Issuu on Google+

1


2


EDITORIAL

Presidente Nelson Sabino de Freitas 1º Vice-presidente Gilberto Cortese 2º Vice-presidente Mário Luis Zuolo Assessores da Presidência Euripedes Vedovato Antonio Ankerkrone Antônio Fagá Júnior Secretário Geral Sérgio José Martins Tesoureiro Geral Clarindo Mitiyoshi Yao Diretor Depto. Científico José Alberto Martelli Filho Assessores Depto. Científico Luciano Mauro Del Santo Hideki Fabricio Miasiro Carlos Veloso Salgado Alexandre A. M. Cortese Marcos Koiti Itinoche Alexandre Tanganelli Ricci Diretor da EAP José Eduardo de Mello Júnior Diretor da Revista Daniel Kherlakian Diretor Depto. Informática Rodrigo Restaino Sarzedo Diretor Depto. Patrimônio Ricardo Thomé Diretora Depto. Social Simone Soares Petrone Assessoras Depto. Social Juliana Melo Cortese Maria Ap. Melo Cortese

Rafael Rezende - Assunto Digital

O foco principal é o embate de ideias Uma nova etapa inicia-se na Regional da APCD Jardim Paulista, com a eleição para o triênio 20102013, na primeira gestão do dr. Nelson Sabino de Freitas frente à nossa entidade (veja entrevista na página 20). Antes, gostaria de abrir um parêntese para agradecer a confiança do ex-presidente dr. Clarindo Mitiyoshi Yao e dos membros da Diretoria, que nos ofereceram todo o apoio e suporte nos momentos difíceis, que sempre surgem quando se dirige um órgão da importância editorial da revista Essencial, pois o foco principal é o embate de ideias. Nosso objetivo sempre foi o de desenvolver um trabalho honesto, apolítico, de suporte aos ideais da associação e, principalmente, de não prejudicar ninguém, muito pelo contrário, sempre visando um pensamento que julgamos proveitoso a todos os associados. Agradeço também o convite para continuar na direção da Essencial, com a nossa eficiente equipe de colaboradores. Desejamos ao dr. Nelson Sabino e diretoria uma gestão repleta de novas conquistas, ainda mais agora com a total desvinculação da APCD Central.

Produção Editorial ICL Comunicação Editor Executivo Israel Correia de Lima Editor de Arte Guilherme Gonçalves Revisão Maristela Santana Santos Carrasco Jornalista Responsável Israel Correia de Lima (Mtb 14.204) Impressão Input Comunicação Visual Ltda. Periodicidade Trimestral Tiragem: 6.000 exemplares

Capa: Ilustração - Camilo Saraiva

Regional Jardim Paulista Sede: Rua Guararapes, 720 - Brooklin São Paulo - SP - CEP 04561-000 (11) 5535-9532, 5096-0588 e 5049-3250 apcd@apcdjardimpaulista.com.br www.apcdjp.com.br Atenção: as opiniões expressas nas matérias publicadas na revista Essencial são de responsabilidade de seus autores e não refletem, necessariamente, as opiniões da diretoria da APCD Jardim Paulista. É proibida a reprodução ou cópia, sem prévia autorização. Capa: Maurício Pereira Idéia: Dr. Euripedes Vedovato

Dr. Daniel Kherlakian - diretor da revista

s u m á rio

4 6 7 8 9

Ciência e Tecnologia Avanços em cirurgia, tecnologia, inovação e responsabilidade Novidades Parceria Agfa - Indor, Zhermack Zetaflow, Colgate Sensitive Pro-Alívio™ Destaque APCD Jardim Paulista Internacional Destaque III Curso de Especialização em Implantodontia Atualidades Educação continuada – Um fator decisivo para a diferenciação profissional 10 Calendário Científico EAP Jardim Paulista: cursos teórico, laboratorial e clínico 12 Personalidades Reuniões da APCD-JP que aconteceram em maio, junho e julho 13 Evento Posse dos novos dirigentes da APCD-JP Eleitos na APCD-JP 14 Especial A Odontologia atual e o caminho para a próxima década 20 Entrevista Dr. Nelson Sabino de Freitas 22 Em Tempo Turma do Bem agora em Portugal 24 Notas ChurrasquEndo Festa Junina na APCD-JP 25 Notas Barreira Regenerativa Bone Heal® 26 Indicador Profissional Guia de especialidades odontológicas 3


c i ê n c ia e te c n olo g ia

Dr. Hugo Nary Filho

Fig. 1 - Abertura de seio maxilar em procedimento reconstrutivo evidenciando o afastamento da membrana sinusal

Avanços em cirurgia, tecnologia, inovação e responsabilidade

Fig. 2 - proteção da membrana recém afastada com película de colágeno permitindo a posterior inserção do material de enxerto

Fig. 5 - Exodontia realizada sem a confecção de retalho, empregando técnica atraumática

Dentro da área de cirurgia, algumas abordagens têm sofrido grande transformação, destacando-se a Implantodontia e a Cirurgia Ortognática. No âmbito da Implantodontia, a melhor compreensão das limitações das técnicas reconstrutivas, as possibilidades de emprego de biomateriais e o conhecimento do comportamento dos tecidos peri-implantares frente a reabilitações implantossuportadas permitem planejamentos com maior previsibilidade e maior índice de sucesso. Atualmente, os procedimentos reconstrutivos (enxertos) têm se mostrado muito eficazes em técnicas de levantamento de seio maxilar (inlay), associando o uso de biomateriais. Dessa forma, as cirurgias são menos invasivas, não é necessário remover fragmentos ósseos de outras regiões doadoras e o pós-operatório é muito mais confortável, sem perder eficácia em relação ao uso de técnicas empregando osso autógeno. Os índices de sucesso nessas áreas ficam acima de 95%, e a matriz mineral óssea bovina destaca-se como material mais largamente empregado, com resultados sedimentados na literatura. Assim, as extensões de seio maxilar, em região posterior de maxila não se constituem problema intransponível dentro da Implantodontia, possuindo atualmente uma alternativa bastante simples e com excelente prognóstico (Figuras 1 a 3). Contudo o mesmo não se pode dizer das reconstruções onlay, ou seja, aumentos em espessura e altura do rebordo, especialmente do último. Tais técnicas normalmente empregam enxertos removidos da região de sínfise mandibular ou ramo, em formato de blocos, fixados ao rebordo com parafusos de titânio. Apresentam maior morbidade em relação ao procedimento inlay e resultados menos previsíveis, ou seja, são inúmeros os relatos de complicações como exposição dos blocos, reabsorção e contaminação. Aparentemente, outras opções, como uso de biomateriais ou enxerto homógeno (banco de ossos), parecem não contribuir com a diminuição dos riscos inerentes ao tipo de reconstrução. Mesmo casos em que não se observa problemas durante a

4

Fig. 3 - Cavidade sinusal preenchida com biomaterial

Fig. 6 - Instalação de implante osseointegrado

Fig. 4 - Aspecto clínico de 21 com fratura radicular, fístula em mucosa vestibular e indicação de exodontia

Fig. 7 - Implante já instalado, sendo adaptado componente de provisório. Observar a manutenção de volume genival e presença da papila

fase de incorporação do enxerto e da osseointegração do implante podem apresentar, no seguimento tardio, perda do volume inicialmente obtido. Esse fato, em algumas situações, pode significar uma complicação tardia importante, principalmente quando se aborda áreas estéticas. Dessa forma, uma conduta responsável deve incluir a indicação de enxertos onlay apenas com a finalidade de viabilizar a instalação de implantes em rebordos com pouca espessura e altura adequada. Não se deve procedê-los com a finalidade de opção da estética de forma direta, pois o ganho imediato pode não ser estável. O ganho estético a ser considerado não deve ser em função do volume, mas sim devido ao melhor posicionamento do implante e, consequentemente, à melhor transição com a prótese. Quando o objetivo for volume para ganho estético, outras técnicas devem ser buscadas com manipulação de tecidos moles e próteses (implantes de biomateriais). Assim, compreendemos, hoje melhor, não as possibilidades de tais procedimentos, mas sim suas limitações, permitindo atitudes e indicações mais responsáveis e realistas. Aumentos verticais de rebordo constituem procedimentos de alto risco e devem ser amplamente discutidos com o paciente, independentemente da técnica a ser empregada, para evitar frustração e desentendimento. Dentro desse mesmo tópico, as extrações em áreas estéticas vêm sofrendo enfoques diferenciados nos últimos tempos. Sempre se optou pela remoção do elemento dentário condenado antes de partir para a instalação de implantes osseointegráveis. Contudo, tal abordagem, ao que parece, induz ao desafio da manutenção da mesma condição estética verificada inicialmente. Muitas vezes se observa colapso alveolar, com indicação de reconstrução óssea e/ou de tecidos moles. Isso, além da necessidade de domínio da manipulação protética, com condicionamento de tecido e domínio da interface coroa/ mucosa, que tem direta relação com a estética de transição. Talvez seja mais interessante buscar a manutenção da estrutura alveolar empre-


