Issuu on Google+

Montijo hoje, como órgão público de comunicação, contribuirá para promover o envolvimento dos cidadãos nas políticas públicas, os valores da transparência, do direito à informação, da responsabilidade e da prestação de contas”. Nuno Canta EDITORIAL Pág. 3

VIVER

AS FESTAS

As tradições religiosas, a música popular, o folclore, as filarmónicas, as corridas e as largadas de toiros, a sardinha assada, as febras, o chouriço na brasa e o caldo verde marcam presença mais um ano nas festas. Pág. 12

Educação Pág. 7

Presidência aberta dedicada à educação Empresas

Entrevista

Carmonti João Marmelada The Camp reabre após incêndio Raporal investe seis milhões Pág. 8

A grande aposta do “The Camp” está claramente nos concursos hípicos. Desde os 7 anos que João Marmelada participa nestas competições, sendo detentor de múltiplos títulos e prémios. Deixou de competir e a paixão pelas provas espelha-se, agora, no afinco com que as realiza. Pág. 9

Montijo Lugar de Encontros Pág. 6


2

Montijo hoje | JUNHO de 2014

NÃO à privatização da EGF A Câmara Municipal do Montijo está contra a privatização da EGF – Empresa Geral de Fomento, detentora de 51 por cento do capital social do sistema multimunicipal AMARSUL, responsável pelo tratamento dos resíduos sólidos urbanos do Montijo e do qual o município do Montijo é acionista. Em moção, apresentada pelo presidente Nuno Canta na reunião pública de 2 de abril e aprovada com os votos favoráveis do PS e da CDU e as abstenções do PSD, a Câmara faz uma defesa intransigente da manutenção na esfera pública dos serviços prestados pela AMARSUL em prol da continuidade de um serviço público de qualidade para todos os montijenses. Esta posição surge na sequência da publicação em Diário da República do Decreto-Lei n.º 45/2014, de 20 de março, que marca o início do processo de privatização da EGF que tem sido fortemente contestado pela Associação Nacional de Municípios Portugueses, pelos municípios da península de Setúbal e da Área Metropolitana de Lisboa. A moção aprovada indica que o decreto-lei de privatização da EGF “impossibilita aos municípios a aquisição da parte estatal a alienar, demonstrando uma opção governativa clara pela entrega a entidades privadas da gestão de serviços de natureza pública e uma política de minimização do papel preponderante dos municípios na gestão de sistemas multimunicipais de valorização e tratamento de resíduos”. Por último, a moção relembra que “os municípios não são apenas acionistas da AMARSUL, são também clientes e fornecedores de matéria-prima para o funcionamento da empresa, não sendo por isso aceitável que o Governo desvirtue unilateralmente um equilíbrio que tem sido positivo para todos os cidadãos”.

Câmara e SMAS com contas aprovadas e em dia Na reunião de câmara de 2 de abril foi aprovada, com os votos a favor do PS e as abstenções da CDU e PSD, a prestação de contas da Câmara Municipal do Montijo relativa ao ano de 2013.

Na sua declaração, o presidente da Câmara, Nuno Canta, realçou que a prestação de contas de 2013 reflete a “conjuntura de recessão económica e de brutal austeridade em que os portugueses, os montijenses, as empresas e as autarquias foram obrigados a gerir os seus orçamentos”. Dos dados apresentados, destaque, para o decréscimo signi-

ficativo na dívida a fornecedores, na ordem dos 74%, e para o pagamento integral do empréstimo do Programa de Apoio à Economia Local (PAEL). A prestação de contas de 2013 dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento do Montijo (SMAS Montijo) foi, também, aprovada na reunião de câmara de 2 de abril, com os votos favoráveis do PS

e as abstenções da CDU e do PSD. As contas de 2013 dos SMAS Montijo denotam um equilíbrio financeiro, não obstante a conjuntura nacional desfavorável, o que se demonstra por uma receita global de 5.181.731,03 euros e uma despesa global de 5.119.659,78 euros. O exercício de 2013 fechou com um saldo negativo na ordem dos 256 mil euros.

Avança obra do Mercado Municipal A Câmara Municipal do Montijo transferiu a posição contratual da Constrope-Congevia, S.A. para a empresa San José, S.A na empreitada de reabilitação do Mercado Municipal. Esta decisão, aprovada por unanimidade na reunião de câmara de

16 de abril, permitiu, assim, garantir uma solução para a execução rápida e com qualidade da obra de requalificação do Mercado Municipal. Devido à envolvente económica recessiva do mercado da construção civil que causa danos na liqui-

dez das empresas, a ConstropeCongevia, S.A. foi obrigada, em setembro de 2013, a recorrer a um Plano Especial de Recuperação para poder continuar a laborar e, simultaneamente, sanear algumas situações financeiras. Por causa desta conjuntura, a

Constrope-Congevia, S.A. e os seus parceiros na obra mostraram dificuldades em garantir os prazos de execução da empreitada do Mercado Municipal e, por isso, solicitaram a cessão da sua posição contratual para a empresa San José, S.A.

Remodelação de coletor na Rua Cidade Coimbra Os Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) procederam com carácter de urgência à remodelação de um coletor de águas residuais domésticas na Rua Cidade de Coimbra. O colapso do coletor sob um edifício era um perigo eminente,

o que levou à imediata intervenção dos Serviços Municipalizados a 2 de junho. Os SMAS estão em fase de execução de um novo coletor. O objectivo é redirecionar o escoamento para o emissário existente na Rua Cidade de Guimarães no emissário existente.

Ficha Técnica Periodicidade Bimestral | Propriedade Câmara Municipal do Montijo | Diretor: Nuno Ribeiro Canta, Presidente da Câmara Municipal do Montijo | Edição Gabinete de Comunicação e Relações Públicas | Impressão Sogapal – Comércio e Indústria de Artes Gráficas, S.A. | Depósito Legal 376806/14 | Tiragem 5 000 | ISSN 2183-2870 | Distribuição Gratuita


JUNHO de 2014 | Montijo hoje

editorial

3

Montijo hoje A

Câmara Municipal do Montijo lança um novo formato de informação municipal designado “Montijo hoje”. A nova publicação, com uma periodicidade bimestral, procurará fornecer a todos os munícipes do concelho uma informação plural, diversificada e criativa. Na era da globalização, a forma como se comunica é fundamental na interação entre os poderes públicos e os cidadãos enquanto destinatários principais da mensagem. A comunicação é, desde os primórdios da humanidade, um instrumento de integração, instrução, troca mútua e desenvolvimento entre as pessoas em quaisquer atividades realizadas. “Montijo hoje” procura, como meio público de comunicação, assumir uma posição estratégica de combate pela cidadania ativa e esclarecida, condição

essencial para estabelecer um diálogo e uma proximidade entre o Poder Local e a sociedade montijense. A comunicação pública, sendo mais importante e ampla que a mera informação, deve incluir a possibilidade do cidadão ter pleno conhecimento da informação que lhe diz respeito, inclusive aquela que não procura por não saber que existe, além da possibilidade de expressar as suas posições na certeza de que será ouvido com interesse e a sua participação valorizada. “Montijo hoje”, como meio de comunicação público, deve contribuir para alimentar o conhecimento cívico, facilitar a ação pública e garantir o debate público, na certeza que não chega apenas divulgar as informações da autarquia, tornando-se necessário propiciar um debate em torno de assuntos de interesse e relevância

pública, entre governo local e sociedade civil. O entendimento que temos de comunicação num sentido dialógico é inseparável do exercício democrático de promover a participação e estimular a prática da cidadania ativa e esclarecida. É neste contexto, que a nova publicação “Montijo hoje” se procura assumir como meio público de comunicação, indo ao encontro das cidadãs e dos cidadãos que no movimento associativo, no mundo empresarial, no setor da saúde ou no sistema educativo prestam um serviço de enorme importância pública ou privada. “Montijo hoje” colocará sempre a centralidade do processo de comunicação no cidadão e não na promoção pessoal dos agentes públicos, garantindo o direito à informação e à liberdade de expressão, mas também promovendo o diálogo com

os munícipes, o respeito pelas suas características e necessidades, e estimulando a sua participação ativa, racional e corresponsável. Nas associações e coletividades, no mundo empresarial, no ensino, na cultura, na saúde, no mundo rural procuraremos divulgar o que de mais positivo é feito pela comunidade montijense. “Montijo hoje”, como órgão público de comunicação, contribuirá para promover o envolvimento dos cidadãos nas políticas públicas, os valores da transparência, do direito à informação, da responsabilidade e da prestação de contas.

