Page 1


ÍNDICE ENQUADRAMENTO 01. A Luana que não deixavam crescer… PÁG. 7 02. Afinal a situação é outra… PÁG. 13 03. As vezes que me magoaste mãe PÁG. 16 04. Crescer sozinho com jogos de zombies e de matar PÁG. 19 05. Estou de costas voltadas para o mundo! PÁG. 23 06. Na balança a religião e o amor PÁG. 26 07. O caminho da mudança PÁG. 29 08. O menino que não queria aprender PÁG. 31 09. O meu cérebro já não funciona PÁG. 34 10. Aprender a viver de acordo com as possibilidades… PÁG. 36 Reflexões 2


Há escolas

que são gaiolas e há escolas que são asas. Escolas que são gaiolas existem para que os pássaros desaprendam a arte do voo. Pássaros engaiolados são pássaros sob controle. Engaiolados, o seu dono pode levá-los para onde quiser. Pássaros engaiolados sempre têm um dono. Deixaram de ser pássaros. Porque a essência dos pássaros é o voo. Escolas que são asas não amam pássaros engaiolados. O que elas amam são pássaros em voo. Existem para dar aos pássaros coragem para voar. Ensinar o voo, isso elas não podem fazer, porque o voo já nasce dentro dos pássaros. O voo não pode ser ensinado. Só pode ser encorajado.

Rubem Alves


A Educação

é o principal fator estrutural e promotor das sociedades modernas e desenvolvidas. Todos os

estudos e indicadores nacionais e internacionais revelam a existência de uma relação direta e proporcional entre o grau de escolaridade, o nível de vida e a esperança de vida. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), publicado anualmente pela ONU, segundo o qual é efectuada a ponderação dos níveis de escolaridade, o PIB per capita e a esperança de vida, comprova que existe uma relação direta e proporcional entre estes vectores. Ou seja, os países com níveis de educação e formação mais elevados dispõem de padrões de vida superiores e a idade média da população é mais alta. A Educação é, pois, um “passaporte” para o futuro dos cidadãos, enquanto prolonga o seu período de vida e, simultaneamente, constitui um “catalisador” para o desenvolvimento da sociedade. A promoção do sucesso educativo e o combate à exclusão e abandono escolar devem, pois, assumir particular relevância no quadro das políticas públicas. Nesse sentido, a Câmara Municipal de Odivelas tem vindo a desenvolver uma estratégia política com vista a contribuir para esse desidrato, nomeadamente, através do projecto municipal “SEI! Odivelas”. O “SEI! Odivelas” pretende prevenir situações e comportamentos de risco, combater a exclusão social, absentismo, insucesso e abandono escolar precoce. Esta tarefa apenas poderá ser bem sucedida com o envolvimento e participação dos agentes educativos (alunos, pais e professores) em torno de uma estratégia coerente e atuante que deve ser assumida e partilhada por todos, onde a figura do mediador constitui o “pivot” desse triangulo virtuoso. O sucesso que o “SEI! Odivelas” tem vindo a granjear de forma gradual e consolidada resulta da vontade, determinação, disponibilidade e das aptidões dos alunos, das famílias e da comunidade educativa, que importa enaltecer e incentivar. Este E-Book constitui mais um instrumento dinamizador e promotor do projecto e que revela a dinâmica e pro-atividade daqueles que nele trabalham e o desenvolvem. Os bons resultados obtidos através do “SEI! Odivelas” comprovam que estamos no rumo certo e que, sobretudo em tempos de crise, devemos apostar no nosso maior capital colectivo: as pessoas. A PRESIDENTE DA CÂMARA Susana de Carvalho Amador

5


ENQUADRAMENTO

Implementado

nas Escolas Públicas do pré-escolar ao 3º ciclo do Concelho de Odivelas desde 2010, o Projeto para o Sucesso Educativo (SEI! Odivelas), conta com uma equipa de técnicos das áreas das ciências sociais e humanas que se deparam diariamente com histórias de vida de crianças, jovens e famílias que perante as adversidades do dia-adia vão-se manifestando em determinados comportamentos menos ajustados aquilo que se entende por razoável nos estabelecimentos de ensino e que se revela muitas vezes no desempenho escolar dos alunos. Aos técnicos cabe-lhes muitas vezes e após um trabalho de continuidade, descortinar o que está por detrás destes comportamentos e tentar transformar estas atitudes e comportamentos em emoções geradoras de outros comportamentos mais aceitáveis, conduzindo a melhores resultados escolares, mas também a jovens mais equilibrados e felizes. Estas são as histórias dos nossos alunos e suas famílias, das nossas escolas, mas também dos próprios técnicos do SEI, pois como irão descobrir pela leitura das histórias, elas não se resumem a factos, elas são também a soma de muitos desafios, tristezas, alegrias e outras emoções que todos vamos sentido ao longo do nosso percurso profissional mas também pessoal. Por uma questão de confidencialidade todos os nomes dos alunos foram alterados e parte da história foi ficcionada de forma a não serem identificados com facilidade pelos vários intervenientes. 6


01. A LUANA QUE NÃO DEIXAVAM CRESCER… Nome: Luana Idade: 13 anos Agregado Familiar: mãe Sinalização: instabilidade emocional Ano escolar: 7º ano

Estava

sentado na sala a refletir sobre um caso do dia anterior, aproveitando o tempo de uma sessão cancelada, quando a Luana bateu à porta. Quando a vi, deparei-me com uma menina de 13 anos, frágil, esguia, de cabelo curtinho e olhos de um azul brilhante entristecido. Calça de ganga, camisola castanha e casaco de malha branco, é assim que me lembro dela. Ao peito trazia um pequeno crucifixo de prata, mesmo por fora da camisola, como se de um aviso se tratasse. Era a primeira vez que vinha ter comigo e a ficha de sinalização pouco dizia para além de que estava com dificuldades a diversas disciplinas, 6 negativas ao todo. A Diretora de Turma, referia ainda de que se tratava de uma jovem meiga e emocionalmente instável, provavelmente com “problemas familiares e com más companhias”, “um pouco respondona” referia a professora. Foram várias as sessões até que a Luana me olhasse nos olhos, mas em todas elas, invariavelmente, deixava cair umas lágrimas quando confrontada com a sua situação escolar. Referia ser boa a Matemática e Educação física, mas fraca a História, Geografia, Inglês e em outras tantas disciplinas. Com o tempo e o ganho de confiança, lá foi confessando que não gostava da professora de Inglês, que a de História era uma “velha chata” e que tinha um fraquinho pelo professor de Educação Física, na verdade ela e quase todas as miúdas da turma. 7


