Page 1


Coordenação e projeto gráfico

Buscando minimizar o impacto ambiental desta publicação, todas as tintas utilizadas na impressão são de base vegetal, a laminação da capa é biodegradável e o papel é de origem certificada.


Balanรงo SOCIAL Mercado Segurador Brasileiro

2012


COMPROMISSO com a transformação da sociedade Para o mercado segurador brasileiro, em 2012, sustentabilidade deixou de ser apenas uma palavra para se transformar em uma de suas principais bandeiras de atuação. Exemplos disso são, entre outras ações, a participação na Conferência Rio+20; a premiação das iniciativas do mercado voltadas para a sustentabilidade na segunda edição do Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga de Inovação em Seguros; a assinatura dos princípios para a Sustentabilidade em Seguros – PSI, estabelecidos pelo programa da ONU para o meio ambiente; a incorporação dos parâmetros do PSI pelo Protocolo de Intenções assinado em 2009 e ampliado em 2012 com diretrizes alinhadas ao PSI; a revisão de uma Comissão Especial para acompanhar a adoção desses princípios e propor planos de trabalho para o desenvolvimento sustentável; a realização do 48º Seminário da Internacional Insurance Society – IIS e do seminário Princípios para a Sustentabilidade em Seguros – da Teoria para a Prática, onde a CNseg reiterou o compromisso das seguradoras brasileiras em assumir o papel de indutoras de boas práticas de sustentabilidade e também em incentivar seu público a exercer o consumo consciente dos produtos de seguros. Pesquisa realizada pela CNseg com a participação de 92 empresas, as quais representam cerca de 80 % da arrecadação do setor, mostrou que 59 % tem uma área destinada a ações de res­ponsabilidade social e/ou sustentabilidade, 67 % tem um Código de Ética e Conduta e 43 % delas já criaram programas internos voltados para o trabalho voluntário. Além disso, 71 % das empresas consultadas têm politicas de contratação de fornecedores e 63  % possuem processos de monitoramento de fornecedores /  prestadores de serviços. Entre aquelas que monitoram, 21 % fazem vistorias anuais em seus processos de monitoramento; 18 % o fazem anualmente; e 4 %, mensalmente. O relacionamento com o consumidor passou a ser um requisito estratégico para a sustentabilidade da indústria de seguros no País. A criação das ouvidorias das seguradoras é um sinal claro do amadurecimento do mercado. O Guia de Acesso às Ouvidorias do Mercado Segurador, lançado em 2012, é uma ferramenta que ajuda na transparência da relação entre empresas seguradoras e consumidores e ajuda na conciliação. Um mercado cuja soma de aplicações e investimentos permanentes e do patrimônio líquido das empresas representa quase 13 % do PIB brasileiro e emprega mais de 31 mil pessoas tem um papel fundamental no ritmo para o crescimento econômico, sustentável e inclusivo e no desenvolvimento de uma sociedade mais humana e menos desigual. A CNseg hoje tem certeza que a abordagem do seguro no que diz respeito à sustentabilidade é de fundamental relevância tanto para os demais setores corporativos da economia quanto para a sociedade como um todo. E tem consciência da necessidade de trabalhá-la em suas dimensões econômica, social e ambiental. Com base nestes parâmetros, a


CNseg tirou proveito de sua condição de órgão máximo do mercado segurador e trabalhou para a conscientização das empresas quanto à importância da sustentabilidade. A implementação do microsseguro, ferra­menta de inclusão social e alternativa para impulsionar o crescimento econômico e o desenvolvimento humano, foi uma das ações da agenda de sustentabilidade do mercado segurador. O projeto Estou Seguro, cuja segunda fase se desenvolveu em 2012 no Morro Santa Marta, no Rio de Janeiro, foi um esforço para inclusão socioeconômica da população de baixa renda e a redução da vulnerabilidade de milhões de famílias. Na área de Recursos Humanos, as empresas do mercado segurador brasileiro se esforçaram, no sentido da criação de uma política de gestão de pessoas focada no socialmente justo, e inves­tiram para oferecer a seus colaboradores treinamento, assistência médica e odonto­lógi­ca, seguro de vida em grupo, previdência complementar, auxílio creche, lazer e no incentivo à disseminação das práticas da sustentabilidade, contribuindo para o bem estar das famílias que, segundo pesquisa, atinge um universo de 22 mil dependentes. Embora otimistas, não podemos nunca nos sentir satisfeitos, pois temos que acompanhar as mudanças cada vez mais rápidas que o mundo moderno nos impõe. Precisamos ter o desejo de ir cada vez mais longe, levando nossos valores a mais pessoas novas e maiores oportunidades de desenvolvimento. Mas, com toda certeza, podemos afirmar que o compromisso com a transformação da sociedade em que vivemos está presente em tudo o que a CNseg faz. Contribuir na construção de uma sociedade mais justa e sustentável é parte do nosso planejamento de curto, médio e longo prazo.

Jorge Hilário Gouvêa Vieira Presidente | CNseg 2010-2013


1

O que é Sustentabilidade ? 10 Sustentabilidade: uma abordagem estratégica 12 Sistemas de gestão sustentáveis 15 Microsseguro, a macroproteção social 16 Projeto Estou Seguro 17 Jogo Caminhoneiro Estou Seguro

2

Lançamento dos PSI 22 O lançamento mundial dos PSI 26 O movimento internacional capitaneado pela ONU 31 O alinhamento do Protocolo de Intenções aos PSI 32 Princípios do Protocolo de Intenções do MMA

3

A adesão da CNseg 36 CNseg, uma das instituições apoiadoras dos PSI 38 A missão da Comissão de Sustentabilidade

4

Modelo de Governança 42 Governança corporativa: um caminho sem volta 44 Ouvidorias: transparência na relação com o consumidor 46 Código de Ética e Conduta 47 Formando profissionais para o mercado 49 Ensino Superior

5

O papel do Consumidor 52 A promoção do consumo sustentável 55 Ações do mercado com foco no cliente 56 Nova classe média inspira projetos de educação financeira 57 Parcerias internacionais


6

Responsabilidade Social 60

A responsabilidade social e a sustentabilidade incorporadas à gestão do seguro

62

Pesquisa mensura compromisso das empresas com a adoção de ações sociais e sustentáveis

77

7

Atuação das empresas

O Seguro e o Desenvolvimento 154 Números reforçam papel decisivo do mercado segurador no êxito socioeconômico do País 155 Valores que o seguro paga à Sociedade 156 Crescimento 158 Bens e rendas das famílias 164 Reservas garantem solidez do setor 167 Recursos destinados a impostos e contribuições 170 Estrutura patrimonial 172 Recursos Humanos 175 Investimentos na gestão de pessoas 180 Empresas x funcionários

8

Os Segmentos do Setor 194 Os Segmentos do Setor 196 Segmento de Seguros Gerais 198 Seguro DPVAT | O seguro do trânsito 206 Segmento de Pessoas 210 Segmento de Saúde Suplementar 224 Segmento de Capitalização


1 O que

é

SUSTENTABILIDADE Como o seguro se insere neste conceito, a adoção de sistemas de gestão sustentáveis e as ações sociais do mercado segurador.

?


de sistemas de gestão que incorporam os

Sustentabilidade: uma abordagem ESTRATÉGICA Uma atividade sustentável é aquela que não

seguradoras que atuam em todo o mundo

provoca danos ao meio ambiente ou às pes-

— inclusive as brasileiras — podem catalisar

soas e se mantém economicamente saudável.

fluxos financeiros e de investimentos e perspec-

Na concepção das Organizações das Nações

tivas de longo prazo necessárias ao desenvol-

Unidas – ONU, a sustentabilidade consiste no

vimento sustentável se incluírem o conceito de

tipo de desenvolvimento que encontra soluções

sustentabilidade em suas operações comerciais.

para as necessidades atuais, sem comprometer o atendimento às futuras gerações, e prioriza

Seguro sustentável é uma abordagem estratégica

um planeta equilibrado nas vertentes social,

em que todas as atividades na cadeia de valor do

ambiental e econômica. O desenvolvimento que

seguro, incluindo interações com o público, são

se espera é aquele que permeia o bem-estar do

feitas de uma forma responsável e prospectiva,

ser humano, o respeito à finitude dos recursos

por meio da identificação, avaliação, gerencia-

naturais e a manutenção do crescimento com

mento e monitoramento dos riscos e das

justiça social.

oportunidades associados às questões ambientais, sociais e de governança – ASG.

Ancoradas num volume global de prêmios de mais de US$ 4 trilhões, além dos mais de US$ 24 trilhões

Por meio da prevenção e da redução de riscos,

em recursos sob sua administração, as companhias

o mercado segurador ajuda a proteger a socie-


dade, estimula a inovação e apoia o desenvol-

como um todo. Afinal, os riscos vêm evoluindo

vimento econômico. Estas contribuições são

com rapidez, gerando ameaças para os ativos

fundamentais para que uma sociedade funcione

baseados na natureza, cada vez mais escassos, e

bem e de forma sustentável. É também uma

minando o futuro de todos os seres vivos.

responsabilidade do mercado o fornecimento de produtos e serviços confiáveis e de qualidade

A posição de vanguarda da indústria de seguros

— o que pressupõe uma sintonia com as aspira-

no entendimento e gerenciamento de riscos

ções dos clientes e dos parceiros comerciais para

tem amplificado os sinais de alerta, funcionando

compreender e gerenciar os riscos de forma eficaz.

como um importante sistema de prevenção para a sociedade e para a sustentabilidade do

O desenvolvimento que se espera permeia o bem-estar do ser humano, o respeito à finitude dos recursos naturais e a manutenção do crescimento com justiça social.

planeta. Ao prevenir e atenuar perdas, compartilhar riscos entre vários players e atuar como um investidor importante, o mercado de seguros tem protegido vidas, modelado mercados e amparado o desenvolvimento econômico. Portanto, o papel fundamental da indústria de seguros no desenvolvimento sustentável não é uma questão de escolha — e sim de estratégia de vida no amplo sentido da palavra. A mensagem é clara: as companhias segura-

O planeta vem enfrentando crescentes desa-

doras estão emitindo sinais de riscos decor-

fios nas três dimensões: ambiental, social e de

rentes de uma ampla gama de questões ambien-

governança. Esse cenário de mutação traz riscos

tais, sociais e de governança – que passam

diferentes, interligados e complexos, que repre-

pelas mudanças climáticas, perda de biodiver-

sentam novas oportunidades de negócios para

sidade e degradação do ecossistema, escassez

o setor, uma vez que o papel das companhias de

de recursos hídricos, pobreza e riscos à saúde,

seguros é justamente o de identificar e avaliar

envelhecimento da população e corrupção.

riscos novos e emergentes. Nenhum outro setor econômico tem uma visão de longo prazo tão

Guiar a economia global rumo a um caminho

cuidadosa em relação ao futuro. O seguro é a

sustentável e firmar um novo pacto global em

proteção oferecida aos indivíduos e empresas, e

prol da sustentabilidade são opções viáveis

deve considerar as três dimensões da sustenta-

para a consolidação de uma economia sólida e

bilidade: na avaliação e na subscrição de riscos,

solidária, que dite um novo ritmo para o cres-

nos processos de regulação de sinistros e nos

cimento econômico, sustentável e inclusivo, e

investimentos de suas reservas.

capte o verdadeiro valor do capital humano e da natureza. Esse mundo sonhado tem preço

Não por acaso, a abordagem do seguro no que

e devemos pagar um prêmio para segurá-lo

diz respeito à sustentabilidade é de fundamental

— um prêmio que implica a adoção de ações

relevância tanto para os demais setores corpo-

coletivas e investimentos transformadores de

rativos da economia quanto para a sociedade

longo prazo.

capítulo

1

11


Sistemas de gestão sustentáveis O princípio de ‘um por todos, todos por um’,

para que todos façam parte da mesma solução e

que norteia o compartilhamento de riscos na

usufruam coletivamente de seus resultados.

indústria de seguros, tem demonstrado que a compreensão e o gerenciamento dos riscos de

Fundamentais numa boa gestão corporativa,

forma coletiva podem ajudar na descoberta de

os fatores ASG devem ser entendidos por meio

oportunidades futuras e no enfrentamento dos

de uma integração sistemática, que possibilite

novos desafios que se impõem.

às empresas do setor segurador sustentar sua atividade econômica e desempenhar seu papel

A evolução do mercado e a necessidade

na criação de uma economia global susten-

premente de adotar posturas sustentáveis nas

tável, que promova a geração de empregos e o

corporações levam a crer que o mesmo prin-

crescimento de longo prazo real e inclusivo.

cípio deve ser usado para mensurar e enfrentar os

riscos

globais

e

sistêmicos

impostos

Neste aspecto, os fatores ASG são impor-

pelas questões ambientais, sociais e de gover-

tantes para as operações das companhias no

nança – ASG.

âmbito tanto da subscrição do risco quanto do investimento institucional, uma vez que

Estas questões não podem mais ser tratadas

os riscos globais sistêmicos e de longo prazo,

com abordagens periféricas, uma vez que o

impostos por estes fatores, podem minar a

caminho a ser trilhado rumo à economia verde

solvência de uma empresa e a saúde econô-

deve ser compartilhado por todas as vertentes,

mica da indústria.


13

Em um mercado competitivo e altamente regulado,

ambientais, sociais e econômicos e incentivados

esta é uma tarefa que impõe grandes desafios.

a disseminar práticas da sustentabilidade.

No campo ambiental, além de atender à legislação vigente e às exigências para a promoção da ativi-

Para atender à dimensão de governança, as

dade de seguros, toda empresa deve cuidar para

empresas devem entregar produtos e serviços a

que suas atividades causem o menor incômodo

custos razoáveis, atuar de forma legal, conduzir

possível sobre a vida da vizinhança, reciclar e dar

as negociações com os fornecedores de forma

destinação adequada ao lixo e a outros resíduos

justa e transparente, e assegurar que o cliente

produzidos em suas dependências, monitorar o

receba produto ou serviço consonante com o

consumo de água e de energia e apoiar iniciativas

valor que está pagando.

ecológicas locais. O mercado de seguros — cuja atividade principal A dimensão social prevê que os funcionários

é gerenciar riscos — deve assumir a liderança

recebam salários justos e tratamento digno,

no entendimento de um cenário de risco em

que as condições de saúde e segurança no

rápida transformação e tratar das questões de

trabalho na organização sejam adequadas, que

sustentabilidade global com rigor e inovação.

todas as pessoas tenham acesso às mesmas

A escalada dos problemas ambientais, sociais e

oportunidades — independentemente de

de governança tem sido muito rápida e exige

cor, gênero, religião etc. — e que os fornece-

ação coletiva e soluções de longo prazo.

dores sejam selecionados com base em critérios


51


MICROSSEGURO, a macroproteção social A situação das populações de baixa renda é hoje

Este é um cenário ideal para o desenvolvi-

uma preocupação mundial – tanto pelas questões

mento do produto microsseguro, que surge

humanitárias, quanto pelas consequências sociais,

como ferramenta de inclusão social e alternativa

econômicas e ambientais geradas pela desigual-

para impulsionar o crescimento econômico e o

dade e pela miséria. O tema tem mobilizado

desenvolvimento humano. São coberturas que

pessoas e empresas de todas as áreas na busca

oferecem proteção para pessoas frequentemente

de soluções que promovam, ao mesmo tempo, a

mais expostas a riscos, como morte acidental,

redução da pobreza e a inclusão social. A questão

doenças, perda de propriedade ou de colheitas,

torna-se ainda mais grave com os constantes

decorrentes da maior vulnerabilidade social.

efeitos das mudanças climáticas, cujos impactos nas áreas socialmente vulneráveis costumam ser

O objetivo do microsseguro é atender a

ainda mais devastadores.

esse mercado, com tíquetes suficientemente pequenos — que possam ter seus pagamentos

Além das perdas sociais e econômicas que

honrados —, exigência mínima de documentação

causam às pessoas de baixa renda, estas ocor-

e aposta em canais alternativos de distribuição

rências geram, constantemente, uma série de

para chegar às populações de baixa renda.

gastos extraordinários para o Governo, cujos recursos poderiam ser mais bem empregados se

Pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e

houvesse mecanismos que oferecessem proteção

Estatística – IBGE revela a existência de milhões

adequada a esses segmentos da população.

de brasileiros com renda de até três salários mínimos, que não contam com nenhum tipo

No Brasil, na última década, a ascensão social

de cobertura securitária. E a estimativa da

de grande parte da população proporcionou

Superintendência de Seguros Privados – Susep,

o acesso ao crédito, através de instituições

órgão regulador do setor, é de que esses

financeiras, e demonstrou a capacidade desses

clientes em potencial, que somam 100 milhões

brasileiros de assumir e manter compromissos.

de pessoas, sejam alcançados pelo microsse-

No entanto, são pessoas que, embora enfrentem

guro nos próximos anos.

riscos múltiplos, não contam com nenhuma proteção do seguro formal — e continuam admi-

Para viabilizar esse meganegócio e contribuir

nistrando suas perdas por meio de poupança

para a inclusão social deste universo de pessoas,

pessoal, empréstimos de emergência e redes de

o mercado segurador e o órgão regulador

proteção social, ferramentas que são incapazes

empreenderam um esforço comum que resultou

de proporcionar a proteção adequada.

na formulação do marco regulatório do microsseguro, possibilitando às empresas atuar nesse novo ramo de negócios.

capítulo

1

15


Projeto Estou SEGURO Uma das iniciativas da agenda de sustentabili-

O projeto envolveu um levantamento socio-

dade do mercado segurador, o projeto Estou

econômico da população local e um trabalho

Seguro, voltado para sensibilização da popu-

intenso de comunicação e educação. Uma pesquisa

lação de baixa renda para a importância do

envolvendo 608 moradores da comunidade

seguro e a educação financeira de comunidades

apontou, na época do lançamento do projeto-

carentes com foco em seguros, representa um

piloto, que 87% da população local jamais

passo decisivo para os esforços de inclusão socio-

haviam cogitado fazer um seguro em função do

econômica da população e a redução da vulne-

preço e do desconhecimento.

rabilidade de milhões de famílias em relação a eventos seguráveis, por meio do microsseguro.

Para apresentar os benefícios do seguro, as ações de comunicação do Estou Seguro inclu-

Concebido pela CNseg, em parceria com o Insti-

íram iniciativas criativas, como um vídeo curta-

tuto de Estudos do Trabalho e Sociedade – IETS,

metragem, peças de teatro de rua, spots de rádio

a Escola Nacional de Seguros e a Organização

em forma de radionovela e um concurso de

Internacional do Trabalho – OIT, o pro­jeto foi lan­-

samba, todos realizados com participação ativa

çado em 2009, no Morro Santa Marta, em Bota­

da comunidade. O projeto treinou e concedeu

fogo, a primeira favela do Rio de Janeiro a re­-

habilitação a alguns moradores da comunidade

ce­ber uma Unidade de Polícia Pacificadora –  UPP,

para atuar como corretores de microsseguros.

em 2008. A iniciativa despertou o interesse de 17

A iniciativa de mobilizar o mercado em prol do

seguradoras brasileiras de grande porte.

microsseguro rendeu à CNseg, em 2010, o título de Entidade do Ano na 13ª edição do Prêmio Cobertura-Performance. A primeira fase do Estou Seguro foi concluída em meados de 2011. A segunda fase, iniciada em julho de 2012, apostou na linguagem circense para difundir conhecimentos sobre a importância do seguro e da gestão de riscos, com apresentações da trupe de saltimbancos Carroça de Mamulengos e de peças teatrais com o grupo de atores OsMartha, formado por moradores do Santa Marta. Ao longo de toda a segunda fase do projeto, foram feitas pesquisas para medir a absorção do conteúdo pelo público e fornecer subsídios para que as seguradoras pudessem conhecer os anseios e as necessidades dos novos consumidores.


1 capítulo

Jogo CAMINHONEIRO Estou Seguro Em dezembro de 2012, em mais uma iniciativa de promover a educação financeira para a popu­ lação, foi lançado o jogo eletrônico Caminhoneiro Estou Seguro, desenvolvido em parceria com a Guanabara Games. Nesta ação, a CNseg apostou na atração que os jogos exercem sobre o público infantojuvenil para divulgar a cultura do seguro. O objetivo é conscientizar a população infantojuvenil sobre a importância da gestão dos riscos cotidianos, por meio de uma experiência lúdica e educativa sobre seguros. Dois totens interativos foram instalados na Casa do Seguro — espaço criado para interação do mercado de seguros com os moradores do Morro Santa Marta — e a utilização é gratuita. As crianças e adolescentes poderão participar de campeonatos organizados pela equipe do projeto Estou Seguro e concorrer a prêmios atrativos. Além disso, o jogo é distribuído em pen drives para instalação em computadores pessoais e em breve estará disponível na internet para amplo acesso.


O produto microsseguro surge como ferramenta de inclus茫o social e alternativa para impulsionar o crescimento econ么mico e o desenvolvimento humano.

Morro Santa Marta


capĂ­tulo

1

19


2 Lançamento dos

PSI

Os Princípios para Sustentabilidade em Seguros, o movimento internacional capitaneado pela ONU e o Protocolo de Intenções do MMA.


O presidente da CNseg, Jorge Hilário Gouvêa Vieira, no lançamento dos PSI

O lançamento mundial dos PSI O lançamento mundial dos Princípios para

A Confederação Nacional de Empresas de

Sustentabilidade em Seguros (PSI, na sigla em

Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida,

inglês), formulados pela Iniciativa Financeira

Saúde Suplementar e Capitalização – CNseg,

do Programa das Nações Unidas para o Meio

patrocinadora oficial do lançamento dos PSI, foi

Ambiente ­– UNEP FI, aconteceu em junho de 2012,

signatária do termo de adesão aos Princípios

no Rio de Janeiro, durante o 48º Seminário da

junto com 33 seguradoras mundiais — entre

International Insurance Society – IIS, realizado

elas, quatro brasileiras: Bradesco Seguros, Itaú

paralelamente à Conferência das Nações Unidas

Unibanco Seguros, Mongeral Aegon Seguros e

sobre Desenvolvimento Sustentável – Rio+20.

Previdência, Sul América Seguros. Na condição

Considerada uma evolução do movimento

de instituição apoiadora dos PSI, a Confederação

mundial para a construção de uma economia

assumiu o compromisso de disseminá-los no

verde, a ação selou o compromisso do mercado

mercado local.

global de seguros com a sustentabilidade.


23

Considerada uma evolução do movimento mundial para a construção de uma economia verde, a ação selou o compromisso do mercado global de seguros com a sustentabilidade.

Desde o lançamento dos PSI, vêm sendo formuladas parcerias com universidades e institutos de pesquisa para oferecer à população informações sobre os riscos que afetam seu cotidiano — um papel significativo que as seguradoras podem exercer em benefício da sustentabilidade do planeta. Para a CNseg, a adesão das seguradoras brasileiras aos Princípios servirá de estímulo para que todas caminhem juntas no sentido de tornar o setor de seguros brasileiro um exemplo mundial

Os princípios visam orientar instrumentos de

de boas práticas em sustentabilidade.

gestão de riscos em prol da sustentabilidade ambiental, social e de governança. O compromisso

Até o final de 2012, os Princípios para Sustenta-

resulta de um processo de seis anos promovido

bilidade em Seguros foram assinados por empresas

pela UNEP FI, resumido em quatro metas básicas,

dos seguintes países: Japão, Nova Zelândia, Reino

que envolvem um plano de ação global para

Unido, Espanha, Holanda, França, Noruega, Grécia,

desenvolver e expandir o gerenciamento de

África do Sul, Canadá, Austrália e Brasil.

risco e soluções inovadoras em seguros.

Representantes de 29 empresas internacionais, quatro nacionais e da CNseg assinaram o termo de adesão aos PSI


Os Ostrês trêspilares pilaresda da

SUSTENTABIL SUSTENTABI em emseguros segurossão são: :

so so gove gov meio meio am a


ILIDADE LIDADE

ociedade ociedade vernanรงa ernanรงa ambiente mbiente


O movimento internacional capitaneado pela ONU O desenvolvimento dos Princípios para Susten-

UNEP FI — além de mais de 500 representantes

tabilidade em Seguros – PSI começou a ser discu-

da alta administração do mercado de seguros, do

tido entre 2006 e 2009 pela Iniciativa Financeira do

Governo e de órgãos reguladores, de organiza-

Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente

ções intergovernamentais e não governamentais,

– UNEP FI, que realizou uma série de trabalhos de

de associações do comércio e da indústria e das

pesquisa, neste período, para identificar os riscos e

comunidades acadêmica e científica.

as oportunidades em seguros associados às questões ASG – Ambientais, Sociais e de Governança.

A intenção era obter insumo internacional sobre a minuta e possibilitar o estabelecimento de

No período entre a conclusão das pesquisas até

princípios de sustentabilidade para o mercado

o início de 2011, houve um longo processo de

segurador mundial que pudessem catalisar e

profundas discussões para elaborar a minuta dos

ampliar mudanças transformadoras e se ajustar

Princípios. Esse trabalho foi supervisionado e

às necessidades e anseios da indústria de

administrado por várias instituições-membro da

seguros e de seu público consumidor.

UNEP FI, por entidades observadoras do mercado de seguros e pela secretaria da própria Iniciativa

As discussões resultaram na definição de quatro

Financeira da ONU.

abrangentes Princípios para Sustentabilidade em Seguros.

Naquele mesmo ano, a discussão se estendeu à África, Ásia, Europa, América Latina e Região do

Inspirados pelos Princípios para o Investimento

Caribe, Oriente Médio e África do Norte, América

Responsável – PRI, lançados em 2006 pela UNEP FI,

do Norte e Oceania, por meio de reuniões de

que reúnem mais de 560 instituições de inves-

consultas que contaram com a participação da

timento globais comprometidas com a inclusão


capítulo

2

27

de questões ASG em decisões de investimento

A Iniciativa PSI

e práticas de propriedade —, os PSI são uma

Criada para promover a adoção e a imple-

estrutura para o mercado de seguros, que inclui

mentação mundial dos Princípios para Susten-

a gestão de investimentos em seu escopo, e

tabilidade em Seguros, a Iniciativa PSI é admi-

complementam os objetivos dos Princípios do

nistrada pela UNEP FI e integra sua estrutura de

Pacto Global das Nações Unidas, que promovem

governança. Sua administração é feita direta-

a adoção de práticas comerciais sustentáveis

mente por um Conselho formado por represen-

em todos os setores do mercado.

tantes das instituições signatárias do mercado de seguros e da UNEP.

Os PSI são uma estrutura para o mercado segurador que inclui a gestão de investimentos e complementa os objetivos dos Princípios do Pacto Global das Nações Unidas.

Os membros do Conselho do mercado de seguros serão eleitos pelas instituições signatárias — e devem reunir representantes da África, Ásia, Europa, América Latina e Região do Caribe, Oriente Médio e África do Norte, América do Norte e Oceania. O Conselho presidirá a Assembleia Geral Ordinária de signatários, ocasião em que questões relativas à Iniciativa PSI serão discutidas e decididas pelos signatários.


1

Incluiremos em nosso processo de tomada de decisão questões ambientais, sociais e de governança que sejam relevantes para nossa atividade em seguros.

Ações possíveis Estratégia para a companhia ▪ Estabelecer uma estratégia para a companhia aos níveis de Administração e executivo para identificar, avaliar, gerenciar e acompanhar questões ASG pertinentes à atividade de seguros. ▪ Dialogar com os empresários quanto à relevância das questões ASG para a estratégia da companhia. ▪ Integrar questões ASG nos programas de recrutamento, treinamento e contratação de colaboradores.

Gestão de risco e subscrição ▪ Estabelecer processos para identificar e avaliar questões ASG inerentes à carteira e estar ciente das potenciais consequências relacionadas às questões ASG das operações da companhia. ▪ Integrar questões ASG nos processos de tomada de decisão relativos a gestão de risco, subscrição e adequação de capital, incluindo pesquisa, modelos, análises, ferramentas e métricas.

Desenvolvimento de produtos e serviços ▪ Desenvolver produtos e serviços que reduzam o risco, tenham um impacto positivo sobre questões ASG e estimulem uma melhor gestão de riscos. ▪ Desenvolver ou apoiar programas de educação sobre riscos, seguros e questões ASG relativas à atividade de seguros.

Administração de sinistros ▪ Responder aos clientes sempre de forma rápida, ética, sensível e transparente, e certificar-se de que os processos de sinistros sejam explicados e entendidos claramente. ▪ Integrar questões ASG aos serviços de reparos, reposições e demais serviços de sinistros.

Vendas e marketing ▪ Educar a equipe de vendas e marketing sobre questões ASG atinentes aos produtos e serviços, integrando mensagens-chave de maneira responsável nas estratégias, campanhas e canais de comunicação. ▪ Certificar-se de que a cobertura, os benefícios e custos do produto e serviço são relevantes e estão explicados e entendidos claramente pela Gestão de investimento. ▪ Integrar questões ASG no processo de tomada de decisão sobre investimento e práticas de responsabilidade — por exemplo, implementando os Princípios de Investimento Responsável.


31

O setor segurador vem colocando em prática

de ação de responsabilidade socioambiental para

diversas iniciativas para incorporar à sua cadeia

o mercado segurador, reforçando o posicio-

de valor as diretrizes e os princípios de susten-

namento do setor na promoção de um mundo

tabilidade assumidos com o Governo, em 2009,

sustentável, com respeito ao meio ambiente e

quando a CNseg e o Sindicatos das Seguradoras

inclusão de todos os segmentos sociais.

do Rio de Janeiro e Espírito Santos firmaram um Protocolo de Intenções com o Ministério do Meio

Antes mesmo do lançamento dos PSI, que

Ambiente – MMA. Desde então, o compromisso

ocorreu no ano passado, paralelamente à reali-

com valores e iniciativas sustentáveis conquista

zação da Conferência Mundial para o Meio

cada vez mais espaço na gestão e na atuação das

Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável –

seguradoras no País — embora a consolidação

Rio+20, a CNseg encomendara uma pesquisa à

das políticas de cunho sustentável ainda pressu-

BSD Consultoria, para aferir o nível de alinha-

ponha um longo caminho a ser percorrido.

mento e comprometimento das empresas do setor ao Protocolo de Intenções.

Em setembro de 2012, as partes envolvidas no Protocolo de Intenções assinaram um termo

O estudo reuniu seguradoras, entidades de

aditivo ao documento, que alinhou o compro-

previdência

misso aos Princípios para Sustentabilidade em

planos de saúde e empresas de capitalização,

Seguros – PSI ao compromisso assumido ante-

cuja amostra correspondia a 80% do volume de

riormente; instituiu uma Comissão Especial para

prêmio arrecadado no País em 2011. O peso da

acompanhar a adoção dos princípios e propor

representatividade fez da pesquisa um registro

planos de trabalho para o desenvolvimento

singular do movimento em curso no setor para

sustentável; e incluiu a participação da Secretaria

torná-lo setor cada vez mais sustentável.

complementar,

operadoras

de

de Estado do Ambiente do Rio de Janeiro – SEA. A assinatura do termo aditivo ocorreu durante o

Mas, apesar dos avanços já observados naquele

seminário Princípios para Sustentabilidade em

ano, a pesquisa concluiu que o setor deveria

Seguros – da Teoria para a Prática, realizado no

continuar empenhado na incorporação dos

Rio de Janeiro, pela CNseg.

princípios e diretrizes de sustentabilidade à sua prática cotidiana e apontou dois desafios:

Documento precursor dos PSI, que deve nortear

adoção de postura mais propositiva em relação

as ações em torno do tema da sustentabilidade

às questões ambientais e sociais e construção

em seguros nos próximos anos, o Protocolo de

de posicionamento coeso diante dos públicos

Intenções já havia estabelecido princípios e linhas

de interesse e da sociedade.

capítulo

2

O alinhamento do Protocolo de Intenções aos PSI


Princípios do Protocolo de Intenções do MMA Princípio da Integração de Sustentabilidade na Tomada de Decisão e nos Processos Considerar os impactos e custos socioambientais e de governança na gestão de seus ativos e nas análises de risco, tendo por base as políticas internas de cada instituição e as seguintes diretrizes: a) promover o consumo consciente de recursos naturais e de materiais deles derivados, nos processos internos; b) requerer, na análise de proposta de seguros referente à cobertura de instalações e equipamentos potencialmente causadores de significativa degradação ambiental, a apresentação por parte do proponente das licenças ambientais exigidas pela legislação vigente; c) incorporar critérios socioambientais e de governança ao processo de subscrição de riscos, considerando os seus potenciais impactos e a necessidade de medidas de proteção tecnicamente recomendáveis; d) considerar, na aplicação dos ativos garantidores das provisões técnicas, a exclusão de títulos emitidos por empresas com padrões de desempenho ambientais, sociais e de governança inferiores aos aceitáveis;


33

e) definir e contemplar critérios ambientais, sociais e de governança nos processos de compras

recursos naturais e de materiais deles derivados.

Princípio de Integração na Cadeia de Valor Oferecer produtos de seguros, previdência privada complementar e de capitalização que fomentem a qualidade de vida da população e o uso sustentável do meio ambiente, observadas as seguintes diretrizes: a) aprimorar continuamente a oferta de produtos e serviços destinados a promover projetos que apresentem adicionalidades ambientais, sociais e de governança; b) oferecer produtos voltados à cobertura de danos causados ao meio ambiente e incentivar a sua contratação; c) adotar critérios ambientais, sociais e de governança na seleção e avaliação de fornecedores, prestadores de serviços e parceiros comerciais; e d) orientar o consumidor de seus produtos para a adoção de práticas sustentáveis de produção e de consumo consciente.

Princípio do Esforço Promover a cooperação e a integração de esforço entre os partícipes e outros órgãos importantes para o compartilhamento de experiência, acompanhamento da efetividade e governança dos princípios e diretrizes deste protocolo, bem como propor melhorias no seu processo de implementação.

Princípio da Prestação de Contas Informar, sensibilizar e engajar continuamente as partes interessadas nas políticas e práticas de sustentabilidade da instituição, observadas as seguintes diretrizes: a) capacitar o público interno para desenvolver as competências necessárias à implantação dos princípios e diretrizes deste protocolo; b) desenvolver mecanismo de diálogo e realizar processos de engajamento com as partes interessadas; e c) divulgar os resultados da implementação dos princípios e diretrizes estabelecidos neste protocolo.

capítulo

f) racionalizar procedimentos operacionais visando promover a máxima eficiência no uso dos

2

e contratação de serviços; e


3 A adesão da

CNseg O que a iniciativa representa para o setor, o compromisso público com a sustentabilidade e o papel de sua Comissão Temática.


CNseg, uma das instituições apoiadoras dos PSI Instituição apoiadora dos Princípios para Su­sten-

Para a CNseg, a sustentabilidade tornou-se uma

tabilidade em Seguros – PSI, lançados em junho

palavra de ordem nas empresas do setor segurador,

pela Iniciativa Financeira do Programa das

que trazem em seu DNA a prevenção e o geren-

Nações Unidas para o Meio Ambiente – UNEP FI,

ciamento de riscos e, dessa forma, estão aptas a

a CNseg promoveu, apenas dois meses após

induzir a adoção de boas práticas e a oferecer solu-

o lançamento, o evento Princípios para Susten-

ções em prol do desenvolvimento sustentável.

tabilidade em Seguros – da Teoria para a Prática, com o objetivo de divulgar oficialmente os

Uma forma de dar sua contribuição nesse

Princípios para o mercado segurador brasi-

sentido, na avaliação da Confederação, é esta-

leiro e fomentar a conscientização para sua

belecer metas para cada um dos Princípios

adoção e implementação.

para Sustentabilidade em Seguros e sugerir ações para adoção imediata, de modo a dar consis-

O evento realizado no Rio de Janeiro, com a partici-

tência à política de adesão aos PSI e responder

pação de mais de 250 pessoas, teve como objetivo

aos anseios da sociedade, que quer conhecer as

inserir o conceito de sustentabilidade na cadeia de

ações práticas do mercado em defesa do planeta.

valor do seguro, por meio de ações concretas, para atender aos PSI nas dimensões social, ambiental e

A expectativa da Confederação é que, após a

de governança, amparadas em suas diretrizes.

assinatura do termo aditivo ao Protocolo de


Intenções, as seguradoras brasileiras passem a

instrumento indutor de parâmetros de comporta-

adotar, progressivamente, regras cada vez mais

mento do mercado brasileiro de seguros.

rígidas para os clientes corporativos que adotem práticas socioambientais condenáveis.

Os Princípios para Sustentabilidade em Seguros encerraram 2012 com 14 instituições apoia-

A CNseg também lançou uma página na internet

doras — entre elas, a CNseg — e 34 empresas

para ajudar a promover mudanças no compor-

signatárias, seis delas brasileiras: Bradesco

tamento do mercado, de segurados e de inves-

Seguros, Itaú Seguros, Mongeral Aegon, Porto

tidores. O espaço virtual reúne, entre outros

Seguro Cia. de Seguros Gerais, Seguradora Líder

itens, informações sobre iniciativas sustentá-

dos Consórcios do Seguro DPVAT e Sul América

veis do setor, artigos, eventos, glossário, linha

Companhia de Seguros Gerais.

do tempo dos principais marcos legais e links na web que tratam de questões relacionadas ao

A adesão demonstra o notório interesse do

tema da sustentabilidade.

mercado segurador brasileiro em prol da sustentabilidade e sua firme determinação

Nos planos para um futuro próximo, está o estudo

em apresentar propostas efetivas para sair do

para a criação de um Código de Ética de Boas

campo das intenções e passar à adoção de

Práticas em Sustentabilidade, que pretende ser um

práticas verdadeiramente sustentáveis.