25 de Abril 40 anos de liberdade A sessão solene “40 anos de liberdade”, no dia 25 de abril, no Cinema Teatro Joaquim d’ Almeida revelou-se um dia de celebração e de emoção partilhada entre autarcas do concelho e população, num momento simbólico que pretendeu dignificar a democracia, a política e todos aqueles que, ao longo destes anos, serviram o município e o concelho do Montijo. A primeira parte da cerimónia contou com as intervenções políticas da presidente da Assembleia Municipal, Maria Amélia Antunes, e dos representantes dos partidos com assento neste órgão autárquico: nomeadamente Ricardo Bernardes (PS), Carlos Jorge de Almeida (CDU), Paulo Gomes da Silva (PSD) e Avelino Carrasqueira (BE). De seguida, foram homenageados os antigos presidentes da câmara que marcaram a história do poder local democrático

Jacinta Ricardo foi uma das homenageadas.

A Caminhada da Liberdade reuniu centenas de munícipes nas ruas da cidade.

Maria Amélia Antunes recebe do presidente da câmara, Nuno Canta, o Moinho de Cristal.

(1973-2014), nomeadamente: Joaquim Tapadinhas (presidente da 1.ª Comissão Administrativa), Joaquim Primo Jaleco, Acácio Dores (a título póstumo, representado pela filha, Maria Margarida Dores), Sérgio Pinto

(a título póstumo, representado pela filha Marina Pinto), José Caria, Jacinta Ricardo e Maria Amélia Antunes. No seu discurso, o presidente Nuno Canta salientou a importância de celebrar Abril homenageado os protagonistas do poder local democrático no Montijo: “os presidentes hoje homenageados foram vozes marcantes, firmes e insubmissas na luta pela democracia, autonomia e afirmação do Montijo”, disse. “O Montijo, justamente, agradece a vossa dedicação, contributo e espírito que foram fundamentais para a transformação do Montijo na terra que é hoje: uma terra acolhedora, moderna, progressista, de liberdade e com grandes potencialidades futuras”, acrescentou o presidente.

Comemorações do 25 de Abril Este ano, a Câmara Municipal do Montijo celebrou o aniversário da revolução dos cravos com uma vasta programação cultural e desportiva. No dia da revolução, a nível desportivo, o grande destaque foi a Corrida e a Caminhada da Liberdade, organizadas pela Câmara em parceria com a Escola de Atletismo Francisco Mariano, que contou com a participação de 30 atletas nos escalões mais jovens e no escalão sénior com 55 atletas. A Caminhada da Liberdade revelouse um sucesso com a presença de mais de 250 participantes. Simultaneamente, decorreram demonstrações de várias modalidades desportivas tanto na Praça da República como na

Frente Ribeirinha, promovidas pela câmara em parceria com o movimento associativo. Entre atletas e público em geral, esta manhã festiva e desportiva contou, no total, com mais de 350 participantes. As comemorações do 25 de abril incluíram, ainda, o concerto dos laureados do Concurso Internacional de Composição Jorge Peixinho, no dia 4 de abril; a exposição “O pecado não mora ao lado” que esteve patente na Biblioteca Municipal Manuel Giraldes da Silva até 30 de abril; o espetáculo “40 anos de abril: canções com história” no dia 17 de abril; e a peça de teatro “Três dedos abaixo do joelho” no dia 24 de abril.


4

Montijo hoje | JUNHO de 2014

Walk and Run Montijo O desporto faz parte da sua vida? E gosta de caminhadas ou corridas? Então o projeto Walk and Run Montijo é ideal para si! Junte-se a nós e, todas as segundas feiras entre as 20h00 e as 21h00, com partida do Parque Urbano das Piscinas, venha caminhar ou correr na ciclovia. O projeto Walk and Run Montijo pretende ser uma atividade desportiva informal e regular que procura incentivar a prática de atividade física e consciencializar a população para a importância do desporto como meio catalisador de um estilo de vida saudável. Os participantes podem também aprender os cuidados básicos e fundamentais que devem ter na prática de exercício físico. A iniciativa decorre até julho e, posteriormente, de setembro a dezembro. A autarquia é responsável pelo enquadramento técnico e seguro de todos os participantes e conta com o apoio da Associação para a Formação e Desenvolvimento Desportivo. Para participar no Walk and Run Montijo basta aparecer! Contamos com a sua presença!

A Fábrica de Cortiça Mundet no Montijo C

om origem em Espanha no século XIX, quando o industrial catalão Lorenzo Mundet funda em Santo António de Calonge, Palamos na Catalunha, a primitiva Mundet, esta firma expande-se em inícios do século XX para Portugal, onde se instala em 1905 no Seixal. Durante a primeira metade do século XX a firma expande-se poderosamente a nível mundial tornando-se um potentado em termos do comércio da cortiça, tendo-se implantado com fábricas nos Estados Unidos da América, Canadá, México, Espanha, Argélia e Reino Unido, embora com a sua fábrica principal no concelho do Seixal, à qual todas as outras se ligavam a nível comercial. Após a sua implantação no concelho do Seixal a empresa começa paulatinamente a sua expansão em terri-

que viria a ser uma das maiores unidades de transformação de cortiça a nível local. Primeiramente com uns armazéns na Rua da Bela Vista e depois com as novas instalações no sítio denominado Nascentes a Mundet contribuiu grandemente para o desenvolvimento da indústria corticeira em termos concelhios chegando a originar o aparecimento de empresas satélite. Estrategicamente implementada na área de servidão da linha de caminho de ferro que lhe trazia do Alentejo a matéria prima para a sua laboração, a Mundet tinha a particularidade de ver as suas instalações das Nascentes cortadas a meio pelo ramal ferroviário que ligava Aldeia Gallega/Montijo ao Pinhal Novo. Durante as décadas de 30 e 50 do século XX ,em virtude de um proces-

Young Flea Market A Câmara Municipal do Montijo, através do Gabinete da Juventude, retomou a Young Flea Market, depois da excelente aceitação por parte dos participantes na edição do ano transato. Dirigida aos jovens dos 15 aos 35 anos, esta feira tem como objetivo promover a troca e venda de roupas e objetos usados, constituindo-se como uma medida de ocupação de tempos livres com uma componente didática de gestão financeira tão importante para os jovens nos dias de hoje. Para participar basta solicitar a ficha de inscrição ao Gabinete da Juventude, através dos e-mails juventudecmmontijo@gmail.com ou juventude@mun-montijo.pt. A participação é gratuita. A Young Flea Market decorre todos os primeiros sábados de cada mês, no Jardim da Casa Mora, das 10h00 às 13h00. Mais informações em www.mun-montijo.pt ou em https://www.facebook.com/ juventude.montijo. Inscreve-te. Participa!

tório nacional, pelo que logo em 1914 abre uma fábrica em Mora, em 1917 na Amora, em 1923 no Montijo, em Ponte de Sôr em 1927 e finalmente em Vendas Novas no ano de 1949. No concelho de Aldeia Gallega do Ribatejo/Montijo, a fábrica Mundet viu iniciar-se os seus primeiros passos com a instalação em 1923 daquela

so de reestruturação orgânico interno da firma, as caldeiras geradoras de vapor construídas pela firma Babcock Wilcox, Ld.ª que eram utilizadas para a preparação da cortiça por meio de cozimento foram transferidas da fábrica Mundet no Montijo para a sua congénere do Seixal, em 1938 a maior e em 1952 a mais pequena.

