Issuu on Google+

Vem

o ontr c n E I P X -J ista na APCD -dent ndo ia rgião

u al “O cir a diária: técnico clínic oamento estão” g eiç aperf arketing e dr. : com m nação e Coord o Sarzedo Rodrig

1


2


EDITORIAL

Presidente Nelson Sabino de Freitas 1º Vice-presidente Gilberto Cortese 2º Vice-presidente Mário Luis Zuolo Secretário Geral Sérgio José Martins Tesoureiro Geral Clarindo Mitiyoshi Yao Assessor da Presidência Euripedes Vedovato Diretor Depto. Científico Alexandre A. M. Cortese Assessores Depto. Científico Carlos Veloso Salgado Marcos Koiti Itinoche Alexandre Tanganelli Ricci Fábio de Santana Lima Márcia Ayres Diretor da EAP José Eduardo de Mello Júnior Diretor da Revista Daniel Kherlakian Diretor Depto. Informática Rodrigo Restaino Sarzedo Diretor Depto. Patrimônio Ricardo Thomé Diretora Depto. Social Simone Soares Petrone Assessoras Depto. Social Juliana Melo Cortese Maria Ap. Melo Cortese Produção Editorial ICL Comunicação Editor Executivo Israel Correia de Lima Editor de Arte / Diagramação Guilherme Gonçalves Junior Revisão Maristela Santana Santos Carrasco Jornalista Responsável Israel Correia de Lima (Mtb 14.204) Depto. Comercial ICL Comunicação (11) 3477-4156 / Cel. (11) 99263-1935 israel.c.lima@ig.com.br israellima@ajato.com.br Impressão Input Comunicação Visual Ltda. Periodicidade Trimestral Tiragem: 6.000 exemplares

Capa: Ilustração - Camilo Saraiva

APCD do Jardim Paulista Sede: Rua Guararapes, 720 - Brooklin São Paulo - SP - CEP 04561-000 (11) 5535-9532, 5096-0588 e 5049-3250 apcd@apcdjardimpaulista.com.br www.apcdjp.com.br Atenção: as opiniões expressas nas matérias publicadas na revista Essencial são de responsabilidade de seus autores e não refletem, necessariamente, as opiniões da diretoria da APCD do Jardim Paulista. É proibida a reprodução ou cópia, sem prévia autorização. Capa: Maurício Pereira Idéia: Dr. Euripedes Vedovato

Diálogo para o entendimento é pauta constante da APCD-JP Quase três anos se passaram repletos de realizações administrativas, estruturais, de conteúdo e de resultados já aparecendo da melhor maneira possível. Olhando essa administração como um todo, vemos que o diálogo para o entendimento é pauta constante em todas as nossas reuniões e encontros extraordinários, o que nos leva a crer ser esta a trilha a ser seguida diante de circunstâncias, imprevistos e decisões difíceis em todos os seguimentos. Essa tônica nos dá certa tranquilidade para debatermos problemas e irmos em frente sem perder o foco diante dos desafios. Quero fazer aqui um parêntese positivo para o nosso departamento Jurídico, representado pelo advogado dr. Magario e equipe, que tem nos dado o suporte jurídico em todos os sentidos sempre que exigido, sem esquecer do departamento de Contabilidade/Financeira comandado por Luiz Américo Finamore, que também participa ativamente de nossas decisões. Ambos comparecem até nas reuniões, facilitando, assim, nosso entrosamento a fim de tomar as devidas resoluções. Quero também enaltecer a volta das palestras gratuitas sob o comando da dra. Márcia Ayres, que tem se multiplicado na grade científica e na escolha dos conferencistas. Em virtude de tudo isso, essa diretoria está sendo reeleita, comigo na presidência, com uma unanimidade incontestável de aceitação. Isso faz crescer nossa responsabilidade, já que por mais três anos toda a APCD do Jardim Paulista esperará de nós a continuação desse trabalho, buscando sempre a eficiência por que seus integrantes, nas suas devidas funções, vão aos limites máximos à procura de resultados positivos. Que esses novos tempos que nos aguardam sejam transcorridos e repetidos de maneira ordeira e competente, porque só essa união aliada a muita vontade nos fará cumprir nossas metas. E não se esqueçam do nosso XI Encontro, sob o comando do dr. Rodrigo Sarzedo, com o tema “O cirurgião-dentista na clínica diária: aliando aperfeiçoamento técnico com marketing e gestão”. Estaremos a sua espera com assuntos de relevância para os profissionais da Odontologia. Outro evento que será marcante será o pré-lançamento do livro Protocolo Brånemark, prótese fixa mandibular suportada por 3 implantes, de autoria do professor Eurípedes Vedovato, com exclusividade na sede da nossa APCD, que dará sua contribuição aos avanços científicos. Espero também o comparecimento dos associados nas próximas eleições, que acontecerão no dia 22 de maio, com os devidos agradecimentos antecipados. E vamos em frente!

Dr. Nelson Sabino de Freitas Presidente da APCD do Jardim Paulista

s u m á rio

4 Ciência e Tecnologia Preparo de canais com conceito de lima única – Uma nova técnica endodôntica 6 Novidades NobelActive™ 3.0, Agregando Excelência!, Declaração do IR já preenchida 8 Destaque Alunos visitam P-I Brånemark Institute – Bauru 9 Destaque Dissertação de mestrado na Unesp de Araraquara 10 Destaque 7º Encontro Anual do Grupo Brasileiro de Reciclagem em Prótese e Implante 11 Destaque Simpósio de Diagnóstico e Tratamento da Apneia Obstrutiva do Sono 12 Cursos SUCESSO! Curso do dr. Mário Góes sobre “Adesão” 14 Calendário Científico EAP Jardim Paulista: cursos teórico, laboratorial e clínico 19 Personalidades Destaques das reuniões da APCD-JP 20 Especial Que procedimento seguir quando ocorre o trauma dentário 24 Notas Dr. Francisco Braga ministra palestra na APCD-JP 25 Notas Mudança de paradigma na Odontologia 26 Crônica Nas garras de Ceaucescu 28 Em Tempo A Maior Triagem do Mundo 30 Indicador Profissional Guia de especialidades odontológicas 3


c i ê n c ia e te c n olo g ia

Dr. José Eduardo de Mello Junior

Dr. Arthur de Siqueira Zuolo

Dr. Mário Luis Zuolo

Preparo de canais com conceito de lima única – Uma nova técnica endodôntica

Nos últimos anos a Endodontia se beneficiou de avanços tecnológicos importantes e sua incorporação nos

rário (150º) e horário (30º) são diferentes e permitem o avanço dos instrumentos com pouca pressão apical. O movimento, assim denominado, recíproco reduziria o estresse torsional sobre o instru-

Figura 1 – Molar inferior. Preparo dos canais: mesial – R25.08 e distal – R40.06. Foi realizado o preparo dos 1/3 cervical e médio com Reciproc, odontometria, preparo apical com Reciproc

Figura 2 - Prova do cone

protocolos clínicos aumentou a previsibilidade do tratamento endodôntico. Dentre esses recursos, o preparo de canais com instrumentos rotatórios de movimento contínuo, confeccionados com a liga de níquel titânio e acionados a motor elétrico, representa um significativo avanço na especialidade. Esses sistemas de instrumentação reduziram o tempo de trabalho, melhoraram a eficiência de corte (Walia et al, 1998; Ferraz et al, 2001) e reduziram a tendência ao transporte do canal original (Pettiette et al, 2001), quando comparados aos instrumentos de aço inox. O preparo do canal através da instrumentação rotatória, entretanto, apresenta algumas desvantagens, entre elas podemos citar a utilização de um grande número de instrumentos em diferentes manipulações técnicas, além do uso de instrumentos manuais para realizar a patência do canal, e uma curva longa de aprendizado (Yared, 2011). Surgiram novos instrumentos que trabalham com o conceito de lima única. Dois sistemas foram recentemente lançados no mercado: 1º) Reciproc (VDW, Munique, Alemanha); e 2º) Wave One (Dentsply – Maillefer, Baillagues, Suíça). Ambos utilizam o princípio de movimento rotatório alternado, em que a lima roda na direção de corte (sentido anti-horário), avança dentro do canal e se prende na parede cortando a dentina; imediatamente a lima roda em direção oposta (sentido horário) e se desprende da parede do canal. Os valores de rotação da lima Reciproc nos sentidos anti-ho-

