Issuu on Google+

www.apcd-saude.org.br Rua Rondinha, 54 - C. Inglesa São Paulo - SP - CEP 04140-010

Julho | Agosto | Setembro | 2010 | nº 29

Laser de Baixa Potência

Expansão da largura óssea de rebordo associada ao uso de Straumann® BoneCeramic

Utilização no tratamento da parestesia pós exodontia de terceiros molares inferiores

resultados previsíveis na Implantodontia IMPRESSO Pode ser aberto pela ECT

comemoração da posse dos novos eleitos da diretoria

Enxerto ósseo Utilização do β-Fosfato Tricálcio para preenchimento


2 | APCD SAĂšDE | jul | ago | set | 2010


Editorial expediente

10

14

Dr. Sérgio Yunes - Editor beiro, mostra que todos os cirurgiões-dentistas e profissionais relacionados e ASBs, devem estar preparados para situações de emergências médicas em consultório ou ambulatório odontológico, uma vez que essas situações que apresentam potencial risco de vida, podem e devem ocorrer em ambiente odontológico e geralmente estão relacionadas ao aumento do estresse, medo e ansiedade. Outros artigos importantes constam em nossa revista. Boa leitura!

para devolução de sua morfologia....... 12 Utilização do Laser de Baixa Potência no tratamento da parestesia pós exodontia de terceiros molares inferiores................. 16 Cursos - 1º Semestre - 2011............... 18 APCD Saúde comemora posse dos novos eleitos................................................ 22 Campeonato de Bilhar APCD Saúde.... 23 Aniversariantes.................................. 24 Indicador Profissional......................... 26

22 Eleições APCD

Índice

A importância do planejamento adequado para obtenção de resultados previsíveis na Implantodontia...................................... 4 Emergências médicasem ambiente odontológico.................................................... 6 Expansão da largura óssea de rebordo associada ao uso de Straumann® BoneCeramic................................................. 10 Utilização do β-Fosfato Tricálcio no preenchimento da cavidade do seio maxilar

Parestesia

Presidente Wagner Nascimento Moreno 1º Vice-Presidente Gilberto Machado Coimbra 2º Vice-Presidente Arne Aued Guirar Ventura Assessor da Presidência Admar Kfouri Secretário Geral Ossamu Massaoka 1º Secretário Moacyr Nunes Leite Junior 2º Secretário Durval Paupério Sério Tesoureiro Geral Takashi Yagui 1º Tesoureiro Carlos Teruo Itabashi 2º Tesoureiro Kunio Shimabukuro Depto. Assessor de Benefícios Auro Massatake Minei Depto. Assessores Científico Cheng Te Hua Luci Z. Finotti Patricia Takahama Depto. Assessor de Comunicações Paulo Yoshiteru Nagamine Depto. Assessor de Congressos e Feiras Luiz Afonso de Souza Lima Depto. Assessores Cultural Marta Tashiro Valsuir José Vezzoni Depto. Assessores de Defesa de Classe Elizabeth Aparecida Braga Helenice Formentin Ikegami Depto. Assessores E.A.P Cidney Hiroaki Cato Hiroshi Miasiro Milton de Souza Teixeira Samuel Moraes Cecconi Depto. Assessor de Esportes Mauricio Fazzura Depto. Assessor de Patrimônio Luiz Carlos Serrano Lima Depto. Assessor de Prevenção Nicola Felipe Lopez Bempensante Depto. Assessor de Rel. Internacionais Jum Kasawara Depto. Assessor da Revista e Informática Sérgio Yunes Depto. Assessores Social Julia Hiçae Uchida Silvia Cristina Ramos Coimbra Depto. Assessor de Turismo Shindi Nakajima Depto. Assessor de Clínica Sônia Maria Moraes Cecconi Depto. Assessor Nova Geração Arlindo Carvalho de Oliveira Neto Jornalista Responsável Israel Correia de Lima (Mtb 14.204) - Tel. 3477-4156 Editor de Arte Guilherme Gonçalves Impressão Input Comunicação Visual Ltda.

A

pós o banho de democracia com eleições na APCD Central e Regionais, parabenizamos os novos dirigentes da nossa APCD Saúde, agora sob a presidência do doutor Wagner Nascimento Moreno. Esperamos que a promessa em seu discurso de posse não se confirme: pintar a sede da nossa Regional de preto e branco, conforme sua paixão corintiana e ainda mais no centenário do Timão. Brincadeiras a parte, o jantar de posse aconteceu no Bufê Évidence, no bairro de Vila Clementino e contou com o comparecimento maciço das Regionais da capital, conforme podemos confirmar nas fotos publicadas nesta edição. “A importância do planejamento adequado para obtenção de resultados previsíveis na Implantodontia”, demonstra um caso clínico de um paciente para sua total reabilitação oral. Um artigo escrito pelos professores Jum Kasawara, Rodrigo Salgado Schiavo, Cristine Haralambos Bassoukou, Alexander D’Alvia Salvoni e Patricia D’Alvia Salvoni Cassoli. “Emergências médicas em ambiente odontológico”, artigo do doutor Francisco Barata Ri-

Implantes

Foto capa: Gehring János

Rua Rondinha, 54 - Chácara Inglesa São Paulo - SP - CEP 04140-010 Fone (11) 5078-7960 www.apcd-saude.org.br contato@apcd-saude.org.br apcd.reg.saude@gmail.com Atendimento: 2ª a 6ª das 9h às 18h

Bem-vinda nova Diretoria

APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010 | 3


Reabilitação oral

A importância do planejamento adequado para obtenção de resultados previsíveis na Implantodontia

Figura 2A Figura 1A

Figura 3A

Figura 2B Figura 1B

A

tualmente a reabilitação oral através do sucesso dos implantes osseointegráveis, vem mostrando grande exigência quando se diz respeito à estética. Porém em alguns casos falhas ocorrem em função de planejamentos equivocados e precipitados. Paciente M.C.P., 41 anos, sexo feminino, apresentando doença periodontal severa com mobilidade grau 3 (figura 1A e 1B), e ausência de elementos dentais, principalmente na arcada superior, foi submetida a reabilitação protética após a realização de implantes. Na primeira etapa do tratamento optou-se pela exodontia dos elementos superiores e a instalação de Prótese Total Imediata (figura 2A), para recuperação da Dimensão Vertical de Oclusão, da estética e função mastigatória além da posterior avaliação do suporte ósseo remanescente. O planejamento inicial consistia na instalação de 6 implantes. Após 60 dias foi confeccionado um Guia Cirúrgico em resina acrílica através da duplicação da Prótese Total instalada anteriormente, onde foram colocados 8 anéis de titânio distribuídos 4 | APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010

Figura 3B

bilateralmente (figura 2B), no intuito de aumentar as possibilidades de posicionamento dos implantes para a melhor distribuição das cargas oclusais. Solicitou-se então a Radiografia Panorâmica com o Guia em posição para o planejamento cirúrgico de acordo com a arquitetura óssea remanescente, confirmando assim a posição correta dos implantes. Todos os implantes ofereceram torques superiores à 45N, proporcionado a realização de moldagem transcirúrgica para a confecção de uma prótese imediata provisória aparafusada, sem a presença de flange (figura 5), com a intenção de aguardar a cicatrização, o condicionamento tecidual, a osseointegração, e para avaliar a necessidade estética da paciente. Após 6 meses foi instalada definitivamente uma prótese tipo Protocolo Bränemark, com a presença de flange (figura 6A e 6B) devolvendo o suporte labial, restabelecendo a estética e fonética. Todo tratamento tem como objetivo confeccionar uma restauração com as exigências de uma dentição natural, nos termos de função, conforto e aparência.


Figura 6A Figura 4

Figura 6B Figura 5

Referências bibliográficas

1. Atttard NJ, Zarb GA. Immediate and early implant loading protocols: a literature review of clinical studies. J Prosthet Dent. 2005 Sept;94 (3): 242-9. 2. Francischone CE, Nary Filho H, Matos DAD, Lira HG, Neves JB, Vasconcelos LW et al. Osseointegração e o tratamento multidisciplinar. São Paulo: Quintessence; 2006. p.55-93. 3. Higginbottom FL. Implants as na option in the esthetic zone. J Oral Maxillofac Surg. 2005; 63 (Suppl 2): 33-44.

Profº Jum Kasawara Profª do Curso de Especialização em Implantodontia do CPO SL Mandic- Campinas; Profª do Curso de Atualização em Implantodontia da APCD-Saúde

Profº Rodrigo Salgado Schiavo

Profª Dr. Alexander D’Alvia Salvoni Profº Coordenandor dos Curso de Especialização em Implantodontia do CPO SL Mandic- Campinas e São Paulo; Profº do Curso de Mestrado em Implantodontia do CPO SL Mandic- Campinas; Profº do Curso de Atualização em Implantodontia da APCD-Saúde

Profº do Curso de Especialização em Implantodontia do CPO SL Mandic- Campinas; Profº do Curso de Atualização em Implantodontia da APCD-Saúde

Profª Cristine Haralambos Bassoukou

Profª Patricia D’Alvia Salvoni Cassoli

Profª do Curso de Especialização em Implantodontia do CPO SL Mandic- São Paulo; Profª do Curso de Atualização em Implantodontia da APCD-Saúde

Profº do Curso de Especialização em Implantodontia do CPO SL Mandic- Campinas e São Paulo; Profºdo Curso de Atualização em Implantodontia da APCD-Saúde

APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010 | 5


Procedimentos

Emergências médicas em ambiente odontológico

T

odos os Dentistas e profissionais relacionados, ACDs e pessoal de escritório, devem estar preparados para situações de emergências médicas em consultório e ou ambulatório Odontológico, uma vez que essas situações que apresentam potencial risco de vida, podem e devem ocorrer em ambiente Odontológico e geralmente estão relacionadas ao aumento do estresse, medo e ansiedade1,2. Essas situações não estão restritas a ocorrerem na “cadeira do dentista” podendo acontecer em qualquer sítio do consultório Odontológico, tais como sala de espera, bem como nas dependências. Todo o pessoal deve estar envolvido, isto e, treinados e capacitados para administrar o Suporte Básico de Vida para controle destas situações. Raramente o Dentista será solicitado a realizar Ressuscitação Cardiorrespiratória em ambiente Odontológico, porém é mais do que provável que o profissional lance mão de manobras de suporte básico de vida, ao longo de sua vida profissional, embora alguns estudos3 mostrem incidências de parada cardiorrespiratória em ambientes Médico e Odontológico.