Não lhe detetei nenhum problema cognitivo, simplesmente alguma falta de atenção, pouco estudo e organização. Nada que não se resolvesse em meia dúzia de sessões. Mas foi quando abordámos em conversa a “vida lá de casa” que a coisa descambou. Uma choradeira tal que gastou o típico pacote de lenços de papel que, por defeito profissional, os psicólogos costumam manter em cima da mesa. Mediador – “Então Luana? O que se passa? Já sei que vives com a tua mãe e tens uma irmã mais velha que já não vive convosco. E o teu pai?”; Luana – “O meu pai faleceu há dois anos… morreu com cancro.” Não é que a Diretora de Turma tinha razão? Tirando a parte das “más companhias”, aos poucos o problema revelara-se emocional e familiar. O pai da Luana morrera há pouco tempo e o luto não estava a ser fácil para a adolescente, pensei eu. Mas, na verdade, não era bem a Luana que precisava de fazer o luto… Convoquei a mãe, convencido que havia descoberto a razão de tanta “desmotivação académica”. A mãe era uma mulher com pouco menos de 50 anos. Não lhe reconheci na cara os traços da Luana, mas foi a roupa que a denunciou – o mesmo estilo de roupa, clássica, conservadora e o pequeno crucifixo de prata ao peito, para compor o quadro. E o irritante casaquinho de malha… Foram necessárias apenas um par de sessões com a mãe para perceber que esta se encontrava deprimida e que o luto da morte do marido estava longe de ser feito. A relação com a filha mais velha era extraordinariamente conflituosa, desde a morte do marido, o que acabou por conduzir à saída prematura de casa da jovem, ainda estudante universitária. Algo que perturbara consideravelmente a Luana e a mãe. Mãe – “Dr., acho que as discussões que tive com a minha filha mais velha (Raquel) afetaram um 8


pouco a Luana. Algumas foram bastante acesas e não me orgulho disso, mas a rapariga tira-me do sério…”; Mediador – “De que forma é que acha que essas discussões afetaram a Luana?” Mãe – “Não sei, mas a morte do meu marido e a saída da Raquel de casa fizeram que deixasse de

sorrir (choro). Eu agarrei-me muito à minha filha, é tudo o que restou, compreende?” Mediador – “Não deve ter sido nada fácil para si. Já compreendeu que está deprimida e necessita

de um acompanhamento especializado. Mas diga-me, agarrou-se muito à Luana, isso significa exatamente o quê?” Mãe – “Protejo-a muito, só quero o melhor para ela. Não a deixo sair e andar com qualquer amiga. E

agora meteu na cabeça que quer jogar voleibol na escola e seguir um curso de desporto! Já viu?! Que raio de futuro pode ela ter assim? Mas há uma coisa…”; Mediador – “Sobre a questão do curso havemos de falar os três em conjunto, pode ser? Que coisa é

essa de que fala?” Mãe – “Desde que o pai morreu que a Luana dorme comigo na mesma cama. Ela no início não se

importava, mas agora fica amuada por ter de ir dormir comigo. Mas eu não consigo Dr., sinto-me muito sozinha (choro), compreende?” Era agora evidente que a Luana vivia asfixiada pela mãe que não a deixava crescer. Como se isso não fosse o suficiente, a Luana servia de “bengala emocional” para a mãe, dormindo com ela, vestindo-se como ela, com as amizades escolhidas e controladas pela mãe, assim como tinha pouca ou nenhuma autonomia nas escolhas académicas. 10


Muito havia para trabalhar. Em primeiro lugar combinámos que a Luana passaria a dormir sozinha, no seu próprio quarto e cama… intransigentemente! Em segundo lugar, que a mãe iria procurar ajuda profissional, junto do seu médico de família. Combinei com a Luana que, se ela começasse a estudar, organizar-se, concentrar-se nas aulas, tentaria convencer a mãe a deixá-la jogar voleibol na escola e prometi-lhe que, concluído o 9.º ano, voltaríamos a falar, juntamente com a mãe, sobre a possibilidade de seguir desporto. Tivemos algumas sessões conjuntas (com a presença das duas) para conversarmos sobre diversos assuntos – a morte do pai, as discussões e saída de casa da irmã, etc. Instalou-se um “clima de paz” e, no 2.º período a Luana teve apenas 3 negativas, aliás, acabou por passar o ano com 2 negativas apenas, beneficiando de alguma compreensão e carinho que gerava nos professores. A mãe manteve o acompanhamento psicológico, foi adequadamente medicada e aprendeu a viver com a “dor”. A Raquel não voltou para casa, mas a relação melhorou, sendo que passaram a falar-se diariamente por telefone. Quanto à Luana, bom, quanto à Luana, cresceu, libertou-se daquela imagem e tornou-se uma jovem bonita, alta, de sorriso na cara e com uns olhos azuis enormes, do tamanho do seu futuro. É certo que não se tornou uma aluna brilhante, mas a última vez que a vi já estava no 10.º ano, antes de mudar de escola. Na realidade, a última vez que a vi foi com um rapazote, no canto da escola… mas isso é outra história.

11


AFINAL A SITUAÇÃO É OUTRA….

02.

Nome: Francisco Idade: 9 anos Agregado Familiar: mãe Sinalização: défice de atenção e concentração Ano escolar: 3º ano

O Francisco

foi sinalizado a um dos Gabinetes de Apoio Psicológico no início do presente ano letivo, pela professora titular. Frequenta o 3º ano de escolaridade, vindo transferido de outra escola do Concelho de Odivelas. As queixas da professora prenderam-se com o fato do Francisco se apresentar como uma criança muito mexida, que não parava de falar, impulsivo, segundo ela com um défice de atenção e concentração muito acentuado. De acordo com informações recolhidas na entrevista com a mãe, chegou-se à conclusão que o Francisco foi diagnosticado com uma Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção. Deve tomar medicação diariamente, uma vez que não consegue controlar a sua agitação motora nem o seu défice de atenção e concentração (que é bastante acentuado). No entanto, segundo informações prestadas pela mãe, a mesma não tem condições financeiras para comprar a medicação ao filho. O Francisco é filho único de um segundo relacionamento da mãe, tem uma irmã mais velha da parte da mãe que, com 12 anos, decidiu ir viver com o pai. Esta situação aconteceu há 2 anos. Segundo relatos da mãe, a filha acusa-a de negligência, dificuldades económicas, e maus tratos físicos. A mãe presentemente vive com outro companheiro, a quem o Francisco trata por padrasto. Segundo a mãe, na altura em que a filha saiu de casa terá feito uma queixa à Comissão de Proteção de Crianças e Jovens por considerar que o seu irmão era vítima de maus tratos. 13


