Page 1

Benfica ganha Liverpool

Jachico quer ser filial CDN

Encarnados levam avanço na Liga dos Campeões Página 31

Escola quer ser a filial do Nacional na Venezuela Página 28

www.correiodevenezuela.net

O jornal da comunidade luso-venezuelana

ano 07 – N.º145 - DePósito LegaL: 199901DF222 - PubLicação semanaL

caracas, 23 De FeVereiro De 2006 - VenezueLa: bs.: 1.000,00 / PortugaL: € 0,75

Lei da Nacionalidade beneficia netos lusos Nova regulamentação foi aprovada esta semana na Assembleia da Repú blica, em Portugal

Página 3

Oscar de Leó n actua na Madeira em Junho no Arco da Calheta Página 15 Centro Português de La Victoria lamenta apatia e desinteresse dos seus asociados Página 11

Apoio a Empresários chega à Venezuela Vice-presidente do Governo Regional da Madeira e presidente do IDE estiveram em Caracas para divulgar os atractivos da Unidade de Apoio a Empresários

Página 4

Estão abertas as candidaturas ao programa “ Portugal no Coracao” Página 6


2 | EDITORIAL Bons contributos CORREIO DE CARACAS - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

Director: Aleixo Vieira Subdirector Agostinho Silva Coordenação em Caracas Délia Meneses Jornalistas: António da Silva, Carlos Orellana Jean Carlos de Abreu, Liliana da Silva, Nathali Gómez, Noélia de Abreu e Yamilem Gonzalez Correspondentes: Ana Pita Andrade (Maracay) Bernardete de Quintal (Curaçau) Briceida Yepez (Valencia) Carlos Balaguera (Maracay e Valencia) Carlos Marques (Mérida) Sandra Rodriguez (La Victoria) Trinidad Macedo (Barquisimeto) Colaborações: Raúl Caires (Madeira) António de Abreu, Arelys Gonçalves Janette Da Silva, Luís Barreira e Miguel Rodrigues Publicidade e Marketing: Carla Vieira Preparação Gráfica: DN-Madeira Produção: Franklin Lares Secretariado: Carolina Nóbrega Distribuição: Enrique Figueroa Impressão: Editorial Melvin C. A Calle el rio con Av. Las Palmas Boleita Sur - Caracas Venezuela Endereço: Av. Los Jabillos 905, com Av. Francisco Solano, Edif. Torre Tepuy, piso 2-2C, Sabana Grande - 1050 Caracas. Endereço Postal: Editorial Correio C.A. Sabana Grande Caracas - Venezuela Telefones: (0212) 761.41.45 Telefax: (0212) 761.12.69 E-mail: correio@cantv.net URL: www.correiodecaracas.net Tiragem deste número: 10.000 exemplares

comunidade portuguesa na Venezuela, com especial incidência na que vive em Caracas ou nas cidades mais pró ximas, dispô s esta semana de dois importantes contributos trazidos por duas instituições de Portugal. Falamos das iniciativas do Instituto do Desenvolvimento Empresarial e do Banco Espírito Santo, que promoveram esta semana dois importantes eventos na área econó mico-empresarial, que servem para alargar horizontes e permitem actualizar a informação sobre o que em Portugal se está a fazer, o que muitas vezes também abrange as comunidades residentes no estrangeiro.

A

No caso do IDE, um instituto tutelado pelo Governo Regional da Madeira, esta foi a segunda vez que veio até terras venezuelanas sensibilizar a comunidade para os mecanismos disponíveis para quem quer investir na sua terra de origem. Em relação ao BES, a referência é comum à generalidade da banca portuguesa que tem dado especial atenção ao mercado luso-venezuelano: é importante que continuem a contribuir para o enriquecimento e uma visão mais alargada dos agentes econó micos deste país. É positivo constatar que os bancos vão muito mais além da simples prospecção de mercados. Parabéns!

O CaRTOON Da SEMaNa Os serviços alfândegários estranham a ausência de café nas malas dos portugueses...

Será que esse produto tão popular desapareceu dos supermercados venezuelanos?

a SEMaNa MUITO BOM Graças à nova Lei da Nacionalidade, aprobada esta semana no Parlamento português, os netos de mais de muitos milhares de portugueses radicados na Venezuela acabam por ser beneficiados. Nos países onde a emigração portuguesa é ainda mais antiga, esta lei é um passo significativo, que pode reflectir-se numa maior reaproximação dos mais jovens às raízes da Pátria dos seus familiares portugueses.

BOM É digno de registo o apoio de um grupo de portugueses disponibilizado à equipa do Marítimo da Venezuela para que possa participar no torneio do Centro Italo-Venezuelano. Apesar de ser uma liga não federada, trata-se de uma prova de renome e com grande competitividade. A participação do Marítimo neste torneio também permitiu o regresso de antigos jogadores desta equipa, na sua maioria lusodescendentes. Será que desta vez o apoio vai ser constante? Esperemos que sim.

MaU Recentemente, o CORREIO esteve em La Victoria e registou as queixas da direcção do clube português daquela área. Lamentam principalmente o desinterese e a apatia por parte dos portugueses e lusodescendentes que visitam cada vez menos as instalações daquele centro. Igualmente fraca é a participação dos sócios nas actividades desportivas organizadas pelo clube. Que a motivação regresse depressa!

MUITO MaU Em várias oportunidades temos feito severas críticas a comportamentos nada dignos em relação a alguns eventos organizados pela comunidade. À nossa redacção têm chegado muitas criticas, tecidas com muito desagrado, de empresários emigrantes que já começam a evitar em assistir eventos relacionados com a Comunidade e com Portugal devido ao facto de estarem a ser alvo de reiterados assédios por parte de certos membros da própria comunidade ligados a meios de comunicação social que tentam impingir ou conseguir contratos de publicidade. O certo é que nada disto fica bem. Há momentos próprios e lugares adequados para se tratar desse tipo de negócios. E a hora e o local não podem ser encontrados no decurso de eventos organizados por entidades ou instituições completamente alheios a esses meios e fins. Esta prática, para além de condenável, revela uma total falta de respeito para com os organizadores desses mesmos eventos.

Fontes de Informação: DIÁRIO de Notícias da Madeira Jornal de Notícias Agência de Notícias LUSA O Correio de Caracas não se responsabiliza por qualquer opinião manifestada pelos colaboradores ou assinantes nos artigos publicados, garantindo-se, de acordo com a lei do jornalismo, o direito à resposta, sempre que a mesma seja recebida dentro de 60 dias.

El Correio de Caracas, no se hace responsable por las opiniones manifestadas por los colaboradores o firmantes, garantizando, de acuerdo a la Ley, el derecho a respuesta, siempre que la misma sea recibida dentro de 60 días.

Para todos los

gustos

El mejor Bodegón de Caracas con la mayor variedad en vinos Nacionales e Importados C.C.C.T. P.B. (cerca al Banco Provincial) Telfs.: (0212) 959.73.77, 959.67.28 - Caracas - venezuela


CORREIO DE CARACAS - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

Netos de emigrantes poder ser portugueses A nova lei, o Governo concede “ naturalização aos indiví duos nascidos no estrangeiro com pelo menos um ascendente do segundo grau da linha directa” .

ACTUAL | 3 reacções Mário Pereira Conselheiro da Comunidades Portuguesas

“Penso que a aprovação desta lei é uma demonstração do interesse que tem o governo português em reconhecer a terceira geração de luso-descendentes que se encontra no estrangeiro. A iniciativa vem acalmar as preocupações dos pais e é uma alternativa que permite o reconhecimento do sangue português por todo o mundo. Considero que o benefício é enorme é enorme”. Jesuinho Brito Ex-Cônsul honorário de Maracaibo

“Parece-me extraordinário que tenham aprovado um documento de tal envergadura. E ainda bem que o fizeram pois os netos de portugueses também têm direito de adquirir a nacionalidade. Penso que são muitos os luso-venezuelanos que vão beneficiar com esta lei”. Joao Marques Presidente da Associação de Médicos Luso-venezuelanos

CORREIO / LUSA

nova Lei da Nacionalidade, aprovada no Parlamento Português na quinta-feira 16 de Fevereiro, vai permitir que os netos de portugueses nascidos no estrangeiro possam adquirir a nacionalidade portuguesa. Segundo a nova lei, o Governo concede “ naturalização aos indivíduos nascidos no estrangeiro com pelo menos um ascendente do segundo grau da linha directa de nacionalidade portuguesa e que não tenham perdido essa nacionalidade” . Na sessão de abertura do seminário sobre Direito da Nacionalidade e da Cidadania, que decorre hoje e sexta-feira na Faculdade de Direito de

A

A nova lei da nacionaliudade vai essencialmente beneficiar os netos dos portugueses que vivem no Brasil e em outros paí ses da América Latina, onde a emigração lusitana é mais antiga. Lisboa, o ministro da Presidência, Pedro Silva Pereira, afirmou que esta é “ uma reivindicação antiga das comunidades portuguesas” .Até agora só podiam tornar-se portugueses os filhos dos emigrantes. A nova lei vai essencialmente beneficiar os netos dos portugueses que vivem no Brasil e em outros países da

América Latina, onde a emigração é mais antiga. A Lei da Nacionalidade vai também melhorar os direitos dos filhos dos estrangeiros que vivem em Portugal.A proposta de lei aprovada permite a atribuição da nacionalidade portuguesa a imigrantes de terceira geração, desde que um dos pais tenha nascido em Portugal. O diploma concede também a nacionalidade portuguesa a imigrantes de segunda geração, mas limitando o acesso à condição de o progenitor se encontrar há cinco anos em situação legal em Portugal. A nova lei também permitirá a concessão da nacionalidade às crianças nascidas em territó rio nacional e que tenham concluído o primeiro ciclo do Ensino Básico.

Cinco milhões só no Brasil m dos conselheiros das comunidades portuguesas no Brasil estimou que perto de cinco milhões de netos de emigrantes portugueses residentes naquele país podem vir adquirir a nacionalidade portuguesa no â mbito da nova lei. A Lei da Nacionalidade apro-

U

vada quinta-feira no Parlamento vai permitir que os netos de portugueses nascidos no estrangeiro possam adquirir a nacionalidade portuguesa, um privilégio que se destina essencialmente aos descendentes de emigrantes que vivem no Brasil e em outros países da América Latina, onde a emi-

gração é mais antiga.Antó nio de Almeida e Silva, expresidente do Conselho Permanente daquele ó rgão de consulta do Governo, disse à Agência Lusa que podem beneficiar da nova lei perto de cinco milhões de netos de emigrantes. Uma estimativa baseada no actual nú mero de portugueses a viver no

Brasil, que emigraram para esse país na década 50 e que actualmente têm netos que podem tornar-se portugueses, adiantou o conselheiro.Segundo Antó nio de Almeida e Silva, vivem no Brasil cerca de 800 mil portugueses, o que significa que “ a quantidade de netos é imensa” .

“Não se trata apenas de publicar uma lei. Creio que é uma responsabilidade de todos os portugueses que se encontram no estrangeiro manter a nossa cultura. Se o governo decide dar a nacionalidade aos lusodescendentes que se encontram no estrangeiro, isso é importante, mas não basta simplesmente só isso. É preciso ir mais longe e transmitir os nossos valores de geração em geração.” Ignacio Pereira Primeiro secretario do Conselho das Comunidades portuguesas

“Vem ao encontro das expectativas dos netos dos lusitanos, pois ainda que os seus pais tenham adquirido a nacionalidade, por uma ou outra razão, eles poderão consegui-la apenas para demonstrar que têm origens portuguesas e ensinam o início da descendência, desde os seus avós.” André Pita Presidente do Centro Português de Caracas

A medida também foi aplaudida junto dos cerca de 400 mil portugueses que vivem na Venezuela, pois vai “favorecer os emigrantes, em particular as novas gerações”, disse à Agência Lusa. José Luí s Ferreira, Presidente da Câmara de Comércio e Turismo Luso-Venezuelana.

A nova lei “é importante para a comunidade e uma forma de aproximar os luso-descendentes da terceira geração a Portugal e fazêlos sentir portugueses”.


4 | VENEZUELA

CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

Cunha e Silva transmite confiança aos investidores Governo Regional da Madeira responde às ansiedades da comunidade lusa dando a conhecer a actual realidade económica da arquipélago. Tábita Barrera

tababor@cantv.net

endo em vista o aumento de interesse em investir em Portugal por parte dos emigrantes empresários, o Governo Regional da Madeira, através da sua vicepresidência, tomou a iniciativa de criar uma Unidade de Apoio para os Empresários Emigrantes. O objectivo da iniciativa é responder às inquietações dos emigrantes empresários e facilitar as possibilidades ao nível do investimento. Nesse sentido, no passado dia 21 de Fevereiro, João Cunha e Silva, vicepresidente da Região Autó noma da Madeira, reuniu-se com cerca de 100 pessoas oriundas do mundo empresarial luso-venezuelano com a finalidade de lhes apresentar uma proposta para a criação de novas empresas na ilha. O apoio a prestar inclui serviços de aconselhamento jurídico, técnico, econó mico e fiscal, entre outros, assim como formação profissional e divulgação de apoios comunitários, tanto ao nível nacional como regional.

T

Também apresenta possibilidades de adesão a fundos de financiamento, como o Capital de Risco e a Garantia Mú tua. Garante, ainda, a incubação de empresas para jovens empreendedores e a instalação em parques empresariais da Madeira.

A ocasião foi aproveitada por João Cunha e Silva para sublinhar a importâ ncia que tem para a Madeira o investimento dos empresários emigrantes. « Temos que arranjar alternativas e devemos apoiar o investimento es-

trangeiro e dos emigrantes empresários que vivem na Venezuela. Da mesma forma, algumas empresas na ilha querem internacionalizar-se e, com apoio dos investidores, isto é possível. Quero destacar que investir na Madeira é investir com confiança» , disse. Por seu turno, Jorge Faria, presidente do Instituto de Desenvolvimento Empresarial (IDE), aproveitou a oportunidade para manifestar os seus desejos de meter mãos à obra neste projecto e acabar com as complicações que dificultam o acesso à actividade empresarial em Portugal. “ É preciso divulgar a expansão empresarial na Região com capital estrangeiro, para que nos actualizemos e estejamos na vanguarda. Queremos prestar serviços de apoio em todas as áreas para que os portugueses que vivem fora do país possam investir na ilha” , assinalou. Entre os só cios comerciais que fazem parte desta iniciativa, destacam-se o Centro de Empresas e Inovação da Madeira, L.da (CEIM), a Madeira Parques Empresarias Sociedade Gestora, S.A (MPE) e Direcção Regional de Formação Profissional (DPFP).

TESTEMUNHOS Manuel Moreira Presidente Carpoven Carabobo

“ É muito importante ao nível econó mico este apoio que nos dá o Governo Regional da Madeira. Acredito que isto é o que se deve fazer na Venezuela para que todos os empresários madeirenses e de origem portuguesa façam o seu investimento tanto na ilha como no continente. É um incentivo para que todos os lusos que estão cá no territó rio venezuelano possam investir com segurança” .

José Gabriel da Vera-Cruz

João Paulo Romão da Vera-Cruz

Presidente Caporven Aragua

Presidente do Centro Social

“ É uma boa oportunidade para demonstrar aos comerciantes venezuelanos o potencial dos comerciantes portugueses. Pena é que nem tudo o que se disse no evento foi entregue por escrito. Assim seria mais fácil comunicar estes dados ao membros da minha associação” .

Madeirense

“ Acredito que o evento foi muito positivo, pelo menos para muitos emigrantes de cá da Venezuela. É preciso dar resposta aos empresários emigrantes para que estes saibam o que têm de fazer para investir em Portugal, pois muito pouco se sabia sobre o assunto. Devia ter-se feito isto antes, mas nunca é tarde” .

Nelson Coelho Presidente Lar Geriátrico de Maracay

“ Parece-me uma maravilha a iniciativa do Governo madeirense, pois os emigrantes já sofremos muito na Venezuela. Não quero ser egoísta neste sentido, mas penso que isto devia ter sido feito há vinte anos atrás. Duvido que levemos os nossos filhos para Portugal para constituírem empresas… A não ser que haja algum problema neste país e tenhamos que emigrar. Pois neste momento já é muito difícil conseguir arrastá-los para a nossa terra. Nó s como venezuelanos, emigrantes portugueses, temos as nossas raízes cá. Temos tudo cá. Contudo, é um excelente apoio para os que tenham possibilidades de investir agora lá.”