gando restauração precoce da área com implante e coroa provisória. Por meio de procedimentos exodônticos atraumáticos, sem intervir em tecido mole, e mantendo preservada a inserção vestibular e papilas obtêm-se região propícia à inserção de implante com imediata provisionalização (Figuras 4 a 8). Dessa forma, a utilização de uma coroa conectada ao implante pode permitir suporte aos tecidos moles e manter a condição inicial com estabilidade. Contudo tais procedimentos demandam grande experiência, pela necessidade de executar procedimentos atraumáticos e instalação muito precisa do implante. De modo sintético, parece que, quando existe uma boa arquitetura óssea, com preservação da parede vestibular, boa qualidade da mucosa sobrejacente e condições de ancoragem de implante, as reabilitações imediatas são preferíveis. Em casos de perda de tábua vestibular, presença de fístulas, processos patológicos ou rebordo residual atrésico, é preferível conduzir apenas a exodontia, aguardar o reparo alveolar e reavaliar a possível necessidade de reconstrução. Nesses casos, recursos de imagem, como a tomografia, são fundamentais para o diagnóstico antes da exodontia. Em relação ao tratamento das deformidades faciais, um grande avanço foi o diagnóstico volumétrico tridimensional, ou seja, a possibilidade de quantificar e mapear discrepâncias esqueléticas por meio de imagens obtidas em estudos tomográficos. Os exames de feixe cônico proporcionam reconstruções tridimensionais que, com softwares específicos ou mensuração direta, permitem quantificar os movimentos a serem executados durante a cirurgia. Auxiliam, de forma objetiva, o diagnóstico de assimetrias, alterações transversais de plano oclusal, assim como a visualização da anatomia óssea, auxiliando a estratégia cirúrgica, no desenho das osteotomias. Com certeza, é uma ferramenta que elimina a parte de análise e diagnóstico subjetivos, permitindo a definição clara das alterações presentes. Nem sempre estas, agora evidenciadas pelo exame, são tratadas e corrigidas pela cirurgia, mas são visualizadas e demonstradas ao paciente. Da mesma forma, por meio de softwares mais modernos, e ainda em desenvolvimento, é possível fazer simulações da cirurgia em ambiente 3D, observando a repercussão facial dos movimentos maxilares, assim como podem proporcionar, por meio de técnicas de espelhamento, a possibilidade de confecção de próteses personalizadas para tratamento das assimetrias. Esse recurso representa uma ferramenta indispensável para o cirurgião no planejamento. No atual momento, pela necessidade de aprimoramento e popularização dos softwares 3D, não dispen-

Fig. 8 - Provisório confeccionado com dente de estoque, de forma direta

Fig. 9 - Aspecto final da reabilitação provisória

sam o estudo bidimensional realizado sobre as radiografias em norma lateral cefalométricas. Contudo oferecem informação mais exata, a ser aplicada nos procedimentos pré-operatórios de cirurgia de modelos. Nessa etapa, são construídos os guias acrílicos utilizados durante a cirurgia. A próxima evolução, que está bem próxima de se tornar realidade, concentra num único sistema as três fases do planejamento cirúrgico, ou seja, análise bidimensional, tridimensional e simulação das osteotomias e movimentos das bases (predictivo). Isso permite a construção virtual dos guias e seu processamento por meio de tecnologia cad cam com muito mais fidelidade e simplicidade. Nestas linhas procurou-se falar de tecnologia e inovação, mas deve-se sempre lembrar que a essência de qualquer tratamento continua sendo o diagnóstico. Os conceitos gerais não mudam, apenas as ferramentas, o que demanda constante atualização e investimento por parte do cirurgião-dentista. Mas é importantíssimo lembrar que o foco não é a técnica, por mais fascinante que pareça, mas o ser humano que está exposto aos nossos cuidados.

Referências bibliográficas

Froum SJ, Cho SC, Francisco H, Park YS, Elian N, Tarnow DP. Immediate implant placement and provisionalization – two case reports. Pract Proced Aestehet Dent. 2007;(19):621-8. Hallman M, Sennerby L, Lundgren S. A clinical and histologic evaluation of implant integration in the posterior maxila after sinus floor augmentation with autogenous bone, bovine hydroxyapatite, or a 20:80 mixture. Int J Oral Maxillofac Imp. 2002;(17):635-43. Schlegel KA, Fichtner G, Mosgau SS, Wiltfang J. Histologic findings in sinus augmentation with autogenous bone cheips versus a bovine bone substitute. Int J Oral Maxillofac Imp. 2003;(18):53-8. Swennen GR, Mollemans W, Schutyser F. Three-dimensional treatment planning of orthognathic surgery surgery in the era of virtual imaging. J Oral Maxillofac Surg. 2009;(67):2080-92. Swennem GR, Mollemans W, De Clercq C, Abeloos J, Lamoral P, Lippens F, et al. Craniofac Surg. 2009;(20):297-307. Tarnow D, Elian N, Fletcher P, Froum S, Magner A, Cho SC, et al. Vertical distance from the crest of bone to the height of the interproximal papilla between adjacent implants. J Periodontol. 2003;(74),1785-8.

Fig. 10 - Aspecto tomográfico 3D de paciente portador de assimetria facial, tratada através de cirurgia ortognática bimaxilar...

Fig. 11 - ...No Po é possível verificar a recuperação da simetria e normalização de plano oclusal

Dr. Hugo Nary Filho - Mestre e Doutor em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial/Unesp; Cirurgião Responsável do P.I. Bränemark Institute Bauru; Coordenador do Curso de Especialização em Implantodontia do P.I. Bränemark Bauru; Consultor Científico Biomet 3i. 5


NOVIDADES

Parceria Agfa - Indor

Zhermack Zetaflow

Mais uma vez, a clinica INDOR esta oferecendo mais uma novidade aos seus indicadores. Por meio de um leitor de placas de fósforo, o sistema CR 30x da Agfa veio para otimizar a qualidade das imagens obtidas por panorâmicos convencionais. Este produto oferece uma maneira fácil e rápida de obter panorâmicas e telerradiografias laterais e frontais digitais com alta resolução. Por meio de um scanner, as imagens são obtidas através das placas de fósforo não necessitando o uso de químicos no processo de revelação convencional. Com isto estamos não só disponibilizando imagens digitais de alta qualidade e resolução como contribuindo também com o meio ambiente. Informações: Fone (11) 3862-3222 - E-mail: indor@indor.com.br - Site: www.indor.com.br

Zetaflow é o novo silicone de condensação da Zhermack que veio para superar as expectativas dos profissionais mais exigentes, por possuir níveis de hidrocompatibilidade e fluidez nunca antes obtidos por um silicone de condensação. Essas propriedades

permitem uma definição exata das margens mais finas mesmo na presença de fluidos orais. A família Zetaflow está disponível em embalagens de 900 mL do putty, 140 mL do light e 60 mL de um catalisador específico de cor amarela. Mais informações na Labordental Ltda. Fone: (11) 5542-5855 - E-mail: labordental@labordental.com.br - Site: www.labordental.com.br

Colgate Sensitive Pro-Alívio™

O primeiro e único creme dental que oferece alívio instantâneo e duradouro da hipersensibilidade dentinária. Quando aplicado diretamente em cada dente sensível, massageando-o durante 1 minuto, o alívio é instantâneo. A escovação em casa, duas vezes por dia, proporciona alívio duradouro. Escovando os dentes duas vezes por dia com o creme dental controle com sais de potássio a redução da sensibilidade é significativamente mais eficaz. Contém 1.450 ppm de flúor. 6


DESTAQUE

APCD Jardim Paulista Internacional O prof. Eurípedes Vedovato, coordenador do curso de Especialização em Prótese Dentária da nossa Regional, iniciou em março de 2010 um programa de atualização e aperfeiçoamento na área de Prótese Parcial Fixa em Portugal. O curso de 5 módulos mensais ocorreu de março a julho desse ano e uma turma de 8 médicos-dentistas portugueses foram preparados para desenvolver o planejamento e a execução da prótese parcial fixa com ênfase em Reabilitação Oral. O curso ocorreu nas dependências da clínica Maxillaris na cidade de Leiria. Da esq. p/ dir., em pé, Silvia Eleutério, Neuza, Iane, Paula Maia e Pedro (Tec. em Prótese). Sentados: Sandra, Ana Cláudia, Prof. Eurípedes Vedovato, Mariana Mirones e Naise Souza

7


DESTAQUE

III Curso de Especialização em Implantodontia

Coordenador: Prof. Clarindo Mitiyoshi Yao Professores: Antônio Fagá Jr., Márcio Miyasaki, Rodrigo Tadashi, Rodrigo Sarzedo, Abel Batista, Sérgio Nogata e Marcelo Bassani Início: Setembro 2010 Duração: 24 meses Realização: Quinzenal (segunda e terça-feira) Horário: 8h às 18h

Está programado para o mês de setembro de 2010 o início da 3ª Turma de Especialização em Implantodontia, coordenado pelo prof. Clarindo Mitiyoshi Yao, na APCD Jardim Paulista. Destaca-se neste curso a relação multidisciplinar envolvendo o planejamento cirúrgico e protéico de casos simples e complexos. Os alunos terão a oportunidade de realizarem procedimentos com as modernas técnicas de implantodontia envolvendo procedimentos estéticos, cargas imediatas para dentes unitários e múltiplos, All-on-4, implantes zigomáticos, enxertos ósseos, gengivais e periodontia com ênfase em estética e implantes. Local: APCD Jardim Paulista Informações: (11) 5535-9532 / 5096-0588 e 5049-3250, com Srta. Rosana E-mail: apcd@apcdjardimpaulista.com.br

Depoimentos das alunas da II Turma do Curso de Especialização em Implantodontia Dra. Mara Mastrofrancisco Reali: “Fazia um pouquinho de implante, mas era sempre assim, unitário. Termino o curso com muito mais segurança, muito mais certeza. Há 10 anos que eu faço só a parte de prótese. Agora com o curso, eu farei tudo lá no meu consultório. O curso do Dr. Miti não esconde nada, Os professores são nota 10. Gostei muito, muito mesmo. Correspondeu totalmente as minhas expectativas, indo muito mais além.”