O Francisco em contexto individual, apresenta-se como uma criança mexida, incapaz de se concentrar numa só atividade. Revela-se como muito carente, procurando constantemente a aprovação, o afeto e o toque do outro. Sempre que se cruza no corredor, intervalo ou qualquer outro local da escola com a técnica do GAP pede-lhe para ir trabalhar com ela, sabendo que num contexto mais individual terá mais atenção, e poderá apesar de uma forma desorganizada falar dos seus sentimentos mais íntimos. É notório que a ausência de medicação prejudica o aproveitamento e organização do pensamento do Francisco, como também a dinâmica da sala de aula. Os resultados que o Francisco apresenta são muito inferiores às suas verdadeiras capacidades. Frequentemente o GAP trabalha estratégias com a professora titular de forma a conseguir aumentar os momentos de atenção e concentração do Francisco mas as mesmas tornam-se falíveis após pouco tempo. É importante referir que a mãe do Francisco não entregou o relatório com o diagnóstico do Francisco à professora. O mesmo não constava no processo do Francisco uma vez que ela tinha ido com o filho ao hospital, onde é funcionária de limpeza, no final do ano letivo anterior. Quando o filho entrou para a atual escola não tinha ainda tido tempo, ou considerado importante revelar esta informação à professora. À medida que o GAP vai tentando perceber melhor este caso, por considerar algumas questões preocupantes verifica que o Francisco beneficia do escalão A, sendo que toma o pequeno-almoço e o almoço na escola, tendo apenas que trazer o lanche da manhã de casa. No entanto, até nisso a mãe se revela incapaz de fazer, apesar de já ter sido alertada para a situação com alguma frequência, pelo que o GAP vem a perceber, não só pela professora e funcionárias, como depois pela técnica do GAP via telefone. O Francisco acaba por ser o único aluno que diariamente não tem lanche da manhã. É frequente andar a pedir comida aos colegas ou aos adultos da escola. Segundo a professora, que sempre suspeitou que haveria qualquer coisa com este aluno apesar de 14


nunca ter tido acesso a um relatório, é frequente o Francisco ter falta de material, não ir às visitas de estudo, nem mesmo as pedestres ou frequentar outras atividades propostas pela escola. É importante acrescentar que muitas vezes estas atividades são-lhe proibidas pela mãe como punição. No que diz respeito à higiene, é notória uma negligência diária. O Francisco cheira mal, tem as unhas sujas, cabelo comprido durante longos períodos de tempo e sujo, usa calças de pijama por baixo das calças, e a roupa nem sempre é adequada ao clima. Os amigos poem-no de parte com alguma frequência devido às questões acima referidas. A Encarregada de Educação revela-se incapaz de cumprir com os pedidos que lhe são solicitados por parte da escola no que diz respeito à alimentação, higiene, medicação, material, comportamento do filho e visitas de estudo. Sempre que chamada à escola a mãe apresenta um discurso confuso. Existem claramente enumeras dificuldades económicas no seio familiar, negligência e perturbação emocional. No final do mês de novembro o Francisco chegou à escola com nódoas negras na testa, um arranhão na bochecha do lado esquerdo, duas marcas na parte interior das orelhas (parecia claramente que alguém lhe tinha pegado pelas orelhas) e ainda marcas nas mãos. A Mãe dirigiu-se à escola explicando as marcar visíveis com uma queda da cama. Não satisfeitas com esta situação, a escola e o GAP entraram em contato com a CPCJ a dar conhecimento da situação. Pelo fato da escola, em articulação com o GAP, considerar que já tinha esgotado todos os meios ao seu alcance, enquanto instituição de primeira linha, decidiu solicitar a colaboração da CPCJ, a título de urgência para esta situação, uma vez que se considerou tratar de um menor em perigo.

15


03.

AS VEZES QUE ME MAGOASTE MÃE Nome: Carla Idade: 13 anos Agregado familiar: pai, madrasta e irmã Motivo de Sinalização: défice de atenção em sala de aula Ano de Escolaridade: 8º ano

Quando

a Carla me bateu à porta pela primeira vez fiquei surpreendida pela atitude da jovem, apesar dos seus tenros 13 anos teve uma conversa comigo como se de uma mulher feita se tratasse e perguntei-me a mim própria o que poderia fazer por ela, já que a Carla sabia muito bem o que queria da escola, o que esperar da sua família (neste caso do pai e da irmã) e as suas ambições enquanto estudante. A verdade é que as suas expetativas e a sua atitude não condiziam com os fracos resultados escolares que estava a apresentar. A Diretora de Turma tinha-me pedido que eu sondasse a jovem porque ultimamente a Carla adormecia nas aulas durante o período da tarde e como é óbvio não apanhava nada nas aulas… Após algumas sessões para a conhecer melhor e para que ela confiasse na pessoa que estava ali à sua frente a Carla apareceu-me no Gabinete num dia sem eu contar e naquele dia “despejou” uma série de acontecimentos que iam para além da sua convivência familiar atual. Embora a Carla vivesse a maior parte do tempo com o pai, a madrasta e a irmã, havia noites e finsde-semana que ia dormir a casa da mãe. Nas noites que antecediam e precediam as visitas à mãe, a jovem dormia mal, muito mal “ao todo eu durmo 2, 3 horas…dou voltas e voltas e não consigo 16


adormecer”. Segundo a jovem há 3 anos que estas insónias persistiam e depois ainda havia outra questão que a Carla omitiu mas que o pai desvendou numa reunião tida naqueles dias: a Carla fazia chichi na cama quase todas as noites. A origem da sonolência nas aulas estava ali explicada, sendo que desde logo pedi à Diretora de Turma para que transmitisse aos outros professores que fossem um pouco tolerantes face ao comportamento da Carla, visto que não era falta de interesse, era mesmo falta de horas de sono, enquanto eu tentaria modificar aquele comportamento. Na sessão seguinte após trocar algumas impressões com a equipa SEI sobre aquela jovem, deilhe algumas dicas para dormir melhor “Carla, se acordares durante a noite ou não fores capaz de adormecer bebes um copo de leite morno, escondes o relógio e se ainda assim não adormeceres vais escrever um diário com tudo de bom e de mau que te aconteceu/acontece”. Nas sessões seguintes a jovem foi-me contanto o medo que tinha de voltar a viver com a mãe (porque a regulação de poder parental ainda estava por resolver), pois quando estava com a mãe, havia noites em que a mãe bebia muito, que chegava tarde a casa e que ia verificar se a jovem tinha feito todas as tarefas domésticas previamente fixadas numa lista no frigorífico e que gritava e puxava-lhe os cabelos até ao chão se algo não estava como a mãe queria. As sessões com a Carla tornaram-se do ponto de vista emocional muito intensas, o que quer dizer que cada hora que estava com ela mais se aprofundava a origem do problema. A certa altura pedi-lhe que escrevesse uma carta dirigida à mãe e que a guardasse para si intitulada “As vezes que me magoaste mãe”. Pedi-lhe que o fizesse um dia se tivesse vontade. A Carla apareceu-me na sessão seguinte com a carta e quis-me ler a sua carta dirigida à mãe e foi com tanta emoção que o fez. Com uma força que não sei de onde veio, amparei-a, segurei-lhe as mãos, afaguei-a e enchi-a de mimos. A leitura da carta serviu para se libertar porque até ali era incapaz de 17