Estórias com História

No Montijo a unidade fabril existente maioritariamente dedicada à preparação e transformação da cortiça em aglomerado tornou-se num factor importante de aproveitamento da cortiça de mais fraca qualidade e até dos seus desperdícios enquanto matéria-prima. Esta situação leva a que, no ano de 1953, a Mundet em parceria com mais outras cinco fábricas, de que se destacam, por serem unidades fabris locais, a Infal – Industria de Fabricação de Aglomerados de Cortiça, Ld.ª e a Sopac – Sociedade Portuguesa de Aglomerados de Cortiça, Ld.ª criam a Isola – Sociedade Comercial de Isolamentos de Cortiça, Ld.ª. Durante a década de 60, as fábricas situadas em Amora, Mora e Ponte de Sôr viriam a fechar portas e após 1970 somente as unidades industriais situadas no Montijo e Seixal continuavam a laborar. Em 1988, as fábricas da Mundet de Montijo e Seixal após um procedimento de redução gradual de operários deixam de laborar, iniciando-se assim o processo de insolvência que é definitivamente declarada em Junho de 1993.

Terminava assim ao fim de seis décadas e meia de intenso labor uma importante unidade industrial que serviu de ganha-pão a dezenas de Aldeanos/Montijenses e contribuiu fortemente para o desenvolvimento social e laboral da então próspera vila de Aldeia Gallega/ Montijo. Hoje em dia, dessa grande unidade fabril resta-nos a assinalar o local da sua implantação uma chaminé e o depósito de água onde se pode ler pintado em caracteres negros a palavra MUNDET. Joaquim Baldrico Bibliografia: BALDRICO, Joaquim (org. e textos), Montijo. Aldeia Galega. Memória Fotográfica, Montijo, CygnusColor, 2002 CÂMARA MUNICIPAL DO SEIXAL, Água, Fogo, Ar, Cortiça – Exposição temática sobre a Mundet, edição CM Seixal, 2002. CÂMARA MUNICIPAL DOS SEIXAL, Do montado à fábrica de cortiça, Ed. CM Seixal, 2001. CORREIA, Francisco, Toponímia do Concelho do Montijo, Vol. I Freguesia do Montijo, Montijo, Câmara Municipal de Montijo, 2006. TINOCO, Alfredo e Elia de Sousa, Património Industrial e Pré-Industrial de Montijo Da Obra à Memória, Colecção Estudos Locais, Ed. Colibri/ CM Montijo, 2009.


JUNHO de 2014 | Montijo hoje

Parabéns Europa!

Entrevista

Batucando

Mais uma vez, Montijo não se esqueceu de parabenizar a Europa. No dia 9 de maio, crianças dos jardins-de-infância e escolas do ensino básico do concelho voltaram a juntar-se na Praça da República para comemorar o Dia da Europa. As comemorações contaram, ainda, com o workshop “Os Jovens e a Europa” na Escola Profissional do Montijo. A organização foi da Câmara Municipal do Montijo, através do Gabinete da Juventude, em colaboração com os estabelecimentos de ensino do concelho e o Centro Europe Direct da Península de Setúbal.

Um projeto de sucesso Caixas, timbalões, bombos, rotontons, chulas, malhões. Conhece? Ou são termos que não lhe dizem nada? E se dissermos “Batucando”? Sim? É natural, pois é um dos projetos mais acarinhados pela comunidade montijense que, ao longo dos anos, tem conquistado o seu espaço no panorama nacional das orquestras de percussão. “Já há um reconhecimento a nível nacional do Batucando. Este ano fizemos a abertura oficial do maior evento de fans Lego do Mundo – o Lego Fan Event, no Campo Pequeno, e a Meia Maratona de Almada. Temos já no curriculum atuações bastante diversificadas e em eventos de prestígio”, assegura o professor Luís Virgílio Pereira, fundador do Batucando. Este ano, até Maio, o Batucando já contava com mais de 30 atuações. Perspetiva-se, assim, que o

Do mural político à arte urbana juntos a fazer algo que gostamos”. Rui, que começou na caixa e agora toca bombo, elege dois momentos marcantes nesta experiência familiar do Batucando: “uma atuação em Freamunde pela sua grandiosidade e a atuação mais recente na Meia Maratona de Almada pela

cando e adquirir o nosso kit de boas vindas que inclui as baquetas. Os instrumentos são emprestados pela Associação”, esclarece Luís Virgílio Pereira. A Orquestra de Percussão Batucando é formada de acordo com os instrumentos tradicionais portugueses: caixa, timbalão e bombo. “Para além destes, somos a única orquestra de percussão escolar no país a usar rotontons que nos confere uma característica das bandas americanas”. A nível musical, o Batucando alia o repertório tradicional a temas originais. “Todos os anos tentamos introduzir uma composição nossa. Atualmente temos oito temas originais, compostos por mim”, afirma o professor Luís Virgílio.

Historial O professor Luís Virgílio e Rui Campos e Catarina Vilelas elementos do grupo.

record do ano transato – 38 atuações – seja largamente superado. Na opinião do professor Luís Virgílio, o reconhecimento e intensa atividade do Batucando são fruto “do repertório variado. Não há quase nenhum grupo a nível nacional, que alie os ritmos tradicionais (chulas e malhões) aos ritmos e coreografias mais modernas”. Para além deste fator distintivo, a união é outro aspeto caraterístico do Batucando: “funcionamos como uma família e isso é de valorizar”, afirma o professor. Catarina Vilelas, 15 anos, e Rui Campos, 45 anos, dois dos elementos do Batucando comprovam esta ideia ao afirmarem não existir “divisão entre maestro e alunos. Sem forçarmos isso, a verdade é que somos todos amigos”. Aliás, Rui Campos é um caso curioso. Entrou para o Batucando juntamente com toda a família: esposa e dois filhos. “É uma ótima maneira de estarmos sempre

5

satisfação demonstrada pelos atletas”. Já Catarina Vilelas entrou aos 11 anos para o Batucando. “O primeiro ensaio foi complicado. Tive que me adaptar ao peso do instrumento e levei cerca de duas semanas a aprender os ritmos. É tudo uma questão de saber ouvir as músicas e estar atenta às marcações”. Hoje, toca rotontons e já se aventura, com a ajuda do maestro, na direção dos seus colegas em alguns eventos. A primeira atuação foi o momento mais marcante e confessa “gostar muito do Batucando”, admitindo, sem hesitação, “que é um projeto para continuar”. No total, o Batucando tem, este ano letivo, 30 elementos, desde os 6 aos 64 anos, oriundos do Montijo, Alcochete e Lisboa. Todos são bem-vindos e há espaço para mais. “A participação no Batucando não pressupõe nenhum conhecimento musical. Para começar basta fazer a inscrição na Associação Batu-

O Batucando é um projeto que tem sido dinamizado pelo professor Luís Virgílio Pereira nas diversas escolas onde lecionou ao longo dos anos. Em 2006, na Escola Básica D. Pedro Varela, o sucesso do projeto permitiu a sua consolidação enquanto orquestra de percussão. No ano letivo de 2010/2011, o grupo foi aberto à participação de adultos. Em 2013, pela “necessidade de independência”, foi formada a Associação Batucando. A Associação tem sede cedida pela Câmara

Municipal do Montijo, no Bairro do Esteval, “uma ambição de alguns anos que se concretizou. Estamos satisfeitos com o local. Para começar é muito bom”, afirma o professor Virgílio. A sede tem permitido ao Batucando realizar pequenos ensaios (a Orquestra continua a ensaiar na Escola Poeta Joaquim Serra), fazer oficinas de formação e a manutenção dos instrumentos, receber os sócios e dinamizar outras atividades. Luís Virgílio Pereira explica que “o grupo de percussão continua a ser o principal projeto, mas a Associação Batucando quer ter outras atividades para promover a interatividade entre o grupo e a comunidade”. A promoção dessa interatividade está patente noutro desejo futuro da Associação: “procuramos um parceiro anual, preferencialmente do Montijo, que nos ajude na obtenção de fundos financeiros. Em contrapartida, faremos a divulgação desse parceiro nas nossas atuações por todo o país”.