Preparação para as Emergências médicas A América Dental Association4 em 2002, por meio do seu conselho científico determinou um protocolo e um kit mínimo que os Dentistas devem ter em consultórios e ou ambulatórios Odontológicos, esse protocolo que devem ser incluído na rotina do ambiente Odontológico. Então para o reconhecimento e o controle apropriado das situações mais comuns de Emergências Médicas no ambiente Odontológico incluem o seguinte Protocolo (Quadro 1).

Suporte Básico de Vida Ao contrário do que muitos pensam nas situações de Emergências Médicas o mais importante para o seu efetivo controle são as manobras de Suporte Básico de Vida e não a administração de drogas que ficam em segundo plano na abordagem de situações que envolvem risco de vida.

Os procedimentos incluem a manutenção das vias aéreas no paciente inconsciente, técnicas de administração de Oxigênio no paciente consciente ou inconsciente em ambiente Odontológico e monitoração dos dois mais importantes sinais vitais a pressão sanguínea e o pulso cardíaco (freqüência cardíaca), juntos vamos obter informações importantes quanto ao status do sistema cardiovascular. Juntos estes três procedimentos consistem o ABC do suporte básico de vida. Quando todos os 3 procedimentos (ABC) são empregados juntamente a técnica é chamada de Ressuscitação Cárdio Respiratória (RCP) em inglês CPR (cardiopulmonary resuscitation). Uma vez que o ABC tenha sido satisfatoriamente estabelecido “missão cumprida” então o profissional pode dar uma

Quadro1. Protocolo da A.D.A 20024

6 | APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010


atenção específica sobre “qual” ou “quais” foram as causas que determinaram a situação de emergências médicas e considerar então a administração de drogas.

Manejo-Controle do Paciente Inconsciente em Ambiente Odontológico A perda da Consciência é uma ocorrência relativamente comum em consultório Odontológico. A situação clássica em ambiente Odontológico é o paciente “desmaiar” logo após a administração do anestésico local em função do medo, estresse e ansiedade5,6,7. Independente do fator precipitante, a perda da consciência trará para o profissional uma situação com um potencial risco de vida, demandando cuidados imediatos. O Quadro 2 mostra a sequência dos acontecimentos após a obstrução das vias aéreas.

língua (músculo relaxado-obstrução anatômica das vias aéreas) ocorre sempre quando a cabeça esta numa posição mediana (Figura 1), onde o queixo quase encosta no tronco, o paciente numa posição supina onde além do relaxamento muscular a força gravitacional “empurra” a língua para posterior obstruindo a orofaringe. Também que a língua obstrua a orofaringe. A obstrução completa das vias aéreas pode resultar em asfixia e parada cardíaca num período de 5 a 10 minutos, já uma obstrução parcial da vias aéreas, através de mecanismos mais complexos, pode levar ao mesmo resultado9. Em todos os casos de inconsciência, o tratamento imediato consiste em reconhecer a obstrução das vias aéreas de imediato e iniciar as medidas necessárias para o problema. Uma vez que se mantenha a via aérea patente pela inclinação posterior da cabeça-elevação do queixo ou tração da mandíbula (Head tilt-chin lift) o profissional pode então proceder com medidas mais definitivas de suporte de vida10,11,12 (RCP, administração de drogas, outras). Abordaremos as manobras básicas de suporte básico de vida.

Administração do Suporte Básico de Vida: A-B-C

Quadro 2 - Após a obstrução das vias aéreas (língua-anatômica ou por corpo estranho),originando uma Hipóxia, Bradicardia (diminuição dos batimentos cardíacos<60 batimentos/minuto) e o comprometimento cardiovascular (“parada” cardíaca)

A causa mais comum da perda da consciência na Odontologia é a sincope vasovagal6,7,8, (desmaio) resultado do medo e ansiedade (apreensão), o tratamento inicial na maioria das situações de inconsciência é essencialmente o mesmo, uma única exceção é a reação anafilática aguda onde neste caso específico a administração de drogas (adrenalina/epinefrina) assim que possível é a primeira e mais importante medida que salvará a vida em questão. A Inconsciência é acompanhada de relaxamento muscular este fato que é responsável pelos problemas associados pela hipóxia e ou anóxia. O paciente inconsciente perde os reflexos de proteção das vias aéreas, o que resulta na obstrução da orofaringe pela base da

Imediatamente após o reconhecimento do quadro de “inconsciência”, devemos assegurar a abertura das vias aéreas, seguindo o seguinte protocolo: 1.P - Posicionar o paciente em posição supina na cadeira Odontológica, com os pés ligeiramente elevados.

Figura 1 - Paciente inconsciente

APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010 | 7


Procedimentos

Figura 2 - Ver, Ouvir e Sentir a Respiração

2.A - Desobstrução das vias aéreas - acessar as vias aéreas. VER, OUVIR e SENTIR se o paciente esta respirando (Figura 2) a. Inclinação (extensão) da cabeça para trás (posterior) - Head Tilt (Figura 3). Aplicar a mão na testa do paciente e a outra na mandíbula fazendo a rotação da cabeça para trás (extensão dorsal da cabeça). b. Embora a inclinação ou extensão dorsal (posterior) da cabeça seja uma manobra efetiva no restabelecimento de uma via aérea patente, existem situações em que as vias aéreas ainda permanecerão obstruídas. Então nesses casos adicionalmente a inclinação da cabeça para trás, deveremos realizar o avanço da mandíbula para anterior, numa posição ou situação de “prognatismo”, fazendo com que a base da língua desobstrua “completamente a orofaringe. Uma vez que a língua está “aderida” na mandíbula, e este avanço mandibular para frente desloca a língua juntamente com a mandíbula desobstruindo as vias aéreas13,14 (Figura 4). Esta manobra é realizada colocando os 2 dedos (indicador e médio) no ângulo da mandíbula movendo, avançando a mandíbula anteriormente ou para frente, onde alcançaremos

uma posição oclusal “topo a topo” ou de prognatismo. 3.C - Avaliação da Circulação - Após se estabelecer uma via aérea permeável (desobstruída), o socorrista deve determinar a avaliação da circulação. Devemos monitorar a ritmo cardíaco e pressão arterial. Vários sítios podem ser utilizados para verificação do ritmo cardíaco, pulso radial, pulso braquial e o pulso carotídeo (artéria carótida) no pescoço (Figura 5 e 6). A artéria carótida (Figura 3 e 4) é o sitio mais confiável indicador para a avaliação da função cardiovascular no adulto9,2,10. O socorrista quando da localização do pulso, não deve demorar mais de dez segundo para avaliar o mesmo, e se o socorrista não encontrar o pulso, deve imediatamente iniciar as compressões torxicas externas (30:2), 2 respirações e 30 compressões - 100 compressões toráxicas por minuto. Porém se o pulso foi avaliado e está “fraco”, mas esta presente, o socorrista deve continuar os passos de suporte básico de vida até a chegada da assistência médica.

Figura 4 - Deslocamento anterior da mandíbula (Jaw Thrust)

4.D - Tratamento Definitivo - Uma vez que as vias aéreas estão desobstruídas (estabelecidas) e a circulação esta adequada, o socorrista (doutor) poderá então prosseguir com o controle definitivo da situação, isto é, instituir tratamentos específicos, por exemplo: hipoglicemia; administração de glicose, simples desmaio: amônia-aromática-inalação.

Conclusões

Figura 3 - Inclinação posterior da cabeça e levantamento do queixo (Head Tilt)

8 | APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010

E evidente que as situações de emergências médicas não são freqüentes, porém podem e devem ocorrer em ambiente Odontológico. Todos os membros do “time” Odontológico devem estar preparados para administrar as manobras de Suporte Básico de Vida, e somente com treinamento e capacitação traz aos profissionais a experiência na abordagem destas situações para que se estabeleça uma sequência no


Figura 5 - Localização da Artéria Carótida - Pulso Carotídeo - (A) Localização da Cartilagem Tireóide (Pomo de Adão), (B) deslizamento lateral dos dedos indicador e médio até encontrar a fenda entre a cartilagem tireóide e o músculo esternocleido mastóideo

atendimento tornando este efetivo. Estes passos discutidos em detalhes P-A-C são segmentos do Suporte Básico de Vida e estas medidas são essenciais na manutenção da vida da vítima ou paciente. Embora que C: circulation (circulação adequada) deve sempre ser determinada, se na palpação do pulso em 10 segundos e ele não estiver presente deveremos imediatamente iniciar as compressões toráxicas externas. A seguir no Quadro 3. Os algoritmos das Situações de Emergências Médicas.

