Page 1

www.correiodevenezuela.com

O jornal da comunidade luso-venezuelana

ano 07 – N.º 165 - DePósito LegaL: 199901DF222 - PubLicação semanaL

caracas, De 13 a 19 De JuLHo De 2006 - VenezueLa: bs.: 1.000,00 / PortugaL: € 0,75

Embaixada de Espanha trouxe Mário Soares à Venezuela Antigo Presidente da Repú blica veio àinauguração das fundações de um gasoduto que ligará Venezuela, Colô mbia e Panamá Mais dois madeirenses sequestrados em Tucacas

Seios mais vistosos aumentam a auto-estima das mulheres

Página 9

Venezuela está em segundo lugar em candidaturas de portugueses carenciados Página 4

Página 10

Insegurança assusta em El

Feira do Pão reuniu a mais de oitenta empresas da capital venezuelana Página 8

Festival Feceporven

Lei anti-sequestros

49 cantores amadores em concurso

Nova legislação traz muitos riscos

Página 14

Página 11

Página 24


2 | EDITORIAL Faca de dois gumes CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

Director: Aleixo Vieira Subdirector Agostinho Silva Coordenação em Caracas Délia Meneses Jornalistas: António da Silva, Carlos Orellana Jean Carlos de Abreu, Tábita Barrera, Victoria Urdaneta e Yamilem Gonzalez Correspondentes: Ana Pita Andrade (Maracay) Carlos Balaguera (Maracay e Valencia) Carlos Marques (Mérida) Sandra Rodriguez (La Victoria) Trinidad Macedo (Barquisimeto) Colaborações: Raúl Caires (Madeira) António de Abreu, Arelys Gonçalves Janette Da Silva, Luís Barreira e Miguel Rodrigues Publicidade e Marketing: Carla Vieira Fotografía: Paco Garrett Preparação Gráfica: DN-Madeira Produção: Elsa De Sá Secretariado: Carolina Nóbrega Distribuição: Enrique Figueroa Endereço: Av. Los Jabillos 905, com Av. Francisco Solano, Edif. Torre Tepuy, piso 2-2C, Sabana Grande - 1050 Caracas. Endereço Postal: Editorial Correio C.A. Sabana Grande Caracas - Venezuela Telefones: (0212) 761.41.45 Telefax: (0212) 761.12.69 E-mail: correio@cantv.net URL: www.correiodevenezuela.com Tiragem deste número: 15.000 exemplares

Depois da longa "anestesia colectiva" em que se transformou o Mundial de Futebol, eis que voltamos a apercebernos que a realidade não se confina a uma bola de futebol. É assim que outros temas saltam para as prioridades do dia-a-dia, como é o caso da aprovação, em sede de primeira discussão, da lei anti-extorsão e sequestro, que está a ser analisada e trabalhada pela Comissão de Política Interior, na Assembleia Nacional. A morte, esta semana, de uma cidadã de origem espanhola - assassinada pelos assaltantes - e o sequestro de mais dois madeirenses na zona de Tucacas, fizeram regressar o ambiente de apreensão ao seio da comunidade. Vários

juristas têm se pronunciado sobre o novo enquadramento legal. Podemos estar perante uma "faca de dois gumes", dizem. A intenção de "mandar congelar" contas bancárias das famílias visadas pelos sequestradores, pode forçar, como consequência directa da lei, o silêncio dos visados que optem por não denunciarem os delitos de que são alvo. Dessa forma estarão, também, a preservar as suas posses e o seu dinheiro. Por outro lado, é legítimo imaginar que a nova lei poderá "endurecer" as negociações com os sequestradores e complicar a libertação de sequestrados. Em circunstâ ncia alguma, o "remédio" deve ser pior que a "doença"...

O CaRTOON Da SEMaNa Mário Soares passou discretamente por aqui...

Nem parou para agradecer a quem votou nas últimas Presidenciais?!

Fontes de Informação: DIÁRIO de Notícias da Madeira Jornal de Notícias Agência de Notícias LUSA O Correio de Caracas não se responsabiliza por qualquer opinião manifestada pelos colaboradores ou assinantes nos artigos publicados, garantindo-se, de acordo com a lei do jornalismo, o direito à resposta, sempre que a mesma seja recebida dentro de 60 dias.

a SEMaNa MUITO BOM Uma jovem de apenas 12 anos decidiu, por iniciativa própria, escrever a história do seu avô. Não só ganhou o primeiro prémio na sua escola, como também foi alvo de muitas referências positivas no seu ambiente escolar. Eis mais uma prova de que o principal incentivo à preservação das raízes familares, culturais e históricas deve começar em casa. Parabéns à família!

BOM A “Feira do Pão”, na Venezuela, é sempre uma iniciativa louvável. Para a Comunidade lusa, há razões acrescidas para dar atenção ao certame, dado o envolvimento directo e indirecto de milhares de famílias portuguesas. Por outro lado, a iniciativa permite um contacto directo com os fornecedores. Um ambiente de festa portuguesa que durou três dias.

MaU Muitas vezes fazemos eco de inquietudes da Comunidade em diversas situações. O que tem acontecido é que, nalguns casos, após a boa resolução dos mesmos, se constata que as pessoas apenas criticavam por criticar. Damos o exemplo do curso de guitarras do Centro Português, em Caracas. Depois das críticas pela ausência de iniciativas de ensino, criou-se a escola. No entanto, a dois meses do arranque, apenas quatro alunos se interessaram pela aprendizagem. Em que ficamos?

MUITO MaU A propósito do Campeonato do Mundo de Futebol, nalgumas localidades assistiu-se a alguns excessos que provocaram alguma violência. Comportamentos que em nada condizem com o ambiente de festa que se viveu na Venezuela. Em Caracas, por exemplo no Centro comercial San Ignacio, a violência ocasionou muitos feridos. Noutras localidades também tivemos conhecimento de situações idênticas. Isto para não voltar a referir quem se julga no direito de “trancar” ruas apenas com o pretexto de festejar... E os direitos dos outros?

El Correio de Caracas, no se hace responsable por las opiniones manifestadas por los colaboradores o firmantes, garantizando, de acuerdo a la Ley, el derecho a respuesta, siempre que la misma sea recibida dentro de 60 días.

Para todos los

gustos

El mejor Bodegón de Caracas con la mayor variedad en vinos Nacionales e Importados C.C.C.T. P.B. (cerca al Banco Provincial) Telfs.: (0212) 959.73.77, 959.67.28 - Caracas - venezuela


CORREIO DE VENEZUELA -DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

ACTUAL | 3

Soares satisfeito com integração latino-americana Delia Meneses

Visita discreta

deliameneses@correiodevenezuela.com

A visita de Má rio Soares na Venezuela foi feita no â mbito de uma deslocaç ã o a cará cter privado que nã o foi canalizada pela Embaixada de Portugal em Caracas, que nã o teve acesso a agenda do ex-presidente portuguê s. O embaixador de Espanha na Venezuela foi quem organizou a visita, que passou desapercebida para a comunidade portuguesa assim como para as autoridades lusas no paí s. O canal do estado "Venezolana de Televisió n" foi o único ó rgã o de comunicaç ã o social em poder realizar uma entrevista exclusiva com o polí tico portuguê s.

antigo Presidente da Repú blica de Portugal, Mário Soares, foi recebido na segunda-feira passada pelo vice-presidente do executivo da Venezuela, José Vicente Rangel. À saída do encontro, o ex-chefe de Estado luso fez questão de manifestar a sua satisfação por na América Latina "se estar a observar um processo de integração como o que tivemos na Europa" e que culminou na União Europeia. Soares, que também é o presidente honorário do Partido socialista português, indicou que o processo que incita a Venezuela na região latino-americana é interessante, pela constâ ncia em conseguir a sua adesão como membro pleno do MERCOSUR. Ressaltou também o início da construção do Gasoduto Transcaribeño que vai unir os esforços da Venezuela, Colô mbia e Panamá. Ao terminar a reunião com Rangel, Soares comentou a sua satisfação por ter conversado com o alto representante do Governo Nacional, tendo manifestado ainda interesse em conhecer mais a Venezuela. O ex-presidente de Portugal declarou que no encontro mantido com o vice-presidente venezuelano foram abordados temas interessantes, para além de o ter "felicitado pelo seu aniversário". Soares também teve a oportunidade de estar com o Presidente da Repú blica Bolivariana de Ve-

O

nezuela, Hugo Chávez, na cerimó nia organizada por motivo da soldadura das fundações do Gasoduto, que se realizou em La Guajira, acto ao qual compareceram os presidentes da Colô mbia, Álvaro Uribe Velez, e do Panamá, Martín Torrijos. Chávez e Uribe comprometeram-se com o chefe de Estado do Panamá a fornecer gás mediante a construção do gasoduto que unirá Maracaibo com Punta Ballenas, na Guajira colombiana, investimento que terá um custo estimado de 230 milhões de dó lares. Estima-se que a obra esteja concluída dentro de dois anos e que a partir de então passe a receber 150 milhões de pés cú bicos de gás colombiano nos primeiros anos, que depois serão exportados, nessa mesma quantidade para a Colô mbia.

Imagem da Região está desactualizada m estudo apresentado no Funchal pela Deloitte revela que, no primeiro caso, 91,4% dos turistas garantem ter ficado positivamente ou mesmo muito surpreendidos com o destino, enquanto no segundo caso a satisfação desce para os 77%. De modo geral, o estudo mostra que a Região deverá investir mais na captação dos turistas nacionais, até porque estes têm uma

U

imagem desfasada do destino. Por tal, vão ser empreendidadas uma série de acções até 2009 tendo em vista o seu reposicionamento, sem sacrificar preços, nem qualidade. A Madeira quer aumentar o nú mero de hó spedes nacionais para 253 mil, perspectivando também um acréscimo do nú mero de dormidas de turistas, que devem chegar às 886 mil por ano. Ou seja, face aos indi-

cadores actuais, a Região quer concretizar crescimentos médios anuais na ordem dos 2,75%. O estudo encomendado pela Direcção Regional de Turismo à Deloitte revela ainda que Lisboa e Porto concentram mais de 50% das emissões de turistas para o arquipélago da Madeira. Coimbra e Santarém são o terceiro e quarto distritos com maior percentagem de emissões.

Os questionários foram realizados a turistas nacionais no Aeroporto do Funchal, em Maio passado, no â mbito do diagnó stico do posicionamento da Madeira junto do Mercado Nacional.


4 | VENEZUELA

CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

2º lugar em candidaturas de lusos carenciados As ajudas provenientes de programas como o ASIC e o ASEC são especialmente para indiví duos que não têm possibilidades económicas ou que estão em estado de indigência

Programas de apoio ASEC-CP

Derlys Melim derlysmdc@hotmail.com

uitos dos portugueses radicados na Venezuela desconhecem a existência de vários programas de ajuda de que podem beneficiar os emigrantes e que visam a apoiar os mais carenciados. Segundo as estatísticas, o Brasil e a Venezuela ocupam os primeiros lugares nas listas dos portugueses com maiores carências no mundo. A desinformação criou o mito de que estes programas de apoio eram uma espécie de pensão para pessoas idosas. Inácio Pereira, primeiro secretário do Conselho das Comunidades Portugueses, eleito em representação da Venezuela, esclarece que as ajudas provenientes de programas como o ASIC e o ASEC são dirigidas especialmente para indivíduos que não têm possibilidades econó micas ou que estão em estado de indigência. Venezuela tem sido especialmente beneficiada por estes programas. Encontrase em segunda posição ao nível das candidaturas aprovadas, em comparação com os

M

outros países que também acolhem emigrantes portugueses. No caso específico do ASIC, foram apresentadas cerca de 1.963 candidaturas na Venezuela, das quais se aprovaram 1.423. As restantes foram recusadas ou encontram-se em fase de análise. A respeito do ASEC, realizaram-se 35 candidaturas, das quais se aprovaram 27, sendo que foram arquivados oito casos, seja por falta de elementos ou por serem candidaturas repetidas. Ouvem-se vozes que se queixam de que muitas das candidaturas aprovadas correspondem a pessoas cujo grau de necessidade não merecia essa ajuda. Pereira confirma esta realidade ao afirmar que actualmente "muitas pessoas estão recebendo este tipo de ajuda e na realidade não a necessitam, porque têm uma boa posição econó mica ou algum familiar que os pode ajudar". Assegura que o governo português está a analisar estes casos para depois retirar-lhes tais benefícios.

O ASEC-CP é um apoio social a emigrantes carenciados das Comunidades Portuguesas. Destina-se a fazer face a necessidades essenciais e extraordinárias de portugueses e seus familiares que se encontrem, designadamente nas seguintes situações: Vitimas de crime contra a integridade física; de acontecimentos extraordinários, acidentais e de incidência individual; de doença grave que necessite de tratamento urgente, intervenção cirú rgica ou outro, cujos custos não possam ser suportados pelos esquemas locais de protecção social e de saú de; portadores de deficiência ou vítimas de acidente incapacitante, em situação de dependência, que careçam de ajuda técnica para a melhoria das suas condições de vida.

ASIC-CP O ASIC-CP é um apoio social a idosos carenciados das Comunidades Portuguesas. É destinado a portugueses idosos residentes no estrangeiro que se encontrem em situaç ão de absoluta carência de meios de subsistência, não superável pelos mecanismos existentes nos países onde residem. Consiste na atribuiç ão, com carácter mensal, de um subsídio de apoio social, personalizado e intransmissível, destinado a fazer face a necessidades essenciais de subsistência. Os requisitos são: ter idade igual ou superior a 65 anos; residir legalmente, no país de acolhimento; se encontrar em situaç ão de carência; não tenham familiares obrigados à prestaç ão de alimentos ou, tendo-os, estes não se encontrem em condiç ões de lha prestarem.

