Page 1

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PACOTE TEMÁTICO ALTERNATIVO 2012


CISV Image Bank - tree planting CRC 2007

Aviso: Este material não necessariamente apresenta opiniões ou valores do CISV, nem se propõe a apresentar verdades universais. Ele foi elaborado independentemente, com o intuito de contribuir para o desenvolvimento do tema em 2012. Outras informações e pontos de vista são sempre bem-vindos na construção de um debate mais diversificado. Espero que ele consiga incentivá-lo a consultar outros materiais e a tomar ações relacionadas ao tema. Tenha um ano sustentável!


DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O tema do ano de 2012, para o CISV, é Desenvolvimento Sustentável. Mas o que isso realmente significa? Qual a sua importância para nós? O que você e o CISV podem fazer sobre isso? Primeiramente, esse conceito envolve muito mais do que reciclar o lixo, usar ecobags ou plantar árvores. Ele surgiu como alternativa ao atual modelo de desenvolvimento, o qual se pauta principalmente no crescimento econômico e tem se mostrado insustentável, pois depende de um crescente consumo de energia e de recursos naturais. Dessa forma, Desenvolvimento Sustentável se baseia em 3 pilares interdependentes, visando suprir as necessidades da geração atual, sem comprometer os recursos necessários para as gerações futuras. Esses pilares são:

Desenvolvimento Econômico;

Desenvolvimento Sociocultural;

Valorização Ambiental.


DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Nosso ideal de progresso tem se fundamentado principalmente em um chamado desenvolvimento econômico. Porém, grande parte dos países de economia de Mercado, inclusive o Brasil, vêm, na verdade, tomando medidas a fim de acelerar o crescimento econômico. Basta observar as manchetes: geralmente nações são medidas pelo crescimento anual de seu Produto Interno Bruto (soma das riquezas produzidas). No entanto, isso não é suficiente para analisar a complexa estrutura social da qual somos parte. Por exemplo: suponha que haja um aumento na violência em determinada cidade, e, com isso, seja construído um presídio. Para tal, serão consumidos materiais de construção, energia, etc., além de ser empregada mãode-obra. Com isso, a economia da cidade será movimentada e provavelmente o PIB crescerá. Mas isso não significa que seus habitantes tenham uma melhor qualidade de vida ou que sejam atendidos por serviços públicos melhores. Esse indicador nem mesmo aponta se a violência enfim foi reduzida, afinal, não foram contempladas as suas causas ao se construir o presídio. Analogamente, pode-se discutir a recente ascensão do Brasil, em 2011, no ranking das maiores economias do mundo, tomando a 6ª posição da Inglaterra. Tal fato surpreendeu muitos leigos e analistas, passando o Brasil a ser visto como a bola da vez. No entanto, se, por um lado, os PIBs dos dois países são semelhantes, a população brasileira (190 milhões) é bem maior do que a britânica (62 milhões). Dessa forma, o PIB per capita britânico é cerca de 3 vezes maior que o brasileiro. Adianta ser a 6a maior economia global? Além disso, provavelmente, não teríamos superado os ingleses já em 2011 se o aumento da inflação fosse menor e se o Real não estivesse tão valorizado externamente.


Portanto, o crescimento econômico que visamos não é sinônimo de desenvolvimento econômico. Este depende daquele, mas também da distribuição de renda (de nada adianta o bolo crescer se ele não for repartido).

Coeficiente de Gini

Para mensurar o grau de desigualdade de renda de uma determinada população, geralmente é utilizado o coeficiente de Gini, indicador da diferença de rendimento entre os mais ricos e os mais pobres. É medido em uma escala de 0 – nenhuma desigualdade - a 1 – desigualdade máxima. Ele independe da riqueza de uma população. Dessa forma, países pobres podem ter índice Gini baixo, pois o pouco que se tem pode ser bem distribuído. Segundo a ONU, os mais desiguais do mundo concentram-se principalmente na África, na América Latina e no Caribe, sendo o Brasil (Gini de 0,58) o 10º país mais desigual do mundo segundo as Nações Unidas. Coeficiente de Gini no mundo:

Em suma, desenvolvimento econômico = crescimento econômico (medido pelo aumento do PIB) + distribuição de renda (medida pelo coeficiente de Gini). Essas e outras questões econômicas levam-nos ao próximo pilar do desenvolvimento sustentável.