8

Dra. Bernadete Kiyoko Tokumoto: “O curso de especialização da APCD-JP mudou radicalmente meus conceitos de Implantodontia, porque tinha aprendido de um jeito eu achava que era só daquele jeito. Quando iniciei o curso básico do professor Miti e logo em seguida a especialização, tudo mudou. Praticamente tive que esquecer o que eu aprendi anteriormente, porque era totalmente diferente, a técnica é outra, os tipos de implantes. Mudou a minha vida. O curso é super bom. Tanto que trouxe uma colega para fazer o curso de especialização comigo. Indico esse curso para todo mundo, porque tive a oportunidade de realizar todos os tipos de cirurgia que existem: implante, enxerto, carga imediata. O curso não abrange somente implantes, mas prótese, casos de reabilitação, levantamento de mordida, bruxismo e muitos casos de carga imediata.”


ATUALIDADES

Educação continuada – Um fator decisivo para a diferenciação profissional Apesar da fragilidade do ensino superior em grande parte das carreiras e em diversas áreas do conhecimento, na Odontologia, em geral, o recém-formado sai da faculdade minimamente capacitado para exercer a profissão no âmbito da clínica geral. Entretanto, a insegurança natural no início da vida profissional impõe limites, restringindo a sua atuação a procedimentos básicos e de menor complexidade. À medida que o jovem se defronta com as dificuldades e obstáculos, aumenta a ansiedade em tentar superá-los, vislumbrando um crescimento profissional tanto pelo lado das competências técnico-científicas como pelo aspecto da independência financeira. Nesse sentido, a única forma sustentada para a ascensão profissional são o estudo continuado e o aprimoramento permanente. Só desta maneira o profissional construirá o lastro necessário para a diferenciação profissional. O mercado de trabalho, cada vez mais exigente, competitivo e seletivo, sinaliza para a necessidade de profissionais qualificados e preparados para assumir responsabilidades e desafios, nem sempre proporcionais aos seus conhecimentos ou experiências. Dessa forma, o profissional, assim que tiver a convicção da área de conhecimento com qual tem maior afinidade e aptidão, deve planejar essa trajetória na busca dos seus diferenciais. A pós-graduação, nos seus diversos níveis (atualização, aperfeiçoamento, especialização, mestrado e doutorado) é um caminho seguro e natural rumo ao sucesso profissional. Na Odontologia contemporânea, uma opção interessante, que deve ser estudada e analisada pelos profissionais com vocação para a área cirúrgica e/ou protética, é a Implantodontia. RecoA pós- nhecida como especialidade pelo Conselho Federal de Odontologia (CFO) em 1993, sem dúvigraduação... da alguma é a área de conhecimento da Odontologia que mais tem crescido nos últimos anos. O crescimento dessa especialidade é decorrente dos esforços envidados tanto pela área acaé um caminho dêmica quanto pela área industrial em várias partes do mundo, o que permitiu que a implanseguro e natural todontia osseointegrada atingisse os altos índices de sucesso hoje verificados, em torno de 95%. rumo ao sucesso Essa previsibilidade aliada à redução de custos, motivada pelo crescimento industrial do setor, tem proporcionado maior acessibilidade da população a essa terapêutica. Assim, a expectativa profissional é de demanda crescente, ou seja, cada vez mais o cirurgião-dentista será procurado pelos seus pacientes que querem conhecer e submeter-se a tratamento odontológico reabilitador com implantes dentários. Outra questão relevante é o grande valor agregado que essa especialidade proporciona aos profissionais que a ela se dedicam, tanto em relação ao conhecimento técnico-científico quanto à questão mercadológica. A Implantodontia exige a construção sólida de conhecimentos em diversas áreas da Odontologia, tais como: anatomia, fisiologia, histologia, terapêutica medicamentosa, semiologia, periodontia, técnica cirúrgica, prótese, oclusão e outras. Esses conhecimentos aliados à boa técnica e a um sistema de implantes confiável resultarão no êxito do tratamento e, de forma consequente, na satisfação tanto do paciente quanto do profissional. Segundo dados do CFO, até janeiro de 2010 haviam sido expedidos por este Conselho apenas 4.206 certificados de especialistas em Implantodontia, o que representa uma participação de 6,2% do universo das especialidades odontológicas e 1,9% do universo de cirurgiões-dentistas de todo o território nacional. Porém, dados obtidos do Departamento de Estatística e Planejamento da SIN – Sistema de Implante, uma das maiores indústrias do segmento do país, mostram que aproximadamente 10% dos cirurgiões-dentistas buscam alguma forma de capacitação e atuam na área de implantes mesmo não sendo especialistas. Na Europa, este percentual é de 90% e nos Estados Unidos, de 70%. Essa tendência já está ocorrendo no Brasil, tornando, no curto-prazo, a Implantodontia um procedimento rotineiro no âmbito da clínica geral. Se você, profissional da área, ainda não faz implante, pense seriamente nessa possibilidade!

Prof. Dr. Paulo José Bordini - Diretor Científico do Instituto Nacional de Experimentos e Pesquisas Odontológicas (Inepo) - Telefone (11) 2605-2929 - www.inepo.com.br 9


c ale n d á rio Cie n t í f i c o

Dr. José Alberto Martelli Filho

Informações e inscrições pelos telefones: (11) 5535-9532 / 5049-3250 / 5096-0588 ou pelo e-mail: secretaria@apcdjardimpaulista.com.br

EAP Jardim Paulista sede - guararapes - Rua Guararapes, 720 - Brooklin (Estacionamento conveniado na Rua Califórnia, 590).

Cursos teóricos-demonstrativos (coffee-break incluso)

Cursos Regulares de Especialização em andamento na APCD JP

n Coordenador Dr. Mário Zuolo n Ministradores Equipe Endogroup

Curso Laboratorial Clínico de Odontologia Estética

Curso de Especialização em Implantodontia - 3ª turma Teórico/Prático/Cirúrgico/Clínico

n Ministrador Prof. Dr. Mário Sérgio Limberte n Duração 84 horas/aula (6ª feiras) n HORÁRIO das 8h às 12h - das 14h às 18h - das 19h às 23h n Programa Aprenda como ser dentista de sorrisos - Aulas

n Ministradores Prof. Clarindo Mitiyoshi

práticas - Workshops

Yao e equipe

n Objetivo O aluno se habituará a introduzir as técnicas

n Seleção setembro/2010

aprendidas na sua pratica diária. As aulas práticas em laboratórios

Especialização em Prótese Dentária - 3ª Turma n Ministrador Dr. Euripedes Vedovato

Curso de Especialização em Ortodontia e Ortopedia Facial - 5ª Turma Teórico / Prático / Clínico n Ministrador Prof. Gilberto Cortese -

Especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial

propiciarão ao aluno manipular e se familiarizar ao uso de novos materiais. Nas aulas de Marketing, o aluno aprenderá como adequar sua clínica para atendimento de Odontologia Estética e a vender seu trabalho. Terá aumento de produtividade, aceitação dos planos de tratamento e aumento de receitas a partir do 2º módulo. O investimento INCLUE apostilas teóricas e praticas, material de uso (resinas, adesivos, etc), empréstimo de todo o instrumental e coffee-breaks. O participante deve trazer somente peças de mão contra-ângulo tipo Kavo, uma saca brocas e adquirir o manequim.

e Especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial e

n vagas 15 n Início setembro/2010 n Informações E-mail: mlimberte@uol.com.br ou tel.:

Especialista em Radiologia

(11) 3044-1816/ 3884-7583

n Coordenador José Martelli Filho - Mestre

n Professores Alexandre Cortese (mestre e especialista em Ortodontia), Juliana Cortese (especialista em Ortodontia) e professores convidados

Especialização em Radiologia e Imaginologia Odontológica n Coordenador Prof. Dr. Israel Chilvarquer n Ministradores Jorge Elie Hayek, Michel Eli Lipiec Ximenez e Alessandra Coutinho.

n Diferenciais do curso Utilização de aparelhos de última geração: aparelho panorâmico digital, Tomógrafo

10

Especialização em Endodontia 3ª Turma

Curso Básico e Avançado em Implantodontia - Módulo Cirúrgico Sistema Biomet 3i n Coordenador Dr. Odair Borghi n Equipe Claudia B. Pera, Paulo H. Ueda, Paulo Y. Kawakami, Ricardo M. Saito, Rodrigo Fromer e Wander C. Kobayashi.

n Objetivo Fornecer ao cirurgião-dentista embasamento teórico, laboratorial e clínico para a realização de técnicas

Computadorizado Volumétrico; softwares para manipulação

cirúrgicas de reconstrução óssea e instalação de implantes

de imagens, traçados cefalométricos; simulação de instalação de

osseointegrados Biomet 3i.

implantes (RadioCef, Slice Guide e Dental Slice) e interpretação

n Obs. O curso fornecerá os kits cirúrgicos e os motores de

de radiografias e tomografias.

implante.


11


As reuniões da Diretoria da APCD-JP acontecem às quintas-feiras, na primeira semana de cada mês. Vários assuntos são debatidos de forma democrática. Nas reuniões, os responsáveis pelos departamentos expõem seus problemas e, de forma conjunta, tentam solucioná-los. Nas fotos, as reuniões que aconteceram em maio, junho e julho.