CORREIO DE CARACAS - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

VENEZUELA | 5

Acidente de viação mata dois jovens luso-descendentes Yamilem González

yamilemgonzalez@yahoo.es

ois jovens luso-descendentes perderam a vida num trágico acidente de viação ocorrido no passado sábado em Charallave. Os pais das vítimas mortais encontram-se gravemente feridos e, até ao momento, ainda não têm conhecimento do morte dos seus filhos. De acordo com informações facultadas por Maria Costa, uma amiga muito pró xima das vítimas desta tragédia, a família dirigia-se uma cerimó nia de casamento em Caracas quando sofreu um acidente em que foi também interveniente um camião do lixo de Bonanza de Charallave. Apó s embater contra o muro de protecção da berma da estrada, o camião veio para o meio da estrada e invadiu o sentido contrário da via, apanhando de frente o veículo onde seguiam a família de luso-descendentes.

D

Os dois jovens não conseguiram resistir aos graves ferimentos sofridos. Os pais ficaram sem sentidos, mas conseguiram suster ferimentos graves infligidos. Presume-se que o condutor encontrava-se sob o efeito do álcool, mas ainda não se pô de confirmar se as autoridades iniciaram algum processo judicial. Alejandro Ponte e Wiliam Ponte, de 12 e 15 anos de idade, respectivamente, são as vítimas mortais do acidente. Pedro Ponte, pai das vítimas, é um emigrante português natural do Arco da Calheta que se dedica à actividade comercial no ramo comercio da distribuição de derivados de porco nas estradas de los Valles del Tuy. No acidente, Ponte sofreu um forte impacto que lhe provocou uma contusão cerebral grave. A mulher, cujo nome conseguimos apurar, sofreu fracturas nas costelas, tendo sido por isso alvo de ma intervenção cirú rgica. Encontras-se num estado clínico estável.

Até à hora do fecho desta página, os pais dos dois malogrados luso-descendentes ainda não estavam a par do que havia acontecido com os seus dois filhos, por causa dos seus esta-

dos de saú de delicados. Os familiares pró ximos ainda não sabem se vão esperar pela recuperação dos pais se levar por diante os funerais.


6 | VENEZUELA

CORREIO DE CARACAS - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

Candidaturas abertas para “ Portugal no Coração” Délia Meneses

delia_jornalista@yahoo.com

Consulado-Geral de Portugal em Caracas anunciou que já estão abertas as candidaturas para o programa “ Portugal no Coração” , relativo a 2006, e que se destina aos portugueses com mais de 65 anos de idade e que, por razões de ordem econó mica, não visitam Portugal há mais de 10 anos. O programa decorrerá em Maio e em Outubro pró ximos. Os candidatos deverão preencher a ficha de inscrição, cujo modelo poderá ser fotocopiado, e envia-las ao Consulado-Geral até ao pró ximo dia 1 de Marco e 30 de Junho, respectivamente. Esta iniciativa foi criada para atender à situação dos

O

emigrantes em situações de menor prosperidade, que atingem alguns dos seus membros mais idosos, impedindo-os de visitar a sua terra natal. O Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas entendeu criar a possibilidade de contemplar com uma visita a Portugal, se não todos os que pretenderiam, pelo menos alguns daqueles que, quer pela sua situação econó mica, quer pelo avançado da idade, quer pela distâ ncia que os separa da sua terra natal, dificilmente poderiam fazer pelos seus pró prios meios. Para o programa “ Portugal no Coração” podem candidatar-se os cidadãos portugueses que até ao dia do início da viagem tenham completado 65 ou mais anos de idade e que se encontrem em condições físicas que lhes per-

mitam viajar autonomamente. O Consulado esclarece que não podem beneficiar do programa aqueles que apresentem uma situação econó mica que lhes permita suportar os encargos com uma estadia similar. As pessoas que forem seleccionadas estarão abrigadas por programa turístico e cultural em Portugal, no regime de pensão completa, com a duração aproximada de duas semanas. Apó s estes dias, os participantes poderão prolongar a sua estadia em Portugal junto de familiares e amigos que os possam acolher e suportar eventuais encargos. A pré-selecção dos candidatos será efectuada pela Embaixada de Portugal, com a colaboração dos Postos Consulares. A selecção final é da responsabilidade do Secre-

breves

A pré-selecção dos candidatos será efectuada pela Embaixada de Portugal tario de Estado das Comunidades Portuguesas. Os custos do Programa são suportados pela TAP Air Portugal, pelo INATEL e pe-

la Direcção-Geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas. As viagens serão efectuadas nos meses de Maio e Outubro de 2006.

Festa para a Histó ria edição de 2005 do concurso “ Histó rias de Vida” será encerrada com uma celebração no dia 10 de Março, no Centro Português de Caracas. Na ocasião preceder-se-á à entrega de um prémio que reconhece o melhor testemunho publicado, sendo também honrados todos os restantes pessoas cujas histó rias foram contadas no Correio. São 22 as histó rias que expuseram, de forma pessoal, as características mais gerais da primeira geração da nossa comunidade, espelhando as aspirações que colocaram antes da viajem de partida. Estão descritas as impressões da travessia, as limitações de um começo laborioso nesta terra de acolhimento. Não se perderam as narrativas acercas de pormenores como a constituição de família, a devoção patrió tica e a fé religiosa, aspectos tão apegados aos valores tradicionais portugueses. É importante destacar que a distâ ncia quer espacial como temporal, marca a vida dos nossos historiados. Com efeito, muitos deles têm mais de vinte ou trinta anos, alguns desde que embarcaram, sem visitar a terra natal. Por isso convém sublinhar os nomes “ Millennium bcp” e “ TAP” ,

A

Câmara de Comércio de Guarenas cumpre 36 anos

“ Os rapaces da Brincadeira” no Centro Português

Em 18 de Março pró ximo, a Câ mara de Comércio de Guarenas celebra 36 anos de existência. O presidente desta associação, Antó nio De Freitas, declarou que o aniversário será celebrado na catedral “ Nossa Senhora de Copacabana” , através de uma missa solene. Posteriormente, haverá uma sessão especial na Câ mara de Comércio para honrar os distintos comerciantes, na sua maioria de origem portuguesa que vivem na zona. Depois haverá um brinde para que todos os convidados celebrem o “ seu dia” .

A partir das 9:00 p.m. do dia 18 de Março, o Centro Português de Caracas, serve de palco para a realização do evento “ Os rapaces da brincadeira” (Los grandes del humor), no Salão Nobre, numa iniciativa que visa oferecer umas horas de divertimento à comunidade portuguesa. Subirão ao estrado os famosos Emilio Lovera, Rafucho El Maracucho, El “ Che” Gaetano, Wilmer Ramírez e Charly Mata.

patrocinadores desta iniciativa e facilitares da viagem a Portugal de um dos historiados, mais um acompanhante. A eleição do vencedor será feita por um jurado composto por estimadas e respeitáveis personalidades pertencentes ao mundo diplomático, empresarial e social de nossa comunidade. Por ú ltimo, convém ainda assinalar que a edição 2006 de “ Historias de Vida” já começou com a publicação de testemunhos, o que revela o interesse depositado neste concurso. Desta forma, o Correio de Venezuela vai continuar a fazer chegar através das suas páginas, todas as semanas, mais uma experiência de um de nossos compatriotas. Juntos escrevermos a Histó ria da gente.


CORREIO DE CARACAS - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

Damas de Beneficencia “ ajudam” Lar de Maracay Jean Carlos De Abreu

deabreujean@yahoo.com

s Damas Portuguesas de Be ne ficê ncia de Caracas reuniram, em 20 de Fevererio ú ltimo, com a direcção da Beneficência de Maracay no geriátrico “ Padre Joaquín Ferreira” , de Los Anaucos, para discutir os termos da gestão do lar de idosos que se inaugurará proximamente no Estado Aragua. À reunião assistiram representantes das Damas Portuguesas de Beneficência de Caracas, presidida por María Fernanda De Moreira, e por parte do “ Lar de

A

Maracay” , assistiram Nelson e Noemí Coelho, directores do geriátrico desta cidade. María de Moreira declarou que a reunião foi muito proveitosa porque serviu para uma troca de ideias sobre como se pode melhorar a atenção dos idosos desprotegidos e assim orientar, da melhor maneira, a pró xima direcção na sua tarefa de cuidar dos utentes que venham a ingressar no Lar de Maracay. Para além disso, os representantes de ambos geriátricos acordaram em encontrar-se sempre que seja necessário trocar orientações para a melhoria dos serviços prestados nos lares.

Apesar de o ensino da língua portuguesa em Valência, Estado Carabobo, possuir uma importante presença de venezuelanos, Carlos Balaguera, director do “Instituto Camões”, está preocupado com o desinteresse demonstrado pelos luso-descendentes e apresenta alguns números que demonstram a pouca assiduidade de muitos dos alunos que ingressam nas aulas de português. “Dos 30 alunos que entraram no primeiro nível, apenas restam 12. O resto desistiu, seja pelo grau de dificuldade do idioma ou devido à realização de outras actividades”, contou.

Panaderia y Licoreria La Panamericana

Michele Leone

Panaderia Himalaya / Augusto Rodrigues

Panaderia Vista Alegre / Mario Martins Panaderia Super Paraguita / Carlos Texeira

breves

Luso-descendentes desistem de aprender português

Panaderia La Nonna

Panaderia Codazzi / David Oliveira

VENEZUELA | 7

está a premiar a fidelidade dos seus clientes Desta vez, os padeiros foram os escolhidos, sobretudo por serem empreendedores que têm transformado o conceito de servir o consumidor diário, como anunciamos na edição anterior da Plumrose, empresa distribuidora de embutidos que realizou o sorteio de 12 viagens de ida e volta a Portugal. Neste sorteio, participaram todas as padarias que cumpriram o compromisso de vender fiambres comercializados pela Plumrose Latinoamericana. Esta actividade é uma das que esta empresa tem para continuar a estreitar laços comerciais com tão importante grémio comercial do país. E, desta forma, pode oferecer ao consumidor produtos de excelente qualidade.

"Sorteio número 4 do ano 2005".

Panaderia Diana / Jorge Da Costa Panaderia Mansión del Valle / Enmanuel Brazao

Alejandro Oliveira

Panaderia La Excelencia / Gassan Naim Panaderia Pan de Oro C.A. / Alcides Netos

Panaderia Los Molinos / Miguel Dos Santos Panaderia La Esquina del Pan / Vailiño Peralta


8 | VENEZUELA

CORREIO DE CARACAS - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

Direcção de Feceporven fica mais dois anos Pela primeira vez foi utilizado o sistema da eleição de listas, mas apenas uma se apresentou ao sufrágio, tendo vencido sem concorrência. Délia Meneses

delia_jornalista@yahoo.com

s eleições para a direcção da Federació n de Centros Portugueses de Venezuela (Feceporven), decorreram no passado dia 12 de Fevereiro, no Centro Social Madeirense de Valência. Apesar do sistema de listas, implementado este ano para promover uma eleição mais plural, na prática não se alcançou tal objectivo pois apenas se candidatou uma lista. Ao não aparecer uma lista alternativa, a ú nica direcção concorrente foi ratificada com os votos dos 11 clubes sociais portugueses que participaram na eleição. Marcelino Canha, presidente da Feceporven, agora reconduzido no cargo por mais dois anos, assegurou que todos os clubes associados foram informados acerca da data das eleições. “ O processo de inscrição das respectivas listas terminou em 28 de Janeiro. Em princípio, estava prevista a participação de uma segunda lista, mas acabou por não se apresentar” , explicou. Para 11 de Março foi marcada no Centro Luso-venezuelano de Acarigua a realização da primeira assembleia deste ano, ocasião que será aproveitada, como habitualmente, para a definição das actividades que a Federação levará a cabo nos pró ximos meses, entre as quais se conta o Festival da Canção Feceporven e o Dia de Portugal. Para Canha, é sempre “ bom e saudável haver interesse em participar. Mas este ano, isso não ocorreu” , lamentou. Daí que tenha feito votos para que dentro de dois anos Feceporven possa ser uma instituição mais plural. No entanto, assegurou que havia uma corrente de opinião entre a maioria dos clubes “ para que voltássemos a presidir à direcção e assim terminar com o trabalho que já tínhamos iniciado na gestão anterior” . A Casa Portuguesa do Esta-

A

“ O processo de inscrição das respectivas listas terminou em 28 de Janeiro. Em princí pio, estava prevista a participação de uma segunda lista, mas acabou por não se apresentar” , explicou o presidente reeleito. do de Aragua, que não participou na votação, esteve para encabeçar uma segunda lista concorrente mas acabou por desistir de levar por diante tal propó sito. O Correio tentou saber, junto da direcção deste centro, quais as razões que estiveram na base dessa desistências. Contudo, não foi possível estabelecer contacto em tempo ú til, ou seja, antes do fecho desta edição. Para este ano, Canha observou que continuarão as conversações com o Centro Português de Caracas de modo a integrar esta instituição para o seio da Feceporven. “ Já iniciamos um diálogo no ano passado e as portas estão abertas” , disse. Por outro lado, está também entre os planos a realização de um festival de folclore juvenil e a organização de um festival de bandas luso-venezuelanas” , acrescentou. O projecto mais ambicioso para levar a cabo tem a ver com a criação de um lar de terceira idade, que poderá ser construído em Acarigua, Valência, ou Barquisimeto. Os centros sociais portugueses que elegeram a actual direcção da Feceporven foram: Casa Portuguesa do estado Aragua, Casa Portuguesa Venezuelana de Valência, Centro Social Madeirense de Valência, Centro Atlâ ntico Madeira de Barquisimeto, Centro Luso Larense, Centro Português de Villa de Cura, Centro Luso de Caracas, Centro Português de Catia la Mar, Centro Português de Ciudad Ojeda, Centro Luso-venezuelano de Acarigua, e Centro Virgen de Fátima de Guatire.

Para Canha, é sempre «bom e saudável haver interesse em participar. Mas este ano, isso não ocorreu», lamentou.

Reacções m porta-voz do Centro Luso de Catia la Mar comentou, acerca da ausência de uma lista concorrente, de que tal se fica a dever a duas situações: “ Não tinham confiança para ser oposição ou os incentivos são muito fracos para defender uma causa como a da Federação de Centros” , indicou. Por seu turno, o

U

presidente do Centro Luso de Turumo, Manuel Pereira, disse estar satisfeito com a ratificação feita à actual direcção. Considera que Canha tem desempenhado uma boa missão no sentido de promover a união dos clubes portugueses. De igual modo, tem-se esforçado para conseguir ajuda econó mica para os clubes mais carenciados de apoio.

Direcção da Feceporven Presidente: Marcelino Canha Vice-presidente: Carmen Diaz Tesoureiro: Joao Paulo Veracruz Secretário: David Alcarí a Relações Públicas: Joe Rodrí guez


CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

PUBLICIDADE | 9


10 | VENEZUELA

CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

Sabores madeirenses distinguidos Um trabalho de graduação que mereceu a máxima classificação. Esta venezuelana não resistiu aos aromas e ingredientes de uma gastronomia que satisfaz os mais exigentes paladares. Liliana da Silva Lilianadasilva19@hotmail.com

spetada, carne de vinho e alhos, bolo do caco, milho frito, espada preta, são alguns dos pratos mais comuns nas mesas dos lares madeirenses. No entanto, para Marioxsi Parra, estas comidas eram totalmente desconhecidas até há alguns anos, quando se casou com Efraín da Silva, luso-descendente que, juntamente com a sua família, contagiou a venezuelana com os sabores da gastronomia portuguesa. O gosto converteu-se depois numa paixão que veio a dar origem a um trabalho de graduação de curso intitulado “ Comida típica portuguesa de la Regió n de Madeira” , livro que foi premiado com um título em “ Artes Culinárias” pelo Centro Venezolano de Capacitació n Gastronó mica (CVCG). Depois de dois anos de estudos, necessários para a graduação, Marioxsi Parra tinha de desenvolver uma tese sobre a gastronomia de um país ou região da Venezuela, tendo então optado por se aventurar pela descoberta da comida madeirense, apesar de viver numa terra onde, embora detentora de uma forte presença lusitana, não existe nenhum restaurante especializado nesta cozinha. « Em Caracas é possível provar uma grande variedade de pratos provenientes de diferentes culturas de quase todo o mundo. No que toca à gastronomia europeia pode-se dizer que em Caracas podemos comer como em Itália, França ou Espanha sem a menor dificuldade. Contudo, parece que com a comida típica portuguesa não acontece o mes-

E

Embora haja quem pense o contrário, a comida portuguesa não contém muitas calorias.

mo» , observa Parra, explicando que não se assiste à « mesma proliferação de restaurantes propriamente portugueses, nem a mesma oferta de comida típica deste país nos menus de restaurantes que oferecem comida internacional» . A principal motivação para a elaboração do seu trabalho foi o ter encontrado uma deficiente oferta de pratos portugueses, confessou. No entanto, a sua tarefa não foi nada fácil e requereu de um forte investimento. « A primeira limitação que detectei foi a ausência de informação sobre a gastronomia madeirense. Visitei o Centro Português de Caracas e outras instituições lusitanas e o panorama era o mesmo: ninguém podia ajudar-me. Por isso tive de viajar até à ilha da Madeira para recolher o material que precisava e, sobretudo, conhecer as receitas originais desses pratos» , referiu Marioxsi Parra.