A Semana da Juventude 2014 iniciou-se, no dia 29 de abril, no auditório da Escola Profissional do Montijo com o workshop “Do mural político à arte urbana: 40 anos de pintura mural”. Perante uma plateia cheia de jovens, o orador Ricardo Campos, investigador da Universidade Aberta de Lisboa, abordou as origens do graffiti, a sua evolução histórica, o graffiti ilegal, graffiti artístico e a sua presença em Portugal. Para além de Ricardo Martins, o workshop “Do mural político à arte urbana: 40 anos de pintura mural” contou com o writter Smile, um graffiter português que teve a oportunidade de graffitar um mural sobre o 25 de abril. A Semana da Juventude 2014 decorreu de 29 de abril a 3 de maio e foi organizada pela Câmara Municipal do Montijo, em parceria com o movimento associativo juvenil.

Conselho da Juventude

A Câmara Municipal do Montijo vai reativar o Conselho Municipal da Juventude (CMJ), um órgão consultivo para assuntos da juventude no concelho do Montijo. A proposta do novo regulamento do conselho foi aprovada, dia 14 de maio, em reunião de câmara com os votos favoráveis do PS e do PSD e a abstenção da CDU. Este órgão foi criado em outubro de 1998 e funcionou até 2004. A reativação do CMJ é uma forma de garantir a representação de todas as organizações de juventude do nosso concelho, ao nível académico, social, cultural, desportivo, partidário e recreativo, e um meio de fomentar o envolvimento dos jovens e das associações que os representam em todas as atividades que a eles se destinam.


6

Montijo hoje | JUNHO de 2014

Montijo na BTL A Câmara Municipal do Montijo marcou presença na Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), no stand da Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa e Vale do Tejo, que decorreu de 12 a 16 de março, na Fil (Parque das Nações) para promover as potencialidades turísticas da zona rural do concelho. Sob o mote “O campo aqui tão perto”, a representação da Câmara do Montijo deu a conhecer o património natural, a herança cultural, a gastronomia, a vitivinicultura, o artesanato e as entidades turísticas que dinamizam e desenvolvem as atividades na zona rural do concelho do Montijo.

Posto de Turismo no Jardim Casa Mora O Posto de Turismo mudou de instalações e está a funcionar no Jardim Casa Mora. A Câmara Municipal do Montijo pretende, com esta nova localização, conferir maior visibilidade ao sector do turismo. A prestação de um atendimento em condições mais adequadas à especificidade desta área de atividade, num contexto mais aprazível, tanto para os munícipes como para os visitantes, foi outra das razões para esta mudança. Com a mudança de instalações, a autarquia tem, ainda, por objectivo criar novas dinâmicas no âmbito da promoção e da oferta cultural, económica e turística do Montijo, visando o desenvolvimento mais harmonioso e sustentável do concelho. O Posto de Turismo está aberto de segunda-feira a sábado das 9h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30. Esperamos pela sua visita!

Montijo é Lugar de Encontros

Até Setembro, aos fins-de-semana (sexta-feira e sábado), no Jardim Casa Mora, na Praça da República e em outros locais do concelho Montijo vai ser Lugar de Encontros! Lugar de música, de animação, de teatro, de dança, de gastronomia, de artesanato. Lugar de cultura e de promoção das nossas atividades económicas e potencialidades turísticas. A Câmara, em parceria com a Associação para a Formação Profissional e Desenvolvimento do Montijo, as juntas de freguesia e o movimento associativo do concelho está a promover o projeto Montijo Lugar de Encontros com o objetivo de dinamizar equipamentos e espaços públicos, apoiar as atividades culturais de interesse para o município e envolver as forças vivas representativas da realidade socioeconómica, cultural e desportiva do concelho. A inauguração do “Montijo Lugar de Encontros” 2014 teve lugar no dia 10 de maio, no Jardim da Casa Mora, com a iniciativa “Vamos Florir a Casa Mora”, um evento que deu um colorido especial à cidade. Milhares de gerberas, no gradeamento do Jardim

Casa Mora, foram pretexto para a construção de um mural de flores por todos aqueles que visitaram o espaço e, com o seu gesto, reafirmaram a cidade do Montijo como a Capital da Flor. Das diversas iniciativas realizadas desde então destaque para a (re) abertura da Casa Mora –

Rota de sabores A Rota Turística Provar de Gostar, no dia 24 de maio, revelou-se uma viagem para os participantes que puderam conhecer, através dos sabores, o nosso concelho. A viagem começou no Museu Agrícola da Atalaia, com um pequeno-almoço com produtos do concelho. De seguida, os participantes visitaram a empresa Doce Baga, em Santo Isidro de Pegões, realizaram uma degustação campestre dos frutos produzidos por esta empresa e puderam, eles próprios, colher algumas bagas na plantação. O almoço no restaurante Escadinhas, em Pegões, foi mais um momento nesta viagem pelos

sabores do Montijo. Chegados à Quinta dos Mochos, em Canha, os proprietários deram a conhecer o seu projeto de produção e comercialização de cogumelos shiitake e bagas goji e ofereceram uma deliciosa degustação de cogumelos estufados. A rota terminou com a visita à Cooperativa Agrícola de Santo Isidro de Pegões, referência maior da produção vitivinícola do concelho e do distrito, e com uma prova dos néctares produzidos nesta Adega. Durante todo o dia, os participantes mostraram-se muito interessados e expressaram vontade de repetir a experiência.

Museu Municipal, no âmbito das comemorações do Dia Internacional dos Museus, dia 17 de Maio que mereceu a atenção de dezenas de visitantes. O programa incluiu uma visita guiada à e o lançamento do Roteiro Casa Mora. O sucesso deste projeto depende,

também, de si. Venha assistir aos espetáculos de música, de teatro, de dança; participe nos eventos desportivos e nos encontros gastronómicos. Junte-se a este projeto e venha fazer do Montijo um verdadeiro Lugar de Encontros. Consulte toda a programação em www.mun-montijo.pt.


JUNHO de 2014 | Montijo hoje

Presidência aberta dedicada à educação Em defesa da escola pública e do aprofundamento da relação entre a câmara e a comunidade educativa, o presidente, Nuno Canta, e os vereadores Francisco dos Santos e Maria Clara Silva iniciaram, em Fevereiro, um ciclo de visitas às escolas do concelho. No total, foram visitados os estabelecimentos de ensino préescolar e do ensino básico do Agrupamento de Escolas do Montijo, do Agrupamento de Escolas Poeta Joaquim Serra e do Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro. Numa postura de diálogo aberto e frontal, presidente e vereadores têm deixado claro que “só é possível continuar a construir uma Escola Pública com qualidade no Montijo se houver cooperação entre todos os elementos da comunidade educativa: câmara, professores, pessoal não docente e pais”. Para Nuno Canta, “Montijo, comparativamente com outros concelhos vizinhos, é um caso de sucesso extraordinário na interação com a comunidade educativa. Uma interação que deve ser aprofundada, pois a Escola

Pública é fundamental para a formação cívica dos nossos munícipes mais jovens”. Junto da comunidade educativa, o presidente tem reforçado a necessidade de valorização do papel de todos os agentes educativos, realçando que, “após a de-

mocratização do acesso, o próximo desafio da Escola Pública é a democratização do sucesso dos alunos que tenham condições para tal, independentemente das suas origens sociais e económicas”. Este ciclo de visitas tem ser-

vido, também, para efetuar um levantamento das situações mais preocupantes vivenciadas nas escolas. O presidente tem assegurado que a “câmara, dentro das suas possibilidades financeiras, tentará resolver com eficácia os problemas identificados”.