chorar e naquele dia chorou e chorou muito. Só percebi o alcance do que tinha conseguido quando a Carla me disse que nunca conseguia chorar, que quando estava a sofrer muito se trancava no quarto e se cortava para aliviar o sofrimento em sítios que não eram visíveis para as outras pessoas. Uma situação que aparentemente não era nada, podia ser uma miúda a desafiar os seus professores que diziam entre dentes “adormece porque os pais devem-na deixar ver televisão até às tantas”, afinal era uma situação tão diferente. Com o acordo da Carla e na sua presença chamei o pai que sempre se tinha mostrado disponível e era a âncora da filha e contámos-lhe tudo. Acordámos que eu faria um relatório dirigido ao Tribunal dando conta dos fatos relatados, o sofrimento a que tinha sido exposta pela mãe na infância e que continuava a ser exposta agora na adolescência e que era necessário suprimir. Encaminhada para o serviço de psiquiatria do Hospital de Santa Maria, a jovem continuou a “visitarme” e foi com muita satisfação que as nossas conversas começaram a ser sobre a adolescente Carla, sobre os seus namoricos, sobre as brigas com as suas amigas e sobre as suas notas que passaram de 6 negativas no 1º período, para 1 negativa no último período. O Tribunal confiou a regulação de poder parental ao pai e retirou a medida relativa aos fins-desemana na casa materna (ainda que temporariamente) tendo solicitado uma avaliação psiquiátrica da progenitora. A Carla desde então chora.

18


CRESCER SOZINHO COM JOGOS DE ZOMBIES E DE MATAR

04.

Nome: António Idade: 6 anos Agregado Familiar: mãe e duas irmãs Sinalização: comportamentos de recusa e agressividade Ano escolar: 1º ano

O António

tem 6 anos de idade e está no primeiro ano de escolaridade, é o filho mais novo de uma fratria de 3 irmãos, onde ele é o único elemento masculino. A mãe é cozinheira e trabalha nas horas em que o António fica em casa sob supervisão das duas irmãs, uma adolescente estudante e outra jovem adulta, que já trabalha. A ausência de uma figura efetiva de autoridade na vida do António é evidente neste agregado e reflete-se no que o António me disse na primeira sessão: “As minhas irmãs deixam-me fazer tudo. Fico

acordado a jogar até a mãe chegar. Ela não sabe. Depois deito-me assim que ela chega e finjo que estou a dormir há muito tempo (risos) ”. Mas vamos começar pelo princípio. Na sala de aula começou a ter comportamentos de recusa sempre que era contrariado pela professora atirando-se para o chão e gritando. Com os colegas e as assistentes operacionais tornou-se cada vez mais agressivo de uma forma muito grave para um menino desta idade. Os comportamentos ocorreram em escalada e a cada semana o que me contavam era cada vez pior. Quando o António passava nos corredores, no intervalo, ouvia-se um burburinho: “O que é que ele irá fazer a seguir? O que é que falta?”. E nada parecia parar o António…

19


Como resultado das suas últimas agressões na escola, foi efetuada uma queixa à polícia por uma assistente operacional. A mãe começou finalmente a perceber a gravidade da situação e dizia-nos a chorar que o filho não era mau e não queria que viesse a tomar medicação. Explicámos que a medicação não é nem um milagre nem um monstro. A maior parte das vezes ajuda a controlar os comportamentos e só queremos que o António revele o que de melhor tem, e não o pior. Só após a quarta tentativa consegui que a mãe viesse à escola. A sua vinda passou a ser então mais regular. Numa das sessões a mãe diz-me: “Podemos falar só do António? Não gosto muito de falar da minha vida particular”. Expliquei-lhe que entendia que custava revelar temas que lhe eram sensíveis, mas disse-lhe também que os filhos são o resultado de uma família, com as suas características, defeitos e qualidades e que precisava muito de conhecer a dinâmica desta família para poder compreender o que se estava a passar com o António. “Mas o meu filho não é mau, garanto-lhe!”. Eu sei que não é, mas é quase sempre o resultado daquilo que nós permitimos que ele seja, tentei explicar. Aos poucos, a mãe foi fazendo revelações, que lhe custaram mas que ajudaram a compreender a teia de relações desta família, de duas jovens adultas já autónomas e de um menino que aparece muito depois e a quem era mais fácil fazer sempre as vontades do que contrariar. De um menino que não vê o pai. De um menino que acaba por ser educado … a ver jogos de computador “de zombies e de matar”. Tinha de agir e rapidamente. Elaborei uma declaração relatando os últimos acontecimentos na escola e a gravidade dos mesmos: agressão grave a assistente operacional, agressão a colegas, desafio permanente da autoridade, comportamentos de risco (subida a um armário da escola com queda; subidas ao telhado da escola). A declaração tinha como propósito marcar uma consulta de pedopsiquiatria de urgência que a mãe pudesse levar a uma instituição hospitalar, como aliás já tinha sido proposto pelo médico que viu o 20


António quando este caiu do armário e que a mãe na altura recusou. O António foi finalmente visto por uma equipa de pedopsiquiatria e já está marcada a consulta de seguimento. Está medicado e a mãe compreende a importância de controlar alguns comportamentos, tal como deve continuar a controlar o seu comportamento em casa. Deixou de poder jogar no computador “jogos de matar e de zombies” e de ver televisão depois do jantar. As irmãs prometeram estar mais atentas ao irmão e agora o António tem pequenas tarefas de auxílio às irmãs que, segundo dizem, o António gosta de realizar. A mãe está a ponderar deixar o turno da noite para poder estar mais presente na vida do filho. O caso do António está longe de estar terminado, mas quando conseguimos ter a família do nosso lado, temos meio caminho andado para podermos prosseguir com mais segurança e sustentação. A mãe percebeu finalmente que os comportamentos desadequados do filho, muitas vezes por estar a crescer sozinho com as regras dos jogos que ele mais gosta precisam ser diminuídos, para podermos encontrar um António que goste de jogos (sem zombies e sem matar).