Marioxsi Parra teve de viajar até à Ilha da Madeira

É que, explicou, a par da investigação documental, era preciso saber preparar refeições para um jurado, aos quais apresentaria várias receitas descritas no trabalho. « Na viagem pude entrevistar muitas pessoas que me ensinaram alguns segredos dos seus pratos. E também pude recolher ingredientes naturais da terra de forma a conservar os sabores originais» , contou a investigadora que conseguiu impressionar o jurado, com-

posto por três portugueses e um venezuelano, já que premiaram o seu esforço com a máxima pontuação. Durante o processo, Marioxsi Parra realizou sondagem a um grupo de pessoas acerca da gastronomia portuguesa para saber sobre a viabilidade de um restaurante de este tipo. « As pessoas não conhecem a variedade da cozinha portuguesa. A maioria dos inquiridos apenas conhecia o bacalhau e associava o azeite e as azeitonas. No entanto, manifestava o desejo de conhecê-la» , afirmou a “ chef” , para quem a dieta madeirense esta muito influenciada pelos produtos do mar, pelas carnes e as verduras

UMA COzINhA lIGEIRA E SIMPlES Embora haja quem pense o contrário, a comida portuguesa não contém muitas ca-

lorias. Esta é uma das conclusões a que chegou o trabalho de investigação realizado por Marioxsi Parra. « Através dos cálculos de valor nutricional efectuados a alguns dos pratos típicos derrubei, de certa forma, o mito acerca dos altos índices caló ricos» , adianta. Para além disso, prosseguiu a interlocutora, « pude constatar que ao substituir alguns ingredientes originais da ilha por outros produzidos na Venezuela não se alteram os sabores dos pratos» . Para a “ chef” venezuelana, o segredo dos sabores madeirenses reside na simplicidade das suas receitas, no tradicional e na preparação algo rú stica, o que, tudo conjugado, não deixa de produzir algo requintado para o paladar. « A comida típica madeirense é muito variada, capaz de satisfazer diferentes gostos e preferências culinárias» , garante.


CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

VENEZUELA | 11

Apatia juvenil Jean Carlos De Abreu

deabreujean@yahoo.com

a Victoria, no Estado Aragua, encontra-se a 85 quiló metros de Caracas. Ali vivem mais de 2 mil portugueses, sem contar com os descendentes. Numa zona montanhosa, no sector Los Budares, fica situado o Centro Social luso-venezuelano La Victoria, fundado a 11 de Junho de 1985. O actual presidente do clube é Antó nio Ferreira da Costa, oriundo de Braga, Portugal, que chegou à Venezuela há mais de 20 anos e cumpre, actualmente, o papel de líder da instituição. Ferreira participou noutras direcções e foi secretário principal. No início, em 1985, o Centro Social Luso fundou-se com 300 só cios, através da fusão de um clube extinto e de vários particulares, mas com o passar do tempo diminuiu a quantidade de associados até sobrarem apenas 70 elementos, devido à apatia dos portugueses daquela zona. Segundo argumenta Ferreira, a intenção de formar um clube era « para que os lusos colaborassem com os locais e os venezuelanos se envolvessem nas nossas actividades.» A situação econó mica do país, a idade avançada dos só cios e a falta de interesse dos jovens luso-descendentes influenciados pela família - foram as causas que levaram o Centro Social Luso ao abandono. O presidente do clube explicou que está a resolver a situação de abandono das instalações com actividades desportivas que têm servido para integrar outras comunidades que residem na localidade.

L

FALtA dE APOiO JuVENiL E ECONó miCO « Os jovens luso-descendentes da La Victoria não mostram interesse pelas actividades que a direcção do clube organiza» , reforçou o presidente da insti-

Centro sente a falta de apoio juvenil e económico.

A falta de interesse e de apoio dos portugueses de La Victoria faz com que o Centro lusitano se encontre mergulhado na apatia e que cada vez mais jovens descendentes de portugueses não participem nas actividades desta associação. tuição. Acrescenta a falta de recursos econó micos, que é um problema que persiste nesta associação, seja porque as mensalidades não são pagas, seja porque os associados perdem a vontade de deslocarem-se ao Centro. O custo da manutenção é de 30 mil bolívares mensais, « mas o dinheiro arrecadado não cobre manutenção total do estabelecimento» , disse.

RELAçõ ES iNStituCiONAiS EStáVEiS O presidente do Centro Social luso

referiu ainda que os laços com a Federação de Centros Portugueses Venezuelanos (FECEPORVEN) são só lidos e de estreita amizade, já que a intenção da Federação é unir todos os clubes e que estes criem laços de amizade e também de carácter desportivo. Por este motivo, o Centro Social mantém com a Casa Portuguesa do Estado de Aragua uma colaboração absoluta, e já participaram, inclusive, em festas comuns, como é exemplo a festa da Virgem de Fátima. A esta festa, em Outubro do ano passado, assistiram 300 pessoas, sendo que 7 eram portugueses e os restantes eram habitantes da localidade. Antó nio Ferreira deseja que este ano haja mais actividades no clube e que a integração por parte da comunidade lusa de La Victoria se desenvolva. Para além disso, vão fazer chegar às entidades portuguesas no país a necessidade de apoio econó mico a fim de levantar de novo a associação. No pró ximo mês de Abril, vão realizar-se eleições para nova direcção.

breves Beneficência para ajudar Lar de Maracay No próximo dia 17 de Março, o Salão “Luís Vaz de Camões” da Casa Portuguesa do Estado de Aragua serve de palco para a realização de uma iniciativa que visa angariar fundos de beneficência para doar ao Lar de Maracay. A partir das 08:00 horas, será promovido um jantar organizado pelas Damas de Beneficência desta localidade para esse fim. O acto estará animado pela música da orquestra “Estilos” mais a participação do humorista venezuelano Laureano Márquez. A entrada custa 75 mil bolívares para as crianças e adultos, devendo os participantes apresentarse em traje formal. Haverá prémios surpresa e o sorteio de uma viagem a Portugal, com o apoio da companhia aérea portuguesa TAP.


12 | HISTÓRIA DE VIDA

CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

Sonhos de criança Maria Águeda da Silva Camacho Curral das Freiras, Madeira

sempre gratificante ver os emigrantes regressar com o desejo de matar saudades. Chegam com vontade de andar pelos mesmos caminhos por onde correram quando eram crianças ou ainda jovens rapazes que não pensavam em emigrar. Maria Águeda nunca pensou que o seu destino seria semelhante a este. A rota começou a apontar para a Venezuela quando conheceu um rapaz natural da sua povoação que já vivia em Caracas há vários anos. Conheceram-se quando visitou a Madeira pela primeira vez desde a partida, decorria então o ano de 1974 e ela tinha 16 anos. O noivado foi curto, quase apressado. Logo, o tempo para se conhecerem foi pouco, já que ele tinha ido só por três meses. O sonho de toda a me-

É

nina de um romance longo, de um namoro româ ntico, da preparação do enxoval, esfumou-se quando aceitou casar. Maria Águeda recorda que tudo aconteceu tão rápido que quase não houve tempo para se apaixonar. Foi casar-se e partir. E os seus pais ajudaram-na a decidir: o rapaz é trabalhador e de boa família. O escasso enxoval - comprado aos vendedores ambulantes que ocasionalmente passavam pela povoação - reunido ao longo da sua ainda curta existência foi rapidamente metido no baú . As suas toalhas, mantas e outros panos bordados, foram comprados e pagos aos poucos pois não tinha tempo para os bordar ela pró pria. Antes de casar, Maria Águeda trabalhava numa casa de família e durante esse tempo aprendeu a poupar, a distinguir entre o bom e o mau. Apó s a viajem para Caracas pensou que o seu sonho de

adolescente de possuir uma casa pró pria demoraria. As primeiras duas semanas foram passadas na casa da sogra, na “ calle 1º de Mayo” , na zona popular de El Cementerio” . Para a recém-chegada, tal acolhimento foi considerado como uma bênção. A Venezuela era um mundo completamente estranho e a aprender a conhecê-lo junto dos seus ajudou-a a ambientarse. Certo dia o marido levou-a para a nova casa, onde ainda vive actualmente. Já passaram 30 anos desde então. O trabalho que desempenhou desde jovem na casa de família providenciou-lhe a experiência suficiente para converter-se em dona de casa, ou doméstica, para utilizar um terno mais moderno. Criou quatro filhos que entretanto já lhe deram a satisfação de poder conhecer três netos. Com eles superou as limitações da sua baixa escolarida-

Aos 46 anos, Maria Águeda não deixa de agradecer uma coisa muito especial que deve à Venezuela: a amplia visão do mundo que teve oportunidade de aprender.

de. Só conseguiu estudar até à terceira classe, mas houve muito entendimento com os filhos, com quem partilhava e partilha tarefas. Ensinou a estes tudo o que sabia, sendo certo que foi sobre a importâ ncia da “ família” o que mais de fundamental quis transmitir. Maria Águeda sabe que neste país de acolhimento ter estudos e um título é muito importante. Desde que os filhos cresceram, tem mais tempo para ajudar o marido. Começaram com uma pequena mercearia. Mais tarde puderam construir uma casa. Toda a sua família é testemunha do desenvolvimento do bairro, que também melhorou de vida com o passar do tempo. Ali todos se conhecem. Quando alguém precisa de ajuda, esta é dada e se depois

os papéis se invertem, estão todos às ordens. O momento mais difícil passado na Venezuela aconteceu em 1983, quando foram alvo dos saques levados a cabo pela multidão que protestava contra a crise econó mica de então. Aos 46 anos, Maria Águeda não deixa de agradecer uma coisa muito especial que deve à Venezuela: a amplia visão do mundo que teve oportunidade de aprender. Em jovem nunca havia imaginado tamanha dimensão. Hoje está convencida de que todos os seres humanos são iguais e opõe-se a qualquer tipo de discriminação. A melhor prova são os seus filhos: a filha mais velha é funcionária pú blica do Estado venezuelano e os seus filhos estão relacionados com venezuelanos


CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

PUBLICIDADE | 13


14 | CULTURA

CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

“Serviço Público” luso Jean Carlos De Abreu

deabreujean@yahoo.com

mú sica une a juventude em qualquer parte do mundo, em muitos casos por paixão ou por fanatismo. Na Venezuela, formar bandas musicais converteu-se num hobbie dos adolescentes, já que a intenção é serem reconhecidos pelo seu talento. Em Setembro de 2005, sete jovens, descendentes de europeus, formaram uma banda para cumprirem um sonho: Participar no Festival de Novas Bandas. Freddy, Ronald, José Alberto, Fernando, Nacho, Erick José e Erick Eduardo são os elementos de “ Serviço Pú blico” . O nome do agrupamento foi ideia de um dos membros do grupo, que surgiu numa sala de ensaio da “ Audioline” . O género musical que a banda interpreta é Hip Hop Rock Progressivo, estilo musical no qual se destacam as bandas americanas “ Linkin Park” e “ Hoobastank” . O grupo apresentou-se em três alturas distintas em locais diferentes da cidade de Caracas, tendo sido bem aceites pelo pú blico. No entanto, os jovens continuam a trabalhar arduamente para participarem no Festival de Novas Bandas. “ Serviço Pú blico” tem gravadas 10 canções de autoria pró pria, e interpreta ainda outras melodias de grupos estrangeiros. Freddy Pereira e Ronald Gomes, baterista e baixista do grupo, são amigos desde a infâ ncia. Estudam na Universidade Cató lica Andrés Bello (UCAB), tendo um optado pela Comunicação Social e outro

A O cantor de origem açoriana está de volta aos palcos venezuelanos.

Jorge Ferreira regressa Liliana da Silva

Lilianadasilva19@hotmail.com

cantor português de origem açoriana, Jorge Ferreira, regressa uma vez mais aos palcos venezuelanos para brindar a comunidade portuguesa que reside neste país com o melhor do seu repertó rio musical. Desta vez, o Centro Português de Caracas, o Centro Português de Guayana (Puerto Ordaz) e Los Teques, são os palcos escolhidos para as três apresentações que o cantor fará, dias 28, 29 e 30 de Abril, respectivamente. Para além de Jorge Ferreira, o pú blico vai ainda poder desfrutar das vozes de Carlos Kanto e Enrique do Couto. Este ú ltimo vai apresen-

O

tar um espectáculo nunca antes visto: Canções portuguesas adaptadas ao género rancheiro e canções mexicanas traduzidas em português, que vão ser acompanhadas ao vivo por um mariachi. Este repertó rio já se encontra num CD, que Enrique do Couto vai apresentar nos concertos. Jorge Ferreira apresentou-se em inú meras ocasiões na Venezuela, convertendo-se no cantor português com mais presenças neste país, daí que os concertos também vão servir de palco para celebrar os 25 anos de carreira artística deste açoriano que já actuou em quase todos os países com presença portuguesa, como a França, África do Sul, Estados Unidos, Canadá e Brasil, levando como bandeira o seu muito famoso “ Canto ao emigrante” .

pelas Relações Industriais. Os dois dizem que sempre foram amantes da mú sica e por essa razão uniram-se para formar o grupo. Estes luso-descendentes garantem que se sentem orgulhosos das suas raízes portuguesas e que as têm sempre nos seus corações. Freddy Pereira diz que o que mais gosta em Portugal são as mulheres, o Carnaval e a comida, sem esquecer que é apaixonado pelo futebol luso e pelo Porto, enquanto que na Venezuela é fanático pelos Navegantes de Magalhães. Caso diferente é o de Ronald, uma vez que é “ caraquista” . Estes jovens admitem que sentem a mesma paixão pelo futebol português e aplicam as tradições que os pais lhes ensinaram. Ambos afirmam sentir-se muito portugueses, apesar de não terem nascido em Portugal. O que desejam acima de tudo é serem apoiados pelos jovens a fim de serem seleccionados como nova banda e participarem no Festival de Novas Bandas, que ocorre no segundo semestre deste ano.

Cesária Évora lança novo disco em Março novo disco de Cesária Évora chega ao mercado no pró ximo dia 7 de Março. Baptizado ‘ ’ Rogamar’ ’ , será o décimo da sua carreira e vem carregado de uma mensagem de força, coragem e tenacidade, segundo anunciou a sua discográfica. A artista de Cabo Verde, nascida em Mindelo há 64 anos, reú ne canções de compositores como Manuel de Novas, um antigo navegante, ou Teó filo Chantre, um mú sico pari-

O

siense, ambos vinculados de modo inseparável ao ritmo da ‘ ’ saudade’ ’ , apelidado por muitos como o ‘ blues português’ ’ , informou a DPA. Cesária também colabora com outros compositores mais jovens da zona de Mindelo, como Constantino Cardoso e Jhon Luz, criadores de uma série de ritmos autó ctones. Fernando Andrade, o seu pianista habitual desde 1999, acompanha a artista neste novo disco. Para além disso, seis dos 15

temas do álbum contam com a colaboração do brasileiro Jaques Morelenbaum, violoncelista que colaborou com Jobim, Milton Nascimento e Caetano Veloso. O nome de ‘ ’ Rogamar’ ’ provém da junção de rogar e mar. Os temas estão cantados em crioulo português. Cesária já vendeu más de cinco milhões de álbuns em todo o mundo desde que em 1988 publicou o seu primeiro trabalho, ‘ ’ La Diva aux pies nus’ ’ .

Novo disco de Cesária Évora surge da junção de “rogar” com “mar”.


CORREIO DE VENEZUELA- 23 DE FEVEREIRO DE 2006

LAZER | 15

León visita Madeira Kent, Emilio, Luifer, Nacho e o Chino sentem-se satisfeitos com o seu trabalho.