CLA Montijo abre portas O presidente da Câmara Municipal do Montijo, Nuno Canta, e o reitor da Universidade Aberta, Paulo Dias, procederam à abertura oficial do Centro Local de Aprendizagem (CLA) do Montijo da Universidade Aberta, no passado dia 30 de maio, na Quinta do Saldanha. Na cerimónia, Nuno Canta considerou que “é urgente colocar o conhecimento e a formação superior ao serviço de um novo modelo de desenvolvimento e, para isso, é necessário um novo enquadramento da universidade na sociedade. Por isso, o Montijo acolhe de portas abertas o conhecimento, a cultura, a ciência através deste novo Centro Local de Aprendizagem”, afirmou. O reitor da Universidade Aberta, Paulo Dias, focou a sua intervenção na importância da educação e da aprendizagem ao longo da vida, de uma educação inclusiva e permanente para todos os cidadãos, um dos objetivos dos CLA. O CLA Montijo, uma parceria entre a Câmara e a Universidade Aberta, pretende ser um local de apoio aos estudantes

daquela universidade residentes nos concelhos do Montijo, Alcochete, Almada, Barreiro, Moita, Palmela, Seixal, Sesimbra e Setúbal. Está aberto ao público de segunda a quarta-feira das 16h30 às 18h30, quinta e sexta-feira das 16h00 às 18h30. Mais informações em www.uab.pt ou https://www.facebook.com/ cla.montijo.

7

Conselho de Educação defende mais auxiliares nas escolas

A primeira reunião do Conselho Municipal de Educação do Montijo – CMEM (mandato 2013-2017), que decorreu no dia 9 de abril, no auditório da Galeria Municipal, ficou marcada pela aprovação de um parecer sobre o rácio de pessoal não docente nos estabelecimentos de ensino público. O CMEM aprovou por maioria (com 14 votos a favor e 1 abstenção do representante da Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares) um parecer que defende um aumento do rácio de 0 para 2 funcionários por cada 48 alunos nos estabelecimentos do 1.º ciclo do ensino básico. No mesmo parecer é defendido, também, que o número de assistentes técnicos passe a considerar o número de alunos de todas as escolas do agrupamento ao invés do número de alunos da escola sede do agrupamento, como previsto por lei. Decorridos cinco anos, após a transferência de competências na área da educação préescolar e do ensino básico do ministério para a câmara, têm sido verificados alguns constrangimentos no funcionamento das escolas decorrentes da insuficiência de trabalhadores colocados em função dos rácios definidos pela Portaria n.º 1049-A/2008. Para suprir algumas das dificuldades criadas pela referida Portaria, a Câmara do Montijo tem vindo a assegurar em alguns estabelecimentos de ensino um número de assistentes operacionais superior ao definido pelo rácio, sem ser ressarcida das inerentes despesas. No parecer aprovado, que foi enviado ao Ministério da Educação e Ciência, o CMEM assume assim a defesa de uma “Escola Pública de qualidade para todos e reconhece que esta qualidade e abrangência apenas são possíveis se, às escolas, forem facultados os recursos mínimos imprescindíveis”.


8

Montijo hoje | JUNHO de 2014

Autarquia fomenta instalação de atividades económicas Na reunião de câmara de 19 de março, o executivo municipal votou por unanimidade uma proposta de fomento e instalação de atividades económicas associadas à edificação em espaço agrícola e florestal. Em causa está a alteração dos artigos 31.º, 32.º e 36.º do PDMM (Plano Diretor Municipal de Montijo), de modo contornar os constrangimentos existentes atualmente no licenciamento de estufas e unidades agropecuárias. O objetivo é enquadrar urbana e administrativamente o conjunto de condições necessárias para licenciar estufas agrícolas e explorações agropecuárias, permitindo genericamente a implementação de processos de modernização das instalações e atividades de produção agrícola e agropecuária. Com esta medida, a autarquia promove e apoia a dinâmica empresarial e a criação de emprego, abrindo caminho para a implantação e o desenvolvimento de novas atividades de produção no município de Montijo, capazes de potenciar e valorizar a estratégia de modernização das explorações agrícolas e unidades agropecuárias.

Raporal investe em novas unidades No dia 10 de Abril, o presidente da Câmara Municipal do Montijo, Nuno Canta, visitou as instalações da Raporal/Stec, acompanhado pelos membros da direcção Cristina de Sousa (presidente), Pedro Lagoa e Mário Guarda, que deram a conhecer os projetos de investimento da empresa. Para o ano de 2014 estão previstos investimentos num valor superior a seis milhões de euros nas seguintes unidades: Secador de Milho; Unidade de Acabamento de Suínos; Ampliação de Expedição; Unidade de Congelação e Loja de Carne da Atalaia. O encontro teve início na sede da Raporal, rações de Portugal, S.A., em Brejo do Lobo, onde Nuno Canta constatou a obra em curso da Unidade industrial de secagem do milho. Na Herdade do Gamoal, em Pegões, foi dada a conhecer a construção em curso da nova pecuária. O edil teve ainda oportunidade de conhecer o espaço da futura Loja da Carne da Atalaia, o local da futura ampliação da expedição da Unidade de Carnes, bem como inteirar-se do espaço e do projecto da futura Unidade de Congelação da Raporal. Nuno Canta deixou claro que a

proximidade ao tecido empresarial vai ao encontro da estratégia política de autarquia de promover e apoiar a dinâmica empresarial e a criação de emprego, abrindo caminho para a implantação e o desenvolvimento de novas atividades de produção no município. A Raporal aposta na produção

de alimentos compostos para animais, na actividade agro-pecuária, gerindo mais de 40 explorações pecuárias e desenvolvendo o negócio de engorda de bovinos, na actividade de abate de animais e na fabricação de produtos derivados de carne. A empresa conta, atualmente,

com um quadro de pessoal de 527 trabalhadores (298 directos e 229 indirectos). Nos últimos sete anos tem apresentado resultados líquidos positivos e sempre em crescendo. Em 2013 encerrou o ano fiscal com um volume de negócios superior a 100 milhões de euros.

