a paisagem pela janela; evitando olhar pra ele. Sabia que estava andando em uma corda bamba; mas resolvida a dar continuidade aos meus objetivos idealizei ser uma boa esposa pro Gabriel e uma puta bastante safada pro meu sogro. Não deixei nada me abalar e tive uma festa inesquecível de casamento. Na lua de mel (Salvador – Bahia), Gabriel ficou todo bobão ao ver seu pau sujo de sangue ao tirar minha virgindade. Foram duas semanas sendo fodida todos os dias e gozando feito uma desvairada. Muitas vezes ficava imaginando ao invés de ser o Gabriel em cima de mim, ser meu sogro fodendo minha buceta... Ficava doida pra voltar só pra ver o que ia acontecer dali pra frente. Foi meu sogro quem nos buscou no aeroporto de confins – Minas Gerais; e enquanto Gabriel foi até o toalete meu sogro me deu uma arrochada; abraçando-me com força e com um leve sorriso no rosto: – Senti sua falta; cachorrinha!… – Também senti saudades...! – Agora está tudo livre; não é? Sabia que ele perguntava sobre minha virgindade; eu rindo: – É claro... O Gabriel fez tudo direitinho; hihihihihi! E olhando descaradamente pro seu rosto: Contos Imor(t)ais - CHANTEGEADA – 33 -


– Oh! Só não vou querer magoar o Gabriel... Vamos ter que ter muito cuidado; ok? O combinado foi de ficarmos na fazenda até que Gabriel conseguisse um bom apartamento na cidade... Era exatamente esse o grande perigo; eu e meu sogro ficarmos tão próximos. No segundo dia; logo bem cedo, quando ouvi Sr. Hugo pedindo pro Gabriel levar minha sogra pra uma consulta médica na cidade; que estava apenas um pouco indisposta, e imaginando que ele iria querer que eu fosse junto: – Vai meu amor... Vai que eu vou ficar pra ir adiantando o almoço pra sua mãe. Minha sogra era quem sempre cozinhava na fazenda. Ainda de camisola, estava na pia lavando as vasilhas do café quando meu sogro veio me agarrando por trás e beijando meu pescoço: – Oh minha eguinha gostosa; hoje você vai ser todinha minha! Sem parar de beijar meu pescoço foi levantando a camisola e puxando a calcinha pra baixo: – Calma Sr. Hugo... Calma que vamos ter bastante tempo! Ele tirando seu pau pra fora enquanto eu ia terminando de tirar minha calcinha: – Não vejo a hora de meter nessa sua bucetinha que deve ainda estar muito apertadinha! Encostei-me na pia empinando meu traseiro... Também estava louca pra sentir aquela enorme pica na minha buceta: – Então vem Sr. Hugo... Vem enfiar esse pau gostoso na minha xoxota! Meu sogro parecia um cavalo querendo meter logo na égua... Desesperado foi logo encostando e empurrando tudo até encostar seu corpo na minha bunda: – Ooooh Deus! Mete! Me rasga toda com esse pau delicioso! Ele dando de baixo pra cima violentas pirocadas na minha buceta que chegava fazer meus pés saírem do chão: – Puta-que-pariu... Como é gostoso saber que estou fodendo na buceta da minha própria nora! Debruçada sobre a pia pra sustentar meu corpo; com minhas pernas totalmente bambas: – Não para! Não para! Vou gozar! vouuuuu goooozarrrrrr!!!!! Meu corpo vibrava gostoso num longo orgasmo quando senti gozando dentro da minha buceta... Foi tão bom que simplesmente achei que não devia me preocupar com aquela enorme quantidade de porra que saída da minha buceta e escorria pelas minhas coxas. Ele me ajudando a tirar minha camisola:

Contos Imor(t)ais - CHANTEGEADA – 34 -


– Vai lá se lavar e vai pro seu quarto e me espere peladinha na cama! Não demorou pra ele entrar no meu quarto e ficando totalmente nu deitando sobre meu corpo: – Você está gostando de botar chifre no meu filho; não está? Enquanto ele começava a chupar meus peitos: – A culpa foi do Sr. que me fez gostar... Mas prometo que vou deixar só o Sr.; além do Gabriel! Assustei quando ele veio beijando minha boca: – Quero que você seja uma boa esposa pra ele; mas também goste desse seu sogro que é tarado por você! Eu já aceitando seus beijos na boca: – Eu amo vocês dois... Pena que vamos ter que continuar escondendo de todo mundo! Sem nenhum constrangimento, mamei na sua pica até tê-la novamente grande e dura e ficando de quatro: – Vem agora na bundinha; vem! Estou sentindo falta do seu pau metendo no meu cuzinho! Ele enterrando até o talo no meu cú e socando com bastante violência: – Você é mesmo muito puta Vitória... Mas adoro ver que gosta de trepar comigo! Somente um ano depois é que mudamos pro apartamento da cidade e eu voltei a frequentar a faculdade. Ao descobrir que um dos meus professores; um coroa viúvo e muito simpático morava no mesmo prédio que eu; e no mesmo andar, comecei a frequentar seu apartamento e lógico a trepar direto com ele... Continuo sendo uma boa esposa que simplesmente gosta de ter amantes pra variar nas posições sexuais.

Contos Imor(t)ais - CHANTEGEADA – 35 -


LOUCURAS INESPERADAS Me chamo Marcos e minha noiva Samara, somos moradores de Belém do Para. Vou compartilhar com vocês uma experiencia que eu considero unica e inesquecível que vivemos. Certo dia fui buscar Samara no trabalho, como ela trabalha ate as 22;00 sempre vou busca-la, pois mora longe do trabalho. vinhamos conversando pelo caminho ate decidimos parar o carro em uma avenida que possui uns estacionamentos e uma pracinha no canteiro central, namoramos um pouco e acabamos nos excedendo. Samara tirou a blusa e logo comecei a mamar bem gostoso enquanto ela ela me punhetava e as coisas foram ficando mais quentes e logo estávamos sem roupas e transando loucamente, ela me chupava e eu enfiava o dedo na bucetinha cabeluda dela, que estava escorrendo de tão molhada que estava, ate que el sentou no meu pau e começou a cavalgar bem lentamente para não balançar o carro e levantar suspeitas do que estávamos fazendo, enquanto isso eu ia chupando seus seios loucamente, ate que percebemos que vinha se aproximando três pessoas dois rapazes e uma moca de mãos dada com um dos rapazes, percebi que eles pararam e ficaram olhando para o carro onde estávamos, embora o vidro seja escuro devido o filme ficamos receosos e estático, pois meu pau ainda estava dentro da buceta de Samara, o que não me deixava ficar sem pensar em continuar ainda por que seus seios grandes e suadinhos estavam bem na direção da minha boca, as pessoas foram embora mas olhando muito para nossa direção. Ficamos em misto de medo com excitação muito grande e não conseguimos nos controlar, voltamos a transar e com muito mais prazer que antes, Samara gozou muito e eu não aguentei e gozei bem dentro de sua bucetinha, ate que percebemos que a moca e um dos rapazes estava voltando, começamos a nos vestir lentamente ate que percebi que os dois estavam parados encostado em uma arvores bem que fazia um pouco de escurinho bem na frente de nosso carro e se agarrando, se beijando, ate que que Samara viu quando o rapaz colocou o seio da moça para fora e chupou bastante olhando para nossa direção, como se estive-se falando com a gente, nosso tesão foi la pra alturas, mais ficamos preocupados, olhamos para o relógio e ja era quase 1h da madrugada, o casa se aproximou do nosso carro se encostou e começaram a se agarrar, se beijarem e olharem para dentro do carro, o tesão o medo estavam nas alturas e mas mesmo assim comecei a chupar os seios de Samara, ate que não aguente e baixei um pouco o vidro do carro e casal se aproximou, Samara estava só de Calcinha e eu apenas de bermuda, a moça se aproximou do vidro e levantou sua blusa bem em minha frente e o rapaz deu uma chupada deliciosa q não me aguentei e abri a porta e perguntei se queriam entrar no carro conosco. Nessa hora só pensei no tesão que estava sentindo, quando entraram no carro conosco foram logo tirando a roupa e se agarrando, Samara sentou novamente no meu pau e começou a cavalgar em mim e a moça fez o mesmo com o rapaz, ele olhava para Samara e falou que seus seios são bem grandes e lindos, e Samara Olhou par mim deu um sorrisinho safado e pegou a mão do rapaz e colocou em seu seio, quando vi o cara pegando e apertando o sei da minha noiva não aguentei e fui a loucura, a moca saiu de sima do rapaz e ele sentou no banco da frete ela logo passou pra frente e sentou no pau dele novamente, era tanta loucura que eu não estava acreditando, a moça pegou minha mão e colocou em seu seio, pequenino com mamilos bem grandes e durinhos chega eu tremia de tanto tesão, Samara também colocou a mão do rapaz em seus peitões suculentos e ele apertava tanto que a Samara gemia cada vez mais auto, eu já estava muito louco de tanto tesão com os gemidos de Samara e da moça o rapaz tirou a mão dos seios de Samara e em um piscar de olhos Contos Imor(t)ais - LOUCURAS INESPERADAS – 36 -


a moça se jogou de boca nos seios de Samara e começou a mama-la, Samara se arrepiou toda e começou a gozar horrores em meu pau, me olhou com uma cara de espanto e se rendeu ao prazer, em quanto a moça mamava em um seio eu mamava no outro, e Samara delirando de prazer que eu sentia ela se tremendo toda em cima de mim. A moça meio que como uma contorcionista se abaixou entre o banco e o painel do carro e começou a chupar ele, ele me olhou bem nos meus olhos e foi logo de boca para os seios de Samara, falou que nunca teve tanto prazer, a moça falou que queria muito meter sua buceta no meu pau e que queria que o marido dela comece a Samara, com isso Samara me olhou e eu não aguentei mais e gozei muito dentro da bucetinha da Samara que ela levantou e foi para o banco de traz com sua buceta pingando de tanto que joguei dentro dela, enquato isso a moça chupou e punhetou o rapaz ate ele gozar, e foi uma gozada que espirrou no para-brisa do carro, a moça foi para o banco de traz com Samara, e começamos a recuperar as forças, mas tava muito difícil de ficar parado, olhei para o pau do rapaz e ele já tava ficando duro novamente, e o meu já tava latejando, olhei para traz e estava as duas com as pernas abertas e uma pegando no seio da outra e nos chamando, foi um pouco difícil eu passar para o banco de traz mas passei, o rapaz olhou pra frente olhou para traz e disse: – Rafaela abre a aporta rápido Ela abriu e ele saiu rápido do carro nu e entrou correndo atrás, a Rafaela olhou para Samara e me puchou, começou a me chupar o rapaz olhou para a buceta da samara e falou: – Ainda esta escorrendo gala de sua buceta Começou a chupar com muita vontade que a Samara deu um gemido que eu nuca tinha visto antes, a Rafaela sentou com sua buceta em meu pau e começou a cavalgar, quando eu dei por mim ja estava chupando seus seios e sentindo muito prazer, olhei para Ssamara e ela estava cavalgando no pau do rapaz e falando – Amor já gozei tantas vezes que não lembro mais A Rafaela saiu de cima de mim e falou para a Samara – Você quer sentir prazer, então vai E enquanto seu marido penetrava Samara ela massageava a buceta da samara e enfiava o dedo dentro junto com o pau do seu marido, Samara sussurrava de prazer e falava – Ta gostoso, não para, não para, amor, amor amorr minhas pernas estão tremendo Ate que ela deu um gritinho de prazer que todos nos ficamos olhando e a Rafaela me olhou e disse agora e eu e você, sentou no meu pau, enfiou todo na sua buceta e pegou a mao da Samara e colocou na sua buceta seu marido se espremeu entre a gente e abocanhou seu seios Rafaela gemia muito eu ja a ponto de gozar, ela falava chupa meu peito também Enquando comecei a chupar seu peito ela ela gemeu ainda mais, ficamos ali eu e o marido chupando aqueles peitinhos deliciosos Samara acariciando a buceta dela enquanto ela pulava no meu pau por alguns minutos ate que eu gozei e a Rafaela segurou minha cabeça e gritou "gozei" e me deu um beijo na boca, Samara me olhou e falou 'hoje foi bom de mais para eu brigar com você" Contos Imor(t)ais - LOUCURAS INESPERADAS – 37 -


e todos nos rimos bastante. Depois de tudo isso Rafaela falou – Pessoal, voces já perceberam que transamos e ainda estamos nus dentro de uma carro parado na av.M d E? Ai paramos para ver que ja eram 3;17 da madrugada, apenas coloquei minha bermuda Samara se vestia e Raffaela e apenas colocaram a calcinha e o sutian e a cueca, deixei eles na frente de sua casa e os dois desceram do jeito que estavam, e Samara e eu fomos para casa.

Contos Imor(t)ais - LOUCURAS INESPERADAS – 38 -


ESPOSA EXIBICIONISTA ATO I Hoje, quarta-feira, tivemos aqui em casa a manutenção do vidro e a tela de proteção da sacada do nosso apartamento. Vieram dois homens e logo foram para sacada resolver o problema, começaram a trabalhar com o vidro de fechamento e a tela de proteção. Mas tudo começou logo de manha, quando minha esposa foi ao banheiro e abriu toda a janela do banheiro, deixando com bastante espaço para fora, isso porque a sacada da acesso a janela. A janela fica do lado da sacada, portanto, no canto da sacada dá para ver tudo que acontece dentro do banheiro. Eu liguei as câmeras que temos para eu ver toda a ação, no banheiro ela ligou para filmar tudo e do lado de fora tenho duas câmeras, uma na sala e outra no corredor dos quartos. Minha esposa como adora se mostrar para os outros de um jeito que parece que ninguém que está vendo. Ela não é do tipo que fica olhando e se exibindo, mas do tipo que se mostra peladinha fingindo que não tem ninguém olhando. Logo que entraram e foram para sacada, eu avisei à ela que iria ter que sair e voltava daqui a pouco, para os caras ficarem bem a vontade. Nisso ela logo foi para o banheiro e ligou o chuveiro para que eles vissem que tinha algo acontecendo ali. Eu estava nos quartos vendo o que acontecia pelas câmeras e logo vi que eles já começaram a trabalhar perto da janela e a esticar o pescoço querendo ver algo. Nisso já com a atenção deles ela saiu do banho e começou a se secar, meio seca, ela começou a passar um hidratante pelo corpo. Nessa hora eles estavam que nem dois loucos tentando ver tudo que podiam e pensaram, porque não ver diretamente pela porta, já que estavam apenas eles no local. Os dois sorrateiramente, foram até a porta do quarto, que dava direto para o banheiro. A porta do banheiro estava totalmente aberta e a do quarto estava apenas entre aberto. Ficaram vendo ela passando creme pelo corpo todo, nas pernas, nos seios, na bundinha até na xaninha, tudo muito devagar e fazendo poses para deixa-los bem excitados. Ela saiu do banho e colocou apenas uma camiseta e foi se dirigindo para fora do quarto. Nisso eles voltaram rapidamente para a sacada. E ela foi até eles, apenas de camiseta, não dava para ver nada, apenas se ela arrumasse os cabelos subindo a camisa na altura da xaninha gostosa e começou a conversar, apenas jogando conversa fora. Eles totalmente excitados. Ela então começou a pentear os cabelos, mostrando um pouco da delícia da bucetinha dela e logo se virou e fingindo que estava fazendo outras coisas foi se mostrando de costas. Mostrando a bundinha, as vezes passando a mão na bundinha e eles vendo tudo. Isso foi deixando eles totalmente loucos e ela adorando e logo eu cheguei na sala. Ela veio me deu um beijo e um abraço, ficando com toda a bunda de fora. Contos Imor(t)ais - ESPOSA EXIBICIONISTA – 39 -


Eu logo peguei na bunda dela e passei a mão até a bucetinha deliciosa dela, eles apenas vendo de canto de olho. Nisso coloquei ela sentada ali na sala mesmo, no sofá, que dava apenas para ver de alguns cantos da sacada e comecei a chupar a bucetinha dela que estava totalmente molhada de tesão. Fiquei chupando uns 10 minutos apenas vendo o relance dos caras na sacada e que poderiam a qualquer hora nos pegar em cheio. Mas eles ficaram vendo apenas pelo reflexo do vidro da sacada para não perder nada. Logo fiquei de pé e ela começou a me chupar muito gostoso, do jeito que só ela sabe fazer, os dois olhando tudo foi dando um tesão enorme em nós dois e não teve jeito. Ela se virou de costas e pediu para eu enfiar bem forte do jeito que ela gosta. Comecei a enfiar e ela não conseguia ficar muito quieta, eles praticamente estavam se masturbando do lado de fora olhando tudo e a gente simplesmente não conseguimos parar e ela gemia forte com canda enfiada que eu dava da bocetinha tela quente e molhada. Até que terminamos e fingimos que nada aconteceu, simplesmente fomos ao banheiro nos limpamos e nos beijamos mais ainda. Foi uma delícia, agora estamos vendo o que podemos arrumar mais em casa para repetir a dose!

ATO II Eu tenho uma tara absurda quando alguém se excita com a minha esposa e levou muito tempo para ela falar para mim que também gosta de se mostrar. Mas hoje conseguimos fazer algumas coisas juntos que nos deixa muito satisfeitos e melhorou muito nosso relacionamento. Hoje nós planejamos fazer a troca do aparelho da Net em nosso quarto e outro em outro quarto. Assim que tocaram a campainha para entrar eu apenas me certifiquei que estava tudo certo e me escondi, ficando apenas com as câmeras que temos. Duas instaladas no quarto de casal, uma no corredor e outra pegando um pouco da sala e o outro quarto. Logo que chegou em casa minha esposa atendeu o técnico, era apenas uma pessoa, e lógico que apenas de camiseta regata e uma calcinha bem transparente. Pedindo desculpas para ele por estar doente e tem que ficar de cama, não deu tempo para se trocar. Logo ele entrou e ela fechou a porta e foi conversando com ele mostrando os lugares de instalação. Ele meio sem jeito, ficou de olho nela toda, vendo aquela calcinha bem transparente meio que coberta com uma camiseta. Mas ela toda hora passava a mão no cabelo subindo um pouco a camisa e deixando aparecer aquela xaninha linda e horas a bundinha deliciosa. No quarto de casal ela falou que tinha que se deitar para descansar um pouco e que ele ficasse a vontade. Nisso ela subiu na cama deixando a bundinha praticamente toda voltada para ele que já não estava se aguentando mais. Ela se deitou e se cobriu com um lençol fino. Nisso ele começou a trabalhar e ela parada de ladinho com a perna encolhida, com o formato do corpo todo no lençol, só com isso já deixa qualquer um excitado. Os seios dela estavam aparecendo, Contos Imor(t)ais - ESPOSA EXIBICIONISTA – 40 -


ja que a regata deixava aparecer nos cantos e ela cobriu apenas até a cintura. Ele toda hora olhava e não sabia se fazia algo ou não. Ele foi para o outro quarto começar a trabalhar lá mas sempre esquecia algo, na bolsa, que deixou no quarto de propósito. Em uma entrada dele ela se virou para o outro lado, deixando a bundinha fora do lençol, com a calcinha enfiada e a bucetinha vista por tras. Deixando ele totalmente excitado e logo não se aguentou e colocou para fora o penis dele e começou a se masturbar. Percebendo isso ela se virou e ficou deitada para cima, saindo todo o lençol do corpo e ficando a bucetinha com calcinha totalemnte transparente a vista, dando para ver praticamente todo o desenho dos pelinhos dela e também a bucetinha toda. A regata, ela tinha puxado para cima deixando a mostra os seios lindos e toda hora ela passava a mão pelo corpo, como se acariciando, bem devagar. Até eu estava fora de mim vendo aquela sena toda, ele ao lado dela, mas ela apenas deixando ele brincar sozinho. Nós até podemos fazer tudo, mas sempre conversamos antes para saber se vai rolar ou não. Já aconteceu de rolar muita coisa, mas quem teve a iniciativa fui eu e ela quem tem que concordar. Pensei na hora, vou chama-la da sala, avisando que cheguei.. Nisso ele parou na hora e eu fui conversar com ele, que não falou nada, apenas deu para ver que ele estava ofegante, perguntei se minha esposa deu trabalho por estar meio doente e ele meio sem graça, apenas falou que não e deixei ele trabalhar e fui ver a minha esposa. Nisso ela estava do mesmo jeito, mas eu logo tirei a calcinha dela e comecei a acariciar ela toda. Não estava aguentando mais. Ele já tinha tirado as coisas do quarto quando cheguei, portanto até poderia voltar maEu tenho uma tara absurda quando alguém se excita com a minha esposa e levou muito tempo para ela falar para mim que também gosta de se mostrar. Mas hoje conseguimos fazer algumas coisas juntos que nos deixa muito satisfeitos e melhorou muito nosso relacionamento. Hoje nós planejamos fazer a troca do aparelho da Net em nosso quarto e outro em outro quarto. Assim que tocaram a campainha para entrar eu apenas me certifiquei que estava tudo certo e me escondi, ficando apenas com as câmeras que temos. Duas instaladas no quarto de casal, uma no corredor e outra pegando um pouco da sala e o outro quarto. Logo que chegou em casa minha esposa atendeu o técnico, era apenas uma pessoa, e lógico que apenas de camiseta regata e uma calcinha bem transparente. Pedindo desculpas para ele por estar doente e tem que ficar de cama, não deu tempo para se trocar. Logo ele entrou e ela fechou a porta e foi conversando com ele mostrando os lugares de instalação. Ele meio sem jeito, ficou de olho nela toda, vendo aquela calcinha bem transparente meio que coberta com uma camiseta. Mas ela toda hora passava a mão no cabelo subindo um pouco a camisa e deixando aparecer aquela xaninha linda e horas a bundinha deliciosa. No quarto de casal ela falou que tinha que se deitar para descansar um pouco e que ele ficasse a vontade. Nisso ela subiu na cama deixando a bundinha praticamente toda voltada para ele que já não estava se aguentando mais. Ela se deitou e se cobriu com um lençol fino. Nisso ele começou a trabalhar e ela parada de ladinho com a perna encolhida, com o formato do corpo todo no lençol, só com isso já deixa qualquer um excitado. Os seios dela estavam aparecendo, ja que a regata deixava aparecer nos cantos e ela cobriu apenas até a cintura. Ele toda hora olhava e Contos Imor(t)ais - ESPOSA EXIBICIONISTA – 41 -


não sabia se fazia algo ou não. Ele foi para o outro quarto começar a trabalhar lá mas sempre esquecia algo, na bolsa, que deixou no quarto de propósito. Em uma entrada dele ela se virou para o outro lado, deixando a bundinha fora do lençol, com a calcinha enfiada e a bucetinha vista por tras. Deixando ele totalmente excitado e logo não se aguentou e colocou para fora o penis dele e começou a se masturbar. Percebendo isso ela se virou e ficou deitada para cima, saindo todo o lençol do corpo e ficando a bucetinha com calcinha totalemnte transparente a vista, dando para ver praticamente todo o desenho dos pelinhos dela e também a bucetinha toda. A regata, ela tinha puxado para cima deixando a mostra os seios lindos e toda hora ela passava a mão pelo corpo, como se acariciando, bem devagar. Até eu estava fora de mim vendo aquela sena toda, ele ao lado dela, mas ela apenas deixando ele brincar sozinho. Nós até podemos fazer tudo, mas sempre conversamos antes para saber se vai rolar ou não. Já aconteceu de rolar muita coisa, mas quem teve a iniciativa fui eu e ela quem tem que concordar. Pensei na hora, vou chama-la da sala, avisando que cheguei.. Nisso ele parou na hora e eu fui conversar com ele, que não falou nada, apenas deu para ver que ele estava ofegante, perguntei se minha esposa deu trabalho por estar meio doente e ele meio sem graça, apenas falou que não e deixei ele trabalhar e fui ver a minha esposa. Nisso ela estava do mesmo jeito, mas eu logo tirei a calcinha dela e comecei a acariciar ela toda. Não estava aguentando mais. Ele já tinha tirado as coisas do quarto quando cheguei, portanto até poderia voltar mas não teria mais o que fazer lá. Então… O técnico terminou o serviço e falou para mim que abriu todos os canais para gente, com um aparelho diferente! Todos se divertiram muito e temos mais uma história para lembrar nas noites em que ficamos conversando na sacada.

ATO III Acordei hoje e logo abri a janela e estava um sol forte. Um perfeito dia para ir para piscina. Logo minha esposa acordou e tomamos café tranquilamente e fomos nos trocar para ir ao clube. Minha esposa nessa hora sai do banheiro apenas de camisa, aparecendo um pouco de sua bucetinha linda e quando ela virava de costas a bundinha ia me deixando louco! Lógico que eu não me aguentei e logo fui para cima abraçando-a por trás e segurando seus seios e passando a mão em cada centímetro do seu corpo. Eu a beijava com fúria, minha esposa me tira do centro! Nessa hora ela pegou meu pinto e começou a chupar, mexendo a cabeça para frente e para trás, passando a língua na cabeça do meu pau e se deliciando da base a cabeça. Ela foi ajudando com a Contos Imor(t)ais - ESPOSA EXIBICIONISTA – 42 -


mão e não resisti, logo gozei na boca dela, sentindo todo meu gozo sair e ficar na boca del. Nós nos deitamos na cama e eu comei a beija-la novamente, não queria parar aí. Ela sentou em cima de mim e ficou colocando seus seios na minha boca e eu mordiscara e beijava com força os peitos e fui passando a mão pelo corpo todo, acariciando a bundinha e logo indo para xaninha linda dela e comecei a passar dois dedos para excita-la. Nisso ela foi ficando cada vez mais excitada e logo sentou com a buceta no meu rosto e fiquei passando a língua em seu clitóris e enfiando meus dedos nela. Após este maravilhoso início de manhã terminamos de nos trocar e fomos ao clube. Chegando lá buscamos um local mais tranquilo na piscina para podermos ficar tranquilos e poder descansar. Achamos algumas cadeiras desocupadas e nos arrumamos, ela ficou tomando sol e eu sentado na cadeira, conversando com ela. Comecei a comentar sobre o corpo dela e o biquíni que ela estava que era uma delícia, não muito grande nem muito pequeno na medida certa. Fiquei reparando que alguns homens que passavam e que estavam em volta ficavam reparando no delicioso corpo dela. Lógico que isso me excitando cada vez mais e comecei a falar para ela abrir um pouco mais as pernas e ficar de frente mostrando bem a boceta gostosa dela. Nós dois fomos ficando cada vez mais excitados. Neste momento um grupo de garotos por volta de seus 20 anos pararam bem na frente da minha esposa e logo ficaram reparando nela. Ela percebendo abriu um pouco as pernas só para provocar os caras e dobrou as pernas deixando aquela bocetinha deliciosa bem de frente deles. Fomos dar um mergulho rápido e pedi para ela deixar o biquíni um pouco desarrumado em baixo, mostrando um pouco da sua bocetinha deliciosa. Ela concordou na hora e pediu para que eu fizesse isso para ela ali no meio da piscina. Passei a mão naquela bocetinha e senti que estava deliciosamente molhadinha toda escorregadia. Saímos da água e ela logo foi se sentar, primeiro ficou de um jeito que não dava para ver nada e logo dobrou apenas uma perna mostrando bem o lado que o biquíni estava desarrumado. Os caras estavam loucos com o que estavam vendo, achando que era apenas um descuido e se aproveitando da situação. Depois de alguns minutos ela se virou de costas mostrando a bundinha deliciosa dela com o biquini desarrumado! Isso praticamente nos deixou totalmente excitados e os caras também. Com isso, não aguentamos e tivemos que descer para o estacionamento e entrar no carro para nos satisfazer. Logo que ela entrou já baixou minha calça e caiu logo de boca no meu pinto e começou a chupar com muita vontade. Finalmente depois de ficarmos um bom tempo no carro, voltamos para piscina totalmente aliviados! Nós adoramos brincar e minha mulher adora se exibir comigo junto, nós nos divertimos muito quando fazemos isso durante e principalmente depois!

Contos Imor(t)ais - ESPOSA EXIBICIONISTA – 43 -


AS FERIAS DE SONHO COM A ESPOSA Ola galera sou bodiar, quero relatar o que aconteceu neste período após minha vasectomia, quando estava em recuperação, aproveitei para vender um carro que tínhamos e com esse dinheiro ir dar uma viajada. Nunca pesei que mesmo com essa crise, poderia ir viajar, e escolhi um local, e com vôo promocional consegui um bom preço, escolhi Asuncion Paraguai, por ser barato e também fazer compras, e sair do Brasil para esclarecer a mente. Quando chegamos nossa é assustador ver de sima a capital, mas os shopping tem preços bons, e para quem é turista esta isento de imposto, isso nos ajudou muito. Com uma diária super barata fiquei no hotel xxxco, Esq Mariscal Estigarribia, Asuncion, Paraguai, até decorei o nome da rua, um local simples mas maravilhoso, e como no Paraguay o taxi e barato todo ficou bom.(Nao divulgarei nome todo do hotel) Na realidade Eu queria ir para Espanha, mas o preço é muito carro, e o Paraguai é um lugar bom, perto, e alem de ser muito quente, amo calor. Ja na ida implorei para minha esposa ir com uma roupa sexy, mas Ela disse que não iria, e que no avião o ar-cond era muito frio, mas quando Ela me viu meio quieto fez minha vontade e colocou uma saia e um tipo colete, não sei nome disso, kkkkkk (colocarei na foto) Nossa quando vi, não acreditei que ficaria bom, pois comprei no olhometro e pela primeira vez vestiu e deu certo, galera ficou muito gata, ate no aeroporto notei alguns de olho, quando entramos no avião ja veio a primeira reclamação, esta frio aqui, e pegou em sua bolsa uma manta e cobriu as pernas, a aeromoça veio nos serviu, achei super interessante uma coisa, voar no brasil a maioria das aeronaves super apertadas, a para fora um bom espaço e servem a refeição. Quando vi a cidade de Assunção de cima vi que a cidade é bonita, mas também tem suas limitações de pobreza, isso me incomoda, mas tudo bem! passamos carimbamos o passaporte e peguei um táxi, ja de cara pensei quero pegar carro antigo, e logo avistei uma Mercedes antiga a diesel, velha mas conservada, conhecemos o Sr: Richer super educado e arriscava um portunhou kkkkkkkk. Nos levou ao hotel, e ja nos deixou seu telefone, caso precisarmos dele, estaria a prontidão, seu preço era barato e me cobraria por corrida 100.000.00 mil guaranis e poderia levar-nos a conhecer locais turísticos, isso se eu fosse usa-lo sempre, se Eu fosse de manha dar uma volta e voltar para hotel era 100.000.00 mil, a tarde seria mais 100.000.00 meio confuso, mas sempre transformava tudo que gastava em dólar. Quando cheguei no hotel foi muito engraçado, veio no ajudante do hotel, não vou divulgar sua idade e nem seu nome, era um rapaz novo, ja de cara fiz uma brincadeira com Ele, e coloquei um apelido nele de zoinho kkkkkkk. O zoinho fez tudo certo, forte pelo seu porte, mas Ele não parava de olhar minha esposa, só se conteve quando seu gerente chamou atenção dele, mas logo depois ja começou a olhar, Eu acho que o zoinho nunca tinha visto uma loira de mini saia, e quando senta senão cuidar mostra a calcinha, o Contos Imor(t)ais - AS FERIAS DE SONHO COM A ESPOSA – 44 -


zoinho apaixonou-se. Nos levou no quarto, dei 30.000.00 mil guaranis, e ja disse não vou dar mais nada, Ele ficou muito contente, agradeceu e não queria sair do quarto de tanto que olhava a minha esposa kkkkkkk, falei para Ele que depois que descasarmos iamos chama-lo, Ele falou que trabalha-va até as 12:00 horas e estudava a noite, mas faltaria a escola para mostrar os shopping, falei ok depois se falamos. Na real só falo inglês e português, minha esposa que fala espanhol e português, da para entender um pouco, mas me viro, fomos descansar, quando acordamos nos preparamos para darmos uma volta no shopping, e quando descemos estava nos esperando zoinho, Ele se propôs a levarmos ao shopping, e nos deu uma dica, pegamos o taxi ali mesmo do hotel, e me cobrou só 40.000.00 guaranis, e deu uma baita volta, não me preocupei tanto, pois zoinho estava junto, e ja pareceu muito leal. Se levarmos dólar, euro ou real, os logista aumenta o preço por saber que somos turista, a diga dele era ir na casa de cambio pegar guarani e fazer as compras, nossa troquei 200 dólares nunca vi tando dinheiro na minha mão kkk. Fizemos isso deu muito resultado, economia de espantar, e quando mostrávamos o passaporte não paga vamos impostos, nisto foi muito bom ter o zoinho saindo conosco, saímos todos os dias, notei que Ele só tinha um tênis, ai compramos roupa e tênis para Ele, e pagamos lanche no shopping, sem falar dos lugares que Ele nos levou, isso presente dele. Por estar de folga a tarde, Ele foi nosso guia, só saiamos a tarde com Ele, a noite Ele estudava, demos maior incentivo a Ele, não pare de estudar, por ser de família simples, mas de uma honestidade de se invejar. Só falávamos em português, Ele queria aprender e já estava falando bem, só descobrindo o significado de cada palavra, o detalhe era que Ele não parava de olhar minha esposa, tarava muito Ela, de até Ela perceber, e quando saiamos Ele sentia até ciúmes quando os caras olhava para Ela, pensa loira de olhos azuis em um país que quase não se vê loira, era uma piração total, onde passávamos sempre tinha alguém de olho, o zoinho ficava bravo, até encarava, Eu dizia e Ele, deixa olhar arrumar confusão em outro país não é bom, sem falar na polícia corrupta do Paraguai. Já no segundo dia comecei a pegar pé dele, mostrando vídeo e fotos mulheres peladas, e Ele ficava todo vermelho de vergonha e tentava disfarçar, mas dava para ver quando seu pau ficava duro, não tinha namorada e muito menos tinha comido uma boceta Eu acho. Quando falei a Ele, minha esposa é gostosa, Ele já Quase ficou sem falar, aí Eu já disse vi vc olhando pra Ela, qual a parte que vc mais gostou? Ele os olhos, tá, mas outra parte, há corpo, tá mas qual parte, ficou quieto, aí falei da bunda?, ou das tetas?ou da boceta? eles chamam de cocha, aí de tanto Eu insistir Ele falou da bunda e da bucetinha gorda. Falei vc já conseguiu ver a calcinha dela quando estava usando mini saia? Sim vi, batesse muita punheta? Ele disse 3 só naquele dia, nossa, falei já que vc está me ajudando, vou mostrar a calcinha que Ela usou ontem, vc quer ver? e dar uma cheirada? nossa o zoinho ficou vermelho e sem falar nada, aí fui e peguei disse:2 cheira, Ele meio sem jeito pegou meio desconfiado, tirei da mão dele é coloquei em seu nariz, falei cheira, agora passa a língua, o tesão aumentou Ele fez, e começou a molhar o fundo da calcinha e chupar, só que ali também tinha porra pois comi Ela na madrugada. Contos Imor(t)ais - AS FERIAS DE SONHO COM A ESPOSA – 45 -


Minha esposa estava salão, ai ficou fácil de mostrar, e ja falei quer ver Ela de calcinha. Venha amanhã bem cedo que Ela vai estar dormindo, me traga café aqui no quarto, ligo na recepção e vc vem ok. Ele já deu aquele sorriso, falei olha se me ajudar, aqui no hotel, mostro fotos dela pelada para vc, por exemplo: hoje quero ficar lá na sala assistindo televisão depois que Eu voltar do shopping, fale para o cara deixar a gente lá, se Ele quiser pode até dar uma espiada, zoinho mas vc vai fazer o que? Falei Eu queria comer Ela lá, tiro foto e te mostro, se vc não quiser falar para o cara ir nos ver tudo bem, mas quero ficar lá, é a oportunidade de vc ver a boceta dela, o zoinho na hora ok, já vou falar com Ele e te mando zap.ok. Quando minha esposa veio do salão fomos no shopping jantar e dar um passeio, a comida é barata, o táxi também, tudo de bom. Ela colocou uma mini saia e bota até joelho e uma blusa branca com uma alça só, e sem soutien, só tinha uma forração, nossa quando vi nem acreditei, Ela usou do conjunto de calcinha e sutiã, só a calcinha, que se abre no meio da boceta, não precisa tirar, da para foder com a calcinha. Na praça de alimentação tinha vários que olhava, mas tinha dois caras em mesas diferente que não parava de olhar, e após já a segunda torre de shop, e Eu dando uns amasso Ela começou a se soltar, aí falei como os caras tarava Ela, sempre Ela desconversava, falei deixe Eles olhar vc, Ela vc se esqueceu que estou com a calcinha que se abre na frente, e já percebi que parece que está aberto, falei a vc tem que dar uma só descruzada de pernas, e de tando Eu insistir para mudar de posição, Ela descruzou as pernas e mostrou a calcinha, nossa que piração, os caras aí que não parava de olhar mesmo, como já passava da 23 horas resolvemos voltar, e antes de sair dei aquele beijo, e abri sua perna, Ela já de imediato a fechou, vc está maluco. kkkkkk. Passamos pelo outro lado é, e o taxista estava a nós esperar, e falei a Ele, amanhã só a tarde, chegando no hotel, fomos na sala ver TV, peguei a chave, pedi uma bebida destilada, o senhor marcou a bebida?depois Eu marco, Ele estava quase dormindo, só estava esperando a gente voltar, e falou que é perigoso a noite, falei no Brasil também. Começamos ver um filme, com uma duas doce minha esposa já estava alegre, e com muito tesão, comecei a beijá-la e já em seguida Ela disse: vamos subir?falei não!vou te comer aqui, Ela vc está maluco olha a câmera alí, tu acha que vao voltar e ver essa câmera, com tantas no hotel, se liga né. Dei mais uns beijos e pedi para Ela sentar em sima da minha mão, e dei uns chupão pescoço Ela se derrete, e com um dedo coloquei no cuzinho, no início não queria, mas segurei forte e falei em seu ouvido, hoje só a língua na boceta, o dedo o pau será do cuzinho, e parti para sima,.Ela já começou a se estremecer e queria chupar meu pau, mas falei fica aí, comecei a chupar uma das tetinhas e com o vai e vem do dedo no cuzinho, a guria pirou de tesão, me empurrou e veio fazer o boquete, coloquei Ela de volta a fui chupar sua boceta, nossa ensopada, chupando e com dedo no cuzinho, já vendo Ela com muito tesão, coloquei meu pau no cuzinho, fazendo a pressão, e em seu ouvido falei, sua cachorra qual dos caras vc mais gostou, Ela vai começar?! falei vou! e continuei com um chupão pescoço, mas me diz qual? Ela se retorcendo disse o de tatuagem braço, já pesou Ele aqui terminando o serviço, por que hoje só vou comer seu cuzinho só, Ela vc é louco?fode aí é cala a boca, vc está já assim porque no mínimo já tem alguma Guria aqui em vista, te conheço, vc não dá laço sem nó, falei! Tá se tiver, podemos fazer uma troca, cala boca disse Ela, e fode, coisa que Ela não gosta, é gozar dentro do seu cuzinho, mas como Eu estava com tesão, e Ela também, gozei heh. quando gozei Ela já falou não caramba, depois fica ruim, só por isso vai ter que comer minha Contos Imor(t)ais - AS FERIAS DE SONHO COM A ESPOSA – 46 -


boceta. Só deu tempo de se limpar no banheiro, e começou a mamar, sentou em sima a galopou muito, nossa comi de várias posição, quando gozei, resolvemos subir, o sofá molhado porra é gozo dela, kkkk Quando passei pelo saguão, o senhor ja estava dormindo kkkkk, fui no quarto e pedi para Ela colocar há lingerie, e falei já que não vamos mais ver aquele tatuado, deixa zoinho ver sua calcinha amanha cedo quando Ele trazer o cafe da manha, quem sabe até passar a mão na boceta kkkkk, Ela vc está louco? nem pensar, só foi começar a arretá-la seu tesão aumenta Ela sede. Ela tá, mas vai ter que me comer de novo, falei ok, vc vai pensar que é o tatuado? Cala boca, claro que não! Mas após muito bombada Ela já começou a falar, está pensando na recepcionista do hotel? Que anda dando em sima de vc que já vi, falei quem? Cala boca, seu safado e nem me falou, Ai mudei de assunto e falei olha se amanhã irmos no shopping e o tatuado estiver lá, vamos bater um papo ok. Ela então agora está me bombando pensando na Guria magrinha né? Falei sim queria comer Ela kkkk, é feiinha mas o que vale é o momento, bonita ja tenho vc heh. Ai Ela veio por sima e ja me disse: amanhã é outro dia, vamos dar uma volta ao shopping, mas sem programar nada ok. Falei ok mas só mostre a calcinha para zoinho, deixe Ele fazer massagem nos seu pés depois ok. Ela ficou quieta. Logo bem cedo era uma 08;00 acordei e pedi o cafe na cama, paga uma taxa mas de pouco valor, mas avisei para não bater na porta, minha esposa estava dormindo, enquanto isso fui descobrindo minha esposa, estava quente pois mudei a temperatura do ar-cond....e fiquei esperando, quando vi o reflexo da luz na porta, abri e vi o zoinho vindo com o carinho, pedi para fazer silencio, Ele entrou fechei a porta e ja disse olha la, nossa o guri pirou, trouxe Ele perto da cama falei para esquentar as mão e ficar abaixado na cabeceira da cama, Ele ja estou com as mão quentes, ok, primeiro Eu passei a mão na cintura dela, e Ela só se virou ai abri sua perna bem de vagar, só que quando Ela esta dormindo de manha, nada acorda, ainda mais depois do porre que tomamos, e fomos dormir ja passava das 3 da manha, quando Ela ficou como Eu queria, mandei Ele passar a mão bem de leve nas coxas, A mão dele tremia, Eu fazendo sinal calma, como Ele so ficou perto da virilha, peguei sua mão e massei em sima da calcinha dela, nossa que tesão, Ele não acreditando nisso, falei deu, não queria ir, foi sando olhando tremulo, de pau duro kkkkkkk, fiquei com uma baita dó, chamei Ele de volta, como a calcinha era folgada levantei e mostrei a bocetinha toda a Ele, ja queria passar a mão, falei não, só ver, e deixei Ele ver, nossa achei que iria ter um troço kkkk, Minha esposa roncava dormindo, de tanto o zoinho olhar e o tempo dele estava acabando, e por estar sendo uma pessoa muito educada e prestativa, e como estava fechadinha a bocetinha deixei Ele dar uma passadinha de leve, e logo deixei Ele ir trabalhar, nossa pensa depois o tratamento nosso, nem as bebidas Ele marcava mais… Todo isso começou a aconteceu do terceiro para o quarto dia, e faltava mais três dias, antes de voltarmos ao brasil…

Contos Imor(t)ais - AS FERIAS DE SONHO COM A ESPOSA – 47 -


ESCRAVA PARTE I Olá meu nome é Elen, tenho 18 anos sou morena clara, cabelos pretos e longos ate o meio da minha costas, 1.68 de altura, seios medios bunda grande e pernas grossas, para ser mais exata corpinho estilo violão. Eu tenho um namorado fazemos sexo normalmente como qualquer pessoa, só que eu tenho um segredo e que nunca contei a ninguém, adoro ser amarrada ou ficar amarrada, por isso mesmo eu estou sempre nesse site para ver contos de SM ou de mulheres que são amarradas. Eu mesma quando estou sozinha em casa pego umas cordas e me amarro na cama em forma de um X, primeiro amarro minhas pernas bem abertas e depois coloco um consolo na minha buceta, ai então eu amarro minhas mãos, so que sempre deixo uma tesourinha perto para o caso de eu precisar sair e não conseguir me desamarrar, e nunca ninguém me pegou desse jeito na cama. Bom, mas como ia dizendo num feriado meus pais e meus irmãos foram viajar e so voltariam no domingo, então resolvi ler alguns contos de Zoofilia, eu nunca tive vontade de tranzar com um cachorro, achava ate isso uma coisa muito nojenta, mas eu não sei o que aconteceu mas aquele dia me deu vontade de ler contos de Zoofilia, ai li um conto e fiquei com um baita tezão, ai li o segundo conto e fiquei totalmente alucinada, e fui la no quintal ver o nosso cachorro, um RotVailler de 2 anos que a gente tem, alias ele é do meu irmão, o nome dele é Beetoven ele é muito bem tratado e é de porte grande, fiquei olhando para ele e pensei não tenho coragem de fazer isso, mas ai me deu um estalo na cabeça e pensei, eu me amarro nua e de quatro aqui no quintal e deixo ele me comer, e se caso eu me arrenpender na hora não terei como impedi-lo. Então eu fiz o seguinte, peguei umas cordas, uns barbantes daqueles que a gente usa para amarrar caixas, peguei uma meia e um rolo de fita isolante. Ai fiquei nua fui lá no quintal isso tudo por volta de umas 11 horas da noite, ai eu peguei as meias que estavam enrroladas uma dentro da outra e coloquei dentro da minha boca, ai peguei a fita solante e comecei a me amordaçar, eu nunca tinha me amordaçado antes mas fiz isso para evitar de eu gritar e aparecer alguem lá e me ver naquela situação, então enrrolei todo a fita dando voltas em minha cabeça na altura da boca, ai tentei gritar e vi que não saia o grito só o som abafado e bem baixinho, ai fui no meio de 2 colunas que tem na área e amarrei uma perna em cada coluna e elas ficaram bem abertas, ai amarrei uma corda na parte de cima das colunas e no meio a corda ficou como um arco a mais ou menos 50 centimetros do chão para que eu debruça-se nele para ele me manter de 4 e com a bunda bem levantada e a buceta a disposição do Beetoven que ate essa hora so ficava me olhando. Amarrei um pedaço de barbante em cada pulso meu com um pequeno laço em baixo e os 2 pulsos separados, pois eu iria emcaixalos em uns ferros que tinham no chão e eram do formato de um anzol, ai me debrucei na corda e me estiquei o maximo que pude para colocar os laços nos ferros, que estavam presos no chão a mais ou menos 1 metro e meio na minha frente, ai com um pouco de dificuldade consegui prender meu braço direito num dos ferros, agora o outro ficou mais dificil ainda mais por que o Beetoven veio e começou a me cheirar toda, ai depois de muita força consegui prender o outro braço, fiquei totalmente estica naquela posição, meus braços pareciam que iam se desprender do meu corpo Meu cachorro começou a me lamber a buceta e o cú tudo junto, nessa hora que cai na real, eu nunca Contos Imor(t)ais - ESCRAVA – 48 -


tinha dado o cú antes, e se ele me penetrasse ali e outra coisa esqueci de pegar a tesourinha para me desprender, fiquei apavorada tentei soltar meus braços mas não consegui, comecei a chorar pois não sei como sairia dali, ja pensei meu Deus vou ficar aqui ate domingo quando minha familia chegar de viagem e passando fome e sede e meu cachorro me comendo a hora que quisesse, enquanto isso ele ia me lambendo, foi ai que ele montou em mim e ficava bombando seu pau no ar tentando achar um buraco, ate que numa hora ele acertou a entrada da minha buceta e enfiou tudo de uma vez, o pau dele era enorme e eu sentia ele cada vez mais fundo, ele começou a me fuder e eu comecei a gostar daquilo apesar do desespero de estar ali totalmente presa e sem conseguir me soltar, ai justamente nessa hora chega a pizza que eu tinha encomendado e tinha ate me esquecido, o entregador ficou chamando por uns 5 minutos e depois foi embora e eu ali sendo fodida pelo meu cão e toda imobilizada, ate que senti um negocio bem grosso entrar na minha buceta e o Beetoven começou a gozar e eu gozei junto com ele, senti meu útero cheio, e tinha porra escorrendo pelas minhas pernas, ai meu cachorro virou e ficamos engatados um de bunda virado para o outro, tentei novamente me soltar mas não consegui, meu corpo ja estava doendo todo por causa da posição incomoda, ai comecei a chorar novamente pensando como eu faria para sair dali. Nessa hora um vizinho meu pulou o muro com uma camera de filmar na mão e veio em minha direção chegou perto de mim e falou, você é uma cadela mesmo, e eu olhando para ele no maior desespero e ele ainda me falou fique sabendo que gravei tudo desde a hora que vc saiu nua no quintal e começou a se amarrar, e agora que tenho esse filme você fara tudo que eu mandar senão todo mundo da rua inclusive seus pais vão receber uma copia da fita, ai que entrei em pânico mesmo, ai ele pegou e foi para tras de mim gravar o Beetoven engatado em mim, ai ele tirou a bermuda e disse, vou brincar um pouco aqui tambem, ai ele passou por cima do meu cachorro e numa de uma vez so enfiou o pau no meu cú, a dor foi incrivel tentei gritar me espernear mas não deu para fazer nada, ele me comeu por uns 10 minutos eu acho, e com o pau do Beetoven dentro de mim e tentava gritar mas não saia nada ate que ele gozou e tirou o pau de dentro do meu cú justamente na hora que o pau do cachorro tambem saia da minha buceta, ai o Beetoven começou a se lamber e depois veio me lamber tambem. Meu vizinho, há sim, o nome dele é Rogerio, veio e me falou, você esta uma graça ai, quer que eu te solte, ai balancei a cabeça dizendo que sim e ele falou tudo bem, mas a partir de hoje você será minha escrava e fará tudo que eu mandar se não todo mundo vai ver essa fita, entendeu, e eu balancei a cabeça dizendo que sim, mas para meu desespero ele falo, tudo bem então amanhã de manhã depois que eu acordar e levantar eu venho e te solto, afinal você ficou assim para satisfazer o Beetoven, e parece que ele ainda não esta satisfeito pois esta ficando de pau duro de novo, bom vou deixar vocês se divertirem e vou dormir, mas não esuquenta que vou deixar a filmadora aqui filmando tudo, afinal não quero perder nada. Ele pegou desligou a filmadora um pouco e pegou mais uns pedaços de barbante e amarrou mais ainda minhas mãos falando que era para garantir que eu não saia dali e pegue o filme, e eu estava chorando e olhava para ele suplicando para que me soutasse, ai ele colocou a camera em cima de uma cadeira e ligou novamente, e falou, bom ja vou indo, ate amanhã e divirta-se, e pulou o muro e foi embora. Eu fiquei ali totalmente humilhada e sendo gravada pela filmadora que ficou em cima da cadeira, foi ai que o Beetoven veio e começou a me lamber novamente, fiquei ali chorando quandoele montou em cima de mim e começou a bombar no ar de novo, ai tentei me desviar da penetração mas não conseguia me mexer, e o pior por eu tentar me mexer o cachorro acertou a entrada do meu cú e enfiou tudo de uma vez, o pau dele era bem maior que o do Rogerio e eu comecei a gritar de Contos Imor(t)ais - ESCRAVA – 49 -


dor, alias não saiu som nenhum de minha boca pois a mordaça estava muito bem feita, e meu cachorro começou a me foder bem rapido e com força, eu hurrava de dor ate que senti a emenda entrando ai quase desmaei, ele ficou assim ate gozar dentro do meu cú, ai ele se virou de novo e ficou ali engatado novamente, mas dessa vez eu estava sentindo muita dor, ate que depois de um bom tempo ele se soltou e foi se lamber e depois veio me lamber tambem, ai ele foi ate a casinha dele entrou e ficou lá, e eu ali toda fudida e sem poder me mexer. Fiquei ali chorando ate que acabei pegando no sono por causa do cansaço e do horario. Fui acordada mais tarde novamente pelo Beetoven me lambendo e mais uma vez me penetrou na buceta, depois ele foi dormir e eu tambem dormi novamente, ate que clareou o dia e o Rogerio veio e me soltou dizendo que eu a partir daquele momento faria tudo que ele mandasse, eu respondi que sim e ele mandou eu ir tomar um banho e descansar pois eu teria grandes supresas nos proximos dias. Ai fui tomar um banho e depois fui dormir, eu dormi o dia todo e estou esperando para ver o que meu novo dono vai fazer comigo…

PARTE II Depois de passar todas aquelas humilhações a noite eu dormi ate as 3 horas da tarde de sexta feira. Ai me levantei e fui no banheiro me lavar, estava com o cu ainda dolorido e de minha buceta ainda saiam esperma do Beetoven, apesar de eu ter tomado banho pela manhã, depois do banho me vesti e fui preparar alguma coisa para comer, pois ainda não tinha comido nada desde a hora do almoço de quinta feira. Bem depois de barriga cheia fui na sala e deitei no sofá e fiquei pensando em tudo que havia feito naquela noite, e tambem fiquei pensando no que o Rogerio ia fazer comigo, pois enquanto ele estiver com aquele filme estou nas mãos dele, ai lembrei que tinha que trocar a agua do Beetoven e colocar ração para ele, pensei que ele ficar pulando em mim tentando fazer alguma coisa, mas para minha surpresa ele estava quieto e ate mansinho, foi ai que o Rogerio veio no muro e falou para mim entrar em casa ele pulou muro e entrou tambem e me falou para mim ligar para meu namorado e terminar tudo com ele, eu chorei dizendo que o amava muito mas ele não quis saber e me disse, você acha que se ele ver aquela fita ele vai querer ficar com você, se liga né. Ai liguei para ele e disse que não queria mais saber dele e que ja tinha arrumado outra pessoa, e chorando muito eu desliguei o telefone dizendo a ele que nunca mais me apareça na porta de casa. Bom ai depois disso o Rogerio me falou para mim se preparar para a noite que eu ia fazer uma pequena viagem ate a casa que ele tem no litoral norte de SP, para ser mais precisa em Ubatuba, ai falei para ele que não pederia viajar pois a casa iria ficar sozinha, e ele me falou que não tinha problema pois o Beetoven tomaria conta, e que nos voltariamos na madrugada do domingo. Bom quando deu umas 10 horas da noite ele me chamou e eu fui ate a casa dele, lá ele falou que minha sessão de escrava estava começando e mandou eu ficar nua, ai falei para ele, mas eu vou assim nua para lá, e ele me falou que eu ainda nem tinha ideia de como iria viajar, ai ele novamente me mandou tirar a roupa e como não podia contraria-lo fiquei nua, ai ele pegou uma cordinha e me mandou colocar os braços para tras e amarrou meus pulsos juntos e bem apertado, ai ele me levou para a garagem (ainda bem que ela é toda fechada) e mandou eu subir na traseira da S10 dele e mandou eu me ajoelhar, ai falei para ele, o que você quer que eu vá aqui e ainda nua, e ele me falou, Contos Imor(t)ais - ESCRAVA – 50 -


sim você vai aqui que é lugar de levar cadelas como você e não esquenta que você não vai cair por que vou te deixar bem prezinha. Implorei que ele não fizesse isso mas foi em vão e ele não quis saber, ai ele pegou aquelas cordinhas que a gente usa para fazer varal e me amarrou de uma forma que eu não podia me mexer, e ainda amarrou minhas pernas no para choque, fiquei totalmente exposta e ja imaginando se ia aguentar aquela viagem, ai ele foi no porta luvas do carro e pegou uma fita e do bolso dele ele tirou minha calcinha, e disse que ia me amordaçar mas antes ele subiu na traseita da caminhonete e foi na minha frente e tirou o pinto para fora e colocou na minha boca e começou foder a minha boca como se fose uma buceta, quando ele estava para gozar ja falou que era para mim engolir tudo, e ele gozou e eu engoli tudinho, ai ele pegou a minha calcinha e enfiou na minha boca e depois começou a me amordarçar com a fita do mesmo jeito que eu havia feito na outra noite, e depois me falou que ainda ia deixar uma coisinha para eu me destrair durante a viagem, ele desceu da caminhonete e foi num canto da garagem e pegou um pedaço de pau de vassoura e enfiou na minha buceta, ai ele fechou a tampa traseira da S10 fazendo com o que o pau ficasse bem dentro de mim, e disse que ja havia calculado mais ou menos o tamanho do pau e tinha cortado ele, e que conforme o carro fosse andando na estrada aquilo ia ficar mexendo dentro de mim e que eu so tinha que aguentar aquilo por 286 KM, fiquei apavorada, tentei me mexer mas o pau enfiado ne mim tambem mexeu e eu tive que ficar quieta. Depois ele entrou na casa dele e demorou um pouco e apos uns minutos ele saiu com uma sacola e entrou na S10 e abriu aquela janelinha traseira e falou vamos embora e deu a partida, so o balanço do motor ligado ja começou a mexer o pau na minha buceta, ai ele abriu a porta da garagem com o controle remoto e saiu com o carro, e começamos nossa viagem. Para mim foi um martirio viajar daquele jeito, fiquei com o corpo todo doendo e minha buceta tambem com aquele pau se mechendo dentro de mim, so que confesso que durante a viagem que demorou por cerca de umas 2 horas e meia tive varios orgasmos, e tambem fiquei com frio por causa do vento que batia em mim e a vergonha cada vez que passava um onibus ou um caminhão do lado. Bom quando chegamos lá em Ubatuba a cidade estava cheia de gente nas ruas, e muitas pessoas me viram ali, e algumas ate chegaram a me fotografar, nunca me senti tão humilhada. Quando chegamos na casa dele, ele entrou com o carro na garagem e veio me olhar para ver como eu estava, ele viu que eu estava tremendo e de minha buceta saia liquidos de tanto que eu havia gozado, ele riu e disse, quer dizer que a cadelinha gostou da viagem, ai ele entrou na casa e me deixou ali por uma meia hora e depois voltou e falou que meu cantinho estava pronto, ai ele subiu na carroceria e disse que eu estava uma verdadeira cadela e que estava com vontade de me enrrabar, ai ele tirou a bermuda e enfiou o pau dele no meu cú de uma vez só, e começou a bombar com bastante força e eu ainda com aquele outro pau na buceta, eu chorava de dor e ele ficou me comendo por uns 5 minutos e gozou dentro do meu cú com jatos fortes e quentes. Depois ele saiu de cima de mim e começou a me desamarrar e quando ele afrochou as cordas eu cai ali sem conseguir me mexer, ele tirou todas as cordas menos a que amarrava meus pulsos e tambem não tirou minha mordaça, ai ele me pegou no colo e me levou para dentro de casa dizendo que iria deixar eu descansar aquela noite. Ai ele soltou minhas mãos e tirou a mordaça, e depois falou que assim que eu estivesse melhor que poderia tomar um banho e comer alguma coisa. Dei uma cochilada e quando acordei ele estava perto de mim me olhando e perguntou se eu queria Contos Imor(t)ais - ESCRAVA – 51 -


tomar um banho antes de comer, eu disse que sim, mas fui tentar me levantar e não consegui ficar de pé, ele veio e me pegou no colo e me levou para o banheiro e me deu um bom banho, so que ele me ensaboando e passando suas mãos pelo meu corpo fiquei com tezão, ele percebeu e disse que so no outro dia eu iria ser totalmente saciada a não ser que eu quisesse começar aquela noite, e ele me disse que depois de eu comer poderia responder, sai do banho e ele me enchugou com muito carinho e depois fomos comer, enquanto eu havia cochilado ele havia ido buscar alguma coisa para a gente comer, comi e depois ele perguntou se eu queria me saciar ou ir descansar, pedi a ele para me dar um tempinho para pensar e ele falou te dou 10 minutos, e se você estiver ainda na duvida vou deixar você descansar ate amanhã (a sim mais uma coisa, eu estava nua por que não havia levado uma peça de roupa). Passado os 10 minutos ele veio me perguntar o que eu queria e eu respondi a ele que queria me saciar, ja que eu tinha que sofrer nas mãos dele então vamos começar logo, ele ficou ate admirado comigo, e falou tudo bem venha comigo, ai ele me levou ate o quintal aonde tinha uma pequena varanda e um vasto quintal de uma grama bem verdinha e baixa, ai ele mandou eu me ajoelhar e debruçar sobre um pequeno cavalete feito de cano de ferro, e abriu minhas pernas e amarrou meu joelhos nos pes do cavalete que estava preso ao chão, ai ele pegou meus braços e esticou e os amarrou numa coluna, e ainda pegou e amarrou meus quadris no cavalete fiquei de 4 e totalmente imovel, ai ele pegou minha calcinha novamentee enfiou na minha boca e pegou a fita e me amordaçou. Imaginei que ele iria me comer e depois ia enfiar qualquer coisa em mim, mas ele saiu e foi nos fundos da casa e voltou com um cachorro enorme, parecia que ele estava trazendo um pequeno cavalo, ai ele falou, Ellen te apresento seu novo amante Golias, eu entrei em desespero pensando no tamanho do pinto daquele cachorro, se o do Beetoven ja era grande imagina desse ai então, comecei a chorar e a tentar sair dali, mas eu estava totalmente imovel, ai o Rogerio deu uma risadinha e falou, é parece que você gostou, eu balançava a cabeça dizendo que não, mas ai o Rogerio pegou e foi atras de mim e começou a esfregar minha buceta para que o cachorro sentice meu cheiro, e não deu outra. Ele veio começou a me cheirar e depois começou a me lamber, so que eu comecei a ficar excitada sentindo aquela lingua aspera e babando na minha buceta e no meu cú, e fiquei torcendo para que ele não me fodesse o cú, pois eu não ia aguentar, ai depois de me lamber ele subiu em cima de minhas costas, e como era pesado, começou a bombar o pinto no ar procurando um buraco, na hora não cheguei a ver o tamanho de pinto, mas pelo o que estava batendo na minha buceta deu para ver que era muito grosso, ate que ele acertou a entrada e enfiou tudo de uma vez, era um pinto enorme e grosso e ele começou a me fuder com bastante força e seu pinto chegava a bater no meu útero, por causa do tamanho, eu gemia de dor e prazer e tambem chorava, so que o nó ainda não tinha entrado e ele me comeu por uns 10 minutos e derrepente senti o nó querendo entrar, era uma bola que nem uma bola de bilhar e quando entrou eu comecei a gritar alias não saiu grito nenhum por causa da mordaça, tentei me soltar e sair dali o mais rapido possivel e ele gozou tudo na minha buceta que ficou cheia de esperma, ai ele se virou e tentou sair, so que ele estava engatado em mim e ele tentava puxar para soltar e isso doia muito, ai como ele viu que não conseguia sair ficou quieto, ate que de pois de 20 minutos ele se soltou e saiu. O rogerio que gravava tudo chegou perto de mim e falou, ai matou vontade, agora vou te desamarrar e você vai tomar um banho e amanhã continuamos com a sua sessão de escrava. Ele me desamarrou. Eu fui tomar um banho e depois fui dormir, so que o Rogerio me amarrou na cama em forma de um X para que dormisse dominada e não tentasse fugir ou fazer alguma besteira.

Contos Imor(t)ais - ESCRAVA – 52 -


EX MARIDO Prezados...tudo bem. Meu nome é Ítalo tenho 31 anos e moro em Minas Gerais, há dois anos conheci minha noiva Maíra, de 35 anos. Ela ainda era casada quando nos conhecemos, mas não demorou muito para que separasse do marido e começássemos a planejar ficar juntos. Ela é o tipo de mulher que sempre sonhei, loira, peitos grandes, bunda proporcional, coxas grossas com pelo loirinhos, e aquela barriguinha que os homens de verdade gostam em uma mulher? caseira? natural. Sou literalmente apaixonado por ela e sei que ela é a mulher da minha vida. Na cama ela é mais gostosa ainda, tem um jeito de cavalgar que levaria qualquer homem ao céu. Nunca topou sequer tentar o sexo anal e disse que jamais deixaria gozar na boca. Ela morava sozinha e certo dia ao busca-la para sair, notei que estava um pouco agitada, pensei que fosse pelo atraso. Mas a situação se repetiu algumas vezes o que me deixou cismado com algo. Um desses dias ao beija-la senti um gosto de suor, mas evitei tal discussão e comecei a imaginar o que estaria acontecendo, será que ela estava me traindo? Morri de tesão cada vez que olhava e imaginava … Será que essa vagabunda esta me traindo? Seu ex marido morava na mesma rua, pensei não importar. Até que recebi uma sms no cel com os dizeres? Bom dia sócio? ...era o que imaginei, o ex dela me mandando uma msg perguntando se ela estava com uma marca de mordida na mama direita, no outro dia ao transar com ela vi uma marca no local... gozei várias vezes com o maior tesão possível, mas não contei nada pois eu curti aquilo. Ela desconfiou de alguma coisa que eu soubesse pois já me olhava meio envergonhada, foi aí que eu disse a ela: É gostoso dar para outro macho? Ela não acreditou no que eu disse. Eu e o ex marido começamos uma amizade baseada na parceria e quis um dia ver o que minha mulher fazia na cama com ele, porque ele me contou coisas que não acreditei e disse que só acreditaria vendo. Contos Imor(t)ais - EX MARIDO – 53 -


Então fui até sua casa e lá ele ligou para Maíra convidando-a para ir vê-lo. Minha noiva sequer questionou disse que iria tomar um banho e que em 15 minutos estaria lá. Dito e feito. Me escondi no outro quarto da casa e observei pela fresta da porta, ele chegou bem bonita, de vestido preto tomara que caia, sem calcinha e sem sutiã. Continuei observando ela sentada na cama, quando Márcio chegou perto dela ela puxou ele com força e começou a lamber sua barriga. Eu morrendo de tesão e ele mais ainda por saber que eu estava observando. Ele abaixou para beija-la e ela se recusou, dizendo. Você não é meu noivo é meu ex marido, e começou a chupa-lo da maneira mais safada que já vi alguém chupar. Marcio levantava o pau ela descia com sua língua bem molhada chupando suas bolas, e pedindo que ele batesse a rola na cara dela… Nunca vi minha noiva assim. Ele logo arrancou o vestido dela, e ela sem nada por baixo, de longe vi sua buceta escorrendo o melado, quando Marcio abaixou-se para chupa-la, mais uma vez ela recusou, dizendo: – Não, ! Você não, deixa que meu corninho faz isso chupa e limpa ela todinha. Aquilo me fez explodir de tesão atrás da porta. Ela deitou de ladinho levantou a perna e chamou Márcio: – Vem! Vem meter nessa cachorra. Márcio sabendo que eu observara foi em cima, penetrou aquele pau branquinho da cabeça rosada dentro da minha noiva, xingando-a: -Vadia, piranha...vc larga seu noivo mais não larga esse pau aqui né cadela! Eu morria de tesão vendo tudo aquilo... a minha noiva, piranha de outro homem. Mas o pior, rsrsr ou melhor estava por vir, depois de fuder ela de ladinho, papai mamãe, e de 4, ela disse algo que eu nunca esperava ouvir: – Vem comer meu cuzinho vem? – Você sabe que ele é só seu! Fiquei duro, literalmente.

Contos Imor(t)ais - EX MARIDO – 54 -


Ela sempre me negou e disse que nunca havia dado pra ninguém. Mas ela mesmo cuspiu na própria mão, espalhou na portinha daquele cuzinho rosado e guiou a rola do seu ex marido para dentro, gemendo de dor e pedindo cada vez mais, certa hora ela disse: – Come que é só seu vai, arromba esse cuzinho. Eu já estava quase gozando, mas controlei; quando ela tirou o pau dele La de dentro e exclamou: – Márcio... minha boca esta seca. Ele se levantou e punhetou, gozou tanto naquela boca que eu beijo com tanto prazer, que ela não desperdiçou um gotinha sequer, justo naquela boca que eu nunca pude gozar. Quando terminaram ela vestiu-se e foi pra casa rapidamente pois, imaginava que eu estaria próximo para busca-la. Saí rapidamente também e mal pude agradecer o Márcio, esperei na esquina e logo que ela entrou em casa, cheguei no portão e toquei a campainha, ela demorou para abrir e veio de roupão, fazendose de surpresa com a minha chegada e dizendo que iria tomar banho. Fingi estar com muita saudade e entrei abraçando e beijando, ela tentou se esquivar mas segurei forte, eu estava sentindo o gosto da porra do Márcio, mesmo assim a beijava com força, deitei em cima dela no sofá arranquei sua toalha e a abri suas pernas, ele tentou se esquivar dizendo que estava suada e que queria toma um banho, ignorei. E mesmo com ela se contorcendo chupei a sua buceta com a maior intensidade possível, sugando cada gotinha do leite que ela havia derramado pelo seu ex marido. Ela me perguntou porque eu estava fazendo aqui, e eu respondi. Só estou limpando do jeito que você gosta. Ela riu, e disse: – Onde vc ouviu isso? Respondi:?Há uma hora, na casa do Marcio, eu estava atrás da porta do quarto de solteiro e estou cumprindo o que minha rainha manda. Ela entendeu, que eu não queria briga e que gostei daquilo. Hoje ela me faz mais feliz ainda, saindo com seus machos além do ex marido, e quando não posso acompanha-la me conta tudo no ouvidinho. Amo minha noiva piranha do outros. Não vejo a hora de casar com ela e receber seu ex marido em nossa casa, para que eu durma no sofá e os dois em nossa cama.

Contos Imor(t)ais - EX MARIDO – 55 -


MINHA MULHER GOSTA Meu nome é carlos e minha mulher se chama claudia, somos casados á 5 anos. Ela tem 1, 65 de altura loira, seios arrebitados e uma bunda que chama a atenção. Minha esposa sempre gostou de se exibir desde quando começamos a namorar, ela me disse que gosta disso e que se quissese ficar com ela teria que aceitar. Como sou louco por ela não me importei. Ela sempre que sai gosta de usar sais curtas ou shortes pequenos quase com a bunda de fora, pois gosta que os homens fiquem olhando para ela ou quando pega um onibus cheio gosta de sentir as picas duras na sua bunda, ela diz que chega a gozar. Mas quando ela sente o maior tesão é quando estou olhando, ela diz que fica toda molhada quando vê que eu estou de pau duro quando outro homem esta com a pica dura colada na sua bunda. Ela gosta de me provocar, uma vez ela pediu que fossemos a praia de onibus e que pegassemos um que estivesse bem cheio. A claudia colocou um biquini bem pequeno e uma sainha dessas de praia que deixa a mostra a bunda estava um tesão me deu vontade de comela naquela hora mas ela não deixou, falou que seu fizesse tudo que ela queria talvez me toca-se uma punheta. Eu disse que faria tudo que ela peddisse, então ela falou que nos iriamos pegar o onibus, eu ficaria dolado dela enquanto ela ia se colocar de modo que alguém ficasse atrás dela sarrando sua bunda gostosa enuqanto eu estaria ao seu lado de pau duro, ela iria me dizendo que estaria gostando. Num determinado trecho da viagem parou atrás dela um negro que colou na sua bunda, ela começou a olhar para mim com a cara de safada e a me perguntar seu já estava de pau duro pois onegão atrás dela já estava. Ela rebolava na pica do negão, quando ela olhou para mim e disse; pelo visto já esta gostando de me ver rebolando na pica do negão pois o seu pau já esta duro hem meu maridinho, eu disse que sim. Nisso o negão percebeu que nos eramos casados e que eu não estava me encomodando, foi ai que ele ficou mais ousado segurou em sua cintura e levantou sua saia, tirou seu pau para fora e em sua bunda por cima de sua tanga. Ele apertava minha mulher sussurrava em seu ouvido sacanagem e ela ria e fazia cara de safada olhando para mim. Estavamos chegando na praia eles se recomporam e minha mulher perguntou se podiamos chamar ele para ficar com a gente na praia eu falei que não mas ela disse que eu tinha falado que faria tudo que ela quissese, e que não era para eu se preocupar por que seria s´uma brincadeirinha, então eu concordei. Quando saltamos do onibus ela perguntou se ele não queria ficar com a gente, e ele perguntou se eu não iria achar ruim, quando ela respondeu que não, pois meu maridinho faz tudo que eu pesso, Contos Imor(t)ais - MINHA MULHER GOSTA – 56 -


então ele topou. Chegando na praia minha esposa tirou sua saia e ficou com seu lindo biquini chamando a atenção de todos na praia inclusive de nosso novo amigo que já naõ conseguia esconder a excitação. Até esse momento ainda não sabiamos ainda seu nome al qual minha doce e safada esposa perguntou se deitando de bruso na toalha ainda não sabemos seu nome quando ele respondeu que seu nome era jorge, e minha esposa disse que o dela era claudia e de seu maridinho era carlos. Ela perguntou se ele poderia passar oléo em suas costas, ele semjeito falou se não haveria problema, e claudia disse que não pois seu maridinho não era ciumento e até ficava excitado quando outro homem a tocava, não e amor, no que eu respondi sem graça é meu amor viu só. Foi ai que ele se sentiu mais avontade e começou a passar oléo pelo seu corpo todo principalmente em sua bunda enquanto ela ficava com aquela cara de safada olhando para mim e dissendo amor ele tem uma mão muito gostosa eu já to com tesão principalmente quando ele passa na minha bunda, e voçê amor deixa eu ver se voçê já esta de pau duro o negão ficou me olhando e eu sem graça, ela insistindo fica de pé amor, fica quando eu me levantei não pude esconder o tesão que estava sentido, quando ela falou para ele; não falei que ele gostava de me ver sendo tocada por outro homem, eu também fico excitada de saber que ele está me olhando. Quando o negão disse alizando sua bunda… – Eu estou morrendo de vontade de comer essa sua bunda será que seu marido deixaria? Ao qual ela respondeu... – Ele faz tudo que eu quiser – Voçê não quer experimentar um negão com uma pica enorme comendo seu cuzinho? – Eu adoraria! – E voçê amor ia gosta de ver sua loirinha sendo enrabada por esse negão? Acho que ia pois vejo que seu pau esta quase explodindo para fora da sunga. – Olha amor que pau enorme, da dois do seu Falou minha esposa passando a mão na piroca dura dele… Mas minha esposa falou que naquele dia não iria dar para ele quem sabe uma outra vez, mas posso de bater uma punheta lá na aguá, ele falou tudo bem. Então se levantaram e minha mulher falou se eu não queria ver o tamanho da pica que outro dia iria comer o cuzinho dela, eu disse que não mas ela disse que queria que eu fosse pois ficaria mais excitada comigo olhando, eu como bom marido obediente fui seguindo os dois indo agarradinho para aguá. Lá eles começaram a se agarrar e se beijar enquanto eu ficava do lado olhando ele se aproveitar de minha mulher.

Contos Imor(t)ais - MINHA MULHER GOSTA – 57 -


Ela começou a punheta-lo eu começei a ficar com tesão e começei a tocar uma também quando ela viu ela disse que era para eu parar e ficar so olhando que em casa eu teria o que eu queria e seu não para-se em casa não teria nada por cinco dias, então eu parei e fiquei so olhando o negão tendo prazer com minha esposa ela punhetava ele e olhava para mim dizendo que não via a hora de ser enrrabada por aquele membro grande e viril eu ficaria na cadeira me masturbando foi quando o negão começou a gozar em sua mão ela passou os dedos sujos de porra na boca e disse que estava gostando e como prova de meu amor por ela queria que eu desse um beijo em sua boca com gosto da porra de outro homem que seu não fizesse ela iria achar que não á amava, então fui até ela e dei um beijo de lingua sentido aquele gosto de porra ela disse gostou amor eu gostei disse ela e o negão ficou so rindo. No final ele deu seu telefone para contato e fomos para casa onde fizemos amor gostoso.

Contos Imor(t)ais - MINHA MULHER GOSTA – 58 -


CAMERA NOVA Era sexta-feira e já haviamos combianado de sair a noite pra curtir. Como eu já imaginava Julia se vestiu pra matar. Saia rodada, blusa decotada que deixava parte da sua barriga a mostra e salto alto. Estava literalmente um espetaculo. Antes de sairmos ela me pediu para levar a câmera que havíamos comprado naquela semana, pois ela queria estrea-la em grande estilo. Quando ja estavamos no carro, nos dirigindo para o nosso destino, Julia levantou sua saia e me mostrou que não usava nada por baixo. Ela estava sem calcinha. Essa foi a deixa pra eu saber que a noite prometia bastante. Essa foi a primeira vez que algo aconteceu de maneira premeditada. Minha esposa havia se preparado pra ser fodida por outro cara, que ela iria escolher, em poucas horas. A partir daquele momento fiquei de pau duro até o fim da noite. A primeira foto que fizemos no equipamento novo foi dentro do carro, Julia com as pernas abertas, mostrando sua bucetinha já babada de tesão. Assim que chegamos ao local, nos acomodamos em um local mais discreto e começamos a curtir a nossa noite. Nos provocávamos intensamente com beijos quentes, passadas de mão e esfregadas quentes. O tesão estava à flor da pele. Em uma de suas idas ao banheiro, Julia demorava mais do que o normal. Sai para procurá-la e a achei conversando com um rapaz negro, magro, alto e cabeça raspada. Acompanhei a distância e percebi que ela já havia escolhido o candidato a felizardo da noite. Após poucos mimutos de conversa ela já estava agarrada com ele, em um beijo quente. Após mais alguns amassos, os dois já estavam em ponto de bala, e ele a chamou para irem a um motel. Nesse momento ela abriu o jogo com ele, disse que era casada, que eu estava no lugar e ciente da situação. Ele exitou em um momento, mas concordou diante da possibilidade de comer a minha deliciosa esposa. Nos encaminhamos ao nosso carro, eu fui dirigindo enquanto Julia e André estavam se pegando no banco de trás. Já no primeiro semáforo Julia ja chupava o pau grosso de seu novo amante com alguma dificuldade. Essa foi a segunda foto que fiz enquanto Julia olhava pra mim com cara de safada. Assim que entramos no quarto, minha esposa já estava apenas com a saia e o salto, com seus fartos seios babados por André. Ela se deitou na cama e mandou: – Vem aqui negão, vem chupar a minha bucetinha na frente do meu marido. Ele não se fez de rogado e caiu de boca na bucetinha deliciosa de Julia, chupando seu grelo e enfiando dois dedos até o fundo. O primeiro video gravado na câmera nova foi de um orgasmo intenso de Julia, gemendo alto, se contorcendo e enfiando a cara de André como se quisesse que ele entrasse todo dentro de sua buceta. Após alguns momentos se recuperando do seu gozo, Julia voltou a chupar o pau de seu amante com muita vontade. Então ela se virou pra mim e pediu pra eu filmar novamente, após alguns momentos ela disse pra mim: – Amor, pega a câmera e filma esse pauzão entrando no meu rabo. André, você vai comer apenas o meu cu hoje. Quero sentir esse seu pauzão todo dentro de mim, me arregaçando toda. Julia então se colocou de quatro, passou a mão em sua buceta para pegar um pouco do mel que escorria abundantemente, lambuzou a entrada de seu cuzinho, enfiou um dedo e depois mais um. André já estava preparado atrás dela, que logo abriu bem a sua bunda com as duas mãos. Agora sim meu negão, arromba meu rabinho com esse seu pauzão delicioso.

Contos Imor(t)ais - CAMERA NOVA – 59 -


André não se fez de rogado e foi enfiando seu pau lentamente pra dentro do cuzinho de minha esposa. Julia gemia de maneira sensual, deixando eu e seu comedor ainda mais cheios de tesão. Logo ele já estava com o caralho todo dentro de minha esposa, e então começou o movimento de vai e vem. No começo devagar, com o passar do tempo as estocadas foram aumentando de intensidade. Julia pedia mais. Olhava pra câmera e dizia: – Ta vendo meu amor? ta vendo a sua esposinha levando vara no cuzinho bem na sua frente? Ta gostando de me ver dando o cu pra um negão pauzudo na sua frente? e então se virou pro André e disse: – Vai seu pauzudo, enche o meu cuzinho com a sua porra, que sentir você gozando dentro de mim. Vai me fode e deixa o meu cuzinho aberto e cheio de porra. Nesse momento eu dei o meu pau pra ela chupar, ela mamou com força e vontade ao mesmo tempo em que batia uma punheta sensacional. Não demorou muito e eu gozei muito em sua cara toda, ela engoliu uma parte e o resto ficou pelo seu rosto. Esse foi o impulso final para que o André também gozasse dentro do cu de Julia. Minutos depois André partiu, e minha esposa estava desitada na cama, com a cara e a bunda cheias de porra, o cu arrombado e um largo sorriso estampado no rosto. Essas foram as melhores fotos da noite.

Contos Imor(t)ais - CAMERA NOVA – 60 -


EXPOSIÇÃO Minha mulher tem 35 anos e eu 48. Morena clara, com 1.75, cabelos lisos, escuros com fios clareados (luzes), 68 quilos, uma bunda linda, pernas roliças e lisas e seios médios. Dentre todas as fantasias o “exibicionismo” é a mais emocionante e não muito difícil de fazer com que nossa parceira dela participe, mesmo, porque toda mulher gosta de ser admirada. Nas minhas incursões pelos sites da Internet entrei num sexshopp virtual e acabei comprando um conjunto de mini saia e um bustiê de latex para Cassia. Cheguei em casa naquela sexta-feira a noite, depois do serviço, presenteei-a e fi-la experimentar a roupa. Ficou uma delícia nela, pois o latex ajusta-se muito bem ao corpo até modelando-o. Cássia gostou até da textura, mas disse que aquilo era roupa para usar somente em casa quando nossa filha não estivesse presente, ou então só no nosso quarto. Disse-lhe que se fosse só para tais ocasiões iria devolve-las!... Ela ficou me olhando assustada e perguntou onde eu queria que ela fosse com aquelas “roupas”. Propus passearmos de carro, e ela disse que só aceitaria se não tivesse que descer em lugar algum. Respondi que estava tudo certo e aproveitando que nossa filha iria dormir na casa de uma coleguinha, entramos no carro e dirigimo-nos a São Paulo. Cassia estava um tesão com aquela mini saia que insistia em subir e mostrar suas pernas, e percebi que ela estava sem calcinhas porque – alegou -o latex marca muito. Durante o trajeto levei minhas mãos até o meio das pernas de Cássia e fui direto a sua xana que estava já totalmente lubrificada. Comecei a boliná-la, esfregando meus dedos no seu clitóris e enfiando-os de vez em quando no interior da sua bocetinha. Quando percebia que ela ia gozar eu parava para deixá-la bem tesuda. Comecei a conversar com ela e dizer que a fantasia que eu queria que ela realizasse era fácil e lhe seria rendosa: Queria “contratá-la” para uma noitada de sexo, como se fosse ela uma puta. Ela riu e falou que eu estava louco, mas ficou curiosa e pediu para eu explicar melhor. Disse-lhe que queria que ela descesse numa travessa deserta da avenida em que estávamos e que eu iria acompanhá-la de carro, iria buzinar, acertar um programa com ela, e que – estimulei-a – o preço que acertado eu de fato lhe pagaria a ela poderia fazer o que quisesse com o dinheiro. Ela ficou me olhando com cara de safada e falou.… – Mas e se alguém me abordar? Disse-lhe que se ela se sentisse insegura era só entrar no carro, pois eu estaria acompanhando seus Contos Imor(t)ais - EXPOSIÇÃO – 61 -


passos devagar com o carro. Ela pareceu assimilar o meu pedido, e antes que ela desistisse sai da avenida e entrei numa transversal. Por ser um bairro residencial e de moradias luxuosas não havia literalmente ninguém andando a pé por aquelas ruas e muito raramente passava algum carro. Parei o carro, dei um longo beijo em Cássia e ela desceu, com a micro saia de borracha expondo totalmente suas lindas coxas, e o bustiê tapando mal e má seus seios, deixando sua barriguinha também à mostra. De salto alto como ela estava, cabelos lisos, bem maquiada, semi-nua, parecia de fato uma vadia, sendo certo que eu ainda lhe pedi que levantasse o máximo possível a saia, para que eu pudesse entrever os pelos de sua xaninha. Assim foi… Ela saiu rebolando e eu a acompanhava com o carro um pouco atrás, dando o farol alto para melhor visualizá-la dentre os carros estacionados, até que ela chegou à esquina da avenida República do Líbano (Jardins) numa pequena pracinha. Entrei na avenida, parei o carro à beira da guia, atrapalhando o trânsito (é proibido estacionar naquele ponto). Buzinei, abri o vidro do passageiro e ela veio debruçando-se na porta de passageiros, dizendo que estava muito claro alí, e que passavam muitos carros. Dei-lhe uma dura dizendo para ela parar de falar, pois já estava no fim minha fantasia. Ela sentiu-se um pouco mais segura e então – como havíamos combinado -me perguntou se eu queria fazer um programa....respondi-lhe que ela era muito gostosa, mas precisava saber o preço e se ela tinha local. Respondeu que custaria mil reais incluindo a despesa em qualquer motel da vizinhança. Pensei: que filha da puta, vai sair caro minha fantasia! Argumentei que precisava ver melhor o material e pedi para ela virar-se de costas, o que ela fez, e aí lhe pedi que mostrasse um pouco mais o traseiro.… Ela levou as duas mãos às laterais da saia e levantou-a um pouco mais, deixando-me ver sua bocetinha que de tão molhada refletia as luzes da avenida. Um carro idiota, encostou atrás do meu e começou a buzinar e Cássia começou a ficar nervosa, mas dentro do espirito da fantasia virou-se para mim e disse: “ – E aí....vai querer ou não?. Respondi que era muito caro...… – Ela disse que era uma puta especial e que faria tudo o que eu quisesse..… Nessa hora tive uma idéia maluca..… Contos Imor(t)ais - EXPOSIÇÃO – 62 -


Engatei a primeira marcha, olhei para ela e disse: – Não dá, tá caro demais!..... e arranquei com o carro, deixando-a sozinha na avenida. Pelo retrovisor percebi que ela começou a acelerar os passos e correr atrás do carro. Sempre que eu percebia ela próximo acelerava o carro, e ficava observando ela desfilando por aquela avenida (uma das mais movimentadas de São Paulo), gostosa daquele jeito, não sabendo o que fazer....mostrando seu lindo e desnudo corpo a todos que passavam. Ela tentava me alcançar e eu acelerava de leve me afastando..… Um outro carro encostou atrás do meu e deu para perceber que haviam alguns rapazes dentro que mexeram com Cássia..... Ela ficou mais tensa ainda porque tal carro passou também a acompanhá-la. Não sei o que deu em Cássia, talvez cansada de tentar me alcançar e de desfilar suas formas. Notei que ela parou, virou-se de frente para os rapazes do carro e falou alguma coisa que não consegui ouvir. Encostou no muro ali existente e começou a passar a mão por suas pernas, peitos e – olhando para meu carro – voltou a olhar para os rapazes fazendo gestos sensuais, e levantou sua saia mostrando-lhes que estava sem calcinha. Só sei que percebi um moleque (de no máximo uns vinte anos) descer de tal carro e se dirigir a ela, tentando agarrá-la, ou melhor, agarrando-a e passando a se esfregar nela.... E a puta da minha mulher deixando, agarrando o rapaz e se esfregando nele em via pública, com a saia levantada. O moleque, talvez para mostrar para os amigos, virou-se e encostou-se no muro, fazendo com que a bunda de Cássia ficasse à mostra para seus amigos de carro e para quem pela avenida passasse, ficando assim por alguns poucos segundos que, para mim, pareceram horas. Foram várias buzinas e carros parando, até que num determinado momento Cássia deu um safanão no rapaz e correu em direção ao nosso carro. Abri a porta, ela entrou rapidinho e eu acelerei. Assim que parti Cássia começou a me xingar e me dar tapas.... Os rapazes do carro de trás nos seguiam e eu comecei a ficar preocupado, até que quando parei na confluência com a avenida Moema, mesmo com o semáforo vermelho, entrei no cruzamento fazendo com que alguns carros obrigatoriamente brecassem e consegui me desvencilhar daquele carro, entrando numa conversão proibida à esquerda para pegar a 23 de Maio. Que emoção! Cássia não parava de me xingar, dizendo que eu era um puto, louco, tarado; que aqueles rapazes poderiam ser marginais; que eu coloquei-a em risco e que tais, dizendo que nunca mais confiaria em mim! Mas aos poucos nos acalmamos.....acabou aquela tensão.....e ela falou que o que eu merecia mesmo, era que ela deixasse o rapaz do carro fode-la na via pública. Quis saber o que foi que ela falou antes de começar a se insinuar para eles.… Contos Imor(t)ais - EXPOSIÇÃO – 63 -


Disse “Alguém aí está a fim de trepar? O meu marido corno está naquele carro assistindo....! Disse ela (eu não tinha percebido) que o rapaz que a agarrou desceu já com o pau para fora e que chegou a colocá-lo no meio de suas perna e esfregá-lo na sua boceta, que naqueles poucos segundos ela chegou a gozar na piça do estranho, e que só não o deixou introduzir porque não quis. No caminho de volta Cássia gozou nos meus dedos mais umas duas vezes, e ficou chupando meu cacete por mais de trinta minutos, até chegarmos em nossa casa, situada num condomínio de uma cidade vizinha a São Paulo. Foi uma noite emocionante, tanto para ela como para mim!

Contos Imor(t)ais - EXPOSIÇÃO – 64 -


SEM LIMITES Minhas fantasias estão me escravizando, e eu continuo tentando realizá-las e, para tanto, procuro contar com minha esposa, cuja participação me conforta, pois não sei se pode ser considerado normal essa profusão de idéias que me assolam. Bom...lá vou eu Passei numa loja de departamentos e comprei várias mini saias para minha mulher, a maioria curtíssimas, e presenteei-a fazendo com que ela as experimentasse todas para mim. Ficaram lindas nela, embora ousadas. Mas num sábado de tarde pedi para Elene vestir a mais curta delas, uma branca, reta, e colocasse uma blusa bem decotada. Assim ela fez, pegamos o carro e saímos a trafegar pela estrada que sai do condomínio onde moramos, no sentido interior. Elene, sentada ao meu lado, com aquelas coxas expostas, certamente adivinhando meus desejos, não usava calcinha e assim deixava exposta a pelugem de sua xana. Seu decote mal e má cobria as auréolas dos seus seios, vazando praticamente até seu umbigo. De sacanagem, parei num posto de gasolina, desci, pedi para o frentista encher o tanque e lavar os vidros, enquanto eu ia até a loja de conveniências, deixando minha esposa sozinha no carro. O frentista, um rapaz de uns 25 anos, desde que eu abri a porta, não tirava os olhos das pernas de Elene, que se contorcia para puxar a saia o mais que pudesse para baixo e dar uma ajeitada no decote. Fiz uma horinha na loja e, de longe, fiquei só observando: notei que o meu carro nunca havia sido tão “bem tratado” num posto, pois se revezaram três ou quatro funcionários na lavagem dos vidros do carro, em especial o da frente, enquanto Elene permanecia trancada lá dentro. Voltei quando eles acabaram, mais de dez minutos passados. Entrei no carro e ainda paguei com cartão para demorar mais um pouco, dando oportunidade para que o frentista continuasse a ver as coxas da minha mulher por mais alguns minutos. Nunca foi tão rápida a operação do cartão! Para deixar mais tenso o clima, após eu entrar, ainda falei para Elene que eu tinha esquecido de comprar os cigarros. Liguei o carro e parei bem defronte à loja de conveniência e pedi para ela descer para comprar. Ela me olhou com cara de desafio, abriu a porta e saiu, escandalosa daquele jeito e rebolando para dentro da loja. Quando ela saiu tinha uns quatro ou cinco funcionários do posto encostados à porta do lado de fora. Ela entrou de volta no carro e ao sentar-se fez questão de abrir as pernas para onde estavam os frentistas que, certamente, viram sua xoxotinha nua. Sai rapidinho com o carro e olhei pelo retrovisor a roda de homens que se formou no posto, certamente comentando sobre os trajes de Elene. Eu estava em estado de ereção permanente e assim que minha esposa entrou eu abri o zíper de minha calça e mostrei meu cacete para ela que, sem pestanejar, deitou-se ao meu colo e passou a fazer uma “gulosa”. Mas eu não queria gozar, queria prolongar aquele estado de excitação o maior tempo possível e continuei a andar pela estrada, até pegarmos uma transversal, uma estradinha vicinal estreita e totalmente rural. Andamos uns 10 quilômetros até que notei uma barraca de venda de frutas à beira da estrada que ficava na frente de uma casa velha que era a entrada de um pequeno sítio ou chácara. Desci e comecei a conversar com o “matuto” de uns 30 anos chamado Darci, que tomava conta da barraca e me falou que era caseiro do sítio e que o dono permitia que ele vendesse o que produzia. Falou que os donos não estavam, e eu perguntei se poderia ver o pomar, ao que ele permitiu. Pedi para Elene descer e o caipira quase teve um ataque ao vê-la sensual daquele jeito. Fomos Contos Imor(t)ais - SEM LIMITES – 65 -


andando no meio do pomar e o caipira atrás. Para judiar do Darci, fingi que escorreguei e me segurei em Elene, fazendo com que ela arqueasse seu corpo para me apoiar e assim mostrar o bundão para o caipira que seguia imediatamente atrás dela na trilha por onde andávamos. Ao me levantar olhei para a cara de transtornado de Darci notei que sua barraca estava armada e que ele, encabulado curvava o tórax para frente, tentando disfarçar. Chegamos numa goiabeira antiga e grande, com galhos fortes e abertos desde baixo, e perguntei ao matuto se poderíamos subir, pois aquilo a árvore me fazia lembrar da infância na fazenda de um tio, e ele disse que sim. Subi e quando estava já a uns dois metros de altura, perguntei a Elene se ela queria subir. Ela me olhou com cara de safada, tirou a sandália baixa que usava e, pé desnudo, galgou o primeiro galho. O caipira não perdeu tempo e logo ficou bem em baixo. Estendi a mão e Elene segurou-a e subiu mais alguns galhos. Darci, certamente, via toda a xana de Elene e não parava de olhar para cima. Fiz que estava tentando pegar umas goiabas, Elene também, e ficamos assim por uns dez minutos. Desci primeiro e, no chão, olhei para a “paisagem” que Elene estava proporcionando àquele bicho do mato. Quando ela desceu eu segurei-a pela cintura, fazendo com que sua saia subisse ainda mais, expondo toda bunda dela ao caipira que, de pau em riste, não sabia o que fazer. Voltamos para o carro, comprei umas “laranjinhas” e fomos embora. Ao colocar as mãos da xota de Elene percebi que ela estava encharcada e eu falei-lhe que a tarde estava apenas começando. Ela começou a dizer que não estava aguentando mais, que queria trepar já e começou a se esfregar em mim enquanto eu dirigia pela estradinha, até que passamos num sítio onde haviam vários “currais” com vacas, bois e touros trancados. Estacionei no acostamento e Elene também desceu. Logo chegaram três peões, aos quais eu disse que estávamos curiosos e perguntei se poderíamos visitar as cocheiras. Elene daquele jeito, só poderia fazer com que a resposta fosse positiva e assim rompemos a porteira e fomos até onde estavam as reses. Não sei se de propósito ou não, o touro passou por uma porteira e subiu em uma vaca passando a cobri-la. Ficamos todos pasados olhando aquela demonstração de fúria animal, com a enorme e grossa piça do touro irrompendo para dentro da vaca até sair mole e escorrendo porra. Elene ficou virtualmente perturbada e pediu-me para irmos embora, e assim fomos e quando nos despedimos dos peões eles fizeram questão de abrir a porta do carro para Elene que entrou e lhes expôs suas entranhas. Voltei a pegar a estrada e Elene começou a pegar no meu pau, por sobre a roupa mesmo, abriu o zíper e novamente passou a me chupetar. Eu não queria de jeito nenhum gozar pois há muito tempo não conseguia ficar tanto tempo em estado de tensão e excitação. Era muita emoção para uma tarde....mas continuei na nossa peregrinação pela estradinha campestre, afastando Elene do meu pau. Puta da vida ela abaixou o seu banco, parecendo que iria tirar um cochilo, mas eu alertei-a sobre o perigo que ela correria se dormisse. Ela quis saber o porquê, e eu lhe expliquei que eu poderia ter mais alguma idéia maluca. Ela riu muito e me desafiou dizendo que eu não tinha muito mais a fazer de diferente. Estrada à frente coloquei meu dedo médio em sua rachinha e suavemente comecei a friccionar seu clitóris que, notei, estava durinho. Sua boceta estava encharcada e quando esfreguei meu dedo para Contos Imor(t)ais - SEM LIMITES – 66 -


baixo ele deslizou suave para o canal vaginal. Continuei, agora com mais dedos, bolinando Elene que respirava cada vez mais ofegante, mas não abria os olhos. Abri o zíper de minha calça, tirei o cacete para fora, coloquei a mão em seu ombro e fi-la deitar-se em meu colo. Coloquei minha mão por trás e passei a alisar seu cuzinho e aprofundar os dedos em sua xaninha, intensificando a sacanagem. O rosto dela encostava no meu pau e só sei que num determinado momento notei que ela o lambia, fazia o vai-e-vem e eu tinha a louca impressão que estava comendo sua bucetinha. Eu continuava a enfiar meus dedos no seu cuzinho, na xaninha, enfim. Estava até com medo de bater o carro. Segurei o quanto pude, até que estávamos de volta ao Condomínio onde moramos, mas não falei nada para ela sobre a aproximação da portaria, sendo que Elene então foi obrigada a permanecer deitada no meu colo com o meu pau na boca, sem olhar para o Porteiro que me vendo abriu de imediato o portão, mas deve ter percebido – pelo meu vidro que eu abri -que Elene estava deitada no meu colo e com a saia levantada. Passada a portaria Elene começou a me xingar, dizendo que o Porteiro poderia difamá-la, mas eu tranquilizei-a mentindo que o vidro fumê do carro não permitiria ao porteiro vê-la. Chegando em casa, aberto o portão automátivo, pedi para Elene descer pois eu queria vê-la desfilar pela pista interna de nossa casa com os trajes ousados. Para me atender ela desceu e começou a andar rebolando na frente do meu carro, até que chegou defronte ao portal da entrada da casa e parou. Pedi que ela tirasse os seios para fora e eu peguei minha máquina filmadora/fotográfica que estava no banco de trás do carro e começei a fotografá-la. Mandei que ela se agachasse de frente para mim e ela o fez abrindo automaticamente suas pernas e expondo sua bucetinha de poucos pelos e virtualmente molhada. Pedi que ela se ajoelhasse e ficasse de costas para mim, encostasse suas mãos uma sobre a obra no chão e colocasse seu rosto sobre elas, e assim ela deixou exposta e arreganhada sua boceta que eu fotografei inúmeras vezes. Foi aí que aconteceu um fato totalmente inesperado. O nosso cachorro, um fila que chamamos de Casoy, se aproximou rapidamente e começou a cheirar a xana de Elene. Ela reagiu na hora, mas eu dei-lhe um grito: “espera....deixa....vamos ver o que ele vai fazer....”. Elene não meu ouviu. Se levantou rápido mas Casoy teimava em enfiar o focinho no meio da suas pernas, mais precisamente na xoxota encharcada. Elene começou a correr fugindo do cachorro e ele disparou atrás dela pelo gramado, e eu atrás fotografando... até que Casoy conseguiu alcançá-la na corrida e empurrá-la com as patas dianteiras fazendo com que Elene fosse ao chão, de frente arreganhando aquele bundão. Casoy parecia alucinado e começou a lamber Elene por trás e cada vez que ela tentava levantar-se ele subia nas costas dela como que tentando come-la. Pude perceber que o pau de Casoy estava enorme...e ele começou a tentar enfiar o cacete nela por trás. Elene começou a gritar e eu a socorri, tirando-a debaixo do nosso cão. Coloquei Elene atrás de mim, virei-me de frente para Casoy que tentava a todo custo voltear-me para alcançar Elene. Fomos assim até a varanda de casa onde, fechada, coloquei Elene no chão e começamos a trepar com sua saia levantada à cintura. Casoy estava ao lado lado, separados apenas pelo gradil da varanda, e parecia alucinado. Latia, tentava subir pelo corre-mão das grades para invadir a varanda, mas não conseguia. De propósito fiquei atiçando o cachorro. Deitei-me ao chão e pedi para que Elene me cavalgasse, deixando sua bunda exposta para o lado onde estava Casoy que parecia iria derrubar o gradil. Não satisfeito, coloquei Elene de quatro e passei a comer sua boceta por trás, fazendo com que o cão ficasse mais louco ainda pela similitude do coito canino. Contos Imor(t)ais - SEM LIMITES – 67 -


Coloquei meu pau da entrada do cuzinho de Elene.. Meu Deus! Ela deu um pulo e um pequeno grito, logo emendado frases desconexas. Segurei-a com força pela anca e cravei novamente o cacete naquele cuzinho. Seus olhos lacrimejaram mas ela, como eu, não queria perder aquele momento de magia e tesão. Bombeei sua bunda e logo ela passou a rebolar e jogá-la em direção ao meu pau, com força. Determinado momento o pau escapou e eu novamente cravei-o na buceta, ainda por trás. Foi só entrar, sentir aquele calor louco e ela rebolar mais um pouco, para eu começar a gozar, e Elene – ao mesmo tempo – gozar alucinadamente gritando repetidas vezes, que estava gozando. Enchi aquela bucetinha linda de porra, fazendo-a virar um sabão. Aquela cena ficou indelevelmente marcada. Recompusemo-nos. Elene me confidenciou depois que ela tinha sentido uma sensação mista de prazer e nojo, quando Casoy passou a lambe-la e tentar come-la.

Contos Imor(t)ais - SEM LIMITES – 68 -


BEM PRETA AMOR! Olá, sou casado há 7 anos tenho 33 anos e minha esposa 32, sou moreno claro e ela branca, casamos bem cedo mas aproveitei bastante transei com muitas mulheres antes dela. Como já estamos um tempo casado a transa estava dando uma amornada, e para ficar melhor comecei a provocar dizendo coisas excitantes, ela nunca falava nada, só ouvia, eu falava que ia arregaçar o cú dela, ia gozar com o pau todo dentro, mas já estava começando a ficar sem graça, estava sentido que já havia falado e nos excitado de todos os jeitos. Até que um dia quando disse que ia arrombar ela, então ela falou: – Arrombar como? – Eu falei: com meu pau, vou socar tudo até o talo e bombar sem parar, e ela falou: – Seu pau não me arromba mais! Ai senti um calafrio e vi que aquilo me excitou demais e que estávamos entrando em outra fase de excitação, sem demorar já retruquei para não esfriar: – Com essa bucetona que ficou arrombada com o tempo só um pau de cavalo para preencher ela, e ela disse: – Pau de cavalo nada tem muito homem que consegue preencher viu! Eu mais excitado perguntei, – Meu pau tá pequeno para você? Ela disse: – Uhummm tá sim, adoro seu pau, você tem parentesco de negro, mas minha buceta sente vontade de sentir mais volume nela. Eu mais excitado do que nunca perguntei algo que pensei que nunca iria ter coragem: – Ah você gosta da minha rola que é quase preta? Ela falou para pararmos por ali, e eu insisti, vai fala, e ela não tenho nada pra falar só me fode. A buceta dela estava tão melada que estava escorrendo pela virilha e coxa, na hora parei de bombar, e ela falou para não parar. Só vou bombar e com força se você continuar, e ela falou: – Vou falar mas não fica bravo, é só brincadeira para excitar, eu quero levar rola preta na minha buceta branca, sem camisinha e deixar gozar dentro. Quase tive um infarto, e ela falou: – Você gostou porque seu pau ficou tão duro que nem parece seu pau Contos Imor(t)ais - BEM PRETA AMOR! – 69 -


Ficou bem maior, parece que estou dando para uma rola preta de verdade, bem escura, toda vez que assistiamos filme porno, quando aparecia um negro eu ficava ansiosa para ver o pau preto, e quanto mais preto com mais tesão eu ficava e quando via gozava muito rápido no seu pau imaginando, mas nunca tive coragem de falar, agora você sabe que o que me excita é rola preta, sou capaz de dar pra qualquer pessoa negra só por causa do pau preto que sei que é grande, daria até para um pedreiro ou mendigo na rua só sentir todo o volume preto gozando dentro de mim, acho que seria a melhor sensação que poderia sentir. Na hora fui até a cozinha e peguei um pepino gigante, três vezes maior e mais grosso que meu pau, coloquei uma camisinha com dificuldade e deixei ela de quatro que rapidamente enpinou e abriu a sua bunda com as duas mãos e disse: – Soca essa rola bem preta na minha buceta branca, soca tudo não deixa nada de fora quero me sentir como essas loiras putas de filme porno sendo arregaçada por rola preta gigante e deixando o negão gozar dentro. Havia encaixado somente uns 10 centímetros com dificuldade e tirei porque esta estourando de vontade de gozar, e gozei no pepino que fico extremamente lubrificado com a porra por cima da camisinha e soquei com tudo que ela deu um grito bem alto: – Aí entrou tudo de uma vez, era isso que eu queria – Aiiiiiiii! soca, soca a rola preta na sua mulher puta, tá vendo o quanto eu aguento, agora você é corno de rola preta, soca para minha buceta ir se acostumando que vou querer levar uma rola bem preta de verdade, um negão vai me comer na sua frente! Ela se enpinou mais ainda, gozou gritando e tirou o pepino com tudo da buceta e pegou meu pau que mesmo eu já tendo gozado já estava estourando de duro e socou rapidamente na buceta e disse: – Sentiu a diferença, olha como seu pau tá sobrando, – Olha o quanto falta pra preencher minha buceta branca, – Parece um pau de uma criança de tão larga que eu estou. Gozei novamente dentro dela. Fomos para o banheiro tomar banho, os dois com as pernas tremendo ainda e com um ar mais sério olhou bem nos meus olhos e falou: – Não fica bravo, era uma brincadeira para nos excitar, mas quero conversar com você depois sobre a possibilidade de levar um pau preto de verdade, não precisamos ter pressa mas vou querer fazer isso nem que seja só uma vez e nunca mais falamos sobre isso, eu te amo mas tenho que matar esse tezão!

Contos Imor(t)ais - BEM PRETA AMOR! – 70 -


UM NOVINHO PARA CHAMAR DE MEU! Eu sou casada tenho um filho de oito (8) anos e vivo bem com meu marido. Meu marido e nosso filhinho foram passar o feriadão na casa dos avós paternos, eu estava de plantão no sábado não poderia ir. Trabalhei a noite toda cheguei à casa exausta sou enfermeira em uma UPA e em finais de semana é quando todo mundo sente dores e acontecem muitos acidentes de motocicletas então o plantão é uma verdadeira maratona para nós de toda equipe. Cheguei tomei um banho relaxante vesti uma camisola e fui dormi, acordei quase meio dia quando vejo que minha agua mineral estava acabando, telefonei para o mercadinho e fiz um pedido. O dono do mercado disse-me que o rapaz da entrega logo iria me levar a agua. Esperei sentada na sala, vesti apenas um robe por cima e logo alguém estava na minha porta chamando. Fui ver quem era e vi um jovem muito bonito em uma bicicleta. Acredito que tinha pouco mais que seus 18 anos, bonito rapaz vestido de bermuda e camiseta, afinal domingo não usavam fardamento. Pedi que entrasse e perguntei se poderia me fazer o favor de colocar no lugar para mim. Ele prontamente concordou então fui pegar uma bucha e sabão para limpar a garrafa que estava no chão, eu me descuidei nos movimentos acabei me esquecendo de que estava sem calcinha e soutien. Meus movimentos de corpo abaixando mostraram mais o que devia e vi os olhos do rapaz que se chama Lucas, me secarem e quando ele pegou a garrafa e foi colocar no suporte esbarrou em mim que segurava o suporte e eu claramente percebi que estava excitado. – Hum sentir um cacete duro encostar-se a você da um tesão, saber que você uma mulher madura tem o poder de atiçar um jovem ainda mais bonito do jeito que Lucas era. – Não sei o que me deu no momento, mas eu falei assim. – Estou vendo que está bem assanhado hein Lucas? –Desculpe dona, mas a senhora com estas coxas de fora eu não pude deixar de notar, afinal sou normal e como todo homem gosta de apreciar o bonito e... Gostoso! – Não precisa se desculpar Lucas gostei de saber que ainda posso provocar sensações em jovens inexperientes. – Sou jovem, mas não sou inexperiente! – Será que sabe da conta do recado Lucas? – Clara esta duvidando então pague para ver, não gostei de ser chamando de menino tenho 18 anos e seis meses e sei muito bem deixar uma mulher realizada na cama! – Gostei Lucas de seu jeito, sai que horas do trabalho? Saio agora as 13.30 só vou levar a bicicleta e vou para casa. Contos Imor(t)ais - UM NOVINHO PARA CHAMAR DE MEU! – 71 -


– Quer vim almoçar comigo Lucas? Estou só e detesto almoçar sozinha. – Claro meus pais estão fora mesmo virei sim, como faço para guardar minha motocicleta? – Olha aqui meu telefone dê toque que abro portão e você entra pela garagem. – Certo combinado, mas será só almoço ou teremos sobremesa? A minha sobremesa Lucas você trás que eu como e chupo a sua está aqui. E quando acabei de dizer estas palavras Lucas cheio de segundas intenções falou. – Hum vou adorar a sobremesa vou comer chupar e me lambuzar! E assim Lucas saiu fiz um macarrão um suco coloquei garrafa de vinho para gelar e fui tomar um banho rápido queria esta arrumada. Antes das 14 horas recebi uma mensagem de Lucas dizendo que estava ansioso que em 5 minutos estaria em minha casa. Ou vi uma buzina de motocicleta abri o portão da garagem abri e logo o vi entrar. Eu estava com vestido florar de alças, pedi que entrasse e nos cumprimentamos com um beijo na face. Ele segurou na minha mão e afastou-se para me admirar e elogiar.-Uau esta uma gata! – Ah Lucas obrigado um elogio nos faz muito bem! Mas você bonita mesmo, ele afirmou com os olhos fixos no colo dos meus seios. – Vamos almoçar? Quer tomar um banho Lucas? – Estou sem roupas para trocar, foi ai que eu disse pode vestir um short do meu marido tem novo ainda na gaveta. – Hum e ele não se importa de usar as coisas dele? Falou com tom de voz em duplo sentido. – Não Lucas ele não se importa ele quer me ver bem. Então terei prazer de usar não só o short e farei bom uso. Saímos fui andando até a cozinha e ele foi ate o banheiro mostrei o meu quarto e fiquei na cozinha esperando. Passados uns dez minuto ouço ele me chamar fui ver do que se tratava e quando cheguei ao quarto Lucas estava deitado na minha cama seminu com toalha enrolada na cintura. Venha eu não estou com fome de comida estou com fome de fêmea e quero te provar! Fiquei extasiada perto da cama olhando seu tronco forte sem pelo sorriso maroto, e pela toalha via o volume aumentando. Fiquei bem ao lado da cama em pé. Lucas segurou minha mão levando até sobre seu membro. Será que assim está bom para você ou quer ele mais perto? E com um movimento de corpo Lucas me puxou eu cai esparramada na cama e ele por cima. Sorriamos do jeito moleque dele, mas logo a risada passou e Lucas com muito jeito tirou meu vestido. Ele já estava pelado, assim que ele tirou meu vestido começou mamar meus seios me dando mordidas de leve eu cada vez mais ficava meladinha e Lucas foi percorrendo meu corpo inteiro com sua boca gulosa até abocanhar minha xoxota e enfiar a língua causando-me tremores de tesão me virei e começamos uns (69) deliciosos, o cacete de Lucas era grosso pouco mais de 19 cm. No quarto nossos gemidos se misturavam com o barulho de nossas bocas causando muito tesão.