PERSONALIDADES

Na apresentação do VIII Encontro, drs. José Eduardo de Mello Jr., Marcelo Jun Kunisawa, Nelson Sabino, Daniel Kherlakian e Clarindo Mitiyoshi Yao

Drs. Clarindo Mitiyoshi Yao e Nelson Sabino de Freitas

Dr. Gilberto Cortese faz a primeira adesão ao VIII encontro

Dr. Daniel Kherlakian, coordenador do VIII Encontro faz a apresentação à Diretoria

Drs. Antonio Ankerkrone, Luciano M.D. Santo, José Eduardo, Nelson Sabino, Sérgio Martins, Juliana Melo Cortese, Ricardo Thomé, Alexandre Taganelli, Clarindo Mitiyoshi,Gilberto Cortese e Daniel Kherlakian

Dr. Nelson Sabino e Dra. Simone Soares Petrone

Ex-presidente da Regional, dr. Clarindo Mitiyoshi e o atual, Dr. Nelson Sabino de Freitas

Um brinde ao novo presidente - Marcos K. Itinoche, Ricardo Thomé, Alexandre Ranganelli, Nelson Sabino, Clarindo Mitiyoshi e Luciano M.D. Santo

12


E ve n to

Posse dos novos dirigentes da APCD-JP

No dia 26 de junho, dirigentes da Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas (APCD), associados e familiares estiveram reunidos no Teatro da Associação para a cerimônia de posse dos novos dirigentes da APCD Central, das Regionais, dos Núcleos de Regionais, dos Departamentos Científicos, entre outros. A solenidade também contou com a presença de representantes de entidades parceiras da APCD, do governo mu-

Patricia Buhrer de Moraes, Nelson Sabino e Daniel Kherlakian

Gilberto Cortese, Gisele Sabino de Freitas, Nelson Sabino e Eduardo Abdo

nicipal e de políticos. Para dirigir a Regional APCD Jardim Paulista, foram eleitas as seguintes pessoas: presidente: dr. Nelson Sabino de Freitas; 1º vice-presidente: dr. Gilberto Cortese; 2º vice-presidente: dr. Mário Luís Zuolo; secretário: dr. Sérgio José Martins; Tesoureiro: dr. Clarindo Mitiyoshi Yao. Para a APCD Central, o diretor da revista Essencial, dr. Daniel Kherlakian, foi eleito diretor do Departamento de Microscopia Operatória.

Eleitos na APCD-JP No dia 26 de maio, das 12 às 21 horas, foram realizadas eleições na sede da Regional APCD Jardim Paulista, sob a coordenação do dr. Antonio Ankerkrone e com a presença de um elevado número de eleitores. Para o triênio 2010/2013, foram eleitos: dr. Nelson Sabino de Freitas (presidente); dr. Gilberto Cortese (1º vice-presidente); dr. Mário Zuolo (2º vice-presidente); dr. Sérgio José Martins (secretário); dr. Clarindo Mitiyoshi Yao (tesoureiro). No trabalho das eleições, drs. Antonio Ankerkrone, José Eduardo de Mello Jr. e José Martelli Filho

13


E SP E C I A L

A Odontologia atual e o caminho para a próxima década Em todas as áreas da ciência, as mudanças são rápidas. A evolução torna-se quase diária, com descobertas e novas tecnologias. A equipe da revista Essencial ouviu vários especialistas para saber como está a Odontologia hoje e qual a previsão para o futuro próximo. Por Israel Correia de Lima

É inegável a evolução constatada em todas as especialidades odontológicas. No atendimento ortodôntico e de ortopedia facial, o professor da APCD Jardim Paulista, dr. Gilberto Cortese, cita os fios de última geração que resultam em forças mais suaves e biológicas, causando menos dor na movimentação e menos efeitos colaterais, Dr. Gilberto Cortese como os fios de NITI; termoativados; TMA; o surgimento da técnica straight-wire (arco reto), cujos braquetes já vêm com as prescrições, inclinação e torques incorporados a ele; o ressurgimento dos braquetes autoligados no final da década de 90; o aparecimento dos alinhadores para correção ortodôntica (invisalign). O alinhador, chamado de aparelho invisível e removível, é totalmente estético. “Hoje temos outros tipos de alinhadores também, como o clear aligner; fixação rígida na cirurgia ortognática, que, além da melhora nos resultados, eliminou alguns transtornos no pós-operatório, como: fixação intermaxilar por 6 semanas (maxila e mandíbula amarradas por fio metálico), o que dificultava a alimentação e a higienização; maior ênfase na análise facial, que veio melhorar o diagnóstico e o planejamento dos casos; o uso de mini-implantes; e o aparecimento da ortodontia rápida, em que é feita uma cirurgia com levantamento do retalho e são feitos sulcos no osso entre as raízes com a finalidade de acelerar o término do tratamento”, explica Cortese. Nos últimos anos, a Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial assumiu um importante espaço da Odontologia. “Em nível ambulatorial, os tratamentos são menos invasivos e mais confortáveis”, diz Hugo Nary Filho, professor do P. I. Bränemark Institute Bauru. Os procedimentos exodônticos deixaram de representar fim e se tornaram meio, ou seja, desde a indicação da remoção dos dentes, procedimentos cirúrgicos visam exodontias atraumáticas e técnicas regenerativas objetivando a reconstrução alveolar. “Tudo pela possibilidade futura de utilização de implantes nas reabilitações”, explica Nary. Segundo ele, a Implantodontia 14

permitiu grande atuação do cirurgião, mais familiarizado com os procedimentos invasivos, podendo auxiliar os reabilitadores desde a instalação das fixações até as técnicas reconstrutivas, empregando enxertos e cirurgias avançadas. Ainda no âmbito ambulatorial, uma importante conquista foi a parceria com a área médica, que possibilita sedação dos pacientes. Inicialmente destinada a procedimentos mais extensos como cirurgias, agora é empregada largamente mesmo em procedimentos clínicos. Trata-se da busca da segurança e do conforto para os pacientes. Em se tratando de cirurgias hospitalares, houve o reconhecimento da especialidade Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial, que passa a compor o corpo clínico dos hospitais, desde a retaguarda de plantão a pacientes com traumatismos faciais até o engajamento em serviços multidisciplinares específicos, como tratamento de pacientes com necessidades especiais, oncológicos, portadores de distúrbios do sono etc. Dentro da cirurgia ortognática, o melhor entrosamento com a Ortodontia, melhores materiais e estrutura para a realização das cirurgias têm proporcionado resultados mais previsíveis e procedimentos menos traumáticos. O diagnóstico dos defeitos de face tem evoluído, assim como os conceitos terapêuticos. “Neste cenário de grandes transformações, os cirurgiões têm dedicado muito do seu tempo na busca de atualização, pois a tecnologia dos materiais e equipamentos colocados a nossa disposição vem sofrendo muita mudança semestralmente”, diz Nary. Para o professor de Prótese Dentária da APCD Jardim Paulista, dr. Eurípedes Vedovato, a reabilitação oral atualmente só é possível de ser realizada na sua excelência quando ocorre a mulDr. Hugo Nary Filho tidisciplinaridade aplicada ao tratamento. “Especificamente na área da prótese dentária e materiais restauradores, as previsões para mudanças clínicas e laboratoriais são reais, radicais e inovadoras”, diz ele. Há 15 anos se falava muito pouco a respeito das radiografias digitais e de sua utilização na Odontologia, apesar do lançamen-


to do primeiro sistema de radiografia digital (RadioVisoGraphy – Trophy, França) ter ocorrido em 1987. “Hoje em dia é comum o cirurgião-dentista solicitar, por exemplo, uma radiografia panorâmica apenas no formato digital (em CD), ou seja, sem a presença física do filme”, esclarece o professor dr. Israel Chilvarquer, especialista em Imaginologia/Radiologia. A utilização de imagens digitais, além de possibilitar uma rápida comunicação entre os profissionais, oferece o que há de melhor em qualidade de diagnóstico e ajuda no controle do meio ambiente, pois não há necessidade da utilização de químicos (para o processamento das radiografias), cujos resíduos seriam descartados na Dr. Eurípedes Vedovato natureza. Outro exemplo da evolução da Imaginologia/Radiologia é a crescente utilização da Tomografia Computadorizada (TC), antes solicitada por um pequeno número de profissionais (principalmente por implantodontistas e cirurgiões bucomaxilofaciais). Atualmente ela é utilizada como exame complementar por praticamente todas as especialidades. “Hoje a Radiologia é uma ciência muito mais complexa, que envolve o conhecimento multidisciplinar”, discorre Chilvarquer. Houve uma mudança significativa na especialidade periodôntica, com a nova realidade em busca de resultados mais estéticos. Para o professor de especialização em Periodontia com Ênfase em Estética e Implantes, dr. Marcelo Bassani, a especialidade deixou de ter apenas a preocupação de tratar e/ou prevenir as doenças periodontais, ela pretende ir adiante na busca de uma melhor resolução ou fechamento dos casos de forma a que se tenha menos sequelas biológicas (perdas ósseas e recessões) e mais harmonia estética. “Há poucos anos os profissionais da área não tinham a preocupação com as sequelas estéticas, resultado dos tratamentos curativos, o único objetivo era a devolução da ’saúde periodontal’ a qualquer preço, mesmo que a estética ficasse comprometida”, diz o professor. Basicamente, os procedimentos continuam os mesmos quanto à abordagem para o tratamento das doenças periodontais; as mudanças que aconteceram foram no sentido de aprimorar esses procedimentos, segundo novas pesquisas e seus resultados. Por exemplo, os procedimentos de raspagens continuam sendo os mais eficientes para o tratamento da superfície radicular, porém é feito com menor intensidade e vigor, pois é sabido hoje que as toxinas encontram-se mais superficiais. “Assim como os procedimentos, de um modo geral, tornaram-se mais específicos com várias abordagens conservadoras. Nesta área a maior evolução foi em relação aos novos procedimentos cirúrgicos para recobrimento das raízes, enxertos de tecido conjuntivo gengival , aumentos de coroa clínica com finalidade estética, ou seja, procedimentos voltados a uma nova ‘Periodontia estética’”, fala Bassani. Já os procedimentos endodônticos evoluíram muito nos