mento, pois reverte periodicamente sua rotação, diminuindo dessa forma o risco de fratura (Yared, 2011; Kim et al, 2012). O sistema Reciproc possui instrumentos confeccionados com níquel titânio M-Wire, que oferece grande flexibilidade e resistência à fadiga cíclica, quando comparado à liga de níquel-titânio convencional (Yared, 2011). A secção transversal da lima é em forma de “S”. São três as limas do sistema, a escolha na utilização depende da anatomia do canal: R25 (ponta de 0,25 mm e conicidade 0,8 mm – 25/08) para canais estreitos, R40 (40/06) para canais médios, R50 (50/05) para canais amplos. Os instrumentos são comercializados estéreis em blisters, não podem ser autoclavados, sendo, portanto, de uso único (Manual do Fabricante). Os instrumentos que trabalham em movimento recíproco têm uma proposta inovadora. O preparo de canais com sistema Reciproc pode ser realizado sem a necessidade de patência, não necessitando de pré-alargamento cervical, dois conceitos difundidos e aceitos na instrumentação rotatória. A lima Reciproc, devido ao seu design e tipo de movimento, pode seguir a via de menor resistência, que é o canal radicular, sem alterar a anatomia original. Pode ser utilizada também em movimento de pincelamento, promovendo o pré-alargamento. Dessa forma, toda a instrumentação do canal é realizada com um único instrumento. Segundo o autor, seria uma técnica muito fácil de ensinar e beneficiaria tanto especialistas como alunos de graduação e clínicos gerais por sua simplicidade e rapidez (Yared, 2011).

4


Serão apresentados a seguir dois casos em que o sistema Reciproc foi utilizado com bons resultados clínicos. Deve ser ressaltado, entretanto, que existe ainda a necessidade de pesquisas para uma correta avaliação da performance desses novos sistemas para sua validação clínica. Referências 1- Walia H, Brantley WA, Gerstein H. An initial investigation of the bending and torsional properties of nitinol root canal files. J Endod. 1988;14(7):346-351.

2- Ferraz CC, Gomes NV, Gomes BP, Zaia AA, Teixeira FB, Souza-Filho FJ. Apical extrusion of debris and irrigants using two hand and three engine-driven. Int Endod J. 2001, Jul;34(5):354-358. 3- Pettiette MT, Delano EO, Trope M. Evaluation of the success rate of endodontic treatment performed by students with stainless-steel K-files and nickel-titanium hand files. J Endod 2001;27:124-127. 4- Yared G. Canal preparation with only one reciprocating instrument without prior handfiling: a new concept. VDW000300 Rev. 0/13.01.11 (www.reciproc.com). 5- Kim HC, Kwak SW, Cheung GSP, Ko DH, Chung SM, Lee WC. Cyclic fatigue and torsional resistance of two new nickel-titanium Instruments used in reciprocation motion: Reciproc Versus WaveOne. J Endod. 2012;38(4):541-544.

Figura 3 - Prova de qualidade

Figura 4 – Raio X final: dente com preparo para pino, para dar sequência ao procedimento restaurador

Figura 5 – Raio X inicial: dente 26

Figura 6 – Raio X final: canal, preparo com Reciproc, inclusive o canal mesiopalatino

Dr. José Eduardo de Mello Junior - Professor dos cursos de Especialização em Endodontia na APCD Central e Jardim Paulista; professor do curso de Aperfeiçoamento na APCD Central; especialista e mestre em Endodontia pelo Centro de Pesquisas Odontológicas São Leopoldo Mandic. Dr. Mário Luis Zuolo - Professor dos cursos de Especialização em Endodontia na APCD Central e Jardim Paulista; professor do curso de Aperfeiçoamento na APCD Central; especialista em Endodontia pela EAP/APCD; mestre em Biologia Molecular pela Unifesp. Dr. Arthur de Siqueira Zuolo - Especialista e mestre em Endodontia pelo Centro de Pesquisas Odontológicas São Leopoldo Mandic.

5


NOVIDADES

NobelActive™ 3.0 Um implante Resistente para espaços estreitos

Segundo estudos, a distância de segurança entre os implantes e os dentes adjacentes deve ser de pelo menos 1,5 mm. No entanto, a situação clínica nem sempre permite tal distância, o que torna a instalação de implantes impossível ou muito arriscada. Se houver muito pouco osso remanescente entre dois implantes, ou entre o implante e o dente, o suprimento sanguíneo para o tecido será insuficiente, pondendo resultar em reabsorção óssea e retração do tecido mole. O risco é ainda maior na presença de raízes dentais convergentes que podem ser lesionadas durante o procedimento de instalação do implante. Este cenário é uma indicação para o novo NobelActive™ 3.0. A Nobel Biocare expandiu o conceito do implante de sucesso NobelActive™ com um novo implante de 3.0 mm para uma instalação segura em áreas com espaço limitado. O diâmetro reduzido do implante NobelActive™ 3.0 foi especialmente projetado para a substituição de incisivos laterais superiores e incisivos centrais e lateriais inferiores. O implante possui uma resistência excepcional em um diâmetro pequeno, uma vez que é composto do mais forte tipo de titânio, grau 4, trabalhado à frio, patenteado e comercializado pela Nobel Biocare, o qual oferece superior resistência à fadiga (>160 Ncm) e ao torque (>100 Ncm). O protocolo de perfuração do NobelActive™ 3.0 foi concebido para reter o máximo de osso possível, enquanto o corpo do implante e o desenho da rosca condensam o osso durante a inserção, aumentando a estabilidade inicial. O ápice perfurante e as lâminas cortantes permitem que seja feito o ajuste da posição do implante para obter uma orientação protética ideal. Junto com uma conexão de forte selamento e mudança de plataforma incorporada, o NobelActive™ 3.0 produz excelentes resultados estéticos. Informações: www.nobelbiocare.com/active3 0800 16 99 96

6

Agregando Excelência!

O Indor (Instituto de Documentação Ortodôntica e Radiodiagnóstico), com 22 anos de atuação em diagnóstico por imagem na área de Imaginologia Bucomaxilofacial, e a Diagnóstika, laboratório de Patologia Cirúrgica com 29 anos de experiência, acabam de firmar uma sólida parceria. E agora os pacientes de nossos colaboradores podem usufruir mais esse benefício. Para mais informações, acesse www.indor.com. br ou entre em contato com a Central de Relacionamento Diagnóstika, atendimento@diagnostika.med.br, telefone (11) 3549-2222, e saiba como fazer para enviar seus exames.

Em 2014, brasileiros poderão receber a declaração do IR já preenchida Segundo a Receita Federal, em 2014, boa parte dos brasileiros deverá receber a declaração do IRPF/2014 já preenchida pela própria instituição. Para os contribuintes que possuem somente uma fonte de renda, que hoje representam 70% das declarações transmitidas, a Receita Federal irá gerar a declaração com todos os dados para que seja consultada pelo contribuinte e, se estiver correto, basta autorizar e transmitir. Se houver necessidade de acrescentar dados, então poderão inserir a informação e depois transmitir. E mais, segundo a Receita Federal, existem estudos e planejamentos para que no futuro sejam disponibilizados aplicativos para tablet e smartphone capazes de gerar e transmitir a declaração do IR via sistemas Android e iOS. Entretanto, não há prazo definido para que isso aconteça, tendo em vista que precisam ser consideradas as dificuldades em relação ao sigilo e proteção do contribuinte. Informações: Consime Assessoria Contábil Ltda. Fone: (11) 3258-5857 – www.consimecontabil.com.br contato@consimecontabil.com.br, falar com sr. Gustavo.


Nota de Esclarecimento O P-I Brånemark Institute - Bauru é uma associação sem fins lucrativos, inaugurada em setembro de 2005 em Bauru, mantida principalmente por doações nacionais e internacionais as quais permitem que 80% dos atendimentos possam ser realizados sem custos. Referência mundial para a pesquisa e o desenvolvimento da Osseointegração aplicada à reabilitação extra-oral e intra-oral, o Instituto oferece uma abrangente variedade de programas de treinamento básico e avançado, conduzido por clínicos altamente treinados e experientes. No entanto, devido aos recentes acontecimentos se faz necessária a presente nota informativa. Atualmente existem no mercado empresas que exploram comercialmente o nome “Brånemark” para a venda de seus produtos e/ou serviços ligados a odontologia, entretanto, nesses casos, as referidas plataformas – assim consideradas como àquelas ligadas aos atendimentos clínicos, à comercialização de produtos, ou mesmo ao ministério de cursos- são confeccionadas em sociedades com propósito comercial e interesse lucrativo. Ocorre que algumas dessas empresas apesar de não possuírem vínculo com o Instituto e explorarem atividade lucrativa estão divulgando indevidamente o nome do P-I Brånemark Institute em seus materiais publicitários como se, de fato, houvesse qualquer relação estabelecida. Ocorre que ao contrário de algumas dessas empresas que acabam criando uma ilusão de sua relação com o Instituto com o intuito único de obtenção de lucro, o P-I Brånemark Institute se utiliza do nome do importante professor Brånemark para o atendimento às pessoas carentes e necessitadas, sem nenhuma finalidade lucrativa. Por conta disso, o Instituto é considerado “entidade de Utilidade Pública”, nas esferas municipal, estadual e federal, tendo inclusive suas contas, projetos e relatórios anualmente aditados pelo Ministério Público Estadual e pelo Ministério da Justiça. Desde sua fundação o P-I Brånemark Institute sempre visou o bem estar social e atendimento da população carente, conforme consta em seu próprio Estatuto Social, refutando quaisquer práticas comercias que associem indevidamente seu nome à quaisquer iniciativas que não visem única e exclusivamente o atendimento daqueles mais necessitados. Assim, por fim, consignando que o P-I Brånemark Institute - Bauru não tem nenhuma parceria, vínculo, filial ou entidade ligada, nem mesmo presta qualquer serviço ou desenvolve atividade fora da cidade de Bauru, o presente comunicado busca avisar a todos que procurem ter maiores informações sobre falsas notícias ou comunicações que possam induzi-los ao erro. Bauru, 1° de abril de 2013 Per-Ingvar Brånemark Diretor-Presidente