Contos Imor(t)ais - UM NOVINHO PARA CHAMAR DE MEU! – 72 -


Não quero me vangloriar, mas quando quero pago um boquete para ninguém botar defeito. Ainda mais com um novinho com um cacete delicioso pra ninguém botar defeito. Assim logo tanto eu como Lucas explodia nosso tesão um na boca do outro, foi muito leite que chegou a escorrer pelos cantos da boca. Relaxamos fomos tomar um banho e almoçamos como dois enamorados conversaram muito e fiquei sabendo sobre a vida dele assim como ele soube da minha. Que eu era casada, mas tinha casamento aberto e meu marido sabia caso eu me encontrasse com alguém só não saberia o nome da pessoa. Ele revelou que já tinha me visto antes e achou-me gostosa, mas jamais cogitou que poderia acontecer o que estava acontecendo no momento, que com certeza ficaria marcado. Acabamos de almoçar voltamos para o quarto ficamos vendo TV abraçada como um casal de namorados logo Lucas estava super. Teso e entre um carinho e outro começou a rolar. Lucas queria colocar camisinha eu disse que não era preciso pois evitava e nós éramos saudáveis foi ai que a coisa começou a esquentar. Lucas começou a meter gostoso na posição papai e mamãe, quase urro de tesão, pois me senti arregaçada, aí fomos variando as posições até que Lucas me colocou de quatro e começou com ritmo compassado até eu começar a gozar foi quando Lucas me perguntou se eu não queria dá o cuzinho pra ele? Eu na posição que estava tinha acabado de gozar de uma forma tão intensa poderia negar nada para meu garanhão, só pedi que tivesse cuidado. Lucas todo fogoso falou terei cuidado sim minha princesa. Lucas se apoiou atrás lambuzou mais ainda a camisinha com creme e começou a forçar senti umas fisgadas até a cabeça finalmente passar, foi ai que ele parou um pouco para eu poder me acostumar, quando ele perguntou se estava tudo bem. Balancei a cabeça com sinal positivo. Lucas sorriu dizendo disse que teria cuidado com você minha princesa, mas agora segura trano que vou gozar gostoso dentro de você. – Hum vem meu garanhão goza gostosa na tua coroa gostosa. E segurando com força em meus quadris Lucas começou uma sucessão de estocadas fortes que a cada movimento seu meu corpo ia pra frente e ele sem deixar o cacete sair de dentro estocava tirando quase o cacete todo e forçava novamente até ficarem só as bolas de fora. Ficamos por mais de dez minutos assim até que Lucas começou acelerando os movimentos e logo explodi em um gozo intenso. Senti-me uma deusa sendo possuída pelo mestre dos deuses foi muito excitação tê-lo dentro de minha s entranhas. Ficamos mais algum tempo e assim foi até a madrugada. Agora nem que seja por algumas horas meu novinho vem me visitar e estou sempre ansiosa aguardando seus carinhos. Estou até cogitando de ter um filho com ele só estou esperando meu marido o corninho manso se decidi se posso ou não afinal quem vai assumir é ele mesmo.

Contos Imor(t)ais - UM NOVINHO PARA CHAMAR DE MEU! – 73 -


UM FATO INUSITADO Geralmente nos dias em que meu marido resolve ficar em casa, uso sempre o cômodo de hóspedes, para me trocar, levando pra lá discretamente, minhas roupinhas mais íntimas. Faço isso para evitar despertar a atenção dele, impedindo dessa forma que ele resolva querer me acompanhar nas caminhadas. Não que ele incida proibitivamente nessa minha forma de ser, mas, porque assim me sinto mais à vontade para dar evasão àquilo que gosto, sem incomodá-lo. São geralmente roupinhas que uso para o meu deleite nas caminhadas do condomínio onde moro e, nos passeios que gosto de fazer. Meu prazer sempre foi me vestir bem feminina e sensual, para poder despertar os olhares masculino e, assim ser desejada por eles, isso eleva meu ego e me deixa, além de confortável, excitada. Todos que moram no condomínio sabem que sou casada, por isso me respeitam. Nesse último final de semana aconteceu comigo um fato inusitado; Após terminar a caminhada e, chegando em casa, me defrontei com um senhor, convidado de meu pai, que veio passar o final de semana com ele, para resolverem algumas pendências de negócios, não sei quais. Esse fato imprevisível me deixou muito desapontada porque eu não sabia até então, que viria alguém se hospedar aqui em casa, eu tinha deixado minhas roupas íntimas naquele quarto, inclusive uma calcinha usada. Meu marido me apresentou a ele, o cumprimentei desejando boas vindas, solícita, perguntei até quando ele iria ficar e, se já estava acomodado, meu marido interferindo na conversa respondeu: – Já mandamos toda a bagagem dele para o quarto de hóspedes Eu fiquei um pouco perplexa e falei: – Que ótimo; então vocês vão me dá licença que estou suada e louca pra tomar um banho e, fui saindo. Comecei a imaginar se aquele coroa já tinha visto tudo àquilo que eu tinha deixado no banheiro e, se ainda não, como eu poderia entrar lá e retirar tudo àquilo. Tomei banho pensando naquela situação, pois não queria deixar ele ver minhas roupinhas íntimas, para não imaginar bobagens e distorcer a imagem de nossa relação conjugal. Tentei entrar no quarto, a porta estava travada, então resolvi descer e participar da conversa e, tentar fazer alguma coisa. Resolvi deixar tudo como estava e fingir que as roupinhas não eram minhas. Ele apesar de muito simpático e atencioso, me olhava de uma forma diferente, acredito eu, que conferindo o meu manequim com o daquelas roupas, ele com certeza já tinha visto todo aquele arsenal e me imaginado dentro delas. Senti o olhar dele desconfiado, mas, como ele já era um senhor muito mais velho que meu marido relaxei, segura da maturidade dele em manter discrição. No outro dia pela manhã fomos dar uma volta para ele conhecer o condomínio, ele não parava de me olhar discretamente, mas eu percebi. Foi quando meu marido pediu licença e se afastou um pouco, para conversar com um senhor, nesse momento, ele olhou pra mim e falou: – Fique tranqüila porque guardei sua roupinha que está lá no meu quarto Eu não tinha como negar, agradecida pela gentileza, expliquei que não sabia que ele viria. A partir desse momento relaxei e comecei observá-lo, mais atentamente. Passamos o dia juntos e fomos Contos Imor(t)ais - UM FATO INUSITADO – 74 -


ficando mais íntimos. À noite, em casa, meu marido subiu pra deitar e ficamos conversando um pouco, quando ele falou: – Se você for caminhar amanhã pela manhã e quiser sua roupinha, diga, que eu vou buscar agora!... Você quer? Eu falei – Não precisa Ele respondeu: – Toda moça jovem gosta de ficar bonita Senti como galanteio e disse, obrigada. Ele respondeu: – Fique relaxada que eu não vou tecer nenhum comentário sobre isso com o seu marido, até porque não me compete, vi quando você chegou ontem da caminhada e, senti em você uma sensualidade transbordante, então tive certeza, que àquelas roupinhas faz parte do seu guarda-roupa. Àquela conversa começou tomando uma conotação diferente e eu falei, quando o senhor subir pra dormir eu vou pegar no seu quarto uma camisolinha que adoro dormir com ela, no que ele respondeu: – Eu já imagino qual é Eu perguntei, – E o senhor sabe? Ele falou que pela manhã, antes de tomar banho, tinha arrumado tudo abertinho em cima da cama para poder apreciar os detalhes. Eu fiquei rindo sem jeito e disse: – São coisas de mulher. Ele me respondeu: – São coisas de mulher que mexe com os homens Aí eu perguntei propositadamente: – Ela mexeu com o senhor? Se eu soubesse que iria mexer, teria evitado esse íncômodo, Ele respondeu: Contos Imor(t)ais - UM FATO INUSITADO – 75 -


– Fazia tempo que eu não sentia uma sensação de prazer tão grande Senti que ele já estava excitado e falei que ia dormir, ele me disse: – Vou deixar a camisolinha que gostei, pra você ir buscar, eu respondi que iria tomar um banho e depois, se meu marido já estivesse dormindo eu iria, ele riu e, subimos para os nossos quartos. Cheguei ao quarto e meu marido já estava dormindo, tomei um banho demorado imaginando aquele coroa excitado, me desejando, já sai do banho, meladinha, aquilo estava despertando prazer em mim. Perfumei-me e vesti num roupão para ir até lá, no caminho eu decidi que iria arrumar uma forma de excitar ele, de um jeito, que jamais ele pudesse me esquecer. Lembrei do sofá que tem no quarto de hóspedes, achei o cenário ideal pra deixar o coroa doido. Voltei silenciosamente ao meu quarto, fui até na sapateira e peguei um par sapatos preto, bem alto, uma meia preta, três quarto e ligas, pra vestir tudo isso na frente dele, porque já sabia o tesão que ele sentiu só em ver minhas roupinhas, Ava li se me visse vestidinha me mostrando pra ele e deixando ele me alisar. Era tudo que eu queria naquele momento. Após pegar meus apetrechos sai do meu quarto e deixei a porta travada por fora para impedir, caso meu marido acordasse, sair. Quando cheguei ao quarto dele a porta estava encostada e a luz apagada, entrei bem devagar e me dirigi para o banheiro, acendi a luz do banheiro, vi que ele estava deitado, levantou-se e veio em minha direção com a camisolinha na mão pra me entregar. Eu peguei a camisolinha e pedi para ele trocar pelo vestidinho preto que estava ali e, depois vestiria a camisolinha pra ele ver, alegando que aquele vestidinho era novo e queria vestir para ouvir a opinião dele e, que inclusive tinha trazido também um sapato alto, pra compor, ele quase não acreditou no que ouviu. Entrei no banheiro e coloquei uma calcinha preta bem sexy, minhas meias pretas, três quartos e, uma liga para segura-las e, deois o vestidinho. Depois de vestida sai do banheiro e liguei as luzes de cabeceira da cama dele e, perguntei se ele tinha gostado e comecei a calçar os sapatos altos e me exibir pra ele, que estava nu, embaixo do lençol. Ele não aquentou me olhar daquele jeito, se descobriu mostrando a rola toda melada e me dizendo que tinha adorado, eu pedi pra ele bater uma punheta, que eu queria ver pau dele se esporrando. Ele começou batendo uma punheta muito gostosa naquele pau todo melado. Fazia tempo que eu não via um pau de coroa, tão rombudo e duro como o dele. Levantei o vestidinho e fiquei em pé perto dele, pra deixar ele bem arretado, ele começou me alisar bem de leve, cheirando minhas calcinhas, eu não agüentei de tesão, abri as pernas, puxei as calcinhas e esfrequei minha buceta na boca dele e deixei ele me chupar bem gostoso, abocanhei o pau, que se esporrou todo na minha mão enquanto eu gozava naquela língua quente.

Contos Imor(t)ais - UM FATO INUSITADO – 76 -


O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA ATO I A diretora estava prestes a expulsar Cirilo que tinha caído em mais uma das brincadeiras bobas de Mario e Paulo e provocado a diretora inocentemente. Cirilo tinha dito a diretora Olivia que ela iria sair bem da sua cirurgia de redução de estômago e a diretora tomo aquilo como uma ofensa. O garoto novamente protegeu seus amigos Mario e Paulo e decidiu não entregá-los para a professora com medo que eles fossem expulsos, mas agora quem estava em sérios problemas era ele. A professora Helena tentou intervir em favor do pequeno garoto, afirmando que o mesmo era ingênuo, mas dessa vez a diretora estava determinada a expulsar o garoto. – O Cirilo é só um garoto inocente que caiu em uma brincadeira, diretora. Ele não merece ser expulso. - Falou a professora Helena. – Esse menino sempre cai em brincadeiras. Essa desculpa já não funciona mais, é necessária uma punição. O aviso já tinha sido dado anteriormente e agora não tem mais volta. Ele será expulso. Esbravejou a diretora. – Por favor, diretora. O Cirilo é um garoto bom e não merece ser expulso. Eu faço o que a senhora quiser, mas não o expulse. - Respondeu a professora Helena. A diretora pensou por um momento. Ela já não tinha tanta autoridade assim. Toda vez que ela tentava expulsar um dos garotos, a professora Helena intervinha. Depois que o benfeitor da escola, Sr. Moralez interviu em nome da professora e trouxe-a de volta após a demissão, a professorinha estava ainda com mais autoridade. Expulsar aquele menino com certeza não daria em nada, pois ela arrumaria um jeito de manter ele na escola e ainda deixaria a diretora em uma saia justa com o benfeitor do colégio. Cansada de estar sendo sobrepujada por uma reles professora, a diretora resolveu tomar uma medida drástica. – Cirilo. Saia um minutinho da sala. - Disse a diretora Olivia. Cirilo obedeceu e se retirou da sala. – Eu pensei melhor e acho que vou revogar a minha decisão de expulsar o Cirilo. - Disse a diretora. – A senhora está falando sério? Muito obrigada senhora diretora. Eu sabia que a senhora iria tomar a decisão correta. - Falou a feliz professora. – Não é bem assim. Lembra que a senhorita disse que faria qualquer coisa pra que ele não fosse expulso? - Indagou a diretora. – Sim. - Respondeu a professora, confusa. – Pois bem. Se o seu aluno não está sendo punido pela série de brincadeirinhas sem graça, é mais do que conveniente que o outro seja punido. Pois não podemos permitir que essas brincadeiras continuem acontecendo sem que ninguém seja responsabilizado. - Falou a diretora.

Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 77 -


– Eu não estou entendendo. - Disse a professora Helena. – Pois bem professora. Há algum tempo eu venho lhe cobrando um pulso mais forte para que a senhorita obtenha o controle de sua sala de aula e empeça que esses pestinhas continuem aprontando das suas. Mas cada vez que eles fazem algo a senhorita vem aqui em defesa deles e os libera para que eles continuem aprontando. Está mais do que claro que o problema não é as crianças. É a senhora. - Disse a diretora. – A senhora vai me demitir? - Perguntou a professora já cabisbaixa. – Não. Mas a senhorita irá arcar com as conseqüências dos atos de seus alunos. – Me desculpe diretora, mas eu ainda não estou entendendo. – Professora, agora não é à hora pra discutir um assunto dessa importância. A senhorita tem aula e estou extremamente ocupada. Passe aqui no final da tarde após as aulas. – Mas eu só dou aula aqui pela manhã. – Mas a senhorita pode tirar um tempinho da sua agenda para resolver os problemas de seus alunos, correto? – Sim senhora. – Agora pode ir. A professora Helena agradeceu a diretora pelo fato dela ter liberado Cirilo de uma punição, mas alguma coisa dizia que aquilo ainda não havia acabado.

ATO II A professora Helena terminou de dar sua aula e contou a Cirilo que o mesmo não iria mais ser expulso. O dia se passou e a professora Helena aproveitou o fato de não poder ir para casa para corrigir algumas tarefas e armar a programação de aula, com algumas novas atividades. A tarde se passou e logo escureceu, todos os alunos já haviam ido para suas casas e a professora foi até a sala da diretora. A professora que carregava algumas provas na mão, abriu a porta sem bater. – Com licença. Posso entrar, diretora? - Indagou a professora. – Agora que já entrou não é. - Respondeu acidamente a diretora. – Eu terminei de corrigir essas provas. E a senhora me mandou vir aqui para conversar comigo. Falou a professora fechando a porta.

Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 78 -


– Sim. Sente-se professora. - Falou a diretora. A professora se sentou e colocou as provas na mesa da diretora. – Professora Helena, eu tenho que lhe dizer que no começo do ano eu não fui com a sua cara e achei que você não tinha a experiência necessária para conduzir uma turma tão pertubadora como a do 3º ano. Mas depois de um longo tempo, a senhorita vem me surpreendendo de forma positiva. - Falou a diretora. A professora Helena realmente não esperava um elogio daqueles da diretora. Ela já sabia que a diretora não gostava dela, mas ignorava isso pois adorava ficar com as crianças. – Eu não sei o que dizer diretora. - Falou a incredula professora. – Não precisa dizer nada. Eu tenho sido muito dura com a senhorita mas quero que saiba que não tenho nada contra você e só queria que você fosse um pouco mais dura com os alunos, mas com o passar do tempo percebi que seus metodos tem de certa forma funcionado.- Falou a diretora. – Foi por isso que hoje eu decidi que não puniria o Cirilo. E pensando mais um pouco também não há motivo para puni-la. - Completou Olivia. A professora Helena feliz logo agradeceu a diretora por aquele gesto de compaixão. – Mas tem uma condição. - Interrompeu a diretora. A professora Helena, logo se conteve imaginando que algo ruim viria dali. – Qual condição? - Perguntou a professora – Eu tenho observado a senhorita e alguns outros professores, afim de cuidar melhor do corpo docente desse colégio. E tenho visto que a senhorita por mais dedicada que seja com os deveres profissionais, está sendo um tanto quanto leviana com sua vida pessoal. - Falou a diretora. – Eu não estou entendendo onde a senhora quer chegar. - Falou a professora. – Eu tenho falado muito com sua mãe. Depois do acidente e de tudo que aconteceu, nós construimos uma espécie de amizade e ela tem me falado que você se dedica tanto a esses pestinhas...digo... a esses alunos, que tem deixado sua vida pessoal de lado. - Falou a diretora. – A senhora precisa ignorar a minha mãe. Ela quer que eu arranje um namorado, me case e encha a casa de netinhos. Mas eu não acho que esse seja o momento ideal para isso. Eu quero cuidar da minha carreira agora. – Isso é a senhorita que decide. Mas eu gostaria que a senhorita se divertisse mais, e é por isso que eu quero lhe fazer um convite. Eu gostaria de convida-la para um final de semana na minha fazenda. Aquele convite soou estranho de mil jeitos diferentes. A diretora tinha mesmo uma fazenda e ainda estava convidado logo a professora Helena para um final de semana lá? Aquilo era realmente Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 79 -


estranho. A professora confusa se silenciou. – Eu sei que parece estranho um convite desta forma, mas eu queria selar um acordo de paz com a senhorita, além de que, a professora Suzana e a professora Matilda estarão lá e eu acho que é uma ótima oportunidade de todas entrarem em sintonia. - Falou a diretora. – Eu não sei. - Respondeu a professora. – Só são dois dias. A senhorita iria amanhã de manhã e voltaria no domingo de noite. – Eu ainda tenho algumas atividades para aprontar. – Professora, eu acho que a senhorita precisa se distrair um pouco, e essa também é uma oportunidade de ajudar os alunos. – Como? - Indagou a professora, curiosa. – Não temos tempo de conversar aqui com toda essa agitação, mas eu sinto que a senhora pode ajudar a professora Matilda a lidar melhor com as crianças. Não seria maravilhoso se elas aproveitassem a aula de música. Porque música é muito importante para qualquer pessoa. – A senhora tem razão. A música ajuda qualquer um e principalmente as crianças. – E também será uma ótima oportunidade de colocar a conversa em dia com a professora Suzana. – A senhora me convenceu. Eu aceito. - Falou a animada professora. – Então, a senhora me encontra as 8 da manhã aqui na frente da escola, não precisa trazer muita coisa, pois eu tenho tudo na minha fazenda, eu estarei aqui com a Matilda e a Suzana. - Respondeu a diretora. – Tudo bem. - Falou a professora. - E muito obrigado por não punir o Cirilo hoje. A senhora tem um grande coração. - Concluiu Helena. – Só fazendo meu trabalho. - Respondeu a professora. As duas se despediram e Helena saiu animada dali, pensando no que levaria para aquele final de semana na fazenda. A diretora logo ligou para Suzana. – Está tudo acertado. Ela caiu feito uma patinha - Disse a diretora. – Deixa ela. Ela vai ter o que merece. - Respondeu Suzana. As duas começaram a rir.

Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 80 -


ATO III A professora voltou para a casa e contou a novidade para a mãe que tão empolgada com o fato de sua filha finalmente estar tendo uma vida social que ignorou o fato da diretora estar sendo tão gentil com ela. A professora Helena colocou em uma bolsa média apenas alguns itens pessoais como escova de dentes, escova de cabelo, e roupas intimas, além um par de roupas e alguns cremes. Terminando de deixar tudo arrumado, a professora se deitou e adormeceu. O dia clareou e a professora Helena já chegava na frente da escola. Lá estavam à esperando, a professora Matilda, a professora Suzana e a diretora Olivia. – Desculpem pelo atraso. É que depois do acidente eu tenho evitado andar de carro. - Falou a professora. – Sem problemas. Compramos um suquinho para a senhorita. - Respondeu a diretora. Helena pegou o suco e agradeceu. Mesmo já tendo tomado o seu café da manhã, a professora ficou com receio de rejeitar o suco, pois elas tinham comprado como um gesto de boa vontade. – Obrigado, senhora diretora. - Respondeu a professora. – Sem isso de senhora aqui. Vamos deixar as cordialidades para a escola. Aqui fora somos Olivia, Suzana, Matilda e Helena. Entendeu? - Perguntou professora. – Sim, senhora di...digo...Olivia. Respondeu a professora. A professora Helena terminou de tomar seu suco, e logo jogou o copo plástico na lata de lixo, assim como as outras professoras que também já haviam bebido os seus. – Pronto. Agora que estamos todas aqui. Vamos - Falou a diretora. Todas entraram no carro da diretora. Helena nem acreditava naquela situação no mínimo inusitada, mas resolveu relaxar. Na frente foram a diretora que dirigia e Matilda, e no banco de trás Suzana e a professora Helena. Conforme o caminho foi passando, a professora Suzana foi puxado conversa com a professora Helena, apenas para não deixá-la tão desconfortável. Elas conversavam sobre os tempos de criança, e Suzana aproveitava para lembrar em sua mente o quanto ela odiava Helena naquela época e o quanto ela ainda a odeia agora. O tempo foi se passando e Helena começou a sentir um pouco de sono, o que era muito estranho pois a mesma tinha dormido bem a noite passada. O carro ia se aproximando da fazenda de Olivia e Helena agora estava quase dormindo. O sono era bem mais forte do que ela, que agora estava lutando para manter os olhos abertos, mas logo isso já não era mais possível e a mesma adormeceu ali, reencostando a cabeça no ombro da professora Matilda.

Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 81 -


Percebendo o que havia ocorrido, a professora Suzana se virou e deu um sorriso, enquanto o carro seguia até a fazenda. A professora Helena acordou algumas horas depois, ela estava amarrada e jogada no chão. Seus braços e pernas estavam envolvidos em duas cordas, e sua boca estava tapada com um pano. O lugar era um casebre pequeno, com chão de madeira, tinha o tamanho da sala da professora Helena, um pouco menor, havia apenas duas cadeiras velhas e uma mesa com dois copos em cima e mais algumas bolsas fechadas e jogadas no canto da sala. A professora tentou se levantar mais não conseguiu, pois suas pernas estavam bem amarradas, o máximo que ela conseguia era ficar de joelhos. Gritar era quase impossível, e ela apenas se debatia quando caiu de novo no chão deitada. De repente três homens entraram dentro daquele pequeno casebre. A professora ficou assustada, mas logo viu uma figura conhecida por trás deles. Vestindo a mesma roupa que usava diariamente no colégio estava à diretora Olivia. Helena tentou entender a situação. Mas mil coisas passavam pela cabeça dela. Os três homens tinham aspectos físicos bastante diferentes, o primeiro era um negro de 1,85, que aparentava ter uns 30 anos, careca, muito forte e com as mãos calejadas do trabalho forte que ele devia fazer. O segundo era um rapaz branco, mas com a pele bastante bronzeada pelo forte sol que ali pairava, aparentava ter a mesma idade do outro rapaz e tinha o cabelo curto, e apesar de ter por volta de 1,70, ele era muito forte e truncado. O terceiro diferente dos demais era um velhote, barbudo, que aparentava ter por volta dos 50 anos ou mais. Franzino, e com uma cara assustadora, ele tinha a mesma altura do segundo rapaz. O rapaz negro se aproximou e tirou a mordaça da boca da professora que engoliu um pouco da saliva e imediatamente começou a gritar por socorro. A professora gritou por quase 10 segundos, até que o moreno deu um tapa com força em sua face que logo a calou. O tapa não cortou a cara da professora, mas sua face esquerda vermelha. – Eu podia te deixar gritar o dia todo aqui, porque tem nenhuma importância. Não tem nenhum vizinho a quilômetros daqui, não tem ninguém para vir lhe salvar, mas eu não vou deixar você gritar. Dei um tapa de leve com a mão, se continuar gritando, garanto que a próxima pancada vai doer 10x mais. Entendeu? - Perguntou o rapaz moreno. A professora Helena, ainda assustada e com sua face formigando, não respondeu. O rapaz a pegou pelo pela camisa e há levantou um pouco, forçando seu antebraço no pescoço da professora. – Eu perguntei se você entendeu vadia? – Sim - Respondeu a professora, com o pouco de voz que saia com sofreguidão de sua garganta. O rapaz a largou no chão, enquanto a professora tossia e tentava recuperar seu ar.

Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 82 -


– Bom rapazes. Agora é com vocês. Espero que se divirtam com ela, mas não se esqueçam da melhor parte. - Falou a diretora. – Pode deixar senhora. A senhora sabe que a gente não falha. - Respondeu o rapaz. – O que está acontecendo, diretora? Quem são eles? - Indagava a professora, que ainda tossia um pouco. – Sabe professora, no meu tempo de colégio, as pessoas eram muito rígidas, elas batiam, machucavam tudo em nome do ensino. E foi assim que eu cresci, aprendendo tanto na minha casa, quanto na escola, que se eu fizesse uma coisa errada, alguém me machucaria. A senhorita sabe o quão frustrante é olhar você defender aqueles pestinhas de todas as situações e problemas em que eles se metem? E ainda fazer com que o Sr. Morales me repreenda todas às vezes? Eu creio que não. Mas nesse final de semana, eu garanto que a senhorita vai descobrir o real significado da dor e do medo, e vai aprender a me respeitar como nunca respeitou ninguém. - Falou a diretora. – O que a senhora vai fazer? - Perguntou a assustada professora. – Eu? Eu não vou sujar as minhas mãos. Ainda não. Mas como eu te disse sua mãe sempre reclamava que você não tinha um namorado. Eu arrumei três de uma só vez para você. Eles vão adorar brincar com a professorinha. Quem sabe no final, a senhorita até tenha o bebê que a sua mãe tanto queria. - Falou a diretora, que saiu da casa e fechou a porta do casebre. Com a porta fechada, basicamente não havia nenhuma entrada de ar naquele lugar. A janela também estava fechada, e o único ar que entrava, passava pelas brechas da madeira, fazendo com que aquele lugar fosse extremamente caloroso. O rapaz branco se aproximou da professora e segurou seu queixo, olhando diretamente pra ela. – Olá. Eu sou o João. Aquele senhor mais velho é o Adamastor e aquele outro rapaz se chama Celso. E você como se chama? - Perguntou João. A professora cuspiu na cara do rapaz que irritado a largou no chão. O velho senhor chamado Adamastor se aproximou da moça. – Vejo que a professorinha ainda acha que pode controlar a situação. Logo verá que está muito enganada. - Falou o velho homem. Celso pegou uma das bolsas que estava jogada no canto da sala e abriu, tirando um tripé e uma câmera que ele deixou ligada e apontada para a professora, enquanto gravava. – O que vocês pensam que estão fazendo? - Perguntou a professora. – Essa é a nossa garantia de que você não vai contar nada para ninguém depois que sair daqui. Falou o velhote. – Vocês vão ser presos quando eu sair daqui. - Respondeu a professora. – Não, não vamos professora. Porque eu garanto que a senhorita não quer que seus alunos recebam Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 83 -


um email com um vídeo e vejam a senhora trepando com três caras diferentes. Não é? - Indagou Celso. – Se vocês pensam que vão tocar em mim, estão muito enganados. Eu não vou deixar. Eu não vou. Deixem-me em paz. - Falava a professora aumentando o tom de voz. – Ninguém vai forçar você a nada professorinha. Na verdade você vai pedir pra que a gente te foda. - Respondeu João. – Você deve estar louco. - Ironizou a professora. – 10 minutos antes de você acordar, você tomou um remedinho, que dentro de no máximo 1 hora vai fazer efeito e ai veremos o quão resistente você é, professorinha. - Falou Celso. – Agora vamos. Daqui a pouco nós voltamos para brincar com você. - Falou Adamastor. Os três saíram e deixaram a professora Helena amarrada ali, no chão, com aquele calor e sem saber o que ela havia tomado. Cerca de 20 minutos se passaram e o calor era infernal dentro da cabana. Nos primeiros minutos a professora gritou bastante, ficando quase sem voz, mas vendo que aquilo não adiantaria resolveu preservas suas forças. O calor incessante, fez com que a professora suasse bastante. Pingava suor de sua testa e a parte de cima de sua roupa, já estava colada ao seu corpo que também estava bastante suado. Ela estava com sede, e psicologicamente abalada. Seu corpo ainda sentia uma sensação estranha, e ela não conseguia identificar o que era. Os três rapazes entraram de novo no casebre. Cada um estava com uma garrafa de água mineral gelada na mão. – Eita água boa pra aliviar esse calorzão. – Falou Celso. – Quer um pouco professora? – Perguntou João. A professora queria e muito. Sua boca estava extremamente seca, mas ela não queria ficar submissa a esses rapazes, por isso permaneceu calada e virou o rosto para outro lado. – Hum. Quer dizer que vai bancar a difícil? Pois bem. Pense com calma, pois você só ficou 10 minutos aqui e já está desse jeito. Só voltaremos agora depois de 3 horas, será que você vai agüentar? – Falava Adamastor, mentindo sobre quanto tempo a professora havia ficado ali. Ela queria negar, sua mente mandava ela negar, mas seu corpo precisava ser hidratado de novo. Enquanto essa luta entre corpo e mente acontecia, os rapazes se virarão para sair do casebre. – Esperem. Eu quero água. – Falou a professora, rapidamente. Os rapazes pararam e se viraram para a professora.

Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 84 -


– Tudo bem. É só você pedir desculpas ao João por ter cuspido na cara dele. – Falou Adamastor. A professora se calou. – Certo. Se você não quer, o problema é seu. – Falou o velho homem. – Porque vocês não me matam logo? Qual o objetivo de tudo isso? – Perguntava a frustrada professora – Porque não teria graça. Queremos te reeducar vadia. Essa é a nossa tarefa. E você tem duas opções, ou aceita ou morre, mas garanto que uma morte por desidratação é bem mais lenta e dolorosa do que você pode imaginar. – Falou Celso. – Já chega de conversa. Vai querer a água ou não? Se quiser, sabe o que tem que fazer. – Falou Adamastor. A professora sentiu um arrepio em sua intimidade que ela não podia explicar. Aquilo normalmente era um sinal de excitação, mas isso nem passou pela cabeça da professora. – Desculpa – Falou baixinho a professora. – Muito bem. Já está começando a entender como se faz. Você sabe o que tem que fazer João. – Falou Adamastor. Adamastor e Celso saíram dali e deixaram os dois sozinhos. João abriu a garrafa de água e cuspiu dentro da mesma, sacou seu pau para fora e esfregou a cabeçinha na borda da garrafa onde a professora teria que botar a boca. Em seguida ele fechou e balançou a garrafa bastante e a deixou sem tampa ao lado da professora Helena enquanto ele saia pela porta. – Voltamos daqui a pouco para brincar, vadia. – Falou João que saiu dali. Era muito humilhante beber aquilo, mas a professora precisava daquele liquido. Sua mente resistiu por alguns minutos, mas logo ela cedeu. Com dificuldade ela conseguiu pegar a garrafa e levar até a sua boca. A água descia pela boca da professora, que sem a posição correta para segurar a garrafa, derramou muita água sobre o seu queixo, e suas roupas, mas ela ignorou e sentiu sua sede um pouco aliviada. Passado alguns minutos o corpo da professora passou por um novo misto de sensações. Ela começou a sentir sua intimidade ficando cada vez mais molhada e seu clitóris começava a ficar inchado. Ela estava excitada. Ela não sabia como, nem porque, nem com o quê ela estava excitada, mas ela estava. Por alguns poucos minutos ela tentou negar, mas as sensações foram aumentando, e ela começou a esfregar as pernas, tentando parar aquela sensação. Mas logo a excitação foi tomando conta da professora Helena, nunca havia se masturbado. Pra ela sexo não era algo físico e sim emocional, mas naquele momento tudo o que ela mais queria era ter as mãos livres para poder tocar sua encharcada intimidade. Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 85 -


O calor agora vinha de dentro dela, ela sentia seu corpo queimar por dentro e com o passar do tempo sua boca foi soltando gemidos involuntários. Todo aquela excitação presa dentro da professora não era normal, e se ela conseguisse reagrupar as idéias e pensar só um pouco, se daria conta de que esse era o efeito do remédio, mas naquele momento ela já nem pensava em mais nada que não fosse sexual. Os três rapazes ouviram os gemidos que saiam de dentro do casebre. Eles sabiam que aquele era o sinal que eles tanto esperavam. Os três entraram dentro do casebre e encontraram a professora no estado que eles queriam. Ela estava suando bastante e com parte das roupas um pouco molhada. Ela estava deitada se contorcendo enquanto os gemidos saiam pela sua boca e sua excitação aumentava ainda mais. João sorriu ao olhar a garrafa de água vazia, aquela era a constatação de que a professora tinha bebido a água mesmo com tudo o que ele havia feito. Adamastor se aproximou da professora e desamarrou suas mãos. A professora não lutou e sentiu um alivio quando ele desatou aqueles nós. Seus pulsos estavam muito vermelhos e ardiam um pouco, mas ela nem ligava para aquilo. – Pode brincar professora. Eu sei que você quer. – Falou Adamastor. – Tira essa saia e mostra um pouco de pele. – Falou Celso. O corpo da professora queria e muito e ela também, mas um pouco de pudor e decência ainda lutava tentando restabelecer a ordem natural das coisas, embora isso fosse inútil. – Vamos professora. Você não tem saída, ou toca uma com a gente olhando ou a gente te amarra de novo e garanto que tudo isso só vai piorar. – Falou Adamastor. A professora seguia tentando lutar com aquele sentimento e embora sua excitação aumentasse cada vez mais, ela ficou calada e tentou controlar isso. Ela não conseguiu negar que queria aquilo e por isso apenas ficou calada, se segurando com todas as forças que ainda tinha. – Já chega professora. Nós já demos todas as oportunidades pra você fazer do jeito fácil, mas se você não começar a tirar essa roupa, eu mesmo vou ai e tiro. – Falou o velho Adamastor, demonstrado grande autoridade. A professora acusou o golpe e sua mente derreteu. Ela tinha medo daqueles homens, e muito medo. Seu corpo conseguia finalmente a brecha que precisava para chegar até o prazer, e a professora com lágrimas nos olhos, balançou a cabeça positivamente. – Eu preciso desamarrar minhas pernas pra tirar a roupa. – Falou a professora, incrédula com o que acabava de sair de sua boca. Adamastor fez um sinal e Celso desamarrou as pernas da professora. Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 86 -


Fugir não era uma opção. Mesmo desamarrada, ela não tinha nada em mãos para poder usar contra eles e os três estavam bloqueando o caminho até a porta. Mas mesmo que houvesse uma chance, a professora não tentaria. Seu corpo tinha cedido. Ela tinha cedido.

ATO IV Ela agora estava com as mãos e pernas desamarradas. Mesmo sabendo o que eles queriam que ela fizesse, e mesmo também querendo fazer, ela ainda resistia um pouco e tentava não tomar iniciativas sem receber as ordens. Era uma encruzilhada mental. Se ela começasse a tirar a roupa e se tocar sem uma ordem direta, todos eles pensariam que ela era uma vagabunda e que estava gostando de tudo aquilo. Por outro lado, se ela deixasse que eles dessem ordens para ela, ela daria todo o controle nas mãos desses três homens, se tornando submissa. Era um beco sem saída. O único jeito era tentar resistir, mas de que adiantaria, pois ela acabaria sendo violentada por aqueles três homens e se machucaria muito mais, sem contar o fato de que seu corpo também queria aquilo. – Ta esperando o que puta? Vamos, levanta. – Disse Adamastor. Helena obedeceu e com certa dificuldade, conseguiu ficar de pé. Em um primeiro momento ela sentiu câimbras nas pernas, mas depois de alguns segundos logo elas desapareceram. Só agora ela havia percebido que não estava usando seus sapatos. – Agora dá uma voltinha. Mostra esse material pra gente. – Disse Celso. Helena estava com uma camisa de algodão, com linhas coloridas e uma saia cinza. A roupa era muito colorida e certamente não valorizava seu corpo, mas naquela altura ninguém se importava. Com o rosto abaixado ela deu uma volta sem graça, enquanto seus braços abraçavam seu próprio corpo. – Levanta a cabeça e faz isso direito vagabunda ou se não você vai levar uma surra. – Disse Adamastor. O tom do velho era intimidador. Enquanto ela ainda conseguia contornar e contestar as ordens dos outros dois rapazes, ela não conseguia negar nada ao velho, ela sentia medo dele. Ele era o mais assustador entre os três, mesmo não sendo fisicamente tão forte quanto os outros dois. Mas era algo no seu olhar, e no modo como ele falava que fazia com que Helena sentisse medo. Ela agora tentou melhorar sua performance suficientemente para agradar aquele três caras. Ela relaxou as mãos, levantou a cabeça, e deu uma volta mais devagar. Não foi algo extraordinário, mas com certeza muito melhor do que a primeira.

Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 87 -


Enquanto ela girava, Celso deu um tapa na bunda dela. Helena surpreendida acabou dando um gritinho baixo, mas continuou fazendo o que estava fazendo. – Muito bom. A carne aqui é de primeira – Disse Celso. Helena baixou a cabeça de novo. – Eita. Mas eu ainda não tirei a prova, quero ver se essa carne é boa mesmo. – Disse João. Ele se aproximou de Helena e olhando nos olhos dela, agarrou com força sua bunda, puxando-a contra o seu corpo. Helena podia sentir o volume entre as pernas do rapaz tocando sua perna. – Vem ver que potranca boa Adamastor. Fino trato. – Disse João rindo, sem tirar a mão da bunda de Helena. Adamastor se aproximou rindo e começou a passear a mão pelas coxas da professora, até chegar a sua bunda, apertando-a tal como João. Agora cada um dos dois estava apertando uma banda da bunda da professora, que permanecia sem reação. O suor descia pelo seu corpo, o calor só parecia aumentar cada vez mais. Ela nunca se sentiu tão envergonhada em toda sua vida e ao mesmo tempo nunca se sentiu tão excitada antes. Ter aqueles três estranhos apalpando-a e avaliando-a como uma mercadoria era humilhante e ela sabia disso, mas estranhamente ela não queria chorar dessa vez, ela estava gostando daquilo, e isso era a única coisa que fazia ela se sentir mal. Como logo ela dentre todas as pessoas podia estar gostando de ser tratada daquele jeito. Ela não conseguia evitar se sentir daquele jeito, a excitação só aumentava e a sua intimidade estava em fogo. – A cabrita é boa mesmo. – Disse Adamastor soltando a bunda da professora juntamente com João, que ainda deu dois tapinhas de leve na bunda de Helena. – Agora putinha, você pode ir tirando essa roupa. A gente sabe que você quer muito se tocar, então pode ir. – Disse João – Calma João. Eu acho que não pode ser assim. A gente ta deixando ela se tocar enquanto a gente assiste, acho que ela tem que dar alguma coisa em troca pra gente. Pra começar, que tal um striptease. – Brincou Celso. – Eu acho uma ótima idéia. O que você acha de fazer um showzinho pra gente hein safada? – Perguntou João. Helena baixou a cabeça. Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 88 -


– Eu concordo. – Ela disse em voz baixa.

ATO V Como logo ela dentre todas as pessoas podia estar gostando de ser tratada daquele jeito. Ela não conseguia evitar se sentir daquele jeito, a excitação só aumentava e a sua intimidade estava em fogo. – A cabrita é boa mesmo. – Disse Adamastor soltando a bunda da professora juntamente com João, que ainda deu dois tapinhas de leve na bunda de Helena. – Agora putinha, você pode ir tirando essa roupa. A gente sabe que você quer muito se tocar, então pode ir. – Disse João – Calma João. Eu acho que não pode ser assim. A gente ta deixando ela se tocar enquanto a gente assiste, acho que ela tem que dar alguma coisa em troca pra gente. Pra começar, que tal um striptease. – Brincou Celso. – Eu acho uma ótima idéia. O que você acha de fazer um showzinho pra gente hein safada? – Perguntou João. Helena baixou a cabeça. – Eu concordo. – Ela disse em voz baixa. Como ela podia concordar com tanta facilidade com aquilo. Agora na cabeça dela era inevitável o fato de que ela havia perdido não só controle, mas também a capacidade de tentar obtê-lo de volta. – Muito bem. Então o que você esta esperando. Vamos putinha. – Disse Celso. Os três se sentaram em frente à porta, para ter certeza de que a mesma não tentaria fugir. A essa altura, isso nem passava pela cabeça de Helena. Sem saber como iniciar aquilo, ela ficou ali parada esperando alguma ordem. – Mas essa vadia é muito burra mesmo, como é que essa puta se tornou professora? Não sabe fazer nada sozinha não é? Vamos, tira essa camisa, dançando e bem devagar enquanto você olha pra gente safada. – Disse Celso. Helena entendeu o recado e tentou ao máximo cumprir o que ele tinha pedido. Ela se mexia meio sem jeito, enquanto tirava lentamente a camisa por cima da cabeça. – Dançando vadia. – Disse Celso. Ela obedeceu e começou a dançar meio sem jeito enquanto puxava lentamente a camisa por cima da cabeça. Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 89 -


Aquele não era um strip-tease normal. Se fosse duraria bem mais, mas Helena não sabia como fazer aquilo sem se humilhar ainda mais para aqueles três homens. Peça por peça ela foi se despindo. Primeiro a camisa, em seguida a saia, deixando-a apenas de calçinha e sutiã na frente daqueles homens. Para humilhar ainda mais, eles pediram que ela dançasse pra eles, passando a mão pelo seu corpo enquanto olhava cada um nos olhos e recebia xingamentos e comentários sujos. Logo era chegada à vez de tirar as duas últimas peças de roupa e assim Helena o fez, deixando os homens babando de tesão. Seus seios não eram muito grandes, mas eram bem firmes e apetitosos. Sua intimidade era pequeninha, apertadinha e não havia sequer um pelo nela, o que fez os rapazes pensarem se a professora era mesmo tão certinha assim. A bucetinha da professora brilhava de tão molhada que estava, e os rapazes aproveitaram da situação para ridicularizar ainda mais a professora que não podia se defender, já que ela estava mesmo pingando de tesão. Ver aqueles três rapazes ali sentados babando enquanto ao lado deles havia uma câmera gravando tudo, deixava Helena sem ação. Mas a maior parte da vergonha já tinha ido embora depois de tantos xingamentos e comentários sujos que ela havia recebido. – Você quer se tocar professora? – Perguntou Adamastor. A pergunta era direta. Ele não estava obrigando ela a fazer nada, embora ela achasse que caso ela negasse, ele a obrigaria. Mas o fato de ele a perguntar e ela ter que responder era humilhante. Ela não podia negar, ela queria e muito se tocar. Ela precisava. – Sim. – Disse Helena. – Sim, o que? – Perguntou Adamastor, querendo humilhar ainda mais a professora. – Sim, eu quero me tocar. – Respondeu a professora. – Você melhorou seu comportamento, mas não podemos ignorar que no começo você desobedeceu ordens e até cuspiu no meu amigo. Eu posso ser bom pra você, mas para isso você precisa se comprometer a melhorar. Entendeu? – Sim. – Respondeu a professora. – Então você promete que a partir de agora vai obedecer todas as ordens e se comportar como uma boa putinha?

Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 90 -


Aquela pergunta parecia ser bem mais importante do que realmente era. Ela podia enganar ele, dizer que sim, gozar e depois voltar a ser a menina desobediente que ela era. Ela só tinha que esperar o final de semana passar e alguém ir procurar por ela. Mas algo dentro dela achava que o sim era sincero e que ela queria mesmo ser a vadia obediente desses três caras sem importar o que eles vão pedir. – Sim. Eu prometo. – Respondeu a professora, praticamente cuspindo as palavras da boca antes que se arrependesse. – Muito bem. – Respondeu Adamastor. O velho se aproximou da professora, colocando suas mãos por trás das costas dela e descendo até a bunda nua da professora, ele agarrou-a e puxou ela para si. Ele ficava passando a mão na bunda dela, devorando-a com os olhos. Ele a puxou mais para perto até que os dois rostos estavam tão próximos que era possível sentir a respiração um do outro. Ele levou sua boca até a da professora e a beijou. Helena não esperava o beijo, mas acabou correspondendo. Sua mente não pensava naquela situação. Não pensava que ela estava beijando um velho que estava humilhando ela poucos segundos atrás. Ela não pensava que estava deixando aquele velho franzino, barbudo e sujo tatear seu corpo belo, jovem e delicado. Ela sentia a barba do velho tocando seu queixo enquanto a língua do mesmo entrava na sua boca. Ela correspondia de tal modo que suas mãos agora tocavam o corpo do velho, puxando-o para perto dela. Depois de alguns segundos o beijo parou e Helena pode notar os outros dois rapazes encarando-a com tesão. Ela podia notar o volume nas calças dos três rapazes e sua excitação aumentou ainda mais sabendo que foi ela que os deixou nesse estado. Celso se aproximou de Helena enquanto Adamastor se afastava dela. – Olha safada. Olha o estado que você me deixou. Tô mandando olhar. – Falava Celso apontando para seu pau dentro da calça. Helena obedeceu e olhou vendo o volume que se formava dentro da calça do homem. Celso pegou a mão da professora e guiou até o seu pau por cima da calça. – Ta sentindo. Você acha certo só você ter prazer e deixar o coitado pulsando de tesão desse jeito? – Perguntou Celso. – Não. – Respondeu Helena já sabendo o que o rapaz queria. Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 91 -


Aquele calor devia estar de alguma forma afetando Helena. Só isso explicaria a mudança de comportamento que ocorria. A professora certinha e recatada estava agora apalpando o pau do homem por cima da calça e desejando ter ele dentro dela. – Eu também não acho. Eu queria poder te foder todinha agora, mas ainda não é o momento. Aqui temos que obedecer ordens. Mas nada impede que você me ajude a me aliviar. Entende? – Falou Celso. – Entendo. – Respondeu a professora. – Muito bem. Porque você não me ajuda então. Aliás, porque você não ajuda todos nós. – Falou Celso.

ATO VI A professora nem se deu conta da situação e quando deu por si já estava com os três homens pelados segurando seus paus enquanto ela se ajoelhava perante eles, sem ainda ter certeza se faria aquilo. Ela ficou ali parada de joelhos, suando até que Adamastor tomou a iniciativa, provando ser realmente o mais bruto entre os três, quando forçou seu pau dentro da boca da professora. Helena não ofereceu muita resistência e apenas abriu os lábios e deixando que o pau de Adamastor adentrasse sua boca. O pau do velho ainda estava meia bomba, e a professora teve que usar das suas habilidades para deixá-lo ereto. Ela não era uma profissional, longe disso, mas também não era nenhuma amadora. Ela já havia chupado alguns paus, mas havia sempre sido dos seus namorados. Agora ela estava de joelhos chupando um velho enquanto outros dois paus se aproximavam dela. Adamastor deu duas tapas de leve no rosto dela e disse: – Os meus amigos não vão ficar esperando. Use as mãos. Ele falou com uma autoridade que fez com que Helena de pronto obedecesse à ordem e levasse as suas duas mãos até os paus de Celso e de João respectivamente e começou a masturbá-los. Só agora Helena pode notar com mais calma o quão grande e grosso era o pau de João, enquanto segurava-o e olhava para aquela coisa. Era de longe o maior pau que ela já tinha visto. Devia ter de 23 a 25 centímetros e só em segurar aquilo em sua mão já à fez ficar ainda mais molhada. Celso tinha o pau menor, cerca de 17 ou 18 centímetros, mas era bem grosso, enquanto o de Adamastor tinha por volta de 15 ou 16. Ela estava lá ajoelhada, suando como nunca e cercada por aqueles três paus. Suas mãos começavam Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 92 -


a cansar e conforme os minutos se passavam, os rapazes ficavam mais atrevidos. Eles começaram a apalpar os seios dela, brincando com o biquinho e depois o apertando só para vêla gemer. Em seguida deram algumas tapas na bunda dela e alisaram basicamente todo o corpo da professora. Mas o que de longe mais a excitou foi quando Celso passou o dedo bem no meio da sua xana. Helena sentiu um arrepio percorrendo todo o seu corpo. Ela nunca esteve tão excitada, ela queria muito poder se tocar agora. Os rapazes começaram a revezar a boca da professora, primeiro foi Celso, que nem esperou Adamastor tirar o pau da boca da professora, para já em seguida colocar o seu lá dentro. Ela chupou aquela pica preta com vontade. Aquele era de longe o boquete mais dedicado que ela estava dando na sua vida. E ela não estava dando para nenhum namorado que a levou para o cinema, ou comprou flores. Ela estava dando esse boquete para três estranhos que não fizeram nada além de humilhar e abusar dela. E esse pensamento só fazia ela trabalhar com mais dedicação. Ela usava a língua e brincava com a cabeça do pau de Celso que pressionava a cabeça dela em direção ao seu pau. Ele queria despejar toda a sua porra dentro da boca da professora, mas nem teve tempo, já que João já foi trocando de lugar com ele e enfiando aquela jeba na boca de Helena. Ela teve bastante dificuldade para colocar aquilo dentro da boca e desnecessário dizer que a maior parte nem entrou. Ela já estava engasgando com metade daquele pau. João apesar de tudo foi mais suave e deixou Helena fazer todo o trabalho, mas logo Adamastor retomou a boca da professora e nenhum dos dois resolveu contestar, mostrando que respeitavam a autoridade dele. Ele era de longe o mais bruto. Ele enfiava o pau todo na boca da professora e ela sentia os pentelhos dele roçando em seu nariz. Ele não deixava ela chupar e praticamente usava sua boca como um parque de diversões. Ele empurrava o pau no lado da bochecha e ficava dando tapinhas de leva na cara da professora. Depois sacava o pau e ficava batendo com ele na cara de Helena e passando a cabeça toda lambuzada com o pré-gozo na cara da professora. Depois de alguns minutos Helena já começava a sentir seu maxilar cansado bem como seus dois braços, até que Celso anunciou. – Eu vou gozar. Adamastor tirou o pau da boca da garota, e deixou Celso escolher onde ele iria despejar sua porra. Celso não teve dúvidas. Colocou seu pau de volta na boca de Helena que chupou ele por alguns segundos e em seguida sentiu o gozo dele entrando em sua boca. Apenas uma pessoa tinha gozado na boca dela em toda a sua vida, e ela tinha cuspido com nojo, e Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 93 -


agora Celso despejava toda a sua porra no fundo da garganta da professora, que não teve outra saída, se não engolir tudo. Depois de mais algumas chupadas, Celso finalmente tirou o pau da boca da professora e pegou suas roupas, saindo da cabana com um sorriso no rosto. Helena sentia como se o gozo dele tivesse grudado na sua garganta. Não era uma sensação boa, e ela ficava tossindo tentando recuperar o fôlego. Mas ela nem teve tempo, pois João já se portou na frente dela com o pau firme anunciando que iria gozar. – Eu quero gozar nessas tetas. – Falou o rapaz. Helena obedeceu, segurando os seios e deixando-os expostos para que o rapaz despejasse sua porra lá. Terminou não sendo tanto esperma. Foram apenas dois jatos fraquinhos de porra, mas pelo urro de prazer do rapaz, aquilo parecia ter sido extremamente prazeroso pra ele. Ele se afastou de Helena, mas diferente de Celso, permaneceu na cabana, enquanto via Adamastor recolocar seu pau na boca da professora. Se os dois já haviam gozado, o velho seguia resistente. Helena teve que chupar o pau dele com toda a sua energia pelos próximos minutos até que ele finalmente fosse gozar. Ele nem se deu o trabalho de avisar, ele apenas puxou o pau pra fora e despejou toda a porra dele bem na cara da professora. Diferentemente dos outros dois, Adamastor gozou em demasia. Sua porra era rala como água, mas foram 4 ou 5 jatos que pintaram completamente o rosto da professora que não teve como escapar daquilo, já que ele a segurava pelos cabelos. Ao terminar ele ainda teve o atrevimento de limpar o resto de porra que escorria do seu pau no ombro da professora que estava uma verdadeira bagunça. Ela tinha porra colada nos seios, e agora todo seu rosto estava gozado. Tinha porra na testa, em uma das bochechas, no nariz, em cima da boca e até um pouquinho tinha pego uma mecha de cabelo. O velho caiu no chão extasiado com uma das melhores gozadas que ele teve em tempos. Helena por sua vez finalmente estava livre para poder se tocar. Ela levou sua mão até a buceta e começou a se masturbar, já gemendo, quando de repente alguém entrou na cabana.

ATO VII Suzana entrou na cabana e não pode esconder a satisfação ao ver Helena naquele estado. A professora estava suada, com o cabelo desarrumado, o rosto e os seios coberto de porra, se tocando enquanto a câmera filmava tudo.

Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 94 -


Suzana agora vestia roupas de uma garota da fazenda, e com um sorriso no rosto, olhou pra professora que estava ali se masturbando no chão. Helena não podia esconder a vergonha. Agora ela entendia porque Celso havia saído antes da cabana. Ele provavelmente havia ido chamar Suzana. Adamastor e João vestiram suas roupas, mas apenas João deixou à cabana. – Vejam só. Eu jurava que você ia resistir mais tempo Helena. Mas eu acho que eu deveria ter previsto isso. Você sempre tão recatada, tão certinha. Acho que nem você se agüentava mais. – Suzana, você tem que me ajudar... Você precisa me tirar daqui... Chamar alguém... Por favor. – Falou Helena. – E porque eu faria isso? – Porque nós somos amigas. Suzana deu uma gargalhada alta e o último fio de esperança de sair daquele lugar desapareceu de Helena. – Amigas? Você é simplesmente a pessoa mais irritante do mundo. Eu odeio você desde os tempos de escola... Se safando de tudo, porque era a certinha, a bonitinha. Eu nunca tive essa sorte. E ainda adulta você consegue se safar de todos os problemas, prejudicando as pessoas. Mas veja só, você não vai se safar disso. Helena não tinha idéia que Suzana a odiasse tanto. – Mais minha querida, você não precisa agir como se não estivesse gostando da situação. – Falou Suzana, rindo e apontando para a mão da professora. Helena só agora havia se dado conta de que mesmo com a entrada de Suzana na cabana, ela não havia parado de se tocar. Era quase como se sua mão tivesse vida própria. Ela gaguejou um pouco, porém logo percebeu que não havia como contestar aquela última frase de Suzana. Ela estava mesmo sentindo prazer ao se masturbar ali. Um prazer que ela nunca havia chegado perto de sentir antes em sua vida. Ela queria lutar contra aquilo, lutar contra aquele instinto, mas ela não tinha controle sobre isso. Ela estava deixando tomar as rédeas da situação, e isso não iria acabar em algo bom. Celso entrou na cabana, segurando alguns acessórios e entregou-os a Suzana, saindo da cabana em seguida. – Adamastor, você pode colocar isso na nossa estimada professora. – Falou Suzana, entregando a Adamastor, uma coleira de couro preta com um guia preso a ela. – O que é isso – Perguntou Helena. – Essa é a única forma de você sair dessa cabana. Com uma coleira amarrada no seu pescoço, sendo conduzida por um dos rapazes ou por mim. – Respondeu Suzana.

Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 95 -


Helena não teve nem tempo de responder, pois Adamastor já foi chegando próximo a ela com o material na mão. – É melhor você ficar quietinha, porque se me sujar de porra vai acabar apanhando – Falou o velho com autoridade. Helena ficou com medo e mais uma vez não reagiu, enquanto o velho colocava a coleira em volta do seu pescoço. O velho não aliviou e se certificou de deixar o colar bem apertado em volta do pescoço da professora. Ele então entregou a guia a Suzana, que só de maldade puxou fortemente a coleira, fazendo com a que professora tivesse que se locomover pra frente rapidamente. Helena estava completamente desconfortável com a situação, e ela ainda pode olhar que na mão de Suzana havia um chicote de couro daqueles usados para conduzir um cavalo no hipismo. Suzana logo notou que Helena havia reparado no chicote e não fez suspense. – Isso aqui é pra manter você na linha. Se você tentar fugir, você vai apanhar se tentar tirar a coleira, vai apanhar se desobedecer ou não cumprir alguma das ordens vai apanhar. Entendeu? – Disse Suzana. Assustada Helena apenas balançou a cabeça. – Muito bem. Adamastor, me diga, a nossa putinha se comportou corretamente com vocês? – Perguntou Suzana. – Hum. Ela é uma cabrita muito desobediente. Ela cuspiu na cara do Celso. – Disse Adamastor. Suzana olhou diretamente pra Helena. – Você acha que isso é um comportamento aceitável? Cuspir na cara de uma outra pessoa? – Perguntou Suzana. A professora estava prestes a responder, mas foi interrompida por Suzana. – Eu não quero ouvir sua voz. Apenas balance a cabeça. – Disse Suzana. Helena balançou a cabeça negativamente. Ela sentiu o formigamento na sua intimidade aumentar. Ela não entendia como sua excitação só aumentava diante de tanta humilhação. – Pois bem. Você vai ser punida, mas eu vou dar um desconto, pra provar que eu sou uma pessoa melhor que você. Apenas dez. Dez palmadas. Fique de quatro. Helena não acreditava no que estava ouvindo, mas antes mesmo de ela se dar conta ela já estava na posição ordenada pela sua “amiga”. Era como se seu corpo nem mais respondesse aos comandos do seu cérebro. – E eu quero que você continue o que você estava fazendo. Continue se masturbando. – Disse Suzana, descendo o chicote pela primeira vez na bunda branca da professora que deu um grito alto em resposta. A dor foi imediata, mas além da dor, Helena sentiu a necessidade de levar a sua mão até a sua Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 96 -


intimidade. Ela precisava chegar ao orgasmo mesmo antes de Suzana ter entrado pela porta, e a chegada dela, apenas aumentou o desejo da professora. Ela começou a se tocar, e pra manter-se equilibrada naquela posição, teve que encostar sua cabeça no piso de madeira. Outro tapa foi desferido na sua bunda, mas ela continuou a se tocar, ignorando a dor. A gozada dos três rapazes havia praticamente se fundido com a sua pele, mas naquele exato momento ela nem mais ligava pra isso. Ela não ligava para o fato de Suzana estar fazendo aquilo com ela. Ou o fato de Adamastor esta assistindo ela nessa posição humilhante. Ela até conseguia ignorar a dor das palmadas. A única coisa que passava pela cabeça de Helena agora era atingir aquele orgasmo. Seu cérebro havia perdido completamente a capacidade de raciocinar normalmente e ela nunca havia ficado daquela forma. Suzana continuava a puni-la e de alguma forma isso só aumentava sua excitação. Ela sentia aquela sensação boa vindo lá do fundo e se aproximando cada vez mais. Sentia seu corpo concentrado em atingir apenas um objetivo. Ela já havia perdido as contas de quantos tapas Suzana havia desferido em sua bunda. A professora sentiu seu corpo começar a tremer, e não conseguiu se manter naquela posição ao sentir o orgasmo inevitável se aproximar. Era como se tudo que ela havia sentido nos últimos minutos houvesse se concentrado na sua intimidade até o ponto de ebulição, que finalmente havia chegado. Ela sentiu seu corpo tremer e entre gemidos altos e agudos ela experimentou uma sensação única que ela jamais havia sentido antes. Ela pode sentir o liquido da sua intimidade escorrer até seus dedos, e uma sensação de paz a atingiu após aquele orgasmo intenso. Ela sabia que nunca havia experimentado algo assim. Ela até mesmo se questionava que se o que ela havia experimentado com os seus namorados eram mesmo orgasmos, pois nem chegavam perto disso que ela havia experimentado.

Contos Imor(t)ais - O CASTIGO DA PROFESSORA HELENA – 97 -


TE ADORO.... Ola bom dia a todos, a historia que passo a contar aconteceu comigo a cerca de um ano, meu nome e Vera(fictício) tenho 33 anos tenho 1, 68 m cabelos pretos ate o meio das costas, tenho a bunda e as penas grandes e torneadas, moro em Valença-RJ, meu marido se chama Pedro(fictício). Sou casada a uns 10 anos, e de um tempo para cá meu casamento foi ficando sem graça acho que caiu na rotina, meu marido foi meu primeiro homem, e com o tempo começamos a nos desentender bastante, principalmente na hora do sexo, pois ele começou a assistir filmes porno comigo, só que sempre era de vários homens comendo uma só mulher, depois começou a fantasiar nos dois e mais um ou dois homens me comendo junto com ele e acabou que eu me sentia mal com aquilo, pensava um monte de besteira, ate que um dia brigamos feio e ele saiu de casa disse que iria passar uns dias no outro apartamento que tínhamos para esfriar a cabeça. Apos uns três dias pensando e analisando descobri que na verdade ele queria ser corno mesmo, pois se não para que aquilo tudo. Durante a semana um primo meu que morava em outra cidade vizinha, me ligou e pediu para dormir em minha casa no final de semana, pois iria fazer um concurso no domingo la na minha cidade, eu disse q não tinha problema não minha casa e grande e tinha quartos sobrando. Para meu espanto na sexta a tarde chegou meu primo Luiz e mais um amigo dele (Julio) que também iria fazer a prova e pediu para ficar também, como já estava la não me neguei e claro, pois como disse a casa era grande. De inicio sentiram a falta de pedro mais não perguntaram nada, chegando a noite, sentamos na sala fiz uns tira gosto e a geladeira estava lotada de cerveja, disse a eles que ficassem a vontade e começamos a beber e conversar, só que como malho muito na academia, quase não tomo álcool mais nesse dia não estava nem ai queria relaxar comecei a beber com eles, os dois estavam de shorts e camiseta e eu estava de mini saia jeans com uma calcinha fio dental para não marcar e uma camiseta com flores, e sem sutiã. Depois de certo tempo já estava meio tonta e conversa vai conversa vem começamos a falar do casamento e ai comecei a contar tudo para eles inclusive dos videos porno, tentando ver o q eles achavam, e comecei a perceber que eles se excitaram pois os dois ficaram de pau duro no shorts como pude observar, mais o q me chamou atenção foi o amigo do meu primo o Julio, rapaz alto e forte moreno claro, deveria ter mais de 1, 80 m e percebi que o volume no seu short era grande, aquilo me deixou muito excitada mesmo, senti que estava ficando molhada, pensei o que estou fazendo vou levantar um pouco e ir ao banheiro, quando me levantei pude perceber nitidamente que os dois olharam descaradamente para minha bunda grande e arrebitada, aquilo me deu uma coisa por dentro q nunca tinha sentido continue andando mais percebi que fiquei mais tonta ainda e pensei quer saber o corno não quer e isso mesmo, vou provocar só apara ver no que vai dar. Retornei sentei no sofá de frente para os dois, e bebi mais uma cerveja, e deixei a perna um pouco aberta nossa os dois não tiravam os olhos, ai meu primo muito safado disse vamos fazer uma brincadeira gente, para descontrair e eu disse logo eu topo qual? Ele disse vamos fazer jogo de perguntas, quem errar pagar uma punição. Começamos sorteamos Julio fez uma pergunta para mim e eu errei ele pediu que eu dançasse uma musica, fiquei de pé e comecei tontinha a dançar e a rebolar nossa os volumes no shorts ficaram ainda maior, me sentei sorteamos de novo eu perguntei para meu primo ele errou e eu disse cante uma musica mais sem camisa ele tirou a camisa e cantou, Contos Imor(t)ais - TE ADORO.... – 98 -


outro sorteio Julio me perguntou eu errei ele disse dance uma musica sem uma das peças da sua roupa, mas vc escolhe qual, nossa me arrebentou pois como disse estava de saia e de camiseta mais estava sem sutiã ai tirei a saia mesmo só fiquei de calcinha fio dental, quando acabei de tirar a saia que levantei a cabeça para começar a dançar Luiz já estava de pau para fora segurando e me olhando, como não fiz nada nem disse nada ele se levantou e veio e minha direção me agarrou e começou a dançar comigo senti seu pau duro esfregar minhas cochas, o que me deixou ensopada. Quando dei por mim o amigo grandão me pegou por trás nossa minha bunda sentiu aquele negocio grande dentro dos shorts me esfregar, me arrastaram para o quarto, Luiz subiu na cama ficou de joelhos com o pau para fora, cacete de tamanho normal mais grosso, mais grosso do que o do meu marido, eu subi engatinhando e cai de boca chupando sem parar e naquele momento lembrei dos filmes pornos que eu assistia com Pedro, hummm, quando dei conta e olhei para traz senti uma língua maravilhosa me chupando próximo ao meu cuzinho, continuei chupando Luiz um certo tempo, ate que eles trocaram de lugar, o Luiz foi me chupar e então veio o amigo, o Julio, nossa senhora, só tinha visto uma pica grande e grossa assim só em filmes porno e mesmo assim achava que era alguma montagem, mais estava ali na minha frente um cacete enorme e grosso nossa muito grosso, negro da cabaçona roxa escuro, mau entrava na minha boca, peguei com as duas mãos e fique ali deslizando a língua nele todinho, e peguei nas bolas eram imensas um sacão danado, me viraram de barriga para cima e então Me assustei bastante pois ao olhar para a porta vi Pedro meu marido que havia entrado porque ele tinhas as chaves e eu nao tinha escutado nada, em pé na porta do quarto com o pau para fora batendo uma punheta e nos olhando, mas acho que os dois já sabiam que ele estava ali olhando, pois continuaram como se nada estivesse acontecido, ai eu levantei com a boca cheia de gosto daquela pica enorme que estava chupando e lasquei um beijo de língua em Pedro que na mesma hora me beijou intensamente eu parei e disse em seu ouvido esta gostando da sua nova putinha, ele disse baixinho também, estou adorando, era a minha confirmação do que eu havia imaginado mesmo, puxei ele pelo cacete para participar da brincadeira também. Deitei novamente de barriga para cima pequei no cacetão aquele gostoso do Julio e comecei novamente a chupar e pensar como iria aguentar aquela pica dentro de mim, Pedro levantou minhas pernas me deixando toda aberta e começou a me comer, Luiz foi para perto de Julio e colocou o pau na minha boca também eu estava ali tontinha com três cacetes só meu. Depois de um tempo levantei, peguei Julio deite ele na cama e subi em cima dele toda molhadinha de tesão comecei a esfregar naquele pau enorme, nossa acho q ali mesmo gozei peguei ele com a mão e comecei a passar na entrada da minha buceta, que por sinal tem os lábios bem carnudos, mas a cabeça dele era muito grande comecei a introduzir bem devagar mas a cabeça tive que forçar um pouco para entrar, então Luiz me deu seu pau para chupar e sentir meu marido lambendo e enfiando a língua em meu cuzinho nossa nesse momento acho q gozei de novo, só de saber que meu maridinho estava cara a cara com aquela tora e querendo me ajudar, ai fui sentando bem devagar e ela me preenchendo e me alargando todinha, sentia dor mais minha boca estava ocupada para gemer, mas continuei ate a cabeça entrar todinha ai eu parei com ela toda dentro de mim, meu marido enfiou os dois dedos no meu cuzinho e eu com a pica do Luiz na boca. hummmm, nesse momento o Julio mamava em meus peitos me senti um piranha total mais aquilo me deixava mais louca ainda. Meu maridinho pegou as bolas de Julio e começou a esfregar no meu cuzinho, cuspiu nele e estava tentando enfiar um delas nele, Julio me segurou forte e não sei como ele conseguiu enfiar uma das Contos Imor(t)ais - TE ADORO.... – 99 -


bolas no meu cu, caramba foi incrível, só tinha dado o cuzinho poucas vezes mas uma bola nele foi a primeira vez senti ela dentro de mim e comecei a subir e descer desesperadamente ate que ela saiu. Pedro trocou de lugar com Luiz que ao chegar la traz nem brincou foi logo enterrando sua pica grossa no meu cuzinho doeu um pouquinho mas dai para frente gozei muito, estava sendo arregaçada, quando senti que Luiz encheu meu cu de porra quente que começou a escorrer. Pedro estava louquinho de tesão e queria mais, me fez segurar no encosto da cama foi la atrás tirou o pau de Julio da minha bucetinha e começou a esfregar ele no meu cuzinho ai eu disse no vou aguentar amor e muito grande vai me machucar ele disse assim, eu sei que você aguenta eu seguro ele na posição e você vai sentando bem devagar, olhei por debaixo e realmente ele tinha pego aquele cacetão e estava segurando firme na porta do meu cuzinho gostoso Escutei Julio dizer baixinho no meu ouvido, vou encher seu cuzinho todinho com meu leitinho, aquilo foi o que faltava fui rebolando fazendo força Pedro as vezes cuspia para lubrificar, com muita dificuldade a cabeça entrou ai eu parei um pouco e senti uma língua me passando era Pedro bem próximo do meu cu me lambendo, não aguentei mais não pois o Julio que estava quietinho começou a enfiar mais e mais sua pica em mim e dizia nossa que cu gostoso no meu ouvido e foi aumentado ate q senti meu cu todo molhado de leite, Pedro que tocava um punheta gozou na minha boca também e eu engoli tudinho, tranquei o cuzinho e fiquei um temo com aquele cacete maravilhoso meio mole dentro do meu cuzinho. Continuamos a noite dota assim, agora pelo menos uma vez por mes recebemos nossos amiguinhos la em casa e durante a semana assistimos filminhos para fantasiarmos mais… rssssss

Contos Imor(t)ais - TE ADORO.... – 100 -


O PRAZER DE SER Ficava muito excitada quando o meu marido começava a falar sacanagem no meu ouvido, ele fantasiava jogos eróticos e um dia chegou em casa com um par de algemas, num outro dia queria me vendar e freqüentemente ele perguntava se eu nunca tinha imaginado ser possuída por dois homens ao mesmo tempo. Ate então eu não tinha idéia da sua real intenção e jamais achei que ele fosse capaz de me dividir com um outro homem, acreditava que toda aquela sacanagem era só para me provocar mas já estava ficando quase habitual ele me algemar, me vendar e usar alguns dos seus brinquedinhos enquanto me dizia inúmeras perversões ao ouvido. As algemas nunca me marcaram porque eu não me debatia na cama, não lutava contra elas mas as vendas eram a minha agonia, era um longo tempo de duvidas e ansiedade a espera do seu toque e sem saber como ele me possuiria, eu ficava ali acorrentada e exposta, fixa a posição que ele escolhe-se permitindo que ele me usa-se como bem quisesse. Já fazia algum tempo que ele chegava acompanhado de um amigo a nossa casa e depois que esse amigo ia embora ele começava com as perguntas sobre nos três ficamos juntos me fazendo imaginar que o cacete do seu amigo era enorme e que ele me deixaria toda aberta. Claro que eu ficava toda molhada quando ouvia isso e acho que entre quatro paredes vale tudo entre um casal mas, incluir alguém em nossa relação estava fora de cogitação. Eu o amava muito e não me via nos braços de um outro homem, tudo era a excitação do momento onde eu me deixava levar pelos seus devaneios e juntos embarcávamos em um grande deliciosos orgasmo. Certa vez fiquei muito insegura enquanto estava algemada e vendada, tive a impressão de ter ouvido outra voz no quarto e exigia que ele me solta-se imediatamente mas suas caricias e sussurros me fizeram relaxar. Essa sensação de estar sendo vista por outra pessoa me acompanhou durante algumas semanas e enquanto isso eu me recusava a ficar presa mas não consegui resistir muito tempo a sua persuasão e logo voltei a permitir a minha prisão. Vendada, eu ficava muito sensível ao toque e curtia essa sensação do mistério mas, podia jurar que estava sendo possuída por um outro homem, a pegada era outra, o calor do corpo, a pulsação do seu cacete dentro da minha xana, o tamanho da sua mão na minha cintura e a textura do seu cacete me evidenciavam que ele não estava usando um dos seus brinquedinhos, mas a certeza veio no dia seguinte enquanto eu limpava a casa. Encontrei na cestinha do banheiro dois preservativos usados e isso não fazia sentido por que mesmo que ele alega-se que estaria usando os preservativos nos brinquedinhos, os brinquedinhos não deixariam os preservativos cheios de leite e mesmo porque quando ele disse que iria gozar, correu e enfiou o seu cacete na minha boca. Me torturei o dia inteiro tentando imaginar o que eu faria quando ele chega-se do serviço acompanhado do seu amigo naquela noite e quando por fim eles chegaram, não fiz nada, acho que na verdade eu sempre soube e usava a venda para tirar a minha culpa do adultério mas hoje o meu maridinho teria uma grande surpresa. Ele levou o seu amigo ate a porta enquanto eu recolhia os pratos do jantar em seguida fui para o quarto me preparar para dormir e quando ele chegou todo fogoso ao nosso quarto, me encontrou vestida em uma langerie rendada e muito erótica mas que depressa ele correu para a cômoda em busca das algemas e da venda que não estavam lá, e eu indiquei com o dedo a onde estavam, apontando para a poltrona. Antes que ele paga-se, eu o fiz sentar na poltrona e envolvi de uma maneira que quando ele se deu conta, era ele quem estava preso, comecei a dançar e a rebolar no seu colo, esfregava meus peitos na sua cara e enquanto eu lhe provocava ele se debatia inutilmente tentando se soltar, voltei para cama e de quatro fiquei lhe exibindo a minha xana, abria, corria os dedos e os lambia. Ele olhava constantemente para a porta Contos Imor(t)ais - O PRAZER DE SER – 101 -


do nosso quarto como se a qualquer momento fosse ser flagrado e insistia para que eu lhe solta-se ou pelo menos tranca-se a porta, não demorou muito e a porta rangeu suavemente e no canto superior a cabeça do seu amigo surgiu sorrateiramente espreitando para dentro do quarto, permaneci imóvel na minha posição e ele se aproximou rapidamente e logo foi me tocando com intimidade sem perceber que eu não estava usando a venda e nem as algemas. Meu marido chamou pelo nome do seu amigo e ele confuso desviou a sua atenção e quando tornou a me olhar eu já tinha o seu enorme cacete em minhas mãos, ele ficou surpreso quando eu comecei a lhe chupar e olhava para o meu marido sem entender direito o que estava acontecendo quando por fim eu pude confirmar com mais clareza que eram seus, os sussurros que eu ouvia enquanto estava vendada. Meu marido esbravejou se debateu e me xingou, ficou mais de uma hora preso me assistindo transar com o seu amigo e quando por fim se calou, fui em sua direção, coloquei o seu cacete para fora e comecei a lhe chupar enquanto o seu amigo me possuía por trás, logo eu tinha dois homens gemendo de prazer e só faltava ter os dois me possuindo ao mesmo tempo para me sentir inteiramente realizada com as sacanagens que o meu marido me sussurrava ao ouvido. Me sentei no seu colo, ajeitei o seu cacete na minha xana, empinei a minha bunda ao máximo e a abri forçando-a com as mãos, o meu botão ficou completamente exposto convidando o seu amigo a me penetrar. Mesmo estando separados eu podia sentir os dois cacetes me invadindo juntos e logo fiquei com desejo de uni-los em minha xana, soltei o meu marido para nos ajeitarmos melhor mas antes tive que deixar ele extravasar a sua fúria ele me possuiu com violência que o balançar mal deixava eu abocanhar o seu amigo e quando suavizou as suas investidas a minha xana estava cheia de leite, o seu amigo que tocava uma enquanto nos via transar gozou logo em seguida lambuzando os meus peitos e eu que a pesar de ter perdido as contas de quantas vezes gozei, fiquei na vontade porque ter os dois na minha xana ficou para um outro dia. Tive uma noite de deusa sendo possuída por dos homens, dormi feito um anjo e acordei sem culpa, nua e grudada aos lençóis, o cheiro do leite exalava pelo quarto e eu só conseguia pensar em tudo o que tinha acontecido, logo fiquei excitada e ansiosa, será que mais tarde tudo se repetiria, meu marido continuaria permissivo a essa situação ou já teria realizado o seu desejo de me ver com outro homem.

Contos Imor(t)ais - O PRAZER DE SER – 102 -


CÃO QUE LADRA NÃO MORDE Ela passou por mim empurrando seu carrinho no supermercado. Uma morena linda, tinha curvas perfeitas, seus peitos pareciam que iriam pular para fora da blusa e a mini-saia faltava um dedinho para mostrar a sua bunda. Fiquei hipnotizado olhando ela passar que nem percebi que ela estava acompanhada. Uma mão pesada posou sobre meu ombro e quando me virei para ver quem era, era o marido dela. Um cara alto e musculoso com uma cara amarrada vestindo essas camisetinhas apertada escrito jiujítsu, era uma visão que realmente dava medo e o cara disse me olhando sério que, só não iria arrebentar a minha cara porque eu não mexi com ela, mas que se ele me pegasse olhando de novo para a sua mulher, eu iria acordar num hospital. Tratei de seguir meu caminho e mudei de corredor, mas o supermercado parecia ter ficado pequeno e nos cruzamos várias vezes. O único problema é que agora ela sabia que eu tinha ficado babando quando ela passou e pelo visto, ela estava afim de ver o seu marido me surrar porque com aquela mini-saia curta não precisava se esforçar muito para exibir as suas curvas. Na ultima seção em que entrei, ela estava sozinha rapidamente dei uma busca com os olhos para ver onde ele estava, ela abaixou para ver um produto, sua calcinha vermelha estava enterrada na bunda, novamente procurei pelo seu marido e ela continuava a pesquisar preços, dessa vez ela se agachou de frente a calcinha dela era tão pequena e apertada que os lábios estavam fugindo pela lateral. Com essa visão, meu cacete ficou duro na hora e eu tive que dar uma ajeitadinha para disfarçar o volume na calça e ela assistindo eu me ajeitar começou a correr um dedinho sobre a sua racha, novamente corri os olhos para ver onde o marido dela estava escondido e como eu não o avistei achei melhor sair daquela seção, o clima estava ficando quente e se ele chegasse com certeza iria explodir. Fui para fila do caixa, logo após ela e o marido pararam na fila ao meu lado, percebi que ele não parava de me encarar enquanto ela não parava de se exibir, escutei ela comentar com ele que queria tomar sol sem o seu biquíni para sumir com a marquinha do bronzeado, instintivamente olhei rápido na direção deles e ainda pude ver ela esticando a sua blusa mostrando o bico do peito para ele. Aquela mulher era um tesão e era difícil resistir não olhar para ela, toda essa provocação parecia que iria gerar a maior confusão no caixa do supermercado, meu cacete ainda estava duro, puxava os meus pentelhos mas com ele ali do meu lado, não me atrevi a dar uma nova ajeitadinha. Fiquei com o meu corpo próximo ao carrinho para que as minhas compras pudesse esconder o volume do meu cacete, mas foi justamente aproveitando essa ocultação que ela tomou a iniciativa, sua mão alisou e apertou meu cacete sobre a minha calça. O primeiro olhar foi rápido para baixo para ver que mão era aquela que me alisava o segundo foi para o marido dela que parecia estar olhando para outro lugar, sem perceber a ação do que ela fazia. Contos Imor(t)ais - CÃO QUE LADRA NÃO MORDE – 103 -


Aquilo cheirava encrenca! Fingi procurar algo no carrinho e sai como se tivesse lembrado de buscar algo que havia esquecido e fugi, segui ate o final do corredor, abandonei o meu carrinho e virei na direção da saída após avançar quatro seções era só virar e seguir direto o próximo corredor até a descida para o estacionamento, mas quando entrei no corredor, gelei, o brutamontes do marido dela estava lá, fazendo a segurança da saída. Dei meia volta na metade do corredor, podia sair a pé na portaria principal e outra hora voltaria para buscar meu carro e fazer minhas compras, quando virei no final da seção, trombei com ela e a segurei rapidamente para que ela não caisse, puxando-a contra meu corpo e por um breve momento eu pude sentir aqueles peitos rígidos, o perfume do seu corpo e aquela sensação de tesão quando o cacete pula dentro das calças. A soltei imediatamente com pedidos de desculpa e quando já me preparava para continuar o meu caminho, ela disse que estava cheia de tesão, que sabia que eu a queria e que o marido dela só gostava de ver ela transando com outro. Fiquei no meio do caminho, olhando para ela, indeciso, entre ficar ou ir embora e quando ele entrou na seção eu sabia que estava perdido e que agora seria impossível sair correndo pelo supermercado, se ela estivesse falando serio, eu tinha me dado bem mas se ela mentiu para me segurar, eu estava fodido. Era dia de semana por volta das 14 horas, tinha pouca gente no supermercado, fomos para o setor de papelaria e utensílios, não tinha ninguém lá, ele disse que ali estava bom, ficou tomando conta parado no inicio do corredor enquanto eu e ela seguimos adiante pelo corredor. Eu estava um pouco nervoso com assa situação olhava de um lado para o outro achando que a qualquer momento alguém entraria naquela seção e nos pegaria no fraga, mas provavelmente ninguém viria pelo outro lado era o final do supermercado e na outra ponta ele nos avisaria, paramos os carrinhos no meio do corredor interrompendo a passagem ela agachou, abaixou meu zíper e começou a me chupar enquanto se tocava depois ela levantou, virou, puxou sua calcinha para o lado e mandou que eu metesse, segurei naquela cintura por trás visualizando aquela bunda magnífica, pincelei e empurrei tudo de uma só vez na sua bucetinha. Comecei a socar quando o seu marido assoviou, nos recompomos rapidamente, um segurança do supermercado se aproximou e disse que o circuito interno tinha nos gravado e pediu que nós nos retirássemos, seguimos para o estacionamento peguei meu carro e estacionei ao lado do deles, procuramos pelas câmeras de vigilância, não vimos então abrimos as portas dos carros fazendo barreiras, reclinei o banco e novamente ela jogou a sua calcinha para o lado e montou, ela cavalgava freneticamente e rebolava gostoso no meu cacete, eu baixei as alças da sua blusa e segurei seus peitos que pulavam para poder sugar seus mamilos. O carro deles era quatro portas e o marido dela pediu para que nós fossemos para o banco traseiro, ela deitou e levantou as pernas ele gostava de ver a penetração, soquei sua bocetinha durante algum tempo naquela posição de repente ele começou a falar rápido, vira, vira e quando viramos para trocarmos de posição vi que ele se masturbava.

Contos Imor(t)ais - CÃO QUE LADRA NÃO MORDE – 104 -


Deitei na beirada do banco com as pernas para o lado de fora do carro, ela montou e depois deitou sobre meu peito, levou as mãos para trás abrindo bem a bunda, ele veio por trás e meteu seu cacete no rabo dela, ele urrava socando com tanta pressão que o carro inteiro balançava, ela gemia baixinho, mordendo os lábios suportando a fúria do seu marido, ele gozou rápido e logo o carro parou de balançar. Ele ainda estava alterado e bufando depois ter gozado e puxou a mulher pelos cabelos arrancando-a de cima de mim dizendo, fode essa vagabunda com vontade porque ela não é a sua namoradinha. Ela se curvou sobre a mala do meu carro com as pernas abertas e abriu bem a bunda me esperando, soquei com força no rabo dela e meu cacete deslizou fácil porque seu marido já tinha gozado no seu rabo. Novamente ele chamava a mulher de vagabunda perguntando se ela estava gostando e ela respondeu que queria ver a minha cara de tesão lhe fodendo, ele pediu para que eu deixa-se ela virar. Ela ficou com as mãos apoiadas na mala do meu carro e meteu seus pés na lateral do carro deles e novamente eu meti no rabo dela, que friccionava suas pernas fazendo a penetração ser mais intensa logo em seguida ela pediu para meter na sua boceta que ela iria gozar, eu estava com tanto tesão que já entrei gozando na boceta dela mas continuei socando cada vez mais rápido para não deixar amolecer. Ela começou a gemer alto sua boceta encharcada começou a fazer barulho a cada socada e eu continuava acelerando as socadas ate gozar de novo naquela boceta. Como não havíamos passado na portaria, novamente mandaram o segurança atrás da gente, a uns dois carros de distancia o segurança do supermercado assistia a tudo e quando gozamos ele se aproximou falando porque nos não procurávamos um motel para fazer essas coisas. O marido dela observou o cara, encostou a porta e ela fez sinal para o segurança se aproximar mais, agachou na frente dele e pois seu cacete duro para fora e deu uma boa chupada, depois colocou o cacete dele entre seus peitos e comprimiu os peitos com as suas mãos, o segurança fodia os peitos dela, ela aguardava pelo gozo dele de boca aberta e seu marido novamente se masturbava. O segurança lambuzou os peitos dela quando gozou e ela ainda lhe chupou por mais algum tempo, o marido gozou em seguida espirrando no rosto dela e ela passava a mão espalhando tudo pelos seus peitos e depois levantava os peitos para lamber seus mamilos, quando o radio de comunicação do segurança chiou perguntando se ele já tinha nos achado, ele respondeu que estava tudo ordem e que nos já estávamos de saída, o marido dela guardou o cacete e deu a volta para entrar no carro, ela reclinou o banco, meteu o pé no painel e ainda alisava a sua racha me olhando com desejo, como se ainda não estivesse satisfeita. Sai na frente, entrei na avenida principal devagar seguido de perto pelo carro deles liguei a seta e encostei na próxima esquina para saber para onde iríamos, só que o casal deu dois leves toques na buzina dizendo adeus e seguiram reto, não tinha como dar marcha ré para voltar, a avenida principal e nem como contornar o quarteirão a tempo de alcançá-los, porque na frente havia uma bifurcação e eu jamais saberia para que lado eles teriam seguido e o pior de tudo e que nem peguei um telefone para tentar um novo encontro. Contos Imor(t)ais - CÃO QUE LADRA NÃO MORDE – 105 -


Para quem estava se cagando de medo do marido dela, eu só tenho uma conclusão, cão que ladra não morde.

Contos Imor(t)ais - CÃO QUE LADRA NÃO MORDE – 106 -


PRESENTE DE ANIVERSÁRIO Miguel era um rapaz novo, universitário, que para complementar os estudos trabalhava em um café em São Paulo. Alto, cabelos negros que constratavam com seus lindos e grandes olhos verdes. Gostava de jogar futebol todo final de semana além de frequentar a academia. Em suma, atraía não só as mulheres. Raquel uma executiva bem sucedida chamava a atenção pela altivez e corpo escultural. Cabelos longos negros, olhos cor de mel amendoados, pernas bem torneadas que sobressaiam ainda mais pelas roupas e salto alto que sempre estava a usar. Todos os dias Raquel frequentava o café onde Miguel trabalhava, seja pelo desjejum, seja pela variedades de saladas que lá serviam. E juntando a beleza de Raquel com o frescor de Miguel, digamos que ela não passava desapercebida aos olhares gulosos do rapaz. E Raquel se divertia em deixar Miguel ainda mais desconcertado. Ela sempre dava um jeito de ser atendida por ele. Provocava com olhares, gestos, lábios. Um dia ele recolhendo seu prato perguntou se a salada estava boa. Ela cruzou suas pernas, deixando as à mostra, passou sutilmente sua língua rosada pelos lábios e olhando bem no fundo dos olhos verdes de Miguel, disse:"Muito...Gostoso!" E depois sorrindo maliciosamente..."Ups...Gostosa." Miguel ficou roxo de vergonha! Saiu sem dizer mais nenhuma palavra. Em uma manhã ela deixou de propósito cair a colher do café..Chamou o e com o olhar mostrou a colher no chão. Ele relutante foi levar outra..ao agachar para pegá-la, ela abre suas pernas na altura do seu olhar, neste dia sua calcinha era vermelha...ele sem querer..forçado pela posição que se encontrava acabou olhando...Novamente saiu feito um tomate descartável. E assim foi durante um bom tempo. Miguel já estava para lá de maluco, não conseguia mais tirá-la da cabeça, sempre pensando qual seria a próxima travessura. Sentia um misto de medo e excitação. Medo pela situação que ela o deixava, salvo somente pelo uniforme, um avental longo e preto. Toda vez era sempre a mesma coisa, tinha que sair correndo e ir ao banheiro se acalmar. Aquela situação já estava ficando desconfortável, queria pegá-la com toda sua fome e saciar a vontade que vinha crescendo dentro de si e forçando idas e idas ao toalete. Um belo dia começou a receber umas imagens eróticas de um número desconhecido, de partes do corpo de uma mulher. As imagens o deixavam desnorteado. Após uma semana de tortura reparou em um detalhe e percebeu de quem eram, pois nas costas nuas, acima de um bumbum delicioso, Contos Imor(t)ais - PRESENTE DE ANIVERSÁRIO – 107 -


estava a tatuagem de uma borboleta 3D, além que desta vez o número aparecia. Seria por distração ou por vontade própria Raquel se delatou. Enquanto ele saboreava cada imagem, Raquel entra no final da tarde. Ela nunca ia neste horário, então na cabeça de Miguel aquilo só poderia significar uma coisa. Se achando o homem mais sortudo da face da terra, investe. "Saio daqui a meia hora, onde iremos?" Ela se fazendo de desentendida, diz:"Como? Rapaz que ousadia é esta?" Ele engasgando.."...mas...mas....a sua foto...os olhares...?" "Menino, não estou entendendo nada do que está dizendo, por favor me traga um café bem forte e croissant de chocolate, para hoje ainda!" Com voz firme pois via que Miguel não se mexia, parecia uma estátua de cera em pleno derretimento. Várias emoções percorriam o corpo de Miguel que não sabia mais o que pensar. Vergonha e raiva eram as mais suaves. Passaram se alguns meses do infeliz acontecimento. Miguel conheceu Joana e começaram a namorar. Joana era meiga, da sua faixa etária, e estudava na mesma faculdade. Miguel estava se enamorando, mas Raquel ainda povoava seus pensamentos a todo instante. Um dia Joana foi ao café, Miguel sentou-se ao seu lado e ela começou a mostrar fotos da família...até que disse..ah..já ia esquecendo..hoje é o aniversário da minha tia, minha mãe dará um jantar surpresa, gostaria que você fosse. Dizendo isto mostra a foto da tia... Miguel fica desconcertado e finge ir atender um cliente. Se refazendo da surpresa bolou um plano. Aceitou o convite. Na hora marcada Miguel chega na casa de Joana. Ela o apresenta a todos os convidados e família, sendo por último a tia que chegaria mais tarde. Raquel quando viu o rapaz ficou lívida sem saber o que dizer, mas logo retomou a atitude e fingiu não o conhecer. Joana é chamada pela mãe para ajudar nos preparativos da mesa. Miguel aproveita e vai para a sacada encontrar Raquel que fumava nervosamente. "Não sabia que namorava Joana." "Nem eu que era tia dela." Contos Imor(t)ais - PRESENTE DE ANIVERSÁRIO – 108 -


"Este presente é para você." "Obrigada, mas realmente não precisava." "Precisava sim, e você vai usá-lo hoje!" Falou com voz autoritária. Raquel surpresa abre e se fica totalmente desconcertada. Ameaça devolver o estranho presente, quando Miguel se impõe mais uma vez:"Lembra das fotos que me mandou? Pois então, sei que são suas e estou disposto a mostrar a sua sobrinha se não usar Hoje!... este presente." Raquel entre fúria e medo resolveu obedecer. Não queria magoar os sentimentos de Joana. A mesa posta, todos sentados, quando entra Raquel e percebe que o único lugar vago era justamente à frente de Miguel. Sem escolha sentou-se. Todos entretidos se servindo, Raquel ameaça pegar a travessa de arroz quando sente uma vibração no meio das pernas. Quase derruba tudo na mesa. Pede a alguém que a sirva pois diz estar muito e emocionada com a homenagem. Enquanto a vibração continuava, pode perceber nos olhos de Miguel um sorriso malicioso, um brilho quase maquiavélico. A sensação era maravilhosa, mas convenhamos que aquele não era o momento nem lugar adequados. Ela tentava se manter impassível, sorrindo, puxando conversa, comendo...enquanto por dentro a vibração continuava. Fingia pegar algo só para se mexer, para se distrair, sabia que mais cedo ou mais tarde iria acabar cedendo. Seu interior mais e mais se alagava...temia que parte daquele suco abundante viesse a escorrer pelas pernas. Sentia sua xana inchar, fazendo com que as vibrações ficassem ainda mais intensas. Já não bastasse a reação normal do seu corpo Miguel aumenta o nível. Raquel lançou um olhar fulminante em sua direção.Queria voar sobre a mesa e esganar seu pescoço, arrancar de seu rosto, com suas longas unhas, o sorriso Monalisa. Miguel se fez de desentendido olhando para Joana, e de soslaio percebia os punhais vindos do olhar de Raquel. Raquel era uma mulher experiente, conhecia seu próprio corpo, mas dominar as ondas elétricas que o percorriam naquele momento era inusitado. Seu fino vestido de seda não era um aliado naquele momento, os bicos dos seios eriçavam, o rosto enrubescia, as mãos tremiam, mal continha a língua alvoroçada que teimavam querer banhar seus lábios, cruzava e descruzava as pernas várias vezes temendo que o que se formava no seu interior transborda-se em uma enxurrada perna abaixo. Absorta nestas sensações maravilhosas e desconcertantes não acredita quando a intensidade é aumentada. Contos Imor(t)ais - PRESENTE DE ANIVERSÁRIO – 109 -


Raquel pede vinho, assim que servida joga todo o líquido vermelho na camisa de Miguel. Alega que um inseto a picou. Cá entre nós....rs.....um enxame deles....rs Toda solicíta, atravessada pela insistência de Joana, consegue ir com Miguel ao quarto do Sobrinho para a troca de camisa. "Isto tem que parar agora mesmo!!!" Grita abafado Raquel. "É só o começo minha cara...Você mal começou a sentir o que me fez passar." "Me provocou, me humilhou, aprisiounou minha mente com sua imagem...Isto é nada, comparado ao que venho passando." "Afinal o que quer??" "Você!! Quero você por inteiro!" "Criatura você namora minha sobrinha!" "Gosto dela, mas quero você. Sempre foi você. "Não vou magoar Joana." "Ou você se entrega a mim ou já sabe!" "Ok. Vamos marcar." "Agora!" Dizendo isto arranca as calcinhas de Raquel. Força-a a ajoelhar-se, tira seu pau enorme e puxa sua cabeça. Raquel que já custava a se segurar, diante daquela visão não resiste, abocanha aquele colosso e dá um belo trato. Gulosamente lambe da cabeça ao tronco, baba ele todo, abocanha, movimenta sua garganta apertando o tronco, volta e começa tudo de novo. A expertise de Raquel não tarda surtir efeito, em vários jatos Miguel goza intensamente. Engole tudo. Seu gozo era doce. "Agora estamos quites." Miguel num ato de ira, levanta Raquel, vira-a de costas para si, dobra suas costas. "Longe disto!" E começa a penetrar seu rabinho, não antes de uma boa cusparada. Ligando novamente o vibrador começa a penetrá-la. Intensidade 3. Raquel relaxa, começa a gozar. Miguel tampa sua boca enquanto investe feroz no ato. Começa leve, mas logo sua juventude se faz presente no ferro em brasa. Se entrega no ato, nunca antes sentira tantas emoções conflitantes. Não se reconhecia naquele homem que reconhecidamente estuprava Raquel.

Contos Imor(t)ais - PRESENTE DE ANIVERSÁRIO – 110 -


Seu instinto animal dominava seus atos, o gozo veio furioso enquanto Raquel ainda gozava. Não pararia não fosse o tom determinado de Raquel em dar por finalizada a situação. "Por hora, minha cadela, por hora! Ainda não terminei com você, falta isto aqui." Encheu sua mão com a buceta inchada de Raquel. Percebeu que seu suco corria abundante. Empurrou-a para a cama, levantou suas pernas e enfiou sua boca no meio. Lambeu e sugou tudo, limpando-a" Raquel estremecia...nunca antes nos seus quarenta anos de vida tinha ficado tão excitada. Se sentia sim, sua cadela de cio eterno. A vingança havia surtido efeito contrário, ao invés de satisfazê-lo, sua fome de Raquel aumentara. Raquel já não sabia mais como fazer para se livrar de Miguel, suas exigências aumentavam a cada dia, ela tinha que acabar com seus encontros, para o bem de Joana e o seu próprio. Chegava ao cúmulo dele bater na sua porta de madrugada exigindo uma noite de amor. Noite de amor, dizia ele, nada mais era do que amanhecer transando. Raquel não era mais a empresária felina; a toda poderosa! Perdia contratos, sonhava acordada, tornara-se meiga...Para os negócios isto era péssimo. Tinha que tirar Miguel da sua vida. Um belo dia, passando perto da lanchonete flagra ao longe Miguel ao beijos com uma garota. Apesar de sentir ciúmes viu ali sua oportunidade de liberdade. Mais que depressa, filma o ocorrido, não se deixando notar. Ao entardecer confronta Miguel na saída da lanchonete com o vídeo. Miguel impassível diz:"Não é o que está pensando. Ela me chantageou. Eu não queria." "Querido quem faz a cama, deita. Seu trunfo acaba agora." "Raquel, não faz isto, você não disse que não queria magoar sua sobrinha?" Mas na realidade era Raquel a magoada. "Ou faz o que mando, ou termina o namoro com Joana." Miguel estava até então confortável com a situação, de dia Joana, toda pura, só namoro; de noite Raquel, fogosa, pantera no cio. "O que quer para apagar isto." Contos Imor(t)ais - PRESENTE DE ANIVERSÁRIO – 111 -


"Quero uma semana, somente uma semana de obediência e as fotos apagadas do seu celular." Inocente Miguel concorda.De boa fé, naquele momento na sua frente, deleta todas as fotos. "E agora?" Raquel tira da bolsa um embrulho. "Não abra agora. Você vai usar isto durante uma semana, durante uma hora, na hora do almoço. Eu virei todos os dias neste horário e confirmarei que me obedeceu." E assim o fez...na hora marcada lá estava ela para o almoço. Quando Miguel a servia ela ligou o controle remoto. Nada acontece. Furiosa ela lhe mostra o vídeo e ameaça levantar. Ele suplica diz que vai obdecer, sai e volta correndo, ela aciona o botão. Ele arrepia todo, ela constata que agora ele usava o plub anal que lhe derá. Velocidade 1. Suas mãos tremem quase derrubando o suco que Raquel pedira. Mantém a velocidade, ele se afasta, para seu alívio só funciona a uma certa distância. Ela derruba o talher, ele é obrigado a voltar, enrubesce pois ela aumentara para nível 2. Se contorce todo, odeia-a naquele momento. Ela se diverte maliciosamente. Involuntariamente seu pau endurece, ligeiramente formando uma saliência no avental. Disfarçadamente Raquel roça seu braço fazendo que endureça mais ainda. Ele corre para o fundo da lanchonete. Dia seguinte, mesma hora, mesmo pedido, situações inusitadas. Força Miguel a voltar várias vezes com a desculpa que o suco não estava bom. Nível 2 se mantém. Seu pau não endurece mais, mas o desconforto continua. Ele meio que rebola tentando acalmar o frenesi que se instala no seu traseiro. Ela não segura, finge falar ao celular e da uma larga gargalhada. Ele a odeia ainda mais. Mãos trêmulas, corpo alvoroçado, boca salivando, traz pela terceira vez o suco. Sua vontade e darlhe um banho com ele, se contém. Terceiro dia, nível 3. O ódio aumenta. Cada dia sente-se mais e mais humilhado. Acha que não conseguira chegar com isto até o final da semana.

Contos Imor(t)ais - PRESENTE DE ANIVERSÁRIO – 112 -


Quarto dia, para seu alívio Raquel não aparece. Ele sente alivio, retira o plug. Quinto dia, Raquel volta. Nível 3 ainda. Ele já consegue se portar sem dar bandeira. Ao final do dia Raquel aparece novamente e sussura no seu ouvido. "Minha casa, amanhã, 20horas. Siga as instruções que estão na mesa. Vá plugado, o fim está próximo." 20 horas em ponto Miguel chega, porta aberta, não vê Raquel, lê o bilhete. "Tira toda a roupa, mantenha o plug, vá para meu quarto." Havia uma maca com correias nas quatro pernas e novo bilhete. "Coloca a máscara deita de barriga para baixo." Obedeceu. Raquel entra silenciosamente e prende mãos e pernas de Miguel na maca e em seguida liga o vibrador. Miguel alucina...tenta se soltar mas é tarde. "Calma amor...relaxa...tenho certeza que vai gostar, relaxa..." Raquel se aproxima, o vibrador ainda ligado, Miguel sente um óleo morno sendo derramado sobre suas costas e escorrendo até o meio do bumbum. Ainda com o vibrador nível 1, Raquel inicia uma massagem que faz Miguel relaxar. Começou nas costas fazendo suas mãos macias em círculos percorrer toda sua extensão. Descia até a cintura e subia novamente. Em dado momento enquanto descia Miguel arqueou sutilmente seu bumbum. Nesta hora, Raquel aproveitou e massageou gostoso, como se amassasse gentilmente uma massa de pão fresco, não tirando mais suas mãos dela. Enchia-as apertando e abrindo as bandas amplamente, deixando seu cuzinho à mostra bem como o finalzinho do plug. Nível 2, aumenta o ritmo da massagem, abre e fecha, volta a apertar. Nível 3. Miguel calado. Corpo todo arrepiado. Mais óleo morno escorre no reguinho que se abria mais. "Começo agora a cumprir minha palavra." E puxa o plug para fora. Miguel entre alívio e tesão solta um gemido. Mais óleo, e....!!

Contos Imor(t)ais - PRESENTE DE ANIVERSÁRIO – 113 -


Ele grita, xinga, tenta se soltar em vão. Raquel já tinha encaixado pela metade o acessório que a ligava à cinta. "Amor relaxa, eu sei que está gostando. Esquece o preconceito, continuo sendo a sua Raquel." "Está quase no fim, mente ela." Ele sem alternativas tenta relaxar. Ela vai com tudo, entre idas e vindas, derrama mais óleo. Fica no fundo, fica parada um tempo....tenta alcançar o pau duro de Miguel e ensaia uma punheta. Ele não se mexe, ela sai. Ele arqueia a bunda, ela alcança a extensão do seu pau e o massageia, enquanto faz isto o movimento atrás se intensifica. Percebe que Miguel está pronto para gozar, mas não permite. Tira a mão, tira o brinquedinho, e cai de boca no seu cuzinho melado. Lambe, mama e suga com força, o cuzinho faz beicinho, ela dá beijinhos...e volta a carga... Sob protestos de Miguel ela o curra com vontade. Ele se lembra de quando fez o mesmo com ela, entende agora o sentimento. Ela desvairadamente goza, agora aos berros pois não temia ser ouvida. Enquanto goza, o ritmo se torna alucinado, a Miguel só resta entregar-se e para sua surpresa goza como nunca antes havia feito. Surpreende-se consigo em decorrência da situação. No dia seguinte fica sabendo através de Joana que sua tia aceitara uma proposta de trabalho no exterior. Não vira o vídeo ser apagado. Aprendeu que a vingança é doce e vem à galope!!!

Contos Imor(t)ais - PRESENTE DE ANIVERSÁRIO – 114 -


RECATADA Vou contar uma história real, acreditem, onde apenas os nomes foram trocados pra preservar a privacidade de cada envolvido. Eu me chamo Renata, tenho 28 anos, sou uma morena alta, de olhos verdes e corpo escultural, meu namorado, Fernando, tem 32 anos, é um homem viril, alto e muito bonito, estamos juntos a oito anos e nunca tivemos grandes aventuras sexuais. No ano de 2004, fomos convidados por um amigo de Fernando pra passarmos alguns dias em Salvador, eu já conhecia este amigo mas não tinha nenhuma intimidade com ele. Chegamos no dia 26 em Salvador nos hospedamos em um lindo hotel, com vista para o mar e muito confortável. Passávamos o dia todo na praia, sempre em companhia de nossos anfitriões, Marcos e Eduarda, eles formavam um lindo casal e era difícil não admirar aqueles corpos tão definidos e bronzeados pelo sol baiano, à noite sempre saíamos pra tomar um chopp e jogar conversa fora. Na noite do ano novo, fomos pra cobertura de Marcos, chegamos às 19 horas como combinado e Eduarda nos recebeu, fiquei assustada com o tamanho da saia que ela usava, mal cobria sua bunda, eu estava com um vestido branco, bem leve sobre o corpo, e Fernando trajava Jeans e camiseta, fomos direto para a cobertura e lá estava o lindo Marcos preparando alguns quitutes e bebidas, começamos a conversar e beber e em pouco tempo já estávamos todos altos e desinibidos. A conversa começou a tomar um rumo erótico, íntimo e indiscreto, eu percebi que Eduarda, que a essa altura estava sentada no colo de Marcos, estava fazendo leves movimentos e que ambos estavam excitados. Eu fiquei super constrangida e chamei o Fernando pra preparamos mais uns drinks, quando voltamos eu fiquei estarrecida, Marcos e Eduarda estavam no maior sarro e eu pedi pra ficarmos um pouco mais afastados conversando enquanto o clima não esfriasse, de repente eles pararam, cochicharam alguma coisa e vieram em nossa direção, eu estremeci e quase pedi pra ir embora daquele lugar, mas me contive em nome da amizade de Fernando e Marcos. Eles se aproximaram e continuaram o sarro ao nosso lado, Marcos começou a subir as mãos pelas coxas de Eduarda e junto subindo a minúscula saia que ela usava, eu abracei o Fernando que também estava constrangido com a situação e ficamos sem saber o que fazer, Marcos continuava a acariciar sua esposa, ela tinha um corpo perfeito, era loira, baixa, muito malhada e tinha uma bunda linda, dura e com pêlos dourados, ela tirou a camisa de Marcos e pude reparar com mais atenção como seu corpo era definido e másculo, eu comecei a me excitar com a situação e acabei esfregando o pau de Fernando, que essa altura já estava duro como uma tora, nós estávamos muito perto. Eduarda abaixou a bermuda de Marcos e eu me assustei com o tamanho e a rigidez daquele pau, ela segurou firme, se agachou e começou a chupá-lo com vontade, eu e Fernando já estávamos loucos e ele me virou de costas, eu apoiei minhas mãos na mesa, ele tirou o pau pra fora e me penetrou de uma vez, com força e bem no fundo, eu gemi alto e olhei mais uma vez pro pau de Marcos, como era grande e bonito, Eduarda já estava nua, sua pele dourada brilhava e ela se mostrava por inteira. Fernando pediu pra eu tirar meu vestido mas neguei na hora, disse que não tinha coragem e aquilo já tinha ido longe demais, eu queria ir embora, mesmo tão excitada, ele então me sentou na mesa, Contos Imor(t)ais - RECATADA – 115 -


tirou meu vestido de uma vez só, abriu minhas coxas e começou a me chupar, eu me sentia uma vadia por estar nua na frente de dois homens e uma mulher, estava cada vez mais envergonhada e excitada, mas era ótimo sentir a língua de meu namorado enfiando na minha boceta encharcada. Marcos de sentou ao meu lado na mesa e Eduarda continuava a chupá-lo, agora aquele pau delicioso estava mais perto de mim e eu podia olhar de pertinho, sentia a perna de Marcos encostar na minha, os pêlos daquela coxa grossa e forte roçando a pele na minha perna, eu tremi e gozei na boca de Fernando, tive uma verdadeira ejaculação feminina de tanto gozo, ele então bebeu tudo e se levantou pra meter novamente, quando senti o pau dele novamente dentro de mim, não me agüentei e segurei forte a coxa de Marcos, que delícia sentir meu namorado me comendo e eu segurando aquela linda coxa, foi então que Eduarda se levantou e se ajeitou de quatro em uma cadeira, se mostrando toda pra gente e chamando Marcos pra comer seu rabo, ela abriu bem, eu achei que ela não agüentaria aquilo tudo mas Marcos foi enfiando devagar e em pouco tempo ele estava todo dentro dela. Fernando não tirava os olhos dela e isso me deixou enciumada, mas me contive e passei a gostar daquilo, agora era a minha vez de me agachar e chupar meu namorado, eu suguei, lambi o saco, passei a língua no cu de Fernando, engoli seu pau até a garganta, de repente senti um dedo passar de leve no reguinho e encostar no meu cu, olhei rápido pra trás mas só vi que Eduarda e Marcos estavam totalmente nus caminhando em direção da piscina. Fernando gozou como um animal no meu rosto, eu estava completamente louca de desejo. Depois de me levantar, fui ao banheiro me limpar e quando voltei estavam os três conversando em um canto. como eu ia atravessar toda aquela área totalmente nua com eles me olhando? Mais uma vez me excitei e fui em direção ao colo e proteção do meu Fernando. Já era meia noite e os fogos começaram, ficamos ali, todos nus assistindo ao show, foi quando Marcos veio me dar um abraço de Ano Novo, olhei pro Fernando como quem pergunta o que fazer, ele serenamente fez sinal de positivo com a cabeça, dei um abraço forte e pude sentir o pau de Marcos que já estava duro novamente encostando em minha barriga, mais uma vez estremeci e voltei pra Fernando, Eduarda também veio me abraçar, como era macia a pele dela, seus seios encostaram de leve nos meus e ela delicadamente passou o dedo na minha bunda, agora eu sabia quem tinha tocado o meu cuzinho momentos antes. Depois de passarmos o resto da noite conversando e é claro, totalmente nus, voltamos para o hotel e fomos dormir. Mais tarde o telefone toca, era da recepção avisando que Marcos e Eduarda nos aguardavam pra um passeio, Fernando pediu pra que subissem enquanto nos arrumávamos, eu me leventei rápido, lavei meu rosto e quando fui me vestir, Fernando me jogou na cama, eu percebi que a porta estava semi aberta, começamos um delicioso 69 eu em cima dele, com minha bunda virada pra porta, naquela altura eu queria mais era me mostrar, fazer tudo que me viesse a cabeça, quando eles entraram se depararam com aquela cena, eles fecharam a porta e em segundos já estavam pelados, olhei pra trás e vi que Marcos se masturbava olhando pro meu rabo todo aberto, comecei a me esfregar mais na cara de Fernando e assistir ao trabalhado de Marcos, Eduarda se sentou e ficou apenas olhando, Marcos gozou olhando pra minha bunda e Eduarda deu um jeito de limpar toda aquela porra da mão dele com boca.

Contos Imor(t)ais - RECATADA – 116 -


Incrível que não trocamos uma palavra a respeito, apenas nos vestimos e fomos pra praia. Ao entardecer fomos embora pois nosso vôo era naquela noite. Até hoje não nos encontramos novamente, mas aquela noite foi inesquecível.