DESENVOLVIMENTO SOCIOCULTURAL Tendo em vista que a sociedade é composta pelo capital humano (pessoas) e pelo capital social (maneira como indivíduos se relacionam), o desenvolvimento social diz respeito à melhora da qualidade de vida e à existência de justiça social. Não necessariamente decorre do desenvolvimento econômico – uma população pode ser rica e ter boa distribuição de renda, mas caso não haja políticas que visem beneficiar e integrar todos seus indivíduos, o desenvolvimento social será afetado. Dessa forma, compreende-se que, para haver desenvolvimento social, a sociedade deve organizar-se de forma a satisfazer as necessidades básicas de todos – como alimentação necessária para atender aos requisitos nutricionais mínimos, trabalho, escola, hospital e assistência médica, moradia servida de água tratada, esgotamento sanitário, energia elétrica e coleta de lixo. Segundo a doutrina neocapitalista (keynesianista), cabe ao Estado garantir a segurança e o bem-estar social através de ampla intervenção na economia. É o famoso “Estado de bem-estar social”, sendo dever do Estado, portanto, garantir o desenvolvimento social. No entanto, recentemente, foi introduzido às empresas o conceito de Responsabilidade Social. Através dela, cabe também à iniciativa privada, em função de sua capacidade criativa e de seus recursos financeiros, interferir positivamente na sociedade . Essa postura vai além da filantropia ou da construção de uma imagem positiva para a empresa: ela envolve as crescentes demandas sociais e a tomada de consciência de alguns grupos no que se refere aos seus impactos socioambientais. O desenvolvimento social tem grande importância em relação ao desenvolvimento econômico, pois sem a melhora de serviços como educação e saúde torna-se inviável a manutenção de trabalhadores qualificados e satisfeitos, necessários ao bom desempenho da economia.


Índice de Desenvolvimento Humano Uma forma de se medir o nível de desenvolvimento social de uma população é o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), que relaciona aspectos como Expectativa de Vida, PIB per capita e Nível de Instrução. Ele é usado para classificar países em “desenvolvidos”, “em desenvolvimento” e “subdesenvolvidos”. As medidas tomadas a fim de alcançar o desenvolvimento social devem contemplar os aspectos culturais de um grupo, pois eles são instrumentos de construção de valores, identidades e perspectivas de futuro. Assim, a valorizar a cultura significa valorizar a diversidade (Tão adorada por nós, CISVianos). Além disso, ela tem um enorme potencial de mudança e de melhoria na qualidade de vida, como pode se notar em, por exemplo, projetos que ajudam jovens carentes a esquivar-se da marginalidade através da música ou do esporte.

Sócrates: “Da riqueza não vem a cultura, mas da cultura vem a riqueza.”

VALORIZAÇÃO AMBIENTAL A questão ambiental geralmente é abordada no que se refere à preservação/conservação. No entanto, em uma análise subjetiva, esses termos não exprimem uma noção de ambiente na qual o ser humano se insere, além de não representarem a dinamicidade das relações que o homem estabelece com a natureza. Dessa forma, neste material, optou-se pelo uso do termo “valorização ambiental”, no sentido de indicar apreço por tais relações. Este pilar, erroneamente assimilado como única bandeira do Desenvolvimento Sustentável, tem adquirido grande relevância nas últimas décadas. É visível o aumento da consciência ecológica por parte dos indivíduos, governos e empresas. Diversos são os argumentos favoráveis a uma postura harmônica na relação homem-natureza; no entanto, não se verifica o mesmo