21


ESTOU DE COSTAS VOLTADAS PARA O MUNDO!

05.

Nome: Tânia Idade: 13 anos Agregado familiar: Pai, Mãe e irmão mais velho Sinalização: falta de assiduidade Ano escolar: 7º ano de escolaridade

“Estou

de costas voltadas para o Mundo” – disse a Tânia e foi com estas palavras que se deu a conhecer.

Sentia-se não só de costas voltadas para o mundo, como também para ela própria. Tinha ficado claro que não seria fácil dar-se a conhecer! Estava zangada com o mundo: com os pais, com a escola, com os professores com os outros! Não se sentia bem no seu mundo interno. O mundo desmoronou-se a partir do dia em que a mãe lhe contou que os pais não eram seus pais e que ela tinha sido adotada logo à nascença. A confiança que tinha depositado na família que julgara ser sua, tinha sido severamente abalada. Como iria agora olhar para eles? Quando eles para si já não eram os mesmos! Ela própria também já não era a mesma! Tudo ficou diferente a partir daquele dia! Senti que aproximar-me da Tânia era como pisar um terreno tão frágil que a qualquer momento poderia ruir. 23


Como construir uma ponte entre nós? As palavras teriam que ser usadas de forma refletida e a confiança teria que ser a ponte da nossa relação. Nos primeiros dias, Tânia fechou-se no quarto e não queria comunicar com ninguém. O seu silêncio revelava sofrimento e a dificuldade em digerir as suas emoções, em pôr por palavras os seus sentimentos. Afinal os seus pais biológicos não a desejaram e estavam prontos para a entregarem numa instituição, este era o pensamento associado ao sentimento de rejeição. A dureza dessas palavras ecoava na mente e feriam-na profundamente! Tânia sentia a necessidade de transformar aquelas palavras, de dar dentro de si outro significado, mas não sabia como fazer! Foi preciso aproximar-me da Tânia para poder trabalhar com ela aos vários níveis, quer com ela própria para aderir ao encaminhamento à consulta de especialidade, quer com os pais e professores. O trabalho realizado com os pais adotivos teve por base o consentimento da Tânia e consistiu na transmissão da importância de restabelecer a confiança e a segurança na relação entre ela e a família, em especial quando estes a faziam sentir-se culpada por não se sentir reconhecida com a generosidade que eles manifestaram para com ela. Talvez não soubessem lidar com a fúria e desespero de uma rapariga, na força da adolescência, depois de receber tal noticia e esperavam dela sobretudo palavras de gratidão para acalmar a culpabilidade que eles próprios sentiam ao manterem tal segredo durante os primeiros 13 anos da vida de Tânia. Para além do trabalho com os pais adotivos, foi necessário trabalhar também com os professores, em especial com aqueles cujo modo de agir fazia lembrar Tânia da forma como a mensagem lhe tinha sido transmitida naquele dia. Tânia começou a faltar às aulas, pois não estava capaz de ouvir os professores, os pensamentos levavam-na sempre para outro lugar. As palavras transmitidas pela mãe naquele dia, mal penetravam na sua mente! Naquele momento não estava disponível para aprender, ainda para mais quando dela 24


só esperavam silêncio e aceitação. Era Tânia obrigada a engolir a sua revolta!? Não, teria que trabalhar essas emoções e iniciar acompanhamento psicoterapêutico o mais depressa possível. Foi necessário encaminhá-la para uma consulta de especialidade, mas seria necessário antes trabalhar a sua adesão à mesma. À medida que lhe falo, escolho as palavras, visto-as para lhes dar corpo e cuidadosamente vamos construindo entre nós a confiança. Após alguns encontros e desencontros sinto que o olhar da Tânia se mostra menos carregado, os dentes menos cerrados e de vez em quando, já se atreve a olhar-me. Estaria a pouco e pouco a abrir-se para os outros, mas também para si própria? Não é fácil para uma jovem adolescente que procura construir a sua identidade, sentir que de repente se alteraram os modelos: materno e paterno que julgara serem os seus. Afinal os pais biológicos viraram-lhe as costas e estes que até agora pensava serem os seus, viraram-lhe as costas também ao não compreenderem as suas reações. Porque mantiveram em segredo, algo que era tão vital para ela? Esta era a questão que mais a atormentava. A caminhada com a Tânia inicialmente não foi de mãos dadas, mas ao fim de algum tempo, permitiuse voltar a confiar nos outros, a deixar-se confortar, consolar e a poder transformar a sua raiva. Afinal de contas de costas voltadas não se vê o futuro!

25


06.

NA BALANÇA A RELIGIÃO E O AMOR Nome: Maria Idade: 17 anos Agregado Familiar: pai, mãe e 3 irmãs Sinalização: indisciplina, oposição e falta de estudo Ano escolar: 9º ano

Após

primeira entrevista com a aluna e a família a mediadora entendeu que existiam problemas na relação mãe e pai. A filha sentia uma afinidade com o pai que tinha saído de casa e a jovem tinha saudades e culpabilizava a

mãe.

No atendimento a jovem sempre mostrou dificuldade em falar do que sentia e sempre muito desconfiada. Mediadora: Maria então porque tens faltas disciplinares? Maria: os professores têm a mania e eu não tenho paciência. Mediadora: e o que é isso de ter a mania? Maria: são injustos! Mediadora: e o que é para ti ser injusto? Maria: os outros não se portam bem e não levam faltas e eu levo, não gostam de mim! Mediadora: e o que é para ti portar bem? Maria: fazer o que os professores dizem. Mediadora: queres dizer cumprir com as regras de funcionamento. Maria: sim. Mediadora: e tens esse comportamento assim em todas as disciplinas? 26