Contos Imor(t)ais - RECATADA – 117 -


NO CAMPING Olá! Vou contar outra aventura que eu e minha namorada Cládua tivemos faz algum tempo. Somos jovens e loucos de tesão. Eu tenho 28 e ela 23, eu alto e ela bem gostosa. Na cama vira uma putinha, adora chupar, dá de quatro, etc. Bom, era verão e estávamos acampanhando em Santa Catarina, de barraca, num camping enorme que tem em garopaba. Desde que chegamos começamos a reparar nas pessoas que acampavam por perto. Era carnaval e o lugar estava lotado, barraca do lado de barraca. Na primeira noite de carnaval saímos e curtimos bastante. Conhecemos e encontramos alguns conhecidos, bebemos uma cervejinha e quando voltamos pro acampamento, lá pelas 5h da manhã, trepamos feito loucos dentro da barraca apertada. Ouvimos ainda alguns gemidos vindo dos nossos vizinhos. Foi bastante excitante. Na outra noite, que estava prometendo, começou a chover logo que anoiteceu. Para variar, em carnaval sempre chove. Começamos a beber uma caipirinha enquanto fazíamos a janta. O pessoal das barracas ao lado estavam bem agitados também. Nas barracas mais próximas tinha dois casais, cada um na sua, e mais dois amigos. Por volta das 21h, um dos carinhas se aproximou da nossa barraca e pediu isqueiro emprestado. Emprestamos, já meio alegres, e perguntamos onde era o agito ontem. Carlos, o nome dele, disse que seria na Ferrugem. Dissemos a ele que estivemos lá ontem e que foi legal. Ele concordou e acabou sentando. Oferecemos a caipirinha, enquanto ele acendia seu cigarro. Ficou conosco por volta de meia hora e disse que iria tomar um banho e que passaria ali para nos convidar para ir junto. Como ambos gostamos da aparência dele (jovem, alto, moreno, estudante) achamos que seria legal e divertido. Continuamos bebendo, só que agora cerveja (não somos de tomar tragos, mas carnaval é carnaval). Por volta das 23h, ele aparecer com seu amigo, Pedro. Ambos sentaram e ofereceram o trago deles, tipo uma batida. Aceitamos e trocamos as bebidas. Colocamos um som e ficamos conversando. Cláudinha estava vestida com uma saia justa e um top generoso. Seus seios ficavam um pouco a mostra, e eu adorava isto. Sua sainha permitia ver suas coxas, o que me deixava louco de tesão. A esta altura já estavamos bem alegres e acredito que os nosso dois novos amigos também. Era dificil para minha namorada esconder sua bucetinha, pois todos nós quatro estávamos sentados em pedras, pois nem nós nem eles tinham cadeiras. Ela cruzava as pernas seguidamente, pra se ajeitar melhor na pedra, e com isso, suas coxas faziam nós três delirar. Isso mesmo, nós três, porque nesta altura os dois amigos, Carlos e Pedro, não escondiam a excitação. A chuva começou a apertar e ficar mais forte. Trocamos o CD várias vezes, os dois refizeram as batidas, abrimos mais latas de cerveja e continuávamos ali. Muitas pessoas já estavam indo para folia, outras continuavam no camping na esperança de parar a chuva. E nós quatro parecíamos não se importar tanto, pois nossa festa já tinha começado. Conversamos alegremente e sempre bebendo. Acho que já era 1h da manhã e eu estava já meio tonto. Meu pau continuava duro, na medida em que pensava que dali a pouco iria comer a Claudia, e também, por que não, que algo poderia acontecer. Foi neste momento, em que eu estava pensando nisso, que a Claudia começou a mudar de atitude. Começou a se portar como uma putinha, cruzando as pernas de minuto em minuto, se abaixando para pegar cigarro, isqueiro, bebida, mostrando seus seios. Os dois já estavão Contos Imor(t)ais - NO CAMPING – 118 -


completamente tarados, e acredito eu, que não entendiam muito a situação. Cláudia, então, começou sutilmente a me esnobar, me tratar como um cahorro. Pedia pra mim se levantar, buscar outra bebida, trazer um CD, alcaçar alguma coisa. Ao mesmo tempo em que ficava meio grilado, meu pau endurecia mais ainda. Mas não sabia o que fazer. Carlos e Pedro não arredavam o pé, e Claudia gostava da situação, fazendo questão de continuar o papo e as atitudes de puta. Foi então que eu disse que estava meio bêbado e que de repente tinha vontade de dormir. Os dois exclamaram, disseram que não, que era cedo, que a noite prometia, que era carnaval, enfim, fizeram a parte deles, temendo não desfrutar mais das curvas da minha namorada. Claudia, mais uma vez, se fêz de louca e disse que não queria dormir agora, e disse que os dois cuidavam dela. Olhei bem nos olhos dela e dei um beijo melecado em sua boca, senti sua respiração ofegante. Os dois nem acreditavam. Entrei para a barraca e me deitei. Fiquei ouvindo a conversa deles, que de início, continuava a mesma: música, festas, carnaval, praias, trilhas ecológicas, acampamentos, etc. Mas passado uns dez minutos começaram a conversar mais intimamente. Carlos dizia que tinha brigado com a namorada há pouco tempo. E Pedro dizia que não tinha namorada, somente amantes, em que ele trepava sem preocupação em compromissos. Claudia ria e contava que eu e ela eram ótimos amantes, que trapávamos todo dia. Contou inclusive, que ontem, quando chegamos, tinhafeito sexo animal, e que tínhamos ouvidos gemidos. Os dois começaram a rir e disseram que provavelmente os gemidos vinham da barra deles. Claudia perguntou então como? se os dois estavam juntos. Aí riu e perguntou se eram gays. Pedro riu mais ainda e disse que não. Disse que eles tinham conhecido uma garota que quis dar pros dois. Bom, foi só falar isso que minha namorada, agora mais puta do que nunca, disse que já tinha feito menage comigo e com outro cara. Os dois então ficaram inquietos. Notei que Carlos olhava pra dentro da barraca, pra ver se realmente eu estava dormindo. Ele não podia me ver direito, e eu estava imóvel, parecendo dormindo. Embora, nesse momento, tamnaha excitação, eu já batia uma punheta bem devagarinho. Claudia se levantou e perguntou pra eles se conseguiram "foder" (foi esta palavra que ela usou) a garota, pois a barra deles era menor que a nossa. Carlos, muito esperto, disse: – Então venha conhecer! Ela disse: – Eu vou. Então entrou na nossa barraca, mexeu na bolsa e disse baixinho em minha direção: vou ali e já volto. Eu, que tinha recolhido o pau rapidamente, fingi estar dormindo. Claudia saiu e foram os três. Fiquei mais um minuto na barraca e sai. Olhei em direção a barraca deles, que ficava uns 5 metros da nossa e verifiquei se na outra barraca não estava aquele casal. Fui devagarinho na direção deles e percebi que tinham apagado a luz que ilumina por dentro da lona. Cheguei bem perto, sentei na grama ao lado da barraca. Não podia ver muito, mas ouvia gemidos, bem fortes, ofegantes e com certeza eram da Claudia. Deu pra ouvir bem direitinho: Contos Imor(t)ais - NO CAMPING – 119 -


– Fode gostoso. Era a voz dela. Meu pau quase estourava, e acabei tirando ele pra fora. Estava meio escuro, e fiquei com medo de alguem me ver. Mas mesmo assim, fiquei ali, ao lado da barraca onde minha namorada era comida pelo Carlos e pelo Pedro. Os barulhos aumentaram, eram barulhos de estocadas, fortes. E também barulho de boquete abafado. Me aproximei da entrada da barraca, ainda tonto mas com muito tesão e pude ver melhor os vultos. Claudia estava de quatro, Pedro comia sua bucetinha (ou seria o cuzinho) e Carlos dava o pau pra ela chupar. Ficaram assim uns 10 minutos e podeis trocaram. Eu já tinha gozado no chão e já estava na segunda punheta. Treparam mais uns 10 minutos e Carlos (que agora comia ela por trás) começou a gozar. Em seguida Pedro gozou na sua boca, Claudia agora gritava, dizia que era puta, que ia dar pra eles na minha frente, etc. Eu louco. Louco de tesão. Voltei rapidamente pra nossa barraca, me limpei e deite. Em seguida veio a Claudia. Logo que ela entrou, fingi despertar. Ela deitou do meu lado, acendeu um cigarro e disse que tinha ido ver os equipamentos dos nossos novos amigos (falou a verdade né!). Perguntei se eles foram legais com ela, e a putinha safada suspirou e disse que muito. Que já tinha combinado uma praia amanhã. Peguei nos peitos dela, apertei, tirou seu top e comecei a chupá-los. Ela gostou mais não entendeu muito. Meti minha mãe na xoxotinha dela e percebi que estava quente e húmida, bem arregaçada. Ai tive a idéia de dedilhar o cuzinho dela e aconteceu o que eu temia. Estava bem arregaçado também, quente, meio melecado. Ela só suspirava e continuava fumando o cigarro dela. Então ela pegou meus cabelos, e começou a puxá-los em direção s aus buceta, já baixando a calcinha. Ajudei ela a tirar a minúscula calcinha e ela esfregou meu rosto na sua buceta e disse que era pra mim chupar, que se eu não chupasse dava pros nossos amigos na minha frente. Fingi não saber de nada e caí de boca. Chupei muito, dando umas mordidinhas. Sentia que a buceta tinha sido penetrada, mas não importei. Ela era muito gostosa, uma verdadeira puta. Trepei com ela por cima, depois pedi para comer o cuzinho. Ela deixou, disse que estava louca pra dar o rabo. Penetrei ela gostosa. Enfiei devagarinho e logo comecei as estocadas. Foi então que percebi dois vultos debaixo de nossa lona. Olhei e era Carlos e Pedro, trazendo uma batida. Disse pra eles esperarem um pouco, que podiam ver. Claudia começou a gozar, gritar, me arranhar, e disse que precisava de mais um pau na boca. Aí Carlos se aproximou e foi tirando o pau pra fora. Eu continuava metendo, e comecei a dar tapas na bunda dela, dizendo que ele era puta. Bom, foi só o começou de um carnaval onde dividi minha namorada com dois caras. Trepamos aquela noite inteira, trepamos no outro dia, na praia, em cachoeiras e chagamos a foder com eles dentro do nosso carro, estacionados numa rua escura da Ferrugem.

Contos Imor(t)ais - NO CAMPING – 120 -


O SELEIRO DA FAZENDA Me chamo Laura, sou casada, sem filhos, tenho 27 anos, morena clara, cabelos longos com luzes douradas, corpo estilo brasileira, cintura fina, bum bum médio e seios fartos (350ml de silicone). A história que descreverei abaixo aconteceu no mês passado (maio) na fazenda da minha família no interior de Goiás. Fomos para a fazenda em uma segunda feira, onde ficariámos por aproximadamente 15 dias por se tratar de período de vacinação de gado. A fazenda estava com funcionários novos (uns 30) que ajudariam com os trabalhos para que conseguíssemos vacinar todo o rebanho a tempo. Na terça feira no café da manhã, as 5:30hs como de costume, do meio do amanhecer vi aproximando um homem, em meio aos demais que também se aproximavam para a cantina, ele se destacava, era mais alto e forte que os outros, mais parecia uns desses atores de novela, mas vestido de peão, com uma calça jeans velha, aberta na barra desfiada, que escondia um pouco a botina velha e suja de barro. Estava vestindo a camisa da fazenda, essa era nova (funcionário novo deve ter recebido essa a poucos dias), manga longa azul em tecido de Jeans mais fino, ele dobrara a manga até acima dos cotovelos, de forma que parecia ser ainda mais forte pelo acumulo de tecido que se formava abaixo do ombro. O café da manha da fazenda era simples, costumamos servir o restante do jantar anterior, pois tem funcionários que gostam de praticamente almoçar no café, e ademais, café, pão, manteiga e queijo que fabricamos lá mesmo por nossa cozinheira. Ouvi meu marido perguntar a cozinheira se era ele o peão novo e ela respondeu que sim, se referindo a ele como Alberto. Durante o café ele se manteve quieto, cabeça semi-baixa, com um chapéu amassado na cabeça, só olhando bem dava de observar seu rosto que nem era tão bonito, pois tinha os detalhes grosseiros, como a barba pra fazer, sobrancelhas grossas, olhos escuros com olhar meio desconfiado. Rosto bem bronzeado de sol do trabalho diário. Mal olhou para mim, que já estava tendo que disfarçar que aquele homem tinha me chamado muito a atenção, nem tanto pela beleza, mais pela presença, charme, sei lá, não sei explicar. Ele tinha jeito daqueles tipos de homem que te pegam de jeito...rs. Bem, os dias foram se passando e tudo continuava na mesma, eu tentando disfarçar as muitas vezes que involuntariamente eu o observava. Ele por sua vez, as vezes me olhava com o canto dos olhos com olhar baixo, como se me reparasse, e percebesse que eu o notara. Sete dias tinhas se passado e eu já estava pensando naquele homem o dia todo, com desejos eróticos e tudo mais. Contos Imor(t)ais - O SELEIRO DA FAZENDA – 121 -


Meu marido estava muito cansado e estressado com aquela rotina, e desde que chegamos na fazenda nao me procurava para fazer amor. Ele tem 44 anos, meio gordinho, e pouco carinhoso. Nesse dia, sete dias depois, numa segunda feira pedi a meu marido que me deixasse ir até a cidade pois precisava comprar algumas coisas para a cozinha e ele pediu para que um funcionário me levasse e eu rezei para que fosse o Alberto...mas nada! Fui na cidade com outro funcionário, aproveitei para fazer minhas unhas e depilar a virilha, mandei que a depiladora tirasse tudo pq eu já estava intencionada a dar trabalho para o meu marido nessa noite pois já estava subindo pelas paredes. Chegamos na fazenda já a noitinha e só comi um pedaço de queijo e fui para o quarto esperar meu marido. Tomei banho e esperei na cama pelada embaixo do lençol. Ele tomou banho e foi se deitar comigo e nem notou que eu estava sem roupa. Ligou a tv e eu não me contive pq já estava louca, e qria foder com ele imaginando aquele peão, e então peguei uma de suas maos e coloquei na minha vagina já molhada de tanto tesão, toda depilada... E ele tirou a mão, disse que estava "morto" de cansaço e precisava dormir pq no dia seguinte teria que levantar as 4:30. Afff... que decepção. Eu nem sou tão ligada a sexo, mas eu estava muiiiiito necessitada. Aquele homem (peão) não saia da minha cabeça e eu só pensava pornografia nesses dias. No dia seguinte começei a perder a vergonha e encarar o Alberto, pedia para ele me ajudar a fazer uma coisa ou outra e sempre o provocava fazendo algum gesto sensual mas ele sempre fugia. Já no décimo dia, eu estava deitada, meu marido saiu de trator logo cedo e eu fui me deitar depois do café pois estava com um pouco de dor de cabeça. Depois de algum tempo ouvi um chamado, era a voz do Alberto, que gritava: Dona Laura, Dona Laura... Imaginei que meu marido tivesse o mandado para me chamar para alguma coisa, pois era costume fazer isso… Meu marido não conseguia me deixar deitada pois detestava mulher preguiçosa e me enchia de funções. Nisso, mesmo ouvindo os chamados dele continuei deitada e resolvi apelar; deixei a porta do meu quarto semi-aberta, me deitei de costas para a porta, levantei a camisola de modo que meu bumbum Contos Imor(t)ais - O SELEIRO DA FAZENDA – 122 -


ficou a mostra, com uma calçinha branca que fiz questão de enfiar no meio do bum bum... Notei que ele entrou na casa e ficou na porta do meu quarto, em silêncio. Fingi que continuava dormindo, e depois de alguns minutos percebi que ele saiu para fora novamente e começou a bater na porta para disfarçar que nao tinha visto nada. Dessa vez que respondi e pedi que entrasse. Ele entrou de cabeça baixa e disse que meu marido estava me chamando no curral. Eu estava com uma camisola bem fininha bege, marcando os biquinhos do meus seios arrepiados, e minha vagina já estava latejando de tanto tesão por aquele homem. Nisso ele foi saindo e pegando o cavalo dele, e eu o chamei, pedindo para que selasse um cavalo para mim também, ele se dirigindo a selaria que ficava entre a sede e a cantina. Eu nesse momento não me contive e fui atrás dele. Entrei no seleiro e ele estava abaixado pegando algo no chão e eu fiquei em pé, sem saber o que dizer, de camisola feito uma estátua... Quando ele olhou para trás, ficou em pé e veio até a mim, eu fiquei apavorada, mas ele se desviou de mim e foi até a porta e a fechou. Sem dizer uma palavra puxou meu braço com força e me empurrou em cima de uma mesa velha que ficavam algumas ferramentas. Puxou meu cabelo todo com uma só pegada e inclinando meu pescoço para trás começou e me beijar loucamente, passando pouco pelos lábios e parando na nuca e queixo. Ele me beijava e lambia com uma força que mais parecia um animal no cio. Eu nem tive chance de retribuir a nada pq ele era forte e eu mal conseguia me mexer, então desceu as alças da camisola, uma de cada vez, dirigindo sua enorme boca até meus seios chupando-o fortemente. Nossa, eu estava louca. Sentia um pouco de dor por que ele fazia tudo com um pouco de brutalidade, mas ao mesmo tempo era tanto tesão que minha pernas tremiam sem tocar o chão pq a mesa era um pouco alta. Ele chupou meus seios por algum tempo, acho que era desejo contido, em um momento segurou os dois seios com as maos como se quisesse juntá-los e chupando com movimentos de vai e vem frenético. Eu somente me segurava na mesa como podia. Ele entao descendo a cebeça passou pela minha barriga, desta vez erguendo a camisola e foi parar Contos Imor(t)ais - O SELEIRO DA FAZENDA – 123 -


na minha buceta. Começou a lamber a parte interna das minhas coxas e a entrada da minha boceta por cima da calçinha e aquilo estava me matando de tanto desejo. Eu já estava louca, e segurei com as duas maos a cabeça dele, tentando puxar aquele cabelo de corte baixo, meio amassado pelo uso do chapéu que caíra logo no primeiro beijo. Ele então afastou minha calçinha para um lado e iniciou uma lambida bem devagar, começando pela parte mais baixa perto do anus e subindo até o meu clitóris. Que boca quente! Começou a alternar entre chupadas e lambidas acelerando as chupadas e sugando com força dos lábios e clitóris, como se quisesse engolir minha buceta toda de uma vez... E eu não me contive e gozei feito uma cadela na boca dele, me contorcendo toda e soltando um verdadeiro uivo meio contido. Ele ainda ficou ali alguns minutos e ainda sem dizer uma palavra me puxou novamente pelo braço pra eu descesse da mesa e quando eu fiquei em pé ele me virou de costas e eu pensei que já fosse me comer, mas ele empurrou minha cabeça para baixo, eu segurei na parede abaixada, com a bunda mais elevada e ele segurando na minha coxa continuou a me chupar feito um louco, desta vez na entrada do canal da vagina e o anus que eram as partes que a posição permitia, e ele segurava minhas coxas com uma força que as vezes tirava meus és do chão, e eu pensava que fosse desequilibrar e cair. Mas eu estava alucinada. E tentava me equilibrar de toda forma para não atrapalhar aquele momento. Parecíamos dois cães, ele estava feito um cachorro que sentia o cheiro do meu cio e queria me engolir inteira. Eu continuava naquela posição, meio de quatro, meio em pé, quando ele me virou de frente e foi descendo um pouco da calça jeans, deixando somente o pau de fora, tão duro que estava em posição vertical, tocando o umbigo. Nossa, quando eu vi aquele cassete lindo, tamanho normal para grande, com a cabeça vermelha e bem arredondada, estava até brilhosa me chamando. Eu nem esperei ele me guiar e já caí de boca... Comecei chupando seu saco, mas a calca ainda atrapalhava e eu mesmo assim enfiava minha língua onde alcançava apertando a bunda dele com minhas duas mãos, como se abraçasse e pressionasse aquela região na minha cara, na minha boca. Nisso comecei a chupar o pau dele, tentava fazer devagar, mas eu estava muito louca e logo acelerava, tentando engolir tudo, quando ele segurou na minha cabeça e iniciou um movimento de vai e vem, empurrando todo aquele cassete na minha boca de forma que sentia entrar na minha garganta.

Contos Imor(t)ais - O SELEIRO DA FAZENDA – 124 -


Ele continuava sem dizer uma palavra, somente ofegante a todo tempo, com a respiração bem alta, soltando mais ar pela boca do que respirando e aquilo me deixava ainda mais louca. Cheguei a pensar que ele fosse gozar na minha boca, queria que aquilo não terminasse nunca, mas quando ainda estava o chupando ouvi um barulho de trator (poderia ser meu marido) e cruzamos nossos olhares nesse momento como se nos comunicássemos questionando-nos sobre o que fazer, parar ou não. Eu no ápice da minha loucura ainda não estava satisfeita e precisava sentir aquele pau dentro de mim, mesmo com todos os riscos de sermos pegos ali. E como um sinal de?Não para? continuei a chupá-lo, quando enfim, me virou de costas sobre a mesa e segurando forte na minha cintura com as duas mãos meteu o pau na minha buceta de uma vez só, bombando rápido feito um louco, gemendo baixo e me puxando pela cintura com um braço só, como se quisesse entrar dentro de mim… Gozei de novo, tão intensamente que senti meu corpo todo flutuar e tontear. Ele percebeu e puxou minha cabeça pelos cabelos, de forma que meu pescoço chegou na boca dele e ainda bombando forte chupava minha nunca, minha orelha e minhas costas... Pensei que fosse me engolir... Quando deu uma parada, me soltou e tirou o pau da minha boceta, quando senti aquele liquido quente nas minhas costas, ele gozou pra fora. Eu senti meu corpo cair em cima daquela mesa velha, exausta e amolecida de tantas sensações inéditas e intensas. Olhei de lado, procurando algo para me limpar, e não encontrei nada, resolvi tirar a calcinha que ainda estava vestida, embolada do lado direito da minha virilha, e quando levantei e me virei para o Alberto, só vi a porta se fechando. Ele saiu sem me dizer uma palavra. Eu me limpei e sai com a calcinha na mão, ensopada de porra. Fui para meu quarto como se nada tivesse acontecido. Tomei banho e dormi ainda atônita com o que havia me acontecido. Depois disso só vi o Alberto durando o café nos 2 próximos dias e ele continuou indiferente. Voltamos para a cidade e eu ainda não fui para a fazenda depois disso. Na verdade tenho evitado pois estou com receio de encará-lo novamente. Mas na semana que vem será inevitável. Vamos ver como tudo ira transcorrer. Contos Imor(t)ais - O SELEIRO DA FAZENDA – 125 -


UMA VEZ... Olá amores, meu nome Adriana mas todos me chamam de Drica, tenho 28 anos, 1,60m e um corpo bem bacana, com a bundinha empinada e seios grandinhos, além disto, sou loirinha natural e com a pele bem branquinha e toda rosadinha (bucetinha e mamilos). Minha história começa a 10 anos atrás quando eu tinha somente 18 aninhos e morava no interior... Eu até então era uma menina virgem e pura, pois meus pais me deram uma educação bem religiosa. Certo dia mudou-se para a casa ao lado da nossa o Seu Tadeu, na época com uns 50 e poucos anos... Tinha vindo para a nossa cidade para trabalhar numa empresa grande de laticínios... Ele era da capital e veio sozinho, não falava se tinha familia nem nada e ainda desviava do assunto se perguntassem a ele sobre este assunto. Não demorou e o Seu Tadeu fez amizade com meus pais e começou a frequentar nossa casa... Depois de uns 3 meses que ele havia se mudado ele certo dia pediu para meus pais para que eu o ajudasse com umas tarefas domésticas... Meus pais claro, concordaram... Acontece que Seu Tadeu estava mal intencionado e neste dia me seduziu... Me fez elogios quanto a minha beleza e eu como era inocente na época, caí direitinho... Ele tirou meu cabaço com muito carinho... Eu voltei pra casa aquele dia apaixonada pelo coroa... Acontece que ele tinha outros planos para mim... Conforme o tempo ia passando, ele ia me mostrando coisas novas em relação ao sexo... Depois de um mês, eu já era uma putinha na cama... Rebolava na pica dele... Ficava de 4 e levava vara no rabinho... Uma delícia. Porém, Seu Tadeu queria ainda mais e certo dia disse que agora que eu sabia fazer de tudo na cama, ele me ensinaria uma nova forma de prazer... Ele me disse que eu seria sua cadelinha e aos poucos foi me treinando... Aos poucos fui acostumada a usar coleira, plug anal e a sentir dor... Além do mais importante, ter respeito por meu mestre Seu Tadeu...

Contos Imor(t)ais - UMA VEZ... – 126 -


Eu nunca deveria respondê-lo sem autorização e devia esperá-lo sempre empinada de 4 como uma verdadeira cadelinha... Entrei num mundo onde o prazer era extremo e eu gozava diversas vezes sendo fudida e adestrada por meu mestre... As vezes íamos a eventos em cidades vizinhas onde os mestres desfilavam suas cadelinhas obedientes, sempre com um plug no rabo e uma coleira com guia... Meus pais nunca desconfiavam e deixavam eu viajar com meu mestre Tadeu. Depois de 1 ano sendo cadelinha do Seu Tadeu recebi uma notícia que me arrasou... Meu mestre havia sido transferido de volta a capital pela empresa. Fiquei sem chão, não sabia mais como fazer para me satisfazer... No início até tentei encontrar outro mestre que me fudesse como uma putinha, mas tinha vergonha de pedir que meus namoradinhos me tratassem assim... Então não tardou e fui para uma faculdade de uma cidade vizinha fazer enfermagem. Me formei e comecei a trabalhar na cidade... A 2 anos atrás conheci o Daniel, um jovem bonito, nos apaixonamos e começamos a namorar... Ele era muito carinhoso comigo e faziamos um sexo delicioso apaixonado... A 6 meses decidimos nos casar... Marcamos a data e tal e o Daniel disse que seu pai queria conhecer a noiva dele e estava nos convidando para visitar-mos em sua casa na capital e passarmos um final de semana... O Daniel perguntou se eu estava afim de ir, pois não era muito próximo do seu pai, que havia sido ausente durante sua infância... Eu falei que ele já era adulto e deveria superar essas coisas e pelo menos deixar seu pai tentar aproximar-se dele. Então 1 mês antes do casamento lá fomos nós visitar o velho. Chegamos na capital e fomos até a casa do meu sogro. Ao chegarmos fiquei surpresa, a casa era grande e bonita, além de ser em um ótimo bairro. Tocamos a campainha e ele veio abrir a porta para nós... Quando ele abriu a porta, para minha surpresa, o meu sogro era o Seu Tadeu, meu antigo mestre. Fiquei sem reação na hora... Ele me cumprimentou como se nunca tivessemos nos conhecidos e disse “Vamos entrando”. No caminho pelo jardim até entrarmos na casa, me passou um filme pela cabeça, lembrei de como aquele homem me deu prazer e fiquei com a xoxota molhadinha, empapando minha calcinha na hora, fiquei até com as pernas bambas. Jantamos e começamos a beber vinho e tal. Certa altura meu marido foi ao banheiro... Então o Seu Tadeu veio até mim e aproveitou-se que eu estava de vestidinho e colocou a mão por Contos Imor(t)ais - UMA VEZ... – 127 -


cima da minha calcinha... Porém, na hora me veio uma sanidade, tirei a mão dele do meio das minhas pernas e disse pra ele – Seu Tadeu, eu não sou mais aquela jovem que vc conheceu, já se passaram 10 anos, respeite seu filho... E eu mudei!... Ele me pegou pelos cabelos e disse – A quem vc acha que engana? Vc é e sempre será minha cadelinha! Agora ajoelha e chupa meu cacete! Me forçou para baixo... Eu acabei ficando novamente com muito tesão e cedi... Ele colocou a pica deliciosa dele para fora e eu comecei a mamar nela... Ele então me disse “Tira meu leitinho e bebe tudinho rápido, antes que seu noivo, aquele mimadinho volte”... Eu chupei como uma louca e bebi todo o leitinho como ele ordenou... Nos recompussemos e não demorou o Daniel voltou... Fingimos que nada havia ocorrido... Seu Tadeu estava tratando muito bem o Daniel e os dois bebendo bastante vinho... Até que o Daniel bem alcoolizado disse que iriam dormir e perguntou se eu iria ir junto... Eu disse que ia ajudar Seu Tadeu a arrumar as coisas. Ele foi dormir e praticamente desmaiou, não estava acostumado a beber tanto. Seu Tadeu aproveitou e me pegou pelo braço e disse – Vc vem comigo! Que vamos tratar de te colocar no teu lugar! Eu fui e nem tentei impedi-lo, eu estava morrendo de tesão e não acreditava que aquele homem 10 anos depois, eu agora com 28 anos e ele com uns 60 e poucos, estava me dominando novamente. Ele chegou no quarto e me despiu todinha, me deixando peladinha... Fez eu ficar de 4 na cama e mandou empinar bem o rabo... Ficou alguns instantes atrás de mim admirando a visão do meu rabo exposto... Mas em seguida deu um tapa forte na minha bunda e disse – Vc foi a melhor cadelinha que tive... – Quero fuder muito esse teu rabinho pra matar a saudade!” Foi enfiando a pica no meu cuzinho... Eu me senti rasgada com aquela vara, mas depois de alguns minutos já estava rebolando nela que nem a putinha que sou. Ele depois de alguns minutos vendo que eu estava prestes a gozar, tirou a pica do meu rabo, me pegou pelos cabelos e disse – A minha cadelinha lembra do que tem que dizer? Contos Imor(t)ais - UMA VEZ... – 128 -


eu disse – Sim mestre E fui dizendo – Por favor mestre, deixa sua cadelinha gozar!” Ele então enfiou de novo a pica no meu cú e começou a bombar forte, desta vez com uma mão puxava meu cabelo e com a outra me dava tapas na bunda (que a esta altura já estava vermelha e ardida) e dizia –Deixo sim minha cadelinha... Goza com meu caralho no teu rabinho!” E gozou dentro do meu rabo... Tirou a pica e escorreu toda porra pelas minhas pernas, uma delícia aquele leitinho quente no meu rabinho. Fui para o quarto e dormi ao lado do Daniel, toda fodida e satisfeita. No outro dia tudo ocorreu normalmente e a noite Seu Tadeu foi despedir-se de nós e disse para o Daniel – Muito simpática a Drica, sinto que nos daremos muito bem! Ao despedir-se de mim falou no meu ouvido – Tchau cadelinha, muito bom te reencontrar... Teu rabo me pertence e ainda quero foder muito ele!. Voltamos para nossa cidade e tudo ia normalmente... O Daniel convidou o Seu Tadeu para o casamento, mas ele não havia confirmado a presença. Faltando uma semana pro casamento... Estavamos numa correria imensa com os preparativos e o Seu Tadeu chega de surpresa na nossa casa, avisando que veio pro casamento e para ajudar com os preparativos... Eu fiquei encharcada quando o vi, pois sabia as reais intensões dele nessa semana anterior ao casamento. No primeiro dia, tudo normal dormimos no nosso quarto e Seu Tadeu no quarto de hóspedes... Pela manhã acordei como sempre antes do Daniel (nesta semana eu estava de folga para o casamento) e fui até a cozinha preparar o café do meu amor, quando estava quase terminando... Chega seu Tadeu e já vai me encoxando (eu ainda tava de babydoll) e me agarrando... Me arrastou para trás dentro da cozinha, que tem um vão até onde fica a mesa... E abaixou a cueca e mandou eu mamar a rola dele, eu disse que era perigoso... Mas ele disse que cadela não tinha querer... Então obedeci e comecei a chupar a pica dele... Então escutei os passos do Daniel vindo em direção a cozinha, tentei me levantar... Contos Imor(t)ais - UMA VEZ... – 129 -


Mas meu mestre me segurou abaixada... O Daniel chegou na mesa e viu o café pronto e Seu Tadeu na cozinha (visto atraves do vão) e perguntou – Cadê a Drica? e o Tadeu respondeu – Ela pediu pra te avisar que tinha um compromisso na igreja agora cedo, te preparou o café e saiu... – Vc acertou com ela hein?! Ela gosta muito de vc!” Que velho escroto, estava zoando do Daniel... Enquanto a futura esposa dele chupava-lhe a pica que nem uma vadia... O Daniel tomou café rápido, pois estava atrasado e foi trabalhar... O Seu Tadeu esperou ele sair, me levantou do chão e me levou para a mesa... Me colocou de mãos apoiadas nela e levantou meu babydoll, pegou a margarina e lambuzou meu cuzinho... E meteu a vara.... Estocava forte... Eu rebolava na pica dele que nem uma louca... Até que ele tirou a pau da minha bunda, pegou uma fatia de pão e gozou nela… Jogou no chão e disse “Vai cadelinha, toma seu café da manhã e não deixa o chão sujo!”. Comi como uma cadela de 4, direto do piso. Depois tomei um banho e fui tratar dos preparativos do casamento. No restante do dia tudo correu normalmente, de noite após o jantar enquanto o Daniel foi no banheiro meu mestre veio até mim e disse – Te prepara para amanhã minha cadelinha... – Tenho uma surpresa especial para vc!”... Eu fiquei assustada, pois no dia seguinte tinha uma ultima reunião com o padre que faria o casamento na paróquia... E na emoção do momento tentei contrariar meu mestre... Ele ficou bravo com minha tentativa de contrariá-lo e ordenou – Abaixa a blusa e o sutiã! Obedeci... Ele beliscou cada mamilo com uma mão, eu tive vontade de gritar de dor, mas não o fiz por causa do Daniel... Meu mestre disse – Tá esquecida de que uma cadela não tem vontade própria, deve obedecer seu mestre? E eu respondi Contos Imor(t)ais - UMA VEZ... – 130 -


– Desculpa senhor, me puna como achar melhor!... Ele ficou satisfeito e soltou meus mamilos e disse – Muito bem cadelinha, amanhã terá sua punição pela insolência!. Me recompus e o Daniel logo voltou, o resto da noite correu normalmente. No dia seguinte depois de o Daniel ir trabalhar o meu mestre Tadeu me aprontou como fazia antigamente quando íamos a encontro de mestres e cadelas... Colocou um plug no meu cú, prendedores nos meus mamilos e uma coleira com guia. Vesti além disto um sobretudo e um sapato de salto. Ele então chamou um taxi e fomos ao encontro da surpresa. Chegamos a uma casa antiga e grande, como de costume nesses encontros... Batemos na porta, fomos recebidos no hall pela anfitriã, que recolheu meu sobretudo. Seu Tadeu mandou eu ajoelhar e adentrou no salão me levando pela guia como uma cadela, andando de 4... Como de costume nesses encontros, estava cheio de velhos com cara de mal com suas cadelas… Normalmente os donos das cadelas conversam entre si e trocam duas vadias... Mas notei que Seu Tadeu estava esperando alguem em especial... Estavamos esperando, ele sentado no bar bebendo um Whisky e eu abaixo do seus pés de 4. Até que ele recebeu uma ligação e eu escutei ele conversando e dizendo – Ah, vcs estão chegando?! Então vou levando ela pro quarto!” Desligou e puxou-me pela coleira e disse – Vêm cadelinha, que a surpresa está chegando!... Chegamos no quarto reservado e ele sentou na cama pelado com o cacete duro e mandou eu mamar nele... Eu fiquei de 4 com o rabo empinado e exposto a quem chegasse na porta. Depois de uns 5 min chupando a pica, alguem bateu na porta... Ele mandou entrar... Tirei a pica da minha boca e virei pra ver quem era... Quase desmaiei de susto... Era o padre que faria o meu casamento... Com a secretaria da paróquia, que era uma morena jovem (uns 19 anos) muito bonita, com cabelos cacheados, que até então parecia para mim uma moça inocente...

Contos Imor(t)ais - UMA VEZ... – 131 -


Toda pelada e andando de 4 como uma cadela também, mas só com a coleira. Meu mestre disse – Viu cadelinha como sou bom para vc? Não ía deixar vc perder esse ultimo encontro com o padre Fiquei sem palavras... O padre era gordinho e devia ter uns 50 poucos anos. Ele chegou ao meu lado, me agarrou pelos cabelos, deu 3 tapas no meu rabo empinado, muito fortes e violentos... E disse – Adoro uma cadela branquinha! Desde que vc apareceu na igreja eu quis foder vc!... Meu mestre me puxou pela coleira e disse – Minha cadelinha, hj vc será do padre Adelino E entregou para ele a guia da coleira... O Padre entregou-o em troca a morena da paróquia... O padre me levou para o quarto ao lado... Tirou a roupa, me jogou com violência na cama e ordenou – Chupa meu cacete, sua vadia E ficou em pé ao lado da cama... Eu na cama chupando a pica dele... Ele era muito violento, curvava-se enquanto eu chupava para bater na minha bunda, que estava toda vermelha, quase roxa em algumas partes e com os dedos dele marcados... Eu tentava segurar as mão deles quando via que vinha mais um tapa... Mas ele tirava minha mãos e dava o tapa mais forte ainda, então desisti e deixei ele bater livremente... Depois de um tempo assim, ele mandou eu cavalgar na pica dele... Eu obediente fiz... Sentei e quiquei na vara dele gostoso... Depois ele mandou eu ficar de 4 e enfiou o cacete no meu rabo, que estava alargado já , por causa do plug... Me comeu por 1h mais ou menos, sempre revezando em socar no meu rabo e na minha xaninha... Eu gozei que nem um alouca umas três vezes... Contos Imor(t)ais - UMA VEZ... – 132 -


Depois ele gozou na minha boquinha e fez eu beber tudinho... E antes de me devolver ao meu dono me disse – Vc é uma cadela de respeito... Um dos melhores rabinhos que já comi, seu mestre tá de parabéns… Te treinou direitinho! E me entregou pro Seu Tadeu que estava com cara de satisfeito por foder a moreninha vadia do padre. Voltamos para casa e o Seu Tadeu ainda comeu meu rabinho umas duas vezes antes do Daniel chegar. Nos outros dias não aconteceu nada muito diferente, Seu Tadeu sempre que podia comia meu cuzinho e me dava seu leitinho... No dia do casamento, enquanto eu me arrumava para ir a igreja, ele veio até o quarto e fez eu mamar a pica dele e beber seu leite quentinho... Me fez ainda vestir uma calcinha especial, que eu ficava com um dildo na buceta e outro no rabo. Durante e cerimônia, o padre ao celebrar o casamento sempre me dava umas olhadas sacanas... E eu lembrava dele me espancando o rabo... E ficava excitada... Mas nada demais aconteceu durante o casamento... Na festa antes de sairmos pra embarcar para a lua de mel, Seu Tadeu veio até nós e disse que tinha uma notícia para nos dar... Fiquei curiosa para saber o que ele estava aprontando... Ele disse-nos que iria mudar-se para nossa cidade, pq queria ficar mais perto do seu filho e os dois abraçaram-se... Eu fiquei chocada, pois o velho tava enganado o Daniel, ele queria mesmo era ficar perto da cadelinha dele... Eu fiquei muito feliz, pois sabia que quando voltasse da lua de mel, ia passar a ser tratada como a puta que sou em tempo integral. Fiquei até com a calcinha enxarcada de pensar que não ia mais perder de vista meu mestre gostoso. E assim será minha vida daqui para frente, sempre com o cú preenchido pelo cacete do meu mestre e a boquinha cheia de porra dele!

Contos Imor(t)ais - UMA VEZ... – 133 -


FERNANDA O PRIMEIRO Fernanda lentamente caminhou até o seu apartamento após mais um dia de trabalho puxado, onde ela teve que servir mesas em uma lanchonete. Era quase meia-noite, mas a porta do Sr. Luiz estava aberta. Alem de morar em frente ao seu apartamento ele também era o proprietário do apartamento onde Fernanda estava morando de aluguel, além de ser dono de alguns outros apartamentos no prédio. Ela pode ouvir os barulhos da televisão, no que parecia ser algum filme de guerra ou de ação. Ela tentou caminhar silenciosamente e esgueirar-se pela porta, mas ele a viu e correu para fora para interceptá-la. "Onde está o dinheiro do aluguel deste mês?" ele disse, enquanto caminhava em sua direção. Fernanda era bem tímida e geralmente não olhava nos olhos das pessoas enquanto conversava com elas. Ela olhou para baixo e notou que ele estava segurando uma revista adulta. Rapidamente ela desviou o olhar e pegou aquele homem olhando diretamente para seus seios grandes, escondidos por aquela blusa branca, e um sutiã preto. Ela odiava ser cobiçada dessa forma, mas essa não era nem a primeira nem a última vez, que alguém olhava para os seus seios. Embora ela se irritasse, com o tempo, ela acabou aceitando. "Me desculpe Sr. Luiz. Eu não recebi o dinheiro ainda, por favor me dê mais tempo", ela implorou. "Eu vou lhe dar só mais uma semana.", ele respondeu, enquanto olhava o corpo dela de cima a baixo, desde as suas pernas até seus belos cabelos loiros, presos em um rabo de cavalo. "Uma semana e então eu vou começar a procurar um inquilino que pague em dia." Ele enrugou o nariz para ela com desgosto e, em seguida, se virou, caminhando de volta ao seu apartamento. Frustrada, Fernanda caminhou até o seu apartamento, fechando a porta atrás dela. Ela tinha apenas 19 anos e tinha acabado de começar na faculdade. Ela se lembrava do ensino médio, das suas amizades. Mesmo sendo tímida, ela tinha um bom número de amigas, e até tinha arrumado um namorado no seu último ano. Marcos, um cara alto, de boa aparência, e bem carinhoso com ela. Eles namoraram meses até que ela finalmente se entregou a ele por completo, tendo sua primeira vez com ele. Parecia um conto de fadas, mas depois de eles transaram as coisas meio que foram esfriando. Marcos já não era tão romântico, e nem chamava mais ela pra sair direito. Tudo o que ele queria fazer era beber cerveja com os amigos, e quando eles passavam algum tempo juntos, ele sempre queria fazer sexo com ela. O que durava apenas alguns minutos. Ela não entendia como as pessoas podiam ser tão viciadas em sexo, já que ela não sentia quase nenhum prazer em fazê-lo. Era quase como uma obrigação, ou algo que a fizesse ter a atenção de Marcos mesmo que fosse por poucos minutos. Contos Imor(t)ais - FERNANDA – 134 -


Fernanda desfez o rabo de cavalo, e deixou seus longos cabelos loiros caírem sobre seus ombros. Em seguida ela tirou o uniforme que cheirava a comida e se dirigiu ao chuveiro. Ela estava preocupada com sua situação financeira, e estava com medo de ser despejada daquele apartamento. Ela tinha feito um contrato de seis meses com o proprietário, mas como ela nunca conseguia pagar em dia, ele não quis renovar. Tudo que eles tinham era um acordo verbal, e pela terceira vez no mês, ela tinha atrasado o pagamento. Isso tudo era culpa do seu chefe, que sempre mudava as datas de pagamento, e ela por ser tímida não conseguia ficar cobrando toda hora a ele. Nua, Fernanda olhou-se no espelho. Uma menina com auto-estima elevada normalmente estaria orgulhosa do corpo seu corpo, mas Fernanda tinha vergonha do dela. Ela achava seus grandes demais para seu corpo magro. Ela se lembrava sempre de uma garota na escola que havia espalhado um boato de que ela havia posto silicone. Ela também odiava seus mamilos. Seus mamilos eram tão grandes, que dava a impressão de que eles estavam sempre eretos. Ela nunca podia sair sem um sutiã, caso contrario, ela se tornaria o centro das atenções, com seus mamilos apontando. Embora Marcos gostasse bastante dos seus seios, ela simplesmente odiava cada parte deles. Fernanda entrou no chuveiro, ainda pensando em como ela conseguiria pagar o apartamento. Ela não tinha mais nenhum dinheiro no banco, e o seu chefe já havia mudado tanto a data de pagamento, que ela só receberia em 10 dias, isso se ele pagasse no dia certo, o que quase nunca acontecia. Ela queria se demitir, mais isso só pioraria ainda mais as coisas, já que ela não tinha nenhum outro emprego meio período, e ela precisavam trabalhar e ir à faculdade. Ela também não tinha cara de pedir dinheiro aos seus pais, eles já haviam comprado um carro pra ela, e mesmo sem ter uma grande condição financeira, se esforçavam pra pagar uma boa faculdade pra ela. Ela não sabia o que fazer. Alguns dias se passaram e seu carro quebrou. Era a parte ruim de ter que dirigir um carro usado. Ela tinha algum dinheiro que ela guardava das gorjetas e isso foi suficiente pra pagar 50% do concerto, embora ela não soubesse como arrumaria a outra metade quando precisasse pegar o carro. Sabendo que teria que arrumar dinheiro e rápido, ela começou a pegar horas extras na lanchonete e trabalhar lá pela manhã. Isso pelo menos lhe rendia algumas gorjetas, embora não fosse muito. O problema era o cansaço. A faculdade pela tarde, e o trabalho pela manhã e pela noite. Ela não tinha tempo de estudar, nem de se divertir, pois já chegava exausta e tinha que acordar cedo no outro dia. E sem o carro pra se locomover, ela tinha que andar de ônibus, o que fazia tudo ser ainda mais desgastante. Após mais um dia exaustivo, ela tentou entrar no seu apartamento sem ser notada, mas o Sr. Luiz parecia estar esperando por ela, e antes que ela pudesse entrar no seu apartamento, ele surgiu atrás dela. "Fernanda, você é uma parasita", ele disse, "e caso eu não receba o meu dinheiro, você vai se tornar uma parasita sem-teto." Contos Imor(t)ais - FERNANDA – 135 -


“Me desculpe Sr. Luiz", Fernanda disse, já ensaiando um choro, "o meu patrão não me pagou ainda, mas eu falei com ele hoje. Ele me disse que o pagamento vai sair na próxima semana. O senhor não poderia esperar?" Fernanda sentiu um arrepio viajar até sua espinha quando ela observou ele lamber os lábios, encarando seu corpo de cima a baixo. "Eu sei uma forma de isso funcionar para nós dois", disse ele nervosamente, "Eu poderia estar disposto a esperar e até mesmo esquecer o pagamento desse mês, se você me pagar um boquete.”. Fernanda quase se engasgou, quando ouviu ele falar aquelas palavras a ela. Nunca ninguém havia falado com ela dessa forma. Ela nunca iria colocar o pênis de um homem em sua boca, nem mesmo o de Marcos e, especialmente o daquele velho assustador. Luiz era um baixinho, magro, e quase careca. Sob sua camisa desabotoada, seu peito era coberto por cabelos cinzas grisalhos. Ele era simplesmente um dos homens mais repugnantes que ela já tinha visto. Luiz pode notar que ela não gostou nem um pouco da idéia embora ela não houvesse falado nada. "Eu vou te dar hoje à noite para pensar sobre isso. Venha até o meu apartamento amanhã às 8 horas e traga ou o dinheiro ou sua boca, do contrário suas coisas estarão na rua até o final do dia.” Ele deu uma última olhada no corpo de Fernanda. Naquelas pernas, e naqueles seios, quase babando ao apreciar aquele belo corpo. Em seguida ele entrou no seu apartamento. Fernanda teve problemas para dormir naquela noite. Marcos queria vir até o apartamento, provavelmente pra transar com ela, mas ela falou que não estava se sentindo bem. Ela ficou pensando, tentando arrumar uma saída pra aquela situação. Seus pais moravam em outro bairro, e ela não queria voltar a morar com eles e dar mais gasto e trabalho pra eles, que já lutavam pra pagar a sua faculdade e a escola da sua irmã. Ela não conhecia quase ninguém nesse bairro, e ninguém aceitaria abrigar uma pessoa assim da noite pro dia. Ela pensou em pedir ajuda a Marcos, mas ele morava com os pais, e a mãe de Marcos não gostava dela, muito pelo fato do pai dele sempre ficar olhando pro corpo dela cada vez que ela ia lá. Ela começou a considerar aquela hipótese. Ficar um mês sem pagar aluguel era tudo que ela precisava para ajustar suas contas em dia, e guardar algum dinheiro para se possível até procurar um novo lugar para morar. Fernanda imaginou por um instante como seria ter que chupar um pau. Ela imaginou o pênis de Marcos. O pau dele não era grosso e tinha por volta de 14 centímetros ereto. Não era grande e não seria tão difícil de colocar na boca. Além disso, ele não demora mais do que alguns minutos pra gozar, então isso não levaria tanto tempo. Foi projetando Marcos na sua mente, que ela imaginou como seria fazer aquilo em Luiz. Ela praticamente não dormiu durante a noite e mudou de idéia algumas vezes antes de finalmente se Contos Imor(t)ais - FERNANDA – 136 -


decidir. Ela ligou para a lanchonete e avisou ao seu chefe que não iria pela manhã. Em seguida Fernanda tomou um banho e se vestiu, colocando uma calça e uma blusa bem conservadora. Ela achava que tudo aquilo iria acabar em alguns minutos e assim ela caminhou até o apartamento da frente. Ela demorou alguns segundos em frente à porta do Sr. Luiz ainda tomando a dosem de coragem necessária pra realizar aquele ato. Finalmente, Fernanda ergueu o punho, batendo de leve na porta, quase desejando que ele não fosse ouvi-la bater. Mas quase que imediatamente a porta se abriu. Era quase como se ele estivesse esperando do outro lado. Ele estava usando um roupão amarrado na sua cintura. A área em torno de sua virilha se destaca obscenamente e ela se perguntou o que ele tinha enfiado sob o roupão para parecer daquele jeito “Bem, você trouxe o seu dinheiro ou sua boca?" ele perguntou olhando pra ela. Fernanda apenas manteve a cabeça para baixo e sussurrou: "Minha boca." Os olhos de Luiz se iluminaram em emoção. Ele se afastou e ela entrou em seu apartamento. O lugar era bagunçado, com roupas sujas espalhadas pelo chão e pratos sujos empilhados na pia. Várias revistas estavam espalhadas sobre as mesas, à maioria delas eram adultas. Fernanda ficou surpresa ao ver que na maioria delas, havia garotas com seios grandes, como os dela. Luiz se sentou em uma cadeira e abriu as pernas. "Vamos vadia", ele disse, "você sabe o que fazer." "Não, eu não sei", Fernanda respondeu, um pouco chocada com a forma que ele estava falando com ela.. Luiz ficou surpreso. "Você quer dizer que você nunca chupou um cara antes?" "Não", ela respondeu ainda olhando para o chão, timidamente. "Eu sempre pensei que sexo oral era sujo e nojento." Luiz foi um pouco decepcionado. Ele tinha pensado que uma gostosa daquelas provavelmente era uma especialista na arte dos boquetes. Ocorreu-lhe então que ele poderia ensiná-la da forma correta e isso poderia ser até mais prazeroso. Ele se animou vendo que ela era bem inexperiente e que ele poderia de alguma forma usar isso como uma vantagem no futuro. "Tudo bem. Então eu vou te dizer o que fazer. Ajoelhe-se entre as minhas pernas", ele ordenou. Os joelhos de Fernanda estavam tremendo e ela ficou aliviada ao ajoelhar-se. Ela olhou para ele esperando instruções. “Ok Fernanda," ele disse, "Veja como é simples. Você chupa o meu pau até que eu goze e você não vai ter que pagar o aluguel deste mês. Agora se você não conseguir me fazer gozar, não vai valer de nada. Entendeu?" Fernanda assentiu se perguntando por que ele havia dado ênfase naquilo. Se ele fosse igual a Marcos, ele provavelmente gozaria dentro de alguns minutos. "Só não faça na minha boca", ela falou, sem querer dizer a palavra goze, ou qualquer outra obscena. Contos Imor(t)ais - FERNANDA – 137 -


"Tudo bem", ele respondeu. "Agora desfaça o meu roupão e pegue meu pau." Ela estendeu a mão ainda trêmula e começou a desenrolar o cinto do roupão, abrindo ele, e revelando o peito e a barriga de Luiz. Ele era magro, e ela pensou que ele provavelmente era um rapaz bonito quando era mais jovem. Fernanda respirou fundo algumas vezes até finalmente decidir parar de frescuras e acabar logo com aquilo. Ela terminou de abrir o roupão, e quase tomou um susto quando aquela vara pulou pra cima dela, quase acertando seu queixo. Fernanda inclinou a cabeça para trás, e olhou pra aquela pica com admiração. Seu pênis era muito grande. Tinha que ter no mínimo 23 centímetros e era quase da grossura do seu pulso. Ela sabia que o pênis de Luiz poderia ser um pouco maior do que o de Marcos, mas não esperava essa diferença tão grande. Ela se assustou, e pensou em como conseguiria colocar aquilo tudo dentro da sua boca. Enquanto ela ainda encarava o pau do velho homem, ela ouviu a voz dele. "Aposto que você nunca viu uma pica tão grande como essas, certo?" ele perguntou, com um sorriso no rosto. Fernanda balançou a cabeça, ainda olhando para ele. Ela odiava ter que admitir, mas aquele pênis... Beirava a perfeição. Ela não achava justo que, Marcos um rapaz alto, forte e atlético tivesse um pênis fino e pequeno, enquanto esse velhote magro e careca ostentasse esse pênis grande e grosso. "Primeiro, putinha," ele ordenou: "Eu quero que você lamba a cabeça." Fernanda engoliu um seco e estendeu sua mão até o pênis do homem. Seus dedos se fecharam ao redor daquela vara e ela acariciou-o, ainda admirada com o tamanho dele. Aquele era apenas o segundo pênis que ela tinha visto na vida. Ela sentia aquela vara quente pulsando na sua mão. "Pare de babar e comece a lamber", Luiz disse já impaciente. Aquela frase tirou Fernanda do seu pequeno devaneio. Segurando a base daquele pênis ela percebeu que seus dedos quase não fechavam tal era à grossura daquele pênis. Ela levou sua cabeça pra frente e percebeu um pouco de pré-gozo começando a sair do pênis de Luiz. Ela aproximou a boca do pau do velho, e sentiu a cabeça do pênis dele tocar seus lábios. Ela timidamente começou a lamber a cabeça do pênis, saboreando meio que a contragosto o prégozo que vazava do pênis do velho. O velho começou a gemer enquanto Fernanda rodava sua língua ao redor da cabeça de seu pênis, provocando nele uma sensação única de prazer. "Isso safada!! Agora eu quero que você lamba ele todinho, de cima até em baixo." Fernanda pensou que aquilo não era tão ruim quanto ela havia imaginado, e obedecendo ao velho ela começou a fazer os movimentos com a língua para cima e para baixo naquele pênis. "Agora eu quero que você coloque minhas bolas na boca," ele mandou. Fernanda guiou seus lábios até as bolas cabeludas do velho. Enquanto, ela começava a lamber as Contos Imor(t)ais - FERNANDA – 138 -


bolas do velho, o pênis dele descansava em cima do seu rosto, o pré-gozo continuava a sair da cabeça do pênis de velho, e ela percebeu que um pouco caiu em seus cabelos loiros. Ela começou então a lamber as bolas do velho, em seguida colocando uma por vez dentro da sua boca pequena. "Chega", ele gritou: "Agora é hora de você começar a chupar de verdade, putinha." Fernanda guiou sua boca de volta até a vara do velho. Por um instante ela encarou aquele pênis ainda pensando em como conseguiria fazer para colocá-lo dentro da sua boca. Reunindo coragem ela, colocou seus lábios de volta na ponta e abriu a boca. Seus lábios se abriram e centímetro a centímetro aquele pênis ia deslizando para dentro da sua boca. A primeira parte foi à cabeça, e Fernanda meio que involuntariamente deu uma lambida de leve ao redor dela. Luiz amava o quão quente e úmida sua boca era. "Mais cadela", ele disse, querendo sentir todo o seu pênis dentro da boca da garota. Fernanda relaxou a mandíbula e começou a colocar mais daquele pênis para dentro da sua boca. Conforme ele foi entrando, ela sentiu a cabeça do pênis do velho encostar na sua garganta e se engasgou, tirando o pau da sua boca para recuperar o fôlego. "Você é um vagabunda inútil", disse Luiz. "Você pode muito bem desistir agora e começar a procurar um outro lugar para morar." Ela ficou horrorizada com aquela frase. Ele iria jogá-la na rua mesmo depois de tudo que ela havia feito até agora. Depois de ir tão longe naquilo ela não poderia arriscar. Imediatamente Fernanda recolocou o pênis do homem em sua boca e novamente tentou abrigá-lo entre seus lábios. Luiz queria gritar de felicidade, ao ver aquela bela jovem peituda lutando para colocar cada vez mais do seu pênis na sua boca. Ela alcançou a metade do caminho e começou a engasgar novamente. "Você é péssima nisso, Fernanda," ele disse. Ela olhou para ele com raiva, com um olhar de determinação em seu rosto. Ele adorou ver Fernanda olhando pra ele com seus pênis ainda na boca, isso o excitou ainda mais. Ela moveu a cabeça pra trás e em seguida começou a tentar engolir novamente aquele pau. Luiz disse: "Relaxe a sua garganta e apenas deixe-o deslizar para dentro." Fernanda não era uma parasita inútil e ela estava determinada a provar a este velho que ela conseguiria fazer aquilo. Não foi fácil, ela teve que recuperar o fôlego algumas vezes e teve que repetir o movimento várias vezes para sua garganta começar a relaxar e sua boca começar a se acostumar com aquele pênis. Ela tirava um pouco e em seguida forçava sua boca com força para abrigar cada vez mais daquele pau dentro da sua boca. Mais quanto mais ela insistia mais fácil ia ficando e ela percebia que de alguma forma aquele esforço estava funcionando, quando ela estava cada vez mais próxima de conseguir. No meio a isso, ela se sentia envergonhada com a forma como seu corpo estava respondendo a esse ato degradante. Seus mamilos semi-eretos estavam esfregando contra o seu sutiã e ela podia sentir a umidade em sua calcinha. Seu corpo inteiro se sentia vivo e super sensível.

Contos Imor(t)ais - FERNANDA – 139 -


Nem mesmo quando ela transou com Marcos ela se sentiu dessa forma. Ela tentou ignorar aquilo, e fechando os olhos ela se concentrou apenas na tarefa a sua frente. Concentrando-se duramente, ela mais uma vez fez o movimento com a cabeça para trás e em seguida abrigou mais daquele pênis na sua boca. Mas dessa vez foi diferente. Ela sentiu algo fazendo cócegas no seu nariz. Ela abriu os olhos que nesse ponto já derramava algumas lágrimas involuntárias e pode perceber os pelos pubianos do velho roçando contra o seu rosto. Ela tinha conseguido. Ela tinha colocado aquele pênis enorme todo dentro da sua boca. "Sua putinha boqueteira", ele disse rindo, "Parece que encontramos algo em que você é realmente boa." Fernanda tirou o pau da boca para poder respirar por alguns segundos e sentiu seus mamilos ainda mais duros e sua vagina cada vez mais molhada após aquele insulto. Ela não entendia o porquê do seu corpo estar reagindo dessa maneira. Era como se seu corpo gostasse e respondesse a aquelas humilhações. Será que no fundo ela estava gostando de ser tratada daquela forma. Logo ela, que sempre havia sido tão certinha? Ela não entendia, mas uma coisa ela sabia, ela havia gostado de ter conseguido colocar aquele pênis todo dentro da sua boca. "Agora vagabunda é hora de chupar ele de verdade” ele falou. Sua mente lutava para não obedecer aos comandos desse velho, mas seu corpo estava mais do que disposto a obedecer. Ela colocou novamente o pau do velho na boca e começou a chupar com vontade, com o ritmo ditado pelo velho, que agora gemia sem nenhum pudor. Ela continuou chupando por alguns minutos até sentir que os gemidos do velho haviam se tornado mais fortes ao mesmo passo em que seus quadris se moviam com mais velocidade. Ela sabia que ele estava perto de ejacular e ela rapidamente tirou o pau do velho da sua boca. Ela segurou aquela vara, que agora apontava para seu rosto. Parecia estar ainda maior do que quando ela havia aberto o roupão dele. Ela o sentia vibrando nas suas mão. "Vamos sua puta," gritou Luiz. "Me faça gozar." Ela viu seus dedos apertando os braços da cadeira e ele parecia extremamente inquieto quase se levantando de onde estava. Ela trouxe lentamente o seu punho para cima desde a base até a cabeça e depois de volta para baixo novamente. Quando ela chegou à metade do caminho, o velho arqueou os quadris e soltou um gemido longo enquanto começava a gozar. Num piscar de olhos, um jato de esperma atingiu seu rosto. O velho rapidamente segurou seu pênis e apontou para ela, fazendo com que o segundo jato voasse em direção aos seus cabelos loiros. Ela caiu para trás assustada com aquele banho de esperma, enquanto outro jato voou e atingiu a parte superior da sua blusa. Ela assistia incrédula e com certa admiração quando o resto do esperma agora escorria do pênis do velho, e caia na sua calça jeans, e no chão, sujando o tapete. Foi à vez de Luiz olhar para Fernanda em reverência. "Puta que pariu," ele disse, "essa foi a melhor gozada da minha vida." Fernanda sentiu um arrepio correr por seu corpo quando ela soube que ela o tinha agradado. Ela Contos Imor(t)ais - FERNANDA – 140 -


observou seu pênis. Ele começava a diminuir de tamanho, enquanto um pouco de esperma ainda escorria pela cabeça dele. Ela olhou para Luiz e ele estava comendo ela com os olhos. Ela olhou para seu pênis novamente e ficou chocada ao ver que aquela vara estava começando a ficar dura novamente. O pênis de Marcos sempre ficava flácido após ele gozar. Fernanda sentiu esperma escorrendo pelo seu rosto e não sabendo mais o que fazer, ela saiu correndo daquele apartamento. Fernanda correu para seu quarto e trancou a porta. Ela se olhou no espelho do banheiro, enojada ao ver o número inacreditável de fios de esperma, cobrindo o seu rosto, seu cabelo, e sua blusa. Ainda assim, ela também percebeu que nunca havia ficado tão excitada quanto ela estava agora. Nem mesmo na sua primeira vez. Ela com certeza chamaria Marcos para vir a noite no seu apartamento.. Fernanda começou a sentir o esperma descer pelas suas bochechas e um pouco acabou atingindo seus lábios. Ela lambeu os lábios inconscientemente provando assim o sabor de um homem pela primeira vez. Ela percebeu o que tinha feito e pegou sua escova de dentes, cobrindo as cerdas com creme dental para tentar limpar a boca. Fernanda teria que tomar outro banho e ela sabia que chegaria atrasada no trabalho. Ela olhou para seu relógio e o susto foi ainda maior. Ela tinha ficado no apartamento do Sr. Luiz por quase uma hora e meia.

PRA NÃO SER DESPEJADA Quase três meses haviam se passado e algumas coisas haviam mudado na vida de Fernanda. Ela havia terminado seu namoro com Marcos, cerca de duas semanas após o ocorrido. Toda a culpa que ela estava carregando por ter traído Marcos foi se esvaindo naquelas duas semanas. Ela não se sentia desejada por ele, e ele não fazia nenhum esforço para agradá-la. Eles haviam transado algumas vezes após o incidente, mas Fernanda não conseguia sentir absolutamente nada. Ela olhava para o pau de Marcos e se lembrava da pica do Sr. Luiz. Ela ainda tentou apimentar as coisas, mas o seu namorado não cooperava, e o estopim para o fim do namoro se deu quando ele se recusou a fazer sexo oral nela. Fernanda se sentiu diminuída, e simplesmente explodiu, e depois de uma grande discussão os dois acabaram terminando o namoro. A frustração com o fim do namoro logo passou e ela se focou nos estudos e no trabalho. As coisas pareciam estar por fim se endireitando na sua vida. Ela ainda estava trabalhando muito, seu chefe sempre atrasava o pagamento, e o dinheiro mal dava pra ela pagar as contas, mas pelo menos ela estava conseguindo pagar o apartamento, sem precisar recorrer a extremos. Porém a boa sorte de Fernanda durou pouco. O seu patrão havia adiado por duas semanas o dia do pagamento, e ela já estava ficando apreensiva. O Sr. Luiz começou a cobrá-la e ela mal conseguia olhar ele nos olhos, após tudo que havia acontecido. E isso nem era o pior. Ela precisava do dinheiro pra pagar suas outras contas, a luz, a água. Ela só tinha comida na geladeira por causa das gorjetas. Finalmente o patrão disse que pagaria a todos os empregados no outro dia sem falta. Fernanda ficou mais aliviada. No outro dia pela manhã ela foi para o trabalho como fazia normalmente, mas chegando à Contos Imor(t)ais - FERNANDA – 141 -


lanchonete, encontrou-a fechada. Alguns dos seus colegas de trabalho estavam lá, mas ninguém sabia o motivo da lanchonete estar fechada. O dono sempre gostava de abrir a lanchonete cedo. Ela esperou por quase 1 hora, mas o dono não veio. Um dos empregados tentou ligar pra ele, mas o telefone só caia na caixa postal. Fernanda ficou apreensiva com aquilo. Ela voltou pra casa e pela tarde foi pra faculdade. No intervalo entre as aulas ela olhou o celular e viu duas ligações de sua amiga que trabalhava com ela na lanchonete. Fernanda retornou pra ela, e ficou chocada quando a amiga disse a ela o que havia acontecido. O dono havia retirado tudo da lanchonete pela madrugada e colocado num caminhão de mudança. Aparentemente, ele estava devendo dois meses do aluguel do imóvel, e pra não ter que pagar o proprietário e aos funcionários, havia fugido. Fernanda ficou atônica. Ela quase chorou ao telefone, falando com sua amiga, que tentou tranqüilizá-la dizendo que a única saída agora era botar ele na justiça. Mas isso não tranqüilizou Fernanda. Ela sabia que isso demoraria e ela precisava desse dinheiro imediatamente. Sem cabeça pra assistir ao resto das aulas, ela saiu mais cedo da faculdade. Ela voltou pra casa, pensando em como ela lidaria com o Sr. Luiz. Na sua mente, uma idéia continuava martelando, mesmo ela querendo afastá-la. Ela desligou o carro e observou que quase não havia gasolina. Ela teria que andar de ônibus nos próximos dias. Enquanto ela subia as escadas, ela começava a começar a aceitar aquela idéia, por mais suja que ela fosse. Ela iria propor um novo acordo ao Sr. Luiz. Quando ela chegou ao corredor do seu apartamento, ela deu de cara com o Sr. Luiz saindo do dele. Ela deu um longo suspiro, amaldiçoando o inferno astral em que ela se encontrava. "Tão cedo por aqui", ele disse. Fernanda sem graça, explicou o que havia ocorrido ao Sr. Luiz, tentando pegar algum pouco de simpatia dele, mas foi tudo em vão. “É uma história triste, mas eu ainda preciso receber o meu dinheiro.” Fernanda engoliu um seco. Durante todo a conversa ela estava com a cabeça baixa, encarando o chão, incapaz de olhar nos olhos daquele homem. Com a voz trêmula e incerta ela começou a falar "Eu não tenho o dinheiro. Eu estava pensando se não poderíamos fazer o mesmo acordo da outra vez.". Ela não podia acreditar nas palavras que saiam dos seus lábios. Ela estava oferecendo um boquete aquele homem em troca de mais um mês de moradia. Na primeira vez ele havia feito à proposta, mas agora ela estava aqui oferecendo sua boca pra ele. "Sua putinha safada", falou o Sr. Luiz, com um sorriso no rosto. "Então você quer me chupar de novo, não é?" Fernanda não lhe respondeu, mas seus mamilos ficaram duros e sua intimidade ficou úmida quando Contos Imor(t)ais - FERNANDA – 142 -


ela o ouviu chamando-a de putinha. Ela se perguntava o porquê de seu corpo responder dessa forma a esse tipo de humilhação. Como ela podia ficar excitada enquanto ele a degradava? A verdade era que ela queria mesmo chupar o pau dele novamente. Ela não havia esquecido do pau dele nem mesmo por um dia. Toda vez que ela passava pelo corredor, ela se lembrava do que ela havia feito. Até mesmo quando ela ainda estava com Marcos, ela pensava nele, e isso a deixava inquieta, "Tudo bem.", disse o Sr. Luiz "mas desta vez você tem que estar nua, e eu quero que você tire a roupa na minha frente.". Fernanda se sentiu estranha ao imaginar aquele velho vendo ela nua, mas acabou acenando positivamente com a cabeça. Ela sempre se sentiu insegura com seu corpo, sempre se achando gorda e com seios desproporcionais. "Quando vai ser?", ela perguntou. "Agora mesmo, putinha", ele disse. Ela estava se movendo para entrar em seu apartamento, mas ele a impediu. “Vá tomar um banho primeiro, você está suada, e coloque alguma roupa sexy.”. Ela realmente estava suada. O calor combinado com todo o stress que ela havia tido durante o dia, havia deixado ela assim. Ela entrou em seu apartamento, fechando a porta em seguida. Ela tirou a roupa e entrou no chuveiro, ainda pensando no que ela estava prestes a fazer. Ela iria se prostituir para pagar o seu apartamento. Ela estava envergonhada, mas ao mesmo tempo tremia de emoção só de pensar no que ia fazer. Fernanda saiu do banho e secou o cabelo. A situação estava apertada nos últimos meses e ela não tinha muitas roupas novas. Logo ela notou que ela não tinha algo realmente sexy para vestir. Ela terminou se decidindo por uma camisa branca e uma calça jeans. Ela abriu a porta e foi até o apartamento do Sr. Luiz. Ela bateu na porta e o Sr. Luiz quase que instantaneamente a abriu. Ele estava usando apenas uma cueca samba canção. "Pode entrar putinha", ele disse. Ele observou Fernanda entrar. "Cadela burra. Você chama isso de sexy?”. Eu não estou vendo nem mesmo suas pernas ou sua barriga. "Eu não tenho muitas roupas", ela respondeu um pouco decepcionada que ele não havia gostado da sua roupa. "Está tudo bem", disse ele tentando animá-la. "Agora, porque você não começa a tirar a roupa. Comece pela camisa." Fernanda começou a puxar a camisa sobre sua cabeça, e então ela viu o interruptor de luz. Ela estendeu a mão e apertou ele. "Mas que porra é essa?" gritou o Sr. Luiz. "Ligue essa porra." Fernanda rapidamente acendeu a luz novamente, um pouco assustada com a forma com que ele havia falado. “Você vem implorando para chupar o meu pau e acha que pode fazê-lo no escuro? Agora tire a porra da camisa." Contos Imor(t)ais - FERNANDA – 143 -


Fernanda não hesitou em obedecer ao homem, puxando sua camisa sobre a cabeça. Ela moveu seus braços rapidamente, para cobrir seus seios. O Sr. Luiz viu de relance, o sutiã vermelho velho cobrindo aquele belo par de seios. Ele ficou admirando as formas dela. A cintura perfeita, a barriga plana. "Agora, lentamente, desabotoe sua calça jeans e tire ela." Fernanda percebeu o volume se formando na cueca samba canção de Luiz. Ela ansiava por ver aquele pênis novamente. Ela desabotoou a calça jeans, lentamente abriu o zíper e foi tirando a calça. Luiz não podia acreditar o quão belo era o corpo daquela jovem de dezenove anos. Ele viu aqueles peitões balançarem, enquanto ela lutava para descer a calça jeans pela suas pernas. Quando ela finalmente tirou a calça e ficou apenas de calçinha e sutiã, ela levou as mãos para frente da calçinha, cobrindo-a. "Agora tire o seu sutiã e tire as mãos da frente.". Fernanda desabotoou o sutiã e engoliu um seco enquanto retirava ele. Finalmente estava ela, seminua no meio de uma sala bem iluminada, se mostrando para aquele homem. Dessa vez ela não levou as mãos até os seios, deixando eles a plena vista. O Sr. Luiz sentiu como se um anjo estivesse na sua frente. Ele agora sabia o motivo dos mamilos dela sempre se destacarem não importasse a blusa que ela usasse. Eles eram lindos. Seus seios eram enormes e firmes. A aréola deles eram bem grandes e se destacavam, realçando aqueles longos mamilos. " Tire a calçinha putinha”, disse ele.” Eu quero ver você nua." Os olhos de Fernanda começaram a ficar molhados, e enquanto ela puxava a calçinha pra baixo, algumas lágrimas começavam a rolar pelo seu rosto. Luiz quase teve um infarto quando ele viu que ela era uma loira natural. Ele escutou um soluço vindo da garota, e tirando a atenção dos seios e da buceta dela, ele pode notar que ela estava chorando. "Porque você esta chorando?" "Porque meu corpo é horrível.", ela respondeu soluçando. "Você está louca? Você é a mulher mais linda que eu já vi", ele disse. "Dê uma volta.” "Eu não acredito em você", ela respondeu, mas mesmo assim obedeceu ao homem, e girou lentamente no meio da sala. "Sua puta idiota. Você não sabe a sorte que você tem." ele disse olhando para aquela bunda quase perfeita. "Eu já assisti dezenas de filmes pornôs e já fodi várias mulheres durante a minha vida, mas nenhuma se compara a você. Venha aqui." Contos Imor(t)ais - FERNANDA – 144 -


Fernanda caminhou em direção a ele e ele forçou os ombros dela pra baixo, fazendo com que ela se ajoelhasse na sua frente. Em seguida ele pegou uma revista que estava na sua mesa e colocou perto do rosto de Fernanda. Era uma revista erótica, e a mulher na capa tinha seios enormes, grandes demais para seu corpo. "Ela se parece comigo!" disse Fernanda, surpresa. "Sim Fernanda", disse Luiz jogando a revista longe. "Ela é tão bonita quanto você. Tão perfeita como você. Seu corpo é perfeito”. Ele percebeu que ela havia sorrido discretamente, e estava com uma expressão mais alegre no rosto, então ele logo se aproveitou da situação. "Agora, eu nunca tive uma mulher perfeita me oferecendo um boquete antes, então, eu acho que é hora de você começar." A única coisa que Fernanda queria naquele momento era sentir o pau daquele homem na sua boca novamente. Ela se inclinou para frente e baixou a cueca do homem, revelando aquele pênis que ela tanto ansiava ver. Ela deu um beijo na cabeça dele, e colocou os lábios dela em volta daquela vara. Luiz deu um sorriso. Ela havia mesmo aprendido todas as lições que ele havia ensinado a ela da primeira vez e agora ela ainda melhor. Ele não era mais nenhum garoto, e já havia recebido boquetes de diferentes mulheres. E aqui estava essa garota, que mesmo sendo inexperiente conseguia excitar ele de uma forma diferente. Ele a deixou chupar sua vara por cerca de 15 minutos e disse: "Sua putinha safada. Você adora chupar minha rola não é? “Ela não respondeu e ele agarrou os cabelos dela, puxando a cabeça de Fernanda pra trás”. “Eu fiz uma pergunta”. Você adora chupar minha rola não é?”. Fernanda ficou mais chateada por ter que parar o boquete do que por ter seus cabelos puxados. "Sim... Eu adoro chupar seu pênis”, disse ela, passando a mão na boca. Luiz soltou os cabelos dela e ela imediatamente levou sua boca de volta ao pênis dele. Luiz a deixou chupar o seu pau, amando a visão dos lábios daquela garota subindo e descendo na sua vara. "Meu pau é maior do que o do seu namoradinho?" "Ele não é mais meu namorado, e o seu pênis é muito maior do que o dele, não tem comparação.", disse ela sem hesitar. Mesmo tendo terminado com Marcos, ela sentiu uma ponta de culpa por estar falando mal dele dessa forma. "Então vocês terminaram? Será que ele não conseguiu te satisfazer?" Fernanda apenas corou e não respondeu e Luiz sorriu. Ela continuou chupando o pau de Luiz. Luiz estendeu a mão e Fernanda observou enquanto ele tocava seu seio. Ela ficou tensa, esperando que ele fosse ser tão grosseiro quanto Marcos, mas foi diferente. Ela sentiu o toque suave da mão daquele homem no seu seio. Ele acariciou o seio de Fernanda e colocou o mamilo dela suavemente entre seus dedos, e começou a brincar com eles. Um arrepio percorreu todo corpo de Fernanda, e um gemido escapou de seus lábios. Ele acariciou os seios dela por um longo tempo antes de mover as duas mãos até os ombros da garota. Ela gemeu quando ele começou a massagear seus ombros. O pênis dele estava crescendo, parecendo tremer em sua boca e ela sabia que ele estava perto de gozar, então ela acelerou o ritmo da chupada. Contos Imor(t)ais - FERNANDA – 145 -


Luiz levou a mão até a nuca da garota e começou a alisá-la. Ela sentiu o pênis dele quase latejar na sua boca, e ela sabia que ele estava prestes a gozar. Fernanda tentou recuar, mas a mão em seu pescoço pressionou a cabeça dela para baixo, fazendo com que pelo menos metade daquele pênis ficasse dentro da sua boca. Fernanda podia jurar que ela estava sentindo aquela vara pulsar na sua boca no momento que ele começou a gozar. O primeiro jato de porra encheu sua boca. Ela ficou surpresa com o quão quente era, enquanto ele deslizava para baixo de sua garganta. Mais alguns jatos vieram, e a porra começou a transbordar pela boca de Fernanda, descendo pelo seu queixo, e pingando um pouco nos seus seios. Os jatos pararam, mas um pouco de porra ainda escorria pela ponta do pênis de Luiz. Ela percebeu que ele tinha parado de pressionar sua nuca, mas mesmo assim ela continuou engolindo a porra dele. Ela não tirou o pênis dele da sua boca até ter certeza que tinha engolido a última gota de esperma. Ela finalmente tirou o pau dele da sua boca e uma onda de vergonha percorreu seu corpo. Fernanda rapidamente colocou sua calça e sua camisa, levando suas roupas intimas na mão, enquanto andava rapidamente pra fora do apartamento daquele homem. "Fernanda, o aluguel acabou de subir." ele gritou para ela. "A partir de agora você tem que fazer isso uma vez por semana." "Eu entendo", ela falou enquanto caminhava para seu apartamento, com resquícios de porra no seu queixo e nos seus seios.

Contos Imor(t)ais - FERNANDA – 146 -


PÓS BALADA ANIMADO Como canta Lulu Santos: Todo mundo espera alguma coisa de um sábado à noite. E naquela sexta, comigo também não era diferente, mas jamais poderia ter imaginado tudo o que aconteceu. No ônibus, a caminho de casa, já estava pensando em qual seria meu traje para a noite. Eduardo e eu estávamos em início de namoro – pouco menos de três meses – e havíamos combinado de irmos para uma balada junto com seus amigos. Mas eu não estava pensando apenas no traje para a balada. Certamente a noite terminaria em algum motel para fecharmos com chave de ouro. Queria ficar provocante na balada e irresistível no motel. Chegando em casa, tomei meu banho com direito a depilação e todo tipo de creme, deixando minha pele bem cheirosa, macia e lisa. Me encarando no espelho, certifiquei que não havia deixado escapar nenhum pelo. Fui ao meu armário e escolhi um lingerie preto, com uma calcinha minúscula enfiada na bunda. Como já havia idealizado no caminho fui direto no vestido preto. O decote dele ressaltava meus seios e era justo o suficiente para destacar minhas pernas e bunda. Me olhei novamente no espelho e confirmei que estava do jeito que imaginei. Por fim me enfeitei com colares, brincos, pulseiras e outros acessórios. No horário combinado Eduardo liga em meu celular, dizendo que está na porta de casa. Peço para ele aguardar alguns minutinhos que estava quase pronta. Ainda faltava a maquiagem. Batom vermelho, lápis nos olhos, sombra e pó. Escolhi meu melhor perfume e dei uma última checagem no espelho. Estava provocante! Saí de meu quarto, Eduardo me aguardava no sofá junto com minha mãe. Antes de sair ouvimos as recomendações de meu pai e percebi seu olhar fulminante para mim. Não gostava, mas compreendia que para ele não deveria ser fácil ver a sua “bebê” de 19 anos saindo daquela forma. Já no carro e longe dos olhos de meus pais, Eduardo me beijou, passando a mão em minhas coxas e me encheu de elogios. A noite prometia. Mas como nem tudo é perfeito, o carro mal vira a esquina e acende uma luz no painel sinalizando algum problema. Ao parar no semáforo, o carro simplesmente apaga e não liga mais. Vi minha noite indo pro buraco. Assumo o volante enquanto Eduardo empurra o carro para não atrapalhar o trânsito. – E agora, amor? – Perguntei desolada, imaginando que ficaríamos aguardando guincho e essas coisas chatas. – Relaxa, Rafaela. Vou ligar para alguém nos busca aqui. Amanhã eu volto pra buscar o carro. Vamos aproveitar a noite. Entre uma ligação e outra, o que mais estava próximo era Pedro, um amigo de Eduardo. Em meia hora apontou na esquina um Civic branco que ao se aproximar estaciona atrás do Punto de Eduardo. Contos Imor(t)ais - PÓS BALADA ANIMADO – 147 -


Pedro desceu nos cumprimentou e perdeu alguns minutos tentando ajudar Eduardo a identificar o problema em seu carro. Apenas uma formalidade, pois todos queriam ir pra balada logo. Sentei-me na frente, à pedido de Eduardo para que ele não fosse sacaneado por irem dois homens na frente e uma mulher atrás. Depois do pequeno susto, chegamos no destino e nos encontramos com toda a turma de Eduardo, deveria ter umas 7 pessoas. No nosso grupo eu era a única mulher. Quando chegamos já havia uma garrafa de whisky na mesa que os rapazes haviam pedido. Servi-me de um copo misturando a bebida com energético e me juntei ao grupo dançando. A cada copo que eu bebia, mais minha cintura se soltava e dançava com mais desenvoltura. Era possível notar olhares gulosos em minha direção. Até mesmo os que estavam em nosso grupo, mesmo que mais discretos, lançavam alguns olhares para mim. Adorava isso. Eduardo era bem seguro de si e absolutamente desencanado com esse tipo de coisa, então me deixava à vontade e não ficava me regulando. Aos poucos a nossa roda ia diminuindo, restando apenas eu, Eduardo, Pedro e Jonatas. Já havia tomado algumas doses de tequila, que me deixa louca, e me esfregava toda em Eduardo, dançando sertanejo. No término de uma música, ele chama Pedro e pede para ele assumir o posto, pois precisava ir ao banheiro. Pedro se movimentava muito bem e senti ele bastante respeitoso comigo, mesmo que nossos corpos estivessem bastante próximos. Aos poucos ele foi se soltando mais e sentia a mão dele apertando um pouco mais o meu corpo contra o dele. Logo Eduardo voltou, mas continuou o rodízio entre ele, Pedro e Jonatas dançando comigo. Com o passar das horas e com o esvaziamento da garrafa de whisky, decidimos ir embora. Conforme combinado Pedro nos deixaria em casa. Porém como ainda era cedo, propôs de irmos pra casa dele bebermos um pouco mais. Jonatas, Eduardo e eu aceitamos. Pedro morava só e tinha um grande arsenal de bebidas. Pegamos algumas cervejas e nos sentamos no sofá para conversar bobagens e dar muita risada. De repente Eduardo me surpreende pedindo para que eu ficasse de pé na frente dele. – Olhem isso aqui pessoal! Podem falar a verdade, tirei a sorte grande, não?! Fiquei um tanto constrangida, mas adorei o elogio, tanto dele, quando os meninos que concordaram com ele e elogiaram a minha forma. As mãos de Eduardo percorreram minhas coxas e continuou: – Ai, essa coxa é uma delícia! Gostosa demais. Essa bundinha então – disse Eduardo agarrando a minha bunda na frente do Jonatas e Pedro. – Amor, de Deus!! Ta ficando doido? Que tara é essa? – perguntei rindo. – Ah, você vem toda gostosinha assim e acha que eu resisto? – retrucou Eduardo. Contos Imor(t)ais - PÓS BALADA ANIMADO – 148 -


– Ah, mas eu me preparei toda pra gente, né?! Pensei que iria rolar um pós balada romântico entre nós. Todos riram, mas já dava pra perceber um clima diferente no ar. – Preparou como? – quis saber Pedro. – Ué gente – fiquei bem sem graça – me depilei, passei uns creminhos pra ficar cheirosinha, usei uma lingerie mais apimentada – respondi já vermelha de vergonha. – Humm....lingerie mais apimentada? Tenho que ver isso! – Se empolgou Eduardo. – Dudu?! Ta louco? Aqui não né. Era só pra você. – Da nada, não amor. Não é pra mim? Pode me mostrar, que eu deixo. – disse já passando a mão em minha bunda por debaixo do meu vestido. Ensaiei uma resistência e levei na brincadeira. Mas estava muito excitada. Tinha me preparado para dar naquela noite e seria difícil ficar no zero a zero. Pedro ligou a música, me serviu uma dose de tequila e propôs que voltássemos a dançar. Depois da conversa mais quente, naturalmente a dança ficou muito mais safada. Eles já se esfregavam sem pudor em mim. Em um movimento, Pedro me colocou de costas para ele de forma que minha bunda ficou colada em seu corpo. Rebolei lentamente sentindo seu pau completamente rígido roçando em mim. Na vez de Eduardo, ele veio me beijando o pescoço e passeando as mãos em meu corpo. Sussurrando em meus ouvidos ele pede para que eu ficasse tranquila. Quando percebi ele já tinha aberto meu vestido até metade das minhas costas. Não mais esbocei reação e deixei que ele tirasse meu vestido. Os três me elogiaram inteira e Eduardo me exibiu para seus amigos me fazendo dar uma voltinha para eles. – Essa calcinha enfiada ta demais. Tá comendo bem, ein Dudu – comentou Jonatas. – Você nem imagina. Essa mulher é uma delícia. – O quarto tá disponível aí, Dudu. A gente não se incomoda com a gritaria não. – brincou Pedro. – Ou, não sou escandalosa não viu. Só do uns gemidinhos baixinhos, né amor? – Dá um gemidinho aí pra gente saber como é – Aproveitou Jonatas. – Larga de safadeza e vamos dançar – disse puxando Jonatas. As mãos de Jonatas agarraram minha cintura com força, me puxando contra o corpo dele. Seu nariz colou em meu pescoço, me deixando sentir como ele estava ofegante. Levemente ele me lambia o Contos Imor(t)ais - PÓS BALADA ANIMADO – 149 -


pescoço e me pediu pra gemer em seu ouvido. Fui em seu ouvido e bem gemendo deixei escapar um “aaaiiii”. Foi o suficiente pra ele me agarrar minha bunda forçando contra seu pau. – Dudu, ela ta me deixando louco. Não resisti. – Disse Jonatas, se afastando de mim e voltando para perto do meu namorado. Eduardo me puxou pro sofá, me fazendo sentar em seu colo. Rebolei freneticamente em sua rola, Dudu pôs dois dedos em minha boca e eu os chupei como se fossem sua pica. Com as mãos em minhas coxas, Dudu abriu minhas pernas ao máximo e com os dedos afastou minha calcinha exibindo minha boceta para seus amigos. Enfiando um dedo e sentindo toda minha humidade falou: – Ah, putinha! Toda molhadinha. Tá gostando, né safada. Eu ainda tinha dúvida sobre as intenções dele, se era apenas me comer na frente de seus amigos ou de realmente me compartilhar com eles. Eu estava disposta a deixar rolar. Jonatas e Pedro deveriam estar com a mesma dúvida minha, pois até então estavam contidos. Mas Jonatas não resistiu depois de ver minha boceta, ele veio em minha direção, baixou a calça e pôs minha mão no seu pau. Acariciei a rola de Jonatas, botando ela pra fora e ele agarrou meus peitos. Pedro, criou coragem e se juntou a nós, porém foi mais ousado. Subiu no sofá, e tirou a rola de fora e com a mão em minha nuca, puxou minha cabeça em sua direção. Abri minha boca sugando toda a sua vara. Eduardo com as mãos em minha cintura me foçou levantar e me pôs de joelhos no sofá, inclinando meu corpo no encosto. Senti várias mãos percorrendo todo meu corpo e dedos entrando em meus buracos, logo em seguida senti uma língua invadindo meu cuzinho. Era Jonatas que me lambendo arrancou alguns gemidos. Pedro deve ter gostado de minha boca, pois voltou pra minha frente para que eu continuasse chupando. Aos poucos as peças de roupa foram sumindo e a língua de Jonatas revezava entre meu cuzinho e minha boceta. Rebolei lentamente aproveitando o momento. Eduardo deitou no chão, me puxando para cima dele. Cavalguei em meu namorado enquanto mamava em seus amigos. Rapidamente estremeci inteira gozando. Pedro me puxou me inclinando sobre o sofá. Senti seu pau entrando e saindo com força, ele puxava meu cabelo e agarrava meus peitos. Jonatas sentou no sofá para que eu pudesse chupá-lo também. Engoli a rola de Jonatas, cuspindo na cabecinha e olhando em seus olhos lambi todo o seu membro. Após algumas bombadas de Pedro, sentei-me no colo de Jonatas pulando gostoso. Sempre que um me comia os demais ou botavam o pau pra que eu chupasse ou me alisavam inteira. Sentia as mãos em todos os lugares. Nunca havia sentido algo tão gostoso. Pedro pediu a vez novamente, botou uma de minhas pernas em cima do sofá e a outra permaneceu esticada no chão, facilitando a penetração. Acho que ele era o mais alucinado, me fodia com muita vontade, me agarrando inteira.

Contos Imor(t)ais - PÓS BALADA ANIMADO – 150 -


Dudu sentou no sofá e me puxou de frente para ele. Sentei em meu namorado e ele puxou meu corpo contra o dele, fazendo com que minha bunda empinasse para trás. Jonatas não perdeu tempo e encaixou seu pau na entrada de meu cuzinho. – Não Jonatas. Aí não. – Vou colocar um pouco, linda. Se doer eu tiro. Eu não havia dado meu rabo nem pro Dudu e o amigo dele já iria me foder assim. Continuei resistindo, mas Dudu deu o aval dele. – Pode botar, Jonatas. Nem eu comi ainda, mas manda bala. Minha puta vai gostar. Senti a rola de Jonatas entrando bem devagar. Dudu ficou parado para facilitar. Quando entrou a metade eles começaram os movimentos de vai e vem. Apesar da tensão estava gostoso. Assim que fiquei mais à vontade, Pedro ficou ao meu lado me preenchendo por completa, boceta, boca e ânus. Estava tão gostoso que não tinha nem tempo de pensar no que eu estava fazendo. Queria apenas curtir o momento. Os três gemiam bastante, mas logo o Jonatas urrou de forma diferente e senti ele esguichando em meu rabo. Ele saiu deitando-se no chão e os outros dois me colocaram ajoelhada no chão. Como já estava com a porra do Jonatas escorrendo eles ficaram com nojo em continuar me comendo. Então passei a chupá-los. Concentrei na pica de Dudu, lambi o seu saco, suguei suas bolas e fui lambendo até a cabecinha. Cuspi na cabeça e passei a chupá-lo com força, auxiliando com as mãos. Não demorou muito para que minha boca estivesse cheia de sua porra. Pedro, apenas me puxou pelos cabelos, ele já estava se masturbando e também gozou em minha boca, respingando um pouco em meu rosto. Estava morta, mas completamente deliciada. Tomamos banho e voltamos a beber. Fiquei apenas de lingerie e os meninos de cueca. O assunto não podia ser outro, se não sexo. Jonatas ficou sacaneando Dudu: – Ae, Dudu. Cuzinho aprovado, viu. Foi mal, comer antes, mas não resisti. É muito gostoso o cuzinho da Rafa. – E o boquete? Que boquinha que essa menina tem. Que delícia. Agora vou apaixonar em mulher de amigo meu. – continuou Pedro. Fiquei constrangida, mas ri deles. – Tranquilo. Pelo menos agora vai facilitar pra eu comer o cuzinho dela. A Rafa não liberava, agora não vai ter mais desculpas, amor. Vai ter que dar. – E essa boquinha dela é mágica mesmo, Pedrão. Ela sempre me faz gozar com boquete. Ela chupa gostoso mesmo. – complementou Dudu. Mas não adianta apaixonar não, que essa festa não é sempre não. Contos Imor(t)ais - PÓS BALADA ANIMADO – 151 -


– Puta merda, nunca havia feito algo assim. Bom demais. Você gostou Rafa? – perguntou Jonatas. – Nossa, gente. Não vou mentir não. Foi um misto de sentimentos. Primeiro fiquei excitada, depois com medo, mas depois, curti demais. No fim das contas foi gostoso. Muito gostoso. Mas estou acabada agora. – Eu ainda dou conta de mais. – provocou Pedro. – To vendo mesmo vocês todos aí de pau duro, podem acalmar que eu não consigo mais. Dudu pôs minha mão em seu pau. – Olha a nossa situação aqui, amor. Só você pode resolver. – To ardida, amor. Não consigo mais. Dudu foi me beijando, acendendo meu fogo. Pedro me puxou pela cintura e chupou meus peitos. Senti outras mãos me tocando novamente. Eu estava afim, mas realmente estava dolorida. Pedro me botou de quatro no chão e apontou a pica para meu rabo. – Depois da propaganda do Jonatas, tenho que comer esse rabo também. Dudu, você é irmão, pode comer depois. Hoje ela é minha. Senti dificuldades e pedi para que ele lubrificasse antes. Lambrecaram meu cuzinho de margarina e saliva e enfim senti o pau entrando. Jonatas e Dudu ficaram apenas assistindo Pedro acabar comigo. Pedro me fodia com tanta força que rapidamente o senti tirando o pau de dentro de mim e gozando nas minhas costas. Jonatas me puxou, querendo me por de frango assado, mas argumentei que não aguentava mais. – Senta aí no sofá, que eu te garanto que não vai se arrepender. – Ordenei. Botei o pau dele entre meus peitos e comecei uma espanhola, lambendo a cabecinha quando ela saia. Jonatas se contorcia de prazer. Botei as bolas dele na minha boca e o masturbei, depois inverti. Chupei seu pau e massageei suas bolas. Olhei nos olhos dele e disse: – Está ruim? Posso parar se quiser. – Não pelo amor de Deus, continue. – Vai me dizer que não quer gozar na minha boquinha? Vai me negar leitinho? – Chupa, puta!!! – disse empurrando minha cabeça contra seu pau.

Contos Imor(t)ais - PÓS BALADA ANIMADO – 152 -


Mamei gostoso, cuspindo em seu pau e sempre alternando entre lambidas e chupadas, rola e saco. E quase sempre permanecia olhando em seus olhos e sorrindo. Ele não resistiria por muito tempo. E assim foi....em poucos minutos pude sentir o gosto dele. Fui de quatro atrás de Dudu para repetir com ele o que fiz com Jonatas. Ele gozou em todo o meu rosto, me deixando coberta de porra. Me lavei novamente e dessa vez nenhum pau mais levantou.

Contos Imor(t)ais - PÓS BALADA ANIMADO – 153 -


PADRINHO Olha, vou relatar aqui o que aconteceu mais ou menos a 2 meses. Meu nome é Clara, mas usarei Clarinha, seios grandes, bunda durinha e bem farta, e uma bucetinha raspadinha. Bem sempre fui muito desejada pelos garotos da minha idade, até perceber o desejo do meu padrinho por mim. Quando eu era mais nova, durmia na casa de meus padrinhos, pois é coisa de moça querer durmi fora, rsrs. Meu padrinho por não ter nenhuma filha menina, só um rapaz, sempre me tratou com muito mimo. Me pegava no colo, dava tudo o que eu queria, e fazia minhas vontades. Quando eu ia pra casa dele, durmia na cama dele no meio de minha madrinha e ele. Sempre foi assim, até que cresci e me tornei essa mulher. Teve um churras em familia na casa do meu padrinho e é logico que eu apareci por lá. O churras era na piscina e por isso coloquei meu biquini tomara que caia azul e fui. Chegando lá todos bebados já, menos o meu padrinho, pois ele não bebe, eu entrei na piscina.. nesse dia o filho dele sairia com a namorada e minha madrinha não durmiria em casa devido ao trabalho. Ele me chamou pra durmi lá, eu sem maldade aceitei. Depois que todos foram embora, fui em casa tomei um banho, peguei minhas coisas e voltei para durmir na casa do meu padrinho. Meu padrinho era um moreno alto, sem barriga, muito sarado e gostoso. Eu já havia desejado ele e reparado na enorme pica dele, mas nunca me atrevi. Chegando lá, ele estava no banho, ele chamou: – Clarinha, vem cá.. Eu fui, até porque na minha familia é normal, ficar no banheiro conversando enquanto se toma banho.. Meu padrinho começou a me perguntar sobre os namoros, e se eu era virgem.. Eu respondi que era virgem ainda.. Ei ele saiu do banho e fomos jantar.. Ele perguntou se eu queria entrar na piscina denovo, eu disse que seria uma boa ideia. e fomos pra piscina. Lá ele ficou me olhando, foi ai que percebi maldade e entrei no jogo dele. Eu o chamei falando:

Contos Imor(t)ais - PADRINHO – 154 -


– Vem padrinho, brincar comigo? Ele me respondeu: – brincar de que, ein clarinha? Eu respondi: – Vem, você vai gostar.. Ele entrou, e começamos a brincar de tubarão. Eu fui, e propositalmente encostei na pica dele..que no mesmo instante deu sinal de vida! Percebi e disfarçando pedi desculpa e entrei.. Lá dentro ele me chamou pra ver filme, eu estiquei um lençou no chao e deitei.. Ele deitou do meu lado, e durmiu.. logo em seguida ele me abraçou, eu me aproveitei da situação e me encaixei na sua grande rola. ele acordou, mais não se mecheu.. parecia que tinha gostado, em seguida ele levantou e sentou no sofá.. e ficou me olhando deitada, só de biquini. então ele me chamou pra sentar em seu colo, eu de proposito sentei exatamente no meio de suas pernas em cima de sua pica, e finjia que estava escorregando, só pra ficar subindo e descendo.. com isso o pau dele ficou duro. Eu perguntei rindo: – Que isso padrinho? Ele ficou sem graça e pediu pra mim levandar. Eu disse: – É pela sua afilhada padrinho, percebeu que eu cresci né? E continue rindo Ele pegou e falou: – pois é filha, você já ta uma mulher. Eu respondi: – Calma padrinho, isso é normal, deixa eu te fazer um carinho hj? Ele perguntou: – Que carinho? Eu me atrevi e tirei a rola dele de dentro da sunga..

Contos Imor(t)ais - PADRINHO – 155 -


E comecei a fazer movimentos pra cima e pra baixo, não sabia muito bem como era, afinal eu era inexperiente, mais parecia que ele tava gostando. Ele me deu um longo beijo, e tirou a parte de cima de meu biquini, e começou a chupar meus seios com força.. eu estava adorando, nunca tinha sentindo nada tão maravilhoso, ele entao me pediu para ' tirar leitinho ' dele com a boca, e eu começei a mamar aquele cacete grande e grosso. até ele gozar na minha boca e fazer eu beber tudinho, eu eu amei.. ele então começou a beijar minha barriguinha e descendo começou a chupar minha bucetinha, ele chupava e falava nos intervalos: – Nossa clarinha, sua bucetinha é bem melhor que a da sua madrinha, é apertadinha Eu gritando de tesão: – Mete padrinho, mete logo, vaai.. Ele continuou me chupando, me colocou de quatro e começou a chupar meu cusinho. Enfiou um dedo, dois e eu delirando de tesão. até ele enfiar a rola dele, quando ele enfiou dueu um pouco, mais logo comecei a galopar e ele me melou todinha por tras. Ficamos assim nos chupando a noite toda, e de manhã ele me acordou com um longo beijo na boca dizendo: – Minha flor, dessa vez não pude comer sua linda bucetinha também não, porque não posso tirar sua virgindade, mais a gente vai continuar nessa brincadeira sempre agora viu minha gatinha. Eu falei: – Tudo bem padrinho, eu adorei a noite e quero mais viu, e ri. Ele me respondeu confirmando: – Você terá minha linda. Depois desse dia, transamos várias vezes, até ele não aguentar e tirar meu cabacinho

Contos Imor(t)ais - PADRINHO – 156 -


CORRETORA POR OPÇÃO Nunca apreciei a mesmice. Sou uma mulher despachada que sabe o que quer e não tem o menor pudor em realizar suas fantasias. Me chamo Leila, tenho 42 anos e vivo no Rio com meu companheiro e meu filho, fruto de um relacionamento anterior. Fui mãe cedo, aos 19 anos, mas nunca morei com o pai do meu filho. Depois disso vivi com outros homens, mas nunca me casei, só juntei. Acho mais prático. Trabalho com corretagem de imóveis na Zona Oeste do Rio: Barra, Recreio e Jacarepaguá. Por isso estou sempre na rua visitando imóveis com clientes e avaliando locações. Sou uma mulher vaidosa e que se cuida muito, ir à academia todos os dias e à minha esteticista semanalmente são coisas das quais não abro mão. Talvez por isso chamo tanta atenção apesar de ser baixinha. Tenho coxas grossas e bem torneadas, uma bumbum lindo e saliente, pele branca levemente bronzeada para cultivar as marquinhas, seios médios, e cabelos pintados de loiro até a altura dos ombros. Mas como disse no início, odeio mesmice. Meu atual companheiro é engenheiro da Petrobras, trabalha embarcado em plataformas na região de Macaé e por isso viaja demais. Talvez por isso este relacionamento esteja durando um pouco mais. É quando ele viaja que me espalho, libero meu alter ego e me transformo. Vocês devem ter reparado que nunca fui mulher de um homem só, mas a história que vou contar tem a ver com uma situação que estou vivendo desde o inicio deste ano e que tem me deixado louca. Frequento há alguns anos um Clube aqui na Barra chamado Marapendi, um local com um espaço enorme, super arborizado, lindo mesmo. Meu filho até que vai pouco, mas eu e meu marido usamos muito nos finais de semana. Inclusive a academia onde malho fica no Clube, então, posso dizer, que lá de casa sou eu quem mais frequenta e por isso vinha reparando os olhares gulosos de um dos vigias que praticamente me despiam. No inicio eu ficava meio sem jeito, mas depois passei a provocá-lo, o que na minha cabeça não passava de brincadeira, nem sabia o seu nome, apenas que era um sujeito mulato que aparentava uns 35 anos, alto e razoavelmente forte. Quando estava na piscina e percebia que ele me olhava eu puxava mais o bikini pra ficar bem cavado, andava rebolando, enfim, tripudiava do coitado. Sempre que vou à piscina sem o meu marido uso uns bikinis bem pequenos, daqueles que mal escondem os poucos pentelhos da minha buceta. Certa vez em que estava com um bikini desses fui ao bar pedir um suco, quando saí da área da piscina cruzei com ele, na hora tomei um susto pois não esperava tal proximidade, o vigia me segurou pelo braço, puxou-me para trás de um árvore e disse: “- Já estou sabendo de tudo, putinha. Você não perde por esperar”. Aquilo me deixou super aflita, esqueci do suco, peguei minhas coisas e fui embora. Fiquei uma semana sem ir ao Clube. Aquelas palavras não saiam da minha cabeça. Tinha um caso com um colega da academia e às vezes dávamos umas rapidinhas em locais ermos do Clube ou dentro do carro. Mas fazíamos as coisas discretamente, nada que alguém pudesse ver. Aquilo ficou martelando na minha cabeça e depois de um medo inicial passei a sentir certa excitação. Voltei ao Clube depois de uma semana para ir à academia, quando cheguei não o vi, mas na hora de ir embora estava no estacionamento andando em direção ao meu carro quando avistei o tal vigia do outro lado do jardim me observando. Olhei para o chão e apertei o passo em direção ao carro, meu coração disparou e minha buceta ficou encharcada. Meu Deus, o que está acontecendo?!

Contos Imor(t)ais - CORRETORA POR OPÇÃO – 157 -


Cheguei em casa, jantei com meu marido e ficamos na sala vendo a novela. No dia seguinte ele viajaria novamente e iria ficar 15 dias fora. Pensava nisso, nas palavras do vigia, no meu peguete da academia e quase perdia o fôlego de tanto tesão. Parecia que tinha um rio correndo entre as minhas pernas. Estava enlouquecida! Acordei, fui trabalhar, meu marido viajou, e durante o dia inteiro no serviço só conseguia pensar em ir logo pra academia. Fiz duas visitas a imóveis com clientes, mas estava totalmente aérea, quando na cozinha eu falava dos quartos, na sala eu falava dos banheiros, que doideira! O dia custou a passar, mas quando o relógio bateu 17hs peguei minha bolsa e rumei para o Clube. Lá chegando entrei na academia e, por sorte ou por azar, não vi o vigia. Temia por qual poderia se a minha reação. Estava fazendo a minha ginástica quando o meu peguete chegou todo gostozinho, fazia uns 15 dias que não dávamos umazinha e eu louca de tesão daquele jeito. Fomos para o bar do Clube e depois para um canto atrás do ginásio. Fiz uma chupeta gostosa nele que depois abaixou o meu shortinho e atolou aquele cacete na minha buceta, bombou forte umas quatro vezes e meu tesão era tanto que gozei na hora, minhas pernas bambearam e ele ficou ali comigo por algum tempo. Me recompus, peguei na minha bolsa uma toalhinha para me secar e uma mini-saia de jogar tênis, tirei o shortinho que usava, vesti a saia super curta, me apoiei numas caixas de cerveja que estavam ali para deixar minhas pernas bem abertas e a buceta a mostra. Meu macho começou a me fuder forte novamente enquanto eu massageava o clitóris bem gostoso, adorava trepar assim feito uma cachorra, uma puta em lugares sujos, escuros, e aquele rola na minha buceta bombando gostoso era a fórmula certa pra eu gozar. Quando ele aumentou o ritmo das estocadas e enfiou o dedo no meu cuzinho, aquele orgasmo forte veio com tudo. Ainda ofegante me enxuguei novamente e limpei minha buceta de onde escorria certa quantidade de porra. Meu peguete saiu antes de mim, como sempre fazíamos, e retornou à academia. Depois de uns 2min quando eu estava pra sair daquele canto escuro e sujo o vigia aparece. Fiquei sem ação, paralisada! Ele tirou um telefone celular do bolso e disse: “- Não falei que a puta não perdia por esperar! Já vinha te observando. Tenho aqui nesse telefone toda a sua foda com aquele babaca que te come na rua”. Argumentei dizendo que tinha família, que meu filho e meu marido também frequentavam o Clube, e que ele estava sendo covarde em fazer aquilo comigo. De pronto o atrevido falou: “- Covarde é você que fica botando chifre no teu marido, sua puta de rua! Olha só, eu largo do serviço às 21hs, só que amanhã é minha folga. Então, vou querer você aqui nesse mesmo lugar, depois de amanhã às 21hs. Vou te fazer de puta de verdade, do jeito que dondocas vadias como você merecem”. Comecei a chorar ele levantou o meu rosto bruscamente e disse: “A decisão é sua, ou você quer que seu filho saiba da cadela que é a mãe dele. Fica por sua conta.” Sai correndo e nem voltei à academia para tomar um banho como sempre fazia, entrei no carro rapidamente e fui para casa chorando muito. Uma coisa é ele ameaçar contar para o meu marido do que eu venho fazendo, mas pro meu filho. Que cachorro! Contos Imor(t)ais - CORRETORA POR OPÇÃO – 158 -


Entrei em casa atônita, tomei banho e fiquei na sala pensando melhor no que ia fazer. Estava muito confusa! Fui dormir pensando nas coisas que aquele vigia tinha me dito, suas ameaças e a forma como me tratou. Quando dei por mim estava toda molhada brincando com a minha buceta. Estava sentido um misto de tesão, de raiva, medo e curiosidade, por um homem rude e mal educado que eu nem sabia o nome. O dia seguinte foi torturante, não parava de pensar no vigia, não sabia se ia à academia... Nesse intere minha esteticista me liga do salão pra confirmar que eu havia marcado de fazer pé, mão e depilar às 18hs. Eu nem lembrava mais disso, mas confirmei. Ou seja, naquele dia não fui ao Clube. Chegando ao salão pintei as unhas de vermelho, como sempre fazia. Na hora de depilar pedi que a esteticista tirasse tudo e me deixasse lisinha, tinha o hábito de depilar o cuzinho todo, o contorno dos lábios da buceta e as virilhas, deixava só aquele bigodinho em cima. Mas dessa vez quis que ela me despentelhasse toda. Já que ele quer puta, vou mostrar o que é uma puta de verdade. Estava surtada, nem pensei no que meu marido podia achar quando me visse assim. Provavelmente eu ia dizer o que sempre digo das marquinhas de bikini super cavadas: “É tudo pra você, mozinho”. Sai de lá super excitada com minha bucetinha lisa, tanto que quando cheguei em casa bati uma siririca gostosa no banho. Na manhã do dia D eu nem consegui tomar café da manhã, segui para o trabalho e à medida que as horas passavam aquele sentimento confuso de medo e excitação ia me tomando, era perto das 17hs e eu mal conseguia raciocinar. Sai até um pouquinho antes da hora e fui pra casa. Lá chegando meu filho estava fazendo uns trabalhos da faculdade com uns amigos, cumprimentei-os e fui para o quarto. Me preparei toda, e fiquei pensando como iria sair com minhas roupinhas se meu filho e seus amigos estavam na sala? Me vesti normalmente coloquei numa bolsa a roupa que iria usar e sai do quarto dizendo que iria à casa da Beth (uma amiga do trabalho) levar um vestido meu que ela tinha pedido emprestado para ir a uma festa. Já no elevador apertei o botão do playground, fui para o banheiro e troquei a roupa comportada que estava por um vestido de verão bem soltinho, acima do joelho. Como já havia descido sem calcinha e sem sutiã, só calcei a sandalinha e fui para o Clube. Eram 20:58hs e eu estava entrando no beco atrás do ginásio, sentia meus batimentos cardíacos, uma falta de ar, quando o vigia apareceu: “- Hmmm... Sabia que a putinha vinha!” Nesse momento ele me agarrou e meteu sua língua na minha boca, num beijo de quem há muito ansiava por aquele momento. Não consegui reagir imediatamente, mas todo aquele contexto foi fazendo com que meu tesão aflorasse e me atraquei impulsivamente com aquele homem. Abri a sua camisa e espalmei aquele peito másculo, ele foi entrando com aquelas mãos ásperas por baixo do meu vestidinho até notar que eu já estava sem calcinha. Olhou-me nos olhos, me chamou de puta novamente ao mesmo tempo em que introduzia um dedo na minha buceta quente e encharcada. Senti sua rola crescendo dentro da calça e abri o seu zíper, nessa hora ele tirou o pau da minha mão, me segurou pelo braço e me levou pra um lado do Clube que eu pouco conhecia. Quem frequenta o Marapendi sabe como aquilo é grande. Entramos em uma espécie de casa de máquinas onde havia umas bombas hidráulicas com muitos Contos Imor(t)ais - CORRETORA POR OPÇÃO – 159 -


canos, um ar abafado meio mofado e uma luz amarela bem fraca. Abri seu zíper de novo e liberei aquele taco de beisebol bege escuro com uma cabeça que mais parecia uma bola de sinuca rosada, passei a punhetá-lo gostoso e vendo aquele cacete enorme crescer mais e mais pensei como esconderia aquilo tudo dentro de mim. Já encarei muitas rolas grandes em minha carreira de putinha por vocação, mas aquele seria um desafio grosso e comprido. Eis que ele senta em um banco de madeira e me deita ao longo como se suas coxas fossem um travesseiro para a minha cabeça, levanta meu vestido e passa e desferir tapas estalados em meu bumbum intervalados por dedadas fulminantes em meu cuzinho e na xoxota também. Comecei a chupar aquela tora sofregamente, pois tinha que abrir bem a boca pra cabeça passar, ao mesmo tempo em que aquelas palmadas em meu bumbum iam anestesiando minha musculatura, fazendo com que minhas pernas se abrissem mais deixando meus buraquinhos totalmente expostos. E falou pra mim: “- Isso é um castigo nessa bunda gostosa que você ficava desfilando na piscina pra me provocar, vadia! Só tô começando!” Me senti totalmente puta e submissa neste momento, estava quase gozando naquela casa de máquinas suja e abafada. Chupava e punhetava aquele pau louca pra senti-lo dentro de mim. Ele se levantou, tirou todo o meu vestido, livrou-se de sua calça me colocando de quatro naquele banco estreito com a bunda pra cima, posicionou aquela tora na entrada da minha buceta e foi empurrando. Engoli a cabeça com certo desconforto, ele notou. Tirou um pouquinho, massageou minha buceta usando meus líquidos fêmeos até que meteu a cabeça e empurrou o restante até que eu sentisse seus pentelhos em minhas nádegas. Nunca havia sentido meu útero tão preenchido era uma pressão gostosa mesmo ele metendo devagar, à medida que fui me acostumando as bombadas ficaram mais rápidas bem como a altura dos meus gritos. Estava sendo fodida como uma cadela, fazendo força pra me equilibrar no banco e com uma rola descomunal na buceta. Meus líquidos escorriam pelas minhas pernas enquanto ele segurava minhas ancas como alças e metia fundo. Eu fechei os olhos e fiquei sentido aquilo me arrombando toda. Quando ele deu uma bombada bem forte uma das minhas mãos escorregou do banco e eu quase cai. Ele me pegou, levou até um dos canos que saia das bombas, eu segurei ali enquanto ela abria bem as minhas pernas para me invadir novamente, eu estava completamente alucinada, já havia gozado duas vezes quando ele esvaziou seu saco todinho dentro de mim. Aquela porra grossa escorria pelas minhas pernas completamente bambas e suadas. Ele me segurou e deu outro beijo de língua, sentime totalmente puta, realizada, nunca havia me sentido tão fêmea. Nos sentamos naquele banco e ele me disse: “Aguentou bem essa rola na buceta, vadia! Já tive mulheres que correram, você levou de jeito e sem dó!” Levantei do banco, peguei meu vestido dizendo que estava toda ardida, quando ele perguntou: “- Aonde você pensa que vai? Tá pensando que acabou? Vem aqui me chupar vem, quero esse cuzinho agora.”