A missão da COMISSÃO de Sustentabilidade Para dar início aos trabalhos relacionados à

aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros

sustentabilidade no mercado segurador, a CNseg

– PSI, elaborados pela Iniciativa Financeira

constituiu, em agosto de 2011, um Grupo de

do Programa das Nações Unidas para o Meio

Trabalho especial sobre o tema, composto por 13

Ambiente – UNEP FI.

integrantes, representantes de oito seguradoras. Apoiando o lançamento oficial dos PSI, ocorUm dos primeiros esforços empreendidos pelo

rido em junho de 2012, em paralelo à reali-

grupo foi a contratação de uma consultoria espe-

zação da Conferência da ONU — a Rio+20, o

cializada em sustentabilidade, a BSD Consulting,

Grupo de Trabalho da CNseg foi responsável

para avaliar o desempenho das seguradoras

pela tradução do texto dos Princípios para o

brasileiras em relação ao tema.

português.

A ação resultou em duas pesquisas: uma para

Após o lançamento dos PSI, o Grupo de Trabalho

medir o grau de aderência das empresas às

ganhou status de Comissão, composta por

diretrizes definidas no chamado Protocolo de

representantes indicados pelas Diretorias das

Intenções do MMA; e outra para analisar o alinha-

quatro Federações associadas e pela CNseg.

mento das práticas cotidianas das seguradoras

A reunião de instalação foi realizada no dia


39

17 de julho de 2012, com a participação de cinco

para mapear as ações necessárias à transfor-

integrantes da CNseg, sete da FenSeg, quatro

mação da teoria em práticas de gestão empre-

da FenaPrevi, quatro da FenaSaúde e cinco

sarial sustentáveis. Com base nos resultados

da FenaCap.

da pesquisa elaborada pela BSD Consulting, os grupos foram divididos em: Educação e

À Comissão compete auxiliar a CNseg no enga-

Comunicação; Legislação Ambiental; Mudanças

jamento do mercado segurador para a dissemi-

Climáticas; e Materialidade do Setor.

nação de conceitos de sustentabilidade, estimulando a troca de experiências, fomentando

A expectativa é que as atividades desenvol-

a adoção das melhores práticas de desenvol-

vidas a partir do plano de ação permitam ao

vimento sustentável pelas empresas e elabo-

mercado conscientizar seus novos players para

rando, em conjunto com a Confederação, um

a importância do tema e disseminar na socie-

plano de ação para a implementação dos PSI

dade a imagem do setor de seguros como um

nas empresas do setor.

regulador da sustentabilidade — uma vez que possui ferramentas para lidar com emergentes

As empresas que participam da Comissão de

riscos sociais e ambientais e para transformar

Sustentabilidade — coordenada pela Superin-

os desafios em oportunidades de negócio,

tendência de Relações com o Mercado da CNseg

promovendo assim a imagem da instituição

— estabeleceram quatro Grupos de Trabalho

do seguro.

Reunião de instalação da Comissão de Sustentabilidade realizada em julho de 2012


4 Modelo de

GOVERNANÇA As iniciativas da CNseg para estimular a adoção de gestão transparente, de Código de Ética e Conduta e de Ouvidorias. E a formação de profissionais.


Governança corporativa: um CAMINHO sem volta A sustentabilidade dentro das empresas é uma

em uma administração voltada para o coletivo,

questão estratégica, que só existe quando inte-

a igualdade entre as pessoas e o compromisso

grada aos processos de negócio e tem seu

com o futuro.

conceito estendido a todos os stakeholders. E este é justamente o papel da governança corporativa — melhorar as relações entre os diversos atores envolvidos na organização, o que geralmente se dá através da transparência, da prestação de contas e do atendimento aos anseios do consumidor.

Imbuída da missão de promover o desenvolvimento do mercado segurador, de incentivar a adoção de boas práticas de conduta empresarial e de desenhar um modelo de governança para suas práticas internas, a CNseg promoveu um encontro entre seus dirigentes no ano de 2010, em Itaipava, na região

O constante aperfeiçoamento das boas práticas

serrana de Petrópolis, no Rio de Janeiro.

de governança tem resultado em gestões

As metas foram traçadas em alinhamento com

mais transparentes, melhoras significativas no

os anseios das seguradoras.

ambiente regulatório, além de mais proteção aos investidores, de modo a maximizar a criação de valores na empresa e propiciar às partes interessadas elementos que embasem a tomada de decisões estratégicas.

Consolidadas no documento que ficaria conhecido como Carta de Itaipava, as decisões nortearam as iniciativas da Confederação para promover o desenvolvimento do seguro com ênfase na sustentabilidade, em atendimento

Um bom modelo de governança corpora-

às demandas da sociedade brasileira. Uma das

tiva procura dar voz aos acionistas, inibir

primeiras ações práticas resultou na reestru-

fraudes e evitar conflitos com órgãos governa-

turação interna da CNseg para acompanhar

mentais e reguladores ou desrespeito às leis.

a crescente participação do setor na econo-

Mas essa proposta inicial acaba por se refletir

mia nacional.


43

Naquele mesmo ano, a CNseg remodelou sua estrutura organizacional de acordo com as orientações da Carta, implementando uma série de medidas para profissionalizar e modernizar a gestão. O pontapé inicial para a adoção do novo modelo de governança foi dado com a transformação da Diretoria em Conselho Diretor, conforme sugeria o documento. O Conselho definiu as atribuições da Diretoria Executiva, que passou a ter sob sua batuta as tarefas estabelecidas pela presidência e a supervisão das atividades da Confederação nos planos institucional, técnico e operacional. A nova estrutura levou a uma maior interação dos trabalhos, atividades e interesses das quatro federações — FenSeg, FenaPrevi, FenaSaúde e FenaCap — com a Confederação. Na mesma época, foi criada a Central de Serviços e Proteção ao Seguro – Ceser, cujas funções deliberativas sobre questões estratégicas e orientação dos negócios ficaram sob a responsabilidade do Conselho de Administração – Codam, subordinado ao Conselho Diretor. O Conselho de Desenvolvimento – Conde, este de natureza consultiva, se manifesta a respeito de novos produtos, melhoria da qualidade

áreas internas na implementação de ações que

lizada pelo Conselho Diretor em fevereiro do ano

promovam mais transparência, segurança e credibili-

passado, foram criados a Controladoria, o Núcleo

dade aos processos e serviços ofertados ao mercado.

de Estudos e Projetos e o Centro de Documentação e Memória (este último, em desenvolvimento) —

Outro passo em direção à governança corporativa

e adotados manuais de Organização, Guias de

foi dado em maio do ano passado, com a criação da

Processos e Políticas da CNseg, para alinhar visões

área de Controles Internos da entidade, cuja missão

e condutas no novo sistema de governança.

é implantar e manter um sistema de controles que promova a confiabilidade nas informações, a

Num claro esforço para valorizar o papel funda-

eficácia e eficiência nas operações e a aderência

mental da Comunicação na oferta de informações

às leis e normas internas e externas, com base nas

aos públicos estratégicos, principalmente aos

melhores práticas de mercado adotadas no País.

consumidores, a Confederação elevou a gerência da área — assim como a de Eventos — à condição

A Confederação também aperfeiçoou sua gestão

de superintendência. A decisão revela a intenção

orçamentária, reestruturando atividades e fixando

da entidade de promover a transparência na

novos critérios para o acompanhamento do orça-

gestão do setor, uma vez que somente uma comu-

mento, e consolidou o processo de reestruturação,

nicação empresarial efetiva permite à sociedade

aprovando, em fevereiro do ano passado, a refor-

ter acesso a informações relevantes de uma corpo-

mulação de seus estatutos, ampliando o número

ração, com vistas a seu próprio desenvolvimento.

de conselheiros de 18 para 27 membros.

Dentro da nova filosofia, a Controladoria passou a

Todas as ações e iniciativas promovidas pela

responder pela disseminação da cultura de controles

CNseg em busca da adoção de uma gestão

internos na organização, pelo desenvolvimento e

sólida e transparente têm um só objetivo: tornar

implementação da estrutura formal de documentos,

o mercado segurador brasileiro cada vez mais

além de atuar na identificação, mitigação e monito-

comprometido com as demandas do consumidor,

ramento dos principais riscos envolvidos nas ativi-

com a subsistência do negócio do seguro e com a

dades da CNseg. A Controladoria também auxilia as

sustentabilidade do planeta.

capítulo

Ainda fruto da nova estrutura organizacional, oficia-

4

dos serviços, preços e novas demandas do mercado.


Ouvidorias: transparência na relação com o consumidor No ano passado, a CNseg lançou o Guia de

Entre as atribuições da Comissão, destacam-se

Acesso às Ouvidorias do Mercado Segurador,

a promoção da troca de experiências e infor­

uma publicação que relaciona nomes e contatos

mações entre as empresas; o acompanha-

dos ouvidores das seguradoras de saúde, capi­

mento das principais demandas dos consu­

talização, previdência privada e seguros gerais.

midores; o compartilhamento de dados das

Disponível na internet, o guia aborda também

empresas por meio de relatórios semestrais;

o funcionamento das Ouvidorias e apresenta

e o fortalecimento institucional do setor

conceitos envolvidos nesse mecanismo de

perante os órgãos de defesa do consumidor,

comunicação e conciliação.

a Superintendência de Seguros Privados – Susep e a Agência Nacional de Saúde Suple-

Inspiradas na comemoração dos 22 anos de

mentar – ANS.

promulgação do Código de Defesa do Consumidor – CDC, as empresas que integram a

O aperfeiçoamento do trabalho das Ouvi­

Comissão de Ouvidoria da CNseg decidiram

dorias das seguradoras vem contribuindo para

elaborar um documento único, que é esse Guia

reduzir o número de reclamações contra o setor

de Acesso, contendo as informações necessárias

nos órgãos de defesa do consumidor — um

para o acesso às suas Ouvidorias, de modo a faci­

sinal claro do amadurecimento do mercado e

litar o contato dos consumidores, para a solução

da resolução das questões demandadas pelos

de conflitos envolvendo as relações de consumo.

clientes ainda no âmbito interno das empresas.


45

De acordo com análise comparativa da CNseg,

Essa forma de mediação traz benefícios evi-

entre 2010 e 2011, as queixas registradas nas

dentes tanto para o consumidor quanto para as

Ouvidorias do setor foram reduzidas em 18 %,

empresas. Para o consumidor, porque possibi­

passando de 32.932 para 26.920. O universo

lita uma solução mais rápida e gratuita para sua

de empresas pesquisadas corresponde a cerca

insatisfação com o produto ou serviço contra­

de 90  % do volume de prêmios arrecadados

tado; e para as empresas, porque permite

pelo mercado, excluído o segmento de Saúde

detectar, com agilidade e transparência, a

Suplementar. O número de queixas feitas à Susep

opinião e as demandas do cliente sobre a quali­

também vem caindo nos últimos anos.

dade dos serviços e produtos ofertados no mercado. Esse retorno possibilita às empresas

A adoção desse mecanismo de solução de

fazerem correções eventuais de rumo para

conflitos nas empresas de seguros, na forma

eliminar o foco das reclamações.

prevista no Código de Defesa do Consumidor, foi incentivada pela própria Susep, a partir de 2004.

Para o mercado segurador, as Ouvidorias

Apesar de sua constituição não ter sido obri­

são parte de um arcabouço de instrumentos

gatória até 2012, as empresas que integravam

que fortalecem as relações com os clientes

a Comissão de Ouvidoria da CNseg naquele

— o principal deles, o próprio Código de Defesa

ano já contavam com canais estruturados

do Consumidor, do qual o ouvidor é o maior

Essas

repre­

guardião. Além de funcionar como um canal de

sentavam 92  % da arrecadação de prêmios

resolução de conflitos, as Ouvidorias têm uma

— excluído o segmento de Saúde Suplementar,

função muito mais abrangente, uma vez que

que ainda dependia de resolução normativa da

ajudam a aproximar as empresas de consumi­

ANS para criar suas Ouvidorias.

dores e promovem melhorias nos processos.

e

bem-sucedidos.

empresas


Código de ÉTICA e Conduta Uma empresa comprometida com a integração

O Código de Ética do mercado reúne um

dos fatores ASG da sustentabilidade (ambiental,

conjunto de normas e princípios a que as

social e de governança), em suas práticas de

empresas do setor, associadas às respectivas

gestão interna, procura também definir um

federações, decidiram sujeitar-se voluntaria-

Código de Ética e Conduta para ser aplicado

mente com o objetivo de propiciar seu desen-

em todas as suas operações. O objetivo é evitar

volvimento, em harmonia com os princípios

que os produtos do seguro protejam compa-

da livre iniciativa, da autonomia institucional

nhias cujas ações não compartilhem os mesmos

dos operadores do mercado, da preservação

valores e práticas sustentáveis.

da livre concorrência e boa-fé contratual que devem existir entre as empresas e nas relações

Ano após ano, esta filosofia ganha mais força no

negociais estabelecidas com os consumidores e

cotidiano das empresas do mercado segurador

demais participantes do mercado.

brasileiro, de acordo com a segunda edição de uma pesquisa feita pela CNseg para medir as ações internas das companhias com foco na responsabilidade social e na sustentabilidade. Entre as 92 empresas consultadas no levantamento — que representam cerca de 80% da arrecadação anual do setor de seguros —, 67% afirmaram ter um Código de Ética e Conduta que norteia sua atuação, garante o comprometimento com a sustentabilidade e define diretrizes para a escolha de fornecedores e parceiros. Desde 2006, o mercado segurador conta com

O Código de Ética, lançado pela CNseg, objetiva estreitar o relacionamento com o consumidor de seguros e a sociedade em geral, priorizando a transparência nas suas relações.

um Código de Ética, lançado pela CNseg com o objetivo de estreitar o relacionamento com o

Ao aderir ao Código de Ética, o mercado segu-

consumidor de seguros e a sociedade em geral,

rador reafirma perante a sociedade brasileira a

priorizando a transparência nas suas relações.

rejeição às condutas empresariais moralmente censuráveis e o compromisso de combater as

A iniciativa pioneira surgiu depois de um amplo

práticas comerciais não equitativas e desleais,

debate e consolidou as condutas que devem ser

além do abuso de poder nas relações de

adotadas pelo setor para o desenvolvimento de

produção e de consumo.

suas atividades, em harmonia com os princípios da livre iniciativa, da autonomia institucional, da

Dois anos depois de elaborar seu Código de

preservação da livre concorrência e da boa-fé

Ética, o mercado segurador elegeu, em 2008, os

contratual, que devem ser valorizados pelas

membros do Conselho de Ética, que é formado

empresas na relação com os consumidores.

por 13 executivos do setor.


Formando profissionais para o mercado O crescimento observado na economia nacional nos últimos anos tornou ainda mais evidente uma deficiência já detectada há anos pelo meio empresarial brasileiro: a falta de profissionais qualificados. O setor de seguros, que vem tendo um desempenho acima do índice do Produto Interno Bruto, também se ressente de pessoal, principalmente na área de atendimento aos consumidores nas seguradoras. E essa demanda cresce ainda mais com a proximidade de grandes eventos, como a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos, que aumentam a procura por cursos de treinamento para o corretor para operar no segmento de seguro garantia, um dos mais visados, e tantos outros que virão na esteira dos inves­ timentos em infraestrutura. Outro fator que colabora para esta demanda é a venda dos produtos de microsseguros, regulamentada recentemente pela Susep. A Escola Nacional de Seguros é a única instituição brasileira que oferece o Curso para Habilitação de Corretores de Seguros, que tem cerca de nove meses de duração e é composto por três fases: para operar apenas em capitalização; em capitalização, seguros de vida e previdência privada; e em capi­ talização, seguros de vida, previdência privada e seguros gerais. A Escola oferece cursos específicos também para a formação de corretores de microsseguros. Ao final do programa, caso o aluno seja aprovado, a Escola confere o certificado que permite obter o registro na profissão junto à Susep — uma exigência legal para o exercício da profissão. Em 2012, foram quase 15 mil inscrições no programa para Habilitação de Corretores de Seguros, o carro-chefe da instituição.


49

ENSINO Superior No âmbito do ensino superior, a Escola Nacional

O Ensino a Distância ganhou mais um curso

de Seguros forma gestores para atuação em

inédito e gratuito, o de Relações de Consumo,

nível gerencial no mercado de seguros e é a

cujo objetivo é disseminar conhecimentos sobre

única do País. Foram formadas mais quatro

o Código de Defesa do Consumidor, com espe-

turmas no Curso de Administração, em Seguros

cial foco na área de Seguros e Previdência.

e Previdência: duas no Rio de Janeiro e duas em São Paulo. A Escola oferece ainda cursos de pós-

pós-graduação, em 2012, com foco em Direito do Seguro: MBA Direito Securitário e MBA Direito do Seguro e Resseguro — no Rio de Janeiro e São Paulo, respectivamente. No campo internacional, a Escola se destaca com dois importantes projetos. O primeiro, em parceria com The Chartered Insurance Institute – CII, resultou

na

promoção

do

Programa

de

Treinamento no Exterior, em Londres, pelo segundo ano consecutivo, que levou 15 profissionais brasileiros para conhecer o mercado de seguros londrino, sob o tema: Os Processos

A Escola oferece ainda cursos de pós-graduação e extensão e o MBA Executivo em Seguros e Resseguro; e lançou dois cursos de pós-graduação em 2012: MBA Direito Securitário e MBA Direito do Seguro e Resseguro.

Técnicos do Resseguro. O segundo consiste na concessão de bolsas de estudo a profissionais brasileiros para o Mestrado em Ciências Atuariais, da Cass Business School, escola de

Algumas seguradoras também investem direta-

negócios também de Londres.

mente no treinamento e na formação de profissionais por meio de parcerias exclusivamente

Ao longo do ano, os programas de Certificação

estruturadas com a Escola Nacional de Seguros,

Técnica Profissional — criados em 2005 para

a exemplo de um curso de formação na área

atender a resoluções da Susep, que instituem

específica de benefícios.. Mais de 2 mil profis-

a obrigatoriedade de qualificação profissional

sionais foram formados pelas próprias compa-

para profissionais de seguradoras e de corretoras

nhias ao longo do ano passado.

de seguros — contaram com mais de 2,5 mil matrículas, entre funcionários de seguradoras e de corretoras.

capítulo

Seguros e Resseguro; e lançou dois cursos de

4

-graduação e extensão e o MBA Executivo em


5 O papel do CONSUMIDOR A importância de se promover um padrão de consumo consciente, a relação das empresas com seus públicos e a educação para o seguro.


A promoção do consumo sustentável Assegurar qualidade de vida digna para um

Esse processo de inclusão econômica trans-

mundo que terá 9 bilhões de pessoas em 2050,

formou a população das classes C e D no foco de

um dos maiores desafios atuais da humani-

quase todas as empresas brasileiras, que querem

dade, foi uma das principais questões debatidas

ampliar sua relação com estes segmentos, atraí-

pela Conferência Rio+20, que apontou o papel

-los como consumidores e ampliar seus volumes

fundamental do consumidor neste cenário

de negócio. Mas, ao divulgar seus produtos e

de construção de um futuro baseado numa

serviços, estas empresas buscam também

economia mais verde e inclusiva. O xis da

desenvolver comportamentos de consumo

questão é a promoção de um consumo susten-

mais consciente?

tável, uma vez que, embora seja um processo individual, o ato de consumo tem consequên-

A pesquisa Responsabilidade Social das Empresas

cias coletivas.

 – Percepção do Consumidor Brasileiro, feita pelos Institutos Akatu e Ethos em 2010,

O crescimento acelerado da economia obser-

defende o desenvolvimento de legislações

vado nos últimos anos, o aumento da renda

e políticas públicas que, mesmo sem passar

dos trabalhadores e o acesso dos segmentos de

inicialmente pela compreensão e consciência

menor poder aquisitivo ao consumo são fatores

do consumo, induzam comportamentos nos

de estímulo a um padrão consumista que não

consumidores e nas empresas que gerem o

tem suas consequências sociais e ambientais

movimento de construção de uma sociedade

devidamente avaliadas.

mais sustentável.


E este é um caminho sem volta, pois ninguém

Ao contrário, todos desejam que a nova classe

deseja que o processo de redução da pobreza,

média incorpore os milhões de brasileiros

de melhoria na distribuição de renda e do conse-

que continuam sem acesso aos bens materiais

quente aumento do consumo seja interrompido.

mínimos, para que todos tenham uma vida com dignidade e novas conquistas.

A sustentabilidade e o consumo consciente precisam ser apresentados como conceitos simples, traduzidos em práticas e propostas concretas.

Mas a pesquisa ressalta: para conquistar o coração e o bolso dos consumidores, a sustentabilidade e o consumo consciente precisam ser apresentados como conceitos simples, traduzidos em práticas e propostas concretas. E estas não podem ser percebidas pelo público como imposições restritivas, mas sim como uma boa alternativa ao consumismo vazio, angustiante e insustentável. Ao contrário, devem ser vistas como o caminho mais curto, barato e desejável rumo à felicidade, que é, afinal, o que todos almejamos.


55

AÇÕES do mercado com foco no cliente Na esteira da ascensão de novas classes sociais

Foram lançadas as cartilhas sobre Previdência

ao consumo, o mercado segurador elegeu o

Privada, Saúde Suplementar e Capitalização.

relacionamento com o consumidor como requi-

A iniciativa representa um processo de aprimo-

sito estratégico para a sustentabilidade da

ramento contínuo da relação com o consumidor

indústria de seguros no País. A CNseg assumiu

e será estendida a outros produtos.

o compromisso de difundir novas práticas — como a simplificação de produtos, transparência

O mercado também trata a questão do respeito

e abertura de novos canais de comunicação —

ao consumidor como um importante meio

para promover a aproximação do mercado com

de fortalecimento dos princípios de cida-

seus clientes.

dania e de desenvolvimento socioeconômico com foco nos clientes do setor foi a organi-

Chave’, um conjunto de cartilhas que se

zação das Conferências Interativas de Proteção

baseia nos princípios da ética e da transpa-

do Consumidor de Seguros, em 2010 ( duas

rência, cujo objetivo é facilitar a compreensão

edições ) , 2011 e 2012. A primeira comemorou

das características dos produtos de seguros.

os 20 anos do Código de Defesa do Consumidor

Fruto de parceria com as Federações Setoriais,

– CDC, promulgado em 1990.

as publicações colaboram com as empresas no processo de comunicação com seus

A Confederação, que havia criado a Comissão de

consumidores.

Relações de Consumo um ano antes, assumiu, no evento, a incumbência de elaborar um plano

Os Pontos-Chave traduzem os conceitos técnicos

de proteção do consumidor. Entre as medidas

do setor para uma linguagem de fácil entendi-

apresentadas aos órgãos reguladores, destaca-

mento e constituem uma matriz que pode ser

-se a simplificação dos contratos, para facilitar

utilizada pelas empresas para a adaptação do

a compreensão dos produtos e evitar que os

conteúdo, de acordo com as especificidades de

clientes venham a se frustrar no futuro.

seus produtos e a personalização de sua identidade. A partir da incorporação das informa-

Em 2012, o mercado apoiou a realização do XI

ções específicas dos produtos das empresas, as

Congresso Brasileiro de Direito do Consumidor,

publicações servirão também como um instru-

realizado em Natal-RN, pelo Instituto Brasileiro

mento de auxílio ao consumidor na contratação

de Política e Direito do Consumidor – Brasilcon.

de um seguro.

O encontro foi pontuado pelas discussões de consumo no Brasil e no mundo, que integravam a pauta de propostas para a atualização do CDC.

capítulo

Em 2012, a Confederação lançou os ‘Pontos-

5

sustentável . Outro marco da ação da CNseg


Nova classe média inspira projetos de educação financeira Os milhões de novos consumidores que

médio, entre 15 e 21 anos, de mais de 900 escolas

entraram para o mercado de consumo nos

públicas, em seis estados brasileiros. Trata-se do

últimos anos, fazendo surgir uma nova classe

maior programa público de educação financeira

média no País, levaram empresas e entidades a

avaliado pelo Banco Mundial.

direcionar suas preocupações para a educação financeira

dessa

parcela

da

população.

Incentivada pela experiência bem-sucedida

O objetivo é promover a adoção de hábitos

com o ensino médio, a AEF-Brasil quer agora

financeiros saudáveis para estas pessoas que

investir em um projeto similar voltado para

nunca tiveram acesso ao sistema bancário ou

o ensino fundamental, que será testado com

aos produtos de seguros.

164 mil alunos, entre 6 e 14 anos, de 820 escolas públicas, em cinco estados. Um caderno publi-

O mercado segurador brasileiro — um dos

cado pelo jornal O Globo em comemoração

setores da economia nacional que vem exibindo

ao Dia Mundial do Consumidor ( 15 de março ) 

um crescimento anual acima do índice do

tratou da iniciativa com destaque.

Produto Interno Bruto — vem enfrentando com afinco o desafio de ampliar os conhecimentos

Em 2012, a Confederação também lançou os

da população sobre os produtos do seguro e

‘Pontos  -  Chave’, um conjunto de livretos que

a proteção que eles garantem para a família, a

tem o objetivo de facilitar a compreensão

saúde e os bens adquiridos.

das características dos produtos de seguros. Com o mesmo foco, foi lançado o projeto

Em um dos exemplos mais emblemáticos do

Caminhoneiro Estou Seguro, no Morro Santa

engajamento do setor em programas que têm

Marta, no Rio de Janeiro, que é destinado à

foco na difusão da educação financeira, a CNseg

educação financeira do público infantojuvenil.

firmou parceria com a Federação Brasileira dos Bancos – Febraban, a Bolsa de Valores de São

Além dessas iniciativas, a CNseg lançou um

Paulo – BM&F Bovespa e a Associação Brasileira

projeto pioneiro, que funciona no Morro Santa

das Entidades dos Mercados Financeiro e de

Marta, em Botafogo. É o Estou Seguro, com foco

Capitais – Anbima para criar a Associação de

na sensibilização da população de baixa renda

Educação Financeira do Brasil – AEF - Brasil.

para a importância da gestão de risco e do seguro como um dos instrumentos à disposição,

O objetivo da entidade é o desenvolvimento

que está na segunda fase e já formou corretores

de tecnologias sociais e educacionais que

de seguros para atuar na comunidade. O projeto

despertem o cidadão brasileiro para a impor-

conta, dentre outros recursos, com suporte da

tância do comportamento financeiro susten-

cartilha Família Estou Seguro. Em 2012, foram

tável e consciente. Durante um ano e meio, o

impressos 50 mil exemplares para distribuição

projeto-piloto envolveu 30 mil jovens do ensino

em vários outros pontos do País.


The Geneva Association realiza sua 38º Assembleia no Rio Janeiro

Parcerias internacionais Nos últimos três anos, a CNseg firmou várias parce-

A confederação estabeleceu também um

rias com instituições internacionais dedicadas ao

canal de comunicação com a Universidade de

desenvolvimento de expertises na atividade segu-

Cambridge, na Grã-Bretanha, integrando-se ao

radora. Foi graças a uma dessas alianças, com a

Programa de Liderança em Sustentabilidade –

Iniciativa Financeira do Programa das Nações

CPSL, que desenvolve programas executivos de

Unidas para o Meio Ambiente — UNEP FI, que

formação para líderes seniores. Outra parceria

a Confederação alinhou a indústria brasileira de

relacionada à universidade britânica envolve

seguros à mobilização global do setor em torno

o

dos Princípios de Sustentabilidade em Seguros –

sobre gerenciamento de riscos e efeitos das

PSI, lançados em junho de 2012.

mudanças

ClimateWise,

referência

climáticas

na

em

pesquisas

indústria

global

de seguros. Em outra frente de ação, a CNseg filiou-se à Global Federation of Insurance Associations – GFIA,

A preocupação com os impactos das mudanças

formada por 31 associações que representam

no clima do planeta levou a CNseg a ter também

87  % da arrecadação mundial de prêmios.

como parceira a Associação de Genebra

Na entidade, sediada em Bruxelas, Bélgica, a

The Geneva Association, que se destaca pelas

Confederação integra os grupos de trabalho

pesquisas a respeito dos impactos do fenô-

sobre inclusão financeira, condutas do mercado

meno sobre a atividade seguradora. Os termos

e catástrofes naturais. Outra participação se dá

da colaboração com a entidade suíça incluem a

na MicroInsurance Network – MIN, com base em

tradução de materiais de interesse do mercado

Luxemburgo, rede que se dedica à promoção do

segurador do Brasil e a realização de eventos

seguro entre populações de baixa renda.

em conjunto.


6 Responsabilidade

SOCIAL As atividades que impulsionam a sustentabilidade no mercado, o perfil da responsabilidade social nas companhias, suas açþes e projetos.


A responsabilidade social e a sustentabilidade incorporadas à gestão do seguro a

de gerar transformação social a partir do

compro­

voluntariado consiste em promover cidadania e

misso integrado à atuação da CNseg, cada

estimular o desenvolvimento de uma sociedade

vez mais incorporado à gestão da própria

participativa e a prática de valores humanos.

Confederação, das companhias e dos Sindi­

O voluntariado pode realmente contribuir para

catos Regionais das empresas do mercado.

a mudança em um país com tantos contrastes

São ações que se definem pela relação ética

sociais como o Brasil, mas não pode ser enten­

e de transparência das empresas com seus

dido como uma única solução.

Um

dos

pilares

responsabilidade

da social

sustentabilidade, é

um

públicos de relacionamento e pela definição de metas que ajudem a impulsionar o desenvolvi­

A indústria de seguros sempre esteve na

mento sustentável da sociedade e dos recursos

vanguarda da sustentabilidade, uma vez que

naturais do planeta.

identifica e gerencia riscos, num trabalho que funciona como um sinal de alerta para a

As empresas também promovem projetos internos

sociedade se prevenir e atenuar suas perdas.

que dependem de voluntários. Essa proposta

Por meio de sua atuação na prevenção, as


61

empresas do mercado protegem vidas, bens e patrimônios, levando mais tranquilidade e uma

Princípios para Sustentabilidade em Seguros

qualidade de vida melhor para os cidadãos. O compromisso do setor com a sustentabi­ As primeiras iniciativas do setor neste sentido foram

lidade foi incorporado em definitivo à pauta

consolidadas na declaração de princípios da Carta de

de trabalho do mercado segurador brasileiro

Brasília, que passou, a partir de 1992, a nortear a ativi­

por meio do engajamento da CNseg no movi­

dade seguradora no País. O documento assegurava

mento mundial em torno dos Princípios para

o compromisso do mercado de seguros com a

Sustentabilidade em Seguros – PSI, lançados em

responsabilidade social e econômica perante a

junho de 2012, no Rio de Janeiro, num evento

sociedade brasileira.

paralelo à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável – Rio+20.

Quase 20 anos depois, em 2009, reconhecendo os esforços das empresas na promoção da

Formulados

pela

Iniciativa

Financeira

do

responsabilidade social e do desenvolvimento

Programa das Nações Unidas para o Meio

sustentável do planeta, a CNseg e o Sindicato das

Ambiente – UNEP FI, os quatro Princípios faci­

Seguradoras do Rio de Janeiro e Espírito Santo

litam o entendimento e a integração das grandes

deram mais um passo rumo à sustentabilidade

questões ligadas ao meio ambiente, sociedade

e à preservação do meio ambiente, assinando

e governança e refletem a relevância destas

um Protocolo de Intenções com o Ministério

questões para a sustentabilidade da indústria

do Meio Ambiente — o chamado Protocolo do

mundial de seguros.

Seguro Verde. Adotado como referência pelas grandes empresas do mercado, o documento

Três meses depois, em 5 de setembro de 2012,

ajudou na definição de posicionamentos estra­

foi assinado um termo aditivo ao Protocolo de

tégicos e na criação de departamentos internos

Intenções para alinhamento de suas diretrizes

que cuidam exclusivamente das ações de

aos PSI, incluindo a participação da Secretaria

cunho sustentável.

de Estado do Meio Ambiente do Estado do Rio de Janeiro.


Pesquisa mensura compromisso das empresas com a adoção de ações sociais e sustentáveis A cada ano que passa, as iniciativas nas áreas da responsabilidade social e da sustentabilidade ganham mais força no cotidiano das empresas do mercado segurador. Os resultados da segunda edição da pesquisa feita pela CNseg para medir as ações internas das companhias com foco nestes dois temas mostram que esta é uma tendência já consolidada. O estudo envolveu a participação de 92 empresas/ grupos, que representam cerca de 80 % da arrecadação do setor, contudo, nem todos responderam a totalidade das perguntas. A pesquisa envolveu empresas de tamanhos diversos: 67 % delas são de grande porte, 18 % de médio e 15 % de pequeno porte. A política empresarial da grande maioria delas é de capital fechado (  96 %  ), contra apenas 4 % que têm capital aberto, com ações negociadas em bolsas de valores.


63

Tem uma área designada para desenvolver ações de Responsabilidade Social e / ou Sustentabilidade

59 %

Sim

41%

Não

Tem código de ética e conduta

67%

Sim

33%

Não

Sim

57%

Não

As companhias de capital nacional dominam o mercado brasileiro de seguros — elas correspondem a 75 % do total, contra 25 % que têm origem estrangeira ou são subsidiárias de empresas localizadas no exterior. É muito expressivo no mercado brasileiro o número de empresas seguradoras independentes, que não são ligadas a grupos econômicos — elas representam 67 % do total. Na outra ponta, estão 33 % de companhias ligadas a banco.

capítulo

43%

6

Tem programa de voluntariado


Porte da empresa

Pequeno

15 %

Médio

18 %

Grande

67%

Política empresarial de capital

04 %

96 %

Aberto

Fechado

A maioria das empresas consultadas (  59 %  ) já tem uma área designada para desenvolver ações de responsabilidade social e / ou sustentabilidade; 67 % têm um Código de Ética e Conduta; e 43 % criaram programas internos voltados para o trabalho voluntário.


65

Origem da empresa

Nacional

75 %

Estrangeira

25 %

Grupo econômico de que participa

33 %

Nenhum

0% Resseguradora

capítulo

6

Banco

67 %

Entre as empresas do mercado que patrocinaram projetos ou ações de responsabilidade social, em 2012, apenas 24 % utilizaram os benefícios das leis de incentivos fiscais ( Lei Rouanet, Fundação para Infância e Adolescência – FIA e Lei de Incentivo ao Esporte ), contra 76 % que não buscaram o benefício. A maioria dessas iniciativas ( 94% ) foi apoiada pelas empresas, sem a ajuda de copatrocínios privados e apenas 4 % tiveram o apoio do poder público nos projetos / ações sociais que desenvolveram ao longo do ano.


Houve copatrocínio no projeto | ação social

06 %

Sim

94 %

Não

Houve parceria com o poder público no projeto | ação social

04 %

Sim

96 %

Não

Envolvimento em projetos É alto também o percentual de empresas do mercado que participam de projetos apenas por meio de patrocínios (  94%  ), sem se envolver na sua elaboração ou desenvolvimento. A tarefa de criar seus próprios projetos coube a 6 % das empresas pesquisadas. Ao todo, 55 projetos foram desenvolvidos ao longo do ano passado, envolvendo áreas diversas, como capacitação profissional, cidadania, cultura, educação, esporte, meio ambiente e saúde, entre outras.


67

Porcentagem

Cidadania

7

13 %

Meio ambiente

3

6%

Educação

9

16 %

Esporte

8

15 %

Cultura

10

18 %

Arte

5

9%

Capacitação profissional

5

9%

Saúde

4

7%

Outros

4

7%

A sociedade em geral ( 20 % ), as crianças ( 19 % )

Entre estes projetos, 29 % foram integralmente

e as comunidades carentes (17 % ) foram os

custeados pelas empresas, contra 64 % que

três públicos mais beneficiados pelos projetos

contaram com ajuda de outros parceiros e 7 %

tocados ao longo de 2012, que atingiram

que não tiveram custo. As iniciativas bene-

também adolescentes, estudantes, doentes

ficiaram mais de 4 milhões de pessoas e 75 %

e idosos. O que mais chama a atenção neste

alcançaram totalmente seus objetivos — 25 %

aspecto é a duração continuada da maioria

deles deram resultados parciais. O envolvimento

dos projetos ( 67 % ), seguidos daqueles que se

de funcionários se deu da seguinte forma: 34 %

estenderam ao longo do ano passado ( 17% ) e

sim, 13 % voluntários e 53 % não contaram com

de outros que acontecem pontualmente, sem

a ajuda deste público.

dias ou meses específicos ( 16 % ).

capítulo

Projetos

Categoria

6

Área do projeto


Destinatários | beneficiários dos projetos

Projetos

Porcentagem

Comunidade carente

10

17 %

Crianças

11

19 %

Sociedade em geral

12

20 %

Adolescentes

9

15 %

Estudantes

8

14 %

Doentes

3

5 %

Idosos

3

5 %

Outros

3

5 %

Projetos

Porcentagem

Duração continuada

8

67 %

Duração estendida durante todo o ano de 2011

2

16 %

Dias ou meses específicos

2

Categoria

Duração do projeto

Categoria

17 %


69

A empresa custeou integralmente o projeto

29 %

64 %

7%

Sim

Não

Não teve custo

34 %

53 %

13 %

Sim

Não

Voluntário

capítulo

6

Envolvimento dos funcionários

O mercado ainda não leva em conta, na rotina

Por outro lado, 71 % das empresas consultadas

de seu negócio, a prática de concessão de

têm politicas de contratação de fornecedores e

vantagens para os segurados que praticam

63 % têm processos de monitoramento de forne-

ações sociais ou cumprem metas de preser-

cedores / prestadores de serviços. Entre aquelas

vação ambiental — 94 % não consideram esta

que monitoram, 21 % fazem vistorias anuais em

questão na hora de fechar um contrato, contra

seus processos de monitoramento; 18% o fazem

apenas 6 % que já utilizam estas iniciativas como

anualmente; e 4 %, mensalmente.

métricas de preços.