Maria: não, inglês e história é pior, eu não percebo nada… Mediadora: ah! Estás-me a dizer que não entendes a matéria. Maria, excecionalmente existem pessoas que são boas a tudo, a maioria de nós tem mais facilidade em umas áreas do que em outras, e como não gostamos de falhar acabamos por fazer menos nas que temos dificuldade. Mas por isso mesmo se queres terminar o 9.º ano, então temos que pedir ajuda nas áreas em que és menos forte. Combinamos em estudarmos inicialmente juntas para história e vou falar com a Diretora de Turma para teres apoio a inglês, concordas? Maria: sim. Em conselho de turma a aluna foi indicada para apoio a inglês e foi trabalhado os métodos de estudo com a mediadora com a disciplina de história. As participações disciplinares melhoraram mas a aluna continuava fechada com raiva da mãe e muitas saudades do pai. Às vezes durante o atendimento a mediadora telefonava para o pai da aluna, para que esta falasse com ele e nesses momentos a Maria chorava, chorava, chorava. A mediadora chamou o pai e a mãe em separado para perceber melhor a situação. O pai muçulmano tinha uma nova esposa, a mãe nunca aceitou esta situação e resolveu separar-se, o pai não queria separar-se e tinham muitos conflitos. Até que o pai acabou por sair de casa. Maria chorava agarrada a barriga Amigas: fala com a mediadora, ela é fixe… Mediadora: então Maria o que se passa?…. Maria: nada, tenho muitas dores deve ser do período e ninguém na escola me dá um comprimido para as dores… Mediadora: pois Maria, de acordo com a legislação só se o encarregado de educação autorizar, senão não te podem dar nada. O melhor seria irmos ao médico, eu ligo à mãe e peço autorização para 27


ir contigo, estou a notar que estás com muitas dores. Maria: não vale a pena chatear a minha mãe ela está a trabalhar eu tomo um chá e fico melhor. A Maria tomou um chá e foi para as aulas. À noite a mediadora ligou à Maria para saber como se estava a sentir, a Maria disse que estava melhor. No dia seguinte a Maria desmaiou nas aulas a ambulância levou-a para o hospital, o pai e a mãe foram ter ao hospital e o diagnóstico foi: aborto. O pai bateu na Maria e expulsou-a de casa, a Maria ligou à mediadora muito triste e a sofrer porque o pai não gostava mais dela. A mediadora chamou o pai e após uma leitura do livro sagrado do Corão, a mediadora tentou pedir que o pai aceitasse a filha em casa novamente. A mãe da jovem aceitou a jovem e o pai acabou por perdoar, embora não morasse na mesma casa ele continuava a ser o PAI. A aluna ainda assim terminou o 9.º ano com sucesso e inscreveu-se numa escola profissional em curso profissional numa área social. Atualmente a mediadora sabe que a aluna está a ter sucesso no curso, a relação com a mãe está bem e o pai continua a ser o seu herói…ah, a aluna tem um namorado e o pai conhece…o pai trabalha atualmente na área da saúde…

28


O CAMINHO DA MUDANÇA

07.

Nome: Filipa Idade: 14 Agregado familiar: mãe, irmã e avó Motivo de Sinalização: indisciplina Ano de Escolaridade: 7º ano

O telefone

tocou a solicitar a presença da mediadora na sala da diretora da escola.

A mediadora entrou na sala e em cima da mesa estava um processo muito robusto, com um grande monte de folhas amarelas...as famosas participações disciplinares! Juntamente ao processo estavam as medidas do Tribunal às quais a aluna estaria sujeita ao longo de 18 meses! Enfim, o prognóstico não era bom. A aluna estava com muitas negativas, muitos problemas disciplinares, péssimo relacionamento com os professores e uma grande revolta com mundo. A pouco e pouco a aluna foi comparecendo por iniciativa própria às sessões... ao fim de 2 meses já tinha subido os resultados escolares a algumas disciplinas, mas a mãe ficou desempregada porque a avó teve um AVC e dependia totalmente de cuidados a tempo inteiro e o dinheiro para uma instituição que prestasse esses cuidados era impossível! A impotência da aluna face às dificuldades da família levaram-na à manifestação diária da sua revolta e as participações voltaram! Após conseguirmos os apoios da segurança social e de banco alimentar para esta família a aluna voltou a acreditar que afinal o mundo não estava contra ela e lentamente não só as notas melhoraram, como a sua atitude transformou-se e esta chegou a ser convidada para a grande honra de ser conselheira da direção! De 8 negativas conseguiu passar o ano com 1 negativa e 0 participações disciplinares nos últimos meses 29


escolares. Desenvolveu autoconfiança, credibilidade nos adultos e outros em geral, e passados 2 anos, continuando assiduamente as suas sessões conquistou o 9º ano e eis que dá a novidade à mediadora de que quer ser psicóloga e ajudar as pessoas a encontrar soluções para os seus problemas para que, tal como ela, possam encontrar um rumo e um caminho que as realize! Em 2013/2014 a aluna frequenta um curso profissional de área de intervenção social e convicta do seu rumo profissional como futura psicóloga!

30


08.

O MENINO QUE NÃO QUERIA APRENDER Nome: João Idade: 6 anos Agregado Familiar: mãe Sinalização: dificuldades de aprendizagem Ano escolar: 2º ano

O João

é um menino que foi referenciado a um dos Gabinetes de Apoio Psicológico por apresentar dificuldades de aprendizagem, no final do ano letivo de 2012-2013, quando ainda frequentava o 1º ano. Presentemente frequenta o 2º ano, no Concelho de Odivelas. O João foi descrito pela sua professora do 1º ano como pouco produtivo, não revelando interesse por nada nem ninguém. Segundo a mesma, o João não estabelecia relações com os seus pares, e parecia viver “num mundo à parte”, “ficando largos minutos a olhar para o vazio”. Após a primeira entrevista com a mãe, já quase no final do ano letivo, para além das dificuldades de aprendizagem e de comportamento identificados no João, tornaram-se também evidentes problemas emocionais graves, assim como patologia na dinâmica familiar, onde a negligência e o abuso aconteciam com regularidade. O João é filho único, não foi uma criança desejada e muito menos aceite pelo pai. A mãe sempre teve dificuldades em cuidar do João, fruto de uma depressão pós parto grave. Quando o João entrou para o 1º ano o pai imigrou devido a dificuldades económicas. A mãe está desempregada. As exigências da entrada para a escola, do filho, juntamente com a pressão de ficar sozinha fizeram com que a mãe do João entrasse em desespero. A relação entre os dois, mãe e 31