“ PORTUGAL NO CORAÇAO” O Programa "Portugal no Coraç ão" destina-se a cidadãos portugueses com mais de 65 anos de idade, residentes fora da Europa, e que, por razões de ordem financeira, não visitam Portugal há mais de dez anos. O governo criou este programa para que estas pessoas possam visitar e ver a evoluç ão que tem mudado o seu país de origem. As candidaturas para estes programas devem ser apresentadas nos consulados ou secç ões consulares da área de residência.


CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

PUBLICIDADE | 5


6 | VENEZUELA

CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

Historiador quer ajudar patrimó nio do Marítimo patrimó nio desportivo do clube de futebol luso-venezuelano que está armazenado na sede do Centro Português em Caracas, não é composto apenas por taças e troféus. Existe também todo um patrimó nio documental - formado por livros, fichas de jogadores, panfletos, contratos, facturas, livros de contabilidade que é igualmente valioso e deve ser preservado, segundo a apreciação do historiador Antó nio de Abreu. "Ofereço-me para receber este material documental na minha casa a fim de guarda-lo e pouco a pouco ir restaurando tudo o que está danificado, já que muitos dos livros estão carcomidos, com fungos e alguns estão rasgados". Antó nio de Abreu compromete-se a realizar tudo isto na

O

condição de colocar este material no arquivo histó rico que está em processo para que a comunidade lusa na Venezuela possa legar às gerações vindouras o patrimó nio escrito sobre a equipa Club Sport Marítimo. O historiador apresentou esta proposta a ex-presidente do Marítimo, Mário Pereira, o qual, na qualidade pessoal, disse estar de acordo com a oferta. Mas "o problema de fundo é resgatar o acervo cultural que temos como comunidade", disse. Recordou ainda que são aproximadamente 12 caixas de material bibliográfico que representam um grande contributo histó rico "que nos descreve desportivamente como comunidade". O Centro Português em Caracas fixou como data limite para retirar o patrimó nio desportivo até o pró ximo dia 21 de Julho.

Portugal recebe Olimpíada Iberoamericana de Química Universidade de Aveiro recebe em Setembro a Olimpíada Iberoamericana de Química, um concurso anual entre jovens estudantes de 14 países que se realiza pela primeira vez em Portugal. O evento, agora na sua 11/a edição, destina-se a promover o estudo da química, estimular o desenvolvimento de jovens talentos para esta ciência e fomentar a cooperação, o entendimento e a troca de experiências. Segundo fonte da Universidade de Aveiro (UA), será uma oportunidade para alunos do ensino secundário ou do primeiro ano da universidade dos países visitantes contactarem com colegas portugueses. Permitirá também aos docentes desses países ficarem a conhecer actividades de investigação e divulgação que se desen-

A

rolam em várias universidades portuguesas, por terem sido convidados a participar professores de outros estabelecimentos de ensino superior para além da UA. De acordo com o regulamento da prova, a decorrer de 07 a 15 de Setembro, cada delegação contará com um máximo de quatro estudantes e dois professores, e será acompanhada durante toda a estadia por um aluno português que funcionará como seu guia. No concurso, organizado conjuntamente com a Sociedade Portuguesa de Química (SPQ), participam representantes de Espanha, Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colô mbia, Costa Rica, Cuba, El Salvador, México, Peru, Uruguai e Venezuela, além de Portugal.

Página da Internet estreia fó runs

página da Internet do CORREIO (www.correiodevenezuela.com) disponibilizou para todos os leitores que acedem ao nosso semanário de forma virtual uma nova secç ão de Fó runs. Este espaç o foi desenhado principalmente para dar voz a todos os usuários que visitem o sítio. É uma forma de interacç ão para acentuar a missão do jornal de dar ênfase a todas as preocupaç ões e anseios que merecem ser ouvidas. Por meio dos fó runs poderão enviar opiniões, ideias e sugestões que considerem pertinentes.

A

A discussão estará orientada especialmente para os temas de mais destaque das diferentes ediç ões do CORREIO. A importâ ncia da língua e da cultura portuguesa, os serviços consulares, a importâ ncia de fomentar o turismo português na Venezuela ou o futebol português são alguns dos tó picos de interesse que estarão ao alcance de todos e só pelo esforç o de um clique. Além dos fó runs, a pagina web ampliou também as galerias de fotos sobre diversos tó picos do quotidiano.


CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

publicidade | 7


8 | VENEZUELA

CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

Filhos de El Valle

Os portugueses que chegaram a este popular bairro de Caracas, El Valle, sentem-se bem mas vivem atormentados pela sombra da insegurança Tábita Barrera tabita@correiodevenezuela.com

ituada no sul de Caracas, El Valle é uma zona humilde da capital venezuelana que, segundo reza a histó ria, foi desenvolvida por um português de apelido Ricco e "até meados do século XX, manteve a sua característica de aldeia", de acordo com uma reportagem publicado no El Universal. Um dos sítios mais emblemáticos que a paró quia possui é a igreja Nuestra Señora de la Encarnació n (Nossa Senhora da Encarnação) de El Valle, que teve de ser reconstruída logo apó s a sua destruição por o terramoto ocorrido em 1812. Também a Escola de Artes e Ofícios é um espaço representativo para os habitantes locais, pois constitui um nú cleo de ensino de actividades como a de cabeleireiro, carpintaria, pastelaria e mú sica. Apesar de ser um lugar que conta com transportes pú blicos que têm rotas directas para os lados Este e Oeste de Caracas, assim como um centro comercial bastante concorrido, entre outras coisas, há quem considere que a tranquilidade que existia há uns anos perdeu-se dado o aumento da insegurança em toda a cidade. Não obstante, este factor não foi impedimento para que essas mesmas pessoas tenham carinho pelo territó rio onde residem, especialmente aqueles que viveram em El Valle um processo de adaptação a uma nova pátria, a novos costumes e a uma nova vida.

S

Um lugar para começar de novo

El Valle acolheu alguns portugueses que vieram para a Venezuela à

Algerina Ferreira chegou em 1971 e não voltou mais a Madeira

procura de melhores condições e foi nesta paró quia que viveram um período de adaptação. É o caso de Algerina Andrade Ferreira, natural da Madeira, que chegou a esta terra em 1971 e estabeleceu-se nessa paró quia em 1975, junto com o seu esposo. Está acostumada à zona e assegura sentir-se tranquila. Sobre a insegurança, não tem preocupações de maior. "Enquanto eu não fizer mal a ninguém, ninguém tem razões para me fazer mal". Algerina confessa que não é amiga de todos, mas admite que os seus vizinhos colaboraram muito no seu processo de integração na so-

ciedade venezuelana. "Como em todos os lados, há gente boa e outra que não o é tanto, mas felizmente só tenho contacto com os bons, que me têm ajudado a fazer-me entender. No princípio, foi muito difícil para mim e no entanto sinto que compreendo melhor os venezuelanos do que eles me compreendem a mim". Desde que pisou terras venezuelanas, em 1971, esta emigrante não voltou ao seu país de origem. "Estranho muito a minha terra e gostaria de poder voltar, ainda que apenas de visita". Leonardo de Abreu Santos é outro dos filhos de El Valle. Veio para ali

há mais de 30 anos, proveniente do Curral das Freiras, Madeira, e quando chegou montou a padaria "Los Jardines de Andrea", assim como outros negó cios que tem em Caracas. Gosta de viver em El Valle, porque "não existem muitos problemas e as pessoas são muito agradáveis". Chegou à Venezuela num tempo em que "as coisas estavam muito difíceis" em Portugal. Aqui sente-se bem e inclusive teve a oportunidade de viajar até à sua terra de origem por diversas vezes. Augusta Fernandes de Rodrigues, oriunda da freguesia de Campanário, Madeira, e residente na rua 17 bis de Los Jardines del Valle, admite certa preocupação porque já assaltaram o seu marido por diversas vezes, ao subir as escadas para chegar a casa. "Nó s viemos para a Venezuela porque em Portugal não havia facilidades nem trabalho e saímos também por causa da tropa. Mas lamentamos que aqui, ultimamente, haja muita delinquência. Já estou há 42 anos nesta paró quia e tenho os venezuelanos em muito boa conta, pois na sua maioria são pessoas maravilhosas. Só espero que o problema da insegurança seja solucionado, para que todos possamos viver em paz como antes", disse. Juan Dias, dono da padaria "La Calidad", chegou ao país em 1975, procedente da Madeira. Foi vítima da delinquência por diversas vezes, mas prosperou no seu negó cio. "O problema é que hoje em dia, as coisas estão como que ao contrário. Lá (em Portugal) a situação econó mica parece-me estar mais estável, enquanto que aqui estamos cada vez pior. Gosto desta zona e com os meus vizinhos sinto-me como em casa, mas desejaria que houvesse maior segurança".


CORREIO DE VENEZUELA -DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

VENEZUELA | 9

Documentos ilegais com Dois madeirenses sequestrados em carimbo venezuelano Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) detectou 542 documentos fraudulentos nos primeiros cinco meses deste ano, o que representa um aumento de 22 por cento relativamente a 2005, avançou o Diário de Notícias. De acordo com o jornal, a maioria da documentação ilegal tem o carimbo da Venezuela, Portugal, Itália e de Espanha. O nú mero de documentos fraudulentos, escreve o jornal, tem aumentado desde 2004, ano em que foram detectadas 991 fraudes, subindo para 1.070 em 2005 (mais oito por cento). Este ano prevê-se um acréscimo significativo, já que nos primeiros meses se ultrapassaram os valores do primeiro semestre do ano passado. O Diário de Notícias de Lisboa adianta que o

O

Aeroporto da Portela, em Lisboa, regista mais de 80 por cento das detecções. A estratégia mais utilizada em 2005 para entrar ilegalmente no país é o uso do documento alheio, enquanto que a substituição da fotografia no passaporte é a terceira mais usada. "A utilização do documento alheio teve a ver com a preocupação dos países em tornar a documentação mais segura e ser mais difícil reproduzi-la. E, assim, o mais fácil e até mais seguro é utilizar um documento alheio", explicou ao jornal a inspectora Isabel Baltazar, directora do directora do Departamento de Identificação e peritagem Documental do SEF. O jornal refere ainda que uma em cada duas pessoas com documentos falsos apresenta mais do que um papel ilegal e que os preços praticados no mercado

negro dependem do pacote adquirido. No caso dos Bilhetes de Identidade ou autorizações de residência os preços variam entre 200 e 3000 euros e no que diz respeito a um passaporte pode chegar aos cinco mil euros. A maior parte das situações fraudulentas são detectadas no aeroporto, seguindo depois para o laborató rio do SEF, escreve o jornal. O Diário de Notícias refere que a União Europeia, os Estados Unidos, o Canadá e a Organização Internacional da Aviação Civil, entre outros, têm exigido que os Governos melhorem a segurança dos documentos. Neste sentido, Portugal vai emitir a partir de Setembro o passaporte electró nico português, com um chip, foto e impressão digital.

Tucacas Carlos A. Balaguera

carlosbalaguera@correiodevenezuela.com

s cidadãos madeirenses Abel de Gó is e Jesus Caetano de Andrade, comerciantes, foram sequestrados, em Tucacas, cidade turística costeira, situada a 100 quiló metros de Valência, onde vivem. O sequestro ocorreu depois de os comerciantes terem recebido uma chamada telefó nica de dois homens que alegavam ser compradores que estavam interessados numas reses que os madeirenses tinham à venda. Os primos Jesus e Abel saíram na sua camioneta, no domingo, 2 de Julho, para

O

concretizar a venda, e não regressaram. A camioneta na qual viajavam foi encontrada pelas autoridades na cidade de Bejuma do estado Carabobo, em perfeitas condiç ões. Os sequestrados são donos da Avícola La Granja, da adega La Granja, em Tucacas, estado Falcó n, e de um frigorífico que acabam de comprar na cidade de Moró n, estado Carabobo. Familiares e amigos encontram-se preocupados, já que os sequestradores, até à data, não comunicaram. Também a restante populaç ão aguarda com preocupaç ão, pois estes dois madeirenses são muito apreciados nesta zona costeira.


10 | venezuela

CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

Mamoplastia: seios maiores, melhor auto-estima António Carlos da Silva F. antoniodasilva@correiodevenezuela.com

a Venezuela, uma das principais características que define a sensualidade da mulher é a forma e o tamanho dos seus seios. Por isso, a mamoplastia já é há muito tempo uma cirurgia muito popular, que não só melhora a beleza do peito, mas também ajuda a melhorar a saú de. Há traumas físicos e psicoló gicos que podem ser corrigidos com a mamoplastia, cirurgia que não só é usada para conseguir uns seios voluptuosos, mas que também permite reduzi-los a um tamanho mais estético e saudável. "Através da mamoplastia de reduç ão, pode-se diminuir as dores nas costas e ombros, que aparecem quando o corpo sustém uma grande quantidade de peso. A paciente também consegue diminuir, teoricamente, as suas probabilidades de sofrer de cancro de mama, já que uns seios mais pequenos reduzem os riscos de sofrer da dita patologia", expli-

N

cou Sandra Tristano, cirurgiã plástica, que recebeu o "Bisturi de Ouro" 2005, da Cruz Vermelha Venezuelana.