Concessão de vantagem contratual ou benefício aos segurados que praticaram ações ou cumpriram metas voltadas à preservação ambiental ou sustentabilidade

06 %

Sim

94 %

Não

A empresa tem políticas de contratação de fornecedores

71 %

Sim

29 %

Não

A empresa tem processos de monitoramento de seus fornecedores | prestadores

63 %

Sim

37 %

Não


71

Com que frequência faz auditoria | vistoria dos processos de monitoramento dos fornecedores

Frequência

Porcentagem

Anual

5

18 %

Semestral

6

21 %

Mensal

1

4%

Outros

16

57 %

Categoria

O número de empresas que adotam políticas

Este controle, no entanto, está longe do

de aceitação para fornecedores e prestadores

cerne das questões socioambientais: 86 %

de serviço em função de eventuais infrações a

das empresas não adotam políticas de acei-

questões socioambientais representa 59 % das

tação desses parceiros em função de infrações

entrevistadas pela pesquisa. Mas, em contra-

nestas áreas. Mais da metade das empresas ( 55 % ) oferecem treinamento à cadeia de corretores. Destas, 45 %

De

olho

no

desempenho

dos

principais

por meio de cursos presenciais, 24 % oferecem

parceiros de seus negócios, 57 % das empresas

os cursos nos modos e-learning e a distância;

têm processo de monitoramento dos corretores

e 31 % disponibilizam as duas modalidades de

de seguros e, entre elas, quase 63 % fazem audi-

treinamento.

toria e vistoria do trabalho desses profissionais — 28 % mensalmente, 19 % semestralmente, 5 % trimestralmente e 5 % anualmente.

capítulo

cadeia de fornecedores.

6

partida, 84% delas fazem treinamento para sua


Adota política de aceitação para fornecedores | prestadores devido à infração de questões socioambientais

41 %

Sim

59 %

Não

A empresa disponibiliza treinamento para sua cadeia de fornecedores

16 %

Sim

84 %

Não

A empresa tem processo de monitoramento dos corretores

57 %

Sim

43 %

Não


73

Caso tenha processos de monitoramento dos corretores, faz auditoria | vistoria dos mesmos

37%

63%

Sim

Não

Porcentagem

Anual

1

5%

Semestral

4

19 %

Trimestral

1

5%

Mensal

6

28 %

Outros

9

43 %

capítulo

Frequência

Categoria

6

Com que frequência faz auditoria | vistoria dos processos de monitoramento dos corretores


Forma de aplicação de treinamento é oferecida para os corretores

45 %

24 %

Presencial

E-learning

31 % Ambas

Quanto aos processos de monitoramento de clientes, 57 % das empresas adotam esta prática e 43 % não. Entre aquelas que têm esta rotina, 43 % fazem vistorias ou auditorias, com frequência semestral e anual ( 19 % cada modalidade ) e 5 % mensal ou trimestral.

A empresa tem processos de monitoramento de seus clientes

57 %

Sim

43 %

Não


75

Caso tenha processos de monitoramento dos clientes, faz auditoria | vistoria dos mesmos

43%

57%

Sim

Não

Com que frequência faz auditoria | vistoria dos processos de monitoramento dos clientes

Frequência

Porcentagem

Anual

4

19 %

Semestral

4

19 %

Trimestral

1

5%

Mensal

1

5%

Outros

11

52 %

capítulo

6

Categoria

Adota políticas de aceitação para clientes devido à infração de questões socioambientais

02%

Sim

98%

Não


Atuação

das

EMPRESAS


ACE Seguros A ACE desenvolveu ações expressivas de susten­

programa mundial ACE Green, que prevê a

tabilidade ao longo do ano e ampliou a abran­

utilização de papel reciclado para a impressão

gência do primeiro seguro do Brasil que defende

de todos os documentos emitidos: apólices,

os bens coletivos, como a fauna, flora, ecossis­

endossos e faturas. A iniciativa vem poupando

temas, hábitats naturais, solo, subsolo, atmosfera

a vida de dez árvores por mês. Outras iniciativas

e águas, dentre outros recursos semelhantes.

incentivam a separação do lixo, a racionalização do uso de papel e várias outras soluções de

A ACE oferece cobertura em proteção ao meio

cuidado ambiental.

ambiente em justaposição com apólices tradi­ cionais, como a patrimonial, de responsabili­ dade civil e de transportes. O seguro de Riscos

Ações para ajudar a combater a pobreza e promover a inclusão social

Ambientais da ACE oferece amparo em caso de perdas e danos materiais, corporais e morais,

Alinhada às políticas de inclusão social do

além de cobrir os prejuízos causados aos re­-

mercado, a companhia também contribuiu

cur­sos naturais.

para que a proteção securitária seja acessível às pessoas de menor poder aquisitivo, ofere­

A proteção também abrange a limpeza e a

cendo coberturas a baixo custo com a finali­

descontaminação das áreas de propriedade do

dade de combater a pobreza e proteger o patri­

cliente em caso de poluição súbita ou gradual

mônio dessas pessoas, muitas vezes adquirido

– e se estende às compensações ambientais,

com dificuldade.

lucros cessantes de terceiros, custos de restau­ ração de bens móveis e imóveis, tanques subter­

Ao longo do ano, a ACE fez doação em dinheiro

râneos de armazenagem, locais de descarte de

para a Vivenda da Criança, entidade beneficente

resíduos, custas judiciais, honorários advocatícios

situada na área da Subprefeitura de Parelheiros,

e periciais na defesa do segurado, dentre outras.

a mais carente da periferia de São Paulo. A insti­

Em 2012, a companhia deu continuidade ao

tuição atende mais de 4 mil pessoas por mês.


79

A entidade foi alvo de várias ações voluntárias por parte dos profissionais da companhia, que

Patrocínios a projetos sustentáveis, culturais e de natureza esportiva

participaram diretamente de mutirões em prol da manutenção de prédios da instituição, além

A ACE apoiou o programa de sustentabilidade

de contribuições em ações pontuais voltadas

desenvolvido pela Associação Brasileira das

para as crianças.

Operadoras de Turismo – Braztoa, que estimula a gestão sustentável do setor de turismo

O Centro da Juventude da Vivenda, erguido

e de seus produtos, além de orientar turistas.

com apoio da ACE no terreno da entidade,

A ACE entende que a implantação de técnicas

proporcionou em 2012 vários cursos profis-

de sustentabilidade é fundamental para que o

sionalizantes para jovens e adultos da região.

setor alcance as suas metas no Brasil, que recebe

A contribuição da ACE para esta iniciativa visa

5 milhões de turistas estrangeiros por ano —

inserir no mercado de trabalho as pessoas

número que deve dobrar até 2016, segundo o

atendidas pela entidade por meio de cursos

Ministério do Turismo.

de Panificação e Confeitaria; Corte e Costura; Depilação; Manicure; Cabeleireiro; Chocolate

A ACE também patrocinou, pelo quarto ano

Artesanal; Culinária; Mosaico, entre outros.

consecutivo, uma equipe do Jeep Club de Jaraguá do Sul, que competiu no maior evento

A companhia também colaborou com o projeto

off-road de Santa Catarina, o Transcatarina.

Oportunidades da Vivenda, preparando adoles-

A competição — considerada uma das maiores

centes em conformidade com a Lei do Jovem

provas de rally do País – teve 12 veículos

Aprendiz, que estabelece que um mínimo de 5%

apoiados pela seguradora: seis carros de compe-

dos trabalhadores das empresas devem ter entre

tição e seis de apoio.

14 e 24 anos. A Vivenda é recomendada pelo Unicef para ceder trabalhadores de acordo com a Lei.

No ano passado, a empresa manteve o patrocional e representativo do segmento de arte na

situação de risco social passam as manhãs e

América Latina. A versão de 2012 reuniu mais de

as tardes em atividades esportivas e aprendem

60 expositores entre galerias de arte, antiquá-

lições valiosas para o desenvolvimento pessoal,

rios, joalherias e livrarias, no clube A Hebraica,

cultural e comunitário. Todos têm direito a

em São Paulo.

almoço diário e gratuito, além de café da manhã e lanche. As crianças começam a frequentar a entidade com 5 anos de idade e saem de lá preparadas para o mercado de trabalho. O suporte que a ACE concede à Vivenda, em grande parte, é motivado pelo quadro preocupante em que vive a população da área onde se situa a entidade: salários baixos, falta de oportunidades de trabalho, baixa escolaridade e domicílios sem rede de esgoto.

capítulo

Na Vivenda, 180 crianças e adolescentes em

6

cínio do Salão de Arte, considerado o mais tradi-


Alfa Seguradora A Alfa Seguradora promoveu algumas ações

A iniciativa envolveu corretores parceiros da

sociais, ao longo de 2012, voltadas a institui-

seguradora e de outras empresas do conglo-

ções de tratamento de câncer infantil e de aten-

merado Alfa, interessados em ajudar, que foram

dimento a famílias carentes.

convidados a contribuir efetivamente com as ações da seguradora, que contou ainda com a

Entre as instituições beneficiadas, encontram-se

adesão de outras empresas do grupo, como a

a Casa Modelo de Apoio à Criança com Câncer

Rádio Transamérica, a La Basque e a C&C Casa

– CAMACC, localizada no bairro do Butantã, em

e Construção.

São Paulo, e o Centro de Apoio à Criança com Câncer Marta Kuboiama – CMK, também na capital paulista. O Centro Espiritual Wantuil de Freitas, da capital, de Cotia e de Vargem Grande Paulista, uma sociedade assistencial e educacional que atende famílias carentes e o Hospital do Câncer Boldrini, de Campinas, também foram beneficiados por ações da Alfa.


Allianz Seguros O compromisso da Allianz Seguros com projetos

Com os novos núcleos, dobrou o número de

nas áreas de sustentabilidade e responsabili­

vagas disponíveis e, hoje, atende a cerca de

dade social rendeu frutos em 2012. A compa­

500 pessoas.

nhia — controlada pelo grupo que figura entre os líderes do setor de seguros no índice

Através da ABA também vem sendo adminis­

Dow Jones de Sustentabilidade — inaugurou

trado, desde 2007, o Programa de Capacitação

no Brasil mais duas frentes de ação visando

para Adolescentes, que aprimora a técnica e o

ao aprimoramento educacional de crianças e

conhecimento dos jovens, aumentando suas

adolescentes: o Núcleo Infantil, um espaço com

chances de ingresso no mercado de trabalho.

brinquedoteca, ateliê de artes e sala de balé clás­

Pelo período de dez meses, eles frequentam

sico, voltado exclusivamente para crianças de 4

aulas ministradas por professores do SENAC nas

a 6 anos; e o Núcleo Digital, com aulas de arte

seguintes disciplinas: Comunicação, Empreen-

digital e animação multimídia para os adoles­

dedorismo,

centes acima de 14 anos de idade.

Administração de Empresas, Saúde e Qua-

Comportamento

no

Trabalho,

lidade de Vida, Tecnologia das Transações CoA implementação das novas unidades se deu

merciais, Excelência no Atendimento ao cliente

através da ABA – Associação Beneficente dos

e Marketing Pessoal.

Funcionários do Grupo Allianz Seguros, criada por iniciativa dos funcionários para promover o

Ainda sob a responsabilidade da ABA, o Núcleo

desenvolvimento de crianças e adolescentes da

de Convivência Sócioeducativo Vida Nova

comunidade Santa Rita, em Cangaíba, na peri­

oferece a meninos e meninas de 7 a 17 anos

feria de São Paulo.

atividades como dança, artes plásticas, infor­ mática e esportes – natação, xadrez e aula de

Com foco na educação, a instituição já atendeu

pilates. A contribuição do projeto na formação

mais de 5 mil jovens em atividades comple­

desses jovens é aferida anualmente através de

mentares ao ensino formal nos últimos 19 anos.

pesquisa de satisfação realizada com os pais,


por meio de questões qualitativas, sem neces-

são disponibilizadas informações sobre ener-

sidade de identificação.

gias renováveis, mudanças climáticas, saúde, mobilidade, segurança nas ruas e crescimento

O levantamento vem demonstrando que os

populacional.

conceitos apreendidos (como respeito ao meio ambiente, responsabilidade, cooperação, apreço

O Prêmio Allianz Seguros de Jornalismo e o

pela arte e pelo esporte) não ficam restritos

Fórum Internacional de Seguros para Jornalistas

ao espaço de aprendizagem — são praticados

— que chegaram à 6ª e à 7ª edição, respecti-

pelos jovens também no ambiente familiar e

vamente, em 2012, são ações que visam esti-

junto aos demais integrantes da comunidade.

mular a imprensa a produzir reportagens sobre seguros e mudanças ambientais globais. Entre outras iniciativas, o emprego de tecnologias sustentáveis nas filiais de Porto Alegre (RS), São José do Rio Preto e Ribeirão Preto (SP) merece destaque no programa de sustentabilidade que vem sendo implementado pela companhia. As unidades foram equipadas com painéis para captação de energia solar, móveis confeccionados com madeira certificada e material reciclado, lixeiras de reciclagem na área externa — para atender aos funcionários e comunidades do entorno — e sistema de coleta de água de chuva para uso na limpeza. A economia no consumo de água e energia nessas filiais foi da ordem de 50%. A emissão de CO2 e os subsequentes impactos ambientais também vêm sendo monitorados

No campo da responsabilidade socioambiental,

pela seguradora. A empresa oferece aos corre-

o site Sustentabilidade Allianz (www.sustenta-

tores e segurados um kit digital com manual,

bilidade.allianz.com.br) tem sido, desde 2011,

guia de serviços, carteirinha e apólice. Em 2012,

um importante instrumento de propagação e

96% do contingente de corretores e 85% dos

consolidação de temas relacionados a ques-

segurados aderiram aos kits digitais de forma

tões globais, através de artigos, pesquisas,

total ou parcial na contratação do seguro.

estudos e opiniões de especialistas. Na página,


American Life Seguros Há três anos a companhia participa da festa

A participação da American Life tem sido feita

de fim de ano da instituição Casa Jesus, Amor

a partir da distribuição de brinquedos a cerca

e Caridade, conhecida carinhosamente como

de 40 crianças atendidas pela instituição e de

Larzinho. Localizada na Zona Norte da cidade de

cestas de Natal para as famílias. Cerca de cem

São Paulo, o Larzinho atende crianças e jovens

pessoas são positivamente impactadas por esta

portadores de necessidades especiais e desen­

obra solidária, que conta com a solidariedade

volve projetos socioeducativos para jovens e

de seus colaboradores, que participam ativa­

adultos da comunidade local, com destaque

mente das ações sociais da seguradora.

para os cursos de capacitação profissional, aulas de cidadania e reforço escolar.


Aplub Em 2012, o Grupo Aplub deu vida a diversos projetos de responsabilidade social e ambiental, por meio de diversas ações sociais realizadas

Os colaboradores vestem-se com uma mesma cor e ‘abraçam’ a empresa para divulgar campanhas

em prol de questões humanitárias, como reza sua tradição, e procurou chamar a atenção do

Em abril, o Grupo já havia marcado presença

público para a importância dessas causas.

nas

comemorações

do

Dia

Mundial

de

Conscientização do Autismo, engajando-se O Grupo apoiou, pela primeira vez, o projeto

no projeto Dia Azul. Todos os colaboradores

Páscoa Solidária, idealizado via redes sociais,

vestiram-se de azul e abraçaram simbolicamente

que envolveu vários colaboradores e resultou

o prédio da Aplub, no Centro de Porto Alegre.

na arrecadação de mais de 400 guloseimas. Os produtos foram doados à Ala Infantil do

Em maio, o Grupo apoiou a 14ª Corrida para

Hospital São Lucas da PUC-RS.

Vencer o Diabetes, organizada anualmente pelo Instituto da Criança com Diabetes do Rio Grande

No mês de julho, o foco das ações se voltou

do Sul. Além de incentivar seus colaboradores a

para promover o aquecimento do inverno

participarem do evento, a empresa mobilizou

de dezenas de pessoas, com a Campanha

o público externo, expondo um convite para o

do Agasalho, que arrecadou mais de 1,9 mil

evento em sua fachada e comercializando cami­

peças doadas a instituições de caridade, como

setas da campanha.

a É Preciso Saber Viver com Consciência, de Sapucaia do Sul, o Centro Social Scalabini,

A seguradora também reforçou seu apoio

de Viamão, e o Centro Renascer de Esperança

à proteção do meio ambiente, por meio de

Infantojuvenil, o Núcleo Comunitário Cultural

parceria com a EcoAplub, para preservar

Belém Novo e a Sociedade Espírita Bezerra

quase um milhão de hectares na Floresta

de Menezes, todos localizados na capital,

Amazônica, e da implantação de campanha

Porto Alegre.

interna de conscientização ambiental: o Projeto


85

Sustentabilidade. A reciclagem e a separação de lixo são os pontos principais da ação. Para marcar a data e dar continuidade ao projeto, os colaboradores se vestiram de verde e deram o tradicional abraço ao prédio sede da empresa. Em mais uma ação de apoio à natureza, o Grupo Aplub reuniu seus colaboradores em uma Blitz Sustentável, em outubro, no Brique da Redenção, em Porto Alegre. Foram realizadas ações de conscientização ambiental, com distribuição de papéis-semente.

próstata. Desta vez, os colaboradores voltaram a vestir-se de azul e abraçaram simbolicamente chamar a atenção do público para a causa.

Pelo segundo ano consecutivo, outubro foi batizado como o Mês Rosa da Aplub, uma ação

Além de todas essas ações, o Grupo Aplub fez

que tem o objetivo de chamar a atenção para a

palestras e treinamentos durante todo o ano,

necessidade de prevenção do câncer de mama.

visando sempre ao bem-estar de seus colabora-

Mais uma vez, os colaboradores apoiaram a

dores. Na pauta, orientações para separar e dar

causa, vestindo-se de rosa e abraçando o prédio

destinação correta ao lixo e os cuidados com a

para marcar a data.

alimentação e com a saúde do homem.

Encerrando as ações sociais do ano, a Aplub promoveu o “Novembro Azul”, campanha em prol da saúde do homem, que visa alertar para os riscos da falta de prevenção contra o câncer de

6

o prédio onde funciona a sede da empresa, para capítulo

A prevenção do câncer de mama e de próstata foi mote de ações da seguradora


Assurant Solutions Brasil A seguradora desenvolve diversos projetos de

Beto Carrero, visita ao planetário e até um teles-

responsabilidade social de alcance nacional e

cópio para observar as estrelas. A Make-A-Wish®

internacional — e um dos destaques de 2012 foi

Brasil é uma das 37 afiliadas da Make-A-Wish

a ação conjunta e em parceria com a instituição

Foundation® International, uma das instituições

Make-A-Wish® Brasil, para tornar realidade

de apoio à criança mais conhecidas e respei-

os sonhos de diversas crianças portadoras de

tadas no mundo, com presença em 50 países.

alguma doença grave, como câncer e leucemia,

Fundada no Brasil em outubro de 2008, já realizou

entre outras. O projeto acontece no mundo

mais de 500 sonhos de jovens e é certificada pelo

todo, simultaneamente. No Brasil, a ação foi

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do

realizada com o apoio de grupos de voluntários,

Adolescente – CMDCA. A sede fica em São Paulo

todos colaboradores da seguradora.

e há uma unidade em Campinas.

Ao todo, foram atendidas dez crianças e cada

Outro projeto apoiado pela seguradora foi a

uma trouxe uma história e um desejo peculiar.

arrecadação de agasalhos, brinquedos e inves-

José Kaike, de 8 anos, de Santo André, no ABC

timento na melhoria estrutural das instituições.

Paulista, sonhava com uma bicicleta Cross de

As doações foram direcionadas para a ONG

aro 16, vermelha. Karolina, 13 anos, do bairro

Cepac, Asilo Grupo Vida Brasil e Creche Anibal

do Grajaú, na capital, queria um computador.

de França, beneficiando 180 crianças e 70 idosos.

Alam, 14 anos, do Itaim Paulista, acalentava a esperança de ganhar uma sanfona e conhecer a artista e apresentadora Inezita Barroso. Guilherme de 10 anos, estudante de música, tinha o sonho de ter um oboé (instrumento musical de sopro). Ele mora em Fernandópolis, São Paulo. Os demais jovens atendidos pelo projeto ganharam note-

books, viagens ao exterior, passeio no Parque do


Azul Seguros A Azul Seguros recebeu o selo Leed Gold —

o aproveitamento da luz natural; organização

Certificação para edificações ambientalmente

de palestras para colaboradores com foco em

corretas — por ter realizado, em 2012, reforma

orientações para sustentabilidade e saúde:

em suas instalações com foco na sustentabili­

gestão de resíduos, alimentos funcionais, hiper­

dade: hidráulica, iluminação, material descar­

tensão arterial e saúde financeira foram alguns

tado e sistema de refrigeração levaram em

dos temas abordados ao longo do ano.

conta certificados ambientalmente corretos. A seguradora ainda organizou debates sobre a Saúde Feminina, abordando temas como meno­ pausa, câncer de colo do útero, câncer de mama e HPV. Duas vezes por ano, a empresa promove O Dia Azul, que prevê a doação voluntária de seus colaboradores a instituições que atendam públicos carentes (orfanatos, asilos, clínicas).

Outros programas e ações incluem a reciclagem do lixo, através de parceria com a empresa Doe Seu Lixo; o Horário do Planeta, que prevê o apagar das luzes entre 12h e 14h para promover


BBMapfre Um dos maiores grupos seguradores da Amé-

stakeholders para uma atuação sustentável.

rica Latina nos ramos em que atua, o Grupo

Em 2012, foram beneficiadas 1.362 pessoas,

Segurador BBMapfre integrou o conceito de

entre colaboradores, corretores e represen­

sustentabilidade ao posicionamento estratégico

tantes de empresas fornecedoras.

e ao cotidiano da empresa. Em 2012, participou do lançamento dos Princípios para Sustentabilidade em Seguros – PSI, uma ação promovida pelo Programa das Nações

Patrocínios ajudam a promover a igualdade social e o conceito de cidadania

Unidas para o Meio Ambiente, que culminou com a criação de quatro princípios em busca de

Para proporcionar uma contribuição educativa

uma atuação mais sustentável entre as empresas

para a sociedade, o Grupo BBMapfre tem uma

do setor de seguros.

estratégia de patrocínio e atua como agente de desenvolvimento humano, contribuindo para o

Desde então, intensificou iniciativas para engajar

bem-estar das gerações atuais e futuras e para

toda a cadeia de valor na realização de negó­

a promoção da igualdade social e do conceito

cios que atendam ao viés da sustentabilidade.

de cidadania.

O Grupo atua em parceria com clientes, corre­ tores e fornecedores para melhorar processos,

Esse posicionamento é materializado a partir de

incentivar a prevenção e o gerenciamento de

parcerias com 23 entidades não governamentais

riscos e contribuir com o desenvolvimento de

que realizam trabalhos de inserção sociocultural

práticas sustentáveis.

focados, principalmente, em idosos, crianças e adolescentes. Em 2012, mais de 1,2 milhão de

Paralelamente, promove encontros da Acade-

pessoas foram beneficiadas diretamente por

mia de Sustentabilidade, que reforçam o inves-

essas iniciativas.

timento

na

formação

de

seus

principais


89

Um dos destaques foi a exposição Impressionismo: Paris e a Modernidade, que levou

Iniciativas facilitam a mobilidade urbana e protegem o meio ambiente

886 mil pessoas às salas do Centro Cultural Banco do Brasil em São Paulo e no Rio de Janeiro,

O Grupo aplica a sustentabilidade no dia a

proporcionando cultura e arte de qualidade

dia do negócio, desenvolvendo iniciativas que

à população.

geram valor para a sociedade e são fruto de uma abordagem estratégica em que todas as

A preocupação com o meio ambiente também

atividades da cadeia de valor são realizadas

faz parte do posicionamento do Grupo, que

de forma responsável, a partir da identifi-

investe na revisão de processos internos e no

cação, avaliação e monitoramento dos riscos e

desenvolvimento de programas de ecoeficiência,

oportunidades associados às questões ambien-

com o objetivo de agregar valor ao negócio e

tais e sociais.

contribuir com ganhos para o meio ambiente – e, consequentemente, para a sociedade.

Uma das iniciativas mantidas é o Pátio de Salvados, que garante destinação correta às

▪ Villa Ambiental: promove a consciência am-

carcaças dos automóveis que saem de circu-

biental entre alunos do Ensino Fundamen-

lação após acidentes e envia o material para

tal das redes pública e privada, a partir de

reciclagem. Entre janeiro e outubro, a inicia-

atividades lúdicas e interativas.

tiva garantiu o reaproveitamento de 486 tone-

▪ Pomar Urbano: desde 2007, o Grupo apoia esse

ladas de minérios de ferro; evitou a queima de

projeto de revitalização de áreas degradadas

65,7 toneladas de carvão e o lançamento de 1,4

às margens do Rio Pinheiros, em São Paulo.

mil toneladas de CO2 na atmosfera; e gerou uma

▪ Projeto Frente e Verso: iniciativa que mudou

economia de 83 mil litros de água. Para reforçar ainda mais a qualidade do aten-

folhas de papel em 2012.

dimento prestado aos clientes, o Grupo lançou

▪ Eficiência

das

em 2012 o Projeto Anjos da Guarda, que prevê

lâmpadas fluorescentes por LED reduziu em

o envio rápido do serviço de socorro mecâ-

55% o consumo de energia elétrica do edifício

nico e de apoio técnico ao segurado, por

de Alphaville.

meio de profissionais qualificados a prestar os

Energética:

substituição

▪ Recicla BBMapfre: instalação de coletores

primeiros serviços de assistência, utilizando

para pilhas e baterias em diversos pontos,

bicicletas elétricas — uma iniciativa que visa

que arrecadaram 368 kg de pilhas e baterias

facilitar a mobilidade urbana e proteger o

ao longo do ano.

meio ambiente.

capítulo

gerando economia de mais de um milhão de

6

a impressão para o padrão frente e verso,


Bradesco Seguros O Grupo Bradesco Seguros promoveu ações

Em 2012, a Bradesco Seguros manteve o patro­

nas áreas de educação, meio ambiente, saúde,

cínio das ações da ONG TemQuemQueira, reali­

cultura e esporte, ao longo do ano, que contri­

zada no Morro do Turano, no Rio, a primeira

buíram para aprimorar a qualidade de vida da

iniciativa privada de patrocínio a um projeto

população e a sua formação cultural e cons­

social nessa comunidade. A ONG contrata

cientizar sobre a importância de se manter um

moradores locais para transformar banners

planeta mais sustentável.

usados em campanhas publicitárias — que leva­ riam cerca de 400 anos para se decompor — em

Na área de Educação, promove em conjunto

belos acessórios para comercialização.

com a Fundação Bradesco, desde 2004, o Projeto Integração Empresa Escola – PIEE, para alunos da

No ano passado, o Grupo Bradesco Seguros

Fundação no Rio de Janeiro, que contribui para

desenvolveu o processo de aquisição de seguro

a integração social, formação da cidadania e

através do celular ou POS. O processo foi reco­

qualidade de vida, através do esporte e cultura.

nhecido

mundialmente

pela

Microinsurance

Innovation Facility, da Organização Internacional O Grupo mantém também, desde 2005, parceria

do Trabalho – OIT, como uma das mais inovadoras

com o Instituto Ayrton Senna, que proporciona

ferramentas de acessibilidade a programas de

oportunidades de educação e desenvolvimento

seguros no mundo para o público de baixa renda.

humano a crianças e jovens, por meio do repasse de parte dos recursos arrecadados com

O Programa Auto Reciclagem, que alcança 75%

a comercialização dos títulos de capitalização

do território brasileiro, também foi ampliado

Pé Quente Bradesco Instituto Ayrton Senna e

ao longo do ano. Realizado em parceria com

Pé Quente Bradesco Ayrton Senna 50 Anos.

empresas especializadas em coleta, evita o


91

abandono de sucatas e peças substituídas em veículos e gera renda para catadores e recicladores. Desde 2009, foram recicladas mais de

Sustentabilidade em seguros e programas de preservação do meio ambiente

5 mil toneladas de peças resultantes dos reparos de carros, caminhões e motocicletas danificados

O Grupo participa do Protocolo Verde, uma

em acidentes.

iniciativa criada pela CNSeg e pelo Sindicato das Seguradoras do RJ/ES, em 2009, que visa implantar uma agenda de sustentabilidade na

Um vasto calendário de eventos culturais ajuda a difundir a cultura no País

indústria de seguros; e foi o primeiro a aderir aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros – PSI do Programa das Nações Unidas para o Meio

Por meio do Circuito Cultural Bradesco Seguros,

Ambiente, lançados em 2012.

promoveu um vasto calendário de eventos artísticos, nacionais e internacionais, em 2012,

Ao longo do ano, deu continuidade à oferta dos

contemplando diferentes áreas (dança, música

títulos de capitalização Pé Quente Bradesco SOS

erudita, artes plásticas, teatro, concertos de

Mata Atlântica, Pé Quente Bradesco Amazonas

música e exposições), que contribuíram para

Sustentável e Pé Quente Bradesco Projeto Tamar,

difundir a cultura no País.

que, quando adquiridos, contribuem para a preservação ambiental, por meio de parceria

Destaque para o patrocínio à mostra Esplendores

firmada com as seguintes instituições: ▪ Fundação SOS Mata Atlântica: destina parte

e a religião através de obras de arte de autoria

dos recursos arrecadados com a venda dos

de grandes mestres, incluindo Michelangelo,

títulos aos programas de proteção, recupe-

Bernini, Giotto e Guercino. Destaca-se também

ração e reflorestamento da Mata Atlântica,

o patrocínio aos musicais Um Violinista no

numa região onde vivem 110 milhões de

Telhado, A Família Addams e O Mágico de Oz.

brasileiros. Desde 2004, foram viabilizados recursos para o plantio de mais de 24 milhões

O Grupo ofereceu ao público a 17ª edição

de árvores nativas.

da tradicional Árvore de Natal da Bradesco

▪ Fundação Amazonas Sustentável: firmada em

Seguros, certificada pelo Guinness Book of

2008, a parceria reverte parte do valor arre-

Records como a maior árvore de Natal flutuante

cadado com a venda do título em benefício

do mundo. Um dos três maiores eventos do Rio,

dos programas e projetos de conservação

após o Carnaval e o Réveillon, a Árvore conta

ambiental e desenvolvimento sustentável da

com patrocínio exclusivo da Bradesco Seguros,

Fundação.

desde sua primeira edição, em 1996, e o apoio da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.

capítulo

Arte. A exposição apresentou a história, a cultura

6

do Vaticano – Uma Jornada através da Fé e da


▪ Projeto Tamar: parceria iniciada em 2011,

O evento foi marcado também pelo reconhe-

destina parte do valor arrecadado com as

cimento aos ganhadores da 2ª edição dos

vendas do título de capitalização de nome

Prêmios Longevidade Bradesco Seguros, nas

alusivo à Fundação à iniciativa que monitora,

categorias “jornalismo” e “histórias de vida”.

pesquisa e protege o ciclo de vida das tarta-

A iniciativa tem por objetivo estimular o estudo

rugas marinhas.

e a disseminação de informações sobre o tema. Em parceria com o SENAC Rio/SP, a seguradora

Iniciativas incentivam a alcançar a longevidade com qualidade de vida e bem-estar

deu continuidade ao programa Porteiro Amigo do Idoso, que capacita e aprimora os porteiros para lidar no dia a dia com os longevos. Desde o lançamento, em 2010, 633 profissionais

Seguradora oficial dos Jogos Rio 2016, a marca

foram certificados.

Bradesco Seguros não poderia ficar de fora das iniciativas que incentivam a população a

Também foi mantido o programa Juntos pela

alcançar a longevidade com qualidade de vida e

Saúde, que incentiva a adesão da população aos

bem-estar. Nessa linha, lançou ao longo do ano

programas de monitoramento e orientação para

o Espaço Viva Mais — site dinâmico que divulga

mudanças de hábitos para uma vida saudável.

informações, dicas e sugestões sobre qualidade de vida, saúde e lazer. Outro destaque é

O Grupo patrocinou o Circuito de Corrida e

a promoção do movimento Conviva, que busca

Caminhada Contra o Câncer de Mama, mais

incentivar a convivência harmoniosa entre

uma vez. A parceria com o Instituto Brasileiro

motoristas, ciclistas e pedestres.

de Controle do Câncer – IBCC, efetivada com a comercialização do título de capitalização Pé

O ano foi marcado também pela realização de

Quente Bradesco O Câncer de Mama no Alvo da

mais uma edição anual do Circuito da Longevidade

Moda, destina recursos para o desenvolvimento

Bradesco Seguros, o maior do gênero no

de projetos de prevenção, diagnóstico precoce

País em corridas de rua, iniciado em 2007.

e tratamento do câncer.

No ano passado apresentou 14 etapas, com bicicletários, para estimular o uso de bicicletas até o

Outro patrocínio de 2012 foi a IV Corrida e

local do evento. Em cada etapa, o valor equiva-

Caminhada Com Você, Pela Vida – Doe Medula

lente à renda obtida com as inscrições é rever-

Óssea, realizada no Rio de Janeiro, cuja renda é

tido para uma instituição social local.

revertida aos projetos do Centro de Transplante de Medula Óssea do Instituto Nacional do

No ano passado, o Grupo Bradesco Seguros realizou

a

sétima

edição

do

Fórum

da

Longevidade, em São Paulo, que reuniu cerca de 700 participantes para discutir os impactos do envelhecimento populacional na economia. As atrações especiais foram a atriz Jane Fonda — vencedora de dois Oscar, escritora e ativista política, com 74 anos — e a atriz e cantora Bibi Ferreira, de 90 anos.

Câncer – INCA.


93

BrasilCap Capitalização A Brasilcap viveu um ano especial em 2012, com a conquista, mais uma vez, do Certificado de Empresa Cidadã, conferido pelo Conselho

Comunidades do semiárido de Pernambuco são beneficiadas por projetos de capacitação

Regional de Contabilidade do Rio de Janeiro – um reconhecimento pela busca constante da

Por meio do Instituto Cooperforte, a Brasilcap

organização em incorporar em seu cotidiano

garantiu por mais um ano a capacitação e

a cultura de sustentabilidade e governança

inserção de jovens e adultos carentes no mercado

corporativa.

de trabalho. O instituto é o principal parceiro na construção de uma vida melhor para as comu­

Ao longo do ano, a companhia destinou mais

nidades do semiárido de Pernambuco, onde o

de R$ 3 milhões para projetos socioambien­

saneamento básico e a água são raridades.

tais, seguindo sua estratégia de acordo com as fontes de recursos conceituadas para RSA, que

Em atuação com a Fundação Banco do Brasil – FBB,

são: Incentivo Social Privado (ISP), Incentivo

a Brasilcap também apoia há 12 anos o programa

Social Fiscal (ISF) e Incentivo originado da venda

BB Educar, que promove a alfabetização de jovens

de Produtos (ISPR).

e adultos de todas as regiões do País. São alfabe­ tizadas mais de 3 mil pessoas por ano.

O ano marcou também a consolidação da parceria com o Instituto da Criança, fortalecendo

A questão ambiental também merece destaque

a evolução da cultura de voluntariado empresa­

na atuação com a FBB: o apoio ao Programa

rial e dando ainda mais segurança à aplicação

Água defende o mineral como elemento comum,

dos recursos sociais, principalmente em relação

convergindo em várias ações no campo da

aos projetos amparados pela Fundação para a

sustentabilidade, com abrangência em todo o

Infância e Adolescência – FIA.

território brasileiro.


Prêmio reconhece iniciativas de valor social para o desenvolvimento do País Promovido pelo Banco do Brasil bianualmente, o Prêmio Valores do Brasil reconhece inicia­ tivas de relevante valor social para o desen­ volvimento do País. O projeto Esporte, Ballet e Cidadania, do Instituto Recicla Vida, indi­ cado pelo Instituto da Criança — parceiro da Brasilcap nas ações voluntárias —, foi o vencedor da categoria 'Conglomerado BB e Parceiros' da 3ª edição do Prêmio Valores do Brasil. Cabe ressaltar ainda outras ações impor­ tantes dentro do Programa de Voluntariado da companhia. O I Prêmio Brasilcap Solidário foi uma ação de Natal que arrecadou kits de Natal para as crianças das instituições Espaço Logos e Se Essa Rua Fosse Minha. Os repasses de contribuições à FBB, diferente­

O

Programa

Brasilcap

Solidário

também

mente dos demais parceiros, são oriundos de

recebeu da Casa Ronald McDonald o certifi­

parte da receita obtida com a venda de alguns

cado pela participação no McDia Feliz 2012,

dos produtos da companhia. Em 2012, foram

que arrecadou R$ 2.268,00 com a venda de

mais R$ 2 milhões – R$ 1,7 milhão investido no

216 tickets trocados por sanduíches Big Mac em

Programa Água e R$ 376,3 mil, no BB Educar.

25 de agosto.

A companhia fortaleceu também o seu compro­

A ação de humanização da ala de pediatria do

misso com o Programa de Voluntariado

4º andar do Hospital Federal de Bonsucesso foi

Empresarial – PVE, atuando de forma proa­

outro belo gesto da equipe de voluntariado da

tiva com seus colaboradores. Um dos marcos

Brasilcap: o local foi decorado para amenizar

principais do ano foi a definição do nome

e descontrair os momentos difíceis de trata­

e da marca do programa, com a partici­

mento da saúde das crianças, em sua maioria

pação de todos os voluntários: Programa

da Baixada Fluminense, Complexo do Alemão e

Brasilcap Solidário.

demais comunidades do entorno.