Figura 6 - Crianças menores de 1 ano - verificar o pulso Braquial, na parte superior interna do braço

11. Peter Safar, M.D, Resuscitation in the Dental Office, Presented before the Sixth Annual Meeting, American Dental Society of Anesthesiology, Inc., New York, September 13, 1959. 12. Part 3: Overview of CPR, http://circ.ahajournals.org/cgi/content/ full/112/24_suppl/IV-12 located on the World Wide Web at: The online version of this article, along with updated information and services, visitado em 11.08.09 13. Malamed, S.F. Medical Emergencies in Dental Office-6th Edition-Mosby-2000 14. Acute upper airway obstruction-Med Line plus- visitado em 02.01.09 - http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/000067.htm

Referências bibliográficas

1. TB Fast, MD Martin, and TM Ellis Emergency preparedness: a survey of dental practitioners J Am Dent Assoc 1986; 112: 499-501. 2. SF Malamed. Managing medical emergencies - J Am Dent Assoc 1993; 124: 40-53. 3. Beckeret Linda et al, Cardiac Arrest in Medical and Dental Practices Implications for Automated External Defibrillators - Arch Intern Med vol161, June 25, 2001 www.archinternmed. 4. Office emergencies and emergency kits: J Am Dent Assoc-Ada Counsil on Scientific Affairs - 2002; 133;364-365. 5. Boorin MR, Anxiety. Its manifestation and role in the dental patient; Dent Clin North Am. 1995 Jul; 39(3):523-39. 6. S.W.Parry and R.A. Kenny; The Management of vasovagal syncope, QJ Med 199;697-705. 7. Matsuura H, Analysis of Systemic Complicatons and Deaths During Dental Treatment in Japan - Anesth Prog 36:219-228 1989. 8. Margrethe Vika et al; Fear of blood, injury, and injections, and its relationship to dental anxiety and probability of avoiding dental treatment among 18-year-olds in Norway, International Journal of Paediatric Dentistry. 18(3):163-169, May 2008. 9. McCarthy, M Frank, Medical Emergencies in Dentistry, 1982, Philadelphia, W.B.Sauders Company10. Malamed SF, Emergency medicine: beyond the basics, 1997;128;843854 - J Am Dent Assoc –JADA

Quadro 3

Dr. Francisco Barata Ribeiro

Professor de Anestesia e Sedação; Capacitado em Sedação Inalatória - University of Birmingham AL; Capacitado em Sedação Enteral e Parenteral - University of Southern Califórnia; Máster Level Colege of Sedation American Society of Dental Anesthesiology

APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010 | 9


Implantes

Expansão da largura óssea de rebordo associada ao uso de Straumann® BoneCeramic

U

m dos principais fatores que podem impedir a colocação de implantes em uma reabilitação oral é a falta de espessura óssea, que ocorre com freqüência em regiões edêntulas de rebordos maxilares. Técnicas cirúrgicas invasivas como o uso de enxerto em bloco, embora sejam eficientes em casos de extrema reabsorção óssea, incluem a coleta de osso autógeno, e podem acarretar dor pós-operatória, lesão em nervos ou artérias, e infecção1,2. Artigos atuais sobre expansão óssea têm descrito uma técnica nova, que é realizada de maneira atraumática, com o uso de um kit de expansores parafusados3,4. Os parafusos são de diâmetros crescentes e apresentam um formato cônico, e são utilizados após a perfuração feita por uma broca de 2mm de diâmetro. Assim, ao invés de continuar com as outras brocas de diâmetros maiores do kit cirúrgico, procede-se com o uso dos parafusos expansores, que são rosqueados de maneira delicada, expandindo assim a região da perfuração, onde será colocado o implante. Enxertos de biomateriais particulados, como o “Straumann® BoneCeramic”, podem auxiliar o procedimento quando a

tábua vestibular se encontra frágil após a expansão4. Caso clínico - A paciente A.L.P.C., sexo feminino, 67 anos, se apresentou à clínica para tratamento reabilitador da região anterior da maxila. A queixa principal era de insatisfação com uma prótese fixa anterior de 3 elementos (11, 21 e 22) que acabara de fraturar. Com o planejamento do caso, foi definido que seriam colocados dois implantes para reabilitar a região correspondente aos elementos 21 e 22. Na tomografia computadorizada, foi detectada uma largura óssea de 3,5mm na região do dente 21, correspondente ao pôntico da antiga prótese fixa. Já o dente 22, precisava ser extraído e seria substituído por um implante imediato. Assim, foram escolhidos dois implantes de 3,8mm

Figura 2

Figura 1

Figura 3

10 | APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010


de diâmetro (XiVE, Dentsply-Friadent, Alemanha), de modo que passou a ser requerido, na região do elemento 21, um aumento da largura óssea, que foi realizado com um kit de parafusos expansores (Microdent, Espanha) após a perfuração do rebordo, feita com uma broca cilíndrica de 2mm. Após a expansão óssea do rebordo (Figuras 1 e 2), os implantes foram colocados, porém deixando a tábua vestibular levemente fragilizada e com uma trinca vertical na região do elemento 21 (Figura 3). Para terminar a correção de volume ósseo, foi utilizado o biomaterial composto de fosfato de cálcio bifásico “Straumann® BoneCeramic” (Instituto Straumann AG, Basel, Suíça) (Figura 4), preenchendo os defeitos ósseos, e recuperando o volume tecidual do rebordo (Figura 5).

Seis meses após a cirurgia, com os implantes já osseointegrados e com o tecido mole periimplantar apresentando boas condições, procedeu-se com a confecção das coroas de metalocerâmica planejadas para reabilitar o paciente. A técnica de expansão óssea atraumática, combinada com o uso de “Straumann®BoneCeramic”, se mostrou um eficiente método para aumentar a largura e restaurar o volume do rebordo maxilar. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Garg AK, Morales MJ, Navarro I, et al. Autogenous mandibular bone grafts in the treatment of the resorbed maxillary anterior alveolar ridge: Rationale and approach. Implant Dent. 1998;7:169- 176. 2. Li J, Wang HL. Common implant- related advanced bone grafting complications: classification, etiology, and management. Im- plant Dent. 2008;17:389-401. 3. Siddiqui AA, Sosovicka M. Lateral bone condensing and expansion for place- ment of endosseous dental implants: A new technique. J Oral Implantol. 2006;32:87-94. 4. Cortes ARG, Cortes DN. Nontraumatic bone expansion for immediate dental implant placement: An analysis of 21 cases. Implant Dent. 2010;19:92-7

Figura 4

Dr. Arthur R. G. Cortes Implantodontista; Mestre em Patologia Bucal

Figura 5 APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010 | 11


Enxerto ósseo

Utilização do β-Fosfato Tricálcio no preenchimento da cavidade do seio maxilar para devolução de sua morfologia

Q

uando ocorre a perda de dentes em região posterior de maxila, há uma reabsorção fisiológica do tecido ósseo. A enxertia óssea para devolução da morfologia original é uma alternativa dentro do planejamento da reabilitação. O osso autógeno é considerado o “padrão ouro” das técnicas de reconstrução óssea, pois tem grande potencial osteogênico, osteoindutor e osteocondutor. Entretanto, há de se considerar inúmeros fatores antes de decidir qual técnica utilizar. No “padrão ouro” há, principalmente, maior morbidade devido à necessidade de duas áreas cirúrgicas (doadora e receptora), maior tempo operatório e limitação quanto à disponibilidade óssea. Atualmente o procedimento de levantamento do assoalho de seio maxilar com enxertos ósseos e com posterior instalação dos implantes osseointegráveis pode ser considerado um procedimento seguro e com resultados cada vez mais previsíveis, dependendo do tipo de biomaterial utilizado. A pesquisa constante em busca do melhor material de enxertia óssea que possa substituir o osso autógeno traz, a cada dia, novas alternativas para os profissionais. Hoje, há uma opção de biomaterial sintético composto de β-Fosfato Tricálcio (β-TCP) que, quando comparado ao enxerto autógeno, apresenta algumas vantagens: - redução do tempo cirúrgico, - menor morbidade, - quantidade ilimitada, - menor risco de lesões vasculares e nervosas. O biomaterial β-TCP possui características que indicam a sua utilização em enxertos ósseos: - osteocondução, - interconectividade com multiporos, - porosidade, - estabilidade no preenchimento, - reabsorção completa em menor tempo, quando comparado à hidroxiapatita. No caso ilustrado, a paciente I.M.P., 69 anos, gênero feminino, apresentava pneumatização do seio maxilar direito com conseqüente perda óssea local (Fig. 1). O primeiro momento cirúrgico foi planejado para a enxertia óssea com β-TCP (Cerasorb®). Após todos os procedimentos de antissepsia e anestesia, o acesso local foi feito via parede anterior de seio maxilar através de incisão em crista com relaxante. A osteotomia foi realizada com fresas diamantadas esféricas em peça de mão com irrigação abundante, seguida pelo descolamento da membrana sinusal e preenchimento da loja com o biomaterial (Fig. 3). Por fim, foi realizada síntese utilizando fio de seda 4-0. A paciente foi orientada quanto à medicação e aos cuidados pós operatórios. O segundo momento cirúrgico, seis meses após o primeiro, foi para a instalação cirúrgica dos implantes BIOMET 3i® Osseotite hexágono externo (HE), cônicos de 4x13mm (região do 14), 4x11,5mm (região do 15) e 4x10mm (região do 16) (Fig. 4). Após três meses foi realizada a reabertura e posteriormente à reparação tecidual foi confeccionada a prótese metalo-cerâmica parafusada sobre os implantes (Fig 6). Portanto, a utilização do biomaterial sintético β-TCP dá condição ao organismo para a neoformação óssea na região com densidade e quantidade adequada e possibilita a instalação de implantes osseointegráveis de forma previsível e segura, tanto ao profissional, quanto ao paciente.