Carmonti – O Renascer das Cinzas 24 de agosto de 2013. Noite quente de Verão, que viria a ser um inferno para alguns. Sirenes. Muitas sirenes. Os carros dos bombeiros cruzam a alta velocidade o trânsito, todos na direção daquele fumo negro que se avistava a quilómetros. O fumo

é para os lados do Seixalinho. É um incêndio, sem dúvida, mas onde? A notícia chega rápido: é na Carmonti! Horas depois, o rescaldo. Um incêndio de grandes proporções. E más notícias: destruídos cerca de 6000 m2 das instalações da

Carmonti, incluindo a totalidade da fábrica de transformação de carne. O tempo passa e o pesadelo também. Um novo rumo, uma nova etapa. Seis meses depois. 25 de fevereiro de 2014: a Carmonti renasce das cinzas. Um dia de

muita emoção, alegria e orgulho na reabertura de portas desta histórica empresa do concelho. Convidado para a reabertura, o presidente da Câmara Municipal do Montijo, Nuno Canta, partilhou o orgulho da cidade pela recuperação da Carmonti, considerando a empresa “um símbolo do que queremos que seja o Montijo: um território dinâmico, desenvolvido e justo” “A indústria de transformação de carne é hoje um dos elementos mais importantes da base económica do Montijo” e, após uma situação trágica, “ter um grupo económico a investir na cidade é um exemplo de confiança”, afirmou o autarca. Sónia Ferreira, administradora da Carmonti, relembrou de forma emocionada os momentos difíceis vividos em agosto de 2013: “há seis meses deparámo-nos com uma situação que

pensámos não ter solução. Nestes seis meses conseguimos construir novamente a fábrica, começar a laborar e, tal como prometemos, assegurar todos os postos de trabalho”. O futuro da Carmonti está já a ser projetado com a abertura, até ao final do ano, de uma nova nave industrial. “Estamos a ampliar a fábrica, vamos aumentar os postos de trabalho e a capacidade de produção. Com este crescimento, pretendemos alcançar novos mercados”, salientou Sónia Ferreira. Após os discursos oficiais, presidente da câmara, administradores e restante comitiva realizaram uma visita às novas instalações da Carmonti para conhecer, in loco, o investimento realizado nas infraestruturas e em novos equipamentos. Desde que foi criada em 1985, que a Carmonti é uma empresa de referência do tecido empresarial do concelho de Montijo. Com um volume de negócios de aproximadamente 52 milhões de euros, a Carmonti abate 1300 porcos por dia, o que se traduz em mais de 500 toneladas de produtos, provenientes da transformação de carne de porco, enviados semanalmente para o mercado.


JUNHO de 2014 | Montijo hoje

9

Entrevista João Marmelada

The Camp, inesquecível João Marmelada, 30 anos, empresário criou, em 2010, a marca registada The Camp, que se dedica à exploração da Quinta Nª Srª de Fátima, localizada em Pegões. Esta bela e tranquilizante paisagem rural, rodeada de campos verdejantes, tem uma área de 30.000 m2. Neste espaço ambiental amplo e único podemos desfrutar de um leque variado de atividades prometedoras de experiências inesquecíveis. A vontade deste jovem empresário em tornar Pegões num ponto inconfundível no panorama nacional é irreversível. Com formação académica em Gestão de Marketing, João Marmelada, na altura com apenas 27 anos, abraçou este projeto. Tinha vontade e o apoio incondicional do pai, Feliciano Marmelada. Era um sonho e nada o deteve, nem a nuvem negra da crise que assombra o país, nem o receio da inexperiência ou o medo de investir capital próprio. “Após dois anos de procura de sítio e de pensar no que realmente

mos, essencialmente, é aluguer de espaços, organizar aniversários, casamentos e baptizados, programas temáticos, concursos hípicos, aulas de equitação, quinta pedagógica, colónias de férias, serviço de catering, serviço fotográfico e algum turismo rural”. João Marmelada já investiu neste projecto mais de 200 mil euros “. Infelizmente tem sido só com capitais próprios e investidores privados, mas já lá vão qua-

queria em termos de marca, lancei-me nesta aventura. Já gostava desta localização geográfica. Consegui com os proprietários fechar um contrato de direito de exploração”, explica o empresário. A marca The Camp, proporciona diversos serviços, como explica João Marmelada, “não estamos só direcionados para um único nicho de mercado. O que faze-

tros anos e tem tudo corrido bem” garante o responsável. A aposta está ganha e os números não mentem. A Quinta Nª Srª de Fátima recebe cerca de 500 crianças por ano, “quer durante o ano letivo, quer nas colónias de férias. Temos recebido alunos das escolas de Lisboa, Pinhal Novo, Setúbal e algumas da linha de Cascais”.

“Recebemos durante o fim-de-semana de provas, cerca de 100 cavalos por dia, o equivalente a 200 pessoas. Tudo isto com capital próprio. Com apoios poderíamos facilmente duplicar e isso era bom para a restauração, a hotelaria, entre outras atividades.”

Para João Marmelada o essencial é focar a atenção no cliente. “Trabalhar com crianças é uma responsabilidade acrescida. Recebemos apenas uma escola por dia para podermos centrar atenções. Na quinta pedagógica as crianças vivenciam experiências únicas como andar a cavalo, passear de charrete, colaborar nas tarefas de manutenção da quinta, confeccionar pão ou participar em jogos tradicionais”. Entre casamentos, batizados, aniversários e outras festas temáticas organizam cerca de dez por ano. Têm aulas de equitação para crianças e adultos e foram pioneiros na oferta da experiência ‘baptismo de cavalo’. “Fomos inovadores ao criar esta experiência que possibilita a qualquer pessoa de qualquer idade experimentar andar de cavalo, por um preço bastante acessível. Atualmente este pacote esta a ser comercializado junto de parceiros como “Groupon”, “Odisseias”, “Coolgift”, “Livoo”, “Descontos Ocasião” e “CarpediemCity”, ou directamente no The Camp®. Recebemos pessoas de todas as idades, desde os quatro aos 70 anos”, garante o empreendedor. A grande aposta do “The Camp” está claramente nos concursos hípicos. Desde os sete anos que João Marmelada participa nestas competições, sendo detentor de múltiplos títulos e prémios. Deixou de competir e a paixão pelas provas espelha-se, agora, no afinco com que as realiza. The Camp, no primeiro fim-desemana de cada mês e até outubro, vai receber provas hípicas. “Todos os nossos concursos hípicos já fazem parte do calendário oficial da Federação Equestre Portuguesa e é onde estamos a apostar mais este ano de 2014 em virtude do sucesso, o ano passado,

depois de uma fase de ano zero, em 2012. Este ano, queremos que seja o ano da afirmação”, afirma. João Marmelada garante que a marca “The Camp” fez sobressair a freguesia. “Estamos a falar de mais de mil visitas. Antes nem sabiam bem onde era Pegões, perto de Vendas Novas, diziam. Hoje sabem onde fica.” O empresário quer levar mais longe o nome da terra, que tanto aprecia, quer que se destaque no panorama nacional. Desenvolver sinergias que beneficiem a atividade económica e as suas gentes é a vontade expressa deste empresário. “Recebemos durante o fim-desemana de provas, cerca de 100 cavalos por dia, o equivalente a 200 pessoas. Tudo isto com capital próprio. Com apoios poderíamos facilmente duplicar e isso era bom para a restauração, a hotelaria, entre outras atividades. As pessoas chegam aqui à sexta-feira para um concurso e vão-se embora no domingo ou na segundafeira, nesses três dias precisam de sítio para dormir, comer, passear, fazer compras, etc”, justifica. À autarquia montijense lança um desafio. “Em todos os concursos hípicos de norte a sul, há uma prova que é a mais importante do fim-de-semana, que é a última prova, o ‘Grande Prémio’. Em 99 por cento dos concursos, de norte a sul do país, o Grande Prémio tem sempre o patrocínio oficial da região e aqui fazia todo o sentido ser o grande prémio Câmara Municipal do Montijo”. A todos os que não conhecem este espaço fica o convite em nome de João Marmelada: “em fim-de-semana de provas hípicas fazemos sempre um churrasco de carnes variadas. Venham assistir. As entradas são gratuitas. Sem inscrição”.