Brasilprev A Brasilprev entende que a natureza do seu negócio,

norteado

por

fundamentos

de

Incentivo à participação voluntária de funcionários em projetos sociais

longo prazo, impõe uma atuação socialmente responsável. Dessa forma, sua estratégia de

Na área social são desenvolvidos e apoiados

Responsabilidade Social está direcionada a

projetos com recursos privados e recursos

práticas alinhadas a sua missão de proporcionar

incentivados.

aos clientes soluções de segurança financeira e serviços de alta qualidade para viabilizar

A companhia promove o Programa de Volun-

projetos de vida. Um dos pilares desta estra­

tariado, com recursos privados, desenvolvendo

tégia é a educação financeira, foco principal de

ações internas e permitindo que seus colabora­

suas ações e questão fundamental para alcançar

dores se ausentem, durante o horário de expe­

os objetivos propostos.

diente, por até oito horas por ano para participar de projetos voluntários. O programa contempla:

Em 2012, a Brasilprev renovou seu compro­ misso com o Pacto Global, ação liderada pela

▪ Voluntário Cidadão: voluntários ministram

Organização das Nações Unidas, dando conti­

aulas voltadas ao desenvolvimento pessoal e

nuidade às iniciativas alinhadas aos dez prin­

profissional de jovens de 16 a 22 anos, que

cípios do acordo. A empresa também é asso­

participam do Programa Jovem Cidadão.

ciada ao Instituto Ethos e ao Programa Empresa

Em 2012, foram 44 colaboradores voluntários,

Amiga da Criança, da Fundação Abrinq pelos

que atenderam a 15 jovens do Ensino Médio

Direitos da Criança e do Adolescente.

da rede pública.


▪ Contadores de Histórias: busca estimular

levantou 3,6 toneladas de roupas, e a Campanha

a leitura e a formação cultural de crianças.

de Natal, que mobilizou os colaboradores para

Para tanto, voluntários munidos de livros e

presentear com brinquedos 385 crianças e

fantasias visitam associações, instituições

adolescentes de três instituições.

sociais ou escolas da rede pública para contar histórias às crianças. Ao final do ano, o projeto teve 80 participantes, com idade entre 3 e 13 anos, do Centro Social Brooklin Paulista e da instituição Gotas de Flor com Amor, na

Administração adequada de recursos ajuda na realização de projetos de vida

capital paulista. ▪ Projetos de Vida na Ponta do Lápis: voluntá­

Alinhada à estratégia de atuação social, a

rios da Brasilprev também realizam palestras

Brasilprev também oferece à sociedade o

de Educação Financeira com o objetivo de

Projeto de Vida na Ponta do Lápis. Criado em

disseminar este conhecimento na comuni­

parceria com a Trevisan Escola de Negócios,

dade do entorno da companhia. No último

prevê a realização de palestras presenciais com

ano, os eventos ocorreram na Associação

foco na adequada administração dos recursos

Educar e reuniram 40 jovens e suas famílias.

financeiros, condição fundamental para a reali­ zação de projetos de vida.

Além destas iniciativas, há a mobilização dos colaboradores em campanhas sociais realizadas

Ministradas por universitários — que recebem

periodicamente. Em 2012, foram arrecadados

treinamento específico para se tornar multipli­

mais de 3.200 itens entre material escolar, livros,

cadores —, as apresentações são voltadas aos

produtos de higiene, brinquedos e alimentos,

jovens de escolas públicas e privadas, membros

beneficiando 11 instituições. Dentre as ações

de associações de bairros e outras entidades da

destacaram-se: a Campanha do Agasalho, que

capital e do ABC paulista.


97

Depois de cada evento, o participante recebe

dados sobre as práticas de sustentabilidade

um resumo do conteúdo apresentado e o link

adotadas por grandes companhias no mundo.

para acessar uma planilha mensal de orçamento no site da Brasilprev. Desde que foi lançado, em

É também signatária da Declaração do Investidor

2010, o projeto já realizou cerca de 540 encon-

Global em Mudança Climática 2011 – Global

tros, beneficiando mais de 25 mil participantes.

Investor Statement in Climate Change, inicia-

A previsão é alcançar 55 mil pessoas.

tiva da United Nations Environment Programme Finance Initiative – Unep FI, que demanda aos

O programa de Educação Financeira se trans-

governos a adoção de políticas de estímulo ao

formou numa das principais iniciativas de

desenvolvimento de uma sociedade de baixo

responsabilidade social da companhia e está

carbono, como modo de contribuir para o

sendo disseminado para outros stakeholders,

desenvolvimento sustentável das nações.

como clientes e colaboradores, na forma de palestras de cursos online.

Atenta ao cenário de mudanças climáticas, desde 2006, a Brasilprev mensura as emissões diretas

A Brasilprev também utiliza alguns mecanismos

e indiretas de gases de efeito estufa geradas

de renúncia fiscal oferecidos pelo Governo para

por suas operações. Com base neste trabalho e

apoiar projetos culturais, esportivos e sociais,

visando minimizar tais impactos, é responsável

por meio do Fundo Municipal da Criança e do

pela conservação florestal de uma área nativa,

Adolescente – Funcad. No período, foi direcio-

com seis hectares, localizada no município de

nado mais de R$ 1,9 milhão para cinco inicia-

Barra do Turvo, no interior de São Paulo.

tivas. As ações culturais apoiadas por meio das Leis Rouanet e do Esporte receberam investi-

A companhia também promove ações internas,

mentos de cerca de R$ 6 milhões.

como a coleta seletiva de resíduos e o incentivo à separação adequada de lixo por seus colaboradores. Neste trabalho, a empresa conta com

Controle das emissões de GEE e conservação florestal de área nativa

um fornecedor especializado que é responsável pela coleta dos recicláveis e orgânicos e pela

impacto ambiental e incentivar a sociedade a adotar iniciativas nesse sentido. Por isso, é signatária desde 2005 do Carbon Disclosure Project, organização não governamental que busca favorecer o diálogo entre investidores e empresas, estimulando o levantamento de

capítulo

A Brasilprev está preocupada em reduzir o seu

6

destinação final correta destes resíduos.


de sistemas de gestão que incorporam os

Caixa Seguros A Caixa Seguros escolheu a promoção da saúde

da segurança pública e integrantes do programa

dos jovens brasileiros como sua causa social.

para debates e construção de soluções capazes

Desde 2007, o Grupo mantém o Jovem de

de minimizar os impactos da violência na juven­

Expressão, com foco em membros da comuni­

tude. Juntas, essas iniciativas formam um novo

dade carente do Distrito Federal. O programa

modelo de intervenção social — comprovada

contribui para reduzir a exposição de seus inte­

por pesquisa científica — com potencial para

grantes à violência e à consequente mortali­

ser transformada em política pública.

dade por causas externas. A companhia repassou a gestão do programa

Pesquisa traça retrato inédito e real das atitudes e práticas dos jovens

para o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes – UNODC, em 2010. A trans­

No ano passado, a Caixa Seguros realizou

ferência da metodologia para o organismo

a

internacional elevou a seguradora a um novo

DST / Aids, que revelou um retrato inédito e real

patamar. O acordo de cooperação foi o primeiro

das atitudes, comportamentos e práticas de

firmado entre o UNODC e uma empresa

jovens entre 18 e 29 anos diante da vida sexual e

privada no Brasil, comprovando a eficiência do

suas consequências.

pesquisa

Juventude,

Comportamento

e

programa. Hoje, o Jovem de Expressão é execu­ tado também em parceria com a UNESCO e com

Com a colaboração do Ministério da Saúde

a Central Única das Favelas.

e da Organização Pan-americana da Saúde – OPAS, foram entrevistados 1.208 jovens de

Com metodologia inovadora, o programa

ambos os sexos, em 15 estados e no Distrito

alia terapia comunitária a oficinas culturais.

Federal. O estudo mostrou que cerca de

Os Diálogos da Juventude, eventos realizados

% deles acham que não correm risco de 60 

em 2012, reuniram segmentos ligados ao setor

contrair doenças sexualmente transmissíveis.


99

As atitudes e práticas responsáveis aumentam com o grau de escolaridade. Outra conclusão: o uso de álcool e drogas aumenta o risco de um jovem fazer sexo sem camisinha. Desde a divulgação do estudo, em dezembro, houve uma ampla exposição da marca do Grupo em mais de 120 veículos de comunicação. O interesse nos dados apurados mostra a relevância do estudo para a sociedade brasileira. Os resultados foram aprovados no Comitê de Ética da Universidade de Brasília. Os dados são públicos e podem ser utilizados por qualquer instituição pública ou privada. A íntegra da pesquisa está disponível no site da companhia: www.caixaseguros.com.br

Construindo uma gestão alinhada aos princípios do desenvolvimento sustentável O Grupo Caixa Seguros também cuida do futuro das próximas gerações. Colaboradores, fornecedores e parceiros atuam juntos e são estimulados a adotar modelos e atitudes ambientalmente corretas no local de trabalho e com a família. A companhia tem um Comitê de Sustentabilidade responsável por garantir a participação de todas as áreas na construção de uma gestão alinhada aos princípios do desenvolvimento sustentável. O comitê acompanha e valida projetos e iniciativas para a redução de consumo e adoção de

Desde 2007, a Caixa Seguros usa em todas as

descartáveis usados dentro da empresa por

peças de comunicação o selo CarbonFree, em

canecas de louça e copos de vidro. Em seis meses,

todas as peças de comunicação, que atesta

deixaram de ser consumidos na matriz 30 mil

a compensação das emissões de gases de

copos plásticos, uma redução de 22 % do gasto

efeito estufa por meio do plantio de árvores

médio da companhia. O número supera a meta

em reservas de Mata Atlântica, localizadas em

estabelecida para esta iniciativa, que era de 10%.

São Paulo e no Paraná. O objetivo é preservar a

A coleta seletiva do lixo também integra as

biodiversidade e diminuir impactos do aqueci-

ações da companhia desde 2011 e propor-

mento global.

ciona a devolução de plásticos e papéis usados na empresa para a cadeia produtiva. Os resíduos orgânicos e não recicláveis são separados e entregues ao serviço de limpeza urbana. O Grupo doou mais de 2 toneladas de lixo eletrônico para uma estação de metarreciclagem.

capítulo

Dentre as ações, está a substituição de copos

6

tecnologias ambientalmente eficientes.


Capemisa Seguradora de Vida e Previdência Uma das pioneiras na adoção de iniciativas

Mais de cinco décadas após sua fundação,

socialmente responsáveis, a Capemisa mantém

a entidade continua atuando na assistência

viva a obra social do Lar Fabiano de Cristo,

social e tornou-se referência nacional e inter­

criada na década de 1950 pela Capemi (Caixa

nacional no atendimento à família. Seu modelo

de Pecúlio Mauá), precursora da seguradora de

de promoção social foi levado a Cartagena de

vida e previdência.

Índias, Bogotá, Dakar, Bangladesh e Portugal, entre outros países. Nos últimos anos, o Lar

Além de promover a educação, decisiva para

Fabiano de Cristo recebeu importantes prêmios

mudar a mentalidade dos assistidos, o projeto

que atestam o reconhecimento da sociedade

inclui treinamento físico adequado para que

civil pelo trabalho que desenvolve.

as crianças assimilem o aprendizado, alimen­ tação adequada e reformulação de hábitos

O Lar Fabiano de Cristo mantém apoio em cinco

para o exercício da cidadania. Desta forma, o

faixas de atendimento:

Lar Fabiano de Cristo desenvolveu sua meto­ dologia em assistência social e transformou

▪ Colocação Familiar em Lares Substitutos

suas Casas Assistenciais em Unidades de

▪ Abrigos Provisórios

Promoção Integral.

▪ Promoção Integral da Família ▪ Apoio Emergencial ▪ Promoção Integral do Idoso


101

Patrocínios e apoios a projetos esportivos e culturais Em 2012, a Capemisa Seguradora também investiu em projetos esportivos e culturais por meio de patrocínios e apoios. Entre eles, destacam-se: o Instituto Reação (ONG do judoca medalhista olímpico Flávio Canto); a Federação de Judô do Estado do Rio de Janeiro; o Projeto Ippon de Judô; os Irmãos Esteves (atletas mirins da natação); o velejador Daniel Carvalho; e a dupla de Vôlei de Praia Baêta. No campo cultural, a seguradora patrocinou a cantora lírica Anatasha Meckenna, o grupo de teatro Loucos

dores, por meio dos programas: Grupo de Corrida e Caminhada, no qual funcionários da empresa têm a oportunidade de treinar com professores e participar de eventos; atendimento quinzenal de shiatsu, visando reduzir o estresse; e atendimento de nutricionista para incentivar seus colaboradores a buscar uma alimentação mais saudável.

capítulo

Além disso, a Capemisa incentiva constantemente a melhoria da qualidade de vida de seus colabora-

6

do Tarô e o Projeto Maestro Capemisa, que busca difundir a música clássica nos quatro cantos do País.


Care Plus Reconhecida por sua atuação no segmento

da Universidade de Harvard colocou a iniciativa

Premium de prestação de serviços de saúde

entre as mais bem-sucedidas na área de inte­

a empresas, a Care Plus aderiu em 2010 ao

ração comunitária; e o Unicef pretende replicá-la

Movimento + Feliz, apartidário e não governa­

na América Latina.

mental, que reúne empresas dos mais diferentes setores da economia em torno de um único

Em janeiro de 2012, a Care Plus iniciou uma

objetivo: incentivar a participação, o envolvi­

nova campanha, incentivando seus beneficiá­

mento e a doação para causas sociais.

rios a abrirem mão do manual físico e dispo­ nibilizando sua rede credenciada completa e

Até o início de 2012, o movimento promoveu

atualizada diariamente em seu site, Central de

uma campanha de incentivo à troca de manuais

Relacionamento 24 horas e ferramenta mobile,

impressos por manuais em CD — a cada manual

acessível através de qualquer celular com acesso

trocado, a companhia faz uma doação de

à internet.

R$ 5,00 ao Bairro Escola Aprendiz, que atua há 12 anos em Vila Madalena, promovendo a ocupação de locais para fins educacionais. Só ali, o projeto já realizou mais de 300 inter­

Ações que ajudam a preservar o meio ambiente e garantir um futuro melhor

venções, como reforma de escolas, pintura de becos e de casas, entre outros. Desde o início

A empresa também lançou, em março, o Green

da campanha, em 2010, as doações somaram

Care, um programa de ações sustentáveis que

R$ 30 mil.

têm o objetivo de contribuir para a preser­ vação do meio ambiente e a promoção de um

A proposta já se expandiu para todo o País e

futuro melhor para a sociedade – e incentiva a

foi copiada por quase 20 prefeituras, além de

participação de seus colaboradores e clientes

programas estaduais e federais. Um documento

na criação de novos projetos sustentáveis


103

através de campanhas internas de incentivo. São pequenas atitudes que, compartilhadas, poderão gerar grandes resultados: ▪ Envio de fatura para clientes via e-mail, dispensando a impressão. A fatura também fica disponível no site da Care Plus para conferência. ▪ Manual de rede: em janeiro de 2012, a Care Plus eliminou a produção de manuais de rede impressos e o beneficiário pode optar por receber um manual em CD ao preencher o cartão-proposta para entrar no plano. Se não preencher esta opção, não receberá manual. ▪ Substituição do guia do plano de saúde impresso por um hotsite atualizado diariamente e de fácil acesso. ▪ Campanha interna para reduzir em 30% as impressões em papel. ▪ Mensagens SMS para informar o beneficiário sobre autorização e reembolso solicitados, com

▪ Comunicados para divulgação de diferenciais

informações completas no site. Assim, evita-se

de serviço via web, minimizando a impressão

a impressão de senhas e envio de comunica-

de materiais.

System — programa de prevenção da Care Plus

radas no site da Care Plus. Além disso,

— via web, sem necessidade de imprimi-lo.

acessam as autorizações liberadas via Central

▪ O processo de devolução de reembolsos

de Relacionamento. ▪ Ferramenta mobile de fácil acesso através de qualquer celular com acesso à internet para consulta de rede credenciada, substituindo o manual impresso. ▪ Cartão-proposta do titular e inclusão de dependente via web, sem necessidade de enviar o original para empresas com mais de 30 vidas seguradas.

por falta de alguma informação passou a ser por e-mail, evitando a impressão de inúmeros formulários.

6

▪ Os prestadores têm acesso às senhas libe-

▪ Preenchimento do questionário do Personal

capítulo

ções impressas.


Centauro Seguros e Previdência Em 2012, ano em que completou 20 anos de existência, a Centauro organizou o primeiro

Apoio a projetos sociais e a entidades que trabalham com crianças e adolescentes

calendário de apoio a entidades carentes e ações sociais com a participação direta dos

Além dessas ações, a companhia apoiou projetos

colaboradores. Estas ações tiveram o objetivo

desenvolvidos no Instituto João Ferraz de Campos,

de promover a solidariedade e a construção de

que tem sede em Curitiba e filial no Rio de Janeiro;

uma sociedade mais justa e menos desigual.

ações do Instituto Movimento Recriança, que atende crianças carentes e suas famílias, na região

Foram realizadas ações sociais em datas come-

metropolitana de Curitiba; e ações de apoio às

morativas como Páscoa, Dia das Crianças e

crianças e adolescentes com câncer do Instituto

Natal. Mais de 180 pessoas, entre crianças e

Ronald McDonald - McDia Feliz.

idosos, receberam as doações dos colaboradores, que compraram chocolates, brinquedos e

A Centauro investe ainda na qualidade de vida

roupas para crianças e itens de primeira necessi-

de seus colaboradores e familiares e disponibi-

dade para os idosos, como produtos de higiene,

liza assistência médica e odontológica, seguro

cobertores e alimentos.

de vida e acidentes pessoais, além de previdência complementar e creche para os filhos dos funcionários.


105

Chubb Seguros A Chubb Seguros acredita que é também de

produtos descartáveis, depois de implantada a

responsabilidade do setor privado a busca

coleta seletiva. A empresa também já deixou de

por soluções dos problemas sociais e a dimi­

utilizar 6.715 folhas de papel branco.

nuição do impacto das intervenções humanas sobre o meio ambiente. Em 2012, a seguradora

A comunicação é um aspecto fundamental

reafirmou seu compromisso com esta diretriz e

para implementar a conscientização e incen­

buscou, através de ações e programas, a cons­

tivar mudanças comportamentais. O projeto

cientização de seus colaboradores e parceiros

Consciência Ecológica utilizou esta premissa

sobre a importância de adotar práticas sustentá­

e instalou dois Painéis da Sustentabilidade na

veis e viabilizar ações socialmente responsáveis.

sede da companhia, em São Paulo, que ajudam a esclarecer e a divulgar os principais conceitos

Muitas medidas adotadas pela companhia são

sobre o tema.

contínuas, somando-se a projetos executados e mantidos em anos anteriores. A Chubb criou

A fim de levar a discussão sobre a sustentabi­

o projeto de sustentabilidade Por um Mundo

lidade para além dos limites da própria orga­

Melhor, alicerçado em seis pilares.

nização, o programa Compromisso com o Amanhã avalia o compromisso de seus forne­ cedores com as medidas essenciais de sustenta­

Campanha promove uso consciente e racional dos recursos da companhia

bilidade. Hoje 100% de seus parceiros estão em

O Consumo Responsável promove o uso cons­

A ação Um Milhão de Novas Árvores foi desen­

ciente e racional dos recursos na companhia.

volvida junto a todos os clientes da companhia,

Como resultado, houve uma redução de 65%

que receberam uma carta juntamente com

no consumo com iluminação e de 15% com

um minicard contendo sementes de jacarandá

sintonia com os valores da companhia.


mimoso para serem germinadas. A empresa estima que em 60 meses haverá mais de um milhão de novas árvores plantadas.

Grupo de trabalho sensibiliza pessoas para gerar inclusão e valorizar as diferenças A companhia adota o grupo de trabalho Conselho de Diversidade, que tem por missão sensibilizar as pessoas para gerar inclusão social e valorização das diferenças no meio corpo­ rativo, aumentando a sinergia do trabalho. O projeto é um sucesso consolidado há 10 anos. Além disso, a Chubb tem ações de filantropia, como, por exemplo, a oferta de doações para a Associação Beneficente Vivenda da Criança e o Lar Vinicius. A empresa colabora ativamente para o desenvolvimento do esporte e, em 2012, apoiou o circuito Corrida & Caminhada Contra o Câncer em diversas cidades do País. A Chubb ainda conta com um programa de formação para inserir jovens de baixa renda no mercado de trabalho. Por meio de uma parceria com o Centro de Apoio ao Jovem, a companhia oferece estágio por um período médio de dois anos. Essa é mais uma forma de a Chubb contri­ buir para uma sociedade mais solidária.


107

CNseg

Confederação Nacional das Empresas

de Seguros Gerais Previdência Privada

e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização

O ano de 2012 foi marcado por uma série de

Em sintonia com o legado da Rio+20, a CNseg

iniciativas da CNseg para tornar o mercado segu­

firmou parceria estratégica com a ClimateWise,

rador brasileiro cada vez mais comprometido

grupo de líderes da indústria de seguros que

com a sustentabilidade do seu negócio e do

promove ações em relação aos riscos climáticos.

planeta. A principal iniciativa nessa direção foi

Firmado em julho com a Cambridge University,

a adesão aos Princípios para Sustentabilidade

que coordena o ClimateWise, o acordo possibi­

em Seguros – PSI, em junho, na véspera do início

lita às seguradoras brasileiras o acesso a relató­

da Rio+20.

rios com as ações para redução de riscos e catás­ trofes climáticas aplicadas por players mundiais.

No mês anterior, uma pesquisa realizada com

O encaminhamento é feito pela Comissão de

o apoio da BSD Consulting avaliou o alinha­

Sustentabilidade da CNseg.

mento das práticas do mercado aos valores que orientam a formulação dos PSI. O resultado

Ainda em 2012, a CNseg promoveu a segunda

mostrou que 71% das empresas consultadas

edição do Prêmio Antonio Carlos de Almeida

conhecem os princípios da ONU e 54% contam

Braga de Inovação em Seguros, organizado anual­

com gerência e/ou comitê de sustentabili­

mente pela Confederação, cujo tema foi a susten­

dade. Quase metade (43%) disse considerar os

tabilidade. A cerimônia de premiação aconteceu

aspectos de ASG (ambientais, sociais e de gover­

no Copacabana Palace, durante o almoço de

nança) no desenvolvimento de seus produtos e

confraternização do mercado. A escolha do tema

29% já participam de grupos de trabalho para

reforçou o compromisso do setor com a cons­

revisar ou criar novas políticas e normas.

trução de um planeta mais saudável.


A premiação objetiva estimular o desenvolvi­ mento do setor e o aprimoramento das relações

Projeto Estou Seguro leva educação financeira a moradores do Dona Marta

com o consumidor, a partir da adoção de ideias inovadoras referentes a serviços e procedimentos

A CNseg iniciou a segunda fase do Estou Seguro,

— além de apoiar as iniciativas que vão delinear

um programa de educação financeira criado

o perfil do mercado segurador no futuro.

para despertar na população de baixa renda a importância da prevenção de riscos, que funciona no Morro Santa Marta, em Botafogo,

Comissão Especial estabelece agenda de debates e ações

desde 2010. Ao longo do ano, a Confederação e seguradoras

Em setembro, a CNseg assinou um termo aditivo

participantes promoveram ações de comuni­

ao Protocolo Seguro Verde — convênio firmado

cação para mostrar aos moradores o quanto

com o Ministério do Meio Ambiente, em 2009,

o seguro pode ajudar em momentos difíceis.

com o objetivo de traçar diretrizes para a imple­

Foram encenados espetáculos de teatro de rua

mentação de ações de responsabilidade socio­

pelo grupo Carroça de Mamulengos. Já o grupo

ambiental no mercado. O aditivo levou à criação

Osmarta, de atores locais, apresentou esquetes

de uma Comissão Especial para estabelecer

em palco montado na entrada da comunidade

uma agenda de debates e ações e adequou os

sobre gravidez na adolescência, perigos do coti­

Princípios do Protocolo Verde aos PSI.

diano e necessidade de previdência.

A CNseg também integrou o grupo fundador

A CNseg também apostou na atração que os

da Global Federation of Insurance Associations

jogos exercem sobre o público infantojuvenil

– GFIA, que congrega 31 associações de seguros

e lançou, em dezembro, o jogo eletrônico

do globo. A federação foi criada em outubro

Caminhoneiro Estou Seguro, desenvolvido em

com o objetivo de tratar de questões interna­

parceria com a Guanabara Games.

cionais complexas para o mercado segurador mundial, tais como a supervisão de grupos

O objetivo é conscientizar a população sobre

internacionais a partir de uma estrutura comum

a importância da gestão dos riscos cotidianos,

a diferentes países, a inclusão financeira e o

por meio de uma experiência lúdica e educativa.

combate à lavagem de dinheiro. O grupo repre­ senta 87% das seguradoras do mundo. Outra iniciativa de peso foi a associação ao Microinsurance Network – MIN, sediado em Luxemburgo, que tem a missão de promover o desenvolvimento de serviços de seguros para populações de baixa renda. Com cerca de 70 membros institucionais, o MIN é representado por mais de 200 especialistas em 15 diferentes grupos de discussão e de trabalho. A CNseg integra dois grupos de trabalho: Educação em Seguros e Proteção do Consumidor.


109

Os totens interativos ficam em locais estratégicos da comunidade e a utilização é gratuita. O jogo foi instalado na Casa do Seguro — o posto local montado para fornecer informações e vender seguros na comunidade.

Programa Mais Leve divulga proposta de reeducação alimentar A preocupação com a saúde e o bem-estar de seus funcionários motivou a CNseg a criar o programa Mais Leve, em parceria com o Vigilantes do Peso. Os 67 participantes da proposta de reeducação alimentar do Vigilantes do Peso perderam juntos 235 Kg em nove meses, sendo que alguns tiveram redução de peso superior a 20 Kg. A empresa contratada realizou reuniões semanais para pesagem e

Em paralelo, foram oferecidas aulas gratuitas de pilates nas instalações da Confederação, três vezes por semana, sempre antes do início do expediente. Outra ação foi a caminhada ecológica na Pista Cláudio Coutinho, na Urca, que reuniu funcionários e familiares. O passeio, realizado num fim de semana, foi acompanhado por profissionais de Fisioterapia e Educação Física. Todos usavam camisetas de fibra de garrafa PET com a marca do programa Mais Leve, que passaram a ser utilizadas como uniforme nas aulas de pilates.

capítulo

6

motivação dos participantes.


Comprev Seguros, Previdência e Empréstimo Consignado As ações de responsabilidade social da Comprev

pela Conselheira Hortência Maria Moreira

ajudam a reduzir as desigualdades sociais e

Alves, que é acompanhado por Auditoria Interna.

contribuem para o crescimento do País, por

Os recursos são oriundos das operações da própria

meio da parceria com diversas entidades filan­

empresa e em 2012 totalizaram R$ 105,2 mil.

trópicas e de algumas iniciativas próprias. Uma delas é o Programa Assistência Educacional – PAE, criado há alguns anos com a finalidade

Contribuições ajudam pessoas em situação de vulnerabilidade no Rio

de subsidiar as mensalidades escolares de seus colaboradores (empregados e estagiários) nos

O dispensário São Vicente de Paulo, localizado

cursos profissionalizantes, de graduação ou pós-

na Cruz Vermelha, no Centro do Rio de Janeiro,

graduação (MBA), nas áreas de Administração,

recebe contribuições para ajudar pessoas em

Atuária, Contabilidade, Comunicação, Direito,

situação de vulnerabilidade e manter a creche

Informática e Marketing, de interesse da empre-

para atendimento gratuito a crianças de até

sa na gestão de seus negócios.

7 anos de idade. As contribuições mensais da Comprev foram iniciadas em 1999, além das

O programa pretende habilitar e qualificar

doações diárias de pão, leite e manteiga para

melhor os profissionais, melhorar a qualidade

a creche. Em 2012, o repasse foi de R$ 10,4 mil.

dos serviços prestados aos clientes, agregar valor aos produtos e fortalecer os laços entre

A Associação Pró-Vita, que atua em parceria

empresa e colaboradores. Em 2012, a iniciativa

com o INCA – Instituto Nacional do Câncer,

recebeu R$ 41 mil em investimentos.

apoiando crianças que se submetem ao trans­ plante de medula óssea e suas famílias, recebe

A companhia também mantém um Programa

ajuda da Comprev desde 2005. No ano passado,

de Assistência Social e de Filantropia, dirigido

foram R$ 6,6 mil em doações em dinheiro.


111

Dedicada ao apoio a crianças internadas no Hospital Municipal Salles Netto – HMSN, no Rio Comprido, a Associação também conta com parceria da empresa desde 2005 e, em 2012, recebeu um aporte financeiro no valor de R$ 6 mil. A Casa de Fabiano, fundada em 1978, se dedica à assistência de famílias em situação de risco social, no morro dos Macacos e vizinhanças, em Vila Isabel, com ações de saúde e educação. A iniciativa conta com o apoio da Comprev desde setembro de 2010 e recebeu R$ 18,26 mil ao longo do ano passado.

O Lar de Clara e Francisco, que atua na comu-

trabalha com dependentes de álcool e drogas

nidade Beira Rio, proporciona melhor qualidade

e presta relevantes serviços aos internos e suas

de vida para os moradores locais por meio de

famílias, na cidade de São Miguel do Passa

ações sociais que geram oportunidades de pleno

Quatro, no interior de Goiás. A entidade promove

desenvolvimento pessoal e coletivo. Apoiada

ações nas áreas de saúde, cidadania e capaci-

pela Comprev desde abril de 2012, recebeu a

tação profissional e recebeu R$ 5,4 mil em 2012.

contribuição de R$ 10,9 mil.

A instituição filantrópica Pestalozzi de Goiânia, outra beneficiária da parceria da companhia, oferece tratamento especializado a pessoas com Deficiência Intelectual, Múltipla, Síndromes, Transtornos e Autismo, além de assistência às famílias, desde 1974. O apoio no ano passado foi de R$ 6,6 mil.

Seguros, Previdência e Empréstimo Consignado

capítulo

Outra frente de apoio é o Projeto Resgate, que

6

Dependentes de álcool e drogas recebem apoio em projeto de Goiás


Escola Nacional de Seguros Um dos destaques da atuação da Escola no

A escola também coordena o projeto Se Essa Rua

campo da responsabilidade social é o projeto

Fosse Minha, da Editora Fama, que estimula a

Amigo do Seguro, que ao longo do ano foi

reflexão e a adoção de comportamentos seguros

aplicado em 13 cidades, por meio do Curso

no trânsito, a preservação da vida e a conscienti­

de Iniciação ao Trabalho, que qualificou 366

zação sobre a existência do Seguro DPVAT.

jovens estudantes do Ensino Médio, matricu­ lados em escolas públicas. Em 2012 o projeto

Fruto de parceria com a Seguradora Líder DPVAT,

foi levado a três novas praças, Boa Vista – RR,

a iniciativa capacita docentes do Ensino Funda-

Manaus – AM e Natal – RN, com mais de 60 jovens

mental, da rede escolar das regiões Sul e

aprovados, alguns já com proposta de estágio

Sudeste, para que adotem o tema em suas aulas.

ao término do curso.

Os alunos recebem kit composto por livros, manual de instruções, DVD, jogos, cartazes e

No Rio de Janeiro, o programa é mantido

bolsa de material reciclável, além do certificado

em parceria com a Fundação Mudes; em

de conclusão de curso.

Ribeirão Preto – SP, com a AJURP – Associação Educacional da Juventude de Ribeirão Preto;

Ao longo de 2012, foram distribuídos mil

em Vitória – ES, com a ABRE – Agência Brasileira

kits, que beneficiaram 40 mil crianças, além

de Estágio; e, nas demais cidades, com o

de docentes e pais de alunos, de cidades

CIEE – Centro de Integração Empresa-Escola.

do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais,

Em São Paulo, foi firmado convênio com o

Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

Instituto Techmail, para conferir ainda mais

O projeto teve ótima aceitação nos locais em

valor à iniciativa e fazer a diferença na qualificação

que foi implantado.

de novos talentos para a indústria do seguro.


113

Pensando em expandir sua atuação para além do mercado de seguros, a Escola criou ainda o Asas para Voar — projeto que consiste na doação de bibliotecas infantojuvenis com cerca de 350 livros para escolas públicas dos Ensinos Fundamental e Médio. As instituições são indicadas por sindicatos, associações de seguros e pelas gestoras das Unidades Regionais da Escola. Na esfera da responsabilidade socioambiental, a Escola deu continuidade ao Programa EcoEficiente, que visa à mobilização de fornecedores para a adoção de práticas de proteção ao meio ambiente por meio de critérios socioambientais. E desde 2011 todo o material didático da Escola passou a ser impresso em gráfica certificada na cadeia matéria-prima florestal provenha de manejo

seguros e democratizar o acesso à litera-

considerado social, ambiental e economica-

tura especializada por meio do Saber Seguro,

mente adequado, seguindo princípios que

projeto que beneficia Sindicatos dos Corretores

respeitam o meio ambiente, os trabalhadores

de Seguros e das Seguradoras e outros

e a comunidade.

parceiros, instalando bibliotecas nas dependências dessas entidades. Os títulos doados são publicados pela própria Escola. Até 2012, o programa já havia sido instalado em dez entidades de corretores e uma de seguradoras, no Clube Vida em Grupo do Rio de Janeiro e no Instituto Brasileiro de Atuária.

capítulo

A Escola procura difundir conhecimentos sobre

6

de custódia FSC® — selo que garante que a


GBOEX Previdência e Seguro de Pessoas A cada ano o GBOEX intensifica a Campanha

— Descarte Consciente de Resíduos Sólidos

Ambiente Responsável, implantada em 2009,

Protege o Meio Ambiente; A Relação de Doença

cujo slogan é Atitudes GBOEX para Viver Melhor.

Periodontal com o Diabetes; Depressão e

Foi criado um grupo de trabalho denominado

Aposentadoria — Habilite-se para Evitá-la; Pre­-

Multiplicadores da Comunicação, composto por

venção e Equilíbrio para uma Vida Saudável. Esta

colaboradores de diversas áreas, que estimula

iniciativa levou a um engajamento maior em

a participação em causas ambientais e sociais

campanhas como Recicle suas Ideias — Plante

e incentiva campanhas de doações a institui­

uma Horta, Doe Livros, Doe Agasalhos e Doe

ções carentes. Este projeto foi estendido aos

Alimentos, entre outras.

associados da entidade, com caixas coletoras expostas em todas as filiais do GBOEX. Também foi lançado o concurso cultural Qual o

Incentivo à prática do consumo consciente é tradição no Grupo

Segredo para Viver 100 Anos?, que incentiva os associados a escrever, em forma de poesia, suas

Em decorrência da participação e do envol­

percepções sobre qualidade de vida e a parti­

vimento do funcionário, criou-se também a

cipar das atividades comemorativas do cente­

expressão Colaborador Legal, usada para definir

nário da empresa – em 24 de maio de 2013.

e prestigiar todos aqueles que de alguma forma colaboram com as ações propostas.

Os Informativos GBOEX contribuem para o bem-estar do cidadão e da comunidade, divul­

A empresa também incentiva a prática do

gando artigos elaborados por especialistas

consumo consciente visando à economia de

que abordam temas como Sustentabilidade

papel, energia, água, redução de uso de


115

embalagens plásticas, coleta seletiva do lixo e

A certificação é uma iniciativa da revista

de descartes eletrônicos — além de disponibi-

Consumidor Teste, que conta com a parceria do

lizar coletor de pilhas usadas.

Instituto Nacional de Educação do Consumidor e do Cidadão – Inec.

Por intermédio das ações de suas filiais, são mantidos projetos sociais em vários estados.

O reconhecimento das empresas certificadas

No Rio Grande do Sul, colabora com a manu-

se dá em razão dos esforços simultâneos reali-

tenção de algumas entidades, como o Banco

zados pelas empresas em nome de relações de

de Alimentos, o PACTO – Programa de Auxílio

consumo mais justas e de práticas sustentáveis

ao Toxicômano, a Associação Gaúcha de

que garantam a preservação do meio ambiente.

Equoterapia e o Centro Gaúcho de Equoterapia, para portadores de deficiências.

Programa interno visa à qualidade de vida dos funcionários No âmbito interno, desenvolveu o programa Momentos de Coaching e Mentoring, para trabalhar as potencialidades individuais; e Momentos

dos funcionários. A empresa também ministra cursos de Libras, como parte do Programa de Inclusão de Pessoas com Deficiência, autorizado pelo Ministério do Trabalho. Esse conjunto de ações fez com que o GBOEX fosse reconhecido com o prêmio Top Consumidor 2012 - 7ª edição — Excelência nas Relações de Consumo e Respeito ao Meio Ambiente.

capítulo

que visa à prevenção e à qualidade de vida

6

de Atendimento Psicológico Personalizado,


Icatu Seguros A Icatu Seguros pratica e apoia ações voltadas

Na área esportiva, apoia projetos do Instituto

para a sustentabilidade e a responsabili­

Bola pra Frente, como Craque de Bola e Escola

dade social por meio de diferentes iniciativas.

e Centro de Capacitação Toque de Mestre II e

No campo da Educação e Profissionalização,

Programa Esporte em Ação, desde 2009. A Icatu

desde 2011 a empresa é uma das patrocinadoras

também faz investimentos contínuos, desde

do curso pré-vestibular gratuito Emancipa, em

2011, em jovens atletas da vela por meio do

Porto Alegre, com ênfase na preparação para o

Projeto Bons Ventos, visando à preparação de-

Enem, destinado aos alunos de escolas públicas

les para as Olimpíadas Rio 2016.

que estejam no último ano ou que já tenham concluído o Ensino Médio.