12 | APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010

Figura 1 - região: 1° quadrante. Radiografia inicial

Figura 2 - β-TCP + sangue

Figura 3 - Colocação do enxerto


Figura 4 - Instalação dos implantes Biomet 3i seis meses após o enxerto

Referências bibliográficas

Figura 5 - Radiografia com os implantes nove meses após o enxerto

1. CLAVERO J.; LUNDGREN S. Ramus or chin grafts for maxillary sinus inlay and local onlay augmentation: comparison of donor site morbidity and complications. Clin. Implant. Dent. Relat. Res., Hamilton, v.5, n.3, p. 154-60, 2003. 2. DRISKELL TD.; HASSLER CR.; MCCOY LR. The significance of resorbable bioceramics in the report of bone defects. 26th Annu. Cons. Eng. Med. Biom., p. 199-255, 1973. 3. MISCH CM et al. Reconstruction of maxillary alveolar defects with mandibular symphysis grafts for dental implants: a preliminary procedural report. Int. J. Oral Maxillofac. Implants., v. 7, p. 360-6, 1992. 4. PETERS F.; REIF D. Funcional material for bone regeneration from Beta-Tricalcium phosphate. Mat-wiss. U. Werkstofftech, n.4, p. 203-207, 2004. 5. SIMUNEK A. et al. Deproteinized bovine bone versus β-TCP in sinus augmentation surgery: a comparative histologic and histomorphometric study. Int. J. Oral Maxillofac. Implants, v.23, p. 935-942, 2008. 6. SUBA Z et al. Maxillary sinus floor grafting with β-Tricalcium Phosphate in humans: density and micro architecture of the newly formed bone. Clin. Oral Impl. Res., v. 17, p. 102-8, 2006 7. ZIJDERVELD SA. et al. Maxillary sinus floor augmentation usin a β-Tricalcium Phosphate (Cerasorb) alone compared to autogenous bone grafts. Int. Oral Maxillofac. Implants, v.20, p.432-440, 2005.

Dr. Odair Borghi Figura 6 - Prótese instalada

Mestre em Implantodontia; Especialista em Implantodontia e Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais; Coordenador do curso de Atualização em Implantodontia da APCD Jd. Paulista; Professor do curso de Especialização do Centro de Treinamento Biomet 3i

Dr. Ricardo Ramalho Vecchiatti

Figura 7 - 24 meses após o enxerto

Especialista em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais; Mestrando em Implantodontia; Professor do curso de Atualização em Implantodontia da APCD Jd. Paulista

APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010 | 13


Parestesia

Utilização do Laser de Baixa Potência no tratamento da parestesia pós exodontia de terceiros molares inferiores

A

parestesia é a deficiência neurosensorial de maior ocorrência e consiste em sensações desagradáveis, anormais e espontâneas onde não há a total perda de sensibilidade. Podem ser permanentes traduzindo em irritação de nervos periféricos sensitivos. Costumam se traduzir principalmente por “formigamento” 1, 2, 3. Também são descritas como sensações estranhas. Sendo reconhecidas por qualquer pessoa que já recebeu uma injeção de anestésico local em tratamentos odontológicos. Quando não persistem, as parestesias podem não indicar uma lesão neurológica, mas já quando persistentes, indicam anormalidade das vias sensoriais. Na odontologia, a parestesia manifesta-se, na maioria das vezes, pelos nervos alveolar inferior, mentoniano e lingual e é decorrente de fatores locais e sistêmicos. Dos fatores locais podemos incluir: fraturas mandibulares, lesões compressivas (neoplasias benignas e malignas e cistos), dentes impactados, infecções locais, lesões iatrogênicas (após tratamento endodôntico, exodontias e bloqueios anestésicos), cirurgias de implantes e de finalidade ortodôntica e as pré-protéticas. Dos fatores sistêmicos podemos citar: doenças degenerativas, infecções virais, desordens metabólicas e algumas reações medicamentosas4, 5, 6. Diversos tipos de tratamento têm sido propostos como a administração de medicação sistêmica, fisioterapia local, estimulação elétrica, cirurgia para reparação nervosa, aplicação de laser de baixa potência e outras terapêuticas como homeopatia e acupuntura, sendo que o prognóstico de recuperação varia consideravelmente de acordo com o grau de injúria. O uso de lasers de baixa potência (LILT – Low Intensity Laser Therapy) tem sido citado na literatura, nas áreas odontológica apresentando efeito biomodulador e indicado nos casos de sintomatologia dolorosa, e reparo tecidual. A irradiação por laser de baixa potência no trajeto da inervação afetada demonstrou ser eficiente quanto à melhora sensorial sendo vantajosa por não ser dolorosa nem traumática promovendo maior conforto ao paciente.

14 | APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010

Alguns efeitos da terapia com os lasers de baixa potência em nível celular já estão bem estabelecidos como a estimulação da atividade mitocondrial, estimulação da síntese de DNA e RNA, variação do pH intra e extracelular, aceleração do metabolismo, e aumento da produção protéica e modulação da atividade enzimática. Quando a célula tem a sua função debilitada esses efeitos são bastante evidentes. Estudos mostram que a terapia com luz laser de baixa potência tem efeitos mais pronunciados sobre órgãos ou tecidos enfraquecidos, ou seja, em estresse. Os efeitos da irradiação com laser de baixa potência na regeneração nervosa pode acontecer pela ação direta em diferentes componentes celulares e extracelulares assim como uma ação indireta nos tecidos inervados pelas fibras nervosas que estão em reparação7. Referências bibliográficas

1. MACHADO, A. V. Neuroanatomia Funcional. 2 ed. Ed. Atheneu: Guanabara Koogan: Rio de Janeiro, 1993. 2. ROWLAND, L. P. Merritt. Tratado de Neurologia, 9 ed. Ed. Guanabara Koogan:Rio de Janeiro, 2000. 3. SANVITO, W. L. Propedêutica Neurológica Básica. 6 ed. Ed. Atheneu: São Paulo, 2000. 4. PRADO, M.M.B. Estudo sobre a parestesia do nervo alveolar inferior pós cirurgia de terceiros molares inferiores [Dissertação de Mestrado]. São Paulo: Faculdade de Odontologia da USP; 2004. 5. AKAL, U.K., SAYAN, N.B., AYDOGAN, S., YAMAN, Z. Evaluation of the neurosensory deficiencies of oral and maxillofacial region following surgery. Int J Oral Maxillofac Surg; v.29, p.331-6, 2000. 6. GIULIANI, M., LAJOLO, C., DELI, G., SILVERI, C. Inferior alveolar nerve paresthesia caused by endodontic pathosis: A case report and review of the literature. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod, v.92, p.670-4, 2001. 7. ANDERS, J.J.; GEUNA, S.; ROCHKIND, S. Phototherapy promotes regeneration and functional recovery of injured peripheral nerve. Neurol Res, v.26, p.233–239, 2004.

Dr. Edgar Kazuyoshi Nakajima Cirurgião-dentista; Graduado pela Faculdade de Odontologia da USP; Mestre em Lasers em Odontologia – IPEN/FOUSP; Professor do Mestrado em Lasers em Odontologia – IPEN/FOUSP


Dinheiro

Aumentar as opções de recebimentos no seu consultório odontológico: diminuir a inadimplência

V

ocê lembra quantas vezes ouviu um paciente dizer que estava sem o talão de cheques para fazer o pagamento de seus honorários? Acho que está na hora de mudar esta pergunta: você vai pagar com cartão de débito ou cartão de crédito? Existem inúmeras formas de obter este tipo de serviço em nosso consultório com custos que estão mais acessíveis a todo instante. Algumas empresas oferecem estes serviços feitos via internet sem o uso das maquinetas por valores em torno de quarenta reais. O que reduz o custo mensal deste serviço. Esta facilidade reduz em muito a inadimplência em nosso dia a dia. Imagine quantas ligações você já fez para receber por seus serviços já realizados. Podemos obter à vista em nossa conta corrente este pagamento. Sem papéis, cheque ou dinheiro. Mais seguro também para nosso consultório. Além deste serviço, podemos dispor de linhas de crédito para grandes procedimentos. As grandes clínicas que oferecem reabilitações orais com inúmeras facilidades, em fartos anúncios da TV, nos ensinaram uma maneira muito boa de cobrar nossos clientes. Pagamentos parcelados em 10,