As razõ es esté ticas nã o sã o menos importantes

Liliana da Silva é uma jovem luso-descendente profissional da Comunicação Social e modelo. Há uns anos, como muitas jovens venezuelanas, embarcou no sonho de converter-se na Miss Venezuela, participando no concurso que já proporcionou ao país várias coroas a nível internacional. É prática quase obrigató ria para as candidatas fazer a mamoplastia para aumentar o tamanho dos seios, e Liliana não fugiu à regra. Concordou desde o início com os organizadores e fez a cirurgia, decisão da qual não se arrepende: "No começ o, era um tabu fazer-se esta operaç ão, mas quando eu fiz o implante, já era uma prática tão comum, que ninguém ficou surpreendido com isso". A operação tem ajudado Liliana a conseguir uma figura muito mais sensual, fundamental para se afirmar no competitivo mundo

da moda. Outras jovens luso-descendentes recorrem à mamoplastia também por razões estéticas e pessoais. Susy Agrela, estudante de 22 anos, fez a operação há quatro anos, "para melhorar o meu visual e mudar a minha imagem e a forma do meu corpo. Consegui de imediato mais confiança e auto-estima". Também está convicta de que foi uma boa decisão fazer a operaç ão, que lhe trouxe muita mais seguranç a. Como qualquer inter-

Susy Agrela, estudante de 22 anos, fez a operaç ã o há quatro anos, "para melhorar o meu visual e mudar a minha imagem e a forma do meu corpo. Consegui de imediato mais confianç a e auto-estima". També m está convicta de que foi uma boa decisã o fazer a operaç ã o, que lhe trouxe muita mais seguranç a. venç ão cirú rgica, a mamoplastia também tem alguns riscos para a paciente. Karina da Costa, apresentadora de televisão na Meridiano TV, fez a operaç ão aos seios há dois anos e meio por razões estéticas: "Eu tinha um busto de bom tamanho mas engordei e emagreci abruptamente num curto período de tempo e os meus seios ficaram mais pequenos, não conseguia encher as camisolas nem o fato-de-banho, eu, que sempre tive uns seios bonitos!". Karina decidiu então fazer a mamoplastia para recuperar o tamanho dos seus seios e voltar a sentir-se bem consigo pró pria e com a sua imagem. Porém, surgiu uma com-

plicação inesperada: Parte do líquido linfático não foi convenientemente drenado do seu seio direito, fazendo com que a pró tese colocada "encapsulasse", ou seja, foi ficando cada vez mais dura. Teve que receber uma série de massagens com ultra-sons para recuperar o seu estado ideal. Apesar desta complicaç ão, Karina não tem dú vidas em afirmar que "estou super feliz e recomendo a operaç ão a qualquer mulher que não se sinta bem com a forma e o tamanho dos seios. Eu agora sinto-me mais bonita e feminina, o que se traduz em muita mais confianç a. Gosto muito de como fiquei depois da intervenç ão."


CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 JULHO DE 2006

VENEZUELA | 11

Lei anti-extorsão e sequestro gera controvérsia Tá bita Barrera tabita@correiodevenezuela.com

pó s a aprovação, em sede de primeira discussão, da lei anti-extorsão e sequestro, a qual está a ser trabalhada pela Comissão de Política Interior da Assembleia Nacional, e que contempla, entre outras aspectos, o bloqueio das contas bancárias das vítimas de tais delitos, produziram-se vários pronunciamentos contra este instrumento legal. O advogado Felipe Pereira manifestou a sua discordâ ncia com o documento, explicando que impedir uma pessoa o movimento do seu dinheiro, só poderia limitar a ú nica possibilidade de deixar com vida a alguém num caso de sequestro. "Só gostava de saber como vão fazer as personalidades do Governo Nacional se alguma vez, Deu não o permita, passem por uma situação assim. Pergunto-me

A

se para eles não vai existir esta lei ou sim vão ficar à espera que matem os seus familiares, que é o que penso que poderia ocorrer se se aplica esta legislação", disse o causídico, observando que "no final somos nó s os mortais que pagamos as consequências" pelo que se deve "deixar às pessoas tomar essa opç ão de vida, pois talvez é esta a ú nica coisa que

têm". Pelo mesmo diapasão alinha Maribel Celis, também advogada, para quem o que pode acontecer é que "o sequestrador fique chateado por se lhe estar a dizer que se tem as contas congeladas e que não se pode movimentar dinheiro para pagar o resgate e nos mande resolver de qualquer maneira e daí resulte

uma ameaç a pior". No entanto, assegurou que o melhor é esperar que esteja pronta para saber verdadeiramente como funcionará a lei. O advogado Daniel Veneras considera que esta acç ão "prejudica o processo, porque uma vez que se proceda ao congelamento das contas, os sequestradores poderão matar os reféns e em vez de diminuir os sequestros, o que poderia suceder é que aumentem as matanç as". Disse ainda que se deviam criar mais canais de informação para que as pessoas possam denunciar e perder o medo, assim como garantir a protecção de testemunha. Por outro lado, Juan José Molina, vice-presidente da Comissão de Política Interior e um dos redactores da legislaç ão que está "debaixo de fogo", explicou que o documento ainda se encontra em fase de consulta e a equipa de assessoria reú ne diariamente para apresentar o relató rio definitivo ao Conselho de Discussão Permanente.

Está de acordo com o que defende a lei anti-extorsão e sequestro ao ní vel do congelamento das contas dos familiares das ví timas?

Eduardo Hernández Bancário

Mark Friedman Músico

Inés de Pereira Doméstica

Manuel Pereira Empresário

"Isso poderia entorpecer as negociaç õ es e a libertaç ã o dos sequestrados, porque congelar a conta de uma pessoa impede que possam recolher dinheiro para pagar o resgate. Nã o estou de acordo com esta lei e nã o creio que funcione se se aplica assim".

"Estou totalmente de acordo, porque tem ló gica estraté gica para se conseguir cegar aos culpados por esses delitos. Com os casos ocorridos na Venezuela recentemente, como o caso Fadoul e Sindoni, creio conveniente tomar qualquer acç ã o que evite que essas coisas que mancham a paz e a dignidade da sociedade continuem ocorrendo. Inclusivamente, creio que se devem tomar medidas mais fortes".

"É muito difí cil saber o que pode ocorrer se se toma esta medida, porque é possí vel que os familiares dos sequestrados, para nã o dificultar o processo, acabem por nã o se dirigir à polí cia e resolver as coisas sozinhos. No entanto, sem dú vida, estou de acordo com a aplicaç ã o de um mecanismo que acabe com a extorsã o e o sequestro, porque faz falta na Venezuela".

"Estou em desacordo. Esse projecto é totalmente negativo. Se te sequestram a algué m da tua famí lia, tu fazes seja o que for para resgatá -lo, mas se te congelam as contas, será mais complicado. Penso que isso vai contra os direitos das famí lias. Nã o deveriam meter-se com o dinheiro dos outros, porque é privado e creio que sempre há que acudir à polí cia e se há que pagar, paga-se. Creio que essa lei deveria ter um voto de censura".


12 | HISTÓRIA DE VIDA

CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

João Carlos Alves de Freitas: Venezuela foi o paraíso depois da guerra

uem o conhece pela primeira vez pensa que tem mais idade, mas quando começa a contar anedotas sobre a sua vida a juventude apodera-se dele. João Carlos Alves de Freitas nasceu em Santo Antó nio da Serra, Concelho de Machico, Madeira, onde levava uma vida normal até que foi chamado para combater em Angola. Tinha 31 anos e isto aconteceu no ano de 1973. Esteve integrado no batalhão de 49-12, Terceira companhia do 3º grupo,

Q

destacado na cidade de São Salvador, na fronteira com o Congo. Foi uma experiência ú nica e agradece a Deus por lhe ter salvado a vida no meio do combate, pois viu muitos dos seus companheiros cair feridos. Teve que percorrer 75 km num treino de montanha durante oito dias para se proteger dos ataques dos guerrilheiros, passando entre minas e guardas onde, em várias oportunidades, foi emboscado. Tem como recordação viva no seu corpo duas tatuagens. A primeira

figura é de um "fall", que tem escrito "Devo-te a vida". A outra é o mapa de Angola que encerra com a frase: "Sangue, suor e lágrimas", com as datas que esteve em combate, 197375. Quando terminou a guerra, regressou à Madeira e depois decidiu vir para a Venezuela, onde esperava esquecer o passado e começar uma nova vida. Ouvia dizer que era um grande país para florescer e ganhar dinheiro. Viajou para a Venezuela no primeiro avião da linha TAP. Depois de ter passado por períodos de pobreza, angú stia e fome "despertou" do pesadelo ao chegar a Maiquetía. Ao ver tantas casas humildes pensou que não era certo o que via, já que chegou ao país crioulo com uma ideia de riqueza e estabilidade econó mica. Chegou a Caracas e hospedou-se em casa de um irmão que vivia em Catia. O seu primeiro trabalho foi de "lunchero" e manutenção na "lunchería Guante", na avenida Urdaneta, esquina de Barra com Pelota, em Caracas. Pouco tempo depois tornou-se no encarregado da mesma até 1982. Viajou para o estado Sucre, na

população de Cariaco, onde se estabeleceu como proprietário de um negó cio. Tudo decorria com normalidade e a vida sorria-lhe um futuro feliz até que sucedeu o terramoto de 1997. Alves recorda com muita tristeza que era o dia 7 de Julho, pelas 3:25 da tarde, quando o tremor sacudiu a cidade. Durou quase 8 segundos mas tudo o que havia levantado em 20 anos caiu em ruínas, tal como todo o resto no sector. Ainda assim conseguiu salvar algumas vidas e resgatar pessoas que tal como ele ficaram sem nada. Ainda é solteiro. Não teve sorte com o amor. Apesar de não ter um lar e uma família formada, João Carlos aconselha os jovens

de hoje para a aproveitarem as oportunidades que a vida lhes oferece, tal como ele fez, já que foram muitos os emigrantes que passaram por diversas vicissitudes para conseguir o que agora têm. Apesar da sua idade, diz que os jovens não devem deixar passar o amor verdadeiro e fazer as coisas com responsabilidade e respeito aos que os antecederam. Agora vive em Puerto la Cruz e sempre se recorda da Madeira, terra onde nunca mais voltou. Com a idade de 54 anos está trabalhando como empregado, como nos primeiros tempos quando chegou à Venezuela, com o consolo de poder partilhar alguns tempos de felicidade com alguns familiares que vivem na zona.


CORREIO DE VENEZUELA -DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

PUBLICIDADE | 13


14 | CULTURA

CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE DE 2006

Lisboa popular

BREVES

As marchas que se realizaram por toda a cidade em honra dos santos passaram a ser um sí mbolo da identidade, cultura e unidade lisboetas.

Sandra Rodrí guez

m Junho, mês dos santos populares, Lisboa esteve em festa. As ruas encheram-se de cor, com adornos para acompanhar a mú sica e as barracas com as típicas sardinhas, ficam repletas de turistas e residentes que celebram o acontecimento. Mouraria, Graça, Alfama, Ajuda, Bairro Alto e Castelo: Em pleno coração da capital portuguesa, realizam-se as Festas de Lisboa. Durante todo o mês, a cidade anima-se com os tradicionais arraiais e vários espectáculos, protagonizados por nomes reconhecidos do panorama musical português. Dulce Pontes, Mísia, Maria da Fé, Cristina Branco, Rodrigo Leão, Antó nio Chainho, Mafalda Veiga, Aldina Duarte

E

e Katia Guerreiro são alguns dos nomes que, ao som das guitarras, nos espaços do castelo de São Jorge, participaram na denominada "Festa do Fado", que vai na terceira edição. É importante sublinhar que estas mostras de fado são produzidas no â mbito da candidatura do género musical a patrimó nio da UNESCO. Daí o interesse de expansão e experiência de fusões artísticas, sem perder nunca a pureza que o fado encerra. Cerca de 25 associações, grupos e/ou academias participaram nas marchas populares de Lisboa que se levaram a cabo nos primeiros dias do mês, no Pavilhão Atlâ ntico. A origem das marchas populares remonta ao ano de 1932, concretizando uma ideia original do promotor cultural e realizador de cinema José Leitão de Barros. Depois do sucesso

popular, regressam em 1934, como Festas da Cidade, estabelecendo como ponto central a celebração dos santos populares. Doze bairros, cada um com uma marcha, ataviados com trajes e mú sicas típicas, desfilam pelas ruas da cidade. Organizadas pela Câ mara Municipal de Lisboa e com a colaboração da EGEAC (Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural), as marchas passaram a ser, passados anos, um símbolo da identidade cultural e unidade lisboetas. De acordo com o site holandês "Local Festivities", estas Festas de Lisboa encontram-se entre os 50 melhores festivais europeus, competindo com as Festas de Abril, em Sevilha, ou com as Festas de São Isidro, em Madrid, importantes manifestações culturais do continente europeu.

Quatro interessados pela guitarra portuguesa Os cursos de guitarra portuguesa já estã o abertos, no Centro Portuguê s de Caracas (CPC), segundo informou Manuel dos Santos, responsá vel pelo departamento de Cultura da associaç ã o. Até ao momento, apenas quatro pessoas fizeram a inscriç ã o. Trê s sã o jovens entre os 12 e os 14 anos, e uma mulher com mais de 30 anos. A inscriç ã o é gratuita e todos os que desejem aprender a tocar este instrumento podem inscreverse na secretaria do clube. As aulas vã o decorrer aos sá bados e domingos, das 4 à s 6 da tarde. Santos diz que até agora houve pouca participaç ã o dos jovens e faz um apelo a todas as pessoas que desejem aprender para que participem nas aulas, "já que nã o existe, na Venezuela, gente que toque este instrumento". As aulas serã o dadas pelo professor Evaristo Vieira, guitarrista profissional e um dos poucos que toca guitarra portuguesa. Por seu turno, o responsá vel do CPC pela Cultura sublinhou que tanto só cios como convidados podem inscrever-se, porque "nã o é discriminató rio". Por forç a dos eventos realizados no â mbito do Mundial, as aulas de guitarra portuguesa estã o marcadas para a segunda semana do mê s de Julho.

Entrega de diplomas de portuguê s No dia 8 de Julho passado, no Salã o Nobre do Centro Portuguê s de Caracas foram entregues, pela primeira vez, os diplomas aos alunos que participaram, este ano, nas aulas de Portuguê s. Este curso é assegurado por alguns professores desta disciplina, entre os quais David Pinho e Cé lia Mendes. Nesse mesmo dia, houve lugar a uma cerimó nia em honra dos alunos, onde um conjunto musical tocou guitarra portuguesa e os graduandos exporam diversos temas e interpretaram música lí rica portuguesa. Pinho referiu que, a partir deste curso, "vai ser atribuí do um trabalho de investigaç ã o aos melhores alunos, trabalho que vai ser integrado na biblioteca do clube, para futuras consultas". "Queremos demonstrar que as pessoas que estudam a lí ngua de Camõ es no Centro Portuguê s sã o aplicadas, que querem aprender e nã o vê m passar tempo dentro de salã o", disse ainda aquele professor.