filho, é diariamente um pesadelo. A mãe sente-se incapaz de lidar com todas as exigências a que é obrigada. Na escola as queixas de um menino que não quer aprender são constantes. Uma vez que o João não faz nada é convidado ou “forçado ” a sentar-se numa das últimas mesas da sala de aula. Rapidamente, nos dias em que não faz nada para chamar a atenção é esquecido basicamente todo o dia, e passa todo o dia sem produzir literalmente nada de visível. Apesar de se recusar a fazer qualquer registo escrito, oralmente o João consegue responder às questões, nomeadamente quando está em contexto individual com a psicóloga. Cognitivamente, e depois de avaliado pelo GAP, esta é uma criança que tem boas capacidades de aprendizagem. O fim do ano avizinha-se e o João transita por força da lei para o 2º ano. Em reunião com a mãe é-lhe pedido para ir ao médico de família, para que esta a possa encaminhar a ela e ao filho para consultas de psicologia durante o período de férias. Foi feita a articulação por parte do GAP com a médica de família que concordou. No início do 2º ano o João mudou de professora e de encarregado de educação. Segundo informações recolhidas, o João não teve acompanhamento, uma vez que a mãe se mostrou incapaz para o fazer. Tendo em conta a incapacidade da mãe para acompanhar a vida escolar do seu filho, e tal como lhe tinha sido proposto no final do ano transato o irmão (tio do João) assumiu no presente ano letivo o papel de E.E. Numa articulação muito estreita entre psicóloga, nova professora titular e tio, o João sente que este ano vale a pena investir na escola. Foi criada uma relação de confiança e de exigência que leva aos poucos a uma reorganização emocional do João. Progressivamente tem desbloqueado algumas das suas dificuldades graves na estrutura do seu pensamento. O João passou a estar sentado num dos lugares da frente. O seu trabalho é monitorizado regularmente, não só pela professora, como pela colega do lado, que é uma das melhores alunas da turma e que funciona como sua tutora e ainda pela psicóloga 32


semanalmente. Presentemente é notório um desejo imenso por agradar, a apatia, e o desinvestimento, foram substituídos por “está bem” “já acabei”. O ar do João é mais saudável, não triste e deprimido como o do ano passado. Assim o João vai conquistando o seu terreno, já brinca com os outros, já tem amigos, e estes têm um orgulho imenso em mostrar-me as conquistas que ele faz diariamente. Têm sido trabalhadas estratégias entre a professora e a psicóloga de forma a garantir a sua motivação, atenção e concentração. Grande parte das vezes a ligação e a relação que o João mantem com as pessoas de referência diariamente tem sido o suficiente para manter os seus níveis de atenção e concentração. Será importante referir que numa fase inicial, no ano transato, a mãe do João se encontrava tão desesperada com o insucesso dele que via como única resposta a medicação. A mãe está a ser acompanhada a nível psiquiátrico, psicológico e é monitorizada pelo irmão e cunhada. Diariamente o João é acompanhado pelos tios, e aproximadamente de 3 em 3 semanas a professora, tios e psicóloga reúnem-se para falarem dos progressos do aluno de forma a garantir o sucesso escolar do mesmo. O João consegue trabalhar como os outros, tem orgulho no que faz, já consegue ler, e escrever tem no entanto um longo caminho pela frente, mas é bom saber que afinal o menino que não queria aprender estava apenas adormecido.

33


09.

O MEU CÉREBRO JÁ NÃO FUNCIONA Nome: João Idade: 17 anos Agregado Familiar: mãe e irmão e irmã Sinalização: absentismo escolar Ano escolar 8.º ano

João:

…o meu cérebro já não funciona! Mediadora: porque é que dizes isso? João: não consigo memorizar nada, não tenho paciência, não me apetece ir às aulas, alem disso são todos umas crianças. Mediadora: são todos umas crianças? hummmm, quantas vezes reprovaste e em que escola? João: reprovei numa escola em Almada, depois os meus pais separaram-se e vim para Odivelas e estou a repetir o 8.º pela terceira vez. Mediadora: gostas de morar em Odivelas? João: não, isto é tudo muito complicado. Mediadora: não vais às aulas ok. Então onde estás no tempo das aulas? João: por aí, com amigos!!! Mediadora: amigos? e o que fazes? João: nada de especial, Mediadora: consomes bebida, fumas, ganzas... João: sim, bebidas, cigarros e ganzas, Mediadora: e a tua família o que diz? João: a minha mãe sabe, e chateia-me a cabeça… Mediadora: se consomes antes das aulas é normal que a noção de horários e responsabilidade não se cumpra... 34


João: eu controlo, eu vou ser capaz eu quero terminar o 9.º ano e fazer um curso profissional. A mediadora entrevistou várias vezes a mãe em conjunto definiram algumas estratégias para apoiar o jovem.

Passado uns meses... João: …eu estou maluco, tenho alucinações e oiço vozes e as vezes não sei o que faço e como chego a casa… Mediadora: João então não estás a conseguir controlar... aceitas ajuda?… João: sim Mediadora: Ok então vamos ao médico de família e vamos pedir consulta de psiquiatria. A mediadora pediu à mãe para marcar consulta médica e no dia da consulta o João não dormiu em casa e não apareceu. A mãe do João ligou à mediadora e a mesma acompanhou a mãe à consulta. Depois de relatada a situação a médica de família marcou nova data para consulta com o João. A mediadora falou com o João e este foi à consulta. A médica encaminhou o João para consulta psiquiatria em hospital e acompanhamento no Centro de Saúde de Odivelas em serviço de psicologia. Após avaliação psiquiátrica o João foi medicado com um diagnóstico de comportamentos esquizoides agravado pelo consumo de drogas e álcool. A psicóloga do Centro de Saúde encaminhou o jovem para comunidade terapêutica para tratamento dos consumos e desenvolvimento de um projeto de vida. Devido ao custo do internamento foi solicitado apoio económico à segurança social. Após 6 meses o pedido foi diferido e o jovem foi internado em comunidade terapêutica. Decorridos 15 dias o jovem quis regressar a casa e atualmente é acompanhado no hospital e medicado, simultaneamente inscreveuse no Centro de Emprego para formação profissional. A mãe diz que o jovem já toma a medicação, dorme melhor e está mais empenhado em terminar o 9º Ano. 35


10.

APRENDER A VIVER DE ACORDO COM AS POSSIBILIDADES… Nome: Andreia Idade: 10 Agregado Familiar: mãe e irmã Sinalização: resultados escolares Ano de escolaridade: 5º Ano

Certa

manhã, a meio do 2º período, estava eu sentada na sala dos professores, quando um diretor de turma do 5º ano me chamou em surdina. De imediato percebi que algo se passava com um dos seus alunos. Foi então que me pediu que o acompanhasse à sala de receção aos pais, uma vez que lá se encontrava uma mãe, encarregada de educação de uma das suas alunas. Sem me explicar o que se passava, entramos na pequena sala, gelada e lá estava a mãe da Andreia Silva, acompanhada pela filha mais nova, que corria em volta da mesa. Antes de a mãe dizer alguma coisa, o diretor de turma apressou-se em fazer as apresentações e explicar o motivo da minha presença. Em jeito de repetição, pelo diálogo que a mãe da Andreia ia referindo, compreendi que já tinha havido um desabafo anterior, antes mesmo de eu entrar naquela sala. A mãe demonstrava um ar bastante preocupado e angustiado, foi então que me olhou nos olhos e me contou a sua história. O marido, pai da Andreia e da pequena irmã mais nova tinha fugido para o seu país de origem, no imenso continente africano. Pela descrição da mãe foram várias as dívidas acumuladas, ao longo dos tempos em que estiveram em Portugal e via-se agora sozinha, com o ordenado penhorado e duas crianças menores a seu cargo. 36