Também integra o portfólio de apoios da empresa o Projeto de Formação de Atletas do

A seguradora também patrocina a Fundação

Minas Tênis Clube, em Belo Horizonte, e o Projeto

Pró-Saber, beneficiando a creche da favela de

Grael do Instituto Rumo Náutico, que oferece

Paraisópolis, em São Paulo, desde 2007. Além

aos alunos uma oportunidade educacional e de

disso apoia o Projeto Constelação, que investe

socialização através de uma experiência náutica.

na formação de centenas de jovens e de seus familiares em comunidades da periferia do

A seguradora é parceira do Instituto Ronald

Rio de Janeiro, desde 2008; o Projeto Social da

McDonald, sociedade sem fins lucrativos que

Mangueira, que contribui para a formação de

oferece apoio ao tratamento de crianças e

crianças e jovens; e o programa Menor Aprendiz,

adolescentes com câncer. Os produtos Troco

que, há mais de dez anos, oferece a dezenas de

Premiado, Doação Premiada e Boa Ação, Boa

jovens carentes a oportunidade do primeiro

Sorte destinam parte do valor recebido à insti­

emprego na Icatu Seguros.

tuição e, desde 2006, foram repassados mais de


117

R$ 2 milhões. E também apoia eventos da insti-

E ainda apoia o Médico Sem Fronteiras, que

tuição, como a corrida infantil contra o câncer e

contribui para o tratamento de crianças em

o torneio de golfe beneficente.

centros de desnutrição, campanhas de vacinação em massa, distribuição de itens de auxílio

A Icatu Seguros faz doações, desde 2008,

e atendimento médico e psicológico em clínicas

para a Operação Sorriso, ONG reconhecida

móveis e em diversos campos de refugiados

pela ONU, que realiza gratuitamente opera-

do mundo.

ções de correção de lábio leporino e fissura palatina em crianças e adolescentes de comu-

No campo do meio ambiente, destina os resí-

nidades carentes.

duos gerados para reciclagem através da doação

aos catadores de lixo da Associação Rio Coop (Cooperativa de coleta seletiva e reciclagem). Todos os anos, a iniciativa reúne uma média de 80 toneladas de material reaproveitável. A Icatu Seguros é associada ao Instituto Ethos, que tem como missão mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente responsável, tornando-as parceiras na construção de

A seguradora incentiva seus funcionários a participar de ações de voluntariado, como campanhas de Natal das instituições Obra do Berço, na Lagoa, Jardim Gramacho, em Duque de Caxias, e do Lar Santa Catarina, em Petrópolis; Natal dos Correios; Campanha do Agasalho – Instituto da Criança; e Volta às Aulas – Instituição Béu Machado, entre outros. Na área cultural, patrocinou as turnês Bethânia e as Palavras e Carta de Amor, de Maria Bethânia, a turnê Tantas Marés, de Edu Lobo e Aquarius, de Joyce e João Donato – além do livro Face a Face, de Alejandro Szanto de Toledo, com fotografias de uma jornada sobre povos do mundo.

capítulo

6

uma sociedade justa e sustentável.


Invest Seguradora O planejamento estratégico da Invest Segura-

cumpre seu compromisso com a integridade

dora contempla ações voltadas a colabora­

dos parceiros e ainda promove a segurança nas

dores, parceiros e clientes, para ajudar a disse­

estradas de todo o País.

minar um comportamento solidário e socialmente responsável.

Na área da cultura, a empresa foi uma das prin­ cipais patrocinadoras do filme “O segredo dos

Para apoiar as instituições sem fins lucrativos que

diamantes”, produção brasileira baseada em

prestam assistência social, a Seguradora lançou

antigas lendas mineiras. O longa-metragem

o Invest pela Vida. O objetivo do projeto é anga­

é destinado ao público infantojuvenil e foi

riar fundos para as entidades através da venda

filmado nas cidades do Serro, Diamantina,

de seguros. Os produtos são comercializados

Sabará e Belo Horizonte.

pelo Call Center de parceiros e, a cada seguro vendido, uma parte do prêmio é direcionada para a instituição participante. Como incentivo de vendas, podem ser inseridos sorteios para o

Política de inclusão social determina apoio a filme, que terá exibição gratuita

novo segurado e para o vendedor. Para a seguradora, incentivar o cinema nacional Outro produto da Invest desenvolvido em bene­

é uma forma de valorizar e difundir a cultura

fício de uma causa social é o RCO Motorista

no País. Outro fator de peso para o apoio ao

Premiado. As empresas de transporte que

projeto foi a política de inclusão social do filme,

adquirem o seguro passam a contar com uma

que terá exibição gratuita em comunidades,

campanha de educação no trânsito e estímulo à

praças, universidades, cineclubes e periferias.

redução de acidentes que se baseia em sorteios

Dessa forma, o cinema chega até um público que

entre os motoristas dos ônibus que não regis­

nem sempre tem acesso à cultura e ao entrete­

traram sinistros. Com este produto, a empresa

nimento. O lançamento está previsto para 2013.


Além das ações desenvolvidas internamente,

minar a cultura da responsabilidade social no

a Invest se insere em iniciativas promo-

ambiente corporativo e estimular o comprome-

vidas pelo mercado, como as campanhas

timento com o próximo por meio da promoção

do Clube das Gurias no Dia Internacional

de campanhas do agasalho, que mobilizam

da Mulher (doação de artigos de higiene

colaboradores da matriz e das filiais. A inicia-

pessoal) e do Sindseg-RS no Dia do Livro

tiva arrecada roupas, cobertores e calçados, que

(doação de livros).

são doados a entidades carentes nas cidades de Porto Alegre, Florianópolis, Curitiba, Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte.

capítulo

A empresa também desenvolve ações para disse-

6

119


Itaú Um dos maiores grupos seguradores do Brasil,

Para garantir a incorporação das diretrizes

a Itaú realizou um extenso trabalho ao longo de

contidas nos PSI, o grupo desenhou um plano de

2012, que apontou as diretrizes da nova iden­

ação para engajar os públicos internos e externos,

tidade do negócio do Grupo, com reflexos na

e avaliar e adotar as diretrizes dos Princípios em

gestão de processos e na comunicação com

seus produtos, processos e serviços. O objetivo

os clientes. A nova identidade foi apresentada a

era identificar riscos e oportunidades atrelados

mais de 1,5 mil colaboradores e, nos próximos

a cada um e desenvolver planos de ação para

anos, vai contribuir para mudar a relação da

mitigá-los ou aperfeiçoá-los.

sociedade brasileira com o mercado de seguros, permitindo que o grupo se torne referência

Integra as ações da Itaú Seguros a Política de

no setor.

Risco Socioambiental, publicada em dezembro de 2012, que identifica as diretrizes sociais e

Alinhada com a estratégia de buscar uma perfor­

ambientais aplicáveis às operações de seguro

mance sustentável nas mais diversas linhas de

para pessoa jurídica e permeia todas as linhas

negócio, a Itaú foi uma das primeiras empresas

de negócio — além de definir regras para geren­

a aderir aos Princípios para Sustentabilidade

ciar atividades que representam risco socioam­

em Seguros – PSI. Além de ter participado

biental, independentemente do produto ou

ativamente da construção desses princípios,

serviço comercializado, e fornecer diretrizes

a companhia apoia continuamente sua divul­

gerais e específicas de análise de riscos.

gação e disseminação para o mercado brasi­ leiro — e avançou, ao longo do ano, na adoção

Ainda em 2012, o Itaú renovou sua contribuição

de conceitos de sustentabilidade que marcaram

como

sua atuação no mercado.

Brasileira de Ciências – ABC, uma parceria que

membro

institucional

da

Academia


121

amplia as fontes de financiamento da Academia

e Serviços com os cases Seguro Residencial com

e é fundamental para a troca de conhecimentos

Serviços Ambientais (David Pereira da Silva - 2º

entre a entidade e o setor privado. O foco

lugar) e Projeto Itaú Microcréditos (Fernanda

durante o ano foi a interação com o recém-

Bianco – 3º lugar).

-criado Grupo de Estudos sobre Prevenção e Gestão de Riscos de Desastres Naturais.

O negócio da Itaú Seguros, totalmente alinhado com o foco estratégico da sustentabilidade,

A Itaú Seguros também participa do grupo de

proporcionou o lançamento ou o aperfeiço-

trabalho em sustentabilidade da CNseg, que, em

amento de produtos especificamente dese-

2012, ganhou mais destaque e foi transformado

nhados para atender a esta nova demanda do

na Comissão de Sustentabilidade. Neste grupo,

mercado:

a Itaú Seguros busca colaborar com a disseminação e evolução do tema junto com o mercado

▪ Seguro de Responsabilidade Civil Ambiental,

e com a CNseg, coordenando inclusive dois

que ganhou novas modalidades e exigiu trei-

dos cinco grupos temáticos formados ao longo

namentos-piloto com clientes e corretores;

do ano.

▪ Itaú Vida Mulher, que tem parte de sua receita direcionada aos programas do Instituto Brasileiro

Na edição de 2012 do Prêmio Antonio Carlos de

de Controle do Câncer – IBCC, instituição refe-

Almeida Braga de Inovação em Seguros, promo-

rência em oncologia no estado de São Paulo;

vido pela CNseg com o tema da sustentabili-

▪ Itaú Proteção Microcrédito, seguro prestamista

dade, a Itaú foi premiada na categoria Produtos

criado e implantado em 2012, que garante o pagamento do saldo devedor em caso de morte ou invalidez por acidente do tomador do crédito; ▪ Seguro Itaú Viagem, produto líder de mercado, passou a ser comercializado em canais de autoatendimento, com destaque para o

internet banking e o aplicativo Itaú Mobile; ▪ Itaú Seguro Cartão Protegido, para cartões

zindo a quantidade de folhas impressas e o material utilizado, com melhoria no custo de confecção de 72 %.

capítulo

material de pós-venda aperfeiçoado, redu-

6

de crédito, débito ou múltiplo, que teve seu


JMalucelli Seguradora Para colaborar da melhor forma possível com

durante o ano todo na cidade de Morretes,

projetos sociais através da Lei de Incentivos

localizada no litoral paranaense — berço da

Fiscais, a JMalucelli manteve a tradicional cola­

família Malucelli.

boração para o desenvolvimento de projetos culturais e esportivos, de sustentabilidade e de

Também o projeto de confraternização natalina

saúde, em 2012.

pública da cidade litorânea é desenvolvido pelo mesmo instituto com apresentações musicais e

Outras práticas corriqueiras: evitar o desper­

teatrais ao ar livre, com o objetivo de aproximar

dício em impressão para diminuir gradativa­

os moradores da região, atraindo e acolhendo

mente a utilização de papéis e colaborar com

turistas brasileiros e do exterior.

um ambiente mais saudável, alcançando um efeito dominó positivo para todos. Um dos maiores projetos voltados para a sustentabilidade e o meio ambiente, em vigor

Instituto criado em outubro concentra repasse de donativos das empresas do Grupo

desde 2007, é o Ecoestádio Janguito Malucelli, na capital paranaense.

No último trimestre de 2012, o Grupo JMalucelli inaugurou o seu próprio Instituto, denomi­

Entre o incentivo aos projetos culturais, foi

nado Joel Malucelli — em homenagem ao seu

mantida a contribuição ao Instituto Mirtillo

fundador —, que concentra o repasse de dona­

Trombini, que proporciona atividades correlatas

tivos de todas as empresas do Grupo.


123

Fundado em outubro, o Instituto Joel Malucelli realça a colaboração inestimável da área de seguros do Grupo, que contabiliza outras importantes doações também para a área da saúde da capital paranaense, como a do Projeto Cultural Pipocas da História, do Hospital Pequeno Príncipe, através do Programa Família Participante; e para o Hospital de Clínicas, que conseguiu comprar aparelhos novos com as doações.

Rocha —, que promove um olhar sobre as diversas culturas brasileiras. No campo do esporte, as doações à Liga Araucariense de Futsal incentivaram crianças e adolescentes a incluírem práticas esportivas em seus afazeres costumeiros.

capítulo

Trilhas da Cultura — projeto da fotógrafa e produtora cultural Liz Wood e sua filha, a jornalista Clarissa

6

Outro exemplo de incentivo cultural foi a colaboração em donativos para o lançamento do livro Nas


Liberty Seguros Durante a comemoração dos cem anos do

ambiental, a Liberty contou com o plantio

Grupo Liberty Mutual, a empresa desenvolveu

de árvores – foram cem mudas plantadas

uma série de ações sociais e ambientais. Todas

em Barueri (SP).

as subsidiárias do Grupo realizaram a Semana do Voluntariado em seus respectivos países.

O desenvolvimento dos jovens também é uma preocupação da companhia. Durante a

No Brasil, foram mais de 2,4 mil horas dedicadas

ação, mais de 350 crianças receberam instru­

ao trabalho voluntário, com 1,2 mil funcionários

ções e educação relacionadas à Segurança no

engajados em todo o País e 800 colaboradores

Trânsito — e mais de 200 jovens participaram

envolvidos em atividades sociais externas.

de orientação profissional e coaching. No total,

Os resultados conquistados reforçam o principal

a Semana do Voluntariado beneficiou mais de

valor da Liberty: a Responsabilidade Social.

75 ONGs em todo o País.

O engajamento dos colaboradores resultou na arrecadação de mais de 10 mil itens para a Campanha do Agasalho, um aumento de 80% em relação ao ano anterior. Foram mais de dez toneladas de alimentos e 286 brinquedos doados à Campanha de Natal, o que representa aumento de 170% em relação a 2011. Nas ações da Semana do Voluntariado, a empresa incentivou a doação de sangue no Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo e totalizou 237 bolsas de sangue, quantidade que pode salvar até 781 vidas. No campo


125

Ações ajudam a reduzir impactos na natureza e diminuem consumo de papel Com o apoio das áreas de Marketing e Suprimentos, a diretoria do Canal Concessionária implantou o Kit Sustentável para os produtos de Automóveis, composto por folder, cartão assistência 24 horas, envelope e cartão-semente. Por conta dessa ação, a companhia deixará de consumir cerca de 52 toneladas de papel ao ano. A companhia também deu início à reestruturação do processo de coleta seletiva na matriz, localizada em São Paulo, capital. A Liberty também participou ativamente do Comitê de Sustentabilidade da CNseg e dos grupos de trabalho dos Princípios para Sustentabilidade em Seguros (PSI).

Projeto-piloto pretende tornar mais seguro o trajeto casa x trabalho Em dezembro de 2012, a companhia lançou em São Paulo o projeto-piloto em defesa da causa Segurança e Responsabilidade na Mobilidade Urbana, com o projeto Sinal Livre — Andar com responsabilidade é andar seguro. O objetivo é tornar mais seguro o percurso de ida e volta dos brasileiros entre trabalho e casa, além de promover passeios e a participação nos jogos da Copa das Confederações (2013) e Copa do Mundo (2014). Os principais pilares do projeto são: sensibilizar, engajar e educar a sociedade a adotar condutas e comportamentos mais responsáveis e seguros ao se locomover no trânsito, seja como motorista,

Na ocasião, a Liberty promoveu eventos para sensibilizar os jovens e contou com a participação de 123 estudantes, de 15 a 18 anos, de escolas públicas localizadas no entorno do estádio que receberá o jogo de abertura da Copa do Mundo. O evento recebeu 50 pessoas, entre moradores, comerciantes, subprefeito e representantes de organizações como Metrô, CET, igrejas, SESC Itaquera, entre outros.

capítulo

6

pedestre, ciclista, motociclista ou usuário do transporte público.


LuterPrev Previdência Privada Um dos fortes propósitos da Luterprev sempre

Também por meio de convênio, a Fundação

foi direcionar suas ações de responsabilidade

Luterana de Diaconia fornece subsídios nas

social para a geração e transmissão de conhe­

questões relacionadas à economia solidária.

cimento de forma extremamente qualificada

O conteúdo dos cursos abrange um amplo

e continuada.

conjunto de temas, posteriormente adaptados por cada escola de acordo com a realidade local

Em 2012, a principal iniciativa nesse sentido, o

e de seus alunos.

Programa de Educação Financeira Luterprev – PEF, completou dez anos de atividades, bene­

O PEF contempla ainda colaboradores de

ficiando mais de 50 mil alunos ao longo desse

empresas clientes da Luterprev, que podem

período com conhecimentos sobre finanças,

contar com palestras e encontros pontuais, nos

especificamente direcionados às respectivas

quais são ministrados conteúdos de educação

faixas etárias e níveis de formação.

financeira. Esses módulos são disponibilizados em diversos níveis, de acordo com o perfil do

A capacitação dos docentes responsáveis pela

público a que se destinam e o tema solicitado.

aplicação do PEF nas 17 escolas participantes, no Rio Grande do Sul e Santa Catarina — clientes da Luterprev em planos corporativos de previdência privada —, é realizada por meio de

Livro relata histórias e métodos do Programa de Educação Financeira

cursos ministrados por profissionais atuantes na área financeira, incluindo economistas ligados

Para marcar a primeira década do Programa,

ao Conselho Regional de Economia do Rio

a Luterprev editou um livro com o registro da

Grande do Sul, com o qual a companhia mantém

história, objetivos e metodologia utilizada no

convênio de cooperação mútua.

desenvolvimento do PEF. A obra, uma edição


127

comemorativa com capa dura e muitas ilustrações, reservou parte do conteúdo aos relatos de professores, alunos e diretores de escolas, que deram testemunhos detalhados sobre atividades e experiências realizadas em sala de aula. Desta forma, o livro tornou-se um completo guia de referência para outras instituições que queiram criar seus próprios projetos na área da educação financeira. A companhia distribuiu gratuitamente exemplares do livro em escolas públicas do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, previamente selecionadas, e nas entidades, instituições e escolas que mostraram interesse em conhecer a iniciativa. A Luterprev também manteve, em 2012, o Programa de Comunidades Autossustentáveis – ProCAS, criado em 2009, que é voltado a comunidades eclesiásticas. O objetivo é ajudá-las a desenvolver habilidades e a viabilizar mecanismos que possam contribuir para sua sustentabilidade. Como tem raízes ligadas à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, o maior número de ações desenvolvidas pelo ProCAS tem sido direcionado a comunidades ligadas à instituição. Mas a ideia é disponibilizar o programa para outras denominações religiosas, cujas necessidades se assemelhem

São cursos para Gestão de Comunidades Cristãs, que capacitam esse público para promover uma gestão atualizada e eficiente por meio da disseminação de conhecimentos de comunicação,

marketing, legislação e organização de eventos, entre vários outros. Cada edição comporta 40 participantes, que assistem a 120 horas/aula e recebem certificados de conclusão.

capítulo

6

àquelas observadas nas comunidades já atendidas.


Mapfre Seguros A Mapfre investiu na criação de oportunidades de

projeto Recicla Mapfre, que aumentou a arreca­

informação e formação sobre sustentabilidade entre

dação de pilhas e baterias, chegando à marca de

seus colaboradores e corretores, com a realização

600 kg no ano. Além disso, com a substituição

de 11 encontros da Academia de Sustentabilidade

das lâmpadas fluorescentes por lâmpadas de

ao longo de 2012. Promovidos em dez cidades, os

LED do edifício de Alphaville, onde fica a central

eventos capacitaram 818 pessoas.

de atendimento, o consumo de energia elétrica foi reduzido em 55%.

O engajamento de seus colaboradores em ações sociais também faz parte dos objetivos da

Alguns produtos oferecidos aos clientes pela

Mapfre, que conta com um Programa de

Mapfre destacam-se pelos benefícios agre­

Voluntariado focado na promoção de vivências

gados. Dentre eles, o Fundo DI AACD, que

de ação social que visam à conscientização de

tem 70% de sua taxa de administração rever­

sua equipe na busca por um mundo mais justo.

tida para os projetos da AACD – Associação

Para isso, são criadas campanhas de ajuda huma­

de Assistência à Criança com Deficiência, e o

nitária para pessoas em situação de exclusão

Mapfre Governance, que destina 5% da taxa de

social com a participação de colaboradores em

administração para a APAE/SP – Associação dos

todo o País e a arrecadação de doações.

Pais e Amigos dos Excepcionais de São Paulo.

No que se refere às práticas ambientais, a

A preocupação com a segurança do cliente

seguradora segue todas as normas e políticas

é materializada com o CESVI, um centro de

internacionais. A partir do Plano Estratégico

pesquisa dedicado ao estudo da reparação

Ambiental, destacam-se algumas ações já em

automotiva, pesquisas, treinamentos e publi­

funcionamento: o projeto Frente e Verso, que

cações, que contribui para a redução da sinis­

mudou o padrão das impressoras e levou à

tralidade e a evolução dos trabalhos de reparos

economia mensal de cerca de 60 mil folhas; e o

automotivos e segurança viária.


129

A Mapfre também investe na conscientização de seus clientes, ressaltando a importância da educação financeira em consultorias e palestras direcionadas para empresas e grupos de colaboradores. Em 2012, foram promovidas 12 ações nesse sentido. Em linha com os princípios internacionais da Mapfre em Responsabilidade Social, a companhia investe no desenvolvimento de práticas responsáveis na cadeia de valor, bem como na seleção e contratação rigorosa de fornecedores, promovendo entre eles valores de desenvolvimento sustentável e boas práticas de gestão ambiental. Na seleção de novos fornecedores são analisados critérios como a não utilização e não apoio à utilização de trabalho infantil e trabalho forçado por seus fornecedores e subcontratados. Pelo sexto ano consecutivo, a Mapfre publicou o seu Relatório de Sustentabilidade (nível GRI A+), que conquistou o 1º lugar do Prêmio Abrasca de Melhor Relatório Anual, categoria empresas fechadas.

Fundación Mapfre Como parte integrante da estrutura da Mapfre

▪ Instituto de Cultura

no Brasil, as atividades de prevenção, educação

Apoia a realização de atividades culturais

e sociais são coordenadas e geridas pela

consagradas para democratizar o acesso à

Fundación Mapfre, que atua por intermédio

cultura de qualidade a milhares de brasileiros.

de uma delegação brasileira que segue as

▪ Instituto de Segurança Viária

diretrizes internacionais da Espanha. As ativi-

Desenvolve atividades para colaborar com a

dades são desenvolvidas por cinco institutos

redução dos acidentes de trânsito, sensibilizar

especializados:

a sociedade sobre este problema e contribuir para que a educação em segurança viária se ▪ Instituto de Prevenção, Saúde e

dade e a inclusão social, por meio de ações

Meio Ambiente

destinadas a melhorar as condições de vida

Para contribuir com a qualidade de vida

de grupos menos favorecidos.

da sociedade, apoia a realização de ativi-

▪ Instituto de Ciências do Seguro

dades com foco na prevenção de acidentes,

Incentiva a criação do conhecimento a partir da

na promoção da saúde e na melhora do

formação e disseminação da cultura de seguros

meio ambiente.

entre profissionais do setor, contribuindo para o aperfeiçoamento da atividade seguradora.

6

Contribui com o desenvolvimento da socie-

torne um assunto de interesse público. capítulo

▪ Instituto de Ação Social


Mongeral Aegon Seguros e Previdência A história da Seguradora Mongeral Aegon, que faz 178 anos, foi construída com base em ações

Iniciativas promovem doação de ovos de Páscoa e de agasalhos no inverno

que valorizam a transparência, a excelência, a valorização profissional, a inovação e a respon­

A campanha Páscoa Solidária arrecada todos

sabilidade social. O programa de sustentabili­

os anos doações de ovos de Páscoa para insti­

dade da companhia é fruto do reposicionamento

tuições que auxiliam crianças em risco social.

de suas ações, dos programas de estímulo às

No ano passado, mais de 1,5 mil crianças de

boas práticas em relação ao meio ambiente e do

creches comunitárias de diversos estados do

lançamento de projetos que permitem compar­

País foram beneficiadas. A escolha das enti­

tilhar valores com a sociedade.

dades assistidas é feita por indicação dos cola­ boradores, que trazem para a empresa suas

Internamente, a companhia promove ações

experiências pessoais de voluntariado.

de desenvolvimento e valorização para seus funcionários, estimulando a capacitação e o

Entre os meses de junho e julho, a seguradora

aperfeiçoamento profissional, a integração e a

desenvolve a campanha Inverno Solidário, que

solidariedade — e ainda estimula a prática do

arrecada agasalhos, cobertores, luvas, meias

voluntariado, incentivando os funcionários a

e mantas para instituições carentes. Em 2012,

reservar parte de seu tempo, durante o horário

a ação beneficiou mais de mil pessoas em todo

de expediente, para ir às instituições cadas­

o Brasil.

tradas e realizar a entrega das doações.


131

Outubro é a vez da campanha Criança Feliz, que, além de arrecadar brinquedos, incentiva o voluntariado entre seus funcionários e estimula vivência com as crianças de instituições e creches comunitárias. Os colaboradores também participam da seleção e embalagem das doações, e um grupo de voluntários faz a entrega às unidades escolhidas. Cerca de 2 mil crianças foram contempladas com a ação. No final de ano, o tradicional Natal Solidário arrecada brinquedos, alimentos e produtos. Em 2012 esse número superou as expectativas, beneficiando mais de 40 instituições no País.

Ações para proteger o meio ambiente e incentivar o desenvolvimento de novos talentos no esporte Desde 2010, a empresa mantém o projeto Novos

de inglês, apoio psicológico e planejamento

Hábitos, que pretende estimular a mudança

financeiro. Foram realizadas ao longo do

de comportamento na empresa em relação à

ano três peneiras com a participação de 150

melhor utilização dos recursos naturais por meio

adolescentes, com idades entre 14 e 15 anos,

do uso consciente da água, energia, impressão e

que selecionaram 18 meninos. Outras ações de desenvolvimento do capital

volvimento de novos talentos no esporte e, em

humano promovidas pela empresa envolvem

2012, investiu R$ 1 milhão no lançamento do

a formação de corretores, em parceria com a

projeto de marketing esportivo por meio de

Funenseg; o Programa Integração, que valo-

eventos como:

riza as relações interpessoais; o Programa

▪ Mongeral Aegon Future Cup: é um torneio

Multiplicadores, que seleciona colaboradores

internacional realizado no complexo despor-

para disseminar conhecimentos; os Programas

tivo do AFC Ajax, em Amsterdã. O objetivo é

Multiplicando Conhecimento e Milhas do Conhe-

convidar os jovens de clubes que se destacam

cimento, que incentivam a capacitação dos

para incentivar a troca de experiências, moni-

funcionários; e o Programa Saúde para a

torar seus resultados e ter reconhecimento

Vida Toda, que promove o bem-estar entre

no esporte internacional.

os colaboradores.

▪ Craques Mongeral Aegon: com foco no desenvolvimento de adolescentes para uma carreira profissional no futebol brasileiro e internacional. Inclui, além de capacitação técnica, acompanhamento escolar, ensino

capítulo

também mantém ações voltadas para o desen-

6

telefonia dentro e fora da empresa. A Mongeral


Mutual Seguros O Mutual Social, cujo objetivo é promover a solida­

Localizado no bairro do Jabaquara e fundado

riedade e a integração do time da Mutual Seguros

há 17 anos, o Vivência Feliz abriga 30 idosos

com iniciativas que visam ampliar a atuação da

encaminhados por hospitais ou recolhidos de

companhia na área de responsabilidade social,

abrigos de moradores de rua. O desjejum na

encerrou o ano de 2012 com balanço positivo.

instituição foi denominado Café da Manhã Social

Durante o exercício, foram distribuídos 1.750

e é oferecido aos moradores e funcionários

quilos de doações, entre alimentos não perecíveis

da instituição.

e utensílios, contribuindo para ajudar 210 pessoas. A estreia do projeto aconteceu em março no asilo A Mão Branca e prosseguiu nos meses seguintes com a participação de colaboradores nos eventos realizados em mais três entidades assistenciais sediadas em São Paulo: os orfa­ natos Lar Helen Drexel e Lar Vó Miriam, além do asilo Vivência Feliz.


133

Porto Seguro Cia de Seguros Gerais As atenções da Porto Seguro com as ações de

Os Centros Automotivos Porto Seguro – CAPS

sustentabilidade ambiental e de cunho social

também entraram na luta pela sustentabilidade

crescem junto com a empresa, que ano a ano

do planeta. Por meio do Sistema de Gestão

reforça seus investimentos para promover

Ambiental Porto Seguro, adotaram um Programa

uma gestão empresarial sustentável e ajudar a

de Gerenciamento de Resíduos Automotivos –

inserção dos jovens no mercado de trabalho.

PGRA, que prevê um plano de ação preventivo e corretivo para eliminar os impactos ambien­

Para contribuir para a economia de energia e a

tais de seus resíduos. Em 2012, foram homolo­

sustentabilidade do planeta, o projeto Hora da

gadas 28 empresas especializadas, com atuação

Terra, que prevê o apagar das luzes nos prédios

nacional, estadual e/ou regional, para o trata­

da companhia das 11h30 às 13h30, foi mantido

mento de resíduos contaminados.

ao longo do ano, representando 107 MWh de economia. Desde seu lançamento, em 2008,

O programa também foi adotado pelas Oficinas

foram economizados mais de 730 mil KWh, o

Referenciadas, e as sucatas automotivas (porta,

que corresponde ao consumo médio de 4.074

capô, rodas etc.) são encaminhadas para a

famílias paulistanas em um mês.

Cooper Vira-Lata, cooperativa de reciclagem de resíduos, que trabalha com inclusão social e

Por meio das campanhas de Coleta e Reciclagem

geração de renda para pessoas desfavorecidas.

do Óleo de Cozinha e de Reciclagem de Cartões,

O programa abrange 37 oficinas.

Pilhas e Baterias, intensificadas no ano passado, a companhia proporcionou o reaproveitamento

Os materiais recicláveis gerados na companhia

de 1,8 mil litros de óleo usado e de 2.420 quilos

são encaminhados para reciclagem por meio de

de resíduos eletroeletrônicos (cartões, pilhas,

projetos sociais e de cooperativas que vendem

baterias, fios e cabos, celulares).

o material para a indústria, visando à geração


de trabalho e renda, à inclusão e à transformação social. Os resíduos orgânicos são destinados a aterros sanitários, e os recicláveis, encaminhados a uma cooperativa que separa o material e vende para indústrias recicladoras. Em 2012, foram recicladas 30 toneladas de papel, 5 de papelão e 14 de plásticos. No ano passado, a companhia aderiu ao Programa GHG Protocol Brasil, ferramenta utilizada mundialmente por empresas e governos para entender, quantificar e gerenciar suas emissões. As emissões da Porto Seguro foram divulgadas no Registro Público de Emissões (http://www.registropublicodeemissoes.com.br/). Os projetos sociais também foram incrementados ao longo do ano. O Grupo de Voluntariado contou com 1.794 participações voluntárias nas 62 ações pontuais realizadas, como palestras educacionais, doações, programas de lazer e qualidade de vida, que beneficiaram 75.705 mil pessoas em organizações sociais de todo o Brasil. As doações de roupas e sapatos, brinquedos, material escolar, produtos de higiene pessoal e alimentos totalizaram 105.601 unidades.

O trabalho da Casa Campos Elísios Melhor foi destaque mais uma vez, promovendo geração de trabalho e renda para pessoas de baixa renda da cidade de São Paulo por meio da qualificação e capacitação profissional, além de promover o acesso à educação e cidadania. No ano passado, foram realizados cerca de 5 mil atendimentos, por meio de entrevistas socioeconômicas, eventos, oficinas para crianças e cursos. O projeto atende 129 crianças e adolescentes de 6 a 15 anos que residem nas imediações de Campos Elísios.


135

Seguradora Líder dos Consórcios do Seguro DPVAT A Seguradora Líder voltou a investir na segurança das crianças no trânsito, em 2012, com a

Apoio a ações em memória das vítimas de acidentes de trânsito

distribuição de cadeirinhas infantis para bicicletas, a fim de evitar que as crianças se machu-

Também fez parte da pauta da seguradora ao longo

quem ao serem transportadas. A ação fez parte

do ano o apoio às ações do Dia Mundial em Memória

da campanha educativa Tá na faixa, tá seguro,

das Vítimas de Acidentes de Trânsito, no Morro do

do Detran-AC e envolveu também a conscienti-

Alemão, no Rio de Janeiro. Fruto de uma parceria

zação e o respeito às regras de trânsito por parte

com o Detran-RJ, o evento aconteceu no dia 18

dos ciclistas. Foram beneficiadas cerca de 500

de novembro, no Teleférico do Morro do Adeus, e

crianças da capital Rio Branco.

envolveu o Governo Estadual e várias entidades religiosas e representativas da sociedade civil. A mesma

Outra ação de cunho educativo, para conscien-

ação — que tem o objetivo de levar educação,

tizar a população sobre os riscos do trânsito, foi

cidadania e cultura aos cidadãos — foi promovida

promovida na cidade do Rio de Janeiro, durante

no mesmo dia, no Parque da Juventude, na capital

o Carnaval, em parceria com o poder público —

paulista, por iniciativa da ONG Trânsito Amigo.

representado pelas Secretarias de Estado de Saúde e de Defesa Civil, Corpo de Bombeiros e Secretaria

Em várias cidades brasileiras, a Seguradora Líder

Municipal de Defesa Civil — e com a Associação

DPVAT patrocinou o projeto Segurança Viária e

Grupo de Trauma do Rio de Janeiro. A ação foi

Veicular, desenvolvido pelo Observatório Nacional

uma iniciativa da SBOT – Sociedade Brasileira de

de Segurança Viária e Veicular, cujo objetivo é

Ortopedistas e Traumatologistas e da Soterj –

promover estudos, pesquisas, atividades educa-

Sociedade de Ortopedistas e Traumatologistas do

cionais e iniciativas tecnológicas e inovadoras, para

Estado do Rio de Janeiro.

divulgar informações na área de segurança viária, qualidade de vida e cidadania no trânsito.


Sindseg MG/GO/MT/DF Seguros

Esse trabalho foi recompensado com 1,5 mil

Privados, de Capitalização, de Resseguros e de

redações sobre o tema: O seguro morreu de

Previdência Privada Complementar, em parceria

velho. Mas como foi que ele viveu? As três

com o Sindicato dos Corretores de Seguros de

melhores composições foram premiadas com

Goiás, participou da Campanha Natal Solidário,

um netbook e um computador para a escola, e

em Goiânia, que mobilizou corretores e segu­

as demais com um iPod.

O

Sindicato

das

Empresas

de

radoras, angariando cerca de 5 mil brinquedos, entregues a crianças atendidas por três creches filantrópicas da capital goiana. O programa Educar para Proteger alcançou 29 escolas e aproximadamente 8 mil alunos em Minas Gerais, em 2012. Foram realizadas 301 oficinas em escolas públicas e privadas. Além de Belo Horizonte, o programa também abrangeu as cidades de Varginha, Uberlândia, Ipatinga, Juiz de Fora e Divinópolis.


137

Sindseg N/NE Além de manter o tradicional apoio ao Projeto

Ambiental – PPA, no Dia Internacional do Meio

Amigo do Seguro, criado pela Escola Nacional

Ambiente, 5 de junho. O objetivo da iniciativa é

de Seguros, ao longo de 2012, o Sindicato das

promover a preservação e proteção de reservas

Seguradoras do Norte e Nordeste adotou dois

de Mata Atlântica em Pernambuco.

alunos do programa. No campo da sustentabilidade ambiental, a enti­ dade apresentou relatório com os resultados do convênio firmado com o Instituto Terra Verde, para desenvolvimento do Programa de Parceria


Sindseg PR/MS A visão social do Sindicato das Seguradoras do

e do reconhecimento às praticas de cidadania.

Paraná e Mato Grosso do Sul (Sindseg PR-MS)

A entidade também atende idosos em asilos e

não está ligada apenas ao apoio financeiro ou

em casas de repouso.

donativos que permitam socorrer momentanea­ mente pessoas atendidas por escolas ou institui­

Nas palestras profissionais que realiza ou apoia,

ções que realizam trabalhos de inclusão social.

o Sindseg PR-MS solicita aos participantes

As ações desenvolvidas pela entidade nos dois

contribuições em alimentos não perecíveis, que

estados atendem a mais de 300 pessoas, entre

são distribuídos a diversas entidades assisten­

crianças e jovens.

ciais das cidades onde os eventos ocorrem.

O voluntariado na entidade é exercido por meio de palestras educativas e orientadoras, além de brincadeiras lúdicas que têm a finali­ dade de preparar crianças e jovens assistidos para o futuro. As ações são contínuas, progres­ sivas e com o claro objetivo da inclusão social


139

Sindseg RJ/ES A adoção de políticas socioambientais nas

— assinado por Izabella Teixeira e Carlos Minc,

práticas securitárias foi destaque na atuação

respectivamente, ministra do Meio Ambiente e

do Sindicato das Seguradoras do Rio de

secretário estadual do Ambiente.

Janeiro e Espírito Santo. Na pauta de progra­ mação da Conferência Internacional da ONU, a Rio+20, a entidade assinou, com o Ministério do Meio Ambiente e a Secretaria Estadual de

Seguradoras exigem licença ambiental de empresas na contratação do seguro

Meio Ambiente, o termo aditivo que ampliou o Protocolo do Seguro Verde, em vigor desde

O documento ampliou a abrangência do proto­

2009, pelo qual o mercado segurador se

colo original e definiu uma série de novos

comprometera a promover uma atuação em

parâmetros para a operação das seguradoras.

prol da sustentabilidade do planeta.

Entre eles, destacam-se: a exigência de licenças ambientais a empresas que pretendam contratar

Como resultado da implantação do Protocolo,

seguros; o direcionamento da aplicação dos

as seguradoras se dispuseram a ampliar a oferta

recursos das reservas técnicas em títulos de

de produtos voltados à cobertura de danos

empresas ambientalmente responsáveis e a

causados ao meio ambiente e a adotar crité­

redução do preço dos seguros para empresas

rios de preservação ecológica na subscrição

que operem dentro de padrões elevados de

de riscos.

sustentabilidade e proteção ambiental.