7


PRÓTESE DENTÁRIA DA APCD-JP EM DESTAQUE

Alunos visitam P-I Brånemark Institute – Bauru Os alunos do Curso de Especialização em Prótese Dentária da APCD-JP estiveram na cidade de Bauru visitando o P-I Brånemark Institute - Bauru. Eles participaram de um “tour” pelas dependências do Instituto e assistiram a uma aula ministrada pelo prof. Eurípedes Vedovato, coordenador da área de Prótese do P-I Brånemark Institute - Bauru, sobre o protocolo de reabilitação mandibular utilizando somente três implantes. Toda a técnica e pesquisa clínica de sete anos sobre esse assunto, desenvolvidas no Instituto, é o conteúdo do livro lançado recentemente pelo prof. Vedovato.

Alunos do curso de especialização

Sala de trabalho do prof. P.I. Brånemark

Prof. Eurípedes Vedovato no auditório do Instituto preparando-se para ministrar a aula para os convidados

Acadêmicos que foram convidados para a visita, Gabriel Baldasserine Guimarães, Isabel Vedovato e Marcela Tappiz dos Santos

8


PRÓTESE DENTÁRIA DA APCD-JP EM DESTAQUE

Dissertação de mestrado na Unesp de Araraquara Alguns professores e alunos do Curso de Especialização em Prótese Dentária da nossa APCD-JP foram convidados a participar da dissertação de mestrado do pós-graduando Ian Anderson Guimarães K. M. Farhat, tendo como orientador o professor Antonio Carlos Guastaldi, no Instituto de Química de Araraquara – Unesp. Tema: “Modificação de superfícies de zircônia empregada a restaurações sem metais”. A tese em questão pesquisou a alteração da superfície da zircônia pelo ataque de um ácido.

Pós-graduando Sr. Ian Anderson G. K. M. Farhat, mesa examinadora: Professores titulares Marco Antonio Bottino e Antonio Carlos Guastaldi e prof. Luis Augusto S. M. da Rocha

Professor titular do Instituto de Química da Unesp de Araraquara Antonio Carlos Guastaldi e professor titular da F.O. da Unesp de São José dos Campos Marco Antonio Bottino

Eurípedes Vedovato, Mario Goes, Marco Antonio Bottino, Ian Anderson G. K. M. Farhat, Antonio Carlos Guastaldi, Luis Augusto S. M. da Rocha, Sergio Yasuda e Wanier Aniceto

9


PRÓTESE DENTÁRIA DA APCD-JP EM DESTAQUE

7º Encontro Anual do Grupo Brasileiro de Reciclagem em Prótese e Implante De 5 a 7 de abril de 2013 aconteceu em Campos de Jordão (SP), o 7º Encontro Anual do Grupo Brasileiro de Reciclagem em Prótese e Implante (GBRPI). O evento contou com as presenças dos professores da APCD Jardim Paulista, drs. Eurípedes Vedovato e Eduardo Miyashita. Professores Eurípedes Vedovato, Silvia Masae de Araujo Michida e Eduardo Miyashita

Da esquerda para direita: professores José Maurício dos S. N. Reis (Unesp- Araraquara), Paulo Francisco Cesar (Fousp), Antonio Carlos Guastaldi (Inst. Química - Unesp Araraquara), Márcio Zaffalon Casati (Unicamp/ Unip), Eurípedes Vedovato (APCD Jd. Paulista) Francisco Braga (Ipen-Biomateriais) e Eduardo Miyashita (APCD Jardim Paulista)

Mudança de paradigma na Odontologia O livro Protocolo Branemark, prótese fixa mandibular suportada por 3 implantes, de autoria do professor Eurípedes Vedovato e colaboradores, está disponível nas livrarias especializadas desde o final de abril. A obra desenvolve a técnica utilizada com sucesso desde 2005 no P. I. Instituto Brånemark de Bauru - SP, e o grande diferencial são os índices de sucesso em uma abordagem minimalista de reabilitar pacientes desdentados totais, em que o arco inferior do paciente recebe uma prótese fixa com 12 dentes suportada apenas por 3 implantes. Pré-lançamento: 8 de junho de 2013 Local: Dental Tanaka – Matriz Av. Bosque da Saúde, 1426 – Saúde – São Paulo – SP Informações e reservas: 11 5070-5700, com sra. Marilda 10


O rtodo n tia D A A P C D - J P E M D E S T A Q U E

Simpósio de Diagnóstico e Tratamento da Apneia Obstrutiva do Sono Sob coordenação dos professores do Curso de Especialização em Ortodontia da APCD-JP, drs. Gilberto Cortese, José Alberto Martelli Filho e equipe, e organização do dr. José Flávio Torezan, aconteceu no dia 27 de fevereiro de 2013 o Simpósio de Diagnóstico e Tratamento de Apneia Obstrutiva do Sono, realizado no Flat The Capital, no bairro do Itaim Bibi. O encontro teve início às 7h30 com um coffee break internacional, música ao vivo e a participação dos seguintes ministradores: drs. Rogério Santos da Silva, biólogo pós-doutorado em Medicina do Sono; Mauricio Pesce Gomes da Costa, CD Radiologista, Doc Digital e Doc Labs; Eduardo Meier, pneumologista do Hospital Israeli-

ta Albert Einstein; prof. dr. Richard Voegels, professor de Otorrinolaringologia do HCFMUSP; dr. Alexandre Cortese, professor de Ortodontia da APCD Jardim Paulista; e dr. José Flávio Torezan, cirurgião bucomaxilofacial.

Equipe da Especialização da APCD-JP no café da manhã

Ao centro, o professor e biólogo Rogério Santos da Silva

Dr. Gilberto Cortese faz apresentação para um auditório lotado

11


cursos

SUCESSO!

Interesse pelo curso do dr. Mário Góes sobre “Adesão” esgota vagas e outro curso será realizado em agosto/2013 Nos dias 11, 12 e 13 de abril de 2013 aconteceu na sede da APCD-JP o curso intitulado “Adesão”, com o professor dr. Mário Góes e a dra. Cristiana G. Sartori Azevedo. O curso abordou nas aulas teóricas os seguintes temas: sistemas adesivos de técnicas úmidas e autocondicionantes; resinas compostas; estratificação de cores e opacidades; cimentos resinosos convencionais, autoadesivos e para facetas; pino anatômico; lentes de contato e fragmentos cerâmicos. Nas aulas práticas, foram abordados os temas: moldagem e confecção de mock-up; restauração temporária imediata; confecção de onlay na técnica semidireta; estratificação de resina composta; recuperação estética direta de dentes escurecidos; acabamento e polimento de resinas compostas; cimentação adesiva convencional; confecção de pino anatômico; cimentação com cimento resinoso autoadesivo e cimentação de faceta estética. Os alunos receberam material de consumo necessário para confecção das aulas práticas e coffee break.

Drs. Mário Góes e Cristiana G. Sartori Azevedo

Alunos no laboratório multidisciplinar da APCD-JP durante o curso

Para a próxima turma restam poucas vagas! Previsto para os dias 15 e 16 de agosto de 2013 há poucas vagas disponíveis para o curso intitulado “Adesão” com o dr. Mário Góes e a dra. Cristiana G. Sartori Azevedo. Os interessados devem entrar em contato com a Srta. Rosana, pelos telefones (11) 5049-3250 ou (11) 5535-9532 ou apcd@apcdjardimpaulista.com.br 12


13


c ale n d á rio Cie n t í f i c o

Dr. Alexandre Melo Cortese Diretor Depto. Científico

Informações e inscrições pelos telefones: (11) 5535-9532 / 5049-3250 / 5096-0588 ou pelo e-mail: secretaria@apcdjardimpaulista.com.br

EAP Jardim Paulista sede - guararapes - Rua Guararapes, 720 - Brooklin (Estacionamento conveniado na Rua Califórnia, 590).