Festival da Canção reú ne 49 cantores amadores Carlos A. Balaguera carlosbalaguera@correiodevenezuela.com

O VI Festival da Canção da Feceporven, federação que reú ne os centros lusos do país, vai ser levado a cabo na cidade de Acarigua Araure, no Centro Luso-venezuelano desta cidade, no pró ximo dia 15 de Julho. Este evento nasceu para divulgar a mú sica portuguesa e venezuela-

na, e é por isso que todos os anos, cada centro luso se esforça por apresentar as suas melhores vozes amadoras. O festival veio crescendo a cada edição. No ano passado, apresentaram-se 40 participantes e esta VI edição conta com 49 participantes dos 16 centros portugueses. A directora do Festival da Canção, Fátima Pontes, relata como nasceu esta iniciativa. "O primeiro festival da canção da Feceporven foi composto por 25 participantes

dos diferentes centros lusos do país. Realizou-se na Casa Portuguesa de Maracay e hoje em dia é considerado como um dos melhores divulgadores de talentos a nível nacional". Como exemplo, nomeou as meninas Jennifer Neves Lopes e Carla da Conceição, do Centro Luso de Caracas; falou também de Sanger Xavier Nelo Pérez, de Acarigua, que depois deste festival saltou para a fama a nível nacional. Pontes disse que este ano há o

apoio da junta directiva do Centro Social Luso-venezuelano de Acarigua, presidido por Antó nio Pérez, e destacou que pela primeira vez o evento se vai apresentar ao ar livre, na "concha" acú stica do dito centro. O Festival da Canção da Feceporven está sob a direcção de Marcelino Canha, presidente da federação, Fátima Ponte, Rosário da Silva, Horácia Vieira, Zoraida Mendes, Granito Carmelina e Leonel Moniz.


CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

CULTURA | 15

Juventude cantou a Lisboa A tertúlia cultural organizada pelo Instituto Português de Cultura chegou a sua décima jornada décima tertú lia cultural, organizada pelo Instituto Português de Cultura, foi dedicada a Lisboa. O Salão Nobre do Centro Português, em Caracas, acolheu pela primeira vez este encontro cultural que mudou do bar "A Nau", onde era costume realizar-se a tertú lia, por um espaço maior dada a quantidade de pessoas que nos ú ltimos meses se associaram à iniciativa para gozar de uma boa mú sica e de um bom copo de vinho. Por ser a décima edição, reuniram-se todos os que participantes das tertú lias anteriores

A

Andrea

Elitza

para um reencontro. O "sangue jovem" foi a nota marcante da tertú lia. Crianças e jovens cantaram a Lisboa, numa noite onde predominou o fado. Daniel Morais, director do IPC, disse - referindo-se as tertú lias - que tem sido 10 jornadas intensas. "Comparar a primeira com a décima é um orgulho". Agradeceu o espírito de fraternidade, entendimento, harmonia, amizade e colaboração que tem existido entre os membros do IPC para lograr estes encontros culturais". Destacou especialmente o trabalho de Betty Rodriguez e de Pérez Re-

Carlos

belo, como incansáveis organizadores das tertú lias. A primeira parte do serão esteve a cargo do talento infantil com a participação do Coro infantil, o Grupo de Flauta Doce, e as interpretações individuais de Elitza, Andrea, Carla e Luisana; todas estudantes de fado do Centro Luso de Caracas. O talento jovem mostrou-se nas vozes de Carlos Orellana, Carina, e Jonathan. Também estiveram presentes o Grupo Tradição, O grupo Danças e Cantares e o Grupo Juvenil do Centro Português que despediram aos presentes com alegria.

Luisana

Carla

Jonathan

Angélica Fernández realiza primeiro desfile Derlys Melim derlysmdc@hotmail.com

designer de moda Angélica Fernández, que já trabalhou com os designers venezuelanos Ángel Sánchez e Margarita Zinng, apresentou o seu primeiro desfile oficial no passado dia 4 de Julho, no Weeding Festival 2006, que decorreu no hotel Eurobuilding. Com propostas frescas e dinâ micas, esta colecção foi inspirada na Natureza e foi dedicada às noivas. As cores da bandeira de Portugal - o verde, o amarelo e o vermelho - estiveram presentes nalguns modelos, em especial nos vestidos das acompanhantes da noiva e nos vestidos para a cerimó nia civil. "Parece-me que o matrimó nio, mesmo civil, é um momento mui-

A

to especial para todas as noivas, e creio que é importante que este tenha impacto, e isso é o que trato de fazer com os meus vestidos e as cores que utilizo", disse Fernández, que participou recentemente no V Encontro de Gerações. Os vestidos apresentados para a cerimó nia nupcial mantiveram a tradição, pois foram utilizados tons claros com encaixes e pedrarias. Os acessó rios que as modelos apresentaram foram também criação desta designer. Foi dada muita importâ ncia às flores e às cores vivas, dando ênfase à frescura. A mú sica deu um toque especial ao desfile, pois foram tocadas mú sicas portuguesas como "Apita o comboio", "A uma mú sica no povo", entre outras. Esta foi uma ideia da designer, para deixar claro quais são as suas origens.


16 | LAZER

CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

D´ zrt originais De acordo com Cifrã o, a vida na estrada e nos aviõ es nã o é difí cil porque "quem corre por gosto nã o cansa e por isso somos as pessoas mais felizes do mundo" Sandra Rodrí guez Olgaria6@yahoo.com

esde o dia 6 deste mês que a banda portuguesa D´ZRT conta com novo álbum. "Original" é o nome do segundo trabalho discográfico deste fenó meno musical nacional, que alcançou seis discos de platina pelas vendas do seu primeiro CD e já encabeça o top nacional de vendas. "Esta produção é mais nossa, tentámos criar um estilo original e inovador, com o qual o pú blico se identifique. Acho que para sermos verdadeiros temos de fazer aquilo que nos vem de dentro. Aquilo que está no CD novo é aquilo que nó s queríamos fazer e transmitir", afirmou Paulo Vintém, conhecido artisticamente por Topê. Para Cifrão (Vítor Fonseca), que escreveu várias das letras, este novo CD é uma evolução e o resultado de cada um dos elementos. "É uma mistura de quatro influências em cada mú sica. De certa forma, a nossa maturidade está representada naquela caixinha", acrescentou. "Este segundo CD é como se fosse o nosso primeiro bebé, tivemos mais tempo para compor, escrever e produzi-lo. Está ali muito da nossa cara", destacou Angélico, outro elemento da banda dos "Morangos".

D

O amor em grande magnitude, a força de vontade, os desgostos amorosos e as tristezas, a alegria da vida, a luta pelos sonhos, e a família que constró em na estrada, com os fãs, com as pessoas que vão aos concertos, com a equipa de trabalho, etc., são os temas nos quais se baseiam as letras e as mú sicas da banda portuguesa e que procura a identificação de qualquer pessoa que oiça as melodias. Angélico destacou ainda que existem muitas pessoas no meio que dificilmente dão o voto de confiança, porque a banda apareceu primeiro na TV. "Há gente que pensa que, como saímos da ficção, não somos uma banda a sério, mas a verdade é que temos vindo a provar que não somos uma banda de brincadeira, fazemos os espectáculos ao vivo e a sério". O mais recente exemplo foi no Rock in Rio-Lisboa 2006, onde o grupo esteve encarregado da abertura do espectáculo e mostraram as novas mú sicas que fazem parte da sua nova produção. "É um evento grande, ao nível de artistas e da organização. Todos os olhos iam estar centrados na inauguração, e depositaram a confiança nos D´ZRT para essa abertura; são estas pequenas coisas que vão dando consistência ao nosso grupo", revelou Sandro Angélico. Falando da estabilidade da banda e da possível desintegração da mesma, os jovens foram directos na resposta. "Isso é o que toda a gente esperava que

acontecesse... que ao sairmos da série, os DZRT acabavam-se mas, desde o início, dissemos logo que não era isso que ia acontecer. Já não vamos fazer parte da série de Verão dos "Morangos" porque o nosso CD está aí e temos muitos concertos por Portugal inteiro nesta altura", destacou Topê. Se tudo correr bem, para o fim do ano voltam à Região e em 2007 apresentarão o seu terceiro trabalho. "As vendas são importantes, mas não é o nosso principal objectivo. "Original" vai vender o que tiver que vender mas acima de tudo é nosso e é verdadeiro", expressou Paulo Vintém.

Jardim, Abreu e Lima brilham na passerelle Carlos Orellana corellanacorreio@hotmail.com

IV Festival Italiano decorre em terras venezuelanas até o 31 de Julho, uma iniciativa que procura incrementar o intercâ mbio comercial entre as duas nações. A moda não podia faltar neste importante evento, pelo que se realizou uma gala inesquecível. Ao melhor estilo das passerelles de Milão, o Caracas Hotel Palace converteu-se, no cenário de apresentação das colecções PrimaveraVerão 2006 do famoso designer Alessandro Consiglio e da prestigiosa marca Max Mara. No desfile destacaram-se três modelos luso-descendentes, que têm ascendido cada vez mais no mundo da moda no país. Trata-se de Jessica Jardim (Miss Aragua 2004), Myriam Abreu e Shanon de Lima, impecáveis numa gala que reuniu personalidades importantes do mundo da moda. O tema sob o qual se exibiram as diversas propostas foi "A Nova Cara do Ocidente", deixando antever a evolução da moda italiana e da qual

O

os convidados puderam desfrutar. Os mais calorosos seguidores da moda italiana na Venezuela não perderam a oportunidade de desfrutar da imponente criatividade e uso insó lito dos materiais que são marca distintiva do designer romano, que se inspirou no conceito de "femme fatale" para a sua colecção. Entre as suas peças de alta-costura mais importantes pô de-se observar um traje confeccionado com fitas de VHS e uma peça feita a partir de globos negros. Esta não é a primeira vez que Consiglio utiliza materiais insó litos nas suas criações, já que em anos anteriores utilizou madeira, papel higiénico e cigarros. Dentro do festival italiano, a moda é um importante elemento que não pode ficar de fora e é por isso que, ano apó s ano, os organizadores esmeram-se para mostrar o trabalho dos mais destacados representantes das tendências "prêt-a-porter" e alta costura de Roma e de Milão. É, definitivamente, uma iniciativa que deveria ser levada a cabo também pela comunidade lusa, já que Portugal tem muitos talentos no que se refere à moda.


CORREIO DE VENEZUELA -DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

PUBLICIDADE | 17


18 | PORTUGAL

CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

breves Seis detidos por tráfico Batalha quer escolas

Familiares acusados

Seis portugueses foram detidos no Perú por tráfi co de droga nos últimos dois meses, encontrando-se actualmente nas prisões peruanas um total de 16 portugueses, revelou à Lusa fonte da Embaixada de Portugal em Lima. Todos os detidos estão acusados do crime de tráfico de droga e são na maioria homens (há apenas três mulheres).

O Ministério Público (MP) acusou os familiares de um aluno da escola básica do primeiro ciclo nº77, no Lumiar, que agrediram em Junho duas professoras daquele estabelecimento de ensino. O inquérito instaurado pelas agressões a dois professores “terminou com dedução de acusação” e durou menos de um mês a concluir.

A Câmara da Batalha anunciou que vai transformar algumas escolas primárias desactivadas em centros de convívio e de apoio a idosos do concelho, compensando as lacunas existentes nesta área. É uma das medidas definidas pela autarquia para resolver os problemas encontrados pelo Diagnóstico Social do Concelho.

Cancro da pele aumenta Estima-se que em Portugal a incidê ncia de melanoma seja de oito novos casos por 100 mil habitantes por ano.

Os dermatologistas defendem que a exposição ao sol deve ser lenta e progressiva.

incidência de cancros de pele está a aumentar em Portugal e, em mais de 90 por cento dos casos, a doença está relacionada com o passado de exposição exagerada ao sol, segundo dados oficiais. Actualmente estima-se que em Portugal a incidência de melanoma - cancro de pele mais temível - seja de oito novos casos por 100 mil habitantes por ano (cerca de 800 casos por ano), segundo os dados do rastreio anual efectuado pelo Instituto Português de Oncologia (IPO) Francisco Gentil, em Lisboa. Os dermatologistas defendem que a exposição ao sol deve ser lenta e pro gressiva e sempre acompanhada de cremes de protecção solar e chapéu, sobretudo e m dias quentes, como tem acontecido desde sábado em territó rio nacional. Sexta-feira a Direcção-Geral de Saú de alertou para os

A

perigos do calor devido ao aumento de temperaturas previsto para o fim-de-semana e desde sábado q ue o índice de raios ultravioleta está em níveis muito altos, aumentando o perig o de queimaduras e, consequentemente, de cancro de pele. Os dermatologistas aconselham o uso de um creme com factor de protecção igual ou superior a 30 e que se evite a exposição directa ao sol dos bebés e das crianças até três anos. A directora do serviço de pediatria do Hospital Garcia de Orta, Ana Jorge, recomenda que as crianças até aos dois anos de idade vistam uma roupa larga e fresca, além da utilização do creme e do chapéu. Nesta faixa etária, o período entre as 12:00 e as 16:00 deve ser de interdição de exposição ao sol. Por sua vez, o pediatra Mário Cordeiro considera mesmo que colocar crem e protector é uma “ medida vulgar” , mas salienta que os pais nem

sempre administr am essa protecção da melhor forma. Mário Cordeiro exemplifica alguns hábitos errados, como colocar o prote ctor apenas quando a criança chega à praia, o que nem sempre é eficaz, pois algu ns produtos demoram tempo a fazer efeito. Mais, a pele deve ser protegida sempre que há exposição ao so l, o que implica a colocação de creme em todas as circunstâ ncias e não só na pra ia, disse. O rastreio gratuito de cancro de pele começou em Portugal há 18 anos e, segundo Abel Amaro - director do departamento de dermatologia do IPO de Lisboa e coordenador da campanha -, “ tem aumentado todos os anos, em termos de hospita is aderentes e de pessoas que fazem o exame” . Quem deve fazer o exame gratuito à pele são pessoas de pele clara ou com dificuldade em bronzear, com muitas sardas, que tenham antecedentes

3.500 pipas de vinho A Região Demarcada do Douro vai transformar em Vinho do Porto 123.500 pipas em 2006, significando um aumento de 3.500 pipas em relação à última colheita, anunciou o Instituto dos Vinhos do Porto e Douro. A quantidade de vinho a beneficiar na próxima colheita, que se inicia em Setembro, foi definida pelo Conselho Interprofissional do Instituto.