16 | APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010

12 ou 36 vezes. Podemos usar o mesmo recurso, por meio meio de empresas que oferecem crédito para procedimentos na área médica (cirurgias plásticas, por exemplo) ou área odontológica (grandes reabilitações). Nossa vantagem é o atendimento individualizado, nosso carinho, a segurança que o paciente já conhece e não será alterada ao longo do tratamento. Após o fechamento do plano de tratamento, os dados do pacientes são submetidos a uma avaliação para liberação de uma linha de crédito especialmente para o procedimento. O paciente decide a melhor forma de pagamento: cartão de crédito, cheques pré-datados ou boleto bancário. O pagamento do profissional ocorre após 72 horas da aprovação de crédito para o paciente. Você não tem que se preocupar com os pagamentos; recebe à vista. Alguns bancos já possuem este serviço. O Banco do Brasil oferece financiamento em 24 vezes com juros que variam de 2,9% a 3,5% ao mês, o cliente poderá pagar à vista para o profissional. O Banco Real tem essa mesma linha de credito para serviços da saúde, com parcelamentos em até 24 vezes também. O Banco Alfa tem parcelamentos em até 12 vezes. Como podemos estudar melhor estas facilidades? Entre na internet e verifique palavras chave como crédito para saúde, cartão de débito para consultórios. Seu gerente bancário também pode lhe dar boas informações. Este complemento nos serviços certamente deixará você mais perto de muitos clientes que gostariam de realizar aquele tratamento há tempos adiado. Vamos lá, boa sorte! Dra. Maria Teresa Ratto Cirurgiã-dentista; Doutoranda da Faculdade de Medicina Unicamp; Especialista em Dentística Restauradora; Auditora de Odontologia; Montou seu consultório há 23 anos. www.clinicamteresaratto.com.br contato@clinicamteresaratto.com.br


Yuri Arcurs


Cursos APCD Saúde

Cursos APCD Saúde Palestra - Uso dos Florais na Influência das Emoções no consultório odontológico Data: 21 de outubro de 2010 - quinta-feira Horário: 19h30 às 21h00

Curso de Ortodontia - “Técnica Straight Wire”

Início: março de 2011 Dia da semana: quintas-feiras (quinzenal) Horário: 9h às 18h Natureza: teórico / prático / clínico Duração: 24 meses Vagas: 16 Valor: 24 x R$ 400,00 (sócio efetivo) 24 x R$ 200,00 (sócio recém-formado e acadêmico) Dr. Cidney Coordenador: Prof. Dr. Cidney Hiroaki Cato (graduado FOSJC-UNESP, mestre em Ortodontia - UNICID, doutorando em Radiologia Odontológica pela FOSJC-UNESP, especialista em Ortopedia Funcional dos Maxilares - CFO e membro do programa de aperfeiçoamento continuado - PROAC - da FOSJC-UNESP disciplina de Ortodontia); Professoras Assistentes: Prof. Dra. Cristiane Y. Shimura, Prof. Dra. Andréa Kato e Prof. Dra. Patrícia Takahama Programa: Cefalometria Análise de USP; Cefalometria Análise de Mc Namara; Análise de modelos; Análise de Bolton; Análise de Superposição de Arcos; Etiologia e correção das Maloclusões; Typodont - Técnica Roth; Clínica (aparatologia removível e fixa).

Curso de Atualização em Implantodontia Módulo Protético

Início: 7 de março de 2011 a 12 de dezembro de 2011 Dia da semana: segundas-feiras Horário: 14h às 18h Carga Horária: 160 horas/aula Vagas: 21 Natureza: teórico / prático / laboratorial Dr. Ricardo Duração: 10 meses Valor: 10 x R$ 400,00 (sócio efetivo) 10 x R$ 200,00 (sócio recém-formado/acadêmicos) Coordenador: Dr. Ricardo Mitsuo Saito (Especialista em Prótese) Corpo Docente: Dra. Erika Miyagi; Dr. Luiz Carlos Suzuki (Especialista em Prótese); Dr. Peter Shiu (Mestre e Doutor em Dentística). Objetivos: Capacitar o aluno a gerenciar riscos e complicações restauradoras através do conhecimento de oclusão e biomecânica em implantodontia, tipos de próteses sobre implantes, seleção de componentes protéticos, técnicas de moldagem e manutenção peri-implantar. Sistemas de Implantes: Biomet 3i

18 | APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010

2011

1º SEMESTRE

Utilização Clínica do Laser de Baixa Potência e Clareamento

Início: março de 2011 Dia da semana: Quintas-feiras Horário: 18h às 22h Carga horária: Natureza: Teórico/ laboratorial / demonstrativo com atendimento de pacientes Vagas: limitadas Valor: 5 x R$450,00 (sócio efetivo) 5 x R$275,00 (sócio recém-formado) Dr. Edgar Coordenador: Prof. Edgar Kazuyoshi Nakajima (Mestre em Lasers em Odontologia - IPEN/ FOUSP, Professor do Mestrado Profissionalizante Lasers em Odontologia – IPEN/FOUSP). Ministradores: Profa Cláudia Strefezza (Mestre - IPEN/FOUSP, Professora do Mestrado Profissionalizante Lasers em Odontologia - IPEN/FOUSP, Professora dos Cursos de Atualização em Laser e Prótese Unitária - LELO/ FUNDECTO/USP); Profa. Sheila C. Gouw-Soares (Mestre e Doutor em Dentística - FOUSP, Professora do Mestrado Profissionalizante Lasers em Odontologia - IPEN/FOUSP, Professora dos Cursos de Atualização em Laser e Prótese Unitária - LELO/FUNDECTO/USP); Prof. Rodrigo Ramos Vieira (Mestre em Lasers em Odontologia - IPEN/FOUSP, Especialista em Ortodontia - CEAO). Objetivos: Visa transmitir os conhecimentos teóricos e as aplicações clínicas do laser de baixa e de alta potência e dos LEDs, em odontologia nas áreas de dentística, estética, clareamento dental, endodontia, periodontia, odontopediatria, cirurgia, semiologia e diagnóstico oral. Serão abordadas noções básicas da física dos lasers, seus mecanismos de interação com os tecidos biológicos e suas aplicações clínicas junto aos diferentes tecidos bucais. Esse curso enfoca o caráter multidisciplinar dessa tecnologia com a apresentação de casos clínicos, pesquisas recentes, demonstração prática com atendimento de pacientes. O curso visa capacitar o profissional ao atendimento clínico com lasers de baixa potência e clareamento dental. Conteúdo Programático: 1. Fundamentos da Física do Laser nas áreas Biomédicas, interação da luz com os tecidos biológicos, mecanismos de ação dos lasers e normas de segurança; 2. Laser de Baixa Potência: fundamentos e mecanismo de ação do laser de baixa potência; aplicações clínicas nos diversos procedimentos visando ação analgésica, antiinflamatória e biomoduladora. Protocolos terapêuticos de dor, parestesia, disfunção de ATM, herpes, hipersensibilidade dentinária, terapia fotodinâmica (PDT), mucosite, biomodulação de lesões de tecidos moles bucais e outros; 3. Terapia Fotodinâmica (PDT); 4. Clareamento Dental; 5. Laser de Alta Potência nas diversas especialidades; 6. Demonstração com pacientes.


Mais Informações: Tel./fax: (11) 5078-7960 contato@apcd-saude.org.br www.apcd-saude.org.br

IMPORTANTE: A EAP poderá cancelar os cursos previamente, caso o número de vagas não sejam preenchidos. Os horários poderão ser remanejados em função de uma melhor operacionalização.

Curso Avançado em Endodontia Clínica

Início: 16 de março de 2011 Dia da semana: quartas-feiras Horário: 17h às 20h Carga Horária: 60 horas/aula Vagas: 8 Natureza: teórico / prático / demonstrativo com atendimento a pacientes Duração: 5 meses Valor: 5 x R$ 300,00 (sócio efetivo) / 5 x R$ 150,00 (sócio recém-formado/acadêmicos) Coordenador: Prof. Dr. Sergio T. Maeda (EspeDr. Maeda cialista, Mestre e Doutor em Endodontia pela FOB – USP). Ministradores: Prof. Dr. Marcio B. Lauretti (Especialista, Mestre e Doutor em Endodontia pela FOUSP); Prof. Dr. José Lauriere H. Guimarães (Especialista, Mestre e Doutor em Endodontia pela FOUSP); Prof. Ms. Kleber K. T. de Carvalho (Especialista, Mestre em Endodontia pela UMESP); Prof. Ms. Sergio K. Kamei (Especialista, Mestre em Endodontia pela UMESP); Prof. Ms. Luis M. Mansi (Especialista, Mestre em Endodontia pela UMESP). Profs. Colaboradores: Dras. Deborah Calvo, Marcele Arouca e Dr. Keiji Nishikawa Objetivo: Aprender os novos conceitos e técnicas de instrumentação rotatória, visando capacitar o cirurgião-dentista no planejamento da melhor abordagem nas diferentes situações da terapia endodôntica. Conteúdo Programático: Conceitos e parâmetros da instrumentação rotatória de NiTi; Sistemas rotatórios: bio Race (FKG), Protaper (Dentsply), Mtwo (VDW), Endo wave (J. MORITA) (WORKSHOP e HANDS ON); Localizadores eletrônicos. Obturação termoplástica. Obs.: Atividade pré-clinica (hands on) - Para o treinamento em dentes naturais das técnicas dos sistemas apresentados serão oferecidos gratuitamente todos os instrumentos rotatórios de NiTi e motores elétricos e pneumáticos.