Cursos teóricos-demonstrativos (coffee-break incluso)

Cursos Regulares de Especialização

De acordo com as normas do Conselho Federal de Odontologia

Curso de Especialização em Implantodontia - Início 4ª turma Teórico/Prático/Cirúrgico/Clínico Ênfase em carga imediata, manipulação tecidual, enxertos e reabilitações

n Coordenador Prof. Ms. Clarindo Mitiyoshi Yao e equipe

n Início 13/06/2013 n Carga Horária 1.075 horas n Objetivo Aprofundar conhecimentos avançados do CD especialista ou não, visando o diagnóstico, planejamento e execução das técnicas cirúrgicas e protéticas em implantodontia. O curso oferecerá, para utlização dos alunos: motor, contraângulo, kit cirúrgico para implantes e enxertos. n Investimento 24 x 1.600,00

Especialização em Radiologia e Imaginologia Odontológica

n Coordenador Prof. Dr. Israel Chilvarquer n Ministradores Jorge Elie Hayek, Michel Eli Lipiec Ximenez e Márcia Provenzano.

n Diferenciais do curso Utilização de aparelhos de última geração: aparelho panorâmico digital, Tomógrafo Computadorizado Volumétrico; softwares para manipulação de imagens, traçados cefalométricos; simulação de instalação de implantes (RadioCef, Slice Guide e Dental Slice) e interpretação de radiografias e tomografias. n Início Maio de 2013

Especialização em Prótese Dentária - Início 5ª Turma

n Ministrador Dr. Euripedes Vedovato e equipe n Duração 24 meses n Início Previsto para novembro de 2013 n Vagas 12 n Objetivo habilitar o aluno a realizar reabilitações utilizando dentes, implantes, aparelhos parciais e próteses totais

14

Especialização em Endodontia - 4ª Turma

n Coordenador José Eduardo de Mello Jr. n Ministradores Dr. Mário Zuolo e equipe n Duração 24 meses n Periodicidade Semanal (quinta-feira) n Vagas 12 n Objetivo Habilitar o aluno para resolução dos casos clínicos de tratamento endodôntico convencional, retratamento e cirurgia apical comumentemente encontrados na rotina diária em endodontia

Curso de Especialização em Ortopedia Funcional dos Maxilares - Início 2ª Turma n Coordenador Prof. dr. Eduardo Sakai n Ministradores Prof. Luciano Wagner

Ribeiro e prof. Sergio Polizio Terçarolli n Objetivo Especialização em Ortopedia Funcional dos Maxilares segundo os ditames do Conselho Federal de Odontologia (CFO). n Informações sakaiofm@gmail.com - (11) 5575-2252 / 5049-3250

Curso de Especialização em Ortodontia - 7ª turma Teórico / Prático / Clínico

n Ministrador Prof. Gilberto Cortese Especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial n Coordenador José Martelli Filho - Mestre e Especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial e Especialista em Radiologia n Professores Alexandre Cortese (mestre e especialista em Ortodontia), Juliana Cortese (especialista em Ortodontia) e professores convidados n Duração 30 meses n Vagas 12

Curso Regular de Atualização

Curso de Atualização em Implantodontia Teórico/Prático/Clínico/Cirúrgico

n Coordenador Prof. Ms. Clarindo Mitiyoshi Yao e equipe n Periodicidade Semestral n Vagas 12 n Objetivo O curso visa habilitar o cirurgião-

dentista a realizar procedimentos cirúrgicos para instalação de implantes osseointegrados (unitários e múltiplos) e reabilitá-los com próteses. O curso é composto por atividades demonstrativas, teóricas, clínicas e cirúrgicas. O equipamento cirúrgico a ser utilizado no curso (motor, contra-ângulo e kit cirúrgico dos sistemas de implante) será fornecido pelo curso.


15


16


Nas últimas edições não publicamos a coluna Personalidades por questões técnicas de espaço publicitário. No final do ano passado, a reunião de diretoria contou com uma novidade: a participação por videoconferência do dr. Vedovato, que estava em Gotemburgo (Suécia) a trabalho. Infelizmente ele não pode apreciar o bacalhau servido em seguida, preparado com carinho pelos portugueses Sr. Antonio Basile e Sra. Maria da Paz, do restaurante Madrigano.

PERSONALIDADES

Drs. Daniel Kherlakian, José Eduardo de Mello, Eurípedes Vedovato e Rodrigo Sarzedo

Drs. José Eduardo de Mello, Sergio Martins e Gilberto Cortese

Drs. Ricardo Thomé e Marcos Koiti Itinoche

Dra. Simone Petrone, Dr. Airton Gottardo e Dra. Márcia Ayres

O presidente da APCD-JP interage com o dr. Eurípedes Vedovato, diretamente de Gotemburgo (Suécia), ...

... via videoconferência, na abertura dos trabalhos em setembro

Sentados; Dr. Carlos Veloso e Dr. Nelson Sabino. Em pé, Dr. Rodrigo Sarzedo, Dra. Simone Petrone e Dr. Marcos Koiti Itinoche

Os portugueses Sr. Antonio e Sra. Maria da Paz, do restaurante Madrigano, no preparo do bacalhau

19


ESPECIAL

Que procedimento seguir quando ocorre o trauma dentário

Por Israel Correia de Lima

Muitos pais chegam desesperados ao consultório odontológico com seus filhos com as mais variadas ocorrências de trauma dentário: queda na piscina, bicicleta, skate, brigas na escola etc. Adolescentes e adultos, geralmente, praticantes de esportes nos finais de semana, também sofrem esse tipo de trauma. Além disso, com a moda de esportes radicais, principalmente com a modalidade das artes marciais mistas (AMM), mais conhecidas pela sigla MMA (do inglês: mixed martial arts), os casos de traumas dentários aumentaram nas clínicas, exigindo a participação dos especialistas em Odontologia. A cirurgiã-dentista Fabiana Nogueira, responsável por todos os atletas profissionais da Academia de Lutas Team Nogueira, localizada no Rio de Janeiro, que atende, entre outros atletas, Rodrigo Minotauro e Rogério Minotauro, explica que os traumas dentários Dra. Fabiana Nogueira e fraturas orofaciais mais comuns aos praticantes de MMA são: fratura de coroa, perda de elemento dentário, fratura de nariz, lesões dos tecidos, entre outros. “Para prevenir o trauma dentário é de extrema importância que o atleta faça um acompanhamento com o seu cirurgião-dentista, a fim de prevenir qualquer alteração bucal. O uso de protetor bucal de qualidade é essencial”, afirma Fabiana. Segundo Fabiana, o atleta de MMA leva muitos golpes na região bucal, por isso o protetor bucal é muito importante, pois distribui a força dos golpes, podendo prevenir fraturas de mandíbula, maxila, lesões de ATM, lesões no cérebro, fratura dentária, avulsão, entre outras. “Há uma grande diferença entre os modelos dos protetores bucais: os pré-fabricados ou do tipo ‘ferve e morde’ são limitados na sua função, pois sua adaptação nos dentes é muito pequena, soltando facilmente, isso exige que o atleta mantenha os dentes serrados, limitando sua respiração. Já os protetores personalizados são confeccionados a partir do modelo da boca do atleta, com um material que absorve melhor o impacto, com isso se torna superior em retenção e proteção, além disso são mais confortáveis, diminui a salivação e interferem menos na respiração do atleta”, explica Fabiana. Ainda, segundo a Academia Americana de Odontologia Esportiva, o uso de protetor bucal personalizado diminui em 80% o risco do trauma dental. Infelizmente ainda não é prática comum as equipes de MMA contarem em suas fileiras com um cirurgião-dentista. “Seria muito bom se todas as equipes tivessem um cirurgião-dentista em seu quadro multidisciplinar. Na verdade, não só as equipes, mas também os eventos e competições, deveriam ter um profissional de Odontologia caso haja necessidade de um pronto-atendimento. Esse é um diferencial da equipe Team Nogueira”, diz Fabiana.