Contos Imor(t)ais - CORRETORA POR OPÇÃO – 160 -


Ao escutar isso minha xoxota encharcou novamente, adoro sexo anal, mas aquela pica me dava medo. Ele se levantou, ajoelhei-me em sua frente e passei a chupá-lo com vontade, deixei aquele cacete brilhando. Recebi uma bela chupeta na buceta intercalada por umas dedadinhas do cú, até que meu dono julgou que eu estava pronta para ser enrabada. Levou-me aos canos das bombas onde segurei deixando a bundinha bem arrebitada senti aquela bola de sinuca forçando a entrada do meu rabinho, mas não ia, ele passou a introduzir dois dedos em meu cú pra me dilatar, mas ainda assim a rola não entrava. Voltamos para o banco onde me colocou de quatro novamente, cuspiu bastante em meu cuzinho pra lubrificar. Eu ansiava por sentir aquela tora no meu rabo, ao mesmo tempo sentia certo receio de me machucar. Com o rabo todo babado ele posicionou aquele pau no cú da puta e empurrou de cima pra baixo, a cabeça passou, soltei um urro e ele foi metendo vagarosamente até onde eu aguentei. Sentia aquilo em minha bunda, tinha engolido uns dois terços de pica e o resto não entrava. Ele tirou tudo e meteu novamente, até que eu me acostumasse e passou a bombar meu cuzinho sem dó. Eu gritava, balançava a cabeça, tentava rebolar mais não conseguia, estava louca de tesão e logo gozei. Mas ele impiedosamente seguiu investindo no cú da sua putinha. Sentia cada veia daquela tora acabando com as minhas pregas. Quem diz que tamanho não é documento nunca encarou uma lapa de pica assim. Fomos para o chão onde ele me deitou de lado, afastei bem as pernas para facilitar o seu acesso ao meu rabinho que foi penetrado mais uma vez, meu macho me fodia gostoso enquanto eu segurava aquele saco suado e ele mordiscava a minha nunca. Nesse ritmo levei jatos e jatos de porra dentro do cú que escorriam por minhas nádegas avermelhadas. Desse dia em diante tornei-me sua cadelinha de estimação e assim estamos há quase um ano. Tive outros momentos deliciosos com o meu vigia que relatarei em outros contos. É aquela velha história; ser puta não é profissão, é vocação.

Contos Imor(t)ais - CORRETORA POR OPÇÃO – 161 -


PURITANA Troquei os nomes verdadeiros por motivo de discrição. Leia tudo, pois este relato é verdadeiro e faz parte de minha fantasia escrever tudo que vivemos. Olá meu nome é Paulo e minha esposa se chama Virgínia, nós somos um casal de jovens, eu 25 anos e ela 20, tenho 1, 75 mts e Virgínia 1, 70 mts. Virgínia tem um corpo “ESPETACULAR”, suas pernas são grossas e firmes (ela malha) sua bunda simplesmente é a bunda mais gostosa que já vi, e não é porque ela é minha esposa não, ela realmente é toda linda e muuuuiiiittttoooo boa mesmo. Sabem aquela Sabrina ex-big brother? Ela é idêntica, corpo e rosto, sendo assim não preciso mais descreve-la vocês já perceberam que se trata de uma gostosa mesmo. Temos uns amigos, Rogério e Diana que são exibicionistas e sempre brincamos com eles falando que não temos coragem de fazer o que eles fazem, deixar que sua esposa vista roupas curtíssimas e ficar vendo os vizinhos a olharem e a come-la com os olhos (e com as mãos) e ainda achar isso excitante, e não achávamos mesmo. Quando íamos a casa deles o Rogério sempre dizia para a Diana em nossa frente “vai botar o short mais sacana que você tem porque os meus melhores amigos chegaram e eu quero que eles vejam como sua buceta é gostosa e sua bunda é maravilhosa”. A minha mulher morria de vergonha, pois sempre foi muito moralista e às vezes ate se aborrecia por que ficava com ciúmes de mim com a mulher de meu amigo, porque quando chegávamos e ele a mandava botar roupas devassas ela realmente botava, uma vez ela até se masturbou na frente de todos nós inclusive do marido dela quando assistíamos um filme e tambem mostrou o peito quando botou silicone. Lembro-me ate que nesse mesmo dia ela chamou minha mulher no quarto para lhe mostrar direito o “silicone” e o meu amigo foi ao banheiro, confesso que me escondi e olhei pela fechadura da porta e ela queria que minha esposa pegasse em seu “novo” peito para ver como estava duro, e minha esposa na inocência pegou, aí a Diana gemeu sacanamente, minha mulher a repreendeu dizendo que não era lésbica. Mas voltando o assunto... Foi assim que despertados para o exibicionismo, consegui convencer minha mulher de que se fizéssemos como nossos amigos talvez apimentássemos nossa relação, ela se recusou veemente dizendo não ser puta como a Diana, mas depois foi cedendo e aceitou vestir um shortinho que comprei pra ela. Agora imaginem: ela sempre comportada, jamais vestiu roupas curtas ou apertadas, os vizinhos sempre a viram toda vestida e não imaginavam o corpo que ela tem, de repente ela passa pela rua com um shortinho vermelho de lycra apertadíssimo dividindo sua buceta e com quase metade de sua bunda pra fora, aquele corpo de artista televisiva! Os vizinhos quase enfartaram, até os moleques estavam sussurrando entre os dentes “gossstosa”. Aquilo quase me matou de tesão, ver aquele corpo que até então só eu conhecia, estava ali seminua e sendo desejado até pelos anciãos. Percebi que ela estava uma tanto desconsertada, mas quando um moleque que estava atrás dela na fila do mercadinho deu uma bela encostada em sua bunda, acho que ela entrou no clima, pois vi umas duas vezes ela deixar a bolsa propositadamente cair no chão e se abaixar pra pegar e botar aquela bunda pra cima para que o short entrasse mais no cu e o moleque ficasse doidinho. Esse dia foi demais, quando ela chegou em casa o seu short estava praticamente dentro de sua bunda de tanto que ela puxou pra entrar na cúzinho. Transamos feito animal, detalhe, fudemos com a janela aberta Contos Imor(t)ais - PURITANA – 162 -


e de vez em quando ela ficava em pé na cama pra que o vizinho do lado a visse nua. No outro dia ela sai para comprar pão com o mesmo short só que sem calcinha, pasmem foi isso mesmo, se olhasse fixamente pra sua boceta dava até pra ver que estava toda raspadinha, pois o short é um tanto transparente. Há! Antes que eu me esqueça, um belo dia ela saiu com uma blusa tipo aquelas “tomara-que-caia”, aquelas que o decote alem de ser grande é extremamente folgado, pois é, ela foi ao mercado e fingindo não perceber deixou que um dos peitos ficasse metade pra fora, isso tudo já estava chamando muito a atenção e já tinha até comentários maldosos dizendo que eu deveria até ser corno pela esposa que tenho. Não era isso que queríamos, só nos excitar um pouco, mas realmente ela já estava exagerando pra uma pessoa que semanas atrás era puritana. Depois do dia da tal blusa, um velho amigo de meus pais de uns 65 anos estava conversando comigo no portão de minha casa quando de repente me pediu desculpas e me disse que não era de sua conta, mas a Virginia andava um pouco estranha. Aí eu disse: – O senhor quer dizer um pouco gostosa não é? Ele ficou todo vermelho de vergonha e eu percebi que falei aquilo sem querer, mas ao mesmo tempo descobri que falar de minha mulher também me excitava muito, e continuei dizendo: – Ela realmente é muito gostosa, aquela bunda de putinha é tão apertadinha que toda vez que eu como parece que estou tirando o cabaço Que loucura eu que era tão ciumento estava falando de minha mulher com um conhecido, não sabia qual seria sua reação, mas fui levado pelo tesão e não conseguia parar. De repente vejo que ele já estava de pau duro e perguntei – Quer ver minha mulher nua? Mas, por favor, não diga isso pra ninguém! Pra meu espanto ele responde – Sim, é claro que quero ver aquele rabo de menininha nova cheirando a leite E então entramos lentamente em casa, eu estava tremendo, pois não sabia qual seria as conseqüências daquilo, mas era exatamente isso que me excitava naquele momento. Talvez ate a minha mulher se de repente acordasse, não aceitaria essa situação de eu levar um homem pra vê-la enquanto dormia. Quando chegamos a porta, ele já tinha gozado só de se imaginar naquela situação, estava mais nervoso que eu. Paramos na porta e lá estava ela só que coberta e de barriga para baixo. O homem quando viu aquilo tudo debaixo do lençol suspirou como se estivesse dizendo “afinal vou ver seu rabo”. Não me contentei e disse – Vou baixar o cobertor pra o senhor ver sua bunda Nisso minha voz já estava tremula de nervosismo misturado com tesão. Ele disse

Contos Imor(t)ais - PURITANA – 163 -


– Não meu rapaz, assim já está ótimo, ela pode acordar. Então eu disse: – Fique preparado se ela acordar o senhor sai da frente da porta e vai embora Ele tentou me impedir, mas o tesão me dominava e eu prossegui. Abaixei lentamente o cobertor para não acorda-la, e tivemos uma surpresa, ela estava completamente nua. Deixei aquele monumento lá a disposição dos olhos sedentos daquele velho e fui pra perto para falar sacanagem, pois estava com uma vontade incontrolável de falar da minha mulherzinha e ver outro homem se excitando. Acho que jamais faria isso se ele fosse um homem novo, pois teria ciúmes e temeria que ele se interessasse por ela e talvez ela por ele, com o velho eu sabia que não correria esse risco. Voltei pra perto do velho e comecei a falar: – Olha que bunda, ela é um tesão senhor Zé, quer fode-la? Só eu posso Ele me perguntou se podia se masturbar. Aquilo quase me matou, a possibilidade de ver um homem em frente a minha mulher nua, e ainda por cima, se masturbando, e imaginar que ela não esta sabendo de nada. Eu disse – Vá em frente, foda-a só com a imagem. Quando ele tirou seu aparentemente 20cm de pau duríssimo, e eu vi aquela cena, ele olhando aquela coisa extraordinária de mulher, tirei meu pau pra uma punheta também. Eu continuava falando que ela é um tesão, que eu queria que ela virasse de frente pra ele ver sua buceta raspada. Eu estava tão nervoso que gozei antes que o sr. Zé. A Diana então comessou a se bolir, abriu as pernas depois ficou de buceta, digo, barriga pra cima, e finalmente ficou com sua buceta escancarada pra nosso deleite. Naquele momento eu já queria ver o sr. Zé tocando o corpo dela, más jamais mandaria pois eu estava morrendo de medo que ela acordasse e pensasse que sou um pervertido. Mas não consegui me controlar, disse ao sr. Zé toque nela, vamos passe a mão em sua buceta raspada, vai quero ver essa puta sendo aproveitada por você. O sr. Zé imediatamente percebeu o grau de risco e tesão que estava rolando e teve medo, e disse – Não devemos fazer isso, está errado porra ela é sua mulher, quer mesmo me ver pegar em sua xâninha careca? – Ela pode acordar porra. Mas eu estava alucinado, peguei ele pelo braço e fui conduzindo sua mão até aquela buceta rosa, tudo isso em silencio. Mas pra meu azar, no momento em que eu precionei o dedo do sr. Zé na sua xana, ela acordou, e me viu segurando a mão do homem em sua buceta, e imediatamente me viu com o pau pra fora e também o sr. Zé. Ela deu um berro pelada e disse

Contos Imor(t)ais - PURITANA – 164 -


– Porra cara que sacanagem é essa? Você traz um homem pra querer foder sua mulher? Seu corno! Quando ela falou isso uma fúria subio e eu pensei, porra, essa puta fica se esfregando na padaria, socando o short no rabo, mostrando a buceta aos moleques, e eu não posso me divertir também? Aí disse a ela – Se você quiser continuar exibindo essa bunda na rua vai ter que deixar o sr. Zé comer seu rabo” Ela disse – Você ta louco cara eu fasso isso porque nois dois gostamos mas daí a eu fuder com outro isso eu não aceito, seu corno E acho melhor você mandar esse homem ir embora daqui. Senão quem vai embora e não aparesso mais sou eu, eu já te falei que não sou puta. Tentei me acalmar e disse ao sr. Zé aguardar no quarto e levei aquela gostosa pra sala. Falei com ela, querida por favor desculpe mas eu fui levado pelo tesão e comessei a falar que você era gostosa fui ficando excitado e quando dei por mim já estava naquela cituação. Mas eu prometo que só vai ser esta única vez. Ele já esta velho e não dá mais no coro só vai mesmo servir pra excitar nois dois. Você vai sentir o tesão de ver seu marido olhando você dar esse rabo delicioso, e eu vou realizar a fantasia de ver de perto você fuder so que com outro. Ela disse – Não sei, eu fiquei meio surpresa com tudo isso mas confesso que fiquei com um pouco de tesão quando vi meu próprio marido botando a mão de outro homem em minha buceta, você pode ate ter rasão, porque o velho só vai servir mesmo de brinquedo, mas tenho medo dele falar pra as pessoas aqui do bairro”. Na verdade aquela putinha gostosa tava mesmo foi com vontade de dar pra outro na minha frente. Depois de muita conversa ela topou deixar somente ele masturbar ela e eu olhar. Quando chegamos ao quarto flagramos o sr. Zé acariciando o pau grande dele, percebi a Virginia sussurrar surpresa: – Que pica grande! Nos deitamos na cama todos sem jeito como se fossemos adolescentes na primeira transa. A Virginia não sabia o que fazer estava meio com vergonha de tirar o cobertor que estava enrolado em seu corpo. Mas a voz da experiência falou mais alto e o sr. Zé tomou a iniciativa e disse – Calma minha gostosa fica de quatro e empina esse rabinho aqui pro papai te enrrabar na frente de seu marido. Então ela disse: – Nada disso, nós apenas vamos nos masturbar, se meu marido deixar voce pode apenas me tocar e acariciar.

Contos Imor(t)ais - PURITANA – 165 -


É claro que eu concordei. E ficamos nos masturbando, quando de repente Virginia não agüentando de tesão pegou o pau do homem e botou nas suas coxas. Gozamos feito loucos, e depois desse dia concordamos em não tranzar mais a três, nosso tezao mesmo era roupas sacanas para outras pessoas viajarem na imaginação. De vez em quando viajamos para o interior e como as pessoas não nos conhece (pois alugamos casas para evitar que voltemos para o mesmo lugar) fazemos coisas ousadissimas como por exemplo transar do lado de fora, mando que ela vista short de lycra sem calcinha e sente na porta da casa toda aberta, quando vamos à praia ela só usa fio dental e eu venho andando atrás como se não a conhecesse e fico vendo os homens falarem coisas ousadas pra ela. Uma vez concordamos em fazer uma aventura, mas uma vez apenas e nunca mais, sempre concordamos antes o que faríamos, bem foi assim, fomos a praia e ela sempre com um biquine de puta sentou numa mesa de barraca e eu em outra e fingimos não nos conhecermos. Rapidamente aproximou-se um rapaz de aparentemente uns 18 anos e comessou a converssar com minha esposa, e eu na mesa ao lado ouvindo tudo, ela falou tanta sacanagem que o cara não agüentou e convidou ela pra trepar, ela sem saber o que fazer deu uma olhada de leve pra mim sem ele perceber, pois não sabia se eu toparia isso de novo, e eu balancei a cabeça consentindo. Ele levou ela para uma parte deserta da praia que tinha umas pedras enormes e altas botou ela de quatro e fodeu ela direitinho, e eu é claro estava perto olhando tudo. Quando já estava cheio de tesão me aproximei e comessei a me masturbar e perguntei se ela era a namorada dele e ele me respondeu: – Sim mas se você quiser pode olhar eu comendo essa puta e se masturbar. Quando dei por mim já tinha umas oito pessoas olhando o show e se masturbando. Houve uma hora em que uns três caras chegaram mais próximo e ameassaram estupra-la, daí ficamos com medo e nunca mais arriscamos fazer isso de novo. Quando vamos a praia as vezes eu continuo fingindo não conhece-la mas ela não aceita convite para foder, apenas fica se exibindo tomando sol com a buceta pra cima. Vou contar uma coisa que ela não sabe que eu descobri, mas uma vez eu a segui quando ela foi a praia com uma amiga e quando elas saíram e comessaram a andar pela praia foram para um lugar distante e deserto da praia, e pra minha surpresa elas comessaram a se beijar e a amiga dela pegou a garrafinha do bronzeador e enfiou na buceta dela e comessou a masturba-la com a garrafinha, fizeram todo tipo de sacanagem que duas mulheres poderiam fazer e depois foram embora.

Contos Imor(t)ais - PURITANA – 166 -


RECENTE Essa aconteceu segunda-feira, 26 de maio deste ano, e me fez vencer o receio de escrever e narrar essa experiência deliciosa. Sou Phille, jornalista free-lancer, tenho 28 anos, moro em Laranjeiras, na Zona Sul do Rio de Janeiro e estou de bem com a vida. Recentemente me envolvi com uma mulher de 23 anos, Jóia., inteligente e bonita. Ela tem cabelos curtos, seios pequenos com mamilos sempre durinhos e apontados para cima, e uma bunda simplesmente deliciosa. A boca é um sonho, assim como seus olhos. Apesar do clima de cumplicidade, as coisas demoraram a acontecer. Escrevemos muitos contos e poesias juntos, lemos toda a obra de Ítalo Calvino, e a nossa sexualidade ficava sempre em segundo plano. Pelo menos era o que eu acreditava. Joana alimentava uma série de fantasias comigo, algumas delas em relação ao contraste latente de nossas peles. Ela é muito branca, e eu tenho a pele bem negra. Como costumo raspar a cabeça e cultivo um cavanhaque, algumas mulheres acham que tenho cara de malvado e safado, o que me diverte muito. Semana passada, depois de 1 mês de relacionamento intelectual intenso, saímos para jantar no Mdm Butterfly. Durante o jantar, entre uma dose de sake e outra, ela foi contando sobre alguns homens de sua vida. Quando relatava as histórias e os seus orgasmos, ela sempre demonstrava preferência pelas relações mais fortes, intensas. Eram casos onde os rapazes não haviam lhe dado muita chance de escolha e ela se sentia subjugada. Preferi não contar nenhum dos meus casos, e fiquei sorrindo pelo canto da boca. Ela então me disse que eu estava com uma puta cara de safado e que deveria estar imaginando um monte de sacanagens com ela. Eu estava brincando com os hashis entre os dedos e ela comentou que eu estava simulando uma foda. Não neguei. Ela continuou a falar: – Tenho várias fantasias sacanas com você, só não disse antes porque você poderia misturar esse tesão com a paixão que sente por mim. Fiquei na minha e continuei sorrindo, louco para comê-la. Uma das minhas vontades era provar o caldo daquela buceta, lamber gostoso aquele grelo sem tirar a calcinha, só afastando para o lado. Pagamos a conta e saímos do restaurante. Ao chegarmos a porta, encontramos o editor chefe do jornal onde trabalhei. Ele se desfez em elogios a qualidade do meu trabalho e isso parece ter despertado ainda mais o tesão dela. Quando entramos no carro, Joana parecia a própria imagem do desejo. Andamos alguns metros e não resisti a tentação de colocar minha mão sobre sua coxa. Nossa, como desejei tocar aquela pele. Dava para sentir o calor da buceta próximo aos meus dedos. Ela fingiu não querer o toque e entendi qual era o seu jogo. Avancei a mão com decisão e toquei sua buceta por cima da calcinha. Ela gemeu forte e quase perdeu o controle do carro. Eu, deliciado, já estava de pau duro e com a outra mão belisquei seu mamilo durinho, chamando-lhe de puta. Em seguida penetrei forte com dois dedos pela lateral da calcinha, e o mel daquela xoxotinha escorreu todo para a palma da minha mão. Ela gemia e falava que eu era um canalha, um estrupador safado. Ela parou próximo ao meu prédio e mandei-lhe seguir com o carro. Vocês tinham que ver aquele rostinho lindo completamente transtornado pelo tesão. Eu já não agüentava mais de vontade de ver Joana gozando. Entramos numa rua deserta e ela perguntou, gemendo forte:

Contos Imor(t)ais - RECENTE – 167 -


– O que você vai fazer comigo? O que você quer, negão? Me foder? Não falei nada. Abaixei o banco dela e deixei 3 dedos entrarem na sua xoxota, com uma certa força, fazendo pressão naquele pontinho que parece um ossinho, logo acima da entrada da vagina. Ela pirou e gozou imediatamente. Um gozo farto, melado, que veio forte, quase como um jorro, babando toda a calcinha e meus dedos. Lambi um pouco daquele suco e passei o resto nos lábios e nos seios dela, lambendo tudo depois. Ainda brinquei um pouco com a calcinha antes de tirá-lá. Enfie na bundinha e na racha e fiquei curtindo o visual. Que tesão! Ela me beijou gostoso e mordeu meu lábio inferior, esticou a mão e pegou meu pau, já completamente duro. Joana riu quando sua mãozinha não conseguiu se fechar em torno do caralho. Como a cabeça não passava direito em sua boca, ela lambeu gostoso, mordiscou dos lados e passou a língua de forma tesuda no meu saco raspadinho. Ao mesmo tempo me masturbava e gemia coisas como: – Põe essa pica em mim, crioulo safado! Fode sua branquinha, mete essa pica com força e me arregaça! Quero mamar essa porra toda! Esporra na minha cara! Eu aproveitava cada minuto daquele boquete divino, já esquecendo do perigo de estar fodendo na rua. Alguns carros passavam e nós nem ligávamos. O cheiro de foda dentro do carro era um tesão a mais e ver aquele rostinho lindo chupando meu pau me tirava do sério. Parei com a mamada e levantei as pernas dela. Na maldade, rasguei a calcinha e ela quase não acreditou quando fiz isso. Coloquei-a de quatro no banco do motorista e enfiei o pau naquela buceta carnuda tão sonhada. Fodia com fúria e logo nas primeiras estocadas ela gemeu forte e deu outra jorrada, como eu nunca tinha visto antes. Tirei meu pau de dentro dela e dei para que ela mamasse outra vez. Ela chupou e começou a falar, como se estivesse em transe: – Que delícia o gosto da minha buceta na sua pica. Goza! Mistura tua porra com a minha! Relaxei e esporrei gostoso naquela boquinha. A porra vazava pelos seus lábios e ela deixava escorrer para o queixo, uma das poucas sacanagens que ela sabia que eu adorava. Foram 6 jatos fartos de porra, que delícia. Ela mamou gostoso, a boca cheia de esperma, com um sorriso safado, de quem quer mais. Beijei forte aquela boca que havia me causado tanto prazer e coloquei-a de quatro novamente. Chupei a buceta toda melecada por trás. Lambia o clitóris durinho. Era bem grandinho e quando puxei aquela pelezinha para trás ele cresceu e ela gemeu de novo, pedindo para eu meter mais dedos. Puxei um pouco do melado da xoxota e meti um dedo no cuzinho rosado. O gemido não sai da minha cabeça. Como é gostoso sentir o cheiro, o gosto e os sons de uma mulher com tesão. Dentro do universo pequeno do carro dela, a experiência sensorial era ainda mais concentrada. Colocar o dedo naquele rabo só me deu ainda mais vontade de descobrir se meu pau caberia no cuzinho de Joana. Mandei ela sentar no meu pau e o caralho entrou fácil, macio. Algumas estocadas e ela já estava gozando, beijando minha boca ao mesmo tempo que eu tocava aqueles biquinhos durinhos, que peitinho lindo! Numa das subidas dela, o pau escapou e quando ela foi meter de novo, me mexi e a pica foi parar na porta do cuzinho. Nunca tive uma penetração tão gostosa! O gritinho veio junto com a passagem da Contos Imor(t)ais - RECENTE – 168 -


cabeça pelo anelzinho. Ela soltou o corpo e a pica deslizou para dentro. Virei o corpo sem tirar e bombeei de quatro. Delícia.... ela gemia e não há duvida que os carros que passaram na rua entendiam o significado daquela movimentação. Coloquei a mão por baixo para masturbá-la, e ela já estava tocando o grelo... deixei. Queria ver aquela menina gozando pelo cu. Joana. Então corcoveou e rebolou mandando eu socar a pica no rabo dela. Atendi seu desejo e ela pediu para que eu avisasse quando fosse gozar. Dei uns tapas gostosos, deixando a marca da minha mão na sua bunda. Ela começou a gozar, do mesmo jeito louco que das outras vezes, as coxas babadas, melecadas com o caldo dela. Meu pau fazia aquele barulhinho tesudo, de molhadinho. Avisei que ia gozar e ela virou-se(não sei como!) e meteu a pica na boca. Enfiou a mão esquerda por debaixo da minha bunda e sem o menor pudor, enfiou o dedo médio no meu cu. Espirrei uma cachoeira de esperma na boca da daquela putinha, que gozada gostosa! Ela brincou com a porra, me beijou durante alguns minutos e me abraçou. Relaxamos, eu guardei a calcinha dilacerada no bolso e ela me levou em casa. Na quarta feira ultima nos separamos. Ela, ao se despedir, disse que a experiência havia sido forte demais e teve medo de não ser igual numa próxima vez. Não forcei a barra. Mal sabe ela que seria bem melhor.

Contos Imor(t)ais - RECENTE – 169 -


CACETE GG Era uma sexta feira e nós viajávamos para um rancho de uns amigos às margens de Rio Paraná na cidade de Presidente Epitácio quando nosso carro deu defeito na parte elétrica. Chamamos um caminhão de resgate da rodovia e após uns 20 minutos, o caminhão chegou. O motorista do caminhão era mulato bem afeiçoado e simpático, uns 28 anos, bem alto 1, 90 eu imagino e com aparência de quem pratica musculação. – Com problema aí chefia? Perguntou ele. – Sim. Acho que é na parte elétrica. Respondi. Minha esposa desceu do carro e percebi que o rapaz a olhou de cima embaixo e, disfarçando, comentou: – E esse calor hein? Tá demais. – Sim. A região de vocês, aqui, é muito quente. Comentei. Realmente o calor era insuportável. Eu usava uma bermuda e uma camiseta e minha esposa, um vestidinho branco, de seda muito fininho e leve e como estava sem soutien, seus seios ficavam bem demarcados. Minha esposa, na época estava com 23 aninhos, linda, pequenina com 1, 55 de altura, aproximadamente, 48 kilinhos, cabelos longos e negros e uma pele bem clarinha, seios médios e empinados e uma bundinha linda e arredondada. Um filézinho rsrsrsrs. Eu já estava na casa dos 30, sou magro, 1, 73 de altura e um dote de 18x4, 5 que minha esposinha sempre gostou. Você deve passar calor com esse uniforme? Comentei. – Bastante. Além do mais, é muito apertado. Ele completou. E era mesmo. Minha esposa deu uma olhada e disfarçou me abraçando. O rapaz usava um uniforme cinza e amarelo com a camisa aberta até a altura do tórax e colocada por dentro das calças que de tão apertada, deixava evidente um volume que se assemelhava a uma linguiça calabresa colocada meio de lado. Fez-se um breve silêncio e falei: – Eu sou André e essa é minha esposa Jéssica. – Valdir. Respondeu ele retirando as luvas das mãos para nos cumprimentar. Estão indo pra onde? Perguntou. – Presidente Epitácio. Vamos passar o fim de semana num rancho. Respondi. – Que bacana. Vocês gostam de pescar? – A Jéssica vai mais por causa da galera. Eu já gosto de pescaria. – Legal. Meus pais tem um pesqueiro perto de Prudente. Aliás, é pra lá que vou levar vocês. Disse ele apontando com o dedo.

Contos Imor(t)ais - CACETE GG – 170 -


– Quanto tempo daqui até lá? Perguntou Jéssica. – Meia hora. É perto. Ele disse. – Vamos ter que almoçar por lá amor. Falei olhando no relógio. – Minha mãe serve almoço no pesqueiro. O preço é ótimo e a comida excelente. E é pertinho da cidade. Sempre almoço lá. Disse Valdir de forma bem cordial. – Tá ótimo. Se não for atrapalhar seu trabalho. – Imagina. Já vai ser meu horário de descanso mesmo. – Ok então. Completei. Entramos no caminhão e seguimos. Jéssica se abanava com uma revista e não percebeu que com o vento, seu vestido que era muito leve e com decote fundo, se abria um pouco e como Valdir era bem alto, bastava uma olhadinha de lado que ele conseguiria ver os seios dela perfeitamente. E é claro que ele tinha percebido a ocasião, pois num toque bem sutil, Jéssica me fez perceber o que Valdir tentava esconder puxando a camisa, o que antes parecia uma calabresa, agora tomava proporções de um salame. Jéssica inclinou seu corpo e encostou um dos seios em meu braço e pude notar que ela estava excitada com aquilo, pois seu mamilo estava durinho. Apesar de sempre vermos filmes pornôs, nunca havia acontecido nada parecido como aquele momento e confesso que fiquei muito excitado também. Valdir para disfarçar a ereção, pegou uma toalhinha que ele usava para secar o rosto e propositalmente deixou-a cair no colo. – Vou dar uma paradinha pra pegar água. Se quiserem descer um pouco, fiquem a vontade. Disse ele entrando em um posto de combustíveis. Jéssica e eu descemos e fomos à lanchonete. – Gostou né? Perguntei. –Do que? Disse ela fingindo não entender. – Ficou mostrando os seios pro rapaz até deixar ele de pau duro. Falei abraçando-a e deslizando minha mão em seu seio que continuava eriçado. – Para seu bobo. Nem percebi que estava aparecendo. – Mas gostou que eu sei. Seu mamilo tá durinho até agora. Sussurrei em seu ouvido. -Parece que você também ficou excitado? Comentou ela olhando pro meu pau. – Pior que fiquei. Até imaginei você pondo a mão no pau dele. – Tá loco?! Contos Imor(t)ais - CACETE GG – 171 -


– Ué, a gente sempre imagina besteira quando assistimos vídeos pornôs. Comentei. – Ah! Tá! E você deixaria um negão daquele me pegar? – Deixaria. Eu sei que você gosta. Você fica toda molhadinha quando vê um negão fodendo uma branquinha. Já percebi isso. Seria uma aventura. Completei. – Aventura?! Seria uma loucura, isso sim. Você já imaginou o tamanho que deve ser aquilo. Capaz que eu aguentaria... Parece enorme. Ela disse me abraçando. Chegamos ao balcão e pedimos um suco. Jéssica ficou em silêncio, mas eu sabia no que ela estava pensando. Eu conhecia aquele olhar e sua respiração ofegante. Seus seios continuavam eriçados e eu com o pau duro como pedra. Pegamos uma água e saímos. – Então? O que você acha? Perguntei. – Será?! Você deixaria mesmo? – Se você estiver afim... Mas eu quero participar. Respondi. – Ah, amor! Dá medo. Falar é uma coisa, fazer é bem diferente. E tem mais... Você reparou no tamanho dele perto de mim? Você já me deixa toda aberta... Imagina... Aquilo. Disse ela sorrindo. – Você tem razão. É doideira mesmo. Concordei e dei um beijo em sua testa. Valdir nos aguardava no caminhão. Entramos e a viagem prosseguiu. – Mais uns vinte minutos. Disse. – Que bom. Já estou ficando com fome. Disse Jéssica que após tomar um gole de água, completou: – Com uma cervejinha bem gelada pra acompanhar, eu seria capaz de comer um salame inteiro sozinha. Falando isso, ela me deu uma cutucadinha. Todos riram e eu entendendo a deixa continuei já sabendo onde a brincadeira ia terminar; – Ah! É? Vou comprar um salame tipo italiano bem grosso pra ver se você consegue comer... Será que ela aguenta Valdir? Perguntei sorrindo. Ele que já tinha sacado a safadeza respondeu; – Ela é pequenininha, mas acho que aguenta pelo menos a metade. Rimos. Jéssica deu uma encarada no pau dele que já não se importava mai em disfarçar a excitação e no meu e então falou; – Vocês só pensam besteira. Estou falando de comida. Riu. Contos Imor(t)ais - CACETE GG – 172 -


Jéssica desabotoou dois dos três botões que havia em seu vestido, pegou em lenço da bolsa e enxugando o suor entre os seios disse; – Nossa! Esquentou mais de repente. Acho que antes de comer o salame eu preciso entrar embaixo de um chuveiro bem geladinho. Disse ela sorrindo e abanando o vestido que, com os dois botões abertos, deixava praticamente a mostra seus seios. Valdir que parecia ser do tipo que não deixa a oportunidade passar apontou para uma mata adiante e falou; – Logo a frente tem uma entrada que sai no pesqueiro do meu pai e tem uma cachoeira linda na mata, é bem isolada. Se quiser se refrescar um pouco... A cidade é logo ali. Deixo vocês lá e depois volto pra pegá-los. – Nossa! Uma cachoeira seria tudo de bom agora. Disse Jéssica apertando minha coxa. Meu pau estava duríssimo e eu sabia que Jéssica concordasse não teria volta... O pau ia comer... Rsrsrs. – Mas é tranquilo ali? Perguntei. – Demais. Venho sempre com minha namorada. Aliás, ela ia adorar conhecer vocês e se seu carro não ficar pronto hoje, podemos marcar um choop à noite. Disse ele com um sorriso maroto. – Tá muito calor amor! Vamos conhecer a cachoeira? Falou Jéssica dando uma piscadinha pra mim. – Vamos lá. Respondi com o coração batendo forte e o pau pulsando dentro da bermuda. Eu sabia que tinha atiçado o tesão de Jéssica e agora tinha que ir até o fim. Valdir começou a diminuir e entrou numa clareira com árvores dos dois lados. O ar fresco e o cheiro de mata era uma delícia. Valdir dirigiu por uns dois kilômetros e parou a beira da estrada. Apontou para uma trilha e disse; – É por ali Descemos do caminhão e Jéssica me pediu para pegar uma bolsa no banco detrás do carro onde ela guardava algumas roupas, toalhas e produtos de higiene. Peguei a bolsa e seguimos Valdir mata adentro que ia fazendo comentários sobre a limpeza do rio e tal. Jéssica olhou pra mim e apontou para a bunda de Valdir e fez um gesto de beliscão sorrindo. Eu a abracei por trás com uma das mãos na bunda dela e cochichei; – Safadinha! – Culpa sua. Agora aguenta. Rsrs. Disse ela pondo a mão no meu pau. – Chegamos. Disse Valdir apontando por trás de uma moita de flores. – Uau! Que lindo! Exclamou Jéssica. – Verdade. Lindo mesmo. Concordei. Contos Imor(t)ais - CACETE GG – 173 -


– Olha aquelas pedras amor. Perfeito pra tomar sol. Completou. – E é bem calmo e isolado. Perfeito. Falei abraçando a cintura de Jéssica que estava numa pedra um pouco mais alta que eu. Valdir estava um pouco mais para trás. Cheguei no ouvido de Jéssica e dando um beijo e seu pescoço, perguntei; – Tá afim? Ela fechou os olhos e apenas acenou positivamente com a cabeça. Dei um beijo em sua boca e fui descendo minha mão em suas costas, passando pela bunda deliciosa e parei em sua coxa abaixo do vestido e voltei minha mão por baixo dele e levantei-o um pouco enquanto com a outra mão acariciava seus seios que estavam totalmente durinhos de tesão. Ela suspirava e apertava minha nuca puxando minha boca em direção dos seios que eu mordia por cima do vestido. Olhei para Valdir que massageava o pau e dei sinal para ele se aproximar. Ele foi chegando, tirando a camisa e desatando o cinto da calça. Quando ele, enfim encostou seu corpo em minha esposa, senti seus pelos se arrepiarem. Ela jogou a cabeça para trás e encostou-se no peito de Valdir que, devido a diferença de altura que era absurda, ele apenas passou um dos braços por sobre o ombro dela e enfiou a mão dentro do vestido para acariciar seus seios. Minha esposinha, com os olhos fechados, se contorcia com nossas carícias, Valdir em seus seios e eu com um dedo em sua bucetinha que pegava fogo e estava toda meladinha. Peguei na barra do vestido e comecei a tirá-lo. Fui até a metade e Valdir completou o serviço. – NOSSA! Que corpo lindo! Exclamou ele pondo as mãos na cintura de Jéssica. Ela era tão pequena perto dele que as mãos de Valdir quase se fechavam em torno da cinturinha dela. Ela, agradecendo o elogio, jogou a cabeça para trás e recebeu um longo e molhado beijo de Valdir. Aproveitando o momento, fui descendo sua calcinha minúscula, liberando aquela bucetinha pequena e raspadinha. Subi beijando e mordendo suas pernas e parei em sua buceta cheirosa iniciando uma deliciosa chupada. O que, aliás, ela adora. Peguei uma toalha na mochila e a estendi sobre uma rocha, tirei minha roupa e me deitei. Meu pau latejava de tão duro. Jéssica, então sentou em meu cacete que deslizou gostoso. Sua bucetinha estava extremamente úmida e quente. Valdir abaixou-e começou a beijá-la enquanto abria o zíper da calça. Jéssica suspirava e acariciava o peito de Valdir. Com os olhos fechados e delirando com os beijos dele, minha gatinha não percebeu quando ele puxou as calças com cueca e tudo, liberando uma vara fora do comum. O cacete do rapaz era do cumprimento do antebraço de Jéssica e era tão grosso que quase peguei Jéssica no colo e saí correndo com ela dali. Rsrsrs. A pele do cacete era toda esticada e com veias enormes. A chapeleta mais parecia uma nectarina, roxa e com abas mais largas que o corpo do pau. Se aquilo conseguisse entrar nela, a deixaria toda arrombada, com certeza.

Contos Imor(t)ais - CACETE GG – 174 -


Valdir então se endireitou e posicionou o cacete pra ela, tentar, chupar... Rsrsrs... – MEU DEUS! O QUE É ISSO! Exclamou ela com os olhos arregalados. – Gostou? Perguntou ele. Ela segurou o cacete com as duas mãos e o que sobrava dava quase a metade do meu. – Amor do céu! Não vou aguentar isso não. Comentou ela punhetando aquela anaconda preta. Os dedos dela não davam conta de envolver a vara dele, devido a grossura. – Parece aquele ator pornô que você elogia nos vídeos. Falei. – Mandingo! Disse ela sorrindo e abrindo a boquinha na tentativa inútil de chupá-lo. Por mais que ela forçasse, nada mais além da cabeça entrava. Ela só conseguia lamber de cima embaixo e sugar suas bolas que eram toda raspada. Após um cinco minutos assistindo ela lambendo o cacete dele, peguei em sua cintura e meti forte e rápido para deixá-la o mais laciada possível para receber aquela tora. – Quer tentar foder o pau dele, safadinha? Perguntei. – Hunhun! Resmungou ela quase engasgada com a cabeça da vara dele. Levantei-me com ela nos braços, deitei-a sobre a toalha sem tirar meu cacete e após algumas estocadas bem fortes, falei: – Vai Valdir. Fode essa putinha gostosa. Ela não queria comer salame? Quero ver agora. Jéssica pos as mãos por trás dos joelhos e puxando as pernas para cima falou: – Vem pauzudo. Dá esse salamão pra mim. Valdir abaixou e deu uma chupada em sua bucetinha que estava em brasa e falou. – Você é um monumento. Sabia? Ela apenas sorria e gemia com as chupadas dele. Valdir foi subindo e mordiscando a barriguinha dela que dava pulinhos de tesão. Minha esposa parecia uma menininha embaixo daquele negro. Ele deu várias mordidinhas nos seios dela sempre elogiando. Ela então levou as mãos em seu pau e o posicionou na entradinha da bucetinha. – Devagar. Ela pediu com uma vozinha meiga e apoiando uma das mãos na barriga dele para impedir uma invasão brusca. Valdir empurrava mais nada daquilo entrar. Ora escorregava para cima, ora para baixo.

Contos Imor(t)ais - CACETE GG – 175 -


– Não vai entrar amor! Dizia ela me olhando e sorrindo. – Você é muito apertada. Comentou Valdir. – Seu pau que é exagerado, isso sim... Rsrsrs... Amor pega a mochila pra mim. Ela disse. Ela tirou da mochila um frasco de óleo de amêndoa e passou no cacete de Valdir e depois enfiou dois dedos lambuzados de óleo na bucetinha. Deitou-se novamente e arreganhou as pernas puxando-as. Sentei-me atrás dela de forma que ela usasse minha coxa para apoiar a cabeça e pudesse chupar meu pau. Que delícia aquilo. Valdir encostou seu pau na portinha e voltou a forçar. Jéssica deu uma requebrada e levantou os quadris... Não deu outra... – PUTA QUE PARIU! Gritou ela soltando meu pau e levantando a cabeça para ver a cabeça daquela cobra, literalmente, abrindo caminho. Valdir parou pra ela relaxar e, tentar, se acostumar com a grossura. A glande já havia rompido a resistência da entrada que ficou toda esticada. Jéssica começou a suar e respirar fundo. Abaixei-me e dei-lhe um beijo bem molhado, o que a fez relaxar um pouco e permitir que ele forçasse um pouco mais. Ele acariciava os seios dela e a chamava de gostosa. Minha esposa suspirava doído com meu pau na boca, mas não abria os olhos. – Tá gostando amorzinho? Perguntei. – Humhun! Tá doendo mais é muito bom. Disse ela. – Você é uma loucura. Completou Valdir. Jéssica levou a mão no pau dele pra ver o quanto tinha entrado e olhando novamente pra baixo, exclamou; – Só entrou isso? Ah! Não. Pode esquecer. É muito pau pra pouca buceta. Kkkk. Foi uma gargalhada geral. – Calma. Você aguenta. Com jeitinho vai... Brincou Valdir. Ele colocou os braços por baixo das pernas dela e a trouxe contra seu peito. Ela então o abraçou pelo pescoço e começou a rebolar. A visão daquela mulher tão minúscula sofrendo nos braços e, principalmente na vara, daquele negro era estonteante e fazia meu pau doer de tão duro. A cada rebolada que ela dava, Valdir aproveitava para descê-la em seu cacete. Jéssica urrava e o suor escorria em suas costas. Olhei por baixo da bundinha dela e vi que um pouco mais da metade já havia entrado. Os grandes lábios da bucetinha pareciam que iam se rasgar a qualquer momento. Valdir não se mexia. Apenas a levantava e abaixava de novo bem compassado. Minha putinha jogava os longos cabelos para trás e, urrando, pedia; – Mais... Mais... Aiiiiiii... Devagar.... Aiiiii.... Mais.... Ahhhhhh... Como é grosso... Aaaaaiiiiiii… Pára... Suspirou. Contos Imor(t)ais - CACETE GG – 176 -


Valdir obedecia para não machucá-la. – Isso. Fica assim. Paradinho. Hummmmm. Que delícia. Dizia ela encostada-se ao peito dele. – Que safadinha gostosa. Tá gostando, né? Falei batendo uma punheta. – Muito. E você? Tá com tesão de ver ele me arrombando? Disse ela com carinha de puta. – To adorando ouvir você gemendo no pauzão dele. Respondi. – Tira um pouquinho. Tira. Deixa esse safado sentir como seu cacetão tá deixando minha buceta. Disse ela dando um beijo em Valdir. Ele a deitou na toalha e confirmei que só um pouco mais da metade tinha conseguido entrar e ele foi tirando o cacete da bucetinha dela que parecia que ia se virar pelo avesso por causa da grossura da vara. A cada pedacinho que saia, ela dava um suspiro e se contorcia toda e quando a cabeça começou a sair ela virou os olhos sentindo os pequenos lábios se alargando ainda mais pela chapeleta. – Vem amor. Mete seu pau aqui pra sentir o que ele fez com aquele pauzão. Disse ela abrindo os grandes lábios da buceta toda vermelha e aberta. Meu pau entrou folgado e fazia barulho com as estocadas. – Viu só o que ele fez? E nem entrou tudo hein! Imagina se tivesse entrado?! Ela dizia e rebolava. – Minha putinha safada. Eu sabia que você gostava de rola grande. Falei. Valdir se ajoelhou e ofereceu o cacete pra ela que tratou de segurar firme e lamber toda a extensão do bruto. Ela erguia o cacete pra cima, sugava suas bolas e voltava a tentar engolir o caralhão. – Amigo! Sua esposa é maravilhosa! Parabéns. Disse ele batendo em meu ombro. – E é mesmo. Obrigado. Respondi e acelerei as estocadas que faziam os seios de Jéssica balançar. Jéssica notou que eu iria gozar e me pediu para esperar um pouco, pois queria aproveitar mais. Parei de mexer e ela iniciou uma massagem no grelinho. Ela se tocava e rebolava até que senti sua buceta apertando meu pau e, ela virando os olhos e levantando os quadris gemeu forte, gozando no meu pau. – Ahhhhhh! Que delícia. Dizia e suspirava. Passados o êxtase, ela saiu do meu pau e pediu pro Valdir se deitar porque ela queria se sentar nele. Ele se deitou com a varona em riste e ela se ajeitou de costas para ele. Jéssica passou um pouco de óleo na buceta e, com a ajuda de Valdir, que com as enormes mãos abria suas nádegas, ela foi forçando o corpinho frágil contra o cacete monstruoso. – Aiiii... Aiiiii... Aiiiii. Hummmmm! Exclamou ela sentindo a cabeça esticando os pequenos lábios e Contos Imor(t)ais - CACETE GG – 177 -


rompendo barreira. Ela, com os olhos fechados ia descendo e parecia que não pararia mais. Coloquei meu pau em sua boca e ela engoliu todo, babando e gemendo. Ela se movimentava para cima e para baixo devagar na vara dele e ele aproveitava para admirar e dar tapinhas na bundinha dela. De repente ela deu um gritinho abafado com meu pau na boca e notei que suas pernas começaram a tremer. Tirei meu pau da boca dela e ma abaixei pra ver o quanto ela tinha conseguido engolir daquela vara. "Impossível" pensei ao olhar e ver apenas as bolas de Valdir sendo esmagadas pelas coxas dela que não paravam de tremer. Jéssica, com os olhos cerrados, boca entreaberta e com expressão de dor, apalpava a barriga na altura do umbigo que com certeza era onde aquela vara descomunal estava batendo. Ela, então, iniciou um movimento para frente e para trás, sempre urrando forte. Jéssica estendeu as mãos para mim para se apoiar em meu braço e começou a subir e descer no cacetão de Valdir de forma compassada, pois era nítido que a grossura do caralho dele causava dor. Era inacreditável que aquela garota tão pequena tivesse conseguido engolir aquele cacete todo que, como ela mesma havia brincado, “era muito pau para pouca buceta", e ainda conseguisse se mexer daquela forma. Valdir levou uma das mãos no grelinho de Jéssica e, “bingo”... Ela soltou o corpo para trás apoiando as costas no peito dele e, com aquela monstruosidade enterrada na buceta, voltou a tremer freneticamente e, dando saltinhos com os quadris, gozou como jamais eu tinha visto. – AHHH! Que pauzão grande e grosso! Que delícia. AHHHH! Exclamava ela com a mão na barriga e sentindo as carícias de Valdir em seu grelinho e seus seios. Minha putinha se contorcia e suava espetada no cacetão. Ficaram assim por uns dois minutos até que Valdir vendo que ela se acalmara, segurou-a com as duas mãos pela cintura e começou a movimentá-la deslizando-a em seu peito. Jéssica apenas gemia e virava os olhinhos. Ele, então acelerou os movimentos e as estocadas iam fundas fazendo o ventre de Jéssica se estufar. – Vou gozar! Gritou ele. – Isso negão gostoso. Enche minha bucetinha de porra vai, pauzudo! Dizia ela. – AHHHH! Puta merda que buceta apertada e gostosa. Disse ele urrando forte e numa estocada violenta que a fez saltar com os quadris, gozou em minha putinha safada. – Nossa! Como você é gostosa. Dizia ele enquanto seu cacete pulsava dentro dela. Jéssica foi levantando os quadris e o pau de Valdir foi saindo ainda duro e lambuzado de porra. – Gostou de ver sua esposinha sendo arrombada amor? Perguntou ela sentando-se na barriga de Valdir e pegando meu pau para chupar. – Adorei minha putinha gostosa. Respondi. – Mas agora eu vou querer sempre, Você vai deixar?Disse ela lambendo a cabeça do meu pau. – Vou sim cadelinha. Chupa meu pau chupa. Ahh! Que delícia.

Contos Imor(t)ais - CACETE GG – 178 -


Meu tesão era tanto que bastaria algumas chupadas e eu gozaria na boca de minha esposa. Ela engolia meu pau e com uma das mãos punhetava o pau de Valdir entre as pernas que ainda estava meio duro. Jéssica, então, com meu pau todo na boca, deu uma levantada e encaixou novamente o cacete dele na buceta que por não estar tão duro quanto antes e por ela estar toda lambuzada, entrou com certa facilidade, porém não sem arrancar um gemido dela devida a fundura que alcançava. Ela acelerou os movimentos nas chupadas e o meu gozo veio dolorido e forte em sua garganta. – Nossa! To acabada! Disse ela saindo do cacetão de Valdir. Entramos na água, tomamos um delicioso banho de cachoeira e depois fomos almoçar. Após o almoço, Valdir nos deixou em uma auto elétrica e, deixando seu número de telefone, se despediu dizendo para ligarmos caso fôssemos ficar na cidade pois ele queria nos apresentar sua namorada que ele disse se chamar Camila. O rapaz da auto elétrica nos comunicou que o defeito do carro era num tal de "sensor de marcha lenta" e que ele só poderia nos entregar o carro no dia seguinte pois tinha que trocar a peça e testar o carro. Não tinha muito que fazer a não ser esperar. Ele nos chamou um táxi e fomos para um hotel em frente ao McDonald e perto de um lugar muito bonito que os moradores de Prudente chamam de parque do povo. Assim que entramos no quarto, Jéssica se jogou na cama, exausta pela festinha da cachoeira e apertando a barriga na altura do umbigo, disse: – Amor do céu! Tá doendo aqui em cima do umbigo. Aquele cavalo me deixou toda arrombada. Você é doido. – Maluquinha foi você de sentar nele e mexer daquele jeito. Só faltou entrar o saco dele. Ainda não consigo acreditar que aquilo tudo entrou em você. Tem razão de estar dolorido aí em cima. Falei deitando-me ao lado dela e dando-lhe um beijo. – Mas foi muito bom meu safadinho gostoso. Disse ela subindo em cima de mim e esfregando a buceta em meu pau. – Desse jeito vou arrancar sua roupa agora. Falei já com o pau dando sinal de vida. – Não, não. Me deixa descansar pra noite. Ou você não vai ligar pra ele pra gente conhecer a Camila. Disse ela se levantando e pegando uma toalha para tomar um banho. – Ah! Você quer mais então? Safadinha. Perguntei sorrindo. – Lógico. E quem sabe não saímos os quatro. Se ela for legal, deixo você foder com ela. Completou Jéssica levantando o vestido e rebolando pra mim. – Depois eu ligo pra ele então. Eram quase 4 horas da tarde e aproveitamos para dar uma caminhada pelo "parque do povo". O lugar era muito gostoso, todo arborizado, muito bem cuidado e cheio de gente bonita fazendo exercícios. Jéssica vestia um short de cóton bem justinho e uma blusinha de algodão bem solta e, Contos Imor(t)ais - CACETE GG – 179 -


como sempre, sem soutien, aliás, ela odeia usar. Diz que amassava os seios. Rsrsrs. Caminhamos até umas 17:30, mais ou menos e resolvi ligar para Valdir que me havia dito que trabalhava até as 17:00. Ele atendeu aparentemente bem alegre e disse que não esperava nossa ligação. Conversa vai, conversa vem, combinamos que ele nos pegaria no hotel as 20:00 para nos apresentar a cidade. Voltamos para o hotel já eram 18:40 e Jéssica foi direto para o chuveiro. Tomou um longo banho e saiu. Fui tomar meu banho e comecei a me lembrar da visão de Jéssica sofrendo na vara de Valdir, já fiquei imaginando se rolaria mais alguma aventura naquela noite. Sai do banho e minha esposa se arrumava para a noitada. Jéssica vestia um short jeans estilo boyfriend e uma camisa branca tipo cowgirl com dois botões abertos, o que marcava o arredondado dos seios que, para variar estavam nus, rsrsrs, as pontas, em baixo, amaradas na cintura e uma rasteirinha de couro. Eu coloquei uma calça jeans e uma camiseta amarela e uma bota de couro. Por volta das 19:50, meu celular tocou. Era Valdir dizendo que podíamos descer que ele estava chegando no hotel. Saímos do hotel e Valdir nos aguardava em pés ao lado da um carro prata e abraçado a uma mulatinha linda de uns 25 anos, creio eu, um pouco mais alta que Jéssica, magrinha, mas com quadris largos, uma típica brasileira do interior e toda sorridente. Ela vestia um vestidinho tubinho branco e preto bem curtinho e uma sandália preta de saltos médios. Parecia uma boneca com os cabelos presos de lado. Muito gata. Jéssica, vendo meu espanto pela graciosidade daquela mulata, pegou em minha mão e falou: – Vai se dar bem, hein? Rsrsrs. – Mas eu já me dou bem... Tenho você. Respondi sorrindo. – Hum! Que galante esse meu marido! Completou ela toda dengosa. – Descansaram? Perguntou ele num tom cordial. – Que nada. Ainda fomos fazer uma caminhada. Respondi. – É assim que tem que ser. Animados. Rsrsrs. Amor, esse é o André e a Jéssica, sua esposa. Disse ele nos apresentando a namorada. – Que lindo casal! Exclamou ela dando-nos um beijo no rosto. Muito prazer. Camila. Valdir falou muito bem de vocês. Rsrsrs. Completou ela num tom bem sacana. – Ah! Falou? Perguntou Jéssica corando a bochecha. – Sim. Coisas muito boas, aliás. Rsrs. Disse ela abraçando o namorado. Era evidente que a relação dos dois era bem aberta e Valdir havia contado sobre a cachoeira. Feitas as devidas apresentações, entramos no carro e saímos. Valdir nos levou a um barzinho muito gostoso na Avenida do Parque do Povo. Um lugar repleto de gente bonita e aconchegante. Pedimos uns petiscos, cerveja e uma caipirosca que Jéssica adora. A conversa fluiu naturalmente. Falamos sobre futebol, músicas, filmes enfim, coisas corriqueiras até que Camila, pegando na mão de Jéssica perguntou; – Gostaram da cachoeira? Rsrsrs. Riu ela de ladinho. Contos Imor(t)ais - CACETE GG – 180 -


Jéssica corou novamente e eu, então respondi por ela. – Nossa! Muito lindo aquele lugar! – Não é? É ótimo para quem quer se divertir... De várias formas. Completou ela dando uma piscadinha para Valdir. Jéssica ainda estava um tanto tímida com a descontração de Camila, que percebeu e, inclinando-se em direção de Jéssica falou em seu ouvido. – Eu também já levei uns amiguinhos pra brincar comigo lá. E sem o Valdir... Rsrsrs. Jéssica deu um sorriso e perguntou com ar de espanto. – Como assim? Amiguinhos? No plural? – Sim. Adoro. Da ultima vez, estávamos em cinco e eu era a única mulher. Imagina só a farra! Ui, ui! Disse ela abanado o rosto. – Você são bem liberais mesmo. Hoje foi nossa primeira experiência. Completou Jéssica já mais relaxada. – Sério? Que sorte a do Valdir. Devia ter me chamado pra te ajudar a desvirginar eles. Falou dando uma tapinha em Valdir e sorrindo. Aliás, todos riram da brincadeira. Camila sabia conduzir bem a situação. Valdir apenas sorriu e deu um beijo na namorada. Camila e Jéssica se entenderam muito bem. Jéssica se divertia com as investidas de Camila que, aliás, parecia curtir o bi feminino. Ficamos ali até umas 23:00 quando Camila, abraçando Valdir, soltou uma cantada; – Então amor, vamos continuar essa conversa num motel? – Vamos. Vocês estão afim? Perguntou. – Bora lá! Respondi já ficando de pau duro. Chegamos no motel e Camila foi logo se atracando com Jéssica que ficou sem reação pois nunca tinha beijado outra mulher porém, ela parecia ter gostado e aos poucos foi se soltando. Camila, já bem experiente, beijava Jéssica com volúpia e acariciava todo seu corpo. Valdir e eu só observávamos a cena já nos desfazendo de nossas roupas e ambos de pau duro. Camila deitou Jéssica carinhosamente na cama e começou a se despir fazendo charminho pra nós. Camila era a perfeita mulata, pernas roliças, seios pequenos, quadril bem feito e uma bunda linda e dura. Jéssica abriu a camisa e a tirou, sentou-se com Camila no colo e iniciou uma chupada nos seios de Camila que gemia e chamava minha esposa de linda. Ela então tirou o shorts de Jéssica e subiu sobre seu corpo em posição de 69. Achei que Jéssica ficaria tímida com aquilo. Ledo engano. Jéssica tratou de passar a língua na buceta de Camila que estava por cima enquanto recebia um trato Contos Imor(t)ais - CACETE GG – 181 -


na própria. Que visão maravilhosa. Camila levantou a cabeça e me olhou dizendo; – Sua esposa é uma delícia. Vem foder a bucetinha dela enquanto eu chupo. Vem. Me aproximei e ela pegou em meu pau, deu uma chupada profunda e, se babando toda, tirou meu cacete da boca e direcionou na buceta de Jéssica. Minha esposa se contorcia com minhas estocadas e as lambidas de Camila. Valdir foi por trás de Camila e após Jéssica lamber seu pau do pé à cabeça e engolir um pouco da glande do cacete avantajado, encaixou o bruto na buceta de Camila e socou fundo fazendo-a dar um saltinho pra frente pois mesmo para ela que já era acostumada com a grossura daquela tora, a profundidade era muita. Valdir socava com um pouco mais de força nela se assegurando de não ir tão fundo. Jéssica, por baixo, chupava suas bolas e lambia a buceta de Camila. Ficamos assim por uns cinco minutos. Camila gemendo no pau de Valdir me deu uma mordidinha na cabeça do pau e me pediu para que tomasse seu lugar. – Fode minha buceta gostoso, fode. Eu sei que você tá louco pra enfiar seu pau em mim. Dei um bombada bem forte em Jéssica e tirei meu pau todo molhado de sua buceta. Camila deu uma chupada bem gostosa e Valdir desengatando-se de Camila veio tomar meu lugar na buceta de Jéssica que, ao ver Valdir se posicionar para invadi-la falou; – Põe devagar seu pauzudo. E não coloca tudo não, hein. Minha barriga ainda dói no fundo. Rsrsrs. Valdir apenas sorriu e iniciou-se a tortura, rsrs. Camila saiu de cima de Jéssica e ficou de ladinho, abriu as pernas e posicionou meu pau na buceta. Meu cacete deslizou gostoso. Camila, embora sempre fodesse com Valdir, que era um cavalo, tinha a buceta apertada pois ela fazia pompoarismo, como ela mesma nos contou depois e até ensinou minha esposa para a buceta ficar sempre apertadinha. Ela era muito gostosa também. Com um dos braços colocados para trás, ela puxava minha cabeça para beijá-la. Enquanto isso, Valdir já colocara Jéssica para urrar com metade do cacete atolado nela e movimentando para frente e para trás com certa força e rapidez. Jéssica apertava os seios e a barriga que se estufava a cada estocada mais profunda. Camila se requebrava em minha vara e massageava o grelinho. Após uns 10 minutos rebolando em minha vara, ela tirou meu pau da bucetinha e posicionando-o em seu cuzinho disse; – Enfia no meu cuzinho, enfia. Eu adoro dar a bunda, mas não consigo com o Valdir. Falou e forçou a bunda pra trás, virando os olhinhos com meu cacete abrindo seu cuzinho gostoso. Como mexia gostoso aquela mulata. Enquanto isso Jéssica sofria nas mãos de Valdir, que com as duas mãos em sua cintura a puxava contra seu pau que fazia sua bucetinha se esticar toda. Ela segurava em sua barriga e urrava. Valdir então tirou seu pau e caiu de boca na buceta dela que tremia e apertava a cabeça dele contra a buceta. Jéssica parecia rosnar de tesão e movimentando os quadris, gozou forte e demorado na boca dele. Eu, com o pau atolado no cuzinho de Camila que rebolava muito, vi quando Valdir levantou minha esposinha nos braços e a colocou de lado no colo. Ela pôs a mão por baixo da bundinha, ergueu a cabeça do pau dele e ele a desceu escorregando buceta adentro. – Aiiiii! Que delícia. Isso negão. Me fode assim. Dizia ela sendo penetrada pela anaconda dele. Jéssica parecia uma boneca no colo de Valdir que a segurava sem nenhuma dificuldade. Ele deu umas três investidas um pouco mais fundas e Jéssica só gemia e suava agarrada em seu pescoço. Contos Imor(t)ais - CACETE GG – 182 -


Ele, então a desceu de quatro na cama sem tirar o cacetão, separou seus joelhos para se posicionar por dentro de suas pernas, abriu a bundinha da minha putinha com as duas mãos imensas e foi forçando. – Aaaaaaaiiiiiii...! Como é grande essa pica. Puta que pariu. Dizia Jéssica tentando escapar da vara, mas Valdir a segou forte pela cintura e continuou a forçar aquele troço preto, duríssimo e grosso na bucetinha dela. Ele forçava e ela fugia, entrava um pouco mais da metade e ela gritava, ele tirava um pouco e ela jogava a bunda pra trás até que ela percebendo que ele iria gozar, começou a falar; – Goza na minha buceta meu cavalão. Enfia esse braço em mim, vai. Enfia tudo. Goza lá no fundo. Foi ela dizer isso e Valdir acelerou as estocadas de tal maneira que Jéssica gritava de dor e prazer falando coisas abafadas e sem sentido. Até que numa puxada brusca, ele a trouxe contra seu pau encostando aquela bundinha linda em sua barriga e gozou em espasmos em minha putinha que levantou o rostinho revelando seus olhinhos cheios de lágrimas porém com a mais pura expressão de prazer. Definitivamente ela adorava levar vara até no fundo. Jéssica saiu do pau de Valdir e se jogou na cama, acabada. Camila após elogiar a atuação de Jéssica e dar-lhe um longo beijo na boca, olhou para o namorada, que ainda estava de pau duro e disse. – Agora você sabe o que eu quero, né amor? – Sei sim minha puta safada. Respondeu ele levantando as pernas de Camila e a pondo sentada sobre meu pau. Eu sabia o que ela queria mas não acreditava que com meu cacete enfiado no cuzinho, ela aguentaria a vara do namorado na buceta. Engano meu. Valdir se ajeitou e começou a enfiar aquele monstro na buceta dela que gemia doído também. O pau dele entrou forçando o meu. Eu podia sentir a cabeça daquela coisa empurrando o corpo do meu cacete e disputando espaço dentro dela. O aperto era incrivelmente prazeroso. Conforme ele se movimentava eu sentia as contrações do útero de Camila e as pancadas que o gigante, dentro dela, dava em minha vara. Ele metia forte e em poucos minutos, Camila começou a gozar como uma louca nas duas varas. Não resisti e, com o aperto daquele cuzinho quente e as estocadas que Valdir dava na buceta dela e, consequentemente, na minha vara, gozei, atolando meu pau ao máximo. Valdir meteu bem fundo e gozou novamente. Eu sentia as garfadas de porra quente explodindo na pele fininha que separava meu pau daquele negócio grosso e duro. Camila urrava e rebolava para que o pau dele pudesse ir o mais fundo possível. Foi uma loucura. Terminados os suspiros, Valdir saiu de dentro dela me fazendo sentir um oco com a saída do pau dele. Ela saiu do meu pau e deitou-se ao lodo de Jéssica que estava boquiaberta com o que tinha visto. Camila, percebendo o olhar dela, falou; – Logo, logo você vai fazer igual. Rsrsrs. – Ah! Tá! Você é maluquinha. Respondeu Jéssica rindo. Após essa sessão de varada, tomamos, os quatro, um gostoso banho de hidromassagem e voltamos para o barzinho para finalizarmos a noitada com uma taça de vinho. No dia seguinte, fomos buscar nosso carro que havia ficado pronto e, antes de irmos para o rancho, Contos Imor(t)ais - CACETE GG – 183 -


Valdir me ligou dizendo que a Camila queria que nós passássemos em Prudente na volta que ela iria nos fazer uma surpresinha. Combinamos direitinho e partimos curiosos e ansiosos pela "maluquice" que ela iria nos aprontar ao nos receber na volta. Rsrsrs.

Contos Imor(t)ais - CACETE GG – 184 -


UM VOYEUR Ol? para todos, sou a Danielle tenho 23 anos e sou casada com o Ronny a quase 3 anos. Quero avisar a todos, principalmente as mulheres casadas que estiverem começando a ler esta história que se tiverem rigidos principios morais fechem o texto agora e não o leiam. Agora se estiverem dispostas a quebrar velhos tabus vão em frente pois assim como vocês também norteei minha vida com muita moralidade até o dia em que ocorreu esse evento, e a pedido do meu marido escrevi e aqui estou publicando. Um dia meu marido me falou sobre manage, como nasci e me criei no interior eu nem sabia direito o que era, então ele me explicou que muitos casais convidam outra pessoa para juntos se divertirem, sexualmente falando. Fiquei furiosa com ele pois pensei que ele estivesse querendo transar com outra mulher, então num impulso de raiva perguntei a ele o que sentiria se eu transasse com um outro homem e fiquei mais perdida ainda quando ele me respondeu, tesão muito tesão. Não disse nada apenas fiz sinal de negativo com a cabeça e fui dormir. O Ronny veio logo depois más eu fingi que estava dormindo pois queria pensar direito naquela conversa. E fui noite adentro pensando, as vezes eu concluía que meu marido não me amava mais, outras vezes ficava pensando em como seria transar com outro homem. A noite passou e na manhã seguinte meu marido me pediu desculpas pelo que disse, eu perguntei se ele ainda me amava como antes, e ele jurou que seu amor em nada tinha mudado que eu poderia ter certeza disso, então eu o abracei e beijei muito porque também o adoro demais. Ele viajou naquela tarde e ficou fora 10 dias, apesar de conversarmos todos os dias por telefone eu já não aguentava mais de saudades, nós transávamos quase todos os dias e 10 dias sem ele era para mim uma tortura já que aos 22 anos, sexo é coisa que vinha a cabeça toda hora, inclusive eu ansiava para que tocasse naquele assunto novamente, mas ele não falou mais nada sobre aquilo. Numa sexta-feira o Ronny anunciou que no dia seguinte estaria de retorno e que me levaria a um motel para matarmos a saudade, fiquei tão feliz e desde que acordei no sábado tratei de cuidar de mim, fui ao salão de beleza, fiz massagens, me depilei toda como ele gosta e até comprei lingerie nova para juntos comemorarmos a sua volta. Assim que ele chegou no sábado a tarde tomou banho e fomos jantar, de tanta ansiedade não comi quase nada, pois não via a hora de irmos ao motel, ainda mais que ele prometia ser aquela noite inesquecível. Quando chegamos ao motel ele me deixou dentro do carro e entrou na recepção e lá demorou uns 15 minutos, quando voltou desculpou-se pela demora e disse que estava fazendo o pedido da bebida que tomaríamos na suíte. Entrarmos ele foi logo tirando minha blusa e a sainha que eu usava, e fiquei muito feliz por ter notado e elogiado minha lingerie, era uma tanguinha bem pequena e delicada e um sutiã meia taça, que segundo ele ficou muito sexy em mim. Notei que o elogio era sincero porque senti que seu pénis fazia volume ao encostar em meu bumbum, então o chamei, sentei ao lado da cama e tirei sua roupa. Ao ver que ele já estava excitado eu comecei a masturba-lo, ele colocou as duas mãos em minha cabeça e eu entendi o que ele queria, alias eu também estava querendo sentir o seu pénis na boca. Comecei a fazer sexo oral e estava tudo tão excitante que nem percebi quando bateram na porta da suíte. Meu marido afastou minha cabeça e disse que deveria ser o garçon trazendo a bebida que ele havia pedido e mesmo pelado foi atender á porta. Fiquei sentadinha na cama aguardando ele Contos Imor(t)ais - UM VOYEUR – 185 -


voltar para continuarmos com aquele ato que estava me dando tanto prazer. Escutei outra voz masculina conversando com meu marido na ante-sala e logo o vi entrando no quarto junto com um rapaz de pele castanha escuro, alto, forte, parecendo um segurança, trajando apenas uma sunga exageradamente cavada. Trazia em sua mão uma bandeja com o champagne e duas taças. Enquanto colocava a bebida nas taças o Ronny aproximou-se de mim, estendeu a mão, me levantou da cama e me beijou, eu falei a ele com tom irónico, que aquilo é que era serviço de quarto, me referindo ao rapaz. Meu marido deu um sorriso maroto disse que eu ainda não tinha visto nada. O rapaz encheu as taças, deu uma ao meu marido e com a outra veio em minha direção, estendi a mão para pegar ele me pediu para por a bebida em minha boca. Olhei para o Ronny e ele fez sinal de afirmativo com a cabeça. O rapaz se posicionou atrás de mim e levou a taça até minha boca, enquanto eu bebia, ele com a outra mão acariciava meu ombro. O Ronny que já tinha largado sua taça no balcão me olhava e ao mesmo tempo massageava o próprio pinto. Veio até nós e pegou a taça da mão do rapaz, que aproveitou para com as duas mãos massagear meus ombros. Imaginei tratar-se de um daqueles massagistas profissionais que atendem em domicílio e que eu receberia uma gostosa massagem relaxante antes do sexo. Confesso que estava muito bom sentir aquelas mãos grandes massagearem meus ombros e por um momento até esqueci que nos encontrávamos num motel, meu marido pelado e eu apenas de roupas íntimas sendo massageada por um homem que eu nunca tinha visto. Fui surpreendida quando as mãos do rapaz seguraram meus seios. Me assustei, ao mesmo tempo me arrepiei toda, pois voltou a minha cabeça o motivo pelo qual estávamos no motel. Abri rapidamente os olhos e quando ia fazer uma reclamação pela ousadia notei que o Ronny se masturbava a toda velocidade, então ainda meio confusa não esbocei reação alguma. A confusão na minha cabeça aumentou ainda mais quando o rapaz desabotoou meu sutiã e tirou-o do meu corpo, voltando a segurar meus seios e aperta-los firme mais carinhosamente. Aí num impulso de moralidade olhei preocupada para o Ronny, que percebendo minha reação parou de se masturbar, aproximou-se, me beijou e disse que eu sou o grande amor da vida dele. Pensem o desconserto das minhas idéias, eu ouvia as palavras de carinho do meu marido e sentia as mãos grandes daquele estranho espremerem meios seios, era uma confusão total na minha cabeça. O Ronny afastou-se um pouco e eu senti as mãos do rapaz deslizar pela minha cintura deixando enroscar os polegares nas cordinhas laterais da minha tanguinha e assim ele foi baixando as mãos pelas minhas pernas abaixando junto minha lingerie até o meio das coxas. O Ronny mais uma vez interrompeu sua masturbação, ajoelhou-se na minha frente e terminou de tirar a última peça de roupa que cobria meu corpo, depositando-a sobre a cama. Imaginem vocês, eu estava totalmente nua na frente de um homem estranho quase nu, meu marido também pelado, excitado e se masturbando, vocês conseguem imaginar a cena? O rapaz saiu de trás de mim e veio até a minha frente onde os dois ficaram olhando meu corpo, o rapaz comentou que eu parecia uma menininha, imaginei que ele estava se referindo ao meu sexo por eu estar toda depilada. Meio que involuntariamente eu olhei em direção da cintura do rapaz e vi que a sunga dele já não mais comportava ocultar por completo o volume que se formou dentro dela. Na minha cabeça passavam-se mil pensamentos, por um lado os princípios morais me cobravam uma reação imediata de repúdia aquilo tudo, e por outro lado meu corpo estava todo excitado e eu tremia inteirinha. Novamente o rapaz veio atrás de mim, e com o canto dos olhos vi sua sunga cair sobre a cama ao Contos Imor(t)ais - UM VOYEUR – 186 -


lado da minha lingerie. Me contive a não olhar para o corpo do rapaz temendo não poder me controlar, pois já imaginava o que a sunga estava ocultando, por isso me limitei a continuar imóvel, talvez esperando compreender melhor aquela situação. Fiquei paralisada quando ele novamente pos as mãos sobre meus ombros, aí decidi que mesmo excitada daquele jeito colocaria um fim naquela cena. Abri meus olhos procurando em meu marido reunir mais forças para resistir a tentação más o vi olhando atentamente para nós, masturbando freneticamente o próprio pinto, e como se não bastasse senti o membro duro do rapaz encostar no meu bumbum e aí não tive mais forças de lutar pela moralidade. O Ronny se aproximou e levou a mão até meu sexo, e sorriu para mim ao ver o quanto eu estava excitada, pediu que eu abrisse as pernas para que pudesse tocar melhor em mim, ao fazer isso o rapaz aproveitou para empurrar o seu membro entre as minhas coxas, me deixando “montada” sobre o seu pinto. Era demais sentir a pulsação do seu membro entre as pernas, O Ronny ainda apertava a cabeça do pinto do rapaz contra o meu sexo, de tão molhada que eu estava ele quase conseguiu penetrar em mim a ponta do pinto, mesmo eu estando em pé não resisti e tive o maior dos orgasmos ali mesmo, lambuzando ao mesmo tempo o pénis do rapaz e a mão do Ronny que insistia em pressionar daquele pinto contra o meu sexo. Foi um orgasmo tão intenso que me faltou forças nas pernas e se o rapaz não me segurasse pela cintura teria caído no chão. Me levantou nos braços, colocou-me de bruços na cama e começou a beijar meu bumbum e logo estava passeando com a língua pelo meu sexo, apesar da intensidade do orgasmo que acabara de ter não consegui parar de sentir prazer, com os olhos fechados escutava o barulho que meu marido fazia ao se masturbar bem do meu lado. O rapaz parou de me chupar pegou um edredon, estendeu no chão e me pos de joelhos sobre a coberta, sentou-se ao lado da cama abriu as pernas e me chamou para dentro delas, foi aí que eu tive a visão do paraíso ao ver aquele pinto, grande, grosso e rijo, as bolas penduradas para fora da cama davam a impressão de estarem pesadas, cheias de esperma dando a entender que aquele rapaz precisava e muito de sexo. De joelhos entre suas pernas e sem conseguir desviar o olhar do seu membro escutei ele dizendo ao meu marido que queria ser manipulado. O Ronny passando a mão no meu cabelo me mandou (com estas mesma palavras) “bater punheta” para o rapaz, segurei no seu membro e comecei a masturba-lo e parecia que quanto mais eu o manipulava mais duro ficava. O Ronny acompanhava tudo de perto fazia pequenas pausas em sua masturbação dizendo estar a ponto de gozar, o rapaz, me mandava “tocar punheta” e olhar para o meu marido e mostrar a ele como seu pau estava duro com o meu carinho. Senti as duas mãos do rapaz segurarem minha cabeça e a puxando em direção ao seu membro, foi só abrir a boca e receber a ponta do seu pénis que pulsava ao contato da minha lingua. Por vários minutos me entreguei de corpo e alma áquele ato de olhos fechados apenas ouvindo os gemidos do meu marido se masturbando e do rapaz que insistia em colocar o que podia aquele pénis dentro da minha boca, muitas vezes quase me afogando. Escutei meu marido dizer alguma coisa que não entendi e com o pinto na boca olhei para ele, e num segundo fui alvejada no ombro e nas costas por jatos fortes de esperma vindo do seu pinto, gemendo gozava muito me pedindo para continuar chupando o rapaz, sem tirar o pénis da boca vi o pinto do meu marido ir aos poucos diminuindo a intensidade dos jatos até ficar apenas gotejando esperma no carpet, ele continuava gemendo e quase chorando de prazer, balançando seu penis que agora um pouco menos duro mas ainda volumoso.

Contos Imor(t)ais - UM VOYEUR – 187 -


Assim que o Ronny terminou de gozar, o rapaz afastou minha cabeça do seu membro, levantou-se e cobriu com o hedredon um balcão que tinha no meio do quarto, me pos sentada sobre o balcão e posicionou-se entre minhas pernas, meu marido atrás de mim me apoiava as costas e enquanto brincava com meus seios o rapaz passava a ponta do pinto no meu sexo, me deixando maluca. então vagarosamente foi forçando a entrada daquele membro no meu corpo. Meu sexo não estava acostumado com aquele tamanho e mesmo muito excitada não conseguia relaxar o suficiente para acolher aquele colosso dentro de mim. Mas com muita paciência ele foi me invadindo lentamente e apesar do aspecto rude o rapaz foi ganhando a minha confiança e carinhosamente colocando seu pinto dentro de mim me fazendo ter vários orgasmos durante a penetração. Assim que introduziu grande parte do membro ele parou um pouco e deixou meu corpo se acostumar só então deu início aos movimentos de vai e vem me fazendo perder o juízo e gozar alucinadamente aos gritos com o meu marido mordendo a ponta da minha orelha. Por quase uma hora meu corpo foi explorado pelo rapaz, quando anunciou que ia gozar me deitou no balcão e encostou a ponta do pinto quase explodindo na minha boca e mal eu passei a língua ele começou a despejar esperma na minha boca, era tanto liquido que precisei engolir um pouco para não me afogar. Apontou o pinto para os meus seios e ali soltou mais uma esguichada e acabou em cima do meu sexo e nas coxas, depois ainda subiu novamente com o membro já um pouco mais mole e espalhou esperma por todo o meu rosto. Me elogiou muito como mulher e foi tomar banho. O Ronny me pegou nos braços e deitou-me na cama e novamente me deu mais uma prova do seu grande amor pois não teve preconceitos de beijar minha boca e meu rosto mesmo eu estando toda lambuza de esperma de outro homem. Pegou a cámera e tirou várias fotos para somente depois me enxugar. Assim que o rapaz voltou do banho fomos eu e meu marido para o chuveiro aí procurei retribuir um pouco do prazer que eu havia sentido, masturbei e chupei seu pénis até faze-lo gozar na minha boca provando que a partir daquele dia eu começava a gostar de sentir esperma nos lábios, até não pelo gosto mas por sentir que nos mulheres mesmo com nossa fragilidade conseguimos atravez de nossa delicadeza e maciez acalmar corpos tesos e rudes. Quando terminamos nosso banho, havia mais uma garrafa de champagne sobre a mesa, tomamos e eu estava morta de cansaço deitei e peguei no sono ouvindo os dois conversando na ante-sala. Acordei no outro dia estava morrendo de fome, escutei barulho do meu marido arrumando a mesa na ante-sala, levantei e me deparei com uma mesa linda super arrumada e cheia de delícias. Um lindo buquet de flores enfeitava o meu lugar, com o buquet um cartão agradecendo pela noite, assinado pelo nosso mais novo amigo. Sob a minha xícara uma caixinha preta com um maravilhoso anel, presente do meu marido com muitas juras de amor. Com todos esses mimos e fiquei devedora pois também tive a maior noite de prazer da minha vida.

Contos Imor(t)ais - UM VOYEUR – 188 -


A SURPRESA Meu nome? Renata, descrição? morena, razoavelmente alta: 1, 74 bunda grande, seios? Médios vai, (enche a mão), cabelos claro até o ombro, e de charme olhos cor de mel esverdeados, lábios carnudos (até demais;) sem nenhuma modéstia Bem Bonita... E mesmo sendo nova, tenho curiosidades e vontades insaciáveis, sempre foi assim... dês do primeiro namoradinho, namoradinha... Sempre procurando um jeito de fazer o bom ficar ÓTIMO O sexo trivial nunca me atraiu Mas também não sou nada sado, não tenho fantasias absurdas nem nada do tipo, sou até carinhosa e romântica (quando me convém) O caso é que eu adoro escrever esses contos Confesso! É quase uma terapia, lembrar dos detalhes, me tocar, e principalmente te fazer imaginar... Como hoje, são 03h20 da madrugada e não consigo dormir A imagem da melhor transa da minha vida fica voltando, e quando dou por mim to toda molhada, me masturbando, e sonhando com cena.. Bom, preciso me expressar de alguma forma e só de imaginar que alguém esta lendo, vivendo um pouco que eu vivi já me excita No ultimo conto que escrevi (Eu minha amiga pervertida e seu namorado) eu contei uma noite deliciosamente inesquecível que aconteceu há algum tempo, há uns 7, 8 meses atrás, o começo de várias noites de três amigos, que simplesmente adoravam se dar prazer, se encontrar pra brincar de triangulo amoroso E o que começou com um casal querendo realizar uma fantasia virou um relacionamento que durou uns dois meses mais ou menos.. foram duas viagens, baladas, encontros, até chegamos a ir há uma casa de swing... Sinto falta, tanto sinto que decidi repetir de uma forma diferente Há seis meses voltei com meu ex-namorado, quase noivo, o amor da minha vida, o Daniel, que sempre foi meu amigo e é meu?namoradinho? dês dos meus 15 anos, a gente namorou por 3anos e meio, e ficamos um ano separados O que é difícil de entender, nos damos bem em todos os sentidos, e nos amamos muito, mas tem coisas que não podemos evitar, tipo quando a relação cai na rotina... ele sempre foi ótimo no sexo, ele é muito atraente de fato, ele é aquela mistura de raças que deu certo, moreno, caboclo dos cabelos bem pretos e lisos, traços fortes, e um olhar marcante (Ahh os olhos são lindos, Deixa qualquer um sem graça, levemente puxados Claros como os meus, mas bem mais bonitos com um tom de mel mas quando você olha bem se Contos Imor(t)ais - A SURPRESA – 189 -


confunde entre verde e mel, são lindos) um sorriso gracioso com covinhas, ele é bem alto, tipo atlético nada exagerado, uma boca deliciosa, grande, bem desenhada, (sou suspeita pra dizer, mas ele é lindo, o homem mais lindo que conheço) e o melhor de tudo se ver na intimidade... resumindo É ENORME (tenho que me gabar um pouco né!?) O Dani faz o tipo que mete inveja, mas sempre foi um pouco certinho demais, até previsível certas vezes, o tipo que você tem certeza que nunca vai te trair, que você sempre sabe onde está, que conta cada passo que dá, te deixa falando sozinha mais não briga NUNCA, sempre me bajulando, muito carinhoso de fato, fazia tudo por mim, TUDO!... Mas muito serio, não se arriscava, não se entregava Isso era o que mais me incomodava Talvez fosse pela diferença de idade de 6anos, ele era o maduro e eu a infantil impulsiva Todo mundo diz que sou louca por reclamar dessas coisas, e é o que toda mulher quer, mas não é bem assim, principalmente quando você é o contrário Eu quero viver tudo ao máximo, quanto mais, melhor, entende? Mas a gente tinha lá nossos momentos, transamos na praia uma noite, no banheiro de um barzinho, no carro... eu sempre gostei de fazer as vontades dele, ele estar excitado me excita, [falando de modo bem sacana, adoro engolir a porra dele, me lambuzar deixando ele gozar nos meus peitos, tudo que ele quer eu faço], mas as vezes preciso ser insistente pra convencer ele de fazer certas?loucuras?, de realizar minhas fantasias.Ao que parece ele acha desnecessário transar loucamente em cima da mesa do escritório dele, já que temos nossa aconchegante cama... Disso eu entendo, mas queria que ele entendesse que é normal querer sair da rotina Eu sou uma pessoa que consegue tudo que quer, e ele é o único capaz de me conter, e por ele minha principal fantasia, não iria acontecer Uma vez estávamos naquele clima gostoso de que se chegar perto pega fogo, ia fazer um ano que a gente já transava, e já tinha intimidade pra conversar sobre relações passadas e essas coisas, eu contei pra ele sobre a minha preferência por meninas Ele quase caiu pra trás, reação totalmente contraria do que eu esperava (Qual é? Se eu fosse homem ia adorar ver minha mulher com outra, tudo em dobro) Seios se tocando, pernas se enroscando, a pele e a boca macia roçando uma na outra Se você sabe do que eu to falando da pra imaginar minha surpresa quando ele fez cara de nojo quando eu contei que no passado tinha ficado com uma ex peguete dele A Letícia Foi logo no começo, ela era minha amiga, (e ainda é?muito amiga?, mora no apartamento de baixo) a gente se?divertia? juntas, se pegava quando tava bêbada Contos Imor(t)ais - A SURPRESA – 190 -


Foi uma época que eu achei que ficaria só com meninas, e que o Dani era só meu amigo, depois ela começou a ficar com ele e eu dei o maior apoio. () Enfim eu contei, ele não gostou como eu esperava, eu passei meses insistindo em uma brincadeira a três Desisti! Ele dizia que não era uma boa idéia que ia atrapalhar a nossa boa relação na cama [JAMAIS! Só ia melhorar!] Mas tudo bem não quis contrariar, talvez tivesse medo de eu trocar ele por uma menina, talvez ele tivesse certo, mas eu sempre imaginava como seria... até que Andreza e o Douglas aquele casal de amigos do outro conto me incluíram na vida sexual deles como brinquedinho favorito. () Graças a essa experiência com eles, hoje posso dizer que sou mais madura, mais segura dos meus desejos, e decidi que ia convencê-lo Nem que fosse uma surpresa Com a Deza e o Douglas era ótimo eu gostava de transar com eles, e como gostava... mas o casal era eles Com o Dani seria diferente um presente pra mim e pra ele... Só tinha que pensar em um jeito. () Minha relação com a Letícia é ótima, somos ótimas amigas, até já trabalhamos juntas Nunca senti ciúmes dos dois, que também são amigos.() No sábado passado meu namorado ia trabalhar, e sem outras intenções chamei a Letícia pra uma?tarde de meninas?, e pelo jeito foi na melhor hora ela tinha terminado com o ficante, tava naquela depre convencional, então passamos a tarde juntas assistindo filmes debaixo das cobertas, até começar a lembrar do nosso passado (hummm...) ela ali deitada no meu colo, abatida, carente fiquei acariciando seus cabelos seu rosto, ela passava a mão nas minhas costas, brincando com a alça do meu sutiã... bom, eu a conheço bem, e da pra perceber quando ta rolando um clima, quando me dei conta já estávamos nos beijando, pedi desculpa, foi um impulso meu [faço muito isso, as vezes confundo carência e saudade com desejo] mas ela nem deu atenção, retribuiu o beijo e mais... colocou a mão por dentro da minha blusa, alisando meus seios, quando ia abrir minha calça eu segurei seu braço e sussurrei no seu ouvido – Tem um jeito melhor de continuar isso (reuni a coragem com a vontade de anos de ter os dois na cama e propus)?Eu sou louca por você Le, desde sempre...? E eu por você [a gente se dava bem por ser tão impulsivas, antes que eu pudesse terminar de falar ela arrancou minha calça suspendeu minha blusa e começou a me beijar a barriga]... como um banho de água fria afastei ela de mim, ela num entendeu, mas meu namorado tava pra chegar não podia correr o risco dele nos pegar. (apesar de querer muito) deitei em cima dela e tive que falar de Contos Imor(t)ais - A SURPRESA – 191 -


uma vez – Amor, se eu te chamasse pra ir no motel você iria?? Claro Re, bom acho que sim, mas por que? A gente já ta aqui... ou é fantasia? Rsrs? É... mas a fantasia é mais complexa eu você...(quase não saia) e o Dani, o que me diz?.. (diz que sim, diz que sim) ela parou por um tempo, olhou pra mim sem graça...? Depende... de quem é a ideia sua ou dele?? Bom sou eu que quero, mas seria um presente pra ele... Ela me olhou deu um sorrisinho e balançou a cabeça, como um sim. Fiquei tão animada, comecei a pensar em infinitas maneiras... uns 10 minutos depois meu namorado chegou lá em casa, pegou a gente no maior clima, tava com uma cara de desconfiado ¬¬ ele não gostava muito de nos ver juntas, achava que a gente se juntava ou pra falar mal dele ou pra se pegar (homens...:/ mas dessa vez ele tava certo) da até pra entender, ele ficava muito sem graça por ela ser a ex eu a atual e nos darmos bem (muitoooooooo bem alias), não entendo essa cabeça masculina mas da pra imaginar a frustração... rsrs a relação deles foi bem curta no passado, coisa de semanas, pelo o que eles dizem nem chegaram a transar (tai mais um motivo pra tudo ser ótimo)... Eu e a Le nos divertíamos com a cara de bobo que ele fazia, ele aparentemente sem graça nem olhava pra cara dela direito.? O que vocês estavam fazendo? ele olhou pra cama bagunçada e fez aquela carinha de mau que só ele sabe fazer.? Ah amor a gente tava... tava... (tava o que mesmo? sou péssima para mentir) A Letícia interrompeu? Eu tava comendo ela, claro...e você chegou bem na hora que ia começar a pegar fogo [Ela adorava provocar ele] lambeu os dedos insinuando?algo? (o que será que ela quis dizer) apertou minha bunda me deu um selinho, beijou ele no rosto e foi embora -Tchau Re, agora eu to sobrando, te ligo amanha. [fiquei tão sem graça, mas a Letícia tem esse gênio terrível, bom e ruim, não leva nada a serio, levei ela na porta quase sem coragem pra voltar e encarar ele me olhando com aquela cara de bravo]?Amor é brincadeira dela a gente só tava assistindo um filme. Ele parou um tempo me olhou dos pés a cabeça? Tudo bem, esquece ta?! (Eu conheço meu homem, sei quando ele ta excitado e não era só saudade de mim, não tinha como negar que a palhaça da Letícia nos deixou numa situação constrangedora e excitante)

Contos Imor(t)ais - A SURPRESA – 192 -


Ele me abraçou me deitou na cama e arrancou minha roupa, como há tempos não fazia, ele tava animado não podia mais esconder que tinha ficado excitado, com a cena?suspeita?... tava bom ali ele me pegava com força, pressionava seu corpo contra o meu, começou a bombar na minha buceta que facilmente fica molhada com a pegada daquele homem, pegava com mais força, violento, metia forte, muito forte nem a cama cedendo o fez parar, falava em um tom bravo, sacana como nunca?O que você quer sua cachorra? Quer que eu te traia? Quer me ver comendo outra vadia, chupando outra fazer tudo o que eu faço com você? (eu adorei a idéia, logo eu, tão ciumenta, com ele falando assim descobri que tinha mais vontade do que imaginava...) eu adorei ver ele insinuando que? comeria outra buceta?, que ia ceder minhas vontades, queria fazer ele imaginar, o desafiei, virei outra pessoa, revelei sem indiretas tudo que eu tava sentindo -Eu ia adorar amor, ia adorar te ver fudendo outra Fazendo tudo que você faz comigo, vai confessa, você também quer, imagina minha xana molhadinha roçando com a dela, você fudendo duas ao mesmo tempo, você quer, todo homem quer, um dia você vai comer eu e outra, ou vou procurar outra pica, é o que não falta... (ele enlouqueceu) me colocou numa posição que eu não podia mexer os braços tapou minha boca e meteu com força, muita força... Acho que despertei o que ele tem de melhor Me colocou contra a parede, metia o dedo no meu cu e bombava na minha buceta que deslisava de tão molhada… [ Que deliciaaaaaaa ] e mesmo assim eu tava com a cabeça longe só conseguia imaginar nós três... só pensava na Letícia, ele enfiando a pica nela e olhando pra mim, tudo passava na minha cabeça... e como eu ia fazer pra surpreender ele. Naquela noite eu não dormi tive tantas fantasias, passei a madrugada assistindo o multishow rsrs Não gosto muito de assistir pornô sozinha, mas tinha um programa de uma hora só de cenas lésbica que chamou minha atenção, no domingo o Dani ia jogar bola aproveitei pra ir na casa da Letícia, ela tava muito animada e em compensação eu já tava mais nervosa um pouco insegura, tinha medo da gente esta combinando muito e ficar uma coisa forçada, não tem nada pior e já não sabia se ia ter tanta coragem, mais era agora ou (talvez) nunca... e depois daquela transa espetacular da noite passada tinha certeza que ele ia mudar de idéia Ai eu lembrei que no próximo fim de semana 18 de junho era nosso aniversário de namoro, (da primeira vez que a gente tinha começado a namorar, uns 4 anos atrás) a gente nem comemorava mais, afinal já tinha ido e voltado tantas vezes... Era perfeito, eu ia fazer A SUPRESA pra ele Eu e a Le começamos a nos planejar, quando me lembrei de uma coisa que ele me disse uma vez que a gente tava assistindo um filme, (um romance erótico que a mulher todo dia fazia uma surpresa pro marido, colocava umas fantasias, dessas com chicotes, cheio de laços, luvas e espartilho)... Ele me disse que eu nunca usei uma lingerie pra ele (NOSSA!) Eu nunca usei uma lingerie pra ele? Primeiro achei um absurdo, já usei tantos conjuntinhos lindos, mas acho que ele queria dizer esses, igual as do filme

Contos Imor(t)ais - A SURPRESA – 193 -


Bom eu me sinto sensual, sou segura com meu corpo, mas com ele eu meio que travo, to sempre achando que não fará tanto efeito com ele, sei lá praticamente foi ele que me tirou a virgindade, sem querer eu tinha certo receio Mas afinal eu já tive um namorado de poucas semanas, que me soltei mais, já cheguei a dançar, fazer stripetease, fazer brincadeiras como de amarrar as mãos, passar chocolate, leite condensado no corpo, ele adorava essas coisas, e depois daquela época com a Deza e o Douglas, timidez não tinha que ser desculpa... Era um absurdo eu e o Dani nunca ter brincado assim, já usamos óleos com cheiros e sabores, fizemos amor em lugares meio inusitados, mas nada extremo. Eu tava decidida ia fazer a brincadeira em grande estilo, eu e a Le começamos a imaginar fantasias ela tinha uma gaveta de calcinhas de tamanhos duvidosos e sutiãs lindos... mas ainda não era aquilo... Fomos até uma sex shop que tem aqui na rua, alias ótima, tem tanta coisa... vimos umas fantasias típicas de enfermeira, de salva vidas, faxineira, outras de couro, umas mais romântica (mais a minha cara) umas meio assustadoras com uns ferros, mordaças estilo Lady Gaga sabe?! ficamos mais de uma hora lá, parecia criança em loja de doce, também tanta coisa pra ver, tanta novidade foi tipo uma descoberta... Até recebemos propostas indecentes de um casal, mas não podíamos sair do foco. (RSRS) Era tanta coisa, e a gente não chegava numa decisão entre fantasias cheia de detalhes ou algo só sexy, se a loja não fosse fechar a gente não levaria nada, no final levamos coisas que nem sabíamos pra que servia, foi divertido, tinha uma venda com cheiro de morango, algemas, infinitos óleos, camisinha e calcinha comestível, um vibrador enorme neon que a Letícia insistiu pra mim levar, ( parecia uma espada do Star Wars) uma espécie de?strap on? com duas pontas foi o que a vendedora explicou aquele pênis de borracha, com uma cinta que da pra vestir (sinceramente a ideia me deixou muito excitada, sempre quis usar, ter a sensação de fuder alguém) e duas lindas lingeries. Metade do meu salário foi embora, mas tudo bem, sempre quis comprar esses brinquedinhos pra usar com ele e também me divertir muito... Depois a duvida era onde seria… UM MOTEL! Seria ótimo! Um do lado do trabalho do Dani, eu ligaria pra ele me encontrar lá e quando ele chegasse nós estaríamos lá esperando ele. (ótima surpresa não acha?) Só de pensar me excitava, a Letícia então, tava incontrolável... Geralmente durmo na casa dele pelo menos uns três dias por semana, um dia sem sexo já deixa a gente mal, mas dessa vez não fui nem um dia, dei uma desculpa de que tinha provas na faculdade, queria deixar ele com saudade, mas o problema sou eu, não agüento muito tempo... liguei pra ele na madrugada de quinta, subindo pelas paredes, louca de tesão, olhei pra sacola do sex shop debaixo Contos Imor(t)ais - A SURPRESA – 194 -


da cama, (foi até engraçado o brinquedinho da Letícia lá brilhando, parecia até que tava me chamando..rsrs) comecei a me masturbar e narrar tudo pra ele, cada toque, liguei o vibrador que massageava de leve meu clitóris, gozei loucamente, enquanto ele do outro lado batia uma pra mim, gemi pelo telefone, ele adora me ouvir gemendo, pedindo a pica dele... Deixei ele louco, tanto que no dia seguinte ele foi me levar no trabalho... parou o carro no estacionamento e queria que fosse ali mesmo... nunca o vi daquele jeito, passou a mão por debaixo da minha saia, rasgou minha meia calça, tava incontrolável, os dedos brincando escorregadios de tão molhada que ficou minha buceta (parecia que ele também tinha mudado, e nem precisou muito) quando eu ia sentar no colo dele, sentir o que ele tem de melhor parou um carro no nosso lado. Que banho de água fria!... Aaaaaaaah passei o dia com o maior tesão, odeio começar e não terminar uma transa fico meio louca, mas sempre podia contar com minha?vizinha gostosa? e insaciável (ah se ela ver isso rsrs) chamei a Le pra?dormir? comigo... e quando contei que tinha brincado com o vibrador com ele no telefone ela ficou toda acesa, (aquilo tudo tava mexendo mesmo com a gente, até com ele que não sabia) faltava um dia e eu só pensava nisso, o tempo todo Acabou que a gente só dormiu aquela noite, (bom, é mentira, mas nada comparado com que a gente ia fazer)... (O grande dia) No sábado mandei uma msg no horário que ele sai pra trabalhar,?vou te esperar no motel que a gente adora, tenho uma surpresa, e hoje sou eu que mando? fiquei imaginando como ele reagiu Mais tarde mandei outra com o numero do quarto… Eu e a Letícia fomos pro motel como combinado, lá tinhas uns quartos temas, escolhemos um simples, com uma cama redonda que girava, tudo vermelho, velas incensos, bem romântico com espelhos por todo lado, e uma banheira de hidro... deixei avisado que ele chegaria, e ainda tive que explicar pra moça não contar que era nós duas estava no quarto Ficamos tão ansiosas que fui pra lá 4hrs e ele só saia do trabalho as 7... mas foi ótimo, melhor ainda Começamos a explorar o quarto... tava começando a ficar divertido deitei ela na cama e comecei a tirar sua roupa, que não foi nada difícil tava de vestido e sem calcinha, com uma depilação de seta (é a cara dela) ela também arrancou a minha roupa, levamos tudo que compramos no sex shop e três garrafas de vinho, espalhamos tudo sobre a cama e abrimos uma garrafa pra ficar mais soltas ela tava meio tensa, a criatividade começou a aparecer fomos experimentar a banheira, essa hora foi um pouco estranho (um estranho gostoso) ela se endireitou atrás de mim, me abraçando e eu que sou toda ansiosa e meio macho quando to com alguma mulher fiquei nervosa, um pouco tremula… Ela pegou o sabonete e foi passando nas minhas costas com tanto carinho, as mãos frias me tocavam devagar e eu estremecia, começou a sussurrar no meu ouvido, fiquei com as pernas bambas, me provocava, descia com a mão até minha barriga, voltava, alisava entre minhas coxas entre meus peitos, me deixou sem reação, veio me beijando o pescoço as costas, parecia que tinha entrado na minha cabeça... (nunca uma mulher me arrancou tantos gemidos, com tão pouco... que delicia que tava ali) entrei no joguinho dela, virei colocando ela na beira da banheira abrindo suas Contos Imor(t)ais - A SURPRESA – 195 -


pernas, e comecei a te chupar, mas que nem ela fez comigo, bem devagarzinho, [e pelo menos é como gosto] não tem nada melhor, quando você vai chupar uma buceta tão gostosa como a da Le, dedicar sua língua pra cada lugar, dar leves beijos, aquelas sugadinhas, (huuummmm...) depois fizemos um 69 ali mesmo do lado da banheira, cheguei à conclusão que mulheres são especialistas em sexo oral... é como uma conexão ela chupava e eu retribuía no mesmo lugar, chupando, lambendo, dando aqueles beijinhos estralados… Quando nos demos conta já ia dar 6hrs... o nervosismo voltou, a gente foi colocar as lingeries, começar o teatrinho Eu sinceramente já tava bêbada depois de começar a segunda garrafa de vinho, mas ao menos tava mais segura do que queria fazer A minha lingerie era preta com detalhes vermelhos, luvas, cinta liga com uma abertura na frente e um lindo sutiã transparente, coloquei um salto enorme e a maquiagem bem pesada A dela era vermelha a calcinha fio dental um detalhe curioso, tava escrito?me coma? em metal na bunda, e um sutiã que abria na frente, era mais simples que o meu (afinal eu já achava ela tão mais gostosa.) Eu até admito que acho a Letícia mais gostosa, Ela tem um cabelo lindo, comprido preto, seios enormes, bem desenhados, mamilos rosados uma cintura de pilão, e que bunda... Fala serio não é todo homem que a namorada tem a fantasia de vê-lo comer a amiga gostosa... Ele chegaria a qualquer momento, e ela ficaria no banheiro esperando a hora certa de aparecer, planejamos tudo. Ouvi o barulho do cartão na porta, quando ele entrou tava com um ar de nervosismo, olhou bem pra mim, sem nenhuma reação, do jeito que eu queria… eu estava parada em frente a cama, decidida que aquela noite seria outra pessoa... ou melhor, seria eu mesma fazendo tudo que sempre quis sem nenhuma inibição (no começo tive de me conter, fazer a durona, mas era difícil, que delicia que ele fica de terno e gravata) Deixei que ele olhasse bem pra mim, me aproximei devagar?Hoje você só vai obedecer... (mostrei as algemas pra ele) ou eu vou ter que te amarrar? Rapidinho ele entrou no meu jogo, só balançou a cabeça e foi deitando na cama, subi em cima dele tirei devagar sua roupa, mas sem deixar ele tira a minha (ele chega tava tonto com a situação) gaguejava e repetia as mesmas coisas – Amor você ta tão linda... tão gostosa... que delicia, nunca te vi assim...(tudo que eu queria ouvir) comecei a beijar sua boca, descer pelo seu corpo, ele na cama agora nu, com um pal duro pronto pra meter, e eu tomando todo o cuidado pra não me render tanto, comecei sem deixar que ele me tocasse, depois conduzia sua mão devagar pelo meu corpo, a intenção era deixar ele com vontade, mas não precisava tanto, eu esfregava minha buceta molhada de tesão na cabeça daquela pica deliciosa, tava louca pra sentir ele por dentro Ele me olhava de um jeito, querendo me devorar viva, já bravo com tanta provocação, mas adorando tudo Decidi apelar, ele estava num estado que deixava tudo, tão curioso -To louco pra ver o que você vai fazer... (era tudo que eu precisava ouvir) o saco com os brinquedinhos tava do lado da cama, peguei a venda, tapei seus olhos (ele adorou a ideia) e já tinha entendido Contos Imor(t)ais - A SURPRESA – 196 -


Era tudo do meu jeito! fui buscar a Letícia, e pela a cara dela já tava louca pra se juntar a nós, foi a melhor parte a expectativa da reação dele, coloquei ela entre nos dois -Agora você pode me tocar amor. [Essa parte a gente já tinha combinado] peguei suas mãos e coloquei na cintura dela, ele foi percorrendo todo seu corpo eu tava esperando ele perceber a diferença, mais nada... tanto não percebeu que começou a esquentar, ela ficou roçando em cima dele beijando seu pescoço, eu mal podia esperar pra ele descobrir, se passaram uns 15min, quando ela começou a chupar sua pica, eu já tava explodindo de ansiedade, ele soltava uns gemidos, não parava quieto.. tava quase tirando a venda, quando eu vi a oportunidade perfeita de mostrar minha surpresa, ela tava ali chupando sua pica com tanto gosto, fiz sinal pra ela parar, eu cheguei perto dele, peguei as algemas (que nem sabia como usar e amarrei suas mãos na cabeceira da cama) – Ta gostando? Ele respondeu num suspiro – Adorando amor o que mais você tem pra mim?... (ele que pediu) eu mais do que nunca num clima de dominadora, segura de tudo que tava acontecendo pedi pra que a Letícia continuasse? É agora que vai começar a brincadeira... ele não se continha de tanta curiosidade... tava tão vulnerável,? indefeso? descobri que era minha maior fantasia, poder fazer tudo com ele, que nem um brinquedinho, por um tempo parei pra observar os dois, tava mesmo acontecendo?, (é estava) o meu homem ali com a pica toda lambuzada pela boca de outra Em cada momento naquela cama, sentindo o calor dos corpos nus, descobria minha capacidade de seduzir, de dominar, foi quando eu o beijei, (pra mim não tinha forma melhor dele descobrir) até porque a reação dele foi tudo que eu queria... Dava até uma dó de ver ele tão desorientado De fato a diversão só tava começando, devagar tirei a venda e as algemas dele, cheguei a Letícia pra perto de mim... – Presente pra você meu amor, hoje você não escapa... ele parou um tempo, balançava a cabeça sem acreditar... Coloquei a Letícia de novo entre nos dois, tirei devagar a venda (não trocaria isso por nada) a cara de surpreso dele, como quem não acredita no que vê, ele só repetia -Você não fez isso, não acredito... ele não olhava pra ela, mas deu aquele sorrisinho típico dele -Ótimo presente não acha (coloquei suas mãos nos peitos dela, ele parecia que ainda tava amarrado mal se mexia) A Letícia já estava à vontade há um tempo, e o Dani me olhava esperando que eu sentisse ciúmes, ela se aproximou, toda sensual (toda sensual e bêbada pra variar) -Hummm Dani que saudade dessa boca… Olhei eles se beijando, a Le me puxou (eu mal lembrava quando dei um beijo triplo a ultima vez, digam o que quiserem mais eu adoro)… Contos Imor(t)ais - A SURPRESA – 197 -


Além da sacanagem que já é ótimo, línguas se enroscando, corpos se tocando, aquela cama era puro desejo, enquanto bocas e línguas se confundiam, mãos exploravam corpos, um momento senti minha mão e a do Dani alisando entre as pernas da Letícia, ele mesmo forçava minhas mãos um pouco tremulas, finalmente estava gostando como eu queria que gostasse... Virei pra ela e começamos a nos tocar – Ta gostando amor (ele só balançava a cabeça, mas não tinha mais vergonha) – O que você quer que a gente faça?... (ele falou só pra mim, no meu ouvido) – Faz o que vocês fazem quando eu não to olhando.. (Hmmmm..) Deitei ela tirei sua calcinha com a boca enquanto olhava pra ele, lambi de leve sua buceta, começamos a nos empolgar, peguei o vibrador que massageava seu clitóris, minha vontade era pegar o strap on mas não queria assustar ele, depois de tantos carinhos (não gosto de assumir meu lado lésbica, mas adoro aquela posição que da pra roçar minha buceta na dela, senti o calor das suas pernas) gozei tão gostoso Logo ele se juntou a nós duas... sentei na pica do meu amor (que não troco por nada) ela sentou com a buceta pertinho da boca dele, ele chupava ela enquanto metia em mim, foi assim a noite inteira, rolou o maior clima, e a criatividade aflorou entre nós, experimentamos posições que não sei se vou conseguir repetir Tive tantos orgasmos... Mas o auge da noite foi um momento que ela sussurrou no ouvido dele e depois ficou de quatro olhando pra mim, ele começou bombar no cu dela, foi a única vez que senti um pouco de ciúmes, foi mais uma invejinha, eu dei meu cu pra ele umas duas vezes e depois não consegui mais ela parecia gostar tanto, parecia ser tão fácil, ele metia com força e não tirava os olhos de mim… Ela pediu pra que eu pegasse o strap on, eu já tava louca pra usar, de primeira o Dani se espantou quando vesti aquele enorme pênis de borracha (imagino que não é uma cena muito agradável) mas logo ele começou a gostar, devagar coloquei na sua buceta enquanto meu namorado comia seu cu, a sensação é ótima, e ela queria aproveitar ao Maximo… Estávamos enroscados de tal maneira que até dava pra confundir, nunca pensei que um dia faria nada parecido, literalmente comer alguém, o Dani segurava ela pela cintura bombando no seu cu agora mais forte, depois de um tempo ele soltou ela que caiu em cima de mim, pude ver seu pal todo lambuzado ele me olhou com um ar de satisfação e pediu pra que eu continuasse metendo que ele tava adorando ver, ela começou a pular no meu colo, gemia alto parecia esta adorando de repente ela ficou toda mole… fiz ela gozar, a sensação ficou melhor ainda... a noite se estendeu a conversas e o resto do vinho, confessei de como tinha planejado. E dava pra ver que tinha dado certo e ele adorado tudo… Conversa vai, conversa vem a Le teve uma ótima ideia, a gente tinha comprado vários óleos de massagem, e pra fechar com chave de ouro nos lambuzamos com um óleo com sabor de morango, Contos Imor(t)ais - A SURPRESA – 198 -


ele começou a passar em mim e nela aproveitando pra nos tocar, na nuca nos seios, na barriga entre as pernas, logo despertamos o clima do começo, e foi o tempo pro meu namorado ter outra ereção… Terminamos a noite que virara madrugada na banheira e da pra imaginar que nós já íntimos terminamos bem a noite.. Adoreeeeeeeeeiii ter compartilhado essa curta parte da minha vida com vocês, espero que você tenha se excitado como eu quando escrevi e relembrei essa noite deliciosa...Obrigada por ler até aqui… Beijos em lugares inimagináveis, Re

Contos Imor(t)ais - A SURPRESA – 199 -


CASADA O que vou contar é verídico, aconteceu realmente. Tenho 33 anos, 1, 88, 92 Kg, em forma. Moro no bairro de Sta. Felicidade aqui, em frente a minha casa mora uma senhora e sempre vejo duas meninas chegando e saindo, ambas são lindas, mas a mais velha é perfeita, morena, olhos claros, cintura fina e peitos e bunda grande. Nunca falei com elas, até que certo dia, ao chegar em casa no final da tarde, reparei a porta de minha casa arrombada, haviam roubado, estava indignado, como era final de tarde o posto policial que tem próximo a minha casa estava fechado já, assim deixei para dia seguinte fazer o B.O. No dia seguinte estava saindo de casa para ir a delegacia as duas meninas estavam na frente da casa desta senhora, olhei para elas e recebi um sorriso malicioso, continuei andando quando ouço alguém me chamar: -moço tudo bem? Sou Inês (menina mais nova), aquela outra é minha irmã Priscila, e ela ficou a fim de te conhecer, posso chama-la? Disse que sim, claro. Foi quando Priscila apareceu, neste momento pude ver de perto tão linda que era, nos apresentamos, ela disse ser casada, tinha dois filhos, que ali onde estava era casa de sua mãe, e que sempre reparava em mim e ficava afim de me conhecer. Tivemos uma conversa rápida, pois, tinha eu ir a delegacia, nos despedimos com um beijo na boca e trocamos telefone. Trocamos mensagens o dia todo, expliquei que estava sozinho que estava meio fechado no dia, por que haviam roubado minha casa, mas foi bom em conhecê-la. Ela disse que ficou com vontade de mim e perguntou se eu gostava de surpresa, disse que sim e nos despedimos até o próximo dia. No dia seguinte acordei cedo para ir trabalhar, tomei banho, café, e quando estava saindo escuto baterem na porta, fui ver quem era, e adivinhem, era Priscila, estava de sobretudo azul. Bom dia lindo, vim te fazer uma surpresa, e que para os vizinhos não vejam nada, puxei ela para dentro de casa, nesta hora ela me abraçou e nos beijamos, nossas mão corriam pelos nossos corpos, comecei a desabotoar o sobretudo dela, e reparei que não havia nada por baixo, ela estava sem nenhuma peça de roupa, tinha vindo preparada para me dar, que corpo lindo, não dava para acreditar que tinha dois filhos, seis peitos redondos empinados, barriga chapada, e uma bunda linda, grande e arrebitada, dava para encher a mão, e para completar uma bucetinha rosada totalmente depilada. Deitei ela no sofá e comecei a beija-la toda, mordi seu pescoço, beijava sua boca, descia até seus peitos, que lambi, mordisquei, cada beijo, me fazia descer um pouco mais, até chegar em sua bucetinha, passei a língua em sua virilha, brinquei ao redor de sua bucetinha até deixa-la louca, quando cheguei em seu clitóris estava durinho, pedindo para ser chupado, comecei a passar a língua de leve, e Priscila já se contorceu, aumentei o ritmo, enquanto chupava seu clitóris, eu sugava e passava um dedo na entrada de sua bucetinha, uns 20 minutos depois, Priscila soltou um grito de gozo, chegou a apertar minha cabeça entre suas coxas, não deixei ela perder o ritmo, continuei dando linguadas em seu clitóris, onde veio outro gozo, não tão intenso mas o suficiente para ela me olhar e dizer: Meu Deus que boca, nunca ninguém me fez gozar me chupando, como pode fazer tão gostoso? Voltei a beijar sua boca, ela pegou meu pau e encostou em sua bucetinha, e pediu para colocar nela, fiquei esfregando a cabecinha na entrada, deixei ela pedir de novo meu pau, foi quanto deixei Contos Imor(t)ais - CASADA – 200 -


escorregar a cabecinha, e aos poucos deslizando dentro daquela bucetinha quente, olhei em sua cara vi o prazer de estar recebendo meu pau, foi quando iniciei o vai e vem, no começo devagar, mas depois fui aumentando as estocadas, a ponto de arrastarmos o sofá do lugar, virei Priscila de quarto, já estava fácil de entrar, ela estava muito molhada, vi meus 19 cm desaparecer naquela bucetinha, além disso tinha uma visão deliciosa daquela bunda gostosa, comecei a socar, meti, enrolei minha mão em seu cabelo e dava tapas em sua bunda, tratando ela como uma safada, vadia que estava sendo, fiquei nesse ritmo por um bom tempo, quando vejo ela se inclinar e morder meu pau com a buceta, ela estava gozando de novo. Pediu para ir em cima de mim, pois, precisava relaxar, estava com o corpo mole de tanto gozar, pegou meu pau e foi encaixando nela, deslizou fácil para dentro, rebolava gostoso sentada no meu pau, vinha me beijar, dizendo que eu era uma delicia e que seria sempre minha putinha se eu quisesse. Peguei ela pela bunda deitei ela em meu peito e comecei a socar novamente, queria fudela o dia todo, ela é muito gostosa, ela começou a pedir minha porra, foi quando anunciei que iria gozar, ela sai de cima de meu pau, ajoelhou no chão e falou: Goza na minha cara! Levantei, e nem precisei mexer muito em meu pau, dei um jato de porra em sua garganta, outros em sua cara, Priscila, ainda me chupou até tirar toda porra de meu pau, nos recompomos ela pediu para tomar um banho, isso já era meio dia, fazia quase quatro horas que estávamos transando. Despedimo-nos com gosto de mais, mas na hora que ela foi sair de minha casa, uma vizinha nos viu. Ficamos preocupados, mas deixamos quietos, não tínhamos que nos argumentar. Continuei comendo Priscila por uns dois meses seguidos, era pelo menos duas vezes por semana, inclusive em sua casa, onde a iniciei no anal também. Certo dia ela me liga desesperada dizendo que seu marido sabia de tudo e a noite eles conversavam, disse a ela para se acalmar e perguntei se ela sabia de onde descobriu, ela falou que foi minha vizinha que havia contato. Disse a ela para negar conversar com ele, e se o caso nos afastarmos, pois, nunca foi intenção prejudicar ninguém. No outro dia Priscila me ligou, dizendo que havia conversado com seu marido, estava curioso para saber, quando ela me disse que assumiu, falando que estava carente de sexo, que seu marido não fazia nada de diferente para mudar, e ela cobrou várias vezes, sem nenhuma atitude dele, e foi por isso que ela dava para mim. Para minha surpresa Fernando seu marido disse a ela que a perdoava, mas com uma condição, que deixasse ele assistir eu comendo ela! Ela me perguntou se topava. Claro que aceitei, ela era muito gostosa e se seu marido acetasse seria perfeito. Marcamos em uma sexta feira ir a um boliche que tem aqui em Santa Felicidade, estava esperando quando Fernando e Priscila chegaram, ela estava demais, vestido, salto alto, maquiada, cheirosa. Neste momento foi quando conheci Fernando e entendi por que ela o traia. Fernando estava mal vestido perto de uma mulher deslumbrante, não se comportava da mesma maneira que ela, era meio infantil em sua conversa, nem um carinho fez enquanto conversávamos. Certo momento entre vários chopes que tomamos, Fernando foi ao banheiro, nesta hora Priscila fez questão de me provocar, abriu as pernas mostrando que estava sem calcinha, vi aquela bucetinha rosada, depilada, e ensopada, ela passou o dedo para me mostrar como estava molhada e deu para eu chupar. Fernando voltou, pedindo para sairmos dali, ir em um ligar mais confortável, falei para eles que poderíamos ir em um carro só, assim seguimos no carro deles em direção a um motel sentido Contos Imor(t)ais - CASADA – 201 -


Campo Largo. Chegamos lá, Priscila foi ao banheiro e perguntei ao Fernando se era isso que ele queria mesmo, ele disse sim, já estamos aqui quero ver como você come minha mulher. Priscila saiu do banheiro, mandei Fernando sentar em uma poltrona que tinha no canto do quarto, olhei para ele e disse: Fique ai que vou ensinar como come gostoso esta delicia de mulher que você tem. Ele sentou-se e Priscila veio me abraçar me beijar, esbaforida dizendo que saudade de minha boca, ela se ajoelhou abaixou minha calça e abocanhou meus 19 cm, chupava com vontade, as vezes se afogava com meu pau em sua garganta, olhei para o lado e vi Fernando se masturbando já com seus 13 cm. Peguei Priscila no colo e deitei ela na cama, foi minha vez de retribuir a chupada, lambi cada pedaço daquela mulher, chupei sua bucetinha que escorria de molhada, enquanto chupava ela fui colocar um dedo dentro de sua bucetinha, quando ela anunciou seu primeiro gozo. Ela virou de quatro olhando para seu marido e falou para meter nela. Encostei a cabecinha e comecei a pincelar sua bucetinha mas sem meter, até que tive a ideia de fazer Fernando mais corno. Chamei ele para vir perto, mandei ele pegar em meu pau, ela assustado obedecia, agora coloca dentro da sua mulher, ele pegou meu pau e ajudou entrar em Priscila, comecei a socar, ele foi dar o pau para ela chupar, quando ela negou e mandou ele sentar de novo, que ela só ia dar para mim. Fernando sentou-se, batendo punheta ficou vendo eu arregaçar sua esposa, só não entrava minhas bolas, de tanto que eu soquei naquela mulher, dava tapas em sua bunda, puxava pelos cabelos, quanto deitei na cama e Priscila veio cavalgar, ela sentou gostoso, dava para ver a cara de felicidade dela e do marido em que estavam fazendo. Priscila começou a rebolar e se esfregar o clitóris, quando sentia as mordidas em meu pau com ela gozando. Ela me beijava como se eu fosse seu marido, rebolava com aquela bunda gostosa, subia e desci, pedindo minha porra dentro de sua bucetinha, que não consegui dizer não. Gozei gostoso, inundando aquela mulher de porra. Priscila cansada deitou na cama e mandou o marido olhar a porra de outro macho escorrendo da sua bucetinha, Fernando tirava fotos, e batinha punheta, quando falei por que ele não a limpava. Ele negou, dizendo não, meio enojado, mas Priscila pegou ele pelo cabelo e falou, não queria ser corno, agora me limpa e enfiou sua cara no meio de suas pernas, fez Fernando deixa-la limpinha, sem vestígios de porra, aproveitei e tirei fotos para eles de lembrança. Priscila foi para o banho, Fernando estava me agradecendo, que ele queria muito ver isso, e disse que eu poderia continuar comendo ela quando quisesse, pois ele não sabia como comer ela gostoso, e viu que eu e ela tínhamos essa química. Arrumamo-nos, Priscila deu muita risada com o fato de fazer Fernando tomar porra, eles se beijaram e percebi que eles se amavam, apenas faltavam se entender sexualmente. Entramos no carro voltamos para casa, no meio do caminho Priscila falou que já estava com vontade de mim de novo, e veio me chupar, chupou até chegarmos ao boliche onde esguichei porra em sua garganta, ela não deixou escorrer nada, descemos do carro, ela foi em direção ao Fernando e Contos Imor(t)ais - CASADA – 202 -


com a boca cheia de porra, beijou ele, cuspiu na boca dele minha porra, fazendo ele beber tudo. Entramos no boliche havia alguns amigos deles esperando nós. Priscila não deixou Fernando lavar a boca, apenas tomar cervejas para tirar o gosto. A noite toda flertamos eu e Priscila, brincadeirinhas, beijos escondidos, apalpadas na bunda, ela alisava meu pau escondido, tudo no meio da galera, dias depois ela me disse que algumas de suas amigas repararam na nossa pegação. Daquela noite em diante Priscila foi minha putinha por uns 6 meses, inclusive a relação dela e Fernando melhorou, ela falou que ele começou a inovar, chupando ela mais, fazendo surpresas. Fiquei feliz com isso, e achei que era hora de me afastar, já que eles estavam bem agora. Mas de vez enquanto não resisto e vou comer aquela gostosa de novo.