Mais de 40 graus no Alentejo s termó metros ultrapassaram segunda-feira a “ barreira” dos 40 graus centígrados no Alentejo, com os serviços de saú de a registarem, desde os ú ltimos dias, alguns casos de desidratação sem gravidade e considerados habituais para a época. Fonte do Instituto de Meteorologia (IM) disse à agência Lusa que os “ escaldantes” 40 graus foram ultrapassados em Amareleja (concelho de Moura), no interior alentejano e tradicionalmente a localidade mais quente do Alentejo. De acordo com os dados provisó rios do IM, outras localidades do Alentejo rondaram hoje a “ barreira psicoló gica” dos 40 graus centígrados, como Mértola, Estremoz ou Elvas. Entre os seis distritos classificados hoje com o “ alerta laranja” , de risco

O

moderado a elevado para a saú de, contam-se os três do Alentejo (Évora, Beja e Portalegre). As urgências do Hospital de Beja receberam hoje um idoso em desidratação, depois de três outros terem dado entrada no fim-desemana com idênticos problemas de saú de, adiantou à agência Lusa a assessora de imprensa da unidade, Graça Fortunas. Trata-se “ casos habituais para a época e sem gravidade” , explicou a mesma portavoz.

Lisboa e Madrid criam portal ortugal e Espanha vão criar um portal conjunto para disponibilizar informação sobre as negociações bilaterais relativas aos rios internacionais, entre outro assuntos, anunciou o presidente da Comissão para Aplicação e Desenvolvimento da Convenção de Albufeira (CADC). Santa Clara Gomes falava apó s a VII reunião plenária do CADC e adiantou que se pretende disponibilizar o máximo

P

de informação ao pú blico ainda este ano. “ Nada é secreto” , frisou o embaixador, comentando acusações da associação ambientalista Quercus sobre a “ falta de transparência e o silêncio perante o resto da sociedade que tem sistematicamente marcado a área dos recursos hídricos entre Portugal e Espanha” . “ Queremos ter o máximo de transparência na cooperação luso-espanhola” , garantiu Santa Clara Gomes.


CORREIO DE VENEZUELA -DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

PORTUGAL | 19

Cavaco atento à violência doméstica O

Presidente da Repú blica, Cavaco Silva, iniciou ontem uma visita de dois dias pelo Norte do país dedicada às crianças em risco e violência doméstica, uma realidade “ preocupante” em Portugal. Nesta segunda etapa do Roteiro para a Inclusão, estarão em evidência os bons exemplos do que já se faz, mas o objectivo é também avaliar os problemas d o abandono, maus-tratos e negligência sobre crianças, afirmou uma fonte da Presi dência da Repú blica. Nesta área faltam instituições e as estatísticas oficiais “ pecam por de feito” até porque, acrescentou a mesma fonte, em relação a muitas das situações “ não é possível traduzir o fenó meno em nú meros” . A escolha de concelhos nortenhos é justificada com o facto de esta ser a zona do País onde “ é maior a taxa de fertilidade e natalidade” . O Roteiro dedicado às Crianças em Risco e Violência Doméstica, rodeado de cautelas excepcionais para não expor crianças ou mulheres vítimas de maus-tra tos, teve início ontem de manhã, em Valongo, com uma visita ao Centro d e Apoio à Vida do concelho, que presta apoio a jovens grávidas. Em Matosinhos, Cavaco

O

Meio milhão de euros

O Governo português entregou às autoridades guineenses meio milhão de euros para ajudar nos preparativos da VI Cimeira da CPLP, disse à Agência Lusa o conselheiro político da Embaixada de Portugal em Bissau.

Antiga escola militar O PS/Lisboa vai propor à autarquia que rejeite alterações ao Plano Director Municipal que permitam transformar os terrenos do antigo quartel da Escola Prática de Administração Militar, no Lumiar, em área de habitação colectiva ou comércio e serviços.

Mortes na Guarda O presidente da Associação Nacional dos Bombeiros Profissionais (ANBP) exigiu ao Governo que sejam identificados os responsáveis pela morte dos cinco sapadores chilenos e de um bombeiro português, domingo, em Famalicão da Serra, Guarda. Chefe de Estado dedica atenção a uma realidade “preocupante” em Portugal.

assistiu a uma apresentação dos programas e instituições de apoio à criança, na qual participam, entre outros, o presidente da Comissão Nacional de Protecção das Crianças e Jovens em Risco, Armando Leandr o. A comitiva presidencial seguiu depois para a Pó voa de Varzim, onde o Che fe de Estado se desloca ao centro de acolhimento de crianças em risco “ O Regaço” , da Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), uma instituição dedicada aos jovens dos qua tro até aos 16 anos, que se distingue pelos

apoios privados que recebe. Cavaco Silva desloca-se depois ao Porto para conhecer os projectos muni cipais em curso destinados a combater a exclusão, bem como dos programas e insti tuições que apoiam as vítimas de violência doméstica. Além do presidente da Câ mara do Porto, Rui Rio, participam na sessão El za Pais, da Estrutura de Missão Contra a Violência Doméstica, Manuel Ferreira An tunes, da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), e o tenente-coronel Al bano Pereira, chefe

de investigação criminal do comando da GNR. O primeiro dia do roteiro presidencial termina no Marco de Canavezes, c om uma homenagem às vítimas de violência doméstica, que inclui a inauguração de uma escultura no átrio da Igreja local, do arquitecto Siza Vieira, e uma missa c elebrada pelo bispo do Porto, D. Armindo Lopes Coelho. O segundo dia do roteiro tem início hoje, com uma visita ao Centro de Apoio Familiar Pinto de Carvalho, em Oliveira de Azeméis.

Passo para a sustentabilidade primeiro-ministro, José Só crates, afirmou segundafeira que o acordo de princípios celebrado entre o Governo e os parceiros sociais so bre a reforma da segurança social constituiu um passo “ relevante” para garantir a sustentabilidade do sistema pú blico. “ Este acordo é um passo muito relevante porque garante a sustentabilida de e credibilidade do sistema pú blico de Se-

breves

gurança Social” , sustentou José Só cra tes, numa nota enviada à agência Lusa. O Governo socialista e os parceiros sociais estabeleceram um acordo de princípios sobre as linhas estratégicas para a reforma da segurança social, mas esse consen so não teve o aval da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP-IN) . A discussão aprofundada das várias matérias relativas à reforma vai con

tinuar em sede de concertação social com vista à obtenção de um acordo global qu e assegure a sustentabilidade da segurança social, cuja legislação o Governo pre tende que entre em vigor no início do pró ximo ano. De acordo com o primeiro-ministro, o entendimento alcançado “ cumpre o seu objectivo fundamental: assegurar, no presente e no futuro, as pensões dos portugueses” .

“ Felicito, por isso, todos aqueles - Governo, parceiros patronais e sin dicais - que se empenharam na sua concretização” , acrescenta o primeiro-ministro. Por sua vez, o ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, José Antó nio Vieira da Silva, considerou que foi atingido um patamar muito importante para assegurar a sustentabilidade do sistema da segurança social.

Subida da taxa de juro O governador do Banco de Portugal, Vítor Constâncio, afirmou que a evolução das taxas de juro “não põe em causa” a recuperação que se verifica na economia europeia e portuguesa.

Bandeira vermelha Uma mancha de poluição obrigou ao hastear da bandeira vermelha na Praia de Faro, tendo os banhistas sido aconselhados a não entrar na água por numerosos agentes da polícia marítima.

PCP queixoso A direcção do PCP enviou uma carta ao primeiro-ministro queixando-se da acusação feita a dois dirigentes do partido de manifestação ilegal em frente à residência oficial de José Sócrates, anunciou o secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa.

Polí ticas sobre ilegais O secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação português manifestou durante a Conferência EuroAfricana das Migrações e Desenvolvimento, em Rabat, Marrocos, o empenho do Governo de Portugal em coordenar políticas bilaterais relacionadas com a imigração ilegal.


20 | PORTUGAL

CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

Espanha cumpre caudais apesar da seca spanha está em condições de cumprir os caudais nos rios transfronteiriç os, apesar da seca se manter nalgumas regiões que já ap elaram à cooperação portuguesa, disseram segunda-feria responsáveis da comissão de aplica ção do convénio que gere os rios internacionais. “ Espanha tem condições de cumprir o convénio face às actuais condições hidrometeoroló gicas” , disse à Agência Lusa o presidente do Instituto da Água (INAG), Orlan do Borges, apó s a VII reunião plenária da Comissão para Aplicação e Desenvolvime nto da Convenção de Albufeira (CADC), em Lisboa. O convénio não foi cumprido o ano passado porque Espanha, invocando a s ituação excepcional de seca, reduziu a entrada de água do Douro em Portugal em m enos 15 por cento do que

E

o valor previsto no caudal habitual. Os volumes de água nos quatro rios transfronteiriços (Douro, Tejo, Lima , Minho e Guadiana) estão definidos na Convenção de Albufeira que regula entre o utros aspectos o cumprimento de caudais mínimos. Os responsáveis da CADC, entre os quais se incluía também o Director Ge ral das Águas espanhol, Jaime Palop, e o embaixador Santa Clara Gomes, enquanto presidente da Comissão de Limites entre Portugal e Espanha, frisaram que o quadr o é de “ cooperação” . Na reunião de segundafeira, a Andaluzia pediu para reforçar uma captação no Cha nça, um rio internacional afluente do Guadiana, devido à seca, mas o embaixador escusou-se a prestar mais informações sobre esta matéria. “ Vamos tentar satisfazer as preocupações da An-

daluzia” , afirmou Santa C lara Gomes, adiantando que se tratou de um “ primeiro contacto” . De acordo com o presidente do INAG, terá sido já “ dado um acordo de pri ncípio” à captação de água do Alqueva para efeitos de rega na Extremadura espanh ola. Santa Clara Gomes reforçou que os locais poderão ser abastecidos sem co locar quaisquer dificuldades para Portugal. No Verão de 2005, o ministro do Ambiente, Francisco Nunes Correia, já t inha admitido esta possibilidade, respondendo a solicitações da sua homó loga esp anhola, Cristina Narbona Ruíz, e do presidente da Junta da Extremadura. No encontro foi também avaliada a situação hidrometeoroló gica 2005/2006 , que “ melhorou nas bacias hidro-espanholas” , e discutido o regime de caudais.

Em 2005, foi reduzida a entrada de água do Douro menos 15 por cento.

breves tites, gastroenterites ou conjuntivites.

Técnicos formados Seis zonas interditas Seis praias da zona norte estão interditas aos banhistas por a água conter riscos para a saúde, e em cinco a proibição já dura há dois anos, disse à agência Lusa fonte do Ministério da Saúde. A proibição abrange duas praias do Porto - Castelo do Queijo e Gondarem -, duas de Matosinhos - Angeiras Norte e Matosinhos - , uma em Monção - Gadanha - e uma em Vila do Conte - Árvore. As análises à qualidade da água destas praias, disponíveis no site do I nstituto da Água (INAG), revelam elevados níveis de coliformes fecais e totais ( oriundos de fezes de origem humana e animal). José Salvado, do INAG, explicou que aqueles micro-organismos podem prov ocar aos banhistas vários problemas de saúde, entre os quais, doenças de pele, o

O Provedor de Justiça recomendou ao Ministério da Saúde para que deixe de admitir mais “ajudantes de farmácia” sem qualificação e as necessárias habilitações de nível superior e que, se for necessário, altere a legislação. A recomendação do Provedor de Justiça, Nascimento Rodrigues, surge para “clarificar os requisitos necessários ao acesso à profissão de técnico de farmácia” e teve origem em queixas de entidades representativas dos profissionais de farmácia. De acordo com as queixas, o Instituto Nacional da Farmácia e do Medicamento (Infarmed) tem “continuado a considerar suficiente para aceitar a inscrição de novos técnicos de farmácia a certificação da experiência profissional decorrente da prestação efectiva da actividade por determinados períodos de tempo, conhecida como registo de prática”.


CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

PUBLICIDADE | 21


22 | OPINIÃO

CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

Futebol racista?