20

Para ela, o atendimento a um atleta tem que ser diferenciado de um paciente comum, pois o cirurgião-dentista deve fazer exames detalhados do atleta, trimestral ou sempre após uma luta. “Um atendimento preventivo é de extrema importância, a fim de evitar complicações. Existem várias doenças bucais que interferem no desenvolvimento do atleta, e devemos identificar e tratar, melhorando assim seu desempenho. O dentista também deve indicar o melhor protetor bucal”. Os traumas ocasionados na prática esportiva representam uma parcela importante entre as etiologias do traumatismo dentário. O aumento no número de praticantes de esportes de contato e da competitividade promoveu concomitantemente aumento substancial nas estatísticas envolvendo acidentes traumáticos no esporte. Para o coordenador do curso de Especialização em Ortodontia da APCD-JP, dr. Gilberto Cortese, o que possibilitaria uma redução dos índices desses traumatismos dentários em esportes seria a utilização de protetores bucais, que oferecem proteção às estruturas dentais e periodontais durante a prática de esportes de contato, reduzindo em número e gravidade os danos a essas estruturas em virtude das quedas ou pancadas na região bucal. “Os protetores bucais, durante as práticas de esportes, têm sido destacados como o tipo de prevenção mais indicado para os traumatismos dentais, pois oferecem proteção às estruturas dentais e periodontais. Deve-se considerar que a incidência de traumatismos dentais só diminui com o uso correto e adequado desses dispositivos, além do acompanhamento periódico com um cirurgião-dentista. Segundo Cortese, a literatura atual declara que há uma perda de cinco milhões de dentes por ano devido a práticas de esportes sem protetores bucais. “Os traumas dentais ocorridos no ato esportivo representam o terceiro atendimento mais procurado relacionado a traumas de face” (Gurgel, 2005 e Andreasen, 1984). Ferrari et al (2000) afirmam que o aumento da parcela de praticantes de atividades físicas, principalmente as de maior contato, e também da competitividade elevou consequentemente a quantidade de acidentes traumáticos no esporte”, explica Cortese. Em acidentes, quando ocorre avulsão completa de dentes permanentes superiores, a conduta básica a ser seguida, na opinião do cirurgião e especialista em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial,

Dra. Fabiana com atletas


professor Carlos Veloso Salgado, é avaliar as condições clínicas gerais do paciente, fazendo um exame adequado do osso alveolar, e proceder ao reimplante do elemento avulcionado o mais rápido possível. Em seguida, deve-se promover uma contenção adequada do elemento, usando dentes vizinhos não comprometidos pelo trauma como ancoragem. “A avaliação endodôntica é mandatório mediatamente após a conduta de urgência,” diz Veloso. Agora, ao contrário, se a avulsão completa ocorrer em dentes decíduos, a conduta é não reimplantá-los. “Uma criteriosa avaliação deve ser feita na condição clínica do paciente, principalmente o histórico preciso do trauma e os Dr. Gilberto Cortese riscos neurológicos inerentes”, afirma Veloso. Dr. Veloso explica ainda que há controvérsias com relação aos meios de armazenagem mais adequados e quanto ao tempo após a avulsão para reimplantação do dente. Para ele, o soro fisiológico é uma opção adequada. “Porém, alguns autores citam o leite como alternativa; o próprio meio bucal seria uma opção, desde que não haja o risco de degluti-lo ou aspirá-lo. Também seria uma solução o VIASPAN (marca registrada do laboratório Bristol-Mayers Squibb). É uma solução usada no transporte de órgãos, porém tem um custo elevado, sendo de difícil acesso.” Ele acrescenta que o melhor lugar para o dente é o próprio alvéolo, e sempre que possível orientar os pacientes a promoverem o reimplante imediato após uma lavagem suave com esse soro. “Em relação ao tempo para reimplante, em até 30 minutos o prognóstico seria favorável; a partir daí, quanto mais tempo o dente permanecer fora do alvéolo, pior o prognóstico”, diz Veloso. “O paciente ou acompanhante, ou ainda o médico que assiste o paciente sob a orientação de um cirurgião-dentista habilitado, pode fazer o reimplante antes de se deslocar até o profissional (desde que as condições clínicas sejam adequadas). Isso abrevia o tempo que o dente ficaria fora do alvéolo e melhora muito o prognóstico. Outra questão que julgo relevante é que o traumatologista deve, acima de tudo, pensar na saúde do paciente como um todo, e não focar-se exclusivamente na afecção de sua área”, ressalta Veloso. Quais os tipos de trauma dentário mais comuns na clínica do endodontista? Quem responde é o dr. Mário Zuolo, que tem 32 anos de carreira na área de Endodontia, é autor do livro Reintervenção em Endodontia (Gen/Editora Santos, na segunda edição em português e com edição em espanhol) e professor do curso de Especialização em Endodontia da APCD-JP. Ele afirma que os pacientes com dentes traumatizados procuram inicialmente o atendimento hospitalar, seu dentista clínico ou seu odontopediatra. “O primeiro atendimento para trauma não é muito comum no consultório do especialista em Endodontia. Os endodontistas são, sim, muito procurados para o manejo imediato de dentes que sofreram injúria traumática, por isso não há prevalência de lesões.” Os traumas que se mostram mais sombrios, segundo o endodontista, são dentes com fraturas complexas envolvendo coroa e raiz, dentes extra-articulados e reimplantados e casos de luxação intrusiva ou extrusiva apresentam prognóstico ruim. “A sequela em dentes traumatizados é o aparecimento de reabsorções inflamatórias ou de substituição, patologia severa e com poucas possibilidades de tratamento.”, diz Zuolo. Dentes com rizogênese completa, avulsionados, com tempo extraoral inferior a duas horas, devem ser reposicionados no alvéolo e

mantidos com contenção semirrígida por até 14 dias. “Importante seria manter o dente hidratado, por exemplo, com soro fisiológico. Após esse tempo, o canal deve ser tratado e preenchido com pasta a base de hidróxido de cálcio e ser acompanhado por um período entre 12 e 18 meses para monitorar o aparecimento de reabsorções”, explica Zuolo. Além do acompanhamento clínico e radiográfico, o uso de tomografias computadorizadas cone-bean de alta resolução está indicado para a visualização da estrutura dental tridimensionalmente. “Casos em que a integridade do ligamento periodontal pode ser observada ao redor de toda a raiz podem então receber obturação endodôntica convencional após período de controle”, afirma Zuolo. Ele sempre alerta os pacientes que mesmo traumas mínimos podem acarretar sequelas em que a integridade do elemento dental será colocada em risco. “Portanto é muito importante o acompanhamento de pacientes com dentes traumatizados, especialmente no primeiro ano após o trauma.” Para o professor de especialização em Periodontia com Ênfase em Estética e Implantes, dr. Marcelo Bassani, em casos de avulsão completa de dentes permanentes anteriores, o periodonto pode ter sequelas imediatas, como a perda da tábua óssea vestibular e/ou dilacerações nos tecidos moles, seja mucosa ou gengiva inserida, quando o trauma for leve a moderado. Em acidentes graves pode chegar ao extremo de perda do alvéolo dental por completo. Segundo ele, as condutas de tratamento podem variar de acordo com a extensão e a gravidade do comprometimento desses tecidos (moles e duros). “Em situações de pequenas dilacerações do tecido gengival, a limpeza da ferida com clorexidina e, eventualmente, suturas delicadas podem solucionar esses problemas. Em casos de perda da tábua óssea vestibular, a conduta varia também de acordo com a extensão da lesão, podendo aguardar a completa cicatrização do alvéolo de quatro a seis meses ou a conduta com instalação de implantes associado à reconstrução dos alvéolos, preferencialmente com osso autógeno e enxertos de tecido conjuntivo mole”, afirma Bassani. Nos casos em que houve avulsão completa sem destruição do alvéolo dental ou em que houve a luxação do dente no alvéolo (aumento do espaço do ligamento periodontal), a conduta de splintagem é importante, preferencialmente a união do dente traumatizado aos dentes adjacentes em melhores condições, pois isso estabiliza e auxilia na cicatrização das fibras do ligamento periodontal, Dr. Carlos Veloso Salgado que varia de 30 a 60 dias. “A splintagem pode ser rígida com resina na face interproximal e/ou lingual; ou semirrígida com elásticos unidos por meio de uma camada na face vestibular dos dentes envolvidos. A splintagem sempre aumenta a dificuldade de higienização e manutenção dos dentes e tecido gengival, podendo favorecer processos inflamatórios pelo aumento de placa bacteriana local”, explica dr. Bassani. Ele salienta que, em casos de avulsão completa do elemento dental, a reinserção do dente no alvéolo seguida de splintagem rígida por um longo período pode levar ao processo de anquilose (união dente/osso, ausência do ligamento periodontal) por diferenciação celular ante o excesso de estímulo (trauma). “Atualmente, substituir dentes avulsionados em que o alvéolo está íntegro ou pode ser reconstruído simultaneamente à instalação de im-