últimos 10/15 anos, e novos protocolos de tratamento foram desenvolvidos e influenciaram positivamente na previsibilidade do tratamento. “A especialidade é a responsável pela manutenção de ‘milhões’ de dentes na cavidade oral de nossos pacientes”, acredita o professor de especialização em Endodontia Mário Luis Zuolo. Entretanto, na Regeneração Óssea Guiada (RGO), ao longo dos anos, percebeu-se que, embora eficaz, tem limitações, por exemplo: a barreira não poder ficar exposta ao meio bucal, necessitar de enxerto ou material de enchimento e ter complicações secundárias. “Portanto, diz o professor da Divisão de Odontologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP – dr. Munir Salomão –, a não ser pela pesquisa de materiais indutores de crescimento ósseo, como BMP, plasma rico em plaquetas ou células-tronco, não houve muita mudança nesse sentido.” Pode-se dizer que a área de osseointegração é uma das mais estudadas presentemente no espectro das especialidades odontológicas. As aplicações da implantodontia osseointegrada e os procedimentos de instalação vêm evoluindo desde a apresentação dos implantes à comunidade odontológica em 1982, em Toronto (Canadá). Para o professor-doutor em Implantodontia pela Unesp Araçatuba (SP), Antonio Vicente de Sousa Pinto, o protocolo original de Bränemark contemplava apenas o edentulismo total da mandíbula e da maxila em pacientes selecionados, que não suportavam suas próteses totais. “As próteses eram instaladas somente após a confirmação da osseointegração. Assim, os pacientes deviam esperar um período, hoje considerado relativamente longo, até receber as próteses”, diz Vicente. Atualmente, os implantes podem ser aplicados na substituição de dentes naturais ausentes praticamente em quase todas as situações e regiões da boca, no edentulismo unitário, parcial e total, e pode receber uma prótese unitária, parcial ou total implantossuportada com função imediata ou precoce. Ainda, dentes naturais “perdidos” podem ser substituídos no mesmo momento da extração, com resultados previsíveis. “Em muitas situações, vários dentes podem ser removidos, implantes instalados e a prótese inserida no mesmo dia, ou nos dias subsequentes, com relativo conforto para os pacientes”, acrescenta Vicente. Dr. Israel Chilvarquer No atendimento odontopediátrico, a diminuição do problema da cárie, o aumento dos cuidados preventivos periodontais e o diagnóstico precoce da erosão dental favoreceram o atendimento odontológico infantil, promovendo a prevenção numa parcela maior da população. “A Odontologia tornou-se menos invasiva e novas técnicas surgiram”, salienta a professora livre-docente da disciplina de Odontopediatria da FOUSP Maria Salete Nahás Pires Corrêa. Não podemos esquecer que os novos equipamentos são um forte aliado à Odontologia moderna. “A ressonância magnéti15


ca para diagnóstico de desordens internas na ATM, pois, nesse exame, podemos ver o disco articular, músculos e ligamentos; a Tomografia Computadorizada Volumétrica (TCV), que nos dá uma imagem tridimensional, sendo muito útil nos problemas da ATM, como também na localização precisa de dentes inclusos; a prototipagem; o programa Dolphin – todos são muito usados no planejamento ortodôntico cirúrgico. E o uso do laser terapêutico também”, diz Cortese. Em tese, os procedimentos executados pelo cirurgião bucomaxilofacial permanecem os mesmos praticados há muito tempo. Houve, sim, uma grande melhoria nos meios de diagnóstico, com o desenvolvimento e a popularização dos tomógrafos cone beam, concomitantemente com o emprego de softwares que auxiliam no planejamento de casos de reabilitação com implantes e cirurgias ortognátiDr. Mário Luis Zuolo cas. As ferramentas, ou seja, os equipamentos empregados nas osteotomias, incisões e ressecções também se tornaram mais ágeis, precisos, proporcionando menor trauma aos tecidos e favorecendo uma recuperação mais precoce. Destaque para as serras, os motores para instrumentos rotatórios, o piezoelétrico, o laser, o bisturi elétrico de dissecção. “Enfim, aquilo que víamos como futuro hoje faz parte da rotina do cirurgião. Os materiais acompanharam da mesma forma este desenvolvimento tecnológico, brocas, implantes, materiais de osteossíntese (placas e parafusos empregados em traumatologia e ortognática). Talvez a última fronteira seja o desenvolvimento dos biomateriais, alguns já disponíveis, que devem ser utilizados em procedimentos reconstrutivos”, esclarece Nary. “Em síntese, continuamos a fazer extrações, implantes, tratando pacientes com fraturas de face, tumores e corrigindo anomalias faciais com cirurgia ortognática. Contudo, os meios são melhores, o prognóstico é melhor, os tratamentos mais previsíveis e os resultados mais estáveis. Com certeza está muito mais fácil trabalhar atualmente”, acrescenta Nary. Na área de Imaginologia/Radiologia, os avanços foram mais acentuados. Há no mercado atualmente, para as radiografias extrabucais (como a panorâmica e a telerradiografia), o sistema digital com a utilização de leitores de placa de fósforo. Esse sistema possui uma grande vantagem, porque consegue “digitalizar” de forma indireta aparelhos panorâmicos convencionais e periapicais. O sistema CR-30x da Agfa utiliza chassis com placas de fósforo que se adaptam aos panorâmicos, digitalizando as técnicas convencionais, agregando assim valor de diagnóstico e qualidade de imagem à clínica. Em relação à técnica periapical, existe outra opção de leitores de placas de fósforo. O sistema Optime da Soredex possui placas de fósforo do tamanho e da espessura de um filme periapical convencional, assim, é mais confortável para o paciente em relação aos sensores digitais diretos, que, na sua maioria, possui cabos e uma maior espessura de seu sensor. 16

O grande salto tecnológico foi observado com o advento da nova geração de aparelhos de tomografia volumétrica de feixe cônico, cuja metodologia permite que, com uma baixa dose de exposição ao paciente pelos raios X, tenhamos um ótimo resultado imaginológico dos tecidos duros que compõem o complexo maxilo-mandibular, ou seja, dentes e tecido ósseo. Novos softwares permitem a manipulação dos dados obtidos pela tomografia para as diferentes especialidades. O mercado já dispõe do já conhecido software DentalSlice para a sua utilização em Implantodontia, com a possibilidade de planejamentos virtuais de tratamento, nos quais se pode simular a colocação dos implantes, estudando assim a sua viabilidade cirúrgica; confecção de guias cirúrgicos baseados no planejamento virtual e a confecção de protótipos que reproduzem a anatomia óssea do paciente e permitem que se realize uma prévia da cirurgia. Existem programas que permitem uma cirurgia guiada para a colocação de implantes com um sistema semelhante ao utilizado no GPS (Global Position System), no qual, por meio de uma TC realizada previamente, pode-se observar no monitor de um computador (em tempo real) a posição exata da broca em relação ao sítio ósseo escolhido durante o ato cirúrgico, diminuindo assim as dúvidas quanto ao posicionamento do futuro implante e permitindo o acompanhamento dos progressos da perfuração. A busca por resultados menos traumáticos só é possível pela ampliação das imagens, que promove maior diferenciação das estruturas anatômicas, favorecendo a precisão das técnicas. O uso do microscópio operatório associado às técnicas de enxertos de tecido conjuntivo modificaram substantivamente a previsibilidade dos recobrimentos das recessões gengivais (raízes expostas). Essa nova proposta de trabalho trouxe consigo a necessidade de microinstrumentos mais precisos e delicados compatíveis com os novos desafios cirúrgicos, como incisões menores, suturas mais precisas, maior controle da hemostasia. O professor Mário Luis Zuolo acrescenta que o microscópio clínico é mais uma ferramenta com a qual o endodontista pode contar, Dr. Marcelo Bassani pois possibilita uma excelente visualização do campo operatório e seu emprego favorece a utilização de novos protocolos de tratamento e procedimentos feitos com boa precisão. Apresenta limitações, portanto de maneira alguma substitui um operador bem treinado. Além disso, na Endodontia, o localizador foraminal é um aparelho eletrônico que trabalha com o conceito de impedância nos diferentes tecidos dentais e pode determinar a posição do forame apical com adequada precisão. “Utilizado em conjunto com a técnica radiográfica, pode estabelecer de maneira mais precisa o comprimento de trabalho em cada caso clínico”, diz Zuolo. O professor Munir Salomão detalha que A RGO procura manter o volume ósseo do rebordo alveolar. Seu objetivo é