Antonio de Abreu aindax1@yahoo.com

o dia do encontro entre Inglaterra e Portugal, passava em frente a um café na Plaza Cahacaíto e parei para ver o jogo. Surpreendeu-me a atitude de um senhor com voz de andino que apupava a equipa inglesa. Pura pose, pensei. No entanto, perguntei-me pela relação dos venezuelanos com a coroa britâ nica. De repente, o homem exclamou: "Oxalá 'escoñeten' esses portugueses!". De seguida, quis averiguar a razão de tal rancor. Apliquei um pouco de psicologia barata para provocar mais expressões

N

espontâ neas: Uni-me ao fanático inglês para inflamar a sua hostilidade contra os portugueses. Não entendeu a manipulação a que o estava a sujeitar. A conversa saiu sem esforço. Dei-me conta de que a sua opinião não tinha nada a ver com desporto, mas o futebol servia-lhe para expressar um discurso político confuso, consequência da alienação esquerdista. O fanático estava a favor de Inglaterra porque, segundo disse: "Você não sabe o dano que os portugueses provocaram a este país". Outra frase sem relação com o desporto corroborou o ressentimento social. "Os emigrantes vieram para saquear a Venezuela, veja como se tornaram ricos", ou "eles são uma peça do imperialismo". À medida que falava, reparava no seu sotaque. Não o pude identificar com os Andes venezuelanos, sotaque que conheço por ter vivido nessa região durante 14 meses. Pareceu-me um tom "corralero". Participei mais na conversa e motivei-o a continuar a falar, já éramos quase companheiros, mais que isso: Camaradas! Cada frase era pior que a

anterior, mas já não contra os emigrantes mas contra o capitalismo, o neo-liberalismo, o consumo. Dei-me conta da salada de batatas com "cilantro" que o homem tinha na cabeça. É surpreendente o desconhecimento histó rico e político da economia mundial que este senhor mostrou. Os seus doutrinadores não lhe explicaram que a revolução industrial começou na Grã-Bretanha? Se é para falar de imperialismo ou de liberalismo, não é propriamente Portugal o país que se deve referir. Menos ainda têm de dizer mal dos seus cidadãos. Quem mete estas ideias na cabeça desta gente pouco instruída? A estes esquerdistas mal informados e xenó fobos, recomendo que leiam os estudos sobre integração, inversão e geração de trabalho. Leiam o "Relató rio sobre Trabalho e Riqueza na Venezuela", de 1999, para que se inteirem do papel dos portugueses e da emigração em geral. É o cú mulo, para além de indignar, escutar este tipo de expressões de calão, produto, sem dú vida, da temperatura política do país.

Sem papas na lingua

Álvaro Dias alvarodias63@hotmail.com

spectacular: Boa oportunidade para fazer alguns comentários sobre o Mundial 2006 que terminou no passado domingo, 9 de Junho. E começando por dar os meus parabéns à nossa Selecção, um quarto lugar no campeonato do mundo é um feito simplesmente fantástico. Oxalá Portugal fosse 4° ao nível mundial em muitas coisas, no aspecto econó mico, se estivéssemos entre os 10 primeiros do mundo já seria extraordinário. E não podia ser de outra forma, esta selecção composta na sua grande maioria por emigrantes, soube e bem representar-nos, demonstrando grande valor, garra e qualidade, levando para dentro de campo todo o sentimento de um povo, lutando até ao limite como se costuma dizer... com sangue suor e lágrimas. É certo que nos faltou aquela pontinha de sorte que sempre acompanha os campeões… e até pudéssemos chegar ainda mais longe. Talvez se Pauleta estivesse mais inspirado, só marcou

E

um golo em mais de 400 minutos que esteve em campo, o Nuno Gomes, que apenas jogou escassos 21 minutos marcou também um golo. Tal comparação é só para sublinhar a escassa produção daquele que estava chamado a ser a nossa grande "arma de ataque" e que falhou estrepitosamente nos momentos que mais precisávamos dele. Na baliza contámos com o "gigante" do Ricardo, que até entrou nos livros de recordes do mundial ao defender três grandes penalidades num mesmo jogo. A nossa defesa foi uma muralha impenetrável, com um par de centrais (Carvalho e Meira) de qualidade superior. De Miguel sempre será muito pouco o que possamos dizer, porque ele foi simplesmente o grande "coração" desta equipa. No meio campo fomos aquela máquina de sempre, daqui era donde partíamos sempre para as grandes batalhas que sem dú vida se converteram todos os nossos jogos. Pena é que parecia todos os árbitros tinham a "mira" posta tanto no Costinha como no Petit, e à primeira entrada sempre lhes mostravam cartões, condicionando assim a suas "missões" dentro do campo de jogo. De Figo, Cristiano Ronaldo, Maniche, Deco e por vezes Simão saia toda a "magia" e a nossa ofensiva, e se bem que não foram sempre muito contundentes e até conseguimos poucos golos, é de verdade apaixonante a qualidade e a beleza do futebol que estes "fenó menos" nos ofereceram. Por alguma coisa a "nossa" selecção foi premiada como a mais "ESPECTACULAR" deste grande Mundial. Já a grande Final Itália-França dei-

xou muito que desejar no que ao espectáculo se refere. Foi de verdade muito fraco o nível exibido pelos dois "finalistas" e pior ainda foi a Itália com o seu habitual "futebol-forreta", sempre conservador e defensivo até ao limite. Da França, pensamos que jogou o seu melhor possível, talvez o seu futebol esteja demasiado "africanizado" e lhes faz falta aqueles tecnicistas de antes. Capítulo aparte merece toda a fantasia e majestuosidade do futebol que o "maestro" Zidanne mostrou em campo. Já quanto a sua acção negativa de agredir um adversário, esta nó doa negra, prefiro borra-la das minhas recordações. Prefiro ficar com aquela imagem sua, de quando terminou o Portugal-Franca e o Zidanne numa atitude de verdade, magnífica e significativa, vestiu-se com a gloriosa e suada camisola n.º 7 que acabava de oferecer-lhe o nosso Luís Figo. Regressando à Final, os meus parabéns à Itália, apesar de que (repito) foi muito pobre o futebol que nos ofereceu, Campeão é sempre Campeão. O que não sei é como a FIFA vai poder explicar ao grande Universo de Futebol como é que numa Final do Mundial estiveram em campo ate dez jogadores de uma equipa (Juventus) que ao que tudo indica vai ser castigada, e por consequência descer para a 3° divisão italiana por causa do "escâ ndalo" nos arranjos de jogos do "Tottocalcio". ??? É por tudo isto que, quando me perguntam o que é que eu gostei mais da "Final", eu sempre respondo sem hesitar, que foi da... Shakira!!!

Cultivando a humildade e a paciência Antonio López Villegas altatribuna@yahoo.com.mx

humildade e a paciência são muitas vezes passadas por alto na hora de enumerar as qualidades que podemos possuir. Ser humildes não significa ser pobres, ou que não merecemos o melhor do universo, nem muito menos ser indecentes. E ser paciente nada tem a ver com a insensatez da imprudência, com a aceitação de "isto é a ú nica coisa que há para ti", como se não existissem outras possibilidades, outras alternativas, outros momentos, outros espaços mais livres, mais bonitos, mais justos. Ou, melhor, que não nos confondam com a imposição de "já está feito, já não se pode fazer nada". São atitudes sãs da vida. Não devemos confundir-nos com isso. Descobri que a humildade caminha de mão dada com a paciência. Ambas são verdadeiramente fortalezas que podemos descobrir e desenvolver. Nalgumas leituras religiosas, afirma-se que há que aprender a sofrer o mal antes de fazê-lo. Segundo essas afirmações, é necessário ser benigno, pacífico, afável, manso, modesto e cauto. Há que conservar a moderação em todos os nossos actos, a tranquilidade e a paciência. Opor o escudo da constâ ncia aos tiros das injú rias; a espada que sai da boca impura far-se-á em pedaços se se encontrar com um coração armado com o reforço da paciência e da humildade. Ainda que nos insultem, ainda que nos ultrajem, ainda que nos persigam com imposturas atrozes, ainda que nos façam injustiças e pretendam oprimir-nos, ainda que nos tratem com o maior desprezo, não abramos a boca, guardemos um silêncio modesto, desprezemos a ofensa, dissimulemos a injú ria, perdoemos generosamente, não respondamos a nada, não nos vinguemos dizendo injú ria por injú ria. Se nos conseguirmos calar, asseguramos a mais gloriosa vitó ria. Mas ninguém disse que isto é fácil de conseguir! A paciência e a humildade são conceitos que sempre nos repetiram até à saturação desde a infâ ncia e que pô -los em prática servirá para melhor actuar nesta vida. Quem sabe se entendendo isto, possamos compreender porquê que às vezes outros não nos aceitam nas suas vidas, nas suas empresas, planos ou projectos. Ao deixar transparecer estas facetas da nossa personalidade, se é que ainda não pudemos aprender a geri-las, não podemos obrigar ninguém a nos receber nos seus corações. Aceitamnos apenas por momentos - quem sabe por confusão, costume, obrigação ou compaixão.

A


CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

OPINIÃO | 23

CARTAS As pessoas passam e os clubes ficam

Trabalhar contra o clube

Sou assíduo leitor do Correio na Internet e sigo o caso do Marítimo da Venezuela com muito interesse, já que tal como muitos dos luso-descendentes sabem foi através do futebol do Marítimo, da ida aos estádios de futebol, que pude estar mais ligado às raízes portuguesas. Não sou sócio do Centro Português, em Caracas, embora em muitas oportunidades visite o clube como convidado. Talvez por isso não seja a pessoa mais indicada para dar a minha opinião acerca da retirada do património do clube. No entanto quero aqui deixar uma reflexão sobre este caso, porque entendo que esta decisão é histórica e a história não perdoa quem a desafia pelo lado do mal. "Aqui se faz aqui, se paga", diz o ditado popular. E pergunto: Qual é o sócio do clube que pode

Sou leitora do Correio e cada vez que leio certo tipo de notícias de acusações entre pessoas ou entre grupos de portugueses entristece-me, porque acho que deveríamos estar unidos, com diferenças, mas unidos e sem rivalidades. Li com espanto a notícia do Centro Português que pretende mandar as coisas do Marítimo para a rua. Sou sócia do clube e não estou de acordo com esta decisão, porque acho que é um problema pessoal que está em causa neste caso, e em relação ao qual nada temos a ver. Que nos dizem os problemas entre a junta directiva que saiu e a junta directiva que entrou? Que resolvam os seus problemas de uma vez por todas e sem interferir com a vida da colectividade. Acho que deveria ser falando uns com

dizer que sai prejudicado por uns quantos metros quadrados ocupados para guardar troféus que são motivo de orgulho dos portugueses na Venezuela. Não se diz que o Centro Português é a casa dos Portugueses em Caracas? Repito, não sou a pessoa indicada para dar a minha opinião, mas o que se está a fazer isso não se faz. É uma falta de educação, uma indelicadeza, um excesso de arrogância. Será que esses senhores da direcção directiva que tomaram a decisão pensam que vão durar toda a vida a mandar no clube? As pessoas passam e as instituições ficam. Para concluir, a grandeza das pessoas mede-se pelo que se constrói, não pelo que destruíram…

Luciano Freitas

Casa do Benfica? Que engano!

Felicitar os italianos

Como leitor assíduo do Correio, aproveito esta oportunidade para salientar o quão importante é este jornal para a comunidade na Venezuela. No entanto, penso que se dedicam muito tempo a falar de iniciativas que não merecem - também muito espaço a falar da mesma coisa - que se fale delas porque são falidas logo à partida. O caso da casa do Benfica "mete nojo". Falar da mesma coisa quando o que deveriam fazer era escrever os nomes daqueles que iniciaram aquela ideia, que era muito boa, mas que no entanto caíram nas mãos menos indicadas. Presenciei pessoalmente e assisti ao almoço e vi inclusivamente que recolheram fundos para a casa do Benfica

Por curioso que pareça, sou leitora do Correio todas as semanas, em Higuerote, embora resida em Caracas. O motivo desta carta é para felicitar a todos os italianos por terem ganho o Campeonato do Mundo. Sou portuguesa natural da Madeira e o meu esposo também. Tenho três filhas e um filho. Uma das minhas filhas está casada com um rapaz de origem italiana. Talvez por isso entenda bem que o importante do desporto é saber perder e reconhecer o valor do adversário. Penso também que estamos todos de parabéns, pois os portugueses ficaram entre os quatro melhores do mundo e

e, no entanto, já decorreram mais de dois anos e é só promessas e nada feito. O que mais me irrita é que o correio alimente essas "tácticas" e caia no jogo daqueles que o que pretendem é que o assunto pouco a pouco se esqueça. Gostaria isso sim de ver publicado no correio a lista das pessoas que subiram ao palanque e assumiram o compromisso para a criação da casa do Benfica. Também deveriam publicar alguma fotografia desse evento para que assim as pessoas assumam a sua responsabilidade. Casa do Benfica? Que engano!

Samuel R. Dinis

os outros que as coisas se deviam resolver, porque o que existe aqui é que os que governaram anteriormente julgam-se que ainda devem mandar no clube, e os que governam actualmente julgam-se donos do clube. Isto não pode ser assim. O Centro Português é dos sócios e não daqueles que se julgam que, por mandaram numa junta directiva e porque mandam agora, podem fazer e desfazer como lhe dá na gana. Senhores, sejam conscientes e dêem o exemplo. Sentem-se a conversar e deixem-se de apontar críticas uns aos outros, trabalhem pelo clube e para o clube não contra o clube.

Maria C. F. Teixeira

isso é muito bom. O futebol é apenas um jogo e o Mundial uma competição que deve estar envolvida de em irmandade e não de violência. Foi bom ter um mês de descanso sem saber nada de politica. Estamos todos de parabéns, italianos, portugueses, espanhóis, franceses, alemães, enfim, todos os países que participaram, sem esquecer a nossa querida Venezuela, que algum dia também vai estar também num mundial e aí todos juntos vamos puxar por ela.

Maria Rita P Pestana

InquéRITo:

De quê que gosta mais na Madeira e que acha da iniciativa "Conhece as tuas origens"? Angelique A. dos Ramos Estudante de Marketing "Nasci em Kwazulu, África do Sul. O meu pai é do Porto da Cruz e a minha mãe é de Lisboa. Não é a primeira vez que venho à Madeira, gosto de tudo: Da sua tranquilidade, da amizade e beleza. Considero que tem sido uma boa iniciativa, tive a oportunidade de conhecer a variedade culinária que na África do Sul não temos e adorei."

Kerry Gomes Médica "Sou de Sydney, Austrália. Os meus pais nasceram em São Gonçalo (Funchal), e estamos há mais de 30 anos fora da ilha. Ja vim várias vezes à Madeira e gosto sempre de voltar. A partir deste programa, conhecemos a ilha de maneira diferente, vemos as coisas acompanhados por um guia, e assim sabemos as coisas como são. Também mantivemos contacto com autoridades políticas da Madeira, o que demonstra a importância que estão a dar aos emigrantes."