21


plantes é uma opção de tratamento muito previsível e de grande longevidade”, diz Bassani. Ele ressalta também a importância de se respeitar a idade mínima em adolescentes, por volta de 15 a 16 anos em mulheres e 16 a 18 anos para homens. Essa idade pode ser confirmada com a execução de exames radiográficos dos punhos que determinam o fim dos picos de crescimento ósseo dos Dr. Mario Zuolo adolescentes. Nos pacientes adultos, a extensão do trauma, a necessidade de reconstrução do alvéolo e enxertos gengivais devem ser levados em conta, caso a caso, para determinar qual o melhor momento e a terapia mais adequada para a instalação dos implantes. “Caso contrário a essa opção dos implantes, os aparelhos fixos e removíveis consagrados na literatura podem ser tratamentos alternativos com boa resolução”, observa Bassani. E qual a conduta do ortodontista em relação à estabilização de dentes permanentes que sofreram luxação extrusiva? Para o dr. Gilberto Cortese, a contenção tem por objetivo manter os dentes imobilizados, quando da sua necessidade, após traumatismos, principalmente para reestabelecer as fibras do ligamento periodontal danificadas. “Existem muitos métodos de contenção. Ela pode ser rígida ou semirrígida. Geralmente as semirrígidas possuem a finalidade de permitir que os dentes traumatizados tenham alguma mobilidade, que durante o ato mastigatório funcionará como estímulo à formação de novos vasos, prevenindo a anquilose; já as rígidas são utilizadas quando ocorre um envolvimento de fratura de osso”. Existem várias técnicas de contenção, de imobilizar os dentes quando luxados ou avulsionados. Cortese enumera: 1) somente com resina fotopolimerizável: considerada rígida pela amplitude da superfície que ela adere; 2) fio ortodôntico (tipo Twist-Flex ou Coaxial) e resina fotopolimerizável: contenção semirrígida; 3) fio de náilon e resina fotopolimerizável: realizada da mesma maneira descrita no item 2; 4) brackets ortodônticos e fio ortodôntico: realizada normalmente por ortodontistas, podendo ser rígida ou semirrígida, dependerá do fio utilizado; 5) sistema Ribbond (Bondable Reinforcement Ribbon): imobilização semirrígida. Fácil execução e eficiente e por último: cimentos adesivos. E que tipos de reabsorções podem ocorrer em dentes reimplantados? Para o professor Cortese, as reabsorções dentárias são processos fisiológicos ou patológicos decorrentes da ação de células clásticas, caracterizadas por ser um fenômeno local e dependente de injúrias ao ligamento periodontal, cementoblastos e/ou odontoblastos. “Determinados estímulos e sua intensidade estão diretamente relacionados com o desenvolvimento de lesões reabsorvíveis, entre eles, o traumatismo dentário.” Tanto reabsorções externas quanto internas, sejam do tipo substitutivas, sejam inflamatórias, podem ser consequências do traumatismo dentário. A reabsorção dentária interna caracteriza-se pelo processo de reabsorção das paredes da cavidade pulpar, envolvendo a participação de células clásticas adjacentes ao tecido dentinário. Já a reabsorção externa tem origem na superfície externa da raiz. “Há casos em que ocorrem os dois tipos de reabsorção, sendo definida como reabsorção radicular interna-externa. A reabsorção por substituição é um tipo inflamatório de rizólise, seguida da substituição do tecido radicular reabsorvido por osso num processo considerado metaplásico. A anquilose é o resultado tardio desse processo, levando à fusão do dente no seu alvéolo”, diz Cortese. Para a pergunta: Se um dente reimplantado pode sofrer movi-

22

mentação dentária? Cortese explica que uma análise clínica-radiográfica (periapical) minuciosa possibilita o diagnóstico de alterações pulpares, fraturas coronárias, fraturas radiculares pré-tratamento ortodôntico, bem como de anquilose. “Uma tomografia do dente ou dentes em questão pode, em alguns casos, revelar imagens não percebidas nas radiografias convencionais.” Segundo ele, não havendo alterações clínicas ou radiográfcas do dente traumatizado e, ainda, respeitando-se um período de observação pós-trauma de 3 meses (nos casos de injúrias menores, como fraturas coronárias ou coronorradiculares sem envolvimento pulpar, concussão e subluxação) a 1-2 anos (nos casos de fraturas radiculares, intrusões, reimplantes após avulsão e luxações laterais com deslocamento moderado ou severo), o tratamento ortodôntico pode ser realizado normalmente. “A avulsão com posterior reimplantação dentária é a lesão traumática que apresenta maior risco de complicações devido à grande possibilidade de infecção bacteriana, tanto por via pulpar quanto por via periodontal. A maior frequência ocorre entre crianças, devido ao desenvolvimento radicular incompleto e à imaturidade do ligamento periodontal”, afirma Cortese. O atendimento inicial, nesses casos, é realizado frequentemente por pais ou professores de escolas; por isso, a comunidade em geral deve ser orientada sobre como agir diante de uma avulsão dentária. “A necessidade de uma ação rápida e correta, relacionada ao transporte do dente em meio úmido (como no leite ou na saliva, embaixo da língua), e a procura pelo dentista clínico são fundamentais”, observa Cortese. O prognóstico pobre, nos casos de reimplantação, está diretamente relacionado ao tempo em que o dente permanece no meio extra-alveolar, como também ao tempo em que permanece em meio seco. “Quando é imediata e de forma apropriada, a reimplantação possibilita a manutenção da vitalidade do ligamento periodontal ainda preso ao dente. Portanto, nos casos de avulsão, a preservação das fibras aderentes ao cemento é um fator decisivo para o prognóstico”, explica Cortese. Outros fatores também afetam o prognóstico de dentes reimplantados, como a idade do paciente, a natureza do acidente e o subsequente tratamento do dente em longo prazo, incluindo um tratamento endodôntico adequado, quando indicado. Para o professor de Ortodontia, a movimentação ortodôntica de um dente reimplantado, após sua avulsão traumática, é possível desde que não Dr. Marcelo Bassani ocorra qualquer sinal de anormalidade. “O traumatismo dentário não é uma condição que contraindique o tratamento ortodôntico, porém estudos o apontam como fator predisponente da reabsorção dentária. Assim, é preciso fazer um acompanhamento de pelo menos um ano do dente em questão, pois a maioria das reabsorções radiculares após reimplantes ocorre durante o primeiro ano pós-traumatismo.” Dos traumatismos dentários, o que apresenta o prognóstico mais incerto é a avulsão dentária com posterior reimplante. Na opinião do professor Cortese, um dente reimplantado só pode ser movimentado ortodonticamente após dois anos de controle, e somente se as condições de normalidade forem restabelecidas. “Porém, a possibilidade de reabsorção radicular e/ou de anquilose é muito grande. Ocorrendo anquilose do dente, o tratamento ortodôntico se torna limitado, pois esse dente perde seu ligamento periodontal e, consequentemente, inviabiliza a sua movimentação ortodôntica.”


Protocolo Clínico para o Enfrentamento das Avulsões Dentárias Traumáticas, desenvolvido pela IADT (International Association of Dental Traumatology) A revista Essencial entrevistou o dr. Daniel Falbo Martins de Souza – doutorado em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial pela Faculdade de Odontologia da USP; mestre e residência em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial pela Santa Casa de São Paulo; e fellowship in Oral and Maxillofacial Surgery – Klinikun Konstanz Hospital, Alemanha – para falar sobre o termo avulsão dentária. Essencial: Qual a conduta que o cirurgião bucomaxilo deve seguir em casos de acidente com avulsão completa de dentes permanentes superiores com risogênese completa? Dr. Daniel Falbo Martins de Souza: O termo avulsão dental significa o deslocamento total do dente para fora do seu alvéolo, ocorrendo o rompimento dos ligamentos periodontais e do feixe vásculo-nervoso. A avulsão de dentes permanentes é a mais séria de todas as lesões dentais e representa de 1% a 16% de todas as lesões dentárias. O prognóstico depende das medidas tomadas no ato do acidente ou imediatamente após sua ocorrência, e o reimplante é o tratamento de escolha. Atualmente utilizamos o Protocolo Clínico para o Enfrentamento das Avulsões Dentárias Traumáticas, desenvolvido pela IADT (International Association of Dental Traumatology). Conduta clínica: 1) anamnese direcionada; 2) avaliação clínica e radiográfica da região traumatizada; 3) limpeza da área traumatizada com soro fisiológico e clorexidina 0,12%; 4) anestesia da região traumatizada e sutura das lacerações gengivais; 5) reimplante dental com avaliação clínica e radiográfica; 6) aplicação de uma contenção semirrígida por duas semanas; 7) administração de antibiótico sistêmico por uma semana; 8) cuidados locais:
dieta pastosa por duas semanas e higiene oral rigorosa; 9) encaminhamento do paciente a um médico para avaliação da necessidade de reforço da vacina contra o tétano; 10) Encaminhamento do paciente a um endodontista para o tratamento endodôntico de 7 a 10 dias após o reimplante. Essencial: Se a avulsão completa ocorrer em dentes decíduos, que procedimento deve ser seguido? Dr. Daniel Falbo Martins de Souza: Para as avulsões de dentes decíduos também utilizamos o Protocolo Clínico da IADT. A principal diferença é que os dentes decíduos nunca devem ser reimplantados! Conduta clínica: 1) anamnese direcionada; 2) avaliação clínica e radiográfica da região traumatizada; 3) limpeza da área traumatizada com soro fisiológico e clorexidina 0,12%; 4) anes-