No seminário sobre Princípios para Susten-

No âmbito interno, as seguradoras se compro­

tabilidade em Seguros, promovido pela CNseg,

meteram a utilizar materiais recicláveis e

em agosto, foi apresentado ao mercado o texto

a adotar práticas operacionais ambientalmente

do termo aditivo ao Protocolo do Seguro Verde

responsáveis.


Por meio de convênio assinado com a Associação Defensores da Terra, há 18 anos, o Sindseg RJ/ES participa de iniciativas voltadas à preservação do meio ambiente — e mantém ações de defesa do patrimônio ambiental e da qualidade de vida da população do Estado do Rio de Janeiro. As iniciativas envolvem campanhas de mobilização das comunidades para fiscalização do meio ambiente e reali­ zação de cursos de formação ecológica, além da limpeza de rios, lagoas e praias.


141

Sindseg RS Várias ações de solidariedade fizeram parte da pauta de trabalho do Sindicato das Seguradoras do Rio Grande do Sul ao longo do ano. Um dos destaques foi a participação, já tradicional no histó­ rico da entidade, na Campanha do Agasalho, que arrecadou cerca de 500 peças de roupas, cobertores e calçados. As doações foram totalmente destinadas à Sociedade Espírita Francisco de Assis e à Confrasol – a Confraria de Solidariedade do Mercado de Seguros, criada em 2011. A campanha contou com a parti­ cipação da Agensel (Agência de Seguros Ltda.), AgroBrasil (Operadora de Seguro Agrícola), Capemisa Seguro de Vida e Previdência, Clube da Pedrinha, GBOEX, Mongeral Aegon Seguros e Previdência e Bing, Muller & Moreira Advocacia Empresarial.

Doação de livro e ação para ajudar na reconstrução de cidade destruída por vendaval Em abril, a entidade promoveu a campanha Um Livro Usado, para Quem Não Leu, É Novo, que reúne livros para doação, em comemoração ao Dia Internacional do Livro Infantil (02/04) e ao Dia Mundial do Livro (23/04). O objetivo é estimular o hábito da leitura entre as pessoas. A ação contou com o apoio da Investprev Seguros e Previdência, da GBOEX e de Celso Michaelsen. Livros infantis, infantojuvenis, romances e revistas em quadrinhos foram doados a crianças de comu­ nidades carentes para ajudar na formação do caráter, além de promover a cidadania por meio da motivação pela leitura. Parte dos mais de 250 livros arrecadados foi entregue à ONG Cirandar e a outra integrará o acervo do Clube do Livro.


A seguradora também promove uma ação para ajudar na reconstrução da cidade de Santa Bárbara do Sul, parcialmente destruída por um vendaval de mais de 100 Km por hora, que destelhou centenas de casas e destruiu completamente outras dezenas, em 28 de julho.

As doações reuniram cobertores, colchões, materiais de higiene pessoal e alimentos não perecíveis, que foram entregues diretamente na Defesa Civil do município e na Central de Doações da capital, na Av. Borges de Medeiros, 1501. Também foram feitas doações em dinheiro a um fundo destinado aos desabrigados, através de conta no Banrisul.


143

Sindseg SC O Sindicato das Seguradoras de Santa Catarina – Sindseg SC iniciou em 2012 a campanha

Mascote ensina dicas de como economizar água e reciclar lixo

Seu Gesto Vale um Sorriso: uma ação solidária, de promoção da higiene pessoal, nas cidades

O mascote ensinou dicas de higiene e susten­

de Blumenau, Chapecó, Criciúma, Florianópolis

tabilidade aos visitantes do portal, sempre

e Joinville, envolvendo 62 filiais de seguradoras

com foco em temas como a economia de água

associadas. Resultado de parceria do sindicato

e a reciclagem, e estrelou o vídeo especial

com a Escola Nacional de Seguros, a iniciativa

lançado pelo Sindseg SC no Dia Mundial do

foi realizada de abril a junho, com a arreca­

Meio Ambiente, em 5 de junho, direcionado ao

dação de itens de higiene pessoal que benefi­

público infantil.

ciou 19 entidades em 11 cidades catarinenses. A campanha motivou os securitários e parceiros

As seguradoras associadas ao sindicato também

do mercado de seguros ao exercício da respon­

tiveram a oportunidade de mostrar seu tra-

sabilidade social.

balho de sustentabilidade e responsabilidade ambiental durante o período da campanha.

Paralelamente à ação social, a campanha abordou

O link Práticas Sustentáveis | Associadas —

a

utilizando

dentro do portal — contou com a seleção de

áreas especiais no portal www.sindsegsc.org.br,

notícias e divulgação de ações das iniciativas

com a constante atuação do mascote Sid,

sustentáveis das seguradoras.

questão

da

sustentabilidade,

criado pela entidade no início do ano. Sid foi o rosto da campanha e assinou semanalmente,

O Sindseg SC foi também um dos apoiadores do

durante o período de arrecadações, a coluna

Projeto PIC JAC – Uma Vida sem Drogas, imple­

Dicas do Sid no portal do Sindseg SC.

mentado pelos vereadores mirins. O objetivo é


capacitar as crianças para desenvolver melhor suas

que doa às entidades materiais informa-

atividades e subsidiá-las com informações para o

tivos sobre o mercado de seguros, reunidos

trabalho de prevenção às drogas e à violência.

durante o ano, que são destinados a estudo ou recreação em escolas e outras instituições

Outro projeto apoiado pelo sindicato foi

de ensino.

Universidade da Bola, que visa à integração e à inclusão social por meio do esporte, para jovens

Realizado pelo Sindseg SC há vários anos, o

de 6 a 15 anos. O projeto atende mais de 450

programa também apoiou a Semana Acadêmica

jovens inscritos nos dois centros de aplicação

de Engenharia Civil da FURB – Fundação

em Blumenau, que recebem acompanhamentos

Universidade

em diversas áreas.

outubro, fornecendo material para pesquisa e

Regional

de

Blumenau,

em

estudo. Com estas ações, o sindicato pretende disseminar a cultura do seguro, fomentar a

Atividades ajudam a preparar jovens para o mercado de trabalho

pesquisa e incentivar a leitura. Na confraternização de fim de ano, o Sindseg SC

Além das atividades esportivas, estão sendo

reuniu a doação de brinquedos para as crianças

implantadas ações de segurança social e

do Centro Educacional Infantil Amiguinho

educação para a saúde, higiene bucal, educação

Feliz, localizado no Bairro Escola Agrícola,

alimentar, cursos profissionalizantes e inte-

em Blumenau.

gração de núcleos. Ao fim das atividades, os jovens estarão preparados para o mercado de trabalho no futuro. O sindicato entregou as doações do programa Contribuindo com o Saber ao Centro Educacional Infantil Amiguinho Feliz, em Blumenau,


145

Sindseg SP O Programa Cultura do Seguro – Educar pra Proteger chegou a quase 2 mil alunos das redes

Apoio a órgãos afins marcam gestão ao longo do ano

particular e pública de ensino no Estado de São Paulo no ano passado. Fruto de parceria entre

O Sindseg SP manteve apoio financeiro e opera­

o Sindicato das Seguradoras do estado de São

cional a algumas entidades do mercado de

Paulo – Sindseg SP e o Sindicato dos Corretores

seguros, destacando-se o Clube de Vida em

de Seguros do estado – Sincor, a versão 2012 do

Grupo – CVG e a Associação Paulista dos Técnicos

programa foi revitalizada, com novas técnicas de

de Seguros – APTS. Apoia também a tradicional

apresentação e treinamento para os palestrantes.

confraria do Clube da Bolinha de São Paulo.

Outra parceria firmada pelos dois sindicatos com

O apoio ao movimento Chega de Acidentes,

o Centro de Integração Escola Empresa – CIEE, no

que integra a parceria com o Centro de

segundo semestre, teve o objetivo de difundir a

Experimentação do Sistema Viário – Cesvi, foi

cultura do seguro entre os estudantes universitá­

mantido no ano passado. A logomarca do Cesvi

rios. Realizadas de agosto a outubro, as palestras

está exposta no site do Sindseg SP, com um

nas universidades contaram com a participação de

contador que estima o número de vítimas fatais

2.236 alunos.

e não fatais de acidentes de trânsito no País e o impacto econômico deles decorrente.

Para ajudar a difundir uma visão holística do setor, foi mantido ao longo do ano o programa Seguro

No segundo semestre, a Academia Nacional de

em Todo o Estado, que enfatiza os pontos positivos

Seguros Privados – ANSP passou a ocupar, em

do seguro como propulsor do desenvolvimento

regime de comodato, uma sala das instalações

econômico do País e reparador social. A iniciativa,

do 6º andar do Sindicato.

que faz parte do Programa Cultura do Seguro e também resulta de parceria entre o Sindseg SP e o Sincor SP, envolveu mais de 1,2 mil pessoas.


SulAmérica Seguros Tema estratégico em sua linha de negócios, a

Ao longo de 2012, projetos importantes foram

sustentabilidade levou a SulAmérica a investir em

promovidos pela seguradora. Na relação com a

melhorias de processos, produtos e serviços que

comunidade, a SulAmérica investiu em campa­

estejam cada vez mais alinhados com sua missão,

nhas, ações e projetos sociais, com foco nas

visão e valores. Em 2012, a companhia ganhou

comunidades do entorno das principais unidades

destaque no mercado, assumindo a Presidência

da empresa, que contaram com o trabalho

da Comissão de Sustentabilidade da CNseg,

voluntário

e conquistou uma posição no conselho dos

de negócios.

dos

colaboradores

e

parceiros

Princípios para Sustentabilidade em Seguros – PSI. O Lideranças Comunitárias SulAmérica, um dos A SulAmérica tornou-se uma das signatá­

destaques do ano, formou lideranças atuantes

rias do PSI e do Pacto Global, ambas inicia­

em organizações comunitárias (ONGs e asso-

tivas da Organização das Nações Unidas –

ciações de moradores) do entorno da sede

ONU, e ainda passou a ser uma Organização

da companhia no Rio de Janeiro e da uni­dade

Stakeholder (OS) da Global Reporting Initiative

do Morumbi, em São Paulo. Foram realizadas

– GRI. E ainda, pelo quarto ano consecutivo,

80 horas/aulas para capacitar e atualizar

é a única seguradora da carteira do Índice de

líderes comunitários e suas organizações em

Sustentabilidade Empresarial – ISE da BM&F

gestão de organização social, captação de

Bovespa. Todas essas iniciativas reforçam o

recursos, ética, sustentabilidade, gestão e elabo-

compromisso da empresa com as demandas

ração de projetos sociais, comunicação e gestão

do desenvolvimento sustentável e a incorpo­

financeira

ração de boas práticas empresariais no mer-

formou 44 líderes — 21 em São Paulo e 23 no

cado segurador.

Rio de Janeiro —, representantes de 27 instituições.

de

projetos

sociais.

O

projeto


147

Outra iniciativa, o Dia da Cidadania SulAmérica

No rol de iniciativas para mitigação dos impactos

oferece serviços de saúde, cidadania e lazer

das operações de seguros, destacaram-se os

para moradores das comunidades. A ação

projetos Tinta à Base d’Água, Reciclagem de

ocorreu em São Paulo e no Rio de Janeiro e

Vidros Automotivos e Certificação Digital.

contou com o envolvimento de 375 voluntários, entre funcionários e parceiros, que realizaram

A companhia deixou de emitir mais de 39 tone-

3.243 atendimentos, totalizando mais de 7 mil

ladas de VOC ao pintar mais de 31 mil veículos

atendimentos nas duas cidades desde 2009.

com tinta à base de água em 21 oficinas credenciadas, de março de 2009 a dezembro de 2012,

A SulAmérica também apoia diversos projetos

em parceria com a fabricante de tintas BASF.

sociais com foco na promoção dos direitos da criança e do adolescente, por meio de práticas

A reciclagem de vidro automotivo, em parceria

esportivas e programas de saúde e educação,

com a Autoglass, rendeu 668 toneladas de vidro

que totalizaram 4.319 atendimentos. As organi-

automotivo provenientes dos carros danificados

zações apoiadas em 2012 foram: Projeto Casulo,

de clientes do SulAmérica Auto. Já a Certificação

Comitê para Democratização da Informática

Digital, adotada em 2009, que faz a troca de

– CDI, Instituto Dom Bosco, Casa da Arte de

documentos eletrônicos no faturamento das

Educar, Instituto Sou da Paz, Associação Criança

contas médicas com os milhares de prestadores

Brasil e Associação Pró Saber.

dos serviços de Saúde, evitou o consumo de 47,8 toneladas de papel — uma economia de

A questão ambiental também tem sido traba-

mais de 10,3 milhões de folhas.

lhada na companhia por meio de campanhas e ações educativas e iniciativas que visam

Para disseminar conceitos sobre o tema, a

mitigar os impactos das operações de seguros.

Superintendência de Sustentabilidade Empre-

Ao longo do ano, destacaram-se Semana do

sarial, juntamente com a Universas (Universidade

Meio Ambiente, o programa Imprimir pra Quê?

Corporativa SulAmérica), vem criando uma série

e o projeto Óleo do Bem SulAmérica, de coleta

de treinamentos na companhia desde 2010 –

de óleo de cozinha.

entre eles, o e-learning de sustentabilidade e e 150 colaboradores completaram os cursos,

participaram de palestras e oficinas de artesa-

respectivamente.

nato e 1,5 toneladas de papel foram recolhidas para reciclagem. Já o projeto de coleta de óleo de cozinha foi expandido com a criação de novos pontos de coleta, chegando ao Rio e a São Paulo, que recolheram 408 litros no ano. O Imprimir pra Quê?, iniciado em 2008, teve seu melhor resultado em 2012 ao poupar a impressão de mais de 8,8 milhões de páginas, economizando cerca de R$ 600 mil.

capítulo

Na Semana do Meio Ambiente, 370 funcionários

6

o de direitos humanos. Até dezembro, 4.730


Swiss Re Corporate Solutions Brasil Seguros A Swiss Re Foundation fechou uma parceria com a Habitat para Humanidade no Brasil para o Projeto Mulheres Recriando Vidas, que tem o objetivo de garantir melhores condições de vida às mulheres do município de Feira Nova, em Pernambuco. Em sua maioria chefes de família, as mulheres raspadeiras traba­ lham em condições precárias, com jornadas de mais de 12 horas e remuneração de R$ 25,00 por tonelada de mandioca raspada. A renda mensal é de aproximadamente R$ 240,00 — boa parte comprometida com o pagamento de aluguel de moradia. As dificuldades levam as mulheres a mudar de endereço com frequência, impossibilitando a formação de laços comunitários e de redes de apoio e prejudicando, assim, o desenvolvimento das crianças.

Ações incrementam renda das mulheres e fortalecem organização comunitária O projeto propicia a essas famílias uma moradia

A Swiss Re Foundation (www.swissrefoundation.

adequada, em lugares apropriados para viver e

org), criada para coordenar estrategicamente

estudar. Além de construir casas, as ações incre­

os esforços filantrópicos globais da Swiss Re, é

mentam a renda das mulheres e fortalecem a orga­

composta por um grupo de pessoas que decidem

nização comunitária. O projeto visa atender cem

sobre os projetos, supervisionam as ações e reúnem

famílias – 56 casas estão em processo de finalização.

informações sobre o andamento dos mesmos.

Entre os parceiros do projeto, estão: Caixa Econômica Federal, Ministério das Cidades, Companhia Estadual de Habitação, Prefeitura de Feira Nova, Centro de Mulheres de Vitória, Centro de Mulheres de Feira Nova, FASE e Swiss Re.


149

Virginia Surety Companhia de Seguros do Brasil Inspirada no sucesso de suas ações de cunho

Alinhada com os princípios de sustentabili-

social ao longo de 2011, a Virginia Surety

dade que norteiam os negócios mundo afora,

Companhia de Seguros do Brasil, em conjunto

a Virginia Surety imprime seus materiais em

com a The Warranty Group Brasil, incentivou a

papel com certificação FSC, desde 2011. O selo

participação de seus colaboradores em outro

certificado é o mais reconhecido atualmente e

projeto de responsabilidade social em 2012,

indica que o papel utilizado faz parte de uma

denominado Desafio Multiplique Sorrisos.

gestão ambientalmente adequada, socialmente benéfica e economicamente viável das florestas

A ação foi dividida em três etapas e, em cada uma

do mundo inteiro.

delas, os colaboradores foram separados em dez grupos aleatórios com o objetivo de arrecadar

A companhia também deu continuidade a

produtos para doação a diferentes entidades

projetos que já desenvolvia, por meio dos

carentes da região do Grande ABC. Ao todo, 500

quais incentiva os colaboradores com dicas de

pessoas foram assistidas em dez instituições

cultura,

destinadas a idosos, moradores de rua, crianças

racional de energia elétrica, arte, saúde e

e bebês, com doações de 42.768 produtos de

bem-estar, através de informativos internos e

higiene pessoal, fraldas e leite em pó.

campanhas de vacinação.

Para promover o desafio, os funcionários interagiram entre si por meio da produção de comidas e bebidas, organização de rifas e bazares de objetos novos e usados, com foco na arrecadação de recursos para a compra dos produtos a serem doados. As doações foram entregues pelos próprios funcionários.

saúde,

entretenimento,

consumo


Zurich Santander A Zurich Santander Brasil Seguros e Previdência

Os principais objetivos do programa são

iniciou, no ano passado, a estruturação de sua

melhorar o atendimento às crianças e adoles­

abordagem institucional em relação ao tema da

centes, fortalecer os Conselhos e os Fundos dos

Responsabilidade Social. A estratégia baseou­

Direitos da Criança e do Adolescente e possi­

-se na seleção de uma causa que concentraria

bilitar a participação cidadã dos funcionários,

os esforços e a participação voluntária dos

fornecedores e clientes em ações de proteção e

funcionários. Foram elencados quatro temas:

promoção dos direitos deste público.

Educação, Saúde e Qualidade de Vida, Cultura e Educação Financeira. Como Zurich Santander, a companhia parti­

Empresa destina recursos do IR a programas sociais

cipou pela primeira vez do Programa Amigo de Valor, que é baseado no Estatuto da

Além de estimular a participação e contribuição

Criança e do Adolescente – ECA e visa faci­

dos funcionários ao Programa, a Zurich Santander

litar o direcionamento de recursos finan­

também colaborou com a destinação de parte

ceiros aos Fundos Municipais dos Direitos da

do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ)

Criança e do Adolescente. Com estes recursos

para três projetos do Programa Amigo de Valor

é possível apoiar iniciativas em municípios

— os dois primeiros totalmente apoiados pela

em que as condições de vida e de proteção

companhia, e o último, com o patrocínio de 34%.

da população infantojuvenil são mais críticas. Quem repassa recursos aos Fundos pode deduzir

O Capela/AL tem aproposta de atender cerca

a contribuição do Imposto de Renda, através da

150 crianças e adolescentes, entre 11 e 17 anos,

declaração completa.

e seus respectivos familiares, com o intuito


151

de ajudá-los a reconstruir a autoestima, evitar que sejam vítimas de maus-tratos e de exploração no trabalho infantil, vivenciar laços de afetividade de um ambiente familiar saudável e ter melhor rendimento e frequência escolar. As atividades são oficinas musicais, esportivas, de qualificação e geração de emprego e renda, além de acompanhamento e orientação psicossocial. Outro projeto, o Dr. Severiano / RN, desenvolve atividades socioeducativas, artísticas, culturais, esportivas e de lazer para crianças e adolescentes, além de promover cursos profissionalizantes para as famílias. A meta do programa é atender até 75 crianças / adolescentes, com 6 a 15 anos, e suas respectivas famílias, em três comunidades rurais: Merejo, Lagoa de Dentro e Bom Sucesso. Por fim, no Cruz do Espírito Santo / PB, a proposta é atender 44 crianças com atraso na alfabetização e/ou portadoras de necessidades especiais, apoiando a inclusão escolar e o fortalecimento das famílias. As ações incluem atividades pedagógicas lúdicas, terapêuticas, de contato com a natureza para crianças com deficiência e capacitação e estudo para as professoras locais.

Vendas de produtos são revertidas em apoio ao câncer de mama A companhia também apoia o Instituto Se Toque, desde março de 2011, com o repasse de 10% do prêmio da primeira parcela de vendas novas dos produtos Proteção Vida Mulher, Proteção Vida

Fundada em 2005, a ONG atua na promoção da saúde da mulher, com foco na prevenção do câncer de mama, promove a educação para a saúde em escolas e utiliza teatro, oficinas de prevenção e palestras como instrumentos de mudança de hábitos. Em 2012 foram atendidas pelo projeto mais de 24 mil pessoas (alunos, mães e integrantes das comunidades carentes), mais de 4 mil com acesso à mamografia.

capítulo

6

Homem e Proteção Vida Van Gogh à ONG Se Toque.


7 O Seguro

eo

DESENVOLVIMENTO Os números que reforçam o papel fundamental do setor, o pagamento à sociedade, a estrutura patrimonial e o investimento na gerência de pessoas.


Números reforçam papel DECISIVO do mercado segurador no êxito socioeconômico do País O setor segurador e a economia de qualquer país coexistem como dois pilares da sociedade — um ajuda a promover o desenvolvimento do outro. No Brasil não é diferente: o seguro tem um importante papel na economia nacional, na medida em que contribui para a formação do Produto Interno Bruto (PIB) e ajuda a promover renda para os brasileiros. Os valores pagos pelos segurados somam recursos que são investidos pelas empresas do mercado para garantir o pagamento de indenizações, resgates e benefícios. Para honrar estes pagamentos, as companhias de seguros, previdência complementar aberta e capitalização constituem reservas obrigatórias, formadas com títulos e outros ativos de diferentes naturezas, e garantem a operação da economia sem sobressaltos. Os números falam por si: no ano passado, a soma das aplicações e investimentos permanentes (incluídas as provisões técnicas) e do patrimônio líquido das empresas do mercado representaram quase 13% do PIB brasileiro, totalizando R$ 585,9 bilhões. O volume de prêmios arrecadados foi de R$ 221,7 bilhões.


155

E o total de recursos pagos pelo setor sob as diversas formas de recomposição de bens (seguro de danos materiais e de vida, rendas familiares, preservação da saúde, planos de previdência e títulos de capitalização resgatados ou sorteados) somou R$ 117 bilhões. Esses dados — referentes apenas às empresas associadas à CNseg, as quais representam cerca de 80% do faturamento do setor — ajudam a mostrar a importância da atividade seguradora na identificação e gerenciamento de riscos ambientais, na proteção a vidas e patrimônios e na garantia de uma qualidade de vida melhor para seus consumidores.

Valores que o SEGURO paga à Sociedade Mais de R$ 117 bilhões foram pagos à sociedade brasileira ao longo do ano pelas empresas que formam a indústria nacional de seguros. Num ano pontuado pela retração da economia brasileira e queda nas taxas básicas de juros, o indicador de expansão da indústria nacional de seguros superou todas as expectativas e colocou em posição de destaque a capacidade de geração de poupança interna que o setor ostenta. Ao longo de 2012, o total de recursos que todas as empresas do mercado, juntas, pagaram à sociedade quase 53% da receita bruta acumulada no ano, que foi de R$ 221.685 bilhões. A participação dos segmentos de Seguros, Previdência Complementar Aberta, Saúde Suplementar e Capitalização nas reservas para a preservação da riqueza segurada chegou a R$ 420,1 bilhões — um acréscimo de quase 23% em comparação aos R$ 341,3 bilhões obtidos no ano anterior.


Crescimento O crescimento do mercado segurador a taxas superiores às da economia nacional vem sendo observado já há alguns anos e deve-se, em particular, aos seguintes aspectos: demanda reprimida no setor, ganho real nos salários, queda nos índices de desemprego e maior conscientização do consumidor sobre a proteção oferecida pelos produtos de seguros, previdência complementar aberta, saúde suplementar e capitalização, além do controle inflacionário e estabilização da moeda, observados a partir do Plano Real. Com o acúmulo de R$ 123 bilhões em receita líquida, o segmento de Seguros Gerais foi o que apresentou o desempenho mais substancial no ano — o valor é 23,5 % maior que o registrado em 2011. O crescimento dos segmentos de Previdência Complementar Aberta foi de 9,9% e de Capitalização e de Saúde Suplementar foi igualmente de 17,7 %. Operaram no mercado de seguros brasileiro, em 2012, 216 empresas, sendo 93 seguradoras de danos, 31 operadoras de saúde, 26 de vida e previdência e 47 entidades de previdência complementar aberta e 19 de capitalização.


157

Quantidade de Companhias que Operaram em:

2012

2011

Danos

93

87

Saúde

31

30

Pessoas | Vida + AP

26

26

Seguradoras

22

22

Entidades Abertas de Previdência Complementar

25

24

19

17

Seguros

Previdência Complementar Aberta

Capitalização Fonte: Siscorp.


Bens e RENDAS das famílias O segmento de Seguros, que é o maior do mercado brasileiro, desembolsou quase R$ 58,9 bilhões ao longo de 2012 em recursos pagos na recomposição dos bens e das rendas familiares e na preservação da saúde. Os recursos destinados ao pagamento de indenizações de bens, como veículos e imóveis com perda total, entre outros, dão a medida da importância do seguro no repasse de valores à sociedade: foram R$ 22,3 bilhões, 10% a mais que o valor desembolsado no ano anterior. Na preservação da saúde, o valor pago foi de R$ 30,6 bilhões. Em benefícios, resgates e rentabilização das reservas pelo segmento de Previdência Complementar Aberta, o pagamento à sociedade ultrapassou a casa dos R$ 25,2 bilhões, um aumento de 13% em comparação ao exercício anterior. Mas foi o segmento de Capitalização que ostentou o melhor desempenho ao longo de 2012, com R$ 32,9 bilhões em pagamento de prêmios sorteados, resgate de títulos e remuneração à poupança. O pagamento à sociedade neste segmento foi 17% acima do observado no ano anterior.

Pagamento à Sociedade

2012

2011

2012 | 2011

58.953,9

50.991,3

15,6 %

Recomposição dos Bens

22.327,9

20.227,2

10,4 %

Recomposição das Rendas Familiares

6.070,9

5.385,2

12,7 %

Preservação da Saúde

30.556,0

25.378,9

20,4 %

Previdência Complementar

25.196,0

22.370,2

12,6 %

Pagamento de Benefícios + Resgates

13.599,5

11.763,6

15,6 %

Remuneração à Poupança

11.596,5

10.606,6

9,3 %

32.866,8

28.009,0

17,3 %

Títulos Resgatados + Sorteados

2.755,6

2.532,3

8,8 %

Remuneração à Poupança

30.111,1

25.476,7

18,2 %

117.016,6

101.370,5

15,4 %

Seguros

Capitalização

Total do Pagamento à Sociedade Fonte: Siscorp.


159

Valor adicionado O valor adicionado bruto referente a 2012, segundo pesquisa da CNseg encomendada à Siscorp, foi de R$ 59,7 bilhões. O montante representa o total da arrecadação que as empresas associadas à CNseg

2012

2011

2012 | 2011

221.685,6

183.290,1

20,9 %

(-) Restituições, Cancelamentos

-1.995,2

-1.649,6

20,9 %

(-) Cessões e Repasses p/Congêneres

-7.654,1

-6.058,2

26,3 %

190.782,8

158.016,7

20,7 %

Receita Bruta Consolidada

Receita Líquida Consolidada De Prêmios de Seguros

160.602,3

131.548,5

22,1 %

123.007,2

99.599,7

23,5 %

37.595,1

31.948,8

17,7 %

De Planos Previdenciários

13.588,8

12.365,8

9,9 %

Com Títulos de Capitalização

16.591,7

14.102,4

17,7 %

Seguros Saúde

+ Receitas s/ Aplicações Financeiras e Investimentos

14.679,7

12.134,2

21,0 %

Seguros Previdência e Capitalização

12.040,9

10.645,8

13,1 %

Saúde

2.638,9

1.488,4

77,3 %

205.462,6

170.150,9

20,8 %

3.804,0

3.338,2

14,0 %

918,2

760,6

20,7 %

4.722,3

4.098,8

15,2 %

Receita Total com IOF

210.184,8

174.249,7

20,6 %

Custos e Devoluções da Atividade

-73.608,6

-63.193,3

16,5 %

Seguros

-28.894,1

-26.020,6

11,0 %

Saúde

-30.556,0

-25.378,9

20,4 %

Receita Total sem IOF Seguros Previdência e Capitalização Saúde + IOF (sobre Prêmios de Seguros)

capítulo

Consolidado do Valor Adicionado

7

obtiveram ao longo do ano, descontados despesas e custos.


Consolidado do Valor Adicionado

2012

2011

2012 | 2011

-59.450,0

-51.399,5

15,7 %

-639,2

-419,6

52,4 %

-13.519,4

-11.374,3

18,9 %

(-) Aumento das Reservas e da Poupança Acumulada

-76.823,9

-56.806,1

35,2 %

Seguros

-66.641,2

-48.734,6

36,7 %

-1.303,4

-57,2

2180,4 %

-67.944,5

-48.791,8

39,3 %

-8.765,9

-7.875,4

11,3 %

-113,5

-138,9

-18,3 %

59.752,3

54.250,3

10,1 %

2012

2011

2012 | 2011

Valor Adicionado Bruto

59.752,3

54.250,3

10,1 %

(-) Custo do Valor Adicionado

-29.153,1

-26.881,8

8,4 %

(-) Comissões Pagas aos Corretores

-18.861,3

-17.497,3

7,8 %

Seguros Previdência e Capitalização

-16.863,0

-15.788,5

6,8 %

Saúde

-1.998,4

-1.708,9

16,9 %

(-) Marketing

-834,7

-730,7

14,2 %

Seguros Previdência e Capitalização

-556,4

-586,3

-5,1 %

Saúde

-278,3

-144,4

92,7 %

(-) Serviços Contratados de Terceiros

-3.118,0

-2.724,3

14,5 %

Seguros Previdência e Capitalização

-2.333,1

-2.260,7

3,2 %

-784,9

-463,6

69,3 %

(-) Despesas Gerais

-6.339,0

-5.929,5

6,9 %

Seguros Previdência e Capitalização

-5.031,7

-4.643,4

8,4 %

Saúde

-1.307,3

-1.286,1

1,7 %

Custo Final de Preservação da Riqueza Segurada ( Sinistros Líquidos ) Benefícios Pagos e Resgates + Remuneração Complementar aos Planos Previdenciários ( Excedente Financeiro ) Títulos Resgatados e Sorteados + Remuneração à Poupança

Saúde Aumento das Reservas para Preservação da Riqueza Segurada Acumulação das Reservas dos Planos Previdenciários Poupança de Capitalização Valor Adicionado Bruto Fonte: Siscorp.

Valor Adicionado

Saúde


2012

2011

2012 | 2011

Valor Adicionado Líquido

30.599,2

27.368,6

11,8 %

Valor Adicionado por Terceiros

4.570,9

3.974,3

15,0 %

Resultado Não Operacional

213,9

321,7

-33,5 %

Seguros Previdência e Capitalização

213,9

321,7

-33,5 %

0,0

0,0

0,0 %

4.357,0

3.652,6

19,3 %

3.675,7

3.317,2

10,8 %

681,3

335,5

103,1 %

Valor Adicionado à Disposição das Cias.

35.170,2

31.342,9

12,2 %

Valor Adicionado Distribuído

-21.593,7

-19.562,8

10,4 %

Pessoal

-6.895,1

-6.008,6

14,8 %

Seguros Previdência e Capitalização

-5.400,4

-4.640,6

16,4 %

Saúde

-1.494,7

-1.368,0

9,3 %

Remunerações ( Salários )

-4.890,1

-4.261,4

14,8 %

Seguros Previdência e Capitalização

-3.830,1

-3.291,2

16,4 %

Saúde

-1.060,1

-970,2

9,3 %

Encargos Sociais

-1.320,3

-1.150,6

14,8 %

Seguros Previdência e Capitalização

-1.034,1

-888,6

16,4 %

Saúde

-286,2

-261,9

9,3 %

Benefícios

-684,6

-596,6

14,8 %

Seguros Previdência e Capitalização

-536,2

-460,8

16,4 %

Saúde

-148,4

-135,8

9,3 %

Governo

-14.698,6

-13.554,2

8,4 %

Tributos e Contribuições

-5.475,4

-5.041,5

8,6 %

PIS / COFINS / ISS

-2.994,8

-2.763,7

8,4 %

Seguros Previdência e Capitalização

-2.381,4

-2.140,8

11,2 %

-613,4

-622,9

-1,5 %

Saúde Valor Adicionado Recebido em Transferência (Equivalência Patrimonial) Seguros Previdência e Capitalização Saúde

Distribuição do Valor Adicionado

Saúde

capítulo

Valor Adicionado

7

161


Valor Adicionado

2012

2011

2012 | 2011

CSLL

-2.480,6

-2.277,8

8,9 %

Seguros Previdência e Capitalização

-2.200,0

-1.968,1

11,8 %

-280,6

-309,7

-9,4 %

Impostos e Taxas

-9.223,3

-8.512,7

8,3 %

IRPJ

-4.501,0

-4.413,9

2,0 %

Seguros Previdência e Capitalização

-4.105,7

-3.806,4

7,9 %

-395,3

-607,6

-34,9 %

IOF (sobre Prêmios de Seguros)

-4.722,3

-4.098,8

15,2 %

Seguros Previdência e Capitalização

-3.804,0

-3.338,2

14,0 %

Saúde

-918,2

-760,6

20,7 %

Outros

13.576,4

11.780,1

15,2 %

5.107,1

8.708,7

-41,4 %

4.896,6

6.924,2

-29,3 %

Saúde

210,5

1.784,5

-88,2 %

Imposto de Renda Retido na Fonte

763,1

1.301,3

-41,4 %

Seguros Previdência e Capitalização

731,7

1.034,6

-29,3 %

Saúde

31,5

266,6

-88,2 %

Incorporação ao Patrimônio Líquido

8.101,3

3.490,5

132,1 %

Seguros Previdência e Capitalização

6.440,1

3.603,5

78,7 %

Saúde

1.661,2

-113,0

Total dos Impostos e Contribuições Pagos ao Governo

15.461,8

14.855,5

4,1 %

Seguros Previdência e Capitalização

13.222,8

12.288,2

7,6 %

Saúde

2.238,9

2.567,4

-12,8 %

Saúde

Saúde

Valor Retido Distribuição do Valor Retido: Para os Acionistas (Dividendos Pagos + Juros s/ Capital Próprio) Seguros Previdência e Capitalização

Fonte: Siscorp.


163

Investimentos feitos em 2012 Os investimentos do grupo associado ao longo do ano totalizaram R$ 585,9 bilhões, um resultado 21% acima do observado no ano anterior, que foi de R$ 483,9 bilhões. Os recursos provenientes das aplicações e investimentos permanentes representaram a maior parte do volume, que totalizou R$ 492,6 bilhões.

Investimentos do Mercado

2012

2011

2012 | 2011

93.282,9

80.039,3

16,5 %

Seguros Previdência e Capitalização

77.973,6

68.232,3

14,3 %

Saúde

15.309,3

11.807,0

29,7 %

Aplicações e Investimentos Permanentes

492.606,6

403.830,5

22,0 %

Seguros Previdência e Capitalização

467.809,2

384.778,8

21,6 %

24.797,4

19.051,7

30,2 %

585.889,5

483.869,8

21,1 %

Patrimônio Líquido

Saúde Total dos Investimentos do Mercado Fonte: Siscorp.


Reservas garantem SOLIDEZ do setor As empresas do setor segurador brasileiro são obrigadas, por lei, a constituírem reservas técnicas para garantir a solidez das operações do mercado. Essas reservas têm o papel relevante de contribuir para a formação de poupança de longo prazo do País. Em 2012, as reservas das empresas associdadas à CNseg, que respondem por obrigações futuras, acumularam R$ 281,7 bilhões — um montante 28% maior que o observado no ano anterior. A acumulação das reservas dos planos de previdência complementar aberta cresceu 13% e chegou à cifra de R$ 115,9 bilhões, enquanto a poupança formada pelos títulos de capitalização foi de R$ 22,5 bilhões. Nos 12 meses do ano, as provisões técnicas que garantem o pagamento de indenizações, benefícios e resgates somaram R$ 420,1 bilhões, 23% acima do total apurado no ano anterior.

R$ Milhões

Poupança e Reservas Acumuladas

2012

2011

2012 | 2011

281.732,9

219.302,7

28,5 %

272.251,8

212.128,1

28,3 %

9.481,1

7.174,6

32,1 %

Acumulação das Reservas dos Planos Previdenciários

115.853,6

102.254,1

13,3 %

Poupança dos Títulos de Capitalização

22.542,5

19.786,9

13,9 %

Total dos Recursos Acumulados

420.129,0

341.343,7

23,1 %

Reservas para Preservação da Riqueza Segurada Seguros Saúde

Fonte: Siscorp.


165

Distribuição do valor adicionado bruto Os recursos relacionados às atividades administrativas e comerciais, como comissões pagas aos corretores, ações de marketing, pagamentos a serviços de terceiros e despesas gerais, alcançaram R$ 29,2 bilhões de valor final consolidado. A maior fatia deste montante foi direcionada ao pagamento das comissões dos corretores de seguros: 65%. Em segundo lugar vieram os gastos com despesas gerais: 22%.