Maria G. dos Santos Estudante de lí nguas "Nasci na Madeira e fui para Bruxelas - Bélgica, aos 5 anos. O meu pai e a minha mãe são naturais de São Vicente. Adoro a ilha e tento vir cá sempre. Tenho visto muita evolução, e ainda bem, porque estamos na Europa e é bom para madeirenses e estrangeiros ter atingido este desenvolvimento. Acho uma iniciativa muito enriquecedora. Devem continuar porque realmente é uma boa oportunidade para conhecer coisas que não conhecia da Madeira."

Joshua António Franco Estudante de lí nguas "Sou luso-descendente nascido em Jersey. O meu pai é de São Martinho (Funchal) e a minha mãe é irlandesa. Não é a primeira vez que venho, gosto de ficar aqui no Funchal com os meus avós. A ilha é muito bonita: Com lindas paisagens e boas discotecas. É um programa muito importante para os filhos de emigrantes, só conhecia os sítios turísticos, mas agora dá para compreender a realidade da ilha."


24 | ECONOMIA

CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

"Feria del Pan" ambiciosa

Foram reunidas mais de 80 empresas da região da capital com o objectivo de promover e mostrar os seus produtos. Jean Carlos De Abreu

jeancarlos@correiodevenezuela.com

Universidade Metropolitana serviu de sede para a realização da primeira "Feria del Pan" e "Supermercado Show", que durou quatro dias. Organizada pela empresa "Da Silva Asesoría y Eventos", foram reunidas mais de 80 empresas da região da capital com o objectivo de promover e mostrar os seus produtos. Segundo disse Víctor da Silva, presidente da Associação de Padarias e Afins e também director da empresa "Da Silva Asesoría y Eventos", a feira fez-se com a

A

intenção de unir o sector da panificação e de supermercados, que é operado, em mais de 90 por cento, por portugues. O objectivo final desta “ feria” será constituir uma agremiação de padarias e afins na capital com a intenção de unir os comerciantes da panificação. "Na união está a força e se a comunidade lusa consegue que as padarias cheguem a unir-se numa associação incumbida de resolver os problemas da panificação e outros de â mbito mais específico, teremos melhores vendas no mercado e seremos uma corporação só lida", argumenta Víctor da Silva. O sector da panificação na actualidade apresenta dois problemas: falta de pessoal qualificado, luta entre negó cios para a obtenção da mão-de-obra, e a pouca produtividade na fabricação do produto para vender, segundo explica o presidente de ASOPACA.

Outra das missões que foram prosseguidas na "Feria del Pan" foi agrupar os pequenos negó cios de supermercados para que se unam numa só cadeia que "se criará proximamente", e que assim possam adaptar-se à nova era da comercializaç ão e do "Supermercadismo", onde a qualidade e a atenção estão ao serviço do consumidor. À feira assistiu o Cô nsul Geral de Portugal em Valência e Caracas, Rui Monteiro, em representaç ão das autoridades lusas na Venezuela. O diplomata comentou ao Correio que esta actividade era positiva para a comunidade lusitana. "Aqui não se ouvem discursos. O que se vê é a realidade de empresários com um excelente nível de trabalho e profissionalismo que desejam melhorar as condições de trabalho assim como oferecer o melhor serviço ao cliente".


CORREIO DE VENEZUELA -DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

Venezuela acolhe reunião de "aduanas"

Serviço Nacional Integrado da Administração Tributária e Aduaneira (SENIAT), iniciou encontros preparató rios para a XXVII Reunião de Directores Nacionais de Aduanas da América Latina, Espanha e Portugal que, este ano, se rea-

O

liza na ilha de Margarita, durante o mês de Outubro. Venezuela, como país anfitrião, preside ao comité executivo do convénio multilateral sobre cooperação e assistência mú tua entre as direcções nacionais aduaneiras da América Latina, Espanha e Portugal

(COMALEP); integradas também pela Argentina, Brasil, Chile, Espanha e México. Dada a proximidade do evento, que reunirá pelo menos representantes de 30 países, o SENIAT, através da Intendência Nacional de "Aduanas", realizou a primeira reunião com funcionários das diferentes Gerências do organismo aduaneiro e tributário, com o fim de acordar tarefas iniciais em torno do acto principal. Os acordos e directrizes que venham a resultar deste e outros encontros serão expostos na Reunião do Comité Executivo da COMALEP, o qual se realizará em Caracas entre os dias 19 e 21 de Julho e onde se aprovará a agenda de actividades para a edição nú mero 27 da Reunião de Directores Nacionais de Aduanas de América Latina, Espanha e Portugal.

ECONOMIA | 25 BREVE

Universidade de Turismo em Carabobo O ministro de Turismo, Wilmar Castro Soteldo, anunciou que Valê ncia, capital do estado Carabobo, será a sede da primeira Universidade Experimental de Turismo, cujo projecto seguirá o mesmo esquema de funcionamento da Universidade Bolivariana da Venezuela e da Unefa. Castro Soteldo ofereceu esta informaç ã o por ocasiã o de uma consulta pú blica realizada pela Comissã o de Desenvolvimento Econó mico da Assembleia Nacional em Valencia, onde se apresentaram os projectos de Lei de Cré dito para o sector Turismo e de Promoç ã o para o Turismo Popular. O governador de Carabobo, Luis Felipe Acosta Carlez, promete o apoio do executivo regional para o desenvolvimento de trê s programas de turismo popular, com subsí dios para as classes mais baixas. Esta instâ ncia acadé mica estará localizada nas instalaç õ es da Villa Olí mpica, infra-estrutura adstrita a Fundadeporte e situada no municí pio Naguanagua.


26 | PUBLICIDADE

CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

"Up grade" na Asiana Airlines, TAP e THAI Star Alliance, a rede para as companhias aéreas Earth™ , acaba de estender o seu programa de Upgrade Awards aos voos operados pela Asiana Airlines, TAP Portugal e Thai Airways International. Originalmente lançada em 2005, a rede Star Alliance é a

A

breves

20 mil milhas A TOP Atlântico - um dos maiores grupos nacionais do sector de viagens - é o novo parceiro do Programa Victoria. Com esta parceria, os membros Victoria vão poder acumular milhares de milhas bónus por cada pacote de viagens adquirido numa das lojas TOP Atlântico. Com pacotes até 500 euros, a TOP Atlântico oferece ao passageiro frequente da TAP a possibilidade de ganhar 1500 milhas, podendo chegar até às 20 mil milhas, se optar por gastar mais de 4000 euros em pacotes de viagem da TOP Atlântico Também os Solares de Portugal e o Grupo Exchange são, desde o mês de Maio, dois novos parceiros do Programa TAP Victoria. Com estas parcerias, os Membros do Programa Victoria vão ter ainda mais possibilidades de acumular milhas. Assim, os Membros Victoria que optem por umas férias nos históricos Solares de Portugal - onde se incluem casas senhoriais, mansões, herdades, quintas, casas no campo e casas rústicas - podem ganhar entre 500 a 1000 milhas. Estas promoções são apenas válidas para uma estada mínima de 2 noites.

primeira aliança global de companhias aéreas a oferecer a possibilidade de troca de milhas, que se encontra agora disponível para os membros do Frequent Flyer Programme (FFP), da ANA (ANA Mileage Club), Asiana Airlines (Asiana Club), Austrian (Miles & More), LOT Polish Air-

lines (Miles & More), Lufthansa (Miles & More), Singapore Airlines (KrisFlyer), TAP Portugal (Victoria) and THAI (Royal Orchid Plus). Outros membros da Star Alliance oferecerão também este produto durante o ano 2006. O Star Alliance Upgrade Awards oferece aos clientes a

possibilidade de, trocando as suas milhas ou pontos da sua conta de FFP, fazer um upgrade de uma classe, seja da Classe Econó mica para Business ou de Business Class para First Class* em voos regulares operados pela companhias aéreas participantes. Os Upgrade Awards da Star Alliance

requerem uma reserva confirmada através dos canais FFP antes da partida, em geral, por contacto telefó nico com o Centro de Contacto ou no website (dependendo da oferta da companhia). O upgrade é processado electronicamente através do sistema computorizado de reservas.


CORREIO DE VENEZUELA -DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

DESPORTO | 27

Embaixador da "cidade jardim" António C. Da Silva F. antoniodasilva@correiodevenezuela.com

jogador do Maiorca da Espanha, Juan Arango, considerado de maneira unâ nime como o melhor futebolista da Venezuela, começou a dar os seus primeiros pontapés na bola em Maracay, apelidada como a "cidade jardim", berço do distinguido jogador estrela da "Vinotinto". Hoje em dia um outro "maracayero", de sangue português nas suas veias, luta por conseguir também um lugar de destaque no futebol europeu: Henry Rodrigues. Formado nas camadas jovens da Casa Portuguesa de Maracay, este jogador cheio de raça e pulmão desde muito cedo acreditou na possibilidade de envergar a camisola de alguma equipa portuguesa, e já está a dois anos na Madeira a jogar com as verde-rubras cores da equipa mais popular da Madeira. Perto de cumprir os 19 anos de

O

idade, o trinco luso-venezuelano experimentou sentimentos extremos nesta ú ltima época já finda, onde se bem conseguiu ganhar com a equipa jú nior do Marítimo a Taça da Madeira, viu também cair o clube no grupo de equipas despromovidas do campeonato nacional da categoria. A razão do insucesso, segundo o atleta "aragü eño", foi a "anarquia que estabeleceu-se no seio do plantel, com muitos jogadores a desrespeitar as ordens do treinador". Os primeiros meses da época 05/06 foram duros para Henry, pois o "maracayero" jogou muito pouco. Henry encontra a explicação para o facto "devido a que foi convertido de meio campista a lateral direito, e tardei um tempo em me adaptar a posição, por isso não foi fácil chegar a titularidade, embora a conseguisse já para o fim da época". Henry Rodrigues está na Venezuela a desfrutar das férias futebolísticas mas, logicamente, a sua cabeça já está em Portugal e o pensa-

mento o leva traçar os objectivos da pró xima época: "já acabei o meu ciclo nas categorias de formação e vou passar a sénior, mais ainda os responsáveis do Marítimo não me tem confirmado se vou seguir para equipa "B" e assinar contrato ou vou ter que mudar de clube. O meu empresário já está na Madeira a tratar do assunto e o meu desejo e continuar a jogar na Europa". Na distâ ncia o futebolista crioulo confessa ter perdido algum contacto com a realidade do futebol venezuelano, mais ainda acalenta a esperança de chegar a ser convocado pela selecção "Vinotinto". Henry sabe perfeitamente que o seu passo pelo futebol madeirense ajuda-o a elevar o seu prestígio e

assegura "ter as portas abertas no futebol venezuelano, se tem a necessidade de voltar a pátria", situação que, por agora, não está nos seus planos.

Nome Henry Humberto Rodrigues Pereira Idade 18 anos Posiç ã o Lateral Direito Clubes 95-03 Casa Portuguesa Mcay. (Infantil) 03-04 Aragua FC (Juvenil) 04-06 C.S. MARÍ TIMO (Jú nior)


28 | DESPORTO

CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

“ Caso Mateus” ameaça arrastar futebol português Direcção do Gil Vicente considerou que há um “ claro conluio” em seu prejuízo no que respeita ao “ caso Mateus” e pediu esclarecimentos sobre as demissões no Conselho de Disciplina da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP). Em causa está o facto de o presidente da Assembleia Geral da LPFP ter recusado os pedidos de demissão dos vogais Pedro Mourão e Frederico Cebola, facto que permite a continuidade em funções da Comissão Disciplinar (CD) do organismo. Desta forma, o “ caso Mateus” vai voltar a ser analisado pela CD, mas desta feita sem a presença do vogal Domingos Lopes, o qual foi decisivo na decisão inicial, que deu razão ao Gil Vicente e confirmou a despromoção do Belenenses à Liga de Honra, por voto de qualidade do presidente Gomes da Silva, apó s um empate 2-2. O Gil Vicente, que adianta não ter sido ainda notificado da decisão de Adriano Afonso, considera que se está “ perante uma clara e inequívoca violação das normas regulamentares e dos mais elementares princípios gerais de direito” . Em carta endereçada a Adriano Afonso, os responsáveis do clube minhoto consideram que se está “ perante uma actuação ilegal e ilegítima e uma grave e prejudicial lesão dos legítimos direitos e interesses de defesa do Gil Vicente” . “ Serão colocados a decidir de novo a questão em causa duas pessoas que já manifestaram o seu desacordo quanto à permanência do Gil Vicente, estando o seu juízo e imparcialidade, isenção e credibilidade afectado” , referem. Por outro lado, “ assiste-se a um claro e inequívoco benefício de uma das partes, o Belenenses, em detrimento do Gil Vicente, tanto mais que se impede que um dos elementos que votou a favor do clube de Barcelos possa votar” . O clube de Barcelos, que recusa ser prejudicado e penalizado na “ secretaria” , socorre-se dos regulamentos para defender a validade das demissões dos conselheiros, considerando que estas não podem ser recusadas por Adriano Afonso, a quem pede esclarecimentos sobre o caso e có pia do despacho que legitima a intervenção dos conselheiros.

A

Futebol português arranca para a nova época com um caso bicudo para resolver.