“A juventude é o coração dos países” Tabita Barrera

tababor@cantv.net

á aproximadamente dois anos e meio, cinco rapazes venezuelanos que corriam atrás do mesmo objectivo, ser cantores reconhecidos, tiveram a oportunidade de demonstrar que com dedicação, empenho e uma grande dose de perseverança, é possível tornar os sonhos em realidade. Apó s um longo caminho, onde os sorrisos e as lágrimas jogaram um papel fundamental, demonstraram que não se deixaram vencer perante os obstáculos que surgiram pela frente. Pelo contrário, trabalharam incansavelmente para conseguir o que desejavam. Assim foi e actualmente Kent, Emilio, Luifer, Nacho e Chino, membros do grupo Calle Ciega, têm a missão de representar a Venezuela ao nível internacional e deixar claro que quem quer o pode. Não só serão profetas na sua terra, como também fora dela. Com a sua ú ltima produção discográfica, intitulada "Una vez más", os rapazes de Calle Ciega, despertaram respeito entre o pú blico, mais admiração e carinho. Hoje em dia, a sua proposta musical, dirigida principalmente a um pú blico jovem, está centrada no "reggaeton", sem deixar de lado, contudo, o "merengue" e "certas influências da mú sica latina". Cada um deles valeu-se da sua juventude para aprender e começar a forjar o seu caminho. É por isso que afirmam que perseverança e a fé são a chave do sucesso. De igual modo, insistem em que a preparação é o ingrediente indis-

H

Os membros da banda venezuelana “ Calle Ciega” asseguram que ser jovem significa aprender e é sobretudo uma fase caracterizada por muita energia, a qual há que aproveitar ao máximo pensável para se triunfar na vida. "O meu avozinho sempre dizia que a juventude é muito curta e que a velhice é muito longa", lembra Kent, que considera a juventude como uma fase a partir da qual se pode fazer praticamente tudo. Por seu turno, o Chino, considera que "a juventude é o coração dos países, porque é nela que se encontra a força e o futuro das nações. É uma etapa maravilhosa, cheia de aprendizagens e onde cada qual traça o seu futuro". Já o Emílio, prefere assinalar que a "a energia que se tem nesta fase da vida é uma maravilha e facilita o cumprimento de todas as metas, tanto pessoais como colectivas". Estes cinco jovens sentem-se satisfeitos com o que tem feito até ao momento. No entanto, asseguram que ainda lhes falta pedalar muito para chegar à rua dos seus sonhos.. Kent, Emilio, Luifer, Nacho e o Chino, preparam-se arduamente para semear talento e constâ ncia. Formam um grupo o qual promete continuar a dar muitas alegrias às suas fãs que correm atrás daquela magia artística que os caracteriza. Actualmente encontram-se a promover a seu almanaque.

“El sonero” vai actuar na freguesia do Arco da Calheta.

Yamilem González

yamilemcorreio@hotmail.com

“ sonero del mundo” , como é conhecido Oscar de Leó n, visita a Madeira pela primeira vez por ocasião de uma celebração a ter lugar na freguesia do Arco da Calheta. O empresário Igidio Monteiro está encarregado da deslocação do cantor até terras portuguesas, no pró ximo 17 de Junho, que se faz a pedido do pú blico “ salsero” do concelho da Calheta. Este empresário na área do comércio da Venezuela, todos os anos cumpre a tradição de levar um artista venezuelano à festa daquela localidade. Em anos anteriores viajou Reinaldo Armas, em representação da mú sica

O

“ llanera” . Este ano decidiram inovar o género musical e optaram por levar Oscar de Leó n, o máximo protagonista da salsa na Venezuela e no mundo. Há que destacar que a salsa, não é exclusivamente escutada em países latinos, mas sim por toda a Europa, sobretudo em estabelecimentos de diversão nocturna, frequentados por pessoas em busca de divertimento e para apreciar boa mú sica. Segundo Monteiro, está sendo planeada uma segunda apresentação do “ salsero” na zona de Espinho, mas para tal ainda faltam acertar vários pormenores. « As pessoas estão muito entusiasmadas por causa da visita de Oscar à Madeira e creio que a sua actuação vai ser um grande êxito» , vaticinou.


16 | LAZER

CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

“ Así es Portugal” celebrou 30 anos Yamilem González

yamilemgonzalez@yahoo.es

programa de rádio “ Así es Portugal” , transmitido pela emissora “ La Voz de la fé” , em Maracaibo, Estado Zulia, está comemorando 30 anos de vida. O aniversário foi celebrado com uma emissão especial transmitida desde o estú dio gigante de “ La Voz de la Fe” , momento que contou com a presença de personalidades ligadas à comunidade portuguesa e diferentes colaboradores que já tiveram a oportunidade de participar em “ Así es Portugal” . A festa contou também com animação musical, que esteve a cargo de Chicho Freitas, conhecido como “ El Hombre Orquesta” , artista luso-venezuelano. Antó nio dos Santos, natural da Maia, Portugal continental, é o produtor e director do programa que está composto por secções temáticas, de aproximadamente cinco minutos cada, entre notícias, informações ú teis, rubricas histó ricas, notas sociais e desportivas. As notas recebidas do governo português são explicadas também em língua castelhana. De frequência AM, o programa é transmitido todos os domingos entre as 10 e as 11 da manhã, sendo conduzido por Laurinda Teixeira, filha de madeirenses. Foi para o ar pela primeira vez em 1976, por iniciativa da Junta Directiva da Casa Portuguesa de Maracaibo, através de uma proposta da Comissão da Cultura, que defendeu a criação de um progra-

O

Em 1991 “Así es Portugal” encontrou um espaço na Emissora Católica de Maracaibo “La Voz de la Fe”

ma de rádio, sem fins lucrativos, com a finalidade de informar a comunidade portuguesa em geral acerca das actividades que se desenvolviam no clube. Foi assim que, em 4 de Fevereiro desse ano año, “ Así es Portugal” arrancou na “ Radio Catatumbo” . Em 1983, Antó nio dos Santos, converteu-se no produtor e director do programa, com a locução de Laurinda Teixeira. Nos anos que se seguiram, um repre-

Apresentação das 25 candidatas Comité de Damas da Casa Portuguesa do Estado de Aragua, apresentará, no pró ximo dia 21 de Fevereiro, as 25 participantes que concorrem aos títulos de “ princesita” , “ princesa teen” e “ reina” da associação. A apresentação decorrerá no Salão “ Luís Vaz de Camões” . No dia 25 seguinte, realiza-se a eleição, a partir das 9:00 pm, no clube.

O

sentante do Instituto de Apoio à Emigração das Comunidades Portuguesas, visitou as instalações do clube e propô s a colaboração logística do governo português para que assim pudessem chegar aos portugueses e luso-venezuelanos, informações oficiais de Portugal. Depois destes desenvolvimentos e por razões de logística “ Así es Portugal” mudou-se para a emissora “ Radio Aeropuerto Internacional” e um ano mais tarde para a Radio Mara Ritmo 900, on-

de permaneceram por um período de cinco anos. Em 1991 encontraram um espaço na Emissora Cató lica de Maracaibo, denominada “ La Voz de la Fe” , e tem sido desde aqui que têm emitido desde então. Ao longo dos anos sofreram várias interrupções por motivos relacionados com as mudanças de emissoras e ainda avarias nos equipamentos de retransmissão.

Mini Top Elite Venezuela Carlos Orellana

corellanacorreio@hotmail.com

tefanny Grace Gonçãlves Pestana volta a ser notícia nestas páginas, desta vez para anunciar o seu triunfo como nova Mini Modelo Top Elite da Venezuela, concurso no qual também obteve o prémio por ser a mais Fotogénica. Com apenas nove anos de idade, esta luso-descendente, cujos pais são natu-

S

rais da freguesia do Estreito de Câ mara de Lobos, na Madeira, soma mais um título no que se refere a concursos de beleza. Foi, o ano passado, a primeira finalista do Mini Globe Venezuela. Depois deste certame, viajou para Arequipa, no Peru, onde ganhou o concurso internacional Rainha Infantil Mundial, no qual representou a paradisíaca ilha de Los Roques.


CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

PUBLICIDADE | 17


18 | MADEIRA

CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

A Capital do Norte São Vicente é frequentemente referenciado como a capital do Norte da Madeira. É muito procurado e tem ainda uma particularidade: Possui a maior mancha de Laurissilva do Mundo. Raul Caires

Dados de interesse: - O concelho tem pouco mais de 6 mil habitantes nas três freguesias; - Tem uma área de 81 quilómetros quadrados - Passeios a pé: Entrosa, Pico da Cova, Vigia da Lombadinha, Fajã do Penedo, Caminho do Passinho, Lombo do Urzal, Caminho do Arvoredo, Fajã da Cinza, Lombadinha. - Miradouros: Caminho do Pico, Caramujo, Cardais, Chão dos Louros, Encumeada, Fajã do Amo, Feiteiras, Lombada, Lombo Garcês, Passo, Ponta Delgada, Quebradas, santinha, Terra-Chã, Vista do Bom Jesus. - É neste concelho que se produz um dos vinhos regionais mais requisitados. Enxurros. - São Vicente possui a maior mancha de Laurissilva, nome pelo qual ficou é conhecida a floresta original da ilha da Madeira. Esta designação provém do latim laurus (loureiro, lauráceas), e silva (floresta, bosque). É considerada Património Mundial. - As três freguesias possuem casas de turismo rural e/ou hotéis. - Uma das imagens de marca do concelho é a pequena capela escava na rocha, junto à marginal da freguesia de São Vicente. A sua imagem corre mundo...

rcaires@dnoticias.pt

elimitado, a Oeste, pelo concelho de Santana, e a Leste pelo Porto Moniz, do concelho de São Vicente fazem parte três freguesias: São Vicente, Ponta Delgada e Boaventura. Nos ú ltimos anos, a exemplo, aliás, do que acontece nos restantes concelhos madeirenses, a afluência de pessoas àquela zona tem vindo a crescer, fruto, sobretudo, das novas vias construídas a partir da segunda metade da década de 90. Oferece belos passeios a pé em todas as freguesias e tem, desde o ano passado, um novo complexo balnear, que acaba por ser pequeno para as “ encomendas” …

D

SãO ViceNte A freguesia de São Vicente e sede de concelho oferece uma das maiores atracções turísticas na ilha: O centro de Vulcanismo, no Sítio do Passo. Localizado junto a outra das grandes atracções locais, as Grutas de São Vicente, o centro conjuga a cultura e o conhecimento com o lazer e a animação. Podem entrar no recinto 90 visitantes de cada vez, a fim de assistir a verdadeiros espectáculos audiovisuais através dos quais é recriada a evolução geoló gica das grutas até à erupção de um vulcão e ainda à simulação de uma ilha a nascer. É possível ainda fazer uma viagem virtual ao centro da ilha, para além de poder assistirse a um filme a três dimensões sobre a origem da Madeira. A fim de tirar partido do terreno que envolve o centro de Vulcanismo, foi construído um jardim com plantas endémicas e uma série de percursos pedonais, nos quais não faltam cursos de água. está aberto durante todos os dias da semana, sendo que a primeira visita realiza-se às 10:00 horas e a ú ltima às 18. Ali mesmo ao lado, ficam as Grutas de São Vicente, um verdadeiro ex libris do concel-

A porta de entrada para o Norte da ilha é um lugar para se conhecer muito devagar.

ho. Nelas encontram-se canais subterrâ neos de lava formados há cerca de 400 mil anos. Proporciona uma verdadeira viagem ao interior da terra, e, ao longo de 700 metros, podem observar-se as marcas deixadas pela actividade vulcâ nica do ú ltimo período eruptivo. As grutas, de origem vulcâ nica, são constituídas por uma série de tubos de lava que, em fusão, atingia a temperatura de 1200 graus centígrados e escorria pelas depressões topográficas, formando correntes. No contacto com o solo e o ar, solidificava a crosta, criando um tubo e, no seu interior, continuava a correr matéria quente e fluida. terminada a emissão de lava, nasceram vazios que originaram cavernas e tú neis. estas grutas foram divulgadas pela primeira vez em 1885 e, mais recentemente, foram objecto de um projecto para o seu aproveitamento turístico. Quem as visitar, pode observar estalactites vulcâ nicas, acumulações de lava e ainda o “ bloco errante” , uma pedra transportada pela lava mas que, devido às suas dimensões

ficou presa no interior de uns tubos. As Grutas de São Vicente, de visita obrigató ria, foram inauguradas a 1 de Outubro de 1996 e representam as primeiras estruturas de génese vulcâ nica abertas ao pú blico em Portugal. Mas a freguesia de São Vicente oferece muito mais, incluindo passeios a pé pela montanha. Nesses passeios por caminhos e veredas serra dentro, pode usufruir-se da maior mancha de Laurissilva do Mundo e as paisagens são de cortar a respiração.

PONtA DeLGADA É a freguesia mais solarenga e a menos montanhosa do concelho de São Vicente. O sol é, aliás, o grande aliado desta bonita freguesia, que possui o ú nico - ou pelo menos o mais completo - complexo balnear do concelho, inaugurado o ano passado. Durante muitos anos, nas proximidades da igreja local, a velha piscina fazia as delícias dos locais e era um “ postal” da freguesia. A sua remodelação tornou-a num completo complexo, com duas piscinas de água salgada, uma

pequena praia fruto do enrocamento (protecção marítima) construído, solários, bar e zona de primeiros socorros. O mar e o sol são as grandes mais-valias desta zona, pelo que, nos ú ltimos anos, foi grande o índice de construção que ali se verificou, em termos de casas particulares, não tirando contudo, beleza à paisagem. Ponta Delgada possui um importante patrimó nio arquitectó nico, com um peso histó rico de realce, ou não fosse a freguesia escolhida pela imperatriz austríaca Sissi para recuperar de uma doença do foro respirató rio. No caso concreto, falamos da casa do Pico, situada numa zona sobranceira à restante freguesia. esta freguesia tem ainda a particularidade de, todos os anos, no primeiro fim-de-semana de Setembro, receber milhares de romeiros, devotos do Senhor do Bom Jesus, celebrado a par de um dos arraiais (festividades típicas da Madeira) mais famosos desta Região Autó noma. De todos os pontos da ilha vêm pessoas, muitas das quais ainda mantêm a tradição de pernoitarem debaixo das vin-

has, nos terrenos mais pró ximos da estrada.

BOAVeNtuRA É a ú ltima freguesia antes do concelho de Santana. As montanhas densas tornam a Boaventura um dos locais mais propícios aos passeios a pé e é muito procurada por turistas, sobretudo alemães e austríacos, que ali ficam com o propó sito ú nico de embrenharem-se nas belas montanhas. A Junta de Freguesia local tem feito alguns esforços com vista à colocação de sinalética adequada, visto serem muitas as alternativas de percursos. um dos mais famosos é o caminho da entrosa, que vai a pique do mar à serra, e que abrange o concelho vizinho de Santana, uma vez que a vereda vai desembocar na freguesia do Arco de São Jorge. A paisagem que se avista deste percurso é belíssima, com a montanha a dominar e o mar ao fundo. tem início no Sítio do cardo. Foi nesta freguesia que viveu outra figura famosa: O escritor português Antero de Quental.


CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

PORTUGAL | 19

Portugal quer medidas iguais em toda a UE O

ministro da Agricultura português, Jaime Silva, considera que as medidas contra a gripe das aves só serão eficazes se todos os Estados-membros tomarem as mesmas medidas, discordando da vacinação dos animais proposta pela Holanda e França. « Não há consenso sobre a vacinação, mesmo entre os científicos, que é em quem nos devemos basear» , afirmou Jaime Silva, salientando a « necessidade de todos tomarem as mesmas medidas» contra o H5N1, que só assim « poderão ser eficazes» . Segundo o ministro, a França quer vacinar os gansos e os patos porque « tem uma indú stria de “ foie-gras” muito importante, mas outros países, como a Alemanha, acham que pode ocultar a doença» . « Nesse contexto, o governo português espera os pareceres do Comité Veterinário Permanente e adoptará as medidas em função das pessoas que têm conhecimentos científicos da matéria» , acrescentou. O ministro, que falava à entrada da reunião dos ministros da Agricultura da

União Europeia (UE), em Bruxelas, admitiu estar « preocupado» com a propagação da doença na Europa, mas voltou a aconselhar « calma» com base nos pareceres científicos, que afirmam não existir ainda « um problema sanitário» . Lembrando que Portugal já aplica desde finais do ano passado medidas de biossegurança e tem em prática um plano de contingência, o ministro revelou que, em Janeiro e Fevereiro deste ano, o laborató rio nacional já realizou 1.101 análises a aves selvagens e de capoeira, com resultado negativo. Quanto ao impacto da doença no consumo, Jaime Silva referiu-se uma diminuição do mesmo, na ú ltima semana, na ordem dos 10 por cento, embora os produtores falem de uma redução de 30 por cento. « Verificou-se um aumento dos preços, o que nos deu alguma tranquilidade. O consumo está a reagir bem e os pareceres dizem mesmo para se cozinhar acima dos 70 graus, o que garante não existir qualquer problema com o consumo da carne de aves» , afirmou.

A

Preventiva para dois suspeitos de dezenas de assaltos O Tribunal de Amarante colocou em prisão preventiva dois de quatro homens detidos domingo pela GNR por alegada autoria de 40 furtos em residências e serviços públicos do Amarante, Felgueiras e Marco de Canaveses. Aos outros dois suspeitos foi aplicada, segundo uma fonte policial, a medida de coacção de apresentação em postos da GNR duas vezes por semana.

Sá Fernandes defende experiência de sala de chuto

O laboratório nacional já realizou 1.101 análises a aves selvagens e de capoeira, com resultado negativo.