Pediu-me ajuda em jeito de desespero, pois a Andreia era uma boa menina, nunca tinha chumbado e feito o 1º ciclo com boas notas, no entanto esta situação do pai veio em tudo alterar a rotina familiar daquela família. A mãe mencionou por diversas vezes que o seu ordenado se encontrava penhorado e que teve de arranjar mais um emprego para ir pagando as dívidas que o seu marido lhe deixara, mas também para conseguir alimentar as duas filhas. Mencionou a preocupação com o comportamento da Andreia, pois tornara-se mais “refilona” e “respondona” e com falta de reconhecimento de autoridade da mãe. Questionei a mãe no sentido de tentar perceber se tinha conversado com a Andreia a explicar-lhe a situação. A mãe acenou que sim, afirmando que não tinham dinheiro para pagar a ama da filha mais nova, nem para a maior das alegrias das suas filhas: ir uma vez por mês ao MacDonald´s e ao cinema. No decorrer daquela conversa falou ainda do aproveitamento da Andreia, que no 1º período tinha sido bom, mas que, com toda esta situação a Andreia tinha tido uma grande quebra no seu aproveitamento escolar, tendo tido negativa em quase todos os testes do 2º período. Em jeito de término da conversa, tranquilizei a mãe, dando-lhe algumas palavras de conforto e que a Andreia passaria a ser acompanhada pelo projeto Sei. A mãe ficou mais calma e pediu-me por tudo que falasse com a filha. O primeiro encontro que tive com a Andreia foi bastante gratificante, de pele escura e a cabeça repleta de trancinhas, tinha um ar genuíno e uma voz muito calma, percebi de imediato que era uma menina doce e meiga. A Andreia tinha 10 anos e frequentava o 5º Ano, em tempos e com alguma tristeza segredou-me que “eu andava na patinagem, mas a mãe agora já não tem dinheiro”. Após algumas sessões individuais, a Andreia deixou de culpar a mãe e recuperou o seu rendimento escolar. Elaboramos planos de estudo e definimos estratégias e metas para recuperar as notas dos primeiros testes do 2º período. Não foi difícil trazer a Andreia à razão, percebi que o deixar de ir uma vez por mês ao MacDonald´s, que ela e a irmã tanto gostavam ainda continuava a ser um dilema, 37


mas após várias conversas a Andreia foi percebendo que a mãe não tinha como satisfazer aquele seu desejo. A Andreia conseguiu recuperar algumas notas no final do 2º período, tendo apenas duas negativas, a matemática e inglês. Dizia sempre que queria ir para a faculdade e que o seu sonho era ser cantora. No decorrer do 3º período via a Andreia mais bem-disposta, confiante e entusiasmada, sempre bastante cumpridora dos nossos planos de estudo, acabando por me confidenciar que se aproximava o grande dia. “Sabe professora está a chegar o dia da minha primeira comunhão”. (Professora, era assim que a Andreia me chamava). Foi assim que no final do 3º período a Andreia me veio mostrar as fotografias da sua primeira comunhão e que tinha passado de ano, apenas com uma negativa, a matemática. Apesar da relação mediadora – aluna, a relação de amizade que se estabeleceu foi fulcral para o sucesso desta aluna.

38


REFLEXÕES Antes de finalizarmos deixamos-vos com algumas reflexões e testemunhos da nossa equipa perante o trabalho no terreno, com alunos, famílias e comunidade educativa. Esperamos que com este trabalho tenhamos conseguido transmitir que aquilo que nos move também são as emoções.

São exemplos de histórias de vida, vida como todas as outras com um caminho, Este trabalho é mais um processo de aprendizagem e com que um trabalho, não dá para ser desafios constantes. Este trabalho de sucesso um trabalho das 9.00h às 17.30h, ele mexe escolar e bem-estar psicossocial é um trabalho com vida humana, com pessoas onde todos os essencialmente em rede. Numa escola sem rede dias tentas dar o melhor de ti como ser humano. não se consegue mudar comportamentos. Os Um processo sofrido, com dores, frustrações e muitas professores têm que ser nossos aliados vezes sem saber por onde ir, querer desistir...acordar assim como a família, só assim o e querer fazer melhor, mas acima de tudo um trabalho resultado poderá ser efetivo. que nos ajuda a crescer e evoluir como seres humanos, um desafio constante, um nunca saber como termina, mas também alegrias e uma sensação de “ dever cumprido”. Aqui neste concelho, nas nossas escolas aprendemos também a ser mais pessoa.

40


Em cada caso em que os Gabinetes de Apoio Psicológico (GAP) atuam, podem surgir intervenções diferentes de acordo com as possibilidades que nos são dadas. Por vezes não temos o sucesso que desejaríamos. Temos e vamos sempre ajustando a nossa intervenção de acordo com as hipóteses e os problemas que vão surgindo. Por vezes os alunos são sinalizados aos GAP por uma determinada queixa, mas depois, com o desenrolar do caso vêm ao de cima muitas outras situações e complicações.

Trabalhar com adolescentes é um desafio constante, pois leva-nos a confrontarmo-nos com as partes adolescentes que existem dentro de nós, a procurar compreendermos outras perspetivas, a partir do olhar do outro e só assim podemos progredir.

Senão por outros motivos, pela compensação profissional e emocional de presenciar e intervir no processo de crescimento destes jovens. É um honra poder lutar e trabalhar por estes objetivos.

Enquanto mediadora escolar deste projeto posso assegurar que é impossível ficar indiferente à história de vida pessoal, familiar e escolar destes alunos. Contudo, a atenção a alguns casos e iniciativas leva-me a ser otimista e a reconhecer que há um manancial de experiências positivas e de saberes de carácter pedagógico que é possível divulgar e pôr em prática no sentido de atender à especificidade destas crianças. Leva-me, ainda, a pensar que, num plano mais geral, a ação desenvolvida pelo projeto Sei contribui, sem dúvida, para a construção de um mundo melhor.

41


Projeto SEI! Odivelas Rua Fernรฃo Lopes (Junto aos Paรงos do Concelho - Quinta da Memรณria) 2675-348 Odivelas T. 219 320 359

E-book - Para alem do insucesso... abrir janelas para voar  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you