no que diz respeito a muitas de nossas ações - seja pela maior prioridade dada a interesses financeiros ou por mero comodismo. Dessa forma, continuam irracionais os níveis de consumo e poluição, o que afeta biomas naturais, águas, a qualidade do ar a nível global e até mesmo a nossa saúde. Pode-se apontar outros problemas como o desmatamento, o aquecimento global – decorrente do efeito estufa, provocado pelo grande acúmulo de gás carbônico na atmosfera – e a interferência negativa em cadeias alimentares. Essa preocupante situação decorre principalmente da doutrina do consumo que se desenvolveu na cultura ocidental, a qual demanda crescente utilização de recursos naturais. Além disso, empregam-se estratégias de aumento de lucros como obsolescência programada e exploração insustentável desses recursos. Vale também ressaltar uma problemática que tende a se consolidar no cenário global nos próximos anos: o crescimento dos BRICS (países cujas populações somam cerca de 1/3 da população mundial) tem levado a um grande aumento na demanda por energia e por recursos, sendo que nem sempre a questão ambiental é abordada como prioridade – revelando-nos que, na maioria das vezes, os interesses econômicos sobrepõem-se aos dois outros pilares do desenvolvimento sustentável. A importância da conservação e da valorização ambiental segue uma lógica econômica: há uma incompatibilidade entre os recursos disponíveis para a produção, limitados; e as necessidades humanas, ilimitadas. Surge então uma preocupação em garantir que as gerações futuras não sofram - ou sofram menos - com a escassez de recursos.

5 Rs É possível sintetizar as principais atitudes individuais para a conservação ambiental em 5 Rs – isso mesmo, aqueles que você aprendeu na 3ª série... °Repensar: reflita sobre a real necessidade de comprar um produto e sobre os processos socioambientais ligados à sua produção; °Recusar: recuse produtos que agridam o meio ambiente e a sua saúde; °Reduzir: reduza a quantidade de produtos que você consome e também a quantidade de lixo que produz; °Reutilizar: antes de descartar, procure reutilizar os materiais; °Reciclar: separando e reciclando o lixo, você diminui a pressão sobre os recursos naturais.


O Brasil e a reciclagem

Você sabia que o Brasil é campeão na reciclagem de latinhas de alumínio? Segundo a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), em 2007, foram recicladas 11,9 bilhões de latinhas - 96,5% do total disponibilizado no mercado. A cada quilo de alumínio reciclado, cinco quilos de bauxita são poupados.

CONCLUSÃO

A proposta do desenvolvimento sustentável procura reformar alguns excessos do sistema capitalista. Apresenta uma visão pragmática, buscando equilibrar a economia de mercado para que ela respeite o meio ambiente e para que seus benefícios econômicos sejam mais bem distribuídos, contribuindo assim também para o desenvolvimento social. Essas mudanças propostas são positivas inclusive no que se refere à livre iniciativa, pois, ao lidar com matérias primas sustentáveis (ex: madeira de reflorestamento, materiais reutilizados ou reciclados), a empresa torna-se menos suscetível a variações no mercado externo (ex: crises de abastecimento, alterações na razão oferta-demanda). Além disso, uma imagem ecologicamente correta acarreta uma melhor aceitação pelos consumidores, cada dia mais conscientes das necessidades relacionadas à conservação ambiental. Não faltam iniciativas positivas tomadas no sentido de tornar real esse modelo de desenvolvimento. Dentre elas pode-se apontar a Economia Solidária, a qual propõe mudanças nas relações interpessoais e com o meio ambiente através de princípios como a cooperação, a não competição, a igualdade no processo de tomada de decisão, a não exploração de trabalhadores e a responsabilidade com a comunidade.


Além disso, a mudança começa em cada um, mudando seus hábitos de consumo e seu estilo de vida, gastando menos água, preferindo o transporte público e a carona, consumindo conscientemente, etc. AGORA É A SUA VEZ! O principal objetivo deste pacote temático não é promover a conscientização ecológica. É oferecer informações e recursos para o desenvolvimento do tema através de atividades educacionais. Use e abuse deste material, e, se possível, compartilhe outras informações e também suas experiências!