Na reunião, o ministro não pretende pedir ajudas financeiras à União para compensar a descida do consumo - que, aliás, não estão previstas nas regras comunitárias -, mas lembrará Bruxelas da « existência de subsídios à exportação e à retirada do mercado» dos produtos, que podem ser aplicados neste caso. « O govermo português não vai deixar de lembrar que não devemos esperar pelos picos, mas tomar desde logo medidas que possam minorar os efeitos. As

medidas devem ser idênticas a todos os Estadosmembros e que, sendo uma situação que pode ser generalizada, a Comissão Europeia tem que encontrar os meios e medidas que seja comuns a todos» , afirmou. Até agora, a gripe das aves foi detectadas em sete países comunitários - Alemanha, Áustria, Hungria, Eslovénia, Grécia, Itália e França -, tendo dados negativos os testes ao pato encontrado domingo morto em Pamplona, Espanha.

Nevão na Serra da Estrela s condições climatéricas agravaram-se na passada segunda-feira na Serra da Estrela, tendo havido novos cortes de estradas na montanha devido aos nevões, disse à agência Lusa fonte do Centro de Limpeza de Neve (CLN), nos Piornos. Para além da estrada Piornos - Torre - Lagoa Comprida, que a neve fechou na sexta-feira à tarde, « a circulação está encerrada nas estradas Manteigas - Piornos e Covilhã - Piornos» , referiu. « Há muita neve e nó s temos todas as equipas na rua, mas é impossível manter as estradas abertas e em segu-

breves

rança» , esclareceu a mesma fonte. Às 18:00 do ú ltimo doming, nos Piornos, a temperatura era de três graus negativos. Recorde-se que já no domingo, fonte do Centro de Limpeza de Neve havia classificado este como “ o maior nevão deste Inverno” na Serra da Estrela. A neve tem caído sem parar desde sexta-feira e em vários pontos já atinge mais de um metro de altura. O Instituto de Meteorologia prevê a continuação de queda de neve para terça e quarta-feira.

O vereador eleito pelo Bloco de Esquerda na Câmara de Lisboa, José Sá Fernandes, defendeu a instalação a nível experimental de uma sala de injecção assistida em Lisboa, para aproximar os toxicodependentes das estruturas de tratamento. A criação desta sala de injecção como experiência piloto faz parte de uma proposta que o vereador vai levou a reunião de câmara.

Ponte romana de Negrelos reabre ao trânsito A ponte romana de Negrelos, que liga os concelhos de Santo Tirso e Guimarães, reabriu quarta-feira ao trânsito após oito meses de encerramento devido a obras de recuperação, orçadas em 272 mil euros, foi anunciado. A ponte de Negrelos liga os dois municípios através das freguesias de S.Martinho do Campo, no concelho de Santo Tirso, e das freguesias de Lordelo e Moreira de Cónegos, Guimarães.

Primeiro ano do executivo socialista só teve más notí cias O CDS-PP assinalou o primeiro aniversário da vitória do PS nas legislativas com um balanço da acção do Governo socialista, que considerou ter ficado marcada por promessas não cumpridas e só ter tido más notícias. Em conferência de imprensa, o presidente do CDS-PP, José Ribeiro e Castro, apontou a derrota «do PS e da esquerda» nas autárquicas e nas presidenciais como a «única boa notícia» deste ano e manifestou esperança de que Cavaco Silva «contribua para ajudar» a melhorar a governação socialista.

Os termómetros marcaram três graus negativos.


20 | PORTUGAL

CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

breves Eleições antecipadas se Isaltino for condenado A comissão política do PS de Oeiras anunciou que caso Isaltino Morais seja condenado pelos crimes de que é acusado o partido renunciará aos cargos políticos que ocupa na autarquia local para que se realizem eleições antecipadas. «O PS assume antecipadamente que renunciará a todos os cargos políticos para os quais foi

eleito, no sentido de caírem os executivos e se realizarem novas eleições», afirmou o PS, em comunicado. A comissão política reagia, assim, às duas moções do BE e da CDU e à declaração politica de um deputado do PSD, apresentadas em Assembleia Municipal, exigindo que Isaltino Morais suspendesse o mandato na sequência da acusação do Ministério Público.

PSD acusa Governo de não investir na região Os deputados do PSD eleitos pelo Porto acusaram o Governo de estar «de costas voltadas» para a região e prejudicar seriamente 2,5 milhões de pessoas devido à falta de investimentos em obras estruturantes. «O Governo está de costas voltada para a região do Porto porque em qualquer uma das áreas que tem a ver com

mobilidade não houve em 2005 o lançamento de qualquer obra e porque o PIDDAC para 2006 apresenta uma redução significativa”, afirmou o deputado Jorge Costa durante uma visita à obra do IC23, em Vila Nova de Gaia. «Se vivêssemos num país civilizado e não num país virtual do engº José Sócrates, Mário Lino já não era ministro do nosso país», acrescentou.

Bruxelas considera medidas insuficientes Bruxelas tem dúvidas sobre se Portugal vai conseguir alcançar o crescimento económico que anunciado. A missa antecedeu a cerimónia de tumulação do corpo da Irmã Lúcia na Basílica,

Bispo defende diálogo ecuménico Bispo de Leiria-Fátima, D. Serafim Ferreira e Silva, defendeu domingo o diálogo ecuménico e inter-religioso na construção de um « reino de verdade, de justiça, de amor e de paz» . Na homilia da eucaristia principal das cerimó nias de tumulação da Irmã Lú cia na Basílica do Santuário de Fátima, D. Serafim afirmou, dirigindo-se à vidente, cuja urna estava colocada na escadaria de acesso à Basílica: « queremos dar as mãos, mesmo em dimensão ecuménica e inter-religiosa, para instaurarmos verdadeiramente um reino de verdade, de justiça, de amor e de paz» . « Queremos ser mais justos, mais felizes e mais santos» , acrescentou D. Serafim, perante os milhares de peregrinos que, ao contrário das expectativas, e devido ao mau tempo, não encheram o recinto do Santuário. Estas frases do Bispo de Leiria-Fátima surgem uma semana depois de no-

O

A Comissão também tem dúvidas quanto às medidas que o Governo ainda terá de definir e aplicar no quadro da estratégia de consolidação orçamental.

Comissão Europeia considera que Portugal vai ter de tomar mais medidas para corrigir o défice a partir do pró ximo ano, de acordo com conclusões de um relató rio adiantadas pelo Pú blico. O jornal adianta que a “ avaliação sobre a estratégia de consolidação orçamental definida pelo Governo no programa de estabilidade apresentado a Bruxelas em Dezembro” será apresentada quarta-feira e mostrará que são necessárias novas medidas de contenção. De acordo com a avaliação “ os resultados orçamentais poderão ser piores do que o previsto no programa (apresentado por Portugal)” refere o documento citado pelo diário Pú blico. Bruxelas tem dú vidas sobre se Portugal vai conseguir

A

alcançar o crescimento econó mico que anunciou. A Comissão também tem dú vidas quanto às medidas que o Governo ainda terá de definir e aplicar no quadro da estratégia de consolidação orçamental avançado em resposta ao procedimento por défice excessivo aberto pela União Europeia em Setembro de 2005. Nessa altura, os ministros das Finanças da União Europeia deram a Portugal um prazo até 2008 para reduzir o défice dos seis por cento (previsto para este ano) para três por cento. O Pú blico recorda que a consolidação orçamental que o Governo português está a fazer este ano assenta no aumento das receitas fiscais e que o programa de contenção do défice “ está dependente da aplicação de ‘ medidas correctivas subs-

tanciais para 2007 e anos seguintes’ ” . De acordo com os serviços do comissário europeu para os assuntos econó micos e monetários, Joaquim Almunía, a plena aplicação das medidas correctivas, ainda em falta, “ será crucial para o cumprimento das metas orçamentais” . Contudo, os responsáveis pela avaliação consideram que as medidas anunciadas não serão suficientes para conter o défice até ao limite autorizado por Bruxelas - três por cento. Além das dú vidas quanto à possibilidade de Portugal cumprir o défice, a avaliação europeia refere que a “ economia portuguesa não só continua a divergir do resto da UE, como a riqueza por habitante caiu para menos de 70 por cento da média dos Vinte e Cinco” , escreve o Pú blico.

tícias darem conta da intenção de serem alterados os estatutos do Santuário, alegadamente devido à insatisfação do Vaticano pela presença naquele templo de representantes de outras confissões religiosas. D. Serafim considerou a Irmã Lú cia um « exemplo de coragem» , agradecendo o seu « testemunho e fidelidade» à Igreja e, principalmente, a Nossa Senhora. « A Irmã Lú cia soube saborear e viver a palavra de Deus» , disse o prelado, frisando o papel dos que, como fez a vidente, « não fogem do mundo, mas se acolhem na clausura, num convento, para a contemplação» pelos outros. No início da eucaristia, o Bispo de Leiria-Fàtima pediu um momento de silêncio em homenagem aos três pastorinhos que foram sepultados no templo. A missa antecedeu a cerimó nia de tumulação do corpo da Irmã Lú cia na Basílica.


CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

PUBLICIDADE | 21


22 | OPINIÃO

CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

No olho do mundo Liliana da Silva

Lilianadasilva19@hotmail.com

nquanto estudava Comunicação Social na Universidade Central de Venezuela, li um livro do jornalista venezuelano Héctor Mú jica no qual o autor escrevia que Portugal era conhecido pelos três (F’ s): Fátima, Futebol e Fado. O livro foi escrito há alguns anos, mas a contundência desta asseveração deixou-me um pouco desiludida, quiçá porque ela era em parte a imagem que ainda mantinha o venezuelano e inclusivamente alguns luso-descendentes sobre a terra lusitana. Em alguns lares portugueses, principalmente naqueles onde não foi possível regressar ao seu país natal com muita frequência, mantém-se essa recordação e imagem de um Portugal rural, no qual uma festa na po-

E

voação vizinha suponha caminhar durante toda a noite, por exemplo, ou onde uma visita à cidade do Funchal desde algum povoado rural podia demorar cinco horas ou mais através de serpenteantes estradas exíguas que desafiavam o estô mago dos mais fortes e faziam estragos nos mais débeis. Estes relatos passaram de geração em geração e voltam em cada uma das reuniões familiares, convertendo-se num tesouro digno de preservação e manutenção. No entanto, estas histó rias devem ser acompanhadas com a nova realidade de Portugal. Essa em que a tecnologia e os avanços ao nível arquitectó nico, social, cultural, desportivo, entre outros, se misturaram com o antigo para criar uma nação cosmopolita e amante dos seus valores. Nos ú ltimos anos, Portugal foi responsável pela organização de eventos de nível mundial como a Expo 98, o Euro 2004, os prémios MTV-Europe 2005, pelos quais, aliás, a cidade de Lisboa recebeu um reconhecimento pela maravilhosa orga-

Um “ barco” à deriva?

nização e qualidade do evento, o Rally Dakar Lisboa 2006 e proximamente o Europeu Sub21. Estas distinções são o reflexo de um claro crescimento ao nível de infra-estruturas e sobretudo da relevâ ncia que adquiriu esta nação em termos internacionais. Já não se fala apenas do astro português Figo, senão também sobre as vantagens que oferece esta terra que se transforma dias apó s dias para surpreender com novas proezas. Se bem que a Nossa Senhora de Fátima, o futebol e o fado constituem elementos impertinentíssimos da imagem de Portugal no Mundo, hoje essa imagem goza de outros ingredientes que destacaram a capacidade organizativa e de trabalho dos portugueses, além dos avanços que inundaram esta terra. Portugal conseguiu-se impor, como sede de eventos, a países como Espanha, Inglaterra, Alemanha, entre outros, que têm tradição como potências consolidadas.

Fotos da Madeira Antonio de Abreu Xavier* aindax1@yahoo.com

ecordo que em 1968, um conhecido dos meus pais, regressado de uma viagem, trouxe uma encomenda: um envelope com fotos da Madeira e da família que vivia lá. Foramme dizendo o nome e identificando cada tia e tio. Mas uma coisa chamou-me à atenção: o fundo parecia ser o mesmo. O mesmo feto num jarrão chinês. Os mó veis eram muito elegantes para uma família pobre. Além disso, foi uma surpresa ver tantas mulheres nas fotos. Quase todas vestidas por de igual. Até cheguei a identificar carteiras e sapatos que luziam iguais. Não me enganei. Explicaram-me então que as fotos eram feitas num estú dio onde providenciam algumas coisas. Às vezes, as mulheres trocavam peças de roupa. As crianças chegavam a calçar sapatos pela primeira vez. Até os chapéus dos homens podiam ser empres-

R

tados para a ocasião. Ou seja, montava-se todo um cenário para se ficar bem na fotografia. Nesta imagem tudo era importante. Até a ideia de reconfortar o emigrante de estar com a familia na mão. Esse pensamento dava muito consolo e paz mental. Convém dizer que na Madeira os poucos negó cios de fotografia tornaram-se verdadeiros ateliers de artistas da câ mara. Hoje em dia, o Funchal dispõe de um local que alberga uma valiosa colecção de objectos. Refirome “ Photographia - Museu Vicentes” , que se encontra instalado na sede de estú dio de Vicente Gomes da Silva, na Rua da Carreira, 43, no centro da cidade. O seu principal patrimó nio consiste num arquivo fotográfico composto por quase 800 mil negativos que datam de 1876. Os mais recentes datam dos ú ltimos anos quando funcionava ainda a “ Photographia Vicentes” , isto é, até cerca de 1978, quando foi vendido ao Governo Regional que o transformou em Museu em 1982. O “ Photographia - Museu Vicentes” está composto também pelos arquivos dos estú dios “ Perestrellos” , “ Figueiras” e

“ Carlos Fotó grafo” , que foram laborató rios de outros fotó grafos instalados na cidade, alguns desde começos do século passado. Na Venezuela seria interessante contar com um museu deste tipo. Mas não só com imagens da Madeira como também das dos primeiros imigrantes no século XX. Estes chegaram desde Curaçao vestidos com os casacos das companhias petrolíferas holandesas. Imaginemos um museu assim: a nossa primeira geração representada em fotos de trabalho, de passeio; na sua vida familiar ou fotos de estú dio para enviar à família no “ terruño” . As fotos de quem acena desde o barco ao irmão, ao tio ou ao padrinho que espera no molhe de La Guaira. As fotos do casamento no salão de festas em Santa Mó nica ou no Hotel Tamanaco, porque eram os sítios da moda. Os filhos que crescem alegres com um presente ou mostrando o dente partido devido à queda de bicicleta. Imaginem as conversas e as expressões de espanto, risos e cumplicidades ante tais fotos. Apenas imaginem. *Historiador

Luis Barreira

mundo social de hoje, é cada vez mais dominado pela economia de todos e de cada um! Quem diria, aqui não há muitos anos atrás, que os trabalhadores são hoje obrigados a reflectir sobre: a OPA da Sonae, sobre a PTTelecom, e as suas consequências sobre os trabalhadores da empresa e os consumidores; sobre a célebre “ directiva Bolkestein” e os seus efeitos econó micosociais na União Europeia, ou sobre os tratados da Organização Mundial do Comércio e as suas repercussões nas economias dos países importadores. Quem diria, há uns anos atrás, que muitos dos sindicatos actuais, habituados a ver o mundo a preto e branco, (de um lado os trabalhadores e a sua visão particular do mundo e, do outro, os patrões, com interesses antagó nicos), seriam hoje obrigados a reflectir, em conjunto, sobre grande parte das decisões que são tomadas pelos governos mundiais e que afectam ambas as partes. Quem é que já não assistiu à impotência, de uns e outros, ao verem as fábricas têxteis a fechar e a lançar no desemprego milhares de trabalhadores, porque, nesta febre da mundialização nenhum dos decisores parece preocupado com os salários de miséria, o trabalho infantil e a ausência de direitos sindicais dos trabalhadores chineses. Quem é que não receia o tráfico humano europeu, que está subjacente à chamada “ directiva Bolkestein” que, desde 2004 até aos nossos dias, é um pêndulo, sobre as condições de vida dos trabalhadores e empresários europeus que, nomeadamente nos países mais desenvolvidos, cumprem as regras estabelecidas nos respectivos países, para que todos possam viver com dignidade. As populações dos países

O

europeus mais ricos, têm contribuído com ajudas financeiras substanciais, para que, os países mais pobres, recuperem o seu atraso e adquiram o seu bem-estar! Será que também têm de ceder o seu nível de vida? Os povos dos países europeus mais pobres, aspiraram entrar na União Europeia, para poderem vir a desfrutar das condições de vida dos cidadãos dos países mais ricos. Que interesses podem ter, em ver os outros entrar numa completa crise econó mica, vendo as empresas a fechar, os trabalhadores no desemprego e as instituições de segurança social a não terem meios para suportar as prestações sociais? É, em síntese, o que propõe esta malfadada “ directiva Bolkestein” . Uma qualquer empresa, de uma qualquer região remota da União Europeia, contrata trabalhadores locais, com as regras (se as houver...) e ao preço do mercado local e coloca-os a trabalhar no Luxemburgo. Não é preciso ter uma bola de cristal para perceber o que acontecerá às empresas e trabalhadores do Luxemburgo. Se é verdade que a economia tem tomado conta das nossas preocupações quotidianas, não é menos verdade que, os trabalhadores e as empresas têm, cada vez mais, preocupações comuns. Face a um liberalismo selvagem, que parece ser a tó nica dominante de alguns dirigentes europeus, apoiados por um punhado de novos “ mercadores de escravos” , é preciso contrapor uma “ Carta Europeia” de compromisso social, fundada por uma cultura humanista de séculos. Se não tivermos um ponto de referência, andaremos à deriva e ao sabor de ventos oportunistas. E ninguém quer ver o “ barco” afundado!


CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

OPINIÃO | 23

breves Comparsas ou Competição? Acontece o mesmo todos os anos. Grupos organizam as comparsas no Centro Português para celebrar o Carnaval que termina entre inveja e raiva. Como é possível que todos os anos se assista ao mesmo confronto entre pessoas que se conhecem desde a infância e ainda por cima quando são jovens os que participam nesta actividade? Com empenho e dedicação todo o trabalho fluí, mais ainda quando se trata de criar uma “ilusão” para entretenimento. Nesta quadra, o espírito de competição é grande no clube entre os diferentes grupos. O único que desejo como espectador e amigo de alguns dos participantes dos diferentes grupos é que acabem com o egocentrismo e se empenhem a fortalecer os laços de amizade que os unem, sobretudo as mesmas pessoas que diariamente são vistas juntas na piscina ou outras áreas do clube. Espero que este Carnaval seja diferente e que a decisão dos juízes seja tomada com ponderação e que não se verifiquem comentários malintencionados nos bastidores para difamar ou lançar rumores de que houve “aldrabice” e que “alguém foi comprado”. Gilberto Andre De Ornelas.

existir, pois nunca são tomadas em conta, nem sequer neste caso de um evento de grande magnitude como são umas eleições presidenciais. Em toda a Venezuela a presença portuguesa é importante e deve ser atendida por igual onde queira que esta se encontre. Só quero deixar esta reflexão para quem quiser aceita-la e espero que alguém possa tomar em conta isto para o futuro. Jesús Nóbrega

Desprotegidos Não existimos? Li no vosso jornal um artigo onde o presidente do Centro Português de Guayana se queixava da escassa informação e pouca atenção que recebeu a comunidade desta zona no que respeita às passadas eleições presidenciais de Portugal. Quero através desta carta testemunhar que na zona de Cumaná, a comunidade portuguesa que aqui vive não pôde exercer o seu direito a voto pois nunca recebemos informação por parte das autoridades portuguesas sobre este processo. Só soubemos que havia eleições através da RTP Internacional. Ninguém se deslocou até aqui para facilitar-nos a possibilidade de votar, nem em Cumaná nem em nenhuma localidade perto daqui. Não podíamos ir até Caracas. Sempre acontece o mesmo. As comunidades que estão longe da capital parecem não

Na passada edição do Correio publicaram uma notícia segundo a qual os portugueses lideram a lista de sequestrados na Venezuela. Não é de estranhar que isto seja assim pois a nossa comunidade tem sido sempre uma das mais procuradas pelos delinquentes para cometer este tipo de delito que

pode até acabar por destruir a uma família. O mais grave do assunto é que já não podemos confiar em ninguém. Polícias e ladrões inspiram, por igual, a mesma desconfiança nas pessoas. Já não é possível confiar naqueles que deviam ter como principal objectivo proteger aos cidadãos pois são estes mesmos que, muitas vezes, encabeçam a lista de sequestradores. Vivemos indefesos e a ninguém podemos acudir em busca de protecção, só a Deus. Peco aos funcionários conscientes, se ainda sobra algum, que façam o seu melhor para tratar de resolver este tipo de casos pois é o pior que lhe pode acontecer a qualquer família. Os portugueses não querem continuar a liderar uma lista tão macabra como a de sequestros. Mariela Cabral

InquérIto: Quais sãos as vantagens e as desvantagens de pertencer a um clube?

Dalila Fernández Pereira Doméstica

«Desde pequena que ia ao Centro Português, porque os meus padres eram sócios. Depois de me casar, eu e o meu marido também nos tornamos associados e agora vamos sempre lá com as nossas filhas. Parece-me que é um lugar bastante completo, porque há uma grande quantidade de áreas para recreação e também lugares para comer. Além disso, está localizado perto da minha casa. Na verdade, pode-se passar lá um dia bem agradável e também creio que é importante formar parte de alguma associação, porque assim também se distrai».

Naty De Carvallo Doméstica

«Tenho acções do Centro Português de Caracas desde há 15 anos, aproximadamente. É um lugar para ir em família e apreciar bons momentos. Acredito que é sempre bom pertencer a algum clube ou centro de convívio, simplesmente porque se pode partilhar com diferentes pessoas acerca das nossas vivências. Existe uma espécie de interacção cultural».

Jorge Ornela Comerciante

«Não sou sócio de nenhum clube, mas na verdade tenho muita pena que em Cumaná, onde vivo, no exista um lugar para se ir dentro desse estilo. Considero de suma importância fazer parte dessas iniciativas, pois promovem vários tipos de intercâmbios culturais, seja através de jogos ou do convívio e partilha de experiências entre as pessoas. No entanto, apesar das grandes vantagens que proporcionam, creio que também pode haver problemas ao nível burocrático que acabam por prejudicar os associados».

Juan Acosta Motorista

«Gostava de ser accionista de algum clube, porque tal torna possível relacionamentos com outras pessoas. Além disso, poderia gozar das várias valências que oferecem as suas instalações ou apreciá-las em família ou entre amigos. Creio que se pode passar um bom bocado de tempo nesses lugares, ainda que às vezes para se usufruir dos centros seja preciso ultrapassar um processo complicado para se ser sócio. Não é assim tão simples como parece. Penso que isto é uma desvantagem para quem gostava de pertencer a um centro.»


24 | ECONOMIA

CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

Nova direcção da ANSA tomou posse Jean Carlos De Abreu

deabreujean@yahoo.com

o Centro Cidade Comercial Tamanaco (CCCT), no salão “ Cristal” , no passado dia 16 de Fevereiro, tomou posse a nova direcção da Associação Nacional de Supermercados e Autoserviços (ANSA) para o período 2006-2007. O novo presidente da Associação é Carlos Carvalho, director da empresa “ Inversiones Auto Mercado Luvebras” . O novo líder da ANSA comentou que daria seguimento aos projectos de integração comercial iniciados pelos anteriores presidentes e que, além disso, trataria de fortalecer, impulsionar e elevar a curva do conhecimento « para que haja maiores oportunidades quanto ao serviço e qualidade dos produtos para os consumidores» . Acrescentou que fará finca-pé em planos estratégicos para enfrentar qualquer situação em momentos de abundâ ncia ou de crise.

N

O novo líder da ANSA comentou que daria seguimento aos projectos da associação.

Carvalho disse ter preparados diferentes cursos para os membros da ANSA e para o pessoal que trabalha com ele e desta forma « adaptarmonos à exigência dos consumidores» . Disse ainda que reforçariam os

laços com o SENIAT e com entidades governamentais e privadas a fim de a associação ajustar-se aos novos contornos que se avizinham a nível comercial. No que toca à escassez dos produ-

tos mais básicos, o presidente da ANSA informou que aqueles estavam já na rua mas, devido a problemas com a importação e licença de distribuição, houve atrasos na chegada dos produtos ao mercado. O recém-eleito líder da associação confirmou que, no caso do café, a situação vai se normalizando pouco a pouco, graças à estabilização da distribuição. « Os consumidores estão ansiosos pelo produto porque pensam que não chegará mais, mas basta chegar às prateleiras dos supermercados, desaparece imediatamente» , disse. Carlos Carvalho é luso-descendente, filho de emigrantes portugueses que chegaram à Venezuela há mais 40 anos, provenientes da freguesia de Grijó , em Espinho, Portugal. Estudou Engenharia Química e, um ano e meio depois de se ter licenciado, começou a trabalhar com o sogro e os cunhados no supermercado “ Luvebras” , onde desempenhou todos os cargos durante 22 anos.


CORREIO DE CARACAS - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

breves Leite adulterado retirado do mercado Na sequência de um estudo realizado a seis marcas de leite em pó, o Instituto para a Defesa e Educação do Consumidor e Utente (Indecu), detectou que quatro delas apresentavam irregularidades nos respectivos conteúdos, pois não descreviam a composição nutricional que deve possuir este produto. As marcas examinadas são: “Angie Milk”, “Lactonutre”, “Dairy Gold”, “Montaña Fresca”, “Leche Casa” e a “Campesina”. Apenas os dois últimos produtos passaram no exame, enquanto que restantes quatro estão a ser retirados do mercado nacional. Samuel Ruh, presidente daquele organismo, ordenou ao comércio em geral para retirar os referidos produtos das prateleiras dos vários estabelecimentos, instando ao mesmo tempo a população para não comprar essas marcas, já que do seu consumo podem resultar prejuízos para a saúde de crianças e adultos diabéticos, explicou. O responsável acrescentou ainda que as marcas de lacticínios retiradas do mercado apresentam grandes conteúdos de açúcares e muito poucas gorduras e proteínas.

SB Airlines indigitada para linha da Madeira Catanho Fernandes

cfernandes@dnoticias.pt

Santa Barbara Airlines, companhia aérea venezuelana que anunciou na ú ltima Feira de Turismo de Madrid (FITUR) a abertura de voos entre Venezuela e Portugal, já iniciou contactos com membros da comunidade portuguesa residente naquele país da América Latina, promovendo as suas operações entre Caracas e a Madeira. Segundo fontes da transportadora que é propriedade de um emigrante natural das ilhas Canárias, a SB Airlines já foi indigitada pelas autoridades venezuelanas como companhia de bandeira para pre-

A

encher o lugar disponível no acordo aéreo entre os dois países. Desde sempre que da parte portuguesa essa posição foi ocupada pela TAP, enquanto do lado venezuelano, começou por ser a VIASA, que faliu há cerca de duas déca-

Auto Premium sorteou outro Corsa o passado sábado, 18 de Fevereiro, a sede da “ Auto Premium” , localizada em Quinta Crespo, Caracas, serviu de palco para a realização do sorteio de um carro modelo Corsa 2005, correspondente à campanha de promoção denominada “ Com a tua compra de um carro concorres a um Corsa” , que decorreu entre os meses de Novembro, Dezembro e Janeiro. Das 200 pessoas que participaram no sorteio, a sorte escolheu

N

Mary Manzanilla como a vencedora do “ zero quiló metros” . A vencedora concorreu a partir do concessionário de Los Teques, Estado de Miranda. Segundo as regras que norteavam esta campanha de promoção, não podiam participar as pessoas que adquirem frotas de viaturas ou no â mbito do “ Chevy Plan” , pois ambas modalidades dizem respeito a planos de financiamento distintos e que foram excluídos do concurso.

SENIAT “ fecha” hotéis eis hotéis de cinco estrelas de Caracas foram sancionados com dois dias de encerramento e uma coima de 840 mil bolívares na passada sexta-feira, dia 17, pelo Serviço Nacional Integrado de Administração Aduaneira e Tributária (SENIAT). A decisão, enquadrada no “ Plan Evasió n Cero” (Plano Evasão Zero), provocou enormes prejuízos nas unidades hoteleiras visadas, que costumam albergar um grande nú mero de turistas e visitantes que diariamente visitam ou

S

ECONOMIA | 25

passam pela capital venezuelana. Durante a fiscalização, os elementos do SENIAT verificaram algumas irregularidades em matéria do Imposto sobre o valor Acrescentado (IVA), o que motivou o decreto da suspensão temporária da prestação dos serviços dos hotéis e a aplicação das referidas coimas. Os hotéis afectados pela sanção são o “ Embassy Suite” , o “ Meliá Caracas” , o “ Caracas Hilton” , “ Lincon Suite” , “ Paseo Las Mercedes” , e “ Altamira Suite” .

das, lugar que foi depois ocupado na década de noventa pela Avensa. Segundo os contactos que já decorrem junto das associações de portugueses na Venezuela a SB Airlines que voará com um Boeing 767-300ER, preten-

de começar em Junho um voo semanal directo à Madeira. A partir de Outubro e prevendo que esse tráfego possa ser baixar, o voo será feito com destino ao Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, com escala na Madeira.


26 | PUBLICIDADE

CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

Check-in online alargado ao Porto e Faro e disponível para toda a rede TAP O check-in online da TAP passa a estar disponível também à partida do Porto e de Faro, a partir de amanhã, dia 16 de Fevereiro. Esta facilidade, lançada numa primeira fase, ainda no ano passado, para voos à saída de Lisboa para a maioria dos destinos europeus servidos pela Companhia, passa agora a abranger igualmente os voos com início no Porto e em Faro e a cobrir toda a Rede TAP, à excepção apenas da Madeira, Açores, Reino Unido e EUA, dada a especificidade dos procedimentos de embarque para esses destinos. O desenvolvimento do check-in online veio permitir aos passageiros da TAP efectuarem o seu check-in através da Internet, de forma có moda, rápida e eficiente, possibilitando-lhes assim que, quando viajarem, se apresentem directamente na porta de embarque, sem necessidade de recorrerem previamente ao balcão da Companhia no aeroporto. Disponível desde as 24 horas até 90 minutos antes da partida, para passageiros com reserva confirmada num voo operado pela TAP, que viajem sem bagagem ou só com bagagem de mão, o check-in online é efectuado através do site www.flytap.com , com a impressão imediata do respectivo cartão de embarque. Apó s a passagem pelo controlo de segurança

e Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, se necessário, os passageiros devem dirigir-se à porta de embarque na hora indicada

no cartão de embarque e fornecer ao pessoal que assiste o voo a sua identificação e documentação válida para a viagem. A

partir desse momento mantêm-se todos os procedimentos normais. A bordo, e quando solicitado, o passageiro de-

verá mostrar o comprovativo do cartão de embarque que lhe foi entregue.


CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

CPC acolhe prova do “ Futbolito” Liliana da Silva

Lilianadasilva19@hotmail.com

Centro Português de Caracas acolhe a realização do “ 1er. Campeonato de Futbolito Juvenil Copa FREE WAY 2.006” , que decorre entre os dias 10 de Março e 2 de Abril, e conta a participação de vários equipas pertencentes aos colégios europeus da capital venezuelana. Esta competição inter-colégios realiza-se pela primeira vez na Venezuela, sob a organização de “ JJ producciones” , que desenvolveram esta ideia em Espanha há mais de 6 anos. Antecedendo o arranque deste evento, será promovido um jantar nas instalações do clube lusitano, a 3 de Março, que servirá para sortear os grupos e dar conta à comunicação social sobre as várias rondas de classificação e as regras do torneio. Para os organizadores, a ideia é realizar

O

Ainda não se sabe ao certo quantos clubes vão entrar na competição, no entanto o interesse de muitos estabelecimentos de ensino já foi revelado um torneio forte em participação e colorido ao nível desportivo, que será aproveitado para captar novos talentos através da presença do seleccionador nacional de futebol de salão, Álvaro Guevara. Ainda não se sabe ao certo quantos clubes vão entrar na competição, no entanto o interesse de muitos estabelecimentos de ensino já foi revelado. Os encontros serão disputados às sextas-feiras, sábados e domingos, de modo a que a competição não interferira com as restantes actividades escolares.