Laranjeira na “Semana Verde” A Câmara Municipal do Montijo voltou a organizar a Semana Verde, entre 17 a 22 de março com o objetivo de consciencializar os cidadãos para a adoção de atitudes ambientais e para a importância da floresta, em geral, e da árvore em particular. Este ano a Semana Verde do Montijo teve como símbolo a laranjeira. Durante toda a Semana Verde, os munícipes interessados levantaram, gratuitamente, uma pequena laranjeira. No dia 19 de março, teve lugar a iniciativa intitulada “Coisas de Laranja”, no Jardim da Casa Mora. No mesmo

dia, e porque se comemorava o Dia do Pai, a autarquia convidou pais e filhos a participarem em brincadeiras e jogos acerca da laranjeira e do seu fruto. Dia 20 de março, a Federação Portuguesa de Minigolfe associou-se à Casa do Ambiente para uma demonstração de minigolfe. No Dia Mundial da Árvore e da Floresta (21 de março), no Parque Municipal crianças e jovens participaram num Jogo de Caça ao Tesouro e assistiram a uma demonstração do Grupo de Cinotécnica da BA6. O presidente da Câmara Municipal do Montijo, Nuno Canta, juntou-se às crianças para plantar uma laranjeira no Parque Municipal. A encerrar as comemorações da Semana Verde, no sábado, no dia 22 de março, na Praça da República teve lugar o peddy paper intitulado “Pet & Paper”.


10

Montijo hoje | JUNHO de 2014

RODA LIVRE inaugura sede A inauguração da sede do projeto RODA LIVRE, no Centro Cívico do Esteval, no dia 26 de abril, foi uma manhã de festa. O presidente da Câmara Municipal do Montijo, Nuno Canta, e a presidente do Centro Social de São Pedro do Afonsoeiro, Catarina Marcelino, aproveitaram a cerimónia para referenciar a importância social deste projeto para o concelho. Para Nuno Canta, “40 anos após o 25 de Abril, o nosso desenvolvimento social continua a apresentar desigualdades e, por isso mesmo, defendo um Estado forte que consiga ter políticas capazes de combater essas desigualdades. Este e outros projetos já desenvolvidos no Montijo surgem nessa senda de combater as desigualdades e capacitar as pessoas, procurando construir uma sociedade mais equilibrada, mais coesa e mais inclusiva”. A presidente do Centro Social de São Pedro do Afonsoeiro, Catarina Marcelino, apresentou o RODA LIVRE como “um projeto comunitário que procura combater a pobreza e a exclusão social. Tem a sede aqui, mas o objetivo é também sair para outras zonas do Montijo com ações na área da empregabilidade, do desenvolvimento parental, das competências sociais dos jovens, da cidadania e do desenvolvimento comunitário”.

O Batucando e a Academia Dance Fusion animaram a cerimónia com as suas performances artísticas. O projeto RODA LIVRE resulta de uma candidatura apresentada por uma parceria local ao programa CLDS+ (Contratos Locais de Desenvolvimento Social +) constituída pelo Centro Social de São Pedro do Afonsoeiro, como entidade coordenadora, pela Câmara Municipal do Montijo, como entidade promotora, e pela Associação para a Formação Profissional e Desenvolvimento do Montijo, como entidade executora do programa.

Homenagem municipal a trabalhadoras da autarquia “Quero felicitar todas as homenageadas e afirmar o quanto nos orgulhamos do vosso trabalho ao serviço do Montijo e dos montijenses”. A frase é de Nuno Canta, presidente da câmara municipal, na cerimónia onde a autarquia distinguiu 25 mulheres trabalhadoras da câmara municipal e dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento do Montijo (SMAS), com 30 ou mais anos de serviço. A iniciativa teve lugar no dia 7 de março, no Cinema Teatro Joaquim d’Almeida, no âmbito das comemorações do Dia Internacional da Mulher. A vereadora

Maria Clara Silva foi uma das homenageadas. Nuno Canta fez uma reflexão sobre o papel das mulheres na sociedade e os obstáculos que se colocam a uma efetiva igualdade de oportunidades. “É necessário uma participação das mulheres na nossa vida coletiva, porque a igualdade de género é uma questão essencial de direitos humanos e de democracia”, disse. O autarca afirmou que um dos obstáculos que as mulheres enfrentam prende-se com a desigualdade na repartição de tarefas no seio da família. O presidente referiu, ainda, que “o recente

aumento da jornada de trabalho semanal na administração pública, de 35 para 40 horas, proposto pelo atual governo resulta, na prática, numa iniciativa contra a instituição familiar, diminuindo o convívio entre os filhos e os pais, entre o marido e a mulher, empurra as crianças para permanecerem mais horas na escola e dificultando a conciliação entre o trabalho e a família”. O autarca recordou, ainda, a aposta do município em serviços de apoio à mulher, como o Espaço Informação Mulheres, o Plano Municipal de Cidadania e Igualdade de Género, a Rede de Apoio

em Situação de Violência, a Casa de Acolhimento para Mulheres Vítimas de Violência e a parceria com a Associação Portuguesa de Mulheres Juristas. A iniciativa contou com a atuação dos jovens cantores montijenses, Paulo Ferreira e Inês Martins, tendo esta integrado o grupo Weah!Land do Fator X. Depois da cerimónia foi inaugurada no 1.º foyer do CTJA, a exposição de fotografia “M de Mulher” de Lídia Ramalho, sobre a mulher nos inúmeros contextos sociais, nas mais distintas funções, em diferentes partes do mundo.

Academia Sénior com um “olhar no futuro” Foi em clima de festa que a Academia Sénior do Projeto Junto de Si comemorou dois anos de existência no dia 28 de Abril, no auditório da União de Freguesias de Pegões. Não faltaram razões para festejar os 143 inscritos, entre os 50 e os 86 anos, nos atelieres de animação desportiva e cognitiva, informática, língua portuguesa, atelier de leitura em voz alta, bordados, artes decorativas, inglês, teatro e música. Nuno Canta, presidente da Câmara Municipal do Montijo, enalteceu o projeto “particularmente importante no combate à exclusão social das freguesias rurais”. Para o edil, “as políticas da autarquia direcionadas para o envelhecimento ativo, como a Universidade Sénior, as Academias Seniores, o Projeto Junto de Si, enquadram-se numa visão de desenvolvimento, que não esquece a dimensão cultural e do conhecimento ao longo da vida das pessoas, com vista a uma vida com qualidade e dignidade”, disse. Durante a tarde várias iniciativas decorreram em clima de grande animação. Joaquim Leandro e

Odete Ângelo apresentaram um apontamento emocionado sobre a maneira como vêem a Academia e a importância que esta representa nas suas vidas. Depois da apresentação de um vídeo dedicado aos dois anos de existência da Academia foi distinguida a aluna Alice Matos, de 86 anos, pela sua participação nas aulas, bem como os seis formadores,

voluntários, que dão vida aos ateliers existentes. Foi, ainda, inaugurada a exposição “Experiências vividas com o olhar no futuro” com os trabalhos dos artesãos José Almeida (aluno da Academia) e José Gabriel (formador nos ateliers de inglês e informática”. Recorde-se que o Projeto Junto de Si tem, desde o início do ano,

uma nova Academia Sénior na União das Freguesias de Atalaia e Alto Estanqueiro-Jardia. A Academia Sénior é uma das áreas chave do Projeto Junto de Si, financiado pelo PRODER e cujo principal objetivo é criar, dinamizar e organizar atividades culturais, recreativas, de convívio e de aprendizagem sobre diferentes temas, através de um modelo de formação não formal.