prevenir ou recuperar a reabsorção alveolar após a exodontia, que é o grande problema do cirurgião-dentista. “Entretanto, sua exposição ao meio bucal limita seu uso. Recentemente há uma busca por ‘barreiras’ que mantenham o coágulo dentro do alvéolo e que possam ficar expostas na boca. Assim, é mantido todo o potencial de crescimento ósseo do coágulo, e a técnica é relativamente simples”. Plasma rico em plaquetas, BMP, transfusão de células pluripotenciais dentro do alvéolo e novos tipos de barreiras são exemplos do que se faz na atualidade nessa área. A pesquisa é muito intensa e certamente trará benefícios aos pacientes, particularmente quando há perda óssea ou problemas de cicatrização. Sequelas de tumores, de traumatismos ou de complicações de doenças crônicas exigem novas alternativas que melhorem a reabilitação dos indivíduos afetados. “Entretanto, no caso da odontologia, principalmente nos defeitos pós-extração dentária, precisamos de técnicas acessíveis ao clínico e com reduzida morbidade. Nesse sentido, materiais que fiquem expostos na boca e que possam ser removidos em pouco tempo, preservando o rebordo, são Dr. Munir Salomão extremamente bem-vindos”, Diz Munir. Na Implantodontia foram verificados enormes avanços. A função oclusal imediata e precoce, pensada como impossível nos primórdios da osseointegração (menos de 50 anos atrás) é uma realidade cotidiana. Implantes podem ser instalados em osso já cicatrizado ou enxertado, ou imediatos à extração de dentes condenados, com colocação de próteses que replicam os dentes naturais, no mesmo dia ou nos dias subsequentes ao ato cirúrgico, com segurança e previsibilidade. Para pacientes que possuem osso insuficiente, as técnicas e tecnologias também evoluíram. Além dos enxertos autógenos, alógenos e xenógenos, hoje há bancos de ossos disponíveis no Brasil. Fatores de crescimento ósseo produzido por laborat��rios têm sido utilizados com sucesso no aumento do osso, como a proteína morfogenética recombinante humana, e os fatores de crescimento derivados da plaqueta aceleram o tempo de cicatrização. A associação da TC cone bean e das radiografias digitais permite o planejamento virtual cirúrgico e protético, sendo uma ferramenta extraordinária no diagnóstico das possibilidades terapêuticas. A utilização de softwares específicos também permite a confecção de protótipos do esqueleto crâniofacial a partir dessas imagens. Considerando um contexto amplo a partir de imagens tomográficas, pode-se simular o número e a posição dos implantes, construir um protótipo, fabricar uma guia cirúrgica para instalar implantes e próteses pré-fabricadas antes da cirurgia. “Com as guias cirúrgicas pré-fabricadas pode-se realizar cirurgias sem retalhos, diminuindo a agressão e o tempo

cirúrgico”, diz o dr. Vicente. Surgiram novas técnicas também na área de Odontopediatria, tais como o ART, com o uso do ionômero de vidro, que nada mais é que a antiga escavação em massa com Óxido de Zinco e Eugenol, depois da adequação do meio com IRM e o advento dos sistemas adesivos. A sedação com o óxido nitroso, o laser, a anestesia computadorizada e a remoção químico-mecânica (Papacárie e Carisolv) são algumas das tecnologias que podem ser utilizada em casos específicos para o atendimento odontológico da criança. “Vale ressaltar que a educação, orientação e motivação dos pais e pacientes são os principais aliados para a promoção de saúde bucal, sendo estes preponderantes em qualquer situação”, explica Maria Salete Nahás Pires Corrêa.

A Odontologia para os próximos dez anos “Creio que a evolução da Ortodontia caminhará na direção de sistemas mecânicos que geram menos atritos, como os braquetes autoligados, beneficiando os pacientes e os profissionais com tratamentos mais eficientes, rápidos e fisiológicos. E que a técnica da Ortodontia Rápida terá um lugar importante”, vislumbra Cortese. O doutor Nary considera a Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial uma especialidade com amplo potencial de crescimento e desenvolvimento. “Trata-se de uma especialidade que exige grande dedicação e investimento, com longo período de formação.” Contudo, o espaço de atuação do cirurgião extrapola o ambiente do consultório, onde são realizados os procedimentos ambulatoriais, estendendo-se a unidades de saúde, hospitais, clínicas de estética, centros de reabilitação, com um enfoque sempre de trabalho multidisciplinar. Não existe cirurgia sem reabilitação, demandando inter-relação e ambiente de trabalho diversificado e participativo. Hoje a especialidade está bem regulamentada, com aceitação da área médica, ou seja, o cirurgião ocupa e tem lugar de destaque dentro de equipes médicas. Vale ressaltar que a responsabilidade do cirurgião é muito grande, devendo o mesmo sempre primar pela constante atualização, desenvolvimento técnico-profissional, uso de equipamentos e materiais de ponta, o que deve seguir paralelo ao crescimento e à realização em nível pessoal. Para a área de prótese e materiais restauradores, segundo o professor Vedovato, a nova geração dos cirurgiDr. Antonio Vicente ões-dentistas que atuarão na de Sousa Pinto clínica num futuro próximo (± 10 anos) poderão usufruir as seguintes técnicas, que estarão a sua disposição: 1) obtenção das estruturas: a fundição pela técnica da cera perdida para obtenção dos copings e das estruturas metálicas das próteses fixas sobre dentes ou suportadas por implantes está sendo substituída pela tecnologia CAD-CAM, 17


cujas estruturas metálicas são obtidas pela técnica de fresagem e sintetização para as cerâmicas e tecnologias do pó ou sintetização do pó metálico ou cerâmico, aposentando definitivamente a fundição dos metais e ligas metálicas para obtenção de peças protéticas. “O que mais nos deixa otimista é que essas inovações tecnológicas avançam para um cenário em que o valor das próteses deverá diminuir, ou seja, as estruturas obtidas por essa tecnologia são mais baratas do que por fundição tradicional, e a explicação está no fato de que a confecção dos copings ou estruturas é obtida em grande número num único processo de produção”; 2) soldagens: as soldagens ou a união dos componentes de uma estrutura protética, quando necessário, são realizadas pelo processo de soldagem a laser, e não mais com maçarico (brasagem). A técnica de soldagem a laser já está disponível nas grandes cidades brasileiras, e o resultado metalúrgico é o melhor que se pode obter, e o valor do trabalho é igual ao procedimento de brasagem, podendo ser mais barato ainda; 3) técnicas de moldagem: os procedimentos de moldagem para obtenção de modelos com precisão para a confecção de próteses de qualidade sempre foi o “tendão de Aquiles” dos dentistas. Os profissionais que atuam clinicamente não têm dúvidas em relacionar as falhas de adaptação das próteses às dificuldades encontradas em reproduzir os preparos que foram realizados nos dentes naturais. “A ótima notícia chegou, e é real, não vamos mais precisar realizar procedimentos de moldagem, pois os equipamentos que utilizam tecnologias de ondas infravermelhas ou frequências semelhantes à dos sonares farão a leitura dos preparos com precisão, para que, com o suporte da operação CAD-CAM, os copings e as infraestruturas sobre dente e implante sejam realizados sem a necessidade dos procedimentos de moldagens. O futuro é promissor para os cirurgiões-dentistas e para os pacientes”, finaliza Vedovato. Para a área de Imaginologia/Radiologia, o dr. ChilDra. Maria Salete Nahás varquer acredita que “a inPires Corrêa teração entre equipamentos como o tomógrafo volumétrico e tecnologia no processamento dessas imagens geradas fará uma grande mudança nas condutas dos planos de tratamento e terapêutica. Podemos citar como exemplo a Ortodontia, na qual, com a utilização de uma única captura de imagem tomográfica associada a softwares específicos (Nemotech), já é possível a simulação de radiografias panorâmicas e cefalométricas em forma lateral e frontal, análises cefalométricas, avaliação de vias aéreas, localização de dentes impactados, posicionamento de raízes, estudo para a colocação de mini-implantes, estudo das ATM’s, identificação do perfil tegumentar e avaliação da relação entre tecidos duros e moles. O desenvolvimento da Periodontia caminha através das 18

pesquisas com o objetivo de buscar, inicialmente, uma forma mais efetiva no diagnóstico da doença periodontal pelo reconhecimento das bactérias presentes. “Provavelmente novos exames laboratoriais estarão disponíveis a um custo baixo, mais eficiente e rápido, disponíveis aos nossos consultórios”, exemplifica Bassani. Por outro lado, a Periodontia Regenerativa e Reconstrutiva deve se desenvolver ainda mais e também com resultados mais previsíveis, apresentando novos materiais e melhorando os resultados das proteínas morfogenéticas. Como projeção para os próximos dez anos, o dr. Mário Zuolo crê em evolução em dois níveis. No campo científico, o desenvolvimento de pesquisas testando protocolos de tratamento em estudos clínicos randomizados em humanos com boa amostra populacional e adequado controle. No campo tecnológico, a introdução de novas ferramentas de trabalho e também de novos materiais que vão ajudar a elevar ainda mais a previsibilidade das várias modalidades de tratamento endodôntico. O dr. Vicente concorda. “Com a licença do dr. Mário Zuolo, gostaria de acrescentar como projeção para os próximos 10 anos: No campo científico, o desenvolvimento de pesquisas testando os protocolos de tratamento em estudos clínicos randomizados em humanos com boa amostra populacional e adequado controle. No campo tecnológico, a introdução de novas ferramentas de trabalho e também de novos materiais que vão ajudar a elevar ainda mais a previsibilidade das várias modalidades de tratamento”. Quanto à regeneração óssea, o professor Munir Salomão observa que o futuro é promissor. Com o avanço cada vez mais rápido das pesquisas nas áreas de engenharia tecidual e com o desenvolvimento de novos materiais, é difícil predizer onde chegaremos. “Acredito que num curto espaço de tempo, antes mesmo de dez anos, iremos utilizar, associados ou não às barreiras, materiais que promovam regeneração óssea previsível, em áreas que apresentem defeitos extensos ou em doenças que afetam a cicatrização, como o diabetes mellitus”. “Acredito que a Odontopediatria será a principal especialidade da Odontologia, pois esta tem o privilégio de trabalhar com o ser humano no início de sua vida, estabelecendo hábitos saudáveis para a vida futura”, visualiza a dra. Maria Salete. Em sua opinião, o tratamento preventivo ultrapassará o curativo, beneficiando a criança e o núcleo familiar. “Com certeza não estarei viva para ver essa mudança, mas a Odontologia para Bebês está crescendo muito, não somente no Brasil, como também em toda a América Latina e no México. São muitas as universidades e professores que estão trabalhando para que haja uma maior atuação na divulgação, e estão fazendo com que a educação para promoção da saúde bucal chegue às camadas sociais mais baixas. Temos trabalhado forte na informação e educação das gestantes para que seus filhos tenham dentes saudáveis. A Fousp há anos está investindo na Odontologia para Bebês, e a procura tem aumentado dia a dia, não somente na clínica privada, mas também no atendimento público.”