Contos Imor(t)ais - CASADA – 203 -


AJUDANDO UMA VIRGEM Certo dia estávamos na casa de uma amiga minha, quando chegou a filha de uma das vizinhas dela. A garota chegou perguntando sobre uma festa que teria numa boate. Ela queria ir, mas a mãe dela vetou dizendo que ela só iria se fosse acompanhada de uma pessoa de confiança, porque tinha ouvido falar muito mal dessas festas em boate A mãe dela era muito conservadora e nunca deixava que ela saísse sozinha Ela tinha poucos amigos e vivia presa em casa Depois chorou e disse que às vezes tinha vontade de fugir de casa Perguntou se a gente iria e se podia ir conosco Nós ligamos para a mãe dela e ela consentiu, mas disse que só deixaria se ela voltasse cedo e se nós deixássemos ela na porta de casa Assim, combinamos tudo e no dia, fomos nós três e o irmão da minha amiga Na metade da festa um dos nossos amigos nos chamou para ir à casa dele me despedi do meu irmão e saímos mais ou menos à 1 da manhã e fomos direto para lá: eu, minha amiga, nosso amigo e a filha da vizinha, que tinha bebido bastante No caminho, nós fomos na frente e o cara e minha amiga sentaram atrás, eles já tinham conversado durante a festa e continuaram o papo no carro De repente, vi pelo retrovisor eles se beijando Pensei, se essa guria ainda for virgem vai dar problemas para nós Chegando lá tomamos vinho e vodca e comemos um tira gosto enquanto ouvíamos música Ele chamou a garota para a varanda e quando olhamos os dois estavam se beijando e logo depois no maior amasso Ficamos ali mais um tempo e lá pelas quatro chamamos a garota para ir embora Nesse meio tempo eu e minha amiga fomos ao banheiro para nos beijar escondido, para passar o tempo enquanto dávamos uma colher de chá para a garota, que queria tanto se divertir Depois fomos embora e ela nos agradeceu muito Durante a semana ela ligou para minha amiga dizendo que tinha pego o telefone do cara e queria se encontrar com ele, mas sua mãe estava vigiando direto Perguntou se uma de nós duas topava levá-la até a casa do cara escondido, dizendo para a mãe dela Contos Imor(t)ais - AJUDANDO UMA VIRGEM – 204 -


que íamos ao cinema Minha amiga me ligou e combinamos de levá-la no apartamento do cara, já pensando na oportunidade que teríamos de ficar juntas sem ninguém pentelhando, já que não tínhamos coragem de ir sozinhas ao motel A garota estava toda animada, nos disse no carro que queria perder a virgindade e que teria que ser naquele dia Levamos um susto e ficamos preocupadas com a consequencia, pois já estavamos nos arriscando para ajudá-la Quando chegamos na casa do carinha, ele já tinha bebido umas cervejas, era umas seis da tarde mais ou menos, ele saiu do trabalho mais cedo e comprou uns aperitivos pra gente O cara abriu a porta e olhou para ela de cima a baixo e sacamos que ele tinha a mesma intenção e que até talvez tivessem já combinado por telefone Aquele olhar me deu tesão, dei um abraço em meu amigo e disse baixinho: -Calma, que a ovelha vai se assustar com a sua sede Depois, quando estávamos sentados bebendo eu cochichei com ele que ela estava doidinha para dar e que se ele quisesse a gente ajudava ele Ele sorriu malicioso e perguntou: – Como? Eu disse: – Veja! Chamei a garota e disse, – Vem cá senta aqui perto da gente Ela veio e começamos a conversar para distraí-la Falei para ela para fazermos a brincadeira do beijo, quem der o beijo mais safado ganha Ela topou e eu sentei no colo do meu amigo e beijei gostoso, ele correspondeu Depois eu falei para ela sentar no colo dele também e fazer o mesmo, depois minha amiga faria Ela sentou meio sem jeito, dava para ver que estava pouco à vontade Ele abraçou sua cintura, passou a mão em seu rosto e lambeu seus lábios, abrindo sua boca aos poucos e depois abocanhou seus lábios e sugava a língua dela bem gostoso

Contos Imor(t)ais - AJUDANDO UMA VIRGEM – 205 -


Enquanto isso coloquei a mão dele na bundinha dela e ela se remexeu gemendo Cochichei para ela: -Fica quietinha que nós vamos te ajudar a relaxar Ela me olhou assustada e meu amigo puxou-a para continuar o beijo Seu pau estava quase pulando para fora da calça Passei a mão em suas pernas e ela foi abrindo as pernas pouco a pouco, automaticamente, conforme eu ia subindo a mão por dentro de sua saia Olhou para mim com um olhar lânguido, de quem não tem mais forças e fechou os olhos arqueando seu corpo para trás Minha amiga nesse momento chegou perto dela e acariciou seu rosto beijando de leve ao redor da boca e foi enfiando a língua aos poucos entre seus lábios Ela se remexeu e começou a sugar a língua de minha amiga com tesão gemia baixinho e meu amigo estava quase babando Eu pedi para ele ter mais um pouco de calma Então ele foi descendo a blusa dela pelo ombro devagarinho, beijando ao redor do seio, até chegar ao mamilo durinho lambeu e começou a sugar, depois chupava com vontade, até quase engolir o seio da moça Não suportando ver aquela cena, beijei suas coxas e passei a língua por cima de sua calcinha na altura do grelo Ela gemeu alto e abriu ainda mais as pernas afastei sua calcinha para o lado e passei o dedo em sua xana, estava molhada e cheirosa pedi para meu amigo segurar uma de suas pernas enquanto eu segurava a outra Enquanto isso minha amiga já chupava seu outro seio e segurava sua cabeça Abri bem suas pernas e dei uma lambida de baixo para cima Enquanto os dois chupavam seus peitos durinhos. Comecei a lamber seu grelo, e ela gemia cada vez mais alto, enfiei a língua em sua buceta cheirosa e ela segurou minha cabeça. Chupei então com toda a gula e puxava seu grelo entre meus lábios. Meu amigo não estava aguentando mais e pediu para ela chupar seu pau. Nós descemos ela do colo dele, ela se ajoelhou e chupou com vontade e ele empurrava a cabeça dela para baixo, doido para gozar.

Contos Imor(t)ais - AJUDANDO UMA VIRGEM – 206 -


Eu e minha amiga ajudamos ela a fazer o boquete. Chupei seus testículos enquanto minha amiga ajudava a garota a chupar a rola. Sentindo que ele ia gozar, pedi que parassem e chamei a garota para o quarto. Deitamos ela na cama, com as pernas bem abertas e disse: -nós vamos te ajudar a dar para ele, você fica bem quietinha que ele vai fazer devagar. Ele se posicionou na frente dela de joelhos, nós chupamos sua pica e depois levamos para a buceta dela. Ele empurrou um pouquinho e ela gemeu, ele empurrou mais e ela gritou, disse que estava doendo Eu comecei a chupar seu grelo para ela relaxar, enquanto a pica entrava devagarinho e minha amiga chupava seus seios gostosamente. Ficamos assim um tempo, até ela se acostumar com a pica. Meu amigo ficou metendo nela devagarinho entrando e saindo a cabeça, empurrando mais, e esfregando a pica no grelo e na buceta. Mas depois, não aguentou mais, segurou na cintura dela, empurrando tudo e começou a cavalgar, ela gemia alto e arranhava as costas dele, mordia e gritava. De repente, ela começou a gozar, pedindo para ele enfiar mais, ele montou em cima dela com gosto e enfiou tudo, abrindo mais suas pernas. Depois gemeu alto e seu corpo estremeceu todo. Gozaram juntos. Ela o abraçou e ele caiu em cima dela. Ela disse que precisava descansar. Ele saiu de cima dela, e eles ficaram descansando. Eu e minha amiga, que já estávamos em ponto de bala, fomos para o chão, no tapete e começamos a nos beijar, ela chupou meus peitos, passou a língua no meu cuzinho e chupou minha buceta por um bom tempo, depois eu virei para uma posição 69 e nós ficamos nos chupando até gozarmos Meu amigo já estava de pau duro de novo e enfiou na minha boca e segurou minha cabeça Eu estava de joelhos e ele em pé. Chupei seu saco, um de cada vez. Ele me colocou de quatro, lambeu minha bunda, depois colocou a cabeça da rola e enfiou a metade da pica, eu gritei e ele me segurou e enfiou o resto todo de uma vez Contos Imor(t)ais - AJUDANDO UMA VIRGEM – 207 -


Cavalgou em cima de mim até gozar, eu também gozei com as suas estocadas. Enquanto isso, minha amiga tinha colocado a garota para chupar a buceta dela. Depois ela pediu que minha amiga chupasse mais seus peitos e seu grelo e gozou na boca dela. Quando meu amigo saiu de cima de mim, fomos até a cama e colocamos a garota deitada de barriga para cima, com as pernas abertas e cada um chupava sua buceta e seu cuzinho. Ela gemia e disse que queria ser nossa puta. Pegamos uma rola que meu amigo trouxe e enfiamos devagar no seu cuzinho e meu amigo comeu de novo a buceta dela, ela gritando de prazer e de dor. Çolocamos o som um pouco alto para abafar os gritos. Depois, fomos descansar e tomar um banho. Ligamos para a casa da garota dizendo que ela dormiria lá em casa, a mãe dela não ficou nada satisfeita e disse que queria ela lá bem cedo. Perguntamos se ela ainda aguentava mais alguma coisa, ela disse que queria dormir. Colocamos um filme pornô e ficamos comentando as cenas, até que ela começou a bater uma siririca. Colocamos ela de lado, meu amigo chupando a buceta dela, eu chupando seu cuzinho e minha amiga chupando seus peitos. Ela gozou tanto que quase desmaiou. Dormimos todos abraçados, e de manhã tomamos café e falamos para ela que tínhamos ajudado ela a ter a primeira vez, mas, quando quisesse repetir a dose era só nos chamar. Meu amigo beijou ela longamente, e perguntou quando ela voltaria lá. Ela disse que tinha uma amiga dela do colégio que sonhava em participar de uma suruba, que o namorado tinha comido ela, mas ela não sentia muito prazer. Combinamos então de ver com a menina se ela gostaria de realizar sua fantasia. Levamos ela para casa. Depois, fomos para a casa da minha amiga. Desde então fazemos loucuras juntos. Quando essa amiga dela aparecer, meu amigo planeja trazer um primo dele para participar das nossas festinhas. Beijos.

Contos Imor(t)ais - AJUDANDO UMA VIRGEM – 208 -


O SEGURO COBRE Em angra dos reis existem muitas entradinhas particulares as margens da rodovia rio santos a maioria levam a pequenos condomínios ou a belas mansões de veraneio, a maioria é protegida por arbustos e arvoredos que só os proprietários ou moradores locais as conhecem. Estava indo para a minha casa e a uns trinta metros de um retorno vi uma mulher pedindo carona. Passei direto mas ao entrar no retorno tive que esperar o fluxo do transito para cruzar a rodovia e me assustei quando inesperadamente a porta do meu carro se abriu, enquanto eu aguardava a passagem, a mulher que estava lá atrás veio e se sentou no banco do carona me perguntando para onde nos iríamos Como eu não a conhecia, não havia essa historia de nos e rapidamente comecei a pensar, o que uma mulher bonita estaria fazendo ali sozinha no meio do nada, pedindo carona em uma rodovia sem saber para onde quer ir e para ela poder sair do meu carro eu tentei lhe assustar dizendo que eu iria lhe levar para um lugar deserto para foder o seu cu e ela simplesmente sorriu olhando para o meio das minhas pernas e logo em seguida tomou a iniciativa de apalpar o meu cacete dizendo que isso seria ótimo Mediante a essa situação eu fiquei completamente sem rumo e ao invés de cruzar a pista eu tornei a colocar o carro na rodovia e fui seguindo lentamente no sentido a santos ate que eu passei por uma dessas estradinhas, avaliando visualmente o lugar que parecia ser perfeito, contornei e acessei essa estradinha estreita ate chegar numa curva em frente a um imenso portão, morro de um lado, penhasco com vista para mar do outro e uma densa vegetação que nos ocultava da rodovia nos permitindo apenas escutar os sons dos veículos que passavam em alta velocidade Assim que eu parei o carro ela saiu, foi de um lado para o outro elogiando a beleza daquele lugar depois parou na frente do carro e começou a se despir, jogando a sua blusa no pára-brisa do carro, eu usei o limpador para remove-la e assim que a blusa saiu ela já estava arremessando a sua calcinha no pára-brisa Com os peitinhos de fora e usando apenas uma saia ela sensualmente usava os dedinhos para me chamar e prontamente eu sai do carro ao seu encontro, mas ela correu no sentido ao contrario do carro e lá do outro lado ela se curvou levantando a saia me exibindo a sua linda bunda redondinha e a sua bela xoxota rosada me perguntando se eu queria foder o cuzinho dela, depois ela trepou na mala do meu carro mandando que eu tira-se logo a minha roupa, lambeu um dedinho e enfiou em baixo da sua saia enquanto mordia os lábios e usava o dedinho da outra mão para me chamar Enquanto eu me despia ela se deitou de costa sobre o teto do carro ficando com a sua cabeça voltada para baixo no pára-brisa e quando fiquei nu trepei no capo do carro e fui atrás dela, ela começou a me chupar mas com a sua cabeça apoiada no pára-brisa eu estava praticamente fodendo a sua garganta que de tanto se engasgar a deixou com o rosto todo vermelho, os olhos cheios de lagrimas e a cara toda babada, por fim acabei me deitando sobre ela e iniciamos um delicioso meia nove ate escutar o teto do meu carro se amassando com o nosso peso, rapidamente quis sair dali para não piorar as avarias mas ela ficou de quatro sobre o teto do carro me pedindo para foder o seu cu Excitado eu meio que esqueci do prejuízo do meu carro e me preparei para foder o cu dela lá em Contos Imor(t)ais - O SEGURO COBRE – 209 -


cima quando escutei o barulho de um carro atrás de nos, era uma caminhonete preta de vidros escuros que se aproximou suavemente e eu só percebi quando o radiador ligou para refrigerar o ar condicionado Desci rapidamente chamando-a para descer também, mas ela insistia em continuar de quatro lá em cima me chamando para lhe foder e tentou me tranqüilizar dizendo que quem estava no outro carro era o seu marido, falando que ele gostava de lhe ver fodendo com outros homens Se já estava sendo uma aventura insana e nada incomum encontrar com uma linda mulher desconhecida para fazer sexo em cima do teto do meu carro, ao ar livre e as margens de uma rodovia o que dizer de fazer tudo isso com o marido dela nos assistindo a uns cinco metros de distancia de dentro do seu carro, aquilo era muita loucura para mim, sentia o meu corpo tremer de nervoso enquanto me vestia rapidamente e só pensava em sair o mais rápido possível dali mas como a estradinha era estreita eu só poderia sair se o marido dela desse marcha re na caminhonete, enquanto eu estava me vestindo ela desceu e foi ate a camionete, o motorista arriou o vidro somente o suficiente para falar com ela, em seguida a caminhonete começou a acelerar roncando o motor enquanto se aproximando do meu carro, desci do carro em desespero quando ele encostou na traseira e começou a empurrar o meu carro na direção do penhasco Assim que parou de empurrar a mulher tornou a subir e ficar de quatro em cima do meu carro dizendo que se eu não fode-se com ela o marido dela foderia com o meu carro Eu estava nervoso e já havia perdido o tesão pela aquela foda, a essa altura eu só conseguia ver os prejuízos no meu carro e ela voltou a subir no teto do meu carro e de quatro me chamava para lhe foder, eu olhava para aquele rabo indeciso e demorei agir, mas ao escutar o ronco do motor da caminhonete acelerando prontamente subi no carro, dessa vez eu não me despi, só coloquei o cacete para fora da calça e tentei meter no cu daquela vagabunda, mas o meu cacete estava em meia bomba e ficava dobrando sem que eu consegui-se romper a pressão daquele cuzinho, então ela se deitou de frente para mim e abriu as pernas mandando eu meter na sua xoxota aos poucos aquele entra e sai foi deixando o meu cacete bem rígido e novamente eu tentei enfiar naquele cu, dessa vez o meu cacete foi rompendo a pressão do cuzinho dela e então eu comecei a socar sem piedade no cu daquela vagabunda escutando o teto do meu carro estalar com a nossa foda, sem clima eu demorei a gozar ainda mais que as vezes ela me pedia para tirar e arregaçava a bunda para que o seu marido lá da caminhonete vise o seu cuzão todo arrombado, mas ela gozou varias vezes esfregando a sua xoxota enquanto eu fodia o seu cu, eu desci depois que eu gozei e ela ainda continuou lá em cima arregaçando o cu para cagar a minha porra depois desceu pelo outro lado e entrou na caminhonete fiquei alguns minutos ali sozinho sem saber o que fazer tentando imaginar o que deveria estar se passando lá dentro da caminhonete e só poderia presumir que ela deveria estar chupando o marido para que ele também goza-se, isso logo se confirmou quando ela saiu pela janela da caminhonete com a cara toda melada de porra enquanto o veiculo dava marcha ré, me arremessando um cartão dizendo que o seguro deles cobriria o meu prejuízo.

Contos Imor(t)ais - O SEGURO COBRE – 210 -


SHOPPING CENTER Durante essa semana estava passeando no shopping Center e fazendo algumas compras, quando encontrei com uma amiga do tempo de cursinho. Ela estava muito mais bonita do que era, usando um espartilho preto de lingerie com uma blusinha aberta que mostrava seu belo colo. Estava acompanhada de seu irmão, que na época que nos conhecemos era muito pequeno. Começamos a conversar e resolvemos fazer um lanche, vi o quanto ela era observada pelos homens que passavam, sentamos na praça de alimentação para atualizar os nossos assuntos. O irmãozinho dela não tirava os olhos de mim, achei um pouco estranho aquelas olhadas pois ele era muito novinho, apesar de ter um corpo atraente e bem desenvolvido. Durante nossa conversa, me dirigi a ele e perguntei que idade ele estava, ele respondeu que tinha 17 anos, eu falei que o tempo passa rápido, pois quando o conheci devia ter uns 8 anos. Acabamos o lanche e levantamos, minha amiga falou que estava querendo ir ao cinema, mas não podia, porque a censura do filme era 18 anos e o irmãozinho não poderia entrar. Eu falei que ainda iria fazer umas compras e se ela quisesse faria companhia a ele. Ela perguntou o que ele achava da idéia, ele olhou pra mim e concordou imediatamente, senti uma sensação estranha, pois desde o momento que nos encontramos, ele discretamente não tirava os olhos do meu corpo. Levamos ela até o cinema e marcamos um lugar de encontro quando terminasse a sessão. Sai conversando com ele e pedi pra ele pegar na minha mão, demos as mãos e saímos passeando, senti ele meio trêmulo, (estava nervoso), segurando a mãozinha dele, perguntei se ele sabia onde a irmãzinha tinha comprado aquele espartilho preto, que eu tinha achado lindo e iria comprar um pra usar. Ele disse que conhecia a loja e me levou até lá, chegando à loja, a vitrine tinha exposto vários langeries, cada um mais provocantes do que o outro. Olhei pra ele e perguntei o que mais ele tinha gostado, ele me mostrou um collant vermelho, com rendas, e disse que era mais bonito que o dela. Percebi que ele gostava daquelas roupas e estava excitado, disse: – Você é um rapazinho de muito bom gosto, mas, não quero que você fale pra sua irmãzinha que tivemos aqui, ele sentiu um pouco de malícia, riu e, disse que não falaria. Comecei a me insinuar e ficar excitada com aquela situação, vendo que ele era taradinho por roupas femininas, ai entendi o motivo pelo qual não tirava os olhos de mim. Entramos na loja, a vendedora veio nos atender, pedi para ela pegar aquela peça e, mais outras no mesmo estilo. Enquanto a moça foi pegar as peças, encostei-me discretamente a ele pra sentir como ele estava. Senti que ele estava no ponto, fui ficando mais excitada com aquela sedução. A moça trouxe algumas peças, pedi para ela deixar ali que iria escolher e que logo depois a chamaria. Peguei as peças e comecei a mostrar a ele os detalhes, pedindo para ele pegar no tecido. Ele começou a escolher, entre todos, tinha um que era lindo e extremamente íntimo, ele disse que tinha adorado aquele, eu encostei-me nele e disse: – Esse é uma delícia, adorei...vou usar por baixo do vestidinho, você gosta? – Ele respondeu: – Minha irmã gosta de usar e fica muito bonita, Eu perguntei: Contos Imor(t)ais - SHOPPING CENTER – 211 -


– Você já viu ela vestida? Ele respondeu: – Já vi escondido, mas ela não sabe, Eu respondi: – Nem precisa saber, é segredinho Ele riu e disse que gostava do meu jeito, eu já estava toda meladinha com nossa intimidade. Pedi pra ele escolher o que ele mais gostou que eu iria levar para o provador, senti ele ficar vermelho. Ele me entregou um collant de látex vermelho com rendas e perguntou se podia ver eu vestida, eu falei que não, que era pra usar por baixo do vestidinho, não era pra ninguém olhar. Ele respondeu: – Eu sei que é pra usar por baixo do vestidinho, mas você está usando uma sinta liga por baixo do vestidinho e eu já vi. Eu perguntei: – Viu onde? Ele respondeu: – Quando agente estava lanchando fiquei olhando. Também quando saio com minha irmã e vejo os rapazes olhando, ela deixa eles verem, faço que não vejo mas gosto. Estávamos indo para o provador quando vi um vestidinho de Jersey branco bem decotadinho, peguei, coloquei sobre o corpo e levei pra provar, entrei no provedor e coloquei aquele collant, achei um escândalo de gostoso, coloquei o vestidinho por cima, me olhei no espelho e imaginei: “Esse não tem macho que agüente”, abri um pouco a cortina do provedor, lá estava ele com os olhos vidrados, deixei aberto pra ele ver, levantei o vestidinho bem devagar deixando ele se deliciar. Depois, troquei de roupa e sai do provedor, chamei a vendedora e disse que iria levar tudo aquilo. Enquanto a moça foi tirar a nota de compras, ele se aproximou e disse que eu tinha ficado linda, eu disse: – Obrigada... no entanto, o bom gosto foi seu. Nesse momento deixei minha mão tocar no colo dele, como sem querer, pra sentir o volume, ele estava de pau duro, mas usava uma sinta apertada. Fiquei imaginando, porque ele usa isso. Pagamos as compras e saímos da loja, convidei-o para tomar um sorvete, ele aceitou, sentamos dentro da sorveteria numa mesa bem no fim da loja, cruzei as pernas e deixei minha saia subir, fui mostrando minha cinta liga e a calcinha pra ele ver. Ficamos conversando bem á vontade quando perguntei: Contos Imor(t)ais - SHOPPING CENTER – 212 -


– Você aparenta ser mais velho do que é, já sabe muita coisa sobre as mulheres e tem muito bom gosto, até pra minhas calcinhas você olhou e gostei, eu só não vi uma coisa que gostaria de ter visto, – Ele perguntou: – O que você queria ver? Eu respondi: – O seu volume nas calças não apareceu nem ficou melado, Ele respondeu: – Tenho vergonha, por isso uso uma cinta apertada, toda vez que saio com minha irmã, ela usa umas roupas gostosas e deixa as calcinhas aparecer pra os rapazes verem, eu acho gostoso e fico de pau duro com eles olhando as calcinhas dela. Eu disse: – Queria que você fosse agora no banheiro e tirasse essa cinta pra eu ver esse pau duro, nas calças, você gosta de ver os rapazes de pau duro tarando sua irmãzinha, agora eu quero você de pau duro me tarando, ele respondeu: – Não posso me melo muito, vai melar minhas calças, Eu respondi: – Não vai melar, quero que você bata uma punheta pra eu ver, eu gosto, vá no banheiro, tire essa cinta coloque essa camisinha no pau, volte pra gozar gostoso me tarando, depois de gozar você volta no banheiro, se limpa e coloca sua cinta, ninguém vai notar. Eu estava louca pra ver o tamanho do pau dele, nem que fosse por dentro das calças e fazer ele gozar como nunca gozou. Ele também estava desorientado com a aquela caceta dura e toda melada, fez o que pedi e voltou, quando olhei o volume babei, ele deveria ser punheteiro a muito tempo. Sentou e ficou me tarando, eu passava as mãos levantando e abaixando a saia, ele encostou o braço em cima da rola e começou a pressionar. Eu fiquei falando baixinho: – Você tem uma rola grande, ela é grossa? – Tá muito melada? – Olhe pra minhas calcinhas, é gostosa? está toda meladinha, olhe essa cinta liga, você gosta eu estou me arreganhando, veja, já deve ter batido muita punhetinha né?, mas igual a essa nunca Ele falou: – E muito gostoso, já gozei e o pau continua duro e melando Eu disse: Contos Imor(t)ais - SHOPPING CENTER – 213 -


– É porque você é muito gostoso, vai gozar mais Ai perguntei: – Já comeu muito sua irmãzinha na punheta? Ele respondeu: – Não posso olhar pra ela que fico de pau duro, tenho de comer ela na punheta, ela é muito gostosa usa uns vestidinhos sem calcinha e sabe que eu olho, ela gosta, eu já vesti as calcinhas dela e gozei na punheta só lembrando os machos tarando ela Eu falei: – Ela foi sozinha pra o cinema com aquele espartilho gostoso pra que? Ele respondeu muito tarado: – Pra se mostrar pra os machos, ela gosta, eles ficam tudo doido de tesão, comendo ela na punheta. Um dia sai com ela e quando voltamos pra casa peguei as calcinhas dela e vi que estava toda meladinha, fiquei cheirando, ela é muito gostosa e meu pai ainda manda eu tomar conta dela. Eu gosto de sair com ela, é gostoso, por isso uso minha cinta, acho que ela sabe que uso a cinta porque fico com o pau duro e melado e se faz de desentendida. Perguntei: – Alguma mulher já pegou no seu pau? Ele respondeu: – Essa é a primeira vez que vejo uma mulher de perto, quero lhe ver com aquele colam vermelho, Eu respondi: – Vou lhe emprestar ele, com o meu vestidinho e a calcinha, você leva pra casa escondido, se tranca no banheiro, veste-se com ele, se olha no espelho, pensa nos machos me tarando, eu me mostrando pra eles e gozaaaa numa punheta bem gostosa. Ele respondeu: – Eu quero dormir vestidinho com ele, sua calcinha e seu vestdinho, colocar uma camisinha no pau e gozar bem gostoso, imaginado ser você, já estou feito uma putinha só em pensar. Ele levantou-se e foi se limpar, logo depois levantamos e saímos ao encontro da irmãzinha dele. Quando chegamos no local marcado, encontramos ela acompanhada de um amigo, sentada numa mesa, com as perninhas toda de fora. Ela me perguntou se o irmãozinho dela não poderia ir dormir Contos Imor(t)ais - SHOPPING CENTER – 214 -


na minha casa, eu pedi pra ela ligar pra meu marido e falar com ele, pois não gostaria de levá-lo sem o consentimento dele. Assim ela fez, depois passou o telefone pra mim pra ele confirmar que podia. Ela saiu com o amigo e eu com o irmãozinho caçula dela, chegando na minha casa apresentei ele a meu marido e comentei sobre ela, ele disse que esses encontros com amigas antigas eram muito bons. Jantamos, ligamos a televisão e ficamos conversando um pouco, meu marido pediu licença e subiu pra deitar, eu falei que iria acomodar o irmão da minha amiga e o levei para o quarto de hospedes. Acomodei-o, pedi pra ele tomar um banho e deixar a porta encostada que voltaria. Logo que meu marido dormiu, tomei banho e sai do quarto deixando a porta travada por fora. Chegando no quarto dele, encontrei-o deitado com a luz da mesa de cabeceira acesa, fui no banheiro e coloquei minhas roupinhas novas, fiquei muito putinha, fui na cama dele e pedi pra ele me alisar naquela roupa, baixei a mão e senti o pau quente e duro, perguntei o que ele queria fazer, ele disse tudo que você quiser fazer eu deixo. Deitei-me de bruços e pedi pra ele esfregar a rola na minha bunda, puxei as mãozinhas dele e coloquei nos meus peitos, ele começou a me beijar e disse: – Vou ensinar você a fuder, quero sentir esse cacete me comendo, venha pra cima de mim, puxe a beiradinha da minha calcinha, sinta como estou toda meladinha, venha, passe essa lingüinha, sinta como é uma bucetinha querendo rola, deixe eu ver o tamanho desse pau, ele é grande, grosso, gostoso, vai entrar gostoso, porque está todo ensebado, eu adoro ser comida por uma rola puta feito essa, quem deve também está se enfiando num pau desse agora é sua irmãzinha por isso ela saiu com aquele macho gostoso, coloque esse dedinho aqui na minha bucetinha, pense na bucetinha da sua irmãzinha, que você já comeu tanto na punheta., fale seu puto! – Falar o que? minha filha! – O que está sentindo! – Estou sentindo ela toda meladinha, estou pensando aquele macho todo melado tirando as calcinhas dela! Vou fazer o mesmo com você, estou lhe adorando, me ensine! Va! Fale da minha irmãzinha que eu gosto! Quero saber como é! – Espere, meu filhinho! Tenha calma pra não gozar logo! Não precisa pressa! Meu maridinho está dormindo! A porta está travada! Você me disse que era taradooooo! Então me tare! Sinta essa bucetinha como está inchadinha! Lamba ela! Sinta o caldinho! Enfie essa rola devagarzinho pra eu sentir! Deixe ela dentro! Venha agora tire! Bote na minha boquinha venhaaaaa! Deite aqui pra eu sentar em cima desse pau! Vou fazer você um fudedor! Meu punheteiro gostoso. Amanhã quando você for pra casa vai encontrar sua irmanzinha toda fudida igual a mim. Ai você vai cheirar as calcinhas dela imaginado o que ela fez com aquele macho que você viu, o machooo! Agora fale uma putariazinha de sua irmanzinha, fale! Eu gosto, va! Estou seca pra ouvir! Va! – O que tenho pra falar é muito puto! eu não posso falar! – Pode sim fale! seu puto, eu só gosto porque é puto! quanto mais puto melhor! fale! puto! fale! – Vou falar! Espere! Um dia fui no quarto dela eu estava muito tarado porque ela passou o dia com um vestidinho solto mostrando sua calcinha de renda eu queria ver mais fui no quarto dela e deixei em cima da cama uma revista de sacanagem fiquei escondido atrás do armário pra ver ela chegar ela Contos Imor(t)ais - SHOPPING CENTER – 215 -


entrou no quarto! quando viu a revista trancou a porta e deitou-se levantou o vestido e começou alisando as calcinhas e lendo sacanagem depois tirou as calcinhas e arreganhou-se toda meteu o dedo e gozou, me esporrei todo atrás do armário essa foi minha punheta mais puta e gostosa. – Meu filhinho! eu adorei essa historinha meu filho! E hoje! Você gostou da punheta que bateu La na sorveteria! – Nem me lembre! Fico puto! só em lembrar! – Eu adoro um macho do jeito que você ficou gosto de arretar os machos! Me melo toda! Agora venha cá! Venha! Pense na sua irmanzinha! Enfie esse pau na buceta dela va! Bem gostoso fala ela gozar em cima dele – Hhhhaaaa estoooooooooo gozandoooooooooo – Seu puto goze na sua irmanzinha venha uuuhhhhh – Estou gozandooooooooo!

Contos Imor(t)ais - SHOPPING CENTER – 216 -


O INIMIGO DE MEU MARIDO

PARTE I Meu nome é Mariana e tenho 30 anos de idade. Sou loira, tenho 1, 75m, um rosto que considero bonito e um corpo de chamar a atenção. Sou casada há cinco anos com um homem que amo muito e que me mostrou como a vida a dois pode ser boa. Meu marido é funcionário de uma grande empresa (uma ex-estatal), ocupando um cargo de direção. Por esse fato, fica sempre exposto a novas inimizades, ainda mais pelo fato de ter um temperamento forte de direção. Um dos inimigos feitos por ele no trabalho se chama Mateus, um homem forte e dominador, gerente de uma outra área da empresa. Os dois já trocaram desaforos em reuniões e não escondem o ódio de um pelo outro. Mateus não é casado e pelo dinheiro e cultura que tem não tem dificuldade de arrumar belas amantes, estando por isso sempre acompanhado por muitas mulheres. Uma das últimas foi uma grande amiga minha que cometeu o erro de se apaixonar pelo canalha. Ele fez com ela coisas terríveis e a expôs de uma forma pouco usual, tendo minha amiga de, no final, mudar de cidade para manter sua sanidade mental e o que lhe restava de moral. Em maio desse ano a empresa convidou seus empregados para um curso de gerenciamento a ser dado em uma de nossas belas cidades litorâneas, tendo a opção de levar a família para aproveitar as "férias" de uma forma diferente. Tanto meu marido quanto Mateus foram a esse encontro. Meu marido, muito preocupado com seu aprendizado e em se aprimorar, não queria aproveitar o passeio e ficava em suas horas livres revendo o material do curso. Eu não queria ficar o tempo todo no quarto vendo televisão e por isso eventualmente saia para passear sozinha. Foi em uma dessas saídas que encontrei Mateus. Ele é um homem bonito, devendo ter por volta de 43 anos, 1, 85 m de altura, cabelos claros, um corpo bem cuidado e, para completar, um sorriso sacana. Eram 20:30 da noite e eu estava andando pela praia deserta, quando parei em um quiosque para tomar alguma coisa. Havia poucos nativos no local e eles ficaram me olhando de uma forma diferente enquanto eu tomava meu suco. Foi nesse momento que Mateus apareceu no lugar. Estava só de sunga apesar do horário e se colocou ao meu lado despreocupadamente enquanto esperava pela cerveja que tinha pedido. Em um determinado momento olhou para mim de cima a baixo e perguntou: -Cadê o seu maridinho. Eu estava com raiva daquele sujeito e respondi rispidamente: -Trabalhando para pagar o seu salário. A risada dele foi cínica. Deu uma bebericada na bebida e me respondeu olhando de uma forma penetrante: -Pela sua raiva acho que seu maridinho tem trabalhado demais. Acho que não tem dado muita atenção a você. Se você quiser posso te ajudar a ficar mais calminha. Fiquei com ódio quando escutei aquilo. Joguei o dinheiro no balcão e sai daquele lugar sem falar nada. Quando cheguei no hotel, meu marido já estava dormindo e me deitei com raiva lembrando do cinismo daquele homem. No dia seguinte, durante o café, Mateus veio até a nossa mesa e perguntou ao meu marido se estava tudo bem ou se ele teria que dar umas aulas particulares para ele entender melhor o curso. Meu marido ficou puto da vida e jurou para mim que quando chegasse a nossa cidade faria uma reclamação formal na presidência da empresa. No fim do dia, durante minha caminhada, encontrei Mateus no mesmo lugar do dia anterior, sentado em uma mesa. Ele perguntou de uma forma irônica se eu havia voltado por causa dele. Sentei-me na mesa e falei de firma dura: -Está na hora de crescer cara, não há mais lugar para essas brincadeiras na sua idade. A resposta dele foi nojenta: -Não me parece que sua amiguinha pensava assim enquanto rebolava no meu pau. Fiquei um pouco assustada na hora mas respondi: -Ela me disse que não era tudo isso. Ele riu e falou: -Pelo tanto que ela gemia e gritava dava a impressão que estava gostando...Comi ela de todas a formas e ainda vou te comer sua gostosa. A verdade é que aquele sacana era lindo e que tinha mesmo comido a Raquel de todas as formas possíveis. Ele começou a Contos Imor(t)ais - SHOPPING CENTER – 217 -


passar a mão em minhas pernas. Fiquei assustada e tentei sair. Ele subiu as mãos até o meio das minhas coxas e encostou de leve em minha chana. Levantei-me e sai correndo enquanto escutava as risadas do crápula. Quando cheguei ao hotel queria contar tudo para o meu marido. Mas fiquei com medo de sua reação, dele matar o cara, sei lá... Entrei no banho para me acalmar. Foi então que percebi que tava com tesão. Masturbei-me e. quando gozei comecei a chorar de culpa. No dia seguinte durante o café da manhã fui ao banheiro do hotel. Quando sai dei de cara com Mateus me olhando com aquela cara de sacana. Pegou na minha mão e colocou sobre o volume de suas calças, dizendo: -Olha como você me deixou ontem. O volume parecia enorme. Sai correndo assustada, com tesão e com medo de alguém ter visto. Cheguei na mesa e abracei meu marido como se pedindo sua proteção. Pela primeira vez em todos aqueles anos pedi para ele não ir trabalhar e ficar comigo. Ele me olhou com cara de sério e falou que teríamos muito tempo para nós dois depois e que aquele curso era muito importante. Fiquei triste quando escutei aquilo mas não reclamei. Na hora do almoço, alguém bate na porta do meu quarto. Quando abro dou de cara com Mateus, que me empurra e fecha a porta. Eu estava no banho e, por isso, só vestia um roupão. Ele me olhou com tesão e falou: -Vim te dar mais uma chance. Fiquei louca e falei que ia gritar se ele não saísse dali. Ele riu e deu dois passos em minha direção, chegando bem perto de mim. Comecei a chorar falando para ele não fazer aquilo, que eu amava meu marido. Ele abaixou o zíper e pôs um pau enorme para fora, respondendo: Isso não tem nada a ver com amor. Chupa! Dei dois passos para trás e cai em uma poltrona. Ele veio em minha direção com aquela coisa enorme nas mãos. Chegou com ela a dois cm de minha boca e repetiu de forma dominante: -Chupa cadela. Não sei o que deu em mim mas peguei aquele pau em minhas mãos. Batia uma punheta bem de leve para ele, ainda chorando, enquanto ele falava: -Seu marido é mesmo um corno. Vou acabar com sua boceta hoje, vou te fazer chorar de prazer sua puta. Nesse momento comecei a chupar aquela jeba. Ele gemia muito e falava: -Isso putinha, chupa o meu pau. Sua vagabunda, sua piranha, vê se me faz gozar. Em um determinado momento ele me levantou a abriu com força o meu roupão. Começou a me beijar com força e a pegar na minha boceta, enfiando dois dedos nela. A sensação era maravilhosa... Ele me jogou na cama e começou a me chupar. Que língua! Entrava quente um mim como um pinto e me fazia gemer como uma piranha. Mateus me colocou então de quatro e começou a brincar com o pinto na porta da minha chaninha. Foi quando ele falou: -Pede sua vaca, senão eu levanto e vou embora. Senti-me humilhada. Não queria pedir... Mas ele começou a bater em minha bundinha e repetiu: -Pede sua puta! Eu pedi baixinho e com vergonha: -Mete em mim por favor. Ele deu uma estocada e começou com movimentos rítmicos. Era uma sensação de humilhação e prazer mútuos. Eu chorava e gemia enquanto ele me comia com força e brincava com meus seios. Ele falava: -Sua puta, que tetas grandes você tem... Que bucetinha apertada.. Vou te comer muito ainda... Eu não conseguia falar nada e me limitava a gemer. Foi quando o telefone tocou. Eu não queria atender mas ele ameaçou atender em meu lugar. Era meu maridinho falando que me amava muito e que quando esse curso chato acabasse iríamos sair para nos divertir. Mateus me comia com movimentos lentos e não sei como consegui conversar. Meu novo macho me falava no ouvido: -Sua puta, fala pra ele quem esta te comendo. Fala para quem você esta preste a dar o cu. Eu desliguei o telefone e quis brigar. Mas ele aumentou a velocidade das estocadas e me fez gemer alto. Batia em minha bundinha e falava que eu era uma vaca, que ia contar pro pessoal da empresa que tinha me comido, que meu marido era um corno, que minha boceta gostosa agora era dele. Tirou o pinto da minha buça e enfiou com violência em meu cu. Eu chorava enquanto ele me comia com força. Virou-me para ele antes de gozar e prendeu minha cabeça entre suas coxas. Começou a bater uma punheta e apontou o pinto pra minha cara. Tentei sair mas não consegui por causa de seu peso. Recebi aquela porra toda no rosto. Ele se levantou, pôs a roupa e foi embora sem falar nada. Desde então quando ele me encontra perto do meu marido vem até nós e faz alguma piadinha. Meu marido não sabe de nada e tem ódio daquele sujeito. Mateus já me comeu várias vezes, inclusive em minha cama e na sala do meu marido na Contos Imor(t)ais - SHOPPING CENTER – 218 -


empresa. Já chamou outros funcionários para me comer e tirou várias fotos. Eu tenho ódio dele e do que me tornei, mas não consigo parar de ser essa puta. Meu marido é supercarinhoso comigo e não percebe como nas festas da empresa todos o olham com cara de chacota. Em algumas situações alguns colegas o distraem enquanto vou para um quarto dar para o Mateus e para quem mais quiser. Estou desesperada e não sei o que mais fazer, mas espero que um dia esse inferno acabe.

PARTE II Cai na besteira de me envolver sexualmente com um canalha, que é também um dos piores inimigos de meu marido. Mateus, meu amante, é alto, forte, tem um pinto enorme e uma mente doentia. Ao longo do tempo que temos nos encontrado vem inventando novas formas de me desmoralizar. Uma de suas últimas façanhas é de tamanha imoralidade que, só de pensar, tenho consciência de que, se me restasse forças sairia de perto dele para sempre. Aconteceu em um fim de semana a algum tempo atrás. Meu marido sempre sai cedo para o trabalho e, como nas sextas-feiras passa antes na casa da minha sogra para a visitar, demora por volta de 50 minutos para chegar ao trabalho, o que normalmente seria feito em 15 minutos. Nesse fim de semana Mateus passou em minha casa logo depois de meu marido e me pegou. Levou-me direto para a empresa (trabalham na mesma) e me colocou dentro de sua sala. Como era muito cedo não havia como alguém ver que havíamos chegado juntos. Quando o horário do expediente chegou, Mateus me colocou debaixo de sua mesa. Antes porém me obrigou a tirar a roupa toda, ficando eu com meu corpinho todo exposto. Alguns minutos depois entra na sala o presidente da empresa. Ele dá parabéns a Mateus por seu trabalho e fala que o novo cargo da diretoria é dele. Mateus agradece pela chance e fala que quer uma reunião imediata com os gerentes da empresa para traçar as novas metas. Meu marido era um dos gerentes.... Foi duro ouvir aquela reunião. Meu maridinho, velho desafeto de Mateus, foi humilhado por esse em público e chamado à melhorar seu desempenho, caso não quisesse ser demitido. Quando a reunião acabou, Mateus pediu para meu marido ficar. Sentou-se finalmente em sua cadeira e mandou meu marido se sentar em sua frente. Foi extremamente ríspido com meu marido, falando que não sabia se seria possível deixá-lo agora na empresa. Foi nesse momento que o canalha abriu seu zíper e colocou aquele pau enorme para fora. A mesa impedia a visão de meu marido mas a verdade é que aquele pedaço de ferro estava a poucos centímetros de mim. Foi então que Mateus pegou minha mão e colocou-a encima de sua picona. Eu comecei inicialmente com uma punhetinha no safado, mas logo não consegui resistir e cai de boca. O gosto salgado daquela jeba e a sensação de ter minha boquinha totalmente preenchida eram maravilhosos. Mateus, cuidadosamente, passava as mãos em meus seios e, eventualmente, apertava meus bicos, me fazendo ter vontade de gritar. Mas os sons que porventura fossem produzidos eram abafados por aquela rola enorme. Eu lambia o saco de meu macho enquanto este acabava com meu maridinho. Por fim Mateus mandou meu marido sair e trancou a porta. Tirou-me de debaixo da mesa e me debruçou encima da mesa. Mais uma vez colocou a pica na entrada de minha bucetinha e falou com calma: -Pede putinha. Eu fiquei calada... Ele falou: Quero te ver pedir pica sua safada. Eu fiquei muda por um minuto, mas não resisti e falei: Por favor mete essa pica grande em minha bucetinha Mateus. Ele riu sarcasticamente e colocou tudinho de uma só vez. Quando ele começou a bombar, tive que me segurar muito para não gritar. O filho da puta sabia mesmo como me comer. Sem tirar de dentro ele me levantou e me colocou encostada na parede. Eu podia escutar os passos das pessoas enquanto aquele animal me comia com toda a violência possível. Sentia aquele corpo forte me dominar e aquela pica enorme entrar e sair de minha vagina.... Queria rir e chorar ao mesmo tempo... Não pensava em nada e comecei a gozar. Mateus então me colocou no chão e esporrou encima de mim, me humilhando de forma definitiva. Eu me levantei depois da transa e coloquei minha roupa. Minha chana ardia muito e eu queria um banho. Na hora do almoça aproveitei para ir Contos Imor(t)ais - SHOPPING CENTER – 219 -


embora despercebida. Mas Mateus não estava de forma alguma satisfeito com aquilo. No dia seguinte chamou eu e meu marido para irmos a sua casa. Falou que eu tinha que ir também porque era uma reunião de casais. Quando lá chegamos estavam Mateus e mais dois funcionários de seu grupo de amizades. Os dois já haviam me comido antes e foi embaraçoso ficar lá com meu marido. Mateus falou que as outras mulheres haviam furado mas que não havia tempo para bobagens e que deveríamos começar logo a reunião. Mateus, no meio da reunião nos chamou para o escritório a fim de nos mostrar alguns contratos. Ficamos lá alguns minutos e Mateus falou que queria conversar sozinho com meu marido na sala. O escritório de Mateus tem um daqueles vidros com visão unilateral, de modo que nós podíamos ver os dois na sala, mas eles não podiam nos ver. Foi só ficarmos sós que Carlos e Renato me agarraram e começaram a tirar minha roupa. Em poucos segundos estávamos todos pelados e eu já chupava a rola de Carlos enquanto Renato me comia por trás. Sentia-me a pior das depravadas sendo fudida daquele jeito enquanto via meu maridinho conversando com aquele homem. Os dois falavam: -Sua puta, olha aquele corno ali na frente. Nem imagina que tua boceta agora é nossa. Vamos te comer sempre sua piranha. Agüenta nossa pica sem gritar...Sentia-me uma puta mesmo. Aqueles dois homens metiam com uma vontade enorme e eu tinha que segurar os gritinhos. Gemia como uma cadela e só pensava em levar pica. Os dois gozaram em mim e colocaram as roupas. Saíram do escritório e começaram a conversar com Mateus e meu marido. Esse de nada desconfiava e até se esforçava para agradar o novo chefe. Mateus deixou os três conversando e, dando uma desculpa qualquer, veio até mim. Colocou-me de quatro e me comeu também com violência. Gozei naquela picona mais uma vez e cai exausta. Ele me mandou abrir a boca e bateu uma punheta até gozar lá dentro. Levantou-se, falou no meu ouvido que eu era mesmo uma puta, e saiu. Naquele dia meu marido me falou que estava repensando em sua opinião sobre Mateus e que talvez seu novo chefe não fosse tão ruim. Eu, depois de ser fudida por ele e mais dois, estava cansada para pensar e apenas concordei, sabendo no entanto que minha boceta jamais teria outra vez um só dono

PARTE III Depois de vir traindo meu marido por mais de seis meses eu e o Matheus já achávamos que nunca seriamos descoberto por meu marido, que Mateus sempre fazia questão de humilhar na frente dos outros. Aconteceu que Mateus demitiu uma secretária que sabia de varias das suas aventuras comigo, ela sabia também que ele gravava essas aventuras em vídeo e deixava em um armário no seu escritório. A secretária já tinha feito varias copias destas fitas que ela entregou ao meu marido sem ninguém saber, ai meu marido sabendo de tudo iniciou sua vingança. Ele primeiro colocou escutas em nosso telefone pra saber quando seria o próximo encontro depois marcou uma viagem, onde ele avisou que ficaria por quatro dias ele viajou na terça-feira, então Mateus me ligou me chamando pra ir a casa dele no dia seguinte quarta-feira pra mais uma festinha sua. Descobrir depois de chegar lá que ele tinha chamado mais três colegas de trabalho do meu marido o Carlos e Renato que vocês já conhecem do conto anterior e mais o Fabio que já me conhecia de vista. Quando cheguei fui logo agarrada pelos quatro e começaram a rasgar minha roupa, apertar meus seios e alisar minha buceta, isso eles sempre me chamando de puta, safada diziam também que meu marido era um corno. Quando estávamos no maior amasso a porta da casa de Mateus foi invadida por sete homens, todos usando mascaras e anunciaram que se tratava de um assalto, todos nós ficamos em pânico eu mais ainda, pois, aquilo poderia acabar na policia e como ia explicar ao meu marido. Bem eles entraram nos imobilizaram e começaram a perguntar onde Mateus guardava o dinheiro, eles eram violentos, deram socos e tapas em todos limparam a carteira dos meus quatro amigos e Contos Imor(t)ais - SHOPPING CENTER – 220 -


também pegaram os cartões e senhas do banco. Um deles saiu com os cartões se dirigindo a caixas eletrônicos pra limpar as contas bancárias os outros seis ficaram. Ai começou o sofrimento pra nós, um deles me chamou pra perto dele eu não quis ir e ele se levantou e desferiu dois tapas muito forte na minha cara e falou que enquanto esperavam iriam se divertir com os cinco, dois deles traziam na mão duas maletas que não dava pra ver o que tinha dentro. Dois deles me agarraram e me levaram para o quarto enquanto os outros quatros ficaram na sala com Mateus e seus amigos, quando chegamos ao quarto os dois me jogaram na cama e começaram a chupar meus seios, eles faziam isso com muita força querendo me machucar, mordiam os bicos do meu seio enfiavam a mão na minha buceta e diziam, essa puta ta gostando, veja como a buceta dela ta molhada, um deles me colocou de quatro na cama e começou a me chupar a buceta e o outro botou o cacete pra fora e me ofereceu pra chupar, no inicio não quis, então recebi outro tapa e fui obrigada a chupar. Eles me maltratavam, mas a situação se não fosse desesperadora seria muito gratificante, afinal já era puta mesmo do inimigo do meu marido, mas os dois me chupavam com força e com violência me mordiam com força deixando marcas no meu corpo, e eu ali agüentando firme sem ter muito que reclamar. Foi ai que, o que estava me chupando trocou de posição com o que estava oferecendo o pau pra mim, o pau dele era bem maior que o do outro cheguei a me assustar, quase não cabia na minha boca. Comecei a sentir um pau forçando a entrada da minha buceta, ele colocou a cabeça na portinha da minha buceta e empurrou com muita força, mas nem conseguir gritar pois estava engasgada com um pau enorme na boca. Ele comia minha buceta dando estocadas fortes e ritmadas, foi quando ele falou que ia comer meu rabo, primeiro ele enfiou dois dedos no meu cu e começou a lubrificá-lo um pouco com sua saliva, ai sem que eu espera-se ele colocou o pau no meu cu, atolando todinho dentro dele, sentir muita dor e acabei dando um grito e fui logo repreendida com um tapa na cara e outro muito forte na bunda que depois pude ver que ficou a marca da mão dele. Ele meteu por mais de 15 minutos e depois anunciou que ia gozar e encheu meu rabo com sua porra, ele saiu de dentro de mim e falou pro outro que era a vez dele comer essa cadela safada. Imaginei que não ia agüentar aquele cacete enorme na minha buceta pois estava dolorida da tamanha a força que o outro me comeu, mas ele deitou e me fez sentar no seu pau, ele começou devagar deixando me acostumar com o tamanho daquele pau, foi quando ele me puxou com toda sua força atolando inteiro aquele monstro dentro de mim, cheguei a perder a consciência, mas fui acordado pelo outro homem com um tapa na cara e ele dizia você é uma puta que transa com seus quatro amigos e não ta agüentando dois paus e eles riam muito de mim. Senti-me muito humilhada e era o que eles queriam. O que estava me comendo me puxava pra cima do pau dele com toda força sentia seu pau tocar meu útero, mas ele nem ligava pra dor que eu sentia. Foi ai que o outro homem disse que queria que eu o chupasse de novo, quando ele estava de pau duro de novo disse que ia me comer por trás mais uma vez e foi logo metendo, forçando a entrada que quase desmaiei novamente eles me fuderam assim por um bom tempo, o que estava no meu cu falou que queria gozar a minha boca e eles me colocaram de quatro. Um fudendo minha buceta e o outro com seu pau na minha boca, eu já não sentia mais nada só torcia para aquela tortura acabar logo, o que tinha seu pau chupado por mim falou pro seu amigo que comesse meu cu, pois era muito gostoso e foi o que ele fez sem falar nada tirou o pau da minha xaninha e foi tentando enfiar no meu cuzinho, apesar do outro já ter feito um estrago nele o pau do outro homem era muito maior e foi difícil ele colocar dentro de mim, mas depois de muito trabalho ele foi entrando devagar sentia como se estivesse rasgando minha bunda, ele parou um pouco e depois começou um entra e sai que me fez gritar de dor e ele fazia cada vez mais rápido. Eu gritava enquanto o outro me dava tapas na cara me chamava de piranha de puta e colocava pau de volta na minha boca, logo depois ele gozou enchendo minha boca de esperma que fui obrigada a Contos Imor(t)ais - SHOPPING CENTER – 221 -


engolir, o outro agora enfiava o cacete todinho dentro de mim e tirava e falava para seu amigo vem ver como esse cu ta arrebentado, fizemos um bom estrago nela e riam muito. Eles me colocaram no chuveiro pra me lavar um deles ficou esperando eu terminar e me acompanhou até a sala. Meu corpo tava todo dolorido, meu cuzinho e buceta nem se fala tamanho foi o castigo que os dois deram neles. Até então eu não sabia o que se passava na sala com meus amigos, quando cheguei tomei um susto meu amigos estavam de quatro, dois deles com vibradores enfiados no cu, enquanto os outros dois, inclusive o Mateus era feitos de mulher de três caras, enquanto outro filmava e fotografava tudo, eles comeram o cu dos quatro, fizeram chupar, gozaram na boca de cada um, filmaram e fotografaram tudo. Depois ainda fui comida mais vezes por eles. Quando iam embora disseram que tinham gravado tudo, se procurássemos a policia divulgariam todo material gravado. Eu sai da casa do Mateus levada por de seus amigos, cheguei em casa pensei no que ia fazer, então liguei pra meus pais que prontamente vieram ao meu auxilio junto com meu irmão, contei que tinha sido estuprada, torturada e roubada por dois homens. Eles me levaram a uma clinica onde fiz todos os exames e voltei pra casa, eles ainda não tinha avisado a meu marido deixariam pra avisá-lo quando ele volta-se da viagem. Quando meu marido chegou contaram tudo a ele, depois ele veio e conversou comigo, e pra não desconfiar ele foi muito carinhoso como sempre, no outro dia chegou uma encomenda pra meu marido ele recebeu, tinha um a carta e algumas fitas de vídeo. Ele leu a carta e ficou desnorteado chamou meu irmão mostrou a carta, depois fez o mesmo pra meu pai e foram assistir o que tinha nas fitas. As fitas continham quase todas as transas e surubas que rolaram com Mateus, o safado gravava tudo, meu marido ficou louco, minutos depois entraram todos no meu quarto, meus pais e meu irmão. Meu pai e meu irmão tinham um olhar de raiva e minha mão de vergonha, me contaram tudo, eu chorava muito, minutos depois entrou meu marido sem dizer uma palavra ele arrumou duas malas e quando ia saindo falei pra ele que o amava, eu estava desesperada. Ele olhou pra mim disse que a vontade dele era de me matar, mas não faria só pela consideração que tinha pela minha família, que eu era uma vagabunda que ele nunca me perdoaria e saiu sem olhar pra trás. Uma semana se passou e fiquei sabendo que as fotos e a gravação do assalto foram divulgadas na empresa onde meu marido e Mateus trabalhavam, Mateus e os outros que apareciam nas imagens pediram demissão e mudaram de cidade, meu marido pediu a separação, apesar da minha existência em me desculpar e pedir perdão. Depois que nos separamos ele veio até minha casa e me contou tudo. Que foi ele quem armou aquele assalto que foi ele quem mais me bateu e torturou naquele dia, falou que eu e Mateus tínhamos desmoralizado ele na empresa como um corno, mas ele me transformou numa puta perante toda minha família e Mateus e os outros ele transformou em viado perante todos onde trabalhavam. Mesmo depois dele ter me contado tudo não fiquei com raiva dele, afinal eu tinha aprontado com ele primeiro. Meu marido depois me falou que estava de viagem marcada para o Estados Unidos onde ele iria trabalhar, que certamente aquela era a ultima vez que eu veria a cara dele.

Contos Imor(t)ais - SHOPPING CENTER – 222 -


ENFIM ELE CONSEGUIU! Meu none é Viviane, tenho 27 anos, 1, 72m; sou loira, corpo violão. Onde passo, chamo muita atenção. Sou casada com o Fabio, a dois anos, somos bem modernos e gostamos de sexo na sua plenitude. Ele é mais novo que eu 1 ano, mas é bem mais experiente. Pois bem, de uns 8 meses pra cá, nós temos assistido a muitos filmes eróticos, e percebi que em todos os filmes: as mulheres transam com dois, três, quatro homens e essas cenas o deixa muito excitado; e de um tempo pra ca eu o percebia, que ele estava ficando muito na internet, e depois vinha transar cheio de tesão; numa das vezes em que ele não percebeu minha aproximação eu consegui ver que eram histórias eróticas, que ele ficava lendo, sendo assim quando ele saia eu também entrava na net, e entrava nos últimos sites que ele tinha navegado, eram todos de contos eróticos; daí então, eu tb, passei a lê-los e perceber que ficava bem excitada, então aos poucos fomos a idéia de transar a três foi amadurecendo. Sendo que num dia desse, assistindo a um canal de TV, sobre sexo, vi o depoimento de umas mulheres que já tinham transado à dois, dizendo que era a coisa mais gostosa, que inclusive faziam DP; mas o que foi o início mesmo foi o relato de uma mulher que começou a fazer DP com o seu marido e ele a introduzia o pênis na vagina e um frasco (bem anatômico) de um creme no seu ânus, de onde ela passou a sentir uma forte vontade de ser duplamente penetrada. Foi a senha, comecei a transar com o meu marido e ele pegou tb, o objeto para introduzir no meu cu (Era uma ferramenta que ele tinha, que possuia um formato bem anatômico); eu fui a loucura nessa noite, tive orgasmos multiplos, só que eu queria era pênis de verdade. Daí pra frente passamos a conversar um pouco mais assanhados e antes de nossas transas imaginávamos histórias com outros homens. Eu ficava louca e gozava como nunca, e percebia que ele tb. Então após pensar bastante, e jogar vários verdes comecei a perceber que o que ele queria, mesmo, era me ver aos braço de outros homens. Como nós trabalhávamos com revendas e atendia a vários clientes em casa, notei que teriamos uma certa facilidade. Nós tinhamos um cliente que era bem safado, e vez por outra ele me dava umas cantadas indiretas (era o Roberto), sendo assim passei a citar o seu personagem nas nossas preliminares, e isso deixava meu marido super excitado. O fato estava bem maduro para acontecer era só questão de tempo. Então, era uma sexta-feira e Roberto ia em nossa casa para, buscar umas encomendas, tomei coragem e decidi que aquele dia seria o início; então vesti uma saia jeans bem curtinha, uma blusa com um decote nos seios ( que era só eu me abaixar...), um salto alto, fiquei toda cheirosa, bebi uns drinks antes e me senti preparada; dei um beijo gostoso no Fabio, e disse que hoje seria o nosso dia, mas se ele não tivesse coragem, que era só ele sair e me deixar sozinha, pois isso era o começo; lhe dei um beijo bem quente e fui para sala aguardar o Roberto. Fabio, então, achou melhor sair para nos deixar mas à vontade. Nós não tinhamos falado nada sobre o que aconteceria, só que estavamos sintonizados e ele se ligou logo, e por isso saiu. Quando deu 17 horas O Roberto apareceu, eu o convidei para entrar, mostrei-lhe o material, ele conferiu e o separou. Ele disse que eu estava muito produzida e que o meu marido era um homem de sorte. Eu ri e respondi: Contos Imor(t)ais - ENFIM ELE CONSEGUIU! – 223 -


– Não é só ele não! Ele, então, respondeu: – Eu é que não sou, porque se eu conseguisse ter um mulherão como você, só ia querer uma coisa... Eu, perguntei: – O quê? Ele respondeu: – Imagina!?... Então, ele falou para eu dar uma volta, pra ver se era de verdade. Eu dei a volta e disse: – Pode pegar tb, pra sentir. Ele riu, perguntou pelo Fabio, e eu disse; que ele nem ligava, pois sabia que não dava conta de mim sozinha, pois eu era mulher pra dois, três... Ele pegou e apertou minha cintura, e quando ia soltar eu insisti (tomei coragem e parti para a iniciativa), e disse pra continuar, virei minhas costas para ele, colei meu corpo no seu, peguei suas mãos e as coloquei sobre meus seios; dali pra frente ele continuou, foi beijando meu pescoço, apertando meus mamilos, descedo, suas mãos e levantando minha sai, começou a dedilhar minha xereca, virou meu rosto e lascou um beijo delicioso, foi tirando minha blusa, me pôs na mesa, começou a chupar meus peitos, desceu para o umbigo, retirou minha saia, minha calcinha, me deitou na mesa, abriu minhas pernas, passou a chupar minha buceta. Era uma linguada deliciosa; arranquei sua blusa, abri sua calça, desci da mesa, fiquei de joelho no chão, pus seu membro pra fora, (nossa era bem maior que o do meu marido, deveria ter uns 20cm), e num vai-e-vem frenético fiz um boquete delicioso. Eu não sabia, mas o Roberto estava acompanhado, do seu amigo Igor (um moreno alto, forte e todo sarado), e com a demora dele, Igor resolveu entrar, e ao observar a cena, ficou no corredor nos vendo. Porém, como na sala estava muito desconfortável, resolvi levar o Roberto para o meu quarto e ao passar no corredor vi o Igor, que sem enteder nada, disse: – Não adianta! Eu vi tudo, e se não me der também eu conto pro seu marido. (mal sabia ele, que eu queria mesmo eram dois pirus em mim) Então, respondi: – Não precisa você está convidado a participar da brincadeira tb. Sendo assim fomos para o quarto, eu já peladinha (só com o salto alto), o Roberto pegou suas roupas e as levou nas mãos, terminou de tirar a sua roupa, me pegou e me pôs de quatro na cama, cuspiu em seu pau e foi metendo na minha xoxota, que estava completamente molhada. O Igor Contos Imor(t)ais - ENFIM ELE CONSEGUIU! – 224 -


abriu seu fechecler e deu-me sua pica para eu mamar (eu me assustei, pois achava que aquilo não existiria, mas.......24x8cm), mal cabia na minha boca, nem conseguia segurar direito de tão grande, mas encarei. O Roberto, enfiou toda sua tora na minha buceta e o Igor abafou, meu grito com aquela sua rola. Os dois iam metendo gostoso, até que resolveram trocar; o Roberto veio para minha boca e o Igor atochou aquela piroca colossal na minha xana. Eu não tinha percebido, mas o meu marido, quando saiu ficou da esquina observando o movimento na nossa casa, viu quando Roberto chegou com o Igor, viu quando eles entraram, e já estava incomodado com a demora. Sendo assim, ele voltou para casa e entrou escondido; depois ficou na porta do quarto observando sua esposa sendo bem fudida, por duas imensas rolas, enquanto ele se masturbava. Agora, já bem arrombada. O Igor deitou-se de costas na cama, com sua pica dura para cima; eu sai da posição de quatro e sentei naquele caralho, fui aos poucos sentido aquela rola tomar conta de mim, cavagaldo como uma égua, enquanto mamava o pau do Roberto, Depois eu saí daquela piroca do Igor e fiquei de quatro de novo, só que agora o Roberto ia comer meu cu, ele encheu seu pau de cuspe e foi forçando a entrada no meu cuzinho, o Igor veio e atolou sua pica na minha boca, segurou minha cabeça, e Roberto segurou-me firme pela cintura; enquanto foi cravando aquela tora, eu resistia, mas não adiantava eles tinham me dominado, não demorou muito e ele venceu minha argolinha com aquela cabeçorra, meu cu ardia de dor e prazer, mas eu estava adorando de tanto tesão. E a foda começou a ficar mais maravilhosa, o Roberto já tinha atolado quase tudo no meu cu e fazia um ritmo frenético, o Igor me segurando pelos cabelos, enfiava a rola até a minha garganta, dava uns tapas na minha cara e me chamava de puta, cachorra, vadia, sem-vergonha, piranha, ordinária, safada... Isso tudo me deixava muito excitada, e meu marido vendo tudo; já estava se descontrolando, doido para entrar na foda, adorando me ver sendo possuída pelas duas picas: uma no cu e outra na boca. Já bem cheia de tesão O Igor, saiu da minha boca, deitou na cama, o Roberto aliviou meu cu e eu fui sentando com a buceta no mastro do Igor, logo em seguida ele me abraçou contra seus peitos, de forma que o meu cu ficou bem à vontade pro Roberto, que entendeu bem, passou mais cuspe e veio metendo aquela rola no meu cu, eu fui ao delírio e já estava quase gozando, não demorou e eu estava realizada; numa maravilhosa dupla penetração. Os dois iam bombando forte, meu cu parecia que iam me rasgar, eles me davam tapas, me xingavam e... derrepente! Meu marido entra, Já sem roupa com a rola dura atocha-a na minha boca, manda os outros continuarem me arrombando, e num jato fortíssimo: enche minha boca com aquele leite quente, grosso e gostoso. O Roberto não aguenta mais, e tb vem encharcar minha boca de leite, retira a camisinha e me lambusa toda, mas a maior quantidade vem agora, o Igor: quase me engasgo com tanto porra quente que ele pois na minha garganta. Foi uma maravilha. Fique cheirando a porra, com meu rosto angelical todo melado. No final o Roberto e o Igor se vestiram, pediram desculpas e sem falar muito foram embora, O Fabio disse que tb tinha achado maravilhoso e que daqui para frente nossas fodas sempre teria outras companhias. Eu adorei, tive orgasmos multiplos.

Contos Imor(t)ais - ENFIM ELE CONSEGUIU! – 225 -


HISTÓRIAS PARALELAS Ao entrar na Universidade, minha vida sexual deu uma guinada. Antes disso eu tinha tido algumas relações com namoradinhas e ficantes, mas nada demais. Hoje contarei para vocês a minha relação com S, uma mulher eu conheci em um bate-papo. S era casada, tinha uma vida financeira boa e era feliz vivendo com seu marido. Apesar de tudo isso, sua vida sexual não estava lá muito boa. Segundo ela seu marido era um homem ocupado, que não tinha muito tempo para ela e que normalmente só fazia o básico, ela queria algo diferente. Diferente de V, uma mulher mais velha que eu conheci quando ainda era mais jovem, inclusive contei a história para vocês aqui, as conversas com S eram muito mais sobre sexo, nossa relação começou baseada nesse desejo sexual que ela tinha. Nós falávamos sobre experiências, vontades e fantasias. A sua maior fantasia e curiosidade era de ser submissa, de ter uma relação BDSM completa, com um Senhor para comanda-la. Eu nunca tinha tido experiência assim, porém, já tinha lido sobre e tinha curiosidade também. Sem muita demora e enrolação, conversamos sobre o que queríamos na relação, os limites de cada um e essas coisas. Eu tinha lido na internet sobre e achava que deveria fazer isso. Então, finalmente o encontro foi marcado. S iria me buscar e iriamos para um Motel, um lugar discreto. Eu já havia visto fotos de S e já tínhamos conversado na webcam, porém no dia do nosso encontro eu pude realmente vê-la de verdade. Antes, combinei com ela que ela deveria ir de vestido, da cor de sua preferência, sandálias baixas com os dedos a mostra e eu suas unhas dos pés deveriam estar pintadas de francesinha. Ordenei a ela, também, que não usasse nada por baixo do vestido. Quando entrei no carro e olhei para ela, vi a mulher estonteante que ela era. Tinha escolhido um vestido justo, azul marinho, que a cobria até acima dos joelhos. O frio provocado pelo forte ar condicionado do carro, fizeram seus mamilos ficarem bem duros e eles marcavam muito o tecido. Seus seios eram pequenos e mal encheriam uma mão, mas eram firmes apesar da idade. Sua sandália era preta de tiras e tinha apenas um pequeno salto. Seus pés, eram uma maravilha a parte. Seus cabelos eram channel, castanhos bem claros, quase loiros e ela era bem branca. Usava uma maquiagem básica e por isso estava ainda mais linda. Quando me sentei no banco, coloquei o cinto ela olhou para mim e sorriu. Seu sorriso era lindo. – Olá, meu Senhor. – Ela disse – Boa noite, S. Como vai você? – Estou com um pouco de medo. – Eu também estou tenso, vamos para o local combinado e lá a gente decide o nosso destino. – Tudo bem, meu Senhor. Eu não conseguia parar de olhar passa S. Ela estava concentrada em dirigir. Eu sentia a tensão no ar, o medo, a ansiedade, aqueles sentimentos que temos quando vamos experimentar algo novo. Eu também me sentia assim, meu coração estava acelerado desde a hora que sai de casa para esperar ela chegar, minhas mãos suavam e eu estava gelado, apesar do calor que a cidade sempre faz. Em pouco tempo chegamos em um motel chique da cidade, eu não tinha dinheiro para pagar, era um mero universitário. Quando fui falar com ela sobre, apenas respondeu: “Dinheiro não será Contos Imor(t)ais - HISTÓRIAS PARALELAS – 226 -


problema, esqueça”. Pediu uma suíte e entramos no estacionamento. Sai primeiro do carro e fui fechar a garagem do quarto, assim que fechei ela abriu a porta e saiu. S era mais alta que eu. Magra e muito elegante. Pude olhar ainda mais para ela. Suas pernas eram muito bonitas e o vestido justo que ela usava marcava bem as formas sua cintura era bem fina e ela tinha um bumbum bonito. – Vamos entrar, Senhor? – Vamos, mas, antes dê uma volta pra mim. Ela girou lentamente ao redor de si mesma, sorrindo. – Está tudo do seu agrado, Senhor? – Por enquanto sim. Já tínhamos conversado o suficiente sobre sexo e dominação, que os personagens da nossa relação já estavam sendo interpretados. Eu ainda achava estranho, mas isso iria mudar. Entramos no quarto e bem, a maioria de vocês deve conhecer um quarto de motel. Esse era apenas um pouco mais chique que o normal e tinha uma área externa, com outra cama. Tinha também hidromassagem. Era uma suíte, então, tinha banheiro. O quarto estava gelado, o ar condicionado estava ligado no máximo. S colocou sua bolsa em cima de uma mesinha de vidro. Eu tirei as coisas dos meus bolsos e coloquei ao lado da cama. S estava em pé ao lado da mesa. – Vai ficar aí em pé? – Estou esperando o Senhor me dizer o que fazer. – Então, venha aqui para o meu lado. Ela se sentou ao meu lado na cama e ficou olhando para mim. – Eu não disse que era para se sentar. – Me desculpe, Senhor. – Disse ela se levantando rapidamente. – Eu gosto das suas pernas, levante mais o vestido e dê uma volta pra mim. Ela levantou o vestido deixando as coxas a mostra. As pernas dela eram realmente lindas. O pilates e o spinning estavam fazendo o trabalho que deveriam. Apesar dos seus 46 anos, S estava muito em forma. Enquanto ela fazia o giro, de forma lenta, eu fui olhando e analisando. Adorava as batatas da perna dela, davam um toque especial as pernas, mas o melhor era seu bumbum, agora mais de perto pude perceber que era bem redondo e grande para o corpo magro dela, nada exagerado, na medida certa. Tanto que quando ela estava de costas para mim, levantei o vestido dela ainda mais e deixei o bumbum nu. – Gosta do meu bumbum, meu Senhor? – Gosto muito dele sim – antes mesmo de terminar a frase, dei um tapa em sua bunda. Contos Imor(t)ais - HISTÓRIAS PARALELAS – 227 -


– Aaai! – Será que ele fica bonito rosa? – Ai, Senhor, doeu. – Claro, foi um tapa não um beijo. – Tudo bem, Senhor, me desculpe. – Tire todo o vestido agora. – Mas, Senhor, está muito frio aqui. – Não importa, tire a roupa. – Tudo bem, meu Senhor, tudo bem. Ela abriu o zíper do vestido e começou a se despir. Ela realmente não estava usando nada por baixo. A pele era muito branca e o bumbum já estava vermelhinho onde tinha dado o primeiro tapa. Me levantei e fiquei ao lado dela. Comecei a inspecionar mais de perto seu corpo. Ela estava muito cheirosa, até hoje eu não esqueço o perfume, quando sinto em qualquer lugar. Ela estava toda arrepiada do frio, mas seu corpo não tinha pelo nenhum, então, só se percebia ao olhar de perto a pele arrepiada. Seus mamilos continuavam enrijecidos e agora, de perto, eu vi que eram bem grandes. Torci de leve os mamilos e ela deu uma gemida. Torci um pouco mais forte, para que o gemido fosse um misto de dor e prazer. – Ai, Senhor, dói. – É ruim? – Não. – Então, tá bom, deixe de reclamar. – Me perdoe, por favor, Senhor. – Pare de se desculpar por tudo, odeio isso – desferi um tapa, não tão forte quanto na bunda, no rosto dela. Percebi que ela ia falar algo, mas se calou ao olhar para mim. Apenas assentiu com a cabeça. Me deitei na cama e chamei para perto de mim. – Venha cá, minha escrava. Agora você vai tirar minha roupa. Ela se aproximou de mim e começou a tirar minha camisa. Eu senti o frio que estava fazendo, tive um pouco de pena dela completamente nua, mas não poderia dar o braço a torcer. Depois, tirou meus tênis e minhas meias. Beijou meus pés e chupou meus dedos. Contos Imor(t)ais - HISTÓRIAS PARALELAS – 228 -


– Meu senhor tem os pés muito lindos e cheirosos, adorei o sabor também. – Adoro uma escrava que tem iniciativa, uma massagem cairia bem também. – Sim, meu Senhor. Ela começou a massagear meus pés, suas mãos eram lindas e macias, as unhas vermelhas contrastavam com minha pele branca também e estava me dando tesão. Ainda parava para beijar e chupar mus dedos, dava ainda mais tesão. – Tire minha bermuda. – Não está gostando da massagem, meu Senhor? – Estou sim, mas, não vim aqui para adormecer. – Tudo bem, Senhor. Ela subiu na cama e ficou sentada em minhas pernas e mesmo por cima do tecido da minha calça, senti o calor que estava entre suas pernas. Nem o frio tirou o tesão dela e isso me deixava feliz. Primeiro, desabotoou a calça e foi tirando devagar. Foi descendo da cama e puxando a calça e me deixou apenas de cueca. – Pode tirar a cueca também; Ela nem falou nada. Tirou minha cueca e ficou esperando nova ordem. – Me chupa, minha puta. Ela subiu na cama sentou novamente em minhas pernas, agora eu não sentia apenas o calor, mas sentia a umidade entre suas pernas, quando sua buceta roçava em minhas pernas, sentia ela muito molhada. S pegou no meu pau e me masturbou lentamente, foi abaixando e aproximando sua cabeça do meu pau e deu um beijo, depois lambei do saco até a cabeça, logo em seguida engoliu todo. Com movimentos lentos, ela começou a chupar, aumentando devagar o vai e vem que fazia com a cabeça. Percebi, então, uma visão fantástica. S estava bem empinada, com o bumbum para cima e só a cabeça abaixada, pelo espelho que ficava atrás dela, pude ver sua buceta e seu cuzinho, aquilo me deu um tesão enorme na hora, segurei sua cabeça e comecei eu a foder a boca dela, ela começou a babar muito e eu ouvia os sons de engasgo, mas não estava nem aí, queria fode-la como a puta que ela era. A buceta dela piscava e o cu também, dava para ver pelo espelho, dava para perceber também seu mel escorrendo pelas pernas, ela atava muito molhada. Puxei ela pelos cabelos e disse: – Quero comer você, sua vadia! Ela apenas assentiu com a cabeça. Deitei ela de 4 na cama e penetrei sua buceta. Não houve resistência alguma, ela estava muito molhada. O vai e vem já começou rápido, tirava quase todo o pau e depois metia tudo bem forte, ela gemia a cada estocada. Minhas mãos procuraram seus Contos Imor(t)ais - HISTÓRIAS PARALELAS – 229 -


cabelos e os puxei, ela gemeu mais ainda. Eu a fodia loucamente e puxava seus cabelos. Soltava apenas para dar tapas em sua bunda, que agora estava mais vermelha eu branca. Seus gemidos ora baixos, agora eram bem altos, quase gritados, sons sem sentido, só denunciavam o prazer que ela sentia. A visão de comer ela de 4 me deixou louco para comer seu cuzinho, que piscava muito. Tirei meu pau da buceta dela e coloquei no anelzinho. Ela colou o rosto na cama e abriu o bumbum com as mãos, era o sinal que eu precisava. Meu pau entrou com facilidade, meu pau estava muito molhado da buceta dela, o gemido alto que ela soltou era um misto de dor e prazer e eu estava louco de tesão, meu pau pulsava, eu sentia o cu dela apertar meu pau e eu comecei a meter mais rápido. Não demorou muito e eu gozei. Enchi o cu dela de porra. Deixei meu pau dentro dela, até ele amolecer por completo. O cu apertadinho dela, não deixou escapar nenhuma gota de porra quando meu pau saiu. Estávamos suados e o frio não era mais um problema, ela estava toda afogueada, vermelha e cansada. Eu estava exausto também, o sexo foi frenético e selvagem. – Posso ir ao banheiro me limpar, Senhor? – Ela perguntou. – Não, você vai ficar com minha porra dentro de você. – Tudo bem, meu Senhor. – Deite ao meu lado e me beije o corpo todo. Ela me atendeu, e começou a me beijar. Alguns instantes depois, meu pau estava novamente dando sinal de vida. – Quero gozar na sua boca agora, me chupa. S voltou a me chupar. E dessa vez a deixe fazer o trabalho. Ela fazia com maestria. Usava as mãos e a boca para me deixar superexcitado. Meu pau estava latejando e pulsando em pouco tempo. Deitei ela na cama, com a cabeça para fora, de forma que eu pudesse foder sua boca, eu estando em pé. Enquanto eu a fodia assim, torcia seus mamilos e a masturbava. Seus gemidos eram coisas indistintas, tanto pelo prazer descontrolado, quanto pelo pau em sua boca. Não aguentei muito tempo e enchi, dessa vez, a boca de S com meu esperma. Ela engoliu todo. – Meu Senhor, agora eu sou toda sua, já tomei seu leite. – Agora?! – Me desculpe, eu já era sua, mas agora eu sou sua por completo, você é meu dono e pode fazer comigo o que quiser. – E o farei, não se preocupe. – O Senhor gostou de mim? – Sim, gostei, você é uma escrava e puta muito boa, a manterei comigo.

Contos Imor(t)ais - HISTÓRIAS PARALELAS – 230 -


– Que bom, Senhor. As horas tinham passado e era hora de irmos embora. Não deixei ela se lavar, ela iria para casa com cheiro de sexo. Eu tomei um banho e me vesti. S foi me deixar em casa e, antes de sair do carro, nos beijamos. Depois desse nosso primeiro encontro, eu e S tivemos muitos outros. A vida sexual com o marido dela tinha melhorado, mas ela não me deixava. Ela me disse, que o marido dela desconfiava que ela tinha um amante, que ele perguntava porque ela estava cheirando a sexo, e isso deixava ele excitado. Até que, depois de alguns meses, ela resolveu contar para ele que eu existia. Depois de algum tempo, o marido dela pediu para me conhecer e queria ver eu transando com ela. Apesar de achar esquisito, eu aceitei. O combinado é que ele ia apenas assistir, sentado numa poltrona. Eu e S transávamos loucamente, ela por cima de mim, sentando na minha pica. Em certo momento, apenas senti o marido dela se levantar e ficar bem perto de nós, conseguia vê-lo pelo espelho. Ele começou a acariciar S, que sentava e rebolava no meu pau. Logo depois, senti a mão dele acariciando minhas bolas. Depois, ele tirou meu pau de dentro da buceta de S e começou a me chupar. Eu achei esquisito, mas S me pediu para deixar. Ele me chupava um pouco, depois colocava dentro da buceta da mulher dele, ela rebolava. – Meu Senhor, você pode gozar na boca dele. – Ele gosta? – Não sei, meu senhor, não sei. Eu não sabia que ele ia te chupar, mas ele tá fazendo, deve querer ser puta, igual a mim. – Ei, corninho – eu disse me referindo a ele – quem me chupa tem que beber meu leite, tá preparado? Ele ficou mudo. – Vai, meu amor, pode chupar e tomar, é gostoso, eu tomo sempre. – Disse S para ele. – Eu não sei, tô me sentindo muito confuso. – Ai, amor, se você não tomar, meu Senhor vai me punir, por sua culpa, não quero. – Me chupa logo, seu corno! Ele abocanhou meu pau e começou a chupar de forma frenética. S olhava e sorria feliz com aquilo. Eu já estava bem perto de gozar e não deu outra, gozei tudo dentro da boca do corno. Ele foi sorvendo devagar. S sentou no meu pau ainda duro e chamou ele. Eles se beijaram e dividiram meu gozo. Neste dia eu e S ainda transamos mais, o corno apenas olhava e depois, que enchi o cu de S de porra, ele tomou meu gozo direto do cu dela. Minha relação com esse casal durou mais alguns meses. Na verdade, minha relação era com S, o corno ia as vezes, nunca o comi. Ele apenas assistia, me chupava as vezes e tomava meu gozo. Contos Imor(t)ais - HISTÓRIAS PARALELAS – 231 -


Depois de mais de um ano, eles mudaram de estado e eu nunca mais os vi. Desde então, tenho procurado uma relação de Senhor e Escrava, mas nunca mais obtive alguém assim, que deu certo de verdade. Infelizmente.

Contos Imor(t)ais - HISTÓRIAS PARALELAS – 232 -


MARIDO IMPOTENTE ESPOSA CARENTE Me chamo Liamara, mas todos me tratam como Mara. Me casei cedo com Pedro, na época 17 anos e meu marido bem mais, 48. Sempre fui sapeca e perdi minha virgindade aos 15. Depois, não parei mais de dar. Em dois anos, colecionei alguns pintos dentro de mim. Meus pais tentavam me segurar com rédia curta, mas escapava. Sempre tive corpão, o que chamava a atenção de todos, principalmente dos titios de plantão. O que me levou a assumir este compromisso com alguém muito mais velho, é que sou de família bem simples e meu pai sempre me cobrava por relacionamentos com homens que tivessem uma boa condição financeira. A esperança da minha família era que eu me aquietasse. Pedro era funcionário público em cargo de chefia, com um excelente salário. Outro motivo para ter me casado com ele, foi para sair de casa e ter uma vida mais livre e confortável, o que realmente é. Não trabalho e tenho empregada doméstica, que limpa toda a casa, lava, passa e cozinha. Meu marido é louco por mim até hoje. Sempre faz todas as minhas vontades. Eu domino nossa relação e tomo frente de todas as decisões da casa e do casal. A diferença de idade, até então, não me assustava. Hoje sim, após 10 anos, sinto que nossas diferenças são gritantes. Sou muito mais ativa, com várias atividades durante o dia que inclui: Cabeleireiro, Massagista e Manicure. Não saio do Shopping, onde faço muitas compras e aonde fica a academia que treino todos os dias para manter meu delicioso shaipe. Além de tudo isto, ainda curso o terceiro ano da faculdade de Educação Física, a noite. Pedro, já aposentado, fica em casa sem fazer nada, só cuidando da nossa filha de 5 anos. Sua forma física é prejudicada e sua performance sexual comigo, há 2 anos deixou de existir. Foi diagnosticado com câncer na próstata, em fase inicial. Tratou e curou, porém a impotência foi inevitável devido à idade e pequena produção hormonal. Tentou tratamento oral e psicológico, sem êxito. A vergonha dele de não mais conseguir ereção é tanta, que nem dormimos mais juntos. Com a desculpa de cuidar da pequena, alojou uma caminha de solteiro no quarto da nossa filha e passou a dormir lá. Confesso que às vezes sinto falta de sexo com o meu marido, mas não de fazer sexo. Estou saindo com um carinha da minha turma. Felipe é um macho muito bem dotado e viril. Também pudera, 23 anos de puro músculo. Nos conhecemos há 3 anos, quando iniciamos o curso, mas só cedi aos seus apelos há 10 meses. De lá pra cá, estamos transando de 2 a 3 vezes por semana, todas as terças/quintas e algumas sextas, quando não temos aula. Combinamos neste semestre em pegarmos poucos créditos de terça e quinta, tendo apenas a primeira aula. Meu marido pensa que todos os dias saio às 23h, mas nos dias em que meto com Felipe, saímos da Facul as 20h e vamos direto para um motelzinho perto. Lá, ele fica castigando minha bucetinha por 3 horas, plantando seu sêmen dentro de mim e me deixando toda assada e feliz. Me bota para cavalga-lo e enquanto fico quicando em sua pica, ele me estimula e humilhar verbalmente meu esposo, dizendo o quanto ele é brocha e corno. Com o meu amante aprendi a dar a bundinha e engolir porra. Hoje, nas transas com ele, não passo Contos Imor(t)ais - MARIDO IMPOTENTE ESPOSA CARENTE – 233 -


sem levar rola atrás e tomar esporrada na cara. O KY não sai da minha bolsa. A academia que frequento é a mesma que o meu macho é sócio. Seu pai tem muito dinheiro e montou este negócio para o filho, junto com um amigo também de posses. É uma franquia bem conhecida no meio. Às vezes, antes do treino, ele me leva para o seu escritório, tranca a porta com a chave e passa a pica em mim. Uma vez ao mês, a galera organiza um churrasco de final de semana, sempre no Sábado à noite. Essas festinhas são regadas a muita bebida e comida. Só não entra drogas. Costuma se estender até domingo à tarde. O local é sempre o mesmo, uma chácara da família de um aluno da nossa turma com piscina e vários quartos, para quem quiser dormir ou dar uma trepadinha....rs. Nunca permiti que Pedro fosse. Todos sabem que sou casada e do meu caso com Felipe, pois na faculdade não fazemos questão em esconder. Minha grande aliança nunca saiu da mão esquerda e vários colegas já conheceram meu marido. Fiz algumas reuniões em casa, lá sim, sem dar muita bandeira. Às vezes desconfio que Pedro sabe da minha infidelidade, pois nunca me proibiu ou questionou o fato de eu dormir fora de casa durante essas vibes. O coitado não tem boca pra nada e sabe que homem velho com mulher nova, sempre corre o risco de levar galhas, ainda mais quando o pinto só serve para mijar. Eu tenho dó dele, pois é um bom homem, marido e pai, mas também tenho dó das minhas necessidades como fêmea. Os meus hormônios borbulham e eu não consigo me controlar. Preciso de um homem com pica grande e dura entre minhas pernas, socando com força dentro de mim. Encontrei este homem em Felipe. Ele é jovem como eu, lindo, inteligente e dominador. Sabe como tratar uma mulher casada e putinha, o que realmente sou. Já pensei até em assumir de vez nossa relação e me separar do Pedro, mas Felipe me lembrou que o segredo do nosso prazer, está em eu ser casada e ter a liberdade que realmente possuo. A final, se ficarmos juntos, perderei toda a mordomia e direitos em casa e ainda terei que dividir a atenção dele com a minha filha. Contarei apenas com uma simples pensão que não irá bancar o meu estilo de vida. Sendo assim, resolvi somar e manter meu teórico casamento, deixando meu marido como baba da minha filha, enquanto saio para me divertir em festas, baladas e motéis com o meu amante. Na desconfiança de que Pedro sabe de tudo, resolvi fazer um teste e há um mês, venho chegando em casa de sexta para sábado por volta das quatro horas da manhã. Ao entrar, não faço questão de nenhum tipo de silêncio e vou até o quarto da minha filha para beija-la. Aproveito e também beijo meu marido nos dois cantos da testa, como se estivesse beijando um chifre. A minha intenção é tirar dele uma confissão do tipo (- Eu sei de tudo), mas não acontece. Em troca ele me diz um misterioso (- Oi amor, que bom que voltou), não assumindo seu verdadeiro papel de corno manso. As vezes acho que é melhor assim. Vou para o meu quarto, tirando e jogando minhas roupas pelo caminho, inclusive minha calcinha toda manchada de porra. Como sábado não temos empregada e ao acordar por volta do meio dia, vejo que no corredor entre os quartos não estão mais as minhas vestes da noite anterior, entendendo que Pedro as recolheu e com certeza reparou no estado da minha minúscula peça íntima. Tomo meu banho, me arrumo e vou ao seu encontro. Ele está sozinho na piscina e quando pergunto da nossa filha, ele me diz que a levou para a casa dos meus pais para passar o final de semana com os avós. Na volta havia comprado carne e cerveja na intenção de fazer um churrasco pra gente, só que exagerou na quantidade e com medo de perder tudo, me pediu para convidar alguns amigos para se juntar a nós, aproveitando o lindo dia de sol. Na hora corri e liguei para os mais próximos, Contos Imor(t)ais - MARIDO IMPOTENTE ESPOSA CARENTE – 234 -


sendo todos cientes de que o meu marido era corno e todo o seu problema de impotência sexual. Chamei o Cássio, Fernando, Bira e Fabinho, assim como a Vanessa, Bianca, Paty e Nadia. Ah, também o meu amor!!! Coloquei o meu menor e escandaloso biquíni e esperei ansiosa para a chegada da turma. Havia amado a surpresa do meu marido. Ofereci ajuda nos preparos, mas ele não aceitou. Então, enquanto cortava tudo para o vinagrete e botava a churrasqueira pra ascender, fui tomar o meu sol a fim de reforçar minha marquinha. Aos poucos, meus amigos foram chegando. Faltava somente o homem que usa e abusa de mim. A calcinha branca do meu biquíni fio dental estava toda molhadinha com o meu tesão. Os biquinhos dos meus seios quase furavam a parte de cima, que de tão pequena dava a impressão que a qualquer momento, meus peitinhos seriam expulsos. As meninas me chamavam no canto para perguntarem se o meu marido já sabia de tudo. Respondia a verdade, que eu desconfiava mas ele lutava em não assumir ou aceitar...rs. Elas riam e confessavam que morriam de inveja de mim. Os meninos jogavam baralho, enquanto eram servidos por Pedro com bebidas e alguns tira gosto. Quando Felipe chegou foi saldado por todos, inclusive pelo meu esposo. Fui abraçá-lo e beija-lo como uma amiga, já que estava em casa na companhia do meu boi, mas sem perder a oportunidade de encostar todo o meu corpo ao seu para deixá-lo de pau duro. Fiquei ainda mais acesa quando meu gato tirou toda sua roupa, permanecendo somente de sunga e todo aquele corpo gostoso a mostra. Aliás, todos nós tínhamos corpos sarados ao contrário do meu velhinho, que com os seus quase 60 anos, mantinha sua barriguinha avantajada de chopp e a pele toda flácida, combinando com o seu pintinho pequeno e morto. Pedro era o único que permanecia de bermuda, que por sinal acusava sua idade, sendo aquelas de tecido grosso tipo brim até o joelho. Sua camiseta era polo com bolso, preferida por pessoas mais idosas e conservadoras.....rs. Acredito que o fato do meu marido permanecer todo vestido, era pura vergonha dos meninos que esbanjavam beleza, juventude e virilidade, com aqueles braços, ombros e peitos fortes, além de abdômen definido. Estávamos todos nos divertindo dentro da piscina, quando Pedro anunciou que o almoço seria servido. Neste momento, estava com a mão de Felipe alisando minha xoxotinha de baixo d'água, ao mesmo tempo que eu pegava em seu pau. Tudo bem rápido para não dar bandeira, como se na frente dos nossos amigos precisássemos. Era mais por causa da presença do maridão. Observei que Pedro, enquanto preparava o churrasco, exagerava na quantidade de bebida alcoólica. Havia misturado cerveja com caipirinha e whisky. Mesmo assim, conseguiu almoçar conosco e depois lavar toda a louça. Após tudo organizado, sentou numa sombra e voltou a beber. Neste momento, brincávamos de briga de galo na piscina. As meninas sentadas nos ombros dos meninos, tentando derrubar umas as outras. Pedro, de longe, observava tudo já com os olhos em farol baixo. Eu, nos ombros de Felipe, esfregava minha menininha em sua nuca, enquanto ele ao segurar minha pernas também tirava suas casquinhas. O dia passou rápido e já eram 18h, quando o pessoal começou arrumar as coisas para partirem. Neste momento, sentimos a falta de Pedro. Procurei por toda a casa e não o encontrei. Foi quando Fabinho gritou que ele estava no banheiro da área da piscina, abraçado ao vaso sanitário. Estava passando mal devido a bebedeira. Todos riram e o ajudaram a levantar. Felipe e Bira conduziram o cachaceiro pra dentro de casa e o botaram de baixo do chuveiro. Antes lhe tiraram toda a roupa e puderam constatar o porque da sua situação de marido traído. Viram o tamanho do pauzinho do coitado e o pequeno saquinho enrugado que compunha o adereço impotente, assim como a bunda Contos Imor(t)ais - MARIDO IMPOTENTE ESPOSA CARENTE – 235 -


murcha e totalmente para dentro, além de caída. O deixaram lá deitado por 15 minutos recebendo uma ducha de água fria. Pedro não apresentava nenhuma reação de melhora. O tiraram do banho e o levaram até a sua caminha no quarto da minha filha, ao meu pedido. Foi assim que todos souberam o lugar onde meu esposo dorme todas as noites, menos Felipe que já tinha conhecimento do fato. O deixaram lá pelado mesmo, de barriga para baixo e bunda branca para cima. Só assim, Bira juntouse aos outros a fim de partirem. Pedi para Felipe ficar, caso eu precisasse de ajuda com o bebum. As meninas só me olharam, como dizendo: – Vagabunda, sabemos qual a sua intenção. Vais abrir as pernas para o macho bater quadril em você. Tu és uma putinha bem rampeira. Não tá nada preocupada com o coitado do marido. Quer é piróca!! Ficamos então, somente eu, meu gato e meu "corno bela adormecida". Aproveitamos o momento a sós e começamos a nos agarrar. Ele com aquelas mãos fortes e atitude de alfa, violentamente puxou as duas peças do meu biquíni, quase que rasgando. Enquanto estava abraçada ao meu homem e o beijava, sentia sua rola enorme me cutucando e já querendo pular para fora da sunga. Ele me botou de joelhos, posição que amo estar e me sinto submissa ao ponto de chorar. Quando abaixo sua peça de banho, recebo um delicioso tapa de pica na cara. Aquele imenso membro estava duro como uma pedra e totalmente apontado para a minha boca, que se abriu e o abocanhou. Chupava aquela rola feito uma louca. As mãos de Felipe me seguravam pelos cabelos e conduzia a minha cabeça para frente e para trás. Quando escapava dos meus lábios, levava fios da minha baba. Voltava a engolir aquele instrumento, agora olhando bem fundo nos olhos do meu macho. Punhetava, chupetava e olhava para cima vendo a expressão de prazer que proporcionava ao meu homem. Sinti seu pau inchar e seu enorme saco contrair. Conhecendo muito bem meu comedor, era o anúncio da explosão de porra que estava por vir. Não demorou segundos para Felipe começar a se masturbar na minha frente. Ele deu a ordem para abrir a minha boca e botar a língua pra fora. Não sei se por estar em um ambiente totalmente diferente, na casa do corno e o próprio dormindo bem próximo, além do perigo em sermos flagrados, Felipe me deu a maior gozada desde que começamos a trepar. Era porra que não acabava mais de sair daquela mangueira. Minha garganta estava lotada e mesmo assim, continuava recebendo golfadas na cara, nos cabelos e nos seios. Minha língua estava branca de tanto leite de macho. O esperma escorria pelo rosto, passando pelo queixo e descendo como cachoeira até minha barriga e a xoxotinha. Ao fim do "banho", com sua pica ainda em riste e eu ainda de joelhos, ele me pegava pelos cabelos puxando minha cabeça pra trás e com o meu rosto totalmente exposto, me dava surra de pica na cara. A gala que estava impregnada na minha face, espirrava toda vez que o pau batia com força. Eu já havia engolido uma grande parte que Felipe depositara em minha garganta, mesmo assim ainda chupava o resto que ele me dava a todo momento. Com a cabeça do pau, catava a porra em meu corpo e levava até minha boca para me alimentar. Fomos para o banho em minha suíte. Lá, fiz questão de esfregar todo o seu corpo, caprichando no pauzão. Namoramos bastante em baixo da ducha. Beijar aquela boca e chupar aquela língua, me fazia perder a noção que eu era uma mulher casada e mãe. Que estava com outro homem, nua e pronta para ser penetrada na cama que um dia pertenceu à ela e o marido. Contos Imor(t)ais - MARIDO IMPOTENTE ESPOSA CARENTE – 236 -


Ao sair, peguei um roupão limpo do meu esposo em meu armário. Queria agradar meu visitante. Pedro, após mudar de quarto, não usava mais algumas peças que homens realmente usam para seduzir suas mulheres, enquanto são os machos da casa. Ele não seduz mais ninguém e muito menos é o macho da minha casa. Fui ver como estava meu velhinho. Estava na mesma posição deixado pelos meninos, ou seja, de "Bundão" ainda pra cima totalmente desmaiado. Cheguei perto e dei uns tapinhas em sua cara para testar sua reação. Ele só resmungou, mas não deu nenhum sinal de acordar. Agora roncava feito um porco. Felipe me questionou se ele não poderia levantar a qualquer momento. O tranquilizei, pois conheço muito bem Pedro quando bebe. Passa a noite toda dormindo. Mesmo assim, tomei o cuidado de trancar a porta do quarto com a chave, pelo lado de fora. O meu namorado ria e me dizia como eu era má. Expliquei que o que eu fazia, era em "respeito" ao meu marido. Não queria o expor ao ridículo, mais do que ele já era. Seria mais uma humilhação se ele presenciasse sua esposa dando para outro. Homens impotentes são frágeis e sofrem com a inutilidade. Como não podem mais manter seus pênis eretos, sabem que suas esposas em breve terão amantes, mas nem sempre estão preparados para serem traídos. Acho que é o que acontece com Pedro. Ele sabe que estou metendo com outro, mas não assume. Prefere que eu faça longe dele, então assim, respeitarei sua vontade. Peguei na mão de Felipe e o levei até a minha enorme cama Super King (2m x 2m). Disse que naquela noite ele dormiria comigo. Deitei, abri minhas pernas e deixei exposta a minha bucetinha, toda depilada e cheirosa. Ele mais do que depressa, caiu de boca e começou a chupar. Cada toque em meu clitoris me fazia gozar. Já estava em meu terceiro orgasmo e quase desfalecida. Ele praticamente me comia com a boca. Sua enorme língua me penetrava e ia fundo. O pau do meu marido totalmente duro, antes da impotência sexual, era menos da metade do tamanho da língua do Felipe. Então, vocês podem imaginar como eu era mal servida. Às vezes nem acredito que o meu velhinho conseguiu me engravidar. Se eu o tivesse traindo, naquela época, com certeza minha filha seria de outro. Mas não, eu era totalmente "bobinha" na questão traição. Ainda estava impressionada com a mudança de uma vida pobre é simples, para uma realidade de luxo, conforto e liberdade. Só o tempo e os acontecimentos, fizeram potencializar a puta que sou hoje. Felipe me colocou na posição de frango assado e começou e fincar aquela tora na minha xoxotinha. Sinti seu enorme pênis abrir espaço dentro de mim. Eu chorava, gemia e gritava de prazer a cada centímetro que recebia do meu macho. Ele foi aumentando a velocidade no movimento e sua pelve agora descia e subia com violência. Seu quadril batia no meu com força, me fazendo sentir o cabeção do seu pau cutucar o meu útero. Ficou socando em mim, nesta posição, até me fazer gozar pela quarta vez. Agora estava de ladinho, com Felipe engatado em mim de conchinha. Ele me abraçava por trás, segurando meus peitinhos. Eu virava a cabeça até alcançar sua boca e o beijava, enquanto levava rola. Assim ficamos mais um tanto e íamos nos movimentando, até que me vi totalmente de quatro, com a bundinha toda empinada e peitos encostados no colchão. Agora, o quadril de Felipe batia nas minhas nádegas enquanto me fodia feito um animal. O barulho que fazia, podia muito bem acordar meu marido, se ele não estivesse sobre o efeito do Contos Imor(t)ais - MARIDO IMPOTENTE ESPOSA CARENTE – 237 -


álcool. Eu estava sendo totalmente usada por um homem de verdade, que não tinha nenhuma dó da puta e do corno trancado no quarto ao lado. Eu já não mais segurava os gritos de me fode.....me fode....come a puta casada.....acaba com a bucetinha da esposa infiel....come meu cú por favor.....entre outros apelos. Talvez os vizinhos tenham escutado e a imagem do meu marido, agora, seria outra. Eu não me importava mais com nada. Só queria dar e dar. Corri até minha bolsa e peguei o tubo de KY. Entreguei na mão de Felipe e disse que ele sabia o que eu queria e como fazer. Ele pegou o lubrificante com uma das mãos e com a outra, deu um tapa na minha cara me chamando de VAGABUNDA. Eu disse que era a sua vagabunda e levei outro tapa. Depois veio outro e outro, até minha cara ficar vermelha. Ele lubrificou seu pênis e meu anel, me posicionou para receber pau no Cú e me castigou por meia hora. Às vezes revezava a penetração entre a buceta e minha bundinha. Me obrigava a gritar onde o pau estava entrando e eu obedecia… cú… buceta… cú… cú… buceta… buceta… e assim foi. Cada vez que ele saia e entrava, eu gritava mais alto. Felipe começou a gemer e perguntar onde eu queria receber seu esperma. Estava viciada em porra na boca e xoxotinha. Como eu já havia me alimentado de sua gala naquela noite, eu pedi que depositasse tudo no meu útero. Implorei para que ele lavasse minha pequena. Assim, ele enfiou tudo dentro de mim e despejou outra enorme quantidade do seu sêmen de macho alfa e comedor. Tomamos outro banho juntos e lá fiz mais uma chupeta no meu homem, agora com direito a repeteco de gozada na boca, onde não desperdicei nenhuma gota. Desde que tranquei meu marido no quarto e levei meu namorado pra cama, já havia se passado três horas de meteção. Como a festa tinha acabado cedo, ainda era meia noite. A fome bateu e fomos pra cozinha preparar algo. Quando dei uma olhada no meu celular e ele no dele, havia várias mensagens da galera nos perguntando sobre o estado do meu marido. Quando respondi que estava tudo bem, automaticamente recebi a ligação de Vanessa dizendo que todos haviam resolvido esticar para um samba e estavam lá até agora. Ela e as outras meninas estavam me convencendo a ir até lá, no mesmo momento que Cássio no telefone com Felipe, também o convidava. Olhamos um para outro e resolvemos esticar também, já que estávamos saciados sexualmente. Apesar do cansaço de ambos e da surra de pica que levei e outra de buceta que dei, não podíamos perder a oportunidade de viver o momento. Minha filha na casa dos meus pais e meu marido desmaiado num sábado lindo de verão, não era comum, então fomos. Como era em um bar totalmente informal, coloquei uma mini saia branca e uma blusinha sem sutiã, que deixava minhas costas toda de fora. O decote na frente, mostrava todo o meu colo sem ser vulgar, mas sexy. Tenho seios lindos e firmes que devem ser valorizados. Uma sandalha baixa amarrada na perna e brincos fechavam o visual. Para a boca, um batom rosa e maquiagem bem leve. Como homem é mais básico, Felipe colocou a única roupa que tinha naquela hora e por coincidência a mesma que chegou para o churrasco....rsrsrsrs......uma bermuda transada e camiseta super alinhada. Nos pés, sapatênis. Ele praticamente não usou sua roupa o dia todo. Logo que chegou em casa, tirou e ficou de sunga e depois pelado até agora pouco....kkkkkkk. O meu gato estava lindo.