DESPORTO | 27


28 | DESPORTO

CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

Jachico: Uma forca do futebol juvenil António Carlos da Silva F. axedrezado@gmail.com

aime Simões Gonçalves, emigrante português natural do Estreito de Câ mara de Lobos, Madeira, e actual presidente da “ Escola de Futebol Jachico” , não se conteve ante o jornalista e disparou: “ a equipa que joga contra o Jachico entra em campo a tremer” . Pode-se pensar que isto não passa de um exagero de quem, naturalmente, quer vender bem caro o seu peixe, mas a histó ria e as estatísticas reforçam muito bem esta afirmação. Fundada no ano de 1986, a equipa verde-amarela do Jachico é uma instituição respeitada e muito querida dentro do futebol juvenil venezuelano. As suas instalações estão localizadas no seminário da Universidade Cató lica Santa Rosa, num sector conhecido como Sábana del Blanco. Cerca de 300 miú dos divididos, por cinco categorias, são sempre candidatos ao título na forte “ Liga César del Vecchio” , o campeonato juvenil de maior nível no país. A direcção, integrada por quatro madeirenses, deseja formar também uma equipa no escalão de sub-20. Com treinos diários (excepção feita as segundas feiras) no horário entre as 3 e as 6: 30 P.M., os custos de inscrição e

J

mensalidade são totalmente simbó licos: 20 mil Bs. IMEnSo tRABALho SoCIAL FEIto SEM RECURSoS A Escola de Jachico possui uma grande imagem de simpatia no meio futebolístico, pois desde o seu nascimento a política prosseguida tem sido a de beneficiar as crianças mais carenciadas. o impacto positivo na comunidade onde se insere uma das zonas pobres da capi-

tal - envolvendo a juventude na prática desportiva como alternativa ao consumo de droga ou a delinquência, é desde sempre a sua maior conquista. A maioria dos atletas da escola são de origem muito humilde, e por isso, a direcção desonera perto de 70 por cento dos praticantes do pagamento da respectiva quota. Muitos deles passam inclusivamente por graves problemas nutricionais. A escola recebe jovens de origem dominicana, equatoria-

na e, logicamente, venezuelanos e alguns luso-descendentes. os directores, tal como declara o presidente Gonçalves “ não recebem ordenado pelo seu trabalho. Pelo contrário, além de procurarem patrocinadores e parcerias, muitas vezes põem dinheiro do pró prio bolso para não deixar morrer a escola” . Com tão pequenas fontes de receitas, os dirigentes do Jachico estão quase a chegar ao limite das suas possibilidades eco-

nó micas. os custos anuais da escola, que incluem os ordenados dos treinadores e a equipa técnica, aluguer do campo de futebol para os treinos e jogos, direitos de participação nas diversas ligas onde actuam, e fundamentalmente, os equipamentos oficiais e de treinos para os 300 pequenos atletas e o material desportivo necessário, rondam os 55 milhões de Bolívares (cerca 18 mil euros) ao ano.


CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

DESPORTO | 29

Parceira com o C.D. Nacional ara evitar a total falência do projecto, Simões Gonçalves acalenta uma a esperança em tons alvinegros. O C.D. Nacional, na pessoa do seu presidente Rui Alves, tem marcado presença no nosso país numa estratégia de imagem e de aproximação do clube nacionalista com a comunidade madeirense da Venezuela. Numa primeira abordagem informal, Gonçalves fez chegar uma proposta de parceria ao presidente do Nacional. E quer fazer chegar um convite ao dirigente madeirense para que visite as instalações da escola e possa iniciar-se uma aproximação. Gonçalves solicita a ajuda financeira necessária para continuar com as actividades da escola, que passaria assim adoptar as cores e o nome de C.D. Nacional de Venezuela, e seria a filial do clube da Rua do Esmeraldo em Caracas. O Nacional receberia os direitos dos atletas formados na escola, de onde poderiam surgir interessantes reforços de bom nível para o clube português.

P

Da escola do Jachico têm surgido muitos bons valores. Luís Rodrigues, vice-presidente da agremiação verde-amarela, lembrou especialmente o caso do Marlon Correia, luso-descendente que há quatro anos foi levado aos escalões jovens do F.C. Porto e esta época defende as cores da equipa jú nior do Feirense. Outro jovem valor saído do Jachico é o Francisco Jiménez, que já com 19 anos se estreou na primeira divisão venezuelana com as cores do Monagas F.C. A materializar o dito acordo, a direcção de Gonçalves envidaria para recrutar mais elementos luso-descendentes com dupla nacionalidade, já que isso aumentaria as possibilidades de esses atletas venezuelanos formados na escola, de se integrarem um dia no plantel principal do Nacional da Madeira, ao não ocupar vaga de estrangeiro, e assim permitir ao clube recuperar o investimento feito. Pode ser uma parceria muito positiva para ambas instituições desportivas.

Gonçalves fez chegar uma proposta de parceria ao presidente do Nacional, Rui Alves

Tí tulos do Jachico

1991: Campeão “Liga César del Vecchio” Infantil “C”; Campeão “Liga César del Vecchio” Infantil “B” 1992: Campeão “Liga Mariscal Sucre” Infantil “B”; Campeão “Liga Mariscal Sucre” Infantil “A” 1993: Campeão “Liga Mariscal Sucre” Infantil “C”; Campeão “Liga Mariscal Sucre” Infantil “A”; Campeão “Liga Mariscal Sucre” Juvenil 1994: Campeão “Liga Mariscal Sucre” Infantil “B”; Campeão “Liga Mariscal Sucre” Infantil “A” 1995: Campeão “Liga Mariscal Sucre” Infantil “C”; Campeão “Liga Mariscal Sucre” Infantil “A”; Campeão “Liga Asociación Distrito Federal” Infantil “B” 1996: Campeão “Liga Asociación Distrito Federal” Infantil “B” 1997: Campeão “Liga César del Vecchio” Infantil “B” 1998: Campeão “Liga César del Vecchio” Infantil “B”; Campeão “Torneo Internacional Centro Ítalo” Categoria 83/84 1999: Campeão “Liga César del Vecchio” PRE “B” 2000: Campeão “Liga Asociación Distrito Federal” PRE “B” 2001: Campeão “Torneo Internacional de Boavista (Brasil)” Categoria 87-88 2002: Campeão “Liga Rómulo Hernández” PRE “B”; Campeão “Liga Rómulo Hernández” PRE “A”; Campeão “Liga Rómulo Hernández” Infantil “C” 2003: Campeão “Liga Rómulo Hernández” PRE “B”; Campeão “Liga Rómulo Hernández” PRE “A”


30 | DESPORTO III Divisão - Série A 21ª Jornada

III Divisão - Série B 21ª Jornada

AD Oliveirense - ADC Correlhã 3-1 FC Amares - A Cabeceirense 4-1 GD Bragança - CD Cerveira Não Jogado GD Joane - GD Valpaços 1-0 Merelinense FC - AD Esposende 1-0 SC Maria Fonte - Mondinense FC 7-0 SC Mirandela - Desp. Monção 2-0 SC Valenciano - FC Vinhais 0-1 SC Vianense - Brito SC 0-1

Classificação J V E D

1º SC Maria Fonte 21 2º SC Mirandela 21 3º GD Bragança 19 4º FC Amares 21 21 5º GD Joane 6º Merelinense FC 21 7º A Cabeceirense 21 21 8º Brito SC 9º AD Oliveirense 20 10º Mondinense FC 21 11º CD Cerveira 20 21 12º FC Vinhais 13º Desp. Monção 21 14º AD Esposende 21 15º SC Vianense 21 16º ADC Correlhã 21 17º SC Valenciano 21 18º GD Valpaços 21

13 13 12 13 11 10 10 9 7 8 5 6 6 5 4 4 3 3

5 5 6 2 8 5 3 6 7 2 9 4 4 6 6 3 6 3

G

P

3 49-13 44 3 38-18 44 1 35-11 42 6 39-21 41 2 26-13 41 6 25-20 35 8 32-22 33 6 27-33 33 6 28-21 28 11 32-39 26 6 27-27 24 11 29-30 22 11 26-34 22 10 22-35 21 11 19-34 18 14 21-45 15 12 22-46 15 15 12-47 12

0-1

CD Cinfães - Leça FC

0-1

CR Ataense - SC Rio Tinto

3-1

Rebordosa AC - FC Tirsense

0-1

SC Vila Real - Padroense FC

0-1

Torre Moncorvo - Ermesinde SC

2-1

UD Valonguense - AD S. Pedro Cova

1-1

J V E D 1º AC Vila Meã 20 2º Moncorvo 20 3º S. Pedro Cova 20 4º Vilanovense FC20 5º Canedo FC 20 6º CR Ataense 20 7º FC Lourosa 18 8º Ermesinde SC 19 9º SC Vila Real 20 10º Leça FC 20 11º Rebordosa AC 20 12º 13º FC Tirsense 19 14º SC Rio Tinto 19 15º Valonguense 20 16º CD Cinfães 19 17º Padroense FC 20 18º Tarouquense 20

12 10 9 10 8 8 7 7 6 6 5 6 5 6 5 4 4

G

P

5 3 28-12 41 5 5 27-18 35 6 5 30-22 33 1 9 20-30 31 6 6 24-22 30 5 7 32-32 29 7 4 24-15 28 6 6 26-27 27 8 6 20-17 26 8 6 25-24 26 10 5 31-27 25 5 8 27-25 23 8 6 22-21 23 5 9 24-36 23 5 9 16-23 20 6 10 19-25 18 2 14 23-42 14

AD Fundão - GDR Monsanto

0-1

CA Mirandense - A Beneditense CD

2-0

CA Riachense - UD Caranguejeira

0-0

Caldas SC - AC Marinhense

3-1

CD Amiense - Sertanense FC

0-0

Eléctrico FC - CU Idanhense

1-0

GD Peniche - GDR Bidoeirense

Atlético - O Elvas Cacém - Caniçal Fut. Benfica - Sintrense Machico - Loures Montijo - Ouriquense Santana - Alcochetense Tires - Carregado Vialonga - C. Lobos Vilafranquense - 1º Dezembro

1-3

Classificação G

P

22ª Jornada (26-02) A Beneditense CD - Caldas SC AC Marinhense - CD Amiense AD Fundão - GD Peniche CA Riachense - Descansa CU Idanhense - GC Alcobaça GD Sourense - Eléctrico FC GDR Monsanto - GD "O Vigor da Mocidade" Sertanense FC - GDR Bidoeirense UD Caranguejeira - CA Mirandense

J V E D 1º Carregado 21 21 2º Machico 21 3º Atlético 4º 1º Dezembro 21 21 5º Cacém 21 6º C. Lobos 21 7º Montijo Caniçal 21 8º Loures 21 9º O Elvas 21 10º Alcochetense 21 11º Sintrense 21 12º Ouriquense 20 13º Fut. Benfica 21 14º Santana 21 15º Vialonga 21 16º Tires 21 17º Vilafranquense 18 18º 40

11 11 11 11 11 10 8 9 9 7 8 8 6 6 4 5 5 20

6 5 4 4 4 5 7 2 1 7 4 4 7 5 8 5 5 5

G

P

4 38-21 39 5 30-2038 6 48-2237 6 35-24 37 6 37-33 37 6 30-3935 6 19-17 31 10 29-2829 11 33-30 28 7 28-2828 9 26-26 28 9 28-30 28 7 24-27 25 10 14-25 23 9 21-27 20 11 24-35 20 11 18-33 20 3 12 23-

22ª Jornada (26-02) 1º Dezembro - Fut. Benfica Alcochetense - Cacém C. Lobos - Carregado Caniçal - Vialonga Loures - Montijo O Elvas - Santana Ouriquense - Atlético Sintrense - Machico Vilafranquense - Tires

J V E D 21 12 1º Lamas 2º CF U. Lamas 21 12 3º AA Avanca 21 12 4º Souropires 21 10 5º Valecambrense21 9 6º São João Ver 21 10 7º Anadia FC 21 8 8º Valonguense 21 8 CD Tondela 21 8 9º UD Tocha 21 6 10º Milheiroense 21 7 11º F. Algodres 21 7 12º FC Cesarense 21 6 13º AD Satão 21 6 14º CD Estarreja 21 6 15º GD Gafanha 21 5 16º "Os Marialvas" 21 17º 34 15 18º Arrifanense 21 1

8 5 3 5 7 4 8 6 5 8 5 4 6 5 5 8 3

G

P

1 41-22 44 4 28-13 41 6 38-15 39 6 28-19 35 5 31-26 34 7 25-24 34 5 20-2032 7 20-2030 8 32-23 29 7 20-2026 9 24-28 26 10 18-27 25 9 17-25 24 10 24-26 23 10 19-27 23 8 21-33 23 6 12 16-

8 12 17-37 11

III Divisão - Série F 21ª Jornada

1-1 1-0 1-0 2-0 0-0 2-0 0-2 4-1 2-1

Classificação

5 5 24-15 35 4 4 22-16 34 6 5 28-2033 3 7 25-19 33 3 6 28-23 33 4 7 28-18 31 3 8 26-25 30 6 7 19-22 27 5 8 24-26 26 7 7 32-28 25 10 4 17-14 25 7 7 22-24 25 3 9 18-23 24 5 9 20-24 23 6 8 16-22 21 4 10 17-24 19 5 12 14-37 11

Classificação

AD Fornos Algodres - AA Avanca AD Satão - Anadia FC AD Valonguense - CD Tondela CD Arrifanense - CRC Souropires CD Estarreja - SC São João Ver CF "Os Marialvas" - GDRC Social Lamas FC Cesarense - CF U. Lamas GD Gafanha - GD Milheiroense UD Tocha - AD Valecambrense

III Divisão - Série E 21ª Jornada

"O Vigor da Mocidade" - GD Sourense 1-1

AA Avanca - CD Estarreja 0-1 Anadia FC - AD Fornos Algodres 1-0 CD Tondela - GD Gafanha 0-1 CF "Os Marialvas" - FC Cesarense 1-0 CF U. Lamas - CD Arrifanense 3-0 CRC Souropires - AD Satão 3-2 GD Milheiroense - UD Tocha 1-1 GDRC Social Lamas - AD Valecambrense2-2 SC São João Ver - AD Valonguense 2-1

22ª Jornada (26-02)

AD S. Pedro Cova - CD Cinfães Ermesinde SC - Canedo FC FC Tirsense - Torre Moncorvo Leça FC - Descansa Lusitânia FC Lourosa - CR Ataense Padroense FC - UD Valonguense SC Rio Tinto - Rebordosa AC SC Vila Real - ADR Tarouquense Vilanovense FC - AC Vila Meã

III Divisão - Série D 21ª Jornada

10 10 9 10 10 9 9 7 7 6 5 6 7 6 5 5 2

2-4

Canedo FC - Vilanovense FC

22ª Jornada (26-02)

A Cabeceirense - SC Vianense AD Esposende - GD Valpaços ADC Correlhã - Merelinense FC Brito SC - SC Valenciano CD Cerveira - AD Oliveirense Desp. Monção - GD Bragança FC Vinhais - SC Mirandela Mondinense FC - FC Amares SC Maria Fonte - GD Joane

J V E D

III Divisão - Série C 21ª Jornada

ADR Tarouquense - AC Vila Meã

Classificação

22ª Jornada (26-02)

1º Mirandense 20 2º Eléctrico FC 18 3º GD Sourense 20 4º Monsanto 20 5º Caldas SC 19 6º CU Idanhense 20 7º GD Peniche 20 8º Sertanense 20 9º CA Riachense 20 10º Marinhense 20 11º 12º GC Alcobaça 19 13º Caranguejeira 20 14º AD Fundão 19 15º Bidoeirense 20 16º V. Mocidade 19 17º Beneditense 19 18º CD Amiense 19

CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

Amora FC - AD Oeiras 0-0 Estrela FC Vendas Novas - GD Sesimbra1-0 FC Ferreiras - Juventude SC Évora 1-5 GD Lagoa - FC Castrense 2-2 Lusitano FC VRSA - GD Monte Trigo 6-1 Lusitano GC Évora - CD Beja 3-2 SCM Aljustrelense - GD Beira-Mar Mt. Gordo 2-1 SR Almacilense - Farense - Fut. SADNão Jogado Vasco Gama AC - UD Messinense 0-2

Classificação J V E D

1º Vendas Novas 20 2º AD Oeiras 20 3º LusitanoÉvora20 19 4º SC Évora 5º Messinense 20 6º Almacilense 19 7º Amora FC 19 20 8º CD Beja 9º Vasco Gama 20 10º Aljustrelense 20 11º Lusitano FC 18 12º GD Sesimbra 20 13º GD Lagoa 19 14º FC Ferreiras 19 15º GD Beira-Mar 20 16º FC Castrense 19 17º Monte Trigo 20 18º Farense 0

12 11 11 10 8 7 7 7 6 7 5 6 5 6 4 3 1 0

6 6 4 3 8 8 6 6 8 5 9 6 8 4 7 3 3 0

G

P

2 32-12 42 3 39-16 39 5 25-17 37 6 25-14 33 4 26-17 32 4 19-15 29 6 27-23 27 7 24-21 27 6 19-20 26 8 20-2326 4 30-26 24 8 18-26 24 6 19-23 23 9 27-33 22 9 16-25 19 13 17-32 12 16 11-51 6 0 0-0 0

22ª Jornada (26-02) AD Oeiras - GD Lagoa Amora FC - Estrela FC Vendas Novas CD Beja - SCM Aljustrelense Farense - Fut. SAD - Lusitano GC Évora FC Castrense - Lusitano FC VRSA GD Beira-Mar Mt. Gordo - Vasco Gama AC GD Monte Trigo - FC Ferreiras Juventude SC Évora - SR Almacilense UD Messinense - GD Sesimbra