Curso de Auxiliar em Saúde Bucal (Curso reconhecido pelo CFO/CRO)

RESOLUÇÃO CFO-85/2009- “Art. 19. Para se habilitar ao registro e à inscrição, como auxiliar em saúde bucal, o interessado deverá ser portador de certificado expedido por curso ou exames que atendam, integralmente, ao disposto nas normas vigentes do órgão competente do Ministério da Educação e, na ausência destas, em ato normativo específico do Conselho Federal de Odontologia.”Informamos aos colegas que o curso ASB na APCD Saúde segue a resolução do CFO, qualificando o aluno às exigências do consultório. Início: março de 2011 Dia da semana: terças-feiras Horário: 18h30 às 22h Vagas: limitadas Natureza: teórico / prático Duração: 5 meses Valor: R$ 600,00 ou 5 parcelas x R$ 120,00 (inclui material didático) Coordenadora: Dra. Arne Aued Guirar Ventura (Especialista em Ortopedia Funcional dos Maxilares, Especializando em Qualidade de Vida no Trabalho, Colaboradora Voluntária no Concurso “A Saúde Bucal”) e Equipe. Programa: Leis e Diretrizes da ASB; Radiologia; Noções de Secretariado e Administração; Manipulação de Materiais Dentários e Materiais de Moldagens; Instrumentalização e auxílio ao Cirurgião-Dentista; Atualização em relação social com o paciente-recepção na sala de espera com noções de normas sociais, encaminhamento e acomodação do paciente à sala de atendimento; Noções de Biossegurança; Noções de Informática; Anatomia Geral e Dentária; Código de Ética; Legislação Trabalhista e Direito do Consumidor; Doenças relacionadas ao Trabalho; Vigilância em Saúde.

ATENÇÃO: As inscrições se encerram 5 dias antes do início dos cursos

Curso de Atualização em Endodontia associada a Dentística - Ao alcance do clínico geral

Início: 16 de março de 2011 Dia da semana: quartas-feiras Horário: 19h às 22h Carga Horária: 144 horas/aula Vagas: 16 Natureza: teórico / prático / demonstrativo com atendimento a pacientes Duração: 12 meses Valor: 12 x R$ 350,00 (sócio efetivo) / 12 x R$ 175,00 (sócio recém-formado/acadêmicos) Coordenador: Prof. Dr. Sergio T. Maeda (EspeDr. Maeda cialista, Mestre e Doutor em Endodontia pela FOB - USP); Ministradores: Prof. Dr. Marcio B. Lauretti (Especialista, Mestre e Doutor em Endodontia pela FOUSP); Prof. Dr. José Lauriere H. Guimarães (Especialista, Mestre e Doutor em Endodontia pela FOUSP); Prof. Ms. Kleber K. T. de Carvalho (Especialista, Mestre em Endodontia pela UMESP); Prof. Ms. Sergio K. Kamei (Especialista, Mestre em Endodontia pela UMESP); Prof. Ms. Luis M. Mansi (Especialista, Mestre em Endodontia pela UMESP). Profs. Colaboradores: Dras. Deborah Calvo, Marcele Arouca e Dr. Keiji Nishikawa Temas abordados: •Proteção do complexo dentino-polpa •pulpotomia/pulpectomia/necropulpectomia •instrumentação rotatória •localizadores eletrônicos foraminais •obturação termoplástica •reforço coronário e radicular pré e pós-tratamento •clareamento de dentes vitalizados e despolpados •restauração de dentes tratados endodônticamente •Preparo de retentor intrarradicular

Curso de Aperfeiçoamento em Cirurgia Oral Menor

Início: março de 2011 Dia da semana: quintas-feiras Horário: 19h às 22h30 Carga Horária: 62 horas/aula Vagas: 16 Natureza: teórico / prático / demonstrativo com atendimento de pacientes Dr. Glácio Duração: 5 meses Valor: 5 x R$ 350,00 (sócio efetivo) / 5 x R$ 175,00 (sócio recém-formado/acadêmico) Ministradores: Prof. Dr. Glácio Avólio (Doutor em Ciências pela Escola Paulista de Medicina - UNIFESP e Mestre em Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial pela FOUSP); Prof. Dr. Marcelo Marcucci (Doutor em Ciências pela Escola Paulista de Medicina - UNIFESP e Mestre em Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial pela FOUSP). Dr. Marcucci Objetivo: Trata-se de um curso eminentemente prático que visa o desenvolvimento e aperfeiçoamento do aluno no âmbito da cirurgia oral menor. Serão abordados aspectos referentes ao diagnóstico, planejamento, técnica cirúrgica, complicações e terapêutica medicamentosa, priorizando o tratamento cirúrgico dos dentes retidos. O objetivo final é habilitar o aluno no planejamento e execução da prática cirúrgica nas mais diversas situações possíveis de ocorrer em consultório. APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010 | 19


Cursos APCD Saúde

Cursos APCD Saúde

Curso de Atualização em Implantodontia Módulo Cirúrgico

Início: 7 de março de 2011 a 12 de dezembro de 2011 Dia da semana: segundas-feiras Horário: 18h às 22h30 Carga Horária: 160 horas/aula Vagas: 15 Natureza: teórico / prático / laboratorial Duração: 10 meses Dr. Paulo K. Valor: 10 x R$ 400,00 (sócio efetivo) 10 x R$ 200,00 (sócio recém-formado/acadêmicos) Coordenador: Dr. Paulo Yataro Kawakami Corpo Docente: Dr. José Luiz Takashi Yassui (Professor do Curso de Implantodontia do Centro de Qualificação Profissional Biomet 3i); Dra. Claudia Barreiros Pera (Especialista em Implantodontia e Mestranda em Periodontia); Dr. Paulo Hitoshi Ueda (Especialista em Implantodontia e Mestrando em Periodontia); Dr. Edson Yassuo Bajou (Especialista em Cirurgia Traumatologia Buco-Maxilo Facial e Especialista em Ortopedia Funcional dos Maxilares). Objetivos: Capacitar o cirurgião-dentista nos planejamentos e execuções das cirurgias básicas e avançadas na implantodontia com a utilização do sistema Biomet 3i. Sistemas de Implantes: Biomet 3i Conteúdo programático: 1. Histórico da implantodontia. Metabolismo ósseo (bases biológicas); 2. Terapêutica medicamentosa; 3. Apresentação do sistema de implantes Biomet 3i, características técnicas, cirurgia e prótese; 4. Planejamento protético-cirúrgico; 5. Técnicas de incisão e sutura em cirurgias de instalação de implantes. 6. Carga imediata e restauração imediata; 7. Cirurgia plástica periodontal e condicionamento de tecido mole em implantodontia; 8. Levantamento atraumático do seio maxilar; 9. Levantamento traumático do seio maxilar; 10. Tratamento das perfurações da membrana sinusal; 11. Enxerto ósseo em bloco do ramo; 12. Enxerto ósseo em bloco do mento; 13. Anatomia relacionada a Implantodontia; 14. Exames Complementares; 15. Imageologia; 16. Complicações em Implantodontia; 17. Implantes curtos; 18. Indicações e contra-indicações em Implantodontia.

20 | APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010

2011

1º SEMESTRE

Atualização em Odontologia Estética “Resinas Compostas - Em Busca do Natural”

Início: março de 2011 Dia da semana: segundas-feiras Horário: 9 às 13h Carga Horária: 72 horas/aula Natureza: teórico / laboratorial / clínico Duração: 5 meses Vagas: limitadas Valor: 5 X R$ 400,00 (sócio efetivo) Dr. Eduardo 5 X R$ 200,00 (sócio recém-formado/acadêmicos) Coordenador: Dr. Eduardo S. Leonetti (Especialista e Mestre em Dentística) Ministradores: Dr. Luis Gustavo B. Albino (Especialista e Mestre em Dentística); Dr. José Augusto Rodrigues (Especialista, Mestre e Doutor em Dentística); Dr. André F. Reis (Especialista, Mestre e Doutor em Dentística). Objetivos: Este curso tem como objetivo oferecer aos alunos um preparo especial para um mercado de trabalho diferenciado, aplicando novas técnicas que visam à agilidade nos procedimentos clínicos com resultados estéticos previsíveis Conteúdo Programático: Introdução do curso Revisão de Literatura Estética Harmonia e Equilíbrio Clareamento de Dentes Vitais e não Vitais “Mitos e Verdades” Adesão - Sistemas Adesivos Modernos; Tendências Atuais Cores - Copiando a Natureza Seleção e Características das Resinas Atuais, Opacificadores e Corantes Técnicas de Polimerização; Fotopolimerizadores Halógenos X LED Proteção do Complexo Dentino Pulpar - Conceitos Atuais Anatomia e Escultura Dental Restaurações Estéticas de Dentes Anteriores e Posteriores pela Técnica Incremental Progressiva Estratificada Técnica do Mock up Sensibilidade Pós Operatória e Hipersensibilidade Dentinária Cervical Facetas Diretas Estratificadas - Técnicas Atuais e Materiais Contemporâneos Preparo do Conduto e Cimentação de Pinos Estéticos Intra-radicular Reparos de Porcelana com Resina Composta Fotografia em odontologia Metodologia de Ensino: O curso será inicialmente ministrado em esquema de workshop, no qual o aluno assiste aula Teórica e em laboratório realiza trabalho prático em hands on. Após a fase laboratorial o ensino se dará por meio da prática clínica com o atendimento de pacientes supervisionado pelos professores.


Para anunciar, pegue já o seu telefone e converse com o Israel (11) 3477-4156 ou 9263-1935 e faça bons negócios!