Contos Imor(t)ais - MARIDO IMPOTENTE ESPOSA CARENTE – 238 -


Antes de sairmos, destranquei a porta do quarto do corno e observei que ele havia mudado de posição e estava agora com seu pijama, feito como um verdadeiro senhor. Então ele havia acordado e talvez ouvido tudo....vai saber?!. Ele ainda fazia questão em não se manifestar. Cheguei bem perto e vi que estava dormindo ou fingindo. Deixei a porta aberta e saí com Felipe. Chegamos no samba abraçados como dois namoradinhos. Quando a galera nos viu, acenaram nos mostrando qual mesa estavam sentados. Fomos até lá de mãos dadas e ficamos bem grudadinhos. Todos me perguntaram se Pedro vinha depois. Respondi que não, pois estava se recuperando e não gostava de baladas. Disse ainda que velho dorme cedo......rs Dançamos, bebemos e nos divertimos muito. Em alguns momentos rolava um beijo entre eu e o meu gato. Os amigos não se abalavam mais, pois o meu caso com Felipe estava mais que efetivado, ainda mais depois do que ocorreu em casa. Todos viram a liberdade que tenho por parte do meu marido e a autoridade que possuo sobre ele. Depois que descobriram que Pedro dorme no quarto com a minha filha e não se importa com minhas ausências em noites de baladas, nomearam ele de "O Corno bacana". Era cinco da manhã, quando resolvemos ir até uma padóca para tomarmos café. Ficamos lá papeando até as 7h, quando decidi voltar para casa. Felipe me levou e chegando na frente do meu lar me deparo com a dona Adélia, minha vizinha. Ela estava varrendo a calçada e de olho em nós dentro do carro. Não me importando mais com o que os outros pensassem de mim, dei um baita beijo de despedida em meu amante e entrei, não antes de cumprimentar com um bom dia, a velha e fofoqueira dona Adélia. Dentro de casa, vejo que Pedro já havia acordado. Estava na cozinha preparando o café da manhã. Lhe cumprimentei e com as sandalhas nas mãos, fui até ele e beijei os dois cantos da sua testa, novamente dando a entender que estava acariciando seus chifres. Sem falar nada, ele abaixou a cabeça e nem se atreveu a perguntar onde eu havia ido. Mesmo assim, fiz questão de comentar que estava voltando da balada com os amigos e estava literalmente envergonhada do papelão que ele fez no dia anterior. Pedro ciente do acontecido, pediu desculpas e se ofereceu para reparar seu erro. Disse que faria uma viagem de 30 dias com a nossa filha, deixando a casa só para mim. Iria visitar sua irmã mais velha no Mato Grosso. Assim, poderia convidar novamente meus amigos para desfrutar das nossas dependências, sem a presença do marido trapalhão. Não acreditei e na hora me passou várias ideias de maldade em mente. Sorri e agradeci pela sua consciência, porém, endureci e disse que isto seria o mínimo que ele poderia fazer para se desculpar. Deixei bem claro que: - Quem não tem controle da situação, da licença para os competentes. A frase foi, referindo-se a sua atual impotência, para que entenda que se o marido não come mais a sua esposa, outro tem que fazê-lo. Pedro partiu logo na terça feira, levando nossa filha. Um dia antes preparei Felipe que combinou com o seu sócio, férias no mesmo período da ausência do corno. Fez sua mala e sincronizou a saída do meu marido com sua entrada em minha casa. Ficaríamos um mês metendo sem parar. Faríamos altas festinhas com os nossos amigos e aproveitaríamos ao máximo nossa liberdade. Para não dar bandeira com a minha empregada, também lhe dei férias e contratei uma empresa de limpeza terceirizada para manter a casa em ordem. Para esses profissionais que não nos conheciam, Felipe seria meu marido e dono da casa.

Contos Imor(t)ais - MARIDO IMPOTENTE ESPOSA CARENTE – 239 -


Com o meu macho já instalado, passamos a primeira noite trepando gostoso. O tarado trouxe uns brinquedinhos eróticos para apimentarmos nossa relação. Fui algemada na cama e castigada com um chicotinho. Levei surra na bunda e nos peitos. Tudo foi feito com sutileza e muito erotismo. Descobri um lado leve sadomasoquismo em mim. Felipe era meu dono e eu sua escrava sexual. Ele me introduziu um consolo na bundinha, que na sobra era um rabo canino. Me colocou uma coleira e começou a passear comigo pela casa. Dizia que eu era sua cadelinha. Enquanto eu andava feito uma cachorra, ficava pra traz as marcas do meu tesão. Minha bucetinha pingava deixando rastros. Após um passeio pelos cômodos, ele retornou a "nossa" suíte e aproveitando que eu estava de joelhos, socou seu pau na minha boca e começou a fude-la. Gozou gostoso bem fundo da minha garganta e quando eu estava com a boca cheia, ele tapou o meu nariz. Não conseguindo respirar, fui obrigada a puxar o ar pela boca. Assim engoli todo seu esperma de uma só vez. Era a primeira vez que ele me tratava assim e eu estava amando. Me sentia sua propriedade e fêmea ao extremo. Limpei todo o seu pauzão com a minha língua, interpretando realmente a personagem de cadela. Lambia toda a base da pica e o cabeção. O que havia caído no chão, eu abaixava e pegava com a boca. Em minutos, Felipe já estava de pau duro de novo. Eu ainda com o consolo enterrado no cú, fui botada de quatro e com a buceta totalmente a amostra, comecei e receber pirocadas. Era minha primeira dupla penetração. Estava sendo preenchida totalmente. Gozei muito pela buceta e pelo cú. Enquanto Felipe trabalhava em mim, levava tapas na bunda e era chamada de piranha, vagabunda, putinha. Minha xoxotinha foi inundada com o esperma do amante. Ele ficou dentro de mim por minutos, só curtindo o pós gozo. Tirou de mim o consolo ao mesmo tempo que sua rola. A sensação foi de vazio imediato.....rs. Parecia que faltava algo dentro de mim, que eu havia perdido alguma coisa......rs. Quando a gala começou a ser expulsa pela xoxota, Felipe rapidamente pegou uma taça e deixou cair tudo dentro dela. Ao final, a completou com vinho tinto seco, abasteceu uma outra para si próprio e brindamos ao início das nossas férias. Bebi todo aquele vinho misturado com porra e o sabor, para mim, era divino. Dormimos nus e abraçadinhos como dois pombinhos. Acordamos cedo para curtirmos o Sol, enquanto as faxineiras contratadas arrumavam a casa. Como de quarta feira tem transmissão de futebol na TV, daríamos uma reuniãozinha entre amigos, onde enquanto os meninos assistiam o jogo, eu e as meninas ficaríamos na piscina numa noite de muito calor e lua cheia. Todos chegaram e já foram se sentindo em casa. A primeira pergunta foi: - Onde está o seu marido? Respondi que ele estava de "férias da sua aposentadoria" e havia viajado com a nossa filha. Olhares se cruzaram e todos riram ao mesmo tempo. Percebi que os homens cochichavam com Felipe durante a partida. Era notório que estavam falando da gente. Minhas amigas também não perderam tempo e me obrigaram a contar o que estava acontecendo. Eu respondi que a casa estava sob nova direção.....rs. Elas riram e me chamaram de safada. Ainda perguntaram se eu não tinha dó do meu marido. Disse que sentia muita pena por ele ter nascido com um pinto pequeno e pra piorar, este já não tinha mais vida. Comentei ainda que deveria ser muito difícil para Pedro, reconhecer a sua inutilidade sexual e não conseguir reagir para impedir sua esposa de procurar outro homem, a fim de satisfazer suas necessidades carnais.

Contos Imor(t)ais - MARIDO IMPOTENTE ESPOSA CARENTE – 240 -


Ele deve sofrer muito, sabendo que outra pica entra em mim e faz de minha bucetinha, um depósito de esperma. Isto sem falar que agora acontece tudo aqui, debaixo do seu nariz, na sua casa, no quarto e na cama que um dia foi dele. Tem um homem de verdade andando pelado pelos cômodos, balançando um membro enorme e descomunal, abrindo a geladeira e tomando sua cerveja, se alimentando as suas custas e ainda desfrutando do corpo da sua esposa, sem medo e nem pudor. Deve doer a cabeça quando me ouve gemer e gritar dentro do quarto, no momento que sou "estuprada" pelo amante. Sábado, ele deve ter chorado muito quando acordou da bebedeira e descobriu que estava trancado em seu quartinho, enquanto sua esposa abria as pernas para o namorado e pedia alto… fode mais… fode mais. As meninas, ouvido atentas minhas revelações, arregalaram os olhos e começaram a rir dizendo que tinham medo de mim… rs. Ao final do jogo, os homens juntaram-se a nós e ficamos todos dentro da piscina. Rolava um afear entre uns e outras e os toques e chamegos eram inevitáveis. Felipe me abraçava por trás roçando sua rola na minha bunda, totalmente enterrada num biquininho preto fio dental. Bebíamos vinho e pedimos algumas pizzas para o jantar. Depois que todos partiram, eu e meu amado fomos para o nosso quarto matar todo o desejo. Foi mais uma noite de orgia onde ele me deixou assada, tanto a buceta quanto o rabinho. De tanto chupar aquela piroca, meu maxilar ficou doendo, assim como minha cara e nádegas de tanto apanhar. Esta loucura rolou por um mês. Eu me alimentava todos os dias com esperma. A minha xoxota já estava impregnada com o cheiro da porra de Felipe. Meu Cú já não tinha mais pregas. Quando meu marido voltou, Felipe ainda não tinha ido e os dois se esbarraram pelo corredor dos quartos. Foi a primeira vez que minha filha via meu namorado, sem saber quem era. A pouca idade dela não permitia maldades. O apresentei como o tio Felipe. Ela o abraçou e perguntou se ele havia cuidado da mamãe, enquanto ela e o papai viajava. Ele confirmou que sim e Pedro mais do que depressa abaixou a cabeça e levou minha menina para o quarto deles. Felipe então, arrumou suas coisas e partiu. Nos despedimos com um delicioso beijo, que foi presenciado pelo meu marido escondido atrás da porta. Ele nem percebeu que eu o via pelo espelho do móvel que ficava próximo. Aproveitei e acariciei o pau do meu macho por cima da calça e abria bem a boca, para mostrar ao meu marido nossas línguas "brigando". Quando fechei a porta e me virei, vi o vulto do corno correndo até o quarto para disfarçar. Eu me divertia e fingia não saber que ele estava espiando. Fui até lá matar saudades da minha pequena e ao cumprimentar meu esposo, passei a mão em sua testa em forma de carinho. Estava verificando se o chifre já aparecia......rs. Se realmente crescessem galhas nos maridos traídos, ele estaria parecendo um grande Alce....rs Quando minha filha dormiu, achei que era o momento de acabar com todo este jogo de gato e rato e ajudar meu marido a aceitar a situação. Pedi para conversarmos e esclarecer alguns fatos para continuarmos vivendo juntos

Contos Imor(t)ais - MARIDO IMPOTENTE ESPOSA CARENTE – 241 -


A LUXUOSA ARTE DE SABER SE VENDER ATO I Realizada, esse era o termo que melhor definia o momento que eu atravessava na vida. Depois de trilhar caminhos tortuosos, parecia que finalmente as coisas começavam a entrar nos eixos. O posto de musa de uma escola de samba do Rio foi o impulso que faltava pra minha carreira de modelo decolar. Com uma postura elegante e sofisticada, sem deixar de lado a sensualidade, tornei-me altamente requisitada pelo mercado publicitário. Figurinha carimbada em lugares badalados, inaugurações e festas de famosos, com uma agenda super movimentada, minha rotina se divide entre o tempo que dispenso pra cuidar do corpo na academia e em clínicas de estética, e os vários ensaios de foto que faço para grifes de roupas, moda praia, lingerie, revistas de fitness, presença vip em eventos... Foi nesse meio que conheci Léo, um empresário que hoje é meu namorado. Para modelos como eu, que tem no corpo seu maior trunfo, namorar figurões é um grande negócio. Léo está me apresentando a um círculo de pessoas influentes e de contato em contato, além dos trabalhos de foto, comecei a descolar algumas aparições em programas de TV. Ele sabe que se relaciona com uma modelo, não tem ciúmes dos meus ensaios fotográficos, nem de quando algum paparazzi me flagra de fio-dental na praia. Sempre adorei ser notada com meus micro-biquínis. É só eu estender a canga na areia e deitar com biquininhos atolados no rabo que logo surge algum paparazzi. Já estou acostumada e até faço pose. Nada melhor do que mídia de graça! Invariavelmente essas fotos vão parar em sites de fofoca e celebridades, ou no meu Instagram. Quem acompanha minha história desde o começo, sabe que sou aquele tipo de mulher que um homem nunca come sozinho. Uma iguaria como eu, musa do carnaval, que já fez alguns ensaios sensuais, parece que isso cria um fetiche na cabeça dos homens. Como estou sempre nesse meio da moda, estúdios, escolas de samba, festas e eventos, oportunidades para sentar pirocas novas não faltam. Volta e meia surgem convites interessantes, analiso todos tendo em vista o retorno financeiro, pois tenho uma imagem a zelar. A última coisa que quero é denegrir minha carreira de modelo. Por isso cobro um cachê bem alto e tudo acontece com muita discrição, é uma atividade esporádica que rende uma grana legal. Não me considero uma garota de programa nem ficha rosa, mas uma modelo desejada que, quando convém, usa o corpo para obter certas vantagens. O carnaval é um ponto chave da minha vida, mas meu namorado não curte. No início ele até ia aos ensaios da escola comigo, depois parou. Como musa da escola, desfilo em trajes pra lá de sensuais. Mas desde que comecei a namorar Léo, ele me pediu pra não desfilar mais de tapa-sexo. Acatei, até porque adoro a vida boa que ele me dá e a projeção na mídia que tenho, sempre que saímos. Algumas pessoas dizem que eu não passo de uma puta. Discordo! É o preço que se paga para ser visto ao lado de uma mulher bonita, gostosa, educada, capa de revista e sexualmente disponível. Os homens bem sucedidos adoram, isso alimenta o ego deles. Pra não dizer que tudo corria às mil maravilhas, havia uma coisa que me preocupava, a instabilidade na diretoria da escola em que desfilo colocava meu posto de musa em xeque. Isso é preocupante, pois o carnaval é uma vitrine importante. Me coloca em evidência na mídia e reforça, sobre mim uma imagem de beleza e sensualidade. Já estava pensando até em que contatos poderia estabelecer com outras escolas caso isso realmente viesse a acontecer. Contos Imor(t)ais - A LUXUOSA ARTE DE SABER SE VENDER – 242 -


Outro dia, ao terminar uma seção de fotos pro catálogo de uma famosa marca de biquínis, fui procurada pelo dono da grife. Um cara de meia idade, boa pinta, elogiou muito o meu trabalho pois era o terceiro catálogo seguido que eu posava pra essa marca. Disse que a forte ligação que eu tenho com o carnaval associada à minha beleza, tinham tudo a ver com a proposta da marca e perguntou: – Layla, eu vejo nesses sites de celebridades aí que você é muito fotografada na praia de biquíni, sempre linda e sensual. O que você acha de firmarmos um contrato de exclusividade onde você só usaria os nossos biquínis? Assim, tanto no catálogo como nessas fotos que tiram de você na praia, nossos biquínis sempre apareceriam. Adorei a ideia e nem preciso dizer que aceitei na hora. Pra celebrarmos a parceria ele me convidou pra almoçar. Fiquei receosa pois não estava arrumada, e lhe disse que não sai de casa imaginando almoçar. Educadíssimo, ele falou que eu era linda de qualquer jeito, insistiu tanto que eu fui. Já no restaurante, entre um drink e outro, papo vai papo vem, estávamos quase acabando de comer quando ele disse que morava numa cobertura em Ipanema, e perguntou se eu não queria dar uma esticada até lá. Me fazendo de difícil respondi que não costumava misturar o pessoal com o profissional, ainda mais agora que tínhamos acabado de fechar um contrato. Aí ele chegou no ponto: – Não somos mais crianças, Layla. Garanto que você não vai se arrepender, recompenso bem. – Ah é?! E qual é a recompensa? – perguntei. – Uma generosa gratificação para comemorarmos esse contrato. O que você acha? – Nossa! Sabia que vc teve uma ótima ideia! – respondi sorrindo. Esse breve diálogo foi a senha pra nossa conversa seguir outro rumo. Num tom mais despojado e objetivo ele perguntou sobre o cachê, falei o valor e ele achou alto. Argumentei: – Olha só, gato, eu não sou acompanhante e não tenho perfil em sites de garotas de programa. Sou uma modelo com projeção na mídia e musa do carnaval. Estamos conversando sobre uma atividade exclusiva que, as vezes, eu proporciono a pessoas de alto nível como você. Um cara educado, fino, elegante... Daí esse valor. – Tenho muito tesão em você, sabia? Fico de pau duro só de ver suas fotos, adoro te ver desfilando no carnaval! – Ai, para! Assim eu fico sem graça. – Estou com a tarde livre! O que você sugere? – ele perguntou. – Deixa eu te falar uma coisa, gato. Eu sou uma pessoa pública, então, por uma questão de discrição, eu mantenho um flat com uma amiga para essas ocasiões. Ou então podemos ir pra alguma motel... O que você preferir... – E aonde fica esse flat?

Contos Imor(t)ais - A LUXUOSA ARTE DE SABER SE VENDER – 243 -


– Aqui na Barra mesmo, na Av. Lúcio Costa, em frente a praia um pouco antes do posto 8. – Quando podemos ir lá? – ele perguntou. – Agora mesmo, se você quiser. – respondi sorrindo. Tudo combinado, ele transferiu o dinheiro pra mim através de um aplicativo no celular. Saímos do restaurante, deixei o meu carro num estacionamento rotativo e fomos no dele. No caminho ele começou a alisar a minhas coxas, sorri demonstrando gostar e sorrateiramente puxei o vestido mais pra cima deixando parte da minúscula calcinha a mostra. Ele entendeu o sinal e passou a massagear minha bucetinha, fiquei ensopada. Esses inícios de atendimento são o tipo de situação que me deixam com muito tesão. Ainda mais quando o cara é safo e entende do babado. Ao chegarmos no flat partimos pra uma ducha bem gostosa. Fiquei totalmente passiva enquanto ele me ensaboava. O safado dedicou especial atenção aos meus principais atributos, as coxas e um bumbum. Me molhei para tirar o sabão, peguei um pote de creme hidratante e lhe ofereci, prontamente ele passou o hidratante em todo o meu corpo, ficou um bom tempo massageando meus seios e minhas costas, quando chegou na bucetinha afastei as pernas e ele me penetrou suavemente com os dedos massageando bem gostoso. Em seguida me virei arrebitando o bumbum e ele fez o mesmo no meu cuzinho, primeiro um, depois dois e por fim três dedos introduzidos no meu rabinho guloso me faziam gemer feito uma cadela no cio. Seu pau estava muito duro, morrendo de tesão bati-lhe uma punheta bem gostosa e depois cai de boca na piroca. Mamei gostoso lambendo bem a cabeça do pau para depois engolir tudo. O safado se contorcia todo enquanto eu trabalhava num boquete bem babadinho. Não demorou muito pra ele gozar, ao sentir as primeiras gotas na língua tirei o cacete da boca e apontei para os seios que foram regados com alguns jatos de leite bem quentinho. Fomos pra cama onde ele me chupou toda. Começou com uns beijos bem gostosos, depois deu um trato nos meus seios que foram chupados, apertados e mordidos deliciosamente. Desceu pelo abdômen fazendo uma pausa estratégica no meu umbiguinho até chegar na buceta. Me arreganhei toda deixando bastante espaço pra ele trabalhar, o safado sabia chupar, que língua gostosa! De olhos fechados e com as pernas bem abertas senti meu útero sendo preenchido. As primeiras investidas foram lentas e suaves, mas logo depois viraram bombadas fulminantes, eu gritava feito uma louca gozando: “Fode a sua putinha! Fode safado!” Ele não tinha uma piroca enorme, como algumas que já encarei, mas sabia utiliza-la muito bem. Trocamos de posição, agora com ele por baixo, minha buceta gulosa engolia a pica sem dificuldade. Com as mãos espalmadas em seu peito eu jogava o quadril pra baixo sentando com força na vara, anunciei outro gozo e mantive o ritmo até ele gozar também. Relaxados pelo orgasmo cochilamos uns 15min. Quando nos reestabelecemos peguei uma dose de whisky enquanto ele fumava um cigarro. Sentei num sofá ao lado da cama, ele se levantou e veio na minha direção, me deu um trago do seu cigarro e bebeu um gole do meu whisky. Adoro degustar um bom whisky e fumar um cigarrinho depois de gozar. Ali mesmo, sentados, a pegação recomeçou: “Você é uma mulher linda!”, ele falava enquanto chupava os meus seios. Seu pau crescia e, para acelerar o processo, fiz outro boquete bem gostoso para deixa-lo em ponto de bala. Com ele sentado no sofá de pau duro, levantei-me, posicionei o popozão bem na sua cara e sentei gostoso escondendo tudo na xotinha novamente. Sentava gostoso na piroca sentindo ele dar uns tapinhas no meu bumbum. Num breve intervalo que fiz pra me reposicionar ele abriu minhas nádegas e começou a dedilhar o cuzinho. Sem tirar a rola da buceta olhei pra trás e ele pediu: “Deixa eu comer o seu cuzinho, deixa, gostosa?!”. Sorrindo respondi Contos Imor(t)ais - A LUXUOSA ARTE DE SABER SE VENDER – 244 -


fazendo charme: “Só se você fizer uma chupeta bem gostosa no meu cuzinho até deixar ele piscando...” Com o pau na buceta e um dedo no cú, comecei a rebolar no colo dele. O safado foi ao delírio! Nos levantamos e ele me colocou de quatro, com os joelhos sobre o sofá, os cotovelos apoiados no encosto e o rabinho bem arreganhado. Senti seus lábios envolvendo meu cuzinho e sugando-o vigorosamente, fiquei toda arrepiada. Adoro ter o ânus estimulado, fico louca! Em meio a uma sequência de linguadas e chupadas no cuzinho eu estava quase em transe, vendo o meu estado de tesão ele trocou de camisinha, introduziu dois dedos no meu buraquinho e socou o pau na buceta: “Aiiiii, delííícia...”, gemi alto. Não estava mais aguentando de tesão e pedi: “Soca essa piroca no meu cuzinho, soca safado! Fode esse rabo!”, imediatamente ele tirou o pau da minha buceta, afastei uma das nádegas com a mão pra deixar o bumbum bem aberto, mal a cabeça do pau forçou a entrada, meu cú engoliu tudo sem dificuldade. Tendo em vista os calibres de pica que já recebi no traseiro, a dele era normal, daí o engate rápido. Com um apetite voraz ele fez o meu rabinho metendo forte e num ritmo constante, parecia um bate estaca. No auge do tesão, prestes a gozar, abri bem os lábios da buceta toda babada enquanto tomava no cú. Abrindo bem a minha bunda com as duas mãos ele metia com mais força ainda, fechei os olhos sentindo ondas de prazer pelo corpo até anunciar outro orgasmo: “Eu vou gozar! Não para! Eu vou gozaaarrrr...”. Quase desfaleci mas ele seguiu investindo no meu bumbum como se fosse um troféu, um sonho que ele queria aproveitar ao máximo: “Que cú delicioso, meu Deus! Que bunda linda!”, foram suas últimas palavras antes de gozar também. Exaustos e ofegantes, caímos cada um pra um lado naquele sofá. Não tínhamos forças pra mais nada, passados uns 10min fomos interrompidos pelo seu celular tocando. O relógio marcava 18hs e ele disse que teria que ir. Nos despedimos gentilmente com um selinho e ele partiu. Ainda nua peguei mais uma dose de whisky e sentei-me a cama quando meu namorado ligou, disse que fora convidado para um aniversário e queria que eu fosse com ele. Obviamente concordei e combinamos que ele me buscaria às 22hs na minha casa. Terminei o meu whisky, tomei banho, peguei um taxi até o estacionamento aonde havia deixado o meu carro e fui pra casa. Dirigia pela Av. Das Américas, quando meu celular tocou novamente. Era uma amiga da escola de samba com péssimas notícias. O que eu mais temia aconteceu, com a mudança de diretoria todos os destaques da escola seriam trocados. Resumindo, perdi o meu posto de musa. Isso me deixou muito preocupada, tinha que me movimentar, fazer contatos a fim arranjar outra escola pra desfilar. Uma modelo como eu, que vive de projeção na mídia, não pode ficar de fora do carnaval. Léo me buscou pontualmente às 22hs e fomos para o tal aniversário, conversamos sobre futilidades no caminho mas minha cabeça não parava de pensar no que eu teria de fazer para conseguir outra escola pra desfilar. Chegando à festa, numa boate super badalada, fomos amplamente fotografados. Sempre sorridente, me comporto como se fossemos o casal mais feliz do mundo, nesses momentos a aparência é só o que conta. Estava com um vestido tubinho preto, pernocas de fora e salto alto também preto. Um visual pouco criativo mas, ao mesmo tempo, chique e sensual. Em realidade eu queria mesmo estar deitada na minha cama, após uma tarde intensa de trabalhos. Mas as obrigações conjugais e profissionais me obrigam a ir nesses eventos. O que parecia ser uma noite chata foi se modificando quando encontrei uma amiga, atriz, e ficamos conversando. Nos conhecemos no carnaval, pois ela também desfila e, depois, fomos nos encontrando outras vezes nos bastidores de canais de tv. Assim criamos uma amizade. Entre uma dose de champagne e outra acabei lhe contando sobre o que acontecera na minha escola, sem entrar em muitos detalhes, mas fui enfática ao dizer que não queria ficar fora do carnaval. Milena prontamente enviou um zap para o presidente de uma escola em que ela desfilou por alguns Contos Imor(t)ais - A LUXUOSA ARTE DE SABER SE VENDER – 245 -


anos, comunicando que eu estava “na pista”, e me disse: – Se houver retorno eu te aviso, Layla! Logo em seguida, Léo me chamou para cumprimentarmos com um casal de amigos, e acabei me afastando de Milena…

ATO II Os dias foram se passando e eu seguia a minha rotina. Academia, praia, seções de fotos, saídas com Léo e paparazzis nos fotografando. Mas no que diz respeito ao carnaval, nada. Fazia contatos, ligava para pessoas do meio, mas tudo ficava no âmbito das promessas. Até que numa tarde recebi um zap de Milena: “Amiga, o presidente daquela escola me retornou pedindo o seu contato. Posso passar?”. Prontamente respondi: “Claro que pode! Contando que ele não leve quase duas semanas pra me ligar...rs”. Poucos segundos depois Milena respondeu: “kkkkkkkk... Eu acho que ele vai te ligar ainda hoje. Bjs”. Se eu ficar sentada no sofá esperando esse cara me ligar, vou morrer de ansiedade, pensei comigo. Melhor arranjar alguma coisa pra fazer, assim, fui arrumar o armário. Eram quase 18hs quando o meu celular tocou, atendi sem olhar quem era e ouvi uma voz masculina: “Layla?!”. Muito educadamente Alonso se apresentou, falamos sem entrar em detalhes e marcamos de jantar às 21hs para conversar pessoalmente. Apesar de já tê-lo visto em fotos no jornal, não tinha muitas informações a seu respeito. Sei o que todo mundo sabe, que ele é bicheiro. Até pesquisei na internet, mas não encontrei nada de relevante. Assim, na hora de escolher a roupa, optei por um vestido de alcinhas branco, soltinho, que terminava pouco acima do meio das coxas e uma sandália ao estilo "gladiadora". Cabelos soltos e maquiagem leve. Antes de sair liguei para Léo e despistei o que eu iria fazer dizendo que encontraria algumas amigas. Como o restaurante que Alonso marcou o jantar era aqui pela Barra mesmo, dispensei o carro e fui de Uber. Já tinha ouvido falar nesse restaurante mas nunca tinha ido. É um lugar discreto, diferente dos lugares que estou habituada a ir com meu namorado. Lá chegando ele estava na porta esperando, me recebeu muito bem e nos encaminhamos a uma mesa ao fundo. À primeira impressão, Alonso não é um cara bonitão nem faz o tipo galã, como Léo. É um sujeito alto, mulato, calvo, bigode grisalho, ligeiramente barrigudo e que devia estar na faixa dos 50/55 anos. Nenhum atributo que, imediatamente, atrairia mulheres mais jovens como eu. Assim que sentamos ele disse: – Você é muito mais linda ao vivo do que nas fotos. – Nossa... Obrigada pelo elogio. – respondi sorridente. – Devo dizer que demorei um pouco a te reconhecer quando você saiu daquele carro. Sempre que vejo fotos suas você está nua ou de biquíni, quando te vi vestida não reconheci imediatamente... – ele insinuou. Na hora fiquei sem graça, não sabia se aquilo era um elogio ou uma provocação. Alonso pediu um champagne e seguimos conversando. Inicialmente sobre amenidades, depois, obviamente, sobre Contos Imor(t)ais - A LUXUOSA ARTE DE SABER SE VENDER – 246 -


carnaval. Ele disse que a antiga musa da escola, uma cantora de funk, criou muitos problemas à agremiação e, por isso, perdeu o posto. Mas não entrou em detalhes. Em seguida, me olhando diretamente disse: – Layla, eu tenho quase 30 anos de carnaval e nesse período criei uma certa antipatia tanto à atrizes globais como à essas mulheres fruta do funk. São dois extremos problemáticos; as globais se acham maior do que a escola, e as funkeiras tem a língua solta, falam demais e criam situações chatas. Você me parece um meio termo, por isso me interessei. Será que eu vou me arrepender? Fizemos uma breve pausa enquanto o garçom nos serviu o champagne deixando a rolha sobre a mesa, como de praxe. Em seguida respondi enfaticamente dando prosseguimento à conversa: – Tenho certeza que não! Prezo muito pela minha imagem e daqueles que estão a minha volta, jamais protagonizaria situações chatas assim. – Bom saber disso, mas... Você desfilava por uma agremiação mediana, agora, se entrarmos num acordo, desfilará numa das maiores escolas do carnaval carioca, multicampeã, que projetará a sua imagem para o mundo inteiro. Isso exige uma contrapartida, Layla. Aliás, um investimento, prefiro o termo investimento. – E qual seria esse investimento? – perguntei séria. – Sua fantasia custa 220 mil reais. Você tem esse dinheiro? Quando ouvi o valor gelei! – Nã-Não... E-Eu até teria uma parte dessa grana, mas não tudo assim de uma hora pra outra... – gaguejei. – É que já estamos em outubro, Layla. O barracão está à mil, a escola tem custos a cobrir. Preciso desse dinheiro o mais rápido possível. Fiquei nervosa pois era uma oportunidade ímpar na minha vida e na minha carreira, não podia deixa-la passar. Contudo, a única pessoa que poderia me arrumar essa grana de um dia para o outro seria Léo, mas ele não faria isso pois reprova veementemente que eu desfile. – Alonso, desculpe a franqueza, tô super sem graça, só que eu não tenho como levantar essa quantia num tempo tão curto. Quero muito desfilar pela sua escola, entende?! Realmente vai ser muito importante pra minha carreira, você tem toda a razão, mas é muito dinheiro pra conseguir num tempo tão curto. – Achei que isso não seria problema pra você, Layla. Sempre te vejo em revistas e sites de celebridades, em restaurantes caros, festas de famosos... Pensei que a carreira de modelo desse mais grana. – Olha, eu não posso reclamar disso. Vivo do meu trabalho, das seções de fotos e comerciais que faço, mas você deve concordar comigo que arrumar 220 mil de uma hora pra outra é complicado, né. – falei bem séria.

Contos Imor(t)ais - A LUXUOSA ARTE DE SABER SE VENDER – 247 -


– Mas o seu namorado é um empresário bem sucedido, ele não poderia te emprestar os 220? – Alonso, o Léo já me ajudou muito, mas ele não gosta de carnaval e até é contra eu desfilar. Ele jamais me emprestaria dinheiro pra isso. – O que de certa forma é bom, né... – – Bom? Como assim? – perguntei. Me olhando com firmeza, Alonso falava com confiança mostrando total domínio da situação. – Layla, eu sou um cara muito sincero, generoso, e gosto de deixar as coisas bem claras. Nós estamos conversando francamente aqui, mas é óbvio que antes de vir te encontrar me informei sobre você com alguns contatos em comum que temos nesse meio do samba e... Me disseram que você, além de modelo, têm habilidades que te rendem ótimas aplicações na poupança, mas que você regula muito a sua conta, não passa ela pra qualquer um, só pra investidores de peso... – Realmente, eu adoro aplicações na poupança, principalmente quando são montantes de grande porte. – respondi sorrindo maliciosamente. Gargalhando Alonso me disse: – Ai... Ai... Além de linda e extremamente talentosa, como se vê, você é uma mulher inteligente e boa de negócios! Acho que estamos chegando a um acordo com mais facilidade do que eu imaginava. De repente eu até consigo te arrumar osNossa! Mas será que vou aguentar um depósito desses? – perguntei cinicamente. – Claro que vai! Sua carinha me diz que você aguenta muito mais! Depois, com tanta habilidade e talento, vai me pagando em parcelas a perder de vista. Que tal?! Tenho um sério problema quando descortinam o meu lado puta, perco a pose e me entrego completamente. – Eu acho que será uma parceria sólida e duradoura. – respondi sorrindo. – Com certeza! Linda e disponível assim... Aliás, hoje você saiu de casa a caráter, não foi? Aposto que você está sem calcinha! – disse ele me olhando nos olhos. – E se eu não estiver sem calcinha? – perguntei provocando. – Se você estiver de calcinha eu te pago 220 mil pra vc desfilar! Mas se vc estiver sem calcinha... Deixa eu ver... Vai ter que enfiar essa rolha de champagne nesse rabo guloso sem sair da mesa. – disse Alonso em tom baixo. Ri sem acreditar no que ele estava falando, Alonso tirou do bolso uma caneta, pegou a rolha, escreveu 220 nela, e me disse: – Vem, minha musa! Senta nessa cadeira aqui do meu lado.

Contos Imor(t)ais - A LUXUOSA ARTE DE SABER SE VENDER – 248 -


Me levantei e, sentado do jeito que estava, ele me olhou de cima abaixo, afastou a cadeira ao seu lado deixando a mão sobre o assento. Como meu vestido era soltinho sentei posicionando as nádegas sobre sua mão e o olhei sorrindo. Conforme ele dedilhava minha bucetinha eu suspendi um pouco o quadril a fim de facilitar os movimentos dos seus dedos. – Hmmm... Eu não disse que ganharia a aposta! A bucetinha é toda depilada, agora deixa eu sentir esse cú... Que anelzinho liso, macio, acho que ele vai engolir essa rolha fácil fácil... Olhei sem graça pra ele, como quem não está acreditando no que acontecia. E Alonso seguiu: – É a rolha do nosso trato, minha musa, por isso que escrevi 220 nela. Aproveita que eu peguei essa mesa aqui no fundo e o restaurante ainda está vazio. Pensei em tudo que estava em jogo naquele momento e na situação a que estava me submetendo. Mas ser a musa da escola de Alonso seria um grande salto na minha carreira. E, além do mais, eu estava morrendo de tesão de toda aquela situação. Peguei a rolha de sua mão, olhei a volta e notei que não havia nenhum olhar diretamente para a nossa mesa. Levantei um pouquinho um bumbum da cadeira, afastei a nádega esquerda com a mão, e, com a outra, encostei a rolha na bainha do anel e empurrei. Como a ponta da rolha de champagne depois que sai da garrafa alarga um pouquinho, dei uma forçadinha e a danada entrou ficando encaixada feito um plug no meu cuzinho. Brindamos com champagne e Alonso pediu o jantar. Eu mal consegui comer pois, com aquela rolha no rabo sentia ondas de tesão, frio na barriga, tudo, menos fome de comida, só de pau. Nessa vida de modelo, apesar de ostentar uma pose elegante e sensual na frente das câmeras, no fundo no fundo eu sempre fui uma putinha de cabaré. Quem já leu os meus contos anteriores vai se recordar dos meus antecedentes. Quando saímos do restaurante Alonso disse que me deixaria em casa, mas no caminho começou a apalpar as minhas coxas. Louca de tesão, soltei o cinto, escorreguei o corpo no banco e abri bem as pernas. Alonso deu uma dedadinhas na minha buceta e tirou a rolha do meu cú. Logo em seguida ele embicou no primeiro motel no caminho. Na suíte eu peguei um drink enquanto ele acendia um cigarro. Sentou-se ao meu lado e a pegação começou. Entre beijos e amassos abri seu zíper, liberei o cacete e dei uma punhetada de leve. Fiquei surpresa com a grossura de seu pau. Iniciei uma chupeta e, a medida em que ia ficando duro eu era obrigada a abrir bem a boca pra envolver toda a chapeleta. Chupei com vontade babando bem o picão e fiz Alonso suspirar de tesão. Com o corpo debruçado sobre seu colo meu vestido subiu deixando meu bumbum todo a mostra. Que rabo lindo, ele exclamou! Levei umas palmadas enquanto era chamada de vadia com aquele pauzão na boca. Quando senti sua glande pulsar e as primeiras gotas brotarem, segurei firme e enfiei o máximo que pude na boca. Alonso gozou forte, engoli tanto leite que quase me entalei. – Estou gostando muito da sua dedicação à escola! – ele falou risonho e me deu um beijo no rosto. Permaneci sentada no sofá com a maquiagem borrada, recuperando o fôlego, enquanto ele se levantou, pegou na minha mão e nos encaminhamos ao banheiro. Enquanto ele se despia eu lavava o rosto. Nú, Alonso veio na minha direção, tirou o meu vestido e começou a chupar os meus seios. Uma delícia, uma misto de prazer com um pouquinho de dor pois ele chupava forte e, as vezes mordiscava o biquinho dos mamilos, nessa toada entramos na ducha. Com o sabonete em mãos ele, cuidadosamente, me ensaboou toda, massageou meu grelinho, introduziu um dedo na bucetinha e Contos Imor(t)ais - A LUXUOSA ARTE DE SABER SE VENDER – 249 -


outro no cuzinho. Ficou nessa brincadeira até eu arrepiar toda e quase gozar. Em seguida, me disse ao pé do ouvido: “Eu exijo mas eu trato bem, né, putinha!”, me limitei a balançar a cabeça concordando. Entrei novamente em baixo da ducha, peguei o sabonete de suas mãos e esfreguei seu peito, suas costas, até que cheguei no saco. Ensaboei bem e fiz uma massagem tão gostosa em suas bolas que, mesmo sem tocar no pau, a glande quase batia no umbigo de tão duro. Alonso me interrompeu e se enxaguou, nos abraçamos e trocamos um intenso beijo ofegantes de tesão. Ele suspendeu uma das minhas pernas, posicionou a cabeçorra na entrada da minha buceta e meteu. Senti um pouco de desconforto no início pois não encarava uma lapa de pica dessas há algum tempo, mas em poucos instantes o bruto já deslizava dentro de mim sem dificuldades. Uma delícia! Gemíamos alto e intensamente conectados. Quando o ritmo das bombadas aumentou eu quase caí, pois, por ser bem mais alto do que eu, ele tirava o meu pé do chão quando metia forte. Eis que ele me suspendeu, lacei as pernas em sua cintura e o abracei. Presa ao seu corpo, com suas mãos me segurando pelas nádegas, Alonso atolou a pica na minha buceta novamente, com força. Eu gritava incandescida sentindo aquele cilindro de carne se chocar contra as paredes do meu útero, enquanto ele grunhia me chamando de gostosa, piranha, tesuda... Até gozarmos! Minhas pernas estavam tão bambas que acabei estirada e ofegante numa hidro vazia, ao lado do chuveiro. Alonso ficou em pé apoiando as mãos na parede enquanto a água da ducha batia em suas costas. Fechei os olhos e quando abri ele estava de pé, ao meu lado, estendendo a mão para me ajudar a levantar. Aceitei, tomei outra ducha, enquanto ele vestia um hobby. Depois, nua mesmo, sentei ao seu lado no sofá. Fui ao frigobar beber água e enquanto eu caminhava em sua direção ele disse: “Vc é muito gostosa, sabia?!”, apenas sorri e sentei ao seu lado. Ele acendeu outro cigarro e voltou a me acariciar. Olhei para o lado e vi seu pau duro novamente, fazendo chame lhe disse: “Nossa! Tô adorando o meu brinquedão!” Como disse anteriormente, Alonso não fazia o gênero galã, mas o conjunto da obra era interessante: alto, mulato, careca, bigode grisalho, meio barrigudo e pirocudo. Assim comecei outro boquete, ele me posicionou de quatro ao seu lado e, enquanto eu mamava ele preparava o meu rabinho com bastante KY. “ Adoro comer o cú de uma loira, sabia?! O contraste da piroca marrom entrando no cú rosadinho me enche de tesão!”. Alonso se posicionou no sofá com o membro em riste e fez sinal pra eu sentar no seu colo. Levantei com o bumbum voltado para o seu rosto, abri as nádegas e ele deu outra demão de KY no meu botãozinho. Agachei colocando a cabeça bem na entrada, ele me segurou pelo quadril e dei aquela forçadinha pra baixo. Se fosse um pau de um tamanho normal já estaria todo dentro do meu bumbum. Mas o dele é grosso! Forcei, forcei, afastei mais as nádegas usando as mãos, até sentir a chapeleta vencer o esfíncter. “Que cacete grosso! Tá me arrombando toda!” - exclamei. Fui sentando devagar, tirava e botava com calma pra não machucar, até que escondi tudo no traseiro. Contos Imor(t)ais - A LUXUOSA ARTE DE SABER SE VENDER – 250 -


Alonso dava umas palmadas no meu bumbum e dizia: “Que sentada gostosa, vadia! Rabo guloso, puta-que-pariu!”. Quando me senti confortável comecei a me movimentar, pra cima e pra baixo, fincada naquele espeto marrom. Comia o picão com a minha bundinha gulosa sentando firme no cacete. Haja aula de agachamento na academia, viu! Mas é complicado conciliar fôlego e tesão, quando cansei apoiei os pés sobre suas coxas suspendendo um pouquinho o bumbum, Alonso entendeu o recado e socou a vara com força metendo de baixo pra cima. Com aquele tarugo atolado no cú eu sentia uma leve dorzinha e um intenso prazer. O safado fodia o meu cuzinho enquanto eu massageava o grelo e assim gozamos bem gostoso. Levantei para lavar o bumbum sentindo o leitinho escorrer de dentro de mim. Depois ficamos deitados na cama, relaxados pelas gozadas maravilhosas, e cochilamos. Acordei com ele me acariciando, lhe ofereci os seios que foram cuidadosamente chupados e, depois, abrigaram uma espanhola bem gostosa. Com o tesão reacendido ele me colocou de quatro na cama, deu um banho de língua no meu cuzinho até deixa-lo piscando e socou a piroca de novo. Como eu já estava meio larguinha, o cacetão se alojou no meu rabo sem dificuldades. De quatro com a bunda pra cima sentia seu pau todo no meu cuzinho, Alonso tirava quase todo e, em seguida, enterrava novamente. Metia com força enquanto eu abria bem os lábios da buceta e gemia de tesão. “Delícia de cacete no meu cú, porraann! Mete, safado! Mete com força!”. Foi um anal delicioso, gozei muito com direito a leitinho na cara. Não lembrava a última que havia gozado tanto num anal. Depois dessa, desabamos na cama exaustos e dormimos profundamente.

ATO III Já era manhã quando abri os olhos e, ainda deitada na cama, vi Alonso sentado numa cadeira falando ao telefone. Não consegui entender direito o que ele dizia pois estava meio zonza de sono. Levantei, fui ao banheiro e quando retornava ao quarto lembrei que tinha uma seção de fotos marcada naquela tarde. Peguei o meu celular tinham 17 ligações de Léo não atendidas, pensei comigo: “ferrou!”. Fiquei imóvel e não liguei de volta. O que eu ia dizer? Tinha que pensar numa desculpa muito boa. O mais engraçado é que ao mesmo tempo em que me deu um certo peso na consciência, quando eu lembrava da noite anterior sentia um baita tesão. Há tempos que eu não era fodida nem gozava daquele jeito. Sentei novamente na cama, estava confusa. Nisso Alonso falou: – Minha musa, são quase 10hs e eu tenho que tratar de negócios. Já acertei tudo. Tome seu café com calma e depois peça um taxi. Trocamos um beijo de língua e ele se foi. Ainda sentada à cama eu pensava no que dizer a Léo, uma desculpa, sei lá... Podia argumentar várias coisas, mas nada me parecia convincente o suficiente. Não posso dizer que sou completamente apaixonada por ele, que Léo é um tesão na cama. Mas é um cara bacana, que me abriu muitas portas no meio artístico e me ajudou a projetar minha carreira de modelo. O que eu poderia dizer pra ele? 17 ligações não atendidas, meu Deus! Nisso o telefone toca. Quem era? Léo! Não tinha como eu não atender, seria a 18ª ligação sem retorno. Atendi. Ele estava bem nervoso e perguntou o que acontecera. Naquela de pensar rápido, disse a primeira coisa que me veio à cabeça, que fui encontrar algumas amigas, exagerei na tequila, apaguei e Milena me trouxe em casa. Não senti muita firmeza no “sei” dele, mas... Dizer o quê? Completei falando que Contos Imor(t)ais - A LUXUOSA ARTE DE SABER SE VENDER – 251 -


estava com muita dor de cabeça, que ia tomar outro Tylenol e tentaria dormir mais um pouco. Assim que ele desligou, me vesti rapidamente chamei um taxi e fui pra casa. Nessa confusão toda me esqueci completamente da seção de fotos que faria naquela tarde. Só lembrei quando o porteiro interfonou pro meu apartamento dizendo que a van da produtora estava me esperando. Tomei um banho, me vesti super rápido e fui. Depois de uma noite de luxúria era hora de reincorporar a modelo sensual e comportada para mais um job de fotos. Nos intervalos para retocar a maquiagem eu sempre dava uma olhada no celular e, invariavelmente, havia mensagens de Alonso falando umas sacanagens. Isso me excitava muito. Foi num desses intervalos que uma das responsáveis pela produção veio puxar assunto comigo enquanto o maquiador fazia alguns retoques no meu make-up. Nesse meio é assim, contatos que levam a contatos e as oportunidades aparecem. Muito simpática ela perguntou: – Você ainda faz presença vip em eventos, Layla? – Nunca deixei de fazer. Eventos e festas. – respondi sorrindo. Daí, ela falou que um promoter, amigo dela, estava organizando um show em Brasília com uma dupla sertaneja e um grupo de pagode, ambos na mesma noite. Seria um show grande, num estádio, teria patrocinadores de peso e seria transmitido ao vivo por um canal a cabo. E seguiu falando, como eu disse a ele que estaria contigo hoje, ele pediu pra te perguntar se você teria interesse em ser uma das presenças vip no show. Obviamente falei que tinha interesse e ela completou: – Só tem um problema, Layla. O show é amanhã de noite. Você teria disponibilidade pra ir a Brasília amanhã? – Caramba! Assim em cima da hora é complicado. E amanhã é quinta-feira, né... Se ainda fosse num final de semana... Aí vai depender do cachê, passagens... Faz o seguinte, passa o meu contato pra ele e pede pra ele me ligar hoje à noite. Em realidade eu não tinha nenhum trabalho agendado nem na quinta e nem na sexta, só na segundafeira que eu teria a gravação de um comercial. Mas preferi dizer isso a ela pra ganhar tempo e pensar melhor como me organizar. Assim que a seção de fotos terminou, me deixaram em casa. Não se passaram 15min e meu telefone tocou. Era o tal promoter, conversamos bastante, e, inicialmente, ele me ofereceu um cachê além das passagens e do hotel. Fiz uma contraproposta pedindo um cachê mais alto e somente a passagem de ida. Para justificar, disse que tenho alguns parentes em Brasília e iria aproveitar a oportunidade para visita-los. Mentira, estava sim com outras ideias na cabeça. Depois de alguns ajustes chegamos a um acerto, baseado na minha contraproposta. Como eu nunca tinha ido a Brasília, falei com algumas amigas que já foram a fim de pegar referências. Com a cabeça cheia de “maldades” reservei um flat/hotel de grande rotatividade pra quinta e sexta, assim não despertaria olhares dos fofoqueiros de plantão. Comprei a passagem de volta às 18hs de sexta, já que queria estar em casa no final de semana. Quando estava crente que ia tomar um belo banho e descansar, Léo me liga dizendo que queria jantar e conversar. Depois do que houve na noite passada, eu não podia dizer não. Na hora combinada ele me buscou e fomos para um restaurante que ele gosta muito. Nossa conversa foi tensa como eu já esperava, mas, na verdade, as coisas entre nós não vinham bem há algum tempo. Contos Imor(t)ais - A LUXUOSA ARTE DE SABER SE VENDER – 252 -


Ocorre que agora, além de ter conseguido outra escola pra desfilar, eu começava a ver que minha dívida com Alonso poderia se converter num ótimo investimento. Era só eu conseguir manobrar a situação em prol dos meus interesses. Desse modo, na minha cabeça, apesar de ter um carinho grande por Léo, nossa relação começava a perder o sentido. Durante o jantar ele reclamou que eu estava com um vestido muito curto, e eu respondi no ato: “Até parece que você namora uma freira! Já saí várias vezes contigo usando esse vestido! Só agora você viu que ele é curto?! Vai aproveitar pra reclamar dos biquínis que uso na praia também?!”. Chutei o balde e brigamos feio. Pra aliviar a tensão fui ao banheiro dar uma olhada no celular, e vi que o promoter mandara um e-mail com a minha passagem de ida, às 15hs de quinta. Ao final, Léo me deixou em casa. Obviamente não passamos a noite juntos. Chegando em casa arrumei minha mala e pensei em ligar pra Léo e contar que viajaria no dia seguinte. Mas estava tão chateada e de saco cheio que, assim que terminei de arrumar as roupas, dormi profundamente. Acordei tarde no dia seguinte, dei uma última conferida na mala e lembrei de um celular desbloqueado que levo comigo nessas ocasiões. Liguei pra Alonso avisando que viajaria a trabalho e voltaria no dia seguinte, ele brincou comigo ao telefone e disse que eu teria uma surpresa. Depois, tomei banho, me arrumei e fui pro aeroporto. Já em Brasília, mas ainda no aeroporto, assim que peguei minha mala na esteira, comprei um chip de celular pré-pago e o coloquei naquele telefone que trouxe comigo. Lembram? Sempre que viajo a trabalho faço isso, assim, quando é preciso dar o meu telefone a alguém, eu me resguardo de fornecer o meu número pessoal. Entenderam? Tenho chips com DDD de São Paulo, BH, Curitiba, Porto Alegre, Salvador e agora Brasília também! Feito isso peguei um taxi e fui pro flat/hotel que reservei. Assim que entrei no apartamento e dei uma conferida pra ver se estava tudo em ordem. Em seguida, deitei à cama e ativei o chip com DDD 61 naquele celular. Liguei para o promoter avisando que eu já estava em Brasília e ele me disse que um motorista me buscaria às 21hs. Não me acho exatamente uma prostituta como algumas invejosas dizem. Sou uma modelo que encara o corpo como outdoor e produto ao mesmo tempo. Por isso estou sempre pensando em maneiras de valorizar a mercadoria, entendem?! Assim, como ainda eram 18hs, fui pra academia do flat malhar para manter o corpão gostosíssimo! Quando viajo a trabalho, desacompanhada, eu apelo. Pra malhar eu coloquei um shortinho jeans soltinho curtíssimo e um top azul. Roupa que ninguém usaria pra treinar, mas eu queria assunto. Comecei a fazer alguns exercícios e logo chegou um cara alto, gatinho, que devia ter uns 40 anos. Fui observando-o para compor um perfil: pulseira de ouro, Rolex, aliança, um Iphone e um Nextel, roupa de academia e um tênis que devia custar quase 1000 reais. Ou seja, alguém interessante pra eu me fazer de alvo. Fui em sua direção e perguntei se ele poderia me ajudar a colocar algumas anilhas de 20kg no leg-press. Imediatamente ele começou a me ajudar, mas não sabia se me olhava ou se colocava o peso no aparelho. Quase levou um tombo, coitado. Batemos um papo rápido, ele me reconheceu e disse que era deputado federal mas que não gostava de ficar em apartamento funcional. Em seguida, perguntou o que me trazia a Brasília. Disse que fui contratada para ser presença vip num show à noite, enfim... Depois ele pediu pra tirar uma selfie comigo e também tirou uma foto minha. Continuei malhando e ele foi pra esteira. Eram quase 19:30hs quando me despedi dele e, meio sem jeito, ele pediu o meu telefone. Passei o número com o DDD de Brasília, e retornei ao apartamento pra tomar banho e me arrumar pro show. Coloquei um vestido lascivo, super justo e decotado. Maquiagem leve e salto alto. Na hora combinada o motorista me buscou e fomos para o estádio aonde seria o show. Chegando lá ele Contos Imor(t)ais - A LUXUOSA ARTE DE SABER SE VENDER – 253 -


entrou com o carro por um portão e, assim que desembarquei, uma pessoa me levou direto para o camarote onde, assim que entrei, fui amplamente clicada por vários fotógrafos. O show foi legal, bem animado, e nem preciso dizer que tive que aturar alguns malas que não sabiam chegar numa mulher. Eis que um sujeito relativamente alto, moreno, malhadinho começa a me olhar descaradamente, pensei comigo, mais um sem noção que vem falar merda daqui a pouco. Nesse momento um segurança vem a mim e diz: – Com licença. Há uma pessoa que gostaria lhe falar. Inclusive ele é um dos patrocinadores do evento. Ele poderia falar com você? – Claro que pode. – respondi. O segurança pediu que eu o acompanhasse e me levou para uma área recuada, como se fosse uma sacada, num dos acessos ao camarote. Poucos segundos depois o cara que estava me olhando apareceu. Ofereceu um drink de whisky com redbull e começamos a conversar. Obviamente ele sabia quem era eu, elogiou muito as minhas formas e disse que era dono de uma rede de concessionárias de veículos. Depois desse papo inicial, com muita educação, ele perguntou: – Mediante um presente bem bacana, você deixaria eu desfrutar mais intimamente de toda a sua beleza essa noite? – O que você chama de presente bacana? – perguntei sorridente. Ele me ofereceu uma quantia em dinheiro e eu lhe disse que achava muito generosa a oferta dele, mas que pra passar a noite toda ele deveria melhorar um pouco a quantia. Sempre com muita educação, ele disse que não pensava em passar a noite toda, pois era casado e não podia dormir fora de casa. Nisso, olhei para o lado e, ao ver que não vinha ninguém, levantei um pouquinho a parte da frente do vestido mostrando a bucetinha toda depilada e falei pra ele: – Tudo bem que a gente não vai passar a noite, mas vendo isso aqui você não pode dar uma melhoradinha nesse presente, gato? Inclusive eu tenho até um flat pra gente ir, não precisa nem se preocupar com motel. Sua resposta foi um beijo de língua daqueles. Em seguida transferiu o dinheiro pra mim pelo celular, agora sim, uma quantia valorosa. Em seguida trocamos telefones e, separados voltamos ao camarote. Perto de meia-noite, quando o show já estava nos finalmente, ele me enviou um zap, nos encontramos no mesmo local aonde conversamos e descemos pro estacionamento. Ao chegar no flat, assim que entramos no apartamento, ele me agarrou com força, começou a me beijar e, com vontade, apartava o meu bumbum. O safado fez com que eu me livrasse do vestido e começou a chupar os meus seios. Abri sua calça, liberei a piroca e comecei a punheta-lo. Fomos para o sofá onde me posicionei de quatro, ele colocou uma camisinha e invadiu a minha buceta. As primeiras investidas foram fortes, pensei em pedir pra ele vir com mais calma, mas não foi preciso, segundos depois o ritmo foi ficando mais cadenciado. Falei umas sacanagens e o provoquei enquanto ele metia na minha xaninha, até ele gozar. Suados tomamos uma ducha e fomos pra cama onde chupei seu pau cuidadosamente. Quando ele estava na iminência de gozar, vesti uma camisinha no meninão e pedi pra ele comer a minha bundinha. Lhe dei um tubo de gel lubrificante, ele massageou o meu rabinho e meteu. Começou a comer o meu cú devagar e depois foi acelerando enquanto eu falava: Contos Imor(t)ais - A LUXUOSA ARTE DE SABER SE VENDER – 254 -


– Vai falar pros amigos que comeu o meu cú, safado? Vai? – Caralho, puta-que-pariu! Que rabo gostoso! – ele disse e seguiu – Acho que vou te chamar aqui todo mês agora, sabia?! – Chama que eu venho dar o cuzinho pra você, cachorro! – Que mulher gostosa! Que rabo lindo! Enquanto ele fodia o meu cuzinho eu massageava o grelo, até que ele intensificou o ritmo das bombadas e gozou. Ficamos deitados na cama recuperando o fôlego. Depois de uns 15 minutos conversando, eram quase 3hs da manhã e ele tinha que voltar pra casa, mas queria comer o meu rabinho de novo. Comecei a massagear seu saco e quando a rola deu sinal de vida fiz outro boquete bem gostoso, quando o senti em ponto de bala, montei em cima dele e escondi a piroca toda no bumbum. – Agora é o meu cú que vai comer o seu pau, safado! – falei pra ele e sentei gostoso na pica até ele gozar. Embevecido com a situação ele me olhava como se eu fosse um troféu. Depois de trocarmos algumas carícias ele se levantou, tomou outro banho e foi embora. Assim que ele saiu eu também tomei banho e apaguei. Na sexta-feira de manhã, eram umas 10hs, Alonso me ligou dizendo que havia contatado alguns jornalistas para informar que eu era a nova musa da escola. Sábado haveria o primeiro ensaio na quadra comigo. Fiquei radiante com a notícia! Levantei da cama e tomei banho pensando em ir à praia dar um mergulho. Mas aí lembrei, estou em Brasília, meu voo é às 18hs, que fazer até lá? Morrendo de fome liguei para o serviço do flat e pedi um café da manhã. Enquanto comia, meu celular com o chip de Brasília apitou, era uma mensagem de whatsapp do deputado que provoquei na academia ontem. Seu zap continha a foto que ele tirou de mim com os dizeres: “Gostaria muito de te conhecer melhor. Existe a possibilidade? Estou em reunião com a bancada do partido até o meio-dia e meu voo pra Cuiabá é às 21hs.” Respondi dizendo para ele me ligar quando pudesse. Não queria me comprometer com nada via whatsapp e, conversando, a gente sente melhor qual é a da pessoa. Em cerca de 10 minutos ele me ligou perguntando se poderíamos almoçar, falei que o meu voo pro Rio era às 18hs e, por conta disso, pedi um taxi para às 16:30hs. – Caramba, o teu voo é cedo. Achei que fosse de noite mesmo. Pensei em te chamar pra almoçar e depois fazer um passeio na minha lancha pelo lago Paranoá. – Nossa eu adoraria, mas tenho compromissos no Rio, não posso ficar mais... – respondi desinteressadamente pra ver até aonde ele iria. – Layla, eu sou um homem casado, deputado pelo segundo mandato consecutivo e não posso me expor. Tampouco você, uma modelo que está sempre na mídia. Não estou te julgando mal, até porque sei que você não é disso. Mas posso te fazer uma pergunta? Respondi que sim, já imaginando o que seria. O deputado perguntou se eu aceitaria recebe-lo, das 13hs às 16hs, aqui no flat, em troca de um valor em dinheiro. Pensei bem, até porque não costumo Contos Imor(t)ais - A LUXUOSA ARTE DE SABER SE VENDER – 255 -


fazer programas assim, sem um evento ou algo do tipo, mas era uma grana alta, não tinha como negar. Pontualmente às 13hs ele bateu à minha porta. O recebi com uma camisola fininha, quase transparente e bem curta. Assim que entrou ele me abraçou, beijou-me no rosto e disse: “linda”. Sentou-se à cama e tirou minha camisolinha, nua ele começou a beijar todo o meu corpo, começando pelos seios, barriga, depois me virou de costas, começou a me beijar pela nuca e foi descendo até o bumbum. Deitei na cama e livrou-se da bermuda e da camisa que vestia, já de pau duro deitou-se ao meu lado, comecei a chupa-lo bem gostoso e, com a boca, vesti a camisinha na rola super dura. Ele veio por cima, encaixou-se entre as minhas pernas, e iniciamos um papai-emamãe super gostoso. Ele não metia forte, mas metia fundo e num ritmo constante, enquanto chupava os meus seios. Gozei forte e, logo em seguida, ele gozou também. Ficamos deitados na cama, conversando um pouco, eu disse que ele estava se revelando uma grata surpresa, pois, apesar de jovem, por ser deputado eu imaginava outra coisa, talvez um cara cheio de manias e frescuras. Muito gentil ele riu e trocamos um estalinho. Estávamos morrendo de fome e pedimos almoço à cozinha do flat. Comemos bebendo vinho e conversando. Depois ele me colocou sentada no seu colo e iniciou uma massagem nos meus ombros, senti seu membro crescendo embaixo de mim, agachei-me a sua frente na intenção de fazer o boquete dos boquetes. Chupei muito, fiz ele se contorcer todo de tesão e gozar nos meus seios. Fui ao banheiro me limpar e quando voltei ele me colocou de quatro na poltrona e chupou minha bucetinha e meu cuzinho. Fiquei toda molhada e com o rabinho piscando, meu deputado meteu na buceta, agora com mais intensidade e me comeu gostoso. Quando anunciei que ia gozar ele tirou da minha xoxota e, aproveitando meus líquidos fêmeos, massageou-me o rabinho e meteu gostoso. Socou a piroca no meu cú o quanto pode até gozar. Uma delícia! Fui ao banheiro lavar o bumbum e quando voltei ele, deitado na cama, me chamou. Conversamos mais um pouco e já eram 15:30hs. Muito gentil ele me ajudou a terminar de arrumar as minhas coisas e se foi dizendo que voltaria a fazer contato. Tomei banho, fiz o check-out e peguei o taxi pro aeroporto. Gostei muito da minha estada em Brasília, principalmente pela engorda da minha conta bancária. Na sala de embarque do aeroporto, aguardando a chamada do voo, entrei na internet. Alguns sites, como o Ego, já davam a notícia: “Agora é oficial! A bela modelo Layla Lemos trocou o vermelho e branco da Escola A, pelo verde e branco da Escola B.”, logo abaixo uma foto minha. É óbvio que eu aguardava, a qualquer momento, uma ligação de Léo reclamando. Mas antes que isso acontecesse, Alonso foi mais rápido e ligou. Conversamos sobre a repercussão na mídia da minha troca de escola. Lhe disse que meu voo provavelmente pousaria no Santos Dumont às 20hs e, assim que chegasse em casa ligaria pra ele. Acontece que meu voo atrasou um pouco e só pousou no Rio às 21hs. Cheguei em casa, na Barra, eram quase 22:30hs. Liguei pra Alonso dizendo que eu estava morta, que não teria forças para sair novamente. Combinamos então que nos encontraríamos no dia seguinte, sábado, no motel de sempre para almoçarmos, passar a tarde e depois iríamos juntos pra quadra da escola. Exausta tomei banho e deitei para ver um pouco de TV mas acabei dormindo. No sábado, acordei com o telefone tocando, era por volta das 9:30hs, fixo o olhar no visor e quem era? Léo, é óbvio. Atendi educadamente como se não tivéssemos brigado em nosso último encontro, mas ele veio cheio de grosseria: “Como é que você fecha com essa escola sem falar antes comigo? Estamos há dois dias sem Contos Imor(t)ais - A LUXUOSA ARTE DE SABER SE VENDER – 256 -


conversar! Você é muito mal agradecida! Não me leva em consideração na sua vida!”, dentre outras baboseiras que não vou perder tempo descrevendo. Até pensei em dizer para nos encontrarmos em algum lugar público, na intenção de fazer um barraco daqueles e virar notícia no TV Fama. Mas minha imagem na mídia nunca foi identificada com essas confusões. Após ouvir tudo que ele tinha pra dizer, falei um monte também. Ao final ele disse: “Se você for nesse ensaio na quadra dessa escola mais tarde, considere nosso relacionamento encerrado!”, Em seguida desligou o telefone. Ai... Ai... Mais fácil do que eu imaginava, pensei comigo. Tomei banho calmamente, me perfumei e quando ia arrumar minhas coisas para encontrar com Alonso no motel ele me ligou. Disse que precisaria fazer uma mudança de planos. Pediu que eu fosse agora pro motel e o esperasse bem gostosa, que ele já estava indo. Ao ouvir isso meus buraquinhos piscaram de excitação! Esse papo de que tamanho não é documento é coisa de mulher que nunca teve um caralho bem grosso enterrado no rabo, ou nunca sentiu um cacetão pulsando no útero prestes a gozar. Eu adoro! Chegando ao motel, informei o número da suíte pra Alonso. Enchi a banheira pra um banho com bastante espuma e fui lhe enviando fotos pra lá de sensuais enquanto ele estava a caminho. Quando chegou, fui recebe-lo na porta nuazinha, ele me agarrou por trás beijando o meu pescoço e apertando os meus seios, joguei o quadril pra trás pra sentir bem a rola roçando no bumbum. Em meio a essa pegação fui conduzida até o sofá onde ele me colocou de quatro e meteu gostoso na buceta. Segurando-me pelo quadril Alonso me comeu firme. A partir de um certo momento, enquanto levava pica na xoxota, senti seu polegar massageando meu cuzinho que à essa altura piscava todo aceso. Como o tesão era grande e não havia nenhum lubrificante por perto, o jeito foi usar a saliva mesmo. Alonso cuspiu no meu anelzinho deixando-o bem babadinho. Quando me senti pronta abri o bumbum puxando uma das nádegas pro lado, entendendo o sinal ele invadiu o meu traseiro com aquela rola grossa me roubando o ar por alguns segundos. “Aiiii... Porrannn!!!” gritei. A cabeça entrou gostoso, meu bumbum engoliu quase a metade do cacetão. A partir daí foi só ajeitar um pouquinho, aquele tira e põe suave, pro meu cuzinho dilatar mais até eu sentir o seu púbis colar nas minhas nádegas. Com tudo dentro iniciou-se uma seção de bombadas fortes no meu cú, intercalada por deliciosos tapas no bumbum. À essa altura eu abria bem os lábios da buceta enquanto gozava seguidas vezes. Me puxando pelas ancas meu garanhão me arreganhava e socava forte no meu rabinho. Louca de tesão eu gritava: “Mete com força nesse cú! Mete, safado!”... Sentia aquela ardência gostosa no cuzinho quando ele anunciou o gozo e encheu minha bundinha de leite. Ficamos um tempinho engatados nos refazendo o intenso orgasmo até ele sair calmamente de dentro de mim.

Contos Imor(t)ais - A LUXUOSA ARTE DE SABER SE VENDER – 257 -


Abraçados na cama, Alonso me dava alguns beijinhos enquanto conversávamos sobre a noite, quando eu seria apresentada na quadra como a nova musa da escola. Ele pediu para eu evitar certos repórteres que ele não gosta, enfim... Disse também que não chegaríamos mais juntos na quadra, pois ele teria que resolver um assunto antes. Em meio ao papo, Alonso começou a acariciar o meu bumbum, me elogiar, dizer como gosta de comer a minha bundinha... Aí não deu outra, né... Agora com calma e bastante lubrificante, ele fez uma massagem deliciosa no meu rabinho, brincando com os dedos até meter o picão. Adoro dar o cú de ladinho, foi uma delícia tê-lo no traseiro ao mesmo tempo em que mordiscava e beijava minha orelha e meu pescoço. Sentindo seu cacete preencher todo o meu cuzinho num deslizar compassado e profundo eu estava em transe. Depois de uma enrabada maiúscula, meu credor deu um descanso pro meu bumbum, tirou a camisinha e veio na buceta. Iniciamos um papai-e-mamãe frenético que só terminou quando senti os primeiros esguichos de sémem dentro de mim. Gozamos abraçados e aos beijos em total conexão. Foi lindo! Voltava pra casa, eram 18hs, quando Alonso me enviou um zap dizendo que um motorista iria me buscar às 21hs, pra eu não ir de carro. Aproveitei para descansar pois sabia que a noite seria longa. Na hora da produção escolhi um modelito nas cores da escola: shortinho branco que deixava as polpas do bumbum à mostra, corpete verde em tecido brilhoso com algumas pedras, sandália plataforma e joias, muitas joias. Luxo puro! O motorista me buscou pontualmente às 21hs e, assim que cheguei à quadra da escola fui levada à sala da diretoria. Lá estava Alonso mais alguns diretores. Fui apresentada a todos, que me trataram com muita distinção, apesar dos olhares gulosos. Afinal, sou uma modelo respeitada e que pagou 220mil pela fantasia! Estouraram até um champagne para brindarmos o momento! Após as apresentações fomos pro camarote aonde conheci a rainha de bateria e conversamos rapidamente. Depois, entre uma caipivodka e outra, dei entrevistas para alguns repórteres. Quando a bateria começou a tocar descemos e caímos no samba. Fui amplamente fotografada, assim como outros destaques da escola. Pra mim era a realização de um sonho fazer parte de uma das maiores agremiações do carnaval carioca. Isso valorizava muito os meus contratos enquanto modelo, mas, sobretudo, o meu cachê nas minhas atividades de bastidores. Ao final, altas horas da madrugada, fui embora com Alonso. Certamente passaríamos a noite juntos e isso me deixava com muito tesão. Mas, no fundo, meus pensamentos já projetavam os ganhos que esse upgrade, em termos de projeção na mídia, trariam à minha carreira. Se a propaganda é a alma do negócio, o samba é a minha vitrine. O que vem junto é lazer e gozo.

Contos Imor(t)ais - A LUXUOSA ARTE DE SABER SE VENDER – 258 -


SURPRESA NA VIAGEM Meu marido foi fazer um curso em outra cidade Resolvi ir junto com ele Chegamos a noite no hotel Realizamos as rotinas de praxe na portaria do hotel O recepcionista chamou uma pessoa para levar nossa mala e nos conduzir ate o apartamento Era um negro, jovem, bonito e muito alegre Enquanto subiamos, pelo elevador, ele ia nos falando da cidade Quando chegamos no apartamento, ele abriu a porta eu entrei, sentei na cama e fui tirando os sapatos, Ele entrou e colocou a mala no local apropriado e foi informando meu marido sobre o apartamento, Ele falava e olhava para mim, pois eu estava com as coxas a mostra Ele terminou a explanação e saiu Eu comentei com meu marido sobre a gentileza do rapaz e sobre sua beleza meu marido concordou comigo Fomos tomar banho No banho eu me ajoelhei e comecei a chupar meu marido Ele gosta quando o chupo no banho Neste dia estavamos com muita tesao Eu chupava com força o pau dele Derrepente ele começou a falar para que eu imaginasse estar chupando o pau do cara que trouxe nossa mala Aquilo me deu mais tesao e eu chupava com mais força, ate que ele gozou na minha boca, como de costume engoli tudo Fomos para a cama e iniciamos uma foda Ele metia o pau na minha buceta e tres dedos no meu cu Dizia que era o pau do negro Gozei muito Contos Imor(t)ais - SURPRESA NA VIAGEM – 259 -


Meu marido gozou de novo. Depois quando comiamos um lanche, eu perguntei-lhe se eu quissesse transar com o maleiro o que ele pensaria Meu marido disse que eu podia decidir, mas ele queria participar Ja tinhamos falado em transar com outro cara, mas nao tinhamos posto em pratica a ideia. No dia seguinte meu marido foi trabalhar e eu fiquei no hotel Aproveitei as mordomias do hotel A tarde fui dar uma volta pela cidade, quando voltei no final da tarde fui para a sauna Como era sauna mista eu fui de biquini Estava deitada curtindo o calor da sauna, quando ouço o maleiro pedir licença para entrar e verificar se estava tudo em ordem na sauna Ele entrou e perguntou-me se estava tudo bem Eu disse que se ficasse mais quente seria melhor Ele, então mexeu num registro e deu mais vapor, perguntou se estava bom Eu levantei e me aproximei dele e disse que o calor não era bem esse que eu queria e passei a mão no pau dele, que ja estava meio duro É esse calor que eu quero Abri a calça dele e tirei o pau para fora Iniciei uma punheta O pau cresceu, era muito grande e grosso me abaixei e comecei a chupa-lo Eu precisava abrir muito minha boca para poder engoli-lo Ele agarrou-me pela cabeça e forçava o pau para dentro Chupei com vontade ate ele gozar Deu-me um banho de porra Disse a ele que queria sentir aquele pau dentro de mim, mas nao agora Quando terminasse o turno de trabalho, ele devia me procurar no apartamento Contos Imor(t)ais - SURPRESA NA VIAGEM – 260 -


Ele perguntou sobre meu marido, disse que iriamos fuder todos juntos, perguntei se ele topava Respondeu que sim. Ele saiu e eu fiquei sonhando com a foda que iria acontecer. Subi para o apartamento Meu marido ja tinha chegado Contei-lhe que estava na sauna e que ja havia provado o maleiro e que ele tinha um pau enorme, muito grosso, e que eu tinha combinado com ele para nos procurar mais tarde. Meu marido me agarrou e começou a me chupar me fazendo gozar, depois me pos de quatro e lambeu meu cuzinho deixando bem babado e meteu seu pau, que tambem é grande Enquanto metia ele dizia que estava preparando-o para o nosso convidado Gozou dentro do meu cu Depois fomos jantar Quando passamos na recepção o maleiro veio nos perguntar se precisavamos de algo Meu marido disse que mais tarde iriamos precisar e que ele podia ir ao nosso apartamento para ajudar. Por volta da meia noite subimos para o apartamento e começmos a nos arretar Alguns minutos depois batem a porta Eu levantei, nua e fui abrir Era o nosso amigo Ele entrou, fechei a porta e agarrei o pau dele, que ja estava duro Fui tirando a calça dele e a agarrando aquele pauzão para chupar Enquanto chupava ele agarrava meus seios Levantei-me e puxei ele para a cama Ele tirou a roupa e antes de deitar disse que se nos quissessemos, ele tinha um amigo que poderia participar Perguntei se ele era bem dotado

Contos Imor(t)ais - SURPRESA NA VIAGEM – 261 -


Ele falou que sim Concordamos O maleiro foi ate a porta e chamou o amigo Entrou outro negro, tambem muito bonito logo tirou a roupa Me deu uma coisa quando vi o pau dele Era um colosso de grande. Deitamos os quatro na cama Fui chupada pelos tres me fizeram gozar como nunca Chupavam, enfiavamos dedos em mim depois de gozar umas tres vezes, eu pedi que um dos negros deitasse que eu queria sentar em cima Encaixei a buceta no pau dele e deixei meu corpo descer Entrou tudo, me senti totalmente preenchida por aquele pauzao O outro veio na minha frente e deu o pau para que eu chupasse Ele enfiava o que podia na minha boca Estava sendo fodida na buceta e na boca pelos dois negros Meu marido passava creme no meu cuzinho, preparando para meter Eu me ajeitei e ele foi metendo o pau No começo foi dificil para entrar, mas com geito, entrou Eu me sentia uma puta completa Fudendo com tres machos ao memso tempo Gozei alucinadamente O que me comia a buceta gozou eu sai de cima dele e pedi que o outro viesse me comer Meu marido tambem gozou Eu fiquei de quatro, ele veio por tras e perguntou onde eu queria que ele metesse Eu disse que ele podia escolher

Contos Imor(t)ais - SURPRESA NA VIAGEM – 262 -


Senti a cabeça daquele pauzao encostar no meu cu Ele deu uma estocada e entrou a cabeça, gemi de tesao Ele me segurou pela cintura e foi metendo o restante do pau Que delicia de metida Ele passou a mexer, primeiro lentamente e foi aumentando a velocidade Eu nao sabia o que sentia de tanta tesao Quando ele disse que ia gozar, me segurou forte pelos ombros e cravou tudo dentro de mue cu Senti o pau inchar ainda mais e depois os jatos de porra dentro do meu cu Cai na cama e ele por cima com o pau cravado em mim. Depois de descansarmos iniciamos nova foda Agora os dois negros iam fazer uma dupla penetraçao em mim Achei que nao iria aguentar os dois Deitei em cima de um e o outro veio por tras e foi metendo Entrou mais facil do que eu imaginava Me cu ja estava bem alargado Meteram ate gozarem dentro Eu ja nao aguentava mais de tanta tesao e pau nos meus buracos. Para terminar a noite eu fiquei deitada e um deles pos o pau no meio dos meus seios e ficou esfregando, o outro meteu na minha boca Pedi a eles que gozassem nos meus seios Depois de um tempo o que eu chupava avisou que ia gozar Tirou o pau da minha boca e gozou na minha cara e nos seios Logo em seguida o outro gozou no meio dos seios Tomei um banho de porra Meu marido que estava observando e se masturbando, trouxe o pau ate minha boca disse para eu por a lingua para fora e gozou nela Contos Imor(t)ais - SURPRESA NA VIAGEM – 263 -


Eu me esfregava com a porra deles. Eles tomaram banho e foram embora. Foi uma foda sensacional Nunca havia imaginado que foder com tres machos era tao bomPena que nao pudemos repetir, pois viemos embora no outro dia.

Contos Imor(t)ais - SURPRESA NA VIAGEM – 264 -


COROA DO INSTITUTO Trabalhava num instituto e notei que existia uma coroa muito gostosa num setor próximo que certas vezes ia trabalhar com umas roupas transparentes que me deixavam louco de tesão, ela se mantinha distante e nunca dava bandeira, até que numa das festas do instituto estava um entra e sai de pessoas que acabei esbarrando com ela sentada numa escada, não sei o que realmente fiz e puxei assunto para minha sorte a mesma é mãe de um camarada que fazia o mesmo curso que fiz, ele estava vindo para buscá-la, comentei que estava indo embora cedo demais, ela sorriu dizendo que noutra festa ficaria mais tempo, como ela estava indo embora voltei para a festa e fui tomar todas com a turma Um tempo depois quem vem caminhando para a festa, ela mesma com o filho ao lado ficando mais um tempo e depois deu um sorriso pra mim, então pensei tenho chance Um tempo depois as pessoas da festa foram indo embora e ficou apenas a turma do copo furado Ao encontrar-me novamente com ela acabei sendo tratado de forma seca, fiquei na minha, só que nunca esqueci daquela mulher. Certa vez estava numa reunião da associação que participo e o filho dela estava presente, fomos divididos em grupos e por trabalharmos na mesma área acabamos ficando com a mesma turma, debatendo alguns assuntos comuns e infelizmente algumas coisas ficaram pendentes, então fomos parar um bar conversando um pouco e com calma descobri que os pais dele eram separados, troquei telefone com as pessoas do grupo e fui embora, uma semana depois recebi um telefonema do Rodrigo dizendo que os contatos que tinhamos feito com algumas instituições foram respondidos somente teriamos de escrever uns projetos, então respondi que tinhamos de fazer isso pra ontem, ele ofereceu para ser em sua na casa, imaginem a minha cara em descobrir onde a mãe dele morava, no dia marcado cheguei pontualmente, já estavam no local, Luciano, Paulo, Ewerton e Paula. Cada um pegou um dos projetos e fomos anotando as coisas importantes nisso o tempo da reunião foi se esticando, esticando, até que sua mãe chega da rua e encontra a casa invadida por um bando de pessoas falando alto e gesticulando como uns doidos, acho que ficou espantada também por me encontrar ali, um tempo depois a mãe do cara volta e diz que vez um lanche, estavamos mortos de fome e fomos correndo Concluimos a parte mais complicada do trabalho e surgiu o mais chato que era ter de digitar aquilo tudo, como Luciano e o resto da turma tinham compromisso para aquela noite acabou sobrando para mim e para o dono da casa. O Rodrigo foi levar parte da turma em casa de carro e fiquei digitando os textos, nisso a mãe do cara entra no escritório e pergunta se eu desejo algo, minha cabeça foi longe, mas retornei rapidamente e disse que apenas um copo de água, ela disse que traria para mim, mas disse que preferia ir com ela, pois já estava cansado de tanto digitar, só que na verdade queria ficar o máximo possível naquela casa, tomei minha água e ficamos conversando, ela perguntou se tinha muita coisa para digitar e disse que sim, além de saber que muitas outras coisas ainda deveriam fazer parte do projeto, ela sorriu e disse que se desejasse poderia ficar em sua casa o quanto desejasse, pois mais tarde o Rodrigo poderia levar-me em casa, respondi que tudo bem. Algum tempo depois o Rodrigo chega em cara e pergunta se alguém ligou, sua mãe responde que não, ele vai dar uma ajuda lendo o texto pra mim.

Contos Imor(t)ais - COROA DO INSTITUTO – 265 -


Um tempo depois sua mãe chega na porta e diz que a namorada dele está querendo conversar com ele, nisso fiquei na digitação, ele retorna dizendo que a namorada inventou uma festa na casa de uma prima e queria que ele fosse, disse que tudo bem, mas falei que não teria tempo para fazer aquilo noutro momento, mesmo que usassemos o domingo não daria para revisar o texto uma vez que na segunda-feira pela manhã teriamos de entregar os projetos. Então dei a seguinte idéia, ficaria na digitação até ele voltar adiantando os textos e quando ele voltasse o mesmo me levaria em casa, assim não perderiamos tempo, então fiquei na minha adorando tudo aquilo e voltei pra digitação, quando ele estava saindo veio me falar e deixou o telefone da casa onde iria ficar, deixei ele ir e continuei a digitação. Como fiquei sozinho no escritório um tempo depois escuto uns passos, era a mãe dele perguntando se desejava algo, então disse que estava tudo bem, quando deu umas 23:00 hs o telefone toca, era o Rodrigo dizendo para a mãe dele que o carro tinha dado defeito e que ele não poderia voltar para casa naquela noite, ela disse que o único problema era me deixar na mão. Como ainda era cedo pensei em dar um blefe para pegar um ônibus ou um taxi que não era problema, ela me passou o telefone e disse para ele ficar calmo, pois essas coisas acontecem, como estava digitando as coisas numa boa ficaria mais um tempo e depois iria embora, ele pediu desculpas por umas mil vezes e eu adorando ele não retornar, ele voltou a falar com a mãe e ela disse que iria depender apenas de mim desligando o telefone logo depois. Ai ela me faz uma proposta dormir em sua casa e assim seu filho ficaria menos chateado por te deixar na mão, um tempo depois ana retorna e já vestindo uma roupa de dormir diz que tinha arrumado uma cama para mim querendo mostrar onde dormiria, segui seus passos e fiquei olhando seu corpo, pensando que para fechar aquele final de semana com chave de ouro só faltava conseguir comer aquela coroa gostosa, ele me instalou num quarto pequeno, mas bem aconchegante, pois tinha até televisão, voltei para o escritório e continuei digitando, quando estava embaralhando as letras já eram quase uma hora da manhã, desliguei tudo, marcando no texto até onde tinha digitado e fui para o quarto. Quando passo pela sala Dona Ana ainda estava deitada no sofá com a televisão ligada e dormindo, como ela estava bem a vontade acabou abrindo as pernas e deixando aquelas coxas grossas a mostra, então me ajoelhei ao seu lado e fui acordá-la, ela estava muito sonolenta, então tentei pegar em seu corpo e levar para o quarto, pois ela estava completamente torta no sofá, quando retirei seu corpo do sofá ela acordou e fui caminhando com ela em meus braços, quando cheguei no seu quarto deitei seu corpo e lhe dei um beijo na boca, ela tremula e sem saber o que fazer retribuiu o beijo meio nervosa, ela logo de cara nem deu tempo de retirar minha roupa por completo e abocanhou-me por completo como se não fizesse isso por um bom tempo, notei que tinha uma corpo bonito para a sua idade e aquilo tudo foi me excitando de uma forma que não tive como resistir abrindo de uma só vez suas pernas brincava com meu pau entre elas, chupei um de seus seios e notei o seu sofrimento querendo sentir logo meu pau entre suas coxas, mas resisti o quanto pude, quando notei que sua xotinha estava escorrendo de tanto tesão meti meu pau de uma só vez, ela revirou os olhos e me apertou contra seu corpo como uma doida. Então me lembrei das vezes que ficava tentando chamar sua atenção no instituto e a mesma nem me dava bola, então meti com vontade quase metendo as bolas junto, ela me pede para não parar e continuar daquele jeito, não foi complicado deixar aquela mulher subindo pelas paredes, ela tentava abrir cada vez mais as pernas como se desejasse sentir todo o meu corpo dentro dela, nisso mordia Contos Imor(t)ais - COROA DO INSTITUTO – 266 -


uma de suas orelhas e dizia que a mesma estava mastigando o meu pau, então ela adorou escutar aquilo, ficamos assim grudados por um tempo, fui reduzindo as estocadas e deixei que a mesma ficasse rebolando em meu pau como uma descontrolada, deixei meu corpo sobre o dela e segui brincando com suas curvas, seus seios durinhos indicavam que o tesão ainda estava nas nuvens, virei seu corpo sobre o meu e deixei que a mesma me cavalgasse por um tempo, ela adorou essa posição e ficou animada quando notou que um de meus dedos rondava sua bundinha, pois empinou sua anca como uma putinha safada, notando que tinha gostado deixei aquela brincadeira ficar um pouco mais quente e continuei chupando seus seios, alternando um melhor que o outro, senti que ela gozou visto que um caldo melado escorreu pelas minhas pernas, ela deitou do meu lado e continuei brincando com sua bunda. Ela sorriu dizendo que tinha um tempo que não fazia aquilo, então deduzi que ela gostava daquela brincadeira e fiquei me esfregando entre suas pernas, ela deitada com aquela bundinha pra cima empinadinha enquanto continuava ali em suas costas me esfregando, quando seu reguinho estava bem meladinho conseguia sentir seu cuzinho piscante, ela reclamou um pouco dizendo que a sua bundinha não iria aceitar aquele pau todo, pois a cabeça era muito grande, sorri e deixei que a mesma me ajudasse, uma brincadeira de dar tesão em qualquer um, quando vi que estava bem melecadinha de nossos liquidos forcei a entradinha, ela mordeu o lençol e deu um gritinho, coloquei a cabeça e ela reclamou pedindo para ir com mais calma, só que meu corpo pesando em meus braços não me facilitavam muito, pedi então que enpinasse a bundinha o quanto pudesse para receber-me com mais calma, nem terminei de pedir e ela já estava na posição. Sem muito trabalho nossos corpos foram se encaixando, quando notei que já estava quase terminando e a mesma ainda mordia os panos com numa mistura de tesão e de dor, não tendo muito que fazer se não iniciar minhas estocadas brutais, ela começou a tremer como se estivesse levando um choque, perguntei se gostaria que tirasse e ela me respondeu entre os panos que não fizesse isso, nem que ela pedisse, então continuei ali esfregando meu corpo no dela, esfregando meu corpo peludo em suas costas lisas, mordendo sua nuca e falando o que ela estava fazendo com meu pau, aquilo tudo deixava ambos com um tesão dos mais altos, meti de uma vez e ela travou tudo dizendo para continuar, então fui dando minhas metidas com vontade e notando que nosso suor só ajudava naquela. Transa toda, falei que não poderia segurar meu gozo por muito tempo e que inundaria sua bundinha com minha porra grossa, ela vibrava e ficava em extase quando falava essas coisa, até que anunciei que iria gozar de verdade e ela pediu que não tiresse por nada do mundo que queria sentir os jatos de minha gozada no seu cuzinho, estremessi sobre seu corpo de estoquei com vontade quase dividindo seu corpo ao meio, ela deu um gemido mais forte e outros menos intensos como se aprovasse minha gozada, fui dando estocadas até sentir meu pau soltar os jatos de porra entre suas pernas, ela soltou um som de felicidade e mudou o ritmo de sua respiração, fui deixando meu corpo sobre o dela e não tive muito o que fazer, ainda gozando e sentindo meus jatos de porra inundarem aquela bundinha saliente, fui voltando a respirar normalmente e sentindo o quanto realmente os nossos corpos estavam suados, ela disse ter adorado ser acordada daquela forma, ficamos um tempo deitados e ela disse que adoraria dormir comigo. Então lembrei que Rodrigo poderia retornar e encontrar a gente juntos, então ela falou que resolveria esse problema, pois ambas as portas da casa tinham travas internas, mesmo que ele chegasse cedo teria de tocar o interfone e daria tempo de que fosse para o outro quarto, então levantei e tomei um mundo de água, trancou primeiro a porta da frente e depois a porta da cozinha tomando um copo de água comigo, ficou olhando para o meu corpo e aproveitou para fazer elogios Contos Imor(t)ais - COROA DO INSTITUTO – 267 -


dizendo não acreditar que conseguiu suportar tudo aquilo na bundinha, disse já ter arrumado namorados depois de separar-se, só que nunca tinha tido coragem de fazer sexo anal novamente, visto que tinha feito apenas com o ex-marido que era tarado por esse tipo de brincadeira, por minha sorte acabei comendo aquele rabinho lindo, voltamos para a cama e brincamos mais um pouco até acabamos dormindo. Acordei no outro dia, levantei e fui correndo para o banheiro, um tempo depois ela entrou e ficamos brincando mais um pouco, então o telefone toca e ela foi atender, era o Rodrigo dizendo que só iria chegar em casa depois do meio dia, então ela passou o telefone para mim e disse para ele que tudo bem, pois já estava digitando os projetos e que estava tudo bem, em seguida parte da turma também ligou dizendo que iriam se atrasar, fui para o computador e a Dona Ana fez uma coisa da qual nunca vou esquecer, retirou minha bermuda e ficou ajoelhada embaixo da mesa do computador pagando um boquete maravilhoso enquanto eu digitava os projetos, eu ia digitando e ela chupando com toda a calma do mundo, como se meu pau fosse um sorvete ou um picolé. Adorei aquela manhã, ela disse que adorou me conhecer melhor e que desejava repetir uns encontros comigo, não resisti por muito tempo naquela brincadeira e logo fui levando a mesma para uma cadeira que estava no escritório, levantei sua saia e cheguei sua calcinha para o lado, ela notou minhas intensões e ficou calma, fiquei esfregando meu pau entre suas pernas e em pouco tempo estavamos grudados que nem dois animais, ficando assim por um tempo, nisso fui retirando minha camisa e suas roupas, ainda engatados segui com a mesma para o banheiro e terminei de comer aquela coroa embaixo d´água numa trepada louca, encoxei ana com vontade em pé encostada na parede do banheiro e ela tentava com todo o desespero segurar em algo, só que não existia nada para segurar, foi um tesão só o contraste do frio da parede azulejada com a água quente que vinha do chuveiro, acabei gozando entre suas pernas, trocamos uns beijos gostosos e cada um seguiu seu caminho, ela para a cozinha para fazer o almoço e eu para o computador. Um tempo depois a turma começou a chegar e passei rapidamente a digitação para alguém que estivesse mais inteiro, em seguida chegou o Rodrigo pedindo mil desculpas pelo furo, depois pensei comigo que ele pode ter simplesmente esticado a noite com a namorada e ficou chateado em falar disso com sua mãe e com um camara que ele tinha conhecido fazia pouco tempo, mas acho que ambos saimos na boa daquela noite, quando deu a hora do almoço comemos todos juntos e nem foi preciso comentar sobre o tempero de sua mãe, toda a turma adorou o almoço, voltamos para revisar todos os textos e fechamos os projetos, o Rodrigo fez questão de me levar em casa, mas falei que poderia ir de buzão mesmo, então ele deu carona para o restante da turma, acabei engrenando num papo com sua mãe e ela no final ainda disse que se não fosse pelo filho me pediria para dormir com ela novamente, falei se quer mesmo dormir comigo, ligue para mim mais tarde que vamos para um motel, ela sorriu e disse que o convite era ótimo. Anotou meu endereço e por volta das 20:00 hs estava em frente de minha casa, entrei no seu carro e seguimos para o motel, transei que nem um doido com aquela coroa gostosa e safada. No outro dia fomos direto para o trabalho, realmente aquela noite foi pirante, ela se transformou numa putinha para mim e disse que nunca tinha se imaginado com aquele fogo todo, só que para não chamar muito a atenção no setor de trabalho ficamos cada um no seu lado, um tempo depois meu contrato terminou nesse instituto e nossos encontros ficaram mais quentes, até que um dia ela me veio com um pedido, falando que gostaria de colocar mais uma pessoa em nossa transa podendo ser um homem ou uma mulher, claro que prefiro uma mulher, mas essa passagem certamente ficará para um outro momento.

Contos Imor(t)ais - COROA DO INSTITUTO – 268 -


SER CADELA Tenho 34 anos, sou bonita e casada com um homem, que como eu, gosta muito de sexo e não tem tabus. Já realizamos diversas fantasias, algumas dele e outras minhas, mas para meu deleite, mesmo nas fantasias dele eu sou sempre a estrela do show. Certa vez, estávamos numa tarde de fim de semana assistindo um filme de vídeo. Meu marido sentado no sofá e eu deitada com a cabeça sobre suas pernas. Depois de algum tempo, comecei a sentir suas mãos acariciando meu rosto, descendo para meus seios, entrando por dentro da blusa para beliscar meus mamilos. Adoro a dorzinha que isso dá. Quando me dei por conta, estava de barriga para cima, com as pernas abertas e meu marido acariciando minha boceta, me deixando molhada. Estava já sem prestar atenção ao filme, só curtindo a sensação quando ele me perguntou se eu aceitaria fazer algo diferente. Perguntei o que era e ele me respondeu que era uma surpresa. Como nunca me arrependi de ceder às suas ideias, disse que sim. Ele então me pegou pela mão e me levou para o quarto, tirou minha roupa, me sentou na nossa cadeira erótica, me colocou uma venda, amarrou meus tornozelos nos apoios dos pés e depois disse que iria sair por uns momentos e que eu ficasse ali quietinha esperando por ele. Aquela situação estava me excitando, eu ali sozinha, nua, com as pernas escancaradas, minha boceta exposta, totalmente indefesa à mercê de uma situação que eu desconhecia. Fiquei na expectativa de, sem mais nem menos, sentir um membro grosso e duro, de outro homem, me penetrando. Isso estava me dando muito tesão, pois eu sabia que uma das fantasias dele era me entregar para outro homem. Ouço então ele dizer que já estava de volta e que ia me lamber. Realmente começo a sentir a boca dele em mim, me fazendo estremecer de prazer. Ele me lambia, chupava meu clitóris, mordia meus lábios vaginais, enfim, estava me proporcionando muito prazer. Depois de algum tempo, senti algo entrando em mim e me enchendo com algum líquido viscoso que inclusive foi depois espalhado pelas redondezas da minha boceta e anus. percebo que ele para de me lamber e começa a me beijar no rosto e me diz que a surpresa está chegando, me deixando com um tesão enorme. Estava pensando no que poderia estar para acontecer quando sinto uma língua diferente, , molhada e rápida me lambendo desde o anus até a boceta, num ritmo fora do normal. Perguntei o que estava se passando, quem estava me lambendo tão gostoso assim, foi quando ele tirou minha venda e pude ver a cabeça do Rex, nosso pastor alemão, no meio das minhas pernas. Instintivamente, tentei fechar minhas pernas mas como meus tornozelos estavam presos, mesmo encostando os joelhos, minha boceta continuava sendo lambida. Depois de passado o espanto, recuperei a lembrança de como estava bom ser lambida dessa forma que abri novamente minhas pernas, talvez mais ainda do que antes, e fiquei me deliciando pela sensação que o Rex me dava. A medida que eu era lambida, meu tesão aumentava, a cada toque daquela língua em meu clitóris, eu dava um pulo de prazer. Em pouco tempo, o liquido que meu marido havia espalhado em mim foi acabando mas o Rex sentindo o cheiro, forçava a língua para buscar o que estava dentro de mim. Estava demais, eu sentia aquele nariz húmido e frio forçando a entrada da minha boceta e a língua me levando ao delírio. Não demorou muito comecei a gozar.

Contos Imor(t)ais - SER CADELA – 269 -


Meu marido então me perguntou se eu queria mais, se eu queria ser comida como uma cadela. Do jeito que eu estava, o que queria mesmo era sentir um cacete dentro de mim, disse então que sim, que queria sentir o que uma cadela sente quando tem um macho dentro dela. Meu marido então me desamarrou e me disse para que eu me colocasse de quatro no chão. Não pensei duas vezes, assim fiz, abri bem as pernas e quase de imediato o Rex veio fazer umas festinhas em minha boceta com aquela língua maravilhosa, não demorou muito senti que ele subia em cima de mim, me enlaçava pela cintura com as patas dianteiras e fazia movimentos de vai e vem tentando me penetrar, sentia as estocadas que batiam nas minhas pernas, só que não estava conseguindo. Meu marido então pediu para que eu abaixasse meu tronco e encostasse o rosto no chão para que minha bunda ficasse empinada e com isso facilitasse a penetração. Senti a principio a pontinha fina do penis dele me tocando até encontrar minha vagina quando então ele conseguiu me penetrar e numa só estocada senti tudo dentro de mim, achava eu. É uma sensação otima, sentir o peso do animal nas nossas costas, as patas nos apertando pela cintura e puxando de encontro à ele, um cacete entrando e saindo num ritmo frenético, e diferentemente do homem, entra fino e depois vai engrossando dentro de nós, e sem diminuir de velocidade. Imediatamente me veio mais um gozo, muito forte, muito bom. Ele ficou me bombando durante um bom tempo, gozei inúmeras vezes até que senti ele diminuir um pouco a velocidade dos movimentos e um calor que começou de dentro para fora da minha vagina, era o gozo dele que me inundava em quantidade que chegava a transbordar e escorrer pelas minhas pernas. Ele então saiu de dentro de mim e veio me lamber, eu estava tão sensível que não deixei, me virei para fazer carinho nele, acho que em retribuição pelo prazer inigualável que ele havia me dado, quando vi aquele cacete enorme que não sei como aguentei dentro de mim, balançando, não resisti e fui tocá-lo. Fiquei surpresa com a bola de tamanho considerável que ele tinha quase no final do penis, perguntei ao meu marido se eu havia levado com aquilo tudo ao que ele me respondeu que não, que havia impedido que ele metesse. Fiquei imaginando então que se havia sido tão bom sem aquela bola, imagine com ela. Me deu a louca e disse para meu marido: quero dar para o Rex novamente mas desta vez, quero tudo, quero sentir esses 25 cm com bola e tudo dentro de mim! Você tem certeza? Perguntou ele. Sim, tenho e quero agora, estou com muito tesão ainda. Ele me disse que esperasse um pouco para que o penis do Rex diminuísse de tamanho. Eu então me deitei no chão, dobrei meus joelhos e pedi ao meu marido que viesse me comer enquanto esperava, ele não se fez de rogado, se ajoelhou no chão em frente à minha boceta, me pegou pelas pernas e me puxou de encontro à ele, e pelo movimento de entra e sai, ia expulsando o semem que estava dentro de mim, fazendo-o escorrer pelo meu anus, foi delicioso. Ele me comeu por um bom tempo, me fez gozar novamente graças às bombadas fundas que me dava e as mordidas em meus mamilos. Mais uma vez senti um macho gozar em mim. À essa altura, nosso pastor já estava pronto para mim outra vez. Fiquei deitada no chão para descansar um pouco até que senti aquele nariz frio me cheirando e uma língua lambendo meu rosto, fiz carinho nele, abri minhas pernas e chamando atenção dele, dei umas palmadinhas em minha boceta para que ele fosse para lá, não deu outra, lá foi meu amante canino me deliciar, só que dessa vez, abri bem os lábios com meus dedos para que ele pudesse lamber bem fundo, queria muito, o tesão era demais. Chegou um momento que não aguentava mais, me coloquei de quatro e esperei que meu macho me cobrisse. Contos Imor(t)ais - SER CADELA – 270 -


Quando senti ele me montar, levei minha mão para traz para poder guiar seu cacete para dentro de mim. Logo logo senti a penetração, continuei segurando para sentir na mão o quanto estava entrando, percebi que a bola rapidamente chegou à um tamanho razoável, meu marido disse então para que eu soltasse pois ia crescer muito e se não metesse agora, ia ser difícil depois. Larguei e quase de imediato, senti a bola entrar, já um pouco grossa, me fez dar um pulo pois doeu um pouco. Mas depois de estar lá dentro, era uma delicia indescritível, sentia aquele caroço andando dentro de mim, sentia que a cada estocada, ficava maior, chegou um ponto que me doía um pouco mas o prazer se me sentir totalmente cheia, com as paredes da vagina esticadas, compensava. O ápice foi quando ele parou de bombar e me fez sentir além da quantidade de semem, aquela bola me arregaçando toda por dentro, parecia que ia me arrebentar. Gozei feito louca, gritei, chorei, cravei minhas unhas em meu marido. Foi o máximo! Como foi a primeira vez que fui comida por um cão fiquei com medo de deixar ele sair de dentro de mim e sentir dor, fiquei uns dez minutos, de quatro esperando que aquela enorme bola diminuísse. Agora eu já sei que não dói, inclusive é até gostoso quando sinto meus lábios vaginais sendo abertos para dar passagem ao nó. Depois dessa maratona, fui tomar um banho e terminar de assistir o filme. E não deixei de agradecer ao meu marido pela tarde de prazer. Desse dia em diante, não passa uma semana que eu não seja comida pelo nosso cão pelo menos uma vez. Isso já faz parte na nossa vida sexual. E recomendo às mulheres que possam, experimentar

Contos Imor(t)ais - SER CADELA – 271 -


SURUBA TOTAL ATO I Uma suruba é sempre legal, quem não gosta, mas essa surgiu de um jeito muito inesperado, eu fui trabalhar numa firma muito respeitada no meu estado e com o tempo me inturmei com boa parte das pessoas do meu setor, como todo mundo era chegado numa bebida isso acabou facilitando nossos encontros, como a cidade era pequena conseguir uma namorada vindo de fora por um lado poderia ser fácil, mas como ninguém te conhece é meio complicado e alguns colegas já estavam até tirando sarro de minha cara por estar ali fazia uns meses e ainda não ter saído com ninguém, mas levava tudo na brincadeira, num final de semana fui convidado para ir na casa de um conhecido do trabalho casado, até aquele momento conhecia pouco da família dele, as únicas informações que possuia deles era que seus filhos estudavam fora da cidade e sua esposa tinha visto umas fotos minhas nas festas da firma. Ao chegar na casa de Paulo fui logo apresentado a sua esposa Ruth que vestia uma roupa bem sensual, fui entrando e logo recebendo um copo de vinho, sentei na sala e fomos conversando animadamente, além do perfume de Ruth que estava muito bom, o cheiro que vinha da cozinha indicava que o jantar seria muito bom, como ambos sabiam que estava morando na cidade fazia pouco tempo e que já tinha feito visitas sociais a outros amigos de trabalho fui seguindo o rumo normal de conversas, contei um pouco mais de minha vida para Ruth enquanto Paulo estava virando um copo atrás do outro. Um tempo depois Ruth vai na cozinha para ver como as coisas estão lá, então fiquei conversando com Paulo, ai ele entrou logo no assunto perguntando o que tinha achado de sua esposa, disse que era uma pessoa muito animada e alegre, então ele me disse, não era sobre isso que ele estava perguntando, perguntou mesmo se tinha achado a esposa dele gostosa, achei a pergunta atravessada para o horário, mas tentei mudar o rumo do papo, só que ele insistiu, então tive de responder, falei que era uma mulher bonita e muito atraente, complementei dizendo que ele teve sorte em conseguir uma pessoa tão boa para dividir seus momentos, nisso ela entra na sala e vai falando que em pouco tempo as coisas já estarão prontas, então pedi para ir no banheiro e imadiatamente a Ruth se levanda pegando em minha mão me levando pelos corredores, cheguei no final do corredor e ela indica uma porta, entrei e tentei fechar a porta só que não tinha chave, fiz o que tinha de fazer e sai dando de cara com a Ruth do lado de fora, quando fui passar na porta e fiz um gesto com uma de minhas mãos para ela seguir na frente ela caminha uns passos e quando ficou ao meu lado passou uma de suas mãos no meu peito dizendo que eu iria adorar a sobremesa. Fui pra sala e me sentei calmamente, Paulo então foi perguntando sobre o que achava da cidade, disse que muito calma e pitoresca, boa para se trabalhar e conhecer pessoas novas, ele sorriu e foi pegar outra garrafa de vinho, quando Ruth voltou me pediu ajuda para arrumar a mesa, fui prontamente e ficamos conversando, eles serviram o jantar e ficamos conversando na mesa, riram muito de minhas histórias da juventude e contaram algumas das deles também, com o tempo até eu estava meio alterado por conta do vinho, quando fomos tomar um café e eu já pensando que o jantar tinha terminado, Ruth me pergunta o que acha de animar um pouco a festa, então perguntei como isso iria ser possível e ela foi na luz da sala desligando tudo, nisso liga o som e vai para o meio da sala e começa a dançar animadamente, um tempo depois me chama para dançar com ela, então dou uma olhada para Paulo que faz um gesto de tudo bem, nisso vou dançar com Ruth que tentar me Contos Imor(t)ais - SURUBA TOTAL – 272 -


agarrar de todas as formas, achei divertido e como nunca tinha participado de um lance daqueles não estava entendendo direito até onde eles iam com aquilo, dançamos duas músicas animadas e depois entra uma música lenta, então pego Ruth pela cintura e ela comenta com o Paulo. Olha, ele tem uma ferramenta potente mesmo e diz no meu ouvido, como eu tinha visto pelas fotos da firma e complementou dizendo que quando me viu pela primeira vez ficou doida de tesão, então aquele momento confirmou que só não rolaria o meu primeiro bacanal se eu não desejasse, ela foi fazendo carinho no meu corpo e com o tempo olhei para o lado e não vi Paulo na sala, fiquei meio desconfiado, mas continuei na minha, as músicas foram seguindo e depois Ruth me pergunta se eu não gostaria de ir com ela num lugar, então perguntei onde e ela sem dizer nada me leva até o quarto deles, nisso Paulo já está sentado num canto tomando mais uma garrafa de vinho e dizendo, olha você está em casa hoje. Não acreditei, dois meses na cidade tentando investir numas meninas e nada, dai num jantar com um conhecido do trabalho surge uma possibilidade daquela, Ruth me senta na ponta da cama e se ajoelha para retirar meus sapatos, depois coloca os dois num canto, tira minha blusa e minha calça, me deixando apenas de sunga, depois vai para o canto do quarto e beija Paulo dizendo que adorou o presente, não entendi e continuei na minha, ela veio para cima da cama e em pé foi retirando a roupa ficando apenas de calcinha, ela tinha o corpo todo fofinho e com sobras de gordurinhas pelos quatro lados, notei que ela era bem gostosa e tinha um fogo imenso. Deitou ao meu lado e ficamos num namoro e trocando beijos quentes, ela foi tirando a calcinha e meti um de meus dedos nela, sentindo que ela era bem apertadinha, quando notei isso fui chupando seu corpo, seios, pescoço e fui rumo ao sul até chegar aos pés, depois fui subindo novamente até chegar naquela xoxotinha apertada, chupei com gosto sua xotinha e quando ela se descontrolou num gozo aproveitei para tirar a sunga mostrando meu membro, ela ficou corada e sem palavras, tentou colocar na boca, mas sentiu dificuldades e ficamos um chupando ao outro, ela por cima e eu por baixo. Nisso só escutei quando Paulo se vira no sofá, acho que tentando conseguir uma posição melhor para ver aquilo tudo, sua mulher foi se descontrolando, até ficar gritando sentindo minha língua no fundo de sua xoxotinha, quando ela se jogou de lado na cama, nem pensei duas vezes e virei rapidamente encaixando meu pau entre suas pernas metendo tudo de uma só vez, ela tentou desesperadamente sair, mas eu travei de vez, ela fez um olhar de desespero e falou para o marido que estava sendo rasgada ao meio, ele respondeu que não era aquilo que ela tinha pedido, então era para suportar tudo sem reclamar, eu não pude resistir e continuei bombando com força, ela foi notando que não tinha jeito e que só se livraria de minha pica se eu gozasse e continuou mordendo os panos da cama, deitei-me sobre seu corpo e fui dando estocadas cada vez mais potentes, ela me arranhou muito, pois tinha umas unhas grandes, mas era desnecessário, visto que não deixaria de travar aquela mulher nem por decreto lei, ela doida de tesão, quando viu que não tinha mais jeito relaxou deixando o barco correr solto. Paulo se levantou e ficou em pé do lado da cama para ver minha vara negra entrando naquela bocetinha gordinha, quando ela aceitou minha vara com menos desespero consegui ver que Paulo já estava sem roupa e batendo uma punhata vendo a gente transar, isso não me deixou muito a vontade, mas continuei na minha, ela dizia para Paulo o que estava sendindo e como eu estava tirando todas as pregas que ela nem achava que tinha, foi tudo muito louco, ela gozando e eu comendo a esposa do meu conhecido de trabalho, quando falei que iria gozar ela pediu para receber tudo na boca o que atendi prontamente, tirei de sua boceta e fiquei em pé na cama, ela em minha Contos Imor(t)ais - SURUBA TOTAL – 273 -


frente abriu a boca e aparou todos os jatos com aquela boquinha safada, nisso ela deitou e virou na cama, eu virei para o outro lado e fiquei vendo que Paulo ainda se masturbava também gozando na boca de Ruth, Paulo abriu a porta do banheiro e disse para a esposa se recuperar para depois ir ao banheiro, pois a noite só estava iniciando. Eles entraram e um tempo depois fiquei apenas escutando ambos tomarem banho, ela saiu do banheiro e foi direto deitar-se ao meu lado, depois ficou comentando do meu membro e dizendo que aquele instrumento iria fazer o maior sucesso na cidade, não entendi o comentário mais fiquei na minha. Levantei e fui tomar um banho, quando voltei para o quarto os dois estavam deitados e conversando algo que não pude escutar direito, então Ruth me pergunta o que tinha achado de tudo, disse que tinha gostado ainda mais da cidade depois daquele jantar e voltamos pra cama, só sai de cima da Ruth quando gozei pela segunda fez entre suas pernas, o Paulo ficou a noite toda apenas olhando e somente no final da noite descobri que eles tinham feito 20 anos de casados naquele final de semana, sendo que o presente dela foi um negão bem dotado.