FCP ganha em casa à espera do Benfica m magro triunfo sobre o Marítimo (1-0) manteve domingo o FC Porto firme na liderança da I Liga Portuguesa de futebol, a uma semana da visita ao Benfica, campeão intranquilo que caiu sábado em Guimarães (2-0) e já está a oito pontos. Um golo de Raul Meireles (22 minutos) foi suficiente para os “ dragões” , a jogar em casa, passarem incó lumes a jornada, um dia depois de o Sporting, vitorioso na recepção ao Paços de Ferreira (3- 0), se ter isolado no segundo lugar, colocando o líder sob pressão. Mas os pupilos de Co Adriaanse, que insistiu na defesa a três, não vacilaram e repuseram a diferença para os “ leões” em cinco pontos, deixando o Benfica a oito e no quarto lugar, ultrapassado pelo Sporting de Braga, que foi à Figueira da Foz vencer a Naval 1º de Maio, penú ltima, por 1-0. O FC Porto cumpriu serviços mínimos perante um Marítimo que pouco incomodou os anfitriões e somou a terceira derrota seguida, caindo para o 12º posto, somente um ponto acima da zona de despromoção. Para a outra equipa madeirense o cenário é mais risonho. Apó s duas derrotas (Sporting e Leiria), o Nacional

U

foi ao campo do Penafiel vencer por 21, deixando o “ lanterna vermelha” a 10 pontos da Naval, e reforçou a sua candidatura à Europa, graças aos golos de Alex Goulart (11) e Chilikov (65), apesar da réplica dos anfitriões, que empataram por Orahovac (45). Saltando do banco para o lugar do estreante Frechaut (ex- Dínamo de Moscovo), Cesinha marcou o golo da vitó ria do Sporting de Braga, que regressou aos triunfos apó s dois empates e reafirmou as suas ambições europeias, mantendo-se a sete pontos do líder e a dois do Sporting. No jogo mais produtivo da época, o Gil Vicente (11º ) recebeu e venceu a Académica (14º ) por 4-3 e deixou os “ estudantes” à beira da linha de descida, de nada lhes valendo o “ hattrick” do brasileiro Joeano, insuficiente para evitar a segunda derrota seguida. A Briosa jogou com 10 desde o minuto 18, por expulsão de Danilo. No entanto, os “ galos” também não podem estar tranquilos, porque entre o nono lugar do Belenenses, vencedor por 2-1 no terreno do Estrela da Amadora (10º com cinco jogos sem vencer), e o 15ª do Paços de Ferreira, primeiro na calha para a despromoção, medeiam apenas três pontos.

Marítimo: sentença final Sala Político-Administrativa del Tribunal Supremo de Justicia declarou improcedente o recurso de apelação interposto pelo Marítimo da Venezuela, relativamente à sua exclusão imposta pela Liga Venezuelana de Futebol desde a época 94-95. A apelação tinha sido interposta contra a sen-

A

tença ditada pela Corte Primera do Apesar dos nossos esforços, não foi possível conhecer a opinião do representante do Marítimo da Venezuela. O advogado do clube preferiu não prestar declarações, por ainda não ter lido a sentença. Por seu turno, Franco Rizzi, um dos jogadores mais em-

blemáticos do clube madeirense em Caracas, declarou antes da decisão judicial que era preciso “ considerar os elementos jurídicos, mas sempre tendo em conta que o que se está julgando é parte da histó ria da comunidade portuguesa e parte da vida da Venezuela” . Um apelo que caiu em saco roto...


CORREIO DE CARACAS - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

Liga de Honra 23ª Jornada

Liga Betandwin 23ª Jornada Boavista - Rio Ave E. Amadora - Belenenses FC Porto - Marítimo Gil Vicente - Académica Naval 1º Maio - Braga Penafiel - Nacional Sporting - P. Ferreira U. de Leiria - V. Setúbal V. Guimarães - Benfica

2-1 1-2 1-0 4-3 0-1 1-2 3-0 0-2 2-0

Classificação J V E D

23 1º FC Porto 23 2º Sporting 23 3º Braga 23 4º Benfica 23 5º Nacional 23 6º Boavista 7º V. Setúbal 23 8º U. de Leiria 23 9º Belenenses 23 23 10º Marítimo 11º E. Amadora 23 12º Gil Vicente 23 23 13º Rio Ave 14º Académica 23 15º P. Ferreira 23 16º V. Guimarães 23 17º Naval 1º Maio 23 23 18º Penafiel

15 14 13 13 12 11 11 9 8 6 7 8 6 7 7 6 6 2

6 4 5 4 6 8 3 4 4 9 6 3 8 5 4 5 3 5

G

Académica - Sporting Belenenses - Naval 1º Maio Benfica - FC Porto Braga - Rio Ave Gil Vicente - Boavista Marítimo - E. Amadora Nacional - V. Guimarães P. Ferreira - U. de Leiria V. Setúbal - Penafiel

Barreirense - Moreirense Covilhã - Santa Clara Desp. Aves - Chaves Estoril - Beira-Mar Gondomar - Varzim Leixões - Olhanense Maia - Feirense Marco - Ovarense Vizela - Portimonense

0-0 1-2 1-1 1-1 1-1 2-2 0-2 0-2 1-1

Classificação

P

2 35-13 51 5 36-22 46 5 24-13 44 6 37-21 43 5 29-17 42 4 33-20 41 9 19-18 36 10 31-32 31 11 28-27 28 8 27-27 27 10 19-23 27 12 26-29 27 9 25-30 26 11 23-32 26 12 22-34 25 12 15-29 23 14 21-33 21 16 16-46 11

24ª Jornada (26-02)

II Divisão - Serie A 19ª Jornada

J V E D 1º Beira-Mar 23 2º Olhanense 23 23 3º Leixões 4º Desp. Aves 23 5º Portimonense 23 6º Santa Clara 23 23 7º Varzim 8º Gondomar 23 23 9º Covilhã 23 10º Chaves 23 11º Estoril 23 12º Vizela 23 13º Feirense 14º Moreirense 23 23 15º Ovarense 16º Maia 23 17º Marco 23 18º Barreirense 23

13 11 10 10 9 9 8 9 8 8 7 7 7 6 6 5 5 3

G

24ª Jornada (26-02) Beira-Mar - Leixões Chaves - Portimonense Feirense - Covilhã Maia - Vizela Moreirense - Desp. Aves Olhanense - Gondomar Ovarense - Estoril Santa Clara - Marco Varzim - Barreirense

II Divisão - Serie C 19ª Jornada

II Divisão - Serie D 19ª Jornada

Abrantes - Tourizense

3-1

Casa Pia - Real SC

1-1

Benfica C. Branco - Portomosense

1-0

Imortal - Mafra

3-2

2-1

Nelas - Oliveirense

2-2

Marítimo B - P. Rubras

4-1

Oliveira Hospital - C.D. Fátima

1-2

2-0

Paredes - Rib. Brava

2-2

Pampilhosa - Oliveira Bairro

3-2

Trofense - Ribeirão

2-0

Pontassolense - Infesta

4-0

Rio Maior - Penalva Castelo

3-0

Vilaverdense - União

0-2

Sanjoanense - Ali. Lordelo

At. Valdevez - Torcatense

2-1

Dragões Sand. - Espinho

Camacha - Freamunde

3-2

Fiães - Descansa

Famalicão - Braga B

1-1

Lousada - Esmoriz

Lixa - Descansa Portosantense - Sandinenses

Classificação

P

9 1 31-13 48 10 2 34-18 43 7 6 24-12 37 7 6 31-24 37 9 5 31-25 36 8 6 30-24 35 11 4 32-27 35 5 9 36-33 32 8 7 26-2832 7 8 26-26 31 7 9 35-36 28 7 9 31-34 28 5 11 32-36 26 8 9 24-29 26 4 13 28-4222 6 12 26-41 21 5 13 25-43 20 9 11 20-31 18

II Divisão - Serie B 19ª Jornada

DESPORTO | 31

J V E D

G

0-0

1-1

Classificação

P

J V E D

G

U. Coimbra - Descansa

Classificação

P

J V E D

1º Trofense

17 11 4 2 30-12 37

1º Lousada

16 8 4 4 24-14 28

1º Tourizense

2º União

17 9 5 3 17-10 32

G

P

17 11 2 4 28-14 35

2º Dragões Sand.17 7 6 4 22-15 27

2º Oliveirense

17 9 5 3 29-19 32

3º Espinho

3º Abrantes

16 9 3 4 27-21 30

4º Ribeirão

16 7 5 4 11-9 26

4º Marítimo B 17 8 2 7 31-26 26

5º Fafe

16 6 5 5 17-17 23

5º Esmoriz

17 7 5 5 22-21 26

5º Pampilhosa 17 7 6 4 24-21 27

6º Famalicão

17 5 8 4 15-15 23

6º Rib. Brava

17 7 5 5 22-21 26

6º Rio Maior

17 6 7 4 24-19 25

7º Sandinenses 17 5 7 5 15-15 22

7º FC Porto B

15 6 5 4 16-17 23

7º P. Castelo

17 7 4 6 20-24 25

8º Camacha

17 6 3 8 23-21 21

8º Infesta

16 6 5 5 21-23 23

8º Benfica C. B. 17 5 4 8 18-27 19

9º Lixa

15 6 3 6 14-16 21

9º Paredes

17 6 4 7 25-24 22

10º Freamunde

17 4 7 6 15-15 19

10º Pontassolense17 6 2 9 23-22 20

4º C.D. Fátima 15 8 5 2 23-13 29

9º Sp. Pombal 10º Nelas

16 4 6 6 16-16 18 17 4 6 7 13-18 18

11º Vilaverdense 17 5 3 9 18-24 18

11º Fiães

16 4 6 6 17-18 18

11º Portomosense17 3 8 6 17-18 17

12º Braga B

16 4 5 7 16-17 17

12º Ali. Lordelo 15 4 5 6 17-25 17

12º Oliveira Bairro16 4 5 7 21-23 17

13º At. Valdevez 15 3 5 7 13-19 14

13º Sanjoanense 17 3 6 8 15-23 15

13º U. Coimbra

16 4 2 10 14-24 14

14º Torcatense

14º P. Rubras

14º Oliveira H.

17 1 5 11 12-29 8

16 3 3 10 13-28 12

18ª Jornada (26-02)

17 4 3 10 12-25 15

18ª Jornada (26-02)

18ª Jornada (26-02)

Braga B - Trofense

Ali. Lordelo - Pontassolense

C.D. Fátima - Pampilhosa

Fafe - At. Valdevez

Esmoriz - Fiães

Oliveira Bairro - Nelas

Famalicão - Descansa

Espinho - Marítimo B

Oliveirense - Rio Maior

Freamunde - Vilaverdense

FC Porto B - Sanjoanense

Penalva Castelo - Benfica C. Branco

Ribeirão - Camacha

Infesta - Dragões Sand.

Portomosense - Abrantes

Torcatense - Lixa

P. Rubras - Paredes

Sp. Pombal - Descansa

União - Portosantense

Rib. Brava - Lousada

Tourizense - U. Coimbra

3-0

Olivais Moscavide - Silves

2-0

Operário - Oriental

4-0

Pinhalnovense - Odivelas

1-0

SL Benfica B - FC Madalena

0-1

Torreense - Vitória Setúbal B

0-2

Classificação

3º Portosantense17 8 3 6 15-14 27

16 6 8 2 17-10 26

Louletano - CU Micaelense

J V E D 19 1º Operário 2º Louletano 19 3º O. Moscavide 19 4º FC Madalena 18 5º SL Benfica B 19 18 6º Imortal 7º Pinhalnovense19 19 8º Mafra 9º Micaelense 19 19 10º Casa Pia 18 11º Real SC 12º V. Setúbal B 19 18 13º Odivelas 14º Torreense 19 19 15º Silves 19 16º Oriental

12 11 9 9 9 7 7 7 7 7 7 7 7 4 2 1

5 6 8 4 4 6 6 4 4 4 4 3 2 4 5 5

G

18ª Jornada (26-02) CU Micaelense - Casa Pia FC Madalena - Imortal Mafra - Olivais Moscavide Oriental - Torreense Real SC - Operário Silves - Louletano SL Benfica B - Pinhalnovense Vitória Setúbal B - Odivelas

P

2 30-13 41 2 39-16 39 2 28-14 35 5 21-21 31 6 31-25 31 5 27-19 27 6 19-19 27 8 24-25 25 8 20-2225 8 26-29 25 7 22-26 25 9 24-27 24 9 22-27 23 11 22-30 16 12 20-36 11 13 15-41 8


CORREIO DE VENEZUELA - 23 DE FEVEREIRO DE 2006

Cunha e Silva quer governar melhor sem a “ cruz” de ser delfim de Jardim O vice acompanhará a saí da de Jardim o que “ não será tão cedo” mas avisa que a sua actividade polí tica não acabará aí Luí s Calisto

lcalisto@dnoticias.pt

oão Cunha e Silva garante ter decidido pô r-se fora da corrida à Presidência do Governo Regional. “ Pensei maduramente e resolvi não me candidatar quando o dr. Alberto João Jardim deixar o cargo” , afirmou o vice-presidente do Executivo madeirense ao DIÁRIO de Notícias da Madeira. “ Pode escrever isto.” Esta opção pode vir baralhar o jogo da sucessão que durante 15 anos animou o debate político regional, até começar a perder fulgor à medida que Jardim foi deixando transparecer a intenção de prolongar a sua carreira política activa na Região. João Cunha e Silva esteve esta semana na Venezuela, onde falou aos emigrantes da situação econó mica da Madeira e dos incentivos ao investimento na Região. Interrogado pelo DIÁRIO sobre se aproveitaria a visita à Venezuela para sensibilizar os emigrantes para a sua condição de Delfim, e se o trabalho pelas câ maras da Região visam o mesmo objectivo, Cunha e Silva esclarece: “ A minha actuação no Governo nada tem a ver com essas hipó teses de sucessão meramente académicas, que aliás não se colocam hoje.” E diz pela primeira vez: “ Vou mais longe: eu não sou candidato à sucessão do dr. Alberto João Jardim na Presidência do Governo Regional. Pode escrever isto.” O vice de Jardim explica o que pretende dizer: “ Quero dizer textualmente isso. No dia em que essa

J

situação se puser, e acho que não será para breve e ainda bem, não me candidato à sucessão do dr. Jardim no Governo.” Cunha e Silva anuncia que não se candidata, mas pode dar-se o caso de ser convidado para presidente sem se candidatar. Perante a hipó tese de estar a utilizar uma subtileza de linguagem, clarifica a ideia: “ Neste momento, tenho a decisão formada e amadurecida de que não quero para mim esse papel.” O caminho fica aberto aos cha-

mados delfins, potenciais sucessores de Jardim na governação da Madeira, caso o PSD continue no poder. Cunha e Silva dá a sua leitura: “ Não é uma questão de deixar caminho aberto a este ou àquele. A ú nica coisa que sei dizer é que o partido [Social Democrata] tem de pensar noutras soluções que não eu para o exercício dessa função apó s a saída do dr. Alberto João Jardim. E mais não digo sobre esta matéria.” Perante a insistência para precisar quando tomou a decisão de aban-

donar a “ corrida” , João Cunha e Silva esquiva-se: “ Posso é dizer que esta não tem sido uma das minhas preocupações diárias. Só estou a dizer que a decisão está tomada porque me está agora a provocar.” Sobre o porquê de fazer este anú ncio agora, explica: “ Se calhar, porque nunca tinha pensado no assunto a sério até ao dia em que resolvi pensar.” À pergunta a respeito do que poderá ter mudado para dar origem à viragem, Cunha e Silva restringe: “ Talvez tenha mudado alguma coisa, pelo menos dentro da minha cabeça.” Confrontado com a hipó tese de estar desiludido com a conjuntura construída nos planos da política governativa e partidária, o vice-presidente do Governo clarifica: “ Isto não tem nada a ver com o Governo.” Segue-se o desabafo de alívio por deixar o papel de Delfim: “ Libertar-me desta cruz só vai ajudar a minha prestação no Governo e logo o Governo em geral.” Observando que estamos a falar de “ um cenário que não vai surgir tão cedo” , Cunha e Silva é convidado a dizer se deixou de ser uma honra e um estatuto ser classificado de delfim. “ Essa é uma questão que requer um esclarecimento. O delfim, historicamente, é o escolhido do líder. Na Região, não foi assim, nunca. Os delfins ou eram escolhidos pela Comunicação Social ou surgiam anunciados pelos pró prios. E isso dos delfins banalizou-se. Pelo menos a mim, já não era epíteto que me entusiasmasse particularmente. Pelo contrário.”

Correio da Venezuela 145  

Edición 145

Correio da Venezuela 145  

Edición 145

Advertisement