Fousp: excelência no ensino Hoje, o perfil do aluno que ingressa na Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo, segundo dados da FUVEST, é o seguinte: 63% deles vêm de escola particular e 37% de escola pública. Para o diretor da escola, dr. Rodney Garcia Rocha, a pesquisa aponta um dado importante: “apesar de falar-se muito das escolas públicas, que não têm infraestrutura, falta sequência às aulas, professores mal remunerados, nível docente baixo, pouco mais de 30% dos nossos alunos são de escolas públicas”. Outro dado importante que o dr. Rodney aponta é que 31% dos pais desses alunos são funcionários de empresas, 23% são profissionais liberais (médicos, advogados, dentistas) e 7% são funcionários públicos. “A classe social de origem desses alunos é a classe média, e isso é bem representativo quando a gente faz uma avaliação da renda familiar, em que se vê que o maior percentual está entre 3 e 7 salários mínimos. Isso representa que não é o rico que estuda aqui. Este é um perfil, para nós, muito interessante.” Com relação ao ensino, a videoconferência ainda não é muito utilizada no curso de graduação, mas na pós-graduação é muito difundida em defesas de teses. “Inclusive, alguns dias atrás, um examinador radicado nos Estados Unidos fez questionamentos, via videoconferência, a um aluno e a sua banca instalados na Fousp, diz o dr. Rodney A utilização de computadores e notebooks já é feita em grande escala e, em certas disciplinas, também se faz uso da Internet, com as informações das aulas, os calendários, os seminários. “Estamos implantando um centro de teleducação interativa. Acredito que dentro de um ano teremos uma sala específica para esse fim. A escola é uma das pioneiras em relação a isso. Existe um projeto do Ministério da Saúde para a formação de Recursos Humanos na Odontologia. Hoje o Ministério da Saúde está contratando muitos cirurgiões-dentistas para programas sociais, é o caso do Programa de Saúde da Família, então, eles praticamente triplicaram a contratação de cirurgiões-dentistas nesses programas. E esses profissionais precisam estar informados e atualizados sempre. Neste centro de teleducação em Odontologia realizaremos o treinamento, a formação e também ofereceremos aquilo que chamam de segunda opinião”, salienta Rodney. O dr. Rodney cita como exemplo um profissional que esteja em Roraima e tenha dúvida sobre determinado diagnóstico de um caso. Ele pode fazer uma consulta transmitindo os dados para um centro maior, no caso, São Paulo, e lá haverá um profissional capacitado para dizer “o diagnóstico que você fez está correto”, ou “não, pode mudar para isso ou aquilo”. “É o que chamam de segunda opinião para esses profissionais, é a chamada interação via internet”, explica. A intenção é que tanto as aulas práticas quanto as teóricas sejam filmadas e depois disponibilizadas diretamente para os alunos, não só os da Fousp, mas também para todos os inte-

Dr. Rodney Garcia Rocha

ressados em Odontologia. “Levaremos ainda um a dois anos, mas nós já temos o projeto e o dinheiro para isso. A USP está um passo um pouquinho à frente. E temos também que formar recursos humanos, ou seja, formar professores para isso. Nós temos uma disciplina no curso de pós-graduação chamada de Telessaúde e tele-educação em Odontologia que tem como objetivo formar mestres e doutores voltados para essa área”, diz o diretor. Na opinião do professor Rodney, a Odontologia evoluiu muito nos últimos 20 anos, com a introdução do flúor, de substâncias químicas, a educação das crianças, higienização, escovação, dieta, tudo isso transformou o mundo, não apenas o Brasil. “Os avanços alcançados com os aspectos preventivos há 20 anos vão continuar nas próximas década. Aliás, esses aspectos de prevenção serão o principal avanço nas próximas décadas. Então, aí entra mais uma vez a educação dos profissionais, da comunidade, e esta mídia nos próximos 10 anos estará presente tanto para o profissional quanto para a população.” Para finalizar, o diretor da Fousp salienta que, em níveis de ensino, até que ponto a faculdade está acompanhando essa evolução. “Estamos passando por uma reestruturação curricular. Pensamos hoje na formação de um profissional com cunho social também. Mas também não esquecemos da parte técnica, da parte biológica. Nós promovemos uma reestruturação curricular que abrange toda essa evolução da Odontologia para a próxima década. E nós vamos avaliar, daqui a seis, sete anos, até que ponto essa mudança feita no nosso currículo, nas disciplinas, trouxe avanço na formação dos profissionais. A Fousp tem essa preocupação, a de acompanhar essa evolução.” (ICL) 19


e n trevi s ta D r . N E L S O N S A B I N O de f reita s

Eleito presidente da APCD-JP: Objetivos para os três anos de gestão Dr. Nelson Sabino de Freitas cursou a Universidade de Uberaba (MG) e se formou em 1972. Logo veio para São Paulo. Casado há 26 anos com Gisele Colás Sabino de Freitas, tem três filhos, todos com nível universitário e já no mercado de trabalho. Pratica esportes desde a infância. Atualmente, joga tênis e faz caminhadas e corridas diárias. Aprecia cultivar poucas e boas amizades e sempre busca fortalecer os laços familiares. “Viagens e ida a bons restaurantes fazem o complemento de uma vida salutar, onde o bom humor é condição predominante.” Essencial: Eleito como presidente da Regional, quais as metas e objetivos para os três anos de mandato? Nelson Sabino de Freitas: Nestes três anos, pretendo cultivar o bom grau de união dos diretores. Delegar com muita propriedade todos os departamentos, à procura de um comprometimento com o bem ensinar e o foco de seus integrantes para um desempenho forte e constante. Achar uma maneira de motivar e voltar com as palestras gratuitas. Fazer das reuniões com os departamentos uma maneira de mantê-los ativos, para que nenhum caia na acomodação e que a modernização de cada um seja sempre uma meta. Aumentar o número de associados com estratégias profissionais, trazendo inovações e vantagens para o associado. Essencial: Pretende dar continuidade ao trabalho do antecessor? Nelson Sabino de Freitas: Sim. Tudo que foi realizado terá que ser, no mínimo, melhorado e conservado em todos os segmentos. Essencial: Poderia falar um pouco sobre a recém-inaugurada nova sede? Nelson Sabino de Freitas: Graças a uma condução sensata, decisiva e competente do dr. Mity e sua diretoria, o resultado obtido foi surpreendente, pois a sede funcional é adequada para todos os cursos. Essencial: Com relação aos parceiros da APCD-JP, pretende incrementar mais? Nelson Sabino de Freitas: Com certeza. Sempre haverá espaço para novos parceiros e até ideias novas. Nesse sentido, de minha parte haverá sempre um diálogo favorável. Essencial: E com relação à revista Essencial? Nelson Sabino de Freitas: É uma revista muito bem editada e dirigida. É também bem aceita no nosso meio e por isso terá nosso total apoio em toda a sua implementação e crescimento. Essencial: O Encontro Científico anual já se tornou um marco da Odontologia paulista. Já tem planos para o próximo ano? Nelson Sabino de Freitas: Sim. Pretendo me reunir com o departamento científico para acharmos um tema abrangente e prático de grande aceitação, mantendo a união do grupo para a busca dos objetivos. Essencial: Poderia falar um pouco sobre a desfiliação da Regional da APCD Central? Nelson Sabino de Freitas: Nesta particularidade toda a Regional, com sua união, soube trabalhar e se planejar para conseguir este intento, que nos dará mais tranquilidade e grande disposição para um futuro mais edificante e promissor. 20


E M T E MP O

Dr. Fábio Bibancos

Turma do Bem agora em Portugal

A Turma do Bem deu um passo significativo no Desde março de 2010, a TDB ingressou na Euroúltimo mês. Com o apoio da EDP, em 14 de junho, pa e iniciou suas atividades em Portugal. Mesmo com foi lançado oficialmente o Projeto Dentista do Bem políticas públicas de saúde bucal, o cenário no país é em Portugal. crítico. Doenças orais, como cárie, gengivite e probleO evento aconteceu no Museu da Electricidade, mas ortodônticos, são problemas comuns. Atualmenna Sala dos Geradores, em Lisboa, e reuniu cerca te, metade da população não tem condições financeide 250 pessoas (o esperado era um público de 150 ras para pagar um tratamento odontológico em uma participantes). Estiveram presentes o presidente da clínica particular. De cada 10 jovens portugueses com Cruz Vermelha, Luís Eduardo da Silva Barbosa; o até 14 anos, seis nunca foram ao dentista, e a maioria, presidente da EDP, Antonio Mexia; a representante aos 12 anos, já tem 50% dos dentes comprometidos. da Direção Geral da Saúde, Ana Margarida do Céu; o Após a apresentação e o fórum, cerca de 60 nosubprefeito de Lisboa, Jorge Miranda; o compositor vos dentistas portugueses foram cadastrados para o brasileiro Ronaldo Bastos; as atrizes brasileiras Barbaquadro de voluntários no país. Eles atenderão grara Paz e Bianca Castanho, representantes do Ministétuitamente crianças carentes com problemas bucais Dr. Fábio Bibancos faz apresentação rio da Saúde e Educação, e, principalmente, dentistas da Turma do Bem em Portugal graves. Das 480 crianças que passaram por triagem portugueses. em escolas portuguesas, 104 foram selecionadas e esO objetivo do encontro foi apresentar o projeto Dentista do Bem e tavam na fila de espera para tratamento. Devido aos novos voluntários, elas mobilizar a classe odontológica portuguesa a participar voluntariamente no serão atendidas de imediato. Atualmente, a ONG também atua em nove atendimento gratuito a jovens de baixa renda que necessitam de tratamento países da América Latina (México, Colômbia, Argentina, Peru, Equador, dentário até completarem 18 anos. Paraguai, Chile, Bolívia e Venezuela), e o objetivo é chegar à África.