Distribuição do valor adicionado bruto

18.861,3

6.339,0 3.118,0 834,7

Marketing

Comissões Pagas aos Corretores

Serviços de Terceiros

Despesas Gerais

Seguros

Comissões Pagas aos Corretores

Marketing

Serviços de Terceiros

Despesas Gerais

Total

5.341,7 21,61%

24.717,5 100%

15.809,2

63,96%

763,6

3,09%

2.803,0

11,34%

Seguros

13.810,8

67,87%

485,3

2,38%

2.018,1

9,92%

4.034,4 19.83% 20.348,6 100%

Saúde

1.998,4

45,74%

278,3

6,37%

784,9

17,97%

1.307,3

555,6

-235,47%

45,5

-19,29%

194,9

Capitalização

1.297,8

89,84%

25,6

1,78%

120,1

8,38%

Consolidado

15.809,2

64,70%

834,7

2,86%

3.118,0

10,70%

Previdência Complementar

Fonte: Siscorp.

4.368,9

100%

-82,58% -1.032,0 437,34%

-235,9

100%

0,0

1.433,5

100%

15,5%

0,00%

6.339,0 21,74% 29.153,0 100 %

capítulo

Total do Valor Adicionado Bruto

7

R$ Milhões


Distribuição do valor adicionado Os recursos humanos das empresas, os pagamentos às esferas de Governo e aos acionistas e a incorporação ao patrimônio líquido das empresas somaram investimentos da ordem de R$ 34,9 bilhões. Os repasses ao Governo representaram a maior parcela do bolo, somando R$ 14,9 bilhões — o equivalente a quase a metade do total: 43 %. Os investimentos em recursos humanos foram equivalentes a 20 % do total, e os valores pagos a acionistas, 15 %.

Distribuição do valor adicionado

14.849,4

8.101,3 6.846,6 5.107,1

Recursos Humanos

Governo

Acionistas

Incorporação ao Patrimônio Líquido

R$ Milhões

Total do Valor Adicionado

Recursos Humanos

Governo

Acionistas

Incorporação ao Patrimônio Líquido

Total

6.197,3 19,90 % 12.923,0 41,50 %

4.306,2

13,83 %

7.715,4 24,78 %

31.141,8 100 %

Seguros

4.702,6 18,42 % 10.684,0 41,84 %

4.095,7

16,04 %

6.054,2 23,71 %

25.536,5 100 %

Saúde

1.494,7 26,67 %

2.238,9 39,94 %

210,5

3,76 %

1.661,2 29,64 %

5.605,3

100 %

74,76 %

-82,4

-7,85 %

-121,1 -11,53 %

1.049,9

100 %

1.186,6 43,03 %

883,4

32,03 %

507,0

18,38 %

2.757,7

100 %

5.107,1

14,61 %

Seguros

Previdência Complementar

468,5

44,62 %

Capitalização

180,8

6,56 %

Consolidado Fonte: Siscorp.

784,9

6.846,6 19,59 % 14.894,4 42,62 %

8.101,3 23,18 % 34.949,4 100 %


167

RECURSOS destinados a impostos e contribuições O montante de recursos destinados ao pagamento de impostos e contribuições ao longo do ano alcançou R$ 14,9 bilhões. Deste total, R$ 12.923 milhões foram pagos pelas companhias de seguros; R$ 785 milhões, pelas empresas de previdência complementar aberta; e R$ 1.186,6 milhão, pelas sociedades de capitalização. Por mais um ano, o pagamento do imposto sobre operações financeiras ( IOF ) representou a maior parcela do bolo ( 32 % ), totalizando R$ 4,7 bilhões. Em seguida, vieram os gastos com imposto de renda de pessoa jurídica ( IRPJ ), com 26 %; PIS / COFINS / ISS, com 20 %; CSLL, 17 %; e imposto de renda retido na fonte ( IRRF ), com 5 %. R$ Milhões

Previdência Complementar Aberta

Capitalização

Consolidado

PIS / COFINS / ISS Programa de Integração Social / Contrib. p/ Financ. Seguridade Social / Inposto sobre Serviços

2.666,9

21 %

187,4

24 %

140,5

12 %

2.994,8

20 %

CSLL Contribuição s/Lucro Líquido

2.004,2

16 %

149,4

19 %

326,9

28 %

2.480,6

17 %

Imposto de Renda Pessoa Jurídica – IRPJ

3.168,6

25 %

240,9

31 %

524,2

44 %

3.933,7

26 %

Imposto de Renda Ritido na Fonte – IRRF

465,5

4%

165,6

21 %

132,0

11 %

763,1

5%

Imposto sobre Operações Financeiras – IOF

4.617,6

36 %

41,6

5%

63,0

5%

4.722,3

32 %

Impostos e Contribuições Pagos ao Governo

12.923,0

100 %

784,9

100 %

1.186,6

100 %

14.894,4

100 %

% Fonte: Siscorp.

87 %

5%

8%

100 %

7

Seguros

capítulo

Receita Líquida antes das Reservas


Impostos e contribuições pagos pelas companhias

Categoria

R$ milhões

Porcentagem

Seguros

12.923,0

87 %

Capitalização

1.186,6

8 %

Previdência Complementar Aberta

784,9

5 %

Impostos e contribuições pagos ao Governo

Categoria

R$ milhões

Porcentagem

IRPJ

3.933,7

26 %

IRRF

763,1

5%

IOF

4.722,3

32 %

PIS / COFINS / ISS

2.994,8

20 %

CSLL

2.480,6

17%

Fonte: Siscorp.


169

Repasses obrigatórios do Seguro DPVAT Uma parcela que representa metade dos recursos relativos aos prêmios tarifários, arrecadados pelo Seguro DPVAT, é destinada ao Governo Federal, por meio de repasses obrigatórios por lei, que determina ainda a destinação a dois órgãos distintos: o Sistema Único de Saúde (SUS) e o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). O SUS recebe 45% do montante arrecadado, por determinação das leis 8.212/91 e 9.503/97, para custeio de atendimento médico-hospitalar às pessoas vítimas de acidentes de trânsito. E o Denatran fica com 5% da arrecadação para usar em campanhas de educação no trânsito. Em 2012, os repasses somaram R$ 3,5 bilhões, com R$ 3,2 bilhões destinados ao SUS e R$ 357,2 milhões ao Denatran. Os recursos arrecadados pelo DPVAT em 2012 superaram em 6,52% os alcançados no ano anterior.


Estrutura patrimonial No ano de 2012, as aplicações feitas pelo mercado segurador alcançaram a cifra de R$ 436 bilhões — um volume 22% acima do resultado de 2011, que foi de R$ 356,6 bilhões. No quesito investimentos permanentes, a cifra chegou a R$ 38,8 bilhões e o movimento do capital de giro das operações foi de R$ 16,6 bilhões. Fundamentais na formação das reservas técnicas, os recursos que ajudam na formação da poupança interna do País chegaram à cifra de R$ 408 bilhões, sem considerar as despesas comerciais diferidas. Os investimentos em bens e direitos foram da ordem de R$ 491,4 bilhões em 2012, contra os R$ 405,2 bilhões do ano anterior. E, refletindo mais uma vez a solidez do setor de seguros, o patrimônio líquido das empresas somou R$ 82,8 bilhões. Esses recursos (bens e direitos | compromissos e obrigações) são constituídos pelas aplicações das companhias seguradoras em ativos admitidos pelo Governo para garantir o pagamento dos compromissos assumidos com seus segurados no pagamento de indenizações.


171

Total dos bens e direitos 2012

Categoria

Porcentagem

Total de Aplicações

89%

Investimentos Permanentes

8%

Capital de Giro das Operações

3%

Total dos compromissos e obrigações 2012

Fonte: Siscorp.

Patrimônio Líquido

7

Reservas Técnicas menos Despesas Comerciais Diferidas

17 %

capítulo

83 %


Recursos Humanos O grande diferencial competitivo das organizações A sustentabilidade também se aplica à área de

R$ 2,5 bilhões no setor de Recursos Humanos.

recursos humanos. Um departamento de RH

Ao longo do ano, havia mais de 31 mil pessoas

sustentável é aquele que adota uma política de

empregadas no setor em todo o País. Nos 12

gestão de pessoas focada no socialmente justo,

meses do ano, foram admitidos 6.723 profissio-

de modo aceito pela cultura local, que estimule

nais, a maior parte deles ( 5.615  ) no segmento

atitudes ecologicamente corretas e seja econo-

de Seguros, seguido por Saúde Suplementar

micamente viável.

( 695 ), Previdência Complementar Aberta ( 274 ) e Capitalização ( 139 ).

Nas relações modernas, parceiros, clientes e fornecedores buscam o chamado equilíbrio

Os

funcionários

terceirizados

representam

sustentável nas relações humanas — e a socie-

16 % do quadro de pessoal das empresas, com

dade, cada vez mais consciente de seus direitos,

5.169 profissionais trabalhando nos quatro

exige que o trabalhador seja tratado com

segmentos. Os estagiários e aprendizes também

respeito e dignidade.

integraram o quadro de pessoal com 770 e 526 admissões ao longo do ano, respectivamente.

O consumidor rejeita as organizações que se

As pessoas portadoras de necessidades espe-

mostram displicentes nas relações humanas

ciais (PNE) somaram 766 funcionários, ou 2 % do

e há alguns anos vem priorizando o consumo

total. O número de pessoas demitidas ao longo

de produtos e serviços que tragam a marca da

do ano totalizou 4.139, com participação de

sustentabilidade. E os números mostram que as

13 %, contra 21 % de admitidos.

empresas com atuação socialmente responsável As mulheres aumentaram sua participação no

e sustentável têm melhores resultados.

mercado segurador (  17.887 ) e passaram a repredo

sentar 57  % do total de pessoas empregadas,

mercado de seguros, previdência comple-

contra 43 % dos homens (13.468) e — salvo os

mentar aberta, saúde suplementar e capi-

funcionários com mais de 20 anos de trabalho

talização associadas à CNseg vêm, ano a

numa mesma empresa, faixa liderada pelos

ano, empreendendo esforços para valorizar

homens — têm mais tempo de casa em todas

o capital humano, conscientes da impor-

as demais comparações. A maioria dos funcio-

tância de seus funcionários para o bom anda-

nários do grupo associado trabalha na sede das

mento dos negócios. Em 2012, elas investiram

empresas ( 50% ).

Segundo

esta

filosofia,

as

empresas


173

No setor segurador predominam os funcionários com idades de 26 a 35 anos ( 41 % ) e de 36 a 45 anos ( 24% ), seguidas da faixa compreendida até os 25 anos ( 22 % ) e de 46 a 55 ( 10 % ). Aqueles com idade acima de 56 anos representam 3 %. Nas três faixas mais novas predominam as mulheres e nas duas mais velhas, os homens. As empresas do segmento de Seguros, Saúde Suplementar, Previdência Complementar Aberta e Capitalização, que fizeram parte da pesquisa, representam cerca de 80 % do faturamento do mercado brasileiro de seguros.

Seguros

Previdência Complementar Aberta

Capitalização

Saúde Suplementar

Consolidado

Homens

10.908

670

282

1.608

13.468

Mulheres

14.062

634

310

2.881

17.887

Total

24.970

1.304

592

4.489

31.355

Localização

Previdência Saúde Complementar Capitalização Consolidado Suplementar Aberta Total

H

M

H

M

H

M

H

M

H

M

Sede

5.821

6.853

395

371

201

227

737

1.166

7.154

8.617

15.770

Filiais

5.087

7.209

268

261

80

83

871

1.715

6.306

9.268

15.575

7

2

1

8

2

10

670

634

282

310

1.60

2.881

Não Informado

Total por Sexo 10.908 14.062

13.468 17.887 31.355

Total Geral

24.970

1.304

592

4.489

31.355

7

Seguros

capítulo

Sexo


Tempo de Casa

Seguros

Previdência Saúde Complementar Capitalização Consolidado Suplementar Total Aberta

H

M

H

M

H

M

H

M

H

M

até 2 anos

4.084

6.442

256

208

75

102

481

911

4.896

7.663

12.559

de 2 a 5 anos

2.409

3.070

167

137

54

91

396

708

3.026

4.006

7.032

de 5 a 10 anos

1.971

2.208

106

133

66

62

240

415

2.383

2.818

5.201

de 10 a 20 anos

1.562

1.636

122

135

66

44

351

610

2.101

2.425

4.526

mais de 20 anos

882

706

19

21

21

11

164

213

1.086

951

2.037

Não Informado

670

634

282

310

1.63

2.85

Total por Sexo

10.908 14.062

13.492 17.863 31.355

Total Geral

Faixa Etária

24.970

1.304

Seguros

592

4.489

Previdência Complementar Capitalização Aberta

31.355

Saúde Suplementar

Consolidado

H

M

H

M

H

M

H

M

H

M

até 25 anos

2.207

3.497

103

83

45

55

370

618

2.725

4.253

de 26 a 35 anos

4.140

6.077

228

238

99

135

631

1.279

5.098

7.729

de 36 a 45 anos

2.754

3.197

177

180

80

77

399

683

3.410

4.137

de 46 a 55 anos

1.380

1.101

89

98

38

34

180

263

1.687

1.496

acima de 55 anos

427

190

73

73

19

9

28

38

547

272

Não Informado

1

1

670

634

282

310

1.608

2.881

13.468

17.887

Total por Sexo Total Geral

10.908 14.062 24.970

1.304

592

4.489

31.355


175

Seguros

Previdência Complementar Aberta

Capitalização

Saúde Suplementar

Consolidado

Admitidos

5.615

274

139

695

6.723

Demitidos

3.009

229

145

756

4.139

Estagiários

631

54

46

39

770

Aprendizes

413

10

8

95

526

4.297

483

38

351

5.169

PNE

611

21

4

130

766

Total

14.576

557

330

1.490

16.953

Rotatividade

Terceirizados

Investimentos na gestão de pessoas O valor dos investimentos no quadro funcional do setor de Recursos Humanos, ao longo do ano, que alcançou a casa de R$ 2,5 bilhões, foi distribuído entre salários ( 57 % ), encargos sociais ( 25 % ) e benefícios ( 18% ). Os gastos com treinamento, assistência médica e odontológica, seguro de vida em grupo, previdência complementar, auxílio creche, lazer e outros totalizaram R$ 359,2 milhões. R$ Milhões

Previdência Complementar Aberta

Capitalização

Saúde Suplementar

Consolidado

1.223,9

57,6 %

25,8

62,8 %

25,8

69,1 %

185,4

61,7 %

1.460,8

58,3 %

Encargos Sociais

522,2

24,6 %

9,6

23,3 %

7,8

20,8 %

68,5

22,8 %

608,1

24,3 %

Benefícios

380,2

17,9 %

5,7

13,8 %

3,8

10,1 %

46,5

15,5 %

436,2

17,4 %

2.126,3 100,0 %

41,1

100,0 %

37,3

100,0 %

300,4

100,0 % 2.505,1

Total

100,0 %

7

Remuneração do Trabalho (Salários)

Seguros

capítulo

Distribuição dos Recursos


R$ Milhões

Distribuição dos Recursos

Seguros

Previdência Complementar Aberta

Capitalização

Saúde Suplementar

Consolidado

Outros Benefícios Treinamento

29,3

9,7 %

0,4

11,9 %

0,8

4,6 %

2,9

7,8 %

33,4

9,3 %

Assistência Médica e Odontológica

161,7

53,7 %

1,8

53,7 %

10,9

59,5 %

13,4

36,7 %

187,8

52,3 %

Seguro de Vida em Grupo

10,6

3,5 %

0,2

5,1 %

0,1

0,7 %

1,0

2,8 %

11,9

3,3 %

Previdência Complementar

73,4

24,4 %

0,6

17,5 %

6,0

32,8 %

17,7

48,4 %

97,7

27,2 %

Auxílio Creche

16,7

5,6 %

0,3

10,6 %

0,4

2,1 %

1,5

4,0 %

18,9

5,3 %

Lazer

3,7

1,2 %

0,0

0,6 %

0,0

0,2 %

0,1

0,3 %

3,9

1,1 %

Outros

5,6

1,8 %

0,0

0,6 %

0,0 %

0,0 %

5,6

1,6 %

3,3

100,0 %

18,2

100,0 %

36,6

100,0 %

359,2

100,0 %

Total de Benefícios

301,0 100,0 %

Remuneração do trabalho (salários)

57,6 %

Seguros

62,8 %

Previdência Complementar Aberta

69,1 %

Capitalização

61,7 %

58,3 %

Saúde Suplementar

Consolidado


177

Encargos sociais

24,6 %

23,3 %

Seguros

Previdência Complementar Aberta

20,8 %

22,8 %

24,3 %

Capitalização

Saúde Suplementar

Consolidado

15,5 %

17,4 %

Saúde Suplementar

Consolidado

17,9 %

Seguros

13,8 %

Previdência Complementar Aberta

10,1 %

Capitalização

capítulo

7

Benefícios


Formação escolar Considerando os dados consolidados de todos os segmentos do mercado — Seguros, Saúde Suplementar, Previdência Complementar Aberta e Capitalização — há mais mulheres empregadas com mestrado, doutorado ou pós-doutorado (1.625) do que homens (1.544). Com este grau de escolaridade, eles são maioria apenas nos segmentos de Previdência Complementar Aberta e de Capitalização. Quando a comparação é feita em relação ao curso superior completo, incompleto ou ensino médio, as mulheres têm grau de escolaridade maior que os homens em todos os segmentos.

Grau de escolaridade

0%

0,1 %

1,3 %

Não Informado Outros

1,3 % 7,2 %

10,5 % 14,8 %

Ensino Médio Completo 11,4 % 18,0 %

25,3 % 5,2 %

30 %

25 %

20 %

15 %

10 %

Categoria Mulheres

Superior Incompleto

Homens

Mestrado/Doutorado/ Pós-Graduado

4,9 %

5%

%

5%

10 %

Superior Completo

15 %

20 %

25 %

30 %


179

Grau de Escolaridade

Seguros

Previdência Saúde Complementar Capitalização Consolidado Suplementar Total Aberta

H

M

H

M

H

M

H

M

H

M

Mestrado | Doutorado | Pós-Graduado

1.288

1.316

72

69

49

22

135

218

1.544

1.625

3.169

Superior Completo

4.627

6.254

313

276

127

145

572

1.246

5.639

7.921

13.569

Superior Incompleto

2.828

3.509

119

122

72

93

570

907

3.589

4.631

8.220

Ensino Médio Completo

1.829

2.687

117

133

34

50

282

425

2.262

3.295

5.557

Outros

313

279

49

34

49

84

411

397

808

Não Informado

23

17

1

23

18

41

670

634

282

310

1.608

2.881

Total por Sexo

10.908 14.062

13.468 17.887 31.355

Total Geral

24.970

1.304

592

4.489

31.355


Empresas x funcionários A pesquisa revela ainda que 74 % das empresas do mercado segurador adotam políticas de saúde e segurança no trabalho. E os funcionários são beneficiados com investimentos na sua formação educacional por 63 % das empresas que mantêm este tipo de política de ajuda educacional, e por 65 % que investem em treinamento. O percentual de empresas que organizam palestras para seu quadro de pessoal também é extremamente representativo: 81 %.

Política de ajuda educacional com formação

63 %

Sim

37 %

Não

Política de ajuda educacional com treinamento

65 %

Sim

35 %

Não

Proporciona palestras para funcionários

81 %

Sim

19 %

Não


181

Embora o sexo feminino seja em número maior em meio aos profissionais do mercado e tenha um grau de escolaridade mais alto, as mulheres ganham menos que os homens quando o assunto é a remuneração mais alta. Na faixa dos cinco maiores salários do mercado, eles representam 69 % contra 31 % das mulheres. Os salários mais altos constituem apenas 1 % do bolo de distribuição dos valores pagos, mas são majoritariamente (62 %) destinados a pessoas brancas.

Faixa salarial superior ( cinco maiores salários )

Homens

69 %

Mulheres

31 %

Faixa salarial superior ( cinco maiores salários ) por raça

Indígena

3%

Branca

62 %

Amarela

8%

Parda

18 %

Preta

9%

7

Porcentagem

capítulo

Categoria


À medida que os valores caem, aumenta a participação de mulheres: na faixa entre o sexto e o 11º menor salário ( que representa 76% dos salários pagos ), a situação se inverte e as mulheres ficam com 54 % contra 46 %. A tese se mantém para os vencimentos com valores menores que dez salários mínimos, quando aumenta ainda mais a participação feminina: elas ocupam 70 % dos cargos com remuneração mais baixa.

Distribuição dos salários

Categoria

Porcentagem

Faixa salarial média (entre 6º e 11º menor salário)

76%

Faixa salarial básica (dez menores salários)

23%

Faixa salarial superior (cinco maiores salários)

1%

Faixa salarial média ( entre 6º e 11º menor salário )

Categoria

Porcentagem

Indígena

0 %

Branca

78 %

Amarela

1 %

Parda

18 %

Preta

3 %


183

Faixa salarial básica ( dez menores salários )

Homens

30%

Mulheres

70 %

Nos cargos de nível gerencial, também é predominante a presença do sexo masculino ( 59 % ) e executivo ( 80 % ). Mas a situação se inverte quando são consideradas as áreas técnica, comercial, administrativo / financeira e corporativa, em que as mulheres participam com, respectivamente, 56 %, 61 %, 53 % e 56 %.

Homens

59%

Mulheres

41 %

capítulo

7

Nível hierárquico gerencial


Nível hierárquico executivo

Homens

80%

Mulheres

20 %

44%

Mulheres

56 %

Área técnica

Homens

A indústria brasileira de seguros apresenta a seguinte configuração, no âmbito, das empresas associadas à CNseg, quando se trata da distribuição dos funcionários por área de atuação: área comercial 34 %, administrativo / financeira 33 %, técnica 30 % e corporativa 3 %. Os profissionais destas áreas contam com cursos internos promovidos pelas empresas, assim distribuídos: área comercial ( 41 % ), administrativo / financeira ( 28 % ), técnica ( 19 %) e corporativa ( 12 % ).  


185

Área comercial

Homens

39%

Mulheres

61 %

Mulheres

53 %

Área administrativo | financeira

47%

Entre os profissionais alocados permanentemente na área de sinistros / benefícios, 61 % são funcionários próprios das empresas e 39 %, terceirizados. Nos Serviços de Atendimento ao Cliente – SAC, esta proporção é de 69 % de funcionários próprios e 31 % terceirizados. Nas Ouvidorias, quase a totalidade dos funcionários é contratada pelas empresas: 96 %, contra 4 % terceirizados.

capítulo

7

Homens


Distribuição de funcionários por área de atuação

Categoria

Porcentagem

Área Administrativo | Financeira

33 %

Área Comercial

34 %

Área Técnica

30 %

Área Corporativa

3 %

Curso interno para funcionários

Categoria

Porcentagem

Área Comercial

41 %

Área Administrativo | Financeira

28 %

Área Técnica

19 %

Área Corporativa

12 %

A relação entre o menor salário pago pelas empresas e o salário mínimo é de 1,47 — ou seja, o menor salário do mercado é 47 % maior que o mínimo em vigor no País. A rotatividade no número de funcionários ao longo de 2012 foi de 6 % e estima-se que o número de dependentes dos funcionários chegue a quase 23 mil pessoas.


187

Funcionários alocados permanentemente em sinistros | benefícios

61 %

39 %

Próprios

Terceirizados

Funcionários alocados no SAC

69 %

31 %

Próprios

Terceirizados

04 %

Próprios

Terceirizados

capítulo

96 %

7

Funcionários alocados nas Ouvidorias


Empresas que participaram da pesquisa do Balanço Social 2012 1

Alfa Previdência e Vida S.A.

2

Alfa Seguradora S.A.

3

Aliança do Brasil Seguros S.A.

4

Allianz Seguros S.A.

5

Alvorada Vida S.A.

6

American Life Companhia de Seguros

7

Aplub – Previdência Privada

8

Aplub Capitalização S. A.

9

Assurant Seguradora S.A.

10

Atlântica Companhia de Seguros

11

Azul Companhia de Seguros Gerais

12

Berkley International do Brasil Seguros S.A.

13

BMC Previdência Privada S.A.

14

Bradesco Auto/Re Companhia de Seguros

15

Bradesco Capitalização S.A.

16

Bradesco Seguros S.A.

17

Bradesco Vida e Previdência S.A.

18

Brasilcap Capitalização S.A.

19

Brasilprev Seguros e Previdência S.A. (dados a partir de Junho/2002)

20

Brasilveículos Companhia de Seguros

21

Capemisa Capitalização S.A.

22

Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S.A.

23

Centauro Vida e Previdência S.A.

24

Chubb do Brasil Cia de Seguros

25

Cia. Itaú de Capitalização

26

Companhia Brasileira de Seguros e Previdência


189

Companhia de Seguros Aliança da Bahia

28

Companhia de Seguros Aliança do Brasil

29

Companhia de Seguros Gralha Azul

30

Companhia de Seguros Previdência do Sul

31

Companhia Excelsior de Seguros

32

Comprev Seguros e Previdência S.A.

33

Confiança Cia de Seguros

34

Fator Seguradora S.A.

35

Gboex – Grêmio Beneficente

36

Generali Brasil Seguros S.A.

37

Icatu Capitalização S.A.

38

Icatu Seguros S.A.

39

Indiana Seguros S.A.

40

Itaú Seguros de Auto e Residência S.A.

41

Itaú Seguros S.A.

42

Itaú Vida e Previdência S.A.

43

J. Malucelli Seguradora S.A.

44

J. Malucelli Seguros S.A.

45

Liberty Seguros S.A.

46

Mapfre Affinity Seguradora S.A.

47

Mapfre Capitalização S.A.

48

Mapfre Nossa Caixa Vida e Previdência S.A.

49

Mapfre Seguradora de Crédito à Exportação S.A.

50

Mapfre Seguros Gerais S.A.

51

Mapfre Vera Cruz Previdência S.A.

52

Mapfre Vida S.A.

capítulo

27

7

Empresas que participaram da pesquisa do Balanço Social 2012


Empresas que participaram da pesquisa do Balanço Social 2012 53

MBM Previdência Privada

54

MBM Seguradora S.A.

55

Metropolitan Life Seguros e Previdência

56

Mongeral Aegon Seguros e Previdência S.A.

57

Nobre Seguradora do Brasil S.A.

58

Paraná Companhia de Seguros

59

Porto Seguro Capitalização S.A.

60

Porto Seguro Companhia de Seguros Gerais

61

Porto Seguro Vida e Previdência S.A.

62

Pottencial Seguradora S.A.

63

Prudential do Brasil Seguros de Vida S.A.

64

Qbe Brasil Seguros S.A.

65

Seguradora Líder dos Consórcios do Seguro DPVAT S.A.

66

Sociedade Caxiense de Mútuo Socorro

67

Sul América Capitalização S.A. – Sulacap

68

Sul América Companhia de Seguros Gerais

69

Sul América Companhia Nacional de Seguros

70

Sul América Seguros de Pessoas e Previdência S.A.

71

Tokio Marine Brasil Seguradora S.A.

72

Tokio Marine Seguradora S.A.

73

União Previdenciária Cometa do Brasil – Comprev

74

Vanguarda Companhia de Seguros Gerais

75

Vida Seguradora S.A.


8 Os Segmentos do

SETOR A importância da contribuição dos Seguros Gerais, do seguro DPVAT e dos segmentos de Pessoas, Saúde Suplementar e Capitalização.


de sistemas de gestão que incorporam os

Os SEGMENTOS do Setor Um guarda-chuva de proteção para a saúde, a vida e as conquistas dos brasileiros. O mercado segurador brasileiro continua a

Com potencial de 3 bilhões de pessoas em

ter um desempenho muito superior ao do PIB

todo o mundo e de 100 milhões no Brasil,

brasileiro, registrando expansão na casa de dois

os microsseguros são a maior esperança do

dígitos nos últimos anos. Em 2012, os segmentos

mercado. As atenções no Brasil estão focadas

de Seguros Gerais, Pessoas, Saúde Suplementar

no entendimento de que tipos de proteção

e Capitalização mantiveram bom desempenho

essas comunidades carecem e no desenvolvi-

e fecharam 2012 com crescimento de mais de

mento de modelos simplificados dos contratos.

17%, movimentando R$ 232,3 bilhões. Se mantiver este ritmo, o mercado segurador

Preservação da riqueza

brasileiro poderá dobrar de tamanho nas próximas décadas. Para promover este salto,

O aumento da demanda por produtos de seguros

as apostas são os microsseguros, a regula-

é diretamente proporcional ao valor que o setor

mentação do seguro popular de automóvel, o

consegue indenizar anualmente à sociedade

lançamento do PGBL Saúde, a consolidação do

brasileira. Em 2012, o total pago pelos quatro

seguro rural e as obras de infraestrutura. As esti-

segmentos sob a forma de indenizações, remu-

mativas de crescimento são alicerçadas também

nerações, recompensa de bens, preservação

na manutenção da baixa taxa de desemprego e

da saúde e sorteio e resgate de títulos foi de

no aumento da renda do trabalhador brasileiro.

R$ 119,2 bilhões.


Segmento de Seguros GERAIS Aumento da base de veículos segurados, em função da redução do IPI, levou ramo de automóveis a representar 56 % da receita do segmento. O ramo de seguro de automóveis foi o que

Outros ramos que proporcionaram significativa

promoveu o maior volume de recursos pagos à

indenização à sociedade foram: patrimonial

sociedade brasileira em 2012 no segmento de

( R$ 4,5 bilhões ), DPVAT ( R$ 3,1 bilhões ) e trans-

Seguros Gerais: R$ 15,9 bilhões, equivalentes

porte ( R$ 1,7 bilhão ). Juntos, representaram 32 %

a 56 % do volume gerado por toda a cadeia

do total.

do segmento, que engloba ainda os seguros gerais: patrimonial, transportes, habitacional,

A oferta de serviços atrelados aos seguros

cascos, crédito, rural, responsabilidades, riscos

tem sido cada vez mais frequente e extensa.

financeiros e DPVAT. As indenizações parciais

Para fidelizar clientes e atrair novos segurados,

são responsáveis por 35  % do total pago, e as

as empresas ampliaram a gama de benefí-

indenizações por roubo e furto respondem

cios oferecidos ao longo dos anos, além de

por 34  %. Incêndios responderam por 1  % dos

segmentá-los de acordo com as necessidades

pagamentos.

de seus segurados. Essa medida aproximou as empresas dos seus clientes, que antes só acio-

Em 2012, houve um aumento significativo da

navam o seguro em caso de infortúnio.

venda de seguros de veículos, devido à aceleração do mercado automotivo provocada pela

Muitas seguradoras oferecem, por exemplo,

isenção ou redução do Imposto sobre Produtos

diversos serviços para a casa, como insta-

Industrializados – IPI na compra de veículos

lação de trilhos e varões de cortinas, quadros,

novos, oferecida pelo Governo.

varais, além de suporte em informática, mecânicos, chaveiros, entre outros. Há empresas do


197

segmento que também fazem a coleta de resíduos sólidos, ajudando no descarte correto principalmente de eletrodomésticos e eletroeletrônicos. Outros benefícios são descontos em mensalidades de academias de ginástica, estacionamentos, lava-jatos, bem como em restaurantes, bares, espetáculos, shows, cinemas e teatros. A Assistência 24 horas, com disponibilização de guincho e assistência mecânica e elétrica, entre outros, é um dos serviços mais utilizados pelos segurados.

Indenizações 2012 | Seguros Gerais

Categoria

Porcentagem

Automóvel

55,9 %

Transportes

5,9 %

Patrimonial

15,7 %

DPVAT

10,9 %

Outros

4,1 %

Rural

2,6 %

Casco

2,3 %

Responsabilidades

1,3 %

Habitacional

1,3 %

Arrecadação dos ramos | Seguros Gerais

Automóvel

51,6 %

Patrimonial

20,7 %

DPVAT

7,5 %

Transporte

5,6 %

Habitacional

3,7 %

Riscos financeiros

3%

Responsabilidades

2,2 %

Rural

3,1 %

Outros

2,6 %

8

Porcentagem

capítulo

Categoria


de sistemas de gestão que incorporam os

Seguro DPVAT | O seguro do trânsito Ao longo do ano, foram pagas quase 508 mil indenizações do Seguro DPVAT no País, totalizando mais de R$ 2,3 bilhões em recursos. No Brasil, todo cidadão que sofre um acidente

com os Correios, ao longo do ano passado,

de trânsito, seja pedestre, passageiro ou moto-

aumentando significativamente o número de

rista, tem direito ao Seguro DPVAT, que indeniza

pontos de atendimento em todo o País.

vítimas de acidentes causados por veículos automotores que circulam por terra ou por asfalto,

Além de Ceará, Piauí e Maranhão, que foram

como carros, caminhões, ônibus e motocicletas.

os primeiros estados a contar com a parceria, Paraíba, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul,

As situações indenizáveis são morte ou inva-

Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul,

lidez permanente e, sob a forma de reembolso,

Santa Catarina, Minas Gerais, Pará e Goiás

despesas comprovadas com atendimento médico-

também passaram a contar com pontos de

hospitalar. O processo para recebimento do

atendimento nas agências dos Correios. Dessa

Seguro DPVAT é gratuito e o próprio aciden-

forma, somados todos os parceiros, o ano de

tado ou beneficiário pode dar entrada no pedido

2012 terminou com um total de 4.783 pontos

de indenização e reembolso, não sendo neces-

de atendimentos do Seguro DPVAT ativos em

sário o auxílio de intermediários. Desde 2008,

todo o Brasil.

a administração desse seguro é feita pela Seguradora Líder dos Consórcios do Seguro DPVAT.

Campanhas e redes sociais Para atender cada vez melhor à população brasileira e cumprir com sua missão de dar aos

Em 2012, a Seguradora Líder deu prossegui-

cidadãos acesso irrestrito a este tipo de seguro,

mento à campanha de divulgação, iniciada em

a Seguradora Líder DPVAT ampliou a parceria

2009, com o objetivo de ampliar o conhecimento


199

da população sobre o Seguro DPVAT. Filmes e

no Trânsito ( www.viverseguronotransito.com.

cartazes foram veiculados em TV, revistas, rádio,

br ). Pautado por assuntos de caráter educativo,

internet, placas de estrada e mídia exterior de

o blog encerrou o primeiro ano de atividades

diversas cidades brasileiras.

com mais de 50 mil acessos.

O foco das campanhas foi a consolidação dos conhecimentos sobre o Seguro DPVAT, segmen-

Parcerias com os Tribunais de Justiça

tando a informação sobre seus benefícios aos diversos grupos de usuários ( pedestres, moto-

Em 2012, a Seguradora Líder DPVAT deu pros-

ristas, passageiros e motociclistas ), com ênfase

seguimento às parcerias com os Tribunais

na facilidade do acesso direto aos diversos

de Justiça de vários estados brasileiros para

canais de atendimento, sem necessidade de

promover conciliações. O objetivo foi reduzir

intermediários.

o impacto do passivo judicial, considerando que parte substancial desse passivo é formada

Também foi promovida uma reformulação no

por ações nas quais a vítima de acidente de

site institucional da seguradora, que traz agora

trânsito e/ou seus beneficiários não pleite-

uma identidade visual mais moderna, nave-

aram a indenização perante uma Seguradora

gação reestruturada e conteúdo novo. A reestru-

Consorciada, optando por buscar diretamente

turação foi planejada com o objetivo de facilitar

o Poder Judiciário para o recebimento de inde-

o acesso às informações e estreitar o relaciona-

nização do seguro.

mento com os parceiros, imprensa, seguradoras consorciadas e sociedade. A estratégia reflete

Apesar de o processo para recebimento do

o compromisso da Seguradora Líder DPVAT de

Seguro DPVAT ser ágil e gratuito, muitas pessoas

zelar pela transparência em todas as relações

são induzidas por intermediários a recorrer à

com seus públicos.

Justiça para receber a indenização. Com isso, o recebimento do seguro, que por via administra-

Outra ação importante foi a ampliação do

tiva leva 30 dias, pode chegar a até três anos

alcance do Seguro DPVAT nas redes sociais, como

quando feito pela via judicial.

Facebook, Twitter e YouTube. Ao fim do ano, o perfil oficial do DPVAT já contava com mais de

Em 2012, mais de 19 mil acordos foram cele-

24 mil fãs no Facebook; e os vídeos no YouTube,

brados através de campanhas de conciliação.

no canal oficial do seguro, com mais de 1 milhão

Houve antecipação do pagamento de indeni-

de acessos. No Twitter, o perfil contava com

zações que efetivamente eram devidas e, ao

651 seguidores no encerramento do ano.

mesmo tempo, redução do número de ações que envolvem o Seguro DPVAT, atendendo aos

Além dessas iniciativas, em fevereiro, a Segu-

anseios da sociedade.

capítulo

8

radora Líder DPVAT reativou o blog Viver Seguro


Indenizações pagas Ao longo do ano, 507.915 indenizações do Seguro DPVAT foram pagas no Brasil, totalizando mais de R$ 2,3 bilhões, o que representou um aumento de 39% em quantidade de sinistros, mas somente de 3% em valor, na comparação com 2011.

Quantidade de sinistros pagos

Categoria

Porcentagem

Invalidez

69 %

DAMS*

19 %

Morte

12 %

DAMS* – Despesas de Assistência Médica e Suplementares


201

Por faixa etária Chama a atenção o fato de mais de 50 % dos acidentados estarem na faixa de 18 a 34 anos, justamente onde se concentra a maior parte da população economicamente ativa do País.

Quantidade de sinistros pagos

1,45 %

2,51%

Mais de 65 anos

13,84 %

4,23 %

14,61 % 22,32 %

de 35 a 44 anos

5,84 % 4,58 %

18,65 %

0,78 % 10 %

5%

0,53 % %

de 0 a 07 anos 5%

10 %

15 %

20 %

25 %

Porcentagem

Homens

77 %

Mulheres

23 %

Fonte: Seguradora Líder DPVAT. Período: Janeiro a Dezembro | 2012.