CONSULTE OUTRAS FONTES POLÊMICAS Emissões de Carbono Segundo o “The New York Times”, em reportagem de 5 de dezembro de 2011, as emissões de carbono, em 2010, apresentaram o maior crescimento anual já registrado (5,9% em relação ao ano anterior) desde 2003. Isso significa meio bilhão de toneladas a mais, provavelmente o maior salto, em números absolutos, desde a revolução industrial. Esses dados mostram que ainda há um longo caminho a percorrer no que se refere à questão energética. http://www.nytimes.com/2011/12/05/science/earth/record-jumpin-emissions-in-2010-study-finds.html?_r=1&ref=justingillis Belo Monte Está em debate na sociedade civil a construção daquilo que seria a terceira maior usina hidrelétrica no planeta. Ela será instalada no rio Xingu, no Pará, alagando parte da floresta amazônica. As principais questões giram em torno dos impactos ambientais e socioculturais, e também do aumento na demanda energética brasileira nos próximos anos.


Movimento Gota d’Água: campanha de celebridades contra a construção da hidrelítrica. http://www.youtube.com/watch?v=TWWwfL66MPs Tempestade em copo d’água?: defesa da construção da usina por estudantes da UNICAMP. http://www.youtube.com/watch?v=gVC_Y9drhGo Sacolas Plásticas “Um estudo britânico sobre o impacto ambiental de diversos tipos de sacolas de supermercados mostrou que as sacolas plásticas trazem menor impacto ao meio-ambiente que outros tipos de sacolas. O estudo verificou o ciclo de vida de sacolas de algodão, ecobags, sacos de papel e sacolas plásticas tradicionais e o resultado apontou que a proporção de matéria prima usada nas sacolinhas em comparação com as tantas possibilidade de reutilização que elas oferecem as fazem ser mais sustentáveis que os outros tipos de sacola. Segundo o estudo, as ecobags de outros materiais teriam que ser reutilizadas mais de 100 vezes para compensar a quantidade de material que levam em sua produção. As de papel, cerca de três vezes mais, porém a fragilidade do material não o permite. Já a sacola plástica comum tem a resistência suficiente para ser reutilizada por mais de cinco vezes (número mínimo para justificar sua produção) e, depois disso, ainda serve para embalar o lixo residencial, promovendo a saúde pública. Outro importante dado do estudo é que, devido ao fato de a sacolinha plástica apresentar o menor peso dentre as opções analisadas, ela apresenta, em seu processo produtivo, a menor geração de CO2 frente as outras opções. A sacolinha de plástico apresentou os menores impactos ambientais em oito das nove categorias de avaliação de performance trabalhadas neste estudo.” http://www.plastivida.org.br/sacolas/_pdf/release_14.pdf

VÍDEOS Ilha das Flores: Um ácido e divertido retrato da mecânica da sociedade de consumo. http://www.youtube.com/watch?v=Hh6ra-18mY8 The Story of Stuff: Curta sobre o ciclo de vida dos bens materiais. http://www.youtube.com/watch?v=3c88_Z0FF4k


Green Economy and Sustainable Development - Bringing back the social: Aponta como as discussões sobre Economia Verde geralmente ignoram a questão social http://www.youtube.com/watch?v=O5lBwrJcUOk&feature=player_embedd ed#! Comercial Discovery - Ian Tchagra: Vídeo sobre o meio ambiente e a nossa sociedade. http://www.youtube.com/watch?v=40wghoRDkYA Código Florestal - WWF Brasil e SOS Florestas: Contra o novo códico florestal. http://www.youtube.com/watch?v=yxTv5yhUacM A menina que calou o mundo por 5 minutos: Discurso de garota de 13 anos que emocionou líderes de estado. http://www.youtube.com/watch?v=XOUzYAKWOWU TED talk - What’s wrong with our food System: Criança aponta falhas na cadeia de produção de alimentos, observando a importância de consumir orgânicos. http://www.youtube.com/watch?v=uaB6Bdgp3WU TED talk - Put a Value on nature: Todos os dias usamos os recursos que a natureza nos oferece gratuitamente. Como seria se tivéssemos que pagar por eles? http://www.youtube.com/watch?v=A-QpKiU-NHo George Carlin – Save the Planet: Humorista americano satirizando o discurso dos ecochatos. http://www.youtube.com/watch?v=X_Di4Hh7rK0 The Fun Theory: Experiência da Volkswagen mostrando a relação entre motivação e diversão. http://www.youtube.com/watch?v=sMYrW8tV3pw