tesia da região traumatizada e sutura das lacerações gengivais; 5) cuidados locais:
dieta pastosa por uma semana e higiene oral rigorosa; 6) encaminhamento do paciente a um odontopediatra para a confecção de uma prótese mantenedora de espaço. Essencial: Quais os meios de armazenagem mais adequados e até quanto tempo após a avulsão o dente pode ser reimplantado? Dr. Daniel Falbo Martins de Souza: Quanto menor o tempo de permanência do dente fora do alvéolo, mais favorável será o prognóstico. Inúmeros trabalhos a respeito do assunto concordam que o reimplante dentário deve ser realizado o mais rápido possível, uma vez que o ligamento periodontal e a polpa dentária sofrem isquemia, ressecamento e necrose pouco tempo após a avulsão. Os reimplantes efetuados nos primeiros trinta minutos apresentam um alto índice de sucesso, porém o melhor prognóstico acontece em até quinze minutos, uma vez que se evita o ressecamento e, consequentemente, a necrose dos ligamentos periodontais e da polpa dentária. Caso não seja possível o reimplante dentário imediato, torna-se imperativo, para manter o metabolismo celular fisiológico do ligamento periodontal, a reposição de nutrientes que favoreçam a vitalidade do dente. Vários meios de armazenagem são recomendados para a conservação dos dentes avulsionados: solução salina fisiológica, meios de cultura de tecido, leite e saliva. Essencial: Quais os acidentes mais comuns de crianças, adolescentes e adultos com entrada em hospitais? Dr. Daniel Falbo Martins de Souza: Os traumas dentoalveolares são mais comuns em crianças e adolescentes, enquanto os adultos são vítimas de traumas mais intensos e apresentam traumas mais graves, como as fraturas faciais. Essencial: Quando uma criança, por exemplo, sofre acidente de trauma dentário provocado por queda de bicicleta, piscina etc., qual o primeiro procedimento a ser adotado pelos pais? Dr. Daniel Falbo Martins de Souza: As recomendações do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial são: 1. Atenda a criança e tente acalmá-la. 2. Recolha o dente do local do acidente. 3. Sempre pegue o dente pela coroa, nunca pela raiz. 4. Se estiver sujo, lave com soro fisiológico ou leite. 5. Nunca lave o dente com antisséptico ou pasta de dente. 6. Coloque o dente debaixo da língua da própria criança ou dentro de um recipiente com leite ou soro fisiológico (nunca embrulhar num papel). 7. Procure um local de atendimento especializado, onde exista um cirurgião-dentista. 23


NOTAS

Dr. Francisco Braga ministra palestra na APCD-JP

Palestra com lotação esgotada

No dia 6 de março de 2013, das 20h às 22h, o dr. Francisco Braga, engenheiro de materiais pela Universidade de São Carlos (UFSCar), doutor em Química pela Universidade Estadual Paulista e pesquisador no Centro de Ciência e Tecnologia de Materiais (CCTM) do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEM), responsável pelo Laboratório de Biomateriais, apresentou uma palestra gratuita com

Dr. Eurípedes Vedovato e Dra. Márcia Ayres apresentam o Dr. Francisco Braga

Dr. Euripedes Vedovato, Dra. Vera Tanaka, Maristela Illy, Dra. Lise Millan, Dra. Priscila Farripas, Dra. Claudia Freitas e Dr. Roberto Gião

Dr. Sergio Nogata, Dr. Roberto Gião, Dr. Edmir Calonello, Dra. Marcia Ayres, Dr. Euripedes Vedovato e Dr. Juvenal Mota Neto

24

o tema “O conhecimento sobre a Evolução dos Materiais Diferencia o Profissional Perante os Pacientes e a Própria Classe”, na sede da APCD Jardim Paulista. O dr. Euripedes Vedovato e a dra. Márcia Ayres recepcionaram o ministrador e o encontro contou com a presença de excelente público. Ao final, foi servido um coffee break patrocinado pela empresa Criteria.


te en ra om pe s s es þe de riç ta sc is In m l e

25


CRÔNICA

J O S É A L V E S B R A G A J UN I O R

Nas garras de Ceaucescu Capítulo 1 Fevereiro de 1981. Inverno rigoroso no hemisfério norte. Europa Central coberta por espessa camada de neve. É nesse cenário que o tênis brasileiro encontra excelente oportunidade de enfrentar a equipe dos Estados Unidos na final da Copa Davis de Tênis. Basta uma vitória sobre a fraca equipe da Romênia para que isso aconteça. O inverno era o primeiro obstáculo, mas o jogo seria disputado em Timisoara, quase na divisa da antiga Iugoslávia, uma viagem e tanto, sob condições muito adversas. Equipe brasileira escalada: técnico – Paulo Cleto, jogadores: Thomaz Koch, Carlos Alberto Kirmayr, Cássio Motta e Marcos Hocevar. Jornalista independente: Braga Junior, Rádio Globo/SP. Era carnaval. Voamos na 2ª. feira e pernoitamos terça no aeroporto de Frankfurt. O trecho Frankfurt/Bucarest foi voado na quarta, com a chegada ocorrendo por volta das 18 horas. Nevasca, temperatura girando em torno de 0 grau. @@@ A narrativa aqui muda seu enfoque. O Brasil foi derrotado pela Romênia e os fatos relativos aos jogos são de domínio público. Vamos, então, reviver os incríveis momentos que vivi na terra do sanguinário Nicolau Ceaucescu. @@@ O grupo que nos recepcionou no aeroporto levou-nos ao hotel para pernoite. Um dos “agentes” estabeleceu algumas providências e outros tantos cuidados que deveríamos tomar para que tudo corresse como desejavam: 1 – deveríamos jantar no hotel e a seguir nos recolhermos, tendo em vista as dificuldades de comunicação no país (ninguém falava outra língua, senão o romeno), e porque nosso voo para Timisoara sairia às 6 horas da madrugada (nem passarinho voa nesse horário!!!); 2 – deveríamos entregar nossos passaportes e passagens, porque não seriam mais necessários em território romeno, e, ademais, facilitariam os arranjos para a saída do país, “arranjos” esses que eles mesmos providenciariam; 3 – quando chegássemos a Timisoara seríamos separados em dois grupos, um formado pela delegação de tênis e outro, por mim!!!. Cada “grupo” seria acompanhado (vigiado) 24 horas por cidadãos locais (agentes), do mesmo ramo de atividade de cada um. Assim, vários esportistas se encarregariam do pessoal do tênis e dois radialistas se incumbiriam de mim. Puro contrato de adesão... Aderimos, e BOA NOITE. Seis horas em ponto a van que nos transporta encosta José Alves Braga Junior: advogado, jornalista, empresário. Único locutor de rádio vivo, que irradiou do local os jogos da Copa do Mundo de 1958 (Suécia). Fez mais de 100 viagens internacionais, cobrindo eventos esportivos. Conhece 120 países do mundo.

26

(em quatro partes)

no Antonov e recebemos ordens para aguardar. Avião lotado. Em minutos X passageiros “são deixados” da aeronave e nós entramos em seus lugares, sem lenço e sem documento, digo, sem passagem e sem passaporte. Eitaaaaa!!!... Viagem curta, sem intercorrências; descemos no aeroporto de Timisoara. Feita a separação anunciada fui apresentado aos meus dois “agentes”: Sr. Bogdan, “locutor” de uma rádio local, e uma mulher extremamente bela, alta, morena, sorriso franco, dentes perfeitos, de fato linda (pena que de tanto medo que tive dela nunca guardei seu nome!..., digamos que se chamava Ivanna). No hall do Euro Hotel (3 estrelas) nova ladainha: “não deixe o hotel desacompanhado porque não vai conseguir se comunicar lá fora, faremos revezamento e estaremos aqui 24 horas por dia, PARA AJUDÁ-LO”. Minha ideia era driblar o cerco e sair sem ser visto, sozinho como nasci. Subi para o apartamento e demorei o máximo possível! Ivanna e Bogdan acertaram seu revezamento e se despediram, com votos de pastor alemão... Volto com o 2º capítulo.