Se você tem algum colega dentista em Portugal que tenha interesse em participar como voluntário do Projeto DENTISTA DO BEM, basta entrar em contato pelo e-mail suzanne@turmadobem.org.br Turma do Bem - Dentista do bem - www.turmadobem.org.br - faleconosco@turmadobem.org.br

22


NOTAS

Os professores do Curso de Especialização em Endodontia, doutores Mário Zuolo, Daniel Kherlakian, Maria Cristina Coelho de Carvalho, José Eduardo Mello Jr. e Maria Inês R.C. Fagundes, e a equipe Endogroup realizaram, no dia 1º de julho, um churrasco de confraternização para as 2ª e 3ª tur- Da esq. p/ dir., drs. mas (2007/2009 e 2009/2011). Não faltou Caroline, José Eduardo, Daniela, Ana, animação entre os presentes. As doutoras Taís, Maria Cristina, Maria Regina e Cristina ficaram responsáveis pela Inês, Marcia, Fernanda, preparação do onigiri, por sinal, muito elo- Ana Paula e Adriana giado por todos.

ChurrasquEndo

Drs. Mário Luiz Zuolo e Daniel Kherlakian Drs. Mário Luiz Zuolo, Clarindo Mitiysohi e Gilberto Cortese

Dras. Regina e Cristina na preparação do onigiri

Em pé, os profs. Daniel, Mario e Maria Cristina e, sentadas, as alunas Karin, Camila, Tatiana e Regina

Festa Junina na APCD-JP No dia 22 de junho, a Turma do Curso de Especialização em Ortodontia e Ortopedia Facial da APCD- JP realizou uma Festa Junina na sede da Regional, na qual não faltou milho, pipoca, quentão e muita animação. Da esq. p/ dir., na frente, Angelica, Karina, Roberta e Denise. Atrás, dras. Carolina, Claudia, Maria Fernanda, Marcella e Adrienne

24

Da esq. p/ dir., na frente, dras. Angelica, Karina, Juliana e Roberta. Atrás, drs. Alexandre, Adrienne, Gilberto, Marcella, Denise e Alberto


NOTAS

Barreira Regenerativa Bone Heal®

No lançamento da barreira regenerativa Bone Heal® do INP – Sistema de Implantes, realizado no dia 8 de maio na sede da empresa, foram realizadas simultaneamente as seguintes palestras: “A Importância da Osseointegração no Brasil e o Instituto Bränemark”, pro-

Convidados assistem à palestra

Drs. Munir Salomão, Antonio Vicente de Sousa Pinto, Pedro Velasco, Euripedes Vedovato, José T. Tesseroli Siqueira e Ederson Pereira

ferida pelo dr. Euripedes Vedovato; “Barreiras: ontem e hoje”, com o dr. Antonio Vicente de Souza Pinto; e “Mudança de Paradigma da Regeneração Óssea Guiada”, dr. Munir Salomão. Ao final do encontro foi oferecido um coquetel aos participantes.

25


i n di c ador

p ro f i s s io n al

ATENDIMENTO DOMICILIAR

DIAGNÓSTICO BUCAL

IMPLANTE

PERIODONTIA

Marcelo Lopes Costella Clínica Geral - CRO 83.647 Av. Doutor Arnaldo, 1504 Sumaré (SP) (11) 3862-7945 e 3872-1164 costella@uol.com.br

Sérgio Kignel Diagnóstico Bucal - CRO 26.239 R. Oscar Freire, 465 - Cj. 11 Jardim América (SP) (11) 3062-37­­77

Rodrigo Tadashi Martines Implantodontia e Cirurgia Oral CRO 60.052 Rua Vergueiro, 1.353 - Cj. 306 Paraíso (SP) (11) 3253-4723 tadashi@liesetadashi.com

Clarindo Mitiyoshi Yao Periodontia e Implantodontia CRO 25.555 R. Gironda, 189 Jardim Paulista (SP) (11) 3887-4010

Tania Barjud Bugelli Clínico Geral - Periodontia CRO 58.493 Pacientes com necessidades especiais Atendimento domiciliar e hospitalar Rua João Cachoeira, 488 - Cj. 109 Itaim Bibi (SP) (11) 3168-0362 e 9116-7843 drataniabb@yahoo.com.br

Daniel Kherlakian Endodontia - CRO 37.535 R. Augusta, 2763 - Sobreloja Cerqueira César (SP) (11) 3082-2171 / 9454 dankher@uol.com.br

CIRURGIA Antenor Araújo Cirurgia Buco-Maxilo-Facial e Ortognática - CRO 5.428 Av. Jandira, 295 - Cjs. 1003 / 1004 Moema (SP) (11) 5054-1223 / 1501 R. Marcondes Salgado, 64 São José dos Campos (SP) (12) 3921-5354 e 3922-4678 bucomaxilo@drantenor.com.br Carlos Veloso Salgado Cirurgia Buco-Maxilo-Facial e Implantodontia - CRO 35.742 R. Maestro Cardim, 560 - Cj. 111 Paraíso (SP) (11) 3266-2493 Ricardo Thomé Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial e Clínica Geral - CRO 16.546 R. Tabapuã, 821 - Cj. 28 Itaim Bibi (SP) (11) 3168-4484 e 3079-9157 (res.) Roger William Fernandes Moreira Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial - CRO 55.929 R. Jesuíno Arruda, 676 - Cj. 21 - 2º andar - Itaim Bibi (SP) (11) 3078-8264 e (19) 8140-2015 roger@fop.unicamp.br secroger@fop.unicamp.br

26

ENDODONTIA

Mário Luis Zuolo Endodontia - CRO 23.690 R. Canário, 784 - Moema (SP) (11) 5055-0908 / 7420 mlzuolo@uol.com.br Nelson Sabino de Freitas Endodontia e Prótese CRO 11.480 R. Frei Caneca, 1212 - Cj. 73 Cerqueira César (SP) (11) 3289-8016 nelsonsabinof@hotmail.com

Ronei Faizibaioff Implantes, Prótese sobre Implante e Estética - CRO 33.652 Al. Lorena, 1304 - Cjs. 2F / 3F Jardim América (SP) (11) 3062-9226 e 3086-3369 faizibaioff@gmail.com ORTODONTIA Alexandre A. Melo Cortese Ortodontia - CRO 47.345 R. Virgílio Várzea, 58 Itaim Bibi (SP) (11) 3168-3554 / 6873 cl.cortese@uol.com.br

Glécio Vaz de Campos Microcirurgia Plástica Periodontal e Periimplantar - CRO 26.359 Av. Dr. Cardoso de Melo, 1470 Cj. 809 / 810 Vila Olímpia (SP) (11) 3044-6025 glecio@terra.com.br Mônica Reggi Reis Silva Periodontia, Plástica Periodontal, Estética, Implantes - CRO 29.607 R. Turiassú, 127 - Cj. 143 Perdizes (SP) (11) 3666-9202 / 5775 e 7207-1797 monicareggiodontologia@hotmail.com PRÓTESE DENTÁRIA

Juliana Melo Cortese Ortodontia - CRO 67.337 R. Virgílio Várzea, 58 Itaim Bibi (SP) (11) 3168-6873 e 3168-3554 cl.cortese@uol.com.br

Antonio Fagá Júnior Prótese - CRO 25.528 R. Cubatão, 929 - Cj. 33 Vila Mariana (SP) (11) 5572-8886

Gilberto Cortese Ortodontia e A.T.M. CRO 2.884 R. Virgílio Várzea, 58 Itaim Bibi (SP) (11) 3168-3554 / 6873 cl.cortese@uol.com.br

Eurípedes Vedovato Prótese e Estética CRO 25.739 R. Gironda, 186 Jardim Paulista (SP) (11) 3887-4433 / 8482 vedovatopin@uol.com.br

Maria Angélica P. Vedovato Dentística Restauradora e Estética - CRO 25.738 R. Gironda, 186 Jardim Paulista (SP) (11) 3887-4433 / 8482

José A. Marques Jr. Ortodontia (RNO-Planas) e ATM CRO 24.256 R. Augusta, 2709 - 12º andar Cerqueira César (SP) (11) 3083-0422 odontologiamarques@terra.com.br

Flávio Luiz Iacobucci Prótese e Dentística CRO 24.192 Av. Nove de Julho, 5483 - Cj. 23 Jardim Paulista (SP) (11) 3079-3036

Mario Sergio Limberte Estética - CRO 3268 Ed. Trade Tower R. Helena, 218 - Cj. 709 Vila Olímpia (SP) (11) 3044-1816 mlimberte@uol.com.br

Marta T. Kuczynski Ortodontia e Odontopediatria CRO 29.592 R. Pedroso Alvarenga, 1255 Cj. 54 - Itaim Bibi (SP) (11) 3168-8905

Paula Zingg Endodontia - CRO 45.377 Av. Nove de Julho, 5483 Cj. 123 - Jardins (SP) (11) 3079-0775 pzingg@hotmail.com Sérgio Martins Endodontia - CRO 51.857 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 881 Cj. 408 - Jardins (SP) (11) 3266-4293 e 3284-3598 www.endoexcellence.odo.br ESTÉTICA

Sérgio Hideki Yasuda Prótese e Estética CRO 48.584 Av. Angélica, 2100 - Cj. 91 Higienópolis (SP) (11) 3257-9575 e 3258-2015 shyasuda@uol.com.br



Essencial 39