ATO II Na segunda-feira ao chegar no trabalho dou de cara com Paulo no estacionamento, ele pergunta como foi meu final de semana e digo que foi ótimo, então ele comenta que no seguinte se estivesse livre poderia conseguir algo melhor, fomos conversando e durante a semana todos os nossos trabalhos seguiram normalmente, na sexta-feira o telefone de minha sala toca e era Ruth dizendo para ir mais tarde na casa deles se não tivesse compromisso, disse que poderia, então ela mandou um beijo e fui saindo, falei com todos da firma e fui embora. Cheguei em casa tomei um banho e lá pelas nove horas da noite vou pra casa do Paulo, chegando lá toco o interfone e Ruth atende a porta, só que ela atendeu já de calcinha, não entendi nada, mas ela foi logo falando, vai tirando a roupa, fui retirando, ela me deu um beijo no rosto e fomos entrando, quando cheguei no quarto deles, vi duas mulheres deitadas na cama, sendo que uma estava sendo detonada pelo Paulo e a outra por um outro cara, as mulheres eram bem gostosas, ambas gordinhas que nem a Ruth, todas na faixa dos 35 aos 45 anos, então quando me viram sem roupa ficaram doidas, mas a Ruth foi mais veloz a abocanhou meu pau, as outras mulheres ficaram gemendo e olhando. Nisso Paulo fala pra ir entrando na festa, deixei Ruth chupando meu pau e continuei olhando para aqueles casais transando, somente uma coisa passou em minha mente, como uma cidade tão pequena daquela poderia estar me proporcionando tudo aquilo, um tempo depois o Paulo acabou gozando dentro da lena, quando Paulo vai no banheiro, Lena se levanta e vem dividir meu pau com a Ruth, pouco tempo depois Pasteur goza dentro de Rúbia que geme de tesão recebendo as emissões de esperma entre as pernas, pelo visto os caras tinha detonado com a Rúbia pq ela nem tentou me chupar, um tempo depois Paulo sai do banheiro e diz que a área tá limpa, não entendi e continuei sendo chupado, olhei aquelas três bundinhas de mulher e pensei em passar o ferro nas três. Ruth pediu que fosse primeiro com ela, então fomos pra sala, chegando lá ela foi logo ficando de quatro e recebendo minha vara entre as pernas, quando notei que ela estava super excitada, fui brincando com o meu dedo em sua bundinha, ela tinha uma marca de biquini que me deixou doido de tesão e curioso por saber onde ela pegava sol, nisso fico escutando uns gemidos vindo do quarto Contos Imor(t)ais - SURUBA TOTAL – 274 -


e só vejo a Rúbia vindo pra sala sentando ao nosso lado, quando nota que vou comer o cuzinho da Ruth, ela faz uns carinhos no corpo da amiga e diz pra meter logo naquela bundinha, sem prestar muita atenção no que ela falou, dou umas pinceladas na bunda de Ruth e com certa dificuldade meto naquele rabinho, ela morde o sofá e fica gemendo, numa mistura de dor e tesão, quando estou socando minha vara na bunda da Ruth, Rúbia se deita ao lado e vai beijando o corpo de Ruth, isso vai me deixando excitado e vou metendo com força, Ruth goza mais uma vez no meu pau e fica tonta de tanto gozo deitando meio que de lado no sofá, nisso os gemidos do quarto aumentam, como Rúbia caiu de boca no meu pau, senti um tesão danado e fui logo gozando em sua boca, ela recebeu todo o meu leite e no final ainda dividiu com a Ruth dizendo ter adorado meu pau. Como os gemidos do quarto só aumentavam, todos ficamos curiosos e fomos ver o que estava acontecendo, Lena estava deitada de pernas abertas e com Paulo metendo em sua xoxotinha, como ele ficou com a bunda pra cima o Pasteur se encaixou atrás do Paulo, como deve ter consegui algo mais que apenas se encaixar estava metendo com força na bunda de Paulo que rebolava animadamente, enquanto metia vara na lena, nisso Ruth segue para perto de Pasteur e vai chupando sua bunda, com o tempo Rúbia faz o mesmo percurso e vão as duas brincando com a bunda do Pasteur, aquilo tudo vai me excitando, com o tempo Ruth me convida para participar da festa, coloca mais uma camisinha em meu pau e me coloco atrás do Pasteur, fiquei sem entender, mas pelo visto elas queriam ver seus homens gozando intensamente, quando tentei colocar meu pau na bunda do Pasteur, ele reclamou, então o Paulo diz pra deixar acontecer, nisso as meninas ficam me ajudando e com o tempo dou aquele salto dentro da bunda do Pasteur, Lena por baixo de todo mundo, ficava olhando para o rosto de Paulo, que tomava varada de Pasteur, que recebia minha vara preta em sua bunda branca, quando olho para o lado, Ruth e Rúbia estão rolando no chão com um consolo na mão, só consigo ver quando Ruth deixa Rúbia de bunda pra cima e mete aquele consolo na bunda da amiga, faz uma volta e com a outra ponta do consolo, vai metendo calmamente em sua bunda ficando as duas engatadas com aquele consolo duplo, a cena foi tão doida que tinha acabado de gozar na boca de Rúbia, mas já estava gozando novamente na bunda de Pasteur, que vibrou recebendo as emissões de esperma em sua bunda e notando que o meu esperma escorria entre suas pernas, quase que imediatamente, Pasteur enche o cuzinho de Paulo de porra, só olho pro lado e vejo Ruth pedindo para chupar meu pau, olha pirei naquela noite, quanto tudo terminou, fomos todos para o banheiro e no final da noite todos chuparam meu pau, o Pasteur e a Rúbia são casados e a Lena é uma amiga que veio do sul para passar uns tempos com os amigos de longa data No outro dia sai cedo e fui para casa, depois do almoço recebi uma ligação da Lena querendo saber se poderia ir na casa do Paulo e da Ruth mais tarde, pq ela iria lá e gostaria que estivesse junto, só que essa terei de contar noutro dia.

ATO III Um tempo depois acabei viajando para minha terra e fiquei sabendo uns dias depois que Paulo tinha sido internado, ao voltar pra cidade fui logo na casa da Ruth saber se ela necessitava de algo, disse que tudo bem, mas que estava preocupada com o Paulo, pois o mesmo não estava cuidando da saúde direito, conversei com ele no hospital e quando teve alta todos do trabalho foram em sua casa, como Ruth estava sozinha para cuidar da casa e de Paulo acabou contratando temporariamente uma enfermeira de outra cidade para ficar em sua casa. Um dia chego na casa da Paulo no final da tarde e vejo uma coroa sentada na sala lendo uma revista, era clara, morena, gordinha, no alto dos seus 43 anos, mas com tudo em cima, um par de Contos Imor(t)ais - SURUBA TOTAL – 275 -


peitos de deixar qualquer um doido, separada e sem filhos Paulo estava no quarto e em poucas semanas estaria livre da cama podendo até ir trabalhar, como ficaria de molho por uns dias me falou para ajudar Ruth no que pudesse, falei para ele ficar calmo e deixar as coisas com a gente No meio da semana fui fazer uma visita ao Paulo só que nem toquei o interfone, apenas entrei, já que geralmente eles deixavam a porta apenas encostada, não falei nada e fui entrando, ao chegar no quarto do Paulo ele estava dormindo, fui pra sala e notei que a casa estava muito calma, fui até a cozinha e vi que a porta dos fundos estava aberta, bem como as janelas do quarto de clara estavam semi abertas, olhei alguns lugares na casa e nada, então fui caminhando calmamente até o quarto de clara, quando chego na porta escuto um som característico, fui até a sala e tranquei a porta, voltei na ponta dos pés e assim que fiquei na área de serviço fui logo tirando a roupa, olhei pela fresta da porta e vejo Ruth sendo devorada pela clara, que chupava Ruth com todo tesão do mundo, só ai notei que a clara estava com o consolo cravado na bunda, aquilo me deixou doido de tesão, fui batendo uma punheta e quando estava em ponto de bala, entrei porta a dentro, Ruth não falou nada, mas clara ficou meio que sem saber o que fazer e Ruth rapidamente falou para clara ficar calma. Fiquei ao lado de Ruth e coloquei meu pau na boca de minha gordinha, nisso vi que clara em alguns momentos tentava pegar em meu corpo, não teve jeito, em pouco tempo a clara veio escalando o corpo de Ruth e quando vi as duas estavam se beijando com o meu pau entre a boca, olhei pra bunda da clara e disse se ela gostaria de um pau de verdade, ela responde que adoraria, foi tirando o consolo com calma, coloquei um preservativo e sem muita dificuldade fui comendo aquela bunda, Ruth nisso ficou doida de tesão uma língua na xoxotinha e me vendo detonar com a clara, acabou gozando muito. Um tempo depois acabei gozanda na bunda da clara, que tinha um cuzinho bem gostoso, minha vara negra sumiu naquele bunda moreninha. Depois vejo Ruth se levantar e ir colocando o vestido, saiu dizendo que poderia ficar, pois ela iria ver o Paulo e depois voltaria, nisso clara diz que adorou me conhecer e pediu detalhes sobre as minhas idas na casa do casal, disse para ela que éramos amigos, ela então perguntou se poderia ser minha amiga também, disse que claro. Ela se levanta e coloca uma blusa, sua saia e vai sem calcinha para ver se Ruth e Paulo precisam de algo, ao chegarmos na sala escutamos uns gemidos, fomos até o quarto e Ruth estava pagando um boquete light no Paulo que sorridente olhava para a porta, entrei com clara e sentei no sofá, fiquei olhando pra Ruth e pro Paulo e o meu pau cresceu naturalmente, nisso clara levanta a saia e sobe no meu pau me cavalgando animadamente, Paulo pouco tempo depois goza na boca de Ruth que vai no banheiro tomar um banho, clara goza mais uma vez no meu pau e depois fica descontrolada, até que gozo novamente, enquanto fico conversando com Paulo, clara segue pro banheiro e não volta, então Paulo fala que vai voltar a dormir, pq estava mais relaxado e comenta para eu entrar no banheiro com as meninas, quando chego na porta, vejo Ruth e clara na banheira se beijando, sento na ponta da banheira e vou sendo chupado pelas duas que por vezes só de sacanagem mais se beijam que chupam meu pau, só então Ruth pede para que eu tome um banho e depois vá pra sala, elas saem na frente, fico uns quinze ou vinte minutos no banho, quando chego na sala, vejo clara sentada com um pau de borracha amarrado na cintura e com Ruth por cima cavalgando que nem uma doida, os beijos eram intensos, nisso pede que eu meta na bundinha dela, olha fiquei vendo o pau de borracha entrando na Ruth e notei que clara com as mãos abriu completamente a bunda da Ruth, metia um Contos Imor(t)ais - SURUBA TOTAL – 276 -


dedo e depois tirava, aquilo foi uma provocação, pincelei meu pau na bunda da Ruth e com muita dificuldade meti meu pau naquela mulher, ela cavalgava, enquanto eu e a clara apenas aproveitávamos da festa, clara chupava os seios da Ruth e ficava dizendo putaria, enquando metia com vontade naquela bunda branca com marca de biquíni, olha fiquei um bom tempo ali, quando Ruth já não suportava mais e estava com as pernas detonadas pela posição, bem como toda mordida em suas costas pela minha boca e em seus seios pela da clara, acabou quase desmaiando no sofá, depois daquela festa toda, acabei dormindo na sala do Paulo, fomos pro quarto da clara e passamos a noite lá, foi uma noite maravilhosa Com o tempo o Paulo se recuperou, Ruth voltou para as festinhas de sempre, mas quando clara tinha uma folga vinha chupar a xoxotinha da ex-patroa e tomar umas varadas do negro aqui.

Contos Imor(t)ais - SURUBA TOTAL – 277 -


HOMEM FELIZ Eu me chamo Carlos. Tenho 27 anos. Trabalho na área de administração de empresas, e posso dizer que financeiramente sou até bem sucedido. Minha esposa Bruna de 24 é uma bela ruiva, cabelo curto, baixinha, pequena, de 1,68, mas com uma beleza no rosto que encanta qualquer um. Bunda e seios do tamanho normal, mas por ela ser um pouco baixinha se sobressaem e ficam um pouco avantajados nela. Porém não é sobre isso que eu vou falar. Minha esposa Bruna fode com outros homens. Não apenas um carinha ou outro, mas um grupo de homens diferentes. Nós estamos juntos por três anos, casado por dois e deste então eu fui involuntariamente obrigado a partilhá-la com qualquer homem que ela quisesse desde o dia do nosso casamento. Bem, isso não é inteiramente verdade. Bruna não me trai com qualquer um. Ela tem uma exigência básica para os homens que ela permite entrar no meio de suas pernas. Paus Grandes. Bruna gosta de paus grandes. Não ache que são paus de tamanho normal ou pouco grandes. Não. Bruna gosta de caras que parecem realmente com touros. Eu assisti a mão dela segurar vários e vários paus, e muitas vezes seus pequenos dedos nem conseguiam segurar ao redor deles. O lema é quanto maior, melhor. Ela também deixou bem claro que não está nem um pouco interessada no meu pau de 13 centímetros. Não foi sempre assim. Durante o primeiro ano do nosso relacionamento as coisas eram boas, tanto na cama, como fora dela (ou pelo menos eu achava isso). Nos conhecemos originalmente em uma palestra sobre computação avançada. Bruna faz web design e administra uma pequena LAN House. Nós nos demos bem desde o começo. A partir do momento em que a conheci eu sabia que iria fazer de Bruna minha esposa. Nos demos bem em um curto período de tempo, e depois de um ano juntos, eu fiz a pergunta. Bruna estava emocionada e concordou imediatamente. Nesse momento era como se tudo fosse perfeito, e até o nosso casamento, tudo foi. Eu não tinha idéia da bomba que iria cair em mim logo em seguida, e como ela iria mudar a natureza de nossa relação para sempre. Nós voltamos para Blumenau, a cidade natal de Bruna, fomos para a cerimônia de casamento. Era tradicional do início ao fim. Nós tivemos a recepção em um salão de médio porte afastado da cidade, com cerca de 100 convidados, e por estarmos em uma cidade longe da minha terra natal, todos os convidados eram conhecidos de Bruna. Eu preferia ter casado na minha terra natal, mas como meus pais já estão mortos e os de Bruna vivos. E ela também insistiu muito eu acabei cedendo. Eu conheci e conversei com os pais de Bruna em várias ocasiões, mas eu nunca tinha tido a oportunidade de conhecer muitos de seus amigos, pois eu nunca tinha visitado sua cidade natal desde que começamos a namorar.

Contos Imor(t)ais - HOMEM FELIZ – 278 -


A primeira coisa que notei sobre o seu grupo de amigos era que eram predominantemente do sexo masculino e quase todos eles eram negros. Isso me pareceu um pouco incomum dado o que eu sabia sobre ela, mas nós estávamos muito ocupados com os discursos de recepção e outras coisas, para ter uma conversa naquele momento. Bruna estava linda em seu casamento, um belo vestido com um longo laço branco, além do véu que ela usava puxado para trás sobre o seu cabelo curto. Tudo o que eu conseguia pensar era em quão sortudo eu era por ter uma mulher tão linda com Bruna como esposa. Após a cerimônia, irmã de Bruna fez um discurso que era um claro sinal do início de estilo de vida bizarro que eu iria viver desde então. Ela falou sobre a tradição e a história da família e de como Bruna e sua família tinham que passar por um ritual no dia do casamento. Disse que a família dela já fazia isso por pelo menos seis gerações e de como todas elas estavam orgulhosas e ansiosas para ver Bruna passar por esse tal ritual. Eu não tinha idéia do que ela estava falando, mas todos pareciam estar cientes sobre o que ela falava. Bruna sentou-se ao meu lado com a mão na minha, um sorriso no seu belo rosto e um brilho rosado grande em suas bochechas. Ela sorriu de forma positiva e senti uma enorme onda de amor me levando a pensar que eu tinha escolhido a mulher certa para passar o resto da vida comigo. Sua irmã terminou seu discurso e a música começou. Era a hora da primeira dança. Eu estava prestes a me levantar quando Bruna colocou a mão na minha perna e sussurrou em meu ouvido: "Amor, nós fazemos um pouco diferente na minha família, é só sentar e relaxar". Um dos "convidados" de Bruna levantou-se e a pegou pela mão, levando-a para a pista de dança. Ele era um negão grande que mais tarde eu descobri se chamar Paulo. Eu tinha acabado de conhecêlo na recepção. O DJ colocou a música lenta enquanto os dois começavam a dançar. Todo mundo assistia e eu fiquei pensando no quão estranho isso era. Minha esposa devia ter a primeira dança comigo. Enquanto a música continuava, Bruna e seu parceiro pareciam estar um pouco mais "soltos" do que eu realmente achava normal, mas todos agiam como se aquilo estivesse tudo bem, então eu não disse nada. Então Paulo soltou uma das mãos que minha esposa segurava e a levou para a parte de trás dela. Quando ela se virou de costas eu pude ver que ela estava bem em cima da bunda dela. Eu estava me sentindo muito estranho sobre isso agora e baixei a cabeça com vergonha, perguntando o que as pessoas estavam pensando daquilo. Ninguém deu sinal de que se importava. Eles todos se sentaram conversando calmamente assistindo minha a mulher que havia se tornado a minha esposa a menos de duas horas ser apalpada por aquele negão. Eu ouvi a mulher perto de mim comentar com seu marido sobre o quão bons eles ficavam juntos e depois me encarou com ar de normalidade, e voltou a se concentrar naquele pequeno show.O que ela quis dizer? Eu me perguntava.

Contos Imor(t)ais - HOMEM FELIZ – 279 -


Minha atenção voltou para o rosto de Bruna, e eu vi que ela não parecia se importar nem um pouco com aquela situação. Muito pelo contrário, na verdade, ela estava esfregando as mãos sobre o peito do negão, enquanto ele havia direcionado sua outra mão para a parte de baixo das costas de minha mulher, agora agarrando as duas bandas da bunda dela. Finalmente ele trouxe seu rosto perto do dela, aparentemente sussurrando algo em seu ouvido. Ela sorriu e em seguida, seus lábios se encontraram e eles se beijaram. Não um beijo comum de carinho, mas um beijo longo e profundo que no meu pensamento deveria ser reservado apenas para mim. Eu já tinha visto o suficiente. Eu estava prestes a me levantar e pôr um fim naquela palhaçada, quando o salão inteiro me irrompeu em aplausos. Todo mundo tinha se levantado, todos estavam de pés e estavam aplaudindo o beijo entre minha recente esposa e o seu "amigo" que continuavam a se beijar tão longa e profundamente quanto eu jamais tinha a beijado. Sem reação, voltei a me sentar, estupefato. A irmã de Bruna pegou o microfone quando a canção chegou ao fim. "Muito obrigado a Paulo por estar aqui e aceitar o privilégio de ter a primeira dança com a noiva. Aplausos pessoal." Ok, eu acho que finalmente chegamos ao ponto das festa que vocês estavam esperando. Por isso não vou fazêlos esperar mais. Damas de honra vão em frente!" Com isso, uma rodada de aplausos estrondosos surgiu no que a música começou de novo e três das cinco damas de honra da minha esposa todas vestidas com vestidos rosa acetinados aproximaram-se da mesa principal e, em seguida, ficaram de joelhos. Eu não tive tempo para pensar sobre aquilo, pois logo as outras duas caminharam para onde minha esposa e seu "parceiro de dança" estavam de pé. Uma delas levantou o vestido de Bruna; revelando a sua calçinha branca rendada, enquanto a outra ficou de joelhos e começou a desfazer a liga que minha noiva usava. No entanto ela não parou por ai. Uma vez que ela havia completado seu primeiro objetivo, elamoveu suas mãos ainda mais e puxou a calçinha de renda de Bruna pra baixo. Bruna ajudada pela outra dama conseguiu retirar os pés dali e por fim retirar sua calçinha, enquanto a dama de honra a entregava para Paulo. 100 pessoas tinham uma visão perfeita da buceta rosada da minha esposa, e eu permanecia chocado, de boca aberta, sem reações enquanto Paulo lançava a calçinha à multidão como um buquê de flores. Os pais de Bruna sentaram-se ao meu lado. Entre o barulho da multidão e da música, a mãe me disse que esta é a tradição da família "Carino" e que dura mais de cem anos e que também foi praticada pela maioria das famílias daquela área. Ela me disse que ela tinha experimentado a mesma coisa no dia de seu casamento, enquanto o pai de Bruna assistiu tudo. Disse que ele também tinha um pau pequeno e falou também sobre como as "mulheres Carino" precisavam de paus grandes Para satisfazer as suas necessidades na cama e que todas as mulheres na sua família traíram seus maridos com homens que as satisfaziam sexualmente na cama. Disse também que éramos como Contos Imor(t)ais - HOMEM FELIZ – 280 -


provedores de dinheiro e comida, e servíamos apenas como maridos de fachada, pois nossas esposas se satisfaziam com pessoas bem dotadas. Ela se desculpou pela súbita forma como este fato foi explicado para mim, mas que durantes anos tinha sido tentado de muitas maneiras diferentes e este parecia ser o melhor momento para encontrar maridos que estivessem dispostos a aceitar tudo aquilo. Ela me informou que eu teria que mudar o meu sobrenome para Carino e que qualquer filha que eu tivesse com a minha esposa teria que seguir o mesmo caminho. Terminou dizendo que se eu realmente amasse Bruna isso era algo que eu teria que aprender a conviver. Minha cabeça estava fudida. A Sra. Carino levantou o pano que cobria a grande mesa na qual estávamos sentados. Por baixo, eu notei que haviam três damas de honra ali embaixo. Duas de um lado e uma no outro. Cada uma delas estava de joelhos na frente de um dos convidados negros do sexo masculino que estavam sentados na mesma mesa Cada homem tinha sacado seu pau para fora e recebiam boquetes de cada uma das damas de honra, que se esforçavam para dar prazer aos homens sugando os paus de uma forma que eu nunca havia visto antes. Nenhum daqueles paus poderia ter menos de 23 centímetros. Todos eram muito grossos. As cabeças das damas de honra balançavam entre as pernas dos rapazes, enquanto seus lábios se moviam para cima e para baixo sobre aqueles cacetes. Eu olhei de volta para cima a tempo de ver minha recente esposa sendo conduzida pelas outras duas damas de honra até à mesa do banquete que segurava nosso bolo de casamento. O bolo intacto foi movido para a outra ponta da mesa e Bruna sentou-se ali. As damas de honra deitaram minha esposa para trás e então começaram a levantar seu vestido de casamento expondo-a seminua aos olhos da multidão. A Irmã de Bruna pegou o microfone novamente, "Senhoras, agora é o momento em que vocês irão descobrir o porque dos direitos da primeira dança terem sido entregues ao nosso vencedor. Para os "homens Carino" que este seja um lembrete de que vocês não são dignos de suas mulheres e que vocês deveriam estar felizes que elas são boas o suficientes para conseguirem homens de verdade para satisfazê-las, mesmo que isso seja fora do casamento". Com isso, Paulo, o amigo e “parceiro de dança” da minha esposa, abriu suas calças e tirou o maior e mais grosso pau que eu já vi na minha vida. Essa coisa batia na metade do caminho até o seu joelho, era tão grosso como meu pulso. Um suspiro audível veio da multidão e em seguida, uma enorme salva de palmas. Paulo se animou com os convidados o aplaudindo. Em seguida, aproximou-se da mesa de banquete onde minha esposa estava. A música parou. Eu olhei para a mãe de Bruna sentada ao meu lado e ela tinha um sorriso em sua face. Ela olhou para mim e disse: "Eu tenho esperado por este momento desde o dia em que ela nasceu. Eu estou tão orgulhosa". Eu estava entorpecido. As duas damas de honra estavam cada uma em um lado da mesa em que Bruna estava deitada, e Contos Imor(t)ais - HOMEM FELIZ – 281 -


cada uma delas segurou uma das pernas de Bruna, mantendo-as separadas lascivamente e puxandoas para cima de modo que sua bunda levantou um pouco e o vestido ficou amontoado embaixo dela. Paulo moveu-se entre as pernas da minha mulher na extremidade da mesa, acariciando seu enorme pau preto com a mão. A multidão assistiu de perto em silêncio quando ele colocou a cabeça desse monstro na entrada da buceta da minha esposa e depois a esfregou de cima a baixo. A multidão delirou quando ouviram Bruna começar a gemer. No momento em que a cabeça de seu pau melado esfregou-se contra clitóris da minha esposa eles ficaram em silêncio de novo enquanto ele começava a enfiar centímetro a centímetro do seu membro de mamute dentro da frágil intimidade de minha esposa. E então ele de repente empalou-a com um único golpe, enterrando três quartos daquela pica em sua buceta. Isso a fez gritar em voz alta. A multidão aplaudiu. O lugar voltou ao "normal”. A música recomeçou. As damas de honra em nossa mesa que tinham parado de chupar os três homens negros para observar Bruna, voltaram às suas funções orais. Várias das mulheres entre os convidados se aglomeraram ao redor da mesa onde Paulo foi lentamente desenvolvendo um ritmo enquanto ele fodia minha esposa. Seus quadris estavam batendo e saindo agora como ele enterrava cada vez mais aquele pau gigante dentro da minha pequena Bruna. Ao redor do barulho que você podia ouvir de minha esposa grunhindo enquanto ela era fodida, você também podia ver e ouvir as mulheres assistindo e comentando sobre o quão bom era o trabalho que Paulo estava desempenhado e como elas gostariam de estar no lugar da minha esposa. A cena toda foi completamente surreal. Eu sentei imóvel vendo minha esposa sendo lavrada pelo maior pau que eu poderia imaginar. Suas damas de honra levantaram um pouco mais suas pernas, pressionando seus joelhos contra seus seios, que foram enterrados sob seu vestido de noiva amassado. Paulo apoiou as mãos sobre cada lado da cabeça da minha esposa na mesa, como ele enfiou seu pênis de novo e de novo, e de novo. Minha esposa estava gritando agora, "AhhhhhhhIsssoo! Me Fodeeeee! Ahh Meu Deus. Eu vou gozaaaaaaar!" enquanto sua intimidade era esticada a limites que desafiavam a física. Um casal de mulheres ajudou Paulo a retirar seu terno e sua camisa para revelar seu corpo musculoso, sua pele negra brilhante, com o suor que estava brilhando em sua pele, devido ao trabalho incessante de foder a minha recente esposa Eu olhei para Sra. Carino e ela tinha lágrimas em seus olhos com um grande sorriso no rosto. Paulo acelerou o ritmo e o barulho da multidão ficou ainda mais alto ao que todo mundo parecia antecipar seu clímax. Você poderia ouvi-lo grunhir sobre a multidão enquanto seus quadris batiam com força contra as bandas moles da bunda de Bruna. Minha esposa balbuciou algo baixo, antes de começar a gritar como uma louca quando ela sentiu um orgasmo seguido do outro vindo. Finalmente Paulo levantou a cabeça e com um olhar quase de dor extrema, ele empurrou para a frente, mais uma vez e você poderia dizer que ele estava gozando. Bruna gritou: "Sim, goza tudo dentro de mim. Eu quero sentir a porra vinda desse pauzão". Enquanto isso, ele apertava os braços contra a mesa para sustentar a si mesmo e contraia seus quadris para trás. Paulo berrou quando finalmente gozou, e toda a multidão irrompeu em aplausos, novamente, torcendo em favor daquele negão. Ele entrou em colapso em cima da minha esposa e depois de mais ou menos um minuto empurrou a si mesmo com os braços e puxou seu pênis do Contos Imor(t)ais - HOMEM FELIZ – 282 -


meio da já desgastada buceta de minha esposa. Gotas grossas de esperma pingavam do seu pau que finalmente se separava da buceta da minha mulher. O pau de Paulo foi limpo por uma das damas de honra de Bruna. Ela chupou ele de forma competente. Apenas quando eu pensei que o pesadelo não poderia ficar pior, os três rapazes negros que estavam sentados em nossa mesa sendo prontamente chupados pelas damas de honra se levantaram. Eles caminharam na direção minha esposa com suas enormes picas duras saindo da calça. Dois deles seguraram minha cansada esposa e a arrastaram para o meio do salão enquanto o esperma de Paulo descia de sua buceta e pingava naquele caro vestido de casamento. O terceiro homem estava deitado sobre uma toalha de mesa que uma das damas de honra prontamente estendeu no chão. Ele estava de costas pro chão com seu pau negro apontando para o teto. Minha esposa foi colocada em cima dele, de costas para o mesmo. O vestido de noiva misericordiosamente caindo para encobrir a união sexual dos dois por um momento, mas era óbvio que quando ele deslizou seu pênis em sua vagina pingando eles começaram a foder, enquanto ela estava montada nele. A constante do sexo e do movimento parecia dar forças a ela, e ela logo estava recuperada e cavalgando naquele pau gigante. Enquanto a multidão se mudou à sua volta em um círculo para assistir minha esposa ser prontamente fodida por alguém que não era seu marido pela segunda vez naquele dia, um dos outros negões se moveu para trás da minha esposa. "Oh Deus, não.." Eu pensava e negava na minha mente, mas eu sabia o que estava por vir. Enquanto a multidão olhava, minha esposa gritava a plenos pulmões, ele levantou seu vestido desvendando sua bunda mais uma vez, e gradualmente enfiou aquele membro gigante no pequeno e apertado buraco de minha esposa. Eu tinha fodido ela lá há algum tempo e eu sabia o quão sensível ela era naquela área. Mas dada as diferenças de tamanho entre meu pau e o daquele touro, eu realmente não podia imaginar quanta dor ela estava sentindo naquele momento. Pouco a pouco aquele negão alimentava sua bunda com aqueles pênis enorme enquanto o outro homem continuou a enfiar seu pau nas profundezas de sua boceta. O terceiro negão seu moveu para o seu lado, um pouco a frente dela e sem cortejos enfiou com força seu pau no fundo da garganta de minha esposa. Já aceitei que mais nada me surpreenderia naquela noite. 100 pessoas estavam vendo a minha esposa ser fodida em todos os buracos por três dos mais bem dotados homens negros que eu já tinha visto e eu me sentia impotente, pequeno e sem nenhuma autoridade para fazer absolutamente nada. Os quatro giravam lá no chão para o que pareceu uma eternidade. A mãe de Bruna sentada ao meu lado estava alegre ao ouvir gritos que emanava daquela foda. Ela falava o quanto ela merecia ser fodida, por aqueles grandes paus negros depois de sofrer com o pênis ridículo que eu tinha. Bruna foi gemendo incoerentemente como ela gozou de novo e de novo, a sua cara estava vermelha com aquele pau grande dentro de sua boca. O homem em sua bunda gozou primeiro, berrando enquanto enchia sua bunda com espermatozóides. A multidão aplaudiu. Momentos depois, o homem debaixo dela deu a segunda gozada do dia naquela castigada buceta. A multidão animou-se novamente. Contos Imor(t)ais - HOMEM FELIZ – 283 -


Finalmente, o homem fodendo seu rosto descarregou seu esperma na garganta de Bruna. Você podia ver os músculos trabalhando enquanto ela se esforçava para engolir cada gota daquele esperma, que insistia em escapar pelos lados da boca de minha esposa. A multidão gritou mais alto do que nunca. Ele finalmente tirou seu pau da boca de minha esposa que engasgou e desabou sobre o homem que permanecia dentro dela. Eu consegui descongelar-me da minha cadeira e me levantar cambaleando em direção a multidão reunida em torno da minha recém fodida esposa. Eu não podia exitar mais, com forças ou não eu tinha que ir até ali ou sabe lá o que viria em seguida. A multidão se abriu e todos sorriam e sussurravam quando eu fiz o meu caminho através deles. Eu finalmente cheguei ao lugar onde minha esposa se encontrava. Em cima de um homem negro com dois outros ao lado dela. Eu fiquei de joelhos, com lágrimas brotando nos meus olhos e tudo o que eu podia reunir nas minhas palavras foi um fraco "Por quê?" Minha esposa olhou para mim e disse para o quarto inteiro ouvir, "Bebê, honestamente. Você não pensou que poderia me manter satisfeita com essa pica patética que você tem entre as pernas não é? Agora seja um bom marido e vá buscar-me uma taça de champanhe para que possamos brindar a ocasião de forma adequada." E isso foi exatamente o que eu fiz.

Contos Imor(t)ais - HOMEM FELIZ – 284 -


A MINHA MULHER Minha esposa é uma mulher muito atraente e gostosa, fato que me deixa às vezes intrigado devido aos olhares safado que ela desperta. De vez em quando recebe algumas cantadas que ela tira de letra. Esses dias, no entanto, aconteceu um fato muito curioso, um cara que mal conheço me veio com uma proposta muito esquisita, disse que há muito tempo está de olho na minha esposa, e que gostaria de ter o meu consentimento para ter um caso com ela. Achei muita cara de pau, receber uma dessas assim na lata. Tentei desconversar; como insistiu muito respondi que quem deveria dar aquela resposta seria minha esposa. Foi a pior coisa que fiz. Passados alguns dias estranhamente comecei ser assediado pela esposa do tal cara, confesso que não entendi, ela é uma mulher muito interessante, meio parecida com minha mulher, morena, baixinha e aparentemente gostosa. Como ela insistiu muito dizendo que a maior fantasia de seu marido era ver sua mulherzinha traçada de todas as formas. Acabei concordando. No dia combinado fui no apartamento do casal, fui recebido por Pat (é o seu apelido), estava com uma saia curtíssima que mal cobria suas partes, uma blusinha curta deixando a mostra generosa parte de seus seios. Fiquei excitado só de olhar. Disse que seu marido estava por chegar, concordei aguardar sentado no sofá da sala. Ela sentou num banquinho bem na minha frente, cruzou as pernas foi quando percebi que estava sem calcinha. Fiquei doido, quase gozei nas calças. Ofereceu uma bebida, concordei em tomar um drink, que ela foi preparar, quando voltou me olhou com uma cara sacana, me passou o copo e sentou do meu lado. Disse que não via a hora de transar, imediatamente ajoelhou na minha frente abriu o zíper da minha calça e arrancou meu pau que já estava latejando de duro. Atracou uma chupeta de enlouquecer, segurei-a pelos cabelos e forçava a pica na sua boca, arranquei sua blusa e comecei a massagear seus peitinhos e deslizei as mãos até a sua bundinha, passei o dedo na sua xana e já estava molhada. Contos Imor(t)ais - A MINHA MULHER – 285 -


Falei que iria come-la aí mesmo antes da chegada do maridão. Convidou-me para irmos ao quarto, quando cheguei à porta tomei um susto. Minha mulher estava dando uma tremenda chupeta na piroca do Leão (é seu apelido), fiquei imóvel, incrédulo no que via, percebi que havia sido enganado. Eles estavam tão ocupados que nem notaram nossa presença, minha esposa é muito boa no sexo oral, só não imaginei que faria isso com outro homem. Ela lambia e chupava as bolas parece que queria engolir, sugava como quem chupa um picolé a cabeçorra daquele pau, que era muito grande (uns 23 cm) e grosso. Fiquei duvidando que agüentaria aquela rola na sua xotinha apertada. Enquanto era chupado Leão bolinava a xaninha que já estava pra lá de umedecida, deslizava os dedos no rego e descia até o ânus e chegando na boceta enfiava lentamente deixando minha mulher louca de tesão, até ela gozar no seu dedo. Depois a deitou de costa na cama e caiu de língua beijou os peitinhos foi descendo a barriga e umbigo, massageando o clitóris até atingir um novo orgasmo. Minha esposa começou a implorar pra ser penetrada, fui quando ele começou a esfregar a chapeleta na sua bocetinha e tentava enfiar, mas estava difícil apesar de bem lubrificado, ergueu minha mulher numa cadeira de massagem erótica, abriu bem suas pernas e começou a forçar, favorecido pela posição escancarada entrou a cabeça, minha esposa soltou um gritinho mesclado de dor e prazer, ele perguntou quer que tire, ela respondeu: – Não seu puto”, enfie tudo! Foi a pedida que esperava, com uma estocada atolou o cacete na sua bocetinha, não sei como conseguiu enfiar tudo. Minha mulher teve um orgasmo múltiplo. Leão ficou um pouco num vai e vem lento, pois qualquer coisa o pau escapava da xaninha apertada, agora já meio arrombada. Colocou minha esposa de quatro e disse: – Agora vou comer seu cu. Ela ficou desesperada, tentou escapar, mas ele disse: – Calma meu anjo, vou ser bem carinhoso, se você sentir que vai doer eu desisto. Com a concordância de minha esposa ele iniciou a preparação, passou a língua no seu rego e descia até o anelzinho apertado, passou um lubrificante no seu cacete e no ânus de minha mulher, fodeu Contos Imor(t)ais - A MINHA MULHER – 286 -


primeiro com o dedo, quando ela já estava bem relaxada pegou o cacete e esfregava no rego ia deslizando pelo cuzinho e chegava até a xaninha, foi penetrando sua boceta lentamente até aquela rola desaparecer, tira de novo e reiniciava o percurso, reguinho, ânus e xana. Minha mulher não resistiu e gozou novamente. Depois disso ele começou a forçar a entrada de seu anelzinho, não havia nenhuma possibilidade de penetração. Minha mulher de vez em quando me dá o rabo, mas meu pau é bem menor. Ele não desistiu, abriu bem as pernas da minha mulher e lentamente conseguiu enfiar a cabeça. Minha mulher gritou e tentou escapar, ele a segurou firma pelo quadril e ficou naquela posição imóvel, até ela acostumar com o invasor, e perder um pouco do medo. Alguns minutos depois, minha mulher começou a rebolar e empurrar a bunda pra trás, foi o que Leão mais queria, lentamente enterrou a pica no seu rabo até encostar as bolas em suas nádegas. Minha mulher ficou alucinada gritava, urrava, xingava: – Me come seu babaca, enfia toda essa pica no meu rabo. Depois de alguns vai e vem ele inundou seu rabinho de porra. E eu enchi a boca de Pat com meu esperma que não largou meu cacete nenhum instante.

Contos Imor(t)ais - A MINHA MULHER – 287 -


VIDAS PROVOCAÇÕES Eu e a Patricia hoje somos casados, temos 28 e 26 anos e estamos juntos há 8 anos, sendo 6 de namoro e 2 de casamento. Patrícia tem 1m67, 56 quilos, ou seja, estilo magra. Tem cabelos e olhos castanhos, pele clara. Os seios são pequenos e a bunda é o seu melhor atributo, sendo muito bem desenhada. Quando começamos a namorar, éramos ambos virgens e inexperientes sexualmente. Na época eu tinha 20 e ela 18 anos. A Patricia é de uma família bem conservadora e certinha, então sempre se reprimiu muito em relação a sexo. E eu era tímido, então nossas primeiras atividades sexuais foram bem desajeitadas. Além disso, a família dela não a deixava sair muito, então tínhamos poucas chances de transar. Mesmo assim, o namoro foi pra frente, pois nos gostávamos muito. E me dei conta, com o tempo, que a Patricia tinha um grande tesão reprimido, pois quando conseguíamos transar escondidos ela sempre ficava muito excitada. Só que eu, com a minha inexperiência, não conseguia satisfazê-la muito. Como eu era muito inseguro, ficava imaginando que ela arranjaria outro homem que a satisfaria mais, e que ela só continuava comigo porque não tinha tido outras experiências para comparar. Só que quando essas imagens vinham na minha cabeça, dela transando com outro, eu acabava ficando não só com medo e ciúme, mas também com tesão. Especialmente se pensasse nela com um cara bem dotado, com corpo definido. Diferente de mim, que sou meio gordinho, embora alto, e tenho um pau de 14cm. Ela continuava muito apaixonada por mim, mas aquelas ideias não saíam da minha cabeça. Eu já me masturbava pensando na cena. Até que um dia tomei coragem e contei pra ela a minha fantasia. Percebi que foi um erro. Ela ficou muito triste, disse que me amava e que nunca faria nada com outro homem. Ela assumiu, no entanto, que tinha mesmo muito tesão e que nem sempre eu dava conta, mas que no dia em que pudéssemos transar com mais frequência, isso melhoraria. Vi que tinha que adotar outra estratégia. E de fato ela havia se soltado bastante comigo, embora ainda fosse bem recatada no dia a dia. Eu elogiava muito a sua bunda e ela gostava de exibi-la para mim. Nessas horas ela deixava o tesão todo aparecer e se empinava toda. Ela chegou a dizer que queria experimentar dar a bunda. Eu tentei por duas vezes, mas mesmo meu pau sendo pequeno, não consegui, por falta de experiência. Ela ficou frustrada e deixamos pra lá. Mas passei a usar esses momentos em que ela estava muito excitada para provocá-la. Comecei a falar que a bunda dela era muito boa, e que os homens deviam olhar na rua... E que deveriam ter vontade de transar com ela. Ela já cortava: – É, mas não vão. Sou só sua. E eu concordava: Contos Imor(t)ais - VIDAS – 288 -


– Claro, estou falando só que eles gostariam muito de ver. – Ver eles podem, mas só isso. Então, começamos a fantasiar situações em que eu a exibia para outros. Imaginávamos outros homens vendo o seu corpo e a desejando. Com o passar dos meses, ela ia cortando menos e gostando mais da brincadeira. Até que num dia em que ela estava quase gozando, eu comentei: – Você é gostosa demais. Queria que os homens vissem você peladinha, com esse seu cuzinho exposto pra quem quiser ver. – Ver pode... – Ela respondeu gemendo. – Posso colocar umas fotos suas na internet sem roupa pra outros homens verem? – Se não aparecer meu rosto, tudo bem... Delirei com a possibilidade. Logo fizemos algumas fotos, em especial da bunda dela, que coloquei na net. Fiquei com muito tesão de saber que outros homens estavam vendo a minha namoradinha pelada, se masturbando para ela. Os comentários que recebia, repassava para ela. Ela gostava muito de ver como era desejada. Ela passou a deixar eu tirar fotos mais ousadas e até tirou algumas sozinha. De quebra, alguns homens nos mandavam fotos deles nus, de pau duro, que eu adorava ver. Ficava excitado pensando que aqueles homens dotados queriam transar com a Patricia. Nesse ponto, o tesão dela estava muito grande, mas estávamos conseguindo sair pouco para transar. Resolvi então que ia dificultar as coisas, para ver o que acontecia. Ficamos dois meses sem sexo. Ela estava subindo pelas paredes. Começou a reclamar comigo, falava que ficava excitada o tempo todo, que só pensava em sexo, ainda mais com as nossas conversas. Mas eu dizia que estava enrolado, que não tinha como... Mas que se ela quisesse podíamos pedir pra um dos homens que haviam gostado tanto dela na internet resolver o problema. Ela disse que não, que queria que fosse eu, mas eu percebia que ela já não falava mais com a mesma convicção. Aproveitei para provocar ela, falando pra ela sair na rua com roupas provocantes. Às vezes ela topava, pra depois me contar como tinha ficado excitada, se sentindo safadinha... Para o padrão dela isso era um grande avanço. Ela tinha uma calça legging já bem gasta com a qual costumava ir para a academia. Apesar de preta, eu já tinha reparado que ela era bem transparente, especialmente quando esticava um pouco. Um dia em que estávamos sozinhos na casa dela, sugeri que ela fosse para a academia com aquela calça, mas sem calcinha. Ela disse que não tinha coragem. Insisti e ela disse que topava se eu fosse com ela. Falei que tudo bem. Ela foi se arrumar e voltou com a legging e uma camiseta curta. Estava bem indecente da cintura pra baixo, tanto que eu até pensei se seria mesmo uma boa ideia. Saímos, e na rua os homens olhavam direto pra buceta dela, bem desenhada pela calça, e para a bunda, claro. Até algumas mulheres a encararam, olhando feio. A Patricia ainda era bem inocente e não percebia tanto esses olhares. Chegando na academia, falei que eu voltaria pra casa dela e a esperaria lá. Ela reclamou, mas respondi que era perto, que daria tudo certo. Voltei e fiquei esperando, na maior ansiedade. Contos Imor(t)ais - VIDAS – 289 -


Quando ela chegou, falou que estava se sentindo pelada com aquela calça, que todos os homens na academia tinham ficado olhando. Ela disse que quando foi fazer um exercício em que tinha que abrir as pernas e outro para os glúteos, em que tinha que ficar de 4, olharam muito. Perguntei se ela tinha noção de que aquela calça era muito transparente. Ela arregalou os olhos. Falei pra ela ficar de quatro. Ela obedeceu. Olhei para ela e disse: – Sabia que desse jeito dá pra ver até seu cu, sua safada? Você exibiu seu cuzinho que você quer tanto dar pra todos eles. Ela ficou assustada, mas percebi que também muito excitada. Ela veio me beijar e senti a buceta dela pegando fogo e melada. Ficamos nos pegando, ofegantes, até que eu disse: – Não quer que eu arranje um cara pra te comer? – sussurrei no ouvido dela. – Mas eu quero você... – Você merece um cara que te coma bem. Você é uma mulher maravilhosa, precisa de um cara à altura. – Será que é tão diferente assim? – Não quer um cara bem gostoso e pintudo pra você ver como é? – Sério mesmo? – ela respondeu, meio gemendo. – Sério, é só você querer. Eu vou adorar. – Posso dar meu cuzinho pra ele? – Claro que pode, meu amor, deve. – Ah, eu quero... então eu quero. Nem preciso dizer que quase gozei nas calças ouvindo isso. Ela quis que eu a comesse antes da família dela voltar, mas resisti. Sabia que tinha que mantê-la com muita vontade para que ela continuasse querendo. Falei pra ela deixar que eu arranjaria tudo... Até porque eu queria escolher um cara que me agradasse. Ela estava com medo, mas também animada. Entre eu ter falado a primeira vez sobre ela sair com outros e o momento em que ela aceitou, se passou um ano. A Patricia estava agora com 19, e eu com 21.

INICIAÇÃO No último conto relatei como consegui, após um ano de insistência, fazer minha namorada Patricia (hoje minha esposa), a ter a sua primeira experiência com outro homem além de mim. A Patricia é uma menina de 1m67, 56kg, magra, com seios pequenos, cintura fina e uma bunda muito bem desenhada, além de um rosto lindo. Apesar de tímida no dia a dia, foi aprendendo a se soltar aos Contos Imor(t)ais - VIDAS – 290 -


poucos no sexo, até um ponto em que eu não dava mais conta. Quando ela concordou que eu arranjasse outro cara para ela, fazia dois meses que não transávamos e ela estava muito necessitada. Na época, já conversávamos com alguns caras pela net, sem compromisso. Fui direto falar com o Anderson, com quem eu já tinha conversado algumas vezes e tinha idade próxima à nossa. Ele tinha um papo bom, não era apressado e queria entender a nossa história e as nossas vontades. Fora isso, tinha um corpo magro, mas bem definido e um pau de 19cm, relativamente grosso e meio curvado para cima. Fiquei com muito tesão ao vê-las e pensei que ele seria o homem ideal para iniciar a Patricia. Falei com ele que ela havia topado e ele se animou bastante. Conversamos um pouco sobre o que poderia rolar. Comentei com ele que as minhas transas com a Patricia eram bem mornas, que transávamos em casa em alguns momentos em que conseguíamos ficar sozinhos, em posições básicas, como comigo por cima ou ela cavalgando. Ela nem sempre gozava, e eu precisava chupar a buceta dela pra isso acontecer. Já eu gozava rápido, e como meu pau tem 14cm eu imaginava que ela ia sentir bem a diferença para o dele. Falei também que ela estava louca para experimentar sexo anal, e que eu tinha tentado duas vezes mas não tinha conseguido. Ele disse que ia fazer o máximo para que a transa com ele fosse muito boa. Conversei com ela e disse que ele estava disponível. Ela ficou bastante tensa mas não desistiu. Avisei que passaria o telefone dela para eles combinarem algo já para o dia seguinte, para aproveitar a empolgação dela. Ela se surpreendeu, mas não questionou. Ele ligou imediatamente. Fiquei tenso, esperando meia hora até que ela me retornasse. Quando ela me ligou, estava bem animada. Disse que a conversa foi muito gostosa e picante. E que eles haviam marcado de se encontrar no dia seguinte pela manhã numa estação de metrô. A Patricia teria que matar a aula na faculdade para não causar desconfiança nos seus pais, que sempre a controlavam de perto. Achei ótimo, e comentei que eu não conseguiria ir junto, pois eu não poderia perder minha aula. Ela ficou chateada, pois achou que eu a acompanharia. Mas eu sabia que ela se sentiria mais à vontade sem que eu estivesse por perto, e também eu não tinha certeza de como me sentiria de ver outro cara comendo ela. Mas a incentivei, disse que não tinha problema. Ela concordou em ir, mas disse que iria conhecê-lo e só na hora ia decidir o que fazer. Naquela noite, quase não dormi de tanta expectativa e tensão. Algo que eu desejava muito estava prestes a acontecer. Estava com muito medo, pois não sabia como ela reagiria depois de transar com outro cara e comparar com as transas que eu e ela tínhamos. Fiquei divido entre o tesão e a apreensão. No dia seguinte, trocamos mensagens e ela disse que estava indo encontrá-lo. A meu pedido, ela foi com uma saia sem calcinha. Eu sabia que eles haviam combinado às 10 horas no metrô. Às 10h30, saí da aula e fui ligar pra ela, pois imaginava que ela já devia ter encontrado o Anderson e decidido o que iriam fazer. Quando ela atendeu, percebi que ela estava ofegante. Imaginei que eles deviam já estar se beijando ou algo assim. Achei um pouco rápido, mas deixei pra lá, e perguntei: – Onde você está? – Onde você acha que eu estou? No motel. – Já? Que motel? – Sei lá, um motel barato que tinha perto.

Contos Imor(t)ais - VIDAS – 291 -


– E o que você está fazendo? – O que você acha que estou fazendo? Estou de quatro e ele está me comendo. É muito bom... muito bom... Gelei. Ela agora sabia como era outro homem. Fiquei chocado com o fato dela estar dando tão rápido. Fiquei sem falar nada, em silêncio, ouvindo os gemidos do outro lado, pois eles não haviam parado de trepar. Percebi que minhas pernas tremiam. Perguntei se ela estava gostando. – Muito... – ela respondeu, entre gemidos. – Estava precisando muito... A rola dele é muito grande... Nem se compara... Gozei só dele enfiar os dedos em mim, gozei de pensar que era outro macho fazendo isso... – E ele, o que achou de você? – Sei lá, pergunta pra ele – e passou o telefone para o Anderson. Foi uma sensação estranha falar com um homem que eu sabia que estava pelado, de pau duro e enfiando a rola na minha namorada. Minha cabeça girava. Repeti a pergunta pra ele, e ele falou, também ofegante: – Cara, ela é muito gostosa, melhor do que eu imaginava. – Cuida bem dela. – Pode deixar. – Ela tem muita vontade de experimentar anal. – Eu sei, ela já me pediu. Eu trouxe lubrificante, vamos tentar. Desligamos depois disso. Voltei para a aula, mas nem conseguia pensar. Depois de duas horas, ela me ligou de novo. Não atendi, pois estava com meus amigos, e deixei cair na caixa postal. Ela deixou um recado, que ouvi quando tive chance. Imaginei que fosse ela falando que já tinha voltado, mas para minha surpresa, eram gemidos intensos. "Caralho, ela ainda está trepando?", pensei comigo mesmo. Os gemidos se intensificaram, viraram gritos, o que também me surpreendeu. Como sempre transávamos meio escondidos, ela era sempre bem silenciosa no sexo, só gemendo um pouco ao gozar. Nunca tinha ouvido ela gemendo desse jeito. Entre os gemidos, ela falou, com uma voz carregada de tesão: – Entrou tudo, está todinho lá dentro! Me liguei que ela estava dando o cu. Ouvi que ele estava socando com força, e que ela estava gostando. Ele começou a gemer alto e ela desligou. Agora tinha acontecido tudo.

Contos Imor(t)ais - VIDAS – 292 -


Só fomos nos encontrar à tarde. Estava morrendo de medo de que ela terminasse comigo naquele dia mesmo. Mas, para minha surpresa, ela veio, me abraçou, me beijou. Parecia mais carinhosa do que o normal. Estava muito feliz, parecia uma criança que tinha acabado de ganhar um brinquedo novo. Percebi que as coisas ficariam ainda melhor entre nós, especialmente quando ela agradeceu por eu ter proporcionado isso para ela. E ela passou a me contar como tinha sido, nos mínimos detalhes. Mostrou o tamanho do pau dele, falou que eles treparam por 3 horas, que ela tinha gozado 3 vezes... Falou que parecia que estava perdendo a virgindade de novo pela grossura do pau, mas que surpreendentemente não tinha sido difícil ter dado o cu. Ela acha que era por estar com muito tesão na hora e completou que tinha adorado sentir ele enrabando ela. Ela falou que queria muito que eu visse. Eu disse que também queria ver, mas ainda estava tomando coragem. Fiz eles saírem só os dois mais uma vez, em que eles repetiram a dose, inclusive do anal, e combinamos que na terceira vez eu iria junto para finalmente ver ela dando.

ASSISTINDO Como relatei anteriormente, tinha conseguido a minha então namorada Patricia, uma garota certinha e tímida, a sair com um amigo com quem conheci pela internet. Eles saíram por duas vezes sozinhos, numa experiência que ela adorou. Na época com 20 anos, ela tinha rosto de menina, 1m67, 56kg, olhos e cabelos castanhos, pele bem clara, seios pequenos e bunda bunda muito gostosa, que contrastava com sua cintura fina. Para ampliar a visão de Patricia sobre o sexo, escolhi o Anderson, um rapaz de idade próxima à nossa, safado, simpático, com corpo definido e uma rola de 19cm, bem grande ao comparar com a minha, de 14cm. Eu havia conversado com ele pela internet e ficado impressionado com suas fotos, bem como com sua conversa e paciência. Patricia gostou muito de sair com o Anderson, que havia ensinado ela a fazer anal e feito ela gozar de um jeito que ela nunca havia experimentado antes. Mesmo assim, ela continuava muito ligada à mim, envolvida... O que me deixou aliviado, embora eu soubesse que o sexo comigo não chegava aos pés do que ela teve com ele, pois eu também era bem inexperiente. Quando transamos depois dela sair com ele, percebi que ela parecia querer mais, fazia movimentos mais fortes, queria me sentir mais. Mas só isso me fez gozar rápido, como acontecia sempre, e ela se desanimou, embora tenha tentado disfarçar. Enquanto ainda estávamos na cama, ela disse que queria muito que eu assistisse eles transando. Argumentou que eu tinha que ver, que tinha que participar... Que ela gostaria muito de fazer isso comigo junto. Tomei coragem e concordei. Sugeri que ela marcasse um terceiro encontro com o Anderson, e dessa vez eu iria junto. Ela ficou muito feliz, me agradeceu com um beijo e disse que ia entrar em contato com ele na hora. Combinaram para a semana seguinte. Quando o dia chegou, fizemos o mesmo esquema que eles haviam feito nas ocasiões anteriores. Combinamos perto de uma estação de metrô para de lá ir para algum motel na região. Eu a encontrei primeiro, e estava extremamente nervoso. Ela parecia bem mais tranquila e estava sorridente. Parece ter ficado um pouco tensa apenas ao perceber meu nervosismo. Mas não falamos nada e fomos ao encontro do Anderson, que já estava nos esperando. Ele, ao nos ver, já veio me cumprimentar, com um sorriso no rosto. E cumprimentou a Patricia com um beijo na face. Parecia realmente um cara legal, mas ainda assim permaneci tenso. Como trocamos poucas palavras e ficamos num silêncio um pouco constrangedor, a Patricia sugeriu que fôssemos andando. No caminho para o motel, fiquei um pouco atrás dos dois, que conversavam bem à vontade um com o outro. Comecei ali a sentir a ambiguidade que me acompanharia pelas próximas horas, entre o tesão Contos Imor(t)ais - VIDAS – 293 -


de vê-la tão à vontade com o macho e a tensão e o ciúme pelo mesmo motivo. Chegando no motel, tivemos que pegar dois quartos, mas fomos os três para o mesmo. Fui direto para o canto da cama, de onde fiquei só olhando. Sem a menor cerimônia, eles começaram a se beijar, ainda do lado da porta, de pé. Foi estranho vê-la beijando outro cara tão acintosamente... Senti um frio na barriga. Os beijos ficaram mais intensos e eles começaram com as mãos pelo corpo um do outro. E, do nada, começaram a tirar a roupa, cada um a sua. Quando tinham acabado, ambos olharam para mim, como se esperassem minha aprovação. Eu estava ainda processando o que via: minha namorada, até outro dia bem inocente, completamente pelada na frente de outro homem, e esse homem, também pelado, com o pau enorme duríssimo. Eu ainda lutava com tudo aquilo, mas não podia dar pra trás, então me esforcei e sorri, fazendo uma cara de tesão e abaixei a calça pra começar uma punheta. A Patricia entendeu o sinal de aprovação e abriu um sorriso enorme. Olhou para o Anderson convidando-o para continuar e ficou de quatro na cama. Foi lindo, excitante e revoltante para mim ver ela daquele jeito, totalmente empinada e aberta para outro homem. Ele imediatamente enfiou a cara no meio da bunda aberta dela. Vi que ele estava tomado de tesão e enfiava a língua direto no cu dela, que sorria. Passou pela minha cabeça que eu nunca tinha feito nada nem parecido... Logo ela passou a chupar o pauzão dele, ajoelhada e com ele de pé na cama. Descobri que ela já tinha aprendido a lidar com uma rola daquele tamanho. Alternava lambidas na cabeça com chupadas, lambia as bolas e toda a extensão do pau. O Anderson então segurou a cabeça dela com as mãos e passou a literalmente fuder a boca dela. Foi a vez dele me olhar sorrindo, enquanto eu retribuía com um olhar assustado. Ela quase engasgou e pediu pra ele parar. Imaginei que ela fosse reclamar, mas quando ele tirou a rola da boca dela, ela olhou pra ele sorrindo, ofegante. Parece que apesar de todas essas sacanagens, a Patricia continuava com sua inocência de menina. Ela conseguia fazer as coisas mais obscenas sem malícia, como se fosse uma brincadeira entre amigos. Ele colocou uma camisinha (que mal coube no pau dele) e veio por cima dela, que o esperava deitada com as pernas abertas. Ele entrou fácil e ela disse, numa voz cheia de tesão: "É muito grande, nossa, muito grande". Ele enfiava e ela passava as mãos com desejo por todo o corpo dele, especialmente a bunda, que ela apertava com força. Ela entrelaçou as pernas dela em volta do macho, para sentir a rola mais fundo. Eles estavam quase encostados em mim, e nessa hora meu tesão superou o ciúme. Era lindo ver minha namorada com um macho à altura dela. Ela que era tão bonita e gostosa, atracada com um homem definido e dotado, que sabia dar prazer. Ele passou a fazer movimentos largos com o quadril, já que o pau grande não saía fácil, o que a fazia gemer ainda mais. Eu, que nunca tinha visto outro homem pelado e transando, confesso que senti um tesão diferente e comecei a punhetar forte, hipnotizado pela bunda do macho subindo e descendo na minha cara. De repente, ele gozou, para minha decepção. Mas, para minha surpresa, ele apenas trocou a camisinha e voltou a meter. O pau dele não amoleceu nem um milímetro. Eu nem sabia que isso era possível. Ela dava gemidinhos curtos, com os olhos fechados, feliz de prazer. Depois de um tempo, ela ficou por cima dele, cavalgando num movimento bem amplo. Eu via como ela estava molhada. O pau dele estava escorrendo de tanto mel que saía da buceta dela. Logo ela passou a se mexer com mais intensidade e começou a gozar. Ela afundou o rosto no peito dele e soltou apenas alguns gemidos bem abafados. Eu sabia o motivo disso: ela nunca tinha gozado só com penetração comigo e não queria me chatear, por isso tentou não demonstrar todo o prazer que estava tendo com ele. Contos Imor(t)ais - VIDAS – 294 -


Pela primeira vez resolvi dar um palpite, motivado pelo tesão. Falei que queria ver ela dando a bunda. Ela atendeu de pronto, ficando de quatro pra ele. O Anderson espalhou lubrificante na bunda dela e no pau dele, tentando enfiar em seguida. Ela pareceu ter medo de tudo aquilo na sua bunda e pediu que ele fosse devagar, e depois pediu que ele parasse. Por um momento, achei que ela fosse desistir. Mas ele tentou de novo e ela respondeu dando seu típico sorriso safado... O cara meteu tudo de uma vez. Ela nem pôde reclamar, pois ele começou a esfolar seu rabo, metendo com toda a força, e ela berrava, e gemia com um tesão que parecia estar vindo direto do fundo da sua alma. Eu nunca tinha visto um cara meter tão freneticamente no cu de uma mulher, nem em filme pornô. Ela ainda fez questão de me provocar, perguntando: – Não era isso que você queria ver? Eu com um pau todo no cu? ?– Era sim – eu respondi. ?– Então vem ver de perto pra não ter dúvida... Eu com uma rola grossa entalada na bunda. Eu adorei aquilo e quase gozei só de ouvir isso e fui conferir. Ele parou um pouco com os movimentos e deixou o caralho todo enfiado para que eu pudesse olhar. Aquele cuzinho, que eu sempre tinha visto fechadinho, estava todo esticado em volta do pauzão dele. ela nem parecia ter mais pregas. Em seguida, a Patricia resolveu que queria que ele gozasse novamente, mas dessa vez em sua boca. Chupou o rapaz por um bom tempo, lambeu seu saco, a cabeça do pau, esfregou seu rosto na rola e o punhetou, até que ele jorrou golfadas de porra na sua garganta, que em seguida ela engoliu. Enquanto fazia isso, fez questão de virar a bunda pra mim. Ela foi até o banheiro se recompor e ao voltar, deitou-se ao lado do macho e apoiou a cabeça no seu peito. Ficaram conversando um pouco, com ela o elogiando pelo desempenho e pelo pau, que ela dizia ser duro como pedra. O pior é que ele já estava duro de novo, e ela ficava brincando com a rola, olhando admirada. Eles voltaram a se beijar e ficaram vários minutos só nisso, como se eu nem estivesse ali. Isso parece ter atiçado o tesão da Patrícia, pois ela colocou mais uma camisinha nele e montou na rola, que parecia uma estaca. Dessa vez ele relaxou e ficou parado, só deixando ela se divertir sozinha. E foi o que ela fez, cavalgando e se esfregando até gozar novamente, dessa vez sem se segurar tanto. Fechou os olhos e abriu a boca, mas nenhum som saía, só o seu corpo se contorcia, até que ela soltou um suspiro profundo. Ela se debruçou sobre ele e ele passou a meter, fazendo questão de abrir bem a bunda dela com as mãos, para que eu pudesse ver o estrago que ele havia feito no cu dela e o pau sumindo em sua buceta. Em seguida, ele a colocou de quatro e meteu com toda a força, para gozar a terceira vez. Só então seu pau diminuiu de tamanho e ele pareceu estar satisfeito. Embora os dois parecesse realizados, eu ainda estava com o pau na mão e cheio de tesão. Pedi pra meter nela. Ela, esgotada com a foda, deitou de costas e abriu as pernas para mim. Fui pro cima e comecei a meter, mas logo percebi que depois de ter dado tanto para ele e gozado duas vezes, ela mal me sentiria. Confirmei isso quando ela me olhou com um sorriso terno, mostrando que me amava, mas que o sexo comigo não era a mesma coisa, nem de longe. Me dei conta que o Anderson estava do nosso lado, dessa vez ele assistindo a foda, mas ou menos na posição em que eu havia assistido antes. Quando vi que tinha um homem pelado e dotado me vendo fuder, olhando para minha bunda, senti um arrepio por todo o corpo. Não queria, mas não tive como negar: pela Contos Imor(t)ais - VIDAS – 295 -


primeira vez estava sentindo tesão no cu. E, como estava com a excitação lá em cima, passei a meter nela mexendo mas o quadril do que precisava, subindo ela o máximo que podia, até sentir ela se abrir ligeiramente. Não fiquei nem um minuto nisso até que gozei, uma quantidade imensa de porra. Logo em seguida, já fiquei envergonhado do que eu havia sentido e feito, mas pareceu que nenhum dos dois havia notado. Foi um dia muito marcante para nós. Pela primeira vez havíamos feito sexo a três. Muitas sensações novas começaram nesse dia. O prazer que sentimos ainda é indescritível, e tudo o que fizemos depois havia começado ali. Desligamos depois disso. Voltei para a aula, mas nem conseguia pensar. Depois de duas horas, ela me ligou de novo. Não atendi, pois estava com meus amigos, e deixei cair na caixa postal. Ela deixou um recado, que ouvi quando tive chance. Imaginei que fosse ela falando que já tinha voltado, mas para minha surpresa, eram gemidos intensos. "Caralho, ela ainda está trepando?", pensei comigo mesmo. Os gemidos se intensificaram, viraram gritos, o que também me surpreendeu. Como sempre transávamos meio escondidos, ela era sempre bem silenciosa no sexo, só gemendo um pouco ao gozar. Nunca tinha ouvido ela gemendo desse jeito. Entre os gemidos, ela falou, com uma voz carregada de tesão: – Entrou tudo, está todinho lá dentro! Me liguei que ela estava dando o cu. Ouvi que ele estava socando com força, e que ela estava gostando. Ele começou a gemer alto e ela desligou. Agora tinha acontecido tudo. Só fomos nos encontrar à tarde. Estava morrendo de medo de que ela terminasse comigo naquele dia mesmo. Mas, para minha surpresa, ela veio, me abraçou, me beijou. Parecia mais carinhosa do que o normal. Estava muito feliz, parecia uma criança que tinha acabado de ganhar um brinquedo novo. Percebi que as coisas ficariam ainda melhor entre nós, especialmente quando ela agradeceu por eu ter proporcionado isso para ela. E ela passou a me contar como tinha sido, nos mínimos detalhes. Mostrou o tamanho do pau dele, falou que eles treparam por 3 horas, que ela tinha gozado 3 vezes... Falou que parecia que estava perdendo a virgindade de novo pela grossura do pau, mas que surpreendentemente não tinha sido difícil ter dado o cu. Ela acha que era por estar com muito tesão na hora e completou que tinha adorado sentir ele enrabando ela. Ela falou que queria muito que eu visse. Eu disse que também queria ver, mas ainda estava tomando coragem. Fiz eles saírem só os dois mais uma vez, em que eles repetiram a dose, inclusive do anal, e combinamos que na terceira vez eu iria junto para finalmente ver ela dando.

DESCOBERTAS Venho relatando aqui como foi a trajetória que eu e minha esposa tivemos em relação ao sexo com outros homens. Como contei, consegui convencer minha então namorada na época a sair com amigos que eu conheci pela internet. Aos poucos ela foi se soltando e descobrindo o mundo de um sexo muito melhor do que o que ela tinha comigo. Para os que perguntaram, os relatos são sim reais, e falam de episódios que foram acontecendo ao longo da nossa história. Contos Imor(t)ais - VIDAS – 296 -


Depois dos três encontros com o Anderson, resolvemos variar. Novamente, eu escolhi um cara entre os conhecidos que fiz pela internet, a partir das fotos. O Arthur tinha vinte e poucos anos, não era muito alto, tinha o corpo bem definido pela musculação, totalmente liso, uma bunda bem redonda e um pau grosso, embora menor do que o do Anderson. Nessa época a Patricia tinha entre 20 e 21 anos e mantinha o corpo de 1m67, 56kg, pele clara, olhos e cabelos castanhos, seios pequenos, coxas grossas e uma bunda fenomenal. Saímos duas vezes com ele, nas duas fui junto para assistir. Foram situações gostosas, mas não excepcionais. O química não foi tão grande. O que não impediu a Patricia de gozar com ele, conhecer outra rola, e levar uma gozada na boca. De minha parte, foi muito bom ver ela dando de novo. Dessa vez marcamos com ele direto no motel, a primeira vez que nos vimos foi quando ele entrou no nosso quarto. A Patricia não demorou nem cinco minutos pra tirar a roupa e chupá-lo. Eu tive meu prazer também em ver mais um homem de cujas fotos eu havia gostado pelado e duro na minha frente, ao vivo. E uma cena ficou marcada na minha memória: em um dos momentos, ela estava dando pra ele de lado, e eu sentei ao lado da cama e fiquei segurando a mão dela, enquanto ela olhava nos meus olhos e sacudia a cada estocada do Arthur. Tive o típico prazer de quem é corno. Eu já estava pensando em arranjar mais um homem para ela quando ela veio comentar comigo sobre um colega de trabalho. Ela havia começado recentemente no seu primeiro emprego, como estagiária, e trabalhava muito com o Roger, que tinha por volta de 40 anos, e era casado. Ela comentou de leve que achava que ele estava dando em cima dela. Percebi que ela estava querendo sondar qual seria minha reação, mas devolvi pra ela, perguntando o que ela estava achando. Ela desconversou e não disse nada. Entendi que aquilo era uma oportunidade para avançar na nossa história. A Patricia, como já comentei, sempre foi muito tímida e eu havia sido o primeiro homem dela. Ela nunca tinha tido uma situação de flerte declarado como a que estava vivendo. Sabia que, para ela, ter alguma coisa com um cara que fazia parte da vida dela e com quem as coisas podiam acontecer naturalmente seria muito diferente de alguém arranjado na internet só para sexo. Resolvi facilitar as coisas pra ela. Perguntei: – Você está gostando, né? Ela não respondeu nada. – Você sabe que pode fazer o que quiser. Eu vou gostar se você fizer. Os olhos dela brilharam e ela abriu o seu sorriso de menina. – Eu posso mesmo? – ela perguntou. – Claro. Já disse que você tem que ser de quem quiser. Ela ficou muito feliz. E a partir daquele dia começou a se soltar com o Roger, sempre me contando. No começo eram só indiretas, mensagens de leve, encostadas no próprio trabalho. Eu percebia que o tesão dela estava á flor da pele, e achava que o cara estava até sendo lento demais. Ele às vezes provocava dizendo que tinha vontade de agarrar ela mas que se controlava, e ela respondia que ele Contos Imor(t)ais - VIDAS – 297 -


não tinha que se controlar. Incentivei ela a usar roupas mais provocantes no trabalho. Ela um dia foi com uma calça branca e justa, e disse que ele não tirou os olhos dela. Num momento em que ele estava perto da mesa dela, ela perguntou o que tanto ele olhava e ele respondeu que era o corpo dela. Nessa hora ela não se conteve e falou, baixinho, que estava louca pra dar pra ele. Ele ficou sem ação com a atitude direta dela e só conseguiu responder que também queria. No dia seguinte, ela foi trabalhar com um vestido, sem calcinha. Antes, ela tinha feito uma depilação completa, algo que nunca tinha feito antes, nem eu tinha visto ela assim ainda. Ao chegar no trabalho, ela foi direto falar pra ele que estava sem nada por baixo do vestido. Mais uma vez ele se surpreendeu com a safadeza dela, que não é aparente. A Patricia parece uma menina santinha até que você a conheça melhor. Durante o dia, ela fez questão de passar pela mesa dele rebolando ou empinando a bunda. Eles saíram para almoçar e na volta, resolveram subir pela escada de incêndio no prédio. Eles se pegaram pela primeira vez ali. Começaram se beijando. Ele passou a mão nela por baixo do vestido, sentindo sua buceta molhada. Ela, por sua vez, sentiu o pau dele duro por cima da calça, o que foi suficiente para que ela explodisse de tesão. Ela levantou o vestido até a cintura, expondo a bucetinha totalmente lisa. Ela disse que ele ficou sem reação. Ela então ficou de 4 na escada, com a bunda na direção dele, abrindo o máximo que podia. Ele ficou paralisado, ela levantou depois de 5 segundos e eles voltaram para o escritório. Mais tarde, eles conversaram sobre marcar um dia para sair. Ele explicou que por ser casado e ter uma mulher ciumenta, era difícil, mas que conseguiria na semana seguinte. E perguntou: – Mas e o seu namorado? – Meu namorado não me come há dois meses – ela respondeu, e era verdade. – Preciso de pau. Além do mais, ele gosta que eu dê pra outros. Ele pareceu ter achado um pouco estranho mas não falou nada. Na semana seguinte, eu e ela tivemos chance de transar alguns dias antes deles saírem, mas recusei. Falei que ela tinha que manter aquele tesão todo pra ele. Ela concordou, sem relutar muito. Conversamos sobre como ela estava se sentindo com ele e ela falou que estava com muita vontade. O fato dela não transar há tanto tempo e pela primeira vez ser alguém conhecido estavam deixando ela maluca. E então ela me revelou algo que me deixou surpreso. Ela falou que estava adorando o fato dele ser casado. Que a buceta dela ficava encharcada de pensar que o Roger estaria traindo a mulher dele com ela, que a mulher ia estar em casa esperando ele enquanto eles estariam trepando no motel. Me dei conta então que a Patricia era mais safada do que eu imaginava e que um lado dela bem pervertido estava aflorando. Ela me contou que no dia combinado ela foi trabalhar com uma calcinha minúscula, que eu havia comprado pra ela num sex shop. Na frente era transparente e atrás era uma tira fina que nem cobria as pregas dela. O dia todo foi de tensão, até a hora em que eles foram embora. No carro, eles já foram se provocando, com ela levantando o vestido e mostrando a calcinha e alisando o pau dele por cima da calça. A Patricia, seguindo o tesão dela, perguntou se tinha algo que a mulher dele não gostava na cama. O Roger respondeu que a mulher raramente chupava e que não gostava de anal. Minha namorada respondeu: – Então eu quero chupar você muito. E eu adoro anal. Quero muito dar meu cu pra você.

Contos Imor(t)ais - VIDAS – 298 -


Quando chegaram no motel, eles imediatamente começaram a se pegar. Ela estava com tanto tesão que respirava ofegante e quando ela tentou abrir a calça dele, as mãos dela até tremiam. Tanto que o próprio Roger teve que falar pra ela se acalmar. Ele mesmo abriu a calça e colocou o pau duro para fora. Ela ficou maravilhada, pois era um pau grosso e que já estava muito duro. A cabeça do pau era bem larga, como um cogumelo. Ela reagiu tirando o vestido, ficando só com a calcinha minúscula para ele. Ela passou a se esfregar nele e depois abaixou para chupar a rola. Em seguida ele tirou a roupa toda e foram para a cama, onde ela continuou lambendo ele devagar e com carinho, para deixá-lo maluco. Ele não aguentou muito e disse que queria que ela o sentisse logo. Ela foi buscar as camisinhas, colocou uma nele e deitou para que ele viesse por cima. Nessa hora ela pediu para me ligar. Ele não disse nada e ela ligou. Eu estava em casa – na época ainda morava com meus pais – e fui para o quarto atender. Ouvi mais ele falando do que ela. Ele dizia: – Como você é gostosa... safada... que bucetinha apertada... sente meu pau... Ao fundo eu ouvia os gemidinhos agoniados dela, chorando de tesão na pica. Logo eles desligaram. Me senti um otário de estar em casa sem fazer nada enquanto minha namorada estava no motel gemendo com outro macho usando a buceta dela. Mas essa sensação me deu um tesão enorme, quando vi meu pau estava duríssimo. Não demorou para a Patricia pedir pra ele comer o cu dela. Ele a mandou ficar de quatro. Ela atendeu e ficou de quatro, com a bunda bem empinada. Ele tentou entrar mas não conseguiu, por conta da cabeça larga do seu pau. Frustrado, ele começou a meter na buceta mesmo, com toda a força. Ela disse que a cabeça dela batia na parede, que ele socava sem dó e ela só gritava, nem conseguia dizer nada. Eles suavam muito e o Roger fodia ela com fúria, xingando ela de puta, vadia, piranha, e perguntava se estava sentindo a pica dele no útero dela. Com uma das mãos ele agarrou os cabelos dela, puxando sua cabeça para trás, e com a outra dava tapas em sua bunda. Ela nunca tinha sido fodida com tanta violência. Estava assustada mas com muito tesão. A Patricia não conseguia aceitar que não daria o cu pra ele. Tentou sentar por cima, mas também não deu certo. Ela ficou choramingando que queria pau no cu, o que deixou o Roger furioso. Ele disse: – Então você vai ter, sua biscate! – e colocou ela de 4 mais uma vez. Cuspiu no na bunda dela e no pau e socou com toda a força de uma vez. A rola entrou e a Patricia caiu pra frente, com uma dor absurda, e começou a chorar. Ele se assustou e falou que ia tirar, mas ela gritou que não. Ela ficou chorando de soluçar e ele atrás, com metade do pau dentro, sem saber o que fazer. Depois de algum tempo ela foi se recuperando, a dor e o choro passaram. Ela ficou de quatro de novo e falou que ele podia continuar. Ele passou a meter devagar, mas ela falou: – Pode meter com vontade, vai! O Roger obedeceu e passou a meter com mais força. Ela deixou a cabeça cair na cama e começou a esfregar a sua buceta. Logo ela anunciou: – Ai, eu vou gozar... vou gozar com seu pau no meu cu.

Contos Imor(t)ais - VIDAS – 299 -


– Então goza pra mim, safada, goza no meu pau. Ela chegou um orgasmo intenso e longo, que não fez questão de conter. Gritou e gemeu pra quem quisesse ouvir. Sentiu o ventre se contraindo e as pernas tremendo. O Roger falou: – Estou sentindo seu cu piscar no meu pau, sua piranha do caralho! Ele anunciou que ia gozar, e ela falou que queria que fosse na boca. Abocanhou o pau dele, colocando quase na garganta e o punhetou. Ele gritou pra ela sentir e soltou jatos de porra na boca dela, que ela engoliu. Depois disso eles descansaram um pouco e foram tomar banho, trocando carinhos, se esfregando e se beijando. Ele comentou que não imaginava que ela fosse tão tesuda e safada, o que a deixou muito feliz. Tiveram que ir embora por causa do horário, mas ainda se pegando nos corredores do motel e no carro. Por fim, ela me contou que chegou no dia seguinte muito feliz no trabalho. Ela dizia que se sentia realizada por ter dado para um conhecido, por ter feito um homem casado trair a mulher com ela e por ter tido uma foda tão intensa. Ela falou pra ele, assim que chegou, que ia ter que ficar torta na cadeira, pois não estava conseguindo sentar direito…

REVELAÇÕES Continuo aqui contando a minha história e da Patricia, e das nossas experiências reais como casal liberal. No último relato, falei sobre a primeira transa da Patricia com um conhecido dela, o Roger, um colega de trabalho casado e mais velho. Apesar da expectativa dela, eles não conseguiram sair mais, por conta da marcação da esposa do Roger, que havia ficado desconfiada. Logo depois ele mudou de emprego, o que deixou a Patricia desanimada e sem vontade de fazer nada por um tempo. Hoje entendo que ela deve ter se apaixonado por ele no processo, e sentiu o baque de perder a sua companhia. Tentamos sair também com um cara que conhecemos pela internet. Combinamos e no dia ele simplesmente não apareceu, o que nos deixou bastante decepcionados. Com isso, ficamos mais de um ano sem fazer nada de diferente. Nesse meio tempo, decidimos casar e ir morar juntos. Um pouco antes disso, o Anderson, que foi o primeiro cara que havia transado com a Patricia além de mim, e também o primeiro para quem eu vi ela dando, reapareceu. Ele havia se afastado por ter começado a namorar, mas agora estava solteiro de novo. A Patricia se animou a sair com ele, pois já tinha superado a paixão pelo Roger e já estava sentindo falta de um cara melhor, pois o nosso sexo era o mesmo de sempre. Também fiquei com muita vontade de retomar o contato com ele, pois havia gostado muito de assistir os dois. Tinha ficado muito bem impressionado com o desempenho e com o corpo dele. Só que com a correria da preparação do casamento, nem eu nem ela (que ainda morávamos com nossos pais) conseguimos marcar um dia com o Anderson. Eu sugeri para ela então que ela desse pra ele no dia do nosso casamento, na noite de núpcias, ou na lua de mel. Ela não aceitou, pois disse que ficaria muito tensa e preocupada com a situação, por mais que achasse a ideia excitante. Essa, infelizmente, foi uma fantasia que não se tornou realidade. Mas mesmo assim, na nossa noite de núpcias, depois da festa, no meio do sexo, eu falei: Contos Imor(t)ais - VIDAS – 300 -


– Quero muito que você dê para outros. – Também quero. Vou dar… – Quero ver você dando na nossa cama… – Vou ser sua atriz pornô particular... Gozei gritando que queria ser corno. Quando voltamos, logo marcamos um dia para o Anderson conhecer a nossa casa. Foi uma situação muito diferente, pois pela primeira vez estávamos na nossa casa, sem ter que dar satisfação para ninguém, sem a frieza de um motel. Ficamos muito mais à vontade. A Patricia, que na época estava com 24 anos, mantinha o corpo com a pele branquinha, seus 1m67, 56kg, olhos e cabelos castanhos. Ela o esperou só com uma camisolinha transparente, que tinha reservado para estrear nesse dia, e uma calcinha branca fio dental. Quando ele chegou, ela abriu a porta e o recebeu com um beijo na boca e um abraço. Ele me cumprimentou e ficamos conversando na sala. Eu em um sofá e eles em outro, abraçados, como se fossem um casal de namorados. Falamos um pouco sobre a vida e a Patricia, impaciente, disse que queria mostrar pra ele o nosso quarto. Eles se levantaram e começaram a se beijar ali mesmo, com muito tesão. As mãos dele foram direto para a bunda dela e os beijos eram molhados e estalados. Ela não aguentou e fez ele tirar a camisa ali mesmo. Eles foram indo para o quarto, meio andando e meio se pegando, com as roupas dele caindo pelo caminho, até que só sobraram as meias. Antes de chegar na cama, ainda na porta do quarto, ela já estava ajoelhada no chão com a rola dele, com seus 19cm e duríssima como sempre, na boca. Fiquei vendo a cena de longe. Quando eles entraram no quarto, fui recolher as roupas dele do chão. Peguei a camiseta, a calça e a cueca, o que me deu um tesão de corno na hora. Dobrei tudo e levei para o quarto, onde ela já estava na cama, ainda de camisola, mas sem calcinha. Ela estava de quatro, esperando enquanto ele vestia a camisinha. Quando ele enfiou, ela soltou um suspiro de surpresa e, rindo, comentou que tinha esquecido como era grande. Eu sentei num canto da cama, tirei meu pau pra fora e fiquei batendo uma punheta gostosa, vendo aquela cena linda. Eles foderam em várias posições e jeitos e eu acompanhei só com os olhos, admirando, enquanto eles se divertiam. E confesso que na maior parte do tempo meus olhos iam para o pau e para o corpo dele. Ele continuava definido, mas um pouco maior, e eu também havia me esquecido de como a rola era grande. A camisinha mal cabia e o pau ficava apontando para o teto. Mesmo quando eles paravam um pouco de trepar, eu continuava minha punheta tentando olhar discretamente para ele. A foda terminou de uma maneira muito gostosa, com ele por cima dela e os dois gozando juntos. Ele disse que precisava ir mas que queria tomar um banho antes. Fui pegar toalha e sabonete para ele. Ele foi tomar banho e a Patricia ficou pelada na cama. Comecei a acariciá-la e depois de um tempo fui pra cima para meter também. Ela ainda estava suada e com o cheiro dele. Ele saiu do banho e voltou para o quarto para se vestir. Para minha surpresa, ao vê-lo por perto, disse pra mim: – Não estou sentindo nada. Fiquei surpreso com aquela provocação. Ela nunca tinha feito nada assim antes. Com raiva, comecei a meter mais forte. Ela falou: – Vai, mais forte, ainda não estou sentindo, vai! Comecei a bombar com toda a força, mas ela olhou pra ele com um sorrisinho e disse: Contos Imor(t)ais - VIDAS – 301 -


– Não adianta, não sinto. Ouvir ela falando isso me fez gozar na hora. Os dois, ao me verem gozando desse jeito, riram de mim. Fiquei sem reação, só caí na cama. O Anderson foi embora. Eu e ela começamos uma conversa bem aberta sobre a situação. Na verdade, eu adorava quando ela fazia essas coisas, mas sempre era pego de surpresa. Perguntei o que tinha feito ela falar isso. Ela respondeu: – Eu queria te provocar. – Por que? – Porque vi que você não tirou os olhos do pau dele a noite toda. Não respondi nada. Não tinha coragem de admitir, nem pra mim mesmo, que estava com tesão por ele. Mudamos de assunto. Ela passou a falar dela. Disse que isso de transar com outros homens era muito intenso para ela, fazia ela sentir coisas muito fortes. Que como ela tinha sido muito tímida e só tinha ficado comigo antes de começar a dar pra outros, que quando acontecia ela perdia o controle. Ela falou que saber que um homem tem tesão por ela é muito excitante, ela fica com vontade de dar na hora. E queria saber o que eu achava disso. Eu respondi que achava ótimo que ela se soltasse, que queria ver ela se realizando mesmo. Que a incentivaria e daria meu apoio. Ela continuou. Disse que por causa disso tudo, era tarada por enlouquecer os homens, por se sentir desejada. E usada. Falou que por isso adorava anal, porque sabia que os homens são loucos por um cu, e que sentir uma rola dura entrando no rabo dela fazia ela se sentir uma devassa. Quando vi, meu pau estava muito duro. Mostrei pra ela e ela se admirou, pois era muito raro que isso acontecesse, nós transarmos duas vezes seguidas. Ela veio montar em cima de mim e começou a cavalgar. E perguntou se eu tinha gostado do que ela falou. Falei que sim, que adorava a ideia dela ser tão safada assim. Tivemos uma conversa cheia de tesão, em que ela falava com uma voz cheia de manha e safadeza, que eu nunca tinha visto: – Posso então sair com outros? – Pode sim, amor, claro. – Posso ficar peladinha pra eles? – Pode sim, pode mostrar seus peitinhos e sua bucetinha pra eles. – E o meu cuzinho? – Você quer mostrar até o cuzinho pros machos, amor? – Quero, porque macho de verdade gosta de comer cu. – Então pode, amor, pode mostrar seu cuzinho. – Vou oferecer meu cuzinho então... E se eles quiserem comer? Contos Imor(t)ais - VIDAS – 302 -


– Vão querer sim, eles gostam muito do seu rabinho… – E você nunca come, eu preciso de pau no cu. – É, acho que pra isso você vai precisar de outros machos mesmo. Nessa altura eu já estava quase gozando de novo, pois nunca tinha visto ela tão safadinha. Ela aproveitou e falou, conforme fazia os movimentos mais forte: – Mas eu também quero uma coisa pra fazer tudo isso… – O que, amor? – Quero que você me fale o que acha do Anderson... e do pau dele... Nessa hora, meu tesão estava absurdamente grande, então nem pensei duas vezes, falei as coisas mais safadas que consegui pensar: – Acho ele um macho muito gostoso... Delicioso... O pau dele é maravilhoso... Adorei ficar batendo punheta vendo aquele homem tesudo e aquela rola dura na minha frente... Ao ouvir isso, ela abriu a boca, mas não saiu nenhum som. De repente ela começou a gritar e senti a buceta dela piscando. Ela nunca tinha gozado daquele jeito comigo. No dia seguinte, ela veio me perguntar se o que tínhamos conversado estava de pé. Eu confirmei. Ela ficou feliz e disse que a necessidade de sexo dela era muito grande e que tinha muito atraso para tirar. E já emendou que tinha um amigo com quem estudara e por quem sempre teve desejo. Ela quis saber se poderia entrar em contato com ele. Tive um pouco de receio com tudo aquilo, pois por mais que eu tivesse vontade de vê-la se soltando, sabia que quando ela resolvia fazer algo, sempre me surpreendia pela safadeza. E o discurso dela agora mostrava mais determinação do que nunca. Falei que não tinha problema, que eu só gostaria de ficar sabendo do que ela fazia. No fim daquele dia, ela veio me contar que havia retomado o contato com o Vitor, o amigo da época de escola dela. Eles haviam conversado e combinado de tomar um café no fim de semana. O fim de semana chegou e ela foi encontrá-lo. Para decepção dela, o encontro não rendeu nada. O Vitor a tratou como uma amiga, sem ter ideia das intenções da Patricia. Foi apenas uma conversa amena. Como o Vitor não conhecia o lado safado da Patricia, por saber que ela havia se casado há pouco tempo e por estar namorado, ele não investiu. Mas a Patricia não desistiu. Manteve o contato através de mensagens e começou a tentar levá-las para um lado mais picante. Ele foi bem cauteloso no começo, mas conforme ela ia deixando claro o que queria, ele foi entrando. Eu, sabendo da situação, comecei a negar sexo para ela, pois sabia que isso ia motivá-la muito. Quando ela me procurava ou pedia para transarmos, eu dizia que ela devia procurar o Vitor. Ela aumentou a intensidade dos avanços, até que num dia ela me ligou do trabalho. Falou que a conversa tinha esquentado e que o Vitor tinha desafiado ela a ir até o trabalho dele, após o expediente, para provar que estava mesmo disposta a fazer tudo. Ela foi pega de surpresa e estava indecisa, mas eu disse que ela tinha que ir até o fim. Ela concordou, mas disse que com ele não poderia ligar na hora, que faria tudo sem que ele soubesse que eu sabia e autorizava, pois se não Contos Imor(t)ais - VIDAS – 303 -


fosse assim talvez ele pulasse fora. Naquela noite, ela chegou mais tarde do que o normal. Abri a porta ansioso para saber o que tinha acontecido. Ela estava com um sorriso confiante no rosto, como se tivesse vencido um desafio. Ela contou que falou pra ele que iria, mas que achou que ele estava duvidando. Ela saiu do trabalho dela, comprou camisinhas e foi até o escritório em que ele trabalhava. Ligou perguntando se podia subir. Ele pareceu surpreso e empolgado que ela estivesse cumprindo a promessa. Respondeu que sim, que já estava sozinho. Ela subiu, se sentindo uma puta indo atender um cliente. Mas estava com muito tesão, pois sempre tinha gostado desse amigo e estava realizando uma fantasia antiga. Ele a recebeu no escritório e trancou a porta. Eles conversaram por um tempo, até que ele sugeriu que ela sentasse no colo dele. Começaram a se beijar, e em pouco tempo a rola dele endureceu. Ela se ajoelhou na frente da cadeira dele. Ele colocou o pau pra fora da calça e ela chupou. Ele gemia, sentado com as pernas abertas e segurando a cabeça dela. Antes de gozar, ele mandou ela parar e tirar a calcinha e se mostrar pra ele. Como a Patricia estava de vestido, só tirou a calcinha por baixo e levantou o vestido até a cintura. Ele ficou louco ao ver a bunda dela e a bucetinha lisa. Depois de apalpá-la um pouco, ele falou que queria tirar algumas fotos dela com o celular. Nessa hora ela sentiu como ele estava só querendo usá-la mesmo, o que aumentou seu tesão. Ela abriu a bunda para ele fotografar e depois se debruçou na mesa dele, com a bunda empinada. Ele tirou mais fotos, falando sobre como ela era gostosa e disse que ia meter. Ela falou pra ele pegar uma camisinha na bolsa dela. Ele fez isso e meteu de uma vez na buceta dela. A mesa toda chacoalhava com as estocadas dele, que eram vigorosas e secas. Depois disso, ele sentou de novo na cadeira e fez ela sentar nele. Enquanto ela sentava, ele tirou mais fotos. Em poucos instantes ele gozou. Imediatamente ele se recompôs, e ela ficou confusa ao perceber que não ia acontecer mais nada. Logo depois eles foram embora, com ela com sentimentos mistos... Por um lado estava ainda com muito tesão e vontade, frustrada, já que ele só tinha metido um pouco. Mas, por outro, estava feliz por ter descoberto como era fácil dar pra quem quisesse, e com uma sensação excitante de ter sido usada e feito um homem gozar. Era mais uma barreira quebrada.

MAIS MANSO, MAIS SAFADA Os acontecimentos desse relato já são relativamente recentes. Eu e a Patricia, minha esposa, já estávamos casados e já estávamos começando a ter mais experiências nas situações com outros homens, especialmente ela, que vinha saindo com outros por incentivo meu desde o tempo em que namorávamos. Como descrevi no último relato, depois que casamos a Patricia resolveu se soltar mais, assumindo sua necessidade por sexo. Além disso, ela me levou a admitir que eu sentia tesão pelo Anderson, um rapaz que havíamos conhecido pela internet e que a comia ocasionalmente na nossa casa. Depois do dia em que tínhamos tido a conversa em que eu falava do meu tesão por ele, o assunto parecia ter morrido. Ela tinha tido um encontro com um amigo dela e não falamos mais sobre essas coisas por um tempo. Mas eu tentava transar com ela o mínimo possível, pois sabia o quanto ela ficava tarada quando estava necessitada. Eu me resolvia na punheta e percebi que cada vez mais eu pensava nele ou lembrava dos dois transando na minha frente. A estratégia de deixa-la querendo deu certo, pois um dia, após mais uma negativa minha, ela perguntou se não poderíamos convidar o Anderson para passar uma tarde lá em casa. Concordei na hora, e ela falou que ela mesma ia falar com ele.

Contos Imor(t)ais - VIDAS – 304 -


Ficamos combinados para o fim de semana seguinte, no sábado à tarde. Ela contou que conversou bastante com ele e que havia pedido uma coisa. Perguntei o que era e ela respondeu que queria que ele deixasse eu pegar no pau dele pra colocar nela, e ele havia concordado. Fiquei meio assustado, pois embora eu tivesse tesão e desejasse isso, tinha vergonha. Eu e ela acabamos transando falando sobre o assunto. Como sempre com ela cavalgando e me provocando: – Quero que você sinta aquela rola grossa. – Também quero, penso muito nela. – É mesmo? – ela perguntou, rindo. – Você fica pensando em rola, amor? – Na rola dele sim… – Que gostoso, então tem que sentir mesmo. No dia, eu estava bem tenso, enquanto ela parecia bem animada. Quando ele chegou, não teve muita conversa. Eles já foram se beijando e fomos os três para o quarto. Sentei num canto, bem afastado, enquanto eles se pegavam. A Patricia, dessa vez, fez questão de tirar a roupa dele primeiro. Ele ficou totalmente nu, e lá estava aquela rola enorme, de 19cm, grossa, dura como sempre. Ela se ajoelhou na frente dele e me olhou, sorrindo. Para minha surpresa, ele me olhou também e perguntou: – Não quer fazer as honras? Percebi que eles já tinham combinado isso. Mas não tive coragem. Engoli seco e falei que não, que queria só assistir. Ele disse que tudo bem e deixou pra lá. Mas a Patricia continuou me olhando, com seu sorriso safado. Percebi que o objetivo dela, naquele dia, era me provocar. Ela começou a lentamente passar o rosto no pau ereto dele, sem tirar os olhos de mim, como se estivesse me convidando. Eu tirei a roupa e continuei no canto da cama, batendo uma punheta, nervoso. Enquanto isso, ela o chupava lambendo cada milímetro do seu pau, as bolas, sempre me olhando. A Patricia disse então que ia no banheiro. Ficamos eu e ele no quarto, ambos pelados. Eu tentava ao máximo não olhar para ele, mas numa hora ele ficou do lado da janela, olhando pra fora, e eu aproveitei para continuar batendo olhando para o corpo dele. Ela voltou peladinha e o convidou para a cama, fazendo ele se deitar bem perto de mim, de um jeito que minhas pernas encostavam na dele. Ela subiu em cima dele para um 69. Ela chupava e esfregava o pau dele na cara. Num momento, ela lambeu bem a cabeça do pau dele e em seguida, ainda com a língua pra fora, veio na minha direção querendo um beijo. Atendi, me abaixando, e não tive como não sentir o cheiro de rola no rosto e o gosto de pau na língua dela. Ela sorriu, contente, e voltou a chupá-lo, com intensidade. Depois disso, ela me mandou pegar uma camisinha. Dessa vez eu havia comprado de tamanho grande, que ficavam bem mais adequadas ao pau dele. Ela colocou com delicadeza e depois montou por cima dele. Ela cavalgava com movimentos amplos, fazendo o pau quase sair todo e entrar novamente, para exibir pra mim. Num momento, enquanto cavalgava, ela falou pra eu lamber o cu dela, enquanto o pau dele ainda estava na buceta. Falei que não dava e ela insistiu. Falei então pra Contos Imor(t)ais - VIDAS – 305 -


ela levantar mais a bunda. Ela se empinou e eu lambi, mas sem encostar nele, pois ainda estava muito travado. A próxima provocação foi com ela dando o cu. A Patricia ficou de quatro, com a cabeça virada pro meu lado, bem perto de mim, enquanto ele metia por trás. Ela me olhava e sussurrava com tesão, olhando no fundo dos meus olhos, com o corpo indo pra frente e pra trás com as metidas. – Você não tem ideia de como é bom ter esse pau no cu... É muito grande... Muito duro... Uma delícia... Eu tremia de tesão. Senti um arrepio e meu cu piscando com ela falando essas coisas. Mas só conseguia continuar quieto, na punheta. Ele gozou, e ficamos os três na cama, em silêncio. Percebi que ela ainda não estava satisfeita com a situação. Ficamos conversando e depois de uma meia hora de descanso, eles começaram a se beijar de novo. Ela parecia muito excitada. Ela ficou meio por cima dele, beijando-o e pegando no pau dele, já duro de novo. A Patricia pediu pra eu ir buscar alguma coisa pra eles beberem. Fui até a cozinha e quando voltei, ela já estava cavalgando nele. Vi que ela se mexia rápido e forte, pra frente e para trás, ofegando muito. O Anderson então abriu a bunda dela e pude ver que eles estavam transando sem camisinha. Fiquei louco com aquilo. Até onde eu sabia, ela nunca tinha dado sem camisinha antes. Imediatamente cheguei por trás, apertei a bunda dela, dei um tapa e perguntei: – Está gostando disso, é? – Estou – ela respondeu, sem parar de mexer o quadril freneticamente. – Sempre quis sentir esse pau assim... É muito bom... É melhor ainda… Não sei se ela fez de propósito ou não, mas bem nessa hora o pau dele escapou. Aí eu não consegui me segurar mais e peguei no pau dele pra colocar de volta. Lembro da sensação claramente até hoje. O pau era muito grosso, enchia minha mão. Eu segurei mais na base e ainda ficou metade pra fora. Muito quente, meio curvado e absurdamente duro. Fiquei chocado e pensei que não tinha como a Patricia não preferir aquele pau ao meu. Ela olhou pra trás e viu que eu estava com o pau na mão. Deu um sorriso e fez uma cara de tesão. Pediu: – Põe logo na minha buceta. Ela parecia ter gostado de me ver fazendo aquilo, mas agora já estava mais interessada em sentir a rola dele direto dentro dela do que em me provocar. Coloquei de volta e ela retomou os movimentos, fechando os olhos e sentindo bem. Depois de alguns momentos, ela começou a rebolar com mais força ainda e gozou com vários gritinhos agudos e um sorriso muito safado. Ele não deve ter conseguido se segurar vendo isso e gozou logo em seguida, e pela primeira vez a Patricia recebeu porra que não era minha. Ela logo foi tomar banho, mas pude ver o esperma escorrendo na coxa dela. Eu e o Anderson nos vestimos e ele disse que tinha que ir. Acompanhei ele até a porta e ao nos despedirmos falei obrigado, sem querer, como se ele tivesse feito algum serviço em casa. No fim Contos Imor(t)ais - VIDAS – 306 -


das contas, era isso mesmo. Ela saiu do banho ainda sem roupa e falou que queria transar comigo. Como eu não tinha gozado, não tinha como falar não, estava precisando. Fomos pra cama e ela subiu em mim com um sorriso maroto. Ela começou a falar enquanto cavalgava, controlando os movimentos pra me excitar mas sem me deixar gozar: – E aí, o que você achou? – Gostei muito – respondi. – Do que? – De você ter sido tão safada e ter dado sem camisinha. – Quero saber o que você achou do pau dele – ela perguntou, enquanto acelerava os movimentos. – Muito bom… – Fala mais… – Achei grosso, duro… – Fala mais… – Um tesão, maravilhoso, tesudo – Isso, assim... Estava quase gozando e foi minha vez de perguntar pra ela. Eram coisas óbvias, mas que ela nunca tinha admitido muito abertamente. – O pau dele é melhor do que o meu? – Muito, nem se compara… – Você gosta mais de dar pra ele? Ela não respondeu. Eu insisti: – Fala! – Sim, ele é muito melhor do que você. – Que delícia. Quem é seu macho? – O Anderson. Gozei ouvindo aquilo. Finalmente ela estava assumindo que preferia os outros, apesar de isso ser mais do que evidente. Depois daquilo, ela se soltou bem mais, especialmente com um colega de trabalho. E eu fiquei com a sensação de ter aquele pau na mão muito marcada. Não consegui mais parar de pensar nisso.

Contos Imor(t)ais - VIDAS – 307 -


O DONO DELA Venho relatando aqui os acontecimentos entre eu e minha esposa, a trajetória que a levou de santinha a safada e eu a primeiro namorado e depois marido corno. No último texto, falei sobre mais um passo nessa nossa caminhada, em que a Patricia deu pela primeira vez sem camisinha e me fez pegar no pau do Anderson, o macho dela, para colocar em sua buceta durante a foda, que acontecia na nossa cama. Embora possam parecer pequenos detalhes, esse dia foi muito importante para que avançássemos nas safadezas. Primeiro, porque a Patricia adorou sentir a rola enorme dele sem nada dentro dela. Mesmo ela já tendo sentido outras picas grandes, ela disse que a experiência de transar sem camisinha tinha sido muito diferente e marcante. Tanto que quando eu e ela transávamos depois daquele dia, sempre ao gozar ela não gozava plenamente, era sempre um choramingo pedindo "Mais... mais!". Claro que esse mais eu não podia dar pra ela. Ela queria uma pica maior, um macho mais safado, com mais pegada e mais pique. Em algumas situações em que eu gozava antes dela, os gemidos choramingando eram mais intensos... Ela dizia: "Não! Eu quero mais, quero pica...". Por outro lado, uma coisa nova estava começando pra mim. Até então, era sempre ela que me provocava e me surpreendia com as suas safadezas, que me deixavam louco. O fato dela ter dado tão fácil para o primeiro amigo, ela fazendo anal com ele, ela me ligando gemendo, tudo isso era muito intenso pra mim, mas eu sempre estava como espectador, raramente interferindo. Desde que eu admiti que tinha tesão pelo Anderson, e agora tendo feito algo concreto, por menor que tenha sido o gesto de pegar no pau dele e colocar nela, eu estava conseguindo provocá-la, pois ela ficava maluca de tesão de me ouvir falando sobre isso ou relembrando a situação. Ela dizia que quando eu fazia essas coisas ela ficava com muita vontade de fazer mais loucuras, o que pra mim era ótimo. Com isso, começamos a falar cada vez mais sobre como eu gostava do macho, como tinha adorado pegar na rola dele. Se antes eu tinha chegado até a deixá-la sem sexo para ela ficar com mais vontade de dar pra outros, agora isso não era mais necessário. Primeiro porque ela já não se satisfazia mais só comigo e depois porque o nível de tesão que ela ficava quando entrávamos nas provocações só podia ser resolvido com ajuda de outros. Fomos alimentando isso até que o Junior entrou na história. O Junior era um rapaz que tinha entrado recentemente na empresa em que a Patricia trabalhava. Ele ocupou um cargo no mesmo nível que ela em áreas semelhantes, o que fez com que eles tivessem bastante contato desde o início. E, de cara, ela não gostou dele. Dizia que ele era limitado, arrogante, prepotente. Eles passaram a ter atritos no trabalho com frequência, e ela quase sempre chegava em casa reclamando dele. Com o tempo, ela foi também conhecendo e condenando o lado pessoal dele. Dizia que ele era cafajeste, ficava olhando e dando em cima de outras mulheres, apesar de ter uma namorada. Eu só ouvia às queixas dela, reparando que ela falava mais e mais sobre ele. Depois de algumas semanas, o discurso dela passou a mudar. Ela continuava falando dele, mas não mais de forma negativa. Eles se tornaram amigos, passaram a almoçar sempre juntos e a se aproximar. Um dia, no entanto, ela chegou em casa novamente com raiva dele. Disse que ele havia dado em Contos Imor(t)ais - VIDAS – 308 -


cima dela, mesmo sabendo que ela era casada. Pode parecer estranho, mas apesar da Patricia estar ficando cada vez mais safada, ela ainda mantinha na maior parte dos ambientes uma imagem de séria, certinha, correta. No trabalho, ela era sempre muito discreta, e por isso achou muito ousado da parte dele provocá-la. Agora, eu podia ser corno, mas não era bobo. Sabia que a Patricia estava envolvida emocionalmente com ele, e que ela estava relutante pois sabia que ele não era um cara bonzinho como os outros com quem ela havia transado. Falei o que pensava, e que talvez fosse o que ela queria ouvir: – Você fala muito sobre ele. Acho que, no fundo, você gosta dele. – Eu? Imagina, você acha que vou gostar de um cara desse tipo? – Bom, você sabe o que eu penso, acho que você pode e deve fazer o que quiser e com quem quiser. Por mim, está sempre liberada. Se quiser fazer com ele, vai fundo. Ela ficou em silêncio por um tempo, pensativa. Por fim, só respondeu: – Não sei. No dia seguinte, ela avisou que chegaria um pouco mais tarde do que de costume do trabalho. Assim que ela entrou em casa, disse: – Aconteceu. Percebi que ela estava com o cabelo molhado e ensaiava um sorriso, mas esperava a minha reação. Era a primeira vez que ela transava com outro sem me avisar claramente antes. Sorri de volta e ela relaxou. Ela me contou que ele já estava insistindo para que eles saíssem há alguns dias, mas ela estava resistindo. Naquele dia, ela finalmente cedeu. Eles foram a um motel próximo ao trabalho. Vi que ela tinha um brilho diferente nos olhos, que não tinha sido apenas sexo. Ela estava se apaixonando por ele. Ela perguntou se podia continuar saindo com ele. Respondi que sim, mas que gostaria que ele soubesse que eu sabia, para que as coisas ficassem abertas. A Patricia falou que ia comentar com ele. Ainda naquela semana eles saíram de novo, e ela me contou que havia contato sobre nosso estilo de vida, inclusive falando que eu gostava de ouvir as fodas pelo telefone ou assistir. Ela disse que ele não se opôs. Ainda naquela semana ela saiu com ele novamente, dessa vez me avisando antes. Na noite em questão, fiquei em casa esperando uma boa hora para ligar pra ela. Telefonei e ela atendeu normalmente, mas contou que já estava no motel com ele. Ela deixou o celular ligado e eu fiquei ouvindo. Durante uma meia hora, não ouvi som nenhum, para minha decepção. Já estava achando que ela tinha deixado o celular muito longe, quando ouvi o barulho de estocadas, dos corpos batendo um no outro. Por mais que eu já estivesse acostumado, é sempre muito intenso ouvir algo assim, e um arrepio me percorreu a espinha. Em seguida, comecei a ouvir gemidos abafados dela. O ritmo das estocadas aumentou e ouvi ela gozando, primeiro com gemidos normais, que passaram a gritos num orgasmo incrivelmente longo. Em casa, eu batia uma punheta louca ouvindo aquilo. Em seguida ela desligou. Depois desse dia, ela só pensava em sexo com ele. Eles se falavam direto, se provocavam. Mas como ele namorava, não era sempre que conseguia dar atenção para a Patricia. Um dia à noite, em Contos Imor(t)ais - VIDAS – 309 -


casa, ela resolveu falar com ele por Skype. Quando entrei no escritório, onde ela conversava com ele pelo computador, me surpreendi. A Patricia estava nua da cintura pra baixo, sentada numa cadeira e com as duas pernas apoiadas na escrivaninha, abertas, com a câmera apontada pra sua buceta. Olhei pra ela como quem quer saber o que estava acontecendo, e ela olhou de volta com uma expressão de pura safadeza, enquanto passava o dedo lentamente pelo seu clitóris inchado. Sua buceta estava encharcada. Na tela do computador estava o Junior, se masturbando. Na hora, até me decepcionei, pois ele não tinha nada de mais fisicamente. Achei que pra ela se envolver tanto o cara teria que ser excepcional. Mas percebi que o pau dele, embora não fosse comprido, era bem grosso. E depois fui descobrindo que o que tinha feito ela ficar tão dominada por ele era o seu jeito safado e dominador. Se durante anos eu incentivei a Patricia a se soltar, hoje sei que quem realmente transformou ela em puta foi o Junior, levando ela a fazer coisas que eu nunca conseguiria. Eles começaram a sair toda semana, quando ela passava à noite com ele no motel e eu ficava em casa. Ela me ligava quando estava com ele, geralmente nas melhores horas. Numa das ligações, ela mal conseguia falar de tanto que gemia, e gozou duas vezes em menos de um minuto, elogiando o pau dele, falando o quanto ele era tesudo, o quando ela adorava aquela pica. Nessa mesma noite fui acordado às três da manhã com outra ligação dela. Quando atendi ela urrava, e entre os gritos ela dizia: – Usa! Usa meu cu pra gozar! Ela estava dando o cu para aquele rola grossa e ele estava metendo com toda a vontade. Depois ela me contou que ele gostava de meter no cu dela sem camisinha, sem lubrificante, sem nada. E ela aguentava, e ainda pedia pau no cu. Ela falou que ele gozou tanto dentro do cu dela que até transbordou de porra. Em outra ocasião eles estavam trepando quando a namorada dele ligou. Ele não atendeu, mas começou a meter mais forte na Patricia. A Patricia contou que o tesão dela foi nas alturas de ver a namorada dele na tela do celular, tentando falar com o Junior, e enquanto isso que levava a rola dele era ela. Foi um orgasmo quase instantâneo, com ela gritando: – Seu namorado está metendo na amante dele, sua corna! As coisas foram esquentando ainda mais com o passar do tempo. Teve um dia em que estávamos almoçando, no domingo, na casa dos pais dela. O Junior mandou uma mensagem perguntando se ela não gostaria de visitá-lo. Percebi que ela ficou apreensiva, na vontade, mas que seria difícil sair dali. Falei pra ela falar para os pais que estava passando mal, que íamos para casa. A história deu certo e ela pegou um táxi imediatamente para encontrá-lo. Algumas horas depois ele me mandou um vídeo. Ela ajoelhada, nua, na frente dele. Ele de pé, se masturbando até gozar na boca dela, que esperava a porra com a língua pra fora. E engoliu tudo. Depois disso, ainda naquela semana eles saíram novamente do trabalho para ir para o motel. Já era noite, e eles foram os últimos a sair. Ele a fez sair sem calcinha e subir a saia o máximo que podia. Ela andou pela rua, com ele ao lado, com as polpas da bunda aparecendo e até o comecinho da buceta, como se fosse uma puta, exceto pela aliança. Ela ficou encharcada. Naquelas semanas ela só falava dele, estava totalmente enfeitiçada. Chegava a ter ciúmes da namorada dele. Nas nossas conversas, nos referíamos a ele como o macho dela, o dono dela, e ela adorava. Numa tarde, ela me ligou irritada. Disse que ele veio com uma história que um amigo dele, o Jonas, estava há muito tempo sem mulher, na seca, e se a Patricia não poderia resolver o problema dela. Ela perguntou se ele queria fazer uma festinha a três, mas o Junior disse que a namorada estava em Contos Imor(t)ais - VIDAS – 310 -


cima e naquela semana ele não conseguiria, então a ideia é que ela fosse sozinha encontrar o Jonas. Ela ficou muito brava, reclamando dele sugerir algo desse tipo. Quando ela se acalmou, comentei que ele era o macho dela e que ele podia mandar ela fazer o que ele quisesse. Falei também que o tesão que eu e o Junior tínhamos por ela ia aumentar ainda mais se ela fosse safada a esse ponto, e que ela também ia se divertir de transar com um cara que não via mulher há tempos. Ela deu risada e disse que não tinha pensado por esse lado, e ia decidir depois. Nos dias seguintes, tanto eu quanto o Junior ficamos pilhando ela, e ela finalmente cedeu. Eu pedi que ela me contasse nos mínimos detalhes o que tinha acontecido, e reproduzo aqui o que ela falou. Foi na mesma semana, num fim de tarde, que ela encontrou o Jonas, já na porta do motel. Ela contou que estava tensa, mas adorando a situação. Ela sentiu um misto de medo e tesão esperando na porta de um motel barato. Os caras passavam e mexiam com ela. Quando o Jonas chegou, ela entendeu porque ele estava na seca. Era um cara com cerca de 40 anos, baixinho, acima do peso e bem pouco atraente. A Patricia logo viu que era um cara que nunca conseguiria pegar uma mulher no nível dela, e isso ficou claro na forma como ele olhou pra ela de cima a baixo, espantado, e perguntou se ela era a amiga do Junior. Ela respondeu que sim. E o fato do Jonas ser como era, na verdade fez o tesão dela ir lá em cima, pois ela sabia que ele ia desejá-la muito e que ela devia ser a mulher mais linda e gostosa que ele já havia comido. Isso a encheu de confiança. Ela sorriu pra ele, o beijou no canto da boca e sugeriu que entrassem. Ela foi até o quarto desfilando na frente dele e assim que entraram, ela já tirou toda a roupa, andando nua na frente dele, que mal conseguia fechar a boca. Ela me disse que quanto mais admirado ele ficava, mais o tesão dela aumentava. Ela então foi na direção dele e começaram a se beijar. Ela o ajudou a tirar a roupa. O pau dele, que era bem normal, já estava bem duro. Ela se ajoelhou para chupá-lo. Mas ele queria sentir o corpo dela, ficava pegando nos peitos, nas coxas, ficava lambendo ela toda, cheio de vontade. Ele não falava muito, então ela perguntou: – Do que você gostou mais em mim? – Da sua bunda – ele respondeu. – Que bom! – ela disse, e ficou de quatro na cama, com a bunda totalmente aberta e empinada, como ela sabe fazer tão bem. Ele caiu de boca na bunda dela, lambendo de cima a baixo. Ela gemia. Ele tirou a roupa e pediu pra ela sentar na cara dele. Ela concordou, ele se deitou na cama e ela sentou, esfregando a buceta e o rabo no rosto do Jonas. Percebendo o pau dele muito duro, não demorou pra ela pedir: – Fode meu cu. Usa meu cu pra gozar, goza lá dentro. Ele não pensou duas vezes, e meteu com tudo. Logo a pica dele entrou toda e ele perguntou se podia tirar uma foto da cena. Ela permitiu. Depois, ele começou a meter com força. Enquanto ele socava, ela gritava: – Que delícia de macho! Muito melhor que meu marido. Nem preciso dizer que ele gozou em menos de um minuto. Ele segurou a cintura dela e jorrou fundo no seu rabo. Eles pararam e ficaram conversando por um tempo. Ele quis saber sobre ela especialmente sobre a vida sexual dela. Perguntou se era verdade que eu não fodia ela muito e que Contos Imor(t)ais - VIDAS – 311 -


ela precisava muito de sexo. Ela disse que pensava sempre na resposta mais safada pra dar, mesmo que não fosse exatamente daquele jeito. Ela confirmou que o marido não fodia ela direito e que ela sempre ficava na vontade, mas que ele era muito bonzinho e deixava ela dar pra outros machos. O que no fim era ótimo, pois os machos pra quem ela dava tinham paus maiores e sabiam meter muito melhor. Ela contou um pouco das coisas que já tinha aprontado. Ele se surpreendeu e disse que ela era mesmo muito safada. E com toda essa conversa ele já estava duro de novo. Eles começaram a se beijar e ela falou: – Meu cu está cheio da sua porra ainda. Não quer meter na minha buceta agora? O Jonas foi por cima dela e eles ficaram no papai e mamãe de uma maneira bem mais tranquila, quase romântica, mas com ambos ainda muito excitados. Ele ainda estava a desejando muito, então eles não paravam de se beijar durante a foda. Na verdade, ele praticamente lambia a cara dela, e ela, quase gozando, fazia o mesmo. Quando o orgasmo dela chegou, ela fez questão de gemer olhando bem no fundo dos olhos dele, dizendo que estava gozando. Ele disse que sentia a buceta dela pulsar, e gozou logo em seguida. Dessa vez ele ficou mais acabado e logo levantou da cama, dizendo que tinha que ir. Ela ficou excitada com a situação de estar pelada na cama, toda gozada, vendo o homem que havia metido nela se vestindo. Ele perguntou se ela ia junto, mas ela respondeu que ficaria mais um pouco e ia se arrumar com calma. Ele abriu a carteira e perguntou sobre o pagamento do motel, ela respondeu para ele não se preocupar. Ele brincou, dizendo que ela merecia um pagamento. Ela perguntou se ele tinha uma nota de dois reais. Ele respondeu que sim, e ela falou que ele podia deixar em cima da buceta dela. Ele assentiu e foi embora. Ela foi tomar um banho, se arrumou e saiu, pagando o motel com o meu cartão de crédito. Quando ela chegou em casa, me contou tudo e me mostrou a nota de dois reais que ela tinha ganhado dando para o Jonas. Comentei o quanto ela conseguia me surpreender, sempre sendo mais safada do que eu podia imaginar. Depois que essa história passou, o que começou a surgir foi um interesse cada vez maior do Junior me conhecer. Parece que ele começou a gostar dessa história de comer a mulher de um marido que aprova e curte a situação, e disse que queria fazer isso na cama dela, talvez até comigo assistindo. De início, fiquei um pouco tenso, embora ela estivesse super animada. Dava pra perceber que ela adorou a ideia de transar com o homem que adorava tanto na própria casa e na própria cama. Isso me deixou com muito ciúmes e tesão, de um jeito que eu não sentia há tempos. Ela começou a falar muito disso e eu acabei cedendo, embora não tenhamos marcado uma data de imediato. Num fim de semana, vi que ela estava falando bastante com ele pelo celular. Até que ela veio me perguntar se ele poderia nos visitar naquela noite. Respirei fundo e disse que sim. Ela me abraçou e me agradeceu, toda alegre. Passamos o resto do dia meio quietos, pois eu estava bem nervoso com a situação, do mesmo jeito que fiquei nas primeiras vezes que ela foi dar pra outros. Ele acabou chegando umas 11 horas da noite. Eu estava no sofá da sala assistindo TV, e ela veio abrir a porta. Ela o cumprimentou com um selinho. Levantei e ele veio me cumprimentar, sorrindo e tentando ser simpático. Ele me entregou uma garrafa de vinho que havia trazido. Tentamos conversar um pouco sobre amenidades, mas o clima estava estranho. Eu estava muito tenso e não conseguia falar muito. Ele, por outro lado, parecia à vontade, e ela o olhava com expressão de alegria. Um silêncio meio constrangedor acabou surgindo e eu fui para a cozinha com a desculpa de guardar o vinho.