JUNHO de 2014 | Montijo hoje

Autarquia apoia Bombeiros

Presidente defende construção do novo aeroporto em Canha Nas comemorações do Dia da Vila de Canha, no dia 16 de fevereiro, no Salão de Festas da Santa Casa da Misericórdia de Canha, o presidente da Câmara Municipal do Montijo, Nuno Canta, defendeu a construção

nacionais de comunicações. A construção do novo Aeroporto de Lisboa tem profundas implicações no nosso território. Deve representar uma oportunidade excecional de desenvolvimento e servir para

aumentar de forma sustentada a qualidade de vida e ambiental do nosso concelho”, afirmou. As comemorações do Dia da Vila de Canha, que assinalaram os 842 anos do Foral de Ca-

nha, tiveram como destaque a homenagem pública a António Comenda Henriques, antigo presidente da junta de freguesia, e contaram com diversos momentos culturais pelas associações da freguesia.

do novo Aeroporto Internacional de Lisboa. “Não podemos deixar que o Governo continue a adiar a construção de uma infraestrutura que coloca o território de Canha no centro das redes

Aniversário da Freguesia de Sarilhos Grandes A Freguesia de Sarilhos Grandes celebrou o seu 166.º aniversário no dia 18 de abril, no Salão da Academia Musical União e Trabalho (AMUT). Na sessão solene, o presidente da Câmara Municipal do Montijo, Nuno Canta, defendeu que só com a “aplicação dos princípios da autonomia, da descentralização e da subsidiariedade é possível

reforçar a capacidade de intervenção do poder local democrático”. Nuno Canta reafirmou, também, a sua disponibilidade, enquanto presidente, para cooperar de forma construtiva com a Freguesia de Sarilhos Grandes “em nome da defesa do interesse público, da ética da responsabilidade, do pro-

gresso e do bem-estar dos sarilhenses”. Nas comemorações do 166.º aniversário da Freguesia de Sarilhos Grandes estiveram, ainda, presentes o presidente da Junta de Sarilhos Grandes, Joaquim Batalha, o 1.º secretário da Assembleia Municipal, Pedro Carromeu, e o presidente da Assembleia de Freguesia de Sa-

11

rilhos Grandes, Jorge Serrano. Uma noite de festa, de elogio às gentes de Sarilhos Grandes, de recordação e de exaltação da história e do património desta freguesia, mas também uma noite com um olhar no futuro através da apresentação do novo sítio web da junta de freguesia, disponível em www.jf-sarilhosgrandes.pt.

Promoções, condecorações e a bênção de uma ambulância patrocinada pela Câmara Municipal do Montijo, Junta de Freguesia de Canha e União de Freguesias de Pegões, fizeram parte do programa das comemorações do 31.º aniversário dos Bombeiros Voluntários de Canha, no dia 28 de abril. Nuno Canta garantiu que “continuará a dar o seu apoio empenhado a esta associação de bombeiros, certo de que esta é a vontade dos montijenses e dos canhenses” e enalteceu a importância do voluntariado. Nesta cerimónia evocamos “a capacidade dos cidadãos se unirem e fortalecerem como comunidade, fazendo da generosidade, da responsabilidade, da entre ajuda e da colaboração um meio para ultrapassar os obstáculos e vencer as dificuldades”. Recorde-se que também a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Montijo recebeu 40 fardamentos de trabalho oferta da Câmara Municipal do Montijo por ocasião do seu 105.º aniversário no dia 26 de janeiro.

Aprender a brincar com o Mestre Zé Baril A I Semana de Prevenção e Segurança do Mestre Zé Baril foi uma iniciativa da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais em colaboração com o Serviço Municipal de Proteção Civil de Montijo e os Bombeiros Voluntários do Montijo. O evento decorreu no Forum Montijo, entre 19 e 23 de maio, com a participação de 670 alunos, que tocaram sirenes e visitaram as viaturas dos Bombeiros Voluntários de Montijo, Canha e Alcochete. No decurso da iniciativa, os discentes aprenderam técnicas com a Cruz Vermelha, subiram a veículos da Força Aérea da BA6, ouviram os conselhos da GNR, da PSP e da Polícia Marítima. A Semana de Prevenção e Segurança do Mestre Zé Baril, destinada às crianças das escolas do 1.º ciclo, visou sensibilizar e aprofundar as temáticas da prevenção e da segurança, com o intuito de criar práticas salutares para evitar comportamentos de risco face aos fenómenos naturais ou tecnológicos.


The next picture

Até 31 de julho, a Galeria Municipal do Montijo oferecelhe a oportunidade de apreciar o trabalho e o talento da pintora Paula Sousa Cardoso. A exposição “Mirrors” é o mais recente projeto desta pintora portuguesa que venceu o prémio de pintura da VII Bienal de Artes Plásticas Cidade do Montijo – Prémio Vespeira, em 1999. Segunda a sábado: 9h00-12h30, 14h00-17h30.

O concelho em festa

As Festas Populares de Santo Isidro de Pegões tiveram lugar de 16 a 18 de maio. Até setembro, no concelho do Montijo irão decorrer as seguintes festividades: Festas em Honra de S. João (Pegões) – De 20 a 24 de junho Festas em Honra de S. Jorge (Sarilhos Grandes) – 18 a 22 de julho Festas das Vindimas de Foros do Trapo – 8, 9 e 10 de agosto Festas de Nossa Senhora da Atalaia – 29 de agosto a 1 de setembro Festas de Nossa Senhora da Oliveira (Canha) – 5, 6 e 7 de setembro Festas de Santo António das Figueiras – 12,13 e 14 de setembro.

Festas Populares de S. Pedro 2014

É o maior evento cultural do nosso concelho. Momento de encontro entre montijenses e visitantes, as Festas Populares de São Pedro invadem a cidade de 25 a 30 de junho. Numa celebração do Montijo de hoje e, também, das tradições oriundas do tempo de Aldeia Galega, as Festas Populares de São Pedro reúnem os momentos religiosos às manifestações profanas. Às procissões em honra de São Pedro (29 de junho) juntam-se os espetáculos musicais de Quim Barreiros, no dia 30 de junho, e de Rouxinol Faduncho, dia 26 de junho. As tradições taurinas são elemento fundamental das Festas de São Pedro. Este ano, há largadas todos os dias e a corrida de touros é no dia 28 de junho, com os cavaleiros João Moura, Luís Rouxinol e Manuel Lupi e os Forcados Amadores de Montijo.

vências da classe piscatória montijense. E depois…tudo o resto! Festas de São Pedro em Montijo são também sinal de muita música popular, bailes, folclore, bandas filarmónicas, Bibe Elétrico, feira,

carrosséis, Marchas Populares e noite de comes e bebes com muita sardinha assada, febras, chouriço na brasa e caldo verde. Venha celebrar os santos populares! As Festas Populares de São Pedro esperam por si!

As Festas de São Pedro 2014 assinalam, também, uma data importante para a forcadagem montijense com a exposição “Grupo Forcados Amadores de Montijo: 50 anos de história”, que será inaugurada no dia 27 de junho, no Museu Municipal. Outro momento de relevo cultural e de grande significado para a comunidade montijense será a inauguração, no dia 26 de junho, do Museu do Pescador. A partir desta data, a antiga Escola Conde Ferreira vai passar a albergar o espólio da Sociedade Cooperativa União Piscatória Aldegalense, conferindo assim maior visibilidade ao património cultural, às tradições e as vi-

Inscrições abertas Montijo Jovem 2014 Até 14 de agosto estão abertas as inscrições para o VII Concurso de Poesia e Ficção Narrativa “Montijo Jovem 2014”, promovido pela Câmara Municipal do Montijo com o objetivo de descobrir novos talentos na área da criação literária. Desde 2001, que o Concurso de Poesia e Ficção Narrativa tem sido um exemplo de sucesso na política cultural do município do Montijo, tanto pela quantidade dos trabalhos concorrentes como pela qualidade das obras vencedoras. Qualquer cidadão nacional ou estrangeiro residente em Portugal, com

idade compreendida entre os 15 e os 25 anos, pode candidatar-se ao “Montijo Jovem 2014”. Os vencedores das duas categorias recebem um prémio monetário unitário de 1250 euros. A câmara patrocinará a

publicação dos trabalhos vencedores, podendo, ainda, promover a publicação de outras obras a concurso. Para mais informações consulte o regulamento do concurso em www. mun-montijo.pt.


Montijo hoje 01 junho 2014 web