8

Categoria

15 %

de 08 a 17 anos

capítulo

20 %

de 25 a 34 anos de 18 a 24 anos

1,80 %

4,04 %

25 %

de 45 a 64 anos

4,82 %


Por tipo de veículo As motocicletas foram, mais uma vez, as grandes vilãs do ano — 69 % dos acidentes indenizados envolveram esse tipo de veículo. O anoitecer é o horário que concentra a maior quantidade de registro de acidentes com motos.

Indenizações pagas

18 %

16 %

16 %

14 %

14 %

12 %

12 % 10 %

8 %

8 %

8 %

6 % 4 %

4 %

2 % 0 %

0 %

11 %

3 % 1 %

5 %

4 %

0 %

0 %

0 %

1 %

5%

1 %

1 %

4 % 1 %

1 %

0 %

0 %

Madrugada

Amanhecer

Manhã

Tarde

Anoitecer

Noite

0 h - 5 : 59 h

6 h - 8 : 59 h

9 h - 12 : 59 h

13 h - 16 : 59 h

17 h - 19 : 59 h

20 h - 23 : 59 h

Categoria Automóvel Micro-ônibus | Ônibus Motocicleta

Caminhão

Fonte: Seguradora Líder DPVAT. Período: Janeiro a Dezembro | 2012.


203

Por vítima De janeiro a dezembro de 2012, a maior incidência de acidentes ocorreu com motoristas ( 58 % ) e, predominantemente, na categoria de motocicleta ( 69 % ).

Distribuição das indenizações pagas por tipo de vítima

Porcentagem 58 %

Pedestres

25 %

Passageiros

17 %

Fonte: Seguradora Líder DPVAT. Período: Janeiro a Dezembro | 2012.

8

Motoristas

capítulo

Categoria


Brasil Considerando-se as indenizações pagas por região, as estatísticas apresentam particularidades em cada parte do País. No Sudeste, que possui a maior parte da frota nacional, foi registrado o número mais elevado de casos de acidentes de trânsito com morte. Ao todo, 38 % das indenizações resultantes de ocorrências fatais foram destinados a vítimas da região. Já no Nordeste estão concentrados 31 % dos casos de indenização por invalidez permanente; e no Sul, o maior número de reembolsos por despesas médicas: 42 %.

Total de indenizações pagas por região janeiro a dezembro | 2012

Abertura Região Nordeste

Categoria

Porcentagem

Categoria

Porcentagem

Nordeste

29 %

Motocicleta

65 %

Sul

28 %

Caminhão

4 %

Sudeste

25 %

Automóvel

29 %

Centro-Oeste

8 %

Micro-ônibus | Ônibus

2%

Norte

10 %


de sistemas de gestão que incorporam os

Segmento de PESSOAS O valor pago aos beneficiários pelas seguradoras e entidades abertas de previdência complementar, em 2012, foi de R$ 8,2 bilhões, 14% superior ao registrado no ano anterior. O Segmento de Pessoas é representado pelas

grave quando atinge o provedor da família.

coberturas de risco e por sobrevivência dos

O mesmo ocorre com a aposentadoria, se a

seguros de pessoas e da previdência comple-

renda da família se restringir ao benefício pago

mentar aberta e desempenha importante papel

pela previdência social.

no desenvolvimento econômico e social do País. Por meio de uma ampla gama de produtos, o

A sociedade pode contar ainda com a contra-

segmento garante proteção aos indivíduos e às

tação do seguro funeral, no caso de cobertura

famílias, preservando-os dos impactos finan-

por morte, que presta apoio financeiro ou ser-

ceiros decorrentes de infortúnios.

viços funerários, incluídos aqueles relacionados à obtenção da documentação, certidões etc.

Portanto, os benefícios proporcionados pelo

O efetivo benefício proporcionado pelo valor

segmento de Coberturas de Pessoas vão muito

pago aos beneficiários pela morte do segurado

além do valor pago pelas sociedades segu-

é ainda mais difícil de ser mensurado quando a

radoras e entidades abertas de previdência

família dependia dele economicamente.

complementar

a

participantes,

segurados,

assistidos e beneficiários, que em 2012 foi de

O leque de seguros de pessoas inclui também

R$ 8,2 bilhões, 14% superior ao total pago em 2011.

a proteção à ocorrência de doenças graves, acidentes pessoais, internação hospitalar e

As quantias pagas reduzem o impacto no

perda de renda em virtude do desemprego ou

orçamento familiar decorrente da morte ou

do impedimento do pleno exercício de ativi-

da invalidez do segurado, que é ainda mais

dade remunerada. As indenizações facilitam o


207

acesso a tratamentos destinados a melhorar a

graves, pode ser uma das fontes de recursos

qualidade de vida do segurado, além de auxiliar

para o custeio de eventuais tratamentos.

financeiramente seus dependentes. O mercado também oferece cobertura específica Os benefícios proporcionados pelo seguro con-

destinada ao reembolso das despesas médicas,

tratado para os casos de invalidez, da mesma

hospitalares e odontológicas para as ocorrências

forma, não se limitam ao valor pago como

de acidentes, até o limite do valor contratado

capital segurado. Nesta circunstância, além

— além de cobertura de diárias por internação

das consequências físicas e emocionais, na

hospitalar, limitadas ao valor do capital segurado.

maioria das vezes a nova realidade a ser enfrentada agrava a situação financeira da família.

A rede de proteção do seguro oferece ainda as

Assim, à impossibilidade de o inválido ter renda

coberturas de desemprego e de perda de renda,

própria por meio do seu trabalho, somam-se as

destinadas à reposição dos rendimentos, de

despesas com tratamentos de longo prazo.

acordo com o prazo e valores estabelecidos no contrato. Este benefício protege especialmente

Além de auxiliar financeiramente na manu-

os profissionais autônomos, que não têm direito

tenção da família, o valor pago facilita o acesso

a licenças médicas pela seguridade social, assim

a tratamentos médicos e hospitalares, reabi-

como as classes sociais menos favorecidas, que

litação, medicamentos e equipamentos de

sofrem impactos diretos e imediatos quando o

auxílio, destinados a melhorar a qualidade de

provedor da família sofre algum acidente que o

vida do segurado — e, nos casos de doenças

impede de exercer sua profissão.

Benefícios | indenizações Segmentos de Pessoas ( Bi R$)

10,0 8,2 8,0

7,2 6,1

5,7

6,0

4,7

4,3

5,7

5,1

4,0 2,0

1,5

1,4

2,5

2,0

0,0

2009

2010

2011

2012

Categoria

Segmento de Pessoas

capítulo

Planos de Caráter Previdenciário

8

Seguro de Pessoas


Coberturas combinadas Além de gerar externalidades positivas para

segurado, e pode prever ainda o pagamento de

a economia, o Segmento de Pessoas dispõe

valor destinado ao início das atividades profis-

de coberturas combinadas, que se tornam

sionais, como aluguel de escritório, aquisição

produtos específicos para atender melhor

de material de suporte e de equipamento espe-

à demanda de proteção de cada indivíduo.

cífico, dentre outros.

Um deles é o seguro prestamista, que combina coberturas de morte e de invalidez

Além de oferecer proteção a crianças, jovens

e pode incluir perda de renda ou desem-

e adultos, o Segmento de Pessoas cumpre

prego. Este produto oferece uma tranqui-

importante papel na garantia da complemen-

lidade adicional para o credor, ao garantir

tação de renda, particularmente na terceira

o pagamento de compromissos financeiros

idade, com relevância especial para a camada

do segurado e, dessa forma, contribuir para

da população que conta apenas com a aposen-

a continuidade do desenvolvimento socioe-

tadoria concedida pelo sistema público de

conômico do País.

previdência.

Para os financiamentos imobiliários, o mer-

Muitas vezes, essa complementação permite

cado oferece o seguro habitacional, que é de

a permanência dos aposentados nos planos

contratação obrigatória — utilizado, inclusive,

privados de assistência à saúde, desone-

pelo Programa Minha Casa Minha Vida, do

rando a rede pública hospitalar. É impor-

Governo Federal — e que viabiliza a redução

tante observar que, neste aspecto, a maioria

dos juros cobrados dos mutuários. O seguro

dos trabalhadores, ao se aposentar, deixa de

exerce importante função social e econô-

contar com a contribuição do empregador

mica ao garantir a quitação ou a amortização

para o pagamento do plano privado contra-

da dívida no caso de ocorrência de sinistros

tado pela empresa.

com o mutuário. E se o plano empresarial não possibilitar a No campo da educação, mais um claro exemplo

permanência do aposentado após seu desli-

de retorno virtuoso à sociedade. O mercado

gamento da empresa, a situação se agrava e

oferece o seguro educacional, que garante

o obriga a buscar os planos individuais, cujos

o custeio das despesas com a educação de

valores são calculados de acordo com sua

estudantes, em caso de morte ou invalidez do

faixa etária.


209

Projetos futuros A poupança acumulada nos planos por sobrevi-

Para atender aos anseios de consumidores de

vência, cujo objetivo primordial é o de comple-

reunir em um único produto as coberturas de

mentar a aposentadoria, permite também viabi-

risco e de sobrevivência, o mercado oferece os

lizar projetos futuros, como o custeio da educação

seguros totais mistos, que garantem um abran-

dos filhos e  /  ou dependentes econômicos,

gente nível de proteção, associado ao plane-

o auxílio no início da vida profissional, a aqui-

jamento financeiro e patrimonial das pessoas.

sição de imóveis e a abertura de negócio próprio.

Nesses seguros, o valor contratado é pago aos beneficiários no caso de o segurado falecer

Possibilita ainda que o segurado possa fazer

durante o prazo de cobertura e, caso sobreviva

frente a eventos não esperados, como o custeio

ao prazo contratual, receberá de volta parte

de tratamentos médicos, e é fundamental para

dos valores pagos nesse período, devidamente

aqueles que se deparam com a interrupção de

remunerados, na forma do contrato.

seus rendimentos. Enfim, o principal serviço prestado à sociedade Mais uma vez se constata que a proteção aos

pelo Segmento de Pessoas é a tranquilidade e a

indivíduos, às famílias, à sociedade e à economia

melhor qualidade de vida, de difícil mensuração,

como um todo vai muito além do valor pago

mas desejadas pela humanidade ao longo de

pelas sociedades seguradoras e entidades

toda a sua história.

abertas de previdência complementar aos titulares, assistidos e beneficiários desses planos.


de sistemas de gestão que incorporam os

Segmento de Saúde SUPLEMENTAR Manutenção do ritmo de crescimento da base de beneficiários e aumento dos eventos assistenciais. Ainda sob o impacto do crescimento econô-

Foram contabilizados, no primeiro semestre

mico, o número de brasileiros que passam a

do ano, mais de 157 milhões de atendimentos

ter acesso ao sistema suplementar de saúde

aos beneficiários das operadoras associadas

continua aumentando a cada ano. No terceiro

à FenaSaúde, um aumento de 12% quando

trimestre de 2012, o número de beneficiários

comparado ao mesmo período do exercício

cresceu 5,3% na comparação com o mesmo

anterior — mais de 36 milhões de consultas

período do ano anterior. No conjunto das asso-

médicas e 21 milhões de consultas ou sessões

ciadas da FenaSaúde, este crescimento foi de

com outros profissionais de saúde.

8,4% no mesmo período de avaliação. As internações chegaram a 853 mil, com maior Mais de 90% de beneficiários estão em planos

ocorrência de cirúrgicas (42%), seguidas das

regulamentados, com todas as coberturas assis-

internações clínicas (37%) e obstétricas ( 13 % ).

tenciais garantidas na Lei 9.566/98. Apenas 2,6

Nas causas selecionadas pela ANS para controle

milhões estão em planos antigos — metade

estatístico e acompanhamento epidemiológico,

deles, em planos coletivos. A Região Sudeste

foram 30 mil internações ( 6 % ) para as doenças

concentra 76% dos planos médicos e odonto-

do aparelho respiratório, 43 mil ( 5 % ) para as

lógicos do País.

neoplasias e 30 mil ( 4 % ) para as doenças do aparelho circulatório.


211

Na saúde mental observou-se contínuo aumento na quantidade de atendimentos: mais de 1,4 milhão de consultas e sessões com psiquiatras, psicólogos e terapeutas ocupacionais. Comparado com o mesmo período do ano anterior, quando houve 1,1 milhão de atendimentos, o aumento é de 28,5 %. O número de consultas em psicologia registrou o maior crescimento ( 33,4 % ), seguido da psiquiatria ( 12,7 % ) e da terapia ocupacional ( 1,7 % ).

Fontes e usos dos recursos A receita dos planos privados de assistência à saúde — referente aos beneficiários das associadas da FenaSaúde — foi de R$ 27,6 bilhões, de janeiro até o terceiro trimestre de 2012, o que representa 39% de toda a receita do mercado de saúde suplementar no período. Deste total, R$ 26,7 bilhões custearam despesas diversas das operadoras ( assistencial, administrativa, comercialização e impostos ) e R$ 932 milhões compuseram o resultado operacional das associadas — 3,4% da receita. Os recursos destinados ao custeio das despesas — que equivalem a 96,6% da receita — foram utilizados da seguinte forma: ▪ R$ 22,6 bilhões (81,8% da receita) destinados ao custeio das despesas assistenciais para pagamento dos serviços dos profissionais e aos estabelecimentos de saúde; ▪ R$ 4,2 bilhões ( 14,9% da receita ) destinados às demais despesas das operadoras ( administrativas, de comercialização e impostos ). Dados até o 3º trimestre.

Fontes e Usos dos Recursos | 2012

R$ milhões

(%)

Receita

27.676

100,00

Despesa

26.745

96,6

Despesa Assistencial

22.629

81,8

Despesa Administrativa

2.243

8,1

Despesa com Comercialização

1.452

5,2

421

1,5

932

3,4

Impostos Resultado Operacional

capítulo

8

Fonte: Demonstrações contábeis das operadoras/ANS – Extraído em 29/11/2012.


A despesa assistencial consumiu 81,8% da receita, o que significa que, de cada R$ 100 arrecadados na forma de mensalidades dos planos, quase R$ 81,80 foram destinados ao custeio das despesas dos beneficiários com a prestação de serviços de assistência médica e odontológica. As demais despesas consumiram R$ 14,90 de cada R$ 100 arrecadados. A diferença entre receitas e despesas é o resultado operacional das operadoras (R$ 932 milhões), recursos que remuneram os investidores e financiam os investimentos futuros. Vale destacar que de cada R$ 100 arrecadados apenas R$ 3,40 se destinam a remunerar os investidores.

Fontes e usos dos recursos 2012

Categoria

Porcentagem

Despesa assistencial

81,8 %

Despesa administrativa

8,1 %

Despesa com comercialização

5,2 %

Impostos

1,5 %

Resultado operacional

3,4 %

Provisões técnicas das associadas da FenaSaúde Nos cinco últimos anos, o saldo das provisões técnicas das afiliadas acumulou um aumento de 95%, o que demonstra o comprometimento do setor com a solvência e a sustentabilidade em benefício da qualidade dos serviços prestados à sociedade.


213

Modalidade

2008

2009

2010

2011

2012² ³

Medicina de Grupo

420.229.005

502.355.147

1.462.047.703

1.758.787.516

2.084.577.411

Seguradora Especializada em Saúde

4.418.764.588

4.767.297.206

4.770.017.530

6.156.904.391

7.335.084.417

Odontologia de Grupo

25.116.878

27.425.160

44.743.135

72.552.802

88.352.495

4.864.110.472

5.297.077.513

6.276.808.369

7.988.244.709

9.508.014.322

Total

Fonte: Demonstrações contábeis das operadoras/ANS – Extraído em 29/11/12. Notas: ¹ O cálculo das provisões técnicas é dado pelas contas: 211_provisões técnicas de operações de assistência à saúde (passivo circulante) + 2311_provisões técnicas de operações de assistência à saúde (passivo exigível a longo prazo) ² Valores referentes ao 3º trimestre de 2012. ³ A partir de 2012 houve mudança no cálculo das provisões técnicas: 211_provisões técnicas de operações de assistência à saúde (passivo circulante) + 2311_provisões técnicas de operações de assistência médico-hospitalar (passivo não circulante) + 2312_provisões técnicas de operações de assistência odontológica (passivo não circulante).

Beneficiários das associadas Beneficiários¹ de planos de saúde, por cobertura e segmentação assistencial do plano, segundo época e tipo de contratação do plano FenaSaúde – junho | 2012

Época e Tipo de Contratação de Plano

Assistência Médica com ou sem Odontologia

Exclusivamente Odontológico

Total Médico e Excl. Odonto

Total

Ambulatorial

Hospitalar 2

Hospitalar 2 e Ambulatorial

Referência

Não Informado

14.587.315

23.889

249.276

12.794.109

995.147

524.893

9.844.290

24.431.605

Coletivo

12.122.478

23.046

103.745

11.033.400

962.286

8.880.716

21.003.194

Individual

1.939.864

839

145.531

1.760.633

32.861

958.565

2.898.429

524.973

4

76

524.893

5.009

529.982

12.571.950

14.736

108.301

11.453.766

995.147

9.602.746

22.174.696

Coletivo

11.233.692

14.557

95.615

10.161.234

962.286

8.645.476

19.879.168

Individual

1.338.258

179

12.686

1.292.532

32.861

957.270

2.295.528

2.015.365

9.153

140.975

1.340.343

524.894

241.544

2.256.909

Coletivo

888.786

8.489

8.130

872.166

1

235.240

1.124.026

Individual

601.606

660

132.845

468.101

1.295

602.901

Não Informado

524.973

4

76

524.893

5.009

529.982

Total

Não Informado Novos

Antigos

capítulo

Nota: ¹ O termo "Beneficiários" refere-se a vínculos aos planos de saúde, podendo incluir vários vínculos para um mesmo indivíduo. ² Inclui planos hospitalares com ou sem obstetrícia.

8

Fonte: Sistema de Informações de beneficiários – ANS | MS – Extraído em 31/6/2013.


Beneficiários de planos médicos ( com ou sem odontologia ) por cobertura assistencial, época e tipo de contratação do plano, segundo grandes regiões e unidades da Federação

FenaSaúde – junho  | 2012 

Assistência Médica com ou sem Odontologia Grandes Regiões e Unidades da Federação

Novos Total

Antigos

Total

Coletivo

Individual

Total

Coletivo

Individual

Não Informado

Brasil

14.587.315

12.571.950

11.233.692

1.338.258

2.015.365

888.786

601.606

524.973

Norte

296.907

273.521

268.286

5.235

23.386

12.062

5.758

5.566

Rondônia

55.031

50.326

47.317

3.009

4.705

1.948

2.609

148

Acre

3.654

3.233

3.193

40

421

241

74

106

135.475

128.776

128.337

439

6.699

4.005

689

2.005

Roraima

1.392

1.026

997

29

366

280

30

56

Pará

82.069

73.167

71.584

1.583

8.902

3.888

2.217

2.797

Amapá

12.457

11.724

11.653

71

733

456

47

230

Tocantins

6.829

5.269

5.205

64

1.560

1.244

92

224

1.665.828

1.330.267

1.095.049

235.218

335.561

105.379

120.300

109.882

Maranhão

80.101

70.066

69.428

638

10.035

5.299

1.264

3.472

Piauí

15.158

12.315

12.253

62

2.843

2.169

137

537

Ceará

74.015

61.592

44.622

16.970

12.423

7.979

1.781

2.663

Rio Grande do Norte

165.674

159.285

73.341

85.944

6.389

3.106

1.015

2.268

Paraíba

37.533

32.407

27.869

4.538

5.126

3.133

1.055

938

Pernambuco

535.216

400.218

316.164

84.054

134.998

35.885

45.109

54.004

Alagoas

87.210

75.045

48.846

26.199

12.165

5.335

3.238

3.592

Sergipe

31.998

26.790

26.570

220

5.208

2.466

936

1.806

Bahia

638.923

492.549

475.956

16.593

146.374

40.007

65.765

40.602

Amazonas

Nordeste


215

Assistência Médica com ou sem Odontologia Grandes Regiões e Unidades da Federação

Novos

Antigos

Total Total

Coletivo

Individual

Total

Coletivo

Individual

Não Informado

11.111.028

9.663.522

8.698.490

965.032

1.447.506

623.828

443.292

380.386

Minas Gerais

499.687

392.938

379.634

13.304

106.749

69.176

23.226

14.347

Espírito Santo

92.475

83.061

81.082

1.979

9.414

6.206

1.500

1.708

Rio de Janeiro

2.653.173

2.313.368

2.022.847

290.521

339.805

172.359

108.725

58.721

São Paulo

7.865.693

6.874.155

6.214.927

659.228

991.538

376.087

309.841

305.610

878.562

721.054

645.417

75.637

157.508

125.139

22.805

9.564

Paraná

461.583

405.612

339.017

66.595

55.971

43.906

8.429

3.636

Santa Catarina

152.855

92.795

92.077

718

60.060

57.440

1.319

1.301

Rio Grande do Sul

264.124

222.647

214.323

8.324

41.477

23.793

13.057

4.627

Centro-Oeste

634.990

583.586

526.450

57.136

51.404

22.378

9.451

19.575

Mato Grosso do Sul

34.300

29.983

29.554

429

4.317

2.988

667

662

Mato Grosso

27.635

22.390

22.017

373

5.245

3.768

805

672

Goiás

217.160

195.479

164.109

31.370

21.681

7.340

1.211

13.130

Distrito Federal

355.895

335.734

310.770

24.964

20.161

8.282

6.768

5.111

0

0

0

0

0

0

0

0

Sudeste

Sul

UF não Identificada

Fonte: Sistema de Informações de Beneficiários – ANS | MS – Extraído em 31/6/13.

capítulo

8

Nota: O termo "beneficiário" refere-se a vínculos aos planos de saúde, podendo incluir vários vínculos para um mesmo indivíduo.


Beneficiários de planos exclusivamente odontológicos por cobertura assistencial, época e tipo de contratação do plano, segundo grandes regiões e unidades da Federação

FenaSaúde – junho  | 2012 

Exclusivamente Odontológico Grandes Regiões e Unidades da Federação

Novos

Antigos

Total Total

Coletivo

Individual

Total

Coletivo

Individual

Não Informado

Brasil

9.844.290

9.602.746

8.645.476

957.270

241.544

235.240

1.295

5.009

Norte

293.759

288.919

258.627

30.292

4.840

4.839

0

1

Rondônia

23.381

22.816

18.857

3.959

565

565

0

0

Acre

4.068

3.915

3.145

770

153

153

0

0

180.625

179.147

169.145

10.002

1.478

1.477

0

1

Roraima

1.194

1.039

849

190

155

155

0

0

Pará

62.219

60.540

46.866

13.674

1.679

1.679

0

0

Amapá

5.144

4.900

4.532

368

244

244

0

0

Tocantins

17.128

16.562

15.233

1.329

566

566

0

0

1.076.686

1.045.772

897.639

148.133

30.914

30.071

464

379

Maranhão

48.673

47.137

38.062

9.075

1.536

1.536

0

0

Piauí

10.355

9.812

6.888

2.924

543

543

0

0

Ceará

59.925

56.003

45.179

10.824

3.922

3.911

0

11

Rio Grande do Norte

38.498

37.709

29.871

7.838

789

789

0

0

Paraíba

23.458

22.536

18.369

4.167

922

921

0

1

Pernambuco

266.954

255.459

234.559

20.900

11.495

10.713

421

361

Alagoas

82.377

81.613

53.467

28.146

764

764

0

0

Sergipe

56.878

56.346

39.394

16.952

532

532

0

0

Bahia

489.568

479.157

431.850

47.307

10.411

10.362

43

6

Amazonas

Nordeste


217

Exclusivamente Odontológico Grandes Regiões e Unidades da Federação

Novos

Antigos

Total Total

Coletivo

Individual

Total

Coletivo

Individual

Não Informado

6.806.438

6.635.993

5.929.993

706.000

170.445

165.053

808

4.584

Minas Gerais

554.451

523.750

480.167

43.583

30.701

30.559

0

142

Espírito Santo

141.578

139.563

126.174

13.389

2.015

1.424

0

591

Rio de Janeiro

1.921.189

1.881.627

1.516.569

365.058

39.562

38.616

744

202

São Paulo

4.189.220

4.091.053

3.807.083

283.970

98.167

94.454

64

3.649

760.247

732.994

697.843

35.151

27.253

27.194

23

36

Paraná

366.043

358.526

345.331

13.195

7.517

7.477

23

17

Santa Catarina

149.395

145.626

140.525

5.101

3.769

3.758

0

11

Rio Grande do Sul

244.809

228.842

211.987

16.855

15.967

15.959

0

8

Centro-Oeste

907.123

899.039

861.345

37.694

8.084

8.075

0

9

Mato Grosso do Sul

37.975

36.513

33.355

3.158

1.462

1.461

0

1

Mato Grosso

57.423

56.023

51.559

4.464

1.400

1.400

0

0

Goiás

178.271

175.266

163.099

12.167

3.005

3.005

0

0

Distrito Federal

633.454

631.237

613.332

17.905

2.217

2.209

0

8

37

29

29

0

8

8

0

0

Sudeste

Sul

UF não Identificada

Fonte: Sistema de Informações de Beneficiários – ANS | MS – Extraído em 31/6/13.

capítulo

8

Nota: O termo "beneficiário" refere-se a vínculos aos planos de saúde, podendo incluir vários vínculos para um mesmo indivíduo.


Atendimentos realizados Quantidade de eventos¹ das associadas da FenaSaúde por modalidade

 1º semestre de 2012 

Evento

Medicina de Grupo

Seguradora Especializada em Saúde

Total

Assistência Médica com ou sem Odontologia

78.152.680

79.842.626

157.995.306

Consultas Médicas

20.222.854

15.836.107

36.058.961

Exames Complementares

43.178.942

49.952.879

93.131.821

Terapias

4.436.736

2.553.126

6.989.862

437.414

415.696

853.110

9.876.734

11.084.818

20.961.552

Internações Outros Atendimentos Ambulatoriais ²

Fonte: Sistema de Informação de Produtos - ANS | MS – Extraído em 25/9/12. Notas: ¹ Não inclui os planos exclusivamente odontológicos. ² Outros atendimentos ambulatoriais: consulta / sessão com fisioterapeuta, fonoaudiólogo, nutricionista, terapeuta ocupacional, psicólogo.


219

Quantidade de consultas médicas das associadas da FenaSaúde por modalidade

1º semestre de 2012

20.222.854

Seguradora 15.836.107

Total 36.058.961

Alergia e Imunologia

126.554

37.914

164.468

Angiologia

111.108

30.522

141.630

Cardiologia

596.154

186.421

782.575

Cirurgia Geral

83.971

92.686

176.657

Clínica Médica

3.203.421

516.571

3.719.992

Dermatologia

552.944

307.875

860.819

Endocrinologia

340.855

164.398

505.253

Gastroenterologia

236.115

83.257

319.372

Geriatria

21.999

12.224

34.223

1.178.565

621.071

1.799.636

Hematologia

24.828

11.127

35.955

Mastologia

47.301

14.541

61.842

Nefrologia

41.138

60.893

102.031

Neurocirurgia

46.371

25.266

71.637

Neurologia

175.282

55.360

230.642

Oftalmologia

828.792

303.007

1.131.799

Oncologia

26.732

131.226

157.958

401.481

145.164

546.645

1.070.959

382.943

1.453.902

Proctologia

35.831

22.517

58.348

Psiquiatria

169.621

45.806

215.427

Reumatologia

68.194

28.898

97.092

Tisiopneumologia

39.051

37.315

76.366

Traumatologia-Ortopedia

750.031

168.208

918.239

Urologia

240.162

137.043

377.205

9.805.394

12.213.854

22.019.48

Ginecologia e Obstetrícia

Otorrinolaringologia Pediatria

Outras ¹

Fonte: Sistema de Informações de Produtos - ANS | MS – Extraído em 25/9/12. Nota: ¹ Consultas em pronto-socorro e outras consultas médicas ambulatoriais.

8

Consultas Médicas

Medicina de Grupo

capítulo

Evento


Quantidade de eventos das associadas da FenaSaúde por modalidade  1º semestre de 2012 

Medicina de Grupo

Seguradora Especializada em Saúde

Total

43.178.942

49.952.879

93.131.821

Ressonância Nuclear Magnética

345.911

513.152

859.063

Tomografia Computadorizada

319.970

535.774

855.744

Procedimento Diagnóstico em Citopatologia Cérvico-Vaginal Oncótica em Mulheres de 25 a 59 Anos

423.580

511.006

934.586

Densitometria Óssea

131.215

126.651

257.866

Ecodopplercardiograma Transtorácico

258.525

303.694

562.219

1.034

1.821

2.855

Endoscopia – Via Digestiva Alta

210.261

340.865

551.126

Colonoscopia

45.100

104.402

149.502

Holter de 24 horas

54.150

57.045

111.195

Mamografia

311.110

250.981

562.091

152.994

94.757

247.751

Cintilografia Miocárdica

31.445

51.275

82.720

Cintilografia Renal Dinâmica

2.461

3.971

6.432

449.088

471.364

920.452

27.697

46.976

74.673

1.435.681

2.760.511

4.196.192

Teste Ergométrico

225.338

244.199

469.537

Ultrassonografia Diagnóstica de Abdome Total

305.593

421.927

727.520

Ultrassonografia Diagnóstica de Abdome Inferior

721.548

677.409

1.398.957

Ultrassonografia Diagnóstica de Abdome Superior

45.558

62.827

108.385

Ultrassonografia Obstétrica Morfológica

160.939

109.209

270.148

37.672.738

42.357.820

80.030.558

Evento Exames Complementares

Broncoscopia com ou sem Biópsia

Mamografia em Mulheres de 50 a 69 anos

Hemoglobina Glicada Pesquisa de Sangue Oculto nas Fezes Radiografia

Outros


221

Medicina de Grupo

Seguradora Especializada em Saúde

Total

9.876.734

11.084.818

20.961.552

Consultas | Sessões com Fisioterapeuta

1.119.361

3.417.068

4.536.429

Consultas | Sessões com Fonoaudiólogo

345.177

294.895

640.072

Consultas | Sessões com Nutricionista

81.542

70.248

151.790

Consultas | Sessões com Terapeuta Ocupacional

21.459

29.293

50.752

Consultas | Sessões com Psicólogo

574.627

609.633

184.260

7.734.568

6.663.681

14.398.249

4.436.736

2.553.126

6.989.862

Transfusão Ambulatorial

4.407

17.062

21.469

Quimioterapia

37.096

135.729

172.825

Radioterapia Megavoltagem

107.893

119.409

227.302

Hemodiálise Aguda

10.674

2.370

13.044

Hemodiálise Crônica

85.214

53.369

138.583

Implante de Dispositivo Intrauterino – DIU

1.260

2.147

3.407

Outras

4.190.192

2.223.040

6.413.232

Internações

437.414

415.696

853.110

Cirurgia

174.291

140.814

315.105

Clínica

173.484

182.082

355.566

Obstetrícia

53.572

58.960

112.532

Pediatria

34.082

19.062

53.144

Psiquiatria

1.985

14.778

16.763

437.414

415.696

853.110

424.894

359.361

784.255

Hospital-dia

8.141

49.770

57.911

Domiciliar

4.379

6.565

10.944

Evento Outros Atendimentos Ambulatoriais

Outros Terapias

Regime de Internação Hospitalar

capítulo

8

Fonte: Sistema de Informação de Produtos - ANS | MS – Dados do 1º semestre de 2012 – Extraído em 25/9/12


Atenção à saúde - quantidade de eventos

 1º semestre de 2012 

Evento

Total

Atenção à Criança – Hospital Internação de 0 a 5 Anos de Idade por Doenças Respiratórias

21.228

Internação em UTI no Período Neonatal

2.334

Internações em UTI no Período Neonatal por até 48 horas

971

Atenção à Mulher – Hospital Partos Normais

21.182

Cesarianas

64.272

Causas Selecionadas de Internação Neoplasias

42.746

Câncer de Mama Feminino

3.033

Tratamento Cirúrgico de Câncer de Mama Feminino

1.116

Câncer de Colo de Útero

7.637

Tratamento Cirúrgico de Câncer de Colo de Útero

4.637

Câncer de Cólon e Reto

5.366

Tratamento Cirúrgico de Câncer de Cólon e Reto Câncer de Próstata Tratamento Cirúrgico de Câncer de Próstata

854 1.141 832

Internação por Diabetes Mellitus

5.066

Doenças do Aparelho Circulatório

30.569

Internação por Infarto Agudo do Miocárdio

6.446


223

Evento Internação por Doença Hipertensiva Insuficiência Cardíaca Congestiva

Total 5.116 499

Internação por Doença Cerebrovascular

9.667

Acidente Vascular Cerebral

5.717

Doenças do Aparelho Respiratório

51.054

Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica

1.105

Causas Externas

2.542

Procedimentos Cirúrgicos Cirurgia Bariátrica

2.076

Laqueadura Tubária

880

Vasectomia

644

Fratura de Fêmur (60 anos ou mais)

624

Revisão de Artroplastia

80

Implante de CDI (Cardiodesfibrilador Implantável)

63

Implantação de Marcapasso

416

capítulo

8

Fonte: Sistema de Informação de Produtos - ANS | MS – Dados do 1º semestre de 2012 – Extraído em 25/9/12.


Segmento de Capitalização O crescimento da classe C criou oportunidades para o setor, que vem trabalhando para agregar esses brasileiros que migraram na pirâmide social, por meio da oferta de novos produtos. A indústria de Capitalização apresentou, em

caderneta de poupança, segundo pesquisa

2012, um dos melhores resultados dos últimos

independente do Instituto Fractal, de São Paulo

anos. Ao longo do exercício, o setor injetou na

—, os títulos de capitalização vêm sendo ajus-

economia R$ 10,6 bilhões sob a forma de resgates

tados para atender às novas demandas da

finais e antecipados e pagou o equivalente a

sociedade, com o aprimoramento da comu-

R$ 3,5 milhões em premiações a cada dia útil.

nicação e dos processos de pós-venda, que

As reservas atingiram R$ 22,5 bilhões, alta de

contam com o apoio das ouvidorias, além dos

13,9 % em relação ao ano anterior, e as receitas

tra­dicionais SACs.

aumentaram 18 %, totalizando R$ 16,6 bilhões. A Federação Nacional de Capitalização – FenaCap, O resultado torna-se ainda mais expressivo por ter

vem trabalhando ao lado de suas associadas para

sido observado num período marcado pelo agra-

assegurar o máximo de transparência nas relações

vamento da crise econômica internacional, cujos

com o consumidor. As ações incluem o fomento a

efeitos se fizeram sentir na economia brasileira.

iniciativas de educação financeira e a busca para

Mas é fato que, além de consumir mais, estimulada

tornar cada vez mais claras as características dos

pelas políticas de ampliação da renda e do crédito,

títulos, o público a que se destinam e os benefícios

a população também formou mais reservas, tra-

que oferecem. Faz parte dos objetivos da federação

çando um cenário positivo para o setor.

mostrar à sociedade que os produtos de capitalização não podem ser considerados investimentos,

Alçados a uma posição de destaque na prefe-

sendo, portanto, inadequados para aqueles que

rência dos brasileiros — atrás apenas da popular

procuram rentabilidade no curto prazo.


225

O esforço para se aproximar mais do consumidor incluiu o lançamento da cartilha Pontos-Chave da Capitalização, um conjunto de livretos explicativos sobre modalidades e produtos comercializados e suas principais características. A publicação foi lançada na 3ª Conferência do Consumidor, em 2012, que marcou os 21 anos de vigência do Código de Defesa do Consumidor. Numa outra iniciativa, a entidade promoveu a reformulação de seu site, que passou a dispor também de um amplo e detalhado conjunto de perguntas e respostas para auxiliar quem procura entender as regras que norteiam o setor, os direitos e deveres de empresas e consumidores de títulos de capitalização.

Reservas | títulos de capitalização

22,5

19,8

2012

8

em R$ milhões

capítulo

2011


Sorteios e resgates Ao longo de 2012, foram resgatados 9,7 bilhões de títulos de capitalização, que totalizaram R$ 10,6 bilhões. Em sorteios, foram 899 mil títulos, que representaram R$ 841 milhões pagos em premiações.

Pagamentos à sociedade

Categoria

Porcentagem

Títulos resgatados

93%

Títulos sorteados

7%

Títulos Sorteados e Resgatados Títulos

R$ milhões

( % )

Títulos Resgatados

10.626

93 %

Títulos Sorteados

841

7 %

11.467

100 %

Total


227

Ambiente propício A recomposição do emprego e da renda dos

O desafio agora é incrementar a política de

brasileiros explica, em boa parte, os resul-

fomento à acumulação de recursos, estimu-

tados positivos apresentados pela indústria

lando o uso consciente do dinheiro, de modo a

da Capitalização em 2012. A ascensão de um

criar mecanismo de proteção e manutenção das

enorme contingente de pessoas à chamada

posições alcançadas pelas classes emergentes.

Classe C criou condições de mercado e opor-

O desenvolvimento continuado e sustentável

tunidades diferenciadas para o setor, que vem

da Capitalização pressupõe a possibilidade de

trabalhando para agregar esses brasileiros que

sobra nos orçamentos familiares e a existência

migraram na pirâmide social, por meio da oferta

de consumidores dispostos a formar reservas a

de novos produtos.

médio e longo prazos.


Coordenação e execução

Coordenação editorial: Ângela Cunha Texto e edição: Vania Mezzonato Revisão: Fani Knoploch


Coordenação e projeto gráfico

Buscando minimizar o impacto ambiental desta publicação, todas as tintas utilizadas na impressão são de base vegetal, a laminação da capa é biodegradável e o papel é de origem certificada.


Balanço social 2012  

Balanço Social do Mercado de Seguros Brasileiro no ano 2012.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you