SITES & LINKS Greenpeace: Organização global e independente que atua para defender o ambiente e promover a paz. http://www.greenpeace.org/brasil/pt/ WWF: Maior rede independente de conservação da natureza, com atuação em mais de 100 países. http://www.wwf.org.br/


Eco4planet: Seus acessos e pesquisas transformam-se em árvores plantadas. http://eco4planet.com/ Portal da secretaria do meio ambiente de São Paulo: Site do governo que divulga alguns projetos relacionados ao tema ambiental. www.ambiente.sp.gov.br Planeta Sustentável: Portal da editora Abril para debater, informar e produzir conhecimento sobre Sustentabilidade para todos os públicos. http://planetasustentavel.abril.com.br/home/ Think global, act global - Mosaic Stories: Texto de cisviano que faz uma reflexão sobre a maneira como consumimos alimentos. http://mosaic.cisv.org/stories/entries/blog_0023.html Calculadora de Pegada Ecológica: Quantos planetas seriam necessários para suprir as necessidades da humanidade caso todos os terrestres consumissem da mesma forma que você? http://www.myfootprint.org/ Greenvana: Loja de produtos “eco-friendly”. http://www.greenvana.com/ SOS mata atlântica: Projetos para a preservação desse bioma. http://www.sosmatatlantica.org.br/ Meat Free Mondays: A produção de carne bovina polui o meio ambiente. A cada 7 pessoas que participam do projeto deixando de comer carne às segundas feiras, tem se um vegetariano! http://www.meatfreemondays.com/

EVENTOS Rio+20 Conferência das nações unidas que se dará no Rio de Janeiro, em junho deste ano. Copa 2014 e Olimpíadas 2016 Grandes desafios para o Brasil. Há espaço para ser sustentável? Aproveite suas diversas competências enquanto CISViano e contribua para a realização desses eventos! Hora do Planeta 2012 31 de março de 2012, 20:30. Apague suas luzes durante uma hora nesse movimento global!


RELACIONADOS AO CISV Stop talking, Start Walking Iniciativa do International Junior Branch. Consiste em uma série de Workshops sobre desenvolvimento sustentável. Participe! http://www.ijb.cisv.org/mwiki/index.php/Stop_Talking%2C_Start_Walkin g Corida do Milênio 2012 O desafio está lançado! Atividades temáticas marcam pontos na corrida! http://www.ijb.cisv.org/mwiki/index.php/Corrida_do_Mil%C3%AAnio_2 012 Desafio Sustentável Desafio para os JBs locais. Plantem o maior número possível de árvores em 2012! I have a mango Parceria entre CISV Noruega e CISV Colômbia. Confira! http://cisv.no/mango/ Mosaic Que tal fazer parcerias com o Comitê Mosaic para desenvolver o tema neste ano? Atividades sobre o tema http://resources.cisv.org/education/Activities/SustainableDevelopment Theme Pack Oficial Se ligue! Em breve o CISV Internacional publicará o theme Pack oficial sobre desenvolvimento sustentável.

DÚVIDAS? COMENTÁRIOS? Daniel Avelar Guimarães CISV Araraquara daniel.cisv@gmail.com

CISV Pacote Temático Alternativo - Desenvolvimento Sustentável  

CISV - Pacote Temático Alternativo 2012 - Desenvolvimento Sustentável

Advertisement