Doe brinquedos novos e usados, em bom estado de conservação, na sede da APCD Regional Saúde. Eles serão doados para crianças carentes. APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010 | 21


Eleições APCD

APCD Saúde comemora posse dos novos eleitos

Drs. Takashi, Ossamu, Arne, Gilberto e Wagner

Diretoria da APCD Regional Saúde reunida

Drs. Juscelino Kojima, Gilberto Machado Coimbra, Adriano Albano Forghieri, Eunice Cristina Gardieri e Wagner Nascimento Moreno

N

o dia 26 de junho, dirigentes da Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas (APCD), associados e familiares estiveram reunidos no Teatro da Associação para a cerimônia de posse dos novos dirigentes da APCD Central, das Regionais, dos Núcleos de Regionais, dos Departamentos Científicos, entre outros. A solenidade também contou com a presença de representantes de entidades parceiras da APCD, do Governo Municipal e de políticos. Os eleitos para dirigir a Regional APCD Central foram: Presidente - Adriano Albano Forghieri; Primeiro Vice-presidente - Juscelino Kojima ; Segundo Vice-presidente - Wilson Chediek; Secretária - Maria Angela Marmo; Tesoureiro - Paulo Vianna Mesquita. Posteriormente, a APCD Regional Saúde ofereceu um delicioso jantar na noite do dia 10 de julho, no Bufê Évidence, no bairro de Vila Clementino, para comemorar a posse dos novos eleitos para a composição da Diretoria para o triênio 2010-2013. A solenidade também contou com a presença de representantes de várias Regionais da capital, do presidente da APCD Central, Dr. Adriano Albano Forghieri e da conselheira do CROSP, Dra. Eunice Cristina Gardieri. Para dirigir a APCD Regional Saúde, os eleitos foram: Presidente - Dr. Wagner Nascimento Moreno; 1º Vice-Presidente - Gilberto Machado Coimbra; 2º Vice-Presidente - Arne Aued Guirar Ventura; Secretário Geral - Ossamu Massaoka; Tesoureiro - Takashi Yagui.

22 | APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010

Julia, Cida, Pureza, Arne e Ivone

Convidados e diretores da APCD Saúde


Departamento social

Campeonato de Bilhar da APCD Saúde No final do torneio sagrou-se campeão Valdir Lentini e o vice Sérgio Yunes.

Drs. Milton, Sônia, Sérgio e Clovis

Takashi, Percival, Wagner, Sérgio, Valdir, Hiroshi, Moacyr e Auro

Elizabeth, Luiz Afonso, Natália e Sérgio

Ao fundo, Luciene, Sérgio, Takashi e Percival. À frente, Yatiko, Fátima, Wagner, Ivone, Cida e Auro

Keiji, Rosana, Haruni, Maeda, Maurício e Marcele Moacyr e Valdir

Convidados e diretores da APCD Saúde

Luciene, Cida, Yatiko, Fátima e Ivone

APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010 | 23


aniversariantes

24 DEBORAH CALVO 25 NILZA PAVANELLI DE OLIVEIRA 25 MOACYR DA SILVA 25 MARIA FERNANDA DE ARAUJO 25 CYNTIA TIEMI OTA ISHIHARA 26 ROSE MARY GONZALES MANSOUIR 26 KENJI OKASAKI 26 ADRIANA MARQUES GEROLDO 26 ROSANGELA CANDIDO DE LIMA GUIMARAES 27 RUBENS INACIO HIRATA 27 MARIA CONCEIÇAO PERES LOBERTO 27 ADRIANA LUCARELLI SARMENTO 28 LAURA COVELLO 28 MARIA CRISTINA FUJII DOS SANTOS 28 CLAUDIA RUMI NISHINAKA 29 SUZYLANE BRAGA ANTUNES 29 SILVIA HELENA FELIPPELLI CECCHINI 29 CRISTIANE AKEMI SAKAMOTO 30 WALLENA ALBURQUERQUE DA CUNHA 30 SABRINA TOMIZAWA 30 MOACYR NUNES LEITE JUNIOR 31 ANA PAULA DE OLIVEIRA FUKUSHIMA 31 ANDREA DA FONSECA ALVAREZ

Aniversariantes de julho

24 | APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010

Aniversariantes de Agosto

cL

eo

d

Dia

M

01 ROBERTA ALCAZAR CURY 02 WALTER ANTONIO PEDRESCHI FILHO 02 TAIS KUNERT 02 CLAUDIA GASPAROTTI 03 THEREZA CHRISTINA FARIA LIMA 03 LETICIA AKIE KIGUTI 03 CELIA REGINA PINHEIRO CHENG 04 MARIA INEZ DE ANDERAUS PRADO ALVES 04 LILIAN MASSUCCI MARCIANO DA SILVA 05 SUELY TIEKO NAKANISHI 06 TIAGO GOMES DA SILVA 07 WALDIRIA DE AVILA E FARIA 07 TATIANA THIENE OGUSCO 07 ROBERTO TADASHI MISUNO 07 ELCE GUERREIRO SPONTON C. INOJOSA 07 CLYDE MAYUMI YAMAMURA SUDA 08 CESAR ALBERTO FERREIRA 09 LUCIANE CORDIOLI POERNER FERNANDES 09 JULIANA DATTI ROQUE 09 CRISTIANE YUMI KOGA 11 FERNANDA TALIB GUIMARAES 11 FERNANDA CARVALHO PEREIRA SILVA 12 JORGE LUIZ DE REZENDE 12 MARIA CRISTINA PEREIRA DE ALENCAR 12 CAMILA ZANCHETTA MUNIZ 13 HUGO DELGADO DE AGUIAR 14 RUBEN ENRIQUE RUBINIAK 14 LUCIA ODETE TORTELLI 14 JULIANA AKEMI TSUMURA 15 MILTON DE SOUZA TEIXEIRA 15 ISABELLA COELHO DE OLIVEIRA 15 GLAUCIA ARASHIRO 17 SANDRA DA SILVA CABRAL DE MELO 17 RITA MARIA PORTUGAL DE ALMEIDA 17 ANDREA HAYAKAWA 17 CAMILA HAIFA ADAM SAAD AYRES 17 BIANCA DOS SANTOS VIANNA 18 VALERIA CAMPASSI REIS GAMBIER 19 AFONSO LUIS PUIG PEREIRA 19 ALEXANDRA SAMPRONHA CHIARASTELLI 20 TIOCO KAMASHIRO 20 JULIANA ESPINDOLA DE PAULA 20 MAURICIO NISHIMURA 20 CRISTINA ITO 21 LUCAS ISSAMU TERUYA 21 DANIELA FROEHLICH ZANGEROLAMI 22 MICHELE DE CASSIA CARVALHO BERTONI 22 MELISSA BOSSAN 22 ADILEA VIEIRA DE CARVALHO 23 ANA PAULA HARES PARO FEVERSANI

Ky m

Dia

01 CRISTIANE TAKATA 02 ROGERIO KAZUO AKITI 02 MARGARIDA TAVARES BARBOSA 02 PRISCILLA OLIVEIRA FONSECA FERNANDES 02 KARLA LIZETE IKEDA 03 SIMONE MAGALHAES MENENDEZ SILVA 03 MARIANA NATALE DE PAULA PEREIRA 03 MARCIO CRISTOFARO 04 MARTA CRISTINA KFOURI DI PILLO 04 MASSANORI NISHIOKA 04 JOSE CARLOS MACORIN 05 ROGERIO FANTOZZI 05 PATRICIA ROSA SILVA CASTRO 05 OSSAMU MASSAOKA 05 LUIZ HIROMITSU SASAKI 05 MARIA AMALIA DO C R SONNEWEND 05 JOEL DA COSTA FERRER 05 KARINA TIEMI SHIMADA 06 IEDA SANTOS ABREU 06 BEATRIZ DAVANCO BORELLA 07 DEBORA CARNEIRO ARAUJO DA SILVA 08 MARIO DE SOUZA E SILVA 08 ELZA YAEKO KANENOBU 08 BARBARA BERNARDINO DA SILVA 09 SERGIO YUNES 09 PAULO ROBERTO MIRANDA 09 BRUNO GRANDINI PACHECO

Teod o

ra Vla

icu


01 RAUF ABBUD 01 PAULO JORGE DA SILVA BONFIM 01 IRACI AKEMI SAKASHITA NAKA 01 CINTIA FURUSE NUNES 02 SUENY SAYURI TATIBANA 02 PRISCILA AFIF ABMUSSI 02 CLARISSA NOEMY YOSHINAGA CHIBA 04 ROSANGELA MORONI DIAS GRANERO 05 REGINA MITIE MIYAKE AOKI

he Be nta J

Dia

a ay

Aniversariantes de Setembro

06 TERCIO OBARA 06 MARCELA MIGLIOLI CAVICCHIOLI 06 MARCIA DE MELLO MENDONÇA 06 HIROSHI MIASIRO JUNIOR 08 MIRTES HELENA MANGUEIRA DA SILVA DIAS 08 ELAINE PEREIRA 08 ANTONIO VIEIRA SILVA 08 BEATRIZ BRAGHIN ARIMITSU 09 THAIS MIEKO KUBO 09 MARIA LUCIA KIMIKO YASUI 09 DIEGO FERNANDES QUEIROZ 09 MARIA ANTONIETA D M GOMES 09 MAURICIO FAZZURA 09 CAMILA BASILE MEIRA 10 LUCIANA ALLEMAND WESTIN PHILBERT 10 CRISTINA MORAGHI DIAS DA SILVA 10 MARCELO GOTARDO 10 LIGIA CRISTINA MINZON DA SILVA 10 CARLOS NEY XAVIER DE SOUSA NETO 11 SILVIA REGINA NAJAR OSTASKA 11 EDUARDO SAKAI 13 ANA CAROLINA PINHEIRO DE SA 14 VIVIANE MARIA COUTINHO ALVES CORREA 14 DURVAL PAUPERIO SERIO 15 AUGUSTO CESAR ZANAROLLI GALIZIA 16 MARIANA COELHO CARRARA 18 JORGE KHADOUR 19 FLAVIA PECORA CARNEIRO DE FARIA 19 LJILJANA ZIVANOVIC FARAH 19 CINTIA MARGARETE SPINA TANAKA 19 RAFAELA YUMI SAKAMOTO 20 CAMILA YUKA WATANABE 21 MAUREN RIKA TABATA ARAI 21 ARNE AUED GUIRAR VENTURA 22 VICTOR D`ASCOLA MARTIN 23 SUZELEI IZZO FORGER 23 MARCELO RENATO DA SILVA COSTA 23 JOAO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO 24 FABIO CAMILO 25 MARIA GORETI NOGUEIRA 25 PATRICK YENDO MINOWA 25 ELCIO MATTOS BAHIA 26 MARIANA BARBARA AKKARI 27 VICTOR ANTONIO MONTEIRO SOPHIA 27 DIRCE RIEKO HOJO 28 YUMI OZAWA SAKAI 28 RENATA GARGIONE PRADO 28 MAYARA DUARTE FERNANDES 28 INGRID DE MELLO RODE 28 REGINA MARIA PULITI 29 SILVANA MARIA POSSEBON 29 ALEXANDRE MORAIS DA COSTA 29 GABRIEL FUKUNAGA KATO 30 VANIA CRISTINA FONSECA BAGNATO