Contos Imor(t)ais - VIDAS – 312 -


Quando voltei, eles já estavam se beijando, ainda de pé no meio da sala. Contornei eles e voltei para o sofá, para continuar vendo TV. Minha tensão mal me deixava olhar pra eles, e eles pareciam não estar ligando muito para minha presença. Mesmo sem olhar, senti que a coisa estava esquentando. Quando finalmente tive coragem, vi ele beijando o pescoço da Patricia, que revirava os olhos e estava com a boca aberta de tesão. Descendo o olhar, percebi que ele estava já com o pau pra fora, e ela o acariciava. Como tinha visto no computador, o pau dele não era comprido mas era grosso, cabeçudo, encurvado para cima e parecia muito duro. A mão delicada, de dedos finos e longo, contrastava com aquele caralho robusto. Ainda estava chocado com essa cena quando eles decidiram ir para o quarto. Fiquei sem reação, ainda muito tenso. Não consegui fazer nada por cinco minutos, quando tomei coragem de ir atrás deles. Só fui até porta do quarto. Quando olhei pra dentro, vi uma cena que não parecia ter nada demais, mas conhecendo a Patricia, fiquei mais uma vez surpreso, por nunca ter visto ela com tanto desejo e tesão em nenhuma das outras situações. Apenas um abajur estava aceso, deixando o quarto com pouca luz. Ela estava nua, deitada de barriga pra cima, com as pernas abertas, e ele estava tirando a roupa para trepar com ela. Enquanto esperava, ela levantou o quadril no ar e começou a girar e rebolar, oferecendo a buceta aberta pra ele. Ele veio por cima e penetrou, e ela deu um suspiro de prazer que veio do fundo da alma. Nessa hora ela inclinou a cabeça pra trás e me viu. Ela só disse: – Sai daqui. Estou com meu macho agora. Aquilo me deu um ciúme louco, mas como bom corno, aquele ciúme virou tesão, e saí do meu próprio quarto, humilhado e de pau duro. Voltei para o sofá e liguei a TV, mas obviamente nem conseguia ver o que estava passando. Minha atenção estava toda nos gemidos que vinham do quarto, nas estocadas, no barulho da cama batendo na parede. Fiz então a única coisa que podia fazer: comecei a bater punheta. Logo os gemidos aumentaram, surgiram alguns gritos, sussurros e percebi que eles tinham encerrado a primeira fase. Depois disso, eles conversaram muito, mais de uma hora. O papo era animado, deu pra ver que eles se davam muito bem. Em seguida, mais um momento de silêncio, em que imaginei que eles estavam retomando as atividades. Para minha surpresa, ela me chamou. Fui assustado até lá. Quando cheguei, ela estava sobre ele, como se estivesse cavalgando. Ela me olhou e sorriu, dizendo: – O Junior quer que você tire uma foto nossa. Ela então passou a cavalgar. Peguei meu celular e quando olhei direito vi que ela estava cavalgando com o pau dele encravado no cu. As pregas todas esticadas e ela sorrindo. Tirei uma foto e ela mandou tirar mais de perto. Ela parou com a bunda bem empinada e ele ajudou, abrindo um pouco mais com as mãos. Fiz mais uma foto e ela disse que eu podia ficar vendo um pouco. Eles ficaram assim por um tempo, até que ela falou: – Mostra pra ele como você faz comigo no motel. Ela ficou de quatro e ele ficou agachado atrás dela, enfiando a pica toda no cu. Ele se apoiou na cintura dela com uma das mãos e com a outra pegou nos cabelos dela, puxando a cabeça dela para trás. Ela cerrou os dentes e bufava, enquanto ele socava com força. Ela falou que estava doendo, mas acho que foi só pra provocar nele a reação que ela queria que eu visse: ele deu um tapa forte na Contos Imor(t)ais - VIDAS – 313 -


bunda dela, outro na cara, falando: "Cala a boca, vagabunda". Ela virou pra mim, sacudindo com as estocadas dele, respirando forte, e perguntou: "Você vai deixar ele fazer isso com sua mulher na sua cama?" Eu não reagi, obviamente. Ela disse: "Então pode sair de novo". Voltei pra sala e dessa vez os gritos foram mais altos. Estava com medo que os vizinhos do prédio reclamassem. Felizmente logo ele gozou e a foda pareceu ter acabado. Eles conversaram mais um tempo e o Junior decidiu ir embora. Ele já veio para a sala vestido, me cumprimentou e saiu. Fui para o quarto e conversamos. Ela disse que tinha gostado muito da experiência e que ele também. Ela comentou que gostaria que ele passasse a frequentar nossa casa. Por um lado, aquilo me incomodou, saber que aquela situação ia virar rotina. Por outro, meu desejo de ver ela sendo cada vez mais puta me fez também gostar da ideia. E eu vi também que do jeito que ela tava apaixonada, era inútil discordar. Falei que eu adoraria e ela sorriu contente. Nesse momento, tive um acesso de raiva. Falei que agora quem ia comer aquele cu era eu. Ela se surpreendeu com minha atitude, pois nunca tinha me visto ser agressivo. E eu não comia o cu dela há anos. Na verdade só tinha experimentado umas duas vezes há muito tempo, sempre deixando para os machos depois. Coloquei ela de quatro com força e olhei aquele rabo todo esfolado. Meu pau endureceu fácil, depois de tanta punheta sem gozar. Soquei direto no cu, até o fundo. Ela reclamou: – Ai! Vai com calma! – Que vai com calma o que! – E comecei a meter. Mesmo com o rabo arrombado, ainda pude sentir as bordas do cu dela pressionando meu pau e me lembrei como era gostoso foder uma bunda. Do mesmo jeito que o Junior, peguei no cabelo dela e puxei a cabeça pra trás. – Não é assim que você gosta? Ela só fez um an-hã. Naquele momento pude entender um pouco como os machos se sentiam. Dominar uma mulher delicada, linda de rosto e gostosa como aquela dava uma sensação ótima. Ver ela assim, toda submissa, com a bunda empinada pra você usar o cu dela como quisesse era demais. Fui me empolgando e comecei a enfiar com mais força. Comecei a pensar em tudo que ela já tinha feito e minha raiva e tesão foram no limite... Comecei a xingá-la: – Sua vadia... ordinária... puta de esquina... arrombada… Minha raiva explodiu e eu comecei a socar com violência, totalmente descontrolado. Metia com Contos Imor(t)ais - VIDAS – 314 -


tanta força que ela foi indo pra frente, o quadril dela levantava no ar, mas eu ainda segurava o cabelo dela. Ela gemia não sei se de dor ou de prazer, mas eu não queria nem saber, só queria rasgar aquela mulher no meio. Gozei urrando, enfiando até as bolas, quase deixando ela de ponta cabeça. Caí sem forças ao lado dela. Demorei pra recuperar o fôlego. Depois de um tempo ela só disse: – Gostei de ver. Caímos no sono, abraçados.

INVERSÃO Continuo contando a trajetória da Patricia, minha namorada e esposa, que de uma menina certinha se transformou numa devassa, e eu num corno completo. Vou retomar aqui o que aconteceu depois do relato 6. Nele, contei de como a Patricia me incentivou a pegar no pau do Anderson, o macho dela que frequentava nossa casa para satisfazê-la, enquanto eu assistia. Naquela ocasião, ela também deu pela primeira vez sem camisinha para ele. Depois desse dia, a Patricia ficou ainda mais obcecada com eu ter contato com o Anderson. Ela já tinha adorado quando eu tinha admitido que tinha tesão por ele, e agora que tinha segurado na rola, ela não falava sobre outra coisa nas nossas transas. Eu já estava me soltando mais e falava que tinha adorado sentir a pica, que tinha muito tesão por ele, que ele era um macho e tanto. Quanto mais eu falava, mais excitada ela ficava e mais forte ela gozava. Percebi então que as coisas estavam se invertendo... Durante todos os anos em que fizemos nossas safadezas, era ela quem me provocava, me deixava louco. Ela estava sempre tentando ser mais safada para me surpreender e para surpreender os caras. Agora era eu que tinha a chance de fazer isso com ela. Gostei muito de ter percebido isso e fui entrando cada vez mais na brincadeira, tanto por deixá-la assim como por de fato ter tesão pelo Anderson. As nossas fodas ficaram bem mais quentes. Numa vez, quando falei pra ela que gostaria de chupar a rola dele, ela gozou na hora em que ouviu isso. Depois, quis provocar mais e falei que queria dar pra ele. Ela ficou maluca. Parou a foda e pediu pra eu mostrar pra ela como queria fazer isso. Fiquei de quatro na frente dela. Ela ficou vendo enquanto se masturbava, cheia de tesão. Em outra ocasião, fiquei batendo punheta para uma foto do Anderson pra ela assistir, também se masturbando. E, em uma das vezes que ela saiu para transar com o outro macho dela (conto 7) mandei no celular dela uma foto do pau do Anderson dizendo que ia ficar batendo para aquela foto enquanto ela fodia com o macho dela. Ela disse que por causa disso deu que nem uma puta pro macho, tamanho foi o tesão que ficou. Como falávamos disso sempre, não demorou para a Patricia começar a falar dessas coisas acontecerem de fato. Eu ainda receava, apesar de ter pego no pau dele, a ir além, mas estava ficando com mais coragem. Tínhamos marcado dele ir em casa naquele fim de semana e disse que, se tivesse coragem, toparia algo. Ela falou que tentaria convencê-lo a me deixar chupar o pau. Fiquei ao mesmo tempo tenso e na expectativa. Transamos muito falando sobre isso. No dia em que ele foi até nossa casa, tudo começou normalmente, por conta da intimidade que já tínhamos. Ela o esperou de lingerie e o recebeu assim que ele chegou. Ficamos conversando normalmente na sala, com ela no colo dele, e eles trocando beijos e carícias enquanto falávamos. Contos Imor(t)ais - VIDAS – 315 -


Ela então pediu pra eu esperar no quarto, algo que não era comum dela. Entendi que ela queria falar com ele a sós. Gelei e fiz o que ela pediu. Fiquei esperando uns dez minutos, sem conseguir ouvir o que eles diziam. Eles vieram para o quarto já se pegando com tesão, como era de costume. Ela já estava sem calcinha, só sobrando o sutiã. Ao chegar, ela tirou a roupa dele e a rola enorme pulou pra fora, duríssima. Ela já abocanhou e chupou com vontade. Logo depois ele foi pra cima dela na cama, metendo com ela por baixo. Pra eles era como se eu nem estivesse ali, então entendi que a conversa não tinha dado certo. Relaxei e tirei a roupa para fazer o que sempre fazia, que era ficar punhetando enquanto os dois trepavam. Ela gozou rápido, gemendo forte, e pediu pra ele sair de cima. Ele ficou ajoelhado na cama, com o pau apontando para o teto. Ela ficou de quatro e passou a chupá-lo, devagar. De repente, ela olhou pra mim e disse: "Vem me dar um beijo". Gelei, pois a rola dele estava na cara dela. Olhei para o Anderson, mas ele não disse nada. Ficou apenas com as mãos na cintura esperando. Fui até eles devagar, muito nervoso. Abaixei para beijála e nessa hora ela posicionou o pau dele bem na altura dos lábios. Beijei metade a boca dela e metade a cabeça do pau, tremendo de nervoso. Ela me olhava bem no fundos dos olhos, e começamos a nos beijar com a língua, com a cabeça do pau no meio. Ela parou de me beijar e se afastou, me deixando com o pau dele na cara. Ela se afastou e ficou vendo a cena de longe. Ninguém falou nada. Decidi seguir meu tesão, embora ainda estivesse bem nervoso. Tinha fantasiado muito tempo com aquele momento e agora estava acontecendo. Continuei lambendo a cabeça do pau dele, de olhos fechados. Acho que por vergonha. Mas senti os contornos da glande com a ponta da língua. Lambi toda a extensão do pau e voltava para a cabeça. Respirei fundo e resolvi colocar os lábios em volta do pau. Nunca tinha feito isso antes, mas tentei arriscar. Fui colocando pra dentro da boca até onde conseguia, que não era muito. Mesmo assim, arrisquei movimentos de entra e sai, de leve, meio sem jeito. O Anderson segurou na minha cabeça para guiar os movimentos. Abri os olhos e vi que ele estava com tesão, fazendo movimentos leves e respirando forte, ainda com o pau duríssimo. Isso me deu confiança e consegui me soltar. Tirei o pau da boca e voltei a lamber. Com as mãos senti a bunda dele, coisa que sempre quis fazer. Era como eu imaginava, redonda, dura, tesuda. Por um tempo fiquei sentindo a bunda com as mãos e esfregando a cara na rola dele. Estava hipnotizado por aquele pau grosso e quente. Olhei para trás e vi que a Patricia me olhava fixamente, com um misto de tesão e ciúme, enquanto se masturbava. Eu sabia muito bem como era aquela sensação, pois sentia aquilo há anos. Resolvi devolver as provocações que ela havia me feito por anos. Olhei pra ela com cara de tesão, a boca aberta, e voltei a abocanhar a pica. Chupava lentamente enquanto passava as mãos pelo corpo dele. Ela pareceu ficar ainda mais excitada. Provoquei mais ainda: fiquei de quatro, sem tirar a rola dele da boca, com a bunda virada pra ela. Empinei o máximo que podia. Ele começou a meter de leve na minha boca, querendo gozar. Ao mesmo tempo, passei a piscar o cu, que só ela estava vendo. Só ouvi, nesse momento, ela dizer, ofegante: – Seu filho da puta, safado filho da puta... aaaahhh… – E gozou se contorcendo, com a mão no meio das pernas.

Contos Imor(t)ais - VIDAS – 316 -


O Anderson pareceu ter adorado a cena, pois aumentou os movimentos e logo em seguida tirou o pau da minha boca, gozando na minha cara. Fechei os olhos e recebi vários jatos de porra quente no rosto. Que tesão. Ficamos os três nos recuperando e eu curtindo a porra na minha cara, ainda cheio de tesão. Eles acabaram pegando no sono e eu fui lavar o rosto. Depois me juntei a eles na cama, também para dormir. O resto da estada dele foi normal. De manhã eles treparam mais uma vez e ele foi embora. Naquela noite, ela veio falar comigo sobre o que tinha acontecido. Conversamos e descobrimos que ambos tínhamos adorado a situação. E tivemos a mesma percepção. Ela agora sabia como eu me sentia assistindo e vendo as safadezas dela, e eu sabia como ela se sentia provocando e querendo ser o mais safada possível. Ela perguntou se eu queria ir mais longe, se queria dar pra ele. Eu, entrando no clima, falei que sim. Mas ela veio com um balde de água fria: – É, pena que ele não quer te comer. – É mesmo? – perguntei, decepcionado. – Sim. Quando conversamos ontem ele falou que até deixava você chupar, mas que gosta de comer mulher só. Disse que nunca fez isso com homem e que vem aqui pra meter em mim. – Bom, tudo bem, fazer o que, né? Ela deu um sorrisinho e entendi que tinha mais coisas no meio. Falou: – Mas ele disse que toparia se eu passasse um fim de semana sozinha com ele. O Anderson já tinha sugerido isso várias vezes, mas a Patricia nunca tinha topado. Ela via o Anderson como o macho que comia ela na minha frente, pra eu ver, e achava que não fazia sentido dar pra ele sozinha. Comentei: – Bom, mas você nunca quis fazer isso. – É, mas se for pra isso eu faço – ela respondeu, com um sorriso safado. – O que você acha? Óbvio que eu achava ótimo. Só ela ficar um fim de semana sendo a puta do macho já seria bom, e se isso ainda ia me permitir dar para o macho que eu tanto desejava, era tudo perfeito. Falei que topava. Ela me explicou as condições: – Mas eu vou sozinha, você não pode ir junto, não pode ver, não vou ficar te ligando. E ele pode fazer o que quiser comigo. Vou no sábado cedo e volto no domingo, na hora em que ele deixar. – Claro. No sábado de manhã ela arrumou as coisas para ir para o apartamento dele, que era próximo do nosso. Ela levou algumas roupas mais casuais e outras mais sofisticadas, pois não sabia quais seriam os planos dele. Eu não deixei ela levar nenhuma calcinha.

Contos Imor(t)ais - VIDAS – 317 -


Como prometido, ela não entrou em contato. Fiquei muito apreensivo em casa, pois era a primeira vez que ela saía sem eu saber o que acontecia e sem que ela me ligasse. Mal dormi naquela noite, inclusive por preocupação, pois se acontecesse qualquer coisa eu nem mesmo sabia onde ela estava. Para minha surpresa, ela chegou até que cedo, no domingo, no começo da tarde. Percebi que ela estava bem cansada, com olheiras, e tinha acabado de tomar banho, pois o cabelo ainda estava molhado. Perguntei como tinha sido, se ela estava bem. Ela respondeu que sim, que queria descansar um pouco e depois me contava tudo. Foi direto pra cama e dormiu umas duas horas. Ao acordar, ela me relatou o que tinha acontecido. Ela disse que chegou na casa do Anderson no sábado. Ele já estava esperando por ela. O que ele queria é que ela bancasse a putinha dele aqueles dois dias. Antes de fazer qualquer coisa, eles saíram pra almoçar, ela sem calcinha, claro. Ele ficou pegando nela o tempo todo, se beijaram e se amassaram, mas nada de mais. Voltaram para casa e transaram durante a tarde. Segundo ela, foi uma foda até que tranquila. Parecia que ele estava guardando energia para mais tarde. À noite, ele avisou a Patricia que eles iriam sair, para encontrar alguns amigos dele num bar. Ela colocou uma saia justa, que desenhava bem o quadril e a bunda dela, sem calcinha, e uma blusa normal. Chegando no bar, eles encontraram dois amigos: o Patrick e o Henrique, que estava com a namorada. A Patricia acha que eles já sabiam qual era a situação, pois ambos a olharam com malícia. E em nenhum momento ela tirou a aliança. O papo no bar foi divertido, mas nada de mais aconteceu. A Patricia achou que a namorada do Henrique não gostou muito dela. De lá, eles decidiram ir para uma balada. A Patricia é fraca para bebida, e tanto no bar quanto depois o Anderson e os amigos a incentivaram a beber bastante. Ela foi se soltando, começou a dançar com eles que já a pegavam, beijavam, passavam a mão. A Patricia disse que não lembra de tudo que aconteceu nesse momento, mas tem flashes de memória dos rapazes dançando com ela e rindo, e um momento em que ela parecia estar sozinha na pista e outros homens também se esfregando e sentindo a bunda dela. Ela lembra de estar muito excitada. Ela contou que, mais para o fim da noite, o Henrique, que não pôde fazer nada com a Patricia por conta da namorada, aproveitou um momento em que a namorada foi no banheiro para enfiar a mão por baixo da saia da Patricia. Ele mexeu na buceta e no cu dela. Ela se sentiu muito puta quando a namorada voltou, sem desconfiar de nada. O Henrique foi embora e a Patricia voltou para o apartamento do Anderson, junto com o Patrick. Chegando lá, com a Patricia ainda bem alta, eles fizeram o que quiseram com ela. Ela tirou toda a roupa e teve que chupar os paus dos dois, ainda vestidos. Depois, comeram ela ao mesmo tempo, com a Patricia fazendo pela primeira vez uma DP. Ela lembra de ter gozado, mas de eles se segurarem bastante, e depois meterem nela de forma alternada. Ela acha que ficaram mais de duas horas nisso, até que ambos gozaram. Nisso já estava amanhecendo. Os dois foram pra sala e quem chegou nesse momento foi o Henrique, só que sem a namorada. Ele foi direto para o quarto, onde a Patricia estava, pelada, na cama. Ele já foi tirando a roupa e mandando ela chupar. Ela disse que os outros foram cuidadosos com ela, mas que o Henrique foi bem agressivo. Primeiro, ficou segurando ela pelos cabelos fazendo ela engolir todo o pau até quase engasgar. Em seguida, deu tapas na cara dela e a fez ficar de quatro. Ele montou em cima dela e prendeu os braços dela nas costas. Meteu um pouco na buceta e depois já enfiou no cu, a seco. Com uma das mãos ele segurava os braços dela e com a outra Contos Imor(t)ais - VIDAS – 318 -


puxava o cabelo. Ela estava com a cabeça afundada no travesseiro e ele a fez chupar os dedos do pé dele e depois pisou na cara dela. Enquanto isso, ele socava com força, e ela começou a gritar. O Anderson apareceu e pediu pra ele ir com calma. Mas isso parece ter deixado o Henrique ainda mais agressivo, pois ele respondeu que uma vagabunda dessas tinha que apanhar mesmo, e começou a meter mais forte. O Anderson saiu e o Henrique continuou abusando dela, que só berrava a cada socada no cu. Depois de um tempo ele gozou, e aí deixou a Patricia de novo largada na cama. Se vestiu e foi embora. Uma meia hora depois, o Patrick também veio se despedir e pediu um boquete. A Patricia atendeu e ele gozou na cara dela. Depois disso, ela conseguiu dormir um pouco. O Anderson ainda tirou algumas fotos dela pelada e disse que ela podia ir embora. Ela perguntou se podia tomar banho e ele respondeu que sim. Depois disso ela voltou pra casa. Fiquei surpreso com tudo que havia acontecido com ela. Perguntei o que ela tinha achado. Ela falou que teve um pouco de medo quando ficou sozinha com o Henrique, mas que todo o resto foi muito excitante. E mesmo a situação com o Henrique, agora que tinha passado e acabado bem, também era algo que ela achou safado fazer. Ela comentou também que achou divertido como a namorada dele não tinha ido com a cara dela, talvez por a Patricia estar recebendo a atenção de todos com seu jeito de puta. E no fim isso até fazia com que ela tivesse um prazer extra no fato do Henrique ter ido na casa do Anderson para que eles trepassem. Naquela noite, a Patricia mandou mensagem para o Anderson perguntando se a outra parte do acordo continuava de pé. Ele respondeu que sim e disse que no fim de semana seguinte estaria na nossa casa pra cumprir o combinado. Logo depois ela bateu uma punheta pra mim dizendo que eu finalmente ia ter um macho pra mim. Enquanto ela batia, ela falava pra eu pensar nele, na pica dele... Quando eu estava pra gozar, ela perguntou: – Você vai querer dar, amor? – Vou sim… – É mesmo? Pra quem? – Pro Anderson… – E o que você vai dar? – Meu cuzinho… – Hum, que gostoso... O que você pensa quando me vê dando o cu pra ele? – Que queria estar no seu lugar… – Hum, safadinho... Agora vai ser a sua vez. Goza pensando nele, goza… – Ah, Anderson, aaaaaaah.... Durante a semana fiquei ao mesmo tempo cheio de expectativa e apreensão. Eu e a Patricia trocávamos mensagens falando de como estávamos excitados com a situação, mas não transamos, deixando o tesão acumular. No sábado à tarde, recebemos o Anderson em casa. Dessa vez, fomos Contos Imor(t)ais - VIDAS – 319 -


com bastante calma. Sentamos na sala para conversar e tomamos vinho. Depois de um tempo já estávamos bem soltos. A Patricia sentou no colo do Anderson e eles começaram a se beijar. Fiquei vendo de longe, bebericando na minha taça. Eles se amassavam e eu via que a rola dele já estava dura sob a calca jeans. Ela sugeriu que fôssemos para o quarto e o conduziu pela mão. Chegando lá, ela tirou toda a roupa, sem pudor. Ele a acompanhou, mais lentamente, mas assim que baixou a cueca, seu pau pulou com força pra fora. Ela o chupou com muita vontade. Eu sentei num canto e fiquei assistindo, como de costume. Ele chupou a buceta dela e pediu pra ele meter. Achei que eles tinham esquecido de mim, mas após algumas metidas ela pediu para ele parar, se virou pra mim e disse: – Por que você não tira a roupa e vem pra cá? Hoje é seu dia. Já deixei o macho pronto pra você. Tremendo de nervoso, tirei a roupa e fui para a cama, fiquei perto deles. Ele estava ajoelhado e a pica dele estava apontando pra cima, melada da buceta dela. Ela sugeriu: – Sente o meu gosto no pau dele. Me abaixei e comecei a lamber e chupar o pau dele. A Paty ficou ao lado, beijando ele e trocando carícias. Ele pegava na bunda dela. Ela perguntou se eu não gostaria de deitar de lado na cama. Obedeci e fiquei de costas pra eles. A Patricia foi buscar um tubo de lubrificante e passou no pau dele. Depois, pediu pra eu empinar a bunda para trás e melou o meu cuzinho. Percebi o Anderson deitando atrás de mim. Ele puxou meu quadril para trás e a Patricia abriu minha bunda. Senti, então, a cabeça do pau dele roçando o meio da minha bunda. Apesar de ser algo que eu desejasse há muito tempo, na hora ainda estava muito nervoso, e me fechei todo. A Patricia brincou, perguntando se não era isso que eu queria tanto, e começou a brincar com meu cuzinho. Ela enfiou um dedo e disse que eu estava muito travado, que tinha que relaxar. Ela falou no meu ouvido que tinha um macho delicioso com uma rola enorme dura pronta pra me enrabar, e perguntou se eu não queria. Senti uma onda de tesão e ela percebeu que eu relaxei na hora. Ela aproveitou para pegar a rola dele e colocar de novo no meio da minha bunda, e ele começou a forçar. Depois de alguma insistência, senti meu cuzinho se abrindo e uma leve ardência. Ela me disse, cheia de tesão, que a cabeça tinha entrado. Ele forçou um pouco mais e tive uma sensação estranha com o pau entrando mais, parecia que estava pressionando tudo dentro. Era meio incômodo, mas resisti. Dor mesmo, já não sentia. Ele começou o movimento de vai e vem. A Patricia estava bastante excitada assistindo, mexia na buceta dela, mas eu e ele ainda estávamos meio travados. Ela pediu pra ele tentar enfiar até o fim. Ele atendeu e entrou até que fácil. Mas eu pedi para pararmos um pouco. Ele tirou e ficamos os três na cama, meio em silêncio. Eu estava chateado, pois queria muito aquilo mas não estava conseguindo aproveitar. Até que a Patricia disse: – Bom, se você não vai dar, dou eu. Ela ficou de quatro e falou para o Anderson para ele meter, pois ele estava ali pra comer cu. Ele imediatamente foi pra trás dela e meteu de uma vez. Ela estava bem perto de mim e me falou sorrindo, sacudindo com as estocadas: – Corninho bobo, não sabe o que está perdendo. Meu pau endureceu na hora vendo a cena. Comecei a me masturbar com força, olhando a cena de Contos Imor(t)ais - VIDAS – 320 -


perto, ouvindo os gemidos dela, vendo o cu arrombado e o pau dele entrando e saindo. Meu tesão foi a mil e eu pedi para tentar de novo. Ela abriu um sorriso de orelha a orelha e na hora saiu do pau dele, me dando espaço para ficar no lugar. Fiquei de quatro e empinei o máximo que pude. O Anderson deu uma reforçada no lubrificante e meteu direto. O pau escorregou inteiro para dentro. Senti o corpo dele encostando na minha bunda. A Patricia estava encostada num canto da cama, esfregando a buceta e olhando a cena com os olhos vidrados. Ele começou a socar. Dessa vez eu estava bem excitado. Fiquei louco com a sensação do meu corpo indo pra frente e para trás com as enfiadas dele. A Patricia riu e disse para o Anderson: – O pintinho dele está duro, balançando com as suas metidas. Meu tesão cresceu ainda mais, e eu resolvi mexer um pouco a bunda. Foi uma sensação louca, sentir aquela tora travada no meu cu, me pressionando conforme eu me movimentava. Ele voltou a meter, e aí o tesão, junto com o vinho, me fizeram perder o controle. Quando me dei conta que aquele macho por quem eu tinha tanto desejo estava duro pra mim, comendo o meu cu, que minha mulher estava excitadíssima vendo a cena, que talvez aquela fosse a única vez que eu teria aquela oportunidade, fiquei louco. Queria não só aproveitar, mas também provocar a Patricia do mesmo jeito que ela tinha me provocado todos aqueles anos. O Anderson estava metendo do jeito que ele gostava, e eu sentia que o pau entrava e saia todo do meu cu. Olhei para a Patricia com uma cara de tesão. Abri a boca e comecei a fazer movimentos com a língua. Ela arregalou os olhos de surpresa. Levantei o tronco e olhei para o Anderson daquele jeito. Ele enfiou um dedo na minha boca, que comecei a chupar revirando os olhos, olhando de novo para a Patricia. Ela arregalou os olhos mais ainda, e disse: – Você é um viado! Adorei ouvir aquilo. Já totalmente fora de controle, queria ir mais longe ainda e comecei a gemer. Gemi alto, fino, como se fosse uma puta, uma atriz pornô, do jeito mais afetado que eu conseguia. Ela só conseguia se masturbar que nem louca. O Anderson também não se conformava e disse pra ela: – Seu marido é uma bicha louca. Ele me pegou pelo quadril, com as duas mãos e começou a socar com toda a força. Eu disse, sacudindo com as enterradas: – Amo macho, amo pau grande, amo dar o cu. Só quero dar o cu, arromba meu cu. A Patricia gozou ouvindo isso, gozou gritando e se contorcendo toda, enfiando os dedos na buceta. O Anderson socava com tanta força que eu quase levantava da cama, com o corpo dele se chocando no meu. Vi que ele estava quase lá e peguei meu pau para me masturbar. Ele gozou enfiando fundo e com um gemido longo. Eu me masturbei freneticamente e consegui gozar com o pau dele ainda totalmente enterrado no meu rabo, gemendo como uma puta. Ficamos os três exaustos, em silêncio. Acabamos caindo no sono e dormimos juntos. No meio da noite o Anderson foi embora. No dia seguinte eu e a Patricia acordamos bem, sorrindo um para o outro. Finalmente, ali, tínhamos chegado num ponto de cumplicidade total um com o outro, em que Contos Imor(t)ais - VIDAS – 321 -


ambos podiam se soltar e se abrir totalmente.

LUCAS E RUI Desde que colocamos aqui no site os nossos relatos, muitas pessoas nos contataram ou nos adicionaram. Ficamos muito satisfeitos de ver que as pessoas se excitam com as nossas experiências, gostam das fotos dela e da nossa filosofia como casal. Entretanto, infelizmente é muito difícil fazer com que uma conversa evolua aqui. A maior parte dos caras escreve muito mal, manda apenas uma linha pedindo whats ou falando "vamos sair". Por mais que a Patricia seja safada e goste de homens safados, essas propostas são bem brochantes e acabamos nem respondendo. Mas sempre existem exceções à regra, e queremos contar aqui o que aconteceu com dois caras que conhecemos aqui pelo site mesmo, a partir da forma diferenciada que eles tiveram de agir. O primeiro foi o Lucas, um rapaz de vinte e poucos anos que nos escreveu dizendo que gostou muito dos nossos relatos e queria saber mais sobre nós. Ele disse que tinha muita vontade de fazer esse tipo de coisa e queria saber como era nosso dia a dia, como eram as situações que contávamos com detalhes. Apesar de ter um corpo bonito e um pau de respeito, em nenhum momento sugeriu de sairmos. A Patricia, sempre que tinha chance, conversava com ele no Skype ou por e-mail, e gostava muito de como ele parecia ficar louco apenas de saber do que ela fazia ou dia vontade. Foi-se criando uma bela amizade virtual, sem pressões e com interesse genuíno. Bem nessa época, os dois amigos que costumavam satisfazer a Patricia deram uma sumida. O colega de trabalho que ela adorava estava com a namorada muito em cima e não conseguia escapar para apagar o fogo da minha esposa. E o Anderson, o macho que a comia ocasionalmente e em cuja pica eu acabei entrando também, tinha ido para outra cidade para um projeto de trabalho. Com isso, ficamos os dois chateados, pois ela gostava muito do macho dela e eu do que eu tinha experimentado. E se antes eu já quase não a comia, depois de ter chupado e dado parei de vez, falando pra ela que meu negócio era outro. Ainda nos masturbávamos juntos, sempre falando sobre os homens, vendo fotos das fodas ou de machos pelados. Ocasionalmente eu a chupava, mas parei de meter. Embora ela gozasse com isso, não era suficiente. Depois de quase um mês sem dar, num sábado à tarde, ela fez algo que não fazia há muito tempo: apareceu pelada na minha frente pedindo pra eu comer ela. Ela estava com a boca aberta de tesão e um olhar de quem estava no cio. Com uma das mãos mexia devagar na buceta e disse: – Estou com a buceta pegando fogo. Você não quer me comer? – Posso te chupar se você quiser – respondi. – Não, eu quero pau. Na buceta e no cu. – Também quero pau no cu. E você precisa de um pau de verdade. – Eu sei, mas não tenho. – E porque não dá pra um dos caras que você conversa na internet? O Lucas é legal e parece ter um pau grande. Contos Imor(t)ais - VIDAS – 322 -


– Não sei, não conheço ele. – Isso nunca foi impedimento pra você… – Mas como eu faço? – Ué, como você fez comigo agora, pergunta se ele não quer te comer. Quer que eu faça isso? Ela pensou por um tempo, meio insegura, mas logo deu um sorriso meio safado e disse: – Ai, eu topo... Estou precisando muito. Fiquei contente com o fato dela ter aceitado e entrei no Skype para ver se ele estava online. Felizmente, ele estava. De cara, perguntei se ele gostaria de comer a Patricia. Ele mal soube o que responder. Disse que adoraria, mas que não imaginava que tinha chance pela falta de experiência. Falei que ela gostava muito dele e que estava precisando muito dar. Ele respondeu que adoraria. Perguntei se ele estava livre, se estava sozinho em casa. Ele disse que sim e que os amigos que moravam com ele só voltariam no dia seguinte à noite. Perguntei se ela poderia visitá-lo. Ele disse que sim e passou o endereço, mas parecia desconfiado e não acreditando, o que me deu mais tesão. Quando falei pra ela o combinado, ela reclamou: – Eu é que tenho que ir lá? Mas nem conheço ele! – Você já fez isso antes e adorou… Ela me olhou meio desconfiada. Sentei ao lado dela e comecei a beijá-la. Em seguida, comecei a mexer na buceta dela, que estava já bem molhada. Comecei a sussurrar provocações no ouvido dela, dizendo que tinha um macho duro pronto pra comer ela, que ela tinha mesmo que se oferecer pra qualquer um, que ela tinha que ir bater na porta do cara pedindo pau e coisas assim. Ela ficou ainda mais excitada e quis ir na hora. Ela nem se arrumou muito. Disse que não valia a pena, que qualquer roupa que colocasse ia sair logo, então foi bem à vontade, com uma roupa do dia a dia. O toque safado ficou pelo fato dela estar com uma calça legging sem calcinha. Chamamos um táxi e ela foi para o endereço que ele havia passado. Depois de cerca de 20 minutos ela me mandou um whatsapp dizendo que havia chegado. Fiquei excitado e tenso, como sempre acontecia nessas situações, especialmente envolvendo caras novos. Entrei no Skype mas ele não estava online. Comecei a bater uma punheta. Dez minutos depois chegou mais um whatsapp dela, dessa vez uma foto dela toda pelada, de 4, sobre uma cama. Não me aguentei e liguei. Ele atendeu. Perguntei: – É o Lucas? – Sim. – Aqui é o Robson… – E aí, cara, tudo bem? Cara, não estou acreditando, ela já está aqui pelada pedindo pra eu meter nela! Acho que ela gostou de mim… Contos Imor(t)ais - VIDAS – 323 -


– Aproveita e mete esse pau gostoso nela porque ela está precisando muito mesmo. – Pode deixar, nossa, com certeza! Desliguei e voltei para o Skype. Fiquei batendo punheta conversando com algumas pessoas, comentando que a Patricia estava dando para um desconhecido da net. A maior parte das pessoas achava o máximo, mas algumas perguntavam se eu não tinha medo. Eu respondia: – Medo do que, de que o cara abuse dela? É pra isso mesmo que ela está lá! Uns vinte minutos depois, meu telefone tocou. Era ela, que já foi logo dizendo: – Já gozei muito... Nossa... – Ficamos em silêncio e ouvi que ela respirava rápido. Perguntei o que estava acontecendo e ela respondeu por entre os dentes, falando no meio de suspiro: – Tá comendo... meu cu... ufff. – Sua puta, já está dando o cu pra um cara que você nem conhece? – Não aguento... eu quero... quero pau no cu. – Está usando camisinha? – Não... não quis... gosto de sentir o pau… – Sua puta... Então suga toda a porra dele com esse seu ânus sedento, sua vadia! – Isso, eu quero... Ouvi ele estocando mais forte e ela desligou. Voltei para minha punheta e depois fui fazer outras coisas. Depois de um certo tempo ela ligou de novo, dizendo que tinha gostado muito dele e se podia passar a noite lá. Falei que sim e que ela deveria aproveitar bem. Não nos falamos mais até meia noite. Eu já estava na cama e o telefone tocou de novo. Dessa vez, ela só gritava, gritos altos e ritmados, e junto o som dos corpos se chocando. Perguntei o que ela estava fazendo e ela não respondeu, só falou: – Que tesãooo! Em seguida, desligou de novo. Ela só chegou no dia seguinte, bem cedo. Estava com uma expressão muito feliz e assim que chegou me mostrou a buceta e o cu bem vermelhinhos de tanto dar. O cuzinho estava bem aberto. Ela contou que o Lucas era insaciável, que perdeu a conta de quantas vezes gozou, mas que ele havia gozado três vezes, sendo duas à tarde e a terceira à noite logo depois que ela me ligou. Ela falou bem contente que tinha feito o que eu tinha mandado e que nas três vezes ele gozou dentro do rabo dela. Perguntei se agora ela estava satisfeita. Ela respondeu que por enquanto sim e foi para a cama para tirar o sono atrasado da noite agitada. Uma outra situação muito interessante que passamos recentemente começou de forma parecida, com um amigo, chamado Rui, nos escrevendo aqui dizendo que havia ficado encantado com nossos Contos Imor(t)ais - VIDAS – 324 -


contos e perguntando se eram reais. Respondemos que sim e ele já disse de cara que não tinha expectativa nenhuma de sair conosco, mas que gostou muito do que contamos e seria fantástico para ele se pudéssemos apenas nos corresponder. Topamos, claro, pois era muito gostoso falar com um "fã" que curtia muito tudo que vivíamos. Também passamos a falar no Skype e eu comentava com ele tudo que fazíamos nesse aspecto, se a Patricia ia sair com alguém, se receberíamos alguma visita em casa... Ele se empolgava muito, queria saber detalhes e várias vezes conversei com ele enquanto a Patricia estava no motel com o seu amante. A Patricia conversou algumas vezes com ele também, depois me dizendo que ele era muito educado e atencioso. Depois de algum tempo de conversa, o Rui disse que tinha um pedido. Ele falou que não tinha a menor pretensão de sair com a Patricia, pois era mais velho, obeso e não transava há anos por conta disso. Mas que gostaria muito de assistir uma foda nossa. Ficamos de pensar, pois isso nunca tínhamos feito. Não ficamos extremamente excitados com a ideia, mas também não descartamos. Acabamos deixando de lado por um tempo. Uma semana depois da Patricia ter dado para o Lucas, ela retomou o assunto, dizendo que tinha gostado dessa história de sair com o pessoal do site, e o que eu achava de convidarmos o Rui para realizar o desejo dele. Falei que se ela quisesse, podíamos fazer sim. Ela falou que a condição era que fosse para o que ele falou, apenas assistir. Que ele podia até se masturbar, mas sem encostar nela. Comentei com ele e ele ficou eufórico. Combinamos para o fim de semana seguinte. Depois fui perguntar pra ela porque ela tinha mudado de ideia. Ela falou que tinha pensado e que se sentia muito excitada de saber que um homem tinha tanto tesão por ela e que não transava há tanto tempo. E que ia adorar provocar ele, numa situação dessas, ela sendo uma mulher que ele nunca conseguiria na vida, na frente dele e ele não podendo fazer nada. Achei ela muito safada e pervertida e adorei a explicação. No dia do encontro, ela se preparou com banho demorado. Vestiu uma camisola, uma calcinha de renda enfiada na bunda e nada de sutiã. Quando ele chegou, ela preferiu ficar no quarto. Ele realmente era como tinha descrito, mais velho, bem obeso, mas arrumado, perfumado e muito simpático. Ficamos conversando por uns cinco minutos quando ela apareceu. Ele ficou abismado com ela, que fez um sinal pra ele não se levantar e se sentou do meu lado. Continuamos a conversa e eu fui pegar um pouco de vinho para nos soltarmos. Quando voltei, a conversa entre eles estava esquentando. Ela disse: – Bom, estou aqui na sua frente, pode perguntar o que quiser que eu respondo. – O que te faz ser tão safada? – ele perguntou, depois de hesitar um pouco. – Eu realmente não resisto a um homem que tem desejo por mim – ela respondeu, rindo. – Fico louca, não aguento. Sinto um negócio muito forte. – Sempre foi assim? – Sempre tive tesão, mas no começo era só com o Robson, se você lembra dos relatos vai lembrar. – Sim, lembro que ele teve que te provocar bastante pra você aceitar sair com outros. Contos Imor(t)ais - VIDAS – 325 -


– É, comecei a fazer isso por amor ao Robson. Depois vi como era bom. E o Robson me provocava cada vez mais. – No começo você ficou chateada com ele? – Sim, eu não entendia muito no começo. Lembro de uma vez, quando a gente só fantasiava, que ele falou que queria que minha bunda fosse um depósito de porra de outros machos. Fiquei chocada... Até chorei depois. – E hoje, o que você acha disso? – Hoje isso me excita! – ela respondeu, rindo. – Já teve vezes que eu estou com um cara que eu gosto e que lembro do Robson me falando isso e penso que é o que quero também, que ele me use pra gozar. Entrei na conversa: – Pois é, já teve uma vez em que ela estava com um amigo e me ligou durante o anal dizendo isso... Conta pra ele o que você falou, amor. – Eu estava fazendo anal, o cara estava alucinado comigo e eu falei no telefone... Amor, ele está metendo no meu cuzinho, vai encher de porra, vai ser um depósito de porra como você queria... Aí virei pro macho e falei, vai, usa mesmo, usa meu cu pra gozar. Demos risada e continuamos falando de algumas coisas, quando ela sugeriu que fôssemos pro quarto. Ela indicou uma poltrona para o Rui, que tinha uma boa visão da cama. Eu e ela nos deitamos e começamos a nos beijar. Tirei a minha roupa e ela montou em mim, ficando de costas para ele. Ela se debruçou sobre mim e percebi que ele estava com os olhos arregalados na bunda dela e já batendo uma punheta. Abri as nádegas dela, que ainda estava de calcinha e ele acelerou a punheta. Perguntei o que ele tinha achado da bunda dela. "Maravilhosa", ele respondeu. Ela tirou a calcinha e sentou no meu pau. Já estava bem excitada. Fazia muito tempo que não transávamos, até tinha esquecido como era a sensação do meu pau na buceta quente dela. A Patricia também parecia com saudades de levar um pau, pois já gemeu assim que entrou e começou a rebolar que nem louca. Com isso, gozei em menos de um minuto, e ela quando percebeu gemeu desapontada: – Não! Já? – Ela levantou e foi para o banheiro lavar a porra, e no caminho comentou com o Rui: –Tá vendo porque eu preciso de outros machos? Ele deu risada e acompanhou ela com os olhos. Em alguns instantes ela estava de volta e se sentou na ponta da cama, com as pernas cruzadas, olhando pra ele. Ela falou: – Bom, agora só me resta te ajudar com a sua punheta. Falando isso, ela abriu as pernas, abrindo a buceta. Ele se lembrou bem das regras e não fez nenhuma menção de tocá-la, apenas continuando a punheta com os olhos grudados nos lábios de Contos Imor(t)ais - VIDAS – 326 -


Patricia. Ela se animou com o respeito dele e deitou na cama abrindo totalmente as pernas, arreganhando ainda mais a buceta. Ele continuou na punheta, alucinado. Ela perguntou: – Você quer alguma coisa? – Posso ver seu cuzinho? – Achei que você não ia pedir – comentou ela, rindo e ficando de quatro, toda empinada. Nisso ela ficou me olhando com uma cara de safada, cheia de um tesão que eu não tinha satisfeito. – Pode olhar mais de perto – ela falou, com um jeito maroto. Ele se levantou sem tirar a mão do pau e aproximou o rosto da bunda dela. Ela foi orientando pra ele chegar mais perto, mais perto, até ficar a poucos centímetros da bunda aberta dela. Ele ficou olhando e depois de um tempo me disse, impressionado: – Ela está piscando o cuzinho pra mim! Ela estava me olhando sorrindo. E perguntou pra ele: – Você quer sentir o gosto do meu cu? – Muito, quero muito – ele respondeu, tremendo. – Então pode passar a língua nele. Só a língua, e só no cu. Nesse ponto eu já estava batendo punheta. Ela abriu ainda mais a bunda com as duas mãos e a cara enfiada no colchão. Ele colocou a língua toda pra fora e foi direto no ânus piscante dela. Os dois gemeram. Depois de alguns instantes, ela gemeu ainda mais e disse: – Deita na cama, quero sentar na sua cara. Ele deitou e ela ficou em pé em cima dele e foi descendo na direção do rosto dele de cócoras. Ela se apoiou nos joelhos, empinou a bunda o máximo que conseguiu para expor ao máximo o cu e passou a literalmente esfregar o cu na cara dele que lambia e mexia a cabeça, querendo sentir as pregas dela com todo o seu rosto. Nessa hora reparei que o pau dele não era tão pequeno quanto parecia, estava apenas coberto pela gordura. Com ele deitado de costas, a gordura retraía e dava pra ver que era um caralho bem grosso e cabeçudo. Ela também deve ter se dado conta disso, pois fez ele tirar a mão do pau, pegou ela mesma e começou a chupar. Nisso eles já estavam num 69 alucinado e eu na punheta. Ela virou pra ele e falou: – Se eu montar em você, você vai me esperar gozar ou vai ser um fiasco que nem o Robson? – Vou te esperar – ele respondeu, assustado. Ela sentou nele e quando sentiu o pau entrar fechou os olhos e gemeu com gosto. Ela começou a rebolar como tinha feito comigo, mas ele resistiu bravamente por diversos minutos, até que ela começou a balbuciar entre os gemidos: Contos Imor(t)ais - VIDAS – 327 -


– Você é mil vezes melhor que meu marido... Que pau gostoso... Você é macho de verdade... Vai me fazer gozar, não acredito... Ele não conseguiu e você consegue... Você é demais... Que homem... Que pau... Que delícia… E gozou gritando, pra depois deixar o corpo cair sobre ele. Depois que ela se recuperou, sorriu pra ele e perguntou: – Como você quer gozar? – Adoraria gozar na sua boca. Ela sorriu novamente e foi chupá-lo. Ele fez mais um pedido: – Podemos fazer um 69 pra eu gozar olhando sua bunda gostosa? Ela atendeu, montando em cima dele, sem mal parar de chupar. Ele ficou explorando a bunda dela com os dedos e a língua, como se fosse um menino descobrindo um brinquedo novo. Em um momento, ele enfiou os dois dedos indicadores no cu dela e ficou esticando o buraco. Ela não reclamou e ele começou a respirar mais forte, tentando abrir mais ainda o cu dela, até gritar: – Sua puta! Sua puta! E encheu a boca dela, que engoliu tudo. Ficamos os três em silêncio por um tempo, e ele levantou dizendo que já tinha que ir. Começou a se vestir e falou pra ela: – Desculpa se fiz alguma coisa que você não gostou. Ela foi até ele e disse: – Eu adorei tudo. Você me fez gozar. Meu macho pauzudo. – E deu nele um beijo caprichado de língua. Essas duas situações mostraram o quanto do nosso tesão tem a ver com a forma como as coisas são construídas, o tesão, a provocação, a surpresa, mais do que apenas o sexo pelo sexo.

Contos Imor(t)ais - VIDAS – 328 -


CASADA PASSA POR VADIA Casada, me encontro com um dilema: estou com o meu companheiro faz alguns anos e sempre fui fiel mas, estou com problemas. Meu parceiro não me satisfaz completamente mais. Apesar de ter uma vida sexual ativa, não consigo ter um prazer mais intenso e profundo. Me nego a aceitar que a fidelidade seja abdicar-se de uma vida madura e completa. Acredito que o amor não signifique a negação do meu eu e sim, o respeito ao companheiro e que, ter relações sexuais somente com o homem amado, não signifique e nem seja prova de amor. Inconformada, me nego a curvar aos padrões patriarcais que vêm sendo impostos pela sociedade. Consciente que somente a infidelidade do homem é aceita pela sociedade, zombo da historicidade humana, que ao descobrir, no período neolítico, que o homem tem papel na procriação, derrubou o matriarcalismo, onde a mulher era endeusada, não como dominadora mas, como a única responsável pela procriação -Deusa da Fertilidade -se rebelou usando, no decorrer dos séculos, todas as formas para dominar o gênero oposto. Garantindo, assim, a certeza da paternidade da sua prole. Para isso utilizaram inúmeros métodos: política, mitologia, religião, meios de comunicação e outros. (risos... acabei de dar uma. É que eu sou uma constante militante na política de gêneros, apesar de não atuar em movimentos feministas. São muitos retrógrados e bitolados). Em minha plenitude leoa, sempre tive paciência ao escolher uma presa: observava e estudava cada passo e traço e, no momento oportuno o tomava para mim. Sempre foi assim. Até que iludida por um amor romântico, me entreguei e, confusa no conceito de amor, abri mão do meu eu para ser uma mulher passiva, dedicada, discreta e exemplar dona de casa. Ou seja, feminina. Minha máscara caiu. Meu ensaio foi bom mas, acabou. Me descobrindo novamente como ativa, autônoma e talvez dominadora, me sinto leoa.

Contos Imor(t)ais - CASADA PASSA POR VADIA – 329 -


O libido jorrado em meu sangue não é mais consumido totalmente por meu homem. A cada dia que passa se acumula, tornando-me incontrolável e inconsolável. Meus múltiplos orgasmos não me satisfazem mais. Estou a ponto de cometer uma loucura. Talvez sensatez. Me encontro desvairada para saciar meu desejo. Diante de tanta transformação, em tão pouco tempo, ainda penso o que fazer pois, meu desejo é transeunte. Faz algum tempo que ando tanto me estudando quanto aos mais diversos homens. Sou meticulosa na escolha. Atualmente tenho brincando em fantasiar, e isso tem encharcado, mais ainda, de libido, meu corpo de mulher. Quem lucra, é meu parceiro mas, ele nem sabe o que me torna tão insaciável. Diante de tanto desejo, quase que satisfeita, tenho masturbado. Não sinto falta de um grande e poderoso falo, quanto as demais mulheres. Sinto falta de novas e avassaladoras emoções. Meu corpo sente dores profundas na ansiedade de saciar-se chegando ao ponto de senti-lo se contraindo seguido por uma grande dor que se aproxima de uma cólica fazendo com que a minha vagina se molhe e se abra feito uma rosa cada vez mais rubra em seus vasos encharcados de sangue. É desesperante. Meu libido deve ser consumido. Há um desequilíbrio. Covarde que sou ao me consumir noites e madrugadas adentro fantasiando os mais loucos e ardentes encontros, me negando ao prazer, pelo medo de me tornar vil. Mas corroída, a fim de não me tornar Messalina: uma ninfomaníaca que nunca alcança seu total; decidi acabar com a covardia me entregando para outro a qualquer custo. Outro dia surgiu a oportunidade. Contos Imor(t)ais - CASADA PASSA POR VADIA – 330 -


Meu marido viajou e iria ficar fora por vinte e quatro horas. Então pensei: E se investir na noite, e se na hora “H” voltar atrás? Eu estava insegura à caça. E não podia perder a chance. Idiotamente, (risos...) cheguei a grande conclusão que não tinha tempo para sair à caça e decidi me passar por uma prostituta em dos pontos mais conhecidos da cidade. Aliás, eu sempre escolhei meus homens. Meu marido, depois de muita espera, partiu. Como uma louca, corri para o banheiro e tomei um longo banho com a conhecida companhia do sabonete que, sempre era desviado pelas minhas safadas e experientes mãos. Mais que depressa, sai do banheiro e, nua, com a ajuda de um secador, modelei meus cachos. Depois foi a hora de escolher a roupa. Mas como, em meio a tantos vestidos e saias longas e sapatos de salto? Tinha que me passar por uma mulher vulgar e atraente. Lembrei-me, então, de uma roupa extravagante que usava na adolescência. Depois de revirar o guarda-roupas, finalmente encontrei aquela micro saia de couro prata. A calcinha e o sutiã, não tinham problemas. O que eu tinha de sobra eram calcinhas e sutiãs. Acabei vestindo um sutiã meia taça, que salientava meus seios e deixei a calcinha de lado. (na hora lembrei-me do vento) Preferi ficar sem. Assim poderia imaginar melhor o que me esperava. Faltava a blusa. Qual? Então acabei optando por uma segunda pele preta de manga comprida, totalmente transparente. Vestida, me fiz, e calcei uma bota preta que ia até os joelhos com um grande salto plataforma, bem estilo setenta. Faltava agora a maquiagem e o perfume. Come não gosto de base e pó compacto, salientei os olhos com delineador branco e depois prata. Um remiu e um batom meio prata. Contos Imor(t)ais - CASADA PASSA POR VADIA – 331 -


Depois de passar muito perfume, aliás, eu uso pouco, mas imaginei que deveria aumentar.(risos… acho que exagerei). Lá foi eu toda temerosa ao descer o elevador. Estava torcendo para não encontrar ninguém. Quando a porta do elevador se abriu, foi um alívio. Não havia ninguém, somente o porteiro me viu sair com as formas e seios quase à mostra. Parada na esquina, aguardando um táxi, quase desisti ao ver que os motoristas que passavam na rua, mexiam parando o carro para olhar e, falavam: Gostosa, delícia… – Para meu alívio, um táxi parou e mais que depressa entrei. Sem falar nada, o motorista seguiu o caminho indicado. Desci em um lugar escuro onde não tinha nenhuma outra mulher fazendo ponto. Sabia que não poderia ficar perto das outras pelo fato de ser nova no pedaço. Poderia ser uma afronta a até ser agredida. Como era um local auto, ventava muito. Apesar do frio, minha vagina trêmula, estava aquecida. A blusa transparente conjugada ao sutiã meia taça só tampavam até os mamilos. Minhas pernas roliças estavam arrepiadas. Eu andava de um canto para o outro. Sentia minha vagina úmida e sedenta quase a me molhar. Estava inquieta. Alguns minutos depois parou o primeiro carro. Um boizinho. Ele falou: – Oi gata! Quanto é, em? Vamos dar uma trepada? Em gostosa? Como não estava afim do garotão, subi a avenida fingindo que não estava ouvindo.

Contos Imor(t)ais - CASADA PASSA POR VADIA – 332 -


O carro me seguiu. Então falei que já tinha um programa marcado e que estava aguardando. Ele seguiu caminho. Permaneci ali por mais alguns minutos. Apesar do temor de ser reconhecida, permaneci exibindo seus traços bem. Foi quando notei um carro que estava parado, a uns 50 metros, com o farol alto. Não dava para perceber quem estava dentro. (neste momento, acredita que cheguei a pensar em uma mulher. Mas como eu nunca transei com uma mulher, aliás só beijei e foi demais. A boca é totalmente diferente da de um homem. Olha que já beijei muitos homens. A carne dela era macia e mais doce. Você acredita que me fez cócegas...risos… Mas, por nada, troco por um homem) O carro, vagarosamente, veio em minha direção. Como que adivinha, meu coração disparou. Então parou ao meu lado e o homem que o conduzia disse: Entre gata! -De meia idade, talvez uns quarenta, era impecável em seu porte e em seu olhar malicioso. E sem falar uma palavra, entrei seduzida. Ouvia-se no ambiente do carro um ritmo árabe o qual desconhecia mas, que me deixava em suspense. Ao conduzir o veículo, senti suas mãos quentes entres as pernas roçando minha vulva já viscosa e banhada de fluído. Percebendo minha excitação, disse: – Mulher, você já está quente, que delícia! Gosta de prazer, não é? Estás afim de ser comida, não? E com os lábios já molhados, me vi sem fala. Então levou seus dedos já lambuzados do meu fluído até você, cheirou e maliciosamente os levou até a boca. Contos Imor(t)ais - CASADA PASSA POR VADIA – 333 -


Eu observava cada gesto daquele homem: primeira, seta, segunda, volante… A cada marcha um novo som, levando-me a uma nova palpitação. E em alta velocidade conduzia o carro com segurança. Sua intimidade com a velocidade me excitava levando-me a imaginá-lo conduzindo meu corpo, controlando cada platô. (Que loucura.) E sua mão, às vezes, me apertava como se dissesse: Se segura mulher que estou aqui para te comer! Calma! Vou acabar com você. E perdendo a referência, me vi conduzida BR afora e depois estrada de terra adentro até chegar a um chalé acolhedor. Ao entrar, deparei com os detalhes masculinos do ambiente. Livros misturados à garrafas de vinho, jornais conjugados à roupas e cama totalmente desarrumada. Então ele pegou um vinho e duas taças e me ofereceu: – Toma linda, você vai precisar! Qual é seu nome? Então falei: – Paula. Ao degustar o vinho que era suave, percebi seu olhar malicioso e encantador. E me olhando fixamente foi se aproximando até que me beijou tomando o vinho que ainda restava em minha boca. Foi quando suas mãos foram cobrindo meu corpo apertando-o com certa firmeza. Com sua boca carnuda e quente, deslizou em meus lábios inseguros me acariciando loucamente e depois sua língua invadiu a minha boca, fazendo-me beber seu suco. Eu estava trêmula e então me entreguei a seu louco beijo enquanto acariciava minhas nádegas e depois minha xota. Ela estava lisinha e peladinha em seus grandes lábios. Seus dedos eram para mim, o céu. Então o abracei e não resistindo fui beijando o seu pescoço. E roçando a sua barba que ainda estava por fazer, arranhava meu rosto o que me deixou meio ébria.

Contos Imor(t)ais - CASADA PASSA POR VADIA – 334 -


Meu coração parecia que ia saltar pela boca. Novamente ele colocou aquele música árabe e sentou-se em uma poltrona e disse: Agora é sua vez linda! Se liberte. Eu estou aqui para te saciar. Tire lentamente a blusa – E obediente a sua ordem tirei. E ao ver aquele homem sedutor a me deliciar, embalei-me à música e me fiz livre soltando a tigresa que estava guardada dentro do meu corpo feminino. E desejosa, dançando, foi retirando cada peça de roupa: blusa, bota, sutiã e saia...excitando com minhas mãos: seios, colo, nádegas, vulva… Ele me olhava fixamente acariciando seu membro ainda coberto pela calça. O volume que se via entre as suas pernas era como ao de uma barraca que se arma. E o líquido que teimava em escorrer entre as minhas pernas me fez dançar mais e mais… Levemente me levando a arrastar de joelhos até as suas coxas duras e grossas. Eu era sua escrava e estava disposta a dar-lhe tudo o que quisesse. Então olhando-o nos olhos abri-lhe o feche da calça e a retirei com vontade. Sua cueca mostrava seu volume. Cheirando a virilha, me apeguei ao seu pênis que já estava avantajado sentindo-o em minhas mãos. Mais parecia um tora de tão duro. As veias estavam dilatadas e a cabeça inchada. E gostoso, desejei mordê-lo, comê-lo. E ainda ajoelhada, como um servo, o levei até boca. Senti cada veia se dilatando e sua glande crescendo. Sentia tanto prazer ao chupá-lo que seria capaz de me sufocar com o pênis que fechava-me a garganta. Da minha boca carnuda escorria um suco que o banhava e fazia deslizar mais e mais. Os seios encontraram conforto em seus joelhos, sendo roçados pelos pêlos de suas pernas. Os mamilos enrijecidos eram acariciados.

Contos Imor(t)ais - CASADA PASSA POR VADIA – 335 -


Suas bolas, esparramadas, enchiam uma das palmas da minha mão. Eu gemia e bramia manhosamente. Queria esmagá-las e engoli-las. Beijando sua virilha, me vi, depois, em sua boca (que boca sedenta). Ao mesmo tempo que o beijava loucamente, o masturbava. E ele então me jogou no tapete e beijou lentamente cada parte do meu corpo: pescoço, seios, colo… até chegar até à vagina. Meus grandes lábios se encontravam sem pêlos e os pequenos, vermelhos. E louca de prazer me segurei em seus cabelos. Ele, então, brincou com meu clitóris, lábios… chupava-os e mordia-os levemente. Com a sua língua deslizava entre o anus e a vagina Pegando-me pelos braços, levou-me até a mesa ordenado-me que deitasse com as pernas abertas sobre ele. E como uma escrava, obedeci. Então falou: Abra mais as penas minha vadia Vc vai ter o que quer. E temerosa e desejosa ao mxsmo tempo mais uma vez obedeci, pois o gozo é a coisa mais próxima entre o céu e a terra. E sem exitar penetrou-me o vibrador com toda a força na xota molhada. Então gritei. E sem dó ele me furava abrindo minhas entranhas até o útero. Eu gritava, gemia, me contorcia. Ao ver seu pênis dilatado, queria abocanhá-lo. Mas ele se fez mau. Se masturbava e me observava gemer. E num vai e vem com o vibrador, eu me contorcia mais e mais.

Contos Imor(t)ais - CASADA PASSA POR VADIA – 336 -


Ele falava: Isso gostosa…geme… tá gostando vadia, quer gozar em? Goza para o seu macho ver. Vai!...E depois flexionando o meu clitóris, apresada, gozei feito um gata manhosa gemendo várias e várias vezes baixinho e me contorcia. Dava para ver o meu útero se contrair de delírio. Foi um gozo intenso de quero mais. Percebendo a minha loucura, falou: Ai gata, está gozando, em safada? Eu ainda não acabei. Vou te fazer gritar mais e mais gostosa. Vai, goza gostoso e pense no meu pau. Isso, isso!… Me aguarde… Sem ejacular, ele tirou o vibrador e o penetrou com um dos dedos e falou: Gata, goza linda. – E então fui me acalmando. Passado alguns segundos ouvi-lo dizer: Ei gata, ainda está aí? Não acabou não. Vem cá abre essas pernas de novo, quero te comer com os dedos, quero sentir sua xana carnuda e quente jorrar o seu líquido leitoso. Vem cá gata, eu quero gozar ao ver o seu delírio. – E com o dedo, foi certeiro no ponto g que a cada momento crescia me agitando. E uma confusão de prazer com a vontade de urinar, me fazia gritar. Eu me aquecia novamente, só que desta fez uma febre vinha de dentro se espalhado-se pelo corpo todo. Novamente o líquido leitoso escorreu entre as minhas pernas e molhava a sua mão e a mesa. Ele novamente levou seu pênis a minha boca. Eu mamei...mamei. Até que ensandecida, senti seu líquido jorrar nos meus lábios e cair sobre os meus seios.. Ele falava: isso gata, bebe o seu leite… bebe…

Contos Imor(t)ais - CASADA PASSA POR VADIA – 337 -


Sinta o gosto e cheiro do seu homem… Isso vadia gostosa… – E desejando seu pênis, novamente me deitei a mesa e levei a minha xota junto ao seu corpo conduzindo-o, já menor, a minha vagina. Seu tamanho era um carinho que fazia cócegas levando-a a desejá-lo cada vez mais. E na calmaria, mexia e gemia até que finalmente gozei. Múltiplos. Ele não estava viril, mas era o carinho as minhas paredes. Foi tanto que me contorcia e mordia os lábios implorando para que comece a minha bunda. Falava: – Come a minha bundinha, vai!… – Come meu cuzinho. Ele é todo seu. Come a sua vadia! Vai… Vou me abrir toda para vc. – E ele se fez novamente viril ao sentir meu gozo. Minha vagina em sucção o chupava, o levava para dentro e útero que se contraia. E novamente ereto, me desceu da mesa e colocando-me de quatro, invadiu meu cuzinho com a sua cabeça grande e dilatada, quase arrebentando meus anéis. Então senti seu pênis me invadir, abrindo meu cuzinho fechado crescendo mais e mais… aponto de causar-me dor. Primeiro a cabeça, depois o tronco. Sempre devagar e num vai e vem lento que mais parecia um carinho. Sentia-o se dilatando e agigantando-se dentro de mim, varando-me. Eu gemia e as vezes soltava gritos de dor. Desejosa, o queria tanto, que levou-me a abrir e a prostrar mais para que ele o enterrasse… Ele falava: Aí sua puta gostosa, mexe. Contos Imor(t)ais - CASADA PASSA POR VADIA – 338 -


Dá ele todo, vai… É assim que gosta não? Vou arregaçar esse seu cuzinho apertadinho. Vem, vem… Isso… Assim… Dá para mim este cuzinho gostoso. – E a dor, se transformou em um intenso prazer e, me segurando à mesa e ele aos meios seios, o pedi para me fuder mais e mais. E atendendo minha súplica foi investindo cada vez mais estocando a sua vara em mim. Ensandecida eu gritava. Pedia para me apertar, machucar meus mamilos… bater em minhas nádegas. E como gritava escandalosamente, me tapou a boca com uma de suas mãos e penetrou com toda a sua intensidade. Eu gritava e mordia seus dedos. Queria mais e mais. Achei que fosse morrer de tanto prazer. Estava incontrolável. E a dor se esvaiu levando-me a implorar: Me come, come....mais...mais...isso...assim. Come esse cuzinho que é todo seu. Fode a sua vadia, vai… – E ensandecidos acabamos por gozar juntos. Mais intenso, múltiplos, múltiplos e… que se espalhavam por todo o corpo. E ele jorrou o seu sêmen na minha bunda. Nosso gozo prosseguiu em uma escala cada vez menor até que nos demos por vencidos e extasiados. E ainda dentro de mim, sentia seu sêmen escorrer, espalhando-se pelas pernas.

Contos Imor(t)ais - CASADA PASSA POR VADIA – 339 -


E como meu Zeus me beijou e me abraçou. (Que homem! -A virilidade de um homem não está no tamanho de um pênis e no tempo de ereção. E sim na capacidade de conhecer o corpo da mulher e satisfazê-la e vice-versa.) E depois ele, mole e calmo, dentro de mim. Seria capaz de gozar loucamente outra vez. Depois de gozarmos intensamente, ficamos um pouco deitados no tapete e quietos. Ele sugeriu que fossemos tomar um banho. Então fomos para o chuveiro. Conversamos um longo tempo debaixo do chuveiro. De tudo um pouco. Ele era um homem culto e educado. Depois, safadamente começou a lavar meus seios, costas, nádegas até que senti suas mãos entre minhas colhas roliças, lavando minha vagina. A cada momento seu pênis crescia um pouco. Então eu o peguei e comecei a masturbá-lo. Então resolvemos sair do chuveiro e ir para a cama. Eu na frente, me abaixei para pegar a toalha, deixando a mostra o meu cuzinho rosado. Ele ficou louco e me agarrou falando: Gata, vou comer o seu cuzinho agora! Eu quero ele novamente! Vem cá e arrebita essa bundimha linda para eu te fuder. – E eu com medo de doer pois, não estava lubrificando falei: Ainda não. Calma! Me deixe molhadinha vem! E pegando em sua mão o conduzi até a cama. Ele então me chupou novamente. Meus lábios, clitóres.. Sua língua, em um vai e vem delicioso. Eu queria que ele me comesse novamente.

Contos Imor(t)ais - CASADA PASSA POR VADIA – 340 -


E ele loucamente a me chupar. Até que falei: Come meu cuzinho, vai! – Então ele se deitou e eu fiquei em pé com as pernas entre seu corpo e fui descendo bem devagar. E seu membro certeiro, foi entrando em mim. Ele vidrado em meu corpo agarrou-se as minhas coxas e apertando-as, machucando a carne. Seu pênis me cortava por dentro e eu gemendo de dor acariciava meus seios. Até que a dor foi transformando em prazer. Eu cavalgava cada vez mais em um ritmo crescente sempre o introduzindo mais e mais. Depois subia e descia. E ele assistindo tudo, às vezes deixava escapulir um grito. E ensandecido me colocou de quatro abrindo as minhas pernas e me arrebitando a bunda. E meteu loucamente. E eu gritava e urrava, masturbando o meu clitóres. Nunca gritei tanto. E ele falando: Vai gata, goza mesmo. Goza e grita para este homem que te fode e te come… goza gata… que eu vou gozar… isso… assim… grita gostosa… grita… E achando que fosse morrer de tanto delírio, novamente gozei tendo orgasmos múltiplos, deixei o meu cuzinho ser estocado com o seu pênis a cortar a minha bunda mais fundo até ele gozar. E ele trêmulo se desfez e caiu sobre o meu corpo e me abraçou. Então pude sentir o seu peso. Eu estava feliz. E extasiados descansamos um pouco. Depois voltamos a tomar vinho. O dia já estava claro quando resolvemos tomar outro banho. E novamente no banheiro nos atracamos trocando beijos e carícias, onde transamos outra vez me Contos Imor(t)ais - CASADA PASSA POR VADIA – 341 -


comendo a xana por trás. Muito gostoso. Terminado nos enxugamos e vestimos a roupa e voltamos para a cidade. Ele perguntou onde eu iria ficar. Desci no Centro. Ao parar o carro onde pedi, ele abriu a carteira e sem perguntar quanto era, tirou algumas notas verdes e me deu. Eu sem poder falar nada as peguei e as coloquei na bolsa. Ele me beijou profundamente como um adeus. Depois do longo beijo que não mais queria acabar, desci do carro e sem me voltar para traz, segui o meu caminho. A cerca de uns cinqüenta metros de distância, encontrei uma mulher ainda jovem com um neném no colo pedindo esmola. A criança, com cerca um meses, aparentava-se desnutrida. E eu sem pensar, tirei aquelas notas da bolsa e as coloquei na mão daquela mãe a olhando nos olhos e disse: – Mãezinha, ( forma com que os profissionais de saúde se dirigem às parturientes) volte para casa com o seu filho e se agarre a esta coisa linda que tem. Cuide dela. E satisfeita, a vi seguir o seu caminho, talvez para casa, com toda a sua alegria. Ao olhar para trás, ainda vi o carro parado e ele a me observar. E sarcasticamente, parti para minha vida de casada, como que renovada e aliviada. Só levando uma boa lembrança. Acho que ainda quero mais (risos…)

Contos Imor(t)ais - CASADA PASSA POR VADIA – 342 -


DISCRETAMENTE NA FESTA Existem desejos extasiantes que nos faz perder o auto-controle. Ontem à noite houve aqui no meu condomìnio uma festinha de confraternização de fim de ano. Meu marido não estava muito animado com a idéia de participar, eu insiti bastante mas ele disse que preferia dar uma relaxada e, que não iria. Eu falei que ficaria deselegante agente não participar, pois todos do condomínio estariam presentes nos aguardando, inclusive iria haver uma brincadeira de amigo secreto e eu já tinha comprado o presente. Ele pediu que eu fosse representando a família e apresentasse suas desculpas, falei que ficava chato, porque eu não tinha intimidade suficiente com o pessoal, mas ele insistiu com cara de pidão e eu terminei aceitando ir. Mas, só aceitei, ele não sabe disso, porque estava ansiosa pra ver o George, àquele que tinha me elogiado lá na quadra do condomínio. Fiquei imaginando os homens que estariam lá e como seria essa noite sozinha, um paraiso, daí comecei ficar excitada procurando no closet uma roupinha apropriada para despertar a libido dos homens e deixa-los excitados. Já estava toda depilada, bem lisinha e sentia prazer com isso. Tomei um banho bem demorado e me alisei bastante, imaginando ser tarada do jeito que gosto, me mostrando inocentemete pra um homem e deixando ele sem controle, bem excitado, com o pau todo melando. Nesse clima escolhi Vestir minha tanquinha branca transparente, coloquei um vestinho de langerie preto, bem curtinho mostrando minhas formas. Me maquiei levemente para transmitir pureza, fiz algumas poses sexys na frente do espelho pra ver a marca da calcinha como estava, adorei. Quando sai do quarto meu marido estava na sala lendo com a televisão ligada, eu falei: mor!.. quer que desligue a televisão?... aí baixei um pouco para pegar o controle, quando ele me olhou e disse: – Morzinho, esse vestido não está um pouco curto pra essa festa? ... eu respondi: – Não morzinho, está na moda, você está vendo curto porque esta aí deitado no sofá, venha cá me dê um beijo que eu já vou Ele levantou-se e me beijou dizendo que eu era uma fêmea muito bonita, perguntou se eu iria andando ou de carro, falei que iria andando devagarinho, que alí não tinha perigo. Aí saí caminhando sentindo o vestinho bem leve cobrindo minha tanguinha transparente, que estava toda enrabada e que iria mostrar ao primeiro homem gostoso que aparecesse, isso já me excitava. No caminho ví que George ia saindo de casa, ele me viu, aguardou eu me aproximar e perguntou pelo meu marido, falei que ele não viria, estava cansado. Ele falou: – Ele vai perder uma grande oportunidade de conhecer mais de perto as pessoas aqui do condomínio Eu falei: – Eu também acho, só vim porque ele pediu pra representar a família, ainda bem que lhe encontrei, pois quase não conheço ninguém aquí, só alguns, mesmo assim, de vista. Contos Imor(t)ais - DISCRETAMENTE NA FESTA – 343 -


Ele falou: – É a primeira vez que venho a numa festa aquí, ainda bem que lhe encontrei pra me fazer companhia, Eu respondi: – Que bom ouvir isso George. Ele me perguntou: – Posso te confessar uma verdade? Eu falei: – Sim, claro, Ele me disse: – Eu estava ansioso pra saber se você viria, fiquei esperando alí escondido olhando para sua casa, louco que você aparecesse Eu rí, me figindo de desentendida. Entramos na festa e fomos cumprimentando à todos. Sentamos numa mesa com mais algumas pessoas, logo na frente, tocava um conjunto musical, fui me acomodando e relaxando. Com as pernas cruzadas comecei me exibir discretamente como se nada estivesse acontecendo, no movimento fui deixando a sainha subir e a calcinha aparecer. Aqueles homens não tiravam os olhos de mim, percebí os olhares famintos me devorando. Isso me deixa muito excitada, imaginando àqueles machos de rola dura sem poder fazer nada, só melar as cuecas. A festa estava bem animada, houve a troca de presentes, abraços, beijos, foi quando um cara que me olhava, veio andando discretamente e sentou-se bem perto de onde nós estávamos e começou a me olhar, eu já sabia o que ele queria, discretamente procurei uma posição que pudesse me mostrar sem as pessoas perceberem. George estava sentado à minha frente não conseguia ver o que se passava, mas sabia que tinha alguem me olhando, foi quando pedi licença me levantei e fui ao banheiro, desfilando bem gostoso perto daquele macho que me tarava, ele não tirava os olhos de mim e isso me deixava toda meladinha, porque eu sabia que ele estava com aquela rola toda melada. Quando voltei senti ele ansioso à minha espera, sorri discretamente passei e fui pra mesa, George tinha mudado de posição, curioso pra ver o que se passava, eu falei: – George, deixa eu ficar aí, quero te falar uma coisa, ele falou: – O que?…

Contos Imor(t)ais - DISCRETAMENTE NA FESTA – 344 -


eu disse: – Venha pra o seu lugar que eu falo, ele mudou de lugar e disse: – Fala? eu disse: tenha calma meu amor!..te lembra da gente lá na quadra?.. ele respondeu: – Claro!.. como podia esquecer?.. eu falei: – Vocês homens são todos iguais, não podem ver uma calcinha que ficam tudo doido, de pau duro, se melando, sabia que eu adoro isso?..me mostrar pra um macho gostoso e ver ele se acabar na punheta… Adorei ver você se esporrar ontem de manhã e, agora tem um cara com a rola dura sentado bem alí atrás de você, ele botou o pau pra fora e o blusão por cima pra ninguém ver e, está me comendo na punheta, eu estou com as perninhas abertas mostrando minhas calcinhas, sem ninguém notar, aqui pelo lado da mesa, só eu você e ele sabem, minha calcinha é bem transparente e ele deve estar vendo tudo. Enquanto falava levei discretamente a mão por baixo da mesa e passei no colo de George, o pau dele estava latejando, eu disse: – Vocês homens são todos uns putos, adoram uma sacanagem, olhe só você; em vez de me proteger daquele macho, fica aí com essa rola dura gostando de me ver ser tarada. Se você quiser me deixar mais putinha do que já estou, afaste um poquinho pra ele me ver melhor, você tambem é outro puto George, ele deve estar pensando que você é meu pai e você fica aqui junto de mim com essa caceta latejando, estou adorando isso porque me deixa segura e excitada, dois machos; um me comendo na punheta e o outro me protegendo. Aí falei: – George!.. quero que você vá no banheiro e coloque essa camisinha no seu pau e volte, entreguei a camisinha a ele, que estava atordoado de tesão, e lhe disse: – Limpe o pau, coloque a caminha pra não melar suas calças, volte com ela vestida nessa rola gostosa e, quando voltar olhe a posição que estou, sinta se aquele macho está gostando ou se devo melhorar a posição pra deixar ele mais arretado ainda. George não vacilou, saiu andando, dava pra ver que ele estava de pau duro; foi no banheiro, como lhe disse, colocou a camisinha e voltou com o pau vestido. Sentou-se discretamente e me disse: – Júlia! dá pra ver tudo de onde aquele macho está, uma delícia, quem está agora mais puto do que Contos Imor(t)ais - DISCRETAMENTE NA FESTA – 345 -


ele sou eu, se eu pudesse estaria no lugar dele lhe tarando, aí ja teria gozado, você é muito gostosa minha filha, Eu repondi: – É exatamente isso que eu quero meu gostoso, me mostrar bem gostoso pra você tambem, ele me perguntou um pouco espantado: – Agora? eu disse: – Sim, se quiser me tarar gostoso faça o que eu mandar, ele falou: – Como assim?.. Eu disse: – Levante e troque de lugar com ele, seu puto, vá andando discretamente pra lá que ele se ajeita, quando ele se ajeitar, vá chegando devagar e comente com ele sobre a festa, pergunte se ele está gostando, diga que a festa está boa, mas você está um pouco cansado precisando de uma briza, quando ele relaxar peça pra ele vir aqui, diga que eu já o conheço, aí eu vou acenar pra ele, convidando-o, aí ele vem, vou pedir pra ele sentar no seu lugar, aí você estará no dele, entendeu? seu putão; vou me mostrar e quero lhe ver gozar com o pau dentro das calças e estourar essa camisinha de tanta gala, estou muito puta. Assim foi feita a troca, ele veio pra mesa e George para o lugar onde ele estava. Começamos a conversar e ele estava meio trêmulo, aí me perguntou de onde eu o conhecia, eu falei: – Daqui da festa, falei pra o meu pai que lhe conhecia como pretexto pra lhe conhecer, adorei ver você tarando as minhas pernas com essa rola dura, ví quando voce colocou ela pra fora em baixo do seu casaco, eu gosto disso, ele falou: – Nunca ví uma coisa tão gostosa e tão puta como você, é a primeira vez que isso me acontece, já gozei duas vezes, veja o meu casaco como está, eu peguei, cheirei e perguntei: – Quer gozar de novo, aí fui passando a mão no colo dele, abrir o ziper, ele me ajudou a botar aquele monstrengo pra fora, encostou-se na cadeira colocou o casaco em cima e eu a mão por baixo, bem arreganhada pra George, que via tudo aquilo batendo uma punheta com a rola pra fora para eu poder ver aquela cena, gozou feito uma anta. Meu novo amigo foi a loucura querendo me fuder, mas alí só era possível isso. De repente meu marido chega pra me pegar, se baixa e fala ao meu ouvido: – Oi, amor! fiquei preocupado com a sua demora e vim lhe buscar, você quer ir agora? Eu falei que sim, apresentei o rapaz dizendo que era colega de faculdade, ele apertou a mão do rapaz que ainda estava ensebada de gala me deixando excitada.

Contos Imor(t)ais - DISCRETAMENTE NA FESTA – 346 -


CARLA, MINHA ESPOSA Ela tem 29anos, baixinha e magrinha, tipo mignon, toda delicadinha Ela é uma típica Pseudo-magra, quando coloca alguma roupa mais colada, ou então sem roupa, vc descobre todos os dotes dela! Seus seios são firmes e apontam atrevidamente para cima, não são muito grandes, são médios, mas para mim ótimos, pq ela fica louca com as chupadas que dou, cabe direitinho na minha boca, um tesão..., uma barriguinha praticamente reta, bem definida e uma bundinha que acaba comigo, sempre que posso, dou um jeito de fazer um carinho, dar uma apertadinha, ou mesmo uma bela e gostosa mordida! Suas coxas são grossas e roliças, bem durinhas, pois ela caminha bastante, exercício que ela mais gosta..., depois de sexo… e sua xoxotinha sem duvida é seu ponto forte, pois é macia e volumosa, gordinha, (daquelas que podem ser vistas até quando a mulher esta de costas) e muito apertada. Uma bucetinha que sempre faço questão de deixar bem molhadinha antes de qualquer coisa Minha esposa é de família muito religiosa e conservadora, tínhamos uma vida sexual que eu acreditava ser normal, porém minha mulher tinha algumas frescuras, nunca havia dado o cú, para mim dizendo que doia, para chupar o meu pau eu tinha que implorar, mas não forçava nada ela é o tipo de mulher que todo homem gostaria de ter na cama. Uma princesa de dia e uma vagabunda em relação ao sexo… Num dado momento, passei a incentiva-la a ser mais ousada com as roupas que vestia, comecei até a pedir que ela saísse comigo usando roupas mais excitantes, mas de tanto eu pedir a ela, que já era uma safadinha meio inrrustida, foi se tornando cada vez mais safada e exibicionista, meu desejo por ela aumentou. Era excitante, comecei a ver que me excitava a idéia dela ser tão exibicionista, tão safada, que eu pedia a ela que usasse decotes, daqueles que não são muito explícitos mas que de determinados ângulos deixam ver tudo (nunca gostei que ela chamasse atenção exageradamente). Sempre quis uma esposa assim, safada, putinha, gostosa e a cada dia que passa noto que ela estava ficando cada vez mais gostosa. Ela foi se transformando aos poucos em uma mulher liberal e se tornou minha cúmplice nas mais loucas aventuras. Minha esposa ficou do jeito que eu sempre sonhei, talvez até um pouco além do que eu esperava, pois ela não mede esforços para ficar cada vez mais gostosa e sensual e a cada dia que passa noto que ela estava ficando cada vez mais gostosa. Começou a malhar, a vestir umas calcinhas mais enfiadas, sensuais, e ter mais imaginação na cama… estava cada dia mais solta, exibicionista, feliz… ela tinha calcinhas normais e cavadas, mas agora só usava as cavadas mais bonitas, estava sempre arrumada e perfumada. Carla hoje, adora vestir roupas provocantes. Em qualquer lugar onde vamos, ela se destaca, e eu me sinto orgulhoso de ver os homens babando por minha esposa. Entre nós existe um desejo imenso de sempre experimentar coisas novas. Começamos um joguinho de sedução entre o gato e o rato, eu pedia ela fazia, ela pedia eu deixava ela fazer, íamos aos bares e eu a sentava de modo que outros homens ficassem olhando-a, pedia que Contos Imor(t)ais - CARLA, MINHA ESPOSA – 347 -


ela abrisse um pouquinho as pernas, que deixasse sua saia subir de modo que ao cruzar as pernas aparecesse um pouquinho suas calcinhas, ela delirava com os meus pedidos… e agora ela passou a me provocar, falando de cantadas e que recebera na rua, nos shoppings. Quando eu perguntava ela se animava e fazia elogios aos homens que mexiam com ela, eu ficava com tesão e raiva ao mesmo tempo, e sem perceber também gostava destas brincadeiras Ela se transformou na mulher gostosa e sensual dos meus sonhos, uma verdadeira puta na cama. Nossas trepadas melhoraram, passaram a ser mais intensas, mais animalescas, com muito mais tesão… e que quando transamos ela sempre gosta de ser chamada de putinha, e durante o sexo e também gosta de dizer "fode, fode a sua putinha, e safadinha fode! Eu já a chamava de ; puta, piranha, cachorra, vadia e ela rebatia com ;safado, pintudo, caralhudo e outras sacanagens… e a nossa foda ficava ainda mais gostosa Começamos a fazer algumas brincadeirinhas excitantes… Já transamos nos mais diversos lugares, em banheiros de restaurantes, em cinemas, praças e parques... Nós dois juntos, em matéria de sexo, fizemos de tudo que um homem e uma mulher podem fazer a dois… ela sempre adorou provocar, usando roupas minúsculas, provocando pedreiros, garçons, bêbados, etc... Mas só provocar… e do meu lado… e de tanto ela fazer agora aprendi a gostar que os homens fiquem olhando pra minha mulher… Ela é muito safada, ela costuma usar um vestido de malha bem fina, quase transparente, curto e daqueles tipos que é solto nos seios... então qualquer posição que ela fica abaixando aparece um pouco dos bicos. Uma vez a gente foi comer churrasco, e ela usava um vestido preto, frente única, justo no corpo e bem curto, e uma sandalia preta de salto alto… só de vê-la, meu pau latejava por dentro da calça... Ao chegarmos no churrasco, ela estava um furacão, e o efeito era nítido entre os homens... Ela ficou bastante alegre e ousada e começou a atiçar todo mundo mostrou todo o seu charme, Ela estava radiante. Sentamos em uma mesa e ela dava um espetáculo com suas pernas gostosas de fora, percebendo que eu estava de pau duro, ela sentou-se no meu colo de frente para uns rapazes e, aproveitando-se do fato de estar com um vestido curto, ela abria e fechava as pernas para provocar os caras da outra mesa. Eles sem acreditar se olhavam espantados e não tiravam os olhos do meio das pernas de minha esposa E eu bem tarado adorava tocar sua calcinha por baixo da mesa, para deixa-la mais tarada e molhadinha ainda, subi o vestido dela, puxei a calcinha para o lado, ela abriu as pernas escancarou a buceta para quem quisesse ver, eu estava quase gozando, ficamos assim eu e ela numa gemeção, e melação como nunca antes tinha visto. Enfiei um dedo em sua vagina e ela discretamente colocou em sua boca e disse: – Tá faltando o gosto da tua pica aqui! Eu fui ao banheiro, verificar se eu podia, de repente, foder com ela no banheiro sem ninguém perceber. Quando voltei havia dois garçons velhos conversando com ela, na hora achei normal, mas quando Contos Imor(t)ais - CARLA, MINHA ESPOSA – 348 -


cheguei, vi que ela não tinha percebido que os bicos dos seios estavam à mostra, nisso fomos comer e ela ficava sempre de costas para os garçons e quando eles chegavam perto dela pra servir, eles tentavam olhar por trás dela os seios grandes e duros. Ela não sabia que estavam olhando, foi descuido dela mesmo, só que eu adoro, minha penca sobe na hora. Nessa noite, ela disse que daria para todos os meus amigos, me faria sentir como um corno. Achei graça, não dei muita idéia, sabia que ela não ia me trair. O ambiente estava pegando fogo e minha esposa, levantou e foi dançar. Ela dançava animada enquanto eu, já de pé e encostado no bar, bebia uma cerveja e conversava com algumas pessoas, que se diziam meus amigos mais que no fundo, queriam comer a gostosa de minha mulher. Até aí tudo bem, pois até curto saber que os caras ficam babando por ela, e naquele momento do churrasco, ela estava chamando a atenção de todo mundo, ninguém conseguia ignora-la, sua dança era muito provocante, ela rebolava como uma puta. Ela percebeu isto também e pareceu estar desfrutando da atenção. Eu atirei um olhar a ela de surpresa e ela sorriu tortuosamente. Veio em minha direção, me abraçou, empinado o rabo na frente dos caras. Ela deu uma risada e pôs a cabeça dela em meu ombro e sussurrou em minha orelha, Amor, este dia de todo me fez tão feliz. Eu realmente gosto dos olhares que eu estou obtendo dos homens. Meu pau crispou, ela continuou, – Bem, você queria que eu fosse sensual Eu sussurrei atrás – Você tenha cuidado Do modo que você está vestida, estes sujeitos não vão a deixar só. E de bate pronto ela me perguntou; – Gostou?? (com ar de riso) Eu respondi ; – Você é fogo, hein?? Quer me provocar??? Ela respondeu ironicamente; – E provoco?? E ela ainda falou o seguinte: – Hoje você vai ver sua mulherzinha bem putinha e bem safadinha, e não adianta reclamar, pois você sempre me pediu isso.

Contos Imor(t)ais - CARLA, MINHA ESPOSA – 349 -


Ai foi o show. Ela então pra me provocar começou a dançar forro com todos, discretamente se esfregando neles, e olhando pra mim, como se fazendo aquilo estivesse me traindo, ela com os olhos e o sorriso me chamava de corno. Depois de dançar e se esfregar em cada um, vinha até mim e dizia: – Tá vendo seu corninho, tô me oferencendo pra seus amigos, e vc tá gostando né? Eu com olhar de raiva, mas gostando, sorria pra ela o tempo todo. Eu a deixava só a todo momento e ficava vendo os cara se aproximando e levando idéia, quando ela voltava para mesa, me contava o que os caras diziam, que chamavam ela de gostosa e eu de corno por deixá-la desse jeitoe eu quase pra explodir. Perguntei se alguém havia interessado a ela e ela disse que não, mas disse levando minha mão até sua boceta, que estava extremamente molhada. Nesse momento, me deu uma vontade enorme de arrancar sua roupa e comê-la como nunca tinha feito, pois ela parecia a puta das putas se esfregando em meus amigos, aquilo me enlouquecia de tesão, meu pau babava minha calça. Dançamos um pouco, bebemos todas e num determinado momento vimos um antigo professor dela, acompanhado de outros dois conversando O sujeito quando a viu ficou todo elétrico e percebi que tentou se aproximar dançando perto de nós.. Cutuquei minha mulher, que a essa altura já estava meio de fogo, e perguntei em seu ouvido se ela queria ficar mais um pouco naquele salão e ela fez que sim Continuamos ali naquela situação bebendo, dançando..., nos beijamos e eu sai, deixando ela na pista, dançando sozinha, enquanto eu dava tranquilamente uma volta pelo salão, o professor e os dois rapazes começaram a dançar perto dela e ela percebendo a aproximação dos três, começou a rebolar mais, e sorrindo foi ficando cada vez mais perto deles, que agora num canto da pista encoxaram-na enquanto ela dançava bem solta. Nisto o homem atras dela começou a passar a mão nas costas de minha mulher que gemendo Não tirava o olho do cacete do homem da frente. Sendo observada de perto pelo professor. Sentindo-se o recheio daquele sanduíche singular. Carla saiu dos dois abraçou o professor e foi pro meio da pista dançar com ele, só que o cara tinha quase o dobro do tamanho de minha mulher, no momento em que abraçou o cara ela já ficou com metade da bunda de fora e a calcinha quase aparecendo. O cara chupava o pescoço da minha mulher e ela parecia gostar pois fechava os olhos, enquanto dançavam ele colocava as mãos trançadas atras dela na altura da bunda dela e ficava alisando, passando a mão, eu fiquei louco de ver ele passando a mão no rego da minha mulher, minha vontade era entrar lá e os afastar, mais como eu tinha provocado aceitei, resolvi ficar quieto. Eu voltei para o lugar que estava achando que era só aguardar a música acabar que ela iria acabar Contos Imor(t)ais - CARLA, MINHA ESPOSA – 350 -


com aquilo, mas para minha surpresa num determinado momento, o cara que estava encostado bem perto do corpo dela parecia dizer alguma coisa no ouvido dela. Num primeiro momento a vi refugar, como que querendo sair do estranho aperto, mas aos poucos foi cedendo. Ele aproveitou para tascar um beijo na sua boca. Ele começou a beijá-la, fazendo com que suas mãos viajassem pelo corpo da minha mulher Percebi que ela estava correspondendo ao beijo, aliás notei que ela estava adorando beijá-lo, e com a boca aberta. É estranho ver a própria esposa nos braços de outro homem e ver que ela está adorando e correspondendo, eu não acreditava no que via, minha vontade era bater nele, porem decidi ficar só vendo. Vi os dois irem para um canto, ele ficou na parede e ela na frente dele, os beijos ficavam cada vez mais quentes. O homem sentindo permissão, segurou a mão dela e direcionou ao seu pau por sobre a sua calça e a cena que vi foi inacreditável, minha mulher segurava o pau do cara como que punhetando de leve por sobre o pano., beijando, chupando o pescoço dela, beijando sua boca, para piorar minha mulher, com a cara mais safada ela atracada com o cara num beijo de tirar o fôlego e puxando o vestido para baixo, rebolando e me procurando para ver se eu estava vendo. Após vários beijos e chupadas. Ele falou alguma coisa no ouvido dela e ela sorriu novamente e foram na direção do jardim, para a área externa do clube, aonde ficava o estacionamento. Chegando no estacionamento, nem se preocupou muito se havia gente. Ela virava o rosto para chupar a boca dele e o vestido já estava todo levantado Fixei minha visão na direção dos dois. Vi que minha mulher estava conversando, abraçada no cara e correspondendo os beijos profundos de língua Num determinado momento, não sei o por que, ela tentou se livrar e voltar para a festa, mas ele a segurou pelo braço e com rapidez, ele tirou o pau de dentro da calça pela braguilha aberta, botou pra fora... A cena foi engraçada porque ela se soltou e segurou o pau do cara, que parecia bem grande, tentando colocá-lo de volta na calça. Nessa brincadeira percebi que o cara riu e abraçou-a mais uma vez, beijando-a. Ela continuou segurando meio sem jeito o cacete duro do sujeito tocando uma leve punheta (parecia que ela desejava ter aquele brinquedo em suas mãos a mujito tempo) Ele meteu a mão debaixo do vestidinho dela enfiando dois dedos na bucetinha dela que começava a gostar da história e de estar chamando atenção Ela, agora, parecia empolgada com a brincadeira

Contos Imor(t)ais - CARLA, MINHA ESPOSA – 351 -


Ele abaixou a vagabunda, que ficou com a bunda empinadinha, Alguns homens ficaram olhando e eu também. Ele disse; – Chupa sua puta Gosta de cornear o marido? Então vai cornear com um pinto de verdade, vagabunda. Mama, ordinária… Qual não foi minha surpresa ao vê-la atende-lo prontamente, sem falar nada, pegou aquele caralhão na mão e foi direcionando ela à sua boca dizendo: – Isso sim é um pinto que dá prazer em chupar. Naquele momento fiquei com mais tesão ainda, pois o meu ela quase nunca chupava e agora ela estava com o de um estranho na sua boca e chupava com muita vontade e maestria. Dizia que o meu ela não gostava de chupar, mas aquele era irresistível e não tinha como não faze-lo. Chupava inclusive o saco do rapaz, passava a mão em sua bunda e tentava enfiar o dedo no cu do rapaz. A pica entrava e saia da boca, ela lambia a cabeça, batia punheta com os lábios naquele piroca dura. Esfregava os lábios no pau todo, lambia as bolas. Esfregava o pinto no rosto e voltava a engolí-lo inteiro. Em poucos minutos o pau do cara estava duro enorme e grosso e já quase não cabia direito na boca de minha esposa. Ele disse que ia gozar. Ela então me causou outra surpresa. Deixou ele gozar na boquinha dela um mar de porra, que encheu o rosto da minha esposa, a boca, o cabelo, o vestido, vi quando a porra escorreu pela sua boca e ela com jeitinho lambeu tudo. Ela, agora, parecia empolgada com a brincadeira. Mandou um beijo na boca do cara e depois falou alguma coisa ao pé do ouvido do homem. Pensei que tinha acabado, mas quando vi ela estava se abaixando para tirar a calcinha, ficando sem nada por baixo do vestidinho, que foi logo suspenso até a cintura pela parte de trás (ficou tipo um avental caido na frente) e se virando de costas para o cara roçou sua bucetinha no calor daquele pau. O sujeito se recostou, meio que sentado no parapeito do canteiro e ela debruçada num carro, rebolava a bundinha no cacete do cara (neste momento não vi mais nada, pois o vestido tampava a minha visão, somente conseguia imaginar o que acontecia a ver seus movimentos e sua face mudar de feição). Contos Imor(t)ais - CARLA, MINHA ESPOSA – 352 -


Pelo que percebi ela estava sentada no cacete do cara sendo comida na buceta, ela rebolava como uma louca, enquanto o cara passava a mão em suas pernas e também nos seus seios por cima do vestido, ele colocou-a de quatro e meteu tudo de uma vez só na bucetinha de minha esposa, ela já estava praticamente nua e nem ligava para algumas pessoas que olhavam. Ela só gritava; – Põe tudo, enfia nessa buceta, , vai mete, mais força, me bate, me bate na cara, ele começou a dar tapas fortes na bunda e na cara dela, e quanto mais batia mais ela pedia para apanhar, ele meteu com força e sem dó, ela gritava, – Põe tudo, quero sentir até as bolas meu macho, põe, me fode, ai me fode, me fode filho da puta enfia tudo, mostra pra meu marido como é que se fode uma mulher. Ele estocava, sem dó nem piedade, estocava, bombando forte, ao mesmo tempo em que dava-lhe um monte de tapas na bunda deixando-a toda toda vermelha e depois ela começou a se remexer como que se estivesse endoidando com aquele cacete enfiado na buceta. Ela parecia uma desvairada, uma tarada sexual, estava totalmente irreconhecível. Ela rebolava e pedia: – Vamos, fode, arregaça mais a minha bunda, me esporra toda. O rapaz gozou na sua bunda, e ao tirar, o pau ela ficou toda lambuzada de porra, e o rapaz para humilhar ainda mais, mandou que ela lambesse sua pica, e sugasse todo o leitinho que ainda estivesse guardado no seu pau Ela virou e começou a chupar aquele cacete de novo, ficou chupando aquele caralho monstruoso até que ele gozasse de novo Ele limpou o pau nos cabelos dela e mandou que se vestisse e voltasse pro corninho. Ele e ela se vestiram rapidinho e foram saindo. Isso tudo aconteceu, rápido, em uns vinte minutos. Quando voltou ela estava toda desarrumada, com porra escorrendo. A vagabunda sorria com aquela cara de puta e o que vi não acreditei. Ela me beijou na boca, com um forte gosto de porra de outro macho. Cheguei num canto e muito excitado disse para ela que tinha visto aquela cena. Ela riu e disse; – Aposto que você gostou, e ainda ficou de pau duro, não foi? Foi uma visão deliciosa? não foi? Na mesma hora disse que não gostei, que estava puto, discutimos bastante até resolvermos não fazer mais aquilo.

Contos Imor(t)ais - CARLA, MINHA ESPOSA – 353 -


Puxei-a pelo braço e fomos embora, estávamos meio bêbados, eu cheio de tesão e ela mais ainda, que começou a me provocar, se esfregando em mim, me beijando muito. Então pra me provocar, ela me disse que o cara tinha deixado um rombo e que estava tudo molhado no meio das pernas dela, e disse pra eu colocar a mão pra sentir, enfiei a mão pelo meio das suas pernas até tocar sua bucetinha, enfiei a mão naquela bucetinha quente e molhada, que eu sabia bem estava querendo meu pau todo lá dentro, a encostei no único carro que estava estacionado ali, me abaixei e tirei sua calcinha, a guardei no meu bolso, e a chupei, ela gemia baixinho. Quando me levantei, foi só olhar nos olhos dela pra saber o que ela queria. Foi ali mesmo, enfiei meu pau naquela buceta que me esperava. Nossa, que delícia! Fomos pra um cantinho mais escuro do estacionamento, onde havia uma cerca de madeira, onde a fiz apoiar as pernas, coloquei meu pau naquela bucetinha e fui a fodendo, ela gemia me apertava, pedia com mais força Quando já estava pra gozar, ela começou a dizer: – Mete na sua putinha, me enche com a sua porra vai. No meio de todo aquele êxtase, não agüentei, gozei como nunca, minhas pernas chegaram a ficar bambas. Ela me chamava de corno, disse que sempre ia repertir o que fez no churrasco, pra que a fodesse daquele jeito de novo. Fomos para casa loucos de tesão, e fizemos amor a madrugada inteira e novamente ela me surpreendeu ao dizer que agora que tinhamos começado eu ia ter que aguentar a grande quantidade de chifres que ela iria me colocar, que ela não quer amantes fixos, ela quer experimentar a maior quantidade de cacetes que ela puder. Mais um motivo de eu ter escrito este conto, quem poderá me ajudar a satisfazer minha mulherzinha carente de picas?

Contos Imor(t)ais - CARLA, MINHA ESPOSA – 354 -


APOSTOU E PERDEU Meu nome é Claudia e o fato que vou relatar aconteceu a 5 anos. Na época eu tinha 32 anos e meu marido, Fábio, 35. Considero-me uma bonita mulher, digamos agraciada pela natureza: sou uma morena de quadris largos, cintura fina, coxas bem torneadas, seios médios e uma barriguinha retinha que mantenho a base de academia. E tudo isso faço questão de mostrar, utilizando roupas que valorizam ainda mais o meu corpo. A cerca de cinco anos atrás o meu marido foi transferido para uma filial no interior de São Paulo. Nas primeiras semanas percebi que a população masculina da cidade era muito superior à feminina, e composta principalmente por homens solteiros e jovens, na faixa de 20 a 40 anos. Eu andava pela rua e os homens ficavam me tarando. Aquilo me assustava e me excitava. Não demorou muito e meu marido enturmou-se com um grupo de homens, na sua maioria solteiros. Quase todos os finais de semana rolava um churrasco na casa do Eduardo. Ele tinha um belo sítio com piscina, na qual eu passava boa parte do tempo me bronzeando. Nestes churrascos eu adorava provocar os homens, caprichava nas roupas que vestia. Dava para notar os "elogios" dos homens por baixo das calças. Como era de praxe rolava muita bebida e um jogo de poquêr no final do dia. Numa destas festas eu acabei bebendo um pouco a mais que o normal e estava meio alegre, assim como todos. Sentei ao lado do meu marido para vê-lo jogar. Não que eu entendesse de poquêr, pelo contrário não entendo quase nada. Não tinha nada para fazer e queria assistir. Num dado momento do jogo Fabio e Eduardo começaram a apostar alto, num momento Fabio apostou o carro, o Eduardo subiu a aposta para o sítio dele. Fabio disse que não tinha nada para fazer frente a aposta, e o Eduardo na maior cara-de-pau sugeriu que o meu marido me apostasse. Na hora gelei e me excitei. Meu marido ia recusar, mas sugeri a ele que aceitasse, mas com uma condição: se ele perdesse eu seria do Eduardo, mas meu marido estaria presente me acompanhando, presenciando tudo o que acontecesse. Meu marido pensou um pouco e aceitou e pagou para ver... perdeu. Eduardo levantou-se e veio em minha direção. Tirou-me do lado do meu marido e pôs-me de pé. Toda a sala ficou num silêncio só, aguardando o que ele iria fazer.

Contos Imor(t)ais - APOSTOU E PERDEU – 355 -


Ele tirou minha blusa expondo meus seios, tirou minha saia e arriou minha calcinha. Ele percebeu que eu já estava molhadinha. Tirou a roupa dele exibindo um um pau enorme. Nesta hora minha expressão deveria ser de medo e tesão. Ele mandou que eu deitasse na mesa, o que obedeci prontamente já que ele era meu novo dono. Ele mandou que eu pegasse seu pau e direcionasse para minha buceta. Na hora que segurei o pau senti que seria rasgada, pois não consegui encostar os dedos no polegar. Naquela hora resolvi sacanear com meu marido. Arreganhei minhas pernas encostei o cacete na entrada da buceta e pedi para meu marido abrir minha buceta, dizendo para ele: – Aposta é aposta! Ele veio até meu lado e abriu minha buceta para o meu novo dono. Fechei os olhos e senti aquela tora me rasgar. Uau que cacete! Depois de tocar no fundo o Eduardo disse para meu marido se afastar. Ele começou a socar pinto com força em mim, dizendo que eu seria a nova puta dele. Para mim aquilo era um misto de dor e prazer. Sentia aquele pau mexer tudo dentro de mim. Mais algumas estocadas e ele encheu minha buceta de porra. Ele tirou o pau e disse para todos tirarem a roupa pois deixaria todos no sítio me comerem, inclusive meu marido (agora meu atual corno). Todos gozaram dele quando tirou a roupa e estava de pau-duro. Eduardo mandou que eu ficasse deitada sobre a mesa enquanto os homens faziam uma fila para me comer. Estava adorando aquilo tudo. E assim foi, um por um socaram e gozaram na minha buceta, nos meus peitos e meu rosto. Meu dono sumiu por uns instantes, retornando como um empregado do sítio: um negro forte que tinha o apelido de jumento. Achei porque ele devia ser meio matuto, mas não. Quando vi ele nú descobri o motivo do apelido. O pau dele era um colosso, um pouco mais comprido do que o Eduardo, mas bem mais grosso.

Contos Imor(t)ais - APOSTOU E PERDEU – 356 -


Ele olhou para mim e em seguida perguntou ao meu marido se eu tinha uma buceta apertada. Fabio respondeu que sim. O negro disse que após ele passar por mim eu e meu marido sempre lembraríamos dele quando transassemos. Eu disse ao negro que eu sempre tive fantasia de ser fodida por um negro e que ele seria o primeiro. Minha buceta estava bem lubrificada e um pouco alargada dos pintos que já tinha tomado, mas mesmo assim senti como se estivesse perdendo o cabaço novamente. Gritei. Não, urrei quando aquele negro enfiou aquela jeba em mim. Ele socou vigorosamente, sem pena, gozou muita porra e em seguida pediu para meu marido meter. Ele veio meteu o pau, mas eu não senti nada, ri muito dele. Ele ficou puto e socou o pau no meu cú. Eu xinguei ele um monte e disse a ele que daquele dia em diante eu seria do Eduardo e faria todas as vontades dele, e que ele ficasse quieto, pois ele era o culpado de ter me apostado. Puxaram o corninho de dentro do meu cú e me colocaram setada na pica do Eduardo. Enfiei-a na minha buceta e comecei a cavalgar. O negro colocou-se atrás de mim e percebi o que ele queria. Olhei para o Fabio e disse: – Sabe aquele cuzinho apertadinho que vc gostava tanto? Olha o que vou fazer com ele. Curvei-me bem para a frente empinando bem a bunda. O negro encostou aquela cabeçorra na portinha do meu cú e começou a forçar. A dor era enorme, mas o tesão era maior. Ele empurrou toda aquela tora dentro do meu cú, para espanto do presentes e principalmente do corno do meu marido. Os dois, o negro e o Eduardo, meteram em mim por uns quinze minutos. Eu tinha um orgasmo atrás do outro. Depois que o Eduardo e o negro gozaram dentro de mim, ele mandou que eu ficasse de quatro no tapete, pois todos teriam o privilégio de comer o cú da sua aquisição. Novamente formou-se um fila e pude sentir os mais variados pintos invadindo o meu outrora apertado cuzinho. Ao final fizeram uma roda a minha volta e gozaram todos em cima de mim. Tomei um banho de porra, dos mais variados sabores. Contos Imor(t)ais - APOSTOU E PERDEU – 357 -


Dormimos o final de semana no sítio, mas meu sono sempre era interrompido por algum macho querendo me comer, o que eu atendia sem pestanejar, já que meu dono tinha me ordenado a atender a qualquer macho que quisesse me comer. No outro dia nem tive o trabalho de me vestir, pois não dava tempo. Eduardo disse a Fabio que eu continuaria a morar com ele, que ele deveria me manter sempre bonita, arrumada e perfumada para quando Eduardo ou algum amigo seu desejasse meter em mim. Em troca ele deixaria meu marido me comer uma vez por mês. E assim foi por dois anos, até que meu marido foi transferido novamente para outra cidade. Mas aí já era tarde, eu já tinha pegado o gosto por pau e tratei de arrumar outros machos piçudos para me saciar.

Contos Imor(t)ais – 358 -