Adriano Afonso anunciou segunda-feira que a CD da Liga vai reanalisar o “ caso Mateus” com a mesma composição, por ter recusado as demissões dos vogais Pedro Mourão e Frederico Cebola, com o argumento de que estas não tinham validade, pelo facto de terem sido apresentadas depois do final do mandato. Gomes da Silva, Pedro Mourão e Frederico Cebola vão ser, assim, chamados a proferir novo acó rdão sobre o “ caso Mateus” , em que o Belenenses reclama pela indevida utilização do jogador angolano por parte do Gil Vicente. O Belenenses, que desceu no final da presente época à Liga de Honra, reclama a troca de lugares com o Gil Vicente, num processo que poderá conhecer novo recurso para o Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol (FPF). Segundo o presidente da Liga, Valentim Loureiro, este caso poderá ser resolvido de forma mais célere da que inicialmente esperava e no sorteio dos dois campeonatos da Liga, a realizar sexta- feira, vai surgir uma ressalva no nome das duas equipas. O CJ da FPF anulou em 06 de Julho o acó rdão da CD da Liga relativo ao “ caso Mateus” , devido a erro processual relacionado com o recuo do pedido de dispensa por parte de Domingos Lopes. A anulação do acó rdão, que confirmava a permanência do Gil Vicente na Liga e a despromoção do Belenenses, obriga a CD a decidir o caso novamente, mas agora sem a participação de Domingos Lopes, que é filho do ex-vice-presidente do Gil Vicente Constantino Lopes, o qual entretanto apresentou a demissão do cargo. Na reunião de 01 de Junho da CD da LPFP, Domingos Lopes pediu dispensa da deliberação “ com fundamento em colisão de ordem familiar e pessoal” , mas oito dias depois voltou atrás na sua decisão e solicitou a sua revogação, o que foi aceite pelos restantes membros do ó rgão. O CJ da FPF considerou que, “ independentemente de se apurar qual o regime de impedimentos aplicável, houve um pedido de escusa, deferido (...) e definitivo” , pelo que a revogação do pedido de escusa de Domingos Lopes nunca poderia ter acontecido.


CORREIO DE VENEZUELA -DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

Novo perdão a Abel Xavier surpreende a UEFA UEFA ficou “ surpreendida” com a decisão do Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) em reduzir de 18 para 12 meses a suspensão aplicada ao defesa português Abel Xavier, segundo um porta-voz da organização. “ Nó s tomamos nota da decisão do TAS. Estamos surpreendidos com o veredicto, mas neste momento não podemos fazer mais comentários até conhecermos os fundamentos da decisão” , referiu o mesmo porta-voz, citado numa notícia do site da UEFA. Abel Xavier, 33 anos, anunciou em Lisboa a decisão do TAS e adiantou que assinará um novo contrato com um clube não mencionado a 20 de Julho, uma vez que poderá voltar a jogar a partir do pró ximo mês de Setembro.

A

O antigo internacional português (20 vezes) teve um controlo positivo a metandienona a 29 de Setembro do ano passado, no final do encontro da Taça UEFA entre os ingleses do Middlesbrough e os gregos do Xanthi, tendo sido suspenso em Outubro. Formado nas escolas do Estrela da Amadora, Abel Xavier representou ainda o Benfica, antes de rumar a Itália para as fileiras do Bari, depois Espanha (Real Oviedo), Holanda (PSV Eindhoven), Inglaterra (Everton e Liverpool), Turquia (Galatasaray), Alemanha (Hanover 96), regressando a Itália, para representar o AS Roma, antes de se fixar no Middlesbrough, da Inglaterra. Esta foi a segunda vez que Abel Xavier vê reduzida uma suspensão da UEFA.

DESPORTO | 29 breve Marí timo apresenta O avançado argentino Martin Prest foi a grande surpresa na apresentação formal do plantel do Marítimo aos sócios e comunicação social, tendo em vista a próxima temporada da Liga portuguesa de futebol, realizada no Estádio dos Barreiros. O argentino juntou-se assim aos oito reforços já contratados, mas a Direcção da SAD maritimista ainda admite a chegada de mais jogadores ao Funchal, designadamente para o sector atacante. O presidente do clube, Carlos Pereira, afirmou que o “Marítimo parte para esta época com a mesma obrigação de sempre, ou seja, lutar pelos lugares cimeiros” da Liga portuguesa. “Não é fácil, mas vamos lutar sempre com o nosso querer e como apoio do ‘Caldeirão’ dos Barreiros”, acrescentou o dirigente, que não deixou de abordar uma questão quente do futebol nacional, que seprende com a Lei de Bases do Desporto, afirmando: “Estamos perantealguém que não nos quer ver participar nos campeonatos nacionais”.


30 | DESPORTO

CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

Governo português recusa prémios sem impostos presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) disse manter a intenção de pedir isenção de IRS para os prémios da selecção portuguesa que esteve no Mundial Alemanha2006, apesar de o Governo já ter mostrado a sua discordâ ncia. A FPF entende que, em função do quarto lugar alcançado pela selecção portuguesa no Mundial, os prémios de presença, no valor de cerca de 50.000 euros por jogador, deviam ficar isentos de imposto porque a selecção contribuiu para a “ divulgação e prestígio” do país. “ Há leis que permitem que os jogadores de futebol que pratiquem feitos relevantes para o país tenham um benefício fiscal, de não pagarem impostos dos prémios de jogos” , disse Madaíl à Agência Lusa em Berlim, à margem de uma reunião da Comissão Executiva da UEFA. Na opinião do presidente da FPF, assiste ao organismo federativo “ o direito de apresentar o requerimento e o Governo tem o direito de dizer que não” , mas caso isso se verifique “ as contradições não serão” da Federação. Gilberto Madaíl explicou que pretende apresentar as declarações de todos os que disseram que a campanha da selecção no Mundial foi muito importante para o país, argumentando que se isso for contrariado é porque “ não estavam a falar verdade” . A FPF invoca o nº 5 do artigo 13º do Có digo do IRS, que dispõe que este imposto “ não incide sobre os prémios atribuídos aos praticantes de alta competição, bem como aos respectivos treinadores, por classificações relevantes obtidas em provas desportivas de elevado prestígio e nível competitivo” . Segundo a lei, cabe ao ministro das Finanças e ao ministro que tutela o Desporto, actualmente o ministro da Presidência, decidir se a classificação obtida foi “ relevante” . Contudo, o ministro das Finanças, Fernando Teixeira dos Santos, e o ministro da Presidência, Pedro Silva Pereira, já manifestaram a sua discordâ ncia. Fernando Teixeira dos Santos afastou hoje, em Bruxelas, a possibilidade de satisfazer as pretensões da FPF: “ Num momento em que o país tem de fazer sacrifícios, acho que

O

Apesar do bom Mundial, não há perdão fiscal para os jogadores portugueses.

esses sacrifícios são para todos” , disse o ministro das Finanças. Pedro Silva Pereira sublinhou, por seu lado, que “ todos reconhecem a importâ ncia do sucesso da selecção portuguesa no Campeonato do Mundo de Futebol” , mas considerou que “ ninguém compreenderia, nem seria justificável nestas condições, uma isenção fiscal para jogadores profissionais de futebol” . Por seu turno, o Presidente da Repú blica, Cavaco Silva, remeteu para a administração fiscal qualquer decisão sobre esta intenção da FPF. “ É uma matéria que cai totalmente no â mbito da administração fiscal. Remeto essa questão para a administração fiscal portuguesa” , disse o Chefe de Estado, no final de uma visita à Força Aérea, em Lisboa. O presidente do Sindicado dos Jogadores Profissionais de Futebol, Joaquim Evangelista, concordou com a pretensão da FPF, frisando: “ A lei prevê isenção para feitos excepcionais. Deve ter-se em conta que um quarto lugar num Mundial é um feito excepcional e, de acordo com a lei, deve ser isentado” . Evangelista lembrou mesmo que o Presidente da Repú blica, Cavaco Silva, o Primeiro-Ministro, José Só crates, e o pró prio ministro das Finanças, Fernando Teixeira dos Santos, “ disseram que o feito foi excepcional, de grande projecção para o país” . Já o presidente do Comité Olímpico de Portugal, Vicente Moura, afastou a hipó tese de pedir a isenção do pagamento de impostos para os atletas olímpicos, porque a “ lei já prevê um regime especial para as profissões de desgaste rápido” . O primeiro a mostrar-se contra esta iniciativa foi o fiscalista Saldanha Sanches, que considerou a pretensão da FPF um “ insulto” para quem paga impostos e classificou como “ escandalosa” e até “ inconstitucional” a pró pria norma do Có digo do IRS que isenta de imposto os prémios atribuídos aos atletas de alta competição. Em declarações à Agência Lusa, o fiscalista disse não ter cabimento discriminar a actuação dos desportistas, quando os profissionais de outras profissões relevantes para a sociedade e para o país pagam normalmente os impostos devidos pelos valores que auferem.


CORREIO DE VENEZUELA -DE 13 A 19 DE JULHO DE 2006

DESPORTO | 31

Português Nuno Pinheiro ausente na Liga Mundial de Voleibol ausência do distribuidor Nuno Pinheiro, por lesão, constitui a principal contrariedade da selecção portuguesa masculina de voleibol, que sexta-feira inicia a participação na Liga Mundial de 2006, frente à Finlâ ndia, em Oulu. Nuno Pinheiro está a recuperar de uma fractura num dos dedos da mão, contraída no ú ltimo treino da selecção antes da viajem à Bielorrú ssia, e deverá falhar as primeiras jornadas da “ milionária” prova. Para a jornada dupla inaugural do Grupo B, com a Finlâ ndia, o seleccionador de Portugal, o brasileiro Francisco dos Santos, escalou os jogadores Pedro Sousa, Hugo Gaspar, Rui Santos, Éden Sequeira, João José, André Lopes, Flávio Cruz, Nélson Brizida,

A

Valdir Sequeira, Hugo Ribeiro e Eurico Peixoto. O “ distribuidor” Bruno Gonçalves, que não se encontra inscrito na Liga Mundial, viaja também com a comitiva, embora sem poder competir, tendo em vista permitir o normal desenrolar dos treinos. Este ano de regresso ao antigo formato de 16 selecções, distribuídas por quatro grupos, a Liga Mundial está dotada com um prémio monetário recorde de 20 milhões de dó lares (cerca de 16 milhões de euros). Portugal inicia a sua prestação no Grupo B, que conta ainda com a presença do Brasil e Argentina, com a realização da primeira jornada dupla coma Finlâ ndia, em Oulu, na sexta-feira e no sábado, pelas 18:30 locais (16:30 em Lisboa).


CORREIO DE VENEZUELA - DE 13 A 15 DE JULHO DE 2006

www.dnoticias.pt disponibiliza quatro plataformas diferentes

breves Circular em contramã o Um veí culo ligeiro a circular em contramã o na A2 embateu numa outra viatura logo apó s a estaç ã o de serviç o de Palmela, causando um morto, um ferido grave e outro ligeiro, informou terç a-feira a Brigada de Trâ nsito (BT) da GNR.

Regionalizar educaç ã o O Governo da Madeira está a preparar uma proposta de decreto legislativo para regionalizar a educaç ã o no arquipé lago, revelou o secretá rio da tutela, Francisco Fernandes, na Assembleia Legislativa.

"Sala de chuto" O vereador do Bloco de Esquerda na câ mara de Lisboa vai pedir amanhã novamente em reuniã o da autarquia a instalaç ã o pelo Instituto da Droga e Toxicodependê ncia de uma sala de injecç ã o assistida como experiê nciapiloto.

A primeira jazida A Galp Energia anunciou ter descoberto, em conjunto com os seus parceiros do consó rcio de exploraç ã o Petrobrá s e BG, a sua primeira jazida de petró leo no Brasil, situada na costa sul do Rio de Janeiro. Artur Sousa DN-Madeira

nova plataforma digital do Diário de Notícias lançada a 21 de Junho oferece aos cibernautas quatro plataformas distintas. Sempre presentes no topo de cada página do site, os links "DNOTICIAS", "Portal de desporto", "Espaço multimédia" e "Edição impressa do DIÁRIO" permitem o rápido acesso a qualquer uma das plataformas. Ao entrar no site do Diário de Notícias, o cibernauta deverá efectuar o login através da opção "aceder". Ao selecionar esta opção, o utilizador deverá preencher os campos "Nome de utilizador" e "Palavra chave" antes de

A

pressionar o botão "processar". Se o utilizador nunca efectuou o registro no site www.dnoticias.pt prima a opção "registar-se". Seguidamente, preencha o campo do "Utilizador" e "Dados pessoais". Apó s o preenchimento destes campos prima o botão "processar". A partir deste momento, o leitor poderá entrar no site através do procedimento "aceder". A plataforma "DNOTICIAS.pt" partilha com a plataforma "Edição impressa do DIÁRIO" o mesmo conteú do informativo com duas diferenças substanciais. Assim, na primeira plataforma, o leitor não encontrará a profundidade no tratamento da informação que encontrará na "Edição impressa do DIÁRIO", contudo o "DNOTICIAS.pt" disponibiliza

a notícia de forma mais célere, diminuindo o tempo entre o acontecimento e o momento em que a notícia é dada a conhecer ao pú blico. Embora estas duas plataformas privilegiem a "notícia escrita", o leitor poderá encontrar complementos às notícias sob a forma de vídeo ou áudio. Com a temática explícita na pró pria denominação, a segunda plataforma intitulada "Portal de desporto" trata a actualidade desportiva regional nas mais diversas modalidades. À semelhança das plataformas anteriormente descritas, o "Portal de desporto" oferece a valência de áudio e vídeo. Finalmente, o "Espaço multimédia" oferece informação sob a forma de peças vídeo e áudio.

Caso General Motors O ministro da Economia e Inovaç ã o garantiu que "o caso General Motors tem de ser um caso exemplar", na sequê ncia da intenç ã o governamental de exigir uma indemnizaç ã o à empresa pelo encerramento da fá brica na Azambuja.

Expectativas defraudadas O presidente da Comissã o Directiva dos Aeroportos da Madeira, Duarte Ferreira, reconhece que há um dé fice de entrada de passageiros na Regiã o em relaç ã o ao que foi inicialmente previsto, desde a entrada em funcionamento do novo aeroporto.Duarte Ferreira revelou que, em relaç ã o à s estimativas iniciais, há menos 300 mil passageiros.

Correio da Venezuela 165  

Edición 165

Correio da Venezuela 165  

Edición 165

Advertisement