ra

Renate Kalloch

10 ROSANA NUNES ESPOSO 10 PATRICIA DE FATIMA LEITE FOGACA 10 FLAVIO DE ALMEIDA CUNHA 10 RICARDO PIMENTA D AVILA 11 WALTERSON MATHIAS PRADO 11 MICHELE MARTINS SOARES 11 HELENA EMIKO TUNOUTI YOGI 11 LIZE GABRIELA YOSHINAGA 11 CRISTIANE HITOMI KASHIMA 12 ANA PRISCILA FERREIRA 13 MICHEL VIEIRA GHANEM 13 KUNIO SHIMABUKURO 13 BRUNA GHIRALDINI 13 PLINIO GOLONI 15 LIVIA LIE SONODA 16 CLAUDIA ERIKO TSUJI 17 KATIA YUKIE KANO OZEKI 18 VALDIR DE OLIVEIRA 18 MARCOS ERNANI TOMOTANI 18 ISABEL CRISTINA TSUJI 19 PATRICIA DUARTE CINELLI VICIANA 20 ALEXANDRE CAMARA OZAKI 21 MARCIA REGINA SALLES 21 MARCIA FERNANDA SANDOVAL OROZCO 21 LILIAM BERNARDES MANDIA 22 MARCIA MITSUKO NARIMATSU SASAKI 22 LUCIA MARIA NEY PIZZOCOLO 23 ROSANE SOUZA MATOS 23 RENATA WINCK SOARES 25 DILIANE DE ALMEIDA 25 SIMONE CRISTINA PAES 26 FEYEZ AYACHE 26 ANDREA DOS SANTOS CARVALHO 27 MILENE MAYUMI AKUSTU 27 ANNA LUCIA CHARLES GARCIA MARSILIO 28 VANESSA GONÇALVES 28 MIRIAM OKAMURA 30 GUSTAVO SATOSKI MIYASHITA 30 MARIO HARUMITSU OTA 30 DENISE SARTORATO SOUBHIE 31 ELLEA LIE NAKANO

APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010 | 25


Indicador PROFISSIONAL icador PROFISSIONAL INd dor PROFISSIONAL indica PROFISSIONAL indicador FISSIONAL indicador pro SIONAL indicador profis NAL Indicador PROFISSIo Indicador PROFISSIONAL icador PROFISSIONAL INd dor PROFISSIONAL indica PROFISSIONAL indicador FISSIONAL indicador pro SIONAL indicador profis NAL Indicador PROFISSIo Indicador PROFISSIONAL

Dr. Admar Kfouri Periodontia Implantodontia Prótese Rua das Glicínias, 49 Tel. (11) 2276-0001 / 2276-4166

Dr. Arnaldo B. Ferreira Jr. Odontologia Estética Implantes Rua Joaquim de Almeida, 478 Planalto Paulista Tel. (11) 5583 -3005 / 2577-0812 dr.arnaldojr@uol.com.br

Dra. Arne Aued Guirar Ventura Especialista em Ortopedia Funcional dos Maxilares / Ortodontia Av. Pedroso de Moraes, 677 Cj. 83 - CEP 05419-001 Tel. (11) 3564-6892 arneguirar@gmail.com

Dr. Gustavo Henrique Mota CROSP 62990 Implantodontia / Cirurgia Ortognática R. Aracaju, 225 - 13º andar - Higienópolis Tel. (11) 3822-2089 / 3822- 2665

Dra. Helenice Formentin Ikegami - CROSP 25639 Cirurgiã-Dentista Rua Padre R o, 171 - Moóca CEP 03118-000 - SP - Tel. (11) 38817399 / 2698-5443 / 9846-4905 heleniceformentin@yahoo.com.br heleniceformentin@zipmail.com.br

Dr. Luci Finotti CROSP 21700 Periodontia / Implantadontia / Cirurgia Plástica / Periodontal/ Estética Dental (tratamento a laser) Av. Prof. Noé de Azevedo, 208 - Cj. 22 (Metrô V. Mariana) Tel. (11) 5572-5605

Dr. Auro Massatake Minei Clínica Geral Especialista em Prótese Dental e Ortopedia Funcional dos Maxilares Av. Sen. Casemiro da Rocha, 693 CEP 04047-001 - Tel. (11) 2577-4599 minei@apcd.org.br

Dra. Luciana Kfouri CROSP 58635 Endodontia Rua das Glicínias, 49 - Vila Mariana CEP 04048-050 Tel. (11) 276-0001 / 276-4166

Dr. Carlos Teruo Itabashi Cirurgião-Dentista Rua Lourenço Nunes, 72 Tel. (11) 5564-7057

Dr. Luis Ide - CROSP 20811 Periodontia Implantodontia R. Afonso Celso, 1.173 CEP 04119-061 - Vila Mariana Tel. (11) 5589-3269

Dr. Cheng Te Hua CROSP 21421 Cirurgião-Dentista Rua Santa Cruz, 1838 CEP 04122-002 - Vila Gumercindo Tel. (11) 5062-0380 Fax (11) 5063-3757

Dra. Claudia Bosquê Schneider Crefito 11747-F Fisioterapia em DTM / DOF / RPG Mobilização Articular Av. Cursino, 422 - V. Gumercindo Av. Ibirapuera, 2907 - Sl. 415 Tel. (11) 5061-1841

Dr. Durval Paupério Sério Endodontista Rua Rio Grande, 785 CEP 04018-002 - Vila Mariana Tel. (11) 5579-1108

26 | APCD SAÚDE | jul | ago | set | 2010

Dr. Luiz Afonso Souza Lima Cirurgião-Dentista Rua José Antonio Coelho Lima, 281 Paraíso - CEP 04011-060 Tel. (11) 5572-9445

Maxillus Odontologia Especializada / Prof. Dr. Glácio Avólio - CRO 21.301 / Prof. Dr. Marcelo Marcucci - CRO 43.485 Cirurgia Bucomaxilofacial / Cirurgia de Terceiros Molares / Enxertos ósseos para Implantes / Pacientes Especiais / Anestesia Geral / Hospital-dia Tels: (11) 5573-2075 / (11) 3884-2141 maxillus@hotmail.com

Dr. Nicola F. Bempensante Cirurgião-Dentista Rua Augusta, 2192 CEP 01412-000 - Jardins Tel. (11) 3082-5275 bempensante@uol.com

Dr. Samuel Moraes Cecconi CROSP 74351 Ortopedia Funcional dos Maxilares / Clínica Geral Rua Santa Cruz, 690 - Vila Mariana CEP 04122-000 - Tel. (11) 5579-6262 familiacecconi@ig.com.br

Dr. Sergio T. Maeda CROSP 8256 Endodontia Cirurgia Parendodôntica Av. Iraí, 393 - Cj. 12 - Moema CEP 04082-001 - Tel. (11) 5543-3985 sergio.maeda@metodista.br

Dr. Sergio Yunes - CROSP 20563 Cirurgião-Dentista Av. Prof. Noé de Azevedo, 208 - Cj. 73 (Metrô Vila Mariana) Tel. (11) 5083-6943 / 9684-5765 syorto@gmail.com

Dr. Luiz Carlos Serrano Lima CROSP 20445 Ortodontia / Odontologia Estética Rua Pedro de Toledo, 897 CEP 04039-032 - V. Clementino Tel. (11) 5083-5690

Dra. Sônia Maria Moraes Cecconi CROSP 12998 Pacientes com necessidades especiais / Odontopediatria Rua Santa Cruz, 690 CEP 04122-000 - Vila Mariana Tel. (11) 5579-6262

Dr. Mauricio Fazzura - CROSP 52126 Ortodontia / Clínica Geral R. Ramon Penharrubia, 130 - Cj. 303 Paraíso - Tel. (11) 3285-0973 Av. Cupecê, 6062 - Bl. 04 - Sl. 02 Jd. Miriam - Tel. (11) 5623-7632 / 68560717

Dr. Takashi Yagui CROSP 20637 Cirurgião-Dentista Rua Lourenço Nunez, 72 Cidade Ademar Tel. (11) 5562-3765


28 | APCD SAĂ&#x161;DE | jul | ago | set | 2010


Sorriso 29