27


EM TEMPO

Dr. Fábio Bibancos

A Maior Triagem do Mundo 262 cidades participaram da mobilização

Colocar mais jovens na cadeira do dentista e denunciar o descaso do poder público com a saúde bucal

O dia 18 de março vai entrar para a história! Estou a 10 anos à frente da TdB e nunca vi nada igual. Em parceria com a Oral-B, tiramos do papel uma ação que aconteceu simultaneamente em 12 países diferentes: a maior triagem do mundo. Um verdadeiro exército saiu às ruas. Quase duas mil pessoas, entre dentistas, estudantes de Odontologia, voluntários não dentistas... Enfim, uma multidão de gente que acredita no que a TdB faz. Todos com um objetivo claro: colocar mais jovens na cadeira do dentista e denunciar o descaso do poder público com a saúde bucal. Ao todo, 262 cidades participaram da mobilização. Em 7 delas o evento foi aberto ao público... Nas demais, 310 escolas públicas e instituições sociais foram triadas. Resultado: mais de 50 mil crianças passaram por nossas triagens. E esperamos que 10 mil passem a ter um dentista. Obrigado a todos os nossos voluntários que trabalharam na maior triagem do mundo. O resultado foi surpreendente e o esforço de cada um não tem preço. Obrigado, Oral-B, por nos permitir levar nosso projeto ao Brasil e ao mundo. Sem o apoio de vocês o evento não teria saído do papel! Agora nós vamos voltar ao nosso trabalho de formiguinha, em silêncio, para encaminhar todos os jovens selecionados.

Turma do Bem - Dentista do bem R. Sousa Ramos, 311 - Vila Mariana - São Paulo - SP CEP 04120-080 - www.turmadobem.org.br faleconosco@turmadobem.org.br 28


29


i n di c ador ATENDIMENTO DOMICILIAR Marcelo Lopes Costella Clínica Geral - CRO 83.647 Av. Doutor Arnaldo, 1504 Sumaré (SP) (11) 3862-7945 e 3872-1164 costella@uol.com.br CIRURGIA Antenor Araújo Cirurgia Buco-Maxilo-Facial e Ortognática - CRO 5.428 Av. Jandira, 295 - Cjs. 1003 / 1004 Moema (SP) (11) 5054-1223 / 1501 R. Marcondes Salgado, 64 São José dos Campos (SP) (12) 3921-5354 e 3922-4678 bucomaxilo@drantenor.com.br Carlos Veloso Salgado Cirurgia Buco-Maxilo-Facial e Implantodontia - CRO 35.742 R. Maestro Cardim, 560 - Cj. 111 Paraíso (SP) (11) 3266-2493 Ricardo Thomé Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial e Clínica Geral - CRO 16.546 R. Tabapuã, 821 - Cj. 28 Itaim Bibi (SP) (11) 3168-4484 e 3079-9157 (res.)

DIAGNÓSTICO BUCAL

Mário Luis Zuolo Endodontia - CRO 23.690 R. Canário, 784 - Moema (SP) (11) 5055-0908 / 7420 mlzuolo@uol.com.br Nelson Sabino de Freitas Endodontia e Prótese CRO 11.480 R. Frei Caneca, 1212 - Cj. 11 Cerqueira César (SP) (11) 3289-8016 nelsonsabinof@hotmail.com www.clinicadrnelsonsabino.com.br Paula Zingg Endodontia - CRO 45.377 Av. Nove de Julho, 5483 Cj. 123 - Jardins (SP) (11) 3079-0775 pzingg@hotmail.com Sérgio Martins Endodontia - CRO 51.857 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 881 Cj. 408 - Jardins (SP) (11) 3266-4293 e 3284-3598 www.endoexcellence.odo.br ESTÉTICA Maria Angélica P. Vedovato Dentística Restauradora e Estética - CRO 25.738 R. Gironda, 186 Jardim Paulista (SP) (11) 3887-4433 / 8482

Sérgio Kignel Diagnóstico Bucal - CRO 26.239 R. Oscar Freire, 465 - Cj. 11 Jardim América (SP) (11) 3062-37­­77

Mario Sergio Limberte Estética - CRO 3268 Ed. Trade Tower R. Helena, 218 - Cj. 709 Vila Olímpia (SP) (11) 3044-1816 mlimberte@uol.com.br

ENDODONTIA

IMPLANTE

Daniel Kherlakian Endodontia - CRO 37.535 R. Augusta, 2763 - Sobreloja Cerqueira César (SP) (11) 3082-2171 / 9454 dankher@uol.com.br

Rodrigo Sarzedo Implantodontia - CRO 71.395 Rua Pedroso Alvarenga, 1255 - Sala 64 - Itaim Bibi (SP) (11) 3079- 5938 rsarzedo@ig.com.br

30

pro f i s s io n al Rodrigo Tadashi Martines Implantodontia e Cirurgia Oral CRO 60.052 Rua Vergueiro, 1.353 - Cj. 306 Paraíso (SP) (11) 3253-4723 tadashi@liesetadashi.com

Marta T. Kuczynski Ortodontia e Odontopediatria CRO 29.592 R. Pedroso Alvarenga, 1255 Cj. 54 - Itaim Bibi (SP) (11) 3168-8905

Ronei Faizibaioff Implantes, Prótese sobre Implante e Estética - CRO 33.652 Al. Lorena, 1304 - Cjs. 2F / 3F Jardim América (SP) (11) 3062-9226 e 3086-3369 faizibaioff@gmail.com

Clarindo Mitiyoshi Yao Periodontia e Implantodontia CRO 25.555 R. Gironda, 189 Jardim Paulista (SP) (11) 3887-4010

Odontopediatria Leda De Ranieri Amaral Mello Odontopediatria - CRO 22.842 Rua Bento de Andrade, 165 Jardim Paulista (SP) (11) 3887-7296 leda_mello@terra.com.br ORTODONTIA Alexandre A. Melo Cortese Ortodontia - CRO 47.345 R. Virgílio Várzea, 58 Itaim Bibi (SP) (11) 3168-3554 / 6873 cl.cortese@uol.com.br Juliana Melo Cortese Ortodontia - CRO 67.337 R. Virgílio Várzea, 58 Itaim Bibi (SP) (11) 3168-6873 e 3168-3554 cl.cortese@uol.com.br Gilberto Cortese Ortodontia e A.T.M. CRO 2.884 R. Virgílio Várzea, 58 Itaim Bibi (SP) (11) 3168-3554 / 6873 cl.cortese@uol.com.br José A. Marques Jr. Ortodontia (RNO-Planas) e ATM CRO 24.256 R. Augusta, 2709 - 12º andar Cerqueira César (SP) (11) 3083-0422 odontologiamarques@terra.com.br

PERIODONTIA

Glécio Vaz de Campos Microcirurgia Plástica Periodontal e Periimplantar - CRO 26.359 Av. Dr. Cardoso de Melo, 1470 Cj. 809 / 810 Vila Olímpia (SP) (11) 3044-6025 glecio@terra.com.br Mônica Reggi Reis Silva Periodontia, Plástica Periodontal, Estética, Implantes - CRO 29.607 R. Turiassú, 127 - Cj. 143 Perdizes (SP) (11) 3666-9202 / 5772 e 7207-1497 monicareggiodontologia@hotmail.com PRÓTESE DENTÁRIA Antonio Fagá Júnior Prótese - CRO 25.528 R. Cubatão, 929 - Cj. 33 Vila Mariana (SP) (11) 5572-8886 Eurípedes Vedovato Prótese e Estética CRO 25.739 R. Gironda, 186 Jardim Paulista (SP) (11) 3887-4433 / 8482 www.vedovatoodontologia.com.br Flávio Luiz Iacobucci Prótese e Dentística CRO 24.192 Av. Nove de Julho, 5483 - Cj. 23 Jardim Paulista (SP) (11) 3079-3036 Sérgio Hideki Yasuda Prótese e Estética CRO 48.584 Av. Angélica, 2100 - Cj. 91 Higienópolis (SP) (11) 3257-9575 e 3258-2015 shyasuda@uol.com